Diario de Pernambuco

es.
i
Affonso Jose de Oliveira, e sua
mulher pungi los da mais acerba
dor, por si e era nome 4e seus
filhoi e genros, ausentes, convida
a todos os seus parentes e amigos
para assistircm a algumas missas
que manda rezai no convenlo da
Gloria, no dia 20 do corrente, as 71|2 horas da ma-
nha, pelo repnuso eterno de sua presada e sem-
pre chorada lilha, Sera Rna Eutalia de Oliveira e
Silva, fallecida em Pajeu de Flores em 20Jo passa-
do: por cojo caridpso favor, desde ja se confessa
agradecido.
Compra se e vende-se IraslasBovos
e usados no- armazem da rua o Im-
perador n. 48. n
Compra-se um prelo oozinbeiro: aa rna Im-
perial n. 94.
it1' iiiiiiiiibhMm
mu%
Liquidaciio
Ivtl
Grande escala
So o n. 20
A' rua do Crespo,li ja das 3 portas
fde 4*000, 4*509, 5*000, 6*000 e 7^000
a peea, assim como, ditas co, a 7(5000, e pechiucba.
KOVAS UI1KHAS ]A 5^0 RS.
0 Pav3o recebeu pelo ultimo vapor una
elegante sort mento das mais lindas laiznha
para vestidos, sendo transperentes com as
mais dehca-
droes, que vende peio barato preop de 56*
rs. o covado, a" rua da Imperatriz n 60.
LIOJUIDACAO DE ROUPA PARA HOMENS.
0 Pavao vende um grande sortimento de
roupas p^ra bomens, sendo palitots saccos,
ditos fraks, tanto decasomira preta e de co-
res, como de panno ; assim como um avul-
tado sortimento da caloas de ca.-emira preta,
de cor, de brim de cor e braneo, e um
grande sortimento de colletes de todas as
qualidades.
Tendo tambem um bom sortimento de
camisas inglezas e francezas; assim como
de ceroulas de linho e do algodao, e vende
todas as roupas a .irna mencionaias pelo ba-
ratissimo preco, porquerer Uquidar, na loja
da roa da Iraferatriza. 60, de Felix Perei-
ra da Silva.
Acha se constantemente abetito >
&sq de noite.
0 Pavao vende um booie sortiawotodt-
espartilbos moderaos a 8*500, kfitQO e-
5*0*0, assim come um DdxiIJo ar^loaetito
desaiaa-braucas, bofddas,a $W0Q A*M)0.
e ditas do lasinha do edees a a*08O: pe-
ciuuefeo/.
CORTKtAPOS BORA.l>S PMA GAMA E
JANIU.A8, UE 7*rATE" IH^OM-aFAR
O Pavao vende um-graude sortjmentb de
cortlnados bordados, proprios para qama e
janeUas,_pelo_baratio pspco d^ 7*000,8*000,
tm oojeo : colias
de dimasco de fk muito na do 10*000
li*000 cada uma.
BRAMANTES A 1*800, 2*000 fi 2*500.
0 PavSa vende braraantes para-lencdes,
tendo 1* palmos-de largura-, sendo ode
algodao a 19800 eJMOOs vara, e do linlu
a SK)0, 2f900 e 3*06 a vara: 4 Jtt&in-
cba.
CASKMOIAS A 5*000, 6*600 E 7*CO0
0 Pavao vende edrtes de-easemirae para
calcas, sendo padroes modemos, pelo.baxae
to preeo do 5*000, 6*000 e 7*000 o cdrte,
assim coroo : pauuos protos dos ne)here>
que tem viado ao meraado, de 4*000, 8* e
00*000.
ESMERALDiM 4 800 RS.
0 Pavao recebeu um bonito sortimento
das mais elngaBtes osmeraldipas Jcom listras
de seda, sendo em cores a pad roes as mais
novas que tem vindo ao m.ereado, proprias
para vestidos, o vende pelo baratisjiqeo pre-
co de 800 rs. o covado, A rua da<}mperatriz
n. 60.
i <- n o do PAVAO, das 6 boras da manba
DE
o
na phar-
133.
Engenho S Matheus, em Ga-
melleira.
No dii 20 do corrente mez do abril, depois da
audiencia do desembargador juiz de orphaos, sera
vendido em hasta publica o engenho S. Mathen*,
pelo preco de 16:000j, segundo se vera do respec-
tive edital.
$$9Hft *$&*-**
&L BACHAREL MIGUEL AMORIM A
Advogado
Rua do Imperador n. 71. f
&&**'*&*&*&***
Arrenda-se o engenho Penderaca, d'agoa,
com proporcoes para grande plantio de canna e
cjfe, dista de Unatres legoas ; assim como da-se
nos fundos muito bons terrenos para levantar-se
outro, por annos : no mesmo engenho. a tratar
com o.vr. capitaomor, ou a rua do Imperador
n. 50.
Uma pessoa vinda da Bahia, precisa fallar com
o^Sr. Antonio Jose de Freitas, roga portarto o fa-
vor de appareetr a rua da Cruz n. 6, armazem.
Precisa se de uma ama livre on eserava,
para todo strvico de casa de pouca famiiia : na
rua do Imporador n. 27, segundo andar.
-fal>y0CMLR0
de Aliwqiierffle Helli
Ail ,,,so
incumbc-se de promover etbrancas amigavel
ou judicijlniente, assim coito de Outros negocio?
oncernentes a*ua profissao, nos lugares proxi-
lics a linha f rrea, e nos oulros termos proximos
a esla cidade; para cujo a'axilio tem o annun-
'iante solicitucores babilitados e probos, respon
sabilisamlo so no entanto pela boa gestao e conta
lo que Ihe lor conflado,
Mediarite niodico hanorario ^code aos chmados
;.ara diligenclas ou oonsultas f6ra da cidade e do
o e incumbe-se da defeza de appellacoes ante
tribunal da relacao. Fodq ser procurado de
i eio dla as 3 horas da tarde em seu escriptorio
\ rna do Duque de Caxias n. 37.
Fugio uma eserava mulata, de nome Maria,
pertencente aos herdeiro* do faJlecido Dr. Jos6
Felix de Brito Macedo, a qual se acha ausente des-
de novembro de 1872, com os signaes seguintes:
cabilios carapinhos, cara red'indi, olhos amarel-
15s, nm panno na face esquerda mais alvo que a
pelle, desdentada, seio pequeno, altura reguJar,
um Cfiraclo azul no braco esquerdo, pes grandes,
ternozelos grossos, anda dizendo que e forra : ro-
ga-se a quem a prouder, leva-la a rna da Imperar
triz n 13, que sera pago o sen trabalho.
prliciiliir
DE
instruc^ao primaria para o
sexo feminiao.
D. Francc-lina Dornellas Pessoa, achando se ha-
bilitada ni forma das leis reguladoras da ins-
truccao publica da provincia, abrira no dia 1. de
maio proximo futuro, na ca?a n. SI da rua do
Barao da Victoria, um collegio, em que serao
recebidas ilumnas pensionistas, meio-pensionistas
e externas, afim de se educarera religiosa e civil-
mente, de se in^ruirem nas malarias de um com
pleto curso elemenlar, de se aplicarem a obras de
agulha e bo-dados de todas as especies, e a tra-
balhar em flores, mediante uma razoavel remu-
neracio. 0^ Srs. pnis de familias poderao desde
ja dirigir-se ao m^nciooaio collegio, onde ser-lhes-
bao dados os necessarios esclarecimentos e infor-
maQSes^e.onde encontrarao aberta a matricula
para as edncandas.
Recife, 15 de abril de 1874
Cozinhar e engommar.
Precisa se alugar uma eserava que saiba cdzi-
nhar e engommar ; 6 para casa de pequena farai-
lia : na rna do .Vjgario n. .16, l. andar.
Aluga-se um preto para tedo serviro, inclu-
sire cozinha, pqr |>mbem entender : a tratar na
Pjgea do CorpO Santo p. 17,3* andar.
0 bacharel Jcaqutm F. Cha/es Junior, advo-
gado no fdro de Palmarps, incumbe-se de coaran-
gas amigaveis e judicial pa uleama com area*
CRIADA
Preei -se 3e uma para cozinhar para casa
'i*. prefere sa
de
ao.cs"a?a e paga-se muito
raa do BarJo da Victoria n. 48
Aluga-se o 1 andar e o armuem do sobrado
da rua dos Burgos (Recite) n. II : a tratar na rna
da Praia n 20, com Jose" Feliciana N'atareth.
Aluga-se o pavimento terreo flacssah. 41^
rua do Rang--1 a eatender se com o proprieta-
rio no 2* andar damesma casa.______________
P* sr^ocielade era uma ttvlrnV^em afre
guezada e em bom loeal, a uma ps?a deboa
con lucta, e que entre com algum capital : nesta
typographia, carta feenada com at Iniciaes
R. (j.
Eserava

p.
i
i
ecisa-se de uma para fazer as comnras ,e ft iic
roais^arvico de casa de pequena famiiia, a ue- 3d
seja de nga conducta : quem liver a quizer 'jlu- "
gar, dirijalMra rua da itoperalriz n. K, primeiro
andar.
LliVJ
Na cravessa da rua
das Grazes n. ^^pri-
meiro andar, d4-se
dinhetro sobre pe-;
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
Empreza do gaz
fl-i ii.iiiiftii;: a c.
Junto a loja ila esnuiun.
METLNS CUINEZES,
Proprios para vestido.-, os mais modernos, pelo
dimiouto preco de 280 rs. o corado, e pjchincba I
Dao-se amostrs.
OKGANDYS DE COPIES.
Fazenda fina e com bonitos padroes, pelo diaai-
nuto preco de 320 rs. o covado, 6 pecchincha !
Dao-se amostras.
CHITAS COM PAIWW DE CRETONE.
Fazenda finissirna, com lindos podioes, pelo di-
minuto preco de 310 rs. o covado, s6 se vendo,
e pechincha Diio-se amostras.
LAS ESCOCEZAS.
Completo sortimento de las escocezas, e para
acabar se vende a 210 rs. 0 covado ; e pechincha!
Dao-se amostras.
CASSA LANE.
Grande sortimento desta fazenda, com os mais
bonitos padroes que tem vindo e que vende-se
pelo dimfnulo prcjo de 200 rs. o covado ; e pe-
chincha I Dao-so amostras.
CdlTAS CLARAS.
Cora bonitos padroes, que se v.-nde a 260 rs. o
covado ; e pechincha I Dao-se amo.^tras.
HOLLAJHDA.
Brim Holland*, liso, o que ha de mais lino, pro-
Jrio para costumes de homens e raenlnos e ves-
tidos para senhoras, por ser muito lino e linho
puro, e se ven !o pelo diminuto preco do 360 rs.
o covado; e pecnincha Dao-se amostras.
BRENS DE CORES.
Brins de cores, linho puro, com bonitos pa-
drSes e quo se vende pelo diminuto preco de 560
rs. o covado ; e pechincha Diio-se araoslras.
CAMISAS UE CRF.TONE.
Camlsa- de cretone, o que ha de mais On*?,
com lindos padroes e que ,-e vende a 40^000 a
duzia e 3/500 cada uma ; e pechincha I so se
vondo
Assim como um deposito de mais fazendas que
se vendem por nienos do que em outra qualquer
parte, como sejam :
Cortes de ca?emira de cores a 43 ; e pechin-
cha I
Idem de brim pardo fino a 1 $500; idem.
Colchas de fustao com ba-ra, muito grandes a
ii ; idem.
Mem idem braneas, idem idem, a 3* ; idem.
Cobertas de chita adamascada fina, idem idem,
a 3*500 ; idem.
Len;6?s .-?e bramante, idem idem, a ii ; idem.
Toalhas alco6n'oada3 a 5*500 a duzia ; idem%
Lencos de ea-sa com barra a IjO'JO a duzia ;
idem.
Idem idem idem brancos abainhados a 2*000 ;
idem.
Idem em caixinhas muito lindas a 3J500 a
duzia. .
Seroulas ie linho e algodao, a 48* a duzia.
f'arabraia Victoria Una a 3/5800 a peca ; e pe-
chincha.
Algodao marcaT largo a 4J500 e <* a peca.
Madapolao fino a 4*800 a peca.
Madapolao francez irialto fino a 6* a peca.
Brim pardo muito fino a 400 rs o covado ; e
pechincha.
Cambraia transparente, o gue ha de mais fina
A. 6* a peca.
Baptistas de cores modernas e com lindos pa-
dr8es a 400 rs. o cotido e" grande pechincha
Dao-se amostras.
Nao ha mm cabellos
braweos.
Grande pecliindia
marfim a
Chapeos tie sol caba do
12^000 I !
Com seda tran^-ada e hastes de meia cana, n*
limUnAHIA JSiUNlZA. loia da Rosa Branca, a roa da Imperairiz n. 86,
Soa-unicaapprovada pelas academiasde; CharutOS e Cl^aiTOS
sciencias, recoribocida superior a toda que'do3 maisfin03 c das melhores marcas. do Rio de
tem cpparecido ate hoje. Deposito prints- Janeiro e da Bahia: noarrajzemd^ fump, a rua
pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar- do Amorim n. 4.1, de Jq-6 Duminiju-.s do,Carmo c
quez de Oliada, n. 51, 1. andar, e em L' "
toda? as#boticas e casas de cabellei-
A

a.
reir-
Chaneos
prtra snnhora.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de chapeos para senhora, ultima moda e
>vende por preco coramodo.
Wll-ou Rowe ci C vendem no seu armazem
a rua de Commerci> a. Ii :
0 verdadeiro pr-nno de algodao azul amenoano.
SKoellente fio devela.
Cognac de qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidade*
Lindas las escocezas.
De varios padr5es, e inteiramente modernas,
360 rs o covado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Crespo a. 13, loja das columnas, de An-
tomo Correia de Va3Concellos.
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes :
Barra,
Preguica,
c Patrioio.
A tratar com seus proprietaries nesta cidade,
e para informacoes com Joaquim Pinto de Mei-
relles Filho, na mesma cidade de Mamamguape
Tasso Irmaos i C.
Cliques de Iranps,
Augusto Porto, a rua Duque de Caxias a. 53,
recebeu lindos coques^de trancas, collarinhos bor-
dados para senhoras, elegantes golas de seda de
cores, phantasia, e bonitos cintos de coure com
fivellas e passadores de metal. Tudo de muito
gosto e precos commodos.
baralo!!!

;
A 5*090.
Lindos cortes de granadina com listras e flores,
I fazenda a mais liada possivel, com 18covaios
; cada corte, pelo barato preco db 5* ; isto sq s^.
vendo para admirar : na rua Pfimoiro de Marco
n. 1.
Sobrado
Vende-se um bom sobrado em uma das melho-
res ruas desta cidade : a traiar na rua do Mar-
quez do Herval n. 29, taverna, ou na rua da Im-
peratriz n. 10, taverna.__________________
Vende se um sitio a retallio, na estrada do
Arraial, que lica na procedencia do sitio dos Bu-
ritis, sendo este sitio n'uma localidade muito ex-
cellent?, ficandj no eentro de tres eslradas, por
preco muito commodo; tem terreno de 2* o pal-
mo, com 240 e 250 palmos de fundo ; assim co-
me, tem terreno para varios precoSj com fundo
de 400 a 500 palmos, com muitos arvoredos, com
muitas baixas e sendo muito boas, um.riacbo que
ccrre por denlro do mesmo sitio, com duas casas
sendo uma di pedra o cal, feita a mederna, com
4 quartos, 2 salas de bom taraanho, e grande la
tada de parreiras, muito bom barro no mesmo
sitio: quem pretender pode vir a qualqner hora
3ue achara com quem tratar. Outra casa de ma-
eir
At40rs.
Vende-se mui boaitas alpacas de quadtmhos,
de lindas cores, lazeoda muito propria para ves-
tidos, pelo baratissimo preeo de 240 rs. o covado :
quem duvidar venha ver e ceraprar, a rua Buque
de Caxias n. 88, loja de Demetrio Bastos.
A California
ira cent 3 quartos e d.'.as salas e cozinha fdra.
Libras estertinas
Vendem Pereira Carneiro
& C.
Rua do Commorcio d. 45. '
Linho com listra de seda a
500 rs. o covado.
Linda fazenda para vestidos, este preco 6 para
acabar o reito.
Loja da Rosa Branca,rua da Imperatrizn.56.
Balcilo
Vendem-se dous de aroarello, envernisados, com
pouco uso, proprios para loja de fazendas, miude-
sas ou ouiro quarfqoao negocio : para ver ni rua
da Imperatriz, faljrica de cigarros dos Srs. Ulysse?
& Irnfto e tratar com Pqcas ci C, rua Estreita do
Rosario n. 9.
ncur
._ wplejidido
csndjeiros, aran
delas e globos, etnas a
a rtta do imper3dor a, .
sens fregoeies pwo preco mais razdavel possMreJ. iQuuteUa.
S6 o n. 2D
A* rua do Crespo, bj* 4as 3 parfas
DE
i-i ii iiiiou: a c.
Junto a loja da esquiaa.
0 -M!b<-it imento acha-se atxriu
daa horas ria mauiiit as 9
horas da Ooite.
Vende'se ISrangeiras Sf.ieetas e de umpigo,
enxfrtadas, como nap ha iguaes em qualidade, e
*fai5lffiLSS?'-Bilff,rw e8lao m9f'<> la aoim&wst n. 31, e serao. yendidos aos \catizeiros : na estrada dos Afflictos, sitio da viuva
DE
F^endas baratas
\a rua do Qiieimailo at. 43.
Defronte 5a nrica da Independencia.
E' para Iqnidar I I
Lazinhas a moda a escoceza a 200 e 240 rs. o
covado.
Cretone a prussiana a 320 rs. o covado.
Cambraia transparente fina a 3* a peca.
Dila Victoria fina a 34500 a peca.
Toalhas felpudas a 500 rs, uma.
Brim pardo fino a 400 rs. o covado.
Algodao T superior, pouco bujo a 3 e 4* a peca.
Madapolao, pouco suja a 4* e 5* a peca.
Ci ita, fazenda propria para roupa de escravos a
200 rs. o covado.
Lenc6es de bramante a 2*.
Briniznhos de listras proprio para vostidos a 3*200
o covado.
Venham ver, so na loja'das pechincbas.
Dao-se amostras.
verdadeiro ven-
confeitaria do
CAF|' DE JAYA
0 unico
de-se na
Campos
U linperadw -24
Rqi t*)dos os vapores re-
cebe-se nova remessa..
Vedde-se um piano de Blondeq, por barato
nrepo : a tratar na rfla do Imperador n. 10.
Pechincha de chapets
A 19500, i,:800, 2S000, 2^500 e 30OG.
Vende-se chapfios de ^eltjo ftao, de divarsos
raoflelos, pelos precas aoima *to, -que e menes
de unlade de aws vajorea : Mil (m Duque de Ca-
xias n. 88, loja de Demetrio Bastoa,


L_i
p ^




I
OiaiSks HeofeuMiftb^cK =-> S%uadfti^&a 20o^ft$^lim*iG

Coqi
Os pAletaMfo^ftd^a* n! ftfrdito d
cotts*5*r5b MftTiBMWtel quu t*m HMirocMki do .
reapabflM p>MJnH,Jieliagai^t MBj iWtt Wew-i.,
meat*rtaffMTs,flW a?W r^n^q^genene
veeta.scpftWcar 303 se verirarn^osseas eorresnondante's liasdrversasf.ar-
cas- d'Euref a para I tea enviarera por ledcs os pa-
quetn8ft:abjalMi.da loio e aom gosta, ae -se-
jam mais benvaaeitce pelaMociadadgs-elegaatee,
daiiuelb? psizes, visto apcoximaj se o tempo de
testa, era que o bello sexo> desta Jinda Venexa
mate Mtoftt* a riqwza de sow toStewes ; a ee-
mo j* reealossem pels paqtieta francez divert*
artigos da ultima moda, veera paiaetear 'algous
d'entre elles que se tomam mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costomada
>:oneaar atria.
Aden's da tirtaruga os maj& lindos que teem
vindo ao msr.cadq,
Albaus com ricas capas de madreperula e dt
vellu*), sende diversos tamanhos e baratos pre-
03
Adarocos ojnpletos. da bcrracba, pr prios, para
Icto, umbem se vendem meios aderegos muito bo-
DitOB..
Bntfles desetim preto e de cures para ornato-de
veslido8i4e iethora ; tambem torn para collate
pali^M,
Bolsas .para, senhoras, existe um bello scrWrnen-
de seda, de palha, de chagrin), etc., etc, por
baratpprefo.
Booacns du todos os tamanhoa, lanto de lone*
enrau de cdra, de borracha e de massa ; chama-
mos a aitencio das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
pertlnentes per falta de um objecto que as en-
iretanbata.
CatiMsw.de linho lisas e com peites bordados
paranamem, vendeuj-se por preco commodo.
Ceroulas de linho e de atgodac, de diversos pre-
COS.
Caixinbas com musics, o que ha- de mais lindo,
comi diatitos mis tampas e proprios para progen-
ies.
Coques os mais modernos e de diversos forma-
to?.
Chapeoapara senhora. Receberam um soitimeato
da ultima moda, tanto para senhora, como para
meninas.
Cape II as simples e com veo para noivas.
Calais bordadaa para meninas.
Entrameios estampados e bordados, de liudoi.
lleS^ullOS.
fiscjovas eleclricas para dentes, tem a proprie-
dade- de evitar a carte do* dentes.
Franjas de seda pretase.de cures, exute urn
g-ande gor-tiraeoto de divercas largoras e barato
preco.
Fitaa de sarla. rt prgjnSa. de setim e de cba-
p^lo*?, de diver.-** larguras e ftoBftM cores.
Faanas de gorgurao mnitj lincaa.
Fk.r arti.ieiaes. A Predilecta prima em cou-
ervar aemnre um bello e. grande sortimento des-
2S Co'es, nao so para enfeite dos cbellos, como
tambem para oreato de vestido de noivas.
Ga'desdealgodan, de li e de seda, brancos, pre-
tos e de dtversas cores.
Oravalas de aeda para homem e senhoras.
La$o de.cambraia e de seda de diversaa cores
para wanora.
Ligas do seda de cores e brancas bordadas para
naiva.
Li\Tos para ouvir missa, ccra capas de madre-
perola, martini, Os-o e velludo, tudo que ha de
bora.
Pentes de tartnraga e marfim para altsar os ca-
t el'os ; teem tambem. para tirar caspas.
Port bouquet. Um. bello sorl.me.ilo de madre-
perola, martipi, usso e donrados por barato preco.
Perfumarias. Neste arttgo esta a Predilecta bem
provfda, nio so em extraosos, como em oleos
banhas doa melhores odores, ck>s mais afamados
fabrioantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosuel e Himel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por cemmodo
preco.
Sapatinhos de la e de setim boxdadoa ,para bap-
lisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta nm bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para fnirada de salas.
Vestiniestas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais moderno f reteheu a Predilecta
de or ar. to preco, para Bear ao alcance
ualqner boba.
Rua do Cabugan. 1
Uranias de leque,
Palmeiras imperiaes,
jueiros,
Cyprestres horisontaes.
Quem qnizer laser um pr.mar com dilT.-reotes
qualidades d.' fructos, ou arborisar algumas ruas,
cu plantar alpu n jardim, e so dirigir-se ao sitio
do A.brig-'', fin olimJ i, onde acliara o que quizer,
ou deixar o pedid i por escripto na Io]a da rua da
Cadefa do Recife n. 33, ifldicando para onde quer
que mahde-se, etc.
Semente3 do hortalica.
Rua do Marquez de OliiiJaji. 53.________
Fogao de ferro economieo
Vende se um chegado ha pouros dias, tendo fo
nalhas para lenha e carvao, [MWi para assar
deposito para agua quenie e lugar para se guar-
dar quente as comidas depois de feitas ; estes fo-
goes tornam-se recommendaveis porqne sao de
ferro batido, e fabricados cum perfeicao e coii-
nbara eom mui diminuta lenha : na rua do Apo
n. 20__________________________________
Vemle-se on arrenda-se, no e9taido em
ijue so aclja, inn sitio na frr-guezia dos Afo-
gailos n. 18, rfcifl proprio, com 349 palmos
de frer.te e 658 de fundo ; os preteodentes
dirijam-se ao sou proprietario, na rua de
S. Francisco, so. rado n. 10.
or do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacao do ca-
bello, restituicao de sua cor
e vltalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello e uma preparacSo ao
mesmo tempo agradavel, saudavel e efficaz para
conservar o cabello. Por meio do sen uso o
cabello roco, grisalho, e enfraqnecilJo, dentro de
pouco tempo revolve a cor due lhe 6 natural e
priaoitiva, e ivdquire o brilho e a freeenra do
cabello da juventude; o eabello ralo se torna
denso e a calvicie muitas vezes, posto que nfio
em todos os caeos e neatraKztida.
N5o ha nada que pode reformar o eabello
depois dos fblliculos estarem destruidos, e as
glandes cansadas e idas, mais se ainda restarem
algums podem ser saTvadas e atilizadas pela
Vpplicacao do Vigor. Libre do essas sHibstancias
defetetias que torn*m ttuila'pl^pat-acoede^8te
geftero *wh nocivas e deetrumivaa ao cabello, o
Vigor sdmente lhe e beneficial. Em vee de
sujar eabello e o faae* pegagoeev o o^liaerva
limpo e forte, embellizandoo, in4>edind a queda
e o tornar-se ruco, e por consequinte prsvine a
calvicie.
Para uso da toilette nSo ba nada mais a dese-
jar; nSo contenda oleo fteib ttatura, nSb pode
manchar tb4tao 0 mais alvo^enc de cambtaia;
perdura ho cabeHo, lhe da ttn htftre luxnri<*o,
e tlm perfume muito agradMNil.-
Paira reformar a cor da barba, 6 neceesario
mil
k
i

i (
:ihi
A
i 111'.
'sr r
re$w
Ac*l*fl de receber um grtnuie/ soflwen;^, ,\U .foi&fl** .^ra.t6, .pV*pqjM*
COMa^tJAM,!



m
ms

GBOSBEKAPtE PRETO A 188f-0.
Vende-se grosdeqaple pneto para vestido,.
de senhoras, a 19800, 29, 3, 49, c off 0
C0Td0.
PANJtO PRf Q A 2*300.
Tonde-se panno preto de duns larguras,
para calgas e pali*6ts, a 2#50' 39 3?S00,
49, a 69900 o covndo.
CORTES DE CASEHIRA PRKTA A 59000.
Vende-so cortes de ca^emira preta para
calgas, a.59,"69, 79 eSjOi.O 0 corte.
MERINO' PRETO A 2?80t'.
Vende-se merin6 preto ftno, a 29300 e
3&000 0 corado.
BOHBAZ NA-PRETA A 19300.
Vende-se bombai na preta enfestada, a
19500, 19800 e 290o0 0 covado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende se alpaca preta flna, a 360, 640,
800 rs. e IffOOOo covado.
FAZENDAS DE CORES E CAMBRAIA
BRiNCA A 3ffOtO.
Vende-so pegas de cambraia brancatrans-
parente a 39, 49, 39 e 6ff090, ditas de cam-
braia tapada, Victoria, a 89, 39800, 49.
e 5iJ000.
CORTINADOS PARA CAMA A 168000.
Vende se cortinados bordados para cani8,
a 16JJ. 269, 259 e 309000.
CAMBRIA DE CORES A 300 RS.
Vende-se cambraia de cores fines, miudas,
a 300, 320 e 360 rs. 0 covado
CHITAS LAKGAS A 200 RS.
Vende-se cbitas largas para vestidos, a
240, 320 e 360 rs. 0 covado.
BRAMANTE A 19600.
Vende-se brnmante com 10 palmos de
largo a 19600, 198C0 e 295C0 o metro.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pegas de madapolao enfestado
a 39000. Dito inglez a 49500, 590
55500, 69000, 79000 e 89000 a pessa.
CORxINADOS PARA JANELLAS A 89000,
Vtnde-se 0 par de cortinados bordados.
para jan&llas, a 89 e 1090 0 0 par.
ALGODAO A 49000.
Vende-se pegas de algodao, a 43, 59 e
69000.
CEROURAS A 19000.
Vende-se ceroulas de algodao, a 19000,
ditas Unas de bramante a 19500 e 29 cada
uma.
CAMISAS BRANCAS A ^9000.
Vende-se camises brancas Unas, a 29,
29500, 39 e49000.
BRIKS DE CORES A 400 RS.
Vende-se brins de cores para calgas, a 400,
e 300 rs. o covado.
CHA ES A 800 RS.
Vende se chales de la a 800 rs., chalesde
merin6 de cores, a 29, 99, 49 e 59^00.
COLCHAS DE CORES A 29000.
Vende-se colchas de cores para csma, a
29, 39500 e 4*000.
CHITAS DE CORES A 360 RS.
Vende-se chitas ftnas de cores, a 360 e 400
rs. 0 covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS.
Vende-se alpacas finas de cores, a 500,
640 e 800 rs. 0 covado.
TAPETES A 49500.
Vende-se tapetes para salas, de diversos
tamanhos, a 49500, 59, 69 e 89000 cada
um.
a
a 29,
LOCOS BRVXCOSA -29.00.
Vende-so lencos lirai cos fii . 29500 e 39 a Hi/ia, difes de litiho, a 49,
59 e 69000 0 CROCHES. PARA CADENbBA 19300.
Vende-se pannos tre crrictic para CMlciris,
a 1^500 cada um,.colchas de di 0 pafa
noivas.
MADAPOLAO FRANCEZ A H9000.
Yomle se pegas de madapolao francez
muit. fino, a 79, 89 e t09C'OQ.
BRIM PARDO A 400 RS. 0 COVADO.
Vende se brim pardo para calgas, a 4.00
rs. o covado.
CORTES DE. CASEM1RA DE 59000.
Vende-se corhs de casemira de cores para
calgas, a 59, 55O0 c 69000.
GROSDENAl'I E TRETO.
Vende-se grosdeqapje preto com
palmos de largurs, a 59 0 covado.
ESGUIAO FINO A 29000.
V.ndese esquiio lino dc linho,
295.00, 35 e 49 0 melio.
CHITAS PA(tA COBERTA A 280 RS.
Vnde-se chitas, para coberta, a 280 e 400
rs. 0 covado.
BRIM BRA SCO A UOOO.
Vende-se brim branco de linho, a 19,
19280, 19600 e 29 0 mutro.
BRETANUA DE LINttO A 640,.RS.
Vende-.-e brelaolut de liubo, a GiO rs.
vara.
FLANELLA DE GORES A 600 RS.
Vende-se flautlla de cores, a 800 rs. ,0
covado.
COBERTORES DE.ALGODAO A 194pO^
Vende-se cobertorcs de pelio a 19400.
Cobcrtas de. child a 1S800 e 99 ditas en-
cftrna^as, (orradas, a.49, no Bazar. Nacional,
rua da Imperatriz n. 72.
CORTES DE CASSA A 39000.
Vende-se cortes de cassa n.iudas a 39
cada um.
GRAVaTAS PARA SENHORA A 19it00.
Vende so gravatas para senhoras, a 19,
ditas para homens a 5CO rs.
ALGODAO ENFESTADO A WOO.
Vende-se nlgodao enfestado para lengoes,
a li^OOO a vara.
GRANDE SORTIMENTO DE ROUPA FEtTA
NACIONAL.
Vende-se palit6:s de panno preto, a 59; 79;
86 e 10^000.
Vende-se palit6ts de alpaca preta, a 39,
39500 0 4??000.
7q Swirl"? "KioT'iSlgiii
A .-* de q
itib'6ttrii4ht(KflaW&en#as'flba para Kratfde'Wl-1
ieite, a bem aseim para uso ordanario de todas at
classes, e por precos vantajosos, das quaes fafumj
aueupr
as mais modernas que tem vindo ao mere>#i, sen
'- Usas e. !eom,l)str4ak-e que e veide a 40*000 a
Hollanaa
Arlm pardo Kso, 0 qne ha ie tpais fin 1, com nm
tofjue ^e.ayajaa, e q*e se vende a 480 rs. cova
aivfekenda proprja do paiz por ser linho pnro,
applicada:para costumes ae homens e de meninos:
so.ia rua *yCrv*po: n. 20, loja das tres portasf, de
Gj>|llerme & C, jttoto.a loja daesqeiaa;
-se
am 'f^zrndas as rasas dos pretendenles,
para d que1 teni p^sbal1BaSessari6, e dao aiBOBtras
medianteiBhof,f :
Grosdenanjes de lodas as cores.
OcTgnrao^Mocri, \ii6, de nstras, preto, etc.
Seih* Maeao, piseto' e Onoidtnaples n^tft.
v^Dudo pralo,
Granadiue de seda. preta &de cores.
PoDelinas de linWs psdfteV." ''- fl
Filo,4e seda.brando e pfeto:
Kicas.bflsqniojgj de seda.
Casaqos, damer^ ^le cO?aa 1|, ,eje,
SlantasT)rfsileira,s.
Cottes com cambraia brapca com lindos borda-
Bu'as, capellai e maWas para Aoivas..
Binnissicyp iojii,^,^ tytytc seda.
Cambraias de cores,
Dita9 roaripbzas, brancas, lizas e bfirdadas.
Nanzuques de lisdo$ padroes..
lto'pti*la.spa/lri5ea.detiiJadqaj,
' ^ua^ros.-pretps^ e bran^ hstras.
Percal;ra*
etc., etc.
Brins de linho de cor, profirios oara vestidos,
com barra e listras.
.IlL-os.cc-rtesdeves.u'do de linho. >' cites da
mtsma dor, ultima mod?
bitos de camhraia de cores.
Fwac^de liodai cores,
Saias bordadas para isenboras.
Camisas bordadas para seuhoras, de linho e a!:
(odao.
Sortimento. dc lavas da yerdadeira (abrica de
Jouvin,,para homens e SeaborM. '''
Vluani'S paia ineniB'-.s.
Ditos wra tjaplj^lo,
Cnapcos para dito.
Toalhas e guardanapos adaina*cados de linho de
sor, para "mesa.
Ctdchas de li.
Cortma^os bordados.
Grande sortimento de camisas de iiuho, lizas e
bordadas, para n'opehs."
Meias de cores pafa homens, meninos e meni-
aa,
Ditas escoceza?.
tewpk-J" sortimento. de.chapeos de sol nara ho-
mens e senhcras.
Merino ae cores para yespOos.
Dito preto, trancado e dito de verao.
'"illiado dc linbo e algodao para teal
Atyu"had0ipa^(k>.
Damas.c^.de 13. .
Brjhs de linho, branco de cores e preto.
Setim de lindas cores com listras.
Cbalea.de merino de cores e pretos.
Ditos de casemira.
Ditos, de ^eda pi.eta e de*Cures.
Djtos, detouquim.
Camisas Ditas de flanella.
Ceiqulaiode linho e ajgoijap,
Pannos de crochet para sofa, radeiras e conso^
Lfucos bordados a de labjrintho.
Coltrias 'de croche.t.
Tarlatana de todas as torts.
. Ricos cortes de vestidos do tarlatana bordados
parft Curie*
Vende-se calgas pretas de panno, a 49,
66, 79 e 89000.
Vende-se colletes pretos, a 3#, 39500 e
493C0.
Vende-se ceroulas. a 10, 19500, 29 e
3000 Meias de seda jar* feD',ora3 e mrninas.
VndP. MtdtM hrnra 2A 4SM100 i fecbaa deaeda e la.paraseRhoraa.
tnae-secam.sas Drancas, a $, zuu,, |tjC0 sortim^ito de lenues de madreperolas e
39 e 49C00. 1 osso.
Vende-se ccmisas de chits, a 19400, 2jji Damasco de seda.
Esparl'ilbos li?os, bprda.ii:s.
Poniard de seda, liddas cijr.es.
e 3O0O.
CHITAS PRETAS A 320 RS.
Vende-se chitas pretas finas, a 320 e 3C0
rs. 0 cuvado.
LAZiNHA A200RS.
Vende-se Uzinhas para v.stidos, a.200,
320,' 400 e 500 rs. 0 covado. No Bazar
Nacional. ruada Imperatriz n. 72, do Men
I des Guimaracs & Irmaos.
Magnolia
Na loja da Magnolia, a rua.Duque de Caxias a.
45, encontrara sempre 0 respeitavel publico um
rompleto sortimento de perfumarias finas, objectos
dephantasia, luvas de Jouvin, artigos de moda e
miudezas finas, assim como modicidaJe nos pre-
cos, agrado e sincfridade.
Anneis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, aca-
ba de receber os verdadeiros anneis e voltas elec-
tricas, proprios para os nervosos.
Meios aderecos
A Magnolia, a rna Duque de Caxias n. 45, re-
ceben um complete sortimento de
Meios aderecos de tarlaruga.
Meios aderegos de madreperola.
Meios aderegos de seda bordados, (ultima moda)
e de muitas outras qualidades.
Botoes de aco
SO' 0 BAMTEIRO
NA
Rua 1. de Margo n. 1.
Cu!iv>utc o arco de Santo An-
tonio.
KsUE vcndoiido suns fazendas com
30 por cento menos que em oima
iiualquer pnrte.
A saber :
Madapolao com toque de mofo, pclo barato pre-
to de KVMtSi
Dito francet, limpo e de superior qnalidade, por
3JS00, 6*000 e 6#E0O.
Algodao marca T, largo, superior qualjdade, a
4$.-i00,o,J, 5^500 e 6*000.
Grande sortimento de lazinhas degostos inteira-
mente escosseses, pelos pr>gcs de 200, 240,2C0 e
440 rs. ; so se vendo podT se ha acredilar.
Baptistas, lisas e com ftores, fazenda que.tem-.
Casemira preta e de cores.
Chitas, madapolao panno finoprejo e azul, larinbps. puobus de linho e algodao, pravatas, la-
vas ae up fle.^eossia, 'ap'etes de todos os tama-
nhos, bolsas de viagem, peilos bordados para ho-
mens, len?w. de linho branch e de cores, toalhas,
guardauapos, etc, etc. _____________^___
A Magnolia, a rna Duque dd Caxias n. 45, tem i n e 800 rs e^tamns vend
S22 22SL08 mOderD0S b&'5eS ^ af' Pr0Pri9 > Ken"deU3, P^a ac'abaram0S "^ N
paia vestiats. i UjIag finaS) padroes malisados, a 400 e 440 rs
(iohnhas e pimhos ocovao.
. ixi H.. Crctone trance?, escnros e euros, os mais no-
SSSUttlgSSSR:***1 que ,em vindo'ao mercado, 480 e
Lencos chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu uma pequena quantidade de lencos de seda
chinezes, com lindissimos desenhos, fazenda intei-
ramente nova.
Leques
Lindos leques de madreperola, de tartaruga, de
martlm, de osso, e de muitas outras qnalidaflee :
recebeu a Magnolia, a rua Dnque de Caxias du-
mero 45.
Atten^ao.
A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
45, acaba de receber o seguintes arligos :
Manual de madreperola, tarlarup e martlm.
Ricos allun- com capa de madreperola, cha-
gren, madeira, ve'.lado, couro, etc.
Lindas caixas com finiisimas perfumarias.
Ligas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
I'u'seiras de madreperola.
Ricas caixas para costura.
Vestuarios para baptisado.
.Toncas e sapatfoihos de- setim.
Modernos efeaoent de sol de seda para senhoras.
Lindos port-bouquets.
Gravatinhas de vefludo, etc, etc.
eslrangdro.
Paris n'America, a rua Du-
que de Caxias u. 59
primeiro anda/, acaba de receber nm complete
sortimento de cal^ados estrangeiros para hornem e
senhora, vindo entre elles um lindo sortimento de
elegantes chiquitos, sapatinhos e bolioas para
criangas, gig tad Panno de ^godao da Bahia.
Vende de (odas as qualidades JuaO Rodrigues de
Faria : na rua do Arnorim h. 33.
Fumos
Ba Bah a e da Rio, vende Joao Rodr^ues de Fa
a a, rua do Aiyojjni ly 33__________________
BAZAR .
In do Bario da Victoria n. 22.
DE
A' (,te grande estabotefiiwenlo tem cb^-
gado om bQm sortimento de machinas para
costuxa, dfi. todos os autores mais acredita-
dos ultimamente na Europa, cujas raacbinas
sgp gafantidas por um anno, e tendo um
perfeito artista para ensinar as mesroas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-Ias pelo tompo tambem d'um
covado.
Aproveitem em qnanto n5o se acaham.chapeos de
sol de seda trancada (paragom) 12 hasteas, inglezes
superiores, pelo insignificante pre^o de $$ e 9^ ;
sempre vendemoa por 14*000.
Ditos para senhora, de merino, a 3* e.3j30O.
Ditos de seda, cabo de osso a 4 #000, e pechip'
cha.
Ditos de alpaca de cores, forrados com seda,
e o cabofmgindo bengala, o mais moderno, Qe!ann0 ^n, despendio algura do comprador.
A Nuya 'Esperanea, a rua Duque de Capias n. 63
apressa-se em cbnvi(Iai a' sens freguezes, com es
peeiaHdade ao bello sexo a virem apreciar os se
guiates artigos expo.stos a venda e todos por precoi
commodos, como sejara:
FIIvAS BOSECAsmansas e choronas.
B0N1TA8 E ENGRAtJADAS ylstas parastcrios
copips,
COiWODAS LATAS para gnardar cha.
, ELEGA.NJES BOLSAS para senhoras e. meoinat
BONITOS VA$OS' com fina banha e cheirosoi
extracuk; fraze'ndo cada frasco nm noaie, ami ini
i'ialr'oa;uhi diktica
FtfiAS *IAS Dfi SEDA, vindo entre ellas coi
Para quern goslar.
A' Nova Espcrancn a rua Duque de Caxias n
63, acaba de receber tentos e caixas para o jogo d<
V'vittrdUe.:
Para mm s: ITre das pernas.
A Nova Esperanea, a rua Duque de Caxias i
63, aeabk tie receber as procuradas meias de bor
racha para qnem soffre das pernas.
FLORAS ARTIFICIAES
A Npva Esperanea, a rua Duque de Caxias
63, acalj'ade receber om Kndo e completo' sorti
men*) de flcres iouficiaes das melhores que ten
vipd,u ao-inercado
A ellas autes que se acahem.
Gostumes para crianca.
A Nova Esperanea, a rua Duque de Caxias n
63,acaba de receber bomtos costumes para criaoc*
e os(a se vendendo por precos razoaveis.
ceiveia no^utga., da, marca M L, por menos preco
qd' em oulra (/ualqiier pane : nd armazetn ue H.
Lundgren, rna do Commercio n. 4. _____
Vende-se semente' de' pilanga para-cerca ou
enfeite de ;ardim : na rua da Cruz n. 6.______\
Vende-se nm terreno em Beheribe (Porto da
Madeira) com 200 palmos de frenle e 6Q0 e tantos
de fundo, cerca_do, cqm, casa de taipa e cqbeita, de
cabltn,1' tebdo ja plaotado alguma3 arvores frnc-
tiferas e tambem legumes, por preco razoavel :
quem pretender, dirijase a ruada Penha n. 43.
Tauiancos do INirlo.
Vende-se tamancos e ehinelas, sspatos de tran-
'Ic*, tadodo Porto, para homem e senhora, pro-
prio para o inverno, chegado pelo uliimo navio :
na ma da Senzala nova fl. L
"6MNDE PECfflHCBA
Cortes de casemira a 4*000 o corte e pechipeba.
Chitas claras a 240 rs/o covado o
Madapolao lino a 4*800 a peca o
So o n. 20 da rua do Crcspo, U>ja das 3 pcrtas
de Guilherme 4c C, junto da loja da esqoina.
Gaz a 5$500 a lata
t com 25 garrafas, do melhor e da mais acreditada
marca di Henry Forster 4 C, garantido a qu ili-
| dade e a quantidade do liquido completo : no ar-
mazetn de Jose Domingues do Can&oe vlvi.
rua do Arnorim n. 4 I ____________
i Vende-se as casas seguintes
Rua 24 de Maio (oitr'ora dos Ossos) ds. 2 e 4.
Ditado Fogo n. 22.
Dita do Padre Floi iano n. 35.
j Receo da Bomba n 5.
Travessa do Padre Lobato n. 8 A.
Beeco do caes da cadeia-aova ns. 3 e o.
A tratar no patco do Carm^ n. 1.
Liquidacao de mpveis
Por precos mui reduzidos, di versa* mobilits e
cadeiras de ^uarnicio : vendeiri Cunba A Manta.
a rua do Marquez de Olinda n. 23. _____
Ebaniio.
Vende-se um peqiienosiiio perto da esta-
cao do Salgadinho, tendo de frente 150
Mf5X?nTg^^PS?.<^D. Palmos' e ^ fudos mf ** q^rocerii.s.
pulseiras eleclricas, propriaspara quem soffre do? c<>rn ura elegante casa d^ taipa, acabada da
nervos.________________________________ proxim > e bem asseiada, tendo 2sal s, 2
Forinlv rip TTmn^inon nova | quartos e coziiiha f6ra. 0 terreno e pro-
rannna ae manaioca nova. prio 0 bom dopiantacoes, u-ndo aigumss
Recentemente oliegada de Santa Catharina l6m arv0res de tucIo, acua de bclxr e todo cer-
para vender no trapicne Companhfa, e para tratar :
no seu escriptorio a rua do Commercio n. 5, Joa- | cao_-
qnim Jos^Goncalves BeJtrao& Filho. Advertindc j Para ver e mats explicates, no mesmo st-
aos compradores que cesejando ac,abar, vendem tio a qualquer hora a entinJer-se com Tris-
mais barato de quo em qualquer outra parte, tan
to.am grandes cbmo em pequenas per^oes,
& Fazendas de gdslo
1 ."% run ilol'nicspo n. lO W
ji Ncvidatks de coiss com listras de seda
[' entremeadas de renda. fazenda ainda nao gi
' yisra nesta cidade a 800 rs o covado. ~
' IBs de cores com listras de seda e bo- 3B
nitos padroes a 360 rs. o covado. gi
Madnpjlao Iranccz muito largo, com **
^,20 varas, a 6* a pega. jR
at Vestuarios de fustiio, cambraia e alpa- 'Sk
K'cs, para meninas, a 4^, oi e 6^. Dao-se S
amostras com penhor. W
Progresso da rua do RangeL Vieira n. 00.
Vende-se muito barato:
Manteiga em lataS a 80) rs. a libra.
Ervilha a 120 rs. a libra.
Estrelinha a 320 rs. a libra.
letria a 320 rs. a lilbra.
' outros muitos genero3.
tao Francisco fortes, e para tratar, na the-
souraria d s Ioterias, rua 1 de Mar^o
r. 6._________________________________
Farello novo e
Milho pequeno
Da melhor qualidade no armazeni de farinha
de trigo de Tasso irmaos & C, na oraca do cats
do Apollo.
Triumpho da
Yendem
Wilson, Rowe & 0.
Era seu armazera a rua do Trapiche n. 14, o se-
guinte:
Algodao azul americano.
Flo de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidades.
Tu^o muito barato. _____________^^
Ultima moda.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu" um lindo sortimento de bicos d9 guipure
de cores, apropri.idos aos vestidos ch'ques aa ac-
tualidade.
Carros a venda.
Acha-se a venda na rua do General Seara n. 20,
antiga rua do Jasmim, differentes carro^ de pas-
seio de quatro rodas, hovos e usados, a um ou(
dous cavallos, por pre^o commodo : a tratar alii
ou na travessa da mesma n 19.
-
Em tem pos modernos neiihum descuL.i-
mento ope nroinaior revolugao no modo de
curar anteriormente em voga do que o
Huron hi di mm J
TAMO NO TRATAMINTO
DA
Tosse, C.rupo,
Asthma, Thisica,
Rguquidao, Resfriamontos.
Bropchites,
Tosse Convulsa,
Dores de l'eito,
Expetttiragao de Sangue.
Como em toda a grande serie de eufeuii-
dades da Gargania, do Pe!*oedos
Orgitos tin rcsjpiracac, que tanto
atormentam e t'azem solTrer a humaniJade.
A maneira antiga de curar consistia gerai-
mente na applicasuo de vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar extcriormente un-
Asunicas verdadeiras
Bichas bamburguezas anp vem a este mercado
ua ru'" Marquez JeJ:nda n. 51 ___

-
mestica
Jh Tqa Primeiro do MarQO n. J.
Cohfrolite ao arco dp Snrttd Aritohio.'tDja de
Agc*mhofVrr*ira da SilVa Lbal &-.
K.Lanzinhasr gAtto eBtossez, padroes inttirament*
novos, pelo ditnujUto ftre$a de 200, 240 12C0 reis
o covado.
Baptistas lisas, finss, e de cures a 320, 400 e
! 440 rels o covado, fsto J se vendo I
Chapens de sol de seda, para homens, inglezes
maia tempo de que com o cabsllo, porem se pode J (paragon) e com 12 hastes, peli. preco de(j8* a 9*,
appreaear o effeito, envolvcndo a barba de noite Tazenda esta qua sempre custou 14*, so para
, acabar.
cem tub leafo Ktolbado no Vigor.
PTIEFARADO POB
Dr. J. O. AYER & ca., Lowell, Mass.,
Kstadoe TJiiictos,
CMmlcoi ITaeHcn .Analytical,
"VTENDBJ SE fOR
?ia rua Primeiro de Margo n. \.
I.nja do barateiro.
Sabao a 200 rs. o kilo
No armazem do fumo, a rua do Arnorim n. 41,
de Jose Domingues do Carmo e Silva.
ha, a 11500 e 2* 1
Sortimento de chitas claras e escuras, boa fa-
zenda, para acabar, a 240 e 280 rs. o covado.
Popelina de linho e algodao, gotos inteirameate
novos e de cores bonitas a 800 rs. o oovado, sem-
pre cu>lou 11400.
Camisas de cretonp, francezas, modernas e su-
periors a 3* e 33500
Ditas lirancas a ii e 2|."S00.
Ditas de liaho a 3A600 e 4*000. .
Tolhas de lioho do Porto a 7*500 e 8*000 a^
duzia.
Pitas felpudas a 7*, 7*500 e 8*000. 'i
Esguiao com 10 jardas, pelo prer;o de 4*500 : e
barato com effeito I
Cambraias Victoria e transparente, fazenda flna,
a 3*500. 3*800, 4*000 e 5* a pe?a.
Lencos de cambraia Com barra'de-cor, a r*; e
brancos a 2*. I
Ditos de linho, abanbados a 3W0 e 3*860 a
duzia.
Grande sortimento de brins.de cores, padrSes
Iprcprios para meninos de escola a 440 e 800 rs.
' eoiinas para.eeohorfl, preta* e do cores, nor 4*,
a 4*^00^ irto por termos ferandq (juautidade, se
Ifaaeste firi^o.
Bramihle du liuh-r, ffuas lar^tlras; pelo barato1
jpreco'de t*2f0a viH, e-soAieaW-pttirft BwbaW 'jI
Muites octroi artigos que daixaincs de menci-
nar para nao massar nossos treguezes; mas qua
avjsta delles esfio presentes.
Dad^?e amostra*: '
S6 o barateiro qner qnelmar I
Para rival nao encontrar.
A' rna Prmieirn da-Marco n. 1, antiga do Cres.
po, ae Agostinno Ferreira da Silva Leal & C.
Grande pechinoha de cami-
saS de linho.
Vende se camisas inglezas, de linho, muito finas,
para homem, pelo baratiSsimb r>feeo de 38*009 a
duzia; qnem duvidar venha ver e comprar :na
rue Duque de Caxias n. 88, loja de Demetrio
Bastos.
Neste estabelecimento timbem ha pertencas
para as mesmas macbinas so suppre qual-
quer peca quo Bojanecossario. EsUs ma-
chinas trabalhain om toda a perfeicao de
um e dous pospontos, franze e borda 4oda
qualqter costuwi por flea que seja, sous
precos sao da geguistequalidade : para tri
balhar a mao- do 300O0, 40O00, 40(K>
Pacheco & Azevedo tem para vender tapioca
de Arafuta de qualidade especial : era seu arma
zeni na rua do Duque de Caxias n. 29.
Sedas a 1|500.
Vende-se bonitas sedas de lindas cores pelo
SaTanTsV^^^^ T^' 2S
Caxias n. 88, loja de Demetrio Bastos. j cias vesicantes, afim de produzir ompolnas ;
cujos differentes niodos de curar, nao faziam
scnao enfraquecer e diminuir as foi^as d
pobre doente, contribuindo por esta forma
d'uma maneira mais facii e certa para a en-
| fermidade a destruir;ao inivitavel de sua
victima Quam differente p pois o effeito
admiravel do
NWUI DE ASASiHUISA!
Em vez de irritar, mortificar c cauzar inau-
ditos soflrimentos ao dounto,
Calma, modifica c suavisa a dor,
Aljiviaa irrita^ao,
DesonvoWo e entendnn.'iilo,
Fortifica o corpci
e faz com quo o system a
desaloje d'uma maneira pruuijU o rapid a
Para quem quizer (ranbar dinheiro.
Vende se a bem conhecida e afreguezada casa
de vender sorvele, a rua Nova n. 67, com 3 bilhares
novos e montada com todas as peiten';as : a tra-
tar aa mesma.
Aps apreeiadores do cafe do
-Vende-se catt do Ceara de'primeira qualidade! ate o ultimo vesti^io da enfmoidade Os
pelo barato pre^o de 1*000 o kilo, e assucar reB- ; melhores votos em medicina da Europa, (os
nado de primeira qualidade a 300 reis okilo: na entes dos collegioe de medieiua. de Berhm)
r^fiaatao.da rua do Rangel n. 43. -tpstificam serem exactas e verdadeiras estas
estas
Fa7PTlflai P rOlinaS muitO ba- rela QOiMVi pa^ tricar, com o pe.Oo dq Gm e ^Pf mUll riencia de milbares de pesspas ch Vmenc,
rataS Hespanhola, as quaes" foram curuuos com
Na loja de J. Porte, a rua Nova n. 14, troca se PEITORAL DE ANACAU
por cpbre pa mesmo por sedplas, boas fazendaiis | Deve-se notar que
8woo*, -oowao, looww, *iooo,
ioo<, iuovNo, i5(w e5pN*0l00, erriquaiBto aos autores nao.ha al*i
tera^SO de1prO?o, -eo-c*apr^Tes-pod*raa
visitar este estabeleooiento^ qumuito-ch>
VefBo g ha setnpts paravonderv como sejant: cadei-
ras para vitrgem, malMrpara vltQtm; cadei*
ras para salas, ditas de balanco, ditas part:
crianca (alias), ta para eae^las', ctrei-
raS* riqdWsJntaa, para 'aechoro, deapeOsaTOis
para IjrWrJ^a*; a*>dl>a*qWM4d,ad%3V caroas
fle'fttto **ta bottie'O0rla*^a^' capa|M,'
eSdm,HbsJ'|Tjrad6*pMstla< grande^pe*
queflos', ap^relhoS'tkltoete* paw ch4,. fa*
3ueiros com cabo de metal e de marfita,
Ros artilsWf; colheftt'de mtal ftno.coodSei-
rbs.:paTa' *tf*, j^rrbS,' *uardNBOmi*iB do
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar1 salas, lavatbrios completes, ditos
simples, objectos para toilette, e outroa tnnir
tos nrtigbs quo muitodevemagradar a todos
que visitarem este grande cstabelecimento
qae se flcha aberto desde as 6 boras da ma-
rfhi aW-* 9 horas dia UoUtea
Kua do Barao da Victoria n.
i 22.
este rcmedio se acha
rcjbpas'^tas sem se olhar a Ihcro, somente P^'inteiramente' isonlo de veneno's, talito mine
' "nd*r6ulWi ^^___ raes, como vegetacs, emquanto que alguns
destes ultimos,. e particularmente aquellea
forma dc opio, e aci-
mam a basedamaior
nxhte, veuhamlMs qde se acabem > ^rtn'do? Xarftnef;. com os quaes t3o fa-

mpBrwrf mw;- # ^^^n. cilmente seengaua a credulidade do pu-
Oalgas ue. casemira aa-moaa blico. A compos^ao de anacahuita peito-
a 1M00. ral acha"se linda curiosainentc engarrafada
*-!. u mu tola da Rom 'ecQ frascos da medid'a db cerca de ineio
rtaSlff!."lf d8 RM quarUlho cada um, e co,ho a dA q4M
^ eStlUOS DronCOS UUruaUOh alaieute ^.appiiC0!5o d'um on dous fras-
a 6^0 00. cos para a effectual fe cp.alquer cura
Sfio Undo. au* eom babndos da moda e ti-
"Vanham ver que vale apttna
Iraata, 6 rua da Imperatrie a. i%.
ras bordadas qae valem 12* : na rua da
trix n. 56, loja, da Rosa Bnanea. Tambem se vt
de :
, A^ha-se a veuda em foila^
H. FrostersctC, agentes.
Unices ageutes eesta provmeii o Srs. J
. 0 Drf Coyle, rua do Commercio n. 38.
V*os para chap6os, CHa chl- ^^gjaijihoso remedio, sao mais que:
que a lftOOO.
VENDE-SE .
uma casa na villa de Barreiros, aa rua do Com-
lercio, por preco modico : a tratar com Tassc
trmaos v. C
cienles para sustentarem a opiniarj do
Durante o espaco
DE
4 0 ABOS.
limit* tat




- +< >" I
ll.l
8
Diapo de PejnAmboo S$gun *
Theatro SunU Ant,
.NUiXBS HACHAD0.
0 chronisla, Seulinlo vibrsr-lhe a libra
patrioiica, vai occupsr-so da primeira repre-
sentagio do drama Nunes Machado, aguar-
dada com anciedade.
E antes de emittir juizo sobre o mesmo
narrara" ,a; impresso s, com que sahio do
Santo Antonio, em a noite do 11 do cor-
rente.
Sioellastao variadas.tumultuara lhe n "al-
ma tantas em >g6es, qu a descripgao sera
imperfeita, e mui pallidas as suas cdres.
S8 n' utras occasions nio ha recuado, pe-
rante taes irapossioilidades, em cumprimen-
to de urn dever a que seimp6z, menos ua
presente, que oimpelle o patriouimo e o il-
lurainam os brand >s raios do sol do pas-
sado.
Descumpem-o, o chronista e parnambu-
cauo, orgulha-se di*sso e nSo trocaria a sua
provincia poroutra.
Podeser isto urn prejuizo, nao duvida
nios, mas urn prejuizo quo nobiliu, reve-
lando a existence do um nobre sentimento;
desde que nio degenerar em um villissimo
ospirito de bairrismo que faz ver .coin boos
olhos tudo quo e de casa, desconhecend > o
quo ha de bom na alheia.
Nao e este o nosso patriotisrao, baseado
na injustica, o portanto ua iniquidade.
Sobram-n^s glorias para que rum inve-
jemos, nem deprimamos as que nos nao
pertencem.
Relevem-iios isto os Ieitores.
0 Santo Antonio, talvez, desde que exisle,
nao preseneeasse uma festi superior a da
noite dell do corrente.
Foi simples, porem grave, coaao grave e
simples sao as festas da intelligencia. ./
0 theatro no exterior n5o revellava o mar
de commogoes que se agitava^em seu seio,
mas quem nelle penetpaSse, convencer-se-
bia, de quo a cima decoder magico do ver-
-iO-faJUdoou escpipTo, so o do supremo crea-
dor dos mufidos.
Uma musica militar fazia-se ouvir, e os
sons que desferia echoavam n'alma dos es-
pectadores, pro iuzindo agradabelissimas e-
mocoes.
Chegando ao tlieatro o Sr Dr. Aprigio
Guimaraes, autor do drama, cuja represen-
tacSo se aguardava, foi rocedido pir amigos
seus e conduzido ao respectivo caraarote,
sendo em sua passagem saudado pela mu-
sica.
Findo o drama foi chamado a* scena o Sr.
Dr. Aprigio, atiraram-se Ihe flores, no meia
dos applausos da platea que reunia, o que ho
de mais selecto em nossa sooiedade, e por
isso, masexpressivos ecompetentes cram es-
ses applausos.
Fallou o autor do Nunes Macliado, e mo
desto, como e o talento consuio de seu va-
lor, agradeceu as demonstragoes de aprego,
de que era objecto, dizenio que as fazia
reverter para o Sr. Bahia e a Sr.a D. Ma-
nuella, que tinham sabido dar vida a sua
coraposigao, que raodestamente qualificou de
arretnedo dramatico.
Cbamou ao primeiro, gran Je alma baiana,
distincto filho da primogonita de Cabral e
dasegunla disse, que mostrava correr-lhe
nas vcias o sangue italiano ; com o que ex
hibio uma prova de que nao o cega o amor
a terra natal, e que, para elle a intelligen-
cia nao lem patria, reflecte sobre todos os
povos como o sol sobre todo o universo.
Depois de lembrar os nomes de Maciel
Monteiro, Coade da B a-Vista, Caneca e
Theotonio, como assumptos dignos de se
rem tratados sob a forma dramatica, hypo-
tbecando para isso os seus applausos, er-
gueu um viva a provincia de Pernambuco e
as suas irmSs do norte; o qual foi enthu-
siasticamente correspondido.
Fizeram-se eutao ouvir com discursos
analogos os Srs. Pelino Guedes, Josd Ma-
noel de Almeida, Demetrio d'Albuquerque,
Vellozo e Dr. Jose Marianuo.
A lyra de urn distincto poela pornam-
bncano vibrou harmoniosa.
Foi distribuida e.n avulsos uma bellissi-
uia ode, primor de poesia classica, cujo au-
tor, mao grado dos demolidores litterarios,
ha de merecer mengao honrosa de quem hou
ver de tracer a historia litteraria de nossa
epoca, avaliando os talentos pelo seu rae-
reeimento, e nao como esta em moda fazer-
se, segundo o lugar de seu nascimento.
Concluido o espectaculo; retirou-se o Sr.
Dr. Aprigio e do theatro a estacao da rua
da Aurora, foi acompanhado por grande nu-
raero de amigos e admiradores, e pela mu-
sica
Ahi chegando foi ainda victoriado o gr.
Dr. Aprigio, o qual, depois de despedir-se
de seus amigos, retirou-se.
Desempenhada bem ou mal a primeira
parte de sua incumbencia, passa o chronista
a segunda.
Nunes Machado e um drama historico e f E os martyres de qualquer idea sJo sem-
compoe-se de 1 pqgpgo, 3 aotos, 1 qua- pre dignos das bancios da patria
dro final. *~ [ .t r
tad^nnra.^me- Uur*a^ d? 8!?0i** "P0"1! fict0 de m*- o*K>S'latnento de um
prensa, um dos orwrnentos do magisterio nho dos caracteres historioos, s-hiram Der-
superior do impeno; e um do* mats robus- feitos d*s esmeradas palheUs do Sr Dr A-
tos talen'os da actual gera^aobrasileira, para' prigio.
que avaiiasb^pos bem do Nunes Machado. 0 fundo hirtorico e" de extraordinaeia ex-
A sua appangSo <5 um aCOPtecimento, um actidio, e, qaanio parece que o autor del-
dess s successos que, detxam um tra^o lu^ la se aparta, e que, quiz evitarjquanto pos-
minoso na litteratura de um povo symboli- sivel, allusdas direetas a pessoas que ainla
sando para o raosmo o Taiar de esplenlida vivem e que tomaram parte na revolta do
aurora, depois de tenebrosa ooite f ( 1S48.
Em um paiz, como o nosso', qui nao vive' 0 grit>f6ra rmrinheiro I bayido no ar-
litteranarnente, pois, dquanto importa nio co da Conceicao, a 8 de dezembro de 47,
ter uma litteratura propria, cujas obrasnio em que sedi o prolog), ahi n3o esta".
possuem o cunho nacional, essa linha que A critic*, (falramos da critica sen;ata,
no mundodas lettras divide os povos, como que a outra nao merece mengfio) achari
o eaao geographicamente p la nalureza, e" talvez, que e ainda cedo para escrever-se o
um acontecimcnlo, repetimos ; a apparicAo drama de quj nos oceupamos, pela impe-
de uma obra litteraria, signal evidente de sibilidade de figurarem personagens que f j
ii'ie s) da" a elabiracio do uinsamento. aue ram mania rtarx na ravatncan.
elle, o
ij'ie s) da a elaboragio do pjnsamento, que ram magia pars na revblugao.
o bom senso estbelico n3o esta" do todo o| Assim seria, se o autor tivesse escripto o
bbterad ao menos em certas almas privi- drama da revolucSo, mas o que se coohece
legiadas, para as quaes as deslumbradoras' vendo-se o Nunes Uachad) 6 : que o seu
magniflcencias do progresso material, na fiai, aproveitandose da forma dramitica,
razao inversa do adiantameuto intellectual e foi aprtheosar o grande cidadSo, apresmtan-
htterario, e antes motivo do seYia* cogita- do a sociedade em que elle nasceu, viveu,
goespara o poosador philosopbo, do que de e morreu, o seu vulto perfaitamente dese-
nhado, como esta".
ubilo e contentamento.
E mais notavel aiada se torna qualquer
commettimento litterario, quanio o seu au-
A' ciiiitemporaneoj de Nun Machado te-
mos ouvido : que n3o podra o Sr. Dr. Apri
tor nao e um mop, para o qual o culto das gio descrevel-o melhor; por nossa vez/di-
leltras(pre5uppostod n >sso atrazo litterario elzemos Umbem que, o seu pincel ressussi-
F0LHET1M.
LUCfiECIA SOUIA
MEMORIAS DE SATANAZ1
POR
O. Manoel Fernandrv. y Gonzalez
QUINTA PARTEj
LEONOR
XI
DO QUE REINAL.DO ALBINI FEZ A FILHA, E DO
'.QUE PAULO FEZ A REINALDO.
(ContinuaQao do n. 99. )
Nao o recebi para que tivesse o prazej
de oscarnecer das miohas cas e para que
sahisse rindo e julgando ter praticado uma
acg.i') meritoria perdoando a vida a um an-
ciio ; encontrou me aqui porque eu que ia
saber seosenhor era am bomem debem,
que tinha incorrido em um extravio, ou um
miseravel, que defia esmagar-se com o pe*.
Minba filha esti encerrada cm um convento
d'onde nio sahira" nem mesmo morta, por
que a sepultara dentro delle. Depois
i'isto nao tenh > nada mais a dizer-lhe d isto
nSotonho nada mais a dizer-lhe.a ade
vinhe se quizer as minhas intengSes ; de-
sisti do que tinha pensado ; entre nds n5o
ha outro meio sunao este e trate de defen-
der-se bem.
E puxou pela espada.
Paulo permaneceu immovel e sorrio iro-
nicamente.
Se nSo se defende, esciamou Reinaldo
cegode furor, vingo a miuha pobre filha,
seduzida nio sei porque falalidade, c vingo
scientifico), e mero passatempo dos pri.nei-
ros annos, logo abandouido pela necessida-
desalisfazer as exigencias da vida.
Ao contrario, e um espirito dopurado
no crysol da experiencia despretencioso e nao-
deto ao mesmo tempo resottrt* e altivo;
quo nao-s-) apavora e etnparilo caminha,
lavrando aqui e alii, u.n protesto contra o
quietismo do es'pirito, que e a morte moral
do indiriduo, como a ausencia do sentimen-
tq patriotico, 6 o maior prenuncio do es-
pliacelamento de um paiz.
Koma ant'ga comprova a assergao.
Quando se tem, pela intelligencia e pelo
trabalho, conquistado a ominente posigao
do autor do Nunes Machado n3o s5o- mais
algumas paginas embora escriptas no ardor
de patriotica inspiragao e febris exalta^oes
de uma almi eminentemente livre, que aug-
raentam ou diminuem o brilho de uma>re-
putag3o firmada em bases t3o solidas.
Alexandre Herculano, atirando ao prelo
os seus Opusculos, pretenders' illustrar mais
o seu norae, elle, o autor da Historia de
Portugal ?
Castilho, o cego, que ve mais com os
olhos d'alma, do"que milliards de homens
com os do corpo, vertendo para a lingua
portugueza o Fauslo de Gcethe almejaria
mais gloria, depois de reputado um dos
mais luminosos planetas do ceo portuguez ?
Victor Hugo, na Franca, publicando o No-
venta e tres, espera maior nomeada quando,
para ser o primeiro romancista e poeta do
seculo, bastam-lhe os Miseraveis eas Orion-
taesl
E entre n6s : Abreu e Lima, que podia
estar scguro do juizo da posteridade amor-
talhando-se no manto das glorias, de gene-
ral, que ao lado do immortal Bolivar assis-
tio ao ultimo combatequo assegurou ainde-
pendencia da Bolivia,de profundo philosopho
e severe historiador; ei-lo, nos ultimos dias
manejan lo a penna, espada valeatissima em
sua mSo, em prol da razSo e da liberdade
de consciencia ; Antonio Joaquim de Mello,
j;i paralytico, dictanJo pira sua digna filha
escrever quando, amaldigoando a ingratid&o
dos homens, podia rever-se no espelho de
suas glorias, quer politicas quer litteraaias ;
o vigario Barreto aproveitaudo, os interval-
los da enfermidade que o matou, para reto-
car o Poema da Virgem, elle, um principe
da tribuni sagrada?
Todos esses voltos, pratic&ndo assim, o
que pretenderam, e o que pretendem ?
Augmentar a nomeada de saber ? Nao I
A' uma idea geral obedecem-o aperfeigoa-
meuto moral da huinanidade e em particu-
cularillustrar o torrao em que nascoram
revivendo as suas glorias.
Eis, o alvo quo tambem visa o autor do
Nunes Machado.
A maledicencia p6Je dizer o contrario,
pois, na phrase de Pelletan, a intelligencia
tem os imbecis por inimigos, por isso que e
ella que, prec.samente, os faz serem imbe-
cis.
Os homens bem intencionados, qualquer
que seja a bandeira politica, a cuja sombra
militem, verao no draraa^unes Machado
uma bfla acgao, um nobre intuito.
Pensamos que, quando se trata das glo-
rias da patria, deve calar-se a voz da poli-
tic, para ouvir-se s6mente as generosas
pancadas da pendula do sentimento.
Nunes Machado, nao p6de ser considera-
do pela posteridade o homem de um parti-
do, mas, o martyr de uma idea.
a minha honra matando-o como a um cao*
Ah I disse Paulo mudando repentina-
mente de torn e de attitude, parece-me que
me enganei ; vejo n8o sei o que de favora-
vel para Branca o te-la o senhor encerrado
em um convento ; quero ser sincero, amo
sua filha, succumbi a uma fascinagao, de-
pois, ao encontra-lo aqui em vez de a en-
eontiMr a ella, soffri o que talvez ainda nin-
gucm soffreu. Pego-lhe, pois, e mao de
sua filha.
Nio ih'a dou, respondeu Reinaldo
Albini.
N3o queira que me irrite outra vez,
disse Paulo, aproveite um momento em que
quero reparar o mal que inrolunUriamente
causei, seja prudente e nao pratique de
modo que as suas eas tenham mais tarde
de que se envergenhar.
Nao don a minba filha a um misera-
vel, que se atreveu a insultar um velho,
que despresou a pobre crianga, que suc-
cumbio por falta de experiencia, & aitdacia
de um libertino ; nao posso concluir com
o senhor um contrato de lama, nao esqae-
ceria nunca que me insultou e que fallou
de minha filha como de uma mulber per-
dida. Nio, nio lbe daria a minha filha
por todo.o poder do mundo, nem renun-
ciaria a mata-lo, nem mesmo pela salvagio
da minha alma, porque o senhor 6 um in-
fame, porque nunca amou minba Glba, por
que ao pedi-la, tem a pen is em'vista a sua
immensa heranga. Tem no rosto a infa-
uiia e a vileza, nio pole ser boa a mii quo
o gerou 1
P'Ulo, cego de furor, puxou da os,;ada e
langou-se furioso soboo llemallo que. mal
preparado e cheio de c lera, recebeu uma
profunda estocada do peito. PoJe dizer se
que foi um assassinato involuntario. 'Rei
naldo Albini levou a m&o d forida pela qu j
tau-o e igualmente o velho general Abreu e
Lima.
Os typos d'ara e d'outfo sio perfei-
tos.
Jeronymo de Athayde, Laura, Ferrtas,
Bento Bittencourt, tfanoel Caetano sio bem
contornalos.
0 deLucinda 6 um bello specimen de ima-
ginagao : e o ty-po da mulher de espirito
culto, qae por elevar-se acima do oivel com-
mum, n*o ultrapassa a raias da verosimi-
Ihanga.
Nio e inapossivel qwe existisse elm {8 V7
uma mulher como Lucinda, quanio existio
em Olinda, no comegp do* seculo passado,
umaque sentsahir de Pernambuco, morreu
era 1719, teudo-se cetebrisado na pintura,
deisando diversos tratados sobre phUoso-
phia nitural. ()
Ora-, a nio- 3e regeitar o-jnizo da historia,
nio se poderi concluir pela impossibilidede
d'uma Lucindaem 1847.
Fascinada peia palavra facil e eloqueate
de Nunes Machado, sente-se-altrahida pero
elle, caminliam urn paraooutro,encontram-
se, e nenhnm do& dous transpde, servindV
nos da phrase do autor, a- muralha da
mutuaadmiragao.
A eugeitada, que ella o era, aquece-so
pela vez primeira aos raios do sol doamorr
mas, de um amor que possuta todo brilho
do astro rei e nenhuma de suas man-
chas.
0 platonismo 6 impossivel aas regioes do-l
ideal? Raphael de Lamartine res^
ponde.
Em frente de um facto historico, por saa-
natureza arido, a imaginagio devia intervir
para dar-Lbe o colocido dramatico.
qaem e" T ouve em resposta
gianle Nunes Machado.
A dor, oemo que a petrifjea, a vista da-
uuello astao tomb ado e que iuundara a sua
alma de luz; mas, recuperaudo as tore, is,
re:ita com exiltagio uma linda poesia pa-
triotica.
OjSr. Dr. Aprigio terminou muito bem o
seu drama : nio ha al na ecoragio sensi-
veis que n3j se com novam, muitas lagri-
mas vimos sulcar mais de uma face.
Era mister que a ultima palavra sobre o
martyr, fosse dita pdla liberdade, fallaaio
por uns Iabios de mulber.
0 chronista congratula se como o emi
nente pernambucano autor do Nunes Ma-
chado, pelo seu geaeroso e nobre empenho
de honrar a memoria dos qua bem raorece-
ram da patria.
* *
0 desemponbo foi
vel.
A tolos os artist is e nomeadamente aos
Srs. Bibia (NunesMiehado),Tno-maz (Abreu
e Lima), D. Manoella (Lucinda) e D. Emi-
lia (Laura) o chronista eumprimjota e fe-
licita.
Recife, 11 de abril de 1871.
griuck.
o melhor possi-
() D. Rita Joanna de SouzaAbbsde
Barboza Machado. BibliotheCa Luzitana-
Quantos episodios- historicos estio por si
ue serve d&
de Garret,
, me pronuflciado traz una- designacao^um
mesmos d .sados-,. como o que serve de- ^^ ama.recordag40i um facto terrivel ou
grotesco, e-tudo isso dentro em pouco ati-
rado ao a<:aso, dentroem pouco distribui-
assumpto a bellissima tragedi*
Frei Luiz die Souza ?
0 Sr. Dr. Aprigio> em nosso eatender,
sahio-se muito bem desta emevgencia : Lu-
cinda e digua da admiragao de seu sexo e
do respeito e consideragio do opposto.
E' a mulber, com-i ella deve ser, com
a cabega dominando o coragao, o contrario
sao as Margarida Go4itier, Lucia Didier ; ty
pos ambiguos e sem valor aos olhos do sim-
ples bom senso.
Possue o Nunes Machado scenas bellas a-
de effeito.
Todoo prologoecheio e onde se mostra o
desembargador, tal como elle foi, o tribur
no, o filho da liberdade.
0 dialogo de Laura e Lucinda c interes-
sante e o de Abreu e Lima com Nunes Ma-
chado, no 1. acto, 6 de altissimo valor;
prima pela philosophia que encerra e pro-
fundeza das ideas, que eram as suas.
Se porventura o drama Nunes Machado,
nao possuisse uma s6 belleza, s5mente esse
dialogo convidaria ave-lo, e quando impres-
so, a le-lo, a medita-lo.
Sob o ponto de vista do estylo e um pri-
mor ; um modelo de eloquencta.
Sempre consideramos o Sr. Dr. Aprigio
como estylista, depois do Nunes Machado,
achamos que lhe competem as honras de
chefe de escola.
Remata o drama com um quadro final
que se passa na capella de Belem ; e de
muito effeito.
Nunes Machado enlra morto, em uma
rede, carregado pelos soldados da revoluoao,
e Lucinda, que reside junto a capella, ve
passar o glorioso'fardo, sahe e pergunta :
sahia o sangue em borbotdes, murmurou
algumas palavras inintelligiveis e cahio de
cost as.
Paulo olhou para elle pallido e aterrado,
com os cabellos errigados de espanto ; era
a primeira vez que matava e oio podia
deixar de conhecer que, arrastado pela co-
lera, commettera um assassinato arrojando-
se sobre Reinaldo sem dar-lhe tempo para
se defender.
Por alguns momentos permaneceu petri-
ficado, immovel, com a cabega perdida pela
vertigem. Amava Branca, fdsa a eutrevista
3ue ella lhe mareara com o firme proposito
a a trauquilbsar J de combiner com ella
a roanaira de casa rem em pouco tempo. A
presenga ioesperada do pai em vez da filha
irritara-o, como dissemos, azendo-o acredi-
tar era uma cilada indigna.
Demasiado altivo e demasiado feroz, Rei-
naldo, exasperava-o e o cadaver do anciao
era o resultado d'aquella scena violentis-
sima.
Estou amaldigoado por Deus, excla-
mou Paulo, perdi-i para sempre ; nio pen-
sava que se podia amar Unto em tio pouco
tempo e nio imaginava que amando-aa
fizese tio desgragada. Ah 1 dava todo o
meu sangue para restituir a vida aquelle
cadaver.
Depois ficou silencioso. Dominado re-
pentrnamente por um terror infinito, sen'io
a necessidade de fugir, de se afastar d'a-
qaalle espectaculo e correu para a porti es-
quecendo se de que eslava fethada.
F.ntao volloLi sombrio e vagaroso ate s
mesa tazendo um rodeio para passar o mai
louge possivel do cadaver. A chave, po-
rem, nio esta va sobre a mesa e Paulo lem-
brou-se de que Reinaldo Albini lh'a tirara
das mios e a prendera no cinturtr da es-
pida-
O ranance da revohtcilo
NOVESTA E TRES, POR VICTOR nUGO.
(Conlinuacao.)
E' n-icessario ve lo de longe e do alto ;
foi feito para ser conteraplado pelas aguias,
e os myopes eque o mediram. Victor Hugo,
que se c'aseitica naturalmente entre as
aguias, medio indubitavelmente tambem a
Convento, nax> como myope, porem ombo
architectogostade ver as coasas de perB), e
dar a razao d-as arcbivollas e architraves.
Elledar-nos-ha porexemplo.com uinaadmi-
ragaO' discreta, esti informagao preciosa :
mil pessoasv nos- dias de insurreigao, tree
mi*. Quamas cousas nesta simples pa-
lavra I Ella toda inteira e uma philosophia
da historia. Os dias de insurreigdo; die
isso simplesmente, lisamente, como se diria
os dias da sessao solemne, da inauguragao
oa de encerramento. E' uma ceremonia
prevista, regular, conforme & tradigao e ao
programma.
Depois do ostudo profundo da architectu-
re da sala, depois-do exaroe minucioso das
tribunal das escadas doe corredoras e dos
[vomitorios, o autor procede a eaomera-
gao dos deputados.- Qoe reuniio t Nada
de mais disforme,dizelle, e de mais^sub li-
me. Um grupo de heroes, ura rebaoho de
cobardes-;:feras ea- uma montanh*,. reptis
em um oharco. Ahi formigavam,. acot>
vellavam-se, provoeavana-se, ameagavam-se,
lutavam eviviam todos estes contendores
que sio hoje phantasm^s Presidente
dessa assssmblea de phantasmas, o poeta os
evoca um depois do outro. Dir-se-bia uma
chamada nominal. Unicamente e a mes-
ma bocca que faz a pergunta e di a> posta.
Em vez da palavra preseate cada no-
por traz dos mfmlanhezeapor tras dos ja-
cooinos, um partido supefror a todos os ou
tros por uma fe mais profunda na revolu-
?3o, partilo mysterioso, intomavel, que nin-
guem ve e que arrasta tudo. Chama-o elle
o partido do club do bispado. A Com-
muna atterrava a Convengio; o bispado,
segundo Victor Hugo, aterrava a Commuoa.
Victor Hugo encontrou o germeu dessa in-
vengio n'um facto bastante obscuro da his-
toria revolucionaria; houve, com effeito,
do mez de maio a) mez do setembro d
17i>3, uma reuniio de homens que preten
diam vigiar os jo^obiuos, a Comrauna, a
Conven;io, e que se chaina-an a si mes-
mos os damnados. Seu chefe, Jacques
Roux, tornou-se o Cimourdaia de Vutor
Hugo; unicamente Hugo* afasta-se inteira-
mente da historia quandu, Robespierre e o
proprio Marat faz smtir uma especie de te-
mor a vista de Cimoordain, esse podero-
so homem obscuro e fallar-lbe com uma
especie de submissao respeitosa.
Quand Joacques Rou* veio a barra da
Gonveocio, em 25 de junbo de 179*,. sus-
tentar uma petigao imp jriosa em que se re-
clamavam leis de expohagao e de saque Ro-
bespierre respondeu-Ihe em terwos vehenn-
tos. Ties dias depois, no club do; jacobi-
nos,Robespierre, condemnando a petigio de
Jacques Roux e*primia-se desta maneira ;
Este homem apresentou-se no dra seguin-
te aos frauciscanos, Exigio que essa pro-
posta fosee novamente 8presentada i Con
vengio ; ainda mars, que fosse repetida no
insbado, outro lugir ealebre pelos gtandes
principios qjue ahi foraw sempre professi-
doe e sustevxados... E-'d'ahi que Victor
Hirgo fez sahir o mysterioso Cimourfoin e
o mysterioso bispado. Qbanto & inspiragao
desse symbole-, s6 a encontfou era si.
Tenaos aqui o segreJo de seus sonhos.
To mar um tal lugar ua revolugio, que nada
houvesse acima -r domiuar os- miis violen-
tos, ubrapassar os mais exigentes ; obrigar
Robespierre & deforencia e Marat & submie-
sao, ser'poleroso e encoberto, augusto-e
desconheoi lo, ter em uma palavra a autori-
dade do mysterio, eis o iddel que elle en-
controu aesse estraobo episodic Far-se-
bia uma conjectura por demais- temeraria,.
se se suspeilasse que-wse ideal eontem algu-
ma cousa de suas arabigoes pessoaes? Espe-
ramos, po? iuteresse sobretudo da Franga, e eS9a facllidade, essa liberdade da arte,. que
eompromettem interessei poMieaa.
E que iuteresses I De um lado a buma-
nidade, do outro a revolugao. Deixara elle
o chefe vende'ano avantajar-se a* revolugia
pela superioridade de sentimento humano?
Ou entio, igualando a humanidade do mar-
quez de Lantenac e por isso sal vando a hon-
ra do seu partido, etpor-se-ha a atraigoar a
Franga T A pintura destas perplexidades
honra a Victor Hugo. 0 que se admira
nestas paginas nio e s6 o talento superior
doesenptor : sen e-se o leitor abalado, com-
movido, reconbece quanto o autor ganha-
ria abanlonando os tenebrosos charcos da
demagogia para apossar-se de novo dos do-
minies da alma.
O fira da scena 6 digno deste grawde de-
bate. Gauvain entrou & noite no carcere
do prisioneiro; o marquez, sem esperar que
o seu sobrinbo abrisse a b>cca, fez-lhe sen-
tir a ponta acerada de sua ironia. Uftraje
e sarcasmo, eis a viwgarrea de um nobre.
0.ae rancor sob aquelfa polidez I Ou antes,
foram-se o rancor e a oiera, nio resta senao
o desprezo. Gauvain ouve tudo, tudo sotTre,
calmo, sereno, transportado as altas regioes
do espirito pela resolugi > que acaba de to-
mar; e quando o marquez ffoda a sua in-
vectiva, oncede-rh? a liberdade. Antes que
'Lantenac, estupefacto tenha tempo de com-
prehen ler aquelle inesperado desfecbo, Gau
vait, atira-lhe sobre-os hombres-o sen capo-
te de commandante; cobre-lhea'cabegji com
o eapure empurra o- para f6ra. As senti-
neifos-pensaram quee o commandants que
sabe;- astrevas forara o resto. G'ju vain-esta
no earo'ire em lugar de Lantenac, Gauvain 6
prisioueiro de Cimourdain e perecerf no dia
seguinte guilb itina lo ; provard com sea
morte a'Cimourdain, 3eu mestre-,. que a o
absolute da bumani lad<; e superior ao abs*-
luto da revolugSo.
Nio se pdJe deixar de reconhecer aqui,
na int-jngBo pelo menos?- bellezas de pri1-
meira ordwn. Por que-e entio que a-nar-
rativa, escepgio feita de um pequeno-nome-
ro de paginas, deixa-nos-senapro frios-? E'
porque falta lbe ab>olut*aoente a naturali-
dade. Quando o autor tem um sentimento
verladeiro, vem logo as ifloageos vielentas
soffoca-lo. Nao espereis- encontrar nelle
eo signal earacteristico dos grandes narra-
dores. Todo & constrangido, offegante, tra-
zrio i forga, com g'ande lota. Pedir-se-hia
de boa mente ao autor que- rao se retesasse,
que nio distendesse tanto os seus museulos,
quo nao tivesse s6 em mire os feitos hercu-
leos; pedir-se-lhe hia quasi, sea tanto :he
gasse o anime, que fallasse- de vez em
i-uando como todos fallam-.
Notei um pormenor qua reproduz fiel-
mente a minha impression Dn o autor al-
por interesse mesmo- de Victor Biigo, que-
oi acontecrmentos nunca off;reeerao teuta-
tjpes desse genero a kiiaginagao do poeta ;
ctta succuml>iria miseravelmente^
Verdade seja que estas aspiragoes a um
poder revolueionario superior e supremo
cotapletam-se no rorcce Novsnta e Tres
por uma id&* dain rdpresec-H a justig.* inflexi#el: Gau-
vain seu discipulo represema a bamanida-
Esta pintura da humaoidade de Gauvain,
eontem, para bem dizer,. narragia inteira.
A peripecia principal do drama, dtesemol-o gures: Aoestrepito do cavallo que esta-
ja,.estriba-se no Marqpez de Lantenac, oi'aava, abrio-se a porta da estalagem, eoes-
velbo chefe vaadttano, aka e sonabria figu- 'talajadeiro appareeeu com*uoM lanteraa na
ra,.em que se manifestam em rasgos atro-
zes-a altivez, a-aspereza, a iuflesib-didade,
uia.fanatismo polhico *Jo frio como o mir-
more e tio cortante como o ago. Ne dia
eta qne um sentimento* humano trkimphou
mio. Este cavallo que-estasa, esta porta
.quo se abre, e este estalajiadeii" que appara-
oe, de certonada sio; noentanto sente-se
a gente feliz.por encontrar uaa cousa sim-
ples ; respirs-se, cobra-se alento, e a recor-
do syraetricameute, com* paralleios e anti-
theses : a Gironda, legiao de pensadores ; a
montanha, grupo de athletas... SiHery, o
ooxo da direita, como- Couth ra era operni-
paralytico da esquerda. Algumas vezes
as indicagdesrapidas sao complicadas com
anedoctas especiaes s Lause Duperret, que,
tratado de scelerato por um jornalista, con-
vidou-o para jantar.^ Outras vezes, limi
ta-se a indicar a profissio; acreditar-se-hia
ler uma pegina solta de um registro do es-
tado civil, se a ultima palavra da pagina nao
visasse ao effeito : Topsen, marinheiro ;
Goupilleau, advogado-; Lourengo tecointre,
mercador; Duhem, medico ; Sergent, esta-
uario ; David, pintor ; Jose t'gw/ite', prin-
cipe. Este estudo da convengie, archi-
tecture e nomenctatura, nio comprehends
menos de GO paginas. Confessai que ba
mais proveito em ler as narragoes de Mjg-
net, de Tni^rs, d^j Barante, ouas sessoesda
terrivel assembl6a no Monitetw Unioersel!
Sessenta paginas que nada dizem I Para a
historia 6 na verdade muito pouco ; para
o romance e demasiado.
Ja lemos quasi dous volumes dos tres, e
mal temos uma idea geral do assumpto.
Emfira, a narragao comeea, o drama enre-
da-se, procuremos sabar o que quiz o poe-
ta. Duas ideas principaes, bem novas tan-
to uma ccmo outra, formam a substancia
da obra ;_a primeira e uma idea politica e
social, a segunda uma idea de humanidade.
A primeira idea, oj antes, a primeira pre-
tengio de Victor Hugo, a" fazer apparecer
por traz dos mais exaltados revolucionarios, nar-se ; os outcos, se por acaso resolver ma
desta temqera-do ferro+ Gauvain reselveu idacaodo comeeode um caplulo de Walter
salva-lo, tendoentretaato acertczade nio Scott ou de uma tela de Waavermans, 0-
poder faze-lo sem. perder-se a sL proprio.j.prazer que causa esta minueia, a qae o
Lantenac, o iallexivel, afirontou ajaaorte pe-l[poeta nao ligou.nenhuma importancia,. e a
Fez um esforgo violento e, trenjendo,
aproximou-se do cadaver.
Os olhos fixos e terriveis de Reinaldo pa-
receram animar-se, fixar-se n'elle e amaldi-
goa-lo com um olhar horrivel.
A imaginagio de Paulo vira n'aquelles
olhos uma vida que nio existia.
Apoderou-se da chave instinctivamenle,
dirigio-se para a porta, abrio-a sem saber
como, fugio e nio soube o que fizera senio
quando se vio, arquejante, coberto de suor,
no seu quarto do casteHo ducal.
Diante d'elle estava uma mulher vestida
de roxo, e formosa como o archanio Lus-
bel.
Era Lucrecia Borgia.
XII
AMOR DE MAI E AMOR DE SATANAZ.
A sensagao que Paulo experimeoton ao
ver a gri-duqueza no seu aposento, foi para
elle uma reacgio poderosa.
Esqueceu por um momento o que acaba-
ve de lhe succeder.
Lucrecia com os cabellos* elevados sobre
a fronte e deitados para as costas, sem uma
joia, sem um adorno n'aquelles magnifkos
cabellos, palhda, seria, com o olhar ar-
dente, penetrante, fixo em Paulo, com a
bocca enlreaber a e bumida, dando sahida
a uma respiragao poderosa, que levantava
e deprhnia de um modo sensivel o seu ele-
vado seio completamente envolto ou antes
embaragado em um manto roxo, tinha al-
gurm cousa de sobrecatural e de phantas-
t co, q;io 1'aulo nunca vira.
A soiproza emmudecia-o, a forraosura,
a expressio, a atliflie de Lucrecia, fasci-
nava-o ; sentia-se attrahido por ella como
o psssaro pela serpente.
Lucrecia atirou com o manto para uma
cadeira e ficou com uma tunica branca,
presa na cintqra. por uma facha ami, com
ra salvar a tras c.iancinhas das-chammas
que devoravam a torre ; Gauvaia^ o- revo-
lueionario, asriscou a guilhotina para pro-
teger a evasao do chefe realista.
Hesitou ninguem o>.(iluvida, efoiessahe-
sitagao que a& subir de ponto o seu valor*,
nio.foi um acto-de heroismo fDb'i da irre-
itexao. Foi um sacrificio maduramente de-
liberado. Vbndo-o hesitar, nao acreditejs
qpe e a idea damcr-te que detem os seus
passos ; elle nio.se lembra sequer daqualta
guilhotina ergnida-ao tope da torre, em que
ffoi preso O'-hefe- vendeano ; lembra-se do
sou dever edas censequencias que podem
provir. Oude esti o seu dever ?-
E' por venture, o dever para com a pevo-
lugao ou para com a humanidade? Becor-
dam-se cs Ieitores daquelle eommovente ca-
pitulo dos.Mdsetaveis, intitalado Utn, tem-
poral sob dcraneo. Mictor Hugo plagiou-
se a si proprio, ou antes, toraando por typo
a historia de JoaoValjoaa, foi alem do mo-
delo.
A sitaagao de Gauvain e muito. mais com-
plicada do que a do veiho gale as delibe-
rago^s de sua consciencia deviam ser muito
mais pungentos. Nesta casuistica, em que
chocam-se tragicameate obrigagoes contra-
ditorias, eem quetrata-se deindagar qust
deve ser subordinada A outra, os deveres ei>
tre os quaes hesita o joven chefe republica-
no referem-se a muito raaiores iuteresses do
que os deveres quo atormeutam a conscien-
cia de Valjean. Uns nao eompromettem
senio interesses particnlares, se elle enga-
os bragos descobertos e o seio deootado
Um collar de amethistas brilbava sobre a
sua alvissima garganta e nos bragos traaia
bracelletes tambem de amethistas. Era um
trajo complUtamente grego, como o de uma
estatua de Phidias.
Paulo aproximou-se de Lucrecia, que
permanecia immovel, infiltr o poderoso fiuido fdo seu olhar magnetico.
Paulo estava jd muito proximo d'ella e
estendeu a mio.
Afaste-se, disse Lucrecia, quer ensan-
guentar-me T Lave essa mid.
Paulo olhou para a mio direita e vio
que a tinha coberta de sangue.
Ensanguentara-a ao tirar a chave do cin-
turio de Reinaldo.
Como que obadecendo a um poder mag-
netico de Arnesteville, voltou-se com esse
passo cadanciado e igual, proprio dos so-
nambulos, dirigio-se para um lavatorio que
havia no quarto e lavou a mio.
Depois voltou novamente para junto de
Lucrecia como se ella o attrahisse de um
modo irresistivel.
Lucrecia sentara-se e encostara o rosto a
uma das mios.
0 seu olhar limpido, immenso, profun-
do, infinito, diviuo, mas com a divindade
da mal, se pode dizer-se assim, envolvia o
joven, devorava-o e impressionava-o.
De Arnesteville sentia tudo aquillo como
se sente em um sonho.
Aproximou-se lentamente, ajoelhou, cru-
zou as mios e co.-nucou a oltiar fitamente
para ella.
Havia apenas algumas pollegadas de Jis-
tancia entre aquellasduas cabegas, das quaes
uma estava levantada e a outra iucliuaia
para o chno.
Assim ajoelham os peccadoros diante
4o- eQilfessor, disse Lugaecia com uma yoj
roais expressiva condemuagao das suas enor-
.midades. Tanto o estylo eomo o pensa-
naento ostentom formase tomara poeturas
atbleticas ; o- beroismo dos eoragoes altivos
e- enorme, a sandice dos cerebros asanba-
dos e enomae.
Seja embdra assim a feroeidade dos-revo-
lucionarios> a qual cosvem com effeito os
rasgosdesmedidamente-granles : massendo
ludo excessive, confunde-se tudo. Nao ha
mais proporgio nem medida, nem verdade..
Nao se reconbece nem a natureza, nem o
homem : e uma especie de chaos.
Par.por-se o dedo- sobre o que acabamos
de apontar, eisura.exemplo tiradodeuma
das paries mais apweiadas do quadro. Nio
resti a menor davida de que Victor Hugo
foi bem inspiiado quando mostrou no epi-
sodio da Flecharda o humilde povo feito jo-
guoSosangrento. das revolugoes. Pobre Mi-
gucia Flectiarda I Mataram-lce o marido.
vio matar-lbe os filhos. Per amor de
quem ? Por amor de que ? Ella ignora.
Kiel imagemde tantas existencias inoffensi-
vas esmagadas pelas ruinas, depoisquetin-
tas mios criminosas abalaramo edificio pu-
blico Levado por um sentimento de hu-
manidade que o honra, se bem que elle nio
tivesse talvez previsto todo o alcance de sua
narrativa, Victor Hugo fcz uma pintura de
que result a uma condeauiac&o terrivel con-
tra os revolucionarios
' Continuar-se-haK)'



.
U


-
doce, impregoada de uma seducgio satani-
ca, timbrada por um sem numero- de pai-
xoes. 0 que fez cavalheiro ?
Matei I respondeu Paulo como se res-
pondera i sua consciencia.
Quem ? perguntou tranquillamente
Lucrecia.
0 Sr. Reinaldo Albini.
Ah I pois ja ra-ita as velhos ?! exola-
clamou a gra-duqueza com a sua inaltera-
vel impissibilidade.
Matou-o a minha colera e nio a mi-
nba vontade.
Onde o matou ?
Na sua propria casa.
Porque ?
Por causa dos mous amores com sua
filha.
Entio amava Branca Albini ?
N40.
N'esse caso para que matou o nai de
uma mulher que uio amava T
Porque me insultou. -
Ent*o para que ia expor se a um pe- *
rigo indo a casa d'essa mulher que nio
amava ?
Quando ia a casa d'ella amava-a.
Eja" nio a ama ?
Nio I
Porque t
Porque agora sei o que e amor.
Crianga I exclamou Lucrecia.
Paulo estremeceu ; um olhar de fera, un
olhar de mort) panira dos olhos do Lucre-
cia : era o olhar de uma mulher offeudida
e (iosa.*
(Continuar-se-ha)

.
:
i
t

i

TiT. DO D'ARIO, -RUA pUQU3 I'E CAXU8


MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17626

Full Text
I
r
I
ANNO L. NtlERO 88
?t af, ffuiy ol
FARA A CAPITAL K LUGARBS 0\DU HAO SBPAfclWBTK
'Por tres mez adoWados................ 69000
Por seis ditos idem. ............. 119000
:Cada numero avulao................. 9320
~n
FEIRA 2 jftE Aiat DE 4874

Por tres Inezes ^diaotades-
Por seis ditos idem .
Por nove ditos-idem .
Por urn anno itaw ,
BAPBOWIMCIA.
'

mm
PROPRIEDADE DE MANOEL FIWEIR0A DE FAR1A FILH0S.
Sri. GeraTdo Antonio Airesd Filhos.no Para; Gon$alves d Pinto, no Maranhao; Joaquim Josd de Oliveira d Fiite, no Ceart;:
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose Gomes, na
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joau Antonio Machaeo, no Pilar das
PARTE OFFICIAL
Cieveruo lu itroviucia.
EXPEDIENTS: D( MA 16 DF IANHIR0 DR 1874.
l stctfa.
Offieios : ~
AcExm. brig->deiro cooointndante das ar-
nias.Em aviso de '! do correnl<>, o Exm. Sr. mi-
uistro da guerra, dando soUicao a represcntacao
do commandante do 9J batalliao de infniaria, an
i.exaao etlicio qut V. Exc. lhe, dirigio em 13 de
novembro ultimo, sob n 97, relaiivameyte a orajs-
sao que julga terihavldo ua tabella, que baixou
com o ducreto de 22 de junhu proximo passado,
de utensilios para os capitaes e suhalternos das
corapanhias, deelara qne o> infiriores a quem a
nova tabella, assira como as anteriores cmeede-
ram utensilios, sao o sargento e u forriel, que teeir.
obrigacao de residir no quartel, junto a? suascjin-
paohias, bem como dtf faz-r a escripturacio das
raesmas, sendo que os olflciaes conferem e assig-
nam os papsis ap e-entad is pjr elles, servigo este
que quasi senpre fazem en. suas casas, mas que
podem desempenliar nos aposenl >s dos iuferiores
ou na casa da ordem quo para isso tern os uten-
silios neces.-arios. 0 que eoramunieo a V. Exc.
para os devidos cffeiios.
__ Ao capitaodj porto.Cuustanlo de comnu-
nicacao do secrotaria de e.-tado dos negicios da
marioha de 7 do eorrente, que o 1 tenente da ar
mada, Joao EgyJio de Castro de Jems fora na
quella data exonerado dj lugar de ajudaute des-
si capitania ; assim o declaro a V. S. para os de-
vidos efleitos.
__Ao director do arsenal do guerra. Mande
V. S. fornecer ay ommuiianle" do corpo de p)li
oia,oito mil cariuxos e nbaladis, crastantes da re-
lag'ao junta por cojia, mediaate inleranisa;ao pe
los cofres provinoiaes.
Ao engenlieiro dis obras militares. Com-
munico a Vine que nesta data man.lei pagar a
.! aquim Elias de Carvalho Mjura, arrematante
dos reparos da fortaleza do Brum, a segunda pres-
taeio, como snlicita Vmj. em seu olBoio de 13 do
eorrente, sob n M. Qianto ao material subsii-
tuido, que flcou sob aguarda do commandinte in-
tenno daquella fortaleza, mande Vin^. por em
praija para ser vendido, a enjo produeto dara o
convenier.te destine.
2.' steriio.
Actos :
0 prejidenio da provineia, alterrtendo ao que
requereu o bacharel Caspar de Vasooncellos Me-
nezes de Drumiiind. promotor publico da eomar-
ca da Eseada, resolve eonceder-lbe quarenta e
cinco dias de lieenca com vencimenlos na forma
da lei, para traUr de saa saiide nesta cidade.
0 president da provineia, altendendo ao
qae requereu la e Cesar de Vasconcellos, tabel-
liao e escrivao do cvel e mais annexos do termo
d? Buique, resolve con'eder Ihe tres mezes de li-
cdnca para tratar de sua saiide.
Offieios :
Ao jaiz Jo dire;:o da primeira vara civel.
Transmit'.J a V. S. para os devidos fins, a guia
junta do sentenciadu Willian Hell, que veio anne-
xa ao aviso do mini>tro da justiea, de 8 do eor-
rente.
Ao commandante do corpo de policla.-P6-
da Vmc. engaiar, sendo idonc t, no corpo sob o
seu comaiand., o pai;ano Henrique 1'ontes de
Abreu, de que trata seu olllcio de n. 2i de 13 do
eorrente.
Ao mesnio.De eoiiforaiidaae com o dispos-
to no art. 2 do regulameoto le 8 de novembro
proximo paasado, reduza Vmc a oito companhias,
o corpo sob* o seu commando ; licando aggroga-
dos ao mesmo ate qne Injarn vagas on tenha des-
tino os otRciae- c!.'. ex;incta 9* couipanhia.
.* $tdoo.
Oflicios :
Ao inspector da thesourhria de fazenda.
Ueclaro a V. S. para os devidos elTeitos que, se-
gundo consta de e >mmunicac4o la secretaria de
estado dosnegocioi da marinlia de 7 do eorrente,
nessa data foi exonerado o 1* tenente da aratada
Joao Egydio Ca>tro de Jesus do Ingar de ajudante
da capitania do porto desta provineia.
Ao mesmx -Autoriso V. S. a mandar pagar
a Joaquin Elias do Carvalho Monra, arrematante
das obras do reparo da fortaleza do Brun, a se-
gunda presUcio do valor de 1:7105000, constan-
te da conta junta, a que tern d reto visto estarem
concluidos os respectivo* trahalhos, omo solieita
o engenheiro das obras militares em ofHcio de 13
do eorrente, sob n. 56.
Ao mesmo. Transmit!) a essa thesouraria
para os fins convenientes, o incluso aviso do mi-
nisterio da fazenda ae 20 de dezembro de 1873
por copia,
Ao mesnio. Mande V. S. pagar a quem se
mostrar autorisado, a iinportaccia aos vencimen-
t03 das pracas destacadas no lirejo, constaute do
pret e folha juntas, como solieiia o respectivo com-
mandante superior em ofTlcio de 4 do eorrente.
Ao mesmo.-Pendo em vista o parecer des-
sa thesouraria, era offlcio de 30 de dezembro do
anno proximo passado, sob n. 321 serie F, relativo
a outro do delegado de pelicia do termo de Inga-
leira, referenta a queslao dos prets do destamento
abi existente, manie V. S. examinar novamente
ditos prets pan ser glosada is quantias que de
mais nelles se tirarem e pagar a Antonio Correa
de Vasconcellos a importancia dos mesmos. Outro
sim, commuoico a V. S. para os devidos fins que
vou mandar.proceder contra os quejderara lugar
aos abnsos, que se notam nos referidos prets.
Ao mesmo. Pague V. S. ao quartel meslre
do deposito dos reerutas, a quantia de 4fi800con-
stantes dosrecibos juntos em duplicata,|dispeudida
com carretos.de objectos, como solieita o bri-
Sadeiro coramaudante das arnu3 em offlcio de 14
o correnle, sob n. 49.
Ao mesmo. Remetto a V. S. cdpia do
ariso do ininisterio do^ negocios da agricultura,
comraercio e obras publicas, de 31 de dezembro
ultimo, 9obre o eredito de 2:000< para ser appli-
cada aos reparos de que precisa o caes do Forte
do Mattos, e au'.oriso V. S. a mandar por em hasta
publica a referida obra pelo prejo do orcaraento
j'into por copia.
Ao mesmo. Transmits a V. S. para seu
conhecimenlo e fins convenient copia do con
tracto celebrado pela directoria das obras publicas
geraes da pravincia com Thomaz de Carvalho Soa
res Brandao Sobrinho, para a obra dos reparos do
caei da rua da Aurora, junto a ponte de Santa
Isabel, no valot de 1:449*.
Ao mesmo. Remetto a V. S. para seu co-
nhecimento e fins convenientes copia do aviso do
ministerio dos negocios da agricultura, commereio
e obras publican de 31 de diumnlinj u!\imo, decla-
-ando-mo qual o auxili) pre-Md.i ;jelo i;iemo mi-
aisterio para o j> -zympU) dv en.'eidieiro Victor
Fournier, contraiadoTfara o servico das obras pu
l)licas desta provineia.
Ao inspector- da thesouraria provincial.
Transmitto a Vmc. a relagio e coata junta da
(raaatia de 81/1200 dijpendida no mez de dezem-
~ bro ultimo como snstento dos presos pobres da
;adeia do termo de Garanhuns, para qne essa
thesouraria pague a Joio Baptista dos Guimaraes
Peixoto, couforme solicits o Dr. chefe de policia
em offlcio de 15 do eorrente, sob n. 78.
Ao mesmoProvldencie Vmc. no sentido
da serem veodidos os objectos constantes da nota
junta por copia, existente? no corpo de policia.
Ao me.-niO.=Mande Vmc. pagar ao subdele-
gado de Beberibe, Mariano dos Ueis Spinola, a
iqiantia de 144960 conuante dos document os jua
los, send* 104 provenieute de um mez de aluguel
Ida casa que alii serve de quartel, vencido em de-
(zembro ultimo, a 4S9GO ue despezas d'agua e luz
fomecidas ao m ,-smo destacamento, como solieita
o Dr. chefe de policia em offlcio de 9 do eorrente,
sob n. 39.
Ao mesmo. -Mande Vmc. pdr em hasta pu-
blica os reparos de que precisa o edificio que ser-
ve, de c- 4:8333814, como vera do orcamonto junto por
copia, e recommendo lhe que faca imprimir era
avulsos os respectivos editaes, aflin de serem re-
mettidos aos collectores de Ciinbres, Brejo, etc.
Ao me mo.Mande V uc. pagar a quem se
mostrar auterisado a importancia dos venciraentos
das ptacas destacadas em Iguarassd, constantes
d )S prets juntos era duplicata, como solieita o res-
pective coram uidante superior interino, em offlcio
Ue 10 do eorrente.
- Ao aiesrao. A" vista da informicao dessa
thesouraria, em offlcio de 7 do eorrente, sob n. II,
mande Vmc. entregar ao secretario do gyranasio
provincial a qianlia de 2704, importancia das
pens5es que es aluranos estavam a dever aquolle
estabeletiraento, corrro solieita o Dr. regedor inte-
riio, em seu offljio de 4 de dezembro proximo
passalo.
4' see^So.
Offlcio :
Ao proved or da Santa Casa de Misericordia.
-Transmitto a Vmc. por copia, o aviso do minis-
lerio da fazenda, da 30 de dezemoro de 1873, para
que Vmc. A6 a informacao alii exigida.Igual,
mutatis mutandis ao inspector da saiide publica.
5' secgaj.
Portiria :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de na-
vegac'io a vapor mandem transportar a provineia
do Maranhao, por conta do rainisterio da guerra,
no vapor esperado d>s portos do sul, o soldalo re-
formado do 2 bitalbao de infantaria, Manoel Pe-
dro Ferreira
EXPED1E.NTE DO SBCftETARlO.
1.' secfao.
0;llcio :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar
mas De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
provineia, communico a V. Exc. que mandou se
pagar ao quartel-mestre do deposito de reerutas a
quantia de 44803, como V. Exc. soficita era offlcio
de 4 do eorrente, sob n 49. .
8.* secrao. '
Oflcios :
Ao Dr. chefe de polhia. De ordem de S.
Exc. o Sr. presidente da provineia, communico a
V. S. que a thesourtria provincial es'.a autorisada
a pagar, a Joao Baptista dos Guimaraes Peixoto, a
quantia de 84J200, como V. S. solieita era offlcio
de 15 do eorrente, sob n. 78.
Ao mesmo. De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provineia communico a V. S.. que da-se
ordem a thesouraria provincial, Sao sentido de ser
paga ao subdelegado de Beberibe a quantia de
104, como V. s. solieita em offlcio de 9 do eorren-
te, sob n. 39.
Ao commandanie superior interno de Olinda.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vineia, communico a V. S. que da-se ordem a the-
souraria provincial, para pagar os vencimenlos do
destacamento de Iguara-sti, como V. S. solieita
em offlcio de 10 do eorrente.
Ao commandante superor do B*ejo.De or-
dem de. S. Exc. o Sr. presidente da provineia, com-
munico a V. S., que a thmouraria esta autorisada
a pagar os vencimentos das pracas destacadas no
Brejo, como V. S. solieita em seu offlcio de 4 do
eorrente..
Ao juizde direlto da Eseada. 0 Exm. Sr.
presidente da provineia raanda accusar o recebi-
mento do offi ;io de V. S., de hentem datado, era
que participa ter-se aourado, no termo da Eseada,
357 jurados, e na llsta especial de supplentes 157.
Ao commandante do corpo do polbia.0
Exm. Sr. presidente da provineia minda declarar
a V. S., que ficam expedidas as convenientes or-
dens no sentido de que trata o seu offlcio n. 669
de 23 de novembre proximo passado.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vineia manda declarar a V. S., que fieam expedi-,
das as convenientes ordens no sentido de que tra-
ta o seu offlcio n. 22 de 14 do eorrente.
3.' secqao.
Offlcio:
Ao Dr. procurador fhcal interino da thesou-
raria provincial.S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vineia manda communicar a V. S., quo fici intei-
rado de haver entrado em exercicio interino de
procurador fiscal dessa thesouraria, conforme o
offlcio de 14 do correnle, sob n. 5.-Igual ao aju-
dante interino do procurador fiscal da thesouraria
provincial.
4." secqao.
Offlcio :
Ao ngedor interino do gyranasio provincial.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vineia, communico a V. S. que expedirara-se or-
dens a thesouraria provincial para ser entregue ao
secretario desse estabelecimento, a quantia que
existe em deposito, relativa as pensoes devidas a
esse institute por aleuns alumnos, como V. S. so-
licitou em offlcio de 4 de dezembro do anno pas>
sado.

>a*o de Leinua Braga, no Araeatj ; Joao- Maria ialio Cham, ao Assu; Antoaie. M&npes da Silta, nofiatal; Jw6 Jusiino
Penha; Be'armino dos Saxtos Bulcao, em Santo Antao ; Domingo* Josd d Costa Braja, em Haxaretfa;
AWea d C., na Babia; e Leite, Cef%uinno d T. no Rio de Janeiro.
Commando das arnaas.
JUARTEL GENERAL DO C0MMW0O BA5 ARMAS
DE l'EUNAMIIUCO, EM IS DE ABftlL DE
1S74.
Ordem do ilia n. 811.
0 brigadeiro eomm i.idante das annas dec lara
para os flus convenientes, que nesta dafi se apre-
sentiu, vindo da corte, o Sr. alferes Miriano Jose
Pereira da Silva, qua por portariado minis'-erio
da Ruerra, de 31 de marc > ultimo, foi transferido
do 7.' batalliao de infantaria para o 2." da mema
arrni, nor troca com o Sr. alfejes^Goncilo da
Souza Vasconcellos, ultimaraeiite promovido por
decretode 21 e elassificado no sobredito bitalhao
por portaria de 2i, tulo do referido mez de
margo.
(Assignado.) Manoel da Canha Wanderley
Lins.
Conforme.0 major Jose Bonifacio d->$ Santos
Merqulhao, ajulante de ordens encarregado do
etalhe.
llc|iiirti(-ito da pollola.
1 seccao__Secretaria de policia da Pernambuco,
18 de abril de 1874.
N. 524. -Illm. e Exm. Sr. -Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos a delencao os so-
guintes mdividuos:
A' minha ordem, Miguel Candid) da Silva, vin-
do de Palmares, como crlminoso de furlo de ca-
vallos.
A' ordem do Dr. delegado d Kapital, Joaquina,
escrava de Jose Juvenal Dias 8arreto, a requeri-
mento desle.
A' ordem do Dr. juiz substitute do 4 districto
criminal, F'rancisco de Paula do Rosario, conhe-
cido por Chico Bigoda, por crime de feriraentos
graves.
A'ordem do subdeleg ido da Boa-Vista, There-
za, escrava de D. Gliceria Fraocisca Alves e Ce-
cilia, escrava de D. Harrailinda Candida A. de
Loyolia, por anlarern fugidas.
Nesta data coramunieou-me o Dr. delegado da
capital, que o subdelegado de Belem lhe partial-
para, que remettera ao Dr. juiz sub-tituto do 4
districto criminal o inquerito policial a que proce-
dera contra Jose Francisco do Lima, preso em fli-
grante por crime da furtode cavallos.
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm. Sr. com-
nenda lor Henrique Pereira de Lucena. dlgno pre-
sidente da provineia 0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Cirreia de Araujo.
Aaknivei'MurioM. Completa amaaha 18 an-
bos de idade S. M. o imperador da Chiaa.
^Tambera amanha e o dia anniverjario da
parlda do rei D. Joao VI, em 1821, do Kio de Ja
oei*> para Portugal.
Vapor t'eara. -Por tdegraniraa do Para
cooau que este vapor alii chegou sabbalo (18) e
sahlo houte.n para nosso porto pelas esealas res
peciivas
inhi-ira. 0 vapor Parana levou de nossa
(iraea para a do Natal 2O'l40 K>.
Companhia Pprnamtiiirunu. -Riali-
soa-ae no sabbado (18) a reuniio da assemblea
geral dos accionistas desta oompanhia, em nuraero
de 19, represent indo 320V acgoas, sob a presiden-
eia do Exm. Sr. visconde de Gamaragibe.
Depois de lidos e approvad a o relatorio do aano
passado e o parecer da comraissao de contas, pas
sou-se a eleigao da directoria, que flcou assim or-
ganiiada :
tiirectores.
Barao da Soledade
Theod>ro Me. Connau
Luiz Air.onio Siqueira
Comraeudad^r Manoel da Silva Santos
. C tmmissao de contas.
Comrnendador Doming >s A. Nary Fer
reira
J. A. Thorn
Autraio Luu dos Suit js
Luiz A. Siqueira
Dr. Praxcdes Pitanga
Assemblea geral.
Presidente. -Visconde de Camaragibe 54 votos.
Secretarios. Dr. Jos5 Bernaado Galvao Alcofo-
rado 59 votos, e Dr. Praxedes Gomes de Souza
Pitanga 58 votos
Em seguida foi approvado a distribuicio de urn
dividends de 3 /. ou 604000 por cada aecao de
20O4O0'J.
Utadstica postal. -Daraos em seguida
o mappa d > movimanto da correspondencia expe-
did e recebi la no anno de 1873 pela administra-
cis do correio de Pernambuco :
Fiamos que o Sr. Dr. delegado de policia, com. jfcmoel da Costa Magericao, Demetrio E. da Costa,
44 votos.
42
40
2
61
13
44 a
17
10
aquslle zelo e aetividade de qne vai dando prows,
consigi, que a musica mareial entre nos, deixem.de
acorapanhar, os coros, at6 agora obngados do ca-
cete p da faca de ponta.
SMi>irti amo>r do Bxtud*..-Iloje
as 11 horas da mania, deve haver sessao desta so-
ciedade no lugar do costume. Defender&o theses
os Srs. Annibal Falcao e J. Baptista de Brito.
tloi-u* desastrosa. Nestes terinos noticia
o telegraph1) Maritimo de Montevideo ura deeas
tre de que ja demos resumida conta :
a 0 aereonauta Ceballos tratava de epeher o
balao era unna praca do R isario. 0 joven Nica-
cio Rosas delle se aproxirai e pede para segurar
a rede. Emquanto prestava e-te servico, pergun-
tava Rosas a Ceballos :
t N5o poderei tara6em subir ?
o Nao sejas parvo, Ihe'responde Ceballos.
No ntomento de se soltar o balao o joven in-
sisteem eu pediuo em taes termos, que o aereo-
nauta deu-lhe um grande erapurrao. Rosas ca-
hio e mal se levant hi apostrophou Ceballos assim :
OrgullwsO, cr las consas ?
Sollou se o bilao. Aos grins hrguem -Ro-
sas segureu era uraa das oor las qua mantem o
trapezio. 0 balao snbio rapido e migastoso. Ce-
ballos maatinha se agarrado ao trapezio, e Ro-
sas nas cordas qne o oirculavam. 0 centro de
gravidade pareeia ja perder o seu equilibrio ; ha-
vendo enlre Cebillos e Rosas a distancia de 20 va-
ra-.
Todo o auxilio era impossivel. Nem o priraeiro
se podia mover, sob pona de dar ao balaj praa
evolugJo perigosa, nera Rosas ja pola conser-
0 priraeiro so
duas pracas, um preso, Manoel! F. de Carvalho a
Rita escrava.
Chegados dj Tamandare- no vapor Curis-
ripe :
Duas pracas e ura dezertor.
Cemiterio publico Obituario do dia 17
de abril
Felix, pardo, Pernambuco, 1 anno, Recife ; hy-
dropisia.
Henrique, pardo. Pernambuco, 4 mezes, Graga ;
denticio.
Odorica, escrava,. preta, Pernambuco, 15 annos,
solteira, Boa-Vista j.abcessos fenuterinos.
J )se Maria, pardo,. Rio de Janeiro, 36 annos, ca-
sado, Boa-Vista ; hypohemia intertropicaL
Adelaide, parda, Pernambuco, 7 mezes, Boa>
Vista; gastro enterite.
Leop"5ldina, branca, Pernambuco, 9 mezes, San-
to Antonio ; gastrite.
. Manoel BeHarmino lldefonso Cabral, branco,
Pernambuco, 57 annos solteiro, Graca; hernia es-
trangulada.
Luiza, irrai da caridade, branca, Bahia, 28 an-
nos, feiigiosa* Boa Vista; compretsao intestiaal.
Jiaria, branca, Pernambdeo, I dia, Graca ; as-
paerao.
DURIOUEPERS1MBU0O
RECIFE, 20 DE ABRIL DE 1874.
\oticim do norie do inaperia.
Amanhecea hontem em nojso porto o vapor bra-
sileira Ipojuca, irazendo datas : do Ceara 10, d i
Rio Grande l, e da Parahyba 17 do correnle.
Eis o que colheraos dos jornaes :
CKABA
Pelo Dr. juiz de direito da 1" vara crime da
capital foi conderanadi o escrivai do jury desta
termo Miguel Francisco Bastos a pen a de perda
de emprego com inhabilidade para outro, por ura
anno, e de prisao simples por dous mezes a mulia
de 5 >/ do damno causad) pela falsidade, grao
mfnimo do art. 129 8' do cod. crim.
Miguel Bastos foi o escrivao que por rreio de
gnias, a'varas e accordaos falsiQcados po em li-
berdads cerca de 60 criminosos, aos quaes faltava
ainda muito tempo para cuinorirem as sentencas.
0 ex-car^ereiro Matbias Peieira do Vallejaccu-
sado de connivencia com o referido escrivao, foi
despronunciado.
Seguira para a Europa, no vapor inglez Cea-
rente, o Sr. senador Thomaz Porapeo de Souza
Brasil.
BIO GBAXDE.
Nada recebemos.
PABAHYBA.
Faileceu, no dia 30 do passado, na villa, de
Bananeiras, o coronel Estevao Jose da Rocha, 4>a-
rao de Araruoa, merabro importante do part do
conservador.
Lemos no jornal:
Mercado da Parahyba, 15 de abril de 1874.
t Preco di praca.
Algodao de I* sorte
o 2'
3'
Assucar bruto de la qualidade
Couros salgados
Carabio sobre Loodres 26 1/2 d a 26 5/8 d
c Navio despachado.
t Barca ingleza George Walker para Liveroool :
manifestou 2,000 saccas de algodao com 170,228
kilos.
Navios a earga.
o Brigue grego Apostolo Paulo para Liverpool.
Barca ingleza Preston.
Peso publico do algodao.
453 por kilo.
386 a
320 t
80 c t
511 c
por 15-
KM'.-: LI DA
Oflicios......
Autos e mais
papeis do
foro.......
Mafos ou pa-
cotes......
Oflicios.....
Ma;os ou pa-
cotes......
Cartas.......
Ideal com sel-
josiasufflc.
Aaius e mais
pape is do
foro.......
E n co in men-
das e amos-
tras.......
Livros e im-
presses de
20 reis....
lornaes e im-
presses de
10 rois....
Objectos re-
gistrados..
Idem coin va-
lor declara-
do........
Cartas......
Jornassi im-
presses e a-
inostras----
Objrclos re
gistrado3..
Francos
Objecto
17 795
306
2.090
1.217
196
143.833
24
256
1.516
99.918
9.784
1.407
48.064
21.610
242
Somma.. 1348.278
Poite
67.471
5.888
41.537
3.551
2,191
170.710
740
2.494
6.421
341.312
27.968
3.933
62.347
54.314
399
Nao franqueadas
Objecto
3.015
Porte
1.107 1.445
if
19
var se na sua peng >-a posicao
poderia fazer d > balao a mortalha de dous ho- embargadores Silva Guimaraes, Loureoco S
Q.ie lu- go, Reis e Silva, Almeida Albuquerque, Motta,
CHRONICA JI DHIARIi.
TIIIKIWI- Dl RKL IClO
SESSaO DE 18 DE ABRIL DE 1874.
PRJL&inESCIA DO EXM. SR. CONSELUEJJtO CAE-
TANO SANTIAGO.
Secretario Dr. Virgilio Coelha.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
Santia-

791.481
Numero de malas.
41.141
11.086
56.349
60.083
32.147
99.194
4.631
BECKBWA
Entrada de 1 a 14 de abril 402 saccas.
do dia 15 28
a Alfandega.
Rendimento de 1 a 14 de abril 7:6454530
t do dia 18 1:1184167
>BSPACHOS DA PBES1DBNCIA, DO DIA 17 DB ABRIL
DE 1874.
Abaixo assignados, moradores na propriedade
Paiva, Naiareth e Gaibii do termo do Cabo.Esta
providenciado no sentido em que requerem os sup-
plican'.es, conforme communicou a camara munici-
pal da villa do Cabo em offlcio de 26 de margo ul-
timo, sob n. 422.
Antonio Leocadio dq,Rego Barros.Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Francisco Sergio Florencio da Cunha.Informs
o commaudante do corpo de policia.
Francisco Augusto da Costa.Indeferido.
Dr. Felippe Nery Collage. -Subsiste o men des-
pacho de 9 do eorrente, por qnanto, excluidas as
faltas de II a 16 de margo ultimo, .justifieadas por
forga da lei, visto acharse o supplicanle funccin
nando no jury de Olinda, segundo communicou ao
regedor do gyranasio, ficam as dos dias 10 e de 17
a 31, que prefazem o nnmero 'de 14, cujo abono,
na conforraidade da portaria de 17 de agosto del
1860, deve ser requerido ao regedor daquelle ins-
tituto.
Dr. Graciliano de Paula Baptista e Joaquim Cor-
reia de Araujo. Informe o Sr. inspector da thesou-
raria de fazenda.
Jose da Silva Torres.Informe o Sr. genera
commandante das armas.
Joao de Araujo Cesar.Passe portaria, conceden-
do a lic-inca pedida, sera vencimmtnj
Baclurei J,>;\ > CuWs ie MendoiiijA Vasconcellos.
Passe portaria, coucedendo s liceagi requerida.
Joao Baptista do AmaralInfurrae o Sr. Dr.
juiz de direito da comarca da Victoria.
Fr. Ludgero do SS. Nome de Maria.-Deferido
com o offlcio desta data a thesouraria provincial.
Padre Manoel Thomaz de Olrveira.-Aguarie o
supplicants a decisao do governo imperial.
Padre Manoel Antonio Martins de Jesus.A' vjs-
ta da informacao do Dr. chefs de policia, requeira
o supplicanle a quem de direito for.
Mathias Cesano Pereira de Mattos.Informe o
Sr: commandante superior da guards aacional do
municipio de Flores.
Pedro Allan.Sim, nao havendo inconveniente.
PERNATH3UC0,
REVISTA DIARIA.
Assemblea provincial. -Aate-hontera a
assemblea nao (unccionon por falta de numero.
Comarca do Cabo. Por portarias da
presidencia da provineia, de 16 do eorrente, foram
noraeados : Francisco Hermino Rodrigues Cain-
pello, 3* supplente de jaiz municipal e de orphios
do termo do Cabo ; Antonio Juvtncio Pires Fal-
cao para semelhanto cargo do termo de Ipojuca.
Autorldades polieiaes. Por portaria
a presidencia da provineia. de 16 do eorrente, fo-
am nomeados: delegado de policia do districto
de Granko o tenente-coronel Quaker de Alenear
Araripe, e seus supplentes, Jesuino de Araujo Al-
buquerque, Antonio Ulysses da Silva Peixoto e
Gernal Ribelro de Oliveira Castro, na ordem em
que estao collicados.
IVova delegacia de policia.Por por-
tiria da presidencia daprovineia.de 16 do eor-
rente, foi creada nraa delegacia de policia no ter-
mo do Exd, com a denominacao de Granito. a
qual deve comprehender todo o territorio da fre
guezia do mesmo nome.
Chieo blfode.A ordem do Dr. juiz subs
tituto do 4* districto criminal, esta preso por crime
de ferimentos graves Francisco de Paula do Roja-
rio, conhecido por aqifclle nome, e que foi o ins-
pector da quarteirao uBe flgurou uo conflicts ha-
vido em um trem da linha ferrea de Olinda.
inquerito policial.Foi remettido a au-
toridade compstente o que se levou a effeito con-
tra Jose Francisco de Lima, criminoso de furto,
pela subdelegacia de Belem.
Goveroo do bispado. -Por provisdes de
10 e 14 do eorrente; foi renorada a nomeacio do
Rvm. Joaquim da Costa Pinto para coadjutor da
freguezia de Limoeiro ; foi exonerado, a seu pedi-
do, o Rvra. Vicente Ferreira Lostosa Lima, de f I-
Sario encommendado di freguezia de S. Miguel
a bahia da Trai;ao, na provineia da Parahyba, e
foi nomeado' para o substitair o Rvra. Joaquim
Francisco de Vasconcellos.
Francos
Objecto
Offlcios....v
Autos e mais
p a p e i s do
foro.......
Macos ou pa-
cotes......
OlBcios......
Macos ou pa-
cotes.....
Cartas.......
Idem com sel-
los insufflc.
Autos e mais
papeis do
foro.......
Encommen-
das e amos-
tras......
Livros e im-
pressos de
20 r6is....
Jornaes e im -
Sressos de
0 reis....
Objectos re-
gistrados..
Idem com va-
lor declara-
do........
Cartas......
Jornaes, im -
pressos e a-
mostras ...
Objectos re-
gistrados..
10.974
418
1.026
1.143
118
134.449
Porte
32.735
8.347
30.857
2.299
3.543
196.532
Somma..
42
91
862
73.285
9.345
1.504
23.961
18.235
173
Nao franqueadas
Objecto
6.171
5.568
275.62o
2.314
550
3.564
159.282
62.044
6.851
50.446
52.158
416
610.038
Nuraero de malas.
97.677
49.462
Porte
7.743
11.867
158.878
123.681
128.019
273.310
3.969
Sernpre aproveltou.0 Dr. delegado de
folicia, hontem pela manha fex eerco no pateo do
erco aos moleques que acompanhavam uma ban-
da da music* railitar, e em persegnicao dos mes-
mos d'ahi at* a freguezia do Santo Antonio, apri-
sionou uas doze, tend) conjorrido para niio subir
muito de ponto este resnltado, o nao haver compa-
red do opportunamente teda a forga requisilada
para a deligencia.
Momentos antes do Dr. delegado alii apparecer,
tinba um raoleque ferido lsvemente a outro, sem
que sa podesse ter mio a nenhum delles, por qua o
offensor evadio-se, apesar de perseguido ate a rua
da Praia, onde desappaieceu, e o offendido, por
sua vez tratou de pdr-se a bom reeato.
Nessa occasiio Dr. delegado deu, nas Cinco
Pontas com daus amigos qne se esmurracavam
prbdigaraente; prenden os e mandou-os as pazes
do quartel de policia.
mens, nma vez que fUesse sahir o gaz !
la e quanta anciedade 1
Pareeia qne se podia ouvir o pulsar de tres
rail coracSes era tio doloroso transe. A cor fu-
gira de todos os semblantes. Todos eram espec-
iros Ura menino chorava la nas altura9.
Ceballos, o que devo fazer ?
a Amarra-te e segura-te.
Ceballos, ja nao posso mais I estou cansa-
do replicava a raisera crian:a.
a Eireda as perna^ nos caboa ; o balio ja vai
descer.
t Rosas busca agarrar-se com as pernas as
corda. Vao esforgo. Sente que tudo se escapa
de suas debeis raaos, e exclama :
f Nao posso] mais !
U.u grito se escapa de todos os espectadores.
Poucos acompanham com a visla a qaeda do rai-
sero joven. Muitos Ihe voltam as costas herrisa-
dos. Rosas ja nao existe !
A sua queda produzio o effeito de uraa gra-
nada : levantou uraa nuvem de po. Entron o cor-
po pela terra a dentro, e perdeu a forma huraana.
A ignorancia, a insensatez foram as causas
de uraa tal desgrag*. Rosas pouco antes cnegara
do interior. Ignorava o que era^ Oma asoencao
aerostatic i : porem, ja na vespera de sua morte
fizsra o proposito de subir no balio.
0 balao subio a quasi 3.500 pes de altura !
Proelamasi.Forara lidos naigreja do Ro-
sario, que serve de raalriz da freguezia de Santo
Antonio, no domingo 19 de abril, os seguin-
tes:
1.* denunciagao.
Sebastiao Manoel los Santos, com Alexandrina
Victorina.
Joio Firmino Nunes, corn Amelia Lalislao dos
Prazeres Galvao.
Antonio Scares Porto, com Jenoveva Maria do
Livramento.
Antonio Meodes da Silva, com Bellarraina Olm-
dina da Silva.
\neceto Firmino Ferreira Moura, com Maria
Lins da Costa Wanderley.
Maximiano dos Passos Alves, com Lozia Maria
da Conceigao.
Manoel Thomaz Pereira do Rego, com Anna Rita
Marques.
Brasiliano Ferreira Albuquerque, com Eufrozina
Minervinda da Circonsisao Geraldes.
Joao Philemon de Menezjs Lyra, con
Maria de Souza.
Jose de Souza Couto Junior, com Vivina Eugenia
de Oliveira Coragem.
Alferes Francisco Correi de Mattos, com 1
Emilia da Cunha.
Manoel Jose dos Anjos, com Antona da Silveira
Moura. _
Francisco Honorio da Silva, com Maria Fran-
cisca dos Prazeres.
Jose Antonio Ferreira, com Carolina Maria do
Espirito Santo. ..
Dr Franeisco Gomes de Andrade Lima, com
Isabel da Cunha Beltrao do Araujo Pereira.
2.* denunciacau.
Luiz Campos, com Gertrudes da Costa.
Emilio Celestino de Moraes, com Leopoldina
Maria dos Santos Saraiva.
Luiz Francisco P. de Albuquerque, Com Ene
dina de Castro Moreira. -
Pedro Francisco das Chagas, com Lucinda Ma-
ria do Livramento.
Innocencio Francisco da Lima, com Candida
Binicisraa de Souza Lima. ....
Antonio Alves da Motta, com Josepha Maria do
Car mo.
Manoel Hemeterio da Rocha Barros, com Ma-
noella Francisca de Araujo.
Roberto Francisco dos Santos, com Maria Pe-
tronilla de Jesus.
3.* denunciagao.
Antonio Aquilino Nunes, com Marianna Fran-
cisca dos Prazeres. .
Jose Pedro Baptista, com Felismtna Maria da
Conceicao. *'
LoterlaA que se acha a venda e a 9o." a
oenefleio da igreja de Nossa Senhora_ da Piedade
de Santo Araaro, a qual corre amanha.
Casa de detenoao.Movimento da casa
de detencao do dia 17 de abril de 1874.
Existiam presos 341, entraram 6, sahiram 3,
exislem 344.
A saber :
Nacionaes 269, mulheres 8, estrangeiros 22,
escravos 40, escravas 5. Total 344.
Alimentados a custa dos cofres publicos 280.
Movimento da enfermaria no dia 17 de abril de
1874.
Tiveram baixa :
Cosme Alves de Oliveira, pleurodinia.
Jose Mororo do Nascimento, nlceras,
Tiveram alta: .
Gregorio, escravo de Virginio Horacio de Freilas.
Juvenal, escravo de Antonio Joao de Amorim.
Passagelros. Chegados dos jjortos do
norte no vapor Ipojuca :
Dr. Joao Jose de Vasconcellos, sua senhora e 2
eseravos, Vicente Giffon, Jose H. B. Sussuarano,
D. Lourenca Ferreira de Lima, D. Maria Miller,
Henrique da Silva Antunes, Antonio Jose da Fon-
caca, Antonio A. Pereira Lima, 5 lilhos e deus es-
cravos, comrnendador Joio R. tte Carvalho, sua
senhora, 2 (linos e 1 criado, barao de Mensejano
e um criado, Dr. Julio A. de Macedo, Antonio Fa-
canho, Genuino A. Fernandas, Jose Lopes Davim,
Maria A. dos Santos e um menor, Francisco N.
da Silva, H. P. Possell, Vicente Ferreira da Paixio,
Felix Alves da Cruz, Vicente G. dos Santos, Jose
Philadelpho da Rocha, Manoel X Pinheiro de Frei-
tas, Julio Francisco d'Azevedo, Claij. C. de Souza
e sua sogra, Antonio S. Tavares da Rocha, Jose
Domingues d'Oliveira, Bento Jose d'Oliveira Lima,
A. Bezerra de S. Andrade, Pedro E. R. da Camara,
Accioli, Domingues Silva, Souza U3o e Freitas
Henriques, procurador da conia, abrio-se a ses-
sao.
JULGAMENTOS.
Rccursos crimes.
Do Pilar. Recorrente o juizo, recorrido Manoel
Francisco do Nascimeoto. Jnjzes os Srs. desem-
bargadores Silva Guimaraes, Domingues Silva e
Ascieli. improcedente.
Do Cabo.Recorrente o juizo, recorrido Fran-
cisco Bedo. Juizes os Srs. desembargadores Lou-
rengo Santiago, Reis e Silva, Almeida Albuquer-
que e Accioli. -Improcedente.
D'Arta.-Recorrente o juizo, recorrido Manoel
Joaquim de Moraes. Juizes os Srs. desembargado-
res Reis e Silva, Almeida Albuquerque, Accioli e
Loureuge Santiago, -lmprocedenlte.
Do Pilar.-Recorrente o juizo, recorrido Jose
Cr-sme da Silva. Juizes os Srs. desembargadores
Reis e SlWa, Almeida Albuquerque, Souza Lelo e
Silva Guimaraes. -Improcedente.
Do Recife." Recorrente Joaquim Caetano de
Carvalho, recorrido Juvencio Genncio de Almei-
da. Juizes os Srs. desembargadores Almeida Albu-
querque, Silva Guimaries e Motta.Deram pro-
vimento para annullar o processo por incompe-
tencia do juizo.
Da Eseada.Recorrente o juizo, recorrido Joa-
quioi Buarque Vicosa. Juizes os Srs. desembarga-
dores Accioli, Lourengo Santiago, Almeida Albu-
querque e Reis e Silva.Improcedente.
Do Recife.-Recorrente ojuizi, recorrido Joao
Ferreira e outros. Juizes os Srs. desembargado-
res Accioli, M itta, Almeida Albuquerque.Im-
procedente. ;
De Itambe.-Recorrente o juizo, recorrido Luiz
Fernandes da Y.ello. Juizes os Srs. desembarga-
dores Souza Leao, Silva Guimaraes, Reis e Silva
e Accioli.Improcedente.
Responsabilidade.
Denuncia do Dr promotor publico da comarca
de Itambe contra o Dr. juiz de direito interino da
mesma Minelao dos Santos da Fonceca Lima. Re-
lator o Sr. desembargador Lourengo Santiago.
Sorteados os Srs. desembargadores Domiugues
Silva e Souza Leao. -Julgou-se improcedeme.
Aggravos de peligao.
Aggravarite Josepha Maria da ConceigSo. Juizes
os Srs. desembargadores Reis e Silva, Motta e Ac-
cioli. Negiram provimento.
Aggravante Joaquim Francisco do Espirito San-
to. Juizes os Srs. desembargadores Accioli, Mot-
ta e Silva Guimaraes.Deram provimento.
PASSAORNS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis e Silva :
Appellagao crime
Do Nazareth.AppeUantes Firmino Lopes de
Oliveira e outro, appellada a justiga.
De Baturite. Appellante Antonio Nogueira
Campos, appellada a justiga,
De Pedras de Fogo.Appellante Manoel Vicente
de Oliveira, appellada a justiga.
Appellagao civel.
De Alagda Nova.Appellante Antonio Jose de
Oliveira, appellados Braga Gomes & C.
Ao Sr. desembargador Lourengo Santiago :
Appellagao civel.
D'Area.-Appellante Joao Jose de Oliveira, ap-
pellado Joao Victorino das Neves.
Do Recife.-Appellante Tasso & Irmao, appel-
lado Joao Vasco Cabral.
Do Sr. desembargador Lourengo Santiago ao
desembargador Reis e Silva:
Appellacees coramerciaes.
Appeltantes Joaquim Jose Martins, appellado o
administrador da massa da Amorim, Fragozo, San-
tos 4 C.; appellante Tasso Irmio, appellado Joa-
quim Sevenano Nogueira.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Da Fazenda.Appellante Maaoel Joaquim da
Silva Leao, appellados Dr. Jose Angelo Marcio da
Silva e a fazenda.
Do Sr. deserabargaior Reis e Silva ao Sr. des-
embargador Almeida Albuquerque:
Appellagdes civets.
De S. Bento.Appellante Francisco Ignacio de
Paiva Junior e seu irmao o orphao Coriolano.
Do Recife.Appellante Corbiniano de Aquino
Fonceca, appellado Lnii Clementino Carneiro de
Lyra
Appellagao commercial.
Appellante Jayme .Eneas Gomes da Silva, ap-
pellados Jeronymo Delzuc e outros ; appellantes
Moreira & Pinto, appellados as curadores da mas-
sa de Francisc) Jose da Costa Guimaries.
Do jury da Itambe. Appellante Genuino Be-
zerra Cavalcante, appellada a justiga.
Appellacdes civeis.
Da Granja. Appellante D. Leooor Maria de
Olinda, appellado Manoel Jose do Carmo.
De Sanl Anna.Appellante Antonio Gomes de
Albuquerque, appellado Manoel Ferreira de Pinho.
Ao Sr. desembargador Motta :
Appellagio civel.
De Pao dos Ferros. -Appellante Luiz do Kego
Leite, appellado Domingoi Alfonso Batalha.
DoSr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Motta:
Appellaroes civeis.
Do Recife.-Appeilante Vieente Alves Machado,
appellado Jose Maria Sodrd da Motta ; appellante
a companhia Draynage, appellado Joaquim Dias da
Silva Guimaraes. ....._ _
D'Agua PretaAppellante Jose AffoMO Ferrei-
ra, appellado Felix Jose da Hora,
De S. Miguel. -Appellante BeHarmino Pinto do
Araujo, appellado Francisco Xavier de Albuqaar-
que Maranhao.
Appellagoes crimes.
Do led. Appellante o juizo, appellado Paoiiao,
escravo.




ILEEnKL J
tail


S--P-
J&x*
i

Jd.
t
f>e Nazareth.-Appellante o jofto, apwtUtdpJo
& dos Sautes Ferreira. .MAJtTli*
Dj In hi j| iH Hi II nil lldlannyn FTaccis-.
f iJHJi ifflfy'ty Peraambuco -- Segimda feira 20 de Abril vie 1874. %ti OHJIfJ/
) 0/7/.
co das Caag
Do Sr. dest
gidor Domini.
ilsjPWrocs crimes.
fto Gears -Appellante Francisco RomSo
e outro," .nppella la a justi<
De Pedras de Fogo.
c'le Oiiveira c ontro,
Freitas.
Do Cabo.Appell
cerda e outro, apj<
lao da Cunha.
Do Sr. desembarg
desembargador Souz
a ajp.->uca.
- AceioK to Sr. drfsprnW-'
Teiles
ute J Virgilte Noifeio d*
La-
oao Pall (ferret
Jose Carociro d
^Donlkajgcs Silva'ao Sr.
ivet-
da.
Appelfajao civd
Do LimooiriAii|ieTlan!'!l raCoelho, appemrao JosS-Hrftirisco dc A
Ao Sr. dosembargador M>*% \ :
Appelacae vivel.
D'Arda.-Appellante Antonio Francisco de Sal-
les Pessda, appellada Toereza Maria dc Jesiis.
Do-Sr. desemhf g-kr-6 *iza Leao ao Sr. des-
embargsder Silva Guimnraes :
Appellacoei crimes.
Apnellaate o prom-tinr, appellado Antosno dos
S>nt*lW*; *ppellne Felieiaaa Maria ,1ft Ko-
ch a, appellado Jose Coaquim Duarte ; appellanteo
promoter, appclla.de Pedro! de CsMra ftffrov,- ap-
pellante o juiio, appellado Francisco Ies6 daffon-
ceea ; appellante Soaqiiini aIvjs d Brito, appel-
lada a juslic,a; appellaute.Diocizi j Pereira de Mal-
ms cwitros, apjrctrnta a ]usilra. *
ApacllacSes civet*.
A i.Sr, fleRabargaJor FfeTtH H.-ariqnes:
Ap'pellaate A*tieo Jhto Ferreira do Sauza, apnel-
l*1o, A8*01*0 Eaymundq Peres ; appellajftes Fran-
cisco SUuobis Soares e bu'fros, appellado Vicente
Ferreira Padilha Calumhi ; appellante Bento [osi
de4Jlujlra.pp.-llados he.rloiros de 'Miguel iK|i;
des da sili-; appellante A |iiilm'o Bizerra de Me
nszss, appMlaJ." Jj-i'; Cavalcante de Albuquerque;
a ipMlantg WxtSaw Ferreira Padilni Calumbi, ap-
pel'adj Ser.inando Sergio dos Sintos.
ulligencla crime
A-) Sr. desembargador promoter da justica :
AppWithte o proniiVt'Jr, appelb.Ju I.uiz Igrtacio
de ArauJ,o ,S;Miza / appellanles Pompeo1 Sidrad de
Siqliciri Torips e uutros, appel'.ala a jujlica1 ; ap-
peilante 1'la'eido' Perelra de Fwnolred.), appellada
a jii-t'n;a ; ifppellante L'uii de Canjp'OS Barro', ap-
peilada ajustirja ; appellante eVjaiko, ap'ptlla(w,Fe-
liHrte fd5e dos Santos ; appellants Francisco Te-
rcira da Silva, aj^jellada a jus'lea ; appellante o
,urio,'apb.i,lja'u:i Mafia JugUalenij appellante o
jair8,appVftado AhtbaoDlascW Whte ; appellah-
apiK'lLiilV.Manoel Clemen.'e Cavalcante' de Alon-
querque. ^_
niligoncla civel.
AoExm. Sr. dosem:iarga.ljr pr'ocunulh da eo-
A!.p'Ta"a!e fir. Fraficisci Pint', Pissda* a;^^l!a-
!a a binhicn d^ Jarnjui.
Ai^a)ii^ d!a para julgaTMnt) dos foilos se-
gain! a :
Appollaooes crimes.
De M*iu-Grande. -A;.p>-l!ante o jui?.*, appella-
da M iria P.istora d.i NMBnaeqU.
De Ti'Mratii. -Apptfit-itu Vicente Ferreira dc
Pa all, appellaifa a jit-*tici; appellante o juizo,
ajpeil.i lo Dwningos Miela da SiWa ; appell into o
juiz>, appelladt) Antonio Felix da SilM Rasa.
I)) .Mossoro.v \ripellante Claulin) Aires da
Silva, apoel aJa a josii.a.
_ !)i i!:ii|:;e.-.J.p;it!lante Jose Felippe Santiago
N(jr.l'>. appellu li ajasc^a.
UiBiait". >.p,ieiiau!e Gildiuo BernarJo da
S lira, appellada a justi'.-a.
Da Imperatriz. Appellante Bernardo Simao
A!ves,a-ipdiada a iu>:ii.a.
()j Gabo.Appolfaiite o juizo, appellaljs Pedro
Alezanlrino da C >sta eutro.
Da Flore>ta. A^p.-iiante Joao Jj^o da Silva, ap-
p I... 11 a jostica.
De Paolo Alton*>.Appellante o juiz), appel-
la 1< Jus.*'; RodrigoesFereira rilbo.
Do Ponibal Appellante o juizi). appellado Jose
RooiualJo da Silva ; appellaule Fraacisco do Ro-
ario Bruno, appelkda a jtlftica ; appellante o
Jtties appellado Ag)stinno de Araujo Fouccca ;
apptilaute o fatso, appellado J>-e Ferreira da
Silra; appellanteo jSizi, appellado Cliudino Ro
drigui-s Luis de Albaq:i;rque ; appellante Galamo
Bernardo da Silva, appellado o juizo.
Appellacoe* civil*.
D? Olinda. -Appellante Joan Gonijalves Torres,
appellad Felippe Manoel de ChiistoLeal; appel-
lante Joaquim di Suva Costa, appellado Luiz Go
mes de Maura.
Do Recife. Appellante a ompanhia do gnz, ap-
peilada a compairfiia de trilhos urbaaos.
De Olin la. -AppeHant s Pereira da Cunha i
Irmaos, appellaJos a adminirtra^io Ja inas-a de
Ler.poldo A Slariins^ appell antes herdeiros de
Joajaiiii Jose de Miranda, appel'ado Claadio Du-
bens ; appellante Marcolino Baruosa de Miranda,
appella I j Manoi'l Pedro de Olireira ; apaellante
Louren.-o V. (Jmlein de M-illo,appellados herdei-
ros de Bernardino l*"r-iie dti Menloiica ; appelian-
te Antonio ttipti-U Xogueira, appellado Manoel
Joa|Uimd.i Rejjo Al&nqner |Ua ; appellante Jose
da Ho -hi l/n-i Toledo, appellados Jo iqai n de Arau-
j" lama e o ilro : app-llante Franeisca Maria da
CoBceicao, appdlada D. Candida Balliina da Ro-
r.ha.
Appellacio commercial.
Do Recife. -AopdlaBte Amalia Leilen. viuva
dejtanry Leiden, appellad i Henrj Kranr.
Sttcerrou-sg a se-sii as 2 boras.
jfoJff.S'iL 5flihtf^jl1tf}L^l-t tlPg?.58lPr KFem *<#***** pe?J& tMTOfagas de ~)ne itfitv&ydw preceit*. de doqura, a
WM MMf a). i|uo sse riartiflo ass
71.ar.ivf>ade cjiii Tarrapus rJe <:6res diversa;
fWoi#es!>c'(<.rffRi"*MVi bcneflcio
1r,,^l?^? 3^-.t.sotu tDtna, lu8'"-,'l'#W)i*jffHe trVwiosaewrfir*!*.
18*000, Francisc Joaquim Hibeiro de B-it>, pocl.. N4o|S djea,
estar concertanJo sea sofe-adb serh licenca? 30^0J'*1'
- Ko ptocuYadrfr.......
Wmapcti^Jo -de Antonio Ferreira Ramos.Ar-htabai#'z!0i dfuife.
commissao de eoifioxcao
Oatra de ^lorrneio Rodrignes de Miranda Fraa-
'' co. -Ao cont^dor r ao advoga*.
Ontra *e Jose Augnsto d" Aranjo, arreraatanle
das ohrisdowyvo mewa'do poblioo.-Renettido a
uma toaWmi.'tfo eompdsta dos seus vereadores
Cesario de MclW Gamairo.
O Sr. presidaB da camara municipal por occa-
siao da leilura do ofBcio do Exm. presidente da
provineia, do t do corrente, em resposta ao desta
camara a respaJto do eontrato do matadouro pn-
blici, fee Ver que era convetiente one a camara
rMrea*rtasse a assen*a ppoTttrefal fto sentttfe de
Kerens alii acaotellados os sens dirertot, : d via do
queoSr. Neves apreiWt o reqnerlmeoW se-
guinte :
^sembtea provtwctal a-meoneniencia qne -ha na
escolha que fez o Exm. presidenle da provincia
do lugar do Peixinho, para logradouro pnblico,
lugar este de outro nituiieipio, o i|!e raz sorios
embaracos a osta Hlrwtre eamara, come dostlocn-
meutos juntos, c que devem por copia acompanhar
esa repr*>eht^.io Neves-A-pprovado.
O Sr. Cunha Guimaraes requerenverbalmente
que se recomitteftdasse aos ftscees qne iejaifl sOK-
citos no cumprimento do dever, que Ihes impoe o
art. i:t das post was" em" ttg-ir, :bem como em vi-
yiar cscrupulesaraeote que as tavernas e casas do
molhados fecbem ao-i doming os e dias santilicados,
nos tcrmos do art. 187 das mesmas posturas.Ap-
provado.
Da mesma forma requereu e Sr. Gameiro quo
se pedissa ao Bxm. Sr. president* da r*o\r*nei*,
copia do cantrato elTectuadd jm Bellarmino do
Rego Birros, Jcse da Silva Lojto, Josd Joaquim
Antunes e Fraobisco Ferreira Balthar para assert-
tamento do carris de ferro para transfjorte de mxS"-
cadorias dentro e fora da cidade.i-AHproVado.
a' vista do requermiento de Jose Augusto do
Aranjo,- arromatante' das obras do mercado de S
Jose, o Sr. presidente da camara nomeou cma
commissao paBtfMla dos Srs. vereadotes GesaTio
de Melio e Gameiro, para entemter-se com o arre-
matante acerca da materia do sea re<|uerimento c
dar parecer.
F irarn despachadas as" peticSes scgnintes':
De Antonio Jose dos Santos, A. B Moreau, An-
tonio RaymunJo Lins Caldas Antonio Joaquim
Ferreira Porto, Antonio Gomes de Miranda Leal,
Aurelio dos Santos Caminha, Clarindo Graciano
da Silva, Carvalho Perelra 4 C, Qcilio Cesar Ma-
rjaho Faleao, Franci>eo Joaquim Ribefroi Joao
Martins de Barros, Joanna Antonia dc Smua, Jose
Jacome Ta Cainpris, Luiz Moreira de Andrade, Luiz Eduardo
de lliillanla, Monteiroi Maltos, Manoel dos Santos
Villaea, Manoel Jo Nascimeoto Machado Portella,
Manofl Antonio de Alcantara-, Marcelino Jose Gon
calves ita Fonte. Manoel Rozas de Oiiveira, Teixeira
Chaves & C Virgilio Sat/r > de Medeiros.
Nada mats hawndo a trat.ar, o Sr. pre-idente le-
va ntoa a sessSo as A hoqij da tarde.
Ru, Fraucisaj Augusto da Costa, sceretario, es-
crevi.
Di-claro em tempo, que fui lido um ajQcio do fis-
cal da freguewa da Boa-Vista, conimunicando a
camarj, que a ponte do ceiniterio publico se aeha
com ^ travescompletaineutearruinadas.Ao mes-
mo fiscal para mandar fazer coin urgencia os con-
certos prrcisos.
Eu, Franeisco August) di C)sta, seeretario, o
declare!.
Theodoro Machado Freire Perelra di Siloa, pro-
prcsideuti'. -~ Jose Maria Frrim Gameiro.Jose
da Silva Imjj Jnnwr.-Jose Cesarh de Hello.
Jnaa dt Ctfiha Stores Gtiiniarue.i. -Jose Pedro
d:s Seoet. -Dr. Pedro de Alkayde Lobo Moscoso.
aos pa-liJi
Es*es onistaceos pol
apozar de ferem olhos mnltrplos, nao veem a
longe, e por Dao nao compretienderam que o no-
vo irartiin era uma espuaie de crisol, onda la
ser puriiiijado os veriadelros' parnilarios.
As fezos'de n*os os paftidos semprc aecarretaat"
%ome.ns da algnm tirto politico, e a por essa ratio
no- restoff fcerftes desse partilo, que a lado
transe qu*de'liovrise alliar aos velhos lifceran*
Nao se pode poruhto tJegar qiMi a liga fez am
servioo, cdwrl a sua vontade, isto e, sertio de
reagente efclinico na poJWea do palz, iepurando
aesim os ions paitMos *rs fezes qne a el lea re
achavam encrnstadas.
Nao se ^enza,'.porem, do qae aoabamos de e*>
pender, ^ue o jiarttdo rjtie lioje os prjvihcianoa
denonflrfaffTae libeTal, s("ja n rne.mo de oirtFofH*
este wrtlti purom) cm um numeromui limitado por
serem aiada as mesmas as mas crencas tradicio-
naes.
Assiw, pois, e preciss que nio sc confunda o
latio com o irohr*. porque este o nm corpo stm-
p!e<, a(|nelle composto e na verdade uma liga.
Nsartigo segnliite provtfremos fM assim como
am reagente chimico decomiioc os corpos cora-
poaMfHk fnesrWa Madeira-os in*M!es politico!
que se chocam ^epararamos ligueiros da commu-
nhftn das ideas nilxtas rpre-poT atguin tt'inpo os
unio.
O Zoolofo.
ifiuvwiiiii- iii n i mt^mtm/^tM
CAMARA HUMl'IPA!^
sessao i:xri'.Ao:ti)ixAiu\ em$db abril
DE I87i.
mRsmneu nosa. tbbooobo silva
Ao mcii dii, prcsentus os Srs G-mieiro, Loyo
Jaaior, Neves, Cesario de Melh, Reao Barms. Cu-
ntia Buinra&ea, S inza Lewi o Dr. Uoseoao, abn i-
se a aesiao, e l")i lida o apprnvada a aeta da ante-
cedente.
Leu sc o segainle
BXPEOIKVTE :
Um officio do Exm. president-' la provincia, ap-
provando a arremata^ao das obras dos reparos da
ponte do Luca, pcla' quantia de *30*9^Oi lit-
teirada.
Outro do mesmn, relarSvamente a edificacao e
estabele^imento do mataJnuro publico no sitio de
nominado-Peixinliod) munieijio de Olmda.
Inteirada.
Oatro do mesmo, em respesta ao desta camara
com data de 23 de marco ultimo, dizendo que os
conisertos da que precisa o tecto do paco dasuas
es-oes so .pOJer ter lugar, precedendo orcamento
approvado ;>ela presidencia, camprindo quo a ca-
mara mando or^anisar esse orcamento nom a pres-
teza, quo o caso oxijje. Ao engenheiro para fazer
cow urgenoia o on.amento.
Outro do inspector da thesouraria de fazenda,
com despacho do Extn. presi lecte da provincia,
maodando a camara inOirmar, se eouveru a con-
servitcao da eamboa denominaJa Jo Starr, a qual
pasra por um lerreno sitoent Santo Amaro. no lu-
gar do Ponibal, pertencente ao Exm. visconde de
Suassuna.Ao engenheiro.
Outro do procerador, remetteado uma relacao
das pessois muUaJas pel as liscaes de dtrersas fre
guezias durante tudo o maz de madps ulti/no. Ao
mesmo procurador.
Ontro do mesmo, trazendo ao conbecimento da
camara, que lenJo Jeronymo J se Rodrigues Cha-
ves, arretidad j um espaco do lado de fora d i ribei-
ra tit, fregue; ia de S. lose, aposs )u-se do mots dous
espa^os sera ter autorkaeao da camara.Ao Bscal
para infotiuar.
Ontro do aiministrader do ceiniterio publico,
trazeuJo ao &nbeciment9 da camara o estsdo dJ
ruina, em que so acha a nante do cemiterto.In-
teirada.
Ontro do mesmo, communieando que a irmaoda-
de das almas d i lion-Vista nao tein uiais eata-
caiaba' graales abertas. -ao procairador.
Uma infonoaeao d> engenheiro actrca da peticao
de Aurelio do^ Santos Goimbra. fisqueira a qaem
competir.
Oara do mesmo, sobre o despa^bo dado pelo
Exm. presidente da provmcia na representaci
de Joe Fernandes Lima.-Qne se resppnda jun
tando por copia a inforraacao da tngenhoiro.
Oatra do cflntador, sobre a peticao de Ignacin
Xavier de Paula Bocha.Ao procunidor para ef-
fectuar o eontrato de que se trata, pela quaulia de
3M)*000, pela qual o responsavel dito Rjeba, me-
diantt a presta.;ao de 20*000 mensue*.
Um .nlllciiiu ttscai da freguezia tie S. Pr. Pedro
Ganc;lves, remettenda uma rola^ao das multas im-
postati a di versos, de 28 de mar.o ultimo, a 8 do
corraHe: Joaquim Jose Fernandes, por estar Yen-
dendo nodia de domiogo lepois das 2 boras da
tarde, 6*00.), Mathias Gomes Fernandes, a me-ma
iafrac<:ao, Manuel Raposo dos Santos, seu carro sera
natnero, 10*000, Antonio Jose de Carvalho, por
aguardente a cscravo, 30*001), Miranda
Th(>snrnria Ie fazcada.
Foram reinetti los ao Sr. thesoureiro para serem
pagos.
Ollieios:
D. presidencia, mandando pagar ao tnesoureiro
da repartteio das obras publicas a quantia de....
100100 I.
Da mesma, a Western & Brasilian Telegraph
Company Limited a de 81*000.
Da mesma, ao engenheiro Victor Fournie, a de
58i036.
Da mesma, a Manoel Figueiroa de Faria &
Fiihos, ade 1)1*600
to inspectnr do arsenal de marinha, com uma
conta de Antonio Francisco de Paula do Rosarioj
na importancia de 50*040.
Do mesmo, com nma conta de Antonio Rodri-
gues Ramalho, na de 10*680.
D provedor interino da Santa Casa de Miseri-
cordia, requisltando a entrega da quantia de.....
9:923*607, ao respective thesoareiro.
Do corretor Francisco de Miranda Leal Sevc,
com cinta dos generos comprados para o presidio
militar de Fernando, na importancia do......
9:031*744.
Requerim-nlus :
De D. Anna Carolina do Rego DaDtas e outras.
De Jose Kduardo de Souza Landim.
L'e Frei Ludgero do S3 Nume de Maria.
De Thomas Jose de Gusmao.
Secretiria da tbesonraria de fazenda de Per-
nambuco, 17 de abril de 1874.
O 2 escripturario servindo de seeretario,
Carlos Jo to de Souza Correia.
A Provincia.
Foi mal informada a Provincia no modo por
que noticiou o qne ooeorreu em relacio ao Sr
major Vaz Cavalcanto, do Buique.
Aquelle sriiiKT for oopsnttador no sentido dt
aceitrr o cargo do delegado dB pollciaj e pessoa de
consideraflo do lugar e araifd prriieular do mes-
mo major para aqui esercveji, dizendo que elle
aceitava a nomeacao, sendo removida a incoinpa
tibilidade' do cargo de supplente do juizo munici-
pal, que exercia.
De acceordo com isto, fez-se a nomeacao de legado, e foi pedida a exonerajao daquella sup-
plencia. Depois, a conselbo de pessoa menos
leal, qne illudio a boa fe do mesmo major> negott-
se e.^te a aceitar a delcgacia, sendo afinal julgada
sem effeito a sua destituicao de supplente de juiz
municipal;
Eis o facto como se passou, e e muito dilferente
do que conta a Provineia,
RKClFi:, 20 OK A Bill L DE 1874.
Os crustnceoM politicos.
vender
ci'iitinceoN
V
Depois da invasao dos era-taceos em 1363, esses
animaes asseularam o seu (juartel general o for-
Rliraoi acampamento em palaeio e suas imine
diacoes.
A actividade qne entaa essa bieharia exercea.
com movimentos desiompassado?, fazia crer que
ahi havia o quer qua seja qua os impellia a/.ima
tal agitacAo.
Nao se creia que tolos tivessem ingres-to alem
dos resMsteiros e um pisso de transito a festeja
da e cubipada colmeia ; essa concessao, porem,
era somente feila aqaelles purcemts, que anda de
paia ergoi-ia, e quo por eua razao se denominam
dc chamadores, por que tee.n o babito de conser-
vurem uma das patas sempro ievantadas em fren-
te o corpo como se fizesse signal de chumnr.
Es^eseram os privilegiados, visto como peiten
clam a uma gerarchia, cujos. titulos ainda possam
por duvidas, apezar da ostentacao que alguns ain
da conservam.
Como ji dis^emos foi nesse inesmo period) que
a celabre La doraiaou a situaeaa politica e que
tantos eslragos fez ao nosso paiz.
Quando esses eeleberrimos crustaceos poltticos
estavam fora do podcr, ninguem como elles sa-
bia desenvolvor um.programma de refonnas e de
benelic oj pablieoa ; ninguem tambem era mais
versado na arte de bein governar ; nus apenai,
por um escorreg da politiea, sobem ao capitolw
do poder, enlio Isem por nova cartilha, ababdo-
nam a musica nova e sjlfejam a velha, e os pro-
grammas, tao deeaatados em Imguagem sybil.-ina.
ee otfuscam com a irradiacaa da auroola do 03-
der.
Dizem os antigos que ha males que veem nor
bem, e nos concordamos coreesso anexim, como
passamos a provar.
Nessa pleiade de antigos Jibjpraes, cajas fileiras
ja estavam mui rarefeitaa, deatacaTam-se vultos eim-
nentjs e que, por amor a verdade, pode-se dizer
tibbam convieefiM political e eram oera inieueio-
nad)3 ; mas esse nuinero era ja tao diminnto que
por si so nao liuba lor^as para arcar com esse
car lume, qua invadia os foro* de politieos liber&es.
O'ahi iiiii.-i nova pnase surgio matisaJa com as
lenlijoalas de aseengao do parti do ; sendo arras-
ujjs nes tu lo devasta, os incredulos e os aveniureiros po
liticiw de ambos os credis.
A prineipio quando ease amatgitna politico teve
Idgar, os homens bem inteneionados suppuobam
qne esta fusao fosse uim perfeita ombinapao cbi-
mica, isto e, ;ue os prineipios e as ideas dos trans-
fugas d is |iartid< s so lomassem hom;'geneas em
toda a exn?io it peasanteat) que os unio. Mas
nao foi isso o que se observou, logo que os cho-
ques de interesses se flteram aentir em larga es-
cala.
A iluaeao ontao mudou de face" e logo se reconhe-
eeu que nao se hava dado uma forobini' cao cbimnsa,
mais uma mistura, na qual os elementos hetero-
gflaeos eom lacilidade te repeliam, visto como o
prineipio, que os unio- eppaTefitemente, dJo Unba
a furca de cohesaa
D'ahi a divisao de ligueiros e de Mberaes ge
nuinos, vollando estes aos seus antigos arraiaes I
UcliiopamcnioN ill
Asylo de aliehados.
Pernambnoo nunea podera pagar generosamen-
to a sea filho preitimoso as provas de amor e de-
dicacao qne Ihe ten dado em tao pouco tempo. Nao
se levantaroestatuas aos heroes durante sua vida e
muitasvezes durante suageWQao : saoosposthu-
in que lendoo relendo a bistAria des seus aite-
passados, ijue podem aquilatar os seus leitos glo-
riosos, que nnuca licam perdiios nem sepultadog
no.po do esquecimento.
Os edeitos do amor da patria nao ha quern os
possa destruir : nem os zoilos deixam de eahir n>
animadversaoptriHica e despreso, paraw eSes nao
trabaiham para se deixarem lemljrados nas gera-
c5es futhras. tody o seu' rtitp'eiiho e niarear a
alheia reputacao e atnesquinhar os feitos dos ou-
ros : ti esse t'rabalho"e"igual e 3a o mesmo re-
sultado que o das Danaides : elles perdem somen-
te o tempo.
E' de poucos dias a historia do fallado-asylo de
alienados, a mais Teliz concepcao do cspTriW
patriotico do Exm. Sr. coramendadir Dr. Henri-
que Pereira de Luoeoa : 6 de todos os dias a ma
neira como amigos politieos, dissidente?, liberaos
e republicanos tem ehcarado um pensamento no
bre, elevado, luimanitario e por conseguinte mais
do agrado do supremo Creador de todas as cou-
sas._ Parece que tiingaem se lembra que a alie
na.ao mental e uma moles'.ia, que, como todas as
outras, ataca de um momenlo para ontro o gran-
de, o peqneho, o rioo, o pobre, o fldalgo, o ple-
beu : parece que ninguem se lemhra que ama-
nha gAde tef' a esposa araada, afilha id latrala-l
o^itvrsperancoso, o pai, a m ;i, emlim o parent?
on o amigo victima do mais bediondo dos padeci-
mentos, aquelle que infelizmentc c.-lloca o homem
muitos graos abaixo do bruto !l E havera nisso
exageracao ? Nao sabem o que e um lonco, on
que u uma loaea ? Nao sabcen o que e.im indivi-
duo pnvado do uso de sua razao? Se o sabeis,
nao duvidareis que elle esia muito abaixo do irra-
cional..................
_E aeredilara alguem qne pernambucanos, quo
nao podem d"ixar de aniai o torrao onile nasce-
ram, oude admiram a prodigalidade dos encan-
los, com que a natureza dotou a Veneza america-
ua, onde caJa dia so en-oberl'ecem pela uberda-
de do :eu solo, pela infinita variedade da seus pro-
ducto, pelo valor nunea de^mentido de seus ir-
maos, fauam criia guerra a iJea rhais, feliz, mais
generosa, mais caritativa, e a [uelle a quern Dens
aprouve inspirala I!
A nossa alma trabalha por muitas formas diffe-
reates, conforrao os orgaos de que ella se serve
para concorrer para a vida em geral; e pode a
maior partedas funci;oes precneher-se com a mais
desejavel exactidio e uma dellas achir-se emmao
estado : cis ahi como alguns entendidos na mate-
ria expllcam essa guerra fanatica contra o asylo de
ahcaados e aquelle qne tern Ihe dado o mais po-
deroso dosimpulsos III Eis como a idea grande,
a idea generosa, a idea patriotica, a idea liumani
laria, a idea divina tem sido perseguida, como tein
sido em t>do< os tempo;, em todas as epneas as
grandes ideas, os gran les homens I Pinel refere
a obsefvacao de um maniaco que se sebava preso
cm Bicetre; durante a revolueao alguns daquelles
exaltalos vieram fazer-lho uma inquiri;So nas sa-
las reservadas aos alienados : o doente interroga
do por elles pirecea-lhes gosar da plenitude de
suas faculdades inteflcctuaes, e por conseguinte
foi considerado por elles como uma victims do
poder libertieida, e earregaram-no em triumpho
para restitai-lo a vila commum. Apenas o ho-
mi>m judiaioso passa o limiar da porta do asylo.
apodera-se de um sabre, cahe furioso sobre seus
libertad res, eestripa alguns delles.
Todos bem sabem pela leitura da historia ami
ga e moderna que a maior parte dos homens no-
taveis teem, como se c stuma dizer, ama queda :
e certamente essa queda que tem levado os njssos
notaveis a nostilisarem a eternisadora idea do asy-
lo de alienados : mas o que se nio deve de espe-
rar da suprema bondade d) Creador de todas as
cousas ? Certamente a merce" 3ivina cahira sobre
as cabecas transviadas, e as restituira ao perfeito
uso de suas fac.ldades intellecluaes. Deus e sura-
raamente bom e piedoso, e tudo devemos esperar
de sua infinita sabedoria. Ja foi domasiada a di-
gressao : vamos ao assumpto.
Humanidade lu foste feita per Deus a sua seme-
llanca II Tu te approximaras de Deus P 0 erro,
o fanaiismo, a perver-idade dos hemens cahira
Sr forca/porque asslm Deus o ordenoulf Religiao,
eligiao !! os teus .verdadeiros inimig&.aiiuelles
que desavergonhadamente especul.m com a
lua maxima bondaJe e pbilantroi.ia, algum dia sc-
rto calcados no inferno II A iaieiligencia c o at-
iributo com que Deus ilo'tbu o homem e pela qual
se parece com o seu Creador I As tuas al-
4 |iekis^4ie*tres da sctoncia. assi>ffabcipios.ds
iitHffi. Are*eu de Ca|iauocia>i)isjik;||c nio
h tn^ll-egavsem senao ata.luras m^le* CvAexiv'eis
a piiMfler os doudos furiosos WJfferbs miios
fSpftstae empregado brutallikm, longe de
Imar a stbreexcitacao, nao fazem mais que
cxnsperdl-6.
Galen*, foi OBrimeiro q*di6latoa que a lesa<
lias fsetlldades Intellectuae^ pro\-#oJ de uma lesSo
do* sssjtos do pensamento', i|ue estio situades no
certbro.
t Paalo d'Bgisa, c-m ann.is depois pauses fuglr
das frevas que eomec,avam a iavadir o mando, e
iniar-s; ainda pela luz da razto ; insbte nas ideas
pe Areten e repete semj-ra :
t Beve se esnpregar coin elles a brMfera, e
fcnnca a forQa; o mais qua for passiVel. dfar;e-
se o mao gotle dos remedlos que'Jsm de se dar a
elles.
E o ultimo lampejo da intelligtacia, a ukinia
seentelha da razao?! Dirsehia que os medicos
foram todos cffndemrrarlW a triste Sofl4 dos afie-
nau\is t 0 alienado deixou de ser um doente;
nem mesmo se perniittia que fosse um homem, e
ameiade fera, ametsdo demonio, possuido de Sata-
naz ii preciso langal-o ao fogo I
, Ao fim de ttoze seeulos 0 qae o sabio Pinel,
pode, arrojado, ir em publico sustentar os sabios
primipios estatwleeidos por Paulo d'Egina e
Are! mi da Capadocia.
A idea media foi uma opo:a do surribar Nao
e senAo a escolastica e a demonologia que domi-
nam : a medicina ronvertctt-se enr sttpersticao I
A velha Hecate governa o mando ate o renasci-
Btento!
As sciencrai, ai'stfes, as Jettfas s-ubmergiram-se
nesse horrendo naufragio : Qcant por toda parte
as guerras, as pestes e as femes I
Duvida-se de um Deus cujo saato nome se in
voca cm vao, e entrega'm-se de corpo e alma a
Satanaz.
A crenja tto diabo tinha tado invadido como
iima epiJemla' qne a nibguem potipa: tudo era
effeito dj diabo; o mnndo era um infernb I e esse
inferno nab se' converteuum dia em vrtraz fo-
gueira rjue 6pg0llssc em um trtortrehto bi*po, car-
Jeaes, sacrlstaes e padres, jUizes, magistral los,
alcaides e meirlnhos, ighotantes, corruptos e per-
servbs, reis e imperallOres fanatitos e hypocrltas
qne pareciain entreter-se em mandar qneirhar os
infelizes que tinham perdido o uso da razao.
As popuiacoes abatidas pelas avanias dos guer-
reiros, debilitadas pelas continuadas lomes, sem fe
uem espfiranca nanc"a estiverara mais predispostas
a son*rer'oV3Sss hmleStlas que todas eram attribui-
das a influencia do demonio. Seria in'crminavcl
relerir tudo quanto
o demonio on tiral-o
eUe
teracoes nao ficarao sem eura : temos a luta do
espuito conta a porverstdade dos falsos aposto-
ls : temos a f6 no grande e poiler630 Creador do
uiiverso que nos salv,r;i da furia, ignorancia e
mais qae tudo da fementida perversidade
Jaquell.*, que so creein na religiao earn a m^io fa-
cil de fazer dinheiro........
Poderiames dizer logo algumas palavrns sobre
a reforma total que tem tido era todos ob paires
civilisados os edi/icios destinados ao tratamenio
doi atienados, e a dirli eenca absoluu qua bole se
nota aeste emrelapsw aos tempos antigos ; porem
aiada, quo fi.jur um pouco exleaso',.,0 nosso
comraunicada, as pessoas que se interessam pelo
bem do seu proximo nos deseulparao, porque
ccohecerii qae e bom saber como foi em outro
temuo considerado o bomom que teve a infelkida-
de de perder a razio, e qual foi o patrociuio que pe
recebeu elle dos '-
seus
vesperas de qulra epidemia ie'diabas no corpo .
se os padres depcis de apossarsHi-se do fraco es-'
pirito decerta .gente nao erigirao outra vez as
fogueira* em jue a seu talanto raduziram a cio-
zas tables milhares di- seus semelhasles 1Quern
vi aiinrbat do visinho a aider, poe at suas de mo-
#.-Recorilein se- bem das Ja^oes pa6sada* para
'tarefa se alguem ousasse
fazia e se fez paTamatar
corpo.
Seeulos se passam- sem quo aopareca a luz da
verdade ; 6 o demonio por toda a parte lazeodo e
desfazendo, e neniium sabio apparece line Irate da
alienacao mental nem procure combatel-ai Jacob
Silvius, melhor teria s'do que ii^inca houvesse
f'llado, manda dar panrada nos doudos e fallar-
Ihes sompro com vi ilencia.
Em ti3) sabc-se que os lnbilantes tie Vaud ja-
ram obedieucia ao diabo e comem menioos pa-
gans : as torturas facilitaram muito as confissoes:
as fogueiras trabalharam tao bem pie o paiz Hcou
deserto.
Foi um padre chamado Edelin (tiles sao facts
de dous gumes, louvado Deus) qne teve primeiro
a conigem de pregar em Peiluq qua estas diabrn-
ras pelas quaes se manlava tanta gente para as
fogueiras, eram tresvarios ou desarraru^s do cc-
rebro.
Monstrelet faz minnciosa descripcSo da epidemia
de demonolatria que stacou a populata > de Arras,
principalmenle niulberes, e que terminou como
sempra par ant) de fe.
No seculo XVf queima se por to;la a parte os
lojucos MIA Alemanha, a Haspanha, a Italia, a
Franca estao apossadas pel.) demonio, e uinguem
se livra de suas tentacSee: o diabo apparece a
Luthero e Ihe revela o mysterio saorile^o das
missas privadas! Einfim um dos maioies ho-
mens que o genero humano tem apresentada, o
Hippocrates dos tempos modernos, Ambrosio Pare
nao tem forca em sua> razao, netn recursos em
sua altissima intelligencia para resistfr ao conta-
gio da epidemia : acredita em todes os maleficios,
ve tudo, conta tudo : Fraqueza- humana 111
Na pequena L'orena um juiz far ostentaeSo de
ter manda'di>*|aeimarirnsris e seiscfentas fiiitiewrsts
em deze*elB an nos, e so ds cidado de Genebra em
seis raezes foram ao fogo mais de qoiuhenta* t
O espirito humano nao Me'via'ficar scabrnnha! >
eternaniente sob o peso da ignorancia de uns e-
perversidade de outros : a luz comeca a appareccr
com difBculdade e Serapre enc.mtrando a oppres-
sive das trevas. Wier, medico de Westphalia (I.360)
ibre luta com todai estas supersticte ; conhecen-
to 0 tcrreoo em que pisava, aceila como verdadei-
las as dootrinas reinantes, (ate nisso a mnda tem
inn imperio), divide os demonios em cathegorias
listim-.tas e avalia sen numoro em muitos miihdes :
pondo se acoberto pela orthodoxia das inaputacoes
lo tempo, declara qae se & verdade que o diabo e
|ue e o culpado de tudo, este ^ qua deve ser
punido. Elle viveu com. os loucos, istudou-os
:om toda attenQ.no e as snas observnefies sao tao
precisas, que a scieneia nada hoje teria a scores-
.rentar Hies. Emfi.r., Wier cuiitiniia sempre em
suas demonstrates, e depois ja nao arreceia-se de
leclarar ^ue esses infelizes soffrem de uma moles-
iia menial e nervosa, para livrar se da qual elles
recorrem ao suicidio
Entretanto um pouco de claridade apparece : a
jciencia quer sahir dos abysm*?, ondc estava en-
carcerala: chega-se a acreditar que o demonio
ai desapparecer, que a lei do Deu-* de bondade e
de docura vai reinar, mas que esi eranca III As
isnlhe'res de Medicis invariem a Franca" gnardadas
por um exercito de astrologos, de mgrnmantes, de
raelico*. discipulos de Locusts, do dizedores de
buenadicha.
0 seculo do cardeal de Richelieu e de Luiz XlV
rcpresenta o mesmo triste papel ate qne Colbert,
atormentado de desgosto por tantos desaf >ros e
patifarias, prohibe que se trate de negocios de fei-
ticarias.
Tres historias de possessao do diabo, que nun-
ea mais foram esquecidas, appareccm no irineipio
do secnlo XVII : a da terra de Labourd em 1609,
a das Ursulinas r!e Aix em 1611, a das Ursalinas
de LouJun de 1632 a 1639 : foram verdadeiras
epidemias de hysterismo augmentadas e aggrava-
das pelas benzedara*, pompas religiosas, insultos,
afilupncia de curioscs e frenesi dos exorcistas.
E' excusado dizer a influencia que deveram
ter em taes processes o cinme do clanstro cantra
a igreja, as ordens antigas contra as modcrnas, e
o abuso que alguns padres pouco escrupnlosos (1-
zeram do estado raorhoso dessas infelizes, como,
vergonha eterna, um seculo depois aconteci-u a
muito desgracada Cadiere, qua tendo soffrido os
concupisMiites ataques do um velho padre, foi
condeoinadaa 9upportar nao a morte no n.cio dos
tormentos ou na fogueira, a qual por essa vez foi
dispensa-la, mas o ridicnlo de toda a especie, do
qual nao escaparam padres e juizes. Taceat.
Ainda em 1642 conthiuou com incri cl furia a
epidemia de hysteromaBia, atacando principalraen
te as religiosas de S. Luiz de L'uviers, a qoem o
Srando penitenciario de Evreux tinha contado a
istoria de Urbaao Grandier.
A principal r.eroinn desse triste drama foi a in-
feliz Magdalena Bavent, que apresentou o mais
distinctaraente delineados todos os symptomas das
molestias nervosas levadas ao ultimo grao do exa-
geraji".
0 parlamento do Ruao immiscuio-se nesse ne-
gocio: desenterrou-se o cadaver de um padre
qne vinba todas as noitae atormentar as religiosas,
e foi queiraado com o maior ceremonial: a igreja
e a justica excederanvse em zelo e tolices : nia
guem porem se curou. A pobre Magdalona foi
mettida no fundo de uma masmorra como bode
expiatorio de todos os pecoados da commanidade,
e ahi teuton matar-se com um grande prego que
eacontrou, com o sondemne a pobro Magdalnna.a prtsio-pcpetns e
niande fechar o, con.veiit.o de.Loo/ierji (I6>").. A
"palavra de Yvelin nao ticou perdida.' Os animos
ergiferadi-se'confra tantaS brdtilidadeS, qbe tr
em La Haye Dupuis instanrou-se um processo de
feiticaria em quej asseverava, sob juramento,
qne um rato faliira ft um mtiniao de do an nos, e
fei disculido no tarlanmito da Normaadis : mais
ds quinhentos individuos foram envolvidos Desse
proeesso, e dezesete condemnados a morte I! Luiz
XIV annulloua sentenca. O parlamento recalci-
tton e firrnod suas razdes citando a EscripttirJ Sa-
gtada, Gregorio de Tours os satos padres, todos
oi doutores versados no* eiorcismos, Boguet, del
Rio, Slozente, Del mere ; appelian para os casos
Ssssados em jalgado, as condemnacdes segnidas
s supplicio, e sustentou o sen drmto* de matar
os culpados do crime de sortilegio, t qae destroe
os fundameotos ds religiao e acarr-ta aborai-
nacSes. <
0 rei a nada ceded o orJenou que cessassem
todas as perseguiedea c.meeadas eoalra ontros
presos, e assira poz fim a todas ellas. Nao ficou
ahi, e dous annos depois, em 1672, Colbert fez Ihe
assignar o celebre decreto proh.bmdo sos parla-
mentos do tomarem conhecimento de causas de
feiticaria.
As fogueiras foram spagadas; porem por falta
de saber que a demonomania e u.na molestia e
n5o um crime, mais de vitrte mil indivi:uos (sabe
Dens quantos mais de vinte mil II) tinham expia-
do nas chammas o erro de serem atacados de alie-
nacao mental I E Qcariam salisfeitos os ministros
da religiao ? saciariam a sua s6Je de dominio que
nio se miiiga senao com o sangue de innocentes
victiraas ?
Diga-6 a iniuisieao.....
Diga-o agora o pretexto da maconaria, ijae se
nio enrootrar tenaz resistencia da parte advena,
teremos que presenciar scenas mais horrendas do
que a dessas epocas, que sao a vergonha do gene-
ro humano, que sao uma prova inconcussa do que
podem espiritos baixos, crassamente ignorantes,
domin dos da furor de gevornar e possuir tudo, e
levades propriamente do espirito satanico de gozar
lmpunemente e sob a capa da religiao daquillo
quo os mais sobretudo respeitam e venerarn : di-
tfam os escnptos dos saotos homens actualmenle
devotados ao catliolic'smo que so recumam vingan-
ca e sede de sangue.
Aqui acaba a celebre o decantada era da loucu-
ra e come-a a da repressao.
A.de A.
(Gontiniia.i
Agradecinieiito
Joa<|oim Jose de Olinda Tavare-, sua mulher,
(ilhos, genro e cunhado agradecem do intimo
d'alma a todos os seus amigos e parentes que Ihe
lizeram o can loso obsequio de assislirem as missas
qne nifta laram resar pelo reposso eterno lo seu
querido tltlio, irnio, cunhado e jobrinho Joaquim
Jose de Olinda Tavares Junior.
Outro sim ; nao podem deixar de especiairaenta
agradecerem a prova de amisade que deu ao seu
fin .do filho, raandaudo resar algumas missas e
memento por sua alma, o Sr. commendador Emi-
lio Xavier Sobreira de Mello, a quem pelo presents
tributam a mais sincera gratidao.
* 1 Ny fW^J'SeSpaiWoTd 'A rt In, pAfti Liverpool
arregou : J, PateP^'C. 191 saecaw'com 16843
12-.2WMT4
DA
StHiiisttH.ii- Tiwdade.
Ne.-te estabelecimento de instruccao o educacao
de meninas, sob a directoria da E Philomena Jersey, o sua< Exmas. irmis D. Lande-
lina Jersey e D. Olindina Jersey, aJraittem se edu-
candas mediante a pensile mensnl de 40*, sem
mais (Utra despeza, e aprendem: lingua nacional,
inglt-z, francez c italiano, fallar, escrecer e tradu-
zir; geographia, aritlimetica, historia, piane, dan-
ca, musica e desenho; toda a especie de bordados,
e os rqelhores prineipios da religiao christa. No
interior do estabelecimento falla-?e somente fran-
cez, e e ineompativel o professorato do sexo mas-
culino.
VOLUMES
No dia I a 17. .
No dia 18
.*riraeira pom .
Segunda ports .
Tereeira porta .
Jnarta porta .
rj apicbe Ccnceicao .
SAH1DOS
SEiivrgo MARITIMO
vi%arengaa descarregadai no trapicLe da
alfandega :
No ("ia I a 17...... o7
No dia 18....... *
So trapicbe Conceicic .
39
3ECEBEDORIA DE
UAES DE
RBNDAS INTl RNAS GE-
PERNAMDUCt
'.endimentn do i
item do dia 18
ia I a 17.
26:2S9*4S7
3:720*470
29.939*927
CONSULADO PROVINGAu
A iisoi-tf* no iiiuxiic.
Sim, no sangue 6 onde se fera as sementes das
enfermidad I e da morte. Ataquemn-las, pois,
com esse detergente, o mais poderoso de todos, a
salsaparrilha de Bristol, e a aalvacao 6 certa.
Pouco imporfa qne molestia seja, pois qner sejam
rlrofala's, erysipelas, csnercs, humores >alitrosos,
res tercans, molestia de ligado ou febre biliosa
e sezi5es, a origem dellas tod is deve-se bu^car no
saogae, atacando-se para logo a causa irritaote.
Este grande antidoto neutralise a materia morbo-
sa que se acha derramada nas veias, e a qnal da
origem aos desmanchos e desordens as mais terri-
veis, e os alimenta e ajgrava Destroe a hydra
occulta no systems venose, e a extermina com a
rapidez e ccrteza, com qne Hercules deslruio a
Serpente de cem cabeeas. cujos ataqnes mortaes e
elle o antagOBista mais formidavel. Lembrem-sc
di?to os que soffrem, par [uanto isto e uma verda-
do inconlcstavel.
Na publ-carao inserida no dia 17, na i' pag. des-
te Diario, sob o titulo Mamanguape, o ba-
cbarel Maaoel Juvenal R. da Siiva, ao publico
deram-se os seguintes enganos : columna 2* li-
nha 3i, supp ima se a conjuncaoe ; idem linha
47, supprimase as pa lavras -aprouve, fui pelo
contrario setero de mais com elle, como algnem
disse -; idem linhas 54 e 55; em vez de :
eonstituinte principiasse, dizendo : leia-se-con
stituinte, principiasse dizendo : idem linha 57, cm
vez de : sera o honrado, leiase rera i hon-
rado-; columna 3" linha 13, em vez de : firma-
do em antoridade, leiase tlrmado na autori-
daie; idem linha bi, em vez de : com a mesma,
leia-se cem a minha.
Kendiraento do dia 1 a 17.
Uiem do dii 18. .
72.518*838
17:898*23&
90 il7<09t
mnmm
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, tS de abril
de 139-ft.
AS 3 IIORAS DA TARDE.
C0TA50ES OFFIC1ARS.
Algodao de 1'sorte 8*2)0 por 15 kilos, bontem.
Algodio de Maceio I1 sortc 8*350 por 15 kilos,
posto a horde a frete do 7|8 e 5 0|0,
bontem.
Algodiade Maeeio mediano 7*950 por 15 kilos,
posto a bordo a Crete de 7|8 e 5 0|0,
honlem.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 26 c 16 li8 d.
por 1*000
Cambio sobre Paris a 90 d|v. 364 rs. o franco.
Cambio sobre o R o de Janeiro a 15 djv. ao par.
Desconto de letras 11 0|0 ao anno,
0. de Vascoucellos
Presidente.
A. P. de Lemos
Seeretario.
.LFAVDEGA.
Reauiraentc do dis I a 17 .
cm do dia 18 .
536.985.'5J0
52:269i085
-^89:254*605
Descarregara hoje 20 de abril de 1874.
Vapor inglez Fire Queen (atracado) merca-
dorias para alfandega car vao dos sobre-
salentes ja despacbados para o eaes Jo
Apollo.
Barca ingleza Aureola (atracada) car vao ja
despachado para o cos do Apollo.
Palaeho inglez W. A. Meuey farinha ia des
pachada para o caes do Appllo.
Patacho inglez Gerda polvora para deposito ^no
Forte do Buraco.
com o qual durante quatro boras re
volveu as entranhas. Nao carecia nenbuma outra LtTERAgA0 na pauta dos prkqos k genibo*
SUSBITOS A^DIREITUS DB EXPORTAgAO, NA SBMAN/
prova para se eonvencer que a doente soffria de
hysteromania, mofestia em oue predomina o dose
jo de matar se o em quoos doentes fazera. todos os
esforcos para le/a-lo a effeito, illudindo a mais
perspica;-. vigilaneia que para isso se emprega.
Em qaanto na Normaadk se pr'esensiavam tao
tristes scenas no meio deuinia populaeao amo-
^rontada, a vista dos ct'clesiosticos quo" ou nada
eomprehaodiam cu se disyjiara -confo^pje seus tor-
_ pes irUeresses, e era presence de Jyizk'que acre-
ieu elle dos fanaticos amigos da religiao e do jlitavam serumerOe nos demonios, e taham raedo
.'omelhaatos. Quern tab? se nao estamos em detiee, fatiilidade cruel que serapre us juizes sejam
saberera as tuedjdas sanitarias quo- devem pOrem ao de vdsios sanlos myeterios n e diz a palai.a
pratica se a epidemia com effeito invadir-nos.
Esludaodo-so a historia da alienacio" causa ?ur
dominadi s pelos demopift^o^oA ciajoedicanao ficju Iiaeda T |iu sagaz e alievida,,
e alsou a sii'a e)oq_jente voa. VVsliuj iwe occupa-
va o cargo de cirurgiao d r'ainna mli, declara
que piftla tal b^sssassao do Jemonio, que ha so
menia uo;a jjiole^tia, fine 3 ne'gooio da scieneia e
ao ds-religia'j : Relrgiao f coma ite^em abuw-
o de V08604 saiitos myeterios fl e diz a palawa
.sada naquelle tempo sin lunatieos.-E-ti luta
obom stuso contrj a pafxiio iiao 'ftjlpede que o*' ~-
OE 20 A 25 DK ARRIL DR 1874.
Algodaoem rama ou la 478 rs. obilo.
Assucarmascavado 113 rs. o kilo.
Courosde boi sieccos saigados 551 rs. o kilo.
Carvio de pedra estrangeiro, tonelada metrics
20*000.
Caroco-de algodao 20 rs. o kilo.
Criaa animal em bruto 300/rs. o kilo,
Alfandfga de i'Mruimbuco, 18 de abcil de 1874.
0 1 coiifepenteJ. Rtbetroda i.imba.
I -0 1 conferonteFranciscj das Ghsgas Ga+vio.
Aaprevo. Aifandaga de PerasraUco, 18 de
flbrS'de 47i.
0 iosfieotor
.deCarttjJJieV-Rei*.-
D1-PACU03 DE BXPORrACAO NO DIA 17 0FT
ABRfL DE f874.
Para os portos do exterior.
No vapor iagiez Fire Qacn, para Liverpool.
Etcvistti costaiisercinl
Da sernana de 13 a 18 de abril rle 187 4.
0 cambio sobre Londres, 90 d|v 26 e 26 1/8 do
banco e 26 <|8 e26 l|4 particnlar.
Dito sobre Paris, 90 d|V a 364 rs. o franco.
Dito sobre Lisbon, e Porto, 90 d|v 103, por
cento.
Dito sobre o Rio de Janeiro, a 15 d[v ao par.
Descontos de lettras 11 0/rj ao anno.
Fretes de assucar para Montevideo 11 reales por
barrica.
Dito de dito para Buenos Ayres 12 reales por
barrica.
Genoros nacionaos
Aguardente, vendeu-se de 60*000 a 62*000 por
pipa.
Algodao, sorte, 7*800, 7*9CO, 8*050, 8*100
e 8*300 por 15 kilos.
Dito sem in>peccao 7il00 por 15 kilos.
Dito de Mamanguape 1" sorte 7*400 por U>
kilos.
Dito de Maceid, 1" sorte, 7*900 por 15 kilos
Dito de dito la sorte 8*350 por 15 kilos posto a
bordo, frete de 7p3 e 5 por cento por libra.
Dito dito mediano 7*950 por 15 kilos posto a
bordo, fiete de 7j8 e 5 por cento por libra.
Dito da Rio Grande do Norte, 7*800 por 15 kilos,
posto a bordo, frete de H]l6e5por ceDto por
libra.
Dito dc Aracaju sem iospeccao 7*203 por 15
kilos.
Entraram desde o dia 11 ate 18 do corrente
3,363 saccos.
.Assucar branco, 2J sorte, 3*9C0 c 3*950 por US
kilos.
Dito branco, 3a sorte, iiao do 3*700 a 3/750
por 15 kilos.
Dito branco de 3 sorte, boa, de 3*500 a 3*600.
por 15 kilos.
Dito branco de 3* sorte, regular, de 3*300 a
3*400 por 15 kilts.
Dito branco de sorte, de 3*0C0 a 3*C50 par
13 kilos.
Assucar somenos, 2*600 a 2*700 por 15 kilos.
Dito mascavado lino, 2*300 a 2*350 por 15
kilos.
Dito mascavado, bom, a 2*200 e 2*230 por lo
kilos.
Dito mascavado, regular, 2*100 a 2*150 poi 13
kilos.
. Dito mascavado purgado, 1*930 e 2*000 por 15
kilos.
Dito mascavado, americano, bom, 1*700 e U750
por 15 kilo*.
Dito mascavado, americano, baixo, 1*400 a
1*500 por IS kilos.
Dito mascavado, canal, 1*250 a 1*300 por 13
kilos.
Entraram desde o dia 11 ale 18 do corrente,
22,663 saccos.
Couros seccos S3lgados. GoUmos a 351 rs.
o kilo.
Ditos seccos espichados. Chegaram 40, nao
consta vendas.
Ditos verdes saigados. Sem vendas.
Cafe. Chegaram 90 saccos do Rio, e cotamos
a 10*000 por 15 kilos.
Carne secca do Rio Grande. Chegaram 99,340
kilos, cotames de 4*200 a 5^000 os 13 kilos, em
deposito cerca do 190,000 arrobas.
Farinha de mandioca. Chegaram da Bahia
2,800 saccos cotamos de 2*500 a 2*600 o at -
queire.
Fumo do Rio, em rolo Chegaram ICO rolos,
20 latas. 92 caixas e 33 volumes, cor.servando as
c,-.tacdes da nossa ultima revista.
Milho.-Chegaram 424 saccos, e cotamos a 6-1
rs. okilo.
(.eneros es'.rangeiros
Arrez da India Chegaram 175 saccos, e co-
tamos a 2*700 os 13 kilos.
Azeite doco. Chegaram 40 barris, e cotamos
a 2*100 o galao.
Banba de porco. Chegaram 600 barris e cota-
mos a 1*133 o kilo
Batatas. Chegaram 170 meias caixas,
cotaraoi a 5*300 a caixa.
BacaFhao. Sem chegada, cotamos de 12J&0&
a 14*500 a barrica, em deposito cerca de blW
barrica?.
Bolachinbas.Cbegaram 173tarricas, c &.la*nW
a 4*300 a barrica
Cha da India. Chegaram 64 caixas, e cotames
venlas do verde a 3*921 e 404G6 rs. o kilo.
Cimento. Chegaram 8' 0 barncas nominal.
CeBolas. Cnegaram 325 caixas, e cotamos' de-
7*000 a 8*000 a caixa.
Cerveja. Chegaram 100 caixas e 212 JJarri-
cas da ingleza, sem vendas.
Feijao. Sem chegada, e cotamos de 8*000 a
9*010 o saeco. s
Farello. Sem chegada, cotamos de 4,80 ?'
saceo.
Fogosda GJiJna.- Cbegaram 233 voloffies, e eo-
tamos a 6*f00 a caixa de AO cartas.
Farinha de trigo. Cbefaram l,t87 barricas da
ameriMna, e cotamos a 23*r>oo e 24*3t'0, -e'30*
a 32*500 a da Trieste ; deposito cerca
13,000 barrica?.
Genehra.-Chegsram S00 caixas da Ingbrn, ns
9
.1
krlos de algodAo,
Na barca mjleza Grecian, para Canal, car-
regou : Anforihi 'Jc Cirdoso 1,000 saccos com
75,000 kilos de assucar mascavado.
fiittnavio aorueguense Captlla.-, para o Ca-
nal, carreguu : S. Brothers & C 0,684 kilos de
assuoar ma-envado.
Na barca ingleza Aureola, para New York,
carregou: II. Forster- it C. 3,90 saccos com.
292,500 kilos de assocar mascavado.
Na brigue francez W. A. Meney, para New-
York, carregou : H. Porster dc C. 4,000 saccos
com 300,000 kilos de assucar mascavado.
No lugar francez Rio Grande, para o Havre,
carregou : E. A. Burle 4 C. 503 couros saigados
com 6,036 kflos.
No navio nacional S. Luiz, para o Rio da
Prata, carregou : M. L. Paes Barreto 400 barricas
com 43,630 kilos de assucar branco.
No brigue portuguez Bella Ftgutirense, para
Lisboa, carregou : E. R. Rabello 4 C. SO Wall1
chues do aniarello.
Na barca portugueza Victoria, para Lisboa,
carregou : A. Loyo 1,000 saccos com 73,000 kilos
de assucar mascavado.
Para a$ portos do inlertor.
Para o Rio Grande do Snl, no navio nacional
A lianca, carrefcon : M. L. Paes Barreto COS bar
ricas com 27,440 kilos de assucar branco.
Para o Rio Grande do Sul, no navio nacioaal
Amelia, carregou : M. L. Paes Barreto 200 sacc s
com 15,000 kilos do assucar branco.
Para o Rio de Janeiro, na barca portugueza
Feliz tVniuo, carregou : Amorim Irmaos & G,_800
saccos com 60,00'J kilos de assucar branco.
Para Mamanguape, na barcaca FIvr 1& .Ve-
na, carregou: J. J. de Carvalho t barrica ctn
60 kilos de assucar branco.
CAPATAZIA DA ALFANDEOA
aendimento do rtla l a 17. 11:675/044
d.n do dia 18 ..... 548*134-
:-,
R0t>S
197
202
362
46#
20 73
*




%
_J


---------*-

W
m
ssr- -
bhrki- dtff^flamofiea Senate feira>W^e:HriF^ie W74
/iXW caixas, e cotanjos
. .consta vend*
Kerozene.-Cief.i
:**$W&i*l'A-
- 'Chegararn 159 gigos, e cotaptos a 4D0
"fftaatrnMs' dt preinio uebre a faclara da ordi-
<**:
lfanleiga. Chegararn 37J>arrig e 69 eaixas da
infleza, e couraos a 2**89 a 2*396 o kilo.
Queijo?. Sem chegada', e cotamos a 2*400 e
Sjye!.. ratalho. t S i Jt S
iGneiaho.Cheghrain 275 barris, e colamos de
9*500 a 10*000 os 15 kilos.
Velas stearina*, iSsnMoogadas e cotamos a
500 rs. o ma$ov
Vinagre de Lisboa.- Chegararn 11 pipas e S3
barris, o cotamos de 123*000 a iS0i0,;0, ppr
nipa.
Vinho de Lisboa e Figueira. Chegaram 93
pipas e 317 barris do tinto. 100 barris do braoco,
e cotamos de 215*000 a 220*000, o de Lisboa, e
225*000 a 230*000 o da Figueira, por piua, e
240*000 a 250*000 a pipa do branco.
Rua do Barao da VicWia n. 55, Jo-


. r ----------------1
Aiavio enlrado no dia 18.
Rio Korraoso -8 horas, vapor brasileiro Cururipe'
de 222 luneladas, eoaimaudaute Santos, equipa-
gem 16, em iastro; a companhia pernambu-
eana.
Navios sahulos nomesmo dia.
^1'orlos do norte -Vator brasileiro Parana, com-
raanJaote QuadroS, carga varies,generos.
Aracaji'i -Brigue inglez Ljzzee & Kate, capitao
James Hill, em Iastro.
Eonm
0 procurador fiscal interino da thesouraria
provincial declara aos conlribuintes dos impostos
de vinte por % sobre esubeleeimentos a eargo do
cousulado provincial, quo Hies ficamarcado o prazo
improrogavel de 30 dia;, a conUr da publicarjao
deste, na conformidade da lei n. 891 arligo 53, para
solieiUrem da seccao do contencioso as respecuvas
guias para pagamento de seus debitos, certos de
que se nao o lizerem dentro do prazo marcada,
proceder-se ha a cobran.ajudicialinenle, publicanr
do se para isto a relacJo dos devedores abaixo
traoscripta.
Seccao do contencioso provincial de Pernambu-
co, 31 de marco de 1874.
0 procurador fiscal interino.
Miguel Jose de A Imeida Pernambueo.
Kelacao dos Uevcdores do ii.poslo de 20% que
deixaram de pagar seus debitos no auno liuau-
ceiro'do 1872 a 1873
Hua do Imperador n. 63, Francisco
Jose Goelho & <:., lota de balms 87*200
Prada de Pedro II n. 1, I'ranci co Jo-
se Horeira, dita 43*600
Rua Duqao de Caxias n. 62, Francis-
co Pereira de Mendonca, loja de fa
zeodas 130^800
Praca da ludependencia n 3'. Fran-
cisco Jose Goncalves tie Siqueira,
dita de chapeos 152*600
Rua Larga do Itosario n. 0, Francis-
co Nunes de Paula, dita de cha-
rutos 054400
Dita dita n. 1, Francisco Albino Sou-
za Pint3 4 C, taverna 65*400
Dita do Visconde de Inhaiima n. 22,
Francisco Joaquim F;rre ra Este-
ves, loja de louca 32*700
Dita dita n. 33, Francisco Joaquim
Correa Esteves, taverna 54*500
Dita da Madre de Dens n. 3, Fran-
cisco Antonio das Cha gas, botica 31*320
Dita da Palma n. 37, Francisco Joa-
quim I'imentel Pereira, taverna 52*32
Dita da Imperatriz n 12, Francisco
de Assis Castro e Silva, loja de
chapeos 130*800
Dita do Hospital Pedro II n. I, Flo-
rinda G. de Almeida Amaral, ta-
. verna 13J080
Dita do Visconde de Goyanna n. 12,
Francisco Xavier F Di:a da Imperatriz o. 20, Farias &
Lessa, loja de fazenda.- 109^000
Dita do Amorim n. 49, CuimarSes &
Alcoforad), deposito 98*734
Dita da Companhia Pern;.mbucana n.
30, Genuino Augusto da Silva Fra-
goso, armazem de algodao 32*700
I'ila do Imperador n 53, G. Rigasse,
dito de Pianos 196*200
l'i:a l. di>, Marco n. 7 A, Guimaraes
Pontes & C, loiade Ta^enla 152*600
Una dita u. 9, G. De Lailiiacar, dita
de livros 414*200
DitaDuquedo Caxias n. 83 A, Goes
ii Bastos, dita do fazeeda 87*200
Largo do Paraizo n. li, Gjmes Au-
u'\no de Miranda, taverna 87*200
Rua de Pedro Aflonso n. 32, Guima-
iv Azevedo, armazem de
earne 7**300
Prara da Santa Cruz n. 4, Gomes
S >uza Brtlo, taverna 5
Hua de Joao Fernandes Vieira n. 24,
dito, dita 126*440
Dita de 6. Gonc,ilo n. 27, Guimaraes
i Borges, dita 43*600
Dita do Visconde de G ivinna a. 97,
Gofiealves & Primo, dita 36*024
li;a de Bvmfica n. 27, Gjmes & if-
raio, dila j>
Dita dita n. 27 A, dito, hotel 64*323
Dita do li ;m Jesus n 68, II. Leger,
armazem de fazenda 103*000
Dita de Doiningos Jose Martins a.
133 A, 11,-rculano de Hollanda Ca-
valcanie, dito ue couros 63*400
Dita do Barao Ja Victoria n. 16, Her-
minio Fcroandes Alves Lima & C.
hjadechapoos 130*800
Arco da Gonceicao n. 4, Xgnacio Pe-
dro das Mesas, dila de roupa 31*392
Rua do Bam Jesus n. 2 A, Isidoro
Bastoa & C., deposito 65*400
Dita de Pedro Affonso n. 61, Ignacio
de frertas Ribeiro, armazem de
carne 87*200
Pra;a do Conde d'Eu n. 21, Ignacio
da Silva Pessoa, loja de charutos 78*480
Rua do Bom Jesus n. 44, Joao dos
SaakW Cuelno, dita de mobilia i09*000
Largo do Corpo Sapto n i'3, Joaquim
Lopes Machado & C, dita de uiiu-
dezas 130*800
Rua do Torres n. 8, J. 0 C. Doyli,
deposito 87*200
Dita do Vigario Thenorio n. II, Jose
Maria Pestana, armazem de mo-
bilia 87*200
Dita dita n. 33, Joao Alexandre Viei-
ra, taverna 87*200
Dita do Amorim n. 20, Jose Ferreira
Pinto de" Magalhaes, armazem dc
reeolher *
Dita dita n. 56, dito, dito de gene-
ros 130*800,
Dita dita n. 1, Jesuino Cavalcan'.c de
Albuquerque Mello, dito de reco-
liier 130f800
Dita da Moeda n. 21, Jose Gabriel
Carneiro da Cunha, dito de al-
godao 70*300
Dita da CompanhiaPernambucana n.
22, Jose Goncalves Riguff, taverna 52*320
l-irgo da Asemb!6a d. 4, Jose Fran-
e,-oo do Rego Mello, armazem de
algodao 87*208
Dito dito n. 9, Jose Luiz Guaiaco, dito
dito 19,5*208
Rua de Domingos Jose Martins fl.
liS, Joao Roberto Augusto da
Silva, dito de generos 2d* 160
Dita de Maria Cesar n. U\, Joao Jose
Meades, deposito 26*100
Dita do Caes do Apollo n.. 69, Jose
Duarte das Neves, armazem dala-
rinba 327j5OO0
Dita do Imperadw n. 26, lose Gotuts
de Preitas, dito de molhad,os 63J40Q
Dita dita,n. 47, Joaqwm d,i Costa Ra- s
mqe, dito de mobilia 430^800;
Dita diu a. 05, Jose Ferjjandes de
Antorim, dito de bahus *
Caes ,il de Novembro C, dito, dito
de,l*azenda 104*6OQ
. Prac. daPedro U n. 6, Joiio Baptista
Mcpteu-o, laoenu >*0(
Rua Pqgae de Caiias n. :4, Joao da
Slja Guimaiaes, casa de drogas
1 P?*D- 41 A ^^ Mat11 deSou-
za J& C., taverna AStifft
rravrtsaadas Cruaes n. 8, Jose do
Rego Pachecp,4ita fl544O0i
Pra yiida iaanpandauftii e. %i, Jose
se Goni
Dita dita
ta Leite, loja
Dita dite
DioTSteha'do'Roiafia n.
Jbaqurm da Cos* Ma^, ta;
Dita 3e Paulino Camara n. 3,
Miguel BaiboM Ramos, dita
Dita Viscoado de Inhadma n. 5, Joao
Martins de A>jionmvtiverna
Dita dtM n. 19, Joaquim l.'mbelino B.
Monte-Negro, loja de miudwas
Traveata drArsenal n. 15, Joio 3ap-
tisti Pinneiro, armazem de carne
Teraeira travessa do Pires n. 2 A, Jo-
se Martiniano da Silva, djto de al-
godao
Rua de Pedro Affonso n. 44, Julio
Cesar Alencar Brasil, dito de car-
ne
Diu diUjO,,56, Jotf RodrigttesGfl
me?, dito
Dita dita n. 6i, Jose Marques Dias,
dito
Dila dita n. 68, Joao Paulo Botelho A;
G, dito
Dita dita n. 70, JoSq Domingues Al-
ves Horeira, dito
Dita dita n. 72, Joaquim Ribeiro da
Gama, rlito
Dita de Marcilio Dias n. 27, Jose Ma-
ria HQdrjgues. loja, de Plandre*
Dila dita n, 4-i, Jcao H. da Squ,
djla de furraaens
Dita dRa tt 83, Jos* Bandoux, dita
de chapeos
Drta.dita.n.ftl, Jose Maflinfiagilva
Borgi's, ta/verna
Largo de S. fedro n. I Joaquim de
Ba:o VaScnncellos, dita
Rua de Lomas Valentinas p. 78, Joao
Dias de Oliveira Santos, dita
Dita de Santa Ttiereza n. 30, Joao
Marlins dos Santos, dita
Dita do Marqucz do Herval n. 31,
Joaquim Pinto da Rocha, armazem
de mindezas
Dita Catleia Nova n. 7, Joaquim Fer-
reira Gusmao, taverna
Dita Vidal deNegreiros n. 2i, Joaquim
Ribeiro de Albuquerque, loja d3
charutos
Dita 0. 'Mi, Joao Baptista de Atliayde.
diu
Dita dita n. 52, Joaquim Feljnpe da
Veiga, depo.-ilo
Travessa do Prau n. 7, Jsse Patricio
Sigueira Varejio, loja de charutos
Dita dos Pescadores n. 1, Jose Gon-
g alvse Hespanhol, padaria
Diramperial u. 122,. Jose Adriauo
de Mello Dutra, tarerna
Dita dita n. 182, Jose Emigdio Fer-
reira Lima, padaria
Orurdita n. Ii3, Joao M. da Silva Vil-
lela, taverna
Dita dita n. 13!, Joao Cardoio Ra-
bello. dita
Dita dita n. 24, Jose Emijdio Fer-
reira Lima, deposito
Cbangan. 12, Jo^e Franasco de
Si iiza Lima, talgadeira
Rua da Imperatriz u. 32, Joao Fran-
ci-co Paredes Porto, loja de fa-
zendas
Dita dita n 80, Joaqnim FerreiraLobo,
taverna
Dita dita n. 86, Jose Bernardo da
Motta, loja de miudezas
Dita dita n. 17, Joaquim Victor Guo-
ve, dita
Di'.a dita n. 43, Jo-e de Barros Si-
mGes, dita de calcado
Dita dita n. 39, Jose da Ganceicio
Oliveira Figueiredo, dila de joias
Praija do Conde d'Eu u. 4, Jose Alves
Lima, taverna
Dila diia n. 8, 0 mesmo, dita
Dila dita n. 22. Joaquim Ignacio Ri-
beiro Junior, botica
Dita dila n. 32, Jose Narctso da Sil-
va A C, taverna
Dita da Visconde de Pelotas n. 3, Jo-
si Maria Gomes da Silva, refinacao
Dita do Visconde de Albuquerque
n. 54, Jose Carpinteiro da Silva, ta-
verna
Dita da Ponte Velha n. 87, Jacintho
Ferreira da Siva, dita
Praoa da Santa Cruz n. 12, Joao Mar-
ques Peneira dita
Dita dita n. 16. Joaquim Luiz Ferrei-
ra Leal, diia
Dita deGermio Pires n. 31, Joa-
quim Alves Nunes, dita
Dita do Camararj n. 13, Jose Maria
Cordeiro Li:na, padaria
Dita do Lima n. 18, Joao Autonio F.
Velloso, dita
Dita do Socdgo n. 33, Joao Dias Mar-
tins, taverna
Dita das Pernambiieanas n. 24, Joa-
quim Jose Dias Pereira, dita
Diu dita n. 38, Joaquim Martins de
Oliveira, dita
Dita de S. Miguel n. 148, Jose-Mari-
nuo de Holhnla FalcSo, dita
Dita ditan. 71 A, Jovino de Carva-
llio Cavslcante, dita
Dita do Quiabo n. 18 A, Joaquim
Domingues Tavares, dita
Dita nova de Santa Rita n II, Joao
de Brito Correia. armazem do ma-
deira
Dita drta n. 17, lose* ferreira Goe-
lho, dito
Dila dita n. 39, Jose Ignacio d'Avil-
la, dito
Dita da Companhia Pernambucaoa n.
12, Joaquim Dias dos Santos, di-
to de algodao
Dita Duque de Caxias n. 113, Jos6
Antonio da Costa e Sa, loja de fa-
zenda
Dita Marquez de OlinJa n. 1, Lemos
& Guerinau, armazem de fazenda
Dita do Coramercio na. 13-15, Luiz
Vernet, hotel
Diu Duque de Caxias n. 32, Luiz
Freitas Victoria, deposito
Dita dita n. 31, Luiz Jose da Silva,
loja de mobilias
Dita do Visconle de Inhauma n. 77,
Laurindo Graciaco da Silva, taver-
na
Dita de Pedro Affonso n. 66, Luiz
Moreira Reis, armazem de carne
Dila dita n. 76, Lourenco Ribeiro da
Cunlia Oliveira, dito
Dita dita n. 7, Ladislao Tolertino da
Costa Albuquerque, dito
Dita dita n. 2 > A, Luiz Rodrigues de
Oliveiri A C, dito
Dita de Marcilio Bias n. 69, Luiz
Eloy de Almeida Durao, deposito
Dita do Coronel Suassuna n. 2, Luiz
Antonio dos Santos Pereira, Uver-
na
Dita do Marquez do Herval n. 94, Lo-
pes & Oliveira, dita
Diu da Imperatriz n. 72, Lourenco
Pereira Mendes Guimaraes, loja
de fazenda
Dita de Riachueio n. 67, Lucas Anto-
nio EvangelisU, taverna
Diu do Barao da Victoria n. 67 A,
Luiz Nueira, relojoeiro
Dita Nova da Praia n. 30, MarceJino
& Silvano, armazem de algodao
Diu do Bom Jesus h. 13, Miguel Fer-
reira Pinto, "eomreiUria
Diu diu n. 41, Maximo Jose de An-
drade, loja de calcado
Dita do Commercio n. 20, Manoel
Marques de Abreu Porto, taverna
Dita" do Vigario Thenorio d. 2X), Ma- .
noel da Silva Farias, armazem de
drogas
Diu do Amorim n. 43, Man:el Jose
Tinoco de Souza, dito de generos
Dita da Moeda n. 13, Manoel Ferrei-
ra Ponies, dito de reeolher
Dita data n. 15, 0 mesmo
Dita dita n. 35, Moreira Monteiro &
C, dito de geriiros
Dita da Madre de Deus n. 4, 0 mes-
mo, dito de recolber
Dita dita n. 8, Monteiro Rocha k C,
dito de generos
Dita do imperador n. 24, Marquee
& C, conteitaria
Caes Side NoYembro n. 36, 0 mea-
mo, dita
78*Qlf ufiida Lima,-.loja dVbahulT '
' Rua d-\t*dre d,v flona n l A
63*4f)0
109*000
'82*700
65*4C0
32*780
*69*000
104*640
43*600
,43*6Q0
65*40J
32*700
65*400
65*400


ui'iiMiWre d^peus
mesmo, loja iWfetraVtttt
Dita Primeiro rJoTJargop. 14,Mon-
teiro Hpttaa'
Dila l)uV*Jrt
da Co.-ta Azevedo Napoleio, dita
.ftaca da Indenehrtendia n. 38, Mal-
tps Lima 4 C, dita do miudezas
Rft'a do Cabnga n. 12, Mauhnq Jos6
dos Santos Ribeiro, dita de joias
Wla dita a. 18, Manoel Jose Ferreira
da Cruz, taverna'
Diu do Barao da Victoria n. 48, Mon-
teiro Sampaio 4 C, loja de uzen-
das
Diu diu n. 23, Manoel &C, dita de
Dita EJnaiU^o losario n. 2, Manoel
Dita do LivramUnto o.- 10, Manoel
Francisco Carneiro" C, loja de
iawpdasr
D4 #)U a. 27, Mif ael Arc*Mj Pra-
ierpo,|M4 de selins
Dila ffa notia n. 4, Manoel Antonio
Pinheiro, dfoide charntoa
ta d/U h, iValanoel Cifiluno de
>lDi?ftaiT
& C, dita
Dita dita n. 71,
Silva, loja de,
Dita do Coronel
uoeJ Maslins Gomes, dita ,do joias
in
lawsofj
13058P04
109*000
174*400
87*200
109*000
43*600
32*70p
,.,(B*iO0
63*iOO
52*320
le Deus n. 4, Martins
UaMaoMl Venaatjo da
el suassuna n. 13, Ma-
Dita do Marquez do Herval n. 7, Ma-
u.>el Ramos, taverna
Diu da Vidal Ac Negreiros n. 59, Ma-
noel dos SaAtos Ajaujo MeUo, lqja,
de charutos
Dia ditan. 141, Marcolino Martini
da Luz, taverna
' DiU dite.a-15,7,.Marques & Irio,
) Diia Imperial n.'6, Manoel Joa/jujm
Ferreira Esteves, armazem de cou-
ros .
36*624 Travessa do Gusmao n. 1, o mesmo.
salgadeira .
54*300 Rua Imperial n. 100, Manoel Anto-
nio Francisco, taverna
43*600 Diu diu n. 103, Manoel de Paula
Corral, diu
41*850 Cabaaga n. 72, Manoel de Paula de
Albuquerque saigadeira
109*009 Rua da Imperatriz a. 92, Martins &
Irmio, taverna
U5*O0 Dila ditan. 40,. Mendes 4 Carvallio,
loja de fazendas
43*600 Dila diu n. 5o A, Manoel Alves de
Carvallio, dita de joias
32*700 Dita ditan. 78,.Manoel Joaquim Dias,
dita de miudezas
92*320 Dita data n. 63, Maaoel Alves cede, |oja de miudezas
63*400 Dita d>U u- 63 A, Manoel Dias 1".
Junior, loja.de cbarnUs
63*4 0 Eraca do God diEu a. 32 A, Ma-
Doel.dn C PcJiecp, hotel
Rua do Vjscoude do Pelotas n. 6, Mi-
109*000 guei Autpnio Goelho A-meida, U-
ne/na
M9S000 Poj*i Velha n. 63, Mwti.niio Jose
Saat'Auna, taverna
785480 Di^au. 77j MaHoel G. Ferrei'a,' ta-
aexaa
109*000 Praqa da Santa Cruz nr % Maria
Flarencia Sonza Pinto, taverna
63*400 Rua do Coade daRuaVista n. 79, Ma-
noel'Ferreira Coelbo, teyeroa
32*320 Bua do Sdcego n. 31, Manoel Luiz
de Carvalho, taverna
* Rua de Pamndu n. 12, Manoel Go-
130*800 ines Maffins, taverna
Rua ,da UaTan. 6, Machado & Aimei-
109*000 da, taverna
Qua Direita n. 50, Manoel Goncalves
174*400 fliJ)eiro, taverna
Rua de S. Miguel n. 130, Martiniano
78*480 da Cruz Mello, uverna
Dila dita n 23, M ui -1 Jose Soares,
taverna
87*2 00 Rua Nova de Santa Rita n. 1, Maria
Eugenia Alves da Cruz, deposito
39*240 Bua pireila u. 9, Matra 4 Barfos,
hotel
52*320 Rua Larga do P.osaiio n. 37 A, Ma-
noel Garrido, hotel
32*320 l. Travessa'S. Joao Barros n. 2, Ni-
colao Tolentino do Sacramento, ta-
57*152 verna
Rua do Bispo Sardinha n. 11, Olivei-
39*240 ra & Miranda, taverna
Rua do Barao da Victoria n. 24, Oli-
633400 veira Carvalho & C, loja de Flan-
dres
52*320 Dita dita n. 23, Pedro Maurel & C,
botica
523320 3.* Travessa da Praia n. 2 G, Paula &
Irmao, armazem de algodao
78*'i80 Rua de Pedro Affonso n. 2 C, Idem,
idem idem
13*080 Rua da Imperatriz n. 48, Paulo Fer-
nandes do Mello Guimaraes, loja de
18*312 fazendas
Rua do Coronel Lamenha n. 18, Pe-
13*080 reira & Irmao, taverna
Rua Nova de Santa Rita n. 13, Paulo
Jose Gomes 4 Costa, armazem de
32*700 madeiras
Rua do Commeicio n. 48, Roberto
65*400 Wartlon 4 C, armazem de fazen Jas
Rua d} Vigario Thenorio n. 10, R)sa
174*400 Adorn, armazem de miudezas
Rua 1 de Marco n. li A, Ricardo &
C, loja dc miudezas
261*600 Rua do Barao da Victoria n. 48 A.
Rocha Pinto & C, hotel
Diu dita n. 37, Rodrigues Ferreira
43/600 & C, loja de ferragens
Largo do Carmo n. 9, Ribeiro & Ir-
152*600 mao, taverna
Rua da Madre de Deus n. 13, Rodri-
348*800 gues & Nascimento, loja de cha-
peos
52*320 Rua Imperial n. Ii6, Ricardo Morei-
ra & C, taverna
43*600 Rua do Visconde de Albuquerque n.
20, Raymond Rua de Santa Rita n. 3, Rodrigues
39*240 da Silva & C, taverna
Rua do Marquez deOlinda n. 56, Sil-
34*500 va 4 Alves, loja de ferragens
Rua do Amorim n. 33, Sana Schefre
54*500 4 C, armazem de generos
Rua de Domingos Jose Martins n.
87*200 8i, Souza & Romao, padaria
Dita diu a. 140, Silva Ahos & C,
43*200 deposito
Rua Larga do Rosario n. 31, Santos .
104*640 & Araujo, taverna
Rua do Livramento n. 30, Silvino 4
Irmao, loja de fazendas
65*400 Rua do Visconde de Inhauma n. 26,
Sonza Gomes 4 C, loja de miudo-
52*320 zas
Diu diu n. 23, Santos & Sobrinho,
taverna
109*000 Rua da Madre de Deus n. Oi, Sarai-
va & Machado, loja de sellim
26*160 Dita dita n. 72, Sebastiao Jo r zerra Cavalcante, taverna
43*600 Dila diu n. 118, Saraiva & C, botica
Raa Imperial a. 148, Severino Tava-
87*200 res de Oliveira, taverna
Rua do Barao de S. Borja n. 23, Sil-
109*000 vino Juvencio, loja de Flandres
Rua Direita n. I, Sebastiao Pereira
32*700 Pinto, hotel
Caes d'Alfandegan. I, Tasso 4 Irmao.
87*200 armazem de reeolher '
Rua do Amorim n. 37, Idem idem
idem de generos
130*800 Caes do Apollo n. 45, Mem idem
idem de recolber
101*640 Dito n. 47, Idem idem idem idem
Rua de Joao do IIego n. 3, Teixeira
* 6i Irmao, padaria
130*800 Rua da Imperatriz n. 8, Thomaz Tei-
xeira Bastos, loja de miudezas
* Rua do Cabuga n. 4, Valentim do
Valle Lobo, loja de fazendas
270*320 Rua do Barao da Victoria n. 29, Vi-
cenu Ferreira de.Souza Reis, loja
65*400 de Flandres
Rua Larga do Rosario n. 35, Virlato
*- Centeio Lopes, deposito
Dita diu n. 37, Idem idem idem, ta-
117*720 verna
130*800
132*60)
130*800
43*69^
492i0
11*92,
87*20|)
]lo Quiabo'h: 25, Ticente J*-
;de.aafa-vainezeT; uverda
de Inhauma n. JO,
e## Tav,4rea,,Ha de
Beccc*
res
Roa Nori""de Sa'ou Rita a. 31, Vicen-
fe Alves Machado, armazem de
madeiras
Dita dita n. 33, Idem idem idem idem
Secc.iodocontc'
co, 31 de marco
Seccao do contarwfeid t^ofjncul de Pernambu-
0 /. ofOcial,
Horacio Walfrido Peregvijio da Silca
0 desemWgador Francisco d'ASsis Olivei-
ra Maciel, ofDcial i) imperxri oriJem da
Rosa, cavalbeiro da de Cbristo, e j^iz
privatiro de orphlos e ausentes da cida-
fle do Recife do Pcrrjambuco e seu ter-
mo, por S. M. I., a quem Daus guar-
de, etc.
Faco saber aos que este virera o delle u'verem
conhecimento, que a requerimento do bachanoi
Augusto Carlos Vaz de Oliveira, curador do men-
/*4^J -tecapto, cidadio he-waihol, D. Jarciso Francisco
de Vidal, vai ser'veflfla ^pm fasta publica, par
umasd ^rac4,|4la| Mifcralesto juizo, o e-
geuho moente e ffotrenTe aenorainado S. Matheug,
com todos os seus edidcios, casas, cercados, 1q-
gradouros, terras, macmnas, aeuas cotrcntes, yjo
a fregne'zi de Gamelleira, do'termo "jie Sert-
ohieni, comarea do-Hip Pormoso.' RmiU-se ajo
norte-eom terras S. Vicente c.Amaragi d'^gua,
ao sul com terras Bom Suecessp ,e Gamelleira, ao
??We.q*in,9)engyA(os.Y^p9i) e S. Roa Ven-
tura o ao poente coin terras de Duas Rarras, por
16:0'JO*000; pertencsute-ao ospolio daqnelle men-
,.,,QQyl lecapto.
B para ctm.tar, mandei passar o presente, qiw
sera afflxidonos IngarWdo oislotne.
Dadoe pasfaJosob mou signal e sello on vallia
sam Beliolex-causa nosuidade do Reeife do Per-
naaibueo ans 31 de maren do 1874.
Eu Flinanu Grr6a do" Brfto, escrivao, o Pre es-
crever e sunscrevi.
Franato de A*sis Oliveira Maciel.
Ao se4lo.300rei!, valha *8em seWo exJcanja. Es-
tai'a stllada com uma estampilha de &"0 reis. inn
tdisada pelo eserivno do feitj.ua forma do es-
tylo.
Kada mais se eontinha no dito traslado, extrahi-
dodos pnapriog antos, aos quaes ins reporto. Fig
csorever e aesignei.
Recil--, 31 de marco de 1874.
Flonano Corret de Brito.
0'desembargadoi1 F;ap.cisc,o do Assis Oliveira Ma-
,'cfej, (fllcisf da ipiperial ordem da Rosa, cara-
ta approradnH^ i*4'iiAsWBnte da p*
nnpia.no valor (Je 9:370*. !
W*7W to-9.' O arrQm'au'nte dart pnncipio a obra no ra
'8e nnt mez e a concToIra no de 1,2 mezes.
13*080 3." 0 pagamento sera effectuado am '3 presja
.ides iguaes a propor^ao da Ubella execulada.
4.' Para tnrj} d mais que nao se achar esp;cili -
* eado sera regulado pelo que dispSe o regulamento
154*000 de 3l de juiho de 1868r-0 engentieiro ehefe, Jo-
si Tiburcio Pereira da Magalhaes.
Victoriano Jose H. Pal hares.
wfl
fidital com prazo de 30 di&
n. 152
Pela inspeetcria da alfandega de Pernambueo
se faz pnblico que achando-se as raercadorias
conlidas nos volumes abaixo men-ionados no easo
de sereni arremaladas para consume, nos termos
do cap, 6* do tit. 3 do rfegularaento de 19 de
setembib de I860, os seas donos ou cansignatarks
deveraa despacaa las ao praio de 80 dias, sqb
pena de, finoo efle, sereni vendidas ppT Sua conte,
em que Hies fiqoe competindo allegar contra os
ffeitos desta venda.
Portal era do Bunco
Marca diamante J. 400 barris de quarto, com
polvora, vindos de Londres na escuna ingleza
PuMm'iWX, a AmMtiagitUi am 18 cU satembro
de 1873.
Marca II II.-300 ditos idem idem idem.
Marca dta.nante Moraes.200 ditos, idem idem
idem.
Alfandega de Pernaiibnca, 18 de abril dc 1874.
0 inspector,
Fabio A. de Carvalho Reis.
,43*60))
452*800
73i8ir
MVtW
63*400
76*300
*9l2p
.11*392
5*82(i
87*200
24*80(1
32*7 0
130*809
87*200
6fi*40('
26*160
91*360
65*100
41*836
31*392
31*392
52*320
15*696
13*080
10*564
05*40-.'
32*700
327*000
13*080
87*J00
152*600
327*000
*
183*120
87*299
31*392
109*000
171*400
*
65*409
130*800
87*200
63*400
Hieiro da de Chris'to e joiz privativo de orphaps
e ausentes 4a cid^dadrj ttoeife a aeu-termo, pof
S. M. b ImperaJor, que'Deus g'uirde, etc.
Faco saber ans que este virem e aelle tiverem cor
nhficimento, qu^ em virtnde de carU preeatoria
awda do-)Uro d*orphao.; do tmao -Imperial dp
Papary, vai s ;r vendjd-i em hasta publica por uma
* -praea, fiada a prkneira deste juizo, o sitio abaixo
mencionado, p^iencerile ao-^asai do linado Igna-
cio de Albuqaejyw Ma/ahj2 fan sitio em San-
to Arnaro ua^Sl/kias, 6ejBVV|4 Buja-Vistn, ledo
murado, com Mp&H> fta frf nte para a e.-trada
do Olinda, outro de ferro em que deita para o pa-
leo da igreja, com alguns arvoradua inclusive 2
pes do coiueiVos, 4 quartos para cr-iado; e.2- vivei-
ros, sitio cm,que assents uma caa devivenda com
sotea, tres porlas dc frente 1o Jado do Olinda, du^s
portas e uma jiinella em cada oitao, 8 me ros e 40
174*iO0 centimetros de vao e 23 metros e 30 cerrtimetros
dt fun Jo ; duas salas, cinco quarto qosinha ex-
terna. A sotea com Ires jinella* de peiP.ril na
frente, o o mais por aeabar, carecendo de scrios
reparos : dez centos dc reis.
E para eonstar, mandei passar o present", que
sera alflxado nos lugares do costume e publicado
pel- imprensa.
Dado e pas-ado sob men signal o sello, ou vai ha
sem sello ex causa, nesta cidade do'Recife de Per-
narotmco, aos 31 de mar.-o de .874.
Eu, Floriano Correia de Brito, escrivao, o liz es-
crever e subserevo.
Francisco de Assis Olive ra Maciel.
mimm
s.
frA^TA CASA DA MISERICORDL4. DO
RECIFE.
Venda lie predios
A Illma. funta administrativa de-^u Santa Casa,
Jevidamente autorisada pela presidencia, na sala
de suas sessoes, peias 3 Was da urde do dia 26
do correnta, veaJe oa permuta pibr apolices da
divida publica os seguizites predios. periencentes
ao legado de Joaquin da Silva Lopes, de que e
administradora': Forte do Ma'tos, metade d) so-
naiqyde 3 andares q. 17, por 5:500* ; becco do
brado' 3' 4arte do sobrado n. 1. por 2:666*666
rua da Guia, sobrado ds dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*f sobrado da am andarn. 30, por 2:000*,
dito raeia-agua por 500* ; rua dos Guararapes,
casa terrea n. 83, por 1:100* ; rua djs Acouguif
ahos, coaa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Cam
pina, dita n. 3, por 40Q* ; rua da Soledade, diu.
n. 72, por 700* ; becco do Teixeira, diu n. 5.
por 259* ; largo das Cinco Ponlas, terreno, por
1:000*000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fejiereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza
0 Dr. Luiz Ferreira Maciel Piiilauin), juiz
suMituto do juizo especial do coramer-
cio, n'esl.i cidade do K"cifu de Pernam-
bueo, por S. M. [..etc., etc.
Faco saber aos que o presents edital virem e
delle noticia tiverem, que no dia 30 de abril do
corrente anno so ha de arremalar por venda a
quem mais der em praca publica deste juizo,
dopois da respectiva audiencia, o seguinte : J?\
23 ;-li

2 espelhos grandes de moldura dourada a 13*
cada um.
1 duzia de coques redoados por 4*.
12 chapeosde diversas qualidades,para senhora,
a 3*000.
12 chapeos de feltro de diversas cores, para
bomem, a 2*.
8 cortes de vestidos de cambraia a 6*000 ca-
da um. Penhorados por execucao de RoJrigae3
Irmao & Guimaraes, contra Ladislao Rodolpho de
Arau o Osar.
E nao haven Jo langador que cubra o prejo da
avalrjcao, a trremalacao sera feita pelo preco da
adjudicacao, na forma da lei.
Cidade dj Recife, 18 de abril do 187 4.
Eu, Manoel .Maria Rodrigue do Nasci-
mento, escrivao o subscrev.
Luiz Ferreira Maciel Pinheiro.
Edital n. 153
Pela iosnectoria da alfandega se faz publico,
que acli*ndo-se as mescadorias contidas nos volu-
mes, abaixo mencionados, no caso de serem ar
reraatadas para consnmo, nos termos do capitulo
6." titulo 3 do regulamento de 19 de setenbro
de I860, os seus donos ou consignatarios deve-
rao despacha las dentro d) prazo de 30 dias, sob
pena de, liudo elle, serein vendi Jas por sua con-
ta, sem quo Ines iique competindo allegar con-
tra os elfeitos desta venda.
Armazem n. 7.
Marca V S, sem numero. 130 grelhas de ferro,
vindas de Liverpool na barca ingleza Hermione,
descarregada em 31 de Janeiro de 1873 e consig-
nadas a Von Sohston & C.
Marca C G & C, ns. 22 a 24 e 26. 4 eaixai
65*400
18*312
78*480
52*320
152*600
26/160
87*200
63*400
60*168
109*000
65*400
109*000
52*320
65*400
15*696
26*160
32*700
32*700
idem no navio inglez Coita, descarregadas em 5 de
fevereiro de 1873 e consiguadas a Carvallio Gui-
maraes & C.
Marca S N, sem numero. 1 dita vinda do Porto
no briguj portuguez, Triumph*, desearregada era
24 de idem, a ordem.
Marci M & I, n. 29. 1 barrica vinda no navio
inglez Neibouys, descarregada em 3 de marco de
1873 e consignada a ordem.
Marca C G & C n. 56. 1 caixa vinda no -navio
allemao Alfredo, idem cm 5 idem, a Carvalho Gui-
Lura*j .& C.
Marca RP&C. n. 23. 1 dita idem idem, a Ra-
mos Peixoto 4 C.
Marca C G 4 C. n. 62, 63, 70, 64, 58 54, 6 di-
tas. idem, idem idem, a Carvalho Guimaraes 4 C.
M S F & C. n. 72, 73 e 74. 3 diUs idem idem,
a M. da Silva Faria3 & C.
Marca C G 4 C. ns. 48/50 66/70. 8 diUs vindas
no navio .-allemao Kliia, descarregadas em 2 de
raaio de 1873 e cousignadas a Carvalho Guima-
r5^s 4 C.
Sem marca n. 56/60 5 caixas vindas no navio
allemao Therbeque, descarregadas em B de maio
de 1873 e consiguadas a Carvalho Guimaraes 4 C.
Sem marca e sem numero. 15 caixas vindas no
navio sueco Esmeralda, descarregadas em 27 de
maio de 1873, ignora-se a consignacao.
Alfa^rJ ga do Pernambueo, 18 de abril
de tflf.'
0 inspector,
Fabio A. de Carv/ilho Reis.
0 111m. 8r. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que em enmprimento da
jrdem do Exm. Sr. presidente da provmcia de 7
de Janeiro corrente, perante a junta desta thesou-
raria se ha de arreraatar no dia 23 de abril pro-
ximo viudouro, a obra da ponte denominada Pao
Sangue sobre o rio Serinhaem. orcada em 9:870*,
nagos em apolices da divida provincial a juro de
7 nor cento ao par.
* As pessoas que se propozerem a esu arremata-
941*978 cto eoiapareoam na sala das sessoes da mesma
tbesoarari* no dia indicado acima, pelo meio dia,
109*000 cumpeleutemente habiliudas.
E para eonstar se mandou publicar o presente
87*200 delo uiafio de Pernambueo.
Secretaria da thesouraria provincial, 20 deja^
87^200 Deiro de 1874.
Victoriano Jose M. Palhares,
Official maipr interim*.
109*000 Clausulas especiaes pata a arreraataclo da ponte
denominada P4d Sangue sobre o rio Serl-
* nhaera.
I.' A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
I8928CS' cutada de conformidade com o orcamento plan-
r 0 fdruiiiLstrador da receoedona de
retiiaj M)tet)raigrae|avisa ao8 eoatiilAiin-
tes do imposto sobre industrias e profissoes,
que e neste mez de abril que torn de er
pago, sem mulla, o 2. semestre do exerei-
cio de 187374, depois do que sera* pago
oia-a multa de 6 %
Recebedoria de Pernambueo, 7 de abril
de 1874.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda
Pela thesouraria de fazenda se declara que o
prazo inarcado para o recolhinento das notas de
2$ eSO* da qnarta estampa, setu desconto, finda-
se, pira as -arimeiras em 31 do maio, e para as
segundas em 30 de junho viudouro, sendo que
dalii em diante serao tro^adas com o desconto
mensal de 100,0 ate fiearem sem valor.
Secretaria da thesouraria de fazenda, 11 de
abril de 1874.
0 2" escripturario, servindo de secretario
Carlos J ja-i de Souza Correia.
COMPAxNfllA PERNAMBUCANA
DE
^ave^acio costciru a vapor.
De conformidade coin o arligo 20 dos estatutos
desta companhia sao novamente conveca4os os
Srs. accionistas a reuuirem-se era assemblea geral
no gabraJo da gerencia no dia 18 do corrente, ao
meio dia, afin de proceder-se a leitura dorelato-
rio e as eloicoes da nova direcloria e coramissao
de contas, tudo o qrj.3", a falta de numero legal nao
pode ler lugar na reuniao havida a 11 de marc.)
proximo passado.
Recife, 6 de abril de 1874.
Thomas M. Connan,
Gerente interino.
SANTA CASA DA MISE1UCORMA DO
RECLFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa d
tfisericordia do Recife, manda fazer publico que
la sala de suas sessoes, no dia 9 de abril pe-
las 3 horas da tarde, tem, de ser arrematadas a
niera mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
tres annos, as rendas dos predio3 em seguida
leciarados.
ESTABELECIMENTO DE CAR1DADE.
Travessa de S. Jos6.
Casalerrean.il.......201*000
Rua de Santa Rita.
Idem n. 32........250*000
Idemn 34.......240*000
Padre Floriano.
Idem n. 49........207*000
Ciuco Pontas.
Casa terrea n. 114......362IT300
Rua da Alegria.
Idem n. 31...... 371*000
Ponte Velha.
Idem n. 31.........156*000
Rua de Antonio Henri jues.
idem n. 26........99*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechado).....1:000*090
|Rua do Pilar.
Caia terrea n. 100......241*000
Rua do Amorim.
Idem n. 34........122*000
Rua da Guia.
Idem n. 29........201*000
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 17.......361*000
Os pretendentes deverao apresenUr no acto da
irrematacao as suas tiancas, ou compareeererr,
tcompanhados dos respectivos fiadores, devendc
oagar alem da renda, o premio da quantia en
nie for seguro o predio qua contiver esuboleci
mento commercial, assim como o service da lim
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
:ife, 17 de marco o di 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
Farinlia de mandioea, lilro.
Feijaa maiatiaho, idem.
Gallinha, uma.
Lenha, achas.
Leite, litro.
Mantejga, kilo.
Macarrao, idem.
Ovo, nm.
Paes, kilos.
Sal grpsso, litre
Tapioca, kilo.
TouchiJio de Lisboa, idem.
Vinagre de dita. litro.
Vinho de Porto, idem.
Portante, quem quizer Uzer dito furocsimeat >
apresente suas propostas em rarias fecnadas n.i
secretaria deste bospiul, no dia 2*2 do corrente.
ad virtindo-se que os generoa devem ser das de
primeira qualidade, e que a carne verde n.a.>
deve conter mais no peso que se pedlr 8a .'
parte de oasos.
Hospital militar de Pernambueo, 17 dc abril
de 1874.
0 escrivao,
____________Avelino Pereira da Cnnha._______
Armazens da companhia per ?
nambucana.
Ncguroa contra o Togo
A cempannia pernambucana, "disponao de ex-
cellentes o vastos arraazuns ma seu ur*4io ao for
te do Hattos, offereceos ao commeicio. ejn geral
para deposito de generos, garaotiado a major con-
servacao das mercidofias depo^tada<, servjeo
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediaiit<; previo accord", ex-
closivamenle oe gonerns de uma sn pe.--.-oa.
Estes arraazens, alem de arejidos e commodos,
sao ipteiramente novos e aplaaJtad^A isentos da
cupim, rates, etc, etc.
As pessoas que quizerem unliear-se &e*m ar-
raazens, pederao dirigir-eo ao eseriptario da com-
panhia pernarobneana, que aeharao coin ^uem
tratar. ,.
?'
COMFaNHU/
uos
T1IILH0S DRBAKOS
?
Recife a Olinda.
e Beiieiibe.
De ordem do presidente da assembled geral da
companhia acima sao coiividad.-.s os accionistas
para a sessao ordinaria, que deve ter lugar do dia
22 do corrente mez seguudo dispSe os estatntos,
afim de ouvir a exposicao demonstrativa apresen-
tada pela directoria em relacao ao movimcoto da
companhia durante os 6 mezes anteriores : a
reuniao (era lugar no dU acima as 2 horas da
tarde e ne lugar do costume.
Recife, 14 de abril do 1874.
0 secretario,
Luiz Lopes Castello Branco
A 20 do corrente tr-ra lugar na reparticao das
obras publicas, onde se acha o orcamento, a vt-
remaUca do eucaua- em i d'agua da jofiaieza do
Brum, orcado em 643*^10 q.icm pretender,
apresente tuas propostas em caita fuchap|, as 11
horas da manoa do refejido dia. Na m,e%ma oc-
casiao devcia ser arrematalo o material que se
sobstitnio na relerida fortalcza, onde pode ser exa-
minado.
Pernambueo, 14 de abril de 1874.
Chryssolito F. de Castro Chaves,
Engentieiro das obras miliUres
ADMLMSTRACnO UOS CORREIOS L'E PER-
NAMBUCO, 16 DE ABRIL DE 1874
Relagao da correspondence registrada (sem
valor) recebidd de diversas procedencias
aid esta data, e que nao tem sido entre-
gue-por ignorar so as residencias dos des-
tinatarios.
Americo Vespucio Moreira de Almeida, Antonio
Soares Pacheco, Anlero Carneiro de Lacerda.
Augusto Jose Teixeira de FreiUs, Angelo Ferreira
da Silva, Bazilio Jose Pereira Vianna, Carlo Simo
ui, Uemetrio Pun.las, Emiiia Carolina Madeira
Ferreira, Firmino Theotonio da Camara Santiago.
Francisco Lardoso Ribeiro, Francisco Altino d?
Araujo, Francisca Felisraina de Albuquerque Mel-
lo, Honoria Luiza dos Santos, Ignacio C. de Men-
donca Uchoa, Jose Carlos Teixeira, Jose Ribeiro
do Amaral, Jose Joaquim Goncalves Bastos, Jose
Henrique Trindade, Genoveva Francisca dos Reis.
Jose Izidoro Pereira d"s Reis, Jose Antonio Vidal
Sobrinho, LourenQo Jose de Figueiredo, Luiz Fre-
derico de Barros Rego, Leopold" Citilina, Leo-ile
Paris, Maria Magdalena, Pedro Vicente Vianna.
0 official encarregado do registro,
Jose Candido de Barros
Por ordem do Win e Exm. Sr. desembarga-
dor Francisco de Assis Oliveira Maciel, juiz de
direito privative do orphaos e auseates e substituto
reciproco do da provedoria, sao chamados pelo
presente todas as pessoas quo se julgarem com
direito ao escravo africano de nome Jose, que se
acha preo na c sa de detencio ha lango tempo,
sob pretexto de ser escravo de um Joao Felix, a
quem a policiacom a maior solicitude nunca de>
cobrio, a compareccr neste mesmo juizo, dentro
do prazo de 60 dias, acoatar da data deste, e alle-
gar o seu direito, pena, se o nao l'rer, de ser jul-
gado dito escravo abandonad seguindo-se os
demais ternos na forma da lei Recife, 17 de
abril de 1874. 0 escrivao interino
Joao Tiburcio da Silva GuimarSss.
Deelarac&o.
Ficara transferidas para o dia 23 do corrente as
arrematacoes seguintes : iliuminacao {publica da
cidade de Goyanna ; reparos na bomba n. 2 do 7
lanco da estrada do sal; reparos na coberta da
casa de deiencao, e obra da bomba para o povoa-
do dos Montes.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 18 de abril de 1874.
0 official maior,
Miguel Affonso Ferreira.
Hospital militar.
0 hospital militar desta provineia, contrata
com quem melhores vantagens offerecer a fa-
zenda nacional, para o trimestre qne tem de fin-
dar em 30 de junho do corrente anno, os gene-
ros alimenlicios abaixo mencionados, para as
dietas dos doentes e racSes de seus empregados.
Aletria, kilos.
Araruta, idem. ]
Arroz do Maranhao, idem.
Assucar refinado, idem.
Balaus iogezas, idem.
Bolachas, idem.
Biscoitos, idem.
CaW em grio, idem.
Dito rnuido, idem.
Carne verde, idem.
Carne secca, idem.
Came de porco, idem.
Cha peroUj Idem.
8ooe de goiaba, idem.
ito Martnello, idem.
Liverpool, B do ui:erco de 18 34
Massa fallida de Tuginan & Hradshau-
Os negocios desta firma, que me forara encar-
regados pelo tribunal do commercio estio agora
arranjados, e reliralos do J.to tribunal.
0 aviso annexo da dissolucao da firma foi de-
vidamente annunciado na gazeta official, e o Sr.
S. C. Bradshaw e unica pessoa que tem direito de
tratar da massa.
Deos guarde a V. Mc. Starmood \V. Banner,
curador Gscal da massa fallida de Tugman &
Bradshaw. ------
BEREYS BUILDINGS, 'GEORGE STREET
Liverpool, 5 de marco de 1874.
AVISO
Polo presente notifica-se que a sociedade ate
agora existente cntrc nos, cs abaixo assignados,
Samuel Tugman & Sylveslre Christovao Bradshaw,
negociantes desta praca, com escriptorio Bereys
Buildings, George Street, gyrando sob a razao so-
cial de Tugman & Bradshaw, flea dissolvida de
cornranm accordo desde a data de 4 de dezembro
de 1873. Todas as dividas pertencentes a dita fir-
ma serao pagas e rei-ebidas pelo dito Sylvestre
Christovao Bradshaw, o qual continuara com o
mesmo negocio pela sua propria conu e debaixo
de seu proprio nome.
S. Tugman.
S. C. Bradshaw.
Santo Antonio
Quinta-feira 22 de abril.
Primeira representacao da coraedia-drama em 3
actw, original brasileiro do actcr Bahia :
Dims paginas(iiini livuo.
DeuoiuinaeAo do. clos.
1-
0 BarSo de Biriba.
2."
0 oelotiqueiro.




"C
"f*
^^"^ "Wl
&
3>
O livro verdo.
Persouagens. Adores.
Maria D. anuela.
Jalia D Emilia.
D. Carlota D Olympia. i
Belmiro D. Josephina.
0 eorn'raendador T.wmaz.
Barao de Bmba Ciimara.
Lesndro Bahia. >
Eduardo Samv.s.
Dr. Ismaei l-'l jrkido.
A actao passa se no Rio de Jaaeiro. Epocha'.
aeinalidade. I
Termimra o esrjecteeulo con representacao-
da importante coinedia em I aeto:
A Sanamhda.
Principiara aii:% tfi horas.
Lfckoa* Porto
Diane de P^rnambaoo Seppda feara^O de Abril de 1814.
Van sahir con ferevkaide a veleira karcatufcofa;
Keeebe cafga 4>assageir<>s: a inter *ai TiU
Livio Soares.rea do Tarres n. ?0.
AVISOS MARITiMOS.
Companhia Franceza de Navega
Co a vapor
IAnha mensal entire o
avre, I.isboa, Pernanibuco, Rle d
Janeiro, (Santos, souente na vol
ta ) Montevideo, Buenos-Aw,,
loom baldeacao para oRosai-io)
STKVMKR
YILLE DE RIO DE JANEIRO
Comma ml uiit<- A. Fleury
E* esperado dos portos do sul do dia 20 do cor-
rente em diante, seguindo depois da Jndispensavel
demora para o Havre com escals. por Lisb6a.
VLIX.'E BE SANTOS
ComniHiulHiile I-efevrc.
E' esperado da Earopa do dia 80 do corrente
em diaote, seguindo depois da inclispensavel demo-
ra, para 03 portos do sul de sua escala ate 0 Rio
da Prata.
Para fretes, encommendas e passageiros : a tra-
tar com
OS CONSIGNAtARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA & C.
43Rua do CommercioEntrada pela rur
do Torres.
Riode-Jandro
Para e indieade porto Mgae com poocos dia*
de^dwnora a iacea .pctMueueza Felix iimao poi
ter a.aiaior parte de sea s-pirao resto eignatarios Joskjumd Jose '-oncalves Bettrie 8hora-r Para Porto. )
' Iteeebe carga ftimzgrnT** n patarho partogBez'
IM*&* que praea demur* tcra. Tratae S..B. Rafeello & C a Jua Ao Ilominercw 48
AHACATY.
Para 0 Aracaty vai eahir oom muita breidade
0 bem eenhecido Mate Jooo Valle, para carga a-
frete aittatar com Joao Jose 4a Cunha Lages, oa<
jua do Wgario n. 33, i. aadar, ou com 0 mes
(re a bordo em frente ao trapiotw Daotes.
rat de lanteraars, serpentinas de fcroote, toilette com tempo* de ae-
dra, trem de oainoa, outros mtiftos artigos.
0 agente Pioho Borges, aulorisado peio. Sr. J.
I. da Silva Pioto, woderi os moveis e oiitros arti-
p>s acima meociooado<,os quaes foram iraoapor-
tados da Pa-sagem para 0 sobrado acima decla-
rado.
Leilao
DA
arfnacao, generot e mais ut4Misilios da taverna si-
ta a roa Imperial -n. Vi'.i
QUINTA-FKIRA J3 DQCOflR!WG
a's 11 initas da mam:
O preposto do agenle Pentaaa fara Icilao, por
conta e risco de quern pertencnr, da anna, ge-
aeros e mai* uteii-ilins da taverna sita a rna Im-
perial n. 153, fin urn on mais loie*, -vanude dm
compradores : 0 halan^o acha e ej mao do re-
feridn prepostn uara os prftHd^Mt- fxamina
reoi, ter^a-feira 21 do rorrenie, l\ imras da
roanha, na referida taverna.
Alca-e a easa terrea com grandes commo-
doa sara familia, extenw quintal murado e arbo-
risado, 0 oolm muius cwnmodidadea, no inelhor
local do paleo da Paz, nos Afogados: a fallar ao
saehnstSo iz matm para ve la, e do Recife, para
trater a roa das Cinco Pontat n. 31.
7*00
7*000
H^-00
84000
6*000
IEIL0K.
Leilae
DE
100 eaixas om cbeolas, ebegadas de Lis-
,h6a do ultimo vapor
Hqje
tot it horas em pouio.
No. armazem do 8r. Annas, defronte d'alfandega
O preposto do agente PesUna fara leilao, por
conta e riaeo de quern pertencer, de 100 caixas
com cebolas, em urn ou mais Jotes, a vootede dos
compradores.
Leilao
DE
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
PANY
ROYAL MAIL STEAMER
PATAGONIA
Commandante C. C. Brougb.
espera-se dos portos do sul ate c dia 10 de maio
e depois da demora do costume, seguira para
Lisboa. Bordeos e Liverpool, para, onde recebera
Sassageiros, encommenda, carga e dinheiro a
ete.
N. B.-Nao sahira antes das trss horas da tar-
de do dia da sua chegada.
AGENTES
Wilson Row A C.
liRUA DO COMMERCIO -14
Compauhia Allianca Harilima
Portnense.
EMPItEZA DF. XAVEOACAO ENTRE PORTUGAL E 0
BRASIL.
BARCA I'ORrL'GL'EZA
LEILAO
DE
100 gigas com batatas novas
Hoje
as 11 h ras da mania
No trapiche do Sr. Annes.
0 preposto do agente Pestana vendera em lei-
lao a mereadoria acima, por conta e risco de quern
pertencer.
LEILAO
DE
dous predios
S E N D 0:
Um a rua do Vigario Thencrio n. 12, em chao pro
prio, cam duas frentes, 1 andar e sotea, com as
seguintes commodidades : 2 salas, 3 quartos so
tea e cozinha, 1 grande armazem, o qual esta
rendendo annualmente 6004, uma casa terrea a
rua do Padre Nobrega n. 85, era chao proprio,
com as seguintes commodidades : uma sala, 1
quarto, cozinha e quintal, estao livres e desemba-
racados de qualquer onus
moveis, loncas, vidros, miudezas, perfoaurias, 1
-eofre inglez, prova de fogo, I machina para cor-
tar fumo, 1 bilhar inglez, 1 flauia de ehaao com
-cfaaves de prate
Quarta-feira 22 do corrente
A's 11 horas da manha
No armazem de agenda de leildes da rua
do Vigario Thenorio n. 11.
0 areposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 1 mobilia de
fai, com tempos de pedra, i dita de amarello 1
dita de junco, 1 riea toilette de jacaranda, com
tempos de pedra, 1 lavatorio de dito, com tempo
de pedra, 1 gnarda-roupa de amarello, 1 guarda
louca. 1 nco santuario ce jacaranda, 1 par de con
solos de dito, avulso, I cama de mogno, 1 dita de
amarello, 1 dita de angico, 12 cadeiras de ama-
rello, mesas redondas, consolos de amarello, cabi-
des, quartinheiras, marquezas, marquezoes, 1 ap
parelho para janter, camas de ferro para casal e
solieiro, 1 espelho oval, diversos quadros, diver-
sos balcoes para eseriptorio, diversas miudezas, co-
mo sejam : cbapeos, leques. botdes, voltes, espe-
lhos de mao. 1 flanta de ebano, com chaves de
prata, babados, entre meios e bicos, e muitos ou-
tros objectos que se torna enfadonho meneiona
los
QUARTA-FEIRA 22 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
no referido armazem
Pelo preposto do agente Pes-
tana.
Cslcado barala
LOJA DO ARANTES
Boimas e cordovao para homem
Dilas de bezei ro para dito
Dltas depellica para senhora a Luiz XV
Dites inglezas e francezas
Ditas de.cores para senhora ,
Ditas jgaspiadas, de verniz, para se-
' nhnri 3i e 4*000
Sapatos de cores para senhora Hi e 4*000
Uitoa d chagren ____________3* e 4 jOOO
FUHDICAO
DO
Vill
Rua do Brum
n. 52
Passaodo o
Para a boaeohservaelo
.M
VOSSO CABELLO
LEILAO
Este navio recebe carga e passageiros para Lis-
qpa e Porto, devendo sahir denfo em poucos dias,
visto ja ter parte do seu carregamento contra-
tado.
Agente? e consignalarios
JOSH" DA SILVA-LOYO & F1LH0
COSPAffillA
^DE
LI1TADA
Haceio, Penedo, Aracaju
e Bnhia.
E' esperado ate o dia 22 do corrente o vapor
Gastao de Orleans, o qual seguira para os por-
tos acima no dia seguinte ao de sua chegada.
Receb-;e carga, passageiros e diaheiro a frete.
Agentes.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.
57Rua do BomJesus-57
.. a
Pacific Steam Navigation Companj
ROYAL MAIL STEAMER
espera-se da Europa ate o dia 26 do corrente, e de
pois da demora do costume, seguira para Bahia.
Rio de Janeiro, Montevideo, Bueoos-Ayres, Valpa-
raiso, Arica, Islay e Callao, para on'le recebera
passageiros, encommendas e dinheiro a frete. '
Nao sahira antes das tres horas da tarde do dia
de sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14----RUA 1)0 COMMERCIO14
Para
Para o indicaJo porlo pretondo seguir
com a possivel brevidade o patacho portu-
guez Azurara, por ter a maior parte de seu
carregamento engajado e p-,ra o resto que
ihe fala, trata-se com os consignatarios
Joaquim Jose GoiiQalves BeltrSo & Filho,
& rua do Commercio n. 5.
ft
As II horas em ponto
No escriptorio da rua do Bom Jesus n. 53, primci
ro andar, onde tambem se podera dar esclare-
cimentos dos referidos predios.
0 ageLte Pinho Borge3 fara leilao, dos predios
acima declaradbs, por conta e risco de quem per-
lencer.______
LEILAO
DO
Vapor Duke of Edinburgh
Vo dia SO de abril
Agente Ferreira
\o Para, na Punle de Pedras
vender-se-ha impreterivelmente por conta
de quem pertencer
O niagoiffeo vapor in*clez
A RODAS
Duke wnstruido em Aberdeen em 1870 em urn dospri
meiros estabelecimentos de.te genero n'aquella
cidade.
Tem HI pes de comprimento, 19 de bocca e 9 deJ
pontal, medindo 126 toneladas inglezas ou 162
brasileiras
E CARREGA CERCA DE 7,000 ARROBAS
E' de ferro sclidamente construido, tem boa
marcha e excellentes accommoda^oes para passa-
geiros. Sua machina e" de forca de 60 cavallos
nominaes ou de 300 effectivos.
Este bello vaso que muito se presta para
conduc^lo degado
e sobre tudo excellente rebocador, como tal ja co-
nhecido, e esta prompto a navegar. 0 inventa-
rio sera anouneiado algons dias antes da venda
c pode desde ja ser visto em casa dos annun
clantes, ou a bordo do dito vapor que se acha
fundeado defronte da igreja de Santo Antonio.
0 vapor pode ser examinado em qualquer dia.
Para mais informae5es poderao
dirigir-sc aos consignatarios
Samuel G. Pond & C.
DE
moveis, livros, 'louga e vidros
QUARTA-FEIRA 22 DO CORRENTE.
As 11 horas da manha
Rua do Marquez de Olinla n. 37, primeiro andar.
Uma grande quantidade de obras de litteratnra
e sciencia, em francez, inglez, allemao, latim e ita-
liano, I bom e quasi novo piano de jacaranda, 1
magnifica mabilia de mogno claro, composte de 1
sola, 2 consolos, l mesa de meio de sala, tempo de
pedra, 4 cadeiras de braco e 12 de guarnicao, 1
dita de mogno, 1 guarda-roupa de amarello, 1
mesa de abas, com gavetas, de dito, 3 bancas de
dito, evernisadas, t tavatorios de dito, 1 mesa re
donda, de dito, 1 aparador de dito, 4 cabides di-
versos, 1 guarda-comida de arame, 1 pedaco de
alcatifa, 1 bandeja, 1 campa, pesos para papeis, 1
redoma, 1 vaso para agu^, 1 lamparina de por-
celana, 1 jarra, 1 moiuho, para cafe, 1 apparelbo
de porcelana completo para lavatorio, garrafas de
vidro, compoteiras, 1 lanterna de augmento, e
muitos outros artigos que se venderao por conta
de uma pessoa que mulou de residencia.
Rega-se aos senhores de engenbo, que
pretendem eropregar alguns dos machinis-
mos novos, o favor deapparecerem nesta fa-
brica, que Ihes p6de fornecer os appare-
lbos mais apropriados com 0 minima- de
despeza, e dispde de pessoal babilitado para
monta-los devidamente, e mostrar 0 syste-
ma mais commodo de trabalho, para obter
melhoramento no fabrico do sssucar.
Koga-se
ao Him. Sr. inspector da thesouraria provincial
que se digne vnrificar ser exa to que 0 escriptu-
rario Sonto Maior nao comparece na reparticao ha
mais de um mez, achando-se alias era Olinda
pelos cartorios, ameapando vingar-se por qualquer
meio da victima, contra quem se tem feito inimi-
go gaatuito?!... Senhores da policia, que dao
informacSes scbre a vida privada de aljuem, este-
jam alerta, que ainda nlo se acabou a raca dos
cabelleiras I...
AO I'llBLICO
lazendas, perfumarias e ferramentas para sapa-
teiro
QUARTA-FEIRA 22 DO CORRENTE
A's IO *\ horas.
No sobrado da rua do Marquez de Olinda n. 37,
primeiro andsr.
A SABER:
Lencos delinho, vestidos bordados, saias para
senhoras, fitas de velludo assetinado, franjas e
trancas para enfeites, ^Igumas lazendas avariadas,
formas de tarracha para alargar botinas, cortedei-
ras de ajo, ferros de trisos e de encosto para car
retilhas, martellos para taxiar, ditos para bater
sola, cabos de sovellas, ferros de beira, paos las-
ticos, oleo de babosa para cabello, essencias para
Icujo, 4 fardos de fio de vela, e outros muitos ar-
tigos.
u\
0 lngre portoguer Juiio pretende sabir com to-
da a brevidade por ter quasi toda carga promote:
quem no mesmo quizer carregar oa ir de pas-
sagem, trate com os consignatarios T. de Aquino
Fonceca & C, soccessores, rua do Vigarie n. 19,
1.'andar.
PorU por Lisboa.
Pretende seguir para os referidos portos, com
poucos dias de demora, a barca portugueza .Voto
Mfencw, de pnmeira classe, capitao Ferreira, por
ter a maior parte do sua carga prorapta ; e para
a que Ihe falta e passageiros, para os quaes tem
bons commodos : tratt-te com os consignatarios
Joaquith Jose Gonjalv, s Reltrao & Fdho, a rua do
Commercio n. 5
LEILAO
DE
moveis, quadros, louQa, vidros, (bjectosde
ouro, consfando dec-.rdoes, correnloes,
anneis, pulceiras, rosutas, e obras de
prata, como, 1 paliteiro, 1 salva, 2 c=s-
tijaes e 1 relogio de ouro, patente inglez
A SABER:
Uma mobilia de jacaranda, com 1 sofa, 2 con-
solos, 2 cadeiras de bracos, 12 de gnarnijao, 1 di
ta de amarello, com as raesmas pecas, 1 marque-
zao, 1 sofa de amarello, 2 camas, I jarros para
lores, 1 espelho grande dourado, 1 candelabro e
2 serpentinas de crystal, 5 quadrcs, 3 mangas aa
tigas, 1 mesa elastica de jantar, 2 aparadores, gar-
ralase muitos outros objectos de casa de familia
Terca-feira 21 do corrente
Rua Direita sobrado n. 10.
Bernardo Jose da Costa Valente, tendo de fa-
zer uma viagem, fara leilao, por intervencao do
agente Pinto, dos moveis, obras de ouro e prate,
e muitos outros objectos existentes em casa de
sua residencia, a rua Direita n. 10.
^_____0 leilio principiara as 10 I|2 horas
Leilao
DA
armacao, generos e mais perten^as da taverna da
rua do Coronel Suassuoa n. 2, antiga rua de
Hortas
QUARTA-FEIRA 22 DO CORRENTE
A's 11 horas
0 agente Martins fara leilao d'armacao, gene-
ros e mais perten:as da taverna aci-na, em um ou
mais lotes, a vontade dos compradores, no dia e
hora acima.
LEILAO
?
moveis, loucas.joias de ouro, objectos da
prata, 4 rico santuario e outros muitos
artigos
Quarta-feira 22 do corrente
AS 11 HORAS DA MANHA
flo sobtvdo n. 50 da rua do Bom Jesus,
primeiro andj>r
Um piano forte. 1 mcbilra de faia, a medalhio,
l ciita de amarello, 1 mesa e asiica, toucadores,
cadeiras avolsa*, 1 rico faqueiro, colheres de pra-
te, Concha, 1 apparelho de electro plate, marque-
z*o, 2 marquezas, I espelho grande de moldura
dourada, guarda-vestidos, guarda-luca, mesas de
pinho, 1 bagatolla, serpeiiliuas, 1 revolwer, 1 me-
sa para advogado, aparadores, loucas, jarrus, pa-
DE
Moveis,loucas, vidros, euro, cbapeos de fel-
tro, esteirfls para sala e 1 pis no de arma-
rio de jacaranda".
Quinta-feira 23 do corrente
No primeiro andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n 6i
A's 11 horas em ponto.
0 agente Dias fara leilio por conta e risco de
quem pertencer de I mobilia de jacaranda com!
tempos de pedra, 1 dita de faia, I dita de" ama-
rello, 1 piano de jacaranda com excellentes vozes,
1 secretaria de jacaranda obra de apurado gosto,
guardas louca, guarda roupa, mesas elasticas d
3 e de 6 taboas, cadeiras de balanco, dites de
guarnicao, camas francezas para casal, marque-
zdes, marquezas, espelbos, jarros, lavatorio, san
marios, lanternas, 1 secrotaria de angico com es
tame propria para advogado, 1 toilette de mogno
e diversas miudezas.
AVfSOS DVF.BS0S
Bom
0 rabula Souto-Maior apparaceu com o maior
cynismo no Jornal do Recife de 30 de marco pro-
ximo passado, protestando do alto da imprensa
metter na cadeia, a MH talant, o autor das ver-
dades publicadas no Diario de Pernambuco de
27 do mesmo mez ; ainda mesmo que seja algnm
cordado devasso, amestrado no immoral jogo Ho in-
sulto, e affeito a detractor e in/omar aos que Ihe
sao super tores; 9 tendo se-lhe provocado solem-
nemente em outro Diario de 2 de abril andante
para que viesse explicar sob as penas da lei esse
equivoco, torn a mesma jactancia apregoada :
isto e, que as precitedas allusdes se referem e
se entendera com o professor primario do Rio
Ddce, visto como todo furias com arroncadas de
Leao, nao devia ter parada de sendeiro, nao tugio
nera mugio perante o publico, de cujo conceito,
disse, nao quer decahir, quaado alias parece estar
decahido, e ja conhecida a fonte immunda, d'onde
emana tao putrida e corrosiva peconhal....
Adverte-se, pois, que recolhase ao silencio ; por
que quem tem rabo de pallia, e tetkado de vidro,
nao vai insultar de proposito, a quem, isenlo de cri
mes e de infamias, pode deiiar-ihe a calva ao sol I
Tem dado apenas mostra de achar-se possuido
de estimulos de ferocidade, ameacando vingar-se,
o que nao e proprio de um macon, que se diz
caridoso e humanitario, a menos sendo arrenegado ;
e que quando em seu asnatico annun.'io protes-
tou metter na cadeia, ainda mesmo algum cordado
devasso... e affeito a del radar e d'ffamnr acs
que Ihe sao superiores, diffamar por si proprio os
;uppostos superiores, a quem se referio, julgan-
do os peiores e superiores na devassidao e immo-
rahdade, conscquencia deduzida do seu malevolo
aranztl I---- Pretendeu buscar la, sahio tos-
quiado I Cahio o feitico contra o feiticeiro I...
Se bem que-Chi" pudor non est, orbi dominatur,
como dizia Ovidio. Saiba tambem que nao ha
dia, no qual se nao tenna novas notirias de suas-
virtudes e moralidades, ate de Nazareth se diz 3er
publico que recebera de tres proprietaries diver-
sas quantias nao pequenas para entrega-las em
pagamento no Recife, nSo as entregara, a quem
foram remettidas, e alii estivera a grande, com
bospedagera lauta no Hotel Central, fazendienor-
mes despezas com carros de passeio, theatros,
etc., etc De Limoe-ro o Timbira refere cousas
inauditas, virtudes diaDelicas II...
De Olinda, alem de muitas outras cousas, sa-
be se que tendo recebido de urn constituinte, nao
pequena quantia para pagar ao escrivao e mais
oUiciaes de justica, as custas de um processo,
que promoveu, ainda nao pagan a ninguem. ha
uito mezes, alem de ter ficado com os autos em
seu poder, sem querer entregar ao escrivao, que
ji esta cancado era peair-lhe, tendo era resposte :
hoje\.. amanh'JL.. E'a um homem destes
com taes virtudes, a quem esta confiada a fisca-
lisacao da instruccao primaria de Olinda para
perseguir e atropellar impune a um professor ho-
nesto do disiricto (e somente a este I...) porque
conta com o Sr. director, que pSe a sua disposifao,
como diz a quem queira ouvir, a quantia' de
300t000 para gastar com carros de passeio, arlm
de perseguir aquelle professor ate perder a ca
dejra!... Vade retro I Que bello delegado prt-
noli... 0 illD.*trado conselheiro Bastos diz:
a As pessoas mais honestas sao muitas vezes
aquellas, cuja reputacao este mais exposta aos
tiros da calumnia. A raaledicencia e uma peque-
nhez no espirito, ou uma negrura no coracao.
Maldizer sera designio, ee9tupidez ; maldizer com
rellexao, e infamia. 0 maldizente escolha, elle e
um insensato ou um perverso.
Au revoir.

Elle 6 um preventivo seguro e certo contm
a calvice.
Elle da" e restaura forca e sanidade & pjlle d>
caber;a.
Elle de prompto faz cessar a queda prema
tura dos cabelles.
FUe di grande riqueza de lustre aos ca-
bellos.
Elle doma e faz preservar os cabellos, en.
qualquer forma ou posigSo que se dese-
je, n'ura estado forrooso, liso e macio.
Elle faz crescer os cabellos bastos e compri-
e os.
Elle conserva a pelle e o casco da'cabeca
limpo e livre de toda a especie de caspa.
Elle previne os cabellos de se tornarem bran
cos.
Elle conserva a cabe$a n'um estado de fres-
cura refrigerante e agradavel.
Ello nSo e" demasiadamente oleoso, gordn-
rento ou pegadigo.
Elle nao deixa o menor cheiro desagrada-
vel.
Elle 6 o melhor artigo para os cabellos da*
crianQas.
Elle e" o melhor e o mais aprasivel artig.
para a boa conservaglo e arranjo dos ca-
bellos das senhoras.
Elle e" o unico artigo proprio para o pentea-
do dos cabellos e barbas dos senhores.
NENHUM TOUCADOR DE SENHORA SF
PODE CONSIDERAR COMO COM-
PLETO SEM 0
TONIOO ORIENTAL
o qual preserva, limpa, fortifica e aformoses
O CABELLO.
Acha-se a" venda nos estabelecimentos de
H. Forster dt C, agentes. E em todas as
principaes lojas de perfumarias e beticas.
1 CONSULTDRIO |
I MEDICO-CIRURGICO I
0 D0 tt
jk Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso >
2 PARTEDO E OPERADOR
VBna do V'lsconde de tihuquer-jQ
A que n. 39. gjL
ESPECIALIDADE
Slolestias de senhoras e w
meninos. 'jfii
m
SAQUES'
Carvalho & Nogueira^ na rua.do Apollo
f. 20, accam sobre Banco- Goramercial
de Vianna e suas'agencias em todas M ci-
dades e villas de Portugal, i vista ea praao
por u>dos os paqoetes.
DE
KBISTOL
m
25 fonsultas das 7 as 10 horas da ma-
9 nha. todos os dias.
U| Das 6 as 8 da noite, nas segundas, quar-
JJ tas e sextas-feiras.
9 Os doentesque mandarem os seus^ha- 9
mk mados por cscripto at 10 hcras da ma- *|
I nha serao visitados em saas casas. ??
l$g&
SS58

CURA OS CASOS MATS DESESPERAD09
A SAFSAi'ARRILHA DE BRISTOL puri-
(tea a massa do sangue, e-xpelle para fdra--
todas as materias e fezes viciosas e impuras,
regula todas as secrecies, da" vitalidade e
energia a todos os orgSos e da" forc/i e vi-
gor ao systema afun de poder melhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. V
pois este um remedio constitutional. Ell
nunca distroe afim de poder curar ; porem
constanteniente assiste a natureza. Portanto
em todas as doencas constituciormes a em to-
das as moleslias locaes dependente d'um u-
tadovicioso eimperfeito do systema em ge-
ral, acbar-se-ha que a Salsaparrilha d.
Bristol e um remedio seguro e efficassissi-
mo, possuindo inestimaveis e incontestaveia-
vrtudes.
As curas milagrosas de
ItSscrofulas.
Uleeras,
Cliagas antiga*
ENFERMIDADES SYI'll 1 I.I*/CAS
ERYSIPELAS,
RIIEUMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESCORBUTO,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangeado e dado o alto renome
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sao tao so-
mente devidas a"
USICA LEGITIMA Z ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
NA PHARMACIA CENTRAL
selecta e de umbigo
(Enzerudas)
Sapotizeiros
sapoieiros de 11 palmos (em vasos) e de todos
preens mais commodos que daa-
as seguintes outras plantas d
0 Dr. Sarmento Filho mu-
dou-se para a rua da Aurora n.
61. l. andar ; entrada pelo oi-
tao.
1i

m
Vends se um moinho de vento, com
duas bombas para pniar agua, e qua-
tro rodas novas e fortes, para carro
americano : a tratar na roa do Impe-
rador n. 22, andar.

e
os tamanhos e
tee ; assim como
frucla e de ornate
Atiacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Canella.
Casuarina.
Carolina do principe.
Condeca.
Coracio da India.
Figueira.
Flambr.yant.
Fructa-pao.
Inga do Para.
Jam bo.
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dita do ceo.
E outras | lai las
ura n. 2').
Laranja cravo.
Dita de dore do Para.
Dita bn-nca.
Dila tengirina.
Lima da Persia,
llita de umbigo.
Limao francez.
Dito dore, enxertado.
Oilicoro.
Pa'meira imperial.
Parreiri*.
Pinbeiras.
Romeiras.
Hnzeiras.
Rozeda.
Ubaia.
na Capuoga a rua d a Ven-
Parls, 36, Rua Vivlonne, iV
HUMO mkdecis mmi
Precisa-se de un cozinheiro que entanda bem
de sua arte : na rua do Marquez de. Olinda n. 33
0 INEXTM6UIVEL
DEPU
dn S-
PLUS DE
COPAHU
negocio.
Vende-se ou arren 'a-se o gr/rnde predio
de um andar e soiio, sito na rua do Bispo
Sardinha. proximo da igreja da Misericordia,
na cidade de Olinda, tendo duas j oas salas
dc frente, um salao no sotao. seis quartos
espacosos e frescos, uma grande cocbeira,
quintal todo cercado de novo, e com diver-
sos arvoredos, uma boa fonte d'agua, e
tendo gaz canalisado. Achando-se. prepara-
do com tod s os moveis imlispensav^is i
uma grande familia, sera" assim vendido ou
st-rti os moveis : a tratar nesta tjpographia
ou na rua da Uniflo n. 49, sobrado, atrez do
pa^o da assembles.
Aimcio
Offerece-se um rapaz com pratica, tan to de co-
z'nheiro como de copei-o, e da flador a sua con-
ducta : a tratar na ma do Torres, casa de pasto,
no Recife.
Ao governo da provincia.
A Unido de 13 do corrente traz um artigo in-
sultuoso, dirigido ao magnanimo raonarcha o Sr.
Q. Pedro II. Nao compete a justica publica cha-
mar a responsabilidade os rsdactores dessa folha
pasquim f
- Os constitucionaes.
Iasa da fortia.
AOS 4:000*000.
BILOETES GARANTIDOS.
1' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua d<
Crespo] n. 23 e casas do costume.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantida-
la 3* parte das lotenas a beneflcio da igreja
de^Nos'a Senhora da Piedade de Santo Amaro
(96"), que se extranira na terca-feira, 21 do cor-
rente mez.
PRECOS.
Biihete inteiro 44000
Meiobilbete 2^000
M P0RCA0 DE 100^000 PARA C1MA.
Biihete inteiro 3*800
_______Meio biihete U7S0
AVISO
Perdeuse sexta feira 17 do corrente uma letra
de 530*. aceita por Francisco de Siqueira Passo e
sacada por C.andio Dabeux : roga-se o especial
obiequio a quem tiver achado, de leva-la ao caes
22 de Nov'-mbron. 32.
Aluga-se o sobrado de um andar e loja, a
qual tem proposes para casa de negocio, sito do
largo da ribeira da Treguezia de S. Jose. n. 5 ; ad-
vertiodo que tambem se aluga separadamente : a
trater no mesmo acima referido, ou no pateo de
S. Pedro, sobrado n. 9.
eelebre agua
DE
HI RRAY t I.A\H i\.
Uma pura distilla^ao das mais raras ft.
r^s dos tropicos. Content, para assim ui
zer, quasi o oddr odorifero das flores a<
tropico da America, e sua fragancia e quas
mexhausta ainda mesmo por coiitinuadi1
a/aporacSo e diffusSo. N'este respeito i
i icompacflvel a qualquer outro perfum.
qne ha de venda para :
OESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOK
DE CABEQA, DEBILIDADE E
HYSTERICOS.
um certo e ligeiro allivio. Com o bon,
.in, tem conservado sua influencia par?
cima de vinte e cinco annos sobre todos o?
^rfumes, nas Indias Occidentaes, Cuba,
itlexico, America Central, e do Sul e no?
totn toda a conGanga o recommendamoj
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
iicado, riqueza de odor e permanencia, nai
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDASj E BORBULH.4S.
Sendo reduzida com agua, se torna umt
excellente mistura para banhar a pelle.
dando um aroseado e cOr clara a complei-
$ao nublada, sendo applicada depois dt
barbear, evita a irritac^o que geralmenti
occorre, assim como tambem garganteando
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me
lbora a condicie dos dentes e gengivas
Como ha muitas imitac,6es, as quaes nj
possuem nenhumas d'estas propriedades.
deve-se tomar cuidado e contar s6mente <
o famoso perfume e cosmetico do sul dt
America, cham
AfilA FLORIDA
DE
III RR AY ft LAi^MAM.
S<3 acha a" venda em todos odrogu
perfum ari as da moda.
SAS B*rBRMin*D>g DBS SBIUAES IS iJTEC$OtS
r.i T.\KA r ALTBBA^FS DO SANGCE.
~|'! '000 curas das impin.
ynr.puslu las, herpes,
rna, comixoes, acri-
I ihonia, < altercoes, ri-
le insas do sangue, vi-
rus, iatUrui.im ao sangue. (Xarope vegetal
Sem mercurio). Dopnriiltaa vrgntae*
tvms MiXEB.tES tomno-se dous por
semana. seguindo o tractamemo Depurativo: i
empregado nis mesmas molestias.
I Este Xarope Cilracto de
| ferro de CHABLE, can
imme'diatamenie qual-
quer purgacao, rela-
racao, e debilidade,
e igualuienie o jtusos e /lores brancas das
mulheres.- Esta iujeccao benigna empregasw
com o xrope de Cttraeto de ferro.
Hf-Morroidaa, Pomadaque as cura ern3diaj.
POMAOA ANTIHERPETICA
Contra: nas affeccoes eutaneas e comixoes.
PILULAS VEGETAES OEPURATIVAS
do r chabip, cada frasco vrai accumpibad*
it um folheto.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
j Cura eatarrhos, lessee
coqueluehes, irrita(6e*
nervosas sas dos brtm-
chios e lodat as doencm
I do pcito; buta ao doente
ma colhe rchdea deste xarope IV Forget.
Dr. tHAiui en Paris, raa vlrimBc, s,



Sirop du
DrFORGET

Deposito bot'ea Franceza
22 Rna da Cruz 22
Verdadeiros
\** GRAOS DE SAUDE
\*do doutor frarck.
/* 0 melhor a o mais
z-vk util dos pnrgaates oob-
'? hecidos. Somr-
r** mi-.lllc<6r
estate aa a'eale nae-
dieaanenl*.Eiigir,
aTem da a-signatura em tinla VERHELHA
de A. RODVIER.E, o lclreiro, aqui junto,
feito em 4 CORES.
Paris, pharmacia Leror, 13, rua d'Antio.
em 4-Cores
Deposilo em Pemambwo, A. REGORD.

PHOSPHATEdeCAL
GELATINOSO
deLEROY
0 P10APHAT0 01 GAL GKUTI.iOZO DE LEROf
tesa oma aecao ihrrnp.- ties muito
a*drr*a sobre os individuos a/fectados de
enferwiidadss nos ossos e de um* consiituicSo
dibit. FornR-M indirppDsavel para as criancas
a quem ajada e fortifica a creseenfa.
E de ura gesto muito agradavel e de uma di-
ge-lio lacil. Preco do 'rasco : a francos.
iart, pharmacia'LEROY, IS, rua d'Antia.
Depoeite em Pemamburo, A. RECORD.
.

i1
BO DOUTOI WILLIAM VOlTa
Para reatltulr progrpulvimente aoi cahello*
A SUA COR PRIMITIVA
Ella wbitltn* com taii Ugem u pomnndai pan o toneaatr.
NEOGENEouD? NORTH
Bob sHo InlailiTel Atsdt e loan aU aa preta
SopcnoriHadf inronieatiTelj etnpicio InoAnelta.
MRrOMABU ORIEHTAl. |, ruf Bw|rtr. fASIA
TMposlto am PimmJw, 4. UftOaa.

^*-


ZMario de Pemambuw SegtfMa feira 20
~

i

PIANOS. T
Acabam de ttoeptt mnt'to bons piaooi foi tes e de
elegantes modelloi", dos mais nola^eis e bt ta co
nhecidos fabricate;.; omo se am : Alphmse Bi
dooel, Uenrv Hers* Wevel W'.lff G- : no Vajim
France*, a -tia lu Baiio va n. 7. iipreo's muito e unnnodos.
Mobilia de "vime.
Ca leiras 4e bal: nc/>. de hrrco, do guarnifoes,
sofas, j*r*tieira-, mes>s, couTOTAdcirss e cwfo
roiras, t&do islo muito bom pur serum fortes e
levee,es mais proprios raove*> para saletas e ga-
binetes ae recreio.
Up armazem do Vapor Frances, rut do Bario
da Victoria n. 7. outr'oaa Nova,
Perfumarias.
ftnos extractos, banhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laran.ia, agua de toilete,.
divina, florida, lavande, po< du arroz, sabonetes,
eroamelicos, muitos artigo delicados em perfnma-
ria para presenter em frascos de extractos, caixi-
nhas sortidas e garrafas de different* lamanhos
d'agua de Cologne, todo de primeira qualidafte
dos bem conhecidos fabricantes Piver e Condray,
No armazem do Vapor Francez, a raa do Barao
da Victoria, ontr'ora Nova n. 9.
Quinquilharias.
Artigos ele rlifferen tes gostoa c
phantnzitta.
Bspelhos, leques, lavas, joias d'ouro, tesourinha9,
canivetes, caixinhas de costura, albuns, quadros,
e caixinhas pan 'retratos, bolsinhas de velludo,
ditajde couro, e cestintias para bragos de meninas,
chieotos, 'bengalas, ecdio, pencinez, ponleiras para
charulos e cigarros, escovas, pentes. carteirinha de
madreperola, lapete para lanteraas, malas, bolsas
de viagens, venesianas para janellas, esterioeo-
pos, iaatemas magicas.cosmoramas, jogos da gloria,
de damas, de bagatella, quadros com paisagens
i;lobos de papel para illuminaedes, machinas de
axer cafe, espanadores de palhas, realejos de veio,
aecordios, carrinhos, e ber?os par* criancas, a
o'Was muitas quioquilharias.
Brinquedos para meninos. i
A maior variedade que se pode desejar de to-1
dos os brinqiredos fabricados em differnles paries
da Europa, part entrethnenlos das criancas, todo
a precos mais resumidos qne e possivel : no ar-
mazem do Vapor Fraaeez, raa de Barao da Vic-
toria outr'ora Rova n. 7.
Devedores.
Os proprietarios da ConfaitHna do Camps, a
roa do Imperador n. 21, pi'dem aos sens devedores
que tern si il(-bilos alii o dia 8 do ab'ii proximo vindouris
avisani aus ineunn, qutj so al6iiu.ii.IU data nan e e
liVertm >aldos, v*rai s;us nonius e?te jornas
em ditinrca'tle prss a alguiua.,__________
- Pern-.nta-sw ji >r am ti-iieno tAi "llio nos ar-
rebaldt.< dc-ia cidade, duas nrqiienns raai de
padrae cal f yuezia de Afogadnfc <"om duas Mlhs e d(m nuhr-
los cada Uiua, viuie paltuus dc largura sob tin-
coenta d* fando; a quein convicr, iratame na rua
estrefta do Rosario n. 17, l.*tidar. ______
DO BOWMAN
RUA DO BRUM N. 52
(Passaudo o chafariz)
PEHEM \OS eDfeorct de engenhu ft *&* P"'<-:-i arc, *ttprison* de 0.
am4ino u ttvof de omi vhiu a sen esvabel*amento, p.. vwwo 0 uovo aortimeok
oaipleti qne hi tea; sendo tcdo aoperior en qoalidade e tortitJlO; 0 qne com t idj
*ccio pes.ialpo(U*e verificar. .
ESPECIAL AfTtmcXO AO NCMERO G LUGAR DE SUA FUNDICAO
\7<.*.*.*a. a ~-.A* J*nr.no doeowje olernoi iysteaw eem u
VapOreae TOaaS a'agtia mDbo wovenieatei pr imttu
rcnw^taijcia? dos ncahoret proprieurioe e para detcaro^ar algodlo.
Koendas de caana ftSS ottKn"h08' ***** qafl ,qo'
^ odas dentadas para ,DJo,6 *"e vapor
raixas de ferro fundido, batido e de cobre,
11 iiiiMqnes a ftindoa de alambiques.
UaUIimiSimJS e piri ^^ nudetra. I ser iMvidot a mio
e afatnadas ca?as
* cai* .H*e*se Blofldel.
. >*n x honra da decbrat ao -
concertos. _. aHwetes <*e piaaD, quaJquer qae sey
f"..P4l, cone Erard Pleyel, Henri flrz
""'jbaut sao gaTan'.itlos.
ei-
de
Imperac
ms-Pleye! & Hcrz, e aiHgo director das
respeitavel nublico desta cidade qne tern aberto sua ca8a
Jaiquer Stmi8ttfc!5a doi melhores fabricantes
Aaeamacasaacabaiereceber am grande;wrt'"J2 Jos oS pianos sahidos da ca?a
fc, com Er/ird Pteffii, Henri flerz e Alphons* Monae wuos k
sao garan'.itlos. .
OMapra-M e rocebe-se em troca os pianos asaaos.
para
d* paiente, garaaWaa.
vapor,
(por agaa,
....... 1 on ^nimaes.
pecat do qne an coetnma precisav.
Cuic^do francez
A 9$
24-Rua doMarquezdeOlinda-24
E|Oina d bfceco iLar^o
Participa a sens frrgaezes e amigos que mOdou
to-' "O sea estafcelecimento de'relojoe;ro para a mesma
rua n. 21, oade encootra*ao nm grande-sortimento
de relogios de parede, aroericanos, e cima de me-
sa, dos nrilfcores gostos-e qoalidades, Telogios de-1
algibeira, de todas as qoalida ex, patenle suisso,
de oaro e prata doorata, fdleado (plaquel), relo-'
gios de euro, ingtes, deseuberto, dos melhores*
fabricaatss, cadeiade ocro, plaquet e prata. lanetas>
de tod^s asqaalidades,tudo.por pregbs maito ba-
ratos.
Batinas para homem
Acabam ^e chezar grandes jactaras de botinas
debezerro.decordavao, de pelica. de doraqae
com biqaeira, de bezerro com botSe?, e com iibo-
-zas a 9>000 (a escolber) por ter vindo -grande
qoantidade por conta e ordem dos fabricantes;
ao armazem -do Vapor Francez, a raa do Bario de
Victoria (outr ora Nova) n. 1.
Para aenhora.
BOTINAS preta9, brancas e -de cores. diBerentes
lisas, enteitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phanUsia com salto, brancos,
pretos e de cdres-differentes, bordados,
SAPATOS de tapetes, chariot, castor e de trano.a.
Para meaiiaas.
BOTINAS; pratas, brancas de c6res diflerentes,
lieas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qua idades.
-SAPATOS de tran^a portuguezes.
Para meninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao,
ABOTINADOS e sapal5es, de bezerro, de deversas
qoalidades.
SAPATOS detranca.
Botas de montaria.
Betas a Napoleao e a Guilherme, pertMir
meias perneiras para bomeos, e meias peroeira
para meninos.
No armazem do Vapor Francez, a rua do Barao
da 'Victoria n. 7._________________________
Pireeisa se alugar utna preta de meia
dade: na rua do Ouro n. 71.
Atten^ao
Avisa-se pela ultima vez ao Sr. Salvador deSi-
queira Cavalcante, que ha uni anno tern zombado
do mandado de prisao qne contra si tern do jnizo
do commercio desta cidade, que, se nao quizer
passar pelo desgoeto de ser preso, mande quanto
antes entregar os d us escravos Aqnilina e Fran-
cisco, dos quaes 6 depesitario, e se acham de pu-
blico trabalhando no engenho Tres Bra os, lugar
de sua nova residencia.
Desde ja protesta-se pelo eervico dos ditos es-
cravos.
Atteneao
Avisase ao.eomprador do ercravo Henrique,
,]ue Salvador Manoel de Siqueira Cavalcante nao
podia vender dito escravo, por ser elle pertencente
ao casal do major Salvador dos Santos Monieiro
Cavalcante, e conw tal, a venda do dito escravo e
nulla, cotao melhor se demonstrara em juizo.
Consiillopio medico
DO
Dr. MurHlo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2.' ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
'51 qnenlou os hospitaes de Paris e Londres,
Ji pode ser proenrado a qualqaer hora do
^i dia ou da aoite para objecto de sua pro-
' n ssao.
m Consnltas das 6 horas da manhi as 8 ho
jK\ raw, e do meio dia as duas da tarde.
'gf% Gratis aos pobres.
ESFECIALIDADES.
W Mijlestias de senhoras, da pelie e de _
n3 crianca. 5r
Villa do Bom Jardim.
Ncdia 3 do corrente fugio deste lugar 0 escra-
vo de nome Mathia s idade de 22 annos, bem
preto, altura regular, corpo tambem regular,
denies perfeitos, feicoes grosseiras, tern varias es-
pinhag ao rosto, os pes nio sao dos mais feios,
periiaa finas, pouca barba, tern es dtdos minimos
das maos encolhidos, que nao etttram bem como
t% ontros, e fa I ante, mas nao tern boa pronun-
oia, toca gaita, ja tern carrea<1o. tern bastantes
raarcas de relho nas costas. (ktnduzfo uma negra
firra de nome Severina, urn tanto alia, secca do
corpo, idade de 38 a 40 anno?, urn tanto apoucada
no fallar. Quern sonber on vir este negro, pegne
tjaga 0 a esta vilU na casa de Jose" Louren?o Go-
mes Cabral, dono do dito escravo, que sera re-
Dinpensado.
I
i
i
ALUGA-SE
ama ssa na Caponga, rua das Pernambacanas,
con ecxeira e quartos fora : a tratar na raa do
Vigario Tenorio n. 81.
^ombas
Todas as machinas
Pae qaalquer concerto ***hw" pm
Pormas de feiro
Sncommendas.
49 Rua do Irapcradoi 49 i
mni tewitiido.
o melhor eortimenf de pianos ^^^f^^'supt
etc. Offerece-se tambem uma qualidade ^Pwuiosjup-
maL os amadores do?
de seda 4wos
DE
Cordeiro Simoes & G.
Accbam do receber pelo vapor Mendoza
-Rrauistimos covtes de gorgwrao
oom fistras achamalotadas.
'Ditos de liaho para vestldos, contendo cada cor-
*e, o necessario 'para sea enfeite, como seja :
franias, tranfas, ttotoas, fiveHas, etc.
Biquissimos chapeos para senbora, ultima oioda,
arna Primetro de Marco n. 7 A.
Sitio no Arraial.
Aluga-se nm sitio no Arraial, proximo a esia-
^U) da Casa Amarella (um mfcoto) com exellen-
tes casa demoradia, tendo os eeguintes eommo-
U 5 quartos, 2 salas, cozinha externa, terra-
vu, casa de^baoho e-diversas frueteiras. Aluga se
tambem uma outra -casa no mesmo lugar, com 3
quartos. 2 salas,-cozinha externa, agua de beber
e am bom quintal. por commodo preco : a tratar
na raa Priroeiro de Marco n. 16, 1. andar.
tern aa aelboren e mail barataa eiiaftentea. w mer-
cido..
Incnmbe-ae de tMndar vir qnalqner. macb^ntsao a von-1-
tade do* cftentei, lembrando-lhei a vantag am de fa ter em
ae comprat-por intermedra de peisoa eritendica, e qne em qoalfner nf jceMtdade pode
Me preetar taxilio.
^radoB ameifcanos 6 tolframent0i rioolw-
RUA DO BRUM II. 52
PASSANPO O CHAFARIZ
FUNMCAO DE FERRO
4' rat do taSo do Trrampho (rua doBrwu] rs. 10fta 44*4
CARDOSO IRMAO
Ha neste estabelecimento i
como seo : Here, Pleyel, Plap, -
riores, mandados expressamente construtr para este clime Hu
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
"Recebem-se pianos usados em troca.
eoncertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ba sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos,
sao: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RU* IBOIMPERA^OIi 49
Arrenda-se o eDgenho, Saltinho da fre-
guezia de Una, naoente corrente. Dito
engenho e bom d'agua, dista duas leguss dos
portosde Tamandare eHio Formrso, e tem
terras para safrejar 1,600 a 2,000 paes
annuaes: a tratar bo mesmo engenho com
o consenhor Henrique Augusta Milet, ou no
Recife com Leal de Olinda n. 36.
RnaDuque de Caxias.
0 Sr. Antonio Ribeiro Pomes, caiaeiro a rua do
Ouquede Caxias, qneira vir a rua do Imperador
n Ai, a negocio de mutuo interes?e, isto por se
ignorar sua residencia demestica.
Escravo fiigido.
Desappareecu ha dia?, do sitio Rosarinho, uiti
mulatinho, acaboclado. do 14 annos de idade, cor-
po reforjado; levou camisa e cal?a de algodao
azol: gratifica-se i quem o apprebender e levar
a rua Xo7a n. 8, loja de Lyra & Vi nna.
A$6\M aos'seobores de engenhos e outres agricultures ee ao publico em geral que
contioueoa a receber de iDglaterra, FraaQa e America, todas os ferregens e maehiras ne-
cessaries aos estabelecimentos agricolas, as mais modernas e melhor obra qne tem vindo
?o tnereedo.
VapO^eS |defora de 4, 6,8e lOoavallos, os tnolhores quetem vindo-ao merado
ualdeiraS fo g^resaleate para vapores.
MOGDwaS mieiraS e meias moendas, obraoomo netnea aqai veio.
I aixaS ilUndiaaS e batidas, dos melhores fabricantes.
tvOaa& RodaS -dentadaS de todos os taaaanhos e qoalidades.
ReloglOS e apitOS para vapopos.
DOUluaS ,je ferao, de repucho.
AjadOS de drrorsas qualidades.
FormaS paraaflSUCar^raodes e pequeoas.
Yarandag de ferro fundido, franceias dedtonoseAonitosgostes,.
C Og*OeS IrancezeS p3ra lenba e carvSo, ebra superior.
DitOS dltOS paragaz.
Jan-os de ferro-fundido
Pes de ferro
Ma china
para jardim.
para mesa e banco,
para gelar i-gua.
\ alVUiaS para bomfea e banheiro.
Correiag inglezas para machini&rao.
.oanCOS e SOlaS com tiras de madeira, para jardim.
CvOncertOS concerta.m &>m promptidio qualquer obra on machine, para o que teeai
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
BrJCOniniendaS man<*am v'r Pr encommenda da Europa, qnalqner machinismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
com urn dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar aasentar
iitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho{ruado Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
como
REDUCCAO DE PBECIOS
FABRIGAS DE CHAPfiOS DE SOL
DE
MANUEL & MAESTRALI
Rua do Barao da Yicloria n. 23
ESQUINA DA CA
M B
E
0 A DO C A R M O
Rua Duque de Caxias n. 64.
Os proprietarios destes eslabelecimentos participant ao rpeitavel publio, e a seu;
freguezes, que teem sempre um cornpleto e variado sortimento de cbapeos do sol d to-
das as qualidades e tamanhos ; tenclo resolvido fazer reducgao nos precos dos mesmos,
e acharn-se em condir;6es de poderem vender mais barato que em outra qualquer parte,
visto receberem todos oe seus artigos em direitura, e achar-se um dos socios na Europa.
percorrendo as principaes fabricas.
'- Chamam a attenQSo dos senhores logistas para visitarem seus estabelecimentos, e
vista dos precos e boas qualidades dos artigo, nao deixarao de comprar.
0 Cobrem-se e concertam-se chapeos de sol de todas as quilidades,. com prompti 1S(
e a precos modicos.
liiillll
41 Rua do Imperador 41
Curso de portugmez no col-
legio da Conceigao.
O taacharel Jorge Dnrnellas Ribeiro Pessoa este
jnenmbido do referido enrso.________________
Aiui-i-se I'armazem da rtia Dirella n. 95,
preprio para qualquer estabeiecimento : a tratar
no eansistorio da ordem terceira de S. Francisco.
Con?ttn iu ao abaiio a=siKnado Helena Maria Cavaleaete de .Albuquerque, mora-
dora na eidade da R?ca a, qurr vender o escravo
Izid'iro, que esta em seu poder por contempla^ao
de familia, previne-e ao respeitavel publico, que
nao facam nego^io, poi* esja senlmra pouco ou
nada tem ao rresm e sim os herdelros do ?eu
Krimeiro man do Jose Joaquim CavalCdnle de Al-
nqnerqae, como"raostra se pelo inventario feito
nas Magoas. Utinga, ii de abril de 1874.
^^^^ Antonio da SiWa Marques.
ATTENGA0.
offt-reco se uma mnlher viuva honesta capaz
para torn ir conta de uma casa on le algans me-
ninos para tratar mas tendo cornsigo uma filhinha
fle trfa annos, a qual levara para onde quer que
for : quem pretender dirija-Ke a ru< Dnquede
Caxiasjantiga das i razes) n. it
Antonio Teixeira dos Santos
se inlgar sea cre-
ietirase para a Eampa, quem
dor, dirija-se a raa do Imperador
peitavel corpa do commercio, que desapartaram a
soeiedade que liaham na taverna da rua de S.
Joao n. 8, que gvrava com a firma de Manoel Au-
gusto Ferreira & C., flcando todo o activo e pas-
sivo a cargo do snzio Manoel Augusto Ferreira,
retirandose a socio comtnanditano Jose" Rodri-
gues da Silva, pago de seu capital e lacros
Recife, 16 de abril de 1874.
Jo?ti Rodrigues da Silva.
Manoel Agnusto Ferreira.
Aluga-se a casa dos ledes n. 48, com com-
modos para familia, atta a raa do Coronet Lame-
nha (aatiga dos Prazeree) ________
Dousescravos por 950#000.
. fills do Ciabo.
No dia 19 do corrente linda-se os 30 dias, den-
tro dos quaes se deve apresentar as propostas nos
termos da lei, para se realisar a venda da e^cra-
va Luiz', com 25 annos de itUde, cor preta, sol-
teira, sadia e de todo servi^ e de nm filho com
6 annos de idade. c bem luzldo, todos avaliados
por 950*000.' Os pretrndentes davem apreientar
suas propostas no carlnrio do escrivao Araujo, aa-
quella villa, ale 19 do corrente. Cabo, 16 de
abril de 1871.
RUA
DA
ODILON DUARTE & IRMAO
CitBELLEIf,EiROS
exposicao de 1872
Premiados na
RCA
DA
IMPERATRIZ
Escravo fugido
Desappareceu ao amanhecer do dia I do cor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes: cabra, idade de 30
annos pouco mais ou menoi>, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o.signal mais visivel 1
gomma na junta do pe esquerdo : roga se a todas
as autoridades e capitaes de campo, queiram ap-
prehender dito escravo e leval-o ao referido enge-
nho, ou nesta praca a Oliveira Filhos 4 C, largo
do Corpo Santo n. 19, que serao generosamente
recompensados.
Pulseira perdida
Perdeuse, domingo 3 do corrente, uma pulsei-
ra de crianca, de ouro com coraes e requififes,
de?de a Passagem da Magdalena at6 ao arco de
Nossa Senhora da Conceicao do Recife, ou d'ahi
ate a rua da Aurora em Santo Amaro. Roga-se
o especial obseqoio a quem tiver achado de leva-
la a rua do Barao de Tnumpho (auiiga do Brum)
n. 92, armazem de assucar, que recebera a grati-
fieacao de 80^000. Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o'nasjmelhores con-
Os abaiKo assignados facem scieate ao rea- Jiccdes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo que fdr tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coques modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel era cabello.
0 estabelecimento aiha-soprovido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europe, as suas encommendas e figu-
rinos de raodas, e por isso pode vender 20 'j0 menos que putro qualquer, garantindo
perfejcSo no trabalho, agrado, sincerirfade e preco razoavel.
Penteam senboras, tan.to no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
por^So e a retalho e todos os utensilios pertencentes a" arte de cabelleireiro.
0 novo proprietary deste acreditado e bem montado estabelecimento, i
conservar os creditos de unico neste genero, b m refnrmado e melhorado completamente
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeicao em todas as prep*-rajOes, aceio e modicidado nos precos'
compativel com este genero de drogas. F ^7
. fsPera. aTtodo, momento uma grande remessa de pharmacia homeopalhica de J.
5Ca <& Londres, compost* ^ medicameinos, cartciras, pocolotcs, Opodeldock de
Khus, de Buvonia, de Arnica e de pds especial para denies.
Tem a" disposicao dos amantes da bomeopathia a excellente, obra do Dr Mure me-
dico do povo, ji em 3.a edi^ao.
pradorem Carte'raS de 8Iobulos e tinturas de 1-2 medicameatos ate 120, a.escolha do ccm-
Plumeria, para mordedura de cobras.
Seracenaf Chocolate homeopathico.
(Para bexigas como preservative Cafe homeopathico.
Vaccina (
I.
N. 82
' ANDAR.
China cruzeiro, para intermittentes.
Schynus, para anginas.
j Calendula, para queimaduras.
[Taranlula, para paralysia.
Tintura mSi d arnica, para conlusdes, cor-
ks, etc.
A CIIEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
DitodeRhus )
)para rhematismo.
Dito de BryoniaJ
Elor d'araruta.
j Pds para dentes, inglezes.
j
Jeric6, para rheumalismo.
Matta-mattaoujaboti, para losses.
Espirito
ra.
de Habereman ou de camphc-
IMPERATR1Z
N/82J
1. ANDAR.
Cactoc grande fldrus. para pneumonia;
moleslias do coracdo.
DaracoSnS|rCOnStaiDlera6Dl? te5ta,d esMte e inspeccionando todas
paracoss o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Sauto Hello.
as pre-
COKSDLTORIO HOMEOPATHICO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manha, e a noite ate 9 horas
aos pobres.
Desappareceu da ilha de Itamaraca no dia
3 do corrente mez de abril, o escravo de nome
Ant nlo, idade It annos, com o* signaes wguin-
tes : cdr cahra, rosto comprido e com alguns pan-
nos brancos, qne se augmentam mais para nuca,
pouca barba na ponta do queixo, nariz a6lado,
bncca regular, denies entramelados, tem uma das
mftos foveira de marca de fogo, e metade de um
dedo de menos, tem tambem o umbigo aberto e
grande : quem o pegar leva a mesma ilha de Ita
tnaraca, qup sera bem reeompensado pelo senhor,
qoe e o annunr.iantc, abaixo assiguado.
Franrifc Theoduiu de Macedo.
- Precisa-se de uma an a de leite, livre na
escrava : ni ma do Vi^conde ds Goyaana n 14,
outr* -ra do Cotovello.
Collegio de S. Sebastiao para
' o sexo feminino
A abaixo as9ignada scientiSca aos senhores pais
de familias e a quem mais eonvir possa, que as
aulas de sen collegio c mtinuara a funccionar em
a casa da rua uireita n. 36, 2 andar.
_____ Manoella Angnsta de Mello Rego.
laixeiro
30S00O
Para engommados e arruma;des de casa de
peqaena familia ; da-se esta quamia a uma cria-
da que seja de boa cendncta e perfeita engomma-
deira : a tratar na rua de S. Francisco n. 72.
n. 36
Preciea se de um menino portugnez, com 12 a
IS annes de idade, para caixeiro de uma taverna:
a tralar no caes Vinte Dons de Novembro
A, confeitaria._______
- Alaga-se ou vende-se um escravo carrocei-
ro, idade quarenla annos: na rua do Hospicio
n. 81.
ilJLt niLK4
A primeira cadeira da anla publica para o sexo
lemioino da freguezla de Santo Antonio, funcciona
no 2 andar da rua do BarSo da Victoria n. 31,
entrada pela rua das Flores.
~^RazerS
Gioanni, subdito
para New-York.
italiaoo, retirase
Na rua do Imperador
n. 28
precisa-se fallar aos seguintes senhores :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
join Vaz de Oliveira.
Jos6 Franchcq Lopes Lima (Sazareth).
Manoel Pereira Brandio.
Mmoel dos Passos Miranda. v
Theotonio de Barros e Silva.
Francisco de Paula Borges.
Francisco Antonio Pootua
Traspasso de casa.
Traspassa-se ate 31 de ag'Osto uma grande casa
na povoacao de Apipucos e com i;;nitos com mo
dos : a tratar no 1* andar do sobrado da tra
vessa da rua do vigario, a, I, escriptorio.
mm
Um sitio natravessa da Cruz das Almas, perto Tor, ..
das estac5es da Tamarineira e Jaqueira, com ex- lenao aeonlecido um desarranio na ma-
cellente casa de vivenda, nova, muito commoda china de gelo, os fabricantes vem por meio
Lah8,e'^L: tend0 .* ? 6 I"31*'03' e f6ra c- deste Peclir desculpa ao seus freeuezes haIa
znba, despensa, sala de engommar, quarto de co- faita ;, tpm hflviVin Qcus..reguezes Pela
zmheiro; assim como cocheira, e^tiibaria dous V1 tem ,avido nestes d,as; esperam
quartos para criadoi, latrinas, cercado de ferro, Poremem qualquer destes dias fomecer a to-
banheiro, gallinbeiro, etc. etc.: a tratar no sitio dos s qupntidade-* do costume anmvpi'am
do commendador Tasso. tambem a rireiAn nr ^- J F
------^-------m___--------------- j a',u>-''i a occasiao para prevenir aos seus
i1 rt-~.._^L^______ freguez-* que teem em viagem uma roa-"
\TrlrrlTiniinriS- china nova' de maior forcae dosystema
v^ c*a aiuiuuj, mais mo(Jern0) quo fabficvrf ^ major ^
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-s* ca,a e co toda presteza as quantidades que
allar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e forera exigidss.
>s daSilva, a negocio de particular inte j Santo Amaro. 17 de marco de 187i'.
I Pelos testamenteiros de C. Starr & C.
William W. Webster.
sse
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, sitnado na pro-
vince de Oauoas. comarca do Porto Calvo, a
I ludn i
Casas para alugar.
Alugam se doas casas t'erreaa, siias a rua Capi
menos de uma Tegoa distante do oorto demar do t5?,An,QBro fe Um\ *** f anto Amaro, tendo uma
Gamella, tem oxfeilentei Jrra. S S so.io ea outra acabada de novo; bem como, .-.
regularmeBteliOOpl aK^"rw do vlt-?** *?'!?" d* T de San^ ,?abel n- 7' achan"
eario n 31 oo v- do.3e ,pda? caiadas e pmtadas. o preco das pn-
-':-------------------_____________Z' meiras e 28/ e o da ultima 364 mensaes: trata-
Trabalhador para sijk). se a raa da Aur"ra n-m-
Precisa-se de um no p ,voado da Tefre, rua da Precisase de um feitor que seja trabalhad"or
lorre n. 4, perto da igreja : a tratajr na rua Nova e que enteada de jardim, para nm sitio em Pon-
P- 19, i andar. J tede UchOa : na rua Direita n. 8.
%



m*


6
I
-
^m^^^m,^rftegwh fotobJ&te^Wi nfe^74-
. PHOTOGRAPHIC
Armaoa
[a.
YttPTStClAt
LOPES & G-
ESTABELECIMENTO DE PRIMEIRA ORDEM
Run di) Barao da Victoria n. 14, sobrado
(ANTIGA RUA "NOVA)
Trabalhos premiados na ultima exposixjao.
DO

RIO DE JANEIRO
Acha-se montado sob as melhores condiroes de arfcy^ aberto. a
concurrencia publica, esto estabelecimento, o pri#iro, semduvida,
uesta provioria, no qual se liram retratos pelos tnelbor.S e mat*
rnodemos sjstemas, empregando-se somente material de primeira
qual.dade, e garanlindo-se
Semelhanca, nitidez e duracao.
Trabalb--se todos os dias uteis e de guards, desde M^O boras
da manha" as quatro da tarde, nao prejudicando o teropotff c-huva
ou nublado a perfeicao dos retratos.
Faz-se toda a qurlidade de copies, augmentando-as ou diminuin- "
do-as. I
88000
L'ma duzia ne retratos de uma so pessoa, em cartoes para al-
bum.
Para os retratos esmaltsdos, colloridos, gruoos, e augraentados ha
uma tabella de precos.
T ram-se retratos ate taraanbo natural.
Na. roa* da Baral 'da friltuA'ain
fcaent^JdV
gaeie de fed icteresse
fall*- ao gr. 2. teocntdjj
36|. (Ireitf-se
eaflria PqYtana/aae-
Ax^IA
2* andar.
uzinhat a. coirprar
e do ania ma : na
ue d Chiias ".,
Amn Precisa-se de nma ama para coziDhar,
"" paga-se bem : altotar na rua do Hospi-
eio n. 70, casa tcrrea de bolas atuarellas na cor
nija.
o afialxo assignaoo JecTara ao rasperfaTef .'
corno do^mmwcicvque-OMta d#ta,d#u wcieda-1
dafctem lea estfcbetciielto rufc do FCgo n. 10, ao Sr loseJoaqaim Rodrigues I
Brfcz, qae de hora em diante funccionara sob a
fi'ina social deSilva & Braz, Gcando o mesrooSr.
raz na gerencia do aiesmo elabelecimento na
Sua auseucia. Recife, 13 de abril de 1874.
_____ .'Ajsifc godrigues da Silva.
Prccisa-se de
roa Direiia d. lj>.
1MIIMS
bated ores : na- refinacao da
Precisa-se de uma, ama para ca*a Oa/amL
lia de doas pestfotfs : a tratar ba roa do Cabiiga'
n. 1, loia"
UMA
i
k i ar i Precisai
s AMA &m
on eserava : na rna
Cru) m 52, 2 andar.
an? abaixo assignado achar-se nes-
rua do Barao "da Yictcrii n. 36
fallaf ao Sr. vfgarlo Andre CnreiLO da
. preoisase
e Aratijo Pe
Precisa se de nma que sal-
ba coztahar eom-perfeicao pa-
__iHxtMia easa de fwr.ilis com-
posta de duas pessoas : no. paieo da Paraizo A. }$,
primeiro ou segundo a'ndares.
AMA
Treeisa-MTdTtima escrara para cozi*
comprar : a tratar na rua Primeiro de Marco n.
S3.
AMA Precisa-se de nma ama para e.-zi-
jximv. qi,- : na rua da Tboae Souia a. t;
atiiw0mo xeiro de 14 a 15 annos,. qae tenba,pratica do la-
-- '"''r'tl i
racisj-3 de
pma,.ama para
eozrnhar comprar p-ra eaia Je
poaea. tat/mat >i traiar n*raa
Primeiro de.Maigo n. Jd, %,' aadar.
Precisa-s^ de naja [ama para fozi-
ifeoa,
do Bon>
podindo ser
Jesus
re
(anfiga da
O ejerayo Lociap^jjuj.diz chamar-se Joao da
Cruz, ja teVe prop no exercilo com este nome,
esla fugido acerra de um nu-z : 6 do for bem
preta, estalara baiu, rosto redondo e cbeio, e fal-
ls descancada.
Cunsta que anJa.pcJas immediajoes desla eida-
de ; qaem o peg'-ir, n,e>e leva-lo a rua do Mar-
qnez Ue Olinda n. &1, tfox sera recompewado.
Uraviis, perdidas
Boga-se a quern aelnrtr nma argola com chavea
WA
LOJA DO PAVAO
M
Rua da Imperatrjz n. 6#
MBA
Ctranadlna preta m 500 rs. o CA-MiSAS
!
. 5 ...... ...._ o PdT3o yende granadin-eta e lavradai
m5Blerec.jmpensa.i0. iWadapoIft^ emFcmtm& nj-^MW
peg*.
4> Paw&o vendo pe^as de madapolao et>-
fimcmff>-AmM>* -moo-
Arreula-se o
termo de Sermliaem
Piecisa-se de nma ama que saiba cozinhar
e eMomraar: tritar a praca *<> Corp* Santo
n. 17, 3 andar.
Precisa-se dettra* anja li-
v7e oa eserava, qne oozinhe
- conr'perfefc5o: na f.ibrica a
ftprtrle e%arrW (anligaru'a dOqaartelde policra)
n. 21.
mo, no engenbo tolifornia, em Serinhaera.
-------------
U
Ama dp lerte
Precisa-se de uma ama do lite sem fijho na
rua do Cot/ftellp n. 129.
Ama
Precisa se da ma ama para coajnbarl
etttcasa de femiMa : na rba'do Cotov'tl-
lo a: m.
0 Jt^-ecba-se afugaxoma ama de leite, forra ou
eserava : na rua da Alegria n. 36.
negocio; jj ConsuKorio cicdico-cirnrrico %
lmonm|^ T ft ( g
A. B. da Silva Maia.
s
Una do Visconde de Albuquerque a.
11, outr'ora rua da matrix da Boa-Vista
n. 11.
Chamados : a.quaiquer bora.
Cnnsultas: Aos poies gratis, das 2 as
4 boras da tarde.
I
Galiza.
Parvtlbo d Nogueira, na rua do Apollo
n- 20, sac. am sobre as soguiates.cidades da
Galiza. na Hespanha: Santiago, Orense,
Patron, i crrol, Ponte-vedra cCoruna, qual-
que- quantia a" vista c por todusos paque-
des.
ia prapi o Sr. Mauoel Fernandes de Carvallio ren-: reira>a uegocio de seu interesse.
deiro dos engonhos Barra e Preguica, em Ma- ^^SMi5QS^i*iKSK5QQeiffi
manguape, provmcia da Parahyba, veem rogar ao; r*J ^^*"ti r~*- ^=*---^^^^
mesmo o obzcquio de rir en'tender-se coin oj'^n ,. \ w.
abaixo assignados immediatamente sobre negocio fi, i,(iHSS\wV\(\ ITiPiflPA.PIPIlPfl'IPn Q
tendonte ass referidos engenhos. Rua do Amorim
37, escriptorio.
__________________Tasso Irmaos & C.
Vicente fugio.
Na noite de 13 para ii de marro do corrente
mno fngio n rr.ulato Vicente, escravo, de 20 annos
Je idade, bonita figura, barba e estatura regular,
levando vestida e em um sac:o roupa de algodao
braneo e alguma mais Qaa pertencente a um cai-
xeiro da casa d'onde fugio ; e natural da fregue-
zia de Sant'Anna do Mattos, diz ser livre, casado,
i ter sido rriado em empaubia da madrinha D.
Anna Luiza da Luz, de quem alias foi escravo :
roga-se. portanto, aos senboies eapita&j de campt
; iilondades policiaea a appreheu>ao do dilo cs-
>, e enlrega-lo na cfdade do Recife, rua do
;io n. 10, ao Sr. loaqaim ilo;eira Reis, ouna
e d.. Assn ao Sr. Torquato Augnsto de Oli-
\ sjra Baptista, quo scrao g.-nerosatnente gratiQ
Jscravo fugido
'iigio em dias do mez de abril corrente o cabra
ano. de idade 24 annos, esta'.ura regular e
. tigara.anda bem vestido e algumas vezes cal-
. i ii laes de bexigas no rosto e falla cor-
imente, i natural da provincia da Parahjba,
e de a ippor que leana ido para S. Jose das
abas ou Lagoa desSaiwnpsta provimia, aonde
i i aren..< ; tambem pode ser que esteja occnl
. avta ci ladi, tpalandu de se liberlar sem pagar
>eos seuh res: roga-se por isso i' autoridades
ciaeae capitaea do campo a sua captnra, pro
teado-se b >a gratifica;ao aque:i a realisar,
'iv ando-i na rua do Apollo n. 20.
Comedorias e flores.
Na rua cftrcita do ll. sario u. 33, sobrado de
um andar, defronte do barbeiro c por cima do
tartor.o, centinua-Sd a fornece; coined rias para
fora, bi m asseio e pro ptidao, o que muito util e
aos Srs. a:; demicos que tern de chegar na aula a
horas marcadas, si-ndo os precos mni razoaveis.
i^a mesma casa apromplarn-se bandejas com bo-
ahos para bailes, casameutos e baptisados, pao-
ae-109, bol'-s, pudins e pasteis de nata enfeitados
u simples, faz se palmas, bouquets, capellas, fes-
toese toda a qualidade de flore3 soltis, de cera,
I annc ou papal : tudo na rua estreita do Rosario,
a?a da flt-r: eta.
Rua ]. de Margo n. 23
Aos 20:000^000.
0 abaixo cssignado tern ssmpre exposto a ven
ia bilhetes da loteria do Rio, cuia extraccao an
ounciira pelos jornaes.
Precos.
Jotiiro 24O0O
Meio 12*000
Quarto 6*000
-___ Manoel Martins Fiuza.
Nao se prestando o peqneno espa^o do armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro estabelecimento sob a mesma
denominacao de
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcoes desejadas, e onde pode-
r3o os senbores freguezes dirigir-se, certos de
aue, corao at6 aqui, acharao sempre a par da mo-
dicidade dos pregos, a maior sinceridade possivel.
Entre as differeotes marcas de fumo da Bataia e
Rio de Janeiro, que tern sido annunciadas, acaba
de chegar uma encommenda especial, e quemuiio
deve convir aos seuhores fregueies. Consciente o
abaxo assignado de que neste genero de negocio
nao esla sem competidores, fara muito por evitar
qne tambfm o?. tenha com relacao ao pequeno lu-
cro que procurara obter da diU mercadoria.
______ Jose Don.ingue- do Carmo o Silva.
E^t'a encouraeado {I 1
Vsoa mol*
Tauto da ale
Roga-se a* if
eserivao nafcif:
favor de rim n
cluir aquelle ne.
pexlra dar-a
a fiira.
Vieira do Majl
d^^!a provincia,
xias n. 36; a con-
se oomprometteu a
N. 10,200
I'ede-se ao Sr. Jos6 Caetano, da Amenea Illus-
!rada, o favor do appare.-er na rua Primeiro de
Marca n. 7 A, 1 andar, a negocio de seu interesse
Escravo fugido
O abaixo assignado recoraenda as autoridades a
captura de seu raoleque de nome Daniel, crioulo,
com 13 annos de idade, olhos grandes, tern um ta-
I bo n'um pe ; assim como, gratiflca com C0|' 00
i qua!.,uer particular que o appreliender e o levar
i rua do General Seara, antiga rua do Jasmim
a. i0, cujo moleqae fogio no !.* de dezembro do
snno psssado. e consta transitar nesta cidade, fi
cando i .uito grato a quem o apprehender ; a=sim
como do:I. ra que honve este moleque por compra
a Gui'h lino Frcderico Daegel, o qual comproa
aoSr Tii.nie Ridrigoes da Cunha.
Servcnle de bolica
Pre.- Ua-3e de um que tenha pratica :
f:;ac.a Torres, a rua de Marcilio Dias u.
Alfencao.
Precisa se de ama senhora que esteja babilitada
para ensinar o portuguez, francez, piano, costuras,
byrdados, etc., etc., e que qutira ir para um en-
genlio petto de uma das estacSes do Recife-a S.
Francisco, para ensinar a umas meninas que ia
estac. priucipiadas paga-se 1 0006, e gratifica-se
gradaando : a tratar nas Cjbco Ponlas n. 82.
realisar, pela tereeira chamada destd jornal, em
On* de. d>zemb*a^dT-l87k, *dipois. par* Janeiro,
pasaou a fevereiro .abril de 187,2, e nada cawprio,
e por este motivo e de novo chamado para dito
8m, pois S. S. se deve lembrar que ests negocio
de mais de.eito annos, e quando o Sr. aeu nlho *
achava nesta -cidade.
Ricas bandeijas
Para asauientos, batieae baptisados.
Quem quizer obter uma bandeij* ricamente en
feitada, dirija-se a Confeilaria- do Gampos
Ja mandando ou indo encommendar, ja com-
pranio alii todos os enfeites, esnstando do sefoiQ.-
te :
Bolos finos para enfeitar.
Doces saborosissimos para enfeitar.
Figuras allegoricss para enfeitar.
Papeis arrendados para entei'ar.
Bouquets para noivos.
Alii
Encontra-se semjire o seguinte :
Fiambres inglezes.
Budins
Bolos >
Pies de 16 tino3.
Fatias do dito parr, parturientes.
Pasteis em profu?ao.
Filhos (sonhhina).
Dcces em calda, ralado e secco.
Bolachinbas de mil qualidades.
(Sugar Waffers vanilla) para dielas.
Gelea de mocoto, desinfectada.
Amondoa-. confeitos, etc.
Cba verdndeiro das ("aravanas.
Cafe de Java (verd deiro).
Tudo isto an
CONFE1TARIA DO CAMPOS.
0 I'avao vernJe una bonil xxtimpAy de
camjsa.s frarippzas. eorn.pelto dP-a^idiiio, a
2000 e 29wh). aws cow p*i*P da |jph.Q
de 3000 aJ^JOP. pifa* Jifrftadas muito
finas do 6SDC0 a 103J00O: asshn como
io, tanto de canas (feado,-pelo barato preco de 8J60* a pe^B.' grandfr aortOiBemo de-eeroutas de Wofeo e de
1? 'iSn^iiJ^'w.01Dita* 9em 8er Mlfess*io coBO i 20 jardas,, a algodao, por prtw^Bat^rh*, e tanabem tem
>a, cw aennnaem. 5>a00- Ditas con 44 iardss HWito b&a pompleto soffWutode pgnbose ^ttttmbos
estacia de Lfhreeiro ou Escada, moe com agua e 6,AU ALAS rHfcIAS A 00, 0*0 L 800 llk^
de muito boa pjpduccap, tauto de canas como de' 0 Pavao tem um granda ,sortiraento de
i o prqufiptario do mes- alpacas preta*, gue veodea eaKtnlM) Jossaral-grande, no
o qual esia situ ado a lego a
e mm da estaciio da fiseada ; e earn moedor com
agua, e de muito boa produeeao,
eomo de maadioca : a tratar com
do mesTio, no engeriho California
do cereadg do engenho Fornp da Cal, pa noitet de.-
*t do correme mee, nmcavallo castanho, rego do'
elho esquerdo, com o e'pinhaijo ferido, coin o
rs. o cevado, assim eomo gri|nd& sora'-
raento de can toes, borabazinas, pemcezas
prelas, merin6s, e outran muitas '/aaendas
proprias para luto.
kMllalaa a lr 0 Pavao vende sedas com listrinbss de
se generosamente a quem d r noticias certas dos
mesaios attlmaes, na rudo Marqw. de Olinda n.
24, lu andar, ou no engenho acima.
fliBhciwajiircs
miuhas a 2?u00. Ditas com toque de raofo
a 1*000 e 19400.
CA.ttBRAlA VICTORIA A 4*000, 450,
05800 E 7*000.
0 Pavao vende um grande sortirnento de
enmbraia Victoria e traasparente e/jm
em couta.
impartilli a *&,

HfW
. Ue ^OOW-a 2:00O&. n!s ou m.'aos com hvpo-
scrt4T sstrS tit: \zA sis ^i^>r^*e*> p^i1
aooiero 5.
Compra-se um.pottiio
angel h. 62.
de ferro : a rua
, Preeifa-se cftipprar deiw escravos, nedreiro e
carapina, papa se bem : a tratar na the-ouraria
das.lojerias, k roa Primeiro de Marco-n. 6.