Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17630


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MfflHM
*(!
ANNO L MJHERO 92
\
<-
rAilA A CAPITAL B LCQABES 0\DE NlO SB PAG*
Per tier messes adiantaclos................ 99000
Per seis diton idem.................r 129009
For urn anno idem.................. 3&$000
Cada numero avulso................. 9330
DEP
t Sr. Gerardo Antonio Aires A Filhos, no Para; Goncalves & Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de (Miveira & Filho, no Ceara;
Pereira d'Almeida, em Matuanguape ; Carlos Auxcncio Monteiro da Franca, na I'arahyba ; Antonio Jose" Gomes, na
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Jo*o Antonio Maehaeo, noPilarda*
PARTE OFFICIAL
Governo da provineia.
EXPEDIENTS DO DIA 2i DK JANEIRO DE 1874.
1." seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro coaimaudante das armas.
Deferindo o requerimento do soldado recruta
Joaauim Dias Marlins, autoriso V. Bxe., nos ter-
mos da sua informacao do 22 do corrente, sub u.
71, a transferir a praja desse soldadj para o f
batalhao de infantaria, do qual deseja elle servir.
Ao inspector do arsenal de inarioha Auto-
riso V. S, nos termos di saa informacao de 21 do
corrente, sob n. 810, a fornecer a empreza das
obras da capaiazia da alfinliga, mediante iudem-
nisaclo por parte da roesma empreza, um par de
turcos com cylindros e manivellas.
Ao mesmo.Recommeudo a V. S. que com
a maior urgencia mande collocar na fortaleza do
Brun, como determine em olflcio de 17 de novem-
bro ultimo, um novo niastro em substiluicao do
que alii existe e amea;a desabar por seu estado
de completa ruina, segundo inforuia o Exm bri-
gadeiro commandanie das armas em olflcio de 22 do
corrente, sob n. 78. '
Ao capitao do porio. Deferindo o requeri-
mento do 1 pharoleiro Juao da Cruz Lima, sobre
que versa a sua informacao de hontem datada, sob
n. 13, reco.nniendo a V. S. que o.mande inspec
cionar por uma junta medica.
Ao director do arsenal de guerra.-De con-
formidade com o pedido juulo d>> major comman-
dante interino do 2 batalhao de iofantaria, mande
V. S. fazer oa concertos precisos em um baixo de
si-bemol e em uma eaixa de rofo, pertencentes a
musica do mesmo batalhao.
Ao engeoheiro das obras militares. Devol-
vendo as cin propo>tas que vierain annexas ao
seu offlcio de 12 uu corrente, sob n. 55, para a
reeonstruccao de uma parade no quartel do Hos-
picio, orjada em 3G)i6iO, autoriso Vrac. a con-
tractor ease servico com o proponents Basilio Jose
da Hora pela quaotia de 300*00 j, pagaveis em
duas prestacoss, uma no coineco e a outra na con-
clusao do trabalbo. prestando o mesmo proponen-
te fianca idonea, visto ser elle o que melhores van-
tagens offerece a fazenda.
2.' seccao.
Olflcio :
Ao Dr. chefe de policia. Queira V. S. re-
iuetter o pacote junto, contendo quatro colleccoes
de medicameoto* homcepathicos apropriados ao
tratamento da variola, ao vigario de Tejucupapo.
Rvd. Mauoel Jose de Oliveira Rego.
8.' seccao.
Acto :
0 presidente da provineia resulve exonerar
de fiscal da eolleetoria de Bezsrros Manoel Bezer-
ra dos Santos. Junior, e uuraiar para esse lagar
Jose Cvpriano Bezerra de Mello.
Offlcios :
Aj inspector da thesouraria de fazenda.
i'endo nesta data auiurisado o engenneiro das
obras publicas genres da provineia aorcar e man-
dar executar os reparos de que precisa a pome
Sete de Selembiv, oujos estragos alii 6ccasionado^
erabaracim o Iransilo publico ; assim o declaro a
V. S. para seu conheoimeoto e ins convenientes.
Ao mesmo.Tr.iusiuitto a V. S., para os lins
conveuienUs, as dei ioeljsas ordens, sendo : qua-
tro do tribunal do thesouro na:ional, sob ns. 1 a
3 e 6, e betn assim cinco em duplicata da reparti-
5S0 do ajudantc general, ns. 997 a 1,000.
Ao mesmo.Ten Jo nesta data, nos termos de
sua informacio d" ii do corrente, sob n. Si, serie
F, autorisado 0 engenheiro d.is obras militares a
contractar orn Basilio Jost': da Hora a reconstruc
Qao da parede do quartel do Hospieio pela quan-
tia de 300^0JJ, pagaveis em dais prestacoes, uma
ao comecar e outra ao concluir aquelle servico ;
assim 0 coinmuni'o a V. S para seu onheci-
meolo.
Ao mesmo.Em salisfacao ao que solicita V.
S. eni seu offlcio de 17 do eorrente, sob n. 50G, se-
ns F, autoriso nesta data 0 inspector do arsenal
de marinba a fornceer a emjireza das obras da ca-
patazia da atfandega, mediante indemnisacao por
pane da mesm.i eAp'reza, am par de turcos com
syliadros e manivelras; 0 que co.namoico a V. S.,
fin resposla ao cil 1 lo offlcio.
Ao mesmo -Fica V. S. auiorisado a mandar
vender em basta publica, c .1110 Je praxe, os 10
oavallos mencionados na rela^ao junta por coyia,
per.encentes a companhia de civallaria, os quacs
estio inulilisados p:.ra 0 servico, segundo me in
.Vina 0 Exm. brlgudeiro commandante das armas
riu offlcio de 22 do corrente, s.;b n. 74.
Ao inspector da thesjuraria provincial.
Maude \'mc. pagar ao padre Manool Eiodio Fer-
reira, coadjutor da freguezia do Cabo, 0 respeetivo
irJenado, correspondents aos mezesde novembro e
dezembro do anno proximo passado, apresentando
elle atteslado da cainara ou do delegado de policia
do termo a que pertencer a freguezia, de haver
i-umprido os sous daveres.
Ao mesmo. C'liumuuioo a essa thesouraria
para os fins convenientes, que segundo a informa-
cJo ioengenhei-o chefe da reparticao das obras
publics, acerca do contracto celebrado com Au-
gusto Cesar Fernandes Eiras e Bvaristo Juliano de
6a para ccnslruecao do matadouro publics desta
eidade, as obras foram avaliadas na importancia
de 700:0005000
Ao mesmo. -Tendo nesta data e nos termos
de sua informacao de 21 do corrente, sob n. 46,
autorisado 0 engenheiro chefe da reparticao das
obras publica3 a mandar fazer as obras de limpe-
za, de que precisa 0 edificio onde funcciona a es-
cola normal, avaliada9 em 207*000; assim o de
claro a Vme. para seu conhecimenlo e fins conve-
cientes.
Ao mesmo. Communico a essa thesouraria,
para os fins conrenientes que, aesta data exonerei
0 fiscal da eolleetoria de Bezerros, Manoel Bezerra
do- Santos Junior, e nomeei para esse lugar Jose
Cypriano Bezerra de Mello ; ficando assim respon-
dido 0 offlcio de Vmc., de 22 do corrente, sod n.
49.
Ao mesmo. -Mande Vmc. entregar ao guar-
Olinda a i.nportancia de 93OJ00O, correspondents
ao beueGcio da 3.* pane n. 55 da loleria concedida
.i favor das obras daquelle convenlo, prestando 0
mesmo guardiao Gaaca, nos termos expostos em
yeu requerimento, que nesta data defiro.
Ao mesmo.A' vista dj que expoz essa the-
souraria em olflcio de 21 do currents, sob n. 42,
autoriso Vmc. a pagar a Tbomaz de Carvalho Soa-
res Brandao Sobrinho, arrematante do 4 lanco da
estrada de Muribeca, a quantia de 864*800, con-
stant? do ft-rtificado junt) do ongenheiro chefe da
rcpari'C-i'1 das obras iiub'.icjs.
Ao iiies'iio. Mande Nine, pagar ao padre
Firmino dt: Oliveira Mello oa a seu procurator a
quantia de 322*640, confute .;4s relac5e9 e con-
tas juntas, despeudida nos mezes de outubro a de-
zembro do anno proximo passado com 0 snstento
dos presos pobres da cadeia d,o termo de Cimbres;
como solicita 0 Dr. chefe de poicia em offlcio de
22 do corrente, sob n. 109.
4.' seqao.}
Actos :
0 presidente da provineia, attendendo ao que
requereram Francisco de Abreu Macedo e Fran-
cisco da Sjlva Miranda, professores publicos, este
da poToacao da Varzsa e aquelle da da Lapa de
Itambe, e tendo em rista a informacao do director
geral da instruccSo publica, de 11 do corrente, sob
n. 30, resolve, ds conform Made com a lei n. 202 de
36 de julho de 1848, coucedsr que os reteridos
professores permotem as respectivas cadeiras.
0 presidente da provineia, attenJendo ao que
requereu Jo 6 Muniz Teixeira Guimaraes, proles-
s >r publico da cadeira de primeiras lettras da fre-
guezia de Nossa Senhora da Luz, e tendo em vista
a informacao do director geral ..oa instruccao pu-
blica, de 21 do corrente, sob 0* 27, resolve con-
ceder-lhe 30 dias de licsnea, a contar do dia 7 dss-
te mez, com vencimentos na forma da lei, para
tratar de sua sande onde Ihe convier.
Olflcio :
Ao director geral da instruccao publica.
Conformando-me com a inf irmacio dessa diroc-
toria, de 22 do corrente, sob n. 30, coocedi nesta
data a permuta que requereram Francisco de
Abreu Macedo e Francisco da Silva Miranda, este
professor da cadsira da Varzea e aquelle da aa
L-ipa de Iiambo ; 0 que communico a Vmc. para
os lins convenientes.
5.' seccfio.
Acto :
0 presidente da provineia, attendendo ao que
rsqusrsu 0 tenente coronet Pedro Pessoa de Siquci-
ra Campos, arrematante da obra da cadeia de Flo
res, e tendo em vista a informacao do engenheiro
cliefe da repartii;ao das obras publicas, de 20 do
corrente, sob n. 19, rrsolve conceder-lbe mais um
anno de prorogacao do praso qus lhe foi marcado
para a conclusao da referida obra.
Offlcios:
Ao engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas Autoriso Vme. a mandar executar as
obras de asseio e limpeza de que prechao edificio
onds funceiona a sscola normal, avaliadas em 207*,
e a qne ss refere 0 seu offlcio de 18 de dezembro
ultimo, sob 442, remsttsndo 0 rsspectivo orga-
mento.
Ao engenheiro das obras geraes. Orce
Vrac. a despeza a fazer-se com os pequenos con-
certos de que precisa a ponte mandando logo executal-os, visto como trazem os
estragos alii occasionados inconvenientes ao (ran
silo" publico, segundo communicou em seu offlcio
de 16 do corrente, sob n. 3.
EXPEDIENTE DO SECBETAR10.
1.' seccao.
Offlcios:
Ao Exm. brigadeiro commandante das armas.
De ordem do Exm. Sr. presidente aa provineia,
communico a V. Exc, para 03 fins convenientes,
que por despacho desta data ss concedeu ao recru-
ta Martini mo Francisco de Albuquerque 0 praso
de 8 dias para provar isencao legal.
Ao mesmo. S. Exc. 0 Sr. presidente da
provineia, tendo providenciado para serein con
cerlados no arsenal de guerra nm baixo de si-be-
mol e uma caixa de rufo, pertencentes a musica
do 2* batalhao de infantaria ; assim 0 manda de-
clarar a V. Exc. em resposta ao sen offlcio de 22
do corrents, sob n. 72.
Ao mesmo. S. Exc. 0 Sr. presidente da
provineia, tendo providenciado no sentido. de ser
satisfeito 0 pedido feito pelo commandante do 2
batalhao de infantaria, para 0 concerto de seis cai-
xas de guerra, dezeseis espingardas e um sabre,
que se arruinaram no servico; assim 0 manda
communicar a V. Exc, em resposta ao seu offlcio
de 22 do corrente, sob n. 73.
Ao mesmo. De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provineia, communico a V. Exc, para os
devidoi effeitos, que nesta data foi 0 inspector da
thesouraria de fa'enda autorisado a vender em
hasta publica 03 10 cavallos qua se inuiilisaram
no servico, pertencentes a companhia de cavalla-
ria, e aos quaes so refere 0 sen offlcio de 22 do
corrsnto, sob n. 74.
Ao mssmo. S. Exc. 0 Sr. presidente da
provineia manda declarar a V. Exc, em resposta
ao seu olflcio de 22 do corrente, sob n. 73, qns
nesta data rcilera a ordem dirigida ao inspector do
arsenal do marinha no sentido de quanto antes
mandar collocar um novo mastro para bandeira na
fortaiesa do Brum.
2.' secede.
Offlcios:
Ao Exm. pre idente do tribunal do commercio--
0 Exm. Sr. presidente da provineia manda accu-
saro recebimento do offlcio de V. Exc com que re-
mette copia da eleicao do negociante Manoel Al-
ves Guerra, para preencnimento da vaga de de-
putado havida pela renuncia de Candido Casimiro
Gaedes Alcoforado.
Ao Dr. chefe de policia. De ordem de S,
Exc. 0 Sr. presidente da provineia, communico a
V. S. que mandou-se que pela thesouraria provin-
cial fosse paga ao tenente Francisco de Oliveira
Mello, ou a sen procurador, a qaantia de que tra-
ta 0 offlcio de V. S., de 22 do corrente, sob n.
109.
Ao juiz de direito da Escada. 0 Exm. Sr.
presidente da provineia manda accusar 0 recebi-
mento do offlcio de V. S ds 21 do corrente, sm
que participa tor nomeado para exercer interina-
mente 0 cargo de promotor publico dessa comarca
0 bacharei Manoel Antonio da Fonceca Mello.
4.' seccao.
Offlcio :
Ap director da escola normal. De ordem
de S. Exc. 0 Sr. presidente da provineia, commu-
nico a V. S., para seu conhecimento e fins conve-
nienies, que nesta data s^ ordenou ao engenheiro
chefe da reparticao das obras publicas que man-
dasse executar as obras de limpeza e asseio de que
precisa 0 edificio onde funceiona 0 estabelecimen-
to a seu cargo, como solicitou em seu olflcio de 9
de dezembro ultimo, que fica assim respondido.
EXPEDI8NTE DO DIA 26 DE JANEIRO DE 1874.
1' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.Sirvase V. Exc de mandar pSr era liber-
dade 03 recrutas Lucindo Jose de Mello e Jose
Apolinario de Oliveira, que provaram ser casados,
este com Maria da Conce.ifio do Nascimento eaquel-
le com Caetana Maria d'Assumpcao.
Ao mesmo. Sirva se V. Exc. de expedir
suas orden3 para qus a fortaleza do Brum de uma
salva a 1 hora da tards do dia 27 do corrente, an-
niversario da restauracao de I'ernambuco do do-
minio hollaodez.
Ao mesmo.A vista do irregular comporta-
msnto tido pslo sargsnto Manoel da Bosa e Sou-
za e soldado Jose Antonio Pereira, ete da compa-
nhia de cavallaria e aquelle do 2* batalhao de in-
fantaria, segundo consta de ssus offlcios de 22 e
24 do corrente. sob ns. 76 e 83, autoriso V. Exc
a remette-los para a cdrte, como permitte o art 78
do regulamento de 17 de abril de 1868, afim de
inm servir era um dos eorpos estacionados no sul
do imperio ; certo V.JSxc. de que flea providen-
ciado acerca do transporte das referidas pracas no
v-3pir Pard. esperndo do nine.
Ao i-ipitao do p.rto. Manic V. S. pjr era
libmlade 0 recruta Mar a no loa|uim PeJro de
Azevedo, que provou is jnc-io legai.
Ao director do arsenal de guerra. Transmit-
to a V. S., para os fins convenientes, o incluso ter-
mo de exame prooedido no hospital militar por
occasiSo da abertura dos tres volumes vindos da
cdrte no vapor Bahia, com destino ao mesmo hos-
pital.
Ao engenheiro das obras miliiares.Bespon-
do ao sea offlcio de 24 do corrente, sob n. 65, di-
zendo-lhe que chame nova praca para compra do
material substituido da fortaleza do Brum.
2' seccao.
Acto :
0 presidente da provineia, a vista do offl-
cio do Dr. chefe de policia, n. Ill, de 23 do cor-
rente, resolve exonerar o tenente Flavlo Jos6 dos
Santos e Silva do cargo de dslsgado do termo de
Bom Consolho.
Offlcio:
Ao juiz de direito da comarea de Bom Con-*
selho.Communicando o presidente da camara
municipal de Aguas Bellas, em offleio de 3 do cor-
rente, na i ter ainda a r -spectiva junU elassilieadora
dos escravos eneetado alii os seus trabalhos, por
nao haver promotor publico na comarca, providen
cie Vmc. afim de que seja remeliada essa fa'ta,
nomeando am promotor ad hoc para os referidos
trabalhos.
3' seccao.
Acto :
0 presidente da provineia resolve nomear o
cidadao P.iilomeno Getulio Correia de Araujo ss-
crivau da collscloria provincial de Bom Jardim.
Offlcios :
Ao inspector da thisouraria de fazenda.
Tendo ne3ta data dsfsrido o reqaerimsnto" do ba-
charsl Pedro Camello Pessoa, senhor e possuiior
de30apolices as ns. 21 a 5), do valor de 100*
cada uma, pedinJo a ssta presidencia autori acao
para permuta-las por outras do valor de 1:000* ;
assim o communico a essa theseuraria para os fins
convenientes
Ao mesmoAo tenente addido ao 2* tiata-
Ihao de infanteria Liurano Jose Piraenta. pnmo-
vido a este posto por de:reto do 10 de dezembro
ultimo, mande V. S. adiantar, como pede no iac u-
so requerimento, e de conformilide com o art. 28
da lei n. 514, de 28 de outubro do 1848, tres mozes
de soMo para Ihe s>irem desconlados pela o' parte
de que for vencendo.
- Ao mesmo.Inteirado do que expSe em seu
offlcio de 24 do corrente, sob n 554, autoriso V. S.
a mandar effectaar no devido tempo, sob respon-
sabilidade desta presidencia, o pagtmento com a
obra dos reparos a fazer se no caes do Forte do
Matt is, autorisada pelo mioistsrio dos negocios da
agricultura, commercio e obras pub.'icas, c )mo ja
Ihe communique* em meu offlcio de 6 dsste mez.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Mande Vmc. pagar ao capitao Jose Firrao Pareira
do Lago a quantia ds 63*10'), constante da nota e
relacan juntas, despendida durante o mez de ds.
zembro do anno Undo com o suslento dos presos
pebres da cadeia do termo de Ouricurv ; como so-
licita o Dr. chefe de policia em offlcio de 23 do
corrente, sob n. 112.
Ao mesmo. Tendo por acto dssta data, e de
acordo com a sua informacao de 23 do corrente,
sob n. 51, concedido ao major Bellarmino do Rego
Barros e oatros, contractantes da collocacw de
carris ds fsrro nas ruas desta eidade para o fim de
transpertar cargas e bagagens, a permissio que
nediram para transferir o respeciivo contracto ao
Banco Industrial e Mercantil do Rio de Janeiro, aqui
repressntado pela firma social Teixeira, Chaves 4
C, pagos previamente os direitos provinciaes e
assigoando u fiador nessa repartiijSo o competeutc
termo de responsabilidade ; assim o communico a
Vmc. para seu conhecimento e fins convenientes.
4.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. presidente da provineia de Sergi-
pe, Dr. Antonio dos Passos Miranda. -Accuso re-
cebido o offlcio de 15 do corrente, sob n. 22, em
que V. Exc me cbmmunica haver naqnella data,
prestado juramento e assumido a administrate
dessa provineia. Cumprimentando a V. Exc, ca-
be-rae offerecer-lhe os meus servicos, qner pu-
blicos, quer particulares.
Ao mesmo.Com offlcio de 12 do eorrente,
sob n. 4, remetteu-me V. Exc. dous exeraplares
da colleccao de Icis proraulgadas pela a^semblea
dessa provineia em sua sessao ordinaria do anno
proximo passado, cnjo recebimento ora ajcnso.
Ao Dr. inspector da saude publica.Remet
ta V. S. a secrelaria desla presidencia, com desti-
no a camara municipal de Buique, uma carteira
homeopalhica apropriada ao tratamento da vario-
la e as competentes instruccoas para o tratamen-
to daquellamolestia.
Ao commissario vaccinador provincial Re-
metta Vmc. a secretaria desta presidencia, e com
endereco a camara municipal de Buique, alguns
tubns de pus vaceinieo ; p quo fara com brevi-
dadc
Ao presidente da camara municipal da villa
de Ingazeira. -Sa:isfaco a reqmsicio constante de
seu olflcio de 11 do corrente, remettenJo-lhs um
exemplar do regulamento a que se refere o de
creto n 8,1-15, ds 13 de novembro de 1872, c no
ciua^achara Vmc os esclarecimentos relatives aos
trabalhos da junta classificadora do3 escravos des-
se municipio.
Ao presidente da camara municipal de
Aguas Bellas.Ten lo nesta data autorisado o Dr.
juiz de direito dessa comarca a nomear um pro-
motor ad hoc para fazer parte da jun"a classifica-
dora dos escravos desse municipio ; assim o de-
claro a Vrac, para seu conhecimento e em res-
pasta ae seu offlcio de 3 do corrente.
Portaria :
A' camara municipal da villa de Tacaratu'.
Em resposta ao offlcio que me dirigio a cama-
ra municipal da villa de Tacaratu', sobre a ne-
cessidads ds um travessao de mil bracas para se-
parar nesse muaicipio o terreno de agricultura do
de criacao de gado e meios de rsalisar essa me-
dida, cabe-me dizer que nao esta nas attribnlcoes
desta presidencia autorisar semelhante melhora-
mento pelo3 meios indicados, devendo a mesma
camara dirigir se para tal frm a assemblea provin-
cial em sua proxiraa reuniao.
5.' secqdo.
Acto :
0 presidente da provineia, attendendo* ;ao
que requereram o major Bellarmino do Rego Bar-
ros e outros, contractantes da collocacao de car-
ris de ferro nas mas desta eidade para o fim de
transportar cargas e bagagens, e tendo em vista
a informacao do inspector da thesouraria provin-
ciil, de 23 do eorrente, sob n 51, resolve conce-
der-Ihes licenja para transferir o respeetivo con-
tracto ao Banco Industrial e Mercantil do Rio de
Janeiro, aqui representaio pela firma social Tei-
xsira, Chaves & C, pagos previamente os direitos
provinciaes e assignando o fiador termo de res-
p insabilidade na reparticao competente.
Offlcio :
Ao engenheiro fiscal da companhia Recife
Drainage. -Rsprsssntando o brigadsiro comman-
dante das armas em offlcio de 24 do corrente, sob
n. 87, que o apparelho de limpeza da guarda da
alfandega carece de ser eoncertado, recommendo
a Vmc. que providencie neste sendido.
Portaria :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegacao a vapor mandem dar passagsns para a
cdrte, no vapor Pard, eapersdo do norte, ao 1*
sargsnto Manoel da Rosa e Souza e ao soldado Jo-
se Ant .nio Pereira, esfcj pertencsnte a companhia
de cavallaria desta pranneia e a rustle ao S" haj
talliio de infantaria, os quaes s-gueoi para alii a
disposicao do inimsterio da guerra, a conta do
qual devera correr o pagamento das ditas passa-
gens.
EXPEDIENTS DO SECRRTARI0.
/.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.S. Exc. o Sr. presidente da provineia man
da declarar a V. Exc. qne nesta data ordenou a
salisfacao do pedido, feito pelo commandante do
forte do Buraco, da artigos ds vestuariot vencidos
pelos tres sentenciados erapregados no servico das
fachinas do mesmo forte, de que trata o offlcio de
V. Exc, de i\ do corrente, sob n. 82,
SEXTifiFEIM 24 DE ABRE.HE 183
PABA BENTItiraUDA Plf*l\(li
Btatres- inezes adiantados.............' 6*750
Bor-sei ditos idem...........-.'..'.'..." 1895o0
Por no ditos idem..........*...... 909950
Per Mm nato idem....... ,......... 27*000
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA A FILHOS.
de Lenius Braga, no Aracj ; Joao AUria Julio Chaves, so Ass; Antonio Marques da Silva, no-Baud j Jose Justin*
d Pacha; Be'arinino dos Santos Bulcio, em Santo Antio ; Domingea Jose' da Costa Brafa, em Haxareti;
Alvea d C, na Bahia; e Lehe, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
|Ao mesnio. S. Exc o Sr. presidwnte da pro-
manda declarar a V. Exc, para os fifts coo-
ps, que nesta data concedeu aos recrutas
vangelista da Silva e Elias Jose do- Carrao,
para provarera iseneio. legal, sendo aquel-
: e este oito dias.
Ao mssmo. S. Exc o Sr. presidents da pro
viacia, tenlo providenciado para que 4j>m feitos
os concertos de que carece o apparellK) da limps
za da guarda da alfandega ; a>sim o manda coin-
muniear a V. Exc. em resposta ao seu olllcio de
24 do Ciirrente, sob n. 87.
A)director do arsenal de guerra. S. Exc.
o Sr. presidente da provineia manda declarar a
V. S., em resposta ao seu offlcio de Iff-do corren-
te, sob n. 563, qne pondsrando ) inspector da the-
souranasar menos dispendiosa na corte a acqui
sicao dos instrumentos cirurgicos pedidos para a
sufermaria 6e edacandos desse arsenal,, resolvera
nessa data shcitar do Exm. Sr. ministry da gnor
ra a reraessa de taes in3trament-)s.
2.-1 seccao
Offlcios
Ao Exm. presidente do tribunal da relaeio
Q Exm. Sr. jjosidente da provineia manda ac-
cusar o recebimento do olflcio ds V.Esc, de 22 do
corrente, ernqnt participa ter nossa data conce
dido, ao liacharel Joaquim Francisco de Arruda,
juiz municipal do termo do I.imoeiro, ires dias de
lic8uca,eom ordeiado, para tratar de sna saude
onde Ihe convisr.
Ao Dr. chsfsds policia.0.Exm. Sr. presi-
dents da provineia manda declarar a V. S. qne
por portaria de hoje foi concedidi ao tenente Fla-
vio Jos6 dos Santos cSilva a exoneracao que pe-
dio do cargo de deltgado do termo de Bom Con-
selho, de conformidate com o offlcio de V. S., n.
Ill de 23 do corrente
Ao mssmo. -De ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provineia, lomruunico a V. S. que a
thesouraria provincial ista autorisada a fazer o
pagamento de qne trata o offlcio de V. S., de 23
do corrente, sob n. 112.
Ao presidents do cornel ho de qualificagao da
guarda^ national da paroclia de Ma'anguaye.-0
Kxm. Sr. presidente da prorincia manda declarar
a V. S que fica inteirado, (or sen olflcio de 3 do
corrente, de haver nessa dm concluidi os seu
trabalhos o conselho de quaiificagio da guarda
nicional da paroclia de Miringaape, da qual foi
V. S. presidente.
>P.SP.\CH0S DA i'UKSIUKNi'.l \, DO DIA 22 DE ABRIL
de 1874.
Antonio de Hollanda Vasconcellos. Reqieira
ao governo imperial.
Capitao Anlonio Gracindo de Gasman Lobo.
Para que possa ter lugar o pagamsnio, precise e o
visto ao juiz de direito da comarca.
Bernardino da Silva Cvnpos. Sim.
Major Carlos Magoo da Silva. Forneca-se.
0 mesmo. Forneca-se.
Idem. Idem.
Idem. Idem.
FranciscodaSilvn Miranda. Fiea marcado ao
supplicante, a contar de hoje, o pra vel de 30 dias para entrar no exorcicio de sua
cadeira.
Francisco de Paula Gomes. Sim.
Jose Pedro das Neves. Sim.
Jose IVdro da Neves. Passe porlaria conce-
dendo a licenea p"dida.
Jose Bernardo Galvao Alcoforado. Deferido,
com olflcio desla data ao inspector da thesouraria
de fazenda.
Maria Valerinda da Motla. 0 filuo da sup-
plicants foi considerado apt) para o servico, na
inspeccio de saude, a que fo: ultimamente submet-
tido ; pelo que nao tem lugar o que requsr.
Dr. Tarqnmio Brauho de Souza Amaranlho.
Deferido com offlcio desta data a trissouraria de
fazenda.
Commando das arnias.
jUARTEL GENERAL DO COMMANDO DAS ARMAS
DE PERNAMUUGO, EM 23 DE ABRII, DE
1874.
Ordem do dia n. 812.
0 brigadeiro commandante d:is armas, em exe-
eucao dos art<. 2S e 29 do reguiamsnto que bai-
xou com o deereto n. 113 de 31 de marco de 1831,
nomeia as commissoes que tem de examinar pra-
ticamsnts nas armas de cavallaria e infanteria,
aos Srs. officiaes, inferiores e caietes dos eorpos
em guarnieao nesta provineia, a saber :
Para a arma de cavallaria os Srs. : tenente co-
ronet Sebasiiao Anlonio do Rego Barros, capitao
Jose Joaquim Coelho e capitao Manoel Joaquim
Macbado.
Para a arma de infanteria os Srs.: tenente-co-
ronel Joaquim Cavalcinte de Albuquerque Bello,
major Manoel de Azevedo do Nascimento, major
gradtndo Luiz Antonio Ferraz.
Os Srs. tenentescoroneis Barros c Bello, sao
commissionados pelo brigadeiro commandante das
armas para presidirem 03 resps:tivos exames que
nao tiveram lagar em marco ultimo, por circums-
taeias que occorreram.
0 mesmo brigadeiro declara para os fins conve-
nientes, que approvou o engajamento que a 18 d)
corrente contrahio, para servir por mais tres an-
nos, psreebendo alem dos vencimentos estabele-
cidos por lei, o premio de 200^000, o musico de
2.* classe do 9." batalhao de infanteria, Cesario
Quirino de Smizi. que em inspeccao de saude foi
julgado aplo para continuar no servico do exercito.
(Assignado.) Manoel da Cunha Wander ley
Lins. '
Conforme. 0 major Jose B nifacio dos Santos
Mergulhuo, ajudauts de ordens encarregado do
detalhe.
Reuarti$ito da policia.
2.* seccao__Secretaria de policia ds Pernambuco,
23 de abril de 1874.
N. 540. -Illra. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a dstencao os se-
guintes individuos:
A' ordem do Dr. juiz de direito da 1." vara, F-
licidads Maria da Couceifio, por nao pagar as
cu3tas era quo foi condemnada, como autora ven-
cida. ... J.
A' ordem do Dr. juiz snbslituto do 4. distncto
criminal, Raymundo da Silva Gomes e Balthazar
Goncalves Machado, como cumplices era crime de
roubo.
A' ordem do snbdelegado do Recife, os chile-
nos George Scott e James Gard, a requsrimento
do respeetivo consul.
A' ordem do de Santo Antonio, Laurentino, es-
cravo de Antonio Francisco Pereira de Lyra, a re-
querimsnto deste.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm. Sr. com-
nenda lor Henrique Pereira de Lucena. digno pre-
sidents di provincii <> chefe de policia, Anto-
nio Francisco. C rreiu de Arntij).
0
ERNAfflBUCO,
ASSEMBLEA PROVINCIAL
SESSAO ORDINARIA EM 13 DE ABRIL.
PRESIDENCIA DO SR. FERREIRA DE AOOIAR.
Ao meio dia, verificando-se acharem-se presen
tes os Srs.: Toleniino de Carvalho, Lacerda, Sou-
ta Leite, Ralis e Silva, Firming de Novaes, Tra
-
vasso de Arruda, Manoel do Rego, J. Mello Rego
Aguiar, Vieira de Mello, Cnnha Cavalcante, Peretti,
Arruda, Uchoa Cavalcante, Goncalves Ferreira,
Joai Barbalho, Tiburcio de Magalhies, Gomss Pa-
rente, G. Gondim, Gaspar de i)rummood, Antonio
Paulino, Felippe de Figueirda, Domlngos Pinto,
Camboim, Oliveira Andrade. Goes- Cavalcante, Da
rio Cavalcante, Portella, Soares e Pinto Pessoa,
faltando os Srs. Alipio Costa, Olympio Marques,
Areoncio, Tito e Amaral, abre-se a sessao.
Lida a acta da sessao antece lente, 6 approvada
0 Sr. 1 secretario da .conta do seguints
EXPEDIENTE.
Offlcio :
Do secretario do governo da provineia, remstten-
do as inforroacfe pedidai, sobre o contrato cele-
brado pela presidencia da provineia da Parahyba
e o negociarrie Marcolino de Souza Travasso. A'
quem fez a rcquisicao.
Peti^oes :
De divers-is-moradores e proprietaries do enge
nho Santo Estevao, pedindo que seja desmembra-
da a parte pertencents ao municipio do Cabo, para
ser annexada a frsguszia ds Muribsca.A' com
.nissa i de estatistica.
Ds^Henry Bernard Blard, pedindo um privilegio
por 50 aiuos, para m mtar uma fabric i de pedra
por ells invea'ada, que nao so offerees a precisa
solidsz, como o ssu preco 6 maito inferior aqasl
le por que 6 vendida a pedra que se emprega
actualraente na coastruccao.A' commissao de
peiiQSes.
E' lido, apoiado, posto em discussao e fica adia-
do por haver pedido a palavra o Sr. N. Portella, o
seguinte parecer :
A commissio de justica civil e criminal, de
prehendeu pelos documentos juntos que o escrivao
de paz d consultou ao Exm. Sr. presidente da provineia, se
podia exercer o offlcio de tabelliao de notas em
seu districto, nao obstante abrangsr ssts uma ps-
quena parte da eidade da Victoria.
t 0 mesmo ?xm. Sr. antes-de responder a con-
snlta, ouvio sobre ella o juiz d direito da comar-
ca de Santo Antao, e este opinoujnegativaraente,
fundando-se no art. 1 da lei ds 30 de outubro de
1830 Nao se conformando com essa opiniio o
Exm. Sr. presidente decidio afflrmativamente. Jul-
gando-se prejudicada em essa decisio o tabslliao
judicial e notas Bellarmino dos Santos Bulcao, re-
clamou ao Exm. Sr. presidente, pedindo a revoga
cao de tal decis?o, afim de considerar o escrivao
de paz inhibido de funccionarcomo tabelliao de no-
tas na parte de seu districto que fica dentro dos
limitss da eidade.
0 mosrno Exm. Sr. remettsndo todos os do-
cumentos, submstteu o caso a esta assemblea.
A referida commissao, depois de examinar
aquelles documentos, os quaes Ihe foram presen-
tes, considerando que a lei de 30 de outubro de
1830 em ssu art. 1 determina que 03 escriviss
dos juizes de paz de fora das cidades e villas se-
rao ao mesmo tempo tabelliio de notas em seus
respectivos districtos e cumulativamente com os
labelliaes do termo ; considerando aiuda qae o
estrivso consultants pertence ai 2 juizo da paz,
que tem sua sede fora da eidade da Victoria, e qus
por isso nos termos daquelle artigo pode exercer
suas funci;6es do tabelliao em todo o seu distric-
to ; considerando finalments qus, dispondo in -
distinetaments a lei citada, e injuridico admittir
a distincclo, que fazem o reclamante e aquelle
juiz de direito, o que tendo a rsstringir as attri-
buicoes do eserivas de paz do 2' districto de San-
to Antao, como tabelliao de notas, e de parecer que
tal rcclamacao deva ser desattendida. Sala das
commissoes, 13 do abril de 1874.Joaquim Gue-
des C. Gondim. Vieira de Mello.a
Sao sem debate approvadas as redaccSes dos
projeetos ns. 36 de 1873 e 69 ds 1871.
Sao lidos, julgados objecto ds deliberacao e vao
a imprimir os seguintes projeetos :
A assemblea legislativa provincial de I'ernam-
buco resolve :
t Artigo unico.Fica o presidente da provineia
autorisado a mandar construir uma ponte de ma-
deira sobre o riacho Duas Pedras, no lugar deste
nome, acima da villa do Limoeiro, na estrada que
segue para o centre.
Revoga das as disposieoes em contrario. Pago
da assemblea, 13 de abril de 1871.T. de Arru-
da.Goncalves Ferreira.Joaquim de Arruda.a
A assemblea legislativa provincial de Per-
nambuco^resolve :
Artigo unico.Fica o presidente da provin-
eia, autorisado a mandar admittir n > gymnasio
provincial o menor Jose, filho do liuado Jose Bro
no de Oliveira Maria, correndo a despeza pelos
cofres da provineia. Revogadas as disposieoes em
contrario. Pago da assemblea, 13 de abril de 1874.
T. de Arruda.
a A assemblea legislativa provincial de Per-
nambuco resolve :
a Art. 1 A parte da eidade da Victoria com-
prehendida no segundo districto de paz, fica per-
tentendo ao districto da mesma eidade.
Ar:. 2' Revogara-se as disposicoss em con-
trario. Pa;o da asssaiblsa. 13 de abril de 1874
Gaedes Gondim.Gaspar de Drummonda
a A assemblea legislativa provincial de Pernam-
buco resolve :
Art. unico. A freguezia de Nossa Senhora da
Conceic.20 de Serinhaem lica dividida em dous
districtos de paz, o 1 comprehendera o 1 e 2 po-
licial, e o 2* o 3 policial. .Revogadas as disposi-
eoes era contrario. Paco da assemblea provincial
de Pernambuco, 11 de abril de 1874.G. Drum-
mond.
< A assemblea legislativa provincial de Peraam-
buco resolve:
a Art. unico. Fica supprimido um dos lugares
de escrivao labelliao do termo de Ssrinhasm, qus
primeiro vagar, por inorte, remocao ou demissao
de qualquer dos actuaes serventuarios. Paco da
assemblea provincial, H do abril de 1874.G.
Drummond.
O Mr. Ratls e Silva! Sr. presidente,
acaba de ser lido ura projecto em qne se resolve que
por morte de^um dos serventuarios dos cartorios
da villa de Serinhaem fique supprimido o lugar do
que fallecer.
E porqne seja necessario que a este respeito se
ou'.a o juiz de direito da comarca, eu requeiro que
se lhe peca preventivamente inforraacdes sobre a
conveniencia dessa snppressao, afim de que che-
guem a tempo da discussio do projecto.
0 Sa. Presidente : -0 projecto nao esta hoje
em disenssao, mas se o nobre deputado quizer, po-
ds ofTerecer um requerimento para que se pecam
essas informacoes.
0 Sr. Ratis e Silva : En requeiro estas infor-
mafSss porqne vejo qne nao havera tempo para
serem pedidas depois qae o projecto entrar em dis-
cussao.
0 Sr. Presidente :0 nobre deputado podepe-
dir aquillo qne quizer com referenda ao projacto,
mas nao pode tomal-o como base do seu re-
querimento, porqne por ora nao esta em dis-
cussao.
O'Sn. Ratis e Silva :Pois bem, mandarei o
meu requerimento.
E' lido, apoiado, posto em discussio e sem de-
bate approvado este requerimento:
Requeiro qne preventivamente se peoa ao Dr.
juiz de direito da comarca do Rio Formoso seu pa-
recer acerca do projecto, que determina ficar sup-
primido o lugar de escrivao da villa de Seri-
nhaem que vagar por morte de alguns dos serven-
tuarios. -Rrait t ,iva.
ORDEU DO DIA.
Eutra em discussio e $ sera debate approvado

o projecto n. 26 deste anno, approvando as postu-
res da camara municipal da villa de Jaboatao.
CoDtinda a disenssao do parecer da commissao
de polieia relativamente a iodicaeao apresentada
por varios senhores deputados, ref.jrmando alguns
artigos do regimeoto da assemblea.
A discussio versa sobre uma emsnda que man-
da snpprimir o art. 6t do regimento.
O Mr. Manoel tiuRrgo :Nao passo, Sr.
presidente, dar o meu vote a emsnda suppressiva,
porqne entendo que e-justemente em virlude desta
ultima disposicao do an. 62, cuja snppressao se
pede, que sio publicades os trabalhos desta casa
no jornal qus e dianamente distribnido pelos de-
putados. o que me parete de subido alcance, e
mesmo de necessidade irrecu'iavel.
A questSo e a irrtelligencia que se da. a palavra
acta, e eu creio que-ninguem deixara de reconne-
cer que acta nao 6 mais do que a relacao do oc-
eorrido durante a sessao oa resamidamente, on por
extenso com os disenrsos dos deputados.
Proponho, portaoto, a suppressan da emenda
apresentada.
Offersco uma outra smsnda, qne sunpouho de-
ve ser incluida no art 62 Ate hoje o nosso regi-
mento tem sido ornisso neste ponlo ; nio diz se no
ultimo dia de seesio, deixando de haver nnmero
legal, nao obstante, se encerre a assemblea.
0 Sr. Presinentk : E' estylo.
0 Sr. Manoel do Rego :Para provid^nciar a
este respeito offereco uma emenda aos seguintes
termos (le): no ultimo dia da sessao legislativa,
sera lida e approvada a acta, ainda no caso de nio
haver na casa. o nnmero de deputados necessario
para poder fuuecionar a assembler. >
Mando, pois, a mesa a minba emenda para ser
collocada depois das ultimas palavras do art. 63, a
qual pode ser discutida, agora ou opportunamen-
te, como V. Exc resolver.
E' lida,, apoiada e enira conjanctamente em dis-
cassao a seguiale emenda :
Supncima-se a emenda "apresentada ao art.
62 do regimento.
t Acerescente-se ao art. 62: ao ultimo dia da
sessao legislativa, sera approvada a acta, ainda que
nao haja aumero legal de deputados.Dr. Manoel
do Rego.
O Sr. .omoM Parenie: Sr. presi-
dente, eu teobo duvida sobre a emenda apresen
tada pelo nobre deputado pelo 1" district). Por
isso peep a S. Exc. que me de alguns esclareci-
menlos relativamente ao pont i sobre o qual versa
a miiitia duvida.
A emenda do nobre deputado trata de um caso
omisso no regimento.
Cora effeito, o regimeoto nio oogitou da especie
de nao haver casa no ultimo dia da sessao. Mas,
segundo me parses, e V. Exc. que 6 antigo na
casa, deve saber se o estyle ou a praxe seguida 6
coasiderar-se com) encerrada a assemblea, mes-
mo nio havendo numero.
0 Sr. Manoel do Rego : -Mas e melhor qus
providencismos a respeito do que seguirmos um
estylo sem lei.
O Sr Gomes Pabente .Mas o nobre deputado,
aproveitando o ssn aparts, disss qus 6 melhor to-
mar-se uma providencia a esse respeito ; enlre-
tanto a providencia lembrada por V. Ex;, me pa-
rece inconstitucional.
0 Sr. Manoel do Rego:Mas e o que se da
na pratica. Se e o ultimo dia ds sessao, nio po-
demos funccionar alem desse dia.
0 Sn. Gomes Pabe>te': Ss o nobre deputado
ba poucos dias levantou-se, comjmuita razao, pa-
ra combater uma idea que era contraria ao acto
addicional, como vein hojs aprssentar uma medida
que fere positivamente o mesmo acto addicio-
nal ?
0 Sr. Gaspar Drummond : -Acho que tem toda
a razio.
0 Sr. Manoel do Rego : Entao combata a
pratica Como nio combateu ate hoje o que se
pratica ?
0 Sr. Gombs Parents : -Como qaer que fnnc-
cions a assemblea sem numero legal ? Como
quer qus approvemos um acto sem haver nume-
ro suftteiente de deputados f
0 Sn. Manoel d) Re ;o : E' o que se praticou
sempre.
0 Sr. Gomes Parentf. : -Me parece que o me-
lhor sera dixarmo3 as cousas como estao. Eu
nio concorro certamente com o meu veto para
quo se considere a assemblea funceionando sere
numero legal.
0 Sr. Manoel do Rego :Enlao proponha al-
guma emenda porque e preciso tomar alguma
medida a respeito.
0 Sr. Gomes Parents :Ja disse que prefiro o
que existe :
0 Sr. Gaspar Drummond :0 slalu quo.
0 Sr. Gomes Parente : -Sun o statu quo. Na
verdade estranhei que o nobre deputado propo-
zessc uma medida desta ordem. Entretanto pode
ser que eu nao tenha razao, e se o nobre deputa-
do quizer, me informant, e a casa votara eomo en-
tender conveniente.
O Sr. Manoel do Rego: Nao me pare-
cem procedentes as consideracoes que acaba de
fazer o nobre deputado pelo 2 districto, porque
a idea por mim proposta nao e uma novidade,
pois esta em pratica na camara dos deputados
ss a assemblea nie pods absolutamsnte deixar ds
encerrar os seus trabalhos naquelle dia, como po-
dera faze-lo sem approvar a acta respectiva ?
0 Sr. Gaspar Drummond da nm aparte.
0 Sr. Manoel bo Rego : -Entaa quando se ha
de approvar a acta ? A assemblea nao pode func-
cionar mais, alem daquelle dia. O que se ha de
fazer se, chegado o ultimo dia de uma legislature.
porqne os seus dias de sessao estao marcados,
nao for approvada a acta ?
Um Sr. Deputado : Voter se-ha no anno se-
guinte.
0 Sr. Manoel do Rego : Como e que depu-
tados que nio assistiram as sessoes do anno an-
terior, e portanto nao podetn sabsr _o qus nelUs
se passon. bio de apreciar a confec^ao dessa acta
e approval-a ?
Nao veera os nobres deputados o ioconveniente
que d'ahi resulta e que eu procuro remediar ?
0 Sr. Tolkntino de Carvalho : Qual 6 o in-
conveniente ?
0 Sr. Manoel do Reqo : 0 inconveniete e qae
os deputados que nao assistiram a sessao em que
se fez essa acta, teem de concorrer para a sua
approvacao, por isso que nao se pode approval-a
no ultimo dia de sessao da legislatura anterior por
falta de numero ; e podem ter e3crupulos de fa-
zel-o, e com toda razao, vindo a acontecer que
fique a acla sem nunca ser approvada.
0 que eu propuz e o que se faz na camara dos
deputados, e essa providencia e necessaria, porque,
sendo ate hoje o nosso regimento omisso, podia
propor-se esta duvida e nio se saberia como resol-
vel-a.
0 Sn. Gaspar Drvmmono : Da nm aparte.
0 Sr. Manoel do Regu: Os deputados da fu-
ture legislature, podem nio querer approvar a
acta, e o nobre deputado nio pode deixar de res-
peitar os esurupulos quo qualquer pessoa possa
ter para nio approvar a acta de uma s&sio a qne
nao assistio.
0 Sr. Gaspar Drummond : Mas qual o iocon-
veniente de ficar a acta sem ser approvada ? An-
tes quero que ella nao seja approvada, do qne
aceitar o alviire ds funccionar a assemblea sem
numero, contra uma disposicao constitucional.
0 Sr. Manoel do Rego : A approvacao da
acta e nma cousa muito simples, mas deve ter
lagar antes do etnerraraepfo da sessao lejpslaim




v
^


crft M :aahl m it turn c.-rfr| de Peroambtt0 ^ Sexto ^ 2* de Abril ta 1874. ie om/
tMHS nella"e qrfriB'WBHWIWWrti wcernidoS OT
aa*o, seni o wtfGlNrt _
rigorosameme a disposicao
ants, coaviSih preoncher
ato, e n?s?e intuito apresen--
emblea resolvera come ea-
trabalh<*$ d'aqueHc
nio se tern ct^j
constfturioaal,
ami lacuna dfl
tei esta emend
tender einveD|0|':c
O Sr. Gasms i'bomjiomb E melhor que a
acla fique sem ser approvada do qae funccionar a
assemblea sem numero^- fc^"W
0 Sn. Sanoel noJte: Mm fuseeionar
como ? appnvando ana aeaereio q'ie o jobre
depulade nao pode laiJcar is fecSnhecar a ne-
cessidadede se ostabatjeer um precedents ares-
peito; entrelanto, pmce-me melinalo a qoercr
qae n&da se faca. Cm lodo a cmo, sendo o osso
regimento omis-o a respeito, convinha qie a as-
semble! tomas-e ua dcliberacSo, e e o qus
desejo.
Na minha cpM*8 ddiamos adopter um outro
precedents segaido na camara doa -deputados e
em muitas asseminleas provmeiass, isto e, que no
ultimo dia de sessao a assemblea -se limite a en-
csrrar os sem trabalhos e nJ.o approve projectos
nn.3S. disflnwacs nem reiaccoes, coma acon'.ec4
entre nos
0 Sa. Gonc*ives Ferukiua : Nao vejo vaata-
gem n'isso.
0 Sa. Uanoil no Rego; Ha loda a vautagem,
mesmo para se eviiar a hypot lese de dear a ap-
proraijao da acta para aino seguinte, como
parece querer um dos nobres deputados; porqae
se a acta apems dodara que foram encerrados os
trahalhos,_ sao pode haver inconveniente em ser
appieva4*,-*t'+qtteT tados presemes.
O Sa. 6r.si>AR Owmmofc : O qne e verdade*-.
que esta assemblea luneciona desde 1835 e ate
hije ai.-ida nao deixou de baver numero no dia do
encerrameYrto.
0 Sr. 'M.vsot.l do Rec-5 : E" porque tern passa-
do desapercebi lo, o quc-se explica perfciiaroente ;
com eireito, atem a sessao, com numero leg:,
no ultimo dia, depots de approvada a aria da
sessao antecedents, prasegue-sa era ostrabaflns,
e cm s-.guida suspeiVie-se a sessio, lavrase a
acta daquelle dia, jue approval:!, sem verifiear-
se se ha numero legal.
O Sa. Gasp.vi DitnruoND: Nao, senhor, sem-
pre tew hivido nutnero, jostica seja feita a assem-
ble.'..
0 Sa Uanoel d> Rf.go: Mas e impossivel a
hypothese de nao haver numero? Se ailo e, deve-
mos prevenil-a.
0 6i. Tolenhn'o deCarvalho: Qual o re-
medio ?
0 Sr. M.vx);;i. m Rsc.o: 0 remedio c appro-
var-so a acta com o numero que estiver presente,
ha nfc-lo menos inconveniente do que reservar-se
a Mta prra ser approvida no anno seguinte, que
pdde nao ser, pelM motivos ja expostos.
(Ha u;n aparte ).
I'ara approvar uma acta do mesmo dia, omo
no caso do enccrramento da sossan, qne inconve-
niente ha em nao existir numero legal ?
0 Sa. G\$PAR-lnoM.\ioND: 0 mesmo que en-
cerrar gnSlquer discn O Sr. Mvnoel do ReGo: .\ acta nao e mais
do ijue a re!acao do occorrido em qualquer sessao;
devemos stfppM qne o seeretarto seja iocapaz de
filiar a verdade, de lavrar uma acta no sentido
ioteciij do c-corr do. a approv.>c;io da acta e
quasi iniiti!, (' somenie para t'orrigir-se qoal |uer
engaim que possa dar se da parted i secretario ;
esta c a raja > porqae a acta e suj'iita a approva-
ca i ; e ate me parece preferlvel o que se pratica
na camara d is Jeputadcs, isto e, desde que nao
ha ooutestajao sob re a acta, da-se por appro-
vada.
0 Sa. Gasi'.vu DniiM.\in.\D : Este preccdenle,
sim, senhnr, acbo acettarel.
0 Sa. Ma/Robl d> RSno : Estimo mnito que o
BoUre depatado concorde comigo que e desnaces-
saria a appro .^.io da acta, e sj o nosso regimen-
to a exige, e porque convfim corrigir qualquer
lacuna que t-;nha escapado ao secretario, pois,
tlevemos iappor que eile, que a mera seja mca-
paz de alterar propositalmente a verdade dos
factos
O Sn. Gomjalvics Ferreira : Atada hontem
a mesa era capaz de fazer rousas peiores !
OSn Sxkobl do Rego : Tudo 6 possivel, em
relacao as hypotheses que ealao figurei; mas
aqui a qcestiio e diversa ; p irque tratase apenas
6e relalar o que occorreu na sessao, e sa a acta
eoatfrn InexaettdBes, sendo daquelle mesmo dia,
e teodo portanto todos os deputados a lembranga
reeedte Uo o-corriJo, facil sera fazer qualquer re-
elamacao, mesmo que nao haja numero legal.
Eu (|uero prevenir todas as hypotheses; nao
sou t.io ingenuo que supponha iropo^slvel um acto
mao da parte da mesa, nSo da actual, porque co-
nhe?o as pessoas que a compoem, e nellas conlio,
mas considero no futnro, e vejo que se pode pra-
tiear qualquer acto menos digno.
O Sn Gabpar Oiummo.nu -Agorae que eu ve-
jo sobiDetter-sa a acta a votacao.
0 Sa. Makoex. do Ruao: E' do nossso regi-
mento.
0 Sn. Gaspak Drummond: Eu fui deputado
li annos, qaer no tempo anterior ao progresso,
quer ao tempo do proyem, e nuaca vi votar-se
a acla. Se aao havia quem contestasse, dava-se
por approvada.
0 S. Masjbi dc Rbgo: Mas, nao deve ser
a-sl ., segnnd o nosso regimento ; o nobre depu-
tado ulvez nio tenha presente a disposigio uo
art. 60, qae diz (.;): hda a acta, se nao hoaver
q tem s ibre dia faca alguma reflexao, o presi-
dente a pora a votos, para ser approvada pela
assemblea.
iqaeHa que Bio pi1*e iW BJTOos JMfl
:^s '->,
C-mtraria a esU 6 a disposisi') do regimen to da
camara d s deputados, art. til, as?ini coucebido
(!(>: h lidaa acta, se nao houver impugnacao ou
reclamacao sobre ella, eonsiderar-sa-ba approva-
da,sem depdaden cia de votacao da camara.
0 Sr. Gaspaq Dauujioan : -Oasde que eu fa-
yo parte desta eaaa, tem sido sempre executada
e?ta disposicao da camara dos ieputados.
0 Sr. Uanou. do Uia.o : Mas ent;io esta pra-
lica ia de Doeontro ao nosso re^imento.
o Sn. Caspar DaumoND : -- 0 Sr. Agaiar
fui quem inventoa voucio da acta.
0 Sn. Maxoec d-; Rbgo : Nao inventoa; nao
faz mais do qae cumprir o regimento.
0 Sr. t'ni;sius.NTE: Naotaabo feito mais do
que cumprir a lei; pela qual ?jta assemblea se
rege nos seus trabalhos.
0 Sa. Gaspar D.blmjio.M) : 0 que aUlanco
a V. Exc. e quo a pratica era aquella que eu aci-
t^o de declarar.
O Sn. Ma.nokl do Ucr.o : So assim aconlecia,
era coMrario a disposicao expressa do art. 60 da
covo re,-;i[iieuio, como ji demonslrei.
0 Sa. Go.Mi.s Pabbmtb : Eu desejava ouvir ao
nobre oraJor, sobre a inconstitucionalidade da
emenda.
O Sa. Hanoel do Reco : Nao ha inconstitu-
cion^iiJade nonhuma ; c uma i.iedida necessaria,
ja em pratica na camara dos deputados.
Jos. Teno que nao~\iTTncoherencia nmiinu
entre a erflenda qtfe at>re;*ntef c Jis iWi^TPle
aqui expendi *ha pcoos (lias ; cmRm cada um
pode pensar dwersameale : ea. entendu que
perfeibmenle ciohetsnte, ....
Eis o que diz e artigo 63' do regimeuto da ca-
mara dos deputados (Id ) :
.... ultimo dia da sessao legUiativa sera
lida e approvada a aeta, amda ao casa de nao ha-
ver TM easa e numera de depotados de qne tntao
art. 55 ( metade e. mais um ).
E', porianto, uma meiida ]a1gada iadispensa-
vel oela camara dos depaiados, a que nio foi acoi-
mada da incoMthucieaal; ea por entender aue a
mesma medtda nao ofeode ao acto ajddi .-iona!, a
propweomo emenda ao nosso regimeato. Qaem
flvefwerupates de v#tar pur ella, apresente qual-
qu-.T otttra, ou vote coatra.
Tbnho, Sr. presidente, justificado a emenda que
apresentei.
Kineuem mais pedindo a palavrd, eaeerra-se a
discussao e procede 4e a fotafSa. E1 tejeltada a
.emeada do Sr. J. Mcllo Hugo e a 2* parte da do Sr.
Manoel do Rego, ficaado a primeira prejadicada.
E' sem debate approvada a emenda ao art. 1,
qae diz : t Em lagar de10 horas,-diga-se
ouze -.
Sao lidas, apoiadas e Beam re?ervadas para se-
rem opportunaaente discutidas as segaintes emeu-
das:
t Ao art. ifi. Dapoiadaptlavra festa, diga-se:
por escrutimo secreto a pluralidiie relatioa d'
j>oto$, supprimiBdo-se as do artigo.Dr. Manoel
do Reg\
Ao art. 60. As palavraso presidente a po-
ra a votos para ser approvada pela assemblea
sejam substituidas pelas segaintes: o presidente a
declarant approvada, indepeadeute de discussao.
G. Drummond.
a Depois do art. 62, accre3ceate-se : artigo....
no fun da sessao legislativa serao registrados em
livros praprios, os projectos, indicacees, requeri-
ment is, pareccres dc commissues e emendas de que
fizerem mencao as actaj. Os annaes da assemblea
serao de^tribuidos pelos depu ados, logo que esli-
verem impressos e brochados, n> principio de ca-
da sessao annual; a mesa fara distribuir uma sy-
nopse impressa, dos praject03 e mais assuraptos
decididos na sessao anterior, bem como dos que
estiverem pendentes de resolncao da assemblea,
ou affectos as suas coramissoes. -Dr. Manoel do
Rego.
Urgente para se interroraper a ordem do dia
se deve entender aquelle uegacio caijoresulta-
do se tornaria nullo, e de nenhurn elfeito se dei
xasse de tratar-se iinmediatameate; porque nesse
caso a appruvacao da urgencia so tera effeito de
de obrigar a que na sessao seguia'e seja o negocio
iratado de prefereneia a qualquer outro.-G.
Drummond
* As commissoes do orcamento, forca pilicial,
constituicao e poderes, serao eleitaj, todas as mais
:erio noineadas pelo presidente da assemblea.
G. Diummond.
Nao >era admettilo reiuenmento de urgencia
para ser alterada a primeira parte da ordem do
dia-quando se discutir o projeclo do orcamento
provincial. -G. Drummvid.
A redaccao dos projectos de orcamento pro-
vincial, mun cjpal e forca policial aao sera submet-
tida a discussao sein que esteja previameate pu-
blicada no jornalda casa G. biummonl.
Aprasentado qualquer requerimento -sera es-
te votado -para ter lugar posteriormenle a discus-
sao do projecto que se.pretende adiar. (.'. I), um-
mond >.
E' sem debate approvada a seguinte emenda :
Art. i. Depois da palavra vtsta, diga se :
dos diplomas exhibidos -, supprimindo-se asou-
tras palavras do artigo. >
Entra em discussao oste aJdilivo :
Depois do art. 7 indua-se o seguinte artigo
Quando a raaioria de qualquer das commissoes
concluir sea par^cer pela anoallacao da eleicao
de qaalqner deputado, fie.nra o mesno pare'eer
adiado para ser votado depois da installacao da as-
semblea, na parte relativa ao diploma, cuja valida-
de for contestada, precedendo nesse caso discussao
igual a de qualquer parecer de commissao.
O Sr. .\aM-iu-i;:o Poa-tclla jusiilica
e mauda a mesa a seguinte emenda, que e apoia-
d.a e entra ccniunctamente em discussao a sendo
para isto designado o dia e.-pecial e conviJadoo
candidato a tomar parte nella >.
Encerrada a discussao, e approvado o additivo
com a emenda.
E' sem debate approvada esta emenda :
Art. 8'. Supprimam-so as palavras desde que
sera at6 secretario inclusive .
E' igualmente approvado o seguinte additivo
para ser collocado depois do art. 8' :
% Art ... Verificada a legalidade do- poderes,
se estiverem presenies depois um numero de me-
tade e mais um, se fara a devida communicacao
ao presidente da provincia, por iutermedio do seu
secretario, a quem st retnettora a lista dos depu-
tados pre?entes, pedindo ao mesmo tempo a decla-
ra^ao do dia e hora para a instajlacao da assem-
blea.
t Quando nao for possivel abrir-se a assernbiea
no dia marcada pela lei, ou no dia da convoca-
cao extraordinaria, por oio haver o numero exi-
gido de depulados, se fara saber ao presidente da
provincia, por inlermedio do secretario do gover-
uo, e o mesmo se praticara logo que o numero
estiver completo .
Entra flnalmente em discussao o seguinte :
t Art. 9. Substitutivo : no caso de morte de
deputado opcao por outro districto ou perda de
lug.ir por qualquer motivo, se fara ao presidente
da provincia a devida communicacao, para que
mande proceder a nova elei'.-ao no respectivo dis-
tricto .
Verificando-se nao haver casa, flea a discussao
adiada.
0 Sr. presidente designa a ordem do dia se-
guinte e levanta a sestl >.
Lra I'flllCSSUA, sem debate, a de n. 29 dasta
anno, que approva o contrato Dr. lieuto hui 4*^osta para acjasrueciu^e^&jr1
via ferrea do Recife a Camarii^ em 2' o de a. 24-
tanttm deste aWjo, quo revog* a lei u. eua-.ide 13 ram ani\|pjnados no dito trapicbe as ffencros con
voa 'de-nlaio da Sr. Maaoel do Reno, sendo nessa occasiaofMK
rado, com consenso da casa, o substitutiva que o
mesmo Sr. anteriormente aavia apresentado.
Finalnwtte oatron em *' iiTwmf n JMjm Hull
38 deste ana i, reformanda o ensino piMlico, a fo-
ram approvados osart^. l*e 2, orando s'bre Mas
materias os 9rs. Olymoie IIarquM*Juao Barlialho,
Portella, Manoel do Rego e CHB'Cavaba
rcjeitadas as emendas dos Sr*. ImmW do
Olympio Marques.
Ewrando era disoussaao art. g, recanhecendo-
se nio haver numero para votar, o ^r. pre levantoa a sessao.
A ordem do du para fcoje e: Mntinaacao da
antccedento ; 2' discussao das eraendas offerecidas
em 3* ao projecto n. 9 a r do do a. 40, anino*
deste anno.
ColK*orta.Por portaria 'da presMascia
da proviucia.de 21 do correule, foi nomeado co-
brador da collectoria provincial do municipio de
Ipojuca, o cidadao Siaiao Chrysoftomode. Sousa-
InxliJnlo Archeolasioo c rCivog;ra-
pliioo. Rcunin se hontem sob a presidenciado
Exm. consolheiro monsenhor Muniz Tavares, e com
assistencia do Dr. Jacintho da Sainpaio e dos Srs.
Torres Bandeira, Augusto Cesar e major Salvador
Henrique.
E' lida e approvaia a acta da antecedente.
Nao sa achando presente o Sr. ^eeratario (*erpe-
tuo, o Sr. i' secretario e substitue e depois de
dcclarar que, em earta particular ,lhe participara
o me;mo nno poder comparecer ; menciona as
seguintes off-mas Varioi ns. do Dturio de Per-
namhuco, pelo consocio Dr. Figueiroa, alguns ns.
da Provincia, Brmil Itlustrado, Sertanejo e Cw-
reio do Assii ; pelas respectivas redaccSes ;va-
rio sfragmentos de cachimbos de barro e diversas
balas de espingarda, objeclos encontrados nas rui-
nas de um forte no ponial de Nazareth, olTertados
pelo consocio tenente-coronel Antani i Juvencio Pires
Falcao ; cinco n?. do AuxUiador da Induslria Na
cionul de*l85'ta 18'j5, offertados pelo consocio
Torres Bandeira. Todas estas offertas saa rece-
bilas com agrado e mandam se archivar.
Vem a mesa uma proposta para admissio de am
socio. -A' commissao respectiva.
E' lido o segriinto bjlanco :
Anuo academico de 1873 a 1874.-3 trimes-
u-e de outubro a dezembro.
Reccita
Joias da socios 60^000
Subven^ao loOjOOO
Saldo em.30 desetembro 102ii7o
Costa Linaa, concessionario do trapiohe alfand
do denomjaado Canha, na cidada "lo e*,' 4L
rtara costfa os prejuizos quo tenaMMlo por .nao
dar a alftsWega da mesma eid-'da^aia >para se-
ser eatcndlda do inodo
para
Rs. 312M75
Despeza
Expediente 37il20
Ordeuado do amasuen?e 735000
Dito do coutinuo 60^000
Saldo em caixa 140/335
-=*" REVISTA DIARIA.
Nde 0 nobre deputado que Lao se pode pro-
priamente dizer que a approvacao de uma acta
: ja delibera<-ao, pois por este acto a assemblea
apenas reconhece a exactidao do qae se passon
na sessao, .-em poder nada modifiers ; em todo
cas) se e deliberagao, e toda eui generis ; e para
apoiar minha opiniao, ba-ta considerar que. como
derapnstrei, na camara dos depiladosdispensa-se
"'iinihante approvacao, como instil.
Quero que a assemblea estabeleca 0 precedente
em seu regimento, e propuz a emenda, por isse
me-mo que este 6 omisso a tal respeito.
_E' passive! ou nao gue no ultmo dia de sessao
nao haja numero legrt! ?
0 Sn. Tolextino lk Carvauio ; JJeste caso
nio pode haver sessao ; deve ficar para o dia se-
guinte.
0 Sr. Maxofx do Reg j : Mas boj nio po-
d-mos funccionar senio ate aqaclle dia.
OSr. ToLnmao df. Cahvai.ho : Peca-se pro-
rogayao.
OSr. Maxoel no Rego : Eniao 0 nobre de-
putado offereca uma emenda aeste sentido, roas
desde ja declaro que nao acho at eitavel 0 alvitre
de pedirmos prorogacao para encerrarmos os
nosaos trabalhos Supponha-se (jue nesse dia nao
lompareca 0 numero sufficieate de deputados,
qoal a consequencia ? Peair-se nova prorogacao
esperar-se ate qae os depuhdis queiram com
parecer ? Que inconveniente* nao resultarao de
MHUlhMie medida t
A idea que tem menos inconveniente ea^presen-
tada por mim, na qual nao vejo inconstitucionali-
dade, porque nao 6 mais do que estabelecer-sc em
lei um precedente qua ja existe.
Pode-se accresceular na minha emenda que a
assemble nao deliberara no ultimo dii de,,ges^ao,
ro'noc,S3 pratica eia-outras assemb!6as.
*rw p*a DauajioSb ::56a nao pods-
mos denberar sem estar presente metade e mais
um.
0 Sa. Manoej, do Rbgo : Enlao proponha 0
nobre depu'adp uma eraeoda pan eviiar 0 incon-
venioate ao uao poder fancciomr a assemblea,
por nao haver numero, no ultimo dia de sesao
0 qae 6 incontestf.ve! e" q(H .i prcjiso tomar
uma medida a respeito, e por isso eu apresentei
Assemblea provincial. -Hontem a as-
semblea funccionou com 31 Srs. deputados, sob a
presidencia do Sr. Dr. Aguiar.
Approvada a acta da ses*ao antecedente, 0 Sr. !
secretario leu 0 seguinte expediente :
OQleios :
Do secretario do governo da provincia, remet-
tendo 0 balanco e orcamento da reccita e despeza
da eamara municipal da ciiade de Goyanaa. A'
commissao de orcamento municipal.
Da camara municipal da villa do Brejo, recla-
mando contra as disposicdes da lei provincial n.
1,113 de 17 de janho do anno passado.-A' com-
missao de orcamento provincial.
Pelieoes :
De Joao Joaquim de Siqueira Varejao, 1 es-
cripturario da repartiQaodas obras publicas, pe-
dindo que sejam igualados os sens vencimentos
aoj de 2* escriptnrarios de qualquer das repar
tiedes provincial..V commissao de peticoes.
De Francisco Alves de Morses Pires Junior,
mordomo do asyb de mendicidade, pedindo aug-
mento de ordenado. -A' commissao fa ordena-
dos.
De Francisco Affonso de Oh'veira, pedindo 0 pa-
gamento da quantia ae 71/982, proveniente de
ordenado que deixou de receber seu failecido
pai, major Antonio Jose de Oliveira A' com-
rais-ao de orcamento provincial.
De Luciano Magalbaes Ribeiro, pedindo lhe
seja restituida a quantia que de mais pagou por
Alexandrina Theodcra de Barros.A" commissao
de orcamento provincial.
Foram lidas e approvadas as redacoSes dos
projectos m. 3 e 8 daste anno, e bem assim os pa-
reccres das commissOes : de posturas mnnici-
paes, approvacdo com um projecto as addicionaes
da camara municipal de Tacaratii, e de petico"es,
deferindo tambem com projecto, a peticao do pa-
dre Ignacio Francisco dos Santos, eujos projectos
foram mandados imprimir eonjunctamente csra
Uin outro, assignado por diversos Srs, elevando
a cathegoria de villa a povaagao da Pedra.
0 Sr. Drammond, obtendo a palavra pela ordem,
apresentou e justifieou nma indicagao, assignada
por lS.senhores deputado^, para que se represen
te a assemblea geral, pedmdo para que pelos cofres
geraes sejam pagos os empregado' da secretaria
da presidencia, a forca policial; as despezas com
os empregados da casa de deleocao, sustento e cu
rativo de presos e outras que tem sido consigna
da3 sob a verba seguranca publica ; congruas dos
ceadjuetores, fabneas e guisamentos das ina-
trizes.
0 Sr. Portella apresentou 0 jus'.iflcou araa,o*tra'|
iadicacio, pedindo que se represent ao gpv.erno
gpral, no sentido de serem I'^viotas as dausuias do
contrato addicional da capanzia, de modo que se-
jam afteodldcs os intcresses do comtnercio.
Ambas furara remottldas a comtnl!.|St,' fle cons-
tituicao e poderes para sobre cllas dar sea pa-
recer.
Passando a ordem do dia, foram approvados os
segaintes projectos:
Rs. 312/475
0 Sr. major Salvador Henriqce, obtendo a pa-
lavra, declara que 0 Sr. teneufc-coronel Antonio
Juvencio Pires Falcao, em cartt particular 0 in-
fonuara, para trazer a0 conhecmento do Inslituto,
que as ruinas de um forte qic existe no pontal
de Nazareth defroate da barn do Suape,. nao po-
deixar dia deser 0 baluarteque os hollandezes alii
ergueram, cpiando se assechorearaui daquelle lu-
gar, por onde entravam socwrros para os nossos fa-
migerados libertadores.
Accrescenta mais na sia informaclo ajuelle
Sr., que um barcaciiro Ike havia dito qae entre
as pedras da menci nalabarra, qua sedeuomiaam
Sombreira e Patricia, cuja distancia intermedia
e pouco mais ou menos do 70 metres; encontra-se
abaixo da superficie d'agua, uma especie de aii-
cerce cujas lages granges sao lavralas e presas
com gatos de bronze unas as outras; 0 que da a
entender que os hollandezes quando viram que se
nao pojiam alii susteutar, trataram de fechar
aquella harra, para de uma vez inutilisa la aos va
sos de grande porle, como actualmente acoulece.
0 mesmo Sr. major Salvador, continuando diz,
que trazead0 ao conhecimento do Instituto esta
informacao, eJle cumpre com prazer 0 pedido da
quelle nosso dedicado consocio, e pela que seja
lomada na devida consideraqao.
E' lido e adiada a votagao de um parecer da
commissao do admissao de socios.
E' igualmente lido um outro da mesma com nis-
sao, considerando socio effectrvo 0 Sr. Andre Fer-
reira de Almeida, quo deixa de ser correspon-
dente.
Submettido a votacao 0 parecer, e approvado
aquelle Sr. para socio effectivo.
0 Sr. presidente da para ordem do dia da pro-
xima sessao que devera ter lugar ns dia 7 de raaio
proximo : trabalhos e pareceres de commissoes e
leitura do relatorio sobro 0 pharol do porto lo Re-
cife pelo Sr. major Codeeeira.
Adsiiinititraruo do corrcio. Com 0
prazo de irinta dias, a contar de 21 do corrcnte,
acha-se em concu^^o 0 provimentode um lugar de
praticante, com as condicoes exaradas no edital
publicado no lugar competente.
i:x;in-s d'arma.-Por ordem do dia do
commando das armas da provincia, de hontem
datada, foram nomeadas as seguintes commissoes,
para examinarem praticamenle nas armas de Ca-
vallaria e infanteria, osoffleiaes inferiores e cade-
tes dos corpos em guarnicao desta provincia.
Para a arma de cavallaria, os Srs. tenente co
ronel Sebastiao Antonio de Rego Barros, e capitaes
Jose Joaquim. Codlho e Manoel Joaquim Ma
chado.
Para a arma de infanteria, os Srs. tenente co-
ronel Joaquim Cavalcante de Albuquerque Bella,
major Manoel d'Azevedo do Nascimento e 0 ma-
jor graduado Luiz Antonio Ferraz.
Aecidcnte. Hontem, pela raanha, 0 Sr.
Luiz Francisco Lins de Albuquerque, ourives es-
tabelecido na rua das Larangeiras, ao passar pela
rua Estreita do tiosario, aconteceu e?corregar
com um pe de maneira tal, que deu uma qneda,
da qual resultou-lfie a fractara da coxa direita.
Companlila pernnmbneana. No
respectivo escriptorio paga-se o nonodividendo, na
razao de tres por cento ou 65OOO por accao de
200/000.
Os Srs. accionistas da nova emissao de ac-
cSes, que somente realisaram a 1" prestacao de
20 % sobre 0 valor subscripto, devem ir depositar
a 2* prestacao na mesma razao, dentro do prazo
de 3u dias. a contar de 23 do corrente, no escrip-
torio respectivo
Reuniao social. No dia 28 do corrente
deve haver sessao ordinaria da sociedade dos Ar-
listas Mechauicos e Liberaes, atlm de traiar-se de
negocios urgentes de interesse social.
Vrillaoa arbanw de Olinda. Nao
tendo comparecido numero sufBciente de accionis-
tas desta companhia para se realisar a sessao da
assemblea geral no dia 22 do corrente, foi ella
adiada para. 29, as 2 horas da tarde, com 0 numero
que comparecer.
e lutuMJUte Mtni;.s para 0 racolhlrmoTo dos gena-
ros da citaia Mbella aos entrepitos parliculares;
devendoseproeeder de raolo que nem se annulle
a dispnsicaa do artigo 134 do dito regolamento,
nem se negne a esses entrepostos e trapiehes al-
fande.?adososiepo3itos qae possam receber, sem
prejuizo da fiscalisapio e com vantagem
0 commercio.- ViseoddBio Brawn.
L< ihio -Hoje, eirectuara 0 ageate Dias, am
freate ao ediffcio da companhia pernambucana,
onde se acha funrJeada, 0 leilao de uina barcaca
muito bem construida, cuja carga e de 600 saccos.
0 leiao e as 11 horas.
Casa de detencao.Movimento da casa
Je detencao do dia 22 de abril de 1874.
Existiara presos 350, entraram 6, sahiram 4,
existem 352.
A saber :
Naeioaaes 272, molheras 9, estrangeiros 28,
eicravos 38, escravas 5. Total 332.
Aiimentados a cusu dos cofres pnblieos 282.
Movimento da enfermaria no dia 22 de abril de
187*.
Teve alta :
Manoel Chaves Camello Lima.
Manoe! Antonio de Andrade.
LoteriaA que se acha a venda e a 97.a a
oeneficio da jgreja de S. Gjugalo, a qual corre ao
Cemiterio publicoObituario do
de abril.
Jos6, sirai-branco, Pernambuco, 1
cife; variolas.
Ignacia, branca, Pernambuco, S. Jose
nascer.
Auta, parda, Pernamcuco, 1 yi annos, S. Jose ;
variolas confluentes.
Manoel, pardo, Pernambuco, 3 mezes, Boa Vis-
ta ; febre lyphica.
Alfredo, pardo, Pernambuco, 21 dias, Boa-Vista;
colica.
Jese", pardo, Pernambnco, 17 dias, Santo Anto-
nio ; espasmo.
Jose, pardo, Pernambuco, 10 mezes, Boa-Vista;
pneumonia.
Marcolino, pardo, Pernambuco, 9 mezr-s, Boa-
Vista ; variolas.
Apolinaria, preta, Pernambuco, 1 dia, Boa-Vis-
ta ; espasmo.
Anua Maria da Conceicao, parda, Pernambuco,
ignorasea idade, viuva, Santo Antonio; tubercu-
los puimooares.
Antonio, escravo, preto. Parnambuco, 44 annos,
solteiro, Boa-Vista; tuberculos pulmonares.
ierapjadfes na ubella it. 7 do regufaniento de 19
da-setembro de i860, declara ao r. inspector da que alt0 lirmoa, seja registpado, segundo o-dis-j
thesourana de fazenda da provincia de Pernamba- po-to no decreto n. 4 394.
co, para^sau conhecimento, 0 0 fazer constar Da Joao Francisco Maia e Luiz Jose Monteiro,
!l!^Tr!3Hf*',,que a c,aa addicional eelebrado com a empieza das eapau- registro pedido na fonna it decreto n. 4,394.
ziai e obras dMta ultima repartlcao, eia virtude De Antonio Maria Fernandes Silva e Francisco
r de 26 de raarco de 1873, deve Guedes de Aranjo, r^jlstro do contrato qua eele
lao ia aegaem abso- traram. Como req'WPMB, assignado; os exempts
dia 22
'*' annos, Re-
ao
fcs do contrato pelas testerauahas a que elle se re
re.
- De Duarte Antonio de Miranda, cidadao portu-
Iam, impetrando mitrieula do- commerciante.
diado a reqaerimeolo do 3r. daputado Lopes Ma-
diado.
0 tribunal resolveu, sobre proposta do Sr. se-
cretario Ulmto Bastes, que -se faca 0 edital do
estylo, a rsspaito da raga deixada no numero dos
corretires pela exoneracio solicitada pelo cer-
retor Gon$alo Jose Alfonso, a-t-ue ooneodida. -j
Igualmente resolveu que se participasse a de-
missao concedida a junta dos corretores,
Nada mais havendo a despachar, 0 Exm, Sr.
conselheire presidente encerrou a sessao ao meio
dia.
PARTE PQUTICA
EM SK111M> < O \ S1; K \ v uei<
KKGIFE, 34 DE ABRIL DE 1874.
XI
0 contrato Agra foi 0 ultimo artigo.
Nem os defuntos escapam aos bravi da Pro-
vincia I
Diz a doutrina qne 0 dar sepultura aos mortos
e obra de misericordia.
Tobias, assim praticando, se tornou agradavel
a Deus.
Se, pois e obra de misericordia, deve pertencer
a Misericordia este servico.
Foi isto o que de ha muito pedia um distincto
ex-provedor da Santa Casa, foi isto 0 que a as-
semblea provincial decretou.
E' isto 0 que no Rio
belecido.
O
rgaos da rcspira^io e da gar-
ganta, comphcadas com affecc5es escrofulosas.
JUNTA DOS CORRETORES
Praea do Recife, 19 Ue abril
dc 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE
COTACOES OFFIGIARS.
Algadao do PHar sem inspeceao 7,200 por 15
KTT95.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 25 7i8 d.
por 1/000, do banco, hontem e hojc
Dito sobre dito a 90 d|v. 26 d. por 1/000.
Cambio sobre Paris a 3 d|v. 375 rs. 0 franco,
- do banco, houUtm.
Cambio sobre Lisboa a 90 d|v. 101 0|0 de
premio, hontem.
Cambio sobre 0 Porto a 90 djv 103 0|0 de
premio
Desconto de letras 11 OiO ao anno, hontem.
B. de Vasconceilos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
e em Franca esta esta-
Ageiite postalPor porlaria da dirccto-
ria geral dos correios, da 9 no corrente, foi no-
meado Elisio Villar da Silveira Villa-Secca agente
do correio na freguezia de Timbaiiba, em Per-
nambuco.
Sauto Auiao.-Recebemos hontem 0 Mu-
nicipio, jornal da cidade da Victoria, de 11 do
corre nte.
Falleceu alii, no dia 31 de marco, Jose Pedro
de Alcantara, membro do partido conservador.
No trimstre de Janeiro a marco ultimo, a agen-
da postal deasa cidade arrecadou 31/000, sendo :
Prouuclo de sellos 26:000
Ditos de correspondent estrangeira i/800
Ditos de dita brasileira ^200
camon de Orleans.Amanba deve estar
em nosso porto esse vapor, porque entrara hon-
tem no de Maceio, donde devia sahir hoje as 4
horas da tarde.
Pasuanaenfo.Falleceu hontem, victima de
erysipela, 0 Sr. Franeisco de Oliveira Mello e
Silva, que exercia o emprego de tbesoureiro da
alfandega dosta provincia.
Con^resao litierario. Hontem (23)
rimniose esta sociedade sob a presidencia do Sr.
Pacheco.
Foi dada a palavra ao Sr. Moreira Alves, para
discutir a these para que foi sorteado:
Quaos as vantagens e desvantagens d'um seoa-
do hercditario ? Quaes as vanlagens a desvanta-
gens d'um senado vitalieio, eomposto como 0 nosso-
de um numero iimitado de seaadores ?
Tomam parte na discussao os Srs. ^ilva Mar-
ques2 Bosa e Silva. Pdtfla Vessoa e C. de Araujo.
Procedeu-sea sorteio, sendo sorteado 0 Sr. Ar-
< ttKOim'A JiiEMfltAlttft.
Tribnnal do co:u:uerclo.
ACTA DA SESSAO DE 20 DE ABRIL DE
1874.
?RESIDENCIA DO EXM. SB. CoNSELHEIHO A.NSELMt.
fBANCISCO PERETTI.
A's 10 horas da mauha, presentes os Srs. de-
putados, secretario Oliuto Bastos, Lopes Xlachado,
Alves Guerra e supplente Sa Leitao, e bem assim
os Srs. supplentes Hermino Egydio de Figueiredj,
Joao Chrysostomo, Goncalves Rosa e Francisco
Joaquim Ribeiro de Brito, S. Exc. 0 Sr. conse-
Iheiro presidente abrio a sessao.
Foi lida e depois approvada a acta da ses-
sao de 16 do corrente.
BXPEDIENTE.
Oaicios:
Da junta dos corretores, acompanhaado 0 bole-
tini das colacdes cfQciaes da seinana de 13 a 18 do
corrente. Mandou-se archivar.
Do inspector da thesouraria de fazenda do Rio
Grande do Norte.Informe a secretaria.
DESPACKOS.
Requerimentos :
De Domiogos Jose da Cunha Lages, portuguez,
commerciaole matriculado, estabelecido nesta ci-
dade, impetrando uma maratoria por um, dous e
tres annos, vislo achar-se na impossibilidade de sa-
tisfazerdajironpto os seus compromissos. Autoa-
da a peticao pelo official Torres, designado para
escrivao deste processo, 0 tribunal noraeia os cre-
dores Matheus Austim A C. e Henry Forster Sc C,
afim de veri'icirem a exactidao do balango apre-
sentado a vista dos papeis e livros do impetrante,
nostermos do art 899 do codigo commercial e man-
da que se expeja a ordem de que trata 0 referido
artigo. -Ao Dr. juiz de direit0 especial do com-
mereio para proceder as diligancias do que faz
mencao 0 arugo a que se allude.
De Goncalo Jose Affonso, corretor geral desta
praca, pedindo saa exoneracao, attent0 0 seu estado
gravissimo de molestia.Como requer, Ucando
subsistindo a fianca duraute 0 prazo legal.
He Manoel da Silva Maia, fiscal da moratoria de
Antonio Joaquim de Vasconceilos, pedindo sua
exoneracao.0 tribunal, deferindo a presente pe-
ticao nomeia 0 creior Domingos Alves Matheus
para substituir ao supplicante, sendo a mesma pe-
ticao, junta ao processo respectivo e expedindo-se
as nescssarias communica^oes. Foi secretario
ad hoc 0 Sr. supplente Sa Leitao.
De Luiz Jose da Silva Guimaries, solicitando
baixa em a nomeacao deseu ex-caixeiro Francisco
Alvaro da Costa. -Como pede.
De Moreira Halhday & C, para certificar-se-lh.es
0 contrato antenupcial eelebrado entre Manoel Jose
de Souza Tmoco e sua mulher D. Joanna de Aze-
vedo Parente Vianna. Passe-se a certidao reque-
rida.Foi secretario ad hoc 0 Sr. deputado Lopes
Machado por impediment do Sr. Olinto Bastos.
De Vaz Junior & C, trjzendo para registraWe
a procuracao junta.Seja regTstrada.
De Carlos Luiz de Hagaihaps, pedindo certi-
dao do contrato social de Braga & Silva.De* se a
certidao requerida.
De Luiz Domingues de Souza Moutinho, submet-
tendo a registro a procuracao inclusa.Defe-
rido.
De Hawkes A C, requerendo que se regislre a
nomeacao de seu caxeiro despaehante Israel Af-
fonso Ferreira.-Na forma requerida.
De Francisco Manoel da Silva & C, apresen-
taiJo para regislrar-se a nomeacao que deram a
seu caxeiro despaehante Manoel Goncalves de
Queiroz e Albuquerque.Como requerem.
De Jose Maria Palmeira, solicilando 0 registro da
nomeacao de Lucio da Silva Anluaes para caxeiro
despaehante.Proceda-se ao registro pedido.
De Joao Fernandes Lopes, Agostinho Luiz Alves
de Britto e Gaudino Ernesto de Medeiros, satisfa-
zendo 0 despacho de 9 do corrente para ser regis-
trado 0 distrato da lirma Heal, Britto & C
Sim.
De Antero de Mesqnita, Joao Francisco Roque
e Ang elo Roque, para registrar-se 0 incluso con*
trato. Vista ao Sr. desembargador fiscal.
Informacao da secretaria, para ordenarse a
emenda do contrato de Joaquim Antonio de Car-
valho A CProcede a duvida da secretario.
Idem da mesma, sobre a pratica que se tem se
gui<"o na secretaria com a extraccjio das cartas de
rehabilitacao dos fillidos.Torne a informara se-
cretaria, declarando qual 0 motivo pelo qual ex-
trahiose uma so carta de rehabilitacao para Joao
de Aquino Fonceca e Joao Ferreira dos Santos Ju-
nior, membros da extincia-flrma Ronceca & San-
tos, contra 0 precedente de se dar uma carta
a cada um do3 membros rehabilitados de uma
lirma fallida.
COM 0 PABECER FISCAL.
Petigoes :
De Manoel Maria Vieira Franca e Casemiro Jose
de Freitas Guimaries, registro do seu coatracto.
Satisfa^am a exigencia do parecer fiscal.
De Paulino Jose da Costa Amorim e Eduardo
Augusto Ignacio Moreira, registro do inclnso con
trato.-Satisfacam 0 parecer fiscal.
De Francisco Ignacio Ferreira e Manoel Jose
da Costa Pereira, registro do contrato junto.
Satisfacam 0 parecer fiscal.
De Antonio de Oliveira Maia, Joao Goncalves
Torres e Jose" Urbano da Costa Carneiro, registro
do seu eontrato annexo. Registre-se 0 contrato
junto, nos lermos do decreto n. 4394.
, De Luiz Domingaes de Soaza Sloutrnho, Anto-
nio de Oliveira Maia, Joao Goncalves Torres e
Jose Urbano da. Costa Carvalho, rettistro do
contrato Agra, ptjrem, serve de projectil de
ataque ao presidente I...
"Em qne soffre 0 povo com esse privilegio ? Que
impnrta que seja Pedro ou Paulo qae fara a con-
dnccao do cadaver f Sera cousa nova a taxa para
os caixSes, etc. ? Por certo que nao I
Nao ha esbulho, nao ha desapropriacao. 0
unico estabelecimento qae bavia alem do contra-
tante, foi mandado indemnisar, e 0 beneficio do
privilegio reduzido em proveito da Santa Casa que
e de todos, porque a todos interessa.
De mais, porque essa guerra $6 ao presidente
quando tantos hao concorrido. 0 presidente san?-
cionou a lei, porque achou conveniente, fez 0 re-
gulamento no cumprimento de seu dever, entro-
tanto so a elle se increpa. E' cdebre I
XII
Conclaida a cantrariedade convem que demos a
prova, esta a produzimos nas leis que ci'amos, nos
factos que allegamos, nas razoes que mostrames :
restam as razoes finaes.
Essas se reunem no anligo rifao : 0 odio ve-
Iho nao canga segnndo 0 qual tado serve a
uma systeraatica opposican.
Nao se pode perdoar ao ex-juiz municipal de
Goyanna estar assentado na cadeira presidencia!,
e occupal-a dignameute.
Todos os odios vclhos se juntam as pretencoes
indebitas, as esneculac5es contrariadas, as patotas
mallogradas.
Se 0 actual adminislrador em vez de a'.tender
ao bem publico, se lornasse 0 instrument de mes-
quinhos interesses individuaes ; sj em vez de
seguir uma politicade largas vistas, seguisse aquel-
la que como a dos provincianos se lnnita as aca-
nhadas de faccio, seria entao um adminislrador
comm'il fnut, e mereceria 0 applauso dos provin-
cianos.
Que imports que basque augmentar sem vexa-
me a reccita; diminuir sem prejuizo do servigo
a despeza ; qae busqne melhoramentos reaes,
como coniratar estradas.que deem facil sahidaaos
productos; favorecer a lavoura ; propagar 0
ensino ; fundar estabelecimentos pios e colonias ;
fazer effectiva a accao da justiga; procurar e fa-
zer valer 0 inerito ; respeitar as opinioes, e so
combater 0 crime, 0 mal e a desordem ? Tudo
e so 6 nada, tudo isso esta aqaem de um monte de
iscorrego, de que fallou Agripa I
0 adversario, apezar da guerra mesquinha c
desleal, 6 mantido em seu lugar ; ainda mais, e
chamado a exercer func*5es, e entretanto, aquelle
que assim pratica 6 aicunhado de violento I
So por factos graves sao dadas demissoes, algu-
mas das qmes exigidas pelos proprios provin-
cianos, ate a vespera le serem ellas dadas, e 0
presidente e accusado de tresloucado I
Accessivel a todos, 0 actual presidente presta
ouvidos tanto ao poderoso como ao fraco e desam-
parado, e 6 ainda accusado 1 E' quo 0 odio e
cego, e a paixao ruim conselheira I
Pois bem, como ja dissemos, a provincia em
socego, confiandu em sua administrate, responde
a grita dessa meia duzia de homens que nao
podem soff er quem transtorna os seus calculus.
Os tribunaes julgando os actos do actual presi-
dente, dicidindo que elle bem mcreceu da patrta,
condemuam aquelles que 0 accusam.
Esse individuo que se pinta com as cores as
mais negras, fa- calar por seus ctos seus gra-
tuilos desaffectos, afasla as aves de rapina, contem
os desordeiros, fazcurvaro poderoso tucado pela
lei, impoe respeito ao apaixonado faccioso e e lao
aceito da populacao, que, a seu pedido, a sua voz
consegue da publica philantropia, mei's bastantes
para erguer um vasto hospicio para os alienados,
e fundar uma importance colonia para os or-
phaos.
Em sua administracio, as estradas de ferro se
desenvolvem, o telegrapho electrico torna-se uma
realidade, e outros melhoramentos se farao visi-
veis.
Insultai-o; 0 temp) vos obrigara a fazer-Ihe
justica.
Como elle, um outro pernambucano, ja foi tam
bem insultado e calumniado; mas hoje vos raes-
mos considerais 0 conde da Boa-Vista um bene-
merito pernambucano, a quem muito deve 0 seu
torrio natal I
Como elle, 0 actual adrainistrador, pode dizer
affoitamente :
E desta gloria so Pico contente
Que minha patria amei e a minha gente.
4LFANDEGA.
Rendunento ao dia la 22. 69't:136^796
(dam do du 23 28.9ia^829
723:082/623
Descarregam hojs 2i de abril de 1874.1
Patacho inglez Gerda mercadorias para al-
fandega.
Barca franceza Inlrepide Corse mercadorias
p3ra alfandega.
Vapor nacional Gatton de Orleans (espe -'
rado) gen^ ros nacionaes para 0 Irapiche
Dantas.
Vapor francez Ville de Santos (esperad)
mercadorias para alfandega.
Brigue portuguez Cotele varios generos para
0 trapiche Coneei;ao, para despachdr, e
vinho para deposito no trapiche Cunba.
D2.UPACH0S DE EXPORTACAO NO DIA 21 DB
ABRIL DE 1874.
Para os portos do exterior.
No vapor ingiez Pire Quen, para Liverpool,
carregou: M. Lathan A C. 370 saccas com 28,239
kilos de algodao.
No navio nacional S. Luiz, para 0 Rio da
Praia, carregou : J. B. Moreira 2,000 cocos (fructa).
No navio hsspanhol Marian 1, para 0 Rio da
Pr?ta, carregou: H. B. Oliveira Junior 400 barri-
cas com 47,6i0 kilos de assucar branco.
No lugar francez Rio Grande, para 0 H ivre,
carregou : E. A. Burle A C. 200 couros salgados
com 2,400 kilos.
Na barca portngueza Victoria, para Lisboa,
carregou : A. Loyo33 saccos com 13,000 kilos.de
assucar branco ; P. Carneiro & C. 363 couros sal-
gados com 4,368 kilos.
No brigue portuguez Bella Figueirense, para
Lisboa, carregou : E. R. Rabello A C. 730 saccos
com b6,350 kilos de assucar branco.
No lugar portuguez Julio, para Lisboa, car-
regou : T. A. Fonseca & C. Suceessores 200 sac-
cos com 15,000 kilos de assucar branco.
No navio portuguez Lisboa, para o Port),
carregou : T. Livio Soans 173 saccas com 15,620
kilos de algodao.
Para os portos do intertor.
Para 0 Rio Grande do Sul, no navio nacional
Alianga, carre^on : M. L. Paes Barrelo 161 bar-
ricas com 18,390 kilos de assucar branco.
Para 0 Rio de Janeiro, na barca portugueza
Eeliz Uniao, carregou : P. Vianna & C. 400 bar-
ricas com 30,000 kilos de assucar branco.
CAPATA21A DA ALPANDKGA
Rendimento do dia 1 a 22. li:974/368
idem do dia 23 :-53/224
15:327/892
VOLUMES
a 22. .
No dial
No dia 23
.-'runeira porta .
?egonda por*a .
Tbrceira poria .
Qaarta porta .
frapiche Conceicao
SERVICO
vl>arengas descarrej
alfani
No dia 1 a 22.
No dia 2:1.....
"o trapiche (ionceicao .
SAH1DOS
23,92
326
49
609
1,071
25,975
MARITIMO
cadas no trapicbe da
lega :
6ft
62
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCC
Aendimenlo do dia 1 a 22. 43:220/108
dera do dia 23 .... 2:618/172
45:838,380
CONSCLADO PROViNCIAi
Rendiraento do dia 1 a 22.
Idem do dia 23.
fit
UBLICAC0EI 4 M01I
1 ""-
., registro do sen
lindo, qae escdneix a seguinte fhese: dis'jaio.Faca-sff 0 registro de conforraidada com
Qual amaMMdrmaoeieioao dwectt,-in- 0 decreto n. 4,334."
directa ou 0 suJ&jaaip^Qiv^raal ? De Luiz Manoel.Sirups Junior,JflapAJves Men-
Declsao aqfm|us. -Pelo minislerio da des da Silva e Joao fcrefra da Stfvelra, registro
fazenda foi evneflido D mmte aviso : dodtstrajo que juatam.-Registre-se ,0a forma do
t & 48.-MJBisjeclo dos negocios da Tazenjla.- decretou 4,391.
Rio da Janeiro,'21 de marca: de 18740 .visconite De Jbge Fernandes Gomes e Antonio Jos^ Bo-'
do Rio Branco, presidente do tribunal do thesouro drigues Cardoso, registro do distrato social f3e
nacional, deferindo a pe:icaoem jne /eronymo da Gomes & Cirdoso.lalorme a sscrelaria, decla-
Paquetc nacional Parana
AGRADECDIENTO
Nos abaixo assignados, passageiro3 vindos da
corte, para esta provincia de Pernambuco, a bor-
do do vapor Parana, cumprimos por meio deste,
um dever, agradecendo aos Illms. Srs. Cypriano
Antonio Quadras Junior, commandante, e mais of-
liciaes do mesmo vapor, as maneiras atten-
ciosas e delicadas com que nos trataram du-
raute a viagem, revellaniio asim 0 lino cavaloei-
rismo deque sio dotados.
Os abaixo assignados pedem descolpa aos illus-
tres cavalneiros que comp5e a officialidade do va
por Parana, se Hies offendem a modestia com esta
espontanea manifestacao.
Bordo do Parana, 17 de abril de 1874.
Jeronymo da Costa Lima.
Jose de Carvalho Cesar.
Francisco Jose CArneiro.
Alferes Mariano Jose Pereira da Silva.
Antonio Scares Guimaraes.
Joaquim Victorino de Souza Cabral Junior.
2 tenente Augusto Menezes V. Drammond.
Cussy Juvenal do Rego.
Alferes Luiz Gonzaga de Lyra.
Alferes Antonio Augusto Fernandes \dao.
103:183*972
3:370i735
106:5544707
SEGUROS
IUKITIIIOS
Sent tlifferentes imitacSea do fl-
gado do bacalhuo. se vonde
como legltimas.
Mnares de doentes sao deste modo illudidos, e
0 rpelbor remedio que 3te hoje se tem' descoberto
para .as affecgoes pulmonares perae a sna repnta-
gao. 0 melfior meio de se evitar semelhantes im-
posicoe?re nao comprar-se 0 artigo, uma vex que
riao, seactja .garantfdo por uma casa respeitavel, e
iseoto dc t >la a suspelta, jie pode enganar. 0
qleo puro medicinal do baCalnao, de Lanriian 4
Kemp, tanto branco como.pre|p, goza de nnia re-
putacSo de superioridade em tcnlo heraispherio oc-
cidantal, "na Australia e na, Europa. .Na sua com-
posljao so se faz u*o dos flgados do oeixe fresco, e
pode-se conservar por utH tempo inaeffnllo em to-
dos os climas do mundo, A perfeila pureza da
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecida
aesta pra^a, toma seguros maritimos sobr*
aavios e seus carregamentos e contra fogo
em edificios, mercadorias e mobilias: na
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
AugustoF. dOIiveira 4C.
A casa commercial e bancaria de Augusto
j d'Oliveira & C, a rua do Commercio ns
42, encarrega-se de execu^ao de ordens
para embarque de prodoctos o de todos o-
mais negocios de commissao, quercommer
ciaes, quer bancarios.
Deconta lettras, e toma dinheiros a pre-
mio, compra cambiaes, e saca a vista e a
jazo, a vpntade do tomador, sobre as se-
guintes pracas estrangeiras e nacionaes :
Loud res. Sobre o union bank or
LONDON, 0 LONDON AND HANSEATIG BANK,
limited, e varias casas de 1." classe.
Paris. Sobre os banqueiros fouLd
& C, MARCUARD ANDRE & C. 6 A. BLkCQUE,
VIGNAL & C.
Haniburgo. Sobre os Srs. joao
SCHO BACK & FILH S.
Lisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SAUTOS & VIANNA, e SEBASTlAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre o banco uniao do porto
o Sr. joaquim pinto da fonskca.
Para. Sobre o banco commercia-
oe para, e es Srs. franoisco caudencio da
COSTA & FILHOS.
Maranhito. Sobre o Sr. jose i-er-
EIRA DA SILVA JUNIOR.
Ceara. Sobre os Srs i. s. de vas-
CONCELLOS.A SONS.
BabJa. Sobre os Srs. iiARiNaos & q.
Ilio de Janeiro. Sobce o *AJWW
INDUSTRIAL E 4IBRCANT1L, BAJCCO MACIONAL e
BANQUE BRASILIENNE FRANCAISI.
V
I-

}


**"
I
I^o^de -Beraamtiuo Sexte^feira.S* de AM

mWhi. AfcUW
segiirtfs m&Htimos e terjef*-
tres (istab^ecida. ua Bah a
em 15 de Janeiro em I8T0
CAPITAL 4,000:OQO000.
lomaaeguro d raorcaderias e dtahetra
t*co maritimftarajrtifii'de vela e vapoqei
^ara dentro e Mra do iraperio, assim come
contra fogo sobre predios, generos e fa
-ondas.
Agente: Joaquira ios6 GongalTes Beltrao
rut do Commercio n. 5, 1* andar.
COMPANHIA
Plienix Pernambucana.
Toma risoos maritiiQos em mercadoriae
fretes, dinheiro a risco efmalmente de qual
quer natareia, em vajwres, navios y4 ela oc
barea$as, a prernjos muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Segiiro coitra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON & GLCJk
INSURANCE COMPANY
Agente*
S^NDERSBROTHERSA C.
ll*Corpo Santo11
Capital
fundo
NORTHERN.
.... 20,000:0005JO(K
de reserva. 8,Q0O:OOO"J'OOi<
Agantes,
Mill* Latham & C:
RUA DA CRUZ N. 38.
Ao cello 300 rs. V. S.
Barros de Lacerda.
O conselheiro Ansajino FraiMsao, pfcr"Wcommen-
dador dajmperjBBtfem9t Rosa e da de Chris-
to, deajgfflfcrgaddNla relacao de Pernambuco e
presiaeu^o tribunal do commercio desta prj
vincia po^tfr Mr;o Iffiperador, aup&EB'
guarde-aMc.
Faeos^ber aos qne o presente edital virem, qae
fora, era virtude do decreto n. 53^0 de 10 de se.-
tembroae 1873, aatorisado o banco allemao bra*
sileiro, fundado em Hamburgo, a estajjelcer uma
agencia nesta praca do Recife, cujas operapSes se-
rao regulaoaa pelos estatutos poblicados no Jornul
do Recife de 21 de Janeiro do corrente anno, e
gob a clausula de submetler-se a adminlstracao
em tudo qua dUser respeito as nperapfimi ft(TAima.
das no iinperio, as leis e regulamentos que no
Brasil regem onvierem a reger as associates
desta uatureza ; qae dos ditos estatutos se ve qae
o mesmo banco gyra com o capital de vinte cinco
milhoes de Harks Reichsmuoze alleuiies, dividido
em vinte cinco ind accoes de mil Marks Reiohs-
munze cada.uraa ; e que a 21 do presents mez
fora pelo Exm. Sr. commendador, peesiiante da,
pro\ incia, constituida nesta praca uma agencia do
indicado banco.
E i>ara fitiBHlar, nm rninpiiaimin difcq4Ma^ate *
incumbido no artigo 15 do decreto n. 2711" de 19
de dezembro de 1860, mandei passar o presence,
subscript) pelo secretario, por mim assignado, a,
sellado eom o sello do tribunal. \
Dado i e passado na secretaria do tribunal do
jft*
se,
commercio da Pernambuco, aos 23 dias do race de '
abril de;1874.
E eu, Joaquim Olinto Bastos, secretario, o sups
Ansclmo Francisco Peretti.
crevi
BANCO COMMEDC M. M 8RAGA
Jorge Tasso
Sacca sobre este banco e suas agendas nas se-
guintes cidades e villas :
Portugal.
Pete delegac'a ,da po'icia dptermo dejOliD(la
se acham 9eposiradd3 na cocheira de Jo,s<5. Maria
da Lapa> a rua do Varadouro, dous cavallos, um
russo pequeno e-outro rowilw, o^mid s jui^arcom
direito aos nresmos compare;a a-esta detegacta, que
provandQ o legrtimo dominio, Ihe serSo entre-
gues.
Olinda, 22 de abril de 1874.
0 delegado,
Candido Enstaqtno Cesar de M*llo.
"SANTA CA5iA.I)AJUSERICORDIA,Dl)
Amarante Lisboa
Anadia Melgaco
Arcos Mirandella
Aveiro Moncao
Barca Pena-fiel
Barcellos I'inhel
Bcja Ponte do Lima
Chaves Porte-mao
Coimbra Porto
Coura Povoa de Varzim
C-Jvilba Regoa
Elvas Ta vira
Extremoz Valency
Famalicao Vianna
Faro Viila do Conde
Figueira Villa Real
Gaarda Yinhaes
Guimaraes Vizeu
Lagos Villa N. da Cerveira
Lamego Funchal
rayal.
Banco do Minho.
Joaquira Jose Gonijalves Fieltrao & Filho sacam
i-r i,dos os vapores sobrs :
Recebedoria do Pernambuco, 7 de abril
de 1874. |amj
Mahoel Carneiro de Souza Lacerda
RECIFEC V \"2
A Blma. junta administrativa da santa cssa di
Miaatieurdia do Recife, mauda fazer publieo qu
aa sala de suas sessdes, no dia 23 de abril pe-
las 3 horas da tarde, tem, de ser arrematadas a
quern mais vantagens offerecer, pete tempo de urn
a tm annos, as rendas dospredies em segntda
leclacadoa.
ESTABELECIMENTO DE CARJDADE.
Travessa de S. Jose.
Casaterrea n. 11......
Rua de Santa Rita.
Idem n. 32.......
Idem n 34 .....
Rua de Hortas.
Sebrado n. 84.......eSofOOO
boja .^. ,..,.; 216*000
Padre -Floriane..
Idem n. 49...... 7*>O0
Guma Poolas.
Gasa terrean. 114......382ff300
Rua da Alegria.
rdtm-O^W......\ 871*009
Ponte VHIta.
Idem n. 31.........156*000
WlfaKS Htrnitnn ^ V,
nn
201*000
250*000
216*000
.1U%KS HICniDO
"ejaJ^artyres^iBmtaiqaos, Ga-
f, iN'dgreiroS, Cineca, Roma
jJJ*!'LCi:)ruado Peia R'^0,"3 Ajothesa, lugoe cam-
fianaariMM *% Adores.
Sr. Tbeophilo.
Sr. Penaate.
0. Dorothea.
Sr. Silva.
Sr. Carvalbo.
D. Octilla.
D. Pbilomena.
Sr. A. Cesar.
St. Banns.
Sr. Correia.
Sr. Fiavio.
D. Octdia.
Sr. August j.
Sr. Lima.
Sr. Braga.
Sr. Lyra.
COMPANHIA FERHAMBCCAHA
DE
26...... .
99*000
209#pOL
Miillfl
Venda de prvdios
A Illra. jnnta admlitijtwnfra-dgjta Sat-ta Cant;
devidamente autorisada pela presidencia, ija. sala
de Htm Boecoog, pola6-3^4wtaa da-tarde do dia 2fi-f
do corrente, vende ou permula por apilices da
divida publiea os seguintes predios, pertencentes
ao legado de Joaquiai da Silva Lopes, de que I
adrainistradora : Forte do Ma'tos, metade do sor
najqyde 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco do
brado 3' parte do sobrado n. 1. por 2:666*666
rua da Guia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*. sobrado de um andarn. 30, por 2:000*|
dito meia-agua por 500* ; rua dos Guararapes^
casa terrea n. 65, por 1:100* ; rua dos Acougui-
nhos, cosa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Gam
pina, dita n. 3, por 400* ; rua da Soledade, dita
n. 72, por 700* ; becco do Teixeira, dita n. 5,
por 250* ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:000*000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia dc
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrignes de Souza
Idem n
PATRIMONIO DQS 01
Rub da Senzaira-ve!
t*s4ecaaa. 16. ....
'Becco.das Boias.
Sobrado n. 18...... 421*000
_ Rua da Cruz
| MM ado n. 14 (ftechadd). .... 1:000*090
|Rua do Pilar.
Uia,terrea a,.KX)Ji......t* 1*006
Rua do Amorim.
Idem. n. 34 H2*0QQ
Rua da Guia.
Idem n. 29 ........2M4Q0JI
Rna das Laraageiras.
ftlsaterrea n. 17. ....... 361*00/i
Os pretendentas deverao. apre*aalar noactada
ICa^aoEauos doi ie*pectiv.s hadoren, drtved.
pagar alem da renda, o prauiiu .ua.quaatia. em
aw^^sguco .{> preuio .que cuttiver estaimlati
mento commerciilv aasBBuepms o-'-sarnga-'da uta

iflflBliflJfijifli flni nnnralhug .
Secjetana d^ sapta.casa da. W^ricp^^ojte
'Afy l?*ae tBar^o o d; 1874.
0 escrivao
Pedro Bodrigues de Souza.
Anaiiia. Evora.
Aguida. Kale.
Aveiro. Faro.
Beja. Guarda.
Chaves. Leiria.
Elvas. Lisboa.
Amarante. Barcellos.
Goimaraes. Coimbra.
Covilha. Mirandella.
Melgaeo. Peualie
Portalogre.
Arces de val de vez.
Celorieo de Basto.
Caminha.
Maogaalde.
Ponte do Lima.
Pov a de Linhosa.
Villa- Nova de Portiraao.
HoBsao.
Ovar.
Porto.
Tavira.
Regoa.
Vizeo.
Figueira.
Lamego.
Estarreja
Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castello-Branco.
Espozende.
Oliveira de Azemeis.
Povoa de Varzim.
V ..nn a do Caste Ho.
Vlla-Xova de Faraalicao.
INSI'ECCAO DO ARSENAL DE
MARINHA.
Faz-se publieo que acommissao de peritos, exa-
minando na forma determinada no regulamento
annexo ao decreto n. 1,324 de 5 de fevereiro de
1854, os cascos, machinas, caldeiras, apparelhos,
mastreacoes, velames, amarras e ancoras dos va-
pores Coruripe e Ipnjuci, da companbia pernam-
bucana de navegacao costeira, acliou todos esses
objectos em estado de poderem os vapores conti-
nuar no servico em que se empregam.
Inspeccao do arsenal de niariuha de Pernambu-
co, 22 de abril del874.
Francisco Xavier Rodrignes Pinheira
Ajudante secretario do inspector.
Arm^pien^acpmpanhia per
nambuoana*
^eMur*o oonti a o f 'iinanhia peraambucana, dispondo de ox-
Loronel Bezerra
D. Violante
AJvaro
Anioma Xavier
Maria
Leonor
Jeronymo
Pedro Ivo
JoaorPaulo
Abreu Lima
Anna
Ignacio
Pedro
Ventania
Sant'Anna
0 prologo em 1W .
O-dNMaan- 1848 1849.
11- ei"Pr?za.r'0- P*r* agfadar ao reepeitavel pu-
uiioaa^Ma-^iia^e-tem monfndo o presente dra-
ma, com Jolp o esmero quer nas decoracoes, quer
noj-pessaal neeessariu, que deuianda de 60 pes-
so|6 mdjspensaveis para a e'xecuc26 do drama
Principiara as 8 1|2 horas
Sbmingo 2^ do corrente,
A> ft liorno da tarde.
Segunda represeritacao.
apor.
man-
A'.n H f|9 horas lianoile.
Tercejra ropresentagao.
i nm
A car
Villa do Conde. -
\as illhas.
Madeira, S. Miguel, Faial e Terceira.
i.OMPANHIA PERNAMBUC4.NA
BE
11avtgaflo costeira a vapor.
DIViDENDO NOXO.
Esta c impanhia paga o seu nono dividendo,
raeao de 3 0|0.
0 98 m^M
Navios sakido.i no dia 23.
Pi i to Ale'gre Patacho nacional Pluto, capitio
Joiio Xunes Marques, carga assucar e oulros
generos.
Rio Grande do Sul Brigue nacional Unido, capi-
tao Joaquim dos Santos Souza, carga assucar.
Observacdo.
Suspendeu do lamarao para o Rio de Janeiro o
brigue portuguez Ligeiro III, capitao Jose de Oli-
veira Nobre, carga a mesma que trouxe de Setu-
bal.
- m.
0 Dr. Subastiao do Rego Barros do Lacer-
da, juiz de direilo especial do commer-
cio, nesta cidade do Recife e seu termo
capital da proviucia de" Pernambuco,
por S. M. I. o Sr. D. Pedro II, a quern
Deus guarde, etc.
Faco saber ao3 que o presente edital virera ou
dt'lle uoticia tiverem, que pelos adrainistradores da
massa fallida de Antonio Jose dos Reis, me foi
apresentada a classificacao dos creJitos da dita
massa, a qual e a seguinte :
Relagao dos credores chirographarios da massa
fallida de Antonio Jose dos Reis.
Angusto Cesar de Abreu, 795*070.
Mello, Lobo & C, 2:274*2:10.
Lemos & Guerineau, l:7c7*690.
Francisco Gomes de Oliveira Sobrinho, 1-977*740.
Cramer, Frey & C,-2:234,1830.
Rabe, Schmmettau & C, I -.526*460.
Adamson Howie & C, 73(>*896.
Bastos & Silva, 2.050*500.
Monteiro, Gregorio & C, 7:919*790.
Carneiro & Nogueira, 2:184*560.
E. A. Barle & C, 2:672*520.
Bernardino Antonio Ramo.--, 593*328.
Antonio Manoel Ramos.
Relacao dos credores que nao apresentaram
titubs.
Joaquim Pereira Arantes.
Botica central.
Rodrigues 4 C.
Dr. Jeao da Silva Ramos.
Pereira Irraiios.
Augusto Porto.
Manoel Jos6 Monteiro das .Neves.
Keller & C.
Braga, Sowr A C.
CuQha&C.
Costa, Irmaos & C.
Roberta Lighthoran & C.
Felipps, Brothers 4 C.
Mendes, Azevedo & C.
Antonio Valentim da Silva Barrcca.
Thomaz Jefferes 4 C.
Jose Fernandes Lopes.
Severino Jose dos Santos Aguiar.
Machado & Brandio.
Joan da Cunha Pinto.
Jose Fernandes de Amorim.
Recife 30 de margo de 1874.
E por este edital sao citados os referidos credo-
res, para dentro de ciaco dias. contados da pu-
blicacao do mesmo, dizerera sobre a dita classifi-
cacao de creditos.
E para que chegue ao conhecimento de todos,
manaei fazer o presente edital, que sera publica-
do p8la imprensa e afflxalo nos lugares do cos
lume.
Eu, Prancisco Xavier de Souza Ramos, escrivao
nterino, subscrevi.Reci'e, 2 de abril de 1874.
TRIBUNAL DO COMMERCIO DC PER-
NAMBUCO.
lista secretaria faz constar que lia uma vaga do
officio de corretor geral desta praca, pela exone-
raf Jo conce 1 da a Goncalo Jose Alfonso, e quo o
meritissimo tribunal do commercio desta proviu-
cia, em sessao de 20 prazo de 60 dias, que seracontado da data da pri-
meira publica^ao do presente annuncio, para os
pretendentes se habilitarem ao referido lugar.
Secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco, 23 de abril de 1874.
0 oificial-maicr,
Julio Guimaraes.
SOCIETE FRANCHISE
DE
Secours Mutuels.
Messieurs les membres de la societe franchise
sont invites a se rendre a la reunion qui aura lieu
le 29 abril a 7 1|2 heures du soir au salon de
I'hotel de I'Europe.
Le president
E. Turpin.
Sjulii;
vast s armazer,s em seu predio ao for
te do Manos, "iferece-os ao commercio em geral
para deppsito de generos, garantindo a maior con-
servacaaidas mercadorias depositadas, servigo
prompto^precos modicos, etc.
Tambfli recolhera, raediante previo accord", ex-
clusivanijnto os generos de uma so pessoa.
_Estes afoiarens, alem de arejados e commodos.
sao inteiimente novos e asphaltados, isentos de
cupim, rijos, etc., etc.
As peaaoas que quizcrem utilisar-se destes ar-
mazens, jpderao dirigir-se ao esL-rip_tono da com-
panhia pernambucana, que acharao com quern
tratar.
Pela Ihesouraria de fazenda se declara que o
prazo m|cadp para o recolhiiiento das notas de
26 e50*aia quarta estampa, sem desconto, finda-
se, para as primeiras em 31 de malo, e para as
segnnda$em. 30 de junho vindouro, sendo que
dahi em diante serao trocadns com o desconto
mensal da 10 0(0 ate ficarem sem valor.
Secretaria da thesouraria de fazenda, 11 de
abril de 1874.
0 2 escripturario, servindo de secretar io
Carlos Joao de Souza Correia.
TBEATRO
Santo Antonio
Imperial sociedade dos artis-
tistas mechanicos e libe-
raes.
Por ordem do Sr. director convido a todos os
socios effeclivos a comparecerem a sessao ordina-
ria no dia 28 do corrente, afhn de tratar-se de ue-
gocies urgentese de interesse social.
Recife, 22 de abril de 1874.
0 1* secretario
P. Paulo dos Santos.
Companhia perna ubucana
de navegacao costeira a
vapor.
De ordem do conselbo da direc^ao, canvidc ao3
Srs. accionistas da nova emis.-ao de accoes desta
companbia, que somente realisarara a primeira
prestacao de 20 [. sobre o valor subscripto, a fa-
zer segunda entrada a mesma razao, dentro do
prazo de 30 dias, a con tar de hoje, no escriptorio
do Forte do Mattos.
Recife. 23 de abril 1874.
Jhomas M. Connan,
Gerente interino.
Companhia dos trillios urbanos
do Recife a olinda e Bebe-
ribe.
Nao tendo comparecido
numero legal de accisnistas,
para que podesse hoje func-
cionar a assemble.! geral da
companhia acima em sessao
ordinaria, como foi convoca-
da, foi dita sessao adiada
para o dia 29 do corrente as 2 boras da tarde e
no lugar do costume ; e entao funccionara com
qualquer numero dos accionistas presentes nos
term is do art. 11 dos estatutos.
Recife, 22 de abril de 1874.
0 "secretario,
Luiz Lopes Castello Branco.
Pela administracao dos correios desta pro-
vincia se faz publieo que se acha marcado o prazo
de 30 dias, a contar da presente data, para o con-
curso de uma vaga de praticante. 0 concurso tera
lugar na mesma administracao, e constara de
exercicios de ealigraphia e orthograpbia, arithme-
tic.! elementar, comprehendendo o uso do systema
metrico e nocoes geraes degeograpbia, de confor
midade com o artigo 38 do regulamento de 12 de
abril de 1865. 0 conhecimento das lingoas es-
trangeiras dara direito a prefereucia. -Os candi-
dates deverao provar com certidio nao terem me-
nos de 18 annos, nem mais de 30 annos de idade,
e apresentar certilicado medico de boa saude,
como dispoem os 1* e 2 do art. 40 do predito
regulamento.
Administracio dos correios de Pernambuco,
21 de abril de 1874.
0 admiuistrador
________________Affonto do Rego Barros.
0 administrador da recebedoria de
rendas interims geraes avisa aos contribuin-
tes do imposto sobre industrias e profissOes,
que 6 neste mez de abril que tem de ser
Sebastiio do Rego Barnes de Lacerda., j^o, sem rauKa, o 2. semestre do exerci-
Sabbado 25 do ccrrente.
Segunda representavao da comedia-drama cm 3
act .s, original brasileiro do actor Bahia :
Unas paginas dum livro.
A pedido, primeira represeutacao, este anno, da
comedia em I acto de grande successo :
Lima expiTieneia
fazendo a Sra. D. Emilia Camara o papel da visi-
nha Margarita :
Principiara as 8 1|2 horas.
NA EABRICA DE CERV.EJA.
N Borja
Qpmpanliia gymnastica dos Irmaos Ma-
eliado
Domipsp 2^ de abril.
De. p.5S*gera^ra. 0;i^iii^aoum^raiadi9
H TanallO cspejtaculo neste. Jia, que cons-
tara dos seguintes traloalhos.
Gymnastica, cqnililjrb, sallow
destoeaufci
Principle as 4 1/2 horas da tarde.
ENTRADA GERAL 1SO0O.
Os bilhetes acl.am-se a veada- no hfl|lel
Central e na fabrica no dia do eapfc-
taculo.
FERHANDO DE
0 vapor Man
dante Juln>, segnira pars;
o porto acima ao (Ua ''< do
maio as 11 horaa damanda.;
Hdeebe carga ate o dia 4,
eucommoodas, pasageiros e
inheiro a frete ate" as 10 horas do dia aa sahi-
dad: escriptorio no Forte da Mattos ii. 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
.lavegacuo costeira a vapor.
fARAITYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', AHACA-
TY, CXABl.
0 vapor Coruripe,
command ante Santos,
HagnirApata-o* por-
les-acima no dia M
> da- corrente, is 5
horas da tarde.
Recebe carga ate o'dia 28 corrente, encom
jiendas ale o dia 29, passageiros e dinheiro a
frete ate as 2 horas da tarde de dia da sa-
hlda : ascrlptorio no Forte ao Mattos n. 12.
Para> o Porto.
Recebe carga e passageiros o palacbo portoguez
Lid'td'jr, qne ponca dewora terav Tiata-se- ooni
E. R. RabeMo & C, a roa do Commercio n. 4*8.
Mil
IEH.8E&

QZS,
Kiim KiTi -fe wjz rfy- ^ --^fci; -
- -VU-^J^
3r-
Porto por Lisbon
I'retende seguir para os-re-
fer idos pottos com, poucos
dias de dem;>ra, a barca por-
tugueza Novo-Silenc'io, de 1.* classe, capi-
tao Eerreira, por ter maior parte de sua
carga prompta, e para que hes falta passa-
geiros, para os qeaes to:n cojimodos : tra-
ta-se com os cousignataiios Joaquim Jose
Gonralves Beltrao & Filho, a iua do Com-
mercio n 5.
A's 5 1|3 boras da tarde
Comedia-drama em 3 actos
DOMINGO
1|3 boras da t
ama em 3 actos :
Duas paginas dum livro.
Comedia e 1 acto :
Uma experiencia.
\'s 5 B['i boras da tarde.
THEATR0
PHliX D
mm
GRANDE SUCCESSO I
GRANDE SUCCESSO
Sabbado 25 do corrente.
Primeira represeutacao do drama original bra
sileiro em 1 prologo, 4 actos e 7 quadros, intitu
lado :
\inies Machado
ou
do roHtieiimado.
A
pelo Dr. J. B, P. Curte-Ral.
Ileiioiuinuf'iio,
Prologo.
1. Quadro0 caminho d'angustias.
2. Quadro-0 pacto desaoguu.
Priajeiro acto.
3." Quadro-rAtexpulfio.
Sgundd acto.
4." QuadroAnnibal, ou Scipiao 1
Terceiro acto.
5." Quadro. -Alea jacta est.
Quarto acto.
6. Quadro Fatalidade.
7. QuadroA aureola da gloria !
Cs qualro primeiros quadros passamse no Bj-
cife : o 1." em uma casa junto ao largo das Cii-
co-Pontas, o 2 no mesmo largo onde esta levanl-
do o
cum vi so
o 3." em casa do coronel Bezerra : ol. em casalo
desembargador Nunes Machado, o 5.* em ma
casa junto as mattas do Calucd, quartel geneal
dos rebeldes, na vespera do ataa.ua de 2 de fee-
reiro de 1849 ; a 6. em uma sala de uma caa
na rua da Soledade onde foi ferido e morto o mr-
tyr pernambucano
nuot;s machado
o 7.- quadro passa-se junto a cap ell in ha de Beim
na occAaiad em, quo os uoluntarias foram busar
o cadaver do infeu'z Xunas Macbado.
No final do quadro a vista dos espectadore a
capellinba transformar-;-ba ao tempio da
CJOIlPA^Ill.l MltASII.Illi 4
DE
NAVEGACAO A VAPOR
E'ortos do norte.
Ci>mman Anluaio i.. Teixeira.
E' esperadc Jos portos do tul at6 o dia 27 do
corrente e seguira (ra os do norte depoi3 da demo
ra do costume.
Heal .compaBUa de papetes in-
gleies a vap^
At6 o dia 27 do correnle^eaaerase da, Europa
o vapor inglez Douro, commaitdauie Thwaites o
qual depoisda.demora.do costaaw seguita para
liuenos Ayres, tocandw nos portos da Bahia, Rio de
Janeiro e Montevideo.
No dia Sft-da-correAle-, espera-so- dos portos do
sul o vapor inglez Boyne, cominandante F Refks,
o qualdepois.da demara do costaiowseginra para
Southampton, tocaudo nus.portos'-de S. Vicente e
Lisboa.
P*ai4sagen*, fe*l*4-*tt, trala-io na. agiineia,
rua do Commercio nv 40-.-
COMPANULA- PERSAAIBUCAiTA'
Dfi
GOYANNA.
0 vapor Mandahu,
commandante Julio,
seguira para os por-
tos acima no dia |.
de maio, a3 9 toras
da noite.
Recebe carga, encom nendas, passageiros e di-
nheiro a frete : as jriptorio no Forte do Mattos n.
Companhia Alliauca Maritiuia
Portucusc.
EMPREZA DE NAVEGACAO EKTBE PORTUGAL E 0
DKASIL.
BARCA PORTUGUEZ A
moreia, lour^as, joias de ouro, objeetcw rb
pratay ^ rico santuaria e outros moilos
artigos
Hoje
A'S 11 BORAS DA MANHX,
No sobrado n. 50 da rua do Biw Jesas,
primeiro andar
Um piano forte. 1 mobilia defaia, a medalbap.
1 dita de amarello, 1 mesa e'astica, toucidores
eadeiras avulsas, 1 rico faqueiro, colherea de Pra-
ia, concha, 1 apparelho de eleciro plate, marqne,
zio, 2'raarquezas, 1 espelho grande de rcoldnra
dourada, guarda-Testidos, guarda-luura, mesas de
pmhb, 1 bagatella, serpenlinas, f revolwer, 1 me-
sa para advogado, aparadores, loocas, jarros, pa-
res, de lanlernas, quadros, redoraas com llores,
serpentinas de bronze, toilette com lampos de pe-
dra, trem de cozinha, e outros aiuijs artigos.
0 agente Pinlio Borges, aulorjsado pelo Sr. J.
J. da Silva Pmto, vendera os moveis e oulros aii.-
gos aeima mencionados, os quaes foram iraospur-
tados da Passagem' para o sobrado acima decla-
rado. __________
Agente Dias
LEILAO
DE
uma magnifica barca ea

Este nsvio recebe, carga e passageiros para Lis-
q6a e Porto, devendo sahir dentro em poucos dias,
visto ja ter parte do seu carregamento contra-
tado.
Agentes e consignalarios
JOSE' DA SILVA LOYQ & FILHO
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poucos dias
de demora a barca portugueza Feliz Unicio por
ter a maior parto de seu carregamento engajado,
s para o resto que lhe falta, trata-se com os con-
eignatarics Joaquim Jose ooncalves Beltrao & Fi-
sho, a rua do Commercio n. 5.
aal-1 h rasda munha
Em frente ao edificio da companhia per-
nambucana.
0 agente Dias, competentemente autorisado, !e-
vara a leilao, no dia e hora acima designados,
uma magnifica barcaca armada a hiate, da 600
sac:os de assucar, com 2 ferros, amarras e mais
accessorios: esta barcaca torna-se recomraendavel
por ter sido bem construida e achar-se em perfei-
lo estado de conservarao.
Os Srs. pretendentes podera desde ja examina-la,
pois acha se fundeada em frente a companbia per-
nambucana, onde tera lugar o leilao, e para qual-
quer informacao a rua do Marquez de Ohnda n.
37, primeiro andar, escriptorio do agente.
LEILAO
DE
Libras esterlinas
Vendem Pereira Carneiro
& C.
Rua do Commercio n. 6.
Uskaa e Porto
\'ai sahir corn brevidade a veleira barca Lisboa.
Recebe carga o passageiros : a tratar com Tito
Livio Soares, rua do Torres n. ?0.
^
e mais artigos pertencentes a massa fallida
de Fa ria & Lessn
SEGUNDA-FEIRA 27 DO CORRENTE
as 11 horas
.\o 1." nnilnr tio Moltrado On rua do
Liiranit'nlo n. :}>
A SAB KR:
Uma mobilia de amarello, eomposta de 12 eadei-
ras de goarnicio, 2 ditas de balance, 2 ditas da
bra^o, 2 consolos, tampjs de pedra, t j.irdineira,
tampo de pedra, 1 sof.i, 3 pares de lanternas, i
candieiro a gaz, 2 jarros para flores, 1 espelho,
moldura dourada, 1 cesta, 1 toucador, tampo
de pedra, e espelho, 1 lavatorio, tampo de pedra,
e perlencas, 1 mesa elastica de amarello, 1
guarda-louga de dito, 1 aparador de dito, 12
eadeiras de faia, 2 commodas do amarello e ou-
tros mais artiges.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio desta cidade, o agen'.e Pinho
Borges fara leilao do que acima se declara, se-
gundo as formalidades do estylo.
Agente "Dias
c=s
Port tip* do
mhI. inclusive
Victoria
o da
GEARV
Commandante Alcoforado.
E' esperado dos portos do norte ate o dia 27 do
'.orrente e seguira para os do sul depois da de-
nora do costume.
Para carga. encommendas, valores e passagens,
rata-se no escriptorio da agencia
7 RUA DO VIGABIO 7
Pereira Vianna & C.
Agentes.
PHOGRESSO MARITIMO OB PORTO
Emprcza portuense de uavc^a-
cao a vapor outre Portugal e
o Irasil.
0 vapor
GARRET
Coinsunudante Toiunsini
A chegar do sul em 26 ou 27 do corrente de-
pois de pouca demora dentro deste porto, partira
para Lisboa e Porto.
Ainda fo contrata alguma carga e passagens de
terceira classe no escriptorio dos
AGENTES
E. It. RabcHo it C.
48 Rua do Commercio* 48
Porto por Lisboa.
Pretends seguir para os referidos portos, com
poucos dias de demora, a barca portugueza Novo
Silencio, de primeira classe, capitao Ferreira, por
ter a maior parte de sua carga prorapta ; e para
a que Ihe falta e passageiros, para os qaaes tem
bons commodos : trata-se com os consignalarios
Joaquim Jose" Goncalv(s Beltrao & Filho, a rua do
Commercio n. 5.

Pacific Steam Navigation Company
ROYAL MAIL STEAMER
aspera-se da Europa ate o dia 26 do corrente, e de
pois da demora do costume, seguira para Bahia,
Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos-Ayres, Valpa-
raiso, Arica, Islay e Callao, para onile recebera
passageiros, encommendas e dinheiro a frete.
Nao sahira antes das tres hora3 da tarde do dia
de sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
IiRUA DO COMMERCIO14
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
ROYAL MAIL STEAMER
PATAGONIA
Cominandante C. C. Brough.
espera-se dos portos do sul ate o dia 10 de maio
e depois da demora do costume, seguira para
Lisboa, Bordeos e Liverpool, para oude recebera
passageiros, encommendas, carga e dinheiro a
frete.
ei. B.Nao sahira antes das tres horas da tar-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Rowe A C
URUADO COMMERCIO-14
MA MM
0 lugre portuguez Julio pretetode saljir com to-
da a brevidade por ter quasi toda carga, prpmpta:
quern no mesmo quizer carregar ou, in de pas-
sages, trate com os consignatarios T. de Aquino
Fonceca 4 C., successes, rua dQ Vigar^. n, 19,
1. andar.
Companhia Franceza de Navega-
l^uO a vapor
ZAnha mensal entire o
Havre, Lisboa, Pernambuco, Rio dc
Janeiro, (Santos, somente na vol
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com baldeacao para oRosario)
STEAMER
VILLE DE RIO DE JANEIRO
to mni and a nte A. Fleury
- E' esperado dos portos do sul de 23 a 24 do cor-
rente, seguindo depois da indispensavel demora,
para o Havre com escala por Lisboa.
pava Uqiddacfio
DE
loip e vidros
AO CORRER DO MARTELLO
A retalho ou em lotes, a* v.ntade dos corn-
pradores
No armazem da rua do Marquez de Olinda n zo.
Megunda-fcira 9? e terca-feira
3$ do corrente
Comecara as 10 1|2 horas da manha.
0 agente Dias levara a leilao, nos dias e horas
designados, toda a louca e vidros existences em o
mesmo estabelecimento.
**
Sfi:; IS0S
-.-
B
Para
Para o indicado porto pretende seguir
com a possivel brevidade o patacho portu-
guez Azurara, por ter a maior parte de seu
carregamento engajado e para o resto que
lhe fal'a, trata-se com os consigftatarios
Joaquim Jose" Gontjalves Beltrao & Filho,
d rua do Commercio n. 5.
ARACATY.
Para o Aracaty vai sahir com muita brevidade
o bem conhecido hiate Joao Valle, para carga a
frete a tratar com Joao Jose da Cunha Lages, na
rua do Vigario n. 33, 1." andar, ou com o mes
tre a bordo era frente ao trapicne Dantas.
om negocio.
Vende-se ou arren 'a-se o grande predio
de um andar e sotao, silo na rua do Bispo
Sardinha, proximo da igreja da Misericoi ia,
na cidade de Olinda, tendo duas ioas salas
de frente, um salao no sotao, seis quartos
espacosos e frescos, uma grande cocheira,
quintal todo cercado de novo, e com (fiver-
sos arvoredos, uma boa foute d'agua, e
tendo gaz canalisado. Achando-se prepara-
do com tod s os moveis indispensavt is a
uma grande familia, serd assim vendid( cu
sem os moveis : a tratar nesta typographia
ou na rua da UniSo n. 49, sobrado, atraz do
paco da assembled.
ATTENCAO.
0 abaixo assignado estando de ronda a guarut-
cao no dia 22 do corrente, perdeu o rabicbo da
sella, de tranca do Rio-Grande do Sul, appare-
Ihado de prata : roga a quitn o achou o qucreu
do restituir, leva-Io ao quartel da Soledade quo
sera recompensado earn mais do valor da prata.
0 major Manoel Ferreira Escovnr.
Feiior.
Precisasede um feitor para tratar de um pe-
queno jardim : na B.)a-Vista, rua do Visconde de
Goyanaa n. 101, outr'ora Mondegp.
Herculano.
Fugio no dia 18 do correata o eicravo Hercula-
no, cor preta, idade de 30 annos, bastante alto,
chieo do corpo, tem falta de um dente na freof.
pouca barba, e quebrad-. o traz fun-la, e veio ha
pouco da Parahyba, pa/a onde se julga ter fii-
do : queni o pegar sera racompeusado, dirigiiw >
se a rua larga do Ros'ario, loja de calcados. d. wc
Ayjso.
Previne-sa as' pessoas que mandaram cobiir -<
concertar chapeos da sol no estenelecimeplu /.: -
a rua. Estreita do Rosarw n. 4 o favor ik vir m
bascar no prazo de 15 dias, findos os .;::
se admi*ira reclaipacao.
Be, 24 de abrri de I8?i.
--------------1-----------------------. i .------^I--------------z i
Cnado
Precisa se de um oriado para- servico de cnesa
e mandados, que se]a bqniem,da,bpBji.ustiius
e activo no seculea, preteriuAo-se.poxtdguez: ua
rua do Imperador u. 38, segund6'aMar.



I llfHIB



"I!.'"'!"
Diario de Penwmbuoo Sext* feira 24 de Abril de 1474.
CoHegfo prtioflar
DE
instriKMjao primawa para d
se:so femiiiHio.
D. Francelina Di rnellas Pessoa, achando se ha-,
biliuda a forma das leis reguladoras da ins-'
truccio public* da provincia, alrtra no dia 1.* de
main proximo itaturo, na casa n. "51 da roa do
fiarao da Viotoha, urn collegio, ,em que serio
recebidu ilumws pensionisUis, meio-penslonista*
e externas, afhn de se educaiem religiosa e civil-
mente, de se in^ruirem nas malarias de nm com
pleto curso eleroeotar, de se apliearom a ohm de
agulba e bo<* Jbalhar em Hurts, mediante uma.r.oavel remu-
neraclo. Os Srs. pais de familias podeilo desde
ja dirigir-se ao menciooado collegio, onde ser lhes-
hao dados os nacessarios esclarecimenXos e infor-
mac,des, e on4e eneontrarao aberla a matricula
para as educanias.
Recife, 15 de abril de 1874.
Os escravos Maria e Francisco, mai e filho,
pertencentes ao Dr. Lourenco Bizerca Carneiro
da Cunha, qua, depots de 9 mezes de .cadeia fo-
ram sollos, desappareceram levaado a preta com
sigo toda a roupa ,que havia tornado pa/a lavar ;
pelu que pede-se a policia a captura de ambos
qualquer que seja a razao que possara ajiresenur
para nao serem preaoa.
CASA DA FOIIIM.
AOS 4:000;iUOO.
BILHETES GAMMIDOS.
4.' ruo Prtmeiro de Marco (outr \ra rua de
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendu vc ndido nos sens fe
Hies bilhetes, urn meio n. 9.111 com 7005. urn
meio n. 643 com 2004, eoulras sortes de i"4 e
20# da loteria que se acabou de extrahir (tK>')>
convida aos possuidores a virsca reoeber na con-
fonnidade do costume sem descooto algum.
Acham-se a venda os telizes bilhetes garantido?
da 4* pane das lotenas a ienefieio da igreja
de S. Goncalo do Recife (97"), que se extrahira na
quarta-feira, 29 do corrente mez.
precos
Bilhete inteiro 4*000
Meio oil hete 2*000
111 PORClODE 1009000 PARA C1MA.
Bilhete inteiro 3/300
_r______Meio bilhete_______ 1/750
Cao perdido.
Desappareceu to itio do rorselheiro Jose Ben-
to da Cuuna Figueiredc. na Ponte de Uch6a, urn
qao preto,. alto, semelhante aos da Terra-Nova :
pnem o levar ao sobredit) sitio, ou ae armazem
a praca do Corpo Santo n. 1'i, sera bem recom-
censado_______
Cozinhar e engommar.
Precisa-se alu?ar uma esrrava que saiba'c*bzi-
nhar e engomm.T ; e para casa de pequena fami-
lia : na rua ilo Vigario n. 16, l.> andar.
Benwindo liigio.
- No dia 21 do corrente fugio o escravo
acima, tendo ns signaes seguintts : idade 25
annos mais uu menos, cor fula, cabellos
carapinhos e urn pouco crescidos, cabeca
cbata, estatura regular, urn tanto magro, e
tern no rosto bastantes signaes de bexigas,
usa de cbapeo de couro, e levou calcas e
camisa de algodaozinho : roga se a todas as
autoridades e capitals dec.rrjpo, queiram
apprebeuder dilo escravo, e leval-o a rua da
Madrede Dens n. 5, 1. andar, das 9 as 4
horas da tarde, ou & rua df Imperarnz n.
4, I." andar, que,serao recompensados.
Ut
AVcatentos eaKslusivos da Casa GBIMAtrj. *
CO
ViEX/i 1873.
Mbdalha be Mirito.
PARPS, RUA YIVl^NNE, 8, PARIS
A casa GRIMAULT^eC, cujos Laboratorios bSo dlrijidos pelo emlnente chymi
DOUTOR LECONTE
l^ofessor da Faculdade^emedicln^ae Paris. Ex-prepMtar do curso dc Physiologia do Claudio Bkrxhi no Collegio de Franca
CHAMA.A ATTBNCXO HE TODOB^S-1IBOICOS B DO PUBUCO POBRE OS rRODUCTOS SEGUINT8S QUB HBRBCKRiO BA EXPOSIClO DB VIBltNA
DUAS GRANGES MEDALHAS ESPECIAES DE HONRA E MERITO
Por sua etOeada constonte provada n5o somente nos Hospitacs de Paris, mas tamtam nos do mundo inteiro.
/As menstmajftes irregulares.
As cores pallidas......
O empobrecimentodo sague
As compleicdes debels. .
i Qfihoiphato de ferro do l^rs.
Xarope cTinho frrruginoso de quina
/ I i;rlmnl( e V-".
Vir!* 1873,-
Medalha de Mfiiito,
As nevralgias........
As ddres rheumatismaes.
As ddres nervosas, a gota.
Cnrtto-se eont
j 0XaropedecA/oro/(lol>rl.r*ne.
. 0 Xaropc de bromurelo depolat.uo de
f CirliuMMlt e C".
Os deOnxos..........
Os catarrhos pnlmoBsres.
dbs irritacOes do peito. .
As rouquidOes. ........
)i3srs-M eom
0'X#rupc- a I'ustti de seiva de .pi-
nheiro de l.agHsar.
As Pastillia*de sneco d'alface t lonro-
csreja de-GrlMiaalt e C*.
A diarrhea.....
A dysenteria. .
As collcas.......
As dores de vent re.
Curio-ie em
0 Proloxalalo de ferro de !' rard.
A Creme de bismulho de Grlmmilt
As molestias do flgado. .
As dores de cadeiras e co-
lic as nephriticas. .
. vCarfto-se con J
0 Xarope no Elixir de Boldo de Grl-
uiuuU < C*.
As Pilulas aniibiliosas de Podophilina
de GrlMMMlt e .".
Grande urgencia
Prccisa-se de uma ama que qneira aca-
bar de amameotar uma crian^a de am anno,
quom, pois, quizer fszer este negocio ap-
pareca no 3.'andar desta typographia, para
tratar com urgenci*.
Pede-se
fn?1"' J' lAh R- que,r? vir ao holer ft Apipuwz,
a negocio de sea particular interesse, e nao o U-
zendo s^ra chamado o sen pome por extenso.
rangeiras n. 13 : a tratar na rua do Marqnez de
Olinda, i andar n. 1. -
Precisa se de
rua Direita n. 10.
batedores : na refinacao da
As molestias contagiosas / -,
As blennorrhagias..... Cnr>seeem
As Injeccdes e Capsulas de Matico de
Olmault e C-.
As mas digestoes.....
As/altas de appetite .
O mis gosto na bocca. .
As d6res de estomago.
i CwKttSHBe com
As Paslilhas de lactatos alcalinos de
tiirlii 4a Rulmea.
0 Elixir eosPdsdigesiivosdePepsj'no.
j 0 Elixir c o \Viono de coca de Grl-
I maii4l <-.
As molestias do peito. .
A tisica...........
A laryngite..........
As affeccoes pulmonares.
CstrAo r m
0 Xarope de hypophosphito de cat de
GrlmaulC e <-1-.
As Pilulas de iodureto de ferro e man-
ganez de Burin dn Rulsson.
0 Oleo de figado de bacalhao ferrugi-
noto de Grlmaull e C".
As lombrigas.........
As con vulsdes na denticao
difflcil...........
(uif com
A s Pasi i I has verm ifugat de t rima
As P^slilhas de aumnita de
in mi it e C".
IKull)
rl- I
A amenorrhea
menstruac&o .
on falta de
hm com | As Cap;"'" de Apiol de Crl
As enxaqueeas. .
As dOres de cabepa
i
Cor*r com 0 Inga da India de CrliManll e <
As affeccoes das glandulas,
do rosto, da cabeca. .
Os vicios do sangue.....
O lymphatismo.......
manlt I
Cu r Hone com
0 Xarope de rabano iodado de Gri-
niHiilt e c;1-.
0 Vinho e o Xaropc de Dnsart, ao
tacto-phosphato de cat.
A asthma. ......1
A oppressao on affrontacao. j
A falta de resplracao. \
CurSo-se com
0s Cigarros indios de cannabit hdica
de brimaoll e '.
As molestias da pelle. .
As ernpefies e comichOes.
As charms, as empigems.
( As Pilulas do Br Caienare.
Cstrao-se com j A Gliconina Sichel, a melhor das pom-
\ madas calmantes.
ft^
seleeta c de umbigo
(Enxeriadas)
Sapotizeiros
e sap-;-.]- s de JI | j{em vasos) e de todof
s tamanhi e pre.;' s mais crmmodos que dan-
tee ; Msrni com< as s gnintes onlras plantas de
fructa e dc ornate :
Laranja cravo.
Dita de doce do Para.
Dita brsnea.
Dita targprina.
Lima da Persia.
' itii ombigo.
Limao francea
Dil I ', cnxertado.
Oiiic( ro.
Palmeira imperial.
: ir '.
iqb :-
n .
" k ras.
Roze-1a.
Ubaia
n'i fapuaga a rua d a'Ven
Abacaii.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casuarirn.
dro'irr. :
Cond"ca.
Gora^So da India.
Figueira.
Flamboyant.
Fruc'.r;-! .
Ing.i do Para
Jamb".
Jasmim lar
Laranja da China.
Dita ('
' E ontras plants i :
ura n. 20.
DO DCDT0R WILLIAM HOC TB
Pra reititulr propresiivamentr aoicabelloi
_ v A SUA COR PRIMITIVA
Ella mhftilui- com TaDtaE''m as pommaJaiparao toncador.
NEOGENFouD? NORTH
JAGUAP*AHEST|-U RIM POUCOS D AS AOS CXICLLOS'
A SUA COR PRIMITIVA
Bom eiito infallivel desde o loroal ao preto
Soperioridade IncoatwUwl; emprego inofltneiTo.
KBrnMARIA CRIEBTAL. 3, rue Beri;ei. PARIS
DepOBlto em Prmambuco, k. REGJHD.
CASA DO OURO
ios 4:000$000
Bilhetes garantidos
Rua do Bardo da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
Acham-se a venda os muito felines bilhetes ga-
-antidos da 4' parte da loteria a beneficio da
igreja de S. Goncallo do Recife, que se extrahira
no dia 29 do corrente me;.
Inteiro i^OOO
Meio 2/000
De fOO^OOO para rintH.
Inteiro 3/500
Meio 1/750
Recife. 21 de abril de 1871.
Joao Joaquim da Cr>sla Leilt.
Pepositos em Pemambuco: PERRBIRA, MAU b O; M.-A. BARB0ZA, e nas principaes Pharmacias do Brazil.
BARBEIRO
Gu.-tave, cabelleireiro, a rua do Marquez de
Olinda n. 51, pnmeiro andar, precisa de um habil
Official de barbeiro; pagae brm.
Os abaixo assignados declararn ao respeila-
vel corpo do commercio <|ue julg.-.m nada dever
ne.-ta praca c nem fora della ate esta data,porem
fe alt'uern se julgar seus credores, apre^ente
sens titnlos para serc-m examinndoj e pages, no
prazo de tres dia?, a eontar desta data, a rua ve-
lha de Santa Rita n. 3. Recife, 21 de abril de
1871.
____________ Rodrigue? da Silva & C.
DO CABEILO
DE
-i\ryr--m
Keguro e admirarel
RESTa4URAD0R E TONICO
PARA 0 CABELLO
Craeorre para uai hollo e por-
feito penleado
Torna 'is cab-lies macios, brandes e lu-
sidios, perfumando-os com um aroma de
ial delicadeza, que tao apnradc tern
sido.

Fillulas Catharticas
J> de Ayer.
Ha mais de um anno fngiu desta cidade do Re-
cife, e se suppoe nella ocenlto. o escravo Jose, com
os signaes segnintes : cur preta. dealtuia regu-
lar, com 25 aDnos de idjde, ponco mais on menos,
tern falta de dentes na frente, serdo porem o sig-
nal mais sensivei uma escrescencia na patpebra
que parece ceg' de um olho : quern o oapturar,
tragaoarua Direita n. 119, ou Saudades n. 32,
--./-cVi^ir^^^g^^.^'S^^ 2_5 a generosamente reempensado pelo seu
>u ao palladar. sendo tamb. puramenie veeetaes. nao do- S60' r-
dem resultm
era qoze
*ada vidro leva directs minuciosas com relacSo as cuin-
remedic tarn nniversalmenta
proenra jo corno um cathar-
tico ou purpintc, e nenhum
outro te:n sido tao usado em
ISAM Of pmzes e por tolas as classes, como csta PILLU-
XAS, suayes mas efBcaze.'-. A razao e" evidente, formao
am remedio muito mail certo e efEcaz que nenhum outro.
Aquelles que o teen ensaiado sabem (jue se teem curado
rJo sen nso. os que n&o os ensaiario sal>;m que seus amigos
vismhos se teem curado, e todos conhecem que o resultado
Tirado uma vez, se tiraia tolas as vezes, e que as PIZZ T7-
ZAS nnnca falhao por coasequencia de erro ou neelieencia
fl sua composioao.
Ternos milhares sobn; milhares de crrt ficados referentes as
Oirtinctas curas que hSo eflPictuado estas pillulas, nas moles-
^**i?n*jem seP,,da :n.;ncionamos, porem sendo taes curas
COThecidas em toda a p:irte iionde teem p>:netrado. des neces-
wno e pnblica 1-os aqui. Adaptadas a lodas as idades e a
-odas as cond^oes, em todas as climas, nao contendo calom-
Nm nem outra qualquer droga delete.-ia, ellas podem ser
romaitts por qualquer pessoa com toda seeuranca. Sua
ipre frescas, e as toma ^
purameni e vegetaes, nab
ilrar ctTcitos prcjudiciaes se pcracaso forem torn;
(lesmasiaito. O papel que ser'e de coberta para
ro leva directs minuciosas com relacao as seeuin-
tes molestias que as PIZZUZAB CATOjLRTICJlB rapi-
daniente curao. Para a By.p, ou IndigeaOo, DU-
pUemctn, ZanguMet, falta de Appetite, devem ser
tmndas em dose modenula a fim de esticiular o estomaeo e
jectablecer suas funcca>)s saudaveis.
Para as Doencae do Figado c suas civersas symptomas
Enxaqueeas BUioeiK, Dor de Cabeox, leterieia, Col-
ic* Billoeo, e FebrtK Blliosai, devcm se tomar tambem
moderadamente em cadij caso, para correger a accfio viciada
en remover o obstaculos que a causio.
Fare a Dysenteria ou Diarrhea, e f^ralmente bastante
am dose pequetna.
Fare KheumatUtno, Gotta, Arreic.i, Falpitncao do
CoraeSo, Dores nas ilhargas on eostas, devem ser
tomadas continuadamente, M alterar a accao dos orgaos
-oisregulados, de sorte qne a molestia disappareca.
Para a llydmjiesta e InehaoSes Bydropieas, t prci60
^ma-l-as frequentemente e emporcoes iisas grandes para
l tio para o iantar on com da, tom-se uma ou duas para
jmjmover a digestao e aj iisc- o estomago- -Uma ou dnas to-
aaat de vez em quands. eetimulfio ou esto-naeo a obrar sa-
davelmente.
tjnalqner qne se aohs. r(mlarmente bom, tomando uma
sn duas d'eetas pillulas se achara, moitas rezes, deididft-
raeete rollhor, por raiik qui: ellas purificam restaurao o
fyarelhodigestiro.
0 Dr. Joaquim d Aquino Fonceca, &
jrua do Hospicio n. 33, pede ao Sr. Manocl
Fernandes de Carvalho, residents na estrada
do Rosarinho, o favor de lhe vir fallar a
respeito de negocio de interesse de an.bo?.
Bemvinclt) fugio
No dia 21 do corrente fugio o escravo acima,
tendo os sipnae? seguinte? : cor fula, cabellos ca-
rapinhos e um pouco crescidos. cabeca chata, es-
''m^SS^SifSeSSL^ '',[ar!i re?lllar^ um ,anl" magro' e tern no rosto
um nmedio laxante. ; baslanles 51gDaes de bexiga Ufa de cna[ -0 d(, C(^
Nao ha segnramente, um *"' e !e?U CiiiA e c*ra ja de a'godaczinho : roga-
medic tam universalmenta so a todas as autoridades e capitaes de csmpo.
queiram apprehender dito escravo e leva-lo a n
daMadre de Deos n. 5, 1 andar. das 9 as i horas'
da tarde, ou a rua da Imperatriz n. i, l andar
que serao recom pensados.
Muita'atteDqao.
rmirA.tUDA pob
J. C. Ayer & Ca., Lowell, -ass.,
VENDE SB POR
E.T7.
Havendo sido subtrahida on extraviada do po- '
der da Sr. D. Isabel Lucas da Siiva, uma letra
de seu aeeito, na importancia de 1:260*000 e
saccada pelo Sr. Manoel Scares Finheiro, e isto
qnando dita lettra ja havia sido resgatada pela
aceitante, declara-se pelo presente meio que mais
nenhum valor tem semelhante titulo, vistcja ha-
ver sido remida a obrigacad por ella representa- j
da, e que por conseguinte de nenhum proveito
sera para aqnella pessoa, em cuja mao porven-1
tura ella se ache, protestando se preceder cnmi-
nalment" coalra quern quer que tenha sido o snb-'
tractor, cu que de ma li pretenda utilisar-se da!
mencionada lettra.
Recife, 21 de abril de 1874.
t -.- *vr %-
O Dr. Sartnento Filho mu-
dou-se para a rua da Aurora n.
6t. l. andar ; entrada pelo oi-
tSo.
BENEDICTINE
LICOR DOS MOP'GES BENEDICTINOS DA ABBADIA DE FECAMP
Este c&ebre 1/cdr tao
appreciado do publico
ao ponto de se encon-
trar hoje em todas as
boas mezas, tanto no
Restaurante como no
jantar donestico; nos
grandes hoteis como nos
saldes des piincipes, por
isso & le tamben o ob-
jecto de numerosas imi-
tacoes, cuja maior parte
de fai'sa provenencia.
Como termo final de
garantir aos consomma-
dores cuidadozos um
producto puro, exquisito
e essencialmente hygie-
nico, contra estas falsi
licacoes detcstaveis de
man gosto e nocivo, A
saude, damos retro o
modelo da garaffa e mais
acima o dos sellos e le-
treiros que envolvem o
verdadeiro licor benedic-
tino.
OBSERYACAO IMPORTANTE.
Recommendamos particularmente ao publico em geral, o exi-
gir o letreiro acima, qui e sempre poslo no {undo das garaffas
desde o \" de Outubro de 1872 que tern a assignatura de
A. LEGRAND an6, director geral.
If. B. Em tempos de epidemia o BE3EDICTIN0 e am preservatlvo
certo; am grande nnmero d celebridades medioas tern dado o
certiflcado bem formal.
Irposito geral: A. LEGR AND nit^e. cm I Franra
Deposito geral em Pernambuco, A. REG0RD.
-2J3& SSS^HS. ,e mais a8radawl de todos os fermginosos recom-
f*aii^PlKinPPOfeS80Dres e D^lorB : Pl0RRY' Trousseau, Jobert (db
conlrt^'moteStfSi RlCRD' -N^'. CnAS^G^c e muitissimos outVos
Z^ZLS. ,?sVa8-de c?Pl-<">> cloiosis, opilttfSes,fiores broncos, anemia,
suffocacoes, palpitocdes, rachitis, etc.
EH TODAS AS PHARJ1ACIAS DO MUNDO.
Deposito geral no Permmbuco, A. REG0RD.
li. r^i A
PARIS, 25, rue de TEitrepflt, 23, PARIS.
COALTAR SAP0NINA00
DE LE BEUF
DESINFECTANTE, ANTI-MIASMATICO CICATRIZANDO AS CHAGAS.
Adoptado polos hoipitaes de Pariz e peloi dn Marinha milltar fn ..crza.
Esse excellente tonloo possue uma efficacia Terdaderamente maravilhosa nos ulceras gangre-
nosas e escrofulosas, nos cancros ulctrados, no antlrax, naotorrhea purulenl i, ..a ozena, no
cntp, feridas pelas armds de fogo, enfermidades do utro, etc., etc.
Emprega-se, mezelado com mais on menos agna, em ciomacos, locoes, injeccBes, gargarismos.
Como dentifricio ordinario (uma colherada das de *M n'um quarto de copo 'd'agua) e muito eepe-
cialmenle efficai para puriEcar o bafo, aanar aa gtugiva. doazitei e tomar firznea oa
dentes escarnadoi.
0 sen nso e muito hygienico, sobretuao em tempos d'epidemia.
Uma noticia circumstanciada tae com cada frasco. Eciga-se a firma do inventor.
Fabric* em BayoDna (Franca), em casa de Sr. LE BEUF, Pharmaceutico de 1" classe.
Depositos: Paris, 15, rua Reaumur; Pernambuec, A. REGORD, onde se eneontra tambem a
Emuicto de Alcatrio veceUIde te Benf para tazei a a{ua de AlcatrSo, a unica preparacSo con-
centrada e titulada contendo em si o alcatrio sem ser alUraio nem modiflcado. >
A .nluencia que tem os princlpios resinosos do
pinhein maritimo sobre o pulm&o em todos os
graoj la tisica, he tao maravilhosa, que a medlda
que disenvolve-se a sua accao, ve-se por assim
ili/.er c doente voltar a vlda.
Nois> xarope fabricado com a seiva do pinheiro,
rccolkila logo ao sahir da arvore, contem os prin-
cipios lesinosos com toda a sua energia c pureza ;
-,cu tfeito lie pois immediate o seguro contra os
-- deflnxis, catarrho pulmonar, rouqnidoes,
iioiL-A p phi geral oortira I odas-as molestias d> pcilo, qualquer que seja o seu eslado.
CIGARROS INDIOS
DE CANNAB1S INDIGA
de GRIMAULT e C", phamaceuticos em PARIS.
Todos os especificoa cmpiogados ate hoje paa ariviar da asthma e das molestias das vias
rrspiratonas, tern todos por base suiistangias tojcas que debate um grande peso i
e atem tl isto sao stimamente poniiciosas a intclbcncia e a saude em serai.
i no cerebro
.------------------r-----r_----------< poisestescigarroa u...w
remedio certo que se possaacconsclhar com confinca contra a asthma, catarrhos pulmo-
nar, nevroses, laryngite e em geral contra tods as molestias das vias respiratorias.
Depositos era Pernambuco : FERRWRA, MIA |C-;- M,-A. BARB0ZA, e nas prin-
cipaes pharmacias de Portugal e do Brazil,
Triumpho da
&W4&
Em tem pos modernos nenhum descuLn
mento ope uromaior revolugSo no modo df
curar anteriormente em voga do que o
PEITORAL Dl AAACAHIITA '
TAST0 NO TRATA.MEiMO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
RouquidlOj Resfriamentos.
Rronchites,
Tosse Convulsa,
Dores de Peito,
Expedura^ao de Sargue.
Como em toda a grande serie de enfenni
dades da Garganta, do Peito e do>
OrgSos atormentam e fazem soffrer a humanidade.
A maneira antiga de curar consistia geral-
mente na applicagao de vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar exteriormente un-
guentos fortissimos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzir empolhas :
cujos differentes modos de curar, nao faziarr,
senao enfraquecer e diminuir as for^as df
pobre doente, contribuindo por esta form*
d'uma maneira mais facil e certa para a en-
fermidade a destruicao inivitavel de su
vietima 1 Quam differente e pois o effeitc
admiravel do
FEIIOEAL :S AmSUITA!
Em vez de irritar, mortiticar e cauzar inau
ditos soflrimentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
Alliviaa irritago,
Desenvqlvo e_entendimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o system a
desaloje d'uma maneira prompta e rapidi
Alnga-se a casa dos ledes n. 48, com coni-
modos para familia, sita a rua do Coronel Lame-
nha (antiga dos Prazeres).
Aluga-se uma eseraya para todo servico de
casa : ua rua do Imperador n. 50, 3 andar.
Roga-se
aos Srs. Andre Cordeiro Coelho Cintra, JoSo Can-
cio da Silva e Prospero Danhenssa, de apparece-
rem a rua da Roda n. 60, coeheira, a negocio de
sens particulars interesses.
Aluga-se a sala e alcova da frente do ter-
eeiro andar do sobrado n. 70, a rua Dnque de La-
xias: a tratar na loja.
o
S CONSULTORIO
* MEDIC0-CIRURGIC0
m do
^ Dr. Pedro d'Alhavde L. Moscoso I
PARTEIt O E 0PERAD0R
I""" do Vincondc ile Albuquor-jK
1
i
*

*
qne n. 39.
ESPECIALIDADE
Moleelins de senhorat e
menlnos.
Tonsultas das 7 as 10 horas da ma- H
nha, todos os dias. 0*
Das 6 as 8 da noite, nas -egundas, quar- A
tas e -cextas-feiras. JJ
0s dopnteqne mandarem os seu9 cha- Wf.
mados por escripto at 10 horas da ma- ML
nha serao visitados em suas casas.
Jose Rodrigues da Silva vai a Europa tratar
de sua saude, e durante sna ausencia deixa Hear
como primeiros procnradores de todos os sens ne-
gocic9, cs Srs. Jose Joaquim Rodrigues Braz e
Antonio Jcrge dos Santos, como segundos os Sra.
Martins & Lunha e como terceiro o Sr. Antonio
Pinto Lapa ; o mesmo declara ao respeitavel cor-
po do commercio que nada jnlga dever nesta pra-
ca cem lora dtlla, unto da firma commercial de
Jose Rodrigues da Silva, como da de Rodrigues
da Silva & C, esta na rua de Santa Rita e aqnel-
la na rua do Fogo ; mas se alguem se julgar com
algum direito. apreserte sna conta no prazo de
tres dias para ser pago, a eontar de hoje.
Recife, 21 de abril de 1874.________
Ricas bandeijas
Para asamentos, bailes e baptisados.
Quem quizer obter uma bandeija ricamente en-
feitada, dirijase a Confeitaria do Campos
Ja mandando ou indo encommendar, ja ccm-
pranlo alii todos os eufeites, constando do seguin-
te :
Boles .linos para enfeiUr.
Dcces sabcrosissimos para enfeitar.
Figuras allegories para enfeitar.
Papeis arrendados para entei'ar.
Bouqueis para noivos.
Alii
Encontra-se sempre o seguinte :
Fiambres inglezes.
Budins
Bolos >
Paes de !c linos.
Fatias de dito para parturientes.
Pasteis em profnsao.
Filhos (MBAcs de wlnno).
Dcoes em calJa, ralado e secco.
Bolachinhi:s de mil qualidades.
(Sugar Waffers vanilla) para dielas.
Gelea de mccoto, desinfectada.
Amendoas, confeitos, etc.
Cha verdadeiro das Caravanas.
Cafe de lava (verd deiro).
Tuilo isto na
:onfeltaria vo campos.
Para a bon eonservacao
>
VOSSO CABELLO
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europa, (os
entes dos coilegios de medicina de Berlim)
testificam serem exactas e verdadeiras estas
rel.'icoes analogicas, e alem disso a expe-
riencia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaes foram curadas core
PEITORAL DE ANACAHUITA I
Deve-se notar que este remedio se achs
inteiramente isento de venenos, tanto mine
raes, como vegetaes, emquanto que alguns
destes ultimos, e particularmente aquelles
que sao dados sob a forma de opio, e aci-
do hydrocianico, formam a base da maior
parte dos Xaropes, com os quaes tao fa-
cilmente se engana a credulidade do pu-
blico. A composicao de anacahuita peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafad?
em frascos da medida de cerca de meic
quartilho cada um, e como a d6se que se
toma e s6 d'uma colher pequena, basta
geralmeule a" applicagSo d'um ou dous fras-
cos para a effectuag5o de qualquer cura.
Acha-se a venda em todas as b ticas
H. Frosters & C., agentes.
I'nicos agentes nesta provincia os Srs. J-
0. D. Coyle, rua do Commercio n. 38.
T
Estd encouraqado I!!
gna mule ein pedra dura
Tanto da ate que a filra.
R ^ga-se ao lllm. Sr. lgnacio Vieira de Msll
BScrirSO na cidade de Nazareth desta provincia,
j favor de vir a rua Dnque de Caxias n. 36, a con-
cluir aqnelle negocio que S. S. se comprometteu a
reaii3ar, pela terceira chamada deste jornal, err
| flns de dezembro de 1871, e denois para Janeiro.
| passon a feiereiro e abril de 1872, c nada cumprio;
I e per este motivo e de novo chamado para ditr
8m, pois S. S. se deve lembrar que esta negocio
de mais de uifci anno3, e quando o Sr. sen nlho v
achava nesta cid.ide.

Elle e am preyentfvo seguro e certo contra
a calvice.
Elle dd e restaura forca e sanidade a pelle da
cabeca.
Elle de prompto faz cessar a queda prema-
tura dos cabelles.
FHe da* prande riqueza de lustre aos ca-
bellos: '
Elle doma e faz preservar os cabellos, era
qualquer forma ou posicao que se dese-
je, n'um estado formoso, liso e macio.
Elle fcz crescer os cabellos bastos e compri-
e os.
Elle conserva a pelle e o casco da'cabega
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Elle previne os cabellos de se tornarem bran-
cos.
Elle conserva a cabega n'um estado de fres-
cura refrigerante e agradavel.
Elle nao e demasiadamente oleoso, gorda-
rento ou pegadigo.
Elle nSo deixa o menor cheiro desagrada
vel.
Elle e o melhor artigo para os cabellos das
cnangas.
Elle e o melhor e o mais aprasivel artigo
para a boa eonservacao e arranjo dos ca-
bellos das senhoras.
Elle e o unico artigo proprio para o pentea-
do dos cabellos e barbas dos senhores.
NENHUM TOICADOR DE SENHORA SB
PODKC0.NSIDERAR COMO C0>r-
PLETOSEMO
TOiMC',0 ORIENTAL
o qu.| preset va, limpa, fortifica e aformosea
O CABELLO.
Vende se um moinho de vento, com
duas bom has para puxar agua, e qua-
tro r"das novas e fortes, para carro
americano : a tratar na roa do Impe-
rador n. 2?, andar.
Q
IIVOOAOO
AIT nso de Alhuquerqne Wello
incumbe-se de promover ccbrancas amigavel
ou jndieialmente, assim con o de outros negecioa
conctrnentes a 'ua proflssao, nos lugares proxi-
mes a liuha fcrrea, e nos outros termos proximos
a esta cidade; para cujo auxilio tem o annun-
ciaute sulic.tadores habilitados e probos, respen-
sabilisando-se no entanto pela boa gestao e conta
do que lhe- for ci-nflado.
Mediante awdico henorario acode aos chmados
para diligencias .u consultas fora da cidade-e do
termo e incumbe-se da defeza de appellacdes ante
o tribunal da relacao. Fode ser procurado de
meio dia as 3 horas da tarde em seu escriptorio
e rua do Dauue ^e Caxias n.37



r

J
~~~




Diario de Pernamtraeo Sexta feira 24 de Abril de 1874.
/
\
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e de
elegante* model!*, dos ma it notaveis e b'-m co
nheeidos fabricantes; como i donel, Henry Her? e Pleyel WnllT A C. : no Vapor
France*, a rua do Baiao da Astoria, outr'ora No-
va n. 7. apreora muito commados.
Mobilia d vime.
Cadeinu de bafc.nco, de braeo, de guarnicoes,
sof, jardinelras, mesas, conversadeiras e cnsln-
reiras, tndo isto uiuiio bum por serein fortes e
leves, eosmaiti proprios moves para saletas e gi-
biwtes de recreio.
No amnszeni de Vapor France*, raa do Bario
da Victoria n. ?. ontr%oaa Noa,
Perfumarias.
Finos extractos, banbas, oleos, opiata e pos den-
trirlce, agna de flor de laranja, agna de toiiete,
divina, florida, lavande, pos de arroz, sabonetes,
crosmeticos, moitos arligodelicados em perfhma-
ria para presentee em frascos de extractos, caixi-
nbas sortidas e garrafas de clifferentes tamanhos
d'agua de Cologne, tado de priraeira qualidade
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Coudray,
No armazem do Vapor Franeez, a rua do Barao
da Victoria, outr'ora Nova n. 3.
Quinquilharias.
4rtig ptmntazlna.
i^spelhos, leques, lavas, Joias d'ouro, tesonrinhas,
cani'vetes, caixinhas de costura, albons, qaadros,
e carxinhas para retratos, bolsinbas de velludo,
ditjCdi'e coaro, e cestinhas para bracos de meninas,
chicotes. bengalas, eculo, pencinez, ponteiras para
charutos. e cigarros, escovas, p antes, carteirinha de
madreperc 'la, tapete para lanternas, malas, bolsas
de viagenvs, venesianas para janellas, esterioco-
pos, lanternus magicas,cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, deV bagaiella, qaadros com paisagens
globos de papSjel para illuminances, machinas de
fazer cafe, espa\adcres de pain is, realejos de veio,
aecordaos, carr
oatras maitas
ihos,
e bercos
uilharias.
para criancas, a
Brinquewos para meninos.
A maior varievlade qua se r. ode desejar de to-
dos os brinqueiiok fabricados em drfferntes partes
da Europa, para I entretimentoti das criancas, todo
a precos mais resuimidos qne e possivel : no ar-
mazem do Vapor wrancez, raa do Barao da Vic-
toria outr'ora NoWa n. 7.
(akih) [mm
9$
Botinas Aara homem
Deredores.
Os proprietaries da Con fait ana do Camp s. a
rna do Imperador n 2A, pedem aos sens devedores
qne tein sido remissus ofav.ir ilo vin-m pagars us
debitos ale o dia 8 de abril {rnxiinn vinaouroS
avisam aos mestno.- que se :.t6aqurli.i data n.\ e e
tivarem >aldns, vcrau ,*eus ernes nwio jornas-
sem distinrcao de pessoa algnina. ____________
t*erniula-e p w um teirnmou -itii. nos ar-
rebaldts de-ta cidale, duns p-qjen:is rasas de
padra e cal M* ns. ii f z4 a ma da Pfi, fre
guezia de Afc-gado*. e> rn duas >alas ** qnal
lus caiia um,., vii.ic palinus de lugun :>cb cin-
coenta de fundo ; a quern convier, irau-se na rua
estreita do Rosario n. 17, <.* andar.
. Acabam de cbezar
debezerro.de cordavi
com biqueira, de bezi
zes a 9<0Q0 (a escq
quantidade por con,'
randes jaciuras de botinas
de pelica. de duraqne
rro com botdes, e com ilho-
her) por ter vindo grande
e ordein dos fabricantes;
ao armazem do Vajpor Franeez a raa do Bario de
Victoria (outr'ora ;Nova) n. 7.
1'iru senhora.
BOTINAS pretasj brancas e de cores, diflerentes
lisas, enteitadas e bcrdadas.
SAPAHNHOS de phantasia ccm salto, brancos,
Jretos e de cores diflerentes, bordados,
e tapetes, cbarlot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTINAS preuts, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bcrdadas.
ABOTINADOS de diversas quali Jades.
SAPATOS de trsnga portnguezes.
Para meniinos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
fi BOTINADOS e sapatoes, de bezerro, de deversas
qualidade?.
SAPATOS de tran$a.
Botas de montaria.
Botas a Napoleao e a Guilherme, pen.- -
meias perneiras para bomens, e meias perneira
para meninos.
No armazem do Vapor Franeez, a rua do Barao
la Victoria n. 7.
Atten$ao
Avisa-se pela ultima vez ao Sr. Salvador deSi-
aueira Cavalcante, que ha um anno tern zombado
iomondado de yisiio que contra si tem do juizo
do commercio desta cidade, que, se nao quizer
passar pelo dejgosto de ser preo, mande quanto
antes entregar os dcus escravos Aquilina e Fran-
cisco, dos quaes e depositario, e se acham de pa-
blico trabalhandc no engenho Tres Bracos, lugar
le sua nova residencia.
Desde.ja protesta-se pelo service dos ditos es-
eravos.
24-Roa doMarqnezdeOlinda l\
Ksquina do lieeco Largo
Parttcipa a sens freguezes e amigos que mudnu
o sea -estabelecimento de relojoe'ro para a mesma
rna n. 24, onde encoDtrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, des mel bores gostos e qoalidadrs, relogios de
algibeira, de todas as qualida es, patente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado (plaqaet), relo-
gios de onro. inglez, descaberto, dos melhores
fatricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata. lunet;;s
detods as qualidades, tudo por precos muito ba-
ratos.____________
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, naa das Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora : a traur na rna do
Vigario Tenorio n. 31.
LOJA DO PASSO
DE
Cordeiro Simdes k C.
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riquis*imos cortes de gcrgurao de seda lisos e
com fistras achamalotadas.
Ditos de linho para vestidos, contendo cada cor-
te, o necessario para seu enfeite, como seia :
franjas, trancas, botdes, livellas, etc.
Riquissimos chapeos para senbora, ultima moda,
a roa Primeiro de Marco n. 7 A.
Silio no Arraial.
Atten^ao
Avisa-se ao comprador d3 escravo Henrique,
que Salvador Manoel de Siqueira Cavalcante nao
podia vender dito escravo, por ser elle pertencsnte
ao casal do major Salvador dos Santos Monteiro
Cavalcante, e coma tal, a venda do dito escravo 6
nulla, como raelhorse demonstrara em juizo.
fConsullorio medico %
DO &
Dr. Mnrillo. ft
fyf. RUA DA CRUZ N. 26, 2." ANDAR. j/
J Recem-chegado da Eurepa, onde ire- gj
,J quentou os hospitaes de Paris e Londres, fi
^ pode ser procurado a qualquer hora do (Q
:Zi dia ou da noite para objectc de sua pro- Q
fissao. ft
Consultas das 6 horas da manhS as 8 he- ff\
ras, e do ineio dia as duas da tarde. M\
Gratis aos pobres. s.
V ESPECI.\LIDADE5. If,
Q Molestias de seohoras, da pelie e de m
y Crimea. -y
^PegKtDSffiSS (QSS3KI9QSSSIfl
Ourso de portuguez no col-
legio da ConceiQao.
O bacharel Jorge Dnraellas R beiro Pessoa ests
mcumbido do referido curso.
Aluga-se um sitio no Arraial, proximo a esta-
cao da Casa Amarella (um minuto) com exellen-
tes casa de moradia, tendo os seguintes commo-
ds; 5 quartos, 2 salas, cozinha externa, terra-
. j, casa de banho e diversas fructeiras. Aluga se
tambem uma outra casa no mesmo lugar, com 3
quartos. 2 salas, cozinha externa, agua de beber
e um bom quintal por commodo preco : a tralar
na rna Primeiro de Marco n. 16, l. ahdar.
Arrenda-se o engenho, Saltioho da fre-
guezii de Una, moente e corrente. Dito
engenho e bom d'agua, dista duas leguas dos
portos de Tamandare e Rio Form.' so, e tem
terras para safrejar 1,600 a 2,000 paes
annuaes: a tratar no mesmo engenho com
o consenhor Henrique Augusto Milet, ou no
Recife com Leal & lrmo, rua do Marquez
de Olinda n. 56.
Rna Duque de Caxias.
0 Pr. Antonio Ribeiro Ponies, caixeiro a rua do
Duque de Caxias, queira vir a rua do Imperador
n 12, a negocio de mutuo interesse, isto por se
ignorar sua residencia domestica.
Escravo fugido
Desappareeea ao smanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenho Sericp', comarca de Goyanna, o
escravo de Dome Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes segnintes: cabra, idade de 30
annos ponco mais ou menoj, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel 1
gomma na junta do pe esquerdo : roga se a todas
as autoridade.s e capitaes de campo, queiram ap-
prebender dito escravo e leval-o ao rc-ferido enge-
nho, ou nesla praca a Oliveira Filhos & C, largo
do Corpo Santo n. 19, qne serao generosamente
recorapensados
1]
frecisa-se de uma para cozintar para casa de
daas pessoas, prefere se escrava e paga-se muito
bem : a tratar na rua do Bario da Victoria n. 48
A, loja._____________________________________
SAQDES
Carvaiho A Nogueira, na rua do Apollo
t. -20, aecsm sobre o Banco Commercial
in Vianna o suas agendas iat- todas as d-
iades e viilaG de Portugal, a vista e a prazo
por todos os paquetes.
\viso
Oabaixoassifnado Seclara ao respeita-el corpo
di em que, na ipalidade de maiur credor
de Uignel Luiz Sougey, tern de commum accordo
coin o mesmo rocebido para sec pagament i e de
outi s na imponancia de 63j3zO, o estabeleci-
meiito sito a rua estreita do fWaifo n. 4 : portan-
to, qcem se julgar ccffl uireito ao mesmo, queira
apr .ntar sens liluloj no prasx de 31 dias, para
Her u verificados, Undo os quaes, nao ?era al'.en-
dida qualquer reclJinaeSo.
Recife, 23 de abril de 1871.
Duarte Borges da Silva Junior.
nnwfS
Na cravessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, d4-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
^h ssva
J3, XH ./.- ZX
PUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRDH N. 52
(Passando o chafariz)
PKlf.M \OS etihore de cugenno e ontrof agricoitorta, e eIupreK*,l',rf de '
atuistuo o l\ )Gjplet i qne abi tem; sendo todo superior em qualidade e fortidao; o qne com a ins
-ccio pes* ial pode-M veriflcar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
/ann-fli A roH^Q ^'airna ^os mais modernos lystemat em U
* apu O^ O rUUiiS U agua maahoa convenientet pan u diversat
renmstancias dos lenhorei proprietarios e para descarofar algodlo.
Hoendas de canna il' "u,a,nb0,, ***** ** ,qui
iodas dentadas vmSSS^w^n^.
Taixas ie ferro fandido, batido e de cobre.
il mbiques e fandos de alambiqaes.
Wonlliniamna para maodfoca a algodlo,! Podendo* todos
u.ai/UiuiollIUR e pin terrar madeira. ser movidos a mio
ftnmhaa (Pr aa' vaPr
viuuao ,je p,tente, garantidas........ foo ammaes.
Todas as machinas *""de qoe M mmum preci8,r*
Fas qualquer concerto de m,chLlU,D0'a Pre mQi re,omido
PormaS dfl ferro tem M melborfll a msil D,r,tas e^itentes no mer-
I^?!f>f)rnmanr1aa Incumbe-se de mandar vir qnalqoer machiniamo i von
uuauimouuoia. tlde dof 6|ientoti lembrando-lhesa vantagem de faxeren,
an compras por intermedio de pessoa entendida, e qne em qnalqoer necessidade p6dt
e preetar anxilio.
irades americanos e'"***** ^ico"
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
V roa do Barao do Triompho (rna doBram) ns. 100a 104
CARDOSO v A VIS AM aos senhores de engenhos e outros agricultures e ao publico em geral que
continuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e machinas ne-
cossarias aos estabelecimentos agricolas, as maismodemas e melhorobra qce tem vinda
>o mercado.
i r i
V apores de for$a de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os melhores qoe tem vindo ao merado
ualdeiras de sobresalente para vapores.
JlOenaaS mteiraS e meias moendas, obra como nnnca aqui veio.
TaiXaS jfundidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
KOdaS a agua Com cubaje de ferro, fortes e bem acabadas.
LvOaaS dentadaS de todos os tamanhos e qnalidades.
RelogiOS e apitOS para vapores.
t>OmbaS de ferro, de repucho.
'*^"0-^ de diversas qualidades.
Formas para assucar, grades e peqnenas.
VamndaS de ferro flindido, francem de diversos e bonitos gostes.
POgOcS IiancezeS para lei'ha e carvao, obra superior.
Ditos ditos p8ra gaz.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Ma china
para jardim.
para mesa e banco,
para gelar ?gua.
V ai YUiaS para bomba e banheiro.
Correias inglezas para machinismo.
DanCOS e SOiaS COm tiras de madeira, para jardim.
ConcertOS concertam com promptidao qualquer obra ou machine., para o qut *eex
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
KnCOmmendaS man^am v'r Por encommenda da Europa, qualquer machinismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
a com um dos melhores engenheiros de Inglaterra; incumbem-se de mandar asssntar
fitas machinas, e se responsnbilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Bram) ns. 100' a 104
___________F U N IM C A O D E CARDOSO & IKM.AO.
ODILON DUARTE & IRMAO
CiBELLEIttEiBOS
exposi^ao de
Premiados na
1872
RUA
DA

'<$
IMPERATRIZ
N. 82
|. ANDAR.
RUA
D.\




IMPERATRIZ
/ 82 j
i. ANDAR.
33
Consfriiflw e afinailor k |iiaii;is
.Una do fnloevadoi
in per,
afan adn? ratal l'lejel & Bars,
33
u antigo director das offlci-
Ex-arinador das antigas
a caa Alphonse Bloodel.
Tem a honra de dectarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto sua casa de
concertos e aflnacdes de pianos, qualquer que seja o estado do instrument.
A mesma casa acaba de receber um grande sortimenio de pianos do? melhores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Hers Alphonse Blondel) todos os pianos sahidos da casa
Dhibaut sao garantidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usados.
40 Rua do Imperador 49
_Jii)^
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamados antores,
como sSo : Hera, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riore*, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amadores dos"
bons pianos s6 encontrarSo nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sSo: cepos, folha para os mesnios, cravelhos, parafusos, chstor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 mJAIIODlPERAIiOR 49
VINHO e XAROPE de DUSART
CON LACTOPHOSPHATO DE CAL
Os medicos dos grandes hospitaes de Paris receitao ambos estcs medicamentos, consida*
rados como reconstitutes e. reparadores por excellencia para excitar o appeUte, despcrtar a
fome e conseguir a assimilai^o rapida d...-, alimentos.
O seu emprego suhminislra as rnulheres griividas o elcmento gencrador do feto, as amas
um correctivo certo dos defeitoa que possa ter o If ito. e As criancas rccom-nascidas e criadas
Com o biberon, um panacea admiravol, que, neutralizando as mas qualidades do leite, previne
cura a diarrhea a tjite s9o pronensos.
Nas molestias dos ossos, fracturaa e ferid'as, apressa a soldadura dos ossos. Tornado pclas
moras. produzem o mesmo eftettq quo os melhores ferruginosos; pclos lisicos cicatrizao rapida-
mente os tuberculos dos pulmoes, e emiim pelos convalcscentes e os velhos. pclas pessoas
usadas pelo trabalho e pelos excessos ajuda-lhcs a recobrar as (orcas esgostadas ou peididas.
(IODURETO DE FERRO e MANGANEZ) apprcwJas pela Academia Je Hedifina de Paris;
A incfticacia t3o frcquente das pilulas de iodureto de ferro provem de que n8o entra n'ellas
manganez, corpo que sempre se acha unido ao ferro no organismo, como provao os trabalhoa
dos mais distinctos chynucos.
, As pilulas de iodureto de ferro e manganez de Burin du Cuisson, approvadas pela
Academia de medicina satisfazem estas condicoes, e 6 este o motivo pelo qual os scus
effeitos sSo maravilhosos, seguros e infalliveis em todas as affeccoes lymphatlcas, escro-
fulosas, rachiticas e tuberculosas, nos enfartes das glandulas, irregular!*
dades da menstrnacao. e nos accidentes de sipnilis constitucional.
Depositos em Pernambuco : FERREIRA. MAIA e C>; M.-A. BARB0ZA, e nas pria*
cipaes pharmaclas de Portugal o do Brazil,
41 Rua do Imperador \\
O novo proprietario deste acreditado e bem montado eftabelecimfnto, com o fim d
conservar os creditos de unico neste genero, t-m reformado e melhorado coropletamente
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provinrias do norte e in-
teriordesta, garantir-do perfei?ao em todtsas prep>raQof-s, aceio e medicidade nos preros
compativel com este genero de drogas.
Espera a todo momento uma grando remessa de pharmacia homeopaihica de J.
Epss & C, de Londres, composta de medicamentos, carteiras, pocdotes, G[.odeldock d?
libus, de Buvonia, -le Arnica e dep6s especiats para denies.
Tem A disposigao dos amantes da homeopathia s excellente, obra do Dr. Mure me-
dico do povo, jd cm 3.a edi<;ao.
Tem carteiras de glohulos e linturas de 12 medicamentosatd 120, a* escolha'do com-
pradcr.
Plumeria, para mordedura de cobras-
Seracena f Cho-elate bomeopalir
Vaccina (
! ir d'araruta.
Pos para dentes, ingli
China cruzeiro, para intermittent^.
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras.
Taranlula, para paralysia. Jericd, para rheumatismo.
Tintura mai d'arnica, para conlusSes, cor- Matta-matta OQ jaboti, para to
tes, etc.
A CHEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
Dito de Rhus 1
>para rhematismo.
Dito deBryoniaj
Espirito
ra.
de Hahereman ou de campho-
Cactac grande fldrm. para pneumonia*
moleslias do corafdo.
ALUGA=SE
0 quarto andar ou so:ao do sobrado n. 32 a rua
estreita do Rosario n. '12, com eommodos para fa-
milia : m the-ouraria das loterias, rna do L!repo
d. 6, 1 andar.
Aluga-se
RECREIO DRAMVTIC0
N.io tend) havido a^emble\i geral no dia 19,
em eonse lacncia ds nao ter havico numero legal,
convido de nov.i t)do a reanirein-se no dia 26,
ao meio din, afim ue tratare^i de negocios urgen-
tes da jociedade: pede-se aos Srs. aocios que eon*
parecam, para nao a-, quelvarem depois, de que
nao foram oividcs
B-;lem, fi de soil e 1874.
O l. iecretario,
___________________IBernardo L. de Meodonja.
Alogi-e a casa da rua de S. FraDCheo n.
J, ?om bon cominmlos. A eotenier-se com 0 ir.
Christovao Xavier Lopes, a rua da Imperatriz n.
30, on em Olinda, rua de S. Benin.
a easa terrea n. 166 da nia da Gloria, com urea
quarto:, duas sals*, c;in!ia fora e quintal earn
cacimba : a traiar na rua da Imperatriz n. 1.
Acabam de reformar 0 seu estabelecimento, collocando-o'nssjmelhores con-
jicgdes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e ds Exmas. Sras. n'a-
quillo que for tendente a" arte do cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, trangas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, qnadros tu-
mulares, flores, bouquets e toJo e qualquer trabalho im8ginavel em cabello.
O estabelecimento ccha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de mod8s, e por isso pode vender 20 % menos que outro qualquer, garantindo
perfeisao no trabalho, agrado, sinceridade e pre$o razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
por$ao e a retalho e todos os utensilios pertencentes & arte de cabelleireiro.
Arrenlase 0 engenho Jussaral -grande. no
lerrao de Sennhaem, 0 qua! esta situado a ifgoa
e mpia da estacio da E>cada ; e bora moedcr ,om
agua, e de muito boa produ.-'.ao, tanto de canas
:omo de mandicca : a [ratar com 0 proprietario
do mesmo,. no engenho California, em Serinh. n
Precisase de u n cozinheiro que enlanda b^m
de sua arte : Da rua do Marquez de Olinda n. 35
h publico.
O abaiNO asjignado declara a ouera inferes?ar
possa, que eompnu a lithographia do; Srs. Drs.
ticero Peregrino e Hotlencio Peregrine, a qual
esta montada na rua do Bario da Victoria n. 39.
Recife, 23 de abril de 1874.
Bento Manoel de Castro Amaral.
Collegio de S. Sebastiao para
0 sexo feminino
A abaixo assignada scientinca aos senhores pais
de familias e a quern mais convir possa, que as
aulas de seu collegio continuam a funccionar em
a casa da rua Direita n. 36, 2" andar.
____________Manoel la Angnstade MelloRego.
Aluga-se ou vende-se um escravo carrocei-
ro, idade quarenu annos: na rua do Hospicio
n. si.
AUIA PUBLIC*
A primeira cadeira la aula publica para 0 sexo
feminino da freguezia de Santo Antonio, funcciona
no 2 andar da rua do Barao da Victoria n. 31,
entrada pela rua das Flores.
Annuncia-se na rua eslwita do Rosario n
26, offlcina de marcineiro, que se" fez obras de en-
cpmmenda para algumas pessoas que quizerem
encommendar, tanta de amarelloeomo de jacaran-
da, farendo-se todas as pe$as com gosto e per-
feicao ; na mesma offlcina toma &<3 mobiiia para
se envernisar
ra os
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se fallar aos seguintes senhores :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Jo5o Vaz de Oliveira.
Jos6 Franci3co Lopes Lima (V'azareth)
Manoel Pereira Brandao.
Manoel dos Passos Miranda.
Theotonio de Barros e Silva.
Francisco de Paula Borges.
Francisco Antonio Pontua_________________
Traspasso de casa.
Traspassa-se ate" 3i de agosto uma :-.;::de casa
na povoagao de Apipucos e com m., s commo-
dos : a tralar no 1* andar do sob;aio da tra
vessa da ma do vigario, n. 1, escripton.->.
Acha-se coristantemente & testa do estabelecimento e insppc- ionando todes
para^o.s 0 Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Hello
COMJLTORIO H0ME0PATHIC0
DO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manha, e a noite ate 9 horas
aos pobres.
as prr-
Garanhuns. j
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-se I
allar aos Srs. Pedro do Rego Cbaves Peixoto e
ose Paes
.asse
da Silva, a negocio de particular inte-
Engenho
Tendo aoontecido um desarranjo na ma-
china de gelo, os febricantes vem por meic
deste pedir desculpa aos seus freguezes pela
falta que tem havido nestes dias ; esperarn
porem, em qualquer destes dias fornecer a to-
dos as qu*ntidades do costume ; aproveitam
tambem a occasiao para prevenir aos seus
freguezes que teem em viagem uma roa-
ch ina nova, de maior forga e do system*
mais moderno, que fabricara" im maior*es-
Vende-se o engenho S. Pedro, situado na pro-
viccia de Alagoas, comarca do Porto Calm a
menos de uma Tegoa distante do porto de mar do
Gamella, tem oxceilentes terras, matas, e safreja
regularmeate 2/00 paes : a Iratar na rua do Vi-
gario n. 31. ____________ --------------------
- Annuncia-se na rua estreita do Rosario n.! ( com.t,oda presteza as quantidades que
21, na fabrica de moveis, chamando os freguezes iIorem exigidts.
para comprar obras a prejo commodo para os] S>anto Amafo, 17 de marco de 187i.
freguezes tem ; tem na dita fabrica boas pecas i Pelos testamenteiros de C. Starr & C.
de obras- William W. Webster.
Offerece-se uma criada para casa de estr&n-
geiro, tem boa conducta, presta-se para todo o ser-
vico de casa : quem preeisar, dirija se a rna da
Aurora n. 5; loja, qne achara com quern tratar.
H. Lundgren faz publico que durante a sua
viagem em Europa Hca encarregado de seus ne-
ernisare empalhar, nor preco temmodo pa- 'gocios com plenos poderes o seu nwio o Sr. R.
freguezes. I Lundgren. Recife, 23 de abril de 187*,
_ Pelo presente declare qne tenho vendido a Prerha P Up nm feitor one seia trab-ilhador
Z^a^C^^^A'rSS^ UliD Fef- e One C&"to fffi^ nrslBSfSl
nanaesdauosta, moradorna cidade de Maroangua- a Ha nhA n* ma nimta n 8
pe.por 1:2004, que do mesmo senhor recebi : e T b6a "?
assim o declare porqne a dita wcrava. indnzida
porum meu inimigo, intentou contra mim uma
accao de liberdade, que foi julgada improcedenie
por duas sentencas de primeira instancia, da qual
appellou ex offlcio o digno joiz para o superior
tribunal da relacao. i
Aluga-e um preto para todo servico, inelu-
sito cozinha, por tambem enteader :*a tratar na
pra^a do Cerpo Santo n. 17,3 andar.
O abaixo assignadb faz sciente aos seus pa-
rentes e amigos, que encarrega se de tudo quanu>
for necessario, a assistencia nesta cidade, me-
diante alguma cemmissao ; podendo ser procura-
do nesta typegraphia.
Pedro Bizerra Cavalcanti Maciel.
Precisa se de um caixeiro com bastante pra-
tica de molhados, e qne nSo seja crianca : a tra-
tar na iua Direita n. 21, armazem do pescador.
i
i
j
*!


"*r

6
W&m to&*W4&<*wr &**& tem^fa&v&Jtoffll
PHOTOGRAPHIA
ERIAL
1/ -., Awn?4*V
Na rua d(y Rr.rao da Victoria n 36,
faHar ao Sr. 2." tesente Juii Maria Pes
gacie de sen ImvreTsST ^ M
V*
LOPES &C.
ESTABELECIMENTO DE PRIMEIRA ORDEM
Rua A) Bariift da Victoria n. 14, sobrado
(ANTIGA RUA NOVA)
Trabalhos premiados na ultima exposicao
DO
RIO DE JANEIRO
Acha-se montado sob as raelhores condir,6es de arte, *feerto a
concurrencia publica, este estabolecimento, o primeiro, sem duvida,
desta provincia, no qual se liram retratos pelos melhor. s emttt
modernos sjstemas, empregando-se someote material da primeira
qual dade, e garantindo-se
Semelhanca, nitidez e dnracao.
Trabalb.-so todos os dias uteis e de guarda, d'estfe a 10-boras
da manha a's quairo da tardo, nao prejudicando o tempo de thuya
ou nublado a perfeicao dos retratos.
Faz-se todja qu lidade da copies, augmentando-as ou diminuin-
do-as.
8$000
Uma duzia ae retratos de uma s6 pessoa, em cartdes para al-
bum.
Para os retratos esraaltados, colloridos, grupos, e augmentados ha
uma tabella de precos.
Tram-se retratos ate tamanho natural.
&t*
/\ \%m /& preci.-a-e de uma ama : d
2* andar.
rua Duque de Caxias n. 0,
DE NOITE
SR
Constando aos abaixo aisignado acbar se nes- i
ta praci o Sr. Manoel Femandes de Carvalho, ren- j
deiro dos engenhos Barra e Pregui^a, em Ma-1
manguape, provincia da Pirahyba, veetn rogar ao
mesmo o obzequio de Tir entender-se com os
abaixo assignados immediatamente sobre negocio
tendente ass referidos engeuhos. Rua do Amorim
37, escri,.torio.
^^^ Tas-e Irmaos & C.
Vicente fugio.
Na uoilo de 13 pra li de marco do corrente
judo fugio o mulato Vicente, escravo, de 20 annos
le idade, bonita flgura, bai-ba e estatura regular,
eyando vestida e em urn sac;o roupa de algodao
braneo e idguma mais fina pertencente a um cai-
o da ca>a d'onde fugio ; e natural da fregue-
zia de Sant'Anna do Maltos, diz ser livre, easado,
e ter sido etiado em comaanhia da madrinba D.
Ann.-: Luiza da Luz, de <]u=ui alias foi escravo :
. | iilanto, aos senhores capitaos de campc
e auloridades polifiaes a apprehenr-Fn do dito es-
av i, e en:rega-lo na cidade &> Recife, rua do
Crespo n. 10, ao Sr. Joaqnim Uoreira Reis, ouna
cilade do Assu ao Sr. Torquato Augusto de Oli-
veira Baptista, que serao generosamente gratifi
cad s.____
r?
i .-.>.
iNa rua do Bario da Victoria n. 36, nrecisa-se
fallar ao Sr. vigario Andre Curcmo deArauio Po
reira, a negocio de seu interesse-
jj Consiiilerio medico-cirnrgico jS
% A. B. da Silva Maia.
#j Rua do Visconde de Albuquerque n.
M, 11, outr'orarua da matriz da Boa-Yista
0. n. H.
V Chamados : a quaiqner hora.
rJ Consultas : Aos po;.j e3 gratis, das 2 as
'7J 4 horas .da tarde.
^V
Ci
fl
ft't
^ .: : i i :m dias do mez da ;-!)ril corrente o cabra
. de .'lade 24 annos, estatora regular e
ida bem vestido e algamas vezes cal-
i, lo, ti a, signaes de bexigas no rosto e falla cor-
natural da provineia da Parahyba,
K. ; p6r qoe tenh ido para S. Jose das
Pom ou LagOa dos Gatos nesta provincia, aonde
tem pai rites; tambem pode ter que esteja occul
i" i lade, Iratando da ?e libertar sem pagar
a seu !: res : roga-se por isso aj auloridades
polici e capiiSes de c^tnpo a sua captura, pro-
met i iio-se Ota gratilicacao a que::. a realisar,
iir g ind i-o m rua do Apollo n. 2.
'X c
03.
Comedorias e flores.
Na rua estrcita do Rrsario n. 33, sobrado de
um andar, defronle do liarbeiro e por cima do
cartono, ctntinua-se a fornecer corned rias para
fora. com assek) e pro i ptidao, o que muito util e
ao- Srs. a"ademicos que tem Je chegar na aula a
boras marcadas, sendo os precos mni razoaveis.
Na mesma ca?a apromptam-se bandojas com bo-
; ra bailes, easamentos e baptisados, pao-
de-16?, boles, pudins e paste1* de uata enfeitados
, Faz se palmas, bouquets, capellas, fes-
- t la a qualidade do Qores soltas, de cera,
panno on papel : tudo na rua estreita do Rosario,
ca a da fli*tista.
m\ DA F#RTU\A
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:M$#M.
0 abaixo "'signado tern sempre exposto a ven
'-" bill loteria do Rfo, cuja extraccao an
auuciara pelt jornaes.
I'recoj.
Fnteiro 24^000
Meio 125000
Quarto 65000
Man- 'I Martins Fiuza.
Galiza.
rarvslho & Nogueira, na rua do Apollo
. 20, saccam sobre as seguintescidatfes da
"aliza. na Ilespsnha : Santiago, Orense,
Matron, i'errol, Ponte-vedra oCoruna, qual-
que. quantia a" vista e por todos os paque-
des.
Nao se prestanio 0 pequeno espaco do armazem
d. 10 A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro estabelecimento sob a mesma
denominacao de
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporc5es desejadas, e onde pode-
rao os senhores freguezes dirigir-se, certos de
3ue, como ate aqui, acharao sempre a par da mo-
icidade dos pregos, a maior sinceridade possivel.
Enlre as differentes marcas de fumo da Bahia e
Rio de Janeiro, que tem sido annunciadaj, acaba
de chegar uma encommenda especial, e que muito
deve couvir aos senhores freguezes. Consciente o
abaxo assignado de queneste genero de negocio
nao esta sem competiddres, fara muito por evitar
qne tambem ot tenha com relacSo ao pequeno lu
cro que procurara obter da dita mercadoria.
Jose Domingues do Carmo e Silva.
Atyiq Precisaso de uma ama para cozinhar,
xillld paga-ce bem : a tratar na rua do Hospi-
cio n. 70, casa terrea de bolas aqtarellas na cor-
nija._____________________. ._________
Precisase da uma esciava para coziahar e
comprar : a tmtar na rua Krimeiro de Marco n.
23.
ra c.-zi-
JL\\ A Prccisa se de uma ama pa
AJMA nhar: na rua de Thome deSor
assim comfl se preefra na mesma casa de um" cai-
xeiro de li a l.*i annos, que tenha pratica de la-
versa._________________________________
Precisa se de uma ama'para
cozinhar e comprar ptra caaa d
pouca familia : a tratar na rua
Primeiro de Mango n. 18, 2. andar.
' Prefisa.ae de oma ama livre ou escrava,
para todo servico de casa de pouca fami'ia : na
rua do Imperador n. 27, sejaindo andar.
AMA
1 *
Piecisa-^e de dma ama que saiba cozinhar
e engommar: tratar na pra?a do Corpo Santo
n. 17, 3 anlar.
A "!". k Precisa se de uma ama li-
A II A vre ou escrava, qne cozinhe
*rm-LT --*-*- com perfeicao: na f..briea a
vapor de cigarros (antigarna doquartel de potfeia)
n. 21. if/
Ama cl<* leite
Precisa se de uma ama de 1 ite sem filho na
rua do Cotovello n 129".
Ama
lo n. 129.
Precisa se de uma ama para cozinhar
em casa de familia : na rua do Cotovtl-
AlVfA Precisa se de uma ama cozinr.eira :
"-1""**- na ma do Hospicio n. 54.
Ama de leite
Precisa se de uma ama que tenha bastante
leite : na rua Direila n. 8.
Arno Precisa se de nma ama para servico
j^.iua> intgrno : na raa j0 Bar5o ,ja Victoria
n. 22.
Ama
mero 22.
Precisa-e de uma ama para coil-
nhar : na rua do BarSo da V.ctoria nu-
Ama Precisa se de ama engwnmadeira : na
xxmai raa |arga do R0sarj0 D 26, g andar.
PreciM se de uma ama perita co-
zinheira : na rua do Livramecto n.
6, loja.
AMA
Ama
Precisa-se de
uma ama para
cosinhar e fazer outros me-
nores servico de casa de
pouca familia, preferindo-se
escrava; naru do apibari-
be n/40.
AMA
18.
n.
Precisa se de uma ama para casa de
pouca familia : na rua 1 de Margo
Preci>a-se de uma ama para cozinhar
para casa de familia : na rua Direita n.
66, loja de ourives.
Ama
Carlos !:. McMquita Falcao
Pedro Rodrigues de Souza e sua mulher ainda
sob o peso da ju^ta dor que lhes causou o falle-
cimento do seu compadre e amigo Carlos E. Mes-
quita Falcao, fazem celebrar no dia 27 do corrente,
na jgreja matriz de S. Jose, pelas 8 horas da ma-
nha, uma missa pelo descanso eterno de sua
alma, e muito agraJecidos Ocarao a viuva, paren-
tes e amigos sens e daquelle flnado, pelo seu com-
parecimento a esse piedoso aeto.
Aluga-se o sobrado de um andar e loja. o
qual tem proporjS:s para casa de negocio, sito
no largo da ribcira da freguezia de S. Jose n. 5 ;
advertindo que tambern se aluga separadamente :
a tratar no mesmo acima referido, ou no pateo de
S. Pedro, sobrado h. 9.
Altencao.
N. 10,200
!
Pede-se ao Sr. Jose Caetino, da Amenea lllus-
i, o favor de apparecer na rua Primeiro da
;o n. 7 A, 1 andar, a negocio de sen interesse
Conshndu ao abaixo assignado quo a Sra. D.
na Maria Cavalcante de Albuquerque, mora-
d ni na ci lade da Esca a, quer vender o escravo
fzidor > que esta em seu poder por contemplacao
de familia, previne-se ao respeitavel publico, que
nao faeam negocio, pois essa senhors pouco ou
nada tem no mesm>, e sire os herdeiros do seu
primeiro mr.rido Jose Joaquim Gavalcante de Al-
buquerque, como mostra se pelo inventario feito
Alagoas. Utinga, 14 ce abril de 1874.
Antonio da Silva Marques.
Eg 0 desembargador Motta mudou sua A
g* residenciaparaaruaVelha (Ponte Velhi) "
" entre o n. 6 e 8, casa nova.
Purtaram do caes do Ramos duas Uboas de
Cpstado de sicopira cam 60 palmos de comprido e
palmo e tncio de largo: gratifica-:e a quem der
noticia no caos Jo Ramos n. 42.
Ciaheiro njuros
De l-finn a 2:0005, main ou menos, com hypo-
thec r-asas .-iqai na cicade : se dlra quem da
r.asTuas da imperatriz n. 38, loia, ou Imperial
nnmero 5.__________
N&oia linns cabeilos
Precisa se de uma senhora que esteja habilitada
para ensinar o portnguez, francez, piano, costuras,
berdados, etc., etc., e que queira ir para um en-
genbo perto de uma das estagoes do Recife a S.
Francisco, para ensinar a umas meninas que ja
estao principiadas, pnga-se 1 000&, e gratifica-se
gradaando : a tratar nas Cinco Pontas n. 82.
jk BACHAREL MIGUEL AMORIM f
S Advogado 2
*4 Rua do Imperador n. 71. jD
Uma pessoa vinda da Bahia, precisa fallar com
o Sr. Antonio Jose de Freitas, roga portanto o fa-
vor de apparecer a rua da Cruz n. 6, armazem.

AVI
Precisa-se comprar dous escravos, pedreiro e
carapina, paga se bem : a tratar na thesouraria
das loteria*, a rua Primeiro de Marco n. 6.
a
9.
*v
VlT- '.
Frastes.
Compra se e vende-se trastos novos
e asados no armazem da rua o Im-
perador n. 48.
9

#-a
*s
^&s
'
r>
Grande escala
S6 o n. 20
A rua doCrespi), loja das 5 n< rlas
DE
(-a liMijuiiist: a c.
Junto a loja da esouiua.
MKTINS CHINEZES,
Preprics para vestido os mais modernos, pelo
diminuto pre?o de 280 rs. o corado, 5 pachincha I
Dao-sj amostr^s.
ORGA.\DYS DE COHES.
Fazenda fina e com bunitos padroee, pet) dimi-
nuto preco de 320 rs. o corado, 6 pecchinchai I
Dao-se amostras.
CHITAS COM PANNO DF. CRETONE.
Fazenda finissima, com lindos podiSes, pelo di-
minuto preco d 6 pechincha I Dao-se amostras.
I.AS EjCaCEZAS.
Completo sorttmento de 15s escocezas, e para
acabar se vende a 210 rs. o oovado ; e pechincha!
Dao-se amostras.
CASSA LANE.
Grande sortimento desta fazenda, com os mais
bonitos padrties que tem vindo
LOJA
NA
Rua da imperatriz n.
PARA LIQUIDAR
<...nulliiu prvU a- ftOO rs. o CAMI^AS FttAJNXIiZAS A 2^000, 3W0'
oovado. 3^W9 V. 3f;9W:
0 Pavio Tende granadioa prtta e lavrada,
pelo barato pre?o de 5W-rs o covado. 0 Pavap.wrjdftuw.b^RifQ SQr^m^pjde
Madapolao eqf^stodo a ^00#.rof5 frRWf*i ^jP*^? dfcaj^d*?, i
ape^a.
O Pavao vende
festado, pelo baraio pre^o de 31000 a pe^q.
Ditas sem ser enfestado, cem ^0 jafdas, a
5JMH)0. Ditas com Mi jardfce mwto boa
que tem vindo e que vende Be
S^rDao-KmoS "^ : ^ fad. "fl^^M e~7j^>o'.
chmcha I Dao^e amostras. ARAg ALPACAS PRETAS A 50Q, 6W E 800 R!*,
Com bonitos padroes, qne se v.-nde a 260 rs. o ParSo tem. um graode .sortimento d&
covado ; 6 pechiocha I Dao-se amostras. j alpacas pretas, qoe vendea 500, 640 o 800^
HOLLANDA. rs. o covado, assim eomo graode sorti-
Brim Hollanda, liso o que ha de mais lino, pro- mento de cantdes, bombazinas, princezas
pno para costumes de homens e meninos e ves- nrftta, mftrinrts nntras mnita faronrlac
tidot para seataoras, por ser muito fino e iinao Pretas.' raenn0s. e
puro, e se ven !e pelo diminuto preco de 560 r*i propnas para Juto.
o covado; e pectiincha I Dao-se amostras.
BRINS DE CORES.
23000 c 29500; Ditas com ptjto cto^iflho
de 35000ji.GJWOfl. Ditas ibwdadas muito
pejas de madapoteo eq-Ifinas de OjgOPP a IftyQW't a.5ilP: CPJii;
grande sortimento de, ceroulas de linho
algp,d5Qr pqr precis baratosy e.U.inJj.
couipleto^ostirpflqto.deipup^t*^,^ "
ttnto da litiho como do algodao,
m cQnja.
KwpartiHlos a m$W*j
Brins de cores, linho puro, com bonitos pa-
droes e qne se vende pelo diminuto preco de 560
re. o covado ; e pecaiDcha I Dao-se amostras.
CAMISAS DE CRETONE.
Camlsa- de eretone, o que ha de mais finis,
com lindos padroes e que te vende a 40^000 a
duzia e 3|80(i eada ama ; e pechineha I so se.
vendo
Sedizihaa a 1S4MK
OPavaoveBde sedas coto-Hstrmhas de
cores a 19600 o covado. Ditas com pal-
minbas a 29000. Ditas com toque de- mofo
a 19000 e 19400.
CAMBRAIA VICTORIA A 4*000, 49500,
09000 E 79000.
0 PavSo vende um grande sortimento de
Assim como um deposito de mais fazendas que cambraia Victoria e transparente com
s vendem por menos do que em outra qualquer 8 1/2 varas cada pega, pelos baratos pregos
parte, como sejara : !de 49000, 49500, 59000, 69000 e 7C000
Cortes de casemira de cores a 45 : e pechin '
Idem de brim pardo fino a 1 |Sfl0; id-n. co", a 7|j000, 6 peohincba.
OPffvIo vende um bonito sofrti mento de
espartflbqs mo^flOS a ^50^ 44000 e
5?000 assHn.cemo um,,bOp;t0. sort;mentc
desaias braneas, bordados, a 335000 e 69000.
e ditas.de lasinha de e*e^ k 9$Q0Q -._ 6-pe-
cbBichBi #
Colchas de fustao com barra, muito israndes a
4 & ; idem.
Idem idem braneas, idem idem, a
Cobertas de chita adamascada fina,
a 3j500 i idem.
Lencoes .te bramante, idem idem, a 25 ; idem.
Toalhas alcochoadas a 53500 a duzh ; idem.
Lefleae de -:asa com barra a UO'O a duzia ;
idem.
Idem ilem idem brancos abainhaJcs a 2.5000 ;
idem.
Idem em caixinhas aiuil-t lindas a 33500 a
duzia.
a pera, assim como, ditas de salpico bran-
eo, a 70000, e
NOVAS LAZltfHAS IA 500 RS.
0 Pavao recebea pelo ultimo vapor wa
elegante sort mento das mais lindas laiznhas
Seroulas de linho e nlgodao a '8 a duzia.
Na rua do Torres
de ambos os sexos.
n. 20 cospram se escravos
0 bacharel Joaquim F. Chafes Junior, advo
gado no foro do Palmares, incumbe-se de cobran-
Cas amigaveis e judicial na mesma comarca.
Aluga-se o 1 andar e o armazem do sobrado
da rua dos Burgos (Recife) n. 11 : a tratar na rua
da Praia n 20, com Jose Feliciano Nazareth.
Aluga-se o pavimento terreo da casa n. 41 a
rua do Rangel : a entender se com o proprieta-
ry no 2 andar da mesma casa.
Da st sociedade em uma tavrna bem afre
guezada e em bom local, a uma pessoa deboa
conducla, e que entre com algura capital : nesta
typographia, carta fechada com as iniciaes M P.
R. C.
espanadores de paiha
reita n. 14.
ouncury
rua Di
uompra-se um
angel n. 62.
portio de ferro : na rua do
f -.4
nWTURMH JlPflNEZi.
so t nr:caaj>provada pelas academias de
mbecida superior a toda qtie"
parecido ate' hoje. Deposito princi-
pal 6 rua d* t^deia do Recife, hoje Mar-
qatttaOHada, n. Si, i.o anitTt e em
todas $s boticas e cisas da cabellei-
reiro.
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem a honra de annunciar ao
publico que recebeu ultimamente um esplendido
sortimento de lustres de vidro, candieiros, aran-
delas e globos, cujas amostras eslao no escriptorio
a rua do Imperador n. 31, e serao vendidos aos
seus freguezes pelo preco mais razoavel possivel.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n. 86,
sito a rua de Lomas Valentinas, com cs commo-
dos seguintes : 2 salas grandes e frescas, 3 quar
tos bastantes grandest cos;nha f6ra, um corredor
ou quintal, com portao que da snhida para a rua
de Hortas, e cacimba com boa agua agua : bem
como a loja do mesmo sobrado, com 3 quartos,
2 salas e cozinha fora : quem pretender dirija-se
a rua Neva n. 17, loja, que achara com quem
tratar. Aluga-se tambem o primeiro andar do so-
brado silo a tavessa dos Expostos n. 28, com suf-
fieientes commodos para caixeiros, ou pessoa de
pouca familia : quem pretender dfrija-se a rua
Nova n. 17, loja. _____________
Renniio arlistica.
Domingu 26 do corrente as 10 horas da manhl,
no salao da Sociedade M^nte-Pio Popular Pernam-
bucano a rua do Imperador n. 83, terceiro audar,
haver* ama reuniao.
A stciedade Philantropica dos art'tstas, convida
a todos os artlstas em geral para tratar'-se dos
melhoramentos da classe.
0 1.* secretario,
_________ Antonio Marcelino dos Santog.
0 Sr, Jose Antonio Gocreia, vindo do Cwra,
e qde uiumamente esteve em Serinhaem queii
& bondade de apparecer na rua do Marqnez
dOhnda n. 23, armazem, a negocio de sea inte-
resse.
firaades pechiuchas!
SO'NA
SULTANA DE PARIS.
A'
Rua da Imperatriz a. 5-1.
Manoej Ferreira de Oliveira, dono deste novo
estabelecimento, scientifica ao respeitavel publico
que acaba de receber um completo sortimento de
fazendas finas de todas as qualidades, tanto de la,
como de linho, seda e algodao, o que ha de mais
moderno e do melhor gosto, e portanto convida as
Exmas. familias, amigas da economia dorae-tica,
a virera ou mandarem a SULTANA DE PARIS, e
verao que compram fazendas bonitas e baratas por
menos prec/) que jatnafs coinpraram.
Como sejam :
Popelinas de seda com listras muito modernas a
1*800 o covado.
Setim Maeao de diversas cores a 2*500 o covado.
Grosdenaples de todas as cures.
Fachas de seda para senh ra a 10*000 cada uma,
e grande pechincha 11
Colletes enfeitados para senhora, muito modernos
a 535' 0 cada um.
Lasinhas de cores em grande quantldade de 260
a 500 rs. e covado.
Pecas de cambraia transparente de 3*000, 3*600.
4*000, 4*500 e 6*000.
Dita Victoria para todos os precos.
Gravalinhas deseda para senhora a f jOOO.
Chitas de cores de 240 a 320 rs. o covado.
Pecas de madapolao com 20 varas a 4*600, 5*200
e 6*000 a peca.
Dito francez com 20 jardas a 5*600.
GRANDE PECHINCHA I I I
Chapeos de sol de seda de todas as cores, para se-
nhora, a 4*01011
Difos para homem, de 12 hastes, cabo de marfim e
sedatrancada a 12*000, so na SULTANA DE
PAWS I I
CoUarinbos de linho, lisos e bordados a 4 000.
5*000 e 6*000 a duei*
BRIM DE ANGOLA I !
Vende-se brim de Angola verdadeiro, o melhor
fib 610 rS o covado, s6 na SULTAN \ DE PA-
RIS, a rua da Imperatriz n. 54.
Cambraia Victoria fina a 3*800 a peca ; c pe-
chincha.
Algodao marea T largo a 4*500 o 5* a peca.
Madapolao fino a 4*800 a peca.
Madapolao francez muito fmo a 6 j a pe;a.
Brim pardo muito fino a 400 rs o covado ; 6
pechincha.
Cambraia transparente, o que ha de mais fina
a 6 i a peca.
liaptistas de cores modernas e com liudos pa-
droes a 400 rs. o covido 6 grande pechincha I
Dao-se amostras.
So o n. 20
A" mi do Cresp;\ Ija das 3 porias
DE
<.i ii.hi: iii; a c.
Junto a loja da esquina.
O exiassciiMinieiiio acha-se aborlo
daN O limns da manliu :- O
lioraw da nolle.__________
GRANADINAS
(irana'iinas de seda pura, preta com listras
de cdres o padroes os mais bonitos que tem
vindo ao mercado e que se veade pelo di-
minuto proQo de 5uo rs. o covado, por ter
um pequeno toque de mofo, e fazenda de
290(0 o covado; c pechincha. Dao se
amostras.
Bit;: biaaa
Rriin br, nco muito fino, fazenda de
29i>00 a fara, que so wads por 19400 a
van, por estar com um pequeno defeito ; e"
pechincha.
Nettns francezes
Metins francozes, fazenda muito fina, pa-
droes modernos, fazenda que jd se vendeu
por 500 rs, a 3u0is. o covado; e pechin-
cha. Dao-se amostras.
Cretones do listr s
Cretoncsde listras, fazenda acolchoada, pa-
droes muito lindos a 400 rs. o covado ; dSo-
S3 amostras.
3 s ; idem,
idem idem, I cl8
para vestidos, sendo transparente* com as
mais delica^as cores, e modernissimos pa-
droes, que vende pelo barato prego de 560
rs. o covado, a" rua da Imperatriz n 60.
LIQUIDAGAlO DE ROUPA. PAR.\ HOMENS.
0 Pavfio vende um grande sortimento de
roupas para homens, sendo palitots saccos,
ditos fraks, tanto decasemira preta e de co-
res, como de panno ; assim como um avul-
tado sortimento dacalgas do ca^emira preta,
de cor, de brim de cor e braneo, e um
grande sortimento de colletes de todas as
qualidades.
Tendo tambem um bom sortimento de
camisas inglczas e francezas ; assim como
de ceroulas de linho e de algodao, e vende
todas as roupas acima mencionadas pelo ba-
GORTINADOS BORDADO^ PARA-CAJHiV E
JANELLAS, DE 79 ATE',255?O0O CfAR'
0 PavaO'Veade um.graipde sortimento de
eortinados bordados, prolpcws para cama e
janellas, pelo baraio pregi da 79000,89000,
10,3000 ato 259090,
de damasco de 15 muit
129000 cada uma.
mi como : colxas
fina de 109000
BRAMANTES A 1980$), 29000 E 29500.
0 Pavao vende bral/nantes. para lencoes,
tendo 10 palmos de largura, sendo ode
algodao a 19800 o 28tU)0.a vara, e deJiOho
a 29W0, 29800e 390.00avara: e peeain-
cba.
CASEMIRAS A 590G0, \ 69000 E 79000.
0 Pavao vende c6rtes de casemiras para
calgas, sendo padroes modernos, pelo bara-
to preco de 5*000, 69000 a 79000 o c6rte,
assim como : pannos pretos das melborej
que tem vindo ao mercado, de 49000, 89 e
109000.
ESMERALDINA A 800 RS.
0 Pavao recebeu um bonito sortimento
das mais tb gantes esmeraldinas ;com listras
de ceda, sendo em ceres e padroes as mais
novas que tem vindo ao mercado, propnas
ratissimoprec,o, porquerer liquidar, na loja para vestidos, e vende pelo baratissinw/pre-
da rna da Imperatriz n. 60, de Felix Perei- cj0 de 800 rs. o covado, a rua dafaippratriz
n. 60.
ra da Silva.
Acha-se constantemente aberto
a"s6 de noite.
.n'.o do PAVAO, das 6 horas da raau-ba
o
cslrangeipo
Paris n'America, a
rua Du-
que de
primeiro andar,
Oaxias n. 59
aeaba de receber um completo
sortimento de calcados estrangeiros para homem e
senliora, vindo entre ellcs um liado sortimento de
elegantes chiquitos, sapatinhos e botinas para
criMiras, que tudo vende por precos razoaveis.
Panno de algodao da Bahia.
Vende de todas as qualidades Joao Rodrigues de
Fai ia : na rua do Amorim n. 33.
Fumos
Da Bah a e do Rio, vende Joao Rodrigues de Fa-
a a, rna do .'morim n. 33_______
Lindas las escocezas.
De varios padroes, e inteiramento modernas, i
360 rs. o covado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja das columnas, de An-
tonio Cprreia de Vasconcellos.
Madcipoloes
Madapolrjes com um pequeno toque
avaria, de 35500 a tipOOO a peca ; e
cbincha.
. CHITAS PERCALES
Chitas percales avariddas a 240 rs. o
vado; e pechincha.
SO' 0
.V SO da rua do Crespo
Loja das 3 portas
DE
dialterne &C.
Junto a loja da csqulna
Vende- sc
de
pc*
CO
os para sonhora.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de chapeos para senhora, ultima moda e
vende por preco comraodo.
a muito afregue/ada taverna da
rua Imperial n. 115, tanto para o mato'como para
a praca, porque o dono retira-se para Europa : a
tratar na mesma.
Vende-sc o sitio do Dr. Alvaro Caminba, com
casa modcraa e de gosto, que fica proximo a es
tacao de Sani'Aona : quem o pretender, entenda-
so naquelle lugar com o desembargador Francis-
co Domingaes da Silva.
Fazendas avariadas
na rua do Queimado n. 43, defronte da Pracinha
da Independencia : madapoloes, algodoes, chitas e
outras faiendas, por todo precoCorram fre-
gueies.
So o 43.
TaiiWDcos do I'erlo.
Vende-se tamancos e chinelas sapalos de tran-
ca, tudo do Porto, para homem e senhora, pro-
prio para o inverno, chegado pelo ultimo navio :
na rna da Senzalauova n. 1.
PHQSPHATEdeCAL
GELATINOSO
dlLEROY
t PBOSMATO K CAL CILITIKOIO DE HBO?
tem Mas affno Ihtripn tica unit*
oderaza sobre os indi'lduos a/feeladot da
enfermidades not ossos e de uma constiluifSo
dibit. Forna-se indtaponsarel para as crian(as
a quem ajuda a fortifica a cremnpa.
E de um gesto muito agradatel e de uma di-
gests* facil. Preco do frasoo : 8 francos.
Parti, pharmacia'LEROY, IS, rua d'Aqtin.
A California
DE
Fazendas baratas
Ha rua do Queimado a. 43.
Defronte da prica da Independencia.
E' para liquidar 1 I
Lazinhas a moda a escoceza a 200 e 240 rs. o
covado.
Cretone a prussiana a 320 r3. o covado.
Cambraia transparente fina a SI a peca.
Dita Victoria fina a 3^500 a peca.
Toalhas lelpudas a 500 rs, uma.
Brim pardo lino a 400 rs. o covado.
Algodao T superior, pouco sujo a 3 e 4 a peca.
Madapolao, pouco suja a 45 e 55 a peca.
Ci ita, fazenda propria para roupa de escravos a
200 rs. o covado.
Lencoes de bramante a 2.
Briniznhos de listras proprio para vostidos a 3/200
o covado.
Venham ver, so na loja das pechincbas.
Dao-se amostras.
FAZENDAS
B -RATAIS
Na rua Duque de Caxias n 44, confronte a
pracinha da Independencia, esquina do
becco do Peixe Frito.
Metins para vestido a 360 rs. o covado.
Granadine de cores a 500 rs. o covado.
Las escossezas a 280 rs. o covado.
Chitas de diversas qualidades a 240 rs. o covado.
Brim trancado pardo, claro, muito bom, a 360
rs. o covado.
Leocos de cas.-a com barra a 15 a duzia.
Ditos braacos a 15600 a duzia.
Ditos de linho abanhados a 35500 a duzia,
Cambraia Victoria a 35500 a peca.
Toalhas adamascadas a 400 rs. cada uma.
Grande pechincha
Cliapeos dc sol cabo tie mar/im a
12$000 !
Com seda trancada e hastes de mala cana. na
loia da Rosa Branca, a rua da Imperatm n.'56,
Charutos e cigarros
dos mais finos e das melhores marcas, do Rio de
Janeiro e da Babia: no armazem do fumo, a rua
do Amorim n. 41, de Jo^e Domingues do Carmo e
Siha.
E' baraio!!!
A 5?00.
Lindos cortes de granadina com listras e Acres,
fazenda a mais linda possivel, com 18 covados
cada corte, pelo barato preco de 55 ; isto so se
vendo para admirar : na rua Primeiro de Marco
n. 1.
_Vende-se um sitio a reialho, na estrada do
Arraial, que lica na procedencia do sitio dos Bu-
ritis, sendo este sitio n'uma localidade muito ex-
cellente, ficando no centro de tres estradas, por
preco muito commodo ; tem terreno de 25 0 pal-
mo, com 240 e 250 palmos de rando ; assim co-
me, tem terreno para varios precos, com fundo
de 400 a 500 palmos, com muitos arvoredos, com
muitas baixas e sendo muito boas, um riacho que
cerre por dentro do mesmo sitio, com duas casas
seodo uma ds pedra 0 cal, feita a moderna, com
4 quartos, 2 salas de bom tamanho, e grande la
tada de parreiras, muito bom barro no mesmo
sitio : quem pretender pode vir a qualquer hora
Sue achara com quem tratar. Outra casa de ma-
eira com 3 quartos e doas salas e cozinha fdra.
ilalciio
Vendem se dous de amarello, envernisados, com
pouco uso, proprios para loja de fazendas, miude-
sas oq outro qualquer negocio: para ver na rua
da Imperatriz, fabrica de cigarros dos Srs. Ulysses
& Irmao e tratar com FOcas 4 C, rua Estreita do
Rosario n. 9.
Depojito em Pernambuto, A. RE60RD.

na
CAFE' DE JAYA
0 unico verdadeiro ven-
de-se na confeitaria do
Campos
Vi loiperador 24
Por todos os vapores re-
cebe-se nova remessa
AriiiJizew progress*,
Batatas novas a 30 rs. a libra, e a 700 rs. a
giga-
Chouricas novas a 480 rs. a libra.
LABGO DA PENHA N. 10.
Madapolao fino
na rua do Crespo n lO.
Pecas de madapolao fina e
largo, com toque, a-45, 4/500,5*e 55500,
qa fazenda superior e Iarga.
JA Alpacas de seda de cores, lavra-
'Jf das e muito linas. fazando nodenissima
'aL a 500ib. o.comdb.
\m Camisas de linns com toque
Q de bum, a i 5i>00 e 15 cada uma, e pe-
Q ohlnoba, isto 36 na loja n. 10, a rua do
fj Crespo.
Boa acquf sicao.
Vende-se 0 estabelecimento sito a raa EJstre ta
. do Rosario n. .4', com poucqs. fundos, proprio para
Saloa narril'ria qualquer negocio1 e para quaiqner principjanle,
OdISd. parriina. wnd0 nm ^ naaUnwa p*ntes Nova remessa, exeellente qualidade; vended [9 |MeeBde, dnija-sejao nesae, das 8 aa< manlii
rua do Vigario a. 16, landhr. 4s 1Q e^das *i|s .1 d* noite.
Vende-se
uma marqueza de amarello, um par de consolos
de jacaranda, e um pequeno toucador tambem de
iacaranda; tudo usado, porem em bom estado, por
barato preco na ma Imperial n. 125.
Vende-se um terreno em Beberibe (Porto da
Madeira), com 200 parrnos de frente e 600 e tantos
de fundo, tendo casa de taipa e coberta de capim,
todo cercado e ja plantado com alguraas an-ores
do frueto e legume : na raa da Penha n. 13t


-
I



Dii*fo>tte>ip&I!4kiafcofcM^^ 2&$mR\e,t\WPa



1
m


Cordeiro SiBiioes & G.
-E"B8tatima,daStts[as qae tobtje pode com pri-
roaaa oflereeer aos seus fretruezee um> *ariaiissi-
mo soriimento de faaendas firaas para grande toi-
lette, e bem assim para uso (irdinario de todas as
classes, e por precos vantaiosws, das quaes faz urn
peerueno resbrrro.
Mandam fazendas as cas; dos preteudentes,
para o qae tea pi*ssol aece;ssario,eiaa amostras
mediante penhor.
Cortes, ae seda de lindas Cores.
SrosdenapleS' de todasr as ciires.
Gorgurao branco, tizo, de listras, preto, etc.
Setim Maeao, pre to ide a>res.
Grosdenaples preto.
Vellado preto.
Granadine de seda, preta ede cOres.
Popelinas de Undo* padrdes.
Pitt do seda, branco e preto.
Ricas basqninas de seda.
Casacos de merino de corei; 12, etc.
Mamas brasfleiras.
Cortes coin cambraia Drama com lindos borda-
Rieas capellas e mantas para noivas.
Riquissimo sorlimento de las com listras de
seda.
Cambraiaa de cores.
Ditas maripoias, brancas, lizas e bordadas.
Xanzuqaes de lindos padrSes.
Baptistas, padroes den'cados.
Perl;r* d quadros, pretos e brancos, listras,
etc,-etc.
Brins de linho de cor, proprine Dara vestidos,
com barra e listras.
Ricos cortes de vestido de linho, c eites da
mesma cor, ultima mod?
bites de cambraia de cures.
Fustao de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas para seDhoras, de linho e al-
godio.
Sortimento de lams da verdadeira fabriea de
Jouvin, para homens e ssoltoias.
Vestuarios para meninos.
Duos para baptizado.
Chapeos para dito.
ffoathas e guardtaapos adainascados de. linho de
cor, Dara mesa.
Colchas de li.
Cortlnados bordados.
Grande sortimento de camisas de linho, lizas e
bordadas, para homens.
Meias de cures para bomens, meninos e meni-
a
iUas escocezas.
tiompteto surtimeptp de chapeos de sol para bo-
mens e senhor&s.
Merino de cores para wstiac*.
Dilo preto, trancado e dito de verao.
iMhado de liuho e algodio para toal
Atoarhado pa* do.
Damasco de la.
Brins de linho, branco de cures e preto.
Setim de liodas cures com listras.
Chales de merino de cores e pretos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta e tie cores.
Ditos de touqaim.
Camisas de chita para homens.
Ditas de flanella.
Ceroulas de linho e algodio.
Pannos de crochet para sofa, cadiras e conso-
t- Lencos bordados e'de Jabyriatho.
Colchas de crochet.
Tarlatana.de. tolas as cores.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana bordados
para eortes.
Bspartilhos lisos, bordados.
FouJardide seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas fachas de seda e la para senhoras.
Rico sorlimento de leques de madreperolas e
05SO.
Damasco de seda.
Casemira preta e de cores.
Cbilas, madapolao panno firio preto e aznl, col-
.'arinhos, punhos delinho e algodao, gravatas, la-
vas de no de Escossia, tapelei de todos os tama-
nhos, bolsas de viagem, peitos bordados para.bo-
mens, lengjs de linho branco e de cures, toaJhas,
guardananos, etc., etc.
WIIon Howe cV C vendem no seu armazem
a rua d9 Commercio n. 14 :
0 verdadi'im panno do algodao azul aroeneano.
Excellente rio da vela.
Cognac de 1* qualidnde
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra do. todas as qaalidades
Gran de pechincha de cami-
sas de linho.
Vendese camisas inglezas, de linho, muito fiDas,
para homem, pelo baratissimo preco de 35/000 a
duzia; quem duvid.tr venha ver e comprar : na
rus Duque de Caxias n. 88, Inja de Demetrio
Bastes.
As unicas vercladeiras
Bicbas hamburguezas raw vera a este mercado
ca rnr Manioez de. olmda n. 5t
7

ftua daTmperatriz n. tl'

l>E



*r.
I
resma
ffiNDES GUIMABAES lt IM.AOS
Acaba de reCeber um gratide sortknen'o 'do 'ftueHdasNpPtttae parb^un
Aos apieciadores do cafe do
Ceara.
pYende-se c.ifi do Ceara de primeira qualidade
pelo barato preco del tBOOO o kilo, e assucar refi-
aado de primeira qaalidade a 300 reis okilo : n*
rt finacao da rua do Raugel n. 43.
Sabaoa200 rs.okilo
No armazem do fumo, a rua do Amorim n. 41,
deJose D.-imingues do Carmo e Silva.
Vigor do Cabello
DO
GROSDEWAPLE PRETO A 1#860. ;
Vende-se grosdenaple preto para vestido
de senhoras, a 19800, '19,' S&, 4$, e 5J5 o
1covado.
PANNO PRETO A 2U500.
Vende-se panno preto de duas larguras,
para cal$as e palit6ts, a 2#30(, 35), 3??500
V9. a 6JTO0 o covado.
CORTES DE CASEMIRA TRF/fA A 55000.;
Vende-se cortes de caiemii a preta para '
calcas, a S9, 69, 19 e 8^000 o cot to.
MERINO' PRETO A"tfi0'J.
Vende-se merin6 preto fino, a 2^300 e
33J00O o covado.
BOMBAZ NA PRETA A 1$506.
Vebde-se bombai na prdta enfestada, a
Dr. Ayep.
Para a renovacSo do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello 6 ama preparacao ao
mesmo tempo agradavel, saudavel e efficaz para
conservar o cabello. Por iseio do seu uso q
cabello ruco, grisalho, e enfkjiieci4>, dentro 8e
pouco tempo rerolve h cor qae lb* e natural e
primitiva, e adqnire o brillio e a rrescur* do
cabello da juventude; o cabello ralo se torna
dc-nso e a calvicie muitas vezes, posto que nao
em todos os casos e neutralizada.
Nao ha nada que pode reformar o cabello
depois dos folliculos estarem destruidos, e as
glandes cansadas e idas, mail) se ainda restarein
algums podem ser salvadas e utiliiidas pt/b
applicac3o do Vigor. Libre fle eseas suhstancias
deleterias que tornam muitas prepatfacSes de est
genero tam.noitivas e destroetrras ao cabeHo, o
Vigor somente lhe e benefioial. Em ?eis de
Bujar o cabello e o fazer BMpjajftj o conaerva
limpo e forte, embellizando o, lmpedindo a gueda
e o tornar-ee ruco, e por consequinte prevme a
calvieie.
Para uso da toilette nao ha nada mais a dese-
j*r; nao contendo oleo hetti ^101*, nio pode
manchar mesmo o mais alvo lenco de cambraia;;
perdura no cab.'lio, lhe da an lustre hutwaoso,
e um perfume muito agradavsl.
Para reformar a cor da barb a, 6 neceasario
mais tempo de que com o carello, porem m pode
appressar o effeito, envolvendo a barba de noite
com um len9o molhado no Vigor.
IBEPABADO PCB
Dr. J. C. AYER & CA^ LoweU, Mass^
Kstados Trni,Joe,
CMmUoi JFVoeMeoa e AtuOytteo^
15500, 15800 e 25000 o" covadb.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende se alpaca preta fina, a 500, 640,
S00 rs. e 15000 o covado.
FAZENDAS DE CORES E CAMBRAIA
BRiNCA A 350t0.
Vende-se pecas de cambraia branca trflns-
parente a 35, 45, 55 e 68090, ditas de cam-
braia tapada, Victoria, a 35, 35800, 45
e 5^000.
CORTINADOS PARA CAMA A 162000.
Vende se cortinados bordados para cama,
a 165. 205, 2531 e 305000.
CAMBR IA DE CORES A 300 RS.
" Vende-se cambraia de cores ftnas, miudaSj
a 300, 320 e 360 rs. 0 covado
CHITAS LARGAS A 200 RS.
Vende-se chitas lsrgas para vestidos, a
I 240, 320 e 360 rs. 0 covado.
BRAMANTE A 15600.
Vende-se bramante com 10 palmos de
largo a 15600, 15800 e 25500 0 metro.
MADAPOLAO A 3&000.
Vende-se pecas de madapolao enfestado
a 35000. Dilo inglez a 45500, 55'>
55500, 65O00, 75000 e 85000 a pessa.
CORTINADOS PARA JANELLAS A 85000,
Vende-se 0 par do cortinados bordados.
para janellas, a 85 e 105010 0 par.
ALGODAO A 48000.
Vende-se pecas de algodao, a 40, 55 e
68000.
CEROURASA15000.
Vende-se ceroulas de algodao, a 15C00,
ditas finas de bramante a 18500 e 25 cada
uma.
CAMISAS BRANCAS A 25000.
Vende-se camisas brancas finas, a 25,
25500, 35 e 45000.
BRINS DE CORES A 400 RS.
Vende-se brins de cores para calcas, a 400,
e 500 rs. 0 covado.
CHA.ES A 00 RS.
Vende se chales de 18 a 800 rs., chales de
merin6 de cores, a 25, 88, 45 e 55000.
COLCHAS DE CORES A 25000.
Vende-se colchas de cores para csma, a
28, 35500 e 45000.
CHITAS DE CORES A 360 RS.
Vende-se chitas finas de cores, a 360 e 400
rs. 0 covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS.
Vende-se alpacas finas de cores, a 500,
640 e 800 rs. 0 covado.
TAPETES A 48500.
Vende-se tapetes para salas, de diversos
tamanhos, a 48500, 58, 68 -e 85000 cada
um.
COMO SEJAM :
LENCOS 'Bft\.\T0.S A 2-'(.0.
Vi-lule-s:'. leneds brai.cos li: os, -.i?000
28500 e 3? a ,!uzia, tike* de luilio, a '.5/
55 c GpliOO 0 dinio
CKOCHPS PAP.A CA'nntUSA lo00.
Vende-se pannos do crochc'.pa'ra endl'iris;:
a IjteflO Cada uln, colchas de di 0 para
noivas.
MADAPOI^AO I'llA'NCtZ A:?8W0.
Vcnde-se pecas de madapolao francos
rnuit i fino, a 75, 85 0 105000.
BRIMPARDO A 400 RS. 0 COVADO.
Vende-so brim pardo para calcas, a 400
rs. 0 eovailo.
CORTES DE CASEMIRA DE 58000.
Vende-se coru-s de-casemira de cores para
PREBEHiA
._. A' rua do Ckhugix n. I A.
0 prtjprtetirWSfMla- ftWllettR, no Intoito
onservar 0 bom conceito qne teem raereculo do
I5?pf*ft^r P^W d4*tiPgu)odo 0 sen eataHeleci-
i^SrJ&,^s 9UP ^Bot^ranp mesttjo genero
"PrMHtilJcar \(ki'sins Von ffegodrts qne pre-
-mn!*n atA'/bas jfr*s/tendehtes tws diversasipaT-
..as d'Europa para Ihes enviarem por todes/ospa-
L.;iryleg,9? tylP'to*, ,de 'uxo e boin gosto, qqe Se-
3 bem ateitos pelas sociedades elegantes
lani
calcas,-
4'1/i
a 25,
a 5p, 58bOO'o 65000.
GKOSDENAPLE 'PRETO.
Vende-so grosdennp'e preto com
palmos de largora, a 55 0 covado.
ESGU1A0 FINO A 2^000.
Vende se esquiao fino de libho,
25500, 3,? e 45 0 metro.
CHITAS PAR A COBERfA A 280 RS.
Vende-se chitas pard coberta, a 280 e 400
rs. 0 covado.
BRIM BRANCO" A IrOOO.
Vende-so brim branco do linho, a 15,
15280, 1-5000 e 25 0 metro.
BRETANHA DE LINHO A 640 RS.
Vende-te brelanha de liiiho, a 640 rs. a
vara.
/ FLANELLA DE CORES A 800 RS.
Vende-se flanella de cores, a 800 rs. 0
covado.
COBERTORES DE ALGODAO A 1;00.
Vende-se cobertores do pello a 15400.
Cobertas de chita a 1E800 e 25 ditas en-
cerna-ias, forradns, a 45, no Bazar Na<
rua da Impcratriz n. 72.
CORTES DE CASSA A 38000.
Vende-so .cortes de cassa nwudas
cada um.
GRA V.. TAS PARA SENHORA A 15.00.
Vende se gravatas para senhoras, a 15,
ditas para bomens a 500 rs.
ALGODAO ENFESTADO. A 18C0O.
Vende so algodao enfestado para lengoes,
a lj$000 a vara.
GRANDE SORTIMENTO DE ROUPA FE1TA
NACIONAL.
Vende-se palitots de panno pretc, a 58, 75,
80e 1O500O.
Vende-se palit6ts de alpaca preta, a 35,
35500 e 47000.
de panno, a 45',
a 35, 35500 e
Ven^e-se calcas pretas
60, 75 e 85000.
Vende-se colletes pretos,
48900.
Vende-se ceroulas. a 10,
3000.
Ytnde-se camisas brancas, a 20, 28500,
38 e 4J?0OO.
Vende-se ccmisas de chit's, a 15^C0, 20
e 35O0O.
CHITAS PRETAS A 320 RS.
Vende-so.ehitas pretasfinas, a 320 e 360
rs. 0 covado.
LAZINIIA A 200 RS.
Vende-se lazinhas para vtstidos, a 200,
320, 400 e 500 rs. 0 covado. No Bazar
National, ruada Imperatnz n. 72, de Men-
des Guimaraes & Irmaos.
jaquelles paiws, visto aproximar se 0 tettpb dt
wfta* em qun 0 belle* seao destai iinda Vetieza
awls.. pstenia a riqueza j oioja recebessem peja paqneta France? diverao
artigos a bltrma'-nloda, veem p'ateiitear alrtns
*5e*tre,ides ^oe'ge toMttmWais recommeBdaVels,
eeferaado do respeiurwl pnbRto a costumada
conenrrenfita,:
JfajfQ03 ie tartaruga os male lindos que teen
vfnHo so mercado
Albums ebm fleas oapte de'madreperola e d
veliudo, sendo diversos tamanhos-e baratos pre-
Adereeos-compietos'de horracha proprios aara
u.to'.tambem se Venffem m'eios'adetecos muito bo-
aitoa.
Botpas-de'.setim preto'e-de- cOfes. para ornate de
veatidos de senbora; umbem tem para collete
pabtot.
Bolsas parasehhbras, existe tim bello sortiraen-
de seda, de palha, de chagrim, etc, etc, por
barate'preoo.
Bonecasde todos os tamanhos, taflto de lonoaf
oomo de cera, de borracha e'de massa; cbama-
irios'a atfenja^'aas Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vews tornam-se as criancas iim pouco im-'
pertinentes por falta de nm obiecto qae as en-
iretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, venq*em-se"por preco cominodo.
Oeroote! de linho-e de Slgodac. de diversos pre-
00s.
Caixinhas cfjm mosica, 0, que ha de mais lmdo,
com, disticQs.nas lampas e proprios para presen-
le
' Coques flfraals modernos e de diversos forma-
'.OS.
Cbapeos para sonUora. Receboram um sorfimento
da ultima m6da. Unto para senhora, como para
meninas.
Capelfas 'simple* e com veo para noivas.
Calcas bordadas pflra meninas.
Entremeios esumpados e bordados, de lindoi
"'*snhos.
Escovas electricas para dentes, torn a proprie-
tade de evitar a carie flosttentes.
Franjas de seda pcetas e de cores, exiU> am
8_ande sortimento de divercas larguras e baratc
preco.
Fitas de *HH* j?rgia*o,.de setim e debea-
~lnte,..dftdiser<8A larguras ejosnitns cores.
Fachas de j^rgurao muito lindas.
Fi--r* artificiaes, A Predilecta prima em con-
efvar sempre'irm"bella e grande rorntflentb aes-
:23 floies, nao so para enfehe"dos eubellos, eomo
tambem para orcato do-vestido de noivas.
fla.'oes de aJgpdao, deli e de seda, brancos, pre
tos e de diWrsas cores.
Gravatas desedariara homem e senhoras.
baflM de unmbraia e de seda do ditersas cores
par* onora.
L,gas de seda de cores e brancas bordadas para,
aciva.
LKtos para ouvir missa, ccm capas de madre-
perela, marflm, os-o e veliudo, tndo que ha de
bom.
Pentes.de tartaruga emarfim para ,-tlisar os.ca.
beltos ; teem tambem para tirar caspas.
Pr.rt bbuqnet.'' Cnr bello sorlimento de madre-
perola, tnarfiff^'ocso e dourados'por bafato-prsco.
Perfuinari:'.s.,Neste arii^o 'fsta a Predilecta bam
Erovida, nao so em extractos, como em oleos
anbas dos melhorea. odflfes^ dos mais afamados
fhbrfcanlcs,' Lovrbin,;Pt^er, Socfedade Hygienica,
CoftdraV-, Gosael e Rlmel ; s6o' indispensa^els par*
18500, 25e!festa.
Saias, kirdsdas,.para senuora, por commodo
preco.
Sapatinhos de lare de setim bordados ,para bap
Usados.
Tapetesi Recebeu a Predilecta nm bonito sorti-
mento, de diversos .tamanhos, tac'n para sob co-
mo para ectrada de salas.
Vestrmeotas para, baptlsado 0 que ha de melhor
gostto e os rMlS'moderbosttece^eu'a'l'redileeta
de or ar;to preco, para flcar ao aleance
qualquer bolsa.
Rua do Gabugan. 1
Vende se larangeiras selectas e de umbigo,
enxertadas, como nao ha iguaes cm qualidade, e
de todo tamanho, assim como sapatizeiros e aba-
catizeiros : na estrada dos Aflkclos, silio da viuva
Quiutella.
IF-----:
^lagnolia ; 117
'm io}a"da HagWiaN'tua' Bbqne *6 Caxias a.' n^ftTI 'OTTTf A flri-
45, encontrara sempre o.respeitamal pubHcoiorfl ---v^,-' m-ax*M.-MJM.+ xa. vv^
complete torlirasnto do pcrfumarjs Unas, objectoe v
, de'pnantasia,'luvas de Jouvin, artigos demodae! __^ ^ ^X ^
d_ infadezas Qbasj assim ^cbmo mooiefdide nosTire- j H1CS11C3.
j
n. 1.
como moo
dos, agrado e s'iQceiidado.
Anneis electricos
Na rua Primeirb do Marco
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, aca-; Confronte ao arco de Santo Anlonio, Ufa de
ba de receber os verdadeiros anneis e voltas elec- Agostinho Perreira da Silva Leal & C.
Lannnhas, goito escossez, padroes inteiramente
novos, pelo diminuto preco de 200, 240 e260 rdis
o covado.
i Baptistas Ifsas, finas, e de cores a 320, 410 e
tftO reisocotado, isto so se vendo I
Chapeos de sol-de soda, para homens, ioglezes
(paragon) e com 12 hastes, pek preco de 8j e$t,
Tazenda esta que sempre custou 14^, sd para
acabar.
Na raa Primeiro de Marco d. I.
____ Leja do barateiro.
.....
re-
trleasi propriosparti os nervosos.
Meios aderegos
A Magnolia, a rua Doque de Caxias n. io,
cebeu urn complete sortimento de
Meios aderecos do tartaroga.
Meios aderecos de madreperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima meda)
e de muitas outras'qualidades.
Botoes de aco
A Magnolia, a ma Duque dd Caxias n. 45, tem
para vendee os modernos botSes de aco, proprios
para vestidos.
Golinhas e punhos
das mais modernas que ha no mercado ; a ellas:
.na Magnolia, a rua Duque de Caxias a. 45.
Lencos chinezes
A Magnolia, a rua Duqne de Caxias n. 45, re-
cebeu uma pequena quantidade de lencos de seda
chinezes, com lindis;imos desenhos, tazenda intei-
ramente nova.
Leques
Lindos leques de madreperola, de tartaruga, de '
raartim, deosso, e de muitas outras qualidafles: Vonrlo oa ao onn0a onmnmfnn
recebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias nu- Venae-S aS CasaS SegUlElteS
GHA.^DE
P^ahincha de chapeos
A 15500. 1 800, 25000, 25500 e 35000.
Vende se chapeos de' feltro fino, de diversos
modelos, pelos precos aciraa ditos, que e menos
de metadede seus valores : na rua Duque de.Ca-
xias n. 88, loja de Demetrio Bastos.
Vende-se
oito vacas tarinas, grandes e pequenas
: no becco d'> Ouvidor, coxeira..
a tratar
a 35
aiero 45.
Atteucao.
A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
i5, apaba de^eceber o seguintes artigos :
Manual de madreperola, tartaruga e marfira.
Ricos albuni com capa de madreperola, cha-
gren, madeira, veliudo, couro, etc.
Lindas caixas com finissinias perfumarias.
Llgas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Pu'seiras de madreperola.
Kicas caixas para co^ura.
Vestuarios para baptisado.
Toucas e sapatinhos de setim.
Modernos cbapeos de sol de seda para senhoras.
Lindos port-bouquets.
Gravatinhas de vellado, etc etc.
Rua 24 de Maio (ontr'ora dos Ossos) ns. 2 e 4.
Dita do Fogo n. 22.
Dila do Padre Fluriano n. 35.
Becco da Bomba n 5.
Travessa do Padre I.obato n. 8 A.
Beeco do caes da cadeia-nova ns. 3 e S.
A traiar n> pateo doCarm" n. I.
Gaz a5$500 alata
com 25 garrafas, do melhor e da mais acredilaua
marea ds Henry Forster dade e a quantidade do liquido complete : no ar-
mazem de Jose Domingues. do Caimoe ,-iv.
rua do Amorim n. 41
Chapeos parasenbora
Araaral, XaLuco & C. acabam de receber pelo
ultimo vapor da Europa un complete sorlimento
de cbapeos de vellndj, de seda e de palha da Ita-
lia, para crinncas, meninas e senbr.ras : vendem
no Bazar Victoria, rua do Barao da Victoria n. 2.
Cintos e leques
Amaral, Nabuco & C. vendem cintos de couro
preto e de cores para senhora, de cjuro de lustre,
de bezerro e de borracha para meninos e homens,
leques de tartaruga, marfim, madreperola alva e
queimada, li-os e lavrados, de chagrio, madeira,
chagrin e seda e madeira e seda para senhora :
Vende-se um pequeno si!io perto da esta- ; no Bazar Victoria rua do Ba'ao da Victoria n. 2.
cao dd Salgadinho, toudo de frente 150
p*flmos, e de fundos mats de quatrocentos,
com lima elegante casa de taipa, acabada de
proxim > e bem asseiad.*, tendo 2sal s, 2
quartos e cozinba f6ra. 0 terreno dpro-1
prio o bom de plantacoes, tendo algumss
arvbres de iructo, agua de beber e todo cer-
cado.
Para ver e mais explicates, no mesmo st-
tio a qualquer hora a entender-se com Tris-1
tSo Francisco Torres, e para tratar, na the-1 Na rua do Queimadu n. 43j defroi!te da praci.
soorana das lotenas, rua 1." de Marco nha da Indepeadencia.
n. 6. Cambraias de cores, padioes miudiahos a 2S9
Granadiae com lindas cores, vende-se por 600
o gOO rs. o covado : rua t. de Marco n. 7 A.
E* barato.
__i
VENHAM VEfi
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n. 61.
apressa-se em convidar a seus freguezes, com es
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar os se
guintes artigos expostos a venda e todos por precoi
commodos, como sejam :
FINAS BO.NECAS mansas e choronas.
BONITAS E ENGRAQADAS vistas para sterios
copios.
COM MO DAS LATAS para guardar cha.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras e meninas
BONiTOS VASOS com fina banha e cheiroso?
extractos, trazendo cada frasco um nome, uma ini-
tial on um distico.
FINAS MEIAS Dfi SEDA, Vindo entre ellas cot1
de carne.
Para quern goslar.
A' Nova Esperanca a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber tentos e caixas para o iogo d
Voltarette.
Para queni s? ffre das pernas.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias i
63, acaba de receber as procuradas meias de bor
racba para quern soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a ma Duque de Caxias
63, acaba de receber um lindo e complete sorti-
mento de flores arlificiaes das melnores que ten
vindo ao mercado
A ellas antes que se acabero.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber bonitos costumes para crianc^
e esta se vendendopor pre$os razoaveis.
MS BERY080S
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n
63, recebeu um pequeno sortimento de anneis e
pulseiras electricas, proprias para quem sdffre do?
nervos.
Farinha de mandioea nova.
;o o
NA
Rua 1. de Marco
Confronte o
n. 1.
area de Santo An-
tonio.
j Esta veiidcndo snas faaentlaa com
I 30 por cento menos quo. em oulra
I qualquer parte.
A saber :
Madapolao com toque de mofo, pelo barato pre-
co de 4*500 e 5&
Dito francez, limpo e de superior qualidade, por
54500, 6000 e 64500.
Algodao marca T, largo, superior cmalidade, a
,44500,5^04500 e 6*000.
Grande sorlimento de laziohas dego*tos inteira-
mente escosseses, pelos prp^cs de 200, 240, 2C0 e
440 rs. ; so se vendo poder se ha acreditar.
Baptistas, lisas e com flores, fazenda que sem-
pre custou 4C0 e 800 rs., estamos vendendo pelo.
! preco de 320 rs, para acabar.
Ditas finas, padroes matisados, a 400 e 440 rs.
o cova o.
Gretone francez, escuros e claros, os mais inc.
vosque.tem vindo ao mercado, a 480 e 500 rs. o
covado.
Aproveitem em quanto nao se acabam.ehapeOsde
sol de seda trancada (paragom) ii hasteas, inglezes
superiores, pelo insignificante pre^o de 84 e 94 ;
sempre vendemos por 144000.
Dilos para senhora, de merinO, a 34 e 34500.
Ditos de seda, cabo de 6sso a 44000, 6 pechin-
cha.
Ditos de alpaca de cOres, forrados com seda,
e 0 cabo fingindo bengala, 0 mais moderno que
ba, a 14500 e 2* I
Sortimento de chitas claras e escuras, boa fa
renda, para acabar, a 240 e 280 rs. 0 covado.
h'da eozinheira.
Vende se uma preta cozinbeira, na rua da Au-
rora n. 85, piimeiro andar : para ver. e tratar
ate as 8 boras da manha e das 5 as 7 horas da
tarde.
Cambraias de corps
a 240 rs. o covado.
Farello novo e
Milho pequeno
Da mdhor qualidade no armazem de farinha
rs. 0 covado, e barato.
Dao-se amostras.
Fazendas e roupas muito ba-
ratas
Na loja de J. Porto, a rua Nova n. 14, troca se
por cobre on mesmo por sedulas, boaa fazendas e
roupas feiias sem se olhar a lucro, somente para
vender muito.
Camisas de cretone
as mais modernas que tem vindo ao mercado, sen-
do lisas e com listras, e que se vende a 404000 a
duzia e a 345C0 cada uma ; e pechincha.
Hollanda
Brim pardo liso, 0 que ha de mais fino, com um
toque de avaria, e que se vende a 480 rs. 0 cova
do, fazenda propria do paiz por ser linho puro,
applicada para costumes de homens e de meninos:
so na rua do Crcspp n. 20, loja das tres portas, de
Guilherme & C, junto a loja daesquina.
Pacheco & Azevedo tem para vender tapioca
de Ararnta de qualidade especial : em seu arma-
zem na rua do Duque de Caxias n. 29.
Rua dd BaF&a ita Yktaria d. 22.
DE
A' este grttnde estabelecimento tem che-
igado um bom sortimento de machinas para
eostura, de tedos os autores mais acredita-
dos ukimamente na Europa, enjas machinas
sao garaiftidas por um anno, e tendo um
perfeito Rrtista para ensindf as mesmas, em
qualquer parte aesta cidade, como bem as-
sim concefta-las pelo tompo tambem d'um
anno sem despendio algum do corapradbr.'
NeSte estabelecimerito^tarribem ha pe)rten$as
'! para as mesmas machinas e se sunpre qttal-
Pcpelina de Fmho e algodao, gostosfnterfamente ',,,._ ^aS*' rtno bpia nfppsrlr. rttttn
novose de cores bonilas a*00 rs, pre ut*tou t &400. i chinas trabamam com toda a perfeicflo de
Camisas de cretone, francezas, modernas e su-'Um'e dons rjospotitbs', frieze e ?)0rd(i tocfti
Sedas a 1#500.
Vende-se bonitas sedas de lindas cores pelo
baratissimo preco de 14500 o covado ; veobam a
ellas antes quo se acabem, na rua do Duque de
Caxias n. 88, loja de Demetrio Bastos.
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Com-
lercio, por preco modico : a tratar com Tasso
frmaos' 4 C
Vende-se
cerveja noruega da marca M L, por menos preco
qur em ontra <|nalqner parte : no armazem de H.
Ltmdgr-en, rna do Commercio n. 4. _______
Cheguem a pechincha!
Panama do lindos padioes, fazenda iDteirasr.cn-
de trigo de Tas'so Irmaos & C, na praca do caes j to nova c que se vends a 700 rs. o covado, a 440
do *Dolh | rs. : na rua do Crespo n. 25 A, loja da esqnina.
13
Rua Direita numero 43
Cbapelerin economica
Chapeos de castor para senhora (aita novidade
para 164 e204 fll ditos de palha. de veliudo, de
seda, de nurino para luto, etc., etc., todos de for-
mates muito da m.'da, e por precos razoaveis.
Tambem se lavam e concertam chapeos de todas
as qualidades para senhoras e homens; assim
como se concertam leques.
Cambraias de cores, miudi-
nhas a 240 rs. o covado.
mCores fixas e fazenda boa. dao-se amosfas e
andam-se levar nas casas : na loja da Rosa
Branca, rua da Imperatriz n. 56.
Muito em conta.
Vende-se um terreno foreiro, cercado, com al-
gumas arvores fruciiferas, tendo 200 palmo3 de
frente sobre 400 de (undo, no lugar Peixinho, em
Olinda, onde ha de ser cm breve cmslruidoo edi-
ficio do novo matadouro pablico : qnem preten-
der dirija-se a rua do Amparo, em GiiuJa, n. 18
publico e 6 particular.
VENDE-SE
pes de sapoti, abaeate, fructa pao, romeira. fig^ei-
ra, larangeira cravo, parreiras, rozeiras, dbajSts e
outras flores e fructas, tudo por preco romtiw^a :
na Boa-Vista, rna do Viscondede Goyanna, c.itr'o-
ra Mondego n. 101.
DE
RBISTOL
Vende-se um terreno.em Beberibe (Porto da
Madeira) com 200 palmos de frente e 600 e tantos
de fundo, cercado, com casa de taipa e coberta de
capim, tendo ja plantado algumas arvores fruc-
tiferas e tambem legumes, por preco razoavel:
quem pretender, dinja-se a rna da Penha n. 13.
Liquidacao de moveis
Por precos mui reduzidos, diversas mobilias e
cadeirasde guarnicao : vendem Cunha & Mania,
a rua do Marqoez de Olinda n. 23.____________
periorss a 34 e 34500
Ditas brancas a 24 e 24000.
Ditas de linho a 38*00 e 44000.
Toalhas de linho do Purto a 74500 e 84000
dnzia.
Ditas felpudas a 74, 74500 e '$#000.
Esgutao com 10 jardas, pelo preco de 44500 ;
barato com effeito I
qualquer eostura por fina f^tie seja, seUs
precos sao <3a seguinfe qualidade : para tra-
balbar a rhSofle 30?N)0,' iV9006, 6OO0
e So&OOO, par,a trabalhat^ 6bm rj'p'g sfco de
80500^. w&onbj tooaioofJ, nojsooo,
. 1^0stfjtfOO> iS0$OO0, 1565jOOO,20u!|!SdOO
Cambraias Victoria e transparente, fazenda fin*,i25^oG0' Pniquanfo;i((i'*u a 34500. 34800, 44000 e 58 a peca.
Lencos de cambraia com barra de cor, a 14, e
bf adcos a $4-
DfIds do linho,
duzia.
abanhados a 34600 e 34800
Recentemente chegada de Santa Catharina tem
para vender no trapiche Companhia, e para tratar
no sen escriptowo a rqa do Commercio.n. 5, Joa-
qulm Jose Goncalves BeltTSo & TilHo. Advertmdo
aos compradores que desejando acabar, vendem
mais barato do que em qualquer outra parte, Uni-
te em grandes como em pequenas percSes.
Fazendas dc g6sto
rl'a rua fat eote,preco. para criancas, detodas as (nialraMe^, camas
, bramante de lfnho, duas lhrihras. M' "h^it-'
preco .de 14200 a vara, e sometfie para
-MflRes ootros arllgoe que deixamos de mencio-
nar para nao massar nossos freguezes ; mas que
a vista doiles eslao. [.resentes.
Djo-se amoitras.. .
S6 o baratefrb quer queimat
Patolrival nao enoontrar.
teracio de precos1, e OS cdrnp" radbres pddergfj
visitar este est'abefecimento, q'tie muitb' de-
verao gostar pel* vkriedade de dbjectofe que
ha sempre glira vender, como sejam : cadei-
iGrande sortimento de brins de cores, padroes TOS para viagem, miiaipari vJa^em', Cadei-
jproprios para meniho3 de escoTa a 440 e 00 rs.W para saias, ditas de balan^b, ditas bard
enlrerneadas de repda, fazenda ainda nao
vista nesta Cfdadc a TOO rs o covado.
* iftl't i^%^X^^iit0 9e Wfo pWHmeriie criarn^, c^achos,
nitos padroes a 360 rs. o covado.
Madapolao francez muko Jaego, oom
20 vara?, a 64 a peca.
Vestuarios de (uslSo, cambraia e alpa-
a, para meninas, a 44, 84 e 64. Dffb se
amostras com penhor
l
Fogao de ferro economico
Vende se nm chegado ba poucos dias, tends fo
nalhas para lenha e oarvio, forno para assar
deposito para agua quenle e lugar para se guar-
dar quente as comidas depois de feitas; estes fo-
gdes tornam'se recommendaveis porqne slo de
ferro batido, e fabricados com perfeicao e coai-
nham corn mui diminuta leuha: ca rua de Apo
n. 20
po, de Agostinho Eeweira da Silva Leal d C.
iespelhos dourados para sala, grandes 6pe^
quenos, apparelhos de metaj para cba, fa-
auelros com cabo de metal' e 9e marfim,
ditos aviflsos, colherds ife melal fino, condiei-
rospafa sala, jarrts gnarda-comidas de
IA' rua Pjpimeiroide Jtfarco n. 1, antiga do Cres- w*"1, tampas para cobrir pralos, trsterras
para form salas, lavatorios compfotos, ditos
simples, objectos para toilette, e outre* mui-
tos arUgos que muito devemagradar a todos
que visitarem e&8 grande estabelecimetfto
qae Se acba abeVta desde as 6 horas da m-
rOii at^'^f boras da.noUtei
Bua 4ol^aio-da Victoria n.
22.
Progresso da rua do Rangel, do
Vieira n. 60.
Vende-se muitp barato:
Manteiga em Iatas a 803 fg, a libra.
Ervilha a 120 rs. a libra.
Estrelinha a 320 rs. a libra
Aletria a 320 rs. a liibra.
E outros mnitos generos.
Vendem
Wilson, Rowe & C.
Em sen armazem a rua do Trapiche n. 14, o se-
guinte:
AlgodSo azul americano.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidade?.
Tudo muito barato.
Ultima moda.
CURA OS CASOS MAIS DESfiSPElUDOS
A SAFSArARRILHA DE imiSTOL puri-
fica a massa do sangue, expellc para f6r
todas as materias e fezes viciosas o impuras,
regula todas as secrecdes, di vitalidade e
energia a todos os o'rgaos e da" forga e vi-
gor ao systema afun de poder melhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. E'
pois este um romedio constitutional. Elle
nunca distroe afim de poder curar ; pore'm
constantemente assiste a naiureza. Portanto
em todas as doencas consh'tuctonries e em to-
das as molestias locoes dependente d'um es-
tbaMdade.
A Magnolia, a rna Doque de Caxias n. 45, re-
cebeu um lindo sortimento de bicos tie gtfipUrB
2?*S; aPrPriados aoS ^stidos ctpques ta *c-! tado vicioso eimperfeito do systema em ge-
ral, achar-se-ba que a Salsaparrilha di
j Bristol e1 um remedio seguro e efficassissi-
mo, possuindo inestimaveis e incontestaveis
vrtudes.
As curas milagrosas de
Ilscrortilas,
I leerns.
V. It a a m a n t i #a *..
ESFERMIDADES SYPHILI'iiCAS
ERVSIPELA*.
RHEUMJlTISMO,
ISF.VRALGIAS,
ESCORBUTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto reuome
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sao tao so-
mente devidas a
U.NICA LEGITIMA E ORIGINAL
Scdsaparrma de Bristol
PHARMACU CENTRAL
Engenhos em Mamam-
guape.
Vendeise os seguintes :
'Barra,
Pregnlca,
e PatHcl.
A trttar com *eus proprietario* nesta cidade,
e para mformacdes eom Joaquim Pinto de Mei -
reilw Filbo, na mesma cidade de Mamamguape'
, Tasso IrmSos SiC.
A240rs.
Vende-se mui bonitas alpacas de quadrifahes,
de lindas cores, fazenda muito propria para ves-
tidos, pelo baratissimo preeo de 240 rs. o covado :
dnem duvidar venha ver e comprar, 4 rua Dnqe
de Caxias n. 88, loja de Demetrio Bastes
Vende-se
a Uverna e padaria da Ponte de Ucboa n.
tratar na mosma.
37
/


8
Diario de Pernambuoo Sexta feira 24 de Abril d* 1874
1JTTERATURA,
.
Canfereaeias litterarlas.
A RIQUEZA INTELLECTUAL.
DISCURSO PROPERIDO PELO CONSELHErRO MA-
NOEL FRANCISCO CORIIEIA, NA REUNI.lO DE
8 DE MARfO DE 187*.
( Conclusio. )
Sei quaes ?s difllcuHades com que, ao
constituir-nos nagio independentn, tivemos
de lutar, a" vista Jos obstaculos oppost >s
pelo governo da raetropole a" disseminagao
dasluzes na colonia ; 3 reconuego que se
depois nao temos feito mais na applieagio
dos re-pedios :onvenientes e* porque nio
conbeciamos 0 mal em lodi a extensSo.
Hoje, porem, estio dissipadas as trevas.
Os recentes trabalhos estatisticos descarmm
atnste situacao em que se acha em uosso
paizariqueza intellectual.
Sem querer cinsar vossa benevola atten
gao com a rep;tigio fasticiiosa de algarismos,
peco eatretaulo iica ica para apresentar [.-
geiramente os dados que sobre tio interes-
saate porno estio c.lligdos. Poucos sao,
mas bastam.
No mucncipio da corte 0 total da popu-
lagio livre e de 226,033 pesso.s, d.s quaes
sabem ler 09,156, e vivem em complete
igoorancia 126.877. Hi o ex esso de
27,721 analpbabetos.
A populagao escolar elevate a 41,514
criangas das quaes s6:neute vio a* escoh
10,046, e deixam de frcquental-a 41,408,
Lavendo em det'imento d 1 mstrucgio 0 cons-
tristador accres^imo de 21,422.
Nap posso repetir s m um sentimento
especial, facilmente expiicavel, 05 did >s
que soreferera a proviucin do Parana", mi-
nha provincia natal, por cujo engrandeci-
roento fago os mais ardentes e consumes
voto-, e a cuja prosperidade consagro os
meus fracoj esf< rgos.
Alii a populagao livre eleva-se a 116,162.
Sabem ler 33,816. Sio analphibetos___
84,346. A differenga contra a instrucgioc
de 50,530.
ApopularSa escolar e de 24,852. Fre-
quentam as escolas 4,42V. Nao frequen-
tam 20,428. E' desoladora a differenga de
16.0D4 em favor da ignorancia.
Na provincia do Santa Catharina, sobr
uma populacao livre de 144,818 pessoas
sabem ler s6mente 21,926. Ha contra a
instruccao 0 deploravel excesso de 100,966,
pois que, vivem sepultadss na ignorancia
122,892.
A populacao escolar e de 36 363 crian-
gas. das quaes s6mente vio a" escola 5,214.
Deixam de ir 31,149. A differenga de
25,935 entre um e outro numero d hem
pouco lisongeira para a causa da instruc-
cSo.
A provincia do Rio-Grande do Norle, a
ultima deque temos dados completos, nao
apresenta aspecto mais animador.
A populacao livre sobe a 220,959. Ad-
quiriram a instrucgio primaria- 39,829.
Nao sabem ler 181,137. Differenca.......
de 0 numero dos que /requentam as oossas do 0 sea caler.
aulas secundarias e cursoj sjperiores, cm-o Estd dado 0 primeiro passo para i ttiiet-
parando-o com 0 dos que M pi'triculam nisagio dos povos.
nas aulas primarias. Prt>fundas modificagdes teem de soffrer as
Empenh^mo nos tlos em modificar pro- relagdes internacionaes.
fundamonte u;na situacSo que nio pdle Os acontecimentos seguem uma logica
mantor se sem alguma quebra na dignida- inexoravel.
de de nossa patria. E vds 0 alcangareis, Ifem pdde ser de outra sorte desde que
senhores, se for essa a vossa firme resolu elements novos", de effeitos os mais trans-
G5o. cendentos, entrant Da composigio da era
Para exictaapreciagio de meu pensamen- que vai correcar
to devo umaexp'icagio. Os resultados de sua accSo benefica nio
0 que tenho dito poderia introduzir-vos se fario esperar.
ao erro de suppor que nil doa 0 devido Aproveitemoi sem descanso 0 tempo que
apreco d r.queza material. veloz corre ; se esbanjarmos esse precioso
1 ara remover de vosso espirilo essa suppo- capital, que nio volta, 0 seculo vindouro
sicao, bastanaa considengio decisivadeque pdde sorprendernos nos raolles bracos da
uma nagio pobre nio p6de ser verdadeira- mdolencia. Recuaremos, e os povos que
mente grande; e eu ambiciono para 0 Bra- recuam, caro pagam sua pusillanimi lade,
sil ludo o que contibue pira dar-lhe poli Ficam atrazados no caminho, abatidos,
ticamente a grandez 1 com que no munlo eabisbaixos. Nem ousam fitar 0 sol que
physico 0 dotou a Providencia. Quero-o desponta.
forte e poderoso, n3o para calcar 0 direite, Nao, essa n5o ha de ser a nossa sorte.
mas para ser respeitado no exterior, e po- Os brasileiros, sabemosque nSod licito reor-
der, a sombra di paz, cuidar tranquilla- rer para a patria pela indifferensa : que
mente no interior dos raelboramentos com- para 0 servico do estado 0 cidadao s6 pere-
plexos que constitu^m a felicidade pu- ce quando a luz se lhe apaga nos olhos,
*' quando a lagem fria cobre-lhe 0 sepul-
Nio po5so combater a riqueza material cbro.
desde que, na proporcao delta, arrecadam- As resolugoas varjnis que nestes ullimos
se os impostos. I tempos 0 Brasil tem tornado com a mais
t com 0 pro ucto dos impostos que se perfeita seguridade e amaisrobusta fe, alen-
erguem os templos em que 0 homem pros- tarn me as esperancas risenhas, nSo medei-
tra-se diante os exercitos e as osquadras, que detendem ; pacOes do bem publico.
Tenho confianca em meus concidadaos,
141,315 I
Na populagao escolar 0 mesmo lasti "navel
desequilibrio. 0 total e* de 43,220. A ma-
tricula nas escolas s6 conrprehende 4,701.
Nao se matricularam 38,519. Differenca
33,818 !
Deduzido no total da populacao que n3o
sabe ler nem escrever 0 nurnero de criancas
de tenra idade, que nio polem frequentar
as escolas, ainda assim nio 6 possivel des-
conhecer 0 atrazo em que nos achamos, e
que mais se manifests quando se comparam
os algarismos relativos d populacao escolar.
Ahi nao ha desconto algum a fazer, 0 a des
proporfio entre os meninos que frequen-
tam as escolas e os que uao as frequent^m,
provoca os mais solicitos cuidados do go-
verno g magoa questao social. Estariam mui lon-
ge-de compreheuder a importancia e rcs-
ponsabilidade de seus cargos os administra-
dores publicos que, depois das revolacoes
da estalistlca, nao considerjissem entre os
primeiro;, sena:* o primeiro de seus deve-
res, 0 do fazer cessar tao lnstunosu estado
de cousas.
Quando sabemos quanto em outros Esta-
! is cultos esta generalisaio 0 ensino pri-
meiro, nao podemos fazer sem d6r a com-
paragao com 0 nosso piiz. Co mo sao raros
Id os que nao frequentam as escolas Como
sao raros aqui os que a freqaentam Que
esporsngas pod;mos nutrir de caminhar des-
embaragadamente para 0 futuro se uao
tiver extraordinario incremeito a distribui-
rao do ensino flementra ?
Nao sao poucos os que entre 116s conside-
ram a ihstracgio pamaria isolada como
cousa de mediocre valia. Entendem que
desde que nio tem de cursar as aulas se-
cundarias e as superiores, inutil e perder
tempo na frequencia das escolas primarias.
Deploravel erro que nunca combateremos
assis. E' por isso que p6de dizer-so gran-
memqbiasIe safanaz
POR
O. Manool Fernandez y Gonzalez
QUINTA PARTE
LEONOR
e garantem a seguranga do territorio na-
cional.
E' com o producto dos impostos que se
construem esses museus, essas universida-
des, pssas academias, essas escolas, que
Bio os grander f6cos de luz que esclarecem
0 povo.
E' com producto dos impostos que abrem-
se canaes e fazem-se estradas que, facili-
tando as permuta excitam 0 homem ao
trabalho.
Nio e possivel condemnar a riqueza ma-
terial sem lavrar sentenca de immobilidade
para 0 desenAolvimsnto nacional. O que
convem prascrever do modo mais vivo e
onergico sao os meios igoobeis de adque-
ril-a.
Lemos, e verdade, que no capitulo XIX
do Evangetho de S. Matheus, que e difficil
entrar 0 rico no reino dos ce"os. Dif-
ficil, de certo, quando a riqueza gera 0 or-
gulho noespirit), a sobranceria no animo,
a dureza no coragio.
Esse, rico, para quem difficilmente se
abririo as portas do ceo, e, 0 avarento, al-
ma esteril que nio se apraz sen8o diante
do ouro que aferrolha ; e sobre tudo esse
taciturno e sombrio usurario, alma enrege-
ladi, queexhaure as presas que cahem sob
suas garras verazes ; reduz & miseria fami-
lias inteirass em que lhe estremega a cons-
ciencia ; e atira sem compaixao nas ruas da
amargura as victimas de sua insaciavel co-
biga.
Nao e assim, Iratando-se do rico que ac-
cumulou capitaes com 0 esforgo constante
do mais honesto traba'ho, nem do que os
herdou de pais que limpamente os ad-
quiriram, quando estao sempre dispostos a
erapregal-os em proveite da patria, que e* a
mai commum, ou em suavisar as maguas
dos infelizes em quem a sorte ad versa nao
mirrou as flores d'alma, e soccorrer os mi-
seros enfermos que, prostrados no leito da
d6r, n8o poJem pedir ao suor do rosto 0
pao quotidiano.
Vede Peabody, esse honrado baoqueiro
bafejado pela lortuna, que consumio gran-
de parte de seus avultados cabedaes em do-
tar a patria de muitos melboramentos, le-
vantando monumentos lar, e babilitando os com 0 patrimonio ne-
cessario para a sua manutengio. Podemos
condemnar a riqueza que proiuzio tao be-
nefic s fructos ?
Para as almas desses beuemeritos da hu-
manida le muito devomos confiar nos dons
inexbauriveis da misericordia divina.
Accumulemos a maior somma possivel da
verdadeira riqueza intellectual, reunamos a
riqueza material que puder ser honrada-
mente alcaugada ; e preparemos nosso p3iz
para a brilhaute Jornada do vigosimo se-
culo.
Esse seculo, que tao proximo estd, tem
de repr?sentar 0 mais importante papel para
os destinos futuros da humanidade, a jul-
garmos pelos trabalhos preparatories do se-
culo actual, agitando, em busca desolagao,
as mais complicadas questoos de organisa-
gao politica, social e theocratica.
As machinas aperfeigoadas, 0 vapor, 0 te-
legrapho electrico, deram ao trabalho ex-
traordina'iomovimento, eds iddas espanto-
sa velocidade
Os importantes sucoessos, que abalam
um.i parte do mundo, repercutem sem de-
mora nos pontos mais afas'.ados,. 0 sao logo
apreciados em todo 0 seu interesse, em to-
em sua energia, em sua virilidade : e, apoia-
do nessa confianga. bus;o nas visoes de meu
espiritodevassar por entre as nevoas do por-
vir a sorte reservada d minba patria no pro-
ximo seculo, e capacito-me de que, pelo
indefezo trabalho de seus filb's, 0 Brasil ha
de entio sentar-se entre as mais prosperas e
respeitadas nagoes.
Porfiemos ; e Deus que, do alto do fir-
mamento, vela sobre a sorte da humanida-
de, coroard com suas appetecidas bengios
os nossos patrioticos esforgos.
DESCRIPQAO DA PEQUENA FESTA QUE. POR
OCCAS1AO DE ENTREGARFlt UM L1VRO AO
ILLM. SE. MANOEL BALTH8ZAR PEREIRA
DIEGUES JUNIOR, PREFEITO DO COLLEGIO
DE SANTA GEJiOVEVA, FIZERAM OS AiUM-
NOS EXTERNOS DO REFERIDO COLLEGiO,
ABA1XO ASSIGNADOS.
CAPITULO XIII
DU COMO A MORTE CON'SMRAVA CONTRA LU-
CRECIA.
(Continuacio do n. 103.)
Mas como 6 que sabe, senhora, que
0 veneno que deram a meu pai e" esse ve-
neno terrivel de que se falla em tod as as
cortes, ao qual se attribuem as mortes vio-
lent s de todos os principes, que ninguem
conhece e a quem todos chjmam 0 veneno
dos Birgias?
__ Pelos effeitos que me disseste que elle
Srodnzia nesse homem E, dize, nio po-
este averiguar, nom sequer suspeitar quem
oenvi-nenou?
Sim, foi D. Michelotto.
Entio cenheces tu, Michelotto! ex-
clamou com vehemenc;a a gri-duque-
za.
Nio ; 0 seu nome resoou nos meus
ouvidos outra vez, junto do cadaver de meu
pai- .,
E Paulo coutou a Lucrticia 0 que lhe
dissera Benedicto.
Mas como foi que esses homens se in-
troduziram em casa de tou pai?
Niosei.
Esses miseraveis devemcouhecer mui-
to Michelotto ; se elle se vdeu delles para
um tal assassinato, devem ser alguns dos
antigos e terriv-'is servos, a quem meu ir-
mao Cesar pagava generosamente. Eu co-
nhecia muiios delles. Como se chamam
esses ?
Andrea Spata e Lazaro Casca.
Ah !... dous demonios, que s6 en-
traram em casa desse homem ccm uma re-
commendagao. Devem ter os rostos som-
brios e lugubros. Esse homem nao os te-
ria recebido sem recommendagio ; esse ho-
mem devia conhecer Michelotto.
Se 0 conhecia, niosei eu.
Sim, e" possivel tudo isto; e possivel
que nio saibas cousa alguma, pois que nio
havia razio para m'a occultar. Sim, e
muito possivel que Michelotto nio quizesse
que c conhecesses 1 O mdo destino que
me persegue ma tou 0 Sr. d'Arnesteville I
Oh 1 Se elle nio tivesse raorrido, arrancar-
lhe-ia a explicagio deste mysterio. Por^m,
nio fallemos mais nisto; fallemos de li.
Estds aterrado e pallido ; tens medo por-
que te fiz beber um contra-veneno ? Por-
que duvidas da sua efflcacia ? Ouve e tran-
quillisa-te s ha venenos que sio impotentes
quando antes se tem tornado um antidoto
poderoso. Ah 1 espantas-te de mim? pa-
rego-te terri*el? Pois bem, nio importa :
Ao meio dia, achandc-se reunidos, em
uma das salas do edificio onde se acha es-
tabelecido o collegio de Santa Genoveva, os
Srs. Drs. Rufino Augusto d'Almeida e Jose
Diniz Barreto, comraendador Antonio Mar-
ques d'Araorim, Jose Gomes Coimbra, Ma-
noel Balthazar Pereira D;egues Junior, Sil-
verio Femandes d'Araujo Jorge, e todos os
alumnos internos e externos do collegio, 0
Sr. commendador Ainorim, presidente do
acto, convida 0 orador encarregado da en-
trega da offerta a pronunciar 0 seu dis-
curso.
O alumno Francisco Soares da Silva Re-
t'lmba Junior, escolhido por seus collegas
para este fim, assim se exprime.
Sr. M. B. Pereira Diegws Junior :
Escolhido pelos meus collegas para, como
orgao d'elles, vos vrr aqui depOr o nosso
tributo de gratidio, vencendo todas-os obs-
taculos que seoppdem & fraga vozde quem,
careute dos dotes oratorios, pela primeira
vez se faz ouvir em publico, venho cum-
prir a raissao, por demais honrosa, a mim
conlada.
Todo 0 homem lem coragio, e, pois, to-
do 0 homem ostd sujeito a que rebentem-
lhe u'alma sentiirieutos diversos, segundo a
corda que a sua sensibilidade fere.
Esta grande verdade philosophica e o
que hoje aqui nos traz, a mim e a meus
collegas.
As maneiras delicadas, com que, como 2
prefeito deste collegio, uos soubestes a todos
tratar; aseipressdespolidase reepeitosas.que
seguindo 0grande principo,0grande princi-
pioque, por isso mesmojque e grande, e"tao
pouco seguido, dequequom quer ser res-
peitado respeita, e quem quer ser bem tra-
tado bem trata,nos dignasies dispensar
quando da cadeira de lente nos fallaveis ;
a ainizad% que, pelo simples facto de ser-
como retribuir as bdas licoes que nos des-
leT oomo retribuir a lhaneza, a docilidi-
de, e a amizade com que nos trataveis e
tratais? como retribuir a liberdade que nos
concedi. is para, em Yossas aulas manifes
tarmos as nossas ideas ? como ret ibuir a
alegria e a bda vontade com que cos expli-
caveis as materias Je ensino, que oomvos'jo
tiveraos a dita de estudar ? como retribuir
a deJioagio, 0 interesse, nio direi 0 sacri -
fico, pois vos era isto agra-iavel, mas 0
trabalho immenso que tomavois para nosso
aperfeigoamento scien ifico ? como ? como
retribuir toias estas cousas?
Osbeneficioie justo que se retribjam
com beneficios, disso um grande escriptor,
e, se assim se fizer na mesma raoeda, mail
justiga havera.
A screncia foi oque nos destes, nds 0 que
vos devemos dar ?
A sciencia tambem, responds 0 principio
que citei.
Mas i isto possivel ?
EviJentemente, nio ; por quanto, se a
sciencia que temos estudado, nos tem sido
transmiltida por aquelle & aquem hoje qne-
remoi premiar, como com ella podemos sa-
tisfazer os no>sos desejos 7
Firmas, entretauto, na reslugio qu3 to-
mamos de darmos expansao d g'atidio,
lembramo iros-d'aquellas palavras, que, mui
tas vezes, nos citastes:quem mais estuda
mais aprende, e, estribad is na veracida-
de dellas, omprefcendemos offertar-vos um
livro, qae desempe basse 0 que de nossa
parte era imp ssivd f que mais alto fallasse
que as 11093-as palavras.
De f;ito, como pretendiamos, obtiremos
0 livro, e eil-o aqui ovimos entregar.
Em meu oorae, e no de meus collegas,
pego que o aceiteis, nao como uma dadi-
va lisongeira, mas sim, como provade nos-
so reconhecimento eterno, como prova da
nossa amizade, como prova do muiio que
vos devemos, como prova Snalmente, do
muito que soo-os gratos.
A nossa offerta, ben vemos, muito longe
estd de recorapensar os vossos trabalhos ;
muito longe tambem estd de dossos dese-
jos ; porem e" 0 que permittem 8S nossas
forgas ; por isto, pedimos dbscuF^a de sua
insigniicancia, e, mais uma vez, rogamos
que a aceiteis.
A mocidade. Sr. Manoer B Pereira' Die-
gues, e, quasi sempre, irreflectida, segue
sempre os primeiros impulses d'alma, se-
jam bons, sejim mdos, sem deter-se em
examinal-os; por isso, e mui possivel que
eu, ou id gum de meus collegasi tenha coai-
mettido faltas para comvosco, sem: que to-
davia, as eguro eu, tenham ellas naseilo
de nosso proposito 1
V6s, que, em todo o anoe- passado, fos-
tes, para comigo e meus coltegas, sempre
oondescendente, sempre geoeroso, e pro-
vavel que ainda osejais; por isto, pego
que hoje, nesta occasiio so.emne, comple-
teifr a vossa obra :
Gravai.mais em nossos cora$des 0 vos-
so nome: perdoai as- faltas qjie commet'-
temos. >
Oh oomorisenho vejj jd peadendo des
kibios 0 vosso perdiOi
Goncedei-o.
alguma sorte, commotidos ante 0 especta-
culo que offerecem crrangas, que como eu,
cumprem tambem 0 se-i mais sagrado dever,
setoroou digna ; vds que tudo isto presen
ciaes, mui facilmente comprebondeis que,
ante tal espectaculo, eu nio podia, nem
poss), Bear mudo; e, p>r esta razio, apjzar
de minba consciencia mostrar-me incapaz de
foliar diante de v6j, apezar della dizer-me
que e* grande temmdade fazer 0 que pre
sentemome fago, e que sigo, com supremos
exforgos, os diciames do meu coragio; e,
por esta razio, e que, apezar de todos estes
obstaculos, ouso erguer minha languida voz
para offorecer ao Sr. Manoel Balthazar Pe-
reira Diegues Junior sinceros votos de gra-
tidio.
Desnecessario me e dizer-vos qual a causa
desta festa a q ae concorreis, pois vds ji a
conueceis, talvez aaelhor do que eu, qe,
de confuso que estou,n3o posso separaros
meus pensamentos, e sinto, corn pezar, a-
pagar-se-a>e na bocca asceotelha que partio
d'alma.
E, com effeito, quem, como vds, presen
ciasse a encantadora scena que aqui se pas-
sa presentemente, quem visse estas criangas
comtendo, 6, custo, a alegria que trasborda
em seus coragoes, quem, emfim, imagmis-
se a subjimiclade deste festim, dizia, em
sua consciencia, quo devia haver uma causa
para tal, e que esta seria tambem suWime.
Essa causa eo Sr. Manoel B. Pereira Die-
gues Junior ; essa causa e, senhor, como
ouvistes dizer pelo nosso orador, as maaei-
ras pelas qoaes soube esse lbnte capfWar
todas estas criangas ; essa causa e, emfim,
esse lente de cragao uobre que sabs incu-
tir 00s coragoes das criangas 0 amor pelo-
estudov
Pelo- pouco que tenho dito j podeis ver
qu'6 singela esta festa em suas fdrmas, ma-
ravilha sem igual na iulengao.
O festpsa que presenciais, senhores, nao
satisfaz cjbaLmente s nossos desejos; ape-
nas, dd uma pallida ideia do nosso eterno
reconhecimento ao Sr Diegues Junior.
Uesejariamos ser poderosos para, orguen
do esse lente a um sublime throu0, mos-
tral-o ao muudo inteiro como o exemplo
dos lentes ; oelles veriam- todossiucerida-
de, grandeza d'alma, subiimidader de espi-
rito, sciencia, bondade, erafim: neflfe veriam
todas as virtudes difficeis do se enoontrar
junt's em uma so^ pessoa.
Nio yos admireisde vel-e tio nobre; tao
grande, tio bom s tio m'go^ pois e na mo-
cidade qoe mais raizes cria a nobreza a
grandeza e a bondage.
Nio vosadmireis-de vel-o taoqneridc' des
criangas; nio vos atfroireis de vel-o tiesu-
blime de digoidader pois, conveneei vos que
e elle diano dessas felicidades.
Senhoras, que tenho eu dito que possa en-
cber a taca dos meus desejos .1
Que expressoes terei eu, 0 mais pobre da
meus collegas, que possam mostrar ao Sr.
Diegues J anior a minha gratidio ?
E, si, pore n, me faltam palavras, se, po-
rem, me falta intelligencia, posso dizer que
ni t me falta o coragio para cumprir um
dever, que e sagrado.
E haverd, s-mh ores, nada mais tecante,
mais esplendido, mais sublime do que estas
criancas satisfazeiido as suas mais caras as-
pi r-igdes ?
E baverd quem possa mostrar a grande-
za dessas aspiragdes ?
Nio ; sd Deus as poderd ataliar.
Senhores, tenho abusado de vossa cm-
descendencia, por algum tempo ; descul-
pai-me : e, se, na minba ousada tarefa, er-
rei, desculpai-me tambem, porque errei
com 0 coragio.
Vou termmar.
Aos Srs. professorej mostrarei ecta festa
como mais uma prova de que as criangas
tambem teem coragio: aos meus collegas
mostrarei os livros, o estado, e apontarei
para o futuro que e risonbo : e, ultrapas-
sando o deveres de dis",ipulo, esquecendo-
me de tudo ed-; mim mesmo, direi ao Sr.
Diegues Junior :
Quem, como vds, tem marcbadb ate hoje;
quem c mo vds, tem estudos, saber e intel-
ligencia, nio trepida ; marcha ; marcha;
porqae sobre a rocba tarpeia estd oeapito-
lio, e dentro de capitolioa urna da glo-
ria.
Tenho concluido.
E quando todos os-lentes segoiesera o csh-
minbo tra^ado pelo 3r. Diegues Junior ; e
quando todos os lentes aceitassena os ssus
exemplos, entio simr com to-lo o enthn-
siasmo do meu coragdo bradaria 1-
Mocidade-, es feliz;. ergue hosannas a
Deus que te concedeu essa felicidade;
Segue com a pafavra o* alumno Manoel
Cyridiao Buarque :
Senhores :
O sergrato e- um dever ; por conseguinte,
a acgao de gragas pelos favores recebidos
deve ser uma obrigagio sagrada.
E', em cumprimento dessa lei sub'ime'di
civilidade, que viemos testemunbar ao Sr.
Manoel B. Peswira Diegues Junior, com 0
fraco meio deque dispomos, os nossos sin-
ceros reconhecimentos pelas maneiras agra-
daveis e delicadas com que nos tem tra-
tado,-e pelo interesse que tem tornado e
esforgos infatigaveis que tem empregado no
nosso ensino.
Se a falta de estudos e a minha acanbada
intelligencia me nao permittem uma lingua-
gem desenvolvida e enriquecida de expres-
soes vivas e brilhantes, que um coragio do-
minado por sentimentos verdadeiramente
nobres pode inspirar, nao e motivo sufficien-
te para detxar passar em silencio- esta paixa-.'
enthusiastica, que alimento n'alma.
Com quanto me dirija d um auditorio
illustre, de que sou mnite indigno, todavra
me animo a balbuciar algumas palavras,
porque fallo perante os- meus iltastrados
mestres, que desculpario as minhas faltas>
em vista de mais que outrem, estarem
par das minhas poucas habilitagoes.
O dia de hoje serd coHecado no numero
dos dias mais faus'os da minha vida.
O prazer e a satisfagio que sink) por
des vos, mestre, e n6s, discipulos, nos de-
dicastes, nos dedicaes hoje, e, por vantura
para sempre ; e, mais que tudo, 0 afinco
e a solicitude com que curaveis do nosso
progresso em vossas aulas, fiz^ram que a
sensibilidade, movess-se e despertssse em
nossos coragoes o grande, 0 immenso, 0
bello sentimentoda gratidio.
A gratidio, disse 0 alguem, e, hoje, eu 0
ropito, impoe ao homem retribub os bene-
ficios qie recebe.
A gratidio, desde que imp6e importa 0
cumprimento de um dever, e, por tanto,
conteutes, assim 0 vimos executar.
Mas eis 0 que nos e difficil), por qusnto,
Goncluindo, summamente desejo que
oontinuejs na glbriosa carreira que tao
brilhantemente encctastes, e um dia vird
em que recebereis 0 justo e verdadeiro pre-
mio de vosscs trabalhcse virtudes.
Mas, de quem devsreis receber este pre-
mio ?
Serd, por veutura,. de n6s, jovens qu-5
mal conhecemos, e, muito menos, sabemos
avaliar os relevantes servigos que nos ten-
des prestado ?
Ndo, de certo.
Serd, por veutura, das gerucoes vindou-
MftT
Nao, tambem.
De q'.iem, enta ?
De Deus.
Em seguida coube a palavra ao alumno
Rufino Augusto d'Almeida- Junior, que, de-
pois de breve pausa, proiuiciou 0 seguinte
discurso :
Senhores :
Depois das eloquentes palavras quo aca-
bais do ouvir, permitti que, tambem. por
minha vez, levaute a fraca e debil voz* de
que doutou-me-a natureza, para cumprir
um sagrado dever.
Vos que vedes a alegria que brinca nas
faces di todas.estas criangas, alegria dessas
que sente 0 coragio quando satisfazemos os
seus maisgraios desejos ; v6s, que presen-
ciais as diversas sensagoes porque passam
seus semblautes, d. cada palavra que se pro-
nuueia, sensagoes que, melhor que uenhu-
ma lingua humana, exprimem os diversos
sentimentos de que seus coragdes se acham
possuidos-; v6s, cbeios d: admiragio, e, de
eternidade, tudo lhe pertence, Lucrecia !
Tenha compaixao de mim I Yeia que
um s6 olhar seu me fez esquecer de todo
0 horror que tem passado por mim esta
noite.
E, cahindo aos pe"s de Lucrecia, abragou-
lhe o joelhos chorando.
Lucrecia levantou-o, enxugando-lhe as 1&-
griraas com 0 seu lengo riquissimo, como
uma retai poderia ter eaxugado as lagrimas
do filbo. Depois disse ;
-^ Nio, nio tens amado ate hoje, e pro-
vavelmente ainda quando morresses velho,
morrerias ssm conhecer 0 amor, se me nio
tivesses encontrado. Agora sabes o que e 0
amor ; e a nossa vida na vida de um outro
ser ; e viver no fogo voraz da alma a uma
mulher que se abrasa na alma do homem
amado; e 0 vulcio, a tempestade, 0 fura-
cao, 0 oceano ; e 0 infinite, 0 terrivelmen-
te infinito... nio, nio se pdde amar sem sof-
frer ao mesmo tempo as ponas do inferno e
os gozos divinos da gloria.' Amar e viver
uma vila sobrenatural, uma vida insuppor-
tavel, uma vida mortal que inflamma 0 san-
gue e nos mata rapidamente.
Ah I visto isso nio amou nunca, Lu-
crecia.
Boa maneira de dizer-me que sou ve-
lha 1 verdade, tenho cincoenta annos,
porem o inferno conservou-me a minha bel-
ve|o que te deleita tudo quanto e terrivel, j leza ; procure um cabello branco na mi-
tens uma alma semelhante & minha, masjnha cabega ; ve se alguma nuvem empanna
nio estds habituado ainda ao horror. Ah I 0 fulgor dos meus olhos; busca uma ruga
porque te havia de amar eu, mais do que.no meu rosto vese tenho os labios seocos ;
amei nunca a outro homem? Porque e" esta.procura um seio mais proyocador do que 0
minha a egria ao ver que um mesmo fogo,'meu. Ah I sim, sou muito velha, porem
voraz, terrivel, vai abra^ar-noj, fazer-nos tu agonisas de amor nos meus olhos;
provar uma felici la io de condemna-'tremes diante de Lucrecia Borgia, como
dos ? 'tremeram todos aquelles em cujos olhos dei-
Ah I nio, nio I exclamou Paulo...'xei cahir um olhar traidor, envenenado.
a minha vida, a minha alma, a rainh'Mas agora, nio succede assim; nos meus
nao ha traigao para ti, e se nelles
veneno, e o do amor em que por ti
olhos
existe
me abrazo.
Ah I por compaixao I exclamou Paulo.
Eu enlouquego I eu morro I
Morres 1 Pois nao te disse eu ji que
puero que goze'nos o prazer de morrer do
martyrio do amor ? Ouve ; tenho zelos ;
tu doves ter ama lo e sido amado, como to-
dos amain neste muudo. Vein, senta-te
aos meus pes.
Lucrecia sentou-se n'uma cadeira, e
Paulo, aos pes della, n'um pequeno tambo-
rete,
Os dous amantes entrelagaram as mios.
Lucrecia inclinava sobre elle o seu sem-
blante pallido, transfigurado, ideal, foraio-
sissimo de uma formosura sobrenatu-
ral.
Conta-me todos os teus amores, disse
ella, deves ter sido muito feliz ; es formo-
so e audaz, e sd tens tremido diaote de
mim, tenho a certeza disso. Nio sentiste
nunca alguns desses amores da juventude,
amores sonhados, amores de crianga, que
se esquecera, como no estio se esque-
cem as flores da primavera, um amor de
virgem, desses que deixam uma recordagio
suave, a recordagio do perfume da ado'.es-
cencia ?
Eu nunca fui adolescente, respondeu
Paulo, nio conheci ate* hoje outro amor se-
nio esse qye so resolve nas orgias, entre
cortezis miseraveis. Ah I a virgem do
amor I accrescentou soltando uma garga-
Ihala ; eu nio sonhei nunca.
E essa mulher, essa Branca Albi-
ni?
Ah 1 senhora, exclamou Paulo estre-
macenJo, para que me record a essa des-
graga ?
Porque deves te-U amado muito,
Mocidade..is feliz 5 eofrasponde aos ex- yer> ^ de bda vontade, tio do aoraeio,
torgos de too*- guias ; !*eeomDensado 0 merito de meu distincto
Mocidade, es feliz ;
;jrecompensacso
professor, o Sr. Diegues Junior, sio illimi-
tados, sinceros e eternos.
Muito e de lastimar que a gratidio tio
raramente seja manifestada, pois que nada
f-ha de mais sublime, nada-ha do mais apre-
J5*~ B?>?>*fr ^me otf omfciavei, do que ella.
Desde que,. j>orem, os nossos primeiros
pais faltaram com a gratidio devid 1 ao seu
sauda ao ten pro-
tector.
E, creio que essa mooidade nobro\ porem,
cuja nobreza nio 6 r69peitada, cupriria
o seu dever..
dizel-o. ainda nao chegouiessa occ-isiao; a-
pezar disto^ porem, v6s vdes estas eriau-
gas que se reunem e rendem axati-iao ao
Sr. Diegues- Junior : a estas eu direi que
continuem emsna senda-jd comegada; a estas
direi que distingam os bons, porque Deus, em
seu livro onde sd ha justiga, escteverd com
louvor actos como este, que agora se prati-
ga ; a estas, porque mais falizes que outras,
eneontrarao lentes quo co nprehendam a
grandeza lhendo-me a- vox, direi;
Estudai eollegas, e um dia v.ir ens que
bemdireis squelles que vos deram 0 ensino,
um dia vird em quo, am vossas oragdes, vos
lemhrareis de vossos pais :
Nio vos importeis com os obstaculos ; eu
os vejo em toda a parte ;
Nao ligueis importancia ao que parecer
impossivel;;
Marchai.no caminho do estudo, aiarchai
ainda quo pisando sobre espinlios ; porque
a arvore que deitou os espinlios, ha de,
necessariaiuente, brotar as flores. E essas
flores eclbidas com tanto ardor, sio florts
que nao murcbam, sio flores que nao te-
mem 0 veudaval do uorte, nem. o pampeiro
do sul,.sao fiores, sempre v.cosas, para as
quaes nao ha sol, nem 0 sol ardentedo Gobi,
que as faga fanar.
S6 a morte, a mais poderosa de todas as
aroias da natureja, poderd arrancar-lhes as
petalas, e, ainda assim, podereis, ufanos,
bradar :
S6 0 inveocivel me venceu I
quando por ella mataste seu pai.
Eu nio matei esse anciio ; foi elle
que se fez matar procurando a minha cole-
ra ; quando pude ver o que tinha succedi-
do, jd nio havia remedio.
Mas se nao amasses Branca,, uao a te-
rias seduzido, nio terias ido a casa dell*.
nao te terias eneontrado com seu pai, nio te
terias visto, fioalmente, obrigado a ma-
tal -0.
Fascinou-me por formosa essa in-
feliz ; porem eu nio podia amar essa mu
lher, que, apenas conhecia um homem, lhe
abrio os bragos.
Essa mulher, disse Lucrecia com voz
concentrada, lutava comigo, e tu co-
Iheste 0 fructo dessa luta; nio podias
nem podes despreza-la ; nenhum homem
poderd dizer que foi destinguido por
ella.
Pois bem, disse Paulo, julguei amar
Branca; porem ao amal-a, Lucrecia, com-
prendi que 0 que sentia por ella nio era
amor, nio, nio era amor ; porque me nio
fazia agonisar, porque me nio fazia gozar 0
soffrer ao mesmo tempo, porque nio me
enlouquecia e me nio dominava, porque me
nio reduzia i condigao de escravo sem von-
tade.
Acredito-ie ; mas, dize, nio amaste
nunca outra mulher ?
Nio, sd tenho conhecido certe-
zas.
Sempre certezas.
Sempre,
E dize : 6 certo que agonisas, que
morres por mim? E'certo que te parego
a mulher mais formosa do munlo, embel-
lezada pelo teu amor ?
Oh sim ; parece me uma divin-
dadel
0' meu Deus I exclamou Lucrecia que
Creador, todes imitanm e-seu exemplo.
Assim e que vemos um povo hebreu
clamando contra seu liberlador, e, aSe mes-
mo, contra sou Deus ; um povo grego
condemnando um Socrates a beber ciouta, e
desterrando os seus mais distinctos ge-neraes;
um povo romano desterranio um Scipiao
Africano ; e decapitando um Cicero 0 mui-
tosoutros exomplos de ingratidio se encon-
tiam na histcria di> todos os povos.
Occasioes ha tambe a ern que a gratidao e
lao sdmenta-um fingimento, um meio indis-
crete de premiar 0 merito de um, para injus-
riar, para roenoscabar o de outrem.
E nao pode entao charoar-se d isto gra-
tridio ; porque se a gratidio e um dever,
.urn crime nao e uma gratidio.
E ate mesmo um coragio bem formado
deve rejeiiel-a afim de nao torctar-se um
>il instrumonto para vingar as paixoes
albeias.
A nossa gratidio, felizmente> e despida
de todas essas maculas ; e uma gratidio
nascida. espontaneamente nos nossos cora-
goes, e applicada d urna pessfia della mui
digna. N6s retribuimos obrigagoesv que,
por maios pecuniarics, nao podem ser iigna-
ineiite pagas.
(Contumar^se-ha.)
estava densimeaite pallida I Qu.0 feUcidade
e que desventura I
E levantou-se.
Paulo levantou-se tambem.
Adeus, disse Lucrecia.
E dirigio-se tremula, com a cabega incli-
nada, como combatida por uma luta terri-
vel, para a porta
Paulo, avangou, e collocou-se diante da
porta.
*. Que fazes, desgragado ? exclamou Lu-
crecia. Afasta-te, deixa-me passar.
Nio 1 bradou Paulo com energia ar-
dente e apaixonada ; a morte ou tu I
Pois bem, eu que sou a morte, eu que
sou a desgraga, eu que sou a maldigio,
queres-me assim ? Seja ; para que soffrer ?
para que desesperar ? para que viver no in-
ferno na terra ? Ah I sirn, tu es meu es-
cravo, e eu sou tambem tua escrava. Man-
da, senhor de minha alma, manda e eu te
obedecerei. -v
Naquelle momento Lucrecia efgueu-so, al-
tiva e terrivel.
Na porta do quarto de Paulo haviara soa-
do tres pancadas.
Ah 1 que e isto* exclamou a gri-du-
queza.
Paulo pegou na vela, correu para a por-
ta, abrio a, e nio vio ninguem.
Em troca, porem, vio junto da porta uma
carta.
Apanhou-a, fechou a porta, voltou e olhou
com ancia para 0 lugar onde deixara Lu-
crecia.
Esta desjpparecora.



*


v
[Continuar-se-ha.)
TYP. DO D'ARIO. RUA DUQUE DE CAXUS
)
A.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJWYQINP3_MAZ9ES INGEST_TIME 2014-05-27T22:58:16Z PACKAGE AA00011611_17630
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES