Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17616


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Ai\i\0 L. NllERO 78

> ..
v
PARA A CAPITAL E
Por tres mezes adiantados. .
Por seis ditos idem.
Por urn anno idem....
Cada numero avulso .
Ll'G.lRES 0\DE
VlO Si; IMG1 FORTH
....... 6&000
.....: 123000
..... 349000
....... 9320
QUARTA FEIRA 8 DE AfflUL DE 1874
. PAR A IMi.Vl'HO ii POR A DA PROVINCIA.
Por tres mezes adiantados................ 65750
Por seis ditos idem.................. 1335o0
Por nove ditps idem ................. 90*250
Por um anno idem. ..;.............. 87JIOO0
PROPRIEDADE DE HANDEL FIGUfROA DE FARIA A FILHOS.
* Sn. Gerardo Antonio Abes 4 Filhos, no Para; Gongalves A Pinto, no Maranhao, joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Ceari; AntoA de Lemus Braa, no Aracatj Joio iHVia Julio Chaves, no Art, Antonio Marque, da Silva. no flattl, Jose Justus
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahvba Antonio Jose Gomes, na Villa d|*enha; Be'armino dos Santo. BulcAo. em Santo Antao ; Domingos Jose da CosUBraga, M|mA,
Autonio Ferreira de Aguiar.em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das Alagoag Alves 4 C, na Bahia; e Leite, Cerquinho 4 C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
(iovcrno ila pro vincia
EXPEDIE.NTE DO DIA 9 DE JANEIRO DE 1871.
1.' seccao. .
Officios :
Ao Exm. brigadeiro commandants das annas.
Sirva 36 V. Exc. de mandar por em liUerdaie o
recruta Manoel Francisco Xavier, que provou ser
casado e ter quatro Twin*".
Ao mesmo. -Rosokendo o Exm. Sr. minislro
da guerra em aviso de 31 de dezembro proximo
tindo que seja eljvada a 15200 rs. a diaria mar-
cada para os serveates paisanos do h opital mili"
Ur desta provincia, os quaes na dever.'u exceder
ao uumero flxado no respective regulamento ; as-
sim ocommuoico a V. Exc. para os fins convenien-
tes, prevenindoo de que pelo citado aviso foi pro-
visoriamente approvaJo o alvitre que tomou V.
Exc. de man I if subsiiluT por s ii la 1 >- dos c irpos
de linlia os seis servenles <|ue abahdonaram o
servigo do dilo hospital.
Ao mesmo. Transmilto a V. Exc, para os
tins coavenientes, a inclusa relacao de alleragoe*
OCCOrridu durante o mez de dezembro ultimo
coin o tenente do 9." batalhao de infateria, Frau-
Cisco IgaaCio Manoel de Lima, que esta servindo
iaterinamente de ajudante de. ordens da presiJen-
.Cia da provincia do Rio Grande lo Norte.
. Ao mesmo. Transmit! a V. Exc para os
has convenientes, a inclasa guia de s-tceorrimen-
lo e a certidio de assentameatos do 2." ci lets do
2." batalhao do infantaria, Francisco Jer>nymo Lo-
pes Pereira, que veio da provincia do Maranhiio
para esta no vapor Cruzeiro do Sul, segundo coin-
municoume a respectiva presidencia em olEcio de
2 do corrente.
Ao mesmo. Sirva-sc V. Exc. de man-lar
postar na rampa do caes de palacio, junto a p ints
Santa Isabel, hoje a? 5 horas da tarde, uma guar-
da para fazer as honras devidas ap Exm. presi-
dente nomea'lo para o Para, Dr. Pedro Vicente de
Azevedo, por occasiao do seu embarque para bor
d> do vapor Bihta, no qaal segue para aquella
provincia; providenciando V. Exc. igualineute pa-
ra que a fortaleza J Brum de uma salva quauJo
c referido vapor demandar a barra.
.. Ao mesmo.Sirva-se V. Ex; de mandar por
em liberdade o recruta Antonio Manoel Pacheoo,
conhecido por Antonio Breu, oqaal provou isen-
glo legal.
Ao mesmo.Sirva-se \. Exc. de mandar por
em liberdade o recruta, vindo do Bonito, Maaoel
Sotelho, que Ihe foi mandado apresentir h intent
pelo Dr. chcfe de policia, visto ter provado isen-
$M legal.
Ao mesmo. Communicando-me o alferes
commandant" la forca. em diligencia na villa do
Buique_ ter feito seguir para esta capital o i.4 ca-
dete Joao de Siqueira Cavalcante, afim de condu-
?.ir o diahuiro preciso para pagamcoto da mesma
for^a; assim deelaro aV. Exc. para seuconheci-
meato.
Ao mesmo. fii^-so V, e. io niQ..i. pa
em liberdade os recrutas, Aotonio Ferretra* de
Araujo, Firmino Jose de Sour.a, Estevao Antonio
Oaofre, Antonio Joaquim das Yirgens e Ag istiaho
Jose de Sant'Anai, os tres primeiros par serem
ia-rapazes do servii;.o militar, segando o termo de
ia3pecijao annexo ao seu otflcio de honlem datado,
scb n. 20, e os dius ultiiuos por terem provado
isea^ao legal.
Ao Inspector do arsenal de marinha.DO V.
S. suas ordens para que a galeota esteja postada
na rampa do caes de palacio, junto a pontc San-
ta Isabel, hoje as 5 boras da tarde, afim de trans-
portar para bordo do vapor Bahia o Exm. presi
deate nomeado pira a provincia do Para, Dr. Pe-
dro Vicente de Azevedo.
Ao director do arsenal de guerra. Em sa-
lisfacao ao que solicila o Exm. pres dente da pro-
vincia do Rio Grand-: di Norte em ofDcio Je 3 do
corrente, reeomoien lo a V. S. a possivel prestaza
na remessa para alii dos objectos conslantes da
; j'.'i?.i i junta, os i|uaes tern de ser fornecidos a
companuia de infantaria d'aquella provincia, em
Vcrtude do avis i do miaisterio da guerra, de iS
de novembro ultimo.
Ao mesmo. Communico a V. S para seu
coiiheciraent) ijue, a vista do disposto uo aviso do
rninisterio da guerra, de 27 de dezembro ultimo,
autoriso nesta data a factura dos reparos n-ces-
sarios no arioazetn n. 1 desse arsenal, alim de
neUe funecionar o conselho de compras.
Ao mesmo. -Transmilto a V. S, para os fins
convenient-*, o incluso conhecimento de tres vo-
lumes e tres -.aixoes vindos dacorte no vapor Ba-
hia, aquelles contendo artigos para a pharmacia
do hospital militar, o estes com sapatos destinad >s
ao Rio Giande do Norte, para onde ievera V. S.
remettel-os na priineira opportunidade.
Ao commandanie do presidio de Feruaudo
de Xoronha.Faga V. S. regressar a esta capital,
com a competente guia, o sentenciado Leandro
. Aprigio da Purificacio, como solicita o juiz de di-
reito da I.' vara.
Ao mesmo. Transmilto a V. S. as guias
juatas dos 18 sentecciados, constants da relacao
nominal junta, que para ahi seguem, com excep-
<;ao d09 de nomes, Amancio da Silva, Izaias Anto-
aio da Silva, Manoel Goncalves Barro90 e Jose An-
tonio Anselmo Moreira, por ja existirem nesse pre-
sidio.
Ao engenheiro dasobra9 militares. De eon-
'ormidade com a autorisa;ao oncedida pelo avi-
,so do rninisterio Ja guerra, de 27 de dezembro
proximo tindo, e em vista do orcamento na impor-
laacia de o'6l'i70 rs., a que se refere o seu oflicio
de 23 de outubro ultimo, sob n. 31, mande Vmc.
proceder aos reparos necessari )S no armazem n. 1
do arsenal de guerra, afim de uelle funecionar o
oonselho de compras do mesmo arsenal.
'J.' seccao
.Veto :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu 0 lenenie da ii.' companbia, Joaquim Ni-
colao Ferreira, e alferes poriabaadeira, Antonio
Francisco de Uoraea, a.nbos do 2.* batalhao de
infantaria, e a vista do parecer da junta de saude
que os julgou incapazes do servigo activo, e infor
maQao do respectivo commandante superior em
oflicio de 27 ae outubro proximo passado, sob a.
723, resolve transferil-os para o servifo de reser-
va, a cujo 2." batalhao ficarao aggregados.
Offlcios:
Ao Dr. chefe de policia. Conforme solicitou
V. S. em olllcio de 29 de dezembro proximo fin-
do, aob n. 2,092, junto remetto ious tubos com
iympha vaccioica para serem enviados ao delaga-
do da Escada.
Ao mesmo.-Informe V. S. sobre o que ex-
poz o Exm. presidente da provincia da Parabyba
uo offlciu joalo e.i! origiual, que devolvera.
Ao commaiJaute do eorpo de policia.Po-
de Vmc. engajar, sendo idoneos, no corpo sob
*eu command), os paisanos, Jose Mandd MaJrado
e Francises) Jose a asms, dos quaes trata Vmc. em
oncie a. 8, de 7 do ebrrente.
3" sec<-ao.
Actos :
0 presidente da provincia, attendendo ao
que a thesouraria de fazeada repres -ntou contra
o praticante da recebedoria de rendas Joao Pa-
checo de Medeiros, p>r haver este desrespeitado
o sen-chefe, resolve suspendelo ate que o go-
vern imperial, a quern vai ser snbmettido o pro-
cedimento do mesmo praticante, providencie a
respeito.
.0 presidente da provincia resolve exonerar
i Antonio G>nc.ilves da Oliveira de collector pro-
j vincial Je Iiambe, por assim o haver uedido, e
jnomear para substitui-lo Jose Tliales Je Mel I a.
O presidente da provincia, altondenlo ao
que expuz a thesouririi de (a/eJi nem olllcio de 5
ilo corrente. sob n. 309, serie F, resolve, nos termos
do decreto n. 2,88i, de l.de fevereiro de 1802, abrir
sob sua responsabilidade o creJito de I '6:7111389
a verbaCoriK) d'armala e classes annexas-do
rninisterio da marinha, no corrente exercicio de
1873 a i87i,-para occorrer ao pagamento das
despezas a fazer-se p>r cuula da referida verba
ate o fim do mesmo exercicio.
OHicios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Remelto a V. S., para seu conhecimento e devidos
lins, copia do aviso do miuiHerio do imperio.de
"ii de dezembro ultim <, n. 10,707, sobre o destino
que deve ter o eredito de 3:000i concediJo por
aviso de i de agosto para limpeza dos caes desta
capital.
Ao mesmo.-Transmilto a essa thesouraria
para os devidos fius copia da portaria desta data.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
devidos fins, que hoje assumio o commando su-
perior da guarda nacional deste muui;ipio o co-
ronel Antonio Gomes Leal.
Aomesno. A I do corrente entrouo ba-
<'barel Manoel Jose ifendes Bastos, promotor pu-
blico da comircaB de Buique, no gozo da li-
cenca qie Ihe foi concediJa a 27 de dezembro
ultimo ; o que communico a V. S. para os de-
vidos fins.
Ao mesm. Communico a V. S., que ne-ta
data resolvi suspender o praticante da recebedoria
de rendas Joao Pacheco de Medeiros, a vista do
que ropreseuta V. S. em seu oflicio de 7 do cor-
i enle sob n. 372, seric F, e levar o procedimento do
mesmo praticante ao conhecimento do governo
imperial.
Ao mesmo.Remetto a V. S. para seu co-
u'lecimento e tins conveuientes, copia do aviso
Jo rninisterio dos negocios da agricultura, com-
mercio e obras publicas, de 26 de dezembro ul
timo. commuHicinlo ja terem sido expedidas as
ordens necessarias acerca da iinportaucia com
que o mesmo rninisterio se obngou a contribuir
para a remuneracao dos servicos do engenheiro
V Fournie, contractadopara esta provincia
Ao mesmo.Communico a V. S., para seu
conhecimento e devidos tins, que nesta data re-
commeadei ao gerente da companhia pernam-
bucaua qu; faca comparecer opportuDamente
nessa reparticao o commandante ou immediato
do primeiri* "v por que tiver de largar prra os
portos do norte, alim de encarregar se do rece-
bimento e conduc(ito da importaucia dos direitos
da pmviacia da Parahyba, arrecadados no mez
proximo findo ;-conforme solicitou opresidente da
mesma provincia em o'Hcio &87 do corrente.
Ao mesmo. Remetto a V. S., para seu co-
nhecimento e fins convenientes, copia do aviso
do rninisterio dos negocios da agricultura, com-
mercio e obras publicas. de 10 de dezembro ul-
timo, acerca do eredito de 228:636' coin que
foi roatamnl.'ida '".ill [iruv.nci.i durante > exer-
cicio de 1873 a 1874 pm. occorrer as aesimw
com o servifo a cargo do mesmo rninisterio.
Ao mesmo.Resolve ado o Exm. Sr. ministro
da guerra em aviso de 31 de dezembro ultimo
que seja elevada a lf.200 a diaria marcada para
os serventes paisanos do hospital militar desta
provincia, os quaes nac deverio exceder ao nu-
mero fixado no respectivo regulamento ; assim
o communico a V. S. para os devidos effeitos.
Ao mesmo.-Tendo nestt data, nos termos
do aviso do rninisterio da guerra, de 27 de de-
zembro ultimo, autorisado o engenheiro das obras
militares a mandar proceJer os reparos orcados
em 56U470, de que precisa o armazem u. 1
do arsenal de guerra, afim de nelle funecionar
o respectivo eonselbo de compras, visto ter sido
cedida para corpo da guarda dessa thesouraria
a sala em que trabalhava o dito conselho ; assim
o communico a V. S. para seu conhecimento e
direecao.
Ao mesino.Remetto a V. S, para seu co-
nhecimento e fins convenientes, copia do aviso
do rninisterio dos negocios da agricultura, com
meieio e obras publicas, de 23 de dezembro ul-
timo, declarando Bear posta a disposijao desta
presideucia a quaatia de 8:000.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Em solucao a consuita que Vmc. fez a esta pre-
sidencia sobre a duvida suscitada pela junta dessa
thesouraria, relativa a intelligencia do art. 23 da
lei n. 1,061 e art. 3i da lei n. 1,113, combiuados
com a dis;>osigao do art. 8 1 e 2 das instruc-
coes de 13 de seteuibro do anno findo, exaraJa
em oflicio de 9 do mesmo anno, sob n. 333, tenho
a declarar a Vmc. que o lim dessa -lei nao e
prohibir que pela verba do % 2* do art. 8" da lei
do orcamento se pagasse por adiantamento a des-
peza teita com o fornecimento dos presos das
outras provincias, mas sim que tal despeza cor-
resse por conta da provincia ; e que portanto nao
ha a autonomia que a junta se afigurou. Con-
vein por isso que essa thesouraria faca o paga-
mento desse fornecimento por adiantamento, co-
brando depois das res, eclivas provincias a im-
portancia, si o forneceder nao concordar em ha-
ver por si mesmo essa quantia das mesmas pro
vincias, dando-se Ihe a faculdade de fazer o dito
fornecimento por um preco que, sendo rasoavel,
abranja o juro dademorano r;cebimento.
Ao mesmo.Transmilto a Vmc. para os fins
convenientes os officios e mais papeis juntos em
original, relativos ao alferes Xumeriano Jose de
Barros, commandante do destacamento de Pajed-j
de Flores, que alii suicidou se.
Ao mesmo.Mande Vmc. abonar ao official
que tiver de seguir para Pajeu de Floras em subs-
tituicao du alferes Numeriauo Jos6 de Barros, que
all se suicidou, a quantia de 1:212*720,.para ser
pago as pracas do seu commando o soldo extra-,
viado pelo mesmo alferes ; como solicita o com-
mandante do corpo de policia em olHcic de 7 do
corrente, sob n. 7.
Ao Banco Iugiez. Transmilto a esse Ban jo
copia do aviso do rninisterio da fazenda, de 27
de d<-zembro de |873, para os lins iudicados no
mesmo aviso. Igual ao Engli>h Bank of Rio de
Janeiro, Loudonand Brasilian Ban'i e Banco Com-
mercial de Peraambuco.
4.' secQao.
Actos :
0 presidente da provincia. tendo em vista a
Sroposta da camara municipal da villa do Bom
ardim, feita em oflicio de 30 de dezembro proxi
mo findo, resolve, na conformidade do disposto no
art. 2- da lei de 23 de outubro de 1831, approvar
provisoriainente e mandar que se execiilem as
posturas addiciooaes, abaixo transcriptas :
Art I." Fica expressainentH prohibi la a reu-
niao de feiras neste nianieipio wo outro qualquur
dia a nao ser o de sabbado, podendo a camara por
seus Hscaes, pedir o auxilio da fonja policial para
tornar effecliva a presente disposicio.
Art 2." As feiras que actual menie se reunem
nos dias de domiogo passarao a reunlr-se nos de
sabbado, loop que estas posturas forem appro-
vadas.
Art. 3.* Pica tambein prohibida a reuniao de
feiras em lugares que nao sejam povoados, e que
fiquem em distancia inferior a tres leguas dos po-
voados onde ja existem feiras. Si algumi feira
houver for a das prescripts do presente artigo
sera extincta sem perda de tempo.
0 presidente da provinoia, attendendo ao que
requereu a professora publica da povoacao da Bar-J
ra de Seriatim, Gailhermina Francisca de Arau
jo Lins, e tendo em vista a informacao da dirsc-
toria da instrucgao publica, resolve conceder a re-
ferida professora tres mezes de lieenca, com orde-
nado, para tratar de sua sauJe onde lho convier.
OIHcios :
Ao Exm. Sr. presidente da provincia da Pa-
rahyba.Conforme soliciiou V. Exc. em olllcio de
7 do corrente, ficara expedidas as convenientes or-
dens no sentido de comparecer opportunammte
na thesouraria de fazenda desta capital o com-
mandante ou immediato do primeiro vapor da
companhia pernanbucana que liver de largar pa-
ra os portos do norte, afim de encarregar-se do
recebimento e conduccao da impo.-tancia dos di-
reitos dessa provincia, arrecadados no mez proxi-
mo findo.
Ao Dr. inspector da saude publica. Com-
munico a V. S., para os fins couvenientes, que pe-
lo rninisterio do imperio loi indeferida a peli>;ao
em que Umbelina Rosa de Lima Pinho pede li-
cence para continuar com o sen estabeleciinento
do drogas homeopathicas, independentemente de
ter nelle pessoa legalmente habihtada.
Ao director geral da instrucflo publica.-
Haja Vmc. de proceler nos termos do regulamen-
to da instruccao publica contra o professor da
villa do Triumpho, Jeronyrao Theotonio da Silva
Loureiro, o qual sem licen(a abandonou a res-
pectiva cadeira para vir a esta capital.
Portarias:
A" camara municipal da villa de Itambe.
Remetto a caaiara municipal da villa de Itambe
as colleccoes de leis geraes e decisoes do governo
relativas an. annos de IS 16 e 1867, deixando de
enviar as deraais collecgdes pedidas pela mesma
camara, por nao existirem na secretaria desta pre-
sidencia. Fica deste modo respondido o ofBt-io de
4 de dezembro proximo findo.
A' camara municipal da villa do Bom Jar-
dim.Reraeito a camara municipal da villa do
Bom Jardim, para seu conhecimento e devidos ef-
feitos, copia do acto desta data, approvando provi-
soriamente os tres primeiros artigos de posturas
addicionaes, apresentadas em otBcio de 30 de
dezembro proximo findo. Quanto aos demais arti-
gos das mesmas posturas deixam de ser approva-
dos por conterom disposijoes excedentes das at-
tribuigoes dessa camara.
5.* seefdo.
Acto :
0 presidente da provincia, usando da auto-
risacao contida no art. 6 da lei provinciar n. 1,101,
de 28 de maio do anno proximo passado, e depois
de a tier t a a concurrent la pelo edital de 18 de agos-
to ultimo, tendo ouvido a Illma. camara municipal
do Recife e a commissao de prolissionaes oomea-
da para dar parecer sobre o local mais convenien-
le para a construcalo do matadouro publico des-
ta cidade, e attendendo a que, das tres proposlas
apresentadas, a de Augusto Cesar Fernandes Ei
ras e Evaristo Julian) de Sa e a mais vantajosa ;
resolve com elles contractar a uonstrucgio' do dito
matadouro publico e a acquisigao de terrenos pa
ra logradouros dos gados destinados ao consurao
da cidade e municipio do Recife, mediante as se
ffninlp* *-i*m,tI, -,- *. i-p(irtrtii^4 a t*rmn n-i
tuejouraria prowneiai. Obriga^Ses dos cjntractanles.
Art. 1.* Os contractantes, por si ou por meio de
uma companhia que organisarao, se obrigam :
8 I.* A adquirir para a edificacao de um ma-
tadouro publico e logradouros, que hao de servir
para os gados-destinados ao consumo da cidade
do Recife e do seu municipio, os terrenos do Pei-
xinho, Fragoso, Rio Doce, Maranguape, Salinas e
todos os terrenoii annexes aos engenhos Paulista e
Jaguaribe ate o lio Maria Farinha, de conformi-
dade com a planta que, a custa dos contractantes,
sera levantada poll repartigJo das obras publica?,
depois de approvada pela presideucia da pro-
vincia.
S 2." A conslruir no lugar Peixinho um vasto
edificio com as necessarias accommo iacoes para o
matadouro publico, officinas e accessorios, tudo de
conformidade com os pianos e plantas ja levanta-
dos na reparticao das obras publica?, e approva-
dos pela presidencia, os quaes podem ser modi ii -
cados ou alterados, sob propo ta da sobredita re-
particao, pelo presidente da provincia, si assim o
entender conveniente.
S 3. A construir tambem as casas que forem
precisas nos logradouros para residencia dos em
pregados e marchantes, ou criadores que alh fo-
rem recolher gados, e para estes -curraes era di-
versos pontos.
4. A fazer lodas as obras com a precisa se-
guranca e solidez, sob a fi-calisagao de um enge-
nheiro da reparticao das obras publicas..
3/ A montar o estabelecer no matadou-
ro machinas e oflkinas para o derrctimento e
preparo do sebo e gorluras, saiga do couro, pre-
paro de chifres e arrecadacao do sangue, adoptan
dose para isto o syslema mais apcrfeicoado e em
use nos matadouros da Europa.
6.* A estabelecer no matadouro todos os me-
lhoramentos quo forem acceitos e adoptalos cm
identicos estabelecimentos de outros paizes ; a
construir tanques artificiaes, ohservadas as pre-
scripcoes hygienicas, e organisar o servico do ma-
tadouro com methodo e aceio, de modo a nao pre-
judicar a salubridade publica.
7." A ter todos os empregados que forsm pre-
cisos, pagos e contractados pela empreza; sendo,
porem, o medico e o fiscal, que perceberao, o pri-
meiro a gratificagao de 2:400*' 03, e o segundo a
de 1:800*000, nomeados pelo presidente da pro-
vincia.
jj 8. Acomecara? obras do matadouro e acqui-
sicao dos terrenos para lograJouros no pra'o de
seis mezes contados da assignatura do presente
contracto, e a concluil-as no praso de dous annos,
a conlar do ci.meco das obras
No caso de nao cumprimento da primeira obri-
gagSo, pagara a empreza a multa de 2:000*000, e
mais 300*000 por cada mez, que d'aii em dianto
decorrer, ate que se corapletem seis, quando po-
dora a presidencia rescindir o contracto, si assim
o entender conveniente, pagando a empreza, no
caso de rescisao a multa de 10:000*000, alem das
outras em quetiver incorrido.
No caso de nao cumprimento da segunda, paga-
ra a multa de 1:000*000, e mais 500*000 por cada
mez, que d'ahi decor er ate oito mezes, quando po-
nesmo modo ser rescindido o contracto,
.umiiu igualmente a empreza a multa de.......
10:000*000.
$ 9.' A deixar no eseriptorio da empreza um
quarto para nelte assislir o empregado da the-
souraria provincial, encarregado da cobranca dos
impostos.
10. A prestar uma tianca de vinte centos de
re is, sessenta dias depois da assignatura do con
trade, para garantia Jo cumprimento das condi-
g<5es a quo se obrijram. sob pena de caducidade
do HMsmo contracto.
g l|. A construir um comiterio, ih> lugar e se
guudo as condicoes quo forem detenniuaJas pelo
medico, para os animaes que morrerem.
Sj 12. A ter o servico dos logradouros regula lo,
de modo que a matanga seja feita guardando-se a
autiguidaae dos gados aos mesmos logradouros.
| 13. A ter annexo ao matadouro um pequeno
logradouro, que coraporie regularmente o numero
de rexes sufflciente para o consumo de uma so ma-
na; deveudo a respectiva area ser determinada pela
repartigao das obras publicas.
14. A cercar os logradouros com vallados, ou
cercas nativas de arvores escolhidas pela fiscal do
matadouro. *
| 13, A fazer, dous mezes depois da aaeignatura
do coatracto, enlrega ao thesoureiro da Santa Casa
de MiseniBMiada quantia de dez com Je reis,
e le iguajjfuantia no dia o:n jue assonlar a pri-
meiM petra do matadouro, para auxiliar a con-
strucga.iUs obras do hospicio d-alienados, e bem
assim a elJtreg;(r anuualraeiitfc, em quanto durar
o priviiegtt a (juantia de um conadereispara
o mesmo 5m.
| Id. A entrerar no lim do privilege, sem in
demnisacao alguma. todas as obras e logradouros
en eitado de perfeita con.-ervag;io a camara mu-
nicipal do Recife, como proprieJade que Ihe licara
pertencendo J'ahi por Jiante.
ConcessSes feita* aos contractantes.
Art. 2." 1.* Fica pertencenlo aos cmtractantes
o gozo exclusivo das rendas do matadouro e lo-
gradouros por vinte annos, contados da data era
que eomesar o servigo
2.' Fica expressamente prohibido abaterse
gdo para o consumo da cidade do Recife em ou-
tro qualquer estabelecimento, que nao seja o ma-
tadouro publico a cargo dos contractantes..
3.* E' permittido aos contractantes abater no
maladroro gados destinados ao consumo dos habi-
tantes das locali lades e municipio nroximos, me-
diante os pregos da t tbella lixada no contracto.
J 4. E-lhes coocedido o direito de desapropria-
gao por utilidade municipal, nos termos da iei n
129. de 2 de maio de 1844.
S 5.* Os contractintes cobrarao durante o privi-
lege, de conformidade com o art. 6 S 3' da lei n
1,101 :
Pela matanca, esfoladurae esquartejaraento de
de cada carneiro.
de cada purco.
miudos e dobradas
14'JOO
*3O0
*300
*300
*200
*300
*060
*020
*020
*020
*160
cadarez.
Idem idem idem,
(Jem idem idem,
Pelo preparo de
de cada rez........
Idem ide-n idem, de cada carneiro ou
porco. ......
Pela saiga da ura couro. .
Pelo derretimento do sebo urt kilo-
grammo..........
Preparo de um chifre. .
Dito de um mocotd. -.....
Pelo deposito de cala couro, depois
de decorridos quioze dias, contados do
abatimento da rez, receberao por dia.
Pelademorade n ma res nos logra-
donros, por cada dia que exceder de
quinze dias (sendo metade para a cama-
ra muni:ipal) ... .
6." Pica pirtenrendo aos contractantes o san-
gu-, unhas e residues do gado que for abatido no
matadouro.
% 7.* Os contractantes poderao admittir nos lo-
gradonros gados ni> destinados ao consumo, per-
eebendo diariaraente por cada cabegacento e
Scssebta reis; com tanto que nao prejudique ao
gado destinado ao consumo.
8.* Findo o privilegio, e no caso de que a ca-
mara municipal prefira arrendar a alguem o ser-
vigo do matadouro e logradoaros, os contractantes
terao preferencia em /guaJJade de eondigOes.
- Condicoes geraes.
Arl. 3. Os contractantes renunciam, para o dm
exc^uauol os-qne provierem da demora da des-
apropriacao, nio motivada por elles, podendo
nes.-c caso obter prorogagio Je praso e relevamen-
to das respeclivas multa?.
Art. 4 Os contractantes poderao transferir os
direitos e obrigagdes do presente contracto a indi-
viJuos ou companhias, prccedendo autorisacao da
^esideneb, e pagos previamente os impostos pro-
vin:aes, devidos pela trausferencia.
Art. 5. Si o contracto for transferido a uma
companhia, esta tera a sua seJe nesta cidade ou
pessoa que a represenle, e todas as questoes que
se suscitarem sorao discutidas e julgadas palostri-
bunaes do paiz.
Art 6* Os contract intes Beam sujcitos, nao so
as multas oxpressamente estipuladas neste con
tracto, como tambem as que forem pela presiden-
cia determinadas no regulamento que houver de
expedir, as quaes nao excederao no maximo a cem
mil reis.
Aft.7.* Dous annos antes de findar o privilegio,
a camara municipal mandara proceder a um exa-
me minucioso no estaJo e c raservaf Ao das obras
do tnaladoaro e logradouros; e si verificar-se que
as mesmas obras Bioestio be.n eonservadas, obn-
gara os contractantes a fazerem os reparos preci-
sos; e si nao lizerem deotro do praso que Ihes
marcara, eque na) excelera de seis mezes, consi-
derar-se-ha sem mais formalidade alguma termi
nado o praso do privilegio, para o lim de ontrar a
municipalidade no gozo, tanto das obras do mata-
douro, como dos logradouros, sem indemnisagao
alguma, como propriedade sua, que fica sendo.
Offlcios:
Ao Exm. conselheiro director geral da secret a-
ria da estatistica. SatisfazeBdo a reclamafao que
era offleio de 12 de dezembro me fez essa directoria,
passo as maos de V. Exc. os eleraentos originaes
do recenseamento a que mandei proceder na rua
da Roda desta cidaJe, contendo 283 pessoas, sen-
do brasileiros Ml, estrangeiros 19, livres 267, es-
cravos 16, analphabelos 148, sabeado ler 135.
Foram encarregados desse trabalho os agentes
recenseadores, majores Candido Emygdio Pereira
Lobo e Joao da Silveira Borges Tavora, os quaes
se houveram com proraptidao e louvavel desinte-
resse no cumprimento dessa missao. Renovoa
V. Exc. os meus protestos de subida onsideracao
e alta estima.
Ao engenheiro fiscal da companhia Ferro Car-
ril de PernambacoAttendendo ao quo requereu
a companhia Ferro Carril de Pernambuco no requc^
rimento que veio annexo a sua informacao de 7
de corrente, autoriso Vmc. a releval-a da multa
quo Ihe foi imposta, obrigando-3e a mesma com-
panhia a substituir no praso de qualro mezes, a
con ar da presente data, os trilhos existentes na
ponte Sett de Setembro por outros de fenda.
Ao gerenle da companhia pernambucana. -
Providencie Vmc. para que coraparega opportu
namente ua thesouraria de fazenda o commandan-
te ou immediato do primeiro vapor dessa compa-
nbia, que tiver de largar para os portos do nor-
te, afim de encarregar-se do recebimento e con-
duccao do saldo dos direitos da provincia da Pa-
rahyba, arrecadados no mez proximo Undo.
Portarias:
Os Srs. agonies da companhia brasileira de
navegagao a vapor raandem dar passagem para a
cdrte no vapor Cruzeiro do Sul, por conta do mi
nisterio da guerra, ao cadete Eduardo Frcde-
rico do Rego Barros, que vai reunir-w ao l" ba-
talhao de artilharia a pe.
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande conduzir para-o presidio de Fernando de
Noronha, por conta do rninisterio da guerra, no
vapor Mauid, tree caixoes contendo urdameuto
para as pracas alii destacadai, os quaes serao re
meitiJos para bordo do raesmo vapor por parte do
brigadeiro commandanlo dls armAs.
EXPKUIKNTK D ) SE'^BWARIO.
l.' seccao. f
Offlcios : \
Ao Exm. bigadeiro commandante das armas.
S. Exc. o Sr. presidente da pr-' declarar a V. Exe. que Oca providenciado para ser
tra isporudo a corte no vapor Cruzeiro do Sul o
2* cadete Eduardo Frederico do RegoBarro?; como
solicita V. Exe. em oflicio desta data, sob n. 29.
Ao mesmo. -De ordern do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, communico a V. Exc. que fl-
eam expedidas as necessarias ordens pa a serem
Cjjuduzidos ao presidio de Fernando do Noronha,
que allulo o seu eflhio. desta d ta, sob n. 27.
2.' seccao.
Odlcios :
Ao Dr. chefe Je policia. D Exc. o Sr. presidente da proviucia, communico a
V. S. que os offlcios e mais papeis relativos ao
alferes Nuraeriano Jose de Barros foram reraetti-
dos em original a thesouraria proviacial para os
fins convenientes; ticaudo asi:nrespondido o olll-
cio de V. S., datado de 7 do corrente, sob n. 22.
Ao commandante superior do Recife, 0
E a V. S., para os devidos fius, que por portaria de
hoje foram transferidos para o servigo dere-
serva, e mandados aggregar ao 2 batalhao respec
tivo, o tenente Joaquim Nicolao Ferreira e alferes
Antonio Francisco de Moraes, doi quaes trata o
seu offleio o. 723, de 27 de outubro do anno pro-
ximo passado.
Ao mesmV 0 Exm. Sr. presidonte da pro
vincia manda accusar o recebimento do afflcio de
V. S., de hoje datado, em que participa ter assumi-
do o commando superior Ja guarda nacional des-
te municipio.
Ao juiz da direito do Buique. 0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda accusar o recebi-
mento do offleio de V. S., de 2 do corrente, em
quo participa ter ao dia autecedente detxado o
exercicio do cargo de promotor publico dessa
comarca o bacharel Manoel Josi MenJes Bastos,
por ter entrado ho goso da licenga que Ihe foi
cancedida.
Ao commandante do corpo de policia. De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia,
communico a V. S. que autonsou-se a thesou-
raria provincial a fazer o abeno ao official que
tem de seguir para Pajeu de Floras; como V. S.
solicita em seu oflicio de 7 Jo corrente, sob n. 7.
3.' seccao.
Offlcios :
Ao impostor da thesouraria provincial.De
ordem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia
communico a V. S. que por portaria desta data
exonerou-Sf, a peJiJo Antonio Gongalves de Oli-
veira, de collector provincial de Itambe, e nomeou-
se na mesma data Jose Thales de Mello.
5.' seccao.
Offlcios :
Aos agentes da companhia brasileira de na-
vegagao a vapor. S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar recebido o olllcio de Vv. Ss.,
de hoje dataqo, communicando a chegada do va-
por nacional dessa companhia, Cruzeiro do Sul,
dos portos do norte, bem como a sua partida
para os do sul amanha as 3 horas da tarde ; do
que flea sciente.
Ao gerente da companhia pernambucana. -
De ordem de S Exc. o Sr. presidente da provin-
cia, node V. S. fazer seguir para os portos de
seu destino, no dia 13 do corrente a 5 npras da
tarde, os vapores dessa companhia. Pirapama e
Maud tint; como solicitou em seu offleio de hon-
tem datado.
Ao mesmo. De ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia, mande V. S. dar passa-
vapor~<}ue~ SBgim'nt)e**paTa-'atii,'a WftSsnJM-
ria do Espirito Santo, rhulher do 80lda"do deserter
do 2' bat.ina> de infantaria, Soriano do Souza
Barbosa, por conta do rninisterio da guerra.
' nv'sma expoe as necessidades do seu mnnicipi
A* commissao de orgamento municipal.
Do mesmo, remettend)
>ESPACHOS OA PRESIDENCIA, DO DIA 6 DE AIIBIL
DE 1874.
Bacaarel Adolpho Larrienha Lins.Ficam
expedidas as conveuientes or 'ens no sentido
em que requer.
Major Carlos Maguo da Silva.Forne-
Sa-se -
CaetanoGaspir Lopes Villas Boas.Como
requer.
Francisco das Cliagas.Nao tern lugar
por se achar concluida a classillcsgao,
aguarde o supptic&nte nova reuniao da
junta.
Goncalo Pinto da Silva. Passe portaria,
coneedendo a prorogagao requerida.
Jose Tliales de Mello.Passe-portaria,
coneedendo a lieenca pedida sem vencimeu-
los. "
Jose Paulo Botelho.Satisi'aga o suppli-
canto o que exige a thesouraria.
Joaquim Nuues Lins da Silva.D6-se.
Joio Baptista dos Guimaraes Peixoto.
A' vista da inform irao nao tern lugar o qne
requer.
Maria Francisca, da Conceicao.Indefe-
rido.
Baymunio Agostinho.Passe portaria
cencedendo a licenga ped.da, mas sem ven-
citnentos.
Tenente-coronel Sebastiao Antonio do
Rego Barros.Forneca-se.
0 mesmo. Fornega-se.
Valeriano Btzerra Cavalcante de Albu-
querque.Entregue-se, nao havendo incon-
veniente.
PSKNAMBPCO.
ASSEMBLE PROVINCIAL
SESSAO ORDINARIA EM 27 DE MARCO.
PRESIDENCIA DO SR. fUMUM DE AGUIAR.
Ao meio dia, feita a chamada e achando-se pre-
senles os Srs.: Goes Cavalcante, Gaspar de Drum-
mond, Tiburcid de Magalhie?, Cunha Cavalcante,
J. Mello [Rego, Manoel do Rego, Arconcio, Cam-
boim, Peretti, Laeerda, Firmin) de Novaes, Ratis e
Silva, Souza Leite, Aguiar, Gongalves Ferreira, G.
Gondim. Oliveira AnJrade, Soares, Felippe de Fi-
gueiroa, Vieira de Mello, Tolentino de Carvalho,
Antonio Paulino, Travasso de Arruda, Pinto Pes-
soa, N. Pertella, Dario Cavalcante, Alipio Costa,
Olympio'Marques, Uchoa Cavalcante, Gomes Paren-
te, Domingos Pinto, Amaral e Joao Barbalho, fal-
tando os Srs. Arruda e Tito, abre-se a sessao.
Lida a acta da sessao antecente, e approvada.
0 Sr. I0 secretario da conta do seguinte expe-
diente:
Offlcios:
Do secretario do governo da provincia, remet-
tendo o balancete da receita e despeza da camara
municipal de Bom Jardim.A' commissao de or-
gamento municipal.
' Do mesmo, remetlendo artigos additivos as pos-
turas da camara municipal de Floresta, para se
rem approvados. A' commissao de postnras.
Do mesmo, transraittindo o oflicio da camara
municipal do Bonito. sobre a representacao apre
sentada aquella camara; pelos consenhores da
propriedada Maniinbd.A' commissao de legis-
lacao.
Do mesmo, remeUendo o orcamento da receita
e despaza rj.4 camara municipal de Cimbree,
ura codigo de posturas da mesma camara.A s
wmmisVoes' de orgamento municipal e de pos-
turas.
orgamento da ca-
5)o flaesmo, transmittiudo 0
ao vapor OtytM qs tracaixdes com fardamento a'^aara cauuicipal de Bezerros e 0 olllcio cm que
os offlcios das camara'
municipaes de Ouricury. Olinda, Bezerros, Bui jii-*
e Itambe, pedindo approvagao de artigos de pos
turas.A' commissao de pqsturas.
Peligoes :
Da companhia de Ferro Carril de Pernambu ~aj.
representando contra 0 projecto n. 7 do anno pas
sado, que autorisa 0 presidente da provincia a
contratar com Andre de Abreu Porto, 0 estabele-
cimentj de trilhos para carris de ferro de bitola
estreita.A" commissao de legislacao.
De Simpliciano Seclino dos Santos, pedindo par*
ser admiitiJo no gymnaiio, como pensionista da
provincia, um seu filho do nome Joao.A' com-
mis sin de petifoes.
De Jose Presciliano do Rego Barros, estudant.-
do 2 anno da escola normal, podindo dispeosa
para deixar de cursar 0 3* anno da referida es
cola, e bem assim do concurso que por lei e ne
cessario para obter a noraeacao da professor pu
blico.A' commissao Je Instruccao publica.
De diversos moradores da freguezia de Muribe-
ca, solicitando providencias no sentido de ser
esgotado 0 grande paul que existe na? iraraedia-
g^es daquella frequezia. A' commissao de saiid-
publica.
E' lido, apoiado e en ra em discussio 0 seguint'
requeriinanto :
Requeiro que se peca ao presidente da pro
vincia, copia do contrato eflectuado com Jose Ig-
nacio d'Avila, para Con da asserabea provincial. G. de Drummond .
A assemblea approva a retirada desse requeri -
mento a pedido do proprio autor, p>r haver n.
casa copia do referido contrato.
ORDEM DO DIA.
Entra em discussao o parecer da com tiissio de
policia, relalivamenie a inJicacio apresentada por
varios Srs. deputados, rcformando alguma- dispo
sigoe.* do rogimento int>-rno da aisemblAa.
O r. Tolonlino de Carvalho (pela or-
dem) : Sr. presidente, tenho duvida M 0 parecer
que se discute tem, como os outros, uma. so dis-
cussao.
0 5r. Ma.nokl do Rego:-Que tera tres na.
ha a menor duvila.
0 Sr. Tolentino of. C&ftVUao :Se tem unu
so discussao, eu desejava requerer qne a mesma
discussi) fos?e por partes, isto e, constando 0 pa-
recer de artigos, sena -mais conveniente que se
discutisse artigo por artigo.
0 St. Caspar Drumm >no :V. Exc. leia 0 art.
191 do ragimento qne e muitoclaro.
0 Sa. Olympio Marqiivs : -0 regiraeuto manda
qne pareceres, como este, sigara os tranmites de
qualquer projeeto de lei.
O Sr. TotKNTiNo dr CarvaCHo : Bern.
O Sa. Man iki. do Reco : -Nio admitte duvida
0 Sr. Tolk.vti.no dk Carvalho : Eu tinlia du'
vidas a este respeito e para solve-las foi que pedi
a palavra.
O Mr. Manoel do Rego : Segando 0
rL 191 do regimento iBterno, trata-se da I"
tnfniiuUMtia~,~*ni.i5,'*3u,|n* tvaiAia tr+t yt?0
curarei antes de tudo esclarecer este panto, e pa
rece me que para consegui-lo basta ler com at
tengitoo referido art. 191, que diz 0 seguinte :
Este regimento, sendo approvado, principiara
a ter a sua restricta e perfeita ibservancia tres
dias depois que for distribuido impressn aos de-
putados ; e as iniicacies, para ser alterndo nt>
qualquer de seus artigos, on para ser additados.
passariio pelos transintlles dos projectos de Ui.
depois de examinad s pela commissao da mesa,
que interpora a este respeito 0 seu parecer .
Ora, se qualquer projecto de lei tem nesta casa
(creio ipae ninguem selembrara de contestar) tr>'>
discussoes, e, se as indicacdes, para reforma do
regimento devera passar pelos tranmites lo< pro-
jectos de lei, julgo que nao pode existir a menor
sognbra de duvida de qiie devem ter tambem tre-
discussoes.
0 Sit. Oliveira Ani'Bakk :Ila projectos qu>
tem uma so discussao.
0 Sr. Manoel o Rkgh: Nao 0 igooro, mas
sao projectos e-peciaes, sobre posturas de eama-
ras e compromissos de irmandades, 0 em virtude
de disposigio regimental, o que nem por isso dei-
xa de ser, em minha opiniao, illegal, e ate incons-
tilucional A prova do que deixo dito encontro na
reforma proposta pela commissao de policia, que
sem duvida pensa do mesmo modo que eu a este
respeito ; com etfe'ito ahi vejo 0 seguinte : Art.
7. Ficam revogado; os nltimos artigos additivos a
regimento de 8 de maio de 1802 que sao justa-
inente os que consignam a idea de deverem os
projectos relativos as posturas e aos compromissos
de irmandadis passar por uma so discussao, o que
e inconstitucional, porquanto 0 acto addicional de-
termina que cada projecto de let lenba pelo meoo>
tres discussoes.
A vista, pois,-das razoes por mim adduzidas.
creio que nao pode-se seciamente contestar que a
indicagao com 0 parecer da commissao esta em I'
discassao ; isto para mim nio deve ser objecto de
controversia.
0 Sr. Oliveira Andradk : -E' cousa que a as-
semblea ha de resolver.
0 Sr. Manoel do Rkuo : -Entendo que o art
191 e clarissimo ; nio poJe dar lugar a menor da-
vida. e assim a assemblea nana mais tem a (azei
do que respeitar 0 seu regimento.
0 Sr. Tolentino dk Carvalho : Enlio 0 noore
deputado esta fallando pela ordem r
&0 Sr. Manoel do Rego : -Nio, pedi a palavra
para discntir a indicagao juntainente Com 0 pare-
cer.
0 Sr. Tolentjno de Carvalho -Mas vejaque
a duvila ainda Bao esta resolvida.
0 Sr. Manoel do Rego : Para mim nao pc-d>
haver duvida alguma sobre a intelligencia do art
191.
0 Sa. J. Mello Rkuo: Mas 0 nobre deputado
nao e quern ba de resolver. .
0 Sr. Manoel do Rego : -Eu fallo baseado no
regimento, que e para esta assemblea lei e devr
ser por dos todos cumpriJo escrupalosaraente. O
art. 191 nao admitte duvida ; 8 muito claro.
0 Sr. Olivbira Andrade : No? somos compe
tentes para interpreta lo.
0 Sr. Manuel do Rigo : So podemos inlerpre-
tar qualquer artigo quando ha obscuridade na sua
redaccao, mas assim nio acontece em relagio ao
art. 191, que nao pode admittir a minima contcsta-
gio. Quaes sao os tramites dos projectos de kx
nesta casa ? Passarem por 1", i' e 3' discussao
creio qne nenhum dos nob-es deputados me 000
testara isto ; sao exceptuados somente aquelles pro_
jectos (jue, em virtude d de maid de 1862, istoe, approvam posturas a ca
mara e compromissos de irmandades, wquaesieoi
uma so disenssao, 0 qua em minba opinsao e m-
constilucional, corao ja disse, porqoe o aoo addi-
cional diz que os projectos de lei passarao por .1
discussdes, e nos nao podemos lolringir um pre-
celto jonstitucional.' .
Entendo, pois, que nio e possivel que se con-
trarkj de boa fe 0 que estou dUindo, e de convic
cio adopto esU opiniio.
OSr. Oliveira Andrade :-R' opiniio km^-
dual.
O Sn. Manoel do Rkso :Nao e iodividnal; *
a anica possivel para qualrjaer pess a que l*f m
preven.;ao o art. 191, e qne coobeeer os prinaifioa
mais conesinhos d. hermeaeutiea. Cada urn. de
n6s tera compretionsJo batante_pM'a iaM"*"' "
' ^* --t ier senJo a interpreUgao

L
_l


\


u
m
i
r*i~
*
r| /l>tf*iOtdc Pernambuco Quarta feira 8 de Abril. de 1874.
_,_____jl.""...._____.'... .---------------_.____----------:._______:___.___.____
\
0 Sa. 0uviRvA>u*B8i-P*cjajMlY, E este opintoo me pareMa'estar apoiad* na aii-jp^uraa,
')^/T\s,Tv?&fi/?olRAT-..: rlftficniaitoridale do iwbie deputado pelo I
cao as palavra* desse artigo, se ha.de-con veneer
de quo a sn* anija interpretacito e legitima 6
aquella quo aeabo de mencionar.
0 Sb, OlymPio'Marques: Nad hi oiitra.
0 Sn. Manoel do Recj :Nao se pole admiUir
outra. ,-^
0 Sa. Oliveira Axdaads :Mas sc houver pre-
eedentes em cnutrario ?
0 Sr. Ma.nosi, oj Rku) :Nil arguatento com
urecedentes quanto eki.-tc expressa disposicao d-a
lei, como teaho domonstodo ; os que cxistem, sao
abusivos, c so podem psssar desapercebidos quar.
do nao houver reclam#j6es.
0 Sr. Felippe de Figueiroa : -Ha mais de nm
precedente.
0 Sr. Manokl po Re io : Sao abnsos e nio
tjuero que se reprcduzam. Creio mesmo que ha
precedentes de iadicacoes para reforma do regi-
mento, e qae tenham passad pjr Ires discussSes.
Q Sr. Fkmppk- ds Figueisoa.: Quern fez a lei
< hatjijitado para altera-la.
0 3E BanoH. do Rboo: -Was para altera-la, e
preeiso seguir os tramites marcados nara esse fun.
O Sr Feih'pe de FpiciiROA : -.Nao e o nobre
.deputado, nem eu, quern ha de alterar a lei, mas
aim a assembiea.
0 Sr. Manoel do Unso:Eu cmitto a minha
opinilo, que julgo ser a iinica conformc a lei; a
propria assembiea nao pode fizer alteracao alguma,
sein ser de aecordo com a regimento ; se o nobre
deputado eoien !e que o art. l'Jl deve ser reforma-
do, apresenta uma indi cacao, propoodo a alteracao
que julgar conveuioite, a qual devara ser exa ui
nada pela mesa, quo inierpora o seu parecer, pas-
sando.em tegaJd* |wr tres discussoes, e so dapois
la ter sida ella adoptada, e quo a pre-ente indica-
.aopOdera ler uma so diseussao ; porem actuai-
niente nao p >d:iuos fiaixar de rcspeitar a disposi-
cao do art. l'Jl. que oxigc quo qualquer indicacio
sobre. relbrma do reginiinto passe por ires dis<:ns-
soes.
Sio sappuz qua se p-sdsssa levantar duviaas a
repjito di nini'sro de di'Casoes. porquc deve
liassar a prweate ialiea.fii. mis u;na vei qe al-
guns meintiros di-la asseaiblea cnt^ndem que e
esto um porjl > eonlr.iverso, o qoe e ceruojentc des
admirar, pe^o a V. Exs., Sr. presideut^, haj.i de
MB0ifr a duvila prop:sta, afim de que ea possa
tomir parto na discussao da indica;;V>. CbuIi-j juo
V. fixe., cujo espiritj de jiuliga sou o primeiro a
reconhcoer, nao pudeta dar outra sulucao. que MO
suja b:eea1a aa letlra por demais explicita do art.
191.
O Sr. Pi-oiiileatr!: Ea vm res.K'er a
questio
Qaaalo Innten dei o parecer pira ordem do
dia, foi par i ter mm so discussio.
O Sn. Totcnua i>e iartalh) :Nia appiado.
0 Sr. Ma.noel d> Regj : Fao foi essa a minha
i:iterpreta-;a p, tant) qoe o coostdero e;r. 1' dis'ius-
>iu.
O Sa. Presidents : -Perdoem me es nobres de-
pntados para assna pr ider uest-i negoeio, regu-
lei-ine (iis pre;eleate" aioptadu por e>la casa
I;-1; l^l'J. Qjando pola primaira ms, a ass-jin
!dea residvou m>idi*li>:ar o art. IS> d> regiaieato,
por seu aeto do tfdu-abril de 18d'J, e-sa luodilica-
v4o fui a-1 ipta.da em uma so ducussiio ; depois
Sessa, outras muitas art-'racoes (isala ou seto i ti-
veraai lagar em differentes" epoon e setnpre em
\-iitude vie uiua >6 disoussao ; aiuda o anno pas-a
>io fe-s* uuu importan'.e alterae'io, taaibem por
uma .-6 disiiii-sao.
0 >n. Oi.v .i.'i i M.viWvBS: Sim, saooor, e
0 Sa. Mas ri. d.. R'ru i -Xio ins uebava eat|fl
uesla easa.
11 3d Pa&5'0BSTR: A a-sem'.ilea assim deeidio
iiii sua sa'iK'd iria, e ma pareee ler decidido hem,
pji-ju; assi*tia-lho > direilo da o fazer.
0 S i. Man !::. djB-:ij. : Nao apoiado, daeidio
contra a lei.
) .sr. PttasiDKVTE :Poflanto, so padesse have-
rro, do ininha prtrte, esse erro sarfa susteatado
por stylos nuaea desmeijtMiJs. Coqlieeia pf'rfei-
id-nente o art ^-191 ) a HIM ref.-rem so os nobres
dJf/uia los, ma&arnbttn autendi que umi sequea-
ija nil ini'iTuiiipi la da iad09 e derives, adopta-
03S s;m rccfamacao, atfestavam a tMtMK'ii'a pratiea
TDela qual to.las as asseailil^as quizctain que fos-
t*m alleradaa as digposiciSes regimenting.
Jfjpoderia raaater, sera r;-urst, a-mia'ia deei-
Sla. rvtf:r\ qottto a drscussai iadiqua a importan-
c!a 'tis a olla da tsta asseaiblea, nao duvidarei
r-insultir a easa, se assim fjt requeriu?, se, em
vista dos oslylosja por mim apontadas, as irnfica-
tijes para rel'ormas do regiment) devem ter tres
oiseussties, on somentt uma, como ate aqui se
lam nrntirada---------------------
trcs dH>
a iiHeia-
"I!'!"utsc;
reoolv^r. O-bn. iNasci.mento Poa
\ cargo iitivso, i>tii e, queivndrt qire a
rcsolva se deve sar em uiua so on. em
cusst5as.
E* para esle ponto que chamo ainda
gene'ia m'uito'eserarecidi de V. Ex'c.
Pais V. Exc. pode submelter a tnateria a discus-
saac apreciacao da asseniblea. e aceilar uma re-
si-.lutao della, que nao seja de accjrdo com o sea
rogimonto t
V. Exc. pode algamas vctei, o tera feito e ha de
faze-lo, consuttar a assembiea, mas so n s casos e
pela forma eslabelecida no regimenlo.
0 Sr. Filippedu FIgieiroa: G este e um
desses casos.
0 Sr. NASCiMt.vro Portblla : Perd6e-me o
ii lire dVpntado ; eaestou falland.i com plena con-
viccao do qoe- digo. Qualquer qne eja a. resolu-
cao que a as*emblea provincisl tomar, sera por
mim respertada, embora contra o meu modo de en-
tender; mas estou fallando ooni plena conficcao.
Pjrtarrto o nobre dupateto me peainatira> qua
eu prosiga sem tomar m cansiderai;5o o sen
apart?, que nao pude mesmo pereebe:- bcm.
Mas, como eu dizia, V. Exc. pode consqltar a
assembKa para que tome alguma resolucao nos
casos imprevistos pelo regimento, aiada assim nao
sera senao pela forma e modo que o mesmo regi-
monto liver estabelecido. Em. qual dos artigos
do regimento sefirma V. Exc. p ra dizer qne a
assembiea 6 quern ha de resolver so uma iadica-
',-ao sobre reforroa regimental e sujuita a uma sft
discussiio ou a ires ?
Ainda mesmo que o regiyiento em relacaoa esta
especie livesse conferido a Vl Exc. a faculdada de
eonsnltar a assembiea provincial, encontraria V.
Exc. um embaraQo invencivel a esla sua cohsnlta
no artigo 191, qu<- estabelece a forma o o modo
porque V. Exc. ha de submetter a nssa aprecia-
cao essa indicagao de refurma regummtal.
Dapois vejamos o modo praueo, a perigo, que
poderia haver neste alwtre qae V. E*<5. soggei*,
alviiri que, como en di-se, niia sa de accord)
com o regimento,-nao deeonv d uroa dispasicao
que Hie conlira essa faculdade.
Disse V Exc. :
A assembiea resolva sobre proposU de qualr,
qaer dos depulados.
Qaanio ha de ser feita essa proposta ? Na dis-
cussao do parecer ? So V. Exc. considera o pare-
cer sujeitd a uma sodiscussao e nao a tres, na
forma ordinaria dos projector, dasde qae (tan
consultada a assembiea sobre serem tros ou uma so
diseussao, alii se coufundiria a'dismssao desta
questao preliminar, desta consulta, com a discos
sai do pruprio parecer.
Ora veja V. Exc, o que iconteceria: se por Ven-
tura a assembiea resolvesse que fosse uma so dis-
eussao, ahi ficaria prejudicada a questao principal,
porquanto ficaria enoerrala-a diseussao de mate-
ria tao important.', qual a reforma regimental.
Niio querendo, portanto, abusar por mais tempo
da aitenea.i da assembiea e da V. Exc.; nao estan-
do disposto a a:eitar essa consnHa que V. Exc.
quer fazer uos ; eonfiando b.istante no opiriio do
V. Exc. ; apjielh para a cousci'iicia de V.. Exc,
appello para a s^ia e~clarcc.Mla inieJIigencia, appel
lo de iiuvo pra o espirila ae imparcialidade quo
l-'in seaipre presidido a seus acUJs, appeilo [ir- a
trudi;ao que lajito honra V. Exc. Cumpra o regi
mento e, deixe'-nos liberdade de ac;ao. (\luiti
bem.)
O Sr. 0:i\<-ira .tailiMtle : (Nao devoH
veu o stu discurso.)
O Hr. PrcKtdHie : -Eu ja disse oi]ue ti
nha resulvido, quand j liz algumas rellaxoes ao
BObre def.utado, que encolou a questao.
Sei perleitamonte o que dispoe o regimento, n >
artigo. 191, mas regulei-me pelos estylos, por|ue
taiDbein estes estabelecem rcgra.
Algoms Srs. DbpMWMB Qaaodo nao ha lei.
O mi Presioentb : AiuJa o anno pas-;. 1 \
nesie proprij salao, aconleceu que, querendo eu
lazer-applicaca i d'wu artigo du i agimeiUo, coafor
me pareceu-me d.-ver ser eutandido, a maioria da
ca-a i-rgueu si rias reclama;oas a julgou dever
proper a iiiHirfll JMI do mesmo arligo:
Essa sui.pressaj que.leva lugir eni virtude
de uma indica.ao, nao fui adqpXada deuois de tres
discussoes, cmio jirescreve o artigo 191; ao cuii-
irano, senaiinti-se seaipre os ostylos, houye uma
so diseussao, nu lia da qual foi approvadaa iudi-
eacao.
Por conseguinte.ja se ve que quern poda iavo-
oar lanlos isiylos e liiuiar-se em tantos factos, sein
qua e teuha dado um so era contrario, devo eslar
persuadido de que tem base solida e legitima ere
quo faea assentar a sua decisiu. (Apoiadjs e naq
apoiados).
is o in. livo porque, proferindo a mesrna ;]"'-
i camproaiissos tenliam uma, 6 disT
distrk-to (liiejerssao. *
assemhli'a I O.Mo secreUWh 'le-t.t aiseiiiblea em oulra uc.-a } Parjfte-m-.v,^ pjrtant', qae !ia--ittboherancii'i da
Fiao assigryHm.alierajS') feita m regimujfl", PurI l'f [i' ^-' ^ ^:<,;-' l);!rl||i't.i-ia! -qotr'astim me e.v
ii ;.. du u.a vulncai; o n.Vo me c..nista jue so- prima,jfa uii.i julga qua deve tor uvasu discus-
bri eate orcpejiuMtu unpiuesse coiil-jstaca;"
0 Sit. .VvScrtfEkro Portella : Segue se que' P-'de supuor de menus importan'cla que as po>td-
errei, como errou o Sr. Visconde de Lamaragibe. ras o comproraissos, e quanto a mim e aid de im-
0 S^J. M^yuj Iiii.... Ucxucrcr, uuu eaUd
0 Sa. 1)i'.i>ii..\ti: : Ea ja disse jue o parecer
dtve passir por uma .'(i dis;assao.
O Sit.' Xascwe-vto I'"1iti:li.a : Pejo a paja-
vra.
'<) Sr. Presidents;-..... m.is; se houver
quern reclame, tainbatn ia diss; e repito, a assa m-
blea decidira.
Tem a palavra o Sr. Portella.
Wr \;e*oisn<'iif > I'o-lelia f pela or-
deiii) :Sr presi Jente, sem qae por um so mo-
man! i .' n >-s.i pur hi duvlda as iaformaroes
que V. Esc, Iransmjllio ii assembiea, de
terera si 1) Wlas alierac.i is OG regnmnto em
uma uniea dl-i'.issa.. emtra o disposto no art.
191 !. i'i'~.:ii iv;im.-iito, e sem querer appa'lar
oara a propria assemble l eu appello para V.
Exc.
Dou cmio verificaios, segondo foram por V.
Exc, todos essas precedents ;. mis V. Exc. anie
a expn.-.-a disposicSo do art. 191, por-si nro-
prio dove tomar a reeolucao em obediencia do
preceita nella conii la.
Me parera qae no a ItUrio do V. Exc, eomo
priDcipal zelador e executor do rigimenio, escla-
neidu com > e, prudanta oorno tem aide sempre,
eeluso das aitribuicoea da assembiea provincial!
W.u (,;;.:.; I .i-.na alguma qua. pratiijuemos
senao u ijun f)r da aceerdo com a nassa lei arga-
nica c r. ,i.-i;,i iae parecc. din), que nj ar-
bilrio d.j V. Exc, ou ante* no cu.uprimeiito do
seu rig in-.. li-.-.-r esli daclirar que e a 1 dis-
eUss.ij dj parecer, 6 nao uma uaica.
No espirito esclareeido de V. Exc nio pode
-j.iver .lav; la a ;(} respeito.
0 Sa Gasp.vr Dulmmond :Apoiado.
0 Sr. .Vascimi:\ro Portell\ :Eu faltana a
jn*tii;,i quo devo a sua intelligeuca roajto cal-
t .'.-. la se podesso pop am momont.) pOi em d;>-
ida qne em seu espirito eed a uenvicjlo !
e a aljpcao de refurma
do regimento ;
E os estylos
iapendente de tres discussSas.
0 Sit Fblippe de FiousnoA
ni"> valem alguma cousa ?
0 Sr. Mw.ei. dii Ue ;>: 05 esiylos contra a
li nao vigoram.
(Ha ontros apartes).
IJ Sa. .Vas.^mento Portella : Eu toruarei em
'eoasideracao o apart* do nobre deputado.
A questao para mim 4 demasiado grave, por
ojae re*poita a uma expressa li-posicao reiri-
mental.
Mas diz-sc : ha preeedentes : dii-se :
ha di-cussao depareceres por uma fo vez.
Qaanto a diecu.-sao de pareeeres, Sr. presideate,
V. Exc, para quem appello agora, comprehonde
oem qua nao tem razilo o simile. Os pareeeres
>u conclaem pur am project), ou pels rpgeicio
do object) submettilo a apraelueio da resppctival
-om iii. -a >; mas nao a a |u-: neiles.se contomJ
)!itella : Mas o que re-
soiveo V. Ex;. ?
O Sr. President-! :-A min'a resolucao conti-
niia a ser a mesma que ja iadiquei, qaaodo fallou
6 Sr. deputado que encetou esle debate.
0 Sa. Ti.lk.ntini de Caiivai.im: l'eco a pa-
lavra.
0 Sr. Piipsidfme : 0 nobro dapulad) nao
pole mais fallar pela ordem ; jii fallou uma vez
0 Sri. Tolbntino de Oarvaliio :- Mas eu peco
a palavra para trailr do requeriinanto do nobre
1* secreiario.
0 Sr. Phf.sioente : Nao nsia sobre a mesa.
0 Sr. Tolkntiko im: Cabvalmo : Kemereu
veibalmente.
0 Sr. Phesidknte ;Mas'nao por escripto ; se
0 nobre deputado quizer, apresenta-lo-ha.
0 Sr Ti.i.i nun.hi: Carvaliio : Se en von
fallar contra, como posso apresenta-lo f Entao me
aguardarei para qjanioo nubre deputado aprc-
sentar o sdu requerimeato ; mas entcalo qae, des-
de que elle foi apresentado verbalmente, deve en-
trar eai iriscus-ao.
0 Sn. I'residk.vte : A decisao, qualquer que
ella fusse, nosta questao de ordem devia parlir
de mini.
Eu ja a profcri, porem, couforme dejlarei, se
algum dos Srs. depiitados requercr, eu cousultarei
a a-semblea.
) Su. Gaspar Diiu.umo.nd :Peco a palavra.
0 Sa. PnSMDEMia : Tem a palavra o Sr. Gas-
par Dr.immand.
r. CMMjaar -Dt'utumniit! : (Nao volveu <;u discuis..).
O Sr. a. Mrllo Hi-so (pela ordem) :Sr.
presiiente, uao ejiranbarei qae V. Ex:.- submetta
;i iecisao da casa a questao de ordem que s? agita,
mas eutendo que e V. Ex:, quem deve deei-
Jila.
0 Sp.. ToLE:>riNo DB- Cakvaliio : IS' o uaio
compeieDte.
Hello Rb8 >: U regimento confe-
0 direito de deciJir as questoes de
0 SB. J.
re a V. Exc
ordbia.
Por tanW efttendo qae na? deva deraittir-se
della, nao deve consultar a casa em recurso de
cma decisao proferida por V. Exc.
O Sr. Dominuos Pistj : Ate tem direito para
decidir de encontro ao ngimeoto !
O Sr. J. MftLo Re'.io :-E de mais, esta ques-
tao iqesperadameate'levania la, e apoiada no ar;.
191 do regimento, esta fora de oDportunidade j
devera ler sido proposta na ocaasiao em que V.
Exc. declarou qua o parecer corria a sorte de
todos os pareeeres, so Viuio ama di-cussao. A>
cresca ainda qua, do quanto ponderou o hourado
deputado pelo 1" districte, qua mais detidameiite
falloa. aao vej-i razio basinte ou procelencia.
0 Sa. Nammmcito Pobitbll.\ : v-Puda ser.
3 Sr. J. hiu.' i Bcooj 0 regimento da casa
mais do qiie kuje, o nubre, dupataiJi), H sua po-
'si^io di' meaifero da mesa, houjftsse" feiio mais
estudos ii. refimento e maHuratRhdefese a inlelli-
gcncia do art. 191, para eoncocdO^an qae soflfres-
se ') umadisjussao maWHa qu^^tava, por forr^a"
do mesmo artigo, sujrita a.trts.
JO Sr. Nascimi-.vto PoKtei.ia da um apirte.
0 Sn. I. Meli.0 liico : -Do qil observo, qnero
soiaente coQcluir que se os precedent*!, autorisam
o procedimento do Sr. pjresidenle aiio lia o que
estranhar a tin sna decisao.
Ao contrario entendo que o que se pretendo
hoje i uma novidade. (ApMados e n|tt apoiados).
Se a esta xasa compete, nao so alterar, mas
por meio de decisoes suas flrmar a intelligencia
c interpreter o seu reTfaerlmeiTto; e~Wra de da-
vida que precadenies lio antigos o. eontinuados
naj poiem delxar de tcY flrraad- uma intelli-
geucia que nao pode ser mais racusada, nem
asskn de chofre a'.terada (apoiados) ; e preeiso
lalvez que uma nova disposicao regimental a
contrarie.
S.'ulo este o meu modo de.pensar, man-
tcrfho a minha opinia* de que V! Exc. deve de-
cidir a questaa.
Decidir as qncstoes de ordens e competencia
de V. Exc, per eonseguinte nao se dam tta della,
su)eilando o sou actoa n-.isai da 'casa.
Esta, eslou carlo, salnera aceilar a- decisJo de
V. Exc. .
SeV. Exc. decilir.recoasiderando e reformando
seu tcto, todos nos aceitareraos a sua nltima
palavra ; se ao contrario o conlirmar^ da mesma
forma havemos de proeeder.
Si a coherencia nas deliberates desta casa o
que V. Exc-quer guardar, tauto melhor ; mas
decida por si a questao, e isio o qua deve fazer,
I'aca o.
(Muito bem).
0 Sr. Presi jente : Eu ja detlarei, de forma
a ser bemeomprehendido, qae a miiiiia decisao foi
fundada nos precedences desta assembiea, e por
isso contindo a inante la.
0 Sr. Olvmito Makques : Peca a palavra.
0 Sn. I're.-entb : Tem a palavra o Sr.
Oiympio Marques.
O Mr. Oiyaiiti uNnrqaes (pela ordem):
Sr. prosidente, a questao da ioievpreta$l do
regiiiTeuto ja-esta tao deialida, qae nao me julga-
ria obngadoa diner mais mna palavra, seoao
fosse a contiouada repelicao. que V. Exc. tem
feito, do facto que se deu o amo paesado, refe
rente a reforma regimental.
0 que se deu o anno passado IW por indi
caeio minha; estou, portanto, muito a par do
que oectrreu, e eon-fa dus Ann im.
Dispondo o regimento que nao sejam ad
mittidas na lei .11 orcamento emandat sobre aba-
tes, indemmsafoes e remissSas de dividas, sem
que teabam sido primeiramente iaiciadas em
projectos especiaes, por oceaslao- doum ddbre
deputado pelo meu distrieto apresentar uma
emeoda elavando uma verba da orcMnlci,-verfca
de despeza, V. Exc declarou que nao podia
acaitar essa emenla sem olfeasa ou violacao da
disposigao regimental,' a que acabo de. noferir-m
Keclamando a nssoinblea om peso oontra sla
dehberacaa de V. Exc......
Um Sr. Depitado : Que nao se quia sujeilar
aos precedenks. a. '
' 0 S:t. Olym"Io fcAR0iEs:Nao, seirhor ; ntinca
se entendcu, aam iiuhm se praticou, aem c possi
velntender*e nem pralicar-so, ique a'dispoacio
regimental, qua nie permute ua ha do OTcameato
a apr-'.-eiaa.a.) de emen-Jas consiguand.. abates,
ciaipi'.-'hea.la as emend is elevando eu dimiuuinj i
a despeza.
.Nunca se iuterpreiou assim o regimeuto; e nao
seria passive! a uma assematea qual |nerr fazer um
orcamento com tal disposiriao regimantal, assim in-
terpretada. Emao a quo seria um orijamento ?
Nada mais do que a volacao do projecto.qae fusse
fjrmulado e aprosentado pela respecliva c.iaimis-
sao. 0 regimeuto a que fez foi uao admittir que
por occasi.Y) da diseussao do orcamento, se conce-
desse indenmisajoas, abates e remissoes, isto e, fa
vores pe cia, se nao eai virtu-h da projectos espe-
ciaes.. -
Com ia dizenlo. tendo V. Exc. deliberaio nan
aceilar a piuonda do nobre deputado. qae elevava
--" doolmou iia: altr.b^,v^, ,j.j j>icj^!asiyaipi>ntn
Ihe compete, da esacuur e fazer exenrraT o'regi-
mento; foi V. Exc neimo quem sujeitop. a qnea-
tiio a dtfliberacio da assembiea, que nio'artogou
a si essa altribuieao.
Bo fui qaeai appellou para o nobre presideale,
eenli) V. Exc. pedio que eu flzesse uma iadija'
cao aesia seotid >.
Fiz a iadicaiao, requerendj a inlerpretac.ao do
regimento nesta parle, a em coasequencia della a
commissjlo da pjlicia d:u parecer, couciuindo pela
revogacao do ariigo eai questao.
Ja ve, portanto, V. Exc, que este precedente nao
juslitica a decisao ,jue V Exc'acaba it tomar.....
I'm Sr. Deputado da um aparle.
0 Sr. Olv-mpio Mahoues : .....querendo su-
jeilar ainda uma vez a deliberacao da casa uma
questao regimental, que pelo art. 2't do -mesmo re-
gimento comp.-te a V. Exc decidir, quaodo diz :
i< Compete ao presidente : fazer observara consti-
lui';ao e este regimento.
E' a V. Exc. quo, compete fazer observaro re
gimento.
Nos casos duvidosos (esli previsto eui um dos
seus artigos) V. Exc. debberara com-m direito de
qualquer deputado appellar pa-a a assqnblea. Mas
quando q regimento se expressa ein termos iao
claros e precisos, como no art. 191, relativJineute
a reforma ia mesnn, nioha que appellar para a as-
sembiea ; o presidente me parece que uao tem ou-
iro dever senao o de executar e fazer exocutar
essa disposimo regimenlal
Os precedentes que reconheco tem havido a res-
peito dao reformas regimentaes, nao autorisam
esse procedimento, porque V. Exc, que e um dos
distinctosjurisconsultos desta provincia, sabe que
o uso em contrario a disposicao da lei nunca pode
ter a forca do revoga-la. Essa doutrina deve ser
estrauhada em qualquer paiz regido por leis, e
ipuilo mais em uma sitiia.-ao dirigida por um par-
tida que se diz conservador, porque e da doutrina
deste partido a execugao da lei.
So a lei e boa, execute-so; so e ma, execute-se.
porque os iucouvenientes que por ventura resul-
tarem da execdrao, autorisarao a reforma. (apoia-
dos.)
Mas desde que temos lei, tanto mais quanto ella
e boa, nao trazmal, nem conduza oenhusn atoaur-
do, tan vej i porque razao ndo devam s execula-la,
mvocando precedentes que nao autorisam a sua
nao execue^o.- (Apoiados.)
O ptai. HaniM'i io o.acio addicioual, que weouas assemWdas proviu-
ciaes, no sau art. II l.-, determina exprossa-
mente o segamte (le). eada prujeuo de lei ou re-
solucao passara pelo menos por tres discussoes.
Ora, e.-vlando assim determiaado, e claro que
esta assembiea nao tinha competencia para alterar
no seu regimento interno essa disposicao coastitu
ioateria da uatureza dajuella qae resp^ili a jfoi ^onfeeeiunado e publlcado peli commissao de
mod> porque deveeios tomar as nossas (Ifrl'hif. rali-ia. de qae faaia parle o/cmiao presidente da
raco.is ra assembiea provincial: isto e a i n
dente da Jei regimental.
0 regimento e lei que nos nio poiemos deixar
de recouheeer e so deveraos modilica lo pela
forma nelle e-tatnida Nao nos icaoda o regi-
ment) que s.gamos os precedentes senao na-
joelies casos em que for elle om isso. Quando a
lei e expressa, quaesqaer que sejam os actos
praiicadas contra a sua letra e o seu espirito,
jcao podem ser kjvocados para que esa' letra se
flfeiiftqno, para qae esse espirito desappareca.
0 Sr. Olvjiiao Maroues : Sem duvida ; muili)
.!em.
O Sr. Nam:imknto Portblla : E' por iato
adr.d* que, sem que me encarregue de investi-
;:ias condifo-s espeiaes, sob que esses pre-
alenles tiveram lugar, as ciraainstaacias de
a'jmento.-iao-imperiosas, que por ventura lives-
; Dparecido de forma a ter levado a assera-
irovineiala votar uma raodificanao dor?-
' em uma so discnssAo e nao em ires,
i' disposicao regimenlal, en appello para
a-pirno de V. Exc. Pode V. Exc dizor-me :
possivel que em seu espirito nao esteja a con-
da verdade que esleu dizendo ? E' pos-
ivei'lsto? Creio que n5o pode haver duvida.
Mas V. Exc, reeooheeaado qae Ihe eanspre
xecutar -.-sa disposicao regimental, que aao
aS'embltia, a liiiaJo -rtasBmbaiajador Maciel- Man
Nflkk Dapo;>, a prinjelra ref >rma (eita, foiaimJa
Ml presi.dancia dM*e illusire liaado : o modo
porque elle proeeleu oessa occasiao devemos, gem
exilacao aceilar como melhor.
Autor, on e-wperadr na cjafeccao de regi-
ihenl,devara sem duvida sw o '-u mellwr inter
prete.
Pois, nes'.a re/orma Mta pelo finado decem-:
bargador, o parecer foi approvado em uma so
diseussao. E-te precedentt* deve ser aceitamomo
regra. y
I'm Sr. Deput-adj :-^lalvez o.
(Ha.outros apartes.)
0 Sn. J. Hello Rbgo' : -Pego qoe uio.me in-
terrorapam.
Stanio o precefieiile, foi jKttlOi eo;jw boa inler-
prctacto do regimento, qoeiodas as outra6 refor-
mas do regimento teem &ido feilas em urea so dis
enssio:
Aanexo, ou additado ao re^mentoeocMtrndi-
versas alierardaa. A primefra a^signada' pwfcv
desembargador Maciel Monteiro, tesdo sido vota-
da em uma so diseussao. Outras postexiores ti-
veram tambem nma d
O Sa. Manoel do Rego : Foi poi'qae abusa-
ram.
0 Sr. J. Mello Rego : -Pelo
j deixar de "cedece-la como que procura hiia iuforuuram e V. Exc assegure, os precedentes
irar de si a responsabihdade da solucao em ura da casa firmaram a regra n outro scntido. I se (rata p6de ser resolvida era uma dic'usao
carnal, que exige que cada projectj delei oa*o-
lutcao passe pelo menos por tres discussoes. Hay po-
rem, no mesmo regimeuto, um artigo coulrariu a
essa expreg.-a disptsicio da nos,a lei organica e
que determina que,o prajacto de |ej ^ Orcainea*o
lara -somenta duas discussoes.
0 Sr. Ulv.mpio Marques :E' o art li3.
O Sr. wamobl jjoMkgo; EKaclamante, u art.
lio, que diz (Id) o projecto dc lei de orcamento
tera someuw dual discu&sSes, qiw.corraonde.-ao
a 2' e 3\ ^
0 Sr. Ol*mw Marques : Mj s& revogado.
0 8r. AIaxobi. BOReoatEsUdAspoaicw f0j ii-
radado uU-tfXi>dti regimento wlnruo d'a camara
dos dopuiados, quo c a' fouledu que esta em vigor
aqui, e far sem duviia adupSida por esla nuem-:
blia.portfjo atteadep-eouHeoientaojeDie ao dia
post) no vl II, SiW Jo aeto addtewnai; enireUa
to, pouco t-mpp depoi<, ab Lidwacio de um de-
putado, o f-lieci lo c,3ui.neadadir Aruonio Joaquim
de Mello, foi ento aiiigo revogado pela assemble*
eomo i.ac >n.-tiiueioaaiiT)or.itie de facto era, reco-
oheceodo, pjNtaan, a necessidade, da que' cada
projecto de lei pa '-a.--.iw por tres discussoes.
Infelizmerue. p, em, esta assembiea adeptqn em
8 de maio du 18*4,uma outre dispoiici) bjicaasU'-'
aicioti.il, del- mom i qua a? ppstwa* das'cama
ras rauuieipjee osuouipromirsw de innaadades
tivessem umajw diswiaiao. Vi^o entrotttiitp com
prater que ff. Exc, Sr..|resiijente, accresaentaad-J
alguas animus a indioac4ovpresentada nesia eaaa
par algnns Sns-.'flaputad^B, em data de 10 do cor-'
renle, ntvnhecea inc.mstilueioaalidade dessa.mV
policies, tan to que en! re ses artigss se le o *j
Art. 7." Ficam ravogadvs as ultimo* ar-
portaucia muito superior, fundaado-se em prece
aV'uies eoatrarios a expressa disposicao do art
11*1, e mesmo contraditapos, porque, como acabei
dc inosirar.esta assembiea, lendo approvado um
aitig.i iiieoaslitacional, d.fioia jevogou-o, sondo
pc steriormente ad ptado outro qae contiaba dis-
p. ?ic4o idenMca ao que liayia sido revogado. Nao
comprehanWque haja coherancia da parte de V.
bxc. resolvendo quo a ildicacao tenha umasodis-
cuSsao contra a clara disposicao do art. 191 do re-
gimento.
0 Sn. Nascimento Portblla : -Fare duas leis
o acto addicional e o regimento.
0 Sr. Manoel do Rego :-Essa decisao 6 tarn
Imm coatraria ao art. 11 g P do acto addicioual,
que acabei de ler.
OSr. OuruM Amdrade: Esta enganado ; lea
o art, II.
0 Sr. M.\N*K(r' d> Rego : 0 acto addicional
creando as assembleas, delerminou as bases spb
as quaes cllas deviara legislar e confeccionar os
seus regimeatos internos, determinaado expressa-
mente no art 11 % qde eada projecto de lei nao
podia ter menos de tres discussoes.
0 Sr. OtpveiRA Asdrade : Ttf as nao se trala
da um projecto de lei,
0 Sr. Ma.xoei. do Rego Pois o regimento nao
d;z qua us indicacoes para suas reformas devem
passar peros tramites dos projectos de lei ? I Logo
e porifoe as equipara a estas projectos.
0 Sr. J; Mblxo Rkgo : -Eulao deviam^ser tan-
tas discussSes quantos sao os artigos da reforma.
OSr. Manoel bo Reoo :Nao, podem ser discu-
-tiilos eoiijunctamente, mas em tree discussoes, pois
tedos elios formani urri s6 project > de lei, o que
se comprebewde muito bem, e 6 ate de necassidade
porque a materia 6 muito importan te, o que nao
pode por carlo esoapar a intelligencia do nobre
deputado.
0 Sr. Oliveira Andrade : Esta inriovaulo o
regimento.
0 Sr. Manoel do IIeg9 : Como estoa innovan-
do, se quero que se cumpra o que ella preceitua
tao claramente ?! Peso ao nobre deputado que
se explipie.
0 Sr; Oliveira Andrade :Ja fallei pela or-
dem, nao posso mais u-ar da palavra, senao ex-
pile aria.
0 Sn. Manoel dj Regj : Eu estou apenas exi-
gindo qae se rasp-ate a dispo-iri i do regimeato,
e appello para a eohereocia do Sr. presideate que,
propondo a revogacm de um artigo que determi-
na qne as posturas'e'^empromissos tenham uma
so diseussao, julgaodo por -tanto necessarias as
tres diseussGes, eniende nao obstante agora, fun-
dado em precedentes manifestamente orTensivos a
lei, que a reforma do regimento deve ler uma so
diseussao.
- id8ni. Gomes Parents .-Lojo esta coharente.
Vobes : -Como 9
' O Sr. Oijveir\ Andrade : -Nao ha paridade-
0 Sr.'Makosl do Rego i^Como nao ha parida-
da '.' Entan-lo que ha look; e que a preseute ia
d.cacao e 3" diseussao, e por artigos em 2*, como qual-
quer projecto da lei, ja veom pois os notes de-
putados que ai> quero innovar.o regimento, e an-
tes claim contra os qua julgam admissivel inni-
va-lo, sem ser pelos traraitaa legaes.
0 Sr. Prrsidexte:Nesta OB>ira nao posso
discutir nem defeuder a minha decisao de quaes-
qaer arguicoes queos nobras depulados Ihe tacam.
. Ja resolvique o parecer tenlta uma so di cus-
sao-; mas,, havendo o Sr. deputado Ururamood
pedid-) ipie, aeerca dessa. decisao, seja eonsultada
a casa, eu vou salisfaze lo.
A requeriraento do Sr. Manoel do Rego, approva
a assembiea que a volacao seja nominal.
Cousuitada a mesma assembiea se o parecer de-
via sulireruma so di-cussao, respond ram sim os
Srs. Dario Cavalcauto, Tiourcio de Magalhaes,
iJoioiiairbalbo. Felippe de Figueirja, Oliveira An-
drade, Gooc.lves Ferreira, Gomes Pareale, Tra-
vasse de Arruda, Goes Cawricaosa; Airural, Ucbda
Civalcanle, Pinto Pessoa, Cunha t'avalcanle, J. M.
Al. Rego> Lacerda, Toleutino de Carvalho, Anto-
nio Paulino e Sjuza I.e.te ; e nao os Srs. Portella,
Manoel do llego, Domingos Pinto, Gjniim, Peret-
u\,G. do Urummoad, Olympio Marques, Alipio
Costa, Soares, Kalis e Silva, Vieira do Meilo, Fir-
aiiau de Navaes, Arconci) e Cambaim.
fiatra, porlauto, em diseussao o art. 2 da in-
itieM/i a<%a Aii nonllu4 a0)...... 1 ,^ A^.
r.i|iai-.-i a c-i.ieii* oB uiesideDie o que lor aa niaior
i.lade. Este chamara para servir da l secretario
qualquer ioputado e para oc.cupar a oadaira de 2'
u mais moco deutre os presenti-s. i
0 Su Manoel do Regj : Sr. presidente, eu
ontava, fundadj na explicita determinaeao do
aru l'Jl do regimento, qua fosse esta; a la diseus-
sao da indicacio om o parecer da mesa, e por
isso aguardava a sua seganda diseussao para
apreseotar algumas emendas ; como, porem, a
casa, -oolra a minha espectuiva, resolveu o con-
trario, vejo-me forcado a requerer que seja a dis-
eussao adiada por 2V horas, afim do que eu pos-
sa apresentar essas emendas, por quanta nao
trouxe os apontamenlos que bavia tornado, e-en-
tendo qua ainda e matte defectivo- o nosso regi-
meato, e devemos aproveitar este oasejo para me-
liora-Jo convenieotemente.
E'Jido, apoiado eentra conjuactamente em dis-
cassao o seguinte requerimento :
Reqneirc o ad amento da discussa por vinte
e qaatro hiras.Dr. Manoel do llrgi. Alipio
Costa. .
Sao tambem liias e apoiadas e entram em dis-
eussao estas emendas :
Aecrescente-se ao final do' art. 21Seudo qua
so podera ser o I' substituido pelo seu suppleote,
quando o segunlo esiiver ansente. J. de Mello
Rego.-Gom-alves Ferreira.U. Cavalcante
Supprimase do art. OJ do regimento ostas
palavras-se mandara iaiprimir para ser dislri-
buido pelos deputados.
0 art. 86 refuadiado o acerescimo da in.Kca-
(ja>, c o art. 2a contido ao parecer fique assim :
Se ate o meio dia-nao cencorrerem mais depu-
tados, qua preencham o numcro, o presi.iente de-
clararahoje nao ha sessio. Em qualquer dis-
eussao naa havendo numero de deputados presen-
tas que queiram a palavra, e faltando numero
para se voter, fica a diseussao encerrada, conli-
nuando a diseussao de oatras materias da ordem
do dia, com asquaes se procedera do mesmo mo-
do ale se levaotar a 3es;ao. Antes, porem, 'disto
H fara de uovo a chamada. rnandando-fe publioar
nojornal da casa os names dos deputados que se
ausentarem, e no dia seguinte tera lugar a vola-
cao dosprojeclos encerrados.J. de Mello Rego.
II Hr. tiagpttr Druiumond :(N4o de-
volyeu o seu discurso.)
E' li lo, apoiado e entra conjunctamente em dis-
eussao o seguinte requerimento :
Requeiro o adiamento da diseussao por qua-
ranta e oito horas.G. D>ummnd. *
Nmguom mais pedindo a pa'avra, encerra se a
diseussao.
Submeltido a votos, e rejeilado o re inerimen-
to doe Srs. Manoel do Rego e Alipio Costa.
E' depois approvado o do Sr. Caspar Drara-
mond, llcando, portanto, adiada a disenssao por
qaarenia e oilo horas.
f'ntra fiaalmente em diseussao o projecto n. 91
da 1868, aateriodo o presidente da provincia
para dar novo -regulamento a casa de detencao.
Reconheceudo-se nao haver east, fica a discus-
>ao adiada.
0 St. presidente designs a ordem do dia seguin-
te elevaata.a sessao
0 sV Or.ivicru A.NanAfts :E'na verdade uma
peqaana Haltel.
.0 Sa. N\s :i)i-NC.) I'oriiI.ln : .,.^la reuo-
gio .la cadeiras de Malhadinna jura Surubirn .E
como so ainda uao bastasse, era preeiso surgir a
iuteipretacko da volo com; tendo outra signilica
cao que nao aquella quo e prapria de um acto
puramento legislalivo da assemiilea, a conveni-
eacia de remover on nao duas cadeiras, a facul-
dade que tem a assembiea de adopter este pro
jecto.
A lei existe, mas nao esta em execujao ; esto
e que e o facto : pdde ler execucao hoje, amanha,
quando se quizer ; p6de ler execucao parcial e nil
total. Creio mesmo que em vinude della repa-
ram-se actos : como a reforma do gyranasio e nao
sei se tambem da escola normal. Porjaato, pode
ter lugar a execucao parcial.
A commissao de instraccSo publica tem de
apreciar parte da lei ou toda ella : conforme en-
tender ; isto ainda nao f >i resolvida. Nestas con
dicoes, pois, pole a asjembjti provincial privar-se
do direito de praver 33 necessidades de qualquer
localiiade, creando-uma cadeira, supprimindo-a,
ou removendo-a de am lugar paraoulro I (>poia-
do.) Pois havemos nos da esperar que ou sa
conclua esse trabalho, ou a lei existente seja posta
em exeencao, para entao dellberar sobre aqnillo
quo for de onveniencia e utililade publica ?
0 Sa. Pinto Pb*oa : Muito bem.
0 Sii. NAsciMtNTo Portella : .0 qua sera a
execucao t a execucSo ou da lei actual, ou da
nova qua f icamos, quer seja uma reforma radical,
quer seja uin simples retoque, recebera o facto
tal qual ello for ao tempo della. ( Muito bem.)
Se a assembiea entender que deve fazer sup ares-
soes, creacoes e remogoes de cadeiras ao tempo
de execucao da reforma o acto administrative fara
a remocao e a suppress,!) das existenles e creara
apenas a* qae ain la nao o tenham sido. A exe-
euea >, por conseguiute, em nada ealende com
qualquer medida da assembiea provincial, crean-
do, removendo ou supprimindo cadeiras.
Ora, nestas condiooes, v. ndo ea qae o projecto
do nobre deputado, assim como um outro que foi
discutido ha 2 on 3 dias, nao important auginento
de despeza, mas simples remocao de cadeiras de
um lugar para outro : nil) podendo deixar de
confiar nas informacSes, tanto as que deu o nobre
deputado autor do projecto que se discute, como
as que deu o nobre collega em oulra occasiao, de
que sa> neccssilales publican que um e outro
procuram satisfazer pelas medidas que propuze-
ram, eu nao posso deixar de aceitar ambos os
projectos e de votar a favor delles.
Sa a assembiea eutende, c -uio eu entendo, que
sao fundadas essas informacoes, que sao de lodo o
valor, dove approvar os orojectos, constituil-os em
lei, ponjue ao tempo da execuf.io da reforma
aao derxarao de ser attendidos.
Vozes : Sein duvida.
0 Sr. .NASi:iME.NToP.i;r.:[.LA : Nada tem, par-
tanto,o voto assi.n dado em um negivsio tao simples,
como ea duia ( e agora vera o nubre deputad-) a
simplieidade qua tem a materia em si ) com a
existenciade uma lei, qae ainda nao esla em
execu.-ao.
Assim, pois, voto pelo projecto que se discute,
tanto mais quanto se irata da sua l* diseussao
Se quando se. Ira'.ar da 2* on 3* diseussao a re-
forma ja estiver feita e oativer a idea do projecto,
entao sim, sere este until,
Nio sei se devo ser mantida a autorisacao dada
ao presidente para sopprimir, remover e crear
-attains, objeeto sobre qae ainda nao deu parecer
a commissao da insli'uc;ao publica, a que este
affect). Sou membro desta commissao, e ainda
n5o tivemos occasiao da expor as nossas ideas.
Cmforme o que pela commissao for resolvido, a
assembiea tomara a sua doliberacao.' Mas Iratan
do se por ora da la diseussao deste projecto, nio
vejo inconvenieate algum cm sar elle approvado
( Apoiados. )
Foi esta o Morel qae me levou a voter pela
remocao proposta no projocto lia dias voiado
e este o mesmo,qua determina o meu voloadop
tando 0 proje;to do nobre doputado, em cujas
informacoes conli) tanto coma naquellas queealao
n->s foram a.iaisiradas.
cldalo-da VietsriS); e o rjir *se Francisco de
Rarms ll-ga, do.de s. f. mreiico da Malta.
' Ks-.tK'.wfiiairo. Na noire de 5 do correo'e,
Uiuria I-. Ferreira de SAUsa, no Iagar Matto-Cnu<-
so, do eiig>aiho Penanduba, da ftegii zia de Muri-
b.ea, assas iuoa a 1 >se T*vaie du Lemos.
Foi preso em (lag.ante.
imi!!<- ii<> policl*!. Teve o coaveniente
destiao, o que efleduou a delegaeia da capital,
contra Main. -I de tal, praca do 2* batalhao de in-
fanleria da luilia e Jose iinheiro, por anlonomasia
I'erigi, autores dos fenaaenlos pralicidos na pes-
soa de Juste Correia da Conceiclo.
ProHidonse 1 Pluiihy. S. Exc o Sr.
Dr. Adolpho Lameaha Uns, presideate nomeado
para a provincia de Piauhy, segua no vapor
Ceard. ao seu destino.
Ci*<< cqueHire.- dmecou hontem, no
Campo das Priacesas,ao lado do tneatro Gymnasio
Dramatico, a construcciio do circo, em que deve
~ti abalhar a compauhia equestre e gymnasiica do
Sr. Antonio Carlos do Carmo, esperada a lodo mo-
menlo do norle do imperio.
AnnivcrHarluM. Amanha complete 3
annbs Oe idade, S. M. o rei dos Relgas.
Pepois d'amanha (sexte feira), e o diA anni-
v.rsario da proclamacao da independence da re-
publics de Venezuela, no anno du 1810.
liiMiiliilo Arclic-oIolco. Amanha, as
II horas do dia, deve tar lugar a 1" sessao ordi-
naria desta corpbracao, pan sc realisar a posse
dos offlciaes eleitos para a uova mesa administra-
tive e commissoes respeclivas.
Santa Casa da Miw^rsrordin. Tor-
mina no dia 13 do corrente, o prazo de 30 d .-
marcado pela- junta administrative, (>ara os pa-
reatas das educandas do Cillegia das orphis, ;-
tirarem aquellas que comptataram suas educacues.
Findo e-se pran, a |ueilas que nao forem reclama-
das, serao concedidas a famirias horrestss, de a -
eordo com o | 3." do art. 48, do rpsttrw regu
lameuto.
VaporoH oi*p^radon. Ail do curranie.
o brasdeiro Cruzetrv do Su/, do Para escalas ; a
10, o brasileiro Ceard, do Rio da Janeiro e esca-
las ; a II, o ingles I Hi mini, de Calhait o esealas
a 12, o francez Mendoza, do Rio da Rrata e ese-
las; a 18, o franeez VjlU de Rio de Janeiro, do R.o
da Prata e escalas ; e a 27, o inglez /'/io, da
Eurnpa.
Yaparctt a Mablr. A 15 do corrente, o-
brasileiros Ptrapamo, para a Granja e escalas e
o .Mandn'iH. paia o Aracaju e escalas.
Beneflcio. Produclo d.,s bilhete.s passaj^s,
para o espetacolo de 4 do corrente, cm laior du
i- aisel lio superior da Sociedade Propagadora
E* o que tinba a doer.
'lidlODO
.lio--.
3|000
o*0'.i
5*0 '
5400.)
3*kK)
34060
34000
:uoo-a
482*0.l
REVISTA DIARIA.
a as-
sob a
Assembiea pruviiieial. -Honlem
semblea faoccronou com 26 Srs. deputados,
prosidencia do Sr. Dr. Aguiar.
Approvada a acts da sessio anterior o Sr. 1*
secretarioleu o seguinte expedieore1'.
O.licios : _
ow mp+-+*ZAo lo irovcrac .la proYinr.ia. reract-
teado o reqaerimento o replica do Dr. lgnacio de
Barms Barreto, em qua se prop5e a contrater a
introduces^ de appareihos e instrnmentos agrarios
de que trata a lei n. 1,11'ide 17 de junho do
anno passado, e as inf irmacoes relativas do ins-
pector e precoradar liscsl di thesouraria provia-
ci.il A' commissao de obras pablicas.
Do mesmo, transmittinno, por copia, o oflicio da
camara municipal da villa do Bonito, com a re
presentacao dos habitsntes da mesma villa, pediu-
db para ser allerado o piano da eslrada de ferro
de Una a Babedouro A' comnii-s;io de obras
publicas.
Pali goes:
Da irmandade de N. S. da Boa Hora, da igreja
do Rosario da freguezia de Santo Antonio desta
eidade, pedindo a qoncessao de uma loteria. -
A' commissao de peticde-.
De Josephina Betnvmda da Cunha Santo Major,
directora do collegio do SS. Coracao de Jesus, pe-
dindo uma subvencao annual de'6:000*003 para
edilicar um predio" em que possa funccionar o
referido collegio,. ebrignndo-se a admittir graluita-
mante em dito estabelacimento ate o n. de 12
alumnas. A' commissao de oreamenta provin-
cial.
De Guillicrmina Maria de Freitas Falcao, viuva
do tachlgrapho da assembiea, pedindo para canli-
nuar o eoutrato que tinha seu falleeido marido
Carlos Ernesto de Mesqaita Falcio, para o apanha
memo dos debates. A' commissao de palicia
Foi lido, jnlgado onjeolo-de deliberacao e man-
dado imprimir um projecto assignado pelo Sr. Ka-
lis e Silva, creaudo tres cad iras de instruec.5o
pnmana, para ambos os sexos, em di'Terentes
Ingares.
Passaada a ordem do dia, foram approvados :
em 3* diseussao o projecto n. 36 de 1873, que
marca novos limites as freguezias de I'ao rt'Alho e
Gloria do Goibi, Ikaado dapeudente de 2' diseus-
sao a emenda que 'supprime o art. do mesmo
projecto ; em 2' o de n. 3 deste anno que remove
de tunas para outras bcalidaies divarsas cadeiras
de inslruceao primaria ; tambem em V o de n. 2
reguland-i para a futura legislatura, o subsidio e
ajuda de custo dos membros da assembiea pro-
vincial; em-3ao-tie n. 103 de 1872, que manda
periencer ao distrieto da Assureraa, de Aguas
Bellas, o qaarteirio denjrr.inado Santa Clara, do
1 distrieto de Buiqua.
Entrando, linalmente, em 2' diseussao o projecto
n. 1 desto anno, que crea urn lugar de continuo na
direcloria geral de instruecao publica, oSr. Tolen-
Dtscursodo Sr.-depMado Xascimetito Pw......, .,
sessao de 26 de marco.
O Mr. ^ahtiinciiio Purtailii : Sr.
presidente, cousidero a questao tea simples, que
muito pouca cousa direi...
i) Sr Oliveira Andrade: E realmente
assim e.
0 Sn. Nascimsnto Poutkllv :... e julgo-me
fargado a failar para que cuulwcaoio* o lerreao
em ^uo devemos pisai...
0 Sn. Oliveira Andrade : Entiio ja nao e
assim.
0 Sb N*sctME.Nfo Portella : 0 nobre
pulado aiuda nao ouvio o rosto.
Com selaja-j a mocio de cadeiras.-
Por um lado se diz ; nao enisle lei por,
outro se diz < a iti uiio eeld ;aiodia em eptocu-
ea...." ,, .
Cm Sa Depi-tao') ; Quiiros duem que este.
0 Sa. Naciiienti) Postkuja ; ... uns dizem
a esta era execuga).; outms di:em : ainda
na i 'sis em execucio, mas dasde o aocionto em
qua se quizer, por-ae-ba em execucio..
Oat, a lei este guje^'a a apreciacao dacommissao
de mstruccio pubiica a reforma e radical aj
do-
gumtB
iigos additivos ao rogimwuo de Bade ajsio" dejref( 1862, isio 6, os artigos que delerminaro que as ] reforma ; ludo isto vem agitadj n'uma que*-
tinode Carvaliio. requereu o'adiamento da dis-
eussao por 24 horas. e veriticandd-sa nao haver
numero para rotaf, o Sr. [iresidente levantou a
sessao.
A ordem do dia parr, hoje e : continuacao da
antecedente a mais l* diseussao dos projectos ns.
17", 19, 20, 21 a 23 des;; anuo, e 2" das emendas
ao de n. 67 de 1872.
K.vpo8i<-ao dc Yi-iin;i. S. Exc o Sr.
coramendador president da provincfa expedio em
4 do corrente a segninle portana:
5." seociio. Palacio da presWencra de'Per-
narnbuco. -Recife, 4 de abril da 1874. 0 presi-
denle da provincia, de conformidade com o aviso
o ministerio das negocios da agricullnra, com
nercio e obras publicas, do l. de dezembro do
apno proximo passado, resolve uomear uma com-
missao composta do Dr. Manoel do- JSasuiroeiilo
ilaehado Portella, do Barao -do Livramento, das
bacliareis Ruflno Augusto du Almeida, Joa^fiar-
balho Uclida Cavaleaute, F.aainsco de Barros La
cerda, lgnacio da Barros Harreto, do* eugealieiio-
Victor Fournie, Paulo Jose de Oliveira, Felippe de
Figueiroa Faria, Jose Tiburcio Pereira de.Maga-
lhies, Manoel de Barros Barrato, do Dr. Augusto
Carneiro Monteiro da Silva Santos, do major Jose
Antonio de Brito Bastoe, Joao dos Santos Ferreira
Barros e Carlos Kduarda Mulfiert para promo-
yer a acquisi^ao de productos e espocimans da
industria iiaoiunal nu.-ta provineia, no iutuito de
seroBrasil representedo vautejosameute na ox-
posicai universal que scru inaugur.ada umPhi-
ladelpliia-por occasiao do centesiiiio' anniversa-
rio da mdf pen lenoia da Republics dos Eptalos
Ouidos -Henrique Pereiru de Lwena.
Auiorida**.' yot*< fcal. Por porteria da,'
p/e?ideocia da proviocia, da 4 do corrente, foi
nomeado Candid>usiauuro Cesar de-UeHo,-d#-
b'gado de polieia do lernio da Olinda.
Oelesaiais l*ararsa.-ti'or.porterias
da prasideueia da proviocia, de 4 do corrente, fo-
ra n n imaados deleg dos litlerario*,: o bacharel
Gej-oacio Dias de Arruda Fakao, do distrieto c"a
Trans porte
Dr. Jose Tiburcio Pereira Magalhaes
l>r. Praxedes Gomes de Sousa Pitenga
Joaqnira Serodio Pinto
Tenente coronal Vicente Alves de Aguiar
Justino Josede S-mza Campos
Joan Joaquim da Siqueira Vanjao
Manoel Nunes da Foneeca
Jo^e f'rancisco Ribeiro de Souza
Tenente Jose lgnacio Rilieiro Roma
Joaqnun Mai tias Moreira
_
bum ma
Continua
Put bermroiM.- Enviam-aos o segain:-
No dra 6 do corrente, o trein da eaiga da
tradade ferro do Recife a Caxaoga, leudo-se r<-
tardado em sua partida, trativa de ganhar teaap..
cam a maior velucidade, e no seu trajecto pela al
tura da Casa Forte, derrubou umacarrofa can -
gada de came, puxada por am boi.
- c Na altur.a do Apipucos, era que a descida da
ladeira obriga a modarar a carreira, succedeu
que umas cincoenla bracas diaute, por incident,
caminhasse na-hnha do trem, um preto de 40 an-
no?, escravo do Sr Dr. Carneiro M.-uteiro, que
estando soffrendo de inoquice, achava-se em trata-
mento. 0 preto, que caminhava na mesma duvc-
oao, em qua o trem, nao o podeia perceber a
virlude de seu mal.
c Grande numero de pessoas que viram o pre-
cipicio, em que se achava o preto, e que o trem
proseguia sem apiter, gritevam para o maehin>:
e acanavain para que elle sustantasse a mar:. ..
da lo^oirwtiva.
c EsU gritaria do pavo contra o maeuinii-ia,
despertendo a curiosidade geral. fez apinhar se d-
goiite as portes e as janellas das casas da loca -
dade ; e todos, liorrorisados com a raorte que -
ia eiiectaar em plena dia, bradavam para que
qne conduzia a locomoliva, a parasse; mas. ele
impa-.-ivel, fumando seu cigarro, deixava o ir>. -i
na-sna march costuroeira.
Uma mulher e o Sr. Leal, inda tentaram sal
vhi a vkliina, |*orcii>. a | moriifera fel-oa racnar. Apancada da macl. ....
bruta, derrubou a victima, e no seu gyrar pra-
gressivo dilaccrou-lhe o braco eo hombro.
Koi um facto horrend), um assas-inato volun-
tario, pois jua, a nao ser o inadiinista lao M g i
e mouco, quanto a infeliz victima, a morte na-t tt
daria.
< A indignacao dos pou:os passageiros, .i...
conduzia o trem, fez com que este parasse mai
adiante do local do sinistro. >
Pode Her ratal. 0 primeiro lance da 5
trada da Victoria, arba-se em lao mao --.-tad de
conscrvaoao, que as pessoas, qua por ella Irar-i-
! mi em vehiculos, pode ser fatal de um m-uneu^
para outro. liecummendainol-a ao Sr. engenli-1-
ro chele das obras publicas.
ImpoHloH jcraen.- E' dunnte o c i
rente met, que podem ser pagos sem multe na
compelenie repai tiean, o imposto sobre ludustr
e profissoes, relativameute. ao 2 semestre <;
exercicio de 1873 a 1874. Findo c?te prazo, -
sera recebido com a multa de 6 por cento.
Medida urgonte. -Meradere; das ruas '
Haspicio, Pombal e de suas convisinhancas, pe
dem nos que lembrcrnos a ureente necessid..
que ha da eollocaoao de ura ch'afariz no extre:..
norle da primeira d'aquellas ruas, ao lado j
predio do Sr. Dr. Vianna, para que faciliiaii",
aqoelles lugares o abastecimento d'agua potavt,,
ponha termo aos vexames a que estao sajeitos c-
respectivos moradores, uma vaz que estao f
dos a comprar agua'pi-r preco exorbitsnte e an
porcoes limitadas; em virlude de aer vendida em
ca'rocas tiradas a boi.
Tao justa e a reelamaeai, que onfiamos -
attendida com a nrgencia que o caso requer.
Soricdade liiicrmia Aiasur ao *-
tuiio. Hoje, (8), havera a rua do Vi>conde d
luhaurr.a n. 73, sessao extraordinaria des dade, alim de proeeder se a eleicao dos membr:.-
qua taem de reg.-l-a durante o anjio academk .
de 1874 a 187'. pelas 4 horas da tarde
iiffudoria de razeiida. Nesta eslaca
pagam-se hoje as seguintes folhas:
Empregad is do recenseamento, arsenal de m.
rinha. companhia. do aprendizes niarinheiros
prAcas de prets reformadas.
Laterla.A qua se acha avenda 6 a 93" a
beneflcio da matrix de Jaboatao, a qual cow-
no dia 14 do corrente.
I.eilao. Continua hoje, (quarla-feira), o da-
lerragens e miudeias, existentes no armazem I
J. A. Moreira Diasj a rna do- Bom-Jesus n. 26.
De novo convidase aos senhores lojistas dessi -
ramos de negocio, a comparecerem, certos de qui
nao se retirara lote algum. que serao entregat-
pelo maior preco que se obiiver, na occasiao da
arrematacao.
Casa de .ietencao.Movimento da c-
de detencao do dia 6 de abril de 1874.
Existiam presos 314, entraram If, sahio' ..
existem 325.
A saber :
Nacionaes 232, mulheros 8, e>trangeiros Ti
escravos 41, escrava 1. -f-Total 325.
Alimentados a easla flos cofres putdicos >J9.
Movimento da eufermaria no dia 6 de abril-d-
1874.
Ti*eram baixa:
Manoel Antonio de Andrade, delluso.
Manoel Lopes de Souza, cephalalgia.
Jose Alexaudre da Lus, febre.
Tiveram alia :
Anioaio Pereira dos Santos.
Joao Pereira Gomes.
Ceuiiteriu puhlieo Obituario do dia -
auriL -
Jose, pardo, Pernambuco, 2 mezej, Santo Mis-
nio; convulsoes.
Oihylia, parda, Pernambuco, 3 mews, Boa-Vfs-
ta; convulsoes.
Klizia, brauc.i, Pernambuco, 4 taezo*, ReeisV
enteriia.
v.
-I
Estrada de ferro do Recife a
^ Olinda e Beberibe.
aroviiiENTO da aLiw em resuo da com '
frWr* DOS Tfi!Lfl Ol.imv E BEBER1BE, REUtlTltEXTi: A<^
MEJ BE MARCO DB ,1874.
Entrada.
. Receila :
Bilhetes 10:874*420
.

.

*
i


)
*^.-* "M%r
Diario = dPtonamic(* Quariii ifeira 8-de AbrinddiilSH

2
Assignaturas
Carga e lastro
Expressos
Multas 3/30O
Aluguel da parte da
casa oceupada, pelo
deglaeameuto poli-
cial.naEncruzilha-
da, relative a 6 me-
zes, vencidos a 31
de dezembro proxi-
mo passado 60*000
Deposito dos empregados,.
Soldo do racz de fevereiro ultimo
Opportuoaiuenta voitareMos iao assafflpto.
73J53CO
285*000
13:932*220
7:272*277
21:224*497
Sahida.
Ordenados e ferias :
Movimento
Estacffes
Garga o lastro
Conservacdo dalinha
peruiajieaje
Conservacjo do trem
rt>dante
Adrairiistragio :
Directoria :
Gerente-
Thesoureiro
fmportaneia liqrrida
de 300*, por que-
nra-s a contar de
uutabro do anno
passado ate ao pre-
sente wet, por ha-
ver deduzido a de
120*000. abonada
na rnesma cotrfor-
niidadado ao escrip-
turario pag.idor
Poro:
2:104*164
1:304*563
522*873
594*750
838*500
200*000
180*000
Advogado 50*000
ProcuradoT 8*334
Escriptono :
Pessoal 300*000
Pago por conta dos
mezes antenores. 2:413*000
Pago a Auguto Fre-derieo de Oliveira
& c. r:C00*600
Diversas despezas :
Materiaes, azeite, se-
bo, 'objeetos para o
escriptorio e outras
d'spezas 2:888*342
Obra nova :
I'ago por conta ao em-
preiteiro da estacjio
do Pires 1:524*300
Idem por varias des-
pezas com o assen-
tamento do fio elec-
trico 313450
380*000
58*334
6:323*186
10:303*342
16:626*528
I'agamento de dcpositos
9skfo qua paesaparao mez de abril
proximo t'uluro
1:573*750
81*500
18:283*778
2:940*719
21:2245497
Bscriptorio da companhia de trilhos nrbanos,
de abril de 1874.
0 thesouroiro,
Luiz Jcse Pinto da Costa.

t*
3

Caruaru*
Dessa localidaoa nee jutteK^m b seguiate
A)
Doite de quarta-feira de trevas para^urata.4* en
docacasyqne^em todos os paiaes 'oatlrtriioos e"iiiM-;
te de contemplaQSo, foi aqui de geral corur
ternacao para a populajlo, visto que das dec
horas era diante, quando o espinto reqaer
lilencio para-o repouso, reuniq se um gru-
po de vadios que em um alarido estrepitoso per -
corriam as ruas, faiendo sobresahir d'entre as
vozerias de immoralidadas invocacoes a Divinda-
de; cuja profauacao mais infaine caraeler dava
ao acto : e desta torma insultavam a quem lhei
parecia, perturbando inteiramente o socego pubii-
co, como se nao houvessera aqui auloridsdas pa-
ra raanutenir a ordem, on se em lugar de estar-
mos em uma cidada eivilisada, esiivessemos entre
rebanbos, ou pelo menos em.gma aldeia de sel-
vagens onde fassem desconhecidas as palavras,
religiSo, lettras, leis, civilidade e moralidade.
Caruiu, 5 de abril de 1874.
Urn passageiro-
AiiiK-aliuilu peltoral.
Uma simples tosse p-ode ehegar a ser
mortal se nao se ataloar a tempo ; porem
evitar-se-ha couiplatamunte operigu.aaend&-
se uso immediato da anacaJmUa peitoral,
aquar mediante a su benefrcainfluencia, faz
ceier r,opidamente a irritacao dos pulmOes
e garganta, e restabelaoe sua afigao vigoro-
sa, regular e saudavel. Os qoe dizeno que
a -asthRia e incuravel muito se enga-
nam.
Essa fortiGcanta composigio vegetal sub-
juga essa ntilictiva mdestia, ainda mtsmo
quando debaiio das forma? ns mais obsti-
nadas e aggravantes. As anginas nunca
tenminarao em broncliites a losso em
ph'ysicanem a rouqui lao em astuma, ae
desde logo em seus principios forem atalha-
das com este balsamo vegetal, suavisador e
sedativo ; seus benelicos effaitos sao promp-
tamente e\ecutados nas enfermidades dos
pulmoes, dos vasos bronchios e da pleura.
fifl
JUNTA DOS COHR.ETORES
Praca do Recife, 9 do ailba'il
de iMl.
AS 3 HORAS DA TARDK.
O0TAQOES OFFICIARY.
Algodao. de 1" sorte 7*600 por 18 kilos, honteni.
Algodao mediano, livre de despeza, 7*000 por
15 kilos, hontem
AssuearCanal 1*200 por 15 kilos, hontem.
Cambio sobre Loodres a 90 d|V. 26 1|4 e 26
3|8 d.por 1^000, hmlam e hoje.
Dito sobre dito a 90 d[v. 26 1|8 d. por 1*, do
banco, hoje.
B. de Vascoucetlos
Presidents
A. P. de Lemos
Secretario.
ReadiDjenio a<
cm do u!.= 7
\LPAN0EOA.
di 1 a 6 .
133:5434945
38:010*495
191:534i440
Agenda asiiericana tele-; ap?ii
ca M. Gomco d'Olivelra.
II
Caatinaaremos agora, tralindo das vantagens
immediatas offerecidas pela Agenda umericana te-
legraphic* M. Gomes d'Oliveira.
Bazeando se no principio de associapao indirec-
la. meio unico pelo qual os povos modernos che-
gaoi faCilmentea consocncaq dos fins mais gran-
diOSOS do melhorainenlo social, a \gencia ameri-
eana em sea prbgnmma, que lemos a vi~ta, olTo-
rece a seguinie base sintetica da exposi<;ao das
vantagens immediatas, que nos :)U"erece :
Uln so despacho lelegraphico de vinte pala-
vras, transmetlido do um a outro extremo do cabo
aetualmente fuiiccionando,*to e, da corte ao Para,
ou viee;versa, custa 4O*!i00; a Agencia americana
p'lrem, gracas ao seu mechanisrao especial, asse-
gura a cada um de seus sobscriptores o direito de
dispor de 60 palavras por dia.ou 1.800 por mez,
mediante a contribuicao measal d3 30*000, islo e,
um quarto menos da iinportaneia de um despacho
de vinte palavras.
A immensa vantagem que daqui resulta, impoe-
se de tal modo a razao com a fatalidade das regras
arithmeticas, que alguma proposicao mais avanijar-
mos em abonacao della, seria desbarato de tempo
em redundancias de coueeitos ja evidentemente
aceutuados.
Aisto aecre-ce que a Agencia araericana, por
seus agents estabelecidos em toJas as pracas ira-
portantes, que estiverera relacionadas com o Bra-
zil, garante a-j* seus subscript ores a prompta en-
trega dos despachos telegrapbieos. que diariaraen-
le se'rao trocados entre as provincias, ou entre o
imperio e o i strangeiro, a qualquer bora em que
elles se elTcctuein, e no domicilio do subscripor,
ou lugar por die previament" designado.
E quaes as condigoes mediante' a acceitaoao das
^uacs propi'e-se a Ageneia americana a coucorrer
de sua parte para o completo a cabal desenvolvi-
ipento de t;o grande melbonawoto de interesse
pubiico e particular ?
1." que a assigna'ura seja por anno, por semes-
tre ou trimestre, a razio do 1*000 diarios, com
pagamentos adiantadus ; garantindo o abatimento
de 5 % aos suuseriptores que o lizerem de assig-
nalura annual.
2.*'que nenhum subscriptor podera publicar ou
atllxar qua'.quer despacho que receber da Agen-
cia.
E' intuitiva a razao de ser dessas duas condi-
coes; a da primeira, explica-se pela importancia
da resp.onsabilid^de, sobre modo grave, contrahida
pela Agencia aijericana perante as emprezas elec-
tro-telegraphicas com as quaes contratou o ser-
vifj da transmissao de depachos; a da segunda
explica-se tambem pela propria natureza da insti-
tuicio. Dependendo oseu desenvolvime.nto, e sua
estabilidado mesmo, do raaior niimero possivel de
subscriptores, uma vez que a esles fosse permitli-
da ou tolerada a transmissao das noticias recebi-
das a outrem, proviria d'ahi a limita^ao dos mes-
mos, naturalmente um decrescimento mesmo, de
que resu'taria para a Agencia araeriiana, senao a
ruina complela, sensibilissimos prejuizos.
Em cruzada de melboramento (aoimportanle ao
interesse pubiico e particular das principaes pro-
vincias do iuiperin, pensamos n6s,'4|ue as associa-
^><:3 comraerciaos das respectivas prajas, corpo-
rai;5es, estas com a3 quaes, pela natureza.de seus
misteres e interesses, mais do perto eniendem as
vantagens dessa melhorameato, corria o impenoso
dever de promover por meio do todos os valiosos
recursos, que a influencia material e moral de
cada uma ha de corresponded a exequibilidade
decommettimento tao audacioso quao proficuo
em seus fins, como o da fundajao da Agencia ame-
ricana telegrapbiea M. Gomes d'Oliveira.
De todas as corporacoes componentes das so-
ciedades, hoje, como em outro9 tempos coube sem-
pre a commercial a iniciativa dos grandes avan"
(09 na esirada do progress >, o que nao e de admi
rar, uma vez que por via de regra ella represents
o capital e 6 a expressao da induslria, de todo o
esi'orco ntilisado de um povo.
Partiodo da associacao commercial e benefieente
desta provincia, nao nos consta que haja ella ac-
corrido ainda a revigorar com sna inauencia a*
vistas avantajadas la Agencia americana telegra-
phica M. Gomes d'Oliveira ; certo e, porem, que
nao ha esperar nem quebraato de auirao nem mio-
goado iucitamento de um nucleu de torca mate-
rial e moral, que como aquelle se apresenta, e i
de suppor que nao por merajactancia ; nao obs-
tanle. as appreheotues que dm ou outro procedi-
meato seu, menos clara, tem levantado em. espiri-
los natuialmente prevenidos.
Esperamos, pois, que a Associaoao Commeroial
Beneficeaie desta praca defina a altitude que lorco-
saiHenle ha cia anerieaoa, alim de a applaudinno*, tal 6 a
seguridade que temos dis ideu que a inspiram
na fain* dodeaeovolvimanto commercial desta pro-;
i; o que determiaando o facto de sua institui-
rao, deve-expriiHir o de suaaxisteacia. >
Temos por emqaanto adiantado o qoe havia de
mais ojomentoso a chMr-je sobro a fuada^ao da
^genei* amerittip lelegraUic il Gomes d'Oli
idem do dia 7
S:794*l04i
26.859*087
dendiraento do dia 1 a 6
dem do dia 7 .
,3*668
*961
\iit. :}i^nnfiil
Descarrcgain hoje 8 de abril de 187-4.
Barca inglezaAureola(alracada) mercadorias
para alfandega.
Barca franceza Inltepide Corse mercadorias
para alfandega.
Brigue portuguez Bella Figuetrense -mercado-
rias para alfandega.
Galera portugueza Lisboa mercadorias para
alfandega
Patacho portuguez -f.idadorvarios genero3 para
o trapiche Conceieao, para despachar.
Patacho nacicnal Jaboalao varios generos
para o trapiche Conceieao, para despa-
char.
Lugre portuguez Julio varios generos para
o trapiche Conceieao, para despachar.
Barca ingleza iVerMyon-bacalnao-ja despacha-
do para o trapiche Conceieao.
Hiate americano Hathe Haskellkerosene ja des-
pachado para o \ ponto.
Brigue inglezL'ZJi'e and Kate farinha ja despa-
chada para o 1 pouto.
Brigue au;lriaco Die Ziwer Bruder farinha ja
despachada para o 1" ponto.
Brigue franeezMines, de Soumachs n. 2 mate-
riaea para a empreza da companhia lo-
comotora, para o ca^s 22 de Novembro.
liaita ingleza Dolphim materiaes para a empre-
za da eompauhia locomolora, para ocaes
22 de Novembro.
Barca hespanhola D. Luizi materiaes para a
empreza da companhia locomotora, para
o caes 22 de iNovembro.
Barca ingleza-Mi--carvao para deposito no tra-
piche du Bario do Livramenlo, a rua do
Brum.
Barca sueca C. D. W., entrada de Glas-
gow em 7 do cor-rente e consiguada a Her-
mann Lundgren, manifestou :
Ca'rvao de'pedra 400 tonelad s e 3 quin-
taes a ordem.
D2SPACHOS DE EXPORTACAO iSO DIA 4 DE
ABRIL DE 1874.
Para os portos do exterior.
Na galera portugueza India, para Liverpool,
carregou : P. Vianna & C. 537 saccos com 22,970
kilo3 de carocos de algodao.
-No navio inglez Carisbrook, para Liverpool,
carregou : S. Broihers & C. 187 saccas com
13,634 kilos dealgolao, e para a Russia, 813 ditas
eom 92,260 1|2 ditos de dito.
Na barca portugueza Firmeza, para o Porto,
carregou : J C. Figueira 3 saccas com 236 kilos
de algodao ; S. Guimaraes & C. 300 saccos com
22,300 ditos de assuear branco.
Na barca portugueza A lexandre Herculano,
para Lisboa, carregou : Amoritn Irmios & C.
200 saccos com 15,000 kilos de assuiar hranco e
450 ditos com 33,750 ditos de dito mascavado.
Na barca portugueza Jisephina, para Lisboa,
carregou : J. J. Seixas 4 cascos coji 64 litros de
aguardeute, e I caixa com 37 kilos de doce.
No brigu i hespanhol Homantico, para o Rio
da Prata, carregou : P. M. Maury 26 cameos com
9,600 litros de aguarderite.
Para os portos do interior.
Para Macai, no hiate nacional Adelmo dos
Anjos, carregou : A. da Silva Santos 2 barncas
com 183 kilos de assuear branco.
Para a Villa da Pentaa, na barcaija Gratidao,
carregou : M. J. Rodrigues & Prirao 3 barricas
com 186 kilos de assuear branco.
'lAuraos
O'COOTRAO FOGO.
A companhia Indemnraadora, estabelecidt
ue3te,pra$a,"totna seguros maritimes sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fogc
-m editkios, mercadorias e mobilias: nt
ma do Vigario n."*,paimientr> terreu.
.ViigusluF. d'Oliveira k(..
A casa commercial'e'bapcaria deAugusto
j d'Oliveira ife C, a* rua do Commercio ns
42, oncarivga-se de execuao para embarque de prodoctos, e de todos o-
mais aagocios4e comatissao, quer commer-
cials, quer bancarios.
Docouta lettras, o toma dinbeiros a pre-
mio, compra cambiaes, e saca & vista e a
jazo, & vontade do to:ul^r, sobre as se-
guintes prag.as estraugeiras c nacionaes :
Loudres. Sebre o UNION bank of
LONDON, O LONDON AND HANSEAT1C BANK,
LtMtTED, e varias cflsas de 1.* crasse.
Jftatriai. Sobre os banqueiros fouldJ
& C.,^A*COARD'ANRE<& C. e k, BfJvCQUE,
V1GNAL & C.
Haauhurgo. Sobre os Srs. joao
SCHU BACK & F1I.II S.
lAshmx. Sobre os Srs. fonsCAS.
SANTOS & VIANNA, e SEpASTlIO- .JOSE DE
ABREC.
Porto. Sobre o'BAneobsiJo do porto
O Sr. JOAQUIM-PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre o banco commercial
DO PARA, e OS Srs. FRANCISCO gacdeScio DA
COSTA & 1IU10S.
Haraulilo. Sobre o Sr. jose fer-
REIRA DA SILVA JUNIOR.
Geara. Sobre os Srs. I. s. de vas-
CONCELLOS & SONS. '
Bahia. Sobre os Srs. marinhos & c.
Rio do Janeiro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
BANQUE BRASTt.IENNE FRANQAISE.
C0MPANk|A.ALUANCA
seguros mantimos e terreti-
tres estabelecida na Bahiii
em 15 de Janeiro em 187D.
CAPITAL 4,000:000^000.
Toma seguro de mercadorias e dinheiro
i sco maritimo em navio de vela e vaporei
para dentro'e f6ra do imperio, assim come,
wntra fogo sobre predios, generos e fa
ondas.
Agente : Joaquim Jose Goncalves Beltrio
-i\9 do Commercio n. 5, 1* andar.
Anjos, capiiiw
differentes
cisco B*-dc Barros, cargar
itabele*Jeusa*r
u/ador fiscal interiuo da tbtsouria pro-
vinwtFBWfcra' ao^> contril/ointes tJos impoflos'du-
cretados pelo % 27 do art. '15 da lei u. 1115, 4 po
onsai em qpe po actiarom
omtJfeKiael l6i da of aide Ho
Recife, assun twv> ik|cas %.W se acharcin,
boteqajflkjusaj de paak), cootifi*aa, ewallaricas
da alJgufnfaMdM, (|We Inas-fKa maroModpra-
z) iMPVregftveioa trinia dias, a contar da publi-
cacao desta, na contonoiitade d:i l-i n. 891 art. 53,
ptra aolieitarera- da seecao do coatencioso as res-
pectivas pmas para pagameuto de seus deniios,
certos de que se nao o lizerem no praio marcado,
proceder-seha a eobrw'ea judieialmente, publi-
cande-se para islo a relario doe devedores abaixo
transcripts.
Seccao do contencioso provincial de Pernambu
co, 27 de marco de 1874. 0 procurador li-cal
interino,
MiguelJosf'de Almetifa Pernambuco.
Relacao dos devedores do imposto de 4 por cento
sobre div-erapt ettabeteciihenlos conmerciues, que
deixaraw^Mgoagar seus debitos no excrcicio de
1812 a 73.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercsWorias
fretes, dinlieiro a risco e finalmente de fatal-
juer natureza, em vapores, navios vtf fa or
^arcacas, a premios-muito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
ruE
Seguro conlra-iogo
LIVERPOOL & LONDON & GLOi
INSURANCE COMPANY .
Agesnles
Capital,
fondo
SAUNDERS BROTHERS & G.
11Corpo Santo11
NORTHERN.
.... 20,000:00OJS00t
de rescrva. 8,000:000jj00<
Agsntes,
Mills Latham & C.
UA DA CRUZ N. 38.
RuSfdo-Tuttflrn. 3".-Ant,onio Pereira
de Almeida 17440
Did larga do ftteaiHOi a. 31.-*Augusto
de Barros Correa 15^696
Dita de Santo Anjuro. Antfnio. Joa-
quim Gerald 6^278
DiUdita n. A. Ahtbnlo Danungues
Pint^iurH^ IJ mbeiM<.'.41^00
Dita 'le Matbias do Albuquurqu.: n. 3.
Aninuio Bernardo ftuiuteno 1^180
Dita da Praia-nova n. 20. Antonio 316800
OiU.de Marcilio D;as n. 7. Antonio
Joaq um de A*dfade 8^720
Dita da I'alma ns. 1, 3, 5. Antonio
Pereira dos StuLp% 176440
Largo da Penba n. a,Antonio Luiz
di Altnoida 15^iS96
t\ua da Casa Forten. 23. Viuva de
Antoi|io Manuel Teixeira 3#I39
Uila do'Monteiro n. 30. Antonio de
Medeiros 6^907
Larpu dp^Af ipueos- n. 62. Antonio
l'eruira U tauba 13^180
Eitrada para o.eagenho n. 3. -Agosii-
Uo,Dias Trabieo -136080
Idem idem.Andre Vital AUres 2<>G1()
Casanpa.Anlunio Cardyso de'Amoriiu G;>">'iO
llua de .lardlio Dias n. 50. Antonio
Jose Pereira 10646V
13oa -Viagem.Autouio JoseTeixrira 5'6-'32
B
Bua dasTrincheirasn. IS.-Bellarmino
Alves Arocha 156i')9.6
Pateo do Apollo n. 41 A. -Baliuga 106464
Rua da Casa Forte u. 69 ABeutu Jose
Domingues 56232
Giquiaj* Jain alao. Bernardo G-imes
de Abreu 26616
Idem idem. Bernardo Jose da Costa 26180
C t
fiecco do Abreu n 2. CandidcTUrsu-
lino d Barros
Rua do Biirao do Triumpho n. 100.
Curdeiro & Irmfto
Rua estreita do Rosario b. 10.-Costa
Si Bocha
Dita do Visconde de Inhatima n. 56.
Cypriano Vasques
Lar^o do Monteir i n. .10. Ceciliano .
Rodrigues dos Passos
Estrada Nova.jCodlho. & Pinho
Giquia a Jaboalao. Candido Martins
de Oliveira
Idem idem.Canuto J-ergio de Farias
Campo Grande. Carlota Marinha da
Rocha Falcao
D
Rua Vital de Negreiros n. 14.-Do-
mingo* de Barros
Rua da Imperatriz n. 39. Durville 4
Guedes
K
Dita n. 35.E. M. Burgois
F
Ruade Mariz e Barros n. 10. Fausti-
no;Pires
Larso da Assemblea n. 13. Felippe
Villa Wrde
Rua do Barao do Triumpho a. 76.
Ferriira cfr C.
Caes do Apollo n 5. Francisco "Felix
Goncalves
Rua 22 do Novembro n. 2 A.Francis-
co Candida do Medeiros
Dita Nova da Praia n. 22. Francisco
"Luiz Goncalves Guimaraes
Largo de S". Pedro u. A. Fortunate
Jo.-e Thomaz
Rua do Encanamento n. 8. Francisco
Guncalves Bastjj e Sa
Largo do Apipucos a. 42. -Francisco
Marques da Silva Mendes
Estrada Nova. Frandsco Manoel de
Oliveira
, Dita.-Felippe Correia Gome& Mello
Idem idem.Jos6 Vieira Lixna,
Jdem idem.-Joi6 'Jojqiini' de Castro
e Silva
Caxjnga. Jose Pa'checo da Fdnceca
Giqnia a Jaboatjo. Jo5(f Mauricio
|dii idem. Joaqdim Xavier da $ilva|
Idem mem. Jose Joaquim de Santa
Anna
Matanca.-Josd Mauricio dosPfazeres
Canjpiaa 9t$nA. Jose Ribeiro Pes-
S. Lourenc/).-Joao Maria Panche
Embinbeira.-Jose Xavier de Melb
L
Rua das.Tnncheiraa n. 48.-Luu S. S.
Estrada do Arraial n. 22.Luiz Antonio
Fragoso
Becco das Barreiras. Luiz Calmon
Cordiville
Giquia a Jaboalao. Luiz Antonio de
-Souza
Idem idem.Luiz da Conceieao Albu-
querque
M
Rua.de Thome de Souza n. 3.Manoel
Benovides & C.
Dita de D. J. Martins n. 24. Manoel
Moreira Esteves
Difa do Imperador n. 25.Manoel Bap-
tista do Nascimento
Dila n. 27.Marcos de Almeida Lima
Dita das < Larangeiras n. 6. Manoel
Jose do Nascimento
Dita de Vtdal de Negreiros n. 17-Ma-
noel Severino de Oliveira
Caes do Capibaribe n. 28 -Manoel Joa-
quim Looalo 4 C.
Estrada do Arraial u. 13.Manoel Joee
Domidgats
Rua da Casa Porte n. <7. Manoel
Joaquim Caraeiro Monteiro,
Dita n. lo.Manoel Souto Lima &C.
Esirada para o engenho n. 9.Marco-
lino Neves de Farias
Estrada Nova. Marcoliuo Francisco da
Silva
Caxanga.Maria Margarida Gauthier
Giqnia aJaboatao. Manoel Kenovato
da Fonceca
Idem idem. Manotl Maria Monteiro
S. Lourenco.Manoel Antonio de Vas-
>concellos
Giquia a Jaboalao. Maria Ermeliua
de Ca?trb Azevedo
Rua do Bario do Triumpho n, 41.-
Nunes & Silva.
P
Caes 22 de Novembro n. 26.Pojvcar-
po Jose Lay me
llua estreita du Rosario n. 20.-PJedro
Arigusto da Silva
Giquia-a JaboaUo. Paulino Antonio
d'e Souza Ay res
R
Rua de Jo5o do Rego n. 14 -Roque Es-
teves.
Rua Vidal de Negreiros n. 115 -Ray-
ni undo Lasser
Rua da Casa rte n. 11.Rozeudo Ma-
ximiao
Giquia a Jaboatao.Rosalina Maria da
Conceieao
Paled de Jaboatao. -Ricardo Carlos Pe-
5^1301
241616
(139
BANCO COHAL HR BRAGA
Jorge Tasso
Sacca sobre este banco e suas agendas nas se-
guintes cidades e villas :
Portugal.
CAPATAZ1A D\ ALFANDRGA
rtottdimento d<> dia
da* do dia 7 .
1 a 6
VOLUMES
Do dia 1 a 6 '
No
?rimeira port* .
Segunda porla .
r&rceira poet* .
Quarta porta
fiapiche Conceieao
SAH1DOS
dia" 7*
2:631*299
715*487
3:546*786
3,562
126
154
769
1,371
5 962
SBRVICO MARITIMO
u>arengas descarregadas no trapiebe da
alfaaoega :
ffo dia 1 a 6
No dia 7.......
in trapiche Concei?i< .
3
3
28
RKCEBEDORIa DE HENDAS ^RNAS GE-
IL\ES DE PERNAMBUCC.
tenaiuieMo do'dia 1 a 6 4:273*28
dem do'dta 7 '. .'. .., 1:813*361
6:088,5889,
Amarante Lisboa
Anadia Melgaco
Arcbs Mirandella
Aveiro Moucao
Barca Pena-Oel
Barcellos Piobel
Beji Ponte do Lima
Chaves Porte-mao
Coimbra Porto
Coura Povoa de \arzira
Covilha Regoa
Elvas Tavira
Extremoz Valen;a
Famalicao Vianna
Faro Villa do Conde
Figueira Villa Real
Guarda Vinhaes
Guimaraes Vizeu
Lasros Villa N. da Cerveira
Laniego Funchal
Payal.
Banco do Minho.
Joaquim Jose Goncalves 6eitrao"& Filho sacam
por todos os vapores sobre :
Anaiia.
Aguida.
Aveiro.
Beja.
Chaves.
Elvas.
Amarante.
Guimaraes.
CovilbA.
Melgaco.
Portalegre.
Arcos de val de vez.
Celorico de Basto.
Caminha.
Mangualde.
Ponte do Lima.
Povoa de Lanbasa.
Evora. Monsao.
Fale. Ovar.
Faro. Porto,
Guarda. Tavira.
Leiria. Regoa.
Lisboa. Vizeo.
Bareellos. Figneira.
OWfebftt. Lamego.
Mirandella. Gstarreja
Penaflel. Valenca.
Villa Real.
Cabeceiras de Bastos.
Castelio-Branco.
Espozende.
Oliveira de Ajemeis.
(ova de yanim.
ianna dotCklello.
9, Villa-Novade Portiraao. VUla-Mova de Famalicao.
Villa do Conde.
Mas illins.
Madeira, S. Miguel, Faiabe Terceira.
^mm
mmmun do mmu
Rsndimeato
CONSDLABO PROVINCiAi.Qi ^ \
}dodkvl*6 8i:MU983ll
Navio mtrado no dia 7.
jasgew 70 dias, barca sueca C. D. W., do 280
toneladas, oapilSo John Ilallgren, equipngem Mm
carga carvao ; a ordem.
Navios sahidos no mtsmo dia
RioGraade do SoMBarc* portugueza Social, ca-
pitao Augusto F. da Guaba, carga aMKar a
mais genera*.
Mossoro peloAssi Hiate nacional Attlino- dos
Rua do Marquez de Albuquerque n. 35.
Germane Pinto de Magalhaes
Pateo de Jabcatao. Galdina Joa Cavalcante
II
Rua do Barao de S. Borja n. 35. Hen-
rique Linden & C.
Giquia a Jaboalao Hermelifldo Fran-
celino Machado do Carmo
Corredor de S. Juao. Henrique Pereira
da Silva
I
Caes 22 de Novembro n. 42. Ignacio
Jose Cabral
Estrada para o engenho. Ildefonso
dos Reis Gomes
Giquia a Jaboatao. Ignacio Ferreira
dos Sautus
J
Becco da Sardinha n. 1.Jose Ignacio
de Medeiros
Rua do Imperador n. 20.Joao Fran-
cisco de Amorim Lima
Dita n. 13.Joaquim Jose dos Santos
Junior
Dita n. 17. Justino Francisco de
Assis *
Rna do Cabnga h. 18 A.-Joao Ferrei-
ra Villela
Dita das Larangeiras n. 4.Jose Aflon-
so Boudbux
Dita n, 10.Jo3o Pedro Blanchin
Dila das Trincheiras n. 43.-Joao Gon-
calves Ferrreira da Silva
Dila estreita do Rosario n. 23. Jose"
Martins Dias
Largo do Paraizo n. 10.-Jose Joaquim
Ferreira Brito e Silva
Rua de Joao do Rego n 2. Jose Luiz
Vianna Junior
Rua'da Roda n. 33.Jos6 Graciano da
Paixao
Rua de Santo Araaro n. 5.Join-Gon-
calves Nobrega
Dita dp Mathias de Albuquerque n.
24.-Viuva de Joao M>nbel de Re"-
zende
Travessa da raia n. 2.-Jose Augusto
de Araujo
Rua Nova da Praia n. 30,Jose Paulo
Botelho .
RmdoMarqnMilo Herval'n. 35.-Joa-
quim Ferraira Rosas
Rua do Jjirdrai n. 19. J6s6 Vicente
GodiaMo
tRua da Aurpra/B. 9. Jose Lopes de
i Oliveira
'Estrada do. Arrajal n. 23.Jose Maxi-
miario .dos Santos
Pateo do Monteiro n. 1 Je Antonio
de Oliveira e Silva : % .
jLargo de Apipucos n. 46. loao Feli-
zardo de Amorim
ildem idem n 50.Joao MachaJo Bran-
dao
ildem, idem n. 54. Joaquim Ferreira
Alves
Jc em idem.Joaquim Antonio da Paiva
; Fonceca
jCaxanga.-JoSo P^reim aosiSanto^Fa-
ro/a
G quia a Jaboatio.-Jose Esteves Mo-
reira da Costa*
Idem idem. Joaqoim da Silva Costa
idem idn.-JoaqoUB Josd Pereira da
Motta
76324
10O6J80
206928
176440
306520
56232
36*39
26d:6
26180
1?6080
2'6503
266'60
178440
23^195
346880
86710
106468
3'i:5880
136080
wm
2168.0
56*32
Ii4-i69
20 6! 00
261)16
reira da Silva
Si
26616
46360
*66I6
26616
26616
17.fi440
36I30
26616
26180
26092:
136080.
66340'
266160
266160
136080
136080
136080
C-6278
36139
76848
26616
36139
66540
26616
4-6 (2 )
266616
40
266160
26160
76848
2J616
266'00
136080
106463
36139
56232
Chacon, 2 na de franeez e 3 na'd Hjgtez,
Antonio Dias Barroso Junior, 6 na de frau-
cez. Antonio da Silva Cabral, ifl'lja de in-
glez. \isto Xavier da Craz, 3 M de.gao-
graphia. Epipbanro FranciseodeSafflpaio,
6 na do geographia, 2 na de geometrifl e 2
na de philosopliin. FranciscoPinheiro de Al-
meida Castro, 3 na de geotnetria e 4B-de
pbilosopbia Eduardo Correa do Rego Bar-
ros, 9 na do rhet rica e 2 na de philoso
phra
0 secretario,
Celso Terluliano Fernandes Quintella.
Edital n. 144
Pela inspectoria, se faz pubiico qoe, as 11 nos
do dia 10 do correote, a p iru desta reparfcao.
se ha de arrematar. livre de direitos e sujeii) an
imposto da capatazia. uma caixa marca tnaugulo
M. P. n. 3, contendo 61 d.izias de lenens da algo
dao, no valor de 147*030. vimla de Liverpool n"
vapor iBglez Cordova, entrado neste purlt em 17
de dezembro ultimo, e abandons h aos direitos.
porSimpsun A C.
Alfandega de Pernambuco, 7 de abril de 4874.
Fabio A. de Car.alho Reis.
w
BESUBACOt
*,
Pela administraQao do consulado pravmeia
se faz pubiico que no dia 13 do mez de abril vin-
douro, as 11 horas da manha, a port* de.-ia r<-
particao, ira em praca nma cai.\a (hprehendida
ao mascate Vicenie Barsne, com diver-is nbjwtos
de coral, avaliados na imporiancia de 143*520:
Qeando porem de nenhum effeito a referida praca
se o don i da mercadoria realisar o pagamenlo do
imposto e da multa em que ineorreu, como de-
termina o art 8 db Reg. de 7 Jeoutubro do 1873.
Consulado provincial, 30 de marco de !874-
Antonio Carneiro Macdado Rios.
santa casa da rhseiucoud1a do
uecifi:.
Venila ilc predios
A Illnih. junta administrativa ce-ta Santa Ca.-a,
devidamente autorisada pela precidencia, na ala
de suas sessoes, peias 3 horas da tarde do dia 26
Jo corrente, venie ou permuta por apolieoada
divida public* osseguieles predios. perienceotes
ao legado de Joaquim da Silva Lopes, de que e
adminislradora : Forte do Ma'tos, inetade do so-
najqydo 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco do
bradu 3' pane do sobrado n. 1. por 2:666*0*6
rua da (juia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*, sobrado de um andar n. 30, por 2:000*,
dito meia-agua por 500* ; rua dos Guararapes,
casa teirea n. 65, por 1:100* ; rua dos Acougui-
nhos, cosa terrea n. 26, por 600* ; Largo da Cam-
pins, ditan. 3, por 400* ; rna da Soledade, dita
n. 72. por 700* ; becco do Teixeira, >ita n. 5.
por 25;i* ; largo das Cinco Poatas, terreuo, fjor
1:000*600.
Secretaria da Santa Ca3a da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro.Rodrig-ies de Souza
Rua das Larangeiras n. 30. Silvano
& Carneiro 176440
Varzea.-.-ilvestre Francisco Alves 26li'0
Estrada para o.engenho. Sifvino dos
Reis Gomes .26616
T -
Rua das Larangeiras n 89. Tavarcs
& Silva 6096
Esirada de Santa Anna n. 12.-Thome
Rodrigues da Cunlia 56"- 12
Seccao do contencioso provincial de Pernambu-
co, 27de marco de 1674.
0 !. official,
Iloracio Vfalfrido Peregri/io di Silca.
~ 0 Illm. Sr. inspector da tbesourana provin-
cial manda fazer pubiico que em enmprimento da
jrdem do Exm. Sr. presidente da provincia d; 7
le Janeiro corrente, perante a junta desta thesuu-
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril pro-
ximo vindouro, a obra da ponte denominada Pao
Bangui sobre o rio Serinhaem. orcada em 9:570*,
pages em apolices da divida provincial a juro de
7 por cento ao par.
As pessoas que-se propozerem a esta arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da mesma
tbesouraria no dia indicado acim.i, pelo maio dia,
competentemente habilitndas.
E para constarse mandou publicar o presente
delo Diario de Pernambuco.
Secretaria da tbescuraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874.
Victoriano Josi M. Palhares,
Official maior interinw.
Clausulas especiaes para a arrematacao da ponte
denominada Pao Saugue sobre o rio Scri-
nhaera.
1.* A ponto denominada Pao Sangue sera exe-
cutada de conformidade com o orca:nento e plan-
taapprovados pelo Exm. Sr. presilente da pro-
-vfncia,no valor de 9:570*.
2." 0 arrematante dara principio a obra no pra-
zo de um mez c a coneluira no de 12 mezes.
3.' 6 pagameuto sera effectuado em 3 presta
>;oes iguaes a propor^ao da tabella executada.
4." Paratudi a mais que nao se achar esp-cili-
cado sera regulado pelo que dispoe o regulamento
de 31 de julho de 1866. -0 engenheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Victoriano Jose M. Palhares.
876200
26092
36139
176440
26616
136080
13,5080
346880
566680
86720
156696
176404
106464
216800
156696
156696
66540
50232
86720
266100
106464
t6800
156096
136080
26180
86720
86720
56232
66104
66232
266160
26616:
46232
Edital n. 143.
Pela inspectoria da alfandega se faz pubiico que,
nao tendo sido despa'chadas denlro do ppazo mar-
cado, as mercadorias abaixo decl.iradas, annuncia-
das a consumo por edital n. 138, se ha de arrema-
tar as mesmas as 11 loras da manha do dia 11 do
corrente, a porta desta repartijao.
Trapiche Conceieao.
M rca S S & C 10 caixas- com allios vinda3 de
Liverpool no vapor inglez Arbitrator, descarrega-
das em 21 de agosto de 1873 e consigoadas a Soa-
26616 -res da Silva & C, no valor official de 71*400.
Idem A P F2 ditas c nn ma;as e castanhas era
completo estado de putrefaccSo, vinlas de Lisboa
no vapor portuguez Almeida Garret, descarregadas
em 9 de fevereiro do corrente anno, e consignadas
a Antonio de Paiva Ferreira, sera valor.
Idem S B2 barris com -castanhas idem idem
idem, a Antonio V. da .-ilva Barro*a, sera valor.
Idem1 dita com 15 kilos de presuuto em sal-
mouras, idem idem idem, no valor official de
8*400.
Alfandega de Pernambuco, 6 de abril de
1874.
0 inspector,
Fabio A. de C. Reis.
Liverpool, U de uinrco tie 183-4
Massa fallida de Tugnian ifc Bradshatp
Os negocios desta firma, que me foram encar-
regados pelo tribunal do commercio estio agora
ananjados, e retirados do dito tribunal.
0 aviso annexo da dissolucao da lirma foi de-
vjdainente annnnciado na g3zeta otDcial, e oSr.
S. C. Bradshawe unica pessoa que tem direito de
tralar da massa.
Deos guarde a V. Mc. Siarmood W. Banner,
curador iiscal da massa fallida de Tugman &
Bradshaw. ------
BE11EYS BUILDINGS, "GEORGE STREET
Liverpool, 5 de marco de 1814.
AVISO
Pelo presente notifica-se que a sociedade U<
agora existente entre nos, os abaixo assignados,
Samuel Tugman & Sylveslre Christovao Bradshaw.
negociantes desta praca, com escriptorio Bereys
Building-', George Street, gyrando sob a ratio so-
cial de Tugman A; Bradshaw, fiea dissolvida de
commum accordo desde a data d" 4 de dezembro
de 1873. Todas as dividas pertencentes a dita fir-
ma serio pagas e recebidas pelo dita SylVestre
Cbri-iovao Bradshaw, o qual con'.inuara com o
mestno negocio pela sua propria conta e debaix
de seu proprio nume.
S. Tugman.
____________________S. C. Brad-haw._______
Pela subdelegacia d> primeifo d striciadf
Olinda, (bi preso o escravo Mancel, pard de 20
ann's de idade panes mais ou m ::a
corpj re^ulares, rosto redonde, sem barba, or-
lhas pequenas, cabello meio corrido, naiii 6h-
to, ul'ios preios e dentes perfeitos, o qual diz ser
do dominio do Sr. Manoel da Silva, cat ado com
D. Rosa Maria daTrindade, residentea iii fazend*
Malhada- da eomarea de Pajeu, d>'darando
achar-se fugiio a8-annos. Nio se sabendo se
elle mudou o nome e senhorio, declina-se aqui
os signacs, para que seja proojrado por quem
for seu senhor.
Cidadc de Olinda, 7 de abril de 1874.
Maciel Monteiro,
SubMegado.________
0 adiiiinistrador da recebedoria do
rendas internas geraes avisa aos contribuin-
tes do imposto sobre induslrias e profissoes,
que e neste mez de abril que te:n da ser
pago, sem multa, o 2. semestre do exerci-
cio do 187374, depjis do jue sera pgo
com a multa de 6 %
lto:ebedoria de Pernambuco, 7 de abril
de 1874.
Manoel Carneiro de Souza Lacerda
Secretaria do gymnasio provincial de
Pernambuco; 7 de abril do 1874.
Por esta secretaria sedeclara a quem in-
teressar possa, os fiordes dos alumnos extor-
nose o numero das faltas que deram em
suas respectivas aulas, durante o mez de
marr^o proximo fin lo ; e sao os seguintcs :
Bellarmino C-sar Guodes G>ndim, 4 fal-
tas n'aula de lingua nacioutl, 2 na de la-
lim, 5 na de franeez e 3 na de geographia.
Augusto Ne.-y Carneiro Monteiro 4 na de
instrucgao.ptimarta. Antonio Ferreira da
Costa, 4 na de lingua nacional. Jose" An-
selmo de Figueiredj Santiago, 6:na de latirn
e3 na da franeez. 'Jo-vino Frederico de Figue-
redo Santiago, 8 na.do instrucs3j primaria.
Minoel do Nascimento Borges Lea1, 4 na
de latim.- Jose de Vasconcellos Borges
Leal, 3 na de latim. GoJoftedo Moscoso
da Veiga Pessoa, 5 na de instrucgao prima-
ria." Eduardo Augusto Silveira. 4 na de la-
tim e 2 na de franeez. Pedro Moscoso da
'Veiga Pessoa, 8 na de instrucijao primaria.
Manoel Caetano Cysneiro de Almeida Albu-
querqUer, ti na de latim e 11 na de fran-
eez. Justioiafto. WanderleyJ^iJs, 4 na de
instrucgao primaria. Cel Florentino Hen-
rique de Souza, 2 na de lingua ftacional, 3
na de latim e 3 na de franeez. Atitonio Wan-
derley Vieira da Cuuha, 7 na de instrucgao
primaria. Andre Ferreira da Costa, iA o*
de"latim. Alexandre da Silva Cabral, 8 na
!de instrucQao primaria. Joarjtlffn Domi
c,io Leopoldiuo Ferr^iiji, 6 na de latim e
20091 'P9 oa de rhelerica. fitenrkiue de Hollanda
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
iVavecacSo eosteira a vapor.
De conformidade com u artigo 26 dos estatutos
desta companhia sa> novamunte coavecados os
Srs. accionistas a reuuirem-se em assembled geral
no sobrado da gerencia no dia 18 Jo corrente, ao
meio dia, afin de proceder-se a leitura do relato-
rio e a3 eleieoes da nova directoria e commissao
de contas, tudo o que, a falta de numero legal nao
pode ter lugar na reuniao havida a 11 de mare >
proximo passado.
Recife, 6 do abril de 1874.
Thomas M. Connan,
Gerente interino.
S rita Casa d$ MLtsencocdia J^jJJ
Recife.
En vista da ordem da Illma junta administra
tiva sio convidados os parentes d:.s menores infra
mencionadas a virem retira-las do collegio das
orpha*. por ja terem attingido a idade marcada
no respectivo regulamento, eacharem-se com suas
educafSes terminadas. Aquellas que nap forcm
retiradas dentro do prazo de 30 dias, contidos da
data do presente, serao enlregues, de accord
com o 3* do art. 48 do mesmo regulamento, a
famihas honestas para ani se empregarem no ser-
vice domestico.
Senhorinha dos Santos, filha de Jose Joaquim
dos Santos e Antonia Maria.
Adelina Lins de Albuquerque, filha de Joao Vi
rissimo Lins de Albuquerque.
Leopoldina Maria da Paixae, filha de Clara de
Jesus.
Maria Eliza Alves, filha de Joanna de tal. .'
Valeriana dos Santos, filha de Joaquim dos San
tos e Maria Margarida.
Alexandrina Bezerra Cavalcante, filha de rose
Bezerra Cavalcante e Rosa Bezerra de Menexaa.
Idaiina Lacerda, filha de Pedro Alexandre
Lacerda e Anna Francisca.Paes Barreto.
Joseph* Lima, filha de Joaquim Lima OpVh
veira e Joanna Maria. _;, __
Candida, filha de Vital das Chagas Coelho e Car-
ota de Lacerda. v D^~,
Rosa, filha de Antonia Joanna de Barros.
Dionlzia, filha de Vital das Chagas Coelho Car-
Antonia* filha de Manoel Felix Barbosa e Mar-
colina Guimaraes.
Adelaide Francuca da Silva, Qlha do F/age^ca
dfi \SS19.
Alexandrina Maria, filha de Felippe Martinto do
0' e Maria Joaquina do Espirito Santo
Rosa, filha de Antonia Joanna de Barirtj
Secretaria da Santa Casa da Mtset*4o|
Recife, 13 de mar?o de 1874.
O escrivao
Pedro Rodxi|aes de Socua.
:





./
Diario de Pernambtioo Quarta feira 8 de Abril dt 18?4
Pela. thesotrraria provincial se Taz piiblleo
<|me foram transfendas para odia 16 de abril pro-
ximo viadouru as obras seguintes:
libra dos reuaros d bomba b. 2 no 7 lanco da
estrada da sal, ercada em 1:012*.
flora dos reparos da coberta da oasa de detau-
fio, arQado em 1:1783.
Obra da iiomba para o povoade dos Monies,
*cada em t:9W.
Secretaria da thesouraria provincial de.Pernam-
Jwco, 30 de-marco de 187i.
O otltcial-imior,
Miguel Affonsi Ferreira.
SANTA CASA DA MlSEIUCUKLlA DO
RECIFE.
A Hlma. junta adininistrativa da saata casa d
Misericord* do Recife, manda 6r puhlico qu*
aa sala do suas sessoes, no dia 3 de abril pe-
las 3 boras da tarde, tern, de ser arrematadas a
quem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tree annos, as rendas dos predios em seguida
declarados.
ESTABELECIMENTO DE CAR1BADE.
Travessa de S. Jos*.
Casa terrea II.......201*000
Rua de Santa Rita.
idem n. 32.........230*000
Idem u 34.......240*000
Padre Floriano.
Idem n. 49........207*000
Ciuco Pontas.
Casa terrea n. 114......362(1500
Rua da Alegria.
Idem a. 34......... 371*000
Ponte Velha.
Idem n. 3d.......... 136*000
Rua de Antonio Henrique*.
idem d. M........' 99*000
PAWUMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Oasa terrea n. 16.......?09*0(X
Becco das Boias.
Sobrado n. M.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechado).....<:000*090
|Rna do Pilar.
Caia terrea n. 100 '". 241*000
Rua do A men in. I
Idem n. 34 .......122*000
Rua da Gnia.
Idem D. 29........201*000
Rua das Larangeiras.
Oasa terrea n. 17. .......361*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto d
irrematacao as suas fiancas, ou compareeererr
aeompaahados dos respeetivos riadores, devendc
pagar alem da renda, o premio da quantia en
quo for seguro o firedio qua contiver estaboleci
mento commercial, assim como o servico da lim
pexa e preoos dos apparelhos.
Secretana da sais'a casa da misericordia do Re
.ife, 17 de mar^o o d^. 1874.
"0 escnvao
Pedro Rodrigues de Souza.
Santo Antonio
BHPBSXA
Quinta-feira 9 de abril.
Espoctaculo extraordinario
Concedido gencrasainente pelo emprezario, o
Sr. Vicente P. ntes de Oliviura, a ben.'fido de
HENRIQUE JOSE' DE PO.NTES
Representar-se-ha a muito ihtcressante eomedia
em 3 actos :
Meus olhos! Meu nariz!
Minna bocca.
)
MSTTUTO ARC
n
J
Ai.
CO E
IE010G
PERNAMBUGANO-
sessao ordinaria do presente anno
academico nao tendo podido celebrar-se no
1. de abril, effectuar-se ha <|uinta-feira, !),
pelas 11 boras da manha.
ORDEM DO DIA.
J. Posse dos ofliciaes eleitos para a nova
mesa admimstrativa e eo i.mis-soes ;
2. Parecerese mais trabalhos adiados;
3." Palestra litteraria.
Secretaria do Institute, 0 de abrl de
1874.
lost: Scares d'Azevedo.
' Secretario perpetuo.
SA!
CASA DA MISERICORDIA DO
RE .FE.
Pela secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife sefaz sciente que o Sr. thesoureiro, no sa-
la* da casa dos expostos, pelas 9 horns do dia 14
do corrente, fara pagamento as amas que se apre-
sentarem com as criancas que Hies foram confia-
das, das mensaliddes relativas ao trimestre de Ja-
neiro a marco findo.
Secretaria.da Santa Caa da Misericordia
do Recif', 6 de abril de 1874.
0 eserivao
Pedro Rodrigues de Souza.
CONSELHO UK COMPRAS DO ARSENAL
DF. MARIXHA.
' O conselho contrata no di* 9 do corrente mez,
a vista de propostas recebidas ate as 11 boras da
manha, o fornecimento no trimes'.re Undo em ju-
nto do corrente anno, de sapatdes para s apren-
dizes artifices do arsenal de marinha, imperiaes
marinheiros, apcenfflzes ditos, e marinhagem dos
navios da armada : assim como de carvao cok e
dito de ferretro ao rciVrido arsenal.
Sala das sessdes do conselho de compr^s
de m-rinha de Pern^mbuco, 0 de abril
de 1871.
0 secretario
llexojidre Hodrigues doe .tnjog
( Musica do mae.-tro P. Tolas
1.* acto.- Um pai que nao 6 pai I
2.* dito.-Um ma rid'> que nao 6 marido I
3* dito.Uma mulher que nae> e mulher I
Os principaes papeis sao -desempenhados pelas
Sras. D. Olympia Valladas e D. Joanna Januaria, e
pelos St*. Vicente, Bahia, Cainara, Florindo e
Silva.
Terminara o espectaculo coin a mnito graciosa
opereta em I acto :
Sem fato e sem noiva.
(Musica de Offembach e ontros.)
Priocipiara as 8 1|2 horas.
0 bencficiado, enfermo gravemente ha 3 mezes,
e tendo esgotado todos os sens reenrsos necunia-
rios, recorre por eslo meio a proteccao do illus-
trado e benefico pnblico desta cidade, em geral,
e em particular a tolos os seus amigos e irmaos,
pntestando a todos a sua eterna gratidao. Ao
mesmo tempo aproveita a occasiio para agrade-
cer sinceramente ao digno emprezario, o Sr. Vi-
cente Pontes de Oliveira, que lao desinteressada-
niente Ihe oflereeeu este beneficie, e a todos os ar-
tistas que nelle tomam pane.
0 resto d s bilhetes pode ser procurado no bee-
co do Ciume, a rua da Florcntina, antigo hotel
Mabile) e no dia do espcctaculo no escriptorio do
theatro.
< OMI'AMIIA IIIlAIIM:iR4
DE
tVAVECACAOA VAPOR
Tartan anl.
cuvzfaho HO SCT^
CoiiiniMnrtanle Ouilhcrine Wl/m-
Mufton
If esperadc Jos porto* do norte ate o dia # do
corrente e aagmra para o.*i ml depots dalemora
du co.tum^.
Para crga, eneouimnids, valoreD, (tawa^ens.
trata *e n>> 8.Wi|HrtM 4* aui*ij-.ia
7-RUA DO Vir.ARK)-7
Pereira Vianna A C.
Agenle*.
DO
BEBERIBE
A directoria desta companhia lembra aos
Srs. concessionaries de pennas d'agoa, que
todas as obras conccrnentes as mesrnas, so
poderao sr feitas com sciencia da directo-
ria e p-esenca do rc-spectivo empregado. isto
para evitar os abusos que se d3o constante-
mente, e para que nao fiquern sujeitos a"s
EDultas compelentes.
Escriptorio da companhia do Beb-:ribe,
30 de mar.;o de 187+.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrigues Valen^a.
.EMPREZALIMA PENANTE
Quarta-feira 8 de abril
Qainta representacao do apparatosissimo drama
historico, original do Sr. Dr. Souza Pinto :
Simla Clolilde
RAIMA DE FRANCA
(RceHa do a in or.)
Nos inlcrvallos a orchestra executara, alein de
outras Decas escolhidas duas novas composicSes
do talentoso maestro Marcelino Clcto Ribeiro, in-
titntadas:
Triurapho
brilhanle polia offerecida ao Sr. Dr.-A. de Souza
Pinto, e
0 Sr. Athanasio na contra-
dansa.
Polka I.I11I.II1II
I'rincipiara as 8 horas era ponto.
0 resto dos bilhetes achar-se-hao no dia do es-
pectaculo no escriptorio do theatro.
THEATRO
PIIE\I\ IlifflKA
EMPREZA
Sext .-feira 10'de abril
Sexta representacao do muito lindo e frenetica-
mente applaudido drama-sacro em 12 quadros e
1 epilogo :
SANTA CLOTILDE
Pr;noip:ara as 8 i\t horas
BMP>^^^?MMgMKgrHllJMMfH> liyUUWiniiBui IIIII Mil
mm MABITfMOS
(OH1VUIIII Kit \SI|.||R 1
DE
NAVEGAglO A VAPOR
Portos do norte.
GEARA
* Coiiimandantc Alooforada.
E' esperado dos portos do snl ate o dia 10 do
cerrente e seguira para os do norte depots da de-
mora do_costume.
Para carga, eocommeudas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio da agenda
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna 4 C
- Agentes.
Ilavendo altera r.ao bo precodos fretes, acha-se
no escriptorio a respectiva tabefla.
COMPANI1IA PERNAMBUCANA ~~
DE
HavesaeOo costcira a vapor.
MACEIO, ESCAUS, PENEDO E ARACAJli'.
O vapor Mandahu,
commandaute Julio,
seguira para os por-
tos aciraa no dia- 15
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate o dia 13 do corrente, encom-
aiendas, passagens e dinheiro a freu ate as 3 bo-
da tarde do dia da sabida : esjriptorio no For-
t do Mattos n. It. _________
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
\nvegacflo costeiraa vapor.
ARABYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO', A1UCA-
TV.CEARA, MANDAHT, ACARACL"' E GRANJA
0 vapor Pirapama
commandante Silva,
seguira para os por-
tos acima no dia IS
do corrente, as 5
horas da tarde.
Recebe carga at6 o dia 13 do corrente, encom
aendas, passageiros e dinheiro a frete ate as 2
horas da tarde do dia da sahida escripto-
rio no Forte do Mattos h. 12.
GlARGGl'RS REIMS.
cdo ji vapw
LArOm, mensal enire o
Havre, Llslma, Pern;imlu-... Rio d
Janeiro, (Saatoo, somenle na vol
tn ) Montevideo, line nos- Avres,
<- ST k .VIW E R
VILLE DE RIO DE JANEIRO
Cuiiiiuuiiiliintet I 1,-iirv
L esperado dos portos do ul ale o dia 15 do
corrente, seguindo depois da indispensavel demo-
ra para os portos da Enropa.
Para passageiros e carga para Lisboa e Havre ;
e por haldeacao para todos os portos do continea-
te, p-Mle-se ter Itigar seguro, avisando ate o dia 10.
OS CONS1GUATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA & C.
i%Rua do CommercioEntrada pela rui
____________do Torres.
Rio-Grande do Sul.
Para o referido porto segue com pouca demora
o paiacho portuguez Adelinn, porque apenas Ihe
falta poucos volumes de carga, e para tratar com
os consiirjMUrios Joaquim Jose Goncalves Bel-
trap 4 Filho. a rua do Commercio n. a.
Porto por Lisboa.
Sohe impreterivelraente Bestes 15 dias o brigue
portuguez Florinda : quern no mesmo qnizer car
ou ir de passaeem. trate cam os consigna-
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
mos de cord5, com 18 oitavas, 2 moedlnhas para
punhos, 1 par de botdes, camaphen, 6 habitos de
diversas ordens, 1 relogfo de algibelra e trance-
lim.
Objectos de prata.
Uma commeBda da ordem da Rosa, bules, cafe-
teiros, assneareiro e lekeiros, 3 eopos, conchas pa-
ra sdpa e culheres para irroz, 1 salva e tesoura
para luz, 2 casticaes, 1 escrivaninha e2 canipai
nhak
Moveis.
Uma optima cama de jiicaranda p.ira casal, 1
toucador de mogno, ;om espelho, 12 eadeiras de
jacaranrla, usadas, t inarqueza de amarello, dito,
1 pequena commoda, 1 pepienamesa de pinho, I
banca para jngo, estragada, 1 jarro e baria de
porcelana, 2 pares dejarros para fl-ires ^peque-
nos) e 6 almofadas.
rega<
tarios Thomaz
sores, rua do Vigario'n.
passagem, trate cam os
de Aquino Fonceca & C.
succes-
19, on com o capitao.
Rio Grande do Sul
Para o referido porto pretende seguir com pou
ca demora a barca portugueza Social, por ter a
maicr parte de sea carregamento engajado, e para
o resto que lbe falta trata se com os consignata-
rios Joaquim Jose Gon?alves Beltrao 4 Filho,
rua do Commerciol n.5
Porto e Lisboa
A galera portugueza Firmeza vai seguir com
brevidade para es dous portos acima por ter a
maicr parte da carga engajada ; para carga e
passageiros trata- se cont os censignatarios Silva
Gnimaraes & C, pra^a do Corpo Santo n. 6.
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poucos dias
de dejnora a barca portugueza Filiz Vniao por
ter a maior parte de sea carregamento engajado,
s para o resto que Ihe falta, trata-se com os con-
eignatarios Joaquim Jose" t^oncalves Beltrao & Fi-
sho, a rua do Commercio n. o.
LEILOES.
Rio de Janeiro
Vai sahir com brevidade a barca portugueza
Lisboa recebe carga a frete : a tratar com Tito
Livio Spares, a rua do Torres n. 20.
Para o Rio Grande do Snl
0 brigue nacional Amelia segue ate o dia 11 do
corrente ; so pode receber cerca de duzentos vo-
lumes : a tratar com o seu consjgnatario Antonio
Luiz de 0 iveira Azevedo, rua do Bom Jesus n. 57,
Leilao
C0IM.1HU
.DE
N YYEGACA B\HI\K\
LIM1T4DA
llareio, Pencdo, Aracajo
e Bnliia.
E' esperado ate o dia 22 do corrente um dos va-
pores desta companhia, o qua! seguira para os
portos acima no dia seguinte ao de sua chegada.
Recebe-se carga, passageiros e diaheiro a frete.
Agentes.
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo.'
57Rua do Bom Jesus-57
Associa<;ao commercial agri-
cola.
Couvida-se aos senhores asso'ciados a reunirem-
se em assemblea geral extraordinaria, no dia 8 do
corrente, as 10 haras da manha.
Secretaria da as? ciacao commercial apricola, i
de abril de 1871.
J^&o Pereira Rego
2* secretario.
<-' IIESSAGERIES MARITIME?
I.fnlia nicnsal
0 vapor
MENDOZA
Espera-se dos portos Jo sul ateo dia 12 do
corrente, seguindo depois da demora do cos-
tume para Bordeaux, tocando em Dakar (Gore"e)
e Lisboa.
Para 'passageiros, encommendas, etc., a trata'
:om
fSAGENTES
Harismendy A Labille
9 Rua dp Commercio 9
Armazens da companhia per
nambucana.
Seguros contra o foxo
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastos armazens em sea predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garanilndo a maior con-
servacao das merc.idorias depositadas, servigo
prompto, prefos modicos, etc.
Tambem recolhera,-mediante previo aceordc, ex-
dusivamente os generos de nma so pessoa.
Estes armazens, ale"m de arejados e commodos,
ao inteiramtnte novos e asphaltados, isentos de
upim.ratos, etc.. etc.
As pessoas que quizerem utilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-se ao escriptorio da com-
panhia pernambucana, oue acharao com auem
a-aur.
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que no dia 16 do cor-
rente mez, perante a junta da fazenda da mesma
thesonraria se ha de ar'ematar, a quem por me-
nos fizer, 0'fornecimento de alimentacao e d'etas
aos presos pobres da casa de detencio, no trimes-
tre de abril a junho vindouro, servmdo de base a
arrematajao os precos das tabellas abaixo trans-
'riptas; -
Dietas *
N. 1 380.
N. t 400.
X 3 640.
N. 4 400.
..N..K400.
era tambem forneiida aos presos ceia na-im-
portancia de 120 rs em quanto csta orcade o al-
mqco, e na tuesma pjeporcSo.
pnblicar o presente
provincial de Per-
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
PAKY
ROYAL MAIL STEAMER
ILL1MAKI
espera-se dos portos do sul ate\o dia II do cor-
rente, e depois da demora do costume, seguira
para Liverpool, via de S. Vicente c Lisboa. para on-
de nwebera passageiros, encommendas e dinheiro
a frete.
S. B.Nao sahira antes das tres horas da tar-
de do dia da sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO14
para censtar, se mandoa
pelojornal.
Secretaria da thesouraria
nambneo. 4 de abril de 1874.
0 official maior
Miguel AfTonso Ferreira.
Pacific Steam Navigation Compan)
ROYAL MAIL STEAMER
Pacific Steam Navigation Company
ROYAL MAIL STEAMERS.
Sao esperados do sul os vipores abaixo men
cionados :
Abril iO/llimani.
Abril Si Britannia.
Maio 8 John Elder.
Maio iZ 9alicia.
TalierFa daw pa-fiie.ii- d<> Pciiiam-
buco.
Para a Europa 1" clause 2' classe 3* classe
A Lishoa 27 16 10
A Liverpool 30 20 13
Os menores de doze annos pagarlo meia pas-
sagem, os de otto uma quarta parte, e uma crian-
ca menor de tres annos inde com sua familia
gratis.
Criadaspagarao duas tercas partes das pas-
sagens de primeira classe ; e serao alojadas no
salao das senhpras.
Criados pagarao passagem de segunda classe.
Os cama rotes nao devera ser considerados en-
gajados, emquanto a passagem nao tiver sido
paga.
Os passageiros-que nao seguirem depois de
terem tornado suas passagens, perderao metade
da importancia deltas.
Bili.etes de ida e volta- (nao transferiveis) se-
rao eoncedidos a passageiros de primeira classe e
a sens criados que os a:ompanharem,-e a pas-
sageiros de segunda classe, com uma reduccao
de vinte e cinco por cento sobre a importancia
das passagens ; os qoaes valerao pelo espaco de
doze mezes calendarios. Nenhuraa concessao ser-
feita, se dentro do tempo especiflcado, nao se fi-
zer uso delles.
Ragagem.Sao eoncedidos vinte pes cubicos a
caflapassageiro adulto; todo o excesso pagara
frete.
N; B.Nao sabirao antes das tres horas da
tarde.
AGENTES
Wilson Rowe AC.
14RUA DO COMMERCIO^-44
spera-sedaEuropaat6odia 57 do corrente,a de
pou da demora do costume, seguira para Babia,
Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos Ayres Valpa-
raiso, Arica, Islay e Callao, para onde receberi
passageiros, encommendas e dinheiro a frete.
Nao sahira antes "das tres boras da tarde do dia
de sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Rowe a C
14RUA DO COMMERCIO14
Companhia Allianc,a Mari-
tima Portuense.
A galera portugueza Savdade, seguira em pou-
cos dias para o Porto, com escala por Lisboa.
Ja tem contratada grende parte da carga; e
para o resto, trata-ae-com os conslgnatarios e
agentes da cempanhia,
lost da Silva Low A Filhv,
em seu escriptorio a rua da Companhia Pernam
bucana.
DE
Grande sortimento de terra-
gens e miudezas
No armazera da rua do Bora .lesus n. 26
v. ^> J"E
Fara acabar cornpletamente com o estabe-
leciraento
J. A Moreira Dias fara leilao, por intervened
do agente Dias, nos dias e horas acima dfsigoa-
dos,.de todas as miudezas e ferragiis, e?ii3tentes
em seu armazem. '
Comecara as 10 -l|2*horaa da manha.
Grande feira
DE
pianos de armario ede mesa,
1 mobilia de jacaranda, 1
dita de amarello, ambas
corn tampos de pedra, car-
teiras, secretarias e mesas
para escriptorio. camas
francezas, guarda lou . camas para criancas, guar-
la comidas, malas para
via gem. jarros com pes de
Mores para cima de con-
solos, relogios de algibeira,
de ouro e prata, candela-
bros compingentes, objec-
tos de ouro e prata. bergos
para criangas, quadros di-
versos, relogios de cimade
mesa e de parede, crystaes,
cabides, machinas de cos
tura e infinidade de objec-
tos do uso domesiico
Qiiinta-feira (Jdo corrente
A's 11 horas
ao correr do marteUo
ma
FEIRA SEMANAL
16Rua do Imperador-rK
pelo agente Martins.
Roga-se
LEILAO
moveis, louc,as e crystaes
A SABER:
Um piano forte, 1 mebilia de nirgno, com tam-
pos de pedra, I espelbo oval, 3 dilos tambem dou-
rados para consolos, 1 candieiro a gat, 2 serpen-
tinas de crystal, 4 casticaes e mangas, 6 jarros pa-
ra flores, bolas e enfeites de mesas, tapetes, es-
carradeiras, pannos de crochet, I mobilia (antiga)
de jacaranda, 1 cama franreza de jacaranda, I
toilette, 1 lavatorio, mesa de cama, cortinado e col-
cha para cama, guarda-vestido. I comrarda de Ja-
caranda e 1 cabide.
Uma mesa elastica, gnarda-louca, 2 aparadores,
quartinheira, 1 jarro, 1 relogio de parede, 1 sofa
2 cadeiras de balance, 1 apparelho donrado para
cha, copos, calices, compoteiras', g_arraras, facas
com cabos de marfim, 1 marquezao, lavatorio, 1
mesa e outros objectos de casa de fcmilia.
SEXTA-FEIRA 10 DO CORRENTE
A's 10 \\2 horas em ponto
No sobrado de um andar e sotao, A rua dos
Ossos n. 26.
0 tenente-coronel Frias Villar, tendo de relirar-
se para o sul, fara leilio, per intervencao do agen-
te Pinto, dos moveis e mais objectos existentes em
casa de sua residencia, a rua dos Ossos n. 26,
onde se effectuara o leilao, no dia sexta-feira 10
do corrente.
LEILAO
DO
Vapor Duke of Edinburgh
Xo dia tO Agente Ferreira
No -Para, na Ponte de Pedras
vender-se-ha impreterivelmente por conta
de quem pertencer
O ma^niftco vapor inglfz
A RODAS
Duke of Edinburgh
tonstruido em Aberdeen em 1870 em um dos pri
meiros estabeleoimentos de te penero n'aqnella
cidade.
Tem HI pes de comprimento, 19 de boc^a c 9 de
liontal, medindo 126 toneladas inglezas ou 162
brasflleiras
E CARREGA CERCA DE 7,000 ARROBAS
E' de ferro stliiiamente construido, tem boa
raarcha e excellentes accommoda^Ges para passa-
geiros. Sua machina e de forca de 60 cayallos
nominaes ou de 900 effectives.
Este bello vaso que muito se presla para
condiicdo degadu
e sobre tudo excellente rebocaJor, como tal ja co-
nhecido. e esla prompto a navegar. 0 inventa-
rio sera annunciado alguns dias antes da venda
e pod- desde ja ser visto em casa dos annun-
clantes, on a bordo do dito vapi-r que se acha
fundeado defronto da igreja de Santi Antonio.
0 vapor pode ser examinado em qaalquer dia.
Para mais informactfes poderSo
diriglr-so aos consignataiios
Samuel G. Pond <& C.
ao Exra: Sr. conselheiro presidente da relacao ;j-
da a attencao para providenciar contra o procedi-
meuto irregular e criminoso de Christovio da Ro-
cha Cunha Souto-Maiiir, que depois de fioda a
penultima provisio, que Ihe foi concedida por urn
anno, a lindar seem II de setombrode 187J, con-
linuou com abufo de c .nlianca a exereer tttz-
tivamente sem Uir-ilo, ou iiiotivo legitimo o em-
pregu ou funccA.. ite advngado na comarca de
Olmda, nos autos de inveutario de bens dei-
XatkM pel., lina.lo Joaquim Jose.de Sant'Anna, em
3 e 14 de outuluo do predito anno, cartorio do es-
erivao Caldas, nos autos do seU coustituinle Ma*
nr.p| Joao de Miranda, contra Antonio Jc da Ro-
cha Braga, em I i de selcmbio c em 25 de novera-
iro tudo do msmoanni>. (.mmoveu um embarcj
entre partes Luiz. J. se Gonzafa e Pedro Rigard,
cartorio de Cuala Moiiteihi, nus autos de Thomaz
Jose de Gusmao, reqoereu em ti de setembro de
I87;l nma penhora contra Eduardo Girreia de Si,
perante o juizu de direito da meaina comarca,
e em 28 de novembro do mesmo anno, aasistio
inqmrio lesteinunlias entre partes Antonio Car-
doso de Queiroz Fooceca, e res as suas escra-
vas Archanja e Franci-ca e sen curador Dr. Ber-
nardino de Senna Dias, cartorio do eserivao
Chigas, nao conslando de nenhum dos cartorios que
este -uuto- Maior, registrasse ate hoje a ultima provi-
sao de advogado pela relacao, obtida em 6 de h-
vereiro de l87i, para, talvez nenhum dos escrivSes
tenham sciencia do tempo em que tem de findar-
Nt.l
Se este rabnla torn procedido asslra em Olin
qne diremos em Limoeiro, theatro de suas faca-
nhas'M ..
Entao, Sr. promoter de Olinda, S. S. que da in-
formacao ex oflicio da \ ida privada de algaem, como
ignora estes factos publicos criminosos, praticados
por seu collega e amigo sem ter procedido ex-ofji-
cu contra dies, em vista do art 137, com cir-
cumstancias aggravantes do codigo penal ?
Sera porque ive sempre diariameole no Reoi-
fe, fi'ira de sua comarca, talvez sem casa certa em
Olinda, e nao tenha tempo de saber estes fa ". >
occorridos nos respeetivos cartorios ?
Bom empregado fiscalisador t
A sen inella.
numero
goUoso
dc viclimas 4o
c clironico, ops
0 grandc
rheuinatismo
existe em todas as cidades, villas B
freguezias,.e uma prova manifesU, que
os medicos nrto.conheremprofundamen-
\e o caracler domal, ou naopossucm
agenles proprins para combalr-lo. Ora,
dos casos (|tic teem cliegado ao bosm
conliccimenlo de pessoas que experi-
mentaram c empregaram a Salsapn i-
lha de Aver, para esta mole'stia, Io4m
ate hoje lecm sido bem succedidos.
0 rheumalismo gotloso, clironico,
ainda que seja de annos, nao tem podi-
do resislir a efficacia admiravel 4m I
purificador do sangue e dos liumnri's. a
Salsaparrillia de Aver.
Alguns dos curados nos eacrew
one anleriormente linliam oxperiiurnta-
do todos os' oulros remedios poaahrtii
sem nenhum heneficio.
Ja temos puhlicado e na onasi; .
piopria lornaremos a pubhear suas cai-
tas de agradecimento e seus cerlilici-
dos.
No enlanlo podemos alliancai :< -
doentes, que a Salsaparrillia de A\. i
pride eorar e tem corado quasi in\;ni
velmenfc o rheumatismo goitoso.
Aos Srs. proprietaries
Tendo os senhores proprietaries de pagar a ca-
oalisacao para abastecimento d'agua dos appare-
lhos collocados em seus predios ia razXi de 730
rs. o palmo corrente, e podendo nessa medicao
torse enganos contra os mesmos proprietdiios, o
abaixo as>ignado se offerece para fazer qualquer
verificaeao. mediante uma paga mui razoavel e
niodica. Tambem se fara gratuitamente toJas as
peticoes e reelamacoes em pro! djs referiJos iro-
prietnrios. Rua do Corcnel Suassjr.a n. 2oV
_____ Feliciano Redrigues da Silva
DoJornal do Commrcio
Vicente fugio.
N'a noite de 13 para 11 de-marco do corre.i
anno fupio o mulato Vicente, escravo, de 20 ann <
de idade, bonita ligura, barba e estatura regul.
lev;.n.11 vestida e em um sac^o roupa de algod.". i
branco e alguma mais Una periencentc a am ca.-
xeiro da casa d'oade fugio ; e natural da fregae-
zia de Sant'Anna do Mattos, diz ser livre, casad ,
e ter sido ciiado em ompanhia da malrinha D.
Anna Luiza da Luz, de quem alias foi escravo .
roga-se, portanto, aos senhnrra capitaes de camn-i
e antoridades p .li.iaes a apprehensito do dito e
cravo, e entrega-lo n.i rila.Je do Recife, rua o .
Crespo n. 10, aj S.vJujiiuiui iloreira Reis, one a
cidade do Assii ao Sr. Tonjuato Augusto de Oli-
veira Baptista, que serao generosamente gratin.-
cados.
PUBLICO
Leilao
PARA'
' Parao indicado pojtopi^endfl aegnlr ;)pos-
sivel brevidade o pata^he |. Ttuga^z Azir.ara por
ter a maior parte de -. arregac 'r,i-.
e para o resto que iiu- trata-i coii-
signatarios Joaquim Jo-" .n^alves I'eltrlo & Pi-
lhe, a rua do Commercio 6.
DE
um piano quasi novo, 1 mobilia de madei-
ra, composta de 1 sofa, 1 jwdineira, 2
consolos, tampos de pedra, 2 cadoiras de
braco e. 12 de guarnigio.
Sexta-feira iO da corrente
Rua do Marquez de Olinda n. 37, priraei-
ro andar
Por intervencao do agente Dias e por occasiao do
kilao dGs objectos de ouro e prata.
LEILAO
DE
diversas obras de ouro, pra-
ta e alguns moveis
Swta-fririi 10 d)corrente
A' IO lp* haras.
Rua do Marquez de Olinla n. S7, prfmeiro andar.
0 agente dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilio, no dia e bora acima desicnados. os
objectos abaixo declarados, 08 qoaes vao a'lellao
a requerimeoto dos inventariantes deLeopoldo F.
M. Ribeir.,' m-Tiendador Manoel Lujz Yiries e
D. FraacL :ia Santps.
C j -n ouro.
Uma pitlceira de ouro, cem 9 brilhantes, 7 pal-
CASA DA FOKTIM.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARA.\TIDOS.
( rua Primeiro de Marco {ouir'ora rua cU
Crespo) n. 23 e casas do ccslurr.e.
0. abaixo assignado tendo vendido nos seus fe
izes bilhetes, "um meio n. 236S com 4:000*, um
meio n. 262 com 700<, um inteiro n. 1151 com
200*, um inteiro n. 93i com 100*, um meia n.
322 com 100* e outras sortes de 40* e 20* da lo
teria que se acabou de extrahir (94'), convida aos
possnidores a virsm receber na conformidade do
costume sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes buBetea garautido
la 8* parte das loterias a beneiicio da tnatriz
de Jaooatao (95*), que se ajtrahira na :er-a-fei-
ra, 14 do corrente mez.
PRECOS
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
KM PORgiO DE tOO&OOO PARA CIMA.
bilhete inteiro :t*:.00
Meio bilhete 1*750
Manoel Mar; ins Pwn
0 abaixo assignado, estihelecido a rua Viial
de Nogreiros o. 82, declara que de seu podcr de-
sencaminhou se uma letra do aceite do Sr. Feli-
ciano do Rego Barros Aranjo, ja vencida, por con-
ta da qual receben o abaixo assignado dinheiro
por ccnta, pe!o que previne ao rnesmc que nao
pague o saldo nem faca transacjao alguma a nSo
ser com o mesmo abaixo assignado, ou por jx-soa
Dor elle autorisada por procuraeao, sob pena de
Oao ser levado em conta, e ser constrangido a pa-
gar o que deve della ao abako assignado, Judicial-
mente.
Joao de Azevedo Pereira.
0 abaixo asrignado pede a todos aquelles que
se julgarem -ens credores, o obsequio de apr--
seutarem suas ContlS 3X6 o dia 15 do corrente
para sen m iodcainisadas. Recife, 7 de abril de
IS7V.
_________Luiz Pereira Goncalves da Cunha.
~ Deseja-sc faliar com o Sr. Esqnina. que tevc
othcina de marmore na rua da lmperatri', on sa-
ber-se de sua residencia, ou na falu com sna fa-
milia : na rua da Psion n. 71, ou anniiucie por
este joinal.________________
" SAQUES :
Carvalbo d Nogueira, na rua do Apolio
6. 20, accam sobre o Banco Commercial
le Vianna e suas agendas em todos as ci-
dades e villas de Portugal, a vista e a pw*
por todos os paquctes.
ALUGA-SE
a tratar
um moleque de idde de (8 a 20 annos
nr rua di Madre de Decs n. 5. 1 andar.
Alnga-se uma casa terrea sita a rua de S.
Joao, defronte d > portao do gazometro, com f.
quartos, cozinha fora e grande quintal : a tratar
na rua de Pedro Alfonso n. 8.
Aluga-se a sala da frentj d> 1* andar do so-
brado n. 61, a rua Du jue de Caxias : a tratar ca
mesu Precisa-se
Se acha fugido desde o dia 23 do fevereiro
proximo passado o meu escravo de Dome Sebelon,
de idade 45 annos, c6r preta, altura regular; pou-
ca barba, que conserva no queixo e por cima do
beic.0, um dente tirado na frente, pernas um tanto
arqueadas para traz* quebrado de uma verilha, e
tem um principio de oorCa na cabeca ; fazem hoje
15 dias que foi encontrado no Caxanga dizenao
jue ia jara o Recife ; sabe-se qne mudou o nome
e costuma dizer que se chama Severiano : pe jo a
qualquer antoridade, capitaes de campo e outras
quesquer pessoas a apprehensao do dito escravo,
podendo traze-lo ao engenno Jardim, da comarca
de Nazareth, ou entrega-lo no Recife aos Srs. Leal
i\ Irmao, a rua do Marquez de Olinda n. 56, qne
serao generosamente re'eompensados. Engenho
Jardim, 29 de marco de 1874.
_____ Antonie Felippe Goncalves Guerra.
Boa casa n. 7:
Alnga-se, nos Coelhos, confronts ao hospital Pe-
dro II, assobradada, independents de outras casas,
grande quintal murado, cocheira, qaarios para
criados, commodos independentes para duas fami-
lias, porto de embarqne, banhos salgados, em6m
e uma boila casa de campo, para qnem quer ea-
ter livre do rebolico dos carros, princ.'palmente
dos pestilentos apparelhos Drainage : a tratar na
rua do Rosario da Boa-Vista n. 50 I
de um cozinheiro ou cozinheira para casa de po.:-
ca familia": a tratar na rua do Ccmroercio p. 9.
Precisa se alugar um moleque de 12 a 14
annos, para servico de uma casa de familia : a
tratar na rua Duque de Caxias n. 73, 3* andar.
ATTENCAO.
Precisa-se de duas criadas portuguezas para o
servico interno de casa de pouca familia : na rua
doHomicio u. 59
Quem prcusar de am homem casado para
alguma arrumacao, dirija-se a rua da I rerope n.
37. ^
Escravo fugido
Ansentou-se ni dia 20 de feverriro proximo
passado, da casa de seu senhor, abaixo assignado,
o escravo Estevao, com os signaes segulntes : cor
preta, idade de 25 annos, alto, esnadaudo, e ear-
polento, tendo o pescoc.) carlo e grosso, e a ca-
beca um tanto chata. Dit escravo e natural da
provincia da Parahyba do Norte. foi vendido en
1868 na villa do Inga, pelo Sr. Pedro AMcaio *m
Costa ao Sr. alferes Manc^l da Assumpcaae fa*-
tiago, que no mesmo anno o trouxe para esta pra-
ca do Recife, vendendo o entao ao abaixo assig-
nado. Presume-se que dito escravo leoJia eui-
do para sua provincia natal. Roga-ie, poia, it
aatoridades policiaes e camiies de campo a ap-
prebensio de dilo escravo, gratificando o abi
assignado a quem o agarr%r e apreseau-ro m
da Brum n. 96
ReciTe, II de marco de 1971.
Francisco Ribeiro Pint* MnarlH.


i an
*

\



^V^^BBM^^
I

.*
-

Diario de Pemambuco Quanta feira 8 de Abril do 1874.
*
==
PUNDICAO DO I0WMAN
RDADO BRUM N. 52
^assando o ehafarifc) ^
PEDEM AOS senhores i1e engenuo e ontros agncoliorea, a empregadcreii <1> n,
tatntimo o favor de uuu visitaaaeo estabelecimentu, para verem o tor* Wumemi
ompleto qne abi tem; sendo todo aaperior em quaiidade e ioNidao; o que com a io
ccib pesioal pod4-ae verificar.
ESPECIAL ATTENCAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDICAO
^flnnfOa A _JQa Alacrna dos mais modernos systems e em la
f apUiOa U rUUaS a HgUil njaobos convenientes para an dhwrm
t.rcamstancias do aenborea proprietaries e para detcarocar algodao.
Moendas de canna SjfiC l*^* -a8-meltl0rM qo6 ,qo'
Rodas dentadas ptr",nim,e,: *gM eTapor
Taixas ie ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fandos de alambiqnes.
flffaolii-niamna para mandioca e algodio,l PodendoModoa
fU-ttUilliliauiua e para eerrar madeira, f aer movidoa a mSo
Rnmhaa [Pr a8na- VaPr
A"uuao de patente, ganntidai........ |oa animaet.
Todas as machinas **" de qDe C0Btama preciMr*
Pai qualquer concerto *'m*Um*.'**!t moir"aMo-
Form AS d A fAirO tflm M melborei e mjil 0,riUs existectes no mer-
HllAnmmanrlof Incnmbe-ae da mandar vir qnalqoer machinismo i von-
OUUUlUUlOUUUBt U(ie joi clientes, lembrando-Ihea a vantagem de faierem
nil comprii por intermedio de peisoa enteodida, e qoe em qoalqner necesiidide p6de
km presUr aoxilio.
Arados americanos e ,'Ml^,,nen,0 "**
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
4' rua do Barao do Trinmpho (rna doBrum) ns. 100 a 104
CARDOSO & IRMiO
\\ ISAM aos senhores de engenhos e outros agricultures e ao publico em geral que
oontinuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens o machina s ne-
cessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais modemas e melhor obra qoe tem vindo
ao mercado.
VaporeS jde forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os ntelhores que tem vindo ao merado
UaiQCiraS de sobresalente para vapores.
TlOCnCiaS mieiraS e meias moendas, obra como nunca aqci veio.
laiXaS |lUIlCliaaS e batidas, dos melhores fabricantes.
tlOdaS Q agTia com cubajede ferro, fortes e bem acabadas.
rlOdaS aentadaS de todos os tamanhos e qnalidades.
Relogios e apitos para spores.
O01TlDa8 de ferro, de repucho.
aiaflOS de diversas qualidades.
Formas para assucar,grandes a pequenas.
Varandas de ferro fundido, francozas de diversos e bonhos gosws.
r Og'OeS trancezes p3ra Ienha e carvSo, obra superior.
DitOS ditOS para gaz.
Jarros de ferro fundido para jardim.
x CS Q6 ierrO para mesa e banco.
JVlSCnina para gelar agua.
V alVUlaS para bomba e banheiro.
Correjas inglezas p3ra machinismo.
UanCOS e SOiaS com titas.de madeira, para jardim.
C/OncertOS concertam com promptidfio qualquer obra ou machint, para o qoe teem
sua fabrics bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS man(i8m v'r Por encommenda da Europa, qualquer mnchinismo,
para o que se correspondem com uma respeitavel casa de Londres
t com urn dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
4itas macbinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo d Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
FUNDIQAO DE CARDOSO & IRMAO.
ODILON DUARTE k IRMAO
C&BELLEIREIR0S
Premiados na exposicao de 1872
RUA .
DA
IMPERATRIZ
N. 82
!. AND4R.
RCA
DA
IMPERATRIZ
N/82J
|. AXDAR.
Acabam de refarmar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
'lic$Ses possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e is Eimas. Sras. n'a-
qufllo qne for tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
oques modernissimos, trancas, cacbepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em cabello.
O estabelecimento acha-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
f-eiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encommendas e figu-
rinos de modas, e por isso pode vender 20 0/0 menos que outro qualquer, garantindo
;ierfeicao no trabalbo, agrado, sinceridade e preco razoave!.
.Penteara senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
psr^So e a retalho e todos os uteusilios pertencentes a arte de cabelleireiro.
I
?>?
Conslrnrtor e
)
llua dc
>
de pianos
Iniperador-
33
na
Ex-aftnador das antigaa e afamadas casaa Heyel 4 Wen, e antigo director das oCBci-
csa Alphonse Blondel.
Tern a honra de declarar ao respfeitavel publico desta cidade, que len> aberto sna rasa de
'.onoertos e aiinafoVs de pianos, qualquer qua sej* o esiado do instrumeoto.
A meaMi << at aba de rei-ebf r nm grande sorlimento de pianos dos melhores fabricantes
Je_ Paris, a.mw Erard Plegel, Henri llerz t Alpkimu Blonde!) todos os pianos libidos da casa
Dhibant sao garautidos.
Compra-ae e recabe-se em' troca os pianos usadoa.
49 Rua do lmperador 49
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamados autores,
como s8o : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se Umbem uma qnalidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente constrair para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
s9o: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
4 RCA POIMPERADOR 49
REDUCGAO DE PREfOS
FABRICAS DE CHAPEOS DE SOL
DE
MANUEL & MAESTRALI
Rna do Barao da Victoria n. 23
ESQU1NA DA CAMBOA DO CARMO
E
Rua Duque de Caxias n. 64.
. Os pr iprietarios destes estabelecimentos participam ao rspehavel publico, e a seus
freguezes, que teem sempre um cornpleto e variado sortimento de chapeos de sol de to-
das as qualidades e tamanhos ; tendo resolvido fazer reduccflo nos pre e acharn-se em condicoes de poderem vender mais barato que em outra qualquer parte,
visto receberem todos oe seus artigos em direitura, e achar-se um dos socios na Europa,
percorrcndo as principaes fabricas.
I- Chamam a attencSo dos senhores logistas para visitarem seus estabelecimentos, e.a*
vista dos pre^os e boas qualidades dos artigo, nao deixario de comprar.
n Cobrem-se e concertam-se chapeos de sol de todas as qualidades, com promptidao
e a precos modicos.
41 Rua do lmperador II
0 novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento, com o llm de
conservar os creditos de unico neste genero, tem rel'ormado e melhorado completamente
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeicSo em tndssasprep^acdes, aceio e modicidadc nos precos,
compativel com este genero de drogas.
Espera a todo momento uma grande remessa de pharmacia homeopalliica de i.
Epss A C, de Londres, composti de medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
Rhus, de Buvonia.de Arnjca e.depds especiaes para dentes.
Tem d disposicao dos amantes da homeopathia a excellente, obra do Dr. Mure me-
dico do povo, ja* em 3.a edigSo. -
Tem carteiras de globulos e tinturas de 12 medicamentos ate 120, & escolha do com-
prador.
Plumoria. para mordedura de cobras- i
Seracenai Chocolate bomeopathico.
Para be'xigas como preservative). Cafe homeopathic.
Vaccina I
E' baratissimo
CORTE? r>E ORGANDY COM 13 A 15 METROS A >?000.
Alpaca* de cores en in palma de seda- a 400 r. o covado
Na rua Sr.'neho de mart;o n. 13, loja das coiumn.-is, deAntosin Correa
de Vasconceii.>s, vende-se lindo6 cortes de organdy com 13 a 1-5 metros,
acomp8nhado? dos competentes figarinbos a 59000, assim vimo alpacas
de cores com palma de seda a 400 rs o covado.
*
01
m
Na rua
do lmperador
n.28
precjia-se f-iiar" aos seguintes senhores :
Domingos MartiM de Barros Honteiro.
Joao Vaz ae Olive'ra.
Jose Pranci?co Lopes Lima (Vaz&reth).
Manoel Peroira Bradao:
Manoel d p -os Miranda".
Theotoui i*v Silva.
Frandaeo de P. lorjea,
Franeisex) Antonio Poatna
\viso

China cruzeiro, para intermittentes.
Schynus, para anginas.
Calendula, para qneimidnras.
Taraulula, para paralysia.
Tjntura mat d'arnica, para contusfcs, c6r*
tes, etc.
A CHEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
DitodeHhus )
>para rhemalismo.
Dito de Brvonia)
Elor d'araruta.
j P6s para dentes, inglezes.
' Jeric6, para "rheumatismo.
Mattamatta ou jabbti, para. tosm.
I Espirito de Hahereman ou de campho-
I ra.
!
Cactuc grande fldrus, para pneumonias e
molestias do coracdo.
Acha-seconstantemente a testa,do estabelecimentee inspecoionando todas as pre-
parades o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santas Hello.
CONSULTORIO H0ME0PATHIC0
DO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manha, e a noite at6 9 horns
Gratis aos pobres.
L
Um sitio na travessa da Crnz das Almas, perto
10

Ao pnblici
O abiixo assignado t*t ver ao corpo do eon-
mercio e a quem iateresxr pnssa, aae o 3r.Fr,-,
cisco Oird 'o Vieira de Castn, nao e maii
eaixeiro detde 4 de abril.
R-!a,ri m1- .\;j:ia 'i:a, "i _ AM Ili> 'l.l Oiilti: ''' ; '
Kiiii't.-iilio ]>
r.i sirren
;ir-
U'-'S tin d
Tendo aroritecido um desarranjo na ma-
das estacoes da Tamarineira e Jaqaeira, com ex- chjna de gelo, os fabricantes vem por meio
24-Rua dollarquezdeQlindn -l\
Esquiiia do beeco I. Participa a seus freguezes e amigos qnr. uJou
o seu estabelecimento do relojoe'ro par.i .iesma
rua n. 24, onde encontrarao nm grande i limento
de relogios de paredc, americanos, e fm a de me
sa, dos melbores gostos e qualidades, relogios de
algibeira, de todas as qualida es. p.-.iente s'uisso,
de ouro e prata dourada, foleado (.i-iaqaet), relo-
!;io9 de onro, inglez, descubrnj,' dos melhores
abricantes, cadeia de our.), pin ,uet e prata. lunet;.s
detod^s as qualidades, tudopor precos muito ba
rato9.
Aii-.ii :..-
K .:'. -i-i,
se .10 <.-ngfiiii.i Auiai-apv.';: iratar com a Exrfu
Baroneza c Aiiuiavv. uii ntx praca a rua do
V'iscondj de In uuiiia u. 1, a traur com o Dr. Lao-
rino de Moraes Pmbeiro.
Illl
.! i-: .. -"i \. i .- ' s inn ..- : .,;ii'in pretvndef, #iri)a
Anaragy. .. ii il.tr com a
Pcpguiila-sc
ESCRAVO FUGIDO^
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cur-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de norae Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, ponco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do pe esqnerdo : roga se a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en
genho, ou nesta praca a Oliveira Fillios & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, qne serio generosamen-
te recompensados.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambucana^,
com coxeira e quartos fora : a trat&r na rua do
Vigario Tenorio n. 31.
DE
Gordeiro Simoes k C.
Acabam do receber pelo vapor Mendoza :
Riquissimos cortes de gorgurao de seda li?os e
com listras achamalotadas.
Ditos de linbo para vestidos, contendo cada cor-
le, o necessario para seu enfeite, como seja :
franjas, trancas, t otoe?, fivellas. etc.
Riquissimos chapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Pirecisa se alugar uma preta de meia
!*pB: na ru8 do Ouro n. 71.
ENGENHO.
ArreDda se ou vende-se os engenhos Kacbadc
uo Estrella, junto a cidade do Itio Formosu, e o
Montevideo, junto a villa de Ipojuca ; os prelen-
dentes acharao com qnem tratar no escriptorio da
companhia dos trilhos urbanos de Olinda, ou na
rua Duque de Caxias n. 30.
Curso de philosophia.
Pelo Dr. A. II. de Souza Bandeira Filho.
__________19-Rua da Uniao- 19_________
Attencao.
Precisa-se com urgencia de uma ama de
leite, que seja s"dia, e que tenha bom c
abundante leitc, para tomar conta de uma
crianc,a de dias, dando-se preferencia & mu-
lher do matto : quern, pois, estiver nestas
circumstancias appare^a no 3." andar desta
typographia para tratar.
Constando a alguem que uma niulh.;r, que diz
chamar se Olindina, ainda ousa inculcar-se ci bjo
filha do fallecido coronel Pedro Antonio Velloso da
Silveira, e irmi do tambem faljecido capitio Pedrj
Ivo Velloso da Silveira, aflmdeexcitar a compaixao
e obler esmolas das familias a quem ella recorre,
aproveitandose para isto de ser regnfi esse alguem,
perdendo por flm paciencia a visla da pcrsisten-
cia dessa miseravel traficante que, a noite e mes-
mo por vezes duran'.e o dia, se introduz nas ca-
sas daquelles que a nao conhecem, julga conve-
niente declarar paraque b5o continue a ser ex-
ptorada a crodulidade dessas faojilias por* es postora, que a filha do referido coroncl Velloso da
Silveira, quo tioha o nome de Oiindina, e era o;gn,
foi bem educala em Paris e easada, existitido ain-
da seu mari lo na provineia do Ceara. ncrreu em
casa de sua cunhada, viuva do dito c.ipltao Pedro
Ivo Velloso d i Silveira, na rua do Principe, em
maio do 18(59, e que nunca $e r>'o obrigada a pv-
dir esmolas.
A fallecida Olindina era baixa ; mas magra, tra-.
java bem, e nunca andou nas raas desta ci
dade sem ser acompanhada por pesioa respeita-
vel ; entretanto que a impostara, que parece mais
velha e provavelmente nao tem o norae de Olindi-
na, se e baixa, e gordi, anda mai trajada e co
berta por um velho chale, sendo acmpanhada
por um pardinho.
Recife, 28 de marro de 7?i.
A. F.
se tendn o director g-ral da in-'rn'-rio
propost > para l-aaataair um mao empregado da Ihcsmiana pruvii
que nlu < assidin < immi cimpril.* .1- ceo* d*.
veres, segumtn infoniiacoes olliciae.i do ex-iaspec
tor Itw I'cdru da M*a. onsianles du archiro da
seoretaria do u verni. teia un nin cen1
guma criminalidad-- M I'm indivilu. tmm n
meadi. MegMa litierario, que awea^a i.ers^n
atropellar um profesior hnnesto di iti'tnciu. w
nao traotige com tralicancia-; que faz--*- in
graluif,. sidii'itando da polkiu l>ical edas vjzinhaa-
ras saber o- iueii"l de vitla privaila de.-te j-rofe.-s >r,
Ijue diz lev .uamente p-rante pesoas <|ueo director
da inslruccao e seu parenlc, e que era dispo*lo a
gastar o ordenado coin despeza-* de carru de pa- -
seio, para j,ue va de c.nl-nuo *Mtar a escola del*
professcr, ate tazor-'lie perder a sua cadeira sem
a menor motivo plausivd, que uuiuc oa quaiilka-
cao podeni ter por tssa- tirUtdrt, ^ue o exor
nam?l. Um deUgado i|Hc pusa gu.as de m-u.-
nos em dia de duuiugu cm data de segunda-feira.
3oe nao procura qni aa -dataaos fafaai vac.iaa-
os, e enmpram com a l! acrilo hnpwtal, antes
pelo cmtr-rio ittaroiwa !'"' !'' fe?so admit
ta-os na tscola coin iiilia.cao dc lid Icfi-ainMN
ordens, maxime de pfaiaaw rpjetearba gr-ssan-i)
a variola ? Um imlividiM emlim, a quem at'ri)u?ro
tiittides, que nao pod-ra r r, por serem reves-
tidas do cunho da vnrd^ii,-. n lavcl que cuoti-
nue ainda a exercar trtnamewt* fnuccoes de im
portancia Com escandalo publico !.. Desej*t
saber
I>!-< ;U.
* CONSULTORIO
0

0
m
#
m
m
*
MEi)ico-i.nu:w;ico
DO
Dr. Pedro iTAlhavde L. Moacosu
PAltrEI-0 B'OI'BHADOB
v-Hsia tin \ iH<-iid> \Mi-i|uci--.9
que ii. !?.
ESPKCI ALIDADE
!tIol'H(ia* do MouIiorr.M
meniuoH.
r'onsaltaa das 7 .is 10 boras da ma
nha. todos os dias.
Das 6 as R da noite, aas -vgundas, qi'.ar-
las e sexlas-frjras.
Os doentesque mandaroni us s.-us cha-
mad >s p-T escripti ::t lOtoras da Bl-
abs serai visitad "i ?oa# casas.
9
m
i
i
I
i
Coisullom vdm
I0
i)r. Mttrillo.
P.l'A DA CRW N. 26, ? vvriAP.
Recem-chegado da Eurepa, .nde fre-
quentou os Doapitaes de Pail- eLondres, 'Q
pode ser proeana) a naaiqaer hon do fy
dm oada ui ite para objecto de sua pro-
fiasie.
Consultas das 6 boras d.. in mhJ s 8 ha-
ras, e dn.mfio dia as dnas da .am .
Gratis ao- polires.
EPECIALa)ADES.
Moiestias ... ra la pel
crianca.
g
6
IRES
da rua
-,';-.
Na i rave sa
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar. dd-se
dinheiro sobrc pe-
nhores deorro, pra-
ta e brilhames, seja
qual fora quantia.
Xa lr.esma casa
compra-se os mes-
mos meuu'sepeuius.
PI-

iluga-se
o seguudo andar do sobrado n. 6, i rua is Pi
a tratar n rui do Barao da Victoria n. 8.
Aluga-se urn bom sitio na estrada do Monteiro,
perto da estacao, com excellente casa, com gaz,
cocbeira, jardim : pertencente a viuva do Dr. Ja-
cintho Pereira do Rego : a tratar com Francisco
Ignacio Pinto, na rua do Bom-Jesus, ou na rua do
lmperador n. 83, 2- andar. No mesmo sitio tem
quern mostre os commodos.
Silio ii-.r Arraia!.
Aluga-se um sitio no Arraia], proximo a esta-
cao da Casa Amarella (um micuto) com exelien-
tes casa de moradia, tendo os segu dos : 5 quartos, 2 salas, cozinha externa, terra-
jo, casa de banho e diversas frheteiras. Aluga se
tambem uma outra casa no mesmo lugar, com 3
qnartos. 2 salas, cozinha externa, agua dCbeber
e um bora quintal por emmodo preco : a tra'.ar
na rna Primeiro de Marco n. 16, I." andar.
Uma pess^a capaz com bom e abttnaan!
leite se encarr ga da amamentacao de al>
crianca, e tambem pensa se ou'ra?: t.o bacco Coxixo n. 17. ____
Luciano Basbaiiuo de Abreu Cardos-, Mt-
sc para Portugal a tratar do sua saude_______
... deste pedir descnlpa aos seus freguezes pela
:ellente casa de vivenda, nova, rrinilo commeda
e asseiada : tendo 2 salas, 6 quartos, e fora co .
zinha, despensa, sala de engommar, quarto.de co- flta que tem navido nestes dias ; esperarn
zinheiro ; assim como nuchelra, e-tnbaria, dons por^m, era qualquer destes dias fornecer a to-
quartos para criados, latrinas, cercado de ferro, ^ as qUntidades do costume ; aprovei'am
tambem a occasiSo para prevenir aos sens
banheiro, galJinheiro, etc. etc."
do commendador Tasso.
a tratar no silio
Garanhuns.
N* rua do Barao da Viotoria n. 36", preeisa-s*
aliar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixolo
ose Pass da Silva, a negocio de particular inte-
esse
D'ora avante nao me respon?abili?o po^ qu..--
qner quantia qup possa contrahir Agostinho Sca-
res deSanta Clara, qne retlrouse de minha com-
panhia.
Recife, 6 de abril de 1674.
Frei Joaa Baptista do Espirito-Santo.
Na rua do lmperador n. 87, loja, preeisa se
alugar nm eserav? de baa conducta 'que se preste
ao service de uma casa de pouea famllla.
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, sitaado na-pro-
viccia de Alagoas, comarca do Porto Calvo, a
menos r"e uma logoa distante doiwrto de mar do
Gamella, tem oxcellentei terras, matas. e aafreja
regularmente if 00 pies : a tratar na rna do Vi-
gario n. 3f.
D.
- Aluga se um sitio na travessa dus Re I edios
21, com casa da Tfvenda, portdo de ferro
murado na frame : a tratar defronte do mesmo .deseja
em uraa obra quese estA fazenlo.'
freguez-a que teem em viagem uma ma-
ohina nova, de maior forca e do syj'ema
mais moderno, que fabricara! 'm mai^r es-
cala e com toda presteza as quanlidades que
forem exigid's.
Santo Amaro, 17 de marco Je 187+.
Pelos testampnteiros, tie C. Starr < C.
________"William W. Webster.
Cozinheint para hotel
Offerece se uma, nu1 tambem prestara seus ser-
vices em cas eftranpeira. de homem solteiro, na
pra(a ou fora d'ell*; ilraur a rua S Calcadas
n. 8.
Rua rio T'ttperador
Ant i"1 Ribeiro tt -lixeirn a ru;
Escravo fugido.
Fugio do poder de sua senhora, o escravo David,
mulato aoaboclado, mo;o, estalura regular, cbeio
do corpo, com pouco bigode, falto de dentes da
frente, tem o lornozelo'de um dos pe- incbados, e
as pernas com marcas A especie de foveiras, le-
vou vestido: camisa branca, jaquela de quadrinhos.
calca branca com rcmeudos nos fund s, chapdo de
feltro preto, levando tambem um b3laio redundo
em que vendia bredo?, foi visto no Caxang j. Esse
escravo pertenceu a Francisco Ayres Sizenando do
Moraes e foi comprado nesta cidade ao ef. Fraii
que, no poder d'aquelle Sr, estove fagidi sendo
agarrado na Ponte dos Carval'-os. RecoiiimeuJa-
se, portanto, acaptura do dito escravo, e gratifica-
se generosamenli' a qnem o levar a alfand Jo5o Evangelisia Gomes, ou na Capunga narua
das Pernambucana? n. 50, a vinva de Joao Baptista
Vieira Ribeiro.
CASA DO OURO
4os 4:OOOsOOO
Bilhetes garantidos
Aim do BarSo da Victoria (outr'ora ftaaaj
n. 62, e case, do costume.
Acnam-se a vend* oa muito feli.es t-ilbetee g*
'antidos da fc> parte da loteria a beneiicii d*
igreia matriz de Jaboata-, que se extrsihira no i-i
U dj correote tn<;.
Pref os
Inteiro i#00O
Meio 5/000
De IOO2OOO aaraciuau.
Inteiro 3#S00
Meio i/750
rlcoife, C de abril de 1874.
Joao JoaoutiH da Cotta Lett,
CGI'EIRO.
Precisa-se de nm na ma Formosa n. 24, casa
com jardim, detronle do becoo dos Ferreiros.
de <"-
soa ^
tem uir
lire*
ar, nao a i
rua Duque
neo;.,menda pira a f
rua do- lmperador e
u ildma Maria da Concei;ao -da Costa- re-
ira-se ;iara a cidaik J- n?bia.
Aluga-se
p 3- andar da casa- n 32, a rua estrciu an Raaa
no, frcsio e com commodos : na the^.urar;
loterias.
Criado
Na rua Nova n. 7, 2 andar, preeisa se de u.-
para cempras e recados, prefere se escravo on
livre, dando fiador a sua conducta.
Pedc-se
o prcpr.. o pode receber.
rua JO impelauui e i ii
a, per ser objecto que sola^
- Aluga-se o prni
lorge.fi
to a grgno'*')
au'iares
*re
da
a quem eoapeiir velar a raoralidade dos viziaaoj,
para que preste suas valiosas visas para nns
mocos que seu pai raora na rna da Imperatriz .
pois estes mocos pombistas, passam gi ande paric
de sua ma vida incuui nodando a vizinbanca e
muito mais ao collegio de in ocas, qne esias ja ea-
Uo privadas dc chegarera nas janella- da parte
inferior da casa ;a tormram por habit.) fazarean
descanco no telh;iio e muro do mesmo pdmbal. t
abi praticao; .... Elies preslam --o para a
armada imperial
Um dos mnitos inc'inmoJaaw,
Ifamii ,
Qnem preci.-ar de um caixeiro brasileii c
i'l-'Jd de ii a 15 annos, para armaiem oa vend*,
e cada um com oombodos para grande j uo qua .em piaitca, procure no ->>rinaze!n i ru.
a tratar no n. 71. Nova de Santa Rita (ribeira do peixo) n. 19.
IIFdWI I
^ in naaiaaaaa^aa^i^r '
1






<


likiitii de?iataileflB Quartan feira SrtexHWU&iliTL.
IMPERIAL
PHOTOGRAPHIA
LOPES &C.
ESTABELECIMEOTO DE PRIMEffiA ORDEM
Run d:> RarAo da Victoria n. 14, sobrado
(ANTI6A RUA tfOVA)
Trabalhos premiados .na ultima exposicao
DO
RIO DE JANEIRO
Acha-se montado sob as melhoies condicoe* de arte, e aberto &
concurrence publica, este estabelecimento, o primeiro, semduvida,
dust* provinria, no qual se liram retratos pelos melhor. s e mais
raodcrnos systemas, empregando-se somento material de primeira
quahdade.e garantindo-se
Semeliianga, nitidez-etiuragao.
Traballn-se todos os dias uteis e de guarda, desde as- ift boras
da manha a"s quatro da tarde, nao prejudicando o tempo de chova j
ou nublado a perfeicAo dos retratos. f
Faz-se toda a qualidade de copies, augraentando-as ou dimtnuin-
do-as.
SSIIII!!
duzia de retratos de uma s6 pessoa,
Ima
bum.
Para os retratos esmaltudos
uma tabella de pregos.
T rarn-se retratos ate tamanho natural.
em cartoes para al-
colloridos, grupos, e augmentados ha
TXPaSICAO DE NOITE
Fip o escraso Juvenal.'
Poi trajando calca de brim listrado, camisa,
rhiia de risealo e chapeo de pallia de Italia. E'
de cor parda, idade 42 anno?, tern falta de um
dcnte na frente r e basfint.; paroleiro. Roga se a
apprehtn Cruz n. 3, ou O n;le da Boa-Vista n. 51. para scr
fratificado.
Gonslando ao abaixo assignado que
lendo falleci lo seu duvedor Adelino Thso-
Na rua do Barao da-Victor! i n. 36, precisa-se
fallar ao Sr. vigario Andre Cure:go de Araujo Pc-
reira, a negocio de sen in,tew3e._______
Atteneao
Precisa-se,alugar uma casa terras, grande,
quo tenha, alem de suflicientos commodos
d,.ro Alves, um parento deste anil propon- P''""'1 lamilia, tambem tenha quintal ou pe-
do.a ven la de nm terreno e diversos mo- j quc-no sitio rourado com cacimba, que seja
ven, vein por este prevenir que se nuo faga biirro da Boa-vista, e perto da linha dos
negocio c>.u estes bens, sob puna de ficar bonds. Tambem s-rve uma casa terrea,
nullla a trensacc.ao
Recife, 1 de abrii de 1874.
Mauricio Jose dos Santos liibeiro,
Triumpho da
friTipi*. uvni
iuiili
bonds.
grande ou um pequeno sitio nas mesmas
,condicdes acima; porem que seja nas imme-
diacies da eslrada de Olinda a.e a Encru-
zilbada.
Qucm pois tiver e quizer alugar, deixe
carta fechada com a inicial W. no escrpi-
torio desta typographia.
SI
'
-

"- -
.,-;
it pos modernos nnnhum deseuL.v
uromaior revducfio no modo de
irrar anteriormente em voga do que o
de \mm\
TANTO NO TKATAMENTO
t
T. e,
na,
RouqnidS ,
DA
Crupo,
Thisica,
Kesfriamentos.
Ilronchitcs,
Tossc Convulsa,
Dorcs de Peito, '
Expectaragao de Sangue,
Como em teda a grande serie de enfei.ni
da >argnitin, do Peitoedo*
'-.'-,.". (la rcspirucdo, que tank)
itarn e fazem soffrer a humanidade.
L maneira anliga de curar consistia geral-
menli- na apphcacuo de vesicatorios, san-
.!ios sarjar on applicar exteriormenle un-
forlis iinos compostos do substan-
eias yesicaotes, aiini de produzir cmpolhas ;
cujos differ en tes modos de curar, nao faziam
senao enfraquecer e dtminuir as forcas do
pobre doente, contribuindo por esta forma
I'nma maneira maisfacil e certa para a en-
Eennidade a ilestruicao inivitavel de sua
rietima Quam differente 6 pois o effeito
admiravol do
mmviLMmw.
tm vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soflrimentos ao doente,
"alma, modifica e suavisa a dor,
Alliviaa jrritarao,
llesenvolvo e enteudimento,
Formica o corpo
e faz com que o systema
aloje d'uma maneira prompta e rapid*
ale o ultimo vestigio da enfermidade. Os
B liioros vetofi em medicina da Furopa, (os
is dos collegios de medicina dc Berlim)
' .tificam screm exactas e verdadeiras estas
rela^des analogicas, e alem disso a expe-
i ia de milhares de pessoas da America
Hespanhola, as quaos foram curadas cc-m
waraxilhoso remedio, sao mais que suffi-
BS para sustentarem a opiniao do
PriTORAL DE ANAGAHUITA I
Dcve-so notar que este remedio se acha
inteiramente isento de venenos, tanto mine
raes, como vegetaes, emquanto que alguns
destes ultimos, e particularmente aquelles
que sao dados sob a forma de opio, e aci-
do hydrocianico, forgjpm a basedamaior
parte dos Xaropes, com os quaes tao fa-
pilmente se engana a crcdulidade do pu-
blico. A composigfio de anacahuita peito-
ral acha-se limia e curiosameate engarrafad?
cm frascos da raedida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a d6se que se
toma-e* so d'uma collier pequena, basta
geralmeute A applicagio d'um ou dous fras-
ipara a effecluacjjo dequalquer cura.
Acha-se a vencla em todas as boticas.
H. FrostersdC, agentos.
Unicos agentes nesta provincia os Srs. J-
0. D. Ciyle, rua do Cominercio u. 38.
left sido aprcsentada ao publics
Durance o espa^o
DE
4 0 A N N 0 S.
0 nstandoao baixo assignado que, ten-
do fnlif-id'> o pii doyednr \dnlino Tbeodoro
Alves, urn par^ntn deatfi aiHa proponlo a
venda i'e um t'M-reno, e diversus moveis,
vern j;or n.eio-ilt-ste pfevenir quo se nAo
f/<5?. ncsjnoio co-" 'sity- bens, sob pena de
li ar nul'a toda a tr.nnsacyuo.
Recife, 1 de abiii de 1K74.
Mauricio Jovi dos Santos liibeiro.
\ cniq hihiiere
0 philantropico cathnlico qne se. enganou, to-
rn and,) um cliapfio novo de pello. deixaudo em.
si ii liitia." am tambem de pello, mas extraordi-
nariamente experimentado, na tacrislia da igreja
deS. Pedro dos Clerigo?, sirva-se levar o alheio e
pol-o em seu Ingar, recebendo o scu venerave'
capello, o qual por modo algum deveria trocar por
outro; estando encarregado de desfazer o logro, o
saobristao da mema igreja.
i \
ux\
tDO
Preci-a se dy um para todo o servigo de casa de
pouca familia, prefero se que eulenda de jardim r
.trata-se ra rua do Passeio n. GO.
Ill
ceira.
Perdeu-se quarta-feira de trevas, a noite, uma
pulceira de oedras verdes encastoadas em ouro,
desde a rua do Imperador ate" a estafao da eslra-
da de ferro de Olinda, ou d'ahi ate o Canhengue,
cm Beberibe : gratifiea-se bem a quern a entre-
gar a rua do Marqucz de Olinda. n. 40, loja.
Na rna do
fallar ao Sr.
gacia de seu
ASIA
n 36,' presa-se
aria Posiana, a ne-
andar.
If ra cflzinbarVr eurprar
precise de uma ami : na
do CaxiaJ,.*,.
vual
AMA^ua
Na rua do
e
a<
marao a. 3, precis-se
ojioar. coraprar e fa-
ira treg pessoas. '
Precisa se de uma ama forra ou efcrava,
que saib* ecuommar : a iratat-na rua NoiTa, loi*
n. 7.___________________________
Amfl Precisa se de uma ama para casa de
aui<* peu,uena familia na rua do Crespo n.
18,;andar ...
Amn Prccisa'-se'de uma ama para cozinhTir,
xxxua pagasebem : a tratar na rua-de-Jl^i-.
ci'o n. 70, casa terrea do bolas amarellas na cor-
nija. ________
Ml
Precisase de uma
para casa de f;
AMA
que saiba cozinhar bam,
tr^rnaruadoHaogel
Preci/a se de uma ama para cozi-
nliar para casa de familia : a rua do
Visconde de Goyanna n 129.
: Annj (Jp leite
Precisase -de'um'a ama sem fllho
Vlsco-dedff Gnvaflna fi. 159
a, rna do
Precisa-se.de uma ama para casa de fami-
lia de duas pessoas : a tratar na rua do Cabuga
n. 1, loja. ____________________
Ama de leite
Precisa-se de uma ama sertfTHhty pretrief-se es-
crava : a tratar Da. canas n, 62.
T
u
45S?tSte3Btt_Jtr
Roga-seao Him.- Sr.&lgnacio Vieira de Mell
escrivao na tjda^leide Nazareth destai prpviuci>, I
favor 4b vir rua'Daqjae de /?a_ias a 3f, cvn
cluir.aflueHe uegpc|o> que S. S_se corapromlitiet a
realisar, pela terceira chamada deste jornaf, em
flns de dezembro de 1871, e depots para Janeiro,
passou a fevereir* ebrMe-487t,e n/tda cu|l>io;
e por este njotito 4tleove cbarruilopara din
fim, pois S. S* so-deve- tembrar de mais de oito annjjs-e quando o Sr. seu ullju *
ichava nesta eidada-. f
--
t dos

Empreza ao ^az
A empreza do gaz tern a honraTde aniinnclar ao
pubjico que recebeu ultimamente um esplendido
sortimento de lustres de vidro, candivifijs, Aran-
delas e globos, cujas amotras est3o no escriptorio
a rua do Imperador n..3i, e serio ventttdda :ds
sens freguezes pelo prego mais raz-.a'Jel possivel. .
Precisa-se de trabamadores: ua refinacao da
rua Direita n. 10.
Para e'ngommados e arruma.Ses de casa de
pequena familia ; da-se esta quamia a uma cria-
da que seja de baa c.nducta e p'-rfeita engamma-
deira : a tratar na rua de S. Francisco n. 72.
2 CoDSttllorii. lueiiico-cii'ui'giGo g
DE *
A. B. da Silva Maia. Q
\
i
&
Kua do Visconde de
11, outr'ora rua da matri'z
n. 11.
Chamados : a quaiquer hora.
Consnltas: Aos pobres gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
Albuquerque n.
riz da Boa-Vista 'm
i
g
{>^_^*_i_*_ 4.KlSSIi3E_NQ!D4:
Galiza.
f'arv&lho & Nogueira, na rua do Apollo
n. 20, sacram sobre as seguintes cidades da
Galiza, na Hespanba: Santiago, Orense,
Patron, Kerrol, Ponte-vedra eCoruna, quai-
quer quantia a" vista e por todos os paque-
des.
i-----:
Ricas bandeijas
Para asamentos, bailes e baptisados.
Quern qnizerobter nma bandeijj rieamente en-
feitada, dirija-sc a Cotrfeilaria do Campus
Ja mandando ou indo oocommendar, ja com-
pranio alii tbdos os enfeites, constando do seguin-
te :
Bolos finos para enfeitar.
Doces saborosissiiuo. para enfeitar.
Figuras allegories para enfeitar.
Papeis arrendados.para enlei'ar.
Bouquets para nolvos.
Alii
Encontra-.se sempre o seguinte :
Fiambres inglezes.
Budins
Bolos
Paes de 16 linos.
Fatias dedito para parturiBtas.
Pasteis em prdraBBo.
Filhos (sonh s de milvma).
Doces em calda, ralado e secco;
Bolachinhas do miltjnalidades.
(Sugar Wallers vatiiLa) para dielas.
Gelea de mocoto, desinfectada.
Amendoa^, confeitos etc.
Cba verdideir> das i>raaBas.
(>afe de Java foerd deiro).
. Tu _ CO.XFFlTAlilA HO CAMPOS.
K_SaBMBVIM9naiHRnBpMBBBBBB?3
j Antonio Luiz Caetano da Hlva,
convida aos parentes e amjgos do
seu finado- collega^ Carlos Ernesto
oe Mesquita Falcao, para assistirem
a missa, que por alma do mesmo
manda celebrar na 5* feira, 9 do
corrente, a* 7 horas da manha. na
igreja matrix de S. .1 i.~o
aaaawtsa* --ii'A#'*
Antonio Luiz Machado e seu irmao,
convidam a seus parentes e amigos
para assistirem a algumas missas
que manuam resar na igreja de
S. Francisco, sexta feira 10 de abril,
pelas 7 1/2 horas da manha, por
alma do seu muito prezado pai Delllno Luiz Ma-
chado Brandao, rallecido e/n Portugal; pelo que
desde ja se confessam gralos.
- ; r'T'.-";-:.
loj.-'iiiii Jusc Anlunes.
Ale*xandrina Luduvina
Duarte Antunes, muito gra
ta esta para com aquellas
pessoas que acompanba-
ram ao cemiterio publioo o
enterro deseu finado mari
do Joaquim Jose Antunee?,
ainda pede para que assistam a missa do 7 dia.
a qoal tera lugar sexta.feira 10 do corrente, na
capella de ^aato Antouio, em Beberibe de Baixo,
pelas 7 horas da manha, sendo eternimente grata
por este acto de caridade e religiao.________
ixou deter aoipregado de Amorim Irmaos
I.., o Sr. Fraaeisco Goncalves de Amorim,
lesde o de abril corrente. ____________
j~ Rna Daqvie de Caxias.
0 Sr. Antonio Bibeiro Ponies, caixeiro a rua do
Dpqae de (jxias, queira vir a rua do Imperador
ni 44, a negpeio deVluBtao interesie, isto por se
iffnoraf slid ixsidenda dtmstka.________
k CM M fwrun
Rua 1. de Marco n. 23
aos m
!'Oi abaixo ssslgnaffo fern s.-mpre'-exposto a ven
ja bilhetes da luteria do fiio, cuja extraccao an-
aunciara pelos jornaes.
InWiro ^- 24000
Meio .-? U*000
Quarto 8*000
1 f ifl_ Manoel Martins Fiuza.
Os proprietarios da
rua do Imperador n. 2+rl
ana do Campos. 1,
i *uS*tleveatirea
e vir?m pagars'us
t^m flidp remjasps, o favor
._itos ate^o!diac;de abril proximo vin^ouros
aTisrtrti'aos-rrtesmps^uastfalda/juella data nao e c
tifreram-saldQ8,,v_ru.. flu,names nesle jornas-
sem djfelincaaQde pessoaalguina..-,_________


FAZ!IM)nlBAIt^TflU,?
DO "Amr
Ni
ma b

I) (M,
Rua da lmperatriz n. 60
^

PARA
LIQUID AR
C.4M1SAS
1
Na Ponte Velha'o artwazem n; 49.
.jiii ii l'filra^>fc
COMPBM.
Compra-se um portao de- ferro : na rua do
AVISO
B\jci|a-ie-HJfcBrar ^W esapiros. r'lreiro e
cattiSna, paga se torn : a Iralar na the=ouraria
da^jaierias, -a ma I'timeiro de Marro n '
Compm-se uma ca-a ate" 800j, ainda mes-
ttio prepisaado alfUmireparo, que tenha 2 salas
e2 quaVtos!: a tj/tar na lraa' do lirum n. 71,
casa em que se faz carnvas.
Quer-se comprar uma casa tcrre; aova e de
bons commodos e quintal, em uma rj:. boas ruas
desta cidade quem a.liver e queira ader, di-
rija-sti a rua do Barao! da Victoria-n. '. '. quo so
danw|uem qner.
B
10P>*.&X9>T.J?l~.' ^ I_________
*?"M0aS
PBCHINCHA
Sajiatos do de tapete aveliudados para homen^ e
senhoras a lie U200 cada par : na rui Uu iuc
de de Caxias o. 111.
FAZENDAS
baratas.
Las com lislras, padrSes de gosto, a 2S0 rs. o
eovado.
Metins padroes-de gosto a 280 e 320 rs.
Lencos brancos de linho a.36500 a duzia.
Ditos de cassa, com barra de cores a IS e
1*200.-
Casemira em corte a 4^400 o corte.
Peca dcalgodiio a 2{,U0.
Na praca da Indepaadencia n. 2. loja de Fran-
cisco de Lima Coutiotio.
Dao-se amnstras com peqhor.
E' harato.
Chapeos de castor pretos a 2* e. 1J50D: na pra:
ca da Independencia n. 2, loja de Francisco de
Lima Coutinho.
E barato.
Dr.
tie
Antonio Carlos lVreira
Burgos Ponce do l.eon.
D. Franciscada Cunba Bandeira
de Mello, manda celebrar uma missa
no convetK* do C^mpi no dia 9 do
correnie.is-8 horas da manha, 30."
dia do fllleclmenjo. do seuriui
presado hlho, o Dr. Antonio Carlos
Pereira de Burgos Ponce da Leon.;
e convida a todos os .parents auigos de sua tt>
milia a assisiirem esse acto de caridade e religiao.
Alferes. Joao
Vende-se um pequeno siiio perto da esta-
fao do Salgadiuho, toado de frente 150
palmos, e.de fundos mats de quatrocent'os,.
corn uma elegante easa d) laipa, acabada de
proxim i o bem asseiads, tondo -isal s, 2
quartos e coziuha f6ra. 0 terreno epro-
prio o bom do pIantii;oes, ten lo algum-s
arvores de iructo, agua de beber e todo cer-
cado.
Para vere mais explicagoes, no mesmo si-
tio a quaiquer hora a entender-se com Tris-
tao Francisco Torres, e para tratar, na the-
souraria d.s loterias, rua 1. de Marco
n.-G.
GROSDENAPLES PRETO A I4M0-, 800 E
2^500.
0 Pav3o vende grande sortimento de gros-
denaples preto de pura sc4a, a lp20O,
19800, 20C0 e *B5W o cots'do, tendo
tambem do mail largo e mais oncorpado que
costuma a vir ao ouercado, o irendc por pre-
r;o cm conta. '
Granadina pretu a 500 rs. o
eovado.
0 PavSo vende granadina preta e lavrada
pelo barato pre?o de 500 rs. o eovado.
OHALES PRETO DE GUIPURE A 4#000.
0 PavSo vende chales de tres pontas, sen-
do de guipure verdadeiro, pelo barato pre-
en de 49060 cada um.
lladapoltto. enfestado a H^OQO
a peca.
0 Pavao vende pecas de madapolSO en-
festado, pelo barato prero.de 3J00Q a pt;c,a.
Ditas sem scr enfestaio, Com 20 jardas, a
59000. Ditas com 2i jardas muito boa
faaenda, a-fiSJOOO, ,69300^0 79000., -
ALPACAS PRETAS A S00, 640 E-800 RS.
0 Pavfio tem um grande sortimento de
alpacas pretas, que endea 5)0,#640 o 800
rs. o eovado, assim como grarkfe sorti-
mento de cantoes, bombazinas, princews
pnetas, merinds, e outras muitas fazendas
proprias para Into.
LAZINHAS DE ORES A280,320 E 400 RS
0 Pavao vende boaitas lazinhas de cores
para vestidos, a 280, 320 o 400 rs. o co-
vadj tendo ate a 19000, sendo da^mnis lin-
das qu<) tem vindo ao mercado, assim como
granadinas do seda com os mais :delicados
padroes, a 640 rs. o eovado.
Sedinhas a 19000.
0 Pavao vende sedas com listrinhas de
cores a 19600 o eovado. Ditas com pal-
minha? a 29000. Ditas com toque de mofo
a 19000 o 1J400.
CAMBRATA VICTORIA A 49000, 49500,
05000 E 7900'J.
0 Pavao vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
8 1/2 varas cada peca, pelos bardtos precos
de 49000, 49500, 59000, 69000 e 7c000
a pec,a. assim como, ditas de salpico bran- \ muito commodos, por qnerer tcaUir com
co, a 7#O0Oj 6 pechincha. jtoda a roupa quo lein em casa.
Acha-se constanternente aberto o estabelecimen o do"PAVAO, das 6 horas da manha
as 9 de noite.
FKA3CKZAS A WW, $9o00'
39flL0E89!n)0.
0 Parfio vftfide um-bowllo sw tirrWiito d
camisas. francezas com ptuto de algdio,
29flbO'e 9WW"0. Ditas on peRo do liiAr
de 39600 a 69000. Ditas bord.tdas muik.
finos de 69060 a 169660: assim conr
grande sortimento de ceroulas- de liobo e de
algodlo, por preens baratos, e tambem tem
compltto sortiuitiito de punbos e coUariubo*
tanto dfrHnho como de algodSo, por precos
em conta. ^ *^aamJ
EspartHhos a 3N%#0. 4ffO9 e
0 Pavao vende um bonito sortimento de
esparlilhos modeTnos a 39600, 4(9009 e
59000, assim como um bonito sortimento
desaias brancas, bordadas, a 59000 e 69000,
e ditas de lasinba dc cores a 39006 : e re
chincbfii.
CORTINaDOS UORftAlOS ?ARA CAMA 1
JlNKLUS, DE 79 ATE' 25t000 OPAR
0 Pavao viyide um graudc sortimento dt
jeortiaados bordados, froprios para carBit
janellas, pehrfmrato pTpro dc 79000,89006,
10)9000 ate 259000, assim como : eolxas
de damesco de la rmaito fina de 10f060
129000 cadA uma.
BRAMANTES A 19*00, 29000 E 29500
O Pavao vende bramaoles para lenooes,
tendo 10 palmos do largura, sendo o di
algodao a 19800 e 23000 a vara, e de linh<
a -29*06, 29800 e 8-201)0 a tara: e pechin
cia.
CASEMLRAS A 59066, C9000 E 79000
O Pavao vende cortes de casemiras par*
eal^as, sendo padroes modernos, pelo baro
topreco de 55000, 69000 e 7900ftotdrte.
assim como : pann'os pretos dos melborej
que tem vindo ao mercado, de 49000, 69 t
109000.
ROUPA FEITA.
0 Pavao vende uma grand i porc,ao dt
roupa feita, sendo : palitots, frakes de ca-
semira prcta e de cores, assim como : finis
simos sobrecasacos de,panno preto, e cal-
cas dc casemira preta e de brim branco, col
letes de todas as qualidadcs, por preco.-
SABAO DO RIO DE JANEIRO a 200 rs, 0 kilo, no armazem da rua do Amorim n. at,
de Jose Domingues d) Carmo c.Silva.
GAZA 53600 a lata, no armazem da rua do Amorim n. 41, de Jose Domingues do
Ctrmo e Silva.
VINHO .MUSCATEL de uva branca. pura, de custi de 239000, no armazem da rua do
Amorim n. 41, de Jose Domingues do Carmo e Silva.
GRANDE
VER
Vende-se, na estrada de Joao de Banos n.
2:1, duas carroca3 com pipas para vender igua-e
bonitos bois.
Vende sc uma escrava perfeita engomma-
deira, sem vjcios; 0 motivo da venda com toda sin-
ceridade se diraao comprador : na rua da Auro-
ra n. 49.
Vende-se as easasjerreas scguintes
ira
Rua 2i do Maio (outr'orTl dis Ossos) ns. 2 e i.
Rua do Kogo n. 2.
Rua do Padre Floriano n. 35.
Travessa da Bomba n. 5.
Becco do Padre Lobato n. 8 A.
Becco do cites da Cadeia-nova ns. 3 e ii
A tratar no Largo do Carmo n.' 1.
que
Grosdenaple preto
Seudo lisos e de cordao, e 0 mais largo
vern ao mercado, e qae-M vende pelos diminuio
precos de 21200, 25800, 35200 e 35500.
SO' NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES PORTAS DE
Guilherme & C. *
Jiiu: :> u loja da esquina
a mats cabellos
brancos.
J. lJLJli
A Nova iisperanra, a rua DMode Caxias n. N
apres>_n-sc em conviJar a s ns rregueaaa, com M
pecialidade an bello sexo a vircm apreciar os
guintes an fern eipostos a vcnJa c :< Jo? per preco
cummoilos, eooio fejam :
I1XAS JiONECAS nian?a< e cliTonas.
BO.MTAS E BXGRACADAS vistas para rterios-
copios.
COMMODAS LATAS para guardar cba.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras a meaioas
BO.NITOS VASOS com fina banba e cbeiraeof
extraclns, trazendo cada frasco um neaie, uma ini
cial ou um distico.
FIXAS liEIAS Dfi SEDA, vinJo entre ella- aat
. de carne.
Para quern goslar.
A' Nora( Esperauca a rua Duqne de Caxias 0
63, acaba de receaer lentos e caixas para 0 jogo dc
T1.HTURARIA JAPONEZA.
S6 e unicaapprovada pelas academiasde,
Voltarette.
Para quern s ITre das pernas.
Economia do-!?
mestica
A Nova Esperanca, a rua Du.|ue de Caxias 1
sciencias, reconnecida> superior a toda qno 63, acaba de roeeber as procuradas meias de bor-
tem apparecido at4 hoje. Deposito princi-j "^.P^^n^n^offre^s^eraas.^
pal i rua da Cadeia do Recife, boje Mar-
qucz de Olinda, n. 51, 1* andar, e em
todas as boticas e casas de eabellei-
reiro.
rWSET
Nao se preslando 0 pequeno espaco do armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de fumo, que 0
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro estabelecimento -soli a mesma
denominacao de
Armazein do limm
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcCes. desejadas,.c onde po3e-
r3o os senhores freguezes dirigir-?o, certos de,
que como at6 aqui, acbarSo sempre a par da mo-
dicidade dos preijos, a maior since' idade possivel.
Hmre as differente's marcas de fumo da Bahia e
mo de Janeiro, que t?m sido annuueiadas, acaba
ae chegar uma encommenda especial, e'que muito'
deve convir aos senhores freguezes. Consciante-O.
aba xo assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem competldores, fara muito por evitar
qne tamhm p; tenba oorelacao ao eqn$no lu*
cro que procurara qbteida.dua. loereadoria.
_________Jose Domingue? do Carmo o Silva.
Aluga-se barato.
Aluga-se o segundo anitar do spbrajjfo'4 rua
da Guia d. 62, limpo, b*m- tratado eirrande na
ua da Sepzala Nova n. 1. ''
'I'niM'iNt-O
Castro
A familia -do alferes -hti> ftreiseo da Sifva
Castro convida os parentes e amjgos do finado
para ouvirem as missas quefelo%caneo eterno
de sua alma mandate celebrar na fcreja do con-
vento do Carmo, as 7 horas da raauha do dia 9 do
corrente, pelo qne seewnfesww,i frati.
Apolices.
Na rua Primeiro de Marco n. 1.
Confronts ao arco de Ssnto Antonio, loja de
Agostinho Pefrcira da Silva Leal & C.
Lauzinbas, gosto escossez, padroes inteiramente
aovos, pelo dlminuto pre^o da 200, 240 e260 reis
o aovaio.
Baptistos lisas, finat, e- de ft'.res a 320, 400 e
440 -reis o cdvado, isto so se vendo !
Cha|eos de xol de M'xla. para homers, 'inglezes
(paragm) e com 12 hasles, pel>. preco de 85 e 95,
fazenda esta que sempre custou 115, s6 para
acabar.
"Na rua Trimeiro de Marco n. 1.
Loja A) barateiro
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Cocc-
xercio, por preco modico: a traur eom Tasso
frraaos & C
uma escrava com 32 aanos tie ilado, cor preta :
a tratar na ra* Direita dos Afogados, iaverna n.
60. -
fundos
Vendem-se quarro apolices da divida pro-
vincial ; quern pretender comprar anrwncie
sua morada, para'Ser pfocurado.'" ''
Vende-se uma taverns com poncos
em boa localidade de'Oltnda, bem.afreguezada e
a tratar em Olinda,
ryn
Constando aos abaixo aesignado achar-se nes-"
ta pract o Sr. Manoel Fernmdes de Carvalho, rea-
deiro do* .angijnljos Barra e Preguica, em Ma-
njanguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
njesmo o obztquio de vir ente^der-se com os
abaixo assignados Immediaiamente sobre negocio
tendente aes referrdos engenhos. Rua do Am&rim
37, escriptoiip.
Tasso Irmaos C.
-> Aluga-se uma boa-olaria na roado Viseonde
de Ooyanna n. 63, a tratar a rua do Rosario da
Boa-Vista n. 60.
Ckav-e^ perdidas
rfa. rna .Direita a, 99, se gratifieara a quani
aehaado, quizer re-.tku.ir uma cambada de tres
cbavas.presas a uaia correple do ar^me, qua m.
pardeu ha dias, da referida caaa a igreja -flp.
Tarco.
^H'on Rowe & L. vendem no seu armazea.
a rua de Oemmercio1 n. 14 :
0. vatdadeiro panno dc algodao azul amencano.
Excellente flo de vela.
Cognac de 1" qualidade
Vinho de Bordeaax.
Carvao de Pedra de todas as qualidadea
Aates (foe se acabem.
Veade-sfl. ta de lindos padroes a 200 rs. o eova-
do : na rua do Crespo n. 25 A, loja da esquina ;
dao se amostras.
Chapeos para soohora.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de chapeos para senhora, ultima moda e
vende por prego commodo.
<]ALCAD0
estrangeiro.
Paris n'Amerlca, a ruaDu-
que de Caxias n. 59
achaqbos: a tratar e ver ni'Tua de Hortas n. UP. 'primeiro andar, acaba de receber um complete
sortimento de caloados fistraajreiros para homeai
senhora, vindo entre elles um Undo sortimento de
elegantes chiquitos, sapatinhos e botinas para
criancas, que tudo venda por preaos razoaveis.
-*
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanga, a rua Duque de Caxias
63, acaba de receber um lindo e complete sorti
: mento de (lores artificiaes das melbores que leu
I vindo ao mercado
A ellas antes qae se acabem.
Costumes-para crian^a.
A'Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias a
63, acaba de receber bonitos costumes para crianc*
e esta se vendendo por precos razoaveis.
A N iva Esperanca; a rua Duqne dc Caxias a
63, recebeu um pequeno sortimento de.aaaeia r
pulseiras electricas, proprias para quem scffre to*
nervos.
mo
rs..
propria para princjpiante
na rua di
be 9. Joao n. 1.

Ultima moda.
A Magnolia, a rua Duque da CaxiMn. 45, re-
cebeu um lindo sortimento de -bicas de guipure
de cOies, apropriados aca vestidos cliques da ac
qualidade." ________u.,. ,________^_:_____
Vdndd-se uma escrava que" cozinha bem e
engomma sollrivel, muito sadia e de boa ligura ;
e tambem'unia oulra, preta, dc 35 anno<, de boa
flgura, que faz todo o servico de casa, sem vicios o
escocesas
a 200 rs. .o.coyado
Charutos e* cigarros
des man fians e das melhorea marcas, .do Rio de
, Jaoeiro e da Bahia; no armastm do furao, -a" rna
do Amorim n. 41, de Jose Domingues do Carmo e
Silva.
So ni.'rua do OaeimaJu n. 43, defronle da pra-
einlu da ladependanhia.
Lazinhas a escocesa, padr5es muito" lindos,
BiopTip.'. para yeUaos,p^dimiBi* rs. o eovado, s6.a.Jnja.d.,fiueiHB k Feroandat. I -^S UmCag VeraaaOlTaS
Clniu-ui_jmk-m que no ocHftem. I Bichas hambungaezas qnr vm a WrowcadO'
DAO'Sfi.A'M.OiiTRAS. HM rat Marouez de ulinda r. 51
OHANDENOVIMDE
A' rua do Crap* n. tO
Loja das 3 portas
LAZINHAS
Chegon esta fazend*, com padroes inteirataaau
novos, a que se vende peld diminute nreco Ae KM
rs. o eovado : isto por ter grande quantidade
SO'aA RUA.Dp CRSSPO N. 20
liaajtt de '
Guilherme AC.Junto aloj^
da esquina
Vende-se um sobrado umde andar mlCm
na rua das Aguas-Verdes n. 27 : a traur a raa
do Imperador ri. 10, encadernacao, on na nn
Direita n. 82, 1> andar.
GRANBE PECHIHCII1
Cortes de casemira.a 4*000 o corte e nanMbcaii.
Chitas claras a 9Ab rs. o eovado >
Madapolao fino a 4*800 a peca >
So e n. 20 da rna do Crespo, loja daa 3 portas
de Guflherme k C, junto da loja da esquina.
Gaza5#5(M) a lata.
com 25 garrafas, do melhpc e da maia
3area de Henry Forstcr ft C, garantii.
ide e a quantidade do >liajuida coopMo L
raazem de Jose Domiafnee do Cainaa ftava^
rua do Amorim n. 41.
L
L iiMF
.
A
4



DiattWikle'FirafatoiHica ^i$uaiit.&ira 8>'i4iIiiAtott^idblfct^

^

A* ru do Cal^usa n. A.
Os proprietaries 8a fre'dflecta, n6' Ibtuito dt
conservar tfbim- concetto qo* teernmeTetido-'do
respertaval publico, dislingiiindo seu e*tabelt*i-
raento doa.mais que negociwn no mesrna genero
veem scientificar aos sens, hpns fregueies qua pre-
veniramaosseaseorregpcindentes nasdiversaspar-
cas' d'Eartpa'para Ihes enviarem poi toaos'ospa, '
quetesos objeetos.de luxoeiiom gosto/ qua ae*
jami mais been aceito* ptlas sooieiiudosalqgaules '
daquelles pajzas, vUto aproximar so o tempo da
festa; em qua o bcTld sexo desta. Iinda Veneza
mais ostenra a riqueza de soas teilleltes : e co-
raoj ja reeebosseni pel* paquete* fraacez di verso
artigos da ultima moda, veem patenlear alguna
d'entre elles que se tornam.mais recomraeudaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
eoncurrencia.
Aderecos de lartarugaosmaislindos qne tem
vindo ao mercado.
Alhuns com ricas capas de madreperola e da
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
os
Aderecos completes de borraoha -prrprios para
ifcto, Umbem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
BotSes de setim preto e de cores para oraato de
vestidos de senhora ; tambem tem para collete
palitot
Botaas para senhoras, exists um bello surtimea-
to, de seda, de palha, de chajrim. etc., etc, por
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de louca
eftmo de cdra, de borracna e de massa ; chama-
raos aattencio das Exmaa. Sras. para este artigo,
poiaas vows turnam-.-e as criancas um pouco im-
t'ertinentes por /ilia de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendcm.se -por preco commode
Ceruula de linno de algudic, de diversos pre-
COS.
Caixinhas com musica, o qne ha de mais iindo,
com diaticos nas tanipas e prnprkis para presen-
Mil
Coques os mais modernos e dc diversos. forma-
tes.
Chapeos para senhora. Receberara.um soYtimento
da ultima moda, unto para senhora, como pars
meoinas.
Oapallas siwpli e com veo j,ara noivas.
CaUjas bordadas para meninas.
Kntremeios estampados e bordados, de lindoi
desenhos.
Eseovas eJactricas para dentes, tem a proprie-
dade da eutlar a earie dos denies.
Franjas de seda pretas e de cores, exbte um
grande sortimento dc divercas larguras e barato
preen.
Fitas de sara. *<* ?rgurao, dc setim e de cba
ftfaie^itej&iytraai larguras e bonius corea.
Facbas de gorgurao muito lindas.
.
resrna
Rtia da lmperatri1z,nv172
DE
MENBES GUIMARAKS k IM:YGS
Acaba de receber urn grande. sortinaen'o de. f.izentUiipft-ta*. para .jna-

.
flROSDENAPLE PRETO A. 19800.
Vende-se grosdenaple preto para vestidb
do senhoras, a 19800, 2j?, 3J9, 49,' g d| o
cofado.
PAW5IO PRETO A 2*300.
Vonde-se panno preto para calgas e palit6ts, a 2950( 39, 35500,
! 4J>, a O^OoO o covado.
(CORTFS DE CASEMIRA TRKTA A 5?000.
Vendo-se cortes decaserrjira prcta para,
calyas, a 59, 69, 79 e 85010 o corte.
MERINO' PRETO A 29801'.
Ven^e-se merin6 preto fino, a 29800 e
3JS000 o covado.
BOMBAZ NA TRETA A 1^300.
Vende-se bombai na preta enfcstada, a
15500, 15800 e 29000 o covado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende se alpaca preta fina, a 500, 6iO,
"800 rs. e 15000 o covado.
FAZEUDAS DE CORES E CA31BRAIA
BRaKGA A 35010. .
Vende-se pe^as de cambraia branca trans-
parente a39, 49,59 e 65090, d'iths de cam-
braia tapada, Victoria, a 39, 35800, 49
e 5^000: ,
CORTINADOS PARA CAMA A JfiftiOti.
Vende secortinados bordado/para cama,
a 1C5, 205, 255 e 305000. (
CAMBR IA DE CORES A 300 RS.
; Vende-se cambraia de cores finas, miudas,
; a 300, 320 e360rs. o covado
CWTAS LARGAS A 200 RS.
Vende-se chitas Isrgas para vestidos, a
. 240, 320 e 360 rs. o covado.
BRAMANTE A 15600.
Veflde-se brnmante com 10 palmos de
largo a 19CbO, 15T8CO e 29500 o metro.
MAUAPOLAO A 25000.
Vende-se pegas de madapolao etifest
a 39000. Dito IrJglez a 45500, 55 ado
Fibres artificiacs. A Predilecta prima em con- 5^500, 69Q00, 75000 e 85000 a pessa.
ervar sempre um bello e grande sorlimento des-
asfie'ec, nao so para enfeite des (vbellos, como
tambem para ornato de veslido de noivas.
Galoes dc algodai), dv la e de ieda, brancosj pre-
tos e de divtrsas cores.
Gravaus de ?eda para homem e senhoras.
Lagatfse cambraia e de seda dftdivereas cores
para Ma nor a.
Ligaf.de.sedB decoresebrancas bordadas,para
ana.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, marfim, 6s>o e relhido; tudo .que ha de
bom.'
Peuies.de lartaruga-e maotim para.alisar.os'ea-
I. tLos i teem tambem para tir^r caspas.
Port Boaquet. Uin belto sortiniento de madre-
perohL martun, 6sso e (roirradiir por barato preeo.
Periuiaarias. Neste arrijro e>ta a Predileotaoem
provida.nao so em extra'ctosv como en -oleog.
banhas dos melhores adures, dos mais afamados
;abricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienica,
Coudrdy, Gcfsnel e Rimel ; sao indispensaveis para
a festa.
Saiasi bordadas para senbora, por commodo
precp.
Sapatinhos de la e de seiim bordados ,para bap-
tisados.
Tapetes.Recebeu a Predileeta n boniio sorti-
meuto de diversos tamanhosj tanto para sofa co-
mo para entrada de sates.
VestimeHtas para, baptisado o que ha de melhorr
gosto e os mais moileruo t recebcu a Predilecta *
de or ar.to preco, para Hear ao alcanoe
;aalqner bolsa.
Rua do Cabuan. 1
11 vas a M) reis
e 88J o gigo
a libra
CORTTNAUOS PARA JANELLAS A 85000,
Vtnde-se o par de cortinados bordados.
para janella's, a 89 e 1050' 0 o par,
ALGODAO A 45000.
Vende-se pejas de algodao, a 40, 59 e
65000.
CI-ROL'RA'SA 19000.
Vende-se ceroulas de algodao, a 15003,
ditas Gnas de bramaate a 19500 e 29 cada
uma.
CAMfSAS BRANC\S A 29000.
Vende-se eamisas brancas finas, a 29,
; 25500, 39 e 49000.
BRINS DE CORES A 400 RS.
Vender br-ins de cores para calgas, a 400,
e 500" rs. o covadn.
CHA ES A 800 RS.
Vende se chales de la a 800 rs., chalesde
merino" de cores, a 29, 39, 49 e 59000.
COLCHAS DE CORES A 25000.
Vende se colehas de cores ipara estn'a, a
25, 35500 e 45000.
CHITIAS DE CORES A 360 RS.
Vende-se chitas finas de cores, a 360 e 400
rs. o covado.
ALPACAS BE CORES A 500 RS.
Vende-se1 alpacas finas de cores, a 500,
640- e 800 rs. o covado.
TAPETES A 45500.
Vende-se tapetes para salas, de diversos
| tamanhos, a 45500,
um.
COMO SEJAM :
LKKCOS BRVNCOS A 25'ffl0i
N'cnde-Se Ichqos brancos fi: os, .',.2^000,
29500'e 89 a du/ia, ditos tre linho, a 49,
55 e 69000-a rlima
CilOCHKS PAKAC.VDFTHAsA 1^300.
Vonde-se pantios de cr6Mi^iparax.^dein s,
a 15500 cada uin, coIcHias de di o para
noivas.
MADAPOLAOFRANCEZ A 75O00. '
Ytndc se prf;as de madapolao fj'jiicez
rnuiti fino, a 79, 89 e 109'-j00.
BRIM PAKDO A 400 RS. 0 COVADO.
VenJo se brim'pardo para calr3S, a 400
rs. o covado.
CORTES DE'CASCIIIIRA DE 55000.
Vi-nde-se cortcS-dc casemira de cores para
calcas, a 55, 55500 6 65000.
GROSDENAPi.i: PRETO.
Vende-se grosdenaple prcto com 4 1/2
palmos de largura, a.59 o covarlo.
ESGUIAO FINO A 2*000;
Vtnde se csqniao fino de linho, a 29,
29500, 3^ e 49 o metro.
CHITAS PAKACOBERTA A 280 RS.
Vende-se chitas para coberta, a280e400
rs. o covado.
BRIM 'BRAMGOi A 1^000.
Vende-so brim bratuwt de linho, a If,1
15280, 15600 e2& e nutrot
BRETA-NHA DR LINHO A "W) RS.
Vende-ie bretanba de linho, a 646 rst*
vara.
FLANELLA DE GORES A 8O0.RS.
Vtnde-so llairlla de cores, a 800 rs; o
covado.
COBERTORES^D* ALGOfiAO A tatOOv
Vende-se cobertores de pel-lo a 15400t
Cobcrtas de chita a 15800 e 29 ditas en-
crna >a., forredas, a 49. no -Bazar Xaciouai,
rua da Imperatriz n. 72.
CORTES DE CASSA A 5000.
Vendo-se cOrtes de cassa miudas a 39'
cada um.
ORAV.TAS PARA SENHORA A 15*00.
Vende se gmvetaa para senhores;'* 19,
ditas para hotnens a 5C0 rs/'
ALGODAO ENFFSTADO'A 15(00.
Vende-se algodao errfestado para- len^oest
a 1)5000 a vara.
GRANDE SORTLMEISTO DERWPA PEITA
NACIONAL.
Vende se palitfirs de panno piet, a59, 79,''
8& e lO#000.
Vende-se paliiSts de alpaca preta, a 39,
.tUMfcWOBOT

fezen4as finas
ig
l"Rua;Pplmero dqMargo n. 7 A
:Dii :
Qptd^ito.,Sftn6ep & 0.
. E' esU uma.das frtazta offerecer aos sens freguezes um variadusi-
nro ortimente de MMM finaa para grande toi-
leiidi e bem asfim para upo ordinal io do todas as
classes, e.p9r precos vantajosos, da. quaea far um
pequcno rcsumo.
'Mandam fazendas^ as casas dos pretendentes,
para o qu inKdiantft penbur.
\-^rW, 'iQ^caa-.lelinaa.s^ores.
Gro.^denaples de todas as cores.
' Gorgntao branco, lizo, !dc Rstras, preto, etc.
Setim Maaoivpreto e de leOrea,
Grusdenaples preto.
Vejludo preto.
Granadine de seda, preta e,de cores.
Prfpoutfas de Undo? padfoes.
Pihi de seda, branco e preto.
Ilioas. bar-quiuas de seda.
Gasaco* de raeriuo de cores, la, etc.
Mantas brasileiras.
Cot Us" com cambraia branca com lindos borda-
39500 e 45000.
Maearrao a :20 a libra.
Talharim a 99S a diia.
Alelria a 320 a I'ila.
E tvdfls os mais geniTOiS ?e vendcin mais ba-
rajos do ipie em oijlra parte, no pr.teo da Iti-
heira n. 62 A, jimt^i a HotTca,
Fazendas e roupas muito ba-
ratas
Na-k>ja de J. Porto, a rua Nova n. 14, troca-se
por cobr on mesmo \\ roupas feitas sem se Dinar a Inert;, momenta para
-e vender m\'.t'.
Camisas de cretone
as mais moderna? ijue tem vindo ao mereadn, sen-
lo lisas e com Ijstras, ft que se vende a 40iOOO a
dnzia e a 3^oU0 cada uma ; e pechiucha. t
Hollanda
Srim pardo-lUo.'O que ha de mais.fino, com um
toque de avaria, e que so vendo a 480 rs. o cova-
do, fazenda propria do paiz por ser linho puro,
applicada para costumes de homens c de meninos:
* na rua doiCrcspo 20, lojH das tres portas, de
Gniilierrne ,'v G., jurt.i a lnji 'daesquina.
Sabao a 200 rs. o kilo
Sbarmazein dofumo, a read.> Amorim n. 41,
deJose" Bommgiies dO'CarrtW e Siha.
VigorlibCabeiro
DO
Ven le-se calcas pretas de paunoi, a 45v
H, 75 e 85OOO.
Vende-se colletes preloj, a 3>5, 35500 e
49000.
Vende-se ceroulas, a 1#, 15500, 251 e
3^000.1
Vende-se eamisas braiioas, a 2$, 29500,1
3e45000.
Ven4e-se ccmisas de chu*s, 8-19400, 2A
e 3.JO0O.
CHITAS PRETAS A 3-20 RS.
Vendo-sc chitas pretas finas, a 320 e 360
rs. 0 c-vado.
LAZINJ1A A 200 RS.
Vende-se lazinhas para v< stidos, a 200;
320, 400 e 500 rs. 0 cuvado. No Bazar
55, 65 e 85000 cada [ Nacimial. rua da Imperatnz n. 72, de Mem-
Ides Guimaraes dtlrmaos.
. Ricas capeliat. e mantas ^ara noivas.
Riquissimo sortimento de las. com listraa de
seda.
; Cambraias d6 coties.
Oitas'maripoM*. ferancas, lizas e bordadas.
Naozuques-de lindas padroes.
Baptislas, padroea deiicados.
Pereal:r;u> do quadros, pretos e brancos, listras,
etc etc.
Brins de Itnh'o de cdr, proufina. oara vestidos,
cum barra e listras.
llicos cortea^le vestido de linho, <* eiles da
mesma cdr, uriima modp
' iVrtosrfe catntraia de fcarcs.
Fuslao de lindas cores.
Saias borda das pa ra 1 senhoras.
(^unisas bor gudau.
Sortimento'dc luvaa da-vetdadeira fabrica de
loavln; para homen e 'seohoras.
Vestuarios para meninos.
Ditos para baplizado.
Chape*os para'dito.
Toallias e guardanapos adamaicados deiinho de'
cor, paru mesa.
Uiiclias de la.
'^ortinados bordados.
Grande sortimento de eamisas de iiiiho, lizas e
hotdadas, pafa'homens.
Meias de cDres para homens, meninos e meffi-
aa,
"Jitas eaeoeazas.
uiwple.Ui sortimeuiw dt chapeos de sol para bo-
mens e senhcras.
Merino de cores para vestidos.
Dito"prew,-wifado e dito! de *erao.
'vlbadoiueliuhoeialgodao para toal
M.. alUado paido.
Oaraajco de la.
Brins derhlhb, branco de cores e preto.
Setfmde Ihklas'eores'Pom'rBtras.
Chaies deiraerin6de ..cures e'pretoi.
Oitos de cas^inra.
Ditos de seda preta e de oOtea.
Ditos de touquim.
Camisas de chita para humetfs.' "
Ditas de llanella.
Cerenlas uVHinliu e aigodao.
,Panno%.de cracbet para sofa, cadeiras-e conso-
L en cos bufdados e de labviintbo.
ColcHas-dc-'crodiefc- "
Tsrfelans *e todas cuus.
Kicoe- oortes de -vestidos- de tarlatana bordados
para cones.
Espartilhos liscis, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meiasfde.seda^iara' senhoraa e-meninas.
liicas facbas de seda e la para senhoras.
Rii'o sortimento de leqnes de^uradfoiierolas e
u.sSo.
DniMl'd>(Mda.-<
Casinira paetoJedeoores.
Chitas, madapolao panno fino preto e azul, col-
laririhos.'punhos deiinho e algodao, gravatas, lu-
v*aide' 8ode'fi*eo 1 ho?, tM>lssa>'de l viaftam. peilos bordados para ho-
|iriens,ien()s dliubo brauea-e de cores, toaibas, >
guardanapos. etc., etc.
SO 0 BARATEIRO
NA
Rua 1. de Marco d. L
Confronle o arco de Santo An-
tonio.
Kxla vendrndu huoh faminliw roiu
30 por cento menos que em outra
qualquer parte.
A saber :
Madapolao com toque de mofo, pelo barato pre-
co de 4.?;00 e St
Sobrado.
Vende se um bom sobrado em nma da oe-
Ihores rnas de-ta cidade : a tratar n rat Marquez de Herval n. J9, laverna. on na rua 4*
Imperatriz n. 10, taverna. __________^
Farinha de mandioca nova.
RecentPmente chepada de Santa CathariM tfa
para vender no trapiche Couipanhia, e para tratar
no sen escriptorio a ma do fommercio n. I, Jot
quira Jose Goncalves fieltrio 4 Filh >. AdvertiBdr
aos compradores que desejando acabar, vendea
Dito fraftcez,liinpo e de superior qualidade, por mais barato do que em qualquer outra parte, tan-
5joOO, 6/000 e 6J500. to em grandes como em pequ'-na? porc5es.
l/S^ WM AiSflfr SUper,r 1Qa,idade' a ; I'Mheco Azcvedo tea pafrvH.der Upir^a
i5U, 5*,o*o00 6/000. de AraruU de qualidade especial era aea ?-
urande sorlimento de lannhas degostos inteira- zen, na raa do Duque ^ ^j ^
fiente esposseses, ptlos preccs de 200, 2i0, 2C0 e---------^--------------------^^ *"
10 rs. ; so se vc-ndo poder se ha acreditar. F02*aO do ferro OfOnnminn
Baptistas, fisas e com flores, fazenda qne sem- ,7" \ ioiiu IAAM1UIHIUJ
pre custou 400 e 800 rs., estamos vendendo pelo' Vende se um chegado ha p^ucos dia, tendo f.
preen de 320 rs, para acabar. | nalhas para lenha e earvao, ham para ar?ar
DiUs finas, padrSes matisados, a 400 e 440 rs. ^eposito para agua quente e lugar para se jrou-
0 cova '0. 1 d2r quente as comidas depois de feiiaa; estw
Ctone francer, escnros e claros, os rniis no-1 e5*8 torpam-se recommendaveis porcine i de
vos (|ue tem vindo ao mercado, a 480 e 600 rs. 0 fc.rro batido, e fabneados com perfuicao .
covado; j nham t031 "">' diminuU lenha: na rua do ApoB
Aproveitem em quaoto nio se acabam.chape'os de, n- ^0__________________
sol de seda tranrada (paragom) 12 hasteas,inglezes Fa-all^ T,f,,r^
superiores, pelo insignificante pre^o de 8$ e 9| ; <*icil\J 11U\ U c
sompre vendemoa por 144000.
Ditos'para senhora, de merino, a 34 e 3^300.
Ditos dc seda, cabo de Osso a 4000, ( pechin
cha.
Ditos de alpaca de cores, forrados com seda,
Mil ho pequeno
e 0 cabo fingindo bengala, 0 mais moderno que
hi, a i:;oo (. a !
Sortimento de chitas claras e escuras, boa fa-'
zenda, para acabar, a 210 e 280 rs. 0 covado.
Popefina de linho e algodao, gostos inteiramente
novos e de cores bonilas a 800 rs. 0 covalo.'sera-1
pre custou 1 i400..
Camisas de cretone, fraacezas, modernas e su- j
periorsS" a 3i e 3^500
Ditas brancas a 2 e 2J500.
Ditas do linho a 34300 e 4*000.
Da melhor qualidade uo a- uiazcra de farinha
de trigu de Tassa Innios di- Ap.)lh.
;.i
Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os segaintes :
Bnrra,
Preguloa.
e Patricia.
A tratar com seus proprietaries nesta eidad^.
para inforinacoes com Joaquim Pinto de U-.
na inesma cidade d-j Mamamtaa:*
Tasso Irmies V C
Panno de algodao da Bahial
Vende de tol^s as qualidades Joao Rndrigu*-- <
Faria : na rua do Amorim n. 33.
Fumos
Tuiilias de linho do Porto a 7oG0 e 8000 a relies Filho
diizia. J
Ditas felpudas a 75. 7^300 e 8*000.
Esgniio com 10 jardas, pelo pretjo de 4*503 ; 6
baratcom efVeito !
Cambraias Victoria e transparente, farenda fina,
a 3*500. 3*800, 4*000 e 5* a peea.
Lencos de cambraia com barra de cor, a IS, e
brancos'a- 2*.
Dilos de linho, abanhados a 3*600 e 3*800 a i Da Bah a e do Rio, vende Joao Rodriguea de K
dnzia. a, rua do /morim n. 33_____________
Grande; sortimento de brins de cores, padroes a / 7____ta j 7i ---------
proprios pftra meninos dc cscula a 440 e 300 rs.'^O a TUa 1/U(|lie UC UftXiaS 11.
0 rovado. A A' 'I 'n A
Bolinas para senhora,-pretas e de cores, per 1* ; ^*i '^ja^ Qa CS( JUllia
e 4*300, .isto por teraos grande quantidade, se Granadinas russiauas com palmas c listras de U
faz este pre?o. brancas e de cons, 0 covado
Dramante de Tiiiho, duas larguras, pelo barato rjs eseossfltas, padrOes lindos
preco de 1*J0 a vara, e somente para acabar. ueuns tranoados para vestido de s.-nhora
Umm outr-os arligos.que deixamos.de mencio-j Colchasde algodao alcchoada, cada uu.a
nar para nao inassar nossos treguezes; mas que Toalbas de algodio a cochoadas
avista deltes-eslao preseules.
Dao-se amostras.
So 0 barateiro qoer queimar
Para rival nao eneontrar.
A' ma Priroeiro de Marco n. 1, antiga do Cres-
por do Ajgostinho Ferreira da Silva i.eal & C.
Magnolia
Na hja.da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
45, enconlrara sempre 0 rpspeitavel publico um
completo sorlimento de perfumarias finas, objectos
de phantasia, luvas de Jonvin, artigos de moda e
miudezas finas, assim como modicidade nos pre-
cos, agrado e sinctridade.
Anneis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, aca-
ba de receber os verdadeiros anneis e voltas elec-
tricas, proprios para os nervosos.
Meios aderegos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu um completo sortimento de
Meios aderecos de tartaruga.
Meios aderecos de madreperola.
Meios aderecos de seda bordados, (ultima moda)
e de muitas outras qualidades.
Botoes de aco
j
A Magnolia, a rua Duque do Caxias n. 45, tem
para vender os modernos botoes de aco, proprios
para vestidos.
Golinhas e punhos
da? mais modernas que liano mercado ; a ellas:
na Magnolia, a rua Dpque de Caxias n. 45.
Lencos chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu uma pequena quantidade de lencos de seda
chinezes, com lindissimos desenhos, fazenda intei-
ramente nova.
Leques
- Lindos leques de madnepenola, de tartaruga, de
martim, de osso, e de muitas outras qnalidafles:
Para a renovacao do ca- recebeua Magnolia, a rua Duque de Caxias nu-
bello, restftufcSo de sua eor |rtero i5' AttencaO.
A loj. da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
45, acaba de receber o seguintes artigos :
Manual de madreperola, tarlarnga e marfim.
Ricos albun* com capa de maare'perola, cbai
gren, madeira, ve.ludo, cooro, eic.
Lindas caixaa.com liniuimas perlamarias.
Ligas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Pu seii as de madreperola.
Ricas caixaa para costnra.
Vestuarios para baptisado.
Toucas e sapatinhos dc ->iim..
iprecfetii como se vende barato'
>:6 o n. 20
RUA DO CliESFO
M DAS 3 PORTAS
DE
HI
Rua Duque de Caxi .s.
Acaba de receber um completo sortimento de
muito lindas bolinas de dtlraqne de cores para
senhora ,as vende mais barato do que em outra
qnalqoer parte
Cimento
Dr. Ayer.
evitatfdade primftrva e nat-
ural.
O Vigor bo Cabello 6 uma. preparacSo ao
mesmo tempo agradavel, sauJavel a effica/ para
oonservar 0 cabello. Por .ineio do seu uso 0
cabello 11190, grisalho, e ehfra<]aecid6, dentro de
pouco fetopo revolve a cb'r que lhe' e* natural e
primitiva, e adqriire o brilno e a frescura do
cabello da jnrentudej 0 cabello rale se torna
denso e a calvicie muitas vezea, posto que nSo
em todos os casos e neutralizada.
NSo ha iiada que pode wfonaar o cabeDo
epois doe follw-ulos estarem deatruidos,
Quilherme .ft
Vende se na rua da Madre de Deos n. 32, pelo
menor preeo possivel 0 verdadeiro cimento Por-
tland, vindo pelo ultimo vapor ingiez, de carga.
CASSA-LA
Acaba.de chegar-esta fazenda com bonitos pa-
drSes, e que se vende pelo dim'inuto preco de 200
rs. 0 covado 11' 1
METIM
Metim irancado, padr5es bonitos, a 320 ts. 0
covadoI 1 I
ORGASDY DE CORES.
Cambraia organdy de cores, fazenda fina, boni-
tos padrSes, pelo diminuto preco de 320 rs. 0 con
vado III
LAo ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padrSes, que se vend'ea 240 rs. 0 covado III
CRHTONE
Cretone claros e escuros, bonitos padroes, e tk\
zenda Una, pelo dinunnto preco de 400 re. o coi
vado .11!
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 400 re. 0 covado,
6 pecaincha 11 I
Cortes de casemira di cores, a 5*(00.
Colehas estampadas e com barra a 3*500 e
4*000.
Cobertas de chita adamascada a 3*500.
Lencoes de bramante a 2^000.
Dites de algodao a 1*400.
Toaltas alcochoadas, duzia, a 5*800
Lencos de cassa'com barra a J1090 a duzla.
Ditos de cassa abanhados a 2*000 a dueia.
Ditos de u.-guiao abanhados,. em caixinhas mo*,
dernas, duzia-, a 3500.
Cambria transparente fina a 3*WW"a'pe;a.
Chales-'de todas as qualidade* e prtcos.
Dramante de algodao e linhoi.ai 1*600 a vara, 1
Dito de.iiubopuro corn 9 e 10 palmos .de ...r--
guxa a 2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca t, largo, a {TiOCO a peca.
Dito domestico a 3*060 a peca.
Brim com listras, iriande*, proprio paracanU-.
sas, a 440.rs. 0 covpdo I LI
Lindos port-bouquets.
Gravatlnhas do vellnde, etc., eta.
4-

e u
^andes ennaukw e .dae, maia se aioda, restarem Ql^peOS de SOt de Seda. Cabo
algunis .podem ser salradas e utilizadas pela
Silicacao do Vigor. Libre 4e oseas subataacias
eterias que (xjcnatn muitas preparacoes de este
geuero tarn uocivas e destructive ao catelk), o
Vigor somente lhe e beneficial. Em vez de
tajiir o cabello e o iaae* pegajoeo, q couserva
dourado (o chique)
A Rosa Branca vende lindos chapfios de sol para
senhora, ^om'os Cabos dourado?, eocastaoe poo-
tas^ashnsttts branca, pelo barattesimo1 preco de
5* ; manda-se levar nas cafas : na rua da Impe-
limpo a lbrt% embelliBaivkroJmp^iiado a o^ieda. LaHil *rV"Ma io Aievedo.
tocuar-jBB ru^o, e pox coasequiute prevme a
'ara uso da toilefte nSo ha nada mais hi dese-
jar; nao conten3o oleo joopi tiritura, nto pode rs. 0 coVad) : >6 na loja de Francisco Guimaraes
manchar mesmo o mais alvelfeago de cambiaia; ^ C., rua Duque de Caxias n, 4i, kja da esqcflna.
perdura no cabello, lhe d& um luif*e luxnrioso,
e um perfume muito agradavel. ^L .
Para xeformar a cor da barfca, \ necessario :
Kiais tempo de que com 0 cabello, po\e se pode ',
appressar o efteito, envolvendo a barba dVnojte De superior qualidade, vendem em Macao do
'.u, Jose Dias Soares, a 1*2C0 0 alqueiro..
Madapolces tranceze* de todas a* qnaltdades de
Modernos chapeos de sol de seda para senhoras. jg^ a g*geo a pe-a H
Cfapeos-'d^&oTde seda cottr 12 ssteas, pelo di-
minuto pre$o de P*50a
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de.
linho puro, a 44*000; a duzia-; e pechincha, so te
vendo.
Pnpelinas "de linho e seda pele dlmintfto' 'pre^d
de 800 rs. 0 covado; e pechineba, e dao-eeanrie
Iras.

Las kamburgueza s a 2 8 0 rs.
Vende-se las hamburgueias de lbtn'edeiqna-i
dros de diversas core*, pelo dimipulo prego de 380
aa ib *', ioja u.i (.- j.
IS'00"
cem um len^o molhado no Vigor.
PREPARADO PvB
Vr. J. C. AYER & CA., Lowe
Eetadoe TTnidos,
Chimico* i'raclicoi AnalytH
VBJNDBJ 822 POR1
Mass^
Lindas las escoeezas.
De varios padrSes, e inteiramente modernas, a
360 rs o eovado : na rua Primeiro de Marco
antiga da Crespo n. 13, lcja das coluranas, de An-
tonio Correia de Vasconcelios.
S6 o n. 20 da rua do'Cflespb
lii/lti das ii^ ttiaWar
DB
Guilbermo & C.
JtiMXO ALOJA DA ESQU1NA
Vetade"se Urn1 meinno de veritb, com'
duas borobas para poiar. agoa.'a qua-
tro rodas novus. e forces, para carro
amerjeano : a tratar na rua do Impe-
iaflor n. 22, atfdar.l
r* *"*m
K
Barflo (k Vickiria b. 22.
DE
Cai-Dciro Yiaona.
A' este grarrde^eetJrbeleClrnento tem che-
gado uin bom sortimento'demachlnas para
costura, de'todosos autores' maisncredita-
dbs ttltimamentetia Europ*, 'cujas machines
s4o''garadtidas por umenno, e tendb um
perfeito artista pars ensinar mesmas, em
qualqtter parte desta cidade,; como bem as-
s'im concerta-las pelo tompo tambem d'nm
anno sem'desperroio argtrm ddi comprador.
Neste estabeteclTa'erito tatabem ha perten^as
para as m^mas ma'ctrfWas e se suppre 'qual-
quer peca',' que" seja' necessario. Estas'ma-
chinas trsbalhffm com tod a pfei?8o de
um e dops pdspontos, franze1 e borda toda
qualqoct costufa por 'fina tftfe seja, seus
precos s8o'dWsgu1irVequJalidede': para tra*-
baibar a mao"a 30*000, -4OWT00, 48*000
e 5b*(W0,''tJara rrabaAar com o pe'^fio' de
8050CO, 90#00O, l60W00v 110000,
1-2^000', 130JWW, 1SWD000, 2005(r9O e
'2o%8i0d0, emqu^nto'^aWOWS^nBoha al-
tera^fio de precps, e os corapr'ador'es podterao
visitor este estabelecimehW, qaerHuho do-
veraogpstar pda VHfieUttdVde otject.os1 qt
"ha se'mprs paravertfler; cdnirj sejsm : cadei-1
raa-parav^Sgem, malas paVa'Tiagemj ettdei*'
ras para sala^, dita^de'&arari^o, ditas para
'is, cos
saveis
cama,
.yara homem e criancas, capaehos,
, 'c6uf'ie?Asibara'skla,'" grtmde* e pe^
quen'os, app^felh6s'de'hle^ai, para'chai fa
queiros com' cabO1 drinettf-'' de marim,
Lencos de cassa, ^cquenos, dnzia
Ditos de dito brancos, dnzia
Ditos de linho, abanhados, duzia
Madapolao, peca
Algodao, peca
Vende-se ou Brrenda-se, uo estado em
que se acha, um sitiona freguezia dosAfo-
gados n. 18, chao proprio, com 349 palmos
de l'reute e 05S de fundo ; os pretendentes
dirijam-se ao seu pr.ipriet. rio, na rua de
S: I'raaeisco, soi>ra 0
A'rua Duque de Caxias es-
quina do bceco do Peixe
Ffito n. 44.
Anti^tac-nivn Ao Pregni^a.
Colariohoa do linho linos a 4* a duzia.
Camisas ingletas de linho fino a 2$50Ouma.
Seroulas.inglezas muitb boa's a 2^300 1
Granadrae com listas e palmas de seda. padroe9:
lindos a 500 rs o eovado.
Chap6os-depalha parahomema 1/500.
Toalhas de algodao alcocboadas para rosto a
400 rs.
Lencos de cissa branco, duzia a 1J600.
Ditos de dita com barra a UOO e U200.
Cambraia branca traspareole e tapada a 3 j, I*
e 5*000.
Peitos de linho muito finos bordados a U00O
cada um.
Metin9 de cores para restidos, de lindos padroes
a 360 rs. o covado.
Chitas de cores a 240 rs. o covado. r
Brim pardo para calga a 360 rs. o covado.
Las de cores, alpacas pretas e de cores, mada-
polao e algodaozinho, tudo por precos commodos,
a rua Duque de Caxias n. 44, loja da esquina, de
Francisco Guimaraes & C.
Uraniasdeleque,
Palmeiras imperiacs,
Coqueiros,
Cyprestres horisontaes.
Quern quizer fazer urn pomar com diQVrentes
qualidades de frnetos, ou arborisar algumas ruas,
on plantar algum jardim, e s6 dirigir-se ao sitio
do Abrigo, em Olinda, onde achara o que quizer,
ou deixar o pedido por escripto na loja da rua da
Cadeia do Recife n. 53, indicando para onde quer
que mande-se, etc.
Sementes de hortalica.
Rua do Warqnez de Olinda n. 53._______
E outras muitas fazendas que so a vista poderi
preciar os precos : islo so na loja de Fran i-
aimaraes & C, rua Daque de Cuial n '.'*.
apreciar
Gai:
Grande pechiucha.
Madapolao largo e lino com peoMaaa Iomm
a.aria a 5*000 a peca, fazenda M vale 7*.
Algodao marca T, laffn, a 4i;.0t a peca.
Lazinhas escoeezas a 210 rs. o Cuvado, < |or
; acabar : na rua do Cie.-po n. 25 A, I j:. ja a
, quina. Chcguem antes que se acabem.
Vende-se as casas seguintes
Rua 24 de Mai.) (i Ir'eM do Os-^sl n=. I* \
Dita do Fogo n. 21
Dila do Padre FlorLna n. 35.
Becco da Bomba n 3.
Travessa do Padre Lobato n. 8 A.
Beeco do eaes da cadria-nova ns. 3 e 5.
A tratar n pateo do Carm n. 1.
Vejam islo
i'eitow tiordudos a |ti:ili*o uaiat-
cas!!!
Sao de lino esgniao. f-rrados, e liod m bor4a
na rua da Imperatriz n. 55. loja da Rosa Brar: -.
Grande pechincha de cami-
sas de linho.
Vende se camisas'inglezas, de liana, muUeflMi,
Sara homem, pelo baratissimo pi ego d 35*0N a
uzia; quern duvidar veuha ver e ci. irar : ba
rue Duque de Caxias n. 88, loja di Denietr *
Bastos.
Cylindro
Drgencia.
. Vende-se ou daseaociedade, entrando o soeio
com poticb dinheiro, em um estabelecimento de
molhados em uma das melhores localidades da;
freguezia de Santo Antonio, tendo o dito estabe
leoimentO" capacidade para grosso e retalho, por
ser em esquina, tendo alem disso um grande pa-
teo para accommodacoes de matut'os : a tratar na
rua Dir'eita n. 2t, armazem do Pescador. _
Crclontie a Prussi na
a 320 o covadfr
Na rua do Qaeimad* n. 43, junto a loja da
Magnolia.
Cretonne a prussiana, de quadras, fazenda
propria para vestidos, padrSes os mais modernos
'que tem vindo ao mercado, pelo diminuto preco
de'390 reis o oovado, so na loja de Guerra &
Fernandas. ,
Estao se acabando I...
Dao-so ambsiras.
CamMaia itransparente a 3#
a peca
N'a rua'dd,Quermiado'1n.,M1 jttdlo-a loja1 da-
^Magnolia.
Cambraias transparente* finas a 3* a peca
ise-p>-lojile.Guewa j; Fernandas. M

Vendem
Wilson, Rowe & 0.
Era seu armazem a rua do Trapiche n. 14, o se-
gumte:
Algodao azul americano.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidades.
Tudo muito barato.
Vende-se a taverna n. 53,'no CamiBho-NbvB,'
bem afregnezada s queWa pretbndCr, dirija-se a
mesma ; tambem se da aocieladea quem pre-
tender.
Engenho
Vende-se ou arrenda se o erigenho S. Jose da
Prata, moente e correntR, de'aniraaes. e prompto
para moor d'agna, como ja tem moido faliando
apenas um pequeno con:erto ao balde do acude,
que-ef rombou, e teu\. propor^oes pa^a safrejar
dous.iuil oaes de assucar, terid5 muftb boas terras'
de ma'ssapee' baTrbLafoareBo; tendo -tambem quasi
todo o terreno, coberto de mattas, dbunte da
ditos avtilsos, colfteresae metal mr'.condie*-' es{Ra'de -Unarires teguas; qnem o pretender,
rps para sala, jarros, guarda-orsmidas de
arame, tampas;para eobrir pratos, esteiraa
para forrar salas, lavatoribS; complotoi, ditos
simples, objectos para toilette, e outros i^nt-
tos-attlgos que muito devemagradar a todos*}
qtie visharem este grande estabelecimento
t-'ae se acha aberto de>de as 6 boras da ma-
iiha ate^ nH Uottls de> ftoute 6
[fttia do Bargo da 'Victoria n.
22.
dirija-se a casa dos Srs. Magalhaes Bastos &C-,
na vdla d.e Palmares, que receberao as ihfotma-
r$ei ne;essarias, com o proprletario do engenho.
Sill de tti Verde
I*To brigue franeet BrasQeiro, vendem Amorim
Irma'os & C, a tratar na rua da Crai n. 3.
Sedas a
Vende-se bonitas sedas
1|500.
deVindas
baratissimo preco de 1*500 ofcovado ; venbam a
ellas antes que se acabem, naT-ua do Dnque
Caxias n. 88, loja de Demetrio Bastos.
;ores palO
i a
de
Para padaria, vende-se um muito boiu : na ic-
do Amorim n. 33.
NURT1MENT0 ~
M E D \ CIN A
Prepar
I.anmamV K .r.l
para tai ;i i
toda a quali'. -o
do doein.as. q .er
seja na gargaiitt,
pcito ou L
Exprcs. :.
etcolhido
Iboresfiga Ua
quaes se x;r;.
o oleo no b*.
da Terra H
purificadochii
ralmenvo.e 5
valiU'V' 'iprr,
edsdes consrrv*
das com tod
cuidadn. pmiod">
o trasco. o garai
tn'l ati
.-
' .J.) t*U:
iil.mettjdv
- vme ma;
irero, |
inico de mais
talento, do go-
vernn liespiiifc'"-'
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a router
MAIOK l'ORCAO D'lODl^A
do que outro qualquer oleo, que die tem
examiaadd
IODINO E UMPODFR SALVADOR.
Em todo o oleo de Cgado de baralhao, e ne-
quelle no qual contem a maior pcrgio d'.a
invaJuavl proprjedade', e o uuico mcio part'
curar todas as dteu^as de
GAUGANTA, PEITO, BC.ES, F1GADO,
Pbtysica, bronchistes, asthma, catharrh;,
tosse, resfriamerrtos, etc.
Uos poueps fiascos d* cernes ao nyto
magro que seja, clarea a vista, e da Vigor
a todo o corpo. >"enhum outro artigo-'CO-
nhecido na mediciha ou sciencia, di Unto
nutimento aosystenw e incommodando^Ma
nada o estomago.
As pessoas cuja organisac,ao tem sido '
truida pelas affecc,des das
ESCROFULAS OC RHEUMA.TI&MO
e todas aquellas, cuja digestio se acha com-
pietameate desarranjada, devem tomar
OOLEO DEFIGADO DE 3ACALHAG
DE
LAiNMAN &KEM^
L
3
yw
m

-1*0>>.|
;j
1 #Ct.)
iim
u
5*03*
i
)-Jer i
ii i-
.


**
8
' OMo.de' Pernambuco Quaria felra 8^de Abril de Wi
YARIEDABE
QUEST AORELIGIOSA DA ALLEMAXHA-
Como em tempo disse.nos, bouve em Exe-
ter Hall (Inglaterra) urn meeting pntestante
em que foi applaud ida a conduct i do govern)
allemdo in quosida re igio-a Lord John
Russell deu cinia d'estu facto ao imperador
GuilbeTme, o qual accusou a recepgdo da
carta delorJ Russell nos s-guintes termos :
Querido lord Russell. Recobi a vossa
carta de S*J de Janeiro, contendo a num.-
ragdo das resolugo\'s'.a loptadas na assembles
de Londres e o .olatprbj do raeu emb ixador
sobre as deiiberacoes d'esta meeting. Agra-
dego vos estd eommuuicagao e agradego-vos
especialmaute os vssos sentimeutus de bem
querer pessoal que me exprirais.
0 deyer iucuinbe-me ser o guia do meu
povo ua luta empenhada ba seculos pelos
imperadores da Allemahha contra uin poder
cujia domiuagao ndo tern si do julgada com
pativel em nenbum paiz do nimido com a
liberJade e o be a (star das nagdes, poder
que, se- hoje fosse victorioso, poria em po-
rigo. nao so na A leiuanha, -mas em t >Ja a
parte, 6s beiielieios dado de conscience o a autoridade da lei.
Aceito a batalba que me e assim. imposts
noexercico dos meus devers de rei. com
uma fir ne confunga em Deus, que so digua-
rd dar-nos a victoria ; mas aceito-a tarn-
bom em attengdo as creogaide iutros e com
essa cjrcumspeccao evarige ica que os meus
antepassados e predecessors gravaram Das
leis e oa admiuUtrag&o dos meus e^tados.
dores de'Ciudad Rodri^o, Alcolea, Barbas- que foi multado em 300 francos, nor tar
tro e Puerto Rico. escripto contra o setanuario do marecbal
Prtmeira divado. Chefe, o general An- Mac-Mahon, que e* concebida nos segurates
dia. termos:
Primeira brigaia. -Chefe, o coronel de Psris, 11 de fevereiro Meu oaro Sr
Sevilla, Davan. Corpos: regimeotos de Se- Villa.Acabo de saber que o processo ins-
villa e de Cantabris. taurado contra v6s por delicto de iraprensa
S,gunda brigade. Chefe, o brigadeiro deu em resultado que fosseis condemnado a
S.igasU. Corpos: regimentos do Tetuafl e 300 fr now de multa, 0 jury pensou que
da Constiluigdo. tinheis excedilo os limites permittidos da
Segunda divisdo. .Chefe, 0 general Ca- discussio : ndo vos deveisadrairar, nem las-
ts la"n. timar. Quando a goveruo e forte e a so:
Primeira brigada.Cheie, 0 coronel de ciedade estd socegada, 0 jury leva a maior
(females, Molt6. Corpos : regimentos de parte das vezes muito longea sua indulgen-
Ramales e e oa&teUa cia para osataques dosjornaes; pelo con-
Segundu brigada Chefe, 0 coronel de trario, mostra-se inquieto, severo e repe-
Cuenca, Galindo. Corpos : urn batalhao do tidas vezes excessivo quanio os tempos sdo
r-'gimeuto de Zara^oga, outro do de Cuen- agitados e as instituigdes frageis ou con-
ca, outro do de Loao e out a do de Valen- testadts ; isso estd na natureza d'esta juris-
ci<*- dicgdo : a falta de seguranga pertuba 0 e
Stou.vno corpO.Ch"fe, 0 general D.' offusca 0.
Fernando Primo do Rivera ; chefe deestadoj Para 0 futurorespeitaimais 0 setanna-
maior 0 brigadeiro Terreros rio. S) eu 0 tivesse cojbecido antes de
Brigada da vanguard*.Chefe, 0 briga-' publicado, ter-vos hia mesmo aconselhaio a
deiro D. Jose" Chinchilla. Corpos; bata-Jque na0 desseis publicida le ao vosso artigo
Ihoes de cagadores das Navas e Estella, se- de 18 de Janeiro. Esto poder e temporario,
gun Jo batalhao do primeira regimento de J acontecimentos imprevistos e diversos podem
infauteria de marinha e um batalhao de Cas-i abreviar a sua duragao, a sua forga elimi-
tn-jnnn. tada, quasi ephemera, mas o partido irupe-
Primeira divisda.-^.hek, 0 marechal de rialista hm iuteresse em 0 sustentar e nao
compo \>. Raphael Serrano y Acebron. em 0 combater, porque elle reserva ao fu-
Ha poucos dias fizoram grdve ponJo as
vassouras aohombro es^uerdo e a mao di-
reita a a ilharga, protestando ao raes no tempo
nao voltarem a trabalhar, em quanto Ihes
nao fosse elevado 0 salario.
Em differan.es pontos da cidade procura-
ram 0 patrdo, porem nao 0 encontraram ;
ea autoridade intorvindo, poz lurmo&gre've,
posto reconhecesse que as desgragadas mu-
Iheres eram victimas do especulador, por
quanto, nko se forrando a trabalharem,
passam fome e supports a tola a sorte le
privacies.
com
10
Asoltimas inedidas tomadas pjlo meu
goveruo nao atlentaram de nenbum modo
oontra a igrpja romana on o livre exercicio
da sua'religiao dnpirte dos seus adeptos.
Cstasinedidas tiveram unicamente por li,n
dar A mdependeQcia da legislacflo do paiz
algumns das gi-antias que gozam ba muito
tempo outras regiOea, e que possuia antiga-
raente a Prussia, sem que a igreja romana
as tivesse por mcompativeis com 0 livre
oser.icio do seu culto.
Eu estava persuadido, e regosijo-me com
prova d'isso que me forneceis na vossa
carta, que as sympathjas do povo inglez nao
me faltariam n'esta luta, d'esse pov 1 com
0 quad o mfii e a minha casa real tem
lagos de intiina uniao, em cousequeucia da
recordavao de tantas lutas honrosas susten-
tadas em commum desde a epoca de (iui-
Iberme de Orange.
Pego-vV.s que communiqueis esta carta e
trans 111 ittais os meus agradecimentos a"s
pesso^s que assigiijram as resolucoes.
Sou sincerame.jte rosso, ulcGuil/ierme.
Derlin, 18 i.U fevereiro.
CAMIMIOS A AMERICANA.Vai ta.n-
fcem possuir a sua redo do caminhos A arae-
fiCina, a cidade de Caicuta.
Tambem em Paris brevernente funcciona-
rSo t'inta carruageus d'esse systema, cada
uma das quaes terd quatorze lugares d'entro
e outro igual numoro na imperial, tendo
duas plataf6rmas,. u-na avante e outra A
rectagnarda ; differeocando das nossas por
terem a mais os lugares de varanda ; o que
nao convmha nas nossas linass que teem
a veneer ram pas.
A ex;dorac,ao do caminho americano fran-
cez sera" por ora nos pontos mais afastados
do centro de Paris, fermiuanlo no Arco do
Triumpho.
EXERCITO LIBERAL NO NORTE DE UES-
PANHA.
As forf;as liberae* que compoem 0 exerci-
to que est! acampado nas cercanias cie Bil-
b'so est^ divididodo modo seguiire :
Genera! em chefeduque da Torre (Ser
ranoj.
Ch"1'- de estado maior generalD. Jjse
Loj -' 'ominguez.
Pi -,iko corpo.Chefe, 0 tenente gene
ral Antonio Lopez de Letona ; chefe
de ; 0 maior, brigadeiro Ruiz Dona.
B) i-j 1 la da vanguarda Chefe, 0 bri-
gadeiie Blanco. Corpos : batalhoes de caga-
Primeira brigada.Ch le-interino, 0 co
ron-.-l de Saboya, Faj rdo. Corpos: tegl
mentos de S Segunda brigada. Chefe, o brigadeiro blica- pedidas em
D. Adolpho Cortijo. Corpos-: regimentos de
Onloria e de Gerona.
Segunda diois&o. V.uek, o brigadeiro
D. Adolpho Morale* de ios Rio9.
Primeira brigade.Chefe ioteriuo, 0 eo-
ronel de Asturia, D. Henriqae Barg6j.
Corpos: regimento deAsturias, um batalhao
de Albuera, outro de Africa.
Segunda brigada. -Cbefe, 0 brigadeiro
D. Juan Tello-. Gorp&9: regimeatos de
Galliz.i edc S. Quintino.
Cada um dos cjrpos de exercito tern a
correspondents artilhera, eavallaria eenge-
nbeiros. As foryas affectaaao quartelgene
ral estao sob as immediatas oraens do briga
deiro Sanchez Mira.
tiro a expressdo dehnitiva da voutade Ba
croiial. Por isso eite nao besita em dar 0
seu apoio a I das asmediias de ordem pu-
seu
ARTILUER1A KRUPP. -Conprou
dinheiro do seu bjlsinho, a in id > sullao
da Tuiquia, trinla pegas da artilheria, na
fabrica Krujp, para oiL-recer a seu filho.
A encommenda foi ha pouco entregue.
Essasb>ccas de fogo, seguudo refere um
jorual francez, sao em tudo igu.es as em
pregadas pelos prussianos na ultima cam-
panha.
Diss^-se que ncs exercicios executados
pelos aitilheiros turcos, urea das pet;as re-
bentoft.
Russia.
I
EXERCITOS LA EUROPA- 0 effedwro
dos exercitos dos maiores estaalos da Europa,
immedistamente disponivel, 6 o-seguinte e
A Allemanba tern a sua disposigao....
559:5i0 hornens, 1:776 cantaoes; com utaa
reserva de 4i>0;830 homens e 306 per;as.
Aotodo 1,010:370 homens e2:C8* canhoes.
A Russia conta um exercito de 436 mil
homens com 1:312 canhoes e nms reserva
de 151 520 homens (incluindo-os cossaces
do Don, e 0 exrcito do Caucaso-j com 2->G
canhoes. Ao jtodo perto de 6ift:520-bo-
mens e 1:568 canhoes.
A Franca apresentaria um exercito do
427:3(0 homens com 1:728canbeese tuna
reserva de 106:250 homens com i32 ca-
nhoes. Total 533:530 homens e 2il6f>
canhoes.
nome a assembles.
Somente sente 0 nao ver 0 Sr. inarechai
Mac-Mahon melhor profegido na sua impar-
cialidade contra mesquiuhas iotrigss, sur-
das bos-'ilidades er ma escoiba de iuncciona
rios.
0 setanuario e* una trejua', nao 6 pre-
ciso que os partidos-o comv-ertam, eontra
sua vontade, em um biombo destinedo a
occultar ambiciosos dfcsignios ou culp^veis
tpaijoes.
Esta politica quottdiana abra^a um bo-
risonte muito restricto : n6s teaaos ode ver
de- levar mais longe as nossas-vistas e a nossa
solicitude. Kespeitemos, apoieraos as nossa
institutes rudimentares- e momentaneas,
nias- continuemos a procurer nas- Ii^des do-
direitt> publico moderno qual dero ser oi
governo delinitivo do psiz e sobre-que base
convem estabecedo para lhe assegurar a
grandma e a durarao n'esta democracia que
representa a Franks.
Sem contestaQao, 09- plebiscites que
constituiram 0 imperio nao foram d'errogi-
Jos por nenhum plebiscito bovo : ms um
appello direoto a.soberanic- naeional 6 ne-
cessario- para reparar os desastres causados
pela insurreirao ii 4 de seteeobro. !io dia
thega lo, haverd apenas em presenca duas
for mas de governo--::
A republica.
E imperio.
Os regimens in termed ios nao ousario
nunci a^frontar 0 veredictumdo paiz. Eo-
iao, estooconvencido, a burguczia arrepen-
dendo-se dos se us arrebata mentos, a a gran-
A Austria tern um jexercito de 327:100 de maioria dos eteitores accordarao restabe-
ho nens com 1:268 canhoes e onaa-reserva
de 125:35) homens e 338 canhfics. Ao-
todo 452:450 homens com 1:6Q&.canhoes.
A Italia conta um exercito da 228:80ft
homens, e 800 canhoes ; com uma reserva
de 67:100 homens e 240 caafe&es. Ao
todo 395:900 homens e 1.040 canhoes.
A Inglaterra tern um exercito de 71:8001
homens com 240 canhoes. Nao tern reserva
disponivel
Estes algarismos indicam 0 nuraero dos
combatentes que cads ns^ao poderia imme-
diate .nente chamar a fileira 00 que ja" laj
estao, sem fallar nas tropas necessarias para
as guardas e fortalezas.
Para isto ha dispouiveis ua. Allemanba
551:440 homens com 576 canhoes; na
Russia 723:050 homens e 576.canhoes, e
na Franca 482 mil homens e 360 canhoes.
CARTA DE MR. ROIUER,Mr. Rouher,
um dos mais importantes cbefe do partido
imperialist a, dirigio uma csrta ao director
do jorrwl A mi de I'Orize, de Clermont,
FOLHETIM.
LUCSECIA BOB&IA
VaiORUS OE SAT&NAZ
POR
l>. sasiuoolFernHndeiyCJomalez
QOINTA PARTE
LEONOR
VI
l>E COMO SB EXCONTtJSUM, EM FERRARA Al.-
GUXS DOS XOSSOS ANT1GOS COXUECIDOS.
[ContinuacSo do n. 91. )
Nao admira ; este senhor e ja volho
e 0 inverno vsi vigordso. Porem descance,
aquecerei a cama e depois accenderei 0 fo-
gao. Asseguro lhe que dentro de cinco
minutos estard a suar.
0 bravo sahio.
Michelotto encontrara por acaso em Fer-
rara, sem uccupscso, alguns dos seusanti-
gos sicarios e aproveitara-se d'elles.
Dous haviam sido destinados para o sar-
vico do Sr.' de Arnesteville e do seu fdho,
e cbamavam-se, um Andrea Spata, que
fdra 0 que abrira a porta, e 0 outro, que
nao conhecemos ainda. Lazaro Casca.
Os tres outros levara-os Michelotto para
sua casa.
Os cinco eram romanos, aventureiros,
q,..-, depois da morte de Cesar Borgia, ti-
nLaa servido a quern melhor Ihes pagava,
e quo, quando nao tinham a quem servir,
ml. pedir esmola nos caminhos, formando
um d'esses terriveis bandos de masnadieri
de que ja* temos fallado.
Bern ou mal fallavam francez e hespa-
ifiioi, 0 que era inutil, porque Paulo fallava
perfeitamente 0 italiano.
Agora que estamos s6s, meu tio,
disse Paulo, queira dizer-me quaes sio as
duas cousas que sedevem evitar para nao
ir parar aos calabougos subterraneos do
palacio ducal.
Fallar mal do grao-duque, e apaixo-
nar-sepela grS-duqueza.
' Ah 1 6 isso? Poissaiba que nao to-
nho que dizer mal do illustre Affouso d'Esto,
e emquanto a apaixonar-me, n3b ba peri-
go, porque estou jd apuxenado.
Cuidado com 0 que diz, meu sobri-
nho, nao conhece ainda a gra-duqueza, e 0
domonio mais tent,dor que tenho visto na
minha vida Agora, porem, descancem e
eu tenbo aiDda que dar uma boa caminha-
da para c&egar a minba casa. A noite esta
lecer 0 <-ne os- turaultos de- Paris derruba-
ram.
a CoHSsgrai-vos-pois mais-enargicamente
do que nunca a vossa obra.de publicist*:
tendes, para bem a deserapanhar, um ta-
lento experiinentado, uma inqubrantavel
fe politiea, uma. perfeita lealdade. A causa
da nppellacao para 0 povo tern feito imtaeo-
sos progxessos em Frauca a etta vos derera
progresos nao menos consideravais 00 de-
partamento do- Fay de Dome.
Nao separei*.nunca das- vossas discussoes
os interrescs da ordem dos da democracia 1
a alliancad'estes dous principios e necessa-
ria A boa direojao dos interesses sociaes.
0 sea duvorcio seria 0 preludio da mais
temivel' das guerras civis..
Acsitai, meu caro senbor, etc.-/iouAer.
GREVE.Km Liege as ruas sao varridas
por nrulheees, que ganham200 reis.por dia
e, segundo mo parece, trabalham por con-
ta de um especulador, quo arreraata a lim-
peza.
MAXIKESrC* IMPERIAL SOBRE 0 WJKVigo MILI-
TAR OKIGAT0RIO
Pela gratja de Deus, ndsAlesandre II,
imperador a autocrats de todas as Russias,
rei da Poloura, gra-duquo dt Finlandia,
etc.
t A todos os1 nossas fwis sub litos fay.e-
mos tb :r:
ec Na nossa constinte solicitude para as-
segurar o bem do* nosso imperio o de o do-
tar da m Ibores insiitui'joes, nao nos podia-
mos dis|*ensar da prestar attencao sobee o
molo'actual de proslag.ao do servico mili-
tary Sgundo a legislacdo ei vigor, esta
obrigigao pesava e\cl isivamente sobre a
classe- burgu'eza e catnpoueza, e uma par
le com leravel dos suoditos russos estava
livre de te dever, igualmente sagra lo para
todos. Este regimem, que n iseeu sob uma
ordem de cousas differenie, acha-se em de3-
accordo-com as conli.;oes actuaes do impe-
rio, e oio- corresponde de modo algum ob
exigenciaS- militaros da epoca. Os acoate-
icimentos- contamporaneos pravanam que a
sforfa d-js- estados nao consistc iwiicamente
o valor numerco do exercito, mas princi-
palmente nas'soas quaWades moraes e in
telectuaes, qye nao attingem o sea-uiais alto
grA> de desenvolvimento- senao quando a
defeza da patria se torna a obra commum.
da-nagao, quando todosr sem distinc^o dft
poti^ao a de classe, so unew para umpri-
manlo d'esta tsreta sagrada.
Tendo ju%ad indispensavel reformar
a organisagao das forgas militares do impe-
rio sobra as bases indicadas pela axparien-
ciado tempo, orienamos em 1870" ao mi-
nistro da guerra que elafcorasse algumas
propostas para um systema do recrutamen-
to aperfeicoado de nossos- exercitos, esten-
dendo a todas as classes da populagao a
obeigae&o do Aervigo miblar.
A promptidao dos nossos fieis- subditos
a saerificarem-se pela patria era> para nov
uma-segura garantia qtze-o nosso appello
teria echo sympathico era.todos os coragoes
russos. As nossas esperaugas aao foram
dVfraudadas Amussa valorosa nobreza e
as outras classes isentas do raeruraenlo
exprimiram aOsv por numerosas manifesta-
goes> a seu vivo desejo de partiatram com
reto da-naoao militar obrigat rio.
Acolheraos estas raanjfestaQoes com um
seatimento de orgulhosa satisiagao e uma
hurailde gratidao para com a Providencia
que-collocou. sob o nosso sceptro um povo
no qual amor da- patria s-a abnegagao
constituem o apanagio harelitario de todas
as-classes,, perpctuaadorse da geragao em
geragao.
Com.o fim de preparar sobre os prin-
cipios geraes indioados u;a novo regula-
mento para o serwigo militar, instiluio-se
um l commissao especial composta de mem-
bros tirados das dilTerontes adminstragoes e-
ma* e no quero que se faga mais tarde..
A deus.
E Michelotto sahio.
Em vao perguntou Paulo a Andrea e La*
zaro, onde Michelotto vivia.
Ndo sabemos, responderam elles, e
mcsino quando soubessemos n^o lh'odiria-
mos.
E se eu os desancasse para o saber ?
Nao ba perigo d'isso.
Porque ?
Porque nos .collocariamos a distan-
cia.
Eu avcriguarei onde. mora meu tio.
D'esse modo sim, nao seremos 116s
que lh'o digamos.
Dar lhes-hei o dinheiro que quize-
rem.
Obrigado, senhor; se aceitasse ros o
seu dinheiro, reoeberiamos de seu tio uma
paga que nao dese^araos*
Paulo teve de resignar-se a ndo saber on-
do vivia sua prima, por quem estava verda-
deiramente apaixonado.
Michelotto permaneceu igualmente in-
flexivel.
O Sr. de Arnesteville, como bem o dis-
sera, esteve tres dias de cama, para des-
cangar da viagem.
Aquelles tres dias empregou-os Paulo era
dar-se a couhecer em Ferrara, e por tal
modo o fez que, quando o velho Aarneste-
ville pedio e obteve de Alfonso d'Este uma
audiencia para lhe entregar uma carta do
rei de Franga, o grao-duque disse-lhe :
Sua m?gestade christianissima pede-
me que admitta ao meu servico um Qlho
do seu gentil-bomem o Sr. Jacques de Ar-
nesteville. E' por ventura este joven que
o acompanha seu filho, o cavalheiro Paulo
de Arnesteville, que 0 rei de Franca me re-
comraenda ? -
Sim, senhor, respondeu inclinando-se
o Sr. de Arnesteville.
Pois saiba que me deram muito mas
noticias de seu filho.
Mds noticias, meu senhor I Desespe-
ra-me isso... talvez seja um equivoco. Ha
tres dias apenas que cbogamos a Ferrara.
Pois n'esses ties dias, seu filho teve
jd dous duellos e um espancamento.
Mdos habitos de Paris 1 Estou deve-
ras consternado, meu senhor.
Ah I nao, replicou o grao-duque, eu
gosto muito de gente valente. -Coratudo,
m;ncebo, aconselho-lhe a prulencia ; e
oecessario tom.-r WtitiJy e/oque homens
assents a mao, para-flic livrar das queixas
da gra-duqueza.
Como lcxclarfiOU Paulo. Dar-se-ha
coso quo eu de^gostassa tdo cgregia senhora?
Sim, sacudindo hontem. o po ao seu
poefa favorito, o Sr. Pedro Benbo.
Eu ignoraraque esse senhor goaava,
do favor de su alteza ; foi insolente corai-
go porque lhe nao permitti que fallasse mal
do grande A-riosto, e eu castiguel-o.
Aqui entrenos, fez muito bem, disse
0 grao-duque, porque quem nao venera o
grande eagenho de Ariostokmerece ser tra
tado como um asno. Que .juer ? Invejas de
poetss. Hao de sempre fallar mal uns dos
outros. Aconselho-o, porem, a que ndo
tornea disputar com oSr. Pedro Bembo, e
que evite quanto possivel os duellos, por
que sentiria muito ter de o castigar.
Soffrerei quanto poder os insolentes,
para o ndo de.-gostar, meu senhor.
0 melhor serd fugir d'elles. Fica era
minha casa na qualidade de capitao da mi
nha gvarda. ou, para melhor dizer, da es-
colta que me acompanha quando saio do
palacio ou quando vou d guerra. Escoltara
tambem a gra-duqueza, a quem serd bom
que faga por agradar, para esquecer o es
pancamento do seu poeta favorito.
T- rminada a audiencia, o Sr. de Ames
teville e Paulo sabirara a passeio.
N'aquella tarde, recebeu Paulo a noraea-
gao de capitdo da escolta de homens de ar-
raas do grao-duque e da gra-duqueza, e
como tal tinba aposentos no palacio.
Paulo comprou um cavallo, um arnez e
armas convenientes, e foi viver para o cas-
tello ducal, onde lhe deram um excellente
aposento no segundo audar de uma torre,
mui proximo do lugar onde vivera n'outro
tempo Ariosto. ',
0 Sr. de Arnesteville ficara na casa da
Piazeta, servido por-Andrea e por Lazaro.
Um cozinheiro e duas mogas de limpeza
completavam o nuraero dos criados.
Paulo ia almogar, jantar e ceiar com seu
pai.
1 Durante a ceia acompanhava-os Miche-
! lotto, quo ia sempre raunido de uma raas-
jcara.. .
No primeiro dia, ou p ra melhor dizer,
na primeira noite en que Paulo devia dor-
mir no palacio, disse-lhe Michelotto :
Entao estds bem accommodado ?
Magnificamente, raeu tio ; os meus
aposentos sdo bem ventilados, e alem d'isso
! tenbo uma galeria com tres ou quatro
portas.
1 Essas portas podem servir para cousas
muito boas, como por exemplo para dar
entradaa duendes. Tens modo de duendes ?
Nao tei, porque nunca os vi.
i E quem babita mais no andar da torre
onde sao situadosos teus aposentos T
Ninguein miis.
0 teu apotenlo torn tapegarias ?
Riquissunas, deorigem ftemenga, eo
tectoe todo pintado edourado..
0 tecfc) irnporta pouco; ye so por
detraz das tapegarias ha algunaa. porta oocul-
ta. A grd- rem um aposento ?
Sim, raeu tio.
Provavelracnte foi hoje, porque hon-
tem nao roe disseste nada d'isso.
Foi hoje sim ; quin lo me apresentei
ao grao duque, completaraente armado,
para ver se lhe agradava o raeu arnez, que
> todo em lavores com filetesdecuro, disse-
me elle :
0 seu aspecto e o de um bizarro capi-
tdo ; mas como tera.de servir tambem a
grd-duqueza, qaaro aprasenta-Io a ella ;
venha comigo.
Oh I raarid i I raarido I exclamou Mi-
chelotto.
Pois e la, tio, a gra-duqueza parece-
rae uma dama muito severa.
S6 isso ?
E uma grande formosura, mas uma
formosura que tem um ndo sei que, que
irapoe medo.
Sim, o medo que impoe a serpente.
Affiango-lhu que se ndo' estivesse tdo
apaixonado por sua lilha, apaixonava me
pela grd-duqueza.
Cuidado, meu sobrinho, ndo nos de
0 desgosto de lhe verraos cortar a cabega.
Lucrecia Borgia e uma das mulheros mais
respeitavel e mais temivel que tenho conhe-
cido na minha vi la. E que succodeu na
audiencia da grd-diqueza ?
Quando lhe beijei a raao olhou-me
profundaraente, como se quizesse reconhe-
cer-me.
Ah I exclamou Michelotto.
0 Sr. de Arnesteville esoutava com pro-
funda attengao.
Tenho a certeza, disse Paulo, de que
a grd-duqueza me vio jd em alguma parte.
Onie diabo podia ella ter-te visto, se
a grd-duqueza ndo esteve nunca era Paris,
e t^nunca sahistes d'alli ?
Pois entdb, parego-me muito com al-
guma pessoa a quem a grd-duqueza conhe-
ceu m.ito.
Sim, pareces-te com tuamai.
-t- C >jt sua radi murmurou o Sr. de
Arnesteville.
lertamcnde, disse Michelotto, pois jd
se jsqueeeu, meu primo ? .
Ah 1 sim, sim, podeser.
o Sr. de Arnesteville ticou profunl.-
mente pensativo.
Minha senhora, disse o grdo-duque
a Lucrecia Borgia, continu u Paulo, e este
de outras pessoas que possuem conheci-
mentos especiaes. 0 regulamento elabo-
rado pela commissao e corrigido, depois de
profundo exame, pelo conselho do imperio,
responde inteiramente As nossas vistas.
Adoptando como principio fundamental que
a defeza do throno e da patria constitue o
dever sagrado de todo o sublito russo, este
regulamento chama d participagdo no servi-
go militar toJa a populagao masculiua sam
admittir nem resgato, nem substituigdo. A
accao d'esta nova lei nao serd extensiva i
populajdo cossaca, cujo servico militar estd
regulado d'um modo espacial, assim como a
algumas ragas strangeiras, ao Traoscauca-
so e a outras localidades afastadas desigua
d.is no ukase dirigido ao senado, para as
ques se promulgarao regulamentos espe-
ciaes. Salvo estas exoepgws e a'guroas
oxcepfdas temporanas notadas- uo ukse
aciraa mencionido, a populagao misculiita
imperio e do reino da Polouia que teuha
*
do
20 annos completos, serd subraetida a uma
tiragem a sorte, que deter.ainard cjuaes os
jovens obrigados ao servigo ellectivo e os
que d'ello ficara iseirtos.
Ainda qua un prazo da quinza annos
de servigo se fixa para os que forera encor-
poralos no exercito de terra, serao envia-
dos para os seus lares no fim de seis annos
e.mesmo ante* se se poder fazer, com obri-
gagdo de se apresentarera sob as bandeiras
ao appello unicamente Jo goveruo eii easo
de urgencia imperiosa.
Prazos partieulares de servijo se alFixa-
rao para a marinba e para as-tropis aquar-
teladas era certas lociliiades afastala*.
Quanto aos jovens que tiverem estudado nos-
estabelecinaeutos de educagao,. comprehen-
dejuu mesmo as esc&lis priraarias, a dura-
gdo da sua permanencia an exercit) era
tempo de p.z e notareimente reduzUa, se-
guuJi a-natovezi e ogrdo desua-instrucgao
e outras facilidadas importantes- Ihes sao re-
servadas.
>anccionn lo a lei' sobre o servigo mi-
litar obrigatorio, elaborado sobre as bases
acima meuci>a nossos subditosem ntmeda patria-ta> cara
pira o* nossos eoragoes, para os ehamar ao
cumprimento zeloso dos deveres q,ue Ihes
sdo impostos, na*j temos a< intengao-de nos
desviar dos principios que nos gutatara ia-
variavelraente durante t do o nosse reina-
d'o. Nco procuramos co:oo nao tinliamos
procurado at6 hoje, o brilbo da gloria mili
tar, e coasideranaos como melhor destina-
da a que nos 3 dlada pel* Providencia de
conduzir a Russia i'.grandaia pela via dos
progressos pacifkos e do desenvolviiaento
interior geral. A* organisa^ao de uma po-
tente forga arraadando poderia nem.'pjar
nem atrazar essa dasenvol vkoento ; pelo eon
trario servird de garantia. para a sua mar-
cha contmua e regular, affirmaadoa segu-
ranga do-estado e-prevemndo qualquer ten-
tativa contra a sna tranquillidade. Qjjanto
aos privilegios importances concelidos aos
jovens que recebesam instrocgdo, esperamos
que sera um novo raeio de espalbar no
seio do nosso pova as verdadeiras luzes nas
quaes vemos a fuudamento e o p6nhor do
uma fuiura felicidade.
Dado em S> Petersl-Jurgo no t. de
janeirc-do anno da graga de mil oitocen-
tos setenia e quatro e do nosso dec-mo uo-
no reinado.
Alexandre.
II
DECRETO DE S. 5i 0 IMPMUDOR A S. A. I. C
PUeSlDENTB OO CONSEtalO DO IMPERIO
Alteza imperial, um manifesto datad
de hoje promulga a introducgao era todo o
imperio do serarigo militar obrigatorio, do
quaLreconheci, a necessidade. O projecto
.d'esta nova lei foi acolbido cora. sympathia
geral, pelo pensaraento. do dever do todo o
lie!, subdito de cooperar para a,sagrada obra
da eonservagao e da defeza do. throno e da
patria ; tem por fim, d'uma parte p6r em
pratica este principio, cuja equidade e re-
GOnhecida,. e, de outre, fazer face ds'exigen-
cias da epoca pelo desenvotvimento de nos-
sas forcas militares, estabeieeendo a obriga-
gao do servigo sobre bases regulares. 0
estudo preparatorio d'esta questio foi con-
tiado a commisiOis especiaes Orgaoisadas
no ministerio da guerra, que elaboraram
um detalhido projecto de regulamento so-
bre o servico obrigatorio geral. Este vasto
e util trabalho, executado com eooscieocia,
foi submettido por minha ordem to eiaae
de uma assembles especial do conselho do
imperio, formada de raerabros designados
por mime por raim collocada sobre a pre-
sidencia de vossa alteza inpjrial.
Tendo eomplelamente seguido as deli
beragdes d'esta assemblea sobre uma ques
tdo que attrabta a minha particular atten-
rao pela sua gravidsde e pela jtdi lade que
eu esperava da sua ra-.ional decrsao, tenbo
satisfagdo era prestar justiga ao zelo irre-
preliensivel com qoe esta ass'-mWea insti-
tuila por mi n sob a presideucia de rossa
alteza imperial, penetrou o pensaraento in-
tirao das miiihas instrucgoes, e peusattra
era proeurar os meios proprios e pol-os era
pratica, cumprio a misse-j de que a eocar-
regou a minha confianca*. Esta trabalho,
submettido & apreciagdo do conselho do
imperio e definitivamente elaborado no seu
seio, sob a presidencia da vossa alteza im-
perial, foi julgalo por mini plenamente
conforme ao elevado fim para o qual tinba
sido emprehe dido.
Na direcgao dos debates sobre esta i n-
portants quesiao legislativa, na *emblej
especial do conselho do imperio, assim
co no no pleno conselho, e por seus cons-
umes esfergos de attiogir o lira quo eu ti-
nba indiaado, exam in in do todas as suas
faces nos tMversos iaei' de execm.ao, vossa
alteza irriperial dea- urn novo testeraooho
de seu zelo pelo meu ser igo e pelo da
patria Saaccionando b>>je o reguiameatC'
sobre o servioo mditar obrigatorio, experi-
raenJo uma sntisfajao particu'ar era expri-
rair A vossa alteza imperial o meu sincere
recoohecimeuto pelo concurso vaboso que
prestou a esta obra e que eu sempre encon-
trei tenho confiado trabalhos partieulares fdra
de vossos deveres regulares e que sempre
apreciei com reomhecimcoito e uma ternurr
frateroa.
f Da rado de su* raagestaJe impe-
i-ifil. )
Voeeo sinceramente atfeigoido irialo e
amigo.
Alexandre..
S- Petersbu rgo, 1 de- jaaeiro de 1874. a
MaV UM VAPOR M0N8TR0-Ltnadis
eompanhias de paquetes queviajara en'.re a
America e nglaterra, ialitulaia Cuna~d,
raandou construir um vapor, que jd fc
lancado 1 agua, as ditnensoes- do qual mos-
tram o immenso raovimento de passageiros
existente,.qnepede-tantos meios te transpor-
ts e de lote tdo extraordinapio.
0 -novo vapor, que recebeu a nome de
Bothnia,, raede 4->S pes da eomprimento
sobre 42' de largo e -36 de profundidade.
tOderd transportar 300 passageiros de-li*
classe e 800 de 2.'- A forca da machioa e
de 600 aavallos. Os-paioes-coateem 1,200
tottiladaede carvao. Quatro cobertas divi-
dem o kite ior. Q-s.ddo para o* passagai
ros-de fcv* classe, tem 41 pes quadrados.
Trezentas pessoas podem jantar ao mesov.-
tempo. No conves-ba repartiraento para o-
bemens. fumirem, e umasala para as-se-
nboras. se reunirera.
0 bar co estd prevenido de doze grand- -
e caleres para em case de perigo dar salva
men to aos passageiros.
A mesraa companbia estd f^zendo oens-
truir, por sua conta, e pera servigo da sua
exploragao, mais-tres vapores iguaes- a.
Bathnia.
MAIS CARDEAES.Dizem de Roma ao
Corriere Mercantile de Genevo, de que se
confirraa a noticia de que na proxima Pas
coa convocard sua santidade um novo con
sistorio, no qual serdo creados mais novt
cardoaes, entre os quaes dous estrange;
ros; os quaes slo, raonsenhor Manning,
bispo inglez e o arcebispo de Malines.
o cavalheiro francez que teve ha-dias uma
pcquoaa disputa com o Sr. Pedro. Be too.
Ah 1 foi o senhor ? dis^c sorri'ndo a
gra-duqueza.
Sim, minha senhora, respondi, fui
ea que live a desgraga de lhe causar um
desgosto maltrataodo um horaesa, a quem,
segundo dizem, estima muito.
Eu estimo sempre no quo valom ho-
mens taes como Pedro Bemba, replicou Lu-
crecia com inflexao singular.
Pois a minha quesiao com Pedro
Bembo foi por causa- de um homem que
vale muito mais do que elle.
Que homem ?
0 Sr. Ludovieo Ariosto.
Ao pronunciar eu este nome pareceu-me
uotar que Lucrecia estremecia ligeiramen-
te, e que me mirava com mais iusistencia
ainda.
Conhece o Ariosto ? perguntou-me
ella.
Ndo, minba senhora, mas oooheoo
o seu Orlando Furioso, e tenciono visita-
lo, visto que vive em Ferrara.
Bem esquecido de n6s outros, disse
o grao-duque dirigindo-se a Lucrecia.
Como se chama ? perguntou-me a
grd-duqueza.
Paulo de Arnesteville.
Tem mSi ?
Ndo, minha senhora, morreu ao
dar-rae d luz.
Sua mai era italiana ?
Ndo, minha senhora, era tran:eza.
E Pedro Bembo offendeu tdo grave-
mente Ariosto, que sa vio obrigado a toraar
a sua defeza ?
Sim, miuhasenhora : chamou-lhe
cortezdo, alulador, cobarde, porque se ndo]
atravera a fazer a carapanha coin o serenis-
simo grdo-Juque..
Oh I entdo fez bera ea o castigar,
disse com iuteresse a grd-duqueza ; o Arios-
to deve ser respeitado, e defendiio por
todos.
Bembo estd demasiadamente presum-
pgoso com os nossos fateres, accrescentou o
grdo-duque.
Pois poderd succeder que soffra
grandes desenganos, replicou Lucrecia. Sr.
de Arnesteville; -araauhd passo o dia em
Cento e p-epare-se para esciltar-rae.
Amaiihdpolf o: jk recebes uma da-
claragao la gra-duquezj, disse Michelotto.
Estd doudo, tio ?,
Porque 1 acaso vales tu raenos do qufc |
tautos outros por quem ella se tera apaixoAl
nido?
Isso seria uma grande Jesgraga para
mira, lisse Paulo.
Ndo sei como, replico i Michelotto:
o mais que poderia succeder-te seria que o
grdo-duque, sabendo-o, te mandasse para
um dos humidos calaboucos subterraneos
do castello ducal.
Se fosse s6 isso, pouco me importsva,
respondeu Paulo.
E que peior cousa podia acontecer-
te do que morrer secretamente ?
Que me recusasse a mao de sua li-
lha.
Tendo a grd-duqueza, para que que-
res tu minha filha ?
Sua lilha e para mini a vida, em-
quanto que a gra-duqueza seria quaodo.
muito um entretenimento ou um caprkbo.
Lucrecia, apez&r de ndoj ser muito
nova, e wrmosissima.
Leonere mais formosa.
- Tens razao, e natural que assim pen
ses, disse Michelotto ; alegro-rae com o
que me dizes, porque poderei submetter-te
a uma prova ; vereraos se es digne de que
te conceda miuha filha ; porem ougo o to-
que de recolher, proseguio Michelotto le-
vantando-se, adeus, sobrinho, adeus, pri-
mo.
Retira-se, meu charo de Bonoamp V "
perguntou n Sr. de Arnesteville, e eu que
queria fallar-lhe de um assumpto muito
imporlante.
Pois supponha que me fallou e que
jd lhe respondi ; nao e nada do que imagi-
na, Lucrecia ndo foi a parte alguma.
Bem, mas... aquelle cabello n'aquella
coroa.
Primo, primo, cuidado com os cala-
bougo subterraneos do castello ducal, disse
ferozmente Michelotto ; ndo confunda Fer-
rara c m Jerusalem, ndo deixe voir a iraa
ginagdo, prohibo-lh'o
De que estd fallando ? perguntou
Paulo.
De nada, sobrinho, de nada, da oou -
sas antigas e inuteis, ca de Lucrecia Borgia, que nada importam
e que podem ser perigosissimas. Adeus, e
jd tarde, aid amanHd ; depois me contards o
que te acontsceu escoltando Lucrecia a
Cento.
E Mic
/
elotlo sahio.
X
/
(Continua r-e-ha)
TYP. fi >
/
L
,' "
miB i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ED56KDNUZ_Q1P186 INGEST_TIME 2014-05-28T00:51:47Z PACKAGE AA00011611_17616
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES