Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17631


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AiVVO L. MMERO 93
-

rARA A, CAPITAL E LUG&BJES 0\DE rt!o SE PACA POBTE.
JPor Ires mezes aJiautaJos...............t 69000
Por seis ditos idem...........]......129000
Por urn anno idem.................m 24000
ada numero avulso........!!!!....! 9320
SABBADO 25 DE ABRIL DE 1874
f
PAM A MNTBO B FOBA BA PBO% l\C IA
For tres mezes adiantados................ 19750
Por seis ditos idem................- 1895oO
Por nove ditos idem................. 109380
1'or um anno idem................... 379000
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA FILH0S.
* S. Gerardo Antonio Alves Pereir. d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxoncio Monteiro da Franca, na Jarahjba ; Antonio Jo* Gomes,n. Villad. Penha; Be'armino dos Santo. Bulcio. em Santo AnUo ; Domingo. Jo* da CostaBraga. emHaxtretu5
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar da. AlagOat j Alre. d C, na Bank; e ieite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFHCIAL
C*ovei*uo (la |r>\ iuciu
Keparticao Has ohras pablicae, em 17 de abril
de 187V. Exii. S.-. presideute. -Tenho a lionra
de enviara V. Exe. em offlcic desta data os pa-
peis relativns ao projecto de construcgao de arn
Asylo de ulienadns para a pravinoia ie Pernambu-
co : sao dasenlios geraes, e iT'/amento da.* desne-
zas a fazer cum a construcgao da irimeira parte
do ediflcio.
Nada tenho a accreseentar ao que disse em m>u
referido ollbio sobre a execugio pareial do asylo :
e isso questao de im>ra convpnhncia adninistrati-
va e talvez tambom o meihi r meio de eoasgnir
novos donative*.
Deseji, no entretanto, expor a V. Exe. 0 resul-
tado de minhas reflexdea sobre a* condicSe* do lo-
cal escolhid 1 para o estabeleeiriento do asylo.
I. 0 asylo deve ter en vista a eura; quando
possivel, 0 allivio pm todo n caso, i.*to e, 0 socego
de espirito do j ifeliz alienado. Todas as coadi
goes que favor-'rem ami e oatra coma d-ven >er
tomadas em eoiwideracSo e aproveitadas.
Para os asylo* da zona temperada a experiencia
tem mostrado que se deve eseolber luganis salu-
bres, f rese >s, rodea 1os de arvores, de liorisonle
risonho mas limita !o. Tcnlni voto inuit^)* asylo*
de alienado*; em neuhnma parie, porem, vi pro-
curar-se para 'a. Km as grande* paisagens, 0 mar,
as raontanha*. que dao azas ao e-pirito e por isso
mesmo offereceoi nonstaate aluoenlo as pertarba-
coes cerebraes. Tambem a visiDhanca do mar e
desfaroravel aos alieaados, em i .inse.juencia do ar
salino, qne spndu tao notavelnvnte ^xciunie que
serve de poderoso remedin em maitas moleslias,
6 por isso mesm < prejudicial ;. i tralament0 das
molestias ineniaes.
Parece-me qno n que flea exposto tern no ca*o
bem iasta appliracio.
Subiado polo Capibaribe, se en^onira precisa
mente as coudic'iesapootadas ii'' silubridadn, fres
cura, horisinte risoano mas limitado e de bo-ques
' que cobrindo as prximas emiceneias prestim o
triplice service d< conservar a Ireseora, deleilar a
vista e propon-i'inar excellente pa*s;io.
Bem sei que essas rondicdes sio muito aprecia-
das pebs habilaiiles do Kerif e que por isso e ho
je muito alto 0 preeo do terrem\ Entretanto quan
do se pas*a Apipucos, se arh.i desse lugar ao
Caxanga uma serie de onteiro* tompleUfneote co
bertos de arroredos, perteacente* a va*ios enge-
nhos. aioda nao alotado^ para casaa de campo
Principalmeni.'n> eng-'iihi Brnti, bem em frente
da ejtajao da via ferreano Cixaaga ha um terre-
no que conviria maravilhosamente ao estabeleci-
mento pmjectado ; oediflcie ti-Ni/la sobre uma pe
quena eminencia, ilominando 0 vatlo do Capibari-
be e uma serie de eollfaas, tod.s eobertas de ar-
vores, formanam com pouco distendio um parque
atainvel.
Si, comn our" dizer, 0 engeui: 1 3rum deve ser
breveTieote vendido em lotes, e bom aproveitar
tao ex?elli"nt'' cu'i-asiao.
Accrt-scciiiarci |ue a agua d < Capibaribe pode-
ria ser levada ao lo.-al de que *i? trail sem grande
diCQculdadc.
Duvid,' que a ilha do Xogueira oflereea tao buas
coadicSes saoilari is, nem mesTMt que se aproxi-
jnem.
Ella e baixa e s'.ije'iia a* febros intermiientes co-
mo a propria cidade >l > Kecife : I'xposta a aci'ao
directs d > ar saknu por dem^. -i sitaote ; nao ar-
borisada. porque cus eoqueir nao dao sombra
r outras espeeie* t\c. arvores na 1 medrariam talvez
nesse terreno, emqnanto i|ue 11 oulro lu;;ar se
tem basqui-s verdeiantes e chei >s de vigor. Ao
depots, eu nao acredito que ;: vista conslanle du
.mar e desoa agitarSo eoiutaote sc-ja de facto uma
condifSo de repfU-.
Emfim. dil o-hei a?cessiir!aio.nte,a agua doce
nao pcdeia ser levadi a ilna du .Nogueira jenao
em canoas
II. Pa-sp preriso qua 0 a?ylu esi;ja situado
jwrto da i-i.l i le para permittir a facil circulacSo
de medicos pr nm ladoe poroitro a visiia diis
parentes dos nl'.r;. -
A poMi;.in iln ri:ang;i. com a paitida de seus
irens de eaoiinh-i de ferrn di; !i 11 a em hora e uma
hora somente de Irajecto, sati*faz perfeitamenie a
ssas eondicSes. ^riaes vantai."1.'!* offereceria tam-
bem a via fern ; le ->. Francis >, entre Afoga Cos
e 0 Cabo, >i se eacontrasse nessa listaucia um i> mi
local.
Para a jlha do Nogueira a distancia e pequena;
mas, a menos que se nao orpaai;,e um service de
canoas ou de escaleres ad hoc. sera muito caro e
relativamente diffi'iil la ir e de l.i voltar.
III. Suppouhamos agora 0 lo.al esc Ihido, A
disposn.-ao das parte* depsnle desta primeira
questa'..
Que regimen couvem f;zer seguir aos doen-
tes para os levar por um trabalho manual muilj
regular, ao repouso do eaptrito ?
Na Eoropa so tem convindo em applioar na
inaior eseala possivel os alieiiad s ao trabalho da
terra, quer a borlicul ura, quer a agricultura.
E' assim que se pralica no a:.ylo Samte Anne
*sm Paris. Tambera ahi os edificios sao rodeados
de terrenos destinados a* cultora* e os diversos pa-
vilhSes du doeoles sao separai.! >s por paieos plan-
tados*
Na zona equatorial parece uao se estar de ac-
cordo no empregi dos alienajos ao trababo ma-
nu*I da terra. Si mc nao engaoo, 0 asylo do Bio
de Janeiro, que diznm perfeitamenie montalo, fai
trabalhar ns loucos no interior do estabelecimento
em grander salas, ondeelles sao occupados em di-
versas industrias.
Parece-mi' qne couvira seguir aqui este ultimo
exemplo. Entao os terrenos que rodearem 0 edi-
ucio deveriio ser divididos em avenidas plantadas
para passeio e nao di stinados a cultura ; e irnpor-
tara muito preparar no asylo um pequeno numero
de salOes para o trabalho industrial. Isso obriga-
ra a mJiliear soosivelaMote 0 piano do asylo
Sainte-Anne para adapta-lo ao asylo de Pernam-
buco.
IV.
Pfocurou-se em Sainte-Anne isolar completa-
inente a casa de residencia do pessoal medico e
adrainistralivo do edifijio occupido pelos loucos.
') motivo allegado e que 0 contacto permanente da
atieuarfio mental e perigoso com 0 and po para 0 espirilo dos empregados. E", pois, util
limitar esse oonlaclo as neces-id ides do servico.
Semelhanle prccau^ao nao foi altendida no pro-
jecto apresentado por esta reparti^Jo. Nesse pro-
jecto bouve grande preoc-.upajao em formar uma
fachada vasta e monumental, que nao e na verda
de des'provida do cabimento, ma) que no odificio
nao se t'irni n'-cessaria, attento 0 sen dostin >.
Basil qni' i;-; na c.i, cuj* faehaia annon-
mr um ediiicii public >, que ser.i a ca>.i da almi-
nistrai;;io. il inqueada de dous jardins ou Je gran-
de* arvjres. Por deiraz dessa caa, enlao, com um
jardira intennediario e distributes symetneamen-
te a direita e a esqucrda, estarao os pavilhSes dos
aiienados, que poderao, por isso que nao sao vistos
de longe, ser simpbsmente formados, como con
vem, de um pavimeolo terreo e de um primeiro
andar.
A capella sera collocada uo cenlro, como uma
igreja de aldeia no meio das habitacoes, no mesmo
lugar onde se collocou em Sainte-Anne uma casa
para os servicos geraes.
Aqui termino esias reflexoes,. E' aos medicos
ienistis que compste resolveras quest3e3 sob ns.
ar9'IU. Earae colloquei certataente en um ter-
reno qoe nao me e familiar, ft por isso apeaas me
Umilu a suometier ininUasdovidas.a V. Exe.
Passando a uuta outra ordem de ideas,- leaibrei-
ini de apreseutar tambem a V. Exe. uma object0
contra o estabelecimento do asylo de aiienados,
quer na ilha do Xugu.-ira, quer em um outro ter-
n-no do Delta do Capibaribe, abaixo da ponte da
Maglalena. Nao se pode prever quaes serao as
necessidados da navegacao mantima dentro de al-
guns annos. Quando todos os terrenos di*poni-
veis sobre a margein esqucrda do Capibaribe fo
rem oeeupado< por caes destinados a carga e des-
earg.i, quern sabe si a ilha do Nogueira nao offe-
recera um poulo util para 0 estabelecimento de
grande* armazens s'bre docas ou de uma bacia de
reparo ou de um e.-taleiro de construccio, de qae
ninguem presentemente se oecuna, mas a que se-
ra preciso um dia abrir espaco?
Eu temer 1.1, emiilindo opiniao favoravel ao esta-J
belecimento de um asylo ou de qualquer ouira
consinweai) s"m r- lacao forc-adar com 0 mar na
ilha do Nogueira, comprometter os interesses do
commercio maritimo em um futuro mais on me-
nos proximo.
No entretanb e mais pruvavel que essa ilha ve-
nha a reeeber an forte destioado a dominar a bar
ra do Limeirai e a impedir ao mesmo tem^o um
desembarque inimigi. em um panto qualquer do
Delta do Capibaribe, Esle forte rodeado de ala-
gados e -de um brago de mar sera quasi inexpug-
navel; podendo alias cruzar seas fogos com outro
forte collotad > sobre as emineneias de Olinda, sem
*er dominad'i p t nenhuma elevacaana distancia
de elfeito util de uma bateria.
Quando a- fortalczas do Brum e do Buraco li-
ver em cedido suas areas a es'.abelecimentos in
dusiriaes, quando a das Cinco Pontas f6r demolida
e traasformada em e*tacSo principal da via-ferrea
de S. Frauciscii (e ess 1 sua situacao natural), se-
ra a ilha do Nogueira que apresentara ~o uielhor
local para uma nova fortaleza, montada com pecas
de grande alcance, que dominara a barra e defen-
dera 0 baixo valle do Capibaribe.
Bem pode ser que isso em oreve succeda, por-
que um dia 0 governo brasileiro, nao contente do
aperfeieoar os recursos que offerece ja a natureza
ao porlo do Bcciftl para ser um grande porto com-
mercial e 0 ancor; douro de uma esquadra, achara
convenient gara itir de qualquer ataque esse
grande porto,seu 1 send e sua barra.
E-tas considerai des serao sem duvida deseovol-
vidas mais tardeen relatorios especiaes. Julguei-
me obrigado desdt ja a indica-las a altenfio de V.
Exe, allm de qu< nada fique por escla'recer no
problema complex), que V. Exe. se propoz, toman-
do a iniciativa de undar em lugar conveniente um
novo asylo dealieiados para esta provincia. Deus
;uarde a V. Exe. -
publica", Victor Fmrnie.
>KSPACHOfJ OA PK :s
Padre Antonio J
.SIDBNCIA, DO DIA 23 DE ABRIL
DE 1871.
baquim Soares Informe o Sr.
inspe:tor da thesouraria provincial.
Antonio Francisi
que volte no mesmo
Antonio 'orreia
Sr. Dr. regedor iul
Anna de Salles
de Medeiros. Sim, uma vez
vapor.
lOomes de Almeida.Informe o
rino do gymnasio.
pavalcante Gaimaraes. Infor-
me o Sr pro.edoi di Santa Casa de Misericor-
dia.
Companhia 1-Vrr
sistindo o despac
ferii-.
Carlos Camillo (J
sera tornado em
o supplicaotf.
Capilio Jose Joaj^uim
Maria da Conce
Man .-I Augusto
do, a vista do que
correios.
Bacharel Nabor
Informe o Sr enge
Theresa Maria d(
dor da Santa Casa
Tcixeira, Chaves
gando-se os suppli
RECIFE, 25
0 engenhelro director da* obras
Carril de Pernambuco. Sub-
to anterior, nada tenho a de
arlim. Deferido com o offlcio
desta data a tliesourana de fazenda.
Irmandade do B>
Santo. Informe
provincial.
Jose Vicente Feilreira Barros.Opportunamente
c- Hsi.br.ieao devida o que ped
im Jesus dos Passos do Corpo
9 Sr. inspector da thesouraria
ioelho.Forneca-.-e.
gao de Jesus De-se.
da Fonceca e Silva. Indeferi
knformou o administrador dos
Carneiro Bejerra Cavalcante.
[ibeiro das oliras mditares.
Paula S:rafma dos Santos Lemos. -Sim.
Jesus. Informe o Sr. prove-
ie MisericorJia.
i CSejam concedidas, obri
tanle3 por um termo hvrado
na repartigao das i bras publicas, a empregarem
as pedras pediJas t o calc-amento das ruas, por on
de passarem os tribos da empreza, e que nao es
tiverem calcadas.
DlAREOUBPERNiMBlTOl)
DE ABRIL
.Hoticius Chgou hontem pela manha o vapor francez
Vtllede Santos, Irazpudo dalas de Lisboa ate 8 do
correate.
Dos jornaes e cirtas recebidos olhemos o que
segue :
FRAKgA.
Contimia a ser o lliema das discussoes politicas
a carta do oiarechal presideale Mac-Mahon ao mi-
nistro do interior, publicada pelo Jornal Official
em que o presidents da republica agradece ao mi-
uistro do interior de ter tao bom interpretado o
seu pensamento, e ajunlando que conhece os seus
direilos e os seus deveres, e qua elle sabera cor-
responder sempre a conQanca que-a asemblea na-
cional Ihe tem coneedido.
Os commentaries repetidos que'se fazem a este
doeumento, occupam quasi corapletamente as co-
lumnas das jornaes frncezes, uns consideram es-
te doeumento, em quanto ao texto ; outros, quan to
a* intenjoes occullas ; e outros ainda em relacao
a opportunidade.
Pergunta-se porque motivos escreveu o mare-
chal, quando o seu rainisierio bavia tide maioria
sufficiente, e nao estava em risco algum de
crise.
Dizem outros que o marechal Uac-Mahon, mais
susceptivel que o duque de Broglie teria desejado
que o septenado fosse mais firinemente accen
luado, em vista da especie de queia moral, de que
a extrema direita o tinha declarado suscep-
tivel.
Mac Mabon tinha resolvido primeiramenle en!
viar uma mensagem a assemblea neste senlido -
mas ele passo podia trazer consigo uma ruptura
entre os Srs. de Larcy e Depeyra, e por conse-
quencia a queda de todo o ministerio.
Assim, depois de uma eatrevista entre o mare
;hal Mac-M.ih in, e o* minlaiirio* do cnnle de
Chainb .rd. os Srs. Civiynn-Lat ur e i^izenove de
I'railine, 4lpi is it ti-n biflselho de. mmistro-, e
depois de inuitas conferencias e uombinacoes, con-
tentaram-se todos com a caria, que o Jornal Offi
cinl publieou
Nio elucida a qnestao. Cada partido pode con-
tinuar a aereditar ou qae o septenado esta
prorapto a todos os compromissos, como o autorisa
asuspeitar a attitude do duque de Broglie; ou
que o septenado tenciona manier-se, -mesmo con-
tra um voto deflnido da assemblea se esta o qui-
zesse por ventura destruir; esta interpretacao re-
sulta de nm artigo da Preste, cuja inspiragao e at-
tribuida as pessoas que mais de perto rodeiam o
presidents do poder executivo.
A assemblea nacional tomou ferias desde 28 de
marc*, ate 3 de abril.
. 0 Sr. Batbie ja appresentou a assemblea na-
cional o projecto de lei eleitoral elaborado pela
commissao dos trinta. Este relatorio nega aber-
tamente o principio do suffragio universal que
nem- mesmo consideram cjidj u n direito, mas
como nma funcgao, isto e, ;omo uma cousa que se
pode alargar ou resiringir a vontade, e segundo
as circnmslancias ou os caprichoidas maloriaa le
gislativas.
Expr me o pesar da miioria da commissao pela
impossibilidade de orga lisar a repre-enlapao dos
interesses como meio corrective a tyrannia do nu-
mero.
A assemblea entrou em ferias no dia 28
de margo para se reunir somente no dia Ii de
maio.
Oitenta e tres deputados da extremi esquerda
apreseutaram uma propost'a de disssolugao da as-
semblea. A proposia foi previamente submettida
aoexame das comnissoas direc'oras das tres frac-
eoes da opposigao.
Estes approvarara a em principio. As objec;oes
apresentadas versavam sobre a opportunidade da
apresentagao e s Are o peiigi de um voto sobre a
urgencia. Besolveu-se pois fazer a apr^eutagao
da proposta, mas sem se pedir que fosse dada para
ordem d > dia.
A queslao acha-se estabelecida dianle do pail,
e foi apresentada a assemblea, para ser tomada era
considerapan no momento opportune
0 Sr Pelletau annunciou uma iaterpellagao
sobre os enterros civis. 0 Sr. Pelletau pedb que
ella fosse dada para ordem do dia em 20 de maio,
oito dias depois da reabertura dos trabalhos par
lamentares.
Na sessio de dia 25 teve lugar a discussao
da lei relativa a prorogagao dos pod?res dos con-
sclhos municipaes
Huve duas votag5es: na primeira foi rejeitado
o contraprojecto da commissao por 377 votos
contra 302; no segundo foi.ajprovadi o projecto
do governo por 33i votos contra 45.
Depois do primeiro escrutinio a opposigao abste-
ve se com o nm evidente de tornar nullo o voto da
maioria ; e effectivamente o seria sem os 45 votos
pronunciados contra o projecto ministerial; os 33i
votos que se pronunciaram em favor da lei, n5o
formam a maioria absoluta cxigivel para a valid,i-
de do voto, nem mesmo a maioria absoluta dos
membros presenles, eoaw tinha sid) averigiada
pelo precedente escrutinio.
Assim a victoria do governo foi devida aos votos
contrarios e se estes tivessem cencordado com a
abstencao dos seus collegas, o voto teria sido
nullo.
Concluio-se a di3cussao sobre as fortificacoos de
Paris.
0 Sr. Tbiers pronnnciou um discurso bastaite
desenvolvido, apoiando se em considerajoes linan-
ceiras e esirategicas para combater o projecto da
commissao, e defender o systema menos desen-
volvido de forlilicar-oes.
Apezar disso a assemblea adeplou o projecto da
commissao por 389 votos contra 193.
O Sr. de Broglie, expoz a commissao cons-
litucional as ideas do governo, sobre o modo de
constituifao e atlribuigoes da camara alta Quer
fazer de la casa do parlamento um dique aos ex-
cessos da camara electiva, e compol-a metade por
via directa, parto de membros chamalos em
consequencia de suas func.;5es, e part por
um decreto de nomeieio emanado do poder
executivo ; -a cutra metade da camara sera cha-
nt ida as suas funcgoes por eleigao, mas feita por
collegios especiaes.
Esta assemblea, representagio de uma oligir-
garchia bureaucratica militar on ecclesiaslica go
zaria dos poderes mais vaslos, teria o direito
de iniciativa como a outra .-amara, e parlilharia
com o poder executivo, o direito de dissolver a
segunda camara.
A commissao adiou ate depois das ferias o estu-
do deste projeeto do governo.f
Na ultima sessao da assemblea nacional fo
ram admittidas as propostas de lei conlirmando o
duque de Alencon e o duque de Pentievre nos seus
graos mililares, e o projecto de lei autorisando o
govern) a le van tar o sequestro sobi^o; bens im-
moveis que co npoem o dominfo particular do im -
perador.
SUISSA.
Por occasiao da proxima votapao do pjvo suisso,
sobre o projecto de revisio constitucional, adopta-
d i pela assemblea federal, o oioselho federal aca-
ba de dirigir ao povo uma proclamapao em que
recommenda calorosamente a approvagao da nova
constituigio, que deve ser uma origem de p-ospe
ridade para as geragSes actuaes e futuras.
Moito- conselhos cantonaes dirigiram procla-
nn^o^s analogas as populacoas ; o conselho de
Genebra absteve-s9 deixand) a maioria e a mino
ria do conselho, a faculdade de fazer um appello
ao povo no sentido que lhe coavier, e sob a sua
responsabilidade.
0 conselho do pequeno cantao de Obwasden,
pelo contrario, decidio publicarcomo o de Fribur-
go, uma proclamagao para pedir a rejeigao da
constituicao reformada.
A lu'.a na de, pis. ser encarnif.ada, ainda que
parece qne a maioria dos sulTragios populares, 6
desde ja pela approvagao do projecto federal.
ITALIA.
0 rei Victor Manoel recebau no dia 22 de margo,
por occasiao do 25' anniversario de sua elevagao
ao throno, as felicita;5es dos seus compatriotas e
dos soberanos estrageiros.
A rainha Victoria, os imperaJores d'Austria, da
Allemanha, da Kussia, e o presidente da republi-
ca franceza dirigiram-lhe cartas autographas ; o
presi lente dos Estados-Unidos enviou-lhe um te-
legramma.
Os diseursos do rei em resposla as deputagoes
dos corpos constituidos do reino, tiveram todjs
caracter politico : A' commissao do senado,
o rei mostrou a obra nacional cumprida pelo accor-
do dos direitos do eslado com o respeito da reli-
giao. A' commissao di caraira do* deputados
indicou a liberdale garantida pelo accordo da co-
r6a e da vontade nacional representada pelos seus
ebitos. Aos delegados das coraraunas e das pro
vincias, disse :
< A unidade da Italia e hoje um penhor de
paz para a Europa ; esta unidade de que o rei
Carlos Alberto tomou a glorio3a iniciativa foi con-
summada pelas virtudes do povo italiano. >
INGLATSRRA.
A mensagem das camara* inglezas em rspo*ta
ao discurso da coroa, foi votada sem grandes de-
bates. 0 Sr. Gladstone declarou que nao queria
suscitar embaracos a marcha do governo.
Logo depois de sua abertura eucontrouse o
parlamento em face da epocha das ferias da Pas
choa, devendo adiar-se a discussao do orgamento
pan d-pii* das feria*, e nio tendo sido votalo
o inconrt.u: >eoao ale, ao prinMir) de ahril de.*t>
anno ; vio.se o governo em serios embiracos para
ontiuuar legal.nente a cobraugi direce'itapu-
bii 'A provenieate desta fonie.
0 governo resolveu, pois, fazer votar pela ca-
mara a prorogagao provisoria, segundo o aconse-
Iha a imprensa ingleza e especiaunents o Times.
0 governo inglez annunciou a camara dos lords
que conlava apreseutar um projecto de lei autori-
sando- o a contrahir um emprestimo de dez rai-
Ihdes de libras sterlinas, lestinado a vlr em au-
xilio das pjpulagoes indias, dizimadas pela fo.ne.
A passagem do discurso da rainha de In*
glaterra em que esta soberana annuncia que ella
exercera a sua influencia para a manutencao da
pas, e estrieta observagao dos deveres interna-
cionaei, 6 geralmente considerada em Paris como

um prolesto solemae contca a politica de absten-
gio praticada pelo aniigo g.biuele. Os jornaes
ing!eze"t> deram tanta importaocia ikeste pm-
t), mas. interpretagao deve ser exacta ; resta,
porem, saber em que sentido se exercera esta in-
fluencia.
As tewencia* conservadoras que dominam actu-
alinente em Inglaierra sao essencialmente pro-
testantet, e sob este ponto de vista, p)deriam sjr
men>s fivoraveis aos interesses da politica clero-
m-marehici, preponJerante em Prang i, de que
era a abden;a> systemalica di pirtiJo liberal.
Oi home-rubers da Irlanla, que crearam tan-
tos e.nbaragos ao partido liberal, nao ganharam
granle cousa com a raodanga politica.
(Jma'emenda proposta na camara dos comrauns
pelo seu chefe o Sr. Butt, a resposta ao discurso
da coroafc encontrou oppo icio declarada tanto da
pane d governo com) ds pane da antiga admi-
nislracio.
Os irlandez's perderam cjm o Sr. Glalstine
um protector intelligeute, com) nio tornarao tio
depressa a encontrar ; e a ingraiidao de qne de-
ram provas contra o panid<-. liberal, ternara este
mais circumspecti da futur: para com elles.
Annuncia o DiilyNiWi ijue o governo ap-
prjveitara a primeifa occasiai favoravel para por
em liberdide os prisioneiros leniancs.
0 Sr. Disr ieli, toman Jo esta medidi, sera conse-
quente comsigo mssmo, por iss) que sempre com-
bateu a amnystia pareial do Sr. Gladstone, sus-
tentando que lodos os prisioieiros deviam ser
oostos em liberdaJe.
Dju* dii* membros do ministerio inglez e
muitos candiJatos conservad irei, teado antes da
eleigoes promdllido apoiar as reclamagoes das
Trails Union contra as diversas eis que regulam
as relac3es ealre os patroes e os assalanaios,
julgou o Sr. Disraeli, dever sahir (as difflculdades
que taes promessas trariam ao jabinete, intro-
duzindo a qucstao no discurso dacoroa e adian
do a sua resolu.-ao pelo subterfugio de um in-
querito real.
Assim que foi coohecida esta resolugao, os in-
teressalos levanlaram alt is clamorss e accusam
os operarios recentemente eleitos os Srs Butt
e Mac Donald, de terem .trahido tobs os compro-
missos que Invia ii conlrahido antes da eleigao,
pela aceiiagao do encargo de membros da com-
missao de iui|uerito.
0 Sr. Hughes que c um dos meirbros da com-
missao mais m.iltratado pelos membros da Trades
Union, dirigio ao jornal Bee Hivi, orgio das
sociedades cooperatives, uma carU explicando o
seu procedimento.
Conta que tendo sido conjunciamente com o
Sr. Butt chamado a presenca da Sr. Croy, este
nist hi vivamente com elles para que aceitassem
o in inJat., que o governo Ihes queria conferir ;
e que pedmdo elles aUum tempo para consultar
os sous" amigos, fii-lhes unicamente conce lido o
prazo de tres luvas, durante as quaes nao pode-
ram v^r^enao o Sr. Mac oonnia, u^wu^
Ihou vivamente a aceuarem e elle propno aceilou.
0 Sr. Mac-Oonall explicou o seu procedimento
em Lcds p.-ranle uma reuniio de delegados dos
operarios mineiros. Disse-lhes que o adiamento
era temwrario, pois que o ministro do interior
tinha priinellido que o inquerito estaria termiurdo
no decino da actual sessao.
Os sfu* committentes approvaram o seu pro-
cedimento c assim, e-ie grupo de operarios se se-
parou da opiniao da Trades Union de Londres.
Na camara ios commons o Sr. Dilke, depu-
tado radical, propoz que p >r occasiao das eleigoes
as urnas fiquem aberlas ate as 8 da noite ; actu-
aimente oescrulinio tormina as 4.
0 Sr. Cl). Dilke disse que desde que se admit-
ti o oporario a votar, era preciso dar lhe. tempo
de preenchei o seu dever civlco ; ora, os elei-
tores cujo :rabalho e o seu uuico recurso, os
melhoresecs menos dissipados acham-se na al-
tarnativa oi de perderem o seu dia ou de se
absterem d. votar.
0 governo combateu a proposta. ainJa que o
seu autor so contentava corn pedir a camara que
enviasse o esame dests queslao a uma commissao
e;colhiJa pa'a este fim ; foi rejeilada a admissao
da proposta por uma maioria consiJeravel.
Na camara dos communs o Sr. Crns, ministro
do ioterior.respondendo ao Sr. Anderson, declarou
que o governo nio recommeaJaria a rainha a
liberla;ao dos prisioneiros feuiauos. Optra ligao
para os descontentes e em especial para os irlan-
dezes, que tinham esperado obier do Sr. Disraeli
o que o Sr. Glad-tone Ihes recusava. .
Na camara dos lords o chanceller do echiquier
desenvolveu os pianos de reforma que o novo go-
verno (rata de inlroduzir na legislagio actual,
sobre o regislro dos titulos de proprledade rustica.
A nova lei trara.de ceilo alguns melhoramentos,
mas uao attinge ao fundo da questio.
Pelo registro tornado necessario n'ura prazo de
tres annos dos titulos de propriedade, simplificar-
se-ha o modo de transmissio da terra ; e evitar se-
hao delongas e despeza? do buscas consideraveis,
mas a propriedade territorial nem por isso fieara
menos feudalisada.
As leis de primogenitura e de substituicao con-
liuuarao a immobiliar a terra em algumas maos
privilegiadas e a condemnal-a a uma esterilidade
relativa, e a prohibir o accesso a propriedade a
classe mais propria para a fecundar.
0 chanceller do echiquier disse no parlamento
que todos os creditos votados para a guerra* con-
tra os ashaulees haviam sido absorvidos e que era
preciso prover a um excedente de despetas, por
um novo credito de oitocentas mil libras.
HULL AN DA.
As operagoes contra o reino de Atchin estao
momentaneamente suspensas. O general Van Se -
vieten embarcou para a Batavia, deixando porem
um exercito de occupacao de dons rail bomens
command ad-is pelo general Verspeyck, que soli-
damente se installara nas posigdes conquistadas.
Uma terceira expedigao voltara no mez de ou-
tubro, se ate la os chefes atchinezes, que querem
c mtiuuar a luta, se nao tiverem ainda submet-
tido.
Na segunda camara dos estados geraes dos
Paizes Baixos bouve .uma interpellacao sobre os
negocios do Atchin; o ministro das colonias o Sr
Fransen Van de Pulte declarou que os recursos
votados para a gnerra do Atchin ainda estavam
longe de ter sido esgotados, e que o governo nao
julgara a sua missio terminada senao quando to-
dos os pequenos territorio* qae obedecem a che-
fes particulars nesta parte de Sumatra tiverem
reconhecido a soberania da Neerlandia.
A camara, satisfeita com as explicagSes do mi-
nistro, passou a ordem do dia.
RUSSIA.
Os jornaes ioglezes ocenpam se muito de nma
expedicao, ha muito tempo annunciada dos russos
do Turkestan meridional, e qne deve ter por dm
castigar e reluzir a mercd as tribus salteadoras
dos lurcomauos que infestam todas as comrauni-
cacoes da Asia central.
Lord Granvilie fez notar a camara dos lords
que uma expedigao desta ordem poderia nao ser
sem perigos para a situaccae do Afghanistan.
Em S. Petersburgo da-se a este respeito expli-
cagdes as mail saiisfactorias, e af&rmase que o
governo russo mostra desejos de obrar nesta ex-
pedigao de piano accordo com a Inglaierra.
ALLEMANHA.
0 parlamento allemao exauilnon na sua sessao
de 19 de margo, o artigo 17 do projecto de lei so-
bre a imprensa, pfclo qual e autorisado o chan-
celler do imperto a prohibir por dous annos a j
zes sao sujeuos na Alsacia Lorena, e pedio para
que a pena de prohibicao fosse limitada a seis
mezes.
0 conde Arnim sustentou o artigo do projecto
do governo accusando a imprensa provincial fran
ceza, no novo paiz do imperio de foraentar o des-
contenlamento ; e ajunlou que fora d s condi
goes actuaes, que alem disso se baseiam sobre a
legislagao franceza, o governo se veria reduzido a
impotencia. Os artigos mais importantes da lei
foraia pois approvados, assim como todo o pro-
jecto do governo.
-A coramissio do parlamento allemao encar-
regada do exame do projecto de lei militar, termi-
nou a segunda bitura do mesmo project). Na
segunda leitura do mesmo modo que na primeira
rejeitou por 22 votos contra seis o artigo primei-
ro, que fixa o effectivo em tempo de paz em qua
trocentos mil homens; e rejeitou igualmente uma
emenda prposla como meio de transacgio fixando
em 381 mil homens o effectivo do exercito.
Todos os outros artigos foram adoptados sem
mudangas.
0 governo, em vista desta votagio, viose obriga-
do a sabir da sua reserva ; o ministro da guerra,
presente a discussio declarou que o projecto de
lei, sem indicacao da cifra do effectivo da, paz e
inaceitavel pebs governos federae*.
A declaragao foi cathegorica e dada depois de
uma conferencia reunida expressaraente e presi-
dida pelo imperador, o general von Kamek disse
#,ue depois da suppressao do artigo, a lei nao
Uoha valor algum para o governo ; que o governo
tinha claramentc exposto o seu ponto de vista
dando uma cifra de 400 mil homens como maxi
mum e ao-mesmo tempo como cifra normal; que
as propostas da commissao alterariam esta com-
binagio e tornariam necessarios novos calculcs, e
ao mesmo tempo danam lugar a novas negoc'ia-
goes com os governos confederados ; que o go-
verno ja tinha suffliienteraente explicado as con-
sequencias que teria para o tempo raedio do
servigo e para as operagSes do recrutaraento a
uxagao de uma cifra media muilo reduJda do
efbcliro da oaz; e declarou terminanlemente
que os governos federae* nao aceitam as conclu-
sdes da commissao parlamentar, supprimindo o
enunciado da cifra do effectivo do exercito em
pe de paz.
0 imperador Guilher.ne na recepcao dos chefes
do exercito por occasiao de cebbrar o seu 77.' an-
niversario, aproveitou a occasiao para mostrar o
seu desgosto pela attitude da cemmissio parlamen-
tar, relativamente a lei militar. Nio Ihes oeculton
que uma nova crise ameaga a obra que elle creou,
e que tao bem tem sustentado a prova das duas
ultimas enema; entretanto disse que nao deses-
perava ainda de salvar a nova organisagao do ex-
ercito, e deu a entender que empregaria a mais te-
a iPr)rlDC"*la0t0 mais a guerra, mas (laui^diai..:. ^___ y
deseja concluir a sua obra predilecta da reorga-
nisagao do exercito.
Por occasiao deste anniversio foram a Berlim
congratular o imperador, todos os soberanos con-
federados, a excepgao do rei da Baviera e do Wur-
temberg, que consideram a sua obstengao como
fazendo parte dos seus direitos reservados.
Apezar de todos estes combates nao se receia
em Berlim um conflicto serio entre o governo e o
parlamento; apezar do governo insislir sobre a
necessidade de lixar por lei organica a cifra nor-
mal 1o pe de paz ; e a commissao teimar era nao
approvar esta insergao, deixou se a resolugao des-
ta questao ao parlamento ; o ministro da guerra
consente em transigir, admiltindo a cifra de 38i
mil como media normal. E' sobre este ponto de
transacgao que rolara a discussao no parlamento.
0 parlamento entrou na discussao da pro-
posta dos Srs. Woelk e Hiuschins, pedindo a in-
iroducgao do casamento civil em todos es paizes do
imperio. Muiios oradores toraaram a palavra para
ataca-la ou defender a proposta.
0 conselho federal introduzio muitas modi-
ficacoes no proiecto de lei destinado a completar
as leis ecclesiasticas, e pronunciando o ioterua-
mento e a perda do radigenato allemao, contra os
bispos e sacerdotes, que depois da sua destitui-
cao persistirem em continuar a exereer as suas
funcgoes.
Segundo o novo projecto correcto, ura ecclesias-
tico so pode ser destituido de s >as funcf5ea por
um decreto judiciario, mas a peua de inlemamen
to e de desnacionalisagao sera applicada pela via
administrative Esta lei que e, como se ve uma
lei de excepgao, deve enemtrar uma viva opposi-
gio, d5o so da parte dos ullramontanos, mas tam-
bera das fracgoes liberaes do parlamento, em ra-
zio do seu caracter especial.
Comegou no parlamento allemao a discjssSo
geral do projecto de lei sobre o papel raoeda que
o governo, para responder as necessidades mais
urgentes, fez diseutir em primeiro lug r. Todo o
papel moeda dos diversos estados actualmente em
circulagao, sera retirado e subslituido por bilhe-
tes do imperio. A cifra da emissao eleva-se a 58
milhoes de talhers. Cada estado tera a sua par
te proporcionada a importancia dos actuaes bi-
Ihetes em circulagao. Assim desapparecera uma
das chagas da Allemanha, que tem causado tan
tos transtornos aos particulares, como obstaculos
as relagoos commerciaes.
0 presidente da chaacellaria o Sr. Delbruck,
confessou que esta lei nao da satisfagio completa
a nenhum dos paizes interessados, e nao e mais
que um compromisso destinado a remediar aos in-
convenienies mats onerosos do actual estado de
cousas.
ALSTRO-HUNGRIA.
0 embaixador da Austro Hungria junto a Santa-
Se, vio o cardeal Antonelli, e foi recebido pelo papa
para Ihes dar explicates destinadas sem duvida a
attenuar a impressao que diciou a encyclica. Diz
se que o conde Paar eutregou a sua santidade
uma carta do imperador, em resposta a carta pon
tilicia.
Por outro lado diz-se que o imperador Francis
co Jose enviou ao conde de Andrassy a carta do
summo pontiflce, o que pareceria indicar que nio
entendia dever dirigir a sua santidade uma res
posta pessoal, mas enviar-Ihe com os respeitos de-
vides uma resposta do seu governo.
A camara dos deputados auuriaca manteve
a universidade de Insprnck, apezar de ser dirigi-
da pelos jesnitas, e de ter sido pedida pela com-
missao a sua suppressao. A maioria liberal do
parlamento, muito satisfeita c.ira a attitude do go-
verno e das suas ultimas declaragoes, nio quiz
aggravar as difflculdades da sua missio, desespe-
rando os seus adversaries e separando-se delles em
uma questao de importancia secundaria.
A cri3e ministerial hungara foi resolvi la fi-
cando com a presideneia do gabinete o Sr. Bitto,
que era presidente da segunda camara; tomando
a pasta da fazenda o Sr. Ghyczy, chefe do cenlro
esquordo, e a do commercio o Sr. Bartal*. As ou-
tras pastas sao conervadas pelos antigos minis-
tros.
Como se ve cahio complelamente a tentativa de
um ministerio de coallisao. Os chefes da esquer-
da Ghyczy e Tisza so_ aceitariam o encargo de
ministros com a condicao de uma reforma do pacto
fundamental. 0 Sr. Lonyay, deakista, e o Sr.
Sennyey conservador aceitariam os cargos, mas
lambem com coudigoes que se nao poderiam nun-
ea harmonisar com as dos outros partidos.
As camaras vao ser adiadas por alguns dias para
circulaelo dbs jornaes estrangeiros, a quem fosse' dar tempo ao novo minisierio de se orientar na
novo ministerio foi saudado por toda a
prensa c >mo um verdadeiro allivio, nao podendo
ser nma solugio deflnitiva das preoccupagdes pu-
blicas.
0 gabinete nio mudou de cor nem de forga po-
litica; deve apoiar-se na Dieta, como o anterior
gabinete, sobre o partido deakista desorganisado;
os conservadoros, os clericaes, OS ante dualistas,
representando uma minoria imponenle, conserva-
ram se desviados da nova combinagao.
0 gabinete Bitto e um gabinele de paciQcajap
provisoria, e de ensaio para tentar galvanisar ain-
da uma vez o vellio partido nacional; que nes-
tes ultimos tempos tem dado bastantes provas de
desfallecimenlo e de decrepitude.
0 novo ministro das financas o Sr. Ghyczy, ho*
mem politico do mais alto valor, mas quo ate ago-
ra parece ter iicado estranho aos negocios finan-
ceiros ; entretanto, confiase que o seu patriotis-
mo e a sua alta inleireza, po3sam supprir a sua
inexperiencia, fazendo-lhe conhecer a chaga pro-
funda que devora a Hungria, e os meios mais pro-
prios de a curar.
0 ministerio ja se apresentou na Dieta; o pre-
sidente do conseluo o Sr. Bitto, tomando a palavra
em nome do gabinete, annunciou que o primeiro
cuidado do governo seria por em ordem as finan-
cas do paiz, simplificar a adrainistracao e realisar
reformas economicas.
Quanto ao mais o ministerio procurara evitar
todas as queitSes qne possara dividir ainda mais
os partidos.
0 Sr. Ghyczy expoz na camara as suas vistas
sobre os meios de a melhorar; as suas palavras
foram bem acolhidas pela assemblea ; o Sr. Ghy-
czy, chefe do centre esquerdo, nio se pode im-
pedir de se pronunciar sobre a posigao excepcio-
nal era que se acha no seio do gabinete, onde elle
representa a antiga opposigao ; e declarou que nao
tem de mo!o algum a intengao de fazer reviver a
queslao do pacto dualista, mas que pelo contrario
o interesse do paiz reeomraenda ao ministerio a
obngagao de remeiiar o compromisso e de ter
com a Cisleithania relagSes conformes aos inte-
resses communs da Austria e da Hungria.
TCRQUiA.
A Poria Ottomana depois de ter regulado a
questao armenia-catbolica eucarregou uma commis-
sao deeffectuar apartilba dos edificios e fundagdes
da antiga communidade entre as duas seitas nas-
cida* da scisio hassounista. Os armenios ullra-
montanos protestaram contra a divisao dos bens,
por isso que os julgavara sua propriedade exclusi-
ve, em consequencia de serein elles os verdadei-
ros catholicos.
A mesma pr.Hene.ii foi formulada peles arme-
nios independentes, que consideram os ultramon-
taoos como scismaticos que volnntariamente se
separaram dos seus correligionarios.
A commissao, em presenga destas pretengoes que
mutuamente se excluiam, teve de se separar sem
ler^ rado com irapaciencia, e de que se esperavara ma-
ravilbas acaba dc ser publicado.
Foi redigido com o concurso de certo3 altos
funccionanos e directores di bancos empenhados
nos negecios da Turquia.
0 orgam.nlc apresenta-se cquiiibrado, salvo um
deficit de 800 mil libras turcas que se espera co-
brir pelas reducgoes Jas despezas.
Assegura se que o governo ottoraano conta
muito com os recursosVpie Ihe fornoceriam a sup-
pressao das capitulagoes e d)s tralados do com-
mercio ; mas para isso e preciso primeiro obter
o consentimento das potencias conlratantes, o que
se nao realisara tao rapidamente, como pen-
sam.
SERVIA
A primeira consequencia da mudanga ministe-
rial que acaba de ter lugar em Constantinopla, pa-
rece dever ser um novo confl'Cto entre a Porta e
os t.i'bs tributarios.
0 antigo gra-vizir tinha procurado reonciliar a
Servia com a potencia Suzerana, dando finalmente
satisfacao as suat legitimas reclamagoes.
0 actual gra-vizir Hussein Avni, antigo governa-
dor da Bosnia, declarou ao Sr. Christies, agente di-
plomatic do priucipe Milan da Servia, que o ga-
binete de Belgrado nao devia contas com a resti-
tuigao da praga de Zwornik, nem com a juncgao
directa do caminho de ferro da Boinelia com as li-
nias servias.
Esta notici.i produzio em Belgrado uma viva in-
dignagio; i viagem do principe Milan a Constan-
linopla, quo se devia realisar por estes dias, foi
adiada, sera prazo.
0 Sloyd de Pe-th diz que a Servia, em represa-
Iia3, vai deixar de pagar era devido tempo o tribu-
to a que foi obrigada para com a Turquia.
A questao servia, vai pois entrar brevemente em
discussa > e suscitar talvez uma interveogao das
potencias europeas nos negocios do Oriente.
0 novo gra-vizir quando foi governador da Bos-
nia, tinha-so ja portado de tal modo que provocou
uma intervengao diplomatica do imperio Austro-
Hungaro.
Os ultimos telegrammas apresentam uma no-
ticia inesperada, e e que a Porta prevendo as con-
sequencias de suas decisoes absolutas, esta dispos-
ta a reconsiderar e a consentir na juncgao da re-
de de caminhos de ferro da Servia, com o caminho
de ferro da Roumelia, perto de Nisch.
A serem verdadeiras estas noticias, o principe
Milan nao deixara de ir a Constantinopla para fa-
zer uma visita ao seu suzerano.
GRECIA.
0 novo ministerio grego, nascido de nma coali-
sao entre elemenlos poliucos heterogeneos e inccn-
ciliaveis, comecou da modo que nao parece presa-
giar uma longa carreira.
0 seu primeiro acto foi um erro politico, cuja3
conjequencias, apezar de moraenlaneamente afas-
tadas, nao tardarao a prodnzir funestas divisoes.
Em lugar de se occupar dos negocios do paiz, a
coalisao pedio um inquerito sobre a administragao
do ministerio Deligeorgi*; um dos signatarios des-
ta proposta. o Sr. Limbardos, que fez parte de um
dos ephemeros gabinetes que se tem succedido
ininterrompidamente desde 1865, nao receiou tra-
h>r o pensamento do seu partido, de fazer o pro-
cesso a propria realeza.
0 Sr. Lombardos exclamou que a realeza na Gre-
cia e antipathica a nagio, que tem tendencias re-
publieanas.
Estas palavras imprudentes qoe nao foram ver-
beradas, nem pelo presidente, nem pelos ministros
presentes, causaram no publico tal sensagao, que
se chegou a dizer que a camara acabava de pro-
claraara republica.
Quando o presidente do conselho foi ao paco dar
ao rei as suas explicates, ouvio duras veroades.
0 rei declarou.Ihe que em presenga da anarchia
politica que reinava na camara, esta*a disposto a
seguir o exemplo do rei Amadeu de Hespanha.
No dia seguinte os ministros propozeram a ca-
mara uma ordem do dia motivada, desappr6vando
a linguagem do Sr. Lombardos e dando ao rei a
certeza da profuuda ded cagao da represenUgao
nacional e do paiz a dynastia e a realeza const!
tucional. ._
Esta ordem do dia foi adoptada por 117 votos
contra 18. *.
. A camara adiou-se depois por uns 10 dias, alim
de deixar aos espiritos sobreexcitados o tempo de
se acalmarem.
As ultimas noticias telegraphicas dizem one
rebentou a desuniio no seio di coallisao que tinla
derrubado o anterior gabinete; o chefe do gabi-
i

<
*


Kf
Ha*. Ja-


.j
j
das as pqsiQOds qua q gcjerel i--a .rief*.-OMgprni-"
mm, ficartd > pur tomar >i jmnto principal, a tnoute
Ab&nto, ohde o inijiigo, accaifttt!o.'i lodas As siPh
fr$as e hem disoostas iriueheiras. Eis a-Sisposifjao
das for;a carlistas. stio iteseovolviJos.desde
Montano ale Abiato, de Vaso e de Lsso, ate mai3
perlo de PucheuL achando se a meio caminbo d'a-
quellas posicoea a aldeia de Married, de menas da
20 casas, qua vein a tear bo cruzameato do 4
caminbos vicchwes. O dosoavolvunanto do Mon-
tana* e a aniplaIns* de Abamio, offerecem mui-
tas vantagens. aq
petos parayeitO!,
para os fuzilar,
eampo de batait
razao porqjn ate
s s?us def nssres, quo abrigadoa
esperam os soldades lioeraos
ternaodo-so o qua deva scr era
a, n'um leirivel matador. Eis a
a data do hoje ainda o moate
Abanto nao esta tornado.
Refrcie-se a grande valor do exercKo repa-j
blicano, deixaado a ala direita completar o sea
moviuwnto, fazebdo avaacar aarttlheria do centra
para towar posi^ocs e obiigsr pelas suas descar-
da frittateria, offtando as batcrias
caladas, a- toiuar a terrivel posi-
gas, e polo valor
inioiigss eSliveia
?etc o Sr. Botearlstal alwiidonado or seus ami- nao desmerccfa da sua bravhr-T semlfraites.
os de l.oje, qm am os revs timilJdl#ohM^ lI *OU U|U|l|l>.<.1f
n te.ve de pcdlMUTIta dewi?>So. ,
Os telefraaiWMio etsn cxplicitos sobre o:
pormenores iBlMfcnle, cnjos resulfados ja se
anteviai em rfnce^Kfticia tas ultimas discnssSes
da eamara e >*< abarcha qiw devora aqaelle
HESPANBA.
Acerca fteto pai* es"f%ve nosao correspon-
dente de Lisbaa : ^ IT
N'uma An minhis anfcriores Ihes narrei o
t]ue eniao cottstava acerva do priraeiro eacontro
das grandes (areas sftaad is em roda da Bilbao.
8om e recopi armos :
c Na manhii de 25 de mareo, pelas 6 a meia ho
ras, comecou a accab, por uin beiu feito reconhe-
eimerito do exercito republicano sobre a ala diroi-
la das 'fjr^is nflistas.
Cma bora depots estiva empenhado o combate
cessando ao anoitecer. Depois do uma luta inces-
aarite em que 'txiiaram pare os dous eorpos do
exercito liberal,commandades por Loma e Hivsra,
scarli?tns.ptTderam posicdes importantes.
A perd*- 5 offtciaes morcos, e 433 pracas de pret e V7 olB
ciacs feridos.
0 exercKs rcpublicano nao tern perdide o tern
po, eo feaer-U Serrano, aperar de baslnte in-
comroodado iiao desiancoo, iastndo seirpre para
que nao htmV'issc falia de homens e de naiicdes.
'jiaraqus asposicues tomadas cstivesjern'oem forti
llcadas e s?guras.
" 0 sea principal projecto consistia *m trabaihar
-de ewmbii.arai) com a es As jHJlott'j de gaerr.i fai.i.im fogs, diariameats
contra a^.po?i.'0's cariistas, br-mbairdeando de v.z
em'quar'do a costa pilo la Jo de Ciervana e Soiiwr-
rostro ad que tern conb'nuado.
t ITTlmaniciite'leu-ss nm foge vivissi.no contra
ui:i.i bi'.uria jiio os cirlbta.s tenlaram conStruir
na coy.a p:ira fixer c*!ar os fogos dos vasos de
^oerro e polos ao ionge ; taw debalde : eorqut-
pcladl.-posifai d*ro>ta o :jMmsndante dafcateria
da ala direita nttndou disparar algnns tiros, nlisper-:
si fc-os hnmaJKatawetite e nutilisando-IlK;; todos
us traballios.
o-O Monte looon, tambereteai en^iado alfromas
gnrjaflas para o ca.npo inimi^e, servindoipela pri
tueira vet as pee/re de 12 (jne dispararam contra
S.' Pedro Atante
c Tern cineulaAi conio I'arta, a noiicit de que-co
rampo carlista h* grande divergencia, prodnzrda
pefa pnferoacia quo D. Carb da aos offtciaes-al-
Lauaos protestiai*, S'bre cs bespanhses.
Alfitos offidaes fran?o^es ao servir-o do pw
tesdente afeandonSTam as ap5ra<;6es, -escaadihsa-
dosdaqueJ'as pjreferen.jias.
0 es'reitn earMsta do norte tem operad-: al-
guns movimerftjs, havenda em Vabnareda e Sa-
paertes Rove-Jwirdht'es comma ndados por Velasco
eSiri>.
Mb iKaSfl sthicram tesde as 5 Ivr.is da ma-
nna ate is 3 '>ras d.i iwd-', jiassntdo frr(;as cm
lancros para t outra paf.e do rift.
Traasportaram cerca de 4.009 'homeos, e nes-
la nvsajfeili kyeram aljaomn peffas ; pels* gole-
te Uijeir i H.;s repoblicaBOS mvi ic-lhi?s alguns ti
r qua aceitaram, porqua esla f >ra da'birra, mas
u'uma pa*C4-i qne enKa-va a pifilla parte Jo rio.
c O ?retendeote cohhece toda a importencia da
bat-.lii.i qti; se segue, e prepara-so para e!la rau
iiiii.l i ((iutatos mc.ios de drfe.;a lli^! saoposiflveis.
AIit:i de ter coneeatrado a roda de Bilbao to-
das as f ifjas carlwUi-s deaCM pmvintiai, -lecretou
i) ali-taiisefito de lad >s en mance%ofl d-j id annos
m> (iieirw do exereito real.
Ba faka :le soKcafires para -es feri-Jos e esca-
ceiam as munico.'-,
t) bcmbardeaiKetR de Bilbao nestes ultimo*
di i* t<;u*'tornado rnaK-r iticrenvnto, mettendo os
caitistasan antig-t-oiiade, man de 300 tembas.
Ainda assim o iiieeniJio aao se tern pnpa-
pvl majHo, graeas > trabalho incessante a 1,-ein
dirii,:! i iio Ciroo !* ti imbeiros
E' eerto que oscan-istns nao tern desanimado,
e vio diligencianJo ievaotar a caliec i.
Ultimamepte a ilerroia da oolumna volante
refablieaua de N.mtillas dea-lhes certa euergia.
<) euc n!ro das tropas fi em OastelhoWit.
A Cii.'urnna di<;wrsin romoletamoHte, sendo
>>"ouvillas feito grisiaaeira. e escapando-se muilas
fira'c.is de pret e oflMaes, pela frontoira franc^za.
l_c( P-rtleram todas as muni^oes e ficaram no
MoprtfoHrttos ferid is, abstilutaiaiOOta desampara-
?>,<- seui o me>ior iratainealo.
Alguas camrn-inezes d>9 arre lores e qae lhes
raleram 0 caii'.iii geoeral da provincia, esta
r^r*#*t+***# ^P^-^^^adonar^rt^0 lie X ao cauiwo da BaNa acioual da. K^liSaSnSda^^Jff^
Uisaita era u na das mais fortes e disciplinada.
Kalla-se muito reservadaruento tjue paraaquel-
le tal facto c. ncorreu a t:at;ai do chafe.
A' proposito : algum.ts ser.horas catholicas
de H.'sjaaLa, inovi'Jis pur ( iridade cbrista, ana-
parn se em eom:ni>sO.- e maadaa pannos e fios
(tara os ferld>s na guerra, shegao lo algumas a
peJir a derida licesei, para serviaefla .nas amba-
lancias. eon verdadeiro espirto de iedieaeao
evanselica.
0 comieandaMte da guardi civil Gomez Rive
ra lieaoeoH na tar le do dia 18 d marce, em Ai
baeate, a partida carlista ; Roehi, baiendo-ae dis-
(HT-anJ)-a aprisiooou lhe .nuitus liomens, mu-
nieoes e armas.
Os carlistas teem angmealado proximo de
Pamplona, ao Carrascal, exigipdo actualmente, a
cad a viajacte am duro.
0.'i!i.::i!;r. carlistaCucaLt, feridoultimamen-
Ib por am.i bail, suffroa acru operajao para lhe
exuabirem atwla do brago.
' Km Oale (Valeoca do llespaaba) honve uma
revi-ta de todas as forcas da cavallaria carlista,
liadaa qual o general Palacios entregou o com-
mand i ao eoroael Gaardiolc, queservio na guer-
ra dos sele aua<.
a Eis c mo ene mtro descripto o carupo da bata-
lha tin primeiro di:-. d i acja j :
A li iha de La'.alha estCDdea-ceaaa suas posi-
Co s mais elevadae ijesde Peaba C)rbera, ate Pico
de ftamos; podendo ;e d'alli observar as formida-
veis pu.-i<;6es iniaiig-.s, entriacheiradae de novo, c-
clieias do redncUjs e fossos. .
< Essa linha, : Bar assim dizer nm areo de cir-
eato cuj s Bxtrenaidades s.io ligadas por uma rec-
ta, que e o rio Soaiorroslro. Corre per alii ;i es-
trada que vai ter a Bilbao, a qual uassa atravez
das aldeias de S. Pedro de Abanto e"de Santa Ju
liana. A? t;.rres destac doas igrejas, servem da
alvo as peatarus do exercito literal e indicam ao
luflfe o caminbo a sefiia'r. Juliana ji esta em
poder de Serrano. For entre os doas monies
eocoados, por a-juellas igraj.is, corre o rio acima
indicado, que 6 a lielia ;di/isoria. Do porio de
Sumoirostro, avi-tam-sa ac altaraj occupadas pe-
los carlist is; podendo estes 'le taes pontos rarrer,,
com o fogo de fuzilw-ia, quern atrever se a
avan;ar.
Tomadus aquelles pontis .priueipaea, o exereito
liberal podera aanobrarcoaiiiais facilidade. De-
saw, s.-guir-se-ha a tomada de Portugalete, quee
a Chave de Bilbio; pjrque sect os republicanos
^estarem de posse d'elles, niio poderao manobrar
com a esquadra; caliar os fogos crazaJos djs eariiiias. A"s C bo-
ras e meia da manba do dia 23 tie marco, proxi-
mo linlo, rompeu o e;:ercito literal o fogo sobre
-as t.-opas do pretendecte. Xesle dia fimprehende-
jam o combatu 35 bataihoes de iafaoieria, ires ba-
terias de niuntaaha o duas ce campacha, alguraa
* rca de cavallaria para oxiilorareia a terreao, e
marcarem certos moviroao'.os, e uma bateria de
eifia, e nm.regimento de igeabeiros. iEs'.as tro-
pas et^vam divididas em aJACO divisoe*, eomman-
dadas peios generaej, Prig-j do Rivera, Loma,
Letona, Andria e Catalan.
Primo de Rivera, com sea genio empre-
bflndedcr, e valentia sem limtei, emprehendeu a
difflcil .-ubida do cerro, tomando trincheiras umas
ap6s outras, e camzaio immeasas perdas no
eampo inimigo.
No dia segninte a luta foi horr.vel. As trin-1
cheiras iarlisfcis que foraeceram, por assim ili.er,
duas Imhas, cimpostas da obras interrompilas.
furam tomada^ assegurando, assim, Rivero, a
posig'o do valle profandissimo, ao general Loma,
que ia susteodo a lectaguar.la e acompanhando
JoJos os movirnenloj, acarapando por lira em S
Harlinho, a 40<) metros da aUeia de S. Pedro de
AJjaato. A .povoagao de .Murrieta foi tomada, e o
gusrlel general foi mudado para as casas de Bar-
riadas e Carreras.
< A luta foi a mais sanguinaria possivel, e logo
quo os carlistas foram desalojados de Carreras, a
divisao do I'rin.o, caliio sobr^ elles a bayoneta,
udo a posi(,ao de Puchela.
As perdas do exercito repnblicano, nesje dia
foram da 800 bomeos, incluinio 15 offlciaes So
fxeessivaaiaate reduzida, po.'s de 5 kilometros qae
tiaha, passou a poueo mail do monte Abanto,
que pela sua elovajao, e peU natureza do terreno,
m prestaadmiravelmentea defeza com as obras.
execuuuaii. Pacheto eta a 3 kilomelros
adtanle da aldeia de S. Martinio, e a 500 metros
xeita avancara com am deaodo iacrivel, o centro
cao, poato principal dos carlistas. Tomada o
moaXe Abanto, o catmnho a seguir u piano, c pou-
eo mais accidedtada ate Nocedal, a a rcsisteacia
irae desapparecemas profundas prcgas do aolo.
Os-carlMas ao ultimo dia da balalhatrveram
?,3(ip mortos. (^s generaes Primo de ftivera,
Loma, o brigaioiro Ferrero. f) t grttveineate,
s.nJu-lhe atravessado o peito con; uma bala, sendo
promovido no eampo de batalha, pslo^:eral em
cbefe, a teneme-general, e reoomaiendados os seus
briinanics scrvicos, a naotfu Emistaoa, coronet
de aitilheria, foi mono 0 idiuiraute Topete, (i-
cob levementc contusa
v Da parte dos carlistas, taeibem tern liavido
grandes perdas ; calculando-se cm 2,,030, o Dume-
ro de moftos
0 general Olio, tambem Calleceum combate
Era um-gMudo estrategico, e JomiiiaBOava a 4i-
visao nawarra. Foi, official do exercito monarctii-
co, serviado nas guerras 7iMbica. Todos 1 e da-
vain muitas consideracocs. E' uma perda sciisi-
vel au exercito carlista.
a O-faaeral Radica, esti ferido, SerraooytVogo
quo Prk'.io Rivera cabio ferido, colk>eou-se-aftvu-
te doef.irciio, produziqdo urn grandeealbus4asmo
nos 8#Jdados que isto observaram. Foi, Mrves,
uma das principaes causas, dos grandes feitos
praticadog n'aquelle laetooravet '..'.
< liiz-se quo os carlisias e-Uio muito failos de
viveros, tendo os vakates defaasores de Bilbao,
mutii^iK s para se poderetu conservar independen-
tes ens 20 diasou mais.
Xb dia do correate foi scspeuso o combate,
para em atnbos os campos se proceder ao -anter-
raiaanto dos morion
Tveiu fallocido alguns medicos militares.
Os carlijtas nos differentes encouUos que teem
tido, em diversos poutos da peninsula, com as tro-
pi do govar 09, teem side bitid.s e'destrecados.B
Em 8 accrescenta Baaso correspondent :
-t As ultimas correspoudeucias de Som jrrostro,
dicem que se pr^longou a aiegna alem das bo-
ras para que for*) pedida e e conccdida.
u 0 seueral tin cbefe caaeedeu a prcroga?3o,
Hi. i >6 attendanoo as soieiaaidadas da semaoa
>ant.i, mas tambem porquo contiuui-nda o inao
ienipo, assim em terra cumono mar, era i npossi-
vol c-nti'iuar as,operaeSes.em t la a linba.
t Urn despactio de Madiid, ipae taubo a vista, diz
4uo u general Concha parti > para o uorte e cotn-
maadaria a $* divisao do exurcito.
a Topeta e esperado em Madrid. Suppoe-se que
Ham iiupoiiiucia o sen regress.).
Serrano aununci >u boutem a larde) quo a arldheria 'Oaftaoava a fa
zer fogo contra as trincheiras dos carlistas, que
n". i re-p'itilem e snspeuderam os seus trabalbos.
Ilavia muita cliuva e ventauia.
Oulro mais recenlo dizia que tioiUetn (7) du-
rautc o dia tiuba conlinnado o fogo das baierias
do uorte, para undo partia o general Concha com
alguns rcforyos.
t Cor.iaum S. Sebasluio o boato da que l
Cario3 estava ferido u'um jtKslho,-era consejien
cia de uus tiros que lhe uupararaiu qaatro dos
sous, em Daranyo.
A 24 de marijo foi publicada 00 acampamen-
io carlista uma ordem do dia amea(;audo com fu-
zilaiiiento summaria, todo aquelle que retroce-
dasse do seu posto, ou olhasse para-traz.
PORTUCiL.
- Eneerrou-Se no dia a do mnnrantm n narla.
mento. lendo o decreto resnecJivo. n [ire.sideute do
i-.jii.'L-.l.i' tlU IU1UI3UU3.
Itecomegaram as chuvas, que ja se faziam
bem neces: arias.
Comecavam os trabalbos eleitoraes com gran-
de fort;a.
Ao depois daremos a missiva de aoaso cor-
:re.>pondente.
iim ama roparTijao fiscal dc Ba';nos-Ayri tt-
oham-se dad.i dims furtos imr-.acTautes tf^Hfl
da urn dellaai enn>re?;.do na raTrti?ao d^^H
toi dvfraudad.*, fugio para a Europaa Iwr.i
1 Siitoit.
DHk.se'^la Burapa tiabamchegado a Buenos-Ayres SOOindi-, o Or*, em atediciaa Felix Kodriguaa da Seixas.
riiuticias do ul i!u uaaperio.
Tambem cbegou honlem o vapor fraucez Ville
de Rto de Janeiro, trazendo datas : do Rio da
Praia II, de Minas Geraes 9, de Santa Cataartoa
11, de S. Paulo 12, do Kio de Janeiro 18 e da Ba-
hia.21 do eorreota.
Calhemos dos jornaes o que segue :
HEPL'HLICAS DO l>AC!t'ICe.
Diz o Teleijrapho Maritimi qae por cartas do
Chile constava que seria nomeado mini>iro pleni
uoleneiario em mi-.-.io especial junto dos gowrnus
do Brasil e dos Eslados-Umdos, o Sr. Ibanez,
actual ministro dos negocios estraageiros do ga-
binete chileno.
Pela liana transandiua havia sido recubiJo o
seguinle lelegramma :
Valparaizo, 6.-0 capilao do vapor Tacun, que
ia apresenlar se ay almiraniado ioglez, foi detido
no porto de Lota, por ordem das autori lades,
ale terminal- o summario e responder ao proces-
so que se instmra pelo uaafragio do vapor, o
REfl'ULICA DO PARACUAY.
A unica noticia de interesse e que mais uma
vez f)i perturbada a onlam puoliea no Paraguay.
Partjoe que o presidenta, suspeitando quo os iti-
dividuos .ijue ultimameute entraram para o gover-
ni, tramavam contra a sua aotorida le, apressou-
se em previnir o golpe i|tie suppuuba Hie destiua
vam, e demittio no dia 30 de mango os nuuistros
Caballero, Barreiro e Soleras, o nomeou o cliefe
politico E-cobar para o cargo da ministro da guer-
ra e marinha.
Durante o dia 30 houve diversas couferencias
enlre os miaistrosbrasileiro e argentimi.
Uma correspondenci* para o Standard, datada
da Assumpgao no dia 1 do conente, diz qua no dia
31 de marge chagou-se ao seguinle accordo : Ca
ballero rasignou o winisterio do interior a acei
tou o dos cultos; Serrano passou para a pasta do
interior.; Barreiro coaUnuou no cargo que oceu-
pava e Escobar assuraio jurisdicao da guerra e
tnaiinna, passando o lugar de cliefe politico a ser
exercido por Einilio Gill, irmio do ministro da fa-
zenda.
Ao consul argentino, Dr. Gallegos, a queui se
attribuiam lodas as manobras que levaram o
presidente ao acto qus meocionamos, fo.au dados
os passaportes para relirar-sa do Paraguay.
Segundo uma carta dirigida a liepublica, de
Buenos-Ayres, o pjesideuta Jovellanos convociira
no dia 30 do passado os seus ininistros para Ira-
tar da Cutnra presidencia do Paraguay; divirgiram
os minislros, sendo uns favoraveis a candidatura
Gill outros a de Barreiro. Fravou-se long.i e
animada discussao, a qua poz termo o presidenta
Joveilanos.
viduos caotratados por'onta do governa argemino,
entre os quacs alguns offlciaes militares.
A junta de satida quarentenas para as procedencias daRepabbca
Argentina.
tnaugurara-se so dia 10 do correnla a liaka te-
legraphica enlre Montevideo e Salto.
matto gboss-jx
Datas ate 22 de marco. .
Tinham liafido em Uuyaba cspiosas chavas, que
diversos estragos produaram, desabanfio muitas
casas e mures, ijuor no centre, quer nos arredores
da cidala.
Fallecera, com a idade de 76 annos, O. Marianna
Fau.-lina de Brito, inii do capitao Antonio da Cos-
ta Campos. ,
s.urra caniAniKA.
Os joraaca da uluuia data- dizasi qua reinava
alii, havia ires d.as, forte temporal e repetidos
aguaceiras, e o Daptrttrtor accrascenia.
-eucouracado Alariz a Burros, que sabio paca
o sul uo comeco do raao tempo,e nao estiver fao-
deada na barra do Sul, ha do ler sa visto em
apuros. i
Fallecera, victima de um Uesastre, na sua fesi-
ttewiiay na Iragaezia da Nossa Senhora da-Lapa do
Uibeirio, o Sr. Francisco Antonio da. Silva, 0
Iteado soffrera graves qnoirnaduras tim varias
paries do corpo, seudo a maior no vealra.
S RUH.O.
Resiabelecera-se a 8 o tratfego da estradade far-
ro entre Saulos e a capita'.
0 vapor Cvrumbd, ao-sabir na larde desse, mes-
mo dia, fora sobm uma pedra, onde batera duas
vezes. Aflaal safara-se e-seguira viagem.
Achava-se quasi extinola a variola em Pinda-
monhaogaba; ua cidanle de S. Joao do Kio Claro,
porem, naracia recrudestser o mal. A esta -respeito
diz o Cmrci) do Strtao da 1 do corrente :
FaUeoe nos a coragem para dar coma de cos-
tume aestafesiica dos-casos quose deram na quin-
zena i|Uj houlem lindou.
0 terrivol flagello vai ceifando diariammte 3,
4 e -i vidas I Emuopula$io lao raduiidacomu pre-
sentemente e a uossw, d:roudo isto, creiuos haver
dito tudo.
c Esta oidade esta par assim dizer sem vida. So
caraaval aenham mascara, nenbuma larapjinba,
nenhum foiguedo.
Na .-emana santa, nenhurna das grandiosas
sole luuidades que lazaa a gloria do chrislianismo
e que tanle c taulo cuncorrem para a brandura e
civi:;sacao dos povos.
ii Se Beus se nao condeer da no; a nao afastar
o terrivel flagello <;u', nos assoia, nao reslara era
breve, da important cidade de S. Joae do Hio
l^laro, da formosa priuceza de qesle mais do que
um vasto, um lugutre cemiterior
Os Srs. Jose I'.idriguos Pareira Vianna e ou-
tros cavaiheiros d. Brotas li-.er.nii nova remeasa
de gado para socerro da pobreza. >
Escrevem-nos fie Santos, dizendo :
0 capilao-e lies pessqas da iripolatjao de Jura
navio torain aodtrameltidos de febre amarelia,
conslando que dus ja fallcceram e que ha lele-
gramma a respeito da quarentena, o que parece
nao ser vat'dade porq .a o Santa Maria ji se acha
ancorad nesle porio.
Fallecera emMosy-guassu' o professor pnblico
dalli Luiz da Sl>'a Cnu. i; miava muitos aauos
de professorado-e a assembiea provincial acabava
de autorisar apresidencia aaposcolalo.
Diz uma ea ta da Piracicaba, com data de 7 do
corrente :
a Angaria-te nesta cidade assiguaiur&s para
um papel, toe, segundo uuvi a pessoa com-
pi-tente, lem [or run : 1", censurar o gaver-uo em
relaci Fr. Vital peUposi.-ao bnlhanle que a-sumio e lem
sustfiitadu oafoesiao; 3, linaimente, uedir aben-
i;ao ao bispo, cuas vezes saiilo, sanlo pela sagra-.
cao e sanlo pew marly rio.
0 papel ja conta iuu numero avultade de as-
sigaaluras, mas. a maior parle dessas assigna-
luras foram obiidas duraute t os dias da seuaana
Santa, ua sacrklia da igreja matriz ,pdo < vi-
gario que, como recompensa promettia. por si,
ou por seus dous agent, s aos seus I4eis pa-
rochiaoos i que subscrevessem o papel, a bemjao
do bispo martyr sea sua propia lienyao I
.. vin i,^0r-i niisn abuso de autor:jade pof par-
le do nosso f pastor T Se nao na, Umbcia 6 de-
legado de poiicia que t pede votos em eleicao,
nao abasa da sua autoridade, nao impede a livre
manifestacao da opiniao.
Em Guaratragueta fallecera a 19 do passado
o Dr. JoseMauoel do Castro Santos, medico muitj
eslimado na localidade ; e na cidade de Uberaba
nabasUdo fazeadeiro Alanoel Baiiiiazar da Cunba
F.oes.
BIO UK JAN Kino.
Palo d.'creto n. 5,582, de 4 do corrente, foi se-
parado do termo do Po nbal e reuuido ao de Mon-
te Sauto o lo Tucauo, na provincia da Bahia.
Por decreto de 7 de marco loi uoneadocom-
06
os Fra
DerafHo ao capitao da gitaNa nciooal. d*.
H Malto-Grosso Caotaa,!' Us Silva Alba-
i|t!.'rqiie.
">e #tirar!iaii do corpo i)e sw! A* uoile exptvlio e.ita o decreto, de queja demos
notieia, exoneraado Caballero, Bareiro a Soleras.
No priraeiro momento. diz a carta a qae nos refe-
ritnos, osmioistros desliluidos tenlaram desibede
cer, mas depois das confereneias entre o ministro
bra^ilciro e o general argeotino, cbegou se ao
accordo qae os leitoree ja conbecem.
Homo era natural, estes acuntecimentos proda-
ziram alguma exeitaeao no povo da capital a nas
tropas paraguayag.
Entre alguns grnpos que percin-reram as raas
saltando gritos arneaijadores, diz uma correspoo-
deEeia publicada pelo Telegraph Maritime, viam-
se soldidos argentinos disfarrados com o unifonne
paraguayo. >
So dia 1 de abfll, accre-eenta outra earta, es-
peram-ae novos aconteeimenlos por occasiao da
abertura do congresso. Corro qae se declarara
destituid) o Sr. JoveHano.*, nomeando-se para
substitui K. mlerinamente o Sr. Barreiro, a cojas
insplracoes obodecem os pais da patria. As for-
}as brasilciras estlo formadas na praca d'ar-
ma*. >
am da pbata.
Em Buenos-Ayres preoccupava lodos os animos,
a proxima eleii^o dos alijitores do presidente a vice-
presidenta da republic.!. ,Vo da 6 do corrente
houve no thealro das Varlsdades uma reunlao al-
sinista, presjdida pelo vice-prasidente actual da re-
publica.
0 ex-n.inistro paraguayo Soteras aehava-se em
Buenos-Ayres, enviado em commissao, segundo se
dizia, pelo general CabaOero ; jativera duas ponfe-
rencias com o Dr. Tejedor.
mendador da ordem da Ch'is to, Manuel Antonio
Pimeula Bueno, da provincia do Para, por oio po-
der veriQcar-se nafla a mem: de official da ordem
da Rosa, que lha fora conferida por dtcreto de 31
de Janeiro ultimo, vi-to ja lhe ter sido concedida
igual eondecoracao em 23 de marco d< 1837.
Por despacho de 11 io corrente foram no-
meados :
Cavalheiros da ordem de S. Bento dt Avis.0
major do corpo de eslado-maior de arbiheria, Er-
nesto Auguslo da Caaba Mattos, o major gradua-
do do mesmo corpo, Antonio Jose" Maiia Peg > Ju-
nior, e os capitaes reformados do exeicilo major
honorario Felinto Elisio da Costa e Cados Manoel
da Lima.
Cavalheiros da ordem da Rjsa.-Coronal Staaff
addido mililar a legato da Su"Cia e Noruega em
Franca, e Emilio Prier, director do bold D.eu do
Paris'.
Foram concedid.is as seguintes pensoes men-
saes, depeudentes da approvacao da assembliia ge-
ral :
De 42$, repaitidamenle, aD, Francisca Je Pan-
la de Oliveira Lisboa, e as menores Mathilde, Ma-
ria e Francisca, aque la viava a cslas lilbas do te-
nente da guards naconal da provincia do Rio
Grande do Sul, Jo.e Pereira de Oiiveira Pavao,
morlo em cobate na gaerra do Paraguay.
De igual tpiantia a D. Carlota Freire de Carva-
Iho Billencouri, raai do tenente de voluntarios da
patria, Joaquim Ansclmo Freire Bittencourt, falle
cido cm consequencia de cholera-morbus no hos-
pital io Cerrito
Do 21*, ?era prejuizo do meio soldo queperce-
be, D. Mariana da Costa Riis, viuva do tenente do
13" corpo de cavallaria da guarda nacional da
prouncia do Rio Grande do Sul, Faustino Teixeira
da (asta, mono em combats ua guerra do Para-
guay :
Por decrotos de 11 do corrente :
Foi remuvido o juiz de direito Jose Marcelino
de Araujo Ledo Veiga, do cargo de chefe de poli-
eia da provincia de Malto-Grosso. para igual car-
go na de S. Pedro do Rio Grande do Sul.
Foram nomeados chefes de poiicia :
0 juiz da direito Antonio Joaquim Correa de
Araujo, da provincia de Serjipe.
0 bacharel Franeisco Maria Correa de Sa e Bo-
nevileti, da provincia de Minas-Geraes.
Foram nomeados juizes raunicipaes e de or-
phaos :
0 bacharel QcUviano Xavier Cotrim, do termo
da sauta Isabel de Paraguassu', na provincia da
Babia.
0 bacharel Manotl Ferreira de Mello, do termo
do S. jebastiao da Foz do Tijucas, na proviaeia de
banta Catbarina.
0 bacharel Antonio .Baptista de Carvalbo, do ter-
mo da Eucrnzilbada, na pruvmcia de S. Pedro do
Rio Grande do Sul.
Foi concedida ao bacharel Rieardo Jose Teixei-
ra Filbo a demissao que pedio do lugar de juiz
municipal a de orpbaos do termo de Oeiras na
provincia do Piaul.y.
Foi reformado a pedido:
Antonio Peregrino Cavalcanti de Albuqueiqne,
eajoiiao do batalhu> da infanieria n. 40 da provin-
cia de Pernambuco, no posto de major.
_ Par deeretos de 11 do corrente foi nomoado
2 cirurgiao do corpo de saiide da armada o Dr.
Josfi Leopoldo Ramos, e aoosenlado Jose Bernar-
dino Gomes no lugar de 1" plaaroleiro do pharol
do Cabo-Frto, visto conlar mais de 44 anoos de
servico.
Por tftulo de 17 de maico foi nomeado ajn-
dante do li--) do deposit da ivpograpbi3 aacional
Jose Baptista da Figueiredo S^djriabo.
Foi concedida a JustinoOlympio tf Costa Doria
a demissao que pediiVfluIsgar da odlcjal da lies-
carga da alfan'degfa de Araaaju.
Por decreto de 11 doiorrenta foram conee-
concedidas as lionra* Jos paries cihtar-'s abaio;
deelarados, em attema-V Wft benn .Mprtijol qtfe
presiaram na eampanba do I'aragoav. (KW indivi-
oups seguintes:
Por decreto da mesma data .
Passou a aggregado a arflia de cavallaria, de
cou[qrmi*adecom a imperial resolagao d* 20 de
juhode 1870, loniida sobre coasolla do couse-
Iho so^nemo militar, o capitao do 3' regiateuto da
dita ar.-na Jose Pernandes Junior.
Reverten a clas-se do exercito o teaeate ag-
gregado a arroa dj ca-vallaria -oaquim t3arreto da
(Jama Lobe Pilli.
Foi eoncadlla, na foi ma do art. 25>7 do regula
mento .- iiprffrado pelo decreto a. 8,829, de 17 da
jaseiro do corrente anno, a demissao, qua nedio,
do serviijo do exercito o alferan-atamno Jose Luiz
Coelbo.
Por. portarias de 7 e H d correnla foram
nomeados:
V official ds sccrctaria da intendencla da guerra
o auunuoucixio esci'iploriu du ajudande da uaesuta
intendeucia, B, Braz de Souza da Silveira.
2 instructor do curso de bifanteria e cavallaria
da provincia do Rio-Graude d) Sul o capitio de
(4* batalhas de infantaria, Claudia do Araaral Sa-
vaget.
Porporurias de8e 10 do corrente, coace-
deu a licenca :
Ao amenuense do hosaiial militar da proviaeia
de Pernambuco, Aveliuo Pereira da Cunha, por
15 dias, ua forma da lei,-para tratar da sua aiide
oade il e couvief.
Ao capilao reformada-ilo exercito, Julio Mariano
da Sik-, para residir i.a cidade de S. Gabriel,
proviaeia do Rio Graule do Sul.
Por portaria de 11 foi transfarida do 7" para
o 2l*'bataihao de in'aateria, o alfaras Alfredo de
Son*a. .Tavora.
Ebi expedido o seguinle. decreto
t Comraiseraudo-me das circumstancias emque
se acliam as pracas de pret da armada nacional e
imperial que liveram a iufelic'dadj de deserlar
na republica do Paraguay, apajundo-se das suas
batileiras : bei por bem perdoar-lhes o crime do
primaira aseguuda desercao, aprasenlaado-so os
reos ao comuiandanla da divisao. naval brasileira
eslacioaada naquilla republica dentro do prazo
de sessenta dias, conlado ia publicacao do pre-
seote decreto, saado incluidas tambum neste in-
dulto as queja se tivarem apreseulado ao mesmo
coinmaudanle. Joaquim Deltino Ribeuo da Luz,
do meu consclho, senador do imperio, ministro
e secrelano de astado dos negocios da mariuha,
as:i:u o tenlia cuLoidiJo e WfjA exeeular. Pala-
cio do Rio de Janeiro, em 11 de abril de 1874,
53" da in lependencia e do imperio.Com a, ru-
brica de S. M. o Imperador, Joaquim Delfi*o Ri-
beiro d'i Luz.a
Par portarias de 14 do corrente, foram no-
meados :
0 engeuheiro Eduardo Josd de Morass,, para
chefe da commiisio quo tern de acoiapaahar os
estudos conlraiados co.n e couseUie-iro Cbristiano
Benedicto Ottaoi e oulr.u para a ettrada de ferro
de Porio Alegre a Urnguaya,ua, na provincia de
S. Pedio do Rio Grande do Sul.
0 eugeuhairo Eticnne Doaal, para cheta da
camraissao encarregada da construia;ao da eslrada
.de D. Francisca,
Por decreto n. 3,538, de 11 do corrente, foi
creado o lugar de juiz muaicipal e da orpliaos, no
lerino da Torres do Rio-B >aiio, ua provincia da
Goyaz.
0 decreUi n. 5,583, da mesma data, desanne-
xou do lenuo de S. Miguel o de S. Scbasliao da
Foz do Tijuca, na proviucia de Santa Catharina,
e creou uelle um logor da juiz aauul.ipal c de
arpbaas.
Lemos uo Jortnil di Qjinmcrcia :
Em casa do Sr. Antonio Manoel da Almeida,
a rua dos Oarivas, acha se expisto um riquissiino
anuel de Grao Mestre da Maeonaria, jue sera
hojo olferecido ao Sr. conselhuiro Joaquim Sal-
daulia Marinho, por occasiao da posse das digui
dades do Grande Oriente Uuido ao VaJJe dos Be-
ueoiclinos.
* 0 anuel compoese de um areo do ouro cra-
vejado de brilhautes : na frente sobre um* eliapa
oval da esmalte preto ve se um eumpasso e uma
esiuadria abran^endo a Iclra G formada de rubis.
- Ele delicado trabalhoe davido ao artisla Ma-
noel Martins de Carvallu.>
No dia 20 do mez passado, seguudo ja noli-
ciamos. foram assassiiiados por dous escraves, no
lugar denominado Itamaraty, em PelropolLs, Ale-
xandre Hibeiro da Munezes a Brigida Rodrigues
Ilarre o Baslos. Fez eniao a poiicia do lugar
quanto estava au seu alcance para prouder os
crknioosos, mas foi ludo baldado.
ll-ntem porem, as 8 \\1 boras da manba,
passaado em um tilbury pela rua dos Ourives,
Frauci-co Antonio Barreto, irmao da uifeliz Bri-
gi la, vio, encoslado a poria do boieiuira da dita
rua, esquiua da do Rosario, um pruto que pare
ceu-ltia ser um dos assassiuos. Apeouse logo,
e, caminhando para elle, veriiicou que nao se ha-
via enganado ; era, coin effeilo, Anumio, escravo
de sua liuada iruia e um dos malvados que lhe
de. Sou/a, ioram eaoonttadas aluamas ctatas a um
pi^el com as fjimeusoos qua dcv.a ter a enpom;
menda fe 0 GoMmert'co rfo PoHj, qae' da fessa? noticias,
acerescanta : t Cuinpre nos direr que Francises
Jose de Souza, o individuo preso no hotel do Cys-
ne como complice da Annibal dos Santos, e natu-
ral de Rezeude, no Douro, e residio por algnm
tempo no Brasil. >
A associacio dos moeieiros falsos parece que
estava muito raiLilicada, pois de Londres dizem
nos que Santos tinha alb um socio de nemo Foulin
ou Fontes.
De Paris eserevam-nos:
< Caniinda a devassa do proce-so da raoeda fal-
sa, e por ora nao ha nada de uv a nao ser a
confiriiiacao da ex'stencia de complice no Porto e
em outras cidadea da Europa.
Falleceu, ao ontrar da nossa birra, no Cruzeiro
de 8t:/,*o (major Casimiro de Barros e Vasconcel-
los,da provincia do Maranhae.
- Eis as noticias commerciaes da ultima data :
Nao houve hoje cotacoes ofDciaes.
As desfavoraveis naticiaa do estado do cafe
nas principaes pracas cousumidoras da Europa e
da America do None, que nos trouxe o paquete in-
glez Chimborazo, e a trade hoje, produziratn sensi-
vel depressao no mercado de cambio, que se cen-
ser^ou frouxo e cm baixa. Os bauoos rednzirim
a laxa de seu papel sobre Londres para 25 3(4
d., a o da praca foi successivamente nogociado a
26 1116, 26, 2i 13|16 e 23 7|8 d. Nao houve ope-
rates sobre Franca.
Os sooeranos inostraram-se mais firmes, sen
do negociado um pequeno lute a 9^340 a di-
nheiro.
As apolices de 6 Q\ > continuaram a apresenlar
muita linueza a 1:040$, fechando o mercado com
tendencia para alia. Das do imprestiino nacional
de <868 apenas se negoiiaram lotes insignilicautes
a 1:0725 e 1:072* a dinheiro.
No mercado de accoes apenasjranspirou a
venda de uma pariida das do banco nacional a 513,
e da companhia das Minas de ouro e Cobre do
Sul do Brasil a 755 cada uma a dinheire.
Nada se fei boje em cafe ; as vendas de as-
snear foram pequenas para consume.
Fretouse um navio para carregar cafe com
de>lino a Hampton Roads a ordem a 27 s. 6 d. e
5 Op) de caua.
A alfandeg.i rendeu de 1 a 16 do corrente
-1,638:740*908.
BAHIA.
Falleeeti, no Joazeiro, o resnectivo juiz-mu-
nicipal Dr. Porpbinio Amancio Goncalves.
\ estra ia de ferro da Bahia ao 8. Francisco
no mez de ievereiro
Renieu 19-45^(838
Despeueeu 31:8944360
Defliit Itt439ei2
A nova uirectoria da associacao typograplii-
ca Ban-ana licou assim composla :
Couselho admiaislralivo.
Presidente.Joaquim Cassiano Ilypolilo.
Vice-presidanla Agapito Ramos de Oliveira.
! secrelario.Ludgero Jose de Souza
2 dito. Garni Uo Gonzaga da Purilicacao
Thesoua-iro.Ovidio Jose de Azeredo Coulinho.
Arcbivista.Miguel dos Sanlos Prates.
Vogal.Olhylio Olympio de Andrade Paria.
Commissao de tiscalisai;ao.
Manoel Hooorio da Silva.
Jose Odorico Paranhos.
Jos6 Firmioo Cavalcanle.
0 cambio sobre Londres regulava 2>' 7|8 d.
A alfandega rendeu de 1 a 22 do corrente
429:959*135.
roubaram lao barbarameu.e a' vida.
a Antonio a pnncipio daclarou nao conhecer
Barreto, porem este nao obstante levou-o para
a I e-taeao, cujo commandania 0 mandon para a
3* delegacia.
Senio alii levisiado, encontrou-se em seu
pod-r a quant'a .'e 17'1 j em nolas, c uma licenca
assignada por Joaquim Jose de Oliveira, morador
na rua da Aurora n. 3, para seu escravo Jose dor-
mir onde quizesse.
Alinal coo/essou Antonio que era escravo da
Brigida Rodrigues Barreto Basto, mas que nao
fora elle 0 aut>r do crime, porem sim 0 oulro es-
cravo, que lainbem fugira na mesma occasiao e
quo raao tornara a ver.>
< Verilicou-se na noite da 11 do corrente Com
a maior solemnidade e iramensa concurrencia de
macom>, a sessao de posse das graudes dignidades
da corporagao maconica Grande Oriente UniJo
do Brasil.
Depois de prestarem juramento as dignida-
des eleitas, (ironunciou um discuiso oSr. conse-
llieiro Saldauha Marinho.
I'uia commissao e mesmo senhor, em nome de alguns inembros do
Grnde Oriente, 0 rico aune! de quo ja aemos
noticia, fjzenio lhe tambem uma mimosa offerta
a loja Scgredo.
0 Sr. conselbeiro Liberal 1 Barroso occupou
a attencao do auditorio, na qualidadc de orador
do Grande Oriente, seguindo-se-lhe muilos outro-
macons, era nome das lojas que representavam
Houve nos iularvallos um concerto vocal e
instrumental, no qual toraaram parta dislinctas
amadoras. Sobresahio um hymno espedal dedi-
cado ao gr.i i-mesire.
t Foi libertado um menino, escravo, de 8 an-
nos de idade, e a bolsa da beuolk. ucia correu em
banelicio de um cego indigaute.
Hontem (16) pela manna, desembarcou na
praca das Mariohas, um individuo chegado da Eu-
ropa no paquete Tiber.
u Um vigia da alfandega, de nome Rodrigues,
que alii se achava, comecou K revista lo e en;un-
trando-1 oe nos bolsos algutn s correntes e inedalbas
de ouro e uma faca de viagem, com cabo de prata,
proseguio na revista, conheceado alinal que e le
lambein trazia no peito, por baixo da camisa, um
embrulho que parecia conler diversas carta
Tralou logo 0 vigia deJcvar 0 recem chegado
para a alfandega, cujo inspector mandou exami-
nar 0 que continha ua realidade 0 raferido embru-
lho.
Verificou-se eniao que 0 passageiro do Tiber
linba por baixo do peito da camisa outro peito, que
prendia ao pescoco 0 cintura com uns cadarcps e
em que se acbava um gran le bolso, onde estavam
guardadas 304 nolas falsas de estarapa brauca 0
linta azul, cada uma do valor de-50*, muito gros-
seiraraente cstampadas.
0 passageiro do Toar declarou que comprara
es8a8 notas a ura vendelbao na Ribera do Porio,
cujo nome ignora, e que pegara por ellas 200^l00y
(brtaa.
a 0 Sr. inspector da alfandega mandou apresen-
ta-i) ao Dr. I' delegado, que esta procedendo a
averigaacdes, e 6 para nao difflcullar nemde leve
as pesquizas policiaes que nao declaramos agora
0 nome desse bomem, que lalvez seja agente de
uma grande commandita de moedeiros falsos.
Dizemos commandita, porque parece baver in->|

ASSEMBLR4 PROVINCIAL
RElTHICAI^O.
Na publicacao feila lioutem da sessao de 13 do
corrente, no tug-tr em quo se diz : a A discussao
ver-a sobre uma emenda que manda supprimir o
art. 62 do regiinenlo deve ler-sa : A discus-
sao versa sobre ama emenda que manda suppri
mir a parte linal do art. 62 do regiment >
A segundo parta da emenda apresentada pelo
Sr. Manoel do Rego am relacio a esse artigo uao
esta publicada exaelunenle ; deve ler-se assim .
t Accrescccnte-se ao art. 62no ultimo dia do
sessao legislaiiva, sera lida e approvada, a acta,
ainda no case de nao haver na casa 0 numero de
deputa.los necessano para poder fuueeiouar a as-
serab'ea.
>ima iiga./ao entre esle facto 0 a descoberla, em
REVISTA DIARIA.
iVsscnablea pruvincial. -Honlem a as-
sembiea funccionou com 23 Srs. deputados, sob a
presidencia do Sr. Dr. Aguiar.
Approvadi a acts da sessao antccedente, 0 Sr. 1
secretario leu 0 stguiute expedients :
Offlcios :
Do secretario do governo, remettendo ura artigo
de posturas da caraara municipal da cidade da
Escada A' commissao de posturas.
Do mesmo, remettendo relatorio, balance e orca-
mento da receita e despeza da camara municipal
da Escada. A' corauissao de orcamento mu-
nicipal
Do mesmo, remettendo 40 exemplares, impressos,
da falls com qua 0 Exm. Sr. presidenta da pro-
ving 1 abrio a presente sessao da assemblda pro-
vincial. Dislribua-se.
fatigues :
Da Joao Psreira de Arrujo Cardoso e J. W.
Lindsey, contralantes da esirada de ferro de Pal-
mares a Bebedooro, pedindo a garantia de juro
de 7 '/'o para 0 capital que f r einpregado na
construccao da estrada. A's commis3oes de
obras publicas 0 orcamento provincial.
De Joaquim Lucillo dj Siqueira Varajia, 2"
official do eontencioso provincial, pedindo para ser
elevado a cathegoria de I3 official com os venci-
mentos correspondentes. A' commissao de pe
tigoes.
Da Doraingos Maria Goncalves, subdito p guez e consul da mesma na^ao, pedindo um em-
presiiuo de I2:OJO^OOO para a lunda^ao de um
callegio deslinado a educacao de indios. A'
commissao de petieoes.
Foi lido e approvado um parecer da commissao
de iegislacao, declinando para a de obras publicas
a represeutacao da companhia Fe ro Carril; e
julgado objecio de deliberaciio a iraprimir um
projecto assii{uado por diversos Srs., mandando
que liquem perleucendo ao municipio de Palmares
os engenhos Ousadii e Pao d'Oleo, d > termo de
Barreiros.
Passando a ordem da dia, foram approvadas as
eraendas ao projecto de iorga policial e adoptado
este era 3* discussao, depois da oraram os Srs.
ulympio Marques e Goncalves Ferreira.
Continuando a 2' discussao adiada do projecto
n. 38 deste.anno, que reforma 0 ensiuo publico,
proseguio ; dis-ussao do art. 3, que foi approva-
do com algumas emindas, depois de orarera di-
versos Srs. E em seguida foram successivamente
approvados sem debate os arts. 4, 6 e 7 ; 0 5
com uma emenda do Sr. I'c-lioa Cavalcanle ; 0 8
depois de orar 0 Sr. Olympio Marques, com um
subslituivo do Sr Manoel do Rego ; a entrando era
discussao 0 9', 0 Sr. Ucboa Cavaicauta apresentou
ura substituiiivo, 0 Sr. Goncalves Ferreira uma
emenda e orou 0 Sr. Pinto Pessoa, depois do que
achando-se a bora adiaotada 0 Sr. presidents le-
vanlou a sessao.
A ordera do dia para hoje e : continuacao da
anterior; 1J discussao do projecto n. 39 ; t' dos
da na. 25 e 35, e 3* do de n. 23, todos deste
anno.
Coalectoriaw Por portaria da presidencia
da provincia, de 22 do corrente, foi nomeado
Apolinario da Silva Manso, escrivao da collectoria
provincial do municipio de Sao Sento.
Calt. Por portaria da presidencia da pro-
viaeia, de 22 do corrente, foi reclificada a de 6,
que mencioua 0 nome de Francisco Hermino Ro-
drigues Carapello, am vez de Francisco Carneiro
Ro.lrigue9 Campelb, que foi nomeado 3" supplente
d3 juiz municipal do termo do Cabo.
4>iMsrilis nacional. Por portaria da
presiden-ia da provincia, de 21 do corrente, man-
dou se dar guia de passagem do municipio do Re
tmtd* %nib#|UIP imperio, dis-
_,s anHnn'a 0 nosso n^mtro d; ^egandl-
feira.
i* Macciq, faijeceu honlem al meia boras da
mauiia, o U;'. Luiz Rj.uuio Pares-de Moreno, tx-
presidente da provincia de Alagoas, victima de
uma febre perniciosa, que 0 arrebalou a vida euv
poucos dias.
Alnacida Garret. Este vapor da com-
panhia pi.rniBueza saluo no dMa 23 do corrente,
a tardo, do porto da Babia para 0 nosso ; deve-
cliegar hoje.
Vapor nahia. Segundo lelegramma da
Bahia, devia d'ahi sahir hontem, a larde, este va-
por, com destino ao oosso porto.
Nanca .vlaclsado. Sobe hoje e amanlia
a scena uo thealro Pbenix Dramatico, 0 drama
hislonco desla provincia, inlitulsdo Suites Ma-
ekado, de composit;3o do Sr. Dr. Corte Real ; cha-
maraos para esses espectaeulos a atlem;ao do pu-
blico amaMte das iradi^oas patria9.
PcMtiviuaile. Amanha .alguns irmaos
masanos da innandade de S. Jose da Agonia,
mandam celebrar uma mtsA cantada as 9 boras
da manba, pir ser 0 dia e:n que a igreja festeja
seu padroeim, no convento do t'armo.
ArtminiMlracao do correio. -A agen-
da postal das 6'aRC4 Pontos arrecadou, de junho
de 1873 a.e 31 de marco uiiimo 3:9925420 sendo :
De sellos 2:86)5iiO
De cartas 1:1284920
No mesmo periodo despendeu eila 1:COOJ,
com 0 respeclivo pessoal, dando do lucro a fa-
zeada 2 9923420.
Prisao. -A' ordem do Dr. jniz de direito do
commercio, foi hontem recolliido a casa de da-
tenjao Joaquim Vieira Coeiiio da Silva, prouua-
ciado como incur:0 nas peuas do artigo 263 do
codi.'o criminal.
Folltetiin. Deixamos de publiear hoje a
continuacao da Lucrecia Borgia, por nao ter c; e-
gado a traduccao no Ville de Santos, que bontem
aqui aportou ; 0 que esperamos nao aconteca pelo
Djuio, qua deve aqui estar hoje.
\'in!c nove ile- llarro.Hoje, (25)
deve ter lugar a pariida mensal de:ta sociedade,
a qual fancciona no 1 andar do sobrado da rua
da Imperatriz n. 12
licautlilaiia la^riuius.A lythographiado.
Sr. A. J de Azevedo, a rua do Barao da Victoria
n. II, acha-se a venda uma quadriiba a-sim deno-
rainada, eomposicio do professor Lilioso, digna de
figurar na colleccao de qualquer amador.
tsjlu de aii.-aaiii.s. Sob a rubrica
Parte official danios boja, ura ofDcio do Sr. V.
Foiirnie, en^enheiro i liefe da repariiQao das obras
publicas, sobre a inc mvouitneia de ser construido
0 novo edilicio paia 0 hospicio de alieaados r.a
illia do iVogoaira. t-ecommendamos sua leitura.
Wupreiao trinnnal tie jUMtica. Na
sessao -ie 8 do corrente, foram novaineu'e dis-
tribui.las as seguintes revislas. civeis :
N. 8i87. Haranbao. RR. Theodora e seus !i-
Ihos. R. Firmino Jose da Souza. Sr. Barao de i i-
rapama.
N. 8489. Pernambnea R. Auguslo Frederico de
Oliveira. 1111. Aosusto Oodaviano de Souza & C.
Sr. Mariani.
N. 8166. Pernambuco. R. Manoel Joaqnim Bap-
lista, R. Francisco i. Netlo, tutor de Arthur, Idhu
do nnado Manoel Pedro de Meilo. Sr. Villains.
N. 8469. Maranhao. ItR. Manoel, Joaquira e ou-
tro?, prolog, R.i. Joaquim Jose Alves & Fiiao, em
liquidacao. Sr. C. Pinto
ftiaxeta Juridica. Chegaram boatem os
ns. 63 e 64 desta interessante revista.
0 n. 63 contain :
Gazela Juridica. Julgamento do Sr. bispo de
Pernambuco.
Direit'i Civil. Testamento do surdo-mudu.
Juris ticcuo Civil. Arrendaraento e pena con-
ventional.Alfurria nao se concede verbalmente.
Permuta debens de orphaos. bireilos do tutor.
Cuiisignaca em depo.-ito, de aiugueis. Divi .a
apparelbada em invenlario.
Jurisdicaio Commercial] Leltra simulada e sem
vigor. -Coiitralo do orpiiiio casado.- Embargos a
exeencao. -Leltras de cambio e de terra.
Jurisdicriio Criminal. Condemuarjao d)
bispo de Pernainbuo.
Novas relaroes. Ceara.
Jurisprudencia Partugueza.
0 n. 64 cuntem:
Gazela Juridica. Julgamento do Sr. bispo
Pernambuco, (im ponto).
Jurisdtcijao Civil, lleivindicacao de predio.
Reconhecimento judicial da liberdade.
Jurisdiccuo Criminal. Penlo nao pode ser juiz.
Homicidio por iraprudencia.
Novas Relacoes. Hio Grande do Sul.
Jurisprudencia Portugueza.
Jurisprudencia Franceza.
L-otcriii do Rio de Janeiro -Resume
da lista da 9' loteria (503.") em benelicio do hos-
picio de Pedro II, extrahida a 10 do corrente :
N. 3183..................... 20:0)0^000
N. 1920...................... 10:000^000"
N. 1363...................... 4:0005000
N..1983...................... 2:0003000
Ns. 3i)82 .'3671 1-.000$ a cada um.
Ns. 712. 744, 2671 e 4502 -8005 a cada um.
Ns. 92, 316, 5S4, 595, 1128, 1885, 1931, 1932,
2114 e 3340 -200 a cada um.
Ns. 503. 702, 718, 809, 1792, 2120, 2273, 344';,
3676, 3322, 3945, 3961, 4075, 4579, 4777, 4910,
5366, 5307, 5365 e 5683- 100* a cada um.
Ns. 34, 160, 347, 442, 463, 516, 649, 751, 917,
979, 9'.'6. 1014, 1062, 1094, 1140, 1371, 1531,
1641, 1682, 1801, 2002, 2157, 2320,
2618, 28111, 3122, 3198, 3342, 3'70,
3017, 3647, 3630, 3701, 3963, 3970,
4209, 4361, 4577, 4389, 4637, 4764,
5063, 5200, 3203. 5338, 3317, 53(2,
5866, 5912 e 595140* a cada um.
Resume da lista da 1J loteria (304.a) em
benelicio das obras da matriz de S. Joao Baptista
da Lagoa, exlrahida a 15 do corrente :
Sr.
de
236%
3381,
4096,
4823,
5631,
2446,
3472,
4172,
3048.
570),
2448,
3005,
3693,
4235,
4700,
5413,
e a
Paris, da um fabricanla de nolas falsas, de que ba
dias damn; noticia.
ti Nas cariar a jor'aacs quo boatem racaberaos,
encoatramos ainda aonr* esta assauipt 1 0 seguin-i
le:
a Em virlude de communicaj-oo.s re.ceb:das em
Pariii, foi preso no Porto a $3 do passado, Fran-
chco Jose ile Souza, que, havia um mez, se acbava
bosp > lailo no hotel do i'/ysnn. Antes da ser preso,
Souzi rasg-.u uma ciria elan;iu os fragmantos
em r.m balde do lavatoria; foram, porem, eslea
apiweiiados de modo que se odde ler perfeitainen-
io a :arta. Em do individuo pwj em Paris, quo
cife para 0 do Olinda, onde passou a residir, ao
capitao Melehiades Manoel dos Santos Lima.
Velcaeraauma de ilaceio. Pelo niao
lerapo nao dascarregou o Guston de Orleans boo-
tarn ; pelo qua deve sabir boje, a so amauha
(dosningo) .chegara aesta porio.
Tiiltciiiul do t:ouanaer<-io. Com 0 pra-
zo de 60 dias, a conlar de 23 docorrenle, acha-se
a eoncurso 0 jro.ine.iio de um lugar dc corre-
tur.garal de nossa praca, era substituieao do Sr.
Goncalo ]os6 Affonso, i|ue f ji exouerado a seu
pedido.
Diario de Pernambuco -z Sa clie-
ga:em os vaporcs'inglej Douro da Europa e pir-
N. 339...................... 2t:00:*000
N. 3937...................... 10:0014000
N. 2982..................... 4:000*000
N. 5404..................... 2:000*00)
Ns. 868 e 5827-1:000* a cada um.
Ns. 149, 943, 4263 e 4610 -800* a cada um.
Ns. 136, 266, 334. 1621, 1686. 1797, 2693,
4467, 5i).4 e 5417 -200* a cada um.
Ns. .233, 630, 717, 1009, 1506, 1730, 1773,
1983, 20 9, 20.3, 2111, 2289, 2329, 2565, 2592,
2750, 3069, 3D5, 4708 e 5830 -100% 0. cada um.
Ns. 26, 239, 836, 931, 9b7, 1124, 1260, 1304,
1668, 1787, 1994, 2038, 2171, 2208, 2443, "
2526, 2562, 2779, 28-8, 2844, 2i83, 2942,
3I2, -ili'Jo 33*2, 3193. 3315, 3611, 2613,
3709, J-321 3860, 3933, 4107, 4206, 422.,
4230, 4251, 4374, 44If, 4-509, 4602, 4643,
4868, 4903, 5140, 5237, 5239, 5251, 5304,
5423, 5i63, 5780 e 5826 -40* a cada um.
1.0.-.eria do Hio. A que corre hoje,
(199).
Loteria -A que se acha a venda e a 97." a
Deneduio da igreja de S. Goncalo, a qual corre no
dia 29.
Caaa de lis-ieuyao.Movimento da casa
de deteacao do dia 23 de abril de 1874.
Existiam presos 352, entrou 1, saiairam 5,
existem 348.
A saber :
Nauonaei 270, mulberes 9, o.:traugeiros 2y,
eacravos 37, escravas 3. Total 348.
Ainneritados a custa dos cofres puolicos 283.
Moviminto da enfermaria no dia 23 de abril de
1874.
Teve baixa :
Roberlo, escravo da Maria de Souza Leao, febre.
Teve alta :
Josue Joaquira dos Santos.
l'aMMuyeiro*Cnegados dos portos da Eu-
ropa no vapor fraucez Ville de Santos :
Jose da Barros, Helair Leoo, D. D. Guizeppe.
Idem do vapor francez- Fa'lto do Rio de Ja-
neiro, vindes dos porios do Sul:
Alfonso Krautler, Dr. Oliveira Campos, Joao E.
de Castro Jesus.
Ceinitcrio publicoObituario do dia 23
de abril.
Jose Francisco Orphao dos Santos, branco, Por-
tugal, 31 annos, solteiro, Graca ; febre iniijrmit-
tenie.
lacintbo Carapes, branco, Hespaoha, 22 annos,
solteiro. Boa-Vista; febre amarelia.
I.uiza Francisca de Paula, preta, Pernambeco,
45 annos, solteira, S. Jose ; febre perniciosa.
Primo Feliciano Machado, pardo, Maranhio, 27
aqnos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pedro II; va-
riolas conQuentes.
Maria Thereza do Jesus, parda, Pernambuco, 29
annos. s< Iteira, Boa-Visla, hospital Pedro II; la-
berculos pulmunares.
Joajuim, pardo, Pernambuco, 3 mezes, Sfif,\i>.
nio, casa dos exposips; fogo selvagem.
_oci.-co de Oliveira Mello e Silva, bxa,uco,
Pernambuco, 56, anw-s vauvo, Sanlo Antonio ; he-
rysipela.
.Mauoel Pareira da Silva Serzedelo, pardo, Per-
inmbuco. 50 aqnos, casado, S. Jose ; valvulas
Isabel Maria do Sacramento, b/anca, Peniam-
|>aeo, 18 anqos, solleira, Boa-Yisli; p'-tysica pul-
4

.


-

-

'

ILEGiiE



..... '..


B^o^elPefaiBt)ttt5& Sftrjoado '" efe Abril de iW4
-L
irionar
Anna
co, 80
namb
pertroi
Ma
viuvo,'
"Trgen?, par'da, Pernambu-
,ie; velhice.
saCTTOTtp
i11, branco, Portugal, 60 noes,
cite; ^auoH8CJirQio cerebral.
no Uiaciio do .Matto, 6 inspira
desajos era favor dessa fonte
E uaoUeni lid* Jo nisto S.*M
ooink*t8Tfrt|o liajrotma, guo
os uoo* projraasos egricoUB*
'ffcegourAriM de KmummI*.
ForaliTemeUidosao Sr. thesoureiro para serem..
pag03-Ipffi:ios:
Da pjKsidcucia, manlando pagar a empreza da
illuminJifao public;! a quantia de 350*, importan-
cia do gn oonsntnido no palacij da mesma pre-
sidencjf.e mob dependeneias, nos mezes de julho a
dezemhto do ao.no proximo passado.
Da rujesma, inandan lo pagar ao soldado do 2*
brtalhae de infanteria Libeno Manoel dos Santos,
gratificfnao aa imponaucia de 85OOO.
Da laesra:!, ao leuunti do corpo de policia An-
tonio J066 de Souza e Silva a quantia de 7*810,
impjriancia do forneciraeato de luz e agua ao
destaeajnento de itambc, no mez de fevereiro pro-
ximo ptjsado.
Da njnsma, a Samuel Power Johnston & C, a
3nantia4|e 7iftl60, import ancia de dous mostra-
ores pira 0. selogio do terreao do arsenal de ma-
rinha.
Da njasma, raandando enlregar ao prefeito do
hospicine-ile N.-S da Penha frei Veaancio Maria
FerraraLa quantia de 8:000*.
Do dijector da facul !ade de direito, com uma
conta apGuillierme Goncalves Gurjao, na impor-
tannadjl3'>l*.
Do pafOHin da comoanhia pernambucana de na-
vegaciaqrosteira, pedindo pagamento da quantia
de 4:3dU268.
Do d^igadeiro commandante da fortaleza do
Brum, own a conta d > fornecimenlo d'agua a mes-
ma foriijieza, no met de maroo ultimo, na impor-
tancia 4e 15*300.
Kequfrimentos de;
Silveslre Ribeiro de Albuquerque.
Kageiheiro Victor Fournie.
Arceiwo Domingos da Assumprlo.
- -i-.-iaria da tbesouraria de' fazenda de Per-
nambnoa, 24 de abril de 1874.
0 2 escripturario servindo de secretario
Carlos J. do Souza Correia.
actotTs'
<*r
baize
nar coaheei'to quanta se teoi fejio
adiantados sobre esso ponjo.
Por ooim lado pcoeuna aoiaac d
men to de vias ferreas, que sao uma condici
qua no* de prosperidade para a agriculj
neste intuito tudo envida para ver coro;
1>ooi exito os seus esforcos. Se,nem, tydo a
mo doseja, e que diffieuldades soppemas, 11
amconcursode circumstances quo &e n
debellar, estorvam os vdos ajtanados de 1
triolico e decidido querer.
Bis, pois, en pallidos e incompletos lr.
que tern sido a administracao do Exm. Sr.j
na para Pernauibuco.
Uma palavra resume tudo : trabatkar mns-
tanle e intelligente pela prosperidade da provincia.
Inimigos pequeninos, e verdade, que 0 sao:*am-
bem do eugranueciuionto real data terra, \f em
procuradp razex-lbe sombra com mn* centm de
acsusacoes, mas de aceusacoes tao somenta flhas
do odio que tem solo uma par usia-palvqgsa
das, enrubecendo as fa&is dos accnsa4oxas.
Tanto val nao ser accusado, se<5 que ujo >val
raais s_e-lo assia.
mri
I I*
RECIFK, 25 DE ABRIL DE 1S74.
A ADMIMSTRACVO DO EXM. Sll. DR. LUCENA.
Foi uma ve.nladeira folicidade para esta provin-
cia 0 ter sido elU eor.liaua pelo governo imperial
as haben e ameslradis inaos do Exu. Sr. Dr. Lu-
cena. sen digoo Hlho, que tem sido incansavel em
dar-lhe impul^o na via do progress, que tem
aberta diante de si.
Da administrairao do Exm. Sr. Dr. Lucena data
para esta briosa trra uma nova epoca de engran-
decimento e desenvolvimento.
Activu, bem imeoeiomdo, clteio de patriotismo
e do largas vista*, S. Exc. tem nao obstante a erf-
se fiaanceira. om que ja achou a bracos esta pro-
vincia, pmprehendido numerosos e proveiiosissi-
mos melhoramenlos, muitos delles sem 0 men or
;omproini!ttuiento da privincia.
K nao Hie peiassem a accao tamanhas diflQcuI-
dades com quo tem luiado, e 11 iu Hie esterilisas-
sem as grandiosas cone'pijoes os apuros pjcunia-
rios que Die estao sempre por diante, e eutao te-
ria chegado a vez do mareuar Pernambuco a pas-
sos de giganlo. vencen la a distancia que 0 separa
do nunto jue deveria hqjo occapar.
Seria 0 caso de -diz-er com 0 poeta : t Magnus
ab integro seclorum nascilur ordo.
-Nao obstante, porem, muito tem feito 0 Exm.
Sr. Dr. Lucena, que ha de deixar, a despeito de
iudo, sulco luminosissino na histiria desta pro-
i'incia.
^S6 a colonia orphan >'. ijica Isabel, quando mais
nao fosse, basta'ria para mmortalisar a meiroria
do Exm. Sr. Dr. Lucena. como administrador des-
ta provincia.
0 que vai de grande, de util, de humanitario,
nes-acreafao do Dr. Lueena di-lo hao melhor que
as palavras dos que niopodem deixar de admirar
tao util instil uicao, cs beneficos resultados, os
preciosos fact 3s que della em bre-e provirao
E por bem quo cab? a I'ernambnco a iniciativa
de tao hello e subirbo enprehendimento, que nio
tardura qoe'sa veja realisado a exemplo nosso em
muilas outras provincial
Graeis a urn pcroamhueano, adminlstrando a
sua provincia natal, urn melhoramento de alta
raonia vai ^er aqjii uma realidade, sendo-o tam-
bem 0:11 breve em quasi todo 0 paiz. AfBrmamo-
lo torn fe, pois que as grandes ideas que tradu-
zem nma conqaista As bem-estar e de progresso,
sio :omo sementes fecundas que todos querem
QOPOar a terra, sao cmo contagiosos exemplos
.j.ue em toda a parte acbam imiladoros.
0 asylo le alienados, essa materialisacao de um
pensameuti santo e sublime, vai devolo a provin-
cia do Pernarcbuc-j ao Exm Sr. Dr. Lucena, a
quem a infanc a e os infe.izes.loncos muito teem a
dove.-.
E 6 prceiso que se diga bem alto quo 0 asylo de
ilienados e a olonia Isabel nao sao somente a ex-
pressao do progresso material da provincia, mas
denotam tambem e antes de tudo passos agigan
tados na via do progresso moral que triluamos
mtliti ^0 contrario do que, dizein por alii todos 03
dias espiritos ligeiros ou mal intencionados, quo
,-rn toda 0 caso ignoram a sciencia da apreciacio
J 1- fictus.
De feito, quando em um povo desceo nivel mo-
ral, nao se 0 ve curar de iufelizes, como os loucos
ou d? entes fraws e desgracados, enmo a infancia
oroha e desvalida Eatao os sentimentos mais
delicados do coragao humano estao suffocados e
nao deiuni tresoalar 0 perfume da beneficencia e
da c '.ndade ; e da sorto dos infelizes, como cousa
minima, nao curara os pretores da eorrupcjio e da
degradagao moral.
Ahi esta 0 exemplo das duas Romas, da Roma
paga dosimpeiadores e da Roma christa. Quan-
do lavrava a degradaeao moral, a corrupcao de
costumes na pi imeira, so os prazarcs mereciam
altencao ; as dores ficavara somente para quem as
soffru. As grandezas mundanas eram 0 alvo de
todas as vistas ; os soffrimentos e a miseria nao
tinhaui nem mesmo 0 concurso do ar para lh'cs
transmittir os gemidos. porque nao haviam cora-
eoes I'ompassivis a quem este os levasse.
0 cbristianismo, porfm, penetrou em Roma e
com as auras pura< que de si bafejava, foi pouco e
pouco renovada a atm >sphera moral daquelle po-
vo. Foi snbindo 0 nivel moral em Roma.
Eotao foi coroecando a haver pretores que cu-
rasseai di cousas minimas ; 0 infortunio creou
direitos perante a cariJade, que surgia celestial
das doutrinas do Cruci'icado entre aquelle povo
degenerado, e a miseria sentio-se uieio alluviada,
vendo que ja eram ouvidos os seus queixumes. E
0 que signifies va is quelle povo restab-jlecia-se ; que o nivel da mora-
lidade que bavia descido tao baixo cometava a su-
bir. E assjm foi. Roma vio entao surgirem. bos-
pitaes, que por assim dizer nala significavam no
vocabulario de seu progresso material, mas que
tudo expriniai.i na obra de sua regeneraj-ao
moral.
Ja ve*se, pois que obras taes, como 0 asylo de
alienaio3 e a colonia Isabel,emprehendida9 e con-
cebidas, e verdade pelo Fxrn. Sr. Dr. Lucena, mas
generosa e brilhantemente coadjuvada9 por todos
os pernambucauos, sao um protesto vivo contra a
injustica que fazem a esta terra, negando-se esse
progresso mora..
Esta visto que nossas palavras nao teem a pre-
ten^ao de airogar-nos brilhantes conquistas mo-
raes ; visara apenas a asseveraf Jo de um facto :
j '*e progrediwu moral me nte.
A instructao pubuca na provincia entrou em
uma phase nova e animadora. 0s esforcos de S.
Exc. 0 Sr. Dr. Lucena, inspirados pelo grandioso
pensamenlo que preside ao gabinete de 7 de mar-
go de dar todo 0 desenvolvimento a instrucQao,
que raaitissimo ja deve ao talentoso e diligentissi-
mo mim'stro pernambucano, 0 Exm. Sr. Dr. Joao
Alfredo, lem sido liberalisados a prol dessa causa
santa.
Fehzmente esses esforcos tem achado eco no
patriotismo pernambucano. que muito tem feito
pelo derramimento das lazes na provincia.
Ainla neste ponto foi Pernambuco 0 primeiro a
dar 0 exemplo de iniciador fecundo, instituindo a
Sociedide Propagadora da fnstniCQSo Publlca, cu-
jos servicoii relevantissimos, prestados deniro de
tao pouco teupc, sao digaos de quautos elogios ie
lb33 possa teser.
Naagriculiur.i da provincia, que tantas atten-
Qi5es merece. uao cessa 0 Exm. Sr. Dr. Lucena de
exercer beneflca iaflaeacia, fazendo quanto Ihe
parmittem os acha circa mcripto.
A '.reaciio da colonia Isabel 6 tambem um gran-
da serWco presUdo a agricultura.
1-
\e
e
de
co-
de
de
ee-
-mr
*m
n
USMl

FEDIOQ.
---------------rm-
Elcicao de Juices, cscrlukeg e
iomoM iue line le fetrtejar IV
s'iilioiii da Bua Uuni, -f^cel
Igreja de \osa Henhora do
K&9 da rreueEia de Kauio Ant
neste anno de 1893 a 189 1.
Juizes por eleicao.
Os Iltms. Srs :
Joaquim Jose Gontalves Bejtrao Junior.
Dr. Oosrae Dr.
wBiTtaJito erf?lja5efn-pmoe3o a ratw[ Cregon : M. C. Lopes ViamM t barril com 48
ae ifapem d txaofe artd nao appa- ifrte de alcool. r
im ; afsmv couo |prqpep*o for fleixa tte
var's^,j.sta{a))jSBlJl*4P 1ua 'o*1 abocado fo
re
Jose"
tempo da
Mas, e^hs
certo, afa3ta'c
otoria -fioiAa;
ws"ot todos ffum
Codes.
te nao
MfcCll?
C*#l*pA^lA W'^LflfcNDRGA
aendlmento OwRa 1 a 23. 15:327*89!
'dm do dia 24 1:250*987
JUNTA DOS CORRETOKES
Prueii do Recife, 9A d abril
de A894.
AS 3 I10H AS DA TARDE
cotaq5es officiak*.
Algodaw de 1" sorte 8*010 por 15 kilos, hontera.
Assucar de Macei6 regular 1*920 por IS kilos-
posto a bordo a freto de 25| e 5 0|0,
hoatem.
Assucar brulo bom 1*600 por 15 kilos, h ntem.
Cambio sobre Londres a 90 d|V. 25 7|8 d.
por 1*000 bancario, bontem.
I). Ie Vascoiiceilos
A. P. de Lemos
Sacretario.
ALF
^oimepio ao fj?
dtva do du 2i
V4GA
723*
23:c
If25
1*831
Qiveira Kuuceca Junior.
Juaqnim Rodrigues .lavaus -de ileijo.
Joaquim Pinto Lapa. ^
Gommendador Joao do Rego Lima.
Teneflle Manoel Aatoito*ie^s
Fr>-i Iguacio de Santa Umbelina de Medeiros. ^:
Jujzes por devotap-
Os Illms Srs.:
Antonio Gontalves Co;ta. ^rrrt
CarnUoTiburcio Hylario da Silva Tavares.
Joao P*r;oija MoiiUuIk).
Commendador Jose da Sdva Loyo.
Joso.Teixeira Bastos.
Dr. Francisco Martins Ribeiro.
Juizaspor eleicao.
As Exms. Sra^. :
D. Maria Felicia Araujo e Silva.
Esposa do Sr. Alfredo Garcia.
Esposa do Sr. Antonio da Silva Giria.
I). Annunciada, viuva do Sr. Herculano.
D. Thereza, esposa do Dr. Felix de Figueiroa
Faria.
D. Joanna da Porciumcula Ferreira.
Esposa do capitao Francisco Antonio Brito.
Juizas por devogao.
As Exms. Sras. :
D. Ursula Monteiro.
D. Manoella Maria da Coneeicao.
D. Leonor, esposa do Sr. Antonio Augusto dos
Santos Porto.
Esposa do Sr. Miguel Jose" da Motta
Esposa do tenente Manoel da Silva Maia.
Esposa do Sr. Vianna.
Escnvaes por eleicao.
Os Illms. Srs.:
Manoel Antonio de Jesus.
Jose Domingues do Carmo.
Ignacio Ferreira da Costa.
Joao Bapti.-ta Monteiro.
Padre valeriano de Alleluia Correa.
Escrivas por eleicao.
As Exms. Srs.:
D. Idalina Maria dos J njos Santiago.
D. Fraucisca Cunlia.
Esposa do Sr. Joao Jose" de Carvalno Moraes.
Esposa do Sr. Manoel Gontalves Ferreira e Silva.
Esposa do Sr. Antonio Domingos Pinto.
D. Maria das Neves de Souza Teixeira.
Escrivaes por devojao.
Os Illms. Srs.:
Jos6 Lopes Alheiro.
Mauoel Francisco Potas
Domingos Gomes Brasileiro Araorim.
Francisco de Medeiros Raposo.
Escrivas por devocao.
As Exms. Sras. :
Esposa do Sr. major Antonio Gomes Leal.
Viuva do Sr. Custodio Jose Alves GuimarSes.
Esposa do Sr. Antonio Machado Pereira Vianna
Junior.
Viuva do Sr Antonio Jose da Costa e Silva.
Esposa do Sr. Dr. Joao Maria Seve.
Mordomos.
Os Illms. Srs. :
Capitao Olympio Goncalves R >sa.
Antonio Goncalves de Azevedo.
Dr. Olympio Marques.
Padre Christovau.
Lourenco da Cunha Ribeiro.
Manoel Antonio da Silva Moreira.
Hemique da Costa Soares.
Monsenhor padre Franeisoo Mnniz Tavares.
Jose da Silva Loyo Sobrinho.
Joao Carneiro.
Jose Tavares de Medeiros.
Joao Felix de Mello.
Dr. Ayres Gama.
Antonio Francisco Santos.
Francisco Jose Leite.
Joaquim Fernandes do Monte.
Juizes protetores.
Os Illms. Srs.:
Antonio Correa de Vasconcellos.
Dr. Joaquim Jose" da Foncesa.
Antonio Marques de Amorim.
Vigario Antonio Marques de Castilna.
Padre Antonio de Albuquerque Mello.
Antonio Jose Pereira da Cunha.
Padre Dr. Francisco do Rego Maia.
Vicente Ferreira da Porciuncnla.
Joao Jose de Carvalbo.
Padre Estima.
Juizas protectoras.
As Exms. Sras.:
D. Isabel, esposa do Sr. Jose Rodrigues Vianna.
Esposa do Sr. Manoel Nanes da Fonceca.
Esposa do nosso irmao Rodolpho Mamede Ama-
ral.
Esposa do Sr. Joaquim Pereira Arantes.
D. Maria Fontoura Wanderley Loureiro.
Esposa do Sr. Joaquim Goncalves de Siqueira.
D. Maria Rita da Cruz Neves.
D. Jesuina Augusta Alves Silva.
D. Maria Josepha da Silva Debourque.
Esposa do Sr. Francisco Gurgel Araaral.
D. Candida, esp03a do Sr. Luiz Martins Araujo.
Filha do Sr. Antonio Luiz Oliveira Azevedo.
Mordomas.
As Exms Sras. :
Esposa do Sr. Belisario.
D. Emilia Angelica de Andrade.
D. Veronica do Rego Motta.
Baroneza da Victoria.
D. Maria de Pinho Borges.
D. .Maria Bernardina Ramos das Chagas.
Baroneza do Livramento.
Esposa do Sr. Manoel Jose de Ba3toa e Mello.
D. Anna, mai do nosso irmao Ludgero Lopes
Lima.
Esposa do Sr. Gabriel Archanjo Azevedo.
Esposa do Sr. Joao Olivas.
Juizes bemfeitores.
Os Illms. Srs.:
Dr. Miguel de Figueir&a Faria.
Alfonso do Rego Barros.
Fabio Alexandrino de Carvalbo Reis.
Consistorio da irmandade de Nossa Senbora da
Boa Hora, ereeta na igreja de Nossa Senhora do
Rosario da freguezia do Santo Antonio, 29 de ju-
nho de 1873.
0 thesourelro,
Manoel Antonio Cosme Marlins.
Ouriourj. I. de abril de 189 1
Pois a lei nao quer firmar seu imperio no On-
rieury ?
Vi uma ordem manlando multar e processar 0
nosso cura por ter mandado para 0 erario uma
peticao com sello falso ou fafsincado:
E que tal f
Depots, passande pela casa do escrivao Rufino,
vi 0 nosso cura cercado dos capangas Jose Cuiaba,
Clementino e Antonio Magalhaes, dando uma
justificacao para desmentir os homens do thssou-
ro. Esta 6 boa.
Todos sabem que estes tres azucrias sao capa-
zes de jurar que Deus nao e Deus; ewe jura-
mento 0 que precisa para defeza 0 Sr. cura, tera
taatoi... ate eu vou jurar falso em seu favor,
(ooaforrae for 0 arranjo que flzermosj e depois
eile confessa-me e estou prompto.
746:4i6*456
Descarregam boje 25 de abril de 1874.
Vapor inglez Douro (esperado) mercador as,
bagagens e amostras para alfandega e
trapiche Conceiclo.
Barca franceza lntrepide Corse raercadoriai \
para alfandega.
Patacho inglez Gerda mercadorias para al-
fandega.
Patacho inglez W. A. Meney mercadorias
para alfandega
Brigue portuguez Cotete vinho para deposito
no trapiche Cunha.
Vapor nacionil Gastuode Orjeans.(esperado)
merc'alorias nacionaes' para .0 trapiche
ftfjpjas.
Vapor- frafleet ViHe de Santos mercadorias
para alfaodfga e< trapiche (onceicAo,
Importa^So.
Vaper francez Vine de Santos, entrado do Ha
vre e Lisboa em 2i docorrenle, e consignado a
Augusto Frederico de Oliveira 4 .C, manifeston :
Carga de Lisboa.
Azulejos 15 caixasa Luiz Jose da Silva Guima-
r3es.
Cebola1; 50 caixas a Antonio Anncs Jacome, 25 a
Joaquim Duarto Simoes & C, 25 a Pinto Moreira
& C. Quourifas 91 ancoretasa Silva
Inurumcntos nauticos 1 caixa a Jose Oliveira
Fonceca.
Mappas 1 volume ao mesmo.
Papel 10 oaixas a Joaquim Jos6 de Azevedo.
Velas de cera CO caixas a Oliveira Filho&C.
Vinho 6 pipas e 20 barris de quinto aos mesmos.
Carga do Rayre.
Agua de Vichy 10 caixas a Ferreira Maia & C.
Azulejos 10 caixas a T. A. Fonceca & Successores.
Cachimbos 2 caixas a Vaz Junior & C. Calcado 1
caixa a Lyra & Vianna, 1 a Joa ;uim P. Arantes,
3 a Porto & Bastos, I a Mesquila Cardoso & C, 1
a Francisco Ramos, 1 a Mendes Lobo & C, ffltos e
couro 3 caixas a Parente Vianna & C, ditos e
tecidos 1 caixa a F. M. do Almeida, ditos, vidros
e drogas 7 caixas a J. T. Leite Bastos. Camisas 1
caixa a Nathan) Klein. Cartas do jogar c brin-
quedo 2 caixas a Domingos M. Martins, ditas e
miudczas 4 caixas a Vaz & Leal, ditos e papel 2
caixas a Araaral, Nabuco & C. Champagne 10
caixas a Th. Christiansen. Chapdos 3 caixas a Cos-
ta Maia & C., 1 a Sa Leiiao & C, 1 a Sabino J. de
Almeida, 1 a Amaral, Nabuco A C. Couros e pa
pel 1 caixa a Bonrgard & C, ditos e objectos de
selleiro 2 caixas a J. A. da Malta Guiraaraes.
Crystaes 1 caixa a ordem.
Espingardas 1 caixa a Cunha A- Manta.
Ferragens 2 caixas a Parente Vianna & C, 2 a
Mme. V. Falque. Fitas 1 caixa a Joao Christiani
& C., dilas e miudezas 9 caixas a Vaz Junior & C,
ditas e quadros 2 caixas a D. M. Martins. Flores
2 caixas a Carvalho, Pereira & C. Fumo e re-
gistros 2 caixas a Joaquim B. dos Reis.
Instruments de musica 2 caixas a P. E. Ro-
berto.
Joias 1 caixa a V. Grandin, t a E. Turpin, 1 a
Jose A. Castro Oliveira.
Livros 1 caixa a F. A. Pacheco. Louca 1 caixa
a Bourgard db C.
Manteiga 49 barris e 190 meios ditos a II. & La-
billo, 40 e 80 a L. J. da Costa Amorim & C, 40 e
50 a Magalhaes & Irmao, 20 e 40 a Fernandes &
Irmao, 25 e 35 a ordem, 15 e 15 a Cardoso &
Martins. Medicameuios e drogas 11 a J. da S.
Ramos, 3 a Ferreira Maia & C, 2 a Barlholomeu
& C, 1 a Joaquim Felippe da Costa, ditos 0 vidros
12 volumes a A. Caors, 1 caixa a Ramos & Ma-
chado.
Objectos para seleiro 2 caixas a A. da S. Azeve-
do, 1 a Vaz Junior & C 1 a M. J. R. da Costa.
Papel 15 fardos a Costa, Irinaos & C, 6 caixas a
J. R. do Reis, 2 a A. J. Azevedo, 2 a ordem, 1 a
J. Pereira Moutinho, 1 a M. Hallidy & C, dito,
pentes e flores 3 caixas a Carvalbo, Pereira & C,
ditos e livros 11 eaixas aS.Gardoso & Pereira,
ditoe porcelana I caixa a S. Guimaraes & C, di-
to e tecidos 2 caixas a Guimaraes A Irmao. Per-
fumarias 1 caixa a Alfredo Gibsoo, 1 a D. M. Mar-
tins, dito, calfado e couros ) caixas a D. T. Bas-
tos, ditos e joias 3 caixas a Carvalbo, Pereira &
C. Pianos 2 caixas a V. Prealle. Porta charutos
1 caixa a Viz Junior A C. Pregos 1 barril a Sou-
za Sa 4 C.
Quadros 1 caixa a Costa Irraaos & C. Queijos 1
caixa a D. P. Wild & C.
Relogios I caixa a Lehmann Frcres.
Tecidos diversos 15 caixas a Keller A C, 6 a D.
P. Wild & C, 5 a Alfredo Gibson, 5 a Monhard
Mettler & C, 4 a Carneiro & Nogueira, 3 a Olinto
Bastos AC, 2 a J. L. G. Ferreira A C, 1 a A. C.
de Vasconcellos, 1 a Cordeiro Simoes & C, 1 a L.
A. Siqueira, 1 a A da S. Azevedo, 1 a E. A. Burle
A C, 1 a Souza, Sa 4 C, 1 a Goncalves Irmaos &
C, 1 a Papoula A. C, 1 a ordem.
Vidros para vidracas 100 caixas a Silva a Al -
ves. Vinho 1 barril a A. Caors.
No ahi a J
No di.i 2i
rtiraeira poria .
*flgunda*orta
rwceira" p3H .
Quarta pora .
fiapiche f>nceicao
VO,MfM99,iAJlJPOS
m\
16:578*579
25,975
163
105
279
618
27,170
SZRVIGO MAJttttMO
*J>*rengas descarregadas u> trapiche da
alfandega :
No dial a 21.....
So dia 4.......
62
2
1
60
Agoid.
Beja.
Chaves.
hHvas.
Amarante.
Guimaraes.
Covilhi.
Mergacn.
Portal egre.
Arcfls de val de m.
Celorico de Baste
Caminha.
Mangualde.
Ponte do Limi.
Povoa de Lanhosa.
Villa-Nova de Portimso.
-,-
Guarda.
LeLria.
Llsbea.
Bar:ellos.
Coimbra.
JJiraiidella
Penanel
lit
Tavira.
Regga.
Viieo.
Figueira.
Lamogn.
Eslarreja
Talenja.
Villa Real.
Cabecetras do Bastos.
CasleUo-Bfaneo.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
Vianna do Castello.
Villa-Nova de Famaricao.
Villa do Conde.
Nasr ilhas.
Mideira, S. Miguel, Faial e Terceira.
*
u
RRCEBEDOUIA D8 Rt^DAS LNTIRNAS GE-
ftAES -Bfi PRRNAMRBCf
daadhnenlo do dia 1 a 23-. 45V83**80
^^ilojiu 4 ,4:230*900
" 50:069*180
CpN^ULADO PROYISCJA..
fiendjaieaso ilo^ia-1 a 23 V 106:"554*707
Idem 4o dia 24 IMllMl
U);I8W678
----------------7.
MABITIMOS
CONTRA 0 POGO
Acompanhia Indetnnisaciora, estabeleckti
aesta praija, toma seguros marititnos sobn
oavios e seus carregamentos e contra fog<
im edificios, mercadorias e mobilLas: m
rua do Vigario n. +, paviratstito terrco.
Anpslo F. (I Oliveira &C. j
A casa commorcial e bancaria de Augusto
^ d'Oliveira & C, a raa do Co:nroeroio ns
42, encarrega-se de execucao de ordeiis
para embarque de prodoctos e de todos 0-
mais negocios de commissSe, quercommer*
ciaes, quer bancarios.
Deconta lettras, e iorna dioheiros a pre-
mio, compra cambiaes, e saca d vista e a
jazo, a" vniitade do tomador, sobre as se-
guintes pracas estrangeiras e nacioiiaes :
I-oiiJres. Sobre o union bank of
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de 1.' classe.
Paris. Sobre os banqueiros fould
& C, MARCUAKD ANDRE & C. e A. BLiCQUE,
VIGNAL & c.
Haniburgo. Sobre os Srs. joio
SCIIU BACK & I'il.ll s.
L.ilou. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, e SEBASTtAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre 0 banco uniao do porto
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre 0 banco commercia-
do parA, e os Srs. Francisco gaudencio da
COSTA & FILIIOS.
llaranhilo. Sobre 0 Sr. jose i er-
reira da silva junior.
Ceara. Sobre os Srs. j. s. de vas-
concellos & SONS.
Italiia Sobre os Srs. marinhos & c.
Rio de Janeiro. Sobre 0 banco
industrial e mercantil, banco nacional e
BANQUE BRASII.IENNE FRANgAISE.
d:;spachos de expohtacao no dia 23 de
ABRIL DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Fire Quen, para Liverpool,
carregou: A. C. de Abreu 1 caixa com 2,000 cha-
rutos ; M. Lathan A C. 245 saccas com 18,087 li?
kilos de algodao.
Na barca iogleza Bella, para Cronstadt, car-
regou : M. Lathan A C. 353 saccas com 26,09! 1|2
kilos de algodao.
No navio inglez Carisbrook, para a Russia,
carregou: S. Brothers A C. 160 saccas com 12,589
kilos de algodao.
No lugar francez Rio Grande, para o Havre,
carregou : E. A. Burle A C. 24 saceas com 1,899
1[2 kilos de algodao e 100 couros salgados com
1,200 kilos.
Na suraaca hespaahola Angela, para Barcel-
ona, carregou : P. M. Maury 30 couros espicha
dos com 210 kilos.
No vapor portugnez Almeida Garret, para
Lisboa, carregou : 1 caixa com 136 kilos de doce
e 2 barncas com 400 cocos ; para' o Porto, J. F.
da Silva differentes mercadorias para seu uso.
Na barca portugueza Novo SiHncio, para o
Porto, carregou: R.Lima A Guimaraes 11 pran-
ehoes de amarello ; H. L Reis 60 couros espicha-
dos com 1,350 kilos.
No lugar portuguez iulio, para Lisboa, car-
regou : J. C. Goncalves 400 saccos com 30,000
kilos de assucar branco e 200 ditos com 15,000
ditos de dito mascavado; J. A. da S. Araujo 150
ditos com 11,250 ditos de dito e 50 ditos com 3,750
ditos de dito branco.
~ No navio portuguez buboa, para Lisboa,
carregou: M. L. Paes Barreto 100 saccos com
7,500 kilos de assucar branco ; S. Guimaraes A
C. ISO ditos com 9,000 ditos de dito e 20 ditos
com 1,500 ditos de dito mascavado.
Na barca portaguaza Victoria, para Lisboa,
carregou : P- Carneiro com 288 kilos.
Para ot portos do interior.
Para o Rio Grande do Sol, no navio nacional
Alian$a, carregon : J. J. Ferreira 3 caixas com
75^kilos de doce ; M. L. Paes Barreto 282 bar-
ricas com 16,837 ditos de assucar branco.
Para o Para, no navio portuguez Azurara,
carregou : H. L. Reis 10 pipas com 9,600 litros
de aguardente.
Para o Natal, no hiate nacional Flor do Jar-
dim, carregou : Fraga & Rocha 2 barricas com
ir de assucar branco; M. C Lopes Vi&nna
8 io. ues com'520 ditos de dito.
^ara a Parahyba, na bareaja S, Benedicto,
COMPANHIA ALLIANCA
seguros maritimos e terreo-
tres estabelecida na Bahis
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:000*000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
ueo maritime em navio de vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assim come
:ontra fogo sobre predios, generos e fs
rondas.
Ageute : Joaquim Jose Goncalves Beltrao
i\a do Commercio n. 5, i* andar.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias,
iretes, dinheiro a risco e finalmente de qual-
juer natureza, em vapqres, navios va" ela on
3arca$as, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro contra-logo
CUE LIVERPOOL & LONDON & GLOr
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUNDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
Capital.
?undo
NORTHERN.
.... 20,000:0009000
ri- reserva. 8,000:0009000
Agentes,
Mills Latham & C.
dUA DA CRUZ H. 38.
BANCO COMMERC AL Ofi BRAGA
Jorge Tasso
Sacca sobre este banco e suas agendas nas se-
guintes cidades e villas:
Portugal.
Amarante Lisboa
Anadia Melgaco
Arcos Mirandella
Avelro Mnncao
Barca Pena-fiel
Barcellos Pinhel
Beja Ponte do Lima
Chaves Porte-mao
Coimbra Porto
Coura Povoa de Vanitn
Covilha Regoa
Elvas Tavira
Extremoz Valenca
FamalicSo Vianna
Faro Figaeira Villa do Conde
Villa Real
Guarda Vinhaes
Guimaraes Vizeu
Lagos Villa N. da Cerveira
Lamego Funchal
Eayal.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Filho sacam
por todos os vapores sobre :
Anadia. Evora. Monsao.
Navio sakido no-dia 23.
Rio de Janeire -Corveta a vapor cln'lena Magella-
nus, coramaadaote 1 tenente t. 'Morlinas.
Navios er.tmdot no dia 24.
Havre porLiaMa 44 dias, sendo 4o ultimo porto
14Vapor francez Viite de Santos, de 817 to-
neladas, comnModanto Lefevre, equipagem 39,
carga fazenda- e outros generos ; a Augusto F.
de Oliveira & C.
Rio de Janetro e Bahia 6 dias, sendo do ultimo
porto 42 hora* Vapor francez ViHe do Rio de
Janeiro,dc 817 toBeladas, comraandaaleFleury,
equipagem 39, carga differentes generos ; a
Augusto F. de 0 ieira & C.
Bahia-6dias, barca portwzueza Alegfia, de 34S
taneladas, capitao Aotonio. Ferreira de Carva-
lbo, equipagem. 13, em lastro ; a E. R-. Rabello
& C.
Liverpool Polaca hepanhola Anniti, capitao
Alsina, carga assucar e algoda >.
Pelo presente se faz publico ao professor da
oadeira de instruccao primaria de Mal.hadinba,
padre Jose Procopio Pereira, que tendo delibe-
rado o conelho nreator era sessao de hontom,
haver elle incorrido em peua de suspensao, pela
reincidencia dp facto pelo qual ja lei multado,
consistindo em estar fora do exereicio do magis-
lerio sem licen^-a, ordenou o Dr. director geral
interino se marcasse ao dito professor o prazo de
dez dias contados da data da publ'caeao do pre-
sente, para dentr-i dello praduzir a sua defeaa,
sob peua do revelia.
Secretaria da instruccao pnblica de Pernambu-
co, 24 de abril de 1874.
0 secretario,
Joaquim Pereira da Silva Guimaraes

CO.UPANIIIA PERNAMBUCANA
BE
KavegacSo costeira a vapor.
UIViDRSDO BONO.
Esta ompanhia paga o seu nono dividendo, i
razao do 3 0|0.
SOCIETE FRANCAISE
D3
Secours Mutuels,
Messieurs les membres de la societ6 frangaise
sont invites a se rendre a la reunion qui aura lieu
le 29 abril a 7 1|2 heures du soir au sabn de
.'hotel do 1'Europe.
Le president
___________________________E. Turpin.
Imperial sociedade dos artis-
tistas mechanicos e libe-
raes.
Por ordem do Sr. director convido a todos os
socios effeclivos a comparecerem a sessao ordina-
ria no dia 28 do commie, afun de tralarse de ne-
gocies urgentes e de iuteresse social.
Recife, 22 de abril de 1874.
0 1* secretario
P. Paulo dos Santos.
Companhia perna -ibucana
do navi-gacao costeira a
vapor.
Deordfmdo consolbo da direc,-ao, csnvidc aos
Srs. accionistas da nova emissao de ac;oes desta
compan: ia, que somente realisaram a primeira
preslajao de 20 |. sobre o valor subscripto, a fa-
zer aegunda entrada a mesma razio,_deotro do
prazo de 30 dias, a con'.ar de hoje, ivj'escriptorio
do Forte do Mattes.
Recife, 23 de abril 1874.
Jhomas M. Connan,
Gerente interino. .
<' i|i nliia dos trillion urbauos
ribe.
Nao tondo comparecido
numero legal de accisnistas,
para que podesse hoje func-
cionar a as3emble"a geral da
companhia aciraa em sessao
ordinaria, como foi convoca-
da, foi dita sessio adiada
para o dia 29 do corrente as 2 horas da tarde e
no lugar do coUume ; e entao funccionara com
qual quer numero dos accionistas presentes nos
termos do art. H dos estatutos.
Recife, 22 de abril de 1874.
O secretario,
Luiz Lopes Castello Branco.
Pela administracao dos correios desta pro-
vincia se faz publico que se acha marcado o prazo
de 30 dias, a contar da presente data, para o con-
curso de uma vaga de praticante. 0 concurso tera
lugar na mesma administracao, e constant de
exercicios de caligraphia e orthographia, aritbme-
tica elementar, comprebendeado o uso do systema
raetrico e nocpes geraes de geographia, de confor
raidade com o artigo 38 do regulamento de 12 de
abril de 1865. O conhecimento das lingoas es-
trangeiras dara direito a preferencia 03 candi-
dates deverao provarcom certidao nao terem me-
nos de 18 annos, nem mais de 30 annos de idade,
e apresentar certiQcado medico de boa saude,
como dispoem os 1 e 2 do art. 40 do predito
regulamento.
Administracao dos correios de Pernambuco,
21 de abril de 1874.
0 admiuistrador
Alfonso do Rego Barros.
0 administrador da recebedoria de
rendas internes geraes avisa aos contribuin-
tes do imposto sobre industrias e profissoes,
que & neste mez de abril que tem de ser
pago, sem mulla, o 2." semestre do exerei-
cio de 187374, depois do qne sera" pago
com a multa de 6 %
Recebedoria de Pernambuco, 7 de abril
de 1874.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda
SANTA CASA DA MISERIC0RB1A DO
RECIFE.
A Rlma. junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
aa sala de suas saasSes, no dia 23 de abril pe-
las 3 horas da tarde, tem, de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em segaida
declarados.
ESTABELECIMENTO DE CARCDADE.
Travessa de S. Jose.
Casaterrean.il.......201*000
Rua de Santa Rita.
Idem n. 32....... 230*000
Idemn 34........216*000
Rua de Hortas.
Sabrado n. 84.......e85JOO0
Loja.........316*000
Padre Floriano.
Idem n. 49........207*000
Ciuco Pontas.
Casa terrea n. 114......362CT500
Rua da Alegria.
Idem n. 31........371*000
Ponte Velha.
Idem n. 31.........156*000
'< a
Raa de Antoaio Henri io>3.
idem n. 26 .
PATRIMONY) DOS OKPHAOB.
Raa da 9s*xatta vrtlra.
Casa terrea a-ft. **!. 20'.'*000
Becco das Betes.
Sobrad* n. 18 uit'<&? 421*000
RuadaCros ^.,
Sobrado n. 14 (fecbado). .. u T&fcfao
JRua do-PUar.
Caia terrea n. 100 241*000
Rua do Amerim.
Idem n. 34........122*000
Raa da Guia.
Idem n. ........201*C0O
Rua diS Larangiiras.
Casa terrea a. 17. .... 361*000
Os pretendentes deverao apr'esenlar Jio ado da
irrematagao as anas fiancas, ou conjfarecerem
icompanhados dos respectivos fiadorea, devendo
pagar alera da renda, o p.remio i da qqanfia en>
qae for seguro o predio que coativer fstabeteci-
oiento commercial assim conio o servico da Bro-
peza e precos dos f.yparelhos.
Secretaria 4a sana casa da miscricofgia do R-
;ife, 17 de mar^o o in 1874.
0 escrwao
Pedro Rodrigurs de Souza.
Armazens da companhia|)er -
nambucan^.
NfTflcatros eontru o fo^-o
A eompzalBa pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastos armazens em seu firetfift ao-fbr
te do Mattos, etferece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garastindo a niaior con-
se/vaeao das mercadorias depositadaf, teiviqcr
prompto, prece* moflicos, etc.
Tambem recoltwra, mediants.pwTvadoordo, er-
clusivamente os jeneros do uma >o pausda.
Estes armazens-, ah?m de arejados e commodos,
sao inteiramente novos e aapbalta^s, iaentos da
cupim, ratos, etc.,-etc.
As pessoas gue quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escriptone da com-
panhia pernambucao.i, que adiaiao- com quem
tratar. __________________.____________
P. la thesoararia de fazeadaje Jeclara qne o
Jrazo marcado para recolhimenJo das notas Jo
6 e on,', da quarta et^mpa, sem desconto, fipda-
se, para as pomeiras em 31 de malo, e para as
segundas em 30 de jsnho vindouro, senje. que
dahi em diante series trooadas com c descoutp
mensal de 10 OiO ate licarem se.ni valor.
Secretaria da thesoararia de fazenda, 11 de
abril de 1874.
0 2U escripturario, servindo de secretario
Carlos Joan de Souza Correia.
TRIBUNAL DO COKMKRCIO DE PER-
NAMBUCO.
Esta secretaria faz pubheo que ha mais uma
vaga do otlicio de correlor geral desta praca pela
exoneragao concedida hontem pelo. meritissinjatri-
bunal a Antonio Botelho Pinto de Mesquila, a qua
se raarcou o prazo de 60 dias, que sera conlado da
data da primeira pubiicagao do presente annuncio,
para os pretendem^ se habilitarem ao referido
lugar. Outro sim a mesma secretaria faz igual-
menle publico, que a fiaoca prestada pelo sobre-
dito excorretor coutinuara por tempo ,de seis
mezes, contados da data da primeira publicacao,
e so podeni ser extincta a m-sma fianca a vista de
documento legal do meritissimo tribunal do com-
mercio pnr onde conste que nao pende contra dito
ex-corretor Mesqnita, reclama^a.) alguma.
Secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco, 2 4 de abril de 187i.
0 oliicial-maior,
Jnii.i Gnimnraes.
Arrematacao
Pelujuizo de orphios de O.inda, escrivao Dr.
Caldas, vao a pra;a no dia 27 do corrente, a 1 hora
da tarde, na casa coatigua a estacao do Varadou-
ro, 03 moveis e livros pertenceutes ao eapolio d>
finado conselheiro Guerra, sendo quasi toda a mo-
bilia de moguo e em bom estado.
Sociedade liittertaria Amor ao
Esiudo.
Hoje, a3 II horas do dia, havera sessao desta
sociedade"no lugar do costume. Defenderao the
ses os Srs. Jose Maria Correia das Neves e Anni-
bal Falcao.
mm
Santo Antonio
SI

Sabbado 25 do ccrrente.
Segunda representacao da comedia-drama em 3
act -s, original brasileiro do actor Bahia :
Duas paginiis dum livro.
A pedido, primeira represeotacao, este anno, da
cemedia em 1 ado de grande successo :
liiia experieneia
fazendo a Sra. D. Emilia Camara o papel da visi-
nha Margarida :
Principiara as 8 1|2 horas.
DOMINGO
A's 5 i\'i boras da tarde
Comedia-drama em 3 actos :
Duas paginas (Turn livro.
Comedia e 1 acto :
Uma experieneia.
A's & fl|9 horas da tarde.
theItro
JWEZI -_P PENANTE '
:m:i S7CCSSS0'
GR\NDE SUCCtSSO !
GRANDE SUCCESSO 1
Sabbado 25 do corrente.
Primeira representacao do drama original bra-
sileiro em 1 prologo, 4 actos e 7 quadros, inlitu-
hdo :
Nunes Machado
ou
A liei'aiK'ii do coudeiunado.
pelo Dr. J. B. P. Corte-Real.
I> e no m i aac si o.
Prologo.
1." Quadro0 caminho d'angustias.
2. Quadro -0 pacto de sangue.
Primeiro acto.
3." QuadroA expnhio.
Segundd aeto.
4. QuadroAnnibal, ou Scipiao 1
Terceiro acto. -
5.* Quadro. -Alea jacta est.
Quarto acto.
6. Quadro -Fatalidade.
7." Quadro A aureola da gloria I
Cs quatro primeiros quadros passam-se no R<-
eife : o 1. em uma casa junto ao largo das Cm
eo-Pontas, o 2' no mesmo largo onde esta levanta-
do o
CADAFAL.SO
o 3. era casa do coronel Beierra : o4. emc.
desembargador Nunes Machado, o 5.* em uma
casa junto as mattas do Catucd, quarttl general
dos rebeldes, na vespera do alaque de 2 de feve-
reiro de 1849 ; o 6 em uma sala do uma casa
na rua da Soledade onde foi ferido e mortd o mar-
tyr pernambucano
NUNES MAOHADO

i wmm i


jii -u um jirm-mxr9igirrrT7~'~~~~~~*~~'*m~*~TVm~mmm'^~mmmm~mmmmmmmmmmmmVmm1m^~*~~~
Diario de Pernambuco firibbado 25 da Abril de 1874.

7.* quadro [issi se Junto a capellinha da Belem
na oecasife en ana as coi'un/arw* foram buscar
e cadaver do iaftliz Nunes Hachado.
No filial do qualro a vista dos espectadoros a
capellintta trmisformar- e-taa no tempio da
laanaortalidade
oade se vera
\i \i:n MV4 II tllO
rodeado dot heroes martyres pernambucanos, Ca-
marao, Henrique Dia?, Negreiros, Caneca, Roma
a aer coroado pela Historia Apothese, fogos cam-
biantee.
Penonagens. Adores.
Nnnes Hachado Sr. Theophilo.
Coronel Bezrra Sr. Penan te.
D. Viulante D. Dorothea.
Alvaro Sr. Silva.
Antonio Xavier Sr. Carvalho.
Maria i>. o.-tilia.
Leonor d. Phitomena.
krooyrno Sr. A. Cesar.
Pedro lo Sr. Barros.
Joio Paolo sr. Correia.
Abreu Lima Sr. Flavio.
Anna n. rjctilia.
Jgnacw Sr. Augutto.
. Pedro sr. Lima.
Venunia Sr. Braga.
Saot'Anna Sr. Lyra.
0 prologo em 182 .
0 drama em 1848 e 1819.
0 emprezano, para agradar ao reepeitavel pu-
Duco deeta cidacle tern montado o presente dra-
ma com lolo o eamero quer nas decoracoes, quer
no pessoal neeonario, qoe Fernanda de 60 pes-
soas indispenf aveis para a < \. .-ucJo do drama.
Principian. ..s 8 l|2 horas
Domingo 26 do corrente,
A's & bora* da turd v.
Segnnda representacio.
A'* 9 i|9 horas da noicr.
Tereeira renresenta<;ao.
THEATRO
PAVir HAO DE FLORA
NA FABRICA DE CERVEJA.
Bua do Barilo de H Borja
Compaobia gymnastica dos Irmaos Ma-
chado
Domingo 26 de abril.
De psssa'gein para o nortc dao urn grande
e variado espectaculo neste dia, que cons-
tardt dos seguintes trabalhos.
Gymnastica, equilihrio, sallose
(leslocaciio.
Principia as A I 2 horas da tarde.
E.NTRADA GERAL 18000.
Os bilhetes acbaro-se a enda no hotel
Central e na fabrica no dia do espec-
taculo.
Porto por Lisboa.
jAjfcv Pretende seguir para os rt-
jS fly feridos portos com pouens
"aflHfc dias de demora, a barca pur
tugupza Novo Silencio, de I.' classe, capi-
tao Ferreira, por ter roaior parte de sua
carga prompts, e para que lbes falta passa-
geiros, para os quaes tern commodos : tra-
ta-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filbo, a rua do Com-
mercio n 5.
Pacific Steam Navigation Cumpanj
ROYAL MAIL STEAMER
sspera-se da Europa ate o dia 26 do corrente, a de
pou da demora do costume, seguira para Bahia,
Rio de Janeiro, Montevideo, Bnenos-Ayres, Valpa-
raiso, Arica, Islay e Callao, para on Je recebera
passageiros, en commend a* dinheiro a frete.
Nao sabira antes das tres horas da tarde do dia
de sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO GOMMERCIO14
Para
Para o indicado porto pretende seguir
com a possivel brevidade o patacho portu-
guez Azurara, por ter a maior parte de seu
carregamento engajailo e para o resto que
Use fala, trata-se com os consignatarios
Joaquim Jose" Goncalves Beltrao & Filho,
a* rua do Commercio n. 5.
pecial do commercio desu cidade, o agente iPinho
Borges fart leilao do que aeima se declara, se-
gondo as formalldades do estylo.
Agente Dias
para liquidagdo
DE
loiica e vidros
AO CORRER DO MARTELI.O
A retalho ou em lotes, a v ntade dos com-
pradores
No armazem da rua do Marquez de Olinda n Jo.
Megunda-fcira e (er?a*foira
H8 do correlate
Coineeara as 10 \\i hora* ita man hi.
0 agente Dias levara a leilao, uos dias t horas
designados, toda a louca e vidros eiistentes em o
mestno estabelecimento.
AVISOS OVERSOS
CASA DO OUBO
Aoa 4:0003000
Bilhetes garantidos
kua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e coxa do costume.
Acham-se a venda oa mmto (elites bilhetes ga
-antidos da 4' parte da leteria a beneficio da
igrcja de S. Gon^allo do Recife, que se extrahira
no dia 29 do correote mei.
Precos
Inteiro 44000
Veio J4000
De iOOJTOOO para eirna.
Inteiro 3*500
Mio U730
Heeife SI de abril de 1874.
Jooo Jonquirn da Costa Leilf.
Bom
4VIS0S MARmMOS
PBQERESSO MARITIMO 00 PORTO
Enapreza portuense de navega-
cAo a vapor entre Portugal e
o Brasil.
0 vapor
Real coiupanhia de paqnietes in-
glezes a vapor.
Ate o dia 27 do corrente, espera se da Europa
o vapor icglez Douro, commandante Thwaites, o
qual depois da demora do costume seguira para
Huenos Ayres, tocando nos portos da Bahia, Bio de
Janeiro e Montevideo.
No dia 28 do corrente, espera-se dos portos do
sol o vapor inglez Boyne, commandante F Reeks,
o qual depois da demora do costume seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para passagens, fretes etc., trata-se na agencia.
rua do Commercio n. 40.
GARRET
COMPA.NUIA PERNAMBUCANA
DE
IVavr'aruu costeira a vapor.
GOYANNA.
O vapor Mandahu,
commandante Julio,
seguira para os por
tos acima no dia |.
de maio, as 9 boras
da noite.
Recebe carga, eneom .nendas, passageiros e di-
nheiro a freu : es:riptorio no Forte do Mattos o.
negocio.
Vende-se ou arren-'a-se o grande predio
de urn andar e sotio, sito na rua do Bispo
Sardinha, proximo da igreja da Mijericordii,
na cidade de Olinda, tendo duas i oas sales
de frente, um salao no sotao, seis quartos
espagosos e frescos, uma grande cocheira,
quintal todo cercado de novo, e com diver-
sos arvoredos, uma boa fonte d'agua, e
tendo vaz canalisado. Acbandore prepara-
do com tod s os moveis indispensavtis &
uma grande familia, serd assim vendido ou
sera os moveis : a tratar nesta typographia
ou na rua da Unifio n. 49, sobrado, atrazdo
paco da assembled.
ATTENQAO.
O abaixo assignado estando de ronda a guarni
cao no dia 22 do corrente, perdeu o rabicho da
sella, de tranca do Rio-Grande do Sul, appare
lhado de prata : rcga a quem o achou o qneren
do restituir, leva lo ao qaartel da Soledade que
sera recompensado cem ma is do valor da prata.
______ O major Manoel Ferreira Escovar.
BaIIIMKO
Gustave, eabelle:reiro, a rua do Marquez de
Olinda n. 51, pnmciro andar, preciia de um babil
official de barbeiro ; paga-se bem.
VIGOR DO C4BELL0
DE
Precisase de um feitor para tratar de um pe
queno jardim : na Bra-Vista, rua do Visconde de
Goyanna d. 101, outr'ora Mondego.
Commandante Tomasini
A chegar do sul em 26 ou 27 do corrente de-
pois de pouca demora dentro deste porto, pa; lira
para Lisboa e Porto
Ainda sc contrata alguma carga e passagens de
terceira classe no escrintorio dos
AGENTES
E. It. Rabello *i C.
48 Rua do Commercio i8
- it?"
-
Coiupanhia Alliianca Maritima
Portncnse.
EMPREZA DE NAVEGAC-AO ENTRE PORTUGAL E 0
BRASIL.
BARCA PORfUGUEZA
Este navio recebe carga e passageiros para Lis-
qda e Porto, devendo sahlr dentro em poucos dias,
visto ja ter parto do seu carregamento contra-
tado.
AgBDtes e consijrnalarios
JOSE' DA SILVA LOYO & FILHO
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poucos dias
de demora a barca portugueza Feliz Uniao por
ter a maior parte de seu carregamento engajado,
s para o resto que Ihe falta, trata-se com os con-
eignatarios Joaquim Jose i>oncaIves Beltrao A Fi-
sho^ a rua do Commercio n. o.
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
,
ROYAL MAIL STEAMER
PATAGONIA
Commandante C. <". Brough.
espera-se dos portos do sul ate o dia 10 de maio
e depois da demora do costume, seguira para
Lisboa, Bordeos e Liverpool, para onde reeebera
passageiros, encomraenda., carga e dinheiro a
frete.
N. B.Nao sahira arites das tres horas da tar-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
"Wilson Rowe & C
14RUA DO COMMERCIO-14
t
i
/tftA
MM
O lugre portugujz Julio pretende sahir com to-
da a brevidade por ter quasi toda carga prompts:
quern no mejmo quizer carregar ou ir de pas-
sagem, trate com os consignatarios T. de Aquino
Fonceca & C, =ucce' !. andar.
Vendem Pereira Carneiro
& C.
Rua do Commercio n. 6.
Lisboa e Parto
Vai sahir com brevidade a veleira barca Lisboa.
Recebe carga e passageiros: a tratar com Tito
Livio Soarcs, rua do Torres n. ?0.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Vavegactlo costeira a vapor.
FERNANDO DE NORONHA.
O vapor Mandahu, comman-
dante Julio, seguira para
o porto acima no dia 3 de
maio as 11 horas da manna.
Recebe carga ate o dia 4,
encommendas, passageiros <
inheiro a frete ale as 10 horas do dia da sahi-
dad: escriplorio no Forte do Mattos n. 12.
COMPAliBIA Kit tNtl I lit \
DE
NAVEGAglO A VAPOR
Portos do norte.
BJlHIA
Coiumanilante o capitao tenente
Antonio c. Teixeira.
E' esperadc Jos portos do iul at-5 o dia 27 do
:<>rrente e seguira para os do norte depois da demo-
ra do costume.
Portos do
Mil. inclusive
Victoria
o da
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
:tIavegaca~o costeira a vapor.
fARAHYBA,NATAL, MACAO, MOSSORO', ARACA-
TY, CEARA.
0 vapor Coruripe,
commandante Santos,
seguira para os por-
tos acima no dia 30
do corrente, as S
horas da tarde.
Recebe carga at6 o dia 28 do corrente, encora
mendas ate o dia 29, passageiros e dinheiro a
frete ate as 2 horas da tarde do dia da sa-
hida : ascriptorio no Forte rto Mattos n. 12.
CEARA
Commandante Alcoforado.
E' esperado dos portos do norte at6 o dia 27 do
cerrente e seguira para os do snl depois da de-
;oora do costume.
Para carga. encommendas, valores e passagens,
'.rata-?e no escriplorio da agencia
7- RUA >)0 YIGAHIO-7
Pereira Vianna 4 C.
Agentes.
ABAC AT Y.
Para o Aracaly vai sahir com muiu brevidade
o bem conbecidj hiate Joao Valle, para carga a
frete a tratar com Joao Joe da Cunha Lages, na
rua do Vlgario u. 33, I.' andar, ou eom o mes-
tre a bordo em frente ;,o trapicbe Daru?,
Para o Porto.
Recebe carga e passageiros o patacho portogoei
Lidadr, que pduca demora tera. Trata-se com
E. R. Rabello &"C, a rua do Commercio n. 48.
LEILOES
LEILAO
DE
Collegio prticular
DE
instrucgao primaria para o
sexo feminino.
D. Francelina Dornellas Pessoa, 3chando se ha-
bilitada na forma das leis regnladoras da ins-
truccio pnblica da provincia, abrira no dia 1. de
|-maio proximo faturo, na casa n. 31 da rua do
Barao da Victoria, um collegio, em que serao
recebidas alumnas pensionistas, meio-pensionistas
a externas, afim de se educarem religiosa e civil-
mente, de se iu-truirem nas materias de um com
pleto curso elementar, de se apliearem a obras de
agulha e bordadns de todas as especies, e a tra-
balhar em flores, mediante uma razoavel remu-
neracao. Os Srs. pais de familias poderao desde
ja dirigir-se ao mencionado collegio, onde ser-lhes-
hao dados os necessarios esclarecimentos e infor-
ma^oes, e onde encontrarao aberta a matricula
para as edncandas.
Rf cife, lo dc abril de 1874.______________
CASA DA FORM.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
I' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua d>
Crespo) n. S3 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos sens le
llzes bilhetes, um rreio n. 2272 com 700$, um
meio n.. 643 com 200J, e outras sortes de 40* e
20< da loteria que se acabou de extrahir (96'),
convida aos possuidores a virem receber na con-
formidade do costume sem desconte algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes ga^antido^
Ja i' pane das ioL-nas a beneficio da igreja
de S. Goncalo do Recite (97a), que se extrahira na
quarta-feira, 29 do corrente mez.
PRECOS
Bilhete inteiro i^OOO
Meio bilhete 2*000
KM PORCAODE 1009000 PARA CtMA.
Bilhete inteiro 3*500
_________Meio bilhete_________U750
Cao perdido.
Desapparecen do sitio do conselheiro Jose Ben-
to da Cunha Figueiredo, na Ponte de Uchoa, um
qao preto,. alto, semelhante aos da Terra-Nova :
puem o levar ao sobredito sitio, ou ae armazem
a praca do Corpo Santo n. 13, sera bem recom-
censado.
Cozinhar e engommar.
Precisa-se alugar uma escrava que saibafcozi-
nhar e engommar ; e para casa de pequena fami-
lia : na rua do Vlgario n. 16, 1." andar.________
BeiiiviiiiJo fugio.
No dia 21 do corrente fugio o escravo
acima, tendo os signaes seguintes : idade 25
annos mais ou menos, c6r fula, cabellos
carapinhos e um pouco crescidos, cabefa
chata, estatura regular, um tanto raagro, e
tem no rosto bastantes signaes de bexigas,
usa de cbapeo de couro, e levou calces e
camisa de algodaozinho : roga se a todas as
autoridades e capitaes decarrpo, queiram
appreheuder dito escravo, e leval-o A rua da
Madrede Deus n. 5, 1. andar, das 9 as 4
horas da tarde, ou & rua da Imperarnz n.
4, l. andar, que serSo reconrpensados.
Seguro e admiravel
RESTAURADOR E TONICO
PARA 0 CABELLQ
Coocorre para um be to e per-
feilo penteado
Torna os cabellos macios, brandos e lu-
sidios, perfnmando-os com um aroma de
especial delicadeza, que t3o apnrado tem
sido.________________
O Dr. Joaquim d'Aquino Fonceca, a
rua do flospicio n. 33, pede ao Sr. Manoel
Femandes de Carvalho, residente na estrada
do Rosarinho, o favor de lhe vir fallar a
respeito de negocio de interesse de ambos.
Bemvindo fugio
No dia 21 do corrente fugio o escravo acima,
tendo os signaes seguintes : c6r fnla, cabellos ca
rapinhos e um pouco crescidos, cabeca chata, es-
tatura regular, um tanto magro, e tem no rosto
bastantes signaes debexiga, usa de.chapeo de con
ro, e levou calca e cam sa de algodaozinho : roga-
se a todas as autoridades e capitaes de campo,
queiram apprehender dito escravo e leva-lo a rua
daMadre de Deos n. 5, 1 andar, das 9 as 1 horas'
da tarde, ou a rua da Imperatriz n. 4, 1 andar
que serao recompensados.
Ha mais de um anno fugio desta cidade do Re-
cife, e se ruppSe nella ccculto. o escravo Jose, com
os signaes seguintes : cor preta, de altura regu-
lar, com 25 annos de idade, pouco mais oumenos.
tem falta de dentes na frente, sendo porem o sig-
nal mais sensivel uma escrescencia na palpebra
que parece ceg" de um olho :- quern o capturar,
traga o a rua Direita n. 119, ou Saudades n. 32,
que sera generosamente recompensado pelo seu
senhor.
e mais artigos pertencentes a massa fallida
de Faria & Lessa
SEGUNDA-FEIRA 27 DO CORRENTE
?as 11 horas
No 1. andar do sobrado da rua do
l.ivrnmenlo n. 30
A SABER:
Uma raobilia de amarello. composta de 12 cadei-
ras de guarnicao, 2 ditas de balance, 2 ditas de
braco, 2 consolos, tampos de pedra, 1 jardineira,
tampo de pedra, 1 sofa, 3 pares de lanternas, 1
candieiro a gaz, 2 jarros para flores, 1 espelho,
moldura dourada, 1 cesta, 1 toucador, tampo
de pedra, e espelho, I lavatorio, tampo de pedra,
e pertenca.s, I mesa elastic* de amarello, 1
guarda louca de dito, 1 aparador de dito, 12
cadeiras defaia, 2 commodas de amarello e ou-
tros mais artigos.
Por mandado do Iilm. Sr. Dr. jniz de direito es-
Fugio ae 12 para 13 do corre mez, do
engenho Macaranduba, da fregaezia Agua-
Preta, o escravo Miguel, de 37 annos .do, e
os signaes seguintes: preto fulo, baixo, _^o, per
naa nnas, pes seccos, pouca barba, olhos peque
nos e bem vivos, marcas mu.to antigas de acoites
nas nadegas. Este escravo foi comprado em iu-
Iho do anno proximo passado a D. Rita Maria Fir
mina de Almeida, no Recife ;6 natural de Naza-
reth, foi do Sr. Autonio Xavier de Andrade, do
engenho Coite, di comerca de Itambe, e depois
do Sr. Serafim Anselmo Pereira Je Lucena, no po-
voado Cruangy. Ha toda probabilidade de esUr
nos Remedios, ou em Cruangy, pois elle disse a
alguem que ia para um ou outro lugar, onde e
baquiano. Roga se as autoridades policiaes e ca-
pitaes de campo a apprehensao do dito escravo.
Quern o apprehender queira levar ao Sr. Genuinri
Jose da Rosa, no Recife, rua da Praia n. 43, ou
na estacao de Agua Preta, ao Sr. Ernesto Arcelino
de Barros Franco, que sera generosamente recom-
pensado.
Muita attencjio.
Havendo sido snbtrahida ou extraviada do po-
der da Sr. D. Isabel Lucas da Silva, uma letra
de seu aceito, na importancia de 1:260*000 e
saccada pelo Sr. Manoel Scares Pinheiro, e isto
quando dita lettra ja ha'vla sido resgatada pela
aceitante, declara;se pelo presente meio que mais
nenhum valor lem semelhante titulo, visto ja ha-
ver sido remida a obrigacao por ella representa-
da, e que por conseguinte de nenhum proveito
sera para aquella pessoa, em cuja mio porven-
tura ella se ache, protestando-se proceder cnmi-
nalmente contra quem quer que tenha sido o sub-
tractor, ou que de ma fe pretenda utilisar-se da
mencionada lettra.
Recife, 21 de abril de 1874.

O Dr. Sarmento Filho mu-
dou-se para a rua da Aurora n.
61. l. andar ; entrada pelo oi-
tao.
Atten^ao.
Precisa-se de um empregado de confianja, que
de fiador a sua conducu, para tomar conU da es-
enpturajao e caixa, e mais servico da loja da tin-
turaria franceza, rua ia Imperatriz n. 58 : a quem
convier, dirija-se a mesma.
Sociedade
Da-se sociedade a nma pessoa que tenha inteira
pratica de molhados, e que nao seja crianca, en-
trando com algum capital, em uma taverna bem
afreguezada : para informacoe3, na rua de Santo
Amaro n. 2.
BENEDICTINE
L1C0R DOS M0NGES BEREDICT1N0S DA ABBADIA DE FECAMP
Este celebre licdr tao
appreciado do publico
ao ponto de se eucon-
trar hoje em todas as
boas mezas, tanto no
Restanrante como no
janUr domestico; nos
grandes hoteis como nos
salSes dos principes, por
isso 6 elle tamben o ob-
jecto de numerosas imi-
tacSes, cuja maior parte
de falsa provenencia.
Como termo final de
garantir aos consomma-
dores cuidadozos um
producto puro, exquisito.
e essencialmente hygie-
nico, contra estas laJsi-
flcacoes detcstaveis de
man gDsto e nociyo, 4
saude, damos retro o
in ode lo da garaffa e mais
acima o dos sellos e le-
treiros que envolvem o
verdadeiro licdr benedic-
tino.
OBSERTACAO IMPORTANTE.
Recommendamos particularmente ao publico em geral, o exi'
gir o letreiro acima, gui i sempre poslo no fundo das garaffas
desde o I" de Outubro de 1872 que tem a assignatura de
A. LEGRAND aine. oirectoh oehal.
h. B. Km tempos de epidemia e beivedictino e um preeerrallvo
oerto; nm grande nnmero de eelebridades medicaa tem dado o
certllleado bem formal.
Dcposito aeral i A. LEGRAND alne, em Fieatnp (Franea).
Deposito geral em Pernambuco, A. REG0RD.
XAROPEeMASSAI
1
-*
A influenda quo tem os prlndpios resinosou do
.inheiro maritirno sob re o pulm&o em todos oe
graos da tisica he t5o maravilhosa, que a medida
que desenvolve-se a sua accSo, ve-se por assim
dizer o doente voltar k vida.
Nosso xarope (abricado com a seiva do pinheiro,
recolhida logo ao sahir da arvore, contem os prin-
*"PH4W cipios resinosos com toda a sua cnergia e pureea:
mm \* J sou effeito he pois immediate e seguro contra oa
^rarr-K ^^^^T^^^^^^^"^,deflu^os' catarrho pulmonar rouquidOes,
I1SICA e em geral contra todas as molcslias do peito. quakaicr que seja o seu estado.
DA SEIVA
I oo PINHEIRO MARITIMOJ
^:^4.deLAGASSE
CIGARROS INDIOS
DE CANNABIS INDICA
de GRIMADLT e C, pharmaceuticos em PARIS.
Todos os espccilicos empregados ate hoje para aliviar da asthma e das molestias das vias
respiratonas, tem todos por base sobstancias toxicas que deixao um grande peso no cerebro
e atem d isto sao sumamente pcrniciosas a inlolligoncia e a saude em geral.
As propriedades do principio activo do canliamo de Bcngala que contem nossos cigarros
sao tao admiraveis, que apenas se respira alguma fumaca, nota-se logo \ima grande faciU-
dade ein respirar, menor oppressao, em uma palavra um alivio rapido. complete e inoffensivo,
porque os nossos cigarros nao contem nenhum principio toxico. Sao pois estes cigarros o unico
remodio certo que se possaacconsclhar com confianca contra a asthma, catarrhos pulmo-
nar, nevroses, laryngite e em geral contra todas as molestias das vias respiratonas.
Depositos em Pernambuco : FERREIRA, MAIA e C ; M,-A. BARB0ZA, e nas prin.
cipaes pharmacias de Portugal e do Brazil.
'SraVd 'S5 'lodajjua.i ap aru 'gg 'SIHYJ
T1H003H 1 'oonqwvuuaj ou \viaS ojtsodarj
'oaNtiH oa sviDVHavnj sv svaoi na
. ,, W 'VM-* 'tagiotidivd 'saoSoooJ/nt
Dwimitt svo'wuq mjojI '.wSvndo 'sisouop 'ovi-lwmuoo ap SBtisaiora se bjiuoo
sojjno somissijinra a ovhovssvho 'noivi3N 'uhooih 'hnoivbitki '(anyanvi
ao; iHaaof 'ovassnoHX 'iHHOid : saaoinoQ a sajossojouj soiad opepuara
-urooaj sosoui8njjaj so sopoj ap [a.iBpe.i8B siem o a osojapod srem o
COALTAR SAP0NINA00
DE LE BEUF
DES1NFECTANTE, ANTI-MIASMATICO, CICATRIZANDO AS CHAGAS.
Adoptado pelos hospitaef de Parii e peloi da Marinha mlfitar franceza.
Esse excellente tonloo possue uma elBcacia verdadeiramente maravilhosa nos ulceras gangre-
nosas e escrofulosas, nos cancros ulcerados', no anthrax, naotorrhea purulenta, na ozena, no
crup, feridas pelas armatde fogo, enfermidaaes do utero, etc., etc.
Emprepa-se, mezelado com mais oa menos apua, em chomajos, locoes, injeccoes, gargarismos.
Como dentlfrtolo ordinario (nma colberada das de cha n'um quarto de copo d'.igua) e rauilo espe-
cialmente efficaz para purifioar o bafo, aanar at gengiva* doentet e tornar Bnnei oa
dentes etcarnadof.
0 seu uso 6 muito hygienico, sobretudo em tempos d'epidemia.
Uma noticia cirenmstanciada vae com cada frasco. Exiga-se a firma do inventor.
Fabrica em Bayonna (Franca), em casa de Sr. LE BEUF, Pharraaceotico de 1' classe.
Depositos: Paris, 35, rua neantnur; Pernambuco, A. REG0RD onde se encontra tambem a
Emuicao de Aicatrio vegetal de te Beof para fazer a agua de Alcatrfio, a naica prep aracao co n-
centrada e titulada coDteodo em si o alcatrao sem ser alterado nem modiQcado.
i
Ao publico
O abaixo assignado declara que tendo sido hon-
tem chamado peloSr. Antonio Francisco Corga
para receber o saldode seus or enados, recebeu
do mesmo senhor a quantia de 18J/040, e como
j mesmo Sr Corga nao quiz o.ue elle lhe passasse
o competente recibo, faz o presente para que Ihe
sirva de documento.
Recife, 23 de abril de 1874.
Augusta Di"t Vieira.
- Aluga-se uma casa oa iida do Bemfica, a
Passagem da Magdalegna, com cinco quartos, co-
zinha fdra, proco de S Oi por anno; e fica a
margrm do rio Capibaribe : a tratar a rua estrei-
ta do R..sario n. 17, primeiro andar, das 10 as
2 da tarde.
Ricas bandeijas
Para asamentos, bailes e baptisados.
Quem quizer obter uma bandeija ricamente en-
feitada, dirija-se a Confeitaria do Campos
Ja mandando ou indo encommendar, ja com-
prando alii todos os enfeites, constando do ?eguin-
te :
Bolos linos para enfeitar.
Doces saborosissimos para enfeitar.
Figuras allegoricss para enfeitar.
Papeis arrendados para enteiiar.
Bouquets para nois s.
Alii
Rneontra-se sempre o seguinte :
Fiarabres inglezes..
Budins >
Bolos
Pies de 16 tinos.
Fatias de dito. para parturientes.
Pasteis em profusSo.
Filh6s {sonncs de malvtna).
Doces em calda, ralado e secco.
Bolachinhas de mil qualidades.
(Sugar Waffers vanilla) para dietas.
Gelea de mocot6, desinfectada.
Amendoas, confeitos, elc.
Cha verdadeiro das Caravanas.
Cafe de Java (verd deiro).
Tado isto a a
_________CONFEITARIA UP CAMPOS._________
O abaixo assignado tendo de seguir viagem
para Europa no vapor francez Vile do Rio dt Ja
ntiro, pelrs sens muitos afazeres, nao pode pes
soaliiente despedir-se de todos os sens amigos,
pede-lhes desculpa desta falta involutaria, e
a todos agradece de coracao o favor que Ihe
flzeram em dispensar-lhe sua amizade, offerecen
dolhes o sen fraco prestimo, para o que Ihespos-
sa ser mil, era qualquer lugar que esteia.
Recife, 24 do abril de 1874.
_______________Joio Luiz Ferreira Ribeiro.
Aluga-se o sobrado de um andar e loja. o
qual tem proporcd>s para casa de negocio, sito
no largo da ribeira da freguezia de S. Jose n. 5 ;
advertindo que tambem se aluga separadamente :
a tratar no mesmo acima referido, ou no pateo de
S. Pedro, sobrado h. 9.
PROFESSOR DA FACULTADE DE MEDICINA DE PARIS.
Este saropc tornado em doses de uma collier pela manha e outra pela tarde e o calmanlo
mate admiravel de todos aquelles eonhecidos ato hoje, muito superior as pivpara,-i>es
opraceM epie torn todas o inconvenientodecongestion,ar o cerebro, c o Immiureto dc potassio
que atropnia os orgSos; norem. estas pwpriedades tSo preciosas nio se manifestao se o
crilorai nfto estiver chymicamentc puro. qualidade owe -o tem quaiuio ti-az o sello do emi-
nente chyimco o doutorLkcome.
A sua eiiicacia e maravilhosa na ania
I
na cpUepsia, na dansa de Sao I Suido. e nae coHcas hepalicas e nephriticas.
( alma immediatamente as dorrs do parto, as afleccoes canceiosas c tii
somjio reparador o socegade.
. nas verU?ems. nas nevralgias, no hysterismo.
da ao doente um
VINHO e XAROPE TON ICOREGEN ERADOR
DE QUINA e DE FERRO
De GRIMAULT e Cu, pharmaceuticos em PARIS.
sta nova combinacao reime sob um pequeno volume, de forma agradavel e dc gosto deli-
o prospecto contem nnmnosos certiflcados 3e multoe membros da Acadcmia dc Modicint
e PRrfanm da 1 aculdade, quo attcsrao qc este prceteso medicamento e o conservador da
saude por excellencia e o reeonxtituinte J
habitao
da economia animal, IndisDensatnl fts peosoas oue
s paizcs quentes, como pr.-Kervalivo das epidemias,
Aluga-se a casa dos ledes a. 48, cor -
modos para familia, sita a rua do Coronel .
nha (antiga dos Prazeres). |
^^l11.';..,'''1.!,/:;;-^:;.',;;;^; ^fgS^*-MAU e *> -* barboza. e prm-
PHOSPHATOdeFERRO
e IiEKAS, pliniiiiaifnlUo. 1J0CI0KEM S.l^,., >
r J^^LfeiSfmosos 9?nhecidos ate hoje, produzem grandes irrilacoes e prisio de venire
OU porqueo estomago nao pode supportaj-oa ou ci.tSo he mic nrccssitio de^ sucro e-nstriro
para asstoular-se ao organismo. O quo hoje iW&nmemtamos ao wbB^ae^ma^^m
nao tem gosto nem sabor do frrro, nao ennajrrcco o^ dcntesTi -oseaisimi a imme-
diatamente, nao prodnx nebum dos maos rfreTtos acahamovd^dS as3imila Imme-
A cura he rap.da e cebta nas cores pallida*. cbluhom*, e DsnuaaoM ella re^ulariza
BNSThCACAO c an-da v,?niv.samcntc as C0.nVa9CEMC.\s diiiiec s -in una oalavra% o oanaSa
enirgici paia reanimar as forSas debilitadas pelas (atigas pupeSsardore*dodima.
CURA RAPIDA
PBLO
Enxaquecas, Dfires de CaJjeca, Nevralgiaj.
De QBIii hit
INGA da INDIA
pharma<:kutioos km paris. '
Basta provar uma veB este medicamento para se ficar convencido da sua r-ficaoia. Uma
so cose, diluiUa em um pouco d'agua com assucar, faz dosapparocer as mais mais vipteitta cuxaqucca ou nevralgia. E' por este-motivo que ollc foi admitlido na nova
pliai-macopea france/a publicada pelo govemo.
f Depositos em Pernamtmco : FERREIRA^MAI* C| M.-A. BARJ0U, e nas prin-
Cipaes phai-uucias (Je Portugal e do Brazil. ^
1
J
-^
i i-
'^R' S


I
31*210 do Pernambuoo Sabbado 25 de Abril de 1874.
?
I





iri
Aeabam de ctegar muito t-ons pianos fortes e de
etafantes mcdellos, dos mills notaveis e bem co
nhecklos fabricantes; como sejam : Al(>br>ne Bi-
doael, Hoary Hers e Pleyel W"ltf 4 C : no Vapor
Prances, a ma do Baiao da Victoria, outr'ora No-
va o. 7. a prcf-is muito enmmodos.
Mobilia de vime.
Caieiras de baknco. de braeo, de guarnic6es,
sofas j.mlineiras, mes>, conversadeiras e esiu
reins, tola isto muito bout por sercm forte* e
leves, e os mais proprios moveis para saietas e ga-
biiMtas de recreio.
Ma aiTnaiem do Vapor Prancez, rua do BarSo
da Victoria n. 7. outr oaa Nova,
Perfumarias.
Finos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifios, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, lavande, pds de arroz, sabonetes,
crotmeticos, inaitos artigo deiicados em perfnma
ria para presenter en frascos de extractos, eaixl-
nhas sortidas e g.-irrafas de differentes Umanhos
d'agna de Cologne, tudo de primeira qoalidade
dos beni ctmhecidos rabricantes Piver e Coudray,
No armaaeea do Vapor Praneez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos c
phantAzlas.
Espelhns, toques, lavas, joias d'ouro, tesourlnhas,
camivetes, oaixmhas de costura, album, qaadros,
ecaixmbas para retratos, bolsinhas de vellndo,
ditade coaro, e cestinbas para bracos de meninas,
chieotes, bengalas, eenlo, pencinez, ponteiras para
charutos e cigarros, etcovas, pentes. carteirinha de
madreperola, taoete para laoternas, malas, bolsas
de vtagens, venesianas para janellas, esterioco-
pos, hnternas magieas.cosmoramas, jogos da gloria,
de dwnat, de bagatella, qaad/os com paisagens
C""08 de papel para illuminates, macbinas de
r cafe, vpaoadores de pal has, realejos de veio,
aecordaos, carrinhos, e bersos para criancas, a
ontras muitas quinquilharias.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade que se pode desejar de to-
dos os brioejoedo* fabric-ados em differntes partes
da Europa, para entretimentos das criancas, tudo
a precos mais resunridos que e possivel : no ar-
mazem de Vapor Francez, rua do Barao da Vic-
toria outr'-ora Nova n. 7.
Cial^do francez
A 9$
Botinas para homem
Aeabam de ehe-ear grandes jacturas de botlna9
de bezerro, de coTdavao, de pelica. de dnraqne
oom-biqneira, de bezerro com botoes, e com ilbo-
ze9 a 9J000 (a escolber) por ter vindo grande
quantidade por conta e ore em dos fabrica-ntes;
ao acmazem do Vapor Francez, a rna do Barao de
Victoria (outr'ora Nova) n. 7.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de ceres, difierentes
lisas, eDtettadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cdres differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas e de c&res differentes,
lisas, erifeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qnalidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, Iu9tre e de cordavlo,
A BOTINADOS e sapatoes, de bezerro, de deversa9
qualidades.
SAPATOS de tranca.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherme,.penJ--
meias perneiras para homens, e meias peraeira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7.
Devedores.
0 proprletarfoe da Comfaitana do Camps, a
rna do Imperador n. 24, pdem afts-scusdevodores
qoe tem sMo remissos, f>T:iv.ir <\- virwapagars us
di'biios .tie o aia 8 avisam aos merino-- que se tea-|a< IIj data < e e
livijrem >aldos, verao sens nmne- iie--4t> j^mas-
sem distinrra.i df pegs-i* algnma.
- Pcxinula-H! por ucn teireiu-ou -iti.. ii.js ar-
rrbaldts desta cidade, dtt&s piquenas ra*a !
jiadrae cal s>b ns. ii t zi ;i rua dm I'.m.-i (re
guezia de Afigailn-. o in iluas ?al- *.u> i|naf-
lus cada uiua, viiite palinos" de largun Rib cin-
coenta de fundo; a quem cenvier, iraia-se na rua
estreiu do Rosario n. 17, I.* andar.
%
24-Rua de llarqiiez de fllinda -2i
Esquina do beeco Largo
Participa a sens fregnezes e amigos que mudoa
o sen estabelecimento de relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrario nm grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melbores gostos e qnalidades, relogios de
algibeira, de todas as qualida es, patente soisso,
de ooro e prata donrada, foleado (plaquet), relo-
Sos de onro, ingtez, descuberto, dos melbores
bricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata, lunetas
detod's as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos._________________________
ALUGA-SE
oma casa na Capunga, rua das Pernambuoanas,
com coxeira e quartos fora : a traUr na rua do
Vigario Tenorio n. 3i.
PTTNDICAO DO
RUA DO BRUM
BOWMAN
N. 52
DE
Cordeiro Simoes k t
Aeabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riquissimos cortes de grrgurao de seda lisos e
com fistras achamalotadas.
Ditos de linho para veslidos, contendo cada cor-
te, o neces franjas, trancas, toioes, fivellas, etc.
Riquissimos chapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marpo n. 7 A.
Attencao
Avisa-se pela ultima vez ao Sr. Salvador de Si-
queira Cavalcante, que ha did anno tem zombado
io mondado de prisao que contra si tem do juizo
do commercio desta cidade, que, se nao quizer
passar pelo de^gosto de ser preso, mande quanto
antes entregar os dms escrayos Aquilina e Fran-
cisco, dos quaes e depositario, e se acham de po-
blico trabalh*ndo no engenbo Tres Braros, lugar
de sua nova residencia.
D8tdeja protes'.a-se pelo servico dos ditos es-
cravog.
Attencao
A visa se ao comprador do escravo Henrique,
que Salvador Manoel de Siqueira Cavalcante nao
podia vender dito escravo, por ser elle pertenconM
ao casal do major Salvador dos Sanlos Menteiro
Cavalcante, e como tal, a venda do dito escravo e
nulls, como melhor se demontrara em Juizo.
RECREIO DRAMATICO
Nao tendo havido assemb:e"a geral no dia 19,
em consequencia de nao ter havido numero legal,
oonvido de novo todos a reunirem-se no dia 26,
ao meio dia, afJm de tralarem de negocios urgen-
.63 da sociedade : pede-se aos Srs. soeios que com-
parecam, para niio a queivarem depois, de que
nao forara ouvidos.
Belem, 23 de abiil de 1874.
0 1." secretario,
|Bernardo L. de Mendom;a.
Sitio no Arraial.
Aluga-se um sitio no Arraial, proximo a esta-
eao da Casa Amarella (um minuto) com exellen-
tes casa de moradia, tendo os seguintes commo-
os. 5 quartos, 2 salas, cozinha externa, terra-
,u, casa de banho e diversas fructeiras. Aluga se
tambem uma outra casa no raesmo lugar, com 3
quartos. 2 salas, cozinha externa, agua de beber
e urn bom quintal por commodo preco : a tratar
na rua Primeiro de Marco n. 1-6, 1." ahdar.
Arreri'la-se oengenho, Saltinho da fre-
guezia de Una, moente e corrente. Dito| cOg'OeS francezeS
engenho e bom d'agua, dista duas leguas dos ]");<-/--,
portos de Taraandar^ e Rio Formrso, e tern ^A
terras para safrejar 1,600 a 2,000 paes
annuaes: a tratar no mesmo engenho com
o consenhor Henrique Augusto Milet, ou no
Recife com Leal A Irmfio, rua do Marquez
de Olinda n. 56.
Rua Duque de Caxias.
0 Sr. Antonio Ribeiro Pontes, caixeiro a rua do
Duque de Caxias, queira vir a rua do Imperador
n M, a negocin de mutao interesse, islo por se
ignorar sua residencia domestica.
Aluga-se a casa da rua de S. Franci-co n.
29, commons >joramodoj. a ectender-se com o Sr.
Christovao Xavier Lopes, a rua da Imperatriz o.
30, ou em Olinda, rua de S. Benlo.
MOFINA
Esta eacouragado !! !
Agua mole em pedra dura
.Tanto da ate que a fizra
fi(f* ckCrivao ua cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua Duque de (Caxias n. 36, a con-
lair aqnelle xiego.;io que S. S. se comprometteu a
realisar, pela lereeira cbamada deste jornal, em
fins de dezembro de 1871, e depota para Janeiro,
passou & fevereiro e abril de 1872, e nada enmprio;
e por eete motive 6 de novo chamado para ditc
Ira, pois 3. S. se deve Jemhrar que este negocio
de mais de oito annos, e quan-jo o Sr. seu filbo s*
^cliava neeta eidade.
Vende se um moinho de vento, com
i boml
rodas
ricano
rador n. 22, 1* andar.
Escravo liigido
Desappanveu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Serial, comarca de Goyanna, o
escravo de ncme Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes segumies: cabra, idade de 30
annns pouco mais ou meno-. boa flgura, um tanto
grosso e e?padaiido, sendo o signal mais visivel 1
gomma na junta do pti esqnenlo : roga se a todas
as autoridades e capitals de campo, queiram ap-
prebender dito escravo e leval-o ao referido enge-
nbo, ou nesta praca a Olivcira Filhos A C,.largo
do Corpo Santo n. 19, qne serao generosamente
recompensados
Na cravessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nb.ores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
{& duas bombaj para puiar agua, e qua-
_? tro rodas novas e fortes, para carro
*X* americano : a tratar na roa do Impe-
m
w9
Pede-se
ao Sr. J. I. R. R. queira vir ao hotel de 'Apipucoz,
a Bi'gocio de seu particular inieree, e nao o fa-
zendo sera chamad > o seu norae por extenso.
Curso de portuguez no col-
legio da Coucei^ao.
0 hacharel iorge D incumbido do referido curso.
ALUGA=S
o quarto andar ou sola* do sobrado n. 32 a rua
estreita do Rosario a. 32, com commodos para fa-
milia : n -. the^ouraria das loterias, rna do Crespo
n. 6, andar.
(Passando o cbafariz)
PU)EM \OS inhore d tngeubo e enfoa agriuil-orei, e empregadorci de as
..ui.uio u favor de oma visits a sen eBlaJjelecimento, ptra vereio o bovo lortimentc
air-let"' qoe abi tem; lendo todo aoperior em qoalidade e fortidio; o qoe com a ia
ccio peal pode-ie verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
VTanO'fl^ A rnHftft d'a^aa do" m,i8 modernoi aystemai M~ ta
ajju, OS O lUUttB u ttjUft manhoi conveniences para as diversas
xenmstancias dos seabores pr^prieurios e para deacarocu algodlo.
ttoendas de canna fiSS 'toBMholi a:,nelhore qQ6 ,qo'
aodas dentadas rtaial ^'^
faixas ie ferro fundido, batido e de cobre.
ilambiques 9 fundos de alambiqnes.
iTonriiniomna para mandioca e algodao,! Podendo" todos
u.auuilllluUB. e para ferrar madeira, f ter movidoa a mio
ivuiuao de patente, garaotidaa........ |oo aoimaet.
Todas as macbinas *piC"d6 ^ M ^^preci,,r-
Pae qualquer concerto de o,chlfli,ID0 Pre* mai M,omi PormaS de feiTO tem meltlorei e m,il b,rlUs exitteatet ao mer-
R!n/>r\mm Anrlaa Incambe-te de maadar vir qoalqoer macbioismo i von
muJiumouuiiB, ude dog cHentet> lembrando-lheta vaotagem de faaereir,
oas compraa por iotermedio de pessos enteodida, e qoe em qoalqoer neceaaidade pode
is prestar aoxilio.
Ira dos americanos ******.
RUA DO BRUM N. 52
I'ASSANDO O CHAFARIZ
FUIVDICAO DE FERRO
it
V roa do Barao do Trinmpho (rna doRrum) ns. 100a 104
CAKDOSO & IRMAO
AVISAM aos senhores de engenhos e outrcs agrkultores e ao publico em geral que
ccatinuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e machraas ne-
eessarias aos estabelecimentos agricolas, as maismodemas e melhor obra qoe tem vindo
o mercado.
apores de for^a de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os ntelhores que tem vindo ao merado-
UaiQeiraS de sobresalente para vapores.
MOendaS lnteiraS e moias moendas, obra como nonca aqui veio.
TaiXaS [lUndidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
aOdaS a agua com cubaje de fefro, fortes e bem acebadas.
Rodas dentadas de todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
DOmbaS de ferro, de repucho.
AJaQOS de diversas qualidades.
PormaS para aSSUCar,grandee e pquenas.
Varandas de ferro fundido, franceias de divenos e bonitoa gostes.
para lenha e carvao, obra superior.
UltOS pa,a gaz#
Jarros de ferro fundido para jardim.
res (te terro para mesa e banco.
Ma China paragelar
Valvulas
para marhini?mo.
fgua.
para bomba e banheiro.
Correias inglezas
danCOS e SOiaS com titas de madeira, para jardim.
OoncertOS roncertarn com promptidao qualquer obra ou machina, para o que teea;
sua fabrica bem montada, com grande ebom pessoa].
SnCOrnmendaS man^am vir Por encomraenda da Europa, qoalqoer imachioismo.
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de manolr as.entar
litas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
_______FUNDIgAO DE CAKDO SO & IRMAO.
ODILON DUARTE k IRMAO
CIBELLEIREIROS
exposic,ao de 1872
Premiados na
.1
I
Coiisfnirlor e afmador de pianos
33Rua do Imperador33
Ex afinador das anligas e afaa.aJas casas Fleyel & Her*, e antieo director daa offici-
oa casa Alphcnse Dluiidel.
Fein a honra de dc.tlarar ao respeitavel publico dtsta cidade, que tem aberto sua casa de
concertos e aliuacoVs de pianos, qualquer que seja o estado do instrumeulo.
A mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melhores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz t Alphonse Blondet) todos os pianos sihidoa da casa
Dhibaut sao garaotidog.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos osados.
49 Rna do Imperador 49
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamades autores,
como sao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Otferece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riorec, mandados expressamente coDStruir para este cliraa, o qual os amadores dos
bons pianos sd cncon;rarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
qoe ha sempre O mais complcto sortimento de materiaes para cuiiceithr pianos, como
sio: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, paraiusos, cstor, lan.ursa. cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUI llOraPEBilKllt 49
VINHO e XAROPE de DUSART
COM LACTOPHOSPHATO DE CAL
Os medicos dos grandes hospitaes de Paris receitao ambos cstcs medicamentos, consider
rttdos como reconstitnintes e reparadores por excellencia para excitar o appetite, despertar a
tome e conseguir a assimila<;ao rapida dos alimentos.
O seu emprego subministra as mulherps gravidas o elemento gcncrailor do fcto, as amas
um correcUvo ccrto dos defeitos que possa tor o lcito, e as crian?as recom-nascidas e criadaa
com o biberon, um panacea admiravel, que, neulralizando as mas qualidades do leite, previno
e cur* a diarrhea a que sao propensos.
Nas molestias dos ossos, fracturas e feridas, apressa a soldadura dos ossos. Tornado pclas
mocas, produzem o mesmo efteito que os molhores fcrruginosos; pelos tisicos cicatrizao rapida-
mente os tuberculos dos pulmoes, e emfim pelos convalescentes e os velhos, pelas pessoaa
usadas pelo trabalho e pelos excessos ajuda-lhes a recobrar as foreas csgostadas ou perdidas,
PILULASdeBURINduBUISSON
\ IODURETO DE FERRO e MANGANEZ, afproTnlas pela Academia de Uolicina de Parti:
A ineftic-acia tSo frequent* das pilulas dc iodureto de lerro provem dc que niio entra n'ellaa
manganez. corpo que sempre se acha unido ao ferro no organismo, como provao os trabalhoa
dos mais distinctos chymicos.
As pilulas de iodureto dc ferro e manganez dc Burin du Buisson, approvadas pela
Academia de medicina satisfazem estas condicoes, e e esle o^motivo pelo qual os seua
effeitos s5o maravilhosos, seguros e infalliveis em todas as affeccoes lymphaticas, escro-
fulosas, rachiticas tuberculosas, nos enfartes das glandulas, lirregularl*
dades da menstroacao, e nos accidentes de siphilis constitucional..
Dcpositos em Pernambuco : FERREIRA. MAIA e t> ; M.-A. 6ARB0ZA, e nas prltt*
cipaes pharmacias de Portugal e do Brazil,
\{ Rna do Imperador 41
O novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelet imento, & m o fim do
conservar os cceditos de unico neste genero, t m reform ado e nu-lliorado rnmjiletamente
o mesmo cm ordem a poder satisfuzer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeigao em todrsas prep? racjOes, aceio e medicidodo nos precos,
compativel comette genero de drogas.
Espera a todo"momento uma grande romessa de pharmacia homeopalhica de J.
Epss A C, de Londres, composta de medicamentos, carteiras, pocolotes, (ijiodeldock de
Rhus, de Buvonia, de Arnica e depos especiai s para denies.
Tem 4 disposi^ao dos amantes da homeopathia a escelrente, obra do Or. Mure me-
dico do povo. jd em 3.a edii;5o.
Tem captefcas de gloftulos e lintaras de t-2 medicamentos ate" 120, a i scolba do com-
prador.
Plumeria, para mordedura de cobras.
Seracena( | Chocolate borceopatfiico.
< Para bexigas como preservative, ,"at'- hom< opathico.
Vaccina ( !
China cmzeiro, para intcrmittentes.
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras.
Taraniuln. para paralysia.
Tintura mai d'arnica, para contu^des, cor-
tes, etc.
A CHEGAREM
Elor d'ararota.
P6s para denies, inglezes.
Jericd, para rheumatismo.
Matta-mattaoujaboti, para tosses.
Espirito
f.
de Hahereman on de campho-
RUA
[>A
Crvf>
f
f&/L ^^y-^?^^
1MPERATRIZ
S. 82
t.* ANDAR.

^CMIO
01
FERIDOlis
L. &*
RL'A
DA

1MPERATR1Z
N/82j
1. ANDAR.
OpoJeldock d'Amica.
Dito de Rhus )
>para rhema!ismo.
Dito de Bryoniaj
Aeha-se const8ntemente i testa do estabelecitneijte e inspecionando todas
para^ot-s o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos *nnioM Hello.
Cactuc granda flOms. para pneumonias
molestias do coraedo.
as pre-
Arrenla-se o' engtnho Jussaral grande, do
termo de SerinbSem. o qual e meia da estacio da Eseada ; bora Boeder com
agua, e de miiito boa prodai-cao, laolo de eanas
como de maodioca : a tratar com o propnelario
do mesmo, no engenho California, em SeriDh^em
Aeabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o' nas'"melhores con
liecjoes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo que fdr tendente a arte dd cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, (lores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, assuas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 / menos que outro qualquer, garantindo
perfeicio no trabalho, 8grado, sinceridade e prego razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porgao e a retalho e todos os utensilios pertencentes a arte de cabelleireiro.
C0KSULT0RI0 H0ME0PATHJC0
DO
Dr. Santos MeJIo
Consultas pela manha, e anoite ate 9 horas
aos pobres.
Preeisa-se de uji cozinheiro que entanda beta
de soa arte : na rua do Marqnez de Olinda r 35
Aviso.
Previne-se ss pefsoas que mandaum cobrir e
concertar chape is de sal no estabelecimento sito
a. rua Estreita dc Rosario n. 4, o favor de virem
buscir no praio dc to dias, findos os quaes nio
se admitira reolkma^So.
Recife, 14 i.ie abril de 1874.
O Sr. Oljsscs Jacome, residente nesta pro-
vincia, tem urnaeartae um embrulho vindos do
norte : na rna Augasta (Coronnl Soassana) n. 161,
1 andar.
Ao publico.
~ O abaixo assignado declara a quem interessar
possa, qae eomprou a lithographia dos Srs. Drs.
Cicero Peregrino e Hoitencio Perejirlno, a qual
egta montada na rua do Barao da Victoria n. 39.
Recife, 23 de abril de 1874.
bento Maooel de Ca-tro Amaral.
Koga-se
aos Srs. Andre" Cordeiro Coelho tintra, JoSo Can-
cio daSilva e Pro.-'pero Danhene, de appareee-
rem a rua da Roda n. 60, cocheira. a negocio de
seus particulares mteresses.'
Collegio de S. Sebastiao para
o sexo feminino
A abaixo assignada scientifica aos senhores pais
de familias e a quem mais convir possa, que as
aulas de seu collegio continnam a funccionar em
a casa da rua Direita n. 36, 2 andr.
Manoella Augusta de Mello Rego.
Aloga-seoa vende-se um escravo carrocei-
ro, idade' quareuta annos: na rua do Hospicio
ABA PUBIJW
A primeira cadeira da aula publica para o sexo
feminino da ftvgueiia de Sauto Antonio, funcciona
no 2" andar da rua do Barao da Victoria n. 31,
entrada pela rna das Plores.
SAQUKS
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se fallar aos seguintes senhores :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Joio Vaz de Oliveira.
Jose Prancijco Lopes Lima (N'azareth)
Manoel Pereira Brandao.
Manoel dos Passos Miranda.
Theotonio de Barros e Silva.
Francisco de Paula Borges.
Francisco Antonio Pontua
Garanhims.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-s*
allar aos Srs. Pedro do Rego Cbaves Peixoto e
ose Paes da Silva, a negocio de particular inte-!
asse
Engenho
]
Traspasso de casa.
Tiaspassa-se ate 31 de agosto uma rr-nde casa
na povoacao de Apipucos e com w. commo-
dos a Iratar no andar do sobr.iii da tra
ves?a da rua do vigario, n. 1, escriptorio.
Cfferece-o uma criada para 'a'a de estran-
ged), tern boa condncta, presta-se para todo o ser-
Cartalho & Noguelra, ha rua do i polio -\'{0r^ ca8:,(!uem precisar, dirija se a rna da
20,accam sobre o Banco r^i^i Annra aJ* loJa> qe ^ wm Qiem tratar.
Precisa-se de
rpa Direiu n. 10,
batedores ; na refiaacSo da
ie Vianna a suas agenoias em todas at ia-
iades e Villas de Portugal, i vi ta e i prazo
por todos os paquetes.
H. Lundgren faz publico que dufanle a sua
viagem em Europa fica encarregado de seus ne-
goci com pJenos poderes o seu mar.o o Sr. R.
t-nnlgren. Recife, 23 de abril de~l874.
Tendo arontecido um desarranjo na ma-
china de gelo, os fbric8ntes vem por meia
; deste pedir desculpa aos seus freguezes pela
falta que tem havido nestes dias ; osperara
pore'm, em qualquer destes dias fornecer a to-
Vende-se o engenho S. Pedro, sitnado na pro- ,dos aS(l'i*ntida.]es do costume ; aproveitam
viccia de Alagoas, comarca do Porto Calvft a 'a'ntJem a occasiao para prevenir aos seus
menos de uma legoa distanie do porto de mat do freguez-s que teem em viagem uma roa-
Garrella, tem oxceilentes terras matas, e safrcja ohina nova, de maior forra p <1o vtom
regularmeBte 2,(00 paes : a tratar na rna do Vi- ,.:, .,,' ', .l^\ e Uo s)s,em"
gario n. 31. m?IS moderno, quo fabneari (m mater es-
cala e com toda presteza as quautidades qu*
forem exigid-s.
Santo Amaro, 17 de marco de 1874.
... Pelos testamenteiros de C. Starr & C.
Fugio no dia 18 do corrente o e?cravo Hftcula-: William W Webster
no, cor preta, idade de 30 annos, bastante alio,_____________William w. neoste?.
chieo do corpo, tem falta de um dente na frente, Precisa-se de um feitor que seja trabalhador
pouca barba, 6 quebrad e traz fnnda, e veio ha e que entenda de jardim, para um sitio em Pop,-
Herculano.
pouco da Parahyba, para onde se julga ter fugi-
do: quem o pegar sera recompen^ado, dirigiudo-
se a rua larga do Rosario, loja de calcados, n. 22.
Aluga se uma escrava para todo servico c*
casa : na rua do Imperador n. 30, 3- andar.
Aluga-se a ca?a n. 5 do caes do Gazometro,
com duas galas, dous quartos, quintal, etc, por
I5| mensaes : a tratar ua rua estreita do Rosa-
no n. 17, primeiro andar, das 10 horas as i da
Urde,
te de Uchoa : ra rna Dirt-ita n. 8.
O abaixo asM'pnado f.iz sciente aos seus pa-
rentes e amigos, que .-nrarrega se de tudo quanto
for neeessario, a assistencia nesta cidade, nse-
diante alguma coinmi-sao ; podendo serprocura-
do nesta typography.
i'l'dm iiizerra Cavalcanti Maciel.
, Aluga-se a saU e ale va da frente do ter-
eeiro andar do sobiado n. 70, a rua Duque de ca-
xias : a tratar na luja.




'^^"'^^^^?l
imvtr dfeJte-mtmMo^^ gHftbada ^flknMtribdfe
w
>
PHOTOGRAPHIA Ml M p E III A L
LOPES &C.
ESTABELECIMENTO DE PRMEIM ORDEM
Bua do Bar^o da Victoria n. R sobrado
(ANTIGA RUA NOVA)
Trabalhos premiados na ultima exposicao
DO
RIO DE JANEIRO
Acha-se montado sob as melhores cordicoe^ ^e arte, e-ajterto a
umcurrenci.j publics, estc estabolecimento, o primeiro, em davida,
desta proving, n0 qual se liram retratos pelos melhors e mais
modernos sjsteraas, empr?gando-se soraento material de prtmeira
qual dado, e garantindo se
Semelhanca, nitidez e dnracao.
Trebalhi-se todos os dias uteis e do guards, des?e *-*<* boras
da manha is qua'.ro da tarde, nao preiudicsndo o tempo de chuva
ou nublado a perfeigao dos retratos.
Faz-se toila a qu lidade de copies, augmentando-as ou diminuin-
dc-as.
8&000
Uma dazia tie retratos de uma so pessoa, em cartOes para al-
bum.
Para os retratos esmaltados, collorit'os, grupos, e augmentados ha
uma tabella de precos.
T.ram-se retratos ate tamanho natural.
EXPOSICAO DE NOITE
Const&ndo aos abaixo assignado achar sc nes-
:a praci o St. Manoel Fern miles de Carvalho, ron-
Jeiro dos engrahos Barra e Pregoiea, em Ma-
Biangaafio. protiflchtda Parabyba, veem rogar ao
mesmo o obzcquio de vir entender-se com os
abaixo aaagaadaa immedi.-.tamente sobre negorio
tendi ate $ re.eridos engeoaos. Rua do Amorim
o", f.'Cii; torio.
Tassa Irmaos 4 C.
1
icente fi
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-se
fallar ao Sr. vigario Andre Curciiio deAraujo Po-
j reira, a negocio de seu interease.
M Consultcrio iBcdico-ciruraico'S
DE 8 i%
A. B. da Silva Maia.
UglO.
Na nolle ee W para li de raarco do corrente
mno fngio o mnlafu Vicente, eseravo, de 20 annos
ie ida !o, bnnita Ggura, barba e estatura regular,
evcndo vi :itida i em urn sac:o roupa de algodao
iirane" e; iguma maii flna pertcncente a urn cai-
xeko da caa d'oede fupio e naturM da fregue-
zia de Sai '.-Mm?, do Mattos, diz ser livre, casado,
e ter sido ciiado em c-mpphia da madrinha D.
. idiL'z, de quein alias foi eseravo :
rtanl aossenhores capiiaev; de campi
Bantorid i policiaes a apprehensao do dito es-
*avo, e enirega-Io na cidade do Recife, rua do
Crespo a. 10, ao Sr. Joaquim Uoretra-Reis, ouna
fdaoe do Assn ao Sr. TorqOato Augusto de Oli-
veira Baj li la, qae serSo gtnerosatnente gratifi
i.

E
1
cravo
o
id
icio
r is do de -f-rit corrente o cabra
la 24 annos, i statura regular e
r. I'.j la aeoi vestidi e a Ignmas vezcs cal-
i. to. iaeg de bexigas no rosto e falla eor-
natura! da provincia da Parabyba,
i- |ne tenha ido para S. Jose das
Pom na L go d s li.ii is nesta |irovin;ia, aonde
pai ; iambi m pode ser qae efteja occul
ae lad?, trataudo de se liberiar sem pagar
a seu res : roga-se por isso ij autoridades
apitacs de campo a sua captura, pro-
raeteiii'-so boa gratiflcacao aijaeu a realisar,
j!i id -1 oa ma do Apollo n. 20.
'':
5i>.
Comedorias c (lores.
Sa r i estreita do Rrsario u. 33, scbrado de
am audar, defronte do barbeiro c porcimado
earlorio, c-rrtinna-se a fornece: corned rias para
fcra, com : eio e pro ptidio, o >iue muito ulil e
aos Si a .. I mieos quo lem do chegar na aula a
hon.> marei flag, send) os precos mni razoaveis.
Ka m-.: .i a apromptam-se bmdejas com bo-
ahos | ba les, casajpentos e baptisados, pao-
do-lii-, I pudins e pasle's de u.ita enfeitados
ou si :. se palmas, bouquets, capellas, fes-
tdes e ; .. qualidade de (lores toltas, de cera,
panno u \\ iel : lade na rua eitrula do Hosario,
"<;a da il.rila.
CASA U ..;,
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:C DO.
0 abaixo ??ignado lein sampre exposto a ven
:a bilbetes d 1 i-.iia do Rio, cuja exlrac^-ao an
lanciara pelos jomaes.
Precos.
Inleiro 24^000
Meio 125000
Quarto 6(6000
Manoel Martins P'iuza.
N. 10,200
Pede-se ao it. Jos6 Caetanc, da Amenea Illus-
r, o favor de apparecer na rua Primeiro da
D. ',' A, l'andar, a negocio de seu intertsse
- Constwdo ao abaixo assignado que a Sra. D.
..a Maria Cavalcante do Albuquerque, mora-
dcrn na -i lade da Esca a, qucr vender o escravo
hidori, quo i^vk em seu poder por cootempla$ao
de familia, previae-se ao respeitavel publico, que
nao faeain negoek), pois essa senhor;* pouco ou
nada tern no n>esm>, e sim os herdeiros do ?eu
primeiro mar.do Jose Joaquim Cavalcante de Al-
boquerque. como mostra se pelo inventario feito
nas Alagoas. Utiuga, 14 de abril de 1874.
Antonio da Silva Marques.
^ 0 ('.i.'c'Miibargador Motta inudou sua ^
^ resiJenchpara a rua Vdha (Ponte Ve'hi) 2
W entre o n 6 e 8, casa nova. *5l
Furtarain do caes do Ramos duas taboas do
eosUdo de sic pira C9m GO pa!mo3 de comprido e
palmo c meio de largo : gratiQca-^e a quem der
noticia no caes doF'.amosn. 42.
iakehro i. juros
De :."''* '-':000ji, mais on. menos.com hypo-
theca c:..... aqui na cidade : se dira quem da
nas rtia. 1.. iperatriz n. 38, loia, ou Imperial
aumeiuo.__________________________
Nf-: b mais cabellos
brancos.
riisrimimi japoneza.
S6e uuicanpprorada pjhs academies de
icienclas, recoiiheiida superior a toda qne
iera appall i> >i ate hoje. Deposito princi-
pal i rua da '.ladcia do Recife, hoje Mar-
tjaez dc nl;':a, n. 51, i.o andar, e em
iodas as bo'i'"= Rsa de oabellei-
Aj Rua do Visconde de Albuquerque n.
jf 11, outr'ora rua da matriz da Boa-VisU Jf
n- I*- W
Jr Chamados : a quaiquer bora. O
y Consultas : Aos poises gratis, das 5 as Qi
fy 4 horas da tarde. n
Giilizii.
^arvilho ANogueira, na rua do Apollo
. 20, sacf am sobre as srguintes cidades da
"alizs. na Hesp.-nha : Santiago, Orense,
'atron, i errol, Ponte-vcdra of.oruna.-qual-
que- quantia i vista e por todos os paque-
des.
Nao se orestando o pequeno espaco do armazem
n. 10 ,\, a rna da Madre de Deos, para urn abaste-
cido deposito das diversas marcas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro estabeleciinento sob a mesraa
denomina^ao de
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcSes desejadas, e onde pole-
rao os senhoros freguezes dirigir-se, certos de
Sue, como ate aqui, acharao sempre a par da mo-
icidade dos precos, a maior sinceridade possivel.
Enire as differentes marcas de fumo da Bahia e
Rio de Janeiro, que lem sido anniinciada?, acaba
de chegar uma eucommenda especial, e que muito
deve convir aos senhores freguezes. Consciente o
aba xo assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem competidores, fara muito por evitar
qne tambem os tenba com relacio ao pequeno lu-
cro que procurara obter da dita mercadoria.
Jose Dorcingue- do Carmo e Silva.
AUentfo.
Precisa se de ama senhora que esteja habilitada
para ensinar o porluguez, francez, piano, costuras,
berdados, etc., etc., e quo queira ir para um en-
genho perto de uma das estacoes do Recife a S.
Francisco, para ensinar a umas meninas que ja
estao principiadas, paga-se 10005, e gratifica-se
gradaando : a tratar nas Cinco Ponlas n. 82.
ft BACHAREL MIGUEL AMORIM XK
Rua do Imperador n. 71. j^
Uma pessoa vinda da Bahia, precisa fallar com
o Sr. Antonio Jose de Freitas, roga portacto o fa-
vor de apparecer a rua da Cruz n. 6, armazem.
Aluga-se o 1 andar e o armazem do sobrado
da rua dos Burgos (Recife) n. II : a tratar na rua
da Praia n 20, com Jose Feliciano Nazareth.
Aluga-se o pavimento terreo da casa n. 41 a
rua do Rangel : a eatender se com o proprieta-
ry no 2 andar da mesma casa.
Da st- socielade em uma tavern a berrt afre
guezada e em bom local, a uma pessoa deboa
conducta, e que entre com algum capital : nesta
typographia, carta fechada com as iniciaes M P.
R. C__________________________________________
Empreza do gaz
A empreza do gaz tern a bonra de annunciar ao
publico que recebeu ultimamente um esplendido
sortimento de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, cujas amostras estao no escriptorio
a rua do Imperador n. 31, e serao vendidot aos
seus freguezes pelo preco mais razoavel possivel.
Aluga-se o seguudo andar do sobrado n. 86,
sito a rua de Lomas Valentinas, com cs comrao-
dos seguintes : 2 salas grandes e frescas, 3 quar-
tos bastantes grandes, cos'nha fora, um corredor
ou quintal, com portao que da sahida para a rua
de Hortas, e cacimba com boa agua agua : bem
como a loja do mesmo sobrado, com 3 quartos,
2 salas e cozioba fora : quem pretender dirija-se
a rua Neva n. 17, loja, que achara com quem
tratar. Aluga se tambem o primeiro andar do so
brado sito a tavessa dos Expostos n. 28, com suf-
licientes commodos para caixeiros, ou pessoa de
pouca familia : quem pretender dirija-se a rua
Nova n. 17, loja.______________________________
Kcimiao arlislica.
Domingo 26 do corrente as 10 boras da manha,
no salao da Sociedade Monie-Pio Popular Pernam-
bucano a rua do Imperador n. 83, terceiro audar,
havera uma reuniao.
A sociedade Pbilantropiea dos artistas, convida
a todos os artistas em geral para tratar-se dos
melhoramentos da classe.
0 1." aecretario,
Antonio Marcelino dos Santos.
Ajmada.i
Na rua do Barao da Vjbt*ia
fallar ao Sr, leg.'fte J*sf M
gacio de sen imVrcsso.
36, precisa*
Pestina, an*
AMA
2* andar.
Para cozinhar e comprar-
preci^a-se de uma ama : aa
rua Daqoe de Caxias n. 6,
Ama Pfecisa-se do uma ama para cozinhar,
a paga-se bem : a tratar na rua do Hospl
cio n. 70, casa terrea de bolas amarellaa na cor-
nija.
Precisa-se dj uma esc;ava para cozinhar e
comprar : a tratar na rua Primeiro de Marco n
83.____________
Precisa se de uma ama para
cozinhar e comprar para casa de
ponca farnilia : a tratar na rua
Primeiro de Maco n. 18. *. andar.
AMA
- Pierisk-se de trtna ama que saiba cozinhar
e ensrommar: a tratar na praca do Corpo Santo
n. 17, 3 an Jar. ___________________*^_^
Precisa se de uma ama li-
vre ou eserava, qae cczinhe
com perfeifao: na f.ibrica a
vapor de eigarros (antigarua do quartel de policia)
D. 21.
AMA
Ama d leite
Precisa se de uma ama de 1 ite sem filho
rua do Cotovello n 129.
na
Ama Pfecisa se de umaama para cozinhar
lo n. 129.
em casa de familia : na rna do Cotovtl-
A AT A Precisa se de uma ama cozinbeira
~_~ na rua do Hospicio n. 54.
Ama de leite
Precisa se de uma ama que tenha bastante
leite : na rua Direila n. 8.
Am
n. 22.
Precisa se de uma ama para service
* inlerno : na rua do Barao da Victoria
Ama Precisa-se de.uma ama para cozi-
j^-iiio, nnar Da rua ^ Bar4o di v,ctoria nu-
mero 22.
Ama
Ama Precisa se de uma engnmmadeira : na
cxluai rua larga do Ro-ario n. 26, andar.
Precisa-se de
uma ama para
cosinhar e fazer outros me-
nores ervie,o de casa de
pouca familia, preferindo-se
eserava; na ru do ( apibari-
be n.f 40._________________
A AT A Precisa-se do uma ama para casa de
aim .a. n0Uca famijja : na rua jo de Marco
n. 18.
i ma
Precisa-se de uma ama para cozinhar
para casa de familia
66, loja de ourives.
na rua Direila n.
a "/" A Precisa-se de uma ama for-
/% I / ra ou e-crava, para cozinhar
-^i-T-aaxm. e fazer to Jo servico, excepto
lavar e eDgamiiiar; na rna d'Alegna it. IX
Carlos K. Hosquita Falcao
Pedro Rodrigue- de Souza e sua mulher ainda
sob o peso da josta dor que Ihes eausou o falle-
cimento do seu compadre e amigo Carlos E. Mes-
quita Falcao, fazem cele! rar no dia 27 do corrente,
na igreja matriz de S. Jose, pelas 8 horas da ma-
nha, uma mi--a pelo descanso eterno do sua
alma, e muito agraiecidos ficarao a riuva, paren-
tes e amigos seus e daquelle linado, pelo seu cora-
parecimento a es FranriHro Manoel t.ilioso dos
SuiiIon.
0 club t S. JoSo convida ao3
parentes e amigos do finado profes-
sor Francisco Manoel Lilioso dos
Santos para a-sistirem a mi?sa que
J9A pelo repouso eteruo do mesmo fi-
nado manda rezar no dia 25 do
corrente, na igreja do convento de
Nossa Senhora do Carmo desta cidade, as 7 1|2
boras da raanh;i, e coniando receber esse caridoso
obzequio, desdc ja Ihes presia e mais sincero re-
conhimento.
Aluga-se um preto para lodo servico, inclu-
sire cozinha, por tambem enteuder : a tratar na
pra^a do Corno Santo n. 17, 3 andar.
O -*V ft. ,*3 ?5
Precisa-se comprar dous escravos, pedreiro e
carapina, paga so bem : a tratar na thesouraria
das lotenas, a rua Primeiro de Marco n. 6.
'-- "Gg. S &. S' -<- -.* -^y *- Wr
m
frastes.

WB>
Comprase e vende-se trastesnovos a
e usados no armazem da rua o Im- -
perador n. 48.
*
Na rua do Torres n. 20 coupram se escravos
de ambos os sexos.
espanadores de pallia de
reita n. 14.
ouricurv : na rua Di-
Gompra-se um portao de ferro : na rua do
angel n. 62.
0 Sr. Jose" Antonio Gorreia, vindo do Ceara,
e que ultimamente estere em Serinhlem, queira
ler a bondade de apparecer na rua do Marquez
d'Olinda n. 23, armazem, a negocio de seu inte-
rease.
Precisa-se de uma ama one cozinhe e com-
pre para duas pessoas, preferindo-se qae seja ido-
sa : a rua da Madre de Dans n. 16.
Farinha de mandioca
DE
POUTO ALEfinE
De superior qualidade e muito nova, chegada
pelo ultimo cavio : vende-se a rua do Brum n. 92,
armazem de assucar.
c
om avana
A 4#000, 4#500 e 5#500
MadapolSes com toque de avaria, por muito ba-
rato preco, em vista da qualidade ; assim como
saiasdelaavariadas a 4H quem pretender, ande
ligeiro a rna da Iraperatriz n. 60, para nao ter de
se arrepender.________________
Vende-se a casa terrea da rua do Visconde
de Albuquerque n. 37, em chio proprio: a tra-
tar na rua do Imperador n. 17, confronte a S.
Francisco.
Vende-se
uma meia-agua na rua de v?lha de Santa Rita n.
96, pela quantia de 700J, que rende lO* mensaes:
a tratar na rua do Socego n. 32.
Vende-se, para arlancar, a armacie dataver-
na do pateo da Ribeira de S. Jose n. 91, fez se
todo negocio : a tratar na rua da Penha n. B.
Afogados.
Vende-se uma casa terrea, na rua de S. Miguel
n. 123, concertada de novo e preco coramodo : a
(ratar na rua de Cabuga n. 2 B.
Vende-se 60,000 lelhai, 30 mil tiiolos de al-
veaaria batida, deseeeis mil de ladrilhos qua-
dradoi, e 1^800 tijoles de tapamento ; assim
como, jarras de todas as qualidades, potes, qaar-
tinbas e vasos para flores, tudo muito baratorpa-
ra aeabar : na olaria de Jose Carneiro da Canba,
aa rua dos Proaeres n. 50.
22S
n escala
S6 o n. 20
A* rua ilGCresp^ l-ja das 3 p rtas
K
f-i ii,HHttMi<: rt i
Junto a loja dn cmquina.
MLTINS CIIIM'ZES,
Proprios para veaiJo os -nais modernos, pelo
diminuto preco de 280 rs. o corado, e peehincha I
Dao-se amostras.
ORGAflDYS DE COBES.
Pazenla flna e coia ijonitas padr5e., pelo dimi-
Afelo preco de 320 rs. o covado, 6 pecchincha I
Dao-se amostras.
C1IITAS COM I'A^JSO DE CRETONE.
Fazenda "finissima, ecm lindos podioes, pelo di-
minuto preco de 3:0 rs. o covado, so se vendo,
e peehincha I Dao-se amostras.
Li? ESG0CEZA8.
Completo sortimento de lis c^cocezas, e para
aeabar se vende a 2i0 rs. o covado :6 pechiuchal
Dao-se amostras.
CASSA LANE.
v..
vv
rz.
LOJA DO PAVAO
NA
Rua
Uvt
clina
da Imperatriz
PARA LIQUIDAR
n.
60
at SttO rs. 0.-CAMISA8
FRANCCZA8 A f^OdO, 2?6O0'
3900&1-: 3?S00.
preta
MMM
0 PavSo vende graoadina prela e lavrada >
pelo barato prcgo de 50f rs o covade. ?oua9 ,ende ura tonrtD aortwwiHO de
Madanahl enrcstado a 39000' caraisas freBceeas com peito 4eaig^dao,
29000 e 25500. Ditas coin peito de 39000a ,69090. Ditas bordadas muito
PCCB.
0 Pavao vende pegas de awiapolio en-
I festado, pelo barato preca de 3J000 a pe^a.
finas de Gsooo a 109WIO: assim como
grande sortimeniode ceroulas de Mnho e de
Grande sortimento desta fazenda, com os mais' Ditas sem ser enfeslado, com 20 jalss, a ,alodio, pr javegos haraios, fi lambeaa tem
bonitos padroes qae tern vindo e que vende-se
pelo diminuto pre,;o de 200 rs. o covado ; 6 pe-
ehincha I Dio-se amostras.
CHITAS CLARAS.
Com bonitos padroes, qne se v.-ude a 360 rs. o
covado ; e pechiocha I DSo-se amostras.
HOLLANDA.
Brim riollanda, liso, o que ha de mais lino, pro-
prio para costumes de homens e meninos e ves-
lidos para senhoras, por ser rmiito lino e linho
puro, e se ven le pelo diminuto preco de 560 r?. propnas para luto.
o covado; 6 pecoincha I Dao-se amostras.
BRINS DE CORES.
Brins de cores, linho puro, eom bonitos pa-
dr5es e que se vende pelo diminuto preco de 560
rs. o covado ; peehincha I Dao-se amostras.
CAMISAS DE CRETCm:.
Camlsa? de cretone, o que ha de mais flaps,
59000. Ditas com'24 jardas muito boa; complete^smtirnentodepuBho&ecolbjTObos
fazenda, a 69000, WS500 e 79000. tanto de linho como de algodio, por precos
ALPACAS PRETAS A 500, 640 E 800 RS. |em conla.
0 Pavio tern w arande sortimento de Esparaifluxs a SriSM). 4v64H> e
alpacas pretas, que veadea 500, S40 e 8001 i^OttO.
rs. o covado, assim eomo grande sorti-
mento
pretas,
de centdes, bombazinas, princezas
r> PavSo vende um besito scr,tioiento de
merin6s, e outras muitas ferondas esparlilhos modernos a 33500, 4^060 e
50O0, assin como um bancto .sortimento
Sedinkas* afpOO. -desaws braneas, bordndasrn-5*00 e69006,
O Paiao vende sedas eom Itstrinhas de!e "j^ de lasffiha de core* 339000 : Ape-
cores a 19000 o covado. Ditas com pal- cbineteo.
minhas a 23000. Ditus com toque de raofo!
a 19000 e 19400.
te vende a 40000 a
e pechi'vi'ha 1 so se
com linlos padroes e que
duzia e 3500 cada niii.i
vendo
Assim como um deposito de mais (agendas que
se vendem por menos do que em
parte, como sejam
43500,
Cortes de casemira dw cores a 4 S b peehin-
cha I
Idem de brim pardo fino a 1 ^"iO^ ; i.'H m.
srandes a
CAMBRAIA VICTORIA A 4*000,
09000 E 79000.
0 Pavao vende ura grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente cosa
onira quaiquer 8 1/2 varas eada peca, pelos baratos pregoa
'de 49000, 43500, 53000, 63000 e 7COOO
:a petja, assim como, ditas de salpico bran-
co, a 7^000, e peehincha.
Colchas de fustao com ba ra, muito
l ; idem.
Idem idem braneas, idem Ide'n. a '','. : klem.
Cobertas de chita adamascada linn, idem idem, elegante sort mento das mats lmdas laiznhas
NOVAS LAZINHAS ;A 560 RS.
0 Pavao recebeu pelo ultimo vapor um
a 3#o00 ; idem.
Leacoes de bramahte, idem idem, a 23 ;. idem.
Toalhas alcnehoadas a ^J.'iOO a dtizh ; idem.
LenQos de ra^sa com barra a l;'() i> a duzia ;
idem.
Idem iiera idem brancos abaiBhados a 25000 ;
idem.
Idem em caixinlias muiio lindas a .33300
duzia.
Seroulas te linho e nlgndao a 18fi a duzia.
Cambraia Victoria flna a 3 j800 a peca
cbincha.
Algoaao marca T largo a 4S:"00 c 5$ a peca.
Madapolao lino a 44800 an-ca.
Madapolao fiancez muito lino a 65 a peca.
Brim pardo muito fino a 400 rs o covado ;
[H'chincha.
Cambraia transparente, o que ha do mais flna
a 6i a peca.
Baptistas de cores modeinas o com lindos pa-
droes a 400 rs. o covjdo 6 grande peehincha t
Dao-se amostras.
So o n. 20
A' rua do Crcspo, I ja das 5 porUs
DE
Junto a loja da esc|uiai9.
O eHtabelerimento acha-ne aberto
das A boras da manhil aa 9
boras tla nolto.
GRANADKAS
Granadinas de seda para, preta com listras
de c6rese padroes os inais bonitos que tern
vindo ao mercado e que so veado pelo di-
minuto preco do 5i)0 rs. o corado, por ter
um pequeno toque do mofo, e fazenda de
2301 0 o covado ; e peehincha. Dao se
amostras.
Brim kaiici)
Rrim br. nco muito fin), fazenda de
23300 a vara, qae so vende por 13400 a
vara, por estar com um pequeao defeito ; e
peehincha.
leltas francezes
Motins francezes, fazenda muito fina, pa-
droes modernos, fazouda que j por 500 rs, a 3j0rs. 0 covado; e peehin-
cha. Dao-se amostras.
Cretones do listr: s
Cretonesde listras, fazenda acolchoada, pa-
droes muito lindos a 400 rs. 0 covado ; dao-
se amostras.
Madapoloes
Madapoloes com. um pequeno toquo de
avaria, de 3&>00 a ;J000 a peea ; e pe-
ehincha.
CHITAS PERCALES
Chitas percales avariddas a 240 rs. 0 co-
vado; e peehincha.
SO' 0
X. 2 da rua do Crcspo
Loja das 3 portas
DE
. Gulhcrne 4JJ,-
Junto a loja da csnuina
Vende-se a muito afregue/ada laverna da
rua Imperial n. Ho, tanto para o mato como para
a praca, porque o dono retira-se para Europa : a
tratar na mesraa.
para vestidos, ?endo transparentes com as
mais delicac'as cores, e modern'ssimos pa-
jdroes, que vende pelo barato precede 560
'Irs. o covado, & rua da Imperatriz n 60.
j'LIQUIDACAO DEROUPA PARA HOMENS.
0 Pavao vender um grande sortimento de
a'roupas para homens, sendo palitots saccos,
! ditos fraks, tanto decasemira preta e de co-
6 pe-' res, como do panno ; assim como um avul-
I tado sortimento dacalcas de caemirapreta,
decor, de brim de cor e branco, e um
i grande sortimento de colletes de tcdas as
5' qualidades.
Tendo tambem um bom sortimento de
camisas inglezas e francezas ; assim como
de ceroulaa de linho e do algodao, e vende
todas as roupas aciOM mencionadas pelo ba-
ratissimoprerjo, por qnerer liquidar, na loja
da rna da Imperatrizn. 60, de Felix Perei-
ra da Silva.
Acha-se constantomente aberto
a*s6 de noite.
CORTPHADOS BORDADOS PARA CAWA B
JANELUS, BE 73 ATE' 253000 0 VXR
0 Pavao vende um grande sartimeoto de
cortinados bordados, proprios para cama e
janellas.pelo baraSo preeo de IpOOO, 89000,
100000 ate 2590C0, assim eomo : colxa
de damasco de la muito fina de 103000
123000 cada ama.
BRAMANTES A 13800, 23000 E 23500.
0 Pavao vende branaantes para kjnijdes,
tendo 10 palmos de largura, sendo 0 de
algodao a 19800 e 29000 a vara, e dejjnho
a *3400, 23SO0 e ^000 a vara: e pechin-
! cha.
CASEMIRAS A 59000, C90O0 E 73P0Q.
0 Pavao vende fortes de easemiras pars
caicas, sendo padroes modernos, pelo bara-
to preco de 500, 09000 e 79000 o c6rte,
assim como : pennos pretos dos ajelhores
qus tem vindo ao mercado, de 43900, 83 e
103000.
ESMERALDINA A 800 RS.
0 Pavao recebeu utn bonito sortimento
das mais el'gantes esmeraldinas com listras
de reda, sendo em cores e padrdes as mais
novas que tem vindo ao mercado, proprias
para vestidos, e vende pelo baratissimo pre-
co de 800 rs. o covado, A rua da JrapenUriz
In. 60.
( .. t'.o do PAVAO, das 6 horas da manha
Grande peehincha
Gliapcos dc s?l caho tie ma^Sm a
eslran?eir ^>(>oo 111
Y^ T-v : Com seda trancada e hastes di me:a cana, na
JrariS II America, a rua Dll- l0)a da Uosa Branca, a rua da Imperatriz n. 56.
cpje de Caxias n. 59
Charutos e eigarros
primeiro andar, acaba de receber um completo dos mais finos e das melhores marcas, do Rio de
sortimento de calcados esirangeiros para homem e
senhora, vindo entre eiles um lindo sorlimeato de
elegantes chiquitos, sapatinhos e botinas para
erbneas, que tudo vendo por precos razoaveis.
Jaceiro e da Bahia : no armazem do fumo, a rua
do Amorim n. 41, da-Jo-6 Dominguts do Carmo e
Si!-' a.
Panno de algodao da Bahia.
Vende de tolas as qualidades Joao Rodrigues de
Faria : na rua do Amorim n. 33.
Fumos
Da Bah/a e do Rio, vende Joao Rcdrigues de Fa-
aa, rua do .'morim n. 33
Lindas las escocezas.
De varios padrces, e inteirameate modernas,
360 rs o covado : na rua Primeiro de Marco
aatiga do Crespo n. 13, loja das columnas, de An-
tonio Correia de Vaiconeellns.
Cliapfris para sonhora.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de chapeo3 para senhora, ultima moda e
vende por preco commodo.
F;izendas avariadas
Da rua do Queimado n. 43. defronie da Pracinba
da Independencia : madapoloes, algodoes, chitas e
outras farendas, por todo precoCorram fre-
guezes.
So o 43.
VENDE-SE
pes de sapoti, abacate, fructa pao, romeira, figuei-
ra, larangeira cravo, parreiras, rozeiras, dhahas e
outras flores e fructas, tudo por preco commodo :
na Boa-Vista, rua do Visconde de Goyanna, outr'o-
ra Mondego n. 101,
Pacheco & Azevedo tem para vender tapioca
de Araruta de qualidade esperial : em seu arma
zem na rua do Duqae de Caxias n. 29.
ta&SS&k Verdadeiros
GRAHfS
de&mfi
GRAOS DE SAUDE
*dodoutorTR*naL.
, 0 melhor e o mais'
.* Dtil dos purgantes cd-
/
*i da doctenr
. I?BAHCK.
*^S^ -^Siv hecido."*-
******* falalM(eC
eililem il'emtr mc-
______ ilniKiEiigir,
jUB it as8ignatura"im liota VERMELHA
B> W liaailH>llll o letreiro, qui junto,
teito-wm 4 OOR.B8.
Totit, phrmaci l.cror, 13, nu d'Aatin.
EM-4C0RCS
Depoiirt Pcmamhwo, A. RE60RD.
A California
DE
Fazendas baratas
Ma rua do Queiniado u. 43.
Defronte da pnea da Independencia.
E' para liquidar I I
Lazinhas a moda a escoceza a 200 e 240 rs. o
covado.
Cretone a prussiana a 320 rs. o covado.
Cambraia transparente fina a 3j a peca.
Dita Victoria fina a 35300 a peca.
Toalhas lelpudas a 500 rs, uma.
Brim pardo (ino a 400 rs. o covado.
Algodao T superior, pouco sujo a 3 e 45 a peca.
Madapolao, pouco suja a 45 e 5| a peca.
Ci ita, fazenda propria para roupa de escravos a
200 rs. o covado.
Lencoes de bramante a 25.
Briniznhos de listras proprio para vostidos a 35200
o covado.
Venham ver, so na loja das pechincbas.
Dao-se amostras.____________________________
FAZENDAS
KUtaTiS
Na rua Duque de Caxias n 44, confronte a
pracinba da Independencia, esquina do
becco do Peixe Frito.
Metins para vestido a 360 rs. o covado.
Granadme de cores a 500 rs. o covado.
Lis escossezas a 280 rs. o covado.
Chitas de diversas qualidades a 240 rs. o covado.
Brim trancado pardo, claro, muito bom, a 360
rs. o covado.
Lencos de cassa com barra a 15 a duzia.
Ditos brancos a 15600 a duzia.
Ditos de linho abannados a 35500 a duzia,
Cambraia Victoria a 35500 a peca.
Toalhas adamascadas a 400 rs. cada uma.
E'tolo!!!
Ik 5?0.
Lindos corles de granadina com listras e flom,.
fazenda a mais linda possivel, com 18 covados"
cada corle, pelo barato preco de 55 ; isto so *e
vendo para admirar : na rua Primeiro de Marco
n. 1.________________________________
Vendem se dous de amarello, envernisados, com
pouco uso, proprios para l.,ja de fazendas, miude-
sas ou outro quaiquer negocio : para ver aa rua
da Imperatriz, fabrica de eigarros dos Srs. Ulysses
& Irmao e tratar com Posas & C, rua Estreita do
Rosario n. 9._____________________________
CAFE' DE JAVA
0 unico verdadeiro ven-
de-se na confeitaria do
Campos
Vi liaperadw 24
Por todos os vapores, re-
cebe-se'nova remessa.
Armazem progresso
Batatas novas a 30 rs. a libra, e a 700 rs. a
Riga.
Chouricas novas a 480 rs. a libra.
LARGO DA PENHA N. 10.
itama SXSOQiSSDgl itSDOD0
Madapolao fino m
na rua do Crespo n. lO. Q
Pecas de madapoldo 'fino e O
largo, com toque, a 45, 4^500,55 e 55500,
fazenda superior e larga.
AlpiM-ttN de seda de c3res, lavra-
das e muito Unas, fazendo modernissima
a 500 rs. o covado.
Camisas de liuiio com toque
de sujo, a 15500 e 25 cada uma, e pe-
ehincha, isto so na loja n. 10, a rua do
Crespo.
Boa acquisicao.
- Vende-se o estabelecimento sito a rua Estreita
do Rosario n. 4, com poucos fundos, proprio para
quaiquer negocio e para quaiquer prineipiante,
sendo um dos melhores pontos da dita rua : quem
o pretender, dirija*se ao mesmo, das 8 da manha
as 10 e das 5 as 7 da noite.
Vende-se
uma marqueza de amarello, um par de consolos
de jacaranda, e um pequeno toucador tambem de
jacaranda; tudo usado, porem em bom estado, por
barato preco : na rua Imperial n. 125.
Vende-ae um terreno em Beberibe (Porto da
Madeira), com 200 palmos de frente e 600 e tantos
de fundo, tendo casa deOtipa ecoberta de capim,
todo cercado e ja plantaio com algumas arvores
de fructo e legume : oa rna da Penha n. 13.
Vende-se
a taverna e padaria da Ponte de L'choa n. 37
tratar na mosma.
Cambraias de coies, miudi-
nhas a 240 rs. o covado.
mQorasfixasa.toxenda baa, d*o*e .amoMras e
andam-se levar nas.oaias,: na lop da,Rosa
Branca, rua da Imperatriz n. 66._______________
Vende-se o sitio do'Dr. Alvaro Caraiiha, oom
casa moderna e de gosto, qua lica proximo a es
u;ao de Sant'Aona : quem o pretender, entenda-
Salsa parrilha.
Nova remessa, excellent* qualidade; vendase|se*naa^eHe_lagar.com,odeseaibr#dor Francis>
na rua do Vigario n. 16, andar.
i to Domingues da Silva.
iiuar-)
.


-
'




Distifiid*iffomifeUMicar flUBfifcdo 27W%nB 'a* 1OT1!
--. -- .' -
fazendas finas
Ku Primeino dp S.UBP n- 7 A
DE
Cordeiro Simoes^C.
B* esfci uma das eaaas i|tie hoje pode com pri-
raazia offerecer ao.s seas fregaeias uiu varia lissi-
mo sortiaeato de fazendas finas para grande toi-
lette, e bem assim para uso ordinario de todas as
classes, a por precos vantajosos, das quaes faz um
pemwno resume.
Maudj.m fazondaa as casas dos pn-tendentes,
para o quo tern pessoal necessario, e dao amostras
inediante penhor.
Cortes de seda de lindas cores.
GrosdeaapLes de todat as cures.
Gorgnrao hrauco, lizo, de listras, preto, elc.
S*iim Macao, preto de cores.
Grosdenaples pnto.
VeHudo preto.
Gjunadine de seda, preta e,de cures.
Popelinas de linlos padroes.
Filo de seda, branco e preto.
Ricas basquinas de seda.
Casacos.de merino de cores, 15, ete.
Maotas brasileitas.
Coites coin cambraia branca com lindos borda-
Rieas eapellas e mantas para noivas.
Biquissiwo sortimcuto de las com li-tras de
seda.
Cambraias de cSr.es.
Ditas maripozns, brancas, lizas e bordadas.
Jfanzuques de licdos padroes.
Baptistas, padroes deiicados.
Prcalriw d" quadros, prctos e brancos, listras,
etc., etc. ,
Brins de linho dj cor, pronrme oara vestidos,
com barra e listras.
Ricos corles de vestfdo de linho. e files da
masaia cor, ultima mod?
Ditos_de carnlrr&n de cores.
Fustio de lindas cores.
Saias hcrda-la* para senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, de linho e ai-
godao.
Sortimento dflluvas da verdadeira fabrica de
Jouvjo, para homens e seDlioias.
Vestnarios para meninos.
Dilos para baptize.do.
Chapeos para dito.
Toa.Ib.as o ga;.rd?.n3pos adamajcados de liuho de
cor, para mesa.
Colchas de la.
Cortinados bordados.
Grande eorUmeMo de camisas de ltoho, lizas e
bordadas, psra homens.
Meias de cores para homens, meninos e meni-
al
Ltiias escoceza?.
Uou-pli-t"! fiiliiueyto de chapeos de sol oara ho-
mens e senhoras.
Merino de cores pira vestiaos.
Dito preto, Irancado e dito de verao.
'wlhado d liiiho e algodSo para loal
atoalbado |-a d>.
Damascn de IS.
Brins de KbJio, branco de cores e preto.
Setim de lindas cures com listras.
Ctiales de merino de cores e pretos.
Dilos de ewenira.
Ditos de scd.t preta e de cores.
Ditos do touqnim.
Camisas de crita para homens.
Ditas de fianella.
Ceroulas de liabo e aigodao.
Panuos de crochet para sofa, cadeiras c conso-
i. Lencos bordados e do labvrintho.
Colchas de crochet.
Tarlatana de tolas as cfa>9.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana bordados
para c6rtes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liduas cures.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas fachas deseda e la para senhoras.
Ri''o sortimento de leques de madreperolas e
0550.
Damasco de seda.
Casemira preta e de cdres.
Chilas, madapolao panno lino preto e azul, eol-
larinhos, punhos delinbo e ajgodao, gravatas, lu-
vas de fio de K-cossia, 'apetes de todos 03 tama-
nhos, bolsas de viagem, peitos bordado? para ho-
mens, lenq is ce linho branco e de cures, toaluas,
goardanaims. etc. etc. _____
Wilson Howe & C vendem do seu arraazem
rna df> Cominerciu n. ii :
verdadiiro p.nco de aigodao azul amencano.
Exceilente Bo de \ela.
Cognac do 1* qualidade
Vinko de Bordeaux.
Carvao dH Pcdra de tojas as rpiaiidadaa________
Gran ie pechincha de cami-
sas de linho.
Ven Ie se eaniHas ingleias, de linho, mnito finas,
para iMStnem, pela baratissimo preco de 35*000 a
duzia ; cjuem duvidiir venha ver e enmprar : na
rot Dunne de Caxias n. 88, luja de Demetrio
Bastos.________________________________
As unicas verdadeiras
Biebas taint Bi^uezai one **m a *>*te mercaoo
rur yinmua dAOlwdtr n.M
i
I
9
Aos apreciadores do cafe do
Ceara.
V Vende-se cafe do Ceara de primeira quaiidade
pelo barato prcijo d>? 1^000 o kilo, e assucar refi-
nado de primeira ^alidade a 300 reis o kilo: na
rifioa(aoda ma do Rangel n. 43.
de
o a 200 rs. o kilo-
No armazem do fumo. a rna do Amorim a. 44,
Jose Domingr.es do Cerate- e Silva.
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello 6 uma preparacSo ao
mesmo tempo agradavel, sau,daye,l e efficaz para
conservar o cabello. Por m'eio do seu uso o
cabello ra^o, grisalho, e enfraquecido, dentro de
pouco tempo revolve a cor que -Use 6 natural e
primitiva, e adquire o brilao e a frescuxa do
cabello da javentude; o cabello ralo se torna
denso e a cstlvicio muitas vezes, poato que nao
em todos os easos e neutralizada,
Nao ha nada que pode reformar o cabpllo
depois dos iblliculos estarem destruidos, e as
glandes cansadas e idas, mais se ainda restarem
algums podem sit salvadas e utilizadas pela
applicadio do Vigor. Libre de essas substancias
deleterias que ton.am muitas preparacoes de este
genero tarn nccivas e destructivas ao cajjello, o
Vi_got sdwente lhe e bepeficiaj. Em vep da
sujar o cabello e o fazer pegajoso, o conse,rva
limpo e forte, (tmtellizando o, impedindo a queda
e o torar-se ruc/>, e por coiifjequufte pre,vine a
calvicie.
Para uso da toilette nao ha nada mais. a dese-
jar; ngo coiitendo oleo hem tintura, h5o pode
maochar meBmo o mais alvo' lenco de cambraia;
perdura no eiliell.), Ihe da cm lustre luiurioso,
e um perfume muito agradavel.
Paxa reformar a cor da barba, 6 neceasario
maia tempo de que com o cabello, porem ae pode
appressar o <:ffeito, envolvendo a barba de noite
cem um ien90 molhado no Vigor.
JREPAKADO FOB
Dr. J. C. AYER & CA LoweU, MassW
E tados TJnido,
CMmi-'og Practices ^naji,(tco.
/ VHJJ>rnB3 SB3 POH
resma
Rua da Iraperatriz n. ~l%
MfiNDES GULMARAES itlMAOS
Au8.ba (k) receber ujn grandB sortmen'o do f*wo4ai prttjs para qu|
COMO SKJAM
GROSDENAPLE PRETO A 18C0.
Vonde-se grosdenaple preto para vestido
| de senhoras, a 1$800, 25, 35, 4$, e ojj o
covado.
PANNO TRETO A 29500.
Vende-se panno preto de duas larguras,
para catcas e palit6ts, a 250( 35J, 3JS500,
4, a 6^000 o covado.
CORTES DE CASEMIRA PRF.TA A 5^000.
Vende-se cortes de casemira preta psra
calcas, a 5*, 69, 7$ e 8j0i.-0 o co; to.
MERINO* PRETO A 2560-'.
Vende-se merin6 preto lirio, a 2$300 e
39000 o covado.
BOMBAZ NA PRETA A 15>500. !
Veede-se bombaz na preta enfestada, a
19500, 19800 e 29000 o covado.
AEPACA PRETA A 500 RS.
Vende se alpaca preta fioa, a 500, 640,
800 rs. e 19000 o covado.
FAZENDAS DE CORES E CAMBRAIA j
BRINCA A 390t0.
Vende-se pecas de cambraia br?nca trans-
parente 8 39, 49,59 e 69090, ditas de cam-
braia tapada, Victoria, a 39, 39800, 49
e 5.5000.
CORTINADOS PARA CAMA A 109000.
Vende secortinados bordados para cama,
a 169. 209, 259 e 309000.
CAMBR IA DE CORES A 300 RS.
VenJe-se cambraia a 300, 320 0 360 rs. 0 covado
CHITAS LARGAS A 200 RS.
Vende-se chitns Isrgas para vestidos, a
240, 320 e 360 rs. 0 covado.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se brnmanto com 10 palmos de
largo a 19600, 198W) e 29500 0 metro.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pegas de madapolao enfestado
a 39000. Dito inglez a 49500, 59'
55500, 69O00, 79000 e 89000 a pessa.
CORTINADOS PARA JANELLAS A 89000,
Vtnde-se 0 par do cortinados bordados
para jariellas, a 89 e 1090i 0 0 par.
ALGODAO A 4900C.
Vendo-se pegas de algodSo, a 4$, 59 e
65000.
CEROURAS A 19000.
Vende-se ceroulas de aigodao, a 19000,
ditas finas de bramaute a 1*500 e 29 cada
uma.
CAMISAS BRANCAS A 29000.
Vende-se camisas brancas finas, a 29,
29500, 39 e 49000.
A' rna rfb CaDuca n.lA.
Oa-pyoprietiriWd* FMdHlett, no intuito d.
:on3crvar 0 bom conccito qne teem merecido do
respeitavel puiiljco, dj-stiopiwudo 0 seu estaheleci-
mepio del; mais que nepociam no mesmo generc
vmrt soiehtificar a"os setts lions fftgltezes qtle pre-
vedirem aoaseus eVrespoaaente!? as dtvetSaSpar-
wrlarem-por todoosp.
.u'.ttes os ubjecios de luxo e bom gosto, qne se-
am mais bem aoeitos pelas sociedadeS elegantes
BRINS DE CORES A 400 RS.
Vende-se brins de cores para calcas, a 400,
e 500 rs. 0 covado.
CHA ES A 800 RS.
Vende se cbales de la a 800 rs., chalesde
merin6 de cores, a 29, 39, 49 e 59000.
COLCUAS DE CORES A 29000.
Vende-se colchas de cores para cama, a
29,39500 e 49000.
CHITAS DE CORES A 300 RS.
Vende-se chitas finas de cores, a 360 e 400
rs. o covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS.
Vende-se alpacas finas de cores, a 500,
640 e 800 rs. 0 covado.
TAPETES A 49500.
Vende-se tapetes para salas, de diversos
tamanhos, a 49500, 59, 69 e 89000 cada
um.
l.i.NOlS BRANC0S A 2C CO.
Wiide-s* iengos brat cos ii .,, id09,
2950u e 39 a 1 uzia, dilos ilu lii-ho, a 49,
SJJe L-C5000 a duzia.
CR0C1IES PAKA CAD:.!RASA l-^oOO.
Vende-so.pannos do cnichii para odeir.s,.
a 19500 cada um, colchas do di 0 psra
noivas.
MADAPOLAO FRANCE'/. A, 79000.
Vendo-se pr-eas" do madapolao fraiicoz
muit-1 fino, a 79, 89 0 10900Q.
BRIM 1'ARDO A '.00 RS. O COVADO.
Vende so brim pardo para calgas, a 400
rs. O covado.
CORIESDE CASEMIRA DF/59000.
Vfiido-so cnrU-s de casemira de cores para
calgas, a .*>, 59500 0 GvOOO.
c-kusdl:>apli; irlto.
Vende-se grosdenap'e preto com 4 1/J
palmos de largura, a 59 o covado.
ESGCIAO FINO A 29000.
Vende se csqtiiao fino do linho, a 29,
29500; 35 e 49o metro.
CHITAS PAHA COBERTA A 280 RS
Vende-se chitji,para, cobcrta, a280e400
rs. 0 covado.
BRIM BRANCO A II000.
Vende-so brim branco do linho, a 19.
19280, J9600 e 29 0 mi-tm.
BRETAN1IA BE !.INHO A 640 RS.
Vende-se brctanha ce linho, a 640 rs. ;
vara.
FLANL.LT.A DE CORES A 800 RS.
Vendfi-se flan-.lla de cores-, a 800 rs. 0
covado.
CORERTOPES DE ALGODAO A 19^00.
Vende-se cobertores de pull 1 a 19400.
Cobertas do chita a ljrSO'i e 29 ditas en-
P
cfirna jas, forraiias, a 49, no Baz8r Nacional,
rua da Impt ratriz n. 72.
CORTES DE CASSA A 39000.
Vende-se cortes dc cassa niudas a 39
cada um.
GRAY, TAS PARA SENIIORA A 19'iOO.
Vende sc gravatas para senhoras, a 19,
ditas par", homens a 5C0 rs.
ALGODAO ENFESTADO A 19C0O.
Vende sc aigodao enfestado psra lene6es,
a IjSOOO a va^a.
GRANDE SORTIMENTO DE R0LTA FEiTA
NACIONAL.
Vende-se palitots de panno prejtA, a 59, 79,
8^e 10;SOOO.
Vende-se palitots de alpaca preta, a 39,
39500 e 4^000.
de
panno, a 49,
Vendo-se calgas pretss
6,$, 79 e 89000.
Vende-se colletes preto?, a 3;5, 39500 e
49)00.
Vende-se ceroulas. a tfi, 19500, 29 e
3000.
Vende-se camisas brancas, a 25, 29500,
39 e 49000.
Vende-se ccmisas de chit s, a 19400, 2$'
e 3^000.
CHITAS PRETAS A 320 RS-
Vonde-se chitas pretas -finas, a 320 e 360
rs. ocnvado.
LAZINHA A 2G0 RS.
Vende-se Iteimbas para vi stidos, a 200,
320. 400 e 500 rs. 0 covado. No Bazar
Nacional. rua da Imperatnz n. 72, de Men-
des Guimaracs &Irrn.ios.
iaquelles paizes, -flsto aprbximar se 0 teWbo de
testa, em que 0 bello sexo desta linda Veneza
mais osteofa ariqueza de suas toilutes ; e co-
mo jA reoehessem pel* paquele fraHcez diverse
Artlgos da ultima moda, veem palenlear algun;
I'entrB'eilM qoese fornarn mais rccommendav'eis,
!5peraado do respoitivel pnbBdo a cdsttlniada
wncurreacia.
Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Allmns-owa. ww oa^wde-mndreperoia e de
velludo, ?endo diversos tamanhos e baratos pre-
os
/. derecoa eomptetos de borracha pr. prios par*
itto, tambem se vendem melos aderecos muito bo-
nitos.
Uutoes de setim preio e de cores para ornato de
restldos de sethora ; tambem tern para collete
palitot.
Uolsa* para senhoras existe um bello sortlmen-
de seda, do.pallia,.de chagrim. etc, etc, por
harato prego.
Bonecas de todos os tamanhos, tamo de louca
como do edra, de borracha e de massa ; chama-
[iio9 a attem;Jo das Ewnas. Sna& para este artigo,
pois as vezes turaaqi-to as oriangas 0111 pouco im-
pertiuentes por fajta de um obiecto que as en-
iretenham.
Camisas de linho li?as e com peitos bordados
para homem, vondcjni-se par preco conimodo.
CeronlRj d9 liuho. e.de aigodr, de disersos pre-
cos.
Caixinhas com mn?ica, 0 que ha de mais lindo,
ii 3is|josnas tanipas e proprios para presen-
te
Coques os.mais modcroos e de diversos focma-
'.os.
Cha-peospara sonhora. Receberam um sortimento
tla lillima iaoda> tnnto para senhora, como para
meniaap.
Capellas simples com veo 4tara n*>ivas.
Calcas bordadas para menjnas.
Euifeineios estampadus e bordados, de lindoi
tlBMllM,
Sscovas eiectricas para dontes, tern a proprie-
dade de evitar a carie dos dentcs.
Fianjas de seda pretas e de cores, exUe nm
g-ande sortimento de divercas larguras e baratci
orern.
Vilzt (Je sria. ri "crgwan. de setim e de> cba-
,*aloi de diverts largurae e boi>iiiis cores.
Fachas de gorgurao mnito lindas.
Fi^i-" artifici.tes. A Predilecta prima era con-
orvar sempre um bello e grande sortimento des-
as fio.es, nao so para enfeite dos c^belloe, como
iambem para omato de vestido de noivas.
naloes dealgodao.de la e de seda, brancos, pre-
tos e do diversas cores.
Gravatas de seda para homem e terrhoras.
hsfss it eamUraia e de seda do divegas cores
para inwnora.
digas de seda de cores e brancas bcrdadas par*
Q..iva.
U\tos para onvir missa, com capas de madre-
perula, mantoi, os .0 e velludo, tudo que ha de
bom.
Pen{es de tartaruga e marliai para alisar os ca-
bel'bs ; teem tsunbem para tirar caspas.
Port bouquet. prol*. iaariim, osso e dourados par harato preco.
PerfumarMS. Nostc ajiigo e.-,U a Predileqla hem
provide, u^o so em extractos, .coaiu em olejjs <
barjhas dos melhores odores, dqs. mais afamados
fal>rrcarrtes, Lonbin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudnay, Gosuel e Himel ; sact indispensaveis para
a festa.
Saias bor^ada^ para seahora, ppr corompdo
prego.
Sapalinhes de la e de setiin bordados ,para bap-
i tisados.
Tapqtes. Receheua Prqdilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanbos, tanjo para sofa co.
mo para entrada de sala?.
Vestimentas para,bapti?adoo que ha de melhor
gosto.a .os ma is 1 moderac s recebea a. Predilecta
e or ar;to prc^o, para ticar ao alcance
imaj ^aa do Cabugan. 1
Veride se larangeiras selecta? e de umbigo,
f nxertadas, como nao ha igaaes em qualidade, e
de lodo tamanhe, assim como saputizeiros e aba-
catizeiros : na estrada dos Afllictos, sjtio da yiuva
Quintella.
VBNHAM VEB
A Nova Esperanca, a rua Duquede Caxias n. 63
apressa-se em convidar a sous freguezes. com es
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
guintes artigos expostos a venda e todos por preco>
commodos, como tejam :
FINAS BONECAS mansas e choronas.
B0N1TAS E ENGRAQADAS vistas para sterios
copios.
COMMODAS LATAS para guardar cba.
ELEGANTES BOI^SAS para senhoras e meninat
BONITOS VASOS com Qna baqha e cheirosos
extractos, trazendo cada frasco um noine, uma ini-
cial ou um distico.
FINAS MEIAS Dfi SEDA, vindo entre ellas coi
de carne.
Para qiiein guslar.
A' Nova Esperanto a ma Duque de Caxias a
63, acaba de receber tentos e caixas para o jogo d*
Voltarette.
Para queni s: tfre das pernas.
A Nova Esperanja, a rua Duque de Caxias n
63, ac,aha de receber as procuradas meias de bor-
racha para quern sofTre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias
63, acaba de receber um lindo e completo eorti
mento de (lores artificiaes das melbores que terr
vindo ao mercado
A ellas antes que se acahem.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber bomtos costumes para criaoc
e esta ?e vendendo por precos razoaveis.
A Nova Esperangt, a rua puqne de Caxias n
63, recebpu um pequero sortimento de anrieis >
pulseiras eiectricas, proprias para qoem soffre do.'
nervos.
Farinha de m^udioca nova.
Recenteme,nle cbegada de Santa Catbarina tem
para vender no trapiche Compauhia, e para tratar
ho seu e'scriptorio a rua do Commercio n. 5, Joa-
quim Jose Gon^alves Ileltrac A Filho. Adverttsdo
aos compradores que desejando acabar, vendem
mais barato do que em qualquer oiitra parte, tan-
to em grandes como em peqpenas porQ5es. '
* Fazendas de gflslo
^ !\! 1'im iSo Criicspo u BO
Nvidades de cores com ''nstras'de ?cda
entremeailas de renda, fazenda ainda nao
vhta nesta cidado a 800 rs a coVadp.
Las de. cares ten listras de seda e bo-
njtns padrod.- a 3$) rs. o cpyadp.
md(i'p6la~o francez muito largo, com
J9t 20 varas, a 64' a peca.
m Vi'gtuarios de fustao, cambraia e alpa-
SO' 0 BARATEIRO
NA
Rua l.de Marco n. 1.
Coafr'intc o urco d;C Siauto Au-
toni,o.
Eta vcudoi^clo Niias fazendiis con*
I SO por cento eii-boh quo em otiira
(iuaiquer pnrtc
A saber :
Mad.ipolao com toque de mofo, pelo barato pre-
co de 4*?00 e 5,3
Dito francez, limpo e de superior qualidade, por
ofifiOO, 6*000 e 6*K0.
i Aigodao marca T, largo, superior qualidade, a
4*300, 3d, a500 e G*000.
Grande sortimento de lazinhas degostns inteii^a-
! mente escosseses, pelos precis de 2W, 210, 2C0 e
440 rs. ; SO se vendo poder se-ha acreditar.
Baptistas, li^as p. com flores, fazenda qge sem-
1 pre custou 400 e 800 rs., estamos vendendo pelo
preen de 320 rs, para acabar.
Ditas finas, padrfies matisados, a 400 e 440 rs.
o cova o.
Cretone fraocez, escurcs e claros, os mais no-
I vos que tem vindo ao mercado, a 480 e 500 rs. o
I covado.
Aproveitem em qnanto nao se acabam.chapeos de
' sol do seda trancada (paragom) it hasteas, ingieies
| superiores, pelo iosignificante pre^o de 8* e 9* ;
serapre vendemQa por 14*000.
Ditos para senhnra, de merino, a 3* e 3*500.
Ditos de seda, cabo de osso a 4*000, e pechin-
cha.
Ditos de alpaca de cores, forrados com seda,
e o cabo fingindo bengala, o mais moderno que
ha, a lf300 e 2* I
Sortimento de chitas claras e escuras, boa fa-
zenda, para acabar, a 240 e 280 rs. o covado.
Popelioa de liuho e. aigodao, gu.-tos inteiramenle
[.novos e fa cores b.ouilas a ,8,00 rs. o covado,'sem-
j pre cu>lou i j40O.'
Camisas de'eretone, francezas, modemas e sn-
! periores a 3* e 3*500
Dims brancas a 2* e 2*o00.
Ditas de linho a 3*510 e 4*0,00.
Toalhas de liphp x!u ft.rto a 7*500 e 8*000 a
duzia.
IHtas felpndas a 7*, 7*300 e 8*000.
Esguiao com. 10 jardas, pe.o pre^o de 4*5^0 ; e
barato com effeito I
Cambr?ias Victoria e transparente, fazenda fina.
a 3*300. 3*8(J0, 4*000 e 5* a peca.
Lencos de cambraia com barra de. cor, a 4*, e
brancos a 2*.
ca, para meoinas, a 4*, 5* e 6*. Dao-se
\ amostras com penhor.
mSkWmmtmmm
Fogao de ferro economico
Vende se nm chegado ha Deucos dias, tendo fo
i nalhas para lenha e carvao, forno para assar
j deposito para agua quente e lngar para se guar-
. dar quente as comidas depois de feitas; estes fo-
i goes tornam-se recommendaveis porque sao de
i ferro baiido, e fabricados com perfeicjio e cozi-
i n.hain com mui dimitmia lenba.: na rua do Apo
o. 20
Ditos de.ijnhp, abanhadqs a 3(jS.6pp e 3*800 a
duzia
Grande sortimento de brins de cores, padroes
proprios para inepraos de esdola a 440 e 30Q r.s.
0 t'OKldp.
Botinas para, senbora, pretas e de cores, por 4*
e 44ij0p, isto por termns gratJe' quafaliuade, sf
faz e>ie pre^o.'
liramahte de liobn, di-as,Iaj-guraf..pelo Ijarato
IpreQo de '1*200 a vara, e sorneJife,paxa acabar.
Muitos r.utros artigos que "deixamKs 3eJmencip-
par para n3o massar" nosscs freguezes ; mas que
Avista delles estSo^rese'ntes.
'DSo:se amostras.
S6 o haraleiro quer queimar
Para rival nao ehcontraf. '
A' rna Prime'iro"de Marco n. 1, antiga do Cres-
po, de'A josilnho Fetrelra da Silva J,eal & C.
Progresso da rua do Rangel, do
Vieira n. 60.
Vende-se muito barato:
Marfteiga em latss a 80) rs. a libra.
Ervilba a 120 rs. a libra.
Estrelinha a 320 rs. a libra.
Aletria a'3J0rs!a lilbra.
E outros muitos generoj'.
PokhIo Barao" da Victoria n. 22.
DE
Canieiro Viamia.
A' este grande estabelecimento tem che-
gado um bom sortimento de machines para
costura, de tqdqs os autores mais acredita-
dos uUimamenteua Eurppa, cujas machinas
sao gMantirJ;ts ppr um aqno, e tendo' um
perjfeito ,|irtista pars ensi'nar as, mosmas, em
qualquer parte dpsfa cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo ta,mbem d'um
anno, %era d>spendiq ajgum do comprador.
Neste estabelecimento tambem ha pertencas
para asmesmas mftobujas e se suppre qual-
quer paw que seja net^ssa,rio. Estas ma-
chinas trabalham com toda a perfeicao de
.utn.e.idoWs posppntps, fran^e e horda toda
qualqwer costur^ por fina que seja, seus
precjos sao da sqguinte qualidade : para tra-
balhar m4o e 50$WO, pam 805000, 9/WlOOO, 100^0, HOIiQO'O,
120PO0r 130POO.^, l&.Q^O^^QlO)0'e
asoaftOO, eru.quajitp.aos ai^tores r^fp ba al-
teracSo de precos, e os compradores P49derao
visitar este estabelecimento, qu# muito d'e-
verao gostar pela variedade de o.bjpc\oc que
ha se*ftPfc'e pa^4 vender, como sejaru : padei-
raR.para, vjagpro, majis para v^agem,, cadei-
ras par* salas,,di^s.4eb,a!a,ncp, ditas pa.ra
crianca (altas),'ditas para escolas, costurei-
ras wquissimas, para senhora, des^ensaveis
para criau^as, de todas as qualidadts, camas
de ferro para homem e crianca's, capachos,
espeihpa dqui;%dqs para sala, grand.es e pe-
quenos, appaieJbo* de wfal papa $i, fp-
queiros com cabo de metal e de marfim,
ditos.ayiilsqs,, cojhepesde me^l hno.cphcliei
ros para sala, jfrrps, guar^-cor^idas de
arame, tampaspana ccibrjr pr^, es,teiras
para forrar salas, lavatories complete!*, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mui
tos aftigos que muito devem.agradar a todos
que visitarem este grande estabelecimeflto
quo se aeha iaberto de;de as 6 boras da ma-
nba ate as 9 horas da noutei
Rua do Barao da Victoria n.
22.
Magnolia
Na loja-ifa'Sfegtrolfs; S rhk Duque de Caxias a.
45, encontrara sempre 0 respeitavel publico um
completo sortimeulo de perfumarias (inas, objectos
de phanlasia, luvas de J miudezas finas, assim como modicidade nos -pre-
cos, argrado e sfnCtridade.
Anneis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, aca
ba de receber os verdadeiros aBneis e voltas eiec-
tricas, proprios para os nervosos.
Meios aderecos
A Magnolia, a rua Daquo de Caxias n. 45, re-
cebeu um completo sortimento de
Mefos aderecos de tartaruga.
Meios aderecos de madrcperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda)
e de muitas outras qualidades.
Botoes de aco
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, tem
para vender os modernos botoes de aco, proprios
para vesiidos.
Golinhas e punhos
das mais modernas que ha no mercado ; a ellas :
na Magnolia, a rua Duque de Caxias a. 45.
Lencos chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-1
cebeu uma peqnena qnantidade de lencos de seda'
chinezes, com lindissimos desenhos, fazenda intei- j
ramente nova.
Leques
Lindos leques de madreperola, de tartaruga, de
marlim. de osso, e de muitas ooJras qualidafles :
receben a Magnolia, a rua Duque de Caxias nu-
ikto 45.
Attenc,ao.
A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
5,5, acaba de receber o srguintes artigos :
Manual de madreperola, tartaruga e marfim.
Ricos albuDs com capa de madreperola, cha-
gron, madeira, veludo, eonro, etc.
Lindas caixas com Gftiisimas perfumarias.
Ligas de red.-., brancas e de cores.
Voltas de madreperoln.
Pu'seiras de madreperola.
Iticas caixas para co.-ttira.
Vesluaxios para baplisado.
T.mcas e sapatinhos de setiin.
Modernos chapeos de sol de seda para senhoras.
Lindos port-bouquets.
Gravatinhas de velludo, etc etc.
Economia do-
mestica
Na rua Primeiro de Marco n. 1.
C.nfronte ao arco de Santo Antonio, Ma 4s
Agoslinho Ferreira da Silva Leal 4 C.
I ? Lanzinhas, gusto escossez, padroes ioteiraiMBla
novos, pelo diminnto pre^o de 200, 240 eMftliSi
0 covado.
Baptistas lisas, finas, e de cores a 320, t09
, 440 reis 0 covado, isto so se vendn I
Chapeos de sol de seMa, para homens, iogkse*
; (paragon) e com 12 hastes, peli preco de 8* e 9*,
fazenda esla qne sempre custou 14*, si pan
: acabar.
Na rua Primeiro de Marco d. I.
! ___________Leja do barateiro.
Vende-se
' oito vacas turinas, grandes e pequenas : a tratar
I no becco do Ouvidor, coxeira..
j Vende-se as casas seguintes
Rna 24 de Maio (ortr'ora d03 Ossos) as. 2e4.
Dita do Fogo n. 22.
Dila do Padre Flori.mo n. 35.
Becco da Bomba n 5.
Travessa do Padre Lobato n. 8 A.
Becco do caes da cadeia-nova ns. 3 e 5.
A tratar no pateo do Carm^-n. i.
Gaz a 5^500 a lata
com 25 garrafas, do melhcr e da mais acreditaoa
marca d-s Henry Eorster 4 C, garantido aquifi-
1 dade e a ipiantidada do liquido completo : bo at-
mazem deJos Domingues do Caimo eS:lfi.
rua do Amorim n. 41
Chapeos para senhora
Amaral, Natuco & C. acab.-.m de receber peto
. ultimo vapor da Eoropa un completo sorttmeota
de chapeos de velluib, de seda e de palha da Ita-
lia, paracrian^as, meninas e senbPras : veadem
no Bazar Victoria, rua do Barao da Victoria o. 1.
Cintos e leques
Amaral, Nabuco it C. vendem cintos de oauro
preto 0 de cures para senhora, de c mro de lustre,
de bezerro e de borracha para mentnos e homea^
leques de tartaruga, marfim. madreperola alvae
queimada, lisos e lavradus, de chagrin, madeira,
I chagrin e seda e madeira e seda para s-nkora :
no Bazar Victoria rua do Ba'ao da Victoria n. J.
Granadine com linda? cores, vende-se por 600
0 800 rs. 0 covado : rua I* de Marrjo n. 7 A.
E' barato.
Frcla eoziiiheira.
Vende se uma preta eozinbeira, na rua da An-
rora n. 85, primeiro andar: para ver e tratar
ate as 8 boras da manha e das 5 as 7 horas da
tarde.
Grandes pechioclias'!
1
SO' NA
A'
Vende-se um pequcno si'io perto da esta-
cao do Salgad.nho, tendo de frente 150
palmos, e de fundos mats de quatrocentos, SI I A J\ A j) ii. I' \K|JS
corn uma elpgante casa de taipa, acabada do
proxim > e bem asseiad?, tendo 2 sal s, 2
quartos e cozinha fora. 0 terreno e pro-
prio 0 bom de plantacoes, tendo algum;s
arvores de iructo, agua de beber e todo cer-
cado.
Para ver c mais explicates, no mesmo si-
tio a qualquer bora a entender-se com Tris-
tao Francisco Torres, e para tratar, na the-
souraria d s loterias, rua 1 de Marco
n. 6.
Farello novo e
Milho pequeno
Da melhor qualidade no armazem de farinha
de trigo de Tassn Irmaos & C. na praca do cae?
do Aoolh.
Fazendas e roupas muito ba-
ratas
Na )oja,.de J. Porto, a rua Nova n. 14, troca se
por cobre'ou mesmo.por sedulas, .boas fazendas e
roupas "feitas sem se olhar a lucro, somente para
vender muito._________________
Camisas de cretpne
as mais modernas quo tem vindo ao mercado, sen-
do lisas e com listras, e qne se vende a 40000 a
duzia e a 3500 cada uma ; 6 pechincha.
Hollanda
Brim pardo liso, 0 que ha de mais fino, com um
toque de avaria, e que se vende a 480 rs. 0 cova
do, fazenda propria do pale por ser linho pnro,
applicada para costumes de homens e de meninos :
so na rua do Cr^spo n. 20, loja das tres portas, de
Guilherme & C, junto a loja da esquina.
Sedas a 1$500.
Vende-se bonila? sedas de lindas cores pelo
baratlssimo preco de 1 $500 0 covado ; veoliam a
ellas antes que se acabem, na rua do Duque de
Caxias n. 88, loja de Demetrio Bastos.
Rua 1 ImperilIriz n. '.':, i.
Manoel l-'erreira de Ohveira. dnno desta novo
estabelecimento, rdentifiea ao-respeitavel poblieo
que acaba de r-ceber um completo sortimento rJe
fazendas finas de todas a? qualidades, lanlo de II,
como de linho, seda e aigodao, c qne ha -'.....'
moderno e do melhor gosto, e portanto c ,..
Exmas. familias, amigas da economia d iac;ticA,
a virem ou mandarem a SULTANA DE PARIS, e
verao que compram fazendas bonitas <: li..rata por
meucs preco que jamah cobipraram.
Como sejam :
Popelinas de seda com listras muito moderaas a
15800 0 covado.
Setim Macao de diversas cures a SjSOO 0 covado.
Grosdenaples de todas as cores.
Fadias de seda para senh ra a lOiOOO cada ama,
e granie pechincha 1!
Colletes enfeitados para senhora, muito modernos
a 5*3' 0 cada um.
La?inhas de cores em grande -quantidade de 260
-a 5I..0 rs. o covado.
Pecas de cambraia transparente de 3000, 3^600,
45000, 45100 e 65000.
Dita Victoria para todos os precos.
Gravatinhas deseda para senhora a I000.
Chitas de cores de i40 a ;-20 rs. 0 covado.
Pecas de madapolao corn Hi varas a 'lioTO, 520O
e 6^000 a peca.
Dito francez com 20 jardas a 55600.
GRANDE PECHINCHA I I
Chapeos de sol de seda de todas as Cores, para se-
nhora, a 45OCO! I
Ditos para homem, de 12 hastes, cabo de marfim e
seda trancada a 125000, so na SULTANA DE
PARIS I I
Collarinhos de linho, lisos e bordados a iJO 0
5i000e 6-500O a duzia.
BRIM DE ANGOLA !!
Vende-se brim de Angola verdadeir \ 0 melhor
que tem vindo ao mercado pelo dimiiHtto preca
de 640 rs 0 covado, so na SULTAN ^ DE PA-
RIS, a rua da Imperatriz n. 54.
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Com-
xercio, por preco modico: a tratar com Tassc
'rmans & C .
Vende-se
cerveja noruega da marca M L, por menos preco
qu em outra qualquer parte : no armazem de H.
Lundgren, rua do Commercio n. 4.
Vende-se um terreno em Beberibe (Porto da
Madeira) com 200 palmos de frente e 600 e tantos
de fundo, cercado, com casa de taipa e coberta de
capim, teudo ja plantado alguma3 arvores fruc-
tiferas e tambem legumes, por preco razoavel :
quem pretender, dirija-se a rua da Penha n. 13.
Liquida^cao de moveis
Por precos mui reduzidos, diversas mobilias e
cadeiras de guarnicio : vendem Cunha & Mania,
a rua do Marquez de Olinda n. 23.
Para a hoaconservacao
DE
VOSSO CABELLO
Vendem
Wilson, Rowe & C.
Era seu armazem a ma do Trapiche n. 14, 0 se-
gtiinte:
AlgodSo azul americano.
Ficde vela.
Carvao de pedra de todas as qualidades.
Tudo muito barato.
Ultima modq,.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
ceben um Undo sortimento de bicos de guipure
de cores, apropriados aos vestidos chiques da ac-
tualidade.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os segumtes :
Barra,
lregui<;a.
e Pafricio.
A tratar com seus proprietarios nesta cidade,
e para mformacoes com Joaquim Pinto de Mei-
relles Filho, na mesma cidade da Mamamgaape
________________Tasso Irmaos.it C.________
a que';:' preBt>
lustre aos c-
cabeilos, erj
i aese-
Cambraias de cores
rs. 0 cpado.
a
Na rua do Qneimado n. 43, defronte da praci
nha'da Independence.
Cambraias de cores, padioes miudinhos a 240
rs. 0 covado, e barato.
Dao-se amostras.
Cheguem a pechincha!
Panama de lindos padroes, fazenda inteiramen-
te nova e que se vende a 700 rs. 0 covado, a 440
rs. : na rua do Crespo a. 25 A, loja da esquina,
52$ -
Elle e um preventive seguro e certo coBbi
a calvice.
Ellc da* e restaura forca e saoidade 6\ :t
! caber^a.
I Elle de prompto faz cessar
tura dos cabelles.
File da" grande riqueza de
bellos.
Elle doma e faz preserver os
qualquer forma ou posicSo quo se
je, D'um estado formoso, \iso e inacio.
Elle faz crescer os cabellos basics 0 cqmph-
e os.
Elle conserve a pelle e 0 casco da cabe\*
limpo e livre de toda a espceie de caspa.
Elle previne os cabellos de se lornarera brae--
cos.
Elle conserva a cabeca n'um estado de fres-
cura rcfrigerante e agradavel.
Ellc nSo e demasiadamente oleoso, gorda-
rento ou pegadtco.
Elle no deixa 0 menor cheiro desagrada.
vel.
Elle 6 0 melbor artigo para os cabellos das
criancas.'
Elle 6* 0 melhor e 0 mais aprasivel artigs
para a boa conservagSo e arranjo dos ca-
bellos das senhoras.
Elle e 0 linico artigo proprio para 0 pentea-
do dos'ca'bellos e barbas dos senhores.
NENHUM TOUCADOR DE SENHORA SI
PODE CONSIDERAR COMO COM-
TLETOSEMO
TONICO ORIEiXTAL
0 qutil preserva, limpa, fortifica 0 aformosea
O CABELLO.
Acha-se a" venda nos estabeleciraentos H. Forster A C, agentes. E em tolas as
principnes lojas de perfumarias e boticafi,
TaiiiirtU'i-s dit I'ork*.
Vende-se umancos e chinelas, sapatos de tra-
ca, tudo do Porto, para homem e senhora, |jw-
prio para 0 inverno, chegado pelo uliiiup o^q 1
na rua da Senzala-uova n. 1.
w
L
^
^


8
EMtrio de PeHUUfibuoo Sabbaao 25 de Abril de 1874
IITTERATDIUL

A" Ram (.)
(DO mL'IASfO,
OK ADOLPHO
GRANGE.]
KUTISCilE DE LA
lAo Dr. Francisco Asterio de Araujo, em
signal de a misade erec&nhecirriento.
Roma, tu choras... e porque, 6 Roma ?
Um'horda is por:as bate-lbe feroz
E inerrae e subjueada, ei-la que assoma
Sera maoque aescude no martyrio atroz.
Uma per un;, as per'las lho arrancaram
a Da antiga c'rda co'o fulgo"- genti! ;
a Os seus cantoes em ermos se tornaraoi,
a De salteadoreshorrid) covil.
Vede-a, que 05 olhos humidosdescerra
Dos Alpe* sobre Scilla, a contemplir;
E aqui, e ill;, djsseus rairtos oa guerra,
Vfi a ossvd. insepul-.a branquejar
Os falsos socios de seus lelos dias
Surdos >i ouidos d seu m.il estdo,
E sob estas pungentes agonias
Sera esper ngas la" su;cumbe em vao.
Nao I que ainda Deuslhe rests, e novo solio
Lbe prepira 1 niaotal, ao qual a in luz ;
E, se munba 0 laurel no Capitolio,
No Vaticano se alevanta a Cruz.
Ergue, 6 Roma, a cerviz da dor no excesso ;
Ind'es rainhn, fuia nao tens senhor ;
Que onde triurapha o symbolo do uppresso,
Medrar nao pole a fjrga do oppressor.
Mesmo preza dos irapios, cobra alonto !
Ah I Seja a lurba, que te infesla assim,
Como op6 que nos ares pelo vento
Subito se ergue, e se dissolve emfim.
Ndo teiaas, so despotica e tyranna
Te ululla ds portas multidao revel ;
Pois nd> deves turner a turba insana,
Mas rogar que corrija-se 0 iofiel.
Saiba a hydra voraz, que ousa eta teu seio
Pizar os immonaes marmores teus,
Que es como a rocha do Oceano em meio,
Que & a Cidade altissima de Deus
Firma-te, entanto, no teu regio solio
Que 0 ceo te apresta, e parao qual l* indaz ;
Que, si o Laharo falta ao Capitolio,
No Vaticano !e pr teje a Cruz.
Agosto de 1873.
; Vrancino Cismontano.
Que nos vela hoje em dia,
E os lacheos pomos do offegante seio
Entdo n8o escondia.
Via-se mesmo em rio crystallino,
Ou manso lago brando,
0 amante e a amada em vagos devaneios
De continuo brincando.
Ab foste tu, 6 honra, que primeiro
Cr u el men te velaste
A fonte das delicias, e agora a* terna
Sede d'amor negaste I
Foste tu que ensinaste a lindos olhos
Baixarem-se revolots,
E que prendeste em redes os cabellos
Que andavm sempre soltos I
Os doces actos da v lupia doce
Vergouhnsos fizeste,
Freio ds proprias palavras e arte aos passos
(CaprichosaI, impozeste I
Ah fdste tu, 6 honra, que fizeste
Que furto seja agora
Aquillo que d'amor f >i innocente
Su've dom outr'ora I
Tu 6i das nossas lagri-nas e angustias
Fatal motivadora,
0' tyranna d'amor e da natura I
0' dos reis oppressors I
Que fazs nestes ormos, que nao podem
Conter tua gran leza ?
Surge d'ahi Persegue os potentados
Da vasta redonieza I
A nos, pordm, incognitos pastores,
Ah Por quern es, consente
Que livre do teu jugo aqui vivamos
Bern como a antiga gente I
Diegues Junior que fira a sua modestia, ndo
p >dendo nds nos recusar de dizer a ver-
da-'e.
-I'-'TYgTy-
de mo vi men to de terras foi quasi igual ao
do mez de dezembro.
Este result ido sathfactorio tf-4evi lots'
*SS." S?l(2' *- c.rcu:nst.nci.,_atlDosphericas, favoraveis e
vado, sciencia e nobrexa de coracio, eis
os raios que partem de sua fro te e se diri-
gem a 116s.
Nestas palavras mal alinhadas, se ndo
vem 0 perfume da sciencia, veto todas as
effusoes da gratiddo e do reconheeiraento.
Se outros poderiam dizer melhor, nin
guem, porem, com 0 reconheeiraento mais
profuudoe mais filhod'alraa.
Ndo havendo mais das pessOas presentes
quem quizesse fallar, toma a palavra 0 Sr
Manoel Balthazar Pereira Diegues Junior e
debaixo de profundo sil-ncio do auditorio,'
pronuneia, muito commovido, 0 seguinte
discurso :
relacao d estacdo.
0 numorj de operarios occupados nas li-
nh is dos valles tessinos, foi no medio, de
3,821 por dia, e de S. Gothardo.
VARIEDADE
S'ESSER MJO
*oitcto.
r.lERNO OV'K COSA SI BELLA.
(Tasso. L'Aminta.)
0' tu, que nagalante compostura
(Por mui alta raerce dos altos Numes)
Dos Astros luzentissimos resumes
0 nome, a graea, 0 brilbo a formosura :
Suprema, incomparavl creatura,
Entre as demais a provocar ciuraes ;
Anjo do ceo, da terra, entre os negrumes ;
iloria de urn Deus, esmero da natura :
Escuta, escuto rr.eiga e complacente
Minha revel.-gao pura e singella,
Que aqui te fogo agora ingenuamente :
Por ti subira ao c^o, formosa estrella,
Por ti descera ao mesmo inferno ardente...
S'etser pud inferno ov'i-coaa s\ bella !
187:$.
I'ra net no L'istnonla no.
Amerms I que a miserrima existencia
Co'a fugitiva idade
iXaa tem treg ia jamais, e pouco a pouco
Para sempre se evade.
Amemos 1 que, se 0 sol descimba agora,
Renasce mais galerno;
E saa breve luz se nos esconde,
E vem 0 somno eterno.
Setembro de 1873.
Franclno Cismontano.
Epigramma.
(DO ISGLEZ, DE SAMUEL TAYLOR.)
Cantar antes de morrerem
Outr'ora os cysnes sahiam :
Mower antes de cantareu
Carlos poetas deviam.
Outro.
( DE POPE )
Sim, todo poeta e tolo,
Conforme certo pateta ;
Mas, como elle mesmo 0 indica,
Nem todo tolo e poeta.
1874.
Francino Cismontano,
IrfyllU. (..)
^DO ITALIAKO, I)E TOROUATO TASSO.j
Oh bella jdaUe de ouro! e nao soraente
Porque. 0 rio jorrava
t*uro leileeni -ez d'agua, e porque 0 bosque
Ddce mol distil lava :
Mem porque a terra, ainda sem cultura,
-V-us fructos produzia :
E as iracundas serps sem veneno
Kastejaudo se via :
Nem porque umbrosa nuvem nao toldava
Do ceo sereno 0 manto,
Que em cambiaote primavera eterna
Kespiandecia tanto :
>em porque 0 pinho errante e peregrino
D'alguma estrauha terra
A's ir.hospitas plagas nao levava
Ou h paz, ou a guerra :
Porem porque esse nome sem sentido,
Ease liolo do engano
E do erro, a que mais tarde cham^u honra
0 vulgo errado, insano ;
Por^m porque esse algoz da natureza
l-o'as suaves do^uras
Da terra grei d'amor nao misturava
As suas amarguras.
Pore*m porque das almas, avesadas
A' franqueza querida,
Sua barbara lei cruel e dura
Nao era conhecida;
Mas so a branda lei da natureza,
Que a toda a humanidade
(Pois quo 0 j.ilgava licito) dizia :
Segue a tua vontade.
Entio os innoceotes cupidinhos
Entre ft ires e lymphas
fripudiavara sem farpdes, sem arco...
E os pastores e as nymphas,
Estas, seatadas, 6s palavras suas
ih> uiavam contentes
Mimos e aflS"S, e aos all'agos beijos
Keciprocas, ferventes.
A virgefl semi-nua as frescas rosas,
DESCRIPC.VO DA PEQUENA FESTA QUE. POR
OCCAS1A0 DE ENTREGARFM UM LIVRO AO
Il.l.M. SE. MANOEL BALTHaZAR PEREIRA
DIEGUES JUNIOR, PREFEITO DO COLLEGIO
DE SANTA GENOVEVA, FIZERAM OS ALUM-
NOS EXTERNOS DO REFER1DO COLLED10,
ABAIXO ASSIGNADOS.
( Conclusao. )
A escolha que se fez do objecto que de-
via servir de prova da nossa gratidao, foi
mui accrtada ; porque nada podera" agradar
mais a quem arna 0 estudo do que bons
livros; ale.n de que, como disse um escrip-
tor, OS livros sao legados que ficam para a
posteridade, com a natureza de morgados
passam d'uma A outra geraQao, com a van-
tagem de nao diminuir o seu valor intrin-
seco, como acontece 0 outros quaesquer
bens do mundo.
Concluindo, rogo ao Illm. Sr. Manoel B.
Pereira Diegues que se digue aceitar os
meus sinceros rtconhecimentot e a estima
de que e mereoedor.
Aproveitanlo a occasiao, que t3o feliz-
mente se offerece-me, agradego cordialmen-
te ao digno Sr. direct r e aos meus honra-
dos mestres, que se acham presentes, 0
/.elo e os esforgos que teem empregado,
como encarregados que disto sSo, em edu
car e esclarecer-me 0 espirito por meio da
sabeloria.
Segue-se na tribuna o alumuo Daniel
Oliveira Barros d'Almeida :
a Senhores :
Algumas palavras apenas, dictadas pelo
dever ; porque, 0 que poderia-dizer eu de-
pois dos lampejos de eloquenc a dos que
sabem fallar, depois da voz ungida e das
phrases modulaaas do noss3 erudilo ora-
dor !
Entretanto, immeusoe 0 meu desejo de
aproveitar toda a occasiao de prestar a um
bom amigo e excellente mestre 0 p'eao tes
temunho da minha gratidao, e, pois, nio
posso hear em silencio.
E neste momento em que todos os nos-
sos coragoes palpitam acc6rdes em uma so
pulsagao, vivoai de um s6 sentimento, nio
me animar
interprete de sentimen'.os unanimes se c^n-
sultasse s6mente a f jrga e luzes da minha
intel.igencia.
E, se 0 fa$o, senhores; 6" que 0 meu
coracao, possuido de justa gratidao para
com o nosso bom mestre, 0 Illm. Sr.
Manoel B. Pereira Diegues Junior, actuou
fortemente sobre mim, venceu todas as fra-
guezas da intelligencia, todos os escrupu-
los, todos os receios
Se mios forem os resultadtfs, a sua on-
gem serd a mais nobree a mais elevada-a
gratiddo.
FALSIFICACAO DE NOTAS. 0 Jornal
do Commercio de Lisbda de 27 de marco
diz 0 seguinte:
Noticia um j irnal de Paris tar a poli-
cia descoberto uma fabrica de not is falsas
brasileiras.
Conta que um iudividuo, natural do
Brasil, de concerto com um primo, actual-
menle em Portugal, fdra a Paris com 0 in-
tent) d'ahi fabricar notas falsas do Brasil,
de dez mil reis. Cetos fuctos pozeram
a pohcia de sobre aviso. Para disfarce, os
trabalhos para se levar a cabo o pljno exe-
cutavam se n'um armazem em cuja primei-
ra casa estava estabelecida uma Jojat.de pa-
pel.
0 criado da hospedaria em que o tal
emprehendedor estivera alojado, havia sido
convidado como conGdente, e collocado em
caixeiro da loja em que se vendiam papel e
varios objectos para esoripta e desenho.
a Quando a policia deu assalto encontrou j<5 prompta uma lamina metalica,
e muito bem gravada para a estampagem
das notas.
0 Commercio do Porto accrescenta :
Publicamos ante-honlam uma noticia
extrahida da France, em que se dizia haver
sido preso em Paris um individu* chamado
Anibal Alves dos Santos, por se empregar
na falsificacao de bonds do Brasil de 10003
e que pela correspondencia apprchendida se
descobrira a existencia de uma verdadeira
associagao, na qual se acham comprometti-
das muitas pessoas do Brasil e de Portugal.
a Hoje podemos accrescentar mais alguns
pormenores: Anmbal dos Santos tinha en-
caTregado um gravador de Paris para lhe
abrir uma chapa. Como este nao fizesse
obra perfeita, dirigio sea um segundo. Este
depois de satisfeita a encommenda, descon-
fiando que a chapa seria empregada para
fins illicitos, deu parte a policia do facto.
A policia franceza capturou Annibal,
apprehendeu a correspondencia que lhe foi
encontrada em casa, e deu parte do aconte-
cido aos respectivos ministros do Brasil e
Portagal. Em virtude destas participacoes
foi aqui preso na quinta-feira, no hotel do
Cysne, onde se achavi hospedado ha um
mez, Francisco Jose" de Souza. Este. antes
de ser preso, havia rasgado uma carta e
deitado os fragmentos no balde do la-
vatorio ; porem estes foram aproveitados
de forma que se pOde ISr perfeitamente a
carta. Era de Santos de Paris e nella di-
zia que precisava de vinho de 10, 20 e 50
canadas e que 0 vasilbame tivessp Hiarca
de agua.
Na mala foram lhe encontradas algu-
mas cartas e um papel marcando as ditnen-
soes em millimetros que devia ter a encom-
menda feita por Santos.
Francisco Jose de Souza foi recolhido
a's cadeias da relaQao.
() Extr. do romance historico llnavicel-
laio del Tivere, de Autonietta Klitsche
de la Grange.
() Vide a scena final do primeiro acto
do drama pastoril L'Aminta, e a seguin-
te opiniao de Pope : Tasso in his Amin-
tahas as far excelled all the pastoral wri-
ters, as in his Gierusalemme he hat'ouldome
$e epic poets of h is country.
Que divina missSo, senhores, nSo seri a
d'aquelles que communicam a verdade, que
esclarecem a intelligencia pela sciencia,
que formam 0 coracao relas licoes de mo-
ral, fortificam e ennobrecem 0 caracter
pela roiigiao 1
Dessa verdade que nao se p6de contes-
tar, dessa graadeza, dessa sublimidade de
missSo, temos entre n6s um exeinplo pal-
pitaute, uma incanui,ao v.va n'aquelle que
nos guia, nosfortalece com 0 ensino, com
as luzes da sua intelligencia e com a no-
breza do seu caracter.
Assim fallaudo, me permittird. 0 Sr
0 TUNNEL DE S. GOTHARDO.0 con-
selho federal no 14 relatorio dos traba-
lhos da linha de S. Gothardo, di as se-
guintes informa^Oes dcerca do progresso
desta empreza no mez de Janeiro.
Perfurou durante 0 mez a grande galeria
na exte^sao de metr s 123,70, sendo 72 m.
do lado do mrte (Gohesnou) e 51,71 m.
do lado do sul (Airolo.) A perfura$3o total
e de metros 1319,8.
0 alargamento completo ou parcial ef-
feduou-se na extens$o de 952 m.
Fizeram se 145 m. de alvenaria de abo-
bada.
0 numer) de operarios occupados dunn-
te o mez passado, foi de 1,215 no m&lio,
1,298 no maximo.
Nas obras de Goeschenen os trabalhos
atravossaram quasi sem int ;rrapfto 0 gneiss
i{ra litiio.
Na parte perfurada, no fim do mez, a
temperatura era de 19 6, sendo a do ar ex-
terior 1" c.
Comeijiram a servir-se para o transpor-
te de terras de uma pequena locomotiva,
cujo tender tem um reservatorio de ar. Esta
machina move-se por meio do ar comprimi-
doque recebe dos reservaterios. Este modo
de transp rte tem a vantagem de evitar a
fumaca do tunnel.
Pr.ncipiou-se a correccSe daRess na proxi-
midade do fosso.
Conslruiram-se nasoTiciaas de Goesche-
nen duas novas machinas perfuradoras, do
systema Ferroux.
As perfuradoras empregaias oa galeria
de prolongamento foram, como anterior-
mente, as de Dubois e Francois, excepto em
alguns dias em que se fez a experiencia de
um instrumento com machinas Sommeiller,
Mackau e Ferroux. 0 ar comprimido era
foraecido ex .lusivamente por tres grupos
dos compressores definitivos, trabalhando al-
ternadamente.
A media do progresso das obras foi de
2,323 metros per dia.
Do lado d'Airolo, a galeria seguio em
micaschito, e em schuto quartzoso, estando
separadas as duas rochas por uma mesma
camada Je argila.
A temperatura media do ar na abertura
do corte era de 12*, sendo a do ar exterior
de 1*6.
Empregou-se, tambem uma locomotiva
irovida por ar para 0 transporte dos mate-
riaes.
- Estivera m const-, n tem en te na galeria seis
machinas perfuradoras, Dubois e Francois
trabalhando o mesmo tempo.
As obras retardaram-se durante a primji
ra quinzena do mez, por causa de gra..de
affluencia d'agua, e durante a outra quinte-
na pela dureza da rocha.
0 progresso diario foi de 1.688 metros.
0 ar comprimido necessano i perfura$So
e ventilaffto, foi supprido exclusivamente
pelos compressores definitivos.
i Nas liuhas dos valles tessinos, 0 servion
COXNQDENCIAS NOTAVEIS.-I.6 se na
ChrdWka lieligiosa:
0 dia 21 (5 celebre na vi la do Exm.
Sr. bispode Olinda.
No dia 21 de maio de 1871 foi nomea-
do bispo.
a No dia 21 de dezembro foi preconisa-
do em Roma.
No dia 2| de marco de 1872, domin-
go da Paixao, foi sagrado em S. Paulo
No dia 21 de maio avistou p;la pri-
meira'vez, depois de bispo, as terras de sua
4 iocese.
a No dia 21 de fevereiro de 187 i foi con-
demna-Jo pelo supremo tribunal de justice.
Finalmente no dia 21 de raarc/, ves-
pera do domingo da Paixao, foi conduzido
para 0 lugar onde tem de cu'mprir a sua
senlenca
ASSOCIACAO REFOR.MISTA.Diz 0 Jor-
nal de Geneve :
A' reuniao desta associajao, havida ul-
tiaiameute no Cassiuo, compareceram cerca
le trinia pessoas. A 9essao, presidida pelo
Sr. Ernesto Naville, foi aberta por urn inte-
ressante relatorio do secretario, 0 Sr. Al-
liez, sob 0 movimento reformista 111 Italia.
Em seguida leu 0 presidente alguns frag-
mentos de um relatorio geral sobre o pro-
gresso das id^as que a socieda le defen le.
Conclue-so desse documento que os
principios d 1 reforma eleitoralechosram en
muilos paizes da Europe edaAsierici. Na
Suiss., o cant&o de Vaud discutio a intro-
ducQar.r deste systema no seu graude conse-
Iho, a vista de uma proposta do St. Pilis-
sier d'Yverton; alem disso, muitos jornaes
( entre elles a Gazeta de Lausanne e a Se
mana) pubicwam artigos a favor da re-
forma.
Em Franga os trabalhos dos Srs. Laserre,
Cbancd e L. Blanc divulgaram as theerias
da represeotagao proporcional, e 0 director
da escola livre das sciencias politicas p es-
tou-lhe tambem muita -atteagSo.
Na Allemanha, na ftjlgica e na Ingla-
terra diz o relatorio, fir-iram-se trabalaos e
ensaios favoraveis ; mas couja digna de no-
ta, e no Brasil que se encontraai as ideas-
mais aJiantada. Dous projectosde revisao
da lei eleitoral foram lidos perante a cama-
ra deste paiz, um de um membro da as-eiu-
blea e 0 outro rJe um ministro, fundando-
se arabos no principio da representagao pro
porcional.
Diz afinal 0 relatorio a que nos referi-
mos que as ideas da Associicao Reform is-
ta caminham, e que e mister saber esperar,
sem desanimo, a hora ainda lonjiqua do
seu triumpbo.
CACADA DE RAPOZkS- EM PARIS.
Uma festa dada em Paris, no Grand Hotel,
pelo Huntingj-Club, fez tal baculbo, que
os membros desse circulo immediatamente
re=olveram dar outra. Porem bailes e ceias,
ha muitos todas as ooites. Era necessario
achar cousa nova. Esta circulo de cagado-
res lembrou-s) entSo da qualidade de seus
membros, e imaginou offerecer uma festa
cynegetica.
Mas a eaga estava prohibida 1 Sem du-
vida alguma, excepto a do& coelhos e das
rapozas, que sao roeiores. Co-mo a cacada
dos coelhos e pouco original,, preferiram dar
car a e matar as rapozas.
Desde logo cada membro do Hunting-
Club mandou procurar, apanhar e alimen-
tar nas suas propriedades 0 maior numero
possivel de rapozas, que serao, n'um dia
ma read), mandadas para Paris.
E' na Marche que esta festa tera lugar em
fins de margo. Todas as damas que assis-
tiram ao bade do Grand-Hotel, isto e, as
mais bonitas mulheres de Paris, serao igual-
raente convidadas para a cacada das rapo-
zas, pedir-se-lhes-ha que na festa se vistam
de cagadoras. Todos os homens visiiar se-
hao, por seu lado, de cagadores de diversas
carvao, ja na opiniao autorisala do enge-
nheiro Juhnson que, segundo sou iaforma
do, actualmente dirige a exploragio de uma
importante mina de carvio jnnto a Birmiu-
gham, jd pelo resultado das analyses a que
foi suSmettido entre n6s e na Inglaterra,
da se ainda a circumstancia de ser de facil
extrr-cao, sobretulo nas camadas'mais im-
port rates, A margem do rio Bonilt, duas
milhas dquern do rio Passa-Dous, e no lu-
gar deoominado Tiririca i ,500 bragas alem
das marg ns dtste.
Faga-se uma es'.rada de ferro, a partir
das cabeceiras do Tubardo, pelas margens
do me^mo, ate* 0 ponto denominado Madre,
que lica a 30 milhas mais ou menoade dis-
taucia, e estabelega-se dahi, por meio de
embaroagoes adaptadas ds condigdas espe-
ciaes da barra da Laguna (que entretanto
poderd ser consideravelmente melhorada,
dandose-lhe maior profundidadej 0 trans-
porte do mineral ate" opjnto mais conve-
niente na barra do uorte desta capital, en-
tre os por .os da Caieira e da Piedade, que
ticam a 12 milha* talvez do port desta ci-
dade, onde ha proporgdes para manter-se
um grande deposits, e pjdem ancorar com
toda a seguranga navios da maior capacida-
de; levada assim a effoilo a empreza-, ter-
se-ha consultado e attendido a todas ae-eon-
veniencias.
Realisada a estrads ^ela margem do
Tubardo, serd ainda de- grande proverto
para a Iavoura em todo aqueile fertilissriao
valle e nos seus affl lentes, esp;cialmente o
do Braco do Norte, onde jd tamos estabe'
lecid s algui nu ;leos col >i>ises.
A idea de trazer a esiralate a Imbi-
tuba, no litoral, entre a Laguna e a barra
do sul desta capital, posto pareg* mais acei-
tavel, jd por tornar-se menos dispenJiosa a
obra, e jd por ser de mais prompta execu-
gdo, ottorBX entrefetto serios inconvenien-
tes, desle que s-s attenJer que 0 porto de
Imbitubuy posto qpie admitta navios de
maior callado, e, nao s6do limitada-exten-
sao, como- inteira aeate exposto dsventa
nias do quadrante nordbste, tao frequentes
nesta c >sta, sujeito a- cor.-entes deserreon-
traias. Em iniiiba soiickude pelo desen-
volvimento e prosperidde- da provincia,
fago votos para que tao gran Jiosa empreza,
chegae a realisar-se, cousegoindo-se extlra-
hir e aproveitar o preeiosD- combustivel,
promettedor de extensas vaulagens para 0
augmeato da rlqjjeza publica, e para o
progresso das demais industries do paiz;
Depois da cagada, grande banquete no
mesmo lugar da victoria.
P61e-se garantir, diz a Libert'!; a assis-
tencia nesia curiosa festa de mais de cem
mil espectadores.
SANTA CATHARINA.Transcrevemos do
Conservador 0 seguinte trecho do relato-
rio do Dr. Joao Thome' da Silva :
Pcnde ainda de execugdo 0 contrato
celebrado com 0 viscon-le de Barbacena para
lavrar as minas de carvao de pedra nas mar-
gens do Passa-Dous, districto da Laguna,
mediante as condigoes a que se refere 0 de-
creto n. 2,737 de 6 de fevereiro de 1861.
0 emprezario jd tem despendido grandes
sommas em est ados, sondagens, perfuragoes,
demarcagdo e compra de terrenes, nao con-
seguindo ainda inioiar os respectivos tra-
balhos.
Por decreto n. 4,685 de Janeiro de...
1873 foi-lhe conceJida nova prorogagdo de
prazo por mais um anno, para organisar a
companhia. Os estudos e exploragoas foitas
mais uma vez attestam a existencia de abun-
dantissimas jazidas carboniferas,cuja ex-
ploragio serd uma fone copiosa de rique-
zas para 0 paiz.
0 engenbeiro James Johnson, incum-
bido de examinal-as era 1858, abrio na di-
rocgao do leste a nordeste largas galerias em
quatro veias qu) julgou mais importautes,
obtendo os seguintes resultados : carvao su-
perior, 30 pal mos e 4 pollegadas de espes-
sura ; inferior, 6 palmos e 8 pollegadas ;
schisto, 16 palmos e 8 poll gadas.
Espessura de cada veia A 1.*, 7 pal-
mos e 8 pollegadas ; a 2.*, 16 palmos e 6
pollegadas; a 3A 14 palmos e 7 pollega-
das; a 4.\ 16 palm >s e 1 pollegida.
a Carvao superior de cada uma veia.
A l. 1 palmoe4 pjllegadas; a 2.* 7 pal-
mos e 1/2 pollegada; a 3.a 9 palmos e 2
1/2 pollegadas; a 4.a 12 palmos e 5 polle-
gadas. Na mesma direegfio e em varios
corregos, ha outras camadas com 19 veias
descobertas, occupando uma extensao de 6
leguas de none a sul a 2 de ldsta a oe'ste.
a Segundo enformagdes fidedignas, 0 ter-
reno carbjuifero se estendo aid 0 rio Pal-
nmra, a leste, sendo certo que, em todos
os arroios por onde atravess:i 0 camiuho
que desce da serra, encontra-se carvao tra-
zido pela corrente. E' ainda opinido de
muitos quo as camadas se prolongara de
norte a sul em graude distancia.
Se e em geral desuperie-r qualidaddO
GONTRATO MAT-WMONfAl..Refere um
folba estmngeira :
No oontrato de casaroenlo da duque^
za de Edimburgo se'estipuloif que esta prin*
ceza conservard plea* liberdade 110 exerci-
eio da religiao em cue foi edueada, que eV
a scismatica grega. Os filho* que nasgam
d'esse matriroonio srao educa^os na reli-
giao protestaote.
0 dote da gran-diuqueza .Vari Alexan--{
drowna foi de um milkio de roblos, som-
ma fixada pelas leis fundamentaas do impe-
rio-russo. 'czar, ootno testemtsnho de
affeigao por saa- filha-,. constituio-lbe alem
d'isso ura rendiment' annual de 75:000
rublos e augraentou ao-seu dote um milha_>
de rubulos. 0 capital d'esse miihau, assim
como 0 do primeiro, hoard na Russia, e os
juros pagar-se-h&o d dftqueza, de seis em
seis mezes, a razao do 5>-por cento ao anno
e pertencer-lhe-hao eiatusivamesite- com a
faculdade de Jispor d'eifes d sua vontade.
A princeza cc-tiserva tami>em para: seu uso
particular 0 diuheiro quepossui^ antes do
seu casa mentor que tscende a OOOirOOO ru-
bles.
a duqueza t. rd a propriedade particular
das^ joias e mais objectos de valor que pos-
suia antes do oasamento, assim- como de
todos os bens-que possa adquerir por he-
ranga ou doagao e poderd dispcr d'elles
segundo sua- voutade e do modo- que me-
lhor lhe c m-venha.
c No caso de que a duqueza sobreviva a
seu marido, a rainha de Inglaterra compro-
mette-se a constituir-lhe ura rendimento
annual de 6.-000 libras esterliius. Se 8 du-
queza tortiar a easar-se, metade do railhao
que coropoe 0 seu dote perteneerd aos filhos
que liver do seu primeiro matrimonio.
No caso de que sjbreviva 0 duqueK 0
imperador da Russia deixar-lheha 200:000
rublos do dote da duqueza.
a SS. AA. ndo terSo senuouma casa.cu-
ja composigao serd regulada segundo os
usos e a etiqueta da cdrte de Inglaterra.
A duquezo de Ediroburgo poderd escolher,
com approvagao da rainha, as pessoas que
Unhara de formar a sua casa particular e
retribuird d sua vontade as pessoas destina-
das ao seu servigo. Cada um dos dous es-
posos 6 responsavel pessoalmente pelas des-
pjzas particulares que fizer.
Tambem se consignou no contrato
que a duqueza se conformard com a lei
que regula a ordem de successao ao throno
da Russia.
MISSOES NA CHINA.Uma folha estran-
geira publica 0 seguinte :
R->ceberam-se cartas de Hong Kong,
que alcinga.n a 8 de fevereiro, e nas quaes
se demonstra a situagao em que se acham os
missionarios cathol cos de Tunkin, e todos
os europeus. Ate fins de 1873 as missSes
trabalhavam com grande fructo e com pou-
cas difliculdades, e os mais altos mandarins
disautavam-se a honra de obsquiarem os
missionarios.
Nos fins de novembro tonnram os fran-
cezes d viva forga a antiga carte de Tunkin,
hoje capital da provincia Ha noi, 0 que pro-
duzio grande perturbagdo n'aquelles povos.
A tomada de Tunkin fji obra do Sr. Gir-
nier, eaviado pelo almiraate francez de Sai-
gon para resolver as difflculdades que se
tinhain suscitado entre um commerciante
francez e os mandarins annamitas. Parec?
que n'essa occasiao achava-se n'aquellas
provincias 0 grande raandarim da ciite, e
como ndo tivessem obtilo exito as negocia-
gdes do Sr. Gamier, tenente da marinha
franceza, fez fojo c mtra a cidade de Ha-
noi e apoderou se d'ella. Depois officiou a
todas as provincias annunciando-lhes a to-
mada da referida cidade, intimando-as para
aceitarem 0 que a respeito das relagdas
commerci .es da Europa com Tunkin estava
disposto.
a Os mandarins das provincias ndo se su-
jeitaram ds intimagoes do Sr. Gamier e este
mandou alguns vapores a diversas capitaes
para indagir do espirito que dominava nel-
las, com ordem expressa de tomar qualquer
cidade que rejeitasse as suas meJidas.acerca
dai relagoes commeiciaes. As forgas na-
vaes francczas apoderaram-se de uma capi-
tal do vigariato do Oriente e de uma pre-
feitura chamada Han-Lam e 0 chefe ds mis-
soes protestou contra este facto, pelo motivo
de recahirem as c nsequencias dulle sobre os
cbristdos. Garni sr dispunha-se a remediv os
males que se lbe apoutavam, porem nao teve
tempo para o fazor, porque poucos dia* de-
pois foram decapitados elle e outro official,
dos q laes se tinhara apoderado 03 chins.
Estes tentaram recuperar a capital do Hai-noi
para a entregarem os mandarins annamis-
tas, e comquanto udo conseguissem 0 seu
fim, regressaram ao a;ampamento le-
vandocomsigo as cabegas de alguns euro-
peus.
As forgas que os francezes alii teem sao
pequonas e os povos annamistas ndo soffrem
de boa vontade a dominagdo da Franga, de
modo que as provincias que toraaram
acbam-se em uma perturbagdo complela, e
segundo dizem as cartas recebidas, isto col-
loca em uma situacao muito critrca as rais-
soes e todos os cbristdos, os quaes tinham
promettido aos annamistas a sua mediagdo
em caso extremo. 2
MUSEU NACIONAL.Escreve o Sr. Dr.
LadisMb Netlo, director'do museu, off Jor-
nal ffrCommercio da eorte:
Dom lhe a grata 11 >ti.;ia de se achar este
muse* em preparativos para o ensino po-
pular das sciencias compreheadidas nas suas
quatro secgoes. Deve ser organisado este
ensino em' conferencias dootrinadas ao al-
cance do publico e d feigao' de poder ins-
truil-o sobre as producgdes que, ndo avaras
para os que trabalham, enlhesouram os tres
reinos da natureza e da natureza brasileira
particularmente.
Escolhidas- corn acerto a estagdo mais
ft-esca e a hora mais disponivel e qae me-
lhor se nos afigure para estas praticas des-
envolvidas em assumpto du tamanho
attractive esJou* que me dard razdo
era' contar com excellente acolhimeuto e se-
gura proficuiiade. Digi-se, porem; a ver-
dade: se ao nosso museu fOr possitwl con-
duzir a proximo- termo este de seus-bsas e
antigos emponbos, 0- inaijr e por certo 0
que melhores fructos h de colber us alu-
miamento do povo, forga e coufessar que,
ao Sr. conselheiro Costa Pereira Junior; ac-
tual ministro da agriculture, 0 deveremos,
que jd por ordem sua-acabe museu de
fazer aoquisigdo das-collecvoes do tinado
Ferreira^Lagos ; collecgdo de que boa-par-
te serd destinada d dmoi*rj$ao do novo
curso.
A ejforf^os tambem seuar novas salas-se
vdo rasgar no paviraento terreo e noves
comma)os> serae elrfioados- ein pouco-no
pateo do-edificio para-consefva^ao dos ob-
jectos reservados ao curse do- museu ou des-
tinados ds permutas com os estabelecimen;-
los estraugeiros.
0 laboratorio, que vai ser organisado
em um dos dovos commodoa para os en-
saios inherentes d secgao de raiueralogia, e
mais que um simples beneficio, e a satis-
fagao de uma das maiores- necessidades do
museu nacional e 0 preenchkaeoto de uma
de suas mats-notaveis laeuuas.
M.NAS DE CACAPAVA.-----Escreve de-
Jornal do-Commercio, dacfirte, o Sr. Dr.
Ladisldo Netto :
Nao ha muitos dias- eaviei-lhe uma
nota sobre a riqueza dos-m*neiros cupri-
feros e da galena argenufsra de Cagapava.
Admirava-me- eu entdo nao soraente da
proporgao de cobre contido naquelles mi
nerios, a qual subia a 55>0/or senao tambem
da prata achada na galena, variando de
0,002 a 0,003.
Mal sabia eu que n&quella mesma oc-
casiao eram terminados na casa da moeda
alguns dos ensaios que alii mandara fazer
dos ultimos-specimens recebidos de Cagapa-
va e que de taes ensaios, executados com a
exaccao e pericia que tanto honram e dis-
tinguem aquelle estabeleciroento, teriamos
resultados excedentes as-mais lisongeiraa es-
perangas, como facil e de averiguar nos-tres
seguintes-ensaios firmados pelo babil chefe
do laboratorio da mesma casa da moe-
da.
Eesaio n. 8 : sulfureto de cobre,
coutendo : cobre 69%; chumbo 7 ; ferro
em diminula quantidade. Ensaio u. 2, ga-
lena, contendo : chumbo 72,82 %; cobre
5,12; prata 0.03J. Ensaio n. 3, galena,
eontendo : chumbo 62,14 "/.; cobre 9,60 ;
prata- 0,09.
* Cumpre accrescentar que o minerio do-
ensaio n. 3, contendo quasi um decimo por
cento de prata, foi extrahido do-veeiro prin-
cipal da jazidas de -.alona de Cagapav&, e
quo 0 de n. 1 com cerca de 70 por canto
de cobre, julgo representar a natureza de
uma boa parta do corpo geral dos veelros
Ue cobre daqoellas minas, por haver sido
extrahido a mais de 1 metro de profundida-
de de um dos mesmos veekos.
CABO TRANSATLANTICO.Realisou-se
com felicidade a immers&u da segunda sec-
gdo do cabo submarino entre a Madeira e
S. Vicente. No dia 2i do passado foi a li
nha telegraphica franqueada ao publico.
0 vapor Edinburg partira de S. Vicente
no dia 20 com diroegso d Madeira, afim de
levantar a primeira secgao entre esta ilba
Lisbda.
Espera-se que em agosto proximo o Great-
Eestern poderd immergir a torceiFa seogio
de S, Vicente a Pernarabuco.
CABO SUBMARINO COSTEIRO.A pri-
meira secgdo do csbo pertencente d compa-
nhia Platine-Brasileira jd estd mergulhada
e liga 0 nosso porto com os de Santos e San-
ta Catharina. 0 cabo ficou amarrado no
litoral, faltando apenas estender 0 fio aereo,
para completar a communicagio entre as
refaridas cidades.
0 vapor Ambassador, que levou e mer-
gulhou esta secgdo do cabo, entroa hontem
em nosso porto depois de t-r desempenhado
com bom exito sua missdo. 0 mdo tempo
com que lutou este vapor foi a principal
causa da demora que houve na immersao
do cabo.
DEDICAQAO D'UM CO. Le-se n'umao
folha da India :
Folleceu em Pangin uma mulher que ha-
via creado um cio que lhe dedicava muita
amisade. 0 animal acompsnhou o cada-
ver da sua dona ate' 0 cemiterio, vendo
que fdra enterrada trabalhou por exhuma-
la, m-is foi-lhe impossivel; desenganado
volti para casa, e d'ahi dirigindo-se ao rio
Mandovy atira-se a elle e raorre afogadol
IYP. DO D/ARIO. -RUA DUQUB UE CAXIaS
f
'
J


;
)j
11 -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENL38JKI5_Q6B7HX INGEST_TIME 2014-05-28T01:34:28Z PACKAGE AA00011611_17631
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES