Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17558


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L. MJMERO 21

"\
)

"-
PARA A CAPITAL B laVCABES 0\DE N& SE PAGA POR1E.
for tres mezes adiaotados, ..... 69000
Tor sets dilos idem..................12*000
-fl'or urn anno idem..................&4*000
'Cida numero avulso................. 9820
TElfcA FEIRA 27 DE JANEIRO BE 1874
P**A DEVTMEFORI DA PROY1NC1A.
ror Ires mezes adiaotados................ C9750
Porseis dilos idem................ J3&5oO
For nove ditos idem............. 289250
Por am anno idem.................. 27J0OO
*
DIARIO DE PE
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEIROA DE FARIA & FILHOS.
(h Sn. Gerardc Antonio ihes d Filhos.no Par*; GonjaNes d Pinto, no MaranhSo; Joaqnim Jose* de Oliveira d Filho, noCeari; Antonio Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, u Paraayba ; Antonio Joae* Gomes, na Villa da Penha; Be'armino dos Santos Bulcao, em Santo AntJo j. Domingos Jose" da Costa Braga, em Naiareth;
onio Ferreira je Aguiar.em Goyanna; Jofio Antonio Machaeo, no Pilar das AlagOaa; Aires d-C, na Bafeiaj e Leite, Cerquinho d C. no Rio )de Janeiro.
fARTE OFFICIAL
Govern* dn provincia.
KXPKDIENTK DO PIA 2") DE OUTUBRO DK 1873.
1* irccao.
Ofticips :
Ao brigadeiro comrnandante das annas.
Sirva-.-e V. Exc. da m.-md.ir pur era liberdade o
: rula Manoel Kraueiseo do Nascimento, que pro-
ve* iseocao legrl.
Ao niesaio. Sirva-se V. Kxc. de mandar
por em liberdade o recruta Floriano Goncalves de
Freitas, qua provou iseucao legal.
Ao inesin j. Em aviso de 11 do corrente o
..Exm. ministro da guerra dando solucao a repre-
seatacao do comrnandante do 2' oatalliao dc inlan-
itria, relativainenie a conveniencia deserem sub-
si,midas par bandeiras de damaseo bordadas de
retroz as de nobreza, qae sao fornecidas aquelle
eorpn, penderan lo gue estas, alein de desbotarera,
.-a.) dc [i iu a duracao, declara que com o damas-
eo dandose o mesmo inconveniente de disbotar,
- custando aleni disso mais cam, nan e acceitavel
a substituicao proposta, tanto mais que antes de
urminad o o prazo tnarcado para duracao das ban-
deiras e forem esta* jutgadas inserriveis, podem
ser substituidas por ouiras; o que commuoico a
V. Exc. para facer c malar aquelle comrnandante.
Ao mesmo. Sirva- se V. Exc. de dar suas
ordens para quo as 7 horas da raanha do dia 27
do coi rente, se apresente na casa dn detenc^ao
uaia eseolta de 5 praxis e 1 cabo ce linba, alim
de receber alii 2 erintiaosos e conduzil-os para o
termo do Cabo, onde vio respjnder ao jury, de-
vendo a referida eseolta permanecer no mesmo
termo ate o encerraineuto da sessao daquelle tri-
bunal.
Ao inspeclor do arsenal de marinha. -Cora-
munico a V. S., para seu conbecimento, que pelo
aviso d) ministerio da marinha, de 2 do corrente,
lie-u approvada a deliberacao que tomei de au-
t orisar V. S. a deipender 7:C00j:(ul, nao so com
as obras neoessanas na casa destiuada para en-
ferraana de marinha e no compartimento que tem
de Servir de quartel da companhia de aprendizes
marinheiros, mas tambem a Uemolicao de algumas
paredes, levanumento de ouiras e reparaclo do
vialho da referida casa.
Ao mesmo. Ue' conformidade com o que
letermina o avis) do ministerio da marinha de 27
iidsse arsenal, uma lancba com as dimensdes cons-
umes da nota junta pot copia, para substituir
ura outra pequena ao scrvico da capitania do
iwrto das Alagoas, que se acha completamente
.-iiTuinaJa, cuinprindo que V. S. recommendc a
maior urgencia jia construccio da refenda lancha
' providuucie no sentido de ser elia remettida sem
deraora &o seu destino.
Ao mesmo. Resolvendo o Exm. ministro
da marinha, pelo aviso de il do corrente, que o
meopr Francisco Pereira de .Miranda, pertencente
a coinpauhia de aprendizes artifices desse arsenal
-.., s m alojainento no arsenal, nos termos da 3* parts
do art. 47 do regulatnento n. 2.CIS de 21 de ju-
lao de 1860 ; assim o communico a V. S. para a
l?vida execupao.
Ao director do arsenal de guerra. Trans-
initto a V. S., para os fius coavenicnies, o incluso
conbecimento do (goal eonsta lerem sido remelti-
dos pelo arsenal de guerra da corte, no vapor fa-
rani, com destino ao desla provincia, 3 caixdes
com mosquetoes raiadoi, sabres yatagans e bai-
nbas.
Ao mesmo. Para cumpriinenlo do aviso d_o
n.inisterio da guerra, de 13 do corrente, inform
V. S. sobre a pretencao do p armaceutico Jose
lilias de Moura, constantc doj inclusos papeis que
me serio devolvidos
Ao mesmo Representando o comrnandan-
te do 14* batalhao de inl'antaria que a baudeira
i -cebida desse arsenal por intermedio do da cor-
i, alem de ser fabricada de materia prima de in-
terior qualidale, tem no porte so dotis galoes de
alferes, as fraojas da faxa, o eordio e as duas bor-
la'y^ao de retroz amarello, quando deviam ser de
.i-.ro,"Vfiominendo a V. S. que, para cumpriraen-
to do aviscT^ly ministerio ua guerra, de 14 do cor-
r-mle, informe'^ semelhante respeito, bera como
^.erca do custo da refenda bandeira e suas per-
tescfts. \
Ao mesmo.V- Delerminando o aviso circu-
lar do ministerio dja yuerra de 10 do corrente, que
no offlcios de famtawa qae acompanham os mo-
noros destinados aosX{epo>itos de aprendizes ar-
iilheiros se mencione Ik qualidade da praca dos
mesraos menores, na eonfoirinidade do disposto uas
in=itrucc5es de 21 de raarso de 1871; assim o
'>mmunico a V. S. para a de\ida oxeencao.
2* secruo.
Aclos :
0 presidente da provincia, at. vista do ollicio
dd Dr. chefe de policia, n. 1,519 de\23 do corren-
te, resolve exonerar o major Ursulino Cavalcanle
dj Rego Maciel e Candido GonQalvesNde Oliveira
doa cargos de 2 e 3 supplenles do rSelegado do
terrao de Itanibe. \
0 presidente da provincia, de conforrnidade
<-om a proposta do Dr. chefe de policia em\ou*icio
u. 1,519 de 23 do corrente, resolve nomear \para
ii cargos de 2' e 3 supplenles do delegaduj do
lermo de Itambe, os cidadaos seguinles, na orqem
de sua colloca^o : Luiz da Veiga Pessoa Cesar e
Antonio Pornno da Cunha. V
0 presidente da provincia resolve nomear, o
Jr.icharel Francisw Gomes Parente para o cargu
(I? 2* promolor da comarca da capital.
Officios:
Ao Dr. ctaefo de policia Remctto, tnclusa?*,
a V. 8. as laminas de pus vaccinico sohcitadas
'a offlcio de 11 do corrente
Ao mesmo. Segundo o aviso do ministerio
dJ iastipa, de 8 do corrente dcclaro a V. S par*
n; devious tins, que fica sem efleito o aviso n. 198
de 3 de agosto de 186*, devendo apenas dar-se co
jihecimento aos eonsules da prisao correccional
dos snbditos da respectiva na^ao, com os quaes
iiroceder-se-ha corao com os nacionacs
Ao jniz de direito da Victoria. Opportu-
iiamente sera augmenlado o destacamento d#ssa
-idade ; o que declaro a V. S. cm respe-ta a ten
rfflcio de 2 do currento.
Ao promoter publico do Recife. Informe
Vmc, com urgencia, si ja foi instaurado o proces-
o ordenado contra qnem achar-se em culpa |>elos
f ictos constantes da representacao da Irmandade
do Santissimo Sacramento da freguezia de Santo
Antonio, e da qneixa dada por am parente de
Joaqnim de Mello Calice Junior, cujos festos mor-
tes deixaram de ser encommendados rdeclarando
V'mc. si tem prcnovido o seu andamento, como
1-iecnmpre.
A'ljuiz manicip.il d1 Unique. -Recominendo
u Vms. y iToeesao qiP deve ser inslaur.-ido an in-
trodoctor de n ta* falsas na circularjo, nesse titr-
mo; uma das quaes, segundo offlcio do Dr. chefe
de policia, n. 1786 de 23 do cerreote. foi appre-
liendida e apresentad3 a Vme.
Circular :
Aos commandantes snperiores da guarda
iicionaL Em observaneia ao aviso do ministe-
rio da jostica do 4 do corrente tenho a declara* a
V. 8. qae d'ora em diante nao sejaro eontrartados
clarins, comelas e tambores para os corpos da
ruarda national sob eu commando snperior, de-
vendo o* qae actaalmente se acbam em servija
ser despedidos, logo qne flnde o prazo de sen on
ga)*mento.
3' secpto.
Oflicios :
Ao inspector da thesouraria de fazenta.
Ficando approvada pelo aviso do ministerio da ma
riuha de 2 do corrente, a delibera^ao que tomei de
autorisar o inspector do arsenal de marinha a des-
cender 7:606*301 rs, nao s6 con as obras necessa-
rias ua casa destiaada para enfermaria de mari-
nha e no compartimento qne tem de servir de
quartel a companhia de aprendizes marinheiros,
mas lambem com a demnlicao de algumas pare-
des, levantamento oTbatras e* reparos no soalho
da referida casa ; assim o communico a V. S.
para seu conieci-nento.
Ao mesmo. Transmitlo a V. S, para os de-
vidos liru, quinze ordens, sendo quatorce do tribu-
nal do Ibesouro nacional, sob ns. 201, 203 a 215,
uma do ministerio da guerra e bem assim uma
circular da directoria geral das rendas publicas,
n. 4. .
Ao mesmo.Ao tenente coroncl Alexandre
Augusto de Frias Vill.ir, comm.inlante do 2* ba-
talhao de infaotaria, que segue para a cOrte em
cumprimento das ordens imperiaes, mande V. S.
ajnslar contas e passar guia de soecorrimento.
Ao mesmo Transmiito a V. S., para os devidos
flns, os decretos ns. 5422 e 5426 de 2 do correnle,
que elevaram os vencimenlos dos promotores pu-
blicos e empregados da repartigao de policia, os
quaes deverao ser pagos ne?sa conformidade desde
a data dos ditos decretos, segnndo declarou a aviso
do ministerio da justipa, de 14 do corrente, que
determina que na distribuico do credito feito a
e-ia presidencia para as despesas no actual exer-
cicio ja vem contemplado esse angraento.
Ao mesmo.Tendo nesta data approvado a
nomeaoao, feita pelo administrador interioo da re-
particao dos correios desla provincia, de quatro
praticanles, Antonio Peregrino de Mendon;a. Jos6
Carneiro Maciel da Silva, Vicente Nunes da Sena
Filho e Americo Wanderley Jacques, julgados ha-
bilitados no conenr-o que naquella repariiean tor-
min >u no dia 22 deste mez; assim o communico a
V. S. para os 8ns convenientes.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os de-
rides fins, que por portaria de hoje foi nomeado
o bacbarel Francisco Gomes Parente para o cargo
de 2 promoter desla capital, creado por decreto
5430 de 2 do correnle.
Ao mesmo.Mande V. S. abonar ao almo-
xarife do presidio de Fernando de Noronha, sob
responsabilidade desta presidencia e nos lermos
do decreto de 1 de fevereiro de 1862, a impertan-
cia de 4:1164125 rs, uma rex que pela mforma-
Sao de V. S., datada de 23 do corrente sob n. 660
serie E, eonsta nao haver credito na verba Exer-
cits do ministerio da guerra.
Ao mesmo. l;e V. S. sfcas ordens para que
sejam despachadas na alfandega, livres de direitos,
as tres caixas contantes do conhecimento inclnso,
contendo papel para a secretaria desta presi-
dencia.
Ao mesmo.Para cumprimento do aviso do
ministerio da guerra. de 7 do corrente, sirva-se V.
S. de p.*estar os necessaries esclarecimentos refc-
rentes a materia do inelu-n requerimento, que me
sera devolvido, do 2* cadete reformado Belmiro
Francisco Ribeiro da Silva
Ao mesmo.Transmitlo a V. S. os inclusos
papeis relatives a conveniencia de autorisar se a
venda do terreno pertencente ao ministerio da
guerra, site no lugar denominadoTorre afim de
3ue, em satisfagao ao aviso do mesmo ministerio,
e II do corrente, informe com a possivel brevi-
dade sobre o que pondera o brigadeiro quartel-
mestre general no parecer que acompanha os re-
feridos papeis, os quaes me serao devolvidos.
Ao mesmo. -Transmitlo a V. S. os inclusos ma-
les, pelos quaes foram nomeados official da ordem
da Rosa o bacharel Antonio Fiancisco Corrcia do
Araujo, e cavalleiros da mesma ordem o bacharel
Antonio Goncalves Ferreira, eapital da guarda na-
cional ftnoel Honoralo de Barros eo subdelegadi
da Teguezia da Boa-Vista, tenente Jose Candido
de Voraes, afim de scrcm enlregues a quem se
raostrar compeientemente autonsado para recebe-
los. depois de pagos os direitos devidos.
Ao raesmos. -Tendo a irmandade do Santis-
simo Sacramento da matriz de Santo Antonio me
representado contra o vigarlo, conego Antonio
Marques de Castilha, por haver este deixado de
frequentar a mesma matriz e nella praticar os ac-
tos religiosos a que obrigad>>, principalmcnte r.
celebracao da missa conventual, determino a V.
S. que nao pague a vigario algum a respectiva
ongrua, sem que el!e a;ire qn^ncia, no qual esteja oxpressaniente declarado
haver cumprido os deveres de seu ministerio na
igreja matriz e nella celebrado a missa con-
ventual.
Ao mc3mo. Communicando-ine o Exm. mi-
nislro dos negocios da agricultura, commercio e
obrai publicas, em aviso de 4 do corrente, haver
naquella data solicitado do da fazenda a expedi-
gao das necessarias providehcias, a'im de q'ie seja
esla presidencia babililada com o credito da quan-
tia de 38{000 rs. para occorrer a despe>a com a
publicapao de editaes da junta de en.ancipacao dc
escravos ; assim o declaro a V. S. para seu conhc-
cimenlo e fins convenientes.
Ao mesmo.Transmitlo a V. S. o titulo in-
claso, pelo qual fci nomeado commendador da im-
perial ordem da Rosa o Dr. Pedro de Alhayde
Lobo Moscoso, afim de ser entregue a quem se
mostrar competentements antorisado para rece-
be-lo, depois de pagos os dire.tos devidos.
-- Ao inspector da theson aria provincial.Au-
toriro V. S. a mandar abonar 2 mezes de venci-
menlos e soldo ao destacamento do corpo de poli-
cia, cxistente em Nazareth, composto de 1 official e
5 pra^as, a contar do 1 de novembro vindouro,
e bem assim providenciar no sentido de ser paga
ao tenente do mesmo corpo, Manoel Candido de
Albuquerque, a quantia de 10*000 comoajuda de
custo do ioa e volta a freguezia da Varzea, para
onde segue na qualidade de subdelegado ; cenfor-
me solicitou o re*pectivo cemmandante em offlcio
de 23 do enrrente sob n. 603 e 606.
Ao mesmo. A Jose SimSes de Magalhaes &
C. mande V. S. pagar, a vista da inclusa conta,
conforme solicitnn o comrnandante do corpo de
policia em offlcio de 23 do corrente sob n. 6!>4, a
quantia dc 60*000, proveniente de uma gr.de de
lerro e duas fecbaduras, collocadas em um dos
quartos do quartel daquelle corpo, destinado a
prisao de mnlheres .
Ao mesmo. Annnindo ao que solicitou o
comrnandante do corpo do policia em offlcio de
21 do corrente sob n. 597, auloriso V. S. a man-
dar abonar por adianUmento os vencimentos e
soldo dos dostacamenlos daquelle corpo, existen-
tes em diversas localHade* da provincia; sendo 2
mezes a 1 official e 21 pracas em Bom Jardim. a
1 official e 12 pracas em Limoeiro, a I official e
3u pracas cm Givanna, a 1 official e 6 praca? em
I'onta de r<-Jn?,'a I (iffleW e llprafa-etn Cn:an
pv. n 6 praca? em Tin*Ha a 1 official e H j.ra-
gas em Gravatii, a 1 official e 8 pracas em Be-
zcrros, a 6 pracas em SerinhSem, a 12 pracas cm
Caruani, 4 mezes a offlciaes e 21 pracas em-
Granite, a 1 official e 30 pracas em Oaricury, a 1
official e t-' prac^* cm Fl-iresta, a 1 official e 15
pracas em Tacaratu, a 12 pracas em Cabrobd, a
1 official e 14 pracas om Fl -res, a 1 offHa! e 6
pracas em Villa Bella, a i official em coraraissao
em Aguas Bellas e finalnte 1 offt'iai o I pra
ca, qne vXt para Salgnciro, e ben assim 1405jfJO
como ajoda de sto de ita e voI:a tud^ ^ poo-
tar do 1* de novembro vindouro.
4' fec(So.
Offlcio? ;
Ao Exm. Sr. presideute da provincia do
Espirito Santo.Rogo a V. Exc. se digno de pro-
videnciar, afim de quo sejam remetlidas as guias
dos sentenclados constantes da relacao junta, que,
segundo offlcio do juiz de direito da I.' vara desta
capital, vieram dessa provincia.
Ao director geral interioo da in3truccao pu-
blica.Remetto a V. S. os papeis inclusos, afim de
ser de acordocomedos, organisadi a tabella para
a cubranca dos emolumentos de que trata o seu ia-
cluso offlcio de 12 1r unllnTilii.....; devendo ser
elles devolvidos com a referida tabella.
Ao commissario vaccinador provincial. -
Forneca Vmc. a Miguel Gomes Filho alguns tubos
com lympha vaccinica, afim de seretn por ello
conduzidos para a villa de Agua Preta, onde se
acha grassando a variola.
Ao presidente da camara municipal da villa
do Bonito. -Com a remessa dos seis tubos juntos
contendo lympha vaccinica fica satisfeito o pedido
que fez Vmc. em offlcio de 11 do corrente.
Ao juiz de paz 'da freguezia do Limoeiro,
Jose" Antonio Pestana.4-Tendo sido annullado por
acto de 20 do corrente o conselho municipal de
reenrso, na mesma data recommendci a camara
municipal desse municipjo e ao juiz de paz dossa
parochia que procedessem a eleicao de vereadores
e juizes de paz, que dev< ter ahi lugar na terceir*
domioga de novembro Vindouro pela qualificacao
do anno passado : o qoje communico a Vmc. em
rcsposta a sua consulta lem offlcio de 23 do cor-
rente, que assim tica respondido.
Portarias :
A' Illma. camara municipal do Recife.De-
claro a Illma. camara municipal do Recife que,
para conccder approvacio a proposta de que trata
o seu offlcio de 22 do co-rente sob n. 104, faz-se
necessaris que o proponente apresente uma planta
do kiosque e que convenha em redazir o prazo
de privilegio a quinze annos.
A' camara municipal da villa de S. Beoto.
Declaro a camara municipal da villa de S. Bente,
em resposta ao efflcio de 20 do eorrente, que, em
vista do aviso de 24 de setembro findo, sao incom-
pativeis os cargos de sopplentes de juiz municipal
e o de juiz de paz, e nestas condic5es cumpre que
o juiz de paz opie por um dos cargos. Outrosim,
que 6 pela qaaliflcae.in deste anno quo deve pro-
eeder-se a eleicio de vereadores e juizes de paz
desse municipio, que vai ter lugar na terceira do-
minga de novembro vindouro.
5.' seccHo.
Offlcio :
Ao administrador interino do correio.Era
rcsposta ao offlcio de Vmc, desti data, n. 303, em
que me communica haver feito nomeaeao de
quatro praticantes, julgados habilitados no con-
carso que nessa reparti^ao t;>rminou no dia 22 do
corrente, tpho a dizer-lhe que approvo o seu acto,
praticado em virtule do |. do art. 2.* do regu-
lamento de 23 de junho de 1871.
Portarias :
Os Srs. agentes da companhia de navegaeao
brasileira mandem dar passagem para a cdrte por
conta do ministerio da guerra, no vapor Cruzeiro
do Sul, esperado do norte, ao tenente-coronel
Alexandre Augusto de Frias Villar.
Os Srs. agentcs da companhia de navegaeao
brasileira mandem dar passagem para a crjrle por
conta do ministerio da marinha, no vapor Bspera-
do do none, ao imperial marinheiro de I." classe
Looreneo Felippe do Espirito Sanlo.
EXPEDIENTK DO SECRETARIO.
/*. seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro comrnandante das ar-
mas. >. Exc. o Sr. presidente da provincia, tendo
expedido as precisas ordens para o embarque do
tenente-coronel Alexandre Augusto de Frias Vil-
lar. com destino a corte ; assim o manda declarar
a V. Exc, ora resposta ao seu offlcio desta data
sob n. 1046.
Ao inspector do arsenal de marinha.-S
Exc. o Sr. presidente da provincia manda decla-
rar a V. S., em resposta ao seu offlcio desta data
sob n. 750, que ficam expedidas as necessarias
ordens para ser tran*portado a corte, no vapor es-
perado do norte, o imperial marinbeiro do 1.*
classe Loureneo Felippe do Espirito Santo.
2". seccao.
OBcios :
Ao Dr. chefe de policia.3. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, tendo providenciado para
que uma eseolta de cinco pracas e um cabo de
Krimeira lioha receba na casa de detencjio, as 7
oras da manha de 27 do corrente, e conduza
para o lermo do Cabo, os dous crimin sos, de que
trata o seu offlcio desla data sob n. 1795 ; as-im
manda communicar a V. S., em resposta ao ritado
offlcio.
Ao mesmo.De ordem do Exm. Sr. presi-
dente da provincia, transmiito a V. S. os titulos
juntos do nomeaeao dos 2.* e 3.' supplenles do
delegado do termo de Itambe ; de conformidade
com a proposta de V. S. em offlcio n. 1519 de 23
do corrente.
Ao Dr. juiz dc direito da 1.* vara.- 0 Exm.
Sr. presidenle da provincia manda declarar a V.
8., para os devidos fins, que por portaria de hoje
foi nomeado o bacharel Francisco Gomes Parente
2.* proraeior publiro desta capital.
Ao juiz de direito de Itambe.0 Exm. Sr.
pre-idente da provincia manda accusar o recebi-
mento do offlcio de V. S., de 16 do corrente, em
Iuc parlicipa ter nessa data nomeado o bacharel
se Quintino je Oliveira e Silva para interina-
menle exercer o cargo de promoter publico dessa
comarca.
Ao comrnandante do corpo de policia. S.
Exc. o Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S. que a thesouraria provincial foi nesta data
aolorisada a satisfaaer as requisites constantes
de seus offlcios de 21 e 21 deste mez, sob ns. 597,
603, 604 e 606.
Ao bacharel Francisco Gomes Parente. Por
est.i secretaria se communica ao Sr. bacharel
Francico Gomes Parente que per portaria de
hoje foi S. S. nomeado 2" promoter publico desla
capital.
5." weeao.
Offlcio:
Aos agentes da companhia de navegaeao
brasileira.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente
da provincia, podem Vv. Ss. fazer seguir hoje as
5 horas da tarue para os portos do seu destino o
vapor Parana, dcsa companhia, chegado hontem
dos do sul ; como solicltaram em seu offlcio dessa
data.
a rfiparti^aj da p-dicia Ibej em viagem parafora da cidade.
irtidao e>n virtude darMtal re.:ebe-
da camara municipal o compe-
IJCenca, depois do oyve sera enlao
ta deste doc
passara uma
ra o pretendi
tents titulo o
matriculado.
Art. 4.* HiM! na.secretiria da policia ura li
vro desiinado |(iraia matricula de quo falla o art.
1." a qual sel^Bfta cpm declaracao dos nomes,
cognoraes, appjflpos, idade, natura'lidade, estado,
residencia c cftm^io do matriculado; bem como
se e ou aJo a p-irnelra rez que vai servir de car-
roceiro on boleeiro de qualquer vehiculo, o nume-
ro deste, a cor e o.distinclivo da libre deque ustr
c t nomc e o numero da casa do dono da cocliei*
ra, tudo na forma, do art. 2* do. regulamento po-
licial de 4 de a?osto de 185>.
Art. 5. A copia da matricula de que trata o
artigo precedent assignada pelo chofe de policia,
servira de titulo, intransferivel ao soleeiro ou car-
roceiro. o qual, seja livre ou escravo, e obrigado
a traze lo comsigo, sempre que estiver em ser-
vijo.
TirtLO II.
ll<'parti-Ao d policia.
RKGLLAMKMO.
TIiTJLO I.
DA MATBICULA DK B01KE1R0S i: CAHROOKIHOS.
Art 1.' Nioguem podera ser admittido ao gbver*
no de. carror, ?egos, omnibn?, carrocas ou qnal-
qucr cutro vehiculo de conJuccao, seja na quali-
dale de b.deeiro, seja na de carroceiro, sem que
esteja matriculado na repartigao da policia.
Art. 2." Para pudcr ter lugar a matricula ue quo
trata o artigo anlecedente, dovera o que pretender
ser bnleeiro, ou carroceiro. juniando atlestado do
boa eonducta passado pela autoridado polirial d >
lugar em que residir, requeier por escripto ao
chele. de policia que o mande examinar \>a uina
Cummissan qan para esse fun sera nomcada.
Art 3." Logo qne o pretendente obtiver p. gula
da policia e apresenta-ia a commissie examinado-
ra, dar-lhe-ha esta, caso o consiiere nas condi-
(ges de poder exerc r a profissa'' Ic boleiro ou
DA, COMM.SSAO EXAMINADOBA.
Art. 6/ havera uma commissao de peritos no-
meada pelo chete dc policia, a qual tera a seu car-
go o exame daquelles que, se destinando a profis-
sao ae boteeiro ou carroceiro, se apreseutarem pa-
ra semelhante fim, munidos de uma guia da re-
partigio da poHcia.
Art. 7. E-ta commissao se compora de tres
membros, tirades da classe dos boleeiros, devendo
ser preferidns os que mais conffcnea inspirar por
ua eonducta e moralidade.
Art. 8.* A' essa commissao corre o dever de
passar attestado de pericia e idoneidade, assigna-
do por todos os membros, acs examinandoi que
forem julgados no caso de poder exercer a pro-
fissao de boleeiro ou carroceiro.
TITULO III.
DOS BOLEKISOS E CARRUCRIROS.
Arr. 9.* Nenhum boleeiro ou carroceiro podera
desamparar o seu trem, sem que deixe ama pes-
soa junto aos animacs para quo estes nao des-
parem.
Arl. 10. Os conductors de vehiculo?, tanto pu-
blicos como particulares, deverao fazer caminhar
os animaes a passo ou a trote carlo, dentro da ci-
dade, e somenle fora desta poderao faze-los andar
a trote largo ou a galope.
Art. II. Os boleeiros e carroceiros sao obriga-
dos a fa er marrhar a passo os animaes que tive-
rem de transilar nas esqninas das ruas ou tra-
vessas.
Art. 12. Nenhum boleeiro ou carroceiro pode-
ra despedir-se da casa em que servir, sem disso
previni-la Ires dias antes, se for particular, e oito
dias se for publico.
Art. 13. Os boleeiros on carroceiros que fo em
de-pedidos, ou se despedirem do servico de uma
casa para entrarem no de <>nt a, so poderao ser
novamente admittidos ao exercicio de sua profis-
sao, depois que apresentarem na secretaria da po-
licia um atteslado do amo que os despedio, cu de
3uem se desnediram, no qual se declare o motivo
e sua reiirada, seu eomportameito e boas oa
mas qualidades. salvo se o contrario for determi-
nado pelo elieTe de policia.
Art. 14. Os conductores de vchiculos qne deixa
rem o servieo. deverao, dentro de vinlc quatro ho
ras, enicegar o titulo a secretaria da policia ; o
mesmo farao quando mudarem dc casa. afim de
qne possa ter lugar a competeule declaracao no
verso do mesmo titulo, ou seja este substiluido por
nova matricula.
Art. 15. Qualquer boleeiro on carroceiro, tendo
sido uma vez matriculado ua policia, podera vol-
tar semp'c que quizer, ao exercicio de sua urofis-
sao, sem dcpendi-ncia de novo attestado de exame,
com lanto que v;'i dirigir o mesmo numero de ani-
maes para que liver sidn babilitado pela epmmis-
sao examinadora ; devendo no caso conirario pas
sar por novo exame, correspondento ao service
qne quer ter.
Arl. 16. A dispensa do exame de que trata o
artigo antecedeute nao iirporta a do altestado qu<-
na forma do art. 13 e obrigado a aprcsenlar a
secretaria da policia o boleeiro ou carroceiro que
se despedio ou foi despedido da casa em que-Ira-
balKava.
Art. 17. Todo o conductor d; qualquer vehicu-
lo e obrigado a examina-lo logo quo se tenha apea-
do o passageiro, a ver se este deixou por esque-
cimento, algum objecto, afim de lite ser catregue
imraediatamente, se for possivel e no caso contra-
rio, o depositary na secretaria da policia para ser
annunciadn pelos joraaes.
Art. 18. Tudo o conductor de vehiculo, qualquer
qne seja sua qualidade, que com elle causar pre-
jiiizo ou damno, fica respunsavel pela indeiunisa-
fao na fo ma que as leis prescrevem, sendo livre,
e se for escravo s responsabilidade sera do se-
nhor.
Art. It). 0 boleeiros de carros de aluguel ou
particulares, na? ruas em quo eneonlrarem o San
tissimo Viatico, tew do a algu n enfermo. ou em
procissao, nao poderao passar adianie, nem entre
o prestite, devendo parar immediatamente e con-
ter os animacs pelu freio durantc a devida reve-
reacia.
Art. 20. A nenhum boleeiro ou carroceiro sera
licito transitar pelas ruas da cidade na quinta fei-
ra santa e na sexta fcira da paixio, salvo se hou-
ver obtido para isso permis-ao da policia.
Art. 21. Nenhum boleeiro- ou carroceiro pode-
ra casiigar immoderadamente os animaes com que
trabalharem, e do trctaraeate e limpeza dos mes-
mos, bem como .dos respeciivos vehiculo?, sao
obrigadns a cuidar diariamenle dentro dos quin-
taes cu das cocheiras, visto nao ser perroitlida fa-
zer-se tal scrvino nas ruas.
Art. 22. Neshum boleeiro ou carroceiro quer
seja de carro de aluguel oa particular, quer seja
de carroca on quaesquer outros vehicutes de con-
duc^o de objecios, podera andar das 6.1/2 horas
da tarde em dianle sem que seja o mesmo carro
alumiado por du s lanlernas, collocadas, uma de
cada lado, ou por um lampeao acceso e visivel ao
longe se for carroca.
Art. 23. Os boleeiros de veliieuios de aluguel
sao obrigados a ob:ervar a escala da sahida, po-
dendo, entretanto, ser esta alterada de accordo
cam os interesses da casa, pete dono, administra-
dor ou quem o representar.
Art. 21. O Doleeiio que por escala for o primei-
ro que tlver de sa:.ir, dove conservar so, Unto de
dia como de noite, no estabelecimento ou perto
delle, de sorte qne de prompto possa areudir a um
simples chamado e obedeoer nromptanwate as or-
dens que Itie forem dadas pelo dono, adjainistra-
dor ou quem suas vezes fizer.
TITULO IV.
DOS DO'Oa DE CARROCA? K 63 COCitEliUS.
Art. 25. Os donos das casas de vehiculo- de
aluguel sao obrigados a ter um 1-vro, em que de-
clarem a nomeaeao dos seus vehicutes, o nome
do conductor do cada nm e mais circurcstancia:
iiKncionadas no titulo dade pela policia, e quan-
do despedirem algum, deverao parlicipar imme-
dtalamenta ao chefe de policia, para que se Ibe
casse e titulo, no caso de nao o cntregar no prazo
de 24 boras raarcado no art. 14 deste regula-
mento, nao podeodn nogar ao bole-iro por moli-
vos frivolos o attestado de que trata o art. 13,
nem inventar causas quo o aesacreditera, nem
occultar as verdadeiras.
Art. 26 Os dolos de cocheiras deverlo pro-
videnciar em ordem a que os seus carros e omni-
bus, sejam ouchados por parelhas certas, e estas
dedius a dous animaes; so podendo ser condu
Art. 27. Os donos de cocheiras, apenas podem
ter para os boleeiros de saa. casa, ura so padrio
de fardamento, o qual devera.ser approvadj pelo
chefe de policia, e ter distioutivo especial na gola
ou canhdes, podendo, porem, aqjteiles donos de
cocheiras que tiverem carros de aluguel, destina
dos a fuoccSes de apparato, variar a cor e forma
de libre ou padrio do fardamento, com tanto que ,
o disliuctivo seja o de que usarem os mais bi4^: o "i mWUWHjiil i das
ros da mesma casa. rena alegria da gente p
Art. 28 Os donos de cocheiras, sao obrigados
a fazer com que as seus carros, seges, omnibus,
ou quaesquer outros veluculos de conduccao,
sendo de aluguel, sejam todos numerados com ca-
racleres arabicos, do tamanho de tres pollegadas,
nao so na pane exterua da caixa do lad > pos-
terior e nas lanlernas, mas tambem pela pane
interior, com a differenca de que, os de fora", de-
vem ser pintados com tinta bem distincta da
caixa, e os de dentro poderao ser em chapa, oa
como melhorconvier, comtinto que sejam bem pa-
tentes aos passageiroa. As carrocas, terao tam-
bem o seu uumero, do tamanho indicado, por de
traz e pela frente.
Art. 2!). 0 numero de que trata o artigo an
tecedento, 6 o que couber ao carro ou carroca,
na serie e ordem marcada na Hcenea da camara
municipal, e sob o qual estiver matriculado na
policia
Art. 30. Exceptuam-se da regra do artigo 37,
os carros de e3tabe!ecimentos publicos, ou de alu-
guel, destinados a func.Ses de grande a?parato,
cujos boleeiros e criados tenhaia libres ricas, e os
que estiverem alugados a particulares por mez ou
anno, porque cstos terao os respectivos numeros
era lugares menos viiveis.
Art. 31 Todos os proprietaries de omnibus e
outros quaesquer vehicutes de conduccao que
admittam man de quatro pessoas, farao com que
alem da numerac^o, de que trata o artigo 37,
posla por fora, Iragam taes vehicutes pela pane
de dentro o numero de passageiros em que forem
lotados.
Art. 32 Depois de complete o uumero da lota-
cao, de qne_ trata o artigo antecc lente, nenhum
passageiro mais sera admittido, sob pena de serem
multados os nroprietarios de semelhantes vehicu-
tes em 305000, da priraeira rez e no duplo em
caso de reineidencia.
Art. 33. Os di nos de cocheiras e de carrocas,
terao cuidado em que o ensino dos animaes que
se.deslinarem ao servico das seges, carros, omni-
bus, carrocas, etc., bem como o dos boleeiros e
carroceiros, teaha lugar somente fora da cidade.
Art 34. Os d-inos de carrocas oa de quaesquer
outros vehicutes que se western ao transporte de
objectos, sao obrigados a collocar uma campa ao
pescoco dos animaes que puxarem os mesmos
vehicutes.
Art 35. Os donos de carros de aluguel e car-
rogas, devem fazer com que taes vehicutes offere-
?am a maior seguranca possivel as pessoas que
d'elles se servirem, e que sejam conduzidos por
animaes adestrados, robustos, mansos e sites, e
alem disto embridados com a seguranca nccessaria
para nao despararem.
Art. 36. Uma vez alugado o vehiculo de cooj!
duccao, o dono da cocbeira oa quem suas vezes
fizer, ^ obrigado a fazer cmduzir o passageiro
para o lugar que por elle houver sido designado.
; TPFUL') V.
DISPOSICOES geraes
Art. 37. As libres, ou fardamento dos boleei-
ros de carros particufctres, nao ficam sujeitos a
approvacao do chete de policia ; mas, seas dis-
tinetivos e cor, devem ser declarados na secreta-
ria da policia, para delles se fazer menc/io no ti-
tulo do boleeiro. na forma do art. 4, deste regu-
lamento.
Art. 38. Nenhum vehiculo podera estacionar
a espera de alugadorcs em outras ruas e praoas
da cidade que nao sejam as seguinles : Bruin,
Chafariz Arsenal do Marinha, Praca do C immer-
cio, Forte do Mattes o Caes do Apollo, na fregue-
zia de S. Frei Pedro Goncalves. Camp> das I'riu
cezas, largos de Pedro II, Parrizo, Capim, Carmo,
S. Pedro e Detencao, na freguezia dc Santo Anto-
nio. Conde d'Ei, Santa Cruz, Hospicio o Soleda-
de, na freguezia da Bja Vista. Ribeira, Cinco
Pontas e Pateo do Terco, na freguezia de S Jose.
Art. 39. Em as noites de espectaculos e bailes,
tanto publicos como particulares, se postarao os
carros nas pra.;.s main proximas, ou nas ruas
mais largas, tomando lugar em am dos lados dts
mesma-; ruas, afim de evitar que o caminho fique
I'bstrnido e os traoseuntes sejam atropellados.
Art. 4">. As infracts doi artigos anteceden-
tes, no* quaes se nao commina outra pena, serao
punidas com as de multas de 10*000, ou tres
dias de prisao, e o dobro aa reineidencia, est-abe-
leeidas ho? artigos 169 e 174, das posturas mu
nicipaes de 26 de junho de 1873.
0 chefe de policia,
(Assignado.) Antonio Francisco C. de Araujo
rl
Bespanha.
MANIFESTO DO PODER EXKCITIV) DARtlTBLIOA HES-
PAAHOLA a' NAQAJ).
0 poder executivo, quo uestas circumstancias
anormaes reassumio era si toda a autoridade po
litica e se revestio de faculdades extraordinarias,
julga-se no imprescindivel dever dc se dirigir a
nacao para explicar a sua origem, jastificar a
sua attitad e ox por lealc sincerameatc as suas
tenQ5es.
As cortes cna3tituintes, eteitas sob o iraperio
do tercor nor tin so pariido, abitrabidos os de
mais na proscriptos, nasceram sem aqoella aulo-
ridadfr moral a quem o seu caracler e a sua ori-
gem punbamno empe lho de commetter impru
denies o nSo desejidas reformas, e de realisar
temiveis e perigosas novidades. E assim vive
ram, dirididas dosde o primeiro dwi por tendon-
cias oppostas c proposltes inconeiHaveis, pertur-
badas pela di^cordia, dilaccradas pela rivalidade
das suas fracooes, inquietas sem actividade, agi
tadoras sem energia, iufecundas para o bem e
quasi que tecapszes para o mal, como quem se
ve enfroiado pela .impotencia o soliciudo pete
desejo siraultaneameate ; com veleidados de or-
dem, mas sem fe ; com anhelos rcvolucionarins,
mas sem consciencia e sem esperanca ; despro-
vidas de raizes e sem apoio de nenhuma opi-
niao, porque eram para o sentimeato popular
objecto do tibia indifferenca e causa de terror
para os d-imais interesses sociaes. iBgratas com
o eloquentissimo tribuno, bonrado patricio e emi
nente esladista, que dirigia os dcslinns do paiz,
acabavam de despoja-lo da dietatadura. salv.i-
dora nestes arriscados momentos, e que olle exer-
cia com acerto, lealdado, tempsranca e patrio-
tismo. Incapaze? as JtVtes de formir um novo
governo duradouro, ter-se -hiam cons in ii do em
estereis e espantosas convulsdes, creando pode
res ephemeros e menospresados, e contribuin lo
para a victoria da mais horrivel anarchia, aira
vez da qual so se divisava o enthroaisameato do
absolutisrao carlista ou o desmembram Hespanha em pequenos e re /olios caatSes, o?A
lodos os rancores, todas as invejas e to-ios os ap
pottitea fizessem ped.ieos o f eio das Iris.
Em tSo sapreraa occasii >, a ordem sscial, a inte
gridade da patria, a sna uonra, a sua propria vida,
teram salvas por um arrinio de eaergia, nor una
doloroso sempre j mas agora nao su digno &
descnlpa, senao de immorredouro elogio.
A gaaroicao de Madrid nao fez mais qae set
o instrument* e o braco da opiniio pubtiea ; a
execntora fiel e resoluu da vontade da nafaV.
completamente divorciada dos seus falsos repre
senlantes, por cuja d'sappariciio polilica anhe
lava, porque iam mala la, risca-Ia do numero
dos povos_ ctvilisados.
pessoas lionradat, > -
cifica e laboriosa, o
plauso espontaneo e geral, o subito renascer
toda a esperanca palriotica e ate uma pronaociada
tendencia para o restabelecimentr. do nosso 0>-
cahido credito ecoaimieo, sabreviram logo, ape-
nas dissolvidas as cortes, confirraando a verdadt-
das nossas anteriores asser.;5es. Reunidos e
sultados os homens de importance que rest
em Madrid e representam digpamente todo* os
pariido* liberaes, acclamaram e reconrteeeram o
general Serrano por c tefe &> poder execulivo
A adhesao enthusiasta do povo e do exercito.
vinda pdo telegrapho de qua.i. todas as prom-
cias, corroborou esta eleiqao. 0-general Serraao
entao formou o novo mioieterio, cujo pensamenb
e missao nos incurobe expCr agora.
Emquanto rebeldes a soberania nacional, mini
festada mil vezes pelo voto da maioria, teitnosa-
mento indoceis ao resolvido e decretado mil ve-
zes tammbem pela Providencia nos campus de bata-
Iha, conlrarios a todo o progsesso, e aborrecedorw
to espirito do seculo e das n:)breo doutrinas em
que a civilisacao moderna se funda, continuarem
ievantados em annas os carlistas nas provincias de
norte, iof-stando e depredendo outra.' muitas coo.
as suas guerrilhas, e sustentando uma guerra civil
sangrenta, deslruidora do commercio e da indos-
tria, e que ameaca sumir nos na miseria e em
perenne barbaria; emquanto o pendao anti-nacio-
nal continuar tremulando era Cartagena, det-
truindi a nossa marinha e sendo escandalo e abo-
minacao dos povos cultos ; e emquanto nas pro-
vincias do ultramar arder o fachoda disa>rdiae
persistirem filhos ingratos em renegar da inai pa-
iria e em querer despoja la da formosa ilba, pe-
nhor e monumento da sua maior gloria, e diQicil
6 impossivel o exercicio de todas as librdades.
Primeiro 6 necessario um poder robasto, enja?
deliberac5es sejam rapidas e secretas, cuj. e nao sejam demoradas pela discassao, cujos de-
cretos nao apparecam, quando promulgados, des-
acreditados ja por anteriores impgnacoes, coja
accjw nio seja estorvada por oppostos pareceres.
Tal eo poil-r que estaroos dikposlos a exercer
com espirito firme, animo decidido e com a coas-
sciencia limpa e segura de que o exercercutos para
bem da patria.
Esse poder, comludo, ha de ter termo, e praza ao
ceo que seja breve.
Com o advento deste poder aio se deslroc a lei
fundamental ; suspen Je se unicamente para qae
na realidade e na verdade resplande^a e domiae
uma vez vencida, como '.speramos, a anarchia ma-
terial e moral que nos devora.
Os partidos que estao no poder fizeram juntos
a revolncao de 186a e a constiluicao de 1869, e
nao condemnam nem de?troem a sua propria
obra ; nao alir.-m novo periodo constituinte ; nao
querem que o interino e pruvisorio faca t-ntre nos
as vezes do estavel e perpetao. Como o escalator
modela a sua estatua em barro ou cera branda
para que a materia ceda e se prcste as forma*
que convent dar-lhe. assim fizeram a constituicai
de 1869: Os elevados prieipios da ni'dern.i de-
intcram, as mai*ampUs liberdades, os mais sa-
grados direitos ficaram consignados nella.
A abdicacao volunlaria do monarcha e a pro-
clamaQao da republica so apagar.nn um artifo.
Modificada assim na forma a lei fundamental por
acontecunentos providem:iaes, nao devemos cca-
sentir que por um caso forluito chegue a madar
na essencia ; e, a sentelhanca tambem do csculp-
tor. iulgamos chegada a hora de a fundir em re*is-
t me bronze, gramas ao duro crisol e forte moWe
da dictadura.
Logo que dermor- reniale a esta grande erapreza,
roltara a constitutcao de 1869 a dar ao povo lodos
os direitos quo nella se cimsignam a patria e as
actuaes institui'.-Gc? ler-se-bio salvo, e com a trau-
quiliidade e repowo convenientes, isentes da
coac^ao e das paixoes que hoje faz ferxnentara
guerra civil, irao a* urna? os cidadaos e votarao
os seus represanlaotes, os quaes approvaro ou
de*approvariic os oossos actos, e legislarao em
cortes ordinarias, designando a forma e modo com
que bao de eleger o topremo magisirado da nacao,
marcando as suas attribuicdes, e vle^endo o pri-
meiro que ha de occupar tao alto cargo.
Nao nos move so a conservar integras as con-
quistas da revolucao o amor a consequencia, que
algucm qualifkaria de lenacidade ou perunacia,
nem a soberania vaidosa ds quem nunca confessa
uma falta, nem se arrepeode della, nem a cega
obstinagio do que nao reconhece o extravin e re-
trocede em husca do bom caminho, senao a firmis-
sima pcrsuasao e claro convencimento de qae a lei
fundamental repouza na verdade o auoia-se na
mais sa doulnna. Tambem na verdade pulitica
ha algo quo, para os que teem fe nas ide is, nao
depende do lugar nem do tempo, onde. como na
verdade m.-ral ou na verdade Dtathematica, nao
cabe nem relrocesso uem progresso Cabtmsua
a perversao do scnlidn. e os avessos e mal mten-
eionad commentanos, contra os quaes nos levan
tamos hoje com todo o peso da autoridade, afim do
preparar e apialnar o caminho para a^recta inter-
pretacau e exarto cumprimeote dessa mesrua lei
Nao consi>ie a dem do a gerarchis* social nascida da invendvei natu-
reza das cousas ; consiste so na igualdade dm di-
reitos p>liticos, na do.-lruicao de lodos aqneU-sprf-
vdegios que obsteni nessa mesma gerarchia a ele
vapan de quem merc'fa elevar se o honradameBt
Irahalhc para isso.
Tambem niio conite a d^mocracia om negar a
quem ilhislre a patria com as tuas virtudes o fc-
ganhas o direito de transuiitlir a seus filhos al-
guma cousa mais pessoal intima e propria do qne
os bens de tertuna : o reflexo da sua gloria e e
pre-tigio do seu nome. A nobreza e as classes w-
mediadas niio devem, por conseguiote, temer nada
da democracia.
P>. | *..'
eMToeeirt*; nm atte'tado Se habilita^ae E-n vi*- xidos nitres, nas ruas largas e nas estradas, oulipspira^aodenodi'la e diio?a, por u.i "ctode for?a,
Menos ainda devem receiar os bons catholico?
e os homens siucexaranile retigiosos. Ja cessoa
por felicidade, a corrente que n'eutras idades po-
le levar nos ao prolestantisiuo, e c faril augnrar
qne a liberdade de raltos uao ha de qoebrar en-
tre nos a unilade catbolica nas con*ciencias,
ha deaffirraa lae ennourece-la, fundandoa n'uma
esponianea concrdancia na fe, c aao oa comprw-
sao tyrannies e na violeocia. 0 estado, pois, nao
pode desatlender nem oftender a igrsja, desatten
dendo e often -tendo assim as crenfas d immeosa
maioria des hespanh es, e |iondo-so em abertt
lun com ama das forcas mais poderosa*. psnn
teat, s e organisadas que encerra a tone lade i
seu seio. Se algnem suppozcr o contrano, l
com o fim de sodazir is incantos e in raaie
e de ocoultar sib o roanto de rdigiao a >ua warn
de novidades e trausterno*, e o seu odio a civiltsa-
cSo, a liberdade e ao progresso. .
Contrs o* qae propagam estas ideas subverten-
d" a onlem e reUrdaodo o restab-leeimento 4a
paz o da liberdade, sera o governo severisauM
0 gciver.io sera (nexoravel_ oonira OS qae o oct-
batam com a? araas na mio.
S6 assimi por meio desta rude dHCiphM, fc-
ra de renascer osocego publico ; o tte-nb*ra
cada p vi dos inlmigos que o pertor..
".paz da a:np!a liberdad

*
i
c
1



Pernambnco Ter / /
os parados, sdbriMfibde afora conao entao no.
concerto das nMtaubfce jodewsas. nacoes.eu
Para este fim serio eneamiahados todos os nos-'
sos de^elto*. Nao o aos occulta uem o anluo
perigoso do empenho, mm o grave peso qua
tomames sobre os nossoehomhros, nwi a tremea-
da responsabilidade qae comraJHSios ante a htstu
ria se u fim nib se reatJMr ; coafiamos, poreta, na
Ma vontade e recto juice das apesos concidattao,<,
na nossa propria decisao, no valor do nossa War
to exercito de mar e MM, e aa vitali fade, brio,
virtade e foriuna da lasaaiiha, que esta chamada
ainda aos mais gluriosos destinos.
Seguem^e as assignateras de todos cs minis-
oais.
F* .de. urUcitt |Expt. ii.-rcli4i|
Bar&o tie H. Borjt*.- Algun? jornats da cor-
te e da'provincia do' KwCrahde'do Sal, fftudes ao
partido da opposicao, na ausencia de motivos a-
iiosos qua justificassem. uau cabida censuraao
Exm. marechal taao da S lorja, actaal com-
imndante das amas daqnel la-provincia. rewrre-
ram ao espedtmte de jogarera com o memo mill-
Ur do8 repeile*eis strvidoros do estade Exms.
BarS> de S Bwja e Vlscoode de Helotaa, para
d'ahi eoncluirem .[tie este mais do que ajuelle
deve merecer do governo imperial maior eon-ide-
ra<;.ao.
Sera negar os scrvicos do Exm. Viscoode de
ts'hWUviduos o apuahala-
.IMtio 2i facadns quasi
m os iuiesiinos, dVixan
:|A*-<*r*iasM**rih''ciin:s luorto.
iBtttmiafll9 pude fii((jr,.aUiiM'Jy tu ah.apio o deseer pela ]w
le de detraz, trailer duas altas parade*, e griiar
por soecorro.
Admirou a todss coino foi que oSr. Gaspar.com
JA punnaladas ftide transpor. duaa alia? paredea
com os inte-tiaos de fora, escapar ao furor doe
mais audaeiosoa assassinos.
Ate o presottttjBao. se pdde deseobrtr qama fo-
ram os asjaarfkos, proctirando a# autorWades
ollegarem aa frwhecimenli) dos autores.
Lateria do llin de .litnelro,-A 10.'
DlAK10UEeEt(.t\riMbUOU
RECIFE, 22 DE J A N El UO DE 1874.
Netielaa da lialiia e Sergipe.
Pela corveta Paraenst, chegada no domiugo
pela manna, reeebemos joraaes da Bahia de 19 a
31 do eorreute, e de Serg^ie do t* a 17 do eor-
rente.
Oelles colbemos o qne segue :
BAHI*.
No dia 20 reuniram-se os membroa da Aso-
m^ao Commercial para elegerem a nova junta que
tem de servir uo anno de ml -1875, e obtiveram
votos os lr.:
Januario C da Costa 93 votos
Franeisoo de Assi? Souaa 92
Antonio Pereirm de (iarvaltoe 88
Jose Lopes da Silva Lima 88 <
Joaquim Blisea Peroirat Marinbo- 84
Antonio de Lacerda 74 <
Joaquim Jose Rodrigues 74
i'l.eoduro Teixeira Gomes 71
Jose da Costa Pinto 70
Augosto Silvestre de Faria 54 r-
Bdward Benn oo"
Luiz JoseVieira Lima 53 <
Oesile o i" de Janeiro ate 31 de dezembro de
4873 a exportacao da cidade de Valenca para
a praca da Itr.hia pelos vapores da eompauhla
babiana foi de 110:6ti6 alqueires de farinba, ii:Oii
arrobas de cafe e y-.088-diias de cacao.
No raesmo pertodo, alem de fazendas seceas e de
estiva, importou Si 980-arrobas do xarque.
Falleceu na cidade de Santo Amaro, o medi-
co Or. Cid Etniliano do Olinda Cardoso, vaccinador
do municipio.
0 oambio sobre Londres regnlava 26 1/8 a 20
3/8 i: por 1*000.
SRRCrPE
Lomos no Jornui do Aratajn :
a No pa.o da earaara municipal, no dia Dai
hora da tarda, prestou jUrainento e toineu posse do-
cirgo de presidente da provmcia o Exm. Sr. Dr.
Antonio dos Passes Miranda.
O aclo foi assas concorrido, a elle comparece-
ram a maior parte do* funecionarios publicos, e
mnitas pessoas gradas desta capital.
a A longa pratica qne tem S. Exc. dos negocios
puitlices, a maneira digna por quo occupou o In gar
Oo seirretario de nma das mais importantes provin
jas do imperio, do qne da-nos testemuntio elo-
quent* a redarcao do Diario do Gram-Para, sap
moiiviis bem ponderosos para qne osperemos de S.
Exc. a maior somma de beneficios, no desenrpenho
A** altas atinbuiySes de que se aclia invostidu.a
a Asenmio no dia 15 do eorrente as funccoes de
i-apilSt) do porio desta piovincia o Sr. capitao-te-
uenle J-.6 da Cunha Moreira. Temos nntrcias
aVionadoras do caractcr aerte funccionario.
(J cstailo poico lisonaeiro da principal baira
da provincia, a de i^otibgoRM, tendo trazido ulti-
fuamentu icuitos cmbara^os ao commercro nwriti-
iito, induzio a S. Exc o Sr. vice presidente a no-
near u;na commiss^o de pessoas coinpclentes para
e-tud-ir o piano dos mclhoramentos ri'elatuado.
Fazem parle desta eommissao os Srs enge-
nheiros Kodrigoes Vieira, Dantas, 1 tencnte Au
tiiist'i Oesar e o capifao do va;tor de rebocagem
Santo Antonio, Manoel dos Santos Billet.
A eommissao tort de apresentar tun relatorio
circuinstanciado de seu trahalho, acompauhando-o
e extensao dos baixioa c fundos de suas aguas,
serviado de nivel a baixa-mar das maiores mares.
Fazemos votos para que os nobres empeohos
do distinclo administrador, para effectuar um'me-
llwrameito dc tamanha imporiancia, sejain corrcs-
pondiJos pela eommissao a quem e incumbido mn
si rvir.o relcvanie ao comraercio e a lavoura da pro-
viiician
5SS
t'EBMiBl
REVISTA DIARIA.
S5 d Janeiro. K li,.j.', c a que mais resplandecento de gloria fulgu-
ra na histuria desta provi.icia; a iraducQio Cor-
r>.-cta, incontra.-tavel do homerico heroismo pratica-
do por aquelles de quem descendemos, e a quem
cumpria entau n zelar a integiidade desla solo.
Duianti! os 2i ann is em quo eata provincia
atii.iig"U sob o d iiiiinio hollandez; desdc Mathias
de Albuqu' r.jtie, qne respondeu denodadamente a
primeira mvafllda imllande/a symbolisada na es-
fi;i-Ja do Domburg, ale a cnlrega da espada dc Si-
gK-mondo Von Sop a Barreto de Menezes, o que
se rvpresentoa foi a mais ruidosa illyada do pa-
Iriotisni'), a quo nunca faltou na dcrruta, Cora-
josi rBsignaeao, na victoria, serena uiaguanimi-
dade.
D6e Icmbrarmo-noa, cntreianto, quo sornente ao
Instituto Aichi-'ulogico e Geograptiico I'ernatnbuca-
no deve-so o i So coutinnar a pusar enlre nos,
conipletamento desapercebido a consideracao pu-
blica, dia de tamnnba hnportaneia politica na his-
y.ii ia do imperio e m '.xime na desta provincia1, uma
ii.is poticas qne a tem propria
Mas, a.pi-HIa illustrada associacao, emfim, since-
rameoto coinpenemda dos mais nobres iniuitos
pairtotiiMs, conscguio salvar do olvido, aquepare-
<-ia volado pela indifferenca, esle glorioso dia, ce
librando nelle uma se?sao magna, a que corre
) ,'quo ha de mais grado em nossa sociedade,
e cuegando ja ao ponto de obter do guverno pro-
vincial, ewmo aconteceu no anno proximo passado
* neste se Ja, que seja o dia de hoje feriado as
rcparlirots pobHraa da provincia. enri tribute de
tiwtra ao grandu acontecimento historico que clle
ie;orda.
Mais, no entretanto,.'pareceno?, que devemoses-
perar, porque o merecem.
Aconsagracao de taes dias, como diasde rego-
sijo nacional, quando porventura nao tenha o va-
lor de leteinperar, pelo enthusiasmo. que deve
inspirar, oi brios populares, de amortendos que
estejam, porque e cou?a aquella que se aao ex-
Jingoe ; nao deixara de servir a conservacoo da
lembraaca do facto, viva e bem viva na memo ria
de todos, oque e de subida importancia moral na
existencia da hamanidade, sob certo ponto de
vista.
Esperamos ver ainla devidamente solemnisado
este dia, o dia de hoje, que rememora o da res-
tauracio desta provincia.
Calleetoria provincial. Porportaria
da presidencia da provincia, de 21 do eorrente,
foi exonerado Manoel Bezerra dos Santos Junior, a
sea pedido, de fiscal da collectors provincial de
itezerros, e foi nomeado para o substituir Jose Cy-
priano Bezerra de Mello.
Telcgramraa da cdrte. Em data de
Jiontem drtem-nos da cone :
Foijubtlado o professor de philosophia do
C'jUegio das ari^s dessa provincia, bacharel Anto-
nio Herculaoo de Suuza llandeira, e foi agraciado
com o offlcialato da ordem da rosa, tulo por dc
creto de 21 do eorrente.
Jury do Recife. Presentes em 26 do
eorrente, AO Srs. juizes de facto, foi sorUado o
re*pectivo conselho, que ficou assim c-mposto :
Joaquim Salvador Pessoa de Siqneira Cavalcan-
ir, Manoel Victor de Jesus da Malta, Joao Joaqoim
Aivcs, Joaquim Francisco de Mrand^, Francisco
do Paula do Hego^ Karros, Joaquim Joao Silveira,
Miguel Affonso .-'erreira, Josd Francisco Bibeiro
de Souza, Francisco Antonio de Britto, Francisco
Iguacio de Medeiros, Dr. Jose Eustaquio Ferreira
Jaeobina e Fiancisco Antonio Poniual.
Entrou em julgamentu o reo Franeis*.o Antonio
do Nasiiiiuouto, pronuneiado no irl. 205, do cud.
elan,, lendo por advogado o Dr L E. Bodrigues
Viauua.
Eui visia di decisao do conselho, foi ahaolvidii
o rA, dw.iarando, por^iu, iinnifiliataittente o Sr.
de-einliarg.iij.ir, pre-i'ie :o da sesslo, que appella
vi de IM decisao
Vap .-es esperalns A 28 da corren!e.
o brazil iro Bahia, d"s p.rtos do norte do hmerio.
e o inglcz Boyne, do llio da Praia e escalas :
a 29. o pnrtHguea Almtida Garret, do sul do im
pe-io ; a 30, o inglez Magellan, de Galhao e es-
ac!a9.
Pelotas, obripm os factos da vida militar do
Exm. Barao de S. Borja, a qne se afflrme que os
seus feitos gloriosos de inlegro, iDteOigente, probo,
aetivo e intrepido militar, quando nao sobrepnjeui
osdaquelle, inferiorea onaosao.
Baseado em tao honroso proceder, foi que o
jornal Rk> Grand use de Porto Alegre, n. 188 de
19 de dezembro ultimo, em artigo editorial, de-
pois das mais jnstas consideracSes, publica a
fe de nfBcia do Exui. marochalJiarao de S- Boqa ;
o que foi reforcado pelos artigos publicados no
Constitutional, jornal umbem daquella cidade,
nos quaes se Ieem as mais honrosas noiicias de
recoaliecimento publico e do governo, com? as.
quaes altamente se eleva o incrrto do illustre mare-
chal VictoniKi, pois taes recoahecimentos sao '
yitimas consequencias de seus feitos briesos.
0 appello para afe de ofBcio foi feito pelas,
Mhaaqjie eslao em opposigao ao governo- impe-
riar, a qnera serve aquclle marcchaT eta cargo de
conOan^a o com lealdado militar ; e por tal motiVo
foi que S. Exc o Sr. Barao de S. Borja annuio
que fosse publicado aquelle dooumento, que faz
o maior brazao do militar qne por muitas ve-
zea expoz, sua.ti.Ja e vio eorrer seu sangue em
defeza da ordem publica, da integndado e brio do
iipperio.
Barao de S. Borja. Pedem-nos a se-
gaiute publicacao:
a Pedindo a Vt. a transcripcao des e docrimeo-
to, addiciooamos-lhe mais os seguiotes :
t Bo, o principc D. Lufz Felippe Maria Fenan:
do Gas tao de Orleans, conde d'Eu, gra crtiz de to
das as ordeas brasileiras, marechal de exercito
effective e commandante em chefe de todas as for
cas brasileiras em operac^es na rebublica do Para
guay, usando da autorisa*0o que me foi onferida
por decreto imperial de2ide marco de 1869, con-
cede, em nome de S M, o Imperador, a medalha
do merito, ereada pelo decreto n. i.131 de 28 de
marco de 1868, ao marechal de campo Virtormo
Jose Carneiro Monteiro pela notavel bravura que
mostrou no combate do dia 12 de agosto de 1869,
carregandu com a intrepidez que ha muilo e dia
lingue com a forca que se achava as suas imme
iiatas ordens, sobre o lado da trincbeira da praija
dei Peribebuy, a qual Ihe ficava em frente, e impe
dinlo aevasae do inimigo. Quartel-general di
commando em chefe de todis as for^as brasileiras
em operacoes na republica do Paraguay, em o tt-
saria, em 9 de marco de M7I. Gastito de Orleans,
commandante em chufe.
Eu, o principc D. Luiz Felippe Maria Fer-
nando Gastao de Orlens, conde d'Eti, gra-cruz de
todas as ordens brasileiras, marechal de exerc to
effectivo e commandante em chefe de tolas as for
ca* brasileiras cm operacoes ua repubu'ea do Pa
ragiy, usaudo da autoriwiao que me foi confe
rirla por decreto imperial de ii de marco de 1869,
concedo em nome ae S. M. o Imperador, a meda-
Iga de merito, ceada pelo decreto n. 4,111 de 28
de marco de 1868, ao marecaal do campo Victori
no Josd Carneiro Monteiro, pela notavel bravura
quo tuostrou no combate do dia 18 de agosto de
1*69, dando provai da sua encrgia e dedicagao,
qiu: tanto o distinguem, e deseinponhando da ina-
neira a mais cabal a eommissao do desalojar e
defrotar o inimig na picada de Cagnijuni. -
Quariel general do commando em chefe,dd todas
as 1 .rcas hrasiljiras em operagoes na republica do
I'araguay, em o Bosurio, em 9 de margodo 1870
Gasltio de Orleans, com.nandante em chefo.-
Ao Exm. Sr. marecbal de camps do exercito
Victorino Jose Carneiro Monteiro foi concedido o
uso da medalha de merito militar, ereada por de-
creto n. 4,131 de 28 de marco de 1868, pelos rei
teredos actos de bravura, confarme foi publica lo
em ordem do dia desta reparbcao, sob n. 661 de
27 de fevereiro do anno proximo passado. Bepar-
tirlo do ajudanle general annexa a secretaria do
estado dos negocios da guerra, em 19 de julho de
1870. Joao Frederico Caldwel, tenente general.
Boleciros e earroeeiros.Pu'licamos
hoje, no lugar compctente, o novo regulamenlo
da.nolicia sobre matrimla de boleciros e earro-
eeiros, de accordo com as posturas municipaes de
26 de junho do anno passado. Ch iraamos para
elle a atlencao dos interessa los.
Casnmcnlo. Pelas 7 1/2 horas da tarde
de 21 do eorrente, na capella de Nossa Senhora
da Conceicao da Ponte de Uchda, o Bvm padre
Agostinho de Lima Cavalcanie de Lacerda, com
as solemnidad s do rito calholico romano, recebeu
em malrimonio os nubentes o Sr. capitao Jose Fe
lix do It ego Barros e a Exma Sra. D. Maria The-
reza Toscano Barreto, naturaes da provincia da
Parahyba.
lndeinnisadora.No dia 29 do eorrente
deve realisar se a reuniao da assemblea geral dos
accionislas da companhia de seguros lndeinnisa-
dora, para serem approvadas as contas do anno
lindo, e resolver-se sobre a prorogacao da socie-
dade.
Lapida eominemorativa. 0 Sr. Dr.
Aprigio Justiniano da Silva Guiinar.ies envia-nos
o seguinte :
Srs. redaclores.Bogo a Vines, o "bsequio de
publicar em seu Diano, que no dia 2 de fevereiro
proximo, alguns liberaes mandam assentar, na ca-
pella do Bele:n, uma lapida commemoraliva do lu
gar em que foi depositado o cadaver do patriola
Joaquim Nunes Machado.
A solemuidadc tcra lugar das 9 para as 10
horas da manna, o nella serao bem reccbidos to
dos os que eomparecerem impeliidos pelo amor as
glorias da provincia. Recife, 26 de Janeiro de
1871.Dr. Aprigio Guimnraes.
Para o sul do imperio.Com 9 recebi-
dos em nosso porlo levou o vapor lllimani 261
passageiros.
Com 12 recebidos em nosso porlo levou 0
vapor Douro 120 passageiros.
Dinheiro.0 vapor Douro levou de nossa
praca para :
Bahia 1:877*0'0
Rio de Janeiro 150:0O0*-00
Porto de Liverpool. -Devia sahir desse
porto para o nosso ; a 7 o navio Mm~s of Sou-
vuik, a 12 o navio Capella e a 2o o navio D.
Luiza.
Feriado. Annnindo a desejos do In-tituto
Ardieologico e Geographico Pernambucano, S.
Exc o Sr. oomraeBdador presidenie da protineia,
resolveu que as repartiefles publicas no trabs-
Ihassem hoje, como maoifestaeSo de jnbile e res-
peilo as reroruames gloriosas que este dia sug-
gere.
Facadas.-Das 10 para as II boras danoito
de 25 do eorrente, a crioula Caetana Maria da
Conceicao, ferio com duns facadas a Margarila de
tal, em um sitio da cslradt de Belem; foi presa
em flagrante.
Caplura. -- Um individuo de nome Antonio
Lourenco, processado no lermo de Cimbres, pelo
crime de moeda falsa, tendo sido capturado pela
delegacia de Buique, foi recolhi lo a cadeta da-
quelle termo.
Furto de eavallos Em 13 do eorrente.
Alexandrine Bellarmino Ferreira, foi preso em
flagrante, por aquelle crime, no districto de Cim-
bres. 0 inqnerito a que se procedeu a resiieito,
IBM logo o competent* destino,
Em lo, o mesmo aconteceu a Francisco
Soarcs da Silva, no districto de Papacaca.
Conilieto. No lugar Pin a, d> districto de
Alaaoa de Buixo, eoeontraram-se na madrugada
de 21 de dezembro proximo findo, o agente de
policia Florenlino Apobnario e mais trcs compa-
uheiros, com os facinoras Joaquim Marques, Ma
noel Cbico, o sets mais de igual janz : foi ioevita-
velo conflicto. Travaran se em iuta renhiJa que
lerminou coin a morte de um e o ferimento de
dous. dos aggredidos, os quaes suppoe-se terein
falleeido; os aggressores evadiram-se, todos.
Florenlino Apolinario, escap u milagrosamenle.
\ policia local procele subre tal facto, tao la-
raentavel
Roubo. Em 14 do eorrente, amanlieceu
arrmbad.t a porta da casa do subdito iialiauo
Atatnoin Aureliano da Silva, aa povoacao-do
Canhotinho, do terrao de S. Rente Os ladrS.'S
|ev..rain apnas i que acharam mai- a man;
6u0i00 em diuheiro, um relogio do prata, coin
cadi'ia ile aoru, e outros objectos de uso.
Attentado horrnroso. -Bemetteram nos
o seguintb :
Na noite do dia 19 do eorrente, na cidade de
Goyanna. a rua .Porta de Roma,detelharam a loja
do cidadao Gaspir^^endo conseguido chegarem ao
loteria do Rio (193) corre hoje.
MisceiaMftea. 0 Illmtratei London News
annuneia que o lestamento do tlnado Baring, o
grande banqueiro inglez, foi approvedo pela ca-
mara. da Probata da rainlu. A fortnqa nuibi-
liaria do defunto ele.va-se a 1.500,000 librai stei -
liaas.
Annuneia o Shipping and Mercantil Gazette
3ue o inquerito acerca da perda da Loch Earn,
epois da sua collisao-com o Ville da -Havre, co
mecaria sra breve no tribunal de policia de Green-
wick. 0 mesmc periodico diz que durante 0 anno
findo houve 2,218 sinistros mantimos.
- Oanno de 1873 nao comecou muito bem em
Italia. Hoove grandes inundaQdes do P6. e tre-
mores do terra em Veae*a._ No dia de Natal em
Bellune, sentio-se de manha um tremor de terra
tao vicdento, qne o povo fugio espavorido indo re
fugiar-se nas igrejas que a autoridado mandou
fechar para evitar aigum sinistro. As missasco-
'lebrararn-se em'um alur levantalo na pr.gade
Eompitela. Nao houve desgraca algnma pe^soal
a lamentar. Em Migaao, os treinures de terra
teem sido quasi diaries.
Houve ha dias era Paris uma,axplo&ao de
uma fahrica de escorvas de fulminato, da qaal
resultou morreretn cinco mulberot qtle trabalha-
vam nella, ficando muito feridas outtas cinco.
Morreu em Pans o general cdjade de Vig-
nolle, um dos valentes qUe tinham. o seu nome
escrlpto no Iivro de ouro do Ar'co do Trium
pho.
Uuia folha franceza da a estatistica dos vo-
tos alcancados pelos diversos partidos nas eleicoes
fnpptementares a que se procedeu em Franoa
desde 21 de mio, data da queda do presidente
T iers.
\ Eis os algarismos .
Repnblicanos .'ibO.OOO votos,
Imperiaiistas 116.000 a
Legitimistas 83.00)
Orleanistas 38.000
Vai-se levantar na praca de S. Severo, em
Buao, um morjumento a menioria do veaarando
padre la Salie, fumlador da ordem dos irinaos da
doulrina christa. 0 monumento eompor se-ha de
uma eitatua do referido padre, tendo por pedestal
uma rooto. A praca de S. Severo esta siluada no
bairro industrial on le o venerando padre linha
fundado a inslituicao.
A eaca onde nasceu La Fontaine, cm Cha-
teau Tnicrry vai tomar-se em monumento muni-
cipal. A cidade aceitou este graeioso donativo da
sociedade archenjogica, a que pertencia -Installar-
se-ha na referida casa a bibliotheca da cidade e o
muzcu municipal de Chateau Thierry.
Descobrio-se ha.pouco no EsquilinOk en) Ro-
ma, uma admiravel estatua de Hercules E* maior
do que o natural e aclia-.-e intacla, excepto os pe-
e o braco esquerdo, quo esUo quebrados.
_ A casa da moeda de Paris entregou a direc-
cao dos correios 7 mUhSes de sellos postaes, de
5 e 10 centimos, para os bilhetes de visita quo se
costumam distribuir pelo c >rreio no dia de anno
bom.
Os representantes dipiomaticos da Franca,
Gri-Bretanha, E te, Allemanlu, Un-sia, Italia e Hespanha, redigi-
ram um projecto de convencao para regular cum
o governo do Japao as condicoes de circulacao no
interior deste imperio.
Refere nm tegramma de Roma que ja termi-
non o inquerito acerca da cOllisiit que se dcu en.
tre o Ville da Havre o o Loch. Earn. 0 capitao
deste ultimo negou energicamante o ter teito ac-
cusacoes contra o|<:apitao d \Ville da Havre, acres-
ceniando que elle nunca poderia calumniar um
homem !u> intrepido. A decisao dos tritiunaes
exouera complaLimente os offlciaes do Loch Earn.
0 congresso metereologico de Vienna decidio,
na sesiio ae 12 de setembro ultimo, e por pro-
posta do general Alberto Mayer, director do im-
portant service da previsao do tempo nos Estados-
Uuidos, que desde o 1' de j-.neiro de 1874, e lodos
os dia*, serao feitas obsarvagSes simukaneas cm
todos os pontos do globo ao meio dia e 52 minn-
tos, ho/a do morediano de'Pitris. Estas observajoes
teem por fim cotifi:ccioQarem-se fynrtas do tempo,
perfeitmenteexaclas, pelo modelo das que publi-
ca ha ja muitos annos o Signal Service dos Es-
lados-Unidos, de form i a poder predizer, com
dados ccrtos, o tempo que ftraoo dia seguinte ca
annunciar com toda a certezaja chegada das gran-
des tem;iestailes. Foram dadas as necessarias or-
dens para que eslas observajoes coraeeassem ao
dia iadjeado na Africa e na America E' prova-
vel que na Europa se siga em breve o mesmo
excmplo.
Loteria.-A qoe se acha a venda e a 83', a
beiielicio da matriz de Salgueiro, que corre no dia
30 do eorrente mez.
I.eilao.Hoje, as II horas do dia, effectua o
agente Marlins o leilao de utensilios de padaria,
fariuha de trigo, massas, bolachas e mais perten-
fas da padaria da rua estreita do Rosario n. tl e
deposit) na mesma rua n. 2 A, Uido perteucente
a massa fallida de Bernardino Pinto oelho.
Tambem effectua hoje o agente Pinto o
leilao dos moveis, piano, lonca e crystaes existen-
tes na casa da rua da Santa Cruz sobrado n. lO,
em que morou o Sr. Joao Luiz Ferreira Ribeiro.
Hospital Portuguez. Movimenlo da en-
fermana do dia 21 do Janeiro :
Exisiiam 33, entraram 7, sahiram 4, falleceram
2, existem 36.
Esta de semana o Sr. mordomo Manoel Fernan-
de* da Costa.
Hospital Pedro II. 0 movimento deste
estabelccimento, de 19 ao dia 25 de Janeiro de 1874
fol-o seguinte : existiara 351, entraram 37, sahi-
ram 15, falleceram U, existem 335, sendo : 205
homens e 130 mulheres.
Advertencia.
Foram visitadas as enfermanas nestes dias : as
8, 8, 8, 8 l|2, 7, 8 e 8 pelo Or. Beltrao ; as 11,
>li 12,12, pelo Dr. Sarmenlo; as 8 l|2, 8 I [2,
8 l|2, 9I|2,8, 8 1|2, pelo Dr. Malaquias ; as 8 i|2,
9, 8 l|2 e 9 Dr. R. Vianna.
Fallecidos.
Manoel Ferreira Barbosa, tubercnlos pulmonares.
Jose Nsreiso d'Aesompcao, phlysica pulmonar.
Davis, febre amarella.
Maria Senlorinha do Carmo, febre perniciosa.
Maria Barbosa das Merees, lepra.
Jose Martins da Silva, febre amarella.
MuMuso de Oliveira, dila.
Germe, entente chronica.
Antonia Joaquiua dos Santos, chore anemia.
Aquilina Amefia de Holtanda, hrken.
Maria da Coneeieio, variolas conluentes.
Caaa de detencao.Movimento da casa
de detem.ao do dia 23 de jan-iro de 1874 :
Existiam presos 320, entraram 2, sahio 1,
existem 321
A saber :
Nacionaes 233, mulheres 11. estrangeiros 25,
escravos 46, escravas 4.Total 321. .
Alimentados a eusta dos cofres onblicos 212.
Passagreiros.Sahiram para os portos do
sul no paquete inglei lllimani:
J. A. Dncasble, sna senhora e tres filho, Victo-
rino de Almeida Rabello, Manoel Carneiro de Sou
za Bandeira, Antonio J. Dias Medronho e Joaquim
F de Torres Galliado.
Idem idem no vapor francez Ville de Bahia :
Jose Ignacio Lima, Behsario A. da Silva Macha-
do, Liberate J. Barros, Manoel J. de Sant'Anna P6
e uma erianca.
Sahiram no vapor inglez Douro com o mes-
mo destino:
Dr Joaquim de Abren e Lima, Manoel Martins
Fiuza, loao Bom Jose Marques, Jose da Silva Bran
dao, Anlouio Joaquim de Vasconcellos, C. Stael,
Joao de Almeida. M. Fitzgerald, eommendador Aa-
totno Jose Rodrigr.es de Souza, Eduardo C. de Oli-
veira e sua senhora.
Cn.niterlo publico.Obituario do dia 21
de Janeiro de 1871 :
Becomnascido, prelo, Pernambuco, 1 hora, S.
Jose; espasmo.
Cosrae, prelo, Parahybi, mandado pela policia,
falleeido de eolefha chroni'-a.
Valerian" Jod '"elix, pai do, Pernambuco 48 an-
uos, S. Joe ; .nsufDci ueta das valvuhs amtieas.
Antoaia loiquinad s Sanin, parda, Santo Au-
t3o, 2*i annos, easada, Boa-Vista, lipilal Pedro
U ; ch'oro anemia,
Anna Joaquina Laura', hranoa, Pernambuco, 70
anno, viuva, Afrgados; phtysica pulmonar.
Aquilina Ameha dp Hoilanda, parda, Pefaambu-
co, 23 annos, solleira, Boa-Vista; jgnora-e a mo-
Manoel, branco, Pernambaco, Saato.Anlonio ;
ao nasen-.
I-abel Petreira das Nev^s Goiifiarie*, br.inca,
riiora >e* naturalidade, 13 annoaj'Saattiaa, Olin-
da ; lirv 'J.n de Biito Correa, pardo, ignora-se a naiura-
lidade, 66 anuos, viuvo, Santo Antonio y hypertro-
phia do iioracao.
B.M-tholomea, escravo. pardo, ignora-se a natu-
ralidade, 12 anBO-, solteiro}; Santo Antonio ; phty-
pica pnlmi iiar.
2o
Maria, pardai Pernambuco, 7 diat, Boa-Vista ;
piano.
B Capitulina, branca, Pernamfcuco, 3 mezes, Boa-
vista ; entreeolite.
Manoel, eseraTo, pardo, Pernambnco, 21 annos,
aolteiro, Recife; vari.-la.
Maria da Conceiclo, preta, Pernambuio, 60 an-
no>, casada, Boa-Vista, hospital Pedro II; variola.
Amelia, oarda, Pernimbuco, 1 anno, Santo An-
tonio; gastfo- entente.
Manoel, branco, Pernambuco,.! 1(2 annos, Baa-
Vista ; variola.
Maria, parda, Pernambaco, 3 dii*, S. Jose; es-
pasmo.
Maooel, escravo, pardo, Pernambuco, 5 annos,
S. Jose ; bexigas.
Damiao Goncaives Paehaco, branco, Pernambu-
co, 31 annos, militar. Boa-Vista ; apoplexia.
Maria, preta, Pernambnco, 7 dias, 8. Jose ; es-
pasmo.
cfmoKiCA ji DurnEiL
Trihnnal do commereio.
ACTA DA SESSAO Dfi 22 DK JANEIRO DE
1874.
PRBSlDENCIA 0(1 EXM. ill. COKSKUIBtRO ANSBLMt.
KnANCISCO PERBTTI.
A's 10 horas da manna, presentes os Srs. de-
putados secretario Olinto Bastos, Lopes Machado
e supulentes Sa Leitio, e faltando por tootivo
jus to o Sr. depntado elaito.Alves Guerra, S Exc.
o Sjr. conselheiro prside*<'e. deelarou abeMa. a
sessao. *
Foi lida e approvada a acta da precedente
lessao.
KXPKDIE.NTR.
. Offlcio do presidente e secretario da junta dos
eorretorcs. tribunal resolveu que a secretarla
informe sobre o conteiido do presente offlcio na
parte relativa ao ex-cerretor Macedo.
Offlcio do secretario.da,junla dos corretores.
0 tribunal resolveu qne a secretario junto ao
presente oJBcio c6pia da informacan do mesmo
tribunil sobre a reelamacao do governo imperiai,
qae allude o mencionado olficio.
Mappa do trapiche Barao do Livramento do
caes do Apollo n. 45, relaUvo ao primeire se-
mestre d< 1873 a 1871.Conferido com o ante-
rior, seja archivado, nao apparccendo duyida.
Foraiu disiribiU'los os IUtus seguioles :
Diario e eopiador de Francisco Autouio da
Rosa, diario de Jose Jacome Tasso, diio da Jorge
Tasso, dito de Manoel Heleno Rodrignes dos
Santos.
DKSPACIinS
Reqaerimentos :
Do Peixoto 4 C^ para ceriificar se-lhes se Anto-
nio de Oliveira Castro, em 27 de setembro do
anno proximo passado era ujz aao caixeiro do
bario de Bemfiea.Certiiique-se.
De Cnstodio Antuues Guimaraes e Antonio, da
Costa Ribeiro, socios da fir-ma Guiinaries Ribojro
& C, pedindo. tran?ferencia dos.lirroa qqeservi-
raai a flrma Carvalho GuimarAes 4 C-Como
pedem.
De Severiao 4 Irmaa, solicitando o registro do
document! junto.Como requerom.
De Manoel Alberto da, Silva, reouerendo que
ie registrc a sua nomea^ao do caixoiro despa
etiaote da casa de Silva Guimaraes & C. -Na
forma pedida.
De Almeida Carvalho & C, apresentaudo para
registrars o incluso contrato. social.Vista ao
Sr. desembargador fiscal.
Ds Jose Fernandes Lima e MarUnho Lopes
dos ReiSi traz-ndo para ngistrar-se o distrato da
tirma Lima 4 C Vista ao Sr. desembargador
fiscal.
Dos mesmos Lima & Reis, submettendo a re-
gistro o seu distrato junto em duplicaia^-Vista
ao Sr. desombargador fiscal. .
De Antonio Ferreira Gomes, Joio de Farias
Machado e Francisco Jose Pereira Lima, impe-
irando que se registre o contrato que celebra-
ram.Vista ao Sr. desembargador fiscal.
COM 0 PARKCER FISCAL.
PelkSes:
De Tiiomaz Jose de Oliveira e Joao Marques de
Pinbo, registr) do seu distrato.Begistre-se na
forma pedida.
De Pereira Simoes & "., registro do contrato
annexo. -Satisfagam o para w fiscal.
De Joao do Rego Lima e Joao do Rego Lima lu-
nior, registro do seu distrato. Proceda-se ao re
gistro requerido, nas tarraos do decreto n. 4.394.
De Jose Luiz Goncaives Ferreira & C, registro
do distrato incluso de dila lirma.Seja registra-
do o distrato junto, na forma do decreto n. 4,391.
De Bernardino da Silva Costa Campos, Jose Joa-
quim Cagada e JoSo Anselmo Marques, registra
do distrato junto. Facase o registro pedido, em
conformidade do decreto n. 4,391.
Ao meio dia, nao havendo mais nada a despi-
char, S. Exc. o Sr. conselheiro presidenie encer-
rou a sessao.
pi In-matrieulaiHgHtiuos., e ate fez taeseouM
eom-o proiJuct!) dai m.Urioul.i*. que qnando
esta* passnram a se^feites peto<6r. Washii^-
lom, nao quiz este receber o quo ha via, por
estar muito incompleto, e que depois foi
jfgo com ordenados ?
Chama-me patotdiro, porque recebi .do
Sr. major I.ustosa, a quatitia de cam mil reis,
pro lucto da arremataoao de uma ilha do
patrimotiiu de N\ S. d'Assump^ao ?
Pobre, Sr. Serra !
Pois o promotor de Cabrobo ignora, q-.io
nio havendo na conrarca deposilorio ou
collectoria, 6 o juiz quem reoebe o produc-
to dos bens das capellas para manda-los re-
lcolbe ao cofre competent* ; e que nao me
convinlia noirwar ao Sr. Serra deposita-
rio?
Uma palavra sobre o recursa do reo
Francisco Araujo :
Francisco Araujo, proc->ssado em 187u por
teotativa de homfcidi), foi em 18T1 despro-
nunoiado pelo (neu antecessor que, sem lei
que o autorisasse, recorreu desse despacho
para o cntao Dr. juiz da direito, Fernandes
Vieira, que por sua v-z, tambem incompe-
tenlemente, tomou conhecimento do recur-
so, tudo isso a revelia do reo
- Agora appareceu rtio para defender.-se :
em tempo e em terraos recorreu do despa-
cho do Dr. juiz de direito, eem pleno jury.,
mandei que o promotor dieessesobrea pre-
tonrao do reo, e o promotor opinou pelades-
pronuticta, aceitando eu o recurso; e como
agora qtier fazer de semelhante acto capitulo
de accusa^ao contra mini ?
Seoqueeu fiz, foi illegal, enlao o pri-
meiro responsatel 6*0 promotor, que nao
cumprio com o sen dever, appellando da
miuita deiisao.
Gonckiodizendo aoSr. Serra que, quem
e co-no o promotor de abrobo, inopto e
immoral, vivendo em incontinencia publica
com umA amasie, que diariamente e pedra
de escamlalo, nao vnm t'ormar oapitulos de
aceusaijao contra quem ate* hoje tem procu
rado cumprir com o seu dever : para prova
assigno-mp, e prpvoco aoSr. Serra para quo
fagaoutn Unto, aseuuriado a responsnbtli-
Jade dos seus actos, alim de que eu possa
leva,-lo. perante o tribunal competente cornp
caltimniador, e em quanto o nao lizer,
tratarei de provar com dooumentos irro-
fragaveis, quem 6 o promotor de Cabrob6,
Jose' Leandto Dantas Serra.
Reel's, 26 de Janeiro de 1874.
Jost dc Carvalho Cesar.
n
iSUCACOES A FEDIDC,
Chegando a esta capital fill surprehendido
por uma publicagao ditada da villa do Ca
brob6 e assignada por um o/fendido, que nao
6 outra pessoa mais do que, o promotor pu-
blic" Jose Loan'lro Dantas Serra, unico desa-
fectogratuito, que ahi deixei, podeado alli-
angar desde ja, que dessa villa nao hi ate
h.-je uma so pessoa, que tenha tnotivosde
queixa contra mim, quer como juiz,' quer
como homem particular.
Esse-promotor, tido e havido em Cabro-
b6 como alienado e immoral, jii classiftca-
do, pelo honrado Dr., juiz de direito da co-
mnrca, em um provimento a um recurso
crime, como ignorante erasso ; chamado
polo actual Dr. juiz de direito de Ouricury,
imbecil e ignorante, em uma causa civil ;
nao gq achando com o devido animo d
reagir contra esses dignos magistrados, ati-
ra-se hoje contra mim, emprestando-mo
qualidailes que Ihe sao proprias, s6 porque,
como juiz tenho mais de uma vz o chama-
do ao cumprimento de seus deveros, nao
cunseDtindo que ello pratique quanta par-
voice Ihe vem a cabeca, ji se oonstituindo
advogado de mulheres pobres, no caracter
de promotor, jd cobrando ao com.nandante
do destacamento do policia metade do soldo
de uma pr8C> para occorrer a despeza de
uma mulher, na qual a mesma praca havia
dado umas chibatadas, sornente porque os
peritos avaliaram o dimnodessas chibatadas
em 309000, jd citandoemhbellos crimes ar-
tigos que nao ha no codigo, jd achamlo offen-
didos, que nao poderam com vantagem re-
pellir a offenga por lutarvm com as cir-
cumstancias aggravantes dos 4." e lo." do
artigo 16 do Codigo, e jd dando denuncias
sem as inUruir convenientemento.
F.is donJe partem as iras do promotor do
Cabrob6 contra mim ; e os eptlhetos que
me atirou por este Diario, de pertarbador.
de violento e de pafoteiro.
Tres perguntas aoSr. Serra :
Se sou perturbador, porque nao tenho
em Cabrobd um desafe to, e provoco ao Sr
Serra para que a ponte um, em quanto que
o promotor tem hcado mal com todos, des-
de o Dr. jurz de direito ate" o ultimo dos
seus bemfeitures?
Se sou violento, porque o djgno Dr. juiz
do direito ha ate hoje saucmona lo t >do* OJ
meus actos, d-ipo^itaudoem mtm tola a sua
coiiQuica, em q anto que o Sr. Serra nao
p61e dizer outro ta ito Jesit
Se sou patitteiro. por .quo niugucui ha
que se qufeixe demim; wn qoaiito d voz
publicaem tjabrobo, qae o Sr. Serra, qiMn-
5o encarregaoto da matricula de escravos,
taftAMpM ^IftW(M^WeMgt(Trh*^prertGniTentns, alTOfilffflra'uma ebmrH-nsardo,
- rnaxlmo para indiVi.rtios. comoeu; som for-
C.OUSXA.
Nodialldo eorrente mez cheguei em
ttoyanna, setiam 7 boras da raauba, eape
nas os distinctas goyannistas souberam que
me achava em casa do Sr. Manoel Carneiro,
A rua do Ampars, foram-se agglomerando.
As 8 horas. acbava-se postada uma musi-
ca em frente da casa ; e, uma eseolhida m-
cid .de, representtndo o commercio, agri-
culture e arto, em numero de 3D0 a 400
pessoas, mecumprimentave.
Soltaram-s mitos t'oguetes e logo a mu-
sica tocou uma, bem eseolhida peija, que
me extasiou.
Depois que a music* cessou do tocar. di-
rigi a palavra aos dignes cidadaos que tao
enthusiasticamente me honravam em nome
d'uma idea, agradecenlo-lhes a honrosa re-
cepcio.
A punas fndei, tomou a tocar a musica,
subiram ao ar immensos foguetes, ou-
vinlo so o estampilo das bombas, que p.i-
recia uma testa.
Qando eu suppunha qtte estava linda a
recepi;ao, fui contidado a seguir, tom.udo
a musica a direcdo bendo no trajecto enthusiasticos vivas ao
cidadao Hotnualdo Alvns de Oliveira, que
torn sabido com denoio defonder a causa
necional.
Parou a musica em Irenla ao sobrado
do Sr. Francisco do Amorim, d rua do Meio,
estanloa frente do sobrado juncaJa de fo-
lhas o flores, c na varan lab asteado o estan-
darte impe-ial.
Fui levado para cima, e apenas entrei,
adnirei o adorno da sala, tola tapetada de
lolhas de canella e floras, vasos chisios de Qo-
res!
Cneguei entao d varanda, e quando fin-
dou de tocar a musica uma bella e melo-
diosa pea, dirigi novamente d palavra aos
diguissimos goyannistas, exprimindo-me pou-
co mais ou menos nos seguintes tcrmos:
Goyannaemtolosos tampostmnsidoaterra
daliberdade, a terra tradicional dos grandes
coramettimentos, tendo sahid) do seu becf;o
homeus emiuontes nas conquistas da ltber-
dado; e, esta mocidade cheia de vigor, ar-
dente, emula dos nossos legendarios, deve
conter-se nos arraiaes da ordem, porque uui
povo de tao honrosn tradicao, deve ser o
symbolo vivo da mode*acdo, defendendo
seus direitos sem offender os deveres de
hospitalidade, sem quebrantar o direito-bu-
nanitorio.
Sim, porque por mais augusta e santa
que seja a causa a imprescriptiveis os di-
reitos, em quanto nao sao suffocados pelts
annas, podem ser defendidos pela uniio
do povo, pelo sinccro patriotismo, e o que
eu espero de tao distiuctos mo?os, que.sa-
bem nobilitar-se pela moral e interesse que
tomam pela idea da nacioualisag.ao do com-
mercio pelos meios da associacdo e da per-
se veranga.
Eu lhes agradego do fundo de minha al-
ma, que, separando minha humildo pessoa
da idea gran Jiosa que deffendo, me hon-
ram tio esplendidamente era nome d'ella :
recommendo-vos uniao, patriotismo e per-
sevcranca, que 0 triumpho serd inev-ita-
vel.
Fallaram outros cidadaas, subindo depois
a musica, que secundava sempro bellas pe-
cas.
Em um dos intarvallos, uma menina su-
bio d uma cadeira e leu uns bellos versos
i minha humilde pessoa dirigidos, os quaes
me causaram profunda cumraoc&o e quan I i
liadou, offereceu-me utn bellissimo bouquet
decravos brancos e outras rescendentos flo-
res?
Depois que deixou de tocar a musica,
fui convidado a tomar utn refresco; e-che-
gando na sala para elle destinada, encon-
trei uma mesa preparada com profusfio : ti-
nba quanto era preciso para uma abundan-
to refeicAo !
Desde a hora de miaha chegada, atd 11
horas da noite, fui vi&ilado iuintewompi-
dami'nte.
Mmi eoe.igao refogou-se no mar da ale-
gria, p tr \ sineeros e ardentas *po$tolos.
A cms i u.icionai, mnis cedo ou mais
tardt h de triumpbw, uao obstante'i es as-
pid.'s que lauga-lhe no caminbo..........
Diante de quadros tao magestosos e snr-
funa*'.- s*ein 1llustrac.au.
' Ab cOnUunplar na magnifiea recopcioqnr
tive em Goyanna, acho apenas am justifi
cacdo e na bondade, patriotismo sincero
dos que me rcceberara, no acrifolado amoi
da patri.i.
Ah I o que posso eu OiTerecef a tio con-
picuos cidadaos ?
Men etsrno rocoiiheoimento, meu puro
eoracJlo, minha alma forte para continuar
a defender o eleon-nto nacional diante do
estraogeiro, que preteode comprimir novas
gonerosas aspiracoea e inspiracdes.
Aceitom, pois, os quo se dignaram bon-
rar-rae minha eterna e fiel aratiiao
Recife, 24 de Janeiro de 1874.
Romualdo Alves de Oliveira.
Nenia.
A Ua sunt juditia Dei I
Ua um anno que desceu a sepultura o
meu charo e sempre cborado tio Ilylario dc
Athayde Vasconcellos I Ha um anno, pois.
que o meu coracdu se enlutou, e o prazer *
a aleg'ia ausentou-s-^ de mim, para somenu*
lamentar a p'Tda irreparavel daquelle qoe,
talhado para, grandes commcttimentoa e
quando lidava incessantemente no futuro
de sua consorte e de seus charos lilhos, *
arrebatado desto val de lagrimas para na
mansdo do; justis receber o promio 'l-
?irludes por elle exercitadas.
Sim I 0 capitao Hylario de Athayde foi
bem conhecido e teve a felecidade de gravar
no cora^ao do todos quantos o conbecwam,
em letiras d'ouro, a lembranca do bom *
presti mosissimo amigo.
Nao deixou inimigos conhecidos, assim
como nunca olviduu toda e qualquer occa-
siao de sec util d huinanidade : a sua pes-
soa e os seus poucos haveres sempre os
punha d disposiedo dos necessitados.
Se sdo pois as boas obras, como creto, o
que desembaraca o caminbo desta vida
para o da etemidade, tenho co fianca, tenbre
mesmo certcza, de quo o meu charo tio ja/
entre os bemaventurados, goza.ido das de
licias senpitumus.
Assim o seja.
21 do dezembro de 1873 ( nnniversario
de sen passaraento J.
Rita E. A. d Albuquerque.
' nini'te de nteu Kempre lem-
bratlao chorndo irimlo
Uratiddo aos dous nobres cavaiheiro^
e a mi.jos dedicados.
E' inexplicavel a dor que ainda hoje cou-
sagro pelo passaraento do meu Gnado inr/. .
o capitao Ilylario de Athayde Vaseoncelios.
hoje, quan to a viuvn e os filhos do liuado
fazom colkicar sobre a sua sepultura a lap-
de que alii veJes, em testemunho de saudc-
sa memoria.
Nflo ptide ser indifferente a alta idea que
livoram, e certo de que a vos, como a n6*.
sensivel foi a morte do capitao Hylario de
Athayde. espero que tera merecido vossa
approvaedo.
A vos, Exm. Sr. D. abbade fret Jos dr
Sv Julia, tributo pur mim, pela viuva e
filhos do liuado, um volo de gralidao \*n
haverdes ainde uma vez ruostraoo uma aim.-,
generosa e de reconhecida piedade, quer no<
actos que hoje celebrais annuociando o
anniversario do passameuto do finado, quei
por consentirdes que fosse essa lapide com-
memorativa collocada na sua sepultura.
Ao 111m. Sr. Dr. Paula Luureiro Leitdo de
Albuquerque, ravalheiro tambem muito
digno de no?sa gratidio, tributamos um voto
de reconhecitnento, pela publicacao espon-
tanea que preteode fazer da biograplna do
linado, cujo trahalho, alem de naopequeno.
6 um testemunho de amisade ao linado.
Terminando, Srs., esta enfadonha ovacaO-
peco-vos perdiio do sua imperfaicao, pois so
a amisade que devotava ao linado, me levaria
a erguer hoje minha debil voz para t?ste-
munhar-Ihe minha etema amisade, e pra/.-i
a Divini Magestade sejam estas mesmas pa-
lavras um allivio para sua alma, e a vos,
Exrn. Sr. D. abbade o Dr. P. de Albuqucr
que, peco tambem perddo se com a mani-
festicao sincera que acabo de fazer de nossas
gratidoes, feri as vossas modestias.
Capella do engenho Marau, 21 de dezer.-,
bro ae 1873 anniversario dopassanw^.
do meu finado irraao).
Marixlino S. V. Leitdo diloAiqivr'j.c
*oneto.
A' memoria do capitao Ilylarjo de Ath'nftt-
VasconcHlo3f'
Til passaste no mundo, e. b rasto teu
Luimnoso se ve, e a farna echoa 1
Tens por memoria do tatento a coroa.
Que Dous, aos cscoAhidos concedeu.
I
Nas az3S da saudade, o verso men
D'arte despidow'apenas s6 entda
De seu nome a lembranca, e daqui v>a
A' pedra tumular do amigo seu.
E Id... nil se o desejo pode tanto,
Eique gravado em sua sepultura,
Estas frases que junto-as no meu canto
Aqui jaz o Hylario, a alma pura,
Cessai de eorrer assim meu triste pranki.
yut* elle goza no ceo maior ventura.
\l873.
,W. Foutourn.
RIO (iR.N0E00 SUL.
Porto-Alegre, 19 dezembro de 1873.
. Fe de oniciu.
Anauindoao nosto pedido, facilitou-nos o Exm.
Sr. marechal bario de s. Borja a sua fe de oIBck>
que em seguida publieamos.
Desde 1832 serve o illuste veterano a sna patria ;
com ha teu a revolucao em Pernambuco, scrvkMai
conslante actividade na guerra civil da provincia
em 8i7 ate a cunvencao de I'unctie-Verde, lea a
cainp.mlia do Uruguay em 1831 a i83i, fez a guer-
ra contra o I'ruguay em 1864 e a do Paraguay,
ate que gravissimo ferimento o prostrou, que so
o retevo na irovincia o tempo absulutameute ne-
cessario ao sen curativo, tornando, a guerra, ao
Qm Ua qual assistio.
Apreciem os leiiores a fd de offlcio desae illus-
tre militar, qne galgou todos os postus da hierar-
cliii militar a pouia de sua valente espada, que
nunca so uegou au servi.o, e que jamais fui pro-
legiJ pelo acCaso, devendo tudo ao seu merito,
a sua impretercita bravura, a sua grande perieia
militar e a dedieacao v nobre patriotism* com one
sempre correspuudeu ai. a;ipello da patria, quer
seja para del), liar a anarchia interna, quer seja
para desaffronur a honra do imperio contra o in
inigo estraiigeiro.
E' com just.) e legitimo orgulho que a iroprensa
cuuservadura estampa esse documento que di a
meiida justa dos meritos do illustre general, que
e viotuua das iras da folha liberal.
A modeslia n2o podia n;ra devia unpedir o no-'
bre veterano d" facilitar-noj o doenmeutu que Ihe
>e li .i n is, imrju.i f n:l fora o d-'safio Ian.
pel i Reform.i, e em taes casoa : t !f iblfr0
olilige .
Veremos se a Reformi Imha esse preetdi-
oienlo.
Big a fe de offlcio do illustre cabo de guerra :


-

(
i wmm i




1 Hir**- <#*teai!inw ~ l^a/feira BT &r*ib4

V
eisjSTWTW!rncB5j*raeff Mu3E.irn\5 Sen
da. prosiacia de Pernembuco, zuseeu em
Suudo cMLUlaote e ttMfek" saw pro-
TiftCia eUMVUsrca #* *BA3FeM*,Sa,2)'
Iwitariamcute para marcbar pnft'-nmi'llas'fle'Mi
randa e Jacuhype,. jws limitea da mesma provin-
cia u da da Alagoas, em favor do governo, e ahi
foi ferido graveuiente eto um eneontru coin os ro
beides. Sendo dispemado de couiinuar na guarra
em 1*13, recolhuuse a capital daquella provincia,
onde (oi uomeado alferea da guarda nacional por
eleicoo pupular e depois pelo Kuveruo promovido
a tenente a capilao em 1837. Neste posto olfere-
ceu-se para marcbar para a provtacia do Rio
Grande do Sal, qae Umbem se achava em guerra
civi], a 17 do novembro do mesruo auno, e aeguio
eacorporado a am coatingente de primeira linha
qae fez parle do K. batalhao de cacadores, qae se
estava organisando ao passo dos Canudos, na dila
previncia, sob o commando do major Joao Nepo-
rauceooda Silva, cade passou a servir de aja-
lanje. i 'Foi promovido a a'lferes de primeiralinha
do exercito, per decreto de SO agosto de 1838,
seado elasstficado no dilo batafliao. Servio de
ajudante de oampo do commando da 2.* brigada
ale juniio/a novambro deieiubru dome.-wio anno foi prwnavkto a tenente
ipara u mas mo batalhao. Assistio aos ataques de
Taquarv a 3 do maio de iSiO, ao do passo de S
ttorja.a'13 de jonho de i4l e ao do baohado la-
aaiiura junto a villa de 8. Gabriel, em que foi
fan Jo, a 44 do mesmo mez e auno. Par decretu.
da 2ii do maio de 1842 foi promovido a capita->
para o mesmo batalhao, coalando antifuiuade, da.
aetuito de julho de 18U.
Pula provisao de 47 de satembro daquelle anuo
loi-Jae luaodado eoatar como tempo de servjoo o
decorridode t7 de novemliro de 4837 ate IQ de.
l^nrnjwfftatrtt .para ,;o $-regimento rte;pajrM.ria
Silo SSS&afti. ^^5?a^Pei*
^oidem,*) dla de cdmmt>TO WtFWJPL00^'
erercfto em otoorraeSa, soton W de1 *j^W*r**d
m?z, foi.nomeado commandaato da 1' brfffaa ,>e u*
mesma data entrou nessa exercicio, do guil foi
exoneraflo em 1 de maio pela ordem do** do
mesmo commando, sdb n. It, reverteudo ao eoflv
maudo de seu ragimento.
Foi ehamado em aervicp a cidade de Porto Ale-
gre, para onde seguio a 9 de dezembro, tudo do
mesmo anno, e nesse dia deixou o commando do
regimento ; recolben-se ao mesmo que se achava
na cidada de Alegrete em I de feveniro de 1859,
data em qae assumio o commando da 1* brigada
e guarnicao dessa cidade. Deixou aquelle eum-
maudo em 8 do raesma mez, em virtude tu Jo do
aviso do ministerio da guerra de 6 de Janeiro que
inandou dissulver as bngadas existentes, passando
na mesma data a comuiandar o seu regimento e
coniinuando no commando da guarnicao. Por de-
creto de 5 de jullio foi nomeado cavalbeiro da or
don de S. Bent) de Aviz. Par determiuacaa do
Exm. Sr. general eommauJante das armas contiJa
em offlcio de li de dezembro tudo do referidn
anno de 1839, assumjo iatenn raento o commando
da 1* brigada, de novo .orgaptsada na. cidade de
Alegrete, em il do mftsoio moi. Emvirtudetlo
m *mmM* HO r*r*, sob n fMf^e 25 doiditAKktaatjf If |M| 1 Jiijiij I' As
mez, pela pericia com que se houve e cabal (deii |Mm atMadwMxmrniammmmk jfMaM
wt|wliiirtw'iidili, disnoato na ordem Ad lia daquelle quartel general/ oecbraBo com a medalha *f merito mifitar f\M-
*nt) a. 13 .de 17. de marc* de 185 J. foi dijpensado
oesse commando a^ldemAi^ data em que. re-'
verteu ao de eu .regimento. -Em ordem do dia
do mesmo quartel general, sob n. 29 de 7 de jultio
Jeclarou. o commndi)das;armas-4iqe ficav satis-
TeHop^la tnaaeira ..com luu,e-Suba. desempeaoado
as funociei in-ereuies aq'uelle commando. lEm
virtuue da'onlem do ja. rrfrjdo cemmaudo due
ago-to da 1838, mn qae, s
uacioual da provineia de I'erflamUnco o ,pr jmo-
vdo a alferes para o oxercito. "Peta ordem do dia
do qaartel-general do commando em >ttfa do
. ercito sot) u. 38 e 27 de autubro do rafendo
anno de 18\2 foi uomeado major da. 2.* trigada,
p enja exercicio prestou importantes serwgos por
occasiao do sitio que os rebeldes puzeram em Vac
cacuaao 9.* bataluaode qcadares em.abril de
1843. Achando-se aiada no mesmo exerctow
sdffreu o siiio de dez dias gue os rebeldes pnzenam
a 1* brigada no rincao do Trilha, junto A fere-
rida villa de S. Gabriel, no meucionado mez. Foi
elogiado pela ordem do dia do quartel general do
commando am cbefa do exercilQ, sob n. 60 de i\'
4e junno do me.-mu anno, pola maueira pela qual
desempenhou snas funccoes, de 5 a 10 do dito
mez, no sitio que soffreu o 6." batalhao de caca-
doras junto a villa de Alegrete, po>to pelas forcas
totaes do iaiutigu. Fei exonerado do rxercicidde
major de brigada pela ordem do dia do refeiido
quartel gener,;ll, sob n. 113 fle 19 de marcode
184 Per wutra ordem do dia di mesmo quar
kjl-geuer.il, sob o u 114 de 24 do me-mo mez.
que dis-olveu o 5 balalbao de cacador -s a que
pertrncia.foi .niandado servir no 6.* da masina
anna, para nelle commandar uma companbia.
P&o energtco couiportameoto que mostmu n apto
varliginoso do refendo 5.* batalhao em 4 do
citadu.mez de marc..-, e em cuniprunento ao de-'
terminado naiuella ordem do dia, eacorporou^e
ao supracitado 6." batalnao, no qual foi maudado
incluircomo eirectivo.
F'Z a guerra contra os rebeldes da previncia do
itio Grande do Sul.desde novemliro de 1837 ate
a sua paciticicao em 1 de marco de i8i5. P<>r
decreto de 30 de jullio acompanhado da aviso da
reparticao da guerra de 2 da igosto, publicado
na ordem do dia do qaartel-general do commando
em caefe d > exercito, sob n. 237 de 19 do mesmo
mez, foi Iransietido para a arma de cavallaria,
sendo incluido 00-2.* regimento como capilao da
3? companhia, ao qual se apreseDtou a 6 de no
vembro, tudo do supracitado anno de 1845*. Por
decreto de 29 de Janeiro de 1846 foi nomeado ca-
valleiro da urdem da Rosa. Pela ordem do dia do
qnariel-geral do commando das armas, sob n. 31
de;29de Janeiro de 1846, li:e foram coucedidos
dous mazes de licenca com vencimento de ineis
soldq, e tenilo-a gozado, apresentou se a to do
autubro. JSra 21 de novembro, tudo do referiado
anno, foi encarregado de uma commissao pelo,
Exm. Sr. genetal commandante das armas, o que
foi communicado em otlicio do ajudante general
da mesma data, e della recolheu-se a 20 de Ja-
neiro de 1847, assumiudo o commando do re-
gimento, o qual deixou a 5 de fevereiro. data em
qae passon a li.-eali.-al-o ; assumio de novo o
commando do mesmo a 26 de marco e deixou es-
seexereicio, passando para o de fiscal em 3 de
junho. 1'or ordem do Exm. Sr. general coinman
dante das arn,a- seguio em uma diligencia em 12.
de agosto, e della rec.lheu-se a 8 de outubro,
data em que assumio o commando do regimento.
Por despacho do commando da 3.* brigada de 17
de Janeiro de 1848 teve licenca sem tempo deterr
minado para tralar de sua saude na villa de Ale-
grete, pelo qae deixou aquelle commando. Pela
ordem do.dia do quartel-geueral do commando
das armas, sub n. 48 do l. ae marco, Ihe foram
concedidos ires mezes da licenca para medicar-
se em sua casa. Por outra ordem do dia do mes-
mo commando, son n. 23 de 26 de junho Ihe foi
parmiuido continuar no tratameoto em que se
achava, visto partieipar o commando da I." bri-
gada nao poder reuuir se a seu regimento na
quella estagao. R-cullieu se ao mesmo a 43 de
Janeiro da i849. Teve um mez de licenga conce-
dida pelo commando da 3.* brigada em 10 dc
junho, e apreseulou se nella a 13 do jullio. Por
decreto de 27 de agosto foi promovide a major
Sraduado para o mesmo regimento. Pela ordem
o dia do quariel-general do commando das armas
sob n. 124 de 28 do mesmo mez, foi mandado As-
calisar o 3." regimento de cavallaria ligeira. Por
outra ordem do dia do mesmo commando, sob n
oi de 28 de outubro, foi maudado recolher a seu
regimento e elogiado pels dodicacao com qae ser-
vio e actividade desenvolvida no exercicio de
Uscal daquelle regimento. Marchou em dili-
gencia para a fronteira em 24 da novembro, tudo
em 1849. Foi maudado cousiderar em diligencia
ua 3.a brigada em 28 de juulio de 1830, por offlcio
do coiiiiii.mil.' da 4." da mesma data que so referia
a outro do deputado do ajudaote-general
Por iifflno do commando da 5." brigada de 13
de novembro foi commuuicado que nao podia re-
colher-se a seu regimento por se achar paJecende
de ictericia, que degeneron em gastro hepatite.
For offlcio do referido commando da 5* brigada
de 20 do mencionado mez de novembro, foi com-
muoicdo jur o Exm. Sr. general commandante
das armas Ihe havia cmcedido licenca para
tratar de sua saude na villa do Alegrete. Reco-
Ihea-se dell > ao seu regimento em 23 de abril de
1851 e em 24 do mesmo mez entrou no exercicio
de fiscal. Passou aovamente a commanda lo em
H dejuoho, exercicio que deixou a 24 de jullio
para reverter ao de fiscal.
Fez a campanha da repablica Oricnta1 do
Uruguay desde seu principio em 4 de setembro
ate 3 de dezembre, tudo do mesmo anno, data em
que, tendo dado pane de doente, obteve licenca do
Exm. Sr. general em chefe para tratar de sua
saude na villa de Alegrete, na citada provincia do
Kio Grande do Sul.
Tern direlto a medalha concedida por decreto n.
1*38 de 14 de marco de 1852 os que fizeram a dita
campanha.
Por decreto dc 19 de julho do mesmo anno foi
promovido ao po-to de major effectivo por aoti-
guidade para o 4.* regimento de cavallaria ligeira
Apreseutou-se prumpto e entrou em exercicio de
suas funcc,5es a 27 de maio de 1831; assumio o
commando do regimento em de junho do mes-
mo anno. Marchou em 25 de marco de 1854.
comraandando o rgimento da fronteira de Bage
aaca a repuWica Oriental do Uruguay, fazendo parr
to.da divisao brasileira qae para alii expedicionou.
Par decreto de 22 de outubro do mesmo anoo foi
promovido a tenente coronel para o referido .regi
merito. Por decreto de 14 de marco de .1853 foi
uaioadO'official da ordem da Rosa. Pela ordem
. do dia do commaado daqueHa dwiao, nob n. K>2
dp 9 dejalho, Xoi nomeado commandante da I*
brigada, do qual foi exonerado, par outra ordem
do dia do mesmo commandanto, sob n. I 8 de 6 6*
setembro, v.dundo a commandar o sea regimento
na mesma data. RegmwcO com a supraotiada li
visao d M mtemde-j a.pruyindit do RipiSwide dq
Sal a 19 de dezembro, tudo dAraeacienado annoj
de I85J.-4>xou o commando do regimento a
isu,uaiaaeer ah fuao^ries tie sen posto em H
"|f(fe>'ereir4ftlMJ7,i8anda .etogiado nKordem.do
dia do cominajidq ,da*.;'rma^ sobft. 7fi.,dB'8fde
qHjjVpor'terfluTaflte o tempo queaxeraeu.aqjial
J* coiihaiiJo p.rrtofto se de mnJo qae e t irn'ou
difl'de.td'i08 biaTonK. eda- optima d^sotw
.aq^ioras -Unt'i palo.nxiicto cumnnme rto de>or-
d^,^com pela Aisciplina,asaeio, iniCinuid^4je j
ems.abido grT e obsersam-nomesmo regirn"'
Jft^Jii Je aorii entrou oo gourde'tres inezk
if}* hi f >FBi da lel'DonOed^drm pelognvm
i^ki,u:i... con*, uonmaareou o cui!im-va*Ui..da
,da in 'offl : i de 23 daquelle, refuel io >waz
Bereiro. K.'Voihen ?e ao regimento .a it
ihobfo. Por rtwepft.. -de f-iHembro, rat)
referido anno da 1857, foi promxido corutwl
endo caviAa,d.(Barda M*Mg*aff> -5..JWjP J? P>fe &JS.&22?%X^SZZ
siio dftjBor mats de um vez, .palealear sua jaj *>
aewnritada.brvura e den.do
'P.rr decreto de 11 de dezumbr-, fat promovido
ao Dasto de marecnal de campo, como fez puMico
a ordem do dia do quartel general do commando
era chefe aob a.'. 176-de 9 de Janeiro de 1868. Em
virtude de ordem do mesmo commando de 27 do
mesmo mez, assumio o commando do l* corpo de
exercito que se achava em Tagl 6 raargem esquer
da do no Inbumbucu, fazendo a vanguarda do
grande exercito.
Por decreto de 11 de abril, foi nomeado grand*
dignitarm da ordem la Roaa pelos servicos milita-
ros prestados no corabate de 21 de outubro do an-
no antecedente.
Deixoo 0 commando do priraeiro corpo de exer
cito em 16 de agosto, em consequencia da hcen;a
que ubteve para seguir para 0 Brasil allm de tra-
tar se de raolestias adquiridns em campauha e
que necessitavain de longo tratameoto, como fez
publico a' ordem do dia do quartel general do
commando .em chefe, sobn. 244, de 18 do mesmo
mez.
Par decreto de 20 de feyereiro.de 1869, pqbli-
eado ha ordem do dia da reparticao do aju lante
general, sobn. 661 de 27 do mesmo tjiex, foi ton
leucao aos actos de bravura pralicados em diver-
os eomoates.' Apreslnlon-8e a S >. 0 Sr. jirin
cipe marechal e commandante em chefe do exer-j
cito, qua,com 0 mesmo.se achava em P
republics dofPangaay, a-2.1-.do julho, .
publico a arifew do dk do quartel general do
mesmo serenissimo senhor, sob o. 29 do 31 4a
:dito inez, wuto naquella mesma data nomeado
armas. tra*ittid,i erofBeto.do oommando da xtodotol*.maior do primeiro cor;>o de exer-
cidido tWl B<1anan idrTtr-ir -f"r"' emiint
coaselho de investigjujao. pelo que nessa data dei-
xou 0 commando ad regimento. Adoeceado :em
viagem,. regressona t*ea.quartel a 26 epor offlcio
dt> roeacianado eoaimaado da 1* brjgada dei27,
tudo do ja :enado me;.pa>so|i aser cimsidenado
doente. ftu -parto deproinpio ,para 0 service a
.9 de maio de 1661. e asMimic a ci.mmando do re
gwneuto e spesrnicao'da cid't.lf de Alegrete a 16 de
|Hkoy em otwervancte a ordem do dia do earn-'
man*> d*dbrigadB, sob-a.-*. Derxoa esses com
tuandos 10 de -elembro aGm de seguir [Mi a
oidade de;S. Galiriel. onde, por ordem do com-
mando dos armas pnh>tcada em ordain do dia n.
7 da supracitada 1* brigada, devia esperar adeli-
beraQ'0 do governo a seu rospeito, pelo facto de
haver corno commandante da guarnicao de Alegre
to se enderepido direotameuta ao commando das:
armas. Pteeon doente iw aen quartel a 7 de
dezembro. e a prompto em 1 de Janeiro de l8o4
Assumio 0commando deseu regimento, queen
taoae achava no quarlei do Trilha, janto-a aidade
de S. Gabriel, a 3 do mesmo mez, em virtude de:
ofdem do Exm. Sr: general. onmmani4aoie das :>r-
mas por assim 0 haver dispnsto 10 gojvsmo ItnjpNl
rial, eomo fez pablico a onlem do dia do commaa
do da t* brigada, sob n. 18.
Marchou com 0 regimento em 1 de jullio de.
164 puTa a fronteira de Baft e cegou. a'Pirahy-
Grande a 9 do me*momez, sendo a priuwiro :oor-
jroquts aoampou naqaellelugar, onde ee>raunirara
todas as forcas que compozeram o exercito qae
invadio t Estado Oriental. Durante o tempo em
qua o Exm. Sr. gaaeral commandante das armas
perroaneceu em RagQ,f<>i por elle encarregado do
commaudo geral daquttiic acampamanto, onde
mostrou por^nais uma vex ozelo e actividade que
emprega no servico publico. Pela ordem do dia
di commando das ar as n. 13 de II da agosto, foi
uomeado commandante da primeira brigada. Mar
chon cam o exereito daquelle acampamento e com
elte transpoz a fronteira para a Repablica Orien-
tal do Uruguay em 1 dedozembro, e em 31 do
mesmo, 1 e 2 de Janeiro de, 86 >, assistio ao com-
bate contra as fortiGcacoes da cidade de Payssan-
dd, commandando a forca de cavallaria que fazia
a defeza externa da dita cidade, pela parts do
norte para o oesle, seo-to elogiado pelo zelo. dedi-
cagao e actividade com que se portou, o que foi,
publico pela .ordem do dia do quartel general do
commando em cbefa do exercito, sob n. 17 de 7-
de Janeiro do mesmo anno. Depeia disto marchou
para fazer 0 sitio da cidade farlificada de Monte-
video, e nelle permaueoeu ate 20 de fevereiro,
data em que capitnlarara as forcas que a defen-
diam Por decreto de 18 do mesmo mez foi no-
meado dignitario d-i ordem da Rosa em remunera-
gao aos servicos prestados uaquelle combate.
De Montevideo marchou com as forca* de caval-
laria para a villa da Sanla Luzia e dalli para a
costa do arroio Daiman, em abril, onde pass m a
commandar a 6" brigada.
Por decreto n. 3,4 rado com a medalha concedida ao exercito que fez
a campanha do Uruguay, nesse anno. Em 24 de
junho transpoz 0 rio Uruguay para a provincia de
Entre-Rios na Confederarao Argentina, acampaa-
do junto a villa da Goncordia. Desse ponto. onde
foi orjtanisado 0 exercito em operacpes contra 0
governo do Paraguay, com elle marchou em direc-
eao a essa republica. Tendo cnegado a villa de
Mercedes, na provincia de Corrientos, foi em outu-
bro mandado pelo commando em chefe, acompa-
nhado de um piqueta de cavallaria, bnscar e reu-
n r ao exercito uma forca da cavallaria e infante
ria que *e achava na margem direita do Uruguay,
ao nian-jo do coronel Alexandre Gomes d'Argollo
Ferra 1, e, vdtando com ella, encorporouse ao
exercito em 8 de dezembro, junto ao Riachuelo, na
mesma provincia de Cornentes, sendo por ease
motive elogiado em ordem do dia do quartel gene-
ral do commando em chefe sob n, 110 de 21 do
mesmo mez e citado anno de 1863, pela maueira
seguinte: Satisfeito do moJo aclivo, zeloso e
iotelligente pelo qual 0 Sr. coronel Victotino Jose
Carneiro Monteiro, desempenhou a commissao que
Ihe foi confiada, de reunire conduzir a esle exer
cito os differentes cootiugeiit s de forca que p t
ordem do Exm. Sr. ministro da guerra, deviam vir
da Uruguayana, reconheco e louvo tao importante
servico.
Foi nomeado commandante da sexta divisao de
infanteria pela ordem do dia do quartel general do
commando em chefe sol, n. 113 de 6 de Janeiro de
1866.
Por decreto de 2i, foi promovido ao post" de
brigadeim como se acha publico na ordem do dia
da reparticao do ajudante general sob n. 497 de
23, tudo do dito mez. Transpoz 0 rio Parana para
a .epublica do Paraguay a 17 de abril, e com ell
assistio ao combate de 2 de maio, sendo por esse
motivo elogiado em ordem do dia do quartel ge-
neral do commando em chefe n. 133 da 10, pela
maneira seguinte : a Apreciando devidamente
energia com que avancou com a sua divi-ao 0
Exm. Sr. biigadeiro Victorino Jose Carneiro Mon
tairrt a 1 ni.ri.tii nno ,la.-an\'i il I'nll no it I St rihll I l':ii
teiro, e a pericia que desenvolveu na distribuigao
de seus balalhoes para repellir e perseguir 0 ini-
migo, 0 louvo e agradeco tao relevaute servico.
A 20 achando-se com a divisao sob seu com-
mando, refcrcando o exercito aliiado de vanguar-
da, forcou as fortiCcac5es inimigas do Estero Ve
ihaco, fazenlo alto em Tujnty dianle das de Rojas.
N>-sse lug,r assistio a batalba de 24, sendo por
esse motivo elogiado na ordem do dia do quartel
general do commando em chefe sob n. 156, de 28,
tudo do referido mez de maio, pela coragem com
que se portou e pericia qae desenvolveu na dis-
distribuicae das forcas de sua divisao, que com 0
primeiro regimento de artilheria a cavallo e uma
bateria do torceiro batalhao da mesma arma, sus-
t-ntaram 0 centro da lmhade batalha, rechagando
u iiiiimgo, pelo qua foi lambem louvado pelo ge-
neral D. Venancio Floras, commandante em chefe
do exercito aliiado de vanguarda, na parte que
deu em 26 do mesmo mez, ao commandante em
chefe do oxercito bra-ileiro e que se aeha trans-
cripta na mesma ordem do dia. Assistio com par-
le da divisao de sea commaado ao combate ae 18
de julho, u antta do Potreiro Pires em o qual foi
.travemente ferido, sendo elogiado pelo commando
em cmdeda eaateHo, m ardetB de dm do mesmo
commando, sob n. 3 de 24 do dito mez, pel deno
do com qua combateu e bem dir>gio as forcas sob
seu commando. Em consequencia desse feri m en to,
seguio em 30 do mesmo mez para a provincia do
Rio Grande do Sol, para tratar se .dalle.
Por deoreta de 20 de, agasja, fei nomeado offl-.
cial da imperial ordem do Cruzeiru.jwlos servico*;
militare* pirstados nos eombates do 16 e 18 de!
abril. 2 e 24 de maio. Achando-se pa supracitada'
nravmeia, |inio,nalla"S' ergtoisou 0 terceiro cor-
po deexepohj do mando do Exm- Sr marquez do
Herv.il, a elle ?e apresoatou em 9 de abril de l86i,
transpondo 0 rio Uruguay na masina data. d
que assumio ocommando da primeira divi-ao do
. mesmo exercito; c nn alia transpnz 0 rio Parana
par.a republic* do Paragua,> e reunio--,' ao gran-
de exArcito aliiado em Tujuiy,. 'pasaaad > a com
mandar a quinta divisao de cavallaria, como fez
publico a ocdam-do lia do qua rial .general Jo com-
mando era chefeIda tolas aaforca- bra ileira* em
operacdgs.canjira 0 gov-rna do Paraguay, sob n
104 dtW^jutiio. Commandando .s combateu em 2t '1- :'.i'Uirn, em Tltauiin, 11, fian-
ce direito diStSfcrtificacdi-s de tf'ihi y a, -en,lo lo
giado ud'eWuvgtvdia d quartel general '< mes-
Fei nomeado para eommandar intenuamente.*
Mfaddo corpo derexercito cm 7 de agosto, cemo
fez publico a ordem do dia daquelle quartel: ge-
neral, sob n. 34 de 3d do mesnui mez. Por ontra
orJcm do -dia flu inesmof etaiMando, sob n. 32 de
19 de setembro foi wnneado coiimiandante effecti-
vo do mesmo corpo de exercito ; e pela ordem do
dia n. 33 de 31 de outubro mandou S. A. < prmiipe mareohal. e 'comitlandaote em Cfieje do
-exereito detlarar 0 seguioto .
t A nomeacae do Exm Sr. marechal Victorino
Jose Carneiro Mont*iro-nra commandante effec-
tivo do segundo corno tie exercito, em 1'J de se-
tembro .proximo findo, foi em.alten^ap a distincyao
e enerpra com que -S. Exc.iguiara oesmo corpo
de exercito desde 7 de agosto eotce as fadigas
e privafB"e3 cb-ri notavel pro.veito para a caasa 11a-
clonal.
Esla comprehendido no elogio mandado fazer
por S. M 0 Inperador, em aviso do ministerio
da guerra de 6 de outubro. aos generaes, offteuies
e pracas que combateram em 12 da agosto contra
as iorbfioagoes de.Pirepihuhev em 16 du meio
mez, na batalha .do Camp j Qranda e era ouiras
data* e lugares, durante-0'reTeridn mez de agosto,
cujo avio esM.publicado naaeesma ordem do dia
do quartel rg-meral doxomm ndn em nhefe, aob| n.
37 de. 14 -de niwembm. no corneco da qoal S. K.
o Sr. prin-ipH marshal e commandante em chefe
diz 0 seeuinre : =Cumpm um dever fazendo espe-
cial mencin dos Exms. Srs. tenente-general vis-
conde do Harval. marechal de caino" Victor|ao
Jose Carneiro Monteiro e brigaieiro Jose l.uiz
Menna Rarreta, os quaes como commandante* do
corpo de exercito pelo seu valor, actividade a pe-
ricia mats poderosamente concorreram para ioi
rasultadoe conquistados. E proseguindo, Ira-
tando o mesma serenissimo senhor do combate
de Pirebibuhy. diz ua mesma ordem do dia :
t No centre oExui. Sr. marechal de cam jo Victo-
rino Jos6 Carneiro Monteiro com a intrepidez que
ha muito 0 distingue, nao se.limUou asuuulai um
aiaque, m s rarregou com a forca que se achava
as suas immediatas orJens eobre 0 lido da trin-
cheira que Ihe (icara em frenle per onde 03 de-
fensores da praca procuraram evadir-se.
Frataadoda batalha de 16, diz S A., 0 Sr. ma-
rechal de campo Victorino Jose Carneiro Monteiro
com o corpo do exercito de seu c mmando exe
cutara 0 movjrfiouto conveniente com uma .pramp
tidao, pela qua) Ihe cabem os mais subidos louvo-
res, pois della dependeu em grande parte 0 cum-
pleto destrogo que no d'ta 15 as armas brasileiras
infligiram ao g ros so do exercito do diclador fugi
tivo. Tcalando do combate de 18 do mesmo mez,
nos desfiladeiros do Caragualahy, diz S. A. 0 Sr.
principe na mesma ordem do dia n. 37 da 14 da
novembro, o seguiote : a 0 Sr. marechal Victori
no Jose Carneiro Monteiro ainda neste dia deu-me
prova de sua energia, lino militar e ineansavel
dedicacao que tanto 0 distingue, desempeiihando
do modo mais prompto e completo a ;ommis-
sao que eu Ihe confiara Em 23 do menciona
do met de novembro, tendo 0 exercito tornado nova
nrganisacab, passon a commandar as forcas om
operacoes ao norte do rio Manduvira, como foz pu
bPco a ordem do dia do qnartel general do com-
mando em chefe, sob n. 38 de 30 do dito mez. Por
decreto de 4 de dezembro tudo do supracitado
anno de 1869 foi nomeado commendadar da or-
dem de S. Bonto de Aviz em attencao aos servicos
militares prestados.
Pela ordem de dia do qnartel general do com-
mando cm chefe, sob n. 45 de 15 de marco de
1870, diz S. A. 0 Sr. principe, marechal 0 com-
mandante am chefe, 0 seguinte, tratando da ultima
e final derrota do exercito paraguayo. Sa, po-
rem, fosse licito repartir com oulros a gloria que
pertence aos triumphadores de Cerro-Cora, a
raaior deveria depois d'elles tocar ao Exm. Sr.
marechal de catnpo Victorino Jose Carneiro Mon
teiro, commandante das for.as no norte do rio
Manduvira, a oujo zelo pelo servico e iucansavel
previdencia so leve terera aquellas forcas podido
desempenhar a custosa ta efa, sem que por me-
mentos I lies faltassem 0 sustento e osmeiosim-
pre-cindivris de mobilidade.o Por aviso do mi-
nisterio da guerra de 19 do mesmo mez, publica-
do em ordem do dia do quartel general do com-
mando em chefe n. 47 de 16 de abril, fa* nouiea
do para substfloir a S. A. 0 Sr. principe. quo se
relirava para 0 Brasil, no commando em chafe do
exercito, parent nao pdde isso ter lugar, porque
ja em 14 do mesmo mez linha obtido licenca do
mesmo serenissimo senhor para retirar--e para n
imperio, allm de tratar de saa saude, como Ihe
foi commuuicado em offlcio do coronel deputado
do ajudante general junto ao cummin lo em che-
fe, sob n. 1 datado do referido dia 16. Per de-
creto de 18 da maio foi agraciado com 0 litulo de
barao de 5. Borja, em attencao aos relavailtes ser-
vicos prestados na guerra do Paraguay ; de 6 de
agosto foi con lecorado com a medalha geral da
campanha do Paraguay e com 0 passador de ouro,
tendo este 0 n. 4 ; de 6 de setembro, publicado
na ordem d* dia da reparticao do ajudante gene-
ral, so1) n. 733 de 26 do mesmo, foi n meado com-
mandante das armas da provincia de Pernambu-
co, em cujo exercicio entrou em 1.1 do outubro.
Por decreto dessa mesma data foi nomeado digni
tario da imperial ordem do Cruzeiro, em attencao
aos servicos militares prestados na guerra do Pa-
raguay. Por outro decreto de 22 do mesmo mez
foi agraciado com a merce do foro de lidalgo e
cavalleiro da casa imperial, tudo no ja referido
anno de 1870. Por decreto de 18 de fevereiro de
1871 foi exonerado do commando das armas da
provincia de Pernarabuoo, 0 por outro da mesma
data nomeado para 0 mesmo lugar na provincia
do Rio Grande do Sul, sendo ambos estes decre-
tos publicados na ordem do dia da reparticao do
ajudante general, sob n. 761 de 15 de abril, dei-
xando aquile exercito em & de marco. Cbegau-
do a esta provincia era 14, entrou em exercicio
no referido dia 14 de abril, como se ac^a publi-
co na ordem do dia desse commando sob n. 1 da
mesma data.
>d*5i|.enBoqerr-jguaes aos atitfaes da rnedioina.
Tanto nos bospitaes como na praitea privada, dos
medicos os mais distinrtos, oi. donates extenuados
e apparen'eraente desenganados em consequencia'
de se verem atecados dos casos mais agndos das
enfermidades do pnlmao e da garganta, reslabele
ceram-se com a sen uso, com uma raptdez Ul,
que os irrofessores de medicina confessam que
nio tein parallelo em sua experi-ncia. Se o espa-
;o nos permitti-se apresentar aqni os casos de
euros traoscriptus por diu medicos e extrabidos
de suas memorias, assombrariam os leitores. Xil
dasperaadum.
Nunca desespereii em quanto tiverdes a mao
esse remedio puro e iocomparavel nas curas das
>necc5es pulmonares.
COLLEGIO
mwmk wmm
20Rim il-.is CouIhus-20
A abaixo assignada, licenciada pelo Exm Sr.
presidente da.provincia, e.pelo Illm. Sr. Dr. difec
torgeial da instrufcao publica, tetn eftabelecido
oa rua dos Coelhps, n. 20, a poucos passes da
iraid"n* WPzi* de S. Gancalo, um coBe|io para meninas,
oino fe? ^ a invocacio da Sa.ntmshia Tbimdadk.
Auxitiada por suas innaas D. D. Landelina Jer-
sey e OlinJiiia Jersey, ambas as quaes, em com-
mom com a abuse .issignada, recebenrm igual
educaelp, darante^iuasi sele anoos, em um dos
melhores coliegios francezes da cidade do Pono,
.esla por certo Jubilitada para transmittir a suas
alumnas toiloa os coHlteclmentos adqaifMoe nesse"
d*g*>ijaefc* do tempo.
ChamaawelleeAjeJe'i4lBstrados pais de fami
ha, nacionaes e estrangeiros, para os estatatos-
abaixo, a annunciaute cspera merecer decidida
preferencta,"poiso sen estabelecimento se distin-
gue, nao so porque nada pagam em separado pelo
estudo das artes da recreio, como la mbem pelo das
linguas estrangeiras que, em geral, somente se
ens ma a traduzir, ao passo que no-CoUegio da San
tissima Te.i.sDvbK se aprendera a fallar e escrever
correetameote ; 0 que se toma sem 'duvida de
uma vantagem aditdadeirnoontestaveis.
Invocandn, cheia de confianca, a prote;cao de
sens compatriotas, e de todos os-estraageiroB illus-
iradoi, a annunciaute e suas irmaas,.no cumpri-
mento dos seus deveres, eapernin e .promettem en4
vidar todos osesforcos, atim de provar qae, entre
nos, existent pexnainbucauas sufflcienteinente ha
bilitadas par* inatrajr-e arenajrar .nossas innocen
tes e amaveis patricias, nao so a desempenharcm
no futuro 0 nobre e respeitavel ministerio de
mais de familia, como a se tornarem aiui, ou em
quahiner paiz, onde se acharem, o brithante or
nairrento da mais culta e distincta sociedade.
As aulas abrem se a 2G de Janeiro.
PAtfdntfaa Minervin>r d* ESTATUTOS
DO .
CAilegto da SANTtSstsx Trwdade, sob a
direcgao de Philomena Minervina d'AI-
buquerque 0' CennellJwsey, coarijuvada
por suas innaas D. bandeiina d'Albuquer-
que 0' Connell Jersey e D.Olinrlina d'Al
buqucrque 0' Connell Jersey.
Art. I.* 0 Cullegio dirigido por Philomena Mi-
nervina d'Albuqnerqne 0 Connell Jersey denorni-
nase-Collegio da Santissima Trlndadb.
Art. 2." As alumnas recebem nelle in-truccao
primaria, secundaria, religiosa, dc civilidade, e de
recreio e pr ndas.
Art. 3.' A instrucrao primaria e leitura, es-
cripta, contabelidade'(as (juatro operacoes) nocoes
de grammatica portngueza, costura cha e cro-
chet.
Art. 4.' A instruccao secundaria comprohende
- lingua nacional, francez, inglez, italiano, histo-
ria, geographia e arithmetica.
Art. 5. A instruccao religiosa e dada pelo ca-
thecismo ;.as alumnas aprendera doutrina Chris*
ta, e todos os deveres religiosos a cumprir para com
Deus, seus pais e parentes, e era geral com a so-
ciedade.
Art 6. A instruccao de civilidade abrangc to-
dos os actos.da vida do uma senhora, era relacao
com as pe.;soas de sua familia e com a socie-
dade.
Art. 7. A instruccao de recreio sonsta de
desenho, musica, piano e danca.
Art. 8. A instruccao de prendas raune todos
os trabalhos de agulha, e toda a especic de bor-
dados, que devo saber uma senhora da melhor so-
ciedade
II
Art. 9. 0 Coltegio admitle alumnas internas,
meio prnsionistas e externas.
Art. 10. A lingua que se falla no iutorior do
Collegio e a franceza ; e durante as aulas de inglez
e italiano so se fallam estas linguas.
Art. ii. As alumnas que estudam francez, in-
glez e italiano aprendem a fallar, escrever e tra-
duzir estes idiomas grammaticalmente.
Art. 12. A raensalidade para as internas e de
40*000, para as meio pensionistas 204000, 0 para
as externas 53000, pagos adiantados por trimas-
tres que, uma vez comecados, consideram-se ven-
cidos.
Ar' 13. A instruccSo das alumnas intorna*,
remunerada segundo 0 artigo antecedente, 6 a
dos arts. 3 e 5 ; as internas e meio-pensionistas
teem direito a dos arts. 3, 4, 5, 6.7 e 8 ; podendo,
todavia, quaiquer alumna externa frequeutar as
aulas snperiores raediaute a indemnisacjio, que
se convencionar.
Art. 14. As despezas com livras, papel, etc' sao.
da competencia dos pais ou correspondentes das
alumnas, e bem assim a matena prima de borda-
dos, e estes executad,)s sao propriedade das mes-
mas.
Art. 15. As aulas no Collegio da Santissim.
Trindadb tralialhara duas ver.es aodia-de raanha
das 9 as 12, e da larde das 2 l|2 as 5 1[2
Art. 15. 0 euxoval das internas 6 ao gosto de
seus pais; assim como a roupa lavada, engomma-
da e pertences poi elles serao fornecidos.
Art. 17. *s peqaenas indisposiooas e molestias
das internas sao tratadas no Collegio ; na* graves,
porem, a directora faz avisar aos pais ou corres-
pondentes para providenciarem s bre o tratamen-
to, que pode ser em suas casas, ou no Collegio.
Art. 18. Os feriados sao os das aulas publicas ;
salvo as quintas feiras que, no Collegio, licam des-
tinadas a instruccao de recreio.
Art. 19. Todas as materias leccicnadas no Col-
legio da Santissima Trindade sao professadas pela
directora e suas innaas, ou outras senhoras com a
aptidao precisa, e que a directora julgar necessa
na3.
Recife, 30 de dezembro da 1873.
Philomena Vinervina de A. O'Connell Jersey.
Approvo Directoria geral da instruccao pubiica
de Pernambuco, 8 de Janeiro de 1*74.
Joao Bnrbalho Uchoa Cuvalcante.
NORTHERN.
Agua Florida de) Hurray e I-aii-
nwo.
Em virtude das, sen oras serera a-preciost
porcalana de barro hununo par isso mesmo'
ellasleera todo 0 soberano direito a eleiQao del
toda a especie de elagancias luxonsas, que a arte
e.-timulaJa pela galanterta node iuveniar. Entre
todas a* que perteqpera ou fivmram 110 toucador,
nanhuraa hi licadetae finara, a-yaeila a'cima mencionaJa no
altd-dpeie .piiraaraph*.
JPuseuiiido uirvi mimosa e dehcadissima fragran
oia.-soinmarrwnt" 11W a agradavr-l em varl3 Idr
ma*, quer ja como afermesea excelleute mislurada com agua comb meio agra
davel para enxagoar a bocca a alvejar os deotes,
e finalmente como um, axcallente e admiravel
meio curatno,em todiw os casos 4e nervosid ide,
desmaios, vertigeni e ataqaea hy-t-ri :, em si
ella mere^e um noroe na matena medica as- in
como em ccttpar um lagar iudisueusamd sobre o
toucadar.
O qa fra vleo de flgntlo de
liaoitlhfM* f
A raspo-ta Jep-uda da. qiwliaad^do, JW"WI 0
oleo pu"> ii-dicinal de ngado de bacalhao, de
M.6M:000W)IM
roserta. 8,000:000*00<
Aftntes,
JftVJJ* Latham A C.
RUA DA CRUZ JH. 38.
COMPANHIA
Phenix Pernambucana. .
To ma riscos ma ri times em mercadorias.
(retes, dinheiro a risco e finalmente de qual-
juer natureza, em vapores, navios va ela ou
oarca^s, a premios muito modicos.
RUA DO COMMERCK) If. 34.
lafljusio I. (Mirtri k C.
A casa commeroial e bancaria de Augusto
P. d'Oliveira AC, A ran do Commercio us
42, eacarr^ga-se dft-execugio de ordeos
para em barque de proti.rctos e de todos 0-
mais negocios de commissao, quercommer-
ciat-s, quer bancarios.
Deconta lettras, e toraa dinbeiros a pre-
mio, compra oambiaes, e saca a vista e a'
pMzo, A vontade do tomador, sobre as se-
guintes pracas estrangeiras e nacioanes :
Iiomlros. Sobre 0 union bank of
bONDON, 0 LONDON AND UANSEVTIC BANK,
limited, e verias casas de 1.' classe.
Paris. Sobre os banqueiros fould
& C, MAllCUARn ANDRE & C. .6 A. BLVCQITE,
V1GNAL & C.
fflambnrge. Sobre os Srs. joao
SCHU BACK & FILM S.
Usboa. Sobre os Srs. fonsecas,
SANTOS & VUNNA, 6 SEBASTlAO JOSE DE
ABREU.
Porto. Sobre 0 banco uni.\o do porto
o Sr. joaquim pinto ba fonseca.
Para. Sobre o banco commercial
do para, e os Srs. FRANCISCO gacdencio da
COSTA & FILHOS.
Uaraahao. Sobre 0 Sr. jose fer-
REIRA DA SILVA J0NTOR.
Ceara. Sobre os Srs. j. s. de vas-
CONCELLOS 0; SONS.
Halkiu. Sobre os Srs. harinhos & c
Rio .cie J**m-ir. Sobre 0 BAftCO
IMHJSTRJA1 E MERCANTIL, BANCO NACIONAL e
BASQUE BRAS1LIENNE FRANCAISE.
Segirro ceotra-fogo
fffE LIVERPOOL 4 LONDON A GLOt
INSURANCE COMPANY
Agent es
SAUNDERS BROTHERS A C.
11Corpo Sauto11
PKACA DO RECIFE 26 DE JANEIRO
DE 187't.
AS 3 1/t HOHAS DA TARDE.
Cotueies offlclae*.
Algoriio de Macei6 1* sorte (inspeccio de 1873
e 1874) 8A8i;0 por 15 kilos posto a bordo
a frete de 7(8 e 5 OfO, sabbado.
Algodaode Maceio mediano (inspeccao de 1873)
8 J000 por 15 kilos poito a bordo a frete
de 7|8 e 5 0|0.
Assucar de Maceio regular 11980 por 13 kilos
posto a bordo a frete de 40j e 5 0(0.
sabbado.
Assucar mascavado purgado l9!0 por 15
kilos, sabbado.
,iainbio sobre Londres a 90 d/v 26 1(8 d., e do
banco 26 d. por 1*000.
Cambio -sobre Paris avista 370 rs. por franco, do
banco.
Cambio sobre Hamburgo avista 466 rs. 0 franco
por R. M., banco.
Cambio sobre Lisboa e Porto avista lit 0[0 de
premio, banco.
Cambio sobri Lisboa a 90 d|v. 103 0(0 de pre-
mio.
Cambio sobre 0 Porto a 90 djv 107 0(0 de pre-
mio, do banco.
a. de Vasconcellos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
Eoxofre ltO cai-
400 caaas.
A.LFANDEGA.
\aadimeuto do dia 2 a M.
(dam do dia 20 ...
82!:249<3fW
42:0i8,059
863:297^364
COMPANHIA ALL1ANCA
seguros maritimos e terretj-
tres estabetecida na Bahi*
em 15 de j^eiToem 1870
CAPITAL; A JOQ-.0005000.
Toma seguro de rn'ercadorias e-diqbeiro
ice marhimo em Ttario de veb e vapor*
(^ara dentro e f6ra do imperio, assim com-
mntca fogo sobre predios, geoeros e fa
iMwdas.
Agente : Joax|uim^|D8e ua do Commercion\sh,*1fi*na.
GONTftA O FOQO
A compaBblollemrdsador. artabi'ieoidj
8ta pra^.^ea^Cse^ur.jS rneHDjos sobr-
iavn e seu^ djtregflin,rintos' 6 cuotra fugi
m erlifioios, nwcaidiirias e ru^bjBas: nt
rua do Vigario n. 4, pavimento terreo.
Descarregam hoj,i 27 de jaueiro de 1874.
Vapor inglez-fir* Queen mercadorias para al-
fandaga.
Barca franceza Elizavinbo para alfandega.
Uarca inglezaSeraphimmercadurias para al-
fandega.
Patacho hollandez Den Helder (atracado)
mercadorias para alfandega.
Barca ingleza Zulma kerozone para o trapi-
che Conceigao, para despachar.
Barca portugueza Linda -pedras para o fapicho
Conceicao, para despachar.
Barca iugleza Kate carvao ja despachado
para o 5* ponto.
Polaca hespanhola Biagero generos nacionaes
Sar< o caes do Cunha.
landez Geres farinha ji desracha-
da para o 5* ponto.
Vapor nacional Bahia (esperad^) varios ge-
neros nacionaes para o trapiche da com-
panhia.
Iraportacao.
Vapor nacional Mandahu, entrado do Aracaju
em 26 docorrente e consignadi a companhia per-
nambucana de navegacao costeira por vapor, ma-
nifestou :
Algodao 92 saccas a Manoel da S. Rego. Assu-
car 180 saccos a Miguel Jose Alves, 80 a Amorim
Irmaos & C. Arroz de casca 71 saccos a Fran-
cisco Goucaives Torres, 85 e 26 barricas a Manoel
J. de Oliveira.
Couros salgados 66 a Domingos da Silva Torres,
Far-llo de arroz 98 saccos a Francisco Gon;al-
ves Torres.
Milno 47 saccos a Manoel Jose de Oliveira.
Ripas vazias 25 a D. -da Silva Torres. Pannos
de algodao ,00 fardos a Joaquim S. Silva & C.
Oleo do ricmo 80 latas a Francisco Goncalves
Torres.
Hiate nacional Adelino dos Anjos, entrado de
Macau na mesma data e consignado a Jose Joa-
quim da Silva Gomes, manifestou :
Algodao 10 saccas a Caldas & C.
Cera de cam ulba 10 saccos a Sa Leitao Irmaos.
Couros salgados 111 a ordem.
Sal 150 alqueires a ordem.
Vapor inglez Boyne, entrando dos portos da Ea-
ropa em 25 do crrente e consignado a Adamson
Howe St C, manifesteu :
Carga de Lieboa.
Amostras 16 volumes a divorsos. Agua mine-
ral 2 caixae a T. Comber. Aipiate 3 barricas a
L. Ribeiro da Cunha.
Censer vat 7 oaixas ao mesmo.
Impressos 1 volume a Josa Traval Roset.
Livros I caixa a Pe Lailhacar & C, 1 a Wal
(redo & Souza. Lavas 1.caixa a Guimaries (r-
maa (t;C,
Morels A caixa L. Ricairo da Cuaha.
Qu'-ij'is 1 caixa a Jose Fernandes Lima 4 C.
Semeutes 1 caixa a L. Ribeiro da uoiba.
Toucinho iO barrH a B. R. Robllo.
Carga de SaiUhamptoo.
. Branay 12 caixas* D.. P. Wild k C.
Calcado 2 catiad a ifc. MeiU^r A,,I Cha 43 cai
xas a F. Aquino Funceca 4 C., U v Antonio Siqueira,*! a E, T^nim. Chapeos 6 cai-
xas a Phipps.Brothers ('..,. 2 a E. A. Borle & C ,
la Moul-ire Griy,,rio, 1 a ordein. Ditos ,!
sol 1 a M-mdes Lobori C. Ctnratrjs 1 caixa a
ordein. Gmserw i c4xa ai^O. Ferrageru I eaixa a Cardoso 4 Innao c'ilas
paia cUipe#*4 caixa a Adriana C**tra & C
J .ias 2 ..jx*a a A. Hyveroat C, 1 a Leiimaru t
Freres lornaes de mjdasa eaua a -JliUs La-,
thau 4 C.
Liro J eaixaa a E. fenton (St C.
Macbiiiismo 70 eaixas a companbia Poi
eo, Barroca 4 C. Meias 1 caixa a Crawr ?n
C tfevaderies diversas l caixa a llaeUM I
Her 4 C, la Lailfcaear 4 C, 1 a Jaio P.!
nho, l a Alfredo Gibson, liftM. Manias, I a A
Ham. n _,
Objectos para4tthographia I cuxa a F. A-arl
Papal 1 caixa ao mesmo, 1 a wcrataru aa pre-
sidencia, 1 a Recife Drainage Ccaaaayy.
QuMios 65 caixa a IteHrao & Pilfcn, 4-
Ferreira de CanraU*. 50 a Sonxa Baxtae JMT
a ordem, 40 a Lebre & Reis, 3* a Cardan Mar-
tins & C, 32 a A Francisco Corga, 30 a rerun-
des da Cista 4 C_ 28 a Joaquim Ferretr a
Hagilhaes & Irmio, 21 a Joao Jo,e VftMmm
Mendes, 17 a Lima ft Silva, 16 a Luiz Jo-4 a Ca-
ta Amorim 4 <;., ll a loaqmm Jose Leitao 4 C
6 a Jose.Joaquim Alves4 C.
Retogios pacota a M. Halliiy 4 C Relojoaria 1-caixa a A.
Hweroal & C Roupa 2 eaixas a L. G. JrVOaam,
laWS. H*yner.
SanKuesuia4 1 caixa a D. P. Wild 4 C.
Tecidos 64 volumes aos metinos. 31 a B. Jbon-
son 4 C, 25 a Mills Latham & C. il a Rraa Soa
di C, 2 a Keller & ., 2 a Goncalves, lrm*.. & C,
t a.Linden Weidmaa iC, 1 a A. :. da ascon-
cellos, I a Mendes & Azevedo, 1 a E. A. Marie A
, 1 a Goncalves Perreira A C.
Vintio 2 caixas a E. Turpin, 1 a T. Camber, I a
1 barril a H. Oetlli.
Vapor inglez IUimani, entrado de Liaben
e Liverpool na mesma data e con igoada
* Wilson -Uowe AC, manifesto i:
Amostras e mercadorias o)*fersas I to4u-
mes a liriwoer Prey AC, 1 a Piiijips Bro-
tbers A C, 1 a Cattwiro A NcgaMra, i
fllontetro Gregorio A C 1 K. I.eite Roses,
1 aos consignatarios.
Brigue francez Etisa, entraio de Mnrse-
Iha na mesma data e consignado a C. A.
Burle A C, manifestou :
Agua de flor de larenja 12 caixas a
Bartholotmw A C. Alpiste 40 barrkae.
Cimento 100 barricas.
Comiuhos 15 saccos.
Erra-doca 40 saccos.
xas.
Farello 200 sanews.
I rice11so 56 caixas.
Mnna 6 caixas. Masses
Milho 100 saccos.
Papel branco 40 fardos. Dito azul 40.
Dito de parha 100.
Sene 7 caixas. Sal 84,978 kill s.
Vinbo branco 30 pipas, 450 barusde
quinto, 80 de decirao. Dito t.nlo 50f4aes.
8Jdecim. aos consignatarios.
Vapor nacional Penedo, entrado da'Bahia
na mesma data e consegnado a AsHouio
Luiz d'Oliveira Azevedo A C, manifes-
to :
Algodao 26 saccas a P. Carneiro A .,C
i8 a Beltrao A Filho, 18 a M. Jose 44?es.
Assucar at)0 saccos ao mesmo.
Arroz do casca 224 saccos a Francisco
Goncalves Torres.
Charutos 3 caixas a D. AWes Matheus 1 e
4 barricas a ordem. Couros 65 a 0. da
Silva Torres.
Milho 38 saccos a Francisco Conceives
Torres 20 a D. da Silva Torres.
Oleo de ricino 120 latas a ordem.
Saccos vasios 1 fardo a M. Jose" Alves.
Briuge nacional Olinda, entrado de Pay
sandii, na mesma data e consignado a Bal-
tar Oliveira A C, manifestou :
Couros 60.
Xarque 149,422 kilos a ordem.
Patacho inglez Rival, entrado de Terra
Nova em 24 do correnta e cousignadoSaua-
ders Brjthers A C, man festou :
Bacalhao 3,020 barricas aos consignata
rios.
iESPA! HOS DE EXPORTACAO NO DIA 2i DB
JANEIRO DE 1874.
Para os portos do exterior. 4^
No vapor francez Fire Quern, para Liver- "
pool, carregou : T. i.hrbtiansen 2,0"0 saccos com x
15 "-.000 kilos de assucar mascavado: Gi.nearves
Irmao & C. 260 saccas com 19,475 Wan de al-
godao.
- No lugar inglez Zezine, para Liverpool, car-
regou : A Loyo 1,200 saccos com 90,000 kil da
assucar mascavado.
= No navio hespanhol Atmtlphn, para Barce-
lona, carregou : A. Loyo 303 saccas com l,6il
kilos de algodao.
Na g;ilera portugueza Vatco da Garni, para
o Porto, carregou : A. Loyo 100 saccos com 7,50
kilis il' assucar mascavado.
No lugar portugu^z Lima, para S. Mignel,
carregou L. Duprat 22 barricas com 1.733 kilo*
de assucar mascavado ; J. dos Santos e Silva 200
varas para pesca.
No vap.ir franens Vitle de Bahia, para a Rio
da Prat.i, carregou : P. Carneiro & 6 "0 bar-
ricas com 70,010 kilos de iissucar branco ; L. J.
da Silva 420 ditas com 17,532 ditos de dito.
**
Para o RioGrnde da Sal, no brigue nacio-
ml Hmario, carregou : Amiriio IrmS'S 4 u 115
barrica- cun 41,95 kihs de atmaar branco, e 20
ditas c iin 2,2i6 ditos de dito mascava lo.
Para a Bilna. no vanor nacional Bihia, car-
regou : A. Cordeiro 15) com 21 724 Kilos de as-
sucar branco e mascavado.
Para o Para, no patacho americano J. Rose.
carregou : J. C do Reg) Pontes 15 pipas com
7,200 litres de aguardente.
Para o Natal, na bareaca Joao Valle. car-
regou : Adolpho Cordeiro 2 saccos con 15) kilos
de assucar branco, 2 barricas com 219 ditos d--
dito reCnado, e I caita com 12 ditos de MM
CAPATAZ1A DA ALPANDKiiA
R-ndimento d" dia 2 a 24 .
ddm do dia 26
mam
15:440*076
VOLUMES SAH1DOS
So dia 2 a 24.
No dia 26
'nmeira porta.....
>egunda porta.....
rtrceira porta.....
Juaru porta .._....
riapiche Concetgao ...
SERVICO MAR1T1MU
ilvarengas descarregadas no trapich*
alfandega dj dia 2 a 24 .
No dia 26
VaMJs atracados no trap, da allaadaf
Alvarengas........
Vo trapiche Conceicao.....
10,167
258
39
257
581
41 198
99
RSCEBEDORU DM RENDAS INTe-
RABS DE PERNAMBLV
lendimento do dia 2 a 24.
dem do dia 26 ....
t
%
m
as'gT
31 022*736
2:613*491
G3M*t4T
CONSCLADO PROVING**..
eodimento do dia 2 a 24.
..lira ao dia 26
RECIFE DRALNAGE.
iondimento do dia I a 24. .
dem do dia 28......
J5i 0^6*5J7
3.807 .VA
mmkWft
267*639
5IMW
- Jtnillt

Navios enXra&nt no 26.
Rio de Janeiro 42 iin, Mf**in|t* "wm It

D


Pernambuco Ter^a feira 27 de Janeiro do 1874.

**, d228 toaefadas, caaatM G. Le *ay,
aipagera 9. era>lastro ; a laaustoe Pater
AC
Si* 4e Janeiro-lMias, brigue iaglez OKoa-
rikard, da 260 <6aeladaa, capitao Le .JBreoa,
l mwipatein 14, ea lastro ; a ordoaa.
ATauMW-soAi/ iJiMiPaHubow nacional Oiiwta, ay(titfl^an
ciaeo RaymundixJe Carvalho, carg* aisrac e
mats generas.
Posto* do siHVapor inglei Dour*, comanaadante
Showaits. carga parte da qua (wb to*asr;os
da Europa
EDiTAES.
A camara -municipal desU eirtade patHear oa arligos de posturas, abafcca trans
eriptos:
Art 70.-*Fica prohibido neste muiHcipio o brin-
qnedo de enlrudo cam agua ou qualqaer -outra
sQbstancia, de qualquer maneira qoe seempre-
goe os -infractoras pagario a muita de-15* e
selfrerao ailo dias do prisao.
- Art. 7!.-*1ca-pMkibida a venda delioiasde
cheiro : os^nfractoras alem de as perderam, pa
garao 44 de muita.
fttco da eanura municipal do Recife, 17 de
Janeiro de 1871.
Manoel J. do Rego e Albuquerque
*-*-. Presidents
Pedro de Albuquerque Autr*n
Secretario.
at

I
Do ordain de Mm. Sr. inspector desta the-
sooraria se faz pablico que peraute a junta de
'zzaoda, tem -de -ir a-praga no dim 18 da raez de
:'erereiro vindouru afactura dos concertos do eaes
do Forte do Mattos, avaliados em lo:328*:03 ;
pelo que sao con vi dados os que se propozerem a
fazer os duos concertos a comparecerem is 12
boras da manna do indi ado dii com suas prcpos-
etladas,
I cartas fechadas-e competontemenle se
dadarando o ultimo-pre50 pur qoe se oOerecerri
faxe-los ; podeado desde ja examinaro respectivo
orcamento, que se aclia patente nesta secretaria.
Secretaria da -tbesouraiia de fazeoda de
Pernambuco, 23.de. Janeiro de 1874.
0 2* escripiiuarJo, servindo de secretario
Carlos i. de Soi.za Correia.
O Illm. Sr. inspector da thesouraria proaJn
rial em observancia de ordem da presidencia da
provicia de id do msi oorrente, manda fazer pu-
blico, qne peranie a junta da mesma repartioao
serao levados a venda ao*dia o de (evereiro proxi-
mo vindouro, os objectos constantes da relacAo
abaixo, dados em consarao pelo corpo de policia,
em cajo quarlel se acham e podem ser examioa-
Joa por quem oa pretender.
Secretaria da tbesonraria provincial de Pernam-
buco, 22 de Janeiro 4e 4874.
.Victorino J. M. Palhares,
Offlcial-.nainr interino.
Relacao a qae se refere 0 edilal snppra.
1 cama de ferro.
1 cofre de dito.
2 caldeiroes grandes de dito.
1 gancno de ferro para lanspeao.
4jarras oe madeira.
2 mesas grandes de dita.
60 pes de ferro para barrae de ditas.
Diversos pedacos de taboas Ae differentes qua-
tidades.
i cofre de madeira.
2 encerados grandes.
_______ V. Palhares.________
O Dr. Sebastiao do Rego Barros de Laterda,
juiz de direito speciaLdo commercio nes-
ta cidade do Recife de Pernambuco, por
S. M. 0 Imperador, a quern Deus guarde,
etc.
Fago saber aos que 0 presente edital virem
ou delle noticia tivertm, que pelo adminis-
tradorda massa fa 1 Li J a de Duarte i& Medeiros
-me foi apresentada a stguinte classilicacjio
dos creditos da dita rnassa :
Credor privilegiado Francisco Ribeiro
Pinto Guimaraes 4185309.
Credores simples Manoel Teixeira Bas-
tos 2:911^673, Mb'm4l Eapirito Santo....
l:500$0t 0, Bernardino d'Azcvedo P. Maia
^23W)00, Manoel da Silvo Pontes.......
Jl^lOOO, Carvalho Zenha &.C. 395? 00,
Arantes & Lyra 2165JUOO, Jos6 Fortunato
^os Santos Purlo 1G922-20, Paulino llodri-
^ues Fernandes Chaves 7:8u0000, Jose
Candido do Moraes 9905000.
-Credores simples, cujas contas nao coiife-
ren com os livros Bernardino da SiLva
Costa Canipos.pela conta 1:300^000, pelo
liwo 1995870, Joao Carlos Bastos de 01:-
veira, pela conta 811517'', pi-lo livto.....
568R485, Bastes & C, pela,conta 5105580,
pelo livro 5015a80, Joao Christiana dt lr-
mio, pela conta 1025000, ptlo livro.. ..
729000, ]Juarte Ptreira & C., pela conta
90JP550, pelo livro 875000.
Credores por contas que se acham juntas
aos autos, mas que nao constant da esceip-
toracao Gomes silva & C. 2>2530o, Ma-
noel Jose Aguiar d C. 1145520, Sil*a Car-
valhoA C.,l:05l500", Antonio Jose da Costa
e Silva 745000, Jose Cardoso Ayres 575880.
Credores simples, que nao apreseotaram
suas contas Marcos d'Almeida Lima....
47O5000, Ley Sobriulio & C, 51G5190.
Alfredo & C. 8.05000, Joao Jose Fernandes
de Carvalho 5tiP2G0, Theotonio Felix de
Mello 1:5085520, Antonio Guimaraes 1075000, Jardim &C. 2225300,
Moreira & Duarte 3:4895000, Gregorio Paes
do Amaral 180508^). Jose Joaquim da Costa
Maia 1235700, Manoel Alves Barbosa____
405980, Manoel Antonio Vieira 125-3820.
Samuel lower Johnston & C. 2115800,
Jose Muniz de Almeida 3275980, Fugenio
filun 1505 00, Antonio II. Rodriguez....
4S4504O, Jose Duarte das Heves 205000,'
Isidoro Bflstos de Oliveira 705000, Almeida
Borges & C. 4395450, Olympio Gongalves
Rosas +025180, Melio FilboA C. 4625o00,
Manoel Feliciano do Nascimento 2375 <45,
Duarte Pereira & C. 875000. Cardoso Ir-
mao (<]. 365-200, Carlos Starr 2:5305000,
barao do Campo Verde 4:5835000, barao
de Nazareth 2:6545625, barao de Bemfica
4:4405000.
E por este este edital sao cilados os refe-
feridos credores para dentro de 5 dias, con-
-tados da publiea^ao do mesoio, dizerem
sobre a dita dassificagio dos creditos.
para que cfeegue ao conhecimento de
todos, mandei passar 0 presente edilal, que
serA aflixado nos lugares do costume e pu-
-Wicado pelos jornaes.
Dado e passado oesla cidade do Recife de
Pernambuco, aos ; 4 dias do mez de Janei-
ro de 1874.
Eu, Manoel Maria Redrigues do Nasci-
mento, escrivao, o subscrevi.
Sebastiao do Rego Barros de Lacerda
muita, todos os qoe forest pagos depafa 4e
os referidos trinu dias.
Consaftdo' provincial de Pernanbnoa, S4e |-
nairoe*874.
O adaiaisirador,
______ AnlOHie Caimeiro Machait Koe
SAJSTA CASA DA MISER1CORCU BO
RfiGIFE.
A Rlraa. junta administrativa da saata eaaa da
Vhsericoniift do Recife, manda fazerwAlico qne
oa sala de -suas seasSes, no dia 22 de jaaoiro
pelas 3 haras da tarde, tem de ser arromatadas a
quem mais vantagens otlorecer, pelo tempo de urn
a tn-s aaaes, as reodas dos precios em seguida
leclarados.
BSTABEI-EGIMKOTOS DB CAROAK
- Padre Soriano.
Casi terrea 47......se-lii'OO
1 Rna: de Hortas
Loja do sobrado.fi. ii.....ti:.'i000
Iravessa de S. Jose.
Casaterreaa.ll. ..--... IfljOOO
PABR1MOIHO DOS ORPHAOfi.
flu* da'Seozalla relha,
Casa terrea n. 16.......*09J000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18 ....... 4*1*000
RuadaCnu
Sobrado 14 (leohada).....1:400*090
Rao do Pilar.
Casa terree a. 98......241*000
Casa tereea a. 98........240*000
Idem n. 102........241*000
Rna da Moeda.
Armazem n. 37 (fecbado)
flua Velha.
606*000
430*000
361*000
240*000
|2lO*000
800*006
Casa terea u. 44(fecbada<
Rua -das Larangen-as.
Casa terrea n. 17......
Ruade Burgos.
Armazem n. 13 Rua da Hortas.
Casa terrea d. 116 e
Parnameirim.
iStio (desocupadu):0 0 0..
Os pretendentes deverao apresentar no aeto da
irrernatagao as suas :13ancas, ou comparecerem
icompaabados dos respectivos fladores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim.como 0 servica 4a lim-
peza e precos dos apparetbos.
Secretaria da santt casa da misericordia do Re
;ife, 2 de Janeiro de t8U3.
0 escrivao
____________Pedro Bodrigues de Sauza,_____
Santa.Casa dm Misericordia da
Reeife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise
ricordia do Recife, precisaado fazer os concertos
de que necessita 0 predio que possue 0 patrimo-
nio dos orpbaos, a rua da Cruz, hoje do-Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha. a rea-
lisar ditos concertos, medianle certa renda e.al-
guns annos de prazo para desfructar; devendo
os qne disso se qnizerem encarregar, apresentar
snas propostas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanbadas do respectivo orcameuto
nesta secretaria ate 0 dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
0 SR. UMMfiSS F^l BQ SfftlO
5.' Para-poder ttuafmat a-moitoa pedidos su-
bira a sceaa a muita inuuslasmada comedia em 1
aeto, ornaaa -de canto daosa :
Paulo e Viiginia.
N. R.-A beneficiada Ira aos caroarotes agra-
decer aos seas favorecedore*.
0 especiaoulo sera honrade com a presen^a do
Exm. pn aideate da provinoia.
Frincipiafi as 8 lit haras.
Havera tmn depois do-c*p ctaaulo.
COMPAIBHA PERNAMBUCANA
DE
IVrnvefatfrnm eoateirm 1
MACRie, ESCALAS E KlfWO.
0 Taper tquia, corn-
maadaate Martins,
seguira para os por-
tos actma no dia 29
*> oorrente, as 5 bo-
ras-da Urde.
Reeebe carga at6 0 dia 29 do-corrente, encom-
niendas ate o dia 30, pasjagens- e dinheiro a frele
lite as 2 horas da tarde do dia -da sabida : es-
criptorio no Pwrta do Mattos 0. .12.
AS IlffCAS iKDIHITTIDiS
'NiA
Exposi^ao-de Vienna
TODA AS N01TES
De 6 horas 4s 9 4r>.
Entrada 9M rs., as criancai nada tem a p gar
mum
SANTO ANTONIO
Quarta-feira 28 do corjnte.
AS 8 If* BORAS DA NOUTET
Deflnitivaineule .ultima I'unc-
co de ven4rUoa|uism
pretidi*j;iiwcato.
Insiiiiiio Archeoli'gieo p lieogra-
phico Pernambucano.
Tendo o Instituto Archeologico e Geogra-
pbico Pernambucano de celebrar o 12." an-
niversario da sua fundagao e o 220. da res-
taura^So de Pernambuco no dia 27 do cor-
relate Janeiro, pela 1 hora da tarde, no sa-
lao da bibliotheca publica provincial, no
convento do Nossa Senhora do Carrao, sao
convidados para semelhante effeito em as-
sembler geral todos os socios que se acha-
rein no Recife,effectivos, honorarios e
correspondentes.
Nao conhecendo o Instituto a sede das
differentes associagOes populares, lhterarias,
artisticas e de beneficencia que existem nes
ta cidade, tem a honra de convidar pelo
presente edital a cada utna de taes associa-
tes a assistir A solemnidade do dia 27, ou
a fazcr-se ahi representar. E para conheci-
mento das eorporacoes ou pessoas que tive-
rem de oruar a sessao com a sua palavra
autnrisada, aqui se transcreve a ul.ima parte
do art. 28 do regimento do Instituto :
Se na sala existem socios ou pessoas
outras quedesejam ler algumas memorias
inmressantes, participam-no ao secretario
pt-rpctuo, para este prevenir o presidente,
o qual da a palavra aos autores das me-
morias ; a leiturade cada uma das quaes
nao p6do esteuder-se alem de meia hora.
a Porem nenhuma memoria ou trabalho
,ii6do ser apresentado e lido em sessao pu-
tt i'lica, sem que antes seja submettido a
uma commissao oe exame para isso no-
meada, a qual tem voto decisivo sobre a
cooveniencia ou iuconveniencia da lei-
tura.
Secretaria 1874.
I. Sharks d'Azevedo.
^_______Secretario perpetuo.
Tribunal. do Conamercio de
Pernambuco.
Na data infra e por despacha do meretissimo
tribunal foi admillido a matricuia a firma social
Harismendy a Labille. composta do Augu*to Ha-
risraendy e Augasto Labdle, aquelle de 47 annos
de idide, e este de 34 annos, comroercianilo a
groseo nesta praca, onde e estabelecida.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuc.-, 24 de Janeiro de 1874.
0 official maior,
Julio Guimaraes.
PBOG1
if .paite,
!. Ouvertnra.
2* Agua, tinta e crystaes.
3.* 0 poder de uma magica.
4.* Visto e nao vino.
'). A linda sorte A gallinba invisivel.
Intervallo de ia minutos.
2.a parte.
1. Ouvertura.
2.* Uaravilhosa experiencia-sorprendente.
3.* A caixa militar magica.
4.* Os grandes pbilosophos enganados.
5.* 0 qne fazem os pobres qnando -teem fome.
Intervabo de 15 minutos.
3. parte.
Onvertura.
Novas scenas de ^olrjtoqoismo
Quatro differentes vozes.
0 eelebre Cariinhos
Combinado com o
Joilxinlio.
Figuras inanimadas, mas ijue conversaei uma
com outra, executando mesmo toda classe de
passaros, aves, animae- e mnsicas organophonicas.
Intervallo de 15 minutos.
4.* parte.
1.* Ouvertura.
2." Aeree patetismo oscillanteedifflceis e.iuili-
brios.
Precos do costume.
Principiara As 8 1|2 horas
THEATRO
leal ouipauliia de paquetes in-
glezes a vapor.
Ne dia 20 Ao corrente, espera-se dos portos do
sul o vapor ioglez Boyn. commandante F. Reeks,
o qual depois da demora do costume seguira para
Southampton, tacando nos portos de S. Vicente e
L is boa.
Para frete, passagens, etc., trata-se na agenda
roa do Commercio n 40.
0
da carreira da Bahia segue para
esse porto logo que tenha com
pie to seu carregamento : trata-se
com o capitao Custodio Jose
Vianna, on a rua do Amorim a.
37, com Tasso Irmaos 4 C
Para Listoa.
0 brigue portuguez Damiao, capitao Pedro Mar-
tins Branco ; para cargs e passageiros trau-se
com Silva Guimaraes & C, praca do Corpo San-
to n. 6, segondo andar ou com o capitao.
0
Rio-Grande do SuL
Sahira em poncos dias a barca nacional Mimo-
sa, e reeebe carga a frete : a tratar com Baltbar,
Oliveira <& C, a rua do Vigario n. 1, primeiro
andar.
Lisboa
Para o referido porto pretecde seguir com pouca
demora o brigue poitugaez Ltgeiro 111, de i
classe, capitao Nobre, por ter a maior parte de
sen carregamento engajado, e para o resto que ihe
falta trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filho, a roa do Commercio
a. 5.
da, massica, obra de goato, fignras da porcaUna e
vasos para flores, 1 esoetbo oval, grandee donra-
do, quadros, eUgers le parede, 2 seapantlnas de
crystal, globes, tapetes de porta eo!a, tapetes
para forro das salas, taa^as e cortmados, J.almo-
Unia cama franceta de jacarandi, 1 lavatorio, 1
guarda-vestidos, 1 guarda-ruupa com espelbo, 2
commodas, 2 cabides-e 1 mesa de cama.
Uma mesa para eserever, 1 cartcira, secretaria,
I cadeira com parafuso, 1 prensa de copiar car-
tas, diversos quadros, i cofre de ferro-e 1 ma-
cfcina de cestura.
Uma mesa elastica, 1 guards-louva, 2 aparado
res, I fa, 12 cadeua^ 1 relogio de parede, 2
eousolos, 1 mesa com abas, 1 lavatoriq, 1 appare-
Uio para janta-, 1 dRo para cba, i ditode ekc-
iro-plate, I Borta-JieSr, cr.pos, calices, garrafas
cotnpoteiras de lino cry-taJ.aurqura.vncsas, ca-
deiras e outros objectos.de casa le f^mUia.
Uma caixa com terramenta, I granite bacia de
oobre, 4 tacho, 1 viado manso, marnecas do ser-
tio, rulas e canatios.
Cm faqueiro de prala, 1 diceinnario de Moraes
e outros livros.
C mais um rico saniuario de jacaranda.
Hoje
No sobrado da roa da Santa Cruz n. 10.
Joao Lniz Ferreira Ribeiro, tendo de fazer uma
viagem a Europa, fara leilao, por interven^ao do
agente Pinto, dos moveis e mais objectos acima
mencionados, existeotes em casa de sua residen-
cia, a rua de Santa Cruz n. 10, onde se effectua-
ra o leilao.
Principiara as 10 1|2 boras em ponta, por se-
rem miutos e differentes os lotes.
s

i
0 relojoejro e dbarador
Amino Baptrsta da Rocba,
da volta da Eorrpa, contt-
nda a encarregar se de
concertar e donrar relo-
gio*, bem eooo ontros
otijectos ; rogando a sens
.imig-'s e frfgnezea o ob-
s
=>
33 cascos com azeite de baleia
QUARTA-FEIRA 28 DOCORRENTE.
AS 11 HORAS DA MASH.A.
So trapiche do Exm. barao do Livramento.
0 agente Dias, com autorisacao do Illm. Sr.
consul de S. M. Britannica. e assistencia do mes-
mo, precedidas tadas as tormalidades da lei, ven-
dera por conta e risco de qnem pertencer, o azei
te acima menclonado, vindo pelo patacho ingle .
Industry, ultimamente entrado neste
virtude de forca maior.
porto, em
LEILAO
Pagawenli) de ilividciido
Paga se o i0. diwdendo das accoes do
Banco do Brasil, inscriptas na extincta cai-
xa filial desta provincia, & razdo de 8J?000
por acoao : drua do Vigario n. 1.
Recife, 22 de Janeiro de 1874.
DECLARACOES.
Banco Commercial de
Pernambuco.
O banco paga o segondo dividendo na
razAo-de 8 */ ao anno ou .29400 por accfio,
relativo ao sentestre findo em 31 de dezem-
bro Conaulado provinelail
ftsa mesa do con>ulado provmeia), se faz pu
wieoqueao dia 12 do eorrente, se priocipiam a
caatar os 30 dias ntejs, marcatos para a arreca-
aacao, independente de muita, dos diversos im-
-yaitos, eobrados por lancamento, pertencentes so
asao flnauceiri) ie 1873 a 1874, ficando sujeitos a
[adeuinisiidora.
Convidamos os Srs. accionistas da Companhia
Indemmsad ra, a recnirem-se em assemblea ge-
ral, que devera ler lugar no escriptorio Ja mes-
ma companhia aa meio dia de 29 do corrente,
nao so para lhe serem apresentadas as contas
das operacSes realisadas no anno proximo findo,
como tamDem resolver-se sobre a prorogacao da
so'Sedade.,
jBeeife, 26 de Janeiro ue 1874.
Os diectores,
Joao da Silva Regadas,
Antonio Jo.-e Leal Reis.
Francisco Ferreira Halttr.
If
EMPREZA
Sexta-feira 30 do corrente.
ESTREl
da primeira actriz D. Isabel Maria Candida o dos
artistas Augusta Cesar e D. Dorothea Maria Can-
dida.
Subira a scena, pela primeira vez neste iheatro,
o drama historico portuguez em 3 actos, do eru-
dito viscon e
d'Almeida Garret:
FREl 111/ m; SOIZ\
Per.'onagens. Adores.
Frei Luiz de Souza Augusta.
D. Magdalena de Viihena D. Isabel.
D. Maria de Noronba D. DuruuVa.
Frei Jorge Coutinho Correa.
0 romeiro Flavio.
Telmo Paes Penante.
O prior di- Bemfica Barros.
0 irmao converso Vicente.
Miranda Airoza.
0 arcebispo de Li.'boa N. N.
Frades, criados, etc.
A scena passa-se em Almada.
No dia do espectaculoannunciar-se-ba a come-
dia. ^
Principiara as 8 1,2.
Esla em scena para eslrearem os artistas !
galan o Sr. Eduardo Alvares da Silva e D. Virgi-
nia ae Harr. s, na qualidade de dama-galan dra-
ma em S actos :
1HEREZA
do grande escriplor francez
Alexandre Dumas.
t m&imm.
COMPAMIIA BAHIAHA
DE
P\Q\]1STES X \iVPOK
LIMITADA
Maceid, Penedo, Aracaju
e Bahia.
Segue viagem para os portos do sul Je sua es-
eala, no dia 28 do corrente, as 5 horas da tarde.
Reeebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a trete.
AGENTES
Antonio ban de Oliveira Azevedo & C
57-Rua do Born Jesus-57
Para
Para o referido porto segue com brevidade a
barca portugueza Linda por ter a maior parte de
seu carregamento engajado ; e para o resto que
Ihe falta, trata-se com os consignatarios Joaquim
Jose Goncalves Beltrao & Filho, a rua do Commer-
cio n. K
COMPANHIA PERNAMBUCAM
ftlavegaeao eosteira a vapor.
MAMANGUAPE.
0 vapor Coruripe,
commandante Santos,
seguira para o por-
to acima no dia 28 do
eorrente, as 5 horas
da tarde.
carga, cneommendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
sabida : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
COMPANHIA BRASILEIRA
DE
NAVEGACAOAVAPOR
Portos do sul.
Commandante o capitao tenente A.
Teixeira.
E' esperadc Jos portos do norte ate" 28 do cor-
rente e seguira para os do sul depois da demora do
costume.
Para carga, encommendas, valores, passageiros
a mais informac5es, dirijam-se a rua do Vigario
a. 7, escriptorio de
Pereira Vianna 4 C.
Agentes.
DA
muito acreditada e afregnezada taverna, sita a
rua Imperial n. 105.
Quarta-feira 99 do corrente
A's 11 horas c a nun ha
0 preposio do agente Pestana, competentemen-
te autorisado pelos credores da dita taverna, fara
leilao por conta e risco de quem pertencer, dos
generos e mais utensilios pertencentes a mesma,
achando-se a chave desembaracada de qnalquer
onus.
Grande e importante
leilao
DE
Iouca, vidros, ouro, prata, miudezas e chapeos de
diversas qualiuades
Quarta-feira 2tt A's II horas.
na agencia de leiloes
ARIA DO VIGARIO THENORIO >'. 11,
ARMAZEM.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, dos objectos
abaixo declarado<:
Uma rica mobilia de jacaranda, com tampos de
pedra, a Luiz XV, 1 dita de junco com tampos de
pedra, 1 dita de amarello a Luiz XV, 1 elegante
guarda-vestidos, 1 rica costureira de mogno, 1 ri-
co guarda-roupa, 2 bidets de mogno com pedra,
diversas camas para casal, de mogno, amarello e
Goncalo Alves, ricos espelhos, 2 ricos toilettes de
mogno, com pedra, duzias de cadeiras avulsas, 2
grandes carteiras, ricas cacoleMas de ouro e aniks,
botdes de punho, pares de brinco tambem de ou-
ro, e anneis com brilhantinas, 13 molhos de junco
para empalhar, diversas bolas de bilhar, e mui-
tos outros objectos que se torna enfadunho enu-
mera-lo?, sendo tudo vendido ao correr do mar-
tello, como aconteceu no leilio pas-ado
QUARTA-FEIRA 28 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto
_______no armazem da rua do Vigario.
mm
Reeebe
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
PAW
I. In ha quinzenal
0 PAQUETE
i1
SANTO ANTONIO.
Recita extraordinaria.
Terea feira do eorrente.
Erp betiaficio da sympatica e intelligente
menina Julia Riosa.
Programma.
1 *Symphoma pela orchestra.
2.'- Grande dueto de duas tiples da opera hes-
panhola Domino a/.ul
3.* A linda e engracada comedia em um aetc
ornada de canto e danca, intitulada:
Uiua erlada impa^avel.
4.*-A' pedido, a scana comica em qne tanto se
disjin^ue a menina Julia:
jspera-se dos portos do sul ate o dia 30 do
sorrente, e depois da demora do costume, seguira
sara Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
reebera passageiros, encommendas e carga a frete,
OS AGENTES
Wilson Howe C.
14RUA DO COliMEBClO14
COMPANHIA PERNAMBUCANA
OB
lUavegaeae costeira a vapor,
URAHYBA, NATAL, UXCkO, MOSSORO', XIUCX-
TY, CF.ARA, MANDAHU B ACARACD*.
0 vapor Ipojuca,
commandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 31
do corrente. as 8
horas da tarde.
Reeebe carga ate o dia 29 do corrente, encom-
uendas ate o dia 30, passageiros e dinheiro a fre-
te ate is J horas da tarde do dia da ?abida :
esoriptorio no Forte da Mattos n, I},
PRDGfiESSQ MARITIMO 00 PORTO
Empreza portuense de navega-
cao a vapor eutre Portusal e
Brasil.
0 vapor
ALMEIDA GARRET
Commandante Tomasini
Egperado dos portos do sul ate o dia 29, e de-
pois da indispensavel demora neste porto, segui-
ra para Lisboa e Porto com escala por S. Vi-
cente.
Para passagens e fretes de earga, encommendas
a valores, tratam-se com oa
AGEJiTES
K. B. Rabello ft C.
48=Roa do Coramercio=i8
MajfH^iwgggB__ -m'wi^i^sBgaBgio
LEILOES.
e Caxias (aniiga roa da Cruzt-x)' n. 32, pa-
vimento terre*. qneoenconrrapaopromp-
M to. A garantia de sens trabaflVs e fa-
ze-los por precos modicos ; asshn como
tambem v< nde relfgios.
Alnga-se nma escrava para todo servico :
aa rua ila Gloria n. t\6.
Das 7 ale J t ,ras da uoite do dia 18 do cur-
rente fnrtaram de dentro de um- quarto ajoa fica
por baixe da torre da eapella da Conoeicao de Joao
de Barros, uma caixa de lonro em quo acbava ^e
os objectos seguintes : I60 *m dinheiro, duos
letras de 100i cada uma. aceitaapelo Sr. Deoniwo
Ihl.irio Lcpes, dons cordoes de ouro,xasaca, calca
e collele de panno pre to. .tres fronbas trea to*
I has : quem apprebender, ou quem liver notio.a
onde existe este furto, dirija-se ao sitio da eapella
referida, a entender-se com Antonut Joao
que sera recompensado.
Alves,
Da se 2:0001000 sobre hvpotheca : oa rna
Nova a. 13, I.* andar.
Victorino d'Almeida Rabello, teado retirado-
se para a corle, e pela sua rapida viagem, de:-
xou de despedir se de sens amigoa aos quaes pe-
de descnlpa, e ofterece sens poncos prestimos
naquella cfirte.
Recife, 26 de Janeiro de 1874.
canarios hamburguezes
para liquidacao
em lotes, a vtnlade dos com
pracloies
QU-NTA-FEIRA 29 DO CORRENTE
No armazem da
FEIRA SE VI \NAL
16--Rua do hftptndoMf
pelo agente Martins.
LEILAO
LMLl
DE
farinhas de trigo, bolachas, utensilios de padaria,
moveis a rcaii pertencas da padaria da rna es-
treita do Hosario o. ..
0 agente Martins fara leilao, a requerimento dos
enradores fiscaes da massa failida de Bernardino
Pinto Coelho, e por mandado do illm. Sr. Dr jniz
especial do commercio, dos utensilios, farinhas,
massas, bolachas e mais pertencas da padaria e
depositos pertencentes A mesma massa, a rna es-
treita do Rosario n. f A e tl.
A's 11 horas do dia acima
DE
u.,i bom predio dedoui amia-
res egranide sotao
sito a rua Je Comas Valentina n. Oi
Quarta-feira 4 de fevereiro
Am II boras
Na rua do Marquez de Olinda n. 37, primeiro an-
dar, escriptorio do agente Dias
que competentemente autorisado, vendera em lei-
lao ne dia e hora acima designados, o predio em
chaos proprios, reediQcado ainda nao ha muito, e
ccm grandes accommodates em qualquer dos an-
dares, alem disso duas lojas e um grande sotao
com duas salas e tres quartos, e com magnitica
vista. Este predio possue nma boa escada de vol-
ta que se estende do pavimento terreo ao sotao,
de modo que ate este pode ser alugado indepen-
dente.
Os Srs, pretendentes podem desde ja examinar
o referido predio, dirigindo-se ao segundo andar
do mesmo, onde a lamina que ahi reside facilita-
ra o exame.
Aos Srs proprietaries se offerece occasiao de
possuir um predio que da optitia renda, e que se
vende somente em consequencia de ter n seu do-
no transferido sua resideneia para a Europa.
Para qualquer informacio podem dirigir se ao
escriptorio da agencia, rna do Marquez de Olinda
n. .37, primeiro andar, onde se effectuara o referi-
do leilao.
Fugio do abaixo assignado. o escravo, cabra,
de nome Ignacio, enjo escravo lhe coube por be-
ranca de seu finado sogro Bento dos Santos Ra-
mos, e eomo seja do rertio julga-se que para la-
se dirigisse, e desconna se ter tornado a estrada
de Pao-d'Alho, os sigaaes sao os seguintes : es-
tatura regular, cabello rente, sem barba, cara ba-
xigosa levou diversas pecas de roupa para mu-
dar, entre ellas ramisas bordadas e um jaqueu >
branco : quem o pegar pode trazelo a rua da
Gloria, hoje Visconde de Albuquerque n. 85, que
sera recompensado.
Antonio Francisco das Chagas.
NDRTIKNTO
MEDICINA
Preparado- \h.t
Lanman d Kemd
para thtiiaca
toda a qualidade
de doencas, quer-
seja na garganta,
peito ou bofes.
Expressamente
escolnidodosme-
Ihoresfigadosdos
quaes se extrate
o oleo no banco
da Terra 7to\ a
purificado chimi-
calmente, e su;.s
valuaveispropri-
edades conserva-
das corn todo '>
cuidado, emtodo
o frasco se garan-
teperfeitamen-
te puro.
Este oleo tem
sido subroettido
a um exame mui-
to severo, pelo
chimico de ma^s
talcuto, do gc-
verno hespanb I
em Cuba e foi
pronunciado rr
elle a conter
MAIOR PORCAO D'lODINA
lo que outro qualquer oleo, que elle lem
examinado
IODLNO E I'M PODER SALVADOR.
Em todo o oleo de figado de baralbAo, e i.a-
quello no qual contem a maior porr;Ao desta
invaluavel propriedade, e o unico meio f>a:a
curar todas as d eo^as de
GARGANTA, PEITO. BOFES, FIGADO.
1'htjsica, brouebisies, asthma, catharrh;'.
tosse, resfriamentos, etc.
Una poucos fiascos da c;-rnes ao mtuij
magro que seja, clarea a vista, e da" vigor
a todo corpo. Nenhum outro artigo co-
nhecido na medicina ou sciencia, di tanti
tiutimento ao system a e inrommodandoqnasi
nada o estomago.
As pessoas cuja orgamsar^So tem sido dcc.
truida pelas affeccoes ilas
ESCROFULAS OC RHELMATISMO
B todas aquella?. cuja digestao sc acba com-
plctamentedesarranjada, devem toinar
0 OLEO DE FIGADO DE BACALHAO
DE
LAITHAM & KF.MP
PERFUME
%&
??:*
eelebre
agua
DE
Florida
AVISOS OVERSOS
LKIIAO
DE
lonca, crysues, livros, objecto de electro-plate,
prata do Porto, vinbos, passaros e aves do ser-
A SABER:
Um magniflco piano forte, 1 racbilia de jacarao-
(USA DA FORTPA.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARA1VTID0S.
4' rua Primetro de Marfo (outr'ora rua d*
Crespo) n. 23 e catas do costume.
Acbam-se a venda os fellies bilhetes garantidw
la J* parte das loterias a beneficio da matriz
de Salgneiro (85a), que se extraoira na sexta-fei-
ra, 30 do corrente met
PRECOS
Bilhete inteiro 44000
Meio bil bete 2*000
IM POftClO DB 100?0fi0 PARA CIHA.
Bilhete inteiro 3*500
Meto bilhete 1*750
manoel Martin* Fhaa.
HURRAY ft LAYUVV
Uma pura ilistillacdo das mais raras flv-
rt-s dos tropicos. Contem, para assim o>
zer, quasi o oddr odorifero das flores do
tropico da America, e sua fragaucia 6 quas
luexhausta ainda mesmo por continued*
o/aporacAo e diiTusao. N'este respeito e
i icomparavel a qualquer outro perfume
>|ne ha de venda para :
DESMAIOS, ATAQUES NERVOSOS, DOR
DE CABECA, DEBILIDADE E
HYSTERICOS.
E um certo e ligeiro aliivio. Com o bom
,>n, tem conservado sua influencia para
eima de vinte e cinco annos sobre todos os
ierfumes, nas Indias Occidentaes, Cuba,
.dexico, America Central, e do Sul e nos
o>m toda a coniianc.a o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
ticado, riqueza de odor e permanencia, nio
pode ser igualado. Tambem faz remover
da pelle:
ASPEREZAS, EMPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDAS E BORRULHAS.
Sendo reduzida com agua, se torna uma
excellente mistura para banhar a pelle,
dando um aroseado e cdr clara a complei-
(Ao nublada, sendo applicada depois} de
barbear, evita a irritacAo que geralmeote
occorre, assim como tambem garganteandc-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
Ihora a condi^ie dos dentes e gengivas.
Como ha muitas imitaodes,- as quaes nAo
possuem nenhumas d'estas propriedades',
deve-se tomar cuidado e contar somente
o famoso perfume o cosmetico do sul da
America, cbam
[
/
i
J


.ji&no
de Peraambueo
ivl
^
feira 27 de Janeiro de 1674.
Prederico Pinto & C, com
Ion df fazendag e roupa felt
a iWde ^Marqiiez d'OHmfe
a. 40, pedem a todo& o, sens
devedores o obzequio de vi-
rem saldar suas contas ate o
dia 30 do corrente mez, cer-
tos de que, findo este prazo,
empregarao os meios judi-
ciaes para seu real embolso.
Recife, 16 de Janeiro de
1874.
B
CONSULTORK)
M
DR. FERREIRA
Medico operador, a rua larga do Ro-
sarwn. 90,
Antigo gabinete de sea pai.
Qnn de bydroceles sera injeccao.
Abertura de abcessos extraccao
de derramamentos serosos pelo aspi-
rator de Potain.
Consult de 7 boras da manhl ao
mew dia
. Cbamados a qualquer hora.
Gratis aos pobres.
S8S2SS3
~GONSOLTORK) MEDICO CIRURGI
do S
Dr. Castro Jesus. W
ua do Qaartel de Policia n. 18, i* andar.gf
Cbamados a qualquer bora da noite ouw
do dia.
Consuitas gratis aos pobres, das 7 as 9
boras do dia.


#
CoDsuItorio medico-cirargico ffi
A. B. da Silva Maia.
Rua do Visconde de Albuquerque n.
11, ootr'ora ma da matrix da Boa-Vista
n. 11.
Chamados : a quaiqner bora.
Consuitas : Aos p< feres gratis, das 2 as
4 boras da tarde.
rSiX500a3C!iQOO^iSSSS
Consullorio medico
DO
Dr. Marillo.
RUA DA CRUZ N. 26,1* ANDAR. fif
Reeem-cbegado da Eorepa, onde fre- w
queutou os bospitaes de Paris e Londres, _
Sode ser procorado a quaiqner hora do a
la oo da noite para objecto de sua pro- Q
fissao.
Consuitas das 6 horas da manhS as 8 bo-
ras, e do meio dia as doas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESPECIAL1DADES.
Mniestias de senhoras, da peile e de
crianca.
tSX^?QitX^OQiX>
M*mmmmm*-*mmmm
m
MEDIC0-C1RURGIC0 *
DO
m
nr. Santa Rosa.
Rna do Barao da Victoria n. 46, 1.*
aodar, ootr'ora rua Nova.
Consnltas das 10 horas da manha ao JQ
meio dia. k
Cbamados por escripto a qualquer hora
Especialidades. Partos, molestias de $
olhos e do apparelho re-piratorio. "_.
** $hs&#&*$ **
v


\% r. p, i, i r 11 t, t.j^ f. i<. f .; gf
GABINETE MEDICO CIRURGICO
do
Dr. Constancie Pontual.
Rua do Imperador n 8i I9 aodar.
Consuitas das lias 3 da tarde, chama-
dos a qualquer hora, visita e da consul
tae gratis aos pobres.
Hts*ifff*'4
Mflfft

Descoberlas medicioaes
PELO BACHAREL
MANOEL DE SIQUEIRA CAVALCANTI
1* o Preservative sipela : para curar com eerteza, e
fiji, pouee tempo, qualquer. ataque de
erysipela, e prevenir o seu reappare
cknento.
Este medicamento tambem e muito
poderoso para o rbeuraatismo.
% o Re^ulsdur da mens-
truacan : para falta, irregulanda-
de, auppressao repeutina da roensirua-
c*?, e dos lochios, (vulgo paito) assim
como para todo> os sot'rimentos devi-
dosa estas affeccSes. Ambos estes medi-
eamentos ja sao n.uito cc-nceituados, e
proi'.urados nesta provincia, e na do Rio
de Janeiro.
Ach.am-se a venda somente em casa
do autor, das 9 boras do dia as 3 da
tarde, e a qualquer hora em casos ur-
gentes.
GRATIS AOS POBRES
Rna da Imperatriz n. 14, 2 andar.
9



m
m

.4
Aluga-se nm grande sltio so Salgadinho, es-
irada de Ohada, perto da estaeao do camiaho de
ferro, tendo pasto para snstentar 20 animaes,
grande* baixas para eapiro, muijos arvoredos de
I'ructo, e terra pa a plantacao : a tratar com JoSo
Keitosa, na ma eslreita do Rosario n. 23, on no
palack) eneantado, junto a estacio do ?r. Teixeira
cut in firm
Rua 1. de Marco n. 23
Aos 20:

0 abaixo suignado tem sempre expos to a ven-
da bilhetaa da loteria do Rio, enja extraccao an-
nunciara pelos jornaes.
Precoa.
Inteiro 241000
Man IUOOO
L Quarto 6*000
Manoel Martins Fiuza.
1 CB\MAII0.
0 Sr. Joao Apolino Cavakante, qne moron no
engenho S. Bartholoraeu, e hoje ignora-se sen
domiciKo, qoeira appareoer na rua da "ruz n. 23,
2* andar, a negJgio de particular interesse.
- Per>nuta-e por um sib > per.o desta praca
aa por eterxTos, nraa ca>a b*ra oonstruida e nova,
sita na ma I np^riai: a tratar na mesma rna u.
204. Na mesma casa precisa-se de nm caixeiro
flador do sua conducts.
A&ULHAS
E
QUALQUER
PARTE
Di
Maehioa
aiviti
Com as falsificardes qne tem apparecido
DAS MACHINAS PARA COSTUBA
DE
SINGER
Porque?
Nenhuma ma-
china Singer 6 legi-
tima se nao levar
esta marca fixa no
braco da machina.
Paraevitarfalsi- g
Bca^oes notem-se
bem todososdeta-
lhe8 d8 marca.
t
i
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
S8o mais baratas.
S3o de docs pospontos.
SSo simples.
Sao rapid a-,
SilD duradouras.
MACHINAS DE SINGER
S5o de dous pospontos.
Abainham.
Franzera
Pregam tran^as.
Marcam pregas.
Bordam de linha do seda.
Alcolchoam.
Pregam cordSes.
UNICA AGE NCI A
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 45
49 Rua do Imperador 49
Ha neste estabelecimento o melbor sortimento de pianos dos mais afamados autores,
como s3o : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para este clima, o qual os amadoros dos
bons pianos s6 enconirarSo nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
qua ha sempre o mais complcto snrtimento de materiaes para concertar pianos, como
sao: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUA UOOIPER1IIOR 49
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
eompra-se os mes-
mos metaesepedras.
CHAMADO.
Os Srs. Jovino Fernandes da Cruz e Joaqnim Cle-
mente de L- mos Dnarte, sao cbamados a rua do
Coroael Suassuna n. 282, a negocio de particular
interesse.
ALUGA=SE
o 2* andar do sobrado n. 52 da rua Marquez de
Olinda : a tratar no armazem do raesmo predio.
Aluga-se
Uma boa casa na entrada da estrada do Enca-
namento, proxima a estaeao do Parnameirim ;
tem 2 aalas, 4 quartos, coz'mna f6ra, cacimba
com muito boa agua para beber, a terreno com
ar^ores frnctiferas : a tratar na Pra$a da Inde-
peodencla n. 39.
Esta fugido o escravo Jo>e, c.abra, idade de I
18 annos. leicdes miudas, cabellos frdxos, pes j
largos, veste calca e camisa branca, goeta do mu- i
sica : pede sa. a policia a sua captura, e gratiflca-'
se a quern o levar a seu senhor, a rua do Hospi-
cio n 85, on a ma do Qoeimado n. 83. i* andar.
0 8r. Joao Paulo de Carvalho 4 rogado a vir
a rua do Marquez 4e Olinda n. 53, a negocio que
osenhor aio ignora.
Sociedade Propagadora da
Instracgao pnblica.
Conselho parochial de Santo
Antonio
De ordem de conselho parochial desta fregue-
zia, faz se pnblico que, ate o dia 15 de fevereiro
vindouro, esura aberta a mauicula da Escola
Normal para senhoras, cujas aulas serao abertas
a 3 do referido mez. Os interessados entender-
se-hao para tal fim com o Rvm. Sr. presideote do
mesmo eogselho a rua de Hortas n. 2, segundo
andar, on.com o abaixo assignado a mesma rua,
n. 9. pnmeiro andar.
Ignalmente sejentifica-se aqnellas senhoras
alumnas que pretenderem fazer exame das mate-
rias do primeiro anno, que poderao dirigir sous
requerimentos ao mesmo Rvm. Sr. presidents do
conselho ai6 o dia 3 do dito met, afim de lbes ser
designado o dia em que deve ter lugar o aeto.
Seeretaria do conselho parochial da Sociedade
Propagadora da Initruecio Publiea da freguezia
de Santo Antonio, 19 de Janeiro de 1874.
, 0 seereuro, \
JoaO Landelino Donwllu Camara.
AO coin*
A cifra de bolso.
E uma cbave completa, por meio da uual se
pode mandar telegrammas importantes, mteira-
mente desconhecido3 a todos, menos a pessoa in-
teressads, que somente os pode ler por possuir
a cbave seereta e uma cifra de bolso.
Cada cifra tem instructors para usar-se delta.
E em forma de uma caixinha, muito elegante, e
p6de condmir se no bolso do collele.
Preco 24000.
As pessoas que desejarem nma dessas ciiras
podem eotender-se com P. Lauro Mac Pherson,
no hotel Estarainet, rua do Imperador o. 32, to-
dos os dias uteis, das 9 uoras ao meio dia.
XiWImlDnlA
Precisa se de uma perfeita eoziuheira. nao hu-
yorla que seja forra on cscrava, para casa de uma
familia estrangeira, paga-se brni: a tratar na
rna do Bom Jp Escravo fugido
Pu^in da tillj dc Pjniulla--, nr ilia 10 de jar.cii..
de |W, ii.nlalu ile i im-. lt:-:ml, i-la le lie ,-S
annos, iiiuito alto a sccco du curno, bigode lino e
Cavagnac nno e cut to, rabec* mnito pequena, fal-
tam Ihe qu^si todos os dentes da freote, ro>to
seero, o dido indicador da mao direita aluijado,
pes grsndfs, intitnlase f> rro, e cousta ttr srgnido
para as partes de Macei6, buscando nm bom se-
nhor, <,u sentar praca no exercito; roga se as
antoridades e eapitaea de eampo queirara apnre-
bender ao referido escravo e leval o a dila villa, a
ser entregne ao senhor do mesmo, o major Jose
Ccrdeiro dos Santos, ou na praca do Recife, a Sa
Ramos & C, que sera cenerosamente recompen-
sado. ________________________________
Fngio no dia 11 do corrente a escrava de
nome Bernarda, idada 30 annos pouco mais oo
menos, tem os olhos nm pouco abotoados e tem o
andar moderado ; traja vestido preto e chales
preto, costuma mndar trajrs, tem uma cicatris na
perna esquerda : roga-se as antoridades policiaes
ou aos eapitaes de campo a apprebensao de dita
escrava e leva-la no Caminho Nova, sitio n. Ilfl,
ou na rua da Cacimaa n. 1, que se recompeusa-
do generosamente.__________________________
Instruc^ao elementar do
sexo feminino.
Balrro do Recife.
0. Amalia Roxo Lima tem aberto em sua casa
a rna do Bom Jesns (outr'ora da Cruz) n. 27,2.*
andar, nm curso particular de instruccao elemen-
tar para o sexo feminino, em que alem das ma-
teiias estatuidas na lei, ensinar-se-ha com per-
feicio, todo e qualquer trabalho d'agulba, nor-
dado a cabello, a espelbo; a fazer crochet, fiores de
papel, de pa nno e pennas. Garante-so aos Srs. pais
de famiiias todo o cnidado a esmero na educacao
de snas fllbas. Durarao diariamente os trabalhos
escolares, como e praxe, das 9 horas da manha
as dnas da tarde, a comecar do dia 3 de feve-
reiro do corrente anno.
Aluga-se a loja do oiUo de sobrado da rua
da Roda n. 46 : a tratar na thesouraria du lo-
terias.______^_ ________________
Escravo fugido
Matheu", raulato, idade 45 annos, alto, de bom
corpo, cabec.a regular, cabellos pretos, nariz com-
prido, dentes bons e curtos, barba nm pouco bran-
co, tem uma cicairiz de uma ulcera em uma das
pernas ; levou consigo Alceu, mulato laranja, 15
annos de idade, franzino, cabellos crespos e cas
tanhos, olhos castanhos, dentes grandes e triguei
ros, maos curias pes curtos e largos ; ausentes
desde 20 de Janeiro : quern os capturar tenha a
bondade de leva-los a rua do Hospicie n. 81, que
sera generosamente gratiflcado.
Precisa-se de um feitor: na rua do Bom Jesu9
n. 45.
o segundo andar do sobrado da rua Direita n. 86,
limpo e com bons cemmodos para familia : a tra-
tar na padaria n. 84.
Aluga-se o segundo andar da travessa do
Corpo Santo n. 25: a tratar no armazem.
PECMiNCHAS
S RUA DO CKESFO
LOJA DAS 8 PORTAS
continua a vender muito barato para apurar
muito dinheiro.
CASSA LA
Chegou esta fazenda.semlo lindos pad roes, even-
de se pelo diminuto preco de 2u0 rs. o covado, e
pechinchat I f dao-se amostras.
METINS
Proprio para vestidos o que ha de mais gosto,
padrdes novos, pelo preco de 400 rs. o covado, 6
pechincha I I I doi-se amostras.
LAS E>COCEZAS
Lisinhas escocezas, padroes bonitos, a 240 rs. o
covado.
Diias cOm lisiras, padroes modernos, a 280 rs. o
covado.
Ditas la e seda, padrSes modernos, a 640 rs. o
covado, e pechincha I I I dao-se amostras.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padrdes bonitos, fazenda de
UOOO a 400 o covado, 6 pechinchat I I dao-se
amostras.
CRETONE
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa-
drdes, pelo diminuto preco de 400 rs. o covado, 6
pechincha 11 I dao-se amostras.
Cortes de casemira di cores, a 5*< 00 cada nm.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para luto, a 240 rs. o covado.
Fustao branco para roupa de meninos, a 560 rs
o covado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chila adamascada, a 3*500 rs.
Colchas brancas e com barra de cores, a 3^500
e 4*000.
Lencoes de bramante, a 2J000.
Ditas de algodao, a 1*400.
Toah as aicocboadas, a.6*000 a duzia.
Ditas felpudas, a 6*500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1*000 a'duzia.
Ditos de causa abanrados, a 2*0u<> a duzia.
Ditos de esguiao 8dos, a 3*500 a duzia.
Cambria lisa transparente a 3*000 e 4*500 a
peca.
Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalhado adamascado, a 2*000 a vara.
Dito Irani;ado, a 1*400 a vara.
Fust5es de cores, a l*i'00 o corte.
Chales de merind liso, a 2*000.
Ditos estampados, a 3*500,4*000 e 4*500.
Ditos com lisiras muito finos, a .>*800 e 6*000
Esgniio muito lino, a 2*000 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara.
Bramante de algodao, a 1*600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 5*000 a peca.
Dito domestico, a 3*000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para cami-
sa9, a 400 rs. o covado.
Nanzne cambraia de cores muito fina, pelo di-
minuto preco de 400 rs. o covado.
S6 na raa do Crespo n. 20
Loja do
Guilhermc <& C.
Atten^ao
Precisa-se de uma mulher de meia idade, para
tomar conta de duas meninas pequenas, que te-
nba bons costumes e de fiador de sua conducta,;
quern esiivrn'estas eircumstanclas, appareca no
3.* andar d'esta tvpographia. Na mesma casa
iirecisa se tambem de nma outra mulher de meia
dade, para fazer companhia a nma familia, eque
tenha boa conducta civil e moral; a tratar na
mesma casaacima mencionada._______________
Voounm papagaio faliador, do hotel Central,
isso no dia 23 do corrente mez : quern o apanbar
lev.1-0 ao hoM acima, qne sera grntifieado.
Faz se negocio com o estabelecimento sitoa
pra<;a da Independancia ns. 32 a 36, com as mar-
cadoriaa oiistentes ou sem i>Uas: a tratar no
me&me.____________________________________
? o/inheiro
Para casa de familia precisa-se de um bom co-
zlnhelro : no eaes do Apoll) n. 69.
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa >
allar ao Sr vigario Andre Curciuo de A ran jo Pe-
eira, t negocio de seu interesse._____________
Casa ilc cainno
i'nrre: Je t, iju. m -i *r i>'*r ':.' :". .
utve- -cimr, ii rn-:::l,ivift.l-i ;>''' .'":""'-" 3f!W)., .5
grai.-a, da excelleute ca.-a >ita na I'^ru u'Aiua,|
que foi do llnado Dr. Joa<|uim Pi res Canwir-) U >n-'
teiro, passando-se escriptura para Biaiwr seguraii-
ca. A localidade e muito salubre, c a casa muito
fresca, lem magnifico banho de agua doce em
frente, e e muito commodo visto qne o trem pass*:
lefronte : quern pretender pode dirigir-se ao Sr
Francisco Carneiro Honteiro, em Apipucos, ao
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
on ao Sr. Cannan, a ma do rommercio n. 40.
Joao Aftonso Rigueira Pe-
reira de Bastos.
0 abaixo assignado, tendo rerebido a infausta
noticii da merle deseu amigo e commitente o Sr.
Joao Alfonso Rigueira Pereira de Bastos, falleci-
do pelas 3 horas da tarde do dia 20 do corrente,
em seu engenho ConceieJo, em Serinhaem, vem
pelo pre-ente noticiar aos pareotes e amigos do
rallecido, qne no dia 27 do corrente pelas 8 horas
da manha, mandara rezar na igreja de S. Pedro
uma missa, por ser o setimo dia de seu passa-
mento.
Recife, 21 de Janeiro de 1874.
Antonio C St Temporal.
PHHIkMBBBn
Laurentino Gomes da Cunha Pereira Beltrao,
manda celebrar no dia 29 de Janeiro, na igreja
do engenbo Santos Mendes, as 8 heras da ma-
nha uma missa por alma do seu irmao Pedro B.
Pereira de Araujo Beltrao, 14.* dias do sen pas-
samento. Para assistir a esse acto convida a
seus parenles e amigos.
Manoel Theodoro Marques, Joan-
na de Brito Ccrra Marques, Her-
mogens de Brilo Currea, Iriasde
Britto Com''a e (nnocencio Ro-
drigues de Miranda agradecem
cordialmente a todas aqnellas
pessoas qne se dignaram acorn-
panhar ate o cemiterlo publico
desta cidade o enterro de sen mni presado pai,
sogro e cunhado, Joao de Britto Correa, e os con-
vida a comparecerem no dia 29 do corrente pelas
7 horas da manha, na igreja do convento do Car
mo, afim d assislirem a missa do setimo dia, do
fallecimento do dito flnado ; esperam pois que na*
deixarao de lbes prestar semelbaute efficio de ca-
ridade. ____
Grande vantagem.
Aos senhores de engenho.
Um estrangeiro se offerece aos enhores de en-
genho, nao so para leccionar primelras lettras, co-
mo para ensinar o francez com toda perfeicSo e
assumpto francez, pelo grande conbecimento das
maneiras mais faceis de .iprender-se. Quern de
seu prestioio se quizer utifisar node deixar carta
fechada, com endereco a Mr. B. A. na rua do
Marquez do Herval, antigamente rua da Cc.ncor-
dia n. 98, primeiro andar, a qual'iuer hora.
MOFINA

Estd cncoura \jaa :i3.;l' fin prlr.i .lura
r.i:t:> {'..% :.<> inr i. fu. a.
!'..ga-.*t .11. tint., m. i|;iia i^ \ik.U J-
. ...*. i. .i..,.i J. ^*iariTS!e.-ta |iivtiu>. .
f.-.oi It vi: L ::. r.'.int dc Caxiaa n. J6, a
ciuir ajuelle nejucta qne S. S. se corupronieiifr. a
reaiisar, pela tcrveira .t..;ida derie jornai, em
fins de dezembro de 1871, e druois para Janeiro,
^assou a fevereiro e abril de 1872,e nada cumpr. s
e por este motivo e de novo chamado para d:io
9m, pois S. S. se deve lembrar que este negocio
le mais de eito annos, e qnando 0 Sr. sen Olbo <
icbava nesta cidade.
Aluga-se dnas casas novas e muito fretcas.
no lugar da Capunga, com commodos para fa-
milia, quintaes amurados e cacimbas de boa agua:
a tratar no raesmo lugar com Bernardino Jose
Leitao, ate as 9 horas e das 3 da tarde em diante.
Escravo fugido.
Desapnareceu da casa do abaixo assignado, o
escravo Jose, de estatura n gular, pernas arquia
das, falta de dentes, e e" cahra, supp5-se ter
seguido para Rio Formoso, ou Gamelleira; por
tanto, roga-se as antoridades policiaes a capilaes
de campo a sua appre^ien.-ao, e mandar parte na
rua D. Maria Cesar, outr'ora Senzalla Nova n.
30.
He bordo do vapor Ceard desappareceu hon-
tem um volume contendo 700 ch irutos da Hava-
na. Vinha em um encapado com o ncme de
Luiz Felippe de Souza Leao. Quern, por engano,
o liver em seu poder e quizer reslituir, pode en-
via-lo ao escriptorio do Exm. Sr. Barao da So-
ledade na praga do Corpo Santo n. 6.
Recife, 23 de Janeiro de 1874.____________
Precisa-se
alugar uma escrava de meia idade que seja fiel e
rivilisada, para serviijo interno e externo : na rua
da Virayao n. 33.___________________________
- Clara Ilenriques Curreia de Linhares, pro-
fes^ora particular, esta mudada para a rua da
Cn^ordia, ca>a junto a do lampeao, antes de
chegar a esquina da rua da Victoria, e esta com
anla aberta desde o dia 10 de Janeiro para o exer-
cici" do sua proflssio, onde nao so en^ma pri-
meiras lettras c traha hos de agulha, omo tam-
bem lingua nacional, lingua franceza e geozra-
pbia universal, e propoe se para a lingua Italia-
ns, ingleza e danga a contratar mestres classicos.
Recebe alumnas inlernas e raeias pen>ioni-tas pa-
gas adiantadas ; aquelles que Ihes imizerem hon-
rar com sua confianca, podem dirigir se a casa
icima mencionada.
' IPI-'iS PUBLICACDLS MUSICAES.
A. A. tIMzevedo IIua Aova nil.
Acabara de publicar se, e acbam-se 4
venda as seguinlts musicas :
PlA?iO SO'.
Danse espaniiola, pur Ascber 2CO00
Arabella, mazlrka, por G. Wer-
theimer 1C500
Valsa do Fausto, por Croyzes l(.'C0
Sosho de uma vircem, por Alber-
tazzi 1J0*0
Anna la Trie, cavatina 19 AoClair de la Lcke, por Bursmeyer U5o<)
Cricket, por Seixas, offerecida aos
(.-buckets club peruambucano e
bahiano HJOOO
PIANO E CANTO.
Desespero, muito lindo romance
por I. Smoltz 23>0CO
Non m'amava, romance por Guercia ISCt'O
Tambem recebeu da Europe grande sor-
menide musica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc.
Caixeiro
Precisa-ss de um moco com bastaote pralica
de miudezas e que tenha boa omducta : a tra-
tar na raa de Marcilio Dias n. 86, outr'ora di-
reita.

<$
Aluga-se lereeiro andar da casa a rua es-
treita do Rosario n. 32 na thesouraria d lote-
ria*.
. Do engenho Preferencia, na freguezia da
Escada, ao amanhicer de 2l do corrente, desap-
pareceram da respectiva senzala, qtiatorze escra-
vos, inclusive uma cozinheira, ltvando os n esrnos
comsigo por intermedio desta quanta roupa de
vestir e de cama poderam apani ar de feu senhor
Jose Herii.ino Pontual. Nao sendo aiuda conheci-
do o destino mm caminho qne tomaram, o mesmo
senhor pede a intervencao dos senhores agentes
c"e poUcu para a aoprehensao delles, hern como
doi seductores, visto Ihe parecer, que neste nego-
cio elles se nao dirigiriam de propria inspiracao.
Aluga-se o armazem da rua do Torres n.
8, proprio para algum estabelecimento : a tratar
na rua do Marquez de Olinda n. 1, segundo an-
dar.
CASA DO OURO
Aos 4:0009000
Bilhetes garantidos
iiua do Barao da Victoria (outr'ora iYova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos seu.-
muito felizes bilhetes a sorte de i.OOOj em um
meio biihete de n. 3602, e a soite de 100/; em
meio bilbete de n. 3020, e nm meio de n. 367i
com a sorte de 1004, alem de ontras sortes meno
res de i0*000 e 20/000 da loteria que se acabou
de extrahir (84") ; convida aos possnidores a vi-
rem receber,que promptamenteserai pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publico para vir ao sen estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mesmc
annuncios.
Acbam-se a venda os muito felkes bilhetes ga-
-antidos da 2' parte da loteria a beneficio da
igreja matrix de Salgueiro, que se extrahira no dia
30 uo c?rrente mei.
Prefoa
Inteiro i/000
Meio 2<000
De tOOSOOO para elma.
Inteiro 3*500
Meio U7S0
Recife, 23 de Janeiro de 1874.
Jo5o Joagum da Cotla LeiU.
Agencia de leiloes
0 abaixo assignado declara ao respeitavel pu-
blico. que, tendo aberto o sen escriptorio de
agencia de teiloes a raa do Marquez de Olinda n.
6i, 1 aodar, continua a receber moveis, louc3,
fazendas, obras de ouro e prata, pn dios e tudos
auantos objectos se Ihe remetta para serem ven-
idos, em leilao publico ou particular, a vontade
de seus rommitentes: e como quer que o seu
novo estabelecimento se ache o raelhor posMvel
loealisado, ale-u de que offerece as uielhores
propurcoes para a boa conservacao dos ibjectos
que tenh* de receber; o abaixo assignado com-
proraette-se nao s6 a empregar toda a actividade,
zelo e pontuali lade no cumprimento de wns de-
veres, como mesmo seus pagamentos serao feiots
com a costumada proutpUdao, que Ihe e o>nhe-
cida.
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
RaymoAdo Reraigio de Mello Junior.
E. A. DELOUCHE.
I!> Rnu do llarqurz de Olinda J.'J
Acaha de receter um grand* sortimento de r;
logins americanos para parede e mesa, de cordj
de 2i horas e de corda de 8 dias, com despertaJt:
dos mclhores gustos e qualidade.
Relogios de ouro patente inglfz verdadeiros, (hi
c( berto com ponteiro srrande no m-io, rtns m i
modernos e do melhor fabrii-ante de Lndres.
Grande sortimrnio de rHogios de prata, prata
doiirada, cobertns e de^cobertc?. Ditos de nrII
foliada (plaque ), orisontal e patente, d* ; i
preco
Cadeias de plaqne c de ouro.
Lunetns e oculos de todas as qualid.-uies.
Verdadeiros Vidros de cbnstal da Rccha, part
vista can^ada.
Vende-se ludo por preco mais baratc qne e:a
oulra qualquer parte.
Urgencia.
Sao chamadoj a rua do Duque de Caxias n. V '
antiga do Queimado, os srg iue Ihes diz respeito :
Dr. Dias Fernandes.
Jose Antoni deMenlonca.
Cleto da Costa (ampello.
Severiano Jose de Salles.
Innocencio itodrigues de Mirandn.
Jsao Barros Gorreia.
Josd de Azevedo e Souza.
Pedro Jose Gomes Ratis.
Felix Cantalice Ferreira.
Vicente Joaquim de Miranda.
Jcao Gomcalves Guerra.
Candido G>>ncalves Guerra.
Jacintho Ferreira de Mesquita.
Felix Renvindo de Nascimento.
Jose Tavares Muniz.
Andre J s6 de Almeida Catanho.
Crj;tiano da Silva.
Auguao Simdes Nunes de Souza.
Domingos dos Reis Correia L-emos.
Jo-1' Xavier Faustino Ramos.
Casimiro do Reis & mes e Silva.
Feliciano da Fonceca G. de Araujo.
Firmo Candido da Silveira.
Antonio Candido de Oliveira.
Henrique Jo.-e dos Santos.
Math ias Lopes da Costa Maia.
Manoel Jose de Souza.
Moleque.
Precisa-se de nm moleque de 15 a 16 anr ,
Sara criado de nma pessoa : a tratar na raa I
mperador n. 28, armazem do Campos,
Precba se alugar nma escrava que sai; a
cotinbar: aa raa Nova n. 7, loja.
H0RR0R0S0
ASSASSIN vro
Acaba de ser publicada nmaa interessaotes
collecc5es, compostas de doze qnadros, conleMo
todo o saoguinolento crime perpetrado prlo feroz
desembargador Pontes Visgueiro. Recommenda-
se.esu obra pela veracidade do facto, fidelidade
dos retratos e pela commodidade do prec.o de cada.
collec^io
Rs. 6#000
ACHAM SE A' VENDA aa litographu de Joa<>
E. Purcell, rua da Cadeia n. 30, e no estabeleci-
mento de Jose Augosto de Brito Monteiro, a rna
da Imperatriz n. 31_________________________
Escravo fugido
Continua fugido o preto Antonio Panan. ida^ >
de 30 annos, ponco mais ou menos, altnra regu-
lar. ro>to redondo, eabeca pequena e nanz mail >
gros-o. Este pieto tot canoeiro e tem uma costu-
ra no rosto, nnw-niente de uma espinha : quern )
capturar !>' % a bndade Jo leva lo aos Sr*. Oli-
veira Filho- x '-., largo do LorpoSaaton. 19, ou
ao ten donu, n<> engenho Improviso, fregnava do
Iguara.-sii, qne sera geoerosameate racomftMuadV.
.

i rnnm i





I*
'TO fmofShSfctfeiia &?nAl ro
t'AA
PO|* II" dm
'"
atificaqao
Mendes
do engenho San
W3 sfcndes, ecdnrnt d> Nlzareih, fregueaa de
Tracm-i. a e-M-rava Maria, crionla, 60 anno,*
de id:'V, ;- >ik mais on menos, baixa, grossa, c6r
preta. r"-ti alquehrado, pes seccos e e>panados,
deaVs corn-, i-abdlos braneos, eaaeHas finas, tem
dona sijnines rabelludos no qneixo, e 6 bem ladi
ex. A pwsoa que entregar esta escrava on ao sen
doni. ino 6 o -cntior do engenho acima, Lauren
tino cife, la go d<> Corpo Santo n. 19, andar, sera
eeompensala m a qnantia de 4001.
Na rua do Vigario n. 19,
I.9andar, ha para vender:
Cera em ve'as e bogias, de superior qualidade.
Cognac inglea,
Retr->z do P..rlo.
VJn:i 4u Pnrij-enjtanafado, em caixas de duaia.
_Vila.^ 't^rma* iagte$as de l.itbn cada raasso.
Coilegio de S. Sabastiao
D. Mano-ita Augusta de Mandonca Hello Reg
partit'tpa ao? pain, tatorts e corraspondentes de
sua* alumnus, que transform aqualie .*stabeleci-
mento do educadw para o-sexo feminino, sob sua
dh'ca<>, para a"rua estrelta do Rnsario n. 34, 8*
audar, note rominua areceber alumna? penio
nistas, nt-i pensioaislas e externas, sndo que
ana ab^rtura tera lugar as dia 13 de Janeiro cor-
rente.
Garanfewis.
Na rna
tillar aus
096 Paes
fftsse.
do Barao 4a Victoria n. 86, precisa-st
Srs. Pedro do Rego Cbaves Ptixoto.e
daSilva, a uegocio do particular inte
ESUUVO FUIUOO.
Desappaivceu ao amanhecer do dia i d> cor
route, do eiig-tiiiio Sengi, comaroa de Gnyanna, o
escravo de norae JosA Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguinles : cabra, idade 30 an-
nos, poiicn uiais on menos, boa ligura, urn lanto
grnssn espadaodo, sendo o signal mau visivel
uma gomma na junta do pe esquerdo : roga se a
todas as autoridades e capitaes de campo queiram
appreheuler 'ito escravo e leva-Io ao referido en-
genho, -m nesta praea a Oliveira fifhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosaraen-
te recoiiiperi^Hdos.
fitf!
A ma Preersa-se o> uma ama para CQoiiiaajye
fJa fr^nAr/nara.casa defamflia, M%Z#}i
4MA
Constando aos abaixo assignado achar-se nes-
la praci o Sr. Manoel Fernandes de i^arvalho, ren-
deiro dos engenhos Harra e Pregnica, em Ma-
mangua;ie, provincia da Parahyba. veem rogar ao
mesmo o i bzei|uio de Tir entender-se com os
abaixo assLnados immediatamente sobre negocio
lendente ana referidos engcahos. itua do Araorim
37, escriptorio.
Tasso Irmaos 4 C.
Companhia do Gaz.
Aempreza 1m gaz tem a honra de annunciar
ao publicoque recebeu ultimente um esplen-
dido sortiinento de lustres de vidro, candiei-
ros, araudelas e globos, cujas amostras estSo
no escriptorio a rua do Imperador n. 31,
e ser5o vein lidos aos seus freguezes pelo
prego mais razoavel possivel.
Dinheiro a premio
Di se ale a quantia de 3:000$ sob as condicoes
iue se convencionar : na rua do Imperador n 73,
1" andar, se dira qnem tem para dar.
Escravo para alugar
Na padaria da rua Direita n. 84, precisa-se de
.Mgar on escravo para servico interno e externo.
Para se
obter.
;.b;:einhas para mate.
Hate em po e em folha.
1 ale verdadeiro de Java.
.iia verdadeiro das Caravanas.
P>olai'hinhas ostias, i an diela?.
Licores fimssimos.
Geleias de diversas qnalidades.
Doces sec-jos, em ealda e ralados.
Fiambres p i>parados.
Pudms e \> los inglezes.
Xaropes e orchata de Lisboa.
\meuJuas e confeitos.
tma pessoa r>. o ieiu uiais
<|iio Sr lor <> In go
i cosifeitnri. l Casnros
81 Iiii[* 6-.....r94
Alugase uaia excellente casa na povoacao
de Duarte Coelho, em Olinda, com bons commo-
dos para familia ; a tralar com Jorge Tasso, rua
Amorim a. 37.
II
.rmada.
Na rua dQjUrao jla Victoria n
faliar ao SrP* ten#i.
gaclo de sen htteresae.
36, predsa-se
Jos6 Maria Pestanaa ae-
i
do andar.
Precisa-se de uma axna pa-
ra comprar e czinhar: na
rua do Crespo d. 18, segun-
Amfl A rna JioTa B- 16, Precs*-S de uma
*xuja' ama para coidnhar e coraprar.
Precisa se de uma ama idoM
e coziohe e eugsnune para
uas pessoas que moram n'um
dos arrabaldes desta cidade : a
tratar na rua do Imperador n. 28, armazem do
Campos. _
A MAS
Praeisa-SffdW
Tto'as- amaf. ;g
casa de pouqa,-flit-
pilia, -aeodo ama
para cozinhar (eoMUa papn .-eng)iw^>i p^
fenado-se'escravas^aga-^e bent, se agr^daxi
a tratar na tratessa do Vigario ThenoqfrirT'
1, escriptorio, das 9 fc.f <1# .iarUe.
TRILHOS UR8AN0S
BO
Recife a Olinda.
E
Beberilw.
Precis* para o sou consume porgSo
oJeo da ricino.
Vend* o-seguiute :
"Canos de ferrp galvaoisado de 1/2 pol-
].,: KrppHos^aw. e^t-iviaruento de !agua e
i H'-A
Predsa-se de ama araav,.
rindose eecrava. que salna-aiifc! i* d wr jMv* W
gommar e miirftiir para I oa 1
de ponea" familia : a trafar ttx ftfa'^tt
do Herval, roa do Sol B; |f.
A \rd w*tu* *** JWradnr n.4*
aina de nma, ama para casa de pone
Amn I'recisa-se de uma ama que Mdl|a co4*oiWA3*i|n*ili qtfttt
zinJwjr e wgoCumr irons jMrf*?*o{_para
casa de pouoa familia : ua rua de Pedro AfTonso
(ontr'ora rua da Praia) &JIP*
Preeiia.ae .4'rmvan) a>j
nhar em caa. do iamilia : .na-.rt*f
Visconda4c4uyBnft n. i29.
Ai>a Procisa-se de tuna .auja de leite sem
boa conducu : na rna ddviirgdh ?*^
n *19.
Ama
Paieisa-sa.de
^nar na ruaxto
*TfS+
>-!e denma rr-a quesaihaooBtatiar'Q
la rua Virte Qaatro de Mam, *itiga
Precis*
eomprar : na
dos Osso.<. n. 33.
Precisa-se 'd^'uipa^WQf
saipa coziuhar e .encym
para casa de poucaTaojif
Marquez 4e Olinda n. 21, oufora px*
AMA
y
^

J,mmAmp i font. derM&mda.
< Jia.aainaendtM) fuHk.^o.Mrperibo, <*.Aftrgictofi
Mafia rie., mmim,.m*m*.tmm Avifmbq, sob-
fitflowfrmtoin k|gBB a MaMM.IIAMunu mu
enjjvft |wp i liuii mt uaawla^if 34 a
do
fcocci pqu"*, aaHap.-.uBi|>on ? MB* uaiaaMfc atony iop< >pio^nien -
^SP^aMn^^
^nnr ura.qUao. qonsta
aldol twu nea ci
' jrarpo-uai BWUflaynuTCat/ por un
dade, aonde Brocnm' a
alguiuaife:aii4^
a capUuar,,Mpsde^a.
KM
te co mo ama da
rfceompensa a queoi
certa na rua Imt
or0,-ide 8ouza
n^o/apdar
O>feiw'4ifeilt)^oa^iflf.BiT0SQ,,che-
Jftmrt dS)p ;,to;,4^,<>ff,?*.por
u jtffCTlfi -b )hf_ ^ *a#*e4wjia aoata^idattej M|-Kncs^seja
na rna d .
da Cadeia.
A' Torre
A1 iiga-se para.pssauI >iaatn am sitio CQ0
excellente casa de habitacac e hanho/io.-raa
a frents desta : quern a I pretender,' p4de
procurar A rua de Gervasio Fires n. Si.
Atten^ao
O Sr. Franci-co Ag.isiinho Madeira, e rcgadtqe
vir a rua do Dnque de Caxias n. 60 A.
^
Antonio Jose Rodrigues de Senza, em seu es-
criptorio a rua do Crespo n..6, compra^ por boos
prccos, eseravos das diversas cdres, sexes
idades.
pac> eer^r ealjetlop^
fazei barbas.
'Mamel^Ci^Km, efhVial qur foi' di esrablecU
mento de barbejro do Sr. Luiz Augustt 'Eacfieeo,-
en4o despedtdjo do dito estabelecin.enta, ^mtine-
'^-fWtt ab/i* BIF fQ PWajco^
MUftsie fe/er feal^a&Jnoi *4 andar Mai casa
n. 36^.ajrua Duque de Caxias, (outr'ora das |Crn-
|<4es),4Rde>era iqHKseuairMaig^S've'dVeguez^
oeWfesMpi M> d*a* :t cveilavtl /.)*> a-adju-.
WW(*i tMia^Ma* ,48w*cmiob. b pracnpUdao,
ffl|iadnMM|w meat tnfcaitxvmdeado ,er,pro-
, frdo#ftHas.iB(Kter9de aua>.pwffisi oo diti
<^ai>nt>tinMWua Ailtonio JekSti Braga
eMahe*Mfr' pnj ea.a da; moytadofe a row da
Uniao ns.'3S"e36, tMi4rt de.'retirar se para Ekiro-
pa, faz jciente aos sens-- 'devedores que venjiam
satisfarer sens debifosr ate o fim de janeiro/| sob
pena de vereni.-. ijame* por exteaso qeste
jornal.________________________________
I 6,abaixo assisnado yai ^o Bie;da,>neiro a
negocio, e deixa como sens procurador*s,;para
tralar de oegocios da loleria ao sen irmao o cepi-
tao Js6 Rodrigues de -Senza. cm sen escriptorio a
rna iPria>eiro deMaroo>m 6 ; e para os outros
cpgoaioi) a.iU"*niroSr. Joajuim Pires do
Siha.
Antonio Jose..Rodrigues de Sauza.
Eseravos fugidos.
Nos ultimos diasdo mez de njvembro do anno
proximo passado fugiram do engephp Gijer-
ra, da freguezia de Ipoiuca, duus eseravos, o.tiu-
laio Sabin eomnlatinho Lourenco,.com os fig-
naes seguintes : o primeiro, estatura alem da. re-
gular, espaduas largas, sem barba, com falta] de
alguns dentes de cima na frente, de idade dei 30
annob pouco mais ou menos. O signal mais ca-
racteristico e ter os pes enormnaieate grandej e
mnito largos nos dedos, aoda comu napagaio-4ei-
tando as pontas dos pes um poueo para dtntro.
Oseguado.de idade de 13 anuos pouco mais
ou menos, com os seguintes signaes: uma cica
triz sobre um dos olhos, que o obliga a -traze-lo
mais fecbado do que o outro; as unhas dos dedos
dos pes n o aao boas sobre ludo a do dedo gran-
de do pe direito. Consta que o primeiro. depois. de
estar algum tempo na cidade de Olinda em uma
cocbeira foi para Ingazeira em coinpanhia de
uns alniocreves ; e o segundo tem sido encoitra
do no Recife : quern os apprehender dirija-se ao
referid) engenho, ou a travessa do Queimado em
casa do Sr. Gabriel Antonio de Castro Quintaes.
que sera generosamenie remunerado.
Precisa-se alugar uma ama para casa de
pouca familia : na rua do Imperador n. 33.
ALUGA-ST~
uma casa na Capanga, rna das Pernsmbucanas,
com coxeira e quartos fora : a tratar na nja do
Vigario Tenorio n. 31.
No dia '3 do corrente mez, fiigio do engenho
Megao de Cuna, freguezia de Tejncupapo, e es-
cravo de noiue Firmino, moleque de 18 a 20 an-
nos de idade, b a estura, ear um pouco fula,
rosto limpo e redondo, tem falta de dous dentes
na frente, corpo regular, pes um pouco grandes,
em uma das canellas tem uma cicalriz. Levou
roupa, sendo palitot de alpaca preta, calca de
brim branco, sapatos de casemira preta, gravata
preta e chapeo d Vlanilha. Foi montado em um
cavallo mellado com sella e freio ; o cavallo e de
bom tamanlio, bastante esguio, clinas e cau^a pre-
las, manca de uma rnao, proveniente de um talho
que levou, o cavallo e inteiro. 0 portatfor que
seguio no mesmo dia da fugida em procura de
dito escravo leve nolicia de ter estado em um sitio
da Torre onde elle ja esteve em outra fug* que
fez ha pouco tempo. 0 capitio de campo ou ou-
tra qualquer pessoa que o pegar leve o ao enge-
nho acima que sera gratiOcado com a quantia
ii<-> cem mil reis.
Escravo fugido.
Fugio no dia 4 do corrente mez de Janeiro de
-'4 o preto Ignaoio, 40 aonos, altura regular,
-ecco do corpo, bigode e Cavagnac ralo, cabega
muito pequena, olhos paquaoos, falta de dentes
na frente, rusto secco, tem voz baixa, falla pou
co, e e carregadu no semblaute, foi comprado a
D. Felippa avalcante de Albuquerque, senhora
do engenho Canto I" euro, do snl, e dahi para
ca se turn oceupado no ir.ibalho de padaria, deve
ler os no* dos dedos das maos calejados do referi-
do servico ; descontia-se que segui-se o caminho
do sul para o referido engeubi ou seus soburbios:
pede-se as auloridiides polioiaes ou as pessoas que
o eqcoDtrarem de lev.|o a casa de seu aenhor, no
fiecifa. em Sao|o Amftr* das Salinas, rua do Li
rna o, 73, qu se graJificara generosamenie.
Aiuga-se
0 2 andar do sobrado n 20 da rua do Viga-
rio : a tratar eora Jorge Jacome Tasso, na rua
do Amorim n. 37.
Agenda de emprega^os
Amas de leite, seccas e para todo servico do-
medico, caixeiros, copeiros e criados : na agen-
da do pateo de S. Pudro n. 3, loja, e rua da Im-
peratriz n. 33, aomN os seahores pretendentes
podem raandar os sens pedidos.
Criado
Precisa-se de nm criado, form ou captivo, pre
ferindo-se desta ultima condirae: na rua do Ca-
pibaribe n. 40.
Aliened.
0 Sr. Candido G. R. Lima, faca e favor vir a aru
do Duque de Caxias n. 60 A.
Thomaz Jose de Oliveira vai a Europa tratar
de sua saude, e deixa por sens procntaderes, em
! lugar o Sr. Ricardo Jos6 Gomes da Luz, em i
Joao Marques de Pinho, e era 3 Domiugos Men-
des de Souza Machado.
..CfQiBa.de campo.
Aruga-se uma excellente casa, sita na primeira
estacap da Tia-ferrea, a entrada dos AfOictos,
tem comtDodos' para grande -familia, jardim ao
lado, banheiroe sitio muito bera plantado : a tra-
tar na praca da Indepepdencia ns. 4 e 6.
COMPHAS.
uraa escrava preta, sem-filbo, que seja sa
dia e forte, para.o serviijo de casa-.de towi-
lia, a tratar na^maido BarSo de S. Boria
n. 29.
- Comprase urn raethodo francez inglez i de
Ollendorff : na livraria .Ecanomica, junto ao arco
de Santo Antonio.
kgi Compra se e vende-se trastes novos g*\
IW e usados no armazem da rua do Im- W
qfy, Pedor n-48- m
Compra-se um methodo franGez o inglez de
Ollendorff: na livraria economica, junto ao arco
de Santo Antonio.
Compra-se seis duzias de espanadores
pennas : na V esouraria das loterias.
de
Enchameis.
A companhia da estrada de fern; de Olinda,
compra mais 50 enchameis de 30 palmos de com-
primento e 5 polegadas de grossura, para parte
da linha telegraphic*: a tratar no escriptorio da
cempanhia.
0 gerente,
Laurentino Josi de Miranda.
Compra-se
para casa de familia uma escrava que nao seja
viciosa,, e cujos senhores seja ji conhe-idos: na
rua da Imperatriz, loja.;-40,. se .dira quem pre
cisa.
LIOUI1*(J*0 DE WIZENDAS
NA
-;P
B
8ua da Imperatriz n. 60
0
TeBtfe fazendas para liquidar, por baTatissiHio preqo oomo
abaixo se ve:
tPereira da Silva d Guimr* te^pdo, ejp. mnnj.gMRde dejwto. temjaefoivido fazer uma liq/ittlaeao daf vnmms om-graflrf? baStnrrt nos prefos.
^QW'qMicpaiuwi,- apurar dinheiro, p^aa o yw woiidap. ^ s>>p||||liiumerojo*
irsapwees, como o respeitavel publico, a vir surtir se de muitas fazendas, bo* e^>arta
s.8is8MbelecimentocJp5q^i(i,opo--jPvoa rua da Imperatriz n. 60.-
GVMBRAIAS A 49v 4*500, 5$, 6$ 7.
O^arfo- vende um magnilico sortirnanio.
9 mais.Qpas cambraias brancas transj>-
o 10 jardas cada peca, pelo -
Rua do Barao da Victoria a.&W72ZftS&gEF'lSm,
de Iflnercadpj.ajsi'n ojktwam gr^nsj* deditaa t^pflJasu victorias 9HBvpae dt^
Gameiro ViflBa.
A' este grande estabeleciraento tem che~;
gado um bom sortimento lie macbinas pare
costura, de todos os autores mais acreditav-
ote-W, senBo fazends> que va1!e muito rats4
dinheiro.
em salpicos de cores a m.
IrAaau muito 4o 30M, pensjMkrecis
1, V* me^MwaswJencel.
CHAfJES B.\RAT0S
Ofwte ffin^Q Wtes- a nrnitarj^sfln ms>
rin6 a Sfivtypt'ifa insewtfjisos lifiMii u
core** ^0, *J**i+rmwwtm*m,lo,,
muito finos a ditos '&iissimo.MD Um-
AI^odAo enrestaadojs* ft
0 Pavdto.-ve*ieial|osJao
palmos de largura," proprio
jM^o^dftnMifr.inirnjVjn.ij> <
*9 Pavao recebeu um elegante sortimarto
dos ultimarnentena Europa, cujas machinas de^ejnbraias brancas com bonitos salpSS-
sio garantidas por um aiwo, e^ejidoum.nb^iniudinhos de cores, tendo 10 ia^ mm**r,:\im*<4* aojn tr
perfeito artisU para ensinar;as s,,mvcadaorte de vestido e vende pelo banto, ^fWfl.
qualquer parte desta cidade, como bem as- preco de 5$, por ser pecbjncha, ditas- c*t
simaoocarVBrles pe^o-ten}po tambera d'um salpicos-todo tMaBcosendo Ozenda ftaissiiaa
anno s6m despendio algum do comprador. a 7j?500 e ditas a 5*000.
Neste estabeleciraento t mbem ha pertencASI
para a&.jgesmAS macbiiV>s..eQ sppre qua!- "VESTTOOS kdJ90 MCORTE t-2i5 '
qtrer pe^a que sejanecessario. Kstasma-| 0 Pavao.vende um bonito soxtimemo der
chinas trabalham com toda a perfei^Ao de cartes de -Testidos a-uso da-corte, trazendo
um e dqus pospoBtos, franze e .borUa. toda tda cdrte todos os enfeites necessaries como
qualqoer ;cosiure per fins que seja, seus 'sejam : babadinhos,; eotre^maios, tendas,
precos sfio da seguinte qualidade : para tra- requeflfes, e vende pelp barato preco de 12*
balhar a m^o,da(30*000, 40*00 459000 cada um, assim como, dios-a 2 de julho
e 509000, para trabalhar com o j>e sao de com todos os enfeites a 109. cortes de cam-
809000, 909000, '109*000, 1199090, .braias bnance-s abertas, com listras e lavi res
1209000, 1309000, 150*01)0,2009000 e, a 6*, dites -finissimos a 8*, ditos de cam-
2509000, emquanto aos autores nan ha al-; brata branca com listras de cores, para aca-
teragSo le precps, eos compradores poderao bar 3*500, 6 pechincha.
ROBERTI
Luiz
CentlrMi^ fugido o mulato. Luiz, desde agosto
,jroximi> pussad^. enjo fnelhor signal 6 ter o dedo
pollegar da mao esouerda cortado ao meia, pro
veniente de oin tarao de folee, descascaudbum
cooo. Presnmi ijiu o referido escravo eteja
3m imm^JiacdesUaifla-ffire* lie S. Francisco,
vivendii como frro, sendu .jne.para melaar es-
tapar le 9 wcrv*'(p>u.co. Ikmsu mais ijue tendo
elle mai, 9 UH,|rinaO- a)(orfulo .iaf.a- gueraa do
*ul, que m-tra-n nesta cidade,. tuja a aemaaa
visitain n I ijjir o-ide dia rasido. Hoga-se, por-
tanto, a t las a* autoridailcs policiaes e caiiilies
de camii i, i oaiH>rf .do dHa csera/n, <|iie se gra-
tirlcara gi'ii*rn- ii- 3Q. ,iu u M*teobi> Ji#g, em Goy-
anna.
-+ ----------------------------z------------------------------------
tjOtf-rt: ....nxM s*n'iaterpse:
l,Jb8fl!(.:..-V*irtlWliih0l.
iAHzw -rn4#si drf *t,atx.
u JGoflj rmloid;A*rtirilm8.
BraacitctiKaMS,
Tratado das pequtmas vir hides, -pela padre
Hoberti, da companhia de Jesus.
EDICAO DE 1U0.000 rXEMPLARGS.il 1;
lvol. enc IrOOO
As pequenas virtudes de que trata esta
obra sao :
A indulgencia a caridade a compai-
xfio a doolidade a diligencia a li-j
beralidade de cora>;8o a affabilidade
a urban dade naaiiarra de pratioatiasj
meio de adqurrii-as etc.
LIVRARIA FRANGE?A,.
Fugio do engenho Velbo, sito em Jaboatao,
o escraw Mariano, preto fulo, de 4N annos de
idade, poueo mais ou raenes, vestido de balca e
camisa branca ja bastante sujas, esse escravo a
prognostiuador:tiiios poi apalhetados, faltando
o dedo segendo do pe direito ou esquerdo : quem
o apprttaeador lese-o 4 rua do Imperador n. If,
cartorio do escrivao Auguslo Cesar da Cunlia, que
recompensana.
V^NOAS.
Vende-se um cabriolet americano, assentp
para duas pessoasi earpfrfeito estado : a set e
tratar do preen,na rna da Florentina n. 14.
Vende-'sem"cylih4ro aaiericah muito bom
para padaria : a traUr na rua de Vidal Jle He-
greiros (outr'oja Cinto Pontas) n. 103.

0 mais compfctp o- mars b*fMo dbSi
jornaesde modaspara sei)b.uws., fu^Iifafc)
em Paris e distribui to -duasr 'vwaes .p^n.mee.
Por (Opreco n.. ftto'de^Jilheiro &\ WWO^
iVKARtt FtttMCKlA "
Carnaval
A*m,'; Nat)co'A C vendem Jantii
dlvrBd*?oTTnaH, prateadas e douradas,
ra*iotelell>lii9'brhaeBs'iBai-as'de,meia-flav
6 de seda, brancas e ie cores, eitriii listradas e brancas, capacetes de mas?a, voltas '4d
porolas falsas, brincos proprios para 'Cmcardi
fraBja* prat*adas-de rnnjtas larguras, etc., etc,, o
compieto sorliraenhv de mascaras: nb BarafVlcj
toria.ru*-do Barao-iaai Victori^.n. 1
visitar esta eftajbeiecimento, quomuito de-
verio gostar pela variedado de objectos que
ha temper pafaTf Oder, *omo sejam : cadei-
ras para vingem, malas para viagem, cadei-
ras pana salas, ditas deibalanco,; ditas para
cnanca (aUas), diAas para escolas, oosturei-
ras rjqjjissimas, para senhora, despensaveis
para crianr^as, dotodasas qualidades, camas
de ferro para honum e crianr^as, capachos,
espelbos dourados para sala, grandes e po-
quenos, apparelhos de metal para cha\ fa-
queiros com ca bo de metal e de marfim,
ditos avulsos, colheres de metal flno, condiei-
ros para saia,. jarros, guarda-coroidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar arias,lavatorios completos, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mm-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem estegrande estabelecimento
que se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nha ate as 9 horas da noute a
Rua do Barao da Victoria n.
22
ATTENCAO.
nde-se uma typographia bem montada, com
u machina e um prelo, tudo em bom estado e
po preco modico: quem a pretender, dirija-se a
nrrado Torres n. IS, sobrado, t* andar
Wil-on Rowe & C. vendem no seu armazem
a rua de Comjaiercio n. 14 :
0 ver Jadeira panno de algodao azul americano.
Excellente Ho de vela.
Cognac de 1* qualidade
Vinho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidade.*
VENDE-SE "
Uma armacio do auiarello envidracada com
balcao proprio para qualquer negocio : a tratar
na rua do Crespo n. 20.
T1SS0 IRMAOS & C
Em seus armazens a* rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commcdoi
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimento Hydraulico.
Machinas de descaro^ar algodao.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Phosphoros de cera.
Sag* am garrafoes.
Sevadioha em garrafSes.
Lentil has em garrafoes.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Porto velho engarraXado.
Vinho do Porto superior, dito.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho de Scberrv.
Vinho da Madeira".
Poles com linguas e dobradas icglaxas.
Licores finos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inglez.
Rarris com repolhn em salmonra.
CORTES -BORDADOS A 20* E 35*.
0 Pavao vende rices cortes de cambraias
brancas ^delkwdamente bordados, pelo ih*-
rato precede ^0* e 35*.
CASSAS FRANCUS
a 300 rs, o corado
0 Pavao recebeu um grande sortimento
de cassas .francezas com delicados padroese
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
tado e de qtwdrinkws a .1140 rs. a vara fi-
nissimo ftl6branco liso ede salpicos, e tarla-
tan a sdetodas as cores.
BORNOUSA 129.
A.TPA wAua A>MWt^m. 5*.
0 "Pavao vendewtoalhado tranr^do sot.
palmos*dei'-b*gui^e< e I960*, dito
adamasqado' ? i.di|D ^ linho adaaaasra
do a 39 e 59.
SEDA PARA V*STIft8
a 19600e29.
0 fa^io *ende.um honrto aortkneato da
sedas com ristrinkas proprias ptca vestt
dos de meninasede seuhora a i960* occ-
vedo, ditas lavra.iinhas a 2^, oapedries sao
muito'bouitose vende-se por este preo pars
acabar.
BoiinHSi a &o*IMM
0-Pavao..tm. umiwmpleto aswlimeatod*
betinas muitB >bein e vende pelo barato prego Je 5*,,arUge qu
amoufr^qualqufr.parteciwU LENCOS'MAIir.Oft
a 2*000.
0 Pavao vande Isnoos braecos abainha>
dos, tn'" r~" ^"Ti'n rnmn pum awaan h
a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiio
cambraia de linho tambem ab-ir.hadoji
39500, 49, 59, d ,tos francezes escuros, pars
rap^a 6*,adiJwa.
OMISAS PARA HOMEM.
0 Pavao vende ricas earn isas com peito
delinho bordrtdas, proprias pra nro i
105 e 129 cada uma, ditas de liako sen se-
rem bori das a 49, 4*500 e 5*. ditas coa
. j peito de algodao muito* Unas a 29, 2*500
\ 3*. ditas dechita flna miudinha.a 29,29500
0 PavSo vende um bonito sortimento des e 39, ?ssim.'ciono:graBste -sortimento de ca-
mais modernos bornous combonitas listras e roukis Cranoezas tanto de linho eomodeaJ
vende pelo barato prego de 129 cada um, godSo de 19600 a\i 39, gr nde sortinaento
assim como um elegante sortimento dos mais de mehs cruss inglezas de 49 ate1 89000 s
bonitos chales demerin6 e com listras de seda. duzia
Ceroulas fnncezas de linho e algodao, para todos os precos e qualidades, asia
como grande sortimento de meias cruas, camisas, colennhos, que tudo se vende po?
precos muito razoaveis.
Vernizes especiacs para earnia-
gens.
Este verniz, ouja falta aqui tanto sentem
os Srs. fabricanU-s e possuidores de carrua
gens, acaba de chegar para seu unico depo-
sito, das spguintes qualidades.
VERNIZ SUPERFINO PARA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' um verniz muito^iaro e duravel para
as caixas de carruagns, para todas as de-
mSos, ou para a ultima ^pomente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
horas, depois das quaes se expoe ao ar por
algum tempo, o que faz endurecer, e passa-
das 15 a 18 horas p6de passar-se a caixa a ,
pedra pomeedar-.heemseguidaoutr.de- ^flT^W?!'
mSo. DSo-se com facilidade tres demos
Como tiio d necessario dar lustro i ultima
demao de verniz empregado nas caixas de
carruagens e no dos jogos, conve'm di-le
n'um local separado aonde uao baja pd.
1 Quando a obra urge, deve pdr-sn i soabr*
e ao ar livre depois de secco, isto d, passa-
das 12 horas,iava-se e enxuga-se bem com
uma esponja humida. Quantas mais vezes
se lizer isto, mais brilhante ficari o verniz,
e mais depressa ss tenninara* a carruagem
(em caso necessario tres dias depois da ulti-
ma demSo). Hurante as duas ou tres pri
meiras semanas deve-se lavar a carruagem
com agua fresca, depois de ler ser-
dido.
Os frascos devem conservar-se sempre
o resto do verniz
nao se deve deixar" ficar no frasco, e pode
deste verniz sobre astintas,
A primeira demao serviudo
em tres dias.
^is" a"*" paW
Cambraias Jisaa e 240 o 280 rs. ooovado.
A' rua de Queimado
nha ; dio-se amostras
Fernandes.
n. 43, defroote da Praci-
so na loja de Gtierra A
um excellente brilho.
Verniz superior seccanie
carrnngeua.
Este verniz e da mes.ma cdr que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e p6de misturar-se com o
anterior. A duracdo do verniz permanente
diminue na proporpao da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CAKRUAGENS
Nao e tdo claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e ta mbem para aspri-
meiras demaos sobre cdres escuras. Pode
passar-se a pedra pome passadas 10 boras,
podendo dar-se em seguida outra demao.
Verniz preto do JapSo, superior.
Para trabalhos em preto de carruagens.
Produz o preto mais i escuro e brilhante, e
pdde passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos sobre um
usar-se para as primeiras demaos.
N3o deve misturar-se com este verniz ne-
"* uhum uutro itwrediente. nem agua-rax, e
_ seccante. prf
I ciso limpar bem os vssos e os pincets, e
1 melbor e servir um piucel para cada ver
nil.
Deposito unico para o Brasil, Bartbolo
meu rio n. 84.
Tem para
Cognac
J. 0. Doyle.
s
vexd
Hennessy, superior e verdadetre,
Vinho Xeres das melhores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cna preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacoes chimicas do Dr. Avar
armazem da rua do Commerrio n 38.
Madapolao francez fino a
e-b/jj a peQa.
Com pequeno.sujo, e pBChincha : So na rua.do
Q'leimado b. 43. defronte da Pracinha.
Toalhas a 4#5G0 a duzia.
*6 na rua do Queimado n. 43, e grande pe-
chincha.__________________________________
Victoria
Vsudo-se nma {laquena vicKiria em bom esta-
4o,;.,flruad InperaUU p.9.
Mgeuho k venda.
Vende-se um rico piano noto, muito forte,
e de excellentes vozes, a tratar na rua do
fundo preto e cobrir-se com outras duas de Barao de S. Borja o. 29. Na messna casa
verniz que se emprega nas caixas das carrua- item-para vender-se uma boa mobilia de
gens.
E
jacaranda*. com pouco uso,
estado.
e em perfeiK
:i
dous vol 'N'ca ...T6aooa
la'Mi.ia-l8".|
A ifci'eao e-tiudo p>r! ^..tr-y.,. "amMntoftja
atL'ngip d.. puhtico's br.- ,-m^Ma, cujo mer|.,
mento dispen-a d fli.ia|quer -S X1 | ,
LIVRAHIA f>;!AX':,U.
Ven4k-se o esififllho Kstiva'.ki Cabo, distante
da estacto de Olinda cerca de duas leguas. 6 de
j'agaa e tern saVejado m iis de dons mil: paes : a
T|. tralar ao Reeiffenai-e Sr; BsrnsroiBO e Senna
1 jPontual, rua dkvMadra do Deivs n. 36, ou ccm o
t seu proprietary ao engenho Buranhem, ou Ara-
| riba de Gitita.
Amaral. Nabaiv C veadem aia-raras de pa.' ......"< ,^ .< & ,
pelao, brancas epxetas. parahomen,, mulheres e .,"ie,Wfl-. casa terr.oa, ,(c*ao,(oretroj
M3S
Looraos, deoeiim'.^e ararn|-4i- oera para h >mem, j &%&?** *
osaaas-e velhos, typo inwiraeiente ^naracadir: ue' SKJyrT
ssaiar^VicUiria, rn.i d.. 8a>o da.VK-tmjVyt. .' P"""*0- 0'V
iRalioas:
B-B1
VEUNIZPARACOUROS, BRILHANTE
ELASTIC0.
Este verniz, contendo na sua composi^ae
grande quantidade d'uma substancia muito
semelhante ao azeite denominado pieds botuf,
6 o unico que da flexibilidade ao couro ve
Iho envernisado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser applicada muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Expos to ao sol sec-
ca em 1 ou- lioras, e i sombra mas ao ar
secca em 4. Em tempo hpmidoe.inutiLtal
trabalao. Ror que.nto p.>ssival tornar o ^^ri^iSASrtaTSSa^^
verniz elast.co e,secco$e< ao mesmo tempo,; no rjaa,. victi|ufia do Barao .da Vici.tu a. 1
lernizpara apparel ho.
ViUa de Palmares
Por 2:200$ vendem-se as duas rasas detn.fl
e 52, sitas a roa ilaurity, de optimos oamnodM
para famHia, uasvbellas.de quiatal plasaado, 5
' quartos, A alas*rande caouha, a aoatm avis
do preco acima declarado ; sio constrnidaa die
tijnlo e madeira e bent.' conservadas
villa, casa n. 51.
Depois de ter applicado 2 ou 3 demaos
deste verqix n'ura,int8.rvAUo de8horas. dfif
vo-se d.oix*r-.s tbra intact* por 2 ou 3 das,
ao rim dos quaes sc pdde po)ir. eameitre
ma laoiliciNd.' R'' essencrtdmerrte neces-
Boa acguibi(;ao.
Vende-se a muit>iafieiiui'?.n<1a fabn'ca dechapias
da^sul, iu pria para qiiawner irm<;tplant dut' ter nonco j
quaqner t*m/rpl.'inte-pur1' ter ponco Aiwarl'f*iWw ^C rendem lavas ^Je peOka
vf>m% jrvHeivmids.e.iu MS*Oi*eoH(B#.ai5har )iB-itr*'c.>ini't*iunAl< '*j"ti*'0 .ft'Wf-Of-
duv|taar QaaeiAarr'Cfutf :# |ca fuia-.jla qjraviat' (Dr **a-Bin*9 VioturW; ua> db cia. ^ Via n. 2. ^ ^ I
rua de Luiz da Hego. da
jtfOj? do fuu'io,, com.quiuUljsario uubnr este verniz com iluas demaos do
tam,*Oa.i>im>s de fundo : quera, .nrniz svpertino rwra caixas- de earruaT
;.Jib a mesma n- 39. ______mRS,< rr ,
VERVJZ S#tUX&+
MeturaxM cum s tmtas d apparaiba. *
sobrH'tuiVi.'cO'n s tintas uioidas, pera'que
seqitem Mtmia tabiinsentu u;j parsr1 IhftS d .r
Asunicas v^rdadeiras
Bichas hamburguezasqae vem a aste mercatV;
na rar jjarqurfi dejolJBda all_________
Aos senhores io eg^Bnhos.
Venda-se.um swavo.uwcQ, ssestre 4e. s*nar
ecarr^iro :. aiiem* pretaadar dirij.se aro* c
Ronariaq. if. .#ruudo .aodar, das 0 Wi ii
*aatardei,o.sD9ttvo da Tqnda.se i* ao.caM*
prador_______________
Ru- dn. W
.Vsflda sa. unfa tmri 4e,
jroprje |ac* "toertB 4*. ,<**,
mos de coiapndo e 4b da lank,
em conta.
sao
^^^mmm
.

i


>
I
ft
[i
[i
I;


.
II
-;
\
(j
?

I
Diaria de feroamimco Teroa ieira 27 de/Auififco1 d* &?4
SttABES
Rua do Barao da Victoria 28
Bt xposi4o de Mis. em 1W7, foi oodqkMo a
Uureoc Tereirai Meiides (Joimaraes
Declara aos sens.fregu^s que torn, casolviilo foaer uaiaignante liquidacao,
fim do porrente anno.
. 4 SABilK
CA.MBRA1AS BRAXC|^ AaHftOOj;
Vende-se pec^^e,cambqaii:t>rAQa, ta$a-
4a e trapepareote, a 30, 35flQ.,..4#0O0 e
5?0QO.
LASI^B>SAB0,0RS.
Vendese l&sinbas para vestidos, ; a20u,
| 390 e 500 rs. o covatlo.
Elias Howe Junior, a njedalha de ouro e a COf>dcora- ALPACAS AGiQ RS.
cio da Legja* de Honra, por seram as machioaa mais set* Vende-se alpacasde cores com listrasa 640
TV *v-r r o 800 rs. o covado.
fetus do mftftdo. GiANADINE A $00 RS.
h^, ----- ^- Vende-se granadine preta com listras dfi
WBO,;c0r*, pasu vestidos, a 800 rs. o cor
co- vado.
POUPELl.NA JAPONfcZAA 1,5800.
Ditos fo|tftiU* a.4&v30#OO e>4|WO0.
Ditos de massa, a 490 00.
pkh.fi:m,vhus em uyimiGAO.
Vender $)>outtesi deidivarsos tatnaahos,
a li% 20* e a40^o3a0 rs.. todo bom.
Vrasco de lwnbo> a 100, 3*0 e iOO rs.
, Frasoos csora agiAadecolaaia, a -240 e 930
' rs. eada tn. E outoos, muitos extractos que
se veude muito ibaratarpara liq-kiar.
UK
as
RUa'Prirociro de'Marco n. 7 A
BE'
C6*fei*Q Sjpioes & C.
El.esia tuna das cJBSs,aM *>?jf i|*W.Prir
tnazla offerec'er ads seus freguezes um variadijai-
para anto'de" \oi-

i- E.
da machiua
de
A rned*lba,d ouro, coofeaida
Estados-Unid^s por ser oiDitQr
- tor*.
A medaUja de oaro na exposjcap da Londres acfeditaaa
estas machinas.
TOALHAS A 800 RS.
Vende-*e toalhas f^lpudas, a BOO rs. cade
uma. LeuGos broncos,- a .30000 a duzia, e
3$0OO nbaiubados, lazejtda- que veode-ee
pariftOQO.
0 KAVATAS PRETAS A MO RS.
Vendo-se uma fazeoda nova, com lists', Vewio se *jBvatas, pratas, a 500 rs. Man
com o Dome de poupelina japouaza, propria. tasda cores 200 rs.
para veslidos de senhoras,. a 1JJ80U o co- I Chapeos para bapltsadoa da raeninos, a
vado. Todas estas fazendas. sau vetvUdas no 33*000.
Bazar National, & rua da Imper ariz n. 72.! RENtiAUS E ClHlGOrTES 8OO1RS.
V da
du
Cato-noe odever de acnunoia* que a oompanLia das machinas de Ho* e de Nova-
<.-*, eatabeloceu nesta cidade na do Barao da Victoria n. 28, urn doj-osito e agenda
ftrai, ptta em Pernambum a nwis provinces se venderem as a'famadas macbinas de cos-
nra A" Howe. Estas maoHnas sao justamente apreciadas peia perfei^ao de seo trabalho, f
^^fegando uma agullw mais curta- com a mesma qualidade dflTinha que qualquer outra,; vado>
. a4arattedJttc^d8TOvr'ii|tei4^ad68apparelbos, estamos actualmente habilitados a CASSAS DE CORES A<260R8.
ifsreeer $ niapuWico meRidWes macbinas .do mundo. yenddse cassas iraocwas finas de cores,,
Am vantagens destas machinas sao as segmtites: \ a aao, 3204oo rs. 0 covado.
CORTES DE C.ASSA A25.0,
Vende-se c6rtes de cassa paw Testids,
com 10 CHITAS LARGAS A 240 Rs.
Vendp-6e cbitas-ffapaez^s^lftrgBSKtlo Pdres
VB8S, a 240, 300 320;e 360 rs. o wvO
friDKHia.0publico saiwqn ellaaQ duradouras, para istoprova inoontestarel, a
**aWMtaoia de nunca teer ana*-** >^j no jr.ercado macbinas d Howe em segun-
IHiiMJH r \km o tna^walpreeiaaprarepararqualqoerdeaarfaojo^
QResfra>-^H* nUas joenort fr*cc,aet emrejasdiverseBipe^as, e menos rapido esirago
fuaavaa otr*5.
artv.formam, a potto cefeaa se iera feito a m*o.
(Jdnta.Permitte ^e-se eiamind. o- trabalbo de ambos os fios, o qvftsa nao cousego
ajealras
fieata.-
togo era
-Fazam. ponto miudo em casemira, atraressando o fio de ur i outro lado,
segujd* sam. mouitkar-w a tensao da linha, coaem a fazenda mais
Setbna.0 esso> eilevantado com a major facrlidade, quando se tern de mudar
agulba ao coma^ar itora costura.
Oitaya.-Muitas. eompanbias de maohittaa-de costura-, tern tido.epocas de graadeu e
cwtoacia. Machinas oatr'ora popuiares, sao boje quasi desconbecidas, outras soffreram
tidancas radwaes^para-poderem sabstituir': entretauto a companbia das macbinas de Howe
*opUndo a opiniao de EJias- iRoweitmestre era aftes mfobauicas, tern constanttmente
ijilllibi seuiabrico, e> hojeiiao- attende a procura, posto que laga 000' macbinas
Ciila -nacbisa aoonapaqba litretos com iastructjoes em portugdex,
QBE, IM0S
do Barao da Victoria n. 28.
ICHINAS PARA COSTURA
a mmm e 3 DOUS P0SP0NT0S
X* lojade Soares Leite Irmaos, k rua do Barao da
SAIAS A 2C00O.
Vende-se saias brancas combarras.de ce-
res, a2JM)00.
CHATAS PARA CQBKRTA A28Q ASki
Vende-se obitas; para cobertas, a 280 e
360 rs. o covado.
MEIAS PARA 1IOMENS A 69000 A DLZIA.
Vende-se meias cruas verdadeiras, .para
homtKis, a-69000. a duzia, a qual \&i
88000.
CHALES DELA A.800 RS.
Vende-se cbales de la, a!80 rs. eada
um.
CHITAS E1NA8 A 400 RS.
Vende-se cbitas finas de campo largo, fa-
zenda rr.uito boa, a 400 rs. o covado.
CHALES DE MERINO" A.20QOO.
Vende-se cbales de meriod estampados^ a
29, 39, 49000 e 59000;
Ditos de. lisU-aa a 59000 e 09000.
BRLNS EM CURTIS Ai 19500
Vende-se cortesde brim de cdres epardo,
a 19^00, pra liquidaf
COBERTAS DECH1TAA19600.
Vende-se cobertas de citika, a 19600 e
29000,
BRIM PARDO E UE CORES A 400 RS;
Vende-se brim pardo e de co res, | para, rou-
pa de. homense meniuos, a 400 rs. o cova-
do, para liquidar.
COLXAS DE CORES A 29000.
Vende-se colxas dc coresipara cnma, a 29i
e 49000. }.
TRANSPARENTES PAR A CAUEIRA&ik-
19500.
Vende-se transparentes- para cadeiras, a
19500, para liquidar.
.SONETS A 500.RS.
cada-uma, para liquidar.
GHiA^ffi LIQUHJAgAO OB ROIPA EE1TA
Vende-seereiulas- de ajgodao, a 19000.
Vitas ce\ Ymk*** 19600 e ^ooo.
Caiwisas de aiV(vs 8iuisv a UtiOO.
Ditas de peito de cores, a 29000,.
, Liitas. brancas finas-, a 29000! 390QO e
49000,:
Calcasde.-briis pardo e do cores, a 29000:
e2950O>
Ditas, de casemira de cores e pcetav a 59*
69, 79i00.e 88000..
! Balitotsde, aipseaft'decoresv a< 29500< i
Ditos pretos, a-99000 o<39t>00. B,A
; Ditos do casemira de- cores, a 49 *
09OPO.
Ktos .4itt:|*tM a. 59000,, O9600,
89000.'
CoUties de casemira de cores, a 29 39
49000.
Cawissa de,flaoeH8 29500;
Alf.DDAiO A-49000)
Venaifrse pesas dealgodae,^ :-.. 4#,.59 e
69000.
GASEMIR'A WWpRVimo..
VetideVse tJaSeltiira' declres,1' a 298000'
odvado.
WABAWp.* A .39000:
Vende-se bt^as de .'marJapoWe' enfestsdoi
a39W0-: '"
1 Mibiatfwn 49500, 59; G9e' 79000 a
P*;a.
BOTINAS A 49500.
VeB
a4950^MQ.i65OOO.
Sapa|(os1,de)^Bete|1 a 4954*0.
atosjdertraflc* a,^9fl0 e.,9f00,
, B8A#*NTE A 19000.
Venderse bram^itte corn 10 pabnos
largura, para le^as, a 19j600, e 29500
metro. E^outras rniiitae fazcndas propria'
do mericado-,que ^e^veu^ sem reserva, de
bio sortiraeutu de fazendas finas
lettB, e-Mm OfSim-paira uso ordinario de todas as
classes,' e por pregos vantajosos, das quaes faz um
i n PeQW0 r-esunw. .
Han4aite fazendas as cafas djs pretendeutes,
ara:b True tern pcssoa1! ne'cessarlo, e dao afaostras
acnMor.
de seta de fitaii* eflres.
sdeaaples de todas as cdres,
jrgurao brapco, Uzo.de listras, preto, ete.
Srti**arto, pr'eto e'de cores.
etosdMsplee-* rrto.
Velludo preto.
; Granaaine de seda^ prela ode coses.
Popelinas de lindos paarOe's.
FBo da'^eda1, boraco % jJiretb.
Ridas La^quinas de seJa.
Casseoc de nierind de cores, la, etc.
Manias brasHeiras.
' Coj s*s em eanbraia branca com lindos borda-
d%sJ
' RJcas bipellas d.mablas pars noivas.
Riqaissiiro sorlimento de las com listras de
seda.
Cambraiasdec6res.
DUss maripozae, brancas, lizas e bordadas.
Naozuques de .lindos padfde.
Baptislas, padr5es deiicados.
t. Percalinas de quadros, pretos e brancos, listras,
eier/eie:
Bros de lkiho de cor, proprios para veslidos,
com bsxra e listras.
tticoe cortes da vestido de linho, com infeites da
rnesma' cor, ultima moda.
Ditos de canibrara de cores,.
Fustaode lladas cores.
- Ssisa bordadas para senboras.
) Ganjisa* bordadas para senboras, de linho e al-
jgodAo,
JouviD, para homens e seatioias.
Vestuarios para -meninus.
Ditos para baptizadu.
Chapeus para dite.
TSilbas e "guardanapos adama'cados de linho de
cor, para ihesa.
Gilebas de la.
GortuuduS' burdados.
Grande soitimento de caraisas de linho, lizas e
bordadas, para hoaiens.
' Meias de cores para hamens, meninos e meni-
PREDlCiAEI
A' rs> d C*lM(ca n. A.
Qs prpprietarios da IrodiUjcw, no lutuit-i
conservar o bom conceito qu. tueui rnerecido
respeftavel publico, distiuguindo o sen estabelecl-
meoto do* mais qae negociam no mesmo geaero,
ream srieatificar aos seas bons freguexes qu*. prs-
Tenirsm osseus correspondent':s nas diverasp*r-
as d^uropa para lhes enviarem por fcdos os pa
qnetes os objecto; de luxo e b"tn (tostu, qoe se-
Jam mais betnaceitos petss >-<-ied.ies elegantes
daquelles paues, visto aprozimar ee o tempo de
fesia, em que o bcllo sexo dfu lioda Veasa>
mais ostenta a riqueza de suas t-,ill,:ttes : e co-
mo }a recebcssem pele paquete francez diverso
artigos da ultima moda, veem patentear algoc
d'entre elles que se tornam mais recommendawis.
esperando do respeitavel publico a costumac-
concurreneia.
. Aderecos de tartaruga os mais lindos que teem
vindo ao mercado.
Albuos com ricas capas de madreperola e is.
relludo, sendo diversos tamanhos e baraios
pre-
50s
Adereqos coropletos de borracha
to, ti
nitos.
cos corapietos ae Dorracna pp-pnos para
ltto, tambem se vendcm meios aderecos moito tx>-
Vende-se bonets de seda para boroens, a preco, para liquidar ai^ o fim d corrente
500 rs.
CHAPEOS A 29500.
Ditas. escjceea*..
Complete surtiraento de chapeo? de sol para bo
tnenS'ff^enhoras.
-\MeVfed-deo6rv?paTa testidos.
Dito preto, trancado e dito de verao.
I Atoajhado deliuho e algodao para toalhas.
Atoalhadi} pa'do.
SamaJ>'o de la.
rftw de linho, branco de cores e preto.
Setim-de lindas cores com listras.
Ghales de merino de' cores, e pretos.
Ditos de'caVemira.
Ditos de seda preta e de cores.
Ditos deloaquira.
Caoasas de cbita pars homens.
Ditas de flanella.
Cereulas de linho e algodao.
' PahhoS de crochet para1 sofa, cadeiras e conso-
les.
Leacps bprdado? e de lahyrintho.
; Colchas de crochet.
Tarlatana de todas as cores.
.Kteds- cortes de;vestidoe de tarlatana bordados
'para o(te&.
Espartilhos lisos, bordados.
. Foulard tie seda, liddas cdres.
i Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas WHH deseda e:la para senhoras.
Itino sortiraento de' leques de madreperolas e
P5S0.
Damasco de seda.
,' Btaosicbapeos e chapelinas para senhoras, ulu-
inaraoda;
Casemira preta e de cores.
Chites, madapolao, panno fino preto e azul, col-
iariBhosi'punhes- de linho e algodao, gravatas, In-
i v8 &a fio de Escossia, 'apetes de todos os tama-
(nhof, bolsas de viagem, peitos bordados para ho-
: mens, le'nws de linho branco e de cores, toalhas,
guardanapb's, etc., etc._____________________
Vende-se
pellica
Victoria n. 28.
eom pequeno toque, i Espelhos de moldura dourada,
de todos
I os.tanaanhos e precos.
PERFUMARIAS E MIUDEZAS.
Frasco com. oleo Onza verdadeiro,
taras de
. 200 rs.
ibotoadsiras para collete, grande sorti-
ento a 120 rs.
1 aixa de tlnha de marcs, a 200 rs.
Lamparinas i gaz, da-edo uma luz muito 19000.
na, a I9OOO. Idem comtoaico de Kemp, verdadeiro, a
Dttia de pejas de oordao imperial, a 19000.
1*0 rs. Garrafa de agua florida verdadeira a 19200
Gaiw de botOes de esso para calca, a' Garrafa d'agua japoneza, a 19000.
#00 rs. Idem idem divina, a 19000.
Juzia de carreteis de linba, 200 jardas, a Idem idem Magdalena (novidade) a
00 rs. 19200.
Idem idem 60 jardas, a 240 rs. Caixa de p6s para dentes, a 200 rs.
tfaco de fita chiaeza, a 800 rs. Idem idem de pds chines, muito bom. a
Caixa de linha com 40 novellos, a 500 rs. 500 rs. e 19000.
Ueios aderecos com camaieu, a 500, rs. Pote eomopiata de Rieger, Rimel e Gros-
iarrafa de tinta roxa extra-fina a 19000 nel, 19 00.
Poles com dita ingleza, preta, a 100 e Duzia de saboneles de amendu?., a
atiOrs. 39600.
Caixa de pennas Parry,, muito. boas, a Duzia de sabonetes de anjinbo transparen-
MOO. tes, a 29200.
idem idem, a 400 rs. Idem idem com flOres, a 19500.
Caixa. daeaveloppes tarj&dos, c 500 ts. Sabonetes Glycerine transparentes, a
idem idem forrados, a 700 rs. 19000.
Caixa da papel amisade, beira dourada, Caixa com sabonetes, formato de fructas,
00 rs. a 1900Q e 19500.
idem idem idem lisa, a 600 rs. Cosmeticos, graudes e pequenos, a 100e
Duzia de talheres cabo branco, 2 B., a 800 rs.
9000 Frasco com agua de colagne, a 200, 320,
Resma, de papel pautado, a 49000.600 rs. e 1^000.
* 59800. Extractos muito finos dos melhores au-
Idem idem liso, a 29800, 39800 e 59000. tores.
Coques modernos, a 39000. Lindas e elegantes caixinbas com perfuma-
Duzias de pecas de Uaacas de caracol rias, proprias para presentes, dos autores
i-rauca, a40Ors, R. Codray, Rieger, GelW Freres,etc.
Idem idem lises, a 200 rs. Quadros com santos e estarapas separa-
Leques deosso e sandale, a 29000,. 49 das.
69000. I Entremeios e babados transparentes e ta--
madarelbsdode todas acoreselargUT pados.
u. I Wma gr^pdetafcoleta propria para qual-
Microscopies corn 12 vistas,|a 69000. quer loja.
Frasco comoleoparamachinaa,4Q0rs.
Rua do Barao da Victoria n. 28.
ianno, pdr,isso ,conxem.aos compffldoces, sor-,
I lirem^e de fazenda^ baratas, para a presen- umamobilia de amarello, composia de li cadeiras
,. .___I ~Ji~ .7 ''.;*', 1 ~ ^1 de Kuarnicaot 1 sola, 2 conjolos, I mesa reaopda,
Vende-se chapeos.de caatoc para rr-eifWOS. te festaqpe esti na pprta^ & rUa da Imperatriz i^nbemllavatotio e 1 mesa de iantar de iaca
Botoes de sctiro preto e de cdres para ornati de
vestidos de sexaora; tambem lem par* coUete
palitot.
Bolsas para senhoras, exists um n. Uu surtinMB-
to de seda, de palha, de chagrim. efc, etc, por
barato prejo.
BonecaS de todos os taroaoaos. tanto de 100^
como de cent, de borradja e de massa ; chana-
mos a atteocao das gxmas. Sras. para este artigo,
pois as vezes tornam-se as criancas um pouco ln>-
pertinentes por falta de DBawfltt que as ea-
tretenham.
Caihisas de. linho lisas e com peitos bordaoo*
para homem, vendem-se por preco conmodo.
Ceroulaa de linho e de algodiic, de diversos pre-
cos.
Gaixinhas com music a, 0 que ha de mais lindo.
com disticos nas lanipas e proprios para presen-
tes.
Coques os mais modernos e de diversos fornu-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam nm sortiiitc::
da ultima moda, tantb para senhora, como par.
meninas.
Capella9 simples e com veo para noivas.
Calcas bordadas para meninas.
Entremeios esiampados e bordados, de Iimk4
desenhos.
Escovas electricas para deutes, tern a proprit-
dade dc eviiar a carie dos denies.
Franjas de seda pretas e de cores, exi.-te HI
grande sortimento de divercas larguras e bark>
pre?o.
Fitas de sarja, de gorgurao, de setim t de cta-
milote, de diversas larguras e bonitas cores.
Farfhas de gorgurao rndifo linda*.
Plores artificiaes. A Predilecta prima em con-
servar sempre ura bello e grande sorlimento des-
tas no es, nao so para enfeite dos cbellos, com*;
tambem para ornato dc vestido de noivas.
Galoes de algodao, de li e de seda, brancos, pre-
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e senhoras.
Lacos de cambraia e de seda dc diversas cores
para senhora.
Ligas de seda de cores c brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de madre-
perola, ,marlim, 6V0 e velludo, tudo que ha i*
bom.
Pentes de tartaruga e marfun para ahsar os ca-
bel os ; teem tambem para tirar caspas.
Port bouquet. Cm bello sortimento de madre-
perola, marum, 6sso e dourados por barato prerv.
Perfnmarias. Neste arfige esta a Predilecu bem
provida, nSo so em extractos, conn, am oleos e
banhas dos melhores odores, dos mais r.famadc
fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Hygienic.
Coudray, Gosuel e Rimel ; sao indispensavete para
a festa.
Saias bordadas para, senhora, por comnv.d-;
preco.
Sapalinbos de la e de setim bordados ,para ba^-
tisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecta um bomto K*U-
mento de diversos tamanhos, tanlo para sofa c> -
mo para entrada de saias.
Vestimenlas para, baptisado n que ha de mrl> :
gosto e os mais modernos. recelieu a Prcdilect?
venae por barato preco, para Ikar ao aleaace
qualquer bolsa.
Rua do Cabuga b^I
Vende-se dous bons pretos de 30 a 35 aa
nos, proprios para agricultora, padaria ou refina-
clo, por serem muito trabalbadores 0 fortes : mm
rua de Hortas n. 96.
e homens, a 29500 e 3&000.
.\i fnnili(;ao ik* im\w) & irmno,
aruado Bnmi us. liiO a IW>
Veade-se os seguiates ob-
jectos, por pretos
commodos:
VARAKDAS franoezas de ferro fundido de diver-
e bonitos go-tos.
FOGOEB francezea graudes e pequenos.
DITO dito para trabalhar com gaz.
BuMBAS francezas de repnxo.
BANi.OS com pes de fe.ro, com maila e sem
ella.
PES de ferro para mesa. .
JARROSi de ferro para jardim, graodes e peque,.
nas.
MACHINAS para gelar agua e fazer gele ; gelam
agua,em 10.minuter azem gelom
11. 72. Bqz-V ^aciftii,al.
I Vende*se
!
:.ppr..flKu$o cojBinodp prfgp exceJleutea terrenos]
nos segiiiwes lugares,: BaTqrre,.a' margem do rio ]
Gapibaribee p^rto da e^tacao dqcf.minho de fer-
ne ; na eslrada de Beberibe,... a margem do rio e I
norto da estaeio do.caxDUtha isoifepq,. aa. estrada
nrva.de Bqlerjibe,, tamb^p pe?to';d^.,Mtao : *
,pat^rcomjpao Ifejtpsa, na.^u^ estreita.do nosai
'imer'o ?3.
ao : a,, pjodo
Sario
rfnda,.tudo em perfeito estado : aver no p: leo da
Paz; errt ATogados, loja de marcineiro do Sr. JoSo
Correiaj quo indleara quem vende.___________
Borracha
para lima^.
Recebeu ultimamente a pharmacia Torres, da
melhor qualidade, e wnde por preco mui com-
na rua Direita n. 135.
GiiapdesQta1^#
firande pednocha a 200-re o
Cmas, la,.padrd>s novas, e de mais gosto que
h vindo ao mercado, so na rua do Queimado
43, loja de Guerra & Fernandes, pelo duninu-
precp de 200 rs. o covado I
theguem fregaezes que se acaba
Farinha de ararata
Vende-se superior fariubdde araruta, tanto em
poncoes como a relalho, port prigo. qpe ardmi'a,
visto sua qualidade ; deposltos nos seguintes lu-
Sres: rua do Vigario n. 26, rua do Amorim n
, e travessa da rua das-Gruzes n. 4, a 800 rs. a
libra a retaiho.
VENDE-SE
ama casa aa villa de Barreiros, aa rua do Com-
ssercio, nor preco modico: a tratar com Tasso
imOestC
fts verdadeiros
Vinhos de Bourgogne
das marcas
Chambertin
Poramard
Virits
Volnay
Beanne
Monthelie
Dito Bordeaux em quartollas.
Yeade-se pr i>arala preco
PARA LIQUIDAQAO DE CONTAS
HA
Rua Lar^M da Rosurio 84.
Rotica.
H
Borracha para limas
Borracha para limas
Borracha para limas
Da mais nova e superior qualidade. vendem,:
BttrihttluBcu k 0.
34-Rua Larfra do Bosarlo34
Machinas para fa^eri limas
Machinas para fazer lrrn^s
Machinas para fazer ilimas
: Gom 12 asles e boa-seda, e cabus de madeira
E' muito barato : na rua da Imperatriz n. 56, loja
da Rosa Branca.
Vendem
31
BM'lllblOHiCU i C.
Ha* l^affga. lq Rof#ap;^-g[4
rhanziahaa. aom iisiras^estaapadafl pelo.Quninuto
ecpide 400^5, o.covada*.
Ditas com listras assetlnadas a- IJfOOO o co-
vado.
Granadinas pretas com listras de ceres a-800rs.
0 covado. .
Meiins u-ancados proprias para yeetido, a 49}
,o cpv.adp, ,
Alpacas dequadrosi proprias para vestidos, a
440'rs'. o covado.
1 Brim hranoa, lona^para calcai a 1*600 a vara.
01* tranc^oa,?*#, vara,
Dito de cores, bubo puro, a ljft.00 a vara.
Mindia
Chapeos de sol de seda, cabo de canha, a 8#S00
Sda um, isto tudo s6 no n. 20 da rua do Crespo
Kaoka mais cakllos
brancos.
TlNTURaBIA JflPBNEZH.
86 e unicaappTOvada pelas academies de
scieneias, reconnecida superior a'teda- <}ue
lem apparecido- ate taoje. DeposHo prince
pal i tub da Cadeia tfo Recife, hoje Ht*-
quez de Olmda, 0. 54, 1, andw, e '""o* ft?"
todas as boticas e casas! de oabelle^
reiro.
4U
Boa acquisi^e
Vende-se oupermuta-se porescrayos uma-
casa. Qonstruida de no,vo, tendo duass.la sa
iseis quartos, com. gabinete, saja de en-
gommar, oozinha fpra,,quartos para familia,
cacimha com boa agua de beber e um sitio
bem arborisado ; no alto da Torre : a tratar
nesta typugraphia.
Vende-se
uma-pane do sitio Graveiros, em Beber ibe de
baixo, ja cercada, com 900 palmos de frente e 900
de fundo, e duas rasas de pedra e cal, a margem
do rio, e bastante arborisadas: a tratar na ma do
GommerciO n li, escripiorlo terreo _________
(varnavai
' Slachinas paraencher limas de borracha, de
diversos' tamanhos efeifioi, etrchehdo'mil1 limas
per bora : untoo daposite, aa- phareiaeia .ainerlca-
naidB.FeyretaaJjIaia^AVaraft Daqw da,Gaxias,
n. B7.
Tinlit, rlw v uinio
i Ai'al iNabuco 4, Ct. vepdam Unum; orisaline
LoUQn.vegataJeMra, tingir.de pretas cabellOA
que se'eonnece ae mais util e-cornmodo, nao so.
no rrmdo ae emprega-lo, como no resultado que
se obtem.! Cha Aitoe.'e preto chegadoaJtmameno'
Ktfl fuqw iagleabe Jmtfth. jar%cigarros earj
tmiwos ; ye^demij9 Basar Yip torR ruft dd B;
Novas popelinas a 1#400 rs.
o covado.
Ao ato da epocha.
. A | rosa prauca vende ricas p<. pelinas de seda
de uraaso, cor. fazenda mederna e mais largas
do diiel as antigas, vale 2*000, e a rosa branca
quemia-a a la'tOO o covado ; assim como, tarn-
lnem tern a fajenda,propria para as enfeitar. Man-
da se levar nas casas a rua, da Imperatriz n. 56,
Jpja da rosa branca.
Veos pretos a 4ft
A rosa branca tern superiores yeos de filo de
seda, 6: veo.de pelo b^ratissimo preco de 4/. : na
rua da Imperatriz n. .56, loja da rosa branca.
Brim;, branco trancado
fino, que val 2i000, por 11280!! a vara a qua-
trpipalaeas M. so na. Rqsa Branca, rua da Iroae-
ra'tUK,'B. 56-
Bram pardo fino a 500 rs. o
covado.
da, Rosa
Attencao.
Vende-se a armacao de fazendas cxistvntes li
loja do chapeos, sita a rua de de tareilio Bias B
61 ; loji esta que pertenccu ao finado Tianqu:.
no Candido da Silva, a qual se acha muito hen
sortida e e muito arreaitada. Quem prctpnd'-r
uma e outra cousa, dii i j a c a rua do L, o J^isor
n. 48, escriptorio de B. Burle & G. que achar?
com ^uem tratar.
Lindas las escocezas.
De varios padroes, e inteiramente modemas, l
360 rs o covado : na rua Primeiro Ae Marvv>
antiga do Crespo n. 13^ loja das columnas. de An-
tonio Corrria de Vascoueelius.
W
FtRFUGI!0>0. CLI'fO E TrVGUEIRO
HErimRiKR
ivalbirn 1e foghto de Honra. Official do
l/, djfilir t'l'iir.ntniiailoriliinrtli'iii rflza-
',..' It C: '/..'.".-7.
Pom
-T7-
rn

M.HI.II.
Chitas a 240 rs. o covado.
A 240 rs. o, co vado.
A 240 rs. o covado.
So na rua Duque de Caxias n. 60 A, loja da
esquina.
n^)goeio paa princi*
piante
Vende,se nma Uverna eoi ucoa d,s ruaaprinci
paes desti, cidade, bem afreguexada para a (iraca
, e para o miito, e o muiivo'de se vender se dlra
' ao comprador, conforme se cnnvenelonar : qnem
pretender pode dirigir se a rua Imperial n. 202,
que se dira quftn veude.___________^___^__
Sal do Cabo Verde
Ti em para vender Joaquiui Jose Gon^alves Bel
trio A Ftlho, a bordo do brigue portuguez Ova
renx, fundeado defronte do trapfche Cunha, e
para traiar ne sen escriptorio a rua do-GomBWn
cio n. 5.
r comtoaue de mdfo : na loja
. _jcaV rua'daTfflperatriz fl. 58..
LS.se^ra^.a 240 rs. o co-
vado
E' fazenda tapada e boa para vestidos.
; TCAJBRAiADE:C<>BA
?60 RS.
0 COVADO.
r/ande p^clwncha/ na,loja da, Rosa Bran-
a Imperatriz n. 96.
C&aies..-.baratoa
de-htrafv muito bonitos. tor 8i ; esta pechincha
e na Rps^Br^Bca, rua da, lmp^ratrjz, q. Shy
Abta.6
ca, rua
Star 'Gwuftrftps (.
yA, DO, COR.PO ^Sto N. 0.
Ppra^ yender em seu escripfono o.se-
:Tj
gnin.-
^"TWIaie Otfgias. d^itePa, d# Liiboa.
Viobo fino do Porto, em caixas.
Dito Carcavellos e secco, em ditas.
Ferra8ens A" For10-
Lindo chiariz.
Vende-se por pn co barato um rico chafariz
de marmnre proprio para jardim, o qnal se acha
armado na official de maimoro do sr. Lima, a
rua do Imper-ui'-r para quem quizer ver : a
traiar na rna do Crespo, loja d I'.sso junto ao
arco de Santo Amnnfo.
|J 111!'
li. -
B .- lit r'rn
I... <<<-('hetri-r deve o seu an ma
1.1 ni< ins I'.ilsani'Nis (iup ainda aus?-
:."k. as ^lOBtpWprMann tlipmpeuti-
o mosmut mpo w o U'rnSo a?ra,la-
. <, i : U () SPilli. ; r.!:,',rii;r romp'' -U IM
|,l>si:i]|.|>rl i -n : irii'on !o,!:ii t^deferro
;:... m-:i I-.. V li :-.!> iH" Ba "l hau. ICste
inlriidp r"-H" h.'.r.tlltn" r rr :-ino-
J.;.i< ;::. |ii-,i|L. u-i.. ': f ilooloo
rn>. 4-1* laell lijp'S.an e nunca
-1 |iris< ,>d Todas as qiletir lajh'S modi -is o pte-
fcri'in as outris repararBM Orroaino-
s,,- i'.ci. v.'in em >'* os casn~ .in qne
rUhPIUfB" :/ I 0 fprVn T."la pnlOIOIWV, j
Ei.uu.cliileu, Bat 1 !i mpitttni. Coin ?T!-..iimttaino. !>?
pppsiii. '(iiiinlr'vuriii 4en;',rail ell
ST ctKjplU^'Su".
DEPOsuo i;m r.vii.s: Pliarin CKEVRIKRI
l\. nwbourg Montniart e.
Nt mcsm.i phannacia ar.nio-se o \ i>o I
r R i\m ile Cot.a, excollentes i>rep>ra- I
,q8e.r tonicas. Os granulos df Bismuth !|
composlos oontni i.ts (tinrrliM*. "I^sen-'I
'/i^oc- *l(-,'pc Hr fc***- -" I
FUNDA ELECTRO-MEDICAL
IKYtHCr* r*MU(lMMRA15 ANNOS
pan con mfqui a e dmdootores HABK
liiiul> d** TB t B r*i "* Inaao*. wmtttf JnaMa
, tup d J/Aihre-Sec, Pab, Vai accoquwa-
hada da uma notjcla.
UpoltoePCT^aii 1
I 1
fara acabarl
Ricos chapeos paia seahora : s6 na rua Duqne
de Gaxias n. 6y a loja da esquina.
ktmtimtiilo : TaHH. i tun***** a*imi.
(; PASTrLHAS BlGE8Tr?A8 fibrid Vicky
cum oi Saes extrahidos das Fanlas. Silo da gosto.
agradarel tina accio eerU contra I Am
a aa digeftldes difflreif.
8AES DK VICHT PARA BAWH08 Vm rnlo
por um banho, para aa aoa quo sao aoOm
iraViclij.
Para evitarn imitiifOei
exij/ir em todnt at prorf-"-( oinrce *
CORTRUU N ISTSBO FCE1.
Ob prodactoa a,acnM aaU<
Em P-nam6uco,rtW8Bf r~>-
A. BMPRD.t
*
I




"' '
1 -

Diark) de Pemambttco Ter^a feira 27 de Janeiro dfe U7
VARISDADE
SUISS V. Dam<
cortsel o federal suisso ao Sr. Agnezzl, en-
hot! do
reconhecen
^residen-
irnparciah
carregado de nrgucjo* da satfta se nosse
paiz, datada de 12 de dczembro ultimo :
0 conselho federal recebeu no dia 8
d este mez, pela legato da confederagio
suissa junto do S. M. o rei da Italia,
communicagJo do texto officioso de ura do
cumento intitulado Epistola encyclica, quo
S. S. opaps Pio IX dirigio em data de 21
de oovembro de 1873 aos patriarchas, pri
mazes, arcebispos, e bispos da igneja Ca-
tholica.
Se este documento, qae tore ns Suis-
sa a mais complete publicidade, a quo Ihe
dava direito a liberdade de iroprensa, so Ii-
mitasso a'promulgar sobre questdes da dou-
trioa, ou de disciplina ecclesiastica as de-
cisSes d) soberano pontifice da'igreja roma
na, o conselho federal nao teria que seoccu-
par d'elle. 0 conselbo respeitou ate aqui e
iiligenciari sempre fazer respeitar, a liber-
dau!" "*e crenCas. em todas as circumstan-
ces- ....
Pelas nrono8ti,s por elle 'u'tai haja"
muitos auEesi ^^mblea federal para ore-
gulameftto consthucioJ"1 dos a^a'nP^ ec-
desiaetfcos. provou como *nbor<
gad j de ncgocios da santa se ."
em urna conversio recento com o ,. .
to da confederacSo, que elle este aniwna7.0
,ln, rnaior espirito de justiga e de irnparciah
d.ide para com todos os cultos.
Porem a encyclica do 21 do novem-
bro de 1873 Etsimulla luctuosa, contem
a precisa a respoito de diversas autoridades
legitimamento conslituidas na Suissa, e de
cartes decisoes qae estas autoridades tern re-
gularmante tornado, accusacdes na natureza
mais grave e mais directa.
No numero d'estas accusagfles figura a
de haver violado a fe publica ( obstante
rtiam data publice fide), e a de ter, pela cx-
pulsao de um padre do territorio suisso,
commettido um acto vergonhoso e cheio de
ignominia tanto para aquelles que o ordo-
naram, como para os que o executant (foedti
d indecora mandantihus atque exequanti-
l>US. )
Poslo qae o poder temporal dos papas
ja nio exista, o conselho federal tinha ate
agorajulgado dever mantor relagdes diplo-
raaticas e officiaes com a santa se. Troce-
deu assim, por consideracao com o sobera-
ao pontifice, e pela sua situag.ao presente,
por delicadez* pessoal para com o actual
F-ocarregado dc uegocios da santa se ao espi-
rito couciliador do qual esperava prestarho-
rnonagem, eem attencSo aos sentimeutosdos
catholicos suissos.
a Como porem o papa, emdesprczo d'es-
tas r-bc&es e das attcngoes a que obrigam
como consoquencia elempnter, profere, os-
tentosamente, contra as autoridades suUsas
t contra osseus ados, accusacdesgraveserepe-
tidas; 6 da dignidadee do dever do conselho
federal reconhecer que uraa represenlacao
diplomatica permanent^ da santa se na Suis-
sa se torna inutil.
0 conselho federal tern por consequen-
cia a honra de levar ao conhecimento de
M. Agnozzi, e de o convidar a levar ao co-
nhecimento do seu governo que a ditar do
dia de hoje, por causa do facto praticado
pela santa se, a confederacSo Suissa nSo po-
de continuar a reconhecer o encarregado de
negocios do papa, como representante acre-
ditado junto d'efla.
0 conselho federal roga a M. Agnoz-
zi que se sirva fazei-lhe conhecer a data da
sua partida. Ateentao, tomara.as medidas
necessarias para qae o encarregado de nego-
fios da santa s6" goze de todas as att ncdes
que sao devidas ao seu caractor diploma-
tic.
Exprimindo a M. Aquozzi o sentimen-
toque experimenta pelo dever de tomar a
resolusSo quefaz objecto da presente note,
o conselho federal aproveita esta occasiSo
para Ihe assegurar a mais distincta conside-
rscio.
B>rne, 12 de dezembro de 1873.0
presidt-nte da confederacAo. CWrrfwfe.chan-
dler da confederaoao, Schiess. *
Hespanha.Eis a carta escnpta por Es-
jijrtero a Emilio Castellar:
a L'igrono, 27 dc dezembro de 1873
I dever de cortezia e ao apjeco que V. Exc- dos com Mghmtomo na grande obra da
me merece^e ntetiK-desM immedaUisen- ngenirataobespanhola.
te.aasimcomoaosseascollegas.osmaisexpres Enlrelaoto. eu procurarei tornar-me dig-
sivos agradecimeptos pelol termos beoevo- no de tao alta gloria, e'aqoi, em terra es-
los em que, oa spa de SJi, me fe4icitem pelo trangeira, continuara" sendo allivio e descan-
anniversano quolla noite terrivel em que a* teete da um d* nossa historia, das nossas glorias milita-
exercito soffredor o valente, coma bcspanhol res o da patria, lingua e Htteratura.
disciplinado e como tal favorecidu pela vie- Sei quao discrotamente cumpriri V. a
toria, me coubo a gloria de hbertar a invic- nlinha ineumbencia, e por isso fte agrade-
te Bibao.e ferir mortelmente a c.-usa do ab- 59 antecipadjuiente, ficando seu affectuosis-
solutismo. sirao
Trinta e sete annos toem decorrido d&sde
ossa e"pocha, e, quern havia de dizel-o I os
nossos proprios desacertos resuscitaram uma Texto da canvencao'celebrada. entre Mr.
causa que iulgavamos mor'a para. s:m- Fish, ministry dos uegocios estrangeiros dos
pre. De nOs oepende que nio cbegue a Estedos Unidos. da America, e o almirante
triumphar. C mtinueV. Exc. na senda que Polo, para resolrer o negocio do Virgi-
escolh;u pira cociliar a ordem com a li- nius :
Berdade, e tc:ihs a certeza de que alcancara" Os abaixo a*signados, tenlo-se reunido
o applauso dos bons, e que a historia ha de com o proposito do chegar a accordo defi-
faztT-Ihe justi^'. jnitivo rolativamente ao negocio do vapor
Assim e so assim poderd ver realisado Virginius, o qual, emquanto navegava
o seu ideal. Assim e so ajsim poderi con- |com paviltiaodos Estedos-Unidos, foi no dia
tribuir para a victoria da liberdade, e fa-' 31 de outubro ultimo, capturado no alto
zer a fejicidade da nossa hoje Wo desdito- mar pelo navio de guerra hespanhol Tor-
Si patria,- unico e desinteressado anhelo nado, chegaram as seguintes conclusoes:
=
Affotm de Bturbm:
frontal bastante desenovlvido.
4 As raaxiUas continham ainda muitos
les entre os quaes di versos molaras e in-
cisivos muito bem conservados. As orbitas
eram muito largas. Quasi todas as verte-
brae e as costellas foram encontradas. Os
ossos do pelvis achavam se em bdm estado,
beracomo as oraopletas, os humeros e os
outros ossos dos bracos ; as apophyses dos
femurs e das Hbias estavam muito pronun-
ciadas.
Descobno-seemfim uma quantidadede
poqaenos ossos, que comprehendera "prova-
velmente as mSos e os p^s. Dos vestoarbs
nJo rests sendo am pouco de p6-escuro,
Pela grossura e comprimento dos os-
aos, concluio-se que Petrarca era um b-
mem de etelhe mediano e de constituigao-
robasta Depositou se na uma, antes d*
tornar a encerrar-s-1, nma garrafa tapada
encerrando uma acta eommemorativa do
estudo anthropojogico, fovad a efeito po-
los cuidados e 6 custa da academia do Bo-
volenta, e assigoada pela mator parte dos
delegados presentes- *ceremonia.
d'e-te veterano, cnja norma de procedimen- A Hespanha, pela sua parte, obriga-se
to foi sempre ocumprimento da vontade na-, a entregar sem demora o navio de que se
eional, Itrata, assim como os passageiros, e a gente
a Com o mesmo enthusiasmo, a mesmajda equipagem quesobrevive, e a saodar, a
fe do ha trinta e sete annos, o meu coracao,
joven como n'essa epoch i, conGa no tnum-
pho definitivo da liberdade o na futura dita
15 de d?zembro proximo, o pavilhao dos
Estedos-Unidos. Todavia, se, antes daquel-
la data, a llespanha chegar a provar, a se-
do povo hespanhol, por tantos titulos digno tisfacao do governodos Estedos-Unidos, que
a? melhor sorte, e bem que os annos e os
achaques proprios da idado tenham debili-
tado o meu braco. o meu espirito inquo-
brantavol acompanha os meus antigos ca-
maradas nas suas 'fadigas e triumphos, e
faco os votes mais fervorosos e sinceros pela
uuiao de quantos hospanhdes de liberaes se
presam, unico-raeio, mas seguro, de ver
dissipadas as nuvens que hoje escurecem o
sol da liberdade e derramam a tristeza e a
morto sobre o solo da patria.
Rogo a V. Exc. quesejainterpretod'es-
tes meus sentimontos para com os seus dig-
nos collegas, e creia no iffecto que Ihe pro-
fessa e apreco em que o tem o seu servo e
amigo, Baldo mero Espartero.
* *
Publicamos em seguida a carta autogra-
pha que o principe Affonso dirigio ao conde
de Toreno, respondendo a quo, por oeca-
siao do seu anniversario natelicio, Ihe diri-
gio a rednccao do Tiempo.
Vienna, 11 de dezembro de 1873.
Meu muito estimado conde de Toreno : Por
telegrapho tivo j4 o prazer de responder A
felicitacJo do Tiempo, que sinceraraente
agrad..'Qo. Responio agora i carta enj
que assignaram todos os redactors e colla-
boradores desse periodico, e dirij'vme a V.
rogando Ihe tenha a bondade de Ihes mani-
festar o meu agradecimento e estima.
Ainda que continuaraente occupado com
OS mem estudos, sigo com profundo inte-
resse a marcha das vicissitudes da nossa
desgrac da patria
Comprehendo muito bem quSo grandes
deveres e responsabilidades me impoe o
nome illustre que recebi; mas tambem
sinto que me inspira o enthusiasmo de no
bre gloria e a fe na divina Providencia, que
ba de raelhorar os destinos da Hespa-
nha.
Aquelles illustres Affonsos, quasi todos
meninos ao principiar a luta, tambem a
viram deUrocadj pelas paixoes politicas e
pela divisao dos partidos. Poucos sao os
meus annos; i falta porem da experieucia,
n3o me abandonaram nunca a energia da
rcsolu^So e a sinceridado do bom desejo.
Albcia de todo este carta a politica, de-
sejo unicamente que, par mediacio de V ,
saibam os meus amigos e partidanos quan-
to agradeco os ses patrioticos esforcos em
favor da monarchia constitucional.
Conheco a minha posi^ao e as suas diffi
culdades. e sei que, se Deus me destinar a
voltar & Hespanha, terei de sacriQcar a mi-
nha juvntude ao cumprimento do meu
dever, procuran io dar ao nosso paiz, entre
os povos civilisados da Europa, o lugar que
a sua heroica historia Ihe desigoaj; empre-
za difficil, mas tanto mais gloriosa quanto
maiures sAe os obstaculos que ha que ven-
eer.
Recordemos o formoso lemma do impe-
rodor do Austria : Viribus unitis, e nada
. Sr. D. Emilio Castellar. Scnhor meulnos p&reoera" insuperavel, se animados de
e do'meu particular affecto. Faltaria a um robusta fe e amor patrio, trabalharmos to-
LUCRECIA BQ&&ZA
MEMOHiAS OE SftTANAZ
POR
II. Uuauc! Feruandezy Gonzalez
SEGUND A PARTE
SAVONAROLA.
XVII
SAVONAROLA.
(Continuacao-do n. 19 j
_ E, comprehendendo o sohrenatural
lessas visoes, nSo desconQou d'ellss, padre
Jeronymo 1 Nao pensou que podiam ser
um s>inho, uma fascinagSo da sua phanta-
sia exaltada ? Sobretudo, depois do que
ijccedeu, vendo a desesperada situacflo em
que se acha, nSo encontrou do menos o seu
espirito prophetico e a apparicfio do seu an-
jo? Como foi quenao previoqueeu viria
a Florenca lutar comsigo de porto, voltar
contra si por meio de ameacas, de offertas,
de intimidaQdes, de esperancas, os magni-
ficos senhores que o protegiam tao aberta-
mente 1 Que havia de comprar, A forca
de ouro, muitos d'aquelles nos quaes o se-
nhor depusiteva grande con*ianca, e sobre
tudo q*e havia de preparar-lhe o lago da
prova de fogo, no qaal cahio. sem poder
^vitar a queda T Como foi que o seu anjo
Ihe nao disse tudo tsto ?
Pequei gravemente, offendi a Deus
c Deos abandonou-me.
__S'-mpre funestamente loaco I sempre
ianestamentc fanatico, ou sempre funetta-
mente amnicioao 1 disse Lucrecia despei-
lada.
Sempre firme na doutrina que Deus
me inspirou.
Digs antes firme na sua heretica re-
helliio contra o soberano pontifice.
Rodrigo Lenzuoti B>rgia, eiclamou
Sovonarola pondo-se energicamehte em pe,
rpezar da sua prostracao, occupa illfgiiima-
meittea cadeira de S. Pedro ; a sua olfi
<;*! 6 nullr, porque foi compradn.
o Virginius nio tinba'o direito de levar a
bandeira dos Estedos-Unidos, e que no me-
mento da sua captura a usava indevida-
mente, e sem para isso ter direito, seri
asp ntaneamente renunciada a saudacao,
como n8o sendo necessariamente exigivel
em semelhante caso ; mas entao os Estados
Unidos contem que se desapprovarA toda a
intencfio de ultrajar a sua bandeira no acto
que se praticou.
Alem diisso, se a 25 de dezembro de
1873, ou antes, se demonstrar, i satisfacao
dos Estedos-Unidos, que o Virginius nio
usava legiliaiamente a bandeira americana,
e nao tinha direitos a papeis americanos, os
Estedos Uuid -s estabelecerao um inquerito,
e instaurarao processos legaes contra o na-
vio, se se reconhecer que elle violou uma
lei qualquer los Estedos-Unidos, e contra
qualquer pessoa que pareca ter-e tornado
culpado de act os illegaes, aaxiliando aquella
violagdo ; mas fica bem entendido que a
Hespanha, em presenca da segunda propos-
ta feita ao general Sickles, o conmunicada
por um telegramma deste, e lid-i ao almiran-
te Polo a 27 do corrente, procedera" ao
exame da maneira porque procederam as
suas autoridades que infrigiram as leis hes-
panholas ou as obrigacOes contrahidas pelos
tratados, fazendo-os comparecer perante os
tribunaes competeotes, e puniri aquelles
que se reconhecer serem culpaios.
As deuais informacoes de uma e outra
parte deverao ser objecto de um exame, e
de um accordo entre os dous governos, e no
caso de se nio entenderem, serao submetti-
das a uma arbitragem, se o senado dos Es-
tados-Unidos a isso der o seu assentimento
constitucional.
Fica tambem estipulado que a epoca,
o modo e o lugar da cntrega do Virginius,
e dos que so Lire vi vein e estavam a bordo no
acto da sua captura, assim como a epoca,
modo e lugar da saiva que se ha de dar ao
pavilhao dos Estedos Uuidos, no caso dese
dever dar essa saiva, farSo objecto de um
ajuste entre os abaixo assignados, que se
deve regular daqui a dous dias.
a. Hamilton Fish.
JosiPafodeBernabi.
AS OSSA DAS DE PETRAHCA.Uma fo
lha de Italia, escreve o seguinte :
A commissao scientifica encarregada de
estudar, debaixo do ponto de vista anthro-
pologico, os restos de Petrarca, e de publi-
car o resultado das suis observacpes por
occasiSo do centenario do grande poeta,
procedeu, no dia 8 de Janeiro, com assisten-
cia de grande numero de pessoas, & abertu-
ra da urna de granito cflr de rosa que con-
tem as ossasdas do grande poeta.
Oi ossos, que em vez de estarem reu-
nidosem uma caixa de madeira ou de me-
tal, achavam se espalhados sobre uma sim-
ples taboa, er^m de cor de a nbar e estavam
humidos e em parte bolorentos. 0 craneo,
de grandeza media, estava iutacto e o osso
SI.N1STROS MARITIMOS.Os jornaes de
Marselha annunciam tres sinfetros mariti-
mos.
0 navio grego Marigo, quo ra do Daav-
bio para Marselha com cereaes, perdeu- se
no Mar-Negro, satvado-se atripofecSo.
0 PropfKta Etias, capitao M<)raitis, q
ta de Kusteodje para Marselha, uaufraugou
em Porto-Terra, perdetido-sc complctamen
te o casco e o cbrregamento. A tnpolagao-
salvou-se.
0 Messina, eapitao Leonerdi, que iajem
viagem do Mar Negro para Mflf9elha, foi a
pique proximo de Burgas.
DESAFIO SERJO.0 jogo>, esse terrive
vicio causador de innumerareis desventu-
ras. occasionou uma dispute vivissima entre
dous mancebos da melhor sociedade de Pa-
ris, e depois um corn-bate no eampo. Ha
poucos dias dirigiam-se para i-fronteira da-|
Belgica os contendores, quo eram o viscon-
de de Manou e o bardo Geay do Montesson-,
bem como os seus padrinhos.
Nas eondicdes do duello se estipulara que,
trocando-se um tiro- de pistola, de cada la-
do, nao houvesse ferimento, o combate cou-
tinuari i ao florete.
Assim aconteceu.
As duas balas cruzaram-se, porem, ne-
nhuma tocou nos alvos.
Os padrinhos entregaram entao os flore-
tes aos contendores. Gahindo na guarda,
o combate seguio immediatamente.
0 visconde Maaon^ tera parado mal um
golpe & fundo, recebeu uma estoceda no
peito, na direccao do- coracao & ficou em
perigoso estado.
0 medico que acompanhava os duelistes
pedio logo q'ie fosse chamado um 'collega
para conferenciar sobre os meios a empre-
gar na salvagao do enfermo.
DESCOBERTA.Parece conftrmar-se a-
noticia dada por varis jornaes estrangeiros.
de se ter verificado ser efficaz uma desco-
berte, que 6 primeira vista nao se affiuragr
va ter grande importancia.
Trata-se de augmentar a forga do calori-
co do carvSo de pedra, juntando-lhe nas
fornalhas, uma mistura de terra commum
e soda.
Fizeram-se experiencias nos altos-fornos
de Maxdvillo e se obtiveram resaltados ines-
perados.
Os industriaes team como preciosa tel
descoberta, tanto mais attendendo a carestia
da hulna, que tao grandes prejuizos torn
causado a um sem numero de industries,
para as quaes e indispensavel elemento do
trabalho.
0 PRETENDENTE TICUBDRNE.-No dia
18 de dezembro foi a 43.* audiench de jul-
gamento. 0 Dr. Kenealy, advogado do reo
tem continuado a na allegacao, frequeotos
vezes interrompido pelo presidente e juizes
do tribunal, ja" para rectificarem certas as-
serg6es do defensor, j4 para o advertirem
dealgumas inconveniencias de liguagem.
No dia 19 ndo compareceu o Dr. Ke-
nealy. nem o immediato defensor M'Mahon,
mas s6 o 3. M. Cooper Wyld, o qual re-
quereu que fosse aldiado o julgamento,
por isso que o i>r. Kenealy estava doente, e
elle advogadona i tendo assistilo ;'is ultimas
audiencias, nao podia continuar a allegacao
Quanto Ihe deu para sustentar essa
falsidade, o cardeal Julio de la Rove>e ?
C mo 1 exclamou Savonarola deixan-
do-se cahir sobre a cadeira ; pois julga,
pois ha quern acredite quo eu sirva ou ser-
vi vilmente o cardeal la Rovere, e os outros
quatro cardeaes que protest iram violenta-
mente contra a oleicao viciosa do Borgia ?
Ah I entre todos os martyrios que tenho
soffrido, e esse o mais doloroso I
N'osse caso serve a sua ambica''.
N3o.
A sua loucura.
Tambem n3o.
Ouga, padre Jeronymo, se o corabati
por todos os meios possiveis, foi porque o
reputei e o sabia um iniraigo formidaval.
0 nosso santissimo padre este cheio de inise-
ricordia para si, angustiado, vendo fora do
seu rebanho, entre os lobos, a sua melhor,
a sua mais querida ovelha. Volte para o
rebanho do Senhor. reconhega a autoridade
do papa, auxilie o com a sua sabeduria para
bem da igreja, ojoelhe aos pes de suasan-
tidade, pega-lhea absolvigSo deseuserros,
e dos pds do soberano pontifice levantar-se-
ha com a purpura e o barrete de cardeal.
NSo.
Lembre-se de que este vencido, pa-
dre Jeronymo.
0 Senhor me proteger^ ou me dard
forgas.
0 padre escandalisou a igreja, causou
muitos males, e pertence-lhe repara-los.
Vou fallar-lhe com toda a franqueza. Se
se obstina na sua rebelliio, nos seus erros,
mesmo morrendo, ainda no tumulo seri
funesto. Tera1 sellado com o seu sangue a
sua falsa doutrina, e ndo faltarSo fanaticos
que o julguem martyr e que sigam os seus
passos. -
Serei martyr.
Nao senS martyr, porque nao podo
chamar-se mirtyr senao aquelle que se sacri-
fica por uma causa santa. N&o, nio set&
martyr, seri unicamente um herege contu-
maz e um relapso casligalo pela justiga
do papa.
Eu nSo sou h-?g : cxamiiK->e a
minha doutrina. Venha um fonci'ic, por
que aseousas da igreja e as cousas do rnun-
do, tornam necessario um concilio.
A sua louca soberba quer que a igreja
comegada.
0 presidente observoa : qae eta notavel
que nio estivesse presente o immediato de-
fensor M. M'Mahon, e ainda mais que nSo
tivesse comparecido nas tres ultimas au-
diencias, que a elle pertencia continoar a
allegagio no impediraenlo do Dr. Kenea-
ly ; que o julgamento podia proseguir com
o advogado Cooper Wyld, pois a allegag&o
constendo de pontos destacados, podia perfei-
tainento ser continuada per qualquer; no
entretanto ia consoltar u tribunal sobre o
requerinoeuto do adiamento.
0 tribunal ivsolveo que o julgamento fos-
se adiado ate o dia 2; mas, consJderan-
do que a discussao da causa se tinhi pro-
teladoalem dtos justos limites; eqae aadvo
gado da defeza occupou 21 dias com a sua
primeira allegagao e qua com este segunda
j* tem occupado 10 dias, consumindo
grande parte do tempo em divagagoes inu-
teis-, c em rocriminagoes inconvenientes,
decterou que era dever do tribunal pd* ter-
mo- a tees delongas e esperava por isso quo
o defensor terminafia o seu disearso destro
de umasemana, e por esse motivo Ihe con-
cedia este espago para allegar o que fosse
realmi'iite util ao seu cliente.
0 Dr. kenealy esteve infeliz nes ultimos-
dias, o- proprip rto contradizia algumas das
suas ;)tlu rnativas, e ratificava outras.
No dia 13 de dezembro compareceu no
tribunal eorrecciona! de Bow street; Carlos
ou Jo3o Eundgren, que foi testemuoha no
processo Tjchborne com o nome de Joao
Luie; era- aceusado de inobservaneta das
condigoes da lieenga [lisfcet of leave) que
Ibe foi coneedida para sahir da priaao de
Cbattam antes-de completer o tempo da pe-
a em que fi eondemnado.
0 accusado tinha de cumprir 7 ann^s de
trabalhos, entrou para a pcisao no anno
186S e sahio- em 25 de margo de 1873,
sendo-lbe remettido o vssto da pens,, em
consequencia do seu bom- com portamento
em quanto preso, mas com a obrigagao de
seapresentaraoehefe da pottcia dodistrieto
onde residisser o que elle nunca fez.
No dia liho eolicitedor do thesouro de-
clarou no teibunal Bowsirret que o sawe-
tario de estado reclamava Carlos ou Jieao
Lundgren para ir cumprir- na prisao de
Pentouville tempo que Ihe falta va da pen.
a em due fo*a sentenciado, por terfakado
as condigdes-da remissao.
Joao Lundgren ao retivar-se disse ;. que
o magoava hastante tudo-quanto se lawns
passado, e q.ue se nao tivesse sido instigado,
nunca teria fetto o que fez.
Joao ou Carlos I.unugieu foi receibido
a. Pentouville, e agora tem de responder 4
oocusacao per crime de porjuro, em que e
parte^a coroa.
ERUCTO. DA, RLTMi LEITURA.Caiita
itua folba parisiense que, no dia 20 de de-
zembro depois das quatro horas, entrou no
(-stabelecimento do banhos de Jouvence,
uma senhora nova e elegantemente vestida :
pedio a cbave de um, gabinete a nolle en-
trou.
Ao cabo de muito tempo, e qu&ndo aos
oriados parecia ja demasiado tempo para
tomar urn banho, euvio-sea detonagao de
anna de fogo.
l'enctrar.m no gabinete e ahi viram a
tresloucada rapariga,. eahida sobre uma ca-
deira, e ja pallida como morta. Com um
rewotver do mais pequenj c libre se ferira,
mortelmente na regiao epigastrica. Leva-
ram-a para o hospital, por ainda estar com
vida.
0 commissario de policia nio p6de obter
di muribunda qualquer referenda sobre
quern ella era, nem as causas de ta feio
crime como e o suicidio. 'nformagdes
tposteriores doram a saber quern era a sui-
cida.
A desgragada desde algum tempo nao
estava no gozo de todas as suas f culdades
iutellectuaes.
0 sbuso do leitura romanticas havia des-
orientado aquelle fruco espirito.
ESTABELECIMENTO PIEDOSO. Reali-
sou-se ha poucos diasem Munich (Baviera)
um estabolecimento pio, fundado por daroas
havaras ; o qual tera por fun um proposito
altam-nte humaniterio.
E' uma escola de enformaria, para tratar
de doentes, tanto em tempo de guerra, como
em tempo de paz.
Qualquer mulber honesta, tendo viola o
sc reuna, representada pel .s seus principes,
parajulgar uma opiniao sua.
Nao, quero salvar o mundo.
Aceite o que Ihe propuz e niose obs-
tine no que o reduzio a tao tniseravel estado
Eu estou inoocente, e a minha inno-
cencia resplandecera.
Merrera'.
Morrerei, muito emhora, mas nao
voltarci as costas ao Senhor, nao me oobri-
rei de infamia, nao me tornarei culpado para
com Deus, nem farei cahir sobre a minha
cabega a sentenga das penas cternas com
medo de um martyrio transitorio. Nio,
ndo, mil vezes nSo I
E' essa a sua ultima palavra, padre
Jeronymo ?
Sim.
Lucrecia levantou-se, dirigio-se para a
porta, e bateu tres vezes com forga, em pro
gando para isso o cabo do seu punhal.
Ouviram-se passos na escala e pouco de
pois a porta abrio-se dando entrada a Pie-
tro Popoleschi, que avangou para a mesa,
para pegar no pharol.
Ali I es tu, raiseravel amigo I disse
Savonarola ; es tu que vendes a tua cons-
cience ao ouro ?
A salvagio da republica esta" em pri-
meiro lugar do que a sua salvagio, padre
Jeronymo. Os seu; sermdes foram a causa
da perturbagao em que se acha a nosa ci-
dade, e da excommunhao do papa. Era
necessario afogar a sua voz, e afogamo-la
como podemos.
Nio, nio afogarft a voz do Senhor,
exclamou Savonarola; quando a minha
bocca tiver emmudecido, outra bocca fara"
ouvir ao povo a palavra do Senhor, porque
a sua obra e eterna e ndo a podem impedir
os homens.
Pela ultima vez, padre Jeronymo,
disse Lucrecia, escolha entre a absolvigio
do papae a morte.
A morte.
' Pois bem, morrora\
Lucrecia sahio irritada o terrivel, seguida
por Pietro Popoleschi que fechou a porta.
Alormentem-n'o, deped cem-n'o, nio
tenham compaixSo d'ellr, disse Lucrecia.
Atterrem os seus amigos, se algum Ihe resta
ainda ; dostru -se ate 6 ultima semente ve
nenosa aemeada por Savonarola.
Morrerd, murmurou Pietro Popules-
chi.
E aquella palavra sombria perdeu-se na
espir 1 da estreita oscada. Depois, ouviram-
se tao somonte os passos de Lucrecia e os
do magistrado de justiga.
XVIII
DE COMO LUCRECIA FEZ UMA TROCA COM A
QUAL (1A Nil 01' EM VEZ DE PEKDER.
No dia seguinte Lucrecia, largando o
incognito, apparecou publicamente em Flo-
renga, habitando o velho palacio del Po-
deste.
Em troco, Pedro de Napoles nao largara
o seu incognito.
De dia e para todo o mundo era o Sr.
Ma reel lo Porta, e continuava vivendo na
hospedaria da Buona-Vtla.
De noite entrava n'uma pequena casa do
Lungo del Arno, entre a Ponte-Velha e a
de Alegrazzi, deixava ) seu disfarce, e, co-
berto o rosto, embugado n'uma capa, ia
soffrer aos pes de Lucrecia. Este perraa-
necia inflexivel. Quando Pedro, desespe-
rado, insistia, rogava com as ligrimas nos
elhos, complotauiente louco com o amor
de Lucrecia, esta respondia-lhe :
Espere ; Angiolina nSo casou ainda
com Caracciolo Apezar do amor que Ihe
inspiro, a formosura de Angiolina enlouque-
08-o. Amo-o tanto, Pedro, que nao quero
expor-me a cousa alguma ; o nosso casa-
mento nio pode effectuar-se ainda Espere,
nio quero ver-me biirlada, obrigada a vin-
gar-me ; essa mulher possiie um milhio
ie florins e o senhor e ambicioso. 0 dia
do nosso enlace este proximo. Porque nio
volta para Napoles ?
Nio poderia viver separado de si.
Nao valtarei para Napoles senao quando
Lucrecia voltar para Roma, para nio per-
manecer em N poles senio o tempo neces-
sario para que meu pai conclua breve nen-
te o negocio do nosso enlace, e ir busca la
corm esposo.
Pois saiba que dentro de oito dias
parlira de Florenga
Pedro de Napoles rosignava-se, desespe-
rado, d vontade e Lucrecia que o enamo-
rava, e vi aproximar so con um terror
iudiv.vel o dia era que Lucrecia nio podo-
i ria dominar a sua situag8o e so vcria obri-
Igada acasar com seu irmio,
am annos da jbMQQio mais dequarenta,
pode ser adi ouelle hospicio. Alii
sera mantida & coat* lo estabelecimento, e
ao cabo de am certo numero de annos e de
bom e zeloso servigo, dez pelo menos, terti
m perspeetivg a colicessao de um 'nibsidio
Sue a collocari ao abrigo da miseria nos
ias da vemiwj \* *
As pesseas particolares qae desejem uma
enfermeira do hospicio, p^garao ennforroe
aa suas posse? ; mas os pobres serio traUdos
gratuitamente. TfT I Al
P0g0 MABPROFUBDO. Eati este
pogo situado nas visinhangas de S. Luiz no
Missouri ( Estedos-Unidos) orgando a sua
profundidade por f r230 metros. Foi aaerto
com o (Sm de se obter agua, mas esta so
so eleva a'altura de-31 metros prorimamen-
te da bocca do pogo. 6 taw comega ao*
stratos da-form agio carbonifera, atravessa o-
caluareo de S. Luiz, depois os dtopositos dfe
gres e dolbraia do siluriano, attingindo *"
profundidarie de I,f5 metros as rochas-
crystallinas.
A agua 6 fresca e pore ate* a proRindidade
de 480 metro*-; abaixa-deste nivel augmea-
te uella a proporgao dos saes dissolvidos,
attingindo o seu mximo a 1,079 metros
proximamenta; onde mede 4* B; : a*maior
profundi iade aquella proporcao drainue,
sendo apenas s*e 1 B. a 1\093 metro*:
Neste ultimo ponto a agoa contem acido
carbonico e sufpburoso com a teroperatara
de-41" 7 C.; leodo era vista a temperature
media annual d<; docalidade, qoe e de 13%.,
a elevacao do temperatura ede 1 por oada
3Tm,70 d; augmento em profonlidade.
0 diametro do faro na boecae da 0n>,253
e ate-a profundidade de 320-metros e raves-
tido de tubo; d'ahi para ban nio tem se-
oao 0.n,too de diametro.
0 trabalho de perfuragao durou cerca-de
tres- 8Huos sem qae sobreviesse iuconva-
niente que o iriterrompe9ser eustande a
obra- 300,000 francos proxknaoaente.
POMES TUBliLARES. JofcT. Traat-
wiae-mandou par* oJournab of the Frank*
lin Institute algumas consideragdes sobre
a fractora das pegas annulares- de ferro ooa-
do (faote) empregadas na ooostrucgio^las
pontes tubulares. Nio e geraknente seaido
que muitos dos oytindros ooos, qae se ligam
por meio de caviUias e que se enchem com
argamassa (beton) se tem fendido na Ame-
rica debaixo da- influencia de fries inteasos.
Trautwine suppoe que este resoltedo o do-
vido-a que o ferro coadw, contrahir.do-se
sob a .acgio do trio mais do que a argamassa
comprime esta cada vez mais ate que, pas-
sado o limite da elasticiiade a ruptura .nao
pode deixar de se mnnifeatar. E' este, sem
duvtda. um grande incouvenieute do syste-
ui8 tubular. Ma quera d*
evitar a ruptura, collocaudo nma guarotfio
de madeira entre o ferro coado e a argamas-
sa, e e prova vel que se apresentem outras
reeommendagoos para o tntsmo fim.
TELESCOPM). 0> novo telescopie fa-
bricado pelos Srs. Alvtaa Clark and Song de
Cambridgeput ( Massaahussetts) para o ob.
servatorio naval dos Estados-Unidca-foi ulti-
mamente ooncluido com o melhor rnsultedo
e vai ser expedido em breve para Washing-
ton. Este instrumonto sera, segundo se
julga, o maior que existeem todo o mundo,
a objecti va tem 2? i 2 pollegadas (0m,698;
de diametro e 26. (0m,6CJ de abertura ; a
distaneia focal e de 30 pes (9ia,144).
DIMENSOES DE DLAS CHAMINES EM
GLASGOW. A cbamine deTennan* & C,
tem : de altura total, em medidas snglezasv
445 pes e 6 pollegadas, e da superfleie dc
terreno ao topo da cabega 435 pes e 6 pol-
legadas ; de diametro exierior na base 50
pes; 'de diametro exterior a sttperncie do
torreno 40 pes; de diametro exterior no
topo da cabega 13 pes- e 6 pollegadas. A
chamine do Townsend tem : de altura total
468 pes, e da superfteie do terreno ao topo
da cabrga 454 pes; de diametro exterior
na rasa 50 pes ; de diametro exterior i su
perficie do terreno 32 pes; de diametro ex-
terior no topo da cabega 12 pes e 8 poUe-
gadas. A segunda que foi con*truida depois
daquella, tem de altura in iis 12 pes c6
pollegadas ; mas estando collocada n'um
nivel inferior, parece por isso pouco mais
alta.
Alfonso Crespi obtivera o levantamento
do seu exilio e a devolugio dos seus bens
nos e>ta los romanos, em virtude dos gran-
des servigos que prestara contra Savonarola
por si mesmo, e cspalhando ouro is maos
chei s para levantar a tempestade que es-
talara contra o convento de S Marcos. Podia
voltar tranquillamente para Roma ; mas
no que diz respoito ao cargo de governador
d'ella, s6 Ihe havum feito grandes promes-
sas.
Angiolina parecia ester mais tranquilla.
A duqueza do Urbino pozera-se em iutel-
ligencia com Caracciolo acerca de Angio-
lina, e aquelle annunciara que ia partir de
Veneza para a encontrar em Napoles, onde
seu pai a conduziria, e ondedevia effec
tuar-se o casamento, e entretanto enviara o
seu retrato e um magnifico presente a Angio-
lina.
Este que, cangada ou louca, aceitara a
propost i que the baviam feito de unir-se a
Caracciolo, parecia tranquilla.
No dia 30 de setembro sabirara de Flo-
renga para Roma, com algumas horas de
differenga, Lucrecia e a sua comitiva na
qual se contava Pedro de Napoles, e Alfon-
so Crespi com Angiolina, a duqueza de
Urbino, a comitiva d'esta e os seus criados.
Nocaminho nio aconteceu cousa aUuraa;
mas, ao chegar a Alban >, Pedro de Napo-
les pedio a Lucrecia que parasse.
E' ji tarde, disse elle. Para que en-
trar de noite em Roma, entre as sombras,
como se voltasse envergonhada ? Ni > seria
melhor que entrasse na suacartuagera dou-
raia, com a sua guarda, com os seas pa-
gens, in lo eu a caval'o ao seu lado ?
Em Roma julgam-me no convento de
S. Sixto esperando seu irralo, replicou Lu-
crecia. Sahi do convento de S. Sixto, de
noite, para ir a Florenga, e agora que volto
de Florenga, entrarei de noite no convento.
Outra cousa seria uma imprudoncia.
Ao m.u'-s deaioro-se algum tempo
em Alhaiio, quando nSo seia mais do quo
uma bnpfl ; neoaasito fallar-lhe em negocio
muito iniportante!
Demorar-me-hei, replicou Lucrecia.
Pedro soparou-se da liteira de Lucrecia,
ie pouco depois paravarn na melhorhospoda-
l ria de Albano,
Pedro dirigio-se ao aposento de Lucrecia
e encontrou-a so.
Que tinha a dizer-me, meu querido
Pedro ? perguntou Lucrecia. Pedio-me de
um modo tio triste esta cntreviste que estou
devorada por uma grande iuquietagao, por
que o amo. Pedro, com toda a minha alma;
e o meu primeiro amor.
Ignora, Lucrecia, que meu irmio
Aflbnso se parece comigo como uma gota de
agua a outra gota, porque herdou, como
eu, a figura, a voz o olbar de nosso pai ?
Que diz ? Pois acredite que o pode-
rei atraigoar com seu irmio T
E se elle a enaiiorasse, se um dia Ihe
dissesse qae a amava, se desesperado se
atrevesse a tudo ?
Despraza-lo-hia.
Duvido.
Quo lingnagem e essa, Pedro? Que
mudanga 1 Nio o comprehendo, nem
quero comprehen le-lo. Nio me d sse, quan-
do lbe abri o meu coragio, quando Ihe as-
segurei que sou a victims da ambigio da
minha fa-nilia, que pratico o mal com me-
do, receiosa de ser a victims de um crime,
esquega tudo ; eu nio vejo em si senao am
desgragado instrument dos seus parentos,
uma victima, um anjo desterrado, sujeito
a um martyrio horrivel,
Nao me consolou mais de uma vez das
minhas desgragas com o seu immenso
amor ? Porque ougo agora ds seus la bios
palavras que nio esperava ouvir, palavra*
que me fazera cstremecer T
Diga-me, Lucrecia, sabe se eu amo
mas pelo corpo do que pela alma ?
Continue, explique se, disse Lucrecia
com anciedade.
0 lobo am i a loba por uma razio da
ferocidade.
Que diz t
Sim eu amo tambem o exlerminio e
o sangue, gozo tambem con a ddr. Es-
queceu jd senhora, a traged;a de Helena
Corsiui ?
Ah exclamou Lucrecia.
Lcmbra-s-? de Marietta, da pobre ci-

.

i
gaua 7
- Calle-$e
cendo.
disse Cucrocia cmpallide-
iConlinuar-se-hn)
""TYPTdO!'A'UO.-!"-.\l



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKAL5OK6K_FDZVP7 INGEST_TIME 2014-05-22T22:07:51Z PACKAGE AA00011611_17558
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES