Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17556


This item is only available as the following downloads:


Full Text
MJMERO 19
.7
poru*nboidein.
-Cada munero trulso
1

> t
'1
ti*> at ...il
-qh->-du?
j si/ ^am
ft /ml _>(> ftln

^tt-fwaiu
,- "* i.L cJOMJCUTTK 0 Will!

.


---------------
-
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEIROA DE FARIA ft F1LH0S.
__________________________________--------------------------------------------------------:-----------:--------:--------------------------------------------------------------------------------
.t
+-
_____
H.S1
- Sra. erarao Antonio Alw* A Filhoe, no fare; GoneiTes d Pinto, no Mtrtnhlo; Joatjuim Jo*5 de Oliveira d Filho, no Ceara" ;
-
Antonio de Lemu Braga, bo Aracaty ; Joao Miria Julio Chares, no Assd; Antonio Marques da Silra, no Hatal; Joae" Justino
tt
) ,
*gS

Pereira d'Almeida, em
k*lt tool*
fj% urn: ^ .-tk-irnl

~
Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, na Parahyba ; Antonio Jose" Gome|. na Villa da Penba; Belarmino dos Santos BulcAo, em Santo Antao ;
Antonio Ferreira de Avaiar, em fiojanna; Jolo Antonio Machaeo, no Mar das Alagoas; Aiwa d C, na Bahia; e Late, Cerquinho d C. no Rio
Domingos Jose da Costa Braga, em Baxareth;
Bio Jde Janeiro.


PASTE OFFICIAL.
(ioveruo da provincia.
MP__TB DO DIA M DI OUTUBRO D* 1873.
i. secfdo.
WMo>:
Ao brigadeiro commandante das armas.
Birva-se V. Bxc. de mandar per era liberdade o
Tecrnta Bernardo Joaquim da Silva, que provou
iseneio legal. .
Ao director do arsenal de guerra. Mande
V. S. satisfazer o ineluso pedido n. 1, de atensis
neeessarios as guardas de palacio, thesouraria de
fazenda, casa de detencao e hospital militar, era
aubstituicio de outros que, por esiarem inserviveis,
foram dados em consarao, segando o termo de in-
capacidade jonto por copia, os quaes deverio ser
recolhidos nesse arsenal, logo qne forem iurneci-
dos aqaelles, bera como concertar 03 uleusis cons-
tantes do pedido n. 8, que, acbaodo-se em mao es-
lado sio todavia sasceptiveis de concerto. ,
3.* secede.
Offlcios : 1
Ao commandanle superior da guarda nacio-
nal do B-eife. Bxpeca V. S. as suas ordens,
afire de que seja dispensado do servico activo da
guarda national o alumno do lyceu de artes e offl-
tios, Antonio Leite Pereira, praca do 1'
de
"" i
5* tecfto.
infanUria
Ao commandanle superior da guarda natio-
nal do municipio de Kambe. Transmitto o in-
oluso requerimento, qne me seri devolvido, do f
sargento do 16- baulhao de infanUria, addido ao
h da mesma anna de exercilo, Silviao Jose da
^esta, aQm da que V. S. determine ao comman
dante do 15* batalhao sob sen commando snpenor
qne atteste o qae constar sobre os quesitos eonti-
*>n no mesrao requerimento.
3' seccao.
Offlcios : i*
__Ao inspector da thesenrana de faxenda.
Dando provimento aos recursos interpostos pelo
con3elheiro Francisco do Rego Barros Barreto, Er-
mini Maria da Silva e major Manoel Antonio Dias
nos requeriraentos quo derolvo, e a que se refe-
rent suas informacdes de hontem daUdas sob m.
H30,631 e 5, serie E, autoriso V. S. a mandar
rel*Tal-os da multa em que inoorrerara por infrac-
ivio do regulamento de 1 de dezembro de 1871.
Ao mesmj. A' vista da sua inforraaclo da-
tada de 80 do corrente sob n. 810, aerie E, anto-
rio V. S. a solicitar do Exm. ministro da guerra
1 necessario credito para occorrer ao pagamento
do gaz consumido darante o trimestre de julho a
^etembro do anno passado, com a illaminaQio dos
estabeleeimentos railitares pertencentes a verba
Hospitaes do minisierio da guerra.
A passar guia de soeeorrimento ao capitaodo S' re-
wraento de cavallaria ligeira, Jose Melchiades Be-
zerra da Silva CosU, que segue para a cdrte a
rcunir-se ao sen corpo.
4.' sec{5o.
Offlcios : -
'Ao Exm. presidente da provmcia do Rio
Urande do Norle. Era offlcio de 3 do corrente
obnndo a copia de outro do inspector da thesou-
raria de fazenda deasa provincia, incluindo 0 ter-
mo d9 vistoria procedido no escalei que era agos-
(4 proximo tindo foi remetlido pelo arsenal de ma-
rinha desta com destine ao servico da meza de
rendas de Mossoro, declara V. Exc. que 0 referido
^*caler foi julgado imprestavel apenas principiou
a funccionar e pede providencias a respeito.
Em resoosu tenho a dixer a V. Exc. que, se-
undo informa 0 respeclivo inspector daquelle ar-
-.'nal, cujo zelo e probidade sao geralmente reco-
tieei'dos, 0 escaler de que se trata fdra obtido
por compra ao consul portugnez, pela quantia de
WO*, por nao poder o arsenal conrtruilo com a
hrevidade que era reclaraada, mas em vista do
que 9e verificou por raeio do exame a que allude
o referido inspector, aeabo de providenciar om or-
dem a ser o dito escaler substituido por outro em
condipdes desejaveis, deverdo ser devolvido aquei-
le aa primeira opportunidade, afim de se haver
de quem de direito ttr, a corapetente inderanisa-
rio ; 0 que comrannico a V. Exc. que se servira
de dar neste sentido a* conven.entes ordens.
Ao Exm. presidente da provincia do Mara-
nhao. Annuindo ao que pede 0 anspecada do
batalhao de infAntaria, Elias Antonio Soares,
m> incloso requerimento, que me sera devolvido,
rogo a V. Exc. >e sirva de enviar-me um docu,
nieuto anthentico coraprobalorio da allega^iio-
lanuriaraente para a guerra do Paraguay, na qua-
iila.de de guarda nacioual designado da villa de
Vianna dessa provincia.
Ao di ector geral interino da instruccao pu-
biiea. Tendo em Aionsideracao 0 que informou
V. S. em offlcio de 18 do corrente, sobre a_ pro-
f^ssora de instrucjao primaria da povoacao ue
iiravata de Jaburii, Maria Emigdia de Almeida
Monteiro, reommendo-lhn que, sem perda de tern-
|W, pmceda contra ella nos termos da lei, dando
uupenunamente a esta presidencia couta do re-
tt-iltado.
Portarias : .>' .
A* Hlraa. camera municipal do Recife. Ue-
c'aro a Illtna. samara municipal do Recife, em res-
xjta a eonsulta feita em ofuVio de 15 do corrente
m,b n. 102, hontem rectbido, que competindo aos
vigarios passar as lieencas para os enterramen-
tos, era virtude da autoridade ecclesiastica que
exercem nas fregaezias, nao podem os que, forem
uuspensos pelo dioeesaao exercer, esse acto, que
m> deve ser praticado pelo coadjuctor que 0 subs-
A' camara municipal da cidade de Olinda.
Deelaro a camara municipal da cidade de Olinda,
em resposta ao offlcio de t6 do corrente, que con-
cedo approval a arrematacao dos irapostos de
que elle trata. Oatrosim, autoriso a serem po=tos
sovamente em pra^a com 0 abate da qumta parte
os impostos no mesmo oCBcio mencionados, que
deixaram de ser arreraatadas por falta d lici-
italtf
"A* camara municipal da villa de Ipojuca.
Km resposta ao offleio da camara municipal da
vitta de Ipojuca, oe 13 do corrente. tenno a dizer
quecoocedo approvacio a arrematacao de que
trata 0 mesmo offlcij.
A' camara municipal da. cidada do Rio For-
rooso.-Declare a camara municipal da eilade do
Mo Formoso que, para ser concedida a approvacio
Miieitada em offlcio de 11 do corrente, se faz pre-
cm que ella inforrae qaai a base por qua foram
arrematados os impostos de que trata 0 me9mo
ofldoi. __,
A' camara municipal da villa de Barrelros
__Deelaro a camara municipal da villa de Barrei-
1 .j, em rejp-Hta an ofBcio de 3 do corrente, q*e,
r.nnpeliiido'ao projurad>r porcntagem, nai s-
Ihe pdde llxar orttnuH; on gratifica^ao e qie
(wndo elle diligente e taiosft, maito excedpram os
veus veseimentos a quantia orcada no er^ameoto
vigoate. que nao alterou a porcentagem que foi
marcada do anterior. Outrosim. que nio e legal
a appllcacao das verbal desflnadas ao aluguel da
case para 0 paco da camara e melhoramsntos ma-
teriaes do muaicipio, a compra de que trata a
uesmo offlcio, ni > 6 porque fora-n voudas para
lias Jiversos, como porque, raonUnJi elias a o08|,
e essa luantia insufflcieate para 0 pagamento da
pfeaucao de 4001, qne e exiglda pelo propne-
urio, so competindo, alem disto, a assemblea pro-
viaeial, sob proposu da eamara, resolver sobre a
a^piieaQio das rendas muoicipaes.
11J
Offlcios:
Ao engenheiro chefe da repartieio das obras
publicas. -Informe Vmc. com urgencia nobre 0
que se W na publicacio a pedido-com a epi-
graphe Porte da Escada do Diwrio de hoje, pre-
cisando sobre tudo os seguintes pontos: !. qual
0 esado actual da ponte ; *" quando, por qopm
e poique preco foi arrematada ; 3* quantos con-
certos ou reparos jae tern feito ; 4* quem con-,
tractou os ultimos reparos e porque preco ; assim
como si ja foram concluidos e quando ; 5' qual
a quanudade de madeira que foi julgada iaservi-
vel, a avaliacao que teve, 0 preco e a peisoa que
a arrematou ; 6 qual 0 engenheiro que orepu e
flscalison, tanto a construcjao dessa ponte, como
os reparos que se tern felto ; 7* si 0 conductor
Felix Ramos Lieutier tem algum parente encar-
regado do fornecjimento de madeiras e de qual-
outro material no districto de sua jurisdicgao ; e
si 0 mesmo aconteee com relacio aos engenheiros
nos seus ou em districtos alneios.
Ao mesmo. Solicitando a Illma. camara mu-
nicipal do Recife, em offlcie de 15 do corrente
sob n. 101, que acompanhia Recife Drainage po-
naa desde ja a sua disposiQio uraa latrina publica
em cada freguezia, na f6rma do contracto la raes-
ma companhia. providencie Vmc. no sentido de
ser satisfeita essa requisicao.
Portarias. ... x
Os Srs. ageutes da companhia de navegacao
brasileira mandem dar transporte a cdrte, por
conta do ministerio da guerra, no vapor Cruzeiro
do :ul, esperado do norte, ao capita) do 2 regi-
men to de cavallaria ligeira, Jose Melchiades Bezerra
da Silva Costa, que vai reunir-se ao sen corpo, e
bem assira a familia desse official, composta de
sua raulher e dous filhos menores.
Os Srs. agent 9 da companhia de navegacao
brasileira mandem dar passagem a proa para a
cdrte, por conta do ministerio da guerra, no vapor
\Crazeiro do Suf, a ex-praca do 9 batalhao de
infanUria, Chrispim Marques Nogueira, que, Un-
do sido escuso do servico, vai recolher-se a pro-
vincial do Rio de Janeiro, de onde e natural.
BXrEMENTE DO SF.CRETAHI0
/. secrSo.

niciplodeCarnaru, resolve coocederlhe trlnta dlasttracao; a outra que deseja conservar pelo maior
de licenca, com as vatagens da lei. para vir a prazo de tempo possivel 0 esudo provisono. (
esta capital eonsultar o seu esUdo de saude.
Offlcios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Conformando-me com sua informacSo de hontem prevalecera sobre a ontra; mas, por ora, 0 con-
flicto esta no esUdo latente, e seria prematuro
1 quer lancar-se nas medidas excepcionaes.
1 O duque de Broglie representa a ultima opiniao;
0 duque Decazes a primeira ; tarde ou cedo uraa
datada sob n. Gil serie E, relatiyamente ao incl|^
Offic
<*s.
Ao Him. brigadeiro commandante das armas.
S. Exc. 0 Sr. presidente da provincia, tendo pro-
videnciado no sentido de serem reeolhidos ao ar-
senal 09 utensis pertencentes as guardas desu
guarni^ao, que por inserviveis foram dados em
con9urao, e fornecido? outros em snbstitnicio
aquelles, e bem assim para serem concertados
os que sao suceptiveis; assim omanda commu-
nicar a V. Exc. em resposta ao seu offleio de 21
do corrente, sob n. 1032.
Ao mesmo. -S. Exc. o Sr. presidente da
provincia manda declarar a V. Ex, em resposu ao
seu offlcio desta data, sob n. 1033, que fleam ex-
pedidas as necessarias ordens para 0 embarque do
capitao Jose Melchiades Bezerra da Silva Costa
e de sua familia, e bera assim para que ao referido
official se de guia de soeeorrimento.
4.' secrao.
A' illustrissima camara municipal do Recife.
De ordem de S. Exc. 0 Sr. presidente da pro-
vincia comrannico a illustrissima eamara muni-
cipal do Recife que nesta data se recommenda ao
engenheiro chefe da reparticao da9 obras publicas,
que providencie no sentido de ser posta desde ja
a dispnsicao dessa illnstrissima camara uma latrina
publ.ca em cada freguezia desta cidade, como so-
licitou em offlcio de 15 do corrente, que flea assim
respondido.
EXPEDIENTE DO DIA 23 DE OUTUBRO DE 1873.
1' SecrriO.
Offlcios : .
Ao director do arsenal de guerra.-Defenndo
o requerimeato de Jose Vicente Godinho, sobre
que versam as suas informacSes de 17 e 21 do
corrente, sob ns. 508 e 510, autoriso V. S. a man-
dar entregarlhe pela quantia de 50*000 os objec-
tos de sola que estavam inserviveis e foram dados
em consumo, constantes de patronas velhas e cin
turoes egtragados.
Ao engeah eiro das obras militares.Recom-
mendo a Vmc. que, tendo em vista os inclusos
papeis, que me serao devolvidos, organise e apre-
sente o orcamento das despe as a fazer-se com
as obra9 de que preeha a parte do primeiro ar-
mazem do almoxarifado do arsenal de guerra, em
que deve funccionar o respeclivo conselho de
compras, por ter silo cedida para corpo da guarda
da thesouraria de faienda a sala em que traba-
lbava o mesmo conselho.
2." secf/io. -
Actos :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu Galdino Themistocles Cabral de Vascon-
cellos 1/ escrlvao de capellas, residuos e aosen-
tes desta capital, resolve conceder-lhe 3 meze9 de
licenca para tratar de sua saude.
0 presidente da provincia, attendendo ao
5ne requereu o bacharel Jolo Francisco da Silva
raga, juiz de direito da comarca de Itambe, re-
solve conceder-lhe 2 mezas de licenca, com orde-
nado na forma da lei, para tratar de sua saude
onle Ihe courier.
0 presidente da provincia, attendendo ao que
o capitao do 1.* batalhao de artilharia da guarda
nacional deste municipio, Armioio Pessoa de Al-
buquerque, e a vista do parecer da junta de
saude, qne o julgou incapaz do servico aetivo, da
respectiva fe de offlcio e da informa5?lo do com-
mandante superior em offlcio n. 709 de 9 do cor-
rente, resolve, de eonformidade com o disposto no
artigo 69 da lei n. 608 de 19 de setembro de 18?0
tran9feril-o para o de reserva e aggregal-o ao 3.*
baulhao deste servico.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereram os capitae3 do !. batalhao de
artilharia da guarda nacional deste rauniciaio, Joio
Paulino Marques, Joao Lucio Marines Junior e
Manoel de Souza Cordeiro Sim5es, a vista da res-
pectiva9 fes de offlcio, parecer da^junta de saude,
^ue os julgou incapazes do servico activo, e In-
furraa;ao do commandante superior em offlcio n.
719 de hontem datade, resolve, de eonformidade
com o disposto no art. 69 da lei n. 602 de 19 de
setembro de 1850, transf-rit os para o de reserva
e aggregal-os ao 3.' batalhao do dito servico.
Offlcios :
Ao Dr. chefe de policia. -Transmitto a V. S.
os exemplares juntos das instruccSes para o tra-
tamento da variola, feitos pelo inspector de saude
pnblica, afim de que sejam distribuidos pelas to-
calidades onde rema reiaa mal.
Ao promotor publico do Recife.-Consta me
que muitas pra^as do corpo de policia se acham
presas ha mezes, a espera de jolgamento, que de
pemle da presenca de Vmc.
Chamando a sua atten^io sobre esse facto devo
observ.ir Hie que e.*>c sew;6 deve preferir'a ou
tr- menos nrgi-nte?, e que esp-ro do sen zelo
pelo publico serrioo que essas faltas, que nato,
desaparecam de todo. _
Ao commandaate do corpo de policia.Man-
de Vmc. de=tacar em Pao d'Alho, a disposi^ao das.
autoridades puliciaes, sete pracas, e um cabo do
corpo sob seu comman H
- Ao mesmo. -Faca Vmc. recolher a esta ca-
pital as pracas do corpo sob seu commando, que
se acham destacadas era Ta:aratu'.
$ seccao.
Ac|0
- 0 presidents da provincia, attendendo ao que
requereu Jose Joaquim de Santa Anna Guerra,
eicrivao. da collector^. *e rendas geraes do mn-
so requerimento de Oscr Destibeaux, tenho a li-
ter a V. S. que mande pagar ao supplicant* a
quantia de 1:000*000, a que tew direito em air"-
tude do contracto com elle celebrauo para fazar
os concertos precisos no quartel da companhia de
cavallaria, como se ve do docamento annexo ao
meneionado requerimento.
Ao inspector da thesouraria provincial.
Tendo o cabo de esquadra da l* companhia do cor-
po de policia, Mauricio Jose da.Silva, extraviado a
quantia de 319*120, proveniente do abono de dous
mezes de soldo que ordenei se fizesse para o des-
tacamento exisUnte em S. CaeUno, a contar do !*
deste mez ao ultimo de noverabro vindouro, auto-
riso V. S. a mandar fazer novamente aquelle abo-
no em consequencia de achar-se ate o presente o
referido desucamento sera pagamento, conforme
deelaro a- me o respectivo commandante em offleio
do 20 do corrente sob n. 393 ; sendo que o men-
cjonado cabo foi logo preso, afim de se precede-
contra elle nos termos da lei.
Ao mesmo. Iuteirado de quanta V. 3. ex-
poz em seu offlcio de nontem sob n. 465, relativa-
mente a receita que deve ser applicada a) adian-
raeato dos 40:480*000, que tem de se fazer a com-
panhia Drainage, como pagamento dos apparelhos
ja collocados, tenho a dizer que mande effectuar
em dinheiro esse pagamento por conta do empres-
timo de 1,800:000*, cuja caixa devera ser indem-
nisada logo que o consulado for cobrando as an-
nuidades e custo dos mesmos apparelhos venci-
dos, ou pelo novo emprestimo que foi contrahido.
Ao mesmo. Em resposta ao seu offlcio de
20 do corrente son n. 463, em qne submette a ap-
provacio desta presidencia a prop_osta do fiscal da
collectoria de Iguarassu', cidadao Quirino Can-
dido de Vasconcellos, para obrador da mesma
collectoria, tenho a dizer qae deixo de fazer essa
nomeacao porque sua qualidade de negociante na
villa innibe de poder cumprir- fielmente a9 func-
^5es desse cargo, visto como nao pode elle sera
prejuizo abandonar seu estabeleciraento para per-
correr todos os pontos do municipio. onde se fajt
necessaria sua presenca.
4". seccao.
Acto :
0 presidente da provincia, attendendo ao
que propoz 0 director geral interino da instruccao
publica em offlcio de 20 do corrente sob n. 306,
resolve exonerar o conselbeiro Francisco do Re-
S;o Barros Barreto, a seu pedido, do cargo de de-
egado litterario do districto ds Jaboitao e nomear
para substitui-lo o bacharel Amaro Joaquim Fon-
seca de Albuquerque.
Offlcio :
Ao Dr. inspector da saude publica. Forne-
ca V. S. ao Dr. chefe de policia uma carteira com
raedicamentos homeopathicos, afim de ser remet-
tida a povoacao da Alagoa do Carro.
Portaria : -
A camara municipal da cidade da Eseada
Remetta a camara municipal da cidade da Escada
a da villa de Serinbaem uma lista dos cidadaos
qualiGcados nessa parochia e residentes uo terri-
torio que foi desraembrado para a de Gamelleira,
afim de ser enviada ao juiz de paz que Um de pre-
sidir a elei;ao de vereadores deste municipio.
5". seccao.
Portaria: ]
Os Srs. agentes da companhia dc navegacao
brasileira mandem transportar para a corte, por
conta do ministerio da guerra, a bordo do vapor
esperado do norte, para onde serao opportuna-
mente remettidos pelo director do arsenal de guer-
ra, nove caixoes contendo armamento, vindi.- do
Rio Grande do Norte para terem esse destino.
EXPEDIENTE DO SBCRETARIQ.
3L" seccao.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas.S. Exc. o Sr. presidente da provincia man-
da declarar a V. Exc, em resposta ao seu offlcio
de 25 de setembro nltirao sob n. 953, que foi nes-
ta daU autorisada a salisfacao dos dous pedidos,
que vieram annexos ao citado offlcio, feitos pelo
commandante do forte do Buraco.
Ao mesmo.Oe ordem de S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, communico a V. Exc, para
os fins conveniente9, que ao recrnta Clementino
Antunes Bezen a se concedeu nesta data o prazo
de quinze dias para provar lsencao legal.
Ao director do arsenal de guerra. S. Exc
o Sr. presidente da provincia, teodo providencia-
do para que sejam recebidos a bordo do vapor es-
perado do norte e transportados a cdrte 09 nove
caix5es a que allude o seu offlcio de hontem data
to sob n. 511 ; assim o manda :ommunicar a V.
S. para sua direccao.
2' seccao.
Offlcios :
Ao commandante superior do Recife. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda declarar
a V. S., para os devidos fins, que por portaria de
hoje foram transforidos para o servico de reserva,
e aggregados ao 3* batalhao deste servico os capi-
taesdo batalbio de artilharia, Arminio Pessoa de
Albuquerque, Joio Palino Marques, Joao Lucie
Marque9 Junior e Manoel de Souza Cordeiro Si
moes Junior, dos qnaes tratam os seus offlcios n.
707 e 719 de 9 e 22 do corrente.
Circular aos juiies de diniloe raunicipaes.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro
vincia, eavio a V. S. o exemplar junto (Ires volu-
mes) da collec;ao das lei* do imperio e decisSes
do governo no anno de 1872. hiuaes aos Exma.
Srs. presidentes do tribunal da relacio o do com-
mercio e ao Dr. chefe de policia.
Ao commaudante do corpo de policia. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda commu-
nicar a V. S. quo nesta dataexpedto ordem a the-
souraria provincial, no sentido de sr felto o abo-
no d que U-ata o seu offlcio de 30 deste met sob
n. 595.
predizor o resultado da crise.
Contimia a correr o boato de que o governo
xai enviar ao conselho d'estado! um projecto de
lei que tiraria ao sulTragio universal qaatro mi-
lhoes de eleilores, segundo uns; dous milhoes e
meio, segando outros; entretanto nio ha agora
ainda nada de deflnitivo.
0 pnjecto de lei sobre a livraria, elaborado
pelo n-jvo ministro da justi;a, ja foi distribaido na
assemUea. Restabelece para estc commercio a
legislacio anterior a 1870.
lira tecreto desu data tinha-a tornado livre,
como e tra todos es paizes cl-ilisados. Para o
futuro, pa se ser livreiro, 6 preeiso, ou ter di-
ploma, ou ser autorisado.
Os UvreUos autorisados deve-lo-hao ser pelo
ministro d interior ao departamento do Sena, e
pelos prefeius nos outros departameutos; e nio
poderao venter senao uma certa cathegoria de
inpressos. ,
Mr. Plantier, bispo de Niraes, dingio uraa
carta pastoral em que formula as mais vio-
lentas accusacoss contra ? politica adoptada em
raateria religiosa pelos differentes estados do
Continente : A' Allemanha wnco em rosto as
suas tradicoes di baixeza e a mmoralidide do
seu governo; a Itilia stigmatisi a horrenda ca-
pacidade com que \e apoaera dos bens da igre/a ;
a Suissa prodigalisa injuria9 ainda raais grossei-
ras.
Todas estas violetcias podenam ser despreza-
das se se nio iigassera a an piano dednido, e a
uma palavra de ordem do VaUcano.
Effeetivaiu^nte os prelados francezes, dedicados
a santa so, e sao quasi todos, assignarara e envia-
ram aos bispos da Allemanha ura protesto muito
cathegorico, contra a politica do conde de Bis -
mark, e a applicacio das leis voudas tanto pela
Dieta prussiana, como ptlo Reichsrath allemau
0 governo allemao deu ordem ao conde de Ar-
mira para que pedisse explica?oas ao goverao
francez. 0 ministro dos estrangeiros, o duque
Decazes, afllrraou que uo tinha conhecimento
desse protesto, eoembaixador alleraao deu-Ihe
uma copia do original, ajustando que o sou go-
verno nio podia tolerar uma tal intervenes uos
negocios internos do seu pafe.
Diz o Daily News, que traz e9Us infermacoes,
que o governo francez recommendara aos btspos
maior moderaeio nos seus ataques.
0 episcopado francez nao tem senso politico, e
ideou fazer da Franca a espada da igreja catho-
lica ; por outro lado, o governo actual sente que
deve ser prudente para com a potencias estran-
geiras, mas tem basUnte necessidade do apoio do
partid > clerical, para a sua politica interna, e
alem disso, os seus Interesses estao iatiraamente
ligado3 aos do3 fanaticos que o compoem, para que
Ihe seja possivel romper com elles.
A Franca, tarde ou cedo pagara as despezas da
allianca.
itau. .
0 parlaraento italiano acaba de admiltir a dis-
cussio um projecto de lei appresentado pelo de-
putado Cairoli, projecto que confere o direito elei-
toral a todos os italianos desde os 21 annos, que
aibam ler e escrever.
0 ministro do interior declarou que se nio op
panha a que fosse admittido a discussio, mas que
reservava a sua opiaiao para quaado se entrasse
na discussio desse projecto.
A camara italiana. depois de ter votalolo orca-
mento das obras publicas, tomou ferias ate 20 de
Janeiro
- 0 santo padre, no ultimo consistono em que
nomeou doze cardc-.es, dos quaes sete italianos,
dous austriacos, dous francezes e ura portuguez,
pronunciou uma breve allocucio no estylo ham
tual dos seus discursos, mas sem grande irapor-
tancia
Depois da ceremonia, o cardeal vigario, apre-
sentau-lhe as felicitacSes do sacro collegio, por
occasiao da festa do Natal, a que sua santidade
respondeu com algumas palavras de agradeci-
mento. ,",
Nio se realisou o eonsistono do dia zb, era que
deviam ser preconisados diversos bispos, ccmo se
Sua santidade tem recebide as felicitacoes de
todos os agente9 diplomatic que estio acredita-
tos junto de sua pessoa, e de varias corporarSes
e outros fieis.
SUISSA.
A assemblca federal suissa chegou ao termo da
sua longa e laboriosa missio. 0 projecto de revi-
sao da constuuicao federal, emendado pelos dous
conselhos da assemblda. estava bera depressa
prompto para ser submettido a prova do voto po-
pular.
DlARiODEeEtt^fiAlbUUj
RECIFE, 34 DE JANEIRO DE 1874.
lm,,nrtHnte. nwticias da Ba-
rapa.
Hontem, ao meio dia, fundeou em nosso porto o
vapor francez Ville de Bahia. trazendo daUs de
Lisboa ate 8 do corrente. i)os jornacs e carus
recebidos, colhemos o seguinte :
FRA!Q\.
A eommi9sao do orcamento adoptou uma emen-
da pfoposta pelo Sr. Lambert Samte-Croix que
(leva SI 300 mil ffirtJes 0 credito do 182 mil des
tinados ao presi leafc da repabfttei par* a- des-
pezas da ?ua casa. Alem dlsso o palacio Elyseu
sera destinado para as recepciJes do presidente.
Espera-se assim elevar o prestigio do governo, e
auxiliar o commercio de Paris.
Entrptant-), o qae e vcrdade 6 que, a proroga-
cao dos podere* do preidente por aete annos, o*o
conjeguio restiuiir a Franca a seguran^a ; a mi-
seria produziia pola9 incertezas do futuro crcsce,
e o antagonismo, cada vez mau prouuueiado eu
tre o pan e a sua representacSo aggrava cada dia
esta situaoio; e que para I -e dar r ;medio, ha duas
opiniSes contrarias no seio do governo que tutam
entro si: uma que de brevidade possivel a; prtcipaes rodas da adraiuis-
Apezar das grandes concess5e9 que tiveram de
se fazer ao espirito cantonal para assegurar o bom
exito desu prova, o pr-.jecto, no seu conjuncto re-
servou ainda basUntes elementos de forca c de
meios de accao ao poder federal Contem sobre
tudo disposicoes novas relativas a liberdade de
consciencia, a situacSo do clero, e em geral as re
Iac6e9 entre o estado e a igreja.
Assim o projecto de constiluicao reserva ao po-
der federal sd, o direito de autorisar a erec?ao de
bispados no territorio suisso. Outra disposicio diz
que a eonfedera^ao nio reconhece representante
permanente de um poder ecclesiastic} estran-
Na sua ultima sessio o conselho dos estados
aceitou a redaccao adoptada pelo conselho nacio-
nal para os artigos que se referem a abolicao de
tod'a a juri3diccio ecclesiastica, a interdiccao da
companhia de Jesus, a vigilancia do governo cen-
tral sobre as outras ordens, a prohibieio de crear
novos conventos e de restaurar os antigos, e final-
menu a guarda e escripturacao dos registros do
estaio civil, per offleiaes c< mmnnaes, e o ctsa-
meato civil obrigatorio.
- A retirada do exequatur ao encarregado de
negocio3 da Santa Se, contmua a ser o thema de
discussao dos jornaes suissos. No fundo esta no-
ticia, sd e atacada pelos orgios clericaes, que di
zem que a eneyclica nio e um doeumenlo dtelo-
matieo. "
Mr. Agnozzi, accusou a recepcao da nota do con-
selho federal, e respondeu qae esperava asinstruc-
cdes do cardeal Antonelli. .
Estas instruci.oes so se podem referir a epoca
da sua partida. pois nio e admissivel que se quei
ra obrigar a Suissa a conservar, cootra sua von-
tade, relacoes diplomatica% qoe se tornaram
completamente inuttis.
aurattuL
Os progressos das Trades-Unions em luglalerra,
c as suas ore^fentes exigencias, determmarara a
crea^ao de uma lederacao naeional de mannfactu-
rair9, de empreiteiros e de capitalistas, decidid09.
a conservar em respeito es *eus operanos. A In-
ta enue o capiul e o trabalho lomara um carat-1
ter mais geral, e de cerlo mais envenenado.
A impren9a ingleza nio esta 9em rcceios.
0 ministro do interior o Sr. Lowe reoe^-u uma
deputacio da nova agsociac^o, apresentaAa por al-
guus membros iuflueatus da camara dos com~
muns.
0 ministro nao fez mai do qua tarnar conheci
meoto das suas reclama^oas e do seu programma.
listo Um essencialmente cut caractar ne^ativo. e
parlamento pelas sociedades operarias.
A federaoiio oppor-se-ha:
L* A qualquer modificacio a lei conhecida sob
a denominacao de Criminal law amendment act;
t.\ Combateri toda a revoga^ao das leis penaes
relativas aos operarios;
3. Recusara qualquer modiflcacab da legislacao
actual relativa as coalisoes;
4 Repellira a revisio dos regulamentos legisla-
tives esubeleeendo as relacSea entre os me&Ua e
os operarios:
5.* Dirigira todos os seus esforcos coatra a vo-
tacio do projecto de lei modificando o pagamento
do salario;
6.* Usara de toda a sua influencia para impedir
que se eonsagre legislativamente o prineipio de uma
iuderaaisacao a conceder aos eperarios em caso de
incapacidade. de trabalho resultaote de aceideates
nas fabricas;
7.* Fara todas as diligencias para impedir que o
dia de trabalho seja reduzido a 9 boras.
Nem todas as pretencSes dos operario9, 9io na
verdade fundadas, ma9 ha muita9 que sao justas,
e as quae9 a federacao nao tem razao de se op-
por.
Para citar ura exemplo : o systeraa que consisle
em pagar aos operarios em mercadorias para rea-
lisarein um beneficio sobre 09 salarios, e de certe
uma flagrante injustica. A redncQio do trabalho
a 10 horas, nio prejudicou a produccao industrial,
e pode-se esperar qne a diminuicio de uma hora,
raais, comtanto qae o operario eonsagre a 9ua fol-
ga a cultura da ratelligencia, ae repou3o physico
no seio da familia, eralngar de se gastar na taver-
na, nio trazia raaos resuludos a industria.
Se nio entrevera uraa transaccao entre os dous
partidos. e se estes se obstinara nas suas respecti-
vas resolufoes, poder-se-hio seguir consequeacias
desastrosas tanto para os eperarios, como para os
fabricantes.
As Trades-Unions sentiade seameacadas.fallara
de uma solidariedade completa dos seus interesses,
e, dentro em pouco,pode sever surgir em face da
federacao nacional dos capitalistas, a federacao na-
tional dos operarios.
Ja houve uma reuniao preparatoria, e nella se
votou em prineipio uma proposta neste sentido.
Espera-se em Inglaterra imporiantes noticias
do theatro da guerra da Africa. 0 rei dos As-
hantees deixou a sua capital a frente de 60,000 ho-
mens, para ir vingar a derrota dos seus nos pri-
meiros recontros com os inglezes.
Estes pela sua parte parecem dispostos a reco-
mecar a luta, ainda que ja teem tido occasiio de re-
conhtcer que os seusalliados os Fantes lhes serao
de pouco auxilio. Apezar de se fazerem pagar bem
pelos inglezes, e de proraetterera bater-se, ao pri
meiro alarma deiura a fugir e lancam a desordem-
nas Qleiras dos seus alliados.
0 Dayle-News aconselha ao Sr. Garnett-^ osse-
ley a desarmar 09 seus alliados Fantes, e a mar-
char directamente Sobre Cooraassie, capiul dos As-
hantees, logo depois da chegada dos reforcos que
devem ir de Inglaterra. 0 conselho, porem, e mais
facil de dar do que seguir.
Telegrammas de 3 de Janeiro noticiam que wal
seley vai avanpando para Prah, e que os ashan.
tees retiram precipiudamente cora grandes perdas
HOLLANDA.
0 gabioete liberal na Hollanda que so licou a
frente dos negocios pela impotencia dos conserva-
dores em constituir por si mesmos uma adminis-
tracao, Um tido grandes difficuldades em se con-
servar na sua posipao.
Ja perdeu o ministro da marinlia, sacnucado
pela camara, em consequencia da desorganisa^ao
dos servicos que Ihe tiuhara sido conflados. Por
bem pouco o ministro das financas nao teve a sor-
te do seu cellega; o seu orcamento foi votado,
mas por conJ^scendencia dos seus adversarios.
Receiarara provocar uma nova crise mini-terial no
moraeato bjitanU inoppcrtuno em que a expedi.i
do Atchin esU em execuQio.
Sera porem forcado a retirar-se se nao conse-
guir dar satisfacij aos aggravos, menos da oppo-
sicao, que dos seus proprios amigos politico?.
E tes queixam se de que elle, como ministro, se
esquece do discurso, que tinha pronunciado, como
deputad i. contra osysteraa dos impostos em vigor,
e a sua irnUcao a esU respeito, e_ Unto raais
viva, quanto os abusos denunciados sao raais an-
tigos e se tornam de dia para dia mais intoleraveis.
Foi interinamente encarregado da pasU da
marinha o ministro das colonias.
Um telegramma official dirigido pelo ctim-
raandante em chefe da expe iicao do Atchin ao
ministro das colonias da Haya, coufirma o desem-
barqie do exercito neerlandez na cosU do Atchin.
Dos primeiros combates com as forca9 de sulUo
resultou a tomadaa de um forte que defendia a
entrala do rio, a jusauta da capiul.
Novos telegrammas djzem que a resisteaeia dos
atchinezes 6 muito viva, e que as tropas da expo-
dicio so avancam com difficuldade. 0 terreno e
mao para as operates, e o inimigo defeode se
com iLuila energia.
DINAMARCA.
0 folkething da Dinamarca adoptou por 59 votos
contra 32, uma mensagem ao rei, exprimiodo o
desejo d uma mudaoca de mmiaurio. A maioria
que teve esU votacio, comp5e se das esquerdas
reuoidas e de alguns dopuUdos d extrema direiu,
fcr ando o novo parti do chamado dos nacionaes.
li folkething adoptou em primeira ieitura o or-
camento de 1874, sem opposicao.
0 Sr. J. A. Hiiiser declarou, em nome das es-
querdas reunidas, que o seu partido, que realmen-
te forma a maioria, nao queria entravar o anda-
mento dos servicos publicos por uma segunda re-
cusa do imposto, mas que esperava couseguir der-
ribar o miuistorio por outros maios que as leis e
a constiluicao poem a sua disposicio.
0 que poderia apressar esU resuItadD, e ur-se
formado no seio da asseinblea um grupo de uma
de..ena de deputados, que nao estavam classiflca-
dos, e que tendem a approvunar-se das esquerdas.
Este novo partido conduzido pelo deputado Scb-
joering, foi o autor da mensagem a que acima
nos referimos, e que foi, adoptada por grande
maioria.
0 rei deu uraa resposta evasiva a mensagem do
folkething: prometten confereociar com os seus
cooselheiros, sem deixar presentir qual seria a sua
resolute.
ALLHURBA.
Na Allemanha a aproxtmafao das ekicoes para
o parlaraento, causa uma certa animac,ao.
O partido ultramontano esta era fTervescencia ;
proiecta fazer entrar na asemba 09 roembros
mais exaltado9 do episcopado, para lhes assegurar
com o mandato de deputado as immunidades le-
gislatives. ...
0 arcebispo de Posen, o seu vigarw geral, e o
ex-esmoHer ro*r do ext-rcito, figuram a frente da
lista dos candidates dos uhramontanos polacos. Oa
candidatura.
e que se pode saber se correspndera efleeliva-
mente a espectativa publica.
Comeoou no dia 17 de dezembro a disco.--
sao na camara dos deputados, da Pru>sia, dk-
projecto civil, e sobre o casamento civil obriga-
torio.
A opiniao publica pronuncia-se coatra a dis
posicao, que deixa ao governo em deurmiaadas
circumsUncias a f aeuldade de encarregar das es -
cripturacoes dos registros do estado, a ecclesias
ticos, ao passo que ha tambem funccionarios
civis encarregados da mesma raissio. Esta dis-
posicio 6 evidentemento uma derrogacio do pro-
prio prineipio do estado civil.
A lei de que se trata apreventa lacunas lasti w
maveis, que. sao assignaladas pelos jornaes. X*
podera Ur senao um caracter proviiorio, poi?
deve fazer parte integrante do codigo civil, qu>
ainda esta por fazer, e ao qual se deve adopta:
esse prineipio e em todas as suas disposicoes.
Na primeira sessio em que se discutio o pro
jeeto de lei, o ministro dot cultos o Sr. Pail:
fallou muito claramente, expondo os motivos que
devem regular esta materia do roodo raais rigo
roso ; mas, segundo o texto do projecto, o mi
nistro insistio sobre a opportunidade de fazer eon-
cessoes ao clero catholico, decretando a admissi
bilidade de qualquer merabro do clero a tunccoes
de offleiaes do estado civil.
0 acontecimento, porem, da sessio, foi a en
trad a do Sr. de Bismark na sala das sessdes le
gislativas, na occasiio em que o seu coUega
orava.
Sendo interpellado por differentes membros da
camara, para dar explicacoes sobre a difference
que ha entre as anas opinioes de outro tempo,
e as que se lem nas propostas do governo, res-
pondeu cathegoricamente dizendo que como cbef<
do ministerio era obrigado a encarar asquestoes
de roodo diverse do qne como membro do de an
partido, e que devia dobrar as saas opioioes
pessoaes e theoricas, perante os fact ,s e as eti-
dentes nscessidades do estado.
Na discussio da camara o Sr. Rixter, querendo
proraover nma transaccao entre o governo e a
maioria, propoz uma emenda tslatuindo que po-
deriam ser adraittidos eclesiasticos as fuoccoes
de offleiaes do estado civil ate o fim de 1876.
EsU emenda foi admittida em primeira voucao,
mas foi depois rejeita la na votacio definitiva.
Este projecto de lei tem ainda de ser submet
tido a uma terceira votacio, que so tora logar
depois das ferias.
0 camara quer exduir absolutamente o clero
de todas as funccoesqne se ligam ao estado civil;
ha pois d vergencia profunda neste ponto entre
o governo e a camara.
Por ontro lado a camara dossenbores ja no
meou a cemmissio qne ha de ser encarregada
do exame deste projecto de lei. mesmo antes a>
ter sido adoptado pela outra camara. Tanta pressa
accusa disposicoes pouco favoraveis. E' quasi
certo qae esta ass-mblea, cujo espirito reaccio-
nario e conhecido, nio admittira jamais a ex-
clusio wmpleta do clero tal como a quer a ca
mara dos deputados.
Havera pois conflicto, por consequencia de
mora, ea sorte da lei admittida comuntosap
plausos. poderia bem ser addiada, a na j ser qoe
a maioria da camara dos depnudos, nio recon-
sidere sobre o seu ultimo voto.
A camaras prussianas adiaram-se ate 12 dc
Janeiro.
Dizcm alguns jornae9 e correspondencias de
Berlim, que provavelmente depois de ferias se te-
nha conseguido ura accordo entre a maioria e o mi
nisterio sobre o ponto cootroverso do projecto o>
lei sobre o registro civil.
- 0 Monitor do Imperio publica um decreto de
6 de dezembro relativo a formula do juramento
que os bispos deverao prestar d'aqni cm diante
segundo o formularto, os bispos deverao jurar
obediencia as leis do esUdo, e empenhar se, sob
a fe do juramento, a conduzir os ecdesiasticos de
suas dioceses, a fidelidade para com o rei, amor
da patria, e a nio tolerar qne se coraportem de
modo contrario a estes principios, e a nao con-ven-
tir iae preguem ou ensinem principios contranos
a estes. 0 novo juramento obrigara tambem o
bispos a nao manterera relacoes algumas eom
communid^des que ponhara em perigo a seguraa
ca pnblica, quer esus comraunidades exisura ae
paiz, quer fdra. No caso em que os bispos tenham
conhecimento de conspiracSes contra o estado
serSo obrigados a ioformar dellas o governo.
Os Srs. Kryger e Ahlmaon, deputados pel
Scheleswig, ao parlaraento prussiano, deram a sua
demissio e resolveram declinar qualquer novo
mandato. 0 seu dessjo e seu substituidos por J>9
mens novos que possam ser autorisados pelos elei
tores a prestar o juramente exigido pela lei e por
um voto recente da segunda camara.
Os deputados pelo Scheleswig, imiUriam o com
portamento do9 polacos em 1848 e 1851, tomand*,
posse de suas cadeiras na camara, e protestartam
contra a nao execucio do artigo 5* de tratado de
Praga.
- A Gazeta de Dirmstadt annuncia o reco-
nheciroento official pelo governo de Hesse do bis-
po dos velhos catholicos, Mr. Reinkens.
Espera se que a Baviera seguira bom depressa
este exemplo. ,
a Austria, apezar da abolicao da concordat*,
o governo nao parece disposto a reeonhecer no
bispo Reikens a sua qualidade de chefe espm-
toal dog velhos catholicos, senao no caso destesse
conslituirem em communidade religiosa indepea-
dente ; ora, na sua qualidade da velhos catBotico?
ou antes de verdadeiros catholicos, snstentam que
nao formam uma connasao nova, e qne, por ee-
sequeneia o estado lhes deve a mesma protecra"
e os mesmos direitos qne a igaeja eatnonca ro-
mana.
Como o minisierio clsleithano trata dos projecto*
de lei confeccionaes, e de crer que esU quesUo
dos vel ho catholicos ahi se veoha a resolver.
0 grao-duque de Melklemburg, cujo paa e
o unieo da AHemanha qoe ainda nio goza de uma
coonitaicao represenutiva, tomon a boa parte*
acolhimeoto negativo que a Dieta fez do seu pro-
jecto de cootituicao feudal.
Na meosigem de encerramenlo da mesma Di*-
U (Laodtagn-abschied) declara reeonhecer quo ja
passaram os tempos dos jpnernos patrimony**
e que teociona convocar a Dieu em sessio extraor-
diaaria para Ihe submetter um novo projecto
constituicio, sobre bases conformes as dos ontro
esudes allemies.
Os ducados rennidos de Cobnrgo e ae t
tba que tem ura unico soberano, recumain n^
algura tempo a sua uniao admioistrativa e poii
tica. Mas os interesses locaes teem sempre impe^
dido esta uniao desejada pelo pan e peK> anqor
Ernesto.
dous primeiros recu>aram a __
0 goverao allemao que tinha retirada o seu \ que
projecto de lei sobre a imprensa. em vista da r^. I iegj__
prevacao geral, que tinha levantado havia ^ to- II deputados por Cobureo. iuijiC1aria serm-
davia compromettido a apresenta-lo p^vamenle A administracao e a 1
sob uma forma mais aceitavel.
0 conselho federal, suba?ette,2 c> projecto a uma
commissio para o modiflcar. 0 tfaualUo esta con
eluido. Diz-se em geral qne for-m mui(j modifica-
das as prescripqoes que tu^,im levantaJo maior
celeuma ; e que p.r o'^cro lado couiem disposi-
coes novas que nio d^xarlo o gov-druo desarma
do c otra as provcxacoes sempre crescentes do
ultrauionunismo.
So depeis das ferias, quando o projecto de lei
A administr
""Esta'reforraa ura por primeira coosequcuaa
reduzir as despezas numa prop.rei. utaveLa
imiiUfiaar o mchauisrao wvoroanvaul.
Nol>.u o ,"iu^ qae a MU recu*u a am**
proposu palo iiiimsteri.. ducal, de maa in-lem
sacio de 4 thaiers diaries ats deputa-'
AUiTBOHt'NORIA.
As leis conff:sionae prometlidas [> *'r*
do imperador d'Austria, parecem estar a ponw *
natetem essencia4inenie um car^cwr ue^iio, ^ v bdjuiis uw u'riai, quaouo u pmjco.u r~-.~. ~ rii-lisr\ih
exacuraeate o coatrapeso> 4q pedidos leyados ao deflpiuvameale adoptadu pelo goverao, ser ap4esenaaa3 a reu.>-v






'-. .....-'- ^ ^"
^m
7\


M8! M QHli/lt ifl fc OtfJMriMo <* Pernainbuco *- Bahbado 24 & Janeiro de 1874 gj OftiMM J O/./iA
Omlnistr
neon de
eoenmis:
Streasa1

os do eoo*semo am*raw'
UJCUpa-SO
membra
,ta* dos "Srs! L*aaer? Geaseca
xara redeccio dafinitiva.

-=
0* jortfitft Vienna annunciajn que o
Deak deqgejpta^os sens amigoe da sua; inVen
do se retirar ciiTiidoiameaw d is negocios.
6 Wastre patriot* lem 7l annos ei an saude
muito abalada rccoMittla-lha^Mhit) rimjuito
AtBda qne es'ta iiAe e uma dolorosa
da pelos jorn
daae que a c
sen fim. E' u
Ella deve em
geaeracao coi
esforcos
da 067.
simples
um desinteresse e
dene todos o potrielns scnsatos
inleresses do seu pate.
ImVlizmente, ^.ootnomento em qoe suasfdtcas
se esgMam, qae o pdrtido nacional, era plena de-
jMfega- ulUmo interregno pnrU.menUr. Ep
g|ra$waiuMta ? a vrimmoa?TiP*HeJW quo tern pretendidn romper ajinidade-la rpsiiij dill aMMa.Tlesiaheleccr a pax.
e*ta maravHhcsa obra. de.tan^a seculus, deftta lipaHi *Wrt>m, porem, trabalbos do
rando-ee da mais forte de todas at nossas UUfjs, &L 3fff^Wf'vy>! tambem trabalhos de
do mils bfera (k-ovfdo de tcflos 'os rfbsso^ aMomRn, Wo nasTa atnnder a conscrvacio das nossas
dos mate formidaveis dos no*sos' vasos de gu* rra, tituicSes, neeessitase melhora-las e reforma
i anew
M
: ft
-.igf
aram
e cuidadosos dos
coflfpTPl^pdrcsrisa dlE amBtfBIS pomus da coHlra 4 ClVHTsa^To tt^erni, em lao
maiona e do despertar dos elemertos reaeaiona
lies da opposicio conservadora, oa da fraccao
radical externa, teriaro niais aje^sidade dnaim
gm'S segnrd, omb as fizesaem alrirveswr "flnnmte-
longos annos, como uma auloeidade incoctfestada,
as provas mats difBtfefs.
O Sr. Dealr era o representante do mais puro
roagyansroo'fllustrado. Xao se comprehenlera a
graudeza ba momaatp cm que De~i. nao bit xitUt tut %a\x por ^W*-aproeHa graealo
sos das suas nm
canhdes separ;
contra o peito
feriara pelas eosta* as hostes rebeltadas em armaa
W3B&
centiro pMe deacon!
fortes eonslituintes i,
mfesio; qae a obrt
cer no seu posto einWftHWfcaa fosse sub-
que o prfsidenle d#jtJ#*fexociUUvo.U3oJ
tor di;o o contra io e o alcance dos seus deveres, e que pela firmexa e'
lealdade de seu caracter nao node faltar a nenbum
tellar
do se
bem a
dido a
e substituid'
responda,
que, se
presenta
tados,
rposta_
votacio.nomi
ros
6arwicepcao roram reeeber as ordens -
govfjrno" rra' dof do hiovfmenlo, bem confo mtiitosnomeiis'po-'
lilico- d 0 aspeato de Madrid em seguida ass faclosJ
qne acabo de narrnr, nag p64e sgr mais bellii^j-o,,
nem ao mesmo tempo mate pacifico. Alguns bata-
Ibdes occupam as pracas- e porios estrategicos da
cidade. ^<^k. TUSP
_r\* das-quat
AlloofMf pcpe de
N^Hien^W q^Bcon
do, os depctaJos intransAnte:
SaragoM j vamoa p aiasBag
rem, a lioha ferrea esiivesse in
deram co>riru Scus deaejos.
0 genatal Sarrano aasamiti'S fltulo e *e*pon-
sabilidade de presWente da repdblica.
j^ytjajtjpbo no dia I, noticiava
iNas
de Mad.
Aslo.
ile u aouas com
#lm goerno vir
tea propo"
Io do na>i Mi
apio CiQiucei'..
mimtiitfiJBifcW
aiirasentara
lac* suuordml
peiturltada
do Usando das antorisacSes caocedidas m mao
ovsrno pelas carUs de lei de 1 de jolbu de 1S67
-- sub>crip-
dapriuiat-
nho de ferro 6V
: 670#000 effect*
divida noctuanU
noiuinaes, tend*'
ito e oxeedido
mero espargidas pelos antigos reinos de Valencia
e Murcia.
tnoilo tdnfwl. Toa*as as vantagens
cipmia tna os cantdrerteidoa ea peeW;|^ffWAH rfiffl"^ "ttififfr M8?& *M^*'o &&&* nt
feudaes, o aTaToHi de todas as classes, e is pro* an a uma desejam que aqui se ^staWTeca um
(undjsswnas divisSes entre os liberaes, terasido ^ov.tiio qae de yerdadefras garantjaa de ordem
Riuj.a passain -rep&s>am as nussa* waia fertel?
ccmarcas. 1(U""'
0 Maeitrago eqcontw-se clieia,,Jl*f*
on campus do Aragiu e da Caiatartw l^la4 incendiados, presa desta guerra calH"loa e inv
plucavel. I'or lola a l'rll! oo!"' 96 sdJ"' eiili"
vesse atravessado por corrailles awolul,itas se
veem brotar parU'cTos, me sola iiiftiroledaboftdulel'-
ros e de facciosos. As csuse^acncias dot erroi
Ho todbs subrevieram no sau devido tempo. A re4
Vulihea que aois r.liamado- a fuudar, passa na .-ua
I. ongcm pelas mesmas durissimas .ftrfiv^a, parqtie
baui.j, e qne a sua palavra nao iirtervenha para
aealmav as pix5 s e mo>trar- a eitrada verdadoiaa. papa se Meaner -o fitn a que
ellirtiaha eonsagrado im tonga o gforiosa ex is
tentta.
O hemem politico q*e,>petafla* opintSwe pe-
la ccnsideracao de que'goza, sera rhamad4 a subs-
trtui o Sr. S*ynry ; irtfts ene e membro da es
jaM^da, da *|uat paitilba' todas a? aapwmfoe?, ex,
cen a da revogabao do doaKsu
Hwleilo dVpotaio, doawii -da sua Oemissao tc-
luntaria, emptofceKdM fsMnar nth ^anttdo iios,
centres, indepemtento ente^tmado a f'trmar o r.u-
cl*o do Htna niiva mafcir**, hmIr pro^reMistaj flurt
o antig* partido d>jisU, m-no- ra lira! qo>> a ex-
t-'nsa tS(}uerda, ^aae VjU* o divorcio absohit) da
Htmgrla com a impwlo-aiBgtrtaco. -
No pMMo a quo as ooih.is enegaran* e difllctl
direr seUe |W)di'K*saar-se bnm o>*ta empreza
A erise ministerial /.>i a",;cti-amenie eonju-
r** nNtateauajaaMetan pota T'4Jr.* d oas
memhros tloganltiete cujas pastas fotm confia
d--a-'S saus cullnga.-, mas a crise njrtamerttrtr
ctiMiou ao seu mais nlto grat. K' wArelurto a
derrota liaanr. iira-jue tfe an eausas desta .1eban4a4a geral. Ca-ia psni-
d) aji srtbaje'o|rosa'PepMBsaltJ(d}i'8 dustn
anirchia goveroaanuatai, mis "nBh-'n tetn de a
as!iir para*o dar nwiiedio.
l'oder-se-hia?5pararqu'*-oetihre dwn do-m-'
iro as (turdo -o Sr. (iliyazy acrttaria es Wicaef
sao onerada,oquo, gracas ao aea pmriMiame, e
an seo iab>artopotowco'*aB"8u aawsHfio pmalar;
conjeguiria p5r em rdem este caho^; ma* o 'Sr.
JIWcjy pareae preferir reartwana* pan mfu-
tarj mais- daseamigada dos aaMaes emtnatejO.t
Ctwfe deflm partido acrro tma nan -vonmwin
da raais da40 meiabros, prefere laora* o sen \m-
to, era para a direita. or* para a esqiterda, eejtun-
a as Bocessidadas do DManeoto, o amerar a re-
-.uistituicio da grande maiona nacioaM, hoje des
laaajaniaaala.
T .*> esiao de aeurda cn> Tecoabetsr os males
qae opprimem a Hungria ; nao faltata attojeotos/l
uem pcogramiuas de reform.!; mas deuta e nutm
!i1u |irecoDirsm-sc os remedius esiremos.
i) miis euriii.-B riestes projzr:unwa!i e. oddibarao
Seaaepij, pimHcado no seu jiroal o Majyar Poli- \
tici, Pin name:dos eomtfrvadorea; Mgaiido e*e, 6
parinmnaiaratno e a causa de tudos os males; as
lets votailas saeimpratteaveis; a emanctrapao do?
indeus e uma de'*ai;a a abokqao das peals
i-i'rpora-'s pruduxio a ;i; laria itc'iscinlinaJa das
massas ; as leis liberaes t-obre a mstaireao pbpu
lar ilf-struiram o ensh'.
Saiuraltoente o Sf. de SeBB^ey couehie qne e
preciso voitar as anli;*as.; iKidiyoes do mafiyaris-
i)io mais oppressivo e mvia rimitado.
O coade Lonyar, anHgo ministro presidenK,
'oiuproroettido pekie< saas operators linanoeiras
proinette u)undi>s e fuadus ? aliungria sc con-
verter ao sea sy:ii-ma eewnomics.
A esquerda no v& outro rewodio a actual i-
toacao seaao na sejiarajao aVs^kiU da rtuogria
d'Auslria, o no sea bsoiainesto -no seio da Hu-
ropa.
Todo5 e>tao de accordo na uecessidade ufgente
de cobrir o ah\ smo de um deficit devorador, mas
n'mgnem se quer sacriticar no altar da palm.
iViii i|iicr<-nd > ou ii*j pudeodo o Sr. GUyczy,
dominar a siiuacaoJ todas as visise se vullam pa
ra o ennde de Aalrassy^ priiaeiro ministro l'Au
tro Hongria, e one ji uma vez coasoguk) livrar a
Hungria dos en)bara<;os cm qne se tinha met-
tido.
Kai'a poroin saber se o eoode d< And ussy eon
seotira cm sjcrilicar a sua alia posi<;a >, para stv
dodicar inteiramente a rnixio nwiio delicada e
muito duvidosa, de conduzir a sua patria an uni-
c eamiHbo nac I be p>de assegfcrar a sajva^io.
Oizeio de Constantioopla, que a Porta deom-
wu todos os traiados de eemmercio quo ella ti-
nha feito com lodas as oulras poloECias.
A cireulai' oiinutana que netilica esta decisao
a us governos eslr;uigeir s, procgra demonst-ai! a
necessidade de uma n*vi*a*> dos tr.r.ados oxisten-
tes, fszendo valer as madauuas que so tern pr>>-
duzido no comioeruio a a industrta.
Dizrm. porem, do Bnrliiu que- tal cireular aao
ex late, e que a I'orta ia> pode denor.fiar tratados
i-.uio lermo e lix*io.
E porem verdade qae a Poi ta uv.-ej.i ha mui-
to tempo ver rovistis e&les tratades; mas nan
basta deuunpia-los, o precise rcfjiau-los com. o
iv>oentimentu das pirteacias coatratanfis n'um
soatkto mais justo parfl os interests do i*nperio;
oHomano.
ERRK<4>
Dm decreto do (uincipe Milan abota s- peiias-
'irporaes, no oxen-ito sejvto.
A questao da restiiuii^w da fortaleu do Zvor-
nik pelos tarcoa esta em via dp resolugSo favo-
rawej.
Segundo as declara.;5es do ministorio oa Skupt-
Ijina. estap beio (iguradaa as negcia<3e* com o
goveroo ottomaao para aiigacao das. liubas fer-
reas tnrcis e servtas. Esnera-se uma sojujao fa
aoravel aos iuteresses da ewia.
Sao maito.mtnortantos as aotieiaa deete paiz,
<-orao meiaoD vera* oa. leitores do qae dos diz nos-
so correspondent* de Lisbca :
A 2 de janeirurealisou se aabsrtura>dD par
lamento.
E' da maior iateaesse a measagem Wa pelo
presidents do poder ex<-ciHivo da repobiica hespa
ohhola o Sr. Casteilar aa abertuna da sessao. Com.
qoanto longo esse ddcaaaeoto, aeho-qua acoove--
naulu traascreve-lo pela curiosidado qae a lodos
inapira a excepcioaai JJHaafc daaumu paiz:
m. A's cdrtefi constdwiatas. Srs! daputadaa. 0
governoda oaoa.i, fie* ae# eoinpr Knissos que son
irabio comnasco e dos deveres qae Uas-iavju !
qba
As j>ro?iociaa Vascvngadas a a '*$*f"*T*, resses que ao commepcio uujvorsaUe desentr*.-
acaam-se quasi na posse dos caHIstas* frejdjr- nnam du npaso riquissimo sUcv
des Uvaniam .cbm-oWos trabalhos e. s*f"riift6a t TIma grave, grawssima qiiostao inWoadonal
cmrtra aquellagenaJ iuundao os seas onvados turgiomisre -
anir is da defeza. Pete provincia de Burgos amea
cam constantemente b co'raijao de CasieTla, e pel?
pern como alem dos mares.
e, ot7aJecena* ao aoplo moatmento de
servacao e to&etfom>-im letups %tf>
dos modernS- Atlraffi # uan aetid^p
*>&*iWlitMafi ;fiP<>tliam-i a^e .**>$ t>%ajragMra ap mMi-^VWg.^^
**! diiendo e^afulUia/i;q^ o* itrag8Bta) a gea^raaa-daa. prqaHacias telegotimas de adhesao,
pabTi'a.-a-i
! criiico periodu, originada pelo apre-
sameulo do Vii-yin^k 0 grveruu voa aareseunua
pcotuculo de^te negucio, e nelle pudeis verse
fuj fdiz ivitai|d*o ara*' guerra mais a nossa' p*,
tria, e su'stentoft o#.4>Fjhcipijs dd dirailo inter-;
e, fil naoional sobre uue asseuuin as relacJes das so;
eiedades buma'nas entre si. Por causa desta
'-succesf o temos fe.i*mdo navas prov.ai da amfiade
de mnitos governos e mais uma vez a.s per?"ua
Idimps, a^ffnpSr a no'sia-granile.Auttlha umtra-
fadoqae repagnava a^ua .sus^ntttAlidaile na-
cional, que o uoiue de HHspMlia se aclia alii
gravado tao solido e duradouro cckud o pr.oprio
s do cUqaelU ilba.
Kao temos de's'eojdado, nen) desatfcndido be
aarohia cunstitucional.
i Nao esquecais pois qne eswWQ* em guerra,
que dev. mas susteutar esta guerra,.que t"da a
guerra ha de substituir-se, qae aao ha pol.tica de
guerra .Na < esque^ais que neale trause periga a
nossa recemnascida repuMtca, e a nossa- anUga (i
passou, ua serie dos progressos humands,.a my-, ahtyn dos direilus da nossa. palria, e p'T iaso
n qnestio das pelas antigas o tradleionaes profogativas, a
qtiaRs sdJ vos, f^presenlanles '.do novq, ncdeis le-
^iUmatpente re^uoeiar.
A nbssa .situaijaa, grave nttfe dabjixp de v.
ntiga tw rios aspecios tern raelborado delaiiM de outros.
Uer lade, as conqaistas da civiiKafao, yi dlreiUi? A ordain acb.t-se mais assegurafa ; Q'l-espeUa a
ropeti. [vadcf de baixo.
t E nao csqueais que. a #Vlica da guerra 6 : << A 'for;a puplica re;obrou a disciplina a *u.
uma politic*, anufmd, em qne ajgumjs n^n^-oes lioriinat^ao Os motijk. djari 'cessaraiu \V\
ramente. Ja ninguem se atrere a qespojar o exen
cito das snas afmas, neat, j eTerclto as, a*rr.ja
para se entrega'r a ftfgia e j deserdcra. As rau-
nlcipafidades nao se deelanm ja indep*!udeMes
,do pqder central, bem eXiyeqi essas JicUdnras
locaeS que recordavatn os peiores dias da tdaile
media. As deputagocs pnvfHrfaes n5o sq atre-
vem -a. con verier'Se cm cuo/es da forgaqWDllna.
A ordenj e a,"aut'Tidade fcm salido? fundameato*,:
qne, srndo a da rpivbli(a, o si i tambem da de-
mocracia e da liberdade;
i E" necessarlo afur de uma vez para sera
'pre deflnitivarapnte, unto com a era dos metihs,
populate*, como do JronuocTamcijtos. w.ilUares.
'E nccpj?ard qXte^'b apvo sa.lka que tudo o que
d-jjasti\-a Ihe for devido, o piMlb.' esperar do.tuf-
fragio pitfversal, e n*e astarricadas cos tumul-
tos sd lhe pqdetfazer a rUina e a deshonra-.
E* necessario qjjfi o excrclto saina. quo fb1 fof-
mado, organisa'dp, armado para obedecer as cor-
disponham ellas o que dl^pozerem 5omo
braco quo ftnpfta as leis. Todos os homens pu-
blicos de\Criam &k*t, tAqlQ aps motins papula-
res, romo as sedi;-3es rrlilitares : se triHtppiar-
desA ainda que invoqU,cfs o raea ncme, ajnda que
vqs cnbraes com a miaha bapdelra, flrai enten-
dendo, encontrar nos heis entre os vuiicidos ;
peweque a uma Tfctoria por esses mcins preferi-
mos a proscrtpcati en a moTH).
n Pelitmentc e universal a conviccac de qap a
Tepflhlica alcanna toda a. vida, desde que eau-
HberdadP, drrettQ e derer, ordem e
sociaes se suspendem,e em quo se uecessitK saeri
Bear alguma maaifeaUfao da liberdade, .pelo mes-
mo maliro iub duraate a fcurec uecessariy >us
gender a alimeukicAo ordiuaria, que lao prftoisa
e a vlda
forqu'v senlures deputados, ou a gp^rra' nSo
e na,da, ou jbela sua pfopria natureza $ mna
grande violencia contra outra gnmie violenfia,
um de|>-)tisino contra outro despoiimu, em que de
algum lado esla a razao, porem sum. que pu-sa
eunlar para prevalecor, se aao- coin a fore a.
a Permitti me aconselb,ar-vosi,aero coibarg",
que u.si.is deaes meios de eXcepcjto e dq forv*
com a. nwderagao e a energia com quo na sua
gberra de independeneia, e ua =aa guerra de se-
paracio, procederam aqueltes que na h,istqrfa
UMMJWrna se cTnmam os funJadonw d'a deindcraeia
e Ja republica.
t $6i jeinos tide em nossas inaos estes raejos
e temos Dsado dejles com' toda a parcimnnia,
preferindo antes qae nos Irilguem debeis doqueftes,
cruets, convencidos de qije nasta qnerer im>or
a autundade, para que a autfirtdade se ira
ponha.
Alem. destes meios polticos, necessitam-se
tambem fins polrtrcos. E estes ilns politlcos de-
vem ser re roroando que, ao nascer das uossas
in seres imperfeftos, prqpondb ros n^p ndia repnbli-
ca de escola ou de partrdo, mas jihja ceudMica
naconal accommodada, pefa sua ftexMbrtidade,-
as cjreumstancias, transigeute com as crencaa e tcirdade e
os costjimes qae enconfra em torno de si, sensata
para nao alai mat aenhama classe, forte pata hi*
tentar lotfas as refermas Hecessarias, garantia dos-
oateresses legitimos e esperanca das gera^Ses qne:
surgem iirpacteoies em realtsar novos progressos
nas sociedades humanas.
a Nao esqa^aes quao formidavel e o inimigo
que temos na nossa frente, allimentado Dor ideas
antigas e tradicionaes, possuidor de rcsifies in-
terras, as mats asperas e inaccessiveis do nosso
solo, chefe de um cxercRo dfscipllnado e nlu-
rosfsstmo, esperatte.i dos qde lem per**y a
fe de viver no repouzo dos pavos civilisados c
livres entre a agitacio das nossas continrJa?Tevo
ilucSes. Edrretim-lo mqlto claro e muito attq ;
em virtudc destas |>airlotrcas ct.nsiderac5es, a
nossa polirica tem tendido, posto qae tirnida-
mente, a e^'itar a direeujio do governo, tamo
qnanjo posstvel aos propagadores di republica,
porem agrupando em torno da republica todos
os etemoiiRjg aberaes e demoe'ratieds para oppOr
esta debil anidade a formidavel aaidade do abso*
hitismo.
t Sap basta porem proseguir e lerminar a
guerra eom os meios polhicos, necessitam-se
ao mesmo tempo os meios militares. Tem-se de-
clamado mako contra o exercito; parem a me-
dida que se avanca no caminho da expertea-
cia da villa, mais olara se ve a nccessidade iin-
prescidirel que tem os povos do exercrto.
c Tem se wtranhado muito a immensa impor-
taneia duda a prollssao milttar, porem quando se
medila jue n^) tnem do egbismo geCal, o exercilo
represcata a abncga^-lo de proprto, e a sujeicjio.
as leis mats rt^orosas, nas quaes toda a persona-
lidade se anuoila, levando estogranrfe e eoatinao
sacTifleio at^ immolar a proprhi vida, pela vldja, e
reponzo dos outros, comprehende-se e eomparli-
cipa-se o orgulho com que todos os povos cbHos
tem olhado para as glorias doa seUr etercttos..
Alguus paasoe tem dad* e?!e goyrrno no ca-
minho de eostrnmo exercrto : on metro, a retia-
biliiacaada ordieoaflfa segundoo restibelecimeri
to dadiseipltna; lereeiro a reftJrtaffaclo da artt
Ibaria ; quarto a distnbuicao dos commandos- pe-
los generaes de todos os parlidps, o que. da ap
'exerclto um caracter rerdadeiramenje nactonaj.
Recruta lb, reunilo, estabefeee-lo, eqnjpa-lo, ar
ma-lo, estaurara discipKira, p6r em vigor a or-
deaamja, dar-lhe mobilidaae para afhgar em -aau
gennen o motivo, e torna-lo soffredor para sup
portar a dttreaa da guerra. Mm srdo obra de ptm-
cos dtaa e de grandes resaltadot.
a sua cqascienci* e g.eu mandato, vam
4ac-vos coata do njoda, porqqe, osflFceu, p pader,1
e prestarvps^inj a Ijoa^eoagem db sea a?ata 'cwa-ea tnit as
men to e do seurespeito.
a Fatidicaa oaediccwM se haviam d*
cada cbogadadeste du ; {abdipaa uraAio^as d_
mentidas pela enp^ueacia, qua. deuoastrou uav:
o nas. repuMcas a forca do poder, .'ustentar a caasi da liaerdade. D'isvanecidos os,
ol arejudica-o.culto pela legaiidade.
Asgera^Ses conteiaporaaea*, fdrwadaf, i li-
berdade e vuida* a orgaoitar a d^ooi^wu, detas-
um igualmeat*! aswvo^pe* e os ujpes.da'esta-
do, caauandaos ssus progressos e a r suas ideas a myslarkisa virtude das jofi&aa. sociaesl
e a pratica constantedos direitoa l^ir
o caracter das modctaas sociadades.
Pordm, se a desordem, se a aaaxshu. *e aaado"
ram dellas, e querem sabmettc-las ao seu odiaso
despotiamo, d instincto consarvador revela se de
prompto e leva:a.- a saivar-ae peta creaoao- o^ia>*
instantanea de uma verdadeira antondaqe.
u Assim.no fune-tissi'iio period > em qua nma
Sirte consideravel da aacio se vio entregue aoa
orn res da demagogic,'diviiiudo-seas nossas pro-
vincias em fr.igmento, on le reinava Ipla a espe-
cie de desprdetu e de tyr mnias, as cdrtes; prove
ram de re *,edio a este grande mal, creando pode-
res vigorosos e fortes.
Oi
omnim
10
qde em xtfe.nar a'saa propria autoridade.
Oadn juer qne tenba havido comeeo de des
orde.n, alh se achwi a sua mao com promptida-i
e con energia Onde qner que tenha havido uma
coniurarao. athentron com animo resoluto e ver-
dadeiro z- lo.
demo racia, repouzo e mavimeffto, estabilidade e
progresso a mala ennrnlexa e a mals flexivel de
hidas as formas politieas, inspi rada na razja, e
Cafyaz de amlotjar-se a"todas as clrcumstaa/jias
histoncas, termo scguro das revolucflcs e porto
das miis tjenerosas esperanras.
Tambem 6 universal a crcBca de qne a res-
taurajao trionarchica sd traria apos si uma serie
de cptrwls&es Interminaveis, parque nao tia pada
ime possa submetter geracSes edacadas na li-
berdade e na demoeracia, ao logo que mna vez
irm quehrad > e desfeito a sens pes.
Se as desgracas de oma dupla guerra retia-
maram a suspensao de alguns direito?, o eclipse
de alguma.liberdade no soio da republica, qi-
xai-a no seu awviineato pacifico e verms com
que prompltdao e com qije jolide? recobra a sua
propria natureza.
0 necessario, o urgente e crea-la estavel, e
rege la nas bases do assentimento universal,
cliamar coin efDcacia ao seu said todos os parti-
dps liberaes, desapossar-se do eguismo qne acom-
anha o poder, para tomar a expansao infinita
e qae ha mister a demoeracia ; attrahjr todas
as classes, demonstrando a omas qae com ella
o progresso e seguro, ao mesmo tempo que pa-
cifico, _e a outras quo ncfla a necessidade da con-
servacao se impdc com a mais invoucivel das
forcas^eom as fircas de t>da a sociedade.
t Propondo-vos nm* proeediroeMo dc concilia-
jao e de paz (jue applaque os afliraos, e nio os
excite, que seja ao mesmo tempo a liberdado e
a auterfdadc, senhores deputados, podeis appel-
lar das iujasticas pres.cntes para a justica aeft-
nitiva, c quando tlvcr passado o. peripdo da Iqta
e do perigo, e encerrar-vos no esqaecimeuto
do vosso far ; mereeendo a vossa conscieqeja^
e eperando da bistoria ,o titulo de propagadoras,
fundadores e ot>nsryadores da republica em
Hespanha
."E'lScorno n"u,ma, fqljja de Madrjd se narram.
os successos dsquella rnempravets.ess5o :
a A sessao das cOrtes nao se p$ le abrtr anle'
das tres hobs e am quarto de sexta-felM. Bsta
demora, apezar da injpaciencia que se devia sup-
por em todos, era devrfa. a terem estado em derpa-
deira conferencis a ultima hora os Srs. Castejlar o
Sa.lmeMn,,e a n3o sabewm ai/rda, os que se.
rayain para derrotar o gpverno, quem o havfa
substltuw, nem slqper quern. havJa de orgaijisaf p
irrtflfsterto, pirqupn Sr. CHao havia rBquBCiajdp
ReclamacSes em alguns bancos da parte de
alguos"deputados jue eoteadem que a proposta ja
ir ?de-lf ffirsnESoTr^-oposta do Sr. Olias.
a Faltanewtfa,alU o Sr. Gorehado, .acewaodo o
Sr. Oaslellar de ter faltado aos pnncipios democra-
Respondem-lhes" o Sr. Mbntalvo e Ledn y Cas
essalronra." Qujz so adiat a.abertU^ra da sessao
para o dia seguinUv -mar p governo nio conselitio.
a a yerdade 6 que pela republica o exereHO 'por. se ter cbrapfpflitttillb aaprescniar-so a dpr
tem eombattdo em-Barnaren, era; Monte lurra a Jonta dosseus actos op dia5.
Bdaveta,emEstella,emBerga e Mbureal; pela; Comscoa'pisJa sessa'.. 'timHoa se o Sr. Sal
repuWica o exercno, antes imfiscipHnado, da Ca- roeron, presulente dasc6rtes, a ejplicar o compar
Uluoha, tem praticado em toda a parte prodigto- timento da mesa na questao das vagaturas oa oe
de Rermcidade ; pela republica alagbu com saflgue dir aos depulados que dessem mostras de pruden
as luoataanas e a ptaniciea de Aras e Bocatren cia e de ele\'a.55o de vjstas na dlseussao das graode3
le; pela repirhliea tem gertdo m seu fecundo questdes qne \#n rejolver.
>ei.i novos heroes e lemMda nos seus glotiosus!
aunoaea a*vos martyres. Se a guerra. civil tm
Ew BeguiJa api-eseotou a Sr. Mawonnave al-
m leitura da mewiHum; d*>peder ejaajBRliya.
Crmeo,.!, e.a^^&^sWlipa'teitva, da
cartes
iitjvo caatuamento de'Davas reeervas^ que eaiajnY
a a pwo tqanioi tern Ujabep* coalribuidp paf* siasraodoU*.parHgra*lw8: aiueW4eondemri3va
snfar a causa da Uaerdade. Destraaacidoa os, a insurreisaa "
delirios. fnuridiaiu, parto ratidjeo *e um UWrn*.-, piflca dasce*^
1 "SSSft XSHs dno^s*feeftosf a' gg^^-^-^^W *
(iabrar aswssag. queridaa jqatitwete.. Poriisd o ^ ftrminada a leitura, propoz o Br. Matfia'de
governo se anresaou,-em v.runie da auorisA* Oiias um vatode coafiaaoa. ur&posta,ta,aue fe*|
_ que Ine cee.codesta*., em formar uma uulicia, h* ^mada em &>auderacao. ,
m Ml :<, ual tomeroJ|^td,todps.oa odadaoa. DesU softe 0 Sr. Santa.narla faii^l, on*^wuda
,us hesp^ni-oes.^m excepcao alguoa* 5paiti.- mi* aa.p/o1#u^ pdjfldji.asicortaa n
rlo ^ar* a dafera araoa(, a equdibrarao aa-snas rats^m nao haver quo eValifcerai; sO)ie a
iiirca". porque nao satumus da tyranuia doa rais '
os socialislas eram os unfeos responsAveis de uma
reaccao em Hespanha contra que tanto claraayam.
A se.'^a'i-fji inlerrompida pir duaa naraa, annn-
do-se m.Viimaate 44 il boras da mile, presidindo
aSr. Cerv^ra.
0 fir. Uecerra declara naa cr posiiva) a.Jiber-J
dade sem a republica e que a fraccao republicana
democraiiea votaria a favor do miuisieriu.
o f>Srf Lalira accusa o governo, pela nomeagio
dos aroew'spos, que coosiderava.uma luva lancada
4 face da. assamblea, e pede ao Sr. CasleJter que
solva a.Ser o.primeiro democraU deilaaiiauha.'
< O Sr. Torres aualysa us artos do governo e
termina manifastando que a esquerda da camara
votaria em qualqut-r governo quo fundasse a re-
publica federal'.scm mistificagSest
Fallam aihila alguas oradores sum accrescen-
tarem nada de importanta e o Sr. Canalejas nura
defender o^orarno. Examtnandu a pu^sibilwado
de um miuisterio formado aos dissident es da
maiorta, prophetisa a esquerda que d-mrod 13
dias (lie cahiria nas maos o que restaste em'Hes-
panha.
<( Pede, Gnalmente, a palavra o Sr. Salmeron co-
me^ando pur co'nie&sar a diasidencia qua a sepa-
rava do poder executivo ; que continuava, porem,
a desejar uma republica conaervadora no sou pro-
aader, mas rad.cal na forma ; sustenla quo a po>
jUU-a secnip"a pela governo navia fivorecido a<
antigos partidos, cu n prejuizo do republicans, coa-
seguindo reanfmar um que jazia quasi destruido,
qne hoje podera esp.Tar o iriunqiho de uma
pligarekia militar, e pede que aejam entrtgues a
offJ-iaes rr'speitosos e dignos os commaaJis uo
ex-rcilo e qua este n3o '(eniu, outre urn que d-
feiider a le. alidade, e cburlue dizen-lo que sup.
rior a amiSade estava a sua uousciencia.
t IUi.ponde-lhe o. Sr- Castellar estranhado as
accasacoes que salbie faifain de Joconsequente e
faz' asuihistoriapolilica.para denjonstrar que.ha-
via Seattle sido o elemento mais cqnservador do
seu partido ; que a republica se devia exflusiva-
monte aos radicaes e que elle e agradeddo; sus-
tenla gue nao ha neftlfr'n Iwro'e/u popular para a
aalvacao da rppub-ica e d^safia, tpdes qs gqveraas,
a'qae s^am eapjtzes de ipapjer os principles de-
mocratic no meio de guerra; que preferia a re-
pullica a todas as roouaac'.iasi confessa, 'quase
llie fuia possivel taria chamado ao poder homens
de outros partidos que nao podessein sex mate.que
republicaaos ; sdsteata a nrgencia da furmaa?o
do partido conservador renubjuoano, o qual ten.
crandes questpes a revolver; que em quanto ao
federattsmo era nma questAo de raunicipaliJade e
jue podia realisar-ae. (ttumnfes.)
u Sim, por 10 annos. (Netox rumora)* Sim,,
porque o projeeto foi queuradp.em Car'agena.
Em relate a nomeacao dos preUaos, disse,
que a havia. fdllp om cuijjprimentoo do deveres-
superiores-a toda a pbifcsqphia; ua necessidade de
augmemar o.exercito era 100 mu\ haraeas ; o Wr-
tnma pedindb que p suhgltfuam QnantoantesflOr-
que em face da guerra uio ppdo Raver outra pa-
in tea senao a da guerra.
I'osta eai seguida a \'ntac2o a proposta |d*
coaflanca e rejeHada por 120 votosflonlra lOaT
Lfi-se immedlalamenze a demissSo do Sr. Cas-
teBar participaodo que'bavla accludo a do? sens
collegas.
Faz-se uma proposta para que por meio de
listas fosse votoda a pessoa encarregada do for-
marnyvo ministerlo.
H' approVada e snspende s* a dlseussao por
2(1 minuios.
Em ouanto as?im se dlscutiarn os ipteresses
maw sagrados, haviam. eslade eai cbntifluas euu-
ferrncias osrhefbs dag dlvcrsas frac'soes para or-
gamsar o nova miuisterio.
< A esquerda nao queria que fosse o Sr. 1'a-
lanca encarregado do formar o governo e oppp-
cera-lhe o Sr/Tjocias del Fangar; mais larde ap-
qiriesceo a acc'Kar aquelle, mas entao foi o Sr.
Palanca qae n3o quiz aeeitar e volveu o St. So-
cias a sei caodidato escerhjao.
Era necessario completar o uiinjsterip com
iudrviiluos de todas as fracQSes, porque o Sr. Sal-
meron havia a esse tempo rcsoradd fazer parti-
cipar do poder o centro e a esquerda, com a coft.-
dicao de que se suspenderiam as te.-suaspur ciu-
co mezes.
t Para isso ennferenciou com o Sr. Pi y Margali
e alguni m-mbros da esquerda.
a rediam os iutransigentes duas pastas para si,
sendo uma a da guerra, que queriara ao que pa-,
rece eonfi.ir ao Sr. Estebapez.
t Nn centro eram tooto". os pretendentes as ires
pastas que o Sr. SnrmdTon Ihe dtetrlbulra, que o
Sr, Pi y slargall pap sabla" pqr onde escolher..
Entre os dissldeOtes da maiprfa quo acaqdi-
lhados pelo Sr. Satmeron haviara. mottido maps a,
obra de derrotar o gpyetno, tambem eraro gran-
des as dNJJcurdades, nao qu'erendo entrar o Sr.
Guozales nomtaisterloquaado suube da escolha
do Sr.. Seclas.
"rtfesta situaejo e veudo a impossibilidade de,
organisar governo. no meio do Up destemporada^
ambiioes, renuncrou ao seu cargo de president*.-
o Sr.Salmeron e foisentar-se nos bancos da. di-
reita para ter mao, segundo se dlz, no movimen-
to que elle iniciara e que acompanhara- atp en-
tao.
i Quando de manha, no dia 3, se estava pwee-
dt?ndo has cortes a ncmeadtct du encarregado da
formar mraJjlcrle, apresenta.se o capitSu general
de Madrid com as tropas da guarttfc,ao,. snbiudo
?la rna de S. Jefonymo ate a almra, da paiacio
cartes.
n is 7 lioraa e um qparto peuetrarara duas-
companbias no paiacio. do congresso.
A de cae.ad.ires chogou aittda a fazer alguns,
tiros ao atravessar um corre lor, nao se sabe se
atirando para o ar, on se respoudendo a aigama^]
Xggressao,
< Os depufcidos pozcram se em debandada em
dwrentes dlfecc^es,; aos vinte e tantos con> o
Rresidenterefogiaram sa no archivo aabimto: mais
tarde por uma oorta travaasa, sem ohstacujo.
Aordem u*o fbl alterada em Madrid. O da-
ae la Torre percorrera a cidade com uma
queua escolta.
tyrannta
para entrar na tyraaai* dprpattid'Js.
0 que se queixaw da de%Oenci da fispirlto
pubUcq,oique(uiJj{Mu#povo marfferuute eatre o
^bsoluiumu e a republica. davam j^eurdar-se dos
vluotarius do Mura'dq Ebro ga^taada afe u uki
sao que sea, Mfym voIua>af(ui ^n^qt.Jo fti.
gurda, deBaiTiesa, ae^,.Yo,a, de ^fUjW'os u<
vos ; os vpluatario* de toitelj*, qua depuisde te-
< Diz-so qua'pafaipr^esidir a munieipalidade se-
a Bpmeado van. mamuez da Sardoal- u
legraphia particular
Todos
it;
etamente suspensa a te-
os pontos estrategicos de Madrid fo-
ram occupados miliUrmente desde as 7 h >ras da
manha de hontem ate esta manha ; mas a circu-
laeao fcorservouse livre. N.to hanve neahuuia
tentaliva de desordem.
Muito* curiosos percorriara a cidade.
Pavia recebeu da maior parta dos eapitie
proraetfendo o seu anxilio.
CoineCQU-bontenL. .
memo da ruiliria natiuiui de
lente o desarma-
Madrid: Segnndo
vos daraeooia
<^l re<^H a vitaudada da
tismo e a paWajeridade retaim
as maiores probabiHdades^o governo ser4 formade
pela seguinte furma':
Serraiioipresidaate do.poder esacuiivo da re-
publica, sem pasta ; Zaballa, para a guerra ; To-
pete,, para a marinha Garcia Ruiz, para o inie
rior e iuieriiiamente na ju:ti;a ; Sagasla, para os
estrangeircs e interinameute dasfloancas; Bala-
guer, para o ullramar e interioameota nas obras
publican.
s As 10 boras e meia da manbi ainda nao ti-
nha apparecido a Gazeia.
. E pouco depnis, o seguinte :
Deoretos de Sarreao como presideuie dp poder
exeeuUvo da repabljca, nomeando o min-tterio,
como j noficiamos ; nomeando I ger.U ila cavallaria ; Ros Olano, da artilharia ; lz-
qoierdo,.d;i infantaru.
a Numerows loiegrammas das autoridades oivls
e militaros da provincias adherindo ao novo go-
verno e promettfiido a sua eooperacao.
iVohumas desordens.
Ainda nu i chegou a Lisboa na. sua iategra, o
pwteeto d>* Castellar, contra o golpe de esUqd,
maso desparho telegraphico que o aupuncia no
dia '>, diz assim :
x Castellar publicou um prole?to dirigide ao
paiz, diiHiido.
< Protesto com toda a energia da minba alma
contra o golpe bruui vibrado contra a. asseuiblea
constiluinle. A minha couscif ncia- aeparase da
dumagogiH ; a miaha omseienaia e a minha han-
ra separa.ii-ine d siinaeax' quaaaaba de se crear
pela forca das baiauetas. >
IVaries deputados da maiona adhexiram a
els praUBto. I'rovo.el.neule esla tarde o miuis-
terio fieara couiplelo.
< Corre o beato de: qua Rui: G-imes entrara
para a fazenda, e yartos para a justica. 0 dos-
armamento continiia sem dittiooldades.
Ila lr.iai|uillidade em Madrid. Diz-sc que ha
dsofdeua em Valladelid.
A dieeta de Madrid do dia cinco publiea
os decratas oomeaado Martos ninUtro da jus
tiea ; F.ohegaray fazeoda; Mo^queri obras pu-
blicas ; Aibareda goveroador oivii de Madrid. De-
creto snspendendo as gaaauatas ionslitucionaes e
declarando em vigor em toda a Hespanha a lei de
ordem publiea da 11 dc abril de 1870. Circular
do minisU'o do interior aos governndores das pro-
ainoias ordonaudu a suspousao do todos os jor
naes carlisias o cantonaes. Hontem em Zaragoza
hoiive eondicto entre a Iroaa a os volunuwias da
liberdade. 0 combate do/ou 8 boras.
A tropa fi-s 9M0 prisioneiros, e apoderou-se
de 6 canhoes. muitas espingardas e municoes de
guerra A (ebelliao pfovoemk pelu ayuntamiento
e dapatagap provincial estava ooneplepimeaie do-
minada as 9 boras daiwito.
0 <;>iHWuwknt-j e a depuUQM sepaudissol-
vidos. Esoalharam-se koala n ruawre* de dtr-
ordeiu am -Msidrid e as autoridades imauares to-
marwn precauseaa, mas a noite pasaou-i-e Iran
qaillainante.
A jiuaa ifaurgenle de Cartagena refugiun so a
bordo do MmcHCi elle os abaudone, fugindo por m*r. A aberture
das tnncheiras progridem rapidamente a c.-pc-
ra-sc em breve o alaque das brecbas. Todas as
aorudas dos insurgenles teem side repellidas
coir, grandes pardas.
CaJeuUm-se em mais de 300 iniluoos de rea-
ies as perdas eausadas pela insurreieao cauto-
huI. 0 v.uor das ex-aojoee carlisUs na Xavarra
xcede a 20.miihoes.
< 0. Carlos partio com as guerwlaa-s ?ia-yar-
reu-es. As de Alava sahiram da Vergara, toman*
do a direccao do Bilbao.
a E>ta garHtida, a defaza e o abastecimanio de
Portugaleto e do fortefiesierto. Os carlistas d'upara-
ram .'iD tires de peca contra aquella povoicao. As
avoncadas carlistas eslio a vista de Castro Ur-
diale*.
As guerrillas biscaiahas e uavarcottses es-
tao em Lomarroalro na forv da- yj,t00 homens..
\Jlirma-se que cortarau* a poata, qua 6 comma-
nicacao indispensavel entire Purtegalete c Bilbao.
PORTUGAli.
Nosso corrospendeule de Lisboa escwve o
seguinte:
Xo dia 3 do c-jrrente, no pavo do patriar-
obado, em S. Vicente de Fora, em Lisboa, foi
uraaiade o jurauiuuto pelo- palriarona-nas maos de
mooseiiboi Maters, como represeutante da Santa
Sena corte da Lisboa, que oa elavad -s a, dj^uida-
da cardin ilicia sao obrigados a dar antes de re:e-
Porem a, respectiva insigma Assist raiu a esta
'>r.-iuonia o arcebispo vigario geral- da Lisboa, c
os dous primeiros dignatarioa do cabido uatriar-
chal de Lisboa.
< No dia 1.* antes da ceremonia do eerie-jo real
realisada no pai.-o da Ajuda, em Lisbt'ia, tava lu-
&at recupcao do official euearregado d* eatre
,ga do barrate cardiuaiwio d:istinado a ?ua emioenr
cia o cardaal palriarcha de Lisboa, 0 on car re-
gido dos negocios da Sania Se, observou qua S..
M., que ja ha inuito conheoe os particulares eexl-
miosdutes-que lau Urilbaalemeoie adodnam o novo
purpurado, oxpenmeutaria verdadeira saiisiacao
eaijcmcmrinr para, a racoinpeoada* suas vtudes
e em ve lo eleeado a digqidade de eandeai. im-
pondo l-.e o barrete. S. M. respt,ndendo qne
apreciura devidauieote tudo quanto acjibava de
bouvir em ralayao ao novo purpurado^ deolarou
ao-ablegado que folgava em poder assegurar-lhe
qua a nonrosa missao que acabautide ihe ser
couaneUida pelo chefe visivel da. igceja, as suas
.distmctaa qualidade* e a maaeica porque ton-sa-
b'de dasempenhar a fune^oe- do.eaago qua dig-
nameule oaeuiia, lbe davam direito a sua.bene-
volancia e parucr.lar coueideracio.
Uepois seguio-se o corlejo olllciai ao qual
eompareceu toda a corte, e mais digniua tea quo
eosiumaiu pre-tar h inauagem, neste. duas ma
gesudes. Varias aMocuces foram. dingidaa
dei
public
rie
Hfc, na!
voa, e para
H soi nm
no en an
idordo
Otneul
Bstas aparl
^aiz, afcn _
que disfructa.
No intuito de melhorar o armamento do aeasc
exercito, em relacao ao pe de pas, da*ea o eaeu
governo 4 singular benevolencia dcs goaera oe
ijya aie.-lada i aaiaha da ln''arra a i> Saa
Mageatade o imperador de AUemanha, oa provi
mente de carabmas modernas para infautaria a
cavallaria, e de canhoes do systema Krop, qu
obtiveraos directaroenie doa a'rsanaaa dajyfiran-
Bretaonae da Pru-aia. Para legaliaar adaapeu
feita com eaaea afMamebtos e com o malarial de
guerra, que, alem deste, aos foi indispeasavel
adquirir ou fabricar, o mu governo v.* aprese.
lara as ueeessarias prop slas, que voa apreciare.
aomo moroceo importanta assumpto a que se re
ferem.
Alem das proposta*, qne Gear am pendent
do vosso eselarecido exame na seasao passa'....
outras de geral interesse to serao ?tlbmeUid.-f
brevemente pelos metis roinistros. Confio n-
vosso1 recoohecldo telo e p* ioH*me> aveslou coa
veacido de qne merecera sempre a voaaa de-
velada atieacao tudo quanto possa coutribuir par-
melhoramento da admmistrarao propriaaaaMa d.;
para a raais prompt* appli.-aeao da justica, para
derramamenio da insiruccao e para o apenaiflo^
meato de lodos os ramo> do awviao. da aass..
exereito, da nossa marinha e das provincial c
alem mar,, que tanto se recommendaram a cun'
deracAo dos podere* publios.
Era obeliaaeiaao preceito wastiiucioual o n>-'
ministro da fazen-la voa aareseutara o orgaiaamw
para o anna eeonimi -o de 1374 -1878, e oor *
a pelo relatorio e propostas qua o luo de acoaai .
uliar e seguir, vereis qua e astada de ttuaouro *
satisfactono, e que, gracas as provideaeias a
tendes votado, aos osforcoa de lodos, e a faliz Ci
racao da paz publiea, teat robarteeido succaast-
vaniente o credilo, e podemoa repotar equuabrada
a reciita com a deapeia, sem oecetsidade de aog
men tar o imposlo. Chamando a vo-s* itkzstra**
aMencae para um aasumpto, qua Ua de pert h
liga aos mais altos ioleresses uaciaoaea, amti
plenameate na w>sa sabedoria, e uoo carlo n*
que, com a mere* de Delis, fareis quasi" str po--
sa, de accordo com o meu governo, e mediant*
uma justa economia, para melhorar cada vez m* -
aa nosa* liiiaiieas, baialiUado-aii** a|rveiur >.-
progresses da civilisacAa no fuluro engrand* -
mciito a prosperidado da palria.
a Esta atierta ia sessao.
.TerHiutada a leitura, suas mageatade* o atie...
sabiram da sala cum o mosiuo certejo que baa;..
lugar uaaatfaila, observando-se em luduaa car-
monias, indieadas- ao respectivo proj/ramma
t Conforme aos eoaturaes parlamealares e caps
tilucionaes, na muitoa annos seguidos, o govern*
apresenlou logo ids primeiros dias da aeaaao io-
gislaliva, o orcaniento geral a aa propostas de la
de receiU a desaeia do estado para o ejerciow 1874 -17^.
Contirma este doouroeato a opiniao qae -<-
tinha foamadu, de que seaeba esiabelecido-oeau>-
liario liuaoceiro, sese atlaadar aas augmaoloa ja
realisados nas reeekas pablteaa, depots do pario'
a qua se referaaj lodos as calculo* oraamealaaa.
i A de-peia e orcada em 3a,a-'t:2t4vlo
Aaeeoita em air,8$;970i(KX)
< Daficit t ,167:244*41U
t Para se fazer face a este deiioit, propoa-:<;
ainda deduc^oea bos veucuaenlos doa servidai <
doe-tado em manor escala, produaiada aaaoa*
308:1004000, em vez de 528:400*000, cwau n- -
an*os preodeates.
a Apezar, pocem, de sa chegar a esse raaated ,
eao se eomputam os.augmeutos uareeeila das a!
faedegas depots de julue uiliioo, o real d'ag. .
dasce da t^O.9 a 7ou coatee, e o tabaao iaare
ciado em 3.2U0 coatos, quando em t86& !
(ora avaliado em 2,273 eoatoa ; ao oreamaala- de
1870- 1871 feito +;elo Sr. Braancamp, em 2,298
centos; no de 1871-1872 em i,Wi team, e M
de 1872 -1873 cm 2,28a\ aommaa abas superior-"
4s que vao calculadas ao orcamenlo boje apras
lado.
As sjsposi^uea ouvas da orojfnaata aao aaro-
Ulivaa asdedacfOes e as classes aaactivaa.
Os veueioiealoa que fahaai a TnHijX'ff tJf
i 1/2 par cealOt passam. a.sat paps. inlegrwaan-
te ; os que imbam i dedaoqao a>S-aor ceatopas-
saw a ter so a de 2 1/3; es da 10 a de 5, aaa o
15, a da tO per cento.
a Qs veaaimentoa :ae 200*00 :TTn'" da d
duccao, organ por mil eoates. 0* veacimaui-.
de SDijS ate 400*000 sao 4,2tX) coataa; oa d:-
WJ& ate 600e00 uao excedem a 1,020 cualui. *
qs superiores a 000*000 preCaaem uaa 1.700. cai:
los. Isto e, a'um ercameatada 23,090>cuntosoon
taado com ea oUlciae* militares, o funaoian diatui
nao gasta raais di 4,9iu cootoa. A tamiba calced<
das suas dotacpes 67:100i000. A* aaoatooist^
do Moot* Piodo exareitae da-araaada. qua aasda
hoje linbam de deduceau 23- por ceolo du- to
initial dos tuules de runda vtlalicia, pataam a t :
unicamente a de 15 por cento.
Estas resliuiicdes vio Baulatinameata, aaar
tao. depiessa como era da desejar, perqae ia
desi-onto Mgaiiicam um vexama.
Nas dispe.-icoes geraes do, orcamenlo aao- L-
aktu>acao Ainda nao pode ser reali.-adaa. aaaor-
usai^io da divida usterua-daaretada em 1845, a si
ria exigir muito, quere-la desde ja. Es*ao iociu
dos oo orcamento oa resultedos do empreslimo oa
elflM*
Os titulos de divida inUrna na pasaa da fazeo
da em 30 da setembro, que aubiaca a .....
47:619:830iOO I, sao dimiouidaa em 38;000 cent
e pur tanio se se aprectam oa juros de 9,620 con-
bn dc ioscripfoes e de 1:140:30a libra* em
bends.
t Comparando esta orcamenlo com o de 187'-
a 1874, vemos o seguktfe :
< Quanto a ceceita :
Impoatos diveraos.
Orcamento-17 a l875-5.652;2du*ftJ
Orcamento -1873 a 1874 5.667:219*080
1'ara menes 19:Uoa000
Apezar de terera augraenfado oa direiloe d>
.merce, da deciina de juroa e dos eatotumaak-
conaularaa, foram diminuiaaa outraa racajna
-elimioada a compeiiaajwi daa caaaras doa. am
selboa de Belem e dos Olivaea.
ct No sello e registro ha ami dauWeaa.r
psra mais de 3l6:984MM)Ott, devtda priaart
palmcnte as modificti^des rr hi dto'SdH').
ultimaraantft approvadas.
Os impostos inderootos oaiauladrai uo
;*' oroamaiTto em rigor rn t*, WO- anmot* fc
do Sr Olias.
Iwmediatawente sa levaufou-o S& Castellan
em en-rgicas palavra- deokuou qua o.goveruo aao
se oppunha a diMHsaor das seus aetos ; qua se.
fos.*a apaiado, esa aia**ssao poderia contmuar;
quo se fossa datrotado, os. mini.-iros deputados sa
mo cartuebp sem perder a uiiiiu. e*peraaca; as wRpramettiaia a permaaecer ua camara lodo.p
i< de adbav, posamdos d>.m*trof e cvuveabal* paradamm
cjnta 'los seus actos; mas qne sa a proposta do
Sr. Santam ria fosse tamada em c[)osidar*cao,
g"V
a-sira ainoaralo de mar
poderia oout.uu.r a raep>
peia.ardwnjmhiica
a O S*.,>aouiiorla eeusaroa as palavras doSr.
Cisirnar, dizendo qua o gov.rno vendo se amea >
caj j de am vofo de censiiq). f--j elle lO'up^i uma
em palavra^
publiea.
Apezar de tanto e^forco material, toda ijidt
impi-MvYl sii'ietiur n juerr.i sem grandhs e x
muiroiuaiins reearA-s. Ocnhseida a penurh ilofimVara 4 'a'ieiiu>^a-, iavafitenqo.?
the-our', in invilhir-vos nets que terh.irm. po- 'potie dem-cniiea-,
dido orrorrer as onetb>iSima'i despezas"da guer-f 0 prosld.-nt- interroinp.' o doputado, dizemlo-
ra Bomeado o Sr. maxqu
Pavia tratou logo de enviar aos represenlaar
les de Hespanha nos divers os paizes, a seguinte cir-
dps-sacrweia* e. da lealdade do 0 mlnisterio do Sr. CasteMai foi por daas ve
c zes dfirrotado na assemblea. la substilui-lo,
" pois, um governo que teria deslxuido o exercito
e a-patrit. t5b name da soWacao desta, dissol-
vi a.seaiMaaiaawpei iwiedlflifc! iimmaq
t do a elle os bome**ikaortantes de todos os par
a Udos, com exiHiptio doa quaestaa era armas
, fijotr* a oairla, qne sip o canbmaes e os car
* listas, leudo ahi seus represantantes o ministerio
derrotado na assemblea. Effacauou se semdi
a parar um liro. A, representacao de t dos os
. partidos formara um governo naciooal, no qf al
, nao toraarei parte. Gommuaicarei a i formapao do governo ap nas esle eonstitua. a
Acio continuo o general pensou em formar
goveruo, nao quarendo tomar parte uelte, e coavo
cana\i a uma reuniao na mesma sala da congresso
os Srs, duuue da Torre, Sagasta e Jipete, repre-
aentantes do partido conslilucional ;, Martos, Eche
ern.-> depina na me^a a sua de.ntssai, porqjUivj,g'ray e Montero,nio, do radical ; ilanovas, Cibal-
-to eetfa a proxjipa, Jao Pro de ftodas a Blduajen, de Affon-ino; e BHcer-
-uder, ctwjo ale' eiiaio, ra Garcia Ruiz a um ouiro Jo partido lepublicano
democratico.
Tiveram em oonferencia estes senhores, desde
as 9 boras aie a 1 ora da tarde, para se porem
dp accordu^rn atyun* pontos es-cnciae. D > ro
veruo da pro'lnfja, foi log) encarregado o Sr. Ai-
bareda, cuj1) pTimeirn anto foi logo procede.r ao
d-'-ai maoiento da milicia naciooal q le nao eajava
Pl-rei, tarnaudOsa notavel a da camara mumri-
Lpal.de tiibOa,. que*eeodiratulAtaaam.apwed*s ram italiadosno de 1874't8rflr agent*
seus municipe,,enjS. St,.6om-a,r*aliaa}iiia,#al mn t-l,y21*, apezar daaraade ajiaiBBQlft jo>
das bbewedes, e mstitmcoespatrias. L-,i. m ** -m,M ^,
aHo.qlaS.teve ljgar no paiacio das cottes. e *'* .'7*r'- .Bsse t*****.!**
nasaia da camara dos deputados, pelas 1 a maia absorvido pela dimtnuigao de pcrtQ' dv'WO
da tarde,.a solerane abertora do pSrlemento, na eoatoa ros culculos do real d'agua.
soa-uUlma sessao Aas^i^s. M, et-eei D. Luii. ^ jarQS ^ ta^. ^9 dkik^aj.),
$. M. arainbae oseabor infanle D Augusio,. --:-, ,j- r____jL 1 i ij_|_. ;
que servio de condastavel do Reino. Toaa: a di- a8ao P558 "* T8'^,^^*'
aisio formou em parada, divubd*. am 3',brgada*. 1,580 a 4AJ contos, navenao assinr'tom-.
sendo nma da cavallaria. -Tudos o lwjares da. diminuicao da 1,13* cootos.
camara estavam cheios da espectaduEea, Tel (k eni^rifos nuMAnum dm ftilAa. -.-
SS, MM tomando assAWo nas'cad.bas.do tbronJ w"^BT^l!ml"
Sna Magestade el.-rei leu o diacuaso saawnte: *-37* c . Dg_nos pares .do feiao a-^ seahpseieputadps e lerfl BidrtO mills'iOlfp)rta',a o 9nc9|^|Hda
-' dividi niictuante paga Ou a pagar. caa} "
-.proihicto d.) enpresiinao nflctonai. -AJunte
-lo Creditn Publico aim prtKJmmatu a
rrresmn dutar^ao, porque, J differenc^i pira
menu* e apenas de 919o34.
'< No servi^o ordiuario, proprio da- w-
nisteri is. ha uma difference para rmt*i-
tSOeontes.
a. No or^Muento vem ja lncluidl yfcd) a
a a eccJo de Extreuioz, fan caminno i- ferro.de reciu, eo.m. a despeta provevel da axia\i*ra-
sueate. Os trabalhos .as estradas.c iu.r.an te^m ^. (ioiCnlD,llho j^^, d-Jfculfco.V^,
,V ;l aHjYfcffcW ec.use (m4i oi^inwntax |a
da nacao portugueza: -^.Vetaoccasiio wlemaaam
qua veuho abnr a sessio. legislaUva do preaeata
anno, smto-raeieliz ao ver-me rodeado pelos. re-
preseolaiites da uacao.
< Continuam satisfaetorias as nossas relacdes
dipluiualicas com as petencias estraugejras
A tranmillidade publics ieni-a mautido inal-
(eravel em todo o reino e pTuvini:i*a ultramarinas.
a Contiuuam as obras, do camiubu de ferro do
Mmii i, aoiuecaiara as do camudio da terra da
llegoa, _e coiicluiii-se, sendo afefita a circuia.a-',
lido u maxiuio desenv I vj men to com.iativel coin
A ordenj peblica m I mesa f6ra do' ra, que tem sublao a 400 milltfes de raales Own Ihe que naoprosiga n*sse tfrema. porque 'nem o po-' organi^ada em conformi lada com as leis.
d ias Bab a- e-tr graude meltioiament". que r
ira benetidar aqueilas nuportantes pfuVincias, ma*
- I
>
ear},-!* do Htiiprwetim* icmtia4. ,'-oa
Nao ha, 'portanto, duviia alejflWftr'flV

(
'a


mi^k^^m^^iis(^^^ri9a9imf^%> efcf**K1
_x
P#>IS a mw^-ooi. termc
acflfc* axiractodos -da mbsUociT,w _
ianiM lrwana m leaardoae* araab* de
ornada prosa com que os ouvidos se -'saga*
MB
Algamas
comparan
gwxeom
sas muito
cordara do nosso
tr,
apeti*tk ta*r*frflo a* pe da ports am
volcio4-qua
franoflTte
ars aiK^Ww
o ltMOro^rtu-
, dizum-nos cou-
htirldlfroe
por quaato da
itnjrjrtafue prao quo o fugaV
TOT
eja, d.iqui
sjfUii an
em
aAqwrtwMM
os dos Estados-Uuidos, nao
dolentes era au.aolo njp tivesspmr cdrise-
j ido obter onto jwrtd^ttas rWetjW* publi- w
ft rjdstSp *Mpert3 deper reaRsados & r
~il)iat#|0fM Um offlcio do fltai
ro, Antonio
efcnde o litulfl
< mferido, |
< B.Inteir
Ooifo do
***!* **l ja enviar as
<$.. fa* t do e que se for pat
ficariaih beleeiraentos de i
ciedade, e bem
lnteirado o conselho, resolve qua *e agradeca ao
hT^^f!^!l!^-^".*!2l*-^^^ dfenoconsocio a.preeiou offerta,iUcand, se-lhe.
eaduartjslo- nttcivnal dos h^nilf^eUe er-,
o seiJirn J dfiteito de voto (nos>stoma*)4ua.l "
li pur urn 11T tHibJh HV'''
_ iwportantos tem-se realisado em dif-
iv pruic^palmenle o at- fefeutas-partes do pair para escolher delega-
nossas'ftoaocas. 'Sempra- dds encarregado^% rowaayatar wos negros
gasila &"04>a d eradito de em Washington. Vaaar ifrlr Jr JufjQes que
naos m satdtaeao dos daastos Jao p0r missio IjlAtaaMatJpe insistir
enalljpfti ^gWW^NWrtrm. 'ftowasnrti-> *** favor do direito qwMem a classe dos
,6es, TJOtque podeioos attest*? era tad* a ftffrpe/u de car, a partilbar em igual pro-:
parte, com irrefragaTaft ftp*rnentos qu os itktfo a*'furtcc>s pubh'cas reservadas ac-
nossos recurs** dsjaiaAipara as nossa s des tuklmente aos brarobl.' &*> W'J
pezas, e que 3eRtt'em breves unoos have Kmcnso ate recuja .pr phrte.do gtyvera*.
ra no orcamaato portuguez saldo positive decidirao ligar-se ao partido que lhes pro-
s' por issoque os capijaes eatrangeiros nos milter acceder as Stias prrtBncOW.
procuram, e -soHftitam-Bftipregar-se aqui em L. Teledrtrrarfr-s de-'.^*MHJtflft's|b cenGr- j
commettimentos que o*fuIgam arriscados, mim qde 6-aVftptttl\& nta ttha .direrta
emtBmWta da uoSftincoatostavel solaraM4 aVj anroraf-o paTilhio arpprieajio. ^-pro-
j?
na qua!
de PernamD.
merecendo por laso toda
do Rio da ii-
agrade-
ie ibe foi
isoeieda-
ro publi-
ada um dot es-
que liver a
creafan na
ensiao,
consei;
sea
por
atid
'aagundo o aeu pedno o ntttnero Hbffexemplares
ie lera do* enviar, c nem assim que foi em extre-
rato ao mesajo consalho ver apractadas por
lio corapeteotes e *gtorisadas os eafor;os
""lilfW*! al*'TTKiliLilO aW4if]M>1if
Um offlcio ^aj'WWlo' dfc Paifnare, Wferraando
V&QtfmW&t'^IH' Rindada
ini*ii> ffsqutfntada
fa Mca^ftMb4iiMdo "
o',

m mta am
>e-
iajMUav^. i Coimta
M, :eyBw caaado* m
illes viveu ai Ma alguns dias
rk>r ao matrimonio basts para d
MBMtf-fe fcew. -#. ftwrtrttcan feMa por
eommissario, julgada valida por preaideoie
provmcia .aaalj^vsqw-iwparfal, em grao de
T^a^Mlngg3
aim nu>
: 2 Gipula.
idar IbiirT
oar, ou in-
de pedir a
do.1. Al-
$
lo oe
"aaSoMNra Camtiov pa#ido yta ie
i a /Irma CameUo A Doarta, taanplarar
a^aflUM.
contra os qae preleaj
rsdil-u; 1, Ex
rer.isao de seotenca paaflaaa _
forria nio se pode cooceder ve
elLit J*H6t* *>*<*& sentei
contra o iibertando.
V Juriidiccao commercial: Qqntratp de Jfjura-t
fc.aajesf > n-g^c
p tKapAcsos
leqnerii
)e Fi
co weda
Slivro eopiador de sua (irroa Indi vidaaL'-^Gawo
juer.
Do I'ereira Simwi-S solicitaodo 0 Wgi-HV.4oJ
eontrato social junto em dupiieala Vi.ao
Sr. desembargador fiscal.
De Tbomaz ioai da Okraira Joao afarauea de
Piabpi apreMBtaado para regiairar e o dWato
MjaocieJade que linharn.Vista ao Sr. desumbar-
gaor Ifceal.
"T
I :-u-><
.
'ava
nflsroltNfc Btafirar a de segurosTnSemnL-
ir ^MhatM>tM WeV vK a da secretaria.
n*o(
d. aW< ipia*eada
in lUbrenca aadaalnail,.4ue'aaanta can **#)
ads moradores de Jaa pmaWilaafc tTftgateaiattf
alla-seem q
Udada
Ffllla-seem que, por proposta da mi
nistro da guerra, oa actual sessa > das c6rtes,
vai ser applicado o diuheiro, provenieate
da -wmissao de rocrutas, ha eompra de ma-
lertal de guerra e fortifica$Oes. Estas fbram
inauguradas hontem com corta solemnidade
ua serra do Monsauto.
a A quarentena injustifieada a qua foi
obri
curador gerai dos EfJa||jyMnMos reconhe-
ceu que este navio MiBla-'aJtido os seus
pabeis por meio de teatemunlios falsos,
cohxi aaiawM fan*a*asraie Madrid.
0 goyerno ameeaop*fc#iabu as conse-
^encfaV'db-'feoto provado COtftra e?le.
Tanto o ZKatf de bond res, orooS Daily
ViSlegriphy dasiDRutem a ooticia dada pulo
yew-York Ttmes, de que o consul ingles
vapor Jvtio Dims, da earreira HBro Havana, batia recobidoordeal de reotir
entre o Porto e o firasil, fez com que a
Associajao Commercial de Lisboa, insislisso
ioai o goveruo, pela exigeacia da revisao
Hi regulamentoaanitario dis navios, Uma
ooffimissao prwidida pelo deputado Poreira
de "Miranda, e constituida por varies, eava-
Ihoiroa, entre U e os Srs Meilo o bar\
foi pr.cirrar o ministro do reino ; alim de
Ibepedh-qrte qdnrrto antes seJ4 decretada a
immadiatamarite os rapittes da esquadra
ingl-'za nasagtws de Cuba, em ooasequehela
de exigir o foaatno inglez o eastiyo do 8r.
'flurries, governador de*aatiago, que orde-
0u a execucio dos prisbneirfs inglezes
Pela convencao cuneluida oiitre a He>pa-
nha e os Estados-Utiidos, refativameute a*
questao do Kir^int'us.^stabelece-seem ter-
^mos clnros e positivos que se a Hespanha
iilcragao do regulam.-nto de sai'ide. 0 mi- conscguir provar que o Virgmius nao tiulia
nistro deciarou que em breve seria decidida
tao just< preten^ao.
Em ioio u conUnentade Portugal, tern
havrto.tiO^oloogada secca, quo em todas
as "pTOTtticias esti raorrendo muito gado,.
por falta do pastos. As se^ienteiras estio
atrazadissimas, e as que tem sido posnvel
fazfp,. nascem efera.las. E' certo qua sa
(uruinuar o in ver no de tal modo, o anno
de ser tri&tissimo; todavia ha ricano em Madrid, que a opiuiao publics
condemnava dieter mal_ioft>rtnaifc) o seu
governo sobreoS pncidentes do -Vi'ginius,
acaba de ser demitlido pelo seu governo e
de ser substituido plo Sr. Caleb dishing.
In'lependenteuvnte do seu proceliiai>ata
via questao Virginiut, o .general Sickes era
accusado, ba muito tempo, de pronunciada
protec^ao aos insurgentes eantonalistase aos
membros radicalistas ik repreaentejAo na-
cional.
Despachos telegraphic'os de 8 da dezem-
bro noticiam que os sobreTiverites do Vir-
ginia*, depois ile chegarem a Nova York,
foram interrogados e depois postos em liber
dade.
0 V&yiRius foi ma ad ado metier a pique
no aho mar polos tribunaes americanos.
Desmente-so official nente qu a Hespanha
peca indemnisiQao polos damnos causados
pt-lo Virgiiuus. 0 protocollo 6 bem claro
a este respeito ; e a opiniao do tribunal de
^jenebra. que julgou a questao do Alabama,
foi contraria & reclamac&o por prejuizos in-
directos.
agrjcoja
uns tres ou quatro dws eomecaram as cbu-
vas, o oxald que prosigam.
Desembarcaraqi, n'ain destes dias, no
arsenal da mamma mna macbina de vapor
de forca. da 20 cavallos, para servico da
carvoaria naciooal.
( Foram exlinctos e anuexados a"s respec-
tivas cabecasMe cmnarcas, alguns julgados
dos differentes districtos de Portugal. A
inedida desagradou e em alguns dos julgados
extin tos assignam-se representa^oes ao par-
la mento.
H* sessao preparatoria do dia 3, na
camara dos diguos pares, proeedeu se &
eleifJo dos secretanos, virificando se entra-,
rem na urna 0 listas, sabiado eleitos os Srs.
usooutlo da Soares Franco com 10 votos, e
Montufas Barros com igual numero. Foi
lida o approvada a acta da sessao anterior.
0 presiiente, marquez d'Anla, nomeou a
deputajao que deve ir participar a* sua ma-
gestade el-rei, que a mesa da camara dos
dignos pares esta constituida. Foi lao^ado
na acta, por proposta do presidente, uma
nota de seiitim nto pela morte dos diguos
pares, marquez de Niza, e visconde da Bor-
valha. Foram eieitos dous membros, que
ora o presidente aevera elaborar o projecto
de resposta ao discurso da coroa, sendo
eieitos os Srs. Martins Ferrao e duque de
Lents
Na sessao da camara dos deputados foi
eleita a lista quintuple, sendo eieitos : com
53 votos o Sr. Sa", com 42 o Sr. Cor-
reia Caldeiras, coin 37 o Sr. visconde dos
Olivaes, com 35 os Srs. visconde de Mon-
tariol e Barros e Sa. Foi nomeada a de-
puta^So que ha de apresentar & sua mages-
taile a lista.
Procedeu-se & elei^ao sendo eieitos os Srs. Francisco Costa e Ri-
e3rdo de Mello. Na camara seguinte deve
>er distribuido nesta camara o orgameuto
do estado, para 1874 1875, e assim como
o 'viatorio e as respectivas propostas de
fazenda.
Affirma-se que o governo portuguez
vai norauar alguns pares do reino. In li
cam-se,comofuturos pr6ceres, osSrs. Carlos
Ferreira dos Santos, conselheiro Paiva Pe-
reira, Barros e Si, Francisco Chainico,
visconds de Paiva Manso, e almirante
Cra^a.
'< Vai ser reformado o tribunal de contas.
Sao indigitados para conselheiros, os Srs.
CanJido da Costa, actual goveruador civil
de I.isboa; lessa, actual director gerai
dos correios e postas de Portugal e Gon-
ralves de Fraitas.
!%uticias da America.
Por via de Lisbda recobemos as seguin-
tes:
tSTAUOS UNIDOS.
A aboUoio da escravatura nos Estados-
i in Jos, e as leis reparadoras votadas palas
assembleas republicans!, que reorganisaram
o paiz, depois da guerra civil, ainua nao
poderam wocor nos costumes os prejuizos,
d9 qtfe os twgfos libertos sao sempre victi-
raas era diversos grdos ; especialmeate no
sal.
tj direito de.arvorar o pavilhao amerlcano,
serd dispensKda de dar salisfacfo formal a
esse patrlhao-, mas queo navio sera jolgado
pehs aqtorida'des am8,ricanas. Alelti disso
a Uespanba figa;pbrigada a punir as^fuaG-
cionarios que no exercicio de sua autoridada
ttllrapassarem s saas dimtos contra cida-
dflos amencanos.
0 general Sickl**, representante ame-
^SAMBUCO.
REVISTA DIARIA.
Professor a publiea Por aeto da pre
sideneii, de 23 do correnie, foi nuraeada D. Isabel
Francisca Mouteiro deQtental Barros, professora
publica da cadeira de Saato Amaro das Salinas, d"
Recife.
Jury do Recife. Presences 40 Srs. ju>zes
de facto, fo^sorfcado o consel-o de senienca, que
flcou compasto dos segninl-s .Sr. : Adoipho
Koop, Dr. Joaquim Jos6 Ferreira da R.icha Ju-
uiur, Fflino Gusiava Ferreira Gooitin, Di. Luiz
Cailus de Magaloacs Broves, Pedro Paolo Jos San-
tos, Jo-e llciiri.jo.es Madia lo, Dr. Joaquim Ma-
noel Vieira de Mello, Js6 Bapt'sta de Castro e
Silva, Jesuino Rodrigues C^rdo^o, Francisco de
Paula ilo Rego Barr-s, Or. Jose Soriano de Sou*a
e Jsaquim Salvador de Siqueir.i Cavalcante.
Foi subinettido a julgamento o reo Murtinlio
Domingues, pronunciado no art. 193 do codigo
criminal.
Ten do por advogado o Dr. Leonardo Francisc3
de Almeida, foi absolvido a vista da decisao do
jury.
Anniversarlo. E' hoje o dia aaniversario
da aJhesao a intlependencia do Brasil, pela pro-
viueia do Piauhy.
Vapor Bijiip Telegramma da corte, diz
que sanio noutem, pela manha d'alli o va x>r in
glez Boynt, com destino ao nosso porto pelo da
Babia-
Vapur Penedo. Saliio da Bahia para o
nosso port'>, pelas escalas, no dia 15 do correnta.
Relacoes do norte-Seguirara nonteni,
a bordo do vapor Cerd, os Srs desem&argadores
Silverio Jorge, Silva Neiva, Doria e Rigueir^ Cos-
ta, removidos para as rel coes do norte do im-
perio.
Licenca.- 0 Sr Antonio Jose RodriRues de
Souza, thesoureiro das totena. aeaba in obter 3
metes de licenca, pna ir a r6rte do Rio de Janet
ro, deixaodo. iio exercicio do seu emprego o seu
irmao, o capit o Jo~f Rodrigues de Souza, eom es-
enptorio na mesma thesnur iria.
Via ferrea de Ollnda. Para que che
gue a todos os divertimentus pastori< da Bacruzi-
Ibada, o re^pectivo gerentc expedira trens, depoii
do espertacnlo de hoje (sabbado 2i ), pra o Re-
cife, Oliuda e Beboribe.
Hoeledade propasadora da ins
truccan publica. A 22 do correnie reunio
e o cm-'Uio superior dessa sociedade, campare-
eendo nova de seus.membros.
Ap irovada a acfet da sesio anterior foi lido o
expedients seguinte;
em seu engenho
^n;
ureieutandj
W'
ie a ma
i a ustiiaa e
jm^jerer-o t>
M fiaislruenta
^taas/Jrrinhaem, fdra
jndo p ir 22 aiumnos de um
J, do feminttff" e JMo gias
jus doilej bom
lie cam tat co
Urioiiee1
ahi oppostos.
Juriidiccao
farronau
Ml
cdmflzlntins. -:fahfcolvidi>.no' juitV^o1nWu\n.^elo crfme de falsi-
uutro dfTcktdio Preicijno de &arros ACcioJi dahav*tw*
m> ieoadeMMlidb pelo roes mo fecto am
C prseSiao^ da ieboiisttMlfdpjra:<^.^ fa1lfe**ia
e ittm& 4rvM-4JiOk% jBiiha'aa *" .,
'A aasw dfitm.ab ~w*oti**mQ bamaj-a*r*aaia*oitwf
JurisprtidenciaPertujueza .
Vapor Al^rialM auBaMaW^-* Robre este
obra, que unto o recom- navio, que, proveniente,(
todos. quaalos
Um ofllcio do conselbo parochial de Afogados,
i preswstta (instil, instste o cow raxao flando as razoes pelas quaes Sao tem podido alii
-K>bre este ponto. 9it que os libertos,
tornem v.;rda leiraraente iguaes aos brancos,
tanto de facto como de diraiie. So o tempo
podera aplainaras drtferencas que ain'la sub-
siste q. Ja acalraou bastaates odios que
unharn tobrevivido-4 derrola-do soJ. rT*i?^^^^ ^'!'d_e^n.'era
continoar nesles metos iiipfl!fncae*3,-o-pre
stdente propde completer as lots de amnis-
tia, f.izen lo desapparecer as restric^oes, em
riali laia peuca cuaterosss, qua axtda 6*m-
sorvsal ioas tb dared*
pore<>ama>rii^qede9wnperibaram am.papa
prep to Tera#ur.na tnsurroi(jao.
Diwreas waofl las a consutuioao vao sar
subnattidiii eo -ojogrtaao cm deoowo da
sassa.. iDWat 'W>aaitM>s na imsi
ge^i; uliSa'*ain*t:irr9iii!) tri|ji4etite a.ira
o seu **W**aa opssas si 4s -tt quaoto qua aetualmaote, daSMaa
,yi n^tf*jff*** '?** ^* "'o**lrTdoT.
que ao t'^ft^nn^W'Ml'Tld% T*%isIadorf, afnoTi s"
ter a sociedsda x> dHseowlvioaeato que e para de
sejar, diaaooa afinal que vao envidar esforcos,
alim de que no novo auoo se obtenha melhTes
resUltados. Inteirado, o cbnselho responde que
espera nos esforcos dos dignos socios qae compoe
0 conselbo pareciii.il e rsidra na rreguezia de
*t Afof tdos, que ua> desanimera, e antes procOrem
l#, wtHi realisar os flns qua t*nn em vista a sededade.
Oatro do io Pojo, commuoicand j ter sido eleito
a 14 de flBzembro fiaio o novo conseRio, compos^
to das seabores
Dr. 'oao loss Pinto Junior, presidente, Joar|Uim
daliage, vice .prerideate; Dr Auuusto
/t)Bi!elra, secratado; Alfredo Jose
. cthnarles, thesoureiro; Br Jos6 Titiar-
erejra de.Sagaib.aes, Jose Rodrigues de Sou-
tka PoW Amerlco.de Gomes Doarte, coir*ethei-
ros; osjjaaes ja s/- acaam -etnpossados- -ne qWsejara camprlmentados os anvus
,ln8 declare juj muito 'spera dupli
a~Dfo! da Inxlcucejli).
Boa't>fi e Saniu Antonio, ,oom-
"p^7J(JQAprrenfe. 0 conselbo intei-
*atfM&> aapsra 4os esforcos dos
fe^M
Sr*. Aarao Reis e )o e de CarvalJfT Almeida.0
cooselho reeebe com f asdo tal offcrla.
0 Sr. president* {Or. VodeHa) dWlstB que na
festa anniv.Tsarm ifai aociedHSfl Oas wrti>tab mo-
chanicos o liberaaa, asededade foi reprr-SLiitada
4ielos Srs. Drs. Wares de Awvedo e iMfo Moraes,
Fn|^f4ide^^aa>la4 Dfrtflnlf dunipj, xht
'Ifbetoa o conselno qua o concerto e leilao de
prendas que varios sealwafcs Bfferecerain a socie-
dade, se facam em beneficw'So conselbo parochial
do Poco, que se aaMadwi^eom os mesmos seuho-
res, e marcou dia para que tenhain lugar dito
conceflo_fi leilao, ucuyenijA quaato >o.modii dejiiaJ
mal'umfo; ApplidJfcdoBpreaa I) enmo in.'lhor
eaienlbijBoAisnijfll lasvuscfe dm dia-'fregae-
?.ia.
Pi'lo Sr. VwoaU) Mlio, theseureiro interino, foi
ipreseutado o balaaco du roceita e despeza da su-
ciedaile, e satfdv approvadas ascuita-, entregou o
mejsino ao senhor tliesoareiro effoelivo Rego Me-
Oeiros, nao so oj lucros cojno-o saldo osiatente em
Mia.
0 Ciinaalhh'pnr n^'f>jiSa^ii r<>'g titn voto de louvor ao mesmo Sr. Vicente Mello,
pelos relevantes servicos que ha prestado. e inte-
re*,e que mostra pela sociedade, ja como segundo
sedretario e theseurro interino. ja como memoro
da commtssao da redaccio de Revista.
Por indicacio do Sr. Dr. Portella, resolveu o
onselho que se officiasse ao Sr. director gerai da
nisiriii'jii.) publica, peaindo que, caso nao conside-
re inconvenienie, sefa enviado para a Revista o ex
tractojia convspoudeneia olBaal da mesma dl-
reclora, ^
Finarmente, peloSr. Dr.iPinto Junior, como pre
silenta -do conselbo parochial do P>>eo, foi com-
murilcad-^ua1tri1haflte pleyaife de astros qae
tanto aformo-eam nossa sociedade, se jnotaram
mis algumss excellcnlissimas.sen|i8ras.
Vssissiiiuto. -A^aa Ha phra as H boras
da maiilia de liontt.'iu, um inglez ile some Gui-
Iherrse dfc tal. (trahalhn.lpr fas'okras do Sr. An-
dre fort'\ .no pov'iadoida 'forrfc, procoreu p w
Mansel Vioeme em ea^a do Dr. Miguel-de Fi-
gneiroa, qua abi residf, e onde ete servia de
criado. S.iftindo elle a fa-lla com o inglez, trava-
rim so logo de razoes, pois que esta accuta.
aqneHe de lue haver furiado um alonete de
petto, obra de ouro.
Vianoel Vicoale, dop.oia d haver firmomente
negado o facto quo llie imputava Guiiherme,
sem que lizesse desconnar, conseguio armar se
de uma fa.-a de punia e de uma pistMa de dous
caaos. e propor-tfte irem arabos a Passagem,
resolver a questio ante o respectivo subdelegado
nislo accordou o outro e seguiram juntos. Ma
caminhado que foi um pequeno espaco, Manoel
Vicente cahio de surpresa sobre Guiiherme. e
dm algumas facadas, uma das qaaes alcancou-
lhe o c.iragao, e deu-lhea morte quasi que ins-
tantancamente. Perseguido pelo damor publico,
foi enlregarse preso as maos da Sr. Antonio
Joaquim I'ereira de Oliveira, tambem alii mo-
rador, quo o fez conduzir a presenea da auto-
ndade local.
0 cadaver do assassinado foi condnzido a
capefla de Nossa Sonhora dos Reme'lius, afim
d'ahi proce-ler-se a vistnria e inhumacSo.
LG^tafelte du Bresil. D^baixo desto
titulo comecou se a pubhear na c6rte um jornal
escripto em franccz, o qu d deve apparecer a sa
hiila de eada paquete da linba des Messngeries
para os port< da Eurpa.
N'uma revfsta da imprensa politiea, scientifica e
litteraria da cdtte, e qiie 0 mesma jornal acaba ie
publicar, leem se asseguintes linhas sobre a NacBn,
orgao do_Dartido cons;rvador d'alli :
(taqao (La)Jornal de furmato ordinario,
com qu.itro paginaa de cmco columuas, contendo
eada CMlumna i:iO linhas.
c E>te jornal pubhea-se a tarde. Occupase
principalmeute da politiea, defende os interesses
geraes do partido ronservador, o e o orgao simi-
olDcial do mimsterio ; sua reda'cc io, espcialmente
na parte pjlitica, e muito rocommendavel.
t Entre seus redactores citase :
0 Sr Gusm*o Lobo, doutor era direito e depu-
tado a assemb ea gerai. O Sr. Gusmao Lobo e
um orador de eloquencia fora do commum, que
estreou na tribuna na sessao logislativa que aca-
bou, e que, in continent!', collocou se oa primeira
pi tina. E' alem disso um escriptor babil e ele
gant, que pode ser citadd entre os nossos jsrna
tistas como um daquelles que melhor conhecem os
se;redos da lingua; em uma palavra, elle se dis
ttogue tant i na arte de escrever como m de fallar.
Or. Paranhos Junior, dontor em direito, fl
Iho mais velho do pre-ioeute do cons'lho de mi
msii-us, o Sr. Visconde do Rio B -anco, que la se
fez conbecer por diversos trabalhos historicos,
que lhe valeram uma cadeira no institato. a
Saisoa. Acabamos de receber do Rio de
Janeiro um numero do jornal a-sim deunnrinado,
que se publica em faris ba quatro annos, dedicado
a diffumlir as ultimas modas da ^rande capital do
mundn civilisado, trazendo sompre eada aumero
um figurino e uma grande fulba de bordados e
uioldes.
a esforcos da Sr. J. B. Lomba^rts. agente desse
jornal no Rio de Janeiro, rua dos Ounves n. 17,
acibam os proprietaries respect'v.* de creir uma
edigao em potuguez, coulendo o mesmo qua a
francesa, aos preci de 12J000 por annona cor-
te e 1'iJ OOnSa (HWincias.
rVornmendaBo8 as leiloras esse inteaessante
jornal, que nSerece em eada anno K numeros,
cerca de 1,100 gravuras 4e modas e trabalhos de1
senhoras, 261iiidos figuiinos, em formate frande,
coloridos, e mis de S0 moldes de ramanh na
tural, tudo acompsahado do texto explieatiro em
fraU'-ez o em portuguez.
Banco do Brazil Na seJe da caixa fi-
lial 'deste Dauco. ei Ijqnidac4o, a rua tlo Vigario
n 31, paga-se o IO.4 divMeaia das acgoes ahi
iosrriptas.
Oorretor g^ral 0 Sr. Candtdo Cast-
rairo Guedes AiCoftrado, fa se aclia juraraeotado
como enrretor gerai de nossa praca,> e vai entrar
em x Jurldlca.- Esta interessaute re
Tista ?emaBal'dnjtrrprtrtrocia, doairina e legis-
laaan, de propriedade dop S<-s^bachareis4Jarlos F.
Marques Perdigao .ilvaru (&miiM| ffafares da
Uyf, que se pubtta sa Ms da4mperia, acaba
enceur o seu seguojfo awio de existencia^ ,&irrV;tore>,
pas-an'l i a sahir em Wsetos de'6l paginal. ()lflctae> da se.
CM numero 53, pHmeiro do,1 anno, cotttcm 9
seguinte:
: '*slairoduccao.
a Gtzeta Juridtm : <*9*mJP *|rtante.
V.! Applicacao t i pens de^tesjieTpetinB a e-
crao coiidefnad i, cow > inturjo. novS'ao rtWio
do art. IH3 db Co I. Ktk*., ^fldrKSba io Art
ai.; %.", iiiVlligonci
3 d .leze.int^o Je \
Antonio da Crux Ribeiro, trazendo i. rg- iu
tru a nomeacao |M de seu caixefro. Deie-
nUrmafSo da secretaria, Tavoravel a preteneSo
que tem o banco Alleraio Brasileiro, de registrar
os seas eslalulua. Registrc se nos termos do da-
crdto n. 2,711.
" Troceae a du
depos
Ao meio dia, n
chi r, 8. Exc. o St?
roi a sessao.
II
despi-
encer-
WkiMiiMMaAdaaL
AUsUnk
cars pewoc.
s|do Porto, entrou
no principio deste mez em nossa barra, terrainaudo
jBp(n felicidade a ia,,.prijra viagem, tamos oa
setuintes e interessantes pormeaores :
Este vapor, perieacente a einerftju Progress
Hajritimo do Porto,foi comtrmdo em Dubaplen,
(Etcocia), pelo Sr J. B. Swan e uma repeticao du
vapor Ju io Diniz, propriedade da mesma t-mpre-
za; tem 235 pes de qtntha-, 2T 1/2 de pontal e
2911/2 debocca.
Tolda, convez e coberta corridas^ e tern de ar-
fueai;.io 1,157 tonelaJas inglezas, tile enfran'do
metta meaii^) o espato ocqnpado pelas camaras e
machanismo; actiam-se aistribuidas no cotivez
aceomodacdes p.ra 30 passagelros del.* dasse,
20'de 2.* e 2W de 3.*; os'aa !. e 2.* classes em
elegantes eamarotes com muita luz e ar, teado
todus uma vigia so eostauo e feriteeidos com todo
o hecessario.
Os passagoirjs de 3." classe, inteiramente sepa-
rades das'flinra< camara?, teem a sen atojani*ato
em um grande espacp entre a divisao da machina
e a proa, ooia muita ventilacao, hiztrm esoadas
para serveatia, baoces e mesa de janiar. A ca-
mas (uma paraatna passswgeiro), sse tte ferro e
coHocsdas de pftpa a proa, vantagem qae poncas
veies se encontra e qae bem sane aprecisr quern
tem viajado.
0 saliio de jantar da I.'e 2.' samaras, que flea
apartado dos eamarotes dos passaseiros, esta
luxuosanenle adorn .do eom espelhos, sofas e
nijsas db balouv >, tapetes, piano, etc ; alem de
uma grande clarab ia ; recebe muita ar e luz por
16 perdnholas quo o circumdam.
Sobre a tolda estao colloeados os alojameulos
pari todos osoificiaes, incluiuls o cirurgiao, era
magniflcos eamarotes, totalmeate fora do contacto
du$ passagair s.
A machina foi construioa cm Greenock, pelos
engenheiros Kingaid Donald & C, lem a forga de
*45 cavallos nominaes-ou 330 effectives, syslema
de alia c baixa presaio, accio dir^tta e com todos
os melhoramentos mo"lcrnifs, valvula reguladora,
apparelho de expansao e eondensor de soperiipie
de grandes dimensoes.
Trabalha com o5 tibras de pressao, tesdo sido
as caldeiras experimentadas com 125 de forca
hydraulica.
0 consumo do eartao reguda enlre i'. e 13
toneladas em 24 boras. A Maioe tem 4 pas do
aco e, no caso de se ^artir alguma, pode ser subs
tituida facilmenle, para o que Ua outras do so-
bresalente.
0 vapor tem anrGreao de-brigae com gaveas de
patente e app rellfo facil ecombinado de maneira,
que, ferrado o panno redondo, onavio pode eorrer
a bolina coin latino, gafetopes'e velas do meio
Eoc.mtram-se tambem, a bordo, alem de tedos
os utensilios novos, sobresalentes, salva-vidas e
mais embarcao&es que designa o regukimeotn da
Board of trade, para navios inglezes d'esta luta-
cao e que se destinam para conduzir 250 a 300
pessoas.
Tem tanqui*3 de ferro para 50 pipas de agua e
um condeBsor que prodiu cinco pipas por dia,
podando ser alimentado com vapor das caldeiras
mestras, ou da caldeira dos guiuobos
Muitos uutros arranjos eslao di-tribuidos pelo
avio, como cozmha de ferro com grande f >gao e
duas caldeiras a vapor para co. inhar o rauchu dos
passagelros de 3. classe, casa de fumar. gabinete
de seuh Ji'as. de banhos coin agua quente e fria,
etc., etc.
Emquanto a qualidade dos materiaes e s< lidez
dp construccao, esta iss garantido pelo certiflcado
dos Lloyds, que qualiQcam o vapor Almeida Garret-
\ M;0, sendo este o grao mais elevado que se
pode alcancar.
Homic'idio. No lugar denominado Praia,
do distrieta de Agua-Preta, Zaeharias Alves de
Farias, matou co uma facada, Bernardino de
Barros, no dia 20 do correnie. Evadiose o cri-
rai in iso.
Sociedade prepagadora -Amaflha,25
io correnie, as 7 huras da ta de, bavera sessao
do conselho parochial de S. Jose, na rua de Santa
Rita n. 89.
Igreja da Penlia Effoctuar se ha ama-
nha pela manlia e a tarde, o leilao dos objectos
offerecidos em auxilio das obras do novo templo.
Loleria.A que se acha a venda e a 85*, a
beneficio da matriz de Salgaeiro, que corre no dia
30 do corrente mez.
Leilao. Segnnda-feira, (26) havera leilao de
moveis, loucas, crystaes e mercadoiias fraocezas,
avariudas, na rua do Rom-Jesus, armazem n. 20.
Outro 0 Sr Joao Luiz Ferreira Ribeiro,
leudo de fazer uma viagem a Europa, levara a
Jeilio no dia 27 do corrente, por intervene* do
agente Pinto, os moveis e mais objectos da casa
de sua residencia, a rua da Santa Cruz n. 10
Casa ile deleucao.Movimrniin da casa
de detem;ao do dia ii Ie Janeiro de 1874 :
Sxistiam presos 328, entraram 4, sahiram 5
existem 327
A saber :
Nacionaes 339, mulct-res 10. estraogeiros 28,
ccravos 45, escravas 5.Total 327.
Alimentados a ensta dos cofres DOblicos 248.
Movimento da enfermaria do dia 22 de Janeiro
de 1874.
Teve baixa :
Joaquim, escravo de Jose da Silva Loyo, ulceras.
Tiveram alta :
Joaquim Gerahlo dos Santos.
Manoel Nery Teixeira Rastos.
Fraucisco Jose Klorenck).
PaNaaaidrsia. Chegados da Enropa no va-
por tM*t**.*teU4rt*i* :.
Maasd OBMM^ragaaU, Gabriel Francisco, Ga-
briel M. Angelo, Gabriel uepM, -Nessota Ra-
phael, Distj61*dt.
*o Lob*.
Estao na consciencia publica os relevan
Uss aarvioes prastados ao paiz pelo illustndo
Dr. "Prancisco Loopoldino de GustBSo Lobo.
rto pnrlamento a brilhantissima eloquen-
cia do jovea representante de I'eraambuco,
estpw ssmpre a servico das grandes ideas
iniciadas e realisadas polo patriotico gabi-
nele de "7 de mar^o ; o oossb orgulbo sen-
tio-se salisfeito ao ver o talentos deputado,
colher na trib ina os lourosqua Maciel Mou-
teiro conquistara pas pugnas parlimen-
taifefe
Encerrada a sessao da camara, o infati-
gayel talento do Br. Gusmao Lobo, sempre
dedicado ao progresso e eqgrattdecimento
da patria, atirou-se a imprensa e digam os
i on u meras a rtigos da-Safdo, i mportantes
trabalhos onde abundantemente se revelam
o cnterio, a illustracSo e patriotismo do
emiooole escriptor, so o jornalista foi infe-
rior jMfk.parlamentar.
E se na camara temporaria lhe merece-
rm especial attenijJo os negocios de sua
provipcia natal, vemos com prazer quo o
distincto redactor daNapoo ado perde
de Vista o* mats insigoifioante negocio de
Perpambuco, promovietido sempre os seus
inteTesses, e honrando-a na imprensa, como
o fizera na tribuna.
Causou-nos, pois, a mats agradavel im-
prcssao a noticia de haver sido o Dr. Cos-
raao Lobo nomeado para um lugar de ele-
vada cathegoria na secretaria da agricultura.
l^-te acto do go?erno imperial e antes, mais
uma prova que se exige da dedicagao e ci-
vismo do taetitoso pernambuc mo, do que
uma remuneracao aos sous servigos, porque
n8o se pagam servicos taes.
E sentimos verdadeiro jubilo por ver que o
gabiuente de 7 de marco, procure sempre
distinguir o merecimeato e aproveitar os
esforcos dos qne, como o Dr. GusmSo Lo-
bo, podem euicazmento servir ii causa pu-
blica.
Transcrevendo o honroso juizo que acer-
ca dessn nomeacdo emitte a Iieforma, orgao
dos adversarios politicos do nomeado, te-
mos o Ultima convicc&o que o Dr. Gusmdo
Lobo, ha de honrar o seu cargo, sem sa-
enftcio de seus deveres de deputado e de
jornalista :
tis o trenho da Re forma de 14 de Ja-
neiro a que nos referitnos :
Entre as ultimas nomea^oes para a se-
cretaria di agricultura sobresahe a do dis-
tincto Sr. deputado Gusmao Lobo para um
dos lugares de director. Os talentos e il-
lustracao do joven deputado por Peruambu-
co, dao-lbe direito aos cargos de cousidera-
cao. Ja* se ve que nao temos sen3o pala-
vras de louvor para o nomeado.
0 servico publico deve lucrar com a
acquisao de um funccionario de Lmto rae-
rito.
Achamos, porem, quo o governo fez
mal em deixar pairar sobre o illustre repre-
sentante da nacao a suspeita de que nao e
desinteressado o apoio que, na tribuna e da
imprensa, elle tem prestado dsiluacfio. De
amigos como S. Lxc naose deve extorquir
sacrilicios dessa ordem ; como a mulber de
Cesar, devem elles estar livres de qualquer
suspeita.
0 illustre deputado pernambucano, fa-
zendo ao governo o sacriQcio de aceitar o
cargo para que foi nomeado, presta mais
um importante servico ; o minislerio entre-
tatito nao podia exigir sacriflcio tao pe-
sado.
Em todo o caso, baja ou nao motivo
para reparo na escolha de um deputado
chefe da maioris para lugar de erapregado
da secretaria do Sr. Costa Pereira, n6s cor-
dialmente cimprimentamos o nomeado.
' "ii
jjftto' 'a JfWutf.lMM'.Aiiu*isda(
mm,
CoMei^io.
5] ignlcia Cewr ,de UtUa-.
D. MMdawtUuda Uii *
ra Gurado. J(H1 JIG H lV."
D. Franci-ea ~ Iwtt'J- I "
D isaiaas Harem du^dit Saaio
D. Uom aspuss da **> 8r. "
Madiro
D. Maria Damiaaa ds Ifora.
D. Thcztza, vmva do aaado cotamsaiadar Maaaa*
Figueiroa de Fjna.
Gsrrmes pe dsrsfsa,
Os MlmsL Sr*. :
Joio Eloy da Coneeicao..
Joaqaia das Sasips BuatUr
Anaaass Maaod Lueas im Sar.tos. .
Paulino Ferreira da Stia .
aanda WaWitLJUi.
SalvadMcWaana de Oiweira.
Lnix JHd dsoeas* Aii.
Mataoel AnUsda/MgH om
Fririsiasa'Aatiaaaiidadiba.
AdUaaaaoaa do dsata..
FrsdastaabMassiatB:a IVaba.
Joao Rodrigues a>Sa>Vi
setiaaa par aavoesa,
As xm. Sra.: ?.-*
D. Joaqnina, esposa do film. Sr. Ciiristsvi i da tW
ciu Gpnas, Sauio- assist.
D. Jossfika, tuba do inado major Fabriiii O. Eugenia Maria de Jssaa Praitaf. -,ytfl
I). 3opnia Cathanna da CoBcei.ao.
D. Candida, esposa du IHa. Sr. Maaoei de tMhar
da Bezerra de Mello.
D. Maria, esposa do Mm. Sr. FrancuMO Jo:t atsy-
tista.
D. Lasts Joaqnium db O".
D Maria Joaquina da Coneeioae.
D, Candida Maria Gazar de Mail.
0. Joanna, esposa do Dim. Sr. Jese Manpa*
Correa.
D. Roaalina, esposa do Illm. Sr. Joio Antoaki d*
Oliveira.
D Maria, filha do Illm. Sr. Aotoaio da Sdveira
Lins.
Condstorio de capella de Nossa Seahora do Bam
Suecasso, em Olinda, 18 de Janeiro de 1874.
0 prioste da cathedral, Ignacio Antonio t/ik*.
dmammmmmvi_ j___[______g
G0MMIRC16.
PHAGA DO RECiFR 23 DE JANEIRO
DE 1874.
as 3 1/2 HORAS T>A TARDE
C'otace ofllciaes
Algodao de Periiambuco pela eslrada de ferro.
sem iuspeccao, 7(200 por 15 kiUv.
Algodaode Mamanguape sem inspec\;ao 7(300
por 15 kilos, hontsm.
'^mbio sobre Londres a 90 d/v 26 If* A. poi
1*000, boje e hontem.
Dito sobre dito a 90 d|v. 26 d. por 1*000, |o
banco, hoje.
Cambio -sobre Paris a 3 d|v. 370 rs. por franco.
hoje.
nesconto de letras 11 OiO ao anno.
tf. de Vasconceilos
Presideute.
A. P. de Lemus
Secretario.
Trlbuiusl do coiamerclo.
ACTA DA SESSAO DE 19 Dfc JANEIRO DE
itffc
phbsibsnou as asi*. :aaL aBRSBUfBUo a^selmp
FBASOKCO fllBTI.
Afs 10 boras da maoM, psasentes os Srs. de-
putados secretario Olirrto Raaiss, Lopes Maehado
e supplentes Sa Leitao, e faltaodo por motivo
justs o sr. deputado eleito Alves Guerra, S Exc.
a j. conselheiro presitftnte aeclarou aberta a
'seso.
Foi lida e approvada a acta da precedente
iessfee.
exphdienTe.
OiBi^dopseside^-esearahBrlo'da -janta dos
rusawnrma oboiattta da* cotacoes
IIa 17 do fiorrente.
Mandouse
,OjB4o-do s
qasudo cmjrids naojpodm
oca
d;
Juris%ccty cictt: Dirida conslahle de letra coin o anterior, se]
in an
pqsseawie ,*s,caaw*-.
, nio haveodo dg
Eleif^ao
ALFAWKGA
\sadimento do dis 2 a 22 '
d :T. do dia 23
75S 783*486
37.618*432
703:403**18
dos de votos que teem de festejar
^kossa icahora dv Horn Suc-
cessor no auuo de 189**,
Jaia perpstuo,
O Illm. Sr. iianocl Jose Correa.
Juiz por el-'i^ao,
0 Illm. Sr. Joan Gaetaoo Rtteiro.
Uscrivao por eleicao,
0 Illm. Sr. Trajano.Francisco Barbosa do Am-
pare.
Procnrador,
0 Illm. Sr. Nicolao Jose de Souza.
Thesoureiro,
0 Illm. Sr. HereUano Jose Victoriano.
Deflnidores,
Os Illms. Srs. :
Loureaeo Go/nes de Mello.
Manuel Floriauo Alves aa-Saat'Anna.
Antonio Pinao de Carvaluo Juuior.
Liberato Prisco Ribeiro,
Primo Felieiano da Silva.
Jose Ifaaoio da Guana Prea.
Jsaquim Felix de Meaezes.
Joao Bernardo Nunes|de Souza Leio.
Juiza por ejeicjo,
A Exm." Sr.* D. FitmBa Neoraisia Carneiro da
Gadba.
Escriva Bar eleicio, ,
A Exm.* Sr.* D Anna, esposa do Illm. Sr. Joa-
quim Jeronymo Serpa
Juizes por devocao,
Os Mras. ga.- .
ORvm. Antonio Grsetaaode Araojo 6uariU.
Capitao Joio Tpeodomiro da Costa Monteiro.
ffendnie: oa afiar-*
D*scarregam hoj->. 2i de Janeiro de 187V.
Vapor inglez -Fire Queen mercadorias para al-
fandaga.
Vapor inglez Duuro (esperado) raercador a-
e bagagens para alfandega
Vapor franeez Ville de Bania (esperado) mer-
cadorias para alfandega.
PatachoboHandi-z-Den Holder mercadorias para
alfandega.
Barca inglezaJfmisda -mercadorias para alfan-
dega.
Barca ingleza Zulma fariuha ja despachada
para o caes do Apollo, e barricas aha-
tidas para o trapiche Con'-eicao, para
despachar.
Hi ague portuguez Trntmpko varw generos
para o trapiche Coneeicao, para despa-
char.
Lugre inglez Stag -fariuha ja despachada para
o caes do Apollo.
Briguebollandez Geres farinhi j desracha-
da para o caes do Apollo.
Barca ingleza Fuzilier canos de ferro ja des
pachados para o cae< do Apollo.
Hiate nacional Flor do Jardlmgeneros nacio
naes para o trapiche Daotas.
Igiipitrttietlo.
Vapor francex Ville de Bahia, entrado do Havre
e Lisboa ?ra 21 do corrente e conignado a Au-
gust) F. di Oliveira & C, maife*toa :
Alvaiade de zinc i 0 caixas a Beltrao & Filho.
Anio>tras 1 caixa a A. Rurle i C.
Batatas 160 gigos a Cardozo & Martins 1W a
M^palhaes Irmao*, 140 a J. 1. de Azved<>, 200
a Manuel Daarle Rudrunies, 100 a Fraga is As*
cha, 100 a Beltrao & Filho, ioO a J .a,|uim Jox-
Leitao & C. Bbeoutos I caixa a Fraucisco R
Ramos. Buttles 2 caixa- a Duaile Irmaos. Brin-
uuedos 6 caixas a Bourgard & C, 5 a Manoel D.
Rodrignes, 3 a S. Barroca & Filho, 1 a D. P.
Wild & C.
Caljaao 2 caixa? a Lvra & Vianna, I a M. Hal-
lidav 4 C, 8 a Joaqaiffl rSrHra Arantes, 1 a
Dre>fus & C, 1 a S Leitao & Cniasfcn, i a wdern.
1 a Mendes Lobu& C Cosm I caixa a Joaquim
A. de Araujo v C. 2 a II. Jose Reberlo. Cu.ilanI
3 caixas a ramer Fray & G Cerwja 30 i-aixa-
a D. P Wild & Chapoo- 3 caixa* a Keller A
C, 2 a Luiz A de Si.|ueira, 2 a Martin & '-'ardo-
zn, 4 a Joajuim Lopes Maehado A C, 3 a Theod
Christiansen. Conservas 2 caixas a Candida Alcoforado. Choeolate I caixa a Francisco P.
Ramos. Cartas 1 caixa a D. T. Bastoj. Camisas
6 caixas a Luiz A.de Siqueira, 2 a Gon.alves Ir
maos 4 G, I a Lindon Wvydman.
Drogas 3 caixas a A. Caors, t4 a Regard, 3 a
P. Maurer & C, 2 a Putelleret.
Fliires 2 caixas aos consignatirios. Ferraem
14 caixas a Von Schsten & C, 1 a D. Jose F-r-
reira.
Licores 1 caixa a Duarte Campos <0 aos e
signaUrios. Livro. 1 cai:a a Amaral Nabuco i\
Conipanhia.
Mascaras 1 caixa a Souza e *a & C. Marroqnim
3 caixas a MonteiioGregorio & C. Machimsmo 3
caixas a Gomes de Oliveira Sobrinho. Mobilia *
catxas a Pacheco & Azevedo 3 a Lehmann Fre-
res. Miudezas 1 caixa a ordem, 3 a Castro e Al-
meida A C, I a Vaz Juni.r ft C... 10 a fas &
Leal. Mant.dga 30 barns inteiros e 30 m dos a
Johnston Pater & C. .)0 30 a Man l D. Rodri-
gues, 5o e 90 a H. & Lainlle, t5 e -0 a Taso Ir-
mao & C, 50 e 70 a ordem. 20 e oO a Magalhaes
& Irmao, 20 e 30 a Mouteiro Junior & Fcmandes
10 e 20 a Candido G. Aloforado, 80 e ICO a Kel
trio A Filho, 20 e a B. Iboasoa & CJ. 4> e 40
a Letire & I'eis, 25 e 23 a Fi-inaades & irmao.
2i> e 20 a E. Burledt C, 6 a Ciainer l-'rov & C
Oleo de Imhaca 2 barris a P. Maurer 4 C. Ob
jectos diveisus 12 caixas a A. dos Santos Azevedo.
13 a Duarte & Irmao, I a M nleiro Gregorio a C.
2 a Rodrigues Irmaos, I a Ramos & Maehado, 3
a Memle A Azevedo, 10 a Pa-ente Vianna (\ (.
& a Cos ia Irmaos 6V C, 3 a Sa Leitao & Coimbra
Bapel 2 caixas a De Lailha-ar il, 10 a CosU
Irmaos 4 C, 1 a M. Halh lay & C, 6 a Cunba
& Manta, 2 a Joao Jose d"Azevedo, 2 a prosid-ocia
de Pernamhuco. Perfumaria 1 caixa a S-mia Sa
& C. 2 a Fraucisco Ramos, 1 a Mendes & Aze
vedo.
Queijos 20 caixas a Jose M. de Barms Filho &
G. 24 a ordem.. 1 a D. R. Wild & C. Quin^uilharia
I aaixa a O'.io Bonres, 2 ordem.
Sardinia 2$ caixas a Lima & Silva. Seda 1
caixa a E. dos Santos.
"H.-cid.w 1 caixa a Joaquim Lopes av-bsdo, It
a D P. WUd k C. 22 a Keller&C, 2 jCarneir.
A Nogueira, t a Amaral t M >tra, 1 ^^J^.5- *
nguinho
Duo J*e1tif\-oftdaFl._
Capitao SeUsaab 0* RfO
DomingwJ** Swwoira. *
TiomaaJ-sede Gusmao.
%a>ir devocao,
jZ8&'% fffm.'^r. J^i^asiBiieo da
10. beootea Josepoa Carneiro Maciel da Silva.
ar#i
.....in Oliveira A ., I a ramer Frey & G, 6 a
E. A llorle k., 6 a J. L G ucal*e> Ferrawa.
YiolOes I caixao a E. R lie lo. Vmho i caixas
aos consignatari.1*, 2 a K-ller 4 ., 40 a T.
Cinis'i msen. Vidros I caixa a S. Bunoca i i
1 barrica ao bar o d. Livramaut i
Cirg.. do Li>boa,
0' r.. la iirata 1 ear; i a L^nmaaa Frere.
Su lr!n JO r.-iita< a H-.'traoA; Filho.
T iriuho 0 harr i- a S GuilIMI *. & C
ViuUo 10 bar.is de quinto a Santa ..ata de ML-


d
p
HEGlVfl
-*^.-'


D^afc ^m/fim^^^iiia^^imk^MWiM
-*-
"erfoordia, t a J. B. Botolao. 75 a S.
4 c H*mhtSSrm:+
& C, 95 a 36a Rabello AC. <\Ja^^H_
a Silva Guimaraes & C, 25 e 8 pipWatttolra FW
has & ^^TSmS^ '-"topi*
OMMCM*jM WPORTACAO NO DIA 21 M
JANEIRO DB 1874.
Pom or jwrftM 4* win hi.
No vapor taftoz **#, pan Livaapaol,
earrtCM J A Art** i,00 saeeoa^osn 75.4WO icttos
ile assucar branco.
No brigue inglei Rife, fan Lfcvarpoel. car-
tvmt: fti. Lttfcan & C. 106 saccas eoa 8,M
kilos de algodao.
No navio aMssaio AsMz, fan Valparaizo,
carregon : S. Brothers A C 110 uecos com
4 0,000 kilos de asiacar branco.
Na escuna allemi Hong Kong, fan o Rio da
Prata, carregou A. Loyo SO aarrieas eon
1,5jO kilos de assaear iWuis. nel m->
No brigue ingtec Jmttfc par* Lteboa, ear-
regou : T. A. Fonseca A C Successors* OBftaae-
cos com 45,000 kilos de aaenear branco, 100
ditos com 15,000 ditos de dito maaeavado.
No lugar portugnez Lima, pan S. MigoeJ,
carregon : j. A. Rapeso 1 barrfca com 88 kilos da
aaauear mascavads, 1 caixa can n ditos da cafe,
i i dita com 8 litros de vinhe deeaj* : A C- Gou-
calves 42 barricas com 4,B48 Ifl kiloa de assaear
maaeavado, e 16 ditas com 1,741 ditos de dito
branco.
Na galera portugaeu V**daGama, pan
o Porto, carregon : A. Lot* 79 conros salgados
com 948 kilos.
Para o$ portos to tntmor.
Para o Rio Oe Janeiro, no Jotar naciooal
Francisro 1, carregon : A. Loyo 1,006 saccos eom
75,000 kilos de assucar branco.
Pan o Rio Grande do Sol, no patacho bra-
sileiro Salsepuedes, carregon : HB.de Oliveira
Junior 270 saccos com 20,250 kilos de assaear
branco, e 80 barricas eom 6,141 1(2 ditos de dito.
Para o Rio Grande do Sd I, no brigue nacio-
nal Ft'ranw, carregou : A. F. Baltbar Sobrinho
200 saccos com 15,000 kilos de assaear branco.
Pan o Para, no hiate brasileiro Olinda, ear
regou : A. Cordeiro 100 barricas com 3,458 kilos
de assucar branco, e 24 pipas com 11,520 litros de
aguardente.
Pan o Para, no vapor nacional Ceard, car-
regon : E. A. Burle & C. 15 barricas com 1,052
kilos de assucar branco.
Pan o Para, no patacho americano J. Rote,
earregoa : A. Cordeiro 615 barricas com 40,932
kilos de assucar branco, e 5 ditas eom 414 ditos
de dito refinado.
CaPATAZIA DA ALFANDfcGA
Handimento dn do dia 23 5481820
14:258*082
VOLUMES SAH1DOS
No dia 2 a 22. .
No dia 23
Pranein porta.....
ieganda porta ....
ferceira porta ....
Quarta porta......
rtapicbe Conceicao
SERV1CO MAR1T1MO
*r**rengas descarregadas no trapicht
alfandega d j dia 2 a 22
No dia 22
MaMds atraeados no trap, da altaadega
Alvarengas ........
*io trapiche Conceicao .
37,102
M
99
GE
aUCEBEDORU DE REND AS INTERN AS
RAES DE PERNAMBUCO
rtendimenlo do dia 2 a 22. 29:316*993
dam do dia 23. 844*364
00:161*359
GONSULADO PROVINCIAL
ctendimento do dia 2 a 22.
idam Jo dia 23
143:<67*701
4:810*464
147:978*165
RECIFE DRAINAGE,
rtendimento do dia 1 a 22. .
ami do dia 23......
16:801*970
298*847
17:100*817
MoviMENro m mn
Navios entrados no dia 23.
Terra-Nova 23 dias, escuna ingleza Rebe-
a, de 171 toneladas, cupitaolJ. Dornorn,
equipagern 8, carga 2,661 barri-as com
bacalhao ; a Saunders Brothers & C.
Assu8 dias, biate brasileiro Flor do Jar-
dim, de 150 toneladas, capitao Joaquim
Francisco da Silva, equipagern 5, carga
algodao e outros generos ; a Joao Jose"
da Silva Lages.
Havre por Lisboa22 dias do primeiro e
15 do ultimo porto, vapor francez Ville de
Bakia, de 817 toneladas, commandante
Robert, equipagem 39, carga differentes
generos ; a Augusto Frederico de Oli-
veira A C.
Navios sahidos no mesmo dia.
Portos do norte Vapor nacional Ceard,
commandante Alcoforado, carga varios
generos.
Rio Grande do SulPatacho brasileiro
Leopoldina, cspitSo Manoel Francisco
dos Santos Junior, carga assucar e outros
generos.
'".analBarca ingleza Constance, capitao
Kemp, carga assucar.
EDiTAFS.
A camara municipal desta cidade manda
pnblicar os artigos de posturas, abaixo trans-
criptos :
Art. 70. Fica prohibido neste municipio o brin-
qnedo de entrudo com agua oa qualquer oulra
substancia, de qualquer maneira que so empre-
gne os infractores pagarao a mulia de lo* e
seffrerao olto dias de prisao.
Art. 71.-Fica probibida a venda de limas de
heiro : os infractores alem de as perderem, pa-
garao 4* de multa.
Paco da camara municipal do Recife, 17 de
Janeiro de 1874.
Manoel J. do Rego e Albuquerque
Presidente.
Pedro de Albuquerque Autran
__________________Secretario.___________
0 Illm. Sr. Dr. cbefe de polieia, para conhe-
.unento de todos e 6el exeeuclo, mando publi-
ear os segnlntes artigos das postnras da camara
municipal desta cidade.
Art. 70. Fica prohibido neste municipio o brin-
quedo de entrudo' com agua ou outra qualquer
substancia, de qualquer maneira que se empre-
gne : os infractores pagarao a mnilta de i 5*000,
e soffrerSo 8 dias da prisao.
Art 71. Fica prohibida a venda de limas de
xneiro : os infractores alem de as perderem pa-
parao 4* de multa.
Sacretaria de polieia de Pernambuco, 19 de
Janeiro de 1874.
Pekt secretario,
_______ Francisco G. da Silva B arroso .
Edital n. 122
" Pela inspectoria da alfandega se faz publico
lue'is ii boras da manha do dia 26 do corrente,
a porta desta repir!.^0. sa ha de arrematar, li-
vre de direitos e suje'itos hC imposto da capatazia,
">90 kilos de sal commam, refinaao, Z2 toIot^ de
325*100, abandonados aos direitos por Caro^C
Martins & C.
*dfandega de Pernamboco, 22 de Janeiro de
4874.
0 inspector,
___________Fabio A. da Carvalho Reii.
0 Illm. Sr. inspector da thesonraria provin-
cial em observancia de ordem da presidencia da
proTlcia de 16 do m corrente, manda fazer pu-
blJeo, que perante a junta da mesma repartlcao
Ievados 4 venda no Aa 5 de fevorerro
vindoaro, os objectos eooitantsi 4a
ixo, dados ein eetoarno pelo eorpo de
) t/Janel M aHum e fodfoi ser "
PTir-fi ii nrtiualar
HKUria 4* a^esMNHa trovraeial de Pernan-
, 22 de Janeiro de 1874.
Victorlno J. *. Palhares,
Official-maior iniertoo.
Revao^o *'^*r-.se nfcro 0 soppra.
1 suite 6> X caldeirSes grandes de dito.
1 gocBo de farro pan lampeao.
4 Jams de- MIWIHL
I mesas grandes de diu.
60 pes de ferro pan harras de ditas.
Drnrsos pedtcOs de taboas de differentes
lidadps.
1 cofre de madeira.
2 eacerados araades.
q* -
ii
V. PalMtes.
til ilU ,1*04
i iiba^ eb
-1A M-
DfCUflAC&{.
Baoco CoHiaiercial dc
rcrutifflbuco,
.,v
SANTO ANTONIO
_____ j.t-L;rG_. ,i
Sabbado 24 do corrente.
Dupl* e grainde ref>reetya>
arilstieaa, recreativa* e aoleav-
tMe ale proOailgltaif
0 banco saga o segundo dividendo oa
razao de 8 */ ao anno ou 29400 por accSo,
relativo ao seutestre findo em 31 de dezem-
bro de 1873.
SANTA CASA DA M1SERICORDIA DO
RECIFE.
A Rlma. junta administntiva da saata easa da
Misericordia do Recife, manda faxer publico que
oa sala de suas sessoes, no dia 22 de jtneiro
pelas 3 boras da tarde, tern de ser arrematadas a
quern mais vantagens offerecer, pelo tempo de aaa
a tres annos, as readas dos predios em seguida
leclarados.
ESTABELEaENTOS DE CAR1DADB
Padre Floriano.
Casi terrea n. 47......201*000
.. Rua de Hortas
Loja do sobrado a. it.....125*000
Travessa de S. Jose.
Casaterrean.il....... 201*000
PATRIMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado 14 (fechado).....1:000*090
Rao do Pilar.
Casa terree n. 98......241*000
Gasatereein. 98....... 240*000
Idem n. 102........241*000
Rua da Moeda.
Armazem n. 37 (fechado) 600*000
Rua Velha.
Casa terea u. 44(fechada( .... 430*000
Rua das Lanngeeras.
Casa terrea n. 17.......361*900
Rua de Burgos.
Armazem n. 13 (fechado) c 0 240*000
llha do Nogaein-
Sitio desocunado. .0000. 800*080
Parnameirim.
iStio (desocupado) 0 0 0. 500*006
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
arrematacao as suas fiancas, ou eomparecerem
acompanhados dos respeetivos nadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
jue for seguro o predio qua contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o servico da lim-
peza e precos dos apparelbos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re-
cife, 2 de Janeiro de 1873.
0 escrivao
___________Pedro Rodriguet de Sauza,
Consul ado provincial
Pela mesa do con-ulado provincial, se faz pu-
blico que no dia 12 do corrente, se principiam a
contar os 30 dias uteis, marcaoos para a arreca-
dacao, independente de mnlta, dos diversos im-
posios, eobrados por lancamento, pertencentes ao
anno linanceiro de 1873 a 1874, licandu sujeitos a
multa, todos os que forem pagos depois de findos
os refendos trinta dias.
Consulado provincial de Pernambuco, 2 de Ja-
neiro de 1874.
0 admiaisirador,
Antonio Carneiro Machado Rios
Nuiiln (aa da Misericordia do
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife, precisando fazer os concertos
de que necessita o predio que possue o patrimo-
nio dos orpbaos, a rua da Cruz, hoje do Bom Je-
sus n. 12, contrala cum quern se proponba a rea-
lisar diios concertos, medianie certa renda e al
guns annos de prazo para desfructar ; devendo
us que disso se quizerem encarregar, apresentar
suas prupostas cm cams fecbadas, devidamente
seiladas, acompanbadas do respectivo orcameiito
nesia secretaria aie o dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, i7 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
__________ Pedro Rodrigues de Souza.
Secretaria do gymnasio provincial de Pernambuco,
17 de Janeiro de 1874.
Por esta secretaria, e de ordem do IUm. Sr.
Dr. regedor interino, sJo chamados para effectnar
o pagamento dos ullimos irimestres do anno pro
ximo passado os pais e correspondentes daquel-
les alumnos internos, que ate esta dati ainda nao
o fizeram ; assim como se declara que, ern vista
do ariigo I3n do regimento interno deste instituto,
o pagamento dos alumnos q'ner internos, quer
meio penionistas e exierno?, sera effectuado sem-
pre por irimestres adiautados.
0 secretario,
Celso Tertuliano Fernandes Quintella. .
di a palavra aos autores das me
Por^na naalroma nemoria oa tnbtJbo
wide ser apresentado e lido em sesslio pu-
bhea, sem que antes seja submettido a,
uma comroissao da exarae para isso no-
aaeeda, a qua! lean voto decisivo aobraa
oonvenieneisi oo incODreniencia da lei-
tura. a
Secretaria do lustitutrt, 30 de-Janeiro de
1874. i iu,' >!
J. SO\E9 "AZEVEDO.
Secretario perpetuo.
saaa maneira
de
ptetantente
vat.
W. Goodson
Alem dos applausos qua tern recebido do pa
blieo nos iceatros das principaes cortes de Euro
pa, dos Estados-Unidos, das Republicas do Praia
e da corte do Rio de Janeiro, onde foi bonndo
eom a presenca de SS. MM. Iroperiaes, tem sem
Smerecido ovacdes pelos seas admiraveis tra-
ios.
ULaalaaa
OPA
ILLIMAI9
wyen-se da Europaate o dia 29 do corrente,* de-
pois da demon do costume setraira para o sol do
fmperio, Rio da Prata a cost* do Pacifico, para on-
de recebera passageiros, encommendai e ainheiro
i >ete.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C
14___RUA DO COMMERCE)14
(^VMPANUIA PERNAMBUtANA
DE
favefaeSe cootelr a a vapor.
HACEIO, ESCAtAS E PXNKOO.
0 vapor Giquid, com-
mandante Martins,
seguira pan os por-
tos acima no dia 29
do corrente, as 8 bo-
ras da tard*.
Raeeke carga ate o dia 29 do corrense, eneom-
meadas ate o dia 30, paasafeaa e diaberro a fret*
ale as 2 boras da tarde do dia da sahida : es-
ufanr io no Porte do Mattes a. Kt
COMPANHIA PERNAMBLCANA
is parto,
!. Ouvertnra.
2.* 0 exito de nm prestidigitador egipciano.
3.* A transmissao magica.
4.* Uma viagera americana rapid a.
ft.* A illusao extraordinaria de um mercador.
Intervallo de 15 minutos.
2.* parte.
1.* Ouvertura.
1* 0 formoso nmo da Deusa Flora.
3.* Modo de se near rieo depressa.'
4.* 0 successo do celebre Roberto HouiiB.
S.* 0 non pins ultra da prestidigitacao.
Intervallo d> 15 minutos.
3.* parte.
!. Ouvertura.
VENTRILOQUISHO
W. Gbodson
nao tern rivaes na Europa nem na America como
veotriloquo.
Fara diversas imitacoes musicacs, organoforinas'
passaros, gallinbas, pintos, cacborroi, leitdes, etc*
0 CELEBRE jOAOSLNHO
figura irianimada mas qne falla, chora, canta e
conta a vista do publico.
Interval!') de 15 minutos.
4." parte.
!. Ouvertura.
1* Aereo p.tetismo oscillante e difflceis equili-
brios.
E' este um trabalho de muito equilitrio pelo
qual tem recebido estrepitosos applausos nos inea-
tros do Rio de Janeiro e em outras muit.-.s cidadas,
tanto do imperio como da Europa in-eira.
Precos, os do costume.
Principiara as 8 1|2 horas
mm
SANTO ANTONIO,
Recita extraordinaria.
Terwi feira Ml do corrente.
Em benaficio da sympatica e intelligent^
menina Julia Riosa.
Programma.
1 *Symphoma pela orchestra.
2.*Grande dueto de duas tiples da opera hes-
panbola Domino azul
3.* A linda e tngracada comedia em um aeu
ornada de canto e danca, intitulada:
I in*i criada inipagavel.
4.* A' pedid>>, a scena comica em que tanto se
distingue a menina Julia:
0 SR. D0M1NG0S FORA 00 SfRIO
5.' Para puder sati-faier a muitos pedidus su-
bira a scena a muito intbusiasmada comedia em 1
acto, ornana de canto e dansa :
Paulo e Virginia.
N. B.A beneficiada ira aos camarotes agra-
decer aos seus favorecedores.
Principiara as 8 1|2 horas.
Havera trem depois do espectaculo.

4m i
* jljaaooriiwHa portafratendeserair compoiea
taon o brifoe portocnez J^rira or, ,*s |.
elaase, capitao Nobre, por tor a maior parto de
sen carregatnento engajado, e para o res'to que Ihe
falu tnta-se com os eonsignatarios Joaquhn Jose
tioaeahnsBettrio & Filbo, a rua do doambrcto
a. ft.
liavcaracao eosteiraa vapor*
MAMASGUAPE.
0 vapor Coruripe,
commandante Santos,
seguira para o por-
to achna no dia 28 do
corrente, as 5 horas
da tarde.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
oneiro a frete ate as 2 horas da tarde do dia da
sahida : cscriptorio no Porte do Mattos n. 11
DE
um cabriolet de 4 rodaspara
nm cavallo
SEGUNDA-FEIRA 26 DO CORRENTE
Ao meio dia
Por intervencao do agents Pinto
Por occasiao do leilao de moveis, no armazem
da rua do Bom Jesus n. 20.
PACIFIC STEAM NAVIGATION COM
PANY
L.lnha quinzenal
0 PAQUETE
MAGELLAN
iipera se dot portos do sol ate o dia 36 do
oorrento, e depois da demon do costume, seguira
para Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
recebera passageiros, encommendas e carga a frete.
OS AGENTES
Wilson Howe A C.
14BUA DO COMMERCIO14
PROGRESSD MARITIMO DO PORTO
Bmpreza portuense de navega-
eao a vapor entre Portugal e
Brasil.
0 vapor
ALMEIDA GARRET
Commandante Tomasini
Esperado dos portos do snl ate o dia 29, a de-
pois da mdispensavel demora neste porto, segui-
ra para Lisboa a Poito com escala por S. Vi-
cente.
Para passagens e fretes de carga, encommendas
e valores, tratam-se com os
AGENTES
E. R. Rabello fc .
48= Rua do Commercio=48
OUveka AC, area do Vigaria n. 1, primeiro
TSn
-^
Risco maritinlo.
William Crocker, capitao do brigue ingles An-
nie Sophie, arribado a este porto por abalroa-
cao, na sua viagem para New-York, tendo j4 feitfl
o coneertos necessarios para tegnir viagem, pre-
cisa cerca de 5:000* a risco niaritmw sot re o
frete, casco. apparelhos a velame do mesmo na-
vio : os pretendentes queirani remelter as suas
propostas em carta fechadi ao consulado iDgtez
ato 26 do corrente mez, ao meio dia.
I 'IlU ----- _LJ1LI1Q.SJI.H
<5oaroi*aaabo, 1 vndo aiaano, latrwas oner
taArolmenaarios. ^booa au
Um faqnaro de prata, 1 diedooam na Uarasa
e outros Uvroa. ^^ \^M
E mats am rice saotaario de larafRIE-
tERcii-FKiTii^ it do mMon*"1*'
Ha eoarado d fnalaWn Crta k 4a
Joao Lola Ferreira Ribainvoao de faaar unan
viagem a Europa. fan leilao, por intervencao do
agente Pinto, dos moveis e mais objectos achna
mencionados, existentes em casa de raa I'BslJia
eia, a raa de Sana Crat n. 10, oaoa % esTaBWa
ra o teilio. uom aanar
Principiara as 10 1|2 boras em ponto, por sa.
rem mintos e differentes os lotos._____________
LEILOES.


LEEAO
.
DE
4 caixas com 100 caixinhas com massas estreli-
nas para s6pa
SEGUNDA-FEIRA 26 DO CORRENTE
A's 11 1|2 horas
0 preposto do agente Pestana fan leilao, por
conu e risco de quern perteneer, de 4 caixas
com 100 caixinhas com massas estrelinas, para
supa, desembarcadas ullimaraente, segunda-feira
26 do corrente
A'S 11 1|2 HORAS DA MANHA
No armaiem do Sr. Annes, em frente da alfan-
uj___ dega.
Leilao
DE
40 barricas com sardinbas, sendo de 1,400 cada
uma
SEGUNDA-FEIRA 26 DO CORRENTE
as 11 horas da manha
0 preposto do agente Pestana, fara leilao por
conu e risco de qnem perteneer, de 40 barricas
com sardinbas, sendo de 1,400 cada uma, chega
das nltimamente de Lisboa, segnnda-fein 26 do
corrente.
A's 11 horas da manha
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
fandega.
Obras militares.
No dia 24 do corrente, as 11 horas da manha.
sera posta em concurrencia a execucao do servi-
co de desobstrucrao do cano de esgoto do arsenal
de guerra, orcado em 2i0j460; assim como tera
lugar a arrematacao do material, que na fortaleza
do Brum foi snbstituido. Na reparticao das obras
pubiica-, onde se acha o orcamentc, serao no re-
ferido dia reeebidasas propostas em carta fechada.
Pernambuco, 19 de Janeiro de 1874,
0 engenbeiro
Chryssolito P. de Castro Craves.
Pagamento de dividendo
Paga se o 40." dividendo das acgoes do
Banco do Brasil, inscriptas na extincta cai-
xa filial desta provincia, i rua do Vigario
n. 1.
Recife, 22 de Janeiro de 1874.
Instiliiio Archeoliigieo ^ Geogra-
phico Peroaiuhoeano.
Tendo o Instituto Arcbeologico e Geogra-
phico Pernambucano de celebrw o 12." an-
niversario da sua funda^ao e q 220." da res-
taura$So de Pernambuco no dia 27 do cor-
rente Janeiro, pela 1 hora da tarde, no sa-
lao da bibliotheca publics provincial, no
convento de Nossa Senbora do Carmo, sio
convidados para semelhante effeito em as-
sembled geral todos os socios que se acha-^
rem no Recife,effectivot, bonorarios e
correspondentes.
Nao conbecendo o Instituto a se*do das
differentes associates populares, litterarias,
artisticas e de beneficencia que existera nes-
ta cidade, tera a honra de convidar pelo
presents edital a cada uma de taes associa-
tes a assistir ^ solemnidade do dia 27, ou
a fazer-se ahi repvesentar. E para conbeci-
n^nto das corporago'c? pu nessoas que tive-
rem de of.ar a sessao cocn a sua palavra
autorisada, aqui O) transcreve 2 ulunaa parte
do art. 28 do regin>aPto do Instituto t
Se na sala existera jtfcioe oo pesaoas
outras que desejam ler alnimw roemoms
interessantes, participam-no ao secnc^P0
AS nnCfVS ADMITTIDAS
NA
Exposi TODaS AS NOITES
De C horas as 9 i|2.
Entrada 500 rs., as criancas nada tem a p gar
IVJSOS MABITIMOS:
Rio de Janeiro
Para o porto mencionado, segnira brev ainda
o brigue nacional Pitangy ; e faltando-lbeemente
alguma carga. recebe-a a frete : a tratar com
Francisco Ribeiro Pinto" Guimaraes, a rua do Ba
So do Triumho n. 96.
Companhia Franceza de Navega-
Clio a vapor
IAriha mensal erdre o
Havre, Lisboa, Pernambuco, Rio de
Janeiro, (Santos, soniente na vol
ta ) Montevideo, BuenosAyres,
(com baldeacao para oRosario)
STEAMER
VILLE B, BiVHIA
- Commandante, P. Robert.
Segue viagem amanhS 2Sdo corrente, as 9 ho-
ras da manba, para os pertos do snl de sua es-
cala, tocando desta vet na Babia.
Relativamento a fretes, enommendas, passagei-
ros, para os quaes torn excellentes acommodacde;
por precos reauzidos : trata-se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA A C.
i2Rua do CommercioEntrada pela rua
do Torres.
Real companhia de puppies in-
glezes a vapor.
Ate o dia 27 do corrente, espera-se da Europa o
vapor inglez Douro, commandante Thwaites, o qua
depois da demora do costume seguira para Bue-
nos-Ayres, tocando nos portos da Babia, Rio de Ja-
neiro e Montevideo.
No dia 28 do corrente, espera-se dos portos do
sul o vapor inglez Boyne. commandante F. Reeks,
o qual depois da demora do costume seguira para
Southampton, tocando nos portos de S. Vicente e
Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., trata-se na agencia
rua do Commercio n 40.
LEILAO
DE
moveis, loucas e crystaes
A saber:
Uma mobilia de faia, jarros, candieiro? a gaz,
cortinados, espelhos, quadros, serpentinas e tape-
tes.
Uma cama franceza, 1 guarda-.vestidos, 1 toilet
te, 1 lavatorio, 15 pecas dc papel de forro, 1 com
moda e 3 escarradeiras.
Uma mesa para jantar, 1 aparador, 2 bande-
jas, 1 sofa, 12 cadeiras, garrafas, compoteiras,
copos, cahces, 1 relogio, 3 transparentes e muitos
outros objectos.
SEGUNDA-FEIRA 26 DO CORRENTE
Por interven^o do agente Pnto
No armazem da rua do Bom Jesus n. 20.
LEILAO
DE
30 garrafoes com ervilhas.
5 duzias de cadeiras de faia.
50 ditas de caixas com oleo filocome.
20 caixas com vinho santerno.
30 duzias de Wermnth
SEGUNDA-FtlRA 26 DO CORRECT
as 11 horas
Por interven?ao do agente Pinto.
No armazem da rua do Bom Jesus n. 20.
IL&O
dapadaria,
da rnas-
DE
farinhas de trigo, bolacaas,
moveis e nvai* pertencas da pa4aria
treita do Rosario o. ..
TERCA-FEIRA 27 DO CORREIfTE
0 agente Martins fara leilao, a requerimento dos
enradores fiscaes da massa fallida de Bernardino
Pinto Coelho, e por mandado do Um. Sr. Dr. ioix
especial do commercio, dos atoasilios, farinhas,
massas, bolachas e mais pertoncas da padaria e
depositos pertencentes a mesma massa, a rua es-
treita do Rosario n. 2 A e 11.
A's 11 horas do die acima
IXi&D
DE
33 cascos com azeite de baieta
TERCA-FEIRA 27 DO C0RREHT!
AS 11 HORAS DA MANHA.
No trapiche do Exm. barSo do Llvramento.
0 agente Dias, com antorisacao do Illm. fr.
consul de S. M. Britanaiea. e assistencia do mes-
mo, precedidas todas as tormalidades da lei, ven-
dera por conta e risco de qnem perteneer, o axei-
te acima mencionado, vindo pelo patacho ingle/
Industry, nltimamente entrade neste porto, em
virtude de forca maior.
AVISOS OvtRSOS
Das 7 ate 9 horas da noite do dia 18 do cor-
rente furtaram de dentro de nm quarto qne Sea
Sor baixo da torre da capella da Conceicao de Joio
f> Barros, uma caixa de lonro em os objectos segnintes : 100# em dinbeiro, dn%s
letras de I00 cada uma, aeeitas pelo Sr. DeoautO
llylario Lcpes, dons cordoes de ouro, easaca, cal-;a
e collete de panno pre to, tres fronhas e tres toa-
lhas : qnem apprebender, ou qoem tiver noticia
onde existe este furto, dirija-se ao sitio da capella
referida, a entender-sa com Antonio Joao Alves,
qne sera recompensado._________________
Esta fngido o escravo Joe, cabra, idade de
15 annos, feicdes miodas, eabeUoa (roxos, pe
largos, vesto calca e camisa branca, gosta de mu-
siea : pede se a polieia a sua captora, e gratifica-
se a qnem o levar a sen senhor, a rua do Hospi-
cio n. 85, on a rua do Queimado n. 83.1* aadar.
0 Sr. Joao Paulo de Carvalho e rogado a vir
a rua do Manmez de Olinda n. 53, a negocio qua
osenhor nao ignora.
- Aluga se o segundo andar da travessa
Corpo Santo n. 25 : a tratar no armazem.
do
Moleque.
Prccisa-se de nm moleque de 15 a 16 annos,
para criado de uma pessoa : a tratar na rua do
Imperador n. 28, armazem do Campos,
Lniz
Continda lugido o mulato Luiz, desde agosto
proximo passado, cujo melbor signal e tor o dedo
pollegar da mao esquerda cortado ao meio, prr-
veniente de nm talho de foice. descascando am
c-Jco. Presami-se que o referido escravo esteja
em immediacdes da vta-ferrea de S. Francisco,
vivendo como forro, sendo que para mclhor es-
capar le* e cscreve pouco. Coo9ta mais que tendo
elle mil, e um irmao alforriado para a guerra do
snl, que moram nesta cidade, toda a semana e
visitam no lugar onde ella reside, lloga-se, por-
tanto, a todas as autoridades policiaes e capities
de campo, a raptura do dita escravo, que so era-
tificara generosamente neste cidade, a rua da flruz
n. 30, ou no -ngenho Megab de Baixo, em Goy-
anna.
COMPANHIA PERNAMBLCANA
DE
Uavegacao coaitelra a vapor.
rARAHYBA, NATAX, MACi.0, MOSSORO', ARACk
TT, CRAKA, mandahd e acaraco'.
0 vapor Ipojuca,
commandante Moura,
seguira para os por-
tos acima no dia 31
da correate, as 8
boras da tarde.
Reeebe carga ate o dia 29 do corrente. encom
mend as ate o dia 30, passageiros e dinhetro a fre-
te ate is 2 boras da tarde do dia da sihida :
perpetuo, para este prevenir o ^t^eo^f^^f^** no Port* Mawos n."H.
tmm
LHQTADA
Maccio, Penedo, Aracaju
e Radio.
E' esperado dos portos do sul ate o dia 2-1 do cor-
rente o vapor Penedo, o qual seguira para os
portos acima no dia seguinte ao de sua chegada.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
nheiro a trete.
AGENTES
Antonio Luiz de Oliveira Azevedo & C,
57Rua do Bom Jesus57
Allianca Maritima Por-
tuense.
Conipanhia de \'uvegacOo en-
- tre Portugal e o Brasil.
A galera portuguesa Vasco da Gama segue em
poucos dias para o Porto, achando-se ja prompta
grande parto do sen carregamento.
Para passageiros e fretes trata-se com o res-
pectivo capitao, ou com osagentos da companhia.
Jose de Silva Loyo A Filho, escriptorio, a rua da
Companhia Pernambucaua.
---------
Leilao
DE
fazendas avariadas
saccos vasics e outras mercadorias
Neguinla-leira 'iU do corrente
A'S 10 HORAS EM PONTO.
Por intervengao do agente Pinto
No armazem da rua do Bom Jesus n. 20.
LEILAO
DE
gravatas, botoes e cintos (com
gada
SEGUNDA-FEIRA 26 DO
avaria d'agua sal-
CORRENTE
As 10 1^2 horas da manha
0 agente Pinto fara leilao, por antorisacao do
gerente do consulado de Franca, em presenca de
sen chanceler, e por conta e risco de quem per-
teneer, da caixa marca J S N, A L, n 1,860, con-
tendo diversas mercadorias francezas, avariada a
bordo do vapor francez Gamble o leilao sera ef-
fectuado no armazem da rua do Bom Jesus n. 20
ESTRADA DE FERRO
do
Recife ao S. Francisco
Festas do Cabo e Boa-Yiagew
Domingo, 25 do corrente, alem dos trens ordN
narios de passageiros, havera os seguintos espt-
ciaes
IDA.
Manha.
Cinco PonOs fpanida)
Afogados
Boa-Viagem
Prazeres
llha
Cabo (chegada'
H.
11
11
II
II
11
12
LEILAO
0 Garibaldi
da carreira da Bahia segue para
esse porto logo que ten ha com
pie to sen carregamento : trata se
com o capitao Custodio Jose
Vianna, ou i rua do Amorim n.
37, com Tasso Irmios & C.
Para Lisboa.
0 brigue portugnez Damiao, capitao Pedro Mar-
tins Branco ; para carga e passageiros trata-se
com Silva Guimaraes A C, praca do Corpo San-
to n. 6, segundo aadar ou com o capitao.
Rio-Grande do Sul.
' Sahira em peaces dias a barca nacional Mimo-
sa, e reeebe carga a frete : a tratar com Baltbar,
DE
uma mobilia de jacaranda, I dila de junco, 1 dita
de faia e muitos outros differentes moveis
existentes no armazem da raa do Bom Jesus n.
20.
SEGUNDA-FEIRA 26 DO CORRENTE
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
O leilao principiara as 10
horas.
LtlLtO
DE
VOI.TA.
Cabo (partidai
llha
Prazeres
Boa-Viagem
A fogadns
Cinco Pontas (chegada)
Villa do Cabo, 20 de Janeiro de
H.
II
11
11
II
12
12
1871.
M
00
10
2."
m
10
Noite.
M
00
16
:Jc
48
00
10
G. 0. Mann,
Superintendent'1.
louca, erystaes, livros, objecto de electro-plate,
prata do Porto, vinhos, passaros e aves do ser-
tao
A SARER:
Um magnifico piano forte, 1 mobilia de jacaran-
da, massica, obra de gosto, fignras de porcelana e
vasos para floras, 1 espelbo oval, grande e donra
do, quadros, etagers de parede, 2 serpentinas de
crystal, globos, tapetes de porta e sofa, tapetes
fiara forro das salas, lancas e cortinados, 2 almo-
adas.
Uma cama franceza de jacaranda, 1 lavatorio, 1
guarda-vesudos, 1 gnarda-roupa eom espelbo, 2
commodas, 2 cabides e 1 mesa de cama.
Dma mesa para escrever, 1 carteira, secretaria,
I cadelra eom parafuso, 1 prensa de copiar car-
tas, diversos quadros, 1 cofre de ferro e 1 ma-
china de castura.
Uma mesa elastica, 1 guarda-lonca, 2 aparado
res, 1 sofa, 12 cadeiras, 1 relogio de parede, 2
consolos, 1 mesa com abas, 1 lavatorio, 1 appare-
Iho para jantar, 1 dito para chi, I dito da lee-
tro-phtte, 1 aorta-licdr, copos, cahces, gatrafas,
compoteiras de fino crystal, marqnezas, mesas, ca-
Sociedade Propagadora da
InstruccSo publica.
Conselho parochial de Santo
Antonio
De ordem de conselho parochial desta frega--
zia, faz se publico que, ate o dia 15 de fevereiro
vindouro, estara aberta a matricula da Escola
Normal para senhoras, cujas anlas serao abertas
a 3 do referido mez. Os interessados entender-
se-hao para tal lira com o Kvm. Sr. presidente do
mesmo conselho a rua de Hortas n. 2, segundo
andar, on com o abaixo assignado a mesraa rua,
n. 9. primeiro andar.
Ignalmente scientiflcase aqnellas senbora^
alumnas que pretenderem fazer exarae das mate-
rias do primeiro anno, que poderao dirigir seus
requerimentos ao mesmo Rvm. Sr. presidente do
conselho ate o dia 3 do dito mez, afim de Ihes ser
designado o dia em que deve ter lugar o acto.
Secretaria do conselho parochial da Sociedade
Propagadora da Instruccio Publica da freguezn
de Santo Antonio, 19 de Janeiro de 1874.
0 secretaro,
Joao Landelino Dornellas Camara.
Preei?a-se de um
no largo do Terco n. 19.
feitor que tenha pratica
Sociedade Monte-Pio Santo
Amaro.
Circular. 0 presidente desta sociedade manda
fazer sciente & todos os sacios que a lunta admi-
nistrativa em setao do dia 18 do correMs deh-
berou qne a eleicao para os merabroa da nova ,.
junta que devera funcciouar ao anno da 1674,
seja feita no dia 25 do corrente as 10 horas do
dia, devendo no dia 23, reuoir-sc a astemblea
gerl para approvar este sen acto em reasia, as
7 horai da noite, cumprindo daolacar bjra para
a etoicio, e concedido a todos os socios, quitos
ou nto, o direito de votar.
Secretaria da Sociedde Monle-Pto Sanlo knur.,
18 de Janeiro de 1S74. ..!- **u < m>mk
0 I.* *ecrur^ iMarte, i.,^./ .
Rsmio Rodrlanoa 0V~ ^


N
i
-. .'

)


>r



IftriMift
IM
u
ieri
Ipja de
a rua
q. 40, pedem a
devedores o o
rem saldar su
dia 30 fe corrwi^ wj^^f .
tos de qae, findo este pram, (. Jj$J&
empregarao os meios judi-
ciaes para sea real embolso.
Recife. 16 de Janeiro de
1574.


Attencao.
rartfttWal
Na rua ealresta do Rosario a. 35, aadar, re-
eebe-ae eooonunoadas de vestuarios da qaalquer
(wto, pelo figorino a aam elle, para particular e
para loja. Tern para alogar nm grande sortimen-
10 de vestuarios novee, bordados a seda e a ouro,
:omo sejam, de principe, pierrots, dominos, etc.
Preparam-se tambem ricos Bouquets de cravat
aaturaes a actiflciaea, capellaa e nalmas de floras
de cera e da panno, e ricaa bandeijas com boli-
Wm
CrOMS
* {olosiri.r*-
in.' ?
tHMM
|-ad ul
Com as falsificaQdes qae tem apparecido
ahos. Todos estes objectos sio preparados com
muito asseio e prompUdao, por mono menos qae
em ontra qualqnar parte. _________.
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na re a do Apollo
t. SO, accam sobre o Banco Commercial
de Vienna e suas agencies em todas as ci-
dades e villas de Portugal, 4 vista e a prazo
por todos os paquetes.
MMUM
SSwHJw KKSeSaS
(XWSCLTORK)
Ml
DR. FERREIRA
Medico operador, a roa larga do Ro-
sarion. SO,
Antigo gabinete de sen pai.
Cnra de bydroceJee sem injeccJo.
Abertnra de abcessos e extraccao
de derraraamentos aerosos pelo aspi-
rador de Potaia.
Consallas de 7 horas da manha ao
meio dia
Chamados a qualquer hora.
Gratis aos pobres.
mm
1EDIC0 CIRURGICO
do
Castro Jesus.
tea do Quartet de Policia n. 18. Is andar.
Chamados a qualquer bora da noite on
do dia.
Consu lias gratis aos pobres, das 7 as 9
boras do dia.
CoDsoltorio niedico-eirnrgico 5
A. B. da Silva Maia.
Roa do Viseonde de Albuquerque n.
11, outr'ora rua da matrix da Boa-Vista
n. 11.
Chamados : a quaiquer hora.
Consnltas: Aos p> kf as gratis, das S as
n 4 boras da tarde.
s
Consultorio medico
- DO
Dr. Murlllo.
RUA DA CRUZ N. 26, ANDAR.
Recem-cbegado da Eurepa, onde fre-
quentou os hospitaes de Paris e Londres,
pode ser procurado a qualquer hora do
dia ou da noite para objeeto de soa pro-
fissao.
Consultas das 6 boras da manna" as 8 ho-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pobres.
ESPECIALIDADES.
Moiestias de senhoras, da pelle e de
crianca.
#m*r*m9m#m-mmm*km
t CONSULTORIO Z
* MEDICO-CIRURGICO
m do *
M Dr. Santa Rosa.
2 Rna de Barao da Victoria n. 46, 1.*
andar, ontr'ora rua Nova.
t Consultas das 10 horas da manha ao j
^ meio dia. mi
Chamados por escripto a qualquer hora J
j Especialidades. Partos, moiestias de J9
j^ olhos e do apparelho respiratorio. a
*
*>
,

Ijoiev.d '
Nenhuma
o
CO
PAuceapA
E
SINGER
Porque?
of o.'ae/rrr-
rfJB 1>q
I
OQ
ma-
china Singer elegi-
tima se nao levar
esta marca fixa no
bracp da machina.
Paraevitarfalsi-
o
-
ficacoes notem-se g
i
bem todos os deta-
iner da marca.
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familias
MACHINAS DE SINGER
Sio mais baratas.
'
Sao de doos pospontos.
S3o simples.
Sao rapidaf.
Sao duradouras.
MACHINAS DE SINGER
Sao de dous pospontos.
Abainham.
Franzem
Pregam trangas.
Marcam pregas.
Bordam de linha de seda.
Alcolchoam.
Pregam corddes.
UNICA AGE NCI A
EM
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 45
I
m
4S
i*J
i
Iff**' VfcS|i4Hi^*l4t**a5Jj
GABINETE MEDICO CIRURGICO
do
Dr. Constaneio Pontual.
Una do Imperador n. 8i 1 andar.
Consultas das 11 as 3 da tarde, cbama-
de a qualquer hora, visita e da consul-
tas gratis aos pobres.
9
4| Descoberlas medicinaes
PEIX) BACHAREL
MANOEL DE SIQUEmA CAVALCANTI |
1* o Preservative da ery- <
sipela : para curar com certeza, e '
en. pout* tempo, qualqner ataqae de
ervtipela, e prevenir o sen reappare '
Pimento.
Este medicameato tambem e rauito '
poderoso para o rbaunutismo. <
%' o Regrulador da mens- '
traacao : para (alta, irnfrolarida- ,
de, suppressao repentina da raenstrua-
cao, e aos lochios, vo)go parto) assim
como pan todot os sotirimento* devis
do a affeecaet. Amboe estes medicamen- (
tos ja sao muito conceitaados, e procu-
ra doe netta provincia, e na do Rio ,
de Janeiro.
Acham-se a veada somente am casa ,
do antor, das 9 boras do dia as 3 da
tarde, e a qoalquer bora em casot ur-
gentes.
GRATIS AOS
Ruadatelp|^e^z.14;,
es-
Aluga-se urn grande sitio no Salgadinho, t-
trada de (Sinda, perto da estacao do. camiano de
ferro, tendo pasto para snstantar 10 animaes,
grande* baixaj para capfcn, ranijoa arvoredoj de
frocto, e terra pa a pkntacao : a tralarjcom Joao
Feitosa, na rna estreita do Rosario n. u P
alaeie encantado, junto a estacao' do Sr. Teizeira
Lope?

Qowd pmett* d* wna peaaoa para oatdar
em mepiaos, dlrlja-e ao becca da Cambfta io
Carmo a. 7, para tratar,
49 Rna do Imperador 49
Ha neste estabelecimento o melhor sortimeoto de pianos dos mais afamados autores,
como sao : Herz, Pleyel, Plap, etc. Offerece-se tambem uma qualidade de pianos supe-
riores, mandados expressamente construir para esto clima, o qual os amadores dos
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-se pianos usados em troca.
Concertam-se e afinam-se pianos.
Tambem avisa-se aos Srs.
concertadores de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
sao: cepos, folha para os mesmos, cravelhos, parafusos, castor, camursa, cordas,
marfim, etc., etc.
49 RUA HO IJHPERIBOR 49
ULAM|^^^| HA^^% W%
,'axse Dtfgorio c.nn o WHoWcimeoio si to a
pre* da Independenria n. 3J a 36, com as mw-
caoorias exUteutes ou sem ellas : tratar no
IIMMOil.
4 ooya igreja de Nossa Se-
nhora daPenha. n *"J
prendas offerecidas, para com
o seu prodacto ier levado a
effeiio parte daobra do ma-
gestoso tempi de Nessa Se-
nhora da Penh a (em cons-
trucQao.)
DOMINGO 25 DO CORRENTE AS 8 HORAS
Nio tendo sido possivel dUp&r no ultimo leilio
qae teve lugar em setembro proximo passado de
todas as pwuaaa oflsrecMas peiot fieis a bem da
obra do magestoso tempto de Nossa Senbora da
Penaa, nem de outras que teem sido offertada
depok d'aquelU dau, fwoVrao prefeito da Pa>
nba a laser urn ultimo lalio, qne devera tar logar
no dia J6 do corrente mez, das 8 1|2 boras da
manha ao meio -dia, e das 3 horas da tarde as 6.
Pede-se aquelles fieis que fizeram offertas, se
dignem maada-Ias ate o dia 24 oo corrente, para
qne possam eilas ser di?postas e inventarudas.
Pela manha e de meio dia 4 1 hora da tarde
eflectaar-se-ha a entrega das 140 prendas, cons-
tando deooro, prata, brilhantes emais pedras
eeciosas, objectos offerecidos pelos fieis, ja invea-
riados.
De 3 horas da tarde em diante dispdr-se-ha de
tnuitos outros objectos ja remetudos, assim como
d*>ejNllfii qae remetterem ate o dia do leilio.
Escravo fiigido
Fugio da villa de Panella?, no dia 10 de Janeiro
de 1874, o mulato de nome Ricardo, idade de 28
annos, mnito alto seeco do corpo, bigode flno e
Cavagnac fino e curto, eabeca muito pequeaa, fal-
tam-lhe quasi todos os denies da frente, rosto
secco. o dedo indicador da mao direiu aleijado,
pes grandes, intitalase forro, e consta ter seguido
para as paries de Macei6, bnscando am bom se-
nher, ou sentar praca ao exercito; roga-se as
autoridades e capitaes de campo qoeiram appre-
bender ao referido escravo e leval-o a diia villa, a
ser entregue ao senbor do mesmo, o major Jose
Cordeiro dos Santos, na na praca do Recife, a Sa
Ramos & C, qae sera generosamente recorapen-
sado.
CRIADO
Precisa-se de um eriado qae seja asseiado : aa
rua da Uniao n. 17.
Aloga-se o 2* andar da rua da Guia a. 34,
com bons commodos para familia e terraco: a
tratar na mesma rua n. 7.
Pogio no dia 11 do corrente a escrava de
nome Bernarda, idade 30 annos pouco mais on
menos, tern os olhos um pouco abotoados e tem o
andar moderado ; traja vestldo prelo e chales
preto, costuma mndar trajos, tem nma cicatriz na
perna esquerda : roga-Se as autoridades policiaes
ou aos eapitaes de campo a apprebensao de dita
escrava e leva-la no Caminho Novo, sitio n. HO,
ou na rua da Cacimba n. 1, que se recompense-
do generosamente.
(Jnixeiro
Precisa-ss de um moco com bastante pratica
de miudezas e que tenha boa conducta : a tra-
tar na rna de Warcilio Dias n. 86, ontr'ora Di-
reita.
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaese pedras.
^b 0 relojoeiro e dourodor X
Wt dirf^k Albino baptista da Rocha, 9
3t/35 Je volla da Europa, conti- XL
Ifa^ niia a encarregar-se de 2
9 i^xS^ concertar e dourar relo- W
tya^y^ gios, bem como ontros A
jfrmmtmm objectos ; rogandaa sens 2
^ amigos e freguezes o ob-
jm sequio de procura lo na rua Duque de
X Caxias (antiga rua da Crazes) n. 32, pa-
J9t vimento terree, que o encontrarao promp-
wl to. A garantia de seus trab-.lhos 6 fa-
* ze-los por precos modicos ; asim como
tambem vende relogios.
m
m
mx*mmmm*******
CHAM ADO.
Os Srs. Jovino Fernandes da Cruz e Joaquira Cle
mente de L mos Duarte, sio chamados a rua do
Corouel Suassuna n. 282, a negocio de particular,
interesse.
Bom negocio
o sobrado n. 11, silo a rua do Marquez do Herval
e a casa n. 101, sita a rua de Santa Riu : a tra-
tar na rua da Aurora n. 51.
ALUGA=SE
o 2* andar do sobrado n. 52 da rua Marquez de
Olinda : a tratar no armazem do mesmo predio.
-

Aluga-se

Precisa-se da quantia de 20:000f, pela qual
se pagara um iuro razoavel e como garantia
da se uma hypotneca de 24:0004, feita sobre um
bom engenho moente e corrente, situado na fre-
guezia de Pao d'Alho, e pelo qual passara breve
a estrada de ferro, comprehendidas todas asobras
de pedra e cat nelle existentes, e a fabrica res-
pectiva : podendo-se tambem traspassar a mesma
hypoiheca se aasim convier ao proponente. Quem
pens, qoiier fazer este negocio, annuncie ou dei-
xe carta fechada nesta typographia, com as ini-
ciaes M. e P.
Na rua de Paulino Camara, outr'ora Camboa
do Carmo, coze-se toda qualidade de costuras,
Uma boa casa na entrada da estrada do Enca- tanto no artigo de modas, como tambem roupas
nameato, proxima a estacio do Paraameirim ; braneas, para cozer na machina ; na meema casa
tem 2 salas, 4 quartos, cozibna fora, cacimba < foroece se comedoriaa para casis particulares in-
com muilo boa agua para beber, a torreno com claindo todas as qaalldades de doces e bolos, e
rvaresfructifaras : a tratar m Praca da Inde- baadejas para qualquer (aaccao, tudo com asseio
peadencia n. 39. e promptidio.
Itistruccao elementar do
sexo feminine
Bairro do Recife.
D. Amalia Roxo Lima tem aberto em sua casa
a rua do Bom Jesus (outr'ora da Cruz) n. 27, 2.
andar, um curso particular de ioslruccao elemen-
tar para o sexo feminioo, em que alem das ma-
teiias estatuidas na lei, ensinarse-ha com per-
feicao, todo e qualquer trabalho d'agulha, bor-
dado a cabello, a espt-lt>o; a "azer crochet, flores de
papel, de panno e pennas. Garaote-se aos Srs. pais
de familias todo o culdado e esmero na educacao
de suas filtias. Darario diariamente os trabalhos
escolares, como 6 praxe. das 9 horas da manha
as duas da tarde, a comecar do dia 3 de (eve
reiro do corrente anno.
Aluga-se a loja do oitao de sobrado da rua
da Roda o. 46 : a tratar na thesouraria das lo-
terias______ __________________________
Escravo fugido
Matheu", mulato, idade 45 annos, alto, de bora
corpo, eabeca regular, cabellos pretos, nariz com-
prido, dentes bons e curtos, barba urn pouco bran-
co, tem uma cicatriz de uma ulcera em uma das
pernas ; levou consigo Alceu, mulato laranja, 15
annos de idade, franzino, cabellos crespos e cas-
tanhos, olhos castanhos, dentes grandes e triguei-
ros, maos curtas pes curtos e largos; ausenles
desde 20 de Janeiro : quem os capturar tenha a
bondade de leva-los a rua do Hospicio n. 81, que
sera generosamente gratiQcado.
ilk gjp
Na roa do BifSoft Ylcioria i
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de
eira, Bncwaa' di sea jaterease.
Casa denii
inketsai tos, o
Esta encourftgado!! I
Ayii'.i sinifo *tu \te.Ara itnra
, ftWrtlJaiarnl |- -
grkea, da exceHante eaca sita aa l'.>rt.i

I:,
f-art
realisar, pela Wrceirj chamada deste jornal, eat
(ins de dezeiubro de 1871, e dupoia para Janeiro,
passoa 4 fevereiro e abril de W72,e nada cuaprio,
e por este molivo e de novo cnamado para dJto
flm, pois & & se deve lembrar que esta necocio
ie mais de oito annos, e qUando o Sr. sea Dlho M
achava nesta eidada.
D. Anna Julia de Barros Macha-
do, Jose Joaquim Gonealves de
Barros (auienle) e D. Custodia Po
lycarpa de Cartalho PoggI, agra
deeem cordial mente as pessoas que
se dignaram acompanhar ao cemi-
terio os restos mortaes de seu pre-
sado marido e genro, Jose Antonio da Silva Ha-
c.iado, e de novo lbes roga o obzequio, bem como
a todas as pessoas de sua amizade para assisti-
rem aos suffragios que por intencao do finado
se hao de celebrar na igreja de S. Francisco em
o dia 24 do corrente as 7 1|2 horas da manha,
por enjo acto de religiao se confessam eternamen
te agradecidos.
TS
T!
Joao Aftonso Rigueira re-
reirade Bastos.
0 abaixo assignado, tendo recebido a infausta
noticia da morte de seu ami go e commitente o Sr.
Joao Alfonso Rigueira Pereira de Bastos, falleci-
do pelas 3 horas da tarde do dia 20 do corrente,
em seu engenho Conceicau, em Serinhaem, vem
pelo presente noticiar aos parentes e amigos de
fallecido, que no dia 27 do corrente pelaa 8 horas
da manha, mandara rezar na igreja de S. Pedro
uma missa, por ser o setimo dia de seu passa-
mento.
Recife, 21 de Janeiro de 1874.
Antonio C. M. Temporal.
JoioFirnmioCorreiaTeAraajo^nnocerjcTrs
de Assis Carvalho, Jose A S. de Assis Carvalho e
Antonio Columbano S. de Assis C. agradecem
cordialmenle a todas as pessoas que se dignaram
de acompanhar ate o cemiterio publico os restos
mortaes de >ua presada irraa e cuuhada, D. Maria
Florentina S. de Assis Carvalho, e lhes rogam
ainda o caridoso obsequio de assistir a missa do
setimo dia que sera as 8 horas da manha do dia
24 do corrente, na igreja do Carmo
Laurentino Gomes da Cunba Fereira Beltrao,
manda celebrar no dia 29 de Janeiro, na igreja
do eogenho Santos Mendes, as 8 hras da ma-
nha nma missa por alma do seu irmao Pedro B.
Pereira de Araujo Beltrao, 14." dias do seu pas-
samento. Para assistir a esse acto convida a
seus parentes e amigos.
D. Anna Correia d'Almeida
Carneiro.
Uma amiga da tinada e sempre lembrada D.
Anna Correia d'Almeida Carneiro, esposa do
Illm. Sr. Manoel Jose Carneiro, manda celebrar
pelo eterno descan^o de sua alma um > mU
8 horas da manha de sabbado 24 do corrente,
na igreja da Hadre de Deus; e, para assistirem a
este acto de religiao, convida a todos os paren-
tes e am gos da fallecida e de feu esposo, anteci-
pando desde ja os seus agradecimentos._______
0 bacharel Joao Antonio de Souza Beltrao de
Araujo Pereira agradece cordialmente a todas as
pessoas que assistiram a missa do setimo dia que
mandoa celebrar na matrix da Luz, pela alma de
seu prezado irmao o bacharel Pedro Bezerra de
Araujo Beltrao.
Feitor.
Precisa-se de um
n. 45.
feitor: na rna do Bom Jesus
% LUG1-ME
o seguodo andar do sobrado da rua Direiu n. 86,
limpo e com bons commodos para familia : a tra-
tar na padaria n. 84.
Agenda de leiloes
0 abaixo assignado declara ao respeitavel pu-
blico. qae, tendo aberto o seu escrTptorio de
agenda de leiloes a rua do Marquez de Olinda n.
64,1 aodar, contioaa a receber moveis, louca,
fazendas, obras de ouro e prata, predios e todos
Suantos objectos se lhe remetta para serem ven
idos, era leilao publico ou particular, a vontade
de seus comraitenlcs: e como quer que o seu
novo estabelecimento se ache o melhor possivel
localisado, alem de qae offerece as melhores
proporcoes para a boa conservacao dos objectos
que tenha de receber; o abaixo assignado com-
promette-se no s6 aempregar toda a aclividade,
zelo e pontualiJade no camprimento de seus de-
veres, como mesmo seus pagamentos serSo feiots
com a' costumada promptidao, qae lhe e conhe-
cida.
Recife,'17 de Janeiro de 1874.
Raymnndo Remfgio de Mello Junior.
tnntu rla :itp it;. -It A
rivl. ha i i-<.; !. ('.. ; -ta prvv
t de Mr ;. n:a in:-;ui- i"e tiaxias a. 36,
Tf c,li[r a'lucile npur^-io nut S. S. se roinprouieo
qae (uido laadaDr. Joaquim Pires Carneiw U. .
telro, passaodo-se eseriptnra para mair seguraw-
SA Jocatoade e muito saiubre, e a casa muito
esca, tem 'magniflco banho 'Je agna dqcf em
(rente, e e muito commodo visto que o treat passa
ietronte : quem pretender pode dirigir-se ao Sr.
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipucos, ao
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
od ao Sr. Caaaaa, i rna do Commercio a. 40.
Escraw ftigllaW'
Pugio no dia 30 de dezembro, e consta qae an-
da pelos sitios dos Afflictos e A rraial, o oreto
Tito, idade de 40 annos pouco mais ou meaos,
altura regular, e bem preto. e tem na cara mar-
cas de bexigas ; levou camisa de chila verde e
calca de brim pardo ja velho; anda sempre com
um pequeno avental, para encobnr a quebradnra.
(juem o pegar leve-o ao Caminho Novo a. tt8. on
a roa Nova a. H, que >eri bem recompensapo-
Jose Antonio da Silva Ma-
chado.
0 abaixo assignado faz scieate ao corpo do
commercio, que comprou ao Sr. Felisberto de Me-
deiros Barboza o sea estabelecimento de moiha-
dos, sito a rua do Vfsconde de Inhauma n. 75,
livre e deserabaracado de quaesquer onus, e se
algnem 3e achar com direitoao mesmo pode com-
parecer no prazo deoitodias. ,
Recife, 15 de Janeiro de 1874.
________Francisco do Couto Guimaraes.
Ao Sr. ehefe da saudet pu-
blica.
PergunU-so se pode o fllho do finado Peixe,
qne 4 relojoeiro, estar com a botica do sea finado
Sai, aberta e vendendo remedios a limb de casa
e drogas ? ?
^_^_______,______Um pharaiaceulico.
Silva Barroca 4 Filhos teem para vend r
SnlemeiD'irUad0M*rqapl """'
Folha de Flaaares. ^-as.**,
Estaaho em verauinhas. ,' *V\\
Machinas para descarocar algodlo, : ,V.
Cerveja escosseza branca a preli. sflvj
PllWe para bandelra. ^ ^
Grande vanlagcin.
Aos senhores de engenho.
Um estrangeiro se offerece aos senhores &. en-
genho, nao so para leccionar primelras Iettras,j50-
mo para ensinar o francez com toda perfeicao e
assampto francez, pelo grande conbecim>mo da>
maaeiras mais facets de aprender-se. Quem de
seu prestiino se quizer utilisar pode deixar 'aria
fechada, com endereco a Mr. B. A na rua do
Marquez do Herval, antigamente rua da Concor-
dia n. 98, primeiro andar, a qualquer hora.
Precisa se de uma raulher livre ou escrava
para vender miudezas nesta cidade e seas sobur-
1'i'w, Jiip,'!.i fiamja : a tratar na rua doMaiquez
de Olinda n. 64, 2' andar.
Escravo para alugar
Na padaria da rua Uireita n. 84, precisa-se de
alugar nm escravo para s>Tvico interno o externo.
Aluga-se duas casas novas o muito fretcas.
no lugar da Lapunga, com commodos para fa
milia, qaintaes amurados e cacimbas de boa agua:
a tratar no mesmo lugar com Bernardino Jose
Leilao, ate as 9 horas e das 3 da tarde em diante.
Escravo fugido.
Desapparecea da casa do abaixo assignado, o
escravo Jose, de estatura r> gular, pernas arquia
das, falta de denies, e e cahra, supp5-se ter
seguido para Rio Formoso, ou Gamelleira; por
tanto, roga-se as autoridades policiaes capitaes
de campo a sua appreVn.-ao, e mandar parte oa
rua D. Maria Cesar, outr'ora Senzalla Nova n.
30. _____________________________.
De bordo do vapor Ceard desappareceu hon-
tem um volume conlendo 700 chiratos da Hava
na. Vinba em am encapado com o nome de
l.uiz Felippe de Souza Leao. Quem, por engano,
o tiver em seu poder e quizer restituir, pode en-
via-lo ao escriptorio do Exm. Sr. Barao da Su-
ledade na praca do Corpo Santo n. 6.
Recife, 23 de Janeiro de 1874.
Precisa-se
alugar nma escrava de meia idade que seja Gel e
eivilisada, para service interno e externo : na rua
da Viracao n. 33.________________________
Clara Hennques Correia de Linhares, pro-
fessora particular, esta mudada para a rua da
Consortia, casa junto a do latppeae, antes de
chegar a esquina da rua da Victoria, e esta com
anla aberta desde o dia 10 de Janeiro para o exer-
clcio de sua profissSo. onde nao so ensina pri-
meiraa lettras e trabalhos de agulba, cjmo tam-
bem lingua nacional, lingua franceza e geogra-
paia universal, e propSe se para a lingua italia-
na, iugleia e danca a contratar mestres classicos.
Recebe alnmnas internas e roeias penstonistas pa-
gas adiantadas ; aquelles que lhes quizerein hon-
rar com saa confianca, podem dirigir se a casa
acima mencionada.
NOVAS PUBLICACDES MUSIQAES.
A. J. fl.tzevedtt^Bua^OYH n If.
Acs bam de publicar-se, e acham-se
veada as seguintbs musicas :
PIANO SO'.
Danse espanhola, por Ascher 29000
Arabella, mazcrka, por G. Wer-
tbeimer 19500
Valsa do Fausto, por Croyzes 19000
Sonho de uma viRGEM, por Alber-
tazzi 19000
Anna la Prie, cavatina 19000
AoClair de la Luke, por Bussmeyer 19500
Estrella do norte jp |k bri,hante 15000
Sauda^Ao ao Baiiia (
Cricket, por Setxas*, offerecida aos
cbrickels club pernambucano e
babiano 1900O
PIANO E CANTO.
Desespero, muito liudo romance
por I. Smoltz 29000
Non h'auava, romance por Guercia 19000
Tambem recebeu da Europa grande sor-
menide musica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc.
Aluga-se a pequena meia-agua a. 71 a rna
de S. Joao, fregaezia de S. Jose, com quintal em
aberto, preco de 104 mensal : a tratar na rna es-
treita do Rosario n. 17, 1 andar. das lias bo-,
ras da tarde

Do engenho Preferencia, na fregaezia da
Escada, ao amanhecer de i\ do corrente, desap-
parecerara da respectiva senzala, quatorze escra-
vo^ Inclasive uma cczioheira, levando ca mesmos
comsigo por intermedio desla quanU roupa de
vestir e de cama poderam apan'iar de seu senhor
Jose Hermino Pontual. Nao sendo ainda conheci-
do o destino nem caminho qne tomaram, o mesmo
senber pede a intervenejto dos senhores agentes
de policu para a apprehensio delles, tern como
doi sedartores, visto lhe parecer, que neste nego-
ew #Bes ae nio dirigiriam de propna iospiracao.
Aluga-se o segundo e terceiro andares do so
brad* da rua do Duque de Caxias n. 18 : a tratar
a rua do Rosario da Boa-Vista a. 40.
E. A. DELOUCHE.
49-Rua do Marquez de Olinda1^
Acaba de receber um grande sortimento de r ~
logios americanos para parede e mesa, de cord1
de 24 horas e de corda de 8 dias, com despertado1"
dos melhores g< stos e qualidade.
Relogios de ouro patente inglez verdadeiros, des-
eobertu com pouteiro grande no meio, dos malt
mudernos e do melhor fabricante de L< ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, pran
doiirada, cobertos e de>cobertos. Ditos de prata
foliada (plaqufi ), orisoatal e patente, de todo
preco
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e oculos de todas as qualidade?.
Verdadeiros vidros de christaf da Rccha. para
vista tan-ada.
Vendc-se tudo por pre^o mais baratc que era
outra qualquer parte.
A' loja do Pavao sao chamados os segnint -
senhores a npgoeio de sea interest! :
Jose Carlos Marinho.
Alizio Telles de Pouza.
GndHfredo de Abreu Lima.
Francisco Rosas.
Urgencia.
Sao ehamadoi a rua do Puque de Caxias n. 13,
antiga do Queimado, os scguintes Srs. a uc?
que lhes diz respeito :
Dr. Dias Fernandes.
Jos^ Antoni de .Men ii.D'.a
Cleto da < .osta Campello
Severiano Jos6 de Salies.
innocencio Ridrigiies de Miranda.
Jeao Barros Correia.
Jose de Azevedo e Souza.
Pedro lost Gomes Ratis.
Felix Cantahre Ferreira.
Vicente Joai|uim de Miranda.
Joao Gomcalves Guerra.
Candido Gonfalves Guerra.
Jacintho Ferreira de Mesquita.
Felix Benvindo de Nascimento.
Jose Tavares Muniz.
Andre J- se de Almeida Catanbo.
Cri.'-tiano da Silva.
Augu>lo Simoes Nnnes de Souza.
Domingos dos Reis Correia Lemos.
Jo-e Xavier Faustino Ramos.
Casimiro do Reis G mes e Silva
Feliciano da Fonceca G. de Araujo.
Firmo Candido d Silveira.
Ant mio Candido de Ohveira.
Henrique Jose dos Santos.
Malhias Lopes da Costa Maia.
Manoel Jose de Souza.
Offerece-se am moco com todas as babilita
coes para am guarda livro, o' qual sabe faliar e
escrever o>rreclamente a liogua ingleza e france-
za : quem de sen prestimo qaizer utilisar-se dei-
xe caru recbada nesu typographia com as iniciaes
J. W. J. S.__________ ______________
Fogio'do engenho Velho, sito em Jaboalao.
o escravo Mariano, preto fulo, de 4S annos d*
idade, pouco mais ou meaos, vestido de calca e
camisa branca ja bastante sujas, esse escravo e
prognosticador : tem os pes apalhetados, faJtaado
o dedo segendo do pe direito oa esqaerdo : qaem
o apprebeoder leve-o a rna do Imperador a. IS,
cartnrio do escrivio Augusio Cesar da Cuor>a,ajae
recompeniara.___________________________
Fugio no dia 13 do corrente do engwino *-
gao, da comarca de Goyanna, o escravo de aoaaa
Firmrno, idade de 18 a tO annos. oflr Ma, raate
limpo, tendo l.lta de dons denies na frwue da
queixa< do lado de ciraa, levando doas chapan,
am de Manilha. pordo e onOa de pello preto, po-
r6m balxo, por ter sido aparado, paWot de alpa-
ca prett, aons pares de cateas de brim araaec<,
sapatos de casemira e gravau da seda prett, ear-
regou da estribaria am cavallo m sella firan,
de clinas e can a preta, eanis preto, 6 en poaca
magro, secco e poeba por nma mao Qaeaa ac-
gar dito escravo leve-o ao dilo eaaaaho oa a ma
So Marquez de Olinda a 38, eecrtptorw de Joio
Pereira Moutinho, que seri taairoaaneate grati-
flcade______________________ _______
PrecL-ase amgar uma menn ajaasaira
cozinbar: aa roa Nova a. 7, loja.



'


Di

I

44
HMut
Pngio no
M MendefL _
de idade, poueo mais en menosTbaiXaV grossa,; cdr
preta, rosto alqupbrado, pes seccos a esyaoados,
dedos enrtos.--ib.Hos brioftos, caaellas fioas, lem
toaasifnieg cabeMudds lo qneixo, e bera ladi-
na. A pessoa qoc entregar Mta escrava oa ao Ma
e o scaltor do enfeoho acima, Laaren-
* da Canna Peraira Behrab, ou no Re-
do Corpo Santo n. 19, i* andar, sera.
jadacnm^OtttnlMelOH
Na rua da Ylgario u 19,
i.0anaaT,hapar*veij^rr
Cera em velas e bogus, de supetkr-quaodada.
Cognac inglez.
Retroz de Porto.
Vinhodo
Velas si
de duzia.
D. Maooeta Angnsta de Maa
partieipa aos pais, tutors e
suai aluuinas, qua traasferio
roento m edueaeV para o sexe femioiao;
direceae, pan a rea estreita do Rosario n 34, -*
andar, onae coaiinda a receber alamoaa pbmo
listas, meio pensionistas e externas, sendo que
saa abertura teri tugar no dia 12 de Janeiro ear
rente.
gerente,
itnktAkjBMH
Garanhu
ns.
tfa rua
iilar aos
ose Paes
wsa
do Barlo da Victoria n. 36, precisa-at
Srs. Pedro do Rego ttatea Peo*>^
da Silva, a aegocio de particular inte-
ESOUVO Fwm
Desappareceu an anaanhecer do dia 4 do cor
rente, do engsnho Serigi, coraarca de Goyanna, o
ticraro de norae Jose Borges, mestre de ass near,
tenabaa-signaes seguintes : cabra, idade 30 an-
nos, pouco mais ou menos, boa figura, nm tanto
grosso e espadando, sendo o signal man visivel
uma gomma na junta do pe esqoerdo : roga-se a
todas as autoridades e eapitaes de campo queiram
apprebender tito escravo e leva-to ao referido eH-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filbos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, qne serio generosamen
te recompensados.
Alugani-se- as duas easas sob ns. 82 e 84 a
rua dos Pocbs, na fregueiia dos Afogados tendo
cada uma 2 quartos, 2 salas. quintal em aberlo ;
preeo de it mensal : para ver e traUr na rua es-
treita do Rosario n. 17, 1* andar, das 10 as 2 boras
da tarde.
Conslaodo ao* abaixo asslgnadb aehar-se nes-
ta Dract 6 SrlTianofl Peraandes de Caralho, reo-
deiro dos engenhos Barra e Preguica, em Ma-
manguape, provincia da Parabyba, veem rogac ao
raesmo o obwquio de vir entend*r-se com os
abaixo a?fignados imraediatami-nte sofare negocio
tendente aos referidos engenhos. Rua do Amorim
37, eseriptorio.
Tasso Irmaos 4 C.
Moleque.
Piecisa-se de nm moleque de Ifrannos para
cima, para servico de casa de familia: a traiar
na rna d Pilar n. 23, 2* andar
()ompanhia do Graz.
A empreza ilogaz tern a honra de aonunciar
f ir.'-!jco que recebeu ultimente urn esplen-
id,lj limento de lustres devidro, candiei-
:--is, ar>:udeiaseglobos, cujas amostras esUto
; escriptprio a" rua do Imperador n. 31,
- serao veudidos aos seus freguezes pelo
; I
Ka rua do Bario
Armaia.
r.....r n,1
36, precisa-se
Jr*sm,*d
eomprar e caUnhar: na
doandar. | ^ ^^fn.^ffP1"-
Ajnft A' ria Noa n. 16, pra^aa-se de um
PVeatiohrecooiPrar. .
>a-B
_ Preciaasada oaaa >> aaeraa% aaJ 9
.Hmtm At Piaaaabana^t i rVoeis-Mn 9(J-oR9m*0
raruadotofendiL79miw ; i few* dVfi*.
CQHMMHMb I
' <* i it
porrfio

para eoanbar e outra far* ango
ferdoaeaeravas,paga-SBbem
a tratama tratessa do v igario
1, eacriptorio, das'9 i&i-tb$v>
99% Q
.USMalB
ix carte, bocca pequena, lahin {^TB^Sfn (f-
tendo uma cicatrii no pascdcov worSiro-
BAZAR
SS^SSS&Slftia do
im ii i Jamilnnfe i .
A M A
Preotsa-sa d*m
rtnda-i-e eerraTa, tjde -.
gMMtar e eoilolwr -padk'^disft '
de met familia : a tratat >wnkrm* ttafti^l
do Harrtl, roa-do-dOylg.
ah/a Nana do Iraperador a. 3J, ttrecM&l****'
AntA de uma ama para casa da poaca famula..'.: ^fyPAfLrjffjfl,'
Precisa-se de uma ana que taibaco-
zinhar e engommar com perfejAio*
casa de poaca laarilta ; aa rua dMr
(ontr'ora rua da Praia) n. 27
- I t-n.Ui- -it ......-' i. **
idfpriiiiHiiafcdm
*i. -..im
da-fraitaa.
Ama
gem-em
^^^^a^ua^ )A>, a
Wrtairijrf'S
tetia no varadoaro,
-~~"ity tmi^i" MMii..... wiiiij.ni
- O^X&aiW^uwAan
M ^MialaU^14ak CaJ
tWrrHSrtotftyt'ftM
dir/hMe
tffsiHr
latui > <
A Torre
"IV *i
festa am sitto oom
Aluga-se para pssara
excellente casa de habitaijao e banho B0 fiof
k frenta desta : quem a pttftendeT, pfide
procurar k rua de Gervasio Pices n. 24
:
0 Sr. Franci'co
vtra rua
rancico Ag-wtmho MadWfa, *-Tega*eW)
do Daqwe do Caxias n. #9 A.

Anlonio Jose Rodrignes de Seoza, em seu es-
criptorio a rua de Crespo a 6, coinpra, por bons
prncos, e-cra-Jos das. dwrorBas oores, sexos e
idades. t
Precisa-se
(.- nm crialo para todos os servicos
:->te!de Bordeaux.
a tratar no
Oinheiro a premio
Da se aie a quantia de 3:000f sob as condi;oes
m contencionar : na rua do Imperador n 73,
t1 an-lar, se dira quam tern para dar.
Aluga sa uma excellenie casa com 6 quar-
tos codnba fora e grande quintal, sita a rua de
S. Joao df fntnte do portao do gaz : a tratar a rua
de Pedro AftVnso n. 8.
Sodedade de Benefieeneift
Maritima Commerek)
Arfees.
De ordem do presidente sao convidados to-
dos os socios da mesma para comparecerem do-
mingo 25 do corrente as 10 horas da manha, na
s la das suas sess3es de conf<-rnklade com o art.
n. 47 do nossos estalutos
0 speretario,
Romao Jose de Fontes Ferreira.
COZIMKIRA
Ha para alugar uma preta captiva. cozinheira :
na rua do Bom Jesus n 57, primeiro andar, Ven-
dese tarabem a mesma preta.
0 Sr. Manoel Dias, donominadn o canlador,
residente em Uaranhuns, queira comparecer. ao
conveat't dp .S. Francisco no Recife, celtila n. 18,
a nfgocio de seu interesse.
--------
Escravos fngidos.
' 'ozuiheiro
Para casa de familia precisa-se de um bom co-
Tiheiro : no caes do Apollo n. 69.
Para se
obter.
.ioaeinha-i para mate.
Mate em po e em folha.
Caff verdart- iro de Java.
Cna verdadeiro das Caravanas.
Bolachinhas ostias, ^.ara dietas.
Licores Qmssimos.
Geieias de diversas qualidades.
Ooces seccos, em calda e ralad-.-.-.
Fiambres preparados.
Pudins e bolos inglezes.
\aropes e orchata de Lisboa.
*menioas"e confeitos.
lima pessoa nSo (em mais
que ir logo e logo
a confeitaria do Caniros
'24 liuporiulnr- 31
Aluga-se ama excellente casa na povoacao
de Dnarte Coelho, em dinda, com bons commo-
ios para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
Amorim u. 37.
riiiiN
No dia '3 do corrente moz, fngio do engenbo
Magad de Cima, fregu^zia de Tpjacopapo, e es-
ravo de nrmm Firmino, moleque de 18 a 20 an-
oos de ., bua estuia, *dr nm poueo fula,
rosto limpo e redondo, tem falta de dons dentes
na frente, corpo regular, pes nm ponco grandes,
m uma das canellas tem ama cicatrlz. Levoa
roupa, sendo palitot de alpaca preta, calca de
brim branco, sapatos de casemlra preta, gravata
preta e chapeo de Manilha. Foi montado em nm
cavallo mellado com sellae freio ; o eavallo e de
bom tamanho, ba:-lante esguio, clioas e cau^a pre-
tas, manca de' Hma roao, proveniente de um talho
que leon, b eavallo e inteiro. 0 portador qoe
c-egoio no mesmo dia da fugida em procura de
dito escravo teve noticia de ter estado em um sitio
da Torre onde ello ja psteve em oatra fugi qoe
fez ha ponco tempo. 0 capitio de campo ou ou-
tra qaalquer pessoa que o pegar leve o ao enge-
nho acimi .iue ser4 gratincado com a quantia
de cem mil rife.
" -n rm i in i^u______; -.....-
Escravo fugik
r'ugionodla* do edrfente met de Janeiro de
74 o K lg!>aki, 40 ttmoa, attnra regular,
-ecco do corpo, bigode e Cavagnac ralo, Cabe^a
muito Daqdeaa, olnos peqaeoos, falta de dentts
na freate, rosto seoco, tem viz baiih, falla pou
co, e e carregari-vao *ambiante, M coaiprado a
fv Pelippa Cavalcante da Albuquerque, nenhota
do enganho Caoto Kseurs, do sul, e dahi para
ca se teia oceupaab notretelfao de padaria, dete
ter os nos das dedrtda*jaoh cafejados do refBri-
1o serwe-,; -deseai>ftaKs#fae seguine o eaminba
do sul para o-ridarMo angeOln on-neus soburmbs?
pe-ie-st* a* nutortoadtts pofietaes ou as possja* que
I eno.B*rw-viu-^a.l2|nHo a rasa de -seu senhor.ao
Recife. in,SMo atOmro d Saltaau, foa-do-Li 0
ma n. 72, .-qaa aa de ama
Nos ullimos dias do mez de n -vembro do anno
pr->ximo passado fugiram do engenbo Guer-
ra, da freguezh de Ipoiuca, dous escravos, o mu-
lato Sabin e o muiatinho Lourenco, com os Fig-
naes seguintes : o primeiro, estaiura alem da re-
gular, espa iuas largas, !-em barba, com falta de
algnns dentes de cima na frente, da idade de 30
anno* pouco mais ou menos. 0 signal mais ca-
racteristico e ter os peVen-irmemente gramfts e
muito largos nos dedos, auda como napagaio dei-
tando as pontas dos pes um pouco para dentro.
0 segundo, de idade de 13 anoos pouco mais
ou menos, com os seguintes signaes : ama cica
triz 4obrft um dos olhos, que o obriga a traze-lo
mais fechado do que o outro; as unbas dos dedos
dos pes nosin boas sobre tado a do dedo gran-
de do pe direito. Consta que o primeiro depois de
pstar algum tempo na cidade de Olinda em uma
cochPira foi para Ingaz- ira em companhia de
nns almocreves ; e o segnndo tern sido encontra
do ao Recife : quem os apprebender dirija-se ao
referidj eagennu, ou a traves^a do Queimado em
casa do Sr. Gabriel Antonio or Castro Qurataes,
que sera generosamente remunerado. ______
MlllllC-Piil Piirliigiiez.
Nao se tendo re i mi do nume.ro I'gal de senbo-
res socios para se proi-eder a elpi-.-ao do presi-
dente do conselho li-cal no dia 18 do corronte,
novauieiiie sio convidados para se reunirem no
dia 2-t, as <0 boras da manha.
Sendo este o segmido conrite sera a assemblea
geral ce&tituida eem o numero de 8rs. s- qua se dinnarem comparecer
Secrrtaria, 21 Janeiro de '874.
0 !. secretario,
___________ioaquim Xavier Vieira Ligq
Precia se alwgar uma ama para casa de
ponca familia : na rua dc Imperador n. 33.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rna das Pvrnambaeaoas,
com coxeira e quartos fora : a traUr oa rua do
Vigario Tenorio n. 31.
fa
a resideajcii ndsta etdatfe', cpie ?B deseja.
- aattateada^aaactd iaa^caeaMeaa'M*
Trwrday: 'q*oi*anaau-aa >rFraa*aic(Jdtt Covibd>
Guimartea, o- sm-eslabHacimeoio. ttatbados,
sho iranadaJtaafrt'.n, 7%dfrre-9(teUMbwttaata
de loaeaqter aati* ae-s*i data.
Raeifc, ttdejaaara'de 41704 lUaai oa
FHi*errat de *-(Viro9 B.irbaaa.
Salao. para coi'ta-r cabellos e
faaer barbas.
dj eatalicleci-
heco,
mo-
cor-
aodar da casa
Manoel Coelho, official que foi
meoto de aiMco do#r. Uz
aando despedUofd#tllo e:
Ims, eatenle atrtr am
tar a. 36, a rua Duque de Caxias, (-)UJr'om das Cra
aas) eadeespera que sans amjgos e freguezes,
asm especialidade o respeitavel publico o coadju
- tendo para isso bons offlciaes, promytidao,
agrado e aascio no son trabalbo,
curado pwa s 'mistere* de aira' profisslo
a astafcelecteoito:-a flgafqtter Tiora.
1 pro-
d d5tj
Antonio Jose Braga
estabelectdo com casa de moUudos a rua da
I'nian as. 32 a 56, tpado de rotirar se para Euro-
pa, faa sciente aos seus davedares que veaham
satipfaer saoc debitos ate o lim de taneiro, ob
pena de Verem seus nomes por eataaeo.aesta
joraak
aaSJn^
IOUIDAe*ftiflE IA
a lmperatriz n. 0
S0 0
ndas para Uquidar, pti l^ftig no prec
idSLoaere: ^;
noLq .''

da Silva d Guimarles
ama liquidac^oMate me
dinheiro, para -
raspeitavel publico, a vir
-:denomit)tyf|flfja,ri4a rua da Imperatriz n. 60.
^^t
1IV
LI Victoria
:4, 49500, 59, 69 79.
m magnifico sortimento
raias brancas transpa-
as cad a peca, pelo ba-
preciw
A' este grande estabelecimen
gado am bom sortimento de ma
tostura, de todos os autores mi
IMS ultimamentena Europa, cujas machinas1 de'eam br
Mb garantidas por um anno, e "Pdflktuiu
J| pdrfeito artista para ensinar as mesftas/dbt
*?Sillquer parte desta cidade, como bem as-
am^encarUr^ ^Hpp tampem
adnorsem despendio algum do comprador.
Keste estabelecimento tnmbem ha perMDfas
RMMpMaKl
CORES A 59.
legante sortimento
rancas com bonitos salpiqui-
de cores, tendo 10 iardas
vestido e vende pelo barato
de 59, por ser pechinc|a, ditas comX,
dum|SalpfBostodo-Jjraticosftddifaaendafinissiina 0 Pavio-vend
a 79S00 e ditas a 59000.
quor pega qQe sbja necessario. '
chinas trabalham com toda a perfeii
himUdous.pos|ontfts, franze e" bo
.quaUpier crjfetuVa^rttMi>tjiW *ij*
stasma-
oijto de
rda toda
seus
VESTIDOS-A USO'fllb'C
0 Paras vende um bonito sortimento dJ
certes de vesbdos a uso da corte, trazendo
oada c6rte todos os enfeites necessaries como
Sfijam : babadinhoa, entre-meios, rendas,
lSMa-';
|(iPateq*ibateMli
riu6 a m (Htod'OT-MMriM i
cores-a ffBtO, (Htodt5Tiwi
maiha ftflOM. 49, tras de soda a f>#K*, dlla -amiat I
Updiao MfMti m 1 e n m
'(Iav4o vdOde aigodlo euhfedo on
palaws>4Ua^ira, profCaa pwa lll|ial
sendo do mais encorpado'jfde tMa.liado ao
mercado, liso a i^^vpaa/^taaafadoa.....
ATOALIfcaiDO A UM, ,&.
palmos-da largura a 49i* UNO, dit*
adaoaaaaado a.MilM
. do a 39 e 59-
sao da seguinte qualidade : siara te-'reiquefifes,e vende pelo barato.preco de 129 -sedaf com listriahas pcopriaa para vest!-
ha>a mao d&30W9O, 4D50OI>. 459000 jcada am, aasim como, di os" a 2 de julho
WSO90OO, para trabalhar com o po sSo de ; com todos os enfeites a 109. cortes de cam-
0 abaixo assignado vai ao Rio de Janeiro a
negocio, e ddxa como sens prneuradores, para
tratarde nogoofos'da loteria ao sen irmao o eapi-
tao Jos* Rodrignes de Sauza,-em sen escrf|>taio-a
rua Primeiro de Marco n. 6 ; e para os outroa> >
negocios ao .-eu genro o Sr. Joaqolm Pires do
(va.
UO9000, 909000, 10090M, IIC9000,
1209000, 1309000, 150960, 2UUT0OO e
W909000, emquanto aos. autores nSo ha-al-
''fBracao de precdS. e os compradores poderao
istahbtealateito, maiio 9a
vefao gostar pela variedade de dfijectos que
ha semper para vender, como sejam : cadei-
ras para viagem, malas para viagem, cadei-
ras para salas, ditas do batemgo, ditas para *to pieep de 2t>97e 349.
crian^a (altaa), ditas,para estates, costurei-
tts nquissiitat,-par sedhora, despensavais
para criangas, de todas as qualidades, camas
de ferro para homtm e criancas, capachos,
espelhos doarados para sala, grandes e pe-
qucnos, apparelhos de metal para cbd, fa-
Saeiros com cabo de metal e de marftm, .
Kos avulsos, colhexos de metal fino, condiei-. .
tas para sala, jdMos, gaardaoaiidas da'
arame, tampas para cobrir pratos, esteiraa
pa forrar salas*fVatorfos Ccrraplelos, ditos
scmples, objectos para toilette, e outros mui-
tos-artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabelecimento
que se acha aberto de-de as 6 horas da ma-
naa ate* as 9 horas da noute a"
Bua do Barao da Victoria n.
22.
CiMPKHE
sa
uma escrava- preta, sem filbo, que seja
dia & forte, para o servitjo de casa dtyfemi-
lfa, a tratar na rua do BaTSo de S.'Borja
n. 2.
- Carapra se nm iNamV fraucez inglez de
Ollendordf: na livraia-oonomica, junto ao arco
de Santo Antonio._______
-Campra-aa um aaoWMo ffancez e inglez de
Ollendorffi na hvraria aoanoraioa, junto ao arco
de Santo Antonio
Eitchamreis.
A companhia da eetrada de ferru de Olinda,
compita mais 8 enenamais de 30 palmos-de coin-
primento e 3 polegadas de grossura, p-ira parte
da liatta telegraphica : a tratar no escrfptorio da
cempanbia.
O gerente,
Laurcntino Josi de Miranda.
ATTENCAO.
nde-se uma typographia bem montada, com
a machina e um prelo, tudb em bom estado e
po preco modico: quem a pretender, dirija-se a
nrrado Torres n. 12, sobrado, \* andar
Wil-on Rowe & L. vendeni no seu armazem
a rna de Commercio n. 14 :
O verJadeiro p;.nno de algodao axul ameneano.
Excellente fio de vela.
Cognac de 1> qualidade
VinliO de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades
~VHBKr''
Uma armacio de ainaratlo eavidraeada com
nalcao proprio para qaalquer negocio : a tratar
oa rua do Crespo n. 20.
no
YIMWtt.
Lindo cbferfe.
Vende.se por preco barato nm rico ehalariz
de marmere proprio para jardim, 0 qual se acha
armado na offlcina de marmore do Sr. Lima, a
rna do Imperadar para qiwia 0 quiaer ver : a
tratar na rna do Crespo, leja dl*asso junto ao
arco de Santo Antonio.
Vende-se qnatro bols muito fordos e bo-
nltoj ; aasim comu quatro carros de alfandega
em bom estado e por pre^o, coramodo : a ver e
tratar no caes do Ramas a' 20
Oahaixo as-igoado declara qae faz eifectiva
a puWicacio, fena pelo Dlario de Perr.ambtco 4e;
24 e segirint-s de novembro do-t97l; para evltar
duvidas, faz ella eifectiva tambem A seus esera-
vos e a qualquer pessoa sem exeepeab. Massan-
gaoa, 20 de Janeiro de 1874.
<___________ Paulino Pires Falcao.
N6s abaixo assignados, estabelecidos earn
loja de fazendas, a rua Duque do Caxias 11. 90,
sob a firma Nunes & Almeida, dec aramos que
nesta data temos di- licando 0 soem Prancisco NUnes da -ilva repon-
savel por todas as obrigacdes contrabidas pela
flrma Nunes 4 Almeida. Recife, 31 de dezembro
de 1891
Praucfsco Nnnes da SiJva
Antonio Luir Kodrigttes de Almeida
.------------------
Hs. G#W&
A CHAM-SB A' VE.VOa -na litograpata de Joao
E. Purcell, rua da Catota n. 30, e ao estabeleci-
mento de JoseAugusto do BrHaMonteiro, a rna
da hoperatriz n. 31
VaadVse dons fcarn pretos de 30 a'^S'an-
nos, proprlos para agricoHora, padarfa on refina
rua^llo
ir terem muits
Kama u. %.
t>a1hdores e'fwies : na
dinga*se
0 2 andar do sabrado n SO da raado Viga-
rio : a tratar com Jorge Jacome Tasso, na *ua
do Atnorim n. 3?.
- Aluga-se 0 armazem da raa do Toi-Ne ft.
8, proprio para algum estabelecimenM : a Hiaar
na rua do Har-|uet de Dlioda -n. 4. segaodo aw
dar.
acaba de ser publicada umas interessantes
collecc5e. coroposlas de ddza"quadros, contendo
toda 0 sanfttwoleWto Crime petpetrado pelo term
daembarfador Pontas Visjaieiro. RaeommMda-
se aa abra perfa veraeidide do facto, tdeiidaie
doa retratoa o pela eaaanddidaae do preco dc coda
collecfat)
Criad
o
h
mnlher Ja idosa jara andar com um
meaiaa de. laanaa : a. tratar no fcatel d i*or-
illeiidt4.
t icyiiirWvi
0aribe n.-40 ^ *"**;, 0 COV DO.
l. frta 6 fraade pechincha na lyja
, a,.raa da I-operatrit-a. Ofi.
Ch.a\em-*bnwMlm
Bdm branco nraiicado
law, que val 2*000, par l|t80!M vara a qua-
tM.naucas f I so na Rosa Branca, rna da Impe-
ratrii n. 58.
Btim patdo fino > a frOO* rar-o
covado.
da Ro?a
rs. 0 co-
Em sens armazens A rua do Amorim
n. 37 e caes do Apollo n. 47,
tem para vender por precos commodos
Tijolos encamados sextavos para ladrilho.
Canos de barro para esgoto.
Ciraento Portland.
Cimento Hydranlicc.
Mackiius de descarocar algodi.
Machinas de padaria.
Potassa da Russia em barril.
Paosphoros de c6ra,.
Sagu em garrafdes.
Sevadinha em garrafdbv
Lentil has em garrafdes
Rhum da aJmaica.
Vinho do Porto velho engarralad^
Viuho do Porto superior, diio.
Vinho de Bordeaux, dito.
Vinho de Scherry.
Vinho da Madeira'.
Potes com lingoas e dobradas ioglexaa.
Licores finos sortidos.
Cognac Gaulhier Freres.
Latas de toncinho inglez.
Rarrn cam repolho em salmoora
Cambraias lisas ede c6res a
240 e 280 rs. o covado.
A' rna de Queiraado
nha ; dao-se amostras
Fernandes,. *A jk
Madapolao francez fino a
5^5*0 t $$,a peca.
Com ppqneno lujo,. eipechtoeha : so aatua lo
Q-ieimado h. 43. defronte da I*racinha
Toalhas a 4^500 a duzia.
6-oa raa do"Qoetmado u. 43, 6 grande pe-
chincha._________________^________
Victoria
VenJe-se -uma. pequena victoria am bom esta-
do : ua rua da Imperatriz n. 9.
braias brancas aaertas, com listras e lavures
a 69, ditos flaissiaios a 89, ditos de cam-
braia branca com listras. de cores, para aca-
bar 395t)0, e. ftopbiocbpu
C6WTES BOftDATyOll A 20> E 359.
0 Patao vende ricos cortea de cambraias
brancas delicadamente bordados, pelo ba-
Ire -3^9*
f. JGAyASjrHiNCEZjlS
a 300 rs, o covado
O PavSo recfebeu am grande sortimento
de cassas francezas com delicados padrdes e
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
e do quadrinriosa 640 H. a vara fi-
fiissime fil6 branco Hso ode salpieos, e tarla-
taoas da todas as cores.
B0RN0tT9 A 129.
0 PavSo vende um bonito sortimento dos
mais modernos bornous combonitas listras e
vende pelo barato preQo de 129 cada um,
SEDA PARA
a t960tt-e 2.
0 Pavao vende urn bonito sortimento da
dosde meninasade sauhora a 496M oce-
vado, ditas lavradinbas a 29, os padrdes sib
muito bonitose vende-se,jj>of este projo para
acabar.
$$awao tem um completo sortimeoto da
botinas muito bera enfettadas paraaenhorat
e vaode pelo barata pra^o Je 59,arligo qua
emeitfa qualquer parteewta ti<1|,
LENgOS.BRANCOS
0 Pavao vende teOQoa braocos abamha
dos, tatKo para homens como para seaborn
a 2a 295C0 a duzia, ditos de esguiio
cambrai:i de linho t-mbom ab*inhados a .
39500, 49, 59, d tos francezas escuros, para
rap^a 69, aduiia.
CAMISAS PARA ROMEal.
0 Pavao vende ricas camisas 'eon paitn
de Imho bord *das, proprias p ra noivo $
lO^e M9 cada oma, ditas de linhoson se-
rem bord daa 49, 49600 a 19, ditas com
peito de algodao muito finas a 29, 29500 a
39, ditas decoita 'fioa miudinha a 29,29500,
e 39, ^ssim como grande sortimento de ce-
roulas francezas tanto do linho como de al-
godao de 19600 ate 39, gr nde sortimento
assim como am elegante sortimento dos mais de naeias cru-s ingtezas de 49 ate 89000
bonitos chales de merino e com listras de seda. duzia.
Cetoulas francezas de linho e algodao, paca todos o* precos e qualidades, assin-.
como grande sortimento de meias cruas, camisasj colermhos, que tado se vende pc?
precos muit-i rszoaveis.
Vernizes especiaes para carrua-
Ms.
Este verniz, enja falta a-wi tanto sentem
os Srs. fabricant'-s e poesuidcires de carrua-
gens, acaba de chegar para seu unico depo-
sito, das seguintes qualidades.
VERNIZ SUPERFIiNO PA-RA CAIXAS DE
CARRUAGENS.
E' um verniz muito claro eduravel para
as caixas de carruagens. para todas as de-
mans, ou. para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A superficie secca em 12
horas, depois das quaes se expoe ao ar por "(
algum tempo, o que faz endureeer, e passa- *
das 15 a 18 horas pode passar-se a caixa a
Como nab e necessario dar lustro i ultima
demao de verniz empregado nas caiias de
carruagens e no dos jogos, convem da lo
n'um local separado aonde nao haja pd.
Quando a obra urge, dove p6r se a sombra
e ao ar hvre depois de secco, isto e, passa-
das 42 horas, lava-se e emuga-se bem com
uma espnnja humida. Qoantas mais vezes
se fizer isto, mais brilhante ficara o verniz,
e mais depressa ss terminara a carruagen.
(em easo necessario tres dias depois da ulti
ma de.nao). Durante as duas oa tres pri
eiras semanas deve-se lavar a carruagem
com agua fresca, depois de ter ser-
frascos devem conservar-se semprt
mao. Dao se com facilidade" ires deraaos \T, UCYC uc,"r: uoar f"st'0'
deste verniz sobre as tintas, em tres dias. U98rse n as P"me,rM **"*<*
e pode
Nao deve misturar-se com este verniz ne-
A primeira demao servindo
ajada a seccar as ultimas detnaos"Tproduz t*l* Si "" T"'
um excellente brilho. de nenhum modo com seccaote'
o. 43, defronte da Praci-
so na loja de Guerra *
$
Verniz superior seccaute para
earrna;ens.
Este verniz e da mesma cdr que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e p6de misturar-se com o
anterior. A duracdo do verniz permanente i
diminue na proporpao da mistura.
VfcRNIZ SUPERIOR ELAST1CCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS
NSo e tao claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras detnaos sobre cores escuras. Pdde
passar-se a pedra pome passadas 10 horas,
podendo dar-se em seguida eutra demao.
Verniz pre to do Jupao, superior.
Para trahallios em preto de carruagens.
Produz o preto mais oscuro e briihante, e
pdde passar-se a pedra pomes 10 horas de-
pois. Deve dar-se duas demaos
de apparelho, nhum
E' pre-
ciso limpar ben os Va608 e us pinceis, e o
melhor e servir um piucel para cada ver-
niz.
Depesito unico para o Brasil, Bartholo-
meu & C, Pernambuco, Rua do Rosa-
rio n. 34.
J. 0. C. Doyle.
veic1
Hennessy, superior e verdadeiro.
8V,
elbo
Tem para
Comae de
Vinho Xeres das mefbbres qualidades.
Bitters de Angostura.
Whisky
Cha preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacoes chimicaa do Dr. Ayer
armaiem da rna do Cnrnmerrln n W.
PIANO
Vende-se um rico pianonovo, muito forte,
sobre um e de excellentes vozps, a tratar oa raa do
fundo preto e cobrir-se com outras duas de Barao de S. Borja n. SO. Na mesma casa
verniz que se emprega nas caixas das carrua- *em para vender se uma boa mobilia de
gens. jacaranda, com pouco uso, e em perfeito
E
VERNIZ PARA eOWRm BRtLHANTE
ELASTICO.))
Este verniz, eontendo na sua composigao
grande quantidade d'uma substancia muito
semelhante ao azeite donominadopieds bceuf.
estado.
VUta de Palmares
Por *:200* waodem se as An easas dens. 51
62, silas a rua Mauritv, de optimos coMMita
para familia, uma *#m >de'Mla*afiptMtad, 6
do unico que dd fleiibNhtade aocourove- J?^*^^S^A^SmJ^^^
-_ n i u j *> preco ac*m'e'.iavBdo-;'*ai^>
rno envermsado. Lm geral basta uma de- tijo|0 e madmra e bem
mao que deve ser applicada muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter hmpo
o couro com agua-raz. Esposto ao sol sec-
ca em 1 ou 2 hotas, e & sombra map ao ar
secca era 4. Em tempo'humido e ioutil tal
tribal ho, por que ndo e poesivel
-dhm to-ioe de mlfo : Oa loja
ImperaWE a aO..
240
iriftscuras a
vad6
Engenho a venda.
VeretoM o eopenho Etttva do-itSabo, distante
da esu^ao da OOaaa eeroa de duas kwfes, e de verniz elaatico e seoeante -aa tnwmo ftemwo,
agua e-tem saMatado m -is de-dnus mil pies : a| Vo.~ni-. nm .,.1,,, ffi, .
tratar -iw-ftcifcian oSr. Bernardino aeOanna n T8"!* *Wr*n?L_k,
PnntM*. roadvMadre de Oeng'd. ,oo 'o' Wpois de ter apphcado S ou 3 8emaos
sn priptietario, mo eagaoho BttraBhem, ea "Ava- daate verniz n'um intervalle de* horas, de-
riba ubtflima. |Te**e deixar a obta'-intaata p* 2 on 8 dias,
term, (cbao toreiro) no fim dos quaes se pd-Wpulir eom extra
fvrila, casa n.-51.
Tf eowjara veoder Joaqotn iaad Gooraavea Oel-
tnrnar o tr* & ''h. a burdo do brigue portmjwu Oao-
rense, faodaada dbfraaa* do Mapiane Coaaia. a
para traur do aeaMBsartpWrinA raa -da
don*.
^_ %/Aw/an met iir a l*_aQQ
Santo Amaro das Saliaas, rna deLmz-do Kego, de
j 2: palmos de frente o 6'i de fuoilii, %i)m quintal
[ plantadn, o qua! tem IWO palm>s do ftmdo : quem
j preteiiiiM, difija-ae a4aeMua.n, 39.
ma facihcijdada. E" oiseeeiaUaente neees- ^iVci
SflriO OODP1F 0916 Vr^PflllS^Ottl-tltlftS QOtljflOft ft%'
verniz superfino paaa oaiaas le carrua-
gens.
VERNIZ SETCdJUE
MistuiMHaa oom astin -sobre todo worn >as tMtNawoidas,

^adBaqae de CaxlaSo. fOA. '* f hRosa Branca, raa da imperatria q. 66. mao A u. caes do Apollq, -^rs'rop
de PocUaad,; barricw
soon (oaoieoin w* tuaaanaomai, iparrwae__:
i9emini"mais'fac41inMi ^ para lby 3(ff 1
Atnaral
DO
im
co t C vendem baodejas da ne-
.Jottteeittatpodelw <^taaamajaB :
As tinieas verrHraeiras
ntin ar por causa de
na mesma, dsfroote do o. 2d.



p
i
a
Io
oca ii!ivainA'b
ofedutMiai* evaJae
i^e ouatD-eoT*) i k^-jJD
xa8
li
___
Ditffo &
7
"WfflM

SoSOT A J.'
aflmaisbamtase
da vrciorfu n. 28 ^
iq. n.9i io obKhojiAiMlut; o4r .'1

i exposijio de
Parii, em 186T, foi
I medalha de onro
da
mundo!
concedWo a
I
Bl .
mii&r&* In^e*a%kdij^av.
.acl
n

r
.)
s-
;
!. i
.9 OB
,*.il}( ^s'**nH 4Mwau. iboje, pode com pri
mam offerecer. ao* seus frejwa
mo sortimento de fazendas finas
Declara aos seus iaegueaas quo tem r^ulai.a-.faaas onaHgna^e liqaJdacArvat c>
fica do coraatrte saw.

CAMWUU8 JaftAM.iftl3*0Q0:
VeDd-aMt daaambraia branca, tap
: iOM*NO(>
*I*
Ui
iaeie penhor.
* ttftaa de sada do laadat eares.
mM^iii^vaWiRlyP Janior medalha de onro e a condecora-
Oftad* Legiao da Honra, por B&aet&i a> aoabinas mais per.
Mm do-muftdo.
T'X'l 0
T eol>?B9me
A medaahade euro, tsoofcrida 1; ttWre Jantor, pot
TSatadoa-BOidos por ie'r o inventor da macbiaa de coa-
tura. Ian
A medalha de ouro na exposioao de XoadflB*,aA*editaiii,
estt:Bia*hinas. __ ~dle'
_: 0
i
m
A S9$0f>
I 0 I

SAMR > rr, oJmra oodneqm., se.
-An; Ditos 0 e 49000.
a- Ditos de massa, a 49000.
Uepaeartev^I*pf. v4WkOO*a#Mft*J Ml*Rift*A Hi** Bit AaQiaOACAO. *
&0OOO. -' j --J--"-TanilnBhalagill lateim laamailioa
UaSiKIAftaV SMatS^ .H J a laO, SK> atfct 6S<*n.. tode. boan. i3d> VeiiadTpm;>.
- ieo4e^.Afei*iaa 320e 60 *v c-aoaaaa. ej oq .- p I --i'f ^a>awltaa3>>aflaiaoaklpi^ a aOa* 300
AWACA6-. A4*0.*S. .'! ra. eadaau.i. fc/outro, nanitos extraotda noe
Vendo-se alpaeaadacafeaaOtoiisttasa GW* aernasxie ntu*odka|apat.iia>uidar
eWMars. o.cotaa*. j 4dufm SOAUlAa! A 86* RS.
GR*NAD[NEoi8W.RS. HoJhirend4W^rin-t^ Vend-$ franadioe pceta. -rtora lfltra$4o am*. ..Iaac,asi*r*noes, 489000 adazia.not
cdreav para vettidoa, a 800 rs. o ca-p 3*000 afcawbaaia,, fazenda qua ybiwVw
vado. j par Smooth
P0UP*U*NA.JA.WG;iAA4*89O. GRAVATAS PRBTAS A 500 Mi
Vende-se uma iazenda nova earn listas,.' Voade s&grtrvaaasprotas, a 500 rs. Mto-
com onoajqde-poapjflioajapont'ia, pfoprta UsdecorosaSOO rs.
para vestidos de senjioras,. a ifchOO o co- Chapeos p<*a baaitaaas de maniiios a
va*lo. ToMa*aefaaendflssfo*n*da$qa'r33#.
Bazar ItTaciona!; Amflfetopw.arii-aita*- B^iAUft>E H>CM6 Ai800d.
CQIVTtS QE CASSA A i5*-Q,
fjaazas unj varialissi.-
_ finas para craDde toi-
lette, e bem assim para uso ordinario 3e lodas as
v classes, e>por prejus vantajosea, da* quaes fat um
.pegutDi) rasoow.
'andaiu faieoda.as,ca.as, Jos pre^epdentea,
i o qua lem, pessoal oecessano, e dio amoslras
. GroHJeuapJes de toda u oere*.
Gorgnrao brauco, IUq. dc lisu-aji nreto, etc.
,'Sefan Macao, preto ede cores/1 r
'' fifMdMn) nrrti
Cahe-nos o deter de ar.nunc.iar aua a com:
*rk, eitaiwleoea nesta idade a rs* do BarSo c1
#rai, para em PehiaBb* o niaia prwincias se Tenderem as afamadaa machmas de eos-
ra=* B*. fttas macmnas sao jatmente apreciadas pela perfeic^lo de seu trabalho,
+f*j*ttfAo rtraa agrftaa mate eurta oara a mesma qualidade de Itnha que qoalqner ontra,
t lii>1iodia^taUMM'aaai apdrfeapaadoa apparelbos, esftwoos actualmente habilitados a
iNracwr ararot paWic& as raelhores-machinas do mundo.
As vqnttitfens destasmotdiinas sdo as seguvntes;
friira.0 pablico aato qi" eiiassio duraoouras, para to prova inceotestaveJ, a
?gqamaliMta 4e nunca tereoi .apoarecido Bo marcada maohiaafi d Howe em aegoii-
mio. b ah*;;.
Samdair^^Momtetial preciso para reparar qnalquer desarranjo.
Tsrcewa.ita oallas meoor fnooio eatra as drrorsas p-^aa, emenoa rapido estrago
a wiutBur-ueoA a <-,. j YeaakataDbengaias e cbiooles, a 800 Ti
nhiadaUmachinas d,"^, 6rta-deiM8av para.Yasiidos, cada,iuat(parli^widar.
8 Victoria p J8 um denosito r airficia CQm W-ov4o6f4.i|IJNJU0. .j-..^aJag
*raJ^ 'BMrvJ:-' fttas macaaaas sio iuatamente apreciadas'pela perfeicSo de seu trabaJho,! ^^f, Bh.^iraMoya^.Ji.rgas, -deaaraa, >ndo,sa*broeb8,tte*ljo(l^ftlfc|00.-
a^jttdo dma agufta mais curta oom a mesma qualidale delmha que qualquer Optra,; JJJ^ *' 2*tt' 30<*': 83G e dGf rS" ; *
CASSAS DE COUfcS A260RS.
Veodese ca^sas fraocexasifilias dflicorcs,,.
a 2b0, 320 e 400 rs. o covadn.
SAIAS A.2C000.
Veode-se saias-bpancos eomharres deoO^
ros.a2aOOiO.
G1UTAS PA*A eOBiilTA A i&t ;RS.
Vende-se, cbitas^para.i cobertas, ..a 280e
360 rs. o oouado.
Ooarta,Formam.o pouto ootoose fdrafetto a mao.
OjcuiU.Perwiuaque ae ewiairui o trabatbo de ajnbtaoa dot, o ^aase nio coaaeira
momm-
SexU.Eatam post* miuda em easemira, aJrareasaado oo de urn a ootro lado,
tofoi.aai^efuW*;. *ya aaydj4*ar-=e tensio-da lirme, coiem a, fnenaW main
MM Ml tt!
'***
SeUma.0 com^ma&r 6 lefantado com a maior facibdadf, tfomdo ae tem de mudar
*faika aa eonaeaex aora castura.
titTta I jluitaara^ratid(machi*a3^ arandeaa e
;aeadencU. Machinas outr'ora popuiares, so-hiMa qwasi-desconheeidas, outtas^aettawm
adazaeas radicaaa para potferana fiubstiluir t entretanto a pompanhia das machines de floire
'^PfMj*1 opifiiioi-de Klias Hww, oaestre em artes meebanicas, ta- corH*an%emerrte
i awifabrioo, e bojanaa.attende a procura, posto que faja-ajWwaebinw
hit aia.
r-aW-.toaabiaaB
k1 !;>
n
nibqal
%
j

com inslrBCdes_em_portugoei.
A,:
r.So da VictoriA. a. 28.
A 30#00 e 30#000.
DOUS P0SPONT0S
Naloja.de Sbarea Leite Irmaos, arnadoB^rao da
Victoria ft. 28.
de pelll
Lafte oe. peuica compequeno
400 rs.
Abotqaduras para collele, grande sorti-'
oto a 120 ra.
Vixa de linha de marca, a 300 re.
Lampsrinas I gaz, dando uma lux muito
oa, a 15000.
Dazia de pecas de cordio imperial, a
Caua de botdes do osso para calca, a
<00 re.
Ih*iia:de carreteis de linha, 200 jardas, a
cQtjri.
Idem idem 60 jardas, a 240 re.
afo da Hta chinexa, a 800 re.
Caixa de liaka com 40 novellos, aaOO rs.
MMtdaVetM com caaaaiea, a 500
Gaortia da tinta raaa exlra-fitta a l#a0
Poles com dita ingleaa, preta, a 100 e
t0>rs.
Caixa de pennas Perry, muito boas, a
mm*
Idem idaaa, a i-00 rs.
CaiaftidAawaeaoppca tarjadoa, a 500 re.
ldeatadtto forrados, a 700 rs.
laaadapapel aratsade, beira doarada,
imam
Uem idem idem lisa, a 600 rs.
Outia daaaiheres' cabo branoo, 2 ., a
mm
MELAS PARA EOAt5& A 69000 ABtZlA;
Vende-se meias cruas verdadiras, jwra
bomeos, a -0B?000> a duaia,.. a tmmt
CHALKS DE LA A BOO RS.
Vende-so. obales de li, a 8U0- rs. cada
OMTAS Jf'HiAS A400 RS. ; H
Vendo-se chites 8nns de campo largo, a-
zeada..muito boa, a 'U0 rs. 0 oovada.
UJALES 1>K MERINO' A 'ijOOO.
Vende-se cb a 1 os d morin6 es! amp ados, a
25-, 3, 49OO0 e 5000.
Ditos de listras 5JN0O c 60000.
Mk% EM-FORTES A 1350U.
VaiKlaae cartesde brim de cAf^S'epardoj
a ltM>0, perMiquidar.
GOREHTAS I 0FJCU4TA A J00.
Vandewsaicobiertaa dcchrta; a l600-e
stjawot
BRIM PARDO I. DE COKES A 4U0 RS.
Vende-se brimpardoede core*, para ion- ygj^g
pa de homense'maninos, a 400 rs. o oova-
dn, para liqurdar.
C0LXH9-DE CORES'A !?#;
Vende-secolxas de-oraa para uama, a1 2Jl
e4000. -*> .
TAANSPA&EHirTKS* PARA A BE WAS A
1*600.
Vende-ae traaspareutes para 1 cask-iras, 4
UMiOO, para laquidar.
BONETS A oOO RS.
Veade-se bonots de soda para bOMMai a
600 rs.
CHAPEOS A 2b00.
Vende-se ebandos- daasaar. para a niinoa
e horaens, a 3H500 e 3960a).
.
DiUS'rte liuJio, a IWiOO -e 25000.
-; tuitmsas de-wbits fin as, a 13600.
DiUs de peitt) de-iabresj a 20*0*;
Oilai.brancas finoaj a. 2JHJ00V 8*000-e
AP00O.
EaigasdefbriaaipaTdtve de.ceresva 20OO>
haSMtOai
Dilis ie caaemira de.-coras e preta,- a 58,
6*,7O;O0;800O0.
Pdildtsde aaaacae deoras, a 2S00.
Ditos pratus, a 39*00 eSJibOO.
Ditos de casemira de cotes, a i| e
69600.. a a
Ditos drtoa pretas, a a000, 600
169000.
Cotkftcs-.de.caseaiira da cores, a 2*, 89^8
4#tt00.
Camisas de flanella, de cores, a 28000 e
mm-
ALGOUAO A 48000.
A'enda-se. -per.as 61*00.
^%tp n. 7 A
IPnmeirj
Gord^arQ^Sim^s < C.
flU
i in


Gmadeaiples pre to.
m
wauA&e de scda, preiaa-.de cores.
j'opelioas dt lindog padrjaei
Fil6 d-s st-daj branco e preto.
Rleas basquinas de sada.
Casacos de meriaA dacoret, Ii/etc.
Mautas brasileiras.
Coj tes ccra cambrala braooa cam lindos borda-
008.
Ricas capella? e mantas para noftras.
BHjoissiuo sorumento de las com listras de
seda.
Carobraias de cures.
Dilas maripozas, LraBca!", lixas e bordada9.
Nanznqoes de lindbs pad roe?.
Sttpai.'tas, p*dr6e detieadcis.
Peacaliaaade^juadro?, pretos e brancos, listras,
etc., etc.
Brins de lintio de cor, proprios para vestidos,
com barra e listras.
Ricos corte* de vestido de linbo, com infcttes da
laesma cor, ultima moda.
Dilu.- de tiiubiaia 4e cores.
FOslao'de- findas cures.
Sates bordada* para feiiTmra?.
Gamlyas baniadas para senhoras.de lintio eal-
iCodao.
Sortimento ""diiJuvas da verdadetra fabri:a de
Jouviu, para hiiifieas e senliuiaa.
Vestuanos pari meninos.
Lencos bordado? e de labyrrnmo.
Colcnas de crochet.
1
\a fliMciw de (arriosa a Innlio,
iinmdf) Hrnm as. a .C
Vende-se s segutntes eb--
jectos, por pretos
commode*:
fMatodtt,
ReaMar da
69M9J
Idem adana&o, a28tM6, 89800e 58000.
Gaajueainodaaaaa, a68000.
Doaa4e>pa4aa da ttancaa da caraool
raacaaianUKidk..
Mam -idem lisMr a f60 rev
iJNfd** de osso- a sandalo, a 29006, 48
69000.
toque,: Espelhos demoldura doufada, de todds
os,tamanhos e preops.
PERFUMARIAB E MIL'DEZAS.
Frasco com oleo Oriza Terdadeiro, a
19000.
Idem com lonico de Kemp, Terdadeiro, a
19090.
Garrafa de agua florida verdadeira a 19200
Garrafa d'agua japoneza, a IffOOO.
Idem idem (Bviua, a 19000.
Idem idem Magdalena (novidAde)
18200.
Caixa de pos para denies, a 200 re.
Idem idem de pas -chinez, muito bemi a BANuOS
669 re, e 19000*
Pote com opiata de Rieger, Rimel e Gros-
nel, 19000.
Dwia de sabonetas de amendoa, a
88600.
wa%li29>abODdte8 ^ "i*nb traasp'n,n" 'Borrachapam limafl
Idea* idem com fl6res, a 18500.
, Sabonetes Glyeerino transpiaeutea, a
mm%
Caiaa com.sabonetes, formato de fructas,
aN0A*iMft6,
11 Coameticos, grade6 e pequenos, a 106 e
800 re.
Frasca cotsagaa^ ooiagoe, a 200, 820,
, CAW5MIRA DE CORA.68ii00.
Vende-s^e caseiciVa de,c:res a 29500 0
covadQfc
.MADAreLAO V 39000.
Vende/sepc^as.de madaj)i45o tnfesado,J
a390OO.
Oito.inglfiz, a W500, $, .69 e 79000
am-
BOTtNAS A 49500.
SB"bolinas para senhorn c meninos/
a'49990,:"S9t 62*0*.
Ditas de enfiar, a 28000.
'8tf*to de- tupeaa, a 69900.
Ritas de- tra**}ay a9800>^29^^6f
BRAMdKTE- A -.19000,
Wndo-se batman* com 10 pakoos
lacpmiv para,.las^6Mv *8600- e 28500
metro. E'ouiras mint as fezondas propria
do-aaercodo, piH se vonrle semireaerTa, &i%ali&ip, etc.,"etc!
prep), para bquidar ate 0 fiat dcoreente
anio, par isse coo Bern aos compnadooaaaop-'
tirem-se de fazendas baratas, para a preset
! todbsta qoaasttna.poiila^-A ruadaiiroperatriz
n. 73. iaaripj\aaiariai.
Dim* para baptizada.
Cbaat'o* para aUo.
Toall.as e guar4anaf>Q adama-cadas de linho do
Cor, pra mesa.
Colchas dela.
Cor tin ad. i> inrdaduJ.
Grandejoltinfiito decaaisas de labo, RtAa e
bwrdadas, para h.-xeiis.
' Meias de cores para bomens, ir.eoinos e meni
*Ja
Dilas oscjceza?.
Complct.. s-irtimenlo aVeha9cc4.de sel para ho-
aicns a seahoias.
w Merio6 de cor. s para vestidos.
Dito-preto, trencadn e ditd dcerao.
Atoalhado de' lintio e algodio para toaHias
AWalliado pa do.
Damasco de la.
Brins de linho, branco do cores e pret<.
Setitn de Hndas cflres com listras.
Chales de merino de cores e pretos.
Ditos decaseinira.
Ditos .d seda pjeta.ff de coks.
Ditos do tuquim.
Camisaa de Chita para homen3.
Dllas de flaaeNa.
Cerewias de Jinlw e aigoaao.
Punes de crochet para-soft, cadciras e ci-nso-
los.
A' rtH do CAftnatA n f A.
Oi prepawiawosd* ^VeONeeU, a tamilB >
eonservar 0 bom concetto qu<- twoianewijJo 4c
respeitavel publico,aL-tiBguindu 0 mu >taMact
mento doa mais que negociam no ~m.n ceaen,
veem srientilear aee setts bons fn>u-i. .u* pre-
veairam aoasaaa correspoideBti-- &- ttinria*pvr-
9>a d'Europa para Ibes eaviarem pm tuttca *
quetes 03 objecto; de luxo e bm |toto. que sa-
Jm mais bem aceitos pelas wnie.l.'ies 'irgaaaa*
daquelles paixes, vlsto aproximar u lempA >
foKU, em que o bello sexo de*ia linda Vaeu
mais oslonta a riqueaa de mas l-nliiUes ;
mo ja reeebessem p;l paq-te frao^z diverao
artigos da ultima moda, veem paU-nteir alfaxc1
'd'eatre'eiha qae se tomam mni- rrei.rorn#n4aai*.
esptraado da respeitavel publico a imaamiTi
coocurreneia.
Aderejos de tariarnga os mais ttados que lees,
vindo ao mercado.
Album com ricas eapas de madrepmaa a 6*
vellndo, sendo diversoa tamanbos t bafMaa are-
cos
Aderecos cotapletos de borracha pr prios pan
Into, tambem se vendem meios a terecu.- muita bo-
nilos.
BotSes de setim preto e ae edrM.parc arnalo d
vestidos de senhora ; umbem faai para ewNete
palilot.
Bohas para senhoras, existe um Dello s. rtnea
lo de seda, de palha, de chagrhn. etc, eK, prr
barato prcco.
Bonecas de todos os tamanhoa. taolo a> loaca
como de cdra, de borracha e de mas-a ; ihama-
mos a attencio das Exmas. Sras. pra e>u- artiajo,
peis as veies toniatn-se as criaocas um poueo ia-
pertinrntes por falta de um obierto que as ec-
tretenham.
Cam.sas de linhc li.-as e cm peil bnrdad '
para homem, vendem se por preen comnvido.
Cer->ula de linho e de algodar, de diversoa pr-
50s.
Caixinha? com mnsica, o ajw h d rr.il Hod
com distu-os n.is tampan 0 ptopriva para preset.
tes.
Coiiues os mais moderros e *e divenns font,
tos.
Cliapoos para seohora. HeceLuiain um sortiaiet
da nliima moda, tan'o para seakora, -.mo p.
meninas.
CafWIasimptifs e c*ui vAi psra uciv>.
Califs biadada* pura meutnas.
Eniremeius i'siam|Mdoa e tiird-ido*. Ar few! :
dosenhos.
EsCuVas eiectri.-as para denies, itiu a propr.-
dade de evitar a ran-.- <\~ deete*
Franjas de si*d pretM-e de r.r.-. e\i in t.
grande sorti men to Ad divereiis larfWai a t-ara.
-----
TarsataBa.de todas as cores.
Ricos cortes de vestidos de tarlataoa bordados
para cortes.
Espartllhos lisos, bordados.
Foulard do seda, liddas cores.
Meias de.sdtkt.para senhoras e meainas.
Ricas fachas de seda e li para senhoras.
Ri'%o sortiraenhj de leqnes de madreperolas e
osso.
Damaaco do soda.
Bica* chapeos e jhapelinas para senhoras, ulti-
ma moda.
Casemira preta e de-edres.
Chitas, madapulao, panao. fino preto e azuL col-
iariuhos, puuhos de linho e algodao, gravaias, la-
vas da fio de E-cossia, 'apotes de todos as tama-
nbos, bolsas do viagem, peitos bordado? para bo-
mens, len$)s de linho branco e de cores, toaiha?,
Vende-se
uaia aioiulu de amareHu, ooinposta de 13 cadeiras
de guarnicao, 1 sola, 2 coiuolo.-, i mesa redonda,
e tambem 1 lavatorio e mesa ae jantar de Jaca-
nmda, tudo em perfeHo estado: a ver no pt ieo da
Paz, em Afogados, loja d'mareineiro doSr. loao
Correia,aoetna>aca qiwai veode.
pre^o.
Fltas de sarja, do gorgura<, d<- setta e der. .-
maloic, de diversas larguras e b.uitas cores.
Faclias da oryurao Fhires ariifioiafs. A Ptedita-u pritna em cm.
servar seuipre um bello e grande sortimento de.-
ta< Rii es, nil so para enfeilc do* cbi-lhis, co.
tamlK-m par-a ornato do vestilo J-> notvas.
Galoes (! ^igitdan. de lit p de s*la, braonia. ,
os e de diaeraaa care*.
GraraTas de seda par.-: Iionipjn e senhor
Lacos dr Cambrala e dp -rf-i do divers? r>
para senl.ora
Ligas de seda de ceres c braaea- berdadas pan
noiva.
Livi-is para ouvir missa, nan capas de madr-
perola, inirfliii, ".- 1 ..::..:.. 1 ..!,> ;. J, <1j
bom.
PafltS Or tai [i 1);.;. .." ::,ta::'-<.J Ag
bel'os ; teem nuttbrm para Hr 1 ran --
Port b0Ui|tM-t. I'm li;l 1 -.liiiuei';. o<- ioa.1i
perola. niarnci, -. i .li.iir:."i. r 1 .:r..'npriv
Pertain! ins. W.-'.- ..r:"! r-v ;.-rfa fcprj
provide, naa so etu rMaWlaa,#. m cn ease* -
baulliS li'> 10. lo..I':- (,:iil!i % ti>tf t!...o ..laOMO
abricaitt<:s. I oidiiij. Pi!>. Smiitude ilygient.
Condray, Gosr.-' Wiaw! 5t *'
a festa.'
Saia~ liod:>.!..
prep'.
Sapa!in!!: de '3 p d1 s- *i;i. t.-j.d =4'arak:
tisad*.s.
Tapeics. RecelH-i a !'r-dii- .:.. L. u.to son
n**ni" 6* -iiti-tf > wio.nlH.*, uim r*ri v,(ie
me pat a eutrad- '- -;.us
Ve>timentas p-: ",: ''-"qai '-mHO
gosto 0 os nv." '-.. m--> -Bea ...-.'en
vend- por bai-ato \r*?\ ..... licaT ao ... *m
quahioerbol.-a.
Rait Ho <.':;i>'iui'; II. 1
1P MltfH?|kOS
irr"1! ; c? 1 \r"*1 'yf""itm pa:
|Cim MavhMn, | Acs sefihoreR

VARANDAS frSncezas de Terro fundfdo de dir-
! bonitoe go-tos.
VDGOBS francaoB f ramies 1 paaxteaos.
I DITO dito I para trabalhar com gaz.
1 BOMB AS francezas de renuxo.
com. pea de te.ro, com malla e sem
clla.
PES' JARO06 Ob ferao paoa jardini, granaes epertoe
nas.
MACHINAS para aiar. agua e fazer.gslo.; gelam
agna em 10 mlnntcr, new gelo .em
per muito (^^ms^ae^rpefrexcefleBiealerrenos
bos lateBMattqpRBsa naTerravamargeBrda rlo
Ca>rt*rihee,p.rtoaa et*.-ao do c.miahode.fer-
cb ; na estrada de Beftej-iba, a margem do rio e
oorto da estaQao, do camTntlo de Term, na estrada
nrv*-flo- BeberWe,! WttbeatiJierto'-dav eStaci : a
i patar com Joao Feitosa, na ruu- asta*la* Reaaria
BMMBB026L
Clitpees k sol a 7$0#0
a 49000 560 rs. e ifiW>.
Exiractos muito finos das meihores au-
tocet
Liadaa, elegante* caiaiokaaooiaperhimaT
riaa, piroprias pare jaesautos, doa autBres
E. Codray, Rieger, GeW Faeaea,etc.
Qaadros com santos e sampaa 1 aepata-
daa. mv
Bntremeios e bebadoa tranaparenrtes e ta-

i'et*elrBdo-d# todas aawre4argu-' palos"
*' >' Umacarefldetabolera proprjat para *Gevo^o9tt8jeom 11 vists|i 6900. querlej*.
44 tetu da VklfiTia n. 28,
- 'qionr
..lumi
laup obi
inq!tf oti
A

mmm
uaea>6al00rai0u;
) raiOu^aaOOtF
ho^W,aoaba
ara;
vleWamfcfraaWaae;' *p*ito* w>
jam; rnadoVtgana a Jd, rua^a-AowrimB.
ao, e travessa darua daa Crazes n. 4, a 500 raL a
libra a retaih'o.
VENDE-SE



an/ it.i ...> t|^af|toteeidi
d|iK-..j;iu i.Ij i;
Os yerda
das mrm
tea
_

.
Bbrractta {Kira JUbnas
Betraeha:para limas'
Da mais nova e superior quafiaade vendem
B6ulMtiC.
Machinas para faze* limas
Machinas paaia fazexlimas
Machittas^ara feaet Ifma* i
Vendem :
lie* i -
MO
GAXEff A JAJJOiJia
A^BBaiaxa.^ ,
V ^eAa^^-a^l*ciJrWw^t>af4fl60tO.
LIVMMHj FttnOOlik
7~"------"^"'^ ..V^.
lb. ->q
34-Raiai !** d RMswa^3
'------------------------------------l"W j A.l/I < J .....Mil J
NSffiw
*^i
ii -. pi
:eta^aicadti>roar*a|-*^itid^
*' aUSs deqaaflrbs, propria* para Testidoi, a
ol
L ?wHol
I
bruDcos.
ilia t "* ^^^ "fooe obuT^
mm. mm
aajerwiaa, ,reopn
al
pal a rua.da Gadeia 4# B*e
quez de Olinda, n. 61, 1. an
todas as botica* e casaa. d#
-c.-. arrt-
UJ(]
.
una oaaa na
aaafolo. Ut preco
iraaaaAc
Cbambertin
sP6nnaad'
Virits
,lr Vblnar
Beabne-
Monthelie i ,
Dito Bordeaux em quartollas.
'Vende-se pr MhU pre;^
PARA El^G?&*iCAI> DE COSTAR
villadeBarre.ro-., na rua do Goto-' fc I--&?a modlto: avatar com Ta^, 'RotJca.
:..-3
r.
pbrntomi
upA
-r-r-
Miji
Vende-sa ou pertnuHs-ae porasw4B^dma
casaconstruidarienovo, tandodoass.l -ea
seis quaros, rem galanele, sal* d* eaV
gommar, cozinhaf6ra, qturios-para ftaa Kay
caci". '.a ci >m boa agua de beher earn itio
bem arborisadqf 6o akoda Torre : a trttar
nesta typogfiphlii.

Cltita
a
I'M
240 .rs. q
A

tbvado.
AMO'lh.a'cidad
Oum 12 asles
i muito barato :
la Rosa Branca.
de madetra
na rna da-imperatrii n. 66, loja
JG-ftJSAb. DAB PAJhTGaS
AigBatoEa-1634^^^
Bntrega-se O'tttrniei'o dw Janeiro.
UVUAHJA FHANGBZA
Borracha
para limaci.
Recebeu uUimamenta a pharmacia Torres, da
melhor qualidade, e vi-nde por prec,o mui com-
modo : na rua Di'reita n. 135.
Vende-se
uma parte do sitio Craveiros, em Beberibe de
baixo, ja cercada, -com 900 palmos de frente e 900
de /undo, e duas casaa.de pedra e cal, a margem
do rio, e fcastante arborlsatfas: a tratafnaiua do
Commereio a 14, escriptorto terreo
.
gala**
YeUaae boglas, da cerate.Lisboa.
Vinbj) fino do Porto, em caixas.
Otto Careaveltos e seeco, eaa dilas.
i Farlagttiwdo Pom.
SlflW
----------Tf
t >l
ffaartalahaai oamllwn imaraaipiiam poio dirainnta
Ditas com listras assetlnadas a JUOOO
vado.
Lo.:e rOWiiOllli pretos cem Raota- da earn a -500. rs.
afca*iitfiG0*>vara.
' jL
le seda. cabo da aaMM^aWOl 6*o
*aHn.6*iAMuA Cretpav atoi

Silva (uiivaries A (..
l\a eetMot sahto m 6.
Teem para vender em sen esotiptorio o se-
t-;c.->u i:..... u.cmi<9 uC awacai
e carr iro : quern o pretender dirij* se a ma f;
Rosaii'i a. 12, s^gaado a 4 da tar.ie : o n. iiv !a onj. >: d^ra a i eou,
pradir.
Lava & pelli<4a
Amaial. Nab.ij.i c. C veadettl lu*a.- de pelba
dec .--s .kih i...iii.> de m"fa a IJ. It'i 9a SJ
par.' ao Bazar Vl.--. ru. J-. tiaia. ia V*cl
rian. t.
Cacro americano
a*Veaaa-se w carco americano. de quatro rodas
i.u 4 assentoaa vontade, em per/eito estado e
i arrei is : para ver na fabrica de earrrosda
*i Florentina n. 14. aon*e se dira com qaem
se deve tratar
RuaabBliumn.76
, ,VeBj6'a8-.ioo,.paro\de snpertnr qualidade,
prqpriopara.cobertas de casas, medindo 11 pal
aawdewmpTide i de largo-, por prace unite
*
ovas p^elinas a li?400 3$
w ewado.
r' i rosa braaca vende rlfcaij
umaee eer, fasenda mederba'a aaate iatvas
,uaoa3,aaU(af, vaa*.60090,^^-.rtsa fifaaca'
v#m a- 4f.
ia 'TiUwUt'iai ifiui,'"r)!. '------+* '
I. ljincjas las eseocezas,
^.'.nnl 'wit'*.
h
fara. aeabar!
Rieaa eaapeoa para senaora ; sd na rtti Duqp
4*.fttaaaa^u^ A loja 4a ^oina,________., .^
Tende-^e
A
... .w_p.w'Bovaoj. a-iaverns si
t bonaroa Dnque de Caxlas n. W A, taja da xatti; tarn para aprai(!como para ornato
a-taverns sitaa rax do Rfmire. ,.. 5 bera afregue-
.xaala; Unt para a praca cm
< tratar na rua da Praia n 61.
2P0JO


^ da caster para hnmem
r?o da \i.-p.ria n 36.
vetidea),^ aa
ao.
Vende-' a arma. *r> de fazenda* existentes aa
loja de chape is, sita a rua de de arcilm Dias o.
61; loj e.-ta qne perteoceu ao finado Tianqpili-
no Candido da Silva, a anal se acha muito bt-m
Rirtida e ( muit" a- rediiada. Quern jvevnder
ama e nutra cmo-a, dhija >e a rua do Bom Jr-n?
. 48, eseriptorki do E. Burle 4 C. que achara
com quem tratar.
IMKNTO
THERMAL.
(Ktwc., luuuaiu do u riarailDlec fa i*Taoa rsmcti
riRI7 It. MOLSTat* BoHTKilTU.
ESTADO BOS BAKH08
N nlmMtctmemU de Vuky, um dot mrH*-
retmn tymm.mm*rl>a Bmntutt e Emlnc
aaaa* W* W" trnt doenfi dm
(, d+Mmmtm, da fccilaa. arclaa,
,*, HMri'm rmUmlmmum,
aa prinmm nHm ate.
'Tia>
Ttro 0owrtM ma.Cub. MMcaoa rarqu*.
S*l*o da laltan. Sl*o r<-wrr*4o i*r mm Serhc.
SalOct d* loco*, coaveraaclo bllha.,
i csmmms a^FEua ua a near.
FUND A ELtCTWO-MtDtCAL
rXi'SHfiftNIAe a42^
lasaA Vai ccompa.-.
4t JlAPfi da DBUIGBBiriER
Pwi.M.iaa.Meaa6f*v j
. n*tt!i 4 ^T i ,,i,.Li J
tm* B^Bl^*tTaTP^a^BWaa^a^ar^>a^B^BBaaalll^*-a^B"^W
o ano f*>4m
."'<-
afflaftf

VINoeQUINJ
FERRUCINU>-
Ca
rrrr*. Etu riabo foi mtmsmmumtm
ampreoM aaedkal coat* ill
lonlfo
Ah
ilea NMragado ara mi
iau BiiARstaftM at. __
Dtposito (anil prais If
btrds,
Pphu
ines pha
rttl,
r.<0, a. |
jm,,<
tw
Lt Lmm
lif
-t mt%x



8
9Wf> Jfc Jfrmtom L- Sabbado 2 falmm* 4e dttiC
n
K RgSWIXO DO NSGOCIO DO 1UAEC.HAL BAZAWB
BX-C0MMAND4NTE EM CHEFB DO EXERCITO
DOKHENO.
AtDIKNClX^Eil D^ OBTObML
(Cqntinuacuo)
R.Nio podia apreciar as decisdes de meu
chefe; alem disso, n8o testava em pbsifdes
de julgar das situates. Recebi orders de
'executar ura grande movimento de eonver-
sio sobre a csquerda: se ease movimento
se tivesse reslisado, teriamos morridb todos
afogados no Moselle, (Gr.indesensaQao).
P.Quando occupastes Saint-Privat, o
marechal designou-ves a posicio de Ble-
mont?
R. Nio rae lembro; a ordera deterrai-
iiava-rae uiua mudanca de frente para a re-
taguarda, afim de me aproximar da minba
ala direita.
P. Essa ordem foi dada antes da bate-
Iha de Saint-Privat?
R.Sim ; mas ouso dizer, que se o ma-
rechal Bazaine tivesse podido dirigir-se aos
pontos da luta, teria com a sua grande ex-
periencia de guerra, feito suspender as for-
ces entre Metz a Saint-Privat. A ordem foi
redigida durante a batalha e recebi-a quan-
do a accio estava jd empenbada. AlAm dis-
so, o marechal nunca julgou que Saint-
Privat fosse uma batalha, mas sitn ami de-
feza das linhas do Amanvillers.
P.Na orrtera que annunciava a marcha
dos granadeiros, o mare< hal Bazaine cedia
o commando da reserva ?
R. -Uma reserva nio pole ser posta a"
disposiijfto de um chefe de corpo, estA i dis-
posieao do general em chefe, que usa delta,
segundo as circumstancias. Se eu tivesse
sabido que o general Bourbaki estava pro-
ximo de mim, eu lhe teria mandado um
dos meus olliciaes, e o meu amigo Bour-
baki teria corrido em meu apoio com mui-
ta rapidez e dedicacao.
0 marechal Bazaine fez a leitura de uma
carta assignada pelo marechal Canrobert,
que lhe annunciava a impossibilidade de
executar o movimento detertninado, por isso
que o inimigo estava em posicSo na frente
das linbas francezas.
A testemunha.Quando escrevi esta car-
ta, continuava a estar em Guerneville, e
recebi inforraacoes que devia transmittir ao
meu chefe. Mas nao tinha meios de veri-
ficar.
P.Em que data fixais a organisacio
mais completa da artilheria do vosso corpo
de exercito ?
R.Sd teve lugar desde 19 ou 20.
Mr. Lachaud.Desejaria saber do ma-
rechal Canrobert, a que horas recebeu, no
dia 18, a ordem de movimento?
R.As 2 horas e meia pouco mais ou
menos.
Empenhou-se uma discussao a este res
peito entre a testemuoha e o accusado, mas
o marechal Conrobert sustentou a sua affir-
mativa. Demais. accrescentou elle, quan-
do um general em chefe transmitte ordens
desla importaucia, nao deve datar ; da pla-
nicie de Plappeville a 18 ; deve precisar a
bora. Esta questao nSo seria suscitada
noje se o marechal n3o tivesse despresado
aquella circumstancia.
Presidente.Continuai no vosso depoi-
meoto a respeito das operacoes militares,
desde 12 de agosto ate a entrada do exerci-
to nas muralhas de Metz a 19 de agosto.
Marechal Le ftou/".Eu nfio exercia
tunccdesa 12, 13 e 14 ; ser-me-hia irapos-
sivel dar informacdes relativamente aquelles
tres 'lias.
Presidents.Dizei todavia o que vos
C ., If.
H Peso -.licence para s6 comecar pelos
faetos relativos ao dia 15. Foi naquella
data que eu tomei o commando do 3 corpo,
em cmsequencia dos ferimentos do general
ecemperem. Fiz collocar as minhas tropas
emt^te pela manha, isto i, no raoraento em
inimigonronunciata. o seu movi
i^rmmffi'
ria do general Montandon r pouco
depois, tambem me foi tira'da a d
aMiwA para su*v.ntar o 6" corpo.
merestava'pois para ligar o 4 cor
6* corpo, senao uma divisao de infan
uma de cavallaria, e a minha reser
artilheria.
Duas horas depois, vi chegar o general
R.0 mm comboio
Ban Saint
$~ '
do para passar
le- ao on
po cuar
Jo o in
NSo freute
ao estava informado.-a respeito do numero eas
ria, tropas. Pois, ainda assim, ao meio dMPZ
de passar duas divisOes. Isto Jetou tempo.
A's quatro horas soube que lanojfc ter-
ceira divisao [do general I
Jrehier) estava
Deca-'ii. 0 3 corpo estava nas segumtes
pqsicOes: quartel-general, cavallaria e ser-
-vico administrative na planicie de Thion-
ville, e as quatro divisdes nos lados de
Plappeville. Devia envolver-me, depois do
2* corpo, no desfiladeiro de Lisy, para des-
poniir na planicie de Verneville.
Nao estando o 4 corpo prompto para
exeivitar semelhante movimento, fiz com
que o 3 corpo tomasse a dianteirt ; mas
tendo o marechal Bazaine sabido da dorao-
ra do 4 corpo, deu ordem aos outros para
Ladmirault, que estava ene&rregado de fa- perfeitaraente empenbada no combate.. Fiz
zer um movimento voltando para Mars-la- voltar as duas divisoes, e entae e" que o
Tou'S ; def-lhe a minha divisao de cavalla- combate se empenhou muito vivo 0 ge-
ria, e sustentei-me entre o 4* e o 8 corpos, neral de Cis*y chegou muito a propo-
Na manha seguinte executei o raoyjimento sito.
de retirada prescrfpto pelo marechal, i as Foi so pelas seis boras que o inimigo se
onze horas da noite, fui informado de um pronunciou em retirada ; nao o persegui,
movimento do inimigo na nossa direita sobre porque a ordem:da vespera nlo tinha aid)
a esquerda. Na manhi seguinte eomeca- alterada. A' meia-noite informei me para
ram a metralhar-nos; porque, devo dize-lo, saber se o piano de 13 continuava a existir.
a 17, deviam faltar os viveres as nossas 0 marechal mandou me dizer que condu-
tropas. Admirei-me da falta de municoes, zisse na manha seguinte todo o men corpo
porque nao linhamos disparado mais do que para a margem esquerda ; na manba iui-
11,000 tiros de pega, e en tinha 36,000. mediate estava naquella margem, a despeito
Ni manha de 18, vi um grande numero da accurauiacio em quase achavam os ca-
de inimigos, que amengavam a nossa direi- minhos. Dirigi-me para as posicdes que
ta. Fiz prevenir o marechal, e tomei as me tinham sido indicadas, mas antes pedi
minbas disposigoes. Tinha diante de mim para memonieiar.
uma quebrada, e o inimigo apresentou se a j 0 marechal deu-me ordem para conti-
15,000 ou 18,000 metros na frente dosnuar no meu caminbo. Mas o que eu de-
bosques Pelo m.no dia e meia hora, rom-, via seguir estava obstruido, e mandei o meu
peu o fogo. 0 ir.imigo concentrou as suas ajudante de campo para rae indicar o cami-
for^as. Os bosques foram tornados ereto-|nho. Doneourt foi o ponto que o mare
mados inuitas vezes-, e afinal fiquei senbor chal me indicou ; devia eceupar aquelle
do campo. A berdade de Saint-Hubert era' ponto a 16, e a 1ft ao meio-dia acha-
a chave naquelle ponto, e por isso a fiz de- j va-me em Doneourt, o combat^ estava em-
fender. O inimigo tornou-se excessivamen-' penhado.
te intrepido. A luta era muito viva, espe-1 Ronville era a posi^So dominaote ; mar-
cialmente ao anoitecer ; tres corpos inimi- chei naquella direc^ao. Dei ordem a* uma
goscahiram contra a minha 4* divisao e a 2* parte da minha cavallaria para marchar
divisao do 3# corpo. j sobre Mars-la-Tour Resteva oeaa divisio
k. luta continuou assim, ate as sete ho- de cavallaria; mas fui reforcado pela divi-
ras; isto e, ate* ao momento em que o ma-jsao de BerraH, e por mais algumas- tropas
rechal Canrobert, atacado por forcas enor-'de cavallaria. No momento- de atravessar
mes, e o general Ladmirault, na impotenci a'o- desfiladeiro de Ronville, vi na minha
de se manter, foram obngados a retirar.' freate masses de infantaria inimiga; dei
Nem por isso deixei de me decidir a per- ordem a* miaba- cavallaria para-crrregar ; o
posiQoes ; da minba inimigo enfraqueceu, mas nao foi repellido.
manecer nas minhas posi^oes ; da
resistencia effectivamenta dependia a salva-
rao do exercito. A batalha s6 terminou
pouco antes da noite.
Pela uma bora e meia recebi ordem de
retirare puz-me en movimento 6s tres ho-
ras e meia. Eis aqui o que se passou no
dia 18. 0 marechal deu-me ordem para
me retirar para a retaguarda dos fortes, def-
x;ndo as minhas avanradas nas plani
cies.
P.0 iraperador a t5deu-vos parte das
ordens que teria dado ao marechal ?
R.Nao, mas creio que o imperador
pensava em uma retirada sobre Verdun.
P. Havieis encontrado as estradas obs-
truidas, e nao tinheis empenbado no com-
bate s6 duas divisoes?
R.Sim, os caminhos estavam obstrui-
dos, e apenas empenhei no combate duas
divisoes.
P.Julgais que a IT a noite teria sido
possivel retomar Mars-la-Tour ?
R.Quando se esta no gabinete, as cam-
panbas sao faceis de refazer ; mas no cam-
po e mais difficil. Todavia, no campo tire
a impressao de que se jbatiam na maaha
seguinte, antes de eu me pdr em movimen-
to. Julguei que o marechal Bazaine que-
ria tomar pela estrada de Briey ; mas devia
ter suspend ido por consideraQoes que nao
conhe ;emos. E' certo que devia ter tido em>
conta os relatorios a respeito da artilharia,
e que elle devia saber que o inimigo varrta
o caminho.
P.Fallaste de uma ordem de 17 para
occupar certas posicdes : sabeis a que haras
recebestes esssa ordem ?
R.Creio que foi entre a meia-noitee a
uma hora da manha.
O general Pourcet.N8o mandou o ma-
rechal Le Bceuf, na noite de 18, um offi-
cial do seu estado-maior para saber que
posic&es devia occupar ?
R.Mandei effectivamente um official
para dar conta da situs^ao, mas nao te-
nho a menor recorda<;3o a respeito do que
fallastes.
Mr. Lachaud. A testemunha nao escre-
veu a 18 ao marechal Bazaine, para lhe
dizer que ao seu corpo d'exercito taltavam
viveres ?
F0LHETIM.
LUCBSCIA SOBHA
MEMORliS DE SATANAZ
POR
l>, Maaoel Fernandez y Gonzalez
SEGUND A PA RTE
SAVONAROLA.
XVI
ASSALTO DO COfiVENTO DE S. MARCOS.
(Continuacao do n. 18 )
Apenas os dous religiosos sahiram do
eenvento, a multidao apinhou-se em torno
d'elles, soltando gritos ferozes de alegria.
N'aquelle momento, frei Benedetto que
ate entao seguia os presos, nio pode resis-
tir a sub ddr, e langou-se entre a multidao,
atraz dos seus companheiros, chorando e
dixendo que queria ser levado para a pri-
slo com o seu mestre.
Por^m estavam todos ebrios de furor, e
uma on ta da multidao separou frei Bene-
detto de Savonarola e frei Dominico, que
foram impellidos para o meio da praca.
Frei Benedetto eocontrou-se no claustro
triste e desolado.
E elle mesrao, que escreveu aqueltes suc-
cessos, conta que n'aquelle momento se
ouviram gritos tterriveis que fizeram crer
qne Savonarola tinha sido assassinado.
Eram oito horas da noite.
Os maceiros rodearam-n'o, juntamente
com frei Domioico, e a multidao atropellan-
do-se emuorno d'elles, semelhava um mar
tempestuoSp deelmos. couragas, espadas e
lancas illunWiadas pelo sombrio resplandor
das lanternaVe archotes.
Olhavatfttoch^oom ar amea^ador para
sdosreligiosos\e, aproximando-lhes dos
rostos os tantemas, rfhuam Ihes :
E' esta a verdadeiraViuz.
Em seguidi queimavam-n'os, davam
Ihes pancadas e dizinm insolentemente :
v Adivinha quem te deu.
Era tal a futia que os guardas s6 conse-
guiram silva-los com grande trabalbo, co-
brindoos com escudos.
Os insultos e os mios tratos, que Savona-
rola soffreu durante o caminho, podem rae-
lhor imaginar-se do que descrever-se.
A multidao desenfreada nao se xancou
sendo quando os dous religiosos entraram
no paiacio.
Ao entrar no vestibulo um d'elles deu
um pontape em Savonarola, dizendo :
E' aqui que elle tem a prophecia.
Apresentados finalmente os dous religio-
sos a Pietro Popoleschi, magistradoda jus-
tice, perguntou-lhes este se persistiam em
affirmar que as suss palavras Tinham de
Deus. Responderam afflrmatiramente, e
depois d'isto foram encerrados em calabou-
ros distinctos.
Savonarola foi encarcerado n'uma pequena
estancia da torre do paiacio, ohdo n'outro
jempo esteve preso Cosme de Me"dicis, e oqde
pela primeira vez, depois de um dia tSo
terrivel, encontrou algum reponso. N'a-
quella mesma noite foi preso seu irraSo
Alberto Savonarola, que por acaso-se 4cha-
va em Florence, massoltaram-n'o immedia-
tamente.
No dia" seguinte sahio frei Salvestro do
seu escondenjo. e, denuriciado por Sacro-
moro aos seus inimigos que ate ao romper
da manha se ha*iam regalado com delica-
dos manjares no refeiton^, sobre a pobre
mesa dos frades, foi preso.iV ,
Entratanto a senhoria, sem perder tempo,
enviava n'aquella mesma noite correiosa
Roma, a Mil8o, a Veneza, a Napolos, a
Florenca. a Hespanha e outras cflrtes, com
Procurei habilkar-me de novo para atraves-
sar a desfiladeiro ; mas as massas inimigas
obrigaram-me ainda a um novo esfarcp,
que me eustou 2,000 homens-. Desde en-
tao e- combate estendeu-se a teda a minha
linha; mas eu fiquei senhor das minhas
posieaes, e permaaeci a noite no campo de
batalha.
No dia seguinte, pela manhi, dispunha-
me a proseguir no- movimento ooraefadot
quando1 recebi novas ordens. Essas ordens
chegaram-me a 17 pelas dez horas- da ma-
nhi. Ja* se nio tratava de marchar para
Mars-la-Tour, mas para o lado- de Saint-
Privat. Executei-as immediataaaente, e ia
dirigir o meu quartebgeneral para o castelto
de Lagraoge. No deoorrer da noite fiz re-
former o-6.' corpo. Pela manhi-travou-se
a luta nos reconhecknentos, e a luta durou
das onze horas at6 as seis de tarde ; foi sua-
tentada pelas tropas do meu corpo de exer-
cito, que se bateram com grande coragem,
tendo o inimigo de abaodonar tres pecas-j
de artilharia, das quaes duas foram levadae
por mim.
Mas, ao descahir da tarde, as masses ini-
migas obrigaram-me a retirar, Bio obstan-
te ter vindo uma bateria da guarda susten-
tar a minba reserva de artilharia. Luta-
raos, comtudo, sempre, procurando manter
as posiroes nos bosques, que bavieraos ga-
nho. Creio que as perdas foram conside-
raveis de am e outro lado, comquanto o
inimigo fosse superior em numero. Eis
aqui quanto posso dizer a respeito desta
batalha.
Presidente.Quando comeoou o comba-
te de Borny, estavam as vossas duas pri-
meiras divisdes e vossas bagagens na
margem direita do Moselle. Quando ini-
ciastes-o vosso movimento effeosivo havia
outras- tropas ?
R.Nio havia senao as tropas do meu
corpo de exercito ; os caminhos nao esta
varo de maneira nenhuma obstruidee.
P.Havia comtudo os carros, que impe-
diram o 3. corpo de podee proseguir no
seu movimento?
R.Havia uma equipagem de ponte que
tomava uma distancia consideravel, e havia
os impedimentos de todos es outros corpos
tudo quanto haviam pedido, incluindo a au
torisacio para julgar Savonarola e os seus
companheiros. Recomraendava unicameu-
te que apenas julgados me fossem entregues
para os fazer soffrer a pena merecida.
Em quanto a certas petigdes da senho-
ria, fazia-lhe largas promessas.
Do mesffio mode, o duque de Milio, mau-
dava por um correio expresso, cartas de
congratulagio & senhoria ; mostrava-se pro-
picio & republica, promettia auxdia-Ia em
todos os perigos, e entregar-lhe dentro de
pouco tempo- a cidade de Pisa, perdida
desde o desterro de MeMicis.
Porera as noticias mais grata* aos inimi-
gos de Savonarola, viobam d'oude menos
seesperavam.
As cartas recebidas de Fran$a traziam a
noticia de que no raesmo dia em que de-
vera ter tido lugar a prov'a de fogo, morre-
ra em Amboise o rei Carlos VIII, protector
dedicado de Savonarola.
0 seu fim fort miseravel, a n'este ponto
havia Savonarola sido propheta," porque ti-
nha prophflisado .^ae a morte d'aqueue rei
seria desastrosa, por ter abandonado a obra
do Senhor.
AccommeUido da um ataque de apople-
xia, foi mettido n'um hospital onde expirou
sobre a pal ha, cercado de materias hedion-
das e repugnantes.
. Difficilmente se poderia verificar mais op-
portune men te uma prophecia, nem com
maior damno do propheta.
Savonari la perdia em Carlos VIII 0 sea
um relatorio do que tinha acontecido, apre- mais forte B valioso apoio ;.pflrila-e quando
scntanio os faetos a seu mode e segundo a d'elle depWi lia a sua salvajao, no momento
do exercito.
R.Foi depois de me ter assegurado que
R.Tinha'mos feito vinte kilometros ;
as tropas estavam extenuadas e nos tinhamos
de ganhar o inimigo de prompto, porque
tratava de nos cortar.
P. Mas a necessidade de vir busca-las
nio podia impedir-vos deauxifiar o mo-
vimento offensive ?
R.Nio o fiz senio com a divisao Gre-
nier.
P. I'm dos membros do conselhos de-
seja saber se apesar da batalha de Borny,
o exercito teria podido passar pela estrada
deEtangs?
R. Tinha tentado fazer passar uma das
minbas divisdes, mas a obstruccao era tal,
que nio pude executar aqoella ordem.
P. Terieis podido retomar a 17 as po-
sicdes de Mars-la-Tour ?
R. Nio sei se o teria conseguido, mas
tel-o-hia tent P. No case de teres podido repellir o
inimigo, ter-se-hia podido eontinuar o mo-
vimento sobre Verdun ?
R. Creio quese tivessemos alcancado a
vantagem, nio teriamos tido nacessidade de
ganhar Verdun, por isso que o resuhado
teria sido immenso.
P. Jolgais que teria sido possivel a f *
reoccupar Saint Privat?
R. As tropas rondarara ate* pela manhi
daquelle lado para retomar as suas muchi-
las, e ter-se-bia podido reoccupar a posicao
durante a noite. Na manhi seguinte nio
set o que terra sido possivel fazer.
P. Julgais qua a ordem de 18, indi-
cate o abandon das posicdes- que deviam
aesegnrar a estrada de Briey?
R. Nio ha du vi la a esse respeito.
& general Bourbaki, governador militar
da cidade de Lyao. A 14 recebi logo pela
maohi ordem de passar para a margem es-
querda do Moselle; pelas tres horas, fur
informado de que havia am ataque. A'quella
hora,. pouco mais-ou-menos, viocotnman-
dante-em chefe. Tendo collocado as minhas
tropas em posiciov- susteetei o esforgo do
inimigo-, sem soffrer grandes perdas e sem
ser obrigado a recuar. Terminado o-com-
bate, perguntei ao marechal se era neoessa-
rio coctinuar o morimentoprojectado-; res-
pondeu-me affirmativamente.
A 15- partio o marechal e ievou-rae a
divisao de atiradores, ordeaando-me que
passasse o desfiladeiro de Gravelotte com a
divisao de granadeiros: o qae eu fiz. Na
manhi seguinte, julguei dever me aproximar
da divisao de atiradores. J a accao estava
empenhade. Apenas eu acabava o meu
movimento, aproximava-se de mim um jo-
ven official, o sobriabo, creio eu, do mare-
chal Bezatne. Disse-me que seu tio acaba-
va de se:- sorprehendido por uma partida de
uhlanos, e que eu devia sustentar a retirada.
Apresentava a apparencia de-um mancebo
um pouco perturbado pelo que acabava de
ver. Nao deixei pela miuha parte de tomar
medidas para saber o que se passeva, c ao
mesmo tempo de executar os-movimentos
que a salvacio do exercito podia exigir; a
minba divisao de atiradores avaDQ>u reso-
lutameute, e ganbou sobre o inimigo pelo
menos 2,009 metros.
Um pouco mais tarde, ouvi grande es-
trondo de metralbadoras ; o combate estava
no seu maior auge. Querendo saber se po-
dia avancar mais, mandei reeeber ordens
do commandante em chefe, a respeito da
sorte do qual eu ji estava tranquillisado ;
mas elle deu-me ordens pare me conservar
nas minhas posicdes. Esperei no meu cam-
po de combate ate ao dia seguinte pela ma-
nha, julgando que de novo marchariamos
para a frente ; mas a 17 recebi novas ins-
tructs e segundo ellas devia dirigir-me
sobre Metry, entre Plappeville e Saint Julien.
Neste meio tempo occorreu a batalba de
Saint Privat. Tenho agora peuco que dizer.
Tive a honra de ver o marechal a 14 e a
16; mostrou-se sempre muito bravo, e um
pouco incommodado por todos n6s. A 18
um capitio de guies, o cap-Lao Mornsy,
trouxe-me um bilhete do marechal Le Bceuf
para me aanuncur que estava ameacado.
Perguntei ao capitio Mornay o que havia
alii a fazer-. Elle respondeu-me o que jul-
dia treraendo, justificavam o seu. somno ;
porem aquelle somno era mais uma pros-
tra^ao, um tormento.
Envolto em seus habitos dormia no raes-
mo leito de carvalho, em que dormira
annos antes Cosme de Medicis.
A unica mudanga consistia nos colchdes
e nas roupas.
As parades estavam ennegrecidas. pelo tem-
po, a abobada era pesada e baixa, e o chao
de raarmore muito sujo e maltratado.
Uma estreita porta de ferro, a um canto,
era a unica entrada, e uma pequena e pro-
funda fresta, a grande alt ura, junto da abo-
bada, guaruecida com varoes de ferro, era
o unico respiradouro por onde podiam en-
trar no calahouco o ar e a luz.
A mobilia consistia eta uma mesa de car-
valbo e em algumas cadeiras antiquissi-
mas.
Tudo isto se via a* luz de uma lampada
colloca la sobre a mesa.
Havie mais sobre ella um crucifixo, um
breviario, uma Biblia, ura tinteiro, algumas
folbas de papel e um grandejarro de estanho
cbeio de agua.
Tudo aquillo fdra levado para alii no mo-
mento em que a senhoria recebera a raen-
sagem de Savonarola, maoifestendo-lbe que
estava prompto a entregar-se nas suas mios
SiogUlar contraste I A mesma prisio
queencerrara um aseendente do grande ini-
migo de Savonarola, encerrava agora a
este.
0 triumpho era completo.
Aquella tentativa de reforma tio fune ta
no seu resultado, fdra reduzida i impo-
tancia. fflKlfi liyH
A senhoria por si s6 nlo poderia ter che-
gedo aquelle resultado. ...,/
Quaalosele a historia de Savonarola,
quando se chega a" catastrophe, apparece
=====
gave conveniente.
minha infantaria ;
d'Arnanvillers medKufiflaev
estava empenbado eaHc^ts^ dir^i-me"_
Cheguei a Gros-Chene e preveni o mareehal
po do ||petpf Lat^rM, pedido soccorro,
mandei toda a minha divisio de granadeiros,
os zuavos e cinco baterias para a frente de
Saint-Privat, e de Saint-Marie aux Chopnes;
repelli todos os ataques do inimigo. Foi
so As sete boras que en retomei as uiiohas
antigas posicdes. J ||
P. Tinheis recebfdo pedidos de soccor-
ros do marechal Canrobert, ou ordens do
marechal Bazaine para fazer marchar para
a frente a vossa divisio de granadeiros f
R. Nenhuan pedido de soccorro, e ne-
nhuma ordem.
P. Nio tinheis rccebido ordem para
fazer sustentar o 3.# corpo pela vossa divisio
de atiradores ?
R. Mas esta divisio estava A disposigio
do marecbel Le Bceuf.
P. Tinheis a liberdade de marchar em
soccorro dos corpos de exercito que estives-
sem ameatjados?
R. Nio completamente, por isso que
muitos dos meus regimentos tinham stdo
desta cados.
Presidente. Apresentou depois A teste-
munha as mesraas perguntas que dirigio ao
general Ladmiraul, relativamente aos mo-
vimentos depois de batalha de Borny.
0 general Bourbaki iimitou-so a drzer que
os caminhos estavam obstruidos pelas ba-
gsgens.
0 general Pourcet. Tinbeis mandado
um dos vossos offlciaes ao major general,
por occasiac da acgao do dia 19?
R. Mandei effectivamente ao general
Jarras um doe meus ajudantes de campo
antes- de marchar sobre Plappeville.
P. A 16, as vossas divisdes bivacaram
no campo ; a 17 retomaram as posicdes de
Plappeville ?
R. Perfeitaraente. A 18 e a *9 esti-
vemos nas- mesmes posicdes-; foi so- a 20
que rettramos para debaixo da artilharia de
Metz.
O- general Froxard ( antes de chegar A
barra, cumprimentou o mareehal Bazaine .
Antes de responder A pergunta especial
que se lhe apresentou, o general Frossard
manifestou o sentimento de nao poder ex-
plicar-se desde logo sobre a passagem do
relatorio, que trate da- batalha de Forbacb.
A 13, disse a testemunha, dea-se ordem
para executar o movimento de retirada sobre
a margem esquerda da Mosolle. A teste-
munha conta-os incidentes que impodiram
aquelle movimento e detalhou os faetos que
tornaram notaveis as batalhes de Borny a
de Saint-rTi vat j co mo fizeram as precedentes
testemuuhas.
P. Qual era a posicao em que- o vosso
corpo de exercito se achava na noite de 18
para 18 ?"
R. Occupavao flaneo do lado de Saint
Qaintino, e dues povoaQdes que tinha t'orti-
ficado- pela manha.
P. A posicao que tinheis occupado in
dicava o ebandono do movimento de reti-
rada t"
R. Estava na frente de linha dos-fortes.
P. Ate quando' vos eonservastes nessa
dosigao ?
R.Ate A noite de 25 pare 26.
P.A posicio tinha sido bem estudada a
18 pelo chefe de estado-maior ?
R.Julguei que o recoohecimento feito
a 18 tinha por fim rectificar as nossas li-
nhas.
P.Julgais que o exeroito estivesse real-
.-nente ameacado na sua esquerde?
RNao o julgo ; a posicao da esquerda
era magnifica.
P.Tinheis recebido ordem pcra nao ir
mais alera de Rezonville ?
R.Sim ; suppuz que era em consequen-
cia da demora lmuosta a alguns corpos pe-
la batalha de Borny.
General Jarraschefe do estado-maior
do marechal Bazaine, chamado a depor so-
bre as accdesdo dia 14, 15, 16, 17 e IB
de agos:o, confirmou as informa^des dadas
pelas testemuuhas precedentes. No que
diz respeito mais especialmente As funcc,oes
de cheie do- estado-maior do exercito e Acer-
ca de uma pergunta feita pelo presidente, o
general Jarras declarou que poderi-* trans-
mittir ao conselho o seu registro, contendo
fez a leitura das diflaren-
servico, especialmente a da IS,
convidando o 6* corpo a recoobecer a posi-
cao, a aproximar-se de Rexonrille, e depois
de Mars-(a-Toar. i f\
Presidente.Pedereis precisar a bora em
que foi mandada a ordem de 18, conviuan
do o corpo de ciercito a concentrar-se
sob Metz?
General Jarras.Creio que essa ordem
foi mandada de tarde.
0 general Pourcet commisssrio do go-
vernij.Foi essa ordera redigid* antes do
reconhecimento operado pelo coronal Lowal.
ou depois de expedido para o estado-maior
o seu relatorio ?
R.Se bem me lembro, foi redigida de-
pots do reconhecimento do coronet Lewal,
e na conformidade das informacOes forneci-
das por elle.
Eneerrou-se a audiencia As cinco horas e
quarenta e cinco rainutos, ficando adiada
para odia seguinte ao meio-dia e meia bora.
Presidente.0 general Soleilre, nao es-
tando em estado de eomparecer peranfe o
conselho, convido o escrivio a faaar a lei-
tura da parte do seu depoimeoto qoa sa ap
plica aos grupos de faetos comprebendido-
no segundo periodo das operac,6es militares
desde 12 ate 19 de agosto.
0 eserivao leu : 0 general Soieille,
idade de 73 annos, depot qwa a It. a praca
de Metz comixiba um material de artilharia.
consideravel. Quanto As manigdes de in-
fnnteria, declarou que o exereko do Rheno
nunca possuio o seu aprovisionaraento nor
raal.
TraUudo das batelbas de 16r 17 e 18 dV
agosto, a testemunna declarou que as mu-
nicoes de artilharia e de infanlerw se acha
vam quasi exhaustas, Aias. que teria sido fa
cil renova-las, mandaudo vir comboios de
Metz. Alem disso, a 22 os parques-de arti-
lharia acbavam-se reconstituidos, e as tro-
pas tinham nas suas patruaas os uovento
eartuchos do regulaaaento.
Presidente.Comoconipleraeato do de-
poimento, ordeno, em virtude do raeu po-
der discriciensrio, que se face leitura da
carta dirigida ao general rotator, 5 de
agosto de 1872, pelo general Soieille.
0'escrivio fez leitura desta carta, conten-
do oa pormenores do cons'ime das muni-
coes de artilharia e de infaoteria nas bate
lhas de 16,17 e 18 de afotto.
Era resumo, declara o- general Seiaille.
que o exercito tinha 108,000 tiros de arti
lheria, tendo o consumo da tres dies sido de
tiros 70*000. linha K.tW.OOO cartaebos ;
o consumo eleva-se a 3\ 120,000 eartu-
chos.
Mr. Vasse-Saiat-Oaen, de 59 annos
de idade, coronet de artilharia, de-
clara que as demons qae se nob pro-
duzido na marcha dos corpos de exercito, e
especialmente uo movimento prescripto ao
V corpo, tinham sido principalmente devi-
das ao facto de se acharaaa obstruidas a*
estradas.
Quanto ao dia 1*. a testemunha depo/
que o general Soieille, tendo sido preveni
do de que ao 6 corpo faltava muawedes.
deu ordem- para se lbe msodarem seis ba-
terias de 12, e que fez avaacar os coraboio-
qne se achavam ae planicie de P.eppe
viile.
P:i'ossuia o exercite do Rheno a sua
reserva geral no dia 18, isto e, por occasiac
da- batalha de Gravelotte ?
R.A reserva geral tinha-se reuoido a
13;A noite.
P;Nio sedeveriax ter furnecido muni
0es ao 6 corpo durante a batalha do Saint
trivet?
R.NSo, porque e reserve geral era uma
reuniio de baterias de artilharia, mas sem
municdes.
Ocoronel declarou que o general Soleil
le recebeu ordem de marchar a 14 para
atravessar o Moselle. A batalha de Borny
demorou aquella marcha. A 16, o gene
nera! Soieille deu ordens, em virtude da
quaes algumas baterias de reserva, eoa nu-
mero de seis, foram mandedas para diflbren-
tes corpos.
0 coronel entrou em pormenores icerca
das ordens dadas a 17 e 18. k VI am
unico corpo mandou buscar muni(tes, de
maneira que a 18 ainda possuiaraoa rauito-
caixdes, que podiam ter sidi distribuidos.
(ContiMuar-se-haJ
indoje do governo a quem escrevia. j em que o rei parecia voltar os seus peosa-
Eucommendaram ao enviado a Roma, que mentos para as coosas da Italia e para a re-
impetrasse do papa uma absolvicio geral forma da igraja.
das censures era que podiam ter incorrido, Carlos 11!. oo momento preciso, quando
Unto por hover tolerado as predicas deSa- lotna^a a ser ura perigo grave para Roma,
vonarola, como por ter levado o sangue e cahia como que fend o fog. A case do Rumor e ter posto mio dia em que cahia o reforraador. tu'o. que lomina tudo, que fax nascer ini-
em pessoas ecclesiasticas. I ^v"
Pediam aJAm d'isso, autorisacao para po- savosarola.
der julgar os tres religiosos, e aproveitavem- Haviam passalo apenas algumas horas
se tambem da occasiio p ra varies solirita- depois que Savonarola fdra encerrado no
gdPS impnrtantws calabour,.) cha jtlo o Albergltettino.
0 papa respon leu .-.-. gra1 Jo s^licita- Em=mnu noite,
de aos senhores Qarcnl::u;5, charaando-lhes Sav.giarola dormia, apezar da tristissimo
verdadeiros fillios da igreja, concedendo- e d.dsesperada situaoio em que se achava.
Ihes completa absolviijSc. e. Innlmente, A fadiga, o cuidado, os azares daquelle
migo* centra Savonarola,
for mais que fosse justa e necessaria a
dcreza de Roma contra um refohmador for
ra'davel, ha o quor quo seja de terrivel ua
tenehrosa inlriga em que este reforraador foi
envolvido.
Ye-se a astute, a tremenda mio dos Bor-
gias, tecen 'o pacientemente 6s tins de ouro
Ua rede em qae Savonarola devia encon-
trar-se preso, desarmado, desprestigiado,
morte.
Deus permittia que maos manchadas pelo
crime defendessera o immaculado, o grande,
o santo, a igreja de Jesus Christo.
Eram aquelles uns tempos taes de corrup-
cao, de transicgio, de evolucdo social, de
renascimento, emtim, que se a igreja nio
tivera sido basts-.te forte para resistir por
si sd aos reformadores, Savonarola teria
annullado Luthero na obra da heresia.
Nio A um romance o lugar mais a propo-
sito para nos occuparmos de um assumpto
completamente tbeologico.
Savonarola enganou-se julgando que se
podia atecar fundamentelmente o poder do
papa sem aUcar a igreja.
Quiz separer o homem do papa, e para
isso pregou uma doutrina que nio podia
ser tolerada sera que cahissem sobre ella
as graves censures da igreja.
Savonarola dizia, e n'isso consistia o seu
grande erro :
O papa e a cabeca vieivel da igreja ;
porAm a igreja tem eterna e immutavel,
uma cabeca invisivel, Jesus Christo. Exis-
te, pois, uma primeira e uma segunda cau-
sa : a primeira causa e Jesus Christo, a se-
gunda o papa. Quando o homem investi-
do da alta dignidade de pontifice e indigno
d'ella, deve protestar-se contra ella, decla-
rer vago o governo visivel da igreja, por
isso que a igreja nio hear A sem cabeca,
sendo govemada pela primeira causa : Je-
sus Christo.
Isto nlo*'estava estabelecido nem recebi-
do pela igreja ; era uma idea nova, peri-
gosa, que at cavs na forma e no fundo a
igreja, e tornava-sa, por consequencia, he-
retice.
Certo A que Savonarola pedia um cod-'
cilio, isto e, submettia A igreja o juizo da
sua reforma.
PorAm nem Savonarola tinha autoridade
para provocar um concilio, nem a igreja
podia reunir-se roprescntada polos seus bis-
pos para se occupar de uma here*ia.
En ultimo case, Savonarola foi irn louco
fuoesto.
E, tal estavam aquelles tempos, tal era a
poderosa eloquencia de Savonarola, a sua
fe, o seu fanatismo com respeito A sua dou^
Jtrina, a sua apparenqia devirludo, a ejA?r-
gia indomavel do seu caracter, o fogo da
sua palavra insistente, que se Deus nio ti-
vesse feito invencivel a igreja, como era, c
e serA necessario, ninguem sabe o que te-
ria causado no mundo o fanatismo de Savo-
narola.
Se este se tivesse resuraido a atacar os
Borgias ; se nio tivesse preteodido ianovar
a disciplina da igreja ; e, sobretudo, sa nao
se tivesse attribuido e mararilhoso dom da
prophecia ; se nao tivesse fellado em visdes
e rovellacoes ; se nio tivesse pretendide ap-
parecer, como un enviado pela graea, Sa-
vonarola, respeitaado a igreja, eritando a
heresia eo scisma, nao teria sido senao um
imitador d'aquelles santos e grandes varoes
que atacaram os vicios em qualquer lugar
que os encontraram, respeitando sempre a
inviolabilidade e a immutabilidade da igreja
PorAm fazendo o que fez ; se praticou de
boa fe, envolto no erro, foi um louco.
Se o fez por ambicio ou por qoalquer
outro objecto mundane, foi um herage me-
nos formidavel que Luthero. ,. .
Seja como for, estes reforraadoras tem
perecido envoltos na sua obra.
0 cathohcismo A a universalidade.
Existia antes de maoifestar-se, e acistiia
sempre, porque os seus principios sio eter
nos, necessarios, santos, immutaveis; por
que estA na eesancia da tudo quanto extste
na regiio do espirito ; porque serA sempre
uma verdade que o raal nio pode or iduzir
o bem ; que o homem foi creado uvre por
Deus ; qae todos os bomeus sao creator as
de Deus. filhos seus, e por consequencia
iguaes ante elle ; que nio ha mais do que
uma so e abeolita justica ; que o Evauge
loo, finalmente, A um codigo parfeiio, di-
vino, cuja sabedoria, cuja coovenieaoia nio
pode ser desconheoida por oiugutm qae
siuta de um modo recto; que Ua, A, e serA
em quanto existir a bum.ioidade, para a
qual foi pregado esse codigo etarn por uma
bocce diviua. Savonarola esqneceu isto;
rebellou-se contra a vetdade e cabio t
lo pel* sua propria rebeldia.
(Continnar-se- h at
TYP.lw) DlAR;o ,RVA W-QUftOECAXU.-
X.






Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E694Z2WEU_XFBXCB INGEST_TIME 2014-05-22T21:53:37Z PACKAGE AA00011611_17556
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES