Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17612


This item is only available as the following downloads:


Full Text
;,l
ANNO L. MMERO 74
PARA A CAPITAL E LUG ABES 0\Di; Mo SE PACiA PORTE.
Por toes mezes adiantados...............; 69000
for se (Por um anno idem.................. S4JM>00
Cada numero avulso.......... .^*x, .... 9320
PROPRJEDADE DE MANOEL
QEARIA FEIRA i t ABWL DE M74
PARA DE.\TRO E FOR A DA PRVI\tTA-
Por tres mezes ad iantades...............
Por seis ditos idem.......>.........
Por nove ditos idem................
For urn anno idem.
69T50
iswoo
9093M)
79000
DE FARIA FfLKOS.

fti ftn. Gerardo Antonio Ahes d Filhos, no Para"; Gongalres d Pinto, no Maranhao; Joaquim Jose de Oliveira d Filho, no Ceari; Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, ua Parahyba ; Antonio Josd Gome,na Villa da Pennaj Be'annino dos Santos Bulcio, em Santo Antao ; Itomingos Jose" da Coata Braga, em Pkxareth;
PARTE 0FTICIA1.
Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar das A-SfOaj j Alves d C, na
Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
(vcrno ilu provlncia.
O85?ACH0S DA PRKSIDKNCIA, DO DIA 30 0E MARCO
M 1874.
Antonio Joaquim I'ereira de Oliveira. -Informe
) Sr. Dr. juiz provedor de capsllas e residuns.
Antonio Joaquim dos Santos. Sendo a gratitl-
.irZo pro labore, nao tem lagar o que reqaer o
jpplicente.
Antonio Joaquim Pereira de Oliveira.Eatre-
'fit-se, mediante recibo.
Francisca M.iria Barbbsa.Volte ao Sr.- prove-
dor da Santa Casa, afun de que informe de novo, a
vista dos documentos.
Francisco Cavalcante do Lacerda. Deferido
can offlcio desta data, ao inspector da tbesoura-
ria da fazenda.
Gfegorio Tito da C >sta. It; jueira ao g overoo
imperial, juntan lo a sua peticao o original do ti-
tulo de sua baixa.
Jose Thales de Mello.Informe o Sr. inspect nr
da thesouraria do fazenda.
Jose Cavale rate de L.acerda. Deferido com offl-
eio desta data. dirigiJo ao inspector da tbesoura-
ria de fazenda.
Manoel Victor Fernandes Birros. Sim, com or-
derudo na forma da lei.
In policia.
pilicia de Pernambuco,
Repili'tirjilo
2.- seceao__S^eretana de
31 de marco de 1874:
N. 144.-Dim. e Bxm. Sr.Participo a V. Exc.
qae foram hontem recolbidos a detencao a minha
ordem. Felippe Brasilino de Andrade Lima, crimi-
DOSO de morle do term) de Iguarassii, e Jose Ru-
ino de Barros Salles, vindo de Pesqueira como
chrainoso de morte no termo de Porto Calvo, da
provincia de Alagoas.
Cm data de 11 deste in '., communiou me o
deiegado da Bui-Vista, que as quatro horas da tar-
Je do dia 7, Crescencio Jose Francisco ferira com
um tiro a Vicente Rodrigues da Costa, sendo pre-
so em ilagrante; que procedeu aocompetente in-
querito e reinetteu-o ao respectivo D\ juiz muni-
cipal.
Por offlcio de 10, corainunicou-me o deiegado da
t'loresla que na fazenda Angelieo diquelle termo,
D Maria Francisca de Si foi gravemente ferida,
ignorando quem fora 6 criminoso, por estar dor-
mindo quando recebcra as ollensas; que sobre se-
ruelhante facto oroesdeu ao inquerito policial e
remetteu-o ao respectivo Dr. juiz municipal.
Em data do hontem, commuoioou-.ne o subdc-
ligado do Poeo que remettera ao Dr. jwz d; direi-
to do 5 distrinto criminal o inquerito policial que
\n sobre o facto dos ferimentos praticados na
pessoa de Alexandrino Jose Pereira e Jose Perei-
ra da Silva.
Cumpre-me ainda participar a V. Exc. que ten-
do chegado ao meu conhecimen'.o, no dia 28 deste
am. que, no termo de Iguaiassti havia sido assas-
jinado Vicente Ferreira Cavalcante, e estava se-
p :ilo ha mais de seis (lias, era terras do enge-
nao Aldeia, como tendo morrido, para alii ine di-
rigi na tanl.' do mesmo dia n protedendo no dia
^egamte a exhuma^to o mais diligencias recom-
meadadas por lei, veriti juei que a raorte do dito
Vicente Ferreira fora o resultado de um crime,
seado sea autor Felippe Brasilino de Andrade Li
ma, a quem liz prenJer e vou remellcr ao Dr. juiz
1-i direfto da comarca de Iguarassa com o inqueri-
to policial a que procedi.
Ueus guarde a V. Exc.-jllm. e Exm. Sr. com-
mendador Henrique I'ereira de Lucena, digno pre-
sidents da provincia 0 chefe de policia, Anto-
nio Francisco Careia de Araujo.
EXTERIOR.
A^orrespoiKleitciu do Riai'io do
l'ernambuco.
Bl ENOS-ATBBS, 16 DE UABQO DE 1874.
eoverno desta republica, por mais que d^se-
je, aao pode dis~imular a sua politica hostil ao
nosso paiz.
Sobre os assumplos do Paraguay, cremo3 que
! didamente nada se podera arranjar amigavel-
it'i'e. salvo .-ii o Brasil qniaer Gear humilhado
-ta republiqueta, acqoiescendo a todas as
ai i/xigeraJas vontades, o que de raodo algum
julgam.s provavel.
Coosta-aos agora que na resposta que o Sr.
Tejedor deu a nota do Sr. barao de Araguaya,
| la jual nos occupamos em nossa missiva de
27 de fevereiro). recusou peremptoriamenta to-
ll- as propostas amigaveis do governo brasilei-
ro, dizendo com arrogan^a quo n;io se da presen-
temente o easo previsto no art. 5' do accordo de
li d) novembro de 1872, mas sim o do art. 6,
portanto bo pira tratar delle 6 que se prestara
da boa vontade o governo argentino.
Em vista Je tSo eategorica rejpo?ta, de certo
pouco esperaJa pelo nosso governo, aguardemos
- factos postenores.
liouve um tempo nessa provincia que, por
causa da excessiva diminuicSo da luz do gaz, se da-
va geralmente para glosar o seguiute mote-ojaz vi-
' mparina pois agora nesta cidade e que se
node usar perfeitammto do tal mote, pois o gaz de
Buenos-Ayrea nao s6 virou lamparina, como tam-
bem se transformou em kerozene, permanecendo
tod.t a cidade quasi nas trevas durante as uoi-
t*s
A |ue.-Uo suscitada en'.re a empreza do gaz e a
mauicipalidade, da qual fallamos em nossa ulti-
ma missiva, assumio um caracter suramameate
importante.
A empreza do gaz, no intuit > de terminar a
qtlttiiao, procurou chegar a um accordo com a
munieipalidade, propondo que se Ibe pagasse com
d.nneiro ou tettra garantida a quart i parte da
divida, e que so Ibe autorisasso a cobrar do mez
d! niarco em diante o iraposto que paga o pu-
hiico para a illuminacao ; mas, tal proposta nao
foi aceita.
Entao a referida empreza declarou em um ma-
nifosto, que, do dia 6 d s mirco em diante, nib
a: mderia mais 03 lampaoos da cidade, e assim rt-
caria ella as esiuras.
A munieipalidade, temendo que tal ameaca so
realisasse, engendrou, de accordo com o governo
provincia', um piano grotesco e criminoso.
As 7 horas da noite do dia 6, um piquete de
vigilantes ao mando de um official municipal, ar
r?nibou as portas da fabrica do gat e apoderou se
por meio da forca do respectivo gazometro, obri-
flindo co^a e'paldeifadas os empregadis das
oOoinas a tribalhar!
De feit>, realisalo este inqiahlicavel at'.entado
centra a prnpriedada alheia, que perante todos os
eodigos crfminaos do munJo, nao pods deixar de
>er qualilicado como roubo, accendeu-se a illu-
minacao publica nas noites de 6, 7 e 8 do corren-
te, porem, depois n-to apparecendo mais para tra-
balltar os empregados das offlcinis, e nao saben-
do os agentes da policia como fabricassem o gaz,
embora tentassem faze-lo correndo o perigo de
uma explosao, foi resolvido que a illuminacao se
substituisse temporariamente pela de kerozene, o
que se veriflcou, ainda com mais um ataque a
propriedade, pois foram cortados todos os bicos
do gaz para serem assentados os respeetivos can-
dieiros.
E assim tem continuado ate hoje esta cidade a
;ser pessimamente iltuminada com o kerozene.
| So no dia 12 e que foi desoccupada pela forca
Ipuolica a fabrica do gaz. liciado rauitos mate-
rials completamente estragados.
Antes disto se reali-ar a empreza interp >z pe
rante o juizo civil, a revindicaQao, de posse da fa-
brica, mas o migistrado que tomou conhecimen-
to da quest&o, declarou-se incompetente para de-
cidi la, dizendo que e um aeto puraineate admi-
nistrative o facto de apoierar-te a autoridade
de uma propriedade particular sera que haja lei
qtw-expressaniente o determiue.
&' ni verdale curiosa a doutnna que estabele-
ce semelhante deci^ao.
Accitando tal jurisprudencia. a munipalidade po-
de in \n I ir amanha tomar a qualquer cobrador de
uma casa commercial ou de um banco, o dinheiro
quijeve consig > ; se depois for iatentada alguina
accaj perante a justica do paiz, esta declarara com
toda a ingenui lade que o caso e puramente adini-
nistrativo.
Ficando impune, como ha de ftcar, o attentado
praticado pela munieipalidade contra a empreza
do ga'., deduz-se logicamente o pernicioso princi-
pio de que o devedor tem o direito nao so de dei
xar de pagar ai suas div.das, embora possiia o
quintuplo do que deve, mat tambem do assaltar
a propriedade de seu credor, arrombar es sens
cafres e exfgir pela forc,a qua lhe seja fornecido
mais dinheiro.
0 que sera do direito inviolavel de propriedade
com tao absurdas doutrinas ?
0 quo sera do prineipio eterni de juituja, com
jnizes sem c jnsciencia, que nao sabem punir?
Q lerem, porem, saber os leitores a causa prin-
cipal, porem occulta, de Uo transcendental ques-
tao ?
Ha aqui uma outra empreza de gaz, para ser-
vir a particulares, e os maiores accionistas d'ella
sao os dignos membros da munieipalidade e seus
parentes ; era, portanto, precise que por qualquer
rneio se procurasse romper o contrato quo exis-
tia com a empreza antiga para ser elle depois
reatisado com a nova.
Ficar devendo dous anno3 e meio do gaz ser-
vido da illuminacao publica, eximir-se do paga-
mento na divida, assaltar a fabrica e estragar o
seu material, rasgar depois o contrato, e fazer
outro com a empreza que era uecessario proteger,
eis em pouco tempo o que escandalosamente rea-
lisou a munieipalidade.
A nova empreza ja esta assentaudo o respectivo
encanamento, para no espaco de'dous mezes, con-
forme se annuncia. comecar a fuuecionar; fican-
do assim prejudicados os direitos adquindos da
empreza orimitiva, e postergada a fe do contrato
que existia.
Mas, em nossa.opiniio tudo isto deve ser des-
culpalo, porque e bem proprio de um paiz re-
publicano.
Mais uma complicate externa acaba de sus-
citar o governo argentino, augmentando assim o
aspecio sombrio e atterrador que apresenta este
paiz.
Em conseqaencia da extinceao do cholera nesta
republica, o governo oriental de accordo com a-ca-
pitania do porto e a junta de hygiene publica, ex-
pedio um,decreto no .prmcipio. deste njez, abrindo
os portos o'rientaes para as procedencias do Rosa-
rio, Entrc Rios e Corrieutes, mediante uma qua-
rentena de quinze dias, exceptuando, porem, as
procedencias de Bueuos-Ayres por se darem ainda
aqui naquelle tempo um ou outro caso de cholera-
m orb us.
0 governo argentino, irritado com a excepcao
feita ao porto de Buenos-Ayres, sem attender a
inlluenoia perniciosa que pnderia ter uma medi-
da precipiiada, sem ouvir a junta de saude, e mo-
vido somente pelo espitito de represalia, expedio
um decreto fechando todos os portos desta repu-
blica para as procedencias do Estado Orieutal,
onde nao eoasta que haja nem tenha havido este
anno nenhuma epidemia.
Em vista disso, tambem por sua ves decretou o
governo oriental que ticassem feehados todos os
seus portos para as procedencias da republics Ar-
gentina.
Estas repre.^alias, filhas do cspricho dos honiens
que governam, teem sido muito censuradas, por-
que causam immensos males ao commercio dos
dous paizes, eafrouxam as boas relates que entre
elles deviam exislir.
Verificou-sc em Buenos-Ayres o triurapho do
partido alsiuista nas eleic5es de deputados nacio-
naes, procedidas no dia 1 de fevereiro, pois, a
junta apuradora republicaoamente approvou todas
as actas falsa? fabricadas pelos alsinistas e expe-
dio diplomas de deputados aos candidatos deste
partido.
Com o fim de protestar contra semelhante ban-
dalheira, houve no domingo passado uma grande
reuniao do partido mitrista no theatro das Varie-
dades.
Por mera curiosidade foraos as3isti-la e pode-
mo3 garantir que ella esteve esplendida, porque
mais de 4,000 pessoas de todas as classes sociaes
se achavam alii presentes. notando-se entre ellas
o que ha de mais distinct) na sociedade por-
tenha.
Depois di' se fazerem ouvir alguns oradores, que
foram enthusiasticamente applaudido3, decidio se
que fosse enviado ao congresso um protesto con-
tra a frauds commettida pelo partido alsinista nas
actas eleitoraes a contra a approracao que a ella
deu a junta apuradora.
N'o mesmo dia houve tambem uma reuniao dos
alsinistas, na pra.a da Victoria, para applaudir o
triurapho obtido pelo seu partido, mas alii apeuas
yimos se ajuntarem uns quatrocentos homens de
inlima classe, e no meio de uma algazarra infer-
nal se treparem em um taraborete tres ou quatro
tribunos do povo, que em suas diabollcas arengas
nap pottaram deixar de insnltar atrozraente ao
Brasil.
Como da costume, durante este dia houve en-
contro de exallados de ambos os partidos quo se
asfaqaearam mutuamente, resultando uma morte e
alguns ferimentos.
A proposito da politica interna desta repu-
blica, djvemos noticiar, que se da como certo uma
liga entre os partidos alsinista e avellanedista, re-
nunciando o Dr. Alsina a sua candidatura em fa-
vor do Dr. Avelianeda, com a condicto de que se-
ja elle quem organise o ministerio, cabendo-lhe a
pasta da guerra.
Se isto se verificar, jalgamos que mais se for-
talecera a candidatura do Dr. Avelianeda, que
em nosso parecer, qner haja ou nSo tal liga. ha
de ser o futuro presidente da repnblica.
No dia 12 houve um forte temporal no por-
to desta cidade, indo a pique dous palhabotes com
carga, e morrendo afogados dous raarinheiros que
vinham para terra em um escaler.
Em Pari, Londres e outran cipitaes da Eu
ropi, hi aaeieSadcs do bandiJos de guaca e gra-
vata brancj, os quae.', corn a nuior llQeza possi-
vel, depennam ao proximo.
Esta cidade, que ate agora estava livre de tao
industriosa gente, conta presentemente, segando
parece, com uma destas soeiedades mui bem or-
ganisada.
0 segainte facto que isto prova, e transcripto
da Republica :
Na semaua passada um Sr. argentino sahia do
banco da provincia d'onde havia tirado a quanlia
de 2,409 patacdes de um deposito que alii tinha.
Apenas camiahou duas quadras, quando um
joven mui cortexmente dirigio se a elle e sau-
dou-o.
c 0 seahor de que nos occupamos, ao ver a ele-
gancla e polidez com que bavia sido saudado, per-
L
J
guntou ao joven quem elle era. poi-, se o conhe-
cu, sua meinoria lhe era infiel namelle 'nslante.
0 elegante rapaz explioou Bntao que^Bnecti
vamente nao era conhecido telle, p.iren, que ti
uha sido encarrega lo de fa'.xr-lhe uaia visits em
nome de uma pessoa que lhe devia ser muito qai
rida ; e falloulhe de aim filiia que fazia tempo
nao via, e a qual estavi oa baaia oriental.
A' esta recordac'n, o senhor alludidj cobrou
condanga no deiconhecido que lha' fallava de sua
tilha. _
Passaranr entSo por aim conieitaria. e o jo-1
ven convidou sju corapanheiro para eatrar e elle
aceitou.
Pediram ambos nmi beoiJa, e poucos-mo-
mentos depois o senhor de que fallamos comecou
a sentir uraa son:nolencia estranha, as palpebras
lhe pesavara cala vez mais e finalisou por dorrair
completaraente.
Quando despertou, o seu corapmheiro havia
desapparecido. t^reraos que os nosso* leitores ade-
vinharao o fira que tiverara os 2,100 patacdes.
Alem deste facto outros maitos identicos se teem
dado, inclusive o de um tal Orange,, que no fira
dj mez passado tenton tirar do banco da provin-
cia 30.000 pataceas, com letras falsilicadas, o que
foi descoberto em tempo, sendo elle preso.
Continuam a dar-se nesta cidade grande nu
mero de assassinates, nao havendo mais nenhuma
segnranca individual.
No dia 1 do corrente, na rua de Salla, quatro
individuos mataram barbaramente com tiros de
rewolver a um pobre pai de familia, que 'a com
uma menina nos bracos, so pelo simples facto de
serem inimigos deste.
0 iofeliz quiz se defender cora a innocente
crianca levantando-a sra seus bracos, mas isto foi
Until, porque os raiseraveis assassinos nio o dei-
xaram senao quindo elle exhalou o ultimo sus-
piro.
Os criminosos foram presos pelo povo, porque
a policia nio appareceu.
No dia 12, em uma confeitaria siluada na rua
de Charc&s, esquina da de Aries, dous officiaes de
linha. um major e um capitao, travaram uma ca
lorosa d sputa, depois da qual sahiram desatlados
para a rua, onde este matou aquelle com nm tiro
de rewolver.
0 assassiao fagio immediatamente, mas ao dia
seguinte foi captnrado.
No dia 13, em Barracas houve u.n grande con-
flicto entre uns 130 italianos e a policia, do qual
resultou duas raortes, alguns ferimentos e muitas
prisoes.
A origem do contlicto foi um clo portencente a
um ageote de policia ter accoramettido a quatro
italianos e estes se defenderem, batendo no ani-
mal
0 coramandante da fronteira de Buenos-Ay
res e de Santa Fe comraunicou ao governo que o
cacique Pesien tem grande numero de indios rcu-
mdos com o intuito de fazer uma invasao.
Tomaram-se as providen.ias necessarias.
Por telegrammas recebidos de Rioja sabe so
que rebentou alii uraa revolucao encabe^ada pelo
coronel Gordilho.
Tendo o governador daquella provincia ido com
700 homens bater 03 revoltoso?, resultou ? -
pletamenhrderrotado, e dizem que foi feito piisio-
neiro e fuzilado.
A causa do moviraento rovolucionar'. e a mai-
dita politica, pois o coronel Gordilho 6 acerrimo
partidario do Dr. Avelianeda e o governador pro-
tegia o general Mitre.
ConUa igualmente por despacho telegraplu
co, que em iejujvestallou uma revoluclo, sendo
o governador obrigado a demi'.tir-se do seu
cargo.
Passando a parta mercaatil, temos a dizer
quoo commercie desta praea coulimia em eetado
de abatimento, nio se divisand i por era esperan-
cas de um futuro mais animador.
No prineipio deste mez deram-se algamas ana-
bras de caas import-antes, figurando entre ellas a
de Amespil hermanos, e isto tem produzido gran-
de alarma no commercio. A maledicencia, sem-
pre disposla a cravar o seu envenenado aguilhao
na parte sa do corpo social, nao poupou seus^ li
ros, e nomes do respeitaveis casas commerciaes
andaram alguns dias de bocca era bocca, fazendo-
se sobre elles commentarios de todo. genero, que
quando menos poderia dauiniticar p.seu bem es-
tabelacido credito e a sua reconheetda reputa-
A tal ponto chegiram 03 b atos quo houve casa
que se vio obrigada a accusar criminalmente aos
propagadores de tao falsa* e prejudiciaes asseve-
rafoes.
Na bolsa as transaccoes se acham um pouco.
paratysad?", sendo diminutas as couipras e veadal'
effectaadas.
0 mercado monetario nao tem sotfrido alteranao,
os descontos continuam a serem feitos nos bancos
de 8 a 12 % ao anno.
Os carabios se conservam baixos, tendo sido co-
tad' s ultimamente do seguinte mod): sobre In-
glaterra 48 3/4 e 49, sobre Franca e Anvers 5,17
a 5,19, e sobre Genova 5,20 e 5,21.
Quanto ao assucar de Pernambuco nao houve
nesta quinzena nenhuma entrada.
0 carregamento vindo pelo Kong Kong conti-
nuou a ser retalhado a 16 1/2 reaes fortes a a do
branco de 1* sorte, t4osomenos e t2omasca-
vado.
Do carregamento trazido pelo VUle de Bahia se
venderam 800 barricas a 63 ps. a (3) do de 1"
sorte, CO o de 2a, 58 o somenos e 47 o masca-
vado.
Ha muito pouca animacao no mercado, por fal-
ta de encorameadas para as provincia?.
Dc Estado Oriental temos data ate hontem.
A grave questio do fechamento dos portos
argentinos e orientaes, da qual ja acima nos oc-
cupamos, tem causado geralraente muita fen-
sacao.
Fa'la-se que o cajnmercio vai representar a
ambos os governcs, pedind) a reconsideragao dos
decretos.
Dizem uns jornaes que o governo orieutal
recebeu noticias favoraveis acerca do etnprestimo
europeu, c outros asseguram, que ao contrario,
nao foi possivel a sua realisacao.
Na semana passada chegarara ao porto de
Montevideo, para ret'orcar a esquadra brasileirs,
os encouracados Lima Barros e Brazil e mais um
transport j de guerra, todos procedentes do Rio de
Janeiro.
HI
Do Paraguay nao chegou vapor ultimamente, e
portanto nenhuma noticia temos a communi-
car.
IV
Das repiihlicas do Pacilico tomos noticias tele-
graptiic.n ai<; 11 do corrente.
No Chile, o governador do Puma Arenas sa-
benJo quo as fircas areentinas lialuin occupado
Santa Cruz e o Kto Gal legos, partio a bordo do
vapor Aldao para se apoderar desses pontos da
Patagonia, que o Chile deciara perteocer-lhe.
Em Buenos-Ayres trata-se deattenuar a gravi-
da Je dessa noticia, porque presentemente e ira-
possivel ao governo argentino declarar a guerra
ao Chile.
Perto do porto de Viios foi a pique no dia 8
deste mez o vapor inglez Jacna, perdeudo-se in-
teiramente em 15 minutos. 0 capitao se salvou
com 37 homens da tripolacao e passageiros, pare-
cendo no nanfragio 8 pessoas.
A grande agitacao das andas do mar e a ex-
cessiva carga que o vapor levava foram a causa
de *Hi noKcias ds expedie>> feita a terra de fo-
g,'e1nellas nos oceuparemo* na segufate. corres-
nao fazeado agra por falla de
Peru nada aos cousti digno de ser men-
a Bolivia, falhsceu oSr. Ballivian, presi-
|a republica. ^^f
Frias, presidente do congresso contlriuava
.
_ -i 11 < -1 ~f\
boliviano.
, P. S. Buenos-Ayres 17 de marco, as 8 horas da
manhi -Noticia importante.Verifliou-se a liga
entre os partidos alsinista] e avellanedista. Os
Jornaes de hoje pnblicam um extenso manifesto do
Dr. Alsirja, retirando a sua candidatura a presi-
deucia da repnblica.
MARIO DE PERN AMBUOU
RECIFE, 1/ DEABRIL DE 1874
\.ticiN do aid do inaperio.
Amanhecerara hontem ein nosso porto os vapo-
res inglez Heca e americanc Skm/A America, tra-
zen lo datas : do Rio de Janeiro de 25 e 26 e da
Bahia de 28 e 29 do corrente.
REPUBLICAS DO PACIFIOO E DO BIO DA PRATA.
Sob a rubnea Exterior pub'icamos hoje a mi
nuriosa e interessante missiva je nos^o correspon-
dento em Buenos-Ayres, para : qual chamamos a
attencao dos leitores
RIO DE JANEIRO.
Por despachos de 21 de marco foram no-
meados :
Em attencao aos relevantes servicos prestados a
instruc^io publica na provincia do Maranhao :
Ordem da Ro a. -Ofticiaes. -Major Alexandre
Collares Moreira, Joaquim Marques Rodrigaes,
Francisco Solano Rodrigues Velloso e Eduardo
de Araujo Trindade.
Cacaiheiros.loti Moreira da Si va. Can li 1
Cesar da Silva Rosa, Custodio GonQah-es Belchior,
teoeate-coronel Joao Marcelino ltomeu, Francisco
de Assis Collares Moreira, Alexandre Collares Mo-
reira Junior e alferes Joao Candido Alchieta
Em attengio aos relevantes Servians pretados
ao estado e em relacao a guerra do Paraguay,
commendador da ordem da Rosa, o coronel Mi-
guel Athanazio da Costa Barros Sayao.. da provin
cia do Rio de Janeiro.
Em attencao aos relevantes servicos preslados
ao estado por occasiao da epidemia que ultima-
menle grassju na provincia de S. Paulo, official da
ordem da Rosa, o bacharel Joaquim Josii do Ama-
ral.
Em attencao aos relevantes servicos prestados
ao estado e a humasidade na provincia da Bahia;
t.avalbeiro da ordem da Rosa, o Dr. Joao Lopes
Rodrigues.
Em attencao aes relevantes servicos prestados
ao estado, cavalhriro da ordem da Rosa, o deiegado
o> rolicia do te'ruo de Cearamirim, na provincia
: rioTte, capitao Antonio Benevi
Ol .^.o.a de" Mellb.
Louis Przibram e Edouard Mantner, subditos
de S. M. o iraperador da Austria, o priraeiro com-
mr-Tlidor e o segundo ofilcii! da ordem da Itosa.
Foi aposentado Franci>co Luiz Viraes no lugar
de bctlel da Faculdade de Direito do Recife.
Foram naturalisados os subditos porlhgnezes
Antonio Joaquim Nuues da Silva, Joa) Felix da
Silva Braga, Pedro Barcellos, Joao de Mattos, Joa-
quim Goncalves da Cunha, Frederico Joso Corre),
AnUiiio Lopes Goncalves Bastos, Gabriel Dias da
Silva Manoel da Cunha DaDtas, Antonio Jose de
Moraes e o padre Joio Francisco Alves ; e os suU-
ditcs italianos padres Antonio For^unato e Frede-
rico 'iatani.
Foram concedidas as seguinles pensoei, que fi-
cani pendenles de approvaQao da assembles
gcral:
I)e84< mensaes ao major honorario do exercito
Fcl.oano Teixeira de Almeida ; de 400 nils diarios
ao siidado reformado do extincto23.* corpo de vo-
luntvios da patria Lino Ferreira do Rosario, os
quaes, em consequencia de ferimentos recebidos
em' combate, fiearam inipossibihtados de prover
as meios de subsistencia.
Foram nonvadas as professoras adjuntas, D.
GuiUeraina Emilia da Rocha e D. Maria Fortuna-
ta deSiqueira Amazonas Gomes da Silva, apri-
meiri parara cadeira publica da fregut-zia da Caa-
delana, e a segunda para a de Jacarepagua.
0 capitao Joaquim Ferraz do Rego foi pro-
movida para a 5.* e nao para a 4.' companhh do
14." patalhio de infanteria, como por engano sa-
f.io fublicado.
0 decreto n. 5,507 de 14 de marco couce-
deu )o Dr. Luiz Bandeira de Gouvea autot isacio
para a construccao, uso e gozo de uma linha de
carris. de ferro emdiversas ruas desta cidade ; e
o Colo. 5j>70 da mesma data concedeu tambem a
comjanhia Locomotora autorisacao para prolongar
sens trilho3 para transporte de cargas e passa-
geiros em diversas ruas desta cidade ; e bem as-
sim para nransportar passageiros nas linhas que
ja possue.
0 decreto n. 5,575, de 21 de marc.o, conce-
deu a companhia Fluvial do Alto Amazonas auto-
risacao para transient" a Amazom jteam Naviga-
tion Compauy, limited, todos os seus direitos e fa-
vores concedidos por lei, e bem assim os respeeti-
vos encargos.
Foi prorosado, por decreto n. 5,576 de 21 de
marto, o prazo a que se refere a clausula 3.' do
decreto n. 4,674 de 10 de Janeiro de 1871 e o de-
creto n. 5,192 de 4 dejaneira do anno passado,
para a incorporacao da companhia que deve cons-
truir uma estrada de ferro economica do porto de
Antonina a eidade de Coritiba, na provincia do
Parana.
Por dacreto n. 5,574, de 21 de marto, foi
croada uma ransa de rendas de primeira ordem,
no porto de Manicore, provincia do Amazonas, em
suostituipao a que Saato Antonio."
Leraos no Jornal do Commercio :
t Foram inhumados hontem (2i) no ceraiterio
da ordem tereeira de S. Francisco de Paula os
restos mortaes da Sra. duqueza de Caxias.
< 0 preslito funebre sahio as 10 horas da ma-
nna, da praia de Botafogo. sendo o corpo conduzi-
do em.ira car ro da casa imperial, ladeado por 18
cr ados e seguindo-se outro carro da mesraa casa
lovan lo sobre uma almofada de velludo a coroa
de duqueza envolta em crepe, dous coupes com
sa<:erdotes, uma carruagem da finada, um carro
da empreza funeraria e outro de estado
Pechava o prestito uma fiieira de cento 3 tan-
tos carros, conauzindo os amigos da familia do Sr.
deque de Caxias, entre os quaes coutavam se to-
ri >s os ineinbrus 'd i gabmete, muitos senadores e
deputados, o Sr. barao de Nogueira da Gams,
m irdomo da casa imperial e grande numero de ti-
tulares, de officiaes superiores da armada, exer-
cito e guarda nacional e de funccionarios pu-
b!icos. i)
< Realisou-se hontem (25) a inauguracao da
E-cola Normal, em preseaca de S. M. o Imperador
e ie grande numero de senhoras e cavalheiros.
< S. H. o Imperador foi recebido a porta do
edificto do conservatorio de muiica, onde teve lu-
gsx a solemnidade, pelo director e professores da
sscola.
0 Sr. conselbeiro Manoel Francisco Correa
pioferio tun bello dlsoarso, no correr do qual de-
clarou qne o Sr. barao de Nova Friburgo offerece-
ra a quaatia del:0J0# para aoxiliar as despezas
da Escola Normal:
Depois do Sr. conselheiro Correa, prorerio
tarabem ura di3curso o Sr. Dr. Oliveira Bello, ora-
dor da congregacao dos professores.
Leraos no Dtario Official:
Na escola central o resultado dos exames ex-
traordinarios da primeira cadeira do segundo anno
foi o seguinte:
impcovados.plenamente^im o erao 8, Jose
Francisco Cantortno, com o-grab 6?Elisw Firmo
Martins, Augnsto Alves Pereira de Mello e Josd
Alvares de Araujo e Souza; approvados sim-
plestuente com o grao 5, Joao Carlos Gutierres,
Francisco Luiz Loureiro de Andrade, Horacio Ro-
drigues Antunes, Felix Emmanuel Bourg, Anto-
nio Marques BaptisU de Leio, Jo?C do Castro
Teixeira de Gouvea e Lucas Antonio Gomes Gui-
maraes, com o grao I, VJan el Ferreira Saturuino
Braga, Henrique io.-e Alvares da Fonceca, Jorge
Desmarais, Arthur Napoleaode Barros e Adolpho
Gomes de Albuquerque, com o grao 3, Miguel Lo-
pes do Amaral e Silva, Antonio de Sampaio Pires
Ferrnir'a, com o grao 2. Demetrio de Barros Leite
e Francisco de Lemcs.
Nao compareceu a prova eral 1, foram repro-
vados 7.
0 resultado dos exames extraordinarios da
segunda cadeira do segundo anno (physica), foi o
seguinte :
Approvados plcnamente com o grao 8, Gusta-
vo Adolpho da Silveira, com o grao 6, Jose Alva-
res de Araujo e Souza.
Approvados simplesmente com o grao 5, Jose
de Castro Teixeira de Gouvea e Jose Clemente
Gomes ; com o grao 4, Vicente Htiet de Bacellar
Pinto Guedes, Miguel Lopes do Amaral e Silva,
Joaquim Csetano Villanova Junior, Jose Aotonio
de Brito Bastos, Joaquim Antonio Alves e Joao
Carlos Gutierres, com o grao 3, Antonio de Sam-
paio Pires Ferreira, Jose Lopes de Castro Junior e
Joaquim de Almeida Ribeiro : deixou de fazer
exame oral 1.
Foram 2 reprovados.
0 resultado dos exames extraordinarios da pri-
meira cadeira do quarto anno foi o seguinte :
Approvado plenamente com o grao 9, Adriano
Xavier de Oliveira Pimentel ; com o grao 8, Jose
de Napoles Telles d! Uenezes ; com o grao 6, Mi-
guel Autunio Lopes Pecegueiro ; approvados sim-
plesmente com o g'ao 5, Lucrecio Augusto Mar-
ques Hibeiro, com o grao 3, Raymundo de Miran-
da Osorio e Eudoro Emiliano de* Carvalho.
A alfan Jega rendeu de 1 a 25 de marco
2,807:9024443.
Eis as noticias commerciaes da ultima data :
0 mercado de cambio continuou a mostrar-se
regularniente activo e firme, sobre Londres a 26
d. papel baneario, 26 1/8, 26 3/16, 26 1/4 e 26
3,8 d. particular.
De apolices geraes de 6 por cento apenas se
negociou um pequcno lote a 1:0363, a dinheiro.
Nio houve mo imento algum no mercado de
ac^oes. As vendas de cafe foram regulares e as
de assucar pequenasparacoasumo. Nao aos cons-
tou fretamento algum.
BAHIA.
Nada'occorreu digno 3e menea'r.-''
0 cambio regulava sjbre Loadres 26 3/8 d.
por li.
ASSEMBLE* PROVINCIAL
SESS.vO ORDINARIA EM 21 DE MARCO.
PRESIDENCIA DO SR. PBRBRIBA DE AGC'Afi.
Ao meio dia, feita a chamada, acham-se pre-
sences os Srs. : Manoel do Rego, Camboim, Er
nesto Vioira, Arruda, Tiburcio, Olympio Marques,
Balis o Silva. Goes Cavalcante, Firmino do No-
vaes, Goncalves Ferreira. Dario Cavalcante, G.
Gondim, Oliveira Andrade, Soares, J. de Mello
Rego, Aguiar, Caspar de Drummond, Gomes Pa-
rente, Cunha Cavalcante, Domingos Pinto, To-
lentino de Carvalho, Pinto Pessoa. Joao Barbalho,
Portella e Peretti, faltando os Srs. Antonio Pau-
lino, AJvaro Uchoa, Tito, Felippe do Figueirua,
Souza Leite, Travasso de Arruda, Arconcio, All
pio Co^la, Amaral c Lacerda. Abre-se a sessao.
E' lida e approvada a acta da sessao antcce-
dente.
0 Sr. secretario le o seguinte
F.XPED1ENTE :
Um offlcio do secretario do governo da pro-
vincia, transmitlindo por copia o offlcio da junta
admihir-trativa da Santa Casa de Misericordia,
solicitando raedidas concernentes a sustentacao
e melhoraoientos dos diversos ramos de servfoo
a cargo da mesma Santa Casa. A' commissao
de orrjamento provincial
Uma peticlo de Tito Livio Soares, negociante
nesta ciaade, pedindo um priviL gio para fazer
uma estrada de ferro, que partindo desta cidade
va terminar na freguezia da Gloria de Goita.
A' c mmissao de obras pablicas.
Outra de Jose Ignacio d'Avila, arrematante das
obras do pa^o da assemblea, reclaraaudo uma
indemnisacao proveniente, nao so das obras no-
vas e que Bao foram orcadas, como tambem da-
quellas que apezar do terem sido orcadas, para
a sua execuQao accarretaram despezas nao pre-
vistas.A' commissao de obras publicas.
Sao julgados objectos de deliberacao e vio a
impnrair os seguintes projector:
A assemblea legislativa provincial resolve :
Art. I." A forca policial para o anno finan-
ceiro de 1874 a 1875 6 fixada em 1,400 pragas.
Art. 2.* Esta forca se compora de duas sec-
;oes. .
a % \. 0 actual corpo de policia, que Qca re-
duzido a 500 pragas e sujeito ao mesmo service
em que ora se eraprega. *
| 2. Uma guarda local de 900 pracas que
serio dislribuidas pelos municipios ou parochias
conformo sua importancia e necessidades do ser-
vico.
Art. 3. Esta guarda local sera destinada ao
servico policial dos municipios, ou paroehias
onde for organisada, e nao podera em caso algum
deslacar para fora dos mesmos.
Art. 4. Nao tera organisacao ou apparato mi-
litar e sera comraandada por um commissario
de policia e um sargento.
c Art. o.' Os vencimentos do commandante,
offlciaes e pracas do corpo de policia serio os
mesmos que actualmente percebem.
a Art. 6. 0 commissario veneera annualmente
a quautia de 8001, o sargento a diaria de 1*400
e os guard as a de 1*000.
rt. 7. A forca policial sera paga :
i | l. A 1* seecio pelos cofres provinciaes.
" i i. A 2' com o producto dos impostos de
l.qua trata o decreto n. 2,395 de 10 de selorabro
do anno passado, e o auxilio pecouiario que o
governo geral em sua circular de 31 de dezem-
bro do me3mo anno prometteu solicitar da as-
semblea geral legislativa.
Art. 8." Os offlciaes e pracas do actual corpo
de policia que por forca do Is do art. 2 forom
dispensailas poderlo ser aproveitadas pars a
guarda local.
o Art. 9.* 0 presidente da provincia expedira
os regulamentos que julgar nscessarios para a
organisacao, discipline e ecoqomia da for?a po-
licial.
Art. 10. Fica revogado o art. 3 da lei o. \&>
de 2 de marco de 1868.
c Art. II. Continua em vigor o art. 7 da lei n
1,091 do anno passado. Revogadas as duposicoe
era contrario. Sala das commissdes, 19 de marr
de 1874.~Oliveira Audiode. Gomes Parente.
Pinto Pessoa.t
a A commissao de petigojs tendo exam:
nado a de Francisca Seraphico de Assis Carva-
lho, professora publics de instmccio primaru
Ua cadeira de Nossa Senhora do u' de Maran-
goapp", em que pede um ans* de Hceoca c ..
seus vencimentos para iratar-.-e de a n bronchi:
eh Milieu e, considerando a commissao em vista
de sua allegacao e attestadu medico com qn>-
documentou sua peticao, ser de justira o qu>>
pede a snppli.-ante, o de par o-r pi seja defe-
rida sua peticao. adoptand > se o segainte pm-
jecto de lei :
< A assembled provincial legi>Iativa resolve :
* Art. unico. Fica o presidente da provincia
autorisalo a conceder a Francisca S -rapine > d.-
Assis Carvalh). professora de instruccao priraa-
ria de Nossa Seahora do 0' dc Maranguape am
ano de licenca com seus vencimentos para tratar
de sua sauie. Revogadas as dis'Kisii.-Oes em con-
trario. Sala das ejramissoes, t" de marco d-
18-74. Domingos Pi*lo.Olympio Marques.*
oreh:m do dia.
Contimia a 1' discussao adiada do projecto a.
75 de 1872, antorieando a construccao de uma
estrada que, partindo de Ribcirao on Aripibu va
terminar na villa do Bonito. -E' sem debate ap
provado.
E' tambem sem Mats rejeitado em I discus-
sao o projecto n. 'i3 de I860, marcando o praz .
improrogavel de 6 mezes para a liquilacao da
liecima urbana em atrazo, e contendo outras re
lativas ao pagantento da mesma decima.
Sao approvadas em 2' discussao > remettuta.-
a commissao de inisrtiii as emt ndas apresenta
das em 3' ao projecto n. 62 de 1870, isentand
de impostos provinciaes por 10 annos a Is dt
carneiro preparada na provincia.
Entra em 1' discussao e igualmente appro
vado n projecto n. 'i-i de 1872, revogando o ait
1 da lei n. 771 de 11 de julho de 1867
Segue-so linalmente a S" discussao do project
n. 7 do anno passado, autorisando o president
da provincia a eontr.it ,r o u.-tabeLciment > de
trilhos de madeira e ferro nas ruas desta ca-
pital
Reconhecendo se nao haver numero. fica a
discussao adiada.
0 Sr. presidente designs a ordem do dia se-
guiule e levanta a sessao.
Ada da 19' sessao ordmaria da assemblea pro-
vincial de Pernambuco, em 23 de many de 1874.
HUHBMHCIS DO SR. AOLIAH.
Ao meio dia, achando se presentes c s Srs. de-
putados Souza Leite, Alipio Costa, Ratis e Silva
Lacerda, Camboim, Fi'mino de Novaes, Tulentin
de Carvalho. Ernesto Vieira, Pinto Junior, Alvsr-
Uchiia, Dario Cavalcante, Uliveu a Andrade, Gon
dim, Antonio Pauiiuo, Olympio Marques. Ssnna.
Cunha Cavalcante, Aguiar, Tiburcio, Goncalv*.
Ferreira, Pinto Pessoa, Portella. Joio Barbalhv
Caspar de Urummond, Goes Cavalcante, Herelli
Felippe de Figueiros, Mello Rego e Gomes Paren
te, faltando os Srs. Tito, Travasso de Arruda, Ar
concio, Manoel do Rego e Amaral, o Sr. presi-
dente abre a sessao.
Lida a acta da sessao antecent*. e approvada.
0 Sr. 1 secretario da ccnla do >cguinle expe-
diente :
Um officio do secretario do governo da provin-
cia, transmittibdo, per copia, o reqnerimento df
Jos.1 Augusto de Araujo ao Exm. presidente da
provincia. pedindo que se consider.? caduco o cca-
trato feito com o barao do Livramento pma
calcamento da cidale, abrindo-so nova coacama-
cia.' A' commissao d= pcticoes.
Ontro do mesmo, remettendo o oreamento d.t
receita e despeza da camara municipal da villa ds
Boa Viita e um projecto do posturas da ine-ma
camara. A' commissao de oresawMO e de pos-
turas.
Uma pelicao de diversos habitaates do raaaiet-
pio de Agua Preta, soonrca de Palmares, pedind
a divisiio daquelle municipio. A" commissao d*
estatistica.
Outra de Jose Cnaegundes da Silva, tenentj
aposenlado "lo corpo de policia, pedindo melhora-
mento era sua aposentadoria. A commissio d-
petiijues.
Outra do capitao Joaquim Luiz Viraes, psdind
que se lhe eoaceda por espajo de !"> annos fazer
o servico de carregamento de assucar. do arco da
Concei(*ao para os armazens. pesar e euibarcar
mesmo genero, bem como o desembarque da.-
carnes seccas, encarregando-se tambem do entre-
gal-as aos sens donos. A' commissao de pe-
tieoes.
Outra do padre Ignacio Francisco dos Santo-,
professor de latim do gyranasio, pedindo que seja
incluido na sua jubilacao o tempo em que grs-
tuitamente regeu a aula de lingua nacional n
antigo lycen. A' commissao de peticfes^
Outra de Guilheriuina Maria da I'onceiQao, pro
fessora interina da povoacao de Gravata de Js-
bun'i. pedindo para ser nomeada professora effec-
liva. A' commissao de peticfes.
Sao lidos e approvados os pareceres : da coaj-
missSo de constitoicao e poderes si-bre o projecto
dd lei nao sanc:ionado, de 9 de junho de 1873, <
outro da commissao de redaceao, acerca do pro-
jecto n. 62 de 1870. E fica adiada por 48 horas
a redaccao das posturas da camara municipal de
Bezerros, a requenmento do Sr. Goe= Caval-
cante.
ORDEM DO DIA.
Eutra em lJ discussao e e approvado sem de-
bate, o projecto n. 42 de 1873, que eleva os vea-
cimentos do3 guardas da casa de detencio, e apis
este e tambem approvado em 2" discussao o Je
n 69 de 1871, que manda pertencer a freguezia
da Santo Antao os terrenes do cngenho Casspo
Alegre.
E' rejeitado em I' discussao o de n. 130. d
1868, que manda vigorar a lei u. 369. depois <
oraro Sr. Ratis e Silva.
Em segnida sao approval, s: em 1' discussao
o de n. 28 de 1873, que autorisa a con. truccao 4e
uma ponte sobre o rio Ipojuca, no lugar Salgado.
orando o 5r Ratis e Silva em 2* o de n. 103 da
1872, que manda pertencer ao districto de Assn.
rema, do municipio de Aguss Bellas, o quarteirio
deoominado Santa Clara, do 1* districto de Boiqae.
orando sobre este os Srs. Ratis e Silva e Emetfr
Vieira.
Finalmente entra em 2' distussao o project)
45 de 1873, intorpretando o art. 8* das postnra-
da camara municipal do Brejo, approvadas pels
lei n. 1,050 de 4 de julho de 1872, e nio haves*!*,
numero para votar se, o Sr. presidente levaata a
sessao, tendo designs Jo para ordem do dia o se-
guinte : continua .ao da antecedente, discussao do*
projectos de lei nao sanccionados t* discuss*
dos projectos ns. 4, 5, 6 e 7 deste anno.
Joao Jose Ferreira de Aguiar, presidente. -
Joaquim Correia de Oliveira Andrade, 1* secreta-
rio. Felipe de Fiqueiroa Faria, secretario.
SESSAO ORDINARIA EM 23 DE MARCO.
I'KKSIOENCIA DO SR. FERREIRA DS A(it:Art.
Ao meio dia, achando-se presentes os Sr*.
Souza Leite, Alipio Costs, Ratis e Silva, Lacerda,
Camboim, Firmino de Novaes. Tolentino de Carva-
lho, Ernesto Vieira,Domingos Pinto, Alvsro UcaBa,
Dario Cavalcante, Oliveira Andrade, G. Godim, Aa-
/



-a-


*
^iario de Pernambuco
1
.oira 1 de Abril de 1874.
Cnnha
I
.
tonio Paulino, OlvsiNo ^arques. So* res,
Cavalcante, Aguiar, filrnrfl> dJ Majaihaajj, (ion-
calves Forreira. Pujto M>r Portell.a, J mo Bar-
balho, Gaspama?DrttuJmond) Goes Uvateante,
Peretti, FeUoMU Figu^oa, J- Mello Rego, e Go-
mes Parente,rfclunrto os Srs-: T,t0' Travasso de
Arruda, Areeacio, Mjanoel do Rego. e Amaral, o
Sr. president ivi.e JT sessao.
Lida a acta 'a Sessao antecedent, 6 appjo-
vada. JT
0 Sr. secretano da conta do seguinte
EXPEDIENTS: :
Offlcios:
Do secretario do governo da provincia, trans-
mitliudo por copia o requerimento de Jose Augus-
to de Araujo, ao ExiajLpresidente da provincia,
pedindo que se considjft caduco o conlralo feito
com o barAo do Livrameato para o caljameato da
cidade, abrindo-se nova concurroncia. A' com-
missao dc peiicoes.
Do mesmo, remettendo o orcamento da receita
e despeza da camara municipal da Villa da Boa-
Visla e um pmjecto-de posturas da raesma cama
ra. A's eommissdes de orcamento municipal e
de posturas.
Peticoes:
De diversos habitants do municipio de _Agna
Preta, comarca de Palmares, pcJmdo a divisao da-
De Jose Cuuegundes da Silva, tenente aposenta-
do do corpo de policia, pedindo melhoramenlo em
sua apasentadoria -A' commissao de pelicdis
Do capitao Joaquim Luiz Viraes, pedindo que so
Ihe conceda por cspacode 15 : vi-jo de carregamento de assucar, do arco da Cou
eeiclo para os armazeiH, pesar e embarcar o me.*-
mo geaero, hem como ofleseinbarque das caraes
seecas, eucarregando-se tain bom de enlrcgalas aos
seus donos A commissao de petiooes.
Do padre fgnacio Francisco dos Santos, profes-
sor de latim do gymnasio, pedindo para ser inelui-
do na sua jubilacao o tempo em que gratnilamente
regeu a aula de lingua national no antigo lyceu.
A' commissao de peticoes.
De Guilhermina Mafia da Coneeicao, pre fessora
interina da povoacao de Gravata de Jahurii, pe-
dindo para ser nomoada professora elfoctiva.4,'
commissao de peticoes.
E' lido o seguinte paiecer:
A commis-ao de coustituicao e poderes, exa-
minxnde devidamente as razoes produzidas pelo
Rstn. prcsidente da provincia, para negar sancoao
ao projeeto de lei de 9 dejnnho de 1873, appro-
vado por esta assemblea, que considera como or-
denado a gratirlcacao concedida pelo ariigo 2 da
lei n. 771 de II de juiibo ile 1867, aos escrivaes,
contador e offreiaes dos feitos da fazenda provin-
cial, e coiisidcrando procedentes t es razees ; e
de parecer que es!a assemblea as aesite, sendo no-
vamente submettido a discussao o referiJo pro
jecto, na forma do artigo 15 do acto nddicional.
S. H.Sala d.is eomraissSes, em i'i de marco de
187i.Antonio Paulino. V. Cavulcanlc.
Vem a mesa e sem debate e approvado o se-
guinte requeriment >: Requeiro o adiainento do
parecer por 18 horas Goes Gayrilchntt.
Pica, portanto, adiada a discussao.
E' lida e entra cm discussao a reJaccio das pos-
turas de B'zerros.
que trata o projesto, esta em
03DKM DO 1)1 \.
Sao sem debate appruvados, uada um por soa
vez: em la discussao 0 projeeto n. 'ti de 1872,
idevand > os venciment js dos gnanlas da casa de
defen$an ; e em 2* o do n. 00 de 1871. inandando
pertenccr a treguem do Santo Antao, da cidaJe
da Victoria, todos osterrcnos do engenho Campo
Alegre.
Ei.tra em l4 discussao o projeeto n. 120 de I868-,
mandan lo vigorar a lei n. :)09.
O S?-. JiaJtM c Mii-.i : Sr. president'., a
lei n. l;i(i'.t, a que se refers o projeeto que se a-ha
'.ra discussao, i5 a que reggla a in-tenccao pn-
inaria.
0 Sn. Ioao Hui'iM.n i: E que esta em vigor.
0 Sn. K.vris b S.i.w :NVi i-abiae item sei.se
ha outra lei qao a leoha r< vogado ; diz-mc o ao-
hre deputa lo, director da instmcrele pnblica, que
e*la em vgor. Era mesmo o que me parecra;
assiui como creio qao ftrta i cm vigor as i-istruc-
;oes de 30 de jaiilio.
Se, pois, esta em vigor a lei regulamentar da
instruccao pfimaria e io!> u re^ulanteat) de ju-
nho a eiia saacxo, e clan quo uao tern esta pro-
jedo razii nenhuma des-r.
Estava para ped.r acerca dijto csclarecimentos
ao m?u oobre coilega, director da iostraeclo pu-
blica, elle ja me satisfez com o aparte, que se
digflon dar-me, dtzendo quo a lei n. 1369 de
10 de maio
vigor.
Bo, portanto, declaro que voto contra o project)
por nao tor lnje razio de exi-!en;ia; creio mes-
mo que nur.ca a leve.
Ninguem msU pediQdo a palavra, proc.ed'>ii-se a
votacao, e o projeeto rejeitado.
Segue-sea i'discassao do de n. 28 de 1873,
autor^sand) a constraccao d-s uma ponte sobre o
rio Ipojui'i. no lagar denominado Salgoeiro.
O Hr. il-.\tit i' Silva :Sr. presidente, cu
mejalgava dispensado de jostiQcar a utilidade e
Mivemencia puiiiica, que resulta d^ste projeeto,
visto que se irata da construcjao de uma ponte.
0 Sn. Oi.ympi i Marooes :Em lugar de muito
lransito.
0 Sa. Ai.iri i Costa : -An Jado.
O Sa. IIatis e Silva : Sobre o rio Ipojaca, na
estra la que condnz a viMa de N.'-sa Senhora
do 0'.
Conbeco prfeit imente esse lagar, e voto a fa-
vor do prnjicto, porque sei que a construccao
dessa ponte 6 .!= incontestavel ntilidade p'i-
blica.
Dm Sa. Dhputam : E muito urgente.
0 Sn. Raiis r. Silva : -A e?trada que condnz
a NossaSenhora do O' e bastantementc transita-
da, e niio se node chegara essa villa sen se aira-
ve-sar o rio Ipijuca, que, eomo loioa sabem, e
profundo. navegavel e ;tt'- ne b entrain as mares.
0 Sn. Oi.v.mi'io Marquks : -E' aavegavel alii.
0 Sr. Frlipm i>:: Pioi eiko\ : -Eprofandi tarn-
hem i; a mfoerra dos nossos cafres.
JO Su. Hatis e Silva : ^:W, ma< a economia
nao esta em i i nio votar as despezas, que s,lo
absolotanicnte ncccssarias; a economia esta em
saber-se gastar: gaslar-so omente com aqaillo
jne e de absokita ne sossi I le.
Se nao votarmos a favor de despeias para a
onstracc/io de pontcs e esiraias, a favor de que
vi-taremos ruis t
0 Sa. A. Lacerda :Apoiado.
0 Sn. Ratis kSilva :Se nao Dzermes bene-
ficios materiaes, poderemos dar um passo adiante
dfimembra..ao desse qaarteiria para near pertcn-
enndo ao di
Pec> *h nihres dopatados,
sl^naiariis d'o'projc.io'qae- me" di! esclarecrmon-
tes qae me habiliiem a pwstar-lln o-iiijh voto
oonsciencioso, do contrario.me verei foycadp on a
votar a favor sem razao, ou a votar contra, o
na"o desejo.
0 Sr. Felippe de Figiiriroa : -E' o qae fago,
voto contra.
0 Sr. Vieiba de Mello :Sr. presidente, voa
pela segunda vez dar as informa^oes qua:.:pede o
nobre deputado polo terceiro disiricto, sobre a
utilidade do projeeto, que se dicute.
0 Sr. Ratis e Silva da um aparte.
0 Sr. Vieiba de Mello :Esta V. Exc. perfei-
tarnente enganado, i; esta a segunda vez que, a
seu convite, me dirijo a casa para justilicar o
project) de que sou signatario, e que agora ociu-
pa a nossa attenca'.
Nao ha muilos dias, quando este projeeto eh-
trou em primeira discussao, o nobre deputado
pedindo a palavra dcclarou que nJo ioneorreria
com oseu voto para ser elle approvado, sem que
losse devidamente iuformado por algum de seus
signatarios....
0 Sn Rtis e Silva :Ah I ja m$ nao recor-
dava.
0 Sr. Vieiha de Mello :.... afim de formar
u:n juizo seguro sobre a sua utilidade.
0 Sr. Ratis e Silva : Sao tantjs otprojectos
alierando os limiles das freguezias e dfstrictos do
sertao, que ja me nao recordava desle.
0 Sn. Vieira de Mello : Fiz ver ao nobre de-
putado que o projeeto foi apresentado por alguns
deputados do 4* distrrcto, em victude de reclarna-
C06S havidas constantemente por parte dos habi-
tantes do lugar denominado-Santa Clara. -Alle
gavam cllcs que sendo esse lugar muito distanie
do disiricto lo Ruique, era de tida a justica que
fosse delle desmembrido para ficar pert-mcendo
ao de Aguas-Bellas, do qual dista apenas duas
legnas.
Ora, pareeendo-nos que nenhnm inconveniente
poderia resultar de semelhante alteraea), eu e aL-
guns collegas de distrlcto, sujeilamos a considera-;
piio da assoroWea 6 rjresente projeeto. Eniretanto
ao nobre depuiaio eabe o direit) do examina-lo,
e ate mesmo de votar contra o quo elle dispde,
sem que oup 'ssa por isso ficar eontrariad).
0 Sn. R\tis g Silva : -Nao ; voL) a favor.
OSn. Vieira OS Mello :Entao ja vejo quese
mostra satisfeito com as explicates dadas.
0 Sr. Ratis e Silva :Estou ; e desculpe-rae
se o incommodei, obrigaado-o a vir da las pela
segunda vez.
0 Sr. Vieira dk Mello : Nao senhor ; V. Exc.
nunea me ineominoda.
Ninguem inais q lerenio a palavra, procede-se
a votacao e e approvado o project).
Segue-se linalmente a 1" discussao do de n. 45
de 1873, intorpretando o art. 8" das posturas da
camara municipal do Brejo.
Reconbeeendo-se nao haver numsro, fi.'a a dis-
cussao adiada.
0 Sr. Presidcn'e marca a ordem do uia se-
guinte e levanta a sessao.
liavia iiquelle pratt-
REVISTA DIARIA.
Ass.-ai:.:-;--;i [>r<\ Encial. Hmtem func-
cionmi com 33 seuhores depuiados, sob a presiden-
cia doSr. Dr. Aguiar.
Approvada a acta da sessao antecedent?, o Sr.
I.* secretario leu o seguinte expeJienle :
OiTlcios :
Do secretario do governo da provincia, remet-
tendo o relatorio, o ureamento da receita e despe-
za da camara municipal de Olinda, com as respec-
Uvas contas. -A' commissao de orcameato muni-
cipal.
Do mesmo, transmittinJo as conlAS das despazas
e o or.^imeiito da eamara municipal da villa do
Cabo.A' commisiao de orcameato municipal.
l','ti;o--s :
_De Maapel "aetatio Spinola, professor d3. instruc-
eao pnmaria do gymnasio, pedindo o pagamento
di quantia de l.UMf omo remunericao dos ser-
vicos pre>tadjs a is seus discipulos por exeetso de
irabalho, ensinando-lbes a tarde.a" commissao
de peiicoes.
De Francisco Amerieo de Aragao Rabello, con
doctor das obras pablicas, pedindo uma graiilica-
;ao p>r ter p.xercido inierinamente a< funccoes de
engenlieiro do 1 disiricto. -A' commissao de or-
denados.
Do Dr. Luciano Xavier de Monies Sarmento, ci
rar/iio do hospital Pedro II, pedindo um anno de
licenca com tod os os seus vencimentos a' com-
missao de pelifoes.
De Loureaco Justiniann da Rocha Frreira, bar-
beiro do hospital Pedro II, uedimb uma inderani
sao&o pelo accresoimo de scV'.ico quo tern tido.
A' commissao de peiicoes.
i)j ihi n iu! i i A
uni^n) rrn
ahecid
Chegado quo fji ao
i^Bffto'F >e:n a"
lihotTOAsw eslav.i presenter
yp iujiiiisia* que, di ia
Ucflp*M^jher.
sto monvou uma troca de razoes. entre os dous,
e, em pouco terminada, retirou-se Andrade Lima
para sua. casa.
Suppondo i|ue nada mais se desse de :desagia
davel, Maria Ignacia tornou .ao iniorior de.sua
easa e ahi conversava cok algamas visitas, quan-
do percebeu que Andrade Lima havia tornado.
Receiosa, corre a sala da freute em procura
de jeu marido, e alii nao o vd ; pass a ao oitao da
casa, e eis qj}e encontra seu inarido a ser esto-
queado por &dre.
Grita ao perverso que nao a,sassioe seu rta
riJo Era tarde : icente vajquejava os uitiuios
arrancos ; e I'jdre respondeu ao grito afflicloaa
infliz, atirando ainJa uma esto:ada, a ultima no
ja quasi cadaver da seu rnarido ; e desappa-
receu.
Ate rorisada, Maria Ignacia com a^scena hor-
rivel que llic ferira os sentidos e alma, medrosa,
naturalmente, de que o mesmo Hie aconteoesse,
nada deliberou acorca do enterramento do .cada
ver de seu. rnarido ate a tern-feira, em que a isto
foi obrigada pelos cffeilos da decomposicao que
comec . Saliio a desventurada a esmolar-lhe a covaj <
que consegnio.de 6 ou 8pessoas caridosas,se mai
que Ihe fosse dada a*sepultura na capella do
engeaha Ahleia.
12 tudo licaria nisto, se, ao chegar o cadaver a
capella para sir inhumado, aco;npanhado da com-
petente iicemja do proprielario do engenho, que
pur achac-se doente a concodera a pedido de uma
das pessoas aue haviam concorridopara o enterro,
,sem tor verifioado as causas da moite : o Sr. Dr.
Joaquim Francisco de Arruda que alii estavapre-
sente, perguntando" a eausa da. morte de Vicente
Ferreira, e dizendo-se Ilin que fura casual,- for
ter atravessado o peito cahindo sobre um prxnal,
que kvava, nao suspeitasse do caso, e naiJWsse
levado a ver a ferida. Rasgando'a roorwlrfNte
morlo, verifira'que nao um, mas di versos, tinham"
sido prat'eados no Uvnco. Nao obstante aquella
descoberta os conductores ^do cadaver fizeram no
sspullar-
Do conhecimento, pois, que teve o Sr. Dr. Ar-
rudi, desse crime, pracedeu o boato de que ja nos
oceupamos, o qual chegando ao da policia,,
occasionou a impartante diligeocia que o Sr.
Dr. chefe de policia acaba de effeclu<.r com
applauses geraes e jus a consideracao do gover-
no, por mais esta victoria do actividade e zeio
no cumprimento dos deveres que estao commetti-
dos a S. S.
, existentes
no armazem
, j*0 de marco
"SW
da casa
am presos
rft7, entraram J, safiiram 3
exis-
>argsdar Souza; \*&i: ^ aindM W Pw T* Hoc abi sc conla o
1 supremo tribufhl de justica. Ya'rv,r ...
D maw qua se faca, tudo i |k-to para os ojjr
Felippe Brasilino de Andrade Lima aeha se
preso como aiuor da, morte de Vicente Forreira
Cavalcante; continuando a policia cm uovas in-
vestiga^oes.
'ivcriiu do bispado. 0 expediente do
bispado, depois das le/kis da Semana Santi, pas-
sa a ser dado no semmario de Oliuia, das 10 bo-
ras da manha as 3 horas da tarde.
Dinbeiro. 0 >'apor South America trouxe
2:000^000 para Maaoel Martins Fiuza.
- Os vapores Mmdahn e Ipojuca levaram de
nossa praca p.ira:
Penedo 34:00)^000
Maceid 46:0005000
Parahyba 5 OOOjOOT
t'arcce euidado. Pedemnos para cba-
mar a attencao do subdelegado da freguezia de S.
Jose para u vaia procedimento de uma filha de Je-
rusalem, mortdora na travessa doSerigado.
ktendiamntoH. No m^z de marca arreca-
daram as segaintes reparticSes :
Alfandega 837:288^722
En igual raez de 1873 1.218 3)i02l
Capatazia 190:039^581
Bin igual rnez de 1873 16:687*253
Roct-bedoria de readas geraes in-
ternas 62:9573422
E n igual mer de 1873 tj3:GO!)J3ai
Consula.Io provincial 122.0234987
Em igual nez de 1873 136:045^993
UiHpo RsclonaM 251, pjlheres 8 estrangeiros 22,'
iscravos 34, escrav* 'Total 316.
. Alimentados a cils,a d(?3 w^cs publicos 260.
Movimento da eiifr'ri";ir'a no dia 36 de marco de
1874. ,
Teve baixa: ..
Joao I'ereira Gomek eo,!ca-
Jose Ignaoio FerreirVLim*' sarnas.
Tiveram alta : k '
Manoel Bo Ventura di^flrt*!
Manoei do Espirito Santo da Silva Corcmba.
Joao do Oliyeira t Silva.
Severinp'Jose d.>s Passos.
PtWwag^'ro^. -Chegados dos porlos do sul
n) vapor inglez Neva:
Dr. Adolpho Lamenha Lias e i criado, J. S.
Zenlia, J. Henschel, Dr. Joao Vieira de Araujo,
Orympio da Silva, B. de S. Campos, Joao 0. R.
Vaz, M. T. da Silva e Mathilda Ferreira.
Chegados no vapor americano South Ame-
rica :
Padre Joao Manoel de Catvalho, Abdisio de Vas-
concellos e Cicero de Ponies Jaragua de Souza.
,yChegad08 no liiate Flor do Rio Grande :
AnJre de A. Cavalcanto e Manoel Jose Monteiro.
Sahidos bara New-York e cscallas:
Tlromaz Camille.
Sahilos para os portos do sul no vapor
MapuIahU :
Gctaljp Siniocs dos Reis, Jose Rodrigues Bastos
Gielho,"Francisco da Silva Tarares, Antonio Joa-
quim Goncalves, Eug-^nio Casado da Cunha Lima,
Anaro Eleuterio, major jjaquim Justiniano Gdn-
gslves e um criado.
* Sahidos para os portos do norte no vapor
Ipojuca :
t DeSbmbargador Octaviano da Rocha, Antonio
JXulson da Frota, Vicente Candido Ferreira Ton-
rjnlio e um criado, Manoel da Costa Mangericao,
JlenriqueP. Bowel, Joaquim Ignacio P., Manoel
Xuiz wanderley e um criado, Camillo Tavora,
Fabricio Gomes Pedroza, Gustavo dos Prazeres
Bram, Antonio Jose da Fonceea, Francisco Monte
Giipho, J. Adolpho Oliveira, D. Florinda Eulalia
Costa, sua mai e 3 filhos menores, J. W. Graf,
Leopoldo S. de Vasconcelloi, Francisco Nunes da
Silva, Dr. Jeronymo Cabral Rodrigues Chaves,
Dr. Cicero de Ponies, Graciliano Costa Menezes,
Lourenco Antonio Bezerra, padre Joao Manoel de
Carvalho.
Itevisia civil
Reborreute D.
to, rccorridos. Joaquim Pereifa daTvicSria e sua
mulhen.

Pfaiftisca MaV.a Jv Espirito San-
. ^-xAgKravosdepeltfao.
Ao Sr. ^ese^tiargador Sonz
ao eaminho da civilisa^ao e do progresso
O Sn. Feuppe de Fici kiroa :- A qnestao e qae
nao quero ser forcido a crear novos imposios ;
por isso, vou volando contra tudo que tender a
augmentar as despezas.
0 Sr. Ratis e Silva :Entao nao sei o que vie-
mos fazer a esta casa.
0 5n. Oliveira Amhiade :Fazer umas
no orcamento.
0 Sn. Goncalves Ferreira : Fazer econo-
mia?.
0 Sr. Ratis n Silva: Economistsf Por isso
somente nao precisavarcos vir aqui.
aparas
0 Sa. Oliveira Andradi; : Oh P
ns
V,;'. i \
ssem-
Quern mais competente para i>so do que a
blea provincial ?
0 Sr. Ratis e Silva :Pois eu declaro ao nobre
deputado que, sem altender ao estaio dos cofres
publicos, estou sem pre prompto a votar a favor de
tudo que for midlioramento material.
O Sr. Oi.vmiio Marqucs: Isto mesmo e eco-
nomia.
0 Sr. Ratis k Silva:Nao qu-;ro saber se os
cofres provinciaes podem oa nao : se nao podem
boje, poderao amanha; ao menos flqne a moJida
antorisada. e a tudo o tempo que se poder far-
se ha a tWspeza.
E' melhor assim do que deixar de votar por
medidas tao convenientes'ie urgeutes. Sr. presi -
dente, p'edi a palavra somente para fazer sentir
a neeessidade dessa ponte aos nobres deputados
que nio teem eonhecimeoio da utilidade que des-
sa oonstruccao node rfsultar.
Receiava que por falta de conheciment* dessem
a morte ao projeeto. Estandoeiieem I" discussao.
nao ha inconveniencia nenhuma em deixa-lo pas
ear; na 2" discussao aprescntarao as emendas que
Juwerem. Mas seria grande inju-tica rejeitar em
" discusslo um projeCto que consigna medida de
tao grande necesidade.
OSb.Olvupio Maro'Rs:- De primeira intn'>4o;
4e uma necessidade manifestamente reionhe-
cida.
Nao havendo mais qnem peca a palavra, encer-
ra-ie a discu-'io e 6 approvado o projeeW.
Entra em 21 discussao o de if. 105 de 1872,
mandando pertencer ao disiricto de At'surema, do
municipio de Aguas-Bellas, o quarteirao denomi-
* nQSa dU Claril' do l d',8trit do Buique.
. ui",iV^I'SBS,LVA :"~Sr- Presidante, nao es-
tou habilHado a dar o men voto pro nem contra o
p-ojecto quese acha em discussao. porque nao
eenaecoaloealidadea qae elle se refere. Nuuca
a Aguas-Bellas, e, portanto, nao sei se(
fi: !', lia cenveniencia e utilidade
^ Da confraria do Nossa Senhwa do Ampara de
Goyanna, pedindo um subsidio para a conclosao
das obras da mcsmi igreja.A' eommissai de or-
Qamcnto provincial.
Foram lidos e approval is dous careeeres : um
di commissao de peticdes declinando para a
de legisla.ao a pelir^ao do Dr. Augu-io Carneiro
Monteiro da Silva Santos, e ou'.ro da commisno do
obras pnblicas, deferindo com um projeeto a neti-
cao do coronel Luiz de Albuquerque daranhao, o
qual foi julgado objeeto de deliberaolo e maadado
iinprimir.
I'assando a ordem do dia, f ii approvado, sem
debate, em 2' discussao o projesto n. 9 deste an
no, que fixa a forca polieial e bam assiui a redac
caa das posturas di camara municipal de 8e-
zerros.
_Continuando a discussao do parecer da commis
aao de policia, sobro a reforms do regimento e
snbmettido a discussa) oari. 20, justilicou o Sr.
Manoel do Reg) e mandoa a mesa uma emenda
sulislitutiva, depois do quo oroo, pela or Jem, o Sr.
P ii : l.'a. sendo aflnal approvada a emenda. E en
trando em discussao a pane da iudieacao que so
refere ao art. 21 do regimento, o Sr Manoel du
(lego mind in ;i i: csa uma emenda suppressiva, a
qual apoiaJa foi posta em discussao; mas verifl-
eando-se nao haver numero para votar, o Sr. pre
sidente levaotou a sessio.
A ordem do dia para Inje : e coniinuacao da
anterior; I" lisctttstto dos projectos ns. 15, 16 e
18, e 2a d)s de ns. 8 e 10. lodos deste anno.
C'ollcctoi'ia itroTinciul. Por porlaria
da presidencia da provincia do 28 do passado, foi
nomeado fis :a! inierino da collec-toria provincial
da cidade da Escada, o bacharel Cicero Anatolic
Vieira do BrasiL
tiaarda iiucioua!.Por porlarias da pre-
sideneia da provincia, de 28 do pas*ado. foram no
meados:
Para o 12." batalhio de iafanteria da municipio
de Goyanna : tenente cirurgiao, o guarda Epipha
nio Jose ^a Silva; 1." companhia alferes os guar-
das Jose Joaquim Gjaies de Souza e Angusto Fro-
derico Vaz CuraJo ; 3.* dl-.a, alferes o guarda Jo-
se Nunes Monteiro Sobrinho; 4.= dita, tenente o al-
feres di mown Jose Bernardo de Oliveira, alferes
o guarda Manoei dos Santos Leal; 5.* dita. capitao
o tenente da 7.* .Man el Uarbasa Cordeiro, tenente
o alferes da 3.* Elias Jose de Mello ; 6." companhia,
tenente o alferes da I.' Benvenuto Pinheiro de
Mendonea, alferes o guarda Antonio de Deu-; Be-
zerra; 7." dita, lenenie o alferes da 1.* Francisco
Guedes do Espirito Santo ; 8 J dita, tenente o al-
feres aggregado Lydio Mariano de Albuquerque,
alferes o guarda Philalelpho DalUno Francisco de
Mello.
Para o 13* bataliiao de iafanteria, do mesmo
municipio : i.' cmipanbia, tenente o alferes da 7,"
Jose Pereira de Albuquerque, alferes o guarda II
defon-o de Albuquerque Me.'lo ; 6." dita, tenente o
alferes da 1." Joao Antonio Rodrigues Coura ; 7.
dita, alferes o guarda Joaquim Gomes de Mello
Rezende ; 8." dita, tenente o alferes da mesma
Horculaao Bezerra de Menezes, alferes o guaida ,03-
I/iurenco de Barros Passos.
uasHinio. Regressoa honlem pela
manhi do termode Pao d'Alho, o Sr. Dr. chefe de
policia, que ate alii fora proceder as necessarias
aiHgeneiM, afim de venlicar se havia oa nap sido
assassinado Vicente Ferreira Cavalcante, omo por
aqui se propalara no sabbado ultimo.
Assim que alii chegou, mandou o Sr. Dr. chefe
de policia effeetuar a exhumacao do. cadaver, c
isto feito, seguio-se a autopsia do mesmo, que per-
mittio chegar-se a verificafao do seguinte :
Ter sido Vicente Ferreira Cavalcante assassina
do com diversas cstocadas : a 1* inciza na face
tribunal de ju-lrja, de 21 Ja mar^ i, tratou-se do
processo contra a bispo diocesano do Para. Feito
o relatorio pelo ccnselhcira Villares, tornou-se se-
creta a sessao.
A Reforina, Ja corle, diz que esse diocesano foi
pronunciado no art 96 do codigo criminal, pelos
votos dos Srs. Veiga, Simo )s e Valletaro.
Verias rorenscsi. -Conecam" hnje as de
nominadas da Semaua Santa, *.uo vio ate 15 do
corrcnte.
Para a K-:ropa. Com i7 recebidos em
no-so porto, levou o Neca 2*9 p&&~~''-
Ivtn (r.tiixito. No Souli .!..,/-v-.
do sul do imperil com destmo ao Para e
York, 26 passageiros.
Atlminiatracao ds cura-cia. P.,r por-
laria de 17 do passado foi nomeado Joao Bap'ista
Gomes Penna, ageale do orreio na Villa do tlbo.
Rua doSocego. Mora lores dessa ma,
na freguezia.da Boa-Vista, uas informant que lwn-
tem pela manha foi alii surrado, com uma tirs do
couro cru, uo meio da rua, um rapaz por sea jro-
prio irmao, sem quo a autoridaie .do quarteirao
provideneiasse. Recommen-Jamos osse fa:to ao
digno coronel subdelegado.
Kestiaiia siaaia. Recommendamos aos lei-
tores o artig) que, sib o litulo At sete palairas
de Jesus C'irist >, tra.ascreve.n is hoje em nossa 8.J
pagina, devido a penna do iilustrado cscriptor por-
tuguezCrnill i Castello Branco ; bem como o liido
cantico Stabat Mater.
t -i-.-;ii-tia<-I'M"* [troviiiriacn. -No di i
16 do corrente vao a praca, perant; a junta da ihe-
souraria provincial : os reparosda iioniba n. 2 no
7 lan^j da cstraia do sul, orcados em 1:01U ;
os rcparos da coberia da casa do detencio, ava-
liados em 1:4785 ; e a obra da bomba para opo-
voado dos Monies, onjvla em 1:9805000.
Vapar Ccara. -E' esle vapor da compadiia
brasileira que deve sahir hoje do Rio de Jaatiro
para o norte do imperio ate o Para, tocando por
oscala no Porto da Victoria, capital dirproviccia
lo Espirito Santo.
Intliicrito. Tevo o conveniente de quo se effectuou pela siibdelegacia do Poco da Pa-
nella, a respeito dos ferimentos recebidos"por Ale-
xaodrino Jose Pereira e Jose Pereira da Silva.
Rut-tincacao. -Peb erro de copia da res-
pectiva parte, puidicamos hontera neslifieri$ta,iob
o titulo Bnjoneiaias quo um soldado do 9" ha-
tal ao de infanteria de linha, e que as havia dido
em um individuo ;" tal, porem, naa acoiftecendo,
parque ocriminoso nao 6praca diquelie corpo.as-
slm roctiflcamos, restabelecendo a verdaJe em bem
da m ralidade e disciplina do balalhao allndido
Tiro.No termo da Boa-Vista, Crescendo Jose
Francisco, as I horas da tarde de 7 da corrente,
ferio cr m um tiro a Vicente Rodrigues da Coita.
0 delinquente foi preso em flagrante, e o inque.-ito
a que so procedeu a respeito, ji foi remettido'ao
co:npelente juizo.
Forinionto. -Em 10 do correnls, na fazeada
denominada|Angelico, do^ termo de Floresla, D.
Maria Francisea de Sa foi gravemente ferida, e
ignora qnem tenha sido o olTensor, porque doraiia
na occasiao em que foi aceommetlida.
"afrl>ria datbesnuraria dc fa-
/.onda.Nesla estacao pagam-s3 hoje as segain-
tes fulhas :
Presnlcncia, faculdade de direito, reiacao, prets
e folhas do3 offlciaes, ihesourararia.
Via forroa do CaxanKUf^-O traf''go de
passageiros nesta via ferrea sera regalado pela se-
guinle tabella.
QiUnta /e/ra.-Do Recife a Caxanga -a 1 bora
e 10 minntos, 4 e 10, 7 e 10, e 11 horas da tarde
pala linha principal; 1 liora e um quarto, 5 e um
irto e 11 e o minutes peb ramal dos \iTJiar
CSRONICA Jl'OICIARii.
SESSAO DE 31 DE MARCO DE 1*874.
PRESIDE.NCIA DO FAM. SR. CONSEI.ilEIRO CAE
TANO SANTIAGO.
Senrelario Dr. Virgilio Coelho.
As 10 horas da manha, presentes os Srs. des-
embargadores Silva Guimaraes, Lourenco Santia
go, Reis e Silva, Almeida Albuquerque, Domiu-
gues Silva, Souza Leao e Freitas Henriques, pro-
curalcr Ja ooroa, fallando o Sr. desembaigador
Accioli, abrio-se a sessao. Em seguida o Exm.
Sr. prosidente declarou quo o Sr. deserabargador
Moita, renunciandj o rcsto da licenca concedida
pelo governo imperial, entrara hoje em exerc'cio.
JULGAMSNTOS.
Recursos crimes.
De Limaeiro. Recorrente o juizo, recorndo
Gaudencio Pesquiliano de Mello. Juize3' os Srs.
de>emnargadores Lourenco Santiago, Souza Leao,
Almeida Albuquerque e Reis e Silva.Improce-
deoftdi
Da Imperalrir.-Recorrente o juizo, recorrido
Manoel CmJido Coelho da Silva. Jaizes os Srs.
desembargadorcs Almeida Albuquerque, Silva
Guimaraes e.Souza Leao.Deram provimento.
Aggravos do pclioao.
Appellante Antero de Mesquila. Juizes os Srs.
de-embargadores Lourenco Santiago, Reis e Silva,
e Almeida Albuquerque.Negou-se provimento.
Aggravante Aodre Delzue. Juizes os Srs. des
embargaJores Silva Guimaraes, Freitas Henri-
ques e Reis e Silva.Negou se provimenlo.
Aggravante Manoel Joaquim do Rsgo Albuquer-
que. Juizes os Srs. desembargadores Almeida Al-
buquerque, Freitas Henriques e Lourenco Santia-
go. Negou-se provimento.
sei set com
publica na
apMrier da regiii deltoidiana esquerda ; a i' na
parte superior da me.-ma ; a 8* na rcgiao mama
ria esquerd i, om sentiJo obliquo ; a fc sobre a
regiao cardiaca ; a 5" cntre a terceira e a quarta
costclla direita, interessando o ventricaJo esqtter-
do, causando hemorrhagia mortal, e mais o peri
cardeo e a plaf ra ; a vista da que doclararam os
peritos ler sido a morte resniia lo de um crine.
Eis o quo se saDe deste lamchtavel faeto :
Das 5 para as tt boras da tarde d* dia 21 do
raez ftndo achava-se Maria Ignacia com' sea rna-
rido Vicente Ferreira Cavalcante, a porta de soai
Do Caxanga ao Re.-.ife-as 2 horas e 35 minu-
tos, o o 3o e 8 35 da tarde ; do Monteiro pelo
Arraial as 3 e as 6 horas.
Sexta feira.-Uj Recife ao Caxanga-as 7 horas
e 10 mmulos, 10 e 10 da manba, 4 e 10, e 8 e
10 da tarde pela linha principal; 7 e um quarto
da manha e 8 e um quarto da tarde pelo ramal
dos Afflictos.
Do Caxanga ao Recifaas 8 boras e 35 minu-
to elle 35 da manha, e as 5 e 35 da tarde
pela linha principal; do Monteiro ao Recifeas
8 e :(5 da manha, e 8 e um quarto
ramal dos Afflictos.
O* trens nesses dous dias flcarao na '-Macao das
(Bocioas.
PrcasdentcH do niroviBia.-Cartas da
corie rtizera que, por cartas imperiaes de 23 de
marco, foram nomeados presidente3 de provincia :
do Piaaby, Dr. Adolprfo Lamenha Luis, do-Ce-ir-a.
e-das Ala*
e a 94
qunto da larde, pelo
Dr. Gervasio Cicero ,ie Albuquerque ,
goas, Dr. Joao 'Vieira de Araujo.
LoOrla.--A que bo acha avenda
que -Nao -e timou conhecimento.
Aggravante Jose Ricardo Coelho. Juizes os Srs.
radores Domingues Silva, Freitas Hen-
v i-i**i-,;J,: >uza Leao.Deu se provimento.
Aggravante o barao do Morenos. Juizes os Srs.
desembargadores Domingues Silva, Freitas Henri-
ques e Silva Guimaraes. Deu se provimento.
Revista civel.
Dosuprem.) tribunal de justica. Recorrente o
administrador dos bens da lieranca de Jose Alves
deOliviira Lope3, recorrido padre SimpKeia Bae-
no de Siqaeira c outros.-Conlirmada a senleuca.
AppelJacoes civeis.
Da S. Miguel.Appellante Manoel Corre"a de
Mello, appellada a baroneza de Giquia. Coafir-
mada asentenca.
Do Recife.-Appellante Jose Joaquim Pereira,
appellado Antonio d i Souza Rego. Desprezados
os embargos.
Appellante a companhia de trilhos urbanos do
Recife a Caxanga, appellado Dr. Gosme de Sa Pe
reira Desprezados os embargos.
D) Alagoas.-Appellante o juizo, aopellado Jose
de Souza Ramos. -Confirraada a seo'tenca.
Ha'neas corpus.
Paciente Antonio Rodrigues da Cruz. Relator o
Sr. desembargador Souza Leao.Ficon adiada por
falta de juizes desempedidos.
PASSaGENS.
Do Sr. desembargador Silva Guimaraes ao Sr.
desembargador Reis e Silva :
Do Recife.Appellante i:orlo3 Leelerc, appella-
do Manoel Ferreira P. de Araujo e oalro.
Appellacao commercial.
Appellante Joaquim Antonio da Carvalho, ap-
pellado Jo-6 Joaquim Guerreiro.
Do Sr. desembargador Almeida Albuquerque ao
Sr. desembargador Accioli:
Do Sobral. Appellante Joaquim Ferreira da
Ponlo, appellado Manoel Alfonso Aquino Fonceea.
Do Sr. deserabargador Lourcuga Santiago ao
Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Do Olinda. -Appellante Joao Goncalves Torrej,
appellado Felippe Manoel de Cbristo Leal.
Do Sr. desembargador Dominguss Silva ao Sr.
desembargad jr Souza Leao :
Do Bonito. Appellante coronel Vicente Fer-
reira Padiliia Calumbi, appellado Sezinando Ser-
gio dos Santos.
Do Kecife. -Appellante Antonio Annes Jasome,
appellado herdeiros de Euzebio de Paula Pinto.
DoBonilo. -Appellante bacharel Nabor Carnei-
ro Bezerra Cavalcante, appellado Manoel Felippe
de Mello Lins.
Do Sr. desembarga lor Souza LeJo ao Sr. des-
embargador Silva Guimaraes :
Appellacao crime
Appellante Francisco do Rosario Bran:o, appul
lada a justica.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
Appellacao civel.
Appellante Manoel Joaquim da Silva Leao, ap
peilado bacharel Jose Angelo Marcio da Silva e a
lazenda.
Diligencia civel.
Ao Dr. eurador geral:
Lio Recifo Appellante herdeiros de Doraiugos
Jose Marques, appellada Cecilia, por seu curador ;
appellante o curador da preta Fernandina, appel-
lado Jose da Costa ; appellante Joanna, par seu
curador, appellado Polyearpo Jose Layme.
Diligencia crime.
Ao Sr. desembargador prom.i'.or da justica :
De Nazareth. Appellante o juizo, appellado
Francisco Cavalcante de VasconceHos.
Do Bonito. Appellante Manoel Chaves Camelio
de-Luna, appellada a justica ; appellante o juizo,
appellado Franciseo Antonio da Silva ; appellante
Beruarwno Jo-'e dos Anjo, appellada a justica.
Assignou-se dia para julgamento dos feitos se-
guintes:
Appella^oes crimes.
De Tacaratd. Appellante o juizo, appellado Cos-
me Jose Pereira ; appellante Jo9e Ferreira de
Araujo, appellada a just>ca.
De Floras.-Appellante Francisco Jose de Lnna,
por seu curador, appellada a justica.
Do Re:ife.-Appellante Marcolino & C, appella-
do Nicolao Felipald.
Appellac/5es'iveis..
Do i'ecife. Appeliantea cdrapanhia de trilhos
urbaooj de Apipuu.m/.appellado D,-.
-WO.U, -o-----za Leio :
Aggravanid franciseo Siqufeira Nunes.
Apnellacoe* civets.
Ao Sr. deserabargadarsilva Guimaraes :
Uo juiz commerdw Appellante a companhia
ue seguros aHwrfjfa, appellado Antonio Duarte
Machado. ^r r
Ao Si\4re8einbargajor L0urenco Santiago :
'<, jnizo commercial. Appellante Joaquim Jose
Martins, appellado a administracSo da massa
Amorim, Fragozo, Santos & C.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Do juizo commercial. Appellante Elias Emi-
liano Ramos, appellado Manoel Alves Ferreira.
Do juizo civel do Recife.-j Appellantes Antonio
de Almeida Coelho c outros, appellado Tasso Ir-
mao.
Ao Sr. desembargador Almeida AlLuquerque :
Do juizo commercial.Appellante Augusto Mon-
teiro, appellado Lindston Robilliard & C.
Do juizo civel do Recife. Appellantes Ignacio
Pedro das Neves c outros, appellado Manoel de
Mesquila Cardozo.
Ao Sr. deserabargador Accioli :
Do iuizo commercial. Appellants Jose Bibiano
do 0' Sicupira, appellados Beltrao Oliveira & C.
Do juizo de orphao3 de Campina Appellante a
parda Alexandrina, por seu curador, appellado
Josd Lourenco Porto.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
De Lirapeiro. Appellantes Joao Gomes de Oli-
veira c outros, appellado Jose Francisco de Ar-
ruda.
Ao Sr. deserabargador Souza Leao :
De Maceio. Appellante Dr. Francisco Pinto
Pessoa, appellada a baroneza de Jaragua.
Ao Sr. desembargador Freitas Henriques:
Do Recife. Appellante Agostinho Ferreira Ju-
nior, appellado Emilio Pereira de Abreu.
Recursos crimes.
Ao Sr. desembargador Accioli:
Do Recife. Recorrente o juizo, recorridos Joao
Ferreira e outros.
Da Escada. Recorrente o juizo, recorrido JoJo
Buarque Vercpsa.
Ao Sr. desembargador Domingues Silva :
Do Recife Recurrente Jose Targino Goncalves
Fialho, recorrido o juizo.
Ao Sr. desembargador Souza Leao:
De Itambe. Recorrente o juizo, recorrido Luiz
Fernandes de Mello.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaraes :
Do Pilar. Recorrente o juizo, recorrido Ma-
noel F.ancisco do Nascimento.
Por
t.li..
i dr-
arrasla.dos por uma abwrecida fitaiieia,
a vcnlade par.i plioqitiorearalg.i'ius phrase
le do seus anil^s.
E' incrivel qae ainda nesle secnlo o jnizo uaba-
co seja transviado pela leviandade daquelle*
desejando ser ouvidos, procuram ridicularisar
que ha de mais nobre e mais jagrado no corca:'
do horaem, a religiao.
Erga-se ao menos a sublime e poderoa alavp
ca da imprensa para desmascara los puherisanJ
os ditos pedantescos dos qae esquecem seus dev.
res com offensa da verdade. Eu ref'rrirei o ca<-
Ha poucos dias foi que depararaos com umar:-
gu.to de um jrnal deisa provincia, era que K
disse que o nosso mui re.ipeilavel e dedicado pro-
sidente abandonava o cumprimento de seas deve-
res para entregar se aos terjos que aqui se eH- -
bram, e ate o classificaram de beaio.
Oh I e ridiculo o papcl representado por aq ;
le periodico. E nao menos degradante e o dafiel-
le que transmittio a informarao de bcatimo !
Infeliz gracejo 1
Nao havendo um so facto a registrar eootu -
invejavel adminislracao do actual prcidente d'-.-.
provincia, entendeu a juelle Jomal que devia -
mar a religiao para alvo da seus motejo*.
Parece que o incauto jornal na aoseaeia de roa-
teria para snas colnranas, aiiarra e leva ao i
qualquer informa?io quo encontra, por mais hwxa-
cla que seja, com lanto que escreva.
Mas, a ser assim, onde esta o crilerio do jorca-
lisla
0 assumpto nao admiilc eensura, nem da ra .:.
ria para accusa;ao.
Esqueceu-sc a Pr"*imeia qne aeima della ati. -
se a opiniao publica e o bora coaccito dos homi-r-
imparci.aes,
Apartando se das preeaucoes qoe devia lama,
limiiou se a fallar de um assanpiu I .do particti .
e fora de censura, qual a rfligiao do cidadie.
Onde endicrgiu a Provincia ser incompati
sentimento religioso com a admini^-tracao ?
Nao e antes um dever impTioso do funceMOa
rio publico. ou merino de qnalquer particuUr
neraro culto de Ileus, a religiao do esiada ?
Seria abandonar o cumprimento d- deveres ir -
nobre prcsidente desta provincia ao? terroa para
fazer chegar suas oracoes ale o 'reador ?"
Sco tivesse feito so Ihe cabcria por isoos ma:
encomios, a mais deciiid approvaraa de n
concidadaos.
Uma censura em lal caso nSo passa de uma i;
retica emanacao de algum espirita pobre e
vairado.
0.uem assim procede cinca, e nada enxerga.
Has de concordar comigo qne a Provincia i..
tendo o que dizer em suas paginas. trans
oceano do cytiismo e da inveja, e ahi enconir
infiel noticiador, molhoii N
Ao Sr. desembarga lor Lourenco Santiago :
Do Cabo.- Recorrente o juizo, recorrido Fran- auxi'" u,n
CiscoB.be. lapuasturvas.
Ao Sr. deserabargador Reis e Silva : o Hxm. prcsidente desta provincia, ainda Mto
Da Aroia.-Recorrente o juizo, recorrido Ma-1se dlgnou as-'_;lir aos no>sos tarfoa, como men.*
noel Joaquim de Moraes.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
Do Recife lieccrrente Joaquim Caetano de
Carvalho, recorrido Juvmcio Geroncio de Al-
meida.
Appellacoes crimes.
Ao Sr. desembargador Silva Guimaries :
De Goyanninha. Appellante o juizo, appellado
Placido Pereira de Figueiredo.
De Bom-Jardim. Appellante Luiz de Barro3
Campos, appellado o juizo.
De S. Miguel. Appellante o juizo, appellado
Felisardo Jose dos Santos.
Ao Sr. desembargador Lourenco Santiago :
De Pesqueira.Appellante o juizo, appellada
Maria Magdalena.
Da Alagoa Nova.-Appellante Francisco Pereira
da Silva, appellada a justica.
De Ourieury.Appellante o juiz.', appellado An-
tonio Dias do Monte e outros.
Ao Sr. desembargador Reis e Silva :
Do Pilar. Appellante Antonio Jose de Souza,
appellado Manoel C'emenle Cavalcante de Albu-
querque.
De Cajazeira. Appellante Luiz J >se de Limeira.
appeljad i Francisco Lucas de Souza.
ua Victoria.Appellante o juizo, appellado Luiz
Custodio Torres.
Ao Sr. desembargador Almeida Albuquerque :
De Souza.Appellante o juizo, appellado Pedro
Fernandes do Rego.
De Limoeiro. Appellantes Antonia Maria de
Jesus e outra, aapellada a justica.
Da Madre de Deus. Appellante Joaquim Fer-
reira de Lima, appellada a justica.
Ao Sr. dosembargalor Accioli :
De Pesqueira. Appellante a justica publica.
appellado Joao Alexandreo'tTCarvalho.
De Bom Conselho. Appellante o juizo appel-
lado Laurentino Bezerra Leile.
Ao Sr. dcse-Tibargador Domingues Silva :
De Paulo Alfonso. -Appellante Pompeo Sedrao
de Siqaeira Torres, appellada a justica.
Do Inga. Appellante o promoior, appellado
Luiz Ignacio de Araujo e Silva.
Ao Sr. desembargador Souza Leao :
Da Imperalriz.Appellante o juizo, appellado
Joao Francisco Baiao.
Da Nazareth.Appellaale o juizo,appellado Fir-
mino Lopes de Oliveira.
Encerrou-se a sessao a 1 hora e meia.
exactamente disse aquelic jornal, porem. qn
as^im fosse, diras-comigo : a crenca r-'ligiasa -. i
auxilio mais edilicaute da vida, aanapalm) e
nccessaiia ao bom desempenbo dos carges p
cos, e aos destinos da bumanida le.
Assistindn S Exc. aos icrco, aqui celebraJ -,
em nada. prejadicaria os interes-cs da provim
antes concorrer.a com oseu exemplo para maj:i..
ficencia ..o mesmi, por.|ue sem religiao nao ha go-
verno, nao ha sociedade, nao p'jde haver prcgr--
so nera felicidade.
Nio pensas comigo, meu bom e s\,i
araigo 1
Eis como procolera os homans de hotja,
Adeus. D'outra vez v Itarei a dar-te nn!> a-
desta boa provincia.
r.
Rio Graadc do \arec
2o de marco de 1814.
Meu bom atiiigo. 0 eslado actual desta pro-
vincia e o mais lisougeiro possivel. Outr'ora es-
queciia no meio de suas irmas, surge hoje radian-
te, e tomanJo proporcSas quo maravilham, nas
vias do progresso.
Gracas aos esforcos e Inzea do Exm. Sr. Dr. Joao
Capistrano Bandaira le Mello Filhe, nosso actual
pre.-idente, ja nos podemos julgar felizes.
Sua prulente.sabia e impareial adminislracao
nos garante o mais esperan;eso porvir. Ja pode-
mos contar com o que tanto aspiravamos, o en-
grandecimenlo do nosso solo.
0 Exm. Sr. Dr. Bandeira Fdho tern sido mean-
savel etn promo ver o desenvolvimento do progies-
so, quer moral, quer material desta terra.
Desde que assumio as reJeas da adminislracao
nao descanjou urn as necessidades desta provincia. Quem teria ja
ouvido dizer que nella exisiiam estradas de ferro,
eauaes, escoh normal, biblioibeca?, companhias de
aprendiies menores, e tantos outros melhoramentos
nocessarios a sua felicidade ?
Pois ja nao e licito duviJar; e nao obslaale ca
da vez mais se eievam as vistas do nosso iilustrado
e justo administrador para que novos cominetti-
mentos se realisera.
llonra ao ministerio qao eseolheu la) dislinclo
varao, para C'Mn as lazes de que dispoa e eminen-
tes qualidades que o adornam, tao sabia e vantajo
saaiente administrar esta provincia.
Oxala qae todas as outras do nosso imperio ti-
vessem administradores como o Dr. Bandeira Fi-
lho.
0 decreto do sua nonidiojio para logo desperlou
no animo de toda a populafao a doce esperanca de
que.boje se ve* traduzida em realidade.
Sda elevada iutelligeniia, sua oxperiencia nos
meios de bem administrar. sua perspieaeia, acti-
vidade de estudos e de accio, temperada euergia,
amenidade de train, inieira nabreza de caracter, a
justica de seus actos, tudo, emfim, nos assignala
uma opoca ditosa para esta provincia.
Nunca o Rio Grande do .Norte cxperimeolon tan-
ta felihlade, ucm jamais gozoa de tanta tranquil-
lidade.
0 nosso iilustrado e cuidadoso chefe da policia
propriacasa em terras do engenho Pindobinnai intervencao doagentaPlnto,oleiab de d
qaaa'lo appareeoqdo-lhes a vista, para elle3 se I eora moveis, um cofr* de ferro, f|aoa?
. Cosms de Sa
beneftcio da igreja da Cam Porte, a qual corn* fPeraira appellante Jose Joaouim Pereira, aDDel-
..!?..._ cof.reilte;l__t^, lWo Antonio de Souza Ragoi
'lr;por De Garanbuns.Appellante Francisco Pereira
calxas-' ;do W*s:imonto, appellado Manoel Jos6 Mendes
:aixoes Bastos. -
LoliJlo. Hoje, I de abril, derera ter
a roHT^i
por sua vez, nos ha dado a mais salida garantia de
paz e segnran;a pub'icas.
So um lio digno magisirado como o Dr. Jose
Antonio Correia da Silva, poderia por seus ioaudi-
tos esforcos fazer com que esta popnla?ao se visse
desas;ombrada e expargada de crtminesas aterra-
dores polas impoiiantes :apluras qne ha conse-
guido elTectuar.
Quando foi que o Rio Grande do Norte presen-
ciou fazerem-se taulas e tao importanles capturas
com tao pouca forja, nenhuma despeza, e sem o
menor derramamento desanguoou facto a lamen-
tar ?
Tern se capturado pento e quarenta e tantos cri-
minosos, todos de crimes horrorosos, de historias
aterradoras e temiveis disposijoes sem que se te-
nha dado coriflicto algum no acto de uas pri-
soos.
Habeis c aetiviiK far as autortdades- policiaes
desla provincia, e nSo esquecem'Seals devere*.
i^-P*r de tndo -14 ew*a(> i'.iperial, que nSo
uenrara por certo sem rec .mperisa tSo relevantes
sefviQis.
A Previdencia pareie liaver se compadecido do
estado de indoleicia'effl que no9 achavamos, con-
duzidos por vedtos tao desfa'voraveis"
O juiz mi iiiiciprsl c de orplatlo*
o publico.
Srs. redactoret.k mais brutal, a mais gt>
ra, a mais torpe e virul-'nta das aggressos, m I
feiu cm seu jornal do dia 20 do corrente. hoje aq .i
chegado, por Orlando Mequilino de Almeida,
vao do crime e civel, c.ipcllas e rcsiduos, ju-
execucues deste termo, o qual peraate mim serv-
e mc e nor tanto immdiataraente sub rdinalo '
Eu nao desceria por ierto a occupar me i
immundissimo aranzel de injurias iufames, ino
corosas mentiras, calumsias e i itrigas vilas e -
tupidas, senao dovesse tanto respeito ao public. .
aquelles que herarcliicamente me sao suptn
e se a mim mesmo nao me estimassc.
PossnO um patrimonio sagrado, unica qne
excellente e venerando pai deixou-me era legad-
nnico que espero legar a minha proleo meu t n
nome, uma reputneao sera macula-e nelle, | r-
testo, cinqnanln liver for^as, emquanlo Dens m*
dor alentos, nio consenlirei que qualquer arroja...
billre, qnalquer vilissim) calumniador ouse t
Posso ter commettido innumeraveis erros de in
telligencia. nao o duvido ; crimes, porem, gra;a<
e mil gramas rendo a Deus, nunca comraetti
consciencia tran juilla e sem remorsos m'o assegn-
ra : alii estao os meus actos ledos prati^ados a roz
do dia. cxaminc-os quem quizer, e condemn-
por elles.
Exaurida a minha paciencia, esgolada a ki
nimidale em tolerar duianto mais de um anr,
esse escrivao omissc no cumprimento de
deveres, inteiramente reluelanle e reiapN,
pendi-o correccionalmrate por don< mezes, re"..-
pilulan lo na porlaria os motivos da suspensao qu-.
eonforme o sen ulterior procedimento, esperav*
nao deixar passar: ma; que elle vera agora njo-
tar-se ; e que prevejo, Iprovocani repetidas v-
zes, jillanado e ameacador coma se raira.
Nao pretendo item posao sastentar disms?-
pela imprensa, porque nem o meu oiesquinho i
denado que mai e muito mai mc da para parr i
raente viver, nem as ladroeiraa quo o meu
vao ananjou, para mim, dao-me para isao.
facias que elle nao teve verg.nha de mventar.
de iiue eu nuuca live notioia, do narrar como v#i
dadeiras ede lirraar com seu h nrndistimo nosae.
coin.) o de uma porcaria em que cerlamente anl i
hafurdado c-ino o escrivao que iavroa os ter.
e term;s e mais tennis que comeu, a hist?ria d-
doblas e paUcoes, pre-inhos de cavallos e ou
taes e queijandos, quero, provo:o-o a qoe Ibes
tuine a responsabilidade, dizendo clara e positive
mentse se cnlende comigo, pirjue tenhon'-
ccssilad; de I-va-li perante os Iribunaes la pah
e convened lo de qae c um calumniador despr.'.i-
vel e raiseravel; e se o nao fizer, com) tao a;r -
gantemente proraetle, a esse r^spi-iuvel pal.
ao qual somente dou satisfacao, e perante o
compareco, pe;o igualmente que, com ferro cac-
dente Ihe i.mprima nas faces ambas esse tri.-:
mo es'.ygma de que tao altaraente se fez credor.
Prometteu levar-mo perante os tribunaes, ;
voco-o ainda c mais lerminanteinenie a que o fa.a
ja e ja pois canto ahi mesnio c nfuali-lo iateirii-
mentc !
Passanio por alto tuJ) o mais que de asqaer..-
30, nojento, negregaJo e iramundo hi nease nau
seante escripto ; nio deixarei todavia que roedre
uma pueril intrigninba, ja muito seJi.;a e sa'ad...
a que o perversissimo escriptor e o que Ihe pres
tou a ...s^ignatura pretendem dar corpo, julgand-
esmagar m.', a s.abTa alter...ao Je uiinhas a
{as polilicas. Soa republican), dizem, con-
com elles, elc.
Os bacoareis desta comarca, a excepoao de am ou
dou-, vivem namais perfeita har.nonia e tratam-w
com intima cordialidadc, dou-mc com todos elles.
e soa visiuho de dous desses cMiraaveis cottesas,'
com quem tenho confraternisado, respeiuado in-'
tciramentc suas crencas politicas, eis abi a orifem
da perfida e miseranda inlriga. Nao teaho o r
der de faz?r es-es collegas mudar de opiaBak; 4a
m sma sort.', nao t-m tiles o poder de mndifi-ar.
ao meaos as que professo
Apezar de muito obscuro, como me confetti1,
lenho import antes e respeilaveis amigos, a >i if-.n
rnui;o preso e apracio, qae me conheiem per..
mente c (azem-ms justica; posso, pois, sobranc .
ro deixar uivar rc?melmgos gosos e rafeiro-
praziveis.
Ndo sou, nem fin nunca iransfuga nos arraiae-
em qne uma vez me alistei, fir.ne mantenho m:
como juiz a minha poliuca e a da jusiica as par-
tes, eonforme os di :tames da minha consciencia f
os preceilos da lei.
Nazareth, 28 de marco de 1874.
Pergentino Saraiva de Araujo G Opisei-vaffifs |r os jmliciewo".
De todos os orglns pertencect s ao corpo rm-
mano, os pulmocs sao os mais delicados d'aoa
natur-'Za summamente fracil o menor aceaa.a
detosse os irrita o inflamma ; e quando para lo-
go nio se atallie o mai, produz no fim nma CUW-
pleta ulcera0o na sba subslancia que os conat-
me fnteirarnente e apos de si ararreta a itrtr
Estas'terriveis conse iuen:ia^ podem-se fiili|iilr
evitar em lodos os casos, u
Peltoral de AnaC huita de Ketth, israSTiW'
cioso picparado do succo balsamico duma a*r-
lexico chamadaAnacaHttita, 0 qoal affi
Nio panrei aiar im bem araigo, fallar-lhe-lviae faz dappar^r dtro em poin^
C'viWi
r
I


WMMMBBMMBKVMH
*m
\A
\
r
Diario dentmMtod ^ Qusrta feira 1 de Abril de 1874
3
'osm a mai* violent* ft invelerada Acha se pef
jeiUmente litres heito do atido pras?ioo, Con-
ndo geralniente em todos o mais peitoraes ou
xaronas feitos de fructas acres; nem lao poaco
conlem particula alguma da antimonio de que
aquelles igualmente se acham impregnados. 0
sou oso esta-se tornnndo universal, e os medicos
os niaisemineples Ihe coacedem sua plena appro-
vacio como remedio seguro e efflcaz contra as
tosses, catarrhos, broncbttes, asthma, esauineocias
e dores de garganta.
coi.i.i;c;iy
DA
Sanlissima Trindade.
Nesteeslabelecnuento de instruccao e educacao
dr meninas, sob a directnria da E Philomena Jersey, e suas Exmas irmas D. Lande-
lina Jersey e D. Olindina Jersey, admiuemse edu-
candas rhediaflte a petmo raensal de 40$,
mais cutra despeza, e aprendem: lingua naci
inglez, francez e italiano, fallar, escrever e tr
xir ; geographia, arithmetica, historia, piano, uu-
c.a, musiea e desenho; toda a especie de bordado?,
e os melhores principios da reiigiao ehrista- No
interior do estabelecimento falla-se soaiehte '-
ear. e e incompaiivel o professorato do sexo
culino.
sem
_.onal,
tradu-
dan
(ran-
mas
commeucm.
JUNTA DOS CORRETORES
I'raea do Recife, 31 de marco
le 187*.
AS 3 IIOHAS DA TARDE.
cotaooes officiaks.
SIgodao do sertao 1 sorto 83000 por 15 kilos,
hontem.
-lao sem inspeccao 73000 nor 13 kilos,
hontem.
Aigvlao da Parahvba sorle 7*890 e 8*000
por IS kilos posto a bordo a frete do 5[3
d. e 5 OK), hontem.
DMo de din dita 8*''00 por 15 kilos posto a
bordo a frete de llilG d. e 3 OiO, hontem.
Ak"iIaode Maeeio mediano 7*800 por 15 kilos,
posto a bordo a frete de 7|8 d. e 5 0(0,
hontem.
: -de dito dito 7*800 por 13 kilos posto a bor-
do a frete de 7(8 e 3 t>|0, hoje.
Aigodio do Maeeio 1* sorte 8*110 por 15 kilos
posto a bordo a frete de 7|8 e 5 0|0,
hoje.
Catabio so!ire Londres a 90 d|v. 26 l|i, e do
banco 26 d. por 1*000, hontem.
fiarabio sobre Paris a 90 dpr. 366 rs. o franco,
hontem.
Qasaonto do letras 10 0)0 ao anno, hontem.
sJ. de Vaseoncetlos
Presidente.
A. P. de Leinos
Seeretano.
A.LF AIW BO A.
limentc t! dr 2 a 3D. ,
Jsu do dii 31 .
8ll:277ts930
26:010*792
837:188*723
Dasearregam hoj 1* do abril Je 1874.
i inglezaDolphimmercadorias para alfan-
dega e matoriaes para a empreza da com-
paabia locomoiora, ja despachados para
o caes 22 de Novembro.
Barca baspanhola D. I.uiza mercadorias para
alfaudega e materiaes para a empreza da
companhia locomotora, ja despachados
para o caes 22 de Novembro.
Brigue portuguezBella Figueirense -varies ge-
neros para o irapiche Conceirib, para
despacbar.
Lagar francez Rio Grande cimento ja des-
pachado para 0 caes do \polle.
Barea inglezaNerlherton~bacaihao ja despacha-
do para o trapitbe Coaceicao.
iiarea inglezaTraveller farinha ji despa^hada
para o cses do Apollo.
Patacho nacirnal -Jaboalfw -farinha ja despacha-
da para a 3 ponto.
Br ,'ue (ranees Mines de Soumachs n. 2 mate-
riaes para a empreza da companhia lo-
comotora, ja despachados para o caes S2
de Novembro.
:a ingleza Rossini carvao ja despac lado
para terra,
i ingleza Ruivjmede (arribado) varios ge-
neros para deposit) no trapicho alfande-
gado do liarao do Lis-ramento, no caes do
liruin.
I:si|>'taciEo.
Miati nacional Jodo Voile, entrado de Macao,
em 31 do corrente e consignado a Joao Jose da
Cnaha Lage, manifestou :
Algodao 50 >ac:as a ordem, \8 a J. Goagalves
Ferreira A C.
Pallia do carnauba 30J molhos ao consignala-
rio.
Sal 360 alqueires ao consignatario.
Vapor inglez Neva, entrado dos portos do sul
in mesma data e consignado a Adensom Howie &
i'.. manifestou :
Cafe 1 caixa a Tbomaz A. Espiiica.
('ructas 1 caixa a Lidstone Hobilliard & C.
Hiate nacional Flordo Rio Grand", entrado da
villa da Penh.*, na mesma data e eonsignad i a Go-
mes de Sfattos ik Irmaos, manifestou :
Assucar 101 saccos a ordem. 92 a Souza Mou-
tinho & C
Barricas vazias .').' a ordem,
Couros salgados 8 a ordem.
Milho 350 sacc is a Souza Moutinho i C, 213 a
ordem, 112 a Baymundo Jo-6 Tavares. 00 ao ba-
rio de Campo Verde.
\apor americano Sovlh America, entrado dos
p.rtos do sul, na mesma data o consignado a
Henry Forster i C., manifestou :
Amostras 1 caixa a Domingos Alves Matheus.
Floras 1 dita a ordem.
PA li03 DE BXPORfACAO NO DIA DE 30
M.VKCO D!<: 1371.
Para os portos do exterior.
Xa barca hespanhola D. Joanna, para Li-
irerpool, carregou : P. Garaeiro & r;. 82 saccas
m 13,308 1|2 kilos de algodao ; E. Fenton i C.
1.30) saccos co;n 112,500 ditos de assiuar ma3ea-
v.i 1:. ; A. M. Machado Junior 500 ditos com 37,300
ditos de dito.
No patacho inglez Ashler, para o Canal, car-
regou : J. Pater 4 C. 1,506 saccos com 116,330
kilos de assucar mascavado.
Na barci franeeza Minerva, para o Canal,
carregou : Keller & C. 75 saccas com 5,771 kilos
de algodao.
No vapor inglez Neva, oara Southampton,
rregou : G. Neesen & Z. 5i0 saccas com 98,176
kilos de algodao.
No brigue inglez Mary, para New-York, car
regou : H. Forster & C 720 saccos com 51,000
kilos de assucar mascavado.
No vapor ing!ez Oberon, para Ney-York,
carregou : H. Forster & C. 7,400 saccos com
533,000 kilos de assucar mascavado,
Na barca portugueza Firmeza, para Lisboa,
arregou r.Ferreira Guimaraes & C. 17 pranchoes
de amarello.
No brigue p)rtuguez Improviso, para o Rio
dt Prata, carregou : Amirim Irmaos 4 C. 310
tiirrinuinhas com 32,921 kilos de assucar branco.
No brigue brasileiro imizade, para o Rio la
Prata, carregou : H. B. Oliveira Junior 630 bar-
ricas com 61,667 l|2 kilos de assucar branco.
Para os portos do interior.
Para o Rio Grande do Sul, no brigue portu-
guez Social, carregou: A. Cordeiro 700 barricas
com 48,728 kil03 de assucar branco.
Para o Ceara, no vapor nacional Ipojuca,
carregou : Bartholomen & C. 6 barris com 445
litros de alcool ; J. M. Palmeira 5 ditos com 480
ditos de dito ; Costa & C. 50 sacco3 com 3,730
kilos de assucar branco ; A. de C. Sa Barreto 1
barriea com 45 ditos de dito : para o Acaracu, J.
C. GoncMves 1 dita com 113 ditos de dito reflnado,
Para Penedo, no vapor nacional Mandahu',
earregou : F. A. Fernandas Viauna 1 barril com
ih litros de alcool.
Para Mossoro, na barcaca Adelina, carre-
: Carneiro & C. 5 pipas com 2,4D> litros de
agoardente ; B. Gomes 4 C. 9 barricas com 660
kilos de assucar refinado.
Para Mamanguape, na barcaca Boaviagem,
sarregou : F. I. Correia l barriea com 330 kilos
de aasucar refinado e 1 pipa com 480 litros de
aguafdente.
P o Ro de Jairo, na baraa portugueza
Feliz Uniao, carregou : J. C. Figueira liO barris
com 1I.B20 litres dV*l.
t^PAfV^l* DA AltFARDMA. nmn
tlsndimebto d'<'itt a 30 8!*"*073
'dea dodla 31. .... SM*308
19:039*381
VOLUOTS SAH1D 3
Do dial a 30.
No dia 31
Primeira poru
Jegunda poru.....
r^rceira porta
Quarta porta......
fiApiche Conceicao .
53 9*11
279
36
840
213
55,282
SERVICO MAR1T1MO
vi>arengas descarregadas no trap!;Le
alfandega do dia 2 a 30. 113
No dia 31
vaMJs atracados no U*ap. da aitaaduga 5
AJvarengas........ -^
fo trapiche Conceijao..... 2
120
IUCEBEDOR1A DE RENDA3 INT1RNA3GE-
RAES DE PERNAiTBUCt
iendimento do d!a 2 a 30. 89:122*118
dem do dia 31 3:835*271
62:957*422
CONSULADO PROVINCIAL,
Rendimento do dia 2 a 30. It2:2l9*387
Idem do dia 31...... 3:633*802
115:853*189
RECIFE DRAINAGE,
itendiraento do dia 30. .
!dem do dia 31.......
3:670*110
300*688
6:170*798
SEGUROS
suiitiiios
E
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemnisadora, estabelecid?
aesta prara, torna seguros marilimos sobrt
aavios e seus carregamentos e contra fog'
-jin edificios, mercadorias e mohilias: n?
ua do Vigario a. 4, pavimento terreo. ,
Augasli) F. d'Oliveira iG.
A casa commercial e bancaria doAugusto
\j d'Oliveira & C, a rua do Co nmercio ns
i-2, encarrega-so do execugao de ordens
para embarque do prodoctos e de todos o-
naais negocios de commissao, quer coratner*
ciaes, quer bancarios.
Deconta lettras, e toina diuhniros a pro-
mio, compra cambiaes, e saca d vista e a
prazo, a" vontade do to.naJor, sobre as se-
guintes pragas estraugeiras e nacionoes :
HiOicSres. Sobre o union bank of
LONDON, 0 LONDON AND IIANSEATIC BANK,
limited, e varias casas de l.e ciasso.
Pares. Sobre os banqueiros fould
& C, MARCUARD ANDRli & C. e A. BLVCQUE,
VIGNAL & c.
UamSiiirg-i. Sobre os Srs. joao
SCIIU BACK & FILII S.
Ijisboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VIANNA, C SEBASTI.\0 JOSlS DE
ABRBO.
Porto. Sobra 0 BANCO DRIiO DO PORTO
0 Sr. JOAQUIM PINTO DA FONSECA.
Para. Sobre o b.vnco commercial
DO PARA, 0.OS Srs. FRANCISCO GAUDENCIO DA
COSTA & FILIIOS.
.sI'ti'iKiliia-.). Sobre o Sr. jose fer-
REIRA DA SILYA JUNIOR.
Ccar.i. Sobre os Sis. j. s. de vas-
CON'CELLOS & SONS.
ISnhla. Sobre os Srs. marin'uos & c.
Slao lo Jian-.;iro. Sobre o banco
INDUSTRIAL E MEUCANTIL, BANCO NACIONAL e
8ANQUE BRASII.IENNF. FRANCAISE.
GOMPAKHIA ALLIANCA
seguros maritimos e terrefe-
tres estabelecida na Baliifc
em 15 de Janeiro em 1870
CAPITAL 4,000:000$000.
Toma seguro de mercadorias e dinbeiro
i>co maritimo em navio de vela e vaporei
para dentro e f6ra do imperio, assim com<
jontra fogo sobre predios, generos e fa
ondas.
Agente : Joaqutm Jose Conceives BeltrSo
* do Commercio n. 5, 1' andar.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana.
Toma riscos maritimos em mercadorias,
(rates, dinheiro a risco e ftnalmente de qual-
juer natureza, em vapores, navios va" ela or
iiarcagas, a premios rnuito modicos.
RUA DO COMMERCIO N. 34.
Seguro contra-fogo
THE LIVERPOOL & LONDON & GLO*
INSURANCE COMPANY
Agentes
SAUNDERS BROTHERS & C.
It Corpo Santo11
NORTHERN.
Capital..... 20,000:000JJ00l
?undo de reserve. 8,000:000800f
Agcntes,
Mills Latham d C.
RUA DA CRUZ N. 38.
Banco do Minho.
Joaquim Jose GonQalves Beltrao & Filho saccam
por todos os vapores sobre :
Anadia. Evora. Monsao.
Aguida. Fafe. Ovar.
Aveiro. Faro. Porto.
Beja. Guarda. Tavira.
Ghaves. Leiria. Regoa.
Elvas. Lisbaa. Vizeo.
Amarante. Barcellos. Figueira.
Guimaraej. Coimbra. Lataego.
Covilha. Mirandella. Estarreja
Melgaco. Penaflel. Valenja.
Porwlegre. Villa Real.
Arcos de val de vez. Cabeceiras de Bastos.
Celorico de Basto. Castello-Branco.
Caminha. Espozende.
Mangualde. .Oliveira de Azemeis.
Ponte do Lima. Povoa de Varilm.
Povoa de Lanhosa. Vianna do Castello.
Villa-Sovade Portimao. Villa-Nova de Fiioialicao.
Villa do Conde.
Was Hha.
Madeira, S. Mignsl, Faial e Terceirai
Navios er.lradrs no dia SI.
Rio ae Janeiro e Bahia 3 1|2 dias, vapor i
Neva, de 2,078 tonela^as-, commuaniaale
equipagem 120, carga differentas generos ; a
damson Flowie & C.
Rio de Janeiro e Bahia6 dlas, vapor-americano
South America, de 2,150 toneladas, commandan-
ts Tiuklepangb, equipagem 88,'targa'cafe' e ou-
tro generos ; a Htnry Forster $ C.
Assil" 6 dias, hiate brasileiro Joao Valle, lie 108
toneladas, capitao Antonio B. de Andrade, equl-
fagem 6, cargi sal e outros generos; a Jo*6
oe da Cunha Lages.
Villa da Penha 5 dias, hiale nacional Flor do
Rio Grande, de 86 toneladas, capitao Miguel io-0.
da Costa, equipagem 5, carga assucar, algodao e
outros generos ; a Gomes de Mattos IrntSo.
Cardiff 46 dias, bare;, alleml Contain Agnsta,
de 460 toneladas, capitao A. Bensel, equipagem
14, carga carvao ; a Wilson Rowe & C.
Kio de Janeiro 20 dias, patacho alleniao Uereii,
de 179 toneladas, capitao Kruger, equipagem ^
carga cafe; a ordem. Arribou para deixar o pi-
loto por se achar doente : sen destine era Lis-
boa.
Navios sahidos no mesmo dia.
Acaracu e escalasVapor nacional Ipojuca, com-
mauflante Mcura, carga varios generos.
Aracajd e portos intermedlos Vapor nacional
Mandahu, commandante Sitva, carga 'diRerentes
generos.
Southampton e portos intermedios Vaoor inglez
AVf_ commandante Bax, carga a mesma que
trouxe dos portos do sul e algodao que rccebcu
neste porto.
New-York e escala Vapor americano South A
tnerioa, commandante Tenklei-angh, carga a
mesma que trouxe dos portos do suK
ique i
iras da manha, a porta flesta re-
praga nma caixa apprehendida
ac TnaSCTe Vtcente- Bar3tle, coni diversos objecios
|df coral, avaliados na imporlancia de 343/1520:
Bcando porcm de nenbum effeito a referida praga
'se o doao da mercadoria roah.-ar o pagamento h >
Mppostoeda multa em que incorreu, como de-
^^termina o art 8 do Reg. de 7 de outubro. do 1873.
CJpnsulado provincial, 30 de margo de"l874-
Antonio Carneiro Machado Rios.
SANTA CASA DA MISKRICORDIA DO
RECIFE.
Venrtn de predios
- A Illma. junta administraiiva fiesta Santa Casa,
jevtdamente aiitorisada pela presidencia,' na sala
4e suas sossocs, pelas 3 horas da tarde do dia 26
do correnle, vende on permuta por apolices da
divida publica os seguintes predios, pertencentes
ao legado de Joaquim da Silva Lopes, do que e
administradora : Forte do Ma'tos, metade do so-
najqy-de 3 andares n. 17, por 5:500* ; becco do
, opgjq 3' uarte do sobrado n. 1. por 2:666*666
rua da Guia, sobrado de dous aadares u. 69, por
6:000J ; rua de S. Jorge, casa tcrrea n. 92, por
1:400/, sobrado de urn andar n. 30, por 2:0005,
dito meia-agna por 5O0; raa dos Guararapes,
casa teirea n. 63, por i:'.O0* ; rna 4os Acougui
nhos, cosaterrea n. 26, por 600* ,- Largo da Cam-
pina, dita n. 3, por 400* ; rua da Sdiedade, dita
n. 72, por 700* ; becco do Teixeira, dtta n. 5,
p6r 230* ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:000*000. -
Secretarla da Santa Casa da Miscricordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
_______ Pedro Rodrigues de Souza..
BITAiS
0 Illm. Sr. inspector da thesouraria provin-
cial manda fazer publico que em enmprimento da
ardem do Exm. Sr. presidente da provincia. de 7
le Janeiro corrente, petante a jubla desta ffcasou-
rarFA'se ha de arremater M dia ti &e abril pro-
ximo vindouro, a obra daponte denominada^ Pao
Sangue sobre o rio Seriuhaem. orcada em 9:370*,
pagosera apolices da divida provincial, a Juro-dc
7 por cento ao par.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
;a j comparer-am na sala das sessues da mesma
tbesouraria no dia indicltdo acmu, pelo melo dia,
competentemente habilitadas.
E para constar se mandou pnbiicar o presente
delo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thescuraria provincial, 20 de Ja-
neiro de 1874.
Vicloriano Jose M. I'aihares,
Official maior interlne.
Clausulas especiacs para a arrematacio da pontt
dehominada Pao Sangue sobre o rio Seri-
nhaem.
I.* A ponte denominada Pao Sangue seta exe-
cutatb de conformidade com o orcamento e plan-
ta approvadoj pelo Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, no valor de 9:570*.
2.a 0 arrematante dara principio a obra no pra-
zo de um inez e a concluira no de 12 mezes.
3.* 0 pagamento sera ellectuado em 3 presta-
coos iguaes a proporcao databella execntada,
4." Para tnd o mais que niio se achar especifi-
cado sera regulado pelo quo dispoe o regulamento
de-3.1 dcjulho de 1866. -0 engenheiro chefe, Jo-
se Tiburcio Percira de llngalhae.-.
__________ Victoriano Jose M. Palhares.
0 Dr. i'edro Ca.iiello Pessoa, juiz do direito
da segunda vara civel nest.t cidade dp
Recife de. Pernambuco, por S. M. olmpe-
dor, etc.
Fa'so saber aos que a presente carta de
editos virem, em cotio Antonio Martins Sal-
danba, me fez a petigao dj theor seguinte :
Illm. Sr. Dr juiz de direito da segunda
vara. Antonto Martins Sa'danha, credur de
Jos6 Xavier l'ereira de Brito, Ernesto de
Carrailio Taes de Andrade, D. Carolina de
Carvalho Paes de Andra'le, Joao Francisco
Carneiro Monteiro, Antonio Francisco Car-
neiro Monteiro, como hrrJciros que sao d.i
fmadal). Mathil \p, B^rnaniina daConeci^a",
primitiva devedo.a do tinianota pt'jm'ssoria
que aceitara em favor do supplicante: requer
a V. S. so sirva de mandar cita-los para
ua primeira audienciar deste jtrrro, virem fal-
lar aostirmos dcuma accno ordioaria, pela
qual Ihes pretende pedir o pagamento da-
quella OiviJa, o que mellior expre^saici no
libe'Io respectivo, tima vez que os suppliea-
dos nao se conciliaram, documiiito junto,
ficando dos io logo cttados os supplicados,
para todos os de.mais icrmOs da acgSo, ate
final senten^a Outro sim, requer a V. S
queestando os dous ultimos supplicados au-
seiitcs, em lugar incefto e nao sabido, ad nit-
ta ao supplicante aptOduzir a conv.niente
justificagao, afim de screm citados p t
carta de edito-\ Pede a V. S. deffirimpnto,
sendoa preselltodistfibuida at) cscrivio Cu-
nha, por cujp cartorio correm os autos de
arresto requerido contra os mesmos, pelo
supplicante. E. R. M. Recife, 2o de
margo de 187 4. 0 advogado, Estevao de
Oliveira. Estava sellada com o sello de es-
tampilho, o competentomente inutilisada.
Cuja poti;ao, sendo-me apr-Jsentada, iieUa
dei o despacho do theor seguinte :
Distribuid.% como r. quer. Recife, 21
do margo de 187 iP. C. Pessoa.
Em viitude de dito meu despacho, foi a
peti<4ao distribuida ao escriva i que estepa1'-
sou, eforain inquiridasduas testemunhas quo
jurarann contes.es a ausencia dos supplicados
Joao Francisco Cnrneiro Monteiro e Antonio
Francisco Carneiro \lonteiro, e tondo feito
ao escrivao sellar os autos, m'os fizera con-
clusos com a rospectiva assign tura, e sen-
do por mim vistas, lidos eexaminados nelles
dei e pro/',: a srntenga do theor seguinte :
m tisi uos depoimentos das testemu
nhas de fofhas e folhas, hei por ju:tificada
a ausencia dos reo3 Jo5~' Francisco Carnei-
ro Monteiro e Actonio Francisco Carneiro
Monteiro, em lugar incorto e nao sabido, e
pelo que mando que sejam citados por car-
tes de ftlitos : pagas as custas pelo justifi-
cante. Recife, 28 de man;o de l87i. Pe-
dro Camello Pessoa. Cuja senteuca sendo
assim por mim dsda e proferida, fora outro
sim, pot mim mandada publicar em m5o
do escrivao, que mandei se cumprisse
eguarckfcse.
Em flrtude do que, o escrivao fez passar
a presefrte carta de edito, por bem da qual
e seu tbeor, mando a tetJas as pessoas, ami-
gos, pa^entes e conhecidos dos.ditos JoSo
Franci&eo Ca'r'neiro WonleirO e Antonio Fran-
cisco CJtmerro W6ntefr"o, Ihes fa^afa aviso de
que pef* presente sao citados para os ter-
mos da' ac^ao ordioaria de que trata a pe-
VctSo aqui tra"rtscrip'a. aflm de qua flo p+'a-
zo da lei comparecam por si ou por seus
procuradofs a allegar seu direito e justifc*,
sob pena de proseguir a causa seus termos
a sua revelia na forma da lei.
E para que chegue ao conhrcimento de
to ios, mandei passar o p-esente' com o pra-
zo da lei, que sera publicado e affixedo no
lugar publico do costume.
Da do e passado nesta cidade do Recife,
aos 30 do margo dfc 1874.
Eu, Pedro Tertuliano da Canha.escrivSo
escrevi.
Recife, 30 de fevereiro de 1874.
Pedro Camello Pessoa.
Pela administracao do consulado provincia
Santa Casa (id Misencordia do
Recife.
Em vista da ordem da Illma junta administra
tiv.i sao convidados os parentes das menores infra
mencionadas a virem retira-las do collegio das
orphav por ja terem attingido a idade marcada
uo respectivo regulamento, e acharem-se com suas
educacoes terminada*. Aquellas que nlo forem
relirada? dentro do prazo de 30 dias, contados da
data do presente, serau enlregues, de accerdo
cam o II* df*rt. 48 do m*mb regalamento, a
faniilias nonestas para alii se erapregarem no ser-
vig i domestico.
f enhorinha dos Santos, fillia de Jose Joaquim
dn Santos e Antonia Maria.
Leopoldina Maria da Paixao, fillia. de Clara de
lem.
Maria Eliza Arves, Glha de Joanna de t:il
Valeriana dos Santos, Glha de Joaquim dos San-
tos e Maria Margarida.
Alexandria Bezerra Cavalcante, Jilha de rose
Bezerra Cavalcante e Rosa Bezerra de Menezes.
ldalina Lacerda, filha de Pedro Alexandre de
Lacerda e Anna Kranciaca Paes Barreto.
Josepha Lima, filha de Joaquim Lima de Oli-
veira e Joanna \!aria.
Candida, filha de Vital das Chagas Coellio e Car-
ols de Lacerda.
Rosa, filha de Antouia Joanna de Barros.
Uionizia, filha do Vital das Chagas Coelho e Car-
Iota de Lacerda.
Antonia, fillia de Manoel Ivlix Barbosa e Mar-
colina Guimaracf.
Adelaide Fraiicisca da Silva, filha d; Francisca
de Aseis.
Alexaudrina Maria, filha dc Pelippc Martin'.o do
0' e Maria Joaquina do E-pirito Santo.
Rosa, filha de Antonia Joanna de I)arro3.
Secretana da Santa Casa da Mise, icordia do
Recife, 13 de marco de 1874.
0 escrivao
Pedro Hodrigue* de Souza.
Pela thesouraria provincial se faz publico
que foram transfendas para o dia 16 do abril pro-
ximo vindouro as obras seguintes:
Obra dos reparos d. bomba n. 2 no 7 lanco da
estrada do sul, orcada em 1:0134.
Obra dos reparos da coberta da casa de deten-
cao, arcado em I:t"8j.
Obra" da buinba para o povoado dos Monte?.
orc;ida em 1:9803-
Socretaria da thesouraria provincial de Pernam-
buco, oO de marco do 1874.
O ol:;cial-m'iior,
Miguel Alfonso Ferreira.
r,o
ESTRADA DE PERftO
Do
Recife a Caxanga.
Na quinta e ieS'a-felra santa, cs tres so-
rio rgguiadds da niar.eird seguinte :
Ate meio dia de quiuta-feira bavora os
trens da tabella. menos o de carga.
A' tarde haverd a 1 hora e lo Biinutos,
as 4.10. 7,10 e 11 hords pela lniha prin-
cipal, ea 1 hora e !5 mip.utos, 5,13 e
11,5 pelo Arraial, sahindo todos das offici-
nas.
Do Caxanga haverd : a< 2,35. 5,35 e
8,35.
Do Monteiro pelo Arraial : as 3 e as G
horas, ate as oflicinas.
Sexla feira as 7,10 e 10,10, d.-s oflicinas
ao Caxtnga, pela linha principal, e pelo
Arraial, ?s 7,15.
Do Caxangd as oflioiuas, as 8,35 e
11,35.
Do Monteiro : a> 8,35 pelo Arraial.
A' tarde tera -as 4,10 e 8,10 das ollicinas
ao Caxanga pela linha principal, e as 8,15
pelo Arraial.
Do Caxangd para ollicinas, pela linha
principal, as 5,35.
Escriptorio da companhia, 31 dc mar-
Ce de 1874.
ft. C. Batten-hie,
Gerente.
IHSTTIIT
JtRCHEOLOGICO [ GEO-
PHICO D_
Quarta-feira f. do corrente mez d'abril,
celebrara o Instituto a sua l.asessaoordina-
ria do correnteanno academico.
ORDEM DO DIA.
1." Posse dos novos officiaes da inesa
edministrativa e membros de co.n'mis-
sfles ;
-2. Trabalhos adiados;
3. Palestra litteraria.
Secretaria do Instituto, 28 de manjo de
1874. ,
Jose Soares d'Azevedo.
Secretario perpetuo.
SAN\a CASA DA MISEIUCORD1A DO
JIECIFE.
A Klaia. jrfnta administraiiva da santa cast da
Mlserlcorffia do" rWcife, Manda fazer'pdblico $ue
aa sala de stes seesGes, no dia 1 de abril pe-
las 3 horas da tarde, tern, de ser arrematadas a
qem mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tfctf aVltfos, all rehdaS dbs prMos em segaida
declarados.
F.STABBLEGtMBNTO DE CARIDADE.
Travessa de S. Jose.
CasaterreaB.il. ....... *01*000
Rua dc Santa Rita.
Idem n. 32........150*000
Padre Floriano.
Idem n 49........2071000
Cinco Pontas.
Casa terrean. 114......362IT500
Roa da Alegria.
rd-m n. 31........371*000
Ponte Velha.
Idem n. 31. ........156*000
Rua de Antonio Henriaues.
IdeM n. 96........ 99*000
PATRIMONIO DOS 0RPHA68.
Raa da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......809*000
Becco das Boias.
Stbrado n. 18.......481*000
Raa da Cruz
Sobrado n. 14 (fecnado).....1:000*090
IW:o Pilar.
Casa terrea n. 100 141*000
Rua do Amerim.
Idem n. 34........122*003
Rua da Guia.
Idem' n. 29 ,. 20l*COO
Rua das Laraagelras.
Casa terrea n. 17.......361*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
rrematacao as suas flancas, ou comparecerem
lcompaanados dos respectivos fladores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia en:
que for seguro o predio que contiver estabcleci
mento commercial, assim como o servico da lim
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
:ife, 17 de marco o d* 1874.
0 escrivlo
_____________Pedro Rodrigues de Souza,
COMPANHIA
DO
BEBERIBE
Adirectoria desta companhia lembra aos
Srs. concessionaries de pennas d'agua, que
todas as obras conctrnentes as mesmas, so
poderao ser feitas com sciencia da directo-
ria e p-esenca do respectivo empregado, isto
para evitar os abusos (jue se dao constante-
mente, e para quo nao fiquem sujeitos as
ffiultas compelentes.
Escriptono da companhia do Beberibe,
30 de marco de 1874.
0 secretario,
Luiz Manoel Ilodrujues Valcn^.a.
Santa Casa da Miscricordia de
Recife.
A junta administrative desta santa casa, em
sessao do dia 31 do corrente, recebc novas propos-
tas em cartas fechadas para fornecimento de 100
colchSes e 100 travesseiros de que precisa o asylo
de mendicidade, tomando-se por baze o prepo de
5*80J por am e outro objecto.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia d<
Recife, 27 de'margo de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
ESTRADA DE FfiRRO
do
RECIFE A OUNDA
A companhia dos tii-
lhos urbanos do Recifed
Olinda e Bebribe, compra sulipas de oiti-
c'na com 9 pdmos de romprido, 9 polle-
gadas de largura e 4 de cspessura ou gros-
sura.
0 gerente,
LaunntinoJosd de Miranda.
Xa quinta e sexta-feira santa, os trens se-
rai regulados pela tabqlla st'guinte :
UU iNTA-FElRA.
Manhj
Regulard pela tabella cm vigor.
Tarde
Recife d Olinda12 I 2, 2 12, 4 1/2,
G 1/2 e8 1/2.
Olinda ao Recife.I 12, 3 12, 5 1/2,
7 1/2 e 9 1/2.
Recife A Beheiibe.-12 1/2, 3 1/2 5 1/2
e 7 1/2.
Bebiribe ao Recife. -2 1/2, 4 1 2, G I 2
e 8 1/2.
SEMA-FEIRA.
Manila.
Recife d Olinda. 7 1 -2 e 9 1 .
Olinda ao Recife.8 1/2 e 10 1 2.
Recile & Be eribe.7.2SS e 9,25
Beberibe ao Recife. 8 12 e 10 1/2.
Tarde,
Recife d Olinda.4 12, 0 1/2 e 8 1,2.
Olinda ao Recife.- 5 1/2, 7 1/2 e 9 12.
Recife d BL-beribe.5 1/2 e7 12.
Beberibe ao Recife.6 1/2 e 8 1 2.
Ni quinta e sfelta-fcifa nao ha trem de
carga.
Approvo.Re ife, 28 de marco de 1874.
F. de Fif/ueroa.
0 Gerente.
LaurC'ilino Jose de Miranda.
Armazens da companhia per
nambucana.
Sugnros contra o fogo
A companhia pernambucana, dispondo de es-
celientes e vastos armazens em seu predio ao for
te do Mattos, 'oflerece-os ao commercio em geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servacao das mere idorias depositadas, servigo
promj)lo, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediante preyio accord ex-
clusivamente os generos de uma so pessoa.
Estes armazens, alenjdo arejados e commodos,
sao inteiramtnte novoseasphaltados, isentos de
cupim,ratos, etc., etc.
As pessoas quo quizerem ntilisar-se destes ar-
mazens, pederao dirigir-sc ao escriptorio da com-
panhia pernambucana, que acharao com quem
tratar._____________________________________
Luso-Brasileira.
CoiiMCliio flsral
>'ao se tendo rcunido numero legal dos senho-
res socios na assemblea geral, convocada para a
ultima dominga de margo ; de ordem da presi-
dencia convido novamente aos sonhores socios
para a reuniao que deve ter lugar no proximo ao-
mingo 5 de abril, pelas 11 horas da manha, pre-
venindo-os de que a assemblea funccionara com o
numero de socios entao preseutes, conforme pre-
ceitua o artigo 26 dos estatutos.
Secretaria doconselho fiscal da sociedade Luso-
Brasileira, 30 de marco de 1874.
0 1* secretario supplente
J. M. de Andrade.
Secretaria (!) bispadt
Por ordem do Exm. e Rvm. Sr. conego gover-
nador do bispado, fan) scienle a todos a quem in-
teressar, que depois das ferias da semana santa e
Paschoa, o expediente do bispado sera no semina-
rio de Olinda, das 10 horas da manha as 3 da
tarde.
Por conseguinte todo e qnalquer negocio rela-
tivo ao bispado de Pernambuco, deve ser tratado
no mesmo seminario de Olinda, e toda corre3pen-
dencia quer official, qne particular para la deve
serdirigida.
Palacio episcopal da Soledade, 31 de marco de
1874.
Padre Dr. Fiaiicisco do Rego Maia.
Sabbado 4 de abril.
Subira a scena o drama em.J atlas e % u-
bros :
. 4 roda d;i forhna
Dando fim ao espectaculo a sempre apptandida
co media original brasileira :
0 jiidas em sahhndo de alleluia.
Principiara is 8 boras em ponto.
Havera trem depois do espectaculo.
Aviso.
Os senhorcs socios podem desde ja mandar bo1-
car os seus bilhetes no thcatro, das 5 is 7 itwa-
da tardo
TBEATRO
mm
LIMA PEHAKTE
Sabbado 4 de abrih
Tercelra representagao do apparatoshsimo d.-a
ma em 12 quadros e I epilogo, do Sr. Dr. Sonu
Pinto :
Santa Clolilrie
RAINHA DE KiiAM.lA
Denominacao dos juadios.
I.* 0 Eremiterio da gruta.
2 O banquetc.
3. Os gracejos do diabo.
I.* As iiilrigas do valido.
5." A visSo.
6. 0 inlerrogatorio da rainlia.
7. 0 duello.
8 0 reino de saianaz.
9 0 carcare.
10. 0 julgamento.
11. 0 patibulo
12. A canrac do toldado.
i:i>II.0'J0:
0 baptismo de Clovis.
A accSo paasa-M aos anem 193 a 406.
Os pri'meiros 12 quadros em Soisson, e o efflo-
g> em Reims.
A empreza nao poupju de-peas nom esibrcur
para montar a pr^a com todu o luxo requerido.
A*s 8 lioz'tts cbii ponto.
Domingo
A's 5 1|8 hora.M SANTA CLOTILftB
Piincipiara as "> l|2 horas
HEATM
Sanlo Antonio
Hi


KXJk
tro"
ac^!i^r^ir
Sabbado 4 do abril.
Renresentar-sc-ha a linda cunelii tlftl actos.
ornada de musiea :
A
INSPECCAO do arsenal de
MARINHA.
Faz-se publico que em data de 28 e 31 de mar-
c findo foram vistoriados osvapores Ipojuca e
Mandaliu', da companhia pernambucana de na-
vegacao costeira, e a commissao julgouos em
estado de -poderem continuar no servico em qne
se empregano.
Inspeccao do arsenal de marinha de Pernam-
buco, 1 de abril de 1874.
Francisco Romano Stepple da Silva
Inspector.
_i.ua ._,__.
-Ottt
THEATRO
DA
ENCRUZILHADA.
SOCIEDADE PARTICULAR
RECREIO DRAMATICO.
Slecordacoes da iiioritlade
Terminara o especta:i;'. c m e muitJ graclo-
sa comclia em 1 ; cto :
Os dous II V s.
Principiari as 8 l\i i,oras-
DOMINGO
\'a 6 i\'S h.;ra da. noutc
'raii.'c e v v..;!.o e^peclaculj
A excellente opereta cm 1 acto :
Sem fato e sem noiva.
A grands phantasia bnrlesea em 2 acios :
k mm CRINOLINE
Terminara com a eumedia p pilar era 1 act) :
OS IRMfiOS DAS ALMftS
AS 6 it^ UA IfOlffB..
-

PROBRESSO MARITIMO DO PORTO
Euiprcza poriiscusc dc navega-
cito a vapor ceatrc Portugal r
o Brasil.
0 vapor
ALMEIDA GAME!
Commandante Toniasini
Que deve estar aqui procedinte dc Porta {a I at
o dia 3 de abril proximo fuluro, depois de indi-
pensavel demora dentro do port'', seguira pan .
Bahia e Rio de Janeiro.
Passagens e fates* de carga?, encommendas e
valores, tratam-se com
OS AGEXTE5
K. R. Uukcllo & C.
48 Rua do Commercio 48
N. B. As pessoas quo quizerem ir par;i
Portugal na volta do vapor, que derera Hi
pelo meiado do mesmo mez de abril, podem
desde ja tomar as suas passagens para prove
nirem que os lugares sejam occupados
portos do sul.
COMPANHIA Kit l*iI.!IH V
DE
l\AVEGACAOA VAPOR
Por ordem superior e de conformidade com *
clausula 4a do novo contrato celebrado com o go-
verno imperial, dcverai principiar em abril cor-
rente ires viagens mensaes aos portos d3 norte d
imperio.
As sahidas do porto do Rio de Janeiro, raaliur-
so-!iao nos dias 1, 10 e 20, devendo os paqoetes dia 1 de cada mez fazer escala, tanto na viada co
mo na volta pelo porto da Victoria, capital da pr
vincia do Espirito Santo.
Escriptorio da agencia em Pernambuco, 1 d*
abril de 1874.
Pereira Vianna & t.
_______Agentes.___________
Companhia Allianca Mad-,
tima Portuense.
A galera portugueza Saudade, tegairi n foa-
cos dias para o Porto, com escala par Litkou.
19 tern contratada grande parte da tu&
para o resto, trata-se coat os com^BIMm
agentes da companhia,
Jose da Silva Lofo & Fiti*.
em seu escriptorio a rua daCompaahiaPetiaffi-
bucaua. \


L


W
****
r
Diario de Pemambuoo Quarta feira 1 de Abri! de 1874.
Riode Janeiro
Para e iudicado porto segrfe com pcuoos dias
tie demora a tiarca portngueza Weliz Uniao por
ler a maior parte de sou carregamento engajado,
s para o rwto que Ihe f;ika, trata-se con os con-
cigoatariot Joaquim Jos6 t-oncatves BeJtcao & Fi-
sbo, a ma do tommercio a. s.______
Pacific Steam Natation Cmaii)
ROYAL MAIL STEAMEHS.
Sao esperados do sal o* v*pores aba&o men-
i on ad os :
Marco 27 -Potosi.
Abril 10Mimani.
Abril 2i-Britannia.
Maio 8 .Mn Urr.
Maio ti-Galicia.
Tabeila das passages* ale IKrnam-
MM
Para a Earopa i classe 2- classe 3* classe
A Lishua 37 15 10
A Liverpool 30 20 13
Os menores de doze annos pagarao raeia pas-
sagem, os de oito uma quaru parte, e uma crian-
>;a menor de tres annos indo com sua familia
gratis.
Criadaspagarao daas tercas paries das pas-
saaens de pnmeira classe ; e serao alojadas no
safao das senhoras.
Oiados pagarao passagem de segunda classe.
Os camarotes nao devem ser considerados en-
gajados, emquanto a passagem nao tiver sido
paga.
Os passageirosque nao seguirem depois de
terem tornado suas passagens, perderuo metade
da importancia deltas.
BilDetes de ida e volla (nao transferiveis) se-
rao concedidos a passageiros de primeira classe e
a seas criados que os a "om pan ha rein, e a pas-
sageiros de segunda classe, com uma rcduccao
de vinte e cinco por cento sobre a importancia
das passagens ; os quaes Valeria pelo espaco de
dose mezes calendarios. N'enhuma concessao ser-
feita, se dentro do tempo especificado, nao se fi-
zer aso delles.
Bagagem.Sao concedidos vinte ps cnbicos a
cada passageiro adulto; todo o excesso pagara
frete.
N. B.Nao sahirao antes das tres horas da
tarde.
AGENTES
Wilson Roue A- C.
URUA DO COMMERCIOU
COMPANHIA PERNAMBICANA
DE
Kttvegax;flo costeira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Coruripe,
commandante Santos,
segnira para o por-
to acima no dia 4 de
abril as 5 horas da
tarde.
Recebe carga, cneommendas, passageiros e di-
nbeiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
sahida : eseriptorio no Forte do Matto? n. 12.
idem, 12 cadeins avateas, 1 lavatorio de amarel-
lo, 1 relogio pequeao para cima de mesa, 1 cadel-
ra velha, 1 faca com bainha, 1 candeiafcro de
bronze, alguns vidros (frascot), 6 colamnas gran-
de* de Flandres, diversas obras de leitura scien-
ces, ontros" artigcs diverts.
Leilao
DE
3a barns com perxe salgado, vindos de'LisMa >uo
vapor Oberon
Hoje
A'a i'l ioras em ponto
No armazem dor. Annes, defronte da si-
fa ndega.
0 preposio do agente Pe;tana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, da 3o barris com
peixe salgado, vindiis de Lisbda no vapor Oberon,
quarta-feira 1* de abril, as 11 boras em ponto, no
armazem do Sr. Annes.
Leilao
DE
duas caiias com moveU(avariados)
HOJK
as 11 horas
0 agente Pinto fara leilao, por autorisacao do
Sr. gerente do consulado de Franca, em presenca
de seu chancellor, e por conta e risco de quem
pertencer, de 2 caixas marca D M M, ns. 116 e
117, contendo moveis avariados d'agua salgada, a
bordo da barca franceza Rio Grande, na sna ulti-
ma viagem a este porto; is 11 boras do dia aci-
ma dito, em sea eseriptorio, a rua do Apollo n. 8.
Leilao
GMPANIU BAIIIANA
LHITADA
Maceio, Penedo, Aracaja
e Oahia.
E' esperado dos portos do sul ate o dia 4 de
abril o vapor Penedo, o qual sahira para os por-
tos acima no dia seguinte ao da sua chegada.
Recebe-se carga, passageiros e dioheiro a frete.
Agentes.
Antonio I.uiz de Oliveira Azevedo.
."7 Rua do Bom Jesus37
Porto por Lisboa.
Sohe impreterivclmente nestes lo dias o brigue
portuguez Florimla : quem no mesmo qnizer car
regai ou ir de passagem, trate com os consigna-
tarios Thoiraz de Aquino Fonceca & C. succes-
sores, rua do Vigario n. 19, on com o capitlo.
DE
Grande sortimento de ferra-
gens e miudezas
No armazem da rua do Bom Jesus n. 26
Ter<;a-i'eira e qaarta-feira 8
de abril
Para acabar completameute com o estabe-
lecimento ,
J. A Moreira Dias fara IeilSo, por intervengao
do agente Dias, nos dias e horas acima designa-
dos, de todas as miudezas e ferragens, existentes
em seu armazem.
Comecara as 10 1|2 horas da manha.
LEILAO
DO
Vapor Duke of Edinburgh
\o dia SO de abril
Agente Ferreira
\o Part, na P vender-se-ha impreterivelmente por conta
de quem pertencer
O magaiHco vapor inglez
A RODAS
Diilie (if
Rio Grande do Sul
Para o rcferido porto pretende seguir com pou-
ca demora a barca portugneza Social, por ter a
maior parte de seu carregamento engajado, e para
o resto que lhe falta trata-se com os consignata-
rios Joaquim Jose Goncalves Beltrao & Filho,
rua do Commercioi n5
Porto e Lisboa
A galera porlugueza Firmeza vai seguir com
Ijrevidade para es docs portos acima por ter a
maior parte da carga engajada ; para carga e
passageiros trata- se com os ccnsignatarios Silva
'Tuimaraes & C, pra?a do Corpo Santo n. 6.
CttMIM-VHI.t
MESSAGERIES MARITIMES
Llnlia mensal
RIO GRANDE
Espera-se da Enropa ate o dia 7 do corrente,
"egurado depois da den nos-Ayres, tocando na Bahia, Bio de Janeiro t
Montevideo.
Para passageiros, encommendas, etc., a tratar
com
OS AGENTES
Harismendy A Labille
9 Rua do Commercio 9
LEILOES.
LEILAO
do Rangel
construido em Aberdeen em 1870 em um dos pri-
meiros estabelecimentos de.-te genero n'aquella
cidade.
Tem HI p6s de compriroento, 19 de bocca e 9 de
pontal, medindo 126 toneladas ingiezas ou 162
brasileiras
E CABREGA CLRCA DE 7,000 ARROBAS
E' de ferro sdidamente construido, tem boa
marcha e exccllentes accommodayoes para passa-
geiros. Sua machina e de fonp.a" de 60 cavallos
nominaes ou de 300 effectivos.
Este bello vaso que muito se prests para
condiiccilo degado
e sobre tudo excellente reboeador, como tal ja co-
nhecido, e esta prompto a navegar. 0 inventa-
rio sera annunciado alguns dias antes da venda
e pode desde ja ser visto em casa dos annun-
clantes, ou a bordo do dito vapor que se acha
fundeado defronte da igreja de Santo Antonio.
0 vapor pode ser examinado em qualquer dia.
Para mais informaeocs poderao
iIirigi'-so aos consignatarios
Samuel G. Pond & C.
6VJS0S OVESSOS
CASA DA FORM.
AOS 4:000|000.
BILHETES GARMTID0S.
i' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua dt
Crespo) n. 23 e casas do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos seus fe-
iizes bilhetes, um meio n. 1610 com 700, um
inteiro n. 1120.com 100, um meie n. 1831 com
100a, e outras sortes de 40* e 20* da loteria que
se acabon de extrahir (93*), convida aos possui-
dores a virsm receber na conformidade do costu-
me sem desconto algum.
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantidcu
la 5' parte das loterias a beneficio da igreja
da Casa Forte (9i'), que se extrahira na segun-
feira, 6 do mez vindonro.
PBE^OS
Bilhete Inteiro 4*000
Meiobilhete 2*000
KM PORQiODE 1009000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*730
______________Manoel Martins Fiuza
0 abaixo assignado participa ao publico e ao
commercio que comprou a 23 do corrente ao Sr.
Joao Francisco de Souza, autorisado pelos demais
crcdores, a taverna da rua da Fundicao n. i, per-
tencente outr'ora a Jose Gaudencio Pastor. Pre-
vine igualmente aos devedores de dita casa, que
so com o abaixo assignado ou pessoa por si auto-
risada, se devtrao entender, visto como fez parte
da compra, as dividas activas.
Manoei da Silva Reis.
taverna
DA
da rua
n. 41
em um ou mais lotes
dao correr do mariello
Hoje
0 agente Martins fara leiiao, em um ou mais lo-
tea, ao correr do martello, de um grande sortimen-
to de generos da taverna da rua do Bangel n. il
as 11 boras da manha.
AVISO.
alguns moveis e livros pertencentes ao interdicto
D. Narciso Vjdal
HOJE
A'm 11 horas.
fiRua do Livramento, sobrado n. 19 !.' andar.
Por interven^io do agente Dias, que levara a
leilao no dia e hora acima designados, a requen-
mento do Dr. curador do mesmo interdicto, os
moveis alii existentes, a saber :
Uma mesa grande com 4 gavetas, propria para
advogados, 1 dita mencr, 1 dita cm pes torneados,
2 cadeiras de balanco iamarello'i, 1 dita de braco,
idfro, 7 cadeiras de gnarni^ao, :1em. l banca,
Nao se prestando o pequeno espaco do armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido deposito das diversas marcas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
dianle aberto ontro estabelecimento sob a mesma
denorninagao de
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcoes desejadas, e onde pode-
rao os senhores freguezes dirigirse, cerlos de
que, como atS aqui, acharao sempre a par da mo-
dicidade dos precos, a maior sinceridade possivel.
Entre as differentes marcas de fumo da Bahia e
Rio de Janeiro, que tem sido annunciadas, acaba
de chegar uma encommenda especial, e que muito
deve convir aos senhores fregnezes. Consciente o
abaxo assignado de queneste genero de negocio
nao esta sem competidores, fara muito por evitar
qne tambem os tenha com relacio ao pequeno la-
cro que procurara obter da dita mercadoria.
__________Jose Domingues do Carmo e Silva.
Gratifica-se
A quem entregar na rua do Brum n. 56-3 cam-
badas de chaves, perdidas por um prto, dentro
de um sacco. .
Ha para alegar uma escrava que sabe co-
zinbar, lavar e engommar: a tratar em Olinda rua
de S. Benlo o. 33- 4flKM
PHOTOaRAPHIA
*
DE
IMPERIAL
LOPES &C.
ESTABELECIMENTO DE PRIMEIRA ORDEM
Rna il) RarA At Victoria n. 14, sobrado
(ANT16A RUA NOVA)
Trabalhos premiados na ultima exposicao
DO
R10 DE JANEIRO
Acha-se montado sob as melbores condigoes de arte, e aberto a
concurrencia publica, este estabelecimento, o primeiro, sem duvida,
desta provincia, no qual se tiram retratos pelos melborts e mais
modernos svstemas, empregando-se somente material de primeira
qualidade, e garantindo-se
Semelhanqa, nitidez e duracao.
Trabalhi-se todos os dias uteis e de guarda, desde as 10 horas
da manha as quatro da tarde, nao prejudicando o tempo de chuva
ou nublado a perfeicao dos retratos.
Faz-se toda a qualidade de copias, augmentando-as ou diminuin-
do-as.
Tritunpho da
^Sffi^
Associajio Portngueza de BeneQcerjcU dee
Empregados no Commercio e Industra
era Pernambuco.
De ordem do Sr. preiidente da assemblea (aral
desta associaclo, convido pel* Mfonda vex a to-
dos os Srs. associados a reunirem-se no proximo
domingo 5 do corrente to 3 If* horas da tart*
na secretaria desta assoeiacao, aftm de ele|r-M
as vagas da directoria.
Itecife, I de abril de 1874.
0 secretario,
l.'-onard.i Antonio da Silva.
Uma duzia de retratos de uma so pessoa, em cartoes para al-
bum.
Para os retratos esmaltados, colloridos, grupos, e augmentados ha
uma tabeila de precos.
Tiram-se retratos ate tamanho natural.
EXPOSICAO DE N01TE
L#
Slij
"**+**> EXCV^
a%i
IAB0PE PEITORAL JAMBS
OPHMO RKMEDIO CONTRA
TOSSES, HOLESTIAS m PE1T01PHTYSICAS
ensaiado e approvdo nos bospitaes de Lisboa,
legalmente auctorieado pelo Couselho de Saude PQblica,
auctorieacao que se acha recoDbecida pelo
Consul geral do Imperio do Brazil.
C09V
UNICO DEPOSITO EM PERfVAMBCCO
JElna. Iarga BARTHOLOMEU et C*
PharmaceuticoB premiados em diversas exposicoes
ELIXIR SEDATIVO PEITORAL
ANTI-ASTHMATIGO
ESPECIALIDADE
:' ifW^'f
Em tem pos modernos nenhum mento opeuromaior revolu^ao no modo de
curar anteriormente em voga do que o
PEITORAL DI! ffiCMUTA!
TANTO NO TRATAMENTO
DA
Tosse, Crupo,
Asthma, Thisica,
Rouquidfio, Resfriamentos.
Bronchites,
Tosse Convulsa,
Dores de Peito,
ExpecturacSo de Sangue.
Como em toda a grande serie de enfei mi
dades da Garganta, do Peito e do;
OrgSos da respirnoBo, que tanto
atormentam e fazem soffrer a hutnanidade.
A maneira antiga de curar consistia geral-
mente na applicacao de vesicatorios, San-
grias sarjar ou applicar exteriormente un-
guentos fortissimos compostos de substan-
cias vesicantes, afim de produzir empolhas ;
cujos differentes modos de curar, nao faziam
senao enfraquecer e diminuir as for^as de
pobre doente, contribuindo por esta forma
d'uma maneira mais facil e certa para a en-
fermidade a destruir;8o inivitavel de sua
victima I Quam differente e pois o effeito
admiravel do
PEHOEAL SE AMCAS7IUI
Em vez de irritar, mortificar e cauzar inau-
ditos soflrimentos ao doente,
Calma, modifica e suavisa a dor,
Alii via a irritac,ao,
Desenvolvo^ejentendimento,
Fortifica o corpo
e faz com que o systema
desaloje d'uma maneira prompta e rapid&
ate o ultimo vestigio da enfermidade. Os
melhores votos em medicina da Europe, (os
entes dos collegios de medicina de Berlim)
testificam serem exactas e verdadeiras estas
rcla^des analogicas, e alem disso a expe-
riencia de milhares de pessoas da America
Hospanhola, as quaes foram curadas com
este maraxilhoso remedio, sao mais que suffi-
ciontes para sustcntarem a opiniao do
PEITORAL DE ANACAHUTA !
Deve-se notar que este remedio se acha
intciramente isento de venenos, tanto mine
raes, como vegetaes, emquanto que alguns
destes ultimos, e particularmente aquelles
que sao dados sob a forma de opio, e aci-
do hydrocianico, formam a base da maior
parte des Xaropes, com os quaes tao fa-
cilmente se engana a crcdulidade do pu-
blico. A composi^ao de anacahuita peito-
ral acha-se linda e curiosamente engarrafad?
em frascos da medida de cerca de meio
quartilho cada um, e como a d6se que se
toma e s6 d'uma colher pequena, basta
geralmeute a applicacao d'um ou dons fras-
cos para a effectua^ao de qualquer eura.
Acha-se a venda em todas as boticas.
H. Frosters & C, agentes.
Unicos agentes nesta provincia os Srs. J-
0. D. Coyle, rua do Commercio n. 38.
Tem sido aprescnlada ao publics
Durante o espaco
DE
4 0 ANNOS.
0 abaixo asMgnado declara ao corpo do
commercio que vendeu a sua Uver&a e garapeira
sita a rua Imperial n 273, hvre e desembara^ada-
de qualquer debito : se alguein se julgar credo-,
apresente se no praxo de tres dia., a rna do Bo-
sariO. da Boa Vista n. 51. Recife, 30 de ma*p
de 1874.
Agostiiiho Antonio de Souza.
AttencAo
Precisa-se alugar uma casa terras, grande,
que tenba, alem de sufficientes commodoc
para familia, tambem tenha quintal ou pe-
queno sitio murado com cacimba, que se^a
no bairro da Boa-vista, e perto da linha dos
bonds. Tambem serve uma casa terrea,
grande ou um pequeno sitio nas mesmes
condic,des acima; porem que seja nas imme-
diaroes da cstrada de Olinda ate* a Encro-
zilhada.
Quem pois tiver e quizer alugar, deixa
carta fechada com a inicial W. do escrpi-
torio desta typographia.
Novo tratamenlo da Asthma, tosse, conwlsa. defluxo catarrhaes, e todas as mokstias dos pulmes
que tem feito imporUntes curas, e que 6 hoje o unico acceito pelos melhores MedicosT
DEPOSITO QERAL, 34, rua Larga do Rosario, PERNAMBUCO.
BENEDICTINE
LICOR DOS MONGES BENEDICTINOS DA ABBADIA DE FECAMP
Este c61ebre licdr tao
appreciado do publico
ao ponto de se encon-
trar hoje em todas as
b5as mezas, tanto no
Bestaurante como no
jantar domestico; nos
grandes hoteis como nos
saldes dos principes, por
isso e elle tamben o ob-
jecto de numerosas imi-
tates, cuja maior parte
de falsa provenencia.
Como termo final de
garantir aos consomma-
dores cuidadozos um
producto puro, exquisito
e essencialmente hygie-
nico, contra estas ialsi-
fica^oes detcstaveis de
man gosto e nocivo,
saude, damos retro u
modelo da garaffa e mais
acima o dos sellos e le-
treiros que envolvem o
verdadeiro Ucdr benedic-
tino.
OBSERTACAO IMPORTANTE.
Recommendamos particularmente ao publico em geral, o exi-
gir o letreiro acima, qui e" sempre posto no (undo das gar off as
desde o V de Outubro de 1872 que tem a. assignatura de
A. LEGRAND aine, director serl.
H. B. Ettt tempo* de epidemic o BBllEDlCTmo e am preservative)
oerto; am grande nnmero do oelebridadei medioat tem dado o
certifloado bem formal.
Bcpoelf* #cral < A. LEGRAND %**, ean Fecamp lran( .
Deposito geral em Pernambuco, A. REGORD.
msAsss immms
0 INEXTLMGUIVEL.
Irmandade de S. Joso da
Agonia, erectano convento
de Nossa Senhora do Car-
mo.
De conformidade com os eslaiutos desta venera-
vel irmandade e por ordem do Illm. Sr. provedor,
convido a todos os nossos irmaos ex-mesarioS: a
cemparecer em nossu consi.-tjrio do-ningo o d*
abril do corrente anno, pelas 10 horas da manbi,
afim de era mesa conjunta delibcrarem sobre
irmaos qne devem ser eleitos para a nova MM
de 18"'i a 1875. Recife, 31 de marco de 1874.
0 secretario,
_______________Manoel Jo^e L-iiz Ribeiro.
Aluga-3e o primeiro e mm andares ~di
rua de S. lorge (antiga Pilar) n. 23. frescos
aceiados, e cada um com commodos para grande
familia : a tratar no n. 74.
PENHORES
Na trave&sa da raa
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaese pedras.
DE
RBISTOL

FUMO DO PARA
0 verdadeiro fumo de Borba, em chicote, picado, desfiado e crespo, essin
como cigarros do mesmo fumo ; na fabrica a vapor, antiga rua dos Quarteis n. 21.
Na dita fabrica, os Srs. fumantes encontrarSo os seguintes e bem conhecidoi
fumo? manufacturados na mesma casa,
Fk>r do Brasil
Novo Caporal
Bes Bird'seye, ( Olho de Passaro. )
Vende-se a retalbo, e em grande quantidade se faz grande abatimento.
am
DE
HURRAY ft LA\HA\.
Uma pura distillac,ao das mais raras flv.-
rt dos tropicos. Contem, para assim oi-
zer, quasi o oddr odorifero das flores do
tropico da America, e sua fragancia e quas
iiiexhausta ainda mesmo por continuad*
o/aporacfio e diffusao. >"este respeito e
i icomparavel a qualquer outro perfume
qne ha de venda para :
DESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, I'OH
DE CABECA, DEBILIDADE E
HYSTERICOS.
E um certo e ligeiro allivio. Com o bom
on, tem conservado sua influeiicia pars
cima de vinte e cinco annos sobre todos os
^rfumes, nas Indias Occidentaes. Cuba,
Mexico, America Central, e do Sul e n6s
com toda a confianca o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
licado, riqueza de odor e permanencia, nSo
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOLAS, .
QUEIMADURAS DO SOL.
SARDASJ E BORBULHAS.
Sendo reduzida com agua, se toma umt
excellente mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e cOr clara a complei-
cao nublada, sendo applicada depois d<
barbear, evita a irritagSo que geralmentc
occorre, assim como tambem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
lhora a condicae dos dentes e gengivas.
Como ha muitas irnitaroes, as quaes nao
possuem nenhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuidado e contar sOmente o
o famoso perfume e cosmetico do sul da
America, cham
AGIA FLORIDA
DE
MURRAY ft LAXMAV
S acha a venda em todos odrogu
perfumari as da moda.
Aluga-se um bom sitio na estrada do Monteiro,
perto da estacao, com excellente casa, com gaz,
cocheira, jardim ; pertencente a viuva do Dr. Ja-
cintho Pereira do Rego : a tratar com Francisco
Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus, ou na rua do
Imperador n. 83, 2* andar. No mesmc sil>c !em
'mem motre os commodos.
CL'RA OS CASOS MA!S HESESPERADOS
A SAFSAl'AUUlLliA DE BRISTOL pur:-
fica a massa do sangue, eipelle para fo-
todas as materias e fezes viciosas e impuras,
regula todas as sccrcQoes, da vitalidadc e
energia a todos os orgSos e da" forca e vi-
gor ao systema afim de podcr mclhor resis-
tir a todos os ataques da enfermidade. E'
pois este um remedio constitutional. Elle
nunca distroe afim de poder curar ; por^rn
constantcmcnle assiste a natureza. Portanto
em todas as doencas constituciomm c em to-
das as molestias locaes dependent?, d'um tt-
tadovicioso e imperfeito do systema em ge-
ral, achar-se-ha que a Sai.satarrilha di
Bristol e um remedio seguro e efficassiss--
mo, possuindo inestimaveis e in contest* v*1 is
vrtudes.
As curas milagrosas de
liMcrol'ula.*..
Ulceras,
< lin.t anl|Mi
F.NFERMIDADES SYPHILl'iiCAS
ERYSIPELAS,
RHEUMATISMO,
NEVRALGIAS,
ESCORBUTO,
ETC., ETC., ETC.,
que torn grangeado e dado o alto reuom-
Salsaparrilha de Bristol
por todas as partes do universo, sao tao jc-
menle devidas i
UN1CA LEGIT1MA E ORIGINAL
Salsaparrilha de Bristol
NA PHARMACIA CENTRAL
o iiivoeiuo
Affiinso de Alhuquerqoe Hello
incumbe-se de promover abrancas amigav-(
ou judicialmente, assim como de ontros negeci>
concernentes a sua proGssao, nos lugares prov-
ides a linha ferrea, e nos outros termo* proximo*
a esta cidade; para cujo auxilio tem o annur-
ciante solicitadores habilitados e probos, respoc-
sabilisando-se no entanto pela boa gestao e coma
do qne lhe for confiado.
Mediante modico honorario acode aos chmados
para diligencias ou consultas fora da cidade e do
termo e incumbe-se da defeza de appcllacSes ante
o tribunal da relacio. Fode ser procurado de
meio dia as 3 horas da tarde em seu escripto>"J
e rua do Duque de Caxias n. 37.
K^OOC^iOOC^CKSXSl
Consullorio medico
DO
Dr. Mui-illu.
RUA DA CRUZ N. 16, ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospi'taes de Paris e Londres,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objecto de sua pro-
Gssao.
Consultas das 6 horas da manha as 8 ho-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres.
ES^EOALIDADES.
Molestias de seohoras, da pelle de
crianca.
*
9
,

*'
MWIUUil

1


Diario de Pernambuoo Quarta feira 1 de Abril do 1874.

j
r
V
i
I
\
FUNDICAO DO BOWMAN
RUA DO BRUM N. 52
(Passando o chafariz)
PEDEM AOS tenhores de engeoho e onl.os agnail.ores, e *upreg',d.>r*t de ai
*4,ajiao o tavor de ami vitiU a seu estabelecimentu, pr*n vtrem o now lortiinenti
omplet > qoe ahi tem; sendo todo laperior em qoalidade e rortidao; o qoe com a ids
eeccio pessoal pode-se verificar.
ESPECIAL ATTENCAOAO NUMEROE LUGAR DE SUA FUNDICAO
7ftnorftft A rnHfla ri'ao-na do8 mais moderno8 y^a eem u
w apuiOS O rUUaa U agUo maabos convemeotes par* as diversas
urcomiUDciat dos senhores proprietaries e para descarocar algodio.
Moendas de canna delod08 olunMnho8 *;neinorei que aqm
Eodas dentadas para "* *"e 'apof-
Taixas de ferro fundido, batido e de cobre.
Alambiques e fandos de alambiques.
Kachinismos
ftombas
I
33
Conslnidor e afinador de pianos
Rua do lmperador
33
para maodioca e algodio,! Podendo* todo*
eparaterrarmadeira. fser movidosa mao
fpor agaa, vapor,
de pateote, garantidas........ | oo animaes.
TodaS aS machinaS P*"<1 de machinismo, a preco mai reiamido.
Paz qualquer concerto
PonHflS dfl fflTTO tem u melhorei e mail blrJtas existentes no mer-
Rnnrtmmanrlafl Incnmbe-ie de mandar vir qoaiqoer machinismo t von-
ouuuiuuiOUUWi Ude dos clientec, lembrando-lhes a vaotagem de faxerem
40U eomprai por intermedio de peuoa enteodida, e qoe em qoaiqoer necesiidade p6de
km presUr aaxilio.
Irados americanos e iMtr^lnen,o 8ricolM-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
FUNDICAO DE FERRO
5
4' roa do Barao do Triumph) (rua do Bruin) us. 100 a .04
CARDOSO & ffiMAO
AVISAM aos senhores de engenhos e outros agricultores e ao publico em geral que
ontinuam a receber de Inglaterra, Franca e America, todas as ferragens e machina s ne-
cessarias aos estabelecimentos agricolas, as mais modemas e melhor obra qoe tem vindo
ao mercado.
V apOreS (de force de 4, 6, 8 e 10 cavallos, os melbores que tem vindo ao merado
UaiQ6iraS de sobresalente para vapores.
M-OenaaS lnteiraS e meias moendas, obra como nunca aqni veto.
laixas IfundldaS e batidas, dos raelhores fabricantes.
CVOdaS d aglia com cubaje de ferro, fortes e bem acabadas.
KOdaS^ dentadaS de todos os tamanbos e qualidades.
Rel0gi0S e apitOS para vapores.
OOmbaS de ferro, de repucho.
ATauOS de diversas qualidades.
Formas para assucar.grandes epqoenas.
Varandas de ferro fundido, {ranceiK de divers* e bonitos gostes.
Fogoes francezes
Ditos ditos p8ra gaz.
Jarros de ferro fundido
Pes de ferro
Machina
Valvulas
Correias inglezas para machinismo.
>anCOS e SOiaS com tit as de madeira, parajardira.
OoncertOS concertam com promptidao qualquer obra ou machine, para o que teeno
sua fabrica bem montada, com grande e bom pessoal.
EnCOmmendaS man(^am v'r Por encommendada Enropa, qualquer machinismo,
para o que se correspondem com nma respeitavel casa de Londres
e com um dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
iitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalbo das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brura) ns. 100 a 104
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
Ex-aftaador das antigas e afamadas casas Pleyel & Herz, e aotigo director das offici-
al casa Alphonse Blondel.
Tem a hnura de declarar ao respeitavel publico desta cidade, que tem aberto sua easa de
concertos e afinacoes de pianos, qualquer que seja o eslado do inairumento.
A mesma casa acaba de receber um grande sortimento de pianos dos melbores fabricantes
de Paris, como Erard Pleyel, Henri Herz e Alplumu Bkmdel) todos os pianos sahidos da ease
Dhifcaut sao garautidos.
Compra-se e recebe-se em troca os pianos usadot.
9 Rua do lmperador 49
para lenha e carvao, obra superior.
para jardim.
para mesa e banco,
para gelar agua.
para bomba e banheiro.
ODILON
CAB
Premiados
LLEI
R0S
1U1
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianos dos mais afemades autores,
como sio : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem umi qualidade de pianos supe-
riores, rnaudados expressamente construir para este clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se c afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais comploto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sio: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RCA POIMPEBABOB 4t
REDUCCA0 DE PREC0S
FABRICAS DE CHAPEOS DE SOL
DE
MANUEL & MAESTRALI
Rua do Barao da Victoria n. 23
F. S Q U I N A DA CAMBOA DO CARMO
E
Rua Duque de Caxias n. 64.
Os proprietaries destes estabelecimentos participam ao rspeitavel publico, e a seus
froguezes, que teem sempre um completo e variado sortimento de chap^os de sol de to-
das as qualidades,etamanhos; tendo resolvido fazer reduccSo nos pre^os dos mesmos,
c acbam-se em condicoes de poderom vender mais barato que em outra qualquer parte,
visto receberem todos oe seus artigos em direitura, e achar-se um dos socios na Europa,
percorrendo as principaes fabricas.
Cbamam a attengao dos senhores logistas para visitarem seus estabelecimentos, e a
vista dos pregos e boas qualidades dos artigo, nao deixar&o de comprar.
j Cobrera-so e concertam-se chape"os de sol de todas as qualidades, com promptidao
e a preros modicos.

A 9:000
Botinas para lioraem
Aa'.Mii T i-licwi pr: niJ'S f.icturas l.:::
nil .> d.- in j.|i.-i .j iip/e [f. dc enrdavao, dt pc ^,-
i. il- il.irji]:,- ,-,,,.i is.| ir.r. i!r ttOlPlTO COHl -
'*-". c iii iii.i/cs ;i i.ik) i.i i-T-Jh r) prr >r
in v' I- ; :..p i i .hi; i in!:i k urileni G-~
i > :. ..rii.i.'i :n uy v.,|i.ir frances, a
liaiiii ;.i Vii-t. rii(;uir'ira Son) n. 7.
*
24-Rui do Marquei deOlinda-24
Eaqulna do beeco Largo
1'articipa a sens frpguezes e araigos que mudou
o seu estabelecimento do relojoeiro para a mesma
rua n. 24, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios de
algibeira, de todas as qualidades, patente suisso,
de onro e prata dourada, foleado (plaquet), relo-
(lios de onro. inglez, descuberto, dos melhores
abricantes, cadeia de ouro, plaquet e prata. lnnetas
detod!>s as qualidades, tudopor precos muito ba-
ratos.
Calcado
ESCRAV0 FUGIDO^
rente
Desapparecen ao amanhecer
Dte, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escraTO de nome Jose Horges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguinles : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa Cgura, um lanto
grosso e espadaudo, sendo o sigoal mais visivel
uma gomma na jnnia do pC esquerdo : rogase a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
apprehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen-
te recompensados. ___________
ALUQA-SE
nma casa na Capnnga, rua das Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora : a traUr na rua dc
Vigario Tenorio n. 31.
LOJA DO PASSO
.
Cordeiro Simoes k C.
Acabara do receber pelo vapor Mendoza :
Riouissimos cortes de gorgurao de seda lisos e
com listras acbamalotadas.
Ditos de linho para veslidos, contendo cada car-
te, o necessario para seu enfeite, como seja :
franjas, trancas, lotoes, fivellas, etc.
Riquissimos chapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.
41 Rua do lmperador 41
O novo proprietario deste acreditado e bem montado estabelecimento, com o fim de
conservar os creditos de unico neste genero, tem reformado e melborado complctamente
o mesmo em ordem a poder satisfazer quaiquer pedido para as provincias do norte e in-
terior desta, garantindo perfeijao em todas as prepracSes, aceio e modicidade nos precos,
compativel com este genero dedrogas.
Espera a todo momento uma grande remessa de pharmacia homeopathica de J.
Epss (feC, de Londres, composta de medicamentos, carteiras, pocolotes, Opodeldock de
Ubos, de Buvonia, de Arnica e de p6s especiaes para dentes.
Tem & disposirAo dos amantes da homeopathia a excellente, obra do Dr. Mure nie-
Tem carteiras de globulos e tinturas de 12 medicamentos ate 120, i escolba do com-
prtdor.
IUA
DA
na exposicjio de. 1872
IMPERATR1Z
N. 82
i. ANDAR.
RUA
Da
IMPERATRIZ
N." 82 j
1. ANDAR.
Acabam de reformar o seu estabelecimento, collocando-o nas melhores con-
iiosdes possiveis de bem servir ao publico desta illustre capital, e a"s Exmas. Sras. n'a-
quillo que fdr tendente & arte de cabelleireiro.
Fazem-se cabelleiras tanto para homens como para senhoras, tupete, chignon,
coqoes modernissimos, trancas, cachepeign, tecidos, desenhos em cabellos, quadros tu-
r.ulares, flores, bouquets e todo e qualquer trabalbo imaginavel em cabello.
O estabelecimento acba-se provido do que ba de melhor nos mercados estran-
geirDB, recebo directsmente por todos os vapores da Europa, assuas encommendas e figu-
inos de modas, e por isso pode vender 20 0 menos que outro qualquer, garantindo
perfaigio no trabalbo, sgrado, sinceridade e prego razoavel.
Pentearo senhoras, tanto no estabelecimento como fora ; vende-se cabellos em
porcSo e a retalho e todos os utensilios pertencentes a arte de cabelleireiro.
0 mail poderoso e o mais agradavel de todos os ferruginosos recom-
mendado pelos Professores e Doutores t Piomt, Trousseau, Jobert (db
Laiiaub), Malgaigne, Ricord, Nelatok, Chassagnac e multissimos outros
contra as molestias de contumpfao, clorotlt, opdecdes, floret brancat, anemia,
tuffocafoei, palpUafSet, rachitis, etc.
n todas as fhabkacias do hcsda;
Deposito geral no Pernambuco, A. RECORD.
PARIS, 25, rue de l'Entrepftt,' 25, PARIS.
Plurueria, para mordedura de cobras.
I-Senacena I
\Para bexigas como preservative
Yaccina (
China cruzeiro, para iiilermittenles.
Schynus, para anginas.
Calendula, para queimaduras.
Taranlula, para paralysia.
Tintura mai d arnica, para conlusdes, cor*
ips, etc.
A CHEGAREM
Opodeldock d'Arnica.
Dilode.Rhus 1
Span rhematismo.
Dito de Bryonia j
Chocolate homeopathico.
Cafe homeopathico.
Elor d'araruta.
P6s para dentes, inglezes.
*eric6, para rheumalismo.
Matta-matta ou jaboti, para tosses.
O abaixo assignado declara ao respeitavel
publico que nio se respomabilisa por qualquer
divida, que, seja quem for, possa contrahir em
seu nome ; sem a competente ordem escripla por
seu proprio puDho.
Recife, 26 de marco de 1874.
Jos6 Fortunato dos Santos Porto.
Pirecisa se alugar urns preta de mcia
djps: na rua do Ouro n. 71.
ENGENHO."
Arrenda se ou vende-se os engenhos Machadi
uo Estrella, junto a cidade do Rio Formosu, e o
Montevideo, junto a villa de Ipojuca ; os preten-
dentes acbarao com qnem tratar no escriptorio da
corapanhia dos trilhos urbanos de Olinda, ou na
rua Duque de Caxias n. 30.
Para liomem.
BOTINAS de beierro, rordarao, peHica, lustre
de duraque com biqtieira, dos melborc*
fabricantes.
SAPATOES de be/erro, de cordavao e de ca**-
mira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados oom > !a de pao, pro-
prios para b.inhos, s<.\\o- e j.inlins.
SAPATOS dc tapete, chariot, castor e de tran.a
franceies e pnrtugnczes.
Para senhora.
BOTINAS pretas, brancas e de cores differenus,
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPAT1MIOS de ph;.nia>ia ccm salto, branco*.
pretos e de ciires differentes, bordados
SAPATOS de-tapete, chariot, cas:..r e de tran.-a.
Para meninas.
BOTINAS pretas, brancas t de eteai 9MHXW k,
lisas, enfeitad;is e bordadas.
ABOTTNAD05 de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca Portugueses.
Para meninos.
BOTINAS de bezciT'-.. lu-rre r d. crdavio.
ABOTINADOS e sapatSei 6> bezerro, dediver<.
qualidades.
SAPATOS de tranca franeaies i poringueiei.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e a Gnilhenne, perneiras
meias pernciras para hoim-n e rneias perneira*
para meninos.
No armazem do vapor frar.ee-. a ma do ftwtc
g" Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de gueraicoo^.
sofas, jardineiras, meias. conversadeiras e costa-
reiras, tudo islo muito bem j >r screa fortes
leves. e os mais proprio- ir.0Vfh> psra saietas epa
bineles de rucreios.
No armazem do vapor francez, a rua do Bari
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
Acabam de chegar muito bons pianos forte; t
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejciu : Alphonse
Bldonel, Henr>- Hers e Pleyel Woifl & C.: do
vapor francez, a rua do B..rao da Victoria, >u-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodoa.
Perfum arias.
Finos extractos.'banhas, oleus, opiata e rx'is del
trifice, agua de flor de laranja, agua dc toikle,
divina, florida, lavande, pos de r.rroz, sabonetef,
cosaieticos, muitos artigos dclicido- ea perfama-
ria para prescntes on Iraseoe de extraeaaa, cai-
xinhas sortidas f garnfaa At uili>reuies MMa-
nhos d'agua de cologne, tudo de priroeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Ccu-
dray.
No armazem do vap
da Victoria, outr'ora
francez,
H n. 7.
i rua do Baric
Curso de philosophia.
Pelo Dr. A. H. de Souza flandeira Filho.
19-Rua daUaiao-19_________
Atten^ao.
Precisa-se com urger.cia de uma ama de
leite, que seja sadia, e que tenha bom e
abundante leite, para tomar conta de uma
criance de dias, dando-se preferencia a mu-
lher do matto : quem, pois, estiver nestas
circumstancias apparega no 3. andar desta
typographia para tratar.
Espirito
ra.
de Hahereman ou de campho-
I Cactnc grande ildrus, para pneumonias e
molestias do coracdo.
inspeccionando todas as pre-
Acha-se constantemente & testa do estabeleciraente e
pararoas o Sr. Dr. Jesuino Augusto dos Santos Hello.
CONSULTOMO HOMEOPATHICO
DO
Dr. Santos Mello
Consultas pela manha, e & noite at^ 9 horas
Gratis aos pobres.
Um sitio na travessa da Cruz das Almas, perto '
das estacoes da Tamarineira e Jaqaeira, cbm ex-; U lC,0nteci?uU.m ^rranjo na ma-
muito commoda c,hl"a &*&-?, os fabricantes vem por meio
cellente casa de vivenda, nova,
e asseiada : tendo 2 salas, 6 quartos, e fora co
zinha, despensa, sala de engommar, quarto de co
deste pedir desculpa aos seus freguezes pela
falta que tem havido nestes dias ; esperam
banheiro, gallinheiro, etc. etc.
do commendador Tasso.
SS^iJf^^Tit^^-flSS?^*^ porem, em qualquer destes dias fornecer a to-
quarlos para cnados, iatnnas, cercado de ferro, 5rt .- ..._.-j ? j __.
tratar no sitio quantidades do costume ; aproveitam
I tambem a occasiao para prevenir aos seus
-------------- I freguezes que teem em viagem uma ma-
china nova, de maior forga e do systerna
mais moderno, que fabricara" m maior es-
cala e com toda presteza as quantidades que
forera exigidas.
Santo Amaro, 17 de marco de 1874.
Pelos testamenteiros de C. Starr d: C.
William W. Webster.
Constando a alguem que uma mulher, quc diz
chamar-se Olindina, ainda ousa inculcar-se como
filha do fallecido coronel Pedro?Antonio Velloso da
Silveira, e irma do tambem fallecido capitao Pedro
Ivo Velloso da Silveira, afim de excitar a compaixao
e obler esmolas das familias a quem ella recorre,
aproveitando se para isto de ser cega,e esse alguem,
perdendo por fim paciencia a vista da persulen-
cia dessa miseravel traficante que, a noite o mes
mo por vezes durante o dia, se introduz nas ca-
sas daquelles que a nao conhecem, julga conve-
niente declarar para que b5o contiuue a ser ex-
plorada a credulidade dessas familias por es;a in-
postora, que a filha do referido coronel Velloso da
Silveira, que tinha o nome de Olindina, e era cega,
foi bem educada em Paris e casada, existindo ain-
da seu marido na provincia do Ceara, morreu em
casa de sua cunhada, viuva do dito capitao Pedro
Ivo Velloso d i Silveira, ua rua do Principe, em
maio do 1869, e que nunca se vio obrigada a pe-
dir esmolas.
A fallecida Olindina era baixa ; mas magra, tra-
java bem, e nunca andou nas ruas desta ci
dade sem ser acompanhada por pessoa respeita-
vel ; entretanto que a impostora, que parece mais
velha e provavelmente nao tem o nome de Olindi-
na, se e baixa, 6 gorda, anda mai trajada e co
berta por um velho cbale, sendo acompanhada
por um pardinho.
Recife, 88 de marco de 7874.
^t. F.
por f
Nova
Quinquillifirias.
Artigos dc tliffcrciir.es gostos r
phantazius.
Espelhos dourados para sala. e gabaMM>
Leques para senhoras e para mfinaa
Luvas de Jouvin, de Bo dc Esei <" e de camur.a
Caixinhas de costura ornada e .i;. musiea.
Aibuns t- qua lpint.ot per* remiof.
Caixinhas com vidro dc 3U(t:.-Dlai 'otral
Diversas obra; de onro t. rr di le: garantido
Correntes de plaqu^ mnito bonitat pan ri
gios.
Rnticce enitac&o botoe* dc punhos de p.-
JUfc
Rolsinhas e colrc; de seda, de vellnie e de
rinho de c6res.
Novos objeclos de phantazia para cima ItatM
e toilette.
Pincinez de cores, de prata doorado, de ac/,
de tartaruga.
Oeulos de aco fino e de todas as guarnifo'es
Bengaias de loxo, can.-.:., torn castoei de Ckr
fm
ilengalias diversas em grar.d( r'lmenlo par*
omens e meninos.
Chicotinhos de balcir. e de rn'tin QTiafcliiV'
diversas.
Esporas de tarracha para saitos de holas.
Ponteiras de espnma pan charutos e dgarrot
'enles de tartaruga para desemtar acar e par
de marfim muito Ones, para lirap-r ce*
Garanh
Na
allar
os6 Paes
arannuns.
rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-ss
aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
daSilva, a negocio de particular inte
Uma carta vinda do Mara-
nhak).
O Sr. Luiz Antonio de Mattos e rogado a vir a
rua larga do Rosario n. JO, e faz-se o presente
aviso por se ignorar a sna residencia.
O Sr. Jo3o Firrao Delgado tem uma carta a
rua da Cruz n. 7, 2 andar, vinda por uma pes-
soa passageiro do vapor Sorata.
Quem precisar de um homem casado para
alguma arruma9ao, dirija-se a rua da Trempe n.
37.
1. 55,400
Pede se ao Sr. Joaquim Pires Ferreira
o favor de appareeer na rua Primeiro de
Mercp n. 7 A, l. andar, a negocio de seu
particular interesse.
Aluga-se barato umas roei'aguas novas, na
tra raisa dat Barreiras (becco do Aquino) : a tra-
tar na roa do Cotovello n. 25.
CASA DO OURO
Aos 1:0000
Bilhetes garantidos
Aita do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
Acbam-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
'antidos da o' parte da leteria a beneficio da
igreia da Casa Forte, que se extrahira no dia 6 de
abril vindouro.
Pree.os
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De 100-rMM) para cima.
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, 28 de marco de 1874.
Joao Joaquim da Costa Lti'.e.
Xao se illudam
Avisa-se aos senhores donos de barcacas e hia-
tes, que no Macao do Assii o sil esta a preco de
1*500 o alqueire, e so nao compra por este preco
quem nao manda dioheiro para o carregamento,
pois o espertalhao diz que quem compra para fazer
saque deve ser a 2* e 2*500 o alqueire. Ora, era
uma embarcacio de 400 a 500 alqueires, vejam a
differenca, por isso e que os senhores proprieta-
ries de embarcicoes dizem que nao vale apena
mandar buscar sal alii, a razao 6 esta, 6 engordar
qnem Mj e muito gordo.
Cozinheiro
i.'.irba.
Ditos
oeca.
Escovas para roupa, cabellos, unha^ e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinbeiro.
Gravatas brancas e do seda preta para Lomecs
e meninos.
Campaiuhas de mola para ehaaoar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de d>
min6 e outros muitos Jiff'-rentes joguinhos au*-
maes e fr.-ncezes.
Malas, bolcas e saeeoa dj vi;.gem de u.ai e ::
minhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas mcrde-
rem, bom para os dentes.
Ber^os de vimes para embalar criac^as.
Ce^tinhas de vimes para braco de meninas
Carrinhos de quatro rodas, para passcios ie
criancas.
Venezianas transparentes para portase janella*
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e oismoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas magicas m ricas vistas de cores era
vidros.
Vidros avulsos para cosmorama.
Globos de papel de cores para illuminagoes 6>
festas.
Baloes aereostaticos de pape! de seda mui fa-
de subir.
Machinas de varios systemas j ara cafe.
Espanadores de palha e de pennas
Tesourinhas e canivetes flnos.
Tapetes com vidrilhos para mangas e lantenu.*.
Tinteiros de louca branca, modelo bonito e boas.
Tiras de molduras douradas e pretas para
juadros.
Quadros ja promptos com pays:.gens e phanu-
ua.
Estampas avulsas de santos, paysagens e pbas-
tazias.
Objectos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pequenos de veio com liedas pecas.
Realejos barmonicos ou accordions de todoa H
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilh.v
rias difflceis de mencionar-se. No armazem do
vapor francez, rua do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
Medidis de 40 a 100 metros,pes e pabios pan
medir terrenos.
Rrinquedos para iueniaos
A maior variedade que se pode deeejar de to-
dos os brinquedos fabricados em differentes pan*
da Europa, para entretenimento da* criancas, tmi >
a precos mais resumidos que e possivel : no ar-
mazem do vapor francez, ma do Barao da Victo-
ria, outr'ora rua Nova n. 7.
Cestinhas para costnra
Grande sortimento de bonitos modelos cbegadea
ao armazem do vapor francez, rua do Bario da
Victoria, outr'ora rua Nova, n. 7.
Engenho
Precisa-se de um cozinheiro para
fiacao e tecidos, na Magdalena.
Vende-se o engenho S. Pedro, sitaado na pr >
vincia de Alagoas, comarca do Porto Calve, a
menos de nma l?goa distante do porto de mar uo
Gamella, tem oxcellentes terras, maias, e aaareji
regularmeate 2,(00 paes : a tratar na roa do Vi-
gario n. 31.________________________
fabrica de Claudina Maria da Concei{io-da Costa- re-

iira-sc para a cidade da Bahia.


6
J
Dio de^esfcambiacn ~ Quada feira 1 ..an Aferil 4t MML
,:-jWi)\ rieamente en-
feiinrh do Canip.s
;idr, ja com-
i!u, con;tando do seguio-
Bolos Ados para enfeitar.
Cwces Sab wnsissimos para enfeilar.
F.guras allegorie.-s para eDfeitar.
Pr.peis arrendados para enteiar.
Bouquets para noivos.
Alii
Kncontrase sempre o seguinta :
Fiarabres inglezes.
Budius
Uolos >
Paes de 16 linos.
Fatias dudiio para parturientes.
Bist"is e.n profusao.
Fillus (.lo.ilt s de m.lnna).
Doces em calda, ralado e secco.
Bolachinlus de mil qualidades.
iSupr Walters vanilla) para dietas.
belea de mocut6, desiufeclada.
Amendoas, confeitos, etc.
Chi verdideiro las Oaravanas.
'lafe de Juva (terd deiro).
Ta'Io Ik to na "
CONFEITAKIA DO CAMPOS.
m ummk
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:000S0(
O abaixo assignado tem sempre exposto a ven
Ja bilhetes da loteria do ftio, cnja extracoao an-
ounciara pelos jornaes.
Precos.
loteiro 24*000
Meio 124000
Quarto 6*000
Manoel Marlins Fiuza.
Aluga-se
uma grande casa para famllia, na Capuova, rua
da Ventura n. 22, tendo quartos fora, bwhoiroi
cocheira, gallinheiro, etc., etc.: a tralar na mesma
casa. >___
Na ma do
fallar ao Sr..
gacie de seqpai
AMA
n 36, arecisa-se
aria Pe*taoa, a ne-
2 andar.
Precisa se de uma ama
9, 2" andar.
|Sra lizmhar comprar?
preci.-a.-se de uma ama : na
rua Duquo de Caxias n. 6,
no largo do Carmo
AMA
Principe n. 20.
Predsa-se de uma ama pa-
ra todo servico de uia r.e-
quana familia : a rua do
AMA
Na rua do Gamarao n. 3, precisa-se
dc uma, para cozihar. coruprar e fa-
i w ...'"' B|g"'nmitaf>..para tres pessoas.
"Precisa se de lima ama forra""
I eotlogiQ de Santa Genoveva, a rua do Hospi-
:ii) n. 8$, pre;isa se de uma boa engommadeira.
Tabella necessa.ia.
Km vista do numero de impostos qne o publico
;.ga ao governo actual mcnte, faz se preciso urn
ippa que marque o tempo do pagamc-nto ; nesse
ntido encnuttarao os contributes uma tabella,
rua do Imperalor n. 54, a 200 rs.
Fugio do eugeuho California, em Seriohaem,
dia 2"5 de marco deste anno, o ercravo Gri-
gorio,. preto, enuulo, de 20 a 21 annos .de idade,
esialura regular, olhos vivos, com falta de deu-
na fiento, orelbas furadas, e com algumas
lwrcas de antigi) castigo, tanto nas costas como
nas oaJegas por ser muito fujao : costuma a mu-
dar de nome e inculcarse furro ; dizeni que fu-
gio em cunipanliia de ouiro escravo desta vizi-
nhanca, tambem crioulo, o quasi da mesma ida-
de ; roga .-e as autoridades e capitaes de cam-
po, que o hajaru de encontrar, o facam capturar e
remalter com seguranca a este engenho, ou no
Recife ao Sr. Joao Klo-entino Cavalcaute Junior,
pelo que 1 es Aviso.
Oabaixo r.s^.'na'Io, avisa pelo presente, com es-
l>ecialidarfe :..> mmercio, i|ue tem jnsto e contra-
!: in com o Sr. Agustmho Antonio de Souia, sua
taverna sita a rui Imperial n. 273, livre e desem-
cada de i;u I |u< r onu-; e se algnem julgar-
m aletim direitn, aprefente-o no prazode tres
Oias, a contrr da d ta destp, findo o qual nao sc
atlei.dera rorlamacao alguma.
Reelfe, 31 d marpo de t>-71.
__________________J'Ti i Car.cio de Oliveira
Rii:i Duque de Caxias.
O Sr. Antonio Ribeiro Ponies, caixeiro a rua do
i>0iue ds Caxias, queiri vir a rua do Imperador
, a n.v,s-i i de miUuo interes^e, isto por se
' icii domestica.
Carlos Ernesto flesqoita faieao*
Guilbermina Maria de Freitas FalcSo, Alfredo
Falcao, Carlos Alberto FalcSo, Alcides Eduardd
Falcao, Argemiro Edmundo Falcao, Anaibal Aure-
lio Falcao. Silvia Falcio, Armando Falcao, Thereza
de Jesue Falcio, Jo.-e Antonio Poreira, Emilia Fal-
cao Pereira, Maria da Gloria Fakao Lima, A bino
Henrique de Almeida, Lniza Rosa Falcao de Al-
meida, esposa, filhos, madrasla, irmas e cunha-
do do fallecido Carlos Ernesto de Mesquita Falcao,
agradecem do intimo d'alma a todas as pessoas
que se dignaram acompanhar o cadaver ao eami-
terio publico e com e>pecialidade aos Sra. Pedro
Rodrigues de Souza e Jose Antonio Pereira, e de
novo as convida para assislireui a missa do setimo
dia, que tera luzar na matrizde S. Jose, as 7 boras
da manha do dia 1.* de abril.
Antonio Joaquim Cascioe saus
irmios convidama seus pareateJ e
amigos para aseistirem a algumas
missas que mandam resar na igreja
da Madre de Deos, quarta-feira i*
de abril proximo mturo, pelas 7 l|3
hora* da manha, por alma de seu
mui prezado pai, Joaquim Goncalves Cascao, fal-
lecido em Portugal; pelo que desde ja se confes-
sam gratos.
.'
que saiba cngommar
n. 7.
a tratar na
ou e.-crava,
rua >'ota,4op
Pweiea-se-de uma ama
para comprar e cozi
nnar: a rua velna de santa Rita n 18
andar. '
pnmeiro
on
Arraiai.
Precisa-se de ama-#ia, someate para cozinter
a rua da Concordia .43.
AVJKSO
Preeisa-fe comprar doua cscratws, pedreiro e
carapina.paga se bem : .a tratar aa thesouraria
(as loteria?, a rua Primeiro de Marco n. 6.
V!N0AS.
PECHIlNf.HA
Sapalos de de tapete avelludados para homens e
senhoras a 1/ e 1*200 eaua par : na rua Duqae
dc de Caxias n. 111.
V
Sifio
4v*mhm.
VenJe-sc u.ii pcqueDosi.io perto da esta-
c3o do Salgadinho, teii.fo de frente 150
palmos, e de fundos mais de quatrocentos,
corn uma elegante casa d#,uupa, acabada de
rroxim e bem assiiad.i, teaJo 2sal s, 2
quartos ecoziiiha I6ra. 0 terreno e pro-
J|>rio i'bom (lotplantacfies, tendo algunus
arvores de irnclo, ogua de beber e-lodo cer- '
cado.
NDAS BSBPPAS
LUC
PAVAO
NA
Rua da Imperatriz
PARA
n.
60
Alnga-se um sitio no Arraiai, proximo a esta-
cao da Casa Amarella (um minuto) com exellen-
tes casa de moradia, teado os aegaites^ commo-
*os : S naartos, 2 sates, araialj ^exteraa, ierra-
co, caaa do banho e diversas fruefciius A,'ua ^e
tambem nma outra casa no mesmo lugar com 3
quartos. 2 salas. cozinha externa, agua d'e beber
e um bom quintal por commodo pre.*o : a tratar
na rua Primeiro de Marco n. 16, !. andar
u.
800|000
eis: : 8003 a jui'-s soliro hypotheca em
ireu o : quern qoizer dar, dirija-se a rua Di-
**'- Q- "'3- T''- se di'a queiii preci.-a.
- O.":. \ 1
i 0 ao
:ial iij Sr. !('.
rorrentc
assignado wGlaraao co po do cum-
ihlico, oue l *pedio-e da casa com-
rnarJlno Sena Pnuttr.l, no dia *8
n sim, dec Lira rambem que nao
"go e-te, por igoonr o annuncio do mnsmo
ntual.
. .r<; i de 1874
Antoni > d;. Gotta OHveira.
Paris, 36rRua Vivienne^ D
OAS -KNi-KVmu'.ii g t)BS SEXCAES AS i'FBCCOBS
': ALTgnACOfS DO SANGCE.
V ". :":' "1 .noncurasdastmpJn.
' S ;'ns.puslulas,herpet,
rua, comixoes, acri-
'onia, Kutlcrioes,vi-
cioias do sangue, vi-
a :i mugue. (Xarope vegetal
semmercnrio). Ocpara.M van Togntaei
nii*Hut* Mi.vEBAes tomao-sc dous por
seuaoi, segnindo o tractamenio Depurativo : i
emprpfra-'n i. < mesmas molcstias.
Este Xaropp Citracto de
fcrro de CHABLE, cara
immediatamente qual-
liier purgacao, rela-
ragao, e aebiUdade,
jiUJOi e Jlore.s brancas das
vs. Esta iujeccao benigna empregasse
com o Xarnpc de Citraclo deferro.
neair.-uidaN)Poni;.daque ascuraernsdias.
POIVJP.DA ANTIHERPETICA
Contra: nas nj'ccfoes futaneas e comixoes.
HU|L S VEGETAES DEPURATIVAS
do < Ci.a.tc, catia frasco vrai accompahadt
ae ud folhcto.
AVISO AOS 8RS. MEDICOS.
"7 .T7STPP^3 Cura calarrhot, tossti
MH coqueluchet, irritac-de*
*^ nervotat tat do' bron-
chiot e lodas at doetifat
I do peiio;basta ao doenU
uia colhf fihilea deste xarope D' Forget.
flr- CHA.-JA.B em Parti, ru Vlvleoae, a.
I '; i-ito bot:ca Franceza
A viuva, filhos e nora convidam a seus paren-
tes e amigos para assistirem algumas odssas que
mandam rezar na igreja da :adre de Deus, ama-
nha l. de abril proximo futuro, pelas o 1,2 ho-
ras da manha. p t alma da se^i prezado marido,
pai e sogro. Jose Bsteves Vianna, primeiro anni-
vertario de seu fallecimento, pelo que desde ja
sc confessam gratos.
Na rua do Barao da Vic tori:, n. 36, precisa-se
faMar ao Sr. yigario Andre Curciuo de Araujo Poi
reira, a negocio de seu interesse.
Escravo fugido.
50.?000 de gratifica Qao.
Esta Fogido dcsde.o dia 20 de dezembro do an-
no passado, o escravo Joaquim, com os sigaaes
seguintes : cor fula, baixo e g;osso, e tem um
dereito no olbo que parece uma belide, tem mais
um pequeno defeito no brijo, parece ser um ta-
bo e tern pouca b rba : roga se as auioridades
poKciaes e aos capitaes de campo que o appreren-
dnm e lcve-o a casa de seu srnhor a rua de Santa
Rita Velha n. 85', junto a refiua.;ao, que reeeberao
a gcaiificacao acima.
Esta enccuragado!!!
Affua mule eju pedra dura
Tanto diiate que a fura.
Roga-se ao 111m. Sr. Ignacio Vieira de Mell
ascnvao na cidade de Nazareth desta provincia,
favor de vir a rua J>urae;de Caxia3 n. 3#, a eon-
eluir aquelie nef ocio: que S. S. se eomprometteu a
realisar, pela aerceira ehamada deate jornal, ere
fins de dezembro de 1571, e depois'para Janeiro,
passou a feverehso e abril de 187$, a nada cumprio;
e por. este jnotivo a de novo chamauo para iitc
3m^pisS./S. sedeve Jembrar qte st3;nagoclo
de mais de oito anno3, e quando o St. seu fllho se
ichava nesa eidade.
GROSDENAPLES PRETO A 1200, 2^000 E
2J500.
LIQUIDAR
CAMISAS
EiqpceeiL'do.gaz
A emprea Ao az tem a nonra de annuatnar ao
publico que recebeu ultimamente um espleudido
sortiraento de lustfeajde vidro, candielrt^, araa-
delas e globos, cuJu-moinis ostSo o-:efcripiorta
a rua do Imperador n. 31, e serao vendidos aos
sens freguezes pelo-prflgcmais razoavel possivel.
Fugio o escravo Juveuaj.
Foi trajando calca de brim listradn, caililsa,
chita de nscado e cbapeo de palba de Italia. E'
de cor parda, idade.12 annas, tem falta .de um
denle na frente e e bastante paroleiro. Roga-se a
apprehensao do mesmo, e conduzi-lo a rua da
trnz n. 3, ou Conde da Bo.vVista n. ol, phra ser
gratificado.
O Pavao vende grande sortimento de gros-
denaples preto de pura seda, a 1&-200,
s 19800, 2JJ0C0 e 2?500 o covado, tendo
Para ver e mats ei4>Jie$6es, no mesmo si- (tambem do mais largo e mais encorpado que
tio aqualquer hora a tjrrtender-se com Tris-, costuma a vir ao mercado, e vende por pre-
lao francisco Torres, e para tratar, na the- ?o em conta.
suuraria 4*6 loterias, rua 1. de Marco!
n.-fl.________^^^^^ Grauadina jprcta a 500 rs.
Grande pechincha de Cami- O PavSo vendeCgr*nad?na preta e lavrada
SftS dp linhn Pe' barato Preso de 500 rs. o covado.
Vendee iS^ JjiI.T,!, ,, ^i^1^,?^"'?"" !
paua bomem,;peio haratissimo preco de 35^000 a va. vende cha'es de tres pontas, sen-
duzia; quern duvidar venha ver e comprar : na,"0 dffguipuro verdadeiro, pelo barato pre-
rue Duque de Caxias n. 88, loja de Demetrio CO do 4JJ0C0 cada um.
BaStOS. m-ma I
lladapolffo onfestado a 3-rOOO
a |icca.
O Pavao vende peijas de madapolao en-
. festado, pelo barato pre^o do 3500Q a.pega.
| Ditas sem ser enfestado, com 20 jardas, a
159000. Uitas com 21 jardrs muito boa
fozenda, a 6JJ000, 6*500 e 7*000.
FRANCEZAS A 2^000, ?9M
3*000 E 3*500.
Vendem
Wilson, Sowe & O.
Em seu armazem a rua do Trapiche n. li, o se-
guinte:
Algodao aiul ametieano.
Fio.de vela.
Carv|o da padra de todas as qualid..de:.
Tudo1 fooito barato.
i(5raza5^500 aluta
com 23 garrafas, do melhrr e da mai
marca it Henry Forster k C, garan'
dade e a quantidade>"db liquido corpqji
rsizem de Jose Dombigues do Cm ;i.
fWfdo Amorlm n. 41.
_J5 /&
>S9
i
acreditada
' a qu.li-
: : no ar-
ts iilva, a

>m
Vende-se am moiulio de venlo, con
duas bombas para ptixar agua, e qua-
tro rodas novas e fortes, para carro
americano : a tralar na rua do Iinno-
rador n. 22, 1 andar.
W1
Armazem.
Aloga so
Uoeda, no
Cadeia n 3.
o armare da casa n. 17 da rua da
Fine d > Mmtos: a tratar na rua da
Os proprietaries da Confaitann do Camp s a
rm do luv.orador n. SA, p,dem aos seusdevedores
De v'cdor es.
rios da Cmfattartei
lor n. 24, pidem s
quo tern sido nemissos, o favor de sitem pagars' us
debitos al6 o dia 8 de abril proximo vindouro e
avisam aos mesmos que se ate" aquella data nao es-
tiverem .-aldos, verao seus aamas ueste jornal,
sem distinccao de pessia alguma.
Escravo fugido
DesappareecD na node do dia 19 de fevereiro
do corrente anno, o escravo do nome Job, tendo
os signaes seguintes : e da Costa, (alia atrapalha-
do, idade de dnCoPola e tanto annos, pouco mais
ou mcnos, tem eabellos brancos e tambem os tem
na barba. tem um olfi.tr defeitunso e uma perna
com defeito, tem um so deate grande que ve-se
melhor qnando ella falla, traz n'um braco uma
pufceira de ac>, e de boa altura e corpo regular,
auJa mat trajado com um paletot de alpaca ja ve-
Ihi ; vender agua e o trabalho quo usa. Consta
quo i-lle vive em casa de uma nrgra da Costa, n5o
fuma, tem um andar dnfeituaso por causa da
perna torta Roga-se a todas as autoridades e
capitaes dj campo queiram ap; rehen !er o dito
escravo c leva-lo na passagem da Magdalena, tra-
vessa de Paysandd, conrrtjate a esirada do hos-
pital portuguez, que serao geoerosamente gratifi-
cad.os,
Na rua do Imperador
n.28
precisa-se fallar aos seguintes senhores :
Domingos Martins de Barros Monteiro.
Joao Vaz de Oiiveira.
Jose Franchco Lopes Lima (Vazareth).
Manoel Pen-ira Braodao.
Manoel dos Passol Miranda.
Theotonio de Barros.e Silva.
Francisco de Panla Borges.
Francisco Antonio Ponttia
Aluga-se
o 3 andar da casa n 38, a rua estreita do Rosa-
no, fresco e c^m comiaodos : na thesouraria das
loterias.
proximo
22 Una da Cruz
22
Para ens n -nados e arramacSes da casa dc
peqaena f.-miiia ; da-se esta quamia a uma cm-
da que si-ja di- bia onducta e pprfcita engomma-
deira : a ir.tar na rua de S. Francisco n. '72.
%
i iica-cifarfiica'
% Ofi s
A. B. da Silva Maia,
Rna do Visconde do Albuquerque n.
11, outr'ora rua da mn'riz da Boa-Vista
n. M.
Chamad >s : a quaiquer hora.
. :-'a<: Aos p.-tares gratis, das 2 as
4 boras d.t tarde.
mmmm
ices.
Emm k$\h
o
Ausentouse no dia 20 de fevereiro h
lssado, da casa do seu senhor. abaixo assignado
o escravo Estevao, com os signaes seguintes : cor
preta, idade de 23 annos, alto, espadaiido, e cor-
polento, tendo o pescoco eurto e gfosse, e a ca-
bega um tanto cliata. Dito escravo c natural da
provincia di Parabyba 'io Narte. foi voudido em
1868 na vdla do lnga, pelo Sr. Pedro Antonio da
f-osta ao Sr. afferes Manoel da Assumpcao e San-
tiago, que no memo anno o trouxe para'esta pra-
ca do Recife, Tcndendo o eutao ao abaixo assig-
nado. Presume-se qua dito escravo teuha segui-
do para sua prviucia natal. Roga-se, pois, as
autoridades policiaas e capitaes de campo a ap-
prehensao da dito escravo, gratilieanlo o abaixo
assignado a quern o agarrir e apresonta-lo narua
da Brum n. 90
Recife, 11 de margo de 187i.
Francisco Rioeiro Pinto Guimaraes.
Econoaiia don estica
Na rua Primeiro do Marco u. 1.
Cunfronte ao arco de Santo Antonio, loja de
Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
Laftziohas. gosto escossez, padroes inteiramento
novos, pelo diminuto preco de 200, 2i0 e 260 reis
o covado.
Baptistas lisas, finas, e do cores a 320, 400 c
440 reis o covado, isto so se vendo !
Chapeos de sol de seda, para homens, inglezes,
(paragon) e com 12 hastes, pelo preco de 8 j e 9i,
fazendaesta quo sempre custou lijtOCO, sd para
acabar.
Na rna Primeiro de Marco n. I.
Loja-do barateiro.
Sedas a 1$500.
Vende-se bonitas sedas de lindas cures pelo
liaratissimo preco de 1*500 o covado ; veoham a
illss antes que se acabem, na rua do Duque de
Caxias n. 88, loja de Demetrio Bastos.
GRADE PECHIMi
Cortes de easemira a i#000 o corte e pcchir.cha.
Chitas claras a 240 rs. o covado
Madapolao lino a 4*800 a poca
So o n. 20 da rua do Crespo, loja das :i portas
de Guilherme & C, junto da loja da esquina.
Noa vivciros da capella dos Remedlos ven-
de-se peixenos dias quiula-feira e sesla-faira da
paixao.
ALPACAS PRF.TAS A 500, 640 E 800 RS.
0 Pavao tem um grande ^sortimento de
alpacas pretas, que vendea 5 JO, 640 e 800
rs. o covado, assim como grande sorti-
mento de cantoes, borabazinas, princezas
pretas, merin6s, e outras muitas fazendas
proprias para luto.
LAZ NIIAS DE ORES A280,320 E 400 RS
0 Pavao vende bonitas lazinhas de cores
para vestidos, a 280, 320 e 400 rs. o co-
vad j tendo ate a 1*000, sendo das mais lin-
das que tem vindo ao mercado, assim como
granadinas de seda com os mais delicados
padroes, a 640 rs. o covado.
Scdinhas a f *600.
0 Pavao vende sedas com listrinhas de
cores a 1G00 o covado. Ditas com pal-
rainbas a 2*000. Ditas com toque de mofo
a 1*000 e 1*400.
CAMBRAI! VICTORIA A 4*000, 4*500,
05000 E 7*000.
0 Pavao vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparente com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos precos
de 4*000, 49500, 5*000, 6*000 o 7:000
a peca, assim como, ditas do sal pica bran-
co, a 7#000, e pechincha.
a Iinhi
.5
0 Pav3o vende um bonito sortimento d-r
camisas francezas com peito de algadao, a
25000 e 2*500. Ditas com p^ito de Iinhc
de 3*000 a 6*000. Ditas bordadas
finas de (150(0 a 10*000: assim
grande sortimento de ceroulas de lionc
algodio, por precos baratos, e tambem tem
completo sortimento de punhos e collarialtt*
tanto de linho como de algodao, por precos
em conta.
Espartfllios a 3?AOO. 4* e
!<>
0 Pavao vende um bonito sortimento 4t
espartilhos modernos a 8*501*, 45000 <-
59000, assim como um bonito sortimento
desaias brancas, bordadas, a 59000 e 6*000.
e ditas de lasinba de cores a 3*000 : e
chincha.
P
CORTINA DOS BORDADOS TAR A C4MA t
JANELLAS, DE 7* ATE' 2&T000 0 PAR
0 Pav5o vende urn grande sortimento 4e
cortinados bordados, proprios para cama e
janellas, pelo barato preco de 7*000,8*000,
10,5000 ate 25*000, assim como : colzas
de darnasco de la muito Una de lOfOOO
12*000 cada uma.
BRAMANTES A 1*800, 2*000 E 2*500.
0 Pavao vende bramantes para le-icoes,
tendo 10 palmos de largura, sendo o de
algodao a 10800 e 27000 a vara, e de linht
a 2**00, 2*800 e 3*000 a vara: e pechin-
cha.
CASEMIRAS A 5*000, 6?000 F. 7$00O
0 Pavao vende cortes de casemiras para
calgas, sendo padroes modernos, pelo bara
toprecjo de 5*000, 6*000 e 7*000 o cdrte.
assim como : pannos prctos dos meihom
que tem vindo ao mercado, de 4*000, 8<-
10*000.
ROUPA FEITA.
0 Pavao vende uma grande porrSo dt
roupa feita, sendo : palitots, frckes'de ea-
semira preta e de cores, assim como : finis-
simos sobrecasacos do panno preto, e eri-
cas do easemira preta c dc brim branco, col-
letes de todas as qualidadcs, por precos
muito commodos, por qncrer tcabor corr
-- Vende se, na estrada de luao de llanos n.
2:1, duas carrcea3 com plpas para vender agua e
bostios bois.
ds 9
commouos, por qncrer
toda a roupu que tem em casa.
Aoha-se eonstaotemente aberto o estabelocimen'o do PAVAO, das 6 boras da manha
de noite.
SABAO DO RIO DE JANF.IRO a 200 rs. o
de Jose Domingues do Carmo e Silva.
GAZ A 5*600 a lal.i, no armazem da rua do Amorim
Carmo e Silva.
VLYilO MUSCATEL do uva branca, purj, de custo do 23*000, no armazem
Amorim n. 41, de Jose Domingues do Cirmo e Silva.
kilo, no armazem da rua do Amorim n. 41.
n. 11, do Josi Drmiiigues d.
da rua do
GRANDE
~ Vende-se Ultia vacca lefteira, bra criadeira,
ue boa raga : queui pretender, dirija-se a rua do
toidoniz, laverna n. 8.
Vende-se um casal de calangros, sendo um
calangro euma calangra do boa produccao : quc:o
pretendor dirija-se a rua do Cordoniz, primeiro
andar n. 8
M VEK
So
0
i
%
1
Vendenv-se qua'ro apoli es da divida pro-
vincial ; quern pretender comprar annuncie
sua morada, para ser prccurado.
Aluga-se o terceiro andar e setae do tobra-
do de azulejo a rua da Imperatriz u. 14, com ex-
cel enles commodos para grande familia, alera de
outras vantagens, como sejam : agua encanada,
gaz, muito fresca e magniflca vista : quem pre-
i nde-la, o'irija-se a rua do Vigario n 1 Drimeiro
andar, escriptcrio
Na noite de 13 para 14 de marco
anno fugio o mulato Vicente, escravo
do corrente
de 20 annos
Bart
NA
que
Aluga-se barato.
Aluga-se o segnnJo andar do sobrado da rna
da (,un n. 62, limpo, bem tratado e grande : na
rua da Senzala Nova n. 1.
T8lgj:'
selecta e J.e umbigo
(Knxerladas)
Sapotizeiros
sarK,ieir.,> do II palmos (cm vasos) c de lodos
.-- tamniilios e precos mais commodos que dan-
n como as seguintes outras plantas de
Aos capitaes de campo.
Antonio, crioulo, de 20 annos, pouco mais ou
mono?, fula, eabellos um pouco soltos, baixo e
sccc, fahio em dias de fevereiro do correnlo an-
no, da companhia de seu senhor o caoitao Ma-
tliias Goncalves fiueira, geUDor do engenho Cepo,
da comarca de Nazareth : reeommenda-se a sua
captura, e a entrega nesta cidade, a rua Marquez
de Olinda n. GO, 2 andar, ou naqueile engenho
ao seu senhor ; gratificar se-ha.
e de ornate
a pe.
nna.
Ina do pnrcipe.
' n.
da India.
int.
FrneJa-pao.
iDgado Para.
"I)'
nja.
da China.
"outras pbntas
ra n. JO.
Laranji cravo.
Dita do dace do Para.
Dila brinca.
Dita tangerinn.
Lima da Persia.
Oita de nmbigo.
F^iroio francez.
Dito doce, enxertado.
Oiliooro.
Palmeira imperial.
Parreir**.
Pinheiras.
Romeiras.
Rozeiras.
RozeJa.
Ubaia.
na Capunga a rua da Ven-
AiTEHCAO
Constando aos abaixo assignado achar-se nes-
ta praci o Sr. Manoel Fernandes de Garvalho,ren-
deiro dos engenhos Rarra o Preguiga, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztqnio de vir entendpr-se com os
abaJxo.assigna'los immediatamente sobre negocio
tendenle aas referidos engenhos. Rua do Axnorim
37, escriptorio.
Taso Irmaos A C.
tie idade, bonua hgura, barba, e eetatnra regular:
levando vestida o em um sacco roupa de algodao
branco e alguma mais Una, pertencente a um eai-
xeiro da casa d*. nde fugio ; e natural da freguezia
de Sant Anna do Mattos, diz ser livre, casado o
tor sido eriadd em companhia da madrinha D
Anna Luiza da Luz, de quem alias foi escravo
roga-se, p rtanto, aos Srs. capitaes de campo e au-
ton-lades policiae- a apprehensao do dito escravo,
e entrcga-io na ridada do Recife, rua do Crespo n
IMoSr. Joaquim Moreira Reis, ou na cidade do
Assu, ao Sr. Torquato Augusto de Oiiveira Rap
lista, que serao generosamente gratilicados.
Oicgaram lionlem
Os chapeos da r alha dTUla para senho-
ras e meninas, k ihapelaria imperial, rua
I." de Mrrgo n. 6.
E' cr mas Exmas.
Os chapios de palha dTtalia, mais chi-
ques que desejar,-se podem, t mlo cm mode-
lo como nos enfeites, chegaram hontom.
Apressem-so, Exm*s, se querem escolher os
mai- ricos !
Rua l.de- Marco n. 1.
Cos!Onn(e o nrco dc Santo \n-
tOttfft.
t:*-,;) cii4lentlo mu.om fHxondait <-o;n
30 por renio inenon qrne em outrn
qualquor parto.
A saber :
M idapolao com toque dc mofo, pelo barato pre-
co de 4.500 e Si
D.io francez, limpo e de superior qualilade, por
5^00, 6^000 e fi-5-
Grosdenaple preto
Sendo lisos o do ccrdao, e o mais largo
vem ao mercado, e qne se vende pelos diminatos
precos de 23S00, 2*800. SiiOO e 3/300.
SO' NA KUA DO CRESPO N. 20, LOJA DAS
IR83 PORTAS DE
Guilherme & C.
Junto u i-->j' da csquiun
,;'; Bit
\m
braneos.
A Nova Esp< ranca, a rua Deque de Caxias n (J3
!K'a era "oa,viJar a Sl" f'"' gucies, com e
pcuaiidade ao bello sexo a virem apreciar os e
gulntes artigos cxpostos a venda e lodos por precoi
commodes, como ;ejam :
i AS DONBCAB mansas e choronas.
BOMI'aS E ENGRACAUAS vktu para aterios-
copios.
C0MM0DAS LATAS para guardar cha.
ROMTOS VASOS com fina banha e cheiroos
extractos, trazendo cada frasco um nome, araa iii-
cial ou um distico.
: FINAS >JEIAS Dfi SEDA, vin.lo rntre ellas I r
de came.
i Para quem goslar.
i A' Nova Esperanca a rua Dnquo de Caxias n
o-i, acaba de receber tentos e caixas para o ioeo it
! > oitarette.
superior qualidade, a
A' chapeteria imperial
RUA TRIMglBO DE HXRQO N. 6.
Attencao
O.abaixo assignado declara ter perdido na cidade
de Olinda, um bilnete inteiro da loteria da nrovincia
6/500.
Alj-odao marca T, largo
4/500, 5/, 3/500 e li/000.
Grande Mmimento de lazinhas degostos inteira-
memo escosseses, pelos preccs de 200, 240, 2C0 e
440 rs. ; so se venda poder se-ha acreditar.
Baptistas, lisas c com (lores, fazenda quo sem-
pre oujIou 400 e 800 rs., estimos vendeodo pelo
prec"-de 320 rs, para adahar.
Dillsj Bnas, pailrSes matisndos, a 400 e 440 rs.
o cova o.
Cr-.-tono france/, escuros e claros, os mais no-
vos que tem vindo ao mercado,.a 480 e 500 rs. o
cervgdo.
Aproveitem em quanta nJo fe acabam.chapeos de
sol do seda trancada (paragom) 12 hasleas, ingiezes
Para quem s1 lire das pernas.
A Nova Esperanca, a rna Duque de Caxias i
:aba ds receber as procuradas meias de bor-
TJNTURARIA JAPONEZA.
S6e unicaapprovada pelas academias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem npparecido ate" hoje. Deposito princi- ra^a_P^a quern son-re das pernas.
pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-' FLORES ARTIFICIAES
quez de Ohnda, n. 51, I," andar, e em| A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias
todas as boticas e casas de cahellei- 63> acaba de receber um lir.do e completo sorU-
mento de 0<.res artificiaes das mtlnores one tem
vindo ao mercado
A ellas antes qne se acabem.
Costumes para crianca.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias a
63, acaba de receber bomtos costumes para criaoca
e esta se vendendo por precos razoaveis.
retro.
VENDE-SE
uma casa na villa de Rarreiro3, na rua do Com-
ler.-jo, por preco modieo: a tratar com Tasso
trmaos A C
_ Wil.-on Rowe & C. vendem no seu armazem
a rua do (.ommercio n. 14
snperjores, pelo ina'gnifirante preco Je 8J e 9/ ; 2 verj'ailciro Panno de algodao azul americano.
Excellente flo de vela.
Cognac do qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidade*.
KAQUES
(fco & r*ogueira, na rua do Apollo
cga/n sobre-o Banco Commercial
- Vianna e suas agencias em todas as ci-
s e villas de Portugal, d viela ea prazo
"dos os paquetos.
A pessoa que annunciou dar 10:010/ a pre-
mio sobre hypotheca em um sitio, queira dirigirse
a rua do Imperador, armazem n. 80.
re
Precisa se de um menino para caixeiro, mesmo
sem pratica, mas que de" fiador de sua conducts :
na padaria da rua Direita n. 81.
_ ._.. provincia
que hoje se tem de extr? hir, de n. 96J, rarantide
por Joao Jtjanuimda Costa Lelte; as.im
ao Sr. taesoureiro '
Ihe pertence.
. prevme
das lolenas qoe dito biljiete
Emilio Antonio Soares.
JAO MAIS CA$
^r restitulr prosrenimente ao. o.bellot
i fii.J^ SUA C0R PRIMITIA
cm iodwiid. com nniipa h pomumlis n.r o iif^nr
NEOGENFouDP NORTH
TSDA CORPBIMI^X'^1^'
Bom ezilo inhUivel dud. o louro tie ao preto
Spperiorldule lnconteHrJ; cn*ra(o Inoffrniiro.
TAL, |, ??Beriere, I
'EMU
Dtpoaito ro Pemamiiut, 4. BECOBD.
AJuga-se a casa terrea da rua Direjta n. 95-
propria. para quaiquer estabelecimento : a tratar
no consistorio la ordem terceira de S. Francjsco
Precisa-se de nm para todo o service de casa de
pouca familia, prefere-se que ontenda da iardim
trata-sa.ra rua do Passeio a. CO.
Ao Sr. Joaquim Pires Fer-
reira ,77
previne-se que seat* o fim deste raez nio appa-
recer na rua Primeiro de Maaco n. 7 A, 1 andar,
eedeclarara por este jornal, so que e este numero
88,40estampilhado neste.jotnal.
Allies que soaeakni.
Vende-se la de lindos padroes a 200 rs. o cova-
do : na rua do Crespo n. 25 A, loja da esquina :
aaose amostras.
Chapes para sonhora.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco n
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico sorti-
mento de. Qbapeos para sonhora, oltiaw
vende y- preco eommndV.
JJL
COMPRAS.
sempre vendemos nor 14^000.
. Dilos para senhor*, de merino, a 3 j e 3/500.
Ditos de seda, cabo de osso a 4/000, e pechin-
Ditos de alpaca de cores, forrados com seda,
e o cabo fingindo bengala, o mais moderno que
haA a 1/500 e 2/ I H
Sortimento de chitas claras e escnras, boa fa-
zenda. para acabar, a 240 o 280 rs. o covado.
Pi.peliua de liaho e algodSo, gottos inteiramente
novos e de cores bonitas a 800 r*. o covado,'sem-
pre cuslou 1S4O0.
Camisas de eretone, francezas, modernas e su-
periors a 3/ e 3/500.
Ditas brancas a 2/ e 2/500.
Ditas do lintio a 3/d'l'O e 4/000.
Taalnas de linho dy Porto a 7/500 e 8/000 a
dllZ.13.
Ditas felpudas a 7/, 7a5O0-e^/O0a
Esguiao com 10 jardas, pelo prego de 4/500 ; e
barato com effeito I
Cambraias Victoria,e4rn*pareBt, fazenda fina
a 3/500. 3/800, 4#000 e 5/ a peea.
Lencos de cambraia com barra de cor, a 1/ e
braneos a 2/.
Ditos de linho, abanbados a 300-e 3/800 a
duzia.
Grande sortimento de brinsde cores, padroes*
proprios para meninos de escola a 440 e 500 rs. orim
o '.-ovado. sartii
,B*j"a8, e 4/o00, Isto por termos grande quantidade, se elega
fa* esto preco. crjan,
bramanle de Ijuhi,), d^jfla^arguras, pelo barato '
precede 1/200 a vara, e somente para acabar i
Muifis outros artigos que deixamos de mencio-' .
I nar para nao massar nossea-lreftietes-; masque ?03 m* Anas e das- maihores marcas, do Rio de
, JaaeirtM ^^Wa: no^rmazaitt-ib fomo, a rua
do|Ara|m; n.4Mg.j0si Domingues do Carmo^
A N iva Esperanca, a rua Duque de Caxias n
63, recebeu um peqoeno sortimento de anneis e
pulseiras electricas, proprias para quem soffre d->
nervos.
Pal
n'Amei% & ntoBr>
jque de Caaftw^lft.
andar, acaba de receber um completo
lo^wtcadae^wjogejAs^ira tioraeoi e
vart^ ew eHesiomUndaloMWanto'da
ohiqmvisj a0alMboa e botiua* para
qiw todo. vonda.^ bm>s naaoavoa
Chaanjtos e cigarros
200 rs..
GRANDE NOVIOADE
A' rna do Crespo n. to
Loja das 3 portas
LAZINHAS
Chegou esta fazenda, com ^padroes inteiramenie
rs. o ctrvadn : rsto por rer gnrmft qrumB
- SO' NA RIJa DO CRESPO N. 20
^ojtt de
_______4'ei
p<
Cullttts, camorfts" e carapebas, a
hora do dia ou da noite : veode Joa/
tmoi, nos Af&taaoi.
J.lllln ii ...frTi, -"In---1------!------.........i.
,,. Vende-*e- am #phrado |nde aadarati
3a rua das Aguas-VerJosn. 37 ; a tcala
b lapUMdor n, 10., ancadernacao, di j
Direite tt. 8J1, l*>aridaV.
~ javista deHes est-ao presentes.
I Dso-sa amostras.
. 84 ft bajraifiirft qnfit qneimar
p.___ < f- Panat'EPval nao naontrar.
.~ .^mPa"8fl uta *" de fer/o : Ba ruaio A' rna Primeiro de Marco n. 1, ana'ga do Cres
(do, de Agostinho Ferreira da Silva Leal & C.
' Rangel n. 62.

-^iSd
23, dua
bonitos b
e-s> Base^rfeda de J""
11 i (i 11
^kspeatre,' MiltoiL
tine, GoetJ
desa'
o.to Jd^Barr os n.
T-oes^- com pipas para- *^b ^mJ tc ua e ^Sr, Bssomndo dt- -ir
"pnda na ttaveasa o
Ifctfct
E' esta verdade provada
i

I

<^



Diane Ub iforjiambuto Quaato feira-1< da. Atorii dfi 1&24.
7

/
*

&
Os
:onse
respa
A'npa do Ca.*us n. 1 A.
pprietarios da Predilecta, no ratuito dt
robom concerto qne-teem merecidd d*
el public*, disting uindo> o>soh estabeleci-.
m&tio df mats que nsgociam no. roesrao genero
veera seienuficar aos.sens bons, freguezes.que.pre-
venirsraaosseus correspondentes nas diversas, oar-
cas d'Eoropa para Ihes enviarem por-todos os-pa-
- s os. objectos de luxo- o bom gosto, qua se-j
I ban aceilos pelas-soejfidades e)qgantee
prizes, vj^to. aproxiipax se o tempo de
j em que o bello sexo desta linda veneza
mais ostcnta a riqueta de snas toHlettes ; e co-
ma ji-recebessem pel* paqueto francex diverso
artigos da ultima, moda, veeia paienlear alguns
d'aatrs elks que se to mam njais rceoranjendaveis,
esperando do respeitavel publico a costumada
eoncurrencia.
Aderecos dp tartaraga os mais lindos que teem
vindo.40 mercado.
Alhuns com. ricas capas de madreperola e dt
velluoPi sendo diversos tamanhos e baralos pre-
os.
Aiereces completes de borracha, pro pries par*
lGteytambem se vendem meios aderecos muito bo-
m'toa*.
BojSes de setim preto e de cores para ornato. de
vestttta de senhora ; tambem tem para collete
palitoU
BoUas para scnhoras, existe um bello sortimen-
to dj seda, depaJUa, do chagrim, etc., e*., por
bariio.preco.
Booecas de todos os tamanhos, tanto de loucs
como decora, de borracha e de massa ; cliama-
inosa attencao das Exmas. Sras. para este artigo.
pois as vezas tornam-se as criancas.um pouca im-
pertinentes por [situ de um obiecto que as en
.tretenham.
Cannsas de linho lisas e com peitos bordados
para bomem, vendem-so por preco commodo.
Ceroulat de linho e de algodic, de diversos pre-
cos.
Caixiahas com musica, o que ha de mais Undo,
com disticos nas tampas e proprios para presen-
tes.
Coqn.es os mais modernos e de diversos forma,-
108.
Clrapeps para senhora. Receberam um sortimento
da ultima moda, tanto para senhora, como para'
ineDioas.
Oapellas simples e con veo para noivas.
Calebs bordadas paw? meninaa.
Entremeios estampadbs e bordados, de lindos
desenhos. ,
Esoovas eleclricas para dentee, tem a proprie*-
dade de evitar a carie dos denies.
Franjas de seda pretas c de cures, exL-te am
graade sortimento de divercas larguras e Lara to
preco.
Fitas do sarja, de gorgurao, de setim e de cba-
malote, de diveraag larguras e bonitas cores.
Facbas de gorgurao muito lindas. /
Flores artificiaes. A Predilecta prjtna em con-
servar sempre um bello e grande sortimento des-
tas floras, nao so para enfeite doS lambem para ornato de vestido./le noivas.
Gal5e3 de algodao, de la e de/seda, brancos, pre-
tos e de diversas cores. /
Grthratas de seda para horaem e senhoras.
Lacos de cambraia e dA-'seda do diversas cores
par,fleiibora.. /
Ligas de seda de cores e brancas bordadas pan
coiva. /
Livres para ouvrr 'missa, com capas de madre-
perofa, marfim, 6s bom.
Pente3.de tartan a e marfim para alisar os ca-
bellos vteeTB-lam) para tirar caspas.
Port'bouquet, l bello sortimento de madrev
perola, marfim, Osso awlourados por barato preco.
PerfDjmarias. Neste artltpo esla a Predileeta beat
provida/, nao so em extracHos, como em oleoe e
I'iSilas dos melbores odorcs Joos mais afamados
fabricantes, Loubin, Piver/Sociedade Hygienica,
i^oodray, Gosnel e Rimel /sao indispensaveis para
a festa. i
Saias bordadas para ^senhora, por commodo
preco. f
Sapatinhos de la e de setim bordados ,para bap-
lisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bonito sorti-
mento da diversos tamanhos, tanto para sofa co-
mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptisado o qne ha de melhor
gosto e os mais modernc i recebeu a Predileeta
de or ar. to pre;o, para ticar ao alcance
qualqner bolsa.
Rua ~ dcT Cabti ff 5i,-l
BDRTIBBTO
M E I) IMG 1 N A
Prcparado poi
l.anman & Kemd
. .. p,ra tiii shea
toda a qualidadt
de doengas, quer
seja na garganta,
peito ou bofes.
Expressamente
^scolhidodosme-
lhoresfigadosdos
quaes.se extrabe
o olco no banco
da Terra Nova
puriticadocbimi-
(Calmcnte, e suas
valuavcispropri-
edades conserva-
das com todo v
cuidado,emtod''
o frasco se gnran-
teperfeilamen-
te puro.
i-ste oleo tem
sido subrncttido
a umexame mui-
to severo, pelo
cbitnico de mais
talento, do go-
vrrno hespanhol
em Cuba e foi
pronunciado por
elle a conter
MA10R rORCAO D'lODINA
do que outro qualquer oleo, que elle tem
iaminado
IOMNO K UMPODER SALVADOR.
Em todo o oleo de flgado de bacalhao, e na-
qttelleno qual "con tem a maior por^ao dest8
invaluavel propriedade, e 0 unice meio p&r
"urar todas as doenca's de
GARGANTA, PEITO, BOFES, 1IGADO,
Phtystda, bronchistes, asthma, catharrbo,
tosse. rosfriamentos, etc.
Uns poticos frasc?os da csrnes ao muito
magro que scja, clarea a vista, e da vigoi;
a todo o corpo. Nenhum outro arligo co-
nhecido na medicina ou sciencia, da tanto
nutimento aosystema e inr.ommodando quasi
nada o estomago,
As'pessoas cuja organisagao tem sido des-
troida pel us af echoes das
ESOtOFDLAS OL RHEUMATISMO
e todas aquella?, cuja digestio se acba com-
pietamente desarranjada, devem tomar
OOLEO DEFIGADO DE BAGALBAO
DE
LANMAN & KEMP
Erigenhos em Mamam-
guape.
Veftda-se os spguintes :
Basra,
Fregnica.
e Patricia*
A tratar com seuswoprietarios nc?ta cidad
e Para Wormajoei eom\Joaquim Pinto da Me
relies Filho, na mesma cidade de Mamamguape
L______ Tasso Irmaos C.________
Vende-se^S apolicesda Companhra Per-
nambucana : a tratar nesta typugraphia.
G A L L (
RUA DO RAKGkL N. 3
Armazerrs de seccos e molhados
TEM PARA D,ISTINCTIVO DO ESTABLLECLMEMO m GALLO CRANCO, PINTADO,
PARA ALGIJU 1'ESSOA Q|E IQNQpA F-EITURA.
Rodrigues & Pir'es, regressados em Per.uimbuco, cidade do Recife, succc-soros do
armazem do Gallo, a rua do Algibeves, em Ljsboa, omais afam:doeconhecido armazem
na^uvlla cidade, caprichflm soinpre em ler generosde pri-r.eira qualidade, dos'quaes dao
aos sei^s nuraerosQS freguezgs u:n cuubecimento mais prolongado na relacSo abajxo des-
cripta :
0 que e" bom S carp
Palavra bemdita que nunca faltou.
Cb4 perola.fipo, a ocLOO a libra. i Camaroes seccos, a 500 rs. a libra.
DiU) miudinho super-fino, a irOQQaii-J Queijos frescos enjpellicados,, prc^o com-
modo.
Cascas de edeo para lavar casa, a 1G0 e
120 rs.
Fariniia fina de Muribeca.
Vassouras de piassava para scrvico inter-
bra.
Dito popular, flno,, a 3J000 a libra.
Manteiga iugleza fior. em barril a 1JI0Q0.
Dita ditatina, em latas, a 19500.
Dita, dita, dita e dita, a 1JM00.
Azeite de peixe baleia, a C*0 rs a garra-!no, a 2'+0 rs.
fa.
Dito de c6co, fino, [a 800 rs. a garrafa.
Dito.doce, ocarrapato.
Aguardentedo caldo da canna, foita de
encommenda, a 500 rs. a garrafa.
Dita popular, a 320 e 210 rs. a garrafa.
Dita branca, a 200 rs. a garrafai
Ditas graudes abOO.rs.
Massas para sopa de todas 8S qualida-
des
Vinho tinto ebranco, supcriores, cngar-
rafados eem pipas. E outros artigos qucsera
enfadonbo annumerar, em secca. e mo-
lhados, por scr extenso.
Rua da Imperatriz u. 72
1MB
MENDES GUIMARAES & IMAOS
Aoaba de roceber wa grdndfl sortimen o de fazenda* pretas para qua-
resma
COMO SEJAM
GROSDENAPLE PRETO A 15800.
Vende-se grosdenaplo preto para vestido
de seuboros, a 1JS800, 2, 35, 4, g 55 0
covado.
PANNO PRETO A 2?500.
Vende-se panuo preto de duas larguras,
para calgas e palitots, a.25501/, 35, 3JT500,
45, a 650oO 0 covado.
CORTES DE CASES!IRA PRETA A 55000.
Vende-se cortes de oaiemira preta para
calcas, a 55, C5, 75 e-85000 o corte.
MERINO1 PRETO A 25800.
Vende-se merin& preto fino, a 25300 e
35000 0 covado.
BOMB.AZ NA PRETA- A l??oQO.
Vende-se bombazna preta enfestada, a
15500, 15800 e 250U0 0 covado.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Vcnde se alpaca preta fma, a 500, 640,
800 rs. e 15000o covado.
FA2ENDAS DE CORES E CAMBRAIA
BRANCA A 350.0.
Vende-se pecas de cambraia branca trans-
parente a 35, 45, 55 e GJ090, ditas de cam-
braia tapada, Victoria, a 35, 35800, 45
e 50000.
CORTINADOS PARA CAMA A 165000.
Vende secortinados bordados para came,
a 165, 205, 250 e 305000.
CAMBR .LA DE CORES A 300 RS.
Vende-se cambraia de cores Unas, miudas,
a 300, 320 e 360 rs. 0 covarto
CH1TAS LARGAS A 200 RS.
Vcnde-sc chilas largas, para._ vustidos, a
240, 320 e 360 rs. 0 covado. _
BRAMANTE A 15600.
Vende-se bramante com 10 pilraos de
largo a 15606, 1?8: 0 c 25510 0 metro.
MADAPOI.AO A 85000.
Vende-se per;.as de madapolao enfest
a 35000. Dito inglez a 45500, 55 b*
5^500, 65000, 75000 e 85000 a pessa.
C0RT1NAI)0S PABA JANELLAS A 85300,
Vtnde-sc 0 par de cortinados bordados.
para ianc-llas, a 85 e 1050' 0 0 par.
ALGODAO A 4000.
4 12
25,
4'lfc
55 c
Vende-se pc^as de algodao, a
65000.
CEROURAS A 15000.
Vende-se ceroulas de al^o.lao, a I5CO.1,
ditas finas de bramante a ir-500 e 25 cada
uma.
CAMISAS BRANCAS A 2^000.
Vende-se camisas bran> as fina?, a 25,
25500, 35 e 45000.
BRINS DE CORES A 400 RS.
Vende-se brinsde cores para calcas/a i e 500 rs. 0 covad".
CIIA ES A SCO RS.
Vende se chales do la a 800 rs., chalesde
morino de cores, a 25, 3$, 45 e 55r,00.
C>LCHAS DECOi'.ES A 2r0*0.
Vende-se colchas do cores para c.ma, a
25,35500 e 45000.
CHITAS DE CORES A 3G<> RS.
Vende-se cbitas linos de cores, s. 3G0 c 100
rs. 0 covado.
ALPACAS DE CORES A 500 RS.
Vende-se alpacas finas de core?, a SOO?
G40 e800 rs. 0 covado.
TAPETES A 45300.
LENCOS BIUNCOS A 25*00,
Vende-se* lencos brancos fit os, a 25000,
25500 e 35 a duzia, ditos de linho, a 45,
55 e C5000 a duzia.
CROCHES PARA CADE1RAS A 15500.
Vende-se pannos de crochd para 6rdcir;-s,
a 15500 cada um, colchas de di 0 para
noivas.
MADAPOLAO FRANCEZ A 75000.
Vende-se pe$as de madapolao fnncez
muito lino, a 75, 85 e 105;'&0
BRIM PARDO A 400 RS. 0 COVADO.
Vende se,brim pardo para calcas, a 400
rs. 0 covado.
CORTES DE CASEMIRA DE StfffOO..
A'endc-se cortes de casemira de cores para
calcas, a 55, 55500 e 65000.
GROSDESAPtE PRETO.
Vende-se grosdenap'c prete com
palmos de largora, a 55 o covado.
ESGUTAO FINO A 25000.
Vtnde se esquiao fino de linho,
25500, 3j> e 45 0 metro.
CHITAS PAHACOBERTA A 280
Vende-se chitas para cobcrla, a280"o 400
rs. 0 covado.
BRIM BRANCO A 45QOO.
Vende-se brim branco de linho, a 15,
15280, 15GOO c 25 0 nutro.
BRETANIIA DE LINHO A 040 RS.
Vcnde-se brelanba de linho, a G40 rs. a
' Vl.ANELLA DE CORES A 800 RS.
I .-A^ndc-se; jla.ueVa.do cores, a 800 rs. 0
covado.
COBERTORES DE ALGODAO A 15';00.
Vende-se cobertores de pell > a 15i00.
Cobertas de child a 15800 e 25 ditas en-
Cf.rna -as, forradas, a 45, no Bazar Nacional,
rua da Imperatriz n. 72.
CORTES DE CASSA A 35000.
Vende-se cortes de cassa n iudas a 35
cad a um.
GRAY*TAS PARA SENHORA A f# 00.
Vende se gravatas para sonhoras, a 15,
ditas par.i homens a 5(0 rs.
ALGODAO ENIT.STADO A 15(00.
Vende so algodao enfestado pan Icngdes,
a liJ'JOO a ursi
GRANDE SORTIMCNTO DE ROLPA IE TA
NACIONAL.
Vende se palitos de panuo pret", a 55, "5,
8f9e 10^000.
Vende-se palitdts de alpaca preta, a 35,
35500 e 45000.
RS
tadoBankr da Victoria a. 2^
DE
Carncire Viamia.
A' tste; grande eetabelecimento tem che-
gado um b<)m sortimento de rnaohinas para
costara, d todosos autones mais aeredita-
dos ultimamentana Europa, cujas machinas
sao garantidas por umaano, e tendo um
p4rfeitoi artrsta para ensinar a^ mpsmas,- em
qualquer prte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las-polo tempo-tambem d'um
anno sem despondio alguuv do comprador.
Nsle estabelecimento Umbem ba pertencas
psra as mesmas machinas e se supnne qual-
quer pe?a qno soja necossario. Esias-ma-
chinas trabalham com-toda^ a perfeicfio de
um e dous pospontos, frmae e Jwrdatods
qualquer costura por fina- quo seja,- seas
preeos sao da seguinte quabdade : para tra-
balhar a mao de 305000, 4050O0,-455000
e 505000, para trsbalhar com 0 pe sfi<* de"
805000, 905000, 1005000, 1105000,
1205000, 130500O, 1505000,2005000 e
2505000, emquanto aos autores nao ha al-
tera^ao de preeos, e os-compradores poderdo
visitar este estabeleeimento, que muito de-
verao gos.ar pela variedade de objectos que
ha sempn para vender;: como sejam : cadei-
ras para vtngem, malas para viagem, cadei-
ras para saias, ditas de" baran^o, ditas para
crianca (altas), ditas para escolss, costurei-
ras riquissimaS, para senbbra, despensaveis
para eriancas, de todas as qualidadeS, carnas
defurro para homemecriancas', capachbs,
e^pclhbs dburadds para sala, grandes e pe-'
quenos, appardhtis dfe rrteWl' para cba, fa-
queiros com cabo de metal e de marfim,
ditos avalsos, colteres de .metal'ft do; corldiei-
ros para sala, jarros, gaai'da-Comidas de
arame,. tampas para cobriV pf'atos, esteiras
para forrar safas, lavatorios completes, ditos
simples, objectos para toilette, e outnis mm-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarCm este grande estabe'ecimentd^
que se acha aberto desde as 6 boras da ma-
nba at^ as 9'boras da" neutea"
Rua do Barao da Victoria n
22.
panni), a 45,
3^, 35SOft*
15500, 25'e
a 5:>, '15500,
Veil 'e-so cricfls preta" de
G,\ 75 e 85000.
Vi-nde-sc tollelcs pretos, a
4500.
Vende-se ceroulas, a 16,
3;)00'J.
Ytndo-se camisas brassasj
35 e 45000.
Vende-se ccmisas do chit s, a 1500, 2?>
e 3^000.
CHITAS PRETAS A 320 RS.
Vende-se chitas pretas finas, a 320 e 3G0
rs. 0 cuvado.
LAZ1NHA A 2C0 RS.
Vende-se laziuhas para vt stidos, a 200,
Vende se tapetes para saias, de diversos 320, 400 e 500 rs.o covado. No Bazar
tamanhos, a 45500, 55, 6? e 85000 cada; Nacional. rua da Imperatriz n.-72, de Men-
um. I des Guimaraes & Irmaos.

CO ALTAR SAPONINASi

Magnolia
Na lyja da Magnolia, a rua Duquc de Caxias n.
io, cnContraf A' sempre 0 respeitavel publico' um
complete sortimeotb de pei^fumarias Arras, oljjectos
de plitnt.-ifia, luras de Jouvin. artigos de moda e
nihidezas finas, asfim como modicidaJe nos pre-
eos, agradj e sinccridadc.
Anneis electricos
A Magnolia, a roa>nqoe de Casias h. 'to, aca
i'3. de rectber os verdadeiros anneis e voltas elec-
tricas, proprios para os nervosos.
Meios adereqos
A Mngnolia, a rua Duque de Gaxia? 11. i3, re-
cebeu um completo sortimento de
Meios adercfos de tartaruga.
Meios adcrecos de madrepcrola.
Meios adere^os de seda bordados, (ultima moda)
e de muitas outras'qtxaliHkdes.-
Botoes de ago
1 A Magnolia, a rua Duque de Caxias'n. IS, tem
para vender os niudern'os botoes oVaco, proprios
paia vestid.s.
Golinhas e punhos
da.~ mais modcrnas que ba co mercado ; a ellas:
na Magnolia, a rua Duque de Caxias d. 45.
Len^Os chinezes
A Magnolia, a rua Duque de Caxias n. 45, re-
cebeu uma pequena quantidade de lencos de seda
eliinezes, com lindissimos desenhos, fazenda intei-
rimente nova.
Leques
Lindos leques de maflreperola, de tartaruga, dc
oiarlim, de osso, e de"MMas outra's qitalldafles :
recebeu a Magnolia, a rua Duque de Caxias au-
mcro 4o.
Attengao.
A loja da Magnolia, a rua Duque de Caxias n.
iK/aeaba dc rectber os segulntes artigos :
aural dmaarep8rola, larlaruga-e marfim.
. Ricos albun^ com capa de madrcperola; cha-
gren, madeira* ve'.ludo.couro, etc.
Lloflas caixas com finisimas perlumaiiaS.
L'gas de seda, brancas e de cores.
Voltas de madreperola.
Pu'seiras de madreperola.
Itic^s caixas para costura.
Vcstnarios pira baptisaoo.
Toucas e sapattallos de setftn.
Modmo9'etpeos4e sol de seda para senhoras.
Lindos port-bouquets.
Grayatinlias de velludo, etc., etc.
DE LE BEUF
DfcSINFECTANTE, ANTI-MIASMAT1C0, CICATRIZANDO AS CtilGAS.
Adoptado pelos hopitet de Parii e pelof da Ittarinha miliUr franceia.
Esse excellente toolco possue uma eOkaoia verdadeiramente maravilhosa nos ulceras gemgrt-
nosas e escrofhlosas, not cancros ulctrados, no anthrax, na otorrhea jmrulenfa, mozma, nb |
I crup, feridat pelts armas de fogo, enfermidadtt do utero, etO., etc.
I EmrR-8*, metelado com mais on menos aua, em cbomajoi, lojCes, mjeccSes, garcansmoi, ,
la das de <&& n'um quarto de copo njM) fc muito espe*
~~
DE
fazeridas finas
Rua Primeirode Marco n. 7 A
DE
Cordeiro Simoes & C.
E' esta uma das.c^sas que hoje pode com pri-
mazia offerecer aos ^seus freguezes um variadissi-
mo sortimento de fazendas finas para grande toi-
lette, e bem afsiui para uso ordinario de todas as
:lasses, e por precis vantajosos, das quaes faz um
oequeno resumo.
Mhndam fazendas as casas dos pretendentes,
para 0 que tem pessoal necesario, e dlo amostras
mediante nenhor.
Cartes, ae seda de linda-1 cores.
Grosdenaples do todas as cures.
Gorgurio branco, lizo, de listras, preto, etc.
Setim Macao, preto e de cores.
Grosdenaples preto.
1 Vt.-lludo preto.
Graoadine de seda, preta4;,de cores.
Popelinas de lindos padr5es.
Hid de seda, branco e preto.
Iticas basquinas de seda.
Casacos de inerinu da cores, la, etc.
Manias brasileiras.
Coites com cambraia branca com lindos borda-
Ricas capellas e manias para noivas.
Hiquissiino sortimento de las com listras de
seda.
Carabraias de cores.
Ditas maripom, brancas, lizas e bordadas.
Naozuques de lindos padrues.
UapliiUs, padrOes deiicados.
1'ercal-r.v d quadro?, pretos e brancos, listras,
eje., etc.
Brim de linho de cor, pronrme oara vestidos,
com barra e listras. /
Iticos curies de vestido de linho, < piles da
mesma 6Jr, ultima mod?
Ditos de cambraia de cores.
rustao de lindas cores.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas burdadas para senhoras, de linho e al
goilao.
Sortimento de luvas d? verdadeira fabriea de
Join'in, para homens e senhoias.
Vestuarioe para meninus.
Ditos para baptizado.
I^hapeos para dito.
Tdarh'as e gflardanapos adama?cados de linho de
c6r, para mesa.
Colchas de la.
Cortinados bordados.
Grande sortimento de camisas de linho, lizas e
Borcfadas, para homens.
Melas de cores para homens, meninos e meni-
as.
Ditas escocezas.
Coropleto sortimepto de chapeos de sol para ho
mens e senhoras.
MeTin6 de cores para vestiaos.
Dito preto, tmncado 0 dito de verio.
"ilhado de linha e algodSo para toal
Aloalhado pardo.
Damasco de la.
Brins de linho, branco de cores e preto.
Setim de lindas cores com listras.
Chales de merino de cores 0 pretos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta e de cures.
Ditos de touquim.
Camisas de chita para homens.
Ditafde fianella.
Ceroulas de linho e algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras e CODSO-
Lencos bordados e de labyrintho.
Colchas de crochet.
Tai latana de todas as cores.
Rices cortes de vestidos de tarlatana bordados
para cortes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas facbas dc seda e la para senhoras.
Rico sortimento de leques de madreperolas t
osso.
Datnasco deseda.
Casemira preta e de Cores.
Chitas, madapolao panno fino preto e azul, col -
larinhos, punhus delinho e algodao, gravatas, lu-
vas de iio de Escossia, tapetes' de todos os lama-
abbs; bolsas de viagem, peitos bordados para ho-
mens, lencjs de linho branco e de cores, toalhas,
gnardananos, etc., etc. e
Apreeicin
Grande liquidacilo
A'rua Duque de Caxias es-
tjuina do becco do Feixe
Frito n. U.
itntiga casa >\o Pregui^a.
Colarinhos de linho linos a 45 a duzia.
Camisas inglezas de linho fino a 23500 uma.
Seroulas inglezas muito boas a 2J300
Granadine com listas e palmas de seda, padrOes
lindos a JXX) rs 0 covado.
Chapeos de pallia para homem a 1/800.
Toalhas de algodao alcochoadas para rtrto a
400 rs.
Lencos de cassa branco, duzia a 1J600.
Ditos ae dita com barra a 15000 e 1*200.
Cambraia branca trasparente e tapada a 3, 43
e biOOO.
Peitos de linho muito finos bordados a liOOO
cada um.
Matins de cores para vestidos, de lindos padroes
a 360 rs. 0 covado.
Chitas de cores a 2i0 rs. 0 covado.
Brim pardo para cal^a a 360 rs. 0 covado.
Las de cores, alpacas pretas c de cores, mada-
polao e algodaozinho, tudo por preccs commodos, a
a rua Duque.de Caxias n. 44, loja da esquina, de, s
Francisco Guimaraes & C. _____
de marea fcL, Vende se a dHHWrtFH^ t&tar
que cm outra parte : no armazeui da rua do Com
mertio n. 4. ^______________'
como sc \.ii\x bmli
So o n. 20
RUA DO CRESPQ
LOJV DAS 3 PORTAS
DE
Gu Ihernie & C*
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonito* i
dr5es, e que se vende polo dimiuuto preco de T>
rs. 0 covado I I
M F.TIM
Metim trancado, padr5es bonitos, a 320 r-
covado 111
ORGANDY DE :ORE*
Cambraia organdy de c ire>, fazenda !
tos padroes, pelo diminuto preco de 320 rs. c
vadolll
lAj bsoocbsas
Novo sortimento desta fazenda. cam hoi.
padroes, que se vend'? a 240 r>. 0 rovadotll
CRETONE
Cretone clarose ftscons, bonit! s pn1r5>s, i
zenia fina, pelo diminuto preco de 400 rs. 0
vado III
LAS UODBRMAS
Completo sortimento de l.i de \otas ?^ qna
des, pelos diminntis preens de 400 r<. 0 COW
e pechincba I I t
Cortes de casemira di cores, a Sf 00.
Colchas cstampadas e com barra a 36800
45000.
Cobertas de chita adamascada a 35500.
Len';6.-s de bramante a 35000.
DihiS de algodao a t5400.
T.M a- alcochoadas, duzia, a 3^800
Lencos Jc; cassa com barra a 15000 a dui!-
Ditos de cassa abanhados a ilO^- a duzia.
Ditos de esguiSo abanhados, en caixinha:
deruas, duzia, a 35-">Oi>.
Cambria transparente iina a 350.10 a pe^a.
Chales Bramante de algodao e linho a U6<0 a rara
Dito de linho pnro com 9 e 10 palmos de tar-
gura a 25500 e 25800 a ran.
Algodao marca T, largo, a 55000 a peca.
Dito domestico a 35000 a pe^a.
Brim com listras, irlandez, proprio p3ra iurn
sas, a 410 rs. 0 covado !!!
Madapoloes Iranceie Je toda- ;. qualtdades 4e
55 a 85500 a peca.
Cnapeos de sol de s< iU co^i 12 a;t n, pelo di-
minut j precA d- vtWfr.
Camisas inglezas, todas forradas t zenda linho puro, a 445000 a dutia ; e pechiacba, so I'
vendo.
Popelinas de linho e seda pelo diminuto |
de 800 rs. 0 covado; a pechincba. c divse amos-
tras.
S6 0 n. 20 da rua do
lioja DE
Guilhcrmc tt C.
JUNTO A I.O.IA DA ESi:iNA
rn
Rua Duque de Caxi s.
Acaba dc rec. her nm coinplel 1 m rtiirt. iad
muito lindas botinas de dm.i<|iie o- n-i par
seuhora e as vende mais baiato do'que rn octrf.
qualouer parte ____ ____
As Ulricas verdadeiraa
Bichas hamhurgaezas aw ram : rc*r
na rur Marqnez de <'!:cibt u. ;' ^^
Veiiiese as ea*a terivas .- giriMu :
Rua 24 de Maio (eMr'ora dos 0.-.- m ns. 2 e 4.
Rua d j Fogo 11. 2.
Rua do radre Floriano n. 3'v
Travrsfa da Ilomla n. >
Becco da Padre Lofcato n. 8 A.
Becco dj cacs uaCadei.i-n.iva n- ^i e .'1
A tratar no Lai so J" '"...: __
Cimento
Vende e na rua da Madre i* D>
men >r pre^o i"issivel o vtnb.Jrir
tland, vindo pelo ultimo vapor ir-i-1-
ia aoCrepn-
fmvtmm
1" n. 33, p<
. 1 .ii'tUM P-.I-
d
Chapeos de sol deseda, in-
gle/.es a S,S
^ao jolgufm qw pot
r.orqne saj cba;
Rosa B: anca, a rua
vedo.
anto r f!,3ar. -.
"de I2i : i.-t 1 e na ijad..
Ja i iipcritii: n ^0 Je A:
Terreno.
Vende-se um terreno com por^ao de materiaes
e com cacimba de pedra e cal, tendo dito terrene
de frente 180 palmos 6 de fundos trezentos e tan-
tos, no lugar do becco do Pombal: a tratar no
largo do Pombal n. 12, sitio denominado do Ca-
pim.
Farello novo e
Milho pequeno
Da melhor qualidade no armazem de farinha
de trigo de Tasso Irmaos & C, na praca do caes
do A poll). ^^__^_
('
fengivu doeotei e tomar firmri o*
Como dentifricio ordiiiario (uma cotherada
cialmente efflcai para puriBcar o tafb, utmtr-
dpotlt c#cvrndo. -*-t
0 seu uso e muito bygienico, sobretudo em tempos d'epidemia.
Uma noticia eircumstanciada vae coil cada frasca. Exiga-te a firma do rawittr.
Pabrica em Bayoina Depoaitos: Perii.M, rua Keanmor: .P'trnambuco, A. REGORD. onde se encontra tampem a
--tla de' Alcatrto, a unica pieparaea* cob*'
I Emolcio de Alcatrlo eceUl de Z.e BenT para fazer a at
I ceotma e ttlakca eontwao em si o alcatrto sem ser allerado nem modificado.
Oi
J
PHOSPHATEdeCAL!
OLLATINOSO
DEL.BHOYJ
I FbWHATO U GAL GELA1IA0Z0 DE LEROT
(em uiua c(illv Uicrapei tlc luuita
MleroKB sobre os indi'lduos affeclados de
enfermidades nos ossos e de uma constituifto
dtbxl. Forna-se indif punsavel para as crian^as
a qiem ajuda e /ortiflca a crescenja.
t de um gosto muito agradavel e de uma di-
geslao tacit. Preco do frasoo : t'franeos.
Paris, pharmacia LEROY, 15, rua d'Antin.
Deposito em Pernamburo, A. RE60RD.
Grande pechinch* a 200 rs
, Cassa' 15, padi'Ses fiotos, e de teals gosto qtu
vlndoao ittertfcflo; s6*a-ruai'do Queimado
' 43, loja de Guerra & Femanoe*, pelo dirninu
nre^&de 100 rs, ocovado I
. ttieguem freguezei "Fogao de ferro economico
Vende se um eh8dodia-.pBuoeedrt( tendo for-
nalbas para lenha e carvao; forno para assar,
deijosito ,para agua quenle e lugar para se guar-
dar qneiite as cbrhlda's depbls dl- feitas; estesfo-
'! goes tornam-se recomraendaveis .porque sao de
;iferr'lniidat e.-Cabtlcado#.: cm* perfeioae e cozi-
r1 nbam eom mui diminuta lenha : narua do Apollo
Sabaoa200 rs.okilo
No armazem dofumo, a rua do Amorira n. 41,
de Jdse Domingues do Carmo e Silva.
Lindas las escoec/-^.
De varios padroes, inteiran ciatM,
360 rs o covado: i.a rua IK. a. Mirj
autifi do Crespo n. LJ. loja das c !u: ;.-.-'. de An-
tonio Curreia ie Va-ccnc^kw._____
Camisas de creto
as mais moderna' tjae tem vind < ao
do lisas e eom listras, e o'1-' c v '" !" : M**'MQ
dazia e a 3>5: 0 cada nina ; ih rhim I
Ilollanda
Brim pardo ISso, o qae lia de .:'':- -i
tnqn* de av.-iriit. e qu<* vend '>'' I r-. o bS
do, fazenda pr-'iiria 4* |aiz |'i : pu
applirada para ei-iiv.n-'s de li" en "'n -
6 n.i rua do Cfspv n. 20. lo.a -.as.
Gni'lier:r.e A H.jQtrtn a I fa da
I'acheco & Aavedu lea. para londvr tapi
de Araruu de qualidade e*i>( rial : > ;ai.
zeni na rua do Duque d<* Ctsi.-- :. -."> ____
Pillulas Cathartics
de Ay er
Para, todoa os oiTWtoe lii
um reznedio
240 rs. o covado
Na ma do Queimado n. 43, defrorrte da
pracinha da InrTppetidetieia
S6 6 barali>>
N*> ha epnn-jolB,3a
rcmedio tarn uitivc
procurado coii.o um |
tico oo purjtuiitc, a i
outro tem < i.> t3 nsauo tm
todos os paizes por todas as classes, com Tll.t.
ZlAB, tmna mas eflloazes. A razio <" evidewe, i
nm remedio muito mais certo e efficai one nenhnt.i I
Aquclles que os teem ensaiado sabcm que t. ,na i
pelo seu uso, os que nao os'en.iario sa!>em l;ne -"ne I
e visinhos se teem curado, e todos eonheceni n o ni
tirado uma vez, se tirara tolas at veees. e IAS nunca falhao p<>r conscquencia de crr.i u it
na sua composicao.
Temos milhares sobre milbares dc certiiicau...
distinctas curas qne hao effeetuado estas pill ila
tias que em tegnida' mencionamos. porem
conhecidas em toda a parte aonde teem pe.i
aario ( publics 1-os aqui. Adaptatlas a ten
todas as condicoss, em todas as climas, i,i.i couteiMO
elano nem outra qnalquer droga deletcrir..el!
tomadas por qualquer pesw>a corn toda sepnrane*.
capa d'aesuoar as couscrva sempre frescos, c as torn
tas ao pailadar, sendo tambem puramente ve^wtaea,
dem resultar effeitos prejudiciaes ae poi *ca> forera'
em quze dossoasiada. 0 papel que servo do oooetti
sendo ta.-s
trad', tee
Lazmha9 de Itetfis, nmito bonitos padrdes, o
mais moderno no mercado, pelo significante preco
de 210 rs. o covado: s6 na loja de Guerra 4 Fer-!
nandes. D3o-se antostfaS.
APROVEITEM QUE E* PECH1NCHA
i-------r-------*
***!**. Verdadeiro*
\** GRAOS DE SAUDE
GRAINS
de&mte
in. doctenr
Fbanck.
j *do doutor frahcbV
/* 0 melhor e o mais
'* ulil dos purgantes cob-
hecidos. liners;
awe faWIUca(oea
exlstem d'esie me-
__________dleaaactM*. Exitir,
alem da assignaiura em liota VEKMSLBA
de A. ROUVEfcRE, 0 lctreiro, aqui junto,
I feito em 4 CORES.
Paris, pharmacia 1**07, li ruaA'Aatia.
*****>
em A- Cores
Deposito em Pernambwo, A. REGOW).
1 < 1 ill-.-. 1 i
sada vidro leva drreceoes tninuciosas com relacfto as 1
tes moletttas one as rtLLULAM CArBAKTlCAM
damente curio. Para a Dfitftptim ou It. ifrtimu,
plicencia, Lmttavidet, Fmlta de ApprtU*, devesB
toraadas em deaeinodemda a fini dc cstiniuUr o eataaa^J
! restablecer suas fuuecaos saudaveis.
Para as Seeneoa de F(gmt e sun^ dh trai
TTT*1---------.---------? i i EnxaqutXM* Bitiosai, Ser de Cmbera. Icnls*ej|J
(Jhapeos de sol de seda, cabo ^"gjSrf *
ifim.at

Farinha demandiooa nova*
Reeer|tetteTrte crjegatte de Satfta Catnartna te1
Ipara ven'SKr tfo-'trapiche Companhia, e para tratai
'no -eu escriptorw a ma do Commerci&n. 6, Joa-
qai;n Jose Goncalves Bellrao ^,Filho. Advcrtindc
'aos compradores que desejando acabar, vender*'
' mais barato do que em qualquer outra parWj tan
to cm grandes como em pequenas porcSes.
Panao de algodao da Bahia,
Vende de todas as qualtdades Joao Rodrigues de
Pali a : na rua do Amorira, .o. 33.
Fmnos
Da Bah a e do Rio, vsftde JoSo Rodrignes de Fa-
l, rijado Amorim n. 33
moderadamente era cstio oaso, pirecorregei-a acoao \^
As^i\*r\ Af\ f c\ /irilrill/li ou remover o obstaculos que a causio.
dOUraClO ^.0 ClllqUe^ Para a DyKnleria ou i>rr*e. geralment.- I
A Rosa Rrenca-vpdeliptfos-chapeos de sol jwra tunadose^pequena.^ mimi
senhora, com os cabos dourados, e o castJo e pon- COTe,*X"^' JE5*~ "S3
tas das"hasYcos brancas, peto baratissimo precede tomadas continuadamente, s*< sJterar a<*tm)
81-: manda-se lewr nas casas: opt rua da Impe- j disreguiados, de sorte quo a mcJeetia *rr~^- ..
r/rViz n. 1 *t do Azevedo. ; J^^gSSA^I^^^
Las hamburguezas a 280 rs. *^^JXS* s;.
Vende-?e Us hambtrguetas de lUtras ede qua- r^M'^^T^Xo^ZLf
dros de diversas cores, pelo diminuto preco de 880 *^!" m "*oou' ^
rs. o covado : s6 na loja de Francisco Guimaraes Q^jmer qne se aeha teguiarmente bom, i
4 C, roa Duque de Caxias d. 44, loja da esquina. ^dnas d'estas piuuias se achari, mrnta^ n
Chapeos de sol de seda trail- sMft^
^ada a 8)?000
Venbar, ver para crer : na loja da Rosa Bran-
g, rua da Impmtrii n. 56, do Azevedo. VBNI
J. C, Ayer Oa, um*u*-*"*i*'*




I


mm
8
Diario de Pernambud* Quarta feira 1 de Abril de 1874
.i--------------------------------------------------_
Am mete pnluvras de Jesus
Christ*.
A' borda do lago de Teberiadts, urn ho-
mem vestido com a tuni a do povo, sentado
nas ribas da montanh*, alonga a vista pe-
las orlas do mar do Galilea, e contempla as
ondas espessas das multiddes, que se lho
avziioham, bradanlo clamores de vassdla-
gemrcomo se a montanha fdra urn throno,
e ,o homera do povo urn rei das multi-
does.
lite homem, saudado pelas turba', fu-
gira ao alando quo reclamava a corda Je
David para aquella fronte real, onde a mao
do Senhor escrevera os gloriosos deslino* da
Judea.
Entre os que lhe apregoavam a magesta-
de, estavam u:;s que juravara a g^andeza
daquelle homem pela forraosa luz, que a
SUa vontade oanipotente lhe abrira nos
olhos cerrados desde o ventre roaterno. Ou-
tros, ha pouco levantados do estado de ago-
nia, juravam a presence do Messias naquel-
le homem que os mandava erguer e cami-
nhar, corno se a sua vbz tivesse o imperio
da que se ouvira entre cs relampagos do
Synai.
0 filho da viuva do Xahin, invocado das
regides da-morte pela voz daquelle homem,
jarava, era nome de Deus, a diviudade do
que fdra so^tsr se no cimo da montanha
para dominar o universe, como rei e autor
ocortejo deste grande do eeo, porqoe o' Hoje serds comigo no paraizo.
seonor do umtereo, daqui a pouco. rodea- lhe respndeu o Who de Maria, como se
ao ae pobres, nao teri, sentado sob o do- daquelle seu elevado eculeo de tormentos
cei ae salomio, o seio de urn grande da respondesse ao maior dos criminosos do ge-
lerra, onde rechnar a sua fronte real nero humano, que na hora do remorso at-
I dentre os globos de luz, que passam tribulador, neste inatante de suprema afflio-
-lesde o seu primeiro dia aos pes do Eterno clo, exc ama : Jesus Christo I sdde mi-
aescerao mynades de seraphms para coroa- sericordioso comigo I eu creio na vossa om-
rera a fronte do Christo, que viera a trium- nipotencia, e nSo tenho lagrimas que ra-
phar do mirnigo irreconcihavel do ceo. lhara o perdio do manos grave dos meus
Era de espinho a corda, porque o throno crimes !
Nestes transes, em que o homem cede
ao grito da consciencia ; oesta intima pele
da ereagao. As irmas de Lazaro, rodeadas
do povo, contavam a resurreig.ao de seu ir-
mao ; e Maria Magdalena rompia vehemeu-
te do amor por eutre as turbas, para derra-
mar novas lagrim s aos pes daquelle bomem
do povo.
Eram passados tres dias, eaquelle homem
do povo que arrasUva ap6s si as tribus, o
imperador daquellas massas tumultuosas
que se prostravam ao aceno de urn hebrtu,
quenSo trajava as ricas franjas, nem os
distinctivos dos principesda synagoga, Jesus
fiazareno, fallandoahomens taopobrcs cumo
elle, disse em um torn de piedade, que rc-
velava ao mesmo tempo a soberania do
Mestre :
Tenho core paixao deste povo, porque
ha tre3 dias que estd comigo, e nado tem
que comer ; e so o despego para suas casas
sem ter comido, faltar-lhe-hau no caminho
as forces, porque de muito longe tlguns
?ieram.... Qu.n'os paes tendes?
Sete, respon ieram os discipulos.
A um aceno de Christ) quatro mil ho-
inens se assentararo.
Fallou a linguagem mysteriosa da sua
vontade Omnipotente, e os sete paes se mul-
tiplicaram entro as mios dos discipulos.
Seus labios proferiram palavras de bengao
sobre alguns peixes, e as multiddes erguc-
rara-se saciadas, para dejoelhos entoarem o
cautico de gragas ao filho de David.
Bemdito sejais v6s, meu Deus, que man-
dastes erguer do sepulchre a Lazaro, o ba-
fejastes o halito na face morta do chorado
filho da viuva de Nahin.
Bemdito spjais ids, meu Deus, que destes
vista aos cegos de Bolhesaida e Jericd, e
aquelles que, nunca illuminados pelo luz do
sol, foram visitados nas suas trevas pela raio
da luz ctlestial, que lhe mostrou o filho de
Deus!
Bemdito sejais v6>, rneu Deus, quo sobre
o dorso da tempestade estendestes a mao
ao discipulo, que se julgou perdido nas yo-
ragens da procetla, com pavor retrabida
quando a vossa mao lhe retrahio as
iras !
Bemdito sejais v6s, rceu Deus, que rea-
uimastes os membros errtorpecidos dI) para-
Ivtico de Jerusalem, e o mandast s eami-
nhar com o seu leito, que trinta annos lhe
fdra o eculeo tormentoso de dores incura-
veis pelos lilhos dos homens !
Bemdito sejais v6s, meu Deus, que rece-
bcstes do possesso de Geraza, qu ndo, sahi-
lo de entre os s<>pulehros, arrojando os ca-
daveres que lhe algemavani as furias, se
prostou peraute v6s, exclamando: Que
ha entre mim e v6s, Jesus, lilho do Aliis-
simo ?
Bemdito sejais vos, meu Deus, que sois
o pai deste povo, sobre quem o Senhor, na
hora da peuuria, derramou os paes multi-
plicados, porque nao quizestes que a vossa
palavra desiesse ao coraQao de vossos lilhos,
abatidos por forae e sacrificios pesados a sua
fragilidade!
Ei-lo, pois, alii, o*Senhor dos exercitos
que o povo hebreu conclamou ha pouco nas
ovacoes ruidosas do Cedron.
Resoam nas ruas de Siao os echos festi-
vaes de hosanas ao filho de David, a cujos
pes a purpura dos mantos e alcatifa real
que conduz o ungido do Senhor ao throno
dos reis de Israel.
Descei, archanjos da gloria Vinde ser
LUC&ECIA S0S&1A
MEMOnilS DE SATANAZ
POR
O. Manoel Fernandez y Gonzalez
QLINTA PARTE
LEONOR
IV
COMTINUAQAO DO ANTECEDENTK.
CContinuaQSo do n. 88. )
Michelotto, depois de se recolherem to-
dos, fdra buscar o pequeno Paulo, filho de
Ariosto e de Genebra e levara o na compa-
nhia do Sr. de Arnesteville, para o quarto
da mulher d'este.
Era a primeira vez que o Sr. de Arnes-
tevillo ficava de noite no quarto de sua es-
pcsa.
Marietta vai araamentar as tres cnan-
i.as sem custo algum, disse Michelotto.
Diga a sua csposa que esteja socegada.
rj- Mas e necessario cobrir as apparen-
* 1-Vz o que lhe eu disse ?
Sim, minha mulher untou-se com a
pomada que o primo me deu e parece uma
neii-iiterraia.
Pois entao eu mesmo vou buscar um
medico ; volte para junto de sua esposa e
espere por mim. E' inutil acordar Tonetla
e Marietta; como sabe, nenhuma d'ellas
falla uma palavra do francez, assim como a
senhora de Arnesteville u&o falla uma unica
palavra dpitaliano.
; Minha mulher queixa-se de que lhe
due muito a cabec,a, e de qne se sente ver
dadeira^iente mal. Comt'jou a qu"i\ar-se
era uma cruz, o os hymnos da victoria
eram imprecagdes blasphemes, e os oleos
fragrantes das ceremonias reaes eram gotta*
de sangue espremidas pelos agoutes, pelos
cravos, pela langa, pelos espinhos, e pela
ingratidao do genero humano I
A mao, que multiplicara os paes eleven-
tara a Lazaro do tumulo, e afastara a escu-
ridao dos olhos aos cegos de uascimeoto,
era traspassada polo cravo com que a justi-
ga da Judea e de Tiberio decretava que a
nSo facinora de utn salteador, borrifada
pelo sangue de innoceutes, fosse atraves-
sada.
Jesus, ha pouco erguido nos brago* das
tribus, que te atropellavam para beijarero os
vestigios de seus pes, eagora, pelos mesroos-
bragos, exaltado ao supremo fastigio do*
liagellos I
Aos pes da cruz debate se um coragfio
nas agonias maternaes; luta entre a vida e
a morte um discipulo daquelle Justo, que
expira ; e vociferam palavras de escarneo
os labios de iim povo, q le dias antes bei-
ja"ra os pes sacrosantos do enviado do Se-
ll bo r.
0 sangue de Jesus-Christo, pedido pelas
turbas no pateo de Poncio Pilatos-, borrifa
as faces dis deicidas.
Deus, que soprara fogo a|l>razadcH ao seio
corrupto de Sodoma j Deus, que sepuhara
nas ondas o exer'ito de Pharao ; Deus, que
soprara o inceiiJio do esterminio ns hop-
das amaldigoadss d is phiiistheus : Deus-que
enviara seu Filho I'nigenit >, a remir uma-
raca, quo Lucifer algemar* aos eternos-
postes do inferno ; Deus, envia o a-njo da-
desolagSo sobre o povo que dilacera ae car-
nes do Bedemptor, piando seu Filho, eie-
os olhos enturvadbs pelo sen-
Ihe desee dos espinhos, ex-
vando-lh
gue quo
clama :
Pai!
que fazem
perdoa-lhes, que neo sabem o
!
Jesus Christo, nos- dias do seu triumpho
entre os homens, amados como- fiihos, dt-
sera que nao queria a- morte do peccader,
mas a vida pela conversao.
0 Senhor perdoara- aos israelitas rebeldes-
depois que g'merara> longo captiveiro de Ta-
grimas e trabalhos.
0 Senhor attendera- as allligoes da- raii.ha
Esther, que lhe pedia a conservagAo do- seu
povo.
0 Seuhor perdoara. duas vezes ao ret ppo-
pheta, depoU que o grito do coragao rep*e-
so lhe estalou nas cerdas da harpa.
0 Senhor perdoara ao rei Achab, depois-j
que os cilicios da penitencia lhe ulceraram
as carnes
0 Senhor erguera sobre o throno o rei
Manasses, quese rovolvia no po.da hu.nilha-
gdo.
0 Senhor levantara ao fastigio da gran-ie-
za Nabuchodonosor, que sete annos cueva-
ra a frorite do rei nos paste, onde se ali-
mentaram os cavallos de 3abylonia.
0 Senhor rccebera os publicanos e en-
chera o ceo de cauticos de alejria, quan-
do um peccador afogava nas suas lagrimas
o vermo do crime, quo lhe roia a exis-
tencia.
0 Senhor, i|ue do alto da cruz contem-
plava no fim das geraroes o tremewdo dia
de juizo, podia ao seu Eterno Pai perdao
para aquelLes que n3o sabiam o que faziam,
perdao para nos, que lhe rogamo6 nos la-
bios a esponja do fel, perdao para nossos
fiihos, que mandarao aos fins dbs seculos
uma posteridado polluida pelo sangue do
cordeiro innocente 1
E nem. a humitdade com que morria
aquelle Justo, sem langar ao rosto de seus
algozes tantos beneftcios que fizera a seas,
ira aos, serenou as ins da vozeria tumul-
tuosa, que lhe atirara a face ensanguentada
affrontas o insultos. 0 anjo das trevas
inspira os algozes de Christo, para que o
beneficio da redempgao nflo fosse operado
naquelles que blasphemaram ate ao derra
deiro instante da morte do Redemptor.
Ao lado do padecente ha dous homens
que so estorcem no martyrio da cruz. O
mao, como^o symbolo da desesperag3o na
misoricordia celeste, invectiva, contra aimpo-
tencia de um Deus, que se nao salva, nem
o livra a elle dos tormentos da cruz. Ou-
tro, imagem do crime que se lava nas do-
ces lagrimas do arrcpendimento, pede ao
beaifeitor de ingratos, que lhe d;Io em paga
um supplicio, que no reino do ceo, lhe nao
sejam pesadas 8S suas culpas.
pouco depois de ter unlado com a sua po-
mada o rosto e agarganta.
Ah 6 jue sua mulher e uma grande
mu her, disse Michelotto. Sabia que era
necessario estar mal e encontrou o meio de
nao ter de o fingir. Vou ja" buscar o me-
dico, nao vd sua mulher lembrar-se de mor-
rer para fingir raelhor que estd mal.
Oh isso seria muito grave excla-
mou o Sr. de Arnesteville.
Michelotto entrou no quarto de dormir
eappareceu pouco depois de gorro n capa,
trazendo & cinta um espadao formidavel.
Vd para junto de sua esposa, que ou
jd venho, disse elle.
Michelotto desceu aojardim, sahio pola
cocheira para a rua dos Vieux-Augustins, e,
no extremo d'ella, bateu a uma porta.
Queira desculpar, disse elle, depois
de lhe terem respondido, cheguei recente-
mente a Paris, nao conhego a cidade e ne-
cessito de um medico para um enfermo que
estd em muito perigo. Pode indicar-me
onde encontrarei um ?
Na rua de Caquilliere, a ultima casa
i esquerda, boas noites.
E ouvio se o ruido de umajanella que
se fechava. .
Michelotto encaminhou-se para a casa
indicada, e bateu i porta com esirondo.
Ahi responderam com mdo humor ; po
rem quando ouvira ra que se procurava um
medico para que fosse prestar os seus cui-
dados i esposa de um gentil-homem, e so-
bre tudo quo se lhe pagaria hem, desceram,
abriram a porta, e uma mulher velha, alta
e magra, introduzio Mich>-lotto, dizendo-lhe
que esperasse.
Deixou alii a luz que tra/.ia na mao e
sahio.
Pouc i depois abrio se a porta e appare-
ceu um homem vellu>, altov corcovado,
pal!i-b, A':m is wfo&fa 'cottipvl'los e grisa-
ja das trevas com a luz ; neste subir do es-
pirito para o seio do Croador... qual de
uds nao anciara pelo amor de mii celeste
que junto do Altissimo balbuciasse a sup-
plica do nosso perdao TI
Felizes aquelles que acordaram do afflj-
tivo pesadello do crime, porque o Senhor
collocoo a seu lado a mio carinhosa da
mulher, que lhe enchugou as lagrimas I
Dessa mulher foram ditos os desiinos do
Calvario :
Mul/ter I Ahi tens teu filho t
Dessa mai (allou Jesus Christo ao disci-
pulo a-faado, apontando para a sua :
Ahi tens tua mai I
Maria I coragio ralado de tonnentO'S- o
sempre carinhoso eai receber o do po si to- de
nossas lagrimas Maria f bemdita entre
ae mulheres, pomb mystica que disces ch>
seio dos anjos a pousar sobre o coragao do
homem, que techama no hora* de seu re-
raorsj I Maria 1 formosa palm de justiga r
lyriopurissimo'de castidade, qpe flores.es
no seio daquelfes em que a mio do criaie
semeara espiahes de tormentosa tesespera-
g8o I Mttria! carinhosmii,. qje me foi
dada nt*Calvark>> a mim orphao dm nfagos
daquella-, quo tao eedo me abandemou no
primeiro- somnj da innscencia, sed o meu
amparo, para'que eu mm murmure as-mi-
nbas hprw de desfbllecimento-aquelttr pe-
netrante qjjeixa de vosso filho-:
Meu DeusrMieu Deu^.porqurme- desampa-
rastes?'
Que excibmagao e" essa do fllho abaodo-
nado nas ultimas aspiragoes de sua alhta,
nos-ultimos arqoejos do seu peito; roxeado
pelos Tergoes-das disciphnas?
K a derradeira proya deamerde Jesws
Christo ao genero humano
K-'"o Deus que se prwa detodaa-as-conse-
lagoes-,- para larar as nodoas do homem coi
a ultima gotta-de seu-sangue. W o u'tirao J
trago-que o calix- da egjonia derrama na- [
queltes-labios onde a palavra- da- Redemp*
gao dere ter 'Sen* oomplemento pelo grito {
desddeabrczadopa;
Ttnho-siMf
exclamara Jesna> quando o aujo des-flagel-
los Ihe-descia e-veo-da morte-ao>olbos que
fechavam sobre-o mundoresgatado. Era
uma sede espiritual da ncssa salva^aO. Era
o incendio do amor, que tie ingrotos re-
compeosamos eeaa-a pervorsidade da indif-
fenenga.
Pai! $tn tuasrndotentregfi o meetpiritot\
0 espirito do Filho de Deus espiara os
peccados do genero 'humano I
Os aossos opgnlhos tinham sido-perdoa-
dos pe)o pregp>dos opprobrios soflrido por
Jesus.
Quando Luoifier era laogado is trevas
eternas-: Christo estendii-nos a. mio ensan-
guentada ao fodo abysmo da culpa.
Do sangue do Justo nastera uma.geragao
nova..
0 mysteri- da Redempoao, em.todos os
seus lances de sangue,. estava cumprido.
A morte do eaviado do- Senhor era a ulti-
ma lettra.das propbecias.
Oi enyiadov pois, quando o extremo ha-
lite, da. vida lhe sahio do. peito, e a. face lhe
pe&dia morta a a natureza se carcegava de
trevas, e os mortos surgiam das tumbas, a
o veo do tamplo se rasgava... murmurou a
palavra lical da sua paixSo :
TSxdo estd acabada!'
0- echo- desta palavra sera o brado co-
demnador para aquelles que a desprezasara
na. vida, e que no ukimo dia do tempo, sa-
berao eotr.iprehende la.
Camillo Castello Br\nco
itabat Hater
Estava junto da cruz
A triste mai dolorosa
Vendo, aillicta e lacrimosa,
Pendente o caro Jesus.
Banhada em pranto de amor,
Gemendo em dura agonia,
Sua alma o echo sentia
De aguda espada de ddr.
Que tristeza 1 que affiicgao I
Em que abysmo da amargura
Supportou esta mai pura
Do Unigenito a Paixao 1
Ihos e a barba primorosamente escanhoada.
A physionomia d'este homem n5o re-
presentava outra cousa senio a seriedade
grave de que se armam todos os que se jul-
gam sabios.
Vendo o trajo eo aspeoto de Michelotto,
o homera iuclinou-se coremoniosamente,
dizento:
Pego perdao se o fiz esperar ; estava
deitado, mas acudi logo, vistoque se pedia
o auxilio da sciencia para um enfermo.
Obrigado, meu amigo, replicou Mi-
chelotto.
Eu charao-me o Dr. Dupont, para o
servir, disse o medico.
Pois bem, doutor, espero que tera a
bondade de me acompanhar; eu moro
aqui perto, na rua dos Vieux-Augustins, e o
tempo urge porque a.enferma acha-se n'ura
estido gravissimo.
0 Dr. n3o se moveu e ficou olhando de
um modo singular para Michelotto.
Aquelle olhar queria dizer :
Certameute que o senhor nSo sabe o
que deve fazer:
Michelotto comprehendeu-o e pergun-
tou :
Em que omisslo me fez incorrer a
: minha ignorancia T
Queira desculpar, replicou o medico,
mas pelo que vejo o senhjr e novo em Pa-
ris e sobre tudo novissirao em minha casa.
Tem a bondade de se explicar?
F.' um costume de n6s outros, os pri-
meiros medicos d* Paris, n.8o sahirraos de
' casa quando nos chamam pessoas desconhe-
cidas, sem que nos paguem o trabalho e o
incommodo de nos levantarmos da cama.
' AWm d'isso, nao sahimos nunca sos com
o primeiro- que se nos apresenta ; pore'm
proximo do Sena, junto ao Louvre, ha sol-
dados do prebostado, destinados a velarem
pela tranquillidade dos habitqnles. Va,
Convulsa de suspirar...
Com que ddr 1 com que vehernencia
Via o Justo por essencia
Padecer por nos salm 1
Que supplicio, oh 1 mai de amor !
Qual seria o peito humano
Que sentindo o proprio damno
Ndo sentisse angustia e dor ? I
Como etriste e natural,
Vendo a mai o filho em pranto,
Que a expressSo desdobre o manto
A' ternura maternal I
Ella v a o seu Jesus
Em tormento acerbo e novo,
Pelas culpas do seu povo
Flagellado sobre, a cruz.
Vio quo o ceo se annuviou
Quanio o Filh > desolado,
De seu Pai desaraparado
Sobre o Golgotha expirou.
0 un i verso estremeceu...
Ah permitto, 6 mai Je amor,
Q'te eu sentindo intensi ddr,
Pussa unir meu pranto ao teu f
Dai-me luz, fervor, ungao
De suave intelligencia,
Que no amor de pura essencia
Me transformo o coragao.
Espero, como em penhor
De que es Mai, de que me alfagas,
Qu o amor das cinco Chagas
Sej.i o meu brazao de amor.
Se teu Filho padeceu,
So por dar-rae luz, e abrigo
Reparte as penas comigo
O criminoso sou eu.
V>& me comtigo chorar
Teu soffrimento imitando,
as paixo.-s mortificando
Na cruz de Christo expirar.
<0 que cm mim a fe produz
Quando aspiro consolar te,
i' na dor acompanhar-te
Sempre firme ao pe da cruz.
-Nesse calix de amargor
Que componge a especie humana,
Oh I das virgens soberana.
Dd-me angustia, pena e dor.
Dti que me possam valer
Do teu Filho o Sangue e a Morte,
E qu'eu ten ha a feliz sorte
D'entre as Chagas meesconder.
Se este asylo e qu^l penhor
Do que a Fe sem ver alcanga,
Minha unica esperanga
' na Cruz do Redemptor.
Espero sem raerecer
Que no horror, bem que indeciso,
Desse tremeudo juizo,
Me has de acodir e valer.
Se ao perdao a graga induz,
Da" que no instante da morto
Me previna, e me conforte
Quem por mim morreu na cruz.
E nessa Jerusalem
Que e da luz rnorada certa,
Da que a minh'alma liberta
Goze em paz do sum mo bem.
Amen.
Anliphona. O' v6s todos, que atraves-
sais pelo caminho, considerai, vede se ha
deir igual a minha dor.
V. Rainba dos rnartyres, rogai por n6s.
R. Vos que animosa estivestes junto &
cruz de Jesus.
Orapao
Senhor meu Jesus christo, por intercessao
da bemaventurada sempre Virgem Maria,
vossa m3i e senhora minha, cuja alma sa-
cratissima foi traspassad.'i com a espada de
ddr no tempo da vossa Paixao, nos vos pe-
dimos e humildemente rogamos que te-
nhais piedade de n6s agora e na hora de
nossa morte. V6s que viveis e reinais por
todos os seculos dos seculos.
Amen.
VARIEDADE
NOVO TRIBUNAL.Segundo um tele
gramma de Bertim, o conselho federal, sob
a influencia do grande chanceller, acaba de
pronunciar-se pelacreaeao de um tribunal su-
premo de justiga do imperio ; tribunal que
pois, chamar um d'elles que se prestara a
acompanha-lo, o volte depois.
Por todos os primos e por todos os
tios de satanaz 1 exclamou Michelotto, ti-
rando a bolsa e dando-a ao medic >, ahi torn
mais ouro do que aquelle que pode ga-
nhar em um anno ; deixe-o e l casa e ve-
nha comigo, sem me obrigar a que va cha-
raar alguera. Para que oquero eu senio
para que veja morrer um enfermo, se por
ventura nao chegar a tempo de o matar ?
Ora, vamoa e-nao mereplique; creio que
lhe paguei ; creio que lhe paguei de modo
que tenho direito a exigir alguma pressa.
Certamente que sim, cavalheiro, disse
o medico mettendo a bolsa na gaveta da
mesa e tirando a chave. 0 senhor pagou-
me de modo que nao devo teimar em que
va" chamar um homem do prebostado ; mas
isso e um costume necessario. Vamos la.
E dirigio se para a porta da casa junto
da qual o esperava com uma luz na mao, a
velha que apparecera primeiro a Miche-
lotto.
Ouga, Sulpicia, disse-lhe o Dr. Du-
pont, feche bem os ferrolhos e os cadeados
e nao abra seja a quem for ate* que eu
volte.
Michelotto e o medico sahiram, e pouco de-
pois o primeiro abria a porn da cocheira
de sua casa.
Em seguida penetraram no jardim, subi-
ram ao pavilhao e afinal o Dr. Dupont
achou-se junto do leito da senhora de Ar-
nesteville, ouvinlo uns profundissimos ge-
mido.:.
Aqielles gemidos, porem, nao partiam
da enf-rma, mas sim do Sr. de Arnesteville
quo estava desesperado.
Oh 1 isto e terrivel 1 exclamou elle
vendo Michelotto. Se eu tivesse sabido ao
quemeexpunha.,,
Michelotto nao o deixou eoncluir a
eetendera de todos os assuptos dos estados
pequenos da Al emsnha, incluindb os que
se refiram aquestoes interiores de caia um
d'elles. Unlcament* a Prussia e a Baviera
gozarao do privilegio de conservar os seus
trihunaes supremos para os assumptos que
nao estejam submettidoj as leis do impe-
rio.
Diuicilmente, segundo parece, essas ei-
cepgOes poderao sobreviver As actuaes cir-
cumstancias; o previlegio coucedido a Ba-
vierj n3o passa de um expediente politico,
cujo objecto 6 n8o offender as susceptibilida-
des bavaras.
CU1U PELO VINHO.-Um jornal de Lon-
dres noticia que lord Heith que ha lon-
gos annos padecia de gotta, acaba de sor
curado pur uma das suas excentricida-
des.
Tinha oa sua adega uma pipa, na qual
por cinco annos conservara um generoso
vinho de Hespanha ; metteU-se nu dentro
d'ella ficando apenas com a cabeca de
fdra.
Assim esteve por tan to tempo que os pe
netrantes vapores que se exhalavam da pi
pa o embriagaram completameate. Trans-
portarain-u'o era seguida para a cama tendo
o cuidado de o aquecerem muito bem. 0
gentleman suou perto de duas horas, e
quando a embriiguez lhe passou, estava li-
vre do terrivel mal.
INFORTUNIO SOBRE LNFORTUNIO.
Foi ha pouco recolhida no hospicio Saute-
Anne, de Paris, uma mulher de trinta an-
nos. a quem uma serie de infortunios, qua-
si successivos, arrebatou a razao.
Enviuvara.morrendo lhe o marido de um
desastre indo de carruagiin.
.Nao desgostando de um primo, e que
rando temperar a paixao e as sau lades do
marido, tomando novo estado, foi a Pa-
ris para se casar; mas quando ahi chega-
ramamento interno, resultante de um aneu-
risma.
Tendo levado comsigo as suas joias,
roupas fiuas, e duzentos e tantos mil reis,
a que deixira nas suas malas na hospeda-
daria em que alojira, na rua do Fanburg-
du-Temple, voltando alii, achou-se rou-
bada.
Alguem se introduzira no quarto, sabendo
que a hospeda se ausentara, e pdde rou-
bar tudo que la encontrou.
Em Janeiro ultimo fizeram-lhe outro rou-
bo. Ao embate de tantos contratempos e
desventuras, nfio pdde ser superior o-seu ani-
rao ; e por epilogo de sua md sorte vai mor-
rer n'ura hospital de doudos.
CARO NEGOCIO.Para se formar idea
do que tem sido o processo Tichbome, que
nos annaes da jurisprudeacia internacional
ha de ficar para sempre memorado, e das
sommas fabulosas n'elle consuraido, e da
especulagao feita a soinraa d'elle, por va-
rios espertalhoes, basta dizer que se orga-
nisou uma sociedade que tera emittido bonds
e assim recolhido somraas fabulosas, sob
promessa de que o negocio darii lucros in-
calculaveis.
Foi com a mira n'essas phantasmagorias,
que um pobre rapaz ( pobre de espirito ),
contra o parecer de sua mulher, empregou,
nos celebres bonds-Tichbome, o melbor de
cincoenta e tres contc-s de reis. Poucos
dias depois da derradeira sentenp, o infeliz
mogo consilerando que tinha perdido qua-
si toda a sua fortuna ou boa parte d'ella,
perdendo irremediavelmente o seu bftm es-
taf^-Je-sya^uIher, a qual a tempo antevi-
ra o disparate que o marido praticou, n3o
pdde resistir a paixao que do seu espirito se
apoderou, perdeu a razao, e dentro em pou-
co succumbio.
As victiraasjsao muitas, e sj todos perde-
ren> o siso, ao reconhecerem-se roubados pe-
los especuladores espertos, tem os hospicios
de alienados de alargar as accommodagdes
intercas.
emquanto qua a artilberia dos da m na-
vios da armada tem o calibre de tt eeoti-
metros.
As novas (ragatas prussUnas Pmuten-
Grosser-Kurfurst t Friedrick der Gro$#
serao po em armadas com picas de M can
timetros ; e as duas fragatas que vie sat
construidas n is estaleiros de Londres, pare-
ce que ctrao artilbadas com bocas de fogo
de 26 centiraetros.
Estas ultimas pecas, a excepgao, todavia.
da de 1:000 arrateis, que ora-se acka em
Kiel, sao as mais formidaveis pecas qne
servem a defensa das coitas allemas.
0 citado jornal observe que esta sorte de
armamento, bem que assis util n'um com-
bate a curta distancia, seria compleUmeota
infructifero na defensa de um porto de mar,
contra um bombardearaento do qualquer na-
vio da forga do Pedro o Grande ( ruso) e
da fury oa da Devastation, por quanto t
impotente para atravessar uma couraca de
12 a 14 pollegadas de espessura, i distancia
de 1:000 a 1:500 metros ; en quanto que
a nova poga de 37 centimet<-os atravesaari
uma lamina de 13 pollegadas i disUncia da
2:000 metros.
0 PRETENDENTE T[CHB.)RNE. Di/
um jornal inglez que Mr. kunealy inter-
por revista da decisfo do tribunal Qjean's Ben
ch, que julgou culpado de perjurio o accu-
sado que se dizia Thomaz Castro, Arthur
Orton, e Raronet Rogero Carlo* Doughtv
Tichbome, e o conderanou em 11 annos de
trabalhos publicos.
Sao fuiiiamentos do recurso : 1', racusa
dos juizes ad mitt rem para pr >va certos do
cumentos que a defeza queria proluzir; 3*.
ter o presidente do tribunal bsado da pala-
vra como testemunha, referindo aojurya
sua visits a Gouta e o resultado do exame
pessoal que fez d'este sitio, onde se passou,
segundo o accusado, u.n acontecimento im
?

va, o noivo acabava de morrer"aVtHD-d*r" j, rtante da vida de Rogero Tichbome i
3, nullidade do processo, porque entraram
no jury jurados de Miadelessex, que eram
incompetentes para julgarera um crime
comraettido em Londres. Este ultimo fun-
damento foi allegado perante o tribunal
Queen's Bench no comego do julgaraeoto,
nao sendo attendido pelos juizes.
UM FILHO DE NAPOLEAO I.Escre-
vem de Roma o^guinte ao Jornal dos De-
bates : \
Emquanto se julgavaem Eranca o pro-
cess > de um pretendido descendente de Lui
XVII, apresentou-se-ine em uma pequen.i
cidade da Toscana um homem que assave
ra ser o duque de Reichstladt, filho de !fa
poleao I. As suas feigdes yareceiD-se eflec-
tivamente com as do impera\dor nos ultioaos
annos de sua vida, pore'm a xpressiQ muda
muito. Este personagem u oem )ouoo
nem intrigante ; vive mu;,;0 modestar*ntc
dos recurs s que lhe fornece ama mirf <*es"
conhecida, e goza d^ esUma de todos oX^JT
o conhecem. Conta com muita seriedade '
como em 181 *, uma outra creanca lhe foi
substituida e como foi confiado logo dapoi>
a um dominicano e em =eguida a um caval
leiro de Malta.
Oquo e certoeque^abiu na Toscani
ha mais de 60 annos e <|ue manteve sem
pre as suas assergdes sem nunca proeurai
exploral-as nem directa tiein indiiecta
raente. m


ART1LHE1UA PRUSSIANA.Conta um
jornal alleraao que o ministro da guerra en
vidra ordem a fundigao Krupp para fundir
uma boea de fogo do calibre de 37 ceuti-
metroa, com aquella pequenina masss de
ago fundido, de que tanto se fallou na ex-
posigao uiiiversal de Vienna d'Austria, e que
tinha apenas o peso de cincoenta e dous mil
kilogrammes 1
Esta pega vira" a ter o mesmo calibre da
que esteve na exposigao de Paris em 18G7,
pesando 1:000 arrateis, e igualraente fabri-
cada nas oflkinas krupp; coma ditferen-
ea porem, de que sera mais reforgada e
ha de ser apta a receber o dobro da car-
A maior pegadeartilheria da mariuha al lema
faz parte do artilharaento do Ko>nig-Whil-
hem : o seu calibre e de 24 centiraentros,
phrase, pegou-lhe n'um brago e tapou-lhe
a bocca dizendo :
0 senhor n3o deve estar aqui ; afllige
sua esposa que estd bastante enferma e a
quem estao fazendo certamente um grande
damno os seus alaridos.
E sahio com olle, atravessou a galeria de
coramunicagao entre o pavilhao e o pali-
cio, fechou n'um quarto o Sr. de Arneste-
ville, metteu a chave na algibeira, voltou
ao quarto da enferma o encontrou o medi-
co sentado n'uma cadeira, com as pernas
encruzadas, no estado de uma completa
iuercia.
Diga-me, Dr., perguntou Michelotto,
nao tem nada mais a fazer senab isso que
esta fazeudo ?
Como Deus nao me da o poder de
resuscitar os mortos, responden tranquilla-
mento o Dr. Dupont, n8o sei que outra
cousa possa eu fazf r aqui.
Ah pois, estd morta ? exclamou Mi-
chelotto.
Sim, senhor ; a enfermidade por cer-
lo que foi gravissima...
Sim, a crianga e raonstruosa.
Que diz 1 exclamou o medico pondo
se em p6 de um modo nervoso, pois esta se-
nhora morreu...
De um parto extremamente difficil.
Faga-rae o favor de fazer constar que a se-
nhora Leonlina de Arnesteville, esposa do
Sr. Jacques de Arnesteville, gentil-homem
da casa do rei, morreu de um ataque de
apoplexia, poucos rainutos depois de ter dado
a luz uma crianga demasiadamente deseu-
volvida. '
De-me papel e tinta, disso o Dr.
Veoha comigo.
E Michelotto, pf-gando n'uma vela, levou
o medico para um dos aposentos
cio e deu-lhe papel e tinteiro.
0 Dr. pasfOH uma e?pscie de certidao de
y,iy,d \S\\\0..Viamiliado famoso ge
neral Nino Bixio presenteou a municipalida
de de Genova com a espada que o dlustre
militar cingio nasbatalhas da independent I
Italian*.
Os representantes d aquella cidade. aco
lherara com summo agrado aquella offerta.
e signiticaram a familia Bixio, o seu
mui especial agradecimento, ordenando que
aquella espada, preeiosa recordagio d'am
benemerito cidadao e mooumento de gloria
nacional, fossse cuidadosamente guardada
nas salas do municipio.
E' mais uma homeuagem que se presta a
memoria d'aquelle notavel caudilho da li-
berdade, que a tudo fez jus, pois que tudo
sacrificou sempre pela sua patria. Homens
d'aquella estatura sao benemeritos em toda
a parte do mundo, quanto mais na sua pro-
pria patria.
FORTUNA BEM DISTRIBLTDA.-FaUe
ceu em Bergamo a viuva do celebre tenoi
Rubini; e como nao deixasse herdeiros for
gados, legou a sua fortuna, determinando
que dos fundos que a constituiain se dotas
sera um hospicio para orphios, um gymna-
sio, e um albergue para os can tores que che-
garem a velhos e naotenham meiosdesub-
sistencia.
,
e entregou-a a Miche-
pu-
ao
obito,
lotto.
Este abrio uma papeleira, tirou um
nhado de ouro de um sacco e deu-o
Dr.
Foi real raente uma apoplexia fulmi
nanto, disse aquelle guardando o dinheiro.
Pobre senhora 1
E, mudando de torn, accrescentou :
Basta que apresente ao parocbo essa
minha declaragio ; o meu nome e tao res-
peitado, ^ue a ninguem occorreri intro-
raetter-se om averiguar a enfermidade sin-
gular a que essa senhora succumbio.
0 Dr. deve ter somuo, disse Michelot-
to olhando para o meiico com um modo
sombrio.
Tenho algum, respondeu aquelle, de-
veras perturbado
Pois va quanto antes para casa, nao
seja que me occorra deita-lo a um poco para
que durraa tranquillamente ate ao dia de
juizo.
0 medico oao replicou nem uma pala-
vra ; seguio, tremendo, Michelotto, e jal-
gou-so fdra da bocca de um lobo quando
se vio na rua dos Vieux-Augustins.
Ouvindo fechar a porta da cocheira, oar-
tificou-se de que ninguem o seguia.
Emquanto o Sr. de Arnesteville, affligio-
se muito, chorou e esteve alguns dias in-
consolavel.
Afinal disse um dia a Michelotto :
Foi uma perda irraparavel, amigo:
mas devemos confessar que a Provideneia
teve compaix*o das minhas vinte mil libras
de renda, porque se a senhora de Arneata-
ville nao morre de parto, com certeia, meu
qurido primo, que dentro om seis mazes
estava 11 pafa-[V (Continxiar-seha.)
t:P. 003 DIARIO, -RUA DCQCE DE CaX!a4

}

t
^
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2JYDEJUM_9NQ7LF INGEST_TIME 2014-05-27T22:58:43Z PACKAGE AA00011611_17612
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES