Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17618


This item is only available as the following downloads:


Full Text
"**-
ANJVO L. MJMERO 80
r *
v
^s>
*v
r
.
.
r

C
\ **
$
Lv
)
pi
* /
)
s
PARA A CAPITAL E LUGARE9 0\DE NiO SB PAG A
Jor tres mezes adiantados. t.............- .
lor seis ditos idem.................
iv.r um aimoidem.................
<^da Dumero avulso......... j ...... '
t
SEXTA FElItt 10 DE ABRIL DE 1874
ITE.
69000
129000
S49000
320
PABA DE.VFK E FORA
tor. tres meaes adiantados.
For seis ditos idem
HA
PBOYINC1A.
.
69750
139500
For note ditos idem -.......\ ........ 909250
For um anno idem................. 279000


MAM
-1*
PR0PRIEDADE DE MANOEL FIOUEIROA DE FARIA 6 FJLH0S.
A
9i Sr. Gerardo Antonio Abes d Filhoa, no Para; Goncaives d Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose" de Oliveira d Filho, no Ceara;
Pereira d'Almeida, em Mamauguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose" Gomes, na
Antonio Ferreira de Aguiar.em Gojanna; Joao Antonio Machaeo, noPilardas,
PARTE OFFICIAL
aio de Lemt* Braga, no Aracaty ; Joio Maria Julio Chaves, no Assd; Antonio Marqaes da Silra, no Hatal; Jose JusUno
I- Penha; fis'armino dos Santos Bulcao. em Santo AnUo ; Domingos Jose da Costa Braga, em Nazareth;
i Altes AC, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
Minister!** ilu justica.
DECBKTO N. 3,373 DK 21 DE MA3C0 DE {874.
Dd regalamento para a nova org inisagao da
guarda national
Hei por bem. para cxecucao da iei n. 2,395 de
40 de setembro do 1873, dai-reiar o soguinte :
CaPITULO I.
DA Rt-PARTICAO DA FORQA DA GUARDA NACIONAL.
Art. 1. A guarda nacional de in anteria sera
organisada deulro dis liuut-s de cada municipio,
por companhias, seccfl s de batalhao e batalhdes."
Art 2 A: companhias constarao de 1(H) a 130
pracas, distribuidas quanlo fur possivel pelaa pa-
rochias.
Oade nao huuver este umneio de. guardas alis
tados, 09 que se qualillearem pertencerao ao nm
aicipio maid visiuho. *
Art. 3.* Nos raunicipios, em qae forem qua-
lilicados de 400 a 6j0 guardas naeionaes, podera
haver uma seccao de baialhao, que se compora de
quatro companhias.
Art. 4.* Havvra um so batalhao de guarda na-
cioaal, de seis a oito comoanhias, no muuicipio
e.n que a tort* qnalilieaja do servico aetivo for
j.) ma is de 601 ate 1,200- pracas.
Art. 5. Se a qualilk-acao exceder do maximo
iadicado no artigo antecedenio, crear se-hao sec-
foes de batalhao, ou t.intos' batalhoes quantos fo
fern necessarios para a distribuicao dos guardas
em corpos distinct is na referida proporjao.
Art. 6.* As disposicoes anleriores sao applica-
veis a guarda nacional da reserva, que constant
de batalhoes e secedes de batalhao, conforme o
numero de pracas alistadas.
Art. 7.* OiiJe nao houver nuuiejo de guardas
da reserva para formarem utn baUhao ou seccao
de batalhao, as que se alistarem serao repartidas
pelas companhias do servi;o active, as quaes fica
raj addidas.
Art. 8." 0 governo podera crear companhias,
esquadrdes e corpos de cavallaria, nos municipios
em que julgar conveuiente a*existeocia desta
arma.
Art. 9.* As companhias de cavallaria serao
compostas de 80 a 100 praga?, os esquadroes de
duas companhias, e os corpos de dous a quatro
esquadroas.
Art. 10 Nao havera inais de um corpo no mu-
nicipio, em que se nao poderem forma r pelo me-
oos quatro esquadroes, de 100 pragas por com-
paahta.
Art. II. A" medida qae ficarem vagos os com-
. uiandoi de batalhoes, corpis, seer; es de batalhao,
esquadroes e companhias avulsas, os presideotes
de provincta majidarao aggregar aos outros bata-
lhoes e corpos do muuicipio os oflkiaes e pracas
do batalhao, c^rpo, seccao, esquadrao ou com pa-
nliia, que houver de ser dissoivido por nao corner
o oumero de pracas exrgido neste capitulo.
Art. 12. Nao havendo no muuicipio outro bata-
thao ou corpo, o exislente passara a cathegoria
inferior, se liver some te o numero de pracas in-
dispeasavel para constituir secgao de batalbao da
esquadrao.
Art. 13. 0 governo, ouvidos os presidentes de
provincia, fara nova divisao dos commandos su-
periores, nos quaes se comprehendera pelo inenos
o territorio de uma boiharca, conforme a qualifi-
cagao x quo se proceder da forca activa da guarda
aacional.
Art. 14. Os olficiaes do estado-maior dos com-
mandos 8tiperiores, que forem suppriraidos, fica-
rao aggreuados aos novos commandos supe'riorcs,
e assim elles, como os olDciaes dos corpos e bata
lhoes reduiidos uu extinctos, terao preferencia
para 33 futuras nomeaQdes dos lugarc3 vagos no
commando superior ou corpo a que estiverem
aggregados.
CAPITULO II.
DA 0. riClALIDADS DOS CORPos K COMMAND OS
sli'EIUORES
Art. la. 0 goverao podera maoter o quadro de
uUkiaes estab^lecid is pela lei n. 002 de 19 de se
teutbro de 183J, quando a guarda nacional tivtr
de fornecer corpos destacado?, ou destacamentos
por batalhoes.
No 1 caso, serao preeuchidos os postos vagns,
emquanlo durar o service, por offlciaos do exercito
ou de qualquer corpo da guarda nacional, con-
forme a designagao.
No 2* caso. os postos vagos serao provisoria -
inantc exereidos por offlcises do commando su-
perior, que liver de presiar o destacamento.
Art. 16. Nao se verificando as circumstancias
do artigo antecedente, o quadro des offleiaes da
guarda nacional sera o soguinte :
| 1 As companhias com por se-hao de um capi-
tao, um tenente, um alferes, um primeiro e dous
segundos sargentos e seis cabos.
| 2" 0 estado-maior emenor das secgoes de ba-
talhao, o dos esquadroes quo nao entrarem na
eomposifao dos corpos, constara de um major
commandante, e de tres sargentos, quartelmes-
ire, ajudante, e secretario.
3 0 estado maior dos batalhoes e corpos
constara de um tenente-coronel commandante^
uai tenente ajudante, nuc servira de secretario,
um tenente quartet-mstrc, e um tenente cirur-
giao.
j 4' 0 estado-maior dos commandos superiores
constara de um commandante superior, um major
ajudante de ordens, que servira de secretario ge
ral, um capitao quartel^nestre, e um capitio ci-
rurgiao-mor.
Art. 17. Us postos de capitao e teneuto-cirur-
giio serao conferidos somenle a quern possuir
titulo legal para o excrcicio da medicina.
Art 18. Das attributes conferidas aos chefa
do estado maior, pelo art 6 do decreto n. 1,354
de 6 de abrtl de 1854, serao exercidas em nome
ou por jrdeiu do'commandante superior.
1.- As dosgi f, 2, 3, 4, 5-, 6", 7",e 13, pelo
major ajudante de ordens;
2- As dos 8?, 9* e 14 pelo capitao quartel-
mestre.
As mats funccoes, que tinham os chefes do es-
tado-maior, pertencerao aos commandantes su-
periores.
Art. 19. 0 commandante superior sera subs-
ntuido nos seus impediment is pelo official su
perior da guarda nacional, que o governo ou o
jiresidente da provincia desigoar; na falta de
designacio, servira interinamente o official mais
graduado, mais antigo, e mais velho do districlo
do eommando superior, qu^r seia do servico
activo quer da reserva.
Art. 20. A reduccio dos olficiaes as propor-
Ciies do presente quadro veriflcar e-ha succcssi-
vamente a nvdida que forem vagando os lugaros
acluaes,
CAPITVl.O III.
DJ I'NIFORMK DOS OKHCIAKS 8 l'RX^AS
Art. 21. As pracas da guarda naeioaal de in-
unteria e urlilheria usarao em servico de blu.-a
de panno azul forrete com bot5es lisos de metal
amarello, calcas de panno aznl ferrete, ou de
brim branco, conforme a estacAo; bonet do dlto
panno com o passador e a pala de couro preto'J
envernisado, debruada de metal amarello, cmtu
rao de couro preto.
As pragas de cavallaria terao na blusa as car-
cellas e trapeiios de panno esiarlate, e no bonet
o passador de couro branco.
Art. 22. Os offleiaes de infanteria e artilheria
usarao de sobrecasaca de panpo aiul ferrete, com
ftotoe8 lisos de metal amarello, bracadeiras borda-
das, charlateiras de panno igual ao da farda, em
I uma chapa de folha com meia lua de metal
amarello, tendo no ceutro o numero correspon-
Ideuteao do batalhao; cal'.-as de panno azul fer-
rete ou de brim branco; beuet a Cavaigjiac .com
passador e pala de couro preto envernisado, de-
bruada de metal-amarello: talim de cjuro preto ;
banda de seda escarlate com franjas de reiroz;
espada com bainha e Copos de metal branco;
fiador de retroz preto com boila de ouro ; luvas
de eimurv.a branca.
Os uiliciaes de cavallaria usarao de sobrecasaca
com rim, carcellas e trapezios de panno escarla
te, e do bonet com o passador de ouro braoco.
Os commandantes superiores usarao de chapeo
armado e da sobrecasaca com a gola bordaia,
conform i o (igurino approvado pelo decreto n
868 de 19 de novembro de 1831. -
__ Art. 23. En grand* gala, os offleiaes substitui-
rao as-divisas por dragonas, segundo o inodelo
adoptado.
Art. 24. Do uniformc estabeeido nos arligos
anteriores come.;ara a guarda nacional a usar,
Godo o prazo de um anno ta data deste regula-
mento.
Art. 25. A guarda nacional da reserva s6 e
obrigada a.mostrar-se fardada, quando entrar em
servico.
CAPITL'LO IV.
DO SERVICO DA GLAIIDA NACIONAL
Art. 26. A guarda nacional so podera ser cha-
mada a servico nos casos de guerra externa, rebel-
liao, sed'eafl e insurreicao. (Lei de 10. de setem-
bro de 1873, art. f g 1).
Art. 27. Nestes casos o governo decreUra, pelo
tempo que for preciso, o serviyo ordinario, de des-
tacamento e de eorpos destacados, que as circums-
tancias exigirera, dando conta do seu aclo a as-
sem:.lea geral iegislativa. (Cit lei art. f 2).
Art. 28. Os presidentes de provincia exercerao
a mesma providencia, sob sua responsabilldade,
quanlo for urgente a convocacao da guarda nacio-
nal nos casos referidos, submettendo o seu acto a
approvacao do governo. (Cit. lei, art. 1 3").
Art 29. Os delegados e subdelegados de policia
poderao tamtam requisitar dos "-"WitandantCB su-
periores e de corpos 0 auxilio da guarda nacional,
para repellir uma invasao repentiua de inimigos,
suffocar uma rebelliao ou uma insurreicao, e, re-
primir uma sedicao, quando nao for possivel, pela
urgencia do caso, reclaraar do governo ou do pre-
sidente d* provincia as medidas necessarias, e no
lugar nao houver forca de linha ou de policia suf-
ficient-! para defender o territorio do imperio, e
restabelecer a ordeui publica. (Cit. lei, art. 1
i *)
Art. 30. Quando requisitada pela autoridade
policial, a g.iarda nacional fornecera destacamen-
tos, ou fara servijo ordinario ; nunca o de corpos
destacados.
Art. 31. A autoridade, que requisitar o auxilio
da guarda nacional fora dos casos e coudicoes dos
dous artigos anlecedentes, ou sob o falso pretexto
de laes easos, respondera pelo abuso de qoem faz
reqnttieiii illegal. ( Art. 32. Logo que cessar o motivo, pelo qual
se houver convocado a guard* nacional, sera e3ta
dispensida do servico.
Art. 33. Em occasiao de guerra, ou de rebel-
liao, a guarda nacional podera ser chamada :
l. A servico de corpos destacados, para au-
xiliar o exercito de linha uo interior, ou na guar-
nicao das pracas, fronteiras e costas d imperio.
(Lei de 19 de setjmbro de 1830, arts. 2 S 3" e
ii7) : 8
S 2." A servico de destacamento dentro ou fora
do municipio : 1. quando faltar a Iropa de linha
ou de policia | para o'servico da guarnicao, para
escollar remessas de dinheirus ou effeitos publi-
cos, ou para conduzir presos; 2.* riara soccorrer
algura municipio da mesma ou de diversa provin
vincia, onde a trauquillidade publica e a seguran-
ca individual tenham sijlo perturbada?, ou sejam
ameacadas duranie a guerra ou a rebelliao. (Git.
lei. art. 87).
S3." A servico ordinario, dentro do municipio
somente, mando, em falta 6*e forca policial, for
mister que a guarda nacional faja o servico de
policia, dia'iamentee por escala. (Cit. lei, art.
86).
Art. 34. Em occasiSo de sedicao ou insurreicao
a guarda nacional prestar-se-ha ao servico ordina-
rio o de destacamento, para conter aquellas com-
mocSes, cm falta ou na deflcioncia de tropa de li-
nha e de policia, ou para sublituir esta forga, nos
termos dos 2" e 3 do art. 33, quando ella esti-.
ver empregada naquelle liin.
Art. 35. A nao ser nos casos referides, a guar
da nacional nao e obrigada a oulro servico mais do
quo o de reunir-se, para revista de mostra e exer
cicios de instruccao, uma vez por anno, em dia de-
signado pelo commandante superior.
Art. 36. Esta revista e exercicio3 se farao no
districto da companhia avulsa, seccao de batalhao,
esquadrao avulso, batalhao ou corpo, a que os
guardas pertencerem, no lugar das paradas mar-
cado pelo commandante superior.
Art. 37. E' prohibida a reuniao da guarda na-
cional para as revistas e exercicios dous mezes an-
tes ou depois de cada eleiclo.
Art 38. A reserva e isenta de comparecer as
revistas c exercicios, e de qualquer servico da
guarda nacional, salvo ti, voluntariamente se pres-
tar, ou for deficiente a forca do servico active
CAPinii.o v
externa ou ioterna, em que o governo podera de
terminar quese proceda a nova qualiflcacao onde
f6r preciso, se houver decorrido am anno depois
do ultimo alistamsnto. (L;i it 10 de setembro,
art.-i|7).
Art. 49. Salvo no caso de reforma, que padera
ser conferida com um posto effective ae accesso
aos olficiaes que men-cerem, nao se conceder4o
honras de postos da gu irda nacional, ainda mesm-
a titulo de melhoramento de reforma, Cit. lei,
art. 10).
Art.50. As disposicSes deste regulara^nto, com
excepc*) das prevNtas uos arts. 21, 22, 23, 24, 30,
39, 40,41, 42, 45, 46, 47 e 4, nio do apphca-
veis a guarda nacional dos di'trictosdos comman-
dos superiores das fronteiras, a que o governo li-
mitar o regimen especial do decreto n. 2,02.1 de
18 de n .vemhro de 1857. (Cit lei, art. 12).
Art. 51. Ficam revogalas as disposicoes em
cootrario
0 Dr. Manuel Antonio Ouarte de A'.evedo, do
dvw conselho, ministro e secretario de estaio dos
negocios da justica, assim o tenha entendido e fa-
ga execntar. Palacio do Rio de Janeiro em 21 de
marco de 1874, 53. da independoncia e di im-
perio.
Com a rubrica de sua mage3ta le o Imp jraior.
Manuel Antonio Duartede Azevedo.
Goverao da provincia.
)ES1'ACH0S DA PitESlOSNCIA. DO DIA 8.08 ABRIL
de 1874.
Agra & C.-Deferido comoSci) desta dalaao
provedor da Santa Casa de Misericordia.
Adnana Maria da Conceicao. inforrae o Sr.
inspector da thesouraria do fazenda. ouvindo o col-
lector.
Antonio Ferreira Braga.Passe parlaria.
Antonio Joaquim Soares. loforme o Sr. inspec-
tor da thesour- ria de fawn la.
Compaobb Fer.o Carnl de Pernambuco.-Do-
rendo com offlcio desta data, dirigido a thesoura-
ria de fazenda.
Capitao Camillo Augusio Ferreira da Silva. -
Ao Sr. general commandante das armas, para to-
rn ar em a consideracao que Ihe merece'.
Domingos Antunes Villaca.-Seja relevado.
Firmiuo dos Santos Vieira.-Ao Sr. general
commandante das armas, para atteuder o suppli-
cante, como acnar conveniente.
Genoveva Maria da Conceicao. Informe o Sr.
inspector do arseuil de mirinha.
Ir jjanda ie de SanfAnna da igreja da- Mdre de
ueus Deferido com o olllcio desta data a tu.sou-
rana provincial.
Jacintha Avelina da Cruz. -Sim, contados os
dous mezes de 7 do corrente e ?em venciraenlos
Jose Ignacio Avila.Pague-se.
Jose Ignacio AvilaIiiformco Sr. engeuheiro di-
rector das obras pnblicas.
John Blount. gerente da companhia Recife Dray-
nage.rVao estando liquidadas as contas, nao pode
ter lugar o pagameuto.
Jos* Domingues Coc
inconvenichte.
Joao de Deus Eufrazio Ao Sr. Dr. chefe de
policia para attender ao snpplieante, como achar
conveniente.
Joao Pedro da Silvj.-Eutrcgue-se.
Joao Brazilino dos Santos Prove o snpplieante
que viv maritalmeute com sua mulher.
Ludugerio Francisco de Carvalho. Infurme o
Sr. insiiector da thesouraria dt- fazeuda.
Tenente-coronel Manoel Francisco de Souza
Leao Informe o Sr. director das obras publi-
eas.
Tenente-coronel Manoel Joaquim do Reg) e Al-
buquerque.-Defe ido com olllcio desta data a
thesouraria provincial.
Manoel Roberto de Carvalho Goimaries.-Iu
farme o Sr. director gcral iuterino da instruecao
publrca.
Tenente-coronel Sebastiao Antonio do Rego itar-
ros. Forneca se.
lado o oxposto, o exercito aetivo sera de
umens, deveuJo veriflcar-se o recruta-
proporcao de 4 % sobre o total da popu-
i cada provincia da ropublica.
lui, segundo ot algarisinos que nos pro-
o prim-iiro recenseamento argentino,
genie de cada provincia sera o seguinte
Codeeira.-Sim, nao haven lo
DIARIOJDEPERNIMBUUU
capitulo v.
DAS PENAS A Ot'E ESTA Sl'JElTA A GUARDA NACIOXAL.
Art. 39. Os offleiaes, inferiores e pracas da guar-
da nacional nao incorrem, f6ra do servico, em pena
alguma que nao esteja infligida no codigo criminal
por delictos communs.
Art. 40. Em corpos destacados, os offleiaes, in-
feriores, e guardas ficam sujeitos a disciplina e
penalidade estatuidas para o exercito.
Art. 41. Quando empregado3 em servico ordi-
nario ou de destacamento, poderao ser-lhes impos-
tas as penas de que tralam os arts. 92 e seguintes
da lei de 19 de setembro de 1830, pelas faltas pre
vistas not* citades artigos.
Art. 42. Se o official, inferior ou guarda liver
sido preso correccionalmente, nao podera pelo mes-
mo facto responder a conselho de disciplina, nem
para responder ao conselho sera preso preventi-
vamente.
Art. 43. Por faltar a revista annual os offleiaes
e pracas incorrem em advertencia, rcprehensao,
on prisio ate 24 horas, se nio mostrarem que a
falta e justificada por molestia propria, ou de pes-
soa da familia, ausencia do municipio, obstaculo
de chegar ao lugar da parada, ou outro motivo
attendivel.
Art. 44. Nio dependem de licenca, assim os of-
fleiaes, coma os inferiores e guardas, para se au-
sentarem do districto do seu corpo por tempo, que
nao exceder de seis mezes.
Art. 45. Podem pprder o posto os offleiaes que
estiveiem r.as nr-ndiydesfdi an. 63 da lei do 19 de
setembro de 1850, e terio baixa do posto os que
se acharem comprehendidos oa disposicao do art.
66 dessa lei.
CAPITULO VI.
DISPOSig5BS DIVERS AS.
Art. 46. Fica reduzida ao maximo de 40 annos
a idade exigida para a qnaliflcacao no servico ae-
tivo ; os maiores de 40 annos pertencerao 4 reser-
va. (Lei de 10 de setembro de 1873, art. 1* g
6"). i
Art. 47. 0 processo da qualifieacSo da guarda
na:ional continuara a ser feito na forma da lei de
19 de setembro de 1850 e dos regulamentos e ins-
tructs do governo.
Art. 48. A revisao da qualiflcacao tera lugar de
dous em dou3 annos, excepto no caso de guerra
RECIFE, 10 DE ABRIL DE 187i.
Flioticias tlo sul do imperio.
Amanheceu hontem em nosso porto o vapor
brasileiro Ceard, trazendo datas : do Rio da Pra-
ia 23, de Goyaz 14, de Minas Geraes 26 e de S.
Paulo 30 de marco, do Riode Janeiro 1 do Es-
pirito Santo 3, da Bahia 5 e das Alagoas 8 do
corrente.
Eis o que colhemos dos jornaes e carta3 rece-
bidos :
BIO DA PRATA.
Depois de muitas conferencias entrc.o consul
oriental em Bueno3-Ayrcs eo ministro uos nego-
cios estrangeiros da Republica Argentina, accor-
dou-se em quo os dous governos expederiam
aimultaneamente decretos abrindo os respectivos
portos, sujeilando-se as procedencias argentinas a
uma quarentena de alguns dias, em Montevideo.
0 governo Oriental, que iniciara as negociacoes,
deu cumprimento ao accordo, expedmdo na noite
de 22 do corrente o seguinte decreto :
Tendo a junta de hygiene publica, em offlcio
de 20 do corrente, aconselhado a abertura do
porto desta cidade a todas as provincias aigen-
tinas, e estando esta opiniao de accordo com a
da junta de saude do porto, o presidente da repu-
blica decreta o seguinte: Declara-se aberto o
porto desta oidade j)ara todas as procedeacias ar-
gentinas, que ficarao unicameate sujeitas a uma
quarentena de 12 dia3, conforme indicam as cita-
das corpora', oes.
Apezar do simullaneamento do accordo, ate a
ultima data nao havia noticia do dacreto argen-
tine.
Era Buenos-Ay res andava o governo muito preoc-
cupado com as medidas para o desembarque. e col-
locacao no arsenal de Zarate dos canhSes ultima-
menie comprados nos Estados-Unidos. 0 enge-
nheiro Rosse calculava qne seriam necessarias 32
horas para o desembarque de cada peca, e que
este servico duraria 15 dias.
A Prensa faz uma minuciosa descripcao do va-
por Pavon, que ultimameute se revesiio de cha-
pas de ferro capazes c de resistir as balas que mais
eedo ou mais tarde, diz a folha citada, podem
ser disparadas nestas regioes contra a bandeira
argentina.
For am expedidas pelo governo nacional aos com-
mandantes das fronteiras ordens para fazerem en-
gajamentos para o exercito, a vista da necessidade
de augmentar o effeetivo da tropa de linha.
Tratando a Prenta da organisacao do exercito,
d z quo as quato'rxe provincias da republica po-
dem dar um total de 60,000 homens, enncorreodo
cada uma com um continnenie pruporcional li sua[.la:ao
populacio.
Leuios na Piensa :
0 exercito federal, formado dos contingeutes
de cada uma das quttorze provincias, so com-
pora de :
a t*. Excerctito aetivo.
2*. Reserva.
a 3. Leva era massa.
o Para formar o primeiro concorrerio todos os
j oven s de 17 a 25 annos.
c Na reserva serao encorporados todos oi que
serviram na activa, desde 23 a 40 annos.
A leva em massa se compora de todos os que
poderem pegar ero armas ou prestar am servico a
patria.
cias Populacao Contingente3
Ayres 341.863 13.753
[Fe 75.178 3.007
-Rios 115.963 4.6 H
lies 12iK198 1.807
va 2t8.77l 8.350
3. uW 52.761 2.110
< Santiago 132.763 5.310
Menloxa 59.269 2.370
c S. J..Io 58 007 2.320
< Kioja 48.493 1.939
Caiamaraa 79.551 3.182
t Tucuman 108.602 4.344
Salta 83 958 3.438
< lujoy 37,.353 t.949
As quatorze provincias darao, pois, um total
de 61.063 homeas para formar um exercito ac-
iivo.
< 0 exercito compor-s:-ha de Jnfanteria, caval-
laria, artilheria e Curpo de engenheiros, divididos
em quatorze divisoes correspon lentes a's quatorz;
provincias da republ.ca.
Em Montevideo desapjarecera o receio da inva-
sio no departaineuto de Maldona lo.
GOYAZ.
Regia interinamente a thesouraria provincial o
Sr. Pedro Luiz Xavier Brandao, por se ter aggra
vado o padecunento dos olhos dj chefe effee-
tivo.
Fora capturado o criminoso de nnrte Adao Ro-
drigues dos Santos. Seguira para a provincia do
Amazonas o reo Elias Hibeiro. condemnado a des-
terro.
MINAS GERAES.
Carlos RoJrigues da Clinba, liberlara gratui-
tunente a.5 escravos seus.
s. PAiLO.
0 Diario dt Santos desmente o boato, que
corria geralmente na provincia, da estar gras-
sando a febre araarelli na Villa Bella da Prin-
ce? a.
Segando diz a Trtbana Amparense, tinham ca-
hido na cida le do Amparo copiosas chuvas, que
estragaram bastante as estradis de Mogymirim
e do Amparo a Campinas, e arrombaram o> tan-
ques de alguma- fazendas. Durante a
quo honve entao, cahira um raio na casa do
Sr. Antonio Viato de Araajo Cintra, cuja familia
se acbava felizmente ausente Os estragos pro-
duzidos pela faisca lectrica foram pequenos :
Refere a mesma folha :
< Hi mezes quo acha-se e-ta cidade sob a
pressao de grande falta de generos atimenticios
de primeira necessidade, o* quaes tem attingi lo
precos fabulasos, e alguns, como a carne verde,
sao de todo iu.-uUkienies para o consumo da oi-
dade, nao se podendo obter nem a custa de alta
ret'ibaicao. Sempre foi escasso o fornecimento
deste ultima geaero ; aus agora o augmeato da
pi>pula;ao e da procure lem tornado iudeclinavel
a necessidade de abasteccrem-se melhor os ta-
Inos, principalmente porqne 6 certo que o consumo
vai send.' cada vez maior e continuant sempre a
desenvolver-se.
Em Swocab.i. o Sr. Franklin de Azevedo Mais
tentara suicidar-se com stn.'hina ; fora porem
salvo, gracas aos nromptos soccorros que Ihe
foram prestados. Derase o facto no hotel Bra-
sileiro, onde o Sr. Franklin se achava hospe-
dado.
Lc se no Ypanema, folha que se -publica a!li :
< Sabendo o actual delegadosupplente em excr
cicio, capitao Sa Fleury, que Jose Moreira dos
Santos inquietava os seus viziuhos com desordes,
mandou intima-lo para vir a cidade assignar
t-rmo de beia viver ; o, aproveitando esta op-
nortunidaie, dirigio as testemunhas" que inqui-
rira sobre o mao comportamento de Jose Mo-
reira algumas perguntas relativas a morte de An-
tonio Herein dos Santjs, a 8 de fevereiro de
iSti.i, a qual fora nesse tempo considerada casual,
com o que nunca se pode conformsr o capitao
Sa Fleury. Resultou desse inquei ito ficar cla-
ramente provado ser Jose Moreira autor. da morte
de seu irmao Antonio Moreira. Foi no dia 8 do
corrente remeltido o inquerito ao Dr. promotor
publico por intermedio 'io Dr. juiz municipal.
t On, o capitao Sa Fleury, que mostrou tanta
perspicada na deswberta deste crime, nao po-
dera descobrir alguma causa sobre Generosa de
tal, que desappareu da bairro do Ipero em 1838,
sem que ate hoje se saiba o destino que teve ?
Abrira-se a feira a 13, sendo a primeira tropa
ven lull por 906 e a segunda por ti.j'i
Em Indeiatuba dous escravos do Sr. Benlo
Evaristo foram viclimas de uma faisca elecirica.
Le-se no Americano de Pindamonhagaba que
desde 1872 a 1873 foram registradas no cartorio
daqnella cidale 99 cartas de liberdade.
Segundo uns dados estatisticos, publicados pelo
Diario de S uttos, ve se que existem na provincia
169,1*64 escravos, sendo'95,616 do sexo masculino
e 74,348 do feminino.
Noticia o Constitutional de Campinas :
Esla verificado pelas competentes'parlilbas que
o Idgado deixado pelo_ fallecido bemfeitor Aoto
nio Francisco Guimaraes a casa de Misericordia
desta cidade, ex:ede a quanlia de 143:000j; ca-
behdo igual somma a da corte e a de Guima-
raes (Portugal), terra do testador. Deixoa mais
alguns legados importantes pan o casamento de
12 orphas desta cidale e de 6 de S. Paio, era
Portugal.'
< Tainbera o nosso distincto amigo, o fallecido
Sr. Diogo Benedicto dos S. Prado, mstituio lega
tari i da sua meacio, deduzidos alguns pequenos
legados, a casa da Misericorlia desta cidade,
aendo usufrucluaria durante a vida sua senhora.
A instituic&o foi especial para a. parte da casa
da Misericord'a destinada a educa;.io de orphas
desvalidas. Deste modo, ainda depois da morte,
o piedoso paulista olha com amor para o asylo
da infancia, que tantos cuidados custou Ihe na
vida.
Fallecera, em Santos, o esculptor Francisco
Auienda.
BIO DE JANEIRO.
Por decretos de 27 de marco :
Foi removido o desembargador Ermauo Do
mingues do Canto da relacio de lielem para a
de S. Salvador, na forma do art. 2* 2*, do de-
er e o n. 2,342 de 6 de agosto do anno pass ado.
Foi dispensado o juiz de direito Cesario lose
Chavantes do cargo de chefe de policia da provin-
cia de Minas-Geraes.
Foram nomeados :
0 juiz de direito Antonio de Sou ta Mendes
Junior, para nm lugar de desembargador da re-
de Brlem, ficando sera effeiio o decreto
de 6 do novembro do anno passal<, qae o no-
me<)U para'a relacio de Cuybi.
(Macharel Antonio Cordeiro de Nagreiros L>-
bato, para juiz muoi;ipal e de orpbaos do terrao
da Fortaleza, na provincia de Minas-Gerau.
0 bacharel Leopoldo Victor Duqua-E-trada do
Figueiredo, para promotor de eapelfas e residuos
do municipio da cdrte.
Foi declarado sem effeiio o decreto de 22 de
novembro do anno passado, que nomeou o ba-
charel Aureliano Augusto Pereira de Carvalho
para juiz mnnieipal a de orphaos do terrao de
Flcres. na provincia de Pernambuco, por nio ter
act itado a noraeacao. .
Foi concedida ao bacharel Jose" Btjrato ae Car-
valho Couto, a exoneracao que pedio do
de juiz municipal e de orphaos. do termo
Benio, na provincia de Pernambuco.
Foram, a pedido, removidos os juizes munici-
paes e de orphaos :
Bacharel Jos6 de Andrade Guimaraes, d) termo
de Maues, na provincia do Amazonas, para o
de Nova Friburgo, na do Rio de Janeiro.
Bacharel Pedro Gomes Pereira de Moraes, dos
termos reanidos de intonini e Morretes, na pro-
vincia do Parana, para o de Parahybuna, na pro-
vincia de S. Paulo.
Bachare^ ArisUrcho Ctvalcante de Albuquer-
que, dos termjs reuaidos da Telha e S. Matueus,
na provincia do Ceara, para o de S. Bento, na
provincia de Pernambuco.
Foi, a pedido, roforraado.no posto de major, o
capitao do 9- batalbao de infanteria da provin-
cia de Pernamouco, Joao Baptista da Silva Man-
guinbo.
Por titulos de 27 de marc) foram nomeados :
0 praticante da thesouraria de S. Paulo, Daniel
Senra Cardoso Junior, para 3J escripturario da
mesma thesouraria, e Joao Francisco da Silva
Porlilho para o mencionado lugar de praticante.
Por decret03 de 20 e2l de marco foram
nomeados : inspector do arsenal de marinha Ja
provincia da Bahia o chefe de divisao reformado,
Manoel Francisco da Cost i Pereira ; e comman-
dante da d visao aaval do 2* districto, o chefe
de divisio Mimede SimSes da Silva ; e foi appro
vad i anomeacao do 2 cirurgiao Dr. Man el Dantas
para ser'ir na companhia de aprendizes mari-
nheiros do Rio Graade do Norte, em subsituicio
do melico civil D.\ Jos5 Paulo Antunes.
Em 23 de maferi mandou so iofornar pela
presidentb de Pernambuco o requerimento do
bacharel Jos6 Maria da Rocha Carvalho, |uiz mu-
nicipal e dj orphaos do term) de Tacaratii, da
provincia de Pernambuco, pedindo prorogacao de
liceuca,
Por portaria de 27 de marco foi nomeado
Astolpho Adolpho de Paiva Vianna pira o lugar
de bedel da fa^uldade d: direito do Recife.
Por decreto de 28 de marc* foi nomeado
director da escol de marinha o chefe de divisao
Raphael llendes de Moraes e Valle.
Por decret is da mesma data foram reforma Jos :
0 capitao-tenente Jacinth i Furtado de Men
donca Paes Leme, no mesmo posto e com o res-
pectivo sollo.
0 furriel do corpo de imperiaes marinheiros
trovoada Francisco Ant nio de Catlro, com o soldo por
' inteiro nos termos do % 3 art. 1 do decreto n.
1,465 de IS de outnbro de 1854.
Por portaria de 2i de marco foram exooe-
radis :
Carlos Luiz Ferreira, do lugar de escriptura
rio da rejarticao do telegrapho, e Miguel Jo-e
Vaccani, do de estacionario da 2' classe da mesma
reparticao.
Por decretos de 28 de marco:
Foram nomeados:
2." couferentes da alfanlega do Rio'de Janeiro,
o ajudante do %\f reometra extineto da raesma al-
fandega, Luiz Jose Ribeiro e o 1* conferente da do
Rio Graule do Sul, Bernardino Jose Coelho.
Inspector em comraissao da thesouraria do Pa
rana, o 2. escripturario do thesouro nacional Se
bastiao Jose Cavalcante.
Dito dito da de Goyaz, o l. escripturario da de
Minas Geraes, Antonio Hermogeues Pereira Rosa.
1.* escripturario da de Minas Gerae>. o 2' dite
Joaquim Osorio Teixeira e para este ultima lugar
Carlos Jose dos Santos.
1." conferente da alfandejja do Rio Grande do
Sul, o 2 da de Porto Alegre, Joaquim Pedro Sal-
gado.
Foram dispensados:
0 chefe de seccSo da alfandegi di Rio Grande
do Sul, Candi-lo Jose Pereira, .da commissio de
inspector da thesouraria do Parana, e o contador
da thesouraria de Minas Gerae3, Francisco de
Paula Souza, da comraissao de inspector da de
Goyaz.
Foram conce-Jidas as apo-entarias quo pediram
os 2" conferentes da allandega d) Rio de Janei-
ro, Jose Ribeiro Sarmento e Jose Maria da Silva
Maia.
Ftfi reformada a praca de equipagem do escaler
da al andega do Espirito Santo, Joaquim Autoniq
Pacheco.
Foi nomeado 3 escripturario da thesouraria de
Minas Geraes o praticante Affonso Pinheiro de
Faria.
Por portaria; de 31 di marco :
Foram proraovidos a engenheiros ds 2' classe
da reparticao geral dos telcgraphos os engenheiros
de 3' classe da mesma reparticao : majores Joao
Luiz de Andrade Vasconcellos e Felisberto Gomes
de Araujo, capitac Diogo Alves Ferraz e bacharel
Luiz Arnoud Ferreira de Mattos.
Foram nomeados engenheiros de 3" classe da re-
parti^o geral dos telegraphoso capitao Innocen-
cio Galvao de Queiroz o Dr. Christiano Valle.
Em 24 de marco:
Prorogou-se por dous mezes, com ordenado, a
liceuca concedida ao juiz municipal c de orphaos
do termo de Cabrobo, bacharel Jose de Carvalho
Cesar.
Arbitrou-se em 400*000 a ajuda de custo do
juiz municipal do termo de Jagdary, na provi icia
de Minas Geraes, bacharel Joaquim deliima Miran-
da Gouto.
Foi declarada de nenhum effeiio a de 26 de Ja-
neiro deste anno que privou do cargo de juiz mu-
nicipal e de orphaos do termo de Monte Alegre,
na provincia do Para, o bacharel Bellarmino Pe-
roira de Oliveira; e se mandou vigorar o decreto
de 7 de juljio do anno passado que o nomeou para
aquelle lugar, vistq ter entrado em exercicio das
respectivas funccoes dentro do prazo que Ihe foi
Qxaio.
Por despachos de 21 e 28 de marco foram no-
meados :
0 conego Joao Pedro Gay, vigario collado da
freguezia de Sant'Anna da Uruguayana, official da
ordem da Rosa, era attencio aos relevautes servi-
ces que tern prestado ao estado.
Claudiano de Oliveira Rosa, da provincia de Santa
Cat liar in a, cavalh -iro da dita ordem, pelos releran
tes servicos que prestou em relacio a guerra do
Paraguay.
Foi concedida a raedalha de 2J classe ao mestre
da catraia Conceigao, Manoel Bernado da Silva, a
cuja pericia e coragera deve-se a salvacao da vida
de 12 pessoas que a bordo da dita catraia iam para
a II ha do GoVernador na Urde de 24 de fevereiro
ultimo, quando cahio sobre esta cidade e porto um
forte temporal.
Por decretos de 25 e portarias de 24,26 e 30
de marco, -foram nomeados para a secretaria de
estado dos negocios da guerra :
2 official, o amanuense Pedro Alexandrino de
Barros.
Amanuenses, os praticantes Jose Pedro da Silva
Maia e Joao Nascentes Pinto.
Por decreto tainbera de 23 do corrente, e de
conformidade com o de n..3,168 de 29 de outubro
de 1863, foram promovidns para a arma de caval-
laria :
2* regiraento.Para capitao, o tenente Manoel
Jos6 de Araujo, por antiguidade, para a 4' compa-
nhia.
3* regimento. Para capiia^s : os tenentes Fran-
cisco de Carvalho e Silva, por antiguidade, para a
4* companh a, e Julio Cesar Caroeiro da Fontoura,
idem, para a 7' companhia.
1* corpo de Matto-Grosso. -Para capitao, o te-
nente Joaquim Theodore da Silvn Fr'-j, pr an-
tiguidade, para a t* eompanhh.
lugar % 2 corpo de Goyaz. -Para capitao, o tenente Gni-
Iherme JosS de Barros Cachapuz Chaves, por anti-
guidade, para a 4" companhia.
Para tenentes da arma : os teoentes graduados.
Manoel R idrigues Gomes de Carvalho, por antigui-
date ; Jos6 Corislrao Pinheiro Bittencourt, idem ;
Antonio da Silva Castro, idem ; Jose Maria Mari-
ano da Silva, idem; e Ly Jio Purpurario dos Santos
Costa, idem.
Para alferes da arma : o 2* sargento gradnado
em alleres, Jeronymo Augusto Rodngues da Mo-
raes ; dito commissionado em alferes, Antonio Au-
gusto de Santiago; sargento quartel-mestre Fran
Cisco Pedro Vieira; 2' calete 1sargento Leobal-
do Augusto de M>raes ; I- sargentos Antonio Ba-
silio do3 Santos, Israael CaeUno Pereira do Lsgo e
Henrique Guilherma Coelho; 1 cadets 2' sargento
JoiiSabino daRo;ha ; 2" eadetes 2" sargentos,
Virgilio Ferreira de Souza, e Myrtarislides Lafayet-
te Augusto de A'meida Forluna ; 2' sargentos
Jose" Floriano Paes e Mariano Jos6 Dias; 2" eade-
tes Prescilo de Seuza Coelho, Alfredo Jos6 Barbosa
e Francisco Caldas Thompson.
Por decretos de 28 do corrente foram nonea-
dos : -
1* official da seiretaria da intendencia da gaerra
o 2 official da raesma secretaria, Joao Rodrigues
de Souza Faria.
Repetidor do curso- preparatorio da escola mili-
tar o 1 tenente do 4* batalhao de artilheria a pe",
io>6 Rsbello de Vasconcellos.
Forara ref irmado-:
0 capitao aggrewdo.a arma de infanteria, An-
tonio deG)doy Moreira. de conformidade com a
primoira parte do art. 9- da lei n. 648 da 18 de
agosto de 1852, visto soffrer molestia incuravel que
o torna incapaz de continuar no servico.
0 2; t-nente agjic-gad) a arma do artilheria
Honorio de Souza Lima, com o respectivo soldo
por inteiro, do conformidade com a segunda parte
do art. 9di citida lei, visto achar-se impossibili-
tado para MUgfico do exercito em consequencia
de feriraento recebido em combate.
Foi reduzido a seis mezes de prisao, coatados
da data da sentenca, em atten^ao as razoes pro-
duzidas pelo conselho supremo militar de justica,
em consulta de 4 do corrente, e de conformidade
com a Imperial resolucao de 21 deste mez, tomada
sobre a referida consulta, a peaa de carriaho
perpetuo em qae foi commutada a de morte ira-
posta pelo conselho de guerra e conBrmada por
aquelle tribunal ao alferes do 13' batalbao de in-
fanteria Julio Ce*ar de Jleis Falcio.
Forara distribui I03 pelos corpos abaixo men-
cionados os seguintes offleiaes subalternos das
^nnas de artilheria e infanteria, proraovidos por
locreto de 21 do corrente :
Ama de arlilhtrit. regimento a cavallo.
1* tenente Joaquim do Sallcs Torres Homem.
3" batalhao a pe. 1"' tenentes : Carlos Au-
gusto de Castro e An irade e Francisco Julio da
Conceicao.
4* dito. 1 tenente Jose Rabsllo de Vascon-
cellos.
5* dito. I tenentes: Luiz Mendes de Moraes.
Jose Felix Barbosa de Oliveira e Francisco da Cruz
Ferreira Junior.
Arma de infanteria. 1 batalhai. Tenente
Francisco Agostinho de Mello Souza Menezes, al-
feres Joaquim da Silva Sirooes.
2" dito, alferes Goncalo.de Souza Vasconcellos.
3 dito, tenente Ricardo Alfrelo da Costa Car-
valho.
. 4 dito, tenente Francisco Soares Neiva, alferes
Joaquim Alfredo Garcia Terra.
5 dito, alferes : Jose Modesto de Oliveira, Ray-
mundo Joaquim de Carvahq e Carlos de Miranda
Santos.
0 dito, tenente Silvestre J ise Antonio da Cunha
Ponies, e alferes Francisco Ferreira Soares.
7 dito, tenente Oonaciano de Araujo Pantoja.
9 dito, tenenle Jose Teixeira de Sampaio.
10" dito, tenente Virginio Napoleao Ramos, alfe-
res Tueotonio Jose" de Souza e Innooencio de
Sant'Anna Velloso.
11 dito, len-snte Rayraundo Rodrigues Dayma,
alferes Jacintho Carneiro de Oliveira, Luo-iano
Affonso Rodrigues, Joaquim Jose da Costa Barros,
Luiz Gonzaga de Lyra e Manoel Henrique de
Araujo.
13 dito, alferes Domingos Jose Lopes Dias.
14* dito; tenente Deraetrio Rayraundo Maria de
Oliveira. alferes Seraphim Jos6 do Valle, Miguel
[-Ribeiro da Cunha e Joao Jose de Brito.
15 dilo, alferes Deodalo Lopes de Almeida.
19 dito, alferes Joao Barbosa Nogueira Rosa.
20 dito, tenentes : Rodrigo Antonio de Moraes,
Clemjntino Pereira dos Pa3sos Cavalcanti e Sera-
fim Jose" Ferreira ; alferes Hygino da Costa Nunes.
21* dito, tenente Antonio de Paula Correia.
Por portaria de 28 foi transferido do T para
o 21 dilo o alferes Ernesto Bagdocymo de Souza
Monteiro.
Falleeeq, em Inhauma, o Dr. Antonio Frei-
re Allemao, distincto medico, que exercia a pro-
lis.-ao na corte ha mais de 30 annos.
0 decreto n. 5,578 de 21 de marco approvou
o regulamento para o curso de infanteria e caval-
lariti da provincia do Rio Grande do Sul.
0 ministerio da marinha por aviso de 21 de
marc) resolveu qua as gratificacoes dos foguistas
e carvoeiros dos vapores da armada sejam, daqui
por diante ate iiue se publique o novo regulamen-
to, para os foguistas no imperio, 60/000, no es-
trangeiro, ~i&, para os carvoeiros no imperio 36
e no estrangeiro 424000.
S. M. o Imperador, acompanbado de seus
semaoarios, visitou no dia 23 de marco, as 8 horas
da noite, o Imperial I.yceu de Artes e Offlcios,
examinando o progresso dos alumnos, cuja raatri-
cula nas sua; diversas aulas sobe ja a 875. Tam
bem visitou a Escola Industrial da Sociedale Au-
xiliadora da Industria Nacional, e assistio as aulas
de francez e de escriptnracao mercantil.
No dia 28 foi conferido, na Escola Central, o
grao de bacharel em sciencias raathematicas e
physicas, ao major do estado-maior de artilheria
Adriaoo Xavier de Oliveira Pimentel.
-Apos longa enfermidade falleceu em Vassou-
ras, Jose de Avellar Almeida, barao de'Ribei-
rao.
Lemos no Diario Official:
c Na E-cola Central, o resultado do cxame ex-
traordinario de I* cadeira do 5 anno,, foi o se-
guinte : approvado plenamente -com o grao' 9,
Antonio Gomes Pimentel,
0 resultado do exame exlraordioario da 2<
cadeira do 6* anno ( cconomia politic*) foi o
seguinte : approvado plenamente com o grao 8,
Antonio Gomes Pimentel.
0 resultado do exrme extraordinario de pra-
tica foi o seguinte : approvados pienaraeote com
o grao 7, Adriaao Xavier de Oliveira Pimentel,
Jose Na poles Telles do Mone/es e Miguel Antonio
Lopes Pecegueiro ; com o grao 6, Eudoro de Car-
valho Castello Branco. Lacrecio Augusto Marques
Ribeiro e Rayraundo de Miranda Omrio. >
0 resultado dos exames extraordinarios da 1'
cadeira do 3* anoo na mesma escola foi o se-
guinte : approvados plenamente como gr4o 6.
Polydoro Olavo de Saatiago e Joaquim Francisco
Leal Junior. Approvados simplesraente com o
Srao 5, Manoel Themoteo da Costa e Jose Caetano
orta Barbosa ; cam o grao 4, Evaristo Adolpho
Joseth, Francisco de Almeida Torres; Franklin
Jacintho da Silva Botelho, Joaquim Rodrigues An-
tunes, Adriano Nuoes Ribeiro e Custodio Diogo
de Faria; com o grao S, Antonio Machado da-
Franca Ribeiro, Joao Barges Ferraz, Francisco
B3rreto Picanco da Costa, Heraldo Pio PirnenU



aaaH



jp-*w
ohtx> de Peraambuco Sexia feira 10 de Abril de 1874.
Boeno, Plotino Soares, Manoel Ignaaja efc-Wawdv I do ski ste tambem. bastanfe agaedido-na w
Werneck o Alfredo Jose Nabuco de AraTi.'oPi'etras '..... "* -- =
.-."h
com gra i r, Jo.*mi'Q Guilhermo de Seuza'Lcitao
Maldouado. ^
Lemos no Jornal do Commercio :
c Relativamentd aos dous homicidio* perpetra-
dos em Petropofis"no dia 2*0, e de qne demos rcsU-
mida noticia a 25, refore o Mercantit d&quella ci-
dade :
n Na noite de 20 do correate met, as 7 horis,
fcram barbaramente assassiaados Alexandria > Ri-
beiro de Menezes e nma mtfher qm com elle
vtvia, no lugar denominado Uaraaraty. Foraia
am ms do crime dous escravoe perleneentes ao
mesmo, que se prevaleceram da noite e da occa-
siao em qae Alexandrine se achava com elles des-
truindo um forraigaeiro nas vifinhancas da caaa3
Con-uminado o primeiro assassinato, os mal-
vados dirigiranvse a cast, e descarregaram o
golpe terrivel na infeliz' seahora, qne viera i
psrta da rna a trahida pelos gritos de uma es-
orava, leslemunha do primeiro fact i.
Tanto essa escrava, c*mo outra sua compa-
nheira, fuziram para pedir soceorro, vindo tima
detlas a esta cidade, as 11 horas da noite, aflm de
dar parte do occorrido a autoridade policial.
I'artiram logo o delegado de policia Jose
Antonio de Rocha, o escrivao Morel Ad dpho Kis-
terstmt nma forca do destaeament o, e chegafido
ao lugar do delicto, alii enwytranra os dous ca
daverese uma pobre menina de seisannos no auge
do terror, a rjii.il p4de escapar a furia dos sica-
rios, eseondendo so por entre uinas barricas e
OHffos objectos volumosos que existiam em um
quarto da casa que foi invadida pelos criinioosos
Eara arrombareni as ga-vetas e bahus de oade rou
aram dinlwiro e rou Mas.
a Foram logo empregad.is as primeires diligen-
cias para a captura dos eriminosos, por6in de-
balde. a
Eis as. nolicins commerciaes da ultima data :
0 rncreade do cambio esteve regularmenle
activo; mas apresentou men >s firmeza d > que
nestes ullimos dias. Effeetuaram-se transacooes
sobre Londros a 26 d. papel bancario, *6 1/8 e* 20
3/16 d. particular.
Nada sa fez em soberanos. Os que vieram no
Boyne erara 50,00.) para o Banco Commercial
do dio de Janeiro e 25,000 para o New London
and Brazilian Rank.
As apolices geraes de 6 |, esliverara firmes e
proearadasa 1:040*, preco a que foram aeg.r.ii-
dos totes rego lares. I'm lote das do empre-timo
naeional de (868 obleve 1:070 2 a dibheiro.
a No mercad i do ac^ocs tambem fiMlisaram-se
transacjoe* re/ularcs aos segnintes prejos : Banco
do Brasil 240* a dinlieiro, Banco Rural e Hypo-
thecario 227/ e 2J8rf, Companhia Commercio e
Lavonrn, ao par.
c As vendas d EITituou-se hoje o 17* leilao de- cafe da com-
panhia IJuiao Agricola. Apresehtaram se 2ri05
saceos de r'O kilos, dos qrtaes for.im realisadus os
lote* ns. I. 2 e 3 com 115 saceos, o v.iilcndo-se
osontros lotes doseguinlo molo : n. 4, 630 faros
i* Ina e ponco, ( regular, a GiiXQ por 10 kil.is;
n 5. iW ditas |. regular, a 6JSO0; n. 6, 160 dita*
4* ordinaria a 6i0*0; n. 7, 393 ditas dito a
3S930; n. 8, 189 ditas dito a56l0; n 9,2)2
ililas 2- boa, a 5-5i00; n. 10, 29 ditas dito, a
5*2:0-, n. II, 33 ditas i' ordinaria a 35 ; n. 12,
5 ditas. ecoIha, a 3/^00.
As vendas de as^ucar forsm pe.]uenas para
con-timo.
Nao nos constou fretamento algum.
A al anl.'gi da corte ren Jeu u> mm Jj mar
50 3,523 153 J933.
Sablram para Perna-nbiico : a 28, a barca
p-mu;.';t iza .V co Silenci), e a 30 0 patactio Maria
Emilia.
BAHIA.
A a do Jftsericafdia a cjncessii de privilegio serde-
Ihnnte ai con:eli 1 > a do Pemambao, para 0 wr-
vi;.) m irtaario.
Falleceram : 0 ch.if: d-s soirlo da th?soura-
ria de fatenla, Fradcisjo Ctrln di S>azi U:el ;
os viifarios H m >?I Mria B)z1%}, 'fa freguezia de
Santa Cnw, n Fralifffiio de Carvalfio L*sa, da de
Santa l--ir.ii; e 0 ngi.-iante portuguez Manocl
Joaqui m llodrignes.
A alfmdi-ga arreoalo:i n> m;j dsmirco....
C80:l27j23i, e n corwio I'eia repartif.tt d.i soldi firam depac!ii-
Jo^Irwa exportacai 123 escravos, qnpagaram
19:W0S da imposto.
Sniciloo se, na cidade de Santo Amiro, Pli-
nio Lint!) de Buffuti, dan Jo no poscogo diversos
grjjpes ebni ivna navaha, e, re:olhido ao hospital
da Misfricordia, abi, depois de tratado, arrancon
0 apparellio e atirou-se n'um pago, onde pereceu,
deiwndo d< claracjio de assim praticar pir caasa
da ingratidao de uma mulher com quern vivii a 14
anno?.
Da? relacd'84 enviadjs pels tiesourafia de fa-
zeada a direct )ria geral il estatistica, segundo a
matricula fi'ita nas mesas de realas 0 nas collec-
iorias da nrovincia coilsta q:te :
De ahr.l de 1872 a -It de setembro de 1873 fo
ram matnculados 173,639 escravos, sendo 86,993
do sexo masculine e 86,646 do feminino.
Ds ab il J- 1872 a 31 de dezembro de 1873 fo-
ram m'atricnlidos 10,2)3 fllhoslivres de irinlhdr
-scrava, senlo 5,017 di S9to misealiao e 3,188 do
feminine.
.N.i Cachocira lavravam com intensidade fe-
ore de m.io caracttf.
AI.VOOXS
Em P.'riP:h cmtinfia a variola a filer grandes
egtragos.
srin -ff* e ns irtipfttfa pelo ifrpuuii)' DP. I3|umj
Pedre Corrfta de Freitofc A presiitencia-pnra M*>
bsar 0 pensamenU) do Dr. l'urlella, i-.to A, c>n* a
edificagio de estabelecimentos apropriados as aw-
las de in^mctjio primaria, acaba de nomear sets
commiss3es para snlicjtar donativo no'sentido tn-
dirado. E' provavjl queeolha feliz exito, pois que
cstao nellas incluidos t)do* os caracteros miii
respcilaveis qur em politics, qer no commercio
qcier bo funccionaliSmo publico.
Teve felix exito a diligemfa do -Dr. chefe de
policia a ilha de Maraja, onde fni assassinado 0 ca-
pitap Barata, tend) sido presos os indigitadps nes-
te homicidio, os quaes pertenceido a niia fainWia-
de individuos de cor, outr'ora escravo dos ate
passados de Barata, foram levados a ette acto, era
virtnde de revelacoes qae voluntariamente tizeram
sobre 0 proiedimento que para com elles tivera 0
assassinado.
a Felizmente a sociedade lucrou com semelhan
te pris.io, torque afora se desvendara a causa
deste homicidio I
0 Exm. bispo diocesano, que ja sabe estar
pronanc.alo, tern contmualo rra saa^ eonferen
cias onde ha tratado da questlo religiosa. Os
jornaes tambem eslao divididos era opinioes acer-
ca do procedimento do governo a tal respeito.
o Foi no dia 17 de marco recolhido a cadela
publica dosta cidadc_o Rvd. padre Jos6 Felix da
Crui Dacia (segnndo a Boa-Nica) e Jose" H*nrl-
q es Felix Daeia (segundo a nota que nos fji en-
viala da pofitia) pr'onTinciado peto St. Dr. jnir. de
direito do prime.ro distrwto cri ninai) so no art, 95 do codlgo criminal, a prisio e livn-
inento pelo crime-de impedir e obstar as deter nl-
OacSes dos poderei molerador e cxreutivo.
t 0 projocto de lei do orcamento provincial
apresentado na assembk^a legisfativa provincial em
20 do c irrent: on;a a receita para 0 exercicio do
1875, em 1,621:330*000 e tixa a despeu em.....
I.S27:64;4875, assim distriboida:

~\oi iclitK da imrte do iauperi>.
Tambem amanheeen hontem cm nosso porto 0
vapor brasileirj Craztin do S>d. trazendo dalas:
do Amazmas 27 de mirt'i. di I'ara I.", do Mara-
nhao 3, do Ceara 6, do .N'ata! 7, e da I'arahyba 8
do correute.
Eis 0 que e Ibefflos d s j raaes e cartas:
AXAtOXAS.
K vaoor Apaporis, ao >ervio da eoramiieio
ilternaeionable deai.i caQii de hmites entre 0 im-
peri) o 0 Pert, chegara apltaaos em 10 eom]a m-
iicia A: que esta coiiaii-sao estiva no rio Pay-an-
du, a 700 iniihas de distaneia do curso do rio Ja-
vary A mnlestia ia at-amandoja commissao e a
jruarnicio dos vapores, e as ultimas oaticias licava
o pessoal da commi^sao brasileira redazi.la ao sea
chefe, 0 Sr. bario d.; Te'r-!, e ao agrimen-o- Car
Im von llonhocltz. No entanto prosegaiam os tra
balh is da demarcagao de limifes.
Tendo adoecido o Sr. Dr. Miguel Gomes de
Figueiredo, assatnira 0 esercieio do cargo de juiz
de direito da comarca da capital 0 1.* snpplente
do jaiz municipal cidadao Cu-tolio Peres Garcia,
pa-sanJ) a servir dejuiz muiicipal 0 cidadao Jo-
se Ferreira Fleury. Depois ful nomeado e ebtroa
em exercicio 0 Sr. Dr. A. D. do Vasoncellos Ca-
nav.irro.
Tendo'ido tomar banhonaCachoeira-Gran
de 0 ciladao he^panhol Joao Antonio Hobio, di-
rect .r da niUcina de encadernad'.r do D< jvo do
Attazonas, rnorren sob a qneda da mesma ca-
choeira. Diz uma folha qae se attribae a morte
do infeliz a alguma descania ele:lrioa do puraqke.
PABA.
Nomo correspondente tie Belem escreve :
0 Cruzeiro io Sul e sempre 0 vapor das pres-
as; ajieuas hont'm chegado a tarde fecha hoje k*
4 boras a mala, e ftto som ser ..nnanciado, porqiM
o c rreio nem se lembra de fizer an annuncio pa-
ra o" jirnao- sobre a bora fixa do fechamento da
sua correspondenrda. Qaem qtrisor qae ri la sa-
ber, do eeatrario ou tern de anresentar a corres-
ponleneh enn muila aiiticipario, 00 tera 0 des-
prszor de ouvir dizer -ja fechou a mala.
N.wlia alterarao na paz e traaquUlidade des-
ti provmeia ; a pulitha e que tvti assumilo se>ia
variante c.n os negocios parlanvrntarvs da assem-
Olea provincial. Hi antigonismo ou antes rompi-
meolo entre a presidencia e a referida assemldtia.
. A causa occasional foi nma lei, concedealo
itibvengaj ou antes pensao a doos mojos, lilhM de
depuudos provin.^iies para estudarem direito e irw-
dicma n'essa provineia e no Bio de Janeiro. A lei
oa-4 tinba sido eaaecionada p lo ex-presidente Cu-
oba Junior, por eoatraria ao? inieresses da provin-
eia, voltoa depois dos tramiles legaes ao actual pre-
sideata Dr. leJro Vicente de Aaevedo, e eite que
ja manifestava prevenclo com certoa negocios que
Mr aijni apparece.ii, devolveu a 'de novo a assem-
ble^ por onensiva a constitaicao.
Levantou se poie grande juesiao por este acto
do actual adininisirador, em virtade da nao sanc-
fao, poriue as opinioes divergem nosjirqaes so-
*re alHgliiaJe ou ill-galidada Jo semelhaote
procelimento.
0 ansumpto ha Fido discutido amplamer.te pc-
Be
Jo Jornal Official, pela ContUluiyio, Diario i!e 1
Ime Liberal do Para; o negecio emrim vai para
0 H:o. e como 6 de suppir ba de morrer nas e-
crenriae do ininisterio djunperio, ounos arcbivos
da assemb'ei reral legistaiiva.
Ou.tro a -umpto tern oecupadi os typos, e a
refbnaa da iaslraecao publica." incloindo a revo
gajio da ultimo regulamento feito a galope pelo
tlce preaidente Guillierme Fraacisso Cruz, bavea-
Corpo legislative provincial 3^:3008000
Secretarial da presidenc'ia SOMOtbOO
Iitruc*o publtea 38 K6lfeM
Culto pubiico 7:370iOOti
Saiide e caridade publica 49:600*000
Obras publicas 187:500*000
t Forca publica l8i:OJ2*000
Arrecadacio das rendas provin-
tiaes 146:091*000
c Empregados aposentaios 48:20^*''00
t Diversas dospezas 48:20Oi Divida passiva 107:311*8:15
t Morreu repentinamente 0 negociante portti-
gtiez Antonio Moreira Sampayo, cbefe di easa
desse nome.
A alfandega rsndea at irlea de mareo.......
375:438*993.
MARANIIAO.
Chegara a provineia- 0 Exm. Rvm. Sr. D.
Lniz Ssraiva, bisp) diocesano.
A esse respeito diz 0 Patz :
t Foi S. Exc. Rvma. rectbi-io com todas as
hoaras devi las a sua elevada posigao.
Logo qae 0 vapir passoa pelos fortes lovan-
taramestes a baadeira nncional, salvou 0 da Pan-
ta d'Areia. Na eidade, d?do 0 signal da chegada
ile S. Exc. Rvma. repicaram a romaaa todas as
torres, e uma gaarda de h mra fat po*tar-se na
rampa it) largo de palacio. A chuva quo desJe
a noite antecdente omegoa a ca'iir, oontinuava
mas, apezar disso immeaso omcarso de povo af-
floio ao l:igar do desembarqae para reiwber a
benjao do veaeraa.lo pastor, a quem cordialmen-
te saodava.
c No alto da rampa estava preparado am altar
para S Esc Rvma. revestir se e i'ahi dirigir-se
a catiiedijl, aco npanhal) do cab do e mais clero ;
porem a cbava 0 0 pessimo stado da rua impe-
dio a S Exc. de satisfazer a e.-ta ceremraia, e 0
obrigon a ir da carro para a Se, aorta c.debrou-se
um Te -De a m em ac;5o de graeas pelo regress j do
chefe d igreja niaranheose.
Uaraate 0 dia aumerosas pessoas t?m coneor-
ride ao papo episcopal p3ra camprimeatar a S.
Exc. Rvmi.
t Na) vein o Sr. bispo complotameate bom, po-
rein Deas re-tabeleca a preciosa saude de S.
Exc. Rvma. para qae continue a reger com a
mesma paz, sabedoria e tino 0 rebaaho que Ihe
foi ciaflado. >
0 diocesino sti devia asstimir as r6deas da
administrat.-io depots de Paschoa.
Lemos no Pdiz :
"^osso correspondente de Caxias nos esereve :
Uma pessoa coramnaicoa ao Dr. juiz de-direi-
to, Gervasio Campello, que ho Burity do Padre,
disUnte dests cidade ama legoa, achava se em
casa de Vicente Feirefra uma parda de nome La-
eia Miria Ferreira, com cmco filhos tolos m?no-
res : Antonio, Siraplicio, Agostinho, Clara e Adao,
trazidos como escravos para serein vendid)s, do
lagar Bom Socego, que Pica eatre Balsa< e 0 Par-
nahyba, sendo sen conductor am iadividuo de no-
m-; Eaznbio Kodrignes da Silveira, que alii cstava ;
qae Lucia Maria Ferreira alUrmava ser li'rra de
nascimento, pois que era (ilha de Aatonia de tal,
irma de Matheus Ribeiro, sogro d'ajuelle Euzebb
Rodrigues da Sdveira.
0 Dr. juiz de direito disse ao deb-galo, que
entio estiva cm exercici), capiUo Viriato Ferrti
ra de S iuza, qae sem porda de ten.po mandasse
conduzir Lucia a saa presenca e a interrogasse
minucio.-amente.
O de.leg.ido assim 0 cumprio c ties foram as
declaricOes feitas por Lucia, quo foi ella e seas fi-
lhos com sea iaterrogatorio ea'.rega:s ao juiz mu-
nicipal.
0 conductor de Lucia nao quiz vir a esta ci-
dade ; mesmo do Bnriti do Padre retiroa-se, e ate
hoje, qae sao 14, aiada n5o appareceuj tendo sido
0 iiilerrogatorio de Lucia a 5 do mez passado.
Lucia c seus filhos foram entregues por or-
dern do juiz municipal ao negociante Lemis a es-
pen qao chegue seu "inlitalado senhor, <\ut ja
hoje faz a-" mez e Set dias, qae' desappareceu.
A .ilf.inb'ga atreeadoa no mez de marc.i___
171:4675 i70.
riAiiiv.
No dia 13 de margo desabou sobre a capital
nma terrivel trovoada, rahindo. um raio n'uma
casa da rua da E de porcSo de algodao.
CBABA.
Na noite de 28 de marco cahio fobre a capital
ama chuva torrencial que durou seis horas sem
iulerrup.'io, cansando alguns ertrogos.
Desabaram algumas casas e muros, e outras li-
carara em cstado de ruina.
A rampa da estacao da via ferrea lteou compie-
Umente estragada."
Muitas foram as casas que ficaram innndada*,
attiagindo a agia em algumas a altura de um
palmo.
A via-ferrea de Batarite rendeu no mez de
marco 1:675*760.
A alfandega arrecadou, nesse periodo. .
76:937*227. *
BIO-GRANDS.
Nosso correspondcute do Natal estreve 0 se-
guinte: '
No dia 23 de marco installouse a bibliotheca
popular da cidade de Vfossord.
0 acto foi solemne, concorrendo a e'le nm cres-
cMo numero de funceionarios publicos, domrher-
ciantes e moitos cidadaos not;veis sem disiin:c;ao
de cor politica.
0 Rvd. vigario Antonio Joaqaim Rodrigues
presidio aos trabalhos da installaclo, pronuncian-
do nessa oeeasiio 0 Dr. Avelino lldefonso de Oli-
veira Azevedo nm eloquenle discurso.
0 mesmo dnutor e 0 capitao Raphael Arehan-
jo da Fonceca, deptitado? provnciai% > !|igni= p:o-
motores dessa g*nerjsa e p:ttrio-':"a id**, deela-
r.-.r.im que se prop3e a dir licoes grapi^t 1 nente
era horas convenientes no BdinciD da bibliotheca
das seguintes materias : ,
Grammatica das lingoas latitia e franelza;
liogoa nac!onal, aritbmetisa e prine/pios elemco-
tares de geoxrjphia 0 idstoria do Brasil.
, JCo dia 22 0 delogado de policia de NPwsoro
manduti prender com dc.stino ao recrutamento a
um tal Manoel Jose de Souza Diniz homem tur-
bul'.mto, d s irdeir.) e sem isenvao legal. Rcalisou-
se a sua prisio, depois de formal resistencia, tra
vando luta com dous foldados de policia aos quaes
ferio gravemenle, eo'm um punhal e ama pifiol-
la, que Ihe fo^am tornados.
Na cidade do Assii dera-se no dia 6 um eon
flicto entre Francisco Ba'rbosa e Pedro CeleMipo
do Mello, resaltando'sahir este corn nma e.-toc.i-
da acima do psito direito e outro ferimento no
O Gonsercndar, do qual extrahimo* esta noti-
cia, tt.Tii pn'.'lieado divi-rsos artigos em defeza ao
Or. SeHiro; viedMa da mais at"oZ persegu-.^ 10 e
sobr^itudo diroiilo mortal que Ihe vota 0 juiz for-
mador do 1 cnlp 1
r'oi presu %> fligranle delicio no diT 15 do
eorfente 0 indrtiflno de a mo Miguel Ferreira Pi-
ca por ter dado nma facada em Manoel Antonio
da Craz, am bos residentes no districts de Touros,
onde se d.r* o facto.
t Procoden J a eorpo de deHcto. e-fbr elle ve-
Hficou 9e tereafsllo levee os ferMentos.
Pel* rep*c) da pliciav aagundo consta,
recommeodoa*e a nrgaaisagio de competent
inqnerito paM ter 0 destiao da lei.
Uma- eslola nocturrm foi inatallada a 27 dfl
marro ultima com 0 numaro de dak ajuntnos pelo
projessor ? intrftccao primaria Joafli.Carlc)* da
AlbaquerqjB'e Gobdim, achando-*e preseote 0
Exfn. prestdente da prcmncta.'
0 Exm. Sr. Dr. Bandeira de Mello Filho vol-
tou dbCeara-mirim fatisfeHo com os rtsalfcdte
obtidos pelas obras da canalisa^ao do rio aas ul-
timas cbeias.
PAnAHVBA.
Importantes donativos contiauavam a ser en-
viados a presidencia da-provlacia para as obras
da maths da capitaj, e fara aconstrnCcao da es-
colas -pobllcas ffe msiYucT^fo primaria.
Lemos no Jornal:
Nilo tendo podfdo effectuarse. em cdflsequen-
cia da chuva, nc ilia 23, cemo ooliciamos, o as-
semamento da prirnelra pedra da easap rs&eo-
la do ensmo prirmrie, a rua Mafquez- do H-rval,
tore lugar 0 acto no dia immediato, pelas 5 horas
da tarde, era [iresenea do Exm; Sr. presiderfteda
provineia, camara municipal, di*er-os-ernprega*>s
publicos, ofHciaes da gaarda aacional e pessoas
gradas desta capital.
Em freate ao terreao, onde dete constrbirse
o ediflcio, esteve postada uma gaarda' de hoara
de pra^as da guarda nacional.
0 Um pavilhao dec ntememe' decorado tor alN
vantado. para receber os cuncurreBfee ao refe-
riJo acto, que realisou se com as ceremoniae do
costsme em occasides MenHcas.
Depois de collocada a' pedra, algumas pala-
vra* foram dingidas pek) Exm. Sr. presidente da
proviBeia relativas aoassompto, terminaBd>a< 9.
Exc. cam vivas a & f. e fmperador, sendo cor-
respond idos estes ebM*usiasticamente pelas pes-
soas presentes.
Mtrcado da P.irahyba, 6 de abril de 1874.
N.vios Jespachalos.
Barca ingleza Sera/in* despachou para Liver-
verpool : manifestod 950 sacea* de algodao com
83 153 kilos, e 2,110 satees de assucar cota.....
157.300 kilos.
Nbvios a n rga.
Brigue greg. Apostoh Paulo para Liverpool.
P.hca'iUssa Cahpsl
Barca ing. P.ttfrro
George Wallher
dinam. Anne Logan
Feso pubiico de algodio.
'e i a 3 do abril.,......
>.


Enlrada de
13 saccas.
REV1STA DIARIA.
Vsscm!ilr:t pruvincial. -Hontem a as-
jeaiblea funcciouou coin 29 Srs. depatados, sub a
presidencia de Sr. Dr.Vguiar.
Approvada a acta da sessU) anterior, 0 Sr. 1'
secretario leu 0 seguiote expediente :
DIDcios:
Do secretario do governo da provineia, rcmel-
tento por copia o acto de 4 de dezembro ultimo,
pelo qual 0 Exm. Sr. presidente da provineia, usan-
do da autorisacao do art. 37 da lei n. 1,113 de
11 de junho do anno passsdo, resolven mandar
emittir mil contos de reis, cm apolices.A' com
missao de orgamento provincial.
Do mesmo, remetlendo por copia as portarias
de 17 de junho, 7 e 19 de julho, 27 de agosto, 3 c
19 de setembro, 19 e 22 de.novembro ultimos. so-
bre croJito* supplementary* a differentes verbas
do exercicio passado e correnw. A" commissao de
orcambnto provincial.
Da camara municipal da villa do Brejo, pediado
providencins aceroa dos limites da fregaezia de
Santa Agaeda de Pesqueira, creada pela lei n.
966 de 1870 e alterada pela de 11 1.103 de 1373. -
A' commiisao de estalistica.
Pdicoes:
De Oiversos moralores da villa de ftambe, pe-
diado a creac.ro de uma cadeira d- in-truccao
primaria para 0 sexo feminino. A' commissao de
instraccao pnblica.
De Felismina Claudemira de Mello Lins, profes-
sora publica de Anadia, provineia das Alaguas pe-
dindo para ter inclu -da n 1 quadro das piofesso-
ras.desta provineia.A' commissao de instruc;no
puoMea.
Foi lido e approvado um parecer da cotcmissao
de obras publicas, 0 qual coaclue por um projec
to, que vai a imprinvr, deferindo a peticao do Dr.
Joao Cavalcante de Albuquerque e outros.
0 Sr. Dr. Porlella, cbtendo a palavra pela ordem,
requcreu quo se solicitasse da presidencia da pro-
vineia infurmarSes sobre 0 numero de trapiches
alfaodegados, existences nesta capital, 0 pre.o do
servico nelles feito, os re&lisados na capatazia e
copia da represent*r;.ao dirigida ultimamente pela
associai;ao commercial a alfandega, sobre reielbi-
menlo de cirregameBto de vinhos ; e cujo rcque
rimento foi approvado.
Passando a crdero do dia, coniLuou a 1" dis
cussSo do projecto n. 10 deste anao, que autorisa
a concessao de um anno de licenca a professora
Francisca Seratico de Assis Carvalho, e encerrado
0 debate, .foi 0 projecto approvado e rejoitado 0
reiuerimento do Sr. Gaspar de Drummond.
Em segaida foi approvada em 2" discussao a
emenda offerecida em 3'ao projecto n. 36 de 1873,
sendo-0 projecto remettido a commissao de re-
daccao.
E apei este, continuou a discussao da indica-
cao e parecer da commistao de policia, sobre a
reform 1 do regimento da as?emblea. Oraram so
bre a materia e emendas offerecidas os Srs. Ma-
noel do Bego, Portella e Oliveira Andrade ; sen-
do depois retiradas dnas emendas, a pedido de
seus autores, os fit. Mello Rego e Manoel do Re-
go e approvada uma outra apresentada por este Sr.,
e veiiticando-senao haver mais numero para votar,
0 Sr. presidente levantou a sessSo, designando
para hcje a seguinte ordem do dia : continuagao
da aotecedente, 1' discassao dos projectos na. 22
e 24, 2- do de n. 23 e 3J.do de n. 8, lodos de>te
anno.
Enqur-riio policial. -Teve 0 convenien-
teaestin) 0 que se effectuou pi la subdelegacia
do I'ico da Panelli, sobre 0 esmagamento do
preto, escravodo Dr. Augusto Carneiro Moateiro
da Silva Santos, por um trem da linha ferrea do
Recife a Caxanga.
tsf.iissinaio.-No lugar denorainado Ma
luri, do termo de Bom Jardim, Clemente Tmoco
de Araujo, ladrio de cavallos e guarda-costas
e amigo de Justino Jose de Goaveia, cinhecido
por Justino Cabuclo, travaiido-se de razoes com
este mesmo, no dia 25 de marco ultimo as-as*i-
nou-o com tres facadas e evadio se, apezar de ter
sido fendo na luta por aquelle.
i*.i^a:Iori:i da thrs-.Mirarin zenda-Nesta estacao pagam-se hole as seguin-
Mfolhas:
Ai seaa.l de guerra e pensioriista'.
Propagadora da insirurcuo pa-
Do! i-a. Pelas 6 horas da tarde de hoje, havera
sessao do conselho parochial da fregueiiade Nos
sa Senhura da Graca, em casa do respective pre-
sidente Dr. Jos6 Austregesilo Ro'rigues-Lima, a
En crnzilhada de Beftm.
Eleifa**.EfTbcinou-se no ultimo domingo, a
da directoria da associacao portugtieza de benelr-
rcencia dos empregados no commercio e mdoetria
desta provineia, e teve 0 seguinte resultado: Di-
rector, Antonio da Maia PesJoa ; 1 seretario, Jo-
se Arihar I'into de Abreu ; I", Jose PrudenCiodos
Sai.tos; thesoureiro, Antonio B*nl vogr.es. Joao Baptuu Ferreira1 "Gra.-a, AfltonioTei-
xeira de Figueiredo Junior e Js Joaqaim ftodri-
gtres Brliz.
Dlnbclr..-Os vapores Ceard e Cruzeiro do
Sul trouxeratti para :
Joaqaim J. GOncalve* Beltrao & Fdho
6 A. Bui le & C.
A- Hyvdrnat & C. 55040 W
J. 0. C bovla S'Oi'Wf
ihrvjllho & Nogueira 30:>40d;i
InMtiliilo Irc'ii'oloiiiin c beoira-
pbfeo. ilounio-se boniem sob a presi Exm. .eoascllieirj inonsenhor Munu t.tvares e
com assistencia dos Drs. Paala Sales Soarcs dd
Azevedo, Jacintho de Sampaio, e dos Srs. conego
Lino e majores Coleceirae Salvador Ilmrique
K' lida e approva la a acti da- ante:'^ loite.
OSr. preSMBate ; mvida ao* soda ultimamente
(-lettoa paraMfcuparem na saus re ( que se effdetua.
0 Sr. seerefario perpctuo Hiettelona 0 seguinte
expeliente :
Um oUlflla*a|o Sr. Dr. Manoel Buarque de Mace
do, aceitando e agraleconlj a su 1 eleicao de so-
cio clfcctivo.-*Inteirad )
Outro do Sr Andre Ferreira de Almeida, datado
*fde 36 de jaOefro, offertaffdo ao Fnstitato um retra-
to a olep de S. M. 0 Imperador. E' recebida a of
forta com muito especial agr.ulo.
Outro do Sr. barao do Santa Cruz, agradeoendo
a sua eleicao de socio correspondente.Inteirado.
Outro do- secretarro da sociedada Ensaios Lit-
lerarios do Rio de Janeiro, offertando dous exem-
plares da Reviti* Mensal da mesma.
Outro do Sr. Dr. Augusta Gurgel, aceitando 0
agradecenlo a sua eleicao de socio corresponden-
te. Inteirado.
Outro do Sr. Dr. inspector da tbeSonraaia pro-
vinsial, offertando um exemplar do relatorto apre
sedtado a presidencia no cirreute'a'orro.fnte ra-
do, sendo recebida a offer ta com agrado.
Outro do Exm. presidente da provineia, com-
iruniv.iti-lo haver contratado a impressw di bio-
graphia da* Obras d> vigario Barrel 1, solieitaado
de Institotn on a indicaeao de raau algumas obras
d'aqaelle disiitwto pernambacano oa copia de al-
gemas por ventura existontes no archkvo dIns-
trtuto ; e assim tambem lembrando a c mveniencia
de- ser a iaipressa')1 das ditas obras corrigida por
um dos meiabros do iostituto. -Inteirado e que se
respondessa que o Instituto tomara om considera-
cao a materia do offleio.
Doas otficio* do Exm. Sr. Dr. Joaquim PortelU,
um relatrva & offorta di. copia da roia ao nominal
d>is OiMnproincfidos na revolucao de 18.7 e outre
dando scioncia ao lo.-tituto de quo tern lixaJo sua
rcsidencia na cor te. Inteirado.
Outre da Dr. Ameri ;o Alvares Guimaraes com -
municaado ter sido noineade e assumido o exer
cicio do cargo de director d* iastru.:;ao publica
de Sorgipe.Inteirado.
Outro do Exm. deao Dr. Joaquim Fraoeisco de
I'aria, agra lecendoa saa eleicao de socio honora-
ria.-Inteirado.
Outre doSr FJoriano Correi de Brito, fazertJo
i I ;ntica cominuo(e;ic.io como socio cir-ctivo
0 mesmoSr. secretario frpetao menciona as
seguintes offertas : varios nuraeros do D/arw de
Pe^nambuc, pelo consocio Dr. Figuei oa; al-
guns ns. da Ptwinci* e Nigfti, pelas respectivas
redac^oes ; doas quadras ptiotographados, um re-
presentando 0 combate naval do Riachuelo e ou-
tro a passagem de flumayta, offeftados polo Sr.
major Salvador Henrique; uma colleccao da Re-
atria Mensil da Instriierao Publica, oltcrtada pela
sociedade Prepagadora da Instruccao ; um opus
culo sobo titnlo Golonia Isabel, escriptoe offerta-
do pelo Dr. Moraes Pinheiro; um exemplar do
diccionarlo topographiro do departamento de Lo'
relo, pelo Exm Sr. Joao Wilkens de Mattos e pelo
me*mo off'rt'tado. Estas oirertas s5o recebtdas
com agrado e mandam-se arehrvar.
O Sr. presidente dlrigindo se a coramissio de
trabalhos hist-ricos e archeilogicos, laslima qne
esta nao iiaja ate boje feito alguma dcclaracao ao
Institato s ibre as suas. expl >rac.5es relativas ao
descobrimento do logac onde foi 0 Arraial Velho,
e conelne pedindo 0 adiantamento de semelhantes
trabalhos.
0 Sr. major Salvador, comomembro dessa com
missao, justifica 0 silencio da mesma, dechrando
i|uaes as investigajoes que ate ag >ra sa tain feito,
afRr.-nindo alinal que nao *e des;uidara clia de
tio importantc desoberta.
0 Sr. maj>r Codeceira faz a este mssmo respei-
to varias declaragoos em sent'Jo favoravel a estes
trabalhos, aos quaes elle se tera espantaneamente
dedicado, associaudo-*c a respectiva co.nniissao.
bem que a mesma nio pertenca.
Vem a mesadiversas proposias para socios.
A' commissao respectiva
Uaia proposta dos Srs. Salvador, Codeceira e
conego Lino, no sentido de ser elevado a socio ho-
norario 0 socio eirectivo Exm. Sr. Dr. Joaquim
Portella.
Veacida a urgencia 6 a proposta asprovada e 0
mesmo senhor considerado socio honoraria.
Vem a mesa outra proposta firmada por aqael-
les senliores aiim de ser considerado socio effec-
tivo 0 correspondente Andre Ferreira de Almeida.
Vai a commissao de admissio dc socios.
Vem i mt;sa uma mocii do Sr. major Salvad ir
Hcnri'iiio. consignando a idea de se solieitar do
lastitut) do Goyanni 0 archivo d> mesmo c os
restos moruies do general Vidal deNegreiros.visto
consta achar se 0 mesmo dissolviJ-i.-E' appro-
vado.
0 Sr. presidente da para ordem do dia da se-
guinte sessao,a l^itara do relatorio sobre0 pliarol
Ja barra, pelo Sr. major Codeceira, pareceres de
commissi5es e 0 mais qae occorrer.
fioviiniia. Em 5 do correnle, esereve 0
nosso correspondente desta cidade :
Comedo por dar Ihe as boas festas da Pas-
choa, desejando que os habitantcs desse ameno Re-
cife a tenham tido assa* felir.es.
n Vamos bem de salubridade. As cbuvas teem
refrescado alguma cousa este torrao, pelo que sup-
ponho que deveremos gozar saude em quaalo nao
chegarem os rigorcs da estacio calraosa. A pas e
tranquillidade publica, tambem, nao tem solfrilo
alt-.-racao.'
a Na carencia absolula de factos importantes
occorndos nesta cidade e dos quaes com mais
precisao eu Ihe possa dar conhecimento, previuo-o
de que regularei dVra em diante as minhas mis-
sivas1 por quinzenas, aflm de que estas n ao^ conti-
nued), como tem succedido irem as vezes, tiio des-
tiiuid 1* de factos de in'.eresse.
No dia 21 do passado, iu'tallou-se.> como Ihe
disse na anterior, a ia sessao judiciaria do jury
dcsie termo, undo sido submettido somente a
julgamento um processo, qae se achava prepa-
rado.
Tanto basta para provar a- boa indole deste
povo de Goyanna; porqaanto havendo, como ha,
uma grande populacao nesta comarca, parece que
os crimes deviam ser frequentes a que por conse-
guiote devia 0 jury trabalhar moito.
Enlreianto, assim nao succedc; pois. que tal
vez 0 numero de processos, submel'.idos a julga-
emnto aaui durante um anno inteiro, nao exceia
de 20.
Isto prova de mais a favor do povo goyan-
nonse.
c No dia 23 foi submettido a julgamento 0 reo
Silverio Jos* Francisco dos Santos (eonbecido por
Piano) pronunciado no artigo 257 da codigo cri-
minal.
Juiz de direito imerino, Dr. Alfredo Ernosto
Vaz do Oliveira.
Proraotor, Dr. Honorio Vaz Corado.
Advogado, Dr. Julio Vaz Cnfado.
Em vista das respostas dadas pelo jury de sen-
ten (a, foi 0 reo absolvido, e logo posto em liber Ja-
de, nao obstante haver appellado da scntenja 0 Dr.
juiz de direito, visto como, pelo artigo 17 4 da
c As pratieaa religious nio.4era sido-aqui-ioler-
roinpida*, e a dies cjiii a mesma, senii mais vc-
nera;a, os aclos da- seiiant anti torain agora
celebra Jos solemnemente a 000 ;->rri los do maa.irai
que eai culros annos 0 na) foraai mais.
Ate a segainlc.
Loterla do Rio de Janeiro.ReSumo
da hsta da 17.* ( 502.") em beneficio das obras do
hospital da Mi*eweordia, extrahida a 27 de raarc-o:
- 5944...................... 2':OO'*0O;)
N. 5938..............,....... 10:000*000
N. 2)73..................... 4:000*000
N. 2803..................... 2:000*000
Ns. 1129 e 4572-1:000* a cada um.
Ns. 2971, 3360, 4868 e 56W 800* a cada am.
1 Ns. 453, 541, 834, 1148, 1385, 8035, 3403,
384", 4693 e 5718 2;J0* cada u.n.
Ns. 185, 311, 869, 1303. 1677, 1783, .957,
2764, 3181. 3327, 3344, 3601, 3641, 3801, 398S.
4111, 4187, 4395, 5748 e 5939 -100* a cada am.
Ns. 7, 124, 169, 219, 244, 3!3, 483, 515. 662.
668, 716, 744, 1031, 1201,1333, 1442, 1710, 1824,
1921, 2011, 2081, 2110, 2184, 2274, 2292, 2487,
1508, 255 J, 2648, 2795, 2849, 3056, 3200, 3245,
^332, 3604, 3693, 3707, 3341, 3873, 3322, 3914,
3983, 4017, 4042, 4048, 4180, 443). 4534, 4785,
4870, 5125, 5149. 5254, 5530, 3324, 5673, 5763,
3789 e 5903-40* a cada um
A loterli 503." deve ser extrahiJa boje.
Carcerciros de cadeaatr. -Pelo decre-
to n. 5,572, de 21 de marco, foi augmeutado
0 ordeaado dos, corcereiros das cadeias das pro-
vincial do imperio.
de Pernambaco
passaram
30H*0".0
110*000
303*00>
240*000
180*000
direito e outro
altodacabeca. [Oliveira fit os & C
Dizia-se quo. 0 delogado de policia respect;vo[Miguel Jose" Alves
procedea a ote mpeito como Ihe cuinpria. Anlortio Joao Furtado A C.
Acabsmdenssassiaar no termo de Goyanni-
nha a Bernardo Gomes, cnio cadavjr foi encon-
trado no meio da e-rtrada qae segue do lugar
AJagoa do Couro para a villa de Nova Cruz.
Os as*assinos ikio foraai .".onheiido3.
Foi proaanciado pelo Dr. juiz de direito Pe-
dro Fracelino Gaimaraes 0 Dr. Luiz Antonio Fer-
reira Souto Junior, juiz municipal e de orphaos
dos lertoos d.) 3. Jose] Paparv, em proc?50 de
1,*? Lniz Goa^.iives *?eFrerra &'C.
toe 'lorderro do Bego Pcftttes
Joio Lkio & Filho
Joise \. de Oliveira Lima
Manoel Soirrt Pinheiro
JoseRodriftaes'de'SbuM
a. L.-de-OlTvetM .rrevedo & C.
Jannari > Jose da Cosiit
Barror, Mendes & C.
respon*abeli lade por denuncia do Dr. Msnoel Ja-1 Fern'ahJes 'da C sta'cVC.
nuano Bezerr* Montenegro. 'Antonio Gome? Xetto
lei n. 2,0)3 de 20 de setembro de 1871, a appella
fio, em tal caso, nao pode ter effeito supen-
aivo.
< Installou-se effectivam into no dia 23, a rua do
Meio, desta cidade, a sociedade recreativa de dan
ca, quese iatitulaVinte e cin?o do Marco-ten-
do sido feita esta festa com alguma solemni-
dade,
Na sexta-feira, 27, teve aqui Ingar com a pos-
sivel pompa a procissao do Senhor dos Passos que
sahia da matriz para 0 convento ie Nossa Senho
ra 1 lo Carmo, tendo sido a respectiva imagem
traslidada no dia anterior a noite desta para
aqaella igreja com a prccisa solemnidade qae 0
acto exige.
Tanto a nma como a ou'xa aeompanharam as
pessoas mais notaw;is dest* coaaarca, eatre as
quaes 0 comman lante superior da gaarda nacio-
nal, sen chefe de estado-raainr a diversos olH-
ciae'.
Teve tambem Ingar no domingo de Ramos a
8:593*160 procissao do triumpho, que,sahindo da ordera 3.'
7:30*000 de Nossa Senhora do Cirmo, peroorreu diversas
7:000*000 ruas da cidade. Todon 0* adores ach*vam se
6:6768l6 hem e singelamenle preparadds, tendo bavido
6.100*000 grande numero de irmans de agumas das confra-
?:81lOO0 rias d'aqai, 0 que torn u aoleainea prodsno.
2:800i000 a Na matriz terminaram hoje, oora a .procissao
2:760,5 00 do Senhor Resuscitado, feita pete minha, os acto*
8:669*000 da semana santa, os qaaes own toda a deceneia 0
2:0 0*00:1 brilbtntismo foram alii cctebradns.
IteO'ilObO' Como mulw barfc disee o>J814, pe|uano jor-
!?*5')*OW) nal qne aqni sepaUlrsa, os ffoyamwitas, apeaar do
l:14WJlOut) Bes?imo effeit") prii lazid.) pela :honrvl e.ainHct^
797*5ii[religion provocado pelo Sr. D. Vital, bispo da
620J433' Olinda, tem-so raoslrado 8fmprefi#s e obedieates
&' 7}' .00 a religiao catholica.
Os dos carcereiros
a ser de :
Olinda EHE5*
(Ajodanta
G .yauaa, Santo Antao, Caraarii
Igaarassii, ItamW, Bom Jardim,
Limoeiro, Nazareth, Pao d'Albo, Es-
cada, Cab-1, Rio Fermoso, Brejo,
Bom Conseliio
Iflboali 1, Ipojuca, Serinhaero, Pal-
mare*. Uarreiro*, lonito, Bezerros,
S. Bento^ Cimbre3, GaranlTans,
Baiqoe, Ftores, Ingateira, Triumpho
Tacaratu, Gabrobo, Exti, Boa-Vista,
Oaricury
Gamelleira, Pane'hs, Aguas Bel-
las Villa Dela, Floresla e Salgurtro. 120*80)
(fliiipihii-oiprcmi) nailUar. Achan-
dose. no dia 23 do iaar;o, presentes os Srs. coo
selheiros de gnerra Bittencoan, Visconlo di Ta-
mandare, Barai do Rapagipe, de Lamare, Viseon
de Sinta Thereza, Barao da Gavei, Soares d
Andrea, Darin de Angra, consollieiro vogal Beau
repiire Roban, desembargadires Camara, Maga-
Ihaes Castro 0 Baptisla Lisboa, foi aberta a sossao
e approvada a acta da antecedente.
Foram Julgados os seguintes processos : capitao
do^exercito Antonio Cesar Tupinarab*, sendo absol
vido pel) eonselh) d^ giirra, pelo crime de des
ordem, foi cnfiranda a sentoaja ; tenea}e do
exercit0 Sergio Terlulian) Castello Brando e alf*
res Segismunlo Augu*to da itaadangi I/ibo, sea-
do accusa lo pjlo crime do desorde n e ferimea-
los, foram coodeTinados pelo coaselho de guerra,
0 primeiro a dous mazes de rigorosa p.'isao e 0 se
gunda a an mez, senlo esta sentenea reformada
para coudeutnarem a cada um dos reos a sen
laezes de prisa) e n uma fortaleza ; soldaios do
exer.-ito Francisco L uireac 1 de Sanl'Aana, e Ma-
oael de Sanl'Anna de Oliveira, sen 1 > accusados
pelo crime de deixaretn fueir um preso, foraai
cond minados pelo conselho de guerra a am anno
de pri*ao ; esta *eiitea;a foi reform .da para con-
demaarem 0 primeiro reo a quatro mam da pri-
sio, e osegund) a seis mana : Justiaiao Correia
de Mello e Jo-e Francisco dos Santis, ascusad)*
pelo crime de deixarem fugir um preso, foram
con Jemnados pel0 conselho de guerra a quatro Ine-
zes de prisao simples; sendo esta sentenc.i ro-
for.nada para conlemnirem os reos 1 quatro me-
zes da prisavo com tr.ibalho ; impe.'iaes marinhei-
ro* Franciico Jose de Oliveira, sendo accusado
pelo crime de sexta desercio, foi condenvaado polo
conselho de guerra a um anno de prisao, sendo
onlirmada a S8ntcn;a ; J isti Gimes d) Oliveira.
sendo absolvid) polo conselho de guerra, pelo-cri-
me de fugir qaando enmpria sentenca ; foi conlir-
mada a sentenca.
Mapremo Iriband sessao de 28 de marco foram julgadas :
Revista civel n. 8.40J (Maranhlo). -Rssorrente,
Man >el Pinheiro & C. ; recorrido, Anuoaio Jose
Apolinario. Jaizes, relator 0 Sr. bario de Pira-
pama, e r^visores ."into Cuichorro e Marianni. Re-
latadi a caasa e debiti la, foi negada a n*W*i
atir nao haver injustica uotoria, nem nullidade
maaifesta.
\Dita n. 8 401 (Peraambuco).- r^.cjrronte, a
ompanhia Recife Drainage ; recorrtl), Henrique
Beraardes d) 0'iveira. Juizes, relator 0 Sr. con-
selheiro PinU Cbicliorro e revi*ores os Srs. Ma-
rianni e SimofiS da Silva. Relatada a causa, foi
negada a revista iinanim:m;ate, por nao hiver r.v
zbes, neai fualamentos pira a sua concossi"),
manlando se cumprir os a:o)rla)s recorrid)s por
ser conformes a direito
Diia n. 8.463 <\farannao).Recirrente, R>sa Ma-
ria da C-inceic.o ; reorridi, Miria das Neves de
Miranda, e Oliveira. JuUes o Srs.conselbeino I'in
to Chich rro relator, e revisores 03 Srs. Mirian-
ni e Simocs da Silva. Ncgaram a revista pcJidi,
por nao have." injustica nr.oria, nem maaifesta
nullidade : unanimemente.
O inspector excrcer advocacia. Em data de 2S to,
correnle foi expedilo ao presidente de Matlo-Sros-
so 0 aviso seguinte :
0 juiz de direito da comarca da capital dessa
provineia corisultou aoanteces*or de V. axe, como
conitato do ottlcio n. 32 de 14 de novembro de
1871, se 0 in*pcctor da thosauraria provincial po-
dia encarregar-se do palrocir.to de caasas emjuizo,
ou se 0 exercicio d'aquelle e incompativel com a
proflisio do advogado. Ouvid.i sobre 0 assumpto a
secca 1 de ju*tica do coaselho de estado, h ouve S. M.
0 imp irador por bom mandar declarar a V. Exc
que, salva a hypothese em que se tratar dos in
t-reassda lazenda provincial, nao existe iucompa-
tibilitlade entre 0 cargo de in*pec:=)r dathesoLriria
e a protissao de advogado, conforme a doutrina do
aviso n. 104 de 8 do mareo de 1866 ; eabendo, en-
tretanto, a essa pre-idancia providinciar, na es-
phera de suas attribuicojs, quando do exercicio
simultan?o das funccoes de inspector a de advo-
gado resultem inconvenientes ao servico pubiico.
Deus guarde a V. Exc Manoel Antonio Uuirte
de Azevedo.
Corvcta Trajano. Lemos no Jornal do
Commercio, do Rio de Janeiro, do 1" doeorrente :
t Este bell0 vaso de nossa marinha de guerra
fez hontem nma experiencia preliminar fora da
barra ; os resultados, segundo nos informant pes-
soas competentes, forara os mji* sati fjctonosque
se podia desejar, attentas as condicoas em que foi
feita a experiencia.
Chegou-so a obter por vezes uma velocidade
de 13 milhns, som qu> n.inca se tivesse p- dido
desenvolver mais de 2|3 da forga total da machi-
na, cm cousequencia da ma qualida te do carvao
a Tentou so tambem a experiencia da mnrcha a
vela ; mas com a aragem bonancosa qae soprava,
apenas se puderara verificar as boas qnalilades
do governo do navio, ja reconhecidas vantajosa
mente quanto a marcha a vapor, ne.-.ta mesma eor
vela c em todas as embarearrde* que teem sido
construidas pelo sy*lema do Sr. Trajano.
Os balance- d navio sio mui suaves e fize
ram desapparecor os recaios uue algun-tinhaai
quanta a esfabilidade dynamica do navio, qae e ex
eellente. Alinhad'agiia em que eslava 0 navio
tambem nio era a mats favoravel a marcha.
Con'eguir, pois, em Ues condigoe? am tioli-
songeiro resultado, e mo'.ivo para felicitar se 0
nosso dlslincto compatriota, 0 Sr. Trajano..
Asseizurara nos que em nenhuma marinha do
mundo existe nm navio das dirnensoes 9a Trajano,
com a marcha e outras quabd ides do qae e dota'
da, a qual na experiencia final e de esperar qne
exceda a previsao do construe tor, que so garaoti 0
14 milhas, sendo que tudo indua a rrer qae al-
cancara a prodigiosa marcha de I5miln*s, naquel-
le navio, era uma experiencia feita, como era de
desejar que tivesse sido feiu a de hontem.
ii*p< dc Ppranmfcin*.-No [dia 23 de
marco o Exm e Rvm. Sr. D. Frei Vital, bispo de
tVrnambaco, publicoa nma carta pastoral dirigida
ao clero e lleis da sua diocese, aconselhando Ihes
a marcha a sogairem durante 0 tempo em qae
elle se achar preso, a qnal conclue assiiii:
t Cumpramos 0 nosso dever e de can:eraos no
amoroso regaco da Divina Providencia ; porque a
nossa fe, tantas veaes cniabatida, porem nnnca
vencida, oolhera, maia oedo oujrwls tarde. osloa-
ros iiiMBarcesciveii de um brilliant** iriampbe so'
bre os sons impJacaveia inimigo* : llaec est victoria
i/wt otucitmundum, fides noslr.i.
Ao passo que format satennndo, irmaos e
filhos chariesiaMt em Jesus Gbristo os diraitos e
a* regal>as.de noossafe, com o maior denodo e va-
leatia da nossa alma, esraeremo nos. ab mesmo
tempo, e aftaosuneate em o.oas irv.tr .arjuaUa paz
inaltcra'pi, ique'lU r.'sigaa^ao angelica, 'aqnel a se-
reni lid1 de espinitoj aquelli placidez de animo e
aqaella ka'n-iitijiitjada dalma jue disliogaea os

snldad.* da croi! oslWi>ir *af6, e d? quj i-n
ineisameaie hiveini* mi-t-r nis aciine-i oner-
gcadas: pj ienli 1 enim oobis necessaria est.
Jttmisse abra a nisa boxa para deixar es-
capar in'mseqior uma sd palavra ib queixa con-
tra a-jaellas que, talvez illudidos, coitados I e sem
saberem 0 que fazem, ora nos estao perseguindo.
Qaando os nossos labios se entreabrireai, seja sem-
pro esempre para marmurar. por elles, fevoro-
sas eardent-s sapplicas aeSenhor nosso Deus, que
e lodo amor e caridade : Dent charilas est.
Pe a mansida), cordon, longanimidade e pa-
ciencia de que dermos testemunhos em meio do*
mats encarmeados ateques e furlosas aggressoi*
do que formes victimas, conhecam os nossos ad-
versarios a candidez de nossa coosciencia; con-
vengam-se de que em nosso corac>), onde uma so
gotta de fel se nao eucontra, so ha 0 mjl da cari-
dade, a docura do amor fa Deus e do proximo, e
reconhecam quo assim nao procede senlo quern
pugna nela causa santa da verdade: Doctrina viri
per pat lent tarn noscitur.
< Ainda mais:
t Procuremos com afan, irmaos e filhos muito
amados, procur-mos solicitos prestar aos que nos
perseguem, em todas as occasions, todos os servi-
ces qne esliverem na me lida de nossas forcas, e
desvelomo-nos por elles, fazendo-lhes a ales, a
seus pais, esposos, filhos, irmaos, parentes, amigus,
a tad), final.nente, quanta lhes perteace, todo o
bem que nos for possivel.
Mostremo-lhes, em uma so palavra, qae so-
mos ministros do Deus do amor que pr.i peccatis
noslris mo'tuus est. Mostremo-lhes que somes
discipulos d'Aquelle que, suspenso entre 0 ceo e
a terra no patrbolo da cruz, uma das nllimaS pa-
lavras qua profcriram os seus labios divinaes, ao
render 0 ultimo supiro, foi uma fervorosa oaacao
de amor, dc caridade e de por Jab- por aquelles
mesmos que 0 acabavam de crucificar : In omni-
bus rxhibearrius msmetiosos sient Dei mnistros in
tnulltt paiienlia. in ti ibulationibiis, in necessitali-
tu, in angiistiis in pf gs, in carceribns, in sedt-
tionibas, in laboribtts in chjUHs, in jejuniis.
Como penhor da nossa ternura paternal, em
desafogo do nosso zelo pastoral, e em nome do Pa-
dre, do FiHw e do Bspirito Santo, damo-vos, ir-
maos e fi hi* mnito amados no Senhor, do mais
mtimo O'alnoa e com tcda a effusao de nosso amtr,
a nossa bencao de paster estremccido e de bispo
errcarcerado por amor da defeza dossagradoa- di-
reius da santa igreja o> JesasCtTisto.
t Dadaem nossa prisao, na fortaleza de S. Joao,
aos 25 de marco de 1874, festa da Aununciac.au
da Santissima e limnaculada Virgem Maria. Lugar
do sello. f Frei Vital, bispo de Olinda.
Bcird.Lemos no Diartodn Gram Para :
Em iquito* ageardavam-se ainda os suppri-
mentos monetarios da capital da republica, lutaede
a popnla^Ae com as consequential da faita de nu-
tneram. Algnns cases fataes de variola que se de-
ram na eorfitnandanela general del departamento
maritime militar e nas povnacoes dos arredores,
traziam tao alarmada a populacio, que receiavam
os 1 eraens semsatos mais da exageracao do terror
que da violencia da psste-
t Na commandanria general havia noticias d)
Peru transandino. A opiniio publica pronuueia-
se alii, mais energicamecle de dii para dia, pela
separacao da igreja do Estado.
c Esta termma'o 0 caminho de ferro do Pacili-
co ao lago Titieaca e conieena-se ja a construc-
cio de um ramal que ha de ir ate Cusco, capital
dos Incas.
Em fins de Janeiro houve om Iquijui um
grande inceadio, qne caason muito*-prejaizoi. 0
prejuizos sao calculalos em 200,0)0 pesos.
"Novo vapor. Lemos no mesmo jernai;
Pandeou qaarta-felra (23de marc->) emao*-
so porto, proceJente do do Wilmington. Delawa-
re ( Estados-UniJos) o novo vapor Jurud, manda-
do con*truir pjla companhia fluvial do Alto Ama-
zonas nos aereditadissimos estaleiros d.is Srs. Pu-
sey Jones & C, daqnella cidade. 0 Jurud e 00
sy'stema dos vapores empregados em a navegaoao
do Mississipi e do II idson, e reune tolas a cin-
dij3es de eimforl para pas*ageiros, de commaaV
para a c.irga, 0 de marcha para a navegaoao.
Mede 150 pei de omprim^nt) na linha d'agaa, 2b'
de bncca e 7 1/2 de ponul. Cala 3 pes tl'agaa.
Sua machina e da inrea de 80 cavallos dyn.t-
micos. a
Explosao dc um vapor no tmam-
nas. -0 Commercio do Amazon?* puWiea a se-
guinte carta de Teffe, que da a n iticia da exptosilo
flo port 1 daqnella cidade da calJeira do pequm
vapor Curuzu, da propriedade d < St. Justo Jose
Domingucs Borges:
No dia 3 do correate, pelas 10 horas da ma-
nha, foi a pnpularao desla cidade sorprehendida
pDr uma explosao do vapor Curuzu, e.damos gra-
cas ao Altiss'mo nio lamcntarmos maiores dea-
graga's.
a Tondo 0 Sr Justo J se Domingnes Barge*,
proprietario do pequeno vapor Curuzu, de dir
um passeio no dito vapor, convidou diversas fami-
lias, para, em companhia da delle, irem ate a pa-
voacao de Nogueira que fi;a cm fronts a esta cida-
de, ai 10 horas do dia e3tava ja a bordo 0 machi-
nista Antonio BaTreiro, um iadio baptisado de
nome Antonio, um dito ainda pagao, 0 Sr. Jcsor
dona do vapor e um seu filho de ncme Adriao
t Quando seiam aproximando asfamilias par;,
embarcarem. eis quando arrebentando a caldetra
fez a explosao, matanl 1 in*tantancamente 0 ma-
chinisla, osdotis indios, e um cstilhai;o que segat"
em direccao a terra, deu no peito de am menino.
qae apeaas durou com vida 6 horas ; efijou gra-
vemente ferid0 0 filh) do Sr. Jnsto, \driao.
* 0 dono do vapor nadi soffreu porqae arba-"
vase bem a proa.
Para nao me tomar enfadonho deixo de emi-
merar as familias que ja se achavaia na praia
para 0 embarque, mas posso Ihe gar.mtir qne eram
todas as da primeira plana social desta cidade.
Um d is cadaveres foi enconfado a mais d^
20 brac-as do lugar do siaitro.
1 0 vapor de meia nao para re snbmergio-se 0
a parte dc vante ficou encalhada.
t Sao estas as n ticias que Ihe posso transmit-
lir por esta occasiao.
C'arvcta Vital do Oliveira.-Fundeou,
no dia 28 dc marco, no porto de Beiem, do Para.
a corveta a vapor da marinha de guerra nacio-
nal Vital de Obreira, $ne sahio em 14 de jaaeiro
afira de proeeder a sondagem do mar para a im-
mersaodoeabo teleg'aphico submarino, qne vai
ser lancado por conta daWesf Indian and Pa-
nama Ttlegraph Company do Para a S. Tbomaz.
A Vital de Oliveira aguardara a chegada do
vapor Hooper da Hooper's TeleprphWorks, Linu-
fed-que conlratou a construcgao e a immersao do
cabo telegrapbico. e seguiia com elle auxilian-
do-o neste trabalho.
TVavio inccndiado.-Em viagem da Ba-
bia para Hamburgo, manifestou-se ineendioa bor-
do do brigue inglez E. A. Currington, que sedi
rigia aquelle porto com carregameoto de piassa-
va e tabaco. Logo que 0 capitao sentio qne ha-
via logo no porao, arribou e 0 navio foi totalmen
tf devorado pelas chammas na altura de Marapa
nia. 0 caoitao e 6 tripolantes chegaram, ao Pa-
ra no dia 29 sendo salvos por uma canoa, que
para alii se dirigia.
ODoito.0 mavioso poeta eillustrado escriplar
Dr. Pedro do Calasaos, na ural d provineia &
Sergipe, bllaceu em viagem pnra Lisboa, qua'.ro
dias antes de chegar aqnelle porto.
Correio de Pemambuco.-Esla re-
particao arrecadoa no mez de mareo ultimo.. -
7:9io^26!>, sendo de : L_
Sellos 3:0:6tJWSl*
Cartas 2:359>5e
Prem.o 30*400
Assignaturas M.
MuUas IS
Ageacias Ml70*>Wt
Movimento de fundos 1:494A4"0
Litcria. A que se acha a venda 6 a 95' a
oeoefkio da matriz de Jaboatao, a qnal .corre
do dia.14; do corrente.
Leilao* Os u t:mos dias do leilao de terra
gense miad/zas 6 sabbadu 11 e segunda-fterra <3
do corrente, no armazem de J. A. Moreira Dia*,
a rua do Bom Jesus n 26. Previne-se aos'Srs. *)-
ji>Us, que nao percam tio boa occasiao. Gonv-
cara a* 1" boraf,
Hoje, iO, effeclua 0 agente Pinto, 0 lefNat de
moveis, luuca e crystaes da ca*a de residenda do
Sr. tenente corocel Frias Villar, a rua dos Ossos
n. 26. 0 Inlao principiara as 10 1)2 hor.as.
Pawsageirog. Chegados dos portos do sul
no vapor brasileiro C'ard :
Luiz A Coelho Cintra, Francisco Lui* Viraes.
J3r. Francisco Domiagues R. Vianna, Joan Bento
Belleza, 'Clara* prela, livre e 2 filhos, Jose R. Go -
mes de Carva ho, Antonio A. Ferreira, Dr. Matiaet
Alves B Ferreira, Fabio Rino, sua senhursvarn
JiUio e uma escrava, Joao dos Reis Sorrza BtUrtas.
Cvasunca, liberta, J0S0 de A. Guerra, Auwlno A.
H. Isaac. Gregnrio Redondo, Guilt.erme B. dos
Santos, Henrique Thomaz Pavante, Dr. L f. de
Figueiredo, Josf J. do Rego, J'oaquim JusirB'ano
Guimaraes, David Levy, Antonio J. Silva Rais,
Jo-6 .de Almeida, Bellarmino Garoa, maje-r Ray-
mnndo Gcnveia e 3 criados, tf nente-eornn^l \'-
)


4.
1


-
_


W": *
Dims* (WPoddibqco Saxta Mra 10 & Abril de W4
I
%
eata di Agmr eun fit**), tenente Lse di
Costa Pereira Cftrith.
dognaianara o norte no mesmo vapor :
AKafei R hkitmas da Paula X FelioiaiiQ, te,
nonte HenriqueG. 'ewaira d Silva, lonento'-Pur-
oandj Joso dos Santos Barboza, capita) J. P. de
' Azavedo, tenente T. J. AfTonso e sua famil'ia, An-
tonio D. dos Santos, Alexaadre irancolT, capita*)
Antonio 0. da Silveira, desembargador Antonio de
S Mendes e am criado, tenente Francisco I. da
Conceicao, 2 tenente Antonio J. d Almeida, ama
~*~* Vi'& "a arinaail Henry E. Hargrives, Benedietn,
* crioulo, liberlo, Neeolas A. Gellot, 4pragu'da
armada, Francisco Domlogos de Amorim, E. Wat-
ladier, Charles Walladier, Dr. Ernesto F. de Luna
- Santos e 3 criados, Antonio L da Rocha.
Chegados dos portos do norte no vapor bra-
sileiro Cruzeiro do Sal:
Henrique Monteiro, Joaquim da Cosla, M.in .el
Aa igoala do Souza, Joaquiin da Silva Mifra, Ma-
aoel Francisco Bastos a u n escravo, Zeferino Jose
Pinto, Salvador Dias Moreira, J. Schaepher, 0.
N'vmpha C. F. Pontual, uma lillia e ami criada,
Joaquim H. M. Fittu, Lauriada P. Lima, Antonio
i. S. Sa, Fraociwo A. S. Carvalh i. Joaquim A. S.
Cirvalho, DcJ%|*iai M. d* U. 0;iveir.i, Jose T.
4s CarraUw, .fgauid F. Scares, Dr. Elias F. de
A. Albujuerque-e um criaio, Adalpho T. da L.
Cirne e urn criado, Auguito G. da Silva, Antonio
I. da C. Mala e 8 escravos, Brai Cecaleze.
r
X
.^
Hagncm B-Tft.4ut m nnitna vapor: J
VuBwdoiF. Lima, capiiaoaanante Flfancweo J.
d*>Rreas b sua fomilia, Antoalo .GaB^lves Ma-
reira.-Jos^HrSBJIna, Gasemiro de Baaro* Vasoon-
eellos e 2 esuravos, senador Luiz Antonio V. da
Sitva. MpuiU'leiiBUte Antonio B de ii'.les, Maria
Juetin.i, endows HiDoel -W. Nhvan-o a Liwi *F S
Coelho, Igoacio Loyola, B Vasconaellos, Daoola-
ciaaoda Silva Gadelh,.5 reerutas parao exercito,
um dito da marinha' a 67 escravos a eotregar.
Chegado da Bahia na escuna S. Luiz:
Jdse Domingues.
Cenvfterio publieo Obituario do dia 7
de abril
Joseph*, branca, Parnambaco, 8 dias, Graca !
iaanioao.
Agostinha Maria da Conceicae, pret.i, Pernam-
buco, 45 annos, casadaj S. Jose ; febro biliosa.
Julia Maria da Conceigao, preta, 23 annos, sol-
teira, B^a-Vista, hospital Pedro II; tuberculos
pulmonares.
Uma crian*ja que nasceu morta, parda. Boa-
Vista.
Balbino Lourenco Pereira, preto, Pernarabueo,
ti annos, aoileiro, militar, Bda-Vista ; tuberculos
pulmonares.
Valeria, parda, Pernambucj, ii mez-'s, Boa-
Vista ; diarrhea.
Isabel, branca, Pernarabuco, 3 dias, S. Jose;
espasm''.
T\BELLA DO REXDIMENTO DA ALFANDEGA DE PERiNAMBUGO DO MEZ DE FEVF.REIRO DE l87i
DO CORRENTE ANNO FINANCEIRO, COMPARADO COM 0 D IGUAES MEZS DOS
. DOUS ANNOS ULHM0S._______________________________
'I" "
Importaqao
Sireitos de coosumo............. -.......
ito de augment) de W "/., 3i / 28,0/0.
Dito de dito do 35 */....................
Ditodo dito de 3 > %, 45 0/o e 21 0/o.......
Ditos addicionaes de 5 %.................
Expediente de 5 "/ dos generos livros de di-
roitos de ooasamo.....................
ArnvwocagaiL..............>............

Despacko marilimo
Aocoragem............................
Expoittwio
Direitos de 15 % do pao brasiI.............
Ditos de 9 / de espoitax;ao...-............
Ditos de 2 J/2 % idem.....................
Ditos de 1 1/3 */t. do ouro em barra.......
Ditos de 1 % dos oianianlaa...............
Expodierite das eapataziai................
Interior
Reada da typographia nacional............
(proporcional por verba......
Sello do papel|llKO..........v...........
(adhesivo..................
Emolumentos ..........................
Imposto tie transmissao de propriclade, a sa
b>r : de 3 % da venda de embareagao...
Dito de 1% da arrematagao de bens raoveis.
Exlraordinaria
Reeeita eventual.........................
1873 & 1874
Veposifo.t
Depositos de divenas origens.............
Dizimos da provincia das Alagoas..........
Dito da provincia da Parahyba............
Dito da provincia do Rio Grande do Norte.
Cootribaigao para a casa de caridade.......
520:8368320
173:8365372
l:40i*i0i
22:742*101
2:998137
3:197*783
93*540
1872 d 1873
521:0331091
37:773#99;
3:103*309
96:129*768
2:257*ot0
99*9:)8
725:108*063
2792*940
159:189*449
887:091*05*
12*280
453*000
395*580
760:397*613
8:232*750
233:010*682
5170
1871 d 1872
473:834*561
128:533*987
1:085*788
92:348*182
2:36**550
4:540*309
8*250
1:441*309
889:674*471
15:045*230
2:436*785
907:050*486
1.021:661*215
5*000
17*600
471*0 X)
832*090
170*000
2:76l*98
702:707*577
7:032*750
341:862*644
361*5>5
1,051:964*326
18*160
1:881*000
745*570
123*0)0
1,025:919*403
5:599*716
10:609*984
67*655
1:793*042
1.043:989*800
1:239*227
1:055:974**83
922*902
6:413*391
27:140*582
1:669*951
1,092:121*109
Aljaadegadc Pernarabuco, 28 de fevereiro de 1874.
0 ch^fa da 2' secgio,
Pedro Lopes Rodrigues.
0 3 escripturariOj.
Francisco Lopes Cardim.
mi
j&
Mm
r.
O eserivuo OrZaado Ucq:iiIieio
de Aliueiilii o o jaiz luaaici-
jial tin Waznreth.
Uoente, eomo presentemente mo acho, nao posso
satisfazar ja c ja, an tedido do Sr. bacharel Per-
gentino Galvao, publicando os documentoi quo pro-!
vain naj bw eile osse hone-to e santo juiz, que
inculca na sua naa3flativa respoua, pnbheada no
Diario do 1" d) torrent-\ em a qual deixa bem
claro ver a p;rsonilijaci) do rancor, vinganga e
falta de aducagao.
Ao rataeitivel public) pego, pois, suspenda o !
seu juizo, ah'1 en poder olTerecer a sua iinparcial
apreciagi.) e valloso jui<.o, as provas do que a, e
tem feito o juiz municipal bacharel Pergentino
Galvao, essn hypocrita ia sociedade e carrasco de
um pobre paide familia.
NazarMb, 6 de abril do 1574.
Orlundo Meifuilino ie Almeida.
A:s Exjus. Srs. desembarga-
dores.
No Jornal do Recife de hontem se procu-
ra prevenir o animo dos Srs. dfisembarga-
dores a proposito ri Jo por Antonio ELodrigaes da Cruz.
A potigao do pacienle estd docuracntada,
o juiz de direito ja informou e a docisao do
tribunal sera justa e funJada.
NSo serao apreciaQfies anonymas que fa-
rao com que o djreito spja desconhe-
cido.
Recife, 8 de abril de 1874.
Autoaio Att-co dc *iouz,i B-eiie,
au puSdico.
I
De certos tempos a esta partc tenho notado que
a Provincia (jornal), cujos redactores alias nao
me cooheeem, utna vez por outra vai largando
contra mim, ja na Chronica e ja mesmo no Follic-
Um, algumas dessas pilberias mais ou menos chis-
tosas, com que na ausencia de cousa mais seria,
i-[!iaia enircleros seas muitos leitores.
Kstas pdhcrias, a principio, com quanto me in-
commodassam algurai cousa, todavia nunca me
inereceram resposta, por julga-las verdadeiros in-
ventos dos relactores, taes oomo a exclamatao
que me attribuem a vista do zimborio da nova
Assemblea^>h quo bello champorreio .' pontei-
ros de relogios, etc.
Emquanto na melh$frboa fe ia eusuppsndo que
os gracejos da Provincia era in Qlbos innocente9 de
alguns de seu* redactores de indole mais humou-
ristica, que nio gostava de mim, e sabia de modo
incompleto alguns fact is de minha vida politica
na comarcade Floras, alguas amgos mais inda-
ga lores, a cojos ouvidos chngarara alguns rumo-
res, algumas palavras partidas, e ate mesmo
cerlas reticoncias contra mim, davam-me a enten-
derqueviam em'tudo ajuillo o dado (jouraini-
migo occulta que procurava, desnaturaado os fac-
tos, prevenir o publteo contra mim.
Foi neslas circaawtaacias quo apparecea aquel-
la pilheru ja mais grave deevasio de prisio
tnochicio ie Langamtio. Eta pimeria tambem
nao me mereceu resposta, se bem que alludisse
a um facto verdadeiroa minha prisao em Bai-
xa-Veide -daqnahtratarei em tugar competente ;
mas, ainJi assira nao devia eu responder a uma
pilheria. Era necessario uma ajcusagio ou de-
claragio que me desse lugar a explicar os dous
faclos, mais graves e nnicos de minha vida publi-
ca e particular, aos quaet evidentemente alludia
aquella pilheria. Foi o que fez a Pfovincia de
hoje.
Talvez pensaado conirariar-me, por ignorar a
posicao precaria am que me achava, dea-me la-
gar a discutir em publieo os dous factos nnicos
que o men gratuito inimigo podia -encontrar para
marear rainba repatagao, se nao fossem explica-
dos e continaassem entre amigos e inimigos, qae
03 desconhecem, pelo mesmo modo mysterioso
porque tem andado ate aqui: e sao elles dous
processos tojustos que soffri, um por crime de
raoeda falsa, e outro por crime de falsidade, ou
antes de estelionato.
0 publieo, para cujo juizo appello, vai ver qaaes
t'oram esses crimes, a como foram elles commelli-
dos.
(Moeda falsa)
Peloa annos de 1861 a 1862 (nao me recordo
precisamente nem do dia nem da era) chegando eu
em Villa- Bella, onde morava, de ama viagem qae
iizera ao t!rm) de Flores, onde dirigia entao al
gumai qaestoes, encontrei em minha casa um
meu irmao.'de norae Joao Baptista de Souza, raora
dor na provincia da Parahyba, a quern ha onos
nao via, e que a forga ie instancias consegu o Ie-
var-me nesse mesmo dia em sua companhia a fa-
zenda S. Francisco, 7 leguas distante do Villa'Bel-
la, afim de dar-lhe conhecimento com o dono da
fazenda, o capitao Francisco Pereira da Silva, que
era meu amigo e correligionario, e poder era-
penhar-lhe cerca da dous contos de reis em moe-
ilas da ouro de 16*000, visto que dizia que nao
qucria fazer com o ouro que trazia, o pagamento
de uma leltra que estava a vencer-se no terrao de
l'ianco.
Alii cheganJocmpenh.au c'lo com a maior fa-
cilidade mais da mctade da quaotia que levava,
deixando de empenhar o resjo por entenJer que
ser-Kiehia diffleil, senao impassive! arranjar no
tempo o papel moe la correspondenle a toda
quantia.
Tanto as moedas einpenhadas, como as qua
deixaram de o ser pela razi) ja dita, foram pesa-
da?, conferidas e tocadas na presenja de outras
pe.o referido capitao, o qual, talvez na emeranga
da nao ser lira lo em tempo o penhor, ficou con-
trariadiSMino quando soube que nao navja neces-
sidade de empenhar-se o resto d'aquell'e dinheiro,
o qual em lodo o caso o mesmo capitao queria que
ficasse logo como seu, embora pagasse pjr e!lo
grange cambio.
Cerca de um mez depois deste facto, e da reti-
rada de meumano, que foi immediata, appareceu
em minha casa em Villa Bella o mesmo capitao
Franci-co Pereira, o qual mostrando-mo era se-
gredo uma moeda de 16*000, ja cortada, que me
disseser daquellas que ham irocado com o dito
meu mano, declarou-me ao mesmo tampo que pre-
sumia ser falso todoaquelle dinh'.'ira, e isto emcen-
sequencia da uma carta ou recado que re'iebf r
d'um amigo do Pianco ou Baixa-Verde, dizendo o
dito amigo que por alii comegava apparecer algu-
mas moedas falsas que somente elle as conhecia;
mas que eu ficasse certo que somente elle (capitao
Francisco Pereira) e um filho sabiam disto, e que
tudo anhcariam com tanto que nao compronet-
tessem o futnro e o credito daquelle meu mano.
(Gontmua.)
Oleo piiro uie liciual dc lia;a-
do de bacalliao, de Lanman t!t
veotip.
Aiada mesmo qjiaado a febre Itetica te-
nha marcado tuas faces, nao digas, eja
muito tarde de de mais, porque sempre
haverd tempo se atalhar o mal. Era
quanto hou ver no systema vital uma so
sombra de vigor recuperativo, animai-a com
o oleo puro medicinal de figado do baca-
lliao de Lanman & Kemp, porque este p6de
reviver aenergia vital do systema. Se exis-
tem ulcoras, nada 6 lao balsamico como
elle ; s ha irritacao. nada tao suavisante, se
ha debilidade, nada 15o vigorisador ; se ha
extemiacao, nada lao restaurador. Po^
re.ii e mister obter-se o artigo verdadeiro.
Os oleosonlinariosde figado de hacalhao,
sao sempre impuros, e as vezes nelle n3o
se encoutra uma s6 gota do artigo legitimo.
N3o os empTegueis jamais. Heparai bem,
se o norae desta firms respeitavel, a qual
por si s6 6 umi garant,ia da pureza e fcgi-
limidade do genero, acha-se no letreito e
sobre a c pa do oleo de figado de bacalhao
que por ventur.i tenbais de comprar. m
tal cas'jjpodets ficar descangado de qe a
preparasao 6 a melhor, que o talento e
sciencia podem produzir.
COI/MERCIB.
JUNTA DOS OJRRETORES
Praca do Recife, O de Abril
de 1:4.
AS 3 HORAS BA TARDE.
CJTACORS OFFICIARS.
Algodao do seTtao 1 sorte 8*000 por 13 kilts.
Algodao de sorte 7*800 por 15 kilos.
Algodra de Goyanna 7*3 Algodao da Parahyba aorta 84000 por 15
kilos posto a bordo a frete de 11(16 e 5
OiO, hontem.
Dito de dita dita 8*080 por 15 kilos S(8 OiO,
hontem.
Cambio sobre LoQdres-a.90 div. 56 3i| i-por;
Dito sotore dito a 90 djr. 2B i|fc, e da banco |6
1|8 d. per 1J.
Cambio sobre "Paris a 90 djv. 365 rs. o franco,
doUjn.
Cambiosobre'Paris a vista 371 rs. o'fraaeo, do
banco.
Cambio sobre Hamburgo a 90 djv. 4W rs. por
R. M., do "banco.
Cambio sobre Lisboa e Porto a 96 dpr. 102 0(0
de prcmio, tiotrtem.
'.ambio sobre o R:6 de Janeiro a 30 djv. t 0|0
de desconte.
Cambio sobre a Bahia a 5 djv. ao par.
B. de Vasconcenos
Presidente.
A. P. do Lemos
aacretarlo.
242:304*513
42:10US08
ALFANDEGA
Beadimento do dia 1 a 8 .
am do dii 9 .
Descaf-raaun huJMOde abril da 18
Barca inglaza A urealt(atraca'da) mercadorias
para: alfaadega.
Polaca he3oanholaMerredtta(atracada) vinhos
tara alfandega.
Barca frahceza Intrepidt Corse mercadorias
para alfantega.
Brigue portugaaar^ firita Figmeiivnse -mercado-
iia para altaaJ^ea-
Lugre pdrtuguez 7u/w varlos geberos para
o trapiche Conceiflo, para despachar.
Galera paHqaaeaw- Lisboa pedru de canta-
riapara o trapiche Concelcao, para des-
pfUr
Pataoho nacional Ja'wilao tuercadarias j>ara o
trapiche Conceigao, para despachar.
Bri|u inglez UzzU&l Kat fariaaa ja despa-
chada para o caes do Apollo.
Brigue austriaco Die Ziwer Bruder **fariaua ja
. despacluda aara o caas do Apollo.
3arca bet pan ho I a D. Luizi materials paca a
emproza da companhia locomotora, para
o caes 22 ue Novembro.
Brigue franiezMings de Soantchs n. 2 mate-
riaes para a empraza da companhia lo-
comotora, para o caes 22 de Novembro.
Barca ingleza-Oj/pftim-materiaea .pata aerapre-
za da companhia locomotora, para o caes
it de Novewbro.
Patacho nacional S Lniz generos nacionaes
para o trapiche Companhia.
ItiaportacSo.
Vapor nicional Cruzeiro do Sul, entrado
dos portos do norte em 9 do corrente e con-
signado a 'Pereira Viauna tfe C, -manifes-
tou :
Carga do Pard.
Almanak cais a J. O.t.. iDovIe
Banha 300 barris a Costa Gunha & C.
Chapeoi do Chile 1 caixa^e 1 fardo a E.
A. Durle & C.
Carga do Maranhao.
Camaroes V* barricas a Barros Junior
Vapor nacional Ceard, entrado dos portos
do sul na mesma data e consignado a Pe-
reira Vianna & C, manifestou :
Cafe 3 barriquinbas a C. S. Zenha. Cha-
les 1 caixa a Monhard, Meltlerd C.
Espingardas, rewolvers. polvarinhos,
chumbeiros, eslribos, freios e miu'ezis 3
caixas u Henrique Haffard.
Fumo 135 latas a Beltra) & Filho, 50
pacoles, 28 caixas, 15 rolos o 14 balaios a
J. M. Palmeira, 50 pacotes e 5 latas 8 Joao
Uamos it Maohado, iilaUsa Aiitonio Luiz
d'Olivtira Azevodo, 4 encapadose 2 surroes
a Pereira Simoes & C, 7 caixas aos consig-
natarios.
Jarros de barro 3 caixas a J. F. da
Silva.
Livros 1 caixa a Walfredo & Soriza, 1 a
De Lailhacar & C.
Mobilia 3 volumes a H. Jose Goneal-
ves.
Popel pintado 3 caixas aos consignatarios.
Plantas 1 cesto a Clare Sewell.
Rape 0 aos consignatarios.
Barca ingleza '.Hand, entrada de Liverpool
na mesma data e consignada a Simpson
& C, manifestou :
CarvSo de pedra 450 toneladas aos con-
signatarios.
r Rio de Janeiro em 8 do corrente e consig-
nada a Thomaz d'Aquino Fonceca & Suc-
cessors, manisfestou :
Barricas vazias 1,000 a Martins & Araujo,
300 a Francisco U. P. Guimaraes, 400 di-
tas a 655 raeias e 655 quartos a JoSo Li-
cio & Filho, 757 meias dilas e 757 quartos
a Antonio "J. Furtado & C, 450 meios e
450 quarti-s a Beltrao Cafe 125 saccos a Joaquim Jose Leitao
& C, 124 a Joaquim Jose Ramos, 100 a
Pereira Carnetru <& C, 100 a Luiz Jose da
Costa Amorim & C, 100 a Antonio Luiz de
Oliveira Azevedo, 75 a Jose Joaquim Alves
&C, 65 a Manuel Jose Alves, 63 a Cunha
Irmao & C, 50 a Costa Cunha AC, 50 a
Joao Jose R. Mendes, 50 aos consignatarios,
37 a Joao Rodrigues de Faria.
Phosphoros 6 caixas a Tasso Irmiio
&C.
Quartolas vazias 1O0 a Narciso J. Fer-
reira.
Escuna nacional S. Luiz, entrada da Ba-
hia em 9 do corrente ooonsignada a Luiz
Gong.lves da Silva & Pinto, manifestou :
Barricas 400.
Charutos 6 caixas.
Pipas vazias 10. Po'es de barros 42 em 42
barricas.
Quartinhas e potes de barro 51 barricas
a di versos.
D8SPACHOS DE KXPORTACAO NO DIA 8 DB
ABRIL DE 1874.
Para os portos do exterior.
Na barca bespanhola D. Joanna, para Li-
verpool, carregou : Izidoro B-stos tC. 329 saccas
com 23,449 kilos do algadao; Braga^Son & C. 185
ditas com 14,039 ditos de dito. ,
Na galera portugueza India, para Liverpool,
carregou : P. M. Maury 102 saccas com 8,218 1(2
kilos de algodao ; J. Pater & C. 101 ditas com
8,549 ditos de dito ; A. Loyo 138 ditas com 9,269
ditos de dito ; P. "Vianna & C 100 aacces com
3,533 ditcs de carocos de algodao.
Na barca ingleza Jeorg Cannig, para Liver-
pool, carregou : M. Lathan & C. 1,200 saccos com
90,0 0 kilos de assucar raascavado.
. Na barca portugueza Alexandre Herculano,
Sara Lisboa, carregou : A. Loyo 150 saccos com
1,250 kilos de assujar mascavado; Amorim Ir-
maos i C 50 ditos com 3,750 ditos de dito branco
e 200 saccas com 14,896 ditos de algodao.
Na barca portugueza Victoria, para Lisboa,
carregou : A. Loyo 1,381 couros salgados com
16,572 kilos.
No brigue portuguez Flot inda, para o Porto,
carregou: T. A.' FonsecaiC. Successores 400
saccos com 30,000 kilos de assucar branco e 100
ditos com 7,500 ditos de dito mascavado, 13 pipas
com 7,200 litros de aguardente.
Na barca portugueza Firmez, para o Porto,
carregou: M. L. Paes Barreto 100 saccos com
7,500 kilos de assucar maacawado ; S. Guimaraes
& C 200 ditos com 15,001* 4itos de dito branco.
Na barca brasileira Mariano, para o Rio da
Praia, carregou: A. Loyo357 barricas com 61,568
kilos de assucar mascavado.
Para at portos do interior.
Para o Rio Grande do Sal, no patacho par-
tugnez Adelino, carregou : J. R. Ferreira 317
-liarruaa >ai-2*,9fi8 kilo* de ae*r branco ; A.
P. Baltbar Sobrmho 200 ditas con li^Si ditos
de dito.
Para o Rio da-Janeiro, na barca pertugueza
Feliz Vniao, "YlfttT X. A. igoaaajca Si C. Sac -
cesaores JO jxpas com 14^07) Utroa de aguar-
dente ; Soares da Silva 4 C. 50 ditas com 2i,000
ditas de dita.
Para o MaranbSojDA a/apor |aciona! Ceard,
carregou : j. g! Cofdello* Simiea'SO saccos com
2,250 kilos de assuear branco.
Para Alagoas, na'ftarcaca Ben loa: B. Gomes dt C. 2 barricas com 130 kilos de
assucar brauco.
Phra a Parahyba, na barcaga Umbelina,
carregou : BirttWloraeu & C. 1 casco com 80
litros de alcool.
Para Mossor6, na eartafi liiachuello, car
regou : J. C. Siquelri Itf pipas com 4,800 litros de
aguardente.
CAPATAZIA da ALPANDKGA
ttaadiiMBto a<. dia 1 a 8 4:288*938
dam do dia 9 ... .1 1:035^915
D) dial a 8
.'nmeira portt .
iegunda^wm .
TerceiTa porta .
^uarta pori
1*7 ipicbe
votuMfcs* Am\
r
5:3241833
Mo H*A
sail '
8,530
8S
319
77
745
9 737
SERVrCO ARrtlMO
nvarangas de9arre4{aaa3 notraplcleda
aUairdaga :
No dia la 8..... 3o
No dia 9....... 5
So ttapicb? Gonceicio .
38
aSCEBEDORIA DE RENDAS 1NTFRNA3 GE-
RMS DE PERNAMB0CC
ieodiinento do dia 1 a 8 8:590*743
dam do'dia 9'. ..... 893*636
9.484*381
eowsuLARoipuovir* cim.
R^Bdimeflto *) dia a 8 30:907*238
Jceii aodis ll ....... 3:521*381
34:428>636
REOFE .DRA1NAGF.
tondiraento do^dia la*. 9:048*027
'dera do dia 9...... 4:715*003
13:863*030
MARIT1M0S
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecid*
Q<;sta praca, toma seguros maritimos sobn
iavios e seus carregamentos e contra fog<
em ediGcios, mercadorias o mobilias: x
rua do Vigario n. 4, pavimento lerreo.
COMPANHIA ALLIANCA
seguros maritimos e terreb-
tres estaljelecida na Bahi&
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0005000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
uCO maritimo em navio de vela e vaporei
para dentro c fdra do imperio, assim come
jontra fogo aobie predios, generos o fa
ondas. '
Agento : Joaquim Jose Goncalves Beltrao
ua do Commercio n. 5, Is andar.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias
iretes, dinheiro a risco e unalotente de qual
pier natureza, em vapores, navios vi ela or
b.ircacas, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 3i.
Seguro eontra-fogo
THE LIVERPOOL & LOISDO.N & GLOl
INSURANCE COMPANY
Agcutca
SAU.NDERS BROTHERS & C.
11Corpo Santo11
NORTHERN.
.... 20,000:0009001
8,000:00000(
Agintes,
'Mills Latham & C
RUA DA CRUZ N. 38.
Capital.
?undo de reserve.
m
Navios entrados.no dia 9.
Portos do Sul 8 dias, vapor brasileiro Ceard, de
1,539 toneladas, commandante Alcoforado, equi-
pagem 62, carga varios generos; a Parante Vi-
anna & C
Portts donorto7 dias e 13 horas, vapor bra-
sileiro Cruuirodo Sul, de 1,999 toneladas, com-
mandante 1* tenente Waddington, equipagem
69, carga varlos generos ; a Pereira Vianna
& C .
Rio de Janeiro17 dias, barca portugueza Har-
monic, de 289 toneladas, capitao Antonio Jose
da Cruz, equipagem 13, carga cafe e outros
generos ; a Tbomaz de A. Fonceca fit C.
Saatos-JO dias, brigue inglez Innisfail, de 199
toneladas, capitao Abraham Tregantbeo, equi-
pagem 8, em lastro; a Johnston Pater 4 C.
Rosario de Santa Fe 40 dias, brigue argentino
Vollante, de 234 toneladas, capitao E. Puter,
equipagem 9, em lastro ; a Amorim Irmao
4 C.
Bahia12 dias, patacho brasileiro S. Luiz, de
214 toneladas, eipitao Joao Jose Fernandes,
equipagem 9, em lastro; a Luiz G. da Silva
e Pinto.
Liverpool 48 dia=. barca ingleza Mand, de 265
toneladas, capitao M. Backley, equipagem 10,
carga carvao ; a. Simpson & C.
Navio sahido no mesmo dia.
QueenstownBarca Ingleza Florie, capitao W.
Munro, carga assucar.
EDITAEk.
0 Illrn. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial raanda fazer publieo que em enmprimento da
jrdem do Exm. Sr. presidente da provincia de 7
de Janeiro corrente, peraote a junta desta tliesou-
raria se hade arrematar no dia 21 de abril pro-
ximo vindouro, a obra da ponte daneminada Pao
Siiiigue aobra o fio jSerinhaem. orcada om 9:370*,
pjgosem apalices da divida provincial a juro de
7 por cento ao par..
As pessoas que sa propozerem a esta arremata-
cio comparecam na sala das aassdea da mesma
tbesouraria no dia indicado acinu, pelo meio dia,
cumpetentemente habilitadas.
E para constar se maodou pnblicar o presente
d )lo Diane ie Ptrmambuco. .
Secreur4a,da tb^ouiaria proviBCial, 2& de Ja-
neiro de IW4.
VielorianoJose M. Palbares,
OlBrial maior interine.
Gausalas especiaes para a aireniatacao da ponte
denominada Pao Sangue sobre o rio Seri-
nhaem.
I.' A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
cutada de conformrdade com o orcamenl i e plan-
la approvados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, no valor de 9:370*.
.' 0 arreraaunte dara principio a obra no pra-
to de um mez e a eoncluira no de 12 mezes.
3.* ii pagamento sera effectuado em 3 presta
c5es iguaos a proporcSo da label la executada.
4.* Para tad1) j mais qae nio se achar especifi-
cado sera regultdo pelo que dispie o regnlamenio
de 31 de julho de 1866.-0 engeaheiro chefe, Jo-
se Tibarcio Pereira de Magalhaes.
Victoriano Jose M. Palbares.
QECLARAC0E1
a
Pela a Jministraci) do consulado provinc ia
se faz publieo que no dia 13 oV) mez de abril vin-
douro, as 11 horas da maaha, a ports desta re-
partigao, ira em praca nma caixa apprebendida
ao mascate Vicente Barsne, com diversos objectos
de coral, avaliados na imporlancia de 343*520 :
Qcando porem de nenhum effeito a referida praca
se o dono da niercadoria realisar o pagamento do
imposto e da multa em que incorreu, como de-
termina o art 8 do Reg. de 7 de outubro de 1873.
Consulado provin :ial, 30 de mareo de 1874-
_________Antonio Cameiro Macnado Rios.
SANTA CASA DA M1SERICORD1A DO
RECIFE.
Ventlu de predios
A Illma. janta adnrinislrativa oesta Santa Casa.
devidamenle autorisada pela presidencia, na sala
de suas sessUes, peias* 3 horas da tarde do dia 26
do eorrente, venie on permuta por apolices da
divida publiea os seguintcs predios. pertencentes
ao legado de Joaquin da Silva Lopes, do que e
administradora : Forte do Ma'tos, metade do so-
najqyde 3 andares n. 17, por 5:590* ; beceo do
brado 3* parte do sobrado n. 1. por 2:666*666
ma da tiuia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de S. Jorge, casa terrea n..92, por
1:400*, sobrado de um aadarn. 30, por 2:000*,
dito meia-agua por 500* ; rua dos Gaararapes,
casa teirea n. 65, por 1:100* ; rua dos Acougui-
nhos, cosa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Cam-
pina. dita n. 3, por 400* ; rua da Soledade, dita
u. 72. por 700* ; beeco do Teixeira, oita n. 5,
por 230* ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:060*000.
Secretatia da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza
Sociedade Patriotic* Doze
de Seteuibro.
Pelo p-esente convida-ae a todos oj socios para
conpareccrem a sala das sessoes no dia 10 d.
correni*: as 4 horas d tarde, aQra de, nao ; 6 as
sistirem ao acto da offerta de uma penna de ouro,
que a sociedade resolveu fazer a S. .ixc. o Sr. Dr.
Adolpho Lamenha Lins, presidente nomeado para
a provincia do l'iau >y, e diguo 1 secretario desta
mesma sociedaie, couo u i a prov consideracao aos servigos a ella prestalos; como
tamb m ac. mpanharem S- Etc. ao ponto de seu
embarque.
Sala das sessSe?, 8 de abril de 1874.
P. de Carvalho,
2' seiTftario.
lrin:iii>:LiiI<- dc H. Jose- d'Agunia.
i'1'cctii naconvento do Caruio.
Pelo presente sdo convidaios tados os irmaos
desta irmandade para reuuiremse cm mesa gefal
no dia \i do corrente mez, as 10 horas da manha,
no respectivo consistorio, para dar cumprimento
ao art.. 48 dos eslalu'.os que trata da eleicao.
Reeife, 8 de abril de 1874.
0 se-Tetark),
________Manoel Jose Luiz R beiro.
0 administrador da recebedoria de
rendas iuternas geraes avisa aos contribuin-
tesdo imposto sobre industrias e profissGes,
que e neste mez de abril que tem de ser
pago, sem multa, o 2. semestre do exerci-
cio de 187374, depois do que ser.1 pago
coin a multa de 6 /.
RecebeJoria de Pernambuco, 7 de abril
de 187 4.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
\uvegtieito costeira a vapor.
Do conformidade com u artigo 26 dos estatulos
desta companhia sao novameate convocados os
Srs. accionistas a re^iuirem-se em asscmblea geral
no sobrado da gerencia nj dia 18 do corren'e, ao
meio dia, afrn de procederse a leitura do relato-
rio e as elei^jes da nova directoria e commissiio
de contas, tudoo que, a falta de numero legal nao
pode ter lugar na reuniao havida a 11 de marci
proximo passado.
Recife, 6 de abril de 1874.
'Jliomas J/. Connan,
Gerente inlcrino.
Suita Casa dj LVlisenconiia do
Recife.
En vista da ordem da Illma junta administra
tiva sJo convidados os parentes das menores infra
meqeionadas a virem retira-las do collegio das
orpha. por ja terera attingido a idade marcada
no respectivo regulamento, e acharem-se com suas
educacoes terminadas. Aquellas que nao forem
retiradas dentro do prazo de 30 dias, contados da
data do presente, serao entregues, de accerdo
com o 3* do art. 43 do mesmo regulamento, a
familias honestas para ahi se empregarem no ser-
vie i domestico.
eiihorinh i dos Santos, filba de Jose Joaquim
dos Santos e Antonia Maria.
Adelina Lins de Albuquerque, Qlba de Joao Vi
rissimo Lias de Albuquerque.
Leopoldina Maria da Paixao, till.a de Clara de
Jems.
Maria Eliza Alves, filba de Joanna de.tal.
Valeriana dos Santos, lilba de Joaquim dos San
tos e Maria Margarida.
Alexandriua Bezerra Cavalcante, filha de fose
Bezerra Cavalcante e Rosa Bezerra de Menezes.
Idalina Lacerda, filha de Pedro Alexandre de
Lacerda e Anna Francisca Paes Barreto.
Josepba Lima, filha de Joaquim Lima de Oli-
veira e Joanna Maria.
Candida, filha de Vital das Cbagas Coelho e Car-
ota de Lacerda.
Rosa, filha de Antoaia Joanna de Barros.
Dionizia, filha de Vital das Chagas Coelho e Car
lota de Lacerda.
Antonia, filha de Manoel Felix Barbasa e Mar-
colina Guimarae?.
Adelaide Francisca da Silva, filha de Francisca
Alexandrina Maria, filha de Felippe Martinbo do
0' e Maria Joaqaina do Espirito Santo.
Rosa, filha de Antonia Joanna de Barros.
Secretaria da Santa Ca3a da Misericordia do
Recife, 1J de marco de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
Associagdo Commercial
Agrkoh
Nao se tendo reunido numero legal dos Srs. as-
sociados; sao de novo rogados a reunirem-se em
assemblea geral exlraordinaria, no dia 11 do cor-
rente, as 9 horas da manbi ; certos de qae a as-
semblea funccionara com o numero que estiver
presente.
Joao Pereira Rego
2* secretario.
Pela thesouraria provincial se faz publieo
qae foram transfendas para o dia 16 de abril pro-
ximo vindouro as obras seguintes :
Obra dos reparos d> bomba n. 2 no 7 lanco da
estrada de sal, orcada em 1:012*.
Obra dos reparos da coberta da casa de deten-
cio, orcada em 1:478*.
Obra da bomba para o povoadi dos Montes,
orcada em 1:980*.
Secretaria da tbasouraria provincial de Pernam-
buco, 30 de marco de 1874.
O olBcial-mior,
______________Migael Alfonso Ferreira._______
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. janta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publieo qae
aa sala de suas sessoes, no dia 9 de abril pe-
las 3 boras 4a tarde, .tein,deser arreoaudaa a
qaetn mais vantaferfl,rea?r, pelMempo de um
tr 1 f't* 1 *^f*l (104
ESTABELECIMENtO DE CAJIlDADE. ^
' lr>#sa-'de S. |oafi7| '
-.
Casa terrea n. 1".
Rua de Santa Rita.
Idem n. 32.......
Idem u 34
Idem n 49
Padre Floriaoo.
Ciuco Pontas.
tOl*W0
350*000
240*000
207*000
36S05G0
371*000
Casa terrea n. 114
Rna da Alegria.
Idem n. 31......
Ponte Velha.
Idem n. 31.........156*0GO
itua de Antonio Henriqoes.
idem n. 26....... 994009
PATUIMOXIO DOB ORPHAOS.
' Rna da SeazaMa velha.
Casa terrea n. 16.......509*000
Baeco das Boias.
>ohrado n. 18.......451*000
Rua da Cruz
sobrado n. 14 (fechado). .... l:00O*9O
Hlua do Pilar.
Caia terrea n. 100......341*08
Rua do Amerim.
Idem n. 34........155*000
Rua da Guia.
Idem n. 29.....\i\ 501*C00
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 17. .' 161*000
Os pretendentes deverao apresentar no act da
irrematacao aa suas flancas, oa fomparecerem.
icompaahados dos respective? fladbres, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia am
me for seguro o predio que contiver estabeteci-
mentn oommercial, assim como o aervi^o da Um-
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
:ife, 17 de mar^o o ds 1S74.
0 escrivao
_____________Pedro Rodrigues de Souza.______
SANTA CASA DA MfeERNDRDlA-)*
RE i|E.
Pela secretaria da Santa Casa da Milericordia do
Recife sefaz sciente que o Sr. ilieaottraiKL no sa-
lao da casa dos expo, tos, pelas 9 Iwiaa dodia 14
do corrente, fara pagamento as amis qu? ae apre-
sentarem com as criaucas quo Hies furam coufia-'
das, das mensaliddes relativas ao trimestre de Ja-
neiro a marco findo.
Secretaria da Santa Ca*a da Misericordia
do Recifa, 6 de abril de 1874. ,-
13 escrivao
Pedro Rodriguez de Souza.
Armazens da companhia per
nambucana.
Seguros contra o fato
A companhia pernambucana, dispondo deex-
ceUentes e vastos armazens em seu predio ao for-
te do Mattos, offerece-os ao commercio em^eral
para deposito de generos, garantindo a maior cou-
servacao das mercidorias depositadas, servlqo
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediante previo accordo, ei-
clusivamente os generos de uma so pessoa.
Bates armazens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramtnte novos e aspballados, isentos de
cupini, ratos, etc., etc.
As pessoas que quizerem ulilisar-se destea ar-
mazens, pedcrao dirigir-se ao esirip_tono da com-
panhia pernambucana, que acharao com quern
tratar.

:
0 III in. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publieo quo no dia 16 do cor-
rente mez, perantt a junta da fazenda da mesma
thesouraria se ha de ar>-ein;itar, a quern ppr me-
nos fizer, o fornecimeut) de alimentacib e dietas
aos presos pobres da casa de detencSo, no trimes-
tre de abril a junho vindouro, serviudo de base a
arrematacao os precos das tabellas abaixo trans-
criptas:
Dietas
N. 1 380.
N. 2 400.
N. 3 640.
N. 4 400.
N. 5 400.
Sera tambem fornecida aos presos ceia na iui-
portancia de 120 rs em quanto esta orcada o at-
inoco, e na mesma pioporcao.
E para ccnslar, se mandou pnblicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 4 de abril de 1874.
0 official maior
Miguel Alfonso Ferreira.
Seccao 2.*Secrelaria da presidemia
de Pernambuco, em 8 de abril de 1874.
Por e?ta secretaria se faz publieo, de con-
formidade com o artigo l. 1. do decreto
n. 4,668, de 5 de Janeiro de 1871, que a
serveutia vitalicia dos oflicios de tabelliao
de notas, escrivao do civil, crime e orphaos,
capellas e residuos do termo de Ingazeira,
apresentou-se o concurrente Miguel de (Juei-
roz A mural.
0 secretario,
Jotio Diniz llibairoda Cunha.
""TRIBUNAL DO COMMERCIO DE PER-
eUHBUCO.
Esta secretaria faz publieo que nesta data foi
admittid) a raairiculi Tito Anluni > da Kucha, ci-
dadao portuguez, de 30 anuos de idade, estabele-
cido com sua casa de commercio por crosso, de
importaQio e exportacao, porcouta propria ecom-
missao, na cidade da Fortaleza, provincia do Ceara.
Secretaria do tribunal do commercio de
Pernambuco, 7 de abril de 187'..
0 olficial-rnaior,
Julio (iiiimaraes.
ADMINISTRA ~0 DOS COItRElDS DK PER.NAM-
BUCO. 10 DE ABRIL DE 1874.
Malas pelo vapor Ceard. da companhia
brasileira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (10) pelo vapor acima mencionado, para os
portos do ncrte, sera recebida pela maneira se-
guinte:
Macos de jornaes, impressos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
cartas ordinarias ate 3 boras, e estas ale 3 f'2,
pagando porte duplo.
0 administrador
__________ Alfonso do Rego Barros
ADM1NISTRACAO DOS CORRE10S J)E PER-
NAMBUCO, 10 DE A8BIL DS 1874.
Malas pelo vapor Cruzeiro do Sul da compan' ia
brasileira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (10) pelo vapor acima mencionado para os
portos do sul, sera reoebida pela maneira ;e-
guinle :
Macos de jornaes, impressos de qualquer nalu -
reza, e cartas a registrar, ate 2 horas, cartas or-
dinarias ate 3 horas, e estas ate 3 1|2, pagan-
do porte duplo.
As cartas e jornaes que se dirigirem ao Rio da
Prata, pagarao previamente, aquellas a taxa de
300 rs. por 15 grammas ou fraccao de 15 gram-
mas, e estes a de 40 r;. por 40 grammas ou ,rac-
cao de 40 grammas, na progressao estabeleeida
nas tabellasC e D annexas as instruc. ue- do 1*
de dezembro de 1866.
0 admmistrador
Aflbnso do Rego Barros.
THEATRO
PI1NII DRAMATICA
EMPREZA
Sexti-feira 10 de abril
Sexta representacao do muito Undo e freuetica-
mente applaudido drama-sacro em 12 quadros
1 epilogo :
santa (mum
Principiara aa 8 1(5 beraa




!
4
Diirio do Pesiambuoo Sexta feir* 10 de Abril dt 1874.
___
THEATRO
Santo Antonio
EMPREZA--VICENTE..
Sabbado 11 de abril.
Primeira representacio do drama historico, de
assumpto nacional, em I profogo, 3 actos e 1 qua-
dro Ilaal:
Niines Hadbdo
escriplor pernambucano, o
original do disiiucto
fllmo. Sr.
* *priKo Uuimnrac-h.
Terminara o especiaculo com a operela em i
ado :
Semfatoe sem noiva,
Priocipiari is 8 IrJ boras.
Os bilbetes estaa desde ja a venda no eseripto-
rio do theatro, das 9 da montii as 3 da tarde, e
as encommendas reservam-se somente ate sex la-
feira.
A'm
0 drama
DOMINGO
0 ltor.is dm tarde.
\uoes Mackado
PACIFIC STEAM HAVIGAT10N C8M
M
ROYAL MAIL STEAMER
ILLIMANI
espera-se 4os portos do sul ale o dia I 1 dt cor-
renle,.e4epois da danora do costume, seguira
iara Liverpool, via de &. Vicente e Lisboa, para on
de rec**era passageiros, encommendas t dahen-u
a frete.
>'. 8.Nao sahira Antes das ires boras da ur
ile do dia da sua chegada.
OS AGENTES
WUsa Bowe A C.
(4RUA E a operela :
Sem fato
e seat noiva.
TIE4TR9
.EMPREZALIMA PEMNTE
Domingo 12 de abril.
\'m & fl|9 horas da tarde.
Grande folia!
Primeira representacao da comedia em 2 actos
ernada de mnsica, escnpta pela artista Penanle, e
offlereeida ans caixeiros de Pernambuco :
Viva a camara ninnicipal 6 o ntingo dus caixeif o&
Personagens. A .-tore*.
Gnedes, negociante de roolhados Flavjo.
Joio deSouza, idem Corr-ea.
Mello, caixeiro de Guedes Silva.
Silvestre, Rocambole dos cai-
xeiros e imitador do Bodiao
de escama Penanle.
Semeao, caixeiro desarrumado Theophilo.
Rnflno, diplomata Augnsto.
Jorge, idem Vicente.
Lopes, idem Lyra.
Dislribuidor do Diario Ayrosa.
Qoioqaina n. Dorothea.
Mirandoliua D. Maria.
Totonia D. Otilia.
A scena passa se nesta cidade.
Continnara o ecpectacnlo com a representacao
da comedia em I atco :
0 caixeiro da taverna.
Terminara o espectaculo com a mnita desejada
e graciosa aria comica, cantada pelo actor Pe-
name :
Facile Steam Navigation Conipaaj
ROT AL HAIL STEAMER
espera-ee da Europa ate o dia 27 do corrente, e de
oois da demora do costume, seguira para Babia,
Rio de Janeiro, Montevideo, Baenos-Ayres, Valpa-
raiso, A.-tea, I slay e Callao, pan onle recebera
passageiros, encommendas e dinheiro a frete.
Nao sahira antes daettpes horas da tarde do dia
de sua cbegada.
OS AGENTES
Wilson ttowe A C
14-----RUA DO COMMERCIO14
A"*
fecale italiana.
. 1|9 horas da tarde
AVISOS7
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poucos dias
de demora a barca portugueza Feliz Uniao por
ter a maior parte de seu carregamento engnjado,
s para o resto que Ibe falta, traia se com os con-
eignatarios Joaquim Jose i-oncalves Beltrao A Fi-
sbo, a rna do Commercio n. 3.
COMPAMHA PERNAMBUCANA
DE
\avcsaciS eowleJra a vapor.
MACEI6, ESCA IAS, PENEDO E ARACAJU'.
0 vapor Mandahu,
commandants Julio,
seguira para os por
tes acima no dia IS
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 13 da corrente, encom-
mendaa, pasjagens e dinheiro a fret* ate as 3 bo-
da tarde do dia da sahida : essriptorio no For-
t do Mattos n. it._________^______
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
.Ifavegacao eosteira a vapor.
ARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSOftO', ARACk-
TY.CF.ARA, MANDAHU, ACARACU* S GRANJA
0 vapor Pirapama
commaodante Silva,
seguira para os por
tos acima no dia 13
do corrente, as 0
horas da tarde.
Recebe carga at6 0 dia 13 do corrente, encom
cnendas, passageiros e dinheiro a frete ate as 2
horas da tarde do dia da sahida : escriptq
rio no Forte do Mattos n. 11
deloo^a infteza para jantar, famrfes -paravi-
nbe, centpolefrm, ele., etc.
fiOJE
# do correate
Rua_jflo -Mar^UHt de Olinda m. J7, radar.
Leilao
DE
urn 'pwiio-rjuasi novo. 1 ra cousoios, tampos 'bra(o>4'2 de giiarmcAo.
Ana do tfcrquez de Olinda n. 47, iprimei-
n andar j
Por intev tit'iiuH doaa^aoVa de ggggaajdaii
LEILAO
DE
divereas obras deouro, pra-
te e alguns mo veis
A'. IO li* bor
Rna do Marqnez de OHnla n. 37, primeiro andar.
O agente dias, compatentemente antorisado, le-
vara a .leilao, do dia e bora acima designator os
objectos abaixo declarados, os qoaes vao a leilao
a requeriraento dos inventariantes de Leopoldo P.
M. Ribeirn, eommendador Manoel Laiz Vkies-e
D. Francisca Maria dos Santos.
Obras de ouro.
Uma pnlceira de ouro, cam 9 brilhantes, 7 pal-
mos de cordaf, com 18 oitavas, 2 moedinhas para
punhoa. t par de b toes, camaphen, 6 babttos de
diversas ondens, 1 retofio de alaibeira e tranoe-
lim.
Objectos de f rata.
Uma commenda da ordero da Rosa, bales, cafe-
teiros, assneareiro e leiteiros, 3 copos, conchas pa-
ra sopa e colheres para irroz, 1 salva e tesoura
para luz, 2 caeticaes, 1 escrivaninha e 2 campai \
nhas.
Moveis.
Uma optima eama de jacaranda para casal, 1
toucador de aoagno, com espelbo, 12 eadeiras de
jacaranda, usadas, I marqueza de amarello, dito,
1 peqnena commoda, 1 pequena mesa de pinho, 1
banca para jogo, estragada, 1 jarro e bacia de
porcelana, 2 parcs de jarros para flores (peque-
nos) e 6 almofadae.
LEILAO
DE
0
Rio de Janeiro
Vai sahir com brevidade a barca portugueza
Lisboa recebe carga a-frete : a tratar com Tito
Livio Soares, a rua do Torres n. 20.
flSE'A\IIIA
ffiSSAGERIES MARITIME8
I.inha mrnsal
0 vapor
. MENDOZA
Esper'a-se dos portos do sul ate 0 dia 12 do
corrente, seguindo depois da demora do cos
tnme para Bordeaux, tocando em Dakar (Goree)
e Lisboa.
Para passapeiros, encommendas, etc., a tratar
com
PS AGENTES
Harisinenclv &. I.ahille
9 Kua do Commereio 9
COMPA.MIIA
^DE
LI1TADA
Uaceid, Pencdo, AracajA
e Bahia.
E' esperado ate 0 dia 22 do orrente urn dos va-
pores desta companhia,. 0 qual seguira para os
portos acima no dia seguinto ao de sua chegada.
Recebe-se carga, passageiros e dinheiro a frete.
A gen tes.
Antonio I.uiz de Oliveira Azevedo.
37Rua do BomiesusS7
PARA'

Pacific Steam Navigation Company
ROYAL MAIL STEAMERS.
Sao esperados do sul os vapores abaixo men
cionados :
Abril 10lllimani.
Abril 24-Britannia.
Maio 8 John Elder.
Maio ti-Qalicia.
Tabella das iiasgagen* rte Pernam-
buro.
Para a Enropa 1 cla-se f classe 3* classe
A Lish^a 27 15 10
A Liverpool 30 20 13
Os menores de doze annos pagarao meia pas-
sagem, os de oito uma quarta parte, e uma crian-
ca menor de tres annos indo com sua familia
gratis.
Criadaspagarao duas terras paries das pas-
sagens de primeira classe ; e serao alojadas no
salao das senhoras.
Criados-pagarao passagem de segunda classe.
Os camarotes nao devem ser considerados en-
gajados, emquanto a. passagem nao tiver sido
paea.
Os passageiros-que nao seguirem depois de
terem tornado suas passagen?, perderio metade
da importancia dellas.
Bilretes de ida e volta (nao transfertwisj je-
rao concedidos a passageiros de primeira classe e
a seus criados quo os a-ompanhareoij-e a pas-
sageiros de segunda classe, com uma reducQSo
de vinte e cinco por cento sobre a importancia
das passagens ; os quaes valerao pelo espaco de
doze mezes calendarios. Nenhuma concessao ser-
feita, se dentro do tempo especiflcado, nao se fi-
zer nso delles.
Bagagem.Sio concedidos vinte pes cubicos a
cada passageiro adulto; todo 0 excesso pagara
frete. _
N. B.Nao sahirao ante9 das ires horas da
tarde. t
AGENTES
"Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO14
Para 0 indicado pojto pretende seguir com pos-
sivel brevidade 0 patacho portugnez Azurara, por
ter a maior parle de sea carregamento engajado,
e para 0 resto que lhe falta, trata-se com os con-
signatarios Joaquim lose Gon^alves Beltrao & Fi-
lhe, a rua do Commercio n. 5.
COMPANHIA PEim.MBl'CAxNA
DE
Vave^itPilo postpira a vapor.
RIO FORMOSO E fAMANDARE.
0 vapor Cor vripe
command ante S antos
seguira para os por
tos acima no dia 13 do
corrente as 9 horas da
noile.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
aheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
n. 12.
moveis, ioucas e crystaes
A.SABER:
Urn piano forte, I mabilia de mogno, com tam-
pos de pedra, I espelno oval, 3 dilos tambem dou-
rados para consolos, i candieiro a gas, 2 serpen-
tinas de crystal, 4 casticaes e mangas, 6 jarros pa-
ra flores, bolas e enfeitee de mesas, tapetes, es-
carradeiras, pannos de croehet, I mobilia (antiga)
de jacaranda, 1 cama franreza de jacaranda, 1
toilette,! lavatorio, mesa de cama, cortinado ecol-
cha para cama, gnarda-vestido. 1 commr da de ja-
caranda e 1 cabide.
Uma mesa elastica, guarda-iouca, 2 aparadores,
quartinheira, 1 jarro. 1 relogio de parede, 1 sofa
2 eadeiras de balanco, 1 apparelho doarado para
cba, copos, calices, compoteiras, garrafas, facas
com cabos de marfim, 1 marqaezao, lavatorio, I
mesa e outros objectos de casa de f milia.
Hoje
A's 10 1|2 horas emponto
No sobrado de um andar e sotao, A rua dos
Ossos n. 26.
0 tenente-coronel Frias Villar, tendo de retirar-
se para 0 snl, fara leilao, per intervencao do agen-
te Pinto, dos moveis e mais objectos existentes em
casa de sua residencia, a rna dos Ossos n. 26,
onde se effectuara 0 leilao, no dia sexta-feira 10
do corrente.
j icarandi
gftbbado II do corrente
No prtaeiro andar do sobrado da rat do Marqnez
de Olinda a. 64
at 11 horas em ponto.
0 agente Dias, competenlerreote antorisado,
ventsra em leilao, Bobilias de jacaranda com
tanisos de pedra, diUs de amarella, piano, secre-
tarw. guarda-kiuca, commodas, camas ifrancezas,
mesas elasticas de 3 e de talioas, bercos, eadei-
ras avulsas, santuarios, eadeiras de balanco, mar-
qpj-.6>,s, marqaetas, I mesa propria para advoga
do, I cama de ferro para casal, 1 toilette de mng-
00, qnartinheiras, candieiro a gaz, jarros, espelhus,
e uimtos outros objecto* de geto que serao pa-
tent es no ado do leilao.
LEILAO
DO
Vapor Duke of Edinburgh
Mo dia tO de afcril
Agente Ferreira
No Para, na Ponte de Pedras
render-se-ha impreterivelroente por conta
de quem pertencer
O magaiffeo vapor inales
A RODAS
Duke (f Edinburgh
eonstruido em Aberdeen em 1870 em um dos pri-
meiros eslabelecimentos de>te genero n'aqnella
cidade.
Tern 111 pea de comprimento, 19 de bocca e 9 de
pontal, medindo 126 toneladas inglezas ou 162
brasileiras
E CARREGA CERCA. DE 7,000 ARROBAS
E' de ferro solidamente eonstruido, tem boa
marcha e excellentes accommoda^des para passa-
geiros. Sua -machina e de forca de 60 cavallos
nom.naes ou de 300 effectivos.
Este hello vaso que muito se preste para
conduccao degailo
e sobre tudo excellente reboeador, como tal ja co-
nhecido. eesta prompto a navegar. 0 inventa-
rio sera annnnciado alguns dias antes da venda
e pode desde ja ser visto em casa dos annnn-
clantes, on a bordo do dito vapor que se acha
fnndeado defronto da igreja de Sant 1 Antonio.
0 vapor pode ser examinado em qnalqoer dia.
Para mats informaeoes poderao
dirigir-se aos consignatarios
Samuel G. Pond & G.
AVISOS OVERSOS
Da se socieiade em uma tavtrna bem afre
gnezada e em bom local, a uma pessoa de boa
condncta, e que entre com algum capital : nesta
typographia, carta fecnada com as iniciaes M P.
R. G
Novo leilao
Hoje
A's I I horas c a
manha
Por mahdado do lllm. Sr. Dr. juiz especial, do
commercio, 0 agente Pinho Bones vendera em
leilao, a armacao, fazendas e u'.ensilios pertencen-
tes a masa fallida de Faria & Lessa, exi>tentesa
rua do Livramenlo n. 30, onde sera effectuado 0
leilao, servindo de base a offerta do primeiro. .
e=>
Para o Porto.
Recebe carga e passageiros 0 patacho portuguez
Lictaior, que pouua demora tera. TraU-se com
E. R. Rabello & 11, a rua do Commercio n. 48.
Para Rio Grande do Snl
0 brigne nacional Amelia segue ate 0 dia 11 do
corrente ;s6 pod? receber ctrca de duzentos vo-
lumes : a tratar con 0 sea consignatarlo Antonio
Luiz de 0 iveira Azevedo^ re a do Bom Jesus n. 57.
CHARGELfRS REUMS.
Companhia Franceza de IVavega
Cdo a vapor
Linha mensal entre o
Havre, Lisboa, Pernambuco, Rio dc
Janeiro, (Santos, soniente na vol
ta ) Montevideo, Buenos Avres.
(com baldeacao para o Rosa rio I
STEAMER '
VILLE DE RIO DE JANEIRO
C o 111111 a ml a ntc A. Floury
E" esperado dos portos do sul "ate 0 dia 15 do
corrente, segnindo depois da indispensavel demo-
ra para os portos da Europa.
Para passageiros e carga para Lisboa e Havre ;
e por baldeacao para todos os portos do eontinea-
te, podese ter Itgar seguro, avisando ale 0 dia 10.
OS C0NS1GNATARI0S
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA 4 C.
12Rua do CommercioEntrada pela riir
do Torres.
moveis, louQas, vidros, jarros, objectos do
ouro, prata e 1 piano de mogno
HOJE
as 11 horas
SEN-DO':
Uma mobilia de jacaranda a Luiz XV, I dita de
amarelio, 1 mesa elastica com 6 taboas, I guarda-
roupa, I gaarda-louca, 1 commoda de jacaranda,
com secretaria, 1 dita de amarello, 1 secretaria
de mogno, 1 piano de mogno com 3 cordas, 1 co-
fre de ferro, jarros, garrafas, candieiros a gaz, re-
logios para cima de mesa, ditos de ouro e de pra-
ta, camas francezas, roarquezoes, marquezas, ea-
deiras avukas, macliinas de coslura, aparadores
de amarello, 1 herco de faia, 1 dito de amarello,
1 apparelho para almoco e 1 meio dito para janar
pelo agente Martins
\o armazem da rua do Iiupe
rador 11.
A'S 11 HORAS DA MA.VHA.
Leilao
Rio-Grande do. Sul.
Para 0 referido porlo fegne com pbuca demora
0 paucho portugnez Adelino, porqne apeoas lhe
falta poucos volurats da carga, e para tratar com
os consignaurios Joaquim Jose Goncalves Bel-
trao k Filho, a rua do Commercio n. 5.
UILOES.
Agente Dias
Leilao
DE
57. uma mobilia de amarello, torn nso, nm apparelho
De
12 caixas com doce de marmellada e outras frac-
tas era b3ce"tas, 4 barris com cevada nova e 4
barricas com nozes
SABBADO II DO CORRENTE
88 11 h -rasda manha
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de qoera pertencer, de 12 caixas
com doca de marmellada e outras Tructas em bo-
cetas, 4 barris com cevada nova e 4 barriqninhas
com nozes
SABBADO 11 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS EM PONTp.
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
_____ fandega.
Agente Dias
ess
ferragens e miudezas
Slabbado 11 e segunda-fetra 19
do corrente
Rna do Bom Jesus n. 26.
Armazem da J. A. Moreira Dias.
Desejando definitivamenle acabar com as ferra-
gens e miudezas existentes em sea armazem-, con-
vida ads seas amigos e fregoezes a comparecerem,
certos de qae, nao se retirara lote algum.
.Principiara as 10 horas.
LEILAO
moveis, lou^as,
DE
ouro, chnpeos do Chile,
CASA DA FORTiA.
AOS 4:000#000. .
BILHETES GARA1MTID0S.
1' ma Primeiro de Margo (outr'ora rua d.
Crespo) n. 23 e cos as do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos sens le
Itzes bilbetes, um meio n. 2368 com 4:000*, um
meio n. 262 com 700*, um inteiro n. 1154 com
200*, um inteiro n. 934 com 100*, um meia n.
322 com 100* e outras sortes de 40* e 20* da lo
teria qne se acabou de extrahir (94"), convida aos
possuidores a vir8m receber na conformidade do
costume sem desconto algum.
Aeham-se a venda os felizes bilhetes garantidot
la 8* parte das lotenas a beneQcio da matriz
de Jaooatao (95"), que se extrabira na terca fei-
ra, 14 do corrente mez.
PREgoS
Bilhete inteiro 4*000
Meiobilhete 2*000
M PORQA0 DE 1009000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
______________Mantel Martins Ftuza______
Attencao.
To engenho Jussara, freguezia de Jaboatao,
propriedade do major Antonio Pereira da Camara
Lima, se acham fugidos os tres escravos seguin-
tes: Jacintho, da Costa, baixo, secco, pouca ban.a,
desdeatado, idade de 45 annos a 50, ainda nao pinta
e destillador, regrista e tem uma hernia, pelo que
usatli; funda, desappareceu no dia 28 do mez pro
ximo passado ; Jose Bezerra, pardo alaranjado,
altura regular, espadaiido, desdentado, cabellos
anneiladas e sem barba, tem uma marca de fe
rida em uma das pernas, fugio a 17 de fevereiro
do corrente anno ; Jorge, da Angolla, idade de
50 annos, bastante calvo, am pouco fanhoso
por tomar muito tabaco, o dedo medio da raao
esquerda e entrevado e nao dobra, altura regular
e fugio em setembro de 1873.
Recommenda-se as auloridades policiaes do Re-
cife, e principalmenle aos capitaes de campo, que
prendendo-os, leve-os ao mesmo engenho, que
serao generosamente recompensados, ou no Recife,
em casa- do Sr. Joaquim da Silva Costa, na rua
Duque de Caxias n. 40.
0 major Mandinga,retirandose para a corte
do Celeste Impe* w, vem par meio deste despe
dir-se dos seus nunurosos amigos e offerecer o
seu ivalioso prestimoi naquella certe ; aproveita
o ensej > para tambem declarar is suas nao me-
nos numerosas victimai de calotes, que deixa
nesta cidade por seus procuradores, em 1 lugar
a .Naninha Camarao e em 1 a Republicana, as
qaaes podorao apresentar suas contas dos relo
gios, rewokers, penci nez, mobilias, visporas,
joias, alagueis de casa e cutras gentilezas com-
metiidas irreflrctidamen'.e, para serem satisfeitas
de suas importancias,
Ao seu amigo lojista da rua Duque de Caxias
deixa procuracao para dar publicidade a corres-
pondencias, como fez com aquella, estampada no
Jornal do Recife, em que procurou,- de balde, fe-
rir a reputa^ao de um illustre personagem ; fi-
cando tarbcm o seu amigo lojista encarregado
de, com todo zelo e caidado, crear o seu ultimo
fruclo havido da Republicana
____________________A map de finado._____
Arrerida-se o engenho, Saltiunu da fre-
guezia de Una, moeote e corrente. Dito
engenho e bom d'agua, dista duas leguas dos
portos de Tamandare" e Rio Form( so, e tem
terras para safrejar 1,600 a 2,000 paesj
annu.ies: a*ratar no mesmo engenho com \
o consenhor Henrique Augusto Milet, ou noj
Recife com Leal & irmao, rua do Marquez
de Olinda n. 56.
Escravo fugido. -
Fugio do poder de sua senhora, o escravo David,
mulato acaboclado, moco, eslatura regular, cheio
4p corpo, com pouco bigode. falto de- denies da
frente, tem o tornozelo de um dos pes inchados, e
as pernas com marcas a especie de foveiras, le-
vou vestido camisa branca, jaqnela de quadrinl os,
calca branca com remendos nosfundos, chapeo de
feltro preto, levando tambem um balaio redendo
em que vendia bredos, foi visto no Caxanga. Esse
escravo pertenceu a Francisco Ayres Sisenandu de
Dorae?, e foi comprado nesta cidade ao Sr. Fradt-
qoe, no poder daqaelle senhor esteve fugido, sen-
do agarrado na Ponte dos Carvalhos. Recoramen-
da-se, portanto, a captura do dito escravo, e gra-
tifica S3 generosamente a quem o levar a alfande-
ga a Joio Evangeiista Gomes, on M Capanaa, 4
rua das Pernambneanas n. 80, a vrava de Joao
Baptist* Vieira Ribeiro.
Avis.
Une dame de Paris offre ses services aux families
lid Pei uambuco poor enseigner a domicile l'arte
do la Diitnr la eonpe des robes, la facon, l'orna
n ft ii-ut le ij..i tonwrne la lingerie. Sadresser
teiras para sala e 1 piano de armario, dt .ua i Imperairiz n. 30, 2Dme. etage.
0 abaixo as'ignado, estibeteado a rna Vldal
ae Negreiros o. 82, declara qoe 4e seu poder de-
sencaminhon se nma letra do aceite do Sr Peli-
ciano do Rego Barros Aranjo, ja vencida, por con-
ta da qual recebeu o abaixo assignado dinheiro
por conta, pelo qne previne ao mesmo qne nao
pagne o saldo sem faca CransaccSo algnma a nao
ser com e rnesmo abaixo
dot- elle autorisada por procuraci
nao ser levado em conta, e ser'cnnstrangidb a pa
gar o qne deve della ao abaixo asngnado, judicial
mente.
Joio de Azevedo Pereira.
Escrava
Deseja-se fallar com o Sr. E-qnina, qne teve
offlcina de marraore na rna da Imperatri/, ou sa-
ber se de sna residpneia, ou na faliacom saa fa-
milia : na ma da Paima n. 71, on annancie por
este jornal.
ALUGA-SE
um moleque de idade de 18 a 20 annos : a tratar
nr rna d j Madre de Deo< n a. amfar.
Ahiga se uma ca^a terrea siU a rua de S.
Joao, defronte do portao do gazometro, com 6
quartos, cozinha fora c grande quintal : a tratar
na rna de Pedro Affonso n. 8.
Preclsa se de nma escrava qne saiba cexrtuW
engoromar com perfeicAo : a tratar na rna de
Pedro Alfonso, ont'ora rna da Praia a. 27.
Se acha fugido desde o dia IT de. fevereire
assignado, ou por pessoa Proxin>o pa^sad* o men escravo de a. me Sebeloo,
rocuracan, sob pena do de '(,a_!(! i3 annos, cflr preia, allara regvlar, pon-
na barba, que cpns.rva no qneixo e por ehna de
beico, urn dente Hradti na frer.te, pernas um Unto
anjueadas para Ua*, qu.brado de un a verilha,
tem um pnncipl.. de euros na cabera fazem hoje
... S" ,Te n '>'?*> Caxanga dizendo
jue la ,ario Recife ; _e^_ q,ie mn(^
e costuma d.zer one se chain* Severtano : peco a
qualquer anu>ndade, carries de campo e ontras
qnesqurr pe-'?'.;as a apprehei<4., do dtto esrravo,
podendo Iraze lo ao engenho Jardim, comarca
de Nazarelh, en entregalo no leeife ae- Sr* Leal
d Irmao, a rna do Marquez de Olinda n. 36. n
serao a_Mwaiaata rworiienad'.s. Engenho
Jardim, 29 de marcn 6* 1874.
Aim__!_______ <;alve< Guerra.


Alus:a-se
8orlelade Macaalca Rrxtnurarao
Pernambueam.
Tendo esta sociedade de celebrar no domingo 1*
do ennente, exoqnias fnnebres em honra do charo
e preitimoso irmao, de saudosissima memoria, o
Tendo-se concluido o alarro e calgada para me- ^r. Antonio Carlos Pereira de Burgos Ponce de
Leon, para a ellas assistir convida a todos os irmaos
macons.
Outro sim, achando se a noife do dia 13 (segnn-
da-feira), exposto a concurrencia publiea 0 templo
em que funcciona a referida sociedade, nolle terao
entrada todos os que se apresentarem decente-
mente vostidos.
0 secretario,
Manoel Duorte Vieira.


Ihor facilitar o ingresso a casa que" de via servir
de asylo as convertidas, extra-mnro, com portao
de ferro na frente, no flm da rna da Aurora, na
nova rua da Lembranca do Gomes, avisa-so a
quem desejar alugal-a, qne ella e vasta e tem os
maioies commodos possiveis para grande familia,
e aluga se por preco modico: a tratar com Igna-
cio Barroso, na rua do Capibaribe n. 34.
Aluga-se
A loja do sobrado n. 11 da i_.
Negreiros, confronte ao chafariz da frente da Igre- one! Azevedo de Andrade, afim de ser contem-
ia de N. >enhora do Terco, bastante acrediuda plado como legu-,rio de Antonio de Azevedo Vil-
que tem arojico, fallecido em Portugal
, x,., i Joao BaPli-"'a oucalves~Ferfeira, decTara
ua de Vidal de qne entregon sua certidio de idade ao Sr. Ma-
A
para venda. pois ha mais de nm seculo
sempre servido para este negocio, com armacao,
pesos e medidas : a tratar com Igoacio Barroso, na
rua do Capibaribe n. 34.
Paris, 36, Rna VIvlenne, D
HUMP icdicim srtciu
Ms ehffrmidad's on tsxDAsst as tmcfom
C*t*if.
selecta e'de umbigo
(Enxertadas)
Sapotizeiros
e sapoteiros de 11 palmos (em vasos) e de todos
os tamanhos e precos' mais commodos que dan-
tee ; assim como as seguintes outras plantas de
DEPURATIF
dn SANG
UTUIfOH DO SAHCDB.
lo.ooOciirii dass'mpsa.
Teni.pMttHlas. herpti,
sarna, eomixoet, acri-
monia, e allerco, vi-
ciotas do sanguc, vi-
frucia e de ornalo :
Aoacati.
Acacia.
Ariticam a pe.
Canella.
Qasnarina.
Carolina do principe.
Condeca.
Coracao da India.
Figueira.
Flamboyant.
Frncta-pao.
Ii'gado Para.
Jamba
Jasmim laranja.
Laranja da China.
Dita do ceo.
E ontras plan as :
ura n. 20.'
Laranja cravo.
Dita de doce do Para
Dita brsnea.
Dita tangerina.
Lima da Persia.
Dila de umbigo.
Limao francez.
Dito doce, enxertado.
Oiticoro.
Palmeira imperial.
Parreiris.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiras.
Rozeda.
Ubaia.
na Capuoga a rua da Van-
PLUS DE
COPA-HU
nu, t auci i.< ot-s sem mereimo). BpnrilTii vegeUes
nts aiisiBBAES tomao-se dons por
temana, seguindo o traeUmeoio Depurativo : 4
rmpregado nas meimas molestias.
Este Xarope Citracto if
ferrodeCHABLE,eara
imro^dlatamente qual-
quer pur gar ao rtla-
_ rarao, t debiUdade,
e lgualiueoie 0 jlujos flores branca* das
mulheres. Esta iuieecao benigna empregasM
coin o Xarope de CUraeto dt ferro.
Hmorr.llin Pomr.da qne iis rura emS dia*.
POMADA ANTIHERPETICA
Contra : Das affteeoes eutanea* eomixotl.
PILULAS VECETAES DEPURATIVA5
do O' Chable, cada frasco vral accompahado
de na folhet*.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
I Cot* calarr Koi, lot it
coqueluchtt, irrila(6*i
nervoiu tat dot bron-
chioi todat at doencat
--------------------------------1 do ptiio; bast* ao doente
mi colbe rx-hdea deste xarope Dr Forget.
Dr. cwaaia so Paris, ru vuinae, a.
Sirop du
DrFORGET

0 abaixo as.'igoado iaz pabUco a todas as
pessoas com flnem tem relacoes commerciaes, que
retirou o seu escriptorio da Travessa do Cari- ca n.
2, estabelecendo-o na ohra do mereado publico. I
Recife, 9 de abril de 1874. .
Jost Augusto A ran jo.
Deposito bot;ca Franceza
22 Rna da Cruz 22
Precisa-.^e de trabalhadtres : na refina.;ao di
rua Direila n. 10.
LICOR
Este celebre licdr tao
appreciado do publico
ao ponto de se encon-
trar hoje en todas as
boas mezas, tanto no
Restaurante como no
jantar domrstico; nos
gran des hoteis como i^os
saloes dos principes, por
isso e elle tamben o ob-
jecto de numerosas imi-
ta^oes, cuja maior parte
de falsa provenenria.

t '"
Como termo final de
garanlir aos consomma-
dorea cuidadnzos um
produr to puro, exquisito
e essencialmente hygie-
nico, contra oslas falsi-
fieacues iloir-tavcis de
man ^j-^:o e nocivo, a
saude, damos retro, o
raodelo da garaffa e mais
acima o dos sellos e le-
treiros que envolvem o
terdadeiro licdr benedic-
tino.
OESERYACAO mPORTANTE.
Recommeudamos particularmeitfe ao publico em '(/eral, o exi-
gir o letreiro acima, qni e sempre posfo no fundo das gdraffas
desde o V. de Outubro de 1872 qne-tern a assignation de
A. LEGRAND alne, director eral.
N. B. Em tempos de epldemia o bexedictino e nm preservative
certo; am grande nnmcro de celebridades medicas tem dado o
certlflcado bam formal.
Depoalto serai: A. LEGRAND ainc, em Fvcantp (Franca).
Deposito geral em Pernambuco, A. REGORD.


/- _
COALTAR
DE
SAPONINADO
LE BEUF
DESINFECTANTE, ANTI-MIASMATICO, CICATRIZANDO AS CHAGAS.
Adoptado pelos hot pitaei de Par iz e peloi da Marinba mlltar franceza.
Ee excellente tontoo possue uma efficacia Terdadeiramente maravilhosa nos ulcerat gangre-
nosat e escrofulosas, not cancrot uletrados, no anthrax, na otorrhea purulenta, na ozena, no
cup, feridat pelas armas de fogo, enfermidades do utero, etc., etc.
hmprepa-se, mezelado com mais ou menos i
Como dentlfricio ordinario (uma corberada
cialmente cfilcaz para parlficwr o bafo. aanar
dente> escarnadoi.
0 seu uso e muito hygienico, sobretudo em tempos d'epidemia.
Uma noticia circumstanciada Tae com cada frasco. Exiga-se a firma do inventor.
Fabrica em Bayonna (Franca), em ca do Sr. LE BEDF, Pharmaceutico de 1' classe.
Depo9ilos: Paris, S5, rua Reauwui; Prrnamouco, A. REGORD, onde se encontra tambem a
Emaloao de Alcatrao TesetaJde x.e Bear para later a agaa de Atcatrao, a unica preparacio con-
centradae Utolada contendo em si o alcatrao sera serallerado nem modiflcado.
a'ua, em chopacos, locfles, injeccSes, gargarismos.
i das de end n'um quarto de copo il'agua) e muito espe-
(eagrlTai doentei e tomar Grain os
m


0 mais poderoso e o mais agradavel dc todos os ferruginosos recom-'
meodado pelos Professores e Doutores : Piorht, Trocssf.au, Jobbt ; ia
Lahballb), Maloaigke, Ricobd, NfeLATOR, CnxssAG.NAC e muitissimos outi-os
contra as molestias de contum/cdo, clorosis, o/nlacoef, /lores braimis, uncmia,
.1
suff~bcoc6es, palpitacoes, rac/iittit etc.
EH TODAS AS mARMACIAS DO HCNOfl,
DrTpoato geral no Pernambuco, A. RE50RD.
PARIS, 25, rue de lEntrepOt, 25, PARIS.
aaraaa


Diario de Pernambuoo Sexta feira 10 de Abrit de 1874.
FUNDKJAO DO BOWMAN
RUA'DO BRUM 1.52
A (Passando ff enafariB) ; L"
PEDEM AOS eenboree d eneenho e outfox ignculiores, eempre*ad ires de
t.msmo o favor de oma viiiu a seu estabeiecimeoto, pra \ tompleto qoe ahi tern; teado todo toperior em qailidade o (ortidSo; o qoe cum a ins
eccio peaaoal pode-ae veriflcar. t \
ESPECIAL ATTBNCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
tfannrAft A ro^na d'Ao-nfl. ^ B,,i8 "o^0* y9tec*4 la
opUfOS D lUUOO U ttg Ud manboa conveniences para as diversas
ttreomsUncias doa lenhorei proprietaries e para descarocar algodio.
Moendas de canna J^1 'tolM,,h"' M:melw,m qo# **
Rodas dentadas *""*-*'* "*
Taixas le ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fnndos de alambiques.
VoAliiniemna para mandioci e algodio,! Podendo' todoi
nLaulllLllOiliUO e pin terrar madeira. Iser movidos a mio
Dnntrtoo |Pr a?al' vaPr-
OU1UUII9 d piteote, gannlidai........ |ooanimae.
Todas as roaflHTHtf WMd# qoe M c08toma preciw
Pai qualquer concerto d nwchbi"no 'p^ B*0
Fonnas de ferro ^**^* ****"*"*" mer
fftirtftwmfln/lQo Incambe-ie de mandar vir qoalqoer machinismo i von-
IkllUUIlllIlOIlUtiO* tade <}ol clientei, lembrando-lbea a vantagem de faierem
nut comprai por intermedio de peiioa entendida, e qoe em qaalqoer Decesiidade pode
IkM presUr anxilio.
irados americanos iD*onm( ,ricolM-
J.


a*
Costra1tr e ainador de pianos
Rua. do Imperador

33
oa
Exalmador das antigas
casa Alphnnse Blopdei.
e afcmadas easas
Pieyel
ti Hen, e antigo director das offici-
Tem a" honra de deekrar ao respeiuvel publieo SesU cidade, que (em aberto sua easa de
:oucertos e alinacoes de pianos, qualquer qua seja o estado do iiutrurocnlo.
A mesiiu-caa acaha de rsdettef usa graede sortimento de
die Paris, comu E/ard PtejyW, ""' Ueri t Alphome Bttmdel)
Dbibaut sao garautidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usadoa.
ianos dos melhores fabricantes
os pianos sshidos da casa

9 Rua do Imperador 49

RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
4' rua do Bario do Triompho (rua doBrnm) ns. 100a 104
CARDOSO AVISAM aos senhores de engenhos e outros agricultores e ao publico e9 0Bral que
continuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e machina s ne-
cessarias aos estabelecimentos agricolas, as roais modernas e melhor obra qoe tem vindo
ao mercado.
VapOreS jde for$a de 4, 6,8 e 10 cavallos, os melhores que tem vindo ao merado
OaldeiraS de sobresalente para vapores.
Moendas lnteiraS e meias moendas, obra como nunca aqoi veio.
TaixaS |fundidaS e batidas, dos melhores fabricantes.
RodaS d aglia com cubaje de ferro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
t50muaS de ferro, de repucho.
AraQOS de diversas qualidades.
FonnaS para aSSUCar,grandes e pequenas.
VarandaS de fenO fundido, francezas de diversos e bonitos gostos.
FogOeS franCezeS para lenha e carvao, obra superior.
DitOS ditOS para gaz.
Jarros de ferro fundido para jardim.
x es Qe ieiTO parj mesa e banco.
MaCilina para gelar agua.
V alVUlaS para bomba e banheiro.
CorreiaS inglezaS para machinismo.
ISanCOS e SOiaS Com Utas de madeira, para jardim.
ConcertOS cor,certam com promptidao qualquer obra ou machinr, para o qoe teea
suafabrica bem montada, com grande e bom-pessoal.
RnPOTTlTTlPndaR randam vir por encommenda da Europe, qualquer machinismo,
uuwiLUAi^uuao para Q ^Qe ^ correspondem com uma respeitavel casa de Londres
t com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentai
iitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
RuadoBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamades autores,
como sio : Hen, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados eipressamente construir para este dim a, o qu*l os amadores dos
bons pianos s6 enconlrarao nesta casa.
Recebem-se pianos irsados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais comploto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sSo: cepos, folha para os mesmos, crarelhos, pafafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 BUA DO IMPERADOR 49
REDUCCAO DE PRECOS
FABRIGAS DE CHAPEOS DE SOL
DE
MANUEL & MAESTRALI
Rua do Bario da Victoria n. 23
ESOUINA DA CAMBOADO CAR MO
E
Rua Duque de Caxias n. 64.
Os proprietarios destes estabelecimentos participam ao rspeitavel publico, e a seus
freguezes, que teem sempre um completo e variado sortimento de cbapeos de sol de to-
das as qualidades e tamanhos ; tendo resolvido fazer reduc?8o nos precos dos mesmos,
e acharn-se em condicoes de poderera vender mais barato que em outra qualquer parte,
visto reccberem todos oe seus artigos em direitura, e achar-se um dos socios na Europa,
percorrendo as principaes fabricas. .
Chamam a atten^ao dos senhores logistas para visitarem seus estabelecimentos, e d
vista dos precos e boas qualidades dos artigo, nfio deixario de comprar.
? Cobrem-se e concertam-se chape"os de sol de todas as qualidades, com promptidao
e a precos modicos. _______________________________
24-Rua doMarqoezdeOliiida-2'i
Eaqulna do beeco Largo
Parlieipa a seus freguezes e amigos que mudou
o sea estabelecimento do relojoeiro para a niesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimenio
de relogios de parede, americano?, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios de
algibeira, de todas as qualida 1, patente suisso,
de ouro e prala dourada, foleado (plaquet), relo-
S;ios de onro, iDglez, descuberto, dos melhores
abricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata. lunetas
detod's as qualidades, tudopor precos muito ba-
ratos._________________
ESCRAVO FUG1D0.
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engeoho Serigi, comarca de Gnyanna, o
escravo de nome Jose Borge^, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
no?, pooco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e cspadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do* pe esqnerdo : roga -se a
todas as antoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e ieva-lo ao referido en
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, qoe serao generosamen
te recompensados.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua dc
Vigario Tenorio n. 31.
ODILON DUARTE k
CABELLEIREIROS
Premiados na exposicjio de 1872
RUA
DA
r
IMPERATRIZ
N. 82
1.' ANDAR.
RUA
DA
IMPERATRIZ
N.-82J
1." A3DAR.
Acabam de reformer o seu estabelecimento, collocandq-o nas melhores con-
dic^des possiveis de bem servir. ao publico desta illostre capital, e a"s Exmas. Sras. n'a-
quillo que f6r tetidente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
toques modernissimos, trances, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
raulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
-inos de modas, e por isso pode vender 20 'j0 menos que outro qualquer, garantindo
;>erfei$ao no trabalho, agrado, sinceridade e preco razoayel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
por^So e a retalho e -todos os utensilios pertencentes 6 arte de cabelleireiro.
lilt
41 Rua do Imperador 41
0 novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento, com o fim de
conservar os creditos de unico neste genero, tern reformado e melhorado completamente
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeicSo em todas as prepi>rac,Ses, aceio e modicidade nos precos,
compativel com este geuero de drogas. # .
Espera a todo momento uma grande remessa de pharmacia homeopathica de J.
Epssd C, de I.ondres, composti de, medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
Ilhus, de Buvouia, de Arnica e de p6s especiaes para dentes.
Torn a" disposrcao dos amantes da horaeopathia a excellente, obra do Dr. Mure me-
dico do poVo.ia' em 3.' editfo. ,
Tem carteiras de globulos e tinturas de 12 medicamentos ate 120, i escolha do com-
prador.
Plumeria, para mordedura de cobras.
Seracena I
'.Para bwigas como preservative).
Vaccina (
Cbina cruzeiro, para intermittentes.
Schynus, para anginas.
Calendula, para f/ueimaduras.
Tarantula, para paralysia.
Tintura mai d'arnica, para contus&es, cor-
tes, etc.
A CHEGAREM
Chocolate homeopathico.
Cafe homeopathico.
Elor d'araruta.
Pos para dentes, inglezes.
Jeric6, para rheumatismo.
' Matta-matta ou jaboti, para tosses.
DE
Cordeiro Simoes \ C.
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riquissimos cortes de gorgurao de seda lisos c
com listras achamalotadas.
Ditos de linho para vestidos, contendo cada cor-
te, o nece8?ario para seu enfeite, como seja :
franjas, traocas, toi6e, fivellas, etc.
Riquissimos chapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.______________
Pirecisa se alugar uipa preta de nieia
Japs: na rua do Ouro n. ?l.
BNGENH0.
Arrenda se ou vende-se os engenhos Macbado
uo Estrella, junto a cidade do Rio Formoso, e o
Montevideo, junto a villa de Ipojuca ; os preien-
dentes acharao com qnem tratar no escriptorio da
companhia dos trilhos urbanos de Olinda, ou na
rua Duque de Caxias n. 30. ________
I
Engenho para arrendar-se
Arrenda-sa o engenho AjuJante, da freguezia da
E^cada, ilManie da est,n;So de Frexeiras duas le-
goas de Iwns c.i ninbos : quem pretender, dirija-
se ao eugenlio Amaragy, a tratar com a Ex ma
Bironeza te Amaiayy. ":i f st'i praca a roa'du
\i-,- .ml- H>! in'i!iiii:i u 7, a tratar om'o llr. i
r;u i lie Mura'-' I' iitn-iiu.
* bOHSULTQHlO *
1 'HEDIC0-CIRUK61C0
tk DO
Dr. Pedro d'Athayde L. Moscoso
M PARTEI'iO E OI'ERADOR
Uiiu do ViHt-onile de Alliuiuer-
qiii1 n. 99.
ESPECIAL1DADE
lllolctiUaii de genhoraa e Wt
Tonsultas das 7 as 10 horas da ma- cS
nha, todos os dias.
ml Das 6 as 8 da noile, nas segundas, quar- m
2 ^ Os doentesque mandarem os seus cha- 9t
m mados por escript) at 10 boras da ma- m
5 nba sera'i visita'los em suas casas. ^
s
% Consulforio medico
3 Dr. Murlllo. %
8 RUA DA CRUZ N. 56, 2.' ANDAR. Jf
J Recem-chegado da Eurepa, onde fre- '
\j quenton os hospitaes de Paris e Londres,
*2) pode ser procurado a qualquer hora do
f"j dia ou da noite para objecto de sua pro-
rJ fissao.
Fl Consultas das 6 horas da manha as 8 ho-
M\ ras, e do meio dia is duas da tarde.
fr Gratis aos pobres.
W ESPECIALIDADES.
rd Moiestias de scohoras, da pelie e de
\d crianca.
I
^^S?0?SQSJ !OOQOOOOO
klVlAti2lkJ
Na iravessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
j~iXj V^*Xj GXs'xkS c/si>:'o'&t
Uma pessca capaz com bom e abundante
leite se encarrega da aniainenlacao de alguma
crianca, e tambem pensa-se outras: bo becco A>
Coxixo n. 17.
Espirito
ra.
de Hahereman ou de campho-
Opodeldock d'Arnica.
Dito de Rhus )
para rbematismo.
Cactac grande fldrus. para pneumonias e
moiestias do coracdo.
Dito deBryonia)
Acha-se constantemente A testa" do estabelecimente e inspeceionando todas as pre-
para<;oes o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Hello.
CONSTJLTORIO HOMEOPATHICO
DO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manha, e a noite ate" 9 horas
Gratis aos pobres.
Curso de philosophia.
Pelo Dr. A. H. de Souza Bandeira Filho.
________ 19-Rua da Uniao 19___________
Attencao.
Precisa-se com urgencia de uma ama de
leite, que seja S3dia, e que lenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
crianca de dias, dando-se preferencia a" mu-
lher do matto : quoin, pois, estiver ncstas
circumstancias appareca no 3." andar desta
typographia para tratar.______________
-Constaudo a atgucm que uma mullier, quo diz
chamar se Olindina, ainda ousa inculcar-se como
filba do falleeido coronel Pedro Autonio Velloso da
Silveira, e irmi do tambem falleeido capitao Pedro
Ivo Velloso da Silveira, afizn de excitar a compaixao
e obter esmolas das familias a quora ella recorre,
aproveitando se para isto de ser ccija.e esse atguem,
perdendo por fim paciencia a vista da persislen-
cia dessa miseravel traficaute que, a njit-2 e mes-
mo por vezes durante o dia, se introduz nas ca-
sas daquelles que a nao conhecem, julga conve-
niente declarar para que nao continue a ser ex-
plorada a credulidade dessas faiLilias por esiairn-
postora, que a filba do referido coronel Velloso da
Silveira, que tinha o nome de Olindina, e era cega,
foi bem educada em Paris e casada, existindo ain-
da seu marilo na provineia do Gears, morreu em
casa de sua cunhada, viuva do dito capitao Pedro
Ivo Velloso di Silveira, na rua do Principe, em
maio do 1869, e que nunca se no obrigada a pe-
dn- esmolas.
A fallecida Olindina era baixa ; ma; raagra, tra-
java bem, e nunca andou nas roas desta ci
dade sera ser acompanhada por pes;oa respeita-
vel ; entretanto que a impostBra, que par^ce mais
velha e provavelmente nao tem o nome de Olindi-
na, se e baixa, e gorda, anda mal trajada e co
berta por um vclbo cbale, sendo acompanhada
por um pardinbo.
Recife, 28 de marco de 7871.
A. F. .
CASA DO OURO
Aos 4:000$000
Bilhetes garantidos
.ua do Barao da Victoria (outr'ora Neva
n. 63, e casa do costume.
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
'antidos da 8' parte da loleria a benefieio da
igreia matriz de "Jaboatao, que se extrahira no dia
li do corrente me>.
Precos
Inteiro k#000
Meio 2^000
De lOOvOOO para cima.
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, 6 de abril de 1874. "
Joao Jcaquim da Cnsta Leite.
Quem preci?ar deumcaixeiro brasileiro com
idade de 14 a 15 annos, para armazem ou venda,
do que tem pratica, procure no armazem a rua
Nova de Santa Rita (ribeira do peixe) n. 19.
Francisco Ribeiro Guimaraes, subditopor-
tuguez, retira-se para Portugal, e da-ante a sua
auscneia deixa como seus procuradores os Srs.
Jose Ant.inio da Cunha Guimaraes c Joao da Suva
Ferreira. |
Recife, 9 de abcil de 1874.
ALU-Si
mmmmmmm
E
baratissimo
CORTES DE ORGANDY COM 13 A 15 METROS A 5000.
Alpacas de cores com palma de seda a 400 rs. O covado
Na rua Primeiro de mar^o n. 13, loja das colurooss, de Antonio Correa
de Vascoocell is, vesde-se lindos cortes de organdy com 13 a 15 metros,
a com pan had os dos competentes figurinbos a 5#000, assim como alpacas
de cores com palma de seda a 400 rs o eovado.
m
m
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se falls r aos seguinte* senhores :
Domingo^ Martins de Barroa ltonteiro.
JoaoVaz > ; Jose r - Manoei i>rf.da
Maaoel jus Miranda.
Theoto-. i>a.-ros Silva.
Franciec le Paula Borgua.
Francisw Antonio Pootu*
30S00O
Para eugommados e arrumacdes de casa de
pequena famiiia ; da-se esta quanila a uma cria-
da que seja de boa oondocta perfeita engomma-
deira : a tratar na rua de S. Francis:o n. 72.
Ozinkeire
Com urgencia precisa se de um bom cozinbei-
Iro, por ter adoeoido o qoe bavia, paga-se bem :
'no caesdo Apollo, armazem a. 71.
I'm sitio na travessa da Cruz das Almas, perto Tendo arontecido am desarranjo na ma-
das estacoes da Tamarineira e Jaqaeira, com ex- china de gelo, os fabricates tern por meio
cellente casa de viveoda, iova, r rf)da dejte pedj,. desculpa aos seus freguezes pela
e aeseiada: tendo
muito
2 salas, 6 quarto1*, e f6ra co
rinha, despensa, saU de engommar, quarto de co- falla que tem havido nestes dias ; e.-perarn
zinheiro ; assim como coeheira, estribaria, dous porem, era qualquer destes dias fornecer a to-
quartos para criadoj, latrinas, cercado de ferro, doS as quntidades do costume
banheiro, gallinheiro, ete. etc:: a tratar no sitio tarnbem OCC8Si8o
do commendador lasso.
Garanhuns.
Na rna do Barao da Victoria n. 36, preciaa-M
allar aos Srs. Pedro do Rego Cliaves Peixoto
ose Paes da Silva, a negocio de particular inte-
sse ________'_________'
Engenho
Vende-se o engenho S.
vincia de Alagoas, comarca -
menos de uma Tegoa distante do porto de mar do
aproveitam
para prevenir aos seus
freguezee que teem em via gem uma ma-
chine nova, de maior forca e do systema
mais moderno, que fabricari ftn maior1 es-
cala e com toda presteza as quantidades que
forem eiigid^s.
Santo Amarv, 17 |e marr;o de 1874.
Pelos testamenteiros de C. Starr 4 C.
___________William W. Webster.
Cozinheira para hotel
Oflereee se uma, quetamhem preslar* saus aer-
PeAm .iinadn ha nm- vic>sem easa slranneira, de horaem solteiro, na
Ke ^rtTCalTO, a oa ftr d'ella ; tour a ra das -Calcadas
Gamella, tem oxcellentes ferraa, maus, e ufreU i HOfferee-se psr
regoJarmeate 2,(00 pies : a traUr na rua do VI-
garto a. 31._____________^_^_ _______L_
ALUG4=SE
caixe.ro
ara cobranca" dentro ou fdn
nma por balanco qualquer '
dente a molbadus, dando flan'
a tratar na travessa dos Aco
molliados
idade,
lecimentn
ua conluit
>s n. 20.
Alnga-se um bom sitio na estrada do Monteiro,
perto da estagao, com excellente casa, com gaz,
coeheira, jardim ; pertencente a viuva do Dr. Ja-
cintho Pereira do Rego : a tratar com Francisco
Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesns, ou na rua do
Imperador n. 83, 2' andar. No mesmo sitio tem
quem mostre os commodos._____
Sitio no Arraial.
Aloga-se um sitio no Arraial, proximo a esU-
cao da Casa Amarella (om minuto) com exellen-
tes casa de moradia, tendo os segumtes commo-
dos : 5 quartos, 2 salas, cozinfa extema, terra-
m casa de banho e divecsas fructeiras. Aluga se
tambem uma outra casa no mesmo logar, com 3
quartos. 2 salas, cozinha extema, agua de beber
e um bom quinUl por comraodo pre$o : a tratar
na rua Primeiro de Marco n. 16, 1.' andar.
COPEIMO.
Preeisa-se de um na rua Formosa c. 24, casa
com jardim, detronte do becco dos Ferreiros.
Umdina Maria da Gmoeijao-da Costa- re-
ira:se para a cidade da Bahia
Aluga-se o primeiro e segundo andaTes da
made S. forge (antiga Pilar) n. 23, frescos e
cada um com commodos para grande
aceiados, e
famiiia : a traUr no n.
74.
Cavallo roubado. .
Desappareceu do sitio n. 5 da_ estrada de
Eeruandes Vieira, junta da estacao dos bonds,
no dia 7 do corrente, um cavallo pedrez, com os
signaes seguintes :!uma marca preta na barriga
um talho na orelha; as possoas que delle
derem uoticia no dito sitio, ou na rua do Com-
mercio a. 13, serao generosamente gratiBcadas.
O abaixo assignado parliuipa a t dos os
seus freguezes que tem concertos e ob as novas,
como sejam : rodas, carros e carro;as, no seu es-
tabelecimento, dos quaes se aeham ejn divida,
que no prazo de 30 dias, se as nao vierem buscar,
as vendera para o producto dos concertos a que
estao sujeitas. Avisa mais que querendo acabar
com o dito estabelecimento, vende todas as par-
tengas de sua offlcina, por precos mui razoaveis:
os preteudentes podem dirigir-se a rua de Vida!
de Negreiros n. 150, outr'ora Cinco Pontas.
Jo?6 Antoqio de Fraga.
AO PUBLICO
O abaixo assignado pede a todos aquelies que
se julgarem seus credores, o obsequio dc apre-
senfarem suas contas ate o dia 15 do corrente
para sercm indemnisadas. Recife, 7 de abril de
1874.
Luis Pereira Goncalves da Cunha.
Aluga-se a casa terrea da rna Direita e.
95, propria para qualquer estabelecimento : a
tratar no consistorio da ordem 3' de S. Fran-
cisco.
Devedores.
Na Ponte Velha o armaiem n. 42."
fJia
Vicente fugio.
Na noite de 13 para 14 de raarjo do corrente
anno fugio o mulato Vicente, escravo, de 20 anoos
de idade, bonita figura, barba e esUtora regular,
levando vestlda e em am saco roupa de algodao
brarico e alguma m'ai fina pertem-ente a um cai-
xeiro da cas-'a d'oade fugio ; e natural da fregue-
sia de Sam'Anna do Mitos, diz ser livre, easado,
e ter sido crindo em companhia da madripha D
Anna Luiza da Luc, de quem alias foi escravo :
lo wi ryg^-se, pnrtanto^as senhores capitaes de campo
0 1,|!,l! i. auto: J" polWai"< a pnrehenuJ!' d-> di'.- es-
V do Recif,'. ma Jo
>cm)i> o. 10, a
i tale do Asu
- Precisa se alagar duas pi para vev..rjveira Baptistaj qua &
rua: na raa do CalfleirefW n. : J. f eados.
> ner> .-
Os proprieUrios da Confaitarta do Campos. I,
rua do Imperador n. 24, pedem aos seus devedorea
qoe tem sido remissos, o favor de virem pagar s us
debitos ate o dia 8 de abril proximo vindouros
avisam aos mesmos que se ate aquella daU nao e e
trverem saldos, venio seus noraes. neste jornas-
sem distin Quem pr^cisar de um homem easado para
alguma arrumacao, dirija-se a rua da I rempe n
37. ____________________
Pede-se ao Mm. Sr. Dr. chefe de policia
para que de" as suas convenieotes determiuacpes
a quem dd direito pertencer, para fazer cessar as
blasphemias que se apresentam na rua do Impe-
rador continuadamente de diae de noite, que nen
at familias podem ter o gozo de tomar tresco em
snas varaudas ; bem assim os donos de alftins es-
tabelecimentos nao podem esur com o seu cora-
cao desciucado, porque sio proVocados desde.ma-
nha ate depois de 9 horas da noite: por unto re
corre-se a autoridade coropelente, na qual ?e con-
fiando nasn aadminisiraclo, espera-seser afudido.
PennuU-se por um terreno ou sitio nos ar-
rebaldes desta cidade, duas peqaenas casas de
padra e cal sob ns. 22 e 24 a rua dos Pocos, fre
guezja de Afogado=, com duas salas edous quar-
tos cada uma, vinte palmos de largura sob cin-
coenta de fundo; a quem convier, trata-se narua
estreita do R >sari,> n. 17, l. 'n.lar.
,,,,onJ tl^^:BOlarti h sI fr
> dt ** Pede se ao -n L ^icuy) ^v. .^.^ae Cesai
*: tjratifi |dfl Meneze', profsssor rm Nac..<*th daCabo, c
obsequio de vir a rua do Livramtnton. 20
L_MS_i


" *sy '* ''
6
Dksato 4fc3taAmhftco:-- Sexta ifeira 10 dfc Abril d l&U.
I
rfii
PHOTOGRAPH1 A | 1 M FERIAL
LOPES & C.
ESTABELECWEMO DE PRBIEIRA OBfiEM
M d;> Barfti, da Victoria n. 14, sobrado
(ANTIGA RUA NOW -
Trabalhos premiados na ultima expoHicao
DO
RIO l)fi JANEIRO
Acha-se montsdo sob as mettores condifdB* de arte* e aberto &
concsrreucia publica, este estabelecimento, o primeiro, semdnvidt,
desta provjnria, no qual so tirara retratos pelos melbor. s e mais
modernos sjstemas, empregando-scsomento material de primeira
qual dade, e gurantindo so
Semelhanca, nitidez e dura^ao. "."**
TrabaJh'-se todos os dias uteis e de guarda, desde^ as 10 boras
da manha 6s qnatro da tarde, 'nao prejudicando o tempo de chttva
ou nnblado a perfeigao dos retratos.
Faz-se toda a qualidade de dopias, augmentando-as ou diraiauin-
do-as.
8$000
Uma duzia de retratos de uroa so pessoa, em carfoes para al-
bum.
Para os retratos esmaltados, colloridoa, grupos, e augroeBtadoe b'
uma tabeila de pregos.
Tram-se retratos ate tamanho natural.
NOITE
Na rua do
fallar ao
gacio de
I* andar.
n 3j
aria P|
(isa-se
a ne-
^
AH1
Na rua do
dc u
zrral
zinhaivW Mr-prar
prcci?a*sc de ama arm : n
0
de Amorim Irmaos
ngaltes de Amorim,
marao o. 3, precisa-se j
Bjflpi
ratreai
Precisa se de uma ama forra ou
qua safe* eefenmmar: a-tratafrii *ur
n. 7. ____
Mffi
0 Sr. Antonio Ribeiro Ponies, caixeiro a rua do
qua de lixia', queira v< I rua do Imperador
rava,
Ama
o de uroa atna para CpzlaKaf,
--.11 : a Iralar na rua do Hospir Rba
n. 70; cafia.terrea de botas anarelhuaaljfci J]^
I,
Aim
Precisa-se de uma ama qua saiha cozinhar bem,
para casa de familia : a traiar na rua do Ran gel
n. 8.
*
H, 4 %ef)|o df r**of titecesie, isto par te
I.? fle Marco n. 23
Ads 20:0M$000.
0 aliafxo rfssTgnadb' tern smipTe* ejfpbsto a ven
iaJulbeles da loldria do Rio, caja extracgao an-
anaciara pelos jornaes.
Precos.
Inleiro
Mcio
Ama tlf leite !
Fiuza.
Ama dp leite
Precisa-se de uma ama sem fllho : a rua do
Viseonde de Goyaapa a,429.
1>.T77,*iSHse de uma-awa
lia de quas pessoas : a.traiar
D. 1, 10J3.
Wf4 ca*a,4fjaa-
na rua do Cabuga
Ama de leite
Fugio o escravo Juvenal.
Foi trajando calga de brim listrsdo, camisa,
chila de riseado e chapeo de pallia de Italia. E'
de-cur panda, idade 12 annos, lera falla de um
dea;e na (rente e e bnstante paroleiro. Roga se a
apprehensao .!o mesmo, e conduzi-b a rua da
Crnz n. 3, ou Coude da Boa-Vista n. 51. para ser
grst:!ieado.
Il&ralo
Ajuga-so nm sitio perto \ pra^a, distante das
Citato's da Jayueira e Taraarineira einco minutos,
lendo a rasa 2 sal is, 4 qaarros, eozioha forae ca-
cimba eora b a agua de beber ; sendo o sitio todo
nraradu e com btstantes arvores de fructo : a tra-
tai- do arumem da rua do Imperador n. 16.
Aluga-se um sitio na Capunga, rua das Per-
BambncMKu n. ti6, contend) 3 salas, 10 quartos,
ira, 2 cacimbas, casa para banho, com di-
> irvoro'os. sendo a maior parts laranpeiras
de Bitblgo, sapolas e abacates : a tratarna rua do
i de Olmda n. 62.
!' 'pareeeu dailha.de Itamarara
rwle o es.;ravo d> nome Antonio,
niea ahaixo assign do, com os sign
no dia
perten-
ignaes se-
%i, men : altora pouco menos qu regular, cor
i i-.tade 22 annos, tern um ifcs dedos de uma
nm meia.iedo menos : quern o p.-trar din
i iiiia de llamaraca, que sera btni recoiu-

fomlcisco Tlteodoro de Macedo.
a Oij rapta de Luna Prmre, profeisora da
:deir,i dobairro do fl.ciiV, tcndo reassu-
cerdcio, acha-se com saa aula aberta na
1 igario n. 21 2* andar
Apolices.
n tern-se quotro 'poH< es da ilivida p-o-
; fju-;n"i pretender comprar annuncio
noorada, para ser prccurado.
C -lacdo aos abaixo. assignado achar-se nes-
u pr."c-i i Sr. Mann'l Fernandes de (]arval!io,ren-
- engenhos Rarra o Pregui^a, em Ma-
mangnape, provincia da Parabyba, veem rogar ao
mesmo o obziqaio de vir entender-se com os
>baixo assignados inimedia.tami'nte sobre negocio
'3 referidos engenhos. Rua do Amorim
M, escriplorio.
Tasso Irmaos & (1
HDRT1HENT0
l\ E D ICIN A
Preparado pot
l.anmaa & kenid
para thi oi wa
loda a qualidadc-
de doengas, quer
seja na garganta,
peito ou bofes.
Expressamentt
escolhidodosme-
Ihoresfigadosdos
quaes se extraht
o oleo no banco
da Terra Nova
purificadochimi-
,calmente, e suas
faluawaspropri-
'edades conserva-
das com todo o
cuidado,eratod<"
o frasco se garan-
teperfeitamen-
' te puro.
Este oleo tem
si do submettido
aumexamemui-
to severo, pelo
cbimico de mais
taletito, do go-
verno bespanbol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MAIOR PORCAO D'lODINA
a qiio outro qualquer oleo, que elle tem
fiamin-ado
IODI.NO E UMPODEllSALVA-DOR.
tm todo o oleo de figado de bacalhao, e na-
qnelle no qual contem a maior por^So desta
inyaluavel nropriedade, e o unice meio pan
wrar todas as duencas de
GARGANTA, PEITO, BOFES, FIGADO,
Phtysica, bronchistes, asthma, catharrho,
tosso, resfriamentos, etc.
Uns poucos francos di carnea aomuito
:oagro que seja, clarfa a vista, e da'vigflr
a lodo :.' corpo. Nenhum oatro artigo co-
.-jhecido na niedidna ou scieocia, d& tanto
jtatimento ao systema c incommodando quaa
nada o estornago.
As pesso'is cuja organisa^So tem sido dcs-
iiatda pelfts fTe^5esdas
E.si.tUH i'-i.X6 0!J RHEUMATISMO
e todas aquollac, cujafligesUo se a6ha com-
fletameute desarranjada, devcra tomar
OOLEO- DEF1GAD0 DE BACALHAO
Mr
LANAAN &KEMP
Na rua do Barao da Vi^ori i n. 36, precisa-se
fallar ao Sr. vigario Andre'Corcifiode Araujo Po-
reira, a negoeio de en tnteressa.
Atlengao
Precisa-se alugar unua casa terraa, grande,
quo tenha, aleoa de suflicientes commodos
para familia, tambem teaha quintal ou pe-
queno sitio murado com cacimba, qqe seja
no bairro da Boa-vista, e perto da 1inha dos
bonds. Tambem serve uma casa terrea,
grarule ou um pequeno sitio nas mesmas
condiQdes acima; pore"m que seja nas imme-
dia0fs da esttada de Olinda aid a Encru-
ziihada.
Quem pois tiver o quizer alugar, deixe
carta fecaada com a iniciai W. no escrpi-
lorio desta typograpbia.
Precisa-se de uma ama sem filho, prefere se es-
crava : a iratar na Capunga, rua das Pernambu-
canas n. 62.
Atyiq Precisa-se de umi ama pari
**"<*--emd'iMaiemoitein> : a!
paiaodaPonhaa.,8. ,, .
AM-
-ii
Mill
isco MnlM| Meg, *visa ,ios Srs. capi
taes de campo, que Bo~flJ r de fltareo proximo
passado desappreceu "9tftmfi&o Gapivara, sea
escravo de nome CdnT5fo;s^W de idade, tenio unu^das pern5 ioc^ada, p>-ove-
le teUasjUM' tem aa mesoi-. perna, tem
dflnes 'm^reirrejriaria chato, e arha'araa-
cWfttil!ta*Wflr: ab|'fcrj o appretoeritor pcdera leM-lo ao ascriptorio do Sr.
Leal A4fmw, aoBd* eeriracerapeasalo.
ATTENCAO.
para aaiisfagao da varias
Igaora o grao de paremesco
4ao tem c*i ig,' Clhos do Sr. Carralho Varj*o, e
Na rua de Hortas n. 2, 1- andar,
compre, seodo que aerade .paea-se
generosamcnle.
se l^m-aenQumi censu-a lbe cabe pelos actos
pralicroos por'ajdelles seahdres, c<
N
prec^
leite, assim co
Amas
sec
s el
ec;
nhar
TOOQ
i*uj dVPidro AflbSs5t?2,5J
de uma qua saiba co
erngomnja/- 'cqip([
fiogaiatalcasa /Oefi^i pfefJn*1
iyi '
Precisa-se de uma ama qa4
Esta encoura^ado !! !
Agua mole ci^iieilra dnra fui
Tanto da ate que a rura
Roga-seao riim; Sr:''{giWCio Vieirtf'-^''Mel J--'
4Scrivao:aa cidade de-'Naiareth desta proviBcta,'
favor de vir a ma Daque de Gaxiaa n. 38, a ^op-
liluir.aquelle aegocio que S. S. se compromeiieua
reah'sar,' "' ---- ---'-u-.a-r:
contra os quaes
rotesta o mesmo abaixo asdsaado.
Jodgifm [Afcillo.de.SiqueiraTanjdo.
Escravo fugjdo
Aoseplou-ie nodii 20 de /eycieirn p-oxim
ou-e
i*ia)
io e J-an-
pawroA assignado,
o escravo IBtevSo, com os signaes s?gulntes : c6r
pteta/idaa'eTde 2yani>)s,r alfci espailaiiilo, e eor-
palentdjtinlo o p/Mflp dufto p ft>*pt e a ca-
beca am tap to chata,' Ditf> scpaVo e.:natural da
froviacia da Parabyba do Norte. foi vrulido em
868 na villa do lnga, pelo Sr. Pedro Antonio da
Co"
lil
cJ
pado. Presume-se que dito escravo Vi:.'i\ spgui-
tjo paA u,t pruvincia .natal, n.^.-i- n-is' as
auttrnaiti 'policies e capifie- d <..!;:;. i a ap-
prehensao de dito escravo, graHieanlo o abaixo
asaigaado'a queni o agamr e apiesenlak) narua
da Drum n. 96.
Recife, II de,marco.-de 1874.
ao Sr. afefw Vfiaei da Agum;
que no meJHiffaono o trouxe' par.' <-sia pra-
Recife,' vendeiido o eulau ao \<.\ assig

Francisco Ribeiro Pinto GulmarSes.J
CttlADO
Precisa-se de um p3ra toflo o service de casa de
pela tcreeira" cha'mada'' ^elta"jorria'I~erD jfoaca familia, prefere se que cntenda de jardim :
Na rua do Imperador n. 57, loja, preciSa-se
alugar um escravo.de boa conducta que se presle
ao servieo de ama casa de pouca familia.
3^5^j 5K$?<)!aBl
Bnsde derembro de 1871, e depois para'janerrty,
passou a fevereiro e abril de 1872, e nada cumprio;
a por este motivo eV.de novo charoado para dile
bm, pois S. S. se deve Jembrar.qu&esta aegoatp
de mais de oito ani!6s, e quando o Sr. sea tlltto sf
achava nesta eidad*.
tratase ta rua do Passeio n. 60.
5 C#nsiHirio jncdroclrurwico 5
A ; %
ft A. B. da Silva Maia. m
0 Rua do Viseonde de Albuquerrrae n.
g. II, outr'ora rua da matriz- da Boa-Vista JT
7 n. H. g
tf Cliamados : a quaiquer hora.
a ConaBttM Aos pofcres gratis, das-2 as
.j 4 horas da tarde.
5
%
*
m
(ializa.
Carvlbo dc Nogucira, na rua do Apollo
n. 20, saccam sobre as seguintes cidades da
(ializa. na Hespnnha: Santiago, Orense,
Patron, Ferrol, Ponte-vedra eCoruna, qual-
quer quantia A vista e por todos os paque-
des.
Nao se prcslando o pequeno espaco do armarem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para am abaste-
cido deposito das diversas marcas de futno, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro estabelecimento sob a rnesraa
denominagao de
Armazem do liimo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporgoes desejadas, e onde poje-
rio os senhore3 fregaews dirigir-se, cerlos de
que, como ale" aqui, ac'iarao sempre a par aa-rao-
die'dade dos precos, a maior sinceridade'possivej.
Enlre as differentes marcas de fumo da Babia e
Itio de Janeiro, que tem sido annunciadas, acaha
de chegar uma encommenda especial, e que muito
deve convir aos senhores freguezes. Coqsciente o
aba xo assignado de que neste genero de negocio
nao csta sem competidores, fara muito por evitar
qnc tambem ot tenha com relacao ao pequano lu-
cro que procurara obter da dita mercadoria.
Josd Douiinguei-do Carmo e Silva.
1:000*000
Da-se a juros sobre liypotheca a quantia de
1:01)0^000 : quem precisar. deixe carta fechada
nesta lypographia com as inioiaes P. F. D.-
Engommadeira.
Paga-se SOfOOO menaaes a uma esorava para
'er erapregada unicamente em engomnudo, era
casa de pequena familia : antes da igreja do Man-
gainba sitio n. 2, de murociazaato, eomporiaae
gradim de ferro.
Empreza do gaz
A empreza do gaz tem. a bonra de annunciar ao,
publico que recebeu' nllimamente um esplendido
sortimenio de lustres de vidrOj candieir. ?, arati-"
delas e globos, cuja^'anioSlraa' cstlo no eserip>orio
a rua do Imperador m. 3l, e serlb vendidof Ids
seus freguezes prlopreoo maigrazeavel possivel.
Ricas bandeijas
Para asanwatus; bailes e bapti*ado.
Queaa quizer obter nma bandeij?. ricamente en-
feitada; dirlja-sc a Confeitnria do Campus
Ja awndando ou imlo' encoaimendar, ]a com-'l
prando alii todos os enfeltcs, censtando do seguin-
te :
Bolos linos para enfeftar.
Doces aaborosissimo3 para enfeitar.
Fignras allegoric.-s para enfeitar.
Papeis arrendados para jnleiiar.
Bouquets para noivos.
Alii
Kncontra sc sempre o seguinte :
Fiambres inglezes.
Budins
Bolos
Paes de 16 tin03.
Fatias de dito para parturieates.
Pasteis em profusSo.
Filhos (sonhos de mnlvtna).
Doces em cakln, raladoe socco.
Bolachinhas (Sugar-Waffers vaniUa^-anca-dictas.
Gulea de wiuotn, dMiBfectada.
Ameodoa*, confeitos, etc.
Cha verdadeiro das Caravanas.
CaK de Java fverd deiro).
Tniic isto uai
CONFEITARIA l>0 CAMPOS.
iw p 111 nil in ii 1 iii 1 iiumjii m m in 11 im
ioaquiin Alexandria Luduvina
Duarte Antunes, muiti gra
ta esta para com aquellas
aessoas que aeornpanha-
ramiao ceraiterio publico 0
enterro deseu finado mari
do Joaquim Jos6 Antunees,
ainda pede para que assistam a rais.-a do 7 dia.
a qual tera lugar sexta-feira 10 do corrente, na
capella.de Saato Antonio, em Beberibe de Baixo,
pelas 7 hor.is da manh.i, sendo eternamente grata
por este acto de caiidadn e relieiao.
SAQUES
Carvalho ANogBeira, na rua do Apollo
c J' 20; accam sobre Banco Commercial
de Vianna -e suas ageneias em todas as ei-
dades e villas de Portugal, & vista 0 a praao
por todos os paquetes.
11 11
m-m
%
na rua do
Compra-se um portSo de ferro
angel n. 62. _________________________.
AVISO
Precisa-se comprar dous escravos, pedreiro e
carapina, paga se bem : a tratar na thesonraria
das lotenas, a rna Primeiro de Marco n. 6.
Compra-se uma ca mo precisaadir algum reparo, que tenha 2 salas
e2 quartos: a tratar ua rua do Brum n. 71,
casa em que se faz carrocas.
A
PAZBNM8 BAMW8
'iMo
.
itrtoflSSf CHI A V;A<
uuii idfc eav. .Ifilq-
1 1 B t ?.: :4 afoq i-#>tJ\
Bua da bnperati^^^
...;

fara urjd
GROSDENAPLES PRETO A'llftOO.^WOOT C^fS*"*
25500.
!||5
lie crand
0 Pavao venie grandesortimento de gVoV
denaples preto de para Seda, I 10200",
1^800, 2O000 e a^oOO 0 covado, tendo
tambem do mats largo e mais encorpado qoe
costuma a vir ao mctc'ado, e vende por pfe-
50 em conta.
GranadiiMi preta m SOO rs. e
covnilo.
0 PavJo TOftdcgranadina preta e lavrada
pelo barato prcQO de. SOO rs. 0 covado.
GBALES' IRETO DB OUUHftlE A 4000.
0 Pav3o vende chales de tres pontas, sen-
do de guipure ver"dadeiro, pelo barato pre-
qo de 40000 cada um.
. :--
iladapoljlo enfestado a.30OOO
a peca.
0 Pavao vende pegas de madapolao en-
festado, pelo barato prero de 35000 a peca.
Ditas sem ser eo'fatado, cem 20 ptrdas, a
50000. Ditas com 24 jardas maito boa
fmenda, a 60060, -660f>e 7|00. .
ALPACAS PRfitAS A 500, GiO E 800 RS.
0 Pavao teiil um grande ^sortimento de
alpaeas pretas, que veiidoa 500, 040 e 800
r. o covado, assim cOmo graodd sorti-
mento de cantfles, bombazinas, princezas
pretas, merin6s, e outras muitas fazendas
proprias para hi to. 1
LAZ NHAS DE ORES A280,320 E AOORS
0 Pavao vende boaitas) fazinhas de cores
para vestidos, a 280, 320e'40O*rs. ocov
vado tendo ate a lodOO, sendo das1 mais lin-
das que tem vindo ao mercado, assim como
gfanadinas de seda com osmais delicados
padrdes, a 40 rs. 0 covado.
Scdlnuas a IrttOO.
0 Pavao vende sedas com listriahas de
cores a 10600 0 covado. Ditas com pal-
rrrinhas a 20000. Ditas com toque da mofd
a 10000 e 15500.
CAMBRAIA VICTORIA A 4000O, 40500,
08000 E 70000.
0 Pav5o vonde um-grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos precos
de 40000, -4050", 50000, 69000 6 7^000
a pega. assim como. ditas de salpico bran-
co, a 7)5000, c peshincha.
&s
too itwaaJimiww
mt*bmn**>om, woo-
35000 E 3f500.
Ie um bohllo so'rlimento de
20000'e^oooo. Ditas corq pejto de ltnh'o
de 30600 a 6J5000. Ditas bordadas muito
firras' de jy&tHO a lOOOO'O: assim coino
grandq sortimento de ceroulapde lrairo e.de
algodao,- por precos baratos, e tambem tem
complete sortiraento de puatios e eotlaVinbos
tanto delinho como de algodao, por pregos
EspartltKos 3$&M; 4ofll& e
0 Pavao vende um bonito sortimento de
esp.irtilhos modernos a 305*00, 4^000 e
50000, assim come um borritof sortimento
desaias brancas, bordadas, attOOOO e69000,
aditaa^las^a de 0*** W<* : 6 Fe-
chine
COAtin
JANE
OJff
ROorti
janellas, pefo
BOMUMSVfARA CAMA E
DE mkiW 250000 0 PAR
ide um grande sortimento de
dados, proprfof para cam a t
larato prego de 70000,8J000,
105000 ate 250O007 "assim como: colxas
de darriiscd de 1a muito fina de 109000
a uinB [ JB
de djfrd|scqft
120fboca4a
BRAMAiNTES kK 10800, 20000 E 20500.
0 Payao-vende bramantes para lenooes,
teiide tO ipahtiOs algodaa a 40800 e 38000 a-yara, e de linho
a-'20i00>'20^0t)e30900aara: e peehin-
cflaf / A
CASEMR/!'- A 59000, 69000 E 79000.
0 Pa'v&rvemlB Cortes de casemiras1 para
ealgasy seod^padrtSes-modernos, pelo bara-
to preco de 50000, 60000 e 7000 o edrte,
assim como : pannos prctos dos melhore*
qae te"m vindo ao mercado, de 40000,60 e
409000.
ROl!I1A!FI?ITA.
O Pavao vende unia grande per30' da
roupa feita, sendo : palitots, l'rakes de caT
somiFa preta e de cores, assrm como : fihis-
simos sobrecasacos de-panno preto, e.cal-
gas de casemira preta e.de brira branco,,col-
letes d- toda: as-qnalidadea, por- pregos
muito commodos, por qnerer acabfer. com
toda a roupa'qtre tem em casa.
Acha-se constantemente aberto 0 estabelecimen'o do PAVAO,' dasfi-horas da manhS
9 de noite.
Compra-se nma casa
rua do Brum n. 57.
ate 90O : a traiar a
Compra-se um methodo- de arithmetica de
Ottoni, aaxua doltosario estraita.n. 17, 1.- andar.
FW
PEGHINCBA.
Saj)atoa,de de tanete.avelludados para homens e
senjwraaa is a 1*200 cada. par : na ruj Dame
de de Caxias n. lil.
FAZENDAS
baratas.
Las com lislras, padroes de gosto, a 2c0 rs. o-
covado.
Metins padroes de gosto a 280 e 320 rs.
Leneos brancos de linho a 3*300 a diuia.
Ditos de cassa, com barra de cores a li e
1*286.
Casemira em corte a 4*400 0 corte. '
Pega de algodao a 2*51)0.
Na praga da Independencia n. 2, loja de Fran-
cisco de Lima Coatmha.
l)ao-se amostras com penhor.
SABAO DO RIO DE JANEIRO a 200 rs. 0 kilo, no armazem da rua do-Amorim n. 41.
de Jose Domingues do Carmo e Silva.
GAZA 50000 a lata, no armazem da rua do Amorim n. 41, de Jose\ Domiugues do
Cirmo e Silva.
YIN'IIO MUSCATEL de uva branca, pura, do custo de 230600, no armazem da rua do
Amorim n. 41, de Jose Domingues do Carmo e Siva.
,T
\L
VER
que
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordao, e^ 0 mais largo
vem ao mercado, e qae so vende pelos dirainatos
precos de 2*200, 2*800, 3*200 e 3*500.
SO' NA BUA DO CRESPO N.- 20, LOJA DAS
TRES PORTAS DE
Gutflierme & C.
Junto a loja da csquina
Nao ha mais cabellos
branees.
Allencao.
Precisa se de ama senhora qoe esteja babilitada
Eara ensinar 0 portuguez, francez, piano, costuras,
erdados, etc., etc., e que queira .ir para um en-
genho perto de uma das estacSes do Recife a S.
Francisco, para ensinar a umas meninas qae ja
estao principiadas, paga-se l-.OOO^l, e graUflca-se
gradaando : a tratar na> Cjboq Pentas n. 88.
Aluga-se a sala da frenU do andar do so-
brado n. 61, arua Duqne de Caxlag: a tratar aa
mesna.
Jose Antonio ile Castro Porto
Manoel Albino de Amorim e sua mulher Umbe-
lina Rosa de Amorim, tendo recebido a DOtieia de
ter (allecido em Portugal, seu prezado irmio.e cu-
nhado Jose Antonio. de Castro Porto, coaidajn
ao3 seas parenles e amigos e do faflccido, para
assistirem a aliumas misaas, qi|c^ por sua alma
mandam celebrar no dia U'do corrente, na igreja
de S. Francisco, pelas 7 horas di manha; pelo
que desde ja s.- confessagi fumntfpejrte gratos.
Miguel J-i>6 Alves convldaa? pessoas de sua
amizade e relates, e as do finado commerciante
da praga do Rio Gaade Cunha, para que se dignem assistir as missas que
pelo descango elerno d'alma do meuu JaJkcidi) sa
hao de celebrar na igreja do cob van to do; S.. Fran-
cisco, as 7 1|2 hora3 da man^a de sabbado, it do
oorrenw, Hgwiroo -wW'fto-s^n pa^sam^nto : g nor
este caridoso obs
agradecimentos
eijuij lhes anie;ipa
seus cordiaes
SMSaDEBLaiiCH-
DO D01IT0I fclLtlAH KOHTH
r rUtulr pro^..it. MtvaWlkM
. A SUA COR P.R1MITIVA
NEaGtNE,0? NORTH
-
Affiioso de Albnquerque Mk
incumbe-se de promovcr eobraBW8 anjigavel;
ou jadicialmente, assim coiik) de onttos Bgw
concernentes a sua prolissao, aos lugares proxi-
mos a liuba ferrejy a aos outros termes prpairapa"
a esta cidade; para cujo- aaxiMo (era 0 fciaBtt-
ciaute sulicitaJorcs habilitados e proboe, respoo
sabilisando-se no entaoto pela boa do que lbe for cpafiado.
Mediante modico hoaorario acode aoa chmadps
paia diligeacias 00 coasottas fora da daade e do
termo e incumbe-se da defexa de appfellwdes ante
0 tribunal da rela^o. Fade *er prooprado de
meio dia as 3 horas da tarde em sea eicriptorio
rna do Dtiqoe de Caxfas b. 37.
kau mn Hi*vii r?rro
A 9MuCQR PWMITIVA
"~rF4au-----
DpO]tom
I
-^^wasafegaat^
E' barato.
Chapiios de castor preios a 2* e 1*500: aa pra:
ca da Independencia 11. 2, loja de Francisco de
Liaia Cf;u6nbo.___________
F^frello novo e ~~
Milho pequeno
Da melhor qualidade no armazem de farinha
e trigo do Tasso Irmaos < C na prara do caes
fc____________________________________t ; ,. '
Sedas a 1$500.
a
Venitise hanitas ectfas de liodas .cores pelo
baratissimo prego de **500 0 covado ; veohara a
" i| antes que ^e arabem, na rua do Duque de
"as rf. 8^,foja'de Demetrio Rastos.
ama casa na
lercio, por p
Irmi^s i^G
de Barieiros, na rna do Com-
90 modica: ateatar com Tasio
J^^Sk
^.GRAOS DE SAUDE
*4odoutorrwaab
r-0t imihn *m*u
otil dos purfMles ctn-
CaospuMui
io*. Km _
an t\ ?<>(<;
existent'ea*e .m-
.,.lfBifat<..
0 Weiro, aqui junto,
TIHTUBaRIA JAP0NEZ4.
S6 e nnicaapprovada. pelas academias de.
A Nova hsperanga, a rua Jinque de Caxias n.,63.
apress9-s em eonvidar a seus fregucaes. com es-
pecialidade ao hello ssxo a vireai. apreoiar os se-
guintes arttgos expostos a venda e todos por pregoi
commodos, coma sejam:
- FINAS BONECAS mnsa e choronas.
DONITAS E ENGRACADAS vistas para stcrios-
copios.
COMMOOAS LATAS para guardar eha.
ELEGANTES ROLSAS paraseoheras e meninas
BONITOS VASOS com.fina banbae cheirosos
extractos, trazeado cada frasco am a*aie, uma ini-
ciai ou am distlco.
FINAS MEIAS Dfi SEDA, vindo entre ellas cor
de carne.
Para quem goslar.
A' Nova. Esperanca a rua Duque de Caxias n.
63, aeaba de receber tentos e caixas para 0 jogo de
Voltaratle.
Para qyeiii si ffre das pernas.
A Nova Esperanca, a rua Duque "de Caxias i
sciencias, reconhecwa superior a toda qae,63, acaba de receler as procuradas meias de bor-
tem apparecido &t6 hoie. Deposito princi- racha para quem soffre das pernas.
pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar- FLORES ARTIFICIAES
quez de Olinda, n. 61, 1 andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
r6iro.
Chapes papa sonfeora.'
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n.
7 a, recebeu pelo ultimo paqaata, am rico sorti-
mento de cbapeos para senhora, ultima moda e
venda por prego commodo.
Wilson Rowe & C vendem no sea armazem
a rua de Coiamercio a. 14 ;
0-verdade4ra paano de algodao azul amencano.
Excellente fio de vela.
Cognac de qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Padra de todas as qnalidadea.
Antes que seacaiiem.
Vende-se la de lindos padroe3 a -500 rs. 0 cova-
do : na rua do Crespo a. 26 A, loja da esqaina ;
dao se amoelras.
Enxameis. travei o madeira
serrada
Vendese no armazem de madeiras do caes
do Ramos a. 34, mais bario qae em outra qnal-
" parte, de todas as. dimensoea e qoalidadee.
quer
negocio.
Vende se ou_arren;'a-se 0 grande predio
de'nhi^in^.e^'sotSo., "iilo na, rua do BispoJ
Sardinha, proximo da igreja ,d* Misericordia,
na cidade do .Olinda, tendo duas toas salas
do frente. ujn salSo 0 sotip, seis- quartos
espagoWd $4)4 |4[ quintal todo cercado de novo, e com diver-
s^arvoredes, uma baa fonte d'agua, e
te*nde*ii cansfisado.. Acfiando se prepara-J primeiro andar, acaba de reeeber am completo
doCoifltbd"^ bs moveis'indispehsavtis a ^rimenJ^calgdoiestraageirosparahoraem e
uma-grandeiarjilia. serd asaitn^ido .u 'l^ffS^VS^^^1T^
s-m os lOOAfifr^U&JaJWSMi tyAgraphia oriangas, qae tudo vanda par pracoastazoaveis.
ou na ruaVlf UffJb$i. Itf.sabladoSatraz do
CALCADO
estrangeiro.
-ari& n'America, k rua Du-
que de Caxias n 58
A Nova Esperanga, a rua Duque de Caxias
63, acaba de receber um lindo e completo sorti-
! mento de Qores artificiaes das melhores que tem
vindo ao mercado
A ellas antes qae se acahem.
Costumes para crjanca.
A Nota Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber bomtos costume¶ crianga
e esta se vendendo por precos razoaveis.
A Nova Esperanga, a rua Dnqnaxle Caxias n.
63. reeba um.pequeao sorlinaeW.49.aoej e
puiseiras electrioaa, proprias para que.m, soffre dos
nervos.

s.
so
pacp, da assemblda,
- i .-------------1, .I, -i
J_
Chaiiutea e*cigaros
Vaiidetsftffiea^iikfcftMarzeiy.GBaWle, litqado doe maifinqs e4a melfcores nkareas, do Rio de
naircaxoada-lGyBn*j(' ciMMlvicapHtats p*raj u*wr cam #jav boat dbAtnorkon, 4l,de io^ ftwguei do Carmo e
lpbicet,^oh,-!hW ,vari| part -caaas, elo..S"a-
(jTambem se "vendera'a safra, anlmaese 6 etcrvos.j.
engenho, e para
jra Simoes.
da ribeira
Uat bpi gordo e maaso,
roga,; qaam a, p.nataader,
Mores
lores n. 8.
aeoateaada am oar-
diri^MM a rna di
A' rua da Orespa
Loja das 3 portas
_ LAZINUAS
Ciiegou esufaaeo**, com padroes imeiraateate
BOvosre qne se*Veade" pplff diminnto prego de 200
rs. o covado : isto por Ter grande qnaatidade.
SO'.iNA RUAinp CRSSIO N. 20
Lojtde
Guilherrae & 0;; jkalo a loja^
______Q%, eSAqnina______
Vende-se um sobrado umde- aoiar e sotao
oa.rua das AgaaiVerj46 n. Xk.\ a traiar a rua
cl/j Imperador a- encadernacap, oa na rua
Direita n. 81, 1." andar.
Cortes d castairaa^VOOOo corve e paebibeba.
Cbitas claras a 240 rs. o covado a
Madapolao fino a 4*800 a peca
S6 o n. 20 da rua do Crespo, loj
Ie Gailherme-* G;
s
a
oja das 3 portas
junto!**raja da-esqaina.
Gaza5#5Q0 a lata
iom 15 garrafas, do melhar e da mais acrediuda
marca da Henry Forster feC* garantido |r^uM>
lade e a quantidada d*. Uqaido eompleio ;e a*,
mazem de Jose DomiafBes iaCaime e %5\va'
rna do Amorim a. 41. ^
1
7
I
J
4 >


^*SS^*Bp%#*
" *
Diaiae de: Pfcsnambuco Sexta feira 10- do_brii de* 1644
s

>
A' ma do CaUiifjit n. 1 A.
Os proprietaries da Predilecta, no ihtuito d
conseror o bonr c_catkr qne-t^mmerecM^' _
respeitavel pabWeo, dfenagitiod* o sea etttbekci-
mento dca maia oue legoola* no mtsrae geuei*
veem scieulificar aos seas bans freguezes qne pre-
veniram aos seas eorrespondentes nas diverse pr-
cas tfEuropa para Ibes enviarem por todos osp*.
quetes- os objectos do luxo bow gesto, qM bs>
jam mais bem aceitos pelas sociedades. elegante
daquelles paiaes, visto apioxhnar se o tempo de
testa, em que a bello sexo desta litida veneza
mais ostentaarlqueza de* soas terHHtes; e co-
mo ja recebcsaem pels paquete francez divmo
artigos da oHima moda, veem paientear alguas
d'entre elles quo se tornatn. mais reeummendareh,
esperando do respeitavel publico a costumada
coocorreBcia.
Aderecp9 de tartawga os mais lmdos qcc teem
vindo *o meccado.
Albuis com ricas capas de madrepero'-a e d*
vellndo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
os
Adereoos oomptetos de borraeha ptvprios para
tato, tarn bem se modern meios adereoos muito bo-
ratos.
Botoes de sefen preto e de cores para ornato de
vestidos dB sedhora ; tambem teal para oollete
pal i tot.
Botaas para sen boras, exist* vrt bello soitimea-
to de seda, de palha, da chagrm. etc., etc, por
barato preoo.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de 1oqc
como de otra, de borraeha c do roassa ; chama-
mos a aitencao da.s Exmas. Sras. para este artig*,
pois-as vezes tornara-ve as cria.icas um pouco im-
peninentes por falla de am ehieclo que as ra-
tretentwm.
Camisas de linho Rsas e com peitos bordades
para bomem, venJem-so por preco commode.
Coroulaa de knuo e de algedac, de diversos {re-
cos.
Cshmbas com musica, o que ha de mms ltedo,
co_ disticos nas lawpas-e proprios para pMsen:
tea.
Coques os mais modspnos e de diversos 4srma-
los.
Chapeos para senfebjR.Steceberam um -sortimento
da ultima moda, laeto pava senhura,-coma para
meninas.
Capelias simples* com veo para norves.
Caicas bordadasftara meninas.
Eutremeios estsmpados e bordados, >de Undo*
-desenhos.
Bscovas electrkwe pan dentesv tern a proprie-
dade de evitar a csirie dDs denies.
Franjas de seda pretas e de cores, exute am
grande sortirnento de dfvercas largoras e barato
preco.
Fitas de aariXsAa g~rgurao,de teXm e de cba-
!?, de diverts larguras e bontlas eores.
Facbas de gotgurao muito lindas.
Fibres artificiaes. A Predilecta .prima em con-
ervar sempre uia beHo e grande-sorrimento des-
as flores, dm ss para enfeite da*c_ellaa, como
tambem para ornato de vestido de--aoivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pre-
403 e de diversas cores.
Gravatas de-seda para homem e senboras.
\j3$oi ie cafflaraia e do seda lie diversas corse
para seanora.
Ligas de sk de cores e branccs bordadas pare
noiva.
Livros pana -onvSr missa, cctt'eapas de madpe-
perola, arfi, os-o e vellud*, ^'.udo que ha da
bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar osxa-
bellos ; teem ttmbem para tirar caspas.
Port bouquet. Um bello sortiir.ento de madrs-
perola, martim, osso e donrados por barato prsco.
Perfumarias. Neste artigo estaa Predilecta bm
provida, nao -6 em extractos,-como em oleos e
banhas dos me'hores adores, dos mais afamados
Tabricantes, Loabin, Piver, Soeiedade Hygienica,
Coadray, Gosuel e'Rimel ; sao mdispeasaveispara
a festa.
Saias bordadas para senbora, por commode
prego.
Sapatichos de la e de setim bordados,para bap-
jisados.
Tapetes. Recebea a Predilecta um bocito sorti-
mento de diversos tamanhos, unto para sofa co-
mo para entrada de salas.
Vestimentas:para, baptisadoo que ha de melhor
gosto e os mais moderno s reeebeu a Predilecta
de or ar. to preco, para near ao alcanca
qualquer bolsa.
Rua 4.o Cabugdn. 1
Batatas n !%as a 40 rois a Hca
R'ua da Imperatria q. 7'2'
in:
res ma
MENDES GUIMABAES fc IMOS
Acaba-. d. receber uin. granUa sortimeu'o <1, fazciil^i nritis, par* qpftr
COMO SKJAAL:
800 0
w
:0
GROSBERAPLE PRETO A 1$80.
Veude-se grosdeoaple preto para vestido
de senhoras, a 1^860, 2J>; 38>, 4ft e 55 o
covado.
pximo- preto a anto,
Vende-se panno preto de duas larguras,
para cal^as paliWts, a 28800, 3?, S^MiOO,
i 49, a WWH'O o covado.
CORTCS OC CASEMtRAPRKTA \ 550DO.
I Vende-se cortes do casernira prcla para
, cal^as, W, 69, 79 e 8$0i>0 o coi te.
MEKIKO" PRETO A 2*8.
Veadese merino preto- fmo, a 2^300 c
3JS000 o covado.
BOMBAZ NA PRETAI A 19S0O.
Vende-se bombai na preta enfestada, a
19500, 19800 e 29000 o covado.
ALPACA PRETA A BOO RS.
Vende-se alpaca preta ina, a 500, 640,
900 rs. e 19000 o covado,
FA2ENDAS I)E CORES E CAflWR'AIA
BRANCA A 390tO.
Vende-se peens de cambraia brctica-trans-
parente a 39, 49, B9 69090, ditm-de cam-
braia tapsda, Vie*toria, a 39, 39800, 49
e 55000,
CORTINAD03 PARA CAMA- A 1*69000.
Vende se cortinados bordados para caiwa,
a 169. 209, 259 e 309000'.
CAWBR JA OE CORES A 300 RS,
Veade-se camhraia de cores fin as, mreda9,
a 80", 320-e-960 rs. 0 covarto
CHITAS LARGAS A 200 RS.
1Pende-?e cbkas targas |ara vestidos, a
2*0, 820'e 300 rs. 0 eovedo.
BRAMANTE A 49600.
Ve!*de*se 'bramante cem 10 palmos de-
Iwrgo a 19600, 158C-0 e 295C0 0 metro.
StADAPOLAO A 39000.
V*ende*se pegaa de madapoido enfest
a 39000. Dito ingteE a 49500, 89 ado
1-53500, 69*00, 79000 e 89000 a .pessa.
CORTINADOS PARA 4WNREL4S A 89000,
Vende-se 0 par de cortinados bordados.
para jandHas, a 89 e 1090i 0 o,par.
ALGOO.%0 A 49000.
Vende-se pecs dc-algodSo, a 4(5, 59 e
cjoeo.
CEROURAS A 19O0O.
Vende-se ceroolas de algodao, a 19000,
ditas'finss de bramante a 19500 e 29 cada
nma.
CAMISAS BRAJVCAS A 29600.
Vende-se camisas brancas finas, a 29,
29500, 39 e 49000.
BRitNS DE CORES A 400 KS.
Vende-se brins de cores para cal^as, a 400,
e 500 rs. o covadn.
CHA ES A 800 RS.
Vende se chales de U a 800 rs., chalesde
merin6 de cores, a 29, 39, 49 e 59000.
GOLCHAS DE-CORES A 29000.
Vende-se colclias de cores para cima, a
29,39500 e 49000.
CHITAS DE CORES A 360 RS.
Vende-se chitas finas de cores, a 360 e 400
rs. 0 covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS.
Vende-se ajpaeas fiaas de cores, a 500,
640 e 890 rs. o covado.
TAPETES A 49500.
Vende-se tapetes para salas, de diversos
tamanhos, a 49500, 59, 69 e 835800 cada
um.
Macarrao a 32C a. libra.
Talharim a 32*.' a dita.
Aletria a 320 a c"ita.
E todos os may gencros *c vendem n'ais -ba-
ratos do qne em outra p3rtc, no paleo da Ri-
beira n 02 A. junt.) a tnitica._____________
Fazendas e roupas muito fea-.
ratafi
Na loja de J. Porto, a rna N'^va n. li, troca-ec
por cobre ou mesmo por sedulas, boas fazendas-e
: oapas fcitas sem se vender inuit.i.
Camisas de eretonc
as mais modernas oue tern vindoao mercadn, sen-
do lisas e com listras, e ne*e vende a 40^000 a
dozia e a ZliijQ cada uma ; 6 pediincha.
Hollanda
Brim pardo liso, 0 qae ha de mais fim, com um
toque de avaria, e que se vende a 480 rs. 0 cova
do, fazenda propria do paiz por ser linho puro,
applicada para costumes de homens e de meninos :
eo na rna do Crespo u. 20, loja das tres porta3, de
-iuiihermeA C, junto a loja daesquina.
1/2
a 29,
LKM^OS BRUCCOS A 59.00.
Vvtide-se leugos brancos fit,os, a 29000,
29500 e 39 ii dtuia, duos do liulio, a 49,
C9 e 69000 a tllttia
CROCHES PARA CADtlRAS A 19300.
Vendc-se patMios do croctte para c.idein s,
a 19500 cada um, colclias de di o para
noivas.
WADAPOLAO FRANCEZ A 79000.
Vendc so pejas de madnpoliio francez
tnuit > fino, a 79, 89 e 109000.
BRIM PARDO A 400 RS. 0 COVADO.
Vende sClrim pardo para calgas,. a 400
rs. o tovado.
CORTES DE CASEMIRA DE 59000.
Vende-se corUs de casemira de cores para
catcs, a 59, 59500-c 69000;
GROSDENAi'LE l'RETO.
Vende-se grosdenap'.e j>reto com
palmos de largura, a 59 o covado.
ESGrJI'At3 FlNO A 29000.
Vende se esquwo fino de lihbo,
29500, 3d e 49o metro.
CHITAS PAKA COBEBTA A 280 RS.
Vende-se cWlas para eoberta, a280o "tW
rs. 0 covado.
BRIM BRA'NGO A ttOOO.
Vende-se brim branco de Imbo, a '19,
19280, 190t) 0.29 0 metro.
BREI&tiHA DE LINHO A 64 US.
Vende-sc bret8nba de llnbo, a 40 rs. a
vara.
FLAHELLA DE CORES A 800 RS.
Ven^e-sc (lanella do cores, a ^O rs. 'O
covade.
COBTSTORES BE ALGODAO A 1940O.
Vende-se cobertores de pello a t9*00'.
Cobertas de child a 19800 e 39 ditas en-
csroa ias, forradas, a 49,no Baear Nacional,
rua da Imperatniz n. 72.
CORTES DE CASSA 1'89000.
Vende-se cortes dc cassa rriudas a 39
cada um.
>GRAV T AS PARA SENBORA A WOO,
Vende se gravatas para -senhoras, a I9i
ditas para homens a 500 rs.
ALGODAO ENFESTADO A 19CO0.
Vende-se algodao enfestado para lenoies,
a 1^000 a vara.
GRANDE SORTIMENTO DE ROLPAFE1TA
NACIONAL.
Vende-se palitdtsdepacno preto, a59, 79,
8,? e 1050UO.
Vende-se palitots de alpaca preta, a 3~,
89500 0 49QOO.
de panno,-a. 49,
a 3#, 39fi00
Vende-se calyas ppetas
&S. 79 e.89000.
Vende-se colletes prctof,
49J00.
Vende-se teroulas, a 15, 19500, 29 e
3^000.
Vende-se eamisas brancas, a 2j, 29500,
89 e 49000.
Vende-se ccmisas de chit s, a 19400, 2j^
e 3#O0O. -
CHITAS PRETAS A 320--RS.
- DE.
Rua DE
eo.rdeiro;Sim6e4rO:
K' eila uina,da^,,c^sa&rtU6. hoje. Jode comiPJTi-
n^ua onarecer 4os seua 'freguefes "um varia4issi-
md RotttmeHto da nweadas finas para grai^e tofc
'eiU, e bem asilm, 1911a nso oriMnorio da lodas u
:|*f>s,a.por,prftftja vanjajosoR, ',t*i pequeno resumo.
Maudam fazeodas .as ca;as dos pretendeotes,
para 0 qae tern pessoal necessario, e dlo amostras
auidjante penlior.
Uor(a,aejsedAida liijda-i .cores,
Grosdenaples. de tbdas a> cores.
Gorgurao branco, lizo, d"e fejras, preto, etc.
Setlm Macao, pMW ede cWeiJ.
(.'Tosdeaajiles fre tt,
Viiludo preio,,
granajlige 6^ seda, p^eta, e ,de c^ires.
t'opelinas de lmdos padroes.
Filo de seda, bHce-e'p^eo.
hicas feasquinas id,? seda.
i..a&acos.dj iii^rioo.de cwre,,la, ekv
Manias brasilejras.,
Coites com car*raia branca com lmdos borda-
AicasicxpoHfts $ manias para 1 wives.
litqiAisstiPu s.'-HBunto. de lag,,com listras d*
seda., *
Cambraias dl'cOres.
Ditas maripotaa, liVawas, Iteas e bordadas.
Nanzuques de tindos padroes.
Iiapt(sias> padnyetdeHcado*.
PercaiT^fd* quadws, nretgs. e brancos, listras,
etc, etc.
Drina de liaho de e6r, proprine oara vestidos,
com barra.c tj?*ea.
Iticos cortes de vestido de linho. r eitea da
mesma c<*", ultiinaimod?
liito de earn!-i aia de cores.
FtfsUo d6 lindas 'res.
Saiaa feordailas.para senboraa.
Camisas bordadas para senhoras, de linhoi a al-
godao.
Sortrmento dc lavas da verdadeira fabrica de
Jimwn, para homens e sehoias.
Vestuarios para meow..*.
liflos para i;itAiiCit ' .liajieos (>:.! a dilu.
1 oathas e guardanapos adama;cados de Iraho de
ok, para mesa.
Colclias de Ja.
Cortinados burda Grande sortimeato de eamisas de Imbo, lizaa e
bordadas, para homens.
Heias de cufea pwa hsmena, raaoinos *>.ia#m-
. as.
I'itas escoceza?.
- oivpK-in surtimei>u> dc chapeos de sol nara ho-
mens e seRberas.
Merino de cores Bar*-1 vesttaos.
Dito preto, trancade e dito de verao.
"illdo de liiitioe aigodao para loal
Vtoartiido patdo.
Oamascw de H.
Itansdelinkij, liwrifo de euros a preto.
fielimde lindas.t-}fe6 com listras.
. libaies- da merino de cgres e pretos.
Oitos de casemira.
Dttos de seda put* e de cores.
Ditos de tonqokn.
-Camwaa d abrtq |rA,vho/eaa-
- iDmda flaneiia.
Cajieulag.de linho e algodao.
Paipnos'rte croehetpara sofa, cadeiras e conso-
0> l.eeros li.cdad.js e de lain nnlho:
tjjlcjiaa do crochet.
Tarlatooa. de.lpdas, s cores. .
Rjcos cflrtes de vestidos- de tarlatana bordados
para eorta.-.
-Itojwrtilhoe I^sob, bordados.
Koulard de seda, liddas cores.
Mcias de seda para senhoras e meninas.
lUcaa fachas descda e la para senhoras.
R OS69.
Wasaflfe.As soda.
Casemira prpda e de cones.
panno fino preto e azal, eol-
ChHas, madapolao panno fino pre
larinhos, punbos delinho e algodao, gravatas, tu-
eriae se cn.tas pretas Haas, a aw e juu bWw> ^4e viaf!jem) peil08 j^SSJ para^o-
H. 0 covauo. I menSi len^as de linho branco e de cores, loalhas,
LAZINJIA A %0Q RS. guardanapos. etc., .etc.______________________
Vende-se lazinhas para vistidos, a 200,1
320, 400 e 500 rs. o covado. Ko Vpzar
Naotonal. rua da Irnporalriz n- 72, de |ilen-.;
de 'Guimaraes hnmkiii mm se vende hmU) i
S6 o n. 20
RUA DO CRESPO
LOJA DAS 3 PORTAS
BE
Magiaolia
Na loja da Magnolia, a ra Duquo dc Caxias n.
43, encontrara sempre 0 respeitavel publico um
compieto sortirnento de perfumarias finas, objectos
de phantasia, luvas de Jonvin, artigos de moda e
miudezas finas, asfim como modicidade nos pre-
cos, agradj e sincehdade.
Aoneis electricos
A Magnolia, a rua Duquo de Caxias n. 4S, aca-
ba de reeeber tricas, proprioo para 03 nervogos. ,
Meios adereoos Acaba de <;hegar wta fazenda com j^n^s _a.
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-' droes, e que 60- vende peio diminuto preco de 2U)
cebeu um compieto sortirnento de !. 0 covado 111
Meios aderecos de tartaruga. MET1M
Meios aderegos de madreperola. Metim iran^ado, padroes bonitos, a 320 rs. 0
Meios adereeos de seda bordados, (ultima moda) covado III
edemuitas outras qnalidades. ORGANDY DE CORES
BotOBS dc 3/CO Cambraia organdy de core?, fazenda fina, Loni-
111
Rua Duque de Caxi s.

Acaba de recebe1? um compieto sortirnento de
muito lindas botkias de duraque de cores para
i senhora e as vende mais barato do .|ue cm outra
qualquer parte_____
Gftnento
SuUherme & CA
1 Vende so na rua da Madre de Deos n. 32, pelo
; menor pre^b possivel 6 verdadeiro cimento Por-
tland, vindo pelo ultimo vapor inglez, de carga.
mmmmm
Sabao a 200 rs. o kilo
Koarmazem do fumo, a rna do Amorim n. 41,
de Jose" Dominpoes do Carmo e Silva.__________
(iraiide pediineha
Crapcos de sol cabo de marlim a
121.000 !
Com seda tranyada e hastes de meia cana, na
loja da Ra Branca, a rna da ImperatrB n. 56,
Ynde-se
a ca*a qne pcrtenct ao finado Ijnacio lost di
Lua, no pateo da Paz nos Afoga ios : e d-i pedra
e quintal que pasea atem da estrada de ferro e vai
ate a mare, com vinte e tantos coqueiros e outras
arvores frnctiferas. e mais ^utras pequenas casae
todas do p-.-dra f cal, stndo oito dentrodo sitio e
duas em um terre o ao lado, am frente para a
tras-^a de Mi Dc imbo. Vende ^e por preco
eoHKiiodn tan virta dj recdiaento que pode dar
loda a prqpriedade : a tr.it ir a rua do Iu perador
n St. i" andar. das 10 boras da manS as 3 da
tarde_________________________________
nma preta, bonita Ikara, com- 32 aaaoe, tres fl-
lhos muito bonit peoas, com *0, [8 e 5 annos,
am moleqcie com 6 innos, tudo por 1:500{J000 :
na rna Duque d- Caxias n. 5o.
Economia do-
mestica
Na rua Primeire de Mar$o n. I. i
Con [rente ao arco d Sato Aotonio, loja de
Agostioho fr'-rreira da Siiva Leal &.C.
LanziniMs, .goat* escossez, padnles iofeiramenla
novos, pelo diminuto preco de 2oO, 240 e260 r6i$
o cova
Baptstas !isa-. finas, b de cores a 320, WO e
440 reiiocsvado, is to so so ven do 1
Cha4j6Ks.de wl de M-.Ja. para homens, inglezes
(paragon) e com i-2 haste?, pel. pre;o de 8i e 9i,
faienda esta qqe semj>re cn^toa acabar.
Na rua I'rimeiro de Mar^o n. I.
' t ._________Loja dtf.baraieirn
Vende-se, na e-trada de Juao fhT Bark
21, duai carrbjas. c >m plpa* para venderr-
booitos bois.
A Magnolia, a rua Duque d..- Caxias n. 45', tern
para vender os raodernos botoea de aco, proprios
para vestidos.
Oolinhas e punhos
das mais modernas que ha no mercado ; a ella?:
na Magnolia, a rna Dnque de Caxias 11. 45.
Lengos chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
tos padroes, pelo didjjnuto pre^o de 320 rs. 0 co-
vado 111
LA5 ESGGCEZAS
Novo sortirnento desta fazenda, com bonitos
padroes, que *e vende a 240 rs. 0 covado III
CHETONE
Cretqne claros e escqros, bonitos padroes, e fa-
zenaa fina, pelo diminuto preco de 400 rs. 0 co-
vado HI
LAS MODERNAS
Compieto sortirnento de la de todas as qualida-
cebeu uma pequena quantidatle de lencos de seda. des, pelos diminutos precos de 400 rs. 0 covado,
chinezes, com lindissimos desenhos, fazenda intei- 6 pechincfaa 11 1
ramente nova.
Leques
Lindos leques de madreperola, de tartaruga, de
marlim, de osso, e de muitas outras qualidafles :
j reeebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias nu-
mero 45.
Atten A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
43, acaba de reeeber o segninles arligoa :
Manual de madreperola, tartaruga e martini.
.Ricos albun* com capa de madreperola, cba-
gren, madeira, veludo,couro, etc.
Lindas caixas com finiisknas perfumarias.
LSgas de *ed, brancas e de cores.
Voltas de madrej erola.
Pu'seiras de madreperola.
Rieas'caixas para coitura.
Vestuarios para baptisado.
Teueas e sapatinhos de setim
Cortes de easemira di cores, a 5/(00.

Vende se pm moinho de vento,.com
duas bom_s para pnar agua, e qua-
tro Todas novas e fortes, para carro
americano : a tralar oa rua do Iinpe-
Mdor n. 22, andar.
9
IM1SAL
Victoria n. 22.
da
OF.
Raa do ISarao
Caraeiro Vianna.
A' tste grande-^abelecimeflto tem cbe-
gado um bom sortirnento.de machines pars
cqstura, de todos os autores mais acredita-
dos ultimftmentena Europa, cujas ma chin as
sao gafantidas por um anno, e tendo um
Colchas estampadas e com barra a 3*500 e'perfeito artista para ensinar as mesmas, em
4sS^?- _, a ,.n I qualquer parte desta cidade, como bem as-
Cobertas de chiU adamascada a 3/500. ____t~ _______i. j___
Lancoes de bramante a 2*000.
Ditns de algodao a 1*400.
Toalbas alcocboadas, duzia, a 5*800
Lencos de cassa com barra a 1*000 a duria.
Ditos de cassa asanhados a 2*000 a duzia.
sim conoerta-las pelo tompo tambem d'um
aiino sem despendjo slgum do comprador,
tteste estabaleciniewto tambem ha pertencas
paraia9 mesmas mai-hinas e se suppre quai-
Ditos de esguiao abaabados, em caixjnhas mo- W* P6^ V* seja necessario. tstas ma
chinas titabalham com toda. a perfet^ao de
ume dous pospoutos, franze e borda toda
qoalqoer costura por fina que seja, sens
D_ de linho puro com 9 e 10 plTmof S'V pr-ieoasao da s^uinle qu^aJ*dad.: pari> Jxa-
gura a 2*5(10 e 2*800
dernas, duzia, a 3*500.
Cambria transparente fina a 3*000 a pe;a.
Chales de todas as qnalidades e preco*.
Rramante de algodao e linho a IfdtiQ a vara.
Lindos port-bouquets.
Gravatinhas de velludo, tic, etc
Las hamburguezaB a 280 rs.
Vende-se las hamburgue7as de listras ede qua-
dros de diversas cores, pelo dtainuta-'prero de 280
rs. o covad > : so na loja de Francisco Gnimaraes
& C, rua Duque de Caxias n. ji, loja da csqoina.
Sal a1*200
Da superior auaMsde, vendem em Macao do
Assu, Jos6 Dias Spares, a 1*2C0 o alq^neirp.
Uitima moda.
A Magnolia, a rua Duque do Caxias n. 45, re-
eebeu- Am Undo sortirnento de bicos do-guipure-
de edres, apropriados aos vestidos chiqnes aa ac-
tualidade._________
Grande pechincha de cami-
sas de linho.
Vende se camisas inglezas, de-linho, muito finas,
para homem, pelo baratissimo preco de 35*000 a
duzia; quern duvidar venha ver e comprar : na
rue Duqua (le Caxias n 88. I"ja de Pemetrio
Bastj?.
balhara mao de 309000, 405000, 455000
e 1.0*000, para trabalkar com o pe sao de
W9O00, ftOVOOO, 100#O00, 1105O00,
120oe, 1305000, 1405000, 2005000 e
25050C0, emqjuanlo aos autores nio ha al-
tera^ao de precos, us pompradones poderao
viHttPestoertabeleaimeoto, ^u muito de-
t-ami?asnriaVtoda8 forradas, fazenda #, f *NM** d obiefitos que
linho uuro, a 44*000 a duzia; e pacjiincjia, w se ha semprs para vender, como sejam : cadej-
?endo. ras para viagem, malas par* We, I cadei-
Popi-linas de linho e seda pelo diminuto pwtOaBg^M _>._$, debriawyj, d>as para
a vra.
Algodao marca T, largo, a 5*000 a peca
Dito domestieo a 3*000 a peea.
Brim com listras, irlandez, froprio para oa_i
aas, a 440 rs. o covado !!!
Madapoldes Iranceze? de todas as.qualtdades de
Modernos chapeos de sol de seia para senbwas. >if a 8*500 a peca. ^^
Chapeos de solde seda com 12 asteas, pelo di-
de 800 rs. o covado; 6 pechincha, e dio.-se amos-i
tras.
S6 on. 20 da rua uo Cresp'V
L^Ja dag post**
DE,
Guil_erme & C.
JUNTO A LOJA DA _
:
NA
Vendem
Wilson, Rowe & 0.
Era sen armazera a rua do Trapicbe n. li, o se
guinte:
Algodao ami americano.
Fio do vela.
Carvan de pedra de todas as qualidade=.
Tudo muito barato.
Sal de Caho Verde
No brigne francez Bwsileiro, vendem Amorim
Jrmaos ^ C, a tratar na raa da Cruz n. 3.
t:artca (aitaa), ditas para escok*, costurei-
ras r*qu.issimas, para senhofa, despensavejs
^m.rer_ica6, de todas a.^a^4<4e, oamas
I de -ferpo para fa oroem e cria#(}as, capacho*
'espelhbs dourades para aala* ..gjnandRs e pe-
qaenos, apparelboj da metal para ohd, -
nueiroa com cahe 4e metal, p de marfim,
ditos avulsos, coltoreade metal fino, eondiei-
ras para sala, jarros, guarda-camidas de
r.une, iampas para cobrir pratos, esteiras
para forraf salas, lavafcirios completes, ditos
simples, objectos para toilette, e oujros wh-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
qae se acha aberto de-.de as 6 boras da me-
nhi ate as 0 horns da noute a"
Bua do Barao da Victoria n.
22.
W 0 BABATMO
NA
Rua 1. de Mar(jo n. 1.
Confronte o arc* de Nan to An-
tnatrt
BmIu teiideuiln huiih faaenUaw com
30 por cento, meuosqae em outra
qualquer, parto.
A saber :
Madapolao com -toque de mofo, pelo barato pre-
co de 4*500 e 5j*
Dito.francez, limpo e de superior qualidade, por
5*500, 6*000 e 6*500.
"Algoflao marea t, \stfo, superior qualrdade, a
4*500, 5*, 5*500 e 6*000.
Grapd* sorlimeulu de lizinhas degostos inteira-
mente escosseses, pelos preccs de. 200, 24Q, SCO e
440 r*- ; iu se vendo poder se-ha acreditar.
Baptislas, lisas e' com fleres, fazenda que sem-
pre custou 400 e 800 rs., estamos vendendo pelo
preco daM9 rs. l,ara acabar.
Ditas Unas, padroes matisados, a 400 e 440 rs.
o cova'o.
'' Cnteoe francez, escuros e claros, os mais no-
vos que tm vindo ao marcado, a 480 < 500 rs. o
Apcpvcilera em quanto nao se acabam.chapeos de
sol de seda tranjada (paragom) 12 hasteas, inglezcs
superiores, pelo insigniticante pre^o da 8* e 9* ;
sempre vendcmos.por 14*000.
Duos para siuln.ia, de merino, a 3* e 3*500.
Ditos de seda, caho de Osso a 4*030, 6 pechin-
cha.
Ditos de alpaca de cores, forrados com seda,
e o cabo fingindo bengala, o mais moderno que
ha, a 1*500 e'2* I
Sor)imento dc chitas claras e escuras, boa fa-
zenda. para icabar, a 250 e 280 rs. o covado.
Pupelina de linho e algodao, gostos inteiramente
gwaoa e de cores bouitas a 800 rs. o covado,"sem
pre custou 1)400.
.Camisas de cretune, francezas, modernas e su-
periores a 3"fi e 3*500
Ritas-hrnea
Ditas de linho a 3*500 e 4*000. .
Tozibaa.de linho do IVrto a 7*500 e 8*000 a
'duzia.
I'itas felpndas a 7*. 7*50;) e 8*000.
Esguiao com 10 jardas, pe'.o preco de 4*500 ; e
barato com elfi-Uo !
Cambra,ias Victoria e transparente, fazenda fina,
a 3*500. 3*800; 4*000e 5* a'pe^a.
Lencos de cambraia com barra de cor, a 1*, e
bfancosa.2*.
Diioi da liaao, abaphados a 3^600 e 3*800 a
duzia.
Grande sortirnento de brins de cores, padroes
proprios para nienino3 de cscola a 440 e 500 rs.
a covado.
Botinas para senhora, pretas e de cores, por 4*
p 4*500, islo por termos grande quantidade.se
faz este preco.
bramante de linho, duas larguras, pelo barato
preco de 1*200 a vara, e somente para acabar.
Muilos outros artigos que deixamos de mencio-
nar .para, nao massar nossos ireguezes; masque
avisia delles estio prescules.
Dio-se amostras.
So o barateiro quer queimar
Para rival nao enGonlrar.
A' rua Prtmeiro de Mar;o n. 1, antiga do Cres-
po, de Agostinlio Ferreira da Silva r.eal & C.
Vende-se ou arrenda-se, no estado em
que se acha, um sitio na freguezia dos Afo-
gadps n. 18, chao proprio, com 349 palmos
de frente e 658 de fundo ; os pretendentes
dirijam-se ao seu proprietario, na rua de
S. Francisco, sjbrado n. 10.
Grande liquidacao
A' rua Duque de Caxias es-
quina do becco do Peixe
Frito n. 44.
Antiga casa do Pregui^a.
Colarinhos de linho finos a 4* a duzia.
Camisas inglezas de linho Gno a 2*500 uma.
Seroulas inglezas muiio boas a 2*500 >
Granadine com lislas e palmas de seda, padroes
lindo3 a 500 rs o covado. '
Chapeos de palha para homem a 1/500.
Toalbas de algodao alcocboadas para rosto a
400 rs.
Lencos de cassa branco, duzia a 1*600.
Ditos de dita com barra a 1*000 e i*200.
Cambraia branca trasparenle e tapada a 3*, 4*
e 5*000.
Peitos de linho muito finos bordados a 1*000
cada um.
Metins de cures para vestidos, de lindos padroes
a 360 rs. o covado.
Chitas de cores a 240 rs. o covado.
Brim pardo para cal^a a 360 rs. o covado.
Las de'cores, alpacas pretas e de cores, mada-
polao e algodaOzinho, tudo por precos commodos,
a rua Duque de Caxias n. 44, loja da esquina, de
Francisco Guimaraes & C.
Uranias de leque,
Palmeiras innperiae?,
Toqueiros,
Cyprestres korisontaes.
Quem quizer fazer um pomar com diffcrentes
qnalidades de frueto<, ou arborisar algumas ruas,
ou planlar algum jardim, 6 s6 dirigir-se ao sitio
do Abrigc, em.Olinda, onde achafa o que quizer,
ou deixar o pedido por escriplo na loja da rua di
Cadeia do Recife n. 53, indicandp para onde quer
que mande-se, etc.
Sementes de hortalica.
Rua do Marquez de Oiinda n. 53.
Sobrado.
Vende-se um bom sobrado em uma das me-
IhoFes ruas de-ta cidade : a tratar na rua do
-Marquez de Herval n. 29, taverna, ou na rua da
Imperatriz n. 10, taverna.___________________
Farinha demandioca nova.
Recentementc chegada dc Santa Catharraa tfim
para vender no trapiche Companhia, e para tratar
no sen escriptorio a rua do Commercio n. 8, Joa.
quim Jos6 Gon^alves Beltrao & Filho. Advertindo
aos compradores que descjando acabar, vendem
mais barato do qne em qualquer outra party, tan-
to em grandes como em pequenas porcoes.____
Pachcco'fe Azevedo te;u para vender tapioca
de Ararula de qualidade especial : em seu arma-
zem na ma do Dug on de Caxias n. 29.________
Fogao de ferro economico
Vende se um chegado ha poucos dias, tendo fo
nalhas para lenha e carvao, forno psra assar
deposito para agua quente e lugar para se puar-
dar quente as comidas depois de feitas; estes fo-
goes tornam-se recommendavcis porqne sao de
ferro batido, e fabricados com porfeicao ecoii-
nbam con mui diminuta lenha: na rua do Apo
n. 20 ___________________________L
Lindas las escocezas. .
De varios padroes, e inteiramente modernas, a
360 rs o covado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Cresno n. 13, loja das column as, de An-
tonio Correia de Va-icoiicellos^______^_____^
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintcs :
Barra,
M'regnica,
? Pntricio;
A tratar com sens proprietari >s r.esta cidade,
e para informaeoes com Joaqoun Piiitd de Mei-
relks Filho, na mesma cidade do M.niamguape
________________Tasfo Irmaos \ C._______
Panno de algodao aa Bahia.
Vende de tol^s as qnalidades Joao Rodrigues de
Faria : na rua do Amorim n. 33.
Fumos
Da Bah a e do Rio, vende Joao Rodrigues de
a a, n:a do Amorim n. 33
So a rua Duque de Caxias n.
44, loja da esquina
Granadinas russianas com palmas e listras ii seda
brancas e de cores, o covado
Las e>eossezas, padroes lindos
Metins trancados para vestido de s*nhora
Colelias de algodao alcochoada, cada uma
Toalbas do algodao a'coclioadas
Lencos de cassa, prquenos, duzia
Ditos de dito brancos, dozia
Ditos de lioho, abanhados, duzi i
Madapnla >, pet-n
Algodao, peca
E ontras muitas fazendas que ?6 a vi-ta poderao
aprccia- os precos : isto so na loja de Franrico
Gumaraea & C, rua Duque de Caxias n. 44__
Grande pechincha.
Madapolao largo e lino com pequeno toque de
a ,'3ria a 5*000 a peca, fazenda uue vale 7*.
Algodaj marca T, largo, a 4*"00 a psca.
Lazinhas escocezas a 240 rs. o covado, e" para
acabar : na rua do Crespo n. 25 A, loja da es-
quina. Cheguem antes que se acabem.________
Vende-sc as casas seguintes
Rua 24 de Maio to li'oia do? Ossos) ns. 2 e 4.
Dita do Fogo n 22.
Dita do Padre Flori.-.n) n. 35.
Becco da Boinbi n 5.
Travessa do Padre Lobato n. 8 A.
Becco do cacs da cadeia-nova ns. 3 e 5.
A tratar n-> palm do Carm> n. I.
360
3*000
900
1*1100
1*600
3*:;oo
5*030
4 5000
Vejam islo
Peitos I>ortt:t!t a cgisatro pata>
ens!!!
Sao do fino esgnlao, frrados, e lindos bordadas:
na rua da Imperatriz n. 56, loja da Rosa Branca.
Cylindio
Para padaria. vtnde se um muito bom : na rna
do Amonm n. 33.
E barato.
Cretonne a Fmsshna
a 520 o covado
Na rua do Queimade n. 43, junto a Lja da
Magnolia.
Cretonne a prussiana, de quadros, fazenda
propria para vestidos, padrdes os mais modernos
2ue tem vindo ao sercado, pelo diminuto preco
e 320 reis o covado, so na loja de Guerra &
Fernandes.
Estao se acabando I...
Dao-se amosiras.
Cambraia transparente a
a pet^a
Na rua do Queimado n. 43, junto a loja da
Magnolia.
Cambraias trans par entes finas a 3* a peca
so na loja de Guerra & Fernandes.___________
Vende-se um pequeno si.io perto :1a csta-
cao do Salgadmho, tendo de frente loU
palmos, e de fundos mais (i- quatrocento;.
corn uma elegante casa dj laipa, acabnda d-'
proxim c boon asseiada, tend) 2sal s, 2
quartos e coziuha iora. 0 terrene e pro-
prio o bom de plant icoes, t'-ndo al^umf-?
arvores de iructp, agua de beher e todo cer-
cado.
Para ver e mais explicates, no mesmo si-
tio a qualquer. bora a entesder-se corn Tris-
tao Francisco Torres, e para tratar, ua tl.
souraria d.sluterias, ruj 1 de Harr-i
9m
uma escrava com H anno* de i la Id, cor pr^ta ;
a tratar na rua tiireita d-s Af>?- 'na, taverna n
60_____________________________
As unicas verd^.deirij
Kichas namburgueza.' qn, xe> -. >t( rmm .'
ua rti.- Maron>'7 -''-' -.5
Lazinhas cscocesas
a 200 rs. o covado
So na ma do Qoeimado n. 43, defronte da pra
etona da Indepoudeota.
S6 6 pcthfflf ha!!!
Lazinbas a escocesa, padroes muito lindos,
proprios para'vestidos, pelo diminuto pre?o de 200
rs. o tofWo, s6 na loja de Gnerra* Fernandes.
Hh-em ante* que se acabem.
DAb-SE AMOSTRAS.
! Vende-se m casas terreas segumtes :
ua to de MBMculr'ora do* Osso) ns. 1 4>
Rna da ffogo n. 1 .
Ba do Padre Floriapo U A5.
TravesSa oa Borttba n. S.
fcceo 46 ?'adre feobato o. 8 A.
Becco do rats >da Cadeia-atva m. 3 e
A traair qa-Largo do Carmo n. j._________
_ Vende-se nma tiverna com poncos fandos
am boa loc^lidade de Oiinda, bem afreguezada e
propria para priociplante a tratar era Oiinda,
fia rna de S. Joao' n. lk
Chapeos de sol de seda, cabo
dourado (o chique)
A Rosa Branca vende lindos chapeos de sol para
senhora, com os cabos dourado?, e'o castao e pon-
tas das hastess brancas, pelo barathsimo preco de
5* ; manda-sc levar nas ca>as : na rua da Impe-
ratriz n. 56, I ja do Aievado. -
Pillulas Catharticas
de Ayer.
Para todos cs effeitoi da
um reoedio laz^nte.
Nio ba segur-.n.-iiln, um
remedio tarn uuivrrsalniecto
proenracio como an r r-
tico oa purpmto, irhrm
outro tem silo tao u.~ > "W
todos os paizes por todas as classes, como cst:t? .*'""... %j-
\ ZAS, suaves mas efficazes. A razao i evidente, SB
am remedio muito mais certo e efficaz qae Deuham ou o.
Aquelles que os teem ensaiado sabem que se teem ci !.;
pelo sea uso, os qae nao os ensaiarao sabem que sens i
e visinhos se teem curado, e todos conhecem que o result !o
I tirado uma vez.se tirara todas as vezes, a quo M 1'IL.Z V-
I I/AS nunca falhao por coosequencia de erro ou uegliger.*. La
na sua composicSo.
Temos milhares sobre milhares decerlificauos rtfenntes as
distinctas curas que hao enectoado eslr.- illulas, oas mole<-
I tias que em segulda menoionamos, por&u sendo taes curas
conbecidaa em toda a parte aonde teem penetrado, des necvf
sario 6 publlca l-os aqui. Adaptadas a todas as raMM e a
j todas as condicoes, em todas as climas, nao contendo caloni
elaao neta outra qualquer droga deleteria, cllas podem scr
tomadas por qualquer pessoa com toda seguranca. Sua
enpa d*assucar aa conserva sempre frefcas, as toma ewto-
, sas ao pnlladar, sendo tambem puramei.te vegetaes, nio po-
dem resultar eneitos prejudiciaes se por acaso forem tomadns
em qoze desmastada. 0 papel que serve de coberta para
sada vidro leva dkeccoes minuciosas com relacio as secuin-
tes mole?tias que as PILZVLAB CATBARTICJL8 rapi-
damonte curao. Para a D^tptpaim ou indlgetlao, DU-
piiotneia, Zmmfiden, Fallm de Appetite, devem ser
tomadas em dose moderada a fim de estimular o esluif e
restablecer suas fonccfios saudavois.
Para Doenca* ~ Fit/ado e suas diversas syuiptMuas
Bnxmquecai Biliosns, ttcr de Cabeca. Inter****, Cet-
*e Brfloso, e Fehrr* BUiosat, devem. h tomar tarn*
moderadamente em cado caso, para correg.. a accao vfoiada
ou remover o obetaculos que a causio.
DweuUrf ou Dtmrrhem, garalote bastante
aWa dose pequeaa. -
Para BheumatUmo, Qottm, Arreta; Valpmaejim mo
Cwsacoo, Doras sun fihayme o .<., te*?'
tomadas coutinuadamente. ate^ alterar a accao dos orgies
dlsreeulados, de sorte que a roolesria dlsappaveca. ___
Pfeaajirop*t0**~*~*" BvZropUm,, Po
toma-1-as frequentemenle e em porcoes ass: s grandea para
produzir o efleito de um purgative drasttoo. Oomo iMmet-
Moe para oimntmr oa comida, toma-se uma ou duas pan
promover a digestto e ajndar o estomago. L ma ou doss to-
adas de ves em quando, eetimulko ou estomago a obrar sau-
davetaionte.
Qualquer que se acha regularmente bom, fcaM**^S_k
ou duas d'estas pillulas se achara, muitas vsasa, docMM
msote miUjor, por rutg que ellas puriflcam resUaiio a
apparelho digeetivo.




-
nifi'P" fo*
J. C. Ayer Cav, Ixwell, Maan B.V.
' V_l~)HS SB POR
o


**
I"***'& M T"T?-"**iT-
8
Diario de Pernambuco Sexta feira 10 de Abril de 1874
LITTERATURAf

As vistas fkeatraes e os ro
mmticos.
APOLOGO.
Os romanticos modernos
Nao serio rados, meus amigos ;
Eu, poreui, quererei sempre
Os bons classicoi antigos.
.Eis o theatro, eis o templo
De Melpomeae e Thalia
Onde empenha todoo esmero
A destra sceuograpbia !
Agora 6 um vordo bosque,
Urn verde bosque irondoso,
Todo bem arboris^do
Pittoresco, deleitoso...
Depois... uma linda praga
De cidado populosa,
Muito bom ediGcada,
Deslunibranto, Iuxuosa.
Ora, um jardim bem plantado,
Com repuchos seductorcs,
E-sombreados passeios,
E mil variegalas flores...
Ora, um salao sumptuoso
Para baile preparado,
Todo flores, todo luzes,
Ricamento de.orado...
Eirnlmento, muitos quaJros
(Variado panorama !)
Couforme pede a tragodia,
Ou a comedia, ou o drama.
Bellas pavsagens (capricho
D) pincel d'habil artista),
Quo do espectador curioso
Attrahem, por certo, a vista.
ls'.o, por^oi. s6 de longe ;
Que essas lao lindas paysagens
(Confuso bo rio de pert )
Sio vurdadeiras myragens.
Yede agora, para exemplo,
Meus sympatliicos leitores,
Um dos Romanticos nossos
Emphaticos escriptores.
Declamanlo na tribuna
Arrouba, como notorio,
Com mil bombas e floreios
0 boquiabert > auditorio.
Depois, acalmada a furia
Do enthusiasmo, sentido !
Entrai na analyse justa
Do discurso proferilo.
Entio vereis que a tal obra,
Que julgarieis sem falha,
S6 tem palna, nao tem succo ;
E antes succo do que pallia.
1873
Francino Cismontano.
VARIEDADE
A DOV4D.4 ORELHA.
CONTO CARNAVAl.ESCO
POR
PEDRO IVO
IV
Ao chegar ao atrio, descia o raeu mouro
as ccadas nujtro a quatro, e, vendo-me,
bradava :
Safa-te, que e serio
Segui-o, correndo atraz delle, e entra-
mos, quasi ao mesmo t-mpo, no quarto,
qu elle occcupava ni hospedaria.
Quando o criado trouxe luz, Arthur, as-,
sentado na beira da cama, arqueijava de
cangaso, ao passo que eu, pelo mesmo mb-
tivo, continha co.-.i a mio o coragio, que
parecia querer saltar me do peito.
Ap.-nas pude fallar, perguntef-lhe :
a Que diabo foi aquillo I ?
Dei-lhe um beijo Um beijo na ore-
lhal .
0 qae I ?...eiclamei com since-
re espanto.
Dei, sim ; dei-lhe um beijo n'uma
orelha !respondeu e>tupidamente o inter-
rogado.
Em que orelha?... Na orelha de
quern?... volvi impaciente e abanan-
do-o por um brago.
folhetim.
lucbecia bo&ma
memqrias de satanaz
POR
I>. Hauoel Fernandez v Gonzalez
da
N delta
Na
E, pouco depois, dissipada aembriaguea, passara Arthur durante aquelles dousdiasl
gr4gas a agua fria em que mergulhou vo-1 Em vendo uns cabel os louros, ao lonsje
luptuosamente a cabeca, explicava-me elle, Jdeitava a cUrrer, mattia, como vulgarmente
ne&tes tennos, o occorrido : 8e diz, a cara i possuidora e, em seguida,
Quando te deiiei, fui direito ao vendo frustrate esperancs, ficava-s" alii
salao, para beber um copo de agua; mas, parado no me?Cda rua, com o rosto anu-
m yez de agua, bebi um calix de cog- viado e triste.
nac" I Outras vezes, uma orelha bem modelaja
Pois tu ainda bebeste mais I ?-----ex- sobresalttva o e, >a dona era genti', que-
ciamei, ergu. nio as mios ria por f rga ver n'ella a d >na da orelha I
- Bebi, sim... Quequeres?... De-' Ao- princpio, daa-me como razio do
pois do cognac, parece que creei alma nova, empenho que tin ha em a descobrir, o de
e metteuse me na cabega visitar os cama- sejo de poder de qualquer maneira pedir-
rotes... j Ihe perdao e dissipar, em parte, a impres-
Sub a* terceira ordem... Logo em sio de grosseiro e brutal, que devia ter
frente d escada, bavia um camarote aber- deixado no animoda viclima.
to... Olhei e vi duas raparigis louras e| Pouco tardou, porem, $ue, com os olhos
lindas como anjos, uma senhora gorda e razosdeaguae a voz treraula, me confes-
um domind, que parecia mulher. Isasse n'um rapto de enthisiasmo e deses-
H lmens, nao hsvia nenhum U dentro ; pero, que a amava I
tenho razd para crer, que estavam E' uma loucura luexclamava
mulher mascara- "*^}^*>. ** resUtl jci.es, preced.daspor igual numerode.-cdj^
- Tu endoudeceste, Arthur.... Tu iUSiE,clmo^e iJ.*'
nao sabes o que dftes I...exclamei, de- mos a designar a desconhecida, o Dobrff
veras receioso de algum accasso de lou- rapaz mordia^se de impaciencia.
cura" I E as meninas nio appareceram !
E o que te digo I... Dei-lhe um E este desapontamenlo, Con udo. foi ape-
beijo n'um i orelha !._..ropetio Arthur. nas mais um a ajuntar aos muitos porque
=
elle.E' ; conheco-o I..mat; amo-a \...
mas
no crredor...
Entrei, e fiz quanto humanimente era P6de ser fei velha, o que qu^zerem...mais
pos;ivel fazer, para ter grac< I... Fallei 'e" a mu'her mais intelligente, que tenho en-
pelos cotovellos I c mtrade I
Infelizmente aquella familia nio era M.u\ nio I... proseguia, logo depois.
de gento... era do peix-s f INio e* feia, nem velha I... U:na orelha
a De tempos a tempos, um risouho tolo correcta, rosada,cheladevida,como aquella,
e... disse 1 Palavra nem meia I nio estava pegada & uma cahega feia e ve-
Farto dsquella ntudez, nio sei que iro- '
nia prof--ri e ia retirar-me, quando a mu-
Iner mascarada...
Nao te digo nada I... Atira-se a mim,
poa-me, como so costuraa dizer, na berlin-
da, deita-me i-b'iio o castello das semsa-
borias, que eu considerava ditos de mu to
merccimento; n'uma palavra : poz-memais
razo do que a lima I
Mas c m que gaca I continuou Ar-
thur enthiisiasmadoQue ironia lim, mor-
daz, delicada I... Que mulher I Que ado1
ravel mulher, que deve ser 1
Etu? ..perguntei, ancioso p)r sa-
ber o resto.
E eu, filho 1...volveu ArthurEu
parvo, estupi Jo, imbacii, chato e razo, en-
topi, comecei por sontir um zunido nos ou-
vidos, depois veio-me o desejo di a conhe-
cer, e entrei a olhar para ella, e comos6 se
Ihe via uma orelha, cravei os olhos nessa
orelha, a espera que a dona acabassede me
zurzir.
E nio podia retirar os olhos de cima
daquella orelha I Nio que eu, tambem,
nunca vi uma orelha assim !... '
Imagina tu uma orelha... Mas nio!...
Aquillo nao se descreve I.. Aquillo, quan-
do muito pinti-se I
Que formosa orelha I
Fascinado, doudo, perdido, entro a paro-
diar o Cuvier ; mette-se-me na cabeca re-
construir toda aquella mulher pela ore-
lha ; juro, de mim para mim, que 6 por
forc,a formosa ; nio sei que ailucinacAo se
apodora do meu espiritoe... quando a mu-
lher se cala... inclino-me para ella e^..
zas I... beijo-1 he o lobulo da orelha I
Oh I.... exclamei, quando Arthur
chegou a este ponto.
Palavra dehonra!..disse elle so-
lemne e sombrio.Beijei-lhe a orelha I
Basta 1.. e depois?..
Depois... ergo me, ouvindo o grito,
que ella s Itou; a senhora gorda chama-me
bregeiroe grita : 0* Mattos!.. Enfio
pela porta f6ra ; o Mattos, que vinha a en-
trar, atira-me um pontape" instinctivo ; pre^
go-lhe uma bofetada, para o nao deixar
sem uma lcmbranca minha; galgo as es-
cadas e... estou aqui.
Econtinuou Arthurestou aqui, es-
tou Id.!
\A onde I *.. perguntei assustado,
Em S. Joio... respenJeu singella-
mente Arthur, accrecentou :
Descansa, que ]& estou fino I
Arthur despio as roupagens de mouro,
vestindo-se csmeradamen'.e, e eu tirei o
do:nin6.
Voltamos para o tbeatro.
Em vaol... 0 camarote estava vazio.
Ill
0 leitor nio imagina a impressio que
este incidente doixo i no espirito de Arthur.
As duas noites seguintes, passamo-las em
S. Joio.
A' medida que os camarotes se iam en-
cbeudo, sem que era nenhum apparecessem
QUINTA PARTE
LEONOR
VII
" QCE SE PASSOU EM CENTO ENTRE PAULO E
LUCREC1A.
(Continuagao do n. 93.)
Paulo escreveu aquellas palavras nas
margens dos quatro memoriaes.
Bem, entregue-m'os para qae os as-
sighe.
I'aulo collocou diante de Lucrecia os me-
moriaes eem cada um d'elles a gri-duque-
za escreveu uma rubrica nervosa, por assim
di"zer.
I aulo notou que Ihe tremia a mio.
Guarde os memoriaes-, disse Lucrecia,
e, quando chegar mos ao palacio, entre-
gue os ao meu esmoler.
0 olhar que Lucrecia fixava em. Paulo
tornava se cada vez mais intenso e mais
profundo.
Parece-me que o conhego ha mais
tempo, disse ella.ou pelo menos asseme-
lha-se a uma pessoa a quem conheci suitQ,
porem nao posso recordar-me de quem seja
ossa pessoa ; e uma'semelhanga vaga. Diga-
me, com qaal de seus pais se p3roce ?
Com nanhum, minha senhora, meu
pai e baixo e eu sou alto bastante ; minha
mii era alta e muito formosa, peimiitta
vossa alteza este clogio ao amor de um fi-
lho, nab a cheguei a conbecor, porque mor-
reu pouco depois do dar-me luz, por^m.
conhec^)-lhe o rotrato, e ainda que na esta-
ura me parejo com ella, .no rosto n5o to
Meu tiot o Sr.
de Boncamp e meu pai dizem que me pare-
qo murto com uma parenta. *
E como se chama essa paren'a ?
Augusta.
Nao conher^o esse nome. E disseram-
Ihe de quo paiz era essa parenta ?
mm Frauceza, da Bretanha, d'onde e ori-
ginaria a minha familia.
Nada se me explica, disse Lucrecia,
deve ser uma casualida le, talyez uma con-
fisao minha. Pode retirar-se', quando ne-
cessitar dos seus services, charha-Io-hei.
Paulo fez um cumprimento e beijou a
mio a Lucrecia.
Aquella mio estava fria e tremia imper-
ceptivelmente
Quando o mancebo sahio, Lucrecia flcou
abysmada n'uma medita$io profunda ; o
rosto deixava ver uma f xpressio terrivel,
uma expressio de muda amea^a, de amea-
Esti junto do mim Michelotto, o trai-:
dor, o miseravel, o lobo de men irmao! chelotto. Oh 1 minha filha I minha pobre
Cesar, e annuncia-m'o quando coaheco este filha nas mios d'aquelle .infame I... Te-
mancebo em quem encontro uma seme- la-ha educado mat, teri f-ito d'ella uma
lhanca vaga com alguem de quem me uao.mjlher vergonhosa, talvez queum dia m'a
lerabra, semelhanga que me aterra e me ate- lance aos po's moribund!, perdida, degra-
morisa. Oh I a minha existencia 6 uma exis- dada I
lha I...
0 que ha de pensar de mim aquella
mulher I ?.. Ha de tcr-me por um alarve,
um gallego, um aguadeiro, um cadeiri-
nhal
n'esteestadooatureiaiada algunsdias,
ate que, fiudo o prazo da licenga, se vio
obrigado a sahir do Porto
Fui acompanha-lo a diligencia.
As ultimas palavras que me dirigio, ao
despelir-se, foram :
0' F... Nio te esquecasl Se en-
contrares as louras... Segue-as, e avis3-
me I... Adeus I
Em mis disposicdes cntras na grave
carre.ras da magistralura !... pensei de
mim para mim.
Era rara a semana, em que nio recebesse
duas ou tres cartas d'elle, a perguntar me se
tinha encontrado as louras.
A ultima, que recebi d'elle, antes das fe_-
rias da Paschoa, dizia entre outras cousas:
Vou ver se arranjo uma transferencia.
Esta comarca 6 horrive' I... Nio ha
uma unica mulher, que tenha orelhas tole-
raveis I.. Umas tem-n!asgrandes de mais;
outras vermelhas e lustrosas; algumas sio
cdr de pergaminho velho ; a maior parte
teem os lobulos estirados pelo peso dos
brincos. Em conclusio: a orelha ideal,
pequenina, rosada, com o lobulo coberto
por uma penugem como a do pecego nio
existe aqui. Vou requerer a transferencia I
Pouco depois, vinha Arthur passar no
Porto as fenas e recomecava, tenazmente,
as suas pesquizas.
Em vio 1
Meninas louras, havia-as aos cardumes:
mas, nenhuma d'ellas era quem elle pro-
curava, e, como o leitor sabe, nio se desco-
brindo as louras, nio se podia dar com a
dona da orelha.
Pouco depois, conseguio Arthur ser trans-
ferido para uma comarca, collocada entre
Porto e Goimbra.
Era a sua grande ambigao I.. 0 cami-
nho de ferro offerecia-lhe a vantage in de
vir mais amiudadas vezes ao Porto, em pro-
cura do seu ideal.
A' foiva de pensar na desconhecida, e
grajas d romanesca imaginacio deque,
como disse em principio, Arthur era dotado,
tornira-se-lhe a dona da orelha uma idea
fixa, uma especie de monomania.
De alegre, que era, 'ornira-se melanco-
lico e, sobretudo, insociaveU
Porque te nio distrahes?... Nao
tens li familias, com quem convivas ?...
Nio sei, nem quero saber I Todas
as mulheres me parecem feias, fora do
Porto I... Para que heide eu conviver
com aquella gente, se ella nio estd Id, estd
aquiI 7
Pouco depois d'esta conversa, lia eu n'um
dos jornaes d'aqni uma correspondencia era
que se descrevia um baile dado na comarca
onde estava Arthur.
Depois de descrever o luxo dos saloes, as
toilettes da bella S. P., da formosa A. T.,
da espirituosa C. V. e de outras tantas ini-
daver formoso ainda, mas corroido no inte-
rior I... e sempre ossa terrivel recorda-
io... essa recordagao que esgotou as mi-
nha; lagrimas I... Alexandria 1 minha
filha I a filha da minha alma, a minha filha
unica, porque naotemos mais filhos do que
aquelles que araamos ; e Michelotto estd
junto de mim, occulto na sombra e bem es-
condido de certo, porque, se assim nio fosse
nio se atreveria a dizer-me : estou a teu
lado, Lucrecia. Nio, elle nio se atrevia a
collocar-se.junto de mim se nio viesse di-
zer-me : ahi tens a tua Alexandria, for-
mosa, pura, frtliz... nio a deve ter morto,
nio, porque se o tivesse feito, aquelle aviso
ameacador seria uma tolice. Que podia
elle entio fazer contra mim ? Ferir-me ?
To mar-me victima de uma vinganca vul-
gar ? Nio, porque sabe que desprezo a
morte e que me fazia um favor matando-
me. Nio, nio, Alexandrina five e e, sem
duvida, o instrumento da vinganca de Mi
pmd
duer : ^i-i
Entre outros cavalheiros, estavam os
Srs. Fulano, Sicrano, Bsltran), e o intelli-
gente e syrapathico delegade d'esta comarca,
o Sr. Arthur de...
--Ora ainda bam, que t-3 resolveste a
sahir da concha !..oxobmji mantalraonK
satisfeito por aquelle primeiro iniicio de
cura.
Imagine agora o leitor qual seria o meu
alvoroco, quando, tres mez.-a mais tarde,
recebi de Arthur o esdruxulo tolegramma :
Achei a dona da orelha I...- Vein
immediatamente I Arthur.
Escusado e" dizer que n'essa mesma tarde
me mettia no comboyo e cahia, o anoi-
tecer, nos bragos do meu amigo, que me
esperava na estag/io.
E' impojsivel dar u na idea aproximada
da alegria de Arthur.
Apunas nos ach .mos sos, em casa d'elfe.
entrou a abragar-me, a rir, a fallar sen*
torn n>i n son... Comas do namoradoi!
Sou f-jliz..., o miis feliz dos ho-
mensl...dizia Arthur, danlo-:ne novo
abrago d cada phrase.
Masse QTitbo lio, homem!...excla-
mei com impaci ncia C uiti-ioe as cousas
como ellas sio I
Depois de nio set quint is mais -dira-
gagojs, consegui que Arthur, coatendo os
inapetos da alegria, me contasseo seguin-
to :
Sabesarazio que me levou a pedir a
transf-jreucia para aqui... Todo o raeu em-
penho, o meuunico desejo era collocar-me o
mais perio possivel do Porto I Era 14 e s6
Id queviz secreta me dizia qua podoria en
contrar a doni di orelhn I Umi vez con
vencido de que s6 Id a poderia achar, pi-
rocia-me deserto outro qualquer local. Quo
me importavam as ouiras mulherus, se nen-
huma d'ella era a que eu pro:urava '! ...
Ua mais : a vista de uma mulher bonita ir-
ritava- ne os nervos ; servii apenas para me
avivar o desgosto de nio pol jr ver a que ej
sonhara bella entre tolas. Se alguma cou-
sa me consoliva, era, depois di devido eia-
rae, a certeza do que mulher .mnhu na pos-
suia orelha que p)desse competir com a
que me roubdra o socego. Forgado peli
minha profissio a longas ausencias do Por
to, tornoi-me sorabrio, quasi desconfiado e
deixei de sahir, d nio ser para ir ao tribu
nal. Um dia, estava eu a vestir-me, rece-
bo um conv'te para o baiU do um dos in-
fluentes d'aqui.
Nao vou 1 disse terminantemente
com os meus botoas, e fui para o tribu
nal.
A' sahida vinhi eu com o juizexcel-
lente homem e diz-me elle :
Recebou convite para o baile ?
Recebi e.. nao vou...rospondi,
encolhendo os hombros.
Tenha paciencia... vd... E' um
desconsolo para o homem. Em terras pe-
quenas repara-se em tudo... Deixa-me di-
zer-lhe uma cousa?... Nio se offeude?...
continuou o juiz.
Essa e boa I... P61e V. Exc. dizer o
que quiz >r I... repliquei.
Como niO apparece e foge do todo
o raundo, julgam-n'o por ahi...observou
a medo.
n Soberbo ?.coiclui.
c Exactamente I... Va ao baiia...
Faz-me isto?...
Basta I... V. Exc. manda. Irei ao
baile...disse eu sorrindo.
Deixe estar que nio ha de arrepen-
der-se...
Vai ver uma senhora... que o sabe ser 1...
Conheco muito poucas meninas tao interes-
santes como a filha do Almada I...prose-
guio o juiz com visivel convicgio.
mm Alguma preciosa de provincia 1
atalhei, sorrindo ironicamente.
* Nio senhor!... E* uma menina
formosa, intelligente, de uma instrucgio
pouco vulgar, e o que e melhor do que tu
do isso, Ijoii Josa como os anjos Iretorquio
o juiz com dasusado fogo.
Se V. Exc. nao fosse casado, ha-
via de dizer que estava apaixonado!excla-
mei.
Deixe que ainla me ha de dar ra-
zio I... Se se nao apaixonar por ella, ha de
pelo rnenos fazer-loe a justiga devida... E'
um anjo, creia I... Quaiido, o anno passa-
do, as bexigas levaram por aqui uma allu-
viio de criangas, rara foi a casa onde.a fi-
lha do Almada nao entrasse I... Lovava con-
solagdes e soccorros ; trazia d sahida, era
troca, as bengios de todos I
n Assim terminou a minha conversa com
o juiz. fthbora.de md vontade.fui ao bai
le. Jd estavam as salascheias, quanlo en-
trei. 0 dono da casa apresentou-me d es
posa,a filha tinha sahido da sala e, ape-
nas elle me deixou, fui assentar-me ao p4
do juiz.
Olhe, que e preciso dangarldisse
elle Nio queira justificar a opiniio publi-
cs!... Nio se mostre soberbj I... Va dan-
gar, va dangar 1
a Bam I .. Vou dangarl.. S6 V. Exc.
era capaz de meobrigar a esse sacrificiol
respond i.
E, ergueudo-me de a> pe d'elle, fui
juntar-me a um grupo de mancebos. Fiel
h minha promessa, apenas a rousica deu o
signal, dirigi-me para junto de uma janella,
cade esta vain tres seoburas em ammada con-
versa.
Ellas que fug rara para aRi e" por-
que nio sao bonitis...pensei.
E. como para mim, desle a scena do
theatro as feias erara as bonitas, resolvi cou-
vilar uma das tres. Qmo desillusiol...
Du s eram velh is, mjs d'esta veltiiue- res-
peitavel, para a qual dangas apenas sy-iabo-
lisara saudades. A terceira.r. era nraa for-
mosura I Fiojuei furioso, nws... nio ha via
rebtediol AJiantdra me de mais para po-
der retirar, sem um pretexto qjialquer.
Vai*... Vou dangar com ella, mas
new olho para ella, nem Ihe fallo !...es-
clamei mentalmeate.
a Como me aceitasse por oavalheiro,
olforeci Ihe o brSfl e vim tomar o-meu lu-
gar. Era meu.vi-d vis umadvogado, que,
peLos modes, pareeia querer agradar mais
ao mo* par do que ao dalle. A' forca de
Ihe notar os inaocentes manejos, atraves-
sou-.ne o espirito esta pergunta:
Que casta de orelhas tera o meu
par 1 ?
I isUnctivamente... olhei 1 Imagina
que assombro o meu; 6 F... I fcragina
uraa repr.iducgio exacta da outra or^lba I
Acredila quo estiva vat- nio vai para Ihe per-
guntar :
a Essa orelha 6de V. Ex;.?"...
Felrzuaente, contive-me. Se ate entio
Ihe nio fallara por teimosia, d'ahi pordian
te nio o pude fazer, porque aquella orelha
desuorteava-me, baralhava-rae as ideas I
V. Exc. nunca esteve no Porto T...
consegui, por fim, perguntar.
Muitas vezes... respondeu ella.
Era, porem, tio secca, ti) fria a infle-
xao daquella voz, que me senti corar.
a Tens razio IpenseiSe ha um
quano da bora que estou ao pe de to e e
esta a primeiraserasaboria que te digo I E'
o me mo I E's dona de uma orelha cemo
a delta, mas nio es a dona da orelha I Ti-
nha uma voz muito mats harmoniosa do
que a tua, apezar de fallar de mascara...
Decididamente, tu nio e's ella I Nio es,
mas.... sempre tens uma orelha I...
E nestas e n'outras cogitagdes fui gts-
tando o tempo, ate' que a contradanga ter-
minou. Balbuciei nio sei que deseulpas,
a que ella apenas respondeu com uma M
geira inclinagio de cabega, e fui ter imme-
diataraente com o juiz.
Qjem e aquella senhora... com
quem dangei ?...perguntei-lhe eu, eraen-
dando a tempo a formula, pois ia a dizer :
a Quem e aquella senhora que tem aquella
orelha?...
Homem I... Essa nio e' md !...
exclamou o bom do velho, soltando uma gar-
galuadaDanga com ella e vem-me pergun-
tar quem 6 1... Jd vejoque Ihe niocausou
a impressao que era de esperar... Aquella
senhora 6 o anjo do quem Ihe fallei; e a
filha do dono da casa ; e a Sra. D. Ame-
lia 1
Pois, meu charo amigo, o anjo deve
fazer de mira um tristissimo conceito I...
Nem sequer Ihe fallei I... E tenho pena ..
Tenho razoesaccrescentei eu, pensando na
orelha,para sentir que e la ficasse mal
impressionada a meu rspeito... Pacien-
cia !
Paciencia, nao I... exclamou d
juiz con mo Jos de contrariadoPaciencia,
nao, quo o senhor deixou-me ficar por
mentiroso I Eu fiz-lhe n'esta casa e diante
da Sra. D Amelia as ausencias que a cons-
ciencia me dictou, e o senhor, por artes do
detnonio, deixa-me ficar mal I... Nada 1 ..
Isto nao fica assim I... Venha d'ahi, que o
quero apresentar e pedir desculpa em seu
nome... Venha I...
0' doutor I...repliquei euIsso
agora e de um ridiculo atroz I... Parece-
me a emenda peior do que o soneto I...
Por quem e" !...
a Qua! historias I. Venha d'ahi,
homem I... Nio seja bicho !...
iEo santo velho travandcsM de um
brago, obrigou-me a segui-lo.
V. Excdisse elle, dirigindo-se A
jovencomprehende que am homem, um
oavalheiro, victima de um desgosto de fa-
milia, de uma infelicidade em amor, posts
entregar-se de alma e coragio d melsoeolia
que o mina, a ponto de olhar sem ver, de
escutar sem ouvir, a pouto de parecer omI
educado?...
Comprehenrfo...balbuciou a je-
ven, corando, receiosa de adevinhar as in-
tengoes do juiz.
Pois bem, minha senhora I... Vic-
tima nio sei de que pesar, aqui o meu jo-
ven amigo e coflega acabide se me coafes-
ser tio alheio a tudo o que o cerca, que,
tencia defogo, pensava que se tinha aca-
bado para mim o amor, que o meu cora-
gio estava gelado, que se tinha convertido
E Lucrecia eslorceu as mios.
Ah I exclamou ella rugindo como um
animal feroz, e necessario encontrar Miche-
ho a meuor seuicluanga.
em am tuinulo das miuhas esperangas e dos lotto ; encontra-lo I mas como ? procuro-o
meus sonhos. Bembo 6 um homem de es-: ha vinte annos, tenho gasto somraas imenen-
pirito que me entretem, que me faz esque-. sas, appellei para o poder do nosso a liado
cer poralguns mdmentos as minhas son-' o rei de Franga e nada se descobrio... e
brias recordagdes, mas nio o amo, nio, em Franga perdera-se a pista de Michelotto
passa de ser o fav rito de uma mulher can- como um arroio se perde em um lago. E
gad a e morta. Estou so no mundo, nio esse mancebo, esse Paulo de Amesteville
tenho familia, nio a amo nem posso ama- que se diz parisiease, oriundo da Borgonha,
la : meus filhos parecern-se com seu pai, parece se... com quem ? com quem ? Ah)
com essa cadeia insupportavel a que me li- exclamou Lucrecia batendo com a ma i na
gou a arabicio de Cesar ; o meu coragio fronte, ah I jd sei... Genebra MaJatesta 1
estd s"m uma lagrima, arido, fechado para Nio e uraa seraelhanga completa e per isso
todas as impressdes doces, cheio de tin fel nio acertava, nio pode ser exacta a pire-
araargo e a cabena Lnlif-a turdila pelo conga ; ella era franzina, delicada, criaoga
remorse Ah o terrivel sa guo dos Bor- ainda, tinha quinze annos ; elle e formoso,
gia?, da familia mallitj, que,. como as vi- mas energico e os seus olhos... ah I cora-
boros, so devora a si prorria I... Sou a pletam-se as rccortlagdes, sim, teem a ex-
ultiraa Borgia, j^ra oadaver vivente, um ca- pressio dos olhos d'esse homem, do3de Lu-
dov co. Porem passo onganar-ma e sem
embargo ter-se perdi io em Franga Miche-
lotto... e esse mancebo... a sua idade ..
ah t socega, socega... observa, nio quero
apressar-me demasiado, nio quero dvisar
ninguen, tenho jd deraasiada idade para
que se rae possa perdoar uma imprudencia.
Lucrecia levantou-se e comecou a pas-
seiar agitada.
Para que quero eu esto novo amor ?
porque o que eu sinto e o amor, nio posso
enganar-me e um amor violento ; e neces-
sario fazer calar o coragio, e necessario que
soffra, que morra, se preciso for ; nio,' nio,
um amor que nasce mita se com facilidade,
as Jovens succumbem a elle por inexpe-
rientes, porque o amor arrebata-as, porque
nio provaram os seus araargos fructos...
afastarei de mim esse homem, nio me fal-
tario pretextos. Affinso nio tem outra von-
tade senio a minha... necessito afastar
estas impressdes, este quarto soffoca- ne.
Lucrecia aproximou-se da mesa e agitou
uma campainha.
Apparecefu um gentil-homera.
Diga i raarqueza de la Fide quo en-
tre.
Pouco depois entrou uma das damas jd
de idade.
Quero passeiar pelos jardins, Magda-
lena, disse Lucrecia ; acompanbe-me
E, sahindo do quarto por outra porta,
atravessou um corrector, desceu uma escada
e entrou nos jardins
Estd am dia linlissimo, nio e ver-
dade ? disse Lucrecia.
Lindissimo, minha senhora, respon
deu a m&rqueza que teria respondido o
contrario se Lucrocta Ihe tivosse dito que o
dia estava liorrivel.
Van os aid d margem do rio, pros1*-
guio a gri-duqueza, estou.como as criangas,
gosto do ver correr a ago3. Qoando come-
gamos a sentir de novo os- desejosda infan-
cia, e porque esta mos velhos.
Vossa alteza, pordm, estd rosplmdo-
cente.
^Obrigado, Miglaloaa, obrigalo ; 0
mas
a alma... a
alteza deve ter
corpo conserva-se j >ven
experiencia.
A sabadoria ; vossi
sido sempre sabia.
Sim ? pois eu creio Maglalena que
sempre soube mui pouco.
0 nome de vossa alteza resplandece
na his ton a.
Historia escripta durante a vida dos
principes, cumulo do adulagoes e de men-
tiras. Verda le e que a historia dos prin-
cipes raortos 6, pelas mais das vezes, apo-
crypha. Quem sabe 0 que dirio de mim
d'aqui a cincoenta annos I '
Grandezas.
Quem sabe 1... quem sabe 1
Lucrecia chegou a um parapeito dos
jardins que deitava para 0 rio, sentou-se e|
nomegou a langar pedrinbas para a agua.
A marquez 1 de la Fide estava callada.
Indubitavelraente sua alteza estava de
mio humor e nio era conveniente dis-
trahi-la.
0 quo se diz pelo palacio ? perguntou
por Sra Lucrecia.
Por emquantp, minha senhora, hio
se diz nada, respondeu a mirqueza, mas
dentro om pouco talvez se diga alguma
cousa.
Entio 0 que^
Uns.amores novos.
Lucrecia corou leveraente e repatio :
Uns ampres novos ?
Sim, minha senhora, e por carlo que
sio os amoves raais. formosos do mundo,
quero dizer^ elle e ella foram feitos um para
0 outro. V
Ah I enlio esses amores sio com al-
gumas das minhas damas ?
Sira, minha senhora, cam a mais for-
mosa das dam is da cdrte.
Branca Albini ?
Sim, minha senhora. v
Engdna-sc. Branca nao nasceitpara 0
a,nor, e do mar.nore. \.,
Pois, minha senhora, 0 marra >recon-N
04O ccra ; isto havia do succeder,
vila do 0 repetir a toios quo di-
zoiu qie Uranca e insensivol. Ambiciorja
diz elle, receia ter, ainda ha pouco, dado
lugar a q ie V. Esc. o tenha em eoota de
m-nos delicado...
Oh I senho* I..,murmurou Ame-
lia, corando e baixasdo os olhos,
Quando li a nomeagao do- Sr. Ar-
thur para esta comarca;continuou 0 jmz
pedi inf .rmagoes d :erca delle a MB-aou-
go meu do Porto. Ha de perdoar-me..
proseguico velho, voltatido-se para mim
Eu sempre gostei de saber com q aem te-
nho do liuar... Kesponderam-me que era
11 n mogo bonrado, iutel'igentissimo, leal,
enthusiasta- e alegre. Chegou 0 Sr. Arthur
e achei exaola a informagao em tudo, me-
nus... nos dous ultimos predicadbs I... Em
.vbz de enthusiasta e alegre, appareceuMne
u [nio sei que idea fixa Serao amores que
assim o tr.nsfonnaram ie repente ?... Nio
sei I... Pego a V. Exc. qae 0 desculpt-
se 6 que elle, ainda ha pouco, se compor-
t>u como me disse, e aqui Ira'o deixo...
Veja V. Exc. se- 0 confessa e talvaz que ain-
da o possamos eurar destas tnstezas I
'to velho, rindo como um rapaz, ba-
teu-me levomente no hombrj e retirou-se,
deiMiido-me alii n'uma pjsigSo que nada
tinlw de invejavel. Nio sei quantossegun
dos permaneci alii, diante deli*, sem encon-
trar palavras que- me tirassem do enleio
que me causara a apresentagao do juiz. 0
que sei e que me paroceu um secolo cada
um desses segundos-l Cobraudo, afioal,
um pouco de animo, murmut>ei:
0 meu velno amigo disse a verda-
de affirmando a V. Exc. que me pesava a
md impressio que devo ter proJuzido no
seu espirito. minhs senhora..
Por quem e, nio fallemos mais
nisso I...atalhou a jovenNao me conhe
cia, nem me parece que, d excepcio do juiz,
coahega. a maior parte das pessoas que aqui.
estao... E' natural que esteja aborrecido,
sobretudo se, como 0 seu amigo ha pouco
disse, tem magoas que 0 persigam... Nio
fallemos mais nisso I1
Pelo contrario, minha senhora...
Fallemosl... V. Em-, acabade confirmar o
que todos dizem da sua bondade, mas eu 6
que preciso de provar a V. Exc. que nio
sou o se'.vagem que- devo ter-lhe parecidt
ha pouco...
Basta I...exclamou Amelia sor
rindoOs selvageos ainda nio aprenderam
a dizer lisoojas e o senhor em meia dazia
da palavras jd conseguio chamar-raa bon
dosa... Bern vd que nio posso te lo em eon-
ta de setvagem...
> < V miaba senhora ?... A verdsde i
0 contraste da lisonja e eu so disse & ver-
dade... Agora que a vejo, que a ougo, por-
que, como 0 juiz disse, eu, ha pouco, nem
via, nem ouvia, agora comprehendo oue V.
Exc. meperdiae, pois bem punido fuiji, nao
vendo, nem ouvindo I...
a Para selvagem ha de confessar que
se nio vai sahindo mal!...murmurou a
joven, rindo maliciosamente.
Tomando em seguida um ar mais gra-
ve, accresceutou :
mm, Qu.r fazer me um favor ?... Nio
rae tratc como a estas meninas quo, quando
teem um vestidinho novo, coram de prazer.
so Ihes dizem que sio mais bcaitas assim...
Nada ha que mais me custe do que ter do
hesitar entre a sentenga do meu espelho e
a opiniio de quem pretonde ser mais fiel
do que elle I...
Nio s i que tempo alii teiia ficado, se
0 juiz me nio viesse buscar.
' E entio ?. perguutou-me tUtt,
apenas DCS afastamos.
Dou as mios d palmataria!,..
exclamei impetuosameutoE' uma senhora,
interessantissiraa I... Bella, espirituosa e
intelligente !...
I Continuar-se-ka. j
muito e nio encontro .1 nala que a satisfa-
ga. Porem amard, nio 0 duvide, vossa
alteza, araara com tanta mais forga quanto
raais tempo tardou em araar.
Ainda nio tardou, apenas tem deaoi-
to annos.
E qaal e a senhora de Ferrari que
aos dezoito annos nio couta pelo menos tres
intrigas de amor ? A resistencia do Branca
era oslranha, porom succedeu 0 que eu
previa, encoutrou de repente um homem
que Ihe realisou os sonhos eama, ama jd,
nao 0 duvido, ainda que ha apenas tres
horas que conhece 0 homem por quem se
onamorou.
E quem e esse homem ?
E' 0 capitao da escolla de vossa al-
teza.
0 que ? 0 cavalheiro Paulo de Arnes-
tevile ?
Sim, minha senhora, e esse mancebo
que, apezar de ser francez, falla admira-
velmente 0 italiano.
Pois bem, disse Lucrecia com indif-
fereuga, se esses amores se realisam casa-
los-heraos.
N'osse caso, parece-me que sord den-
tro em breve.
Lucrecia nio respondeu.
Permaneceu alguns momentos pensativa
e por fim disse a mar (ueza com voz lugu -
bre :
Retirerao-nos.
E, sahindo dos jardins, entrou no pala-
cio.
Pouco depois punha-so em marcha de
volta para Ferrara.
Ao entrar para a carruagem, Lucrecis
olho'u para Paulo de urn moio sombrio.
Ah I disse 0 mancebo c msigo mesmo
percebendo a juefle olhar, a velha raarqueza
Pallou e a gri-duquoza estd irri:ada ; mag-
nifico, dentro era pouco ha de amar-me.
E comegou a galopar junto da carruagem
onde ia Branca Albini.
B.
/.
#
i

V
.
^
r
I
{Continuarse-ha)
WTIK^ D'APIO. -RUA DUQUK UB CAXJaS
J
r
urn \


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK2GY4MRE_0A90SR INGEST_TIME 2014-05-27T21:30:08Z PACKAGE AA00011611_17618
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES