Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17557


This item is only available as the following downloads:


Full Text



ANNO L. NUHERO 2*
;

I
m

*/'
I
i I
PARA A CAPITAL E HG| \DE \l MCPACtA POBTE.
fortngttMMS adiadtados................. 6*00t>
For seis dhosidoiB..................12&00ft
Por um anno ideal..................24#00a

DIARIO DE P
* Sr. errdo Intonio Alve 4 Fiihos.no Parij Goncalves d Pinto, no Maranhio; Joaquim Jose de Ohveira 4 Filho, no'Ceari'; Ante
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auzentiu Monteiro da Franca, na Parahyba ; 'Antonio Jose" Gomes, na Villa
oiiio Frreira de igaiait em Gojanna; Joio Antonio Machaeo, no Pilar das Alag<
I
PARTE OFTIGIAL
Hmvcrnm da provineia.
BXPEWEKTE D6 W\ ii OK OVTUBBO OE 1873.
/.* seccio.
Omeios :
Ao Exm. brigadeiro commandante dat ar-
hus.Sirva se V. Exc. de mandar pOr era liber
dade o recrota Affonso Bonevenulo Coalho, qu;
provou isencao legal.
Ao mesmo.Com as inclusas informal as
por copia, presiadas pelos commandante* superio-
r's dos munieijjios de Gjyanna e de Itambe-, res-
pondo ao offlcio dj antece-sor de V. Etc, datado
de 93 de maio do anno passado sob a. 522, relati-
vameate ao t' sargeutodo 8- batalhao de infanta-
ria Silviao Jose da Costa.
Ao mesmo.Sirva se V. Exc. de mandar |
pOr era liberdade o recruta Izidoro Estevio da
Silva, visto terprovado isencao legal.
Ao raesmo.Era aviso de 13 do corrcnte, o
Exm. tnioislro da guerra, coimnuaicand) ter-se
aaquella data, em vi>ta da inf jrmacao da reparti
ca) dJ ajud.inte general, raandado archivaro pro
eesso de cooselh) de investigacao a que foi sub-
niillido o teuenle coronel Alexandre August) de
Frias ViUar, command rate du 2' batalhao de in-
fantaria, determina que esse official seja posto em
liberdade e siga para a corte a apresentar-se ao
governs imperial, passando o coramanio daquelle
batalhao ao respectivo fiscal. 0 que communico
a V. Exc. se sirva de expedir neste sentido as ne-
cessariasordtns.
Ao engenheiro das obras militares.Parlici-
paado-me o Exm. brigadeiro commandante das
armas em officio de boolem datado sob n. 1,037,
ter-se partido parte do maslro da ban ieira da for
taleza do Brum, recommeodo a Vine, que, exami-
nindo com urgencia dilo mastro, informe se (' ne-
cessarto a sua substituicao, ou se o prutnte pres-
ta-se a concerto, declarando quer em uin quer em
eutro easo a despeza a fazer-se.
2.* secgao.
Aetos :
0 presidente da provineia, atlendendo ao que
lequereu o capitao bonoraoio do exercito e do
corpo de policia desla provineia, Antonio Gracin*
do de Gnsmao Lobo, resolveu prorogar por inais
um mez, a licenca de igual tempo, que Ihe foi
oncedida, com 7eucimentos na forma da lei, para
continaar a tratar de sua saude.
0 presidente da provineia, atlendendo a pro-
l>oila do tenente coronel commandante do 1 ba-
talhao de artilharia da guarda nacional deste ma-
nicipio, e informa.-ao do respective commandante
superior, em officio n. 720, de 21 do corrente, de
cooformidade com o disposto no art, 48 da lei n.
-*i')2 de 19 de setembro de 1830, resolve aomear
para o dito balalhSo os offleiaes seguintes :
Kstado-maior. 1 tenente quartet mestre o 2*
dito da 6" compauhia Jose Francisco Cardoso Ay-
res ; 2* tenente secretario, o guarda Jose Fiuza de
(Xiveira.
1' companhia. Capitao, o 1* tenente da 6*
I' inciico Jus Jayme G.ilvao.
f companbia.Capitio, o t- t-.uento da 5' Joa-
quim Pedro da Costa Moreira : tenente, o 2*'da
mosma Cae.tano Jo-e Gon^alvesda Fontej 2* ditos,
n guarda Jese Antonio da Silva Guiraaraes e Anto
nio Pinto da Silva.
3* companhia.Capitao, o 1* tenente da 2' Fran-
cisco Paulo Cordeiro Junior.
4'companhia.-Capitao, o 1 tenente quartel-
mostre Enstaquio Zsferino da Silva Uraga.
K- companhia. 1 tenente, o 2' di 2* Marceli-
m 4osu Goncalves da Fonte Junior.
6" companhia.-1 tenente. o 2' tenente secre-
tario Paulo Pereira Simoes; 2 dilo, ( guarda Af-
fonso Fiaia de Oliveira.
Offlcios :
AoDr. chefe de policia. -TYansmitto por co-
pia a V. S., para seu conhecimento, os pianos que
iiisla data approvei para extracgao das loterias
desla provineia.
Ao raesmo.Envie V. S. para ser julgado
em Cabrobo, logo que for requisitado, o sentencia-
do loio Vieira de Mello, de que trata o seu officio
it. 1,776, de 21 do corrente.
Ao raesmo. Enviando a V. S. a peticao jun-
ta de Joaqnim Rosa do Espirito Santo, Ihe recom-
m-ndo providencie eomo achar conveniente.
Ao mesmo.A' vista dos papeis inclusos, que
Hie serao devolvidos, dos quaes consta o cspanca-
ii"uto pratieado por escravos do visconde de Suas-
suna na pessoa do loldado do 9* batalbao de in-
i"iatari3, Jose Cordeiro dos Santos, camarada do
alferes do mesmo, Candido Ribeiro de Senna, re
.- i.uraendo a V. S., quo tomando conhecimento
desse facto criminoso, providencie em ordem a
.vrem seus antores devidamente punidos.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal de Olinda.Em resposta ao officio de V. S., de
18 do corrente, tenho a dizer-lhe qne deve proce-
it-r a cobranca do debito a que allude, do confor-
midade com a lei.
Ao mesmo.Em resposta ao officio de V. S.,
de 18 do corrente, tenho a dizer-lhe qne sem ter
esse commando procedido de conformidade com o
di*poslo no deereto n. 3,S3ii, de 25 de novembro
de 1865, nenhuma providencia pode ser toraada
cm relaeao aos ofliciaes a que allude o dito offi-
cio.
Ao eomraandante do corpo de policia. -Mau-
de Vmc. destacar um cabo e quatro prarjas do
orpo sob o seu commando, em Pimenteiras, aflm
de auxiliar ao Rvd. oapuchinho Fr. Fidelis, na
ommissao de que se acha encarregado.
Ao mesmo.Pode Vmc engajar, seudo ido-
neo, no corpo sob o seu commando, o paisano
Francisco Damlao de Souza Viegas, de que trata o
juu officio n. 600, de 22 do> correnl"?.
3"s<-i
Offlcios:
Ao inspector da the!
iooimunicando-me o ins
rian>, em officio de 2i do
ver nomeado naquetla data
ro daiuelle arsenal o respe
co Gomes da Costa, era raz;
Sintos, que extrcia interinam
entrado so gozo da licenca d
<1'4a por esta presideneia p
saiide ; assim o declaro a V. t>.
veaisntes.
Ao mesmo.Inteirado do taue cxpoe V. S.
em seu offlcio de 12 do eorrente sob n. 633 serie
K, tenho a dizer-lhe qne nesta dAta roe dirijo ao
Exm. ministro da agricullura, coNramercio e obras
fiubKcas, pedindo providencias nrf, senlido de re
iaediar-se os vexamas produudop pclo encerra-
itMOto da matricula dos escraros
ver son sou citado officio.
. Ao m-'.smo. Tran3mitlo a V.
cloaascontai one me foram remeti
|>eclor da sail la publlca, com offl-i
afim de que mande pagar a AuguMo
hi 1601000 em ]ue importarara os
hMMopatbicos destinados ao tratame
gentes atacados de variola em Murib
cury.
Ao mesmo. Communice a V.
deridos fins, que a 8 do corrente en
rti Joaquim Elysio de Carvalho C.stn .
cipal e de orphaos do termo de S. Ben
da lieanija que Ihe foi concedida pelo
do tribunal da relaeao.
Ao mesmo. Communico a V.
devidos fins, que a 16 do corrente ass
10.
ouraria dc fazenda.-
etor do arsenal de ma
prrcnte sob n. 746, ha-
para servir de portei-
livo ajudante Francis-
i de ter Pedro N. dos
ate aquelle lugar,
lous mezes, conce
ira tratar de sua
[para os 6ns con-
sobre o que
s duasin-
p-1 > ius-
; hontem,
iaors a quan*
edicamentos
to de* indi-
a e Ourt-
para os
u obaeha
juiz muni-
o, no gozo
presidente
, para os
mio e ba-
rfurel lose Eustaqdio de Qlivelra e S/lva o eter-
I cici i interino do cargo de promoter publico da
icomarca de Itambe.
Ao mesmo Communico a V. S., para seu
conhecimento e fins convenientes, que nesta data
approve a nomeacao feita pelo Dr. Inspector da
saude do porto, do cidad.io Jose Bezerra Maga
Iliaes para umdos lugarei de guarda da reparti-
?ao a cargo do mesmo inspector
Ao inspector da thesouraria provincial.
Transmiiio por copia a Vmc, para seu conheci-
mento, os pianos q le nesta data approvei para
extraccao das loterias desta provineia.
Aomesrao. A vista da conta documentada an-
nexa ao incluso aeju-jrimento, raande V. S. pa^ar
a Fielden Brothers a quantia de 7:699*199, pro-
veniente do gaz consumido na iliuminacao publi-
ca desta cidade, no mez de setembro ultimo, se-
gund) indica a referida conta.
Ao mesmo.Informe V S. se ja foijuMlado
algum profess >r ou professores percebenJo agra-
tificacao de que trata a lei n. 598 de 14 de maio
de 1864 e no caso affirmativo quaes os que fo-
ram.
4' tec(So.
Offlcios :
Ao Dr. inspector da 3atide do porto.Appro-
vo a nomeacao que fez, segundo participou-me em
officio de 16 do corrente, do cidadao Jose Bezerra
Magalhaes para um dos lugares de guarda dessa
inspeccao.
Ao commissario vaccioador provincial.For-
neca Vmc. com toda a.brevidade alguns tubos com
lympha vaccinica, afim de serein remetlidos para a
povoacio da Alagoa do Carro.
Ao thesoureiro das loterias. Tendo nesta
data approvado os pianos apresentados por Vmc.
em officio de 26 de setembro ultimo para extraccao
das loterias desta provineia. assim ln'o communi-
co para seu conhecimento, remettendo Ihe copia
dos mesmos pianos.
Ao juiz de paz mais votado da freguezia de
S. Bent). -Em resposta ao officio de Vmc, de 10
do corrente, cbe-me dizer que, nao estando ainda
reconhecidos pela assemblea geral os leitores dessa
parochia, nao podem elles tomar parte na proxima
eleicio de deputados provincines, nem exercer aclo
algum eleitoral, a vista do disp^sto no art t2l da
lei de )9 de agosto de 1846 e aviso n. 547 de 22
de novembro de 1861.
Portarias:
A' camara municipal de Govanna.Commu-
nico a camara municipal da cidade de Govanna
para seu conhecimento que, tendo sido creado por
deereto n. 2171 de 2i de setembro nltimo collegio
eleitoral na villa de Itambe. composto dos eleitores
das parochias de Nossa Senhora do Desterro e de
S. Vicente, desigaei nesta data, em observancia do
disposto no art 22 do deereto n. 2621 de 22 de
agosto de 1860, a casa das sessdes da camara da-
quella villa, e na falta ou insnfflciencia desta, a igrc-
ja matriz da respectiva freguezia e para nella func-
cionar o referido collegio.
A'camara municipal da villa do Cabo. Com-
munico a camara municipal da villa do Cabo para
seu conhecimento que, tendo sido creado por de-
ereto n. 2471 de 24 de setembro ultimo collegio
eleitoral na villa de Ipojuca, composto dos eleito-
res da pafqchja.de Nowa S*ahora do o' oulr'ora
de S. Migue\ designer nesta data em^*>sorvwta
do dispOSto no art. tl do UecreiO u. 2021 do 99 do
agosto de 1860 a casa das sessSes da camara da-
quella villa, e na falta ou insufflciencia desta, a
igreja matriz da respectiva freguezia, para nella
funccionar o referido collegio.
A' camara municipal da villa de S. Bento.
Communico a camar municipal da villa de S. Ben-
to para seu conhecimento que, tendo sido creado
por deereto n. 2171 de 24 de setembro ultimo col-
legio eleitoral na villa de Bezerros, composto dos
eleitores das parochias de S. Jose de Bezerros e de
SanfAnna de Gravata, designei nesta data, em
observancia do disposto no art. 22 do deereto n.
262 i de 22 de agosto de 186), a casa das sessoes
da camara daquella villa e na falta ou insufficien-
cia desta, a igreja matriz da Fespectiva freguezia,
para nella funccionar o referido collego.
A' camara municipal da villa de Aguas Bel-
las.Coramuuico a camara municipal da villa dc
Aguas Bellas para seu conhecimento o execujao
que, tendo sido cr.-ado por deereto n. 2,472 de 21
de setembro ultimo, junto por copia, collegio elei-
toral ne3sa villa, designo nesta data, em observan-
cia do disposto no art 22 do deereto n. 2,621, de 22
agosto do 1860, a casa de suas sessoes, e m falta
ou insufficiencia, a igreja matriz dessa freguezia,
para nella-funccionar o referido collegio.
A' ca Communico a camara municipal da villa do Bui jue
Jue, tendo sido creado por deereto n. 2,472 de 24
e setembro ultimo collegio eleitoral na villa de
Aguas Bellas, composto d&s eleitores da parocnia
do mesmo nome, designei nesta data, em obser-
vancia do disposto no art. 22 do deereto n. 2,621,
de 22 de agosto de I860, a casa das sessoes da ca
mara d'aquella villa, e na falta ou insufficiencia
desta, a igreja matriz da respectiva freguezia, para
nela funccionar c referido c llegi >.
A' camara municipal da cidade de Caruarii.
Communicu a camara municipal da cidade de
Caruaru para seu conhecimento que, tendo sido
creado por deereto n. 2,471 de 24 de setembro
ultimo collegio eleitoral na villa de Panellas, com-
posto das parochias do Senhor Bom Jesus de Pa-
nellas c de Nossa Senhora da Conceicao de Qui-
papa, designei nesta data, era observancia do dis-
posto no art 22 do dicreto n. 2,621, de 22 de
agosto de i860, a casa das sessoes da camara da-
quella villa, e na falta oa insuffioiehcia desta, a
igreja matriz da respectiva freguezia, para nella
funccionar o referido collegio.
A' camara municipal da villa de Tacaratu.
Communico a camara municipal da villa de Taca-
ratii para seu conhecimento que, tendo sido crea-
do por deereto n. 2,471 de 21 de setembro ultimo
collegio eleitoral na viila de Floresla, composto dos
eleitores da parochia do Senhor Bom Jesus dos
Afllictos de Kazenda Grande, designei nesta data,
em observancia do disposto n) art 22 do deereto
n. 2,621, de 22 de agosto de 1860, a-casa das
sessdes da camara daquella villa, e na falta ou in
sufficiencia desta, a igreja matriz da respectiva
freguezia, para n^Ha funccionar o referido colle-
gio.
6.- MtifflO.
Offlcios :
- Ao engenheiro das obras geraes. Eqtenda-
se Vmc. com o conselheiro presidente do tribunal
da retacao, aflm de crganisar, do aeordo com
etle, um onjaiuenlo dos concertos que se deve
effectuar no reforidc tribunal.
A) supenotealente da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco. De Vmc providencias
para que sejam transportados nessa estrada de
ferro todos os produces que em qualquer das
estac3is forem aprejentados com endereco a com-
miss.Ao centi-al da ?c'ela*le Djm de Setembro,
afim de Bgnrarejn bi exposifl*-) qi* a dita so-
eiedade torn de effeet'iar nesta cidjde ; com Un-
to que o transporte nic exceda do peso marcado
na 13.- eondieao do deereto n. 1030 de 7 de agos-
to de 1852.
Portarias:
0 St. gerente da compan'da pernambueana
mande dar passagem psra o presidio de Fernan-
do de Noronha, por conta da ministerio da justi
ca, a H^nriqueta Francises de MagalhSes Silvei-
ra, mulher do sentenriado Lulz Jose da Silveira,
o qual se acha alii cm curr.primento de pena, e
bem assim a sete filb n, do idade de um a doze
an dos.
0* Sr*. ajentes da rompmhia fle uayega-
cao brasileira manlem dar uma passagem de
proa para a Bahia, nor conta do ministerio da
guerra, no vapor esperado do norte, ao cx-solda-
do do 2.' batalhao de infantaria, Felix Amado da
Silva, que, tendo sido escuso do service-'do exer-
cito, segue para aquella provineia, donde e natu-
ral.
EXPEDIENTS DO SECRKTAMO.
/.* tecgao.
Offlcios:
Ao brigadeiro commandante das armas. S.
Exc. o Sr. presidente da provineia, tendo aatori-
sado a satisfacao do pedido do 32 vassouras do
piassava, feiti pelo commandante do 9 batalhao
de infantaria, para o servico da fachina do res-
pectivo quartel ; assim.o manda communicar a
V. Exc. em resposta ao seu offlcio de hontem da-
tado, sob n. 1038.
2* secgao.
Offlcios :
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal do Recife. 0 Exm. Sr. presidente da provin-
eia manda declarar a V. S. que per porlaria de
hole foram nomeados os ofneiaes constantes da
relagao junta para o 1* batalhao de artilharia da
guarda nacional deste municipio, de conformidade
com a proposta que veio annexa ao seu offlcio n.
720 de 24 do corrente.
Ao bacharel Jose Elysio de Carvalho Couto.
0 Exm. Sr. presidente da provineia manda ac-
cusar o recebimento do offlcio de V. S., da 8 do
corrente, em qua coramunica ter nessa data entra-
do no goso da licenca, que Ihe foi concedida pelo
presidente do tribunal da relaeao.
4' seccao.
Offlcios:
Ao provedor da Santa Casa de Misericordia.
S. Exc. o Sr. presidente da provineia manda de-
clarar a V. S. que nio, achando-sc na alcada da
presidencia mandar despachar livre de direitos a
fazenda de qne trata o sen officio de 17 do cor-
rente, sob n. 617, e mister que a junta dessa San-
ta Casa requeira ao governo a competente autori-
sacSo.
Ao inspector da saude publica. -0 Exm. Sr.
presidente da provineia mania communicar a V.
S. qne nesta data expedio ordem a thesouraria dc
fazenda, no sentido de ser paga a Augusto Caors
a quantia de que trata o seu offlcio de hontem da-
tado.
SEOMIA FEIRA DE JAIVER0 DE 1874
PROPRIEDADE DE MANOEL FIGUEJROA DE FARIA A FILHOS.
PARA DE\TRIFMI1 DA PIMAIliCIA.
Por tres-asezes adiantados................
Por seis ditos idem.................
Por nove ditos idem.................
POr um anno idem................... 279006
AMBUCO.

Leaiu* Braga, no Aracatj ; Joio Miria Julio Chaves, no Assu; Antonio Marques da SHv*, no Hatal; Josi Jnstina
; Belarmino dos Santos Bulcio, em Santo Antlo ; Domingoa Jose da Costa Braga, em Rasareth;
Alves dc C, na Bahia; e Leite, Cerquinno dC.no Rio Jde Janeiro.
orJera d
cia de
Cembia:
Beteri
Sr. tenen
gue o
querque,
verta ao
ajudante
erio da guerra teve a incumbeo-
o batalhao no exercicio d'arma a
rtanto, o mesmo brigadeiro que o
uim Manoel da Silva e Sa eutre-
o da fortaleza ao Sr. coronel Albu-
ms formalidades do estylo, e qne re-
' io das funccoes de seu emprego de
sma fortaleza.
Dia 23.
Obrif
guarni"
que nesta
te no va|.
dante do
Rusio de
da guerr
C.a para
22 DE JANEIRI
DESPACnOS DA PnESlDENCIA, DO DIA
de 1874.
Antonio Jose Rodrigues de Souza.Passe porta-
ria na forma requerida.
Bellarmina Francisca Lobo.Informe o Sr. pro-
vedor da Santa Casa de Misericordia.
Caetano Estellita Cavalcante Pessoa. Informe
com urgencia o Sr. inspector da thesouraria de fa
zenda.
Cosme Jose do 0 .Informe o Sr. commandante
do corpo de policia.
Edward Fenton.- Deferido, com tanto que du-
rante os trabalhos da escavac&o nao seja inter-
rompido o transito publico, e concluido es-e traba -
Iho, seja immediatamente reposto o calcamcnto
com perfeicao, sob pena de s- r esse servico feito
pela repartipao das obras publicas, a custa da coiu-
paKkk-----------------------___
Francisco ae rauia ttezon.* Cavalcame. msstr-
portana.
Francisco Silveriode Farias Junior.-Passe por-
laria coucedendo a licenca pedida, com vencimen-
tos na forma da lei.
Jos6 Mathias da Fonceca. Informe o Sr. direc-
tor das obras publicas.
Joaquim Jose de Oliveira. Informe o Sr. ins
pector da thesouraria de fazenda.
Juvenal Antonio de Castro e Silva. Informe o
Sr. Dr. juiz de direito effective da comarea do Ou-
rienry, ouviado o accusado.
Lanriano Jose Pimenta. Deferido com oflicio
desta data a thesouraria de fazenda.
Tenente Migael Joaquim do Rego Barros Do-
se, nao havendo inconveniente.
Tenente corone! Pedro Pessoa de Siqueira Cam-
pos. -Passe porlaria na forma re juerida.
Pedro Bezerra Cavalcante Maciel. Prove o sup
plicante o que allega, e requeira pelo intermed'o
dos seus respectivos chefes, como e de lei.
Rita Francisca dos Anjos Chacon. -Passe porla-
ria concedendo mais um prazo improrogavel do 3'J
dias, a contar de hoje.
23
Augusto Xavier Carneiro da Cunha. Informe
o Sr inspector da thesouraria provincial.
An'onio" Francisco do Carmo. -Seja posto em li-
berdade.
Glotilde Ignez da Silveira Bastos. Informe o
Sr. inspector da thesouraria de fazenda-.
Candida Lucia Cesar Baptista. Dirija-se ao
Sr. iospectoi do arsenal de raariuha.
Isabel Francisca Monteiro Quintal Barros.Pas-
se portaria nomeando a snpplicante professora pu-
blica da cadeira de primeiras lettras de Santo A-
raaro das Salinas, a vista do disposto na lei n.
1,098 do anno passado.
Joaquim Theodoro de Vasconcellos Aragao.
Passe portaria jubilando o supplicantc com os ven-
cimentos a que por lei liver direito, visto haver
satisfeito o disposto no paragrapho primeiro do ar-
tigo primeiro da lei n. 276 de 7 de abril de
1851
Joaquim Pires da Silva. Informe o Sr. inspec-
tor da thesouraria provincial, ouvindo ao consu-
lado.
Joaquim Jose de Sant'Anna.Informe o Sr. Dr.
chefe de policia.
Joao Leopoldins do Rego.Deferido com offlcio
desta data dirigido a thesouraria de fazenda.
Jose Muniz Teixeira Guimaraes. Passe porta-
ria.
Jose Ignacio d'Avila. -Junte o supplicinte cerli-
licado do engenheiro chefe da reparticao das obras
publicas, para provar que fez a obra, enjo paga-
mento requer
Joaqnim Jose de Sant'Anns. Concedo dous
dias.
lustina Maria do Espirito Santo. -Informe o Sr.
provedor da Santa Casa de Misericordia.
Mariano Joaquim Pedro d'Azevedo. Concedo
oito dias.
Tertuliano Celestino Pereira.Informe o Sr. ins-
pector da thesouraria de fazenda.
Tenente Torquato de Souza Ramalho.Informe
o Sr. provedor da Santa Casa de Misericordia.
Capitao Thomaz Tenorio dc Albuquerque Villa-
Nova.Sim.
o eomraandante das armas declara a
ara sda scienci.r e fin's convenientes,
la se apresenton, vindo h intern da c6r-
eiru, o Sr. tenento-coronol comraan
at ilhao de infantaria, Alexandre Au-
s Vdtir, que por aviso do ministerio
d 12 de.-lo mez teve um mez de licen-
a esta provineia, tratar dc seus inte-
resses o qje foi communicado en offlcio da presi-
dencia, datado de hoje ; e que por porlaria do cita-
do ministerio de 9, tudo deste mez, Ihe foi raanda-
da trancar a nota do suspensao do commando e
i) dias de prisao que soffrea no anno proximo
passado, o que constou de officio cxpedido pela
reparticao do ajudante general na data de 13 d
corrente, n. 6t7.
(Assiguado.) Manoel da Cunha Wanderley
tins.
Confofme.0 alferei Jose EUziario d>s Santos,
ajudante de orden= interino, encarregado do de-
talhe.
DlARLODEPEKiN.iMtfUUU
- RECIFE, 16 DE JANEIRO DE 1874.
Motielas Ia Europa.
Hontem, as 10 boras e meia da manhl, fundeou
no lamarao o vaiwr ioglez Douro, da linha de Sou-
tampion, trazendo datas de LisbOa ate 13 do cor-
rente, seis dias mais modernas que as qne rece-
bemjs pelo vapor francez Vale de Bahia, chegado
ha tres dias.
Eis o que colhemos dos jornaes e cartas :
FianfiA.
A imprensa franceza preoccupa se com as de-
sastrosas consequencias que p6dem provir do ac-
tual eslado do cousas, prcoccupacao que se justi-
fica pela rapidez com que a assemlilea nacional
votou oa orcamentos, com o empenho em que se
acha de volar novos impostos e de aggravar os
actueas.
A responsabilidade cabc aos autores do golpe
de estado de 21 de maio : em lugar de se oecu-
parem dos verdadeiros interesses do paiz, empre-
garam o melhor de seu tempo em intrigas desti-
uadas a elevar Henrique V ao throno aos seus
maiores.
Hoje achamse ern presenca de um thesouro
vasio, com os orcamentos em deficit, em quanto
a indu-tria o o coinmercio s5o esmagidos pelos
imposlos. que o trabalho se acha parado, e que a
raiscria toma, segundo elle- mesmos conftssam,
proporcSes terriveis.
Parcce que nas regiOcs governatnenlaes se co-
mo'.a, porem, a comprehender quo 6 tempo do
'-rz\^[ Ujtfr1 a yotilicA--2^v**u^':rff<,l4 tjguida ate
asrofa. 5s*i_t; porque se qtu-ira renunciar aos
CoiMiuuiido daa anuas.
QUARTEL GENERAL UO COMMANDO DAS ARMAS
DE PERN AMBUCO, EM 23 DE JANEIRO DE
1874.
Ordem do dia n. 789.
0 brigadeiro cc.ir.man-lante das armas faz pu-
blico para conhaciineuto da guarnlcao c devidd
effeito :
1.' Que, tendo nomeado a 20 d) corrente o-Sr.
eorooel lionorari i do exercito Alexandre de Bar-
ros e Albuquerque para commandar interinamen
te a fortaleza do Brum, esta nomeacao foi appro-
vaia pela presidencia em officio desta data.
2. Que, pir aviso do ministerio da guerra de 10
deste mez. obteve 3 mezes de licenca para ir a cor-
te tratar denegocfo; do seu interesse o Sr. tenen-
te reformado quartel-mestre do deposito de recra
tat, Henrique Tmerio Capistrano,
3.* Que hje se apresentoa. vindo da odrfe no
vapor Heard, o Sr. tenants do 2' batal >ao de jn-
fantaria Jose" Lourencr; da Si|va Milaaez/ quo por
agora! S* v porque se (itieirireiCfliclar aos
proje/tos reaccionarios, chamados de conserx'scTO
da ordem social, mas pelo menus procuram sepa-
rar se daquelles que pensam em destruir por estas
leis todos os fuodamentos da s-ociedade franceza.
0 governo quer tomar a serio a prorogajao dos
poderes por sele annos : renuncia em transfor-
mar o suffragio univer.-al n'um machinismo poli-
tico calculado de inodo a et-rnisar o poder nas
raaos da actuai maioria ; ha hesitacues sobre as
re>tricf3es a impOr a lei sobre os conselhos muni-
cipaes ; decide-se o governo a recommendar aos
bispos mais moderacao nas suas diatribes em fa-
vor da religiao ; n'uma palavra, o. governo inch
na-sc eada vez mais. para a adopeao dos principles
que devia representar no governo o ultimo minis-
terio do Mr. Tuiers, derrubado cm 24 de maio
pela actual maioria.
E-ita evalucao irrita muilo a extrema direita,
mas o governo sente, quo so quizer demorar se
por mais algum tempo do poder, tern quo obede-
cer ;i imposicao da cpiniao public* : e por isso
0 duque de Broglie muito mais disposto a manter,
apezar de tudo, a uniao das direitas que a pres-
tarse a um coinpromis.?o com os element03 mais
moderados do ceotro esquerdo, deixa se arrastar
por alguns collegas nesle camifiho, mas pode se
contar em que sera a primeira victima no dia em
3ue a situajao, que n.al comeca a despontar, se
esenhar claramonte no sentido de uma prepon-
derance absoluta do centro direito.
Antes das ferias votou a assemblea nacional 80
milbSes de novos impost os. A discussao correu
com summa liaeireza. A assemblea deu para or-
dem do dia depois do ferias a lei *obre os maires.
Os rigores ontra a imprensa ja nao conhe-
cem limites, ate mesmo no regimen imperial, se
nao mostrava o governo tao rig >roso na persegui-
cao dos jornaes. Entre os jornaes quo ultimamen
te acabam de soffrer os rigores do governo, con-
la-se o Jornal de Lyon, um dos orgaos mais mo-
derados do centro esquerdo.
Deiwis das suspensoes dos jornaes e da prohibi-
0o da venda pelas ruas, comecou o sysiema dos
ci mmuoieados offleiaes de que o governo impe-
rial tanto abusou, e com que tie mat se deu.
0 llnppel de Paris tinna allulido a dissencoes
no seio do gaT)inete, por causa do navio de guerra
francez o Qrenoqm, que se acha ancorado no por-
to Civita vecchia, sob pretexto de dar proleccio
ao santo cadre na"*contmgencia de oste precisar
recorrcr a ella, contra o governo italiano. E' ver-
dade que o governo i'a'iani nao vd com bons
olhos esta prova de desconflanca_da parte do go-
verno francez, e que a conlinuacao daquella esta
cao pode produzir complica^oes internacionaes.
0 governo francez dirigio ao Flappel um com-
municado d/smentindo a nolicia das desintelligen-
isca mlnistlriaes 1
Deipacbos lelegraphicos de Paris dao conta
do que na sessao de 8 a assemble a nacional ap-
provou por 268 votes contra 226 a proposta do
adiar a lei dos maires ate a discussao da lei mu-
nicipal.
Em seguida a votacao da camara, os minislros
(ediram a sua demissao, mas o uarechal Mac-
lahon nao aceitou, reservando se para deliberar
a tal respeito.
As foi has semi offlcia&s dizem que a votacao
faltaram muitos deputados, e qu-. o cheque ao
governo fdra nma sorpreza, e pr isso Mac-Mahon
esporaria uma nova votacao da camara.
Na sessao de 9 o mrastro da fazmda decbrou
nao t'.mar parte na discussao, senio como simples
Ifpulado. Os ministros, instando pela sua demis-
sao, a assemblea adiou suas sessoes ate sagnnda-
feira 12, em quo a direita e centro direito farao
nma interpellacao sobre a crise actual para provo-
car n veto de fjiiCan.a. que-dec-idirida solujao
da crise.
IXGi.ATEftRA.
0 proximo casamenlo da deque de Edimburgo
com a graa-duqueza Maria, fllna do imperador
da Russia, 6 actuatme&te uma das grandes preoc -
paedss tanto em Londres como em S. Petersburgo.
0 priucipe aceitou, em seu nome e no d i s>'
futura espusa, o convite qufo lord-mayor ^ r 0.
dres fez. para um bail* em Gu^A-jf Contase
qne a esta espleftdida ^a coneorrerao as se
gnin'.es pessoa^i-flj]^ akra dos noivos: eprin-
cipe -f g prioeeza de Galles i o principe Arthur,
4 daijao de Cambridge; o duque de Cqbourg-
Gotha, o principe e a princeza real da Prussia,
o principo e a prioeeza de Hesse, a princeza Ma-
ria de Babe, o principe Guilaerme de Wurtem-
berg.
A luta empenhada na Allemanha entre o go-
verno o o bispado catholico preoccupa a opoiao
publica em loglaierra.
No dia 27 de Janeiro deve realisar-se em S.
James um meeting presidido pelo conde Russell,
que tem par fun exprimir as sympalhias que
inspiram aps iufclezcs protestantes, a euergia
com que 0 "gftver-o de Berlim defende as suas
prerogatives contra as iuvasdes da curie de Roma.
A Uniao Catholica da Gran Bretanha prepara
tambem a convocagao de ontro grande meeting,
que sera presidido pelo duque de Norfolk, para
exprimir a sympathia dos catholicos inglezes
para com os sens correhgionarios allemies.
Se os discursos que se prununciarem nesta
reuniao, se parecerem com o que ha poucos dias
pronunciou o arcebispo Manning em defeza da
mesraa causa, e na qual esto prelalo sustentou
que a igrejt romana tinha sempre sido a protecto-
ra de toda* as libcrdades humanas, os promotores
do meeting nao farao de certo proselitos no cam-
jo dos arbitros, espectadores da luta.
Continuam nas eleiroes especiaes os con-
ser?adores a oblera eleicad dos seus candidatos
por grandes maiorias. No dia 7 de Janeiro Do-
rington foi eleito por grande maioria pelo Strand.
Telegrammas de Cape Coaes, de 18 de de-
zembro, conflrmam que os inglezes lancaram uma
ponte sobre o rio Prah
Tem chegado reforcos inglezes. A expedicao
avancara no dia 8 de Janeiro.
HOLLANDA.
As ultimas noticias de caracter official do
exercito expedicionario neerlandez diante do
Atchin, pareciam fazer esperar uma proxima
solucao.
Fallavase de oegociacoes travadas com o suliao
do Atchin, da desanimacao da3 suas tropas e
da forma qne as ameacava.
Por outro lado afflrmavara-se os progressos
que fazia o exercito do general Van Swicten,
mas tambem se mencionava, em termos pouco
claros a destruicao que fazia a epidemia, e as
difflculdades de terreno e de clima com que as
tropas bollandezas tinham que lutar.
Ura telegramma da Penang, da mesma data,
annnncia qne um forte reconheeimente dos hoi-
landezes sobre o Kraton do SulUo foi seguido per
encarnicada luta contra o forte corpo atchinez.
A luta nada teve de decisivo, mas prova que o
cemmandante hollandez nao pod era assenhorear-se
das posicoes importantes do inimigo, senao a
custa de esforcps e de perdas talvez muito con-
sideraveis.
BUS 1A.
0 tratado que a Russia concluio com o khan de
Boukhara e que foi publicado pelo Jornal Official
de S. Petersburgo, concede ao emir toda a mar-
gem direita do Amou Daria, em recompensa dos
servi;.os por elle prestados aos russos na guerra de
Khiva ; e nao Ihe imp^e condicpes, alera de uma
reciprocidade completa nas relacoes dos dous pai-
zes, e a abolicao da escravatura.
Grande nuraero de escravos de origem persa,
lugidos de Buukuau, chegam caJa dia ao forte
Peird ATeMMfnlae os russos cornrrairam re-
CL'Uit'urcinc mrmwnom Jiroita io AmOU. DeSCTe-
vera quadros horrorosos da escravidao que ainda
doraina em Boukhara em despeito de todas as pro-
raessas do sultao.
ALLEMANHA.
0 parlameuto allemao nao (era na sua primeira
sessao outro 6m que o de volar as leis sobre a or-
ganisacao militar e sobre a imprensa.
Os outros projectos de lei, e especialmente o or-
^amento do imperio serao reservados para a ses
rSo do outono ; este intervallo torna-se necessa-
rio em consequencia de nao poderem as camaras
prussianas concluir a discussao dos projectos que
estao dalos para ordem do dia antes da reuniio
do Reichstag, que deve -ter lugar no dia 12 de fe
vereiro.
As camaras prussianas devera reimir se sm ses-
sao exlraordinaria depois de n.aio, em que se en-
cerra o Reichstag.
0 Moniteur do Imperio Allemao eonfirm3 que o
project) de lei relativo a nova organisacao das
provincias orientaes da Prussia foi enviado, reves-
lido da approvacao real, a camara dos deputados.
Esta organisacao relativamente liberal, e deslinada
a desvauecer 03 ultimus vestigios das prerogatives
feudaes, que ainda subsi tiara nestas provincias.
Aivrno HUHGRIA.
A penuria financeira da Hungria, causa prima-
ria das crises porque passa este paiz, trouxe a n i
meacao de uma comraissao parlamentar composta
de 21 membros cseolhidos entre os deputados
mais influentes de todos os partidos.
Esta commissao tera que sondar a profundidade
da chaga, que indagar as causas, e procurar os
meios de Ihe dar remedio.
Se o ministerio se nao oppoz a formaqao desta
commissao que o coll ica em uma falsa posicao,
foi por se sentir impotente para governar o eme,
e se resigna, a soffrer a pressao que nao tardario
a fazer Ihe sentir, por isso que nao tem uma maio-
ria compacta e sympathies.
Por oulro lado os uegocios da Hungria, reflec-
tem sobre os da Austria. Tres dos ministros da Aus
tria, o da fazenda, o da guerra e o presidente do
conseluo, conde de Andrassy, foram a Pesth, onde
tambem se acha o imperador, para tomarem as
providencias nocessari is para dar remedio a si-
tuacio.
Trata-se principalmenle de uma reduco.io con
stderavel dai despezas communs, e eepecialmente
as do orcamento militar.
Na Hungria pretende se que o orcamento do
reino 6 extreraamente penoso para a Hungria, e
que c impossivel iraze lo a urn estado normal se
As finances oVprincipado esiao na melhor or-
dem. 0 paiz nao se- queixa de estar sobrecarre-
gado. A iostruccio publica organisa-se e geaa-
ralisa-se.
0 exercito servio, ainda que composto de mili-
cias, esta perteitamente organsado e exercMado,
e constitui' ja nma for ca respeitavel.
Apezar de alguns motivos legilimos de qaeixa,
a Servia raantem relacoes de corlezia satisfactorias
com a potencia Suzerana.
Saopcovas de prndencia e Duo trale- pohiieea.
HKM'AMH.
Acerca deste paiz escreve nosso correspon-
dente de Lisbua :
< Tem publicado as folhas de Madrid uma circu-
lar do ministro da govercacao, o Sr. bareia Ruiz
aos governadores- de provincias. Neste duconnto
explica o ministro aos sens delegados a elevacio
do novo governo e faz-lhe ver o seu prograoMM
e quaes as suas iotencoes. Muitos perioJicos coo-
servadores apoiam a forma e o espirito da circular
e ate mesmo algonj mostram certa estraaheza de
nio ter sido assignada por todos os minislros, tanto
a applaodem e fazem notar entre os periodos mais
salienles aquelle em que o novo governo diz qne a
sua missao e defender a exislencia do exercito
hespanhol.
Accrescentam alguns que este exercito orren
perigo pnucas horas antes de serem dissolvidas
as cortes pelo general Pavia, pois quo estando em
f-irmacao, na madrugada de 3 do corrente, am mi-
nisterio intransigent, era mais que provavel, se
este lioovejse triwuphado, que o exercito se (on*
desorganisando a pouco e pouco, ate cbegar a
deploravel situacao em que se achava quando
Castellar subi i ao poder.
c Eis o alludido documento .
Ao dirigir me a V. S. nestes supremos me-
mentos para a patria e a republic*, nio e oulro
o men fun senao o fazer-llie saber o que significa
este governo, o que se propoe c o que, com o an-
xilio de tod -sos partido* liberaes e secualadoalem
disio pelo forte braco do exercito nacioaal, espen
conseguir na obra de regunr a^Ao a qne o chamaa
a suprema necessidade da ordem, primeira coodi-
c;io de l gno da liberdade.
a 0 aclo de energia, de patriotistno e de desiote-
resse levado a cabo na inanha de 3 de Janeiro pelo
illustre general Pavia a frente do valuroso e se-
pre liberal exercito, foi digno principio da diBri
o altissima missao deste governo.
o A assemblea ao cundemnar a p ditica sensata
do Sr. Castellar, tinha decretado a dissolucai do
paiz e propunha-se consumar us seus proposilot :
desde este momento a un d.ide nacional estava
quebrada ; a disciplina do exercito ameacada no-
vamente quando duas insnrreicp^s criminoaaa te
obstinavam em trazer sobre a naciio a noite do
absolutismo e o cahos da demagngia : todos oa al-
tos inieresses da sociedade iam ser desaiteuJidos,
todas as condicoes de existeneia de ura povo civi
lisado e tivre iam ser desconheci licava isolada na Europa, sem provincias no Ul-
tramar, victima do despreso universil e entregue
a turbulencias sem conta nem medida, proprias
de uma sociedade selvagem : nem a ordem, nem
a auiomdade, nem o exercito, nem a fazenda, nen-
huma dasjiasfis fundaqienlaes de tudo o governo
bem cohsinmao erara possiveBcom a annarcnia que
reinava em tcdas as esphera* ; o j imuif^m-
mia sob a insupportavel tyrannia da licenca, e to
esperava a sua salvacao do comraum concerto de
lodos os partidos liberaes sob a baoUtira da repu-
blica bespanliola e verdadeiramiute ro^erva-
dora.
i A constitni.a deste governo de que toriu."
parte, marcou a chegada de tao pralo momcnlo e
a reidisacao de tao fagueira t-spcranca. Toda a
nacao saudou com alegies preeutimcntos o novo
governo, que vein unir" a patria, restabclecer a
ordem, sahar a integridade do terrMorio, Irvantar
o credito, moralisar a administrai;a>. proleger e
amparar todos os direitos, inspirar confianca a to-
das as classes e partidos, e muilo e.-peeialmentc
defender a exislencia do exercito hespanhol, Sal-
vador da patria em Madrid, oscudo da liber lade
nas provincias, e em toda a parte guar Ja da dig-
nidade e honra nacional.
t Esle governo, tomando vida da sorle aue o
fez, tem a consciencia de nao ter airopellado ne-
nhuma legilidade ao fazer-se tntorpreta do senti-
mento publico. A d composi;ao da patria decre-
tada por uma ass.-mblca federal nao pode nunca
ser obra da legalidade, que em taes casos se en-
cmtra ao lado do primeiro que se alreva a im-
p Hi lo e o do qiie meHior consiga represenlar a
vontade da nacao, ainda que a nao coasultc prt-
viamente.
t O primeiro e principal proposito deste gover-
no e o reslabeleciuento da ordem publica no mais
breve prazo possivel, com a vontade mais Urme
pelos meios mais energicos dc que dtsponha.
t Em quanto corpo social for presa desta fc-
bre que o devora e o arruina com o duplo acoote
das duas insuueicoes cantonal e carlista, nao e
possivel que o governo pense em outra cousa se-
nao no immediato conseguiraento da paz publica.
sem a qual nioe pustiveCa pratica da liberdade
nem o goso s seas beneficios.
< Em quanto nit) se cousoWe a ordem, e nao
recupere a Hospanha a sua saiide, quo e a paz.
nao podttw nunca exercer os direitos de um povo
livre sem perigo de comprometle-los e desacredi-
ta-los nas torpes orgias do ama vida brutal e li-
cenciosa.
t A restabclecer a ordem era priiuoiro lugar e
a demonstrar em uliirao termo que a ordem t
coujpativel com a repnbiica c a liberdade, e ao
que esle governo esta decididj desda o primeiro
iislante da sua torraacao. E' unicamente a*;"
que julga tornar-se inlerprete da vont;
na^o, por cuia integridade, socego
a parle perteneenle a mesma Hungria nas despezas.[disposto a v dar sem fraqueza nem descanso.
communs nio for muito reduzidi, o que exiglria A mina presenca no mini-4erio_ da gave
naturalmenle a reduccao do or^amente cemmum.
Dizem os jornaes de Vienna, que effectivamenle
na confereacia de Pcsth se trataria de reduzir o
orcamento da guerra a proporc5es menos onero-
sas, sem aAtenlar a nova organisacilo do exercit .
Seria uma providencia que seria muito bem aco-
lliida de um e outro lado do Leith, mas que para
'a Hungria seria uma questao de vida ou de morte;
pois nao pode haver nem maioria parlamentar,
nem ministerio que -e possa sustentar por algum
temps em quanto a chaga do deGeit, nao estiver
(echada.
novnAM.v.
0 principe da Rou mania aoaba de nonioar o
seu antigo ministro das obras publicas o Sr. Cret-
zulesco, agente diplomatic) em Berlim.
Como se sabe a Porta nega aos estados tributa-
ries, o direito do acreditar agentes diploma ticos.
junta as cortes estrangeiras ; o governo rourr,aQu
pelo contrario reivindica nas suas circ^jr** as
potencias o direito de concluir coav^eges politi
cas com os paizes vizinhos, e po^,anto de acredi-
tar representantos revestilos i? nra unetef ,w.
litlCO.
denteTS^d-0Sr-Te^le(^ *** UD? *$
a explicaef >** 4 *" **& Mm dav"Ja
a expueac ^ |u,ernacionaes.
SBRV1A
A aisorablea legislativa da Servia fez no dec arse
da sessao um born trabalho, sem longos discursos ;
honra esta
verna-
cao e os antecedents de toda a ininhi vida poli-
lica. sao seguro penhor de qne ningnem altentara
contra a republic*, e deem servir a V. S. de ga-
rantia e defeza no cumpruneulo dos deveres do
seu cargo, lnspire-se V. S n-sles seotimentes,
Sue s3o os de governo, c empregue todo o sen cni-
ado, o seu zelo e o seu patriotism'* no ?ervi^n
desles fins por todos os meios que Ihe surgira-> o
sea amor a patria e as ordens que p>r eU mi-
nisierio recebera do governo.
o Deos guarde etc.-Madrid, 6 de Janeiro de
1874. Garcia fair.
. t Um correspondeote de Madrid, para no P"*?"
dico de Lisbua, referindo-se a nova s-tuacao, a i
que clla significa em primeiro log ir a desforra,
tirarlx com as mesraas armas, do acto pelo na
ffli dissolvida a commissSo pnmanente das u*
mas cdrtes deD. Amadeo. Qne e a pena deT-
li \o applicada aos veucides de H de abril, tni
phantes em 3 dc Janeiro, aos veuwdores V"'*
fornada parlamenur, Enlao, como agora, ravo
con-se a suprema lei do.Mttu n^iiiN ^^IJTojJ
as bayonetas n eneargo
esla e a signilcacao moal da metamorj.ho-o v
litica que acaba qa operw-se.
o Que noiiiicamente o novo gov^0 ^roii** a
guerra a ferro e logo obra*. 8MTl|4 ^ palavras, possa servir-llte M
estot vo u" "oncargo quo assnraio de debailar a to
surr-olcao carlista e aniquiUr fo UukA Jv *>]!
votou uma serie de leis Lastantes liberaes, e que 1 r&ento cantonal agontsante deotro de* mart* >
denotam neste povo, pouco eorrente com as pra I Cartagena.
xes parlamentares, um grande fundo de bom senj<\; Qua as suis tender.cias sao para uma repn-
e de duceruimento que Ihe 6 sufflriente para >,->- J hlica militar,--orao as que existom na America d.
Ilsar vprdadeiros progressoo. Isul, oade todas as moias ds vida
t
>


-
Jf
ltd/./
Ul* i ClUtft dwferaambuca
,1 resident as tni
'; start a mesria fpc em
me depois ;
not e eontfa os repiMica-
toiMrativae
tral; onde aOOTMmia do muni:ipk> e ama.phsa
. lasmagoria -#* civil um .myUiu. ,
Que a fatt* d aandidato p?ra o throno, o du
quo de la Tone, oaJrairanle Topete, o Sr. Sagas-
la, presos por uns restos de pfldor ao manifesto
de i^adiz que proc*amoj a queda dos Bourbons
para sempre, resignamjaAser rojpisjanfl da re-
publica, a imilacao dMaqAde BfpTic ajrtos stirs
eollegas em Fraocavii Hk wa 1feWrenca
e e que estes nao uroeSmar^^mofarchil pr npo
fcaver thronos para Mjf os caadfcLtt s ;ego*do
niatorica phrase 4
Que no mais
m Franca, esp
repaWiea sem rep
BOS.
AecrcscdSp qaBMexeep;ac> 4o Sr. Garcia
finis, que defeudia sorintio ha munos-annos no
Pueblo a republica nnitana coma a melhor forma
de governo para a Hespanha, todos us homens que
conpdem o governo presidido pelo mareenaJ Serra-
at, sao mais que saspeitos ae partido republican"
4BWr1Co, "ftrprelto qne no exilio, nas prisces, nas
ttarricadas, nos jornaes no professorado, na triba-
na padeceu, pciojou e arriscou a sua vida pelo
riuii.ho delnitivo da republic*.
E eonctac assim :
Temos, pois, no poder os raespios homens, que
juntos lUerain a revlu?ao de Cadiz e juntos qtii-
zeram 'ddtar a Hespanha com uma monarchia de-
taocratica. Os affonsinos nao se prestaram a en-
trar no governo, em consequeneia da desipnac/io
aUptada par este, e o Sr. Castollar, coavidndo
Sara assii'"ir a presidencia, recusou, assim como
I Sr*. Maisonnave. Abarztua e Carvajal recast
r*e* as pastas quo Hies offcveceram. Conscrvado
tsc radicaos serao mais afm lunaJos nesra emf*^
za de que na anterior t Dcixario morrer a repu-
dMm, como deixara.n morrer a monarchia, on en-
tr*garan a republica nas mios da monarchia, como
-entregaram a monarchia nas mios da republica ?
< Os represantaatcs de lle.-panha em Lisboa, Pa -
rise Hruxellas. pediram saa demissao pelo tade-
grajiho. AtErma so que o governo esta deeidido a
exoarar os capitals generaes das Philippiaas, Cu
ta e Porto It km. Pareee que o marquez da Havana
sera nomeado capitao general de Caha.
* Foram presos os generaes Ripoll e Hidalgo.
Sobre os tumultos de Valladolid, eis o que se
colhe das follms aespanholas mais recentes :
Comecaram apossando-se os voluntarios do
Sario de justica, theatro de CatderuB e rua de
tresa GM, e fazendo fotro sobre aa tropas. Cal-
iJtUa >e em 4.000 o numero de voiuntarios suble-
vados
0 capitao general tinba a saa disposicao ape-
aas 130 carbineiro., 6d guardacivis e 100 galu-
' O fogo il <> insurgeHt^s tinha feito Has tropas
om ntorto e SO feridos.
0 movimento insurreccional de Saragoca co-
iaddio com a cbega ia do comboie onde iaiu iblfe-
reeces peesoas procedentes de Ma Irid. Os volua.-
tarios ocenparam os pantos mais importantes da
frfdade, como a Lonja, o Serainario, a hicnla de,
Wedra, a Audiencia e Casa de las Siena, a praca
4a Mag-lalena, Santo Domingo e San I'abb), arcos
Ao i>asscio de Santa Engraeia e purta do Duque.
a* passeio de Santa Engraeia Icvantaram uma bar
rica la, defenlida com duas pecas.
Dic-se quo entre prisionefros Mios pe'a>
trnpas esti o deputado Garcia Marque.', eomman-
dante de um dos batalluks de voluntarios de Ma-
dril.
* Fis, scguudo a versiio pnblicada pelos jornaes
*e Mtdrii, n qne se passou na reuoiao coavuea-
da pei-i general Pavii, depois do dissolvidas a>
eortes:
* neunlibte homens de todos os partido?, a ex-
r*|i(^i) de cariist t e de fedonl, o general Pavii
ili-ie que o i|ue acabava de f.u-or nao tinha por
object > satisf.izer pcqnenas nem mesquinbat ain-
*i?fle* pessoaes, senao preslar um servic ao pai*
e ao exorcito.
I>c-de logo pr-domioan na reuniao a idea de
i:n govenio, onde estivessem represenlados todos
* pirti-ios p-ikticos quo nij se adiam levantados
em rims; mas su.-citada a qucsiao relalira ao
canister que tomaria o nnvo governo, .-e seria am
f >rera-> provisorio ou nacional, os representantes
Jo partido radical foram de parecer quo o futuro
gaUnete se intitnlasse da repudica hosoanhola.
PoMa a quo.*io neslesteriuos, o Sr. Canovas
del Castillo declarou que e partido que elle re-
lT>'n:.iva nao podia entrar n'um governo com
eor di'tenninada quo nao fiisse a affonsina.
JH&U,i*n$ Mi*** h,mp
director da canpreza.
Mio
risreha.
. gspoxa-se em. Lisboa, onde vir/i resi lir a'.gMj iii*MaUaiciaiiWa.
tempo, o eiitmeute urador ecrtebre e>ladi>ta bos- ^"wiuiw.
panh'ol D. Eroilio CaflellaT. AUumtai" fullns ffrt '?'.fS< > 'j.c\;w
mguezasTegiMraai com akcri4ade-o DMtoda pro*- vfmnd*^ Wia fauiiJ.iJe do co:r
*e$ZlJT^^ numerosas 9* *" *** >J*
I'Dilrougai
ieira 26 de Janeiro de 1874.
ticias do 1.* de dez^jMP*lrfen#HMs\
Devesn feti
quo atgiifis en
As
vffl
a
A'les
doe{a a
aqab!
4^M HtjmTummim |piM sova nwsa
daeoiwnissao ceaa nbre de I6i# no
alacio doa CdhJct de Alaaada. Pareee
qio aarao disputadas por divcrsoa motives nue
nao importaaa graves drssidancias, porem maottw-
atafpm men wf^w^toiam^ ^ "*\i
u Um tetcgramioa de Hong-Cong (China) do
30 de deaetnbro q diz: XUl
0 governo portugtiez abolld o trSnxo de
oaefwt ewt Maeao. -csta- tnedida causett gMa*a-
agitaaao. e tera por consequeneia privar de recur-
sos gran ie numero de portuguezes e de chins.
As notioias qae tenho de Macao, recebidas a
t# do corrente, alcaaeatn 25 da ndWaafero. O
governadur viscoade de S.iauuarip, ainda nao ti-
nha Tefjressado do Japao, onde tinhl Via em (M-
54a diplomatica. ,
-Reinava soeego, mas esta- data ainda as* al
cauea a cbegada do telegramma acerca do tralico
dos coolie*, a quo as uiencionadas foibas e-trange+-
Tas so refereui, e que em tempo Ines coinuiuni-
juei, n'ama de mlnhas cartas.
3egnn4o o que vejo eontado em \ar as eor-
respondencfas das prertnetas do reino, tem-ae petido nos ultimo* dias casos t\e insabordiaacio
militar, que -6 nrgente reprimir.
c Insubordinon se um destacamento em Pena-
oiaedr, sendo necessario acadir for^a de infantaria
ti e cavaHarta*. Tambem too deratn provas de
mutta discipliua as forcas qoe andam traSalhando
a terra do Mensanto, em um eestaeamento pro
xirno a Setubal, e uma forja no AfeMejo.
a Foi reieitada a rotajio nominal, na camira
dos depntados, uma proposta do Sr, Larapreia. da
opposlcao, para a. supensao da eatrega dastar-
lorios dos julgados extiBctos. 0 gewrao hi qoe;-
tio mintste ial de-ta votacao, e como era um i de-
mor.stracio de confianra do goyerno, a maioria fez
o sen dever de maioria.
A extinccio de alguns Julgados, emborajasta
e lauiio legal, tent excitado certos descon mentos rocaes ; mas a verdade e que o governo
[irocedeu com toda a circumspeceao, appheando-
hes a lei.
No dia 8 deste mez, o vapor Leibnitz, qae
viera de Liverpool, sahio para Buenos-Ayres e
manife.-tou 301,770 libras sterlinas ou l.Si'/.-SnSl,
mneiia forte que levon de Inglaterra para aquella
praca.
8 ministro do reioo, ha poacos dias declarou
no parlamento quo iiesta semana Ihe aprescutaria
uma ptoposta para refurmar o rogulamento de
"sadile, dis accordo com os mais aliantados conhe-
ci;nent'S da sciencia. Esta resolu,fia do gove.no
pareee ter ado o resuliado da justa insisteiicia
com que a imprensa se tem occupado do servic^-i
das quarentenas. Segundo ouvi, trata-se de eri
gir um lazaretto na il ha do Pay*!, a cujs estuJos
se esta Ja procedendo. Kestabelecem-se os hi,-ares
de gaarVla-mor da safide em liet&n, e de ius|K-e-
tor do lazaretto de Lisboa ; dase mais amplos
poderes aos emprejados de saii le; substittie-se
por multa a obngac.ao de quarentena na falta de
carta de saiile, ainda DMsao que o mvio venha
de poRO Hmpo ; acabam as quarentenas por fe
hrc amarella em Portugal nos mozes de dezembro,
Janeiro e fevereiro; fcmfim, harmonisam se os
legitimos interesses do commerc o e da circulacao,
com a indica^rjes da sciencia.
Vai come^ar brevemente a prid-ngn.(;So do
caraia'io de ferro de sneste na direcgao do Gua-
diana, estindo ja tralialhos feitos alum da estaeSo
das Qurntas.
Xa companhia do caminho de ferro norte
e l>te prcparam-se ja trabamos, como so e.-ta
r. >mp*nhia devesse ser a concessionaria das linhas
da Brim.
Alguns jornaes comhatom esta accumulacao
uuma einpreza que nao tern dado o mais perfeito
cumprimeiito aosseus encargos. LevanUm-se no-
leiuica, vindo a terreno em defeza da coaapanMa
le que e engenheiro e:n ehefe o Sr. Esperguewa,
prfctendendo provar que o material fixo esta bom.
ipira
F*r
de coi
nftist^s, o quo \ir
o espaire|da pifvoa|__
poJera pOr a deiio nia
esto cleromto do prost)eriJade.,apm ^uo os
fretuentadores das praias, ncTHm^ imiito,
hSo de lucraB^.* liBaE
*tO|pvejuio kqapanh^ ooasultou ha
poOcbs dias 6 govern > portuguez acerca da
nomea^Jo do Dr. Rowero (kHz para miras-
tro [ileiiipoteuciario daque la nacao em Por-
tufgaf. 6 nosso gorerno responileu nos tcr-
rros mais favoraveis aquelle ca,valleiro.
Afllrmava hontem uma iotha do Lisboa
que a Unido Mnpublicana Tai brercmtuitu
ennvocar comicios. para proceder A escolha
dos candidates a deputodos por Lisboa
Para ostes comicios; per1 eaqtiaato s6 serao
admittidas as pessoK quo se apresentarem
munidas de u-na senba 'do conseRio
8eral-
Lspcra-se novo nuncio ap->stoltco cm
I.isbos, que e moBseahor. Sangby, segun-
do vejo do u n telegramma de Roma e*pc-
dido em 9 do corrente. 0 actual nuncio
Mr. Oregiia, qua esta ausentecomlicenca ha
mais de um anno, foi elevadoao cardtnalato
no mesrao consistorio em qae aa patrlarcha
de I.ibbja foi cuicedida. a purpura cardina-
licia.
FalJeceu ha dias o visconde da Orta,
sogro do Sr. Lobo d'Avira ( Joaquim ), do
conde de Magalhaes, do Sr. Ennes, e do Sr.
linho. Lkiixou importantes |egados no
seu testamonto. Foi muiUssimu eoncorri-
do o seu funeral, pois era geratmeuto esti-
mado. Era natural de Huelva (Hespanha).
Deveu a sua fortuna, calculada em nove-
ceiitos contos incessante e muita probidade.
Trata-se de acchmar na ilha da S. Mi
gtel (Azores) a cultura do ch4, que so da
alii muito bem. A cultura dos ananazes,
uliimamenle desenvolvida naquoile feracis-
si mo solo, ja reprceojuta WuitQ valiosas som-'
rnas de lucros da grande exportac.ao quo
ram-se agora estuf s upropriadas no valor
aproximado de 150 coutos.
a Noticias d'Elvas dizem que esta resta-
A esta declaragao oppoz o Sr. Martos ouUa,le que eabundante o material riron!ante. Declara
dizend j qua elle c os seus so podiam entrar n'um lambesn que so estao conslruindj centenares de \va-
Ji'ivein )
utuAa.
que so intitnlasse da republica bespa
Em presen^a d'i-to, o Sr. Canovas annuociou* mercadorias. Pareca quo tern snbnituido carris
qne se retirava, assim como o Sr. Eiduayen.
< Constiltado o general Pa via sobre o caso, rjs.-
poadeit que a sua intenrio, aissoivenao a assem-
w*r-*Tdcr3f, n.n fora destruir a Torma politics
exislente mas sim cbainar os homens de todoa os,
panilos para, dolitro dVlla, formarcm governo ;
e diiingiudo-se aos Srs Cannva* e Eiduayen, pe-
dio-!lies que aceiiassem a parte que se Ihes elle-
reeia no nivo governo. Interveio igualmente em
aeatido conciliador o Sr. Sagas ta, mas ante a in-
si-teneia do Sr. Martos para que o governo se
rhamasse da republica hespanhola, assim se re-
ftdveii, licando os representantes do partido affon-
moo Uiicamieilc como meros-espectadores.
Ao terminar a rcuniao, as duas da tarde, o
Sr. Titpele iornou a insi-tir com os Srs. Canovas e
EMuayuu para entrarem na combinacao ministe-
rial, mas estes lnus ho.nens politicos t>rnaram a
reeoear, declarando que o partido alfonsinoem
c.'iso uenhum, nem como pouto, pole ser republi-
cano
Estao sasDensas en toda parte as foi has car-
1 islas c cant-inaes.
A G-iixta pul.lieon um cxtenso manifc-to do go-
verno a nacao, iledarando que mantcra a republi-
ca e a utistitai.ao do 18G9.
a Public m tambem o decreto dissolvendo as
fortes ; < governo convoeara as curies ordiaarias
iindo deiiois de segura a i.rdem, osuffragio uni-
versal p i--!i-r funccionar livrementa
* A i'rngaU Tetnan, incendiada em Cartagena foi
a primeira encouracada con.-truiila nos arsenaes
bespanhoes.
As noticias de Cartagena descrevom com as
mais negras cures o estado das desordens e rui-
na em quo se encontra a praca. As casas que
*3o sendo ineenJiadas por ell'eito do bemaardea-
ntento, sio logo saqueadas pelos insurgentes. Con-
tavam ostes earn a coopera^ao das provincias, e
mais anintados se viram pelos ultimos succes de Madrid, mas, taes es_aerancas mallograram-se-
lhes. |>rque as provincias nao corresponderam
senao libiamcnte ao grrto cantonal, como se vio.
Vai sahir um decreto res abelecendo os litu-
los de nobreza e que se trata igualmeote de res-
taurar as or lens militare-.
E' certo que o exercito prescinde de recora-
peasas e de posto d'accesso pela contra revolucao.
E' caso rarissimo na historia das dictaduras e dos
golpes de iiiao ou de estado em que intervcm a
for ja armada. Sirva este exemplo de salutar es
pelno aquelles dicta-Jores que as fazem para con-
-lentar a in^aciavel cubica de promocoes em que
fferalmcute ardem e tern ardido os mili.ares de to-
dos os tempos.
Cabla dizer-lhcs mais acima que scgnndo os
ealculos aproximados, as victimis dos aconteci-
ment03 de Saragoca no dia i de Janeiro elevam-so
a 60 mortos e lit) feridos. Deste Humero 23 mor-
le* e 47 feridos pertenccm ao exereito. A defeza
dps voluntarios em certo ponto foi heroica.
* u fog.) durou desde 1 hora c 2a minutos ate
as 6 e um quarto. Recolherara-se 3,403 armas
pertencentes aos voluntarios. A cidade esta em
sa apleto socego. Comecara-se a forraar summa-
ria aos 100 prisioneiros, feitos pelas tropas. As
ioreasdo exercito que toraaram parte na luta, fo-
ram Hjkil homens de todas as armas.
a 0 primeiro tiro foi disparado pela balerii
Krupp, collocada no passeio do Santa Eogracia. >
PORTUGAfc
Em 13 do corrente escreve nosso correspoa-
4ante de Lisboa:
* Conlinuase a esperar a projectada nomoaeao
^le novos pares do reino.
Proseguem, por ora sem grapdo interesse,
nem grande calor os (rabalhos parlamentares, to-
gao'nete dispoe de apoio de uma maioria de viu-
le e tautos votos firmes, apezar de nio terem aia-
da regreisado das provincias tides os deputadns,
entre os quaes muitos Ihe sao affectos.
Oiziase na camara ante liontem que breve-
mente sera apresentado a discussaoo parecer da
oni-nt-sao do faz^ndasobre o acci>rdocom o ba-
nco d* Portugal. Sera relator o Sr. Perdigao.
0 Quanto ao fanad.) accord com a companhia
At caminho de ferro do norle e leste, diz se que
ser^i sub tituido por ami proposta tendente a fazer
algnma.-. coucessoes a empreza, com a co dicao de
se coii.-truir a ponte sobre o Douro. Nao constant
po^ ora os lermos em qne esta proposta sera apre-
senta,da. Deve chegar um destes dias a Lisboa o
Sr. Eduirdo Doveral, que e um dos directores da
coraeanhia, para tratw deste negocio. Tambem
gons, e que a companhia encommendou umas sets
p.iderosas inachinas locomotivas para triceio de
em mais da oitava parte da extensio da linha.
. u Q Jiihale_prom-uo ennliwur. t
O governo nio admittio que a cainara_muai-
cipal de Lisboa Ue.-tinasse n) orcamento de 7J 7t
a somma do 93 coutos do empre.-lim) que contra-
hio por interveng3o do Banco L-isitano, para pagar
a credores taes como a cempau ia do gaz c c m-
panhia das aguas. 0 tmprestirao foi autorisado
c contrahido para melhoramentos sanitarios em
Lisboa, e com esse fim as curies augmeniaram
com to contos de reis a dotic-ao do municipio ;
mas a camara entendeu que devia com o pro-
ducto do empresUmo pagar dividas, daaJo ap-
i>;iearfio diversa aquellas sommas. Afora este cor-
rectivo, teve approvacio o orcamento da camara
para 7374, bem como o da camara municipal
de Coimbra.
t Progridem activamenle 03 trabal'ios para a
construceao da penitenciaria de Lisboa. i'erto de
200 operarios estSo abrinJo os alicerces. Sao di;
rigiJas as obras pelos cngenh-iros Ferraz e Lecoq".
Este 6 o iiiiendcnte das obras publicasdo district')
0 terreno escolhido para a edificaciio e nas terras
cbanudas do Seabra, em Campolide, nos suburbios
de Lisboa. 0 empreileiro dis obras e Joao Alves
da Silva Marques.
. 0 terreno 6 desaffrontadb era posicao elevada,
e a prisao flcara assim em "mas condicoes hygie-
nicas. 0 piano primilivo foi alterado por indica
C$ii do engenheiro Ferraz, que ultimamente veio
de fora do paiz, onde estudou 0:te gesiero de cons-
tiuc^oes. Dizora me que 0 rise) e tornado da pri-
sao que 0 governo belga mandou constrnir ha
pottco em Louvaia e asseguram me que e dos
melliores da Europa. As cellulas formam-se em
qualro Iiabas que convergent para 0 centro onde
e-la a capellae a ca^a Jo director. Os prows sen
se verera uns aos outros, assistirao aos exercicios
religiosos, e podem ao mesmo tampo receber edu-
ea$ao litieraria elementar.
Fieou installada a commis-ao para a reforms
dos estudos preparatorios na escola do exercito.
A nova artilheria do systema Krupp, que veio
para 0 nosso exercito por redencia do governo al-
lomao (pagaodo 0 governo de Portugal 0 seu cus-
to) e geralmente elogiada pelos nossos offlciaes,
sobre tudo pelo estado em que chegou 0 parque.
AcompanhavD-c mais do que se esperava, porquc
0 governo prussiano niandon-o prompto wroo se
tivesse de entrar desde logo cm campanha. Vie-
ram arreios, balas, ferraduras, utensilios de reser-
va 0 ate ambulancias. Veio com a artilheria um
caixote com instrucc5es impressas, as quaes ser*
vein para guiar os artilheiros nj scrvico especial
a que so desliuam as moderaas'boccasde fogo.
Por causa do augmento que tem com este ma-
terial os nossos corpos de artimeria, pensa-se em-
prcgar outro cirpo ao qual devera entregar-se 0
parque de Krupp, e.xercitando se exclusivamente
no servi.;o especial delle.
* 0 governo vai fazer uma avullada compra de
rewolvcrs para a nfllcialidade le todas as armas
do nosso exercito, e bem assim para todas as pra-
ca s dos corpos de cavallaria. Pareee que 0 syste
ma prefenda 6 0 Galland, que forneeeu ultima-
mente 25,000 rewolvcrs para 0 governo da Russia.
t Sao corapetidores os s\ stemas Chamelot, Del-
vigne, Spirlei e outro -,de ciijas denominates nes-
te momeato me nao recordo. Os rewolvers Pal
land tem sustentsdo co:n vantagem os mais deli-
dos exames de varias com:nirsoes offlciaes techni-
cas em Pranga e em outros paizes. Foram pre-
miados ultimamente com a roedalha d'ouro na ex-
posigaode Lyon.
A associagao industrial portuensfis pro-
jeeta craar um banco industrial destiuado
exclusivamente a p res tar auxilio as dillerer.-
tos arVes e industries, mediante fianija ou
hjpotheca. 0 capital sef do reis, formado pur ncc.des do 109000 ca-
da uma, bavendo titulos do 5 e 10 accoe*.
Pcogride a discussao do projecto dos
estiitutos do Banco Independencia, socied:-
do cooperativa decredito fundada por func-
cionarios do estado.
Falleceu a senbora D. Virginia Ama-
lia Holland, represontanto da antiga cas
editora Rutland & Simion.
Sd no dia 17 do corrento 6 que ha de
realisar-so a ceremonia da iciposigao' do
barrete ou chapeo cardinalicio ao actual pa Igeral.
tabeleoida a tranquilidado em Badajoz c
que uma grande parte dos voluntarios, lo-
go dt'pais da proclanucdo do governador
militar daquulla praca, entregaram as suas
armas sem resistencia, e que se procede,
com socego, no restanlo desarmaraento:
que a cidadu de Badajoz, porrd n, em esta-
do de sitio.
Os numeros mais prcmiados da loteria
do Madrid, que se verificou a 10 do cor-
rente foram os seguintos:
Ns.
179 l0,00'J
280G 30,000
35*5 31,000
12601 10,000
H910 3,000
Com 3,000 pesetas
7,122- li.9022,082 254 14,006
4.06811.2*1 1.7000e--J-TrTr
",285 8,0593,244-1,499 9,462
4.654.
Esta loteria e prohibida em Lisboa,
isto e, nao se aprogoam os billietes a e u-
tollas pelas ruas, sao apprchendidas ii que
forom encontradas pela policia nas maos dos
vondelhoesambulantes, mas a policia nao
quor saber das que se vendem em certas lo-
jas das mais conhecidas de opulontas cautol-
leiros ou eambistas. Faz grande concurren-
cia d loteria da Misericordia de Lisboa, por
que oileroce mais vantagens.
Hoticias da Aiuerlca(
Por via de Lisboa rocebemos asseguintes :
ESTADOS UtitDOS.
0 pro>idento dos Estados-Unidos acaba de.
se dirigir ao congresso a respeito do negocio
do Virginius. Ainda que 0 tribunal com-
petente encarregado de estatuir sobre a na
cionalidade dosto navio, tenha reconbecido
que nao tinha 0 direito de arvorar pavilhao
americano, 0 presidente Grant faz observar
que as prosumpr;6es contraries existiam ein
favor da opiniao contraria no momento da
capture, e que deste modo este acto, assim
como 0 da execucao da equipagem, eram
violacoesdo direito das gentes.
Louva a Hespanha por ter restituido 0
Virginias, e tornado deste modo possivel
um arranjo final juslo, moderado e favoravel
a manutenr;ao das boas relates entre os
dons paizos.
MEXICO.
As ultimas noticias recebidas do .Mexico,
roferom que o governo do Sr. Lerdo de Te-
jada, depois de tor conseguido dar ao Mexico
0 socego dc que tanta necessidade tinha
aquelle paiz, quiz completer a sua victoria,
despojando o clero dos srfCfi ultimos privi-
legios.
Fez pois votar polo congresso 0 casamento
civil, o registro do estado civil, e finalmente
lei* contra os abusos do vida domestica e
de mao-moFta.
A igreja calnoliea nio podendo acha.r al-
liados contra 0 governo eutre os criouios,
dirigio so aos seus Oeis de origem india
para os sublever contra 0 governo.
Ja" em novembro ultimo scenas de assas-
sinatos haviara ensangueutado uma aldeia
proxirna de Toluca, quando as nutoridades
quizeram ahi introdu/.ir 0 registro civil dos
casamontos, nascimentos c obitos.
A popubca excitada pelos parocbos, de-
golou cobardemento os delegados do gover-
no, aos gritos de Viva a religiao I Morte
aos brancos I Morte aos proteslantes I
Tropas enviadas ao theatro destes atten-
tados, s6 poderam restabelecer a ordem de-
pois de uma luta encarnicada. Grande nu-
mero de prisioneiros foram fuzilados imme-
diatimente, outros enviados a Toluca para
alii serera julgados summariamente.
Dizem do Mexico quo iguaes resistencias
se teem encontrado em outros pontos e es
pecialmeiitn em Terqaltepee. Tambem nes-
1a ultima villa foram assassinados os func-
cionsriost Pareee tambem receiar-se na
capital um levantamento geral da populacao
Indiana, e o governo serd obrig'do a em-
pregar os maiores esforcos para Tocalisar os
Ifivantamentos 0 impedir uma cenflagracao
?ego ter.da a retabe\y(iirt--*e obem
nao restarao dos irtwes' acontoer-
sobrovin los perto 'W'^WHlfca, em
mtros pontos, mais do quo alom-
branca de inuteis e sanguinolentos protostos
ordem 4te*eMfjri aceOar
a^fto. 3
doros dis crirae*. commett
estao nas mios da jlstiea, esao quasi t
olatt' Omaiscoinpromeltidoefc todi
ro Biles, vigario de Tejapilco, foi
condemaado A morte e serd den'ro em pouco
executade. \
0 tMBresso dejHio. elAomeaaiaaJBl
uinacommissSopermanente compo.-ta de 15
^rputadc* e 14 seaaetaees, qoe o dero-re-
preseutar daw ate a* Mas.
Esta commissao tera" a faculdade, de me-
dianto dous ter.;os dos seus votantes, convo-
car uma ou traordinaria depots de ouvido o poder exe-
culivo.
O governe doa Bifeidos-lmidos folicitou o
povo mexicano por causa da votagio sobre
as leis relig osas. 0 congresso recebeu com
vivo prazer a communicacdo destas felici-
tayflcs. Votou que se exarasse na acta da
Sua sessd't este honroso seontecimonto.
Uma luta civrt que rebentoa no Yucatan,
tem igiwlmoiito occupado 0 congresso. Os
deput.ides pelo Yucatan protestaram contra
tola a Interven^Jo das tropas e do poder
federal nas discordias iutestinas do Estado
que reprcsentam. 0 governo declarou que
essa interveacao s6 se tinha realisado a pe-
dido da tegMatura do Yucatan, que esta" em
conflicto'com o governador eloito da pro-
vincia.
A fora estas quosloes p^liticas a opiniao
publica occupa-se muito coin as rival id ales
entre muitas companhias quese disputam a
coucessao de um camiuliu de ferro do Me-
xico ao Pacifico, do abaixamonto das tarilas
da nova linha do Mexico a Vera-Cruz, e de
uma erposicao nacional organisada recen-
temonte no Mexico pelos cuidados e esJorgos
da muniripali iade dosta cidade, e que turn
permittido sHinnar os graudes progrttssos
feitos pela indnstria e a agricultnra da re-
publica, depots que com oauxflio de Juarez
e Lor lo de Tej da, ella tem vencido os seus
miis temiveis tmmigosos clericaes e os seus
alliados tstrangeiros.
CHILE.
A camara dos depubnios votou diversas
leis tondentes a assegurar 0 livre exercicio
de todos os cult-is. Oclero catholico dirigio
peticdes ao senado para Ihe pedir a cjeirao
destas disposi(;,6es, dema-iadamento toleran-
tes, ao sen raodo do ver, per iseo que ellas
ameaeanv o monopolie- religiose de que atd
agora tem gozndo.
lliais uocioias da Kuropu.
AN 2 boras da tarde do hontem fandeou mi la-
marao 0 vapor HUnani, da liana da Paciuoe,
adiaataado um dia a< datas supra uwnuioaadas
Da li'itura dos jornaes e cirta-, colhemos mais o
scguinte :
kaxc\.
Nao tendo sido aeeiU a jlomiss.lo pedida pe-
le ininisterio pelo marochai Mac-Mahoii, a espera
de quo se dosse na assemblea uma vuiacio mais
clara, ipresentou-se 0 gabinete uo pariameoto, e
um de seus membros da maioria propoa mna in-
terpollacao sobre a crise
Depois de breves explicates na sessao de 12 de
Janeiro, um dos membros da esquerda propo? a
ordem do dia pura e simples qne foi ro.jeilada
pelo governo, que a substituio pvr uma proposta
de ciiuli.inea 00 ministerio.
A ordem do dia pnra e simples foi rejeitada
por 353 votos contra 316, seado adoptado 0 voto
de conSan^a a favor do ministerio por 374 vutos
contra 321.
0 ministerio retirou a sua demissao em vista da
J votacao ri'assjmblA*
11 ALU.
Deve celebrarse ainda no mez corrente, um
novo consistorio para 0 cumprimento das ceremo-
nias complementares da creacao dos ultimos car-
deae, e para a preennisacao de alguns hespa-
nhoes/nomeados em consequeneia do um accordo
especial com 0 governo de Madrid.
ALLEiUANHA.
A Gazeta da A llemnnha do Norle desraente de
novo 0 boato assustador que as folhas clericaes, e
espeeialmente a Germnnia, apezar dos desmentidos
mais formacs, persi,stem em espalhar reJativamente
a saiile do impcrador e a instituicao de uma re-
gencia.
Segundo a folha ministerial, & imperador Gui-
Iherme esta em perfeita convalescenja, mas obriga-
do ainda por algnm tempo a grandes cuidados pela
naturcza mesma da affeccao que soffreu.
AI 'ST110 HL'XiiniA.
A Austria esta em pleno movimento cleitorah
As eleicSes para 0 Roichsrath estavam fixadas
para 10 de Janeiro.
Na Bohemia esta cireumstancia irouxe uma m-
esperada aproximacao entre os {ovens e os ve-
Ihos tcheijues. Sabe-se que os primeiros tinham
repudiado a politiea de absten';ao e pediam uma
polilica de acgao, como 0 unico meio pratico de
restaarar 0 reino de S. Wenceslao.
0 ministerio auslriaco occupa se da redaci;ao
das leis confessionaes promettidas no discurso da
abertura do Reichsrath. Entretanto a opiniao libe-
ral tem uma fraca confianca na polilica qne 0 mi-
nistro dos cultos vai applicar as questoes delicadas
das relacoes entre a igreja e 0 estado. AlHrraa-se
que 0 Sr. Stemayer esta inclinado as iransaccoes e
condescendeheias, de modo que aclualmente so se
espera m meias medidas.
0 partido constitucional tenciona tomar na sua
entrada na camara a iniciativa de propostas com-
prehendendo toda a materia, e em especial os '.res
projeclos de lei mate importantes :casamento ci-
vil ohrigatork), edacacao do clero calholico, e sobre
as relacdes da igreja com 0 e>tado.
A dieta do ('roacia acaba de nomear os seus
delegados a assemfttea nacional hungara. Desde
que 0 compromisso entre 0 reino magyar e 0 reino
slavo foi aceito depois de longas negotiates elos
dbns partidos a dieta de Agram con agra toda a
sua altencio a reorganisacao de todos os seus ne-
gocios inleriores.' Tera de se oceupar logo no co-
meco da sessao, de um projecto de lei, a qne a
posicao especial deste paiz da uma importancia
particular: e 0 projecto de lei sobre a responsabt-
lidade do ban ou chefe do governo, representante
da pessoa real,e os tres chefes-administrativos que
fazem as funccoes de ministros.
Esta lei torna 0 ban e os seus administradores
responsaveis pelos seas actos e espeeialmente por
aquelles que poderiam attentar contra a auton imia
da Croacia e contra o pacto concluido com a Hun-
gria.
A accusacao devera ser proposta a dieta por
uraa mocao assignada por viote membros pele mis
nos, e nao pode ser decretada senao pelos dous
tercos dos votos dos membros presentes.
0 julgamento e affecto a am tribunal especial
composto de membros dos tribunaes superiores, e
de doze jurisconsultos nomeados pela dieta. As
penas cemminadas pelas sentences deste tribunal
sao a suspensao ou a destituicio dos delinquentes.
As confereneias ministeraea que se doviam
reallsar em Petth eBtre os membros dos dous ga-
binetes da Hungria e da Austria, sob a presidencia
do imperador, encerraram-se sem que se conhe-
cesse ainda os resullados, ou talvez mesmo 0 as-
sumpto real.
0 facto 6 quo a Hungria pode ser alliviada e que
uma refurma neste sentido nao p6de fazer-se senao
nas despezas mais consideraveis, taes como, 0 exer-
ch*'e as tinanfas.
Qaanto a este ultimo ponto, a ideia deum banco
international, independente da de Vienna; 6 uma
Utopia irroalisavel, He que todos os espintos sen-
satos recoohecera a impossibllidade.
rsetATKRiu.
A imprensa ingleza, eomo era de esperar, n3o
podia deixar pa^sar sem reparos a conveneao cum
mercial concluida entre a Russia, e 0 soberano de
Boukhara ; qup e uma nova estacaV) do governo do
S. PnersburgOj na sna marcha sobre as (VoMtira^
da India ingleza.
0 Daily Newt deseobre as baterias de ataque, e
tralvln conmercUL de qrte<.e Vnata *'&> mais do
qtte Ujna mascara Cohrin>i.a.iutaresses pliiicDs.
0 soberano ile Bgucaara, re^elieiido das mios
da Uiissia'a mat gem drreita do Amon Daria, con-
trail! j olirig.ii-les qne por isso ftiesmo que the 0
absolutamente impossivel de satisfazer, 0 enche-
jam de responubilidades, de quo elle se nao deu
c^nta, e cup resuftado sera Wbpor-Mia uma vas-
sallagem lao pesada como a que aarrega subre 0
seu viiinho d Khiva, No dia em qae as carava-
nas forem saqueadas pelas tribus turcomaaas, em
que um estabelecimento rosso tiver sido devasta-
do por uma destas tribus errantes, sobre as quaes
0 principe deBoukbara, nio pode ter a menor in-
fluencia; veranis a Russia tetocar contra elle as
|mesmas i|ueixas que contra 0 khan de Khiva, seu
vizinho, 0 a causa da eivilisacao tera dado Itais
tim passo para as fronteiras do fndi.stao.
0 Daily New examinando 0 tratado acensa 0
gevemo rois.) de tar e>e>rido attingir em pri-
mi.'ira liana 0 commercio da Inglaterra, assegu
rando que os proauctos moscovitas serao re
cebidos no principado, pagando nm direito tao
pequeno relltivlmente as taxas recebidas pelos
objectos de proveniencia ingleza, que toda a con-
curreiicia se tornara impossivel da parte da in-
dustry britannica.
Com tal pruoosito em vista, a Russia poderia
ter peupada as suas profissSes do fe civilisadoras
e humanitarias. Nao param aqui as criticas do
jornal mglez : comprehende e aceita, ate certo
ponto, este modo desleal, senundo 0 classifua,
de se apoderar de um mercada ; acha mesmo
ahi uma com^en3a;5o. Quanto mais rica se tor-
ar a Asia Central, tanto mais a Inglaterra po-
dera encontrar na sua frente adversaries que
pelo mtnes poderio indemni-a la das despezas
da guerra no caso em que a forcassem a reeor-
rer as armas.
0 que 0 D illy New qoereria espeeialmente sa-
ber, era 0 fhn real proseguido pela polilica russa
na Asia,
Se este jornal nae tem eonhecimento exacto,
prevd pelo menos onde tendem todas estas een-
quistas, e terrohia :
< 0 governo da India deve minter uma attitude
em relaeao com a graadeza das madancas que
se nperam a oeste do Afghanistan. Diga a que
dlvser 0 governo de S. Petersburg, & a nma po-
Irtten, tataz, e letcnnlnada desde longo tempo
que sa devem os resukados de que sjtnos tes-
temuhas.
0 governo inglez acaba de publiear nma
seria de notas e do despachos recebidos de Ben-
gala, relalivos a fome qoe ameaca esta parte
das possessors mglezas da Asia. VS-se destes
documentos que 0 vice-rei das Indias em 6 de
dezembro nao considerava as condicoes de Ben
gala, relativamente a subsistencias em pelores
circnmstancias que em 186"i
Este alto funecionario esta de acuordo em quo
aboa Jancia das eolheitas em outros districtos,
e as medidas tomadas pelo governo para vir em
auxilio, le Bengala coutribuirao pod ;rosamoute
para minorar as consequeacia9 da falta das co-
Iheitas locaes. A valia qoe sera preciso combater
estas conseqoencias na oitava parte do paiz
para ai'aslar os porigos.
surasA.
A 6X000:51 das prevideaeias tomivdas pelo ga-
verno caalanal de Genebra, contra 03 padres que
se nio qoerem submetter, provoceu aemonstra-
rSes violenta*.
Nos arraballes onde 0 moviitteata e nwiito
menos accetuando qoe na cidade, os enras depo-
zeram, tendo recusado entregar as igrejas e os
bresbj terios aos seus suecessores ek-itos por pe-
queno numero de lots ; a autoridade le-los
sahir por ftir;a.
As resisteneias ultramontanas deram lugar a
desordens sem grande importancia.
TB.NES.
Tinhamos eonhecimento da retirada do pri-
meiro ministerio de Tunes, quo governava hn'via
bastantes anno?, aquelle maHadado paiz como
sen nor abseiuto ; corrcram depois boaios coo-
tranos a sua honra ; diaiase qoe linha deca-
hido da graea do bey, pur ter side aceiwaia de
dilapidates e malversacSes do fuados. A auto-
ridade, ua>5 sd nao desmentia este boalo, mas dei-
xava-03 propagar, ou ale mesmo chegava a con-
flrma-loa. ttoje ainda faz mais, pois mandou
preuder 0 antigo ministro, e sequestrou-lne os
bens e prohibio aos habitaotes dn regenoia qoal-
quer oper.ioJo de hypotbeea ou de emprertimo
sobre a sua fortuna. "
Estes rigores foram ordenados sem forma al-
guma de processo regular, sob pretexto de qne
0 antigo ministro tinha recusado apresentar-se
no Bardo (palacio do bey) para prestar contas.
Deu parte de doente e enviou em sea lagar um
advogado italiano, 00m plraos pmleros.
a questao tem feito grande rumor, entre a
coloma europ*a de Tunes, onde 0 ex ministro
tinha grandes iuimigos, e partidarios enlhusias-
tieos.
Conmmove menos a populacao indigena que se
consarva mais longe dos aconteeimentos, e que
c>ii:e esta certa de ser csmagada pelos impostos,
c sempre mal governada, 6 completamente in
diffcreute ao dosiino dos seus oppressores.
HESPANHA.
A praca do Cartagena r?ndeu se, narraodo
a Gazetta esse facto a-sira :
< Uma commissao da sociedade da Cruz vermelha
e tres offlciaes da tmarnicao apresentaram-se no
dia 11 do corrente ao genel em chefe da exerci-
to sitiante com uma :arta do presidente da junta
dos iasurgentes pedmdo a suspensao das hostilida-
des e a noraeacao de uma conmissio para delibe
rar sobre as condicSes da entrega.
0 general em chefe dera um prazo ate ao mcio
dia de 12, para a entrega a discricao, mas accres-
centou que todos aquelles que se entregassem
com armas antes do prazo indicado, seriam amnis
tiad..s, excepto os membros da junta e cs culpa-
dos de delictos communs, que serao entregu-s aos
tribunaes. 03 presidiarios conlinuario a cumprir
suas sentencas. Os ^oldados serao pantos a dispo-
siQao do ministro da guerra, como esta ordenado.
Segundo nm telegramma anterior falhara
tentativa de Galvez com 200 homens para retomar
0 forte da atalaya.
Outro telegramma do governador de Murcia
laia In de La Palma do dia 12 as 8 e meia da ma
nha, annnnciava que a fragata JViinaacia sahira
de Cartagena com a junta e os grilhetas. 0 com-
bate travou so entre a esquadra e a fragata. Con-
firmava a noticia da tomada de Cartagena.
Nao me records se quando Ihes contei que a
fragata return, em poder dos insurgentes canto-
naes de Cartagena ardera, correa que os pro-
prios insurgentes a tinnam iocendiado, porque o,s
mais influentes membros da junta seevadiram na
quelle navio, c a opiniao entre aquelles nmeldes
era que a sorte de uns devia ser a sorte de todos.
0 forte da Atalaya e um dos mais importan-
tes de Cartagena, e_o principal do lado da terra.
tacaaiH^HFf^ e "> con:>eiha iiilnistros, decidio^se notn^ar Lopez Dotuinguet,
temrfle gtnerat
- As ftoticias ejae s*>e*aiiraBa a re<-!brd;r
nroviucias, saa favaraveis a causa da urdetu e 4
republica.
Um telegramma da Havana, datado de 16 de
dezaaatiro ultitao^dk 0
A camera dos repi aeotanaaa cubanos, act -J
mente reumda am sessiaem Bajacal, sedo do go
verno da iusurraieio, depaz fonnafcnente Cespedes
Ja presidencia, em virmk da aatorisacao con:e-
dida ao poder legislativo pelos arttgos 7, d e 9 da
constituicao de Guimaro. Dii-se que o fim des'a
medida 6 restaWfeccr 0 poler da antiga junta de
New-York. Panebo Affdilcra tomara posse da
presidencia, qae esta seado intortaamente exerci-
da por Salvador CUneroS niiiifla de Santa Lj-
cia.
t Com a nova administracao servira Viceile
Garcia, como secretario da guerra, 0 Dr. alace.
ministro dos negocios estrangeiros e CalLsto Gar-
cia, commandante em chefe do exercito de ope-
raeOes.
Tem muitos adeptos 0 projecto para se aJistarem
nas fileiras hespanholas, todos os homens, dos i8
aos 43 annos, dos quaes a qninu paru, para 0
servico active, sera tirada a sarte.
PORTUGAL
Em 14, escreve nosso correspondeato d*i
Li.-bOa:
c fcMa constituida definitivam: nte a camara Jo
deputados. Teve primeira leitu.-a o pmjectj
rcforraa da cOrte, pelo Sr. Francisci Monties.
t Foram apreseotados pelo Sr. Ilarros Cu-
nha, varios projactos da obras publicas, 0 0 re.
torio da commissao de emigraeao. 0 Sr. Lacian 1
de Castro, apreseotou um projecto da tat, para
ser pron-gado pur dous aaooa, o praz-t ipareado
no decreto de 28 de dezembro de 1809, sobre *
extinceio de julgados, e para que os ptaea d<
construccoes necessarias ao exercicio de podtr
julicial nos julgados, fossem apresentados ao -
cretario da justica dentro do seis mezes, a jn'ar
da data da promulgacAo da lei qae prop. .7.
a CoBtinaoa a discussaa sobre a propnsta *
Sr. Lampreia, para se sobr'estar a remocio >
eaitorios dos julgados. O Sr. Barr.s Sa/ apre-
sentou am pMj-cio de emeada, em quo *n4.i
ir 0 projecto a cominissao respecliv*. Foi r>i
tada a primeira e approvada a segnuda.
Foi eleila a co.'nmissao da respusta > discur-
so la coroa. E' composta de qn.ui tolas s
membros escolbido* no anno passado.
t Para suppleates a presidencia da camara
herediuria, foram escolltidos por S. X. cl-raa.
diguos pares, Rebeilo de Carvalho Feerreira fas-
tana.
a Desappareceu nm empregrdo da easa da Sra.
condessa d'Edla, esposa deel-rei D. Percanda d
Portugal, levandn, segundo consla, vaiores mcii-.
imdortantes. A senhora condessa fez anninoios
nos jornaes- para qoe niapoem contraias cam
tile sobre eousa alguma perleaoente a >aa rasa.
t Fallecea no Porto, 0 aniign commercianta a
Sr. Frederico Ciawel.
0 Voaga p .r falta d'agua, tem estado anasi
innavegavel, segundo ma escrevem d'Avtiro. A
conduceao de mercadorias pelo rio tem se lsrnad'
diflieil.
A eamara dos deputados approvou hon,.in.
com grande discussao, nm projecto autorisaada
governo a levantar um emprestimo da 50t:09*4-
destinado a ^nstrnccao de am caes, ilaaa gran-
des pontes e outra mais pequena, quo ?io neees-
sarias para facilHar a carga e descarga dos aa-
vios da alfandrga de Lishda.
t Hontem na camara dos pares o m-bre- me
rano marquez de Sd da Bandeira apresealoa emu
proptsta de lei p.tra a immediata emanciparao do
libertos que cxistem nas nossas provincias'nhra-
marinas.
Sahirara de Lisboa : a 30, lugre Cidril par
Pernambucn ; a 10, vapor Atnbrote par** l*r.
Maranlrao c Ceara ; a 13, vapor Brtrg<**zm pate o
HaraflMo.
Acham-se a carga : para Pernembuco, tJrn-
ciosa, em Lisix'ia, e IJdador, no Porto ; para Ha-
ranhao, Mendigo, em Lisboa.
Foi 0 general Lopez Dominguez, em telegramma de
II, de manha, quern annunciou a rendicao e oeca
pacao pelas tropas leaes do forte da Atalaya.
A rendicao, pois, de Cartagena, junta as
sympathias de que goza em Hespanha e no estran-
gc.ru 0 pensamento unitario da sit nacao a conso
lidara e apressara 0 reconhecimento da republica
hespanhola pelas potencias que ainda nao 0 ti-
nham feito.
Em Lisboa foram r^cebilos os segumtes tele-
grammas :
Madrid, 12. Um telegramma do governador
de Murcia, datado de hoje de La Palma, as 8 hora?
e 33 minutos da noite, annnntia qoe nma fragata
insurgente deixou Cartagena com a junta e for-
cados. Empenhou-se comb'te entre a esquadra
leal e a Numancin. Cartagena tomou-se,
Hanoel Pastor, condemnado a morte pela ten-
tativa de assassinato centra 0 rei Amadeu em ju-
Iho de 1872, evadio-se hontem da prisao do Sala-
dero, em Madrid. 0 governador de Madrid man
dou preoder todos os empregados da prisao. To-
das as pesqulzas para encontrar, Pastor teem sido
inuteis att5 hoje. Um bando do capitao general de
Madrid ordena aos voluntaries da republica qoe
entreguem hoje as armas. Os contraventores serao
submeltidos a um conselho de guerra. As visitas
domiciliartas comeoarao amanhi.
a Paris, 12.A assembles rcieitou por 338 vo
tos, contra 316, a ordem do dia pura e simples
proposta pela e e adopiou por 374 votos, contra 321 0 voto de
confian;a em favor do ministerio.
c Madrid, 13Rendoa-se Cartagena. 0 go-
vernador de Murcia, ao transmittir esta imporlaa-
te e fausta iHticia, acerescenta que a junta doa
insurgentes acompanhada de alguns presiliarios
fugio na fragata Numancia, a qual, ao sahir dd
port", encontrou a esqnadra e neste- momento
sustenta com ella 0 combate.
t Madrid, 13.-A Gazeta, publica decretos res-
til indo ao governo o direito de conferir condeco-
racSes 0 nomeandoa" dopa'aoao provincial de Ma-
drid. Coniirma-so a noticia da ocenpacao de Car-
tagena e fortes de S. Juhap e Galeras. Faltara
ainda detaihes subre 0 combate naval annuaciadq
liontem, a noite. A cot&cao interior dos fundoS
ainda que 0 torn do seu artigo seja cheio de retieen-1 hespanhoes, de hontem a noite era errada. A Co
RE7ISTA DIARIA.
ColleeteraOMB prwviBdnes. Por pona-
rias da presidencia da proviacia, do S3 do c*-
reate,_foi nomeado Sdvino da Costa Asevelo Mli.
cscrivao da collechTia provincial de Seriabadn .
e foi removido Mizaoi Narval Fernandes de Soaza.
de escrivao da collectoria provincial da- Rom Jar-
dun para iguai cargo ua de Panellas.
4>ii-.irda nacional. Por portaria da pre-
sidencia da provincia, de 23 do corrente, foi c c-
redido aos capiiaes Manoel Ribeiro de Carvalno *
Thomas Thenorio de Albuquerqna Villa-ftuu
permutarem entre si os eomman los da 3.* e S.*
companaias do 29 batalbao de infantaria do mu-
nicipio de B-^m Conselho.
Professor publico.- Por portaria da pr-
sidencia da provincia, de 23 do corrente, foi apo-
senlado, cm vista do resuliado da inspt-eeio me-
dica a que foi sujeito, com os vencimentos a |ae
tiver direito, 0 professor publico dc mstruccao pri-
raaria da villa do Li noeiro, Joaquim Tbeudoro >>
Vasconcellos Aragao.
Hosplcio de alirnados-Damosem se-
guida mais douativos para as ebras deste novo es-
tabelecimento :
a Pernambuco.Sec.ao do contencioso da tbe-
souraria provincial, 22 de Janeiro de 1874.-
e Exra. Sr. Tenho a satisfacio de offerecer a V.
Exc. em benclicio do asylo de alienados cinco por
.-fiito dos meus vencimentos na qualidadc de aju-
dante interino do procurador fiscal, a contar de
fevereiro proximo viudouro em quanto dnrar 1
exercicio do referido lugar.Deusguardea V.Exc
lllm. e Exm. Sr. eommendador Henrique Po-
reira de Lucena, digno presidente da provincia.
Jtrsnym Salgado de Castro Acciolt.
Gabiacte da pros dencia de Pernambuco, em
23 de Janeiro de 1874.Illm. Sr. Br. Jerooym..
Salgado de Castro Accioli. Aceitando o oflare-
cimeato que fez V. S. em data de hontem, de cinco
por cento de seus vencimonios em favor do aajla
de alienados, a cootar de fevereiro proximo, du-
rsnte 0 tempo em que exercer iotennamento -i
cargo de ajudante do procurador fiscal da Hu-
sooraria provincial, cabe-me agradecer-lhe sent-
Ihante acto, que inanifesta em V. S. ioavav-
sentimentos. De V. S. collega e am go alteaW'j-
criado. Henrique Pereira de Lucena.
Jury do Recife. Presentes em 21 do
corrente, 37 senhores juizas de facto, foi 80rtnui<>
0 respectivo conselho, qae ficou assim composto :
Srs. Di> go Baptista Fernandes, Pedro de AktMara
dos (iuimaraes Peixoto, Jos6 Baptisia de Castro
e Silva, Dr. Manoel Francisco de Barros Reg",
Dr. Forlunalo Rapbaei dos Santos Bitteaoean,
Jose Francisco Ribeiro de Sonza, Zeferino Jos* da
Costa Valente, Jjao Manoel Pereira da ARra-
qnerque, Dr. Joaqnim Manoel Vieira de Mali",
lesuino Rodriguos Cardoso, Joaquim Salvador de
Siqueira Cavalcante e FelixPaes da Silva Pereira
Foi submettido a julgamento 0 reo Manoel Sta-
res de Luna, pronunciado no art. 193 do codigo
criminal; e teve por a^vogado 0 Dr. L. E. Rodri-
guos Vianna.
Em vista da deeisao do conselho, foi absohndo ;
0 Sr. descmbargador presidente do jury, porem!
appeilou de tal deeisao..?
Propagmlora da instnse,rao pss-
bllca. -Na terca-feira, 20 do corrente, leva lugar
a eleicao dos membros qne terao de compar o
conselho parochial dar freguezia da Graca, do cor-
rente anno de 1874.
A's cinco e meia' boras da tarde, rennido graade
numero de soeios, foi pelos raesmos acclamado pre-
sidente da assemb.l ia geral o Sr. Dr. Jose Joaquim
de Oliveira Fonceca, que convidou para .-ecretario
0 Sr. eommendador Luiz Goncalvas da Silva,
Eotao 0 Sr. presideutedandieooU dos trabalho*
do mesmo conselho em todo 0 anno de 1873.aoa
vidou aos Srs..' soeios para procederem a eiiei;*;
do novo canselhb para 0 anno de 1874.
Foram eleitoa os seguin'.es senbores :
Presidente. Dr. Jose Austregesito R. Lima
Vice- >residenfe.Luiz Jos6 da Costa Anwrim,
Secretario.professor Francisco Carlos da Siva
Ffagoso.
Tnesoureiro. I Commendador Luiz Goncalves da
Silva.
Cuoaelheirosd-Dr. Jose Joaquim da Oliveira Fon
jceca.
.T)r. Ajres de Albuquerqae Gama.
/ Dr. Levino Pinto Brandio.
. 0 Sr. Dn*. Pinto Junior, por parte do cm
superior, igradeceu o coasalho parochial 1 ser-
vices prestados durante 0 anno da 1873 elici-
tando aos novns eleitos, disse quo fazia r
prosperidaide de lao- philantropica sociedade.
Emsegunda foi 0 conselho elel^^Htosaad
is 7 e me a boras da noite 0 Sr. president
vantou a s issao.
Fcstlx idade religiaMta.A commissii-
administra Sva do colto a NossaSenhora daS

1
I



w

"i3UW
j UrtaH


IMc de 2BnB*rjBBo-^uifeau*fe- iml9mft tk IMP
*8
^*>


m
a, pelas escalas
anianha, b vapor
rtendo datas:
Uaceio 2i do
quo te veneraj
cidade, lie
rente, a f
nhu
hrilt
Pentdo, da v,
da Bahia 14,
corrente
Nada adiaWi^Hr WJuia, Bern de Sergipe.
In Maceid, reunio-ee no dia 22 do corrente
a assemblea geral dos accioaistas da companhia
Uniao Mercaatil, pan julgai- as coatas do anno
findo e proeeder-se a nova eleiclo; e depois de
approvados os relatonos da direetoria e do con-
so'ao flicaJ, com o balaaeo respectivo, dos quaes
ss verilica quo ercoir a receita da companhia em
61:013*332 e a despeza era 27:931*423, e que
deduzidas as poreentag ;ns desrloadas em favor
dnt OJaeliinismos, faade* do roserva, etc., oa im-
portancia afc1Ni#kli6, tiveram as accionistas
UjB luero liquid d JOiGtt&Jbai, passon-ae a elei-
(ic asndq u. resoliade e seguinte :
Direct*** : Or. Lr.arenco Cavatennle ** *
buqoarque, Joaauaes na Souza Silva Conha, Anto-
n I'rysaes *le CarvasBo.
Cimwaao de fkcaUu&p : Dr. Jacintho Pae*
4*-Miidottca Jaragaa, Antonio Teiaeirada Agaiar,
JmBiao Jtue de Soda** Sava.
Seguodo uoiiatas da Baku, ha via aavia fal-
lecido o Dr. Virgilio Palmeira.
Lemos no uiario dts Alagios :
c Da villa de Santa Lazia do Noite, nos con-
mnuicamem data de 22 do corrente, o seguinte :
a Hontem, ter ninou a festa do marlyr i. Sehas-
Uau, apexar dos tropeeos qua Ibe propoz o vigario
Manoel Pereira. Baracho.
a Nao ha maior Qagello para uma populacio do
que um tnao vigario.
,.Nas outras freguezias, os paaocfca* abrem.as
pcrtas das igrejas para o now ae eocomroendar a
Ones, promoveai as -itestividades religiosas, identi-
li'jiim so com os parochianos Aqui, o maior
ra:oiigo que o povo tem e o parechq.
VTenJo-se approximado o dia em qae devia
comecar a festa do marlyr S. Sebastiao, qae tem
tempo cert, o vigario Baracho, contratou logo
urn* festa no Taboleiro da Malta do Ro'.o, por ...
SOJiOO, ao mesmo tempo em qoe devia celebrar-
se a festa nesta villa, e, tendo de seguir para
aquelle povoado, den ordem ao sachrislao, de
trancar a njatnz, e nao consenlir que nella pene-
irasse pcssoa algnma.
No dia em qae devia celebrar-se a primoira
u vena, os piocuradores da festa peJiram lhe li-
ceaca, para que oulro viesse substiiuil-o oa festa ;
neguu a peremptoriamente, at6 mesmo ao coad-
juctor, frei Sania Eugracia.
0 povo, reunio-se a noite na porta da igreja,
e com uma imagem de S. Sebastiao, que pedio-se
a am particular, resoa a novena, com as portas
da igreja fecbadas.
Uto foi basunte, para que o vigario e o snb-
deiegado Yoyd Guahy, olflciassem ao Sr. Dr. Ro
mulo e ao Sr. Dr. Serapiao, qneixando se de uma
sediqOo, e pediodo forca.
No dia seguiute veio um destacumento de po-
licia, e o povo afngentou-se da villa.
cr Por mil instancias dos procuradores da festa,
que ia tinham pedido esmolas, mandado buscar
musiea e feito muitas despezas, p vigario, depois de
estar no Taboleiro, deu licence para o Rvd. Santa
Kngracia, fazer a festa, e esle tran-ferio ne Rvd.
Rocha, dizendo que era gratis, porfm, depois,
mandon pedir por uma carta 18*C0i).
t E nao ha punigSo para o vigario Baraiho,
qae, alii.n d3 obngar seus parochianos, a paga-
rem-em duplicata a despcza de nm padre para te-
rem uma festa na s^de da freguezia e qne alem
disto, langa sobre o povo o ferrete de sedlcioso.
i Nao ha dinbeiro que chegue, para alimentar
o vigario Baracho
E o que e a festa do Taboleiro ? E' um verda-
deiro pagode ou orgia
a Mande o Sr. governador do bispado, examinar
a capella em que o vigario Baracho vai fazer essa
festa, e vera o abuso que essc parocho faz das
funcjSes de padre que The sao coufiadas.
Parece qoe pcza uma maidicao sobre esle
povo, dando-se-lhe um parocUo como o Rvd. Bara-
cho, que e uma verdadeira calamidade.
Os oulros parocho*, infundem forga moral no
povo, pregaudo o Evangelho, pela pratica de boas
accSes, com o emprrgo de p_alavras de do^ura, de
mansuetude, pela eonversao d'aquelles que se-
uem o cammho do peccado, e com actos de ver-
adeira caridade ; o vigario Baracho, quer im-
por-se ao povo pelo respeito qne inspiram as
da yonetas dos soldados de policia.
t Quo ministro da religiao I f
Troca a imagem do Crucificado, pelo sabre
do solaado I
0 sea elemento principal, e o dinbeiro, e depois
aiutrigae a caiumnia, sobre o povo innocenle
que o supporta I >
Telcgrraiuma da corte. Em 24 do
corrente dizem da corte ser o cambio sobre Lon
dies 26 1/3 d. bancario.
Kavlo de gucrra.-Chegou hontem, pela
liiaahi, a corvo'.a brasileira Paraense, procedeate
da Bahia, e que se destina a acompanhar o vapor
iuglez Hooper, na immprrao da quarta secfao do
rabo suhmariao, que dcve ligar o porto deBelem,
no Para, ao de S. Thoma*.
Bihia telas escalas. Sahe amanha a
tarde, com esse destino vapor Penedo, da cora-
panhia Bahiana.
Telegramma commercial. 0 Sr. F.
Y jule, em data de 12 do corrente, diz o seguinte:
Algodio regular de Pernambuco, em ser, 8
5/8, da Parahyba 8 1/4, e de Maceio 9, calmo
Assucar mascavado do Pernambuco, quali-
dade superior (Liverpool), 20 schillings e 9 pen.,
fronxo.
Vapor Lalanile. Era esperado em Lis-
Ib"m, em viagem para o nosso porto, de 18 a 20 do
i-orrente
Vapor Usbonense. Cora destino ao
Para, Maranhao e Geara, era esperado em Lisbda,
de 18 a 26 do corrente.
Vapor Erymantbc Devia locar em
Lisbda, a 23 do corrente, com destino ao nosso
porto, pelo de Dakar.
Generos de estiva. 0 Douvo, trouxe :
16 caixas com queijos, a L. J. C. Am rim, 62 a A.
F. Carvalho, 4Q a Lebre & Reis, 47 a ordem, 21 a
J. J. R. Mendes, 63 a Beltrao & ftlbo, 30 a Fer-
nandas di Costa, 11 a J. J. Leitao, 6 a J. J. Al
res, 17 a Lima & Silva, SO a Souza Bastos, 22 a
Magalhaes & Iimao, 33 a Cardozo & Martins, 28
a J. F. Pereira, 32 a Corga.
Fabrica de tecidos. No Douro, vicrara
hontem, 70 volumes, contendo todo o resto do
machinismo para a fabrica de flacao de tecidos
dos Srs. Pernambuco Barroca A C, que se vai es-
tabelecer naPassagem da Magdilena, e da qual 6
socio gerente o Sr. coramendador Antonio Valen-
tim da Silva Barroca.
Dentro em pouco tempo deve ser inaugurado o
serviQo.
Vapor Douro. Este vapor so segue para
o sol do imperio, boje, as 2 horas da tarde, por
ter de desernbarcar a- grande qnantidade de car-
iia de qne foi portador.
Presideate de Sergipe.De carta par-
ticular do Aracajii, consta que o Exm. Sr Dr
Antonio dos Passos Miranda, assnmio as redeas da
administracio da provincia no dia 15 do corrente.
Para o sal do imperio. O Dowo, tem
a seu bordo 108 passagerros, com este destino.
Capturas. Capturados, foram recolhidos a
cadeia de Itambe, Manuel Felix e Feliciano Felix,
es pronaneiado no artigo 193 do do codiifo cri
minal e aquelle no artigo 203 do mesmo codigo.
Prisao. E:n flagraneia do crime de fnrto de
cavallo, foi preso etnltarabe Joaqajm Jos6 de Santa
Anna.
Ferinacnto grave. -A's 2 horaa da Urde
de %i do cuireate, Manoel Joaquimde Santa Anna
lerio gravemenle a' Maria loaquina do Espirito
Saalo, do lugar denowiaado rua da Praia, da ci-
dade de Goyannk Eva'dio-sa o crimiuoso.
\. Saisn.0 Srs. Laittiaca- & ^., a rua
Primeiro de Mar?. *-, 9, tomam tambem assigna
tura para esw iruereasante ;oroal de awcUs pari-
siense.
Faculdnde de direlto. -Cornea ana
c5es aes no-
segundo as
de que en
ho* da vida,
,ssao. Newe
traba]ho,cujalUw*ni*ia efinAas pessoas que
se ded!cam.i vMaascSlca, 7am Wft e plaraiuente
explicadaa tow* yao r*j/m>n*l<****, e a
forma da pi-las n t*at
Recommendaraos essas,
sos leitores, e mujto ,
nossas amaveis toitoras,
contrario ahi conforto p
e lenilivo aos pesares e dores.
Gazela Juridiea- 0 0. 84, deate im
r&a&EiM&t *.. .
Unidade da comoetencia do foro; *. A compe-
tencia local deve atr a regra absoluta.
c Direito Criminal: alaioria absoluta e maioria
relati va a proposito da iaterpretacai) do art. 332 do
Cod do Proc. Crim.
Juriidicf&o Civil: TesUraeato cerrado nao se
julga ravogado pelo lesiadur, pelo facto de encon-
lr*r-ae aberto e desl.vcrado, naxinM um poler da
herdeiro intestado. -1.* Teatea-ajy e nullo seodo
feito por captacai, sucgestao ouliimdez ; 2 Pre
sumps5es destes vidos eaa caao \ 3 Nullo e
o tesum-mto : () tenao deapprovacao nio
e assignado pelo tabelliin; (b) se nao e lido antes
de assignado pelas teslemanaas.
c Jurisdio;8<) Commercial: Questao de seguro.
1.* ^'.ivio julgad-t navegavel a lastrc, pode rece-
ber carga eqnivalente; i -Segurado niio 6 ohri-
ga ie.a deolarar ao sQgJira**|ii* eondi?oa do
njvio, e outras circuioslan^ias que possam lnfloir
para a nealisaeao de eoairjte oa preraio, qnando
tsso-eensta d annuneios-e e not'rio bi praca. I.*
El -BaKda-a peohoranao 8lhad*e o deposito^nao
assigQado, feHos em diaheiro de massa fallida e
em poder do respeclivo administrador, quando
este declara que nao existe tal dinhetro"? z."
cSrt especial de dep sito ne>) caee' euntra dopost-
ttario de ben< penhoiados. I.' R racao de -stil&f 4e tsont ati fta-fata nao pro-
va pagameuto do tUalosanterisres.. 2." Portado-
res de titulos Wansferidoa 3.' "Pagamento d^
effeito commercarl quem o transferu a lerceiro,
nio pode ser opposto ao portador de boa fe.
t JturisdtCQao Criminal. L Tflrmo debem
vtver nao se interrompe por prescriprjao, porque
a pena se repeto taotas vezes qaaotas forem as
reiucideiicias. 2. Processo de tenno de bem
viver nao e nullo por ter sido instaurado contra
dous reos, embora aeoosados por inolivo identico.
Processo de resoonsabilidade. 1 .* Recurso de
pronuocia tem effeito suspensivo. 2.* E' null)
quann\) julgad*, sem que fosse decidido o recurso
por ter-se opposto o juiz a que seguisse nos pro-
prios autos 3.' E' nullo quando sao suspeiws o
promotor ou o jaiz. 4." nullo se o reo nao e
admitlidj a produzir testamur.has de defeza. o.
E' nullo se u40 ,nsta que fossem guardadas as
formalidades do art 408 do regainment > de 31
de Janeiro I." Das decisOis proferidas pelos
juizes axuoicipaes, nos cajos do art 20 da lei da
Reforms, nao cabe appeHacao para a FtelacSo, e
sim recurso ex-offlcio para o juiz de direito : 2."
iDas decisSes definitivas proferidas pelos juizes de
direito, nos termos do art 84 do Reg. de 22 de
novembro de 1871, 6 que se da o re;ur.-o de ap
pellacao para a Relaqao. -1.* Crime d injurias
impressas: niio ha quando e incerta a pessoanao
nomeada, contra quem se dirigem: i. Explioa-
cdes sin precisas, se 6 equivoca a injuria.Cabe
a appllaeao exofflcio da sertenca que condemn*
o ascravo a gales perpetuas, incurso na lei de 10
de junho de 18J3 e a vista da dipo3irao generica
do art. 449, % i.' do Reg. n 12i de 31 de Janeiro
de 1842? I'rocosso por dosooedioncia nao 6 ar-
bitrario, mas por juiz e pelo modo claro regulado
na lei a respeito.
Jurisprudencia Porlugueza.
Remedio para o cholera. Era uma
das sessoes da academia das scioncias de Paris, o
Sr. Deelat leu uma memoria acerca de um me-
thodo curativo do cholera, e provavelmente tam-
bem da febre amarella, por meio de injeccdes
sub-cutaneas de acido carbonico e carbonato de
amoniaco. 0 autor recommenda bebidas que
contenham acido carbonico em doses de 30 a 40
cenligrammas por dia, e de 4 a 6 injecfods, de 6
grammas cada uma, de uma dissolucao de acido
carbonico de 2 e 1/2 por cento Estas doses de-
vem augmentar muito nos periodos graves da
molestia.
llodas. -As correspondencias de Pans, pondo
de de parte o assumpto de bailes, tratam so dos
trajos dostinados 4 visitas, a jantares e as igrejas;
trajos cujas combinagoes de enfeites e fazendas
sao pouco mais ou menos as mesmas.
0 typo g-'ral e o velludo guarnecido com pelles;
mas o velludo rico de seda, vai desapparecendo da
moda, a propor^ao que se aperfeicoa o fabrico do
velludo chamado frame, de preco muito razoavel,
em relacao a sua duracao e bella apparencia.
A variedade no feitio dos chapeos 6 immensa;
pode se di er que nos campos Elyseos e no bos-
qne de Bolonha, nao se encontram dous com a
mesma forma e enfeites. Tulera hoje a moda
todos os gostos, por mais extravagantes que sejam;
e os chapeos nao primara la muito pela simplici-
dade; mas certas pessoas da primeira socieJade,
adoptam para a rua, v'uitas e compras, principal-
mente nos dias maos d'este inverno, o chapeo de
feltro de forma Medicis, com veo comprido de
gaze (que se enrola ao pescoQo), e uma aijretle,
tie velludo.
Nos trajos ehamados habi'ees, ou de meia ccre-
monia, usa-se o velludo escuro. forrado com faille,
de cores claras e guarnecido com longas pennas
de avestruz.
Os poufs, vao tambem dirainuindo de voga; mas
por isso nio se deve concluir que a tournure
desapparece com elles; antes pelo contrario, pom
dizer-se qoe se accentua cada vez mais.e que Ionia
as proporcoes do antigo vertugadtn, donaire,
guarda infante, anquinhas ou como quizerera
chamar lhe ; e que, para nao se tornar ridiculo,
exige grande perfeifjio no corte e no feitio; a
saia Du Barry, e a propria para semelhante moda.
Por baixo da tournure, ( segredo que nos confia a
nossa amavel correspondente). n'am agora as so-
nhoras, uma pepiena saia de la branca, feita a
agulha, ou crochet, que tem o preilicado de abafar,
sem desDgurar as forinas do corpo, circura-.tancia
que era Paris e Londre3, e hoje o requinte da
moda; ou entao usam era seu lugar umsaiote de
flanella, chamada Bolirard-toile, nome bem sin-
gular para nraa faz>-nda de la I
Aproveitaraos esta digressuo, para dizer duas
palavras a respeito dos norae3 burlescos que era
cada estacao as modistas francezas, impoem a-
fazendas. Antigamente o panno charaava-se
panno; a cachemira, cachemira e o tafeta, tafeta.
Hoje, nas casas de modas e nos armazns de fa
zendas, de Paris, em uns o tafeta, cbama se gtuce
0 n'oulros drop ; a cachemira e a li tomarara
agora o nome de taftalina, etc. Cada m>dista
adopta urn nome particular; quando se pede ere
tone, apresentam alpaca, e as-im procedem na
maior parte das requisicoes, lo que resulia grand i
confusao, e difflculJade para o comprador ser
satisfeito como deseja. Lircumstancias que as
nossas assignantes de provincia que costumam
fazer encomraendas para Paris, devera ter muito
em vista. Nao se adrairem de Ihes ser reraettida,
sob um nome inglez, novo, urua fazenda antiga
muito con ecida.
Citaremos, como preveajao, aiguns nomes que
aortas casas dao as fazendas, quo remettem aos
seus correspondentes:
Nid d'abedle, parecese tanto com um favo
como o ovo com o esp^to; e uma especie de seda
eocanastrada, amarella, que servia para forrar
poltranas e fazer rapusteiros.
Duite, panno mediocre que pelo avesso tern
pello
Taupeline, tem tambem pellucia fina.
Cheoiole, inglez, e apenas nmi grosa diagonal.
Vologdn, tecido de sarja, H'trrick, e o Tartan ;
alem disso, ha o Newry. o Bhekurn, o Kozan, o
Nialk, etc, a noraenclatura e inlinita. Ora. quem
ae aervir Imtes nomes, fazendo eocommendas
para fafcrieas oa arm izens quo nao os tenhara
adoplado, nao e corapreh-ndido; razao porfne,
nos os sopprimimos se op re. iudicando as oasias
leitoras, os aeaaes de caeherairas, glace, flanella,
paono e faille; expreso> c-mhecidas por uoda a
^ante e aceitas hoje na soeiodaia,
iMlseelaaea. O impendar GaiMwrme da
t*6+ tiiltW***%>** daMatdculturai
dsBena-iic- Ofganiia uma exposi<;ainternacional de horlieul-
maio
f cafc-tlfrcongresw
uesto Rossi wpresenta actual
:es applauses -o ihoaiw Wien,
----- fulminante B
pr
mente com
Ae Vienna.
Myrrau)
senhor aflit.
bispo de Antnh'lo*. vrwo-r,.
Murrea ha peoco em Momerei, perte do Tar
be, am eafKtndor dnifade- de eem annos, cha-
mado Joio taperte ; vio os refnados de Lniz XV,
Luiz XVI, a revolucSo, odlrectorij, o consulado,
o primeiro imperio, aajrestauracAo, os cem dias, a
moaarcbia de julba, J. revolugao de 1848, o se
gundo imperio a a sapanda repuWica. Conservon
ate a>os ultimo}.;numenlos todas as sua- faculda-
des. Ao sep enterro ssistio um sou Hlho da ida-
de de seleota e emea annas.
Acaba de deseobrir se nos archivos do thea-
Ufti opara Ja.Praga, pnde o D. JoSo, de Mozart,
foi represenladr) pen primeira vez, o original da
partitura d^sia obra priraa, eaj qnab-o volumes de
ramie i. escrintos pelo proprio pdnno de Mozart.
Ee mannsefipto ftoi enrnprado por 3,800- florins
jra o rouwu de Vtenna.
Era uma das serras pro^knas a 'Cartafena
estio hwlaUados cWco ingleaes qae desde o ftri-
'jtksuJtowtmlfEi
e vencidos no terreno
Uits, senao Injartam, de
UauiUjaro, paniUda Adelai- NeMa trlste e taraeOUvd situacao em qne se
eira.
Silva, com Maria do Pitroeinio
dia do bombardeamento observaiw tbm lAlexandtiaa^ivier Gitirana.
Joao Beroardteo de SenBC,' Jawpha dqs
Prazeres de 5axa.
Jesuino Ayret ie Almeida, oo.v Josepha Maria
do Carmo. fflJrJ
Pedro Xavrer dos Reis, com Antooia Maria do
Espirito Santa.
Font da Costa Ferrelra, com Paalina Maria da
Conceigao. f\i, r\
Joao Gomes Perreira Torres, com Portumta
Riof.trmosense.
Simplicio Liborio dos 9an*, com Juvenlina
Cinstaneia da Coneeicao.
Manoel Rodrigaes N Rosa Campetlo Capibftrine.
Beato loti da Silva Machado, eom Etisia Gyb-
SB
Gregorko Jose da Silva, eom Maria de FreHw
Luna.
_J. 3." deinincia?i). ^^^^^^^
^^W^IWfelho, conf Paulina Pfnro.
Joao Rojrigues Viano* Biy Pereira Bas tos. ,;
Domingos Jose'*ji(nnea ftikawabs, com Maria
ide diraito, e un*iaa'8 da favaraiiia
.Indapefvleuledtf .lasp
(do. Jj^tamcpm a
8$ recabap o oorrew 20 mala*.
caa^dea.-Paraaiivraria fraa- mis
cacSes -Os
a rua Primeiro de
Mff|obli-
eaaript|r p>r-
^o/ttaeVfrBenertli da companj^
ra.
oeoacafclde*^iuew wiw^neJXM, am 'r des qqaes
rwr maia d#*tw* "

foi escripta ospecialmeowpeW
para as aula* preparatorias^la, ,4.le!uanha confer jo ao Sr. Viscond Ve4a,
mi
LpUtro dus negoefm estraageiros de Itilra, a con-
da ada doidaua, ^auja-d de maior calhegerta na Prtisia, concede-se
,om.
graidf parcinoBia, e a distincjio de qua o
sire italiaoo do obji-cto, prova a intimidade
Gtti
da| rebjK'Oas qae eiitano entre o inaperador
Itttrme e Victir Manuel.
T- Os periodicos mais anligng qne se puhlicam
Im m.y BOB Esi*iw Aki*> sao :, Gazela dr P+rttm ulh.
coinecdd aakdr era 17ft6,e antes de-se a Flor
Ulaio e OccuntatUi wVioas de Unit, em
te i>80, rwOBCilvaraeiite En t7of appare-
a>jCfft<> daJrWiCM* iie-B>ul<>n < a GateU de ra_T.iv.res.
a era 1715. As tunlfcii con-eates da nova
etra fora n fumla la- em 1741 pela f am ill a
eeutos lodas a-> opeiagoes miKtares, to
inando apontamento< dellss.
J*e dia 2* de dezembro foram praconisaios ,
era Rom como cardepes da igreja romoaa, os
arcebispos de Valencia em Hespahha, de Paris e
Cambray em Franga, de Safcwargo, na Austria, de
Slrigonia, na Hungria, o patNarcba de Lisbda, o
padre Tatquint, rfa Cdmpanhia de Jj5us e M^rti-
nelli, daordemde Santo Agosiinho, ambos emioentes, e oa nuncios da Santa Be em ifcspa
alia, Fraaca, Portugal e Austria.
Em SchefOdd (Inglatorra_t honva no dia 16
da dezembro uin grania .leinporal, do qual resul-
tou muitos [irejuizos e desgracas pessoaes. L'.na
torre muito elevada, onde se tinham refugiado uns
quinze ou vinte operarius, desabou, sepultaado
aquelles infelizts nas suas ruioas. As perdas ma-
teiiaes em todaa,oi4A^aa 0 prefeitdmaXtearada, de^bhibir as re-
preseutacoes era Roubaix, da Maria Tudor, do
Itematti de nm otitro drama.
- A imprensa ingleza olha com grande desgos-
to a instillacao dos russos em Khiva a pretexto
de ter declarado o khan que so in inienlo su uraa
goarnicao russa do paia e qoe poderia fazer cum
pnr o tratado- de pat.
Os trabalhos de reaonstrucrao da columna
Vendome, qoe estaMmswpensoa ha tempos, con-
tinuam agora com aaividade. A columna esta
acabada e acha-se ja reve.-tila de laminas ate a
altara de cinco on seis metros acimi da corrja de
lonro que sobrapuja o entabolamento, ou por ou-
tra, um tergo da altura total do monumento.
Acaba de se fundar em Paris nma socicda-
de intittilada Socicdade dos Amigos das Aries de
Paris, a quaMwn-por flm concorrer para o des-
envoivimento da arte e animar os artistas por
mcio de exposicoes, co npnas dineatas das suas
obras, etc., etc.
O casamento da gran-duqueza Maria com o
duque de Edirabnrgo, estava delinitivaraenle fixa-
do para o dia 20 do corrente. Pazem se ja era S.
Petersburgo preparativos grandkisus para receber
todos os hospedes que irao a cdrte do czar. Es-
peram se o principe ea princeza de Galles, o prin-
cipe e a princeza imperial da Allemanha, o princi-
pe Alexandre Oe Hesse, os duques de Coburgo-
Got in e do Cambridge, etc.
Circula ictualmente em Paris uma grande
quantidade de moedas de oinco francos, falsas.
0 rei da Baviera acaba de conferir ao cele-
bre compositor Ricardo Wagnier, a Ordem de Ma-
ximihano, pela sciencia e arte.
0 Memorial dos Pyrenevs conta que grande
numero do cariosos reuniram-se ha dias na praca
Real de Pan, para assislirem a partida do guia
Orleig, o qual apostou percorrrr a pe e era oilo
dias a distancia que ha entrc aquella cidade e
Paris. Orteig partio as 2 horas, seguido de um
carro no qual tomou lugar uma pessoa encaiiega-
da de vigiar pelo cumpriraento das condicoes es-
tipuladas.
0 governo prussiano acaba do apresentar a
camara dos deputados um projeclo de lei relativo
a construccao de um caminho de ferro que atra-
vesse a cidade de Berlim e que entronque directa-
mente com as linhas ferreas de leste e oesle da
monarchia. As despezas desta empreza giganle
sao calculadas em 16 railhoes de thalers (60 mi-
Ihdes de francos). Este caminho de ferro sera
concedido a uma corapanhia medianto o subsidio
de 26 railhSes de francos, porem o governo reser-
var-se hia a construccao e explorario da linha,
que teria um desenvolvimento de 11 kiloraetro3
com muitas gares no interior, e duas outras prin-
cipaes no exterior. Sera construida na maior
parte sobre arcadas, de modo a nao impedir cm
nada a circular;!). Havera quatro linhas para-
lellas, duas para trens de grande distancia, e
as outras duas para os trens locaes. Proviso-
ri unento nio serveria senao para o transporte de
pessoas.
Em Ostende fez se ha pouco a experiencia de
tiro com um canhao inunstro. Foi este collocado
na praia fronteira ao pharol do porto ; a praga tem
a ligura de uma garrafa das de Champagne, e a
arma e de cerca de 23 cenlimetros de dimeusao ;
o seu peso e dc mats de 16,000 kilogramraas, e
carrega-se pela recaraara com 23,000 kilogram-
was de polvora ; a bala, que tem a forma de um
pao de as-uear, pesa 130. Da pega ao alvo que
se collocou nos arcaes, fez se um signal lelegra-
phico ; rebealoQ a explosao, que foi forte e sono-
ra, e o projectil produzio um silvo agudissiino,
que se ouvio a seis railhas de distancia. A bala,
em li segundos, percorreu 10,000 metros.
Thiers e por titulo 0 homem na natureza, sua origem e seu
fim. Por causa deste livro ao philosophia espiri-
lualista, Thiers dedica-se ha tempo ao estulo das
sciencias.
A municipalidade da Vienna acaba dc deri-
dir a ereccao, em uma das pracas publcas da ci-
dade, de um monumento em honra da imperatriz
Maria Thcreza. Este monumento, de dimensoes
colossacs, pois nac tera menos de sesseota pds de
alto, e que estara concluido em 1873, representara
a celebre filba de Carlos VI rodeada de todos os
grandus horaeos do seu reinado, Kaunitz, Daun,
Landon, Van Swieten, Sanneufeld, etc.
Segundo referera o> jorua>'s, esliverara irapo-
nentes os funeraes que se fizeram em Potsdam a
rainba viuva Isabel, ultimamente fallecida. 0 im-
perador Guilhrnm nao poJe assisiir a elles cm
eon-equencia dos seus incoiumodos, porem esleve
presente a imperatriz Augusta, o corpo diploma-
tic), um representanle especial da raiuha Victoria
e muitos outros personageas.
Um telegramraa de CoostauUnopla noticia
que os navios gregos Possidonio e Anarghiro, am-
bos carregados de cereaescom destini a Marselha,
perderam se proximo de Carasburnon.
A Joanni a"Are, dj Barbier, que actualmen-
te se canta no ihoalfo GaiU, te Paris,- toin dado
at6 agora a emp'eaa 5O:6700*0.. A%eceita de
cada noito e de 9804000, moeda forte.
_ A populacao da cidade de Yokohama (Ja-
pao ) tera augmenlado com uma rapidez espantosa.
Durante os ultimos annos o numero dos habitantes
elevou-se de 50,000 a 80,00 dos quaes cerca do
2,000 sao estrangeiros. 0 commercio tambem alii
se tem desenvulvido muito, pelo que uma empre-
za resi'lveu consiruir um hotel, que tera uma torre
de 80 pes de afto, com um carriinao ciiupleto.
Os jornaes de Bolonha noliciam a morte do
Sr. Le Roy-Maleville, publicista rapito conhecido
paras snas obras de agricuftura, e autor da Car-
los ao Sr. Babineft, qtre faffam acerca de infiltra-
cio das sguas para o centre da terra.
Prod a tii as. Foram lidos aa igreja do Ro
sario, que serve da mairu tU tregBJtzia de Santo
Antonio* no domingo Zo de Janeiro, os seguyi-
tei:
1.' dennnciacao.
Antonio de Oliveira Maia.
mazia da CunUa Maia,
Maximiano Jus* da Gosta,
Porto. ft" iB-*
Doraervello de Oliveira Slello, com Dioa de
Araujo Piubeiro.
Jose Novaes.a^SqaM.CaxKaiJto.aoni, Julia,*-
gu-ta Guimirae-.
J.se Antoaki do Mesquita, convio-epha Bhgida
Rnwh
Join Jose" Franeelino, com Caetana B/iaia do Sa,
craim-Bto.
Am.rtiio de AUiuiuerqae Paes Barretto, com
EUi'A Rita Moreira UaU
Ernesto G racalves Maced.v Wan leriey, com Ju
veptina Angela de Aejrado.
I .a ) Francisco H oiorat >, cum Feli-bella Ferrei-
Aasncar.
com FrancisxAThn. .%^ i
com JoMa Francelina
Jose Feliciano Pjrtelhi, oom Salviaa L^oocia da
Rocha.
Manoel Fehppe do Cirmo, com Lsurianaa Maria
Soares.
Ulrandolino-Anaanso.Manias, com Maria Isabel
de Paulav*nfa.
Antoaio A'lvas da Costa, com Am ilia de Jeni-s
Pontes.
Balthazar, affteshw livre, com Brlgida Maria dos
Prazeres. amiBi_Bij|i*:
Goncalo Felix de Soaaa, com Paulina Maria da
Concettia,
Loteria.-A que aeaclava vaBte e a 83, a
henelicio da raatriz da SaJf uewo, quo corre no dia
30 do cot-rente mez.
I.i-ilao.Em conseqtiettsia de ter o Exm.
Sr. presideute da provincia resolvido que fosse fe-
riado terca-Teira, 27, fica iransferido o leilao para
qnaria feira,-2S asjaesimas horaa.
Paasj_5eiro.-Chegado3 da Buropi, no
vapor itfgJez'DourU :
T. A. ueguelen Keller, _^. Alcrforado, Luiz
Uilh eim Bohlenn, Eduardo Jose Gomes da Luz e
sna senhora, Manoel Francisco de Mascarenhas,
Antonio Carneiro Thome, Jose Pereira da Silva,
Jose Luiz dos Santos Oliveira, Luiz R. da Cunha,
Joao Jnaquim da Silva, Antonio Luiz Rodrigues, Ma
thias T. Mi reira, Jose da Silva Marcello, Ma-
nod Ga=par dos Santos e Diogo \V. Gmn.
Chegados dos portos do sul no vapor bra-
sileiro Penedo :
Dr. Garvalh* Cesar Duarte, Aucora Francisca
Ribeiro o 2 filhos menores, A. Maria de Olivei.
ra, Jose N. Goularl, Jose" V. Cavalcante, fiburcr*
A. de Carvalho, Jose de Souza Silva Cuhha, M.
de Moraes. Jose Gomes de Castro e Josfi Eraigdio
e sua senhora
Chegados dos pnrto3 da Europa no vapor
inglez lllimani :
Manoel A. deLyra, John Jossphjdartyre, Anto-
nio J. dos Santos, Antonio A. Maia, Antonio S. da
Silva Maia, Bernardino J. dos Santos, Jose F. Fer-
reira e Jose P. Souto.
Sahidos para o Born no vapor Ceard :
Deserabargador J. N Rigueira Costa, e 1 escra-
vo, desembargador Bernardo M. C. Daria e 1 es-
cravo, desembargador Araujo Jorge e sua farallia,
desembargador Joao Paulo Monleiro de Andrade,
desembargador Manoel Jose da Silva Neiva e t
escravo, Manool J. R. da S:lva, Ur. Bellarmiao Pe-
reira de Moura, Vicente L. de Albuquerque. Dr.
Daniel Alves de Queiroz Lima e sua senhor a, Joao
Luiz Pereira Lima, Joao Arnao, Francisco de Al-
meida Braga, Antonio C. de Albuquerque, Dr. Vi-
cente Pereira do Rego Junior, Manoel Joaquim
dos Santos, ex- oldaJo Clarino, sua mulher e 1
lilho.
Ceiniterio pulilico. Obituario do dia 20.
de Janeiro dc 1874 :
Simoa Maria da Conceigao, pard i, Peraara'iuc.o,
22 annos, casada, S. Jose ; congestao cerebral
Joao Nogneira Caetano, pardo. Pernambuco,
20 annos, solteiro, Gra^a ; variolas.
Maria Senhorinha do Carrao, parda, Pernam-
buco, 36 annos, solteira ; febre intermiltente per
niciosa.
Davis, branco, Inglaterra, 21 annos, solteiro,
Boa-Vista, hospital Pedro II; febre amarella.
Maria dos Anjos, mandada pela policia; thysica.
Zacarias, pardo, Pernarabuco, 2 mezes, Graea ;
convulsSes.
Manoel Messias da Paixao, pardo, ignora-so a
naturalidade, 2i annos, casado, Olinda : variolas-
Jose, branco, Pernambuco, 2 mezes, ii...i-Vista ;
convnlsSes.
- 21 -
Francisco Teixeira, branco, Portugal, 2i an-
nos, solteiro, Boa Vista ; febre amarella.
Jose Martins da Silva, bran:o, Portugal, 17
annos, solteiro, Boa-Vista, hospital Pelro II ; fe-
bre amarella.
Francisco Novalino. braaco, Italia, 13 annos,
S. Antonio ; asphyxia porimmersao.
Manoel Sabino, preto, Pernambuio, 30 annos,
casado, Recife ; ho;itisa;ao pulraonar
Maria Barboza das Mercc-', parda, Pernambuco,
6J annos, viuva, Roa-Vista, hospital Pedro II ;
lepra.
Pedro Jose" Antonio, pard), Pernambuco, 19
annos, solteiro, S. Jose ; boxigas confl'iente*.
Joss" Pereira Duarte, branjo, Portugal, 30 an-
nos, casado, Boa-Vista ; febre thvpica.
- 22
Maria Emilia da Silva Neves, parda, Pernara-
buco, 34 annos, casada, S. Jose ; tuberculos
pulraonares.
Francisca de Oliveira, parda, Portugal, 23 an-
nos, solteira, Boa-Vista, hospital Pedro II; fe-
bre amarella.
Maria, parda, 1 dia, Boa Vista : contorsioes do
parto.
Antonio, branco, Pernambuco, 4 annos, Boa-
Vista ; gastro enlerite.
- 23 -
Felicia Maria da Conceicao, prela, Africa, 75.
annos, solteira, S. Jose ; velhice.
Raima da 'ionceicao. parda, Pernambuco, 63
annos, solteira, S. Jos6 ; bexigas.
Felicia Maria da Conceicao, parda, Parahyba,
36 annos, solteira, S. Jose ; pthysica.
Carlos, preto, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vista;
febre typhica.
Amelia Alves Moreira, branca, Alagoas, 40 an
nos, casada, S Jose" ; tuberculos pulraoaares.
Um homem, ignora se a cor e a nituralidade,
30 annos, Boa-Vista ; apoplexia.
Luiz Francisco de Mattos, preto, Peraambuco,
26 annos, Boa-Vista ; apoplexia pulraonar.
Isabel Corrta, mandada pela policia ; conges-
tao cerebral.
Maria Eufroxina Tavares Teixeira, parda, Per-
nambuco, 35,'annos, viuva, S. Jose ; hypertrophia
do figado.
Francisco, pardo, Pemambuio, 7 dias, S. Jose ;
tetano dos rocemnascidos.
Roza de S. Pedro Advincola, preta. Pernara-
bnco, 56 annos, viuva, S. lose ; hypertrophia do
corajao.
Manoel, branso, igoora-se a naturalidade, 1
anno, Afogados; variolas.
Jamiario, pardo, Pernamhnco, 5 aonw e nWfft,
Graga; c nvulsdes.
Ca-sa de- def encao.Movimento da rasa
de deten.;ao do dia 3 de Janeiro dot 1874 :
Exist Lam presos 328, entraram 3, sahiram 3
existom 324
A saber :
Nacionaes 237, mulheres IA. estrangeiroa 29,
esc raves 4W escravas 4^Toul 32i
ajjmentados a coata do* uofros oubrieea 247.
iBovimeruo da nferraaria do-dia. aidajanaira
da 4874.
Teveram baixa
Francisco Sebastiao.
Ighacio Gomes -m
,ytmiacia
I
coBotaram os nossas adversaries, representara a
estatua de GJaneo. qne reflects todas as cores, me
nos a s-aa propria.
Divididos, gem ideal assentaoas, vS-se todos ci
dia? a'pTotunda divergence em que se acham so-
bre queslfles de importancia politica, divergencia
essa qoe se augmenta a proporf*> qoe cresce e
se fortiliea a situacao eouservadora.
Quando o partiao c inservador e Uo alrozmente
injuria do por sous adversaria*, e-oos sobre modo
grab, o jalio insnspefto te escrtptsres estranhos a
nossa contenda politica
No re*r*pee#o polKieo de Jor*al do Commercio,
eeoBtramos as segninles nahvras sobre o anoo
de 1873 :
Ag.-upando as ac ntecimenlos que se realrsa-
ram, tiremos deUes proveftosas Imjo>s para o fa
Bare, provando- qne se nio camlohamoS a pas-
o sos de gigante, pelo meBM aig uma cons i avan
cr cantos para a fbtttra arandem do Brasil.
A uberdido do nosso Side e as nqu-ezas- inex-
ploradas qae-fazem em sens recessos, devem
animar-nos a proseguir Ba larga estrada do
praCNaw.
Cumpre nio parar dlnnte dts penpectiras
brilbantes do presente. O future eneobre-nos
mainres glorias.
Vim>s de hontem, d am enrto passado de
lutas e de aspira;oes politicas; oe Bosses maio
res euidaram da independeocia : honremo-ios,
cuidando dos unicos esteios em qae se apoiam
as nossas liberdades : a arte, a indnstri?. e a
sciencia.
< A perseveranca no eitudo e no tnbalbo,
eis a a lava oca formidavel eem ijoe destrniremos
as mural has erguid is por estulios preconceitos
< e ferreiiho imperio de velhas asaneas.
Nao ba obiecs qae reststam a caaspira^io do [
todas as vontades.
t Fora das lidis politicas, e grat i reconhecer
kilos posto a ba#do a "-
hontem
jt mascavado porgado 1*9 0 far IS
kilos, hontem.
ombiosobre Londres a 90 d/v 21 d. por IJMt,
do banco.
Cambio sobrs Lisboa a 3 djv. Ill O|0
miti, dliaBC, Boje e nooMlm.
(^rrjbio*-salir#Eahsid*u S79rs. aart
banco.
Hesconto ae letras 12 OiO ao aaao.
at. de VaacansadB!
Prasidaoia.
A. P. de In
Secreuna.
ALFANDKGA
tendimaata do di* 2 a f3
(Jem ao Ai 24
f
-W-
I
one o 6-raeri as-anja era civilisaoao e progr*o.
0 telogra;ihi> electrKo daseovolve so rapidamen-
tp, e B aho-9ab nariao qae ja Kgava o i*ara eom
w Pernambuco e Bahia, veio agora saudar o novo
anno, dando as raelliores feslas a capital do im-
perio.
As estradas de ferro multiplicam se cm c ons-
trucfao e emprezas auxiliadas pelo governo ge-
ral 0 provincial, as provincias do Rio de Janei-
o ro e S. Pa>Ho caminham na frente das mais
adiantadas, nestos importantes eleraaatos de ri-
nueza e engrandeuimento moral; a do Rio-
Grande do Sul vai acompanha-las de pert o. a
Bahia e Pernambuco ja as acompanham, e todas
i as provincias, ou ja t^ra, on empreneniiem vias
t ferreas mais ou menos extensas.
Os carros urbanos de trilhos de ferro propa-
gara-se pelas capitaes e cidades das proviucias;
a capital do imperio, a cidade do Rio de Janei-
ro ja absorveu os seus bairos suburbanos, e a
( esuada de ferro de Pedro II toroa de mais fa-
it cil e coramoda hahitacao e frequencia.
A agricultura receben animapao que lhe de-
s ve prover dus favores que por lei foram feito-
ao banco do Brasil.
t 0 instituto fluminense de agricultura, ja prcs-
' u consideraveis servijos, vendendo por prego
inferior ao do mercado instrumentos agricolas
t e plantas, ministrando o ensino agricola a me-
ninos pobres, e emprehendendo agora a cons -
a truccao do edidcio modesto, mas apropriado a
fundacao de um museu agricola.
a A iristruerio primaria, o ensino ao povo des-
envnl-ve, nao ainda bastante. mas esperanposa-
msnte, ao irapulso de sociedades patrioiicas, de
doagoes de casas e auxilios pecunianos, que se
devem a muitos cidadaos, e tambem sob a accao
dos governos proviniiaes e dos incentivos do
t governo geral; rao se multiplicando as bi-
bliotecas populare3 nas cidades e nas villas, e
tmna incremento a pntica das conferencias pu-
< blicas sobre assuraptos philosophicos, litterarios
e outros de utilidade geral.
Coraparando o desenv ilvimonto commercial do
anno de 1873 com o de 1872, o insuspeito escrip-
tor do Jornal do Commercio, provou a evidoncia
por meio das cifras, que caminham os rapidamen-
te na senda do progresso
De feito, apezar da baixa consideravel que o
anno passado soffreram aiguns de nossoj generos
de exportagao, todavia ella excedeu muito da Im-
porlacio, o que denotariqucza, e porlanto, prospe-
ri Jade e augmento industrial do paiz.
Em apoio de sua asserca) publicou o autor do
retrospect a seguinte eomparacao :
Em 1872 o valor da importacao
foi de 77,081:302ji0,'0
E o da exportacao 94,o20:29l *000
ProJuzindo reunidos 137,601:394/10.0
Em 1873 o valor da iamarUeSo
foi de 80,073:0005010
E o da exporlacJo 94,249:776*030
Produzindo reunidos 174,322:776/1000
Coraparando estes dous resultados, vo-se que o
valor reunido da imoorlacao e exporta;io foi em
1873 de 174,322:776*00)
1872 de 137,601:594/11100
o qoe da em resultado a f ivor do anno de 1873
16,721:003*000, abstracao feita das cifras.
So so coraparar agora o valo: da imporlacii) c
exportacao no anno Undo, vc-se que a exporta-
cao foi lo 94.219:776*003
a import i?ao de 80,073:003*000
Conseguinteraente lemos em favor da exporta-
cao um salJo de 14,176:030*000.
E Srande verdade enunciada pelo escriptor do Jornal
o Commercio do quj, o Brasil avan^a.rapidamen-
te no caminho da civilisagao o do progresso.
E' certo que a provincia de Pernambuco vai
atravessando uraa criss oriunda do causas rerao-
tas accurauladas, mas as circumstancias ainda nao
sa ) para desaniraar.
Breveraenle estara reunido o parlaraanto brasi-
leiro; e o patriotico gabinete de 7 de mirgo, que
ja deu as provincias a garantia de juros para as
estradas do ferro, nio doixara de arapliar a cir-
curascripjao territorial para as operates hypo-
thecarias do banco do Brasil, ja hoje arapliadi a
varias provincias, mcdida esta que so por si tal-
vez, podesse flalvar completamente a nossa lavou
ra, da decadencia era que se acha.
Seja, porem, desdo ja declarado que se o banco
do Brasil nao pode ampliar suas operacoes alem
do Rio de Janeiro, S. Paulo, Minas, EspiritoSanto,
Parana e Santa-Catliarina, nao e porque o iliustre
Sr. ministro da fazenda nao o quizesse.
Foi o banco que, allegando consideraQoes po;i-
derosas, pelio para ser dispensado de uraa facal-
dade que poderia acarretar-lhe queixas de espe-
ran.-as ma'.logradas, ao mesmo tempo que poderia
difflMiltar a organisacao de outras sociedales lo-
caes.
Teraos a mais robusta convicga) de qaeo com-
mercio e a lavoura de nossa provincia nao serao
esquecidos dos poderes do estado.
Fe em Dens, disse-nos no primeiro dia desle an-
no o grande ministro Sr. visconle do Rio-Branco,
t abalho util, activo, insessantc, e sereraos gran-
des. Nsnhum ontro povo possue em maior copia
nein mais fecunlos elementas de prosperidade e
de forja do qne o do Brasil.
Desearregara hoj* 26 de jaaeiro i
Vapor mglez-F Vaper iaftdt J* Domn fupnaiBi. '
pan alfaadega.
Barca inglezaJfirondamerradorias para 1
dflf* e caaes para depasim wtr~
alfaadegado do Barao io-1
Barca iugleia Kale carvaa a aniailadi
pan o eaes da Ap>lld, e caaos paBBdt
posdo no *apiche Bario LiataaBBMo
Barca \ag\tSertpltina~mern**rt pafVBt-
Pataebo twHaadrt-IVn Hffa>--oercaaJanafBra
alfandega.
Brigue honandez Gtriiw farinha j i iesneaa-
da para o S* pooto.
Lugre iagtes-dfap-faTinaa ja desaachada fan
a 8 ponto. __
Barca ingleza Zuimt fariaaa e adnaM* Ja
detpach i'la< para o 6* paato.
Barca ingleza F*zMir canos de ferro ja dev
pachados para o 5- ponto.
Vapor naejoaairVnnm (esperaoo* fetKm>a-
cionaes para o traidte
\LTEHACX0 NA r.VCTA DOS PBBgoS_ DOS 01
snanTtw a DinKiros os KxronTAg\o, k*
OK 26 A 31 DK lAXKJBO OK 187i .
Algodao -emcaroco 117 rs. okilo.
Algodaoem rama ou li 470 rs. kilo.
Assncar -branco i-tft rs. o kilo.
Assucar mascavado 121 rs. okilo.
Carvao de pedra estranjeiro, lonellada l
201000.
Caroco de algodao 20 rs. o kilo.
Crina -animal era bruto 300 rs. o kilo.
Alfandega de Pernambuco, 24 de janein 4
1874.
0 1 conferente -A. C de Pinho Borgej.
0 2 conferente Bazilio B Furtado.
Approvo Alfandega 24 dc Janeiro deltTa.
o inspector da alfandega
Fabio Alexandrino de Ctirralho fflraa.
Iinportacdo
Escuna ingleza Rebec-i, entrada de Terra Mm
em 23 do corrente e consignala a Saanden ae-
thers 4 C, matiifeslou :
Bacalhao 2,661 barncas aos consignatariea.
Hiale nacional F7or di Jardim, cnlrado do,
na raesraa data e consignado a Joao Jose da CbbIu
Lages, manifestoa :
Algodio 31 saccas a Cunha Irmao 4Ci
Manoel S. Pontes, 30 a Sa Leitao 4 Irmaoa, W a
Guilherrae & C, 8 a Guiraaraes Irmio k C.
Courinho 430 a Joao Luis Ferreira Ribeiro.
Milho i 10 saccos ao mesmo
Penna de ema 1 caila ao mesmo.
Solla 21 meios ao mesmo.
Patacho inglez Lachy Bird, entrado de Terra
Nova em 24 do corrente c consignado a Saaaders
Brothers & C, manifeslou :
Bacalhao...
Patacho hospauool Prim, entrado na ine-nw
dita de Montevideo e consignado a Beltrao &
Filbo, manifeitou :
Xarque 140,625 kilos a ordem.
Brigue francez Avenir, entrado ua racsma lau
de Duncherque e consignado a Ilarismeudi A La
bille, manifestoa.
Carvao de pedra 280 toneladas ai* cm-igBa-
tarios.
Patacho inglez Belle, enlrado de Tera Nova aa
mesma data c consigoado a Sauud.-rs Brothers &
C, raanifestou :
Bacalhao 3,484 barncas aos consignalirius.
slaBcaJtojiltlin e o rae-^po fu'fclwu algitns aa-
ds^oVrO
lazeta de Pen ^UBUCACOES A PEDIDO
roiilieftlaraa a gvKim.4 Jo\ Antonio da -ilva, com Antnnia Maria LoJV. mis important-^, tiraadf*aassto pretexto de
sa das Neves. fffio se sarvem p if i_ i^f QJtQiirjtfMftifV refrac-
2.' d^nunene.*). L>rio ao progresso,.a.k^#***fW*SM a^l^1"
Francisco de Paula Amorrm, com Anna Soares giedida util
l*\H IIIIO CtlHKRViDOR
RECIFE, 26 BE lAJgtifto DE1874.
A eloquencia Ml mete* n*o pede ser abalada
par essa linguagem apafemoub, q*diariamefl.to e
emoMgada na impBjasa-
A WKk)T~M e irSisti
qrwbfer lodyeaat. dliiBll M JHfi.g
a mB>j|caae ^laa com. dintto^iwniBatei.on.
QflwiM i miaianadia iwwf"* mMtm**** i___
da mm ia*taa-mia 11iwrloan ^\juutimnm-
'iasr
Salva da tuataba.
0 caso mais grave de noltme tangere (literal-
mente, no me toques). Molestia terrivel e as -
auerosa do narit, a qual foi observada patafl me-
ieos. toi earada cam a Salsaparriiha de Bristol.
0 Sr. H. N. Walker, cidadio eminenle do estado
Ja No fa-York, foi ura martyr durante quatro an-
nos, desta espantosa enfermidade. A molestia
operoa come um eaastico sobre o orgio nasal, in-
vadwdo as faeeoes iramediatas e progredindo pau-
taaaaraente ale ao earebro. Todos os reraedios
conhecidos sd aerWain para exasperar mais a mo-
lestia, ate qne o Sr. Walker principiou a tomar
esle kraaislivel antiseptico. Demro de poneos me-
ze aatava exlirpaJa a molestia, curadas aa ehagas
e sau o eafarmo. Coosodere-aa a alegria e rego
sijp daquelle que poaco antespeoava sem e-p-ran-
ca I a enra, aaim como todas effectuadas por esta
maravilhosa comoosioio fei permanenle. Os pe>
riodwaa teem pubiaado pern aspaco da 3>) anaos
cousecutivos, auauncios de rosaltados nao men is
uravilhasn$, alcao^ados pelo mesmo poleroso
ag '!. rleOhuma mo'estra exterior por man tur-
rit dtdjdMMBdora qao ella seja, pode rasi*ur-ihe,
jw a lam#B-o.aaguo de tolas as imporoxas e ela-
____, u^ (fosvuptos e irritant as.
IMII J[IU.I>,.' V. I-----------^
>2SPACH0S ;DE EXPOKTV;AO NO DIA
"JANEIRO DE 1874
21DB
No
carregou
Para os portos do exterior.
vapor inglez Cordova, para l.iverp"ol.
: F. A. da Costa 2 barncas com 146
kilos de assucar branco.
Na barca francete Veridiann, para o Hivrc.
carregou : E A. Burle & C. 2,00J coaros verd>
com 42,000 kilos.
Na escuna franceza liar it Henrieta, para a
Rio da Prata, carre^'i: A Loyo 2o< barriea
com 29,616 kilos de assacar branco e 10) ditas
com 12,173 ditos de dito mascavado.
No vapor frances Ville de Bahia. para o Rio
da Prata, carregou : P. Carneiro & C. 1.0 iO lar-
ricas com 116,893 1|2 kilos de assucar mucavad.)
No navio dinamarquez Gip V rk, carregod : H. For-ter & C. 100 saccos com
7.30J kilos de assucar mascavado.
No brigue inglez Judith, para Lisboa, car-
regou : T A. Fun cos com 37,300 kilos do assucar brano, e HO
ditos com 15.0 iO ditos de dito mascava lo
Na galora portugu.'.za Vatco da Garni, pan
o Porto, carregou : M. Gregorio & C. 100 saccas
com 7.296 kilos de algodio.
No vapor portuguez Altneidi GnrrU, para
o Porto, carregou F. A. da Costa 10 barrtca*
com 323 l|2 kilos de assucar branco.
No lugar portuguez Lima, para S. Miguel,
earregon J. dos Santos e Silva 8 barricas
867 1|2 kilos de assacar branco c 32 ditas
3,635 ditos de dito mascavado.
Na barca porlugueza Erctlia, pira Lagos.
carregou : F. R. Pinto Guiraaraes 150 pipas com
72,000 litr s d aguardenle.
Para os porios ii) interior
Para o Para, no patacho americano J. Roar.
carregou : A. Cordeiro 22 barricas com 1,523 irl
kilos de assucar branco. .
- Para o Rio d* Janeiro, no brigue brasdeuo
Galgo. carrezou ; P. Vianoa & C. 400 saccjs com
30,000 kilos de assucar branco.
- Para o Rio Grande do Sul, bo paUch? bra-
sileiro Hel*na, carregou : H. B de Oiiveira Juatar
420 barricas com 34,731 kilos de assucar branco
- Para o Natal na barcaca Joao Voile, car-
regou : Fraga & Rocha 10 barricas com 840 kilc
de assucar branco; Fernandas Irmao 4 saccos
com 291 ditos de dito.
com
com
CAPATAZIA
l endimento d<> dia 2
dam do dia 24
DA ALFANDEGA
a 23 14:25d*0tt
. 531*405
No dia 2 a 23.
VOLITMES SAHIDOS
No dia 24
Algodao
C8MMHHG.
PRACA DO RBCIFB 24 DE JANEIRO
DE 1874.
a* 3 l/i bob** na. *am> a
Ctapga afDoiaea
- d* Parahyba i*
'rimeira porta .
Uganda porta .
fbrceira poru .
juarta porta
^apiche Concacao
14.790*4*7
302i
104
m
7J
40,167
SERV1CO MARITWO
^^arenras descarre^adas n tnpleha
alfandega do dia 2 a 13
No dia 24
<\mh amcadosno trap. 4a allaadsga
Alvarenfas........
to trapiche Conceicio

ahyba i* sorte 8#350 por 15
RECBBEDOR1A DK *gW ****
RAE8 DC PWrlAMDOCO
'radimenio do dia 2 a *3-
i>m do dia 24.
-
ai omw^
OONSULADO PhOVWCaa*.
.tid.m*^o.l-"iiaaa23. UU
irkaflo dia 24
ISLCKaVn



Mraambooo Segunda feira 26 d* torn* 4t W4
.<
i
*
'in do dia 24.
DRAINAGE.
17:100*907
167*649
i ... ^
17:167*6

5
Fa*av.*pABCIfE HA JEJUNA BE 19 A .34|
B* JAXBI* DE 1874.
SobreLondrss -a 90 d/r, 36 1/8, 24 l/l,S6 3*8
particular, -flNlrfl^S, e 26, do banco.
Sabre Parisa 3 d/v, 370 re. poc franco *do
banco.
Sotore Porto-a 90 d/r, 103 /. 4c psemio..parti-
cular.
kHio da Janelro-a 15 d/v aa par.
D -ds-letras.11 por cento ao aaao.
\ da- 6 / da dwida publica 3 por -canto
ida-estrada de ferro de S. Franoiaeo-
tostfaussa.
VtmU dt generos.
Assucar someaos-2*350 por 13 kilagcanunas.
a aaascavado purgado-1*900, idem, Jdaui.
OHo americano1*800, idem, idem.
Dito troloi*ooi-1*730 idem, idem.
Dito rognlar-l*700 idem, idem, idem.
Aagadao da ranumbaco, sem inspeccao7*500
Ma dePernaado- 9*500, idem, idem. (1)
DUa de Maosio, posto a bordo a frele de .7)8 e
5 par oento-9*000 ( primeira sorta.)
Mediano4*200 idem, idem, idem.
Dito de Mamaagoape sem inspeccao 7*300,
idem, idem.
Dita da Parahybaposto a bordo a frete de.3/4
e 3 por cento8*330 idem, idem.
^EWmeira sorte, regular7*300, idem, idem.
Entradas do assucar e do algodao.
Assocar30,462 saccos.
Algodao-2,183 saccas.
Exportagao.
Portos estrangeiros.
Para o Canal-1,018 saccas de algodao e 19.8S8
saccos de assucar mascavado.
Para Liverpool 1,233 saccos de algodao, e
2,007 saccos de assucar mascavado.
Para Greenoci700 saccos de assucar braaco,
a 1,600 saccos de assucar mascavado.
Para Newark-3,100 saccos de assucar mas-
cavado.
Para Portland 7,500 saccos de assucar masca-
vado.
Para o Rio da. Praia-50 pipas de aguardente,
1,000 barrii de assucar branco e 73 barris de
mascarado.
Para Valpanaizo 9,640 saccos de assucar
branco.
Para Lisboa.478 couros, 2,212 saccos de assucar
-branco e 1,908 de dito mascavado.
Para o Porto -7*57 saccas de algodao e 60
couros, 1,300 saccos de assucar branco, 1,550
saccos de assucar mascavado.
Portos do Brasil.
Para o Bio Grande do Sul-25 pipas de aguar-
dente, 350 saccos 787 barricas de assucar
branco.
Parao Para-13 barricas de assucar branco.
(4) Foraa unicainenie 13 saccas de bolan-
deira.
MOVIMENTO 00 PORTO.
dia 23.
Active, capitao
H.
Navio nalulo no
ValparaizoPatacho allewao
Lendmann, carga assucar.
Navios entradas no dia 24.
Terra Nova-39 dias, patacho inglez Risal, de 214
toneladas, capitao Norres, equipagem 9, carga
3,020 barricas eom bacalhao ; a Sannders Bro-
thers & c
Terra Nova-35 dias, patacho inglez Belle, de 206
toneladas, capitao Molcahy, equipagem 9, carga
3,484 barricas com bacalhao ; a Saunders Bro-
ters&C.
Terra Nova30 dias, patacho inglez Lady Bird,
de 172 toneladas, capitao Bougard, equipagem
8, carga 2,083 barricas de.bacainao; a Saun-
ters Brothers <& C.
Montevideo-40 dias, patacho hespanhoi Prim, de
132 toneladas, capitao Agoslin Curell, equipa-
gem 9, carga 110 623 kilos de came; a J. J. G.
Beltrao & Filho.
Duakerque-47 dias, brigue Avenir, de 193 tone-
ladas, capitao Lenbourg, equiuagcm 9, carga
canto ; a Harismendy .& LabilJe.
Bahia15 dias. barca ingleza Mavprmem, de 289
toneladas, capitao R. W. Wiete, equipagem 11,
em-Iastro ; a ordem.
flavios sahidos no mesmo dia.
LisboaPalbabote portuguez Peiisatnento, capitao
Trindade, carga assucar .outros generos.
Rio da Praia Liigar allemao Mang Kong,.capitao
C. Onj, carga assucar.
Canal-liarea ingleza Refle, capitao Light, carga
assucar.
Liverpool Vapor inglez Cordova, commandante
Hugree ; carga assucar, algodao e outros gene-
ros. .
Observacao.
Suspendeu do lamarao para Slaceio a escuna
Bebeca, capitao Darnu, carga a mosma que trouxe
de Terra Nova.
Idem idem a .barca ingleza AAokr^ capitao Whi-
te, com o mesmq lastro quo trouxe do Rio de Ja-
neiro.
Navios .entrados no dia 26.
Bahia2 dias, corveta nacional Parcwnse, com-
mandante capitao de fragata Netto.
Bahia e escala 9 dias, vapor nacional :Penedo, de
-405 toneladas, commandante Francisco Pereira,
^guipag m 23, carga algodao e outros generos;
a A. L. de 0. Azavedo & C.
Payasandti46 dus, brigae brasileiro Olinda, de
zl& toneladas, capitao Joao Correia do Araujo,
equipagem 10, earga.'SO.OOO i|uintae3 liespanhoes
de came ; a Baltar Oliveira & C.
Marseille- 14 dias. farjgueXrancez Eliza, de J21
tonefedns, capitao Arborate, equipagem 10,
carga differentes generos; a E. A. Burle $ C.
Southampton e portos interraeJios 16 dias do 1-
e 12 do ultimo, vapor inglez Doxiro, de 1,723
toneladas, commandanle Thwaits, equipagem
118, carga fazendas e outros generos ; a Adam-
aon Howie A C.
Porto per Lisfeoa -19 dias, vapor inglez
de 2,579 toneladas, commandante
eanipagem 115, carga varios generos
Bowe & C.
-Varios .sahidos no mesmo dia.
Porto* .do sulVapor francez Ville da Bahia,cam-
mandante Robert, carga parte da que trouxe da
Europa e assucar que recebeunesteportj.
Rio Grande do SulPatacho brastleiro' Stilcepue-
its, capitao Luciano F. Monteiro, carga assucar
e outros generos.
]alhao e portos intermedios V3por *nglez Illt-
mani, commandante Slwnnon, carga a mesma
que. trouxe da^uropa.
indenendeale do*
>ril, o
fecuurtfl
tlespacho
anfli
atumno one qaizer matricular-se devera jutiaear
pertnte a aissetorla s motivos que o reurdaram
naquelle ante. iNas^aulas de Unfnas a matricul*
sera pertnMida ate atfvnrerfic JTRAssAcgOts commwciaes *e1*? m.a Mitrm W4w.m. n ia ,t dia3defewn>iro, oaconlbrmidada_do.artigo 16
do regulataeBtoaas. atlas preparatorias
Seeretaria da facaldade de direito do Recite, 24
de Janeiro 4e M74.
0 secretario
tleii Hoturio B. de Mentzes.
Q Ban. 8r. iaspectur da tbesourana provin-
cial em obserraaeia de ordem da presidencia da
orovici* de *6 doiez corrente, manda faier pu-
hlico, que peraate a junta da mesina reparticae
scrao levados & veada no dia 5 de teverciro proxi-
mo viodouro, os -ayectoa constantes da relacio
abaixo, dados em-caaiomo peio corpo do policia,
em cujo quartet ea-acaam e podem ser examina-
dos por quern os prateoder.
Seeretaria da tbeaooraria provincial de Pernam-
buco, 22 de Janeiro do 1874.
Wictorino J. M. Palhares,
Oflocial-maior inlerino.
Relacio a qae-se refere o edital snppra.
1 oama de lerro. .
1 cofre de dita.
2 caldeirdes grandes de dito.
1 ganctio de ferro .para lampeao.
4 jarras de madeira.
2 mesas grandes de dita.
60 pel de ferro para barrat da ditaa.
Diversos pedaeee de .tahcas de differentes qua-
lidades.
1 cofre de madeira.
2 encerados grandes.
V. Palhares.
OECLARACOES.
Banco Commercial de
Penaubuco.
0 banco paga o segundo dividendo na
razao do 8 /0 ao anno ou 29400 por accSo,
relativo ao sentestre ndo em 31 de de/em-
bro de 1873.__________________________
SANTA CASA DA MISERICORL1A DO
RECIFE.
A Illma. junta administrativa da santa casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico que
oa sal a de suas sessdes, no dia 22 de jtneiro
pelas 3 boras da tarde, tern de ser arrematadas a
quem mais vantagens oflerecer, pelo tempo de nm
a ires annos, as rendas aes predios em seguida
declarados.
ESTABELEGIMENTGS M CARmADE
Padre Floriano.
asS terrea n. 47......201*C00
Bua de Hortas
Loja do sobrado n. 41.....125*000
Travessa de S. Jose.
Casa terrea n. 11.......201*000
PATRIMONIO BOS ORPHAOS.
Rna da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Botae.
Sobrado n. 18 ....... 421*000
Bua da Cruz
Sobrado 14 (fechado).....1:000*090
Buo do Pilar.
Casa terree n. 98......241*000
Casa tereei n. 98....... 240*000
Idem n. 102........241*000
Rua da Moeda.
Armazem n. 37 (fechado) 600*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44(fechada( .... 4505000
Rua das Larangeerae.
Casa terrea n. 17.......361*000
Rua de Burgos.
Armazem n. 13 (fechado) a 0 240*000
Ilha do Nogueira-
Sitio desocunado. 0 0 0 0 800*060
Parnaraeirim.
iStio (deeocupado) 0 0 0. 500*006
Os pretendentes deverao apresentar no ado da
arrematacio as suas ttancas, ou comparecerem
acompanbados dos respectivos nadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
pie for seguro o predio que contiver estabeleci-
rnento commercial, assim como o service da lim-
peza e precos dos apparelhos.
Seeretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 2 de Janeiro de 1873.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza,
UlimanJ,
Shannon,
; a Wilson
EBITAES.
Coiuuilado provincial
Pela mesa do con.-ulado provincial, se faz pu-
blieo que no dia 12 do corrente, se principiam a
contar os 30 dias uteis, mareados para a arreca-
dajao, independente de mHlta, dos diversos ira-
postos, eobrados por lancamento, pertencentes ao
anno linanceiro de 1873 a 1874, ficando sujeitos a
mulia. todos os que forem pagos depois de lindos
os referidos trinta dias.
Consulado provincial de Pernambuco, 2 de Ja-
neiro de 1874.
0 admiaisirador,
Antonio Carneiro Machado Rios.
8ntaKCasa da Hisericordia da
Kecile.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
de que necessita o predio que possue o patrimo-
nio dos orphaos, a rua da Ccuz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrata com quem se proponha a rea-
lisar ditos concertos, medianle certa renda e al-
guns annos de prazo para desfructar; devendo
os qne disso se quizerem enearregar, apresentar
suas propo3tas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanhadas do respeotivo- orcamento
nesta seeretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Seeretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.

COMPANHIA
PEaUatMNGJdaa
DM
A camara municipal desU cidade manda'
pnblicar os artigos de poeturas, abaixo trans-
criptos :
Art 70. Fica prohibido neste mupicipio o brin-
quedo de entrudo com agoa ou qualquer outra
sukstancia, de qualquer maneira que se empre-
gue os infractores pagario a maba de 15* e
seffrerio oito dias de prisao.
Art 71.Fica prohibida a venda de iunas de
ctaeiro os infractores alem da as perdecem, pa-
gario 4* de mnlta.
Jtogo da camara municipal do Recife, 17 de
jabeiro de 1874.
Manoel J. do Rego e Albuquerque
Presidente.
Pedro de Albuquerque Autran
Secretario.
De ordem do Illm. Sr. inspector desta the-
souraria se faz publico que peraute a ionta de
fazenda, tern de ir a praca no dia 18 do mez de
fenereiro vindouro a factura dos concertos do caes
do Forte do Mattos, ayaliados em 15:328*705;
^pelo qne sao convidados na qne se propozerem a
3 fazer os ditos concertos a comparecerem as 12
bops da manna do indi ado dh eom suas propos-
tasem cartas fechadas e competentemente selladas,
declarando o ultimo preco por que se ofterecem
faze-los ; podeado desde ja examinaro respectivo
orcamento, que se acna patents nesta seeretaria.
-T- Sacrturia da tbesouraifa de fazenda de
feimatmo, 23 de Janeiro de 1874.
0 V escripturario, servindo de secretario
' ______Carlos J. de Souza Correia.
Faculdade de Direito.
Da ordem do Exm. Sr. direetor faco pu*Jico
qMBodtf7do conynte comecara a matrieofa
PfA aa aulas preparatorias, a qual se podera ef-1
luslilulo Areiieolugieo ^ Geogra-
phic*) Pernamliocano.
Xendo o Institute Arcbeologico e Geogra-
pbieo Pernambucauo.de celebrar o 12. an-
niverario da sua fundarao e o 220. da ces-
tauraflio de Pernambueo no dia 27 do cor-
rente Janeiro, pela .1 bora da tarde, no sa-
lao da bibliotfieca publiea provincial, no
convento de Sossa Senhora do Carmo, sio
convidados para semelhanfc efl'eito em as-
sembled geral todos os socios que se acha-
rem no Recife,etfectivos, bonorarios e
co r res pondentes.
Mo conbeceado o Institato a sedft das
differentes associates populares, iilterarias,
artisUcas e de beueficencia que exisiem nes-
ta cidade, tern a honra da convidar pelo
presente edital a cada uma de taes associa-
goes a assistir & solemnidade do dia 27, ou
a fazer-se ahi representar. E para conheci-
mento das corporacdes ou pessoas que tive-
rem de ornar a sessao com a sua palavra
autorisada, aqui se transcreve a ultima parte
do art. 28 do regimento do Iostituto :
Se na sala eiistem socios ou pessoas
outras quedesejam ler algumas memorias
interessantes, participam-no ao secretario
perpeluo, para este prevenir o presidente,
o qual di a palavra aos autores das rae-
a morias ; a leitura de cada uma das quaes
a n9o pode estender-se al^m de meia hora.
Pore'm nenbuma memoria ou trabalho
p9da ser apresentado e lido em sessao pu-
bliea, sem qne antes seja submettido a
uma commissio de exame para isso no-
meada, a qual tem voto decisivo sobre a
conveniencia ou inconveniencia da lei-
tura. B
Secretiria do Iusututo, ao de Janeiro de
1174.
J. SOAREg D'AZEVEDO.
Secretario perpetao.
Paga se o 40.* dividend dfli ac^oV-
Banco do Brasil, itiscripta* na extincta cai-^j
xa filial desta provincia, a razao da 89000
pora#c*o: i rua do Vigario n. 1.
Riecife, 22 de Janeiro de 1874.
Administra^ao *de Pernambnco, 20 de Ja-
neiro de 1874.
Malasipeio vapor inglez Douro da real compaolia
de SeuUutflipUKi.
A'Correspnndenria que V-n> de ser expedida*bpje
( 2*,' pelo vapor acima n-cuciunado pant os^per
tos do sul sera recebida pela maneira srgiiinte.:
Macos de joroaes, impre's-vs de qualquor-nfttn-
resa e cartas a registrgr ate meio dia e ccrtas
ordinarias ate naa bora.
0 adminislrador,
__________________Affonso do Rego Brr*s
ACEIO, ESCALAS E PENKDO.
0 ^apor Gtquii, com-
mandante Martins,
saguiri para os por-
tes acima no dia 29
do correate, is 5 ho-
Tasaa tarde.
Receba carga ate o di*"^ do corrente, encom-
nendas ate o dia iO, pasiagdos e diaheiro a frete
ite as 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
cripiorio no Fnrto dc Mattos o. 12.
TIEATfil
SANTO ANTONIO.
Recita extraordinaria.
Terya feira *7 do corrtBte.
En benaficio da sympatica e intelligente
menina Julia Riosa.
Pregranma.
!l Symphonia pela orchestra.
2.'Grande dueto de duas tiples da opera hes-
panhola Domino ami
3.* A linda e engracada eomedia em na aetr
ornada de canto e danca, intitulada :
Una* crid isstpagavef.
51.*-A' pedido, a scena comica era que tanto se
distingue a menina Julia:
0 SR. D0M1NGQS fUtDOSffllO
5.* Para poder satisfazer a niuitos pedidos sn-
Lira a scena a mnito inthusiasmada eomedia em 1
acto, ornana de canto e dansa :
Paulo e Virginia.
-N. B.A beneficiada ira aos camarotes agra-
decer aos seus favorecedores.
Principiara as 8 1|2 boras.
Havera trem depois do espcctaculo.
IS
AS HUMS ADMITTIDAS
NA
Exposicao de Vienna
TODAS AS N01TES
De horas as 9 1|2.
Entrada 500 rs., as criancas nada tem a p gar
AVISOS WABIT1M0S.
Rio de Janeiro
Para o porto mencionado, seguira brev ainda
o brigue nacional Pirangy ; e faltando Iheemente
alguma carga, recebe-a a frete : a tratar com
Francisco Ribeiro Pinto Guimaraes, a rua do Ba
rao do Trinmho n. 96.______
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
If a vega^ff o costeira a vapor
ARAHYBA, NATAL, MACAO, MOSSORO*, ARACX-
TY, CEARA, MANDAHU E ACARACC'.
0 vapor Ipojuca,
commandante Mourn,
seguira para os por-
tos acima no dia 31
do corrente, as ;
horas da tarde.
Recebe carga ate o dia 29 do corrente, encom
oiendas ate o dia 30, passageiros e dinheiro a fre-
>e ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
ascriptorio no Forte rlo Mattos n. 12.
RcaU'iMipauliia 4a paquetes ii-
glezesvapo.
No dia 88 do correale, espera-se dos portos do
ul o vapor inglez Boyne. commandante F. Reeks,
o qual depois da demora do costume seguira para
Southampton, tocando nos portos dc S. Vicente e
Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., irara-se na ageneia
rua do Commercio n SO.
Allian^a Maritima Por-
tuense.
Compankia de MavegaeO* en
r Portugal e o Brasil.
A galera portugueza Vatco da Oama segue em
poucos dias para o Porto, achando-se ja prompta
grande parte do sen carregamento.
Para passageiros e fretes trata-se com o res-
pectivo capitao, on com us agentes da corapanhia.
Jose de Silva Loyo k Filho, escriptorio, a rua da
Companhia Pernambucaoa.
0
fejk
m&
da carreira da Bahia segue para
esse porto logo que ten ha com
pleto sen carregamento: trata se
com o capitao Custodio Jose
Vianna, on i rna do Amorim a
37, com Tasso Irmios & C
Para Lisboa.
0 brigue portuguez Damiao, capitao Pedro Mar-
tins Branco ; para carga e passageiros trata-se
com Silva Guimaraes & C, praca do Corpo San-
to n. 6, segundo aadar ou com o capitao.
0
Rio-Grande do Sul.
Sahira em poucos dias a barca nacional Mimo-
sa, e recebe carga a frete : a tratar com Baltbar,
Oliveira & C, a rua do Vigario n. 1, primeiro
andar.
30 dozias da WefflM^^
as 11 noras
9ar intervencio do agente Pinto.
Xo armazem da rua do Bom Jesne a. 20.
Leilao
DE
fazendas avariadas
saccos vasics e outras mercadorias
Hoje
a;siohorasempo.nto.
Por interven<;ao do agrnte Pinto
Ko armazem da rua do Bom Jesus n. 20.
LEILAO
DE
gravatas, botoes e cintos (com
gada
SEGUNDA-FEIRA 26 DO
avaria d'agua .al-
CORRENTE
As 10 1^2 horas da manha
0 agente Pinto fara leilao, por antorisacao do
gerente do consulado de Franca, em presenca de
seu chanceler, e por conta e risco de quem per-
tencer, da caixa marca J S X, A I,, n. 1,860, con-
tend o diversas mercadorias francez as, avaria da a
bordo do vapor francez Gambie : o leilao sera ef-
fectuado no armazem da rua do Bom Jesus n. 20.
LEILAO
DE
uma mobilia de jacaranda, 1 dita de junco, 1 dita
de faia e mnitos outros differentes moveis
existentes no armazem da rua do Bom Jesus n.
20.
Hoje
POR INTERVENQAO DO AGENTE PINTO
O leilao principiara as 10
horas.
No arraazeai da
FEIRA SEtf ANAL
.Mitt do lBperador-16
___pelo agente Martias^
^EttAft
BE
um bon pre lk> cfe-dou.i anJa-
re8 e grande sotfio
sito a rua de Lomas V-akntina n. hi
^uarU-ftir.^ 4 ih: fevereiru
as 11 fcavaa
Na rna do Marqui-z de Olinda n. 37, primeiro aa-
dar, escriptorio do aaente Dias
que conopelentemeDte autorisada, vendera en lei-
lao ne dia e bora acima desigzndos, o predio sm
chios proprios, reedilicado ainda nao ha mnito, e
ccm grandes accommodacoes em qualquer dos an-
dares, alem disso duas krtas e um grande soti9
c< m duas sabs e tres qmartos, e-coso nwgnifira
vista. Este predio possue uma boa escsda da vol-
ta que se estende do pavimento terreo ao sotao,
de modo que ate este pode ser alugado indepen-
dente.
Os Srs. pretendentes podem desde ja examinar
o referido predio, dirigindo-se ao segundo andar
do mesmo, tnde a tamilia qne abi reside facilita-
ra o exame.
Aos Srs. proprietaries se onerece oecasiao de
possuir um predio que da optima rands, e que *
vende somente em consequencia de ler o seu do-
no transferido sua residencia para a Europa.
Para qualquer informacio podem dirigir M ao
escriptorio da agencta, rna ao Marqnez de Olinda
n. 37, primeiro andar, onde se effeciuara c referi-
do leilao.
AVISOS OVERSOS
LEILAO
DE
Lisboa
Para o referido porto pretende seguir com pouca
demora o brigue portuguez Ltgeiro III, de 1*
classe, capitao Nobre, por ter a maior parte-de
seu carregamento engajado, e para o resto que lhe
falia trata-se com os consignatarios Joaquim Jose
(Joncalves Beltrao & Filho, a rua do Commercio
a. 5._________________________
Risco maritimo.
William Crocker, capitao do brigue inglez An-
nie & Sophie, arribado a este porto por abalroa-
cao, na sua viagem para New-York, tendo ja feito
es concertos necessaries para seguir viagem, pre-
cisa cerca de S:0C0a a risco maritimo sotre o
frete, casco, apparelhos e velame do mesmo na-
vio : os pretendentes queiram remelter as suas
propostas em carta fecbada ao consulado inglez
ate 26 do corrente mez, ao meio dia.
*-*rvrs*T*._
IEIL0ES.
LEILAO
um cabriolet
um
DE
de 4 rodaspara
cavallo
C'OUIMAIlI.ft BittILElR.l
DE
VAVEGACAOAVAPOR
Porto* do sal.
Commandante o capitao tenente A.
Teixeira.
E' esperadc Jos portos do norte ate" 28 do cor-
rente e seguira para os do sul depois da demora do
costume.
Para carga, encommendas, valores, passageiros
3 mais informacSes, dirijara-se a rua do Vigario
s. 7, escriptorio de
Pereira Vianna A C.
_________ Agentes.
Ao meio dia
Por intervened do agente Finto
Por oecasiao do leilao de moveis, no armazem
da rua do Bom Jesus n. 20.
louca, crystaes, iivros, objecto de electro-plate,
prata do Porto, vinhos, passaroi e aves do ser-
tao
A SABER:
Um magnifico piano forte, 1 mcbilia de jacaran-
da, massira, obra de gosto, liguras de porcelana e
vasos para Qores, 1 espelbo oval, grande e doura-
do, quadros, etagers de parede, 2 serpentinas de
crystal, globos, tapetes de porta e sofa, tapetes
para forro das salas, )an;as e cortinados, 2 almo-
fadas.
Uma cama franceza de jacaranda, 1 lavatorio, 1
guarda-vestidos, 1 guarda-roupa com espelho, 2
commodas, 2 cabides e 1 mesa de cama.
Uma mesa para escrever, I carteira, seeretaria,
1 cadeira com parafuso, 1 prensa de copiar car-
tas, diversos quadros, 1 cofre de ferro e 1 ma-
china de cestura.
Uma mesa elastica, 1 guarda-Iouca, 2 aparado
res, 1 sefa, 12 cadeira.*, 1 relogio de parede, 2
consolos, 1 mesa com abas, 1 lavatorio, 1 appare-
Iho para jantar, i dito para dia, 1 dito de elec-
tro-plate, 1 porta-licor, copos, cahces, garrafas,
compoteiras de Bno crystal, marquezas, mesas, ca-
deiras e outros objectos(de casa de familia.
Uma caixa eom ferramenta, 1 grande bacia de
cobre, i tacho, 1 viado manso, marrecas do ser-
tao, rolas e canarios.
Um faqneiro de prata, 1 diccionario de Moraes
e outros Iivros.
E mais um rico santuario de jacaranda.
TERCA-FEIRA 27 DO CORRENTE
No sobrado da rua da Sania Cruz n. 10.
Joao Lulz Ferreira Bibeiro, tendo de fazer uma
viagem a Europa, fara leilao. por intervengao do
agente Pinto, dos moveis e mais objectos acima
mencionados, existentes em casa de sua residen-
cia, a rua de Santa Cruz n. 10, onde se effectua-
ra o leilao.
Principiara as 10 1(2 horas em ponto, por se-
rem miutos e differentes os lotes.
Leilao
DE
4 caixas com 100 caixinhas com massas estreli-
nas para sopa
HOJE
A's 11 1[2 horas
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 4 caixas
com 100 caixinhas com massas estrelioas, para
sopa, desembarcadas ultimamente, segunda-feira
26 do corrente
A'S 11 1|2 HORAS DA MANHA
No armazem do Sr. Annas, em frente da alfan-
_____ dega.
Leilao
farinhas de trigo, bolachas. uten3ilios de padaria,
moveis e nais pertencas da padaria da rua es-
treita do Rosario n. ..
TERCA-FEIRA 27 DO CORRENTE
0 agente Martins fara leilao, a requerimento dos
curadores fiscaes da massa fallida de Bernardino
Pinte Coelho, e por mandado do Illm. Sr. Dr juiz
especial do commercio, dos utensilios, farinhas,
massas, bolachas e mais pertencas da padaria e
depositos pertencentes a mesma massa, a rua es-
treita do Rosario n. 2 A e 11.
A's 1 i horas do dia acima
?
Rnipreza portuense de navega-
ciio a vapor entre Pordsigal e
Brasil.
0 vapor
ALMEIDA GARRET
Commandante Tomasiui
Esperado dos portos do sul ate o dia 29, e de-
pois da indispensavel demora neste porto, segui-
ra para Lisboa e Poito com escala por S. Vi-
cente.
Para passagens e fretes de carga, encommendas
s valores, tratam-se com os
AGENTES
E. B. Babella A C.
________48Rua do Commercio=48
OOMPANHIA PERNAMBLCANA
lavegocSo eowteira a vapor.
MAMANGCAPE.
0 vapor Comripe,
commandante Santos,
seguira para o por-
to acima no dia 28 do
corrente, as S horas
da tarde.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
sahida : escriptorio no Forte do Mattos n. 12.
DE
40 barricas com sardinhas, sendo de 1,400 cada
uma
Hoje
as 1L horas da inanhil
0 preposto do agente Pestana, fara leilao por
conta e risco de quem pertencer, de 40 barricas
com sardinhas, sendo de 1,400 cada uma, cbega
das ullimamente de Lisboa, segunda-feira 26 do
corrente.
A's 11 horas da manha
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega.
LEILAO
DE
moveis, loucas e crystaes
A saber:
Uma mobilia de faia, jarros, candieiros a gas,
cortinados, eipelhos, quadros, serpentinas e tape-
tes.
Uma cama franceza, 1 guarda-vestidos, 1 toilet-
te, 1 lavatorio, 15 pecas de papel de forro, 1 com-
moda e 3 escarradeiras.
Uma mesa para jantar, 1 aparador, 2 bande-
jas, 1 sola, 12 cadeiras garrafas, compoteiras,
copos, calicos, 1 relogio, 3 transparentes e muitos
outros objectos.
DE
33 cascos com azeite de baleia
QUARTA-FEIRA 21 DOCORRENTE.
A'S 11 HORAS DA MANHA.
No trapiche do Exm. barao do Livraraento.
0 agente Dias, com autorisacao do Illm. Sr.
consul de S. M. Britannica. e assistencia do mes-
mo, precedidas todas as tormalidades da lei, ven-
dera por conta e risco de quem pertencer, o azei
te acima mencionado, vindo pelo patacho ingle1.
Industry, ultimamente entrado neste porto, em
virtude de for^a maior._______
Grande e importante
leilao
DE
(M DA FORTIM.
AOS 4:000#000.
BILHETES GARANTIDOS.
1' rua Primeiro de Marco (outr'ora rua da
Crespo) n. 23 e cosas do costume.
Acbam-se a venda os felizes bilhetes garantidoe
ia 2* parte das lotenas a beneficio da aalrit
de Salgoeiro (8o), que se extrahira na sexta-fi
ra, 30 do corrente mez.
PIIECOS
Bilhete inteiro 44000
Meio bilhete 2*000
em porcao na 1009000 para nu.
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*750
______________Mtiwtel Martins Finf.
H0RR0R0S0
ASSASSIN \T0
Acaba de ser puMicada nmas interessantes
colleccoes, composta? de doze quadros, content")
todo o sanguinolento crime perpetrado pelo fere*
desembargador Pontes Visgneiro. Recommenda-
se esta obra pela veracidade do facto, lidelidade
dos retratos e pela commodidade do prero de cada
colleccio
Rs. 6#000
ACHAM SE A' VENDA na litographia de Joio
E. Purcell, rua da Cadeia n. 30, e no estabeleci-
mento de Jose" Augusto de Brito Monteiro, a rca
da Imperatriz n. 31
A Papular Fluminenae.
AssociAgio DE BENEFICIOS mutuos Man
CREAgAO DE CAPITAL E RENDA, SOB A AC-
TUAL AI)MIMSTRAi;\0 DO F.XM. SR. DR.
AURELIANO CAMllDO TAVARES BASTOS.
Capital de responsabilidade odminufrif.v
Rs. 1,000:000^000
Filial cm PcrnanibHca.
Para maior facilidade e garantia dos Srs. -
criptores e das pessoas que quizerem insersvtr se,
a directoria acaba de fundar a filial nesta provin-
eia, facultando o pagamento das prestacoes ate ao
ultimo dia dos mezes escolbidos, Assim como na
sede da companhia os balaticetes e tcdos os livrr
da filial serao franqueados aos rectos subscriptc-
res, e desta foima m-ij-'o f.-iril rcal.sar as entrada*
sem estar sujeitu a oseikicues de cambio ou ler de
fazer uma iransac^ao especial para o Rio de Ja-
neiro, a companhia espera ser util fornecendo aos
grandes como aos pcquenos capitaes segnro me o
de emprego.
Nao jogando com a vida sao dispensadas as cer.
tidoes de idade e de vida, quer para fazer as ins
cripcSes, quer para as liqu:dac5es, concedendo
ainda o direito de heranca e venda dos titolos co-
mo valor commercial.
TABELLAS DOS RKSULTADOS A ESPERAR :
ICO* pagos snnualmente devem produzir pe-
lo menos :
Por inlervcncuo do agente Pnlo
No armazem da rua do Bom Jesus n. 20.
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
N0
LInJaa |iaiiu;nal
0 JPAOBETE
MAGELLAN
sipera se dos portos do sul ate o dia 30 do
aorrente, e depois da demora do costume, segniri
pars Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
reeebera passageiros, encommendas e carga a frete.
08 AGENTES
Wilson Howe A C.
iV-OTA DO COMMERCIO14
LEILAO
DE
velas, cabos e 2 pecas no caes da Lingudta
Em frente da AssociaQao Commercial
A's 11 boras oa manha
SEGUNDA-FEIRA 26 PO CORRENTE
O agente Pinho Borges lerara a leilao, os arti-
gos maritimos, por conta e risco de quem perten-
cer.
LEILAO
DE
30 garrafoas com ervilhas.
5 duzias de cadeiras de faia.
50 ditas de caixas eom oleo filocome.
120 caixas com vjnho santerno.
louca, vidros, ouro, prata, miudezas e chapeos de
diversas qualidades
Quarta-feira 28 do corrente
A*s tl horaa.
na ageneia de leilOes
A'RUA DO VIGARIO THE.NORIO N. 11,
i ARMAZEM.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem pertencer, dos objectos
abaixo declarados.
Uma rica mobilia de jacaranda, com tampos de
pedra, a Luiz XV, 1 dita de junco com tampos de
pedra, 1 dita de amareilo a Luiz XV, 1 elegante
guarda-vestidos, 1 rica costureira de mogno, 1 ri-
co guarda-roupa, 2 bidets de mogno com pedra,
diversas camas para casal, de mogno, amareilo e
Goncalo Alves, ricos espelhos, 2 riegs toilettes de
mogno, com pedra, duzias de cadeiras avulsas, 2
Srandes carteiras, ricas cacoletas de ouro e aniks,
otoes de punho, pares de brinco tambem de ou-
ro, e anneis com brilhantinas, 13 molhos de junco
para empalbar, diversas bolas de bilhar, e mni-
tos outros objectos que.se torna enfadonho ennu-
mera-los, sendo tudo vendido ao correr do mar-
telio, como acontereu no leilao passado
QUARTA-FEIRA 28 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto
no armazem da rua do Vigario.
NO FIM DE : SF.M PEKDA DE CAPITAL COM PERDA f. CAPITAL
5 an no's 10 anncs 15 annos 20 annos 25 annos Rs. 680*001 t 2:372*Oi 0 6:582*200 t 17:058*5(0 43:128*500 Rs. 893*OUU 3:U5*60t f 8:611*200 22:402*500 t 56:637*700
Uma iinposicao umca de l:0i0*000 deve prodj-zir pelo menos: No fim de 5 anno>. Rs. 2:132*000 10 ....... 3:819*500 15 ...... 6:839*000 20 ...... 12:983*000 25 ...... 23:253*000
mm feira
DE
canarios hamburguezes
para liquidacao
em lotes, a ventade dot com
pradores
QUINTA-FEIRA 39 DO CORRENTE
ao conn
A cifra de. bolso.
E uma chave complt-ta, por meio da qual se
pode mandar telegrammss importantes, inteira-
mente desconhecidos a tcdos, menos a pessoa in-
teressada, que somente os pode ler par possuir
a cbave secreta e uma cifra de bolso.
Cada cifra tem instruecdes para usar-se dell*.
B em forma de uma caixinha, muito elegante, e
pode condnzir se no bolso do collete.
Preco 2*000.
As pessoas que desejarem uma dessas cifraa
podem entender-se com P. Lanro Mac Pherson,
no hotel Estaminet, rua do Imperador n. 32, to-
dos os dias uteis, das 9 horas ao meio dia.
Aluga-se o armazem da rua do Torres n.
8, proprio para algum estabeleci.Tjento : i tratar
na rua do Marqnez de Olinda n. t, segundo an-
dar____________________________________
Escravo fiigido
Continiia fugido o preto Antonio Panan, idade
de 30 annos, pouco mais ou menos, altura regu-
lar, rosto redondo, cabeca pequena nanz mnito
grosso. Este pieto foi canoeiro e tem nma cottu-
ra no rosto, proveniente de nma espinha : quem o
eaptnrar tenha a bondade de leva-lo aos Srs. Oli-
veira Filhos 4 C, largo do Lorpo Saato n. 19, oa
M ten dono, no engenho Improviso, fregnezia de-
Ignara>su, que sera generosamente recompensado.
PEDIDO.
Em consciencia pede-se a quem achou, sabbado
as 10 horas da manhi, da rna do Crespo aid a
ponte do Recife, a <|aantia da 62*, o favor da
restitui-la ao portador one a conduzia, k rna do
Imperador n. 12 (cartsno), praticando assim tuna
obra de caridaue, vlato tao ser dita quantia a slla
pertencenta e ter dalla de prestar contas sem ter
cob ooa 'faxe-lo.
f


D*W
i >
?




FreaenSTTnlo & C, com
loja de fazendas e foupa feit
a rua dd MHiiquei ttKfoda
n. 40, peden^j^todos os sejus
devedores o fcitMuio de vi-
rem saldar sw$ contas ate o
dia 30 do corrente mez, cer-
tos de qu-e, findo este prazo,
empregarao os meios judi-
ciaes para seu real embolso.
Recife, 16 de Janeiro de
WT4. _
CONSULTORIO
M
DR. FERREIRA
Medico operador. a rua larga do Ro-
sario n. 10,
Antigo gabinete de seu pai.
Cura de bydroeeles sem injeccio.
Abertura da abcessos e extraccao
de demmamentos serosos pelo aspl-
rador dePouin.
ConsuJtas de 7 boras da manbi ao
dia
toasoe a qualquer bora.
Gratis aos pobres.
CONSULT
UaaikS
LTORW MEDICO
do v
Dr. Castro Jesus.
do Quartel de Policia a. 18. i* andar.i
bamados a qaalqaer bora da noite ouj
oo dia. i
Coosoltas gratis aos pobres, das 7 as 91
boras do dia.
Consullorio medico-cirnrgico i
DE t
Silva, Maia. fit
A. B. da Silva Maia.
Rna do Visconde de Albuquerque n.
11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. H.
Chamados : a qualquer hora.
Consullas : Aos pt Ires gratis, das 9 as
4 boras da tarde.
Consullorio medico
DO
Dr. Murlllo.
RUA DA CRUZ N. 26, 2 ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quentou os bospitaes de Paris e Londres,
pode ser procurado a qualquer bora do
dia oa da noite para objecto de sua pro-
fissao.
Consultas das 6 horas da raanhs as 8 bo-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESPECI ALIDADES.
Moiestias de senhoras, da pelle e de
erianea.
| CONSULTORIO 2
MEDICO-CIRURGICO *
do m
Dr. Santa Rosa. $
Rna do Barao da Victoria n. 46, 1.* j_
aadar, outr'ora rua Nova.
Consultas das 10 boras da uianha ao jQ
meio dia. __.
Chamados por escripto a qualquer hora
Especialidades. Partos, moiestias de 4PJj|
olhos e do apparelho respiratorio. ^
GABINETE MEDICO CffiURGICO **
do
Dr. Constaneio Pontual.
Rua do Imperador n. 81 Is andar.
Consultas das 11 as 3 da tarde, chama-
dos. a qualquer hora, visita e da consul-
Is*' tas gratis aos pobres.
-si
s
m
Deseoherlas niodicinacs
0
feita cuziahoira, nao im-
Na rua do Bttio da Victoria n. 36 precisa*
i 1 allar ao Sr vigario Andre Cureioo de Areujo Pe-
.jSfiB? ftfirUa etrs^oegoeiode
|if*a de Atl'cr <\ C
Bfccrnvo fttgido
Pn(.i 4. Wale annos, umito alto seeco do corpo, bigodo ttno e
Caiagnac Ono curto, rebeca muito nuauena, fal-
tam-lhe quasi todos os denies da freate, ro>u>
secco.o dedo indiendor da raio direit* ateijado,
pes grande?, intituk-?e forro, e consta Vr seguido
para m panes de Maceio, buscaodo urn bom sa-
ntKT, ua sentar praca no exercilo; roga-se as
autoridades e capities de eampo queiram appre-
bender ao referido escravo e levalo i dila Tiifa, a
ser eatrofsa ao senhor do roesmo. 0 major Jose
Ccrdeiro sos Santos.
Rame sado.
Csa ftedlmw
Estd encouracado!!!
I'uuio bft*-r Hill.. .-. .ll*<-K. \ :'* <** -1
OrfclTffl <* M n- in T1' Mv <*>: T* | | *.n>in u* riiH- it 4^ N*!**** *->U j-r-'Vir
J^;^e^^alitts 'i ;i?r-n ';iMi*r>t

~ii
gra^a, da excalleuie casa Mia 1 IViu^gfia,

m-
CORES
Com as falsificac,des que tern apparecido
SAS lAOfflAS PARA COSIDBA
SINGER
Porque?
1

m
tKl.0 BACHARFX
MANOEL JM: SIQUEIRA CAVALCAN
1* o PreserVativo da ery-
ipla : para curar com eerteta, e
em pouee tempo, qualquer ataque de
erjsipela, e pre*enir 0 seu reappare
eimento.
Este medicamento tambem 6 muito
podereso para 0 rbenmatismo.
* a Regalador da meat-
traa?ao : para falta, irregularida-
de, anppre'sao repentiaa da menstrna-
550, e dos lochios, (vulgo pat to) assim
como para todos os sotfrimento* de\i-
dos a sstas affeccdes. Ambos estes medi-
eamentos ja sao mnito conceituados, e
procurados nesta provincia, e na do Rio
e Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa
do autor, das 0 boras do dia as 3 da
tare, e a qualquer bora em casoi or-
gentes.
GRATIS AOS POBRES
Rua 4a Imperatriz n. 14, t* andar.
_)*>
AIuta-M am grande sltlo no Salgadinho, es-
trada de Ounda, nerto da estacio do camiaho de
ferro, tendo pasto para sustentar 20 animaes,
grandes baixai para capira, mahos arvoredos de
fructo, e terra pa a plaaucao : a (ratar com Joio
Pettoaa, na rna estrata do Rosario n. S3, on no
encantado, junto a estacio do Sr. Teiieira
$
ATTiaO
Narna do Paulino Camara, outr'ora Camboa
do Canno, coze-se toda qualidade de costuras,
unto do artigo de modas, como tambem roupas
braneaa, para eozer na machina ; na raesma casa
fomoce m oomsiorias para casts particulares in-
eluindo toias as qualidades do docee e bolos, e
bansajas para qualquer funccao. tudo com asseio
eproapUdao.____________________________
HERCULANO
OPUSCULOS
DOU8 VOL. SNGAD^-ditOeO
Lisboa1873
A edicao estaodo para esgotar-se, chamamos a
attasetos* publico sobra eaU obra, cujo mereci-
Thomas JoaA de Oiiveira vai a Europa tratar
da sua saadt, e 1 lastr Sr. Ricardo Jose Gomes da Lux, em V
Joio Marques do Piano, e em 3* Domingos Men-
dsi%8ottH>Maehado._________________________
ataf*-M teraairo aodar da caaa 4 rua e-
treita so Bowrio n. 32
Nenhuma ma-
china Singer 61egi-
tima se nao levar
esta marca fixa no
brago da machina.
Paraevitarfalsi- ^
ficacoes notem-se *
Fogio no dia 11 do corrente a escrava de
ndme Bernardo, idade 30 annos pouco mate ou
menos, tem os olaos am pouco abotoados e tem 0
Udar moderado ; traja vestido preto e chales
preto, coetuma mudar trajos, tem uma clcatris na
perna esquerda : roga-se as autoridades policiaes
ou aos eapfties da eampo a apprebenslo de dita
escraia e tera la no Caminho Novo, sltio n. 110,
ou na rua da Cacimba n. !, que se recompensa-
do gesetoaaaeste. ______^_^^_
que tut do linado Dr. Joaquim Pires Lanwan
teiro, passaado-*e escriptura para maior segujlii-
ca. A loealidade e muito salubre, e a casa muito
fresca, tern magnitieo banho de agua doce em
asata, e e aaaiS) acaswdn visto que 0 trem passa
lefronte : quem preteada* pode dirigir-se ao Sr.
Francisco Carneiro Moateiro, em Apipucos, ao
Sr. Pranciaco Ignacio Pimo, na rua do Bom Jesus,
oa ao Sr. Cannan, a rua do Commercio o. 40.
re-
os, ou na praca do Recife, a SA sVHHBHBaflaHaVBIHB|BlaV
sera teaerosanjente recompeaV Jp^Q AfonSO RigUCira
reira de Bastos.
InstraccSo elemental do
sexo feminino.
_ so MMtfe.
9. AmMia Roxo Lima tem aberto em sua casa
4 rua do Bom Jesus (outr'ora da Cruz) n. 27, *.
andar, ma eurso particular de instruccio elemen-
ur -pava 0 sexo feminino, em qne alem das ma-
tertas-esutuidas na ki, onamar-se-ba com per-
feicao, todo e qualquer trabalho d'agulha, bor-
dado a eabello, a e?pnho:;fazer crochet, fiores de
papal, da panno e pennas. Garaote-se aos Srs. pais
de ifamilias todo o caidado e esmero na educacio
de suas fllhas. Durario diariamente os trabalhos
escolares, como 6 praxe, das 9 boras da manha
as duas da tarde, a comecar do dia 3 de feve
ireiro do corrente awe.
0 abaixo asiignado, tendo rerebido a infausta
noticia da morte de sen amigo e commitente 0 Sr.
Joao Alfonso Rigueira Pereira de Bastos, falleci-
do pelas 3 boras da tarde do dia 20 do corrente,
em seu engenho Conceicio, em Serinhaem, rem
pelo presente noticiar aos parentes e amigos do
fallecido, que no dia 27 do corrente pelai 8 horas
da manha, mandara resar na igreja de S. Pedro
uma missa, por ser 0 stiimo dia de seu passa-
mento.
Recife, 21 de Janeiro de 1874.
Antonio C M. Temporal.
vui de vir .1 !*!; la*|u^ 00 Caxias a. 36, 4 -
cluir aquclle aogiH'td qaeS. S. se ccnij.rooiet^B a
reali*ar, pela teneira cbamada desto jornal, ta
fins de deiembro de 1871, dt-puis para Janeiro,
^assou a feverwro e abril de 1872,e nada eumpTK;
a por este motivo e de novo cbamado pan dir >
fim, pois S. S. se dere lembrar que este aegocio
le raais de of to annos, e qnindo 0 Sr. sea nib M
ichava nesta eidade.
lOr^HLIClBltS MOSICKS.
iluaKava_i.il.
acham-se a
bem todos os deta-
inee ds marca.
1
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
S3o mais baratas.
Sao de dons pospontos.
Sao simples.
Sao rapidas.
Sao duradouras.
MACHINAS DE SINGER
Sao de dous pospontos.
Abainbam.
Franzem
Pregam tran<;as.
Marcam pregas.
Bordam de linha de seda.
Alcolchoam.
Pregam cordfies.
UNICA AGFXCIA
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR
45
49 Rua do Imperador 49
Aluga-se a toja do otUo de -sobrado da rua
da Roda n. 4a : a tra'tar na thesouraria das lo-
toriaa.___________________________
Escravo fugido
Malheu, TOulato, idade 45 annos, alto, de bom
eorpo, cateea regular, cabetlos pretos, nark com-
prido, dentes bons e curtos, barba um pouco bran-
co, tem uma cicatriz de uma nlcera em uma das
pernas ;'4evou conslgo Ahsea, mulato (aranja, .15
annos de idade, franzino, cabeflos crespos e cas-
lanhos, dlhos castanhos, dentes grandes e trlguei-
ros, maos enrtas pes cirrtos e largos j aosentes
desde'20 de Janeiro : quem os capturar tenba a
bondade de leva-lew aTua do Hospicio n. 81, que
sera generosamente gratificado.
Prectsa-se de um feitor: na rua do Bom Jesus
D. 4.x
0 seguodo andar do sobrado da rua Direiia n. 86,
lintpo e com bons cemmodos para familia : a tra-
tar na padaria n. 84.___________________
Aluga se 0 segundo andar da travessa
Corpo Sank) n. 25: a tralar no armazem.
do
Aluga-se a pequena meia-agua n. 74 a rua
de S..Joao, fregueaia de S. Jose, com quintal em
aberto, preco de -ion rcen?al : a tratar na rua es-
treita do Rosario n. 17, 4* andar. das 12as ho-.
ras da tarde
Laurentino Gomes da Cunba Pereira Beltrao,
manda celebrar no dia 29 de Janeiro, na igreja
do engenho Santos Mendes, as 8 hras da ma-
nb5 nma missa por alma do seu irmao Pedro E.
Pereira de Araujo Beltrao, 14. dias do seu pas-
samento. Para assistir a essc acto convida a
seas parentes e amigos.
Grande vanlagem.
Aos senhores de engenho.
Um estrangeiro se offerece aos senhores de en-
genho, nio so para leccionar primelras lettras, co-
mo para ensinar 0 francea com toda perfeicao e
assumpto francea, pelo grande eonhecimento das
maneiras mais faceis de aprender-se. Quem de
seu prestitno se qniter ntilisar node deixar rarta
fechada, com endere Marque* do Herval, antigamente rua da Concor-
dia n. 1)8, priroeiro andar, a qualquer bora.
Precisa se de uma mulher livre ou escrava
para vender miudezas nesta eidade e seas sobur-
blos, dando flanca : a traUr aa rua do Marquei
de Olinda n. 64, 2 andar._________________
e
Aluga-se dnas casas novas e muito fresca?.
no lugar da Capnoga, com comraodos para fa-
milia, quintaes amurados e cacimbas de boa agua:
a tratar no mesmo lugar com Bernardino Jose
Leitao, ate" as 9 horas e das 3 da tarde em diante.
Escravo fugido.
Desappareceu da casa do abaixo assignado, 0
escravo Jose, de estatura rtgular, pernas arquia-
das, falta de dentes, e e cahra, suppo-se ter
seguido para Rio Formoso, ou Gamelleira; gor
tunto, roga-se as autoridades policiaes o capitaes
de eampo a sua apprehensao, e mandar parte na
rua D. Maria Cesar, outrora Senzalla Nova n.
30.
De bordo do vapor Ceard desappareceu hon-
tem um volume conlendo 700 chirutos da Hava-
na. Vinba em um encapado com 0 nomo de
Luiz Felippe de Souza Leao. Quem, por engano,
0 tiver em seu poder e quizer restituir, pode en-
via-lo ao escriptorio do Exm. Sr. BarSo da So-
ledade aa praca do Corpo ?anto n. 6.
Recife, fta de Janeiro de 1874.
4.J d'iieved
Aiabam de publicar se,
venda as seguiutts musicas:
PI A HO SO'.
Dasse espashola, por Ascber StOOO
Arabella, mazcrka, por G. Wer-
theimer IC^U
Valsa do Facsto, por Cmjzes IfOOO
Sonho de cm a viRGEM, por Alber-
tazzi IWC0
Anna la Prie, caTauna
AoClairdela Leas, por Bussrr.cyer Lf6s F.STRELLA DO NORTE I p ,_ trUh,_to ,^,(,0
SaudaqAo ao BahiaI
Cricket, por Seixas, offerecida aos
chrickets club pernumtucano e
bahiano I00
PIANO E CANTO.
Desespero, muito Undo romance
por I. Smoltz 2*000
Non m'amava, romance por Guercia IfOOO
Tambem recebcu da Kuropa grande sor-
menide musica para piano, piano e
antoudos, melhodos, etc. He.___________
Caixeiro
Precifa-ss de um mo^o c de miudezas e que teuha boa
tar na rna de Marcilio Dias n.
reita.
baslante pratica
endncta : a tra-
86, ontr'ota t>i-

JiasV
na tbaaooraria das Iota-
Ha neste estabelecimento o melhor sortimento de pianes dos mais afamados autores,
como sao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Ofterece-se tambem uma qualidade de pianos aupe-
riores, mandados expressamente construir para este clima., o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem^ pianos usados em troca.
Concertam-se e a6nam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sJo: cepos, folba para os mesmos, cravelbos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUA HOIMPERiltOU 49
PENHORES
Na travessa da rua
das Crazes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
8K**0*****
m
*
*

0 relQjoeiro e donr*dor
Albino Baptisu da Rocha,
de volta da Europa, conti-
niia a encarregar-se de
concertar e donrar relo-
gios, bem eomo outros
objectoa ; rogando a sens
Q amigos e freguezes o ob- 9T
j_f sequio de procura lo na rua Duque de _|
__ Caxias (antiga rna da Cni:'D) n. 32, pa- _J
1 vimento terree, queoenconi ariopromp- W
_k to. A garantia de sens trabalhos a b- A
_J ze-los por precos modieos ; assim como _f
jsr tambem vende relogios.
CHAMADO.
Os Srs. Jovino Fernandes da Craze Joaquim Cle-
mente de L< mos Duarte, sao chamados a rua do
Corouel Suassuna n. 282, a negocio de particular
interesse.
PECHINCHAS
S6 o h. 20
RUA DO CRESPO
m\ IAS t mm
continua a \ender muito barato para apurar
muito dinheiro.
CASSA LA
Chegoa esta fazenda,sendo Undo? padroes, e ven-
de-eopelo diminuto preco de 200 rs. o covado, 6
pechineaa 11 I dao-se amostras.
METINS
Proprio para vestklos o que ha de mais gosto,
padroes novos, pelo preco de 400 rs. o covado, e
pechinclial I I doi-e amostras.
LASESCOCEZAS^
Lasinbas scocezae, padrSes bonftos, a 240 rs. o
covado.
Ditas com listras, padrdes modernos, a 280 rs. o
covado.
s Ditas la -e seda, padroes modernos, a 640 rs. o
^ covado. ^ peefcincha 11 dao-se amostras.
a ALPACAS DE CORES
Alpattas de oores,- padrdes bonitos, fazenda de
1^000 a: 400 a covado, ^ pechincha 1 H dao-se
amostras.
CRETOiNE
Cretone eta pecas pequenas, com bonitos pa-
droes, pelo -diminuto preco de 400 rs. o covado, 6
pechincha Til dao-se amostras.
Cortes de raeemira di cores, a 3/( 00 cada um.
Cambraia de linno de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para Into, a -240 rs. o covado.
Fustio bran co para roupa de meninos, a 560 rs
o covado. irn
Brim pardo (t de .cores, a 4w0 e i40 rs. o co-
vado.
Coberta8 de chila .adamascada, a 3*500 rs.
Colchas brancas e com barra de cores, a 3*500
e 4/000.
Lencoes de braman.te, a 2/000.
Dites de algodao, a 1/400.
Toaltas aicodioadas, at6/000 a duzia.
Ditae felpudas, a 6/500 a duzia.
Lencos de cassa com barra, a 1/000 a duzia.
Ditos de cassa aibanbados, a 2/000 a duzia.
Ditos de esguiio finos, a 3i500 a duzia.
Cambria lisa traasparente a 3/000 o i/SOO a
peca.
Cambraia Victoriaa a 3/800.
Atoalhado adamascado, a 2/000 a vara.
DKo trangado, a 1/400 a vara.
PustSes de cores, a 1*000 o corte.
Chales de merino liso, a */000.
Ditos eatampadoe, a 3/500,4/000 e 4*500.
Ditos com listras muito finos, i 5/890 e 6/000
Esgniio muito fiao, a 2/000 a vara.
Brim preto traaeado, a 2/000 a vara
Bramante de algodao, a 1/600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2/500 e 2/800 a vara.
Algodao marca T, a 5/000 a peca.
Dito domestico, a 3/000 a peca.
Brim de algodao com listras proprio para cami
sas, a 400 rs. o covado. '
Nanzue eambrau de cores muito fina, pelo di
minuto preco de 400 rs. o covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
Lsjaa de
Guilherme & C.
aluga
rJtU
Frecisa-se
Jar uma escrava de meia idade que seja fiel e
iada, para servicp interno e externo : na rua
da Virayao n. 33. ___________________
- Clara Hennqnes Correia de Linhares, pro-
fessora particular, esta mudada para a rua da
Ccn:ordla, casa junto a do lampeao, antes de
chegar a esquina da rua da Victoria, e esta com
aula aberta desde o dia 10 de Janeiro para o exer-
cicio de sua profissSo, onde nio so ensina pri-
meiras lettras e trabalhos de agulba, cjmo tam-
bem lingua nacional, lingua franceza e geogra-
phia universal, e propSese para a lingua itaua-
na, ingleza e danca a contratar mestres classicos.
Recebe alumnas internas e meias pensionistas pa-
gas adiantadas ; aquelles que Ibes quizerein hon-
rar com sua confianc,a, podem dirigir-se a casa
icima menoionada. _________________________
Do engenho Preferencia, na freguezia da
Eseada, ao amanhecer de 21 do corrente, desao-
pareeeram da respectiva senzala, quatorze escra-
vo?, inclusive uma cozinheira, levando os rr.esmos
comsigo por intermedio desta quanta roupa dc
vestir e de cama poderam apanbar de seu senhor
Jose Herroino Pontual. Nao sendo ainda conheci-
do o destino nem eaminho qne tomaram, o mesmo
senhor pede a intervencao dos senhores a gentes
de policu para a apprehensao delles, bem como
do* seductores, visto lhe parecer, que neste nego-
cio piles se nao dirigiriam de propria inspiracao.
Aluga-se o segundo eterceiro andares do so
brado da rua do Duque de Caxias d. 18 : a tratar
a rna do Rosario da Boa Vi.-la n. 40.___________
Precisa se alugar uma escrava que saiba
coiiuhar : na rua Nova n. 7, lnja.
Precira-se de um feitor que tenha pratica
no largo do Tereo n. 19. _
ALUGA=SE
o 2* andar do sobrado n. 52 da rna Marquez de
Olinda : a tratar no armazem do mesmo predio.
Aluga-se
Sociedade Propagadora da
Instraccao publica.
Conselho parochial de Santo
Aatomlo
De ordem de conselho parochial desta fregue-
zia, faz se publico qne, ate o dia 18 de fevereiro
vindouro, estara aberta a matricola da Escola
Normal para senhoras, cujas aulas serio abertas
a 3 do referido mez. Oa interessados entender-
se-bao para tal fim com o Rvm. Sr. presidente do
mesmo conselho a rua de Hortas a 2, segundo
andar, ou com o abaixo assignado a mesma rua,
n. 9. pnmeiro andar.
Igualraente scientifica-se aquellas senhoras
alumnas que pretenderem fazer exame das mate-
. rias do primelro anno, que poderao dirigir seus
os, pes. requerimentos ao mesmo Rvm. Sr. presideote do
' conselho ate o dia 3 do dito mes, aflm de lbes ser
deslgnado o dia em que deve ter lugar o aato.
Secretaria do. conselho parochial da Sociedade
Propagadora da hutrucclo Publics da freguezia
Uma boa casa na entrada da estrada do Enca-
namaato, proxima a estacio do Parnameirim ;
tem 2 salas, 4 quartos, cozihna fora, cacimba
com muito boa agua para beber, e terreno com
arvores fruetiferas : a tratar na Praca da Inde-
pendencla n. 39/_____________________'
Est4 fugido o escravo Jose, eabra, idade de
IS annos, feieees miadas, cabellos
largos, veste calca e camisa branca, gosta de mu
sica : pede se a policia a sua captura, e gratiflca
se a quem o levar a sea senhor, 4 rua do Hospi
cio n. 88, on a rna do Qoeimaao B. 88. i* apdar.
Q Sr. Joto Paulo de Carvalbo i rogado a vh* [ de Santo Antoaio, 19 de'Janeiro de 1874.
irua do Mareue* do 0)fBtf n. W, a nefoeio que _.-'._._ 0 se^nlsro.
oatBbnr nio ignora. '|0 Landelmo DorneUaa Camara,
Atten^ao
Precisa-se de uma mulher de meia idade, para
tomar conta de duas menmas peqaenas, que te-
nha bons costumes e de flador de sua eotiducta,;
qoem esiivern'estas clreurastancias, appareca no
! andar desta typographia. Na mesma casa
precisa se tambem de uma outra mulher de meia
idade, para fazer compaohia a uma familia, e qne
tenha boa eonducta civil e moral : a tratar na
mesma casaacima mencionada.
CASA DO OURO
Aos 4:000-000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos seas
aiuito felizes bilhetes a sorte de 4:000/ em um
meio billiete de n. 3602, e a soite de 100/ em
meio bimete de n. 3020, e um meio de n. 3674
com a sorte de 100/, alem de oulras sortes meno
res de 40/000 e 20/000 da loteria que se acabou
de extrahir (84'j ; convida aos possuidores a vi-
rem receber, que promptamente serai pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeto
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
tirar qualquer premio, como prova pelos mesmca
annuncios.
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
-antidos da 2* parte da loteria a beneflcio da
ia matriz de Salgueiro, que se extrahira no dia
lo corrente mez.
Precos
Inteiro 4/000
Meio 2/000
De lOOCOOO para clma.
Inteiro 3/500
Meio 1/750
Recife, 23 de Janeiro de 1874.
Joao Joaquim da Costa Leiti.
E. A. DELOUCHE.
19Rna do .Marquez de Olinda- t
Acaba de receter um grand* sortimento de :-
logics americanos para parede e mesa, de ears*
de 24 horas e de corda de 8 dias, com despcrta lo*
dos melhores grstos e qualidade.
Relogios do ouro patente inglrz vcrdadeiros, -
crberto com ponteiro grande no meio, dos rr* <
modernos e do melhor fabricante de L< ndres.
Grande sortimento de rel< gios de prata. prata
duiirada, cobertos e decobertcs. Ditos de prin
foliada (plaque*), oriscntal e patente, de t'di
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e oculns de todas as qualid;;d>-.
Verdadeiros vidros de chnstal da Rccha, para
vista canfada.
Vendese tndo por prego mais baralc qne *
outra qualquer parte.
A' loja do Paviio sao chamados os segnint-<
senhores a negocio dc sou inleresse:
Jose Carlos Mariano. *
Alizio Telles de Sonzn.
Godefredo de Abreu Lima.
Francisco Rosas.
Urgencia.
Sao chamados a rua do Duque de Caxias n. i >,
antiga do Queimado, os srguintes Srs. a aegock'
que lbes diz respeito :
Dr. Dias Fernandes.
Jose Antoni de Men Ion;a.
Cleto da Costa Campello.
Severiano Jose de Salles.
Innocencio Rodrigues de Miranda
Jeao Rarros Correia.
Jos6 de Azevedo e Sou;a.
Pedro Jos6 Gomes Ratis.
Felii Cantalice Ferreira.
Vicente Joaquim de Miranda.
Joao Gomcalves Guerra.
Candido Gunfalves Guerra.
Jacintho Ferreira de Mesquita.
Felix Benrindo de Nascimento.
Jose Tavares Muniz.
Andre J. s6 de Almeida Cutaiiho.
Crisliano da Silva.
Auguito Simoes Nunes de Souza.
Domingos dos Reis Correia Lemo*.
io-6 Xavier Faustino Ramos.
Casimiro do Reis Gomes e Silva.
Feliciano da Fonceca G. de Araujo.
Firmo Candido da Silveira.
Antonio Candido de Oiiveira.
Henrique Jose* dos Santo*.
Mathias Lopes da Costa Maia.
Manoel Jose* de Souza.
~
. Ao publico.
Eu abaixo assignado, tendo pa>sa'o uma pro
euracao basUnle ao Sr. Antonio Miguel Felicio da
Silva, para fazer-me algnraas cobran^as, e como
o mesmo senhor nada tenba feita, declare que a
mesma procuracio nesta data fica sen! penbum
effeito. Recife, 24 de Janeiro de 1874.
Joio Martioho dos Santos.
Voou um papagaio fallador, do hotel Central,
iaso no dia 23 do corrente met: quem o apanhar
1eTo?o ao hotel aclma, que seri gratificado.
Agencia de leiloes
0 abaixo assignado declara ao respeitavel pu-
blico. que, tendo aberto o seu escriptorio de
agenda de leiloes i rua do Marques de Olinda n.
64, andar, contioua a receber rooyeis, louca,
fazendas, obras de ouro e prata, predios e todos
uantos objectcs se lhe remelta ^ara serem ven
idos, em leilao pnblico ou particular, a vontade
de seus commitentes: e como quer qne o seu
novo estabelecimento se ache o melhor possivel
local isado, alem de qne offerece as melhores
proporcdes para a boa conservacao dos objectos
que tenha de receber; o abaixo assignado com-
promette-se nio so a empregar toda a actividade,
zelo e pontualilade no cumprimento de seus de-
veres, como mesmo sens pagameiitos serio feiots
com a costomada prompudio, que lhe 6 eonhe-
cida. t .
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
___jjajmnndo Remigiode Mello Junior.
ATTENCAO
Faz-se negocio com o estabelecimento si to a
praca da Independencia as. 32 a 36, com as mer-
cadk>riaa jutantes ou sem ellas: a tratar no
mesmo. 11 j
OITerece-se um moco com todas as habRiU-
coes para nm gnarda-livro, o qual sabe (allar a
escrever correcUmente a lingua ingleza e france-
za : quem de seu prestimo quizer ulilhra dei-
xe carta fechada nesta typographia com as iaidaes
J. W. J. S.
Fugio do engenho Velho, sito em Jasast\
o escravo Mariano, preto fnkv, de 4J ansoa de
idade, pouco mais ou roeaoe, vestido de calca a
camisa branca ja basttnte snjas, ease escravo e
prognosUcador: tem os pes apalbetados, bkaado
o dedo segendo do pe direito on esquerdo : quem
o i pprt bender leve-o a rua do Imperador a 12,
cart'-rio do escrivao Augusto Cesar da Cnnha,que
recompensara.
- Das 7 aid 9 h> ras da aoita do dia 18 da ear-
rente furtaram de dentro sa am quarto qne fica
Sor baixe da torre da capaUa da Conceifio sa Joao
e Bairos, umacaixade (oars ea qne aefeavase
os objectos seguintes : 100/ eat smbairo, saoa
letras de 100/ cada uma, sassa pea Sr. Deosiao
Hylario Lcpes, dous cordoaa da oaro, eaaaca, calca
e collete de panno preto, tree fronhas a tret tea-
lhas : qnem apprehsaisv oa qoacs Hair aoticia
onde existe este furto. dulfasi ao sMssjbeasella
referida, a entender-M OoaAaiOaio Joto AJves,
qne seia recoinpensaao.
Moleque.
Precisa-se de urn moleque de 18 a 16
para criado de uma peaaoa : a tratar na rua I
Imperador n. 28,
BVsVWflMUHMeVA



&iS& acao
100|0
Fosin nJdkfOidf daBr*Fvf ogenho San
to* Mwd<' -a de Nazareth; regezia de
Traeuuhr- ava Maria, crionla, 91 anno*
de id mais oit mono?, baixa, grossa, cof
Sret.i jiiebrado, p6 seaeos asanados,
ed> curtos rab.'ltos branoos, canellas fieas, tern
dfios sijmses cabfttados no qaeixo, e d ben ladi-
na. A p^s*)s qu entregar esia escrava oa ao sea
douo, quee o seohor (feeagenho ackna, Lauren-
tino Gnoex da Cnnba" Ptreira Beltrao, ou no Re-
cife, la go d r.ijTpn Santo n. 19, andar, sera
eeiimpeawada quantia de 108*.
Na rua do VMgano n. 19,
1. andar, ha para vender:
Cera em veias e bogias, de superior quandade.
Cognac iiifilez.
Rnioja de l'#. g* *
Vinh 4> I'lirto eajtarrafado,
Y'eias steannas ingldKjB W
Aflfcadi
a.
Na rat daBaidJfc di
faaip.aVset ancraBse.
n 36, precisa-se
s* Mariaf*aQiaa, a ne-
4MA
do andar.
ra fomprar e -aazinhar; na
ri|o Cres| n. 18, segun-
j\ra A' ra* NoT* >. 16, preeisa-se de am*
*.ma ^py, para cogiibur e eomprar.
PredM-se de nma ama escrava ea
m*
DO

j.v .-tKr
Recife a Oliofla.

SeberiUe.
Porcjp' do
Colieeio de 8."8c
AMA ,itre "* .**** ^ P*1"ena nmrti : Precise para SMI oonsumo
ttlfltt. n rna ifr Imperador a. Wfrja, ol60 da ^
A-T.JT i PraciaMajteuott aoaa-idoaft ^J&Me*.*egi*JuU.:
M rV'f?eJ*"*^W!E 4tatdaaVro galwisado de l/a pol-
r a* rma^ Wpo^ra.^, iwmUrtta gilt
P0* x*gca3,1%oa *afal>Ooqa.Ti Jm#rVMkttfL-
tiao
jno.
0. Manoela iig>ta de Mem
pjrticina aos pain, tutir s e
auss alumnas, que iransferio
men to do educacao para o sexo !
direccao, paraavua esirelta do Rrtaridn
andar, on Ic cooiiniia a receber alumnas
nisias, mi.i pensionistas e external,
.sia atjenura tera lugar no4ia |i de Janeiro cor
TJSi
Re|e
lecf
SOA
3i,*
nsio-
que
--
Garanh*ms.
Na rua do Barao da Victoria jl 3ft precisa-ae
.ailar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto t
M)se Paes da Silva, a negocio de paxticalar iate
rtsse
ESCH4V0 FUtilDO.
De^appancou ao aoianbecer do dia 4 do cor
rente, do engriiiho Serigi, comarca de Goyaraa, o
eacravo de name Josi Borge?, meatre tfe assucar,
Undo os siguaes seguintes : cabra, fdade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, am tanto
grosso e espadaudo, sendo o signal man visivel
uina gomma ua junta do pe esquerJo : rogase a
tudas as autoridades e capiiaes dc campo queirani
appreheuder lito escravo e leva-)o ao rererido en-
genho, on ncsta pra?a a Olitwra Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serao geaerosamen-
te rccomnensados.
Ha, a goal;
as
casa
,Piecia W da mna anaa m*
WW caaa de hoaw'o.aol
-1- pe<3Qena
2_H EEi_
Preciaa ae daaw4ima BMic4ziBkar
aravssa do Corpafiaa^'t5.
Precisa-se (fedrna atha. para caa"
poacafamaHar.na.rpa-qasFloresn.
Ama
duas .flings ^*rp
casa de pouca "
par&cozinbar eoutra para aiigomraar^prQ-
4MA
Pfecia-te'd,na ama, T*fa-"
de ponca familia : a iratar na
do Herral, -raa do- St nt 19-
AMA p?*'*Tla "do'lmpertdof n.r3lf^recia s&
Aiutram-se as duas casas sob ns. 22 e 24 a
rua dos Poijm, na freguezia dos Afogados. tendo
wda uma 2 quartos. 2 salas. quintal em aberto;
preco dp 83 mensal : para ve> e tratar na rua es-
treita do Hosario n. 17, 1- andar, das 10 as 2 horas
ditarde.
Constando aos abaixo as*ignado acharse nes-
ta prapt o Sr. Manoel Fecnandes de Carvalho.ren-
deiro dos engisnbos Barra e Pregni^a, em Ma-
manguape, provincia da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztquio de vir enlender-se com os
abaixo assignados immediatamcnle sobre negocio
tendente aos referidos engenhos. Rua do Amorira
37, escriptorio.
Tasso Irmaos 4 C.
de oma anja para casa de ponca farailia.
Ama Precisa-se de oma ama que saiba co-
x\.uiai 2iBjwr e engommar com.parfei^ab.^paia
caa de poaca familia : na ria de Padro Aioaso
(outrora rna da Praia) n -27
A rjj ^Pre:isa sc de uma ama para- compraTie
a****i cozinhar para casade farniHa, nar na do
Caboga n. 9 A, loja. <
Precisa se de uma ama porApajel-
nhar em ca-a de familia : na rua dd
Visconde de Goyanna n. 129.
fiftU
dade, aon(te alguma cisa.' VarWuf boa fecompensa a quern
a capturar, awMa MuMMlfa|lla,na rua Inf-
"a... emasa.;de ^.-Praanatoo :oV*:uza
-on na mw^nffWU B 4 .^wtebo-tadaT
Rece,.-22'dejawira*ia> K4. ,TT ^^
J^cto#yeita9
-Q,tkTM
i gonS .-TSJrA^A' sSSW T ^ JJL" ^ "^ w
ilfa : a tratar aa rua dp, Marqajf;4P*f*. n*a abondadede anisehE a
wmrsst^cia oesta cid^de, mio^se".jfesftw
AMA
Am-i Procisa-se do uma ama de leite sera. 0U)O, .dp
na rua do Visconde de Goyanna
boa conducta
n. U9
Ama Precisa- se de nma. ama para enirotn-
-*-lua' mar : narua do Bar|o da Victoria n. 22.
Companliia do Gaz.
Aempre^ddogaztem a honra de annunciar
ao publioo que recebeu ultimente um esplen-
diiio sortimento de lustres de vidro, candiei-
ros, arandulas e globos, cujas amostras estfio
no escriptorio A rua do Imperador n. 31,
e ierao vendidos aos seus freguezes pelo
pro$o mais razoavel possivel.
Dinheiroa premio
se aie a quantia de 3:000 sob as condifoes
se convencionar : na rua do Itnperador n*73,
i' an !ar, so dira qucm tem para dar.
Escravo para alugar
Xa padaria i da rua uireita n. 84, precisa-se de
alugar um escravo para servico interno e externo.
4 Torre
Aluga-se para pssara feste um sitio com
excellente casa de habitacao e banhono no
a frenta desta : queui a preteader, p6de
procurer & rua de Gervasio ftres n. .24
Attencao
0 Sr. Francisco
vir a rua do
circo Agostinho Madeira, e rogadoqe
Duque de Caxias n. 60 A.
Para se
obte
Cabacinhaa para mate.
Mate em po e em follia.
Cafe verdadeiro de Java.
Chi verdadeiro das Caravanas.
BMaebinbas ostias, vara dietas.
Licores flmssimos.
Geleias de diversas qualidades.
Doces secoos, em calda e ralado?.
Fiambres preparados.
Pudins e bolos inglezes.
Xarope3 e orehata do Lisboa.
Amenioas e confeitos.
lima pessoa iilo tcua mass
e|ac ir log e logo
a Coufeitaria do Caiuros
JBAImperador94
Alugase nma .excellente casa na povoacao
de Dnarte Coelho, em OlinJa, com bons commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso. rua
Amorira n. 37.
Antonio Jose Rodrigues de Seuza, em sou es-
criptorio a rua do Crespo n 6, compra, por bons
prefos, escravos das diversas cores, sexos e
idades.
0 Sr. Manoel Dias, donominado o cantador,
residente em Garanhuns, queira comparecer no
convent) de S. Francisco no Recife, celula n. 18,
a-negocio de seu interesse.
Escravos Tugidos.
Nos nltimos dias do mez de nwembro-do anno
proximo passado fugirara do engenho Quer-
ra, da freguezia de Ipoiuca, dons esoravos, o mu-
lato Sabin e o ranlatinno Lourenco, eom os sig-
nals scguintes : o primeiro, estatura alem da re-
gular, cspaduas largas, sem barba, com falta de
alguns denies de cima na frente, de idade de 30
anno:, pouco mais ou menos. 0 signal mais ca-
racieristico e ter os pes enormemente grandes e
muito largos nos dedos, anda como taodo as ponlas dos pes um pouco para dentro.
0 segundo, de idade de 13 annos pouco mais
ou menos, com os seguintes signaes : uma cica
triz sobre um das olbos, que o obriga a traze-lo
mais fechado do que o outro; as unhas dos dedos
dos pes n o alo boas sobro ludo a do dedo gran-
de do pc direito. Consta que o primeiro depois de
estar algum tempo na cidade do Oliuda em uma
cocheira foi para Ingazeira em companhia de
uns almocreves ; e o segundo tem sido encontra-
do no Recife : quem os apprebender dirija-se ao
referid) engenho, ou a travessa do Queiroado em
casa do Sr. Gabriel Antonio de Castro Quintaes,
que sera generosamente remunerado.
Precisa se alugar uma ama para oasa de
pouca familia : na rua dc Imperador n. 33.
Salao para cottar cabeHos-e
fvssr .Jbar bag.
Manoel Coolho, official que foi d) estabelaci-
j-niMlo de barbeifq do Sr.-faniz -Augusto Paehjico,
seajap d^spedidoif cuja estabe^ciu>e^o,-seii3iq-
it4ab Rbfireni pmomo ^alfcyeara pr-
Uoa;e fa/er barBas, nb 1* ariaar da casa
n. 36, a raa Duajie,de.Casias,,/autr,or^ifea,Cra
zes).onde esDer> ,que seus amigos e freguezes,
com especlafiMile a, r'espeUatrel 'p,Bb.lico o c^aui-
vero ; Jemonaw .issa.pQos onlciaes, promptidao,
,agraqo.e,aasM.np seu .tra,baIbo. oodendo ser.pr*-
curadq.Baia os.iteres de sua pro/issao oo.,dito
estabelecimentp, a^ualguer bora.____________
Antpoio Jose jtega
estabetecido com casa ds molbados a rua da
Uniao ns. 32 e 36, lendo de retitar se para Euro-
pa, faz sciente aos seus devederes que venham
satisfarer sens debitog. at8 pena de verem. aeps^nqraas por exteaso neste
jornal.
"0 abaixo assignalo vai ao Rio de Janeiro a
negocio, e deixa* como seus procuradores, para
tralar de negocios da loteria ao seu irmao o capi-
tao Jose.Rodrigues do.Souza, em sea escriptorio a
rua Pnmeiro dc Margo n. 6 ; e para os outros
negocios ao teu ,genro o Sr. Joaquim Pires do
Silva.
_______Antonio Jose Rodrigues de Souza.
Gasa de carapo.
Alaga-se ama excellente casa, sita na primeira
esta^io davia-twrea, na entrada dos Afflictos,
lem coramodos para grande familia, jardim ao
lado, banheiroe sitio-muito bem planttdo : a tra-
tar na praca da Independencia ns. 4 e 6.
RA
a lmperatriz n. ou
I
zendas paja lifl^iidar, por baratiasimopre
ira da Silva & Gujmaraes (epd# *m ^^l
fazej^ippa liquidate das mesmas com graqoe ,
iBdfe^purar dinheiro, para o.que ooottafi ,jolo
mo o respoitavel fiubJico, i_via? surtir se de muitas fazendas, boaa e baVftat
ipsnto deufdUMaD-^awPavfioa rua da lmperatriz n. 60.
eez muito fino a
BAZAR .
Rua d>-|arjio Ja Viijorja ri-iJ.
Oanrilro Mamra.
A' este grande estabelecimento tem che-
gado um bom sortimento de mschinas para
costura, de tod os os au tores maisttCTedita-
dos ultimamentena Europa, cujas machinas
'Pa^a|o Teajde um magnifico sortimenbal
dfsma^jfjrjasHcambraias brancas transpa-
renlesjHendo^tO jardas cada peca, pelo ba- --'
:rato^e?o de4#, m0;m,'8$,tendo tarn- "P Pavao yea
A*n d^fr- wyar^saa^ aystyiap mm M
pe|wo,.ajfSMBjcom(nim^ranai aortimen'.o
de Mm tapadas e vjeteri* nu*Hm%& 4#
ate 8, sendo fazenda que valle muito mais
M/< metro fM *m\ta&!
a-'
itpfinosa,
deseda a
II
odo rnfe(ado a
Pavao vende'I ___
So recebeu um elegante sortimentota^os de largura,'proprio
tfSALPICOS DE CORES A S.
de canajbajias brancas com bonitos salpiqui-
^^J^GtfllT^^^^^^^^ ^ vestido e vende pelo fend
com
finissMiia
iv -j i --------->' -r,<^aua wire ue tuuo e venae oeio Dar
gmalqubrrpart0 4osta c.dade, como bemi js- ^reco de 5& jK>r snr pflcbiucua, ditas i
SUn CQBcarta-las pdr, tempoiam'oem d'um; ^cos todo tanS,sendo fazTnda finissi
-nno sem despendio algum do comprdor. a 7^500 e ditasa5000
este estabelecimento t<:mbem ha pertencas
para m uwamas machinas e se suppre qual-
guer poja que seja necessario. Eatas ma-
ebinas trabalham com toda a puafeigao de
vesthx)s a use da corte m
0 Payao vende umbouito sortunanto de
oortfls de vestidos a uso da corte, trazendo
M e do*** ppeponlos, frar./e e borda toda cada corte todos os enfeites necessarios como
fualquer costura por fins quo ?*,, sous sejam : babadiolvos, entre-meios, rendas,
pcecossio da segumte qualidade : ira tra-!requefifes, e vopde pelobarato creco-de 12JH
b^lhar a mao de G#000, 4000t. i500O cada um, assim como, di os a 2 de ju4ho
e 50^000, para trabalhar conn o pe sao de.com todos osenfeitesa 109, cortes de cam-
COMPRAS
mtMM
uma escrava preta, sem filho, que seja sa
dia e forte, para oservico de casa de fami-
lia, a tratar na rua do Bar8o de S. Boria
n. 29. J
Compra se um methodo francez-inglez de
Ollendorff : na livraria Economica, junto ao areo
de Santo Antonio.
I Xrastes.
No dia 13 do corrontc mez, fngio do engenho
Megad de Cima, freguezia de Tejncupapo, e es-
cravo de nome Firmino, moleque de 18 a 20 an-
nos de idade, boa estura, cor nm pouco fula,
rosto limpo e redondo, tem falta de dous dentes
na frente, corpo regular, p6s um pouco grandes,
em uma das canellas tem uma cicatriz. Levou
roupa, sendo palitot de alpaca preta, calca de
brim braneo, sapatos de casemira preta, gravata
preta e chapeo de Manilha. Foi montado em um
cavallo mellado com sella e freio ; o cavallo 6 de
hom tamanho, bastanie esguio, clinas e cauia pre-
us, manca de uma mao, proveniente de um talho
jae levou, o cavallo c inteiro. 0 portador que
seguio no mesmo dia da fugida em procura de
dito 3cravo teve noticia de ter estado em am sitio
-ia TJ)rre onde elleja esteve em outra fuga que
fez ha pouco tempo. 0 capitio de campo ou ou-
tra qoalquer pessoa que o pegar leva o ao enge-
nho acimi que sera gratilicado com a quantia
d- cem mil reis.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambucanas,
com coxeira e quartos fora : a tratar na rna do
Vigario Tenorio n. 31.
Compra se e vende-sc trastes novos
e nsados no armazem da rua do Im-
perador n. 48.
805000, 909000, 1009O00, 1109000,
1209000,1309000, 1509800, 2009000 e
2509000, cgiquanto aos autores nao ha al-
teracao de pre^os, e os oojapuc-iort's poderao
visitar este 86ttbelaciiaen4o, .que muito de-
verio gostar pela variedade le objector que
ha semp.-^ para vender, .oomo sejam : oadei-
ras para vwgem, malas^para viagem, cadei-
ras parassailas^ditas da balaojo, ditas para
crianca (ahas), ditas^ara esoolas, coaturei-
ras riquissirnas, para senhora, despensaveis
para crianr;as, dc todas as qualidades, camas
de ferro para homem e criangas, capachos,
espelhos dourados para sala, grandes o pe-
quenos, apparelhos de metal para chd, fa-
queiros com cabo de metal e de marfim,
ditos avulsos, oolljeresde metal fino, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tarapa* para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completes, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mui-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
qae se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nha ate" as 9 horas da noute &
Rua do Barao da Victoria n.
__________22.__________
ATTBNCAO.
braias brancas abertas, com listras e larores
a 69, ditos fuiksimos a 89, ditos de cam-
brai* branoa com listras de cores, para aca-
bar39a00, < peahincha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
O Pavjo vende twos cortes de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
rato preco de 209e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 300 is, ocovado
0 Pavao recebeu um grande sortimento
modo d- aw* eo#*plo qmfm
XIQUBMO k 496M, t, 59.
0 Pavao vende atoa\hado tW>cado com4
palroos de largura a 19100 e 19600, in.
adamascado a 89, diaodo Linho ^"np
do a 39 e 59.
SEDA PARA VESTIDOS
a 19600 oi|.
8 Pavao vende um berate sortimento 4k
sedas cam listrinhas proprias par* vmM
dos de meninasede seu bora a 19600 oec
vado, ditas lanradiobas a 29, os padrtea aa
muito bonitos e vendorse por este preco ptri
acabar.
otinn a 5^0490
0 Pavao tem um complete sertiroantod*
botmas muito bem enfeitadas para senbocaa
e vende pelabanato preco Je 59,artigo qo#
em outra quakjuerfBrtecusta o#e 7.
LE.NCOS BRARCOS
8 29000. fr
0 Pavao vende tenets brancos abainha
dos, Han to 4raiiomens como para aeabom,
a 29 e 29500 a duzia, ditos de esguiio
cambraia de linho t>mbem abainhadoa a
de cassas francezas com delicados padrdes e' SJT -- ^ ^^^ ***"*' ?*'
nde-se ama typographia bem montada, com
u machina e um prelo, tudo em bom estado e
P fjreco modicoj_ quem a pretender, dirija-so a
arrado Torres n. 12, sobrado, i" andar
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, 0 covado, organdy braneo e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo did braneo liso e de salpicos, e tarla-
tanasde todas as cores.
BORNOUS A 129.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mais modernos bornous combonitas listras e
a 69, a duzia.
CAMISAS PARA HOJfEJL
- 0 Pavao veade ricas camasas eom peik
de linho bocdidas, propnae para noivo 1
103e 129 cadi uma, drtas de linhon ae
rem bori das a 49, 49500 e 59, ditas car
peito de algodao muito finas a 29, 29500
39, ditas de chita fina miudinha 29,39509
e39, assim como grande sortimento de ee-
roulas francezas tanto de linho como de al
vende pelo barato prego de 129 cada um,' godao de 19600 ate" 39, gr.nde sortimenb
assim como um elegante sortimento dos mais de raeias cruss inglezas de 49 ate 69000 1
bonitos chales demerino e com listras de seda. duzia
Ceroulas francezas de linho e algodao, para todos os precos c qualidade^aSm
como grande sortimento de meias cruas, camisas, colerinhos, que tudo se vende po-
prejos muit 3 razoaveis. \j
Gompra-ae um laetbodo franeez e icglez de
Ollendorff: na livraria economica, junto ao arco
de Saato Antonio.
Compra-se eeis duaas de espanadores de
pennas: na thesooraria das loterias.
li.
Juga-se
0 2- andar do sobrado n 20 da rua rio : a iratar com Jorge Jacome Tasso, na rua
do Amorim n. 37.
Agencia de emprega Jos
Amas de leite, seccas e para todo servico do-
me.-tico, caixeiros, copeiros e criados : na agen-
cia do pateo de S. Pedro n. 3, loja, e raa da lm-
peratriz n. 33, aonde os seahores pretendentes
podem mandar os seus pedidos.
Escravo fiigidtt.
Fugio no dia 4 do corrente mez de Janeiro de
74 0 preto Ignacio, 50 annos, altura regular,
seceo do corpo, bigodo e Cavagnac ralo, cabeca
muito pequeoa, olhos poqucnos, falta de dentes
na frente, rosto secco, tern voz baixa, falla pou
co, e 6 carregado no serablante, foi comprado a
D. Felippa 'avalcanle de Albuquerque, senhora
d) engenho ranto Escuro, do sul, e dabi para
ea se tem occupado no tr^balho de padaria, deve
ter os nos dos dedos das maos calejadoa do referi-
do senripo ; desconfia-se foue seguisse 0 caraiuho
do sut para 0 referWo engenho ou seus soburbjos-
P-ede-se as aatondades noliciaes ou as psas que
0 eqeontrarem de teva-Jo a casa de sea aanhor, no
Pecife, em Santo Amaro das Salinas, rua do Li
ma n. 7i, que se gratillcara generosamente.
Criado
Enchameis.
A companhia da estrada de ferru de Olinda,
compra mais 50 enchameis de 30 palmos de com-
primento e 5 polegadas de grossura, para parte
da linha telegraphica: a tratar no escriptorio da
companhia.
0 gerente,
Laurentino Josi de Miranda.
v:nba.
Precisa-se de um criado, forra ou catfivo, pre
fenndo-sc desta ultima condicao: na rua do Ca*
pibaribe n. 40.
Alleiicaii.
0 Sr. Candido G. R. Lima, faca e iavor vir a arn
do Duque de Caxias n. 60 A.________
' o/iiiheiro
Para casa de familia precisa-se flaum bora co-
zinheiro :'no caes do Apollo n. 69.
Rua do Brum n. 76
Vende se zioco puro de superior qualidade
proprio para cobertas de casai, modindo Itnal'
mos de comprido e 4 de laxgo, por preeo mnttc
em conta.
Lindas las escocezas.
De varios paJrfys, e iatajramsnte modernas, a
ooO rs o covado : na rua Priaairo de Marco
antiga do Oe*po n. 3, loja das eelumnas, de Aa-
tonio Correia de Vaopcellos.
Wil-on Rovte & L. vtndem no seu armazem
a rua de Commoacio n. 11 :
0 verdadeiro panoo de algodao azul amencano.
Excellente fio devela.
Cognac de qualidade
Vinbo de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as ^alidades
I VEDFSE
Uma armacao de amarcllo envidrac,ada com
balcao proprio para qualquer negocio : a tratar
na rua do Crespo n. 20.
TASSO IMAOS&C
Em seus armazons a* rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commodos
Tijolos encarnados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Cimento Portland.
Cimsnto Hydraulico.
Maehiaaa de descarocar algodio
Machinas de padaria.
Potassa da Russia era barril.
Phospboros de cera.
Sagu en garrafoes.
Sevadinha em garrafoes.
Lentilhas em garrafoes.
Rhum da aJmaica.
Vinho do Porto velho engarrafado
Vinho do Porto superior, dito.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho At. -8cherry.
Vinho da Madeira.
Potes com linguas e dobradas mglafai,
Licores fiaos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toucinho inglez.
arrin com repolho em salmoara
Vernizes ospociaos para carma- a c00"506necessariodariustroiultima
demao de venuz empregado nas caiias dc
carruagens e no dos jogos, convem dl4o
n'um local separado aonde nao haja pd.
Quando a obra urge, deve por-se a sombr?
e ao ar hvre depois de secco, isto d, passa-
das 12 horas, lava-se e omuga-ae bem com
uma esponja humida. Quartas mais vexes
se iizer isto, mais brilbaute Gcara o varnk,
e mais depressa ss terminara a carruagem
(em caso necessario tres dias depois da ulti-
ma demao). Durante as duas ou tres pri-
meiras semanas deve-se lavar a cawuagem
de ter ser-
conservar-se
sem pre
Attencao.
Vende-se a armacSo de farendas existentes na
Wa de chape is, sita a rua de de tfareilio Dias n
f 1 ; loj< esu que perteneeu ao inado Trannaili-
H
tuiz
Contimia fagidoo-aauMi) Lniz, desde aaostu
i-Toxioj.) aaasado, caja rtWhor signale>r o dedo
poltegrdamaaesattr#a;:goado ao meio, pro-
venioateda um lallw-aVWice, eseascan t-co, Ptaiuini aa qua 0*eferide escravo f.steJa,
fc^a *^aed.*,^es da vaaWarrea de S. Francisco/
v.veadt ttoioo f.jcro, sehdo^iae para melhor es-
cipaitft e Hscr-mraMnceV, fl*i mais que tendo,
ef % 8 um ahtoo-aMaraWa a ,erra do
vsilam no lugar ond-> elta rejlAa. IKga so, p .r- jnrnaes de m^n wtMUtrnm
Tratado das peqwnas virtydes, 'pelo padre
Roberti, da companhia de /'*.
EDIC.iO DE ltJO.000 IXEMPL-vMiaj M
lvatl.MM 190AO.
As pequenas virtudes de .que 'ISH*,: eifti
obra sfio :
A indulgetwia a earidadeae'janpai-
xie ~* doc.Iidade a dil|gniota li-
beral idade de corarao a af'fb.flM^ -r-
a urban dade ranneira de praticai-as
meio de ^ilquirilrea -r >te.
____ UVHAMm,HIU1IOmtfi
Tranqaili
a o*,, iiuai e aeua muito bem
aortida e muito acreditada. Qaem pretender
ama e outra consa, dirija^a 4#ua do Bom Jesus
0. 48, escnpbirjo da E. Bqrle-4 C. oom quem tratar._________
Aos senhores de ensenhos.
Vende-se o escraa-o.moao,e#rde assucar
0 canyiro : qnem o #retaader diffja-se a rua do
flosano n. IS, legondo andar, das i0 horas as
4 da ttrde ; o rootivo da veada se dira ao con.
MM
t-6aaso,. em Coy-
SlISiH
{ u ir*ft ifc Vita 4%Jotar.\ | 'm|Oo*. i
lull BABIA FRANCBS4.
dos
icado
Vende-se ura cabriolet araericaoQ, assenlo
ira duas pe,.soas, era p. rfyito e-ta.do :
Cambraias lisas e de cores a
240 e 280 rs. ocovado.
A' rna de Qaelmado n. 43, defronte da Praci-
nha ; dao-se amostras : sojia loja de Guerra &
Fernandes. WWW'
MadapQlito fraucez bo a
5JT5aO eb^a pica.
Com paqaeno sej, e peehiue^a : 6 a rna do
Queimado a. 43. defronte da Pracinha.
Toalhas a 4^500 a duzia.
?6 na rna do Queimado n. 43, e grande pe-
chincba.
v
fern
Este verniz, cuja falta aqui tanto sentem
os Srs. fabricanUs e possuidores de carrua-
gens, acaba de chegar para seu unico depo-
sito, das seguintes qualidades.
VERNIZ SUPERFOO PARA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' um verniz muito claro o duravel para
as caixas de carruagens, para todas as de-
mSos, ou para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
horas, depois das quaes se eipoe ao ar por j J0.01 agua fresca ^P0155
algum tempo, o que faz endurecer, e passa- n* t j
das 15 a 18 horas p6de passar-se a caixTa ua?L s T,
pedra pome e dar-lhe em seguida outra de- hfrmeUi5amefle taPa.dos ^st0 do TenM
mSo. Dao-se com facilidade tres demaos nSo s6 <*eve denar Qcar no fraaco, e pod*
deste verniz sobre as tintas, em Ires dias. USir:Se ?ara ". P"me,ras demdos.
A primeira demSo servindo de apparelho. u V* m,slu"r-se coni ^ vern" ^
ajuda a seccar as ultimas demaOs e produz 5hum utro ,D&edte, nem agu-*ax, e
um excellente brilho. de Denhum modo com o seccante. E' pre-
Vernli superior seccante para c,s?, 1,mPar ^mos vasos e os pinceis. e o
carruagens. m-e,hor serv,r um P,ucel P"ra cad* ?^
Este verniz e" da metma cdr que o ante- nUA .,..
cedente, mas endurece e secca com mais ra-: Depls,to "D'C P?" B^aS,,, JBar^,
pidez. Emprega-se com bom exito nas eu ,tC'' Pernambuc. "-
obras urgentes, e p6de misturar-se com o '
anterior. A duraco do verniz permanente
diminue na proporpSo da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS
Ndo e tao claro como o vemiz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras demaos sobre e6res escuras. Pdde
passar-se a pedra pome passadas W horas,
podendo dar-se em seguida outra demSo.
Verniz preto do Juprto, superior.
Para trabalhos em preto de carruagens.
Produz o preto mais escuro e brilhante, e
pdde passar-se a pedra pomes 10 horas de- j Vende-se um rico piano novor muito k
poia. Deve dar-se duas demSos sobre um e de exoeHentes vozes, a tratar na rua i
fundo preto e cobrir-se eom outras duas de Barao de S. Borja n. 29. Na mesma can
verniz que se emprega nas caixas das carrua- tem para Tender se nma boa mobilia
gena. jacarandi, com pouco uso, e em prfeito
, I estado.
J. 0. C. Doyle,
Tem para vei^ :
Cognac de Henneuv, superior e verdadetrc.
Vinho Xeres das melhores qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky.
Cba preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacoes chimicas do Or. Jkyar
armazem da rna do Comroercio n 3*.
PIANO
-
.. .-
Victoria
VERNIZ PARA COUROS, BRILHANTE ,
. eustico.. V%la de Palmares
Late verniz contendo na sua composicjoj Por 2:200i veadem-ae as dnaa casaa da as. 81
grande quantidade d'uma substancia muito e hi, sita- a rua Maurity, d oplMxis commodos
semeihanteaoazeitedeuomiuado/iiediAfBu/-, pra familia. uma deilaa da aniatal plantado, I
e o ortico que dd BoxibrfMade ao couro ve- SBart0S^ 3 sahs e grande coaiuka, cast a mais
Fho envernisado. Em geraUast. n^ ^ ^T^^LX^^t^T^
mao que deve ser applicada muito bgeira-; villa, ca>a n. 51.
mente, com um pineal depois de ter limpo
o couro com agoa-raa. mtposbl to sol sec-
ca em 1 ou 2 horas, e a* sombra mas ao ar
secca em 4. Eta tempo huratdue matil tel Teem para vender Joaqoim Jnae ftanra
trabatho. por que ndo e pussjval tornar o trio 4 Filho, a twrdo do brigue poriu
- Vnd se nm oylindi* axMrifaaXABiMlp. bu tratar up Recife com tt S*. Bernardino fle Senna -".Wj"" P JS^o 1 i "* n
para,padam : a trtW na rua de Vidtl de No- BonBa.; raa. to SJadre. & Deus n. 36, ou cm o' D*P*S deter PPJ*" 8.oa3 deanlos.
yeiros (outr ora Cm o^Poa^a, 103. sea proprtetaBjoi jiq eajwho Buranhsra, on An- jdesto*fma R'anfinterwitk) de 8 boras, de-
k -- iriba ^ wV _____________ j vo-se detxar a ebnt intacta por g ou S dias,
- venoe-se .una casa terrea, (ch5o lbriroJ Om Santa Aaiarp das SaHnr.j, raa de Lniz do Hego, da m* iacilicidadd. E' essencialmeirte i
Vende-se unu peqn*^ vicViria em bom esta-
do : na rua da imperatriz n. ft
Engeuh*4eQda.
Venie-sa 0 ewenho, Estiva do Cabo. disunte
Sal k Gab

Bom negocio p,ara pruMjW.ga*L"j t*aS"
Vende-se uma tuatraa em uma d a nut prinet-'
paes desii cidaA, heio afM|iMiiada para a praca1
a? c.rtrrrajti palmos Sh Sw^eeja* de- teado, com quintal sario cobrir ^to varnizwa* duas. dam^os do
aiMn. nrflM! Unl JtRO n*4fna4* fundn mi .aa>4a fundo : quem
Uwm
ica
verma auparbmo p.sra caaxas de carrua-
gens.
f BRNJE. SfcCGAjnt.
MisUKa>afli coin, UjUw da appacelho,
AmarM Nabuco fcC
tal e chario da
no Bazar victoria, w do
_]m> ?tet-naav 1
Aniiaicas verdadearaa
Biehas hawburgueaas am tmb a
aa car Vatxreec dei*ad*a.H
.rUn.2.
Oaft&iaa^iiaviivwda.paiUoa f^^J^T^^a*,m nfcs W T18L* m
cs com.jaaaw.dBUnofo a if, U5 6 e 2* o sequem, ioaj.f*citoeatA e para Ibflf dW 2&J-Ti
no iau Wmuria, rna dfiarao la Victo-, maii cousistencia.
J'
jfas^*l-iiaMaia aaBa nrit 3fc. _
i'der coiitm .ar por causa de moieatia
'na meim dolronte do t. H,
(
a Mr-


Diario vie Pmwmbuab Segtmda fen* 2 daiUamiioideiafeM:
h
ft

-;
I
-.
l
.V


BWo rflJrTOiwiJ
SOARES LEITE, MAOS
umeos ACENTES
Rua do Rtrto da Victoria d, 28
la mais simples, as mais baratas e as melhores do mundo!
Na eiposicao de Paris, em 1867, foi coucedido a
Hiss Howe Junior, a medalha de ouro e a coudecora-
9io da Legiio de Honra, por serem al maehiaw-maa pet.
fejtas do rauacro.
A medalha da onro, conferida a K. Howe Junior, nos
Estados-Unidos por ser o inventor da inachina de cos-
tura. i


aaa^aa"
Laurenco Uulii Hendcs Guimaraes
Detlara aos seus freguczes que tern resoiVicD faaer tuna granJe liquidagio, ate #
$m do corrcute anoo. b
A SABER :
CAMBBa*A3 BBAXCVS A SSJOOoJ', Ditos de p*lha, a 2, 3*000 e 49000.
Vende-so pages de caaibraia branca, tapa- Dilos de-massa. a. 4*000.
da e transnarente, a38, a#$00, 4*000 a PEUFGMAiyAS EH UQIIDAQAO,
580QQ. Vende-se sabenttes de ifiversos tajnanhos,
USISHAS A 200 RS. ij-Q 208 e 240 a 320 rs., todo bom,
Venda-sa iSs'inhas para vestidos, aJOO, Fraaco de banha, a 100, 320 e 400 rs..
320 e 500 rs. o covatfo Frascos.com. ag^adocolooia, a 240 e 320
ALPACAS A 640 RS. rs.. cada urn. E autros muitos extractor que
Vendn-sa alpacas do c6res com listras a OiO se vende muito barato para liqujdaa.
.mwAMem
i

Rua Prhneiro deMar$o At 7 A
Cordeirb Siitf6es E* esta uma das casas que boje pode com pri-
mazla offertce'r a'ofi Sens rrtgnezes uni varia*i*si-
e 800 rs. o covado.
GRAM0OE A 800 RS.
Veade-se gpanadiue preta com listras dfe:
cores, para vestidos, a 800 rs.
vado.
POIIBELISA JAPOJfFZA A 1*80.0.
TOALHAS A 800 RS.
VenJe-se toalhas feJpudas, a 800 rs. cada
uma. T.encos brancos, a 29000 a duzia, t
o co-! 3*000 ahainhados, fazenda que vende-se
BAVATAS PRETAS A 500 R&
Vende se gravatas pretas, a 500 rs. Man-
Vende-se uma fazenda nova com listas,
A medalha de ouco na exposic,ao de Loudres acredltam' com o nomc de poupelina jnponeza, propria tasde cores a 200rs.'
pitas machines para vestidos de senhoras, a iJ.S00 o co-| Chapeos para, haptisades de meninosfc a
'vado. Todas estasifazendassaovendidasno1 39000.
Bazar National, a" rua da Imper ariz n. 72. | BENGALAS E CHJCOTES A 800 RS.
C0RTESDF.CASSAA295 0, | Vende-se hangalas e clucoles, a 800 rs.
Vende-se cortes de cassa para vestidos, cada uma, para liquidar.
com 10.ovados, a- 2$5D0.
A 90?000
CaiVe-noB o dever de ancunciar que a cortrpanhfa dasmaobinas de-Howe de Nora-
ork, estabeleceu nesta ctdede raa do Barao da Victoria n. 28, um deposito e agenda
era!, para em Pfernambu.* c mais provinems se venderem as afamadas machines de cos-
art Ao. lowe. f staa macoinas sao jostamente apreciadas pela perfei<;to de sen trabalho,
ireeando uma agutta> mais curta com a mesma qualidade de Iinha-que qualquer outra,
*la mtroduc^ao dos m*i* *perfeioados apparelhos, estamos actualmente babilitados a
Mn&if-itP etame pttWfeo a melhores macbinas do mundo.
As, tiaiitfrg,tns destas macftinas sao as seguifdes:
fHaaUfc-0 publico saiusqi!* ellas sao duradouraa, para isto prova iucontestavei, a
vcomstancia de nunca terem Buoarecido no mercado raachinas d Howe em segun-
Seganda.Cr. u&, o material preciso para reparar qualquer desurracjo.
Taecoira.rfa noila* menor fric^Io entre as diversas pec,as, e menos rapido estrago
f ae oas oatras.
Qoarta^Formam, o poato como.se f6ra feito a mao.
Ojfuala.Penaitte que se examine o trabalho de ambos os fios, o que se nio consegu
mm octras.
Sex*.Fazera. ponto miude em casemira, atravessando o fio de na a outro lado,
ipfo en segeid* sera, roodiocar-se a. tensao da linha, cozem a fazenda maia
OBF:RTA A 280 RS.
para cobertas, a 280 e
l.0 compress *fnlha ao come;&r nova costura.
Oatava.Mmtas aempanbiaB.de math in as de costura, tern, ti.lo epocas de graadexa e
eadeneta. MacoinaSiOutr'ora popuiaros, sao boje quasi- descoiihecidas, oatras soflreram
aadaJnaa radieaes-parapoderenv substituir :. entretanto a corr.panhia das machines de Howe
aoptaodo a opiniao de Elias He we, inestre em- artes meebanicas, tern constanteraonte
fmentado osen fabrico, e boje nao attende a procure, posto qne fa^a (OO machines
+r eiav
uanha livretos com instruccdes em portuguex.
do Barao da Victoria n. 2 8.
MGHIN4S PARA COSTURA
A 30^000 e 30^000.
mm pospontos
Xalojade Soares Leite Irmaos, a rua do Barao da
CH1TAS URGAS A 240 Rs.
^ende-se cbitasfrancezas, largas, de cores
fias, a 240, 300, 320 e 360 rs. o co-0
vado.
CASSAS DE CORES A 260RS.
Vende-se cassas francezas finas.de cores, ^
a 2G0, 320 e 400 rs. o covado.
SA1AS A 23000.
Vende se saias brancas com barras de c6-
res>a2200O.
CHI/LAS. PARA
Vende-se cbilas
3C0 rs. o covado.
MEIAS PARA UmiENS A G&000 A DUZIA.
Vnde-se meias cruas verdadeiras, parai
homens, a GJtOOO. a duzia, a qual val
85000.
CHALLS DE LA A 800 RS.
Vendo-se chaJcs de la, a S00 rs. cada
um.
CHITAS- FINAS A 400 RS.
Vende-se chitas Unas de campo largo, fa-
zenda muiio boa, a 4U0 rs. o covado.
CHALES. DE MERINO" A'2^00.
Vende-se chales de merin6 estampados, a>
23>, 39, 45000 e 58009.
Ditos de listras a 55000 e 05000.
BRIKS EM CORTES A 15509.
Vende-se cortes de brim de cores e pardo,,
a 15^00, para liquidar.
C0BEKTAS DE CHITA A 15600.
Vende-se cobertis dc chita, a 18600 o-
25000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 RS.
Vende-se brim pardo e de cores, para rou-
pa de homens e meuiuos, a 400 rs. o cova-
do, para liquidar.
COLXAS DE CORES A 28000.
Vende-se colxas de cores para cama, a 25,
e 48000. '
TRANSPARENTES PARA CADtrRAS'A
15500.
Vende-se transparcntes para cadeiras, a
15500, paraliquidar.
BONETS A 500 RS.
Vende-se bonets de seda para homens, a
500 rs.
ica
de todos
Victoria n. 28.
com pequeno toque,; Espelbos deraoldura dourada,
I os.tamanhos e pre^os.
PERFUMARIAS E MIUDEZAS.
oleo Onza verdadeiro,
I GRAN UL LIOjL'IDACAO DE ROLPA FEITA
Veade-se ceroulas de algodao, a 18000.
Ditas de linho, a 15600 e 22000.
Camisas de- unites finas, a 15600.
Ditas db peito de cores, a 25000,
Ditas brancas finas, a 25000, 38000 e
450OO.
Gilfcasde brim pardo e de cores, a 25000
e25500.
Ditas do caserniM de tores e prteta, a 58,
68, 18 06 e 88009.
Palit6t*deialpacas de cores, a'2feW0.
Ditos pretos, a 38B00 e-39ij00.
Ditos de cascmifa de cores, a 45 e
65000.
Ditos dftos pretos, a 58090, 65S00
85999.
Colletes de CKemira de cores, a 28, 98
48000.
Camrsas-tfelratiella, de cores, a 28O00 e
28599.
AEO0DAO A S8900.
Vende-se pecas de algodao, a 48, 58 fc
68000.
GASEMIRA DE CUR A 25500,
Veade-se *asem& de.CvTes, a 28500 o
covado.
MAUAPOUO A 38O0O.
Vtndefse- pcijas de inadapolas enfestado.
a 35000,
Dito.ingles, a MMOfc 58, 65 e 78000 a
pena*
ROTINAS A 48500.
VJiBjderse, botinas,paj-a senhpra 0 meniuos,
a 4*3,0.0, 55 e 65000.
IWas dc eufiar, a 28Q0O,
Sapatos 4e;-lapetet-. a i8500.
Ditos de tranca,.*, 15800 0 28000.
fiRATWANTE A 15600,
Vende-se bramante com, 10 palmos
largura, para leru;6es, a 18600 0 28500
metro. E oulras muitas fazendas propria
do mercado^ que se vende sem reserva, de
preco, para liquidar. at6 0 fim d corrente
por isso cdnvem aos compradores sor-
rto aW-tiawnto de fti^nifa's fitlas para jrraude toi
lerte, ebem a.f im para aso ordinario de todas as
.classes, e yor arecos vantajosos, das quaes fax um
TOhdaW ftzeriaas as raag dos pretendentes,
ffxttijiie lem- |4es90al Decesarlo, e aao amostras
mediante penhor..
Onto* do eeda da lipda* cores.
to'de'naples'de fodas as core*.
GorgtirSo Wraaea, Iko, de H?tra, pfeto, etc.
' Seu Maio, praia e a* cures.
^rueiknapte* pat to.
VelluJo prelo.
Grariadine de seda, preta e^de cores.
'' Pepfeltdas de'linJbs padrSes.
Hrted* seda, brancD a pre to.
Riaas baaqaioaa 4a Mda.
Casacos de raeriud de cores, la, etc.
Ifantas brasileiras.
Cortes ccm eambraia braoca com tindos borda-
doft.
Ricas capellas e mantas para noivas.
Uiijuijsiiro sortimeata da las com listras de
seda.
Gambraias 4e cdres.
ttitog maripozat, branrat<, lizas e bordadas.
Xaozuques da lindoe pdrOtf.-.
I3aptijias,padroe deiicados.
Percalinas de quadros, pretos e brancos, listras,
f tci, de.
Brins da lintio da cor, proprios para vestidos,
com barra e listras.
hi-:os cortes de vestido de linho, com infeites da
mesma cor, uliima moda.
Ditos de eambraia do cures.
Fostao do iiodas cures.
Saias bordadas para senhoras.
Camisas bordadas para senhoras, de linho e al-
godao.
Sortimento de luvas da verdadeira fabrica de
Jo 11 viii. para homens e senhoias.
Vestuarios para meniuus.
Dilos para baptizado.
I'.hapiios para dito.
Toathas e guardanapo? adaraascados de linho de
cor, para mesa.
Culchaa Cortioados bordadtt:.
Grjnde tortimento dc camisas de linho, lizas e
bordadas, para homens.
Meias de cores para homens, iteainos e meni-
naa.
Ditas cfcocezas.
Completo suitimento de chapeos de sol par* ho-
mens e senhoras.
\\feri6 de con-s para vestidos.
Dito prato, trancado e dito do -erao.
, Atoalluda de linho e algodao para toalhas.
Atoalbado pa- do.
T>amaco de 15.
Brins de linho, braoco de cores e preto.
Setim de Iiodas cores com listras.
Chales de merino de cures e pretos.
Ditos de casemira.
Ditos de seda preta e de cdres.
Ditos de touquim.
Caaasas de chita para homens.
Ditas de flanella.
Cereulas de linho e algodao.
Pannos de crochet para sofa, cadeiras e conso-
le.
Lencos bordados e de labjrintho.
Colcuas de crochet.
Tarlatana de todas as cores.
Ricos cortes de vestidos de tarlatana bordados
para coWes.
Kspartiihos lisos, bordados.
F ulard de seda, liddas cores.
Meiaa,.de seda para senhoras e mentnas.
RkaTfachas 66 seda e 13 para senhoras.
MM ortimebto de leques de raadreperolas e
oaM
Datnasco de seda.
Ricos chapeos e ehapelinas para senhoras, ulti-
ma moda.
Casemira oreta e de cores.
CUitas, madapolao, panno Hno preto e azul, col-
; lariufaoS) punbos de linho e algodao, gravatas, lu
1 vas de Go de Escossia, 'apetes de todos os tama
' nhos, bolsas de viagem, peilos bordados para ho
I mens, lencos de linho branco e de cores, toalhas,
guardtaapes, etc., eic._________^
Vende-se
anno,
' tirera-se de fazendas baratas, para a presen- uma mobih'a de araarello, compos
neratriz 1de euarnigao, 1 sofa, 2 consolo.-,
CHAPEOS A 25500.
Vende-se cbapdos de castor para rreninos le festa que_esti ha-porta, a ruada.Imperatrii.f
e homens, a 25500 e 35000.
!\a flmdi^ao dc Cardoso Mffltio,
a rua do Bruin ns. 160 a m
Vende-se os seguintes ob-
jectos, por precos
commodos:
VARANDAS francezas de ferro fundido-de diver-
e bonitos go.-tos.
FOGOES f/ancezes grandes e pequenos.
DITO dito para trabalhar com gaz.
BOMBAS francezas de repnxo.
BAN; OS com pes de fe. ro, com mulla e sem
ella.
PES de ferro para mesa.
JARROS de ferro para jardim, grandes e pe?ue
nas.
MACHINAS pan gelar agua e fazer gelo ; gelam
agna em 10 mhuitof lzem gelo em
Lavai de
. 2O0i r.
Aiotoaduras para collete, grande sorti-
ento a 120 rs.
Caiia de linha de marca, a 200 rs. Frasco com
Lamparinas a gaz, dando uma lux muito 15000.
-a, a 18000. Jdem com tonico de Kemp, verdadeiro, a
Duzia de pecas de cordao imperial, a 15000.
uO rs. Garrafade agua florida verdadeira a 15200
Oaiia de botoea de osso para calga, a Garrafa d'agua japoneza, a 18000.
?00'rs. Idem idem divina, a 18000.
Duzia de carreteis de linha, 200 jardas, a j Idem idem Magdale.na (novidade) a
*00 rs. 18200.
idem idem 60 jardas, a 240 rs. Caixa de p6s para dentes, a 200 rs.
slaco de fita chineza, a 800 rs. Idem idem de p6s chinez, muito bom, a
Caixa de linha oom 40 novellos, a 500 rs. 500 rs. e 18000.
Meios aderegos com camafeu, a 500 rs. Pote comopiata de Rieger, Rimel e Gros-
larrafa detinta roxa extra-fina-a 18000 nel, 18000.
Potes com ditd. ingleza, pretak a 100 e Duzia de sabonetes de amehdoa, a
<60rs. 88600.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a Duzia de sabonetes de anjinho transparen- Borracha DUPcl HniclS
18000. tes, a 28200.
Idem idem, a 400 rs. Idem idem com (lores, a 15500.
Caixa de enveloppes tarjados, a 500 rs. Sabonetes Glycerino transparentes, a
Idem idem forrados, a 700 rs. 18000.
Caixa depapel amisade, beira dourada, Caixa com sabonetes, formato de fructas,
800 rs. a 18000 e 18500.
Idem idem idem lisa, a 600 rs. Cosmeticos, graudes e pequenos, a 100 e
Duzia detalheres cabc branco, 2 B., a 800 rs.
68000 Frasco com agua de colagne, a 200, 326,
Resma de papel pautado, a 48000 500 rs. e 1#000.
Extractos muito finos dos melhores au-
tores.
Lindas e elegantes caixinhas com perfuma-
rias, proprias para presentes,. do's autores
E. Codray, Rieger, Ge\U Freres,etc.
Quadros com santos e estampas separa-
das.
I Entromeios e babados transparentes e ta-
Fifcrde vellodo de todas as cores elargu- pados.
ar. [ Uma grande taboleta propria para qual-
Slicroacepioa com 12 vistas,|a 65000. quer loja.
Frasco com oieo para mackinaa 400' n. 72. Bazir Nacional.
Yende-se
por muito cnnimodo preco excellentea (errenos
nos seguinies lugares : ua Torre, a maigem do rio
Capibaribe e perto da estayao do Ci.midho de fer-
ne ; na estrada de Bcbcrihe, a margem do rio e
oorto-da estacdo do caminho de ferro, na estrada
nrva de Be he ri be, tainbem-perto da estacao : a
patar com Joao Feitosa, na rua estreita de Rosario
ntiera 23.
osta de 12 cadeiras
i mesa redonda,
e tamnem l lavaiono e 1 mesa do jantar de jaca-
randa, tudo em perfeito estado : a ver no p; leo da
Paz, em Afogados, loja de marcineiro do Sr. JoSo
Correia, que indicant qnem vende.
X' ram do Cabana n. 1 A.
Oe proprletario* ^a Kreditecu, mi IsMiiito M
conservar o bom concetto que ice in omsmk** do
respeitavd puWico, disliuguinJo o sou eaut"'le<:i-
mento dos mais qua neguciam no niwiiio genero,
veem sciemincar aos- seus bons frrguesM que pra-
veniram aos sens correspondents* ins diversa par-
cas d'Europa para Ihes eeviaretn p ir tlcs o* pa-
quetes os objectot de luxo e boai awtn, qoo se-
jam mais bem aceilos pela* sociedaiios elegaates
daquelles paies, visto aproxiniar se o tempo 4e
fe.-ta, em que o bello sexo desta linda Veneza
mais ostcnta a riqueza de s-r.-is toilh-Hc* ; e co-
mo ja recebecaem pete paquote franrez diverso
artigos da ultima moda, veem paUnlear asfuas
d'enlre elles que se tornam mais recummeridawis.
esperando do respeitavel publico a cr.s'ntna'.*
concurreneia.
Aderacos da tarlaruga os mais Undo* qt.e arera
vindo so mercado.
Albuns com ricas capas de madreperula a da
velludo, sendu diversos tamanhos e baratos pre-
cos.
Aderecos eompletos de borraeha pr. pr < para
lcto, tambem se vendem meios adereros muito bo-
nitos.
BotSes de setim prelo e de cores para i-rnato de
vestidos de sechora ; taaibtm tcm para collete e
palitot
Bolsas para senhoras, cxista urn bello sMlioaaav
to de seaa, de palha, de chagrim. etc., etc, per
barato preco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de lou;a
como de cera, de borraeha e de massa ; cha ca-
ntos a attencio das Exmas. Sras. para este artigo,
pots as veies tornam->e as criancas ura ponc im-
pertinentes por falta de um obiecto i;ue as en-
treWnham.
Camtsas de linho lisaa e com [.oitna brirdados
para homem, vendem >e por prcci> comm^do.
Ceroulai de linho e de algodar, de Uiverscs pre-
cos.
Caixinhas com musica, o que ha de mais Kado,
com disticos nas taiu;as e proprios para arena-
tes.
Coques os mais modernos e de diversos fom.i-
tos.
Chapeos para senhora. Recebcram um sortimet'."
da ultima moda, tanto para souh< ra, como para
meninas.
Capellas simples e com veo para noivas.
Caieaa bordadas para ntcciaas.
Emremeios eatampados e bordados, de \.<1 t
desenhos.
Ejcovas electricas para dentes, tcm a proprie-
dade de evitar a car ic dj; dentes.
Franjas de seda pretas e de wires, exi-te um
grande sortimento de divert-as largtttas e barato
preco.
Fitas de sarja, de gorgurao, de selim e de era-
malute, de diversas laigtiras e Ih-uilas cores.
Pachas de gorgurao muito Iiodas.
Flores artiliciacs. A Predile. Ut prima em coa-
servar sentpre um bello e grande sortimeulo des-
tas do es, nao so para enfeite dos c.b^ llos, como
tambem para ornato dc ve?tidr> de nr.ivas.
Galues de algodao, de la e de seJa, brancos. pre-
tos e de diversas cores.
Gravatas de sida para homem e ttoaeraa.
Lagos de eambraia e de seda de diversas ores
para senhora
Ligas de seda de cures e brancas bordadas para
noiva.
Livros para ouvir mi;sa, ccm capas de madre-
perula, martini, 6s-o e velludo, t-.vlo qne ha de
bom.
Pcntes de tairarnga e marfim para aitsar 0: ca-
bal os ; teem tambem para tin r caapa*.
Port bouquet. Um bello sqrljtntntn de Tiadre-
perola, marlim, osso e doorados per barato |*f*fo.
Perfumarias. Xeste artigo e>la a Prediiecta Itnt
provida, nfio so ent extractcs, roaa en Jeoa
banhas dos nic-lhores odores, dos mais afaaaatV s
fabricantes, Loubin, Pi ver, Rttciedade lljgienira.
Coudray, Gosnel e liiroel ; sao indi>pensaveis para
a festa.
Saias bordadas para senltora, por craa d<
preco.
Sapatinhos de la e de selim bordados .pur:, t si
tisados.
Tapetes. Receheu a Predili-cta um boato s'rt:-
mento de diveraae lamanhos, tanto para iaiaeu.
mo para enlrada tie saias.
Vesttmcntas pat'a,b:lis;idoo r;ne hi de mi i r
gosto e os mais moQefBOS. serebeu a Predili 'a
vende pur barslo prate, para iicar au tk
qualquer bulsa.
Rua do Cabujra n. 1
Vendo-sc .lulls bOOS prclua lit- M a .:
nos, proprios para agrieahwra, padtria on r.'fa -
cao, nor sercm mniw ttaballiauures a fanes i i
rua de Hurl as o. 96.
eW800.
Idem idemliso, a25800, 3^800e 5JJ00O.
Goques modernos, a 35000.
Duaias de.pec.as de trancias de caraool
aranca, a 490 rs.
Idem idem Lisas, a 200 rs.
Leques de osso e sandalo, a 25000, 4H
mm-
Una do Barao da Victoria n. 28,
Borraeha para liraas
Borraeha para limas
Da mais nova e superior qualidade vendem;:
iJuTllir.liiBiOu k t
34-Rua Larga do Rbsarlb34
Macbinas para fazer limas
Machmas para fazer lrmft&
Machinas para fazer lima
Vendem :
Builli lo:im & C.
34Rua Larga do ftpgartft-js 1
Chapeos de sol a 79606
Com 12 asles e boa seda, e cabas de madeira
E' muito barato : na rua da Imperalriz n. 16, loja
da Rosa Branca.
JORNAL
Assignatura-t874
DAS FAMil.lAS
tiaooo
ro
LIMtARIA
Eatresa-se o mjmero de Janeiro.
FlfANGEZA.


mias'cfe
___k.
ftaifr p(M*iiteltt a 200 rs oj
tmi*.
Oasa 13, padrtSes ndvosl e de' mais gosto qxre.
rvtodo ao mercado, so na rua do Queimado
*3, lojaide Goarra & Femancais, pelo diminu-
precp da iOQ ra o covat) ls ,,
'Jiegaem fregnetes qftg se acaba
Farinha de araruta
vende-se superibr rarlriha de nrarut*. tanto em
ooTcSescomo a relalho, par paeno que- admira,
vjsto sna qnalidade ; depositos nos seguintes lu-
cares: rua do Vigario n. 26, rua do Amnrim n.
58, e travessa da rua das CruWs n. i, a 300 rs. a
libra a retalho.
YENDE-SE
ama easa na villa de Barreiros, na rua do Com-
ajeTdo, nor preco medico: a tratar com Tasso
^maostC
Os verdadeiros
Vinhos de Fourgogne
das' marcas
Chambertin
Pommard
Virits
Volnay
Beanne
Monthelie
Dito Bordeaux em quarto 11 as.
Yende-se por barato preco
PARA LIQUIDAQiO DE CONTAS
, NA
Baa Larga do Rosario 34.
Botica.
Nat ha dims
teavcos.
JAPO
Sde unicaapproVada pe^as
sciencias, reconliecida supe'rior'a'ioda: quie
tem apparecldb atfi lioje; DfetesWJ'princi-
pal a rua da Cadeia do Recife', Koje'.'lWi|-'
quez de Olinda", nt 51, t.*' imdaV', 6 ey
todas as boticas e caSai1 de riaUIUei-'
Boa ui^m
Vende-se ou permuta-se pbrescravos u*)l
casa comtfuida de novo, tendo duass.la sa
seis quartos',, com gabincte, sala de en-
gommar, cozinba-fora, quartos para familia,
cacimba com boa agua de beber e um sitio
bem arborisado ; do alto da Torre : a tratar
nesta typographia.
GAZETA JUftlDICA
Assignatura- 1874-
24/000
Vende-se a colleccao de IM3 por 16000-
._______LLVBABIA .FRACKZA.
Baratissimo
rLaaztnhas com listras estampadas pelo diminuto
eC6'de'400Vs. oaovaflo.
DttaS'cotB listras assBtmaidas- a;l#00O! o- co-
vado.
Grauadinas pretas com listras da cores a 500 re.
o covado.
. Metins trancjadefs proprios para vestido, a 380 W
o eovaab:
- Alpacas de quadrop, proprias para vestidos, a
440 rs. i epvado,
Brim branco, lona, para calcas a 1/500 a vart.
Dito trancado a U600 a vara.
Dito fle core*/HifHa ptflo, a'-lHOOl vara.
Chapi
PecWrichti
apeos de sol de seda, cabo de canna, a
20 da rua
u isto ludo =6
1 bo-rtas. aa-
Hrrae* &' C:
do Crespb,
ir
Caraaval
>> lfceriia parfti enflheiohsaasda horrarha, de
diverse* tamanhos e. fciiios,, enehenao mil; lunaa
nnr hnra : UniCO dflpnitn*.n nftim'aris arriflrteA-
Ferreira Maia
^i*#~
^^''^^?M&ffS&
Tvfavffoefnto-
Amaral Nabaco k C. vendem' tint orlsahne
LotJoBTepeuteiipaca- tiagir da piletes.paaaHos
4nataa-qwtecA !Se,maia utilj-ppi,
no modo de emprega-lo, como no reswlaad qne
seobtem. Cha verde e prerd' tfhVga!d u1tlfSa*n6
tW.'e'fumo* ingtea e franoez, pttfa cigT0-te ca-
ehimboa : vendem- no Basar Victoria, rua da Ba-
Borraeha
para limas.
Recebeu ullimamentc a pharmacia Torres, da
melhor qualidade, e vende por preco mui com-
modo : na ma Direita n. 135._______________
Vende-se
uma parte do sitio Craveiros, em Beberibe de
baixo, ja cercada, com 900 palmos de frente e 900
de fundo. e duas casas de pedra e cal, a margem
do rio, e bastante arborisadas : a tratar na rua do
Gommercio n li, escriptorio tirreo__________
Novas popelinas a 1^400 rs.
o covado.
Ao gosto da cpocha.
A rosa branca vendo ricas pcpelinas de seda
de uma so cor, fazenda mederna e mais largas
do que as antigas, vale 2/000, e a rosa branca
queima a a 1/400 o covado ; assim como, tam-
nem tem-a fazenda propria para as enfeitar. Man-
date levar nas casas a rua da Imperatriz n. 56,
loja da rosa branca.
Veos pretos a
A' rosa branca tem snperiores veos de 616 de
seda e vende pelo baratissimo preco de 4/ : na
rua da-Irapt-ratriz n. 56, loja da rosa branca.
Brim branco trancado
fiho; que val 2/000, por i *280 I a vara a qua-
tro pataca? r"! s6 na Rosa Branca, rua da Impe-
ratriz n. 56.
Brim pardo fino a 500 rs-. o
covado.
por estar com toque de njofo : na loja da Rosa
Branca, rua da Imperatriz n. 56..
Lasescuras a 240 rs. o co-
vadb
E* faietida tapada e bda para vestfdos.
CAMWA!A DE COR A IWflS.
0 COVABO.
Isto e grande pechincha na loja da-Rcsa Bran-
ca, rua da ?mneratriz n. 56,.
Chales baratos
oVllstrs*, molto- bonitas, po2/ ; esta pachinchi
e na ResatBraBca, rua da imperatriz n. 06.
JtWa euiHiaraes A'f.
Pl^gA. DO GORPO. SANXO. H. I.
, IJaam-. para vender em sen escriptorio 0 se-
as MAIS de FAMILIA
Para combater a fraqucia das cnan^ai, deacaroUer
taas for^as e favorcct-r ten cretdsBtnto, os pr!arlr>a
Medico* de ParU, os S" MOtftaUU. Aa>l iLirM
Aa>RAL. UIIR T rOlOIIIS. MORKr, Mr Bra-
bras da Academitide medlcfna da Futna^a. rcccitam, coar.
0 me!)ior rcsultado, o rerdadtiro racauoit dos air.tBSp
de dki A\cftEsiE. ma Richelieu. W.am Paria. tt
4jrdvtfl uliiuento unlcamcDte coropo.sto de si:bt.insia*
Tcr;acs as roalsnutritiraa e reconstitolnte*. ij^allia-se
na c'ouoiaia intelra; e por anas ptopriad-dca an-lest-
ik- *, mcDiora a composlcio do leite dos Scnl.oa* qa
ain.n: < ura e aYira aa forcaa lancutdas 4a ctom gtt
'.CnuUUi contra au falsifier $q t,) Dapoailoa nas
pliuimuc.as acredltartas do Ur-./i!.
1
rn:i iha
Chitas a 240 rs. 0 covado.
A 240 rs 0 covado.
A 240 rs. 0 covado.
So na rua Dnque de Caxias n. 60 A, lofa 4a
esquina.
1 ao da Victoria n. 2.
vender em seu
odo,. nao ao! guihie
Vellas e bugias de cera, de Lisboa.
Vwtro Ufto dri Porto, em caixaa.-
Dito-Carcavellos e seeot), em ditas.
Ferragens do Porto.

_____
Fara acabar I
Ricos chapeos para senhora : s6 na rua Duqne
de Gaxias n. 60'A loja da esquina._______-
Vende-se
a tavernasitaa rua do Rangei u. 5, bem afregue-
sada, tanti para' apracaeomo para 0 nUrto
traur na roav'itt Prara 16I.
Lindo ohfariz;
VendVse por pr> go barato um rico chafariz
d* marmere jiroprio para jardim, 0 qual se acha
armadd na orRcina de marmore do Sr. Lima, a
rua do Imperador para quern 0
tratar na rua do Crespo, loja d
arco de Santo Antonio._____________
Vende-se quatro bois muito gordos e bo-
nitos ; assim com., quatro carros de alfandega
em bom estado e por preco commodo : a ver e
tratar no caes do Ramos a. SO.
FUNDA ELECTRC-MEDICAL
nrhscto ra.ivn.EiMM p3is mms
P* can UCDNIIO dodontre MAMIE
radical Ou riammjMO lmao.indto Urn
44, rudel'Abre-Sec, Paris, Vai accoMp
hada da uma noticia.
DepoaltoePrh MA8SA nvtoku. XAROPE
aa NAFfi de DELANGRENIER
Parist 9S, ra* Riciauea.
aitaWa, eotMh^V (IMH t.....Hi), f -
ae> VI wllai, initatn ia fJ* *
dm ?^t..U. (OouUf- ~
afra). Drpoiilot du pha
IHaaaado
quiz'er ver :
Passo jnnto
VINd: QUINQUINA
FERRUGINEUXdeMOlTIEfi
n alia 0 P>r.i*M|>kat* *
m. KtU viiho foi stiiubIiiSi boc Ma
on Ma'cal coma aaado mak f4f
a*yrlMi*t* Ob
rapraou aiaaical coma aeado a Bats aaaaraaa I
toDice atpragada para earar Cam 11 saw,
A.mmu Euairmcrt ao a.
Deposito garaj ea P4. 14. ra* btriia, BAareaMel. pharmaceattoe.
Penutmbmn, A. REGORD, ass priad-
| paaa pharmaciM.


J.


8
DUrio de Pernambuoo Segunda feira 26 de Janeiro de 197

. <


A RESPEITO DO NEGOCIO DO MARECHAL BAZAINE
EX-COMJUNDAXTt EM CHEFE DO EXERCITO
DO MEMO.
AUDtESCt* OS II DE OffTUBRO.
(Continuacuo)
1\Foi o coronel que.0 prevenio o ma-
rechal a respeito da penuria de munigdes
que existia em muitos corpos do exercito ?
R.Sd o preveni de uma unica cousa, a
saber : que o consumo poJia ser calculado
n'nra quarto ou n'um tcrgo das munigdes
do exercito.
P.Fostes mandado pelo general Soleil
le, on chamado pelo marechal?
R.Fui mandado pelo geueral Soleille
espontanearaente.
P. Sabois se o 69 corpo, em consequen-
cia da sua posig8o, so poJeria ter municiado
facilmento d 1 resorva geral d'artilbaria ?
R.0 6. corpo foi obrigado a municiar-
sa de novo no parque da reservada guarua;
a reserva geral nlo tiaba o que se pole
cbamar provisoes da reserva.
P. Tinheis tido conbecimento de uma
f aria dirigida pelo general Soleille ao geue-
ral Coflinieres, para reclamar delle as pegas
que tinha provisoriamente posto & sua dis-
posigSo
R.N'ao live conbecimento.
Oescrivlofez a leitura dessa carta, em
que sa trata igualmente das pontes do Mo
selle.
Ha de tratar-so de novo deste documen-
ts disso o nresifeute.
P.Tendes algumas explicagdes a forno-
ctr aocollielbo, a respeito das ordeus da-
das a 16 e 17?
R.Nao p.)derei dar senSo sxplicagdes
sumroarias, porque nSo live conbecimento
da execugao dessas ordens.
P.Tiobois tido conhecimenlo de uma
nota das munigdes reunidas em Verdun ;
nota transmittida daqnella cidade ao gene-
ra! Soleille ?
R.Nao consorvo disso a mcnor recor-
dacSo.
0 coronel Vasse-Sainte Ouen deu a mes-
ma resposta a mais algumas perguntas.
P;Os provimentos estavam feitos no dia
R.y&o se puderam fazer em parte se
nao a 18.
p.Tinheis fornecido algumas inffica-
gdes para a nota redigida pelo general So-
loille, e transmittida pelo marechal Bazai
ne ao imperador?
K.Nio me lembro de ter sido consulta-
do pelo general Soleille.
Tinheis fallado do emprego das baterias
durante a batalha de 18?
R.Foi em presenga de uma ordem do
general Soleille que eu rrnndei ao 6* corpo
duas baterias de 12, e seis caixoes de muni-
gdes.
P. Lembrai vos da hora d'esssa remes-
sa? .
R.Eram, pouco ais ou menos, tres
horas da tarde.
p,Quantas baterias estavam empeaha-
das no com bate?
R,Quatro baterias de 12.
P.Quantas ficavam disponiveis?
R.Ficavam quatro de 12, e seis bate-
rias a cavallo.
0 general de C/iaoaud-LatojirDissostes
CjUenaohavieisrecebido informacdes officiaes
a respeito do consumo do exercitose nao no dia
17 pela manha. Queria perguntar-vos se
?; vossas informagoos concordavam com as
R.Essas inforraagdes eram quasi confor-
nies; o consumo tinha-se elevado ao terco,
on aiquarto da reserva geral.
p.sQuereria saber a quo horas cbega-
rara a Saint-Privat o.s 2* caixdes conduzidos
pelo coronel Abrahlo, e mandados em auxi-
lio do 6" corpo ?
R._Foi pelas sete boras que partiram de
l'iappeville ; n3o poderei precisar a hora da

o lado VHBN se marechal, e in- dia 7, a um a&tudo espontaneo
clinou-Ww SWBpRrw retirada, mas nlo recebetnos
A 13 o marechal Cwrobert, qua eu en- den esse respeito.
coutrei, parbl e disse-lue : a Seri, pois* Presidente. -Sendo o vosso trabalho pu-
pqjeiiel que o eatado inaior general tenha ramente officioso e preparatorio
indicado uma unica estrada para o exerci- elle valor. "Matt 4fifH0%s""
to? Coofesso que esta censure nn to- trabalho escripto a i speito
cou, eu que tinba escolhido com o maior imrxrtant^q]PA~mque
cui lad>, as offi :iaes para aquelle corpo dis- d'elle ?
tincto". Tomei as minhas inform igdes, e R.0 general Coflinieres
soube que o general em chefe $e oio tinha mente um trabalho escripto. Tudo
de maneira nenhuma dirigido ao estado diz respeito dspjntes, foi feito por elle i
maior general para dar aquellas ordens. Tu- fui estranlio a tuJo.
do quahtose praticou no dia 13 foi erdena- 0 general Poui'cel, cp-iimissario do go-
do indep-ndente dos preparative* feitos pelo terno. Nao se trata de pergunta a fazer ;
grande --stado maior, cujas funcjdes acaba- declare s6raente que o commando foi trans
vam de cessar. j raittido sem a menor especie de esclareci-
P N4o Julgais que o caidado das ope- merilos"
ragdos incumbia ao njvo estado maior? Mr. Lachaui.O general Lebrun nSo
R. A primeira parte. isto e*. os estudos, vio uma ordem, com data de 13 de agosto,
incumbia ao grande estado maior; so a exe- sobre a direcgSo das tropas ?
cuqSo Qcava ao novo estado mahr. 0 mo-' R.Nao vi essa oWem. Sei sdmente c-i
vitnento s6 foi combinado para o dia 12. 0 que disse, e o que repito, a propnito doma-
general Coffiaieres, que tinha continuado a rechal Cmrobert; como e que o estado
permanecer em Metz, eeonhecia perfeitamen-'maior ni) indicou um caminho para toJo o
tea nracjt. fi?t(iva fisrw.ialmpntp nnr.xrrMrtt- exercito?
Mr. Z,ac/flud.Existeuma ordem de 13
de agosto, que indica tolas as direccfles para
Nio tenhais receio dos
sua chegada a Saint-Privat.
0 general Pourcet.A lestemunha tinha
}:rimeiramente dito no sou depoimento que
o consumo se elevava ao tergo ou a metade,
mas agora diz que era do terco ou do quar-
to ;seria importanle conbecer a parcella ver-
dadeira.
R.Nao posso deixar de confirmar o
mou depoimento por isso que, n'aquella
epochs, a minha mem ;ria devia ser mais
fiel.
Mr. Lachaui.Do ponto em aue se ti-
nha collocado o general Soleille, depois do
seu ferimento, podia elle dar conta da inten-
si R.Sem duviJa, por isso que continuou
u iar ordens, e a mandar muniroes.
Chegada d barra, e dopois de ter sauda-
doo conselho, a testemunha voltou-se para
to a praga, estava .especialmente encarrega
do, conforms os pianos elaboralos no gran-
de estado maior, da conslruccdo das pon-
ies. -
P.A construcgSo das pontes podia ser
confhda ao general CoSinieres; mas nSo
julgais que a collocagao das pontes pertencia
esseuciabnente ao estido maior?
R.Sim; na minba oppiniio, penso
que o grande estado maior podia talvez io-
tervir, mas nao se dirigio ao general Cofli-
nieres.
P. Dai-nos informagOes sobre a manei-
ra porque for im trsnsmittidos os despachos,
onde chegaram e por quem foram transmit-
tidos.
Presidente, para precisar a sua pergunta,
citou alguns despachos de 12, e especial-
mente odespacho do imperador ao marechal
B izaine, 3 horas e 46 minutos, em que an-
nunciava a marcha sobre Metz de um cor-
po de bavaros, e ordenando que se concen-
trasse sobre Paris.
General Lebrun. Esse lelegramma ^-me
couipletamente desconhecido.
Mr. Lachaud. Todavia, alguem respon
deu a esse telegramma ; tomos a resposta. A
testemunha poderia dizer-nos quem respon-
deu ?
R.N8o sei absolutamente nada.
Mr. Lachaud.Vo\s bem a resposta e do
major general ; o que prova que a respon-
sabilidade das ordens. que devem tef sido
dadas entao, nSo importam ao marechal
Bazaine, m3S sim ao primeiro estado maior
general.
Fcz-se a leitura de outra ordem dirigida
ao genoral de Failly, para que modificasse a
sua linha de retirada.
0 Marechal Bazaine perguntou que offi-
cialevou aquella ordem cuja transmissao es-
tava eoofiaoa ao general Jarras.
Testemunha. Conservo d'isso um teste-
munbo vago.
Presidente.Fag a-vos estas perguntas pa-
ra precisar bem o momento em que a res-
ponsabilidade comega incumbir ao marechal
Bazaine. As recordagOes do general Lebrun
sao confusas a respeito de quasi todos os
pontos ; masjulgo positivameote, que, ate"
i noite de 12 para 13 o marechal Bazaine,
ainda quo investido no commando em chefe,
n8o exercia ainda real mente esse oamman-
do.
0 presidente fez a leitura de dous despa-
chos, dos quaes resulta que, ji no dia 12,
chega ii ordens ao estado maior do mare-
chal Bazaine, estado maior do 3 corpo, mas
que 8S tinham guaidado alii, deixando de
as dirigir ao estado maior general, que con-
servava ainda a responsabilidade da sua exe-
cugSo.
P.Ha um ponto que eu desejava il-
lucidar. Tinha o estado maior indicado a
estrada de Briey, entre as estradas de reti-
rada?
r.__0 general Jarras e eu, tinhamos
occupado especialmente de duas estradas ;
a estrada roal pri neiramente e a estrada que
passa por debaixo do forte de Plappeyitle ;
mas quanto & estrada de Briey, considera-
mos quo nao podia ser utilisada senao no
caso de sermos obriga'dos a retirar para o
norte.
P.Tambem se nao ponsou na estra-
da de Woippy para ganhar a estrada de
Belly ?
R. Olhavamos unicamente para as estra-
das reaes.
0 general de Chabawl Latour.Es-
se estudo que acabaies de fazer das estra-
das em communicagao, foram por v6s apre-
sentados ao imperador, depois ao marechal
Bazaine, quando elle tomou o comman-
do?
H.Nunca se fez trabalho escripto. 0
general Jarras e eu, dedicamo-nos, desde o
FQLHETIM,
LUIEEIIA B333IA
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
>. Uanoel Fernandezy Gonzalez
S E G C NDA PARTE
SAVONAROLA.
XVII
SAVONAROLA.
(ConlinuagSo do n. 18)
Acreditou que nao peccava respeitando o
dogma, e, comtudo, pretendeu offende-lo
atacando a constiluigao da igreja. Ou catho-
lic .hi nio catholicos, deotro do catho
1; mi cabem todas as formas sociaes nas
q- p? esteja representado o principio da
ii rali .ade e dajustiga; por issoo catho-
ticis.. e universaHdade ; n8o ataca, como
alsun; equivoc damente creem, a liberdade
huajana, protege-a ; porque um dos gran-
ges principios do catbolicismo e" a liberda-
de ; porque o catholicismo pereceria se n8o
podesse caminhar sem modificar-se, sem
'alterar-se, sostcntado serapre pelos seus
principios immutaveis, pelos seus principios
universaes, com o progresso da humani-
dade em todas as snas situagSes, em todas
assuas man'.festagoes possiveis. 0 catho-
licismo 6, pois, matacavel, porque, repeti-
ILOS, nao se oppoe a cousa alguma, senao
as que e immoral e injasto, e ie se abusa
d: catholicismo, peior para os que abusam,
porque cahirSo envoltos no seu erro sob o
iLveduivel da eterna verdade.
0 i atbolicisrao, pela sua propria fcssen-
cia, '! invulneravel.
todos os corpos
0 presidente mandou fazer a lehura da
ordem designada pela defeza.
t Borny, li de agosto, as 12 h. e 30 m.
da tarde.
0 4 e o 3* seguirio pela estrada de Con-
flans ; o T e 6 6 corpo, a estrada de Ver-
dun ; a guarda seguira essa mesma estrada
com a reserva do general Canu.
Presidente.Esta ordem falla de doas es-
tradas, duas ate Gravelotter mas uma onica
a partir d aquelle ponto.
O marechal Bazaine.Tiahti indi'cado a
linha geral, mas- os corpos do exercito po-
diam seguir outras estradas.
Presidente. Senhor mareebal, podefe re-
tirar-vos.
Sr. Jo.nncs, engenheiro, idade 73 anoos-,
residente em Metz : depois que lbe tinha
parecido extraordinario que depoz da pas-
sagem do Moselle pelo exercito francez, no
nhuma ordem se tivesse dado para fizer
sal tar as pontes. Ten Jo telegrapbado im-
rr.ediatamcute para o quartel general, limi
taram-se a responder-lbe que se tinha
comprebendido o seu pedido.
0 general Pourceet. Dissestes np
vosso primeiro depoimento, que bavieis pre-
venido muitos ofUciaes do perigo que havia
de deixar as pontes adisposigao do inimigo.
Lembrai-vos dos nomes desses officiaes ?
R. Nao, senhor j lembro-me apenas que
telegraphei a li para o quartet-general.
Depoimento do Sr. Renault, empregado no
caminho de ferro.
O Sr. Renault.En cbefe da gare de
Noveant. A 12, recebemos um despacbo
annunciando que os prussianos se tinham
apresentado em I'ont-a-Mousson. A's o
horas, veio o general Margarine a Noverant.
0 general parguntou pelo chefe da gare.
Colocou os cagadores para guardar a ponte,
e partio sobre Pont-d-Mdussoa. Immedia-
ta mente depois da sua partida cbegou um
despacbo de Metz: Fazei regressar o
general Margaritte, por ordem do impera-
dor. 0 general voitou & roeia noite. A
13, achavam-se do outro lado da ponte os
atiradores prussianos. A- 14 atravessaram
os prussianos a ponte de Noveant, e destrui-
ram os fios do telegrapho.
P.Pedistes que a ponte de Noveant
fosse occupada ?
R Nao pedi nada a semelhaate respei-
to ; mas a 14 pedi que se hngasse fogo a
gare. Telegraphei para Metz para informar
da passagem dos prussianos ; reiponderam-
me esta unica palavra, a comprehtndi-
do.
P.Tivestes conbecimento deumdespa-
cho mandado palo Sr. Jannes pedindo para
fazer saltar a ponte de Noveant?
R.Ouvi fallar delle, mas nSo tive com-
municagao official nessa occasiao.
A testemunha comegou por certas expli
cago^s sobre a ordem formal de se reurar
para Metz, dada a 12 ao general Margaritte.
Depois tratando da questao em que era es-
pecialmente chamado a depdr, continuou :
A 13 vimos os primeiros atiradores
prussianos De repente os habitantes da
localidade dirigiram-se ao chefe da gare, e
ditYerentes despachos foram dirigidos ao
quartel-general; ao marechal Bazaine, e
ao proprio imperador. A maior parte des-
ses despachos ficaram sem resposta. A al-
guns responJeu-me de uma maneira muito
succinta, como por exemplo obrigado.
P.Que podieis v6s?
R.Que se flzesse saltar a ponte de No-
vdant. Ao mesmo tempo apontavamos o
perigo. A resposta que se deu ao ultimo
despacbo fez-nos desesperar.
P.Que dizia essa resposta ?
qoe a bra essa resposta ?
R.Nunca soubemos. A testemunha
rescentou, que, durante os combatas de
15 e mesmo 16, o caminho de Thion-
stantemente livre, e que era
i qado mimigaso mostras
r um grande numero de habitantes do
, qner a pe*. quer em carruagem.
)'general Pourcet.Desejaria saber da
jtemunha se eonhejia o nome do erApre-
gado do telegrapho, com o qnal se corres-
pondia em Metz?
R.Esoempregado nSo assigrrata as
suas respostas. Nao conhego o nome de
empregado da gare de Noveant, pelo qual
os despachos eram transmittidos.
0 general Pourcet.Nao 4 o nome desse
ultimo empregado qoe eu queria saber.
Presidente. Tivestes tido algumas infor-
magdes a respeito das operagdes do inimigo
para a passagem do rio, e a respeito da for
ga do sen effectivo ?
R. 0 inimigo fez langar duas nov s pon
tes sobre o Moselle, ao lado da ponte de
Noveant Quanto a sua posigao, posso di-
zer que era critics, por isso que recebi era
minba casa dous officiaes prussianos ferilos
que me disseram : Estamos n'um passo
mdo; so os francezes executam algum mo
vimento offensivo, estamos perdidos
Mr. Lachaud. -A que boras, a 13, os
despachos de que falla a testemunha, fo-
ram expedidos?
R.Fui informado da presenga do ini-
migo na manha de 13, pelas onze boras.
Informamos o quartet-general, o marechal
Bazaine co imperador pela tarde. A res-
posta su omaria a que ea me referi nao
chegou senao a noite.
Mr. Lachaud0 marechal Bazaine de-
seja saber se a testemunha ja sabia a 13.
que elle tioha sido chamado ao command*)
em chefe.
R.Sabia-o por isso que lbe tinha diri-
gido urn despacbo, em que dizia : ao ma-
rechal Bazaine-, general em chefe.
Testemunha. A ponte do' caminho de
ferro tinha dous- arcos destruilos. A 3 de
setembro, o marechal Bazine mandou-me
ehamar ao quartel-general para me pergun-
tar o que se pocSa fazer, e se havia algum
nteio de restabetecer a pontev O marechal
rBOstrou-tne uma carta do general Coflinie-
res, declarande cjue eram necessarias pelo
menos tres semanes, para restabelecer a
ponto. Tres semanas seria talvez verdade
para as pontes em que nao esistiam pila-
res; mas a ponte do- caminho de ferro po-
dia ser facilmente restabelecid*, nao em
tres semanas, mas-em tres dias. Proouz ao
general Coffinierecoo.trahir o eompromisso
de levantar a poote em tres dias.
Presidente. Este depoimento. ha de ser
apreciaio quando estudarmos os factos de
uma outra serie. Agora a testemunha devia
inforraar-nos a respeito da destruigSo das
pontes, ou dos projectos de. destraigao que
toruaram notavel a serie de operagdes mili-
tares de 13 a 19.
A testemunha nao tem nenhuma infor-
mac,ao a dar a este respeito; o conselho
demora-a para a ouvir a respeito de outros
pontos.
P. Dizei-nos o que sabeis- sobre a pos-
sibilidade que baveria na vossa opiniao, de
se municiarem em Courcellcs.
R. Era a 22 de agosto. Estava eu no
quartel general. Tinha visto em Metz um
grande numero de habitantes das commui.as
da direita que vinham passear A praga.
Perguntei aquelles que eu conhecia, e todos
me responderam que na > havia nenhum
obst:culo, e que se podiam atravessar as
estradas em carros.
As tropas prussianas estavam occupalas
em construir o caminho de ferro americano
para ligar a sua linha a Pont-a-Mousson
Propuz ao marechal fazer destruir todas as
pontes que tinham Qcado livres. 0 mare-
chal respondeu-me que nao era necessar.o
fazer nada, que o inimigo fazia correr o
boato de um ataque, e quo nao desejava
sen5o uma cousa que o inimigo atacasse.
Todavi o marechal, reconduzinJo-me, dizia:
N6s vamos rir com esses senhores, e estu-
daremos esta questao.
0 general Pourcet. Ninguem propoz
ir procurer vivercs e conduzil-os a Metz ?
R. Entre Erisy e Courcelles achavam-se
provisoes consideraveis e quasi abandona-
das. Era excessivamente facil, com o ma-
terial de que dispunhamos, carruagens do
caminho de ferro e carros do campo, ir
buscar aquellas provisoes. Havia alii 1,500
carros carregados de viveres e de mumgoes
de toda a especie. Tel-as-hiam recebido e
conduzido sem dar um tiro, e se tivessem
sido inquietados, nao teria sido senao no
ultimo circulo de acgao sobre Courcelles.
Se tivessemos trazido aquellos 1,500 car-
ragactod'eiisteDcted.
i neceswdade, fazendo oc-
Quando as socieJades nSo reconbegam os
grandes principios do catholicismo, quando
desobedegam aos seus sabios preceitos, te-
r3o cahido sob o envilecimento e a anarchia. J
Nao se confundam os abusos dos homens
com a eterna lei. com a lei justa, necessa-
ria e invariavel ; n8o se proteste do que
se nao pode destruir, do que ex stird sera-
pre, ainda que exista de um modo latente,.
como existe a luz, apezar de que os nossosj
olhos cegos a ndo possam ver.
N8o se incorra n'oma rebelliao impor-1
tante, porque a injustiga das obras produ-
zird o mal proprio, e, obrando com justiga,
estar se-ha completamente dentro rio cetho-1
licismo. Pordm, repetimoS, nio 6 esta nem
a occasiao nem o lugar proprio para um
t8o grave assumpto
Al6"m d'isso, temomos incorrer, sem o sa-
ber, em uma heresia. Com relagSo ao dog-
ma, para aquillo que n8o comprehendemos,
temos a fe.
E, apezar de tudo isto, e talvez que por
isto mesmo, pertencemos de todo o nosso
coragio a essa vanguarda da humanidade,
que, buscando o seu guia na sciencia, na
moralidade e na justiga, trahalba para que
chegue um dia a ser um facto a igualdade
e a fraternidade de to los os homens
Para que nos bavemos de oppor ao ca- j
tholicismo ?
Serd por ventora o catbolicismo a tyraa-
nia e a sombra ? Nao, o catbolicismo d a
luz e a liberdade. Quem se atreveri, sera
offender a Deus, a aoatbemattsar o aosso
ardente desejo de que se satisfaga a sede
Sue a humanidade tem de justiga, de igual-
ade, de liberdado e de fraternidade ?
Ah 1 c uma aspiragao magnifica, uma
grande aspiragfio. 6 q humanidade pel a senda da \irtuJecdo
martyrio.
forque razao, pois, nao bavemos de
alenla-la 1
Insultem-n'a muito -embora os que pre-
tendera desnaturalisar era proveito do seu
malvado ogoismo as cousas santas; ponham-
n'os, se p^dem, uma mordaga ; persigara-
n'os, encarcerem-n'os, assassinem-n'os, e
nos dire nos em quanto podermos fallar :
Somos verdadeiramente catholicos, alen-
tamos na alma o fogo da caridade, temos
fome e sSde de justiga, e por isso a nossa
grande aspiragdo 6 a liberdade.
Que importa se, para chegar a ella, suc;
cumbimos milbdes e milhoes, a este ou
aquelle martyrio, a esta ou aquella infa-
famia ?
Deus impelie a humanidade, leva-a d si-
tuagao denniiiva para que a destinou no
principio, e a maldade bumana sd pode
fazer martyres.
Abandonemos, porem.estas consideragoes,
que nio sao mais do que uma profissio de
fe religiosa, politica e social, que julgam s
necessarian porqua 00 lbecemos bem o terre
do que pisanos, e porque o assumpto que
tratamos d demasiado grave.
Comtudo, por muito que dissessemos dos
Borgias, muito mais tem dito. em ceoteoa-
res de iivros que estio nas maos de todos, a
bistoria. -
CoDtinuemos, pois.
Savonarola dormia, ou, para melhor di-
zer, jazia rendido, cabido em profundo le-
thargo sobre o lei to.
Sd se ouvia o seu respirar entre-
cortado, e de vez em quando o espirrar da
luz da lampada, d qual comegava a falter o
oleo.
Pouco tempo depois apagou-se.
Por cntro o silencio e a escuridao conti-
nuou ouvindo se n respiragAo de Savona-
rola.
0 sino de uma torrc bateu uma badala-
da, marcai.de uma bora.
De repeole ouvio-se um leve rumor que
partia da nart^ inferior da torri e lot cre
ros, era Uma proloi
dias; no caso de
cupar as margens do Moselle por grandes
forces, ter-se-hiam podido toraar tambem
forragens e ainda outras provisoes. 0 mo-
mento era'' opportuho; mas tarde podia tor-
nar-se impossivel. Masotrfarecbalrespon-
deu-mo : E' inutil. '
P. Tivestes uma con versa com um
antig i chefe da gare a respeito dos perigos
quo teria corrido e exercito ioiroigo, se o
exercito do Rbeno tivesse tornado resoluta-
mente a offensiva ?
R. Esse antigo chefe da gare era o ins-
pector em Remilly na occasiao do bloqueio,
N'um certo dia encontrou-me, e disse-me :
Que fazieis em Metz ba oito dias ? Es-
perava vos em Remelly. Nao havia alii
nada, absolutamente nada que vos podesse
demorar. Eu estava muito eonstrangido,
e respondi-lbe : a Se vos nao temos tornado,
acf-n lei por isso uma vela em honra do
marechal Bazaine.
0 general de Chabaud Latour. Tinheis
fallado da possibiliJa le de restabelecer a
ponte do caminho de ferro em tres dias.
Como terieis podido com os vossos materiaes
e com areia consolidar aquella obra ?
R. .Os pilares estavam entao levanta-
oos, e os entalhos podiam-se fazer de
prompto com areia e revestidos decimento.
0 marechal Bazaine. Acerca do mo-
niciamento, que na opiniao do Sr. Scbalse
teria podiJo fazer em Courcelles, devo res-
ponder que essas informagoes me n8o foram
confirmadas por outros. Teriamos ido es-
barrar, sem resulta lo.
O Sr. Boyenval. capitao de engenheirosr
domiciliado em Argel, dopoz que a 13 de
agosto. impressiooa-do pelo perigo que havia
em abaodonar ao inimigo a ponte de Ars,
foi pedir autorisagao para a fazer saltar.
Em resposta ao pedido, o general Coflinieres
determiixw-lhe que nio tocaso naquella
ponte. A 15-, o cramandante Petit fez-
lhe passar a ordem de destruir a ponte de
Longeville.
O general Pourcet, commissario do go-
verno. Recusando vos autorisagao para
fazer saltar a ponte d'Ars, o general Cofli-
nieres fez-vos presentir que aquillo- n*o era
mais do que um adiamento ?
R. Nao m<: Jeu nenhuma razao : a
sua ordem dizia : Proliibo que faga sai-
ler a ponte d'Ars.
Mr. Lachaud. 0 capitao Boyeaval,
t-enlo sido encarregado de outra missao.
penso que serd' importante fazel-a- recordar
segunda vez.
Presidente. Podeis retirar-vos ate que
vos seja enviada nova cita<;ao.
A 15 de agosto de l&TOy deu-rae ordem
ocommandante Sers para destruir a ponte
de Longeville. Perguntei-1 lie se tinha ordem
por escripto ; respondeu-me que nao tiaba
senao uma oadem-terbal. Prevent o capi-
tao Richard, e depois do termos tornado as
nossas disposigoes, encaminhamo-nos para
a ponte de Longeville : a nossa chegada
soubemos que o inimigo tinlia appacecido
do outro lado do Moselle.
Apressamo&as.nosstsoperagdes. No mo-
mento em que aeabavamos de carregar a
mina, chegou um batalhao de granadeiros,
cuja m ssao era prestar nos apoio no caso
de necessidade. Disse ao commandante que
era inutil, que a ponte ia saltar, e que se
podia retirar. Langamosfogo & mina, e a
eiptoaao teve lugar; a parte raassiga da
ponte esquerda do rio tinha desabado, e em
consequencia do desabamento de um arco,
a ponte estava aberta n'uma extensao de
30 a 35 metros. Subsistiam ainda alguns
rails. Emquanto o capitao Rochard recon-
duzia os seus carros, eu fiquei na povoa^ao
com os roeus sapadores.
Chegando proximo da norta de Frnnga,
encontrei o m^rechal Bazaine que me pedio
noticias da operagao que me havia sido
conQada. Dei Ihe eonta do tudo Inton'nou-
se das difficuldades que se encontrariam, se
depois se julgasse util estabelccer a ponte ;
respondi lha que as aguas do Moselle eram
muito baixas, equesenJoincompleta a des-
truigao da ponte, se poderia, sem grande
difficuldade, entregal-a denovo a circulagSo.
Em presenga desta indicagao, o marechal
continuou o seu caminho, e dirigio-se para
a povoagao.
A 12, devia eu fazer guardar Pont-&-
Mousson pelo corpo franco dos empregados
do caminho de ferro, o que Gz ; mas nao
tinha instrucgSo alguma e deviam perma-
necer em font-8-Mousson desde que o gene-
ral Margaritte fosse chamado a Metz.
P. Que motivo tinheis para recusardes
a autorisagao para fazer saltar a ponte d'Ars?
R Nao me lembro de ter opposto essa
recusa ; ale'm disso nao podia to mar sobre
mim a responsabiliJade de destruir aquella
ponte. Era ao general em chefe que cum-
pria dar ou recusar aquella ordem.
A 12 tinheis a missio do defender
Ponl-a-Mousson com o corpo friaeo? Nio
bavieis dito a essa tropa que devia aveo-
tualmente destruir a poote de Pont* Moua-
son ?
R. Eu nao tinha qualidade para dar
semelbante ordem, e o meu deter era aegur
as instruccoes do commandante em cbefe.
P. Tinheis c inheciraento das mensa-
gens transmhtidas a li, 13 e It de Noveant,
e dos pelidos feitos para obter autorisagao
de destruir a ponte ?
R. Nao me lembro e nlo o poderia
precisar. HjJU^
P. Quanto i ponte de Longwy, quem
deu a ordem para ser destraida ?
R. Soube da sua destruigao pela deto-
uagio.
P. Julgais que essa destruigao foi
util?
R. Julgo que se teria podido eonaern*
aquella pnnte.
P. Acerca das provisoea da praga, nao
ttnbeis recebido instrucgees para utilisar o
carros do tram como as carruageae do et-
minbo le ferro c os carros dos homens de
campo refugiados?
R. Nao recebi nenhomas instnieflfaa.
O genet al Pourcet, commissario do go-
ven to. Perguutarei ao general' Coffiaierea,
se, quando se decidio a retirada, julgou
dever lazer notar que a destruigao da ponte
era necessaria ?
R. Eu tinba em extremo o seotimento
da obedienera e do respeito qne devia ao
meu chefe, para tomar a liberdade de lbe
dizer o qoe era, ou aio necessario fazer.
O general'Pourcet. Tinha-ae concluido
um arraistrciO a 15 para-enterrar os-mortos;
desejaria saoer por que e que esse armiati-
cio foi prokmgade ate- Ms e porque ae dei-
sou assim aos prussianos tempo- para exe-
eutarem o seu movimealo ?
O general Coftinieras. Nae pdde dar
a este respeito nenhuma resposta exacta.
Presidente-. Para aSr. comiaifisario do
governo, resulta o protongado dessa armis-
tieio, de um documeoto-oflicial, ou de uma
testemunha ? .
R. Resulta do depoimento de testomu-
nhes que teem sido ouvidas.
0>general de Chabaud-Latour.Ibformou
o general Coffininidres e marechal Bazaine,
deque havia sete sahidas facilmaute acces-
siveis,. em consequencia do estabelecimento
das pont s ?
K. Era essa uma questao muito deli-
cada. Eu tinha sido encarregado de esta-
belecer as pontes, a minba missao nao ia
alem di-jso; jd' tiiw a bonra de o dixer em
conselho.
Mr. Lachaud.Queira a testemunha
dizer-nos se o marechal Bazaine foi infor-
mado do armisticio que tinha sido concluido
por vds ?
R. Nao, o-mareebal Bazaine nlo estava
em Metz, eu procedi na minba qualidade
de commandante superior da praga.
Marechal Bazaine^ Ti ve sempre a com
razao, a maior conftanca no general Cofli-
nieres, e nao tenbo senao a louvar-me da
sua intelligencia e da sua coragem.
Commandante Ser*. Tive a honra da
ver o marechal poc tres veaes, desde i3 atd
19 de agosto. A primeira vez foi a 15-pela
manha; deu-me ordem para fazer saltar a
ponte de Longeville. Transmitti essa ordem
ao engenbeiro. O marechal convidou-me
depois a acorapaobal-o. Tornei a vel-o se-
gunda vez ; e afinal no dia 16. era que me
encarregou de levar uma ordem ao general
Soleille, para que mandasse til munigoes
de Motz.
P. O que se passou estre vds e o ma-
rechal, quando o aeompauhastes a 15?
R. 0 mareebal disse-me que se esti-
vesse livre, n8o passaria o Meuse.
P. A que horas vos deu ordem para
faaer saltar a ponte He Longeville ?
R. De manhS, pelas 10 horas.
P. Fallastes de uma ordem para ir
buscar munigoes a Metz no fim da batalha
de 16 ; quem tinha dado essa ordem? Foi
o proprio marechal ?
R. Foi o marechal ; transmitti-a ao
general Soleille.que a transforms em ordem
escripta e fel-a passar ao marechal, para
que elle a assignasse Trata va de fazer
cofiduzir munigoes nos carros, que serviam
de transporte aos feridos do campo de bata-
lha para Metz.
A testemunha, interrogada sobre muitos
pontos de detalhes, nao deu resposta nenhu-
ma positiva a semelhante respeito
P. No dia 18 de agosto tinheis recor-
dagao das ordens dadas pelo que diz respei-
to a bateria do reserva e Is provisoes do 6.a
cendo ate que se determinou e deu a conhe-
cer os passos de duas pessoas subindo umas
escadas, das quaes uma parecia ser mulber
pelo rogar dos vestidos.
Os passos tornaram-se afinal completa-
mente distinctos, avangaram e cessarara
junto da porta de ferro que fechava o cala-
bougo.
Em seguida ouvio-se o ruido de uma
cbave dando volta na fechadura, e o ranger
da porta que se abria.
No calabougo penetrou uma mulher com
manto, mascara, e amplo trjo de velludo
preto, simples, sem ardono algum.
Por detraz d'elta via-se a cabega de um
homem, sombria, ignobil, pallida, a cabe-
ga do magistrado da justice, messer Piotro
Popolescbt.
Um pharol quo o magistrado trazia na
mao deixava ver envolto em uma meia tints
de sombra, o seu serablante.
0 magistrado deu & da ma o pbarol, e a
porta fechou-se
A riama collocou o pharol sobre a mesa
e avangou pno leito.
Savonarola, pallido, triste, mas tranquil
lo, meio levantado no leito. e apoiado em
uma das mlos, olhava immovel para a da-
ma mascarada, que avangava lentamente
para elle. Aquella parou d pequena dis-
tancia do leito.
Savonarola continuava mirando-a em si-
lencio e de um modo tranquillo.
A da ma mirava-o tambem profunda-
mente.
Decorrcram assim alguns instantes sem
que nenhum d'cllos fatlasse.
Acredita na rosunvigfio dos morlos,
frei Jeronjmo Suvr-'narola ? xiiss) Lucrecia,
porqu.G era clU, n'julgar pelavoz.
Savonarola estremeceu levemeute.
Qtivira uma s6 vez a voz do Lucrecia,
mas fora n'uma occasiao tlo solemne e tao
phantastica, que nftopodera^esqunce-la-
corpo
(Continuar-sfrMj.
Acredito, respondeu elle dorainadon
a sua commogao, que n8o ha nada que n8o
possa ser, mediante a vontadc de Deus.
* Conhece-me ? perguntou Lucrecia.
Sim, replicou Savonarola, 6 uma
Borgia.
E nao treme ?
N8o.
Nao acredita que fui assassinada por
sua causa ?
Disseram-me isso, mas se foi certo,
nlo aconselhei nem ordenei esse assassino,
deplorei-o, deploro-o ainda, e tenho orado
a Deus por si. t
Deus n8o oUve a oracfio dos here-
ges.
Eu nao sou herege ; tudo quanto
tenho dito, vem de Deus.
Esta louco, o que e uma grande las-
tima. Sim, e uma grande desgraga que um
homem come o senhor, por loucura ou por
ambicSo, se tenba separado da igreja, in-
correndo nas suas censuras, quando podia
ter sido, quando podia ser ainda um dos
seus luminares.
De que tentagSo se rovestio, senhora,
para vir perturbar a rainha ddr, e as mi-
nims meditagdes ?
Lucrecia tirou a mascara, pegou n'uma
cadeira, aproximou-se do leito, e sentou-se.
Savonarola lerantou-se, pegou n'outra
cadeira e sentou-se junto de Lucecia.
Escuta-a um seoerdotc, minba senho-
ra, disse elle, e atrevo-ie mesmo a dizer
um martyr.
N8o, replicou Lucrecia, escuta-me
um dos homens mais sabios c inabrc-s d i
Italia, desgragaJamente extraviado.
Antes de tudo, senhora, n3o eslr^nhe
a porgunta que lln vou fazer ; a minhn ca-
bega est,1 fraca, c o meu coragaoestd frio ;
parece-me que me envolvo um s:>nho. Te-
nho diante de mim uma- apparig3o ou uma
creature que nSo entroa ainda na oternii?.-
de pelas portas da morte ?
Toque na minha mao e julgue, res-
pondeu Lucrecia sorrindo, e estendendo a
sua formosa mao para Savonarola.
Este pegou n'ella.
Lucrecia notou que a mao de Savonarola
estava gelada.
Savonarola sentio o excessivo calor da
mSo de Lucrecia.
Oh I gragas, Senhor Deus I exelamou
elle, uma victima menos \ Mas, diga-me,
senhora, quem foi a desgragada que arro-
jaram ao Arno, por isso qua vesUa roupas
suas ?
Eu sabia, disse Lucrecia, qae me
procuravam para assassinar-me e deixei oma
presa para enganar os assassinos.
Deus de misericordia I exelamou Sa-
vonarola, e ainda soffres na terra os Bor-
gias ?
Fui eu que lhe appareci no comiterio
de Annunziata, proseguio Lucrecia.
Falsificaod i a morte I murmurou Sa-
vonarola com inflexlo de horror.
Para que combate contra nos? Por
3ue razlo, combatendo, nlo reconbeee o
ireito que temos em usar de todos os
meios possiveis ? Que mal.Ihe fizemos ode ?
S8o ioimigos <*e Deus e dos horaeas.
Diga antes que encontrando-no: no
caminho da sua ambiglo, aos aocommetteu
com todas as suas forces.
Eu nlo tenbo outra ambic^o senao o
servigo de Deus e o bem da humanidade.
E enganar os homens inutulando-se
propheta !
Sinto em mim o esplritu prophotico,
aos mcus olhos appareccu muilas vezes
unn vislo celeste, um anjo em Qgura de
mancebo e insptrou me a doutrina que pte-
guei.
{Cc4inHa> -*e-ho)
TTP.OO D'APJO.-RVA TJUQUB DE CAAl.-.*.
*


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPNH5FHWQ_WJ2W0O INGEST_TIME 2014-05-23T00:02:01Z PACKAGE AA00011611_17557
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES