Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17615


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1
I
1
ANNO L. NUHEitO 77
P1RA A CAPITAL E LUG ARES OADE NlO SB PAG A PORTE.
for tres mezes adiantados................ 6H>00
for seis ditos idem ....... &_
Por urn anno idem..... .". .' .... 849000
-Cada numero avulso *." "....... 9320
TERC* FEIRA 7 BE ABRIL DE *874
PARA l>EATRO K 1'UUA DA PROVLUCtA.
Por tres mezes adiantados. .#...... '
Por seis ditos idem ..............
Por oove ditos idem ..........
Por urn anno idem......'.........-
W750
l5oO
809350
879000

PROPRIEBADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA FILHOS.
t. St.. Gerardo Antonio Aires d Filhos, no Para; Goncalves d Pinto, no Marauhio; Joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Cearf; jntonio de Leruui Braga, no Iracatj 5 Joao Maria Julio Cnaves, n9 Assd; Antonio Marques da Silta, no flitd; Jose Justino
Pereira d'Almeida, em Mamauguape ; Carlos Auiencio Monteiro da Franca, aa Parahyba ; Antonio Jose Gomes, m filla da Penha; Be?rnino dos Santo. Bulcio, em Santo Antao ; Domingos Jose da Costa Braga, emHaxareth;
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Jo*o Antonio Machaeo, no Pilar das tfagdas ; lives d C, na Bahia ; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro. ^___________________^______
PARTE omCIAL.
Cioverno d provincia.
.EXPEDIENTS DO DIA 8 DE JANSIR) DE 1874.
1.' seccao,
Acto :
0 presidente di provincia, atteudenJo ao qua
csquereu Joaquim Facundo di* Castro e Silva, re-
vive coneeder-lhe licenci para ir ao presidio da
Fernando da Noronha, afim de tratar da neg-wio
da seu particular iai-jre-.se.'
Cfflcios:
Ao Exm. brigadairo commandante das ar-
mas.-Sirva-seV.EKc.de manlirpor em Inter-
dade os racrutas Antonio Joaquim das Virgms,
Joao Ferreira da Silva e Mtuoel de Freites Lamos,
visio seram iacapazos do servieo militar, segundo
tera datado, sob n. 10.
Ao masmo. -Maude V. Exc. aprcsentir ama
uai as 8 horas do dia na casa da datencio uma
forca sufflciente da I' Haiti para escltir ate o
presidio de Farnand > 18 sentenciad is di justica,
que tern da para alii seguir n) vapor da UK-
panhia peruambucana ; senlo que no caesdo For-
te do Maltos aehara a- lanchas precisas para o
triasporte.
Ao mesmo. -Sirva-se V. Exc. da reeommea-
dir tcrminanteraente aos chefes, com nind.iotes
ou encarregalos dos estabelecimeotos a estates
militaras a observancia, com urgen.:ia, d-i art. 99
d) regulamento annexo ao decrcto a. 5118, do 19
do outubro do 1372, qm Hies incumbe a orgim-
aacao e remessa, ao director do arsenal da guerra,
da'una nota de quantiJada e qaalidade d>s objec-
ted de que devem constar os raspeclivos foraeci-
maatos para o proximo semestre.
Ao meson.-Sirva-se V. Exc. da dar snas
ordens para qua araanha as 4 hiras da tarde se
ache postada no caes da rua da Aurora, em frente
a rua do Conde da Boa Vista, ami guarda para
fazer as hoaras devidas ao Exm. Dr. Antoni j dos
Passos Miranda, presideate nomeado para a pro-
viacia de Sergipe, por occaziao da seu cmbarque
para bordo do vapor Dantas, no qual tem de se-
guir a seu destino ; devendo a fortaleza do Brum
salvar quando o rdfoftdo vapor dejiandar a
barra. .
Ao mesmo.Pode V. Exc. dar o conveniente
dastino aos recrutas mencionados na relMU an-
aaxa ao seu olB;io de houtem datada, sob
n. to- ,
Ao mosmo.Oeferindo o reiuenmanto ao
Jose Finno da S'lva, autoriso V. Exc, de confor-
midade com sua informacSo da hontem datado, sob
n. 11, a mandal-o alisur no 2J batalhao da inian-
Ao inspector do arsenal de mirinaa. -Man-
da V. S. postar aminha as 8 horas do dia no caes
do Forte do Matte* as lanchas precisas para trans-
purtar para birdo no vapor da companhia per-
na. nando, 18 seotenciados dejustiga e as praeju que
os vao escolfando.
Ao capitao do port). Mande V. S. por era
lioardade os recruta* Joao Quiriiio dos Sautos o
Antonio Francisco Uchoa, visto sersm incapazes
do servico da arroaia, segundo declara em seu
offloio de 5 do corrente, sob n. 3; devendo quanto
ao ultimo proceder de conformidada com a requi-
sicio do Dr. cbefe de policia.
' Ao commandante do presidio de Feraaudo de
Noronha.Beceba Vine, nesse presidio, como de
termina o aviso circul.ir do ministerio da guerra,
de 26 de detemoro do anno passado, o reo Antonio,
escravo, condemnado a gales parpetuas, em virtu-
da de-commutacjio, com a clau-ula da cumpnr a
peua no mesmo pre-idio.
Ao engenheiro das obras unlilares.Bepre-
sentando o brigadairo coinmiuJaute das annas em
offlcia da hontem datado, sob u. 17, qua uma tra-
ve dacoxia em qua sa alojain a 1- e 2' compa-
ubias do 9' batalha> do infanlar.a se acha partida
e ameaci cahir, recommendo a Vine, que a man-
da subsutuir por outra nova.
Ao conselbo da compras do arsenal de guer-
ra. Ficam approvados os fornecmieutos qua, de
conformidada com as propistas ((ue juntas devol-
vo evieran anncxas ao seu offlcio da hontem da-
*ado, promoveu o consalho de compras em sessao
de 30 de dezembro ultimo.
2.*4ecf&0.
Actos:
0 prestdeote da provincia declara sera eileito
a porlaria de 89 da outubro pfoxiffl) passado, que
remove o bacbarel Joaquim Mauoel Vieira.de
Hello, proraolor publico da comarca da Boa-
Vista. '
0 presidente da provincia resolve remover
para a comarca da Boa-Vista o promotor publico
di comarca de Tacaratu, bacharel Joaquim Xavier
da Luna Miranda Gouto.
0 presidente da provincia resolve nomear
0 bacharel Estevao Carneiro Cavalcante Lacerda
promotor public) da comarca de Tacaratu; ficando
sem erTeito a sua nomaa;ao para adjnnlo lo pro-
motor publico da comarca da Escada.
0 presi 1 ante da provincia, attendendo ao que
reqaereu o alferes Agricio Bodolpho de Araujo
Lins, da 1' companhia do batalhao n. 39 da guarda
national do muaicipiodo Cabo, resolve, de confor-
midada com o disposto no art. 42 do decreto n.
1130, de 12 de marco de 1863, mandar que fique
aggregado ao batalhao n. 2i do da Escada.
0 presidentetia provincia, a vista do offlcio do
Or. chafe de policia, n. 16 de 3 do corrente, resol-
ve exouerar, a pedido, Alexandre Uchoa de (Jus-
mio do cargo de 1' supplente do subdelegado do
districto de Pimenteiras, do termo doBonito.
0 presidente da provincia, de conformidado com
a proposta do Dr. chafe de policia em offlcio n. 16,
de5 do corrente, resolve nomear o cidadao Pastor
Florencio da Carvalho Cmuto 1 supplente do sub-
delegado do districto de Pimenteiras, do termo do
Bonito.
Offlcios: -
Ao commandante superior da gaarua nacio-
tial da Boa-Vista.-Para que possa ter o conve-
niente destino a peticao do tenente coronel Ale-
xandre Magno Peixoto de Alencar^ precizo se fax
que iunte elle a sua patentea petigao que devolvo.
4irida ao governo imperial.
Ao commandante do corpo de policia. -Foae
Vmc. engajar, sendo idoneos, no corpo sob o sen
commando os paizanos Espiridiao Henrique de
Oliveira, Francisco Xavier do Naseimento, tote
Claudino de Albuquerque e Traoquilino de Paula
Oliveira, do; quaes trata o seu offlcio n. 2, de 2 do
corrente
.* seegao.
0S&QO9
__Ao inspector da thesounriade fazenda. Se-
uuado aviso d) ministerio Ja ju-tica, de 2) do mez
moxlmo pascal >, communici a V. S. quo por de-
letes ns. 5,301 e 5,502 de 17 do corrente fo.de-
claradp de 1* eutrancia a comarca de Bom Jardun,
craada ulUraamente nesia provincia ; sendo mar-
cado o venciraento annual de 1:4001000 ao res-
pective promotor publico.
Ao mesmo. Communieo a V. S. para os
devidos fins que nesta data foi wlieiuda do mi-
nisterirfda fazenda a conveniente ordem a8m de
ser habilitada essa thesouraria com a quantia de
200JOOO, importancia com que foi augmeniada a
ajada de custo de 3501003, abonada ao jniz mu-
nicipal e d'orphaos do termo de Cabrobo. bacharel
Jose de Carvalho Cesar.
Ao mesmo. Communieo a V. S. para os
jevidos (Ins que, segundo aviso do ministerio da
justica. de 26 do mez proximo passado, nesta data
foi solicitada rt> da fazendu a expa Ji;ao da conveni-
entos ordens aii n da quo seja indemnisada essa ttie-
sour.irii da ajuJi de euato de3:00>*000abonada
sob responsabilidade dasta presidencia ao desam-
bargador Jose Nicolao Bigueira Costa,que foi rerao-
vido para a relacio da Furlaleza.
Ac maimo. Alteudaodo ao que solicitou o
bacharel Antonio dos Passos Miranda, presidente
nonead) para a provincia da Sergipe, autoriso V.
S. a mandar sob responsabilidade desta presiden
cia abonar-lhe em dinnairo, como augmento da
tare; i parte, de que trata o regulamento de 4. de
outubro de 1871, as passagens a. que tivar direito
para si e sua familia, composta das pessoas con
stantes da inclusa relacao, assignada pelo secretario
interino dasta presidencia.
Ao mesrao. Ao capitao tenantaJose daCu-
nha Mareira, capitio do porlo nomeado para a pro-
vincia de Sergipe, mande V.S. abooar sob respon-
sabilidade desia presi lencia a importancia de sua
passagam deste port.) ao de Aracajii no vapor
Dantis da companhia bahiana.
Ao masmo. Transmitto a V. S, para os
devidos Has, qs decretos juntos de nomeaijio dos
juizes de direito das comarcas de Bom Jardim e
Ourieurv
Ao" mesmo. Tenlo approvado nesta data
os fjrneeimeatos que, sogunlo a acta junta por
copia. promoveu o conselno de compras do arse
nil At gUbrra, em sessao de 21 da dezembro ulti-
mo, de varies artigos para provimento do respec-
tivo almoxirifado : assim o communieo a V. S.
para os fins convenientes. "
Ao mesmo. Declaro a V. S., para os fins
convenientes, que nesta data antorisei o engenhei-
ro das obras mililares a mandar substituir por
outra nova um trave da casa em que se alojain
a 1" e 2' com^anhias do 9' batalhao de iofantaria,
a qual acha-se partida e araeaca cahir ; segundo
represent ra-me o brigadeiro commandante das
annas em offlcio de hontem datado, sob n. 17.
Ao mesmo. A* vista do pedido junto, feito
pelo almoxanle do hospital mdilar, mande V. S.
abonar a qnantia de 3004000 para occorrer as
desp-'zas miudas daquelle estabelecimauto no cor-
rente semestre.
Ao mesmo. Tendo nesta data approvado o
t'ornecimento qua, segundo a acta junta por copia,
promoveu o conselh > de compras do arsenal de
gnerra, em sessao do 30 de dezembro proximo
Undo, para provimento do respective almoraxifado;
assim o communtco a V. S. para os fins conveni-
entes.
Ao mesmo. Communieo a V. S. para os
devidos fins que a 5 do corrente enlrou o bacharel
Joao Francisco da Silva Braga, iuiz de direito da
comarca do Itambe, nogozo ua liceaea que Ihe foi
cence lida a 2 do corrente.
Ao mesmo. Transmitto a V. S. para os
devidos fins as duas inclusas ord?ns, sendo uma
do thesouro nacional, sob n. 230, o.Htra do minis-
terio da guerra, datada de 29 de dezembro do
anno proximo passado ; o bera assim oito em du-
plicata, do ajuaante general, n. 989 a 996.
Ao mesmo. Communieo a V. S. para os
devidos tins que a 20 do mez proximo passado
.'Kiumiu o ix.'.rcie\o de provedor de capellas e
residuos desta capital o bacaarel Barlo Cavalcante
do Bago Albuquerque, como 2 supplente do res-
pective substitute. .
Ao inspector da thesouraria provincial.
Mande Vine, pagar a importancia do pret junto
em duplieata.Tom a respectiva relacao de mosira,
dos vencimentos da escolta qne conduzio do mu-
nicipio do Bonito para esta capital di versos presos ;
como solicrta o respective commandante superior
em olfieio de 28 de dezembro do anno findo.
Ao mesmo. Providencie Vmc. para que
soj i quanto antes substituido por outro o caldeirio
em qua se prepara a comida dos presos pebres da
casa de deten<;ao.
Ao mesmo, Mande Vine, entregar ao
thesoureiro da reparticao das obras publicas a
quantia de 150J0O0. par que foi ajustada a indem-
msacao a Antonio Baptista de Carvalho de uma
casa sua, que deve ser demolida para dr passa-
gem ao 3 lanco da estrada da Goianna a Pedras
de Fogo ; como solicitou o respective engenheiro
chefa em offlcio de hontem datado, sob n. o.
Ao mesmo. Mande Vmc. pagar a impor-
tancia dos prets juntos em duplicate das pracas
destacadas na vill-de Serinhaem, relativa ao mez
de dezembro do anno Undo; como solicita o respec-
tivo commandante superior em offlcio de 3 do
mesmo mez.
4' secrao.
Acto: .
0 presidente da provincia. attendendo ao que
requereu Aureliano Mamoie Cordeiro, professor
Sublico da cadeira de inslrucjao primaria da villa
e Garanhuns, e tendo era vista o attested-) medi-
co por elle exhibido, resolve eonceder-lhe tres
mezes de licenca, com vencimentos na forma da
lei, para tratar de sua sadde.
Omcio3 : ...
Ao director geral da instruccao pubhea.
Achando-se ainda nesta cidade o professor publico
da povoacao da Maniacaia, do Brejo da Madre
Deus, Manoel Gregorio Vieira'Lima, haia Vrac.de
inandar proceder contra elle nos terraos da lei n.
369, de 14 de tnaio de 1855, visto continuar esse
professor a ester fora de sna cadeira sem li-
cenca. .
Ao eommissario vaccinador provincial.
Para salisfazer a requisicao que me fez o Dr. chefe
de policia em offlcio do 7 do corrente, sob n. 25,
cumpre que Vmc. remetta a secretaria desta pre-
sideucia, com enderego ao subdelegado do distric-
to de Capoeiras, do termo do Bonito, algumas la-
minas de pus vaccinico, .visto estar alii grassando
a variola.
Porterias :
A' lllm. camara municipal do Becife. Con-
suite a lllm. camara do Becife, era offlcio de 17 de
dezembro ultimo, n. 126, si e o Jolt de paz ou o
juiz do civel a autoridade coinpetante, a que se
refere o art. 52 das potturas decretadas pela lei
n. 1,129, da 26 de junho do anno passado, relati-
varaente aos bens de evento apprenendidos palos
agentes municipaes. Em resposta tenho a dizer
qne a autoridade a quern devein ser levados taes
bens e o juiz privativo de capellas e residuos, era
vista do artigo i* do regulamento provincial, de
10 de agosto de 1858, e artigos 44 e 45 do regu-
laraente baixado com o decreto n. 160, de 9 de
maio de 1842, combinad&s com o artigo I* da lei
n. 2,033, de 20 de seterabro. de 1871.
A' caraara m raicipal de villa de Gamelleira.
Desejando o governo geral, segundo me foi
eomraunicado em aviso circular do ministerio dos
negocios da fazenla, de t8 de outubro ulttno,
colher dados eslatisticoi e pareceres de pessoas
competcntes por sen erileno, illu3tracao on x-
periencia, sobre o e.-tado da granda e da pequeua
lavotira do imperio e causas de sua prospendada
on decadencia, recommendo a camara municipal
da villa de Gamelleira que, com toda urgencia,
preste os necessarios esclarecimentos acercadesse
iiriportente e coraplexo assurapto, afim de que
possa esta presidencia satisfazer era tempo o pen-
samento do mesrao governo.
Ch>ma o governo imperial especialraente a mi-
nha attenoio parao moviraento aseendenteou des-
cettdente que tenha havido na prodacQio annual,
seus precos correntes, uxas dos jnros e mais con-
dicdes dos emprestimos feitos a lavoura ; bem
como para a possibilidade da creacio de estabele-
cimentos de credito que a auxiliem para a im-
nottencia da divida hypothecaria de que se acha
Xn.rrxia > fiaalraente para a innoencia dos im-
,'^'S
s geraes, provinciaes e .municipaes sob re as
diversas Inlustrias exploradas na provincia,
sobre lodos estes pontos deseja colher os compe-
te utas esclarecimentos. Aproveite .a opportu-
nidade para declarar a canara rainieipal da villa
da Gamalleira qna o gover io imperial considerara,
como sorvi;o relevanta, a piVutacaj da taes escla-
recimentos.
- Igual a caraara municipal da villa de Ja-
bo atao.
6.' leeway.
Porlarias :
Os Srs. agentes da companhia brasileira de
navegagao a vapor raandera dar passagem para a
corte, por conta do ministerio da guerra, no vapor
Cruzeiro do Sul, esperado do aorta, ao 1* sariteu
to Jiao Domingues Pimentel, que foi trinrfarido
do 9' para o 3" bitalhao de infantaria.
Os Srs. agentes da companhia brasileira do
navegagao a vapor mandem transporter a corte
por conta do ministerio da guerra. no vapor Cru-
zeiro do Sal, proed-jntj do njrte, os recrateS des
tinados ao exercito, maacionadas na inclusa rela-
cao n iminal.
Rela^So a qiK se refere a portaria supra : -
Antonio Jo*6 de Figueiredo, Antonio Joaquim da
Silva, Bertho Ferraira Biposo, Doming is Jose
Francisco. Felismino d'Assumpcao e Silva, J>se
Gregorio da Silva, Jose Joiquim Ferreira, Jose
Joaquira de Sant'Anaa, Manoel Joaquim de Luna,
Manoel Ludgero de Sonza Cavalcante, Tranquili-
no do Espiriw Santo e Vicente Ferreira dos San-
tos.
0 Sr. gerente da companhia peruambucana
mande dar passagem para o presidio de Fornando
de Noronha no vapor Giquia, por coata do minis-
terio da guerra, ao ten ante coronel de corpo de
engenheiros, Sebastiao Jose Basilio Pyrrho, e bera
assim conduzir para alii a respectiva bagagem.
0 Sr. gerente da companhia pornamoucana
faca transporter ao presidio de Fernando de Noro-
nha," por conta do ministerio da guerra, no vapor
Giqu'id, 0 soldado sentenciado do 9" batalbao de
infantaria, Caetano Jose Pereira, e bem assira sua
mulher e urn fllho menor.
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande transporter ao presidio da Fernando no
vapor Giquid. por conta d ministerio da guerra,
o 2 sargento do 8 batalhai de infantaria, Manoel
Ferreira da Silva, e bem assira o sentenciado mi-
liter, Caetano Pereira da Silva, sua mulher e urn
filho menor.
0 Sr. gerente da jompanhia pernambuca-
na faca transporter ao presidio de Fernaudo de
Noronha, por conta do ministerio da gnorra, no
vapor Giquid, a 12 pracas do V batalhao de in-
fantaria, que vao esoltand) sentenciaJ >s railita-
res, desliaados ao mesmo presidio
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande dar passagem ate o presi lio de Fernaodo
de Noronha, no vapor que para alii tem de se-
guir araanha, a Martha Maria da Malta, e bem as-
dim -a mill din lilli i ni.iM.ir *'.t'iisl'ii ilii
jt Ao presidente do conselho de revisao de qua-
liflaagio da guarda nacional da Escada.-0 Exm.
Sr. presideate da provincia nunda accusar o rece-
biawto do offlcio de V. S., da 't dn corrente, a.n
us participa ter encerralo os trabalhos do con-
s'elfco da revisao da qualifhacao di guard i nacio-
nal do municipio da Escada.
Ac juiz de diraito da coin ire i da Tacaratu.
0 Exm. Sr. presidente da provincia raanda de-
ciarar a V. S., para os devidos fins, qua por por-
teria la hoje foi removido para ?. comarca da Itoa-
Vista o promotor publico da de Tacaratu, bacha-
rel Joaquim Xavier de Luna Miranda Couto, e no-
meado para o substituir o bacharel Estevao Car-
neiro Cavalcante de Lacerda.
A) juiz de direito da Boa-Viste 0 Exm. Sr.
presidente da provincia manda dec'arar a V. S.
qua p publico da de Tacaratu, bacharel Jjaquim.Xavier
de Luna Miranda Couto ; ficando som-effort > a no-
meaclo do bacharel Joaquim Mauoel Vieira de
Mellopata o dito cargo.
Ao kacharel Joaquim Xavier de Luna Miran-
da Couto. -Por esta secretaria se participa ao Sr.
bacharel Joaquim Xivier de Luna Miranda Couto,
prom itor publico da comarca de Tacaratu, que
por porteria de hoje foi S. S. removido para igual
cargo na de Boa-Vista.
Igual jo bacharel Estevao Carneiro Caval-
cante Lacerda.
Ao bacharel Dario Cavalcante do Bago Albu-
Suerque. -0 Exm. Sr. presidente da provineja man-
a accusar o recebimente do offlcio de V. S., de 20
do mez proximo passado, em que participa ter as
stimide o exercicio do cargo da provedori* de ca-
pellas e residuos desta capital, como 2* supplente.
5.' secfao.
Offlcios:
Ao e-Htanheiro chefe da reparticao das obras
publicas.S Exm. o Sr. presidente da provincia
raanda declarar a V. S., para seu conhecimento e
era resposta ao seu offlcio de hontem datado, sob.
n. 5, que fleam expadidas as convenientes ordens
a thesouraria provincial, aflm de ser entregueao
thesourairo dessa repartigio a quantia da 150*000
para occorrer a demolicao referida em seu citado
offlcio. ., .
Aos agentes da companhia brasileira de na-
vegacao a vapor.-S Exco Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar recebido o ofticio de Vv.
Ss., de hoje da'ado, cummuoicande a chegada do
vapor Bahia, dessa companhia, procedente do sul,
e bera assim a sua partida amtnha as 5 horas da
terde para o norle; do que tudo fisa inteirado.
Aos agentes da companhia bahiana de nave-
gacao a vapor. S. Etc. o Sr. presidente da pro-
vincia manda accusar recebido o offlcio de V v. Ss.,
de hontem datado, communicando a partida do
vapor Dtinlas, dessa companhia, para a Bahia, pe-
los portos de su. eseala, araanha as 4 horas da
tarde ; do que flea inteirado.
sira a uma sua lilha menor, familia do santencia-
do Gil da Matta ; correndo essa despeza por con-
ta da mesraa Martha.
0 Sr. gerente da companhia pernambucana
mande receber e transp irtar para o presidio de
Fernando de Noronha, por conta do miniatorio j
guerra, os oDjectos consiautes da relacao junta por
copia, comprados pelo corrector geral Francisco
de Miranda Leal Seve por conta da fazenda na-
cional.
EXPEDIENTS DO SEC'.tETARIO.
1.' seer do.
Offl:ios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das at
mas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia ten-
do providenciado para que se de transporte ate o
presidio de Fernando de Noronha, no vapor Giquid
ao tenente-coronel Sebastiao Jose Basilio Pyrrho,
e a respectiva bagagem, e bem assim ao senten
ciauo militar Caetano Jose Pereira : assim o
manda communicar a V'. Exc, em resposta ao
seu offlcio de hontem datado, sob n. 12.
Ao mesmo.-S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda responler ao offlcio de V. Exc,
de hontem datado, sob n. 9, declarando-lhe que
licam expedidas as necessarias ordens para ser
transportado a cOrte no vapor Cruzeiro do Sul, o
1 sargento Joio Domingues Pinmentel.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, respondo ao offlcio de V. Exc.
de hontem datado, sob n. 14, declarando qua se
autonsou i thesouraria de fazonda, a aDonarao
clmoxarife do hospital militar, a quantia de 300
para occorrer as despezas miudas daquelle esta-
lecimeato no corrente semestre.
Ao mesmo. -S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, tendo autonsado 0 fornecimeato dos artigos
pedidos pelos commanJantes da Fortaleza do Brum
e do deposito de recrutas.; assim o manda commu-
nicar a V. Exc, em resposta aos seus offlcios de
hontem datados, sob ns 13 e 16.
Ao mesmo.S. Exco Sr. presidente da pro-
vincia, mand i communicar a V. Exc que nesta
data concedeu ao recruta Jose Feliciano da Silva
o praso de 15 dias para provar isencao legal.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr presidente da pro-
vincia manda declarar a V. Exc, era resposta aos
seus offlcios desta date, sob ns. 22 e 2i, que fica
providenciado no sentida de screm transportadas
ao presidio.de Fernando, no vapor Gequid, as pra-
cas de qne tratam os citados offlcios.
Ao director do arsenal de guerra. S. Exc.
o Sr. presidente da provincia, tendo providenciado
no sentido de serem reraettidas a essa directoria
as notes a vista das quaes tem de forraular o or-
caraeuio de que trata o art. 99 do regularaento de
19 de outubro de 1872; assira o manda communi-
car a V. S., em resposta ao seu offlcio de 5 do cor-
rente, sob n. 556.
2.' secgao.
Offlcios :
Ao Dr chefe de policia. 0 Exm. Sr. presi-
dente da provineia manda declarar a V. S. que
nesta data se expediram as convenientes ordens no
sentido de que trata o sea olfieio n. 32, de hoje da-
tado.
Ao mesmo. 0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda declarar a V. S. que foi expedida a
conveniente ordem no sentido de que trata o seu
offlcio n. 18, de 5 do corrente.
Ao mesmo. De ordera de S. Exc. o Sr. pre
sidente da provincia, transmitto a V. S. o litulo
junto de nomeagao de 1 supplente do subdelega-
do do districto de Pimenteiras, no termo do Bo-
nito.
Ao commandante superior interino de Seri-
nhaem. De ordera de S. Exc. o Sr. presidente da
provincia, communieo a V. S. que deu-te ordera a
thesouraria provincial para pagar a .importancia
dos prets de que trata o olflcio de V.,S., datado de
3 de dezembro do anno findo.
Ao commandante superior de S. Antao. 0
Exoi. Sr. presilente di provincia manda deolarar
a V. >., para oi devidos iin, qua pur oortam da
Boje foi mandado aggregar ao batalhao n. 24 de
iul'anteria do municipio da Escada o alferes Agri-
sio Bodolpho de Araujo Lins, de qne trata o sea
offlcio de 30 do mez proximo passado.
Ao commandante superior do Bonito. De or-
dem de S. Exc o Sr. presidente da provincia, com-
munieo a V. S. qne da-ie ordem 4 thesouraria
provincial para pagar a importancia do pret a qua
se refere o offlcio desse commando superior, da 28
de dezemb'o do anno findo.
Ao Dr. Joio Francisco da Silva Braga. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda accusar
o reeebiinento do offlcio de V. S., de 8 do eorren
HOW U PBESIDBNGIA, DO DIA 4 DE ABBIL
DE 1874.
Alvaro Conr.-do Ferreira de Aguiar. Detendo
com offlcio desta data a thesouraria provincial.
Tenentecorrael Antonio Francisco de Souza
Cumpanhia Ferro Carril da Pernambuco.In-
forme o Sr. engenheiro fiscal. .
Tenente-coroner Frederico Velloso da Silveira.
Forneca se.
0 mesmo Forneca-se.
Hygino Jose Coelho.Forneca-se.
0 mesmo.Forneca-se.
Jacob Debs d Jerusalem.inciefendo.
Josd Manoel Cavalcante de Almeida. Informe
o Sr. inspector da thesouraria de fazenda.
Coronel Jose Maria lllefonso Jacoma da \ eiga
Pessoa e Mello. -Forneca se.
Jomna Evangelist das Mercas Lima. Ao br.
director da instruccao publica para dafenr, nos
termo* de sua informacao de 31 de marco ultimo,
sob n. 111. __ ,
Lauriana Maria Bamo?.-Ao Sr. director geral
da .nstnr.cao publica'pari deferir, nos MWHde
sua informacao de 21 de marco ultimo, sob p. 111.
fornecida por um apparel ho diolrico de5" ordem :
a casa e a torre sao brancas, e a laoterna cinzenta-
a Era Villa Vicesa cahio um raio sobre a torre
da matrix, causando grande estrago, principalmen
te na coberta do corpo da igreja, que abateu com-
pletamente.
Nas diversas estacoos fiscaes desta provincia
foram dados a matricula 30,295 escravos, sendo
no Aracaty 1,399; Acaracu 474. Granja 1,339,
Aquiraz 486, Baturite 937, Barbalha 798, Cascavel
868, Caninde 625, Crato 1,018. Iinperatriz 4.018,
lco 832, Ipd 833, Jardim 703, Lavras 835,
Maria Pereira 608, Maranguape 939, Pereiro
528, Sobral 2,513,Saboeiro. 1,302 Sam'Anna 113,
S Matheus 556, S. Bernardo 2,209, S. Francisco
466, S. Joao do Principe 2,196, Santa Qditeria 930,
Tamb: ril 723, Qiixeraraobim 2,187, Jaguaribe
raerim 1,648, Paracurii 190.
SexU-faira 27 do corrente sahio em procissao
o Sanhor dos Passos, qua foi na noila antecedeote
depositado na ig eja a> Bosario. 0 acto que foi
muito coacorrido e acompanhado pelas primeiras
autoridades da provincia, sobresahio pela boa or-
dem e reve encia que se observou era todo o Ira-
jo :t) da procissao.
Era Maranguape; no districto da Cruz, deu-se
ultimamente um facto horroroso que por infelici
dade nao e o pricneiro qus aqui succede desta na-
tureza.
Um tal Francisco de Arauio Camara, alia noi-
te procurou a casa de um seu couhecido para per-
noitar. 0 dono da casa, que e um pobre homem,
sahio para ir pedir a um vizinho uma rede em
que melhor agasalhasse aquelle que lhe pedia hos-
pedagera. Aproveitand) a occasiao o hospedepro-
cura violentar a mulher do dono da casa, a qual
foge em busca do marilo, dcixando uma filhinha
da pouco mais de dou> auius da idade dormindo
em um quarto : entao, o monstro vendo escapar-
Ihe a preza, sem o menor reraorso, sacia a sua
damnada paixJo na inaocentinhn, deixando-a n'ura
estadt) tlo lastimavel que falleceu djus dias de-
pois! I
t Este raonstro, verdadeira aborratjao da natu-
reza, foi preso eesta soudi processado.
No Paracurii, foi assassinada D. Paulina Bar-
roso Ponies por seu raarido Liberate Barros .
Para essa localidade seguio o major1 do corpo de
policia com 19 .pracas, afim de proceder a captu-
ra do criminoso e o mais que o caso exige.
c A via ferrea de Baturite na semana liu-la ren-
deu a quantia de 242^000.
BHt GRANDE.
Lemos no Mossoroense :
Na tarde do dia 12 de marco, achando-se o
ar sombrio e pesada a atraosphara, passou das nu-
vens para terra sobre esta cidade nma treraenla
descarga electrica, acompaihada de medonhoe
horrivel estempido, qne poz a toda a populacao
transida de susto e de pavor.
Soube-se afitto pela afuuencia do povo que se
dirigio immediataraente para uma casa em cons-
truccao ; que uma faisca electrica descambando
sobre o tecte desse edificio, pro.duzira alguns es-
tragos nas paredes e madeiras, deixando por terra,
como fulmlnados, dous operanos e algumas pes-
soas das casas circumvizinhas.
Felizmente acudindo-se comin remotes soccor-
ros, que iizeram logo voitar a vioa toun essas pes-
soas, prostadas apenas pelo assombrameuto do raio,
nao houve desgracas a lamontar.
PARAHYBA.
Nada occorreu digno de mencio.
ASSEMBLfiA PROVINCIAL
SESSAO- ORDINAKIA EM 26 DE MARCO.
PRESIDENCIA DO SB. FERREIRA DE AGIIAR .
Ao raeio dia, feite a chamada, e achando-se pre-
scntes os Srs. : Gaspar de Drumraond, Manoel do
Bego, Domingos Pinto, Alipio Cosia, Balis e silva,
Ernesto .Vieira, Lacerda, Dario Cavalcante. Auto-
dm
nos
timo.
Luigero Teixeira Copes,
tos e salisfeitas as forraalidades legaes
Maria Candida de Figueiredo.-Ao Sr. director
geral da instruccao publica para deferir, nos ter-
raos de sua informacao de 31 de marco ultimo,
Manoel Antonio Ferreira Braga.-ludeferido, em
vista da informacao do director da instruccao pu-
blica. ,, ..
Manoel Florencio da" Moraes Peres.-Ao.br. ai-
rector geral da instruccao publica para detenr,
nos termos de sna informaQJo ds 31 de marco ul-
timo, sob n. Ill- ... m..
Miguel de Queiroz c Amaral.-Bevalidado o sel-
Ho da ultima folha do exame de sufflciencia, volte,
querendo. ,. -
Capitao Pedro do Bego Chavcs.-De-se.
Bavrauodo Florentino dos Santos. Revalidado
o sell'o da peticao a Sua Magestade Imperial, volte,
querendo.
----------
DURLUDEPERNcittBIJOU
datas : do Ceara
do Bio Grande ate 4 e da Para-
onerada, e fiaalraente para
RECIFE, 7 DE- ABRIL DE 1874.
\ulieirt* do uorte do imporio.
Amanheceu hontera em nosso porto o vapor
brasileiro Pirapama, trazendo
ate 30 do marco, do Bio Grandi
hyba ate 3 do corrente.
CEAllA.
Nosso correspondente da capital diz o se-
8Ta administracjto do Exra. Sr. Dr. Teixeira de
Sa, que foi respeitada pela opposicao em quanto
elle aqui esteve, nao o tem sido depois que voltou
a essa provincia.
e Os dous orgaos da opposicao, como que com-
binados, no primeiro nuraero publicado depois do
embarque de S. Exc censuram-n'o atrozmente que
mais parece lesejo de offender a pessoa que ao
administrador.
a ladague-se, porem, dacausi que motivou tan-
ta indignacao, e ver-se-ha, na deflciencia de outra,
ser isoladamente o facto da ter S.Exc ordenado a
indemnisacao de uma quantia, pouco maior ae
dous contos, feitt a uma senhora viuva em virtu-
de de estragos que soffreu era terreaos de sua
propriedade pela passagem da estrada da Pacatu-
M, Cuja inderanisacao foi anlorisada mais de uma
vez pela asaerablea provincial e sanccionada tinal-
raeute pelo entao presidente Oliveira Maciel. E foi
ste act) da incmtestavel justicaque exacerbou as
iras da opposicao, fazenlo-a nsquecer n-um mo-
raeiite tentas -bo u inspirafle* qua coaceteu a
S. Exc, e atlacaodo-o pelas oostes como o inimigo
vil e pequenino.
t E" celebre : e o certo e que se nao teem en-
contraio este rndtira para levanlar a grita, gnta-
riam tempre, etnbora sob o fandamento de que S.
Exc. nao tinha pkysionomia prtsideneial
t 0 pnarol do Aracaty, que acaba de ser cons-
truido e ja se acha fnnccionando, esta edificado no
pontal de sotavento da barra ao rio Jaguaribe, em
uma barranca ver.nelha naaHura da 31 metros.
Long. 5* SI 1Q'1 &R.J. Aaltura
o reeebiinento do oincio de v. s., ae 5 ao eorren- Ut. 4* 24' 5" S. uubs. -v ^v,".;r l"ir
te, em que participa ter eotrado no gozo da \\m- a ^rre 6 de 90 n^tros, ,%" d! *u
ca que foi-lbe coqeedida a 2 do corrente. mf>s aciraa do BOFisoqte. A luz e branca, pxa.
Bego, Olympio Marques, Gomes Parente, Travas-
so do Arruda, Nascimento Portella, Tibumo de
Magalhaes, Goncalves Ferreira e Amaral, fallando
os Srs. Souza Leile, Arruda e Tito, o.Sr. presi-
dente abre a sessao.
E'lida e'posta em discussao a acta da sessao
anterior. .,
O Sr. Manoel do Bego : Sr. presiden-
te, vejo da acta, que acaba da ser lida, que as co-
pias das modificacSes feitas pela presidencia, e
por esta reraettidas a asserablea, nos contratos ce-
lebrados com o barao da Soledade para a cons-
truccao da estrada do ferro do Becife ao Limoei-
ro, e com o bacharel Bento Jose da Costa para o
prolongamento da estrada de ferro de Jaboatao
ate Caruani, de accordo com ambas as partes
cohiratantes, foram mandadas archivar-se. Hare
ce-me, entretanto, que estas alteracoes toiUs nos
contratos mencionados. devem ser impressas e dis-
tribuidas pelos deputados, visto como dependem
de approvacao desta assemblea. Assim, pois, pe-
go a V. Exc. se digae de satistazer a minha re-
clamacao.
. o Sr. Presidents :Sera satisfeita.
Ninguem mais pedindo a palavra, e approvada a
acta.
0 Sr. 1 secretario da conta do seguinte
EXPEDIENTE.
Offlcios :
Do secretario do governo da provincia, remet-
tendo por copia a rcpresentacao de diversos pro-
prietaries da freguexia de Timbadba, pedindo que
se de outra direccao a estrada de ferro de Goyan-
na e do acto da presidencia declarando sem elTci-
to as propostas dos bachareis Miguel de Figueiroa
Faria eGervasjo Rodrigues Cainpello, para a eons-
truccao da referida estrada. A' comraissao de
obras publicas. .
Do mesmo, transmittinJo o offlcio da camara
municipal da villa do Buique, em que pede a an-
oexacJo do seu municipio ao territoiio da fregue
zia de Aguas Bellas. A' commissio de estatis-
lica. .
Do mesmo, remettendo o offlcio da camara mu-
nicipal da villa do, Buique, pedindo a creacSo de
duas cadeiras de iustraccao primaria no seu mu-
nicipio.A' comraissao de instruccao publica.
Do mesmo, transmittindo o offlcio da camara
municipal da villa do Triumpho, representendo o
raao estado da igreja raatriz e pedindo um auxilio
para os reparos necessarios.A' commissao de or-
caraento provincial.
Do mesmo, remettendo os offlcios da caraara mu-
nicipal de Jaboatio, pedindo raelhoramentos e ap-
provacao de um projecto de posturas para seu
municipio. >- A' commissao de caraaras munici-
paes- .
Do masmo, remettendo o offlcio da camara mu-
nicipal de Salgueiro, pedindo melhoramentos e
approvacao de artigos additives da posluras para
sea municipio. A's coramissSes de or$araento
municipal e de posturas.
Do mesmo, remettendo o offlcio da caraara mu-
nicipal da villa do Bonito, oxpondo as uecessida-
des do seu municipio e o Qrcamcnto da recelta e
despeza da raesma camara.-A* comraissao de or-
camento municipal,
PelicSes:
De Antonio Frsa^is'J Martiqs, pedindo um pri-
vilege por quarenta annos, para estabelecer nma
linha de vapores destinados a conduccao dos ss-
sucares das comarcas do Bio Firmoso e Barreiro*.
para esta cidade. A' Minmissao de peticoes.
De Joao Jose Tolentino, arrematante do imposlo
de afericoes do municipio do Cabo. offerecendo '
um documento para ser junto a peticao que em
data .da li do corrente sumetteu a aprecia^io da
assemblea. A commissao de orc;imenio muni-
cipal.
Do Dr. Auguito Ciarneiro Mrateiro da Silva
Santos, professor da primeira caleira de roatbe-
matica do gymnasioe ragador interino do mesmo,
pedindo o pagamento integral, como professor de
mathematica do referido gymnasio. -A' commissio
de pelicoes.
Da directoria da associacao Commercial Agrico-
la, pedindo que seja diminnido os impostes de ex
portacao. A' commissao de orcamento provin-
cial.
E' lido, posto em discus-iio e sem debate appro-
vado o seguinte parecer :
A commi?ao de justica civil e criminial
precisa para dar o seu parecer sobre a peticao 4>
Bellarmino dos Santos Bulcao, escrrvao do civel
do termo de Santo Antao, qne pelos canaes com-
petentes seja ouvido o juiz de direito daquella co-
marca.S. It. Paco da assemblea provincial, 14
de raarr.) d 1874. -G de Drummond. Gufdc-
Gondint. Vieira de Mello.
Sao lidos, julgados objecto de deiiberacao e rio
a iraprimir os seguintes projectos :
c A assemblea legislaliva provincial de Pernam-
buco resolve :
a Art. unico. Fica o presidente da provincia au-
lorisado a inandar conslruir uma ponte de ferro
ou de madeira sobre a passagem do Bio Dace na
freguezia de Maranguape.Bevogadas as disposi-
coes em contrario. Paco da assemblea de Per-
nambuco, 26 de marco de 1874 R 'tis e Silca.
A assemblea legi lativa provincial de Pernam-
buco resolve :
t Art nnico. Ficam creadas duas loterias, cada
uma de 120:0001, em benefieio da obra da igreja
man iz na freguczia de Maranguape. Sna extrac-
cao sera feita de preferencia a qu.lquer outra.
Paco da assemblda de Pernambuco, 26 de mar^o
de 1874. -Ratis e S'lva. .
A assemblea legislaliva provincial de Pernam-
buco resolve :
Art. unico. Fica o presidente da provincia au-
torisado a mandar fazer uma estrada de rodagem
a partir da cidade do Bio Farmoso jo lugar de-
norainado Jacuhipe, seguindo a direccao que for
mais conveoiente a dispendendo a quantia neces-
saria. Paco da assemblea provincial. 26 de marco
de 1874. Gaspar Drummond.Alipio Costa.
Pedro Gaudiano R-itis e Silva.Goes Cavalcante
Uchoa Cavalcanle. Trindade Peretti.-Soa-
res. Olympio Marques, a
E' lido, apoiado, entra em discussao e sem de-
bate e approvado este requerimemo :
o Bequairo que pela presidencia da provincia #
nbtenha as seguintes informacoes .
t l.'Qual a iiepulacao de cada uma das fregue-
zias da provincia, segundo o recenceamento ul-
timo, com descriminacao de livres e escravos e de
r Qual o numero de escravos exportados des-
ta pr jvincia em cada um dos annos de 1860 ate
1873 inclusive.
3. Qual o product) do imposto MM em
cada uma das freguezias da provincia, com de
claracao do numero das casas ou habitacoes e do
valor locativo geral sobre que foi calculado dito
imposto em cada fregiietia.Dr. JV. Portella.
E' igualmente lido, apoiado e entra em discuio
o seguinte parecer:
A commissao de policia, a qual foi present* a
indicacao de alguns Srs. deputados para a alte-
racAo de alguns artigos do regimento interne da
casa, aonsiderando que effectivamt-nte esses ar-
ligos devein ser allerados, visto como contain dis-
posicoes enja inconveniencia ou insufflciencia uma
longa pralica tem assas demonstrado; consideran-
do ainda que dos artigos cuja alteracao se pede.
resultam para a installarao da assemblea depen-
dencias que sem inconveniente algum podem
deixar da existir, simpliflcandose desta B*H os
trabalhos preparativos para dita installacao con-
siderando alem disso que na supradita indicacao
estao consagradas oulras disposicoes salutares e
previdentes, mas que I6ra talvez mais conveniente
uma reforma mais ampla do regiment) interno :
e de parecer qua-sejara nao so adopatadas as
alteracoes indicanas, menos na parte que dispoe
qua o presidente prestara jurameato nas mios do
1* secretaiio, a qual ficara assim: prestaodo-o
elle aos Santos Evangelhos que para este fim serao
postos sobre a mesa como tambem os seguintes
artigos additivos : .
t Art. !- Feite a chamada a hora determinaaa.
se nao houver nuraero para dehberar-se, o pre-
sidente assim o declarara, e o secretario fara
a leitura do expediente, dando-lhe o devido
destino. .
Art 2." Em qualquer discussao, nao liavenao
dos deputedos presentes quem queira a palavra, se
nao houver numero legal para voter se, ficara a
discussao encerrada, e mandando o presidente pro-
ceder a chamida para serem pnblicados no jornai
da casa os nomes dos deputados que se tiverem
ausentedo, se ira passando a outras materias da
ordem do dia, com as quaes se procedera da mes-
raa forma ate dar a hora de levanterse a sessao
ou ficar esgotada a ordem do dia. Na sessao se-
Suinte se prowdera a votacao dos projectos, cuja
iscussao esliver encerrada.
a Art. 3.* Sempre ijue houver grande numero
de emendas ou que as apodas contiverem note-
vel alteracao do projecto em discussao, encerrada
esta, ficara a votacao reservada para a sessao
seguinte.
i As emendas depois de classillcadas pela mesa
sahirao publicadas no jornai da casa e so depois
disso votadas no dia seguinte.
Art. 4. Nas terceiras discussoes dos projectos
de lei de orcamento provincial e municipal nao
serao aceites emendas, additivos ou outras alte-
racoes nue augmentem ou creem despexas novas
com vencimenios de pessoal.
t Art. 3. As redaccdes apresentedas pela coaa-
missao respectiva, salvo o caso de urgencia vo-
tada pela casa, flcarao sobre a mesa, serao im-
Sressas no jornai que publica os debates, e so
epois disso serao submettidas a discussao e vo-
tacao. _
. Art. d.* Para motivar raquerunento ou inai-
cacao, nenhiun depulado podera fallar por mats
de meia hora, salvo o caso de decisao em con-
trario nor votacao da casa, independents de dis-
cussao.
Art. 7.* Ficam revogados os ultimo? *rt!'0^
additivos ao regimento de 8 de maio de ,8fi-
Sala das commissSes, 26 de maio de 1J*- .
Joao Jose Ferreira de Aguiar.-Joaquim Conr*
de Oliveira Andrade. -Pelippe 4* Figurna Fa-
" Vem a mesa, e apoiado e entra conjunctamente
em discussao o seguinte requermiento .
. Requeiro que o parecer e .od.cacao se,ara im-
pressos no jornai da casa, para ser amanna dricu-
tidos. -/. Mello Bego.* _____
O r. oocI do Reso:- Sr. presi-
dente ja live occasiao de fallar nesta casa *r*
reduudancia que onlem a Indicacao, deterrainan:
do que se insira no art. 33 nma disposicao que ja
este nelle contida.
Entio V. Exc. respondeu-me qne a mesa, quaa-
do desse seu pareeer sobre a indicacao, tomana em
consideracao a reclamayio por mim feite.
r
u .



i'iif '


WMBWV
Diftrio de Peraambuco Ter^a feira 7 de Abril de 1.874

0 Sr. PtcsiDEitTB : 0 parecer tern*** ser
diseatido e pole ser eanendada
0 S. U.\NORfc'*^Mo :-*Bas'ael1o escnsado
qtte va ser impiwottomo esta, iste e, sent se occu-
t>ar da redcndaneia-contids na emenda ao arlrgn
S3 do regimento.
O Sa. Olivet*"*/ ANbRioE : Ma) a" idea
ampliaoa.
O Sr/Manoix. oo Rebo : Nem por isso deixa a
mdicacao de cooler a mesma idea ja rnclaid* no
arligo 53; para amplia-ta bastava <|ue a emenda
exigisse que fossein inseridos na acta, nio os Do-
mes daqueltes deputados que deixassem de com-
parecer, mas os daqnelles que compareocssem de-
pots de strerta a sessao.
A emenda ao arligo 53, conjo esta redigida,
i inteiramente superfloa e redundante, como ja
dissa.
0 Sa. Oltmi'io Marques: -A occasiio de por era
barmofMa nao e agora.
O Sn. Manokl i> Hkgo :Bern; mas era de es-
perar que a commissao de policia, propqjesse uma
correccio ao arligo 53, dando o seu parecer, da
indica^ao, quo e essencial.
Ninguem mais pedindo a palavra, e approvads
io requerimento do Sr. J. Mello R?go e fica, por-
tanto, adiada a discussao. '
OHDR.M DO DIA.
E" sem debate rejeitido o projeelo de lei nSo
sanccionado, creando 2'i cadeiras de instruccio
primaria.
E' igualmente sem debaie rejeitado o projecto
de lei nao sanccionado, considerando como orde-
nado a gralUioaaoconoedida aos escrivacs, conta-
dor e offeiaes dos folios da fszendi provincial.
Eutra em I* discussao o projecto n. 4 deste anno,
supprimrado o o(heii> de 2 labeliiao de nrtas do
termo de Cabrobo e annexandoao 1 os o.'flcios de
?scrivio das execucoes cive'is e crimes, e do
jury.
O St. Clomeis Parent :- Sr. presidente,
parecc-me que ainda hoje loi lido am parecer da
coimni*2o de justica civil e criminal, dcclarando
quo nao podia eraittir opiniio a respeito da sup-
pressao de um offlcio de justica, sem que fosse
ouvido o juiz de direito da comarca. Eu desejava
saber se as autoridsdes de Cabrobo forain ouvidas
a respeito deste projecto.
0 S*. Otivi.uiA Andbadr :Eslao mutto longe.
U Sit. Gaspar Dhummo.nd : Esistein informacoes
dessas autoridades.
0 Sr. Vieiiia de Mello : -Foram ouvidas, posso
aflirinar ao nobre deputado. 0 parecer ate fun-
da-se nas razoes apresentadas pelo juiz de di-
reito.
O Sn. Gomks Parkkte : Scgundo me parece, o
projecto pxtingue um lugar de labeliiao, que exer-
cia cumulativamente outros cargo?, como o de es-
crivio do civel e do jury.
O Sa. Fklim'E de Figukiroa : Mas a commis-
sao rcferc-se a es.-as inf6rroac.oes.
(Cruzam se outros apar'.ts).
0 Sn. Gomks Parente : Os nobres deputados
die lieencs quo eu continue t
A passar o projecto, segundo me parece. fica
a comarca de Cairobo oni um so escmao, qae
exprccra cumulativamente todos os oflicios dc
justicra.
O Sn. Gaspar Drummond : Creio que ainda
assim tera tempo para fizer outras cousa3.
0 Sn. GtntMS Parent? : Couseguratemente me
parece que a nobre e illustrada eommissao devia
Uizer a casa as razoes de conveniencia publics
do projecto. Peco-llie permissio para fazur esta
je~!.'iia-.-ao.
Nan sei mesmo se o projecto vai offender a
direitos de tereeiro ; nao sei se existem os dous
laDeldaos e:n elTectivo exercicio...
0 >ii. Fihmi.no de Novaks :Nao existem.
0 Sa. G tilts i'arente :.....ou se falleceu
algum delies.
Ua Sr. fiiipurado :0 lugar nao foi provide
O Sa. Gomes Parknte : Em toJo o caso a
qnaflao nao d de iao pouca importanciaj como
j arece a alguns dos nubrcs deputados.
0 Sn. \iEiiiA de Mello :Ninguem diz isto.
O Sa. Gomes 1'are.nte :Se o juiz de di:eito
da comarca nao loi ouvido, neste caso farei um
re^nenmento para que o seja.
I'.i: S.:. Dsi'UTADo : Do parecer consta que
foi ouvido ; refere-se as informacoes dos juizes
ile direit) e municipal.
0 Sn. Gomes PaaEiiTB :Entao espero ouvir a
liobro commissiio.
E' lido, apoiado e entra crmjunctamente em
discus-ao o seguinte ruquerimenio :
Iteqneiro que seja ouvido o Ur. juiz de di-
reito da comarca sobre o projecto Goinet Pa-
rent*
O *r. Gueelfi Uuncfim :(Nao devolveu
o seu discurso).
O Sr. GouieK i'arente : Apezar de
me merecer inteiro creditu a infomtaeao que
nuoie uepuiauu, uieu uimiuciu i.um;g i- wu.
paohtiro de districto, acaDa de dar a casa, como
metnbro da commisslo dc justica civil e cri-
minal, t.d.tvia, tra(ando-se da suppressao de um
ollicio de jitstic.i, que e=ta .assembles creou por
ter recunliecido a neces?idade delle, eu entendi
- mvinieate examinar os documentos, e acabei de
venii.Mr ser era tudo verdadeira, como era de
esperar. essa ii:fir:na;ao do nobre deputado.
Com elfito, a infortnacau dada pelo juiz de di-
reito da comarca, nugiatrado muito distincto, o
Sr. Dr. Manoel Gonpalves Lima, deve merecer
da casa tuda a consideracao : elle opina pela
Baaprcssao d i lugar.
Neste caso v, to pelo [projecto, e pego a reti-
rada do meu retjuerimento. (Muiti bem)
Conscltada a assemblea, resolve pela relirada
do requeiimentu do Sr. G. I'arente.
Ninguem nuis peJiado a palavra, procede se
a votacio e e appr^vado o proiejto.
Entra llnalmente em 1- di>-cussao o projecto
n. li deste anno, reraovondo cadeiras de instrucgao
primaria.
0 Sr. I'.\t;< v. SitVA : Sf. (iresidente, era
de esp-.iar que n.-sta discussao qua 6 a primoira
do projecto, uceaaiao certamenn azada para so
mostrar a conveniencia e u.ilidade publics que
nellese Cuntein.....
0 Sa. Gaspai; Drummond. E^tamos accor-
des.
0 S;:. P.at:.- \: Silva : .....apparecesse em
deleza do iitesmo projecto um dos seusautores;
entretait-o elles se coaservam mudose abandonam
assim o seu i\',Uo.
0 Sn. Tolrsjiso DE Carvalho :Nao apoiado;
desdeque nao ha impugiacao,nao ha motivo para
a justilicaca). (Apoiados).'
0 Sn. Ratis n Silva : Elles deviam ter pedidi
a p:ilavra, para mostrar a utilidade do projecto.
antes que fosse votado. (Nao apoiadosj.
Supponltara os nobres deputados, que ninguem
pedia a palavra.
0 Sn. Vieiiia de Mello : Estava tacilamon
'.c reconhecida a ua utilidade.
0 Sr. RXtis e Silva : Nao ha lal; podia o
projecto ser rejeitado sem discussao como ja tem
acontecido; e por isso necesario qne alguus dos
seus aufnres, dtga alguraa coosa, para mostrar a
saa oiflidade e convoniencia publica; e 'porque
assim uao o lizerara, os provoco' para qae-ora*-
^am.
Vejo que no projecto se trata de remover de
uma povoacao para outra as :adeiras de instruc-
qao primaria do sexo masculino e feminino.
0 Sr. Manoel do Rego : Deixe passar o
projecto en Is discussao e na 2* tome contas ao
autor.
0 Sr. Ratis e Silva : Sr. president?, 6 ne-
cessario que se saiba a razlo porque se quer des-
cobrir um santo para cobrir-outro. Tirar-se a ca-
deira de uma povoacao para se collocar cm oatra,
e coasa possivel. e ja se tem feito, mas e preciso
que so nos venha dizer a razio porque so quer
que essas cadeiras sejam collocadas4 na povoajio
A:e niWpDa Pvo:,Sao U, onde se acham estabe'le
ctdas. _E povoacao, haja ahi populacao bastante para que
sejam frequentadas, assim como e umbern df
presumir que haja na outra povoacao, para onde
se as quer reamer. Mas, se nao ha alguma ra-
titi especial pela qua! se mostre que as cadeiras
que tstao na povoacao da Malhadinha, nao proda
zom o efTetto que se devia esperar, entendo que
injustica, tirarem-se d'ahi essas cadeira
qa ora s dtscutc.
Jdade. En seria,sem duvida, zelador dos inlerjw
primaria pan os sexs masoalina e fomiaiao m
Snrubira, vsto coraq alii ha bastante noees dessas cadeiras; e o delegado biierario da^nella
localidade |i reconheceu essa B'ecessidade, tamo'
que'no da instruccao puWica que solicitasso, no rjlatorio
que it ia aprescetar a administra.ao ou a assem-
blea proviacial, a ereacao das' cadeiras a que me
re fire.
Com efferto.en pretendla proper a creacSo des
sas cadeiras; mas attendendo a deficiencia dos
cofres publicos na actualidade, e vendo que procu-
ra-se na assemblea a todo o transe, como nos cum-
pre, na> aiigmentar a despeza na lei do orcamen-
to, occorrea me a idea de remover as cadeiras de
Malhadinha para a povoacao de Surnbinr
0 Sr. Bomingos Pinto : Mas essas cadeiras
sao frequenladas ?
0 Sn. Travasso de \rruoa : Voo dize-io.
A povoagoo de Surubim esta distante sets le-
guas. da villa de Bom -Jardim, oade sou residente,
e esta distante oito legoas da povoacao de Verten
tes, lugares unreos que nas suas vtsiohaoeas leera-f
caileiras de instruc;io primaria.
A povoacao de Malhadinha, quo torn cadeiras
dos sexos masculino e feminino, (tea tres leguas
de distancta de S. Jose de Pedra Ta ada, onde
tambem ha cadeiras e para onde podiam mais fa-
cilmente afflulr os meninos daquella localidade atim
de receberem a instruccao.
IJm Sr. Deputado :Is O Sn. Travasso de AiiRUb.v :Ouca-me o no-
bre deputado, iinda n5o conclul.
Sei que tres leguas nao e distancta diminuta,
que se possa veneer tao faclmen'.e ; mas para nao
se a Mender a esta razao, seria precis) que hou-
vesse uma grande frequencia na escola de Malha-
dinha : e este o pento principal a que quero che-
gar.
A csdeira do sexo masculino de Malhadinha,
tem sido provida por mais de uiaa vez; os pro-
fessores Is vao e voltatn, atlendeodo a falls da
frequencia de alumnos, e pretendendo mslhorar
de condi^-ao. Esss1 cadeira nunca tcve matricu'a-
dos mais de 16 alumnos, e a sua frequencia ordi-
uaria e de seis a oito.
Sei disto perfeitamente, porque tenho tambem
rcsidencis ha uma legus de distancia de Malha-
dinha.
Um Sr. Depptado : E a cadeira tem es'.ado
vaga ?
0 Sr. Travasso de Aiirida :Actualmente es-
ta provida interinsmenle por um padre que nao
quiz ainda tomar posse nao sei p rque razso, mas
attribuo a falla de frequencia de alumnos.
Quanto a cadeira do sexo feminino acontece a
mesma cousa, nao tem frequencia.
O Sn. DoMoroos Purro : Tem professora ?
0 Sn. Travasso de Arrida : Tem,poiem nao
ha frequencia de alumnas.
SSo estas as razo.-s que me levaram a apresen-
tar o projecto: em lugar de onerar a provin-
cia com essa dcspeia, propuz a casa a remocao
dessas cadeiras para Surubim, que deltas sentem
ttecessidade,.comn e reconhecido pelo delegado litte-
rario da Io .-alidade, e por mim que nella morn.
Alii ellas terao uma f;eqnencia nunca luferior
a ;iO alumnos. Entretretauto a assembles vote
como I he aprouvcr.
0 Sn. ViKittA de Mello : Justificou muito bem
o seu projecto. (Apoiados).
O fir. r.;iH]>ai- Druntinend : (Nao
devolveu o seu discurso).
O ftr. (ionralveH i\'n<-ir fuz algumas
consideracoes.
OSr. *;;t( Bartoalho :(Niio devolveu
o seu discurso).
E' lido, apoiado e entra conjiinctamen'.e em dis-
cussao o seguinle requerimento :
Rpqneiro que seja adiada a discussao ale ser
ouvido pelos canaes comoetentcs n director da ins-
tTDCfaa publics. G. de Drummoni.
O {Mr. iCinspar Druitiuioad : (Nao
devolveu o sou discurso).
O *iv. S>iiiio Pi'ssoa :Sr. presidonte,4ia)
me parece (|ue haja motivo iiara.tao larga, e tao
llante< e ,|- nil do ile n.-. :
raswuihlo.1. fvlui- ,>auf-iii
^frt <^eat n**i?aflii*d4^;#rffcti tes do patter nx-cntivo, se tal zdo n.ii vie*!*.?
fender' perogiivs, - pa l-iu H4M- laterfunipiilss n'esta
to bent)
0 Sr. MrsheL doH\euj : Esta e
ttade.'
0 Sr. Pinto Pessoa : Disse o nobre deputado,
o Sr. Dr. Ferreira
qde e a *er>
If imada-dis:uss-ao.
0 Sr. Oliveira Andrade : Esta e a verdade.
0 Sr. Caspar Drl.mmo.nd :Creio que nao ha
animacao alguma.
0 Sr. Pinto Pessoa :0 nobre deputado o Sr.
Dr. Gaspar Drummond, nao eentesta certamente o
direito, que tem a assemblea, de remover cadei-
ras destas para aquellas localidades.
0 Sn. Gaspar Dhummokd :Nem podia con-
ies tar.
0 Sr.
testa
0 Sr
0 Sr.
Pinto Pessov :Creio que nao con-
Gaspar Drummond :NSo.
I'into Pessoa:Como acredito na sinc3-
ridade das informacoes dadas pelo no^so nobre
C llld.MIOUU .jlllp(1, i\ ,i, u pi (hi t V IUDU j !-."
de que nos nao to podemos-, porque e nossa al-
tribuicao, como devemos...
0 Sr. Manol do Rego :Ahi nao ;oncordo.
0 Sr. Tinto Pessoa : .. aceitsr as explica-
tes muito sinceras emuilo leaes que nos foram
fornecid.is por um illustrado membra de-ta cisa.
0 Sr. Peretti:Estl afgumentando muito bem.
0 So. Pinto I'kssoa : -S.-ra que nos nio tenha-
raos essc direito ? 0 nobre deputado o Sr. Dr. Gas-
par Drummond, diz que nao o conte.-ta.
0 Sa. Gaspar Drummond : -Nao conlesto.
0 Sn. Pinto Pe?soa : Bern ; mas acna inconve-
niente que, tendosiJo concadido ao presidente da
provincia autorisagio para a remocio de cadeira-,
nos estejamos a legislar sobre este mesmo assump-
to, quando a presidencia da provincia poJe trans
tornar todos os nossos pianos. Nao e esta a ar-
gumeatat-ao do nobre deputado ?
0 Sn. Gaspar Drummond : Creio qje sim".
0 Sr. Pinto Pessoa : Bem ; mas em que se
funda esta argumentaeao ?
_A lei- d i iiistruccio publics n3o esta em execu
cao ; ha, e verdade, uma autorisa^ao da assero-
blei; mas onde aeffrfctividade da realisajio d'esla
disposicio legislativaT 0 nobre deputado (me pa-
rece) formula as suas observances sobre uma lei
que nao exisie.
0 Sn. Uchoa Cwai.cante :Volada e saoecio-
nida ; como nao existe 1
0 S:i. Pinto Pessoa :A lei esta volada, a lei
esta san:cionada, e verdade, mas nao esta em exe-
cu cao.
O Sr. Gaspai Drummond;E' lal da provin:ia
0 Sr. Pinto Pessoa : Mas e uma lei que nao
esta em exocucao; nao e verdade ?
Admiro, e louvo mesmo, o zelo que o nobre de-
putado, o Sr. Dr. Gaspar Drummond, apresenla pe-
les tnteresses da administrac-v>, ist) e", do poder
executive
OSn. Gaspar Drummond :Perdoe-me, en tra-
tei de cousa diversados interesses da assembles.
0 Sr. Pinto Pes-oa : Mas isto nJo provade
nenhum modo conlra o direito, sempre pennanen-
ie, qne tem a assembles de legislar, nio obstanie
as aut'.risacSes concedidas.
y em sua argumeuta.ao, que pa-
ra mim teqi o inaior inerecimento,' e que riio f destruida, que embOra tivesSJopresMente'da pro-
vincia recebido (Tests assonbliia uma autnrisaeso
para (*ir < m execueao a let da iuskncao puLli ;a,
isto nao obstava a qde nsjf, outros kgislass'emos
sobre tal ou ttl pontu{ refejSe a mesina instruc-
ejia poblica; 11
0 Sr. Tolentinode Cvt*ttuo :Apoiad*.
0 Sr. PiToi*ESSoi. : Wfe diroit*" liisa-nos a
nos sempre parsistente.
0 Sr Gaspar Drommond da mesmo que se conceda trinta autorisa>.-oes.
0 Sn. Pinto Pessoa : Cousegnintemeole, emj
qae o nobre deputado o Sr. Or. Gaspar Drum-
inond,' ba'sea a sua.argumenta'cSo?
0 Sr.- Gaspar Drummond : Na inconveniencia,
visfo que ja esta o presidente aulorissdo a faier a
reforms
0 Sr. Pinto Pessoa : Na inconveniencia, nao ;
pxque o Sr. Dr. Gsspar Drnmmoad mostrou a
pouca regularid tde. que ha entre a> concessso fei-
ta ao presidente per om lei que n*o estaem-
execucao, e a attribuicao que a assemblea agora se
quer arrogar.
Eu uao couiprehen Io, continuo a dizer, o telo
que pelas reptias presidenciaes mostra o Sr. Dr.
Gaspar...
0 Sim Gaspar Drummond :-Nio Us lal.
O Sn. Pinto Pessoa : .. assim com* o Sr. Dr.
Rego.
O Sr. Manoel do Rego : Esta enganado.
0 Sr. Pinto Pessoa : Sou QnimiameotJ zeloso
palos foros da administraijio,-sobretudose e u.bre
i; illustrada, se e dignae se tem to Jos os estimulos
do bem pubiico e dos interesses da provincia ;
mas o meu zelo nao chega a ponto de a priori de-
elarar que a assemblea nao pode deliberar sobre
um objecto...
0 Sn. Manobl do Rbgo : Ntogoera disse tsso.
0 Sn- Pinto Pessoa :... porque sobre elle ja
deu a presidencia da provincia cerias e determi
aadas autorisacdes,
J Sr. Manoel d) Reoo :Torna-se inuttL
O Sr Pinto Pessoa : Por Unto, se o nobre de
putado, pois, que estou. empeubado em onvi-lo,
vier defender o seu zelo, Uo elTectivo, tao coostan
te, pelos foros da adininistra0o...
0 Sr. Manoel do Rego :Pretesto com trdas a<
f irras ; nao tenho lal zelo.
0 Sa. Pinto Pessoa :... sahirei do neu si-
lencio para de novo pedir a palavra e direr algu-
ma cousa a respeito.
0 Sr. Manoel do Rego :Imterpreta mal o meu
pensameato.
0 Sr. Pinto Pbsso.v : -Terminan-lo, Sr. presi-
dente, digo que voto pelo requerimento de adia-
lEento. Me 6'sempre grato, Srs., adiar uma ma-
teria, que lom sido objecto de larga discussao para
ouvir o director da instruccao public, que e pes-
soa competenle.
0 Sr. Fel ppe de Figueiroa : E que ja se
pronunciou aqui na casa.
0 Sn. Pinto Pessoa :0 director da instruccao
publica, Srs., pronunciou se como deputado, nao
se proaunciou no carac:er importante da direc-
tor da instruccao publica.
0 Sr. Domingos Pinto Entao espare que saia
da assembles. .
0 Sr. Uciioa Cavalcante :Nao, la esta outra.
0 Sn. Pinto Pessoa : 0 director actual da
instruccao. e aquelle que joga eirectivamente com
os elem'eutos nccessarios para nos fornecer as in-
formacoes de que precisarmos.
0 Sr. Tolentino de Carvalh j '. Neste ponto
elle nao sdianta i:ea.
0 Sr. Pinto Pessoa :- Eu nio comprehendo
como o nobre deputado, cuja palavra tin sido
sempre respeilada pela sua sinceridade, polo seu ca-
racier sempre seguro e liel por suas intetiQoes, nao
comprehendo, digo, uue posssinos a priori des
prezar estas informacoes pela razai de quo ja
se concedeu ao presidente da provincia autorisa-
cio para reformat instructs) publica e conse-
guintemente, nao podemos dar uma palavra ou
proferir. um voto sobre esie object) ; demats
acontece qu* esta lei nao esta d9 nenhum mod)
em execucao.
Ass ui, pois, se o meu nobre collega o Sr. Dr.
Rego, quizcr dar uma explicacso mais exacta
d'.-SM'. sou zelo tio empenhadas e;n favor da admi-
Histrapai, voliarei a discussao.
0 Sr. Manoel dj Rego : -Si) In tal ; direi
sempre que interprets mal o meu peasamento.
0 Sa. Pinto Pmsoi :I'/imj dissa. v >to nelo
auiamento, tanto mais qiianto penso que o resul-
isdo sera trazer tolt a luz sobre este negoc'o, e.
mais nos convencer de jue 6 perfeilamente hon-
rada a palavra do nobre deputado.
0 Sa. Felippe de FiiustiioA : Mas ninguem
poz em duvida esta pala/ra.
0 Sr. Pinto Pess ia : Nao digo que os nobres
deputados a puzessem em duvida, o que digo e
que nao acho neste as.su:nplo objecto para grande
celenma, nem motivo para graudc exageracjio.
Voto, portanlo, pelo adtameato.
O Sv. \aseiiiii-uto Poi-tella :-(.\ao
devolveu o seu discurso.)
Cousuitala a assemblea, sobre a retirads do re
qtierimenlo do Sr. G. de Druinmoud, decide pela
allirraativa.
Nio havendo mais quem peoa a palavra, encer-
ia-se a discussao, e, procedendo-se a votacao, 6
approvado o pr-jeclo.
Tend) dido a bora, o Sr. presidente desigaa a
ordem do dia seguinte e levsuts s sessso.
A ordem do dia para hoje 6 : conlinnacao da
antecedent* ; i* di-cuss,io do projecto n. i ; el1
'. ambos deste anno.
i-latlcM p;i;i iu^-H. P.M-nprtari-.s
tta'prwideMia da pi.ivincia, do % do oorrenle,
(ir.iin n-Htvad is: sutideleg.iilo de C irsifipe, Pe-
tronilU Pitta de Albuquenjue; I' snppienle, An
tonio Vellozode Albuquerque, 2 Bento Severiano
da Fottcecs Pitta Junior; supplente de delegado
do icnnode Agna-Prota, capiMo Antonio Bezerra
Teixeira Cavafc^nte, 2 Djmingos Affonso- Fer-
reira.
*.*j-io em favor de sna funda^io:
Illnr! Exra. Sr.Deseiando ceacorrer com men
fraco obolo nar a realisscao ds pstriotica ides
de V. Exc* de cOnstruir nesta provincia um hos-
Scio de alienados, rogo a V. Exc." qoeira aeeitar
ius por cento demeus vencimentos, comocon-
fcctor da repartfeao das obras puWieas, a contar
do l* de marco a 31 de dezembro do corrente
anno, o qae offereco para ter aquetia applicaeio,
dignsndo se V. Exc* dar as convententes ordens
neste sentido a thesouraria provincial. Deus guar-
de a V. Exc". G>yaana, 26 de marco de 1874.
)llaL e Exm. Sr. coramendador Dr. Henrique Pe-
rerra de Luceua, dignissimo presidente da provin-
ait. Franciso Americo de Aragao Rabello, con-
ductor das obras publicas.
Gabinete ds presidents de Pernsmbuco, em 4
deabril de 187i.-Illm. Sr. Francisco Americo do
Aragao Rahello.Aceito o offerecimento que era
data de 26 de marco ultimo re* V. S.; na quali-
dade.de conductor da reparticao das obras pub i
cas, de dons por cento sobra os seus vencimentos
aara a cdificacao do asjlo de alienados, a contar
do 1 d'aquebe mez alii 31 de dezembro vtndouro ;
cabeodo me louvaresgradecer-lhesemelhanteacto
do generosidade em prol de tao humanilario esta-
balecimento. Da '. S., muito altencioso venera-
dor e criado.Henrique Perelra de Lucena.
Trovoada* Na madrugada de domingo
para hontem bouveram diversos trovoes, sendo
duus delies I'oi-tissimos.
As rcMiuiiK <> a junta da thesouraria provincial, vso a praca:
No dia 16 do corrente : os reparos da bombs n.
2, no setuno lanco da estrada do sul, orcados em
I:0l2i000; os reparos da coberta da casa de
detencao, avaliados em !:i78#090; e a construe-
;ao da bomba do povoado dos Montes, urcada em
1:980*000; o fornecimento de alimeotacao e
dietss dos presos pobres da casa de dclencao.
No dia 23 do corrente : a construccao da ponte
danominada Pan Sangue, sobre o rio Serinbaem,
orcada en 9:370{ >00.
?* are*ii*eiite idh .lineoaM. Conta-nos
quo o Exm Sr. Dr. Joio Vieira da Araujo, segue
no vapor Cruzeiro do Sul, a assumir as redeas da
administracao da provincia das Alagoas.
Corveta Paraense. Segtiio hontem,
para a Bahia, levando a sen bordo o Sr. ebefe da
estaoia naval.
Vapor >!<>inio/;. Este vapor franccz,
da linhs de Bordeos, sahiu hontem do Rio de Ja-
neiro, para o nosso port i. pelo ds Bahia.
Dinheiro. 0 vapor Pirapaina, trouxe para:
Parente Vianna & C.
Antonio A. de Sou'.a Aguiar
Gomes de Mattos & Irmao
Jose da Silva Loyo Sobrinho
Jose Luiz Goucalves Ferreira (Si C.
Souza & Bastes
Luiz A. Sicmeira
Cunha irmaos k C.
Brags. Gomes & C.
Joiio Tertulianu de Albuquerque
Alfredo Garcia & Irmao
Julio Cesar Paes Barretto
Silva i Alves
Bernardo J >se Pereirs A Irmao
Perdigso, Oliveira & C.
Alheiro, Oliveira & C.
Raymuudo R. Mello Filho
Cosine Jose d is Santos Cillado
Beltrao, Oliveira & C.
Ferreira, Monteiro 4 C.
20:065i7'i0
7:3383000
5:386*650
4:434*000
3:700*000
3:4Vl*9iO
2:576*UO
2:500*000
2:143*000
2:000*000
1-.675*000
1:500*000
1:00J*00J
709*000
590*000
318JOO0
400*000
3305000
331*000
300*000
296*000
143*000
124*000
30*IK)0
REVISTA DIARIA.
a as-
sob a
Se a po-
de cadel-
seri
para seretp collocadas em outra pane,
voareto do Bom Jardim, precisa tambem
ras de mstruccao primaria; de se-lbe.
( Ha um aparte ).
0 Sr. Ratis f. Silva : Nao vojo razao para se
tirar da Malhadinha, as cadeiras de instruccao pri-
maria, para serem collocadas em outra povoacao,
a menos jue nao me provem inutilidade absoluta
d'essas cadeiras no lugar, para onde foram ellas
sreadaV.
Deste .modi, r. presidente, provoco os nobres
iUAyrcB "^proje'eto, a que me csclarejam.
nc J"AV*^ DE Arrua :-Seraesclarecido.
0 Sr. Ratis e Silva : Bem ; terei muito pra-
ter em ouvrr o nobre deoutado
O Mr. Travasno de irruila__Sr. pre-
. dente, acudmdo ao rectamo do nobre deputado
J<3* districto, venho fornecer a casa as Infor-
acoes necessarias, afim de justificar o projecto
rminj formalado, assignado, dirigido a raesae
Depois, o nobre deputado sabe que a lei, que foi
volada, de instrucjao publica, nao pode de forma
algama ser um obstaeulo para que nos legislemos a
respeito de rcmecao de cadeiras, porque, eu c nti-
ndo a perguntar: a lei'esta, ou na>, em execu-
cao?
0 Sn. Djmingos Pinto : Mas, o ",ue convent e
aguardar a execucao.
0 Sn. Pinto Pessoa : Mas, a execucao de que
lei ? Se e uma lei que a cada hora pade ser re
formlda por esta assemblea....
0 Sr, Manoel di Regj : -E que pode a caia
hora ser posta em execucao, se o presidente qui-
zcr, porque tem autorisajaojrara isti.
0 Sr. J. Mello Rego :Nao, por me esta depen
dent? de resolucio da assemblea.
0 Sn. Pinto Pessoa : .... que podn a cada
horn, diz o nobre deputado, ser posta em exee!i;ao
se o presidente qutzer; mas, desde que o pre?i
dente ofTerece a apreciacao da assemblea esta mes
ma lei, e pede que ella, seja revista, poi> elle pen-
sa que a mesma lei contem em si certos defeitos
c lacunas, que obstam.a sua execugao, ^ de pre-
snmir, meu nobre ol|Bg,i, que ells nao seja tosta
a cads hora em execn'caS.
0 Sn. Manol do Rego : 0 presidente pode
amanha .riiudar de idea.
0 Sr. Pinto Pessoa :0 que se deve suppor, o
que o bom senso esta dizeudo, e q^ue o presidente
nao pode p6r em execucao uma lei, que ha pouco
sujeitou a apreciacao da assemblea. Nos nao po-
demos pensar que o presidente, qtte veio a esta as-
sembled ha poucos dias declaraf qne achava na
lei certas lacunas e certos defeitos inconvenienfe?.
que
embaracam a sua executao,. nao podemos
peosar, digo; que elle venha agora, antes de a as-
seindea rliier alguma cousa sobre a mesma '
po-la cm execucao.
lei.
0 Sr. MaNoel'do Reg): -Pode po-la em execu-
ca9 naquellas panes que jnlgar aceitaveis, e de-
P0"| preencberse-hio as lacunas con outras lets.
O'SR. Pinto Pessoa : -Agora senhore?, declaro
que rJSp ha motivo para que nio aceitemos como
muito fidedtgnas as infortnatoes que o nobre de-
putado acaba de offerecer a apreciacao da casa.
0 Sr. Manoel do Rego : Ninguem cootesta;
neste- ponto estamos de accordo.
0 Srj. Pinto Pessoa .'Ninguem contesta, e ver-
.Vsscmblea provincial. -Hontem
semblea funccionou com 25 Srs. deputados,
presidencia do Sr. Dr. Agniar.
Approvadas as actas da sessio de I e da reuniao
de 4 do corrente, o Sr. 1 secretario leu o seguinle
expediente :
Oflicios-:
Do secretario dogoverno da proviucia, remel
lendo em original as informagoes do engenheiro
fiscal e superintendente _da estrada de ferro do
Recife a S.Francisco.A quem fez a requ;sicao.
Do mesmo, remettendo por copia, as informacoes
d) director da reparticao das obras publicas e en-
genheiro fiscal da estrada de ferro do Recife a S.
Francisco, sobre o projecto n. 76 do 1870. A
quem fez a requisicao.
Do mesmo, transmittinJo informacoes sobre o
projecto n. 99 de 1872.A quem fez a repaisicao.
Do mesmo, remettendo o requerimento do Bel-
Isrmino dos Santos Bolcao, tabelliSo da comarca
da Victoria, dirigido ao Exm. presidente. da >pro-
viocia, e copias da decisSo de S. Exc. e informs-
?56 do respectivo juiz d-direito. A' commlssao
dc justica Civil e criminal.
Do mesma, devolvendo o requerimento de Gui-
Ihermina Basilissa de Oliveira e Silva, com a in-
formajao prestada pela directoris geral da ins-
truccao publica.A quem fez a requisicSo.
Do delegado litterario da povoaglo de Malhadi
nha, pedindo medidas contra o- projecto que retira
as cadeiras de instrocgSo publica do mesmo po-
voado.A' commissao de instruccao publica.
PeticSes :
Da Antonio Jose Duarte Coimbra, exempreza-
rio dnmatioo do thftatro de Santa Isabel, pedindo
que so autorise o presidente da provtneia a con-
trala cor. cle a empreza do mesmo theilro.A'
coniroissso do peiicfles.
De-Joao Antonio Dnarte, arre.matante dos impos-
tos sobre chao das fetras, pedindo uin abate no
preco por quanto arrematou aquelles impos*w,
been como nmareforma no ctmlrato.A*--cmmis-
satf de peticfies.
De Lino Rineiro de Andrade, pedindo a quantia
de 1:0005000, metade do qne se' faz precise para a
reconstruccao do a^ude ds,villa do S. Bento.A'
commissao de orcatnento provincial.
Fui submettido a discussao o parecer adiado das
commissSes de legislacSo, constituicao e poderes,
sobre o projecto n. 16 de'1868'; arerca de.-le ortu
o Sr. Portella e mandou a mesa uma emenda a
conclusao do referido parecer, que foi annal ap-
provado com a emenda e rejeitado o project.
Passando a orde.n do dia, foram approvados em
3/ discossSo os projectos n. 69 da I87I, quo man-
da pertencer 3 freguezia de Santo Antio todos os
terrenos do. engenho fJampo Alegre, e 67 de 181??,
que auiorL-a 0 presi9eTite da pfo'virftft a coneeder
um privilegin-ppr 20 annos para a construccao de
rima ponte sobre 0 rio Capibaribo, enfre os povoa-
Idos do Apipucos e Monteiro, corn1 uma emenda do
Sr. Portella,'ncan'do por isso suleito-ik-2* dSicussao
diia emenda.
E" entrabdo em dfectisiao 0 projecto n. B7 do
anno passado, que amrfffa artigo9 de: postaraVd*
sideote levanlou a sessJo.
Cunha & Manta
F. 11. Cada
Soares Leite 6i IrmSo
Manoel Ferreira da Silva
Pasailoria do faienna. Nesla estacao
pagam-se hoje as seguinles folhas :
Culto pubiico, ernpregados ds visits de sati-le,
institulo vaccinico e olRciaes reformados.
Sanio Aiats'tu. Na secr^ao competente, pu-
blicamos hoje, a de'eza que 0 major Guilhermiuo
Paes Barretto, fez a accusacio que Ihe foi feita por
uma outra publicacao, que ha dus flzemoi.
Isif.ti 1 ii( IliMtorico c i*Jiilosojiliiio.
No domingo ultimo (5), houve sessso ordinaria
desta sociedade, sob a presidencia do Sr Bandeira
itA ji 1...
Foi li la e approvada a agu da sessio anUsrkw.
Passando-se s 1* parte ds ordem do dia, discus-
sao da these : A quem se dece a revolupio philo-
sophic^, a revolufSa sclentifica, a Dicon ou Des-
cartes f Oraram'os Srs. Isaias Guedes, Pacheco
Soares e Magalh'es e Silva. Foi encerrada a dis-
enssio.
Passando se a 2' parte ds ordem do dia, 0 Sr.
I-ai&s Guedes deu 0 desenvolvimento da sua the-
se : E' justificavel 0 facto da guerra ? Inscre-
ven-se com a palavra 0 Sr. Albino Meira.
Em seguida sahio sorteads a these do Sr. Pache-
co Soares : 0 que e melhodo experimental, como
se deve omprehende to nas scienctas posittvas 1
Foram sorteados para discuti-la os Srs. Frederico
Borges, Heraclides Ferreira e Afrodisio Vidigal.
.1 esignada a ordem do dia para a sessao vin-
doura, levanlou-se a sessao.
Phcnix dranaafica.Amanha tera lugar
nesse theatro a 3' represcntacSo do excellenie e
apparatoso drama historico, prnado de machinismo
e rausica-Sanfa Clolilde ramha de Franca, ori-
ginal do Sr. Dr. Antonio de Souza Pinto.
0 bom desempenho quo a companhia P-.-uante
deu a essa pe^a, a magnifies mise-en scene e os
geraes applausos que tem merecido, Gam da gran
de concurrencia que deve haver ; pois, alem de
tudo, e essa a reeita que a empreza concedeu ao
autor, como rerauneracao do seu irabalhe.
0 trabalbo e bom c seu autor deve ser recom-
pensado, 0 que so podera ter lugar, se 0 pubiico
desta capital, que sempre tao benevolo e generoso
se tem moslrado para com outros, attendendo a
qaao diffJcil e atstaOM e a vida do liomera de let-
Iras neste paiz, 0 qaizer auimar e proteger con-
correndo ao theatro.
, Nio e lator, e justica.
Atientado. Em confirmacio do que ha-
viamos publica Io, sobre os assassinatos di alfe
res do. corpo de policia Joao Francisco da Silva
Castro, e seu camarada, chegaram as communica-
tes officiaes, ministradas pela delegacia de Inga
zeira.
Dados a sepnltura os dous cadaveres, proscguio
a autoridade eru busca do criminoso, e conseguin-
do captural-o, reconheceu-re ser eHe Antonio ?er
reira de Lima, natural da provincia da Psrahyba,
e morador uo termo do Limoeiro : 0 qual como
cargneiro, conduzia a bagagem do infeliz alferes.
Preso, confessou facilmente sa crime, 0 desal-
mado.
Foi apprehendida a ca.ga, que conduzia, e ende
se encontraram fragmentos de papeis e outros
objectos queimades, e a quantia de 1:360*000,
que 0 alferes Castro, levava para pagamento do
deftacamento.
Matou para roubar, diz 0 delinqueote ; mas, 0
que consegnio.afinal ease penrerso ladrlo I
Lot or* a.A que se aehs a vends k 3 95* a
benefteio ds matriz de Jsboatiio, a qual corre
no dia 14 do corrente,
liCiiao. Sexla-feira, 10 do corrente, deve
ter lugar o leiiao de raoveis, loncas e cristaes, da
eas> de residencia do tenent-; coronel Pria Villar,-
conforms esta annnnciado, para 0 sobrado da rua
dos Osscs n. 26
Hoje e amanha, effeclua 0 agente Dias, no
armatem de J. A. Moreira Was. a roa do Born Je-
sus n. 26, 0 leiiao de ferragens e miudezas, alii'
exisfl'tites. Convida-se aos seb'iores lojistas, des-
se9 generos de negoeio, a altl eemparecerem, aflm |
de se proverem, por TOnitissimo lAeno*, que em
outra ijaalquer -parte.
Casa de detencao.Movirnento da casa
de detencao do dia 5 de abril de 1874.
Bxistiam presos 314, existem -3*4.
A saber :
Nacionaes 246, mulheres 8, estrangeiros 20,
escravos 39, eserava I.Total 314.
Altoentados a custa dos cofres pTAIlcos 189.'
HoNpital portuin* de beneMern-
cia. Movimemo das enfermarias na semana de
29 de marco A 4' de abril de 18*74:
FfBararrf existmdo 30, enlraram t, sahlrant
cura*^ 12, falleclfam''lS, (Team exiBttodt) Jf7
Esta'db sermnaoSr. mordoRW Frabelsco Josel
Gomes:
' Santa Casa da MCfterirardia. -O pes-
soa! de enfermoe t3 edWcaffdo* a oargoidHU esta-
beleclmeftto in* rtiee de marco, fc* 0 seguinte-:
HoS0fl'#eBrt V, 3J5, lilho dr' e*rmo8 II,
meninos em criado 72, t tal 1,000.
ffropltnl P*-dr H. o moWmento deste
o>uboiccimento, de 30 declare.) ao dia 5 tie abril
fpl 0 seguinte : cjistiam 350, entiaram 43, sahi-
ram 3i, falleceram II,existem 3:7, sendo : 212
homens e 115 mhlheres.
Adcertencia.
Foram visitadas as enfermarias ncstes diss: ss
7 1/2. 9, 8, 7 1|2, 8, 7 l|2, pelo Dr. Beltrao; as
12 1[2,12, pelo Dr. Sarmento ; as 9, 8 1(4,8 1|2, 9,
8 l|J, 12 1/2, pek) Dr Malaqoias ; as 8, 8 Ii2,
8,^, 8 1(2, 8 l'S.pelo Dr. Vianna.
Fallecidos.
Carl Axelsen ; febre amarella.
Josto Correa da ConceicJo ; ferida penetrante e
peritonite.
Luiza Maria de Franca; vc'hice.
Manoel Aires Gordeiro ; variolai conflaentes.
Charles d'Amyot; febre amarella.
Serapiao Colocesto Jordae ; lubercuhs pulmo-
nares.
Carlos Ricorde ; febre amarella.
Albenino Alves dos Sanios; variolas gangrenosas.
Aniceto Francisco de Oliveira ; variolas con-
fluentes.
Appolino Ferreira ; febie amarella.
Maria Francisca de Oliveira ; tuberculos pulmo-
nares.
Proclamas.Foram lidos na igreja do Ro-
sario, que serve de matriz da freguezia de Santo
Antonio, no domingo 5 de abril, os seguin-
tes:
1-* denunciaclo.
Antonio Aquilino Nunes, com Marianna Fran-
cisca dos Prazeres.
Jose Pedro Baptists, com Felismina Maria da
Conceicao.
2." denunciacao.
Vicente Ferreira Nunes, com Laurentina Helena
Locio.
Manoel Alexandre da Resurreicso, ci ra Leoncis
de Luns Freire.
Jose Miguel Correa do Ns-cimento, com Rita
Marisde Lima.
Manoel Cavalcante Vicira de Mel'o, com. Anna
Joaquina Cavalcante Maciel.
Balbino Antonio de Moraes, com Anna Luiza
Pinheiro.
Tenente Jose Caetano de Souza Cousseiro, com
Maris Amelis Alfredo de Carvalho.
Romilo Ribeiro de Vssconcellos, com Joanna
Maris da Conceicao.
I'atitiasoiroK. Chegados dos portos do
norte no vapor brasileiro Pirapama :
Tenente coronel Jeronymo I. Figueira de Mello,
1 criado e 3 escravos, Francisco Boa-Ventura,
Joao P. de Sa, Victor Improt e um sobrinho, An-
tonio Rodriguez Braga e 1 escravo, William Lef-
frem, William Smitti, Ramino Antonio da Costa,
Guilherme Leao Varella, Francisco Eduardo Soa-
res da CSmara, Viriato 0. do Naseimento, Ven-
ceslso Jose Ferreira, Joao Pereira, t praca de po-
licia acompanhando um escravo, 3 ditis a cntre-
gar, Antonio Jose Aranha, Antonio Rodrigues Ara-
nha, Esperidiao Rosas, Jose Antonio Pereira Vi-
nsgre e Manoel A. da Silva.
Sahidos para 03 portos da Bahia e escalas no
vapor Penedo :
Othoniel Pedrozo, Urbano Jose Peixoto, D. Joao
Almeida, Luiz Gomes Bezerra, urns filha, um mc-
nor e um escravo, Manoel Vicente F. Espirito San-
to, Vicente Alves de Aguiar, Jose Lsslelhsno,
Agostinho Teixeira, Franctseo de Assis Bspti.-ta,
D. Ciarmda Calao Lopes.
Ceraitcrio publica Obituario do dia 4
abril.
Maria, branca, Pernambaco, 3 mezes, Boa-Vis-
ta ; ignora-se a tnolestia.
Felippe Borges da Silva, preto, Marauhso, 27
annos, solteiro, tambor, Boa-Vista, hospital mili-
tar; tuberculos pulmonares.
Maria, parda, Pernambnco, 9 dias, Sanio Anto-
nio ; convulsoes.
Joao, preto, Africa, 50 annos, solteiro, Recife ;
tuberculos pulmonares.
Maria Francisca de oliveira, parda, Pernambu-
co, 26 annos, soltetra, Boa-Vista, hospital Pedro
II.: ph'ysica pulmonar.
Juvenlina, branca, Pernambnco, 6 mezes, Baa-
Vista ; espasmo.
Julia, parda, Peraambueo, C meze3, Boa-Vista ;
ncphozites.
Joaqutm Jose Aotune-, branco, Pernsmbuco, 40
annos, casado, Bia-Visia ; bypertrophia do co-
racao.
Jose Prates, branco, Hespanba, 21 anno?, soltei-
ro, Boa-Vista; febre amarella.
Maria, parda, Pernsmbuco, 6 annos, Recife;
bexigas.
Catharina, eserava, preta, Pernambuco, 38 an-
nos, solteiro, Boa-Visia; variolas.
PARTE POLITICA
I'AHTIDO CO.\ERVADOl
RECIFE, 7 DE ABRIL DE 1874.
Sim, nos temos razao, quando classificamos
de risiveis essas formas apparatosas dos gbveruos
livres, com que 0 Brasi! se pavonea, porque a rea-
lidade na piatica as desmente. Essa linguagem,
de que as nossas leis se servem, e a condemna-
5-ao da nossa vida polities.
Eis aqui porque esses meslres da Provincia
desesperam com os nossos arligo?, sempre que
analysamos os seus escriptos polilicos e levamos
a evidencia publica, quanto sao vario', incousis-
tentes e aleatorios.
Nao podemos, com effeito, deixar de admirar
a coragem desses publicistas do nova especie,
a quem coube por sorte descobrir a incognita
entre a foi-ma escripla da lei e a execucao delta.
E' realmente lamentavel 0 tresvario dessas ca-
be^as I
Se condemnais aslorm-.s c.ppiratosis dos go-
vernos livres, porque a reahdade na pratica as
desmente, 0 que preferis entao ?
Nai vos serve tambem a linguagem das nossas
leis, porque essa linguagem 6 a condemhacao da
nosss viJs polilics; mss que outra linguagem
quereis vos substi'.uir ;i essa, qne empregamos
hoje ?
Se s proposicso, que escrevesies em vosa Pro-
vincia e nos serve de ep;graphe acima, exprime
alguma cousa ou tera algum senso. n6s realmente
tgnoramos.
Quereis a politica ds realtdade, ou antes uma
politics, que nao seja desmentiii na pratica, e
politica ; qe-*a dispruigf os nao tt execntim :
quo essas neflezaj, (s-a jostles' donos*o ccdi.o
politico nine uma r< alidade on praties da no-s*
vida- social.
Alu tendes, pois, lavrada p<-r vossas r-roprias
mios, s stulen.a da vos.-a coudemnacao. Via,
Srs. provincianos. sois r6ot publicos confesso*.
que, por mais de uma ves, tendu feito 0 grande
aclo de conlricgao, reincidis impeoiientes.
Ahi fica no d joiinio pubiico a importante ver-
dade de qne nunca cumprutts at lets io paiz,
nem essa justica do nosso codigo politico, e agora
nos vindes dizer ainda, como um insulto ->,'.
siio formas apparatosas essas, com que 0 Brasil
se pavonea I
Nio e a primeira vez, qne 03 espinboj da eens-
cieucia adormecida vos impellem a patentear a*
vossas passadas e odientas culpas; 0 qne vos
tortura, porem, e quo nao queiramos nos oatrrs
conseniir qne partilheis comnosco a respon-
sabilidade dos males publicos, que vos torturam
e esmagam.
Os defeitos, os vicios das uossas leis so os
enxergais, quando vos achais apeados do podrr,
antes disso as leis sio excellentes, c exprimem
a mais exacta realidade na pratica da nossa vida
social I
Regislradas as vossas culpas por vossas pro-
prias confissSes, dizei-nos agora 0 quo pre'en-
dcis vos ; qual e, era definilivn, a vossa ultima
palavra :
Procurando t aber da liber Jade, que nos po-
vos se praticam, nos a encontramos aqui sob a
republics, e alii sob a monan-his ; e tambem sob
ainbas estas formss veinos que, era outros lu-
gares ells se nao pratica.*
Do que ahi ests Irsnseripto da Provincia. a
nada se collige de serio, ou pars os teus redact -
res tanto vale a republics, como a motarcRia
para a liberdadc- dos povos, e por tanto 0 qu
elles realmente condemnam nSo e a forma,, Me
0 apparato da forma.
Qual e, porem, 0 apparato da forma nos ft-
reraoi republicanns, o qual apparato possais
condemnar ?
Precisaisexplicar-vos melhor.
O manifesto do vosso centra liberal Reforms
on 1 evolucuo.
Ajora, mais d" que nnnca prerisamos MM*
qual seja essa reforma, deile que tendes CM-
demnado a forma appiratosa de governo livr<-
coin que 0 Brasil se pavonea.
E' melhor disculir seriamenle e.-sas quesi".-
que inleressar podem a causa do pair, do ft
chafurdar-se na linguagem desbragada do in-
do doesto e ds dotamarao, em que vos esuis tor-
nsndo useiros e viseirns.
Os provincianos sio homens do stain qu:>. a
nao cinbarga que sejam uiona,rcbistas do mm
termo, e 6 por isso que elles nos tem dito (jue
nao olhain pars a Franca e s Hespanha corn
olhos de propugandistas repnbticanot.
Applauiem a republica notes paizes ju-;--
mente, porque sao pelo statu quo, que e a t li-
lies mais seria c mais segura.
Somos pela republics em Franca e na Hn-
panha pela mesma razao, porque somos pels :n -
uarchis na Ingiaterra, ns Belgica. na Italia, etc.*
O st Ha dias esfriaram os amores psls forma do
g.verno inglez, 0 qual, depois da queda dos li-
beraes, ja uso e mais 0 typo do gaverno MJW*
sentstivo c nem s rainha coroads 0 symbolo da
sutoridsde, cuja grande mi;sio (Jessa magts-
tade) e referendar simplesmente 0 voto Hetoul.
Baodoleiros 1 !
camara muniprpal da'vllls de Agua-Preta, verifi-" bosfital dbs lalares 41, hospicie de aNenaflos 88,'
cando-se nadhaver nnmero parti votar,b Sr. pw- teylo da meridicidade 103, collegio dos orphans
8$, dito das orphls 160, casa dos exposlos 93,
por isso condemnais as formas dos governos li-
vres, que chamais apparatosas : bern ; mas 0 es-
pirilo fiis vseillante e.inquieto para eomprehen-
der bem onde esta 0 vicio, se nas formas livres,
se no apparato das mesmas.
Na primeira bypothese, desde qne vos, liboraes
pivvineianos, condemnardes as formas dos gover-
nos livres, nio vos restssamais do que ss formas
austeras e inHexiveis dos governos absolutes, que
entrctanto pode ser que se vos afigurem ellas
com a expressao mais authentica da politica da
realidade, nunca alias desmentida na pratica,
sempre que, por eastigo da Providencia, tendes
galgadoo poder pubiico.
Vos, bem sabemos, nunca vos embaracastes
com as leis escriptas, sob 0 frivolo pretexto de
que a realidade desmente quanto ha de bello e de
justo nas mesmas leis.
ClasMilcais de risiveis essas formas appara-
tosas, com qne 0 Brasil se pavonea ; entretanto
confcssai'8 por vossa propria bocca :
t Qae codigo politico podera, neste terreno,
avantajarse ao nosso; qne cntro contem dispo
sicoes mats ampla, consagrando as llbcrdades
publicas ?
Havera ahi um conira senso em politica mais
repugnante 0 cruel ?
Desde que haveis irremissivelmente condem-
nado as formas apparatosas, com one 0 Brasil
se pavonea, 0 que nos resta pois Tendes pep-
dido 0 senso commum 1
Mas acompanhenlos cs tresvarios desses alican-
tineiros da PntHncia e vejamos a razSo que alle-
gam para a condemnacao da forma:
Agora perguniamos nos : essas dispositoes
se execntam f essas belleza?, essa jnstifa do
nosfo codigo politico e uma realidade na pratica
da nossa vida social? Eis a questao, Srs. da
Columna, qne em balde tcntais evitar. O con-
traste da forma com 0 fundo e" tao palpavel, e
tlo evtdente, que nio podeis impunemente fugir
a qnes'ao, que temos posto, mesmo aos olhos
daquelles, que dessas malerias nao conhecem.t
Rem ; nos vos rejpondemo?, por nossa parte,
que cs conservadores semtire cumpriram tlel-
'raenle as disposicoes d qbe coesagram as lib'erdviea publieaa; v3,
porem com' toda certoza> tendes horrivelmente
abttsado, quando montais as escadas da cover-
nacSo doRstado.
Qae e isto uma verdade. vos mesmos oestais
confespahdo por vossa bocca, qoando deolarais
que a realtdsde na praiica desmente as formas
Sparatosas dos governos livres, com que 0 Brasil
pavonea
Fojgos fatuos.
Sio inimitaveis na aleivosia esses rapazes d.i
Provincia I
Dir-se-hia qne irabalham para fazer rh", se e
veo da imbecilidade nao encobrisse um pensamen-
lo de requintada ma fe.
Ns penuris de razoes on motivos que fundena
uma accusario seria a sdminislra^ao do beneme-
rito Sr. cominenJsdor Luns, qne deve ser tru:.-
dsdo quand meme, sndam sbi s doudejsr, ora m-
ventsndo com impudencis, embora sejam I g
desmentidos solemnimenle, como sempre succede.
e sinds ultimamente quando afflancaram que a
camsrs mtmicipal nao l.jra nuvida no contr..-
do matsdouro; ors torturando o penssment- e
deslocanlo palavras do relatorio de S. Exc. ftm
d'ahi tirarcm assumpto de um arligo, com qu-
encham as columnas da saa Provincia.
E vejsm :
A represenUc3o nscionsl e provincial recebeu
no relatHrio do Sr. Dr. Lucens uma qualilica.su
original, digna da sttenclo dos que se interessam
pela nossa vida politics. 0 poder legislative pr;-
vincial ou geral, ja nio emaas das con-
viccOes politicas, ja nao e 0 representante de ideas
e de pnnciplos, sahldos victoriosos dos pleilos eiel
torses, como tem procurado convencer ao pa;:
governo imperial c a maioria qnea|ioia o mm
rio. 0 nosso parlamento, na phrase do Sr. La
cena, e filho da perniciosa ckicana part Harm, ea-
jas conscquencias repelidas vezes tem sido '<,.
aicat.
Entretanto os provincianos se referem a seguin-
te parte do relatorio:
A reforms, que os poderes do estado iratam
dedar ao actual system de eleicoes, vai abrir im
nossos pleitos eleitoraes uma phase concdiad ra
dos exaltamentos politico?, expurgando-ss quan:
e possive! da peTrniciosi chicans psrti-Jaria. cujas
conseqnencias repe'idas \tzes tem sido traci-
cas.
S. fete, teria razao de sobra para externar 9
pensamento que Ihe emprestain M provm\
nos, se houvesse de referir-se ao fatal domu
progresststa, que nio chicanr,u simplesmente em
msteris eleitoral; ma* poz em accao os mais e<-
candalosos manejos e tropelias que a nossa p m .
lagio tem presenciado.
Para exemplo basts lembrar as irregularidaOr*
e escandalos pra;icad)s nas elei.oes de S. J.-.
onde era subdelegado 0 fulhetinista ds Prorin 1.
e nas de Muribeca.
Mas, dizer que um systems eleitoral facilita 0
emprego da chi -ana, 0 que alias e por todos re-
conhecido, nao e dizer que a representacio nacio-
nal esta em sua cssencia falsificsda ; como nio so-
ns dizer que todos os julgados do nosso foro c: -il
sio infundsdos e injusl-js, quem alllancasse :
ss paries e proenradores Usam alii da chicana para
chegarem a seus tins'.
_E faz chorar de rir ver como os proviwia
vao beber inspira^lo no c:l!egi d 1 L'niSo '....
Similes similibus.
Nio ha d-'sespero maior do qne 0 desespero dr
causa ; e nao seremos nos quem negue aos ,
vincianos 0 direito de esbravejarem, porifne ci>".
consiguiram revolucionar esta cidade no dia li-
do msio.
Debaixo deste ponto de vista, esil) em sen Ci-
reito accosando o illastrado e criterioso adminis-
trador, qne os contrariou no piano sinistro.
E* este 0 motivo do aranzel sobre tranqaillidsoV
publica, na pane qne S. Exc. diz- qae a tranquil-
lidade publics nao sotfreu alteracio.
Forte insanis !
Torturar sempre 0 pensamento alheio I
Se foi sina que Dens Ihes dm, cumpra-se.
^SLStACOES k FEOiBG.
Santo Anto.
$r. redactor. Descsucava meu espirito magoa
do pela farca ri Jim Is que cm minha susena^
presenciars esta cidade, representada por u"
embusteiro e outros compsrsas, quando casna.
mente depsrei no Alumicipio de sabbadu ptata li.
21 do crrente uma furiosa verriua sob o'pse-u
nimo de Km seu conhecido.
Deveras foi grande minha sorpreza. por^ao
conheci que inimigos pequeninos tenlavan atacar.
com inaudita audacis, aquillo qae 0 horaem tem
de mais sagrado couceito e honra ja come
pai de familia, ja como etnpregado pubiico.
Em verdade, estava diso sto nao respostar ao
meu aggressor, pois que, como empregado ju-
blieo, possno as mais honrosas quita'/oes doa ins-
pectores ds thesoursris geral, e, como pai de fa-
milia, sou muito conhecido, e tenho por rp'-m%
0 juiio pubiico victoriense; mas, como fora pos-
sivel que duvidas pairassetn no animo daquelles
que_ de perlo nao me conhecessem, lomei a rew-
lucao de subir so alto da iuiprcnsa para desmen-
tir solemoemeote, como aqui faco, 0 indisjn<>
que atirou-iue 0 dardo ds caluuinia, e mostrar .;
a e\ idencis. quant > 0 infsme e cymca a argui ;k
que se me fez de haver sublrabido beo da tinad*
13. Caetana Alesandriaa de Brito Gaivio.
A pubiicaeM a pedide do meu cslumnisdor -
dirigida ao Exm. Sr. prewdeate da provincia, aa
inspector ds thesoursris gral e ao Ulna. Sr. Dr.
desembarcader lose Felippe dc Soura Leao.
. Com effeito I a qua propoato Ud 0 appelio do.
nome do desembargador Jose Felippe a IqcUs,
Ihe sio cstranhas, e a ardis
qae Ihe sao cstranhas, e a arms psra os qoae
.vota soberano despreso do alto da cadeira eat qae
qbe a linguagem, de que as nossas esta collocado ? Psrece me qua um facto tedc.

leis se servem, e a condemnacao da nossa vidajdependente da parte propnelaria doi bens tm

-
l !:

--.
'-


Jfflteio -de''ftenamouoo -*- fyxqa 4eira,;7jde iLferiLMe ftlffJ
\
deposito a do Drvjdiiifiranietial, que mo nomepu
depositario, nada teal *ud ver earn a<{uella ma-
gistrado. '
' Bu bem. eomprehaado o;*lvod(aBtor id,o. -
Ado: aada mais nada menos do que .var,-e o
desembargador Jose Fulippe dosee aarananegra
era que pelejam taes gladiadores da honra e (da
reputaeSo alheia ; mas, de uma ver para sempre
flqae bem cerlo o aulor da verrlna que o Dr. Jose
Fertppe esta acima de todas estas indjgnida^es, e
tarn as costas voltadas para as zoilos e guernlhci-
roi de imprensa,
Tarabera nao pflde da sanha do meu detractor
escapar a Instdwcao ma;onica, a qua pertenco. B
a que propositq ainda semeibante appello ?
Nao me exalto de pertcncer lh'a como humilde
consocio ; e, quando assim fosse, nada de censu-
ravel existiria, porque seu seio concenlra as nota-
bilidades do paiz; talvez, que ella encommode a
muita gento, poisque.oao franqueia as portas a
detraetores de famiiia e a criminosos de morte t I
Coin relacao a noraeacio de deposi!ario, que
fui, pelo Dr. juiz municipal desta comarca, dos
bens da finada Caetana, disse o Municipio :
Qua a eidade testeraunhara uma bus :a_dada
em csi de Joao d-i Miranda, para aprehencao de
objectos perlencenle a Qua la Caetaaa cujos bens
forara subirahidos pelo collector das rendas geraes
deste municipio, a quern fora nomaado depositario
particular dos aspolios da finada.
Que inaudito escaudalo Quo attaniado jun-
dico I
Vejamos, pois, como isto se passou :
Auaenle da eidade per espaco de vinte e quatro
boras, urn iuimigo gratuito, instrument de cegas
paiKdea alheias sem-nenbura laco de conheci-
meuto e parentesco com a finada D. Caetana en-
teudeu qua raiaha auseucia era occasiao asada
para desprestigiar me ; e u*ira denuncia que dous
va*os de flores e um velho lavatorio, dados a.meu
Ueposito, achavarase era casa de Joao do Mi-
randa. .
Concedaraos. por bypolhess que realmento ti-
vesse subtrahido esses objectos.
Mas quern uao ve que seudo Joao de Miranda
irmao da finada Caetana, eu B& 0 buscaria para
jjuarda de taes objectos, e cumplice do um crime ?
Qaera nao ve* qua sendo depositario de outros de
valor subido nao buscaria subtrabir os mais in
significantes ? Quoin nao vti que Joao de Miranda
em conluio para occultar aquelles, seria por maio-
ria de razao para occullar estcs, segundo dizera,
occultei? porque nio forara enconlraUos ? porque
nao denunciou daquelles Joao Miranda, esperaudo
quo est'oulros fossem por um estranho a)s espo-
lios da finada ?
A infamia e por demais patents !
0 deaunciaato era parte incompetents em di-
reito para semelliante acto, q3o so competeria ao
muilo diguo Dr.. juiz municipal, que mo nomeou
depesitorio ou ao possuidor dos beus dados a de-
posito, a quern assiste o dominio.
Enlretanto, esse energumeno denuaciante a-
cegas buscou uma autoridade incompatente, como
seja o subdelegado, e ainda menos o Dr. promoter
publico, quo se apresontou uo caracter de eurador
de orpbaos.
E' este a bello espectaculo que, diz o Municipio,
tir presenciado a cidute di Victoria!.'t
Seguodo a bypotUese apresenUda, pois, Joao
Miranda e cumplice de u;n crime, se-ruulo o art.
6 do coJigo criiiiia.il; p >rquj recebeu para sua
guarda object .s obiilos por meios criraiaosos e
sompeteria igaal denuncia ao mesmo occultor.
Qaca, porem, o publico a historia verdadeira
cool o qual
fa'.le >5ra
desse deposito, com) el!e se uou, o
nada teniio que ver boje.
Caetana Alexandrina do Bri'.o Galvao
era Janeiro do 1873 ; e por esse te:npo, thesourei-
ro que tu era da fosta de Santo Antao, cstava en-
tregue aos seus altazeres, quando em minba casa
entroa o Dr. juiz municipal e n companliia do
Sr. Manuel Maria Si llollamla Cavaleante e ou-
tras peisoas, e convidou-me para depositario dos
beus da |nella senhora ; o quo aceitei em diiferan-
.^a a esta illustra magistrado.
N'a casa do Caetana, durante sua enfernidade,
t'azia assistencia, eutro diversas pessoa*, a irma
da moduli e um caahalo, s in nosse nuraero levar
em eonta as visitaa. C)ino, pois, dizor-S3 que
sub'.ralii beus da linada com tal concurse de pes-
soas, entre as i|ua s se acliavam outras mais in-
tereseadas em sous beus, do quo eu ?
Fora mellior fallar-se a verdade, do que victi
mar-se innoeeaias 0 autor ou autores, se tal
subtracao teve lugar, uao facam violencias a si e
lancem' iin;utacao a outrmn I !
Depositados em men pj.lor os objectos, foi, um
porico mais tarde, u >mead) tutor da manor. Ho
norina, lilln da finada, o Sr. Manoel Maria para
qaera, de ordera do Dr. juiz municipal, liz passar
os dilos objectos do meu poder.
Yen li, e verdade, tres vaccas de leite e dous
jarros ein mao estalo para satisfacao das despezas
do eaterro da Caetaaa; isto porein, mediante a
devida autorisacio do jajz, e da venda o'otive os
respectivos recibos.
Como, pois, ousara calumniadores mentir cyni-
camente, prosiituinlo a imprensa, a opioiao pa-
blica, eavenenanli aquilh que, os documentos
juntos aos autos no c.i lorio do escrivai do or-
phaos provam ate a evideacia ?
Cm easo nai menos iraportante foi ; que havia
me dirigido para o Rocife a negocio de particular
interesse, e teve lujjir o leilao dos diversos objec-
tos da linada; o aln, orosente um bomem de ma
fii e iadole porversa, tentou p6r em duvidi um
lavatorio, leixaio pela finada, fosse dado a depo-
sit) ; 0 que eiiergicamente repellio o Dr. juiz mu-
nicipal, assaveranlo a ideutidaJe do masmo, por-
quo, dissera elle, bavia-o vist), quando fora arro-
la"do para deposito.
E' o requinto do cynismo t
Agora, uma palivra ao meu caluraniador :
Zoiloj quo e Vme. da reputaciio alheia, e inlo-
monbiado pelo cargo qua occupo, do collector das
rendas geraes a dez para onze anno1, s6 o d*spei-
to moveria a estas e outras indUnidades para as
quaes, gramas nio sei a quern, tem ainda o pejo
de uao deixar cahir a visuira.
Pode disparar as settas envenenadas quequi-
zer, pois que prometto na> voltar a imprensa
para luctas infructiferas; escreva a chronica que
Ihc aprouver, porque a, da quem esta a injuriar-
me, e por demais conhecida, ate masmo pelos ear-
torios! nao descerei ao campo das protervias e
iujurias, porque penso com o erudite conselheiro
Bastos : asiniurias sao sempre as razoss de quem
aao tem razao.
Victoria, 30 de Janeiro de 18"i.
Guillurmino I'aes Barreto.
(Do Correiode Sxnto ArUao.J
Cambio sobre Lisboa a 90 V- m W de I**- ! DA
Sanlissiiiia Triiulade.
.N'este estabelecuuento do instruccao e educario
de meainas, sob a directeria da Etma. Sra. D.
Philomena Jersey, e suas Exraas Irrais D. Lande-
lina Jersey e D. Olindina Jersey, admittem-se edu-
caudas mediante a pensao mensal de 40^, sera
mais cutra despeza, e aprendera: lingua nacional,
inglez, francez e italiano, fallar, escrever o tradu-
zir ; geographia, aritbraetica, historia, piano, dan-
ca, musica e desenbo; toda a especie de bordados,
e os melhores principios da religiao christa. No
interior do estabeleciraente falla-so somente frau-
C6z, e e incompativel o professorate do sexo mas-
culino.
.\gua de Florida de Murray
o Laniuan.
Nio e difflcultoso distinguir se a senhora de de-
licado e delcadogosto, pela qualidadedos perfumes
de quageralmente ma. Tanto as senhoras da moda
como as senhoritas da America Central edoSul, dao
uma indisputavel preferencia a Agua de Florida
de Murray e Lanman, em lugar de qaalqaer am
outro perfume para o lenpo ; e teem^se aferrado
ao mesmo para mais de vinte annos a esta parte,
a custa do inteiro e complete abandono do ex-
tracto de Lubin, assira como de outros muitos
per/Qmes e essencias europ6as, mais ou menos
agradaveis, mas em nenhum caso Uo aromaticos
e de propriedades tao suaves e refngerantes. As
nossas proprias tBeldades sao hoje as primeiras
a juslilicar a ajuizada sentenca passadapelo pu
blieo da America do Sul, em favor desta riquissi-
raa essencia floral, a qual vegeta e se propaga
pelo mundo inteiro altiva e sem rival, adquerindo
continuamente novos triumpbos.
0(0 d^
rnio, sabbado.
Cambio >obre o Porto, a 90 ^v 103
premio.
Cambio sobreoRro de Janeiro a 13 d|v:-f|l 0|0
. de desconlo. salibado.
6. de Vasconcetlos
Presidente.
A. P. da Lemos
44em4o.dR6
Secretario.
A.LFAN'DEGA
Reidimento do dif 1 a i
d*m de dii 6
109:145*334
21:398.5391
133:543*913
>330*43
1^392*825
Descarregam hoje 7 de abril de 1874.
Vapor francez Mo Grande mercaaorias o
bagagens para alfandega.
Barca ingleza -Aureola(atracada) mercadorias
para alfandega.
Barca franceza Inlrepide Corse mercadorias
para alfandega.
Galera portugueza Lisboa mercadorias para
alfandega
Barca hespanhola D. Luiza mercadorias para
alfandega, e materjaes para a empreza da
companliia locomotora, ja despachados
para o caes 22 de Novembro.
Brigue francez Mines de Soumachs n. 2 mate-
riaes para a empreza da companbia lo-
comotora, ja despachados para o caes 22
de Nov.embro.
Oarca ingleza Bo/pAim,materiaes para a empre-
za da companbia locomotora, ja despa-
chados para o caes 22 de Novembro.
Patacho portuguezLiiaetor-vario3 generos para
o trapicho Conceieao, para despachar.
Lugre portuguez Julio varies generos para
o trapiebe Conceieao, para despachar.
Patacho nacional Jaboatcb- varios geperos
para o trapiebe Concelcjio, para despa-
char.
Barca ingleza Nertherlon -bacalhao ja despacha-
do para o trapiebe Conceieao. rf
Brigue inglezL'zzi'e and Kate -farinha ja despa-
chada para o caes do Apollo.
Brigue austriaco Vie Ziwer Brttder farinha ja
despachada para o caes do Apollo.
Vapor nacional Piravama generos nacionaes
para o trapicho da companhia pernani-,
bucana.
Hiatc americanoHathe Has/cellfarinha ja des-
pachada para o caes do Apollo.
IuiporlacSo.
Vapor nacional Pirapama, entrado dos
portos do norte em 6 do corrente o consig-
nado a companhia pernambucana de oave-
ga<;ao costeira por vapor, manifestoa :
Algodao 80 saccas a Julio C. P. Barre'o,
30 a Jose da S. Loyo Sobrinho, 2ii a Almei-
da & Vianna, 25 a Monteiro Guerroiro &C-..
24 a Scs& U. Graff & C, 16 a Andrado &
Mello, 16 a L. Antonio Siqueira, 7 a F.
Lopes. Barricas vazias 100 amarrados a
Castro & C.
Cobre 5 barricas e 1 caixote a A. A. S.
Aguiar. Couros 42 a Perdigao Oliveira &
C 28 a Silva Neves C, 24 a Julio C
P. Barreto, 5 a A. Barros & Ferrejra.
Esteiras 33 ma 21a Gomes do Mattos Irmaos.
Fumo \~2 pacotus a Alheiro, Oliveira
Ponnas 1 pacoto a M. J. Pessoa.
Resiua de angico 2 barricas e 1 caixa a
Bariholomeu & C.
Sebo 1 barrica a Silva Neves & C. Sola
4 atatiados e 1,702 meios a Gomes de Mat-
tos Irmaos, 500 rn^ios a Luiz Gongalves da
Silva & Pinto, 392 a J. J. Tavares do Mel-
lo, 300 a Moraes Irmao, 70 a Alfred) Bar-
ros & Ferreira, 69 a Joao llamos & Ma-
cbado.
D5.JPAGH03 DE EXPORT.VCAO NO DIA 1 DE
ABRIL DS IS7i.
Para os portos do exterior.
No navio austriaco Dei Jover Brnder, para o
Canal, carregou : J. Pater & C. 4,000 saccos com
300,000 kilos de assucar mascavado.
Na barca ingleza Jeorg Cannig, para o Ca-
nal, carregou : R. Schmmettau & C. 3,200 saccos
com 210,0' 0 silos de assucar mascavado.
No navio inglez Florie, para o Canal, carre-
gou : L. J. S. Guimaraes 1,200 sacco3 com 90,000
Kilos ie assucar mascavado; Viuva Bastos 600
ditos com 43,000 ditos de dit); S. Brothers & C.
2,700 ditos com 202,500 ditos de dito.
No navio inglez MaqSaret \ViIkie, para o Ca-
nal, carregou 7,000 saccos com 525,000 kilos dc
assucar mascavado.
Na barca portugueza Alexandre Uerculano,
para Lisboa, carregou : Araorim Irmaos & C.
3,300 saccos com 247,300 kilo; de assuiar masca-
vado o 1,200 ditos com 90,000 ditos de dito
hranco.
Na barca portugueza Finnezi, para Lisboa,
carregou : S. Guimaraes & C. 6o0 saccos com
48,730 kilos de assucar branco e 900 ditos coin
67,500 ditos de dito mascavado ; J. Licio & Filhos
300 ditos com 22,500 ditos de dito : para o Porto,
J. C. Figueira 177 saccas com 12,000 li2 ditos de
algodao.
Na barca portugueza Jjsepluna, para Lisboa,
carregou : E. R, Ribello 4 C. 800 saccos con
60,000 kilos de assucar brpneo.
No brigui hespanhol Romantico, para o Rio
da Prata, carregou : P. M. Maury 15 pipas com
7,200 litros de aguardente.
Na barca brasileira Martina, para o Rio da
Prata, carregou: A. Loyo 661 barricas com 78,341
kilos de assucar branco.
Para os pjrlos] do interior.
Para o Rio Grande do Sul, no briguo portu-
guez Social, carregou: A. Cordeiro 300 saccos
com 22,500 kilos de assucar branco.
Para a Bahia, no vapor nacional Penedo, car-
regou : I. C do Rego Pontes 23 barris com 2,400
litros de aguardente.
Para o Natal, na barcaca llenriqiietu, carre-
gou : S. C Paes Barreto 2 pipas com 960 litros
de aguardente.
Para Macao, no hiate nacional Adehno dos
Anjos, carregou : A. da Silva Campos 4 cascos
com 960 litro3 de aguardente, para Mossoro, 10
pipas com 4.800 ditos de dita, e para Macao, 1
barril eom 96 ditos de mel ; A. Oliveira & C. 2
cascos com 23 ditos de aguardente. .
Para o Natal, na barcaca Gratiddo, carre-
gou : B. F. Guimaraes 1 barrica com 67 kilos de
assucar branco.
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, de abrll
de 1894.
AS 3 110RAS DA TARDE.
COTAgOES omciAF.s.
AssucarCanal 1*200 por 15 kilos, sabbado.
-Cambio sobre. Londres a 90 div. 26 3i8 d. por
1*000, eabbado.
CAPATAZIA
rtendimento 0i> dia 1
dera do dia 6
DA ALFANDEGA
a 4
2:218*322
412*977
2:631*299
VOLUMES SAH1DOS
Do' dia I a 1
No dia 6
rYiaieira porta
Segunda porta.....
Tsrceira porta.....
(juarta porta ......
ttapiche Conceieao
2 610
78
74
365
-435
3,562
SERVigO' MARJTIMO
Mvarengas descarregadai no trapicl.e da
alfandega ;
No dia la.4 .....
No dia 6.......
Mo trapiebe Concaicio
13
B
4
11
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCC
tendiraento dodiala4 1:517*408
dam do dia 6...... 2:756*120
4:273*528
CONSULADO PaOWKGlAb
Rendimeato do di 1 a 4 17:749*854
idem do dia 6....... 3:315*129
MARITIMOS
mouras,
8*400.
Alfandega
1871. *
idem idjrn idem^-no valor
de Pjirnamhitfo. 8 de
official! de
Castro
Fabio
0 inspector,
A. do C Reis.
GONTRA 0 FOGO. i
A companhia Indemnisadora, estabelecid*
aesta praca, toma seguros maritimos sobtt
navios e seus carregamentos e contra fogc
em edificios, mercadorias e mobilias: n*
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Angoslu F. dTlliveira-t C.
A casa commercial e bancaria deAugusto
j d'Oliveira & C, a rua do Conmercio ns
42, encarrega-se de execucSo de ordens
para enribarque de prodoctos e de todos o-
mais negpcios.40 commissae, quercommer*
ciaes.-quer bancarios.
Deconta lottrare toraa^dinheiros a pre-
mio, compraeambiaes, e.saca & vista e a
jazo, a" voutsde do tomador, sobre as se-
guintes pracas estrangeiras e nacionaes :
Loudros. Sobre o union bank of
LONDON, 0 LONDON AND IUNSEAT1C-BANK.,
limited, e varias casas de l.'^lasse.
Paris'. Sobre os fbanqueiros fou^d
& Q., MARCUAKD ANDRE & C. 6 A. BLVCQCE,
VIGNAL'&'C.
llamburgo. Sobre os Srs. joao
SCHU BACK & FILH S.
Liisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS 4 VIANNA, e SEBASTI.lO ; JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre o banco uniao do pohto
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre o barco commercial
DO PARA..C S-SrS. FR^HCISjEO G.VUDENCIO DA
COSTA & FILHOS.
If araukao. Sobre o Sr. jose fer-
reira DA SILVA JUNIOR.-
Ceara. Sobre os Srs. t. s. .de vas-
concellos & SONS.
Bahia. Sobre osSrs, marinhos & c
It it* dc Juueiro.SobreoBANCo
INDUSTRIAL E MERCANTIL, BANCO.NACIONAL e
BANQUE BRASII.IENNE FRAN^AISE.
companhia'allianca
seguros maritimos e terreb-
tres estabolecida na Bahi&
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:0003*000.
Toma seguro dc mercadorias e dinheiro
ico maritimo em navio de vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assira conn
jontra fogo sobre predios, generos e fa
'ondas.
Agente : Joaquim Jose Goncalves BeltrSo
-ua do Commercio n. 5, 1* andar.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias
(retes, dinheiro a risco e finalmente de qual
juer natureza, em vapores, navios vd cla ot
barca;as, a premies muitb modicos.
RUA DO COMMLRCIO N. 34. .
21:064*983
or fiscal inlariuo da tnesouria pro
, aos cjbatribuk^es dos impostos de-
..| 27 to art- il da lei u. 1115, 4 por
ore a renda das catas em flue se acbarem
>cinM|te8 eommerciaes fora da eidade do
Recife, assim couki das casas em'que se acharem,
botequins, caaag depasto, coche'iras, cevaliaricas
de aluguel e flbricas, que Ihes fica marcado o pra-
zo improrogavel da trinta dias, a contar da publi-
caijao desfe,na conformidade da lei n. 891 art. 53,
para soliciiarero da secclo do coatencioso as res-
pectivas guias para ^agamfnlo de seas debitos,
certos de qae ie nao o fizerem no prazo marcado,
proceder-so-ha a cobranca Jndicialmente, pnbli-
cando-se para isto a rela(,*o dos devedores abaixo
transcripts.
Secclo do contencioso provincial de Pernambu
co, 27 de marco de 1874. 0 proenrador fiscal
iaterino,
Miguel Juse de Almeida Pernambuco.
Relacao dos devedores. do.imposto de 4 por cento
PWI dicersos estabelecimentos eommerciaes, que
deixaram de pagiw seus debitos no exercicio de
/S7a a 1813.
A
Rua do Tuyuty.n. 3.-Aotonio Pereira
de Almeida 17440
Dita de S. Jorge n.112. Alexandre
Gilbert 8jJ720
Dita largado Rosaria n. 31^Augusto
de Barros ijpnc.i 15^696
Dita de SanlqjAmaro. Antonio Joa-
quim Gerald 6#278
Di^a dita n. A. Antonio Domingues
, Tinto 21#S00
Dita de Mathias de Albuquerque n. 3.
Antonio Deraardo Quinteiro 136080
Dita da Praia-nova u. 20. Antonio 2I$800
Dita de Marcilio Dias n. 7. Antonio
. Joaqoira de Andrade 8^720
Dita da Palma ns., 1,,3, 5.. Antonio
Pereira dos Santos 17440
Largo da Pejdia n. 9.-Antonio Luiz
ds Almeida 15^690
Rua di Casa Forte n. 23. Viuva de
Antonio Manoel Teheira 3^139
Dita do Monteiro n. 36. Antonio dc
Medeiros 60907
Largo de Apipucos n. 62. Antonio
Pereira da Cunha 13S( >80
Estrada para o engenho n. 3.-Agosti-
nho Dias Trabico 13080
Idem idem.Andrd Vital Alves 2#616
Caxanga.Antonio CardOso de Araorim 65oi0
Rua de Marcilio Uias n. 59. Antonio
Jose Pereira 10,51464
Boa -Viagem.Autonio JoscTeixeira 50232
Motta
Idem idem.Jok' Vieira Lima
abril ide Wem.idera.-TJose Joaquim de
eSUva
Caxanga. Jose Pacheco da Poneeca
Giquia a JaboaWo.Joao Manrieio
Idem idem. Joaquim Xavier da Silva
Idem idem. Josi5 Joaquim de Santa
Anna
Matanca.-Jose Mauricio dosPrazeres
Campina Grande. Jose Ribeiro Pes-
soa
S. Lourenco. Jeio Maria Panche
Embiribeira.Jose Xavier de Melh
Seguro
THE LIVERPOOL
coiilra-foga
&
n
LONDON & GL(;i
Capital.
?undo
Agejste.y
SAUNDERS BROTHERS A C.
11Corpo Santo11
NORTHERN.
.... 20,000:0005001
de reserva.
Mills
8,000:000?800(
Agintes,
Latham & C.
RCA DA CRUZ N. 38.
Banco commercial deBriga
JORGE TASSO, AGENTE
Biiado \jiiin-iiii numero 33
Saca sobre as seguintes cidades e villas de
Portugal.
Amaranto
Anadia
Arcos
Aveiro
Rarca
Barcellos
Beja
Chaves
Coimbra
Coura
Covilba
Elvas
Extremoz
Famalicao
Faro
Figueira
Guarda
Guimar5e3
Lagos
Lamego
Fayal.
Lisboa
Melgaco
Mirandella
Moncao
Pena-Cel
Pinhel
Ponte do Lima
Porte-mao
Porto
Povoa de -Varzun
Regoa
Tavira
Valen;a
Vianna
Villa do Conde
Villa Real
Vinhaes
Vizeu
Villa N. da Cerveira
Funchal
D
sj
id.
Navios sahidos no dia S.
Bahia e escalasVapor brasileiro .Penedo, oora-
mandante F. Pereira, carga varios generos.
Porto Rico-Barca dinamarqueza Faveur, capitiio
S. L. Overby, em lastro.
New-YorkLiigar inglez Contess of Devon, capi-
tao J. Penkbam, carga assucar.
Navio enlrado no dia 6.
Cardiff -14 dias, barca ingleza Ida, de 489 tonela-
das, capitao Tnoburn, quipagem 12, carga car-
vao ; a ordem. Arribou por haver desarvorado
do mastro de proa.
Navio sahido no mesmo dia.
Bahia-Corveta nacional a vapor Paraense, com-
mandante capitao de fragata Netto.
EOITAES.
Edital n. 143. .
Pela inspectoria da alfandega se faz publico que,
nao tendo sido despachadas dentro do praro mar-^
cado, as mercadorias abaixo declaradas* annuncia-
das a consumq,por edital d. 138, se ha de arrenia-
tar as mesmas as 11 boras da. manna da dia 11 do
corrente, a porta desta reparticao.
Trapiebe Conceieao.
Mtrca S S A C -10 caixas com alhos vindas le
Liverpool no vapor inglez-.IrMrater, descarrega-
das em 21 de agosto de 1873 e consignadas a Soa-.
re* da Silva & C, ns valor official de 71*400.
Idem A P F2 ditas com majas e castanhas em
complete estado de putrefaccao, vindas de Lisboa
no vapor portuguez Almeida Garret,- dascarregad is
9 de feveceiro do corrente anno, econsignadis
em
a Antonio de Paiva Ferreira, sem valor.
Idem S B2 barris cam castanbas idem idem
idem, a Antonio V. da Silva Bmosa, em valor. Mem idem. Joaauim da Silva Costa
I Idem1 dita com U kite*de,#re6anio em sul- idem idem.-Joaqnira XteA Pereira-da
B
Rua dasTrincheira? n. 16.-Bellarmino
Alves Anucpa 130696
Pateo do Apollo n. 41 A. -Batinga 100464
Rua da Casa Forte n. 69 A.Bento Jose
Domingues 50232
Giquia a Jaboalao. Bernardo Gomes
de Abreu 20616
Idem idem. Bernardo Jose da Costa 20180
c
Becco do Abreu n. 2. Candido Ursu-
lino.de Barros 7032i
Rua do Baiao do Triumpbo n. 100.'
Cordeiro & Irmao 1CO028O
Rua estreita do Rosario b. 10.-Costa
. Dita do Viseondc do Iahaiima n. 56.
Cypriano Vasques 170410
Largo do Monteir > n. 10. Ceciliano
Rodrigues dos Passos 300320
Estrada Nova.-Coelho & Pinho 50232
Giquia a Jaboatao. Candido Marlins
de Oliveira 30139
Idem idem.Canuto :-ergio do Farias 20616
Campo Grande. Carlota Marinha da
Rocha Falcao 20180
O
Rua Vital de Negreiros n. li.-Do-
raingos de Barros 120080
Rua da Imperatriz n. 39.-Durville 4
Guedrfs 2;0SO3
I!
Dita n. 33.E. il. Burgois 260160
F
Rua de Mariz e Barros n. 10.Fausti-
no Pires i'd'ilO
Largo da Assemblea n. 13. Felippe
Villa Verde 230195
Rua do Barao do Triumpho b. 76.
Ferreira & C. 340880
Caes do Apollo n 5. Francisco Felix
Goncalves 80720
Rua 22 de Novembro n. 2 A.Francis-
co Candido de Medeiros 100468
Dita Nova da Praia n. 22. Francisco.
Luiz Goncalves Guimaraes 340880
Largo de S. Pedro n. A. Fortunate
Jomj Thomaz 130080
Rua do Encanamento n. 8. Francisco
Goncalves Bastos e Sa 30139
Largo do Apipucos o. 42.-Francisco
Marques da Silva Mendes 2108CO
Estrada Nova. Francisco Manoel de
Oliveira 80238
Dita.Felippe Corrcia Gome* Mello 144369
(i
Rua do Marquez de Albuquerque n. 35.
Germano Pinto de Magalhaes 260160
Pateo de Jaboatao.Galdina Joaquina
Cavaleante 20616
II
Rua do Barao do S. Borja n. 35.-Hen-
rique Linden & C. 870200
Giquia a JaboataoHermelindo Fran-
celino Machado do Carmo 20092
Corredor de S. Joao. -Henrique Pereira
da Silva 30139
I
Caes 22 de Novembro n. 42.-Ignacio
Jose Cabral 170410
Estrada para o engenho. Ildefonso
dos Reis Gomes 20616
Giquia a Jaboatao. Ignacio Ferreira
dos Santos 20616
J
Becco da Sardiuha n. 1.Jose Ignacio .
de Medeiros 130083
Rua do Imperador n. 20.Joao Fran-
cisco de Amorim Lima 130080
Dita n. 13.Joaquim Jose dos Santos
Junior 310880
Dita n. 17. Jnstino Francisco de
Assis 560680
Rua do Cabnga n. 18 A.-Joao Ferrei-
ra Villela 80720
Dita das Larangeiras n. 4.Jos6 Alfon-
so Boudoux 150696
Dita n,.10.Joao Pedro Blanchin 170404
Dita das Trincheiras n. 43.-Joao Gon-
calves Ferrrerra da Silva 100464
Diia estreita do Rosario n. 23. Jose
Marlins Dias 210800
Largo do Paraizo n. 10.-Jose Joaquim
Ferreira Brito e Silva 150696
Rua de Joao do Rego n 2. -Jose Luiz
Vianna Junior 150696
Rua'da Roda n. 33.Jose Graciano da
Paixao 60540
*ua de Santo Amaro-n. 5.JoSo Gon-
calves Nobrega 50232
Dita do Mathias de Albuquerque n.
24. -Viuva de Joao Manoel de Re-
zeude 80720
Travessa da raia n. 2.-Jose Augus'o
deAraujo 260160
Rua Nova da Praia n. JO.Jose Paulo
Botelho 1P0461
Ru i do Marguez do Hernkm 35.-Joa-
quim Ferreira Rosas JA08OO
Rua de Jardia n. 19. Jose Vicente
Godinho 150696
Rua da Aurora a 9. Jose Lopes de
Oliveira 1J0O8O
Estrada do.Arraial n. 23.Jose Maxi-
ralano dos Santos 20180
Pateo da Monteiro n. 1 -Jose Antonio
do Oliveira e Silya 80720
Largo de Apipucos a, 4. Joao Feli-
lardo de Amt*im 80720
Idem idem n 50.-Joao Machado Bran-
dao 50232
Idem, idem n. 54. Joaquim Ferreira
Alves .60104
Idem idem.-Joaquim Antonio de Paiva
Fonceca 80232
Caxanga.-Joio Pereira dos Santos Fa- I
rofa 260160
Giquia a Jaboatao.Jose Esteves Mo-
reira da Costa 20616
-.40232
Rua das Trincheiras n. 48.Lniz S. S.
Estrada do Arraial n. 22.Lniz Antonio
Fraguso
Becco das Barreiras. Lniz Calmon
Cordiville
Giquia a Jaboatao. Luiz Antonio de
bouza
Idem idem.Luiz da Conceieao Albu-
querque
M
Rua de Thome deSouza n. 5.Manoel
Benevides & C.
Dita de D. J. Marlins n. 24. Manoel
Moreira Esteves
Dita do Imperador n. 25.Manoel Bap-
tista do Nascimento
Diia n. 27.Marcos dc Almeida Lima
Dita das Larangeiras n. 6. > Manoel
Jose do Nascimento
Dita de Vidal de Negreiros n. 17Ma-
noel Severino.de Oliveira
Caes do Capibaribe n. 28 -Manoel Joa-
quim Lobato & C.
Estrada do Arraial n. 13.Manoel Joee
Domingues
Rua da Casa Forte n. 17. Manoel
Joaquim Carneiro Monteiro
Dita n. 15.Manoel Souto Lima & C.
Estrada para o engenho n. 9.Marco-
lino Neves de. Farias
Estrada Nova. -Marcolino Francisco da
Silva
Caxanga.Maria Margarida Gauthier .
Giquia a Jaboatao. .Manoel Renovate
da Fonceca
Idem idem. Manofl Maria Monteiro
S. Lourengo.Manoel Antonio de Vas-
concellos
Giquia a Jaboatao. Maria Ermelina
de Ca?tro Azevedo
Rua do Barao do Triumpho n, 41.-
Nunes & Silva.
P
Caes 22 de Novembro n. 26.Polycar-
no Jose Layme .
Rua estreita do Rosario n. 20.-Pedro
Augusto da Silva
Giquia a Jaboatao. Paulino Antcnio
de Souza Ay res
Rua de Juao do Rego h. 11 Roque Es-
teves
Rna Vidal'de Negreiros n. 115.Ray-
mundo Lasser
Rua da Casa Forte n. 11.Rozendo Ma-
ximino
Giquia a Jaboatao.Rosalina Maria da
Conceieao
Pateo de Jaboatao.-Ricardo Carlos Pe-
reira da Silva
20092
50139
20616
30139
206(6
50232
20616
40360
20616
2*616
20616
170440
30139
20616
20180
20092
130OSO
60540
260160
260160
130080
130080
130080
60278
30139
70848
20616
30139
60540
20616
40320
200016
40
SO016O
26160
70818
24616
260 60
130080
100163
30139
50232
Rua das Larangeiras n. 30. Silvono
& Carneiro 170110
Varzea.-Silvestre Franckco Alves irSlbO
Estrada para o engenho. Silvino dos
Reis Gomes 20616
T
Rua das Larangeiras n 29. Tavares
& Silva 1306'. 16
Estrada de Santa Anna n. 12. Thome
Rodrigues da Cunha 50232
Seccao do contencioso provincial de Peruambu-
co, 27 de marco de 1671.
0 l." official,
Iloracio Vfalfndo Peregrino di Silva.
Lacerda e Anna FraaeiscaPaat Barrett.
Josephs Lima, fflba de Joaa,aim lion fc Oli-
veira e Joanna Maria.
Candida, fittu de Vital das Chagas Coeibo Car-
ota de Lacwda.
Rosa, filha dc Antonia Joaana de Barm.
Dionizia, filba de Vital dae Chagas Codho a Car-
lota de Lacerda.
Antonia, filba de Manoel Felix Barbof a Mar-
eolina Guimaraer. _
Adelaide Francisca da Silva, filha da Fnaenca
de Assis.
Alexandrina Maria, filha de Felippe Marliaho do
0' e Maria Joaquina do E-siirilo Santo
Rosa, filha de Ankmia Joanna de Barros.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia da
Recife, 13 de marco de 1874.
O escxivao
______________Pedro Badrigua* de Sa.
Peia thesouraria provincial se faz public-1
que furam transfen las para o dia 16 de abril prc-
ximo viadouro as obras seguiutes :
Obra dos reparos d> li unba n. 2 no 7 lauc > da
estrada da sul, orcada em 1:6124.
Obra dos reparos da coberu da ca#a de deten-
cao, orciido em 1:4784.
Obra da boraba para o povoad dos Moote-.
orcada em 1:9804.
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, 30 de marco d 1874.
O oiticial-miinr,,
__________Miguel Alfonso Ferreira._______
SANTA CASA DA MISER1CUKL1A DO
RECIFE.
A RUiia. junta administraliva da sanu tat* 4a
Vlisericordia do Recife, manda fazer i>ullico qua
aa sala de suas sessdes, no dia 9,de abril pe-
las 3 boras da tarde, tein.de ser arrem.>.idas a
quem mais vantagens offerecer, pel.) teuipu de am
i tres auuos, as rendas dos predioe am aeguida
ieclarados.
ESTABELECIMENTO DE CAR1DADE.
Travessa da S. Jote.
Casa terrea n. 11......
Rua de Santa Rita.
Idem n. 32..... .
Idem n 34 .....
Padre Floriauo.
Idem n 49........207*000
Ciuco Pontas.
Casa terrea n. 114......36211500
Rua da Alegria.
Idem n. 31 .......37I400U
Ponte Vclha.
Idem n. 31.........I540C0
Rua de Antonio Henri jues.
Idem n. 26........ 9tJ00
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla vellia.
Casa terrea n. 16.......2094001'
Becco das Boias.
-obrado n. 18.......4214000
Rua da Cruz
sobrado n. 14 (fechado).....1:0084090
|Rua do Piiar.
Caia terrea n. 100......2414000
Rua do Anir.rim.
Idem n. 34........1224000
Rua da Gui.i.
Idem n. 29........2OI4C00
Rua d. Larangeiras.
Casa terrea n. 17......36l4d
Os jiretendentes dererio aprosentar m arto da
irreniatacao as suas fiancas, ou coiupareciretn
icouiiaahados dus respoctivos Dadoraa, devendo
pagar aicm da renda, o premio da quantia em
nie for seguro o predio que coutiver estabeleci-
nenlo commercial, assim como o servico da lim-
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da sauta casa da misericordia do Re-
:ife, 17 de marco 0 d-1871.
0 es.r.vV.
fedm RodrioHi-x df Amsa.
2014000
23040CO
2404OUO
0 lllm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que em enmprimento da
ordem do Extn. Sr. presidente da prgvincia do 7
le Janeiro corrente, pcraute a junta desta thesou-
raria se ha de arrematar no dia 23 de abril pro-
ximo vindouro, a obra da ponte denominada Pao
Sangue sobro o rio SerinhScm. orcada em 9:5705,
pagos era apolices da divida provincial a juro de
7 por. cento ao par.
As pessoas quese propozerem aesta arremata-
cao comparecam na sala das sessoes da mesma
thesouraria no dia indicado acima, pelo meio dia,
competeutemeute habilitadas.
E para constar se inaodou pnblicar o presente
delo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1871.
Victoriano Jose M. I'alhares,
Official maior interim*.
Clausulas especiaes para a arremala.;.ito da ponte
denominada Pao Sangue sobre o rio Seri-
nhaem.
I.' A ponte denominada Pao Sangue sera exe-
cutada do conformidade com o orcamente e plan-
ta approvados pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia.no valor de 9:5704.
2.* 0 arrematante dara prmcipio a obra no pra-
zo de um mez e a concluira no de 12 raezes.
3.* 0 pagamento sera effectuado em 3 presta-
fo.;s iguaes a proporcao da label la executada.
4.*. Para tudo o mais que nao se achar especiQ-
cado sera regulado pelo que dispoe o rejulamento
de 31 de jullio de 1866.-0 engenheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Pereira de Magalhaes.
Victoriano Jose M. Palhares.
.-. r^/aeaI
D EUUim
Pela administraQao do consulado proyincia
se faz publico que no dia 13 do mez de abril vin-
douro, as ILhoras da manha, a porta desta re-
particao, ira em praca uma caixa apprehepdida
ao mascate Vicente Barsne, com diversos objectos
de coral, avaliados na iraportancia de 3134520 :
ficando porem de nenhum effeito a referida praca
se o dono da raercadoria realisar o pagamento do
imposto e da raulta em que incorreu, como de-
termina o art 8 do Iftg. de 7 de outubro de 1873.
Consulado provincial, 30 de marco de 1874-
Antonio Carneiro Machado Rios.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
Venda de predios
A Illma. junta administraliva cesta -Santa Casa,
devidamente autorisada pela presidencia, na sala
de suas sessoes, pelas 3 boras da tarde do dia 26
do corrente, vende ou permuta por apolices da
divida publiea os seguintes predios. pertencentes
ao legado de Joaquim da Silva Lopes, de que e
administradora : Forte do Ma'tos, metade do so-
najqyde 3 andares n. 17, por 5:5004 ; becco do
brado 3- carte do sobrado n. 1, por 2:6664666
rua da Guia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:0004 ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:4004, sobrado de um andar n. 30, por 2:0004,
dito meia-agua por 5004 i rua dos Guararapes,
casa terrea n. 65, por 1:1005 ; rua dos Acougui-
nhos, cosa terrea n. 26, por 6004 ; Largo da Cam-
pina, dita n. 3, por 4004 ; rua da Soledade, dita
n. 72, por 7004 ; becco do Teixeira, dita n. 5,
por 2504 ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:0004000.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 oscrivao
Pedro Rodrigues de Souza
Santa Casa da Misericordia jjjjjj
Recife.
Em vista da ordem.da Illma juntt administra-
liva sao convidados os parentes das menores infra
mencionadas a virem retira-las do collegio das
orphas. por ja terem attingido a idade marcada
no respectivo regnlamento, e acharem-se com suas
educacoes terminadas. Aqueilas que nao forem
retiradas dentro do prazo de 30 dias, contados da
data do presente, serao entregues, de aceerdo
com o 3* do art. 48 do mesmo regulamento, a
familias honestas"para ahi se empregarem no ser-
vice domeslico.
Senhorinha dos Santos, filha de Jose Joaquim
dos Santos e Antonia Maria.
Adelina Lins-de Albuquerque, filha de Joao VI
rissimo Lins de Albuquerque.
Leopoldina Maria da Paixao, filha de Clara de
Jesus.
Maria Eliza Alves, filha de Joanna de tal.
Valeriana dos Santos, filha do Joaquim dos San
tos e.Maria Margarida.
Alexandrina Beierra Cavaleante, filha de rose
Bezerra Cavaleante e Rosa Bezerra de Meaezes.
Idalina Lacerda. ilba de Pedro Alexandre de
INST TUTO MIGHEDLOGICO E GEO
GMPHICO PERNAHBUEANQ-
A l.1 sessau ordiuaria do presente anno
acaderaico nSo tendo poili.lo cclebrar-sc u >
1. de abril, effectuar-s.- ha (luinla-fein, 9,
peUs 11 horas da mauho.
ordem no NA.
I. Posse dos ofliciaes eleiloa para a id a
mesa admintstrativa c co niij sdei;
2. Pareccrese mais Irabalhos adia I ;
3. Palestra lilteraria.
Secretario do Institute, G da abil d
1871.
JoSt SOARF.S D'AziVl
Secretario perpetoo.
Seccao 2\Secretaria da |ir.-.-idiii.-u de Po^
uamhuco, em 2 de abril de 1871.
- Pur esta secretaria se faz publico, de c afjrnti.
dade com o art. 1 l* d.i d ;....; n. 1.658 d
de Janeiro de 1871, que a wrvenlia vilil a i !
officios de l" e 2" tabeiliao do publico judi tal e
notas e mais annexos do lermo i i ra -
apresentaram os seis eoaeurreotes fguiai a
Alferes honorario, Aatooi i 1'ioriano do M'.il.
Arsenio Altenso Pereira Borgee.
Jeronymo Barreiros Rangel.
Herculano Tiieotonio da Silva Guimaraes.
Juao Baptista da Rocba Raixa Lin-.
Capitao honorario, Manoel Eloy Meudes.
E bem assim tambem se faz publico, e
ma conformidade que a serventia vitalic:a d
fhios do partidor e contaior, parlid ir e distri ai-
dor do mesmo lermo se apresentaram os Ira r.c-
currentes seguintes :
Felippe Santiago de Carvalho.
Manoel Francisco Waudirl.y.
Manoel Maria Mendes da Silva Junior.
0 secretario.
______________/. Diniz Riheiro d SANTA CASA DA MRSEH1CORD1A DO
RE .FF..
Pela secretaria da Santa Cisa da Misencordi* do
Recife se faz sciente que o Sr. thesoureiro, n
lao da casa dos expo tos, pelas 9 hoiai do dia 11
do corrente, fara pagamento as araas que se apre-
sentarem cum as criaocas que Ihes foram coniii-
das, das mensaliddes relativas ao trimestre de Ja-
neiro a marco findo.
Secretaria da Santa Ca*a da Misericordia
do Recif.', 6 de abril de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
CONSELUO DE CO.MPRAS DO AUSOAI.
DE MARINHA.
0 conselho contrata no di 9 do corrente mez.
a vista de propostas recebidas ate as 11 horas da
manha, o fornecimento no trimestre findo em ju
nho do corrente anno, desapatiies para is apr.n
dizes artifices do arsenal de marinha, impe.
marinheiros, aprendizes ditos, e marinhagem d
navios da armada ; assim como de carrio cok e
dito de ferreiro ao referido arsenal.
Sala das sessoes do conselho de compr'
de marinha de Permmbuco, G de abril
de 1874.
0 secretario
Alexandre Rodrigues doe Anjos.
COMPANHIA
DO
BEBERIBE
Adirectoria desta companhia lembra aos
Srs. concessionaries do pennas d'agua, que
todas as obras concernentes as mesmas, s poderao ser feitas com sciencia da directo-
rs e presenca do respectivo empregalo, isto
para evitar os abusos quo se dao constant"-
mente, e para que nao fiquem sujeitos ai
multas compelentes.
Escriptono da companhia do Beberibe,
30 de marco de 1874.
0 secretario,
Luiz Manoel Rodrigues VaUn<,a.
Associagao commercial agri-
cola.
Convida-se aos senhores assoeiadot ai
se em assemblea geral extraordjaaria, no dia 8 do
corrente, as 1 boras da manbi.
Secretaria da ass:ciacao commercial agricola, 4
de abril de 1874.
Joio Pereira tefo
t*ieerettrio.
t


Diario de Pernambuoo Tewjt feira 7 do Abrii.de 1824.
Armazens da companhia per -1
nambucana.
SemrM contra Gaqgo
A eempanhia pernambucaiia, dispotrJo de ex-
celleates e vastos armazens em seu pntdio ao for
te do Mattos, offerece-os ao conimereio em geral
para deposito de generos, garantiodo a maior con-
servacao das inerc.idorias deposltadas, service
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediante previo-accord<\ ex
. clusivamente o generos de urea W> pessoa.
Estes armatens, atem de arcjad*3- a commodos
-ao inteirammte novos e asphafcldos, isentos dc
cupini, ralos, t<\, etc.
As paSOM que quizerem altlisar-re destes ar-
mazens, pederio dirigir-se an esrriptuno da com-
panhia pernambucana, que aeoarao com quem
tratar._____________________ '
0 Illm. Sr. inspector da theeouraria profin-
cial manda fazer publlco que oo di 16 do cor-
rente met, perante a junta da faienda da mesma
mesouraria se ha de ap-ematar, ^a qaem por me-
dos ffzer, o fomecimeui i de alimantacao e dieias
aos presos pobres da casa de deteicjto, no trimes-
tre de abril a jonbo vjndouro, servmdo de base a
arrematacio os precos das tabeUes abaixo trans -
criptas:
Dietas
N. i 380.
N. t 400.
N. 3 640.
R. 4 400.
N. 5 400.
Sera tambem foraeoiJa aos.prescs ceia na im-
portancia de 128 rs em quanto esta orcade o al-
moco, e namesma pioporcao.
E para coastar, se mandou publicar o presente
pelo jornal.
Secretaria da mesouraria pravincial de Per-
uambuco, 4 de abril de 1874.
0 official maior
. _______Miguel Alfonso Ferreira.
ADMIM5TRa0 DOS CQRREIOS I E PER-
NAMBUCO, 1 DE ABRIL DE 1874
Relacao da correspondencia registrada (sem
valor) recebida de di-versas procedencias
ate esta data, c que nao tern sido entre-
gue pori^norar-seas residencies dos des-
tinatarios.
Almiro Leandro da Silva Ribeiro, Antonio Cle-
mentino Accloli Lins, Americo Vespucio Moreira
de Almeida, Bertino Gaedes led, Carlo Simoni,
Climerio Alves de Farias Pedrosa, Clarimundo
Barreto dos Santos, Domingos Antunes Villaca,
Delfina Emilia da Silva Branca, .Francisco Radi-
che, Honoria Luiza dos Santos, Ignacio Nery da
Silva Lopes, Ignacio Evehcio de alendonca Uchda.
lose Lourenco da Silva Milanez, Jo?e Joaquim da
Oliveira Goneaiyes, Joio Fernando da Cruz, Jose"
Carlos Teixeira, Joao Jose dos Santos Lima, Joao
Martins da Silva Coutinho, Joaquim de Souia e
Silva, Lourenco Jose" de Figueiredo, Leonie Paris,
Leopolio Catilina, Maria Magdalena, Maria Amalia
de Albuquerque Mello (t), Manoel Lodovico de
Araujo Leao, Pedro Vicente Vianna, Rodolpho
Luiz de Mello, Boat Perrv Vidal, Seraphina da
Silva Ferreira Gomes.
0 official encarregado do registro,
Jos'; CanJido de Barros
. (Blia do amor.)
Nos ratervallos a orchestra execottra, alem de
ouiras peoa? esc*ihidas duas novas composicSei
do talentoso maestro Marcelino Cleto *ibeh-o, in-
titutadas:
Triumpho
brilbarfle >pa!ka ufferecida ao Sr. Dr. A.-de Souza
Pinto, e
0 Sr. JUhanasio na dansa.
M*oiKn Luadnn.
:Principura as 8 horas em ponto.
0 resto aos*ilhe:es achar-se-hiiorre dia do es-
pectaculo no*escriptorio do tbeatro.
*vm?rWBfT^0f
COMPANIIIA
MESSAGERIES HAR1TIME8
inlia mensai
0 vapor
MENDOZA
Espera-se dos portos do sol ate o dia 12 do
corrente, se^uindo depois da demora do eos-
tume para Bordeaux, tocando em Dakar (Gor6e)
e Lisbda.
Para passageiros, encommendas, etc., a tratai
com
f-S AGENTES
HariNmendy A Inbillo
9 Rua do Commercio 9
Santo Antonio
. Terga-feira 7 de abril.
i>"K' (arnlo-tonrorto
em beneticio do violonista maranhense :
!. Riiiol
eoadjuvado preslirnosamente pclos dislinctos ar-
tistas:
E. R<'bonra e C'antlido Fit ho.
Progrnmmn.
I.' parte.
A comedia em I acto :
Os dons limidfls.
2.' parte.
!."Grande phantasia da or era 0 Trovador
execiitada pelo beoeficiado.
!VariajSes de flaota, pelo Sr. Candiio Fiiho.
3.' parte.
A comedia em J acto :
MIFIC STEAM
PAHY
ROYAL MAIL STEAMER
ILLIMAM
espera-se dos portos do sul at^ o dia II do cor-
rente, e depois da demora do costume, seguira
aara Liverpool, via de S. Vicenteo Lisboa, para on-
de recebera passageiros, encommendaa e dinheiro
a frete.
ff. B.-Nao sahira antes das tres horas da tar-
dc do dia da sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Bowe A C.
14RUA DO COMMERCiG14
GH.4MNS REIMS.
CoiHpairMa franceia te !\awga
tftoavapor
Linha mensai entre o
Havre, Uslmn, Peruanthueo, Rio d,
.Innrlro, l/Sunlos, so.nciilr nn vol
la \ Moatc video, llueniM-alvres
(com l,Hld5tt,gY1f^* *oarlJ
VILLE DE RIO DE JAKHRO
< omiu*tii(la>it<- A. Floicn-
E' esperado dos portos do snl ate o dia V6 du
corrente, segnindo depois da indispensavel demo-
ra para os portos da Kuropa.
Para passageiros e carga para LisboaHavre ;
e por baldeacao para todos oi portos do continen-
te, podese ter logar seguro, avisando at^-o dia 10.
OS CONSIGN ATA RIOS
AUOUSTO F. D'OLIVEmA 4 C.
41Rua da CommercioEntrada pela roi
do Torres.
PARA'
Parao iodicado pcito pretende seguir com pos-
sivel brevidade o patacho portuguez Azwara, por
ter. a maior parte de sea carregameuto engaiado,
e para o resto que the falta, trata-ie com os con-
signatarios Joaquim lose Goncalves BeJtrao & Fi-
iho, a rua do Commercio n. S.
Companhia Allianga Mari-
tima Portuense.
A galera porlugneza Sandade, seguira em pou-
cos dias para o Porto, com escala por Litboa.
Ja tem contratada grjnde parte da carga ; e
para o resto, trata-se com os consignatarios
agentes da companhia,
Jose da Silva Lnyo A FUhe,
em seu escriptono a raa da Companhia Pernam
bucana.
flores para cima de con-
solos, relogios-de algiboira,
de ouro e prata, candela-
bros compmgentes, objec-
tosdeoro prata, bercos
para criancas, quadros di-
versos, rekigios de cimade
mesae dejiarede, erystaes,
cabides, machinas de cos
tnrae infinidade de objee-
tos do uso domes! ico
Oointafeira !l in corrente
A's 11 horas
NA
FEIRA SEV1ANVL
.6Rua do lnpendor--IC
pelo agente Martins.
Samuel G. Pond & C.
Leilao
DE
Grande sortimento de ferra-
Pacific Steam Savigalion Companj
ROYAL MAIL STEAMER
0
s
surdos
aspera-se da Europa ate o dia 27 do corrente, e de-
pois da flemora do costume, seguira para Bahia.
Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos-Avres, Valna-'
raiso, Anca, Islay e Callao, i>ara onle recebera
passageiros, encommendas f dinheiro frete
Nao sahira antes das tres horas da tarde do dia
de sua chegada.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA-DO COMMERCIO14
i.a parte.
I.'-Brilhante pec.i de concerto, exooutaJa nelo
br. Rebc.icas
!Phantasia sdbre a Traviata, pelo beneiiciado.
>.' parte..
A camedia em i acto :
No OS IRM10S OAS ALMAS
->o interval/o da quarta a quinta part a orches-
tra executara a walsa :
Margens do Beberibe
eomposta pelo benefieiado.
Principiara ;is 8 1|2 horas.
0 bea^liciadn rocommenda-se a proteic2o e in-
oalgencia do Hlnstrado public.) pemambucano, ao
qual desde j;i protesU sincera gratidAo ; assirn
aos dipnos artistas que Ihe prestam tSo gra-
valioso concarse.
ciosamente o eu
.Qninta-feira 9 de abril.
Espectaculo estraordinario.
Concedido generosamente pelo emprezario, e
br. ^ icente Ponies de Oliveira. a beneticio de
HENRIQUE JOSE' DE PONTES
Representar se-ha a rnuito interessante comedia
tm 3 actos :
Metis olhos! Meu nariz!
Minha bocca.
i M.usica do maestro F. Colas )
].* acto.- Cm pai que nao e pai !
f'" |.',0-~Um rnarido que nao e marido '
3. dito.Uraa mulher que nao 6 mulher !
Os pnncipaes papeis sao desempenhados pelas
Sras. D Olyrapia Valladas e D. Joanna Januaria. e
pelos Sri. Vicente, Bahia-, Caniara, Fiorindo e
bilva.
Terminara o espectaculo com a muito jrra-io^a
.pereta em i acto : .
bI Sem fato e sem noiva.
(Musica de OITembach e eutros.)
Principiara as 8 1|2 horas.
0 benefieiado, enfermo gravemente ha 3 mezes,
e tendo esgotado ;odos os seus recursos pecunia-
nos. recorre por este meio a protecgao do illus
irado e benefico publico desta cidade, em geral,
e em particular a toios os seus amigos e irmaos,
protestando a toJos a sua eterna gratida>. Ao
mesmo tempo aproveita a oicasiSo para agradc-
ieI,SIDCer,amjnleJl? d'Kno emprezario, oSr. Vi-
n?p^hn.ta*a-de 0lIveira> qae desinteressada-
^?i ., 0He/?Ceu e9le beMfici9,e a todOJ os ar-
iistas que nelle tomam parte.
^.T^0 d bi,h,,,e5 Pde ser Pro'cnrado no bec-
w^L^n'lJV i* da Flor'ina> antigo hotel
52S espeettenh no escriptorio do
COlUM-veiA BBASnLEIlM
DE
VAVEGACAOAVAPOR
Portos do sul.
CMIZEllUI HO SVjL,
Commandantc Guilherme \%'a-
din^toci.
E esperadc Jos portos do none ate o dia 9 do
corrente e seguira para os do sul depois da demora
do costume.
Para carga, encommendas, valores, passagens
trata ?e no escriptorio da agenda
7-RUA DO VIGARIO-7
Pereira Vianna & C.
Agentes.
Pacific Sleam Navigation Companj
ROYAL MAIL STEAMEHS.
Sao esperados do sul os vapona abaixo men-
cionados :
Marco 27- Porosi.
Abril !0lllimani.
Abril 2i-Britannia.
Maio 8 John Elder.
Main 22 Galicia.
Tabolla das passagens do Peruam-
buro.
Para a Europa 1" clafse 2' classe 3* classe
A Lishoa 27 13 10
A Liverpool 30 20 13
Os mencres de doze annos pagarao meia pas-
sagem, os de. oito uma quarta parte, e uma criah-
ca menor de tres annos inde com sua familia
gratis.
Criadaspagarao duas lercas paries das pas
sagens de primeira ilasse j e serao alojadas no
salSo das srnhoras.
Criados pagarao passagem de segunda classe.
Os camarotes nao devem ser considerados en-
gajados, emquanto a passagem nao liver sido
papa.
Os parsrigeiros-que nao seguirem depois de
terem tornado suas passagens, perderio metade"
da importancia dellas. '
Bilretcs de ida e volta rao r-onrodidns a passageiros de primeira c-lasse c
a seus criados qua os a ompanharenij-e a pas-
sageiros de segunda classe, com uma reduceso
do vinte e cinco por cento sobre a importancia
das passagens ; os quaes valerao pelo espaco dc
doze mezes calendarioa. Nenhuma concessio ser-
leila, se denlro do tempo especiflcado, nao se fi-
zer uso delles.
Bagagem.-Sao concedidos vinte pas cubicos a
caaapassageiro adulto; todo o exce*so pagara
frcie.
N. B.Nao sahirao antes das ires hiras da
tarde.
AGENTES
Wilson Rowe A C.
_____1 VRUA DO COMMERCIO14
Rio-Grande do Sul.
Para o rcferido porto segue com pouca demora
o patacho portuguez Adelino, porque apeDas Ihe
falta poucos volumes de carga, e para tratar com
os_ consignatarios Joaquim Jose Goncalves Bel-
trao & Filho, a rua do Commercio n. '
. gens e mmdezas -
No armazem da rua do Bora Jesus n. 26
IVien-feira 7 e quarta-teira 8
de abril
Para acabar completamente cora o estabe-
leciraento
J. A Moreira Dias fara leilSo, por intervene So
do agente Dias, nos dias e horas acima designa-
dos, de todas as miudezas e ferragens, existentes
em seu armazem.
_____Comeearaas 10 1|2 horas damanha.
Leilao
DE
um piano quasi novo, 1 mobilia de madei-
ra, eomposta de 1 sofd, 1 jardineira, 2
consolos, tampos de pedra, 2 cadeiras do
brafo e 12 de guarnicfc). -
Sexta-fetra lO do corrente
Rua do Marquez de Olinda n. 37, primei-
ro andar
Por intervengao do agente Dias e por occasiao do
leilao dos objectos de ouro e prata.
LEILAO
DE
diversas obras de ouro, pra-
ta ealguns moveis
Sexla feiri 10 fa corrente
A's lO 11' horas.
Rua do Marquez de OlinSa n. 37, primeiro andar.
0 ayente dias, competentemente autorisado, le-
vara a leilao, no dia e hora acima designados, os
objectos abaixo declarados, os quaes vao a leilao
a requerimeDto dos inventariantes de Leopoldo F.
M. Ribeiro, eommendador Manoel Luiz Viraes e
D. Francisca Maria dos Santos.
Obras de ouro.
Uma pulceira de ouro, cam 9 brilhantes, 7 pal-
mps de cord.v, com 18 oitavas, 2 moedinhas para
punhos. 1 par de b t5es, camaphcu, 6 ha'bitos de
diversas. ordens, 1 relogio de algibeira e trance-
lim.
Objectos de prata.
Uma commenda da ordera da Rosa, bules, cafe-
teiros, assucareiro e leiteiros, 3 copos, conchas pa-
ra aopa e eolherea para irroz, 1 salva e tesoura
para luz, i casiicaes, 1 escrivaiiinha e2 camnai
nhas. e
Moveis.
Uma optima cama de jacaranda pjra casal, 1
toucador de mogno, com espelho, 12 cadeiras de
jacaranda, usadas, l marqueza de amarello, dito,
pequena commoda, 1 ps^ueaamesa de pinho, 1
para jogo, eslragada, 1 jarro e bacia de
para flores (peque-
AVISOS PVEESOS
Aos Srs. proprietaries
Tendo os senhores proprietarios de pagar a ca-
nalisacao para abastedmento d'agua dos appare-
}Um cotlocados em seus preJios .a razao de 7o0
rs. o palmo corrente, e podendo nessa medi(&o
dar m enganos contra os mesmos proprietarios, o
abaixo as^ignado se oflfrrece para faz"er qnalquer
veritlcacAo, mediante uma paga mni razoavel e
meAica. Tambem se fara grattiilamente todas a
pKtvoes e recbma^Oes em prol dos referidos | ro-
pnetarws. Rua do Coronel Snassniia n. I.
Feliciano RAdrigucs da Sila.
casa da mmi"
AOS 4:000^000.
BiLHETES GARANTIDOS.
i rua Primeiro de Marfo (outr'ora rua At
Crespo) n. 23 e casas do costume.
0 abaixo assignado tendo vendido nos seus fe
llzes bilhetes, um meio n. 2368 com 4:000*, um
meie n. 262 com 700*, um inteiro n. H5i com
200*, um mteirc n. 934 com 100*, nm meio n.
322 com 100* e outras sortes de iO* e 20* da lo
teria que se acabou de extrahir (9i), convida aos
possuidores a virsm receber na conformidade do
costume sem desconto algum.
Achara-se a venda os felizes bilhetes garantido-
la 8" parte das loterias a beneticio da matriz
de Jauoatao (95'J, que se extrahira na terca fei-
ra, 14 do corrente mez.
PRECOS
Rilhete inteiro 4*000
Meio bilbete 2*000
u poagXoDE 100WJ00 para ctata.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
Manoel Start in* Fiiita
Ao pnblico
0 abaixo assignado faz ver ao eorpo do com-
mercio e a quern interessar possa, ae o Sr. Fran-
cisco Cardoso Vieira de Castro, nao auis ttn
eaixeiro desde 4 de abril.
Estacio de Agna-Prett, 5 de abril de 1874.
______AatPMO da Cimha IVreira Bnndao
Engenho pji ra arrendar-se
Arrenda-se o rrij.'i>i!ho Ajudante, da fregnezia da
Escada, distante da estacao de Frexeiras dnas le-
goas de bons ca ninhos : qnem pretender, dinja-
se ao engenho Amaragy, a tratar eom a Exma.
Baroneza 4e Amaragy, on a esta praca a rua dj
Visconde de Inhanraa n. 7, a traUr com o Dr. Lasi-
rino de Morses Pinheiro.
Pergniila-se
Koga-se
ao Exm. Sr. conselheiro presidente da relatao to-
da a attenrap para providenciar contra o procedi-
mento irregular e eriminoso de Christovao da Ro-
cha Cunba Souio-aiaior, que depefa de finda a
penultima provisao, que Ihe foi concedida por um
anno, a findar seem II de setembrode 1873, con-
linuou com abuso de confianca- a e.xercer effec-
tivamente sem direito, ou motivo legitimo o em-
prego ou funcgio de advogado na comarca de
Ohnda, nos autos de inveniario de bens dei-
xados pelo lioado Joaquim Jose de Sant'Arina, em
3 e 14 de outubro do prcdito anno, cariorio do es-
crivao Caldas, nos autos do seu cunstitninte Mi-
ncel Joao de Miranda, contra Antooio Jo cha Braga, em 14 de setembroeem-25 de novem-
tro ludo do mesmo anno, promoveu um embargo
entre panes Luiz Jose" Gonzaga e Pedro Rigard,
eartorio de Costa Monteiro. nos autos de Thomaz
Jose de Gusmao, requereu em i* de setembro do
1873 uma penhora contra Eduardo Correia de Si
perante o juizo de direito da meson comarca!
e em 28 de novembro do mesmo anno, assistio e
inqusrio testemunhas enlre paries Antonio Car-
doso de Queiroz Fonceca, e res as suas escra-
vas Archanja e Francises e seu etirador Dr Ber-
nardino de Senna Dias. cariorio do escrivSo
Clugas, n3o conslanJo do nenhnm dos carlorios quo
este -outo- Maior, registrasse ate hoje a ultima provi-
sao de advogado pela retacio, obtida em 6 de fe-
vereirode 18'i, para, talvez nonhura dos escrivaps
lenham sciencis do :nipi em que tem de lindar-
se ? !
Se este rabula tem procedido asslm em Olinda,
que diremo: cm Limoeiro, iheatro de suas taea-
se tendo o director g ral da in>trnccai publiu
pruposto para liscalisadr de funcfAps lnlieraria-
um mao empregado da theauuraria pruvmcij,
que nao e assiduo e nera enmpridor d sen* d>-
vi'res, segundo informaroes offlaaes do ex-inspec-
tnr Jose I'cdro da Silva, cnnslaatea do archivo da
seen taria do gnverno. tera on nao commettidoal-
gurr.a criminalidadf ? I Urn individuo assim do-
meadi. delegado litierario, que ainea^a persegoir
atropellar um professor honesto do dUtricto, que
nio transige com traticancias; que fax-se ininugo
gratuity solicitando da policia local e das vizrahao-
cas saber os uieins de vida privata de-te prafessur.
3ue diz levianamenie perante pessoaa que o dirert-'ir
a instroccao k sen parente, e qae e?t4 disposto a
gastar o ordenado cora despezas de carro de pas-
seio, para que va de coalinoo visiur a escola deste
professor, ate fazer-lhe perder a sna cadeira sem
ojnepor moiivi plausivel, qne notne ou qualiflca-
eao podera ter por essas tirtudet, que o exor-
nam ?!. Um delegado que passa guias de meni-
nos em dia de domingo com data de segnnda-feifa,
3ue nao procura qne os alumnos sejam vaccina-
os, e enmpram com a lei e decreto imperial, antes
pelo contmrio determina qne o professor adn;'.-
ta-os na escola com infrar^ao de tin ii-rininant^
ordens, maxime de presente queseacha grassaadi
a variola ? Um individuo emliin, a qnem attrilnem
virtudes, que nao podera negar, por rera resf-
tidas lo runho da verdade, 6 noiavel qne eoab-
nne aindaa exercer frescaroente funciors de iaf-
porlancia com e-candalo publico ? !.. Drae
saber
<) amitfo An /iistica.
I CONSULTBRie *
MEDICO-CIRURGICO Z
m do X
m Dr. Pedro d Athyde L. Mosooso ]
PARIEIHO E OI'ERADOR
5>;Hua do Viixnndo do tlliuqiin jj^
Sk quo n. 3ft.
EsPLCIALIDADE
W. Molomiafi dc Hiiilioian flf>
i menlnos. jar
fonsultas das 7 as 10 horas da ma I
nha, todos os dias. ^
Ok Das 6 as 8 da noite. nas segandas, qnar- W
2 ,ns '' sextas-feiras.
^ Os doentesque mandarem os seus >'n- <&
fM mados por eneripta at 10 horas da
S nha serao visitados em suas casas.

nhas ? !
1 .
banca
porcelaiia, t pares de jarros
nos) e 6 almofadas.
COHPA^HIA IIIIASILEIR 1
XAVEGAglO A VAPOR
Portos do norte.
o.
Porto por Lisboa.
Sohe impreterivelmente nestes IS dias o brigue
portuguez Florinda : quern no mesmo quizer car
regai ou ir de passagem, trate com os consigna-
tarios Thorr az de Aquino Fonceca & C. succes-
sores, rua do Vigario n. 19. on com o capitao.
Rio Grande do Sul
Para o referido porto pretende seguir com pou-
ca demora a barca pormgueza Social, por ter a
maior parte de seu carregamento engajado, e para
o resto que Ihe falta trata se com os consignata-
rios Joaquim Jose Goncalves Beltrao A Filho,
rua do Commereioi n o
CEARA
Couunanflainte Alcofbrado
E esperado dos portos do sul ate" o dia 10 do
corrente e seguira para os do norte depois da de-
mora do costume.
Para carga, encommendas, valores e pi^satrens
trafa-^e no escriptorio da agenda
7 RUA DO VIGARIO 7
Pereira Vianna & C.
- Agentes.
Mavjpdo altera eao no precodoj fretes, acha-se
no escriptorio a respectiva tabella.
Porto e Lisboa
A galera porlugneza Ftrmeza vai seguir com
brevidade para es dons portos acima por ter a
maior pane da carga engajada : para carga e
passageiros trata- se com os ccnsignalarios Silva
Gmmaraes & C, praca do Corpo Santo n. 6.
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poucos dias
de demora a uarea portugueza Feliz Uniao por
ter a maior parte de sou carregamento engajado
s para o resto que Ihe falta, trata-se cora os con-
eignatanos Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Fi-
sho, a rua do Commercio n. 5.
LEILOES.
COMPAM11A PER.Y4 MBUCA.N 4--------
DE
^avegacfio eosteira a vapor.
MACEI6, F.SCAI.AS, PENEDO E AHACAJU*.
0 vapor Mandohu,
corarnandante Jnlio,
seguira para os por
los acima no dia I.f
do corrente, as 5 ho
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 13 do corrente, encom-
mendas, passagens e dinheiro a frete ate as 3 ho-
da tarde do dia da sahida : es.Tiptcrio no For-
U do Mattos n. It.
LEILAO
DA
armacao genros e pertencas da taverna da
rua do Rangel n. 41.
aocorrer do marteUo
DE
moveis, iouqas e crystacs
A SABER:
Cm piano forte, 1 mobilia da mogno, com tam-
pos de pedra, t espelho oval, 3 dilos tambem dou-
rados para censolos, 1 candieiro a gaz, 2 serpen-
Unas de crystal, 4 casifcaes e raangas, 6 jarros pa-
ra flores, bolas e enfeites de mesas, tapetes, es-
carradeiras, panno- de crochet, 1 mobilia (antiga)
de jacaranda, 1 cama france2a de jacaranda, 1
toilette, 1 lavatorio, mesa de cama, cortinado ecol-
cha para cama, guarda-vestido, 1 eommeda de ja-
caranda e 1 cabide.
Uma mesa elastica, gnard.vlouca, 2 aparadores,
quartinheira, I jarro, 1 relogio de parede, 1 sofa
2 cadeiras de balance, 1 apparelro donra'do para
cha, copos, calices, compoteiras, garralas, facas
com cabos de marflm, 1 marquezao. lavatorio, I
mesa e outros objectos de casa de familia.
SEXTA-FEIRA 10 DO CORRENTE
A's 10 1{2 horas em ponto
Nosobrado de um andar e sotao, A rua dos
' Qssos n. ^6.
0 tenente-coronel Frias Villar, tendo de retirar-
se para 0 snl, fara leilao, pcrinierveiieao do agen-
te Pinto, dos moveis e mais objectos existentes em
casa de sua residencia, a rua dos Ossos n. 26,
onde seeffectuara 0 leilao, no dia sextafeira 10
do corrente.
Entao, Sr. promotorde Olinda, S. S. que' da in.
formacao ex officio da vida privada de alguem, como
ignora estes factos publicos eriminosos, praticados
por seu collega e amigo sem ter proctdido ex-om-
eh contra elfi-s, em vista do an. 137, com cir-
eumslaneias aggravantes do codigo penal ?
Sera p.-rqae vive sempre diariamenicno Reci-
fe, fora do sua comarca, talvez sem casa certa em
Olinda, e nao tenha tempo <)e saber esles factos
occorridos nos respoctivos carlorios ?
Bom empregado liscalisador !
__________________________A sentinella.
0 abaixo assignado, eslabelecidu a rua Vidal
de Negreiros n. 82, declara que de seu poder de-
sencaminhou se uma letra do aceite do Sr. Feli-
ciano do Rego Barros Araujo, ja vencida, por con-
ta da qual re-iebeu 0 abaixo assignado dinheiro
por conla, pelo que previne ao mesmo que nao
pague 0 saldo r.--m faca transacijao alguma a nao
ser com 0 mesmo abaixo assignado. ou por pessoa
nor die auiorisada por procuraefin, rod pen a do
nao ser levado em conta, e ser constrangido a pa-
gar 0 que nave delta ao abaixo assignado, jodicial-
mente.
________y 1 :<< Je Axevedo Pereira.
Se acha fugido desde 0 dia 23 de fevereirb
proximo passado 0 meu etcravo de nome Sebelon
de idadj i.j anno?, tit preia, altura regular, pou-
ca barba, qn^ e r-.-r.;. no queixo e por-cima do
beico, um denle IWSic na :rente, pernas'um tanto
arqueadas para trttt, qm brado de uma verilha e
tem um pnncipioMe par-la m, cabega ; fazem hoje
lo dias que f.tf- moontrado no Caxauga dizendo
jue 1a jara 0 Rec:fe sabe-se que raudou 0 nome
e costuroa dizer que se ehama Severiano : peco a
qualquer antoridade. capitaes de campo e outras
quesquer pesedas a apprehensao do dilo escravo,
podendo traze-lo ao engenho Jardim, da comarca
de Nazareth, oa enlreg.i-lo no Itecife aos Srs. Leal
& Irmao, a raa do Marques de Olinda n. 56, que
serao generosarrrente recompensadns. Engenho
Jardim, 29 de marco de 1874.
___________Antonio Felippe Goncalves Guerra.
3
Consnllorio modico
DO
&r. Miirillo.
RUA DA CItCZ N. 26, ft* A.\D\H
Raeera-chagado da Eurepa, uaaa ire-
quentou os hospities de Paris e I.'ndi.-s,
Sode ser procorado a qualquer iiorado
1a on da noite para objecto de -ua pro-
rl fissao.
3
1
1
Consultasdasfrhoras da manhi as 8 ha-
ras; e do meio dia as dnas da tarde.
Gratis aos pobres.
FSPECIALIDADSS
Moiestias dc senhoras, da p lie e i'e
erianca.
I
.'**>,
Na travessa
das Crazes a.
meiro andar
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesrna casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
-.- "..- ~/J>Q
SsiiE!-.
Boa casa n.
. ^EMPREZALIMA PENANTE
- Quarta-feira 8 de abril
K;5?i?ta rePrese?tao5o do apparatosissimo drama
histonco, original do Sr. Dr. Souza Pioto :
Saala CloiilJe
BAINHA DE FMNQA
COMPANHIA PERNAMBLCAN4
BE
\avegacffo co(eIro a vapor.
ARAHfBA, RATAL, MACAO, MOSSORO*, ARACk-
II, CKAAA, MANDAHU, ACARACD* E 6KA.SJA
0 vapor Pirapama
commandaote Silva,
seguu*a para os por
toe acima no dia 15
do" corrente, as S
horas da tarde.
n3^.farB* aW ^ 13 d<> wrrente, encom-
oiendas^ passageiros e dinheiro a frete ate as 2
horas da tarde do dia da sahida
no no Forte no Mattos n. 11
Val
0 agente Martins fara leilao, em am ou ki-
tes, a vontade dos compradores, do grande sorU-
mento de generos, armacao e pertenfas da taver-
na acima. '
-V 11 boraai.
Grande feira
DE
escripto-
0
Rio de Janeiro
sahir com brevidade a barca portuireeza
Lisboa recebe carga a frete : a tratar com Tito
Livio Soares, a rna do Torres n. SO,
pianos de armario e demesa,
1 mobilia de jacaranda, 1
dita de amarello, ambas
com tampos de pedra, car-
teiras, secretarias e mesas
para escriptorio, camas
francezas, guarda louca,
camas p r a crianc, as, guar-
da cor '"is, malas para
LEILAO
DO
Vapor Duke of Edinburgh
\o dia ao tie abril
Agente Ferreira
\o Para, na Ponte de Pedras
vender-se ha impreterivelmenla por conta
de quern pertencer
O magnitlco vapor inaletc
A RODAS
Duke tf Edinburgh
eonstruido em Aberdeen em 1870 em'ura dos pri
meiros estabelecimentos de te genero n'aquella
cidade.
Tem HI pes de comprimento, 19 de bocca e 9 de
pontal, medindo 116 toneladas inglezasou 162
brasileiras
E CAR REGA CER(Ll DE 7,000 ARROBAS
E' de ferro solidamente eonstruido, tem boa
marcha e excellentes accommodajoes para passa-
geiros. Sua maohina e da forca de 60 cavallos
norainaes ou de 300 effeetivos.
Este bello vaso que muito sepresta para
cooducijao degado
AIup3-se nos Coelhos, confronte ao hospital Pe-
dro II, assohradada, independeote de ontras casts
grande quintal murado, cocheira, qaartos para
criados, commodos independenles para duas fami-
lia?, porto de embarque, banhos salgados, emfim
e uma bella casa de campo, para quern quer es-
tar livre do reboii;o los carros, principalmente
dos pestirentos appareihos Drainage : a tratar na
rua doRosario da Doa-Vi-ta n. 30
Aluga-se
sa-se
de urn eoanheiro on :o2inheira para casa de pou-
ca familia : a tratar na rua do Commercio n. '..
Vende-se uma escrava perteita engomma'
deira, sem vicios; o motive da venda com toda sin-
ceridade *e dira ac comprador : na rua da Auro-
ra i). 49.
Precisa se alogar urn moleque de 12 a
annos, para servico de uma casa de familia :
tratar na rua Daque de Caxiw n. T-\, 3- andar
.Ifltfl
Precisa-se de duas criadas portuguezas para o
servico interno de casa de pouca familia : na rua
r"oHo'picio n. 59
e sobre tudo excellente rebocador, como tal ja co-
nhecido, eesta prompto a navegar. 0 inventa-
rio sera annunciado algnns dias antes da venda
e pode desde ja ser visto em casa dos annun-
clantesi ou a oordo do dito vapor que se acha
ado de/rontc da igreja de 8antn Antonio.
pod ser examinado em qualquer dia.
viagem,, arros com pesdel 3w^^S3fc-<*-
i ILEflF I
- Qutm prrcisar de um homem casado para
alguma arrurnaQao, dtrija-so a rua da Trempe n.
" CASA Dur0uST
Aos 4:00 Bilhetes garantidos
t\ua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
Acham-se a venda os muito felires bilhetes ga
"antidos da 8" parte da leleria a beneflcio da.
igreja matriz de Jaboatao, qne se extrahira no dia
14 do correate me;.
Prefas
Inteiro 4*000
Weio 2*000
l>e flOOQOOO para elma.
Inteiro 3#500
Meio 1*750
Recife, 6 de abril de 1874.
_i___________-tod" JoaqUm da Costa LeiU,
Aluga-se
o 3- andar da casa n 32, a rua estreita do Rosa-
no, rresco e com comiflodo? ; na thesourarU das
loterias.
o segundo andar do sobrado n. 6, i rua do Pilar
a tratar na rua do Barao da Victoria n. 8.
I'ma pess"a capaz com bom c abundance
leite seencarr.ga d.t aniamenucao de alguma
crianva, e tambem pensa te outras: fco Ik-cco .
Coxtxo n. !T.
Continiia fugida a preta Guilherraina, qjc
foi crava do teoentc-ciironel Feliciano Joaquim
dos Santos, e depois comprada ao Sr. R.irio-dc
.Nazareth : represent.! 2G annos, tem as maos com
cicatrizes de qoeimadaras, falta de dentes n^
frente t muiio rcgrUta. EsUva servindo do
ama em ca=a do Sr. Manoel Joaquim de Farias
Junior, na rua da Praia n. 39, tendo ahi feil >
um rouh i inl.i pe jneno), hi denum-iada achar-
se OOeolta na casa 4u Sr. Antonio Gonalvjj ,j;i
Gotta, na travessa da Bomba para o paleo do
Carmo, intiiula se forra com o nome de Igue^.
SenJo varejada dita casa, piVlc illudir a tigiijn-
cia do suijdelegado, censervando-se por trar dr.
nma porta. Consto ter muila amizade com a
r. Jtistino, que talha carne no patee do Carmo.
Reeommenda-se a policia, e mesmo a este Sr.
JDStlno, a captnra desta escrava, recompensando-
se bem a quern a trouxer na rua d.e* Coelhos,
casa n. J5. '
Luciano Basbasmo de Ahreu Cardoso retira-
se para Portugal a iraur de sua saude.
AVISO
Deixou de ser empregado de Amorim (naaos
C, o Sr. Francisco Goncalves de Amorizo,
desde o 1* de abril corrente.
Raa Duque de Caxias.
0 Sr. Antonio Ribeiro Ponies, c*ixeiro a rna do
Daque de Uxias, qneira vir a rua do Imperadcr
n. 42, a negocio de rautuo intcresse, ittt por se
ignorar stia residencia domestica.
0
I;
ilFi.nso de Alhuquerquc Hello
inenmbe-se de promover ccbrancas amigavel
ou judicialmente, assim como de ontros nageeios
concernentes 4 sua profissao, nos logares proxi-
mes a linha ferrea, e nos outros termos proiimos
a esta cidade; para enjo auxilio tem o anonn-
ciaute solicitadores habilitados e probos, respoa-
s'abilisando-se no entanio pela boa gestao'e caata
do que Ihe for conGado.
Mediacte medico honorario acode aos ehmados
para diligencias on consultas fora da cidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appellac3es ante
o tribunal da relacao. Fode ser procorado da
meio dia as 3 hora- da tarde em sea eiTiatorio
roa do Daque de Caxias n. 37.


J
- -1 i


-~.

I

^v
-
Di$iio de Fernambuou Ter PUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO
i!
(Paesando o cliafarix)
pEDEM AOS vmborea de Hig'.uho e octros gricuor'.B,
e feiiiprejfMl >rfr a* n;
lamismo o favor de udij visits a sou estabclecimcDt", pir *lCrem o &'* -j:iiineut(.
-ompleto qae ahitem; sendo todo superior em qoalidade e tortidSo; o qne com a-tot
accio peaeoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENGAO AO NUMERO E LUGAR DE SUA FUNDI<;A0
^nnrAtt A rnrina d'aernn do8 m'i, mo(,erno *y*temas eem u
* apui 05 O ruUttS U, ag UK manhos convenientea para zs diversas
ur comslancias dos lenhorei proprietaries e para descaroear algodio.
MoBIldaS dG CaHlia detodos osUmantl08. as.meiuorei que aqui
existem.
para animaes, agoa e vapor.
Rodas dentadas
Taizas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fundos de alambiqnes.
Kachinismos
Bombas
para maodioca e algodlo,I Podendo] todoa
e para cerrar madeira. fser movidos a mio
(por agai, vapor,
de patente, garantidas........ | on animaes.
rodas as machinas pflde(iDe ****
de machioismo, a preco moi reaomido.
Fai qualquer concerto
Form as dfl fflrTQ tem u meIborea e m>i* bar,tas existentes no nier
RflAnmmanilao Incambe-ae de mandar vir qoalqaer macbiaismo i von-
wiuuiUlUOUUttBi fefo ^ dientea, lembrando-lhes a vantagem de faierem
mu compras por intermedio de pessoa entendida. e qne em qnalqner necesaidade pode
tea presUr anxilio.
Arados americanos e inlranlenl0, >T'm]u-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUiVDICAO DE FERRO
4' ro;i do Barao do Trinmpho (rna doBrom) ns. 100 a .04
CARDOSO IRMAO
AVISAM aos senhores de engenhos e.outros agricultores e ao publico em gorsl que
;ontinuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e macbina s ne-
cessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais raodemas e melhor obra que tem vindo
ao mercado
V aporeS [de forca de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os ntelhores que tem vindo ao merado
OaldeiraS de sobresalente para vapores.
MOenaaS lllteiraS e meias moendas, obra como nunca aqoi veio.
laixas llUndiaaS e batidas, dos melhores fabricantes.
rtOdaS (1 aglia COm cubaje de ferro, fortes e bem acabadas.
HodaS dentadas de todos os tamanhos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
DOmbaS de ferro, de repacbo.
-i-raiUOS de diversas qualidades.
Formas para assucar;grades e peqnenas.
Varandas de ferro fundido, francezas de diverse* e bonitos gostes.
0o0eS IiancezeS para lenhae ca'rvio, obra superior.
DitOS ditOS para gaz.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Ma china
Valvulas
Correias inglezas para machinist.
x>anC0S e SOiaS com tiras de madeira, para jardiio.
GoncertOS concertam com promptidiio qualquer obra ou machine, parn o qs?e teen.
sua fabrica bem montada, com grande ebom pessoal.
EnCOmmendaS man<^arn v'r Por Bneonunendada Enropa, qualquer mschinssmo.
para o que se correspondent com uma respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; ineuiubem-se de niandax afsentar
diiajs machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 104
F U H D I C A 0 DE CARDOSO & IRMAO.
para jardim.
para mesa e banco,
para gelar agua.
para bomba e banheiro.
') o
i. liter, IE PARIS
Constructor c afiiiiulor i!e jiiaiios
Rua 33
e afamadas easas Pleyel & Ilerz, e anttgo director das offici-
de
Ex afinador das antigas
a a casa Alphonse Blootol.
Tem u lionra de declarar ao re?peiuvel publico desta cidade, qtw tem aberto sua casa
npcertea e alioacoes de- pianos, qualquer que seja o cstado do instrumento.
A tiiesina casa acaba de receber um grande sorlimento de pianos dos melhores fabricantes
Je Pari, como Erard Pleyel, Henri Ilerz t Alphonse Blondel) todos os pianos sahidos da east
Dhibaut ;ao garaulidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usado*.
40 Rna do Imperador 49
___risfss

Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afamades autores,
como sSo : Here, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qoalidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrari nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complete sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sao: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, paratusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUA POIJUPEK % mm 49
REDUCfAO DE PBEfiOS
FABRICAS DE GHAPEOS DE SOL
DE
MANUEL & MAESTRALI
Rua do Barao da Victoria n. 23
ESQUINA DA CA
M B
E
OA DO CAR MO
Rua Duque de Caxias n. 6.4.
Os proprietaries destes estabelecimentos participant ao rspeitavel publico, e a seus
fr-Tguezes, que teem sempre um complete e variado sortimento de chapeos de sol de to-
das as qualidades e tamanhos ; tendo resolvido fazer reduc$3o nos precis dos mesmos,
e acham-sc em condi<;oes de poderem vender mais barato que em outra qualquer parte,
visto receberem todos oe seus artigos em direitura, e achar-so um dos socios na Europa,
percorrendo as principaes fabrtcas.
Chamam a atten^ao dos senhores logistas para visitarem seus estabelecimentos, e a"
vista dos pregos e boas qualidades dos artigo, nfio deixar3o de coraprar.
f2 Cobrem-se e concertam-se chapeos de sol de todas as qualidades, com promptidao
e a pregos medicos.
^KMA^L^
A 9:000
Botinas para homem
Ar.t'Mm 'V i-liegar ^rr.intes f.iriuras rein r-
v-'.\ l^ (! h<-|ii..- ii li 7.i'i'i> 4e. ..i.'.arao, it prili-
C. il.' diuwt'f !;. !' !'ir '-. in il*u< ...) i ..; -i-. ih ii por wr
; I'm '" .. i!i*i ;;': I ; -i a nriicm i<
i ..!. i .i I-.-': a i -..-.; iii '. i v;.,.,,! francei, a rta
Ju Uaiau da Wl.fia t*utr\>ra Sort) o. 7.
24-Rna do Marque/ de (Hind; Vt
Esqiiina do beeco Lnr|( >
Participa a seas fregueies e araigos qu>' iidou
o seu estabelecimento de relojoeiro para aesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande limento
de relogics de parede, americanos, e rtn.a de me-
sa, dos melhores gostos e qnalidad-s. relogios de
algibeira, de todas as qualida es, p.-.tente suisso,
de ouro e prata dourada, foleado iaquet), relo-
!;ioa de onro, inglez, descubTto, dos melhores
abricantes, cadeia de ouro, pla-.aet e prata. lunetas
detodos as qualidades, tudopor precos muito ba-
ratos.______________
ESCRAJ0 FUGID0.
rente
Desappareceu ao amanhecer
nte, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jose" Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, um tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do p esqaerdo : rogase a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en
genho, ou nesta praca"a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serio generosamen-
te recompensados.
ALU&A-SE
uma casa na Gapunga, rua das Pernambucanas.
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 31.
Calfado
Trancez.
DE
Cordeiro Simoes A C.
Acabam do receber pelo vapor Mcmlnza :
Riquissimos cortes de gcrgurao de seda lisos e
com listras achamalotadas.
Ditos de linho para vestides, contecdo cada cor-
te, o necesario para scu enreite, como seja :
franjaSi trancas, t o!5e?, (Ivetlas, etc.
Riquissimos chapeos para senhora, uhima moda.
a raa Primeiro de Marco n. 7 A.
Pirecisa se alugar uma preta de meia
Jape: Da rua do Ouro n. 71.
ENGENHO.
ArreDfia se ou vende-se os engenhos Hachado
uo Estrella, junto a cidade do Rio Formoso, e o
Montevideo, junto a villa de Ipojuca ; os preten-
dentes acharAo com qnem tratar no escriptofio da
companhia dos trilhos urbinos de Olinda, ou na
rua Duijue de Caxias n. 30.
ODILON
CAB
Premiados
RUA
DA
iMPERATRIZ
N. 82
J. ANDAR.
DUARTE k IRMAO
ELLEIREIROS
exposi^ao de 1872
na
RUA
DA
IMPERATRIZ
N." 82J
1." ANDAR.
411 Rua do imperador 41
conservar os creditos de unico neste genero, tem reform8do e melhorado complotamente
o mesmo em ordem a poder satisfazer qualquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garatitindo perfeirao em todas as prep*racoes, aoeio e modicidade nos pregos,
compalirel com este genero de drogas.
Espera a todo momento uma grande remessa de pharmacia homeopathica de J.
Epss <& C, de Londres, composts de medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
Rhus, de Buvoaiia, de Arnica e de p6s esp-eciaes para dentes.
Tem d disposi^So dos amantes da homeopathia a excellente, obra do Dr. Mure lne-
dieo do povo, jd em 3.* edicSo.
Tem carteiras de globulos e tintura? de 12 medicamentos ate 120, a* escolha do-com-
prador.
Plocoeria, para mordedura de cobras-
Seracenai
Para bexigas como preservative Cafe homeopathico.
Vaccina ( j
China cruzeiro, para intermittentes.
Schynus, para anginas.'
Calendula, para queittiaduras.
Taranlula, para paralysia.
Tiritura mai d'arnica,
. tes, etc.
Chocolate homeopathico.
; Elor d'araruta.
1 P6s para dentes, inglezes.
Jeric6, para rheumatisma.
para contuses, cor* Matta-matta ou jaboti, para tosses.
A CHEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
DitodeRhus )
>para rhematismo.
Dito de BryoniaJ
Espirito
ra.
de Hahereman
ou
de cainpho-
Curso de philosophia.
Pelo Dr. A. H. de Souza Bandeira Filho.
19-Raa da Uniao -19
Atten^ao.
Precisa-se ccm urgencia de uma aana de
leite, que seja s"dia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de ama
crianca de dias, dando-se preferenoia & mu-
Iher do matto : quern, pois, estiver eestas
circumstancias appareca no 3. andar desta
typographia para tratar.
Cactuc grande florus,- para
fyoleslias do coragdo.
nncumomas-e
Aeabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
diooSes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e as Exmas. Sras. n'a-
quillo q"Qe fdr tendente a" arte de cabelleireiro.
Fazero-se cabelleiras tanto para bomensoomo para senhoras, tupete, chignon,
eoqaes moderniseimos, tranjas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
mulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalho imaginavel em cabello.
O estabelecimento acba-se provido do que ha de melhor nos mercados estran-
geiros, recebe directamente por todos os vapores da Europa, as suas encoramendas e figu-
inos de modas, e por isso pode vender 20 /<, nienos que outro qualquer, garantindo
..erfeicao no trabalho, agrado, 6inccridade e preco razoavel.
Penteam senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
-iorc,3o e aretalho e tedos os utensilios pertencentes a" arte de cabelleireiro.
baratissimo
CORTE DE ORGANDY COM 13 A IS METROS A "i000.
Alpoeas io cvrcs cons palma de seda a lOtt r. o crvado
Na rua )'r: neiro demargo n. 13, loja das columnar, deAntini:' Correa
de Vasconc'ilos, vende-se lindos cortes de organdy com 13 a t metros,
acompanbados dos rompetentes figprinhos a 5?*0()0, assim como .alpacas
de cores com palma de seda a 400 rs o covado.
m
m

Na rua do Trnperador
n.28
I-:'...-*-** iMiAT ao segQintes senhores :
Domiogos Marlins de Barros Monteiro.
Joao Vu tte Oliveira.
.ose Prancuco Lopes Lima t Vazareth).
Manoel Pereira Hraodao.
Manopl dos P.-.S90* Miranda.
Thcotooij "^rros e SiWa.
Francisco lu'i Borges.
Francisco Ant^my Pontua
\viso
Acha-se eonstantemenfe a testa do estabeleciraente e inspeccionando todas: as pre-
pararoes o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santo* Hello.
CONSIJLTORIO HOMEOPATHICO
DO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manha, e a noite ate 9 horas
Gratis aos pokes.
Constando a alguan que uma mulher, qne diz
chamar se Olindina, 3inda ou?a incolear-se como
filha do fallecido coronel Pedro Antonio Velloso da
Silveira, e irmi do tambem fallecido eapitio Pedro
Ivo Velloso da Silveira, aBm do excitaf a ccuipaixao
e obter esmolas das familias a quera e'ia recorFe,
aproveitando se para isto de ser cega,t esse algiiem,
perdendo por rim paciencia a visia da persisten-
cia dessa miseravel traikante que, a noite e mes-
mo por vezes durante o dia, se introduz- nas ca
sas daquelles que a nao conhecem, julga conve-
niente declarar para que aao continue a ser ex.
plorada a credulidade defsas Tauiilias por es>aim-
postora, que a filha do referido coronel Velloso da
Silveira, que linha o nome de Olindina, e era o: foi bem educada em Paris e easaoj, existindo ain-
da seu mari lo iu provincia do Ceara mom* em
casa de sua eanhada, viova do di'.o cpitao Pedro
Ivo Velloso .it Silveira, na rua do Principe, em
maio do 1869, e qae nun:a sc ttto ol 'tgada a pe-
dir esmolas.
A fallecida Olindina era baixa ; mas magra, tra-
java bem, e nunca andou na? roas desta ci
dade sem ser acompanhada por pessea respeita-
vel; entretanto que a iinpostsra. que parsce mais
veliia e provave'mente nao tem o nome de Olindi
na, seebaix3, 6 gords, anda mal trajada e co
terupor um velho chale, sendo acompanhada
por um pardinbo.
Recife, 28 do njarv* de 7874.
.4. P.
Para homem.
BOTINAS de bezerro, conlavao, peHica, lnstre a
de duraque com biqueira, dos melbcrei
fabricantes.
SAPAT0ES de be/erro, de cordavao e de cae-
mira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de r.a.>,
prios para banhos, jtlios e j.irains.
SAPATOS de la pete, chariot, castor e de tr.
francezes e portagneze>.
Para senhora.
BOTINAS i retas, brancas e de cores different^.
I:, as, ettfeitadas e bordadas.
>APATTNIiOS de phantasia com salto, braaeus,
pretos c de cores difTerentes, bordados.
SAPATOS de tapetc, chariot, rasUir e de trao<.a.
Para nicnitias.
BOTINAS [iretas, brancas e de cores diflerer.ie..
lisas, enfeiladas e bordadas.
ABOTiNADOS'de diversas qualidades.
SAPATOS de traaca poituguezes.
Para mcnlnos.
BOTINAS de bezerro. laatra o de cordavio.
ABOTINADOS e apatfls de bezerro, de diver.--
aualidades.
SAPATOS de tranca francezes e pnrtugurtes.
Botas de montaria.
F-otas a Napoleao e a Guilberme, perneiras
meias perneiras para homen-, e meias perneira"
para meninos.
No armazem do vapor francc, a rua do Bar;
g- Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guerEi.Gci.
sofas, jardineiras. mezas. coiiversadeiras e ccs'.u-
reins, tudo isto niniio bom par screm forte* e
levos, e is mais proprios Sloven para saleias ega-
binctes de recreko.
No armazem do vapor francez. a rna do Bor
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de rhegrfr maHo ban pianos fortes*
de elegantes modelos, do nuis notaveia e bem
conhecidos fabricantes ; como ftejaa : Alphons*
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff & C.: n-
vapor fraacez, a rua <]>, Barao da Victona, ou-
tr'ora Nuva n. 7, a pnpOl tiiui: commodos.
Peifumarias.
Finos cxtractos, baahM, o'eos, opiata c p>'..-
trifice, agua de flor ile l.iranja. agua de loi
divina, florida, bvaode, [' il>. -arroa, sal"ie>.
cosmcticos, muiios a<^lms lelicad en ,
ria para presaotes -om fraseoa de extraem, cii-
xinnas sortidas < rarrata da aifltrealai ti
nhos d'agua de cologne, '.ud, do pritneira qv..
dade dos bem eonh ciaas EabriraBtei Piver e '' r
dray.
No armazem do vapor hmeez, a rua do r
da Victoria, owr'ora noaa n. 7.
Quinquilharias.
Al'iigos de IiiTcrcnrew g*im
phan(azia.
lispelhos dnurad'S para sal is aahiM
Leques para senhoras e p^"1 meaaaaa.
Luvas de Jouvin, de lio de K? '" e to car...'.: -
Caixinha8 de 'ostura oreada f >. n usica
Albuns i- :;:.-; 'nl > p:a renalw.
C.aixiahas com vtm Blai I H
Diversas obras ire I i '' loi gal
Correntes de plaque matta
giofl
i n .c.? in-.-'ai;' -1 sCes dp priahot a>
.jwe
Bolsinhas e eolrc-.- de seda, de vellodo e d-r
rinl-.o de cores.
Novos objectos de phaaiazia para ciir.n. d^ma-.
. toiiette.
Pincinez de core?, dc prata toando, de a?o
de tartaruga.
Oculos de aco fino e de ledas as f rr .
Bengalas de luxo, eaau cc-i
!ui
ilengaUas diverts em grand'; coriiaieato paj
omens e menino?.
Ghicotinhos de baleia e qoalidaJ
diversas.
Esporas dc lamdu para Il i de Mas.
Poateiras de espurca ;. -:,<.. .
I'entes to tartaraaa para rtnnaiair ar>r i
aarba.
Dito? de roarfm dtoHo rno. para liai;..
beea.
Escovas para napa, cabeBec, cnha a para da
tes.
Cartciriiihas de BMdreperola para din eir,>.
Gravatas brancas c d- geda preta para b
e menino.
Gampainhas de mola para akaanr criados.
Joros da gloria, de dair.a, de bafatellas, de d:
mino e outros naitos JifJcrenfes joguinhos all*
maes e fraaaaaai
Malas, boli as e saeew d.' viagem de mar e Ch
minhos de ferro.
Aluga-se um bom sitio na estrada do Monteiro,
perto da estacao, com excelienie casa, com gaz,
coeJieira,jardim: pertencente a viuva do Dr. Ja-
cintho Pereira do Beg/). a tratar com Francisco
Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus, ou na rua do
Imperador m. S3, 2' andar. No mesmo sitio tem
quern mostre os commodas.
ELO
Dora avante nao me responsabiliso por qosi-
qner quantia qua possa contrahir Agnstinho Sca-
res de Santa Clara, qae retirou-se de mioha com-
panhia.
Recife, 6 de abril de 1874.
Frei Joao Baptista do Espirito-"Santo.
Na rua do Imperador n. 87, loja, precisa-se
alagar um e-cravo de boa conducta que se preste
ao servico de uma casa de ponea familia.
I
I'm sitio na travessa da Cruz das Alma*, perto Tendo acontecido um desarranio na ma-
22%2rL SSSu^ e Ja^aira- com eJ:'china de gclo, os fabricantes vem por meio
oeUeote casa de vivenda, nova, mnito commoda .,____,~ v ,
easseiada: tendo 2 salas, 6 quartos, e fora co- d^le ped>" desculpa aos seus freguezes pela
zinna, despensa, sala de engommar, quarto de co-, -alta que tem bavido nestes dias ; e^peram
zinheiro; assim como cocheira, estnbaria, dons por^m, em qualquer destes dias fornecer a to-
quartos para criados, lat/inas, cercado de ferro, j^ as qU8ntjda(jes do costume : aprovejlam
banheiro, gallmheiro, ate. etc. : a tratar no sitioi..i v
do commendador Tasso. tambem a occasiao para prevenir aos seus
______________________________;______ I freguezes que teem em viagem uma ma-
china nova, de maior forca e do systems
mais moderno, que fabricara" mi maior es-
cala e com toda presteza as quautidades que
forem exigids.
Santo Araaro, 17 de mar "Pelos testa menteiros de G. St8rr d C.
i___________ William W. Webster.
Cozinheira para hotel
Offcrece se uma, qui tambem prestara ieus ser-
vicos em casa estransteira. de homem solteiro, na
prata ou ftra d'ella ; a tratar a ma da< Caleadas
n. 8.
Garanhuns.
Na rna do Barao da Victoria a. 36, precisa-ss
allar aos Srs. Pedro do Rego Cbaves Peixoto e
ose Pr.es daSilva, a negocio de particular inte-
-esse
O abaixo assignado protesta contra a venda
doeslabelecioiento de molhados sita a rua Impe-
rial n. 273, ho'e pertencente a seu devedor Agos-
u'nbo Anlonio to Souza, pelo que declara que
peV-soa alguma faca qualquer negocio com o mes-
mo esiabefecimento, sob pena de nullidade em
qOSPtJ o abaixo assignado nao for pago do que
Ihe.dece o vendedor, visto como a3o ha na rua
do Ros.'U'io daBoa*Visla o n. 5', em qne o mesmo
Ago>tinbo* dis resjdir ; pretendeado prosegair nos
meios judges para sea embolso.
Pecife, o> bn'l to 1871.
Thomas Times.
Rna d Imperador
A i. into Ril '" .utes, caixein a rna Duque
d- xias, bi. ... eneommenda para a pes-
f>> ie, se di n lir a rna do Imperadur e Ih<<
d fallar, n envia, nor ser objecto que so
o pupno o pode receber.
Joaqoim Jose" Baraos indo 4 Europa deixa
na gerencla de sua casa commercial o seu primo
Joaquim Francisco Battos. munido da respectiva
procuracao. A rapidez de sua viagem uao Ihe per-
mittio despedir-se de seus afTeicoados e amigos,
do que pede des:uipi. -
Sillo na Arraial.
Aluga se nm sitio no Arraial, proximo a esla-
e5o da Casa Amarella um minnto) com exellen-
tes easa de muradia, tendo os seguintes commo-
dos; 5 quartos, 2 salas, cozint.a externa, terra-
co, casa de banho e drversas fructeiras. Aluga se
tambem uma oatra c.i?a no mesmo lugar, com 3
quartos. 2 salas, coziuha externa, agua de beber
e um bom quintal por commodo preco : a tralar
na rua Primeiro de Marco n. 16, l." andar.
Escravo fugido.
Fugio do poder de sua senhora, o escravo David,
mulato acaboclado, mo;o, estalura regular, cneio
do corpo, com pouco bigode, falto de denies da
frente, tem o tornozelo de um dos pes im-hados, e
as pernas com marcas a especie de foveiras, le-
von vestido : camisabranca, jaqueta de qoadrinhos,
calea branca com remendos nos fun.;. ?, cbapeo de
feltro preto, levaodo tambem um balaio redondo
em que vendia bredos, foi vi-to no Caxangi. Esse
escravo pertenceu a Frsncisco Ayres Sizenando de
Moraes e foi comprado ne?ta cidade ao -r. Prali
que, no poder d'aquelle Br, esleve fugido sendo
agarrado na Ponte dos Camlhos. Recommenda-
se, portanto, acaplura do dito escravo, e gratifica-
sejenerosamente a quern q levar a alfandega a
Joao Evangdi ta Gouies, on na Capunga uarua
das Pernamhucanas n. 50, a viuva de Joao Baptists
Vieira Ribeiro.
Argolinhas de marfim para as criancas I
rem, nom para os dentes.
Bercos de vimes para einlalar L-riaD^as.
(^stinhas de vimes para braeo de meninas
Garrinhos de qoaire rod?.--, para passeio* c
eriaacas.
Venezianas transparentes para portase jar.
Reverberos transparentes para candieiros *
az.
Estereoscopos e o.-imor.'.mas com esc..ll.\.
vistas.
Lanternas magicas .^mricas visUs de tar
vidros.
Vidros avulsos para ^omorama.
Globos de papel de e*m para illaminacuc; O
festas. *
Baloes aereostaticos de pipe! de seda ma '
de subir.
Machinas de varios sysienus para catt.
Espanadores de palha t de pennas
Tesonrinhas e anivete fines.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lantern.
Tinteiros de louca branea, modelo bonito e doil
Tiras de moldoras dourada? e preta' na'
qaadros. ""
Quadros ja proraptos com pavsagens e phania
tia. r
EsUmpas a\-ulsas de saatos, paysagens e pban
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos em fc
milia.
Realejos pequenos de veio com lindas pecaa
Realejos tarmonicos ou accordions de todos i -
amanhos, e outros muitos artigos de quinquflha
nas difflceis de mencionar se. No armazem d
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'orJ
Medidas de iO a 100 metros,pes e aajaaa par-
medir terrenos. p v
Brinqoedos para meninos
A mator variedade que se pode desejar to U>- '
dos os brinquedos fabricados em difTerentes partes
oa fcuropa, para entrctenimenlo das criancas, UiL
a precos mais resuraidos qne e possivel : ao ai-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Vic:
na, outr ora rua Nova a. 7.
Ceslinlias para eostura
Grande sortimento de bonitos modelos cbegatos
ao armazem do vapor francez, rua do Barao da
Victoria, outr'ora rna Nova, a. 7.
(Wni""A
Engenho
Vende-se o eugenho S. Pedro, sitaado oa pro-
viccia de \lagoas, comarca do Porto Cafvo, a
memsde ama Tegoa distante do poito to mu dc
Ganella, tem oxreleates terras, mala*, e natreja
regularmenie 2," 00 paes : a trutar oa ra* to Vi-
gario n 31.


V
fVeeisa-se to nm aa rna Formosa n. 24, casa I U-.udma Marix da Goavt*Hau 4a (,->'. r -
com jn. ,;.ti, datroute do becco dos Ferreiros. ira-se para a cidade da Babia



^8iriobde^tftnainHbop /$:r$a feira JoteiiBfril ide ;ltt
Ricas bandeijas
Parac asamonto^, bailes e taptisados.
Quem quiver obrer uma bandeij* ricamente cn-
feitada, dirija-se a Confeilaria do Campcs
Ja mandando ou indo encommendar, ja com-
pranio alii todos os enfetter, constando doseguiu-
te :
Bolos linos para enfeitar.
Doces saborosissimos para enfeitar.
Fignras allegories para enfeitar.
Papeis arrendados para entei'ar.
Bouquets para noivos.
Alii
Encontrase sempre o seguinte :
Fiarabres inglezes.
Badins
Bolas ii
Pats de 16 linos.
Fatias de dito para parturientes.
Pasteis en profosSo.
Filhos (sonh's de mnlvma).
Doces oin calda, ralado e secco.
Bolachinhas de mil qualidades.
(Sugar-Waffere vanilla)-para dietas.
belea de raocoto, desinfectada.
Amendoaj, confeitos, etc.
Cha verdadeiro das Caravanas.
Cafe de Java (verd deiro).
Tuilo isto na
________C0.NFE1TAR1A DO CAMPOS._______
Tabella necessaria,
Em vista do numero de impostos queo pnblico
paga ao governo actualrrieute, faz-se preciso urn
mappa que marque o tempo do pagamento ; nesse
.-entido eneontrarao os con!ribuinte3 nma tabella,
a rua do Imperador o. 54, a 200 rs.
Rua 1. de "Marco n. 23
Aos 20:000^000.
O abaixo assignado teni sempre exposto a ven
da bilhetes da lcteria do Bio, cuja extraccao an-
aunciara pelos jornaes.
Precos.
Inteiro 244000
Meio 12*000
Quarto 6*000
Manoel Martins Fiuza.
Na rua do Barao da Vietoru a. 36,i>recisajM
fallar ao Sr. vigario Andre Cutciuo de Araujo Po
reira, a negocio de'seu interesse.
i
Na rua di laM fallar ao St. 2. leneate.
gacie de st*i interesso.
a. i
oria n 36,- precisa-s>3
Maria Pestaoa, a ne-
AMA
2 andar.
Par* cozinhar e coirprar
precia-se de ama .ama : na
rua Duque de Caxiat n. (,
,fir *f*taratl.
AMA
Principe d. 20.
Precisa-sede umpi-
re todo aervjco depe-
quena farallia : a &>
AMA a
Na rua do Gamario n. 3, preoiia-5
uroa.para cozinar. comprar e fa-
algommado, para tres pessoas.
Para engomraados e arrumacoes de casa de
pequena familia ; da-se esta quaniia a uma cria-
da que seja de boa cenducta e perfeita engomma-
deira : a tratar na rua de S. Francisco n. 72.
ConsnlloiioTiiedico-cirurgicog:
g A: B. da Silva Maia. g
fBua do Visconde de Albuquerque n. w,
11, ouir'ora rua da matriz da Boa-Vista n. it a
jg Chamados : a quaiquer hora. |W
y Consultas: Aos pcbres gratis, das 2 as fj
a 4 horas Ja brde. f*
s^ &
Galiza,
'"arvjlho t Mogucira, na rua do Apollo
n, 20, saecatn sobre as seguintes cidades da
Galiza. rra Hespanha : Santiago, Orense,
Padron, I'errol. Ponte-vedra eCoruna, quai-
quer quaniia a* vista e por todos os paque-
tes.____________
Joaquim dos Santos Jeeves.
f-r^ft.:p^gjqt D. Joanna Maiia do Rego Neve?,
g-j':%l? seus nl,15 gcnros convidam aos
parentes e amigos do seu prezado
enteado, niano e cunhado Joatjuim
dos Sant s Neves, a assistirem as
missas quc por alma do mesmo
maadHtn res .r no ccnvento de S.
Frsncisco, pclas 8 hora3 da i.-.anha do dia 7 do
ate, anniversario do seu fallecimento; pelo
' Be jase c^nfps-.ini summamente gratos.
L- .-;4-.-.i,-.-_'.: ..'
Antonio Luiz Caetano da Mlva,
cnvida aos parentes e amigos do
srii (iD,itli> collega, Carlos Ernesto
de Mesquita Faleao, para assistirem
a missa, que por alma dn mcsmo
;iMiila celihrar na o' feira, 9do
nlfj idj horas Ja manlia, na
it .-'. Ii
Devedores.
Os proprietaries da Confaitaria do Campos, 1,
rua do Imperador n. 24, pedem aos seus devedorea
que tern lido remissos, o favor de virem pagar s' us
debitos ate" o dia 8 de abril proximo vmdoure s
avisam aos mesmos qne'se ate" aquella data nSo e'e
tiverem saldos, verao seus Domes neste jornas-
sem disMnccao de pessoa alguma.
Apolkes.
Vendem-se quatro a polices da divida pro-
vincial ; -quem pretender comprar annuncie
sua morada, para ser procurado.
Aos capitaes de campo.
Antonio, crioulo, de 20 annos, pouco mais ou
menos, fula, cabellos um pouco toltos, baixo e
secco, safcio em dias de fevereiro do corrente an-
no, da companhia de seu senhor o capkSo'Ma-
thias Gobcalves (iuerra, senhor do enjeoho Cepo,
da eomarca de Nazareth : recommenda-se a tua
captura, e a entrega nesta cidade, a raa Marquez
de Olinda n. 60, 2 afldar, ou naquelle eagenho
ao seu sentior ; gratificar se-ha.
Prtcisa se de uma ama forra ou escrava,
que saiba ecgummar : a tratar na rua Nova, loja
Ama Precisa-se de
xLiuai pequena familia
18, 2.andar.
Vende^e urn pequcnosiik) perto da esta-
c3o do Salgadinho, tendo palmos, e de fundos mais de quatrocentos,
com uma elegante casa de taipa, acabada de
prfeximo e bem asseiada, tendo 2sal s, 2
quartos e cozifiha fora. O terreno e pro-
prio o bom de plantaijoes, tendo algumss
arVDrttfdfe iructo, agoa cado.
Para ver e mais explicates, no mesmo si-
tio a quaiquer bora a entender-se com Tris-
tao Franoisco Turtes, e para tratar, na the-
souraria d;s loterias, rua 1. de Marro
n. 6.
uma ama para easa..tk
Ama Precisa-se de uma ama para cozinhar,
~~" paga-se bem : a tratar na rua do Hospi-
cio n. 70, casa terrea do bolas amarellas na cor-
nija..
Precisa:se de uma ama que saiba cozinhar bem,
para casa de familia : a tratar na rua do Ran gel
n. 8.
>Preei'8e,4e uma ama para can-
nhar para casa de familia : a rua do
visconde de Goyanna n f29.
Ama dp leite
Precisa-se de uma ama sera fllho
Visconde de Goyanna n. 129.
FAZfflMS UMW.
NA
ttif-
LOJA DO PAVAO
narua So creapo n.'Grande pechiiicha de cami-
sas de linho.
Vende-se camisaajoglezas, de linho, muito finas,
Sara homem, pelo baratisgimo preQo de 35<000 a
uzia^ quem duvidar venha ver e oomprar : na
rue Dnque
ltesl9-a:.
*e Qaxiasvjo. 8, loja do Deeaetrio
RA
Rua
da lmperatriz
PARA LIQUIDAR
n.
60
GROSDENAPLES PRETO A i200, 2&000 e
2J500.
O Pavao vende grandesortimentode gros-
^idenapjes preto de pura seda, a 19i00,
Vende-se, pa rlfMade ioao tla-Barios n. 15800, 250C0 e 29300 o covado, tendo
23, duas carroQas comfttpaa.paTreiMr>agua e f tambem do mais largo e mais encorpado que
costuma a vir ao mercado, e vende por pre-
bonitos bois.
So o Baralcii'o
a raa do
i. .-..- ._:.-.
'

IlllO
Augusto de Maga-
Ihaos Neiva
v-jk'S Fredericn Augusto.Neiva Junior,
.! piiDgidu da mais acerba dor pel*
.-; passauieulo do sen presado irniao
Eugenio Augusto deMagalbaes Nei-
wi, na i.-i'iini.: lie S...lizp., cunvidaaos
.;*.' m^.is parentes e amigos para fazerera
o favor deaasistir &s missas que pelo
1190 eterno de sua alma mauda celebrar na
do Carm i, aa 7 horas da manna do dia 8 do
m ate.
.
\
AHENCAO
Constando aos.abaixo asslgnado achar-se nes-
ta prafi o Sr. Manoel Feraandes de Carvalbo, ren-
deiro dos engenhos Barra e Pregnica, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
raesmo o obzequio de vir enteader-se com os
abaixo assignados immediataraente sobre negocio
tendente aas referidos engenhos. Rua do Araorim
37, escriptorio.
____________________Tas?o Irmaos & C._______
Attengao
Precisa-se alugaruma casa terroa, grande,
quo tenha, alera de sufficientes commodos
para familia, tambe'n tenha quintal ou pe-
queno sitio murado com cacimba, que seja
no bairro da Boa-vista, e perto da linha dos
bonds. Tambem s- rve urna casa terrea,
grande ou um pequeno sitio nas mesmas
condicoos acirna; porem que seja nas imme-
diacoes ila estrada de Olinda ate* a Encru-
zilhada.
Quem pois tiver e quizer alugar, deixe
carta feebnda com a inicial W. no esnrpi-
torio desta typographia.
Esta encoura9ado !! !
Affuu mole em pedra dura
Tanto da ate que a fura-
Roga-se ao Illm. Sr. lgnacio Vieira de Mell
escrivao na ;eidae de Kazaretb de3ta proviiieia,
favor de vir afmafDijjua de Caxfes n. 36, a*on-
cluir aquelle neg6cio reahsar, pefa tereefra chamada "deste'Jornal, em
Qns de dezembro de '1871, e depots para Janeiro,
passou a.ftverei-o eabril de 1872, e Mda-cutifrio;
e por este motive'6 de uovo chaknado para Tditq
9m, pois S. S.-se deve lembrar qne este negocio
de mais de eito annos, e quando o Sr. seu fllho w
achava neeta^eidade.
EmpEeza do gaz
A empreza dq^az tem a honra de annunciar ao
publico que receblla uUknamenle am csplendido
sortimento de li$ces de Vidro, candieiros, aran-
delas e globos, etijas amostras estao no escriptorio
a rua do Imperador a 31, e serSo veadidos aos
seus freguezes pelo preco mais razoavel possivel.
;o em conta.
Granadina
500 rs. o
lircla a
c"vaiIo.
O Pav5o vende granadina preta e lavrada
pelo barato preco de 500 rs. o covado.
,GHALES PRETO DE GUIPURE A 4^000.
O Pavao vende chales de tres pontas, sen-
.'NA
^Rua 1. de Margo n. 1.
Coai'ronte o arco de Nanlo An-
tonio.
Kstu endendo sunm faxendaN rom
ao por miii) in......s que em outra do de guipure verdadeiro, pelo barato pre-
quulifii^r.|Mirti'.
A saber
go de 45000 cada um.
MadapoRrt com toque de^mfifo, pelo barato pre- Hadanolilo
de 4J500 e Si
enfestado a 3-000
a peca.
O Pav3o vendo pecas de madapoliio en-
festado, pelo barato prego de 39000 a pega.
Dita3 sera ser enfestado, Gom 20 jardas, a
5^000. Ditas com 24 jardas muito boa
fazenda, a 63*000, 6JS500 e 7J5O00.
CO
l)itofraBcez,lfaipo e de superior qualidade, por
5S8S0O,-6J000 8^6*500.
Algodao marca T, largo, superior oualidade, a
4^860, 5&-5J5Q0 e a^ooo.
Grande-.sOrlimaBto de lazinhns dego-tus inteira-
mente esccssfces,-pele8 preccs do 2tX), 2i0, 2C0 e
440-n. ;-6--se veado.poder-se-ha acreditar.
Baptistas, lisas e com ftores, fazenOa que sem-
pre ustou 400 e 800 rs., estamos vendenJo pelo1 ALPACAS PRETAS A 500, 610 E 800 RS.
prrSfi!! ".'J^*.^'-. ivwi n O Pavao tem um grande :sorlimento de
Dilas finas, padroes mitisaoos, a i0i> e 4'i0 n.' -.. .
0 cova^oT alpacas pretas, que vende a 500, 640 e 800
Cretono francez, eseuros e claros, n* mais no- jrti. 0 covado, assim como grande eorti-
tos que te* viodo *o ereado, a:"480 ?>CO rs. 0 raento de cantdes, bombazinas, princezas
Bovad,n',.A..n.-^w,-n.^ .! ,jl,a p>etas, merin6s, e outras muitas fazendas
roveuem em quaoto naosoacabani.i-liapeosdo f.^, _'. '
pfopnas para luto.
man
icaaa
Compra-se um
Rangel n. 61
portao de ferro : oa rua do
DO DOCTOR WILLIAM NOBTH
Para rettituir progrcnivamente aot oabello
A SUA COR PRIMITIVA
Ella snbstitaetom van tag em as pommadas parao toacador.
NEQGENE0UDR NORTH
OUPRABeSTITUIR BWPOUCOSDH5 03 CABELLOS
A SUA COR PRIMITIVA
Bom exito infalliel desde o loiro le ao preto
Snpcrlorld&de incontestavel; empiego InoffenilTO.
PERrOMABU ORIENTAL, 3, rue Bergere, PARIS
Depoalto em Pernamtiuco, A. EE80RD._________
Precisa-se comprar Jous escravps, pedreiro e
carapina, paga se bem : a tratar na thesouraria
das loterias, a rua Primeiro de Marco n. 6.
- Compra se uma caa ate- S00^, aioda mes-
mo precisando algum reparo, que tenha 2 salas
e2 quartos : a tratar na rua do Brum n. 71,
casa em que se faz carrocas.
t/*iNDA,
Constando ao abaixo assignado que, ten'
do falle;ido o seu devedor Adelino Tbeodoro
Alves, um parente deste anda propondo a
venda de um terreno, e diversos moveis,
vera por meio deste prevenir que se nfio
faga negocio corn' estes bens, sob pena de
ficar nulla toda a transacgao.
Recife, 1 de abril.de 1871.
Muurkio Jos6 dos Santos Ribeiro.
Antonio Luiz Uachado e sou irmao,
igos
missas
de
S. Francisco, sexta feira lU'de'abril,
tfeSJ" pelas 7 li boras da niaulia, por
i 'vi muito prezado pai Delfino Luiz Ma-
hadi 13 aalao, fallecido em Porlug: 1; pelo que
jesde ja se confessatn gratos.
m
alma

Na
ALUIjA1
Ponle Velha o armazem n. 42.
E
Criado
Na rua Nova n. 7, 2 andar, precisa se de um
recados, prefere-se escravo ou
lor a sua eonducta.
para compras c n
liwe, .! id lo Qadoi
Aloga .-e uma boa olaria na rua do Visconde
de Goyanna n. 63, a tratar a rua do Rosario da
Boa-Vista n. 60.
Alugase um sitio na travessa dos Reicedios
;i. 21, com casa de vivenda, portSo de ferro e
murado na frenie : a tratar defronte do mesmo
in uma obra que sa esta fazenlo.
Chaves perdidas
Na rua Direita n. 99, se gratificara a quem
acbando, quizer restiluir uma cambada de tres
chaves prcsas a uma corrente de arame, que se
perdou ha dias, da referida casa a igreja do
Tjrco.___________________
Aluga-se barato.
Aluga-se o sogundo andar do sobrado da rua
da Guia n. 62, limpo, bem tratado e grande : na
ua da Senz;.la Nova n. 1.
I'recisa-se fallar ao Sr. Manoel Antonio Pe-
reira, chegado ha pruco do Para, a negocio de seu
interesse : na travessa da Madre de Deos n. 16,
armazem.
Aluga-se o primeiro e s'egundo andares da
rua de S. lorge (antiga Pilar) n. 23, frescos e
aceiados, e cada um com commodos para grande
familia : a tratar no n. 74.
Sfltii, 1'iiiquc Irihuerc
O philantropico calholico qne se emjanou, to-
mando um chapeo novo de pello, deixando em
seu lugar um tambem de pello, mas extraordi-
nariamente experimentado, na sacristia da igreja
de S. Pedro dos Clerigo?, sirva-se levar o alheio e
pol-o em seu lugar, recebendo o seu veneravel
capello, o qual por modo algum deveria trocar por
outro ; eslando encarregado do desfazer o logro, o
sachris'.ao da mesma igreja.
Atten^ao.
Desappareceu no dia 2 do corrente, do
cabriolet do Dr. Seve, uma carteira de a.1-
gibeira com ferros cirurgicos, tendo estam-
pado no feixo da mesma firmaDr. Seve
quem atrouxer i cas.i n. 53 a" rua Ria-
chuelo, serd gratificado.
PECHINCHA
Sapatos de de tapete avelludados para, homens e
senhoras a i$ e 13200 cada par : na rua Duque
de de Cams n. 111.
. Cylindro
Para padaria, vende-se um muito bom : na ma
do Amorim n. 33.
So k rua Duque de Caxias n.
44, loja da esquina
Granadinas russianas com palraas e ltstras de seda
brancas e de cores, o covado 500
LSs escossezas, padroes lindos 280
Metins trancados para vestido de senhora 360
foichas de algodao alcochoada, cada uma 3^000
Toalhas de algodao aicochoadas SO0
Lencos de cassa, pequenos, duzia 14000
Ditos de dito brancos, duzia 13600
Ditos de linho, abanhados, duzia 33300
Madapolao, peca 5300O-
Algodao, peca 43000
E outras muitas fazendas que so a vista poderSo
apreciar os precos : isto so na loja de'Franciseo
Guimaraes & C, rua Duque de Caxias n. 44.
Grande pechincha.
Madapolao largo e fino com pequeno toque
aiaria a 53000 a per^a, fazenda que vale 73.
Ajgodao marca T, largo, a 43500 a peca.
Lazinhas escocezas a 2i0 rs. o covado
acabar : na rua do Crespo n. 25 A, loja
quina. Cheguem antes que se acabem.
de
e para
da es-
Apr
sol de seda trangada (paragom) li haste -, ingleses j
superiores, peto insignrficante prego do 8.3 e 93 ;'
sempre venderaos por 14^000.
Ditos para senhora, de merino, a 33 e 3350*
Ditas de seda, cabo de oeso a 45000, e pechin-
cha.
Ditos de alpaca de cores, forradoa com seda,
e o cabo fingindo bengala, o mais moderno que
ha, a 13500 e 23 I
Sortimento do chitas claras e escnras, boa fa-
zenda, para acabar, a 240 e 280 rs. o covado.
Popelina de linho e algodao, go.-t ,s inteiramente
novos e de cores bonitas a 80drs. o cov3do,5sem-
pre custou 1J400.
Camisa? de cretone, francezas, modernas e su-
periors a *3 e 33500.
Ditas brancas a 23 9 23500.
Ditas do linho a 335C0 e 43000.
Toalhas de linho do Porto a 735C0 e 8/000 a
duzia.
Ditas felpndas a 73. 73500 e 83060.
EsguiSo com 10 jardas, pelo preco de 43500 ; e
barato com effeito !
Cambraias Victoria e transparente, fazenda (ma,
a 33500. 3*800, 43000 e 53 a pe^a.
Lenoo3 de cambraia com barra de cor, a 13, e
brancos a 2 3.
Ditos de linho, abanhados a 3*600 0 33800 a
duzia.
Grande sortimento do brins de cores, padroes
proprios para meninos de escola a 440 e 500 rs.
0 covado.
Bolinas para senhora, pretas e de core3, por 43
e 43500, Isto por termos grande quantidade, se
faz este preco.
Bramante'de linho, duas larguras, pelo barato
preco de 132CO a vara, 6 somente para acabar.
Muitos ootros artigos quo deixamos de mencio-
nar para nao massar nossos ireguczes ; mas que
avista delles estiio [-.resentes.
Dio-se amostras.
So 0 barateiro quer queimar
Para rival niio enGontror.
A' rua Primeiro do-Marco n. I, antiga do Cres-
po, de Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
LAZNHAS DE ORES A280,320 E 400 RS
O Pavao vende bonitas lazinhas de cores
para vestidos, a 280, 320 e 400 rs. 0 co-
vad-j tendo ate a 1?M)00, sendo das m3is lin-
das qu<; tem vindo ao mercado, assim como
granadinas de seda com os mais delieados
padroes, a 640 rs. 0 covado.
Sedinkas a lr00.
O Pav5o vende sedas com listrinhas de
eores a 1&600 0 covado. Ditas com pal-
minhas a 23000. Ditas com toque da -mofo
a 19000 e 15400.
CAMBRAIA VICTORIA A 4^000, 49500,
05000 E 79000.
0 Pavao vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
CAMISAS FR-AXGUAS A 2*000, i*500'
390OO 'K'^fSOO.
O PavSo rende um bonito sortimento de
carnisas francezas com peito de algodao,
2J000 e 29500. Ditas otn peito de linho.
de 39000 a 69000. Ditas bordadas muit<
finas de 69000 a 109000: assim como
grande sortimento de ceroulas de linho e de
algodao, por precos baratos, e tambem tem
completo sortimento de punlios e collarinhos
tanto de linho como de algodao, por precos
era conta.
Espartilhos a 8MW*, 49000 c
0 Pavao vende um bonito sortimento de
espartilbos modernos a 39400, 4*000 e
59000, assim como um bonito sortimento
desaias brancas, bordadas, a 59000 e 69000.
e ditas de lasinha de cores a 39600 : e pe-
chincha.
CORTISADOS BORDADOS PARA QMA fc
JANELLAS, DE 79 ATE' 25-r000 0 PAR
0 Pavao vende um grande sortimento de
cortinados bordados, proprios para cam a e
janellas, pelo barato preco de 79000,89000.
10*000 ate 259000, assim como : eolxas
de damascodo la.muito tina de 10f?00
129600 cada uma.
BRAMANTES A 19800, 29000 E 29560.
O Pavao vende bramatrtes para lei^oes,
tendo 10 -palmos de largara, sendo 0 de
algo a 29-400, 29800 e 39000 a vara: e pechir.
cha.
CASEAIIRAS A 59000, 69600 E 79000.
0 Pavao vende cortes de casemiras pan
calcas, sendo padroes modernos, pelo bara-
to prec,o de 53000, 69000 e 79600 o c6rte,
assim como : pannos prctos dos melhores
que tem vindo ao mercado, de 49000, 89 e
105000.
ROUPA-FEITA.
0 Pavao vende uma grand.) por^io de
roupa feita, sendo : palitots, frakes de ca-
semira preta e de cores, assim como : finis-
simos sobrecasacos de panno preto, e cal-
8 1/2 varas-cada peca, pelos baratos precos jcas de casemira preta e de brim branco, col-
de 49000, 49500, 59000, 69000 e 7800 lletes de todas as qualidades, por preros
a peca, assim como, ditas de salpico bran-.muito commodos, por qnerer tcaL.ir com
co, a 7?5000, e pechincha. jtoda a roupa que tem em casa.
Acha-seconstantementc aberto 0 estabelecimen'o do PAVAO, das 6 horas da manlia
is 9 de noite.
SABAO DO RIO DE JANEIRO a 200 rs. 0 kilo, no armazem da rua do Araorim n. 41.
de Jose Domingues do Carmo e Silva.
GAZ A 55000 a lata, no armazem da rua do Amorim n. II, de JosJ IVmiugues do
r.-\rmo e Silva.
VIMIO MUSCATEL de uva branca, pura, do custo de 239000, no armazem da rua do
Amorim n. 41, de .lose Domingues do Carmo e Silva.
Vende-se ou arrenda-=o, no estado em
que se acha, um sitio na freguezia dosAfo-
gados n. 18, i hao proprio, com 349 palmos
de frente e G58 de fundo ; os pretendentes
dirijam-se ao seu proprietario, na rua de
S. Francisco, sobrado n. 10.
Batalas um a 40 reis
e 800 o gigo
a
PRECISA-SE da quantia de 4:5003 sobre
hypoiheca era bens de raiz : quem tiver annuncie
ou dirija a eta typographia carta fechada com as
iniciaes-.F. S. A.
Fygioo escravo Juvenal.
Fui trajando calca de brim listrado, camisa,
chlta de riscado e chapeo de palha de Italia. E'
de cor parda, idade 12 anno?, tem falta de um
denie na frente e 6" bastante paroleiro. Roga-e a
apprehensao do mesmo, e conduzi-lo a rua da
Crnz n. 3, ou Conde da BovVisla n. 51. para ser
gratificado.
Nao se prestando o peqneno espaco do armazem
n- 10 A, a rna da Madre de Deos, para Qm abaste-
cido deposito dasaiversas marcas de fumo, que o
abaixo assiguado almejava ter, acha-sa d'ora em
Jiante aberto ontro estabelecimento sob a me^ma
denominagao dc
Artuazem do lumo
A' rua do'Amorim n, 41
com todas as proporcoes' desejadas, e onde pode-
rao os 8eBhores freguezes dirigir-se, certos de
que, como ate aqui, ac'iarao sempre a par da mo-
dicidade dos^reqpsj a maior sinceritlade possivel.
fc-nire as differepte* nrarcas de fumo da Bahia e
Kio de Janeiro, que-tem .*ido annunciadas, acaba
de cbegar uma enc.^mmenda especial, e que muito
deve convtr aossen bores' (reguezes. Consciente o
aba-.v> assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem competidores, fara muito por evitar
qne tambem os tenha com relacSo ao pequeno lu-
cre que procurara obter da dita mercadoria
,. Jose Domingues do Carmo e Silva. i
Escravo fngido
Ausentou-se no dia 20 de fevereiro proximo
passado, da casa de seu senhor, abaixo assignado,
o escravo EstevSo, com os signaes seguintes : cor
preta, idade de 23 annos, alto, espadaiido, e cer-
polento, tendo o pescoco curto. o grosso, e a ea-
bega um tanto chata. Dito escravo e natural da
provincia da Parahyba do Norte. foi vendido em
1868 na villa do lnga, pelo Sr. Pedro Antonio da
Costa ao Sr. alferes Manoel da Assumpcao e San-
tiago, que no mesmo anno o trouxe para esta pra-
ca do Recife, vendendo-o entao ao abaixo assig-
nado. Presume-se que dito escravo tenha segui-
do para sua provincia natal. Roga-se, pois, as
autoridades policiaes e capitaes de carapo a ap-
prebens'ao de dito escravo, gratificando o abaixo
assignado a quem o agarnr e apresenta-lo na rua
da Brum n. 96.
Recife, 11 de raargo de 1874.
Francisco Ribeiro Pinto GuimarSes.
Macarrao a 320 a libra.
Talharim a 320 a dita.
AleU-iaa 320 a dita.
E todos os mais generos se vendem mais ba-
ratos do que em outra parte, no pateo da Ri-
beira n. 63 A, junto a botica.
Sala laOOT
De superior qualidade, veqdem era Macao do
Assii, Jose" Dias Soares, a 13J0O o alqueiro.
Fazendas eroupas muito ba-
ratas
Na loja de J. Porto, a rua Nova n. 14, roca-se
por cobre ou raesmo por sedulas, boa3 fazendas e
roupas feius sem se olhar a lucro, somente para
se vender muito.
Uranias de leque,
Palmeiras iraperiaes,
Coqueiros,
Cyprestres horisontaes.
Quem quizer fazer um pomar com differentes
qualidades de fructos, ou arborisar algumas ruas,
ou plantaralgum jardim, 6 so dirigir-so ao sitio
do Abrfgo,' cm Olinda, onde achara o que quizer,
ou deixar o pedido por escripto na loja da rua da
Cadeia do Recife n. 53, indicando para onde quer
que mande-se, etc.
Sementes de hortaiica.
Rua do Marquez de Olinda n. 53.
que
GRANDE
I Mmiv
Em
Grosdenaple preto
Sendo lisos e de cordao, e o mais largo
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminu'tus
precos de 25100, 25800, 33*00 e 33300.
SO' NA RUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
TRES PORTaS DE
Guilherme & C.
Junto a loja da esquSna
Nao ha mais cabellos
braucos.
L
r
VER
A .Nova Esperanca, a rua Ditque de Caxias n. 63
i apressa-se em convidar a seus freguezes, com t3-
pecialidade ao bello sexo a virem apreciar os so
guintes artigos expostos a ven.la e todos por precj >
commodos, como fejam :
i FINAS BOXECAS mansas e choronas.
I BONITAS E KNGBACADAS vistas para steri -
copios.
COMMODAS LATAS para guardar cha.
ELEGANTES BOLSAS para senhoras e meoica*
BONITOS VASOS com fina banha e -*r|
extractos, trazendo cada frasco um nome, umi ini-
cial ou um distico.
FLNAS MEIAS Dfi SEDA, vinJo entre ella, i
de carne.
Para quem gostar.
Urgcncia.
Vende;se ou da-se sociedade, entrando o socio
com pouco dinheiro, em um estabelecimento de
molhados em ama das melhores localidades da
freguezia de Santo Antonio, tendo o dito estabc
lecimento capacidado para grosso e retalho, por
ser em esquina, tendo alem disso um grando pa-
teo para accommodates de matutos : a tratar na
rua Direita n. 21, armazem do Pescador.
Vende-se aa casas seguintes
Rua 24 de Maio (oolr'ora do3 Ossos) ns. 2 e 4.
Dita do Fogo n. 22.
Dita do Padre Floriano n. 35.
Becco da Bomba n. 5.
Travossa do Padre Lobato n. 8 A.
Becco do caes da cadeia-novans. 3 e 5.
A tratar no pateo do Carmo n. 1.
Vejam isto
CRIADO
Precisa-se de um para todo o servico de casa de
pouca familia, prefere so que entenda de jardim :
tratase ra rua do Passeio n. 60.
Antonio Fernandes de Bairo?, tendo scien-
cia que se pretende arrendar o engenho Pettabil,
da freguezia do Cabo, e desejando, arrenda-lo,
pede a pe-soa encarragada de faze-lo que se di-
rija a villa do Cabo a entender-se com o sojici-
Udor Rotilio Tolenlino de Figueiredo Lima, que
tem poderes do annunciante para tratar dewe
negocio.
Pul
ceira.
?! U"ie :Ir,-taf- pulceira de pedras verdes encastoadas em ouro,
desde a rua do Imperador" ate a esfacao da estra-
da de ferro de Olinda, on d'ahi ate o Canhencue.
em Bebenbe : gratifica-se bem a quem a entre-2
gar a rua do Marquet dc Olinda. n. 40, loja
Peitos bordados a quatro unta-
cas!!!
Sao de fino esguiao, fcrrados, e lindos bordadas :
na ma da lmperatriz n. 56, loja da Rosa Rranca.
E' Jiarato.
Chapeos de castor pretas a 23 e 13500: na pj-a:
ca da Independencia n. 2, loja de Francisco de
Lima Coutinho.
FAZENDAS
baratas.
padrSes de gosto, a 280 rs.
Engenho
Vende-se ou arrenda se o engonho S. Jose da
Prata, moente e corrente, de anim ae., e prompto
para moer d'agna, oomoja tem moido.. faltando
apenas um pequeno concerto no balde do acude,
quo arrombou, e tem p.-oporijoes para safrejar
dous mil paes de assucar, tendo muito boas terras
de massape e barro amarello, tendo tambem quasi
todo o terreno, coberto dc mattas, distante da
estacio de .Una tres leguas; quem o pretender,
dinja-se a cas* dos Srs.- Magalhaes Bastos & C,
na villa de Palmares, que receberio as- informa-
toes necessarias, com o proprielario do engenho.
Sal dc Cabo Verde.
No brigue francei Brasileiro, vendem Amorim
Irmaos & C, a tratar na rua da Cruz n. 3.
A .Nova Esperanta a rua Dnque de Caxias n
63, acaba de receber tentos e caixas para o ioso d
Voltarette.
Para queiii siifTre das pernas.
i A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias i
sctenctas, reconhectda superior a toda que j 63, acaba de receber as procuradas meias de bor-
tem apparecido ate- hoie. Deposito princi- racha para quem soffre das pernas.
FLORES ARTIFICIAES
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias
63, acaba de receber um lindo e completo sorti-
mento de flores arlificiaes das melhores que tero
vindo ao mercado
A ellas antes qqe se acabem.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63, acaba de receber bomtos costumes para crianca
e esta se vendendo por precos razoaveis.
T1NTURARIA JAPONEZA.
S6e unicaapprovada pelas academiasde!
pal & rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, i. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
r6iro.
Civli.nnc a S'liissioiia
a 520 o
o Las com lislras,
covado.
Metins'padroei de gosto a 280 e 320 rs.
Lencos brancos de linho a 33500 a duzia.
Ditos de cassa, com 13200.
. Casemira era corte a 43400 o cor le.
"Peca de algodao a 33300.
Na praca da-Independencia n. 3j loja de Fran-
cisco de Lima Coutinho.
Dao-se amostras com penhor.
Na rua do Queimado n. 43, junto a loja da
Magnolia.
Cretenn-i a prusiiana, de quadros, fazenda
proptia para vestidos, padroes os mais modernos
que tem vinlo ao mercado, pelo diminato preco
do 320 rew o covado, so na loja de Guerra &
FErnandes.
Estao se acabando t...
Dao-se amostras.
Cambraia transparente a 3$
a pega .
Na rua do Queimado n. 43, junto
Maglolia.
. Cnmbraias transparcntes finas a 33
so- na loja de Guerra & Fernandes.
a loja.da
a peca
Yende-se a taverna n, 83, no Carainho-N'ovo,! Silva.
bem aXraguezada.:. quern a pretender, dirija se a
mesma ; e tambem se- da sociedade a quem pre-
tender.
VENDE-SE
uma casa na villa de Barreiros, na rua do Com-
lercio, nor preco modico: a traur com Tasso
trmaoa & C
Wilson Rowe & C. vendem no seu armazem
a rua de Commercio n. 14 :
0 verdadeiro panno de algodao azul amencano.
Excellente fio de vela.
Cognac de qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
Antes qne se acabem.
Vende-se la de lindos padroes a 200 rs. o cova-
do : na rua do Crespo n. 25 A, loja da esquina ;
dao-se amostras.
Chapeos para senhora.
A. loja do Passo a rua Primeiro de Marco n.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de chapeos para senhora, ultima moda e
vende por preco commodo.
CALCADO
eslrangeiro.
Paris n'America, k rua Du-
que de Caxias n. 59
I primeiro andar, acaba de receber um completo
sortimento de calcados estrangeiros para homem e
senhora, vindo entre elles um lindo sortimento de
elegantes chiquitos, s'apatinhos e botinas para
cnancas, que tudo vende por prejos razoaveis.
Charutos e cigarros
dos maisfinos e das melhores marcas, i do Rio-de1
Janeiro e da Bahia: no armazem do fumo, a raa
do Amorim n. 41, de Jose Domingues do Carmo e
A Nova Esperanca, a rua Duqae de Caxias n
63, recebeu um pequeno sortimento de anneis e
pulseiras electricas, proprias para quem softe dej
nervos.
200
rs..
GRANDE NOVIOADE
A' rua do Crespo n. SO
Loja das 3 portas
LAZINHAS
Chegou esta fazend*, com padroes inteiramente
novos, e que se vende pelo diminuto preco de 200
rs. o covado : isto por ter grande quantidade.
10' NA RDA DO CRESPO N. 20
Loja de
Guilherme &C, junto a loja
______da esquina_______
Vende-sa um sobrado made andar e soiao
na rua das Aguas-Verdes n. 37 : a tratar a rua
do Imperador.n. 10, encadernacio, ou na raa
Direita n. 82, !. andar. '____________
As unicas verdadeiras
Bichas hamburguezas qne vem a este mercado
na rua Marquez de olinda n. 51
GRANDE. PECHIWCHA
Cortes de casemira a 43000 o corte e pechiacba.
Chitas elaras a 240 rs. o covado a
Madapoiso fino a 43800 a peca a
Soon. 20 da rua do Crespo, loja dai 3 portas
de Guilherme & C, junto da loja da esquina.
Gaz a 5#500 a lata
com 25 garrafas, do melhor e da mais aMeHliil i
marca dj Henry Forster 4 C, garautido a mtii-
dade e a quantidade do Uquido completo : m ar-
mazem de Jose Doariafues do Cat dm a Slra.
rua do Amorim n. 41.



/
'


Diario de>iP<*matabttcf> Tewja feira V dtt1 A-bii.3 d^lOT*-
)
I Jfplff
A run do Cnlmsa n if
09 preprtttarkrt da- PrMlletfui, no^ intuit dt
coaserfiirio bora ceocflito-que Ceun merecido dc
respeitavel publico, distiofuipdo o sen estabeleci-
mento dos mais que negociam no mesmo gene re
veem scierittflcar aos seas bons fregudzes que pre-
venimnfios^eoStoJYespoBdetJtesnas diversas par-
cas d'Eurspa para tees emriarm por-todos ospa*
quetes os objeclo* de luxo e bom gosto, que se-
jam mais bem aceitos peJas-sociedades. elegantes
daquellaspaizee, yisto aproxfmar se'o tempo de
festa, em'que'o bello sexo desta liuda venexa
mais ostenta a riqueza de swigtoillettes ; e co-
mo ja recebessem pete paquete franeee diverse
artigus da ultima moda, veem patentear alguas
d'entre elles que se tornarn mais recommendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
eoncurrencia.
Aderecos de tartaruga os mais liudos que teem
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreperola e da
velludo, sendo diversos tamanhos e baratos pre-
os.
Aderecos completos de borraeha proprios para
Into, tambem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
BoWes de setim'preto e de cores para ornato de
vestkhw de senhora ; tambem tem para collete
palittt
Bolsas para senhoras, existe um bello sortimen-
to de seda, de palha, de chagrim, etc., etc, por
barato pregd.'
Boneeas-de todos os tamanhos,-tanto de louca
como de cera, de borraeha e de massa ; chama- j
mos a attencao das Exmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco im-
port inentes por falta de1 um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peitos bordados
para homem, vendem-se por preco commodo.
Ceroulai de linho e de algodic, de diversos pre-
C03.
Caixinhas com musica, o que ha de mais Undo,
com distioos nag tampas e proprios para presen-
ter
Goques. os mais modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam um sortimeirto
da ultima moda, tanto para senhora, como para'
meniuas.
Capel las simples e com vco para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindoi
desenhos.
Escovas electricas para dentes, tern a proprie-
dade de evitar a carie dos deutes.
Franjas de seda pretas e de cores, exi.-te um
frande sortimento de'divercas larguras e barato
preco.
Fitas de sarja, de gorgurao, de setim e de cba-
malote, de diversas largurae bonitas cores.
Pachas de gorgurao muito lindas.
Flores artificiaes. A Predilecta prima em con- ,
servar sempreura bello e grande sortimento des-
U9 flores, nao so para enfeite dos (vbellos, como
tambem para ornato dc vestido de noivas.
Galdes de algodao, de 12 e de seda, brancos, pre-
tos e de diversas cores.
Gravatas de'seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda de diversa9. cores
para Aennora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas para
nsiva.
Livros para ouvif missa, ccm capas de madre-'
I erola, marllmj 6s bom.
Pentes de tartaruga e marfim para alisar os ca-
fcellos; teem tambem para tirar caspas.
Port bonquet. Uin bello'sortimento de raadre-
perola, marfim, osso e doorados por barato preco.
Perfumarias. Neste artigo esta a Predilecta bem
provida, nao so em extractos, como em oleoe e
banhas dos melhores odores, .dos mais afamados
!abricautes, Loubin, Pivetf, Sociedade Hygienica,
Coudray, Gosnel e Rimel; sao indlspensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senhora, por commodo
preco.
Sapatinhos dc la e de setim bordados ,para bap-
lisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento de diversos tamanhos, tanto para sofa eo-
ino para entrada de salas.
Vestimentas para, baptisado o que ha de melhor
gosto e os mais modemo s recebeu a Predilecta
de or ar. to pre;o, para licar ao alcance
raalquer bolsa.
Rua do Catragan. 1
Mill
Rua da Imperatriz n. 72
DE
resma
MENBES GUIMARAES t IMAQS
Acaba de receber um grande sortimen'-o de fuzemlai pritas para. q %mk
ao
A1 ruaDiiqMdti (5axias es-
qui#a do' becoo* doA Peixe
i Fritbu;^'.
CO.MO SEJAM:
240 T3: o covado
>a rna do Queimado n. 43, defronte da
pracinha da lndependencia
Soebariilo
Lazinhas' de listras, muito bonitos padroes, o
mail moderno no mercado, pelo significante preco
ile 2i0 r?. o covado: so na loja de Guerra ft Fer-
oandes. Dic-fe amostras.
APROVE1TEM QUE E" PECHINCHA_____
.OROSDENAPLE PRETO A 19860:
Vende-se grosdenaple preto para vestido
de seuhoras, a l#8Q0, 29, 39, 49, e 59 o
covado.
PANNO PRETO A 2*500.
Vende-se panno preto de duns larguras,
para cal$as e palitots, a 29500, 3?, 3$500,
49, a 6900 o covado.
CORTES DE CASEMIRA PRETA A 59000.
Vende-se cortes de'easemira preta para
calias, a 59, 69, 79 e 89000 o corte.
MERINO" PRETO A 2580f.
Vetide-se merin6 preto fino, a 25*890 e
39000 b covado.
BOMBAZiNA PRETA A 15500.
Vende-se bombai'na preta enfestada, a
19500, 15800 e 29000 o covado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vende-se alpaca preta fina, a 500, 640,
800 rs. e 19000 o covado.
FAZENDAS DE CORES E CAMBRAIA
BRANCA A 39000.
Vende-se pecas de cambraia branca trans-1
parente a 39, 49, 59 e 69090, ditas de cam-
braia tapada, Victoria, a 39, 39800, 49
e 5000.
CORTINADOS PARA CAMA A 1690CO.
Vende se cortinados bordados para cama,
a 169, 209, 255 e 30500O.
CAMBRJA DE CORES A 300 RS.
Vende-se cambraia de cores finas, miudas,
a 300', 320 e 360 rs. o covado
CHITAS LARGAS A 200 RS.
Vende-se chitas largas para vestidos, a
240, 320 e 360 rs. o covado.
BRAMAWTE A 15600.
Vende-se bramante com 10 palmo's de
largo a 19600, 158C0 e 29500 o metro.
MADAPOLAO A 39000.
Vende-se pecas de madapolao enfest
a 39000. Dito inglez a 49500, 89" ado
5,5500, 69000, 75000 e 89000 a pessa.
CORTINADOS PARA JANELLAS A 89000,
Vende-se o par de cortinados bordados.
para janellas, a 89 e 1090(0 o par.
ALGODAO A 49000.
Vende-se peens de algodao, a 4$, 59 e
69O00.
CEROURAS A19O00.
Vende-se ceroulas de algedao, a 15000,
ditas finas de bramaute a 19500 e 25 cada
uma.
CAMISAS BRANCAS A 25000.
Vende-se camisas brancas finas, a 29,
29500, 35 e 45000.
BRINS DE CORES A 400 RS.
Vende-se brinsde cores para calcas, a 400,
e 500' rs. o covado.
CHA ES A 800 RS.
Vende se chales de IS a 800 rs., chalesde
merin6 de cores, a 25, 39, 49 e 55000.
COLCHAS DE CORES A 25000.
Vende-se colchas de cores para cama, a
29,39500 e 45000.
CHITAS DE CORES A 360 RS.
Vende-se chitas finas de cores, a 360 e 400
rs. o covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS.
Vende-se alpacas finas de cores, a 500,
640 e 800 rs. o covado.
TAPETES A 45500.
Vende-se tapetes para salas, de diversos
tamanhos, a 45500, 55, 69 e 85000 cada
um.
1/2
a. 29,
LENCOS BRANCOS".* 29" 00'.
Vunde-se leucos brancos fu.os, 27000,
29503 e 35 a duiin, ditos; de linho, a 49,
59 e 690ti0 a duzia.
CROCHES PARACAOEIRA^A'19300.
Vende-se pnunos de croehdpara'c^.deir; s,
a-15500 cada um, colchas tie di o para
noivas.
MA DA POL AO ERANCEZ A 79000. .
Vende-se'pecas de madapolao francez
tnuit > fino; a ?9, 89 e 105000
BRIM PAR DO A 400 RS. O COVADO.
Vende so brim pardo pard calcas, a 400
rs. o. covado'.
CORTES DE CASEMIRA DE 55000.
Vtndo-se cortes de casemira de cores para
calcas, a 55, 35500 e 05000.
GROSDENAPLE PRETO.
Vende-se grosdenap'e preto com
palmos de largura, a 59 o covado.
ESGUIAO FINO A 29000.
Vende se esqurao fino de lifiho,
29500, 3tf e 49 o metro.
CHITAS PAKA COBERTA A 280 RS
Vende-se chitas para coberta, a280'e 400
Irs. o covado.
v BRIM BRANCO A 1Z000.
Vende-se brimbrancode linho, a 19,
19280, 15600 e 25 0 metro.
BRETANHA DE LINHO A 640 RS.
Vende-se bretanha de linho, a 640 rs. a
vara.
FLANELLA DE CORES A 800 RS.
Vendc-se flanella de cores, a 800 rs. o
covado.
COBERTORES DE ALGODAO A 15400,-j
Vende-se cobertores de pello a 19400. j
Cobertas de chita a 15800 e 29. ditas en-
cernaias, forrada9, a 49, no Bazar Nacional,
rua da Imperatriz n. 72.
CORTES DE CASSA A 35000.
Vende-se cortes de cassa miudas a 39
cada um.
GRAVaTAS PARA SENHORA A 19(100.
Vende se gravatas para senhoras, a 19>
ditas para homens a 500 rs.
ALGODAO ENFESTADO A 15C0O.
Vende-se algodao enfestado para lenc6es,
a 1)5000 a vara.'
GRANDE SORTIMENTO DE ROUPA FEITA
NACIONAL.
Vende se palitdts de panno preto, a 59, 79",
8^e 10^000.
Vende-se palit6ts de alpaca preta, a 39,'
39500 e 45000.
Vende-se calcas pretas de panno, a 49,
60, 79 e 85000.
Vende-se colletes pretos,- a 3$, 35500 e
45400.
Vende-se cerolas, a 1>>, 15500, 25 e
3^000.
Vende-se camisas brancas, a 20, 29500,
39 e 49000.
Vende-se ccmisas de chif-s, a 15400, 2$
e '30000;
CIIITAS PRETAS A 320 RS.
Vende-se chitas pretas finas, a 320 e 360
rs. o covado*. i
LAZ1N1IA A 200 RS.
Veade-se liziuhas para v< stidos, a 200,,
320, 400 e 500 rs. o covado. No Bazar i
Nacional. rua da Imperatriz n. 72, de Men-'
des Guimaraes Alrmaos.
liiti^* c,r*ft do I'reflui^a.
(V.larinhos-de linho fmos a 4* a duria.
Camisaa'inglezas de linho fino a 2*500 uma.
SeVouias'lug(ey.asJrnUiro bdas'a 2*500' i
Gr.madine com liJtas1 e palms* de seda, padroes
lindos a 300 rs o covad*. -
Chapeos de palha para homem a 1/500.
Toalhas de algodao alcocboadas para roslo a
400 rs.
Lenr.os de c^'a braneo, 4uih a 1 #600.
Ditos de diia com barra 1*000* 1*100.
Cambraia branca tiasparenle e tapada a 3#, 4*
e 5*000.
Peitos de linho muito firms bordados a 1*000
cada urn.- ,
Me ins d& cores para vestidos, de lindos padrSes
a 3G0 rs. o covado.
Chitas de cores a 250 rs. o covado. i
Brim pardo para calea a 360 rs. o covado.
Las de cores, alpacas pretas e de cores, mada-
polao e algodaozinho. tudo por precos commodes,
a rua Duque de Caxias n. 44, loja da esquina, de
Francisco GnimarSes & 0.
Magnolia
Na loja da Magnplia, a rua Dnque de Caxias n.
45, ecconfrara sempre o respeitavel publico um
completo sortimenio-de perfumarUsiiiiae, objectos. **'i00-
de pnantasia, luvas de Jouvio, artigos de moda e
miudezas finas, assim como modicidade uos pre- j
fos, agrado e sinceridade. '
Anneis electricos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, aca-
ba de receber os verdadeiros anneis'e voltas elec-
tricas, proprios para os nervosos: .
Meios aderecos
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 48, re-
cebeu um completo sortimento de
Meios aderecos de tartaruga.
Meios aderecos de madreperola.
Meios aderecos -de sedabfcrdaoos, (ultima moda)
e de muitas ou'tras qualidades.
Botoes de aco
A Magnolia, a fua Dnque d< Caxias-n. 45, tem
p?ra vender os modernos botoes de ajo, proprios
para vestidos.
Golinhas e punhos
das mais modernas que ha no mercado ; a ellas :
na Magnolia, a rua Dnque de Caxias n. 45.
Leneos chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu uma pequena qnamidade de leneos de seda
chinezes, com lindissimos desenhos, fazenda intei-
ramente nova.
JlrTce-kHi' mm se-vondc liaralo
S6 o ri. 20
RUA DO GRE3P0
LOJA IS 3 PORTAS
DE
Gnilherme & C
CAS8A-LA
Acaba de c^iegar esta fazenda com bonitos pa-
droes,' e que se vende pelo diminuto preco de 200
n; o eovado I I I
MBTIM
Mctim trangado, padroes bonitos, a 320 rs. o
covadoT II
ORGANDY DE CORES
Cambraia organdy de cores, fazenda Una, boni-
tos padroes, pelo diminuto preco de 320 rs. o co-
vado I I I
LA5 ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covado III
CRETO.NE
Cretone claros e escnros, bonitos padroes, e fa-
zenda flna, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado 111
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos pne^os de 400 rs. o covado,
6 pechincha 11 I
Cortes de casemira As cores, a 5j;00.
Colchas estampadas e com barra a 3*500 e
Leqi
ues
Lindos leques de madreperola, de tartaruga, de
marlim, de osso, e de muitas outras qnalidafles 3
recebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias nu-
mero 45.
Atteneaow
A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
io, acaba dereeeuer os scguinles anigos :
Manual de madreperola, tartaruga e marfim.
Rieos albuns com capa de madreperola, cha-
gren, madeira, velludo, couro, etc.
Lindas car*** com fi*iisimas perfumarias.
Ligas de *eda,'brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Tn'seiras de madreperola.
Hicas caixa's para couura.
Vestuarios para baptisado-.
Towas e sapatinhos de setim.
Modernos chapeos de-sol de seda para senhoras.
Lindos port-bouquet?.
Gravatinhas de velludo, etc, etc.
Sobrado.
Vende-se um bom sobrado em uma das me-
lhores ruas desta cidade : a tratar na rua do
Marquez de Herval n. 29, taverna, ou na rua da
Imperatriz n. 10, taverna.
Cimento
.Vende se na rua da Madre de Deos n. 32,' pelo
menor preeo Dossivel o verdadeiro cimento Por-
tland, vindo pelo ultimo vapor inglez, de carga.
Farinha de mandioca nova.
Recentementc chegada de Santa Catharina u'-in
para vender no trapiche Companhia, e para tratar
no seu escriptorio a rua do Commercio n. 5, Joa-
quim Jos6 Goncalves Beltrao & Filho. Advertindc
aos compradofes que desejando acabar, vendero
mais barato do que em qualquer outra parte, tan- |
to em grandes como empequenas por?oes.
Sabao a 200 rs. o kilo
. No afmazem do fumo, a rua do Amorim n. 41,
de Jose Domingues do Carmo e Silva.
Chapeos de sol de seda, eabo
dourado (o cHique)
A Rosa Branca vende lindos chapeos de. sol para
senhnraw^oro os cabos dourades, -e o castio e pon-
tas das hastens brancas, pelo traratirsimd preco de
5* ; manda-se levar nas ca8"s : na rua da Impe-
ratriz n. 80,' I jaido Atevedui
Las^mburguezasa 280 rs.
Vende-se las hamburguezas de liitras e de qua-
dros de diversas core*, pelo diminuto preco de 280
rs. o covado : so na loja de Francisco Guimaraes
&-C, rua Duque de Caxiasii. 44, loja da squina.
Chapeos de sol de seda tran-
cada a 8^000
Venbam ver para crer : na loja da Rosa Bran-
, rua da Imperatriz n. 36, do Azevedo.
Panno de algodao da Bahia.
Vende de todas as qnalidades Joao Rodrigues de
Faria : na rua do Amorim n. 33.
Fumos
Da Baha e do Rio, vende Joao RodTigues de Fa-
a a, rua do Amorim n. 33
Cobertas de chiia adamascada a 3*500.
Lencoes de bramante a 2*000.
Dites de algodao a 1*400.
Tualhas alcocboadas, dnzia, a 5*800
Leneos de cassa com barra a 1*000 a dnzia.
Ditos de cassa ahanhados a 2*030 a duzia.
Ditos de esguiao ahanhados, em caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3*500.
Cambria Iransparente fina a 3*000 a peca.
Chales de todas as qualidades e prefos.
Bramante de algodao c linho a 1*600 a vara,
Dito* de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2*500. 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 3|000a peca. -
Dito domestico a 3*000 a pe^a:
Brim com listras, irlandez, proprio riara cami-
sas, a 440 rs. o covado III
Madapolfies Iranceze: de todas as qualidades de
5* a 8*500 a peca.
Cnapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto preco de 8*500.
Camisas ingl-zas^ todas forradas, fazenda de
linho Duro,^ 44*000 a duzia ; e pechincha, so se
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto preco
de 800 rs. o covado; e pechincha, e dSo-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
lioia das trcs nortas
DE
Gruilherrae & C.
JUNTO A LOJA DA ESQUINA

Vende se um moinho de vento, com
duas bombas para puxar agua, e qua-
tro rodas novas e fortes, para carro
americano : a tratar na rua do Impe-
rador n. 22, i* andar.
Economia don estica
Na rua Primeiro de Marco n. (.
Confronte ao are de Santo Antonio, loja d
Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
Lanzinhas, gosto escossez, padroes inteiramenle
novoS, pelo diminuto pretjo de 200, 210 e 260 reis
o covado.
Baptistas lisas, finas, e de cores a 320, 400 e
440 reis o covado, isto so se vendo !.
Chapeos de sol de seda, para homens, inglezes,
(paragdn)e com 12 hastes, pelo preco de 8* e 9*,
razenda esta- que sempn custou 14*000, so para
acabar.
Na rua Primeiro de Margo ?. 1.
Loja do barateirp.
|* Engenhos em Mamam-
guape.
Vende-se os seguintes :
Barra.
Preguica,
e Patrieio.
A tratar com sens proprietaries nesta cidade,
e para informacoes com Joaquim Pinto de Mei-
relles Filho, na mesma cidade de Mamamguape
Tasso IrmSos 4 C.
Yendem
Wilson, Rowe & 01
Em seu armazem a rua do Trapiche n. 14, o se-
guinte:
Algodao azul americano.
Fio de vela.
Carvao de pedra de todas as qualidades.
Tudo muito barato.
ill
Rua Duque de Caxi s.
Acaba de receber am completo sortimento de
muito lindas botinas do dnraqne de cores para
senhora e as vende mais barato do que em outre
qualquer parte
Sedas a 1#500.
Vende-se bonita9 sedas de lindas cores pelo
barallssimo preco dc 1*500 o covado ; vcaham a
ellas antes qne se aeabem, na rua do Duque 4*
Caxias n. 88, loja de Demetrio Bastes.
Lindas las escocezas.
De varios padrSes, e inteiramente modernas, a
360 rs o covado : na rua Primeiro de Mar;j
antiga do Crespo n. 13, loja das columnas, de An-
tonio Correia de Vajconcellos.
Camisas de cretone
as mais modernas que tem vindo ao mercad", sen-
do lisas e com listras, e que se vende a 40*000 a
duzia e a 3*500 "cada nma ; e pechincha.
Hollanda
Brim pardo liso, o que ha de mais fino, com u.n
toque de avaria, e que se vende a 480 rs. o eon-
do, fazenda propria do bah pnr ser linho pun.
applicada para costumes de homens e de menino* :
so na rua do Crjspo n. 20, loja das ires portas, d
Guiiherme & C, junto a loja da esquina.
I'acheco & Azevedo tem para vender lapi.-a
dc Araruta de qualidade e.-pociai : em seu arica-
zem na rua do Duque de Caxias n. 29.
Fogao de ferro economico
Vende se um chegado ha pencos dias, tendo f >
nalhas para lenha e carvao, Iohm p*f> assar
deposito para agua quente e lugar para se guar-
dar quente as comidas depois de fc-itas ; cstcs fo-
goes tornam-se recommendaveis porqne sao de
ferro batido, e fabricados cum porf- i^ao e cozi-
nham con mui diminuta lenha : na rua de Apoli
n. 20_________________________
Vende-se as casa terreas segmnte? :
Rua 24 de Maio (eutr'ora dos Ossos) M. 2 e 4.
Rua do Fogo n. 2.
Rua do I'adre Floriano n. 33.
Travesra da Bomba n. 5.
Becco do Padre Lobato n. 8 A.
Becco do caes da Cadeia-nova ns. 3 e 5.
A tratar no Largo do Carmo n. I.
Farello novo e
Milho pequeno
Da melhor qualidade no armazem de farinr.a
do tripo de Tasso Irmaos do Apolh. .
Vigor do Cabello
DO
Dr. Ayer.
Para a renovacSo do ca-
bello, restituido de sua cor
e vitalidade primitiva e nat-
ural.
O Vigor do Cabello i uma prepararSo ao
mesmo tempo agradavel, saudavel c officaz p?r*
conservar o cabello. Por meio do seu so o
cabello ruco, grisalho, e enfraqtiecido, dentro de
pouco tempo revolve k cor que Ihe e natural a
primitiva, e adquire o brilno e a frescura d >
cabello da juventude; o cabello ralo se torna
denso e a calvicie muitas vezes, posto que no
em todos os casos e neutralizada.
Nao ha nada que pode reformar o cabello
depois dos folliculos estarem destruidos, e as
glandes cansadas e idas, mais se ainda re-rarem
algums podem ser salvadas e utilizadas pela
appbeacao do Vigor. Libre de essas subatancias
deleterias que tornam muitas preparacoes de este
genero tarn nocivas e destructivas ao cabello, o
Vigor sdmente lhe e beneficial. Em vea de
sujar o cabello e o fazer pegajoso, o conserva
limpo e forte, embellizando o, impedindo a queda
e o tornar-se ruoo, e por consequiute previne a
calvicie.
Para uso da toilette nfio ha nada mais k dene
jar; nao contendo oleo nem tintura, nao pode
manchar mesmo o mais alvo lenco de cambraia;
perdura no cabello, lhe da um lustre luxurioso,
e um perfume muito agradavel.
Para reformar a cor da barba, 6 necestario
mais tempo de que com o cabello, porem se po fa
appressar o effeito, euvolvendo a barbu de ttJHt:
com um lenco molhado no Vigor.
rREPABADO FOB
Dr. J. C. ayer & CA., Lowell, Mom*
Estaclos TJnidoa.
CMmied$ Fracticoi e Analytica$.
VBROI SE JPOR
94
a



f. " L'OS PKEMI0S DA AJ PARTE DAS L.0TERIAS CONCEDIDAS POR 1 ,EI PROVINCIAL N. 7io, A RENEF1CIO DA 1GREJA DA CASA F ORTE, E XTRAHIDA EM S DE ABRIL DE 1874
NS. FUEMS. *S; j PIlEMS. ss. PREMS. NS. PREMS. S'S. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS /;NS. PREMS. NS. PREMS. N8." PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PREMS. NS. PtCbfl
a ty 306 ta 557 4* 854 4* 1073 M 1286 4,5 1524 A1705 4* 2044 U> 2312 U 2526 44 2796 5$ 3087 45 3353 45 3552 45 1778 4;
20 i 15 60 55 77 96 31 U 73 50. , 16 42 2821 93 60 53 88 .
-5 19 '62 64 80 1315 33 88' . 62 17 52' 22 3106 63 55 88 ^
31 22 1005 63 75 82 . 19 - 37 1809 69 22 67 28 'm 10 65 59 f7
38 23 41 69 78 91 33 41 15 74 . 32 - 71 43 45 21 71 i^ 66 86
37 2;> 28 79 82 1102 34 58 18 78- _ 38 75 52 eA 23 .5 77 __ 7 4 96
44- u 33 81 83 -~ 12 48 59 25 79 40 89 59 4,5 26 105 79 t5 78 3800
18 52 mm 91 91 27 49 - 61 27 92 tm 42 94 75 30 45 81 45 80 7
SO 54 94 94 35 52 66 29 2100 4<5 46 2607 W 94 06 36 82 83 25
ii 55 99 98 42 53 - 67 34 . 2 49 9 45 98 45 38 87 85 29
m 60 602 901 43 # . 58 70 37 10 59 10 2908 48 90 88 32
57 1 10 6 . 51 4# 59 72 3i . 19 64- 19 10 50 92 3600 4:<
BT 73 27 10 54 # 60 40A 73 72' - 21 A 68 -IftOOOf 22 m 14 63 1 96 19 46
78 78 : 42 15 55 40 63 U 89 8i 1 22. 4d 84. U 23 40 16 77 99 - 26 5 49
8* 80 e* ! 50 21 59 66 - 90 86- . i 45 _ 89 27 17 94 _ 3404 29 45 53
8i 94 -m 54 22. 70 _ 78 J 79 1003 i 98. M| 52 __ 93 - 28 18 3204 __ 6 31 5i
101 95 55 W 34 ! 76 15 \m\' __ 53 96 29 to - 19 9 36 56 40
6 431 61 ae 48- 4* 81 tOA 82. 23 __ 8 ,- ' 54 2408 30 38 - 25 mm 11 41 63 45
41 41 6i, u 53 86 ^08 84 25' __ , 9 __ 60 15 34 ' 56 32 mmm 13 45 70
52 46 72 61 91 4A 91 29 12 6d -^ 17 37 72 - . 39 _ 24 49 72
U 50 81 . 62 1201 95 - 33 - 13- 69 .25' 906 ,38: 82 40 26 69 78
w 60 94 71 14 +400 37 -| 15. __| 70 .__ 31 4# H 42 87 42 --- 30 ft 70 80 --
82' ci- 711 72 j 23 15 - 41 1O0; 23 86 fa 32 45 ' 88 5 43 5 . 41 73 5 93
87 os u -r '9 .' 28 28 - , 41 tO& 26 fW| 87' 4d 34 51 90 45 48 4 45 77 45 3903
88 77 . 29 80 30 32 47 q t m 95 40 ym\ 32 94 - 54 ea 90 6
89 78 33 i 88, 33 44 ~ TfPJ 35 m 2222" 44H' 71 . 3001 57 75 3707 19
9 509 42-' 89 45 47" 4* 61 409 .; 41, 4^ 1 32 54 72 3 60 . 8* 16 25
03 10 48 92 46 48 4,5 80 W 66 37 5T - 80 id ir - 62 ~ 99 25 28
20* ^ 13 56 ~ 1002 57 49 - 94. 72 --- 39 60: 91 " 21 86 3500 26 34
19 -r 14 Qi - , 5: 60 55 98- -79.. &# J 61 69 2701 26 90 1 _M. 34 i 35
33 I*" 62 ai . 13 tm 67 60 - 1702 84 44 i 66 . 65 - 4 29 - 95 - 5 ^m 35 - 47 *
52 --- 24 76 27 4)5 70 64 - 9 85 74 91 - 21 m 41 98 ... 6 -. 40 f#5 5Cr
55 --- ' 27- " 81 32 . 74 81 11 1 60 28 89 33 75 85 - 19 io^ 90 __ 82 4A 96 37 U 44 25 mmjk 17 45 45 93
62 S005 29 96 ', 39 77 99 21 4(5 96 _- 83 97 38 55 28. 20 58 ^~ 94
93 45 30 800 46 78 1506 22 2021 to* 85 98 40 m 56 37 mmmm 45 62 98
97 o^ 34 15 47 80 12 26 30 , H 89 2502 *Oj5 73 4(5 73 40 wmm 48' 70 99
300 4a 51 28 48 81 16 .53 - 36. 95 14 U 81 77 48 5 49 --- 71 4000
4 53 47 69 8i 23 58 38 2310. 18 85: 85 1 -.
-!

~_-



mmm^amQm0BB*BBBnumHmmm
8
Diario de Pernambuco Terga feira 7 de Abril de 1874
/
UTTERATMl
A iustruccilo publica em lugla-
terra.
COR C. HIPPEAU.
Prologo
i." ""UL0 1II.
*4P'- -or...
.sEHSIKtJ SUPEi*.
(Conclusio]
IV
mento constderavel, cumpre saber confen- com a machina, emquanto qoe os melhores
tar-se com o quo e immediatamente reali- prelos de Hoe exigem 18 0 Herald cal-
save! para chegar gradualnaente ao deseja- cula que esta irapressao lbe fard realisar
do resultado. Foi assira que a lei ndo pro- uma economil de 250,000 francos por
clamou a obrigacdo absoluta. eu a* com- anno. v
raissdo dasescolaa, cujos merabrossdo elei- 0 Vattrtand, joraal catholico de
tos pelos conribuintes, a perraissao de Vienna, publica uma encyclica do papa di-
exorcer em suas respectivas locali Jades o rigida aos bispos austriacos, em data de 7
direto de obrigar os pats a mandarera os de raargo. Neste documeato, rediaido con-
i a gratui- tra as leis confissionaes, o papa diz que es-
Asrellexdesquocuafiss^Wo^^para "-- F ^ lo selJarisacS*
nosso amor propno fazem nascer, .t*ftnos e*.J. lfi fa ^ a
a corag.m de accrescent** qoe >Wpw *"*. -.,ra aJe tem nP
iade sendo no caso do se acharem os .pais gas leis tendem a contour a igreja catholics
.mpossibilidade de pagarera o prego da a urn Mrv.il.mA ^ni,!^ i\*L,.a~ -!
a um servilismo pernicioso a* vontade e ao
nova poder do estado. Estas leis, comparadas
ponto da com as le's p-ussianas, parecem modera-
IC|._ servar o privilegio de ^,'ue etc* hojetem go- meson espirito e tem o mo.rai/caracter.' 6
aos departauientos e communas e assignala
OS immensos resultados que poderia produ-
zir a inicitiva (Jos cidaddos, o S3U patriofis-
mo saberd muito bem imp6r-se os necessa-
ries sacrifices. Paris, Bordeaux, Lyon, Mar-
seille. Montpellit r, Nancy e outras cidades
menos ioaportanics jiao acliaram jd em seus
recursos locaes com quo occorrer ds despe
zas quo em van teriam pcSdide ao governu ?
Continue-se a marchar nesse caminho, e
essas grandes cidades nada terao a invejar
nesto ponto a Londres, Liverpool, Man
Chester 6 Bermingham.
Quaulo ao que rcspeita mais particular-
mente ao ensino primario, cuja importan-
cia e tanto maior quanta ma's aproveita
ella a" nagdo inteira; a Ingleterra, jd o vi-
mos, nao juiga quo o ensino de lor e es-
crever'seja o nee plus ultra dos conheci-
raentos obrigatorios para todos os meninos
de ambos os sexos. .Nao so faz entrar nes-
se ensino a bisteria nacional, ge-jgraphia e
nogoessummarias dos phenomenos do raon
do physico, inas tambem comprehenJe que
0 problems a rosolver nao consiste s6meute
era ensinar a ler e inspirar o gosto da lei j
tura, mas e.n indicar o que so deve ler.
Quanto a isto, nossos vizinbos inais bem
partilbados qu3 n6s, possuem uma multidao
de excellentes obras a collocar nas biblio-
thecas populares. Elles nao estao como
nds inundados do producQdes imraoracs ou
futeis, sobro as quaes se lancam do prefo-
rencia nas cidades e nos campos, todos
aquelles n quern as escolas prestaram um
instrumento que s6 e na verdade util e pre-
cioso polo bom uso que delle se faz Mui-
tis e poderosas sociedades se tem de ha
muito, organisado en Inglaterra para der-
ramar com a biblia obras consideradas co-
mo mais favoraveis a iostruc^iio e m rali-
sajao das classes populares.
Nossas bibliotbecss cantonaos prestarao
os mnsmossorvigos logo que os proprios ci-
dadaos, uniado seus esforcos aos de algu-
roas louvaveis associar^oes formailas uessa
tntenr^ao, mas com recursos insufficientes,
responderem oaetgicos ao appello que lhe
fizerem as administrar.oes coaimunaes e de-
pertamentaes. A composi^ao das obras des-
tinadas a" instrucc,ao popular ( uma tarefa
que exige o concurso dos mais eminentes
escriptores : o dinheiro dos contribuintes
n5o poderia achar melhor emprego.
Fdra, com effeito, necessario que se cui-
dssse em Franca, como se faz na Inglater-
ra, de dar forte tempera aos caracleres, ain-
da mais de quo de desenvolver a intelli-
gencia.
0 regimen das escolas e principal nente
rjos collegios, e muitissimo proprio, como
se p6deter visto. para imprimir na a'ma
dos jovens inglezes o sentimento do dever
e o respeito do si proprio. Sao com cedo
fespousaveis pelas suas acgdes ; e pela li-
berdade que se preparam a sustentar mais
tarde a autoridade das leis.
E' de justica reconhecer que o governo e
as associaroes livres, ha uns Vinte annos,
tem introduziio nas escolas de todos os
graos grandes melhoramentos. E' cousa
bem notsvel quo d facilidade com que a
Jnglaterra, onde o espirito conservador e o
respeito a"s tradicdea tem tanlo poder, aco-
lhe entretanto as innova^oes cuja utilidade
reconhecida emquanto em nosso paiz,
tao mudavel c mobii em apparencia, tanto
custa a divorciar-se da rotina.
Mais f>rte pela ii.telligencia que pelo ca
ractpr, comprehend com maravilho^a faei-
lidade toda e qualquer id^a util, mas re-
cua com a mesma promptidao ante os
esforct'S e perseverance sem os quaes e im-
possivel destruir um abuso e assegurar o
progresso. Os inglezes sabem que quando
So nao podo obter de repente um melhora-
sustentar a conparac,ao com ella*.
doo estado se contentor com dar impuIso,zad; d" din8|r eosino u4 maior parte papa prolesta de novo contra a ruptura da
(j,?s escolas, e por ennseguinte', de torna-lo concordata e declara que a pretendida alie-
qaas'.i exclusiramente religioso. E pois es- na^So da igreja pelo dogma da infallibilida
tabelec^u um como compromisso entro o due urn pre.eito funesto. Espera que os
governo e 0 clero. Os inspectors encar- bispos protegerflo as leis da igreja, e annun-
reg^dos pe'o stad. de exauiinarem as es- cia que era uma carta dirigida ao impera-
eohs primarian devem abster-se de toda a dor da Austria em data de 7 de margo, ma-
qalqil> r questfo rolativa a roligi&o. Se- niYcsta que nSo soffrera* que a igreja '"soja
gue-se daqui nafsrailmente que os mestres ent>-egiic um servilismo ignominoso e que
e alnmnos dfio rmm jmportancia, aquelles- os subdlv'os catholicos sejam submettidos i
a ensinar e ^stes a reuder o que deve ama suprenja afTuccSo..
assegurar-1 lies bom rosultado perante o1 Falleceo o bispo de Cordova, D. JoSo
oxaminaJor. lAffonso de Albuquerque.
0 ensim religioso jwrtanto poderd- fa- lima senhora por nome Lenoir Jous-
zer-se f6ra d; escola som atropelar o ensino serarr, falleckla oltimamente em Paris, legou
leigo. Em Franga s6 conbei-mos reformas jem testamento a somma de dez milhdes de
radicals, e, pira assegurar ao-epsiuo a q*-! francos, para a creacio de um hospital para
lidade de leigo, nao vemos cousa mais aim- os pobres, com a onica condicao desse es-
pies do que tiral-a a"s congrega^oes religion tabeleciraento ter o Dome do seu mariio ji
sas, o que, na pratica. eucontrafia invenci- fallecido. Deixou tambem ao estado uma
veis obstaculos. SustenUnido-se no terreno
da lib-trdade, a lei deve-exigir dos profos-
sores religiosos dos dous sexos as gsrantias
de capa'ci^lado requendas dos professores
leigos. Ella tem o dtreito de impor aos
pats uma*obrigagao ja" sanccionada paio art.
203 do coligo (ivil, que se trataria unica
mente de pAr em vigor.
Ha, p>re.n, melhor meio de triumphar
daconcurrencia que ds escolas leigas tem de
in niter contra as das c ngregacoes, assim
como de exercer sobre os pai que se reca-
sara acuraprir seus mais imperiosos deve
res, um constrangimento moral r mais efiicas
ainda do que as pen.is deterrainadas pela
lei. Seria dar ds escolas leigas uma orga-
nisagd i que satisfizesse tao conapletaraente
quanto fosse possivel os votos e necessidades
das familias, quer pela direcgao dada aos
estudos utilmente applicaveis, quer pelos
meios empregados para dar aos professores
de ambos os sexos superior instfuccao e
garantir-lhes uma posicao que os realce aos
olhos da pnpulagio. Entao os pais leva-
riam muito naturalmente e sem constrangi-
mento seus filhos aos estabdlecimentos a
quern a sociedade leiga po le assegurar vaa-
tagens e garantias que elles estariam certos
do nao peder encontrar em outra parte.
Tal e o fira a que o governo inglez, podero-
samente sustentado pela opiniao publica,
procura chegar. Porque nlo seguiria
Franga tao sabio exemplo t
VARIEDADE
MISCELANEA.
Falleceu em Paris o Rvm. Etienne,
superior geral dos lazaristas e dos Filhos.
da Caridade. Havia 35 annos que exercia
aquollas funcgoes.
Foi preso um empregado do Banco-
de Franga, que se averigou ter subtrahido
daquelle estnbelecimento desde 1868, cerca
de 40:000JW)00. Descobrio-se o roubo por
se notar, havia um certo tempo, que o re-
ferido empregado fazia despezas excessivas e
para as qu aes nao lhe dava o ordenado q,ue
vencia.
Ho a ve ha pouco no principado de
Monaco um duello entre dous jornabstas
raarselhezes, osSrs. LeoTaxil, ex-redactor
em chefe da Jeune Republique, e Rastignac,
redactor da Marotte. Depois de se troca-
rem quatro balas sem resultado, as teste-
munhas declararam terrninada 'penden-
cia- .
0 NeicYorh Herald acaba de adop-
tar um prelo a vapor que parece ser a ulti-
ma palavra da industria em materia de im-
pressao mechanica. Este prelo que e inYQo-
gao do engenheiro Bullock, imprime ao
mesmo tempo os dous lados de uma qua-
drupla folha do Herald & tira 20,000 exera-
plares por hora, devidamente dobrados e
numer^dos. Bastam 3 homens para lidar
LUCRECIA B 3 r 3-1A
MEMORIAS- OE SATANAZ
POR
St. Ilauocl Fernandez y Gonzalez
QDINTA PARTE
LEONOR
VI
j COMO SE EMC0.NTRARAM EM FERRARA AL-
GUNS DOS XOSSOS ASTIGOS CON'HECIDOS;
(Continuagao do n. 91. )
Aquella pobre gente murmurava entre
si :
E' inutil, dizia um d'elles, estar es-
p*rando aqui ; jd entreguei d gri-duqueza
quatro memoriaes e hso obtive ainda res-
posta alguma.
Se tivesse ido d casa do Sr. Pedro
Berabo, e lograsse que elle se interessasse
por si, alcangaria tudo quanto quizesse,
disse um outro.
Sei isso, contestou o primeiro, mas
e tao difficil colher resposta de uma petigSo
dada ao Sr. Pedro Bembo, como se ella
fosse entregue d propria grd-duqueza.
E quern e esse Pedro Bembo ? per-
gun'ou Michelotto a umcego que era um
dos dous mendigos que tinham fallado.
Pois nao o conbece? redarguio o ce-
go. D'onde vem o amigo que ndo conhece
o Sr. Pedro Bembo ?
Von ho do mundo.
Pois, amigo, replicou o cego, o Sr.
Pc lro Bombo e um grande personagem.
E esse grande personagem goza do fa-
vor da grd-diiqueza ?
E' poeta, e apezar de nSo.ser jd mui-
to novo, o mundo murmura...
De que ?
Que sei eu ? respondeu o cego como
quern teme fallar mal, com quem nao se
conhece, de uma pessoa poderosa,
Michelotto nSo insistio.
A questao era que um tal Sr. Pedro
Bembo, veneziano e poeta, priyava com
Lucrecia. -
preciosa collecgio dos objectos artistrcos e
pi-r.tura. avaliado tudo er 800,000 francos.
Eata collecgdo *ai ser coltocada nas guJerias
do Eonvre.
A quantidade excepcional do neve qoe
tem eabido era Constantinople tem occcsvo-
naio grande misena-. Tratase aHi de pro>-
mover soccorros para occorrer a*essa mise-
rin.
Diz-se que o knperador de- Marrocos
ird no proximo ver3o a Inglaterra- eom o
fira de estudar os raetboramentas-qpe- poder
introduzir no seu l-esno. Conta-se toaibem
que elle v-i a Franga.
Contam-se actuelroente nas-cinccpar-
tes do mundo 175- cidades de IOO{000>ha-
bitantes. A Earopa p^issae 70-,. a> Asia 74-,
a America 2i, a Africa- 5 e a Australia>2.
5 Europa, a- Inglaterra-possue li7 cidades
de 100,000- habit antes e mais, a Aileraanba
t8-t a Italia 10; & Franga 9; ar Russia 6i-a
Belgica i, a> Austro-Huogria 3, ShHespanh*
3s. a Turquia< 3, a- HoUanda 3, a Dinamer-
ca 1-, Sueeia-1- e Portugal-1-. Bxistem *
cidades com mais de u milhdo de babitao-
tes. A khlM possue d; e as outras sao Pa-
ris, Lond res e Nova-ork.
Dizera de Calcutd^ que-em Lhirbhanga
e no norte de Tirhoot, tem morrido muita
gente de feme. Promovem-se soccorros
para> seren* enviados aqpellas poroagoes.
0 prwnoiro agougne de came de ear
fallo qaefoi aberto em- Paris data-de I860*
Era 1867 foram abatidos para, consumo
2; 1.52 cavallos, comprehendendo-alguns ]u-
mentos e mulas ; em 11869 coasumiram-se
2^758, en* 1872; 5\T3B, em *W3, 3,077^
dos qnaes 1,092'juiaentos e &H muTas. Nas
provincias- o augmeoto- tem sido tam&em
oonsideravel.
Fafteceu. era Milao a condessa Daaner,
esposa morgfltiatica, do fiuado- rei da Bina-
marca Fredepico VII. Luiza Rasrcussen
nascora em 1843; de pais pobres ;- f6>a suc-
cessivamenlo pco&ssora, artista dramatica
em Paris, depots modista em Cope&hague,
onde tomou- soobecimente- com o pcincipe
berdeiro Frederico. Esteultimo, dt-vorc'.-.:,-
do-se successivamente de suas'duas esposas,
casou com Luiza Rasmussen, logo- depois de
subir ao tbrono, em k850, daodorlhe a ti-
tulo de condessa Danaer. Fez sentir a sua
influencia politica nos negocios da Dinamar-
ea, a qual empregou sem pre a favor das
ideas hheraes. FaUecido seu esposa, viveu
sempre em profunda solida, passando os
ultimos annos na Italia.
Morreu era Paris o celebre preslidigi-
tador Robin.
Uma pessoa muito conhecida em Pa-
ris, pareute das mais nobres familias de In-
glaterra e principalmente do duque de B...,
acaba de ser presa em Lonires por ter rou-
bado ao jpgo. Entre as principaes victimas
do reforido personagem, contam-se o prln-
cipe de Galles, ao qual parece que foi extor-
quida uma somma consideravel.
Descobriram-se ba pouco na cathedral
de Cometo umas pinturas a frescc muito
imporUntes de Perugino, o mestre que foi
de R phael.
0 instituto agricola catalade Barcelo-
na solicitou a prohibigdo completa da in-
troducgaO da somente dos vinhedos do
Moiodia da Franga, onie existe a terrivel
phylloxera vastatrix.
Os famosos uniformes que perlence
ram ao duque de Brunswick foram compra-
dos e.n globo, por um rico negotiants de Bo-
lonha, pela somma aproximadamente de
15:0009900.
O Dr. Bernard, conhecendo certas
propriedades do leite de cadolla, teve a idea
de submetter uma crianga de 26 mezes,
completmen'.e racbitica, ao ujo desse leite,
depois de ter empregad> iiutilmente os me-
dicamentos e.n uso. Passado moz e meio
desse tratamento, roanifestaram-se raelho-
ras notaves no estado dos ossos e nos mo-
viment-is musculares. Ao setimo dia a
criangi, perfoitamento curada, cainiohava
sem auxilio de pessoa alguma. A influen-
oia do leiie de cadelb compreb nde-se facil-
mente pela sua romposigao chinica. Eis-
aqui, segunlo o Sr. Jacquene, a composi-
gdo desse leite:
Leite de Lekede
inulher cadella
Agua........,. 888,08........ 737
Valerias soli-
das......... 110,92........... 26*
26,06........... 9Tr20
43,6V.......... 30
Manteiga.....
AasO:ar......
Sabstan cia,
brant3 e
mate rias
cxtrartivas
Sal...........
o que elevara a esqnadra a 23 navios en-
courag-dos, alem da esquadrilha de canho-
neiras destinadas ao Rheno.
A Ilollanda acaba de votar nas S'ias
camaras a lei que deslina 30 milhdes de flo-
rins a" construcgSo, durante oito annos, de
grandes fortificagdes em Rotterdam, Amster-
dam e outras cidades, servindo de base ao
systema dessas defezas o celebres diques,
que tanto figuraram sempre nas guerras da
antiga Flandres. Os pa>zes Baixos receiam
que torne a haver nova lula com a Franga
ou a Allemanha, ou que esta queira ter na
HoUanda a'guns dos primeiros portos da
Earopa.
Morreu n'uma povoagdo da provincia
de Malaga um homera ver Jadeiramente raro
e original; desde crianga occupou-se sem-
pre nos trabalhos do campo ;. nunca sabio
da sua povoagaonera vi> alguma outra, pe-
quena ou grande ; durante a sua vida uon-
ca bebeu nem vinbo, nem aguardente, oem
outo licor, porque os aborrecia ; fumaiva
so um cigarro por dia ; casou-se aos 18 an-
nos, eaomorror, aos 97, deixou Ij filhos de-
ambos o sexos, casados- todos, es quaes*
com suas coosorles, profazem. 30 pessoas
todas vivas; destes 15 casamentos ha 103
netos ; dos netos, 57 cawdos, ha 15 bis-
netos ; e desSes,. 59 casados, existam 72
tataranetos ; total 320 descendentes em li-
nha recta. Coko devia ter ido contente
para outro mui>d^ este chefe de quatro g->
ragdes I Na aldeia ouJe vivia, chamivam-
lae o Tio TrabalHa.
A OITAVA MARAVaHA. Le-se o se-
guinte pv Independencia Belgxx', na secjao
das iS'oticias da America :
0 Diario Official publica os porine-
nores dorca de uma- torre gigaote que os-
Estados-L'uidos se propoa construir em
jPhiladelphia-, por occaeiao da grande expo-
sigao que seeffectuard em 1876y n'esta ci-
m.ti........... 117
*,38.......... 13,50
Note-ae ainda que na commrUM de Dro-
me, em Montliru isi<;--Buis, as matheres-cos-
tumam ahmentar os- filhos com este leite
ate d idade-de 2 e 3 annos, e quando lhesfdade, para celebrar o centenario da decle-
Salta a uutrigao propria-, recorrem tambem pagao da Independencia. Esta torre, da
dqyelle.
Acab de descobrir-se em Fraaga uma
grande quaafida ie de sermoes e outros es-
criptos ineditos devidos d'penna de Bossuet.
No numero desses curiososescriptos-acham-
se uma serie de cartas e- eonselhos deslina-
dos 1-conversao-de mademoiselle dela Val-
liere e partioulermente ama explim.ao da
missa. Todos-os manuscriptos, qu&estive-
ram depositades e.n um convento, vho ser
impressos brevemente em tres volumes^
No dia 9 de margp cabio pela primei-
ra ve* em Londres, este anuo, alguma
neve.
O'encerramento em TVeves, desemi-
nario- catholico, por disposi^ao admiuistra-
tiva, provocou scenas tumuttuosas. Uma nu-
inerosa-multidao- reunio-se em redor do se-
minario,. esparando a volta-dos professores,
.que tinham ido almogar. Av policia inipe-
dio a entrada dos professores no sotcinario,
occupando-o milkarmente depois deter dis-
.solvido. o ajunt&mento. _\i cidade estava
tranquilla.
Os-eardeaes Bilio e dfi Luca recusam
aceitap o encargo de prsfeitos da. propa-
ganda da id, qua lbes fora offereuido pela
papa.
Referem de Bord^ss, qpe ceufragara,
proi mo dos roc bed os de S. Sicalao, 0 va-
por Eclair, capitao Grichont,. pertencente
aquella praga. 0- capitao, o machinista e
cuico. tripolantes- morroram. aiogados, sal-
vando-se as pessoas restantes.
Falla-se de uma grande coufireacia.
tie todos os bispos austriacos, a qual terd
iktgar em Vienna-
Fallecau o celebre Dr. Cruveilhier,
Uiii dos prkicipes da scianc'u modecna.
Deixou obras impoi-taaies'principalmonte so-
bre inodicLua.
Refene a Indapendeacia Belgp, que a
saude da viuva do uxfeiii imperaior Maxi-
miliano eontinua a ser excellente, poremque
o seu estado mental nao tem seiUido as mi-
nimus melb: ras.
0. partido communista de Franga ce-
lebra o anniversario da comrauna de Paris
com um manifesto em que, evocando asda-
tas de 93, 48 e 71, exhorta os francezes a
repellirem a tyrannia.
A princoza Victoria, esposa do que
sera imperador d i Allemanha, deu o nome
de Prussia a umi nova fragata encouraga-
da langada dos estaleiros de Stein A essa
devem-so seguir mais oito navios, que com
osmilhoes.de Franoaa Allemanha construe,
Necessitava saber o estado pbysico em
que se achava a gra-duquoza, porque se-
gundo a uonta de Michelotto, devia Lucrecia
ter completado jd cincoenta annos.
Comtudo, Michelo.to sabia que existom
mulheres privilegiadas que conservam a
belleza e jurentude, at^ uma idade-Svang
da, assim como ha outras, que jovens ain-
da, parecem idosas.
A formosura.de Lucrecia na dpocaemque
Michelotto deixara de a ver, era resplande-
cente.
Contava Lucrecia trinta annos e parecia
ter menos dez.
Nao era, pois, de estranharque se encon-
trasse n'uma situagao physica em que se
nao pode dizer de acaa mulher a idade que
tem, mas qne nos parece sempre muito for-
mosa.
Por outro lado, so uma constituigao mui-
to robusta podia resistir d luta violentaa
que Lucrecia se enlregava impellida pelas
suas paixoes, e so uma materia forte podia
ter contido, sem aniquilar-se, um espirito
tdo corrosivo, por assim dizer, c imo o de
Lucrecia.
Ha venenos que rompem o vaso que os
con tem.
Michelotto nao tardou em sahir da du-
vida.
Pouco depois de se ter posto d espera,
appareceu Lucrecia na grande escadaria do
vestibulo do palacio ducal
Estava mais bella e mais perigosa do
que nunca ; brilhavam-lhe os olhos com
um fulgor sobrenatural, e cobria-Ihe as fa-
ces uma pallidez nervosa.
E's ainda o mesmo demonio, mur-
murou Michelotto olhando-a com espanto.
Pode ser que as cousas se passem melhor
ainda do que eu tinha pensado ; quem sa-
be T Paulo e" formoso e audaz ; estas mu-
lheres cangadas da vida, violentadas por
uma luta eontinua, tomam affeigSo aos for-
mosos jovens, dos quaes fazem o que que
rem.
E' possivelque a vinganga do men se-
nhor s ja mais tirriv-l .do que cusuppl*
nba.
Emquanto Mwbetotta fazia es'.o racioci-
nio, Lucrecia nntrou para a carruagem,
acompahbada de uma dama, e sahio do
palacio seguida por alguns ginetos da sua
guard a.
Michelotto sahio lentamente do palacio ;
vira o que necessitava ver, e voltou para
casa para nao mais sahir sendo de noite, e
ainda assim disfargad).
Em poucas palavras diremos o que Mi-
chelotto pensara fazer e o que em grande
parte haria feito jd para vingar Cesar
Borgia.
Crear separados os dous irmdos, isto e,
Paulo eAlnxandrina ou Leonor, fazer com
que se conhecessem e se amassem, promo-
ver a deshonra e a morte de Leonor, e lan-
gar o seu cadaver aos pes de Lucrecia, di-
zendo-lhe : Ve a cruz que estd marcada
na espadua d'esta mulber.
Era este um pensamento digno de Mi-
chelotto, e ao mesmo tempo uma vinganga
posta em relagao, pela sua enormidado,
com os crimes de Lucrecia.
Michelotto escreveu uma longa carta a
seu primo, o Sr. de Arnesteville, d qual
juntava uma ordem de mil j* contra mes-
ser Elias Japhar.
Na carta dizia-lhe quo era necessario que
13 transportasseimmediatamentecom seu fi-
Ibo para Ferrara,que tinba grandes prqjectos
e que para os realisar era preciso que Paulo
entrasse para o sequito do grdo-duque, para
o qual seriam muito a proposito algumas
cartas de recommendagio. de pessoas taes
como os duques de Guise e de Chartres,
dos quaes fazia muito caso o grao-duque,
porque era muito francez.
Giuseppe foi o encarregado de levar esta
carta, e trinta dias depois estava de volta e
dizia-lbe :
Ap6s de mim vem o Sr. de Arneste-
ville e seu filho com uma grande equipa-
gem; devem cbegar antes de encerrar- se a
noite.
Pois vamos'ao seu encontro, que ndo
quero que saibamonde vivo. Jd Ihes pro-
cure! uma casa, e estd mobiliada n proai-
pta para os receber.
E Michelotto poz a capa, a espada, o
gorroe uma mascara, e, acompanhado de
Giuseppe, foi em busca dos viajantes, aos
| quaes encontroii pouco depois.
0 Sr. de Arnesteville, envelhecido, cur-
! vado, tossindo roucamente de tres em tros
minutos, vinha montado n'uma pequena
altura Je 1:000 pes, sera uma creagjo sem
exemplo, como obra sahida das maos do
Iminein. Fffeetivament i a grande pyramido
de Cheops, nao tem sense. 480 pes-de alto
(medida americana) ; a copula de S. Pe-
dro; em Roma j 473 ; a pyramide de Che-
phren, 454 i a cathedral de Strasburgo,
436; a toire Saint Etienne, era Vienna, o]
mesmo aprotiraadamente ; e a igreja de
Saint-Martin de Landshut 43 a 43&> Ndo
faUamos jd da* torre da catheJral de Colo-
iiu, que ainda- nao estd terrninada e se ele-
vi.-u, segundo-se diz, a iDO pes asi-ma do
nivol do paviraento do edtticio. A-. copula
da rotunda na ultima exposigdo de Vienna
nao tinha senio 348 pes.
. Estaoitasa maravilha do mup.dd, cuja
idea e devida a dous engenheiros civis,
que serao os seus a re hi lee tos, sera cons-
truida de ferro forjado da America, traba-
Ihado em laminas que serao colloeadas por
meio de guindasles e vigas ( windbeams ',
umas postas- diag malmeate e outras hori-
sontalmente. A. f6rma da torre serd.redon-
da. A base, cujo diametro medira 150
pes, ird dinainuindo ate- ao cimo- onde teri,
so 30 pes. Serd atravessada em. toda asu&i
exlensdo gor um tub.central de 30 pes do
diametro. N'esle tub ciicularao quatro
ascensores.dispostos de modo.que 500 pes*
soas possam subir e.a: 3 minutos e desoer
em 5. Os visitantos qne nao gostarera
d'este processo e reeeiarem &venturar-sesor
bre a prancha movel, poderao recorrer. ds
escadas que rodearao o tuba.
De todos os lados a torre serd segura
por esc6ras que tsmarao. a monumeato tao
sululo como se fosse de podra, nao. offere-
cendc- ao vento a. menor oscillagao. A lit-
re- no cimo serd atravessada por ejuatro gs^-
lerias cobertas e gradeadas para preveuir
qualquer ile,sa6tre. Computa-s& em I mi-
1-hao de dollars as daspezas a lazer coraesta
construcgao, que v> calcula levard urn an-
no, devonJo. ficar situada proximo da pala-
cio da oxpasiga.o. >
0 PRETENDENTE TICHBORNE.-O pre-
tendenteem todo o decurso do sen julga-
mento conservou o maior sangue frio, e
bom humor. So quanta o jury se recohoul
e em quanto deliberava, o accusado suava
bagas do agua. Quando ouvio a decisdo,
teve uma ligeira convulsdo nervosa, mas
tornou immediatameate ao seu estado nor-
mal. Antes de ser conduzido d prisd,^ deu
a seu relogio e a sua cadeia ao pretooBogle,
que trouxe da Australia, e que foi criado de
seu tio, e uma das lesteaunhas que o re-
con hoe-u como Rogero Tiebborne.
Cbegado d prisio de Newgate o pretan
denle nio respondeu quando foi chamado
pelos noraes de Tbomaz Castro, ou Arthur
Orion. Obrigado a cortar o cabello, a
rapar a barba e a veUir o uniforme dos
condemnados, succumbio um pouco quan-
do teve de sa sujeitar a estas operacdas,
mas depoij mostrou-se perfeitamente resig-
nado. Em quanto nSo mostra aptiddo para
outro trabalho, empreg-ea destiar estopa.
Faliindo ao director da praao, disse-lhe j
o povo inglez nuneai perdoari aos jurados
iujusta decisdo qwe proferiram contra
elle.
0 Glcfo, jornal qae se pubfica em Lon-
dres. diz (pie Carlos Orton fez a segniote
declaragao> no seu escriptorio :
O prefendente e meu irmao. Reco-
nbego-o.pcla semelnanga das suas feigo^s
com as de meu pai e minba mm. Era
muito mais forte quando embircou em
1848, mas ainda hoje ndo faz ditTeronga de
(pie era entao. Quando voltou a Londres
em 1851 era alto, e um bello rapaz de 5
pes- e 9 pollegadas. Reconbeco-o tambem.
pela sua lettra. E' a mesma-que usava o
prctendeute quando me rnandava dinheiro.
Eu sou o_ lilli i 3t' e elle era o mais novo
dos d >/! filhos. Nasci era 1822 e elle
nasceu- em 1834. Tenho agora so duas
irmas e tre< irraaes vivos r Isabel Jury,
M iria Anna Tendrett, o capitao Jorge Or-
ton do Singapore, Rlraundo Orton do Novo
Mexico,.e Arthur Orton. Nunoa-depuz que
Arthur Orton nio era meu irroao. Fui
chamadb a depdr n'urn* justifteagio para
u-.na ai.\.no civil e disse que era meu irmao,
mas nunca pensei que este caso chegaria a
uma aceuiagdo criminal. A aceasagaa ndo
me charaou para testemunha talvez para
ndo fazer depor um irmao ttttmoutro ir-
mda. Niioea tire relagoes de especie lgu-
ma com o advogado do -pretendente, tant >
no decurso d'este ultimo processof como n;>
do anterior.*
0capita^ Brown, e Jcao \.\nz testemu-
abas de deCcza do pretendente, astao accu-
sados porpurjurio.
mula, embugado n'uma grande capa, e.com
um barrete do pelles onterrado ate ds ore-
lhas.
Paulo, completamente armado, montava
um fcgoso cavallo.
Quatro criados, armados de couregas,
elmos e langas, formavam-lbe a escolta,
alem dos mogos que traziam a bagagem.
Ah meu bom primo do Arnesteville!
exclamou Michelotto. 0 invemo transior-
raou-o completamente, e, se ndo fdra seu
Qlho, declaro que o nao reconheceria.
Que quer ? replicou o Sr. de Arnes-
teville tossindo. A culpa tem-n'a Paris,
essa cidade devoradora das vidas e dos ha-
veres.
Salve-o Deus, meu bora tio, disse
Paulo. Alegro-me de o ver, tanto por si
como por saber que ao seu lado estd a mi-
nha adorada Leonor.
Vambs, mancebo, esquega-se de Leo-
nor ate eu lheordenar que pensa n'ella.
Para outra cousa o mandei vir a Ferrara.
Quer isso dizer que ndo vamos viver
para sua casa 1 disse o Sr. de Arnesteville.
Eu ndo tenho casa, isto 6, ndo tenho
casa em Ferrara.
Ah 1 foi para o campo 7 fez muito
bem ; nos outros os velbos precisamos de
ares puros.
Um ataque de tosse cortou a palavra ao
Sr.de Arnesteville.
Mas o facto de eu nao ter casa em Fer-
rara, Pdo quer dizer que a ndo tenhamos
senhores. Tem-n'a e excellente, na Pia-
zela, proximo do palacio ducal, onde com
mais irequencia terao que fazer, se cura-
prirem bem a missao que lbes confiei. Po-
nhamo-nos, pois, a caminho e iremos con-
versando.
Sim, sim, camiuhemos, porque do
que eu tenho mais necessidade e de uma
cama bem quente, e de um copo de vinbo
fervido com canolla e assucar.
E um novo ataque do tosse lhe suffocou
a >./..
Estd mal, primo, muito mal, disse
Michelotto.
Ah 1 sou uma verdadeira ruina ; nao
tenho nem estomago, uem bofes, nem uada
do que tdo necessario e a um homem para
viver medians mente ; podem se-me conta,
os ossos um por um, afilou-so-me o narizr
RORCASi E CHEFES CARL1STAS.0*
chafes e as- forgas carl'istas actualraente em
eampo sao, no dizer doe jernaes haspanhoes,
os segointes:
General em chefe da todo o axercito, D.
Joaquim Elio, marcchal de campo; com
aandante geral das quatro provincias do
norte, D. Antonio Borregaray ; comman-
danle geral da Navarra, Nieolau Olio ; idem
da Dispuscda, D. Antonio Lizarragi; da
Byscria, D. Gerardo Velasco; da Alava,
Larrameedi; na Catalunha, Saballs, tendo
por immediato Rafael Tristany : Valencia,
Palacios; Aragao^ Ceballos.
Nas provincias do.norte he. 36 batalhoes,
sete esqadroes de- cavallaria, 20 pegas de
artilheria e um regjmento de engenheiros,
total 40t000 horaens.
Na Catalunha ha. 15;000t homens de todts
as arraas.
Era-. Valencia 10:009 homens do toda.-
as armas.
Afora outras, parudas cuja forga d-igOk>*
rada.
correspondente caltula as foncas car-
listasem toda a Uespanba em 80:000 ho-
mens, 2:000; ca.vallos. e 40 canbOes.
D'estes 80:000 homens es.ao competente-
mente orgsnisados 60:000.
__
R1G0A1SMO PROTESTANIE.-Por inicia -
tiva particular foi construida uma igrej*
prolosLaut.j em Saint-Asaph. Convidado i
bispoda diocese para consagrar o templo, o
illustre prelado inglez, recusou-so a faze-lo,
por nao estar a parte esculptural em har
mania com o rito official da roligido protes-
'ante. As duvidas do bispo recahiam n'utu
crucitixo, tendo ante elle um grapo defigura^
de gente em adoragao. Disse elle que tra-
tar um assumpto religioso d'aquolta f6rma
era aproximar-se do catholicisrno.
Por mais diligencias que empregaram os
subscriptores para a ediGcagao da igreja.
nada alcangaram ; de maneira quo sem
substituirem aquella pega esculptural, nao
podem alii celebrar actos da sua religido.
encovaram-se-rne os olhos e cahiram-me os
denies.
Deve tudo isso ao seu bello c formoso
Paris.
E saiba, primo, que me nao queixO ;
gastei a vida, mas gastei-a bem. Que dia
bo 1 Odeio os miseraveis que ndo comera
para nao gastarem as cousas raras, que sao
as unicas boas.
E ds vozes as peiores. Deixemos, po-
rem, isso, e quero crer que pode vestir
ainda o seu trajo de cdrio, e apresentar-se
a um principe.
r Certamente quo sim, meu.querido
primo ; em estando tres dias na cama, em
bebendo algumas tisanas, refrescando-me
finalraente, cobro alento, e posso atrever-
me a alguma cousa.
Vem munido das cartas que lhe re-
commendei 1
Oh I trago nada monos do que uma
carta do grande Franeisco de Valois e por
isso me abstive de pedir recommendagdo a
nenhura dos principes de sangue.
Fez muito bem ; basta o rei.. Jd o
estou vendo, meu quendo sobrinbo, feito
gentil-homem ou capitdo da guarda do
bravo Aflbnso d'Este
Ndo sei para que fim seja isso ; se
eu entrasse para a corte do senhor rei de
Franga, comprehenderia ; mas servir um
duquezito italiaa >, declaro que me contra-
ria ; e se nao resisti foi para o contentar a
si e para que me ndo negasse a mdo de sua
filha, da minha formosa prima.
E fez muito bem, porque so d forga
de docilidade aos meus preceitos logrard ser
sou esposo.
Obedecerei, meu tio, ainda quando
me or dene o impossivel.
Para um homem digno de chamar-se
tal, nao exis'.era os impossivais ; para mim
pelo menos, ndo existiram nunca, e, asse-
guro-lhe, meu sobrinho, que tenho feito
grandes cousas n'este mundo, sem contar
as que me restate ainda pir fazer. Estaraos,
porem, jd proximo de sua casi; v; aquel-
las torres massigas, o aquelles rauros ele-
vaJos, primo de Arnesteville ?
Vejo.
E' o castello ducal.
Pois sempre lhe direi, mou primo,
que os duques de Ferrara vivem e dormem
com couraga ; essa fortaleza parece mais
uma prisao do quo um palacio.
E' ambas as cousas ao mesmo tempo.
Por baivo dos sumptuosos saloes eaposen-
tos, ha calabougos subterraneos, onde so
penetra a humidade dos fossos. Advirto-
Ihe que 6 cousa muito facil ir parar a um
d'esses calabougos, porque Aflbnso d'Este e
muito severo e terrivel, e castiga sem pie-
dade os nobres da sua cdrte, pela mais love
falta.
Ouves, Paulo ? disse o Sr. de Arnes-
teville.
Procurarei que me prendam na pri-
meiraoccasiao; porque um gentil-homem
que ndo foi preso uunca por alguma faga-
nha, nao merece respeito.
Ah 1 meu querido sobrinho, acutile,
mate, lira quanto quizer, porque lhe ndo
succederd nada por isso. Alfonso d'Este
gostados homens impetuosos, e encontra-
lo-ha disposto sempre a perdoar-lhe o ter
morto um homem em duello ou em rixa,
comtanto que o faga de um raodo leal.
Deve, porem, guardar-se de duas cousas.
Quaes slo, meu tio ?
Quando entrarmos em casa, eu Ih'as
direi.
Michelotto aproximou-se de uma casa de
grande apparencia, e bateu com forga I
porta, a qual veio abrir um criado.
Paulo apeou-se, ajudou o pai a descer
da mula, deu-lhe o braco, e, acompanhados
de Micheiotte, que conservava a mascara a
alumiados pelo criado, subiram aos apo
sentos superiores.
Eis-aqui os teus araos, dissa Miche-
lotto ao criado que era um dos seus antigoa
bravi ; serve-os como me servirias a mim
proprio.
Esteja descangado, capitdo, nao lhe*
faltard cousa alguma, respondeu o criado.
Retirate, proseguio Michelotto, e
traze alguma cousa com que aquecer asse
enorrae leito ; meu primo, o Sr. Jacques
le Arnesteville, quede hoje em diante e
teu amo, traz o frio raettido nos ossos.
^CoB(tnuor-sa-Ao)
TYP. DOS D'ARIO. I'.UA DUQUE DE CAXIaS



i hhEIi
*if

-----------


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKC9126EK_HWPU0U INGEST_TIME 2014-05-27T22:44:16Z PACKAGE AA00011611_17615
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES