Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17543


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L. NUMERO ff

4
)
3
ft
I
PAItl A CAPITAL E LIMUM* ONDE K& SE PACiA 1MR
Tor tres mexea adiaotados...........
Por seis ditos idem. ......
Por um anno idem......
Cada numero avulso ........
1WKW0
245JOOO
$320

SEXTA FEffiA 9 DE JANEIRO DE 4874
PABA DG^TROE FOB A DA PBBKMWIA.
Por tres meaes atfiantados........... .
Por seis ditos idem............-
Pot nove dkos idem .. ......*
Por um anno idem.
09750
1396o
K)|tt50
DE MANOEL FIG
DE FARIA & FILHOS.
*
^*T"*ta-i Lw..!^ G0Md.SaM. tab,*., ib Wa-*-.*.**., M^-taS.^., fcttUto, D^M4.C.*...bf.
iotomoFerreir.deAguiar.^mGoj^m.iJoio Mumo Mch u___________________;-------:----------1----------------------------------- -----
PARTE OFFICIAL
Minislerlo da fazenda.
Senh'jr. 0 governo esta autorizado para in-
novar o contrato celebrado com o Banco do Bra-
sil em virtude da lei de 12 de seterabro de 1866.
0 pensameoto da lei de 17 de setembro ulliiro e
habihtar o Banco para prestar mais iraportantes
auxilio* a lavoura nacional, ampliando suas ope-
raeoes hypothecarias sobre as bases da lei de 2i
de setembro de 186V, qoe regala a orgamsacao
das soeiedades de credito real, e mediante condi-
coes menos onerosas do qae as dos contratos ac-
A lei de 1866 mandou separar da antiga cartei-
ra desse estabelecimento 31,000 eonlos em titulos
do* mais proprios para se converterem em obn-
gacoes hypothecarias, mas parto desses titulos ft-
*aram sera valor real, e nern toda a sua importan-
cia liquida foi effectivamente empregada em novos
emprestimos daquella uaturesa.
A divida uypoihecaria, em 30 de junho proxi-
mo passado, data do ultimo balance, pouco exce-
dia de 18,000:00')*; eolretaoto |ae do fundo des-
traado a essaj operacoes havia disponivel raais de
5,000:0 )0i, e destes edrea de 4,500 empregados
em apolices da divida publica.
Tendo presentes estes factos, o legislador de
W6 fixou em 25,000.000* o minimo do capital
da caixa hypothecaria do Banco, d-'terminando
que seja esta somraa preenchida com apolices ou
raoeda current* da carteira commercial, reinte
arandose do mesrao modo sempre que sollra di-
miauicao em consequencia da prejuizos superve-
OlSUtdS. ,
A mesraa lei de 1866, decretada quando eram
criticas as circumstancias do Banco, e couvinha
sobretudo prover ao resgate de sua circuiacao li-
duciarla, nao fixou o maximo do juro nem o da
amortisac-ao dos emprestimos coastituidos sobre
hypothecas de bens ruraes.
O decreto de 22 de julbo de 1867, que deu re-
"Olamento a reparticao hypothecaria, estabeleceu
ojmo raaximo do juro o do desconlo das letras
oommerciaes, b que quer dizer 9 % na generali-
dade: e corao limite da amortisacao, 8 %.
A novissiraa lei, offdrecendo ao Banco a vanta-
tram de resgaUr suas notas em eacala menor, rei-
"tringio a 6 / Juro &oi contratos feitos com os
proprielarios agrlcolas, e a 5 / a Uxa de seas
pa^araentos annuaes. A annuidade, que, em ge-
rail era de 17 -/. passara a ser de 11 /
Ate hoje a rotirada das notas do Banco tern si
do feita annualmente na proporcao de 5 /, com
quanto o governo pudesse elevar esu taxa ate 8
/.. A propor^o ora concedida e de 2 1/2 />
calculada sobre a mesma importancia da emis-
sao restante em 1866, isto 6, sobre 45,600:000*.
Corao consequencia deste oovo favor da lei, e
da obrigacao de empresur a longo prazo, espa-
oou-sa por mais 14 annos a daracao do Banco, a
ijual de outro mudo acabaria em 1865.
Por um lado, sendo perigoso forgar o eraprego
dos 2i.000:000* em praw muito curto e fatal, at-
tentas as garaulias ue que devem ser reveslidos
OS emprestimos hypothecarios, e a inevitavel de-
mora do seu processo; jwr outro lado, devendo
a lei assegurar sua fiel execugao no tocante a
-somma das vantagens promettidas a industria
agricola, adopiou o legislador um alvitre razoa-
vel entre o demasiado rigor e a absoluta con-
lianca. .
Este alvitre consistc na elevacao da taxa do
resgate das notas do Banco, em relacao a somma
que faltar para que os emprestimos hypotoecanos
a lavoura perfacam o minimo de 25,000 contos :
sobre o algarismo igual a differen^a entre este ca-
pital e a importancia daquelles contratos o resga-
te se fara, nao na proporcao de 2 1/2 / mas na
de8/.. ... D
Dest'arte liavera um mcentivo para que o ban-
co nao contraia, antes amplie seas aaxilios a la-
voura, pelo meuos ate aquelle limite.
Se o Banco nao annuisse as referidas condi-
coes a quota da extinccao gradual de suas notas
deve'ria ser fixada cm 8 % maximo autorisado
pela lei de 12 de setembro de I806.
As condicSes da lei da 17 de setembro foram
aceitas ; e ouvida a seccao de fazenda do conse-
Ino de estado sobre o projecto de nuvo contrato
proposto pelo presidente daquelle estabelecimento,
bem como sobre as emendas que me pareceram
convenientes, e as observacoes que estas suscita-
ram por pa'te 'lo mesmo Banco, formulou-se, afi-
nal, o accordo que ora tenbo a bonra de submet
ter'ao exame e approvacao de Vessa Magestade
Imperial. .
Todas as disposes da lei estao ani escrupu-
losamente respeitadas.
SXo so foi rouilo attendido o preceito especial do
legislador na fixacao do capital destinado aos em-
prestimos sobre bens ruraes, como procurou-se
augmentar os recursos da caixa hypothecaria por
nma derogaqao do art. 8* dos estatutos de 1870.
A lei e os estatutos de 1866 marcaram por li-
mite do fundo de reserva do Banco 30 /< de todo
o sea capital realisado, mas a reforma de 1870
Blevou a 50 /. aquella garantia.
Hoje pode-se voltar ao maximo da lei de 12 de
setembro de 1866, e reforcar com os 20 7. res
tantes 0 capital das operacSes hypothecarias.
K verdade que, obrigado 0 fundo de reserva a
cobrir os prejuizos emergentes das transacQoas
annuaes do Banco, pode descer daquelle maximo
4epois de attingi-lo, e sendo mister integra-lo, nao
se dara, entretanto, 0 desejado accrescimo ao ca-
pital fixado para- a caixa hyjMthecaria; mas os
ftuettos desta eventualidaJe ?ao altenuados pela
restricjao do quantum dos dividendos, que nao
4ode exceder de 10 / segundo 0 mesmo art. 8*
dos estatutos de 1870, restriccao que contmua a
ubsistir. ..
A sanccao da lei, para conseguir-se 0 effective
(imorego dos 23,000 contos em BeneQcio da lavou-
ra, fot applicada de modo mais eCQcaz, concilian-
do-se a cautella requerida pelo Banco, que teraia
comprometter se pot um prazo menor de 3 annos
com 0 interesse publico qua deve corresponds
ta imporunte favor ora concedido a esse eslaoe-
ii>cimento-. ..
0 Baoeo tera nm anno para cumpnr aquetia
indeclinavel disposicao da lei, goaando do pleno
I'axor do resgate de suas notas na razao de 2 l/z
/.: se porem, findo esse primeiro anno, nao tiver
realisado os 23,000 contos de emprestimos hypo-
thecarios, no anno seguinte a taxa do resgate, so-
bre a differanca, sera de 4 /, no 3 de 6 7. e do
i anno em diante de 8 7-
A circnmscripQao territorial para as operaooes
hypothecarias e consideravelmente alargada.
Actualmento s6 comprehende 0 mnnioipio da
edfte a provincia do Rio de Jaaeiro e os taunici-
pio? limitrophes de S. Paulo, Mlnas Geraes e Es-
pirito Santo ; pelo aeconto e*tende-se a tod .s 0?
munieipios fkiXii provincia", e as do Parana e
Santa CatharTna. Nao recusaria 0 governo inator
areumscripcao, mas a aflmiuistracao do banco nao
iulgou isso pralicavel, allegando consideracoes
ponierosas, e pedio ser dispensada de uma faeul-
dade que poderia acarretarlho queixas de espe-
rancas mallograda?, ao mesmo tempo que difflcul-
tasse, talvez, a organisacao de oatras soeiedades
locaes.
A nova lei estendeu as soas benignas disposi
cies aos emprestimos realisados antenormente sob
hypotbica de estabelecimentos agricolas. Esta sa-
latar provideaeia e consagrada no paragraphs
unioo do art. 7. do presente accordo, permittindo
*> qua mejmo os devedores ja iocursos em falta
de ponlualidade posam aproveitar-se das novas
condicdes, pela forma que cenvencionarem com
0 credor, eomo 0 previra a legislate vigente, ou
em termos mais tavoraveis.
Coastituida a reparlicao hypothecaria do banco
do Brasil em perfeita institui^ao de credito real,
conforme os principios da lei de 24 de setembro
de 1864, era chegada a occasiao de utilisar-se da
faculda le quo Ihe estava garantida pelo artigo 7.
dos estatutos de 1866, a de emittir lettras hypo-
thecarias
De Wto, 0 banco se propoe a entrar nessa or-
dera de operates de credito, por meio das qnaes
podera fazer emprestimos ate ao decuplo do capi-
tal da caixa hypothecaria, uma vez que consiga
attrahir uma parte dos capitaes disponiveis para
esses titulos de pequenos valores, assaz garanti-
dos, que vencem juros e sao tranferiveis como os
bilhetes do thesouro, podeado ter alem d'uso a
perspeetivade um premio em sua amortisacao an-
nual por sorteio.
A emissao das letras hypothecarias apenas come-
ca a ser ensaiada entre nos pelos banco predial
desta cdrte ; e neohuma associa^ao brasileira esta
em condicoes tao vantajosas como 0 banco do Brasil
para acreditar esse in*truraento economico, nacio-
nalisando-o, por assira dizer, no imperio, cuja la-
voura 0 solicita e corapensara abundantemente os
seus services.
A lei de 24 de setembro de 1864 autorisa 0 em-
prego dos fundos das soeiedades de credito real.e
ate os seus depositos, era apolices da divida do es-
tado e era bilhetes do thesouro. Collocando-se a
reparlicao hypothecaria do banco sob 0 regimen
daquella lei, a permiss5 que tinha, por seus es-
tatutos, para emprgar 0 fundo disponivel dessa
caixa era apolices, fica exlensiva nio so aos bilhe-
tes do the.^uro, mas tambera as proprias letras
hypothecarias, que, segundo a citada lei de 1864,
podera dispensar, a vonude dos mutuarios, os em-
prestimos em numerario.
Este emprego das letras hypothecarias sera mais
um meio de lortalecer-lhes 0 credito e aniaoar a sua
circuiacao. .
Segulndo 0 exemplo da socledade -Credit Fon-
cier de Franco,entendeu a adra'raistrai;4o do
banco qua, por motivo de ordem e regularidade
da escripturacao, suas letras hypothecarias nao
devem veocer juro senao do 9emestre seguinte ao
da emissJo.
Alem de autorisado pela mencionada associa^ao
estrangeh-a, pareceu este systema sem inconve-
niente a secjao de fazenda do conselho de estado,
salvo 0 que nossapropria experiencia possaensi-
oar a esse respeilo. I
Nio In prejuiw uara nenhuraa das partes rate-
ressadas na traniaccao; nom para os que recebe-
rem da repirticao hypothecaria esses titulos, nem
para a dita repirticao quando emprestar na mes-
ma especie. No primeiro caso, 0 estabelecimento
paga, a quern Ihe comprar alelra.o juro do tempo
que faltar para completar-se 0 seraestre da emis-
sao, e as*im nao havera juro a pagar antes do se-
raestre seguinte; no segundo caso, da-se a opera-
cio invprsa, o rnutuario, que. recebe a letra como
emprestimo, paga a repartioao hypothecaria 0 ju-
ro contado desse dia at6 ae fira do semestre em
que e feito o contrato.
0 decreto e regnlamantn de 22 de jullio de 1867
redam emprestimos hypothecarios inferiores a....
10:000*000 ou superiores a 120:000*000. Aquel-
le minimo tinha sua razao de ser na garantia pre
caria de estabelecimentos agricolas de taadiraiouta
importancia. Nao obstante, porem, corao a dita
restriccao foi ceosurada no senado, por niraiamen-
te rigorosa para com a pequena lavoura, julgou-s
conveniente tupprimi la, agora oue se data naelhor
a reparticao hypothecaria, e 0 banco inspira bas-
tante eonlanca" por sua solidez e pela experiencia
de sua administracao.
0 raaximo de 120:000*000 foi mantido, para a
raais extensa e equitativa distribuicao dos auxilios
do banco; e nao sera de certo considerado muito
restricto, desde que se attenda a regra legal que
prohiba emprestimos excedentes da metade ou tres
quartos do valor dos bens hypothecados, segundo
sao estes ruraes ou urbanos.
A natureza e extensio das novas operac5es exi-
gem nao so a compleu separaeao dos capitaes e
das responsabilidades das duas caixas, commercial
e hypothecaria, mas tambera que a repartioao de
hvpothecas se appliquem as disposic5es do art. 13
|| 14 e 15 da lei de 1864, que excepluam da fal-
lencia commercial as soeiedades de credito real.
Taes sao, senhor, as alteracoes feita, pelo ac-
cordo a qiw me rerlro, nos actuaes estatutos do
banco do Brasil. Ellas receberam logo 0 seu na-
tural desenvolvimento logico, e foram redigidas em
conn-'xao necessaria com outro3 artigos dos mes-
mos estatutos, era que nada se innovou, ou que
apenas foram modificados em sua forma.
Tenho a honra de ser, senhor, com 0 raais pro-
fundo respeito.De Vossa Magestatfe Imperial,
muito reverente subdito. -Visconde do Rio Bran-
co. Rio de Janeiro, era 24 de dezembro de 1873.
Decreto n. 5,506de 26 de dezembro de 1813.
Approra e confirma 0 accordo de 24 do corrente
inez, celebrado entre 0 ministro da fazenda e 0
banco do Brasil.
Hei por bem approvar e connrmar 0 accordo de
14 do corrente mez, celebrado pelo ministro da
fazenda com 0 presidente e os membros do conse-
lho director do banco do Brasil, para execugao da
lei n. 2,400 de 17 de setembro de 1873, e que bai-
xa com 0 presente decreto.
0 riseonde do Rio Branco, conselheiro de estado,
senador do imperio, presidente do conselho de mi-
nistros, ministro e secretario de estado dos nego-
cios da fazenda e presidente do tribunal do thesou-
ro nacional, assim 0 tenha entendido e facaexecn-
tar. Palacio do Rio de Janeiro, em vinte e seis de
dezembro de ail oitocentos setente e tres. quin-
quagesimo sgundo da independencia e do impe-
rio. -Com a rubrica de Sua Magestade 0 Impera-
dor. Visconde do Rio Branco.
Accordo celebrado entre 0 governo e 0 banco do
Brasil, para execucao da lei n. 2,400 de 17 de
setembro de 1873.
Aos 24 dias do mez de dezembro do anno de
1873, nesta cdrte e muito leal e heroica cidade de
Sao Sebastiao do Rio de Janeiro, e na sala do tri-
bunal do thesouro nacional, entre 0 Illm. e Exm.
Sr. visconde do Rio Branco, ministro e secretario
de estado dos negocios da fazenda, e os Srs. Jose
Machado Coelho do Castro, visconde de Tocantins,
Dr. Jose Fernando* Moreira, conselheiro Joao Ma-
noel Pereira da Silva, commendadores Joao Bap-
tists da Fonseca e Antonio Jos6 dos Santos, pre-
sidente e membros do conselho director do banco
do Brasil, plena e eompetentemente autorisados,
foi aecordado que 0 contrato de 11 de outabro de
1866, celebrado entre 0 governo e 0 banco, fica
innovado, para exeencio da lei n. 2,400 de 17 de
setembro de 1873, na forna que expressam os
seeuintes artigos : ,
Art l. 0 banca la Rn-il. en|a duracao e
aroregada at*' 31 de dezembro de 1WK), ontinua-
ra dividido 0111 dOas reparticSes distinetas. poslo
que sob a niesma admimstragao, a saber:
mercfal e a hypothecaria (Leis n. 1,349,
a com
art. l.#,
mercial -
8 1., e n. 2,400, art. 2 )
Art. 0 fundo da caixa hypothecaria, des-
tinado especialraente a emprestimos sobre bens
ruraes, nio sera menor de 25,000:000 O0O, e de-
vera ser logo preenchido em moeda corrente ou
aoolicesda divida publica, retlradas da carteira
commercial, olo se contando para aquelle compu-
te os aetoaes titulos em liquidac5o da reparti^.o
hypothecaria. (Lei n. 2,400, art. 8 i.)
81 0 fundo de reserva, de que trata 0 art.
8." d s estatutos approvados pelo decreto n. 4,366
de 10 de agosto dc 1870, fica limitado a 30 / do
capital realisado do banco, augmentando-sa com
os 20 7. restantis o fundo especial da caixa hy-
pothecaria. ,
Sempre que, por motivo de prejuizos venfica-
dos na cobranca de titulos em Iiquidacao, 0 fundo
de reserva descer daquelle raaximo, suspender-
se-ha 0 dito augmonto do fundo especial da caixa
hypothecaria ate que se entreguem os 30 '/,; ob
servandose em todo caso 0 que dispSs 0 citado
art. 8. dos estatutos *de 1870, quanto ao raaior
dividendo que pode ser distribuido anuualoient
aos accioni*tas.
I 2. Nenhuma narte do fuudo de uraa das
duas eaixas, commercial e hypataecaria, podera
ser applicada a operacoes da outra, exsepto para
0 cumprimento do que se prescreve no presente
artigo. ( Leis n. 1,349, art. 1., e n.' 2,400,
art. 2. )
8 3. Depois de convertido era eraprestiraos 0
fundo destinado a reparticao hypot'aecaria, qital-
quer desfalque qae soffra ejsa caixa sera preen-
chido do mesmo modo que se doterraiaa na pri-
meira parte do art. 2.*
4. 0 fundo disponivel da caixa hypotueca-
ria, quo nao pular ser logo empregaJo em em-
prestimos a lavoura, podera sel-o provisonaraente
em apolices da divida publica, bilhetes do thesou-
ro nacional e lettras hypothecarias do prqprio
banco, oude outro estabelecimento de credito
real. (Leis n. 1,349, art. 18, e n. 1,237 de 1864,
art. 13, 16. )
Art. 3. A proporcao marcala no art. I.9, i o.
da lei n. 1,349 de 12 de setembr* de 1866, para 0
resgate das notas do banco, que ainda existem
era circuiacao, flea reduzida a 2 1/2 7. annuaes
da sua priraitiva importancia: e nao podera ser
alterada ate ao fim do prazo da duracio do esta-
belecimento, designado no art. 1, divendo dentro
desse prazo achar-se extincta a referida circuia-
cao. (Lei ns 2,400, art. !. )
Se por6m, findo 0 primeiro anno, contado do l.
de Janeiro de 1874, 0 banco nao tiver empregado
effectivamente em emprestimos a lavoura, sob as
condicoes da lei n.' (4M de 17 de setembro de
1873, pelo menos 25,000:000*. a proporcao de 2
1/2 <>/., para 0 resgate de suas notas, sera elevada
a 4 7 sobre a differenoa entre aquella somraa e
a dos ditos emprestimos. Findo 0 segundo anno,
a mesraa proporcao sera de 6 ','., e do quarto
anno em diante, de 8 7 calculida sobre a indi
cada differenca.
1. No resgate das suas notas 0 banco do
Brasil, dara preferencia as que restarem das cai-
xas Qliaes da Bahia, Pernambuco, Maranhao e
Para. (Citada lei n. 2,400, art. 2.* I 4.
Art. 4. As operacSes da repartigan hypothe-
caria consistirao:
1/ Em emprestimos sobre hypothecas de i.n-
moveis ruraes ou urbanos de longo prazo, ou de'
10 a 25 annos, pagaveis por annuidades succes-
sivas.
2.* Era emprestimos sobre hypothecas de im-
raoveis ruraes ou urbanos a curto prazo, ou por
menos de 10 annos, com ou sem amortisasSo.
3. Na emissao e negociacao de lettras hypo-
thecarias, fundadas sobre os emprestimos de lon-
go prazo, na forma do art. 13 da lei de ,i\ de
seterabro de 1864. (Dacreto de 10 de agqsto de
1870, art. 59, e de 22 de jullio de 1867, art. 2.)
Art. 5. Nos emprestimos, assim da longo como
de curto prazo, serao observalas as regras con-
tidas nos seguinte* paragraphos :
I I. A circumscripcao territorial destas .opara-
c5es comprehended 0 municipio da cdrte e as
provincias do Rio de Janeiro, Espinto Santo, Mi-
nas Geraes, S. Paulo, Parana e Santa Cathanna,
salva a faculdade de adraittir, por excepsao, hy-
pothecas de imraoveis situados era outros pontos
do imperio, com 0 fira de reforcar as garantias
dos titulos de dividas existentes nas carteiras do
banco. (Lei n. 2,400 de 1873, art. 2. decreto de
22 de julho de 1867, art. l., decreto de 3 de ju-
nho de 1865, arts. 2. e 3. )
8 2." Os emprestimos nao poderao ter lugar
senao sobre a priraeira hypotheca, constituida,
cedida ou subrogada, conforme a lei n.*. 1,236 de
1864 e regulamentos expedidos para sua execu-
tio. (Decreto n.c 3,471 de 1865, art. 18. )
3." Os emprestimos destinados ao pagamanto
de hypothecas anteriormente inscriptas, s6 terao
lugar quando por esse pagaraento a hypotheca
cedida venha a flear era primeiro lugar e sem
concurrencia ; com tanto que fique em poder da
repartigao hypothecaria a quantia necesaria para
pagar 0 principal da divida, juros vencidos e por
veneer ate a epoca do pagamento, e a soraraa pre-
cisa para as despezas da subrogacao, (Decreto de
1865, art. 19.)
Assira tambem ficara retida em poder da dita
reparticao a quantia precisa para pagar 0 princi-
pal e juros das dividas, cuja garantia hypothe-
caria haja de ser distratada pelos respective ere-
dores. para Ihe serera os mesraos imraoveis hypo-
thecados.
4.* 0 prazo des emprestimos, era casoalgnm,
excedera 0 prazo da duracao assignado ao banco
no art. !. desta regulamento.
g 5.' Nenhum emprestimo excedera a metade
do valor dos imraoveis ruraes, e a tres quar-
tos do dos iramoveis urbanos. (Lei de 1865, art
13, 8 5.'.)
8 6.* Nenhum emprestimo podera ser de impor-
tancia superior a 120:000*000. (Decreto de 1867
art. 3.)
' 7. Serao excluidas da hypothecs, para 0
emprestimos hypothecarios, as propriedades
rendimento precario e as de valor venal de diffleil
realisac,ao. (Decretos de 1865, art. 7.*, 5.*, e de
1867, art. 4.)
8 8. As propostas ou pedidoi dos emprestimos
conterao a designacao .dos imraoveis e sens rendi
mentos, com avaliacio especial de cada artigo, e
serao acompannadas de todos os documentos e
inforraacSes que, na forma da legislacao em vigor,
justifiquem 0 direito de hypothecar.
0 contrato nio sera firmado sem que se veri-
fique a avaliacao pelo process designado no art.
58 dos estatutos approvados pelo decreto n. 4,566
de 1870, e se pree cham as formalidadespres-
criptas no regulamento interno da reparticao hy-
pothecaria. (Decreto de 1867. art. 5.')
9. Todas as despezas effectuadas pela repar-
licao hypothecaria, para os exames e avaliacoes
dos imraoveis, serSo feitas por conta de queiu
houver requerido 0 emprestimo, ainda quando
este nao tenha lugar. (Decreto e artigo citado,
g 10. A falta de pagamento, na epoca devida,
da preslatio estipulada no eentrato, ou seja do
juros ou de amortisacao do capital, dara a repar-
ticao hypothecaria 0 direito de cobrar pela raora
0 juro qne fdr convenciooado, e igualmente 0 de
reclaraar 0 reembolio da totalidade da divida.
(Lei de 24 de setembro de 1864, art 4.', 8 -, 0
decreto de 1867. art.8)
Art. 6." N\3 contratos, que celcbiar. podera a
reparticao hypothecaria irapor as condicSes se-
guintcs :
1.* Tornar-se exigivel toda a divida e 0 rnutua-
rio sujeito a pagar uma indemnisaplo de 5 por
cento de sua importancia, se no prazo de urn mez
nio deounciar a alienacao. total ou parcial que
tenha feito do immoyel hypothecado, as deterio-
racSes que este soffrer, e os successos que Ihe di-
Obrifar-se 0 mutaario a segurar a parte adminislrajSo. (Decreto t>. 3,471 de 1863, arts.
rninuam 0 valor, e perturbem a sua posse, as
como se occultar facto- por ellq conhecidos
prodazam a depreciacao do immovel, e ex-
edilcada da propriedade contra os risoos de In
ceuliov-Jliftipre qua isso for possivel devendo ser
0 siKUtlior indicado pela reparticao hypotheca-
ria, enMHdo 0 seguro durante todo 0 pnzo do
A repirticao hypothecaria podera tambem re-
novsr 0Ipmiro, pagando 0 premio, que levara a
conra dSsfctaario. (Decreto da 1867, art. 6.)
Art. Y/Nos emprestimos hypothecarias aas la
vradorefllio se podera exigir juro superior a 6
par cemwao anno, nem tmortisacao annual maior
de 5 pof cento da primitiva importancia da divida.
As prestacfas de jnros e amortisasio serao pagas
por setsestres venciios.
Paragrapho mico. Os erapre3timos realisados
pelo banco ate a data do presente regulamento,
sob garantia de hypotheca de esubelec-mentos
agrlcobis, fleam sjjeitos a disposicio deste artigo,
alarganioo prazdcorao for ajustado com os mu-
luanos, uma vez We estes se prestem ao necessa-
rio actordo sobrl 0 modo de satisfazer a obriga-
cao imposts no 0 do art. 5..
Art. 8 Nas operacSes ou contratos de longo
prazo, alem dos prlceitos consignados nos artigos
anteriores, serSo Ibservadas as seguintes Tegras
especiaas : "
I.* Os empre?tiraB hypotheianos serao feitos
em dinheiro, ou em\ettras hypothecarias ao par,
a escolha do mutuaril (Leide 1864, art. H, 11.
(Decreto de 1863, arts 21, 22 e 23.)
2.* Oa emprestiraos'hypothecarios serao paga-
veis por annuidades soce'sivas, ou por antecipa-
cio. (Lei de 1864, art.\3. 8 7.* e 9.'.)
3.* As annuidades ferao catculadas de modo
que a amortisacio tota\ se realise em 10 annos
!elo nwnos, e era 25 nofnaximo (lei de 1864, art.
3, 8 ?') comprehende-ao 0 juro estipulado, a
quota de amortisagao e i porcentagem da admi-
nistracao, qua nao exeedjra a 0,2 por cento para
ds eraptestimos ruraes e A0,4 por cento para os
urbanoi (citado art. 13, 898.' e9.) ; 0 serao pa
gas em dinheiro e por seukstres vencidos.
4 Oj pagamentos por atecipacito poderao ser
de toda a divida ou parciaes reduilndo-se no se-
gundo caso proporcionalmrate as annuidades, e
effectuados em dinheirojouem lettras hypotheca-
rias ao par ; e darao a renrtic4o hypothecaria 0
direito de eobrar no mesraoacto uma indemnisa-
cio, qot nunca excedera a iin por cento da som-
raa effectivamente reerabolsada. (Lei do 1864, art
13, g 9-', decreto de 1867, ari 34 a 38.)
5. A arremata^ao ou aijU'cacao dos iramo-
veis pjra pagamento da. repirti;a) hypotheca-
ria, no) emprestimos de long) prazo, sera isenta
do immstode traotmissao. (Le de 1864, art. 13,
i liK -
Art. 9. A emissao das lettras hypothecarias nao
podera exceder a somma do valor nominal dos
empre^imos de longo prazo, nem ao decuplo do
capital da reparticao hypothecaria ; assira como
o total Jo valor nominal das que circularem nio
exc.idea a sjmma pela qual 0 estabelecimento for
credor por taes empre#imos. (Lei de 1864, art. 13,
8 6, dfcreto de I86T, arts. 40e 49.).
g l.*[As lettras hypothecarias terao a sua nu-
meraci de or Jem. que sera relativa ao anno da
sua ern|*sao ; serao extrahidas de um livro espe-
cial ? talao, e assignadas por um membro do
c.on>eho director e pelo presidente do banco.
(D^crtto de 1863, art. 48.) .
jr Seiao nominativas, e como taes transfen-
veis or endosso, ma3 so com effeito de cessio ci-
vil, odao portador, e traosferiveis pela simples
tradido. (Lei de 1864, art. 13,88 2C e 3', decreto
de 1815, arts. 41 a 44.)
3i As lettras hypothecarias e a sua transferen-
cia sefeo isentas do sello proporcional. (Art. 13,
12 daiei do 1864)
8 4f Deverio especificar 0 capital, que nunca
sera nferior a 1004000 (Lei de 1864, art. 13, 8
4,) o/jurosque vencerera, 0 tempo e 0 modo do
pagafionto das mesraas, que sera por seraestres
vencflos. (Decreto de 1865, arts. 55 e 56.)
gT* Se a emissao das lettras, alem das condi-
coespcima especificada', offerecer a de preraios
poriorteio, a imponancia destes e a sua distribui-
^iojerao mar^adas pelo conselho director, e de-
verj) constar tambem nas lettras.
6 A data dc pagaraento dos juros das lettras
dev'ra ser corabinada com a dos pagamentos das
anmidades, de raaneira a mediar 0 intervallo
de tes mezes, pelo menos, durante os quaos a
repjrticjao hypothecaria possa cobrar de seus de
vedires as annuidades com as quaes deve pagar
os jiros. (Lei de 1864, art. 13, 8 9. decreto de
186!, art. 57.) .
7. As lettras hvpolhecarias nao terao epoca
fixade pagamento, inaj serao pagas por via de
soreio, que tera lugar no dia designado pelo con-
selto lirector, nma vez em cada anno, e na pre-
senca de um membro do mesmo conselho, pelo
modo e para oj fins estabelecidos nos arts. 51,
52, 54 e 61 do regulamento de 3 de junho de
I863- .. T
g 8f De todo 0 processo do serteio e annullacao
das le(ras hypothecarias lavrar se-ha acta em livro
especial, de que sera enviada copia ao ministerto
da faanda.
8 9j As lettras emittidas dentro do seraestre so
daraojdireito aos juros do semestre seguinte; mas
os puitadores ou subscriptores pagarao de menos
a somna equivalente aos juros contados do dia da
emissao ate ao vencimento do primeiro coupon se-
raestrJ, 0 qual sera destacado da lettra. 1
Emconformidade desta disposicio, nos seus em-
presiihos a reparticao hypothecaria recebera logo
do rottuario, ou deduzira do capital que este
tenhade receber, 0 juro correspondente aos me-
zes oi; dias que decorrerao desde a data do con-
trato He ao fira do semestre em que 0 mesrao con-
trato ie flier. (Art 24 do decreto n. 3,471 de 3
de juiho de 1865.)
U. Os porudores das lettras hypothecarias
poderio deposiU-las no banco, recebendo desle
um certificado nominativo, que servira de titulo
tara a cobranca dos juros. Por este servico per-
ibera a reparticao hypothecaria a commi
oe 1/8 7*
Art. 10. Os portadores das lettras hypothecarias
si terao accae contra a reparticio hypothecaria.
(Lei de 1864, art. 13, J -) .
Art. II. A reparticao,hypotnecana podera ha-
ter de seus devedores, por meios conciliatonos, os
kens que Ihe forera hypothecados. ,
Paragrapho unico. Outrosim, podera haver os
litos beas, por meios judiciaes, nos segumtes
tasos: ,
l. Por via de adjudicacio, nas execucdes das
accSes hypothecarias que Ihe competem pela lei
ie 24 de seterabro de 1864 e regulamento n. 3,453
de 26 de abrii de 1865. : .
2." Por via de licitacio, nos casos de remissao
requerida pelo adquirente do immovel hypotheca-
do, nos termos dos arts. 299 e 300 do citado regu-
lamento n. 3,453 de 186S.
Art. 12. Nio convindo a reparticao hypotheca-
ria a uequwiciii pelos meios conciliatorios, nem a
execugao judicial, podera requeror 0 sequestro
dos immoveis hypothecados, para pagar-se pelas
rendas dor mesmos por afgum dos meios se-
guintes :
8 4." Convertendo-se 0 sequestro era deposito
em poder do devedor, obrigando-se este, como de-
po-itario judicial, a entregar os fructos e rendi-
inentos, deduzidas as despezas que forem ajastadas
entre elle e a reparticio hypoihecaria.
8 2.* Convertendi-se 0 sequestro era antichrese,
70e7l.)
Art. 13. A repartigao hypothecaria do banco
nao e snjeita a falteneia "commercial, sendo-lhe
applicaveis as disposifSes da lei n. 1,327 de 24 de
seterabro de 1864, art. 13, 14 e 15.
Era testeraunho do que, e para constar, se la-
vrou 0 presente accordo em duplicata, qae vai as-
signad pelos sobreditos Exm. Sr. visconde do
Rio Branco, ministro da fazenda, e Srs. Joso Ma-
chado CoeNho de Castro, Visconde de Tocantins,
Dr. i *e Fernando* Moreira, conselheiro Joao Ma
noel Pereira da Silva, commendadores Joio Bap-
tista da Fooceca e Antonio Jose dos Santos, presi-
dente e membros do coaselho director do banco
do Brasil, e sell ado com as arnns do Imperio.
E eu Jose Severiano da Rocha, offlcial-raaior da
secretaria de estado dos negocios da fazenda, 0
subscrevi.
Visconde do Rio Branco.Jos? Machado Coelhe
de Castro.-Visconde de Tocanltns.Jose Fernan-
its Moreira. -Jo3o Mmoel Pereira da Silva. -An-
tonio Jose dos Santos.-Joao Baptista da Fon-
ceca.
DE
Ministerio dos estrangelros
DF.CRETO N. 5,507 DE 26 DE DEZEMBRO
1873.
Promulga a convencdo postal celebrada em
2/ de julho de 1870 entre a imperio do
Brasil e a Republica Argentina.
Havendo se concluido e assignado nesta corte
no dia 21 de julho de 1870, uma convengao entre
0 i.nperio do Brasil e a Republica Argentina, para
0 fim de facilitar e rezular a troca de correspon-
dencia entre ps dou3 palzes. tendo sido essa con-
vencao muluaraente ratificada e trocadas as ratifi-
cacoes a 18 do corrente mez; hei por por hem
mandar que seja observada e cumprida inteira-
mente como nella se contora, ficando, por6m, en-
tendido que, corao se decla'rou na acta da troca
rias raUficaoSes, 0 favor concedido p.elo art. 3* 4
correspondencia official de ambos os governos com
as suas legacoes 6 extensivo aos agentes consulares
dos dous estados.
0 Visconde de Caravellas, do meu conselho e
do ae estado, senador do imperio e minisro e so
cretario de estado dos negocios estrangeiros, assim
0 tenha entendido e faca executar, expedmdo os
despachos necessarios.
Palacio do Rio de Janeiro, em 26 de dezembro
de 1873, 52 da independencia e do imperio.
Cora a rubrica de Sua Magestade 0 Imperador.
- Visconde de Caravellas.
Nos, D. Pedro H, por graca de Deus e uuauirae
aeclamacio dos povos Iraperador constitucional e
defensor perpetuo do Brasil, etc.:
Fazeraos saber aos que a presente carta de con-
firmacao, approvacao e ratiflcacio virem, que aos
21 dias do raez de julho de 1870 se concluio e as
signou nesta corte do Ri 1 de Janeiro, entre n6s e
S. Exc. 0 Sr. presidente da Republica Argentina,
pelos respectivo3 ptenipotenciarios, munidos dos
competentes |>jenos poderes, uma convencio postal
do theor seguinte:
Sua Magestade 0 Imperador do Brasil e S. Exc.
o Sr. presidcato da pnhiiea Argentina, desejan-
do estreitar por meio de uma. conven^o posut
boas relacdes 'qae existem entre os dous estados,
nomearara para este fim seus plenipotencianos:
t Sua Magestade, 0 Imperador do Brasil, 0 Sr.
Joao Mauricio Wanderley, bario de C>tegipe,
membro do seu conselho, senador e grande do im-
perio, coramendador da ordera da Rosa, ministro e
secretario de estado dos negocio3 da raarinna e
interino dos negocios estrangeiros;
E S. Exc. o pre3idente da Republica Argenti-
na, 0 Sr. brigadeiro general D. Weneeslao Paunero,
enviado extraordinario e ministro plenipotenciano
da dita republica.
a 03 quaes, depois de trocarem seus respectivos
plenos poderes, que roram achados era boa e de
vida forma, convieram nos artigos seguintes:
Art. !. Entre a administracao dos correio* do
imperio do Brasil e a administracao das correios
da Repub.ica Argentina havera uraa troca recipro-
ca e regular de correspondencia por inlermadio
dos correios terrestres e maritimos dos dous pai-
zes.
t Art. 2." Toda a correspondencia de que trata
0 art. 1 e os jornaes e irapressos contidos nas ma-
las deverio ser previamente franqueados mediante
o pagamento das taxas territoriaes do paiz de sua
procedencia, e nio poderio, sob pretexto algum,
ser sujeilas no paiz de seu destino a uraa taxa qual-
quer que recaia na pessoa a quern sio destinado*.
t Art 3.* A correspondencia official dos gover-
nos dos dous paizes com suas respectivas legates
e vice-versa nao esta sujeita a franquearaento, e
sera entregue livre de f,orte ao paiz de seu destino.
o Art. 4* Os correios do Brasil e da Republica
Argentina estabelecerio, de comraura accordo e de
conformidade com as convencSes em vigor, nao so
as condicSes, a que sera sujeita a iroca reciproca
de malas fechadas, ou de correspondences avulsas
dos ou para os paizes a queo Brasil e a Republica
Argentina possam servir de intermediarios ; mas
tambem as taxas de porte a que ficara suieita a
correspondencia trocada entre os dous paizes con-
traunte3 por meio dos paquetes da Real Compannia
Britannica e da Companhia das Messageries Impu-
riales ou de quaesquer outros vapore3 que exijam
pagaraento do transporte maritirao das malas.
c Art. 5.8 As administracSes dos correios dos
dous paizes poderio trocar correspondencia regis-
trada (certificada) de conformidade com as respec-
tivas tarifas em vigor, e esta correspondencia so
sera entregue mediante recibos passados pelos des-
tinatarios ou por seus legitimos representantes,
sendo esses recibos devolvidos a administracao re-
raettente, para que possa provar aos interessados a
Art. 6. As administracSes dos correios nao
reoeberao com de3tino de um para 0 outro paiz
contratante, ou em transito, ouro, prata ou qual-
quer outro objecto qae esteja sujeito a direitos de
Art. 7.* Para melhor exe<*ucio de>te ajuste, as
administt^^es dos correios dos dous estados fario
de commura accordo um regulamento, 0 qual po-
dera ser inoditicado, sempre que isso seja neces
i Art 8." A presente convencio sera posta cm
execucie no dia que fr raarcado pelas duas ad-
minicfp'if'nctt **^" Amm tti\+wa\i\m riA Rr!Hli A flJ> H6"
violavelmente e faze-la eumprir e observar por
qualqaer modo que possa ser.
Em testemunho e nrraeza do que, ftzemos passar
a presente carta, por nos assignada, sellada com o
sello grande das arraas do imperio e referendada
pelo ministro e secretarfo de estado dos negock)5
estrangeiros, abaixo assignado.
Dada no palacio do Rio de Janeiro, aos 26 dia-
do mez de dezembro do anno do Nascimento de
Nosso Senhor Jesu* Christo de 1873.Imperador
(com rubrica e guarda) Visconde de Caratella>
t Tenno de troca das ratincacoes da convencio
postal celebrada JBtre 0 imperio e a Republica
Argentina, era 21 do julho de 1870.
< Os abaixo assignados, ministr 1 e secretario df
estado dos negocios estrangeiros do Brasil e o en
carregado dos negocios interino da Republica Ar-
gentina, tendo-se reunido nesta secretaria de esta
do, para procederera a troca das rati&caroes da
convencio postal assignada aesta corte em 21 dV
julho ae 1870, havendo examinado e conferid"
cuidadosameate as alludidas ratificacSes, que acha-
ram inteiramente conforme*, e veriflcaram a soa
troca cm as formalidades do estylo. declarando
aesse acto que 0 favor concedido pelo art. 3* da
referida convenco a correspondencia official de
ambos os governos com ai suas legaroes 6 exten
sivo aos agentes consulares dos dous estados, de
vendo a correspondencia offkial com estes erapre
gados *er igualmente entregue isenta de porte m
paiz do seu destino.
Em testemunho do que, os abaixo assigaado-
lavraram 0 presente termo, que assignaram eoi
duplicata, sendo um era portuguez e outro em
hespanhol, e sellaram com os seus respective
sellos.
Secretaria de e3tado dos negocios e>trangeiro?
Rio de Janeiro, aos 18 dias do mez de dezembro de
1873.(L. S.) -Visconde de Caravellas.-(L S.)
J. M. Frios.*
C-overuo da proviiicl.
DESPACHOS DA PRES1DBNCIA DO DIA 7 DE JANEIRO
DE 1874.
Aureliano Mamede Cordeiro. Passe porlana
concedendo tres m.zes de licenca com ordenado
na forma da lei.
Alexandrina Umbelinade Freitas Uchoa. In-
deferido.
Antonio Francisco do Carmo,- Lone ado o praz
de dez dia*.
Aureliano Augusto de Souza Ce*ar. Inforrae .
Sr. brigadeiro comraandante das armas.
Amalia Rosa Lima. -Inforrae o Sr. Dr. diree
tor geral da iastruccio publica.
Antonio de Menezes Cysneiro Bandeira de Mel
hxPasse portaria concedendo a licenca pedida
com ordenado na forma da lei.
Ernesto Aagusto de Athayde. Indeferido, en.
vista da informacao.
Francisco Silverio de Farias Junior. Indeferi-
do, nio so porque a cadeira.qne solicita ja esta
preenchida, corao porque a propota que faz en
volve uma transaccio que nio pode ser aceita pe
to deeoro da administracao.
Fieldem Brothers. Deferido com offlcio desu
data ao inipector da thesourana provincial.
Guilhermina Francisca de Araujo L>ns. -fiMf
portaria concedendo a licenca pedida com erde
?ado na foiraa da m.
Izidoro Marinho Cesar. rs puiiaria dww-
deodo a licenca pedida com ordenado na form.*
da lei.
Joio Pedro da Silva. Informe o Sr. 1H-. direc-
tor geral da instruccio publica.
Tenenle-coronel Jo*e Tnoraaz Pire* Machad
Portella. -Deferido com offlcio desta data a th--
souraria provincial.
Laurentina Maria do Espirito Santo.-Informe p
Sr. Dr. chefe de poiicia.
Maria doRosario Pinheiro. Passe portaria con
cedendo trinta dias de licenca com ordenado na
forma da lei.
Manoel Caetan Soinola.-Certiii|ue-se.
Mariano Joaquim Pedro de Azevedo. Indefe-
rido.
Mauoel Francisco Xavier. Inforrae o >r. \h
chefe de policia.
Pedro Reginalds Teixeira. Pas-e portaria con-
cedendo um mezde licenca sera vencimentos.
Pedro Simplicio da SilvaConceJo 0 prazo de-
quinze dias.
Padre Telesphoro de Paula Auguslo.-fcncami
nhe-se.
Tenente coronet Sebastiao Jose Basilio I yrrOo.
-Fic3m expedidas as convenient ordens ao ge
rente da cempanhia pernambucana no sentido re-
querido. ....
Sebastiana Maria de Jesus.Indeferido
Hc^artlcAo da policia.
t.'seccio. Secretaria da policia de Peruambuoo.
8 de Janeiro de 1874.
N 28.Illm. e Exm. Sr Participo a V. Exc
que foram hontemrecolhidos a casa de detencio o>
individuos seguintes :
A' minha ordem, Jose, escravo de Jose Viega*.
por andar fngido, e Jose Fernandes de Souza, por
crime de ferimentos.
A ordem do snbdelegado do Recife, o subdit.
portuguez Joio de Jesus, a requisicio do respec-
tive consul.
0 delegado de S. Lourenco da Mata carnranm-
coa-me, em offlcio do corrente, que no dia ante
rior lose Fernandes de Souza de quera acima trati
ferio com uma facada a Anna Rodrigues da Silva.
sendo preso era flagrante ; que fez a competent*-
vistoria e proseguia nos termos do inqaerito.
Nesta data declaroa-me o subdelegado do Pic>'
da Panella qne reraetten ao Dr. jois de direito *
respectivo districto criminal o inqaerito policial
que fex contra Manoel de Andrade, de quern tratei
em minha parte de hontem.
Dens guarde a V. Exc-Illm. e Exm. Sr. com
raendador Henrique Pereira de Lucena. dignissi-
mo presidente da provincia.-O chefe de policia.
Antonio Francisco Correia de Araujo.
dos dons correios do Brasil e da Re-
sun
?,ugaraTuT;nem i*S27 d^to"de"n7o- re^rendcTa reparticao *&*%* <
prild^de. (Decretos de 1865, art 7,, e de ^3*% ft^S^^fSTfil^
publica Argentina, e continaara em vigor, ate qae
uraa das duas partes contratantes annuncie a ou-
tra, com um anno de antecipajio, a sua intencao
de da-la por terminada. ..-.
t Art A presente convencao sera ratincaaa,
e as ratificacoes serio trocadas no Rio de Janeiro,
com a maior brevidade possivel. .... _.
Em ti do que, n6s os plenipotencianos da bua
Magestade o Imperador do Brasil e de S Exc. o
presidente da Republica Argentina, assignamos e
sellamos a dita convencio. ..
a Feita na cidade do Rio de Janeiro, aos 21 dias
do mez de julho do anno do Nascimento de Nosso
Senhor Jesus Christo de 1870. (L. S.) -Assignado
Barao de Cotegipe-{I. S.) Assignado, W. Pau
nero.
E sendo-nos presente a mesma convencao, cuio
theor fica acima inserido, e bem vlsto, considers do
e examinado por nos tudo o que nella se contfim,
a approvarao3, ratificamos e eonflrmamo?, assim
no todo, como em cada um dos seus artigos e es-
tipulacSas, e pela presente a damos por Drme e
valioaa, para prodazir o sea devldo efTaito pro-
mettendo, em tt e palavn imperial, cumprl-la tn-
c
DUR[QDEPER^lMBUOl>
RECIFE, 9 DE JANEIRO DF. 1874.
V>tioia* da Huropa.
Chegou hontem pela raanha o vapor fraaeet
Donn-ii, trazendo datas de Lisbda de 25 de de-
zembro, um dia raais modernas que as trantts
pelo Potosi. Eis o que colhemos de jornae e
cartas:
FRANCA.
Reallsaram-se as eleicSes para a assemble* or
Versailles em tres departaraentos no dia 14 ae
zembro. Cs resaltados derara maionas extraor-
dinarias para a opiniio repnbheana. Ate mesmo
no departaraento de Finista ra, em qae o result
do parecia duvidoso, a maioria qae obteve o can
didato republic.ino o >r. Swiney, aatigo constituin
te de 1848, obteve raais de 20 mil votot da maiona
sobre o sen concurrence l^gitimista e *r,J"s'-^
Era Seine et-Oise Sr. Calmoo. ant.K'i>nb-secre-
Urio de estado no raiuistero do mtenor^ e repu_
blicano do oeitro esqoerdo. vMgg.P0'"^!*
mil roloi o Sr Leverque. candidate orteaolttt.
Se por toda a parte em Franca s elelcbes se n-
zes-^m no raesmo sentido, com tanta constancy
e tao fortes maiorias. este movimento do suirraflo
universal trazia uma identica raudaoca no g>ver-
no da Franca.
Tal e o rr-nllado das institaieSes -*m qn?
*
5*

^


w
fc\H| in MftlT/i
1 j|M>^ ?emambu(56 Sexta faira 9 de Janeiro de 1874*
\
an/ j o/i/ii
*%
Ml
qfle to ins o&(- noderes emanam
da'na $6undo?',
Arm a
Aq'ielltjs, poretft4R&Vo diiem < dfen3re *)
interesso coa-ei fHJl-4a sociedada nao esjaa dis-
poses a obdece*e**|irten.*a3 *a vpniada na-
tional, por isso qae ella contraria os seus into-
resses particulars, as snas esperancas e as suas
ainbicoes. Isto e snfflijP corabatara. .
As ultimas eleicaies lerao un|s*ente por.rfei-
lu fazer Com que procaapei cufla- *d afnn os
meios de mornf/sai' o direito do aoOragio, a corn-
giroserros dos comicio*eleitoraea.
laferam formuladaadkutiip* tropostas- Mc
serrtido no seio da comolNao dM'Ieis ConshtuCio
trap?. ^& ^H
Na assemblea*-ciortaJ, quawdo so soube do
*re?unado das slelepes, o nepujada bmapartisla, <
Sr. Haentjeus, apresenlou urn pudido de iaterpel
Hacao ao governo, preteadendo saber se era pre-
e'nca do perigo que as manifestacoes do sulTra-
igio universal fazem cecrer a sociedads, o governo
persistia em se (fcswtfwf&far das eieicoes.
A assemblea nio julgou eomtudo que esta inter-
prllacao fosse absoJntamente urgente, e adiou a
sua discussao para depois do veto dos orca-
inentos. ,
Oiz-se que e goveroo era resposta as ultimas
eleicdes, enviara ao conselho de astado Urn pro^j
jecto de lei, cujo effeilo seria supprimir quatro
railhoes de eleitores.
0 gabinete decidie aeiaT a apresentacao do
projecto de lei contra i impreasa.
O GaWa-Sertas aprewwtott a assemblea am pro-
jeuto.de tei gobre a livraria.
Ainda nao leinos a vista as novas dlsposi<; deste pcojecto de lee, mas presuoie-sa que e uma
transfarmaoao da tei irrtpbtial sabre a colpirleje,
re tores do uj sen'tile do IttWalisrho.
- A assemble* nacleasl )a vbtoa os orcamentos
d is qaatro minisWrios.
Ainda ua esta, ftxida a data (H, trB -ia ido Sr. Basaine para o I'jear de m peporta'-'
sa<. 0 St. Sallart, die*,tar das prices *> _mt-
iiisterio do ukerior, partio para a ilha Santa
Margarida, fnija mtadar preparar os a^oSebtOs
para o con&smiiado.
Os deputtdos itaUariof uttiuram uma prbposu
du Sr. tSwmlt para a extensao direift elqitoTa*
- politico* to Jos es Haltattos de 21 aiwes de ida-
de, o que saibam lor e escrever.
- 0 Sr. Mtogketti, respondeddo no senado a
uni inHrpellacaa sobreo agio" do msfo, disse pie
tenciooava sbietter os porwlarc* <*e titulos a
(iano* co esipangeira as foriaaiidades do affldsKit.
- Sa caattra dps deputados mimstro das'
obris.publioas, resporidendb a nma interpolUfSo
soOw o servdeo dos canlinnos de(erW entre a Ita-
lia a -a Alleitieaha, assegttra qne sao entabo-
iadas negiwiaeBes para tornar maisfapidas as on-
Q:ni^fO'spera'.qde to'Jas as fSdBnuMades s
apliHvarao fcrev'einsiAo
StSSSA.
/. assemNia federal suissa jjroeede* u.> dia W
a ^-.lentao do jirrtsidenle e vice-pre?i4*Me da con-
f -f^i eleitfl presidente o Sr. Scheuk e vice-f>re-->
-0 Sr. -Scfceuk perteuce ao partido progressists.
E' allemao. adversario encarnipado das ultra-
oontanos.
A rbptunt das relates do goverao ssisso com a
Vatican* eofflcialmenie conlirmada por MB o-
AgnnuL sta*ata tf*tem> a data de i il" >!'.
-zntubfiytM wnDnanicada as duae camaras da as-
-seiul>le.i feieral.
X -te documento o eovsellto I'ederal mottva
esia gram madida com as aecusaepe* inais nvavM
(ontiins iwencyclica ilo 21 de noveiubfo eoair* as
4ttM* lades itgmmm da Sai*ara s decwoes uiti!
estas .-tuloridades julgaram dever tomar a reapwlo
d. cero catli-ilico. Uclara a Mr. Agimwi que
ja o naa -pede reconhecer por mais tempo couao
^;icarn^ado dos negocios di ppa, cojhi reprcseii-
ii.ilrt .; saisea, e onvid.i esU preiado .a fazer-llie
i- >i! n:cor ( dia que se propoe fi'xar para a su;
p irttda.
J'.;r esta attitude onergica. e digna do uii){>6fd
livri), o governo federal da uini satisfatao oeces-
>.iria a apiaiao publioa, viva'mente irntada pel as
* a:>,).-ovali pela ultuni encyclica do papa.
() bisoo Lacoat, refugiado em Lucerua, depois
<|U* !>i deuKttido dos Sens direitoS de jurisdifao
^spiiitual soCre as catlioficos dos' can toss que for-
main i diocese de Bab, 'imiton o exeihplo do arce-
celjis-M) de.Genebra, Mr. MdT.ililHid.
Kx,dio c-rculares aos bispos suisscs, e todos
s cailiolicos de Bab e de Jura, para uTotestar
.tr.i lofas as medians tomadas contra m inva-
.ii.;- clerieads. A
(i........oik. fo .men -d ira a rrfspeilo das agilac/i-is do Sr. LacbaL
A resuosla do Lucerna. ainlaque evasiva, iddi-
ca < :ntudo (pea a autoridade do Sonderbund, oio
trata de inid>< algum deassumi.r a responsabHi-
dide dos lacHs e getos ao prelado ultraiuoaiaao.
AI.LEMANHA.
0 tribunal de Breslau condemnba & arcehis
P-) Foerster a tt,6'X) thalers de mafta e a daus
a.-;i; is de pris;I' na alteruativa por ter ordeaado
29 ecclesiasticoi contra a lei. 0 arcebispo nao
cowupareceu.
O now hisf dos velho? catholicos, Mr. Bain-
kaut pjibiieoa v.m cii.ta pastoral contra a eaey-
dica d"o papa de it dre novembro.
0 govi-rno prussiano supprimio 03 honora-
rio do bispo de Paderborn. A .epposicSo deste
prelado as It-is ecclesiasticas nao e menos accen-
tuada que a do Sr. Ledo Chawrki.
0 rei da Bavifira que infustamente se sup-
jiunha que era faveravel as tendencias ultramon-
Unas, r.caba de dar aos seus ministros mna prova
de cocnanca, que dove socegar os liberaes a Ba
viera.
Ha-tempo qaeas canimnnas ui-banas, auimadas
polo governo. e soeeorridas com subsidios tinliam
rivalisado em ardor para fundarem escolas mixtas,
sem dic'.inccao de cultus.
O episcopado, natawtaente hostil a esta inno-
vacao, tilia-te du-igido direclauienlo ao rei em
uma petnao collecuva, -suppHcaodo-lfie que nao
loleraase o estabeletameeto de escolas seculares
Hibtrahidas a infiireDcia do elero, e acolhendo
H-ncas de todos o- cuttos.
0 mimstro dos cuiws aeaba da respoader aat
peticionarias por ordem c em nome do rei, qua o
sou pedid-j nao e raoUvaJo por eonsideraedds
C mdamentadas, e que grante com a constiluieao.
t 0 goverao, die o Sr. IMZ, esta perfeitatneote
no direito de subsiituir todas as escolas confes-
sionaes, por escolas communaes, patenles para as
vriancas de todas as comaiunboes. A liberdade
do consciencia, e a liberdade dos culius, sao di-
it;'os, que tern a primazia eobre todos os outros.
fMJSTRO-HO.VOaiA.
0 reirhsrath austriaoo foi adiadopor um de-
creto imperial aid 21 de Janeiro. Estas ferias
serio aproveiladas pelas dieias pruviBciaes para
i>rosegair nes sens trabaibos ordinarJos sem ra-
terrnppao.
Havia ainda uma incerteza sabre o resal-
-tado final da crise ministiTial da Huugna.
Seguudn a sua proaessa o miaintro pmidente
o Sr. Izlavy, deu boje adieta de Festh explieacoes
ilaras epreekas,
As demissSes do Sr. iferkapolyi, ministro da
i'azd, e-doSr. 'Piwa, mwistro daa otoras publi-
cas, form aceitas, pelo r-ei, mas os luipistros
coatinuaiao agerir os negocias de snas repartiQoea
rcspectivaa ate que tenhara sido devidamente
snbstiluidaj.
Todos os outros membros do gabioete coutioua-
rao encarregadis daa anas respaoJivas paatas.
Ksta corabiua.aj foi approvada pola ..camara,
por unia pcqaerxi maioria de 161 votos contra 125;
o que prova que a rcconslituii;ao dc uina maioria
compacu e poderosa, por taeio de uma coalisao
entre os deakista?, e o ccntro esquerdo nao esta
.linda muito adiautada.
POBIUGAI..
.-Em 25 ascreve nosso correspoodflnte de
l.isboa :
Para., aao fugjr dos bons eslylos .e velhas
usaii;-as, devo am alteneao s -lemnidade do dia
cumpr.mentai' atreutudsaraeilte aos meus bons
amigosara especial, e era geral a tod* os nossos
leitores do rirasf!, para os quaes, todos, amblcionn
as mais felizes festas e optimas enu*;tdas do
uovo anno.
0 tempo rai ilelicioso ... de, mais, dizem os
<]U3-lauaaram a semen'le a terra e csperam, em
vao, ha uutos semaaas, pela accan bencilra das
copioaas chuvai-quebaviam de garantir-lhes uma
Colheita prospera.
Eniretaote, os uabitantes de Lisboa, que cbe-
gam as vozes a esqur-cer-se de que ha camnos e
(jue para [erem o paozinho molle ao almoco todas
as manhas e preciso que as terras se lavrem,
que o trigo oasca, qne as eirag se calcjui-m, e que
~j jrsecuid.M nelo hat^Mo de penta, foi
amflr, c nenl saJjucflhe? t'Msa'peJa ldoa-dW^t*' w*?****^ WWW^ia Gastelvcll, perd^ndft
.j inverno. Oa uagoai^nWa da guardacnuva* our fctocar^bFfcUsra^WMasdoMuionPs. Os
do gallochas.de .borcaroa doUama sjdKoa, do .tora- IMdj^fiKi^-"
das loias coin >;ara de desconrtados, ^onsnltam a
_n-lu_ -JL- 1___ t _A_ _:..
folhlnha, wn receio de qua o"inverno'de R"?
fosso sapprimido pelos kalendaristas. e alguns
raols tiodidos ataja camuraram o scu baromn-
tro daqaanao dnpreiaa olhos noite a dta E
cntretantamaJ,lociidaoe ieJDritei-tlnb orfliisa-se
com caotMaras da monsoas, oagros,e*giilo3, aiia|jrado4, coes optlolas para as oarroiras equeitrts, sem
contartoai osgordos, aaafados^ abdaminosos, re^
chonehodos, membro3 Mclusltaweato- pagantet,
(]ue nao eorrem, mas gostam de ver correr. B
tudo UtO-U val de ga'ope, em ireas, em bacepha-
Vis e r-aashiantes da todas as castas atdas aveniJaa
vera
acJPr

k'Aalericia eslai"i moito lei
Me, do BocaiToOte e Banc
descr^oi. Acrodita-sa que o cabecilh.J
Azuar morrcu. Vublicou-se m docrttoordepan
dj^ vendMBt haj^^ubhea Ao^Jw^nxnUfitfc
i seit^sroi-6odiy. A Ep.jco publica- ui
jftva ajsboatos qua cireularaoj
daalgona intransigentes taze-
ao hostil aos Bsfados-lllidot4|
aS(la, diiqde nao S*uve
, e lalenta qne SikleanSa
lesmMBr o telegraoim* q
(SUdbs-Unidos, aaaunciandf ss
omo ie tivessem existiio. 0 co
nao se reunira provavdae
se ao comuv
nistra da guertra
bar"i > da
siteira no, Paraguay,
viegawie
doSil
a da
ma
Eptr*.
^tfBharaa
Wnha julga||
sepuhlicoi
anifdsta
Ijelho de
desfofhadas do CampoGrando, ostenta'a e>plendfda lioje nom aiiwelia, rm couseimencia da feskdo
luz destes bellos dias da ajoegioada pcimave
garbo de seus trajos, o doaalra das vistoaas
das damas que os eampli|daaa, oa a adiposa de suas bouancheironas pessoas. Para
toda est-is folias hypptcastem concorrido nio so
o bello tempo quafaz, raas a dolcepace de que,
por mercd de Dens, contlniaraos a desfructar,
conlemplando a gradaal ascencao dos nossos fup-
dos, a os elfeitos maravilhosos da ordew inaltera-
rei qua reiaa pelas nossas proTioci**'aada rauito
nas ooas noras se mata' o porco e eochem as das-
sicas chouri^as do Natal. / ,
c Era Lishoa sao as broas e os casaes de perns
que invadem tudo, desde o mais eagoiado quinto
andar do tiairro Aho ate as casas grasdes da rua
de Bragaw^*,. do Ohiado. de Baeaos-Ayres ou do
Aterro da Bda-Vista E' uma caatwdanca de io-
cansaveis reinessas e agradecimaMos.
N*o sei sb na America do Sul e o mesmo.
Aqui, n/o fem idea os mans leitores ; coineca
ve^mari
aos piftipa
ttroi ao nas
tar da, Ut m
o eci
compai
us ministi
nsular
efes milii
ades. A, ti
_ aild g bro de IS;3.-i1im. e Exm. Sr,Tenho a honra
raY. Exc. qo^ sendo Jionte
3 do S. SI. ;i Imperador. fi '
ica maiidflo baBB baJSira
ficios pubneds e salvar eom' 21?
sol, ao meio dia e as 6 boras da
arte d;ram-s*. as saWasdo es-1
um fe-Oenjaein acgao da gra-
a csse acti o Sr. Jovellanos,
ais autortdaaes do paii, o aorprf
ro, a nosaa legaJJBi e todos o*
m as suas respeettws offlciali-
maram cm paraua as fOT^SS
sob mcu commando, desenvolvendo satisfactorla-
todfa'as eVolufo* rtfctivaj ao acio, or des-
.o ojedbis a-ijaarfeii. A noite as nossas re-
particocse quarteis faram brilhantemenle iflumi-
do Natal.
- m ^ T~
,m *- HV1I1j3'
AotidaM do sul do imperio
Amanhoceu hoatem em nosso porto o wporbra- 5a*. tendo a fbrfgada da urfaattrra, composta
ilium RmhJn trziead* rtaia dcffiA^vTAUIt oJ)atj|itooes u dfcmejfeia arou; 2' rogimento do
irtMlft
iaSo
particii
sileiro Bwiia, trazeada daus : da Rio dKTrWBl, ~JKiV^
e de S. Ptulo 23 de dezembro, do Klo de hadTo' T
C, da Bailia 4 a das Alagoas 7 do cotTeatft,
AlO.m do que damos sob a nibrica Porte Official,
en.;n*ramo.s nos jornaes o quo segue : V* ,c'
PACIFtOa.
A ompaiihia CoaMrasion aad Mmutenaneaapie-
sentara uma proposta ao governo do Peru, para o
csiafeelecimento de uma linha lelegraphica subrra-
riau eiitre Parta e Panama \ companhia desite
da garantia do jiiio de 3 9\%, mas pede phviiedo
for-10 anaoa.:. ,-. .B fc;,\
Havia sid. renebido seguinto telegranuna- (e
Valparaiso de 20 de dezembro V
A commissao do senado apresentou um. par<
4
pelo porteiro (so a casn o temj, e o aguadetro (aaei oer favoravel sobre a sabvencao a estrada de fer|>
se vai toraando raro depots tc*a aguadacompanhia)-segue-so alavadeira,
a cngonjmadeira, as criaaaa, os criados, o ?apa-
toiro fueaicolhe o dia para trazef oabotiosao-
vos, o aprendiz do alfaiate quo no* trouxe a pa-
ietol,. o carteira que veni toSbs os dias eatregaf-
nos a correspoflaescia, mas qua nestamanhaaos
rrianda cumpriraentar cam'am bUhete de baas fes-
tas, vem logo atiaz os cstregadores deania duzia
de periodicos de que semes assignaates : tola esta
genie falla em verso palo Natal a pela Pascltoa ;
os refarmistas, os goveroamsntaes, os incelores,
os deaaocratas puns, escrevcm qaadrianas. deci-
mas, sonetos (quero dieer) os seas entregadores, a
tudo se prepara para reccner as suspiradas broas.
c Parece que a azafama tera acabado pelo meio
dia ; poisuao, senaores; batem, e o boleuneiro
Bb telegrapho, que trar. nm aviso semaphorico da
eot.Mda do paquete, e lica-se as cortezias a dar as
httas festas. Broas no tjauo da rep*fli?art one se'3gartliJp Ugar una papeis hoj e manda versos para dentro.
'Esportula.
t No barbeiro, caixa de nfusica a tocar o car-
saval de Venexa no a dartt i' mMtile sobre a fit-
espera de alguma pratinha para os olficiaes repar-
tirem entre si dia da anno bom.
. A' uoite nos theatr is, e o bangaleiro, e o pof-
teiro da superior, e o rapax do cafe, 6 um nunca
terminal'.......emlira .
Por aqui lico, porque e esta a ordem do dia
de hoj.i.
Nividades de honiem para ca, nao as ha sa-
lientes.
t Para o commando das guardas manicipacs,
crmtinaam a ser imligitadoa varios coronefs, islo 6,
oiDtiada a esperar fe e afflrmarse qua o barao
dollioZezere va para junto d'el-rei D. Lulz, co-
mo sea ajudanle de campo.
t Vai ser aprtisenlada as cortes uma proposta
de lei para qua.o seryicp de quarentettas seja feito
de molo que nao an c immcrciq.
Aassocia;4o commercial de Lisboa tern ins-
tado com o governo pftla urgente neeessidade da
revisao do regulaincnto do serviro sarrttarfo dos
uaVios. 0 qne deu motor pretext) a estas ins-
tancias, for a injusra qxarelitena a quefoisnb-
mcttido o vapor portuenrse Jnlie Kites, riiiio do
Brasil.
i C-wffrnrta-"!e a affirmar que o governo para se
jivrar dtis ditBcnldades resultantes da qaalidade
a imporiancia dos diversos concarrentesa conces-
sao das doJra* e aterro na margem dfreKa do'Te-
jo, se aeaso elfeetaar esse edntrato, apresenta-lo-
Ilia as crtrtes, mas qne nao farft iraestto mimste-
rial da proposta.
Foi in apresentar o novo piano para a mdic5d dos na-
vios, para o psgamento dosi dirflilos de torelagein
Foi escolhido para secrptario o Sr. Schiappa de
Aze'eiio, chefe da reparti'.ao de minas.
c N5o mm rppy>"t'> Ihoa dha que chegou a
i-rsnoa o Sr. Ifndie, engerrheira da repOblica de-
Transwaal, qne vem pedir ao nosso governo a
oonce?sao do caminho de ferro de-'Lourenct' Mar-
qjes, (Africa Oriental) ate a serra de Libomha, na
frunteira dh republics de Transvraal, d'onde se*
gur'ri ale Pretoria. Esteramal.no terrimrio por-
tuguez deve ter umas sessenta milhas e eiitroncar
com a linha que da frontelra segno a capital da
mencionada republica Os boars ja coneeiJcram
ao Sr. Modie a linha de Pretoria ate* Libemba.
Realisado ete memoratnento, Lourenjo Mirrjues
ani'fuilaria Porto-Natal, por dnde se faz toao o
commercio daquella republica africana.
Chegou hontem a vapor Me*dtza (das Messa-
geries Maritimes) dos portos do Brasil.
Fez-se hontem a oparacao da talha ao Sr.
Francisco Ghamtco, governador do banco aaeional
uHramarrno, e cavalheiro estimadlssimo. Operou o
Dr. Antonio Maria Barbosa Esperam-se melnoras,
ainda que o estado do enfermo era ja muito grave.
Laranzeiras, que pertenceu a casa dos condes do
Farrofto. 0 lanco era de qnarenta e doot contos
de rfts. Nao honva lamhem licitantes.
E' certo ter oSr. AndvadeCorvo (mimstro da
marinha) telegraphado ao viseonde do S. Janua-
rio (governador de Ifa-ao) para qne o processo da
emigraeao dos coolies ou colonos pelo porto de
Macao, seja igual ao processo segnido ua eotoma
ingleza de Hongkong, o que equivale a prohi-
bicao.
* Os interosse3 pecuniarios de Macao desceraa
eonsideravehnente, posto qae tnumpha a morali-
dade, porque esse fraflco era a escravatura bran-
ca pmpriameate dlta.
t Vai realisar se nma conv?n^3o postal entre
Portugal e a RBssla.
0 Times de 23 do eorrente pnfeRcava nm ar-
tlgo muitoNsongetro para o estado Hnanceiro de
Portagal. Os nossos rondos licaram cm Londres
a4i i/2.
* 0 n. 1,014 da loteria de Hespanha (qne an-
'daa a 23 deste mez) teve o premio de 1,kW.060
pesetas on 270 contos de reis fortes (que a o pre-
mio grande). Sahio parte em Sevilha alguns d-cimos qne licaram 'em l.ish >a.
c O n. 7j2G teve 300,000 pesetas.
O u. MpH teve tfJO.000 idem.
0 a. 11.241 teve 12-1 OfM) idem.
tin. 14,-193 teve 115,000 idem, e liveram SO
mil pesetas os numeros segnintes : 17,917, S,I03,
4,016. 3,783. 12,818, 11,753, 13,999, 16,489, 7,778
e 1H;934.
Com 25^90 pesetas os ns. 12,05. 1931,3*
^7, 14.804, 7 099, 569, 4,868, 19,534, 12,260,
5,8 to, 14,824, 7,080,19,347, 4,7', 18,633; lt,t8J,
6,989, 13,609,10,971 a 6,348. R alem destes os
r&. 10,013 e 10,015 como anterior e posterior do
nurnero qne leva a aerie grande.
Com 1,500 pesetas os ns. 7,205 7,267 idem
relative ao 2* premio.
Com 10,250 peseta* os ns. 10,212 a 10,244
idem relation aoj* premio
a Com 2.500 pesetas os at. 10,211 a k',220 co-
mo dezenas do 3 premio. :
Com 500 pesetas as ceo tenas os as. 10,004 a
10,100, 7,20' a 7,300, aproxMnaoftss db prinwiTO ej
segniMo premio, tddos on numeros |ue ternw-
narem em 4.
Isto & qtie alegra a multa genie, velo em aoa
sas
discussao.
As ultimas chnvas caosaraat maitos pn
ptantacaes das provineias do sal.
BIO *APBArA.
Preparava-se ei Buenos-Ayrei para oftasmo
dia, uma grande manifesiacao em prol dos indo-
pendeutes da Kur.a.
Entre as mednlas preveutivad contra o cholera,
propanha a Tribune vigitas medic*/ domiciJnrias
,a a retirada foecad* dos doentes part lazaratoS e*
tra.;n#roa.. .,,,
Dando esse consellio, reconhece, eatretantny c
orgio semi officiai argontino que a.' du.is-madidas
eram outros taul-s attentaJos a itvmlabiUdate da
casa do cidadao e a liberdade indvidual, raas ac-
erescenu a eonlieeiJa maxima: /?n* pomili,
pre:wt kx (, p.ra justilica-las, f Ojl I se lejobrar
qne I us populi, neste caso, porf-ra ser tradozido
por mado, urr.r panlco dos ar^ntinos ante uma
provavel epideniia.
0 ministro geaer-al Gainza eojtmua a dar conU
em Jous telegramutas das stu^operacoes.
No prkneiro coawauniea aV g-iverno qne re-
belde f/ipez Jordan figa com JK) horiwas, e no se-
gundo com 600 e muitoi chues feridos, em oirec
5I0 a GUaleguay. Como de p.durae, toda a faccao
jordahista acha-se iiit^irima|lc desi*ralisada.
s. PXvu-
Na capital na Ja ocoorrer. diguo de mencao.
Haviampanido do Santo/ no dta 13. com Cesti
no a fazenda. Angelica, nyKio Qarp, 173 irtMiu-
grautes allemie*, ctiegado affi no vjapor allemio
Jfto, sondo 101 aaiiltos 0 7^'menores.
Esse sapor segulr.a 11* 4a inimediato para a Ha-
vre, levaudo 3,ff8i saceos', cafe, cor.tendo 2:8,394
kilos e i2 fardns de alpdao com 2,101. 0 seu
carregamento deixara i rendTmento a alf.tndega
de Santos, 13:662^862 la mesa de rndas
6:292*878. ,
No dia 21 arrecadoa" i mesma alfindega 1 im-
poriante qtranfia de Ill789i961.
Refere o Itnano de t.
t ifo hotel flp Braz,.im Tiospede de nome igos-
tinho Jose da Hlva Cdta, cobrador de nmacasa
commercial do Rfo, fli'roabado na noite de7 do
"eorrente, pordous IndviUuoS ipie no mesmo jrotel
>se hospedavam, um leflfis norte-americano c ou-
tro brasileiro, que dizchamar-se F. Bragi, ninral
do Rio-Grande c asprante de marinha.
Aiulancravam 1 tUulo de cobradores, opri
mciro da casa Phihisone, e 0 segundo da caiade
Ro'Tha Sobrinlio, n-> Bio de Janeiro.
Como estivesseiii adojados 11'uma aleovapro-
xirrra dapifeHe en ooe seachava Costa, comsala
comrauin, os dnus (arapios combinados narcdisa-
ram este, e, aproveitando-s* do pesado soatro- ix
victima. suheraniram-lho nm wworvor, tula alrou-
fa, dioweire 6 joias, para 0 que arrembaranl um
ahu pelo fuado.
t Be po*e de todos esses objeos, no valfr de
800*000, saMram deixando Costa aaormecidq'o fe-
chado.
t Dias depois c mesmo Costa descobrira osdons
ratonerros, nas nroximidades de Tatahy, e eose-
guira que fossem presos.
PaBecera de bexigas em Mogymirim nm pfcsa-
geiro (do de Cahtas. Isso fizera com qne riiita
gente fugi-se para outros lugares.
Em S. Joao da Boa-Vwta tambem se manifatara
um caso da mesma molcstia en uma pessoache-
gnda da capital, de nomc Joaquim Gomes de Alreu.
oecasiSo, porrpie serve bira as or6as do Natal.
Fas os ultimo* telegramma* agui recelidos
< Loiidres, 2S de de>errrbro. Adivfdaeubana
e act'iaimenta de 87 rhlfhrjes dp dotlatr.. rgnaeto
Ganzales foi eleito presidetltem S. Bomingw.
.. Madrid, 24 de dezembro, a 1 rmra a\ ma-
hh%-A nova canjara hinnicipa? de MadWd, to
As antoridades frataram logo de ostabelecel um
lazareto fora do povoado.
E-creveram do Iporatrga:
Chegaram a esta villa 14 allemaes, contata
dos para tratalharem na minerarao de cbnmb.
< Na mina do Horn do Chumbo estao consiui-
dos 50 metros da galeria de esgoto a na do Bpi
rUo-Santo ja se eomeija outra galeria, no intiito
dever a porcao de minerio qoe tem a veia pin
cipai que apparece na superffeie da montanha. i
No mez de novembro a estrada de ferro de Jti-
diahy a Campinas transportou 4,888 passageif-s,
4,132 toneladas do caf6, 70 de algcdao, 730 de a),
4 de assucar e 975 de generos diversos.
MlffAS-GERAES.
Recebamos folhas da capital ale 23 e de Porb-
Alegre ate 21 do eorrente.
0 Mineiro noti'ia o fallecimento, em Caldas.lo
coronel Theotonio 'Josd Forreira Bretas, na idaie
de 65 annos.
Tambem falleeera em Ponso-Alegre 0 cidadio
Mathias Gonjalves de Vilhena Braga.
RIO DB TAJTEIRO.
"' 0 ministario do imperio, em 26 do met paj-
sado, dirrgio o segufnte' aviso a presidencia daBa-
lua :
(f IRm. a Exm. Sr.Foi^presente a S. M. o!m'
perador, em 0 offlcio de 11 de fevereiro do corten
te anno, a copia que e acompaahon do acti da
tnesma data, pelo qua! e*a presidencia dedfron
ao pfesidente interino da camara municipal d*vil-
la de Itaparica: l. Qne e incompative! 0 eter-
cicio simirttaneo dos eargos de vereador e dejuiz
de paz, como se aeha dteelarado no aviso n. 35' de
18 de wtenrbro do anao1 passadb; 2.* Qn dadao que ao mesmo tempo e snbdelejfado eive-
reador tem obrigacao, como dtepSe o aviso n.177
die 20 de outuSro-de' 1869, de servir opWraeirodos
dltes cargos de pwTerencia ao oulro, aalvo se,nos
terraos dos arts. 491 e 402do regntaraento n. !20
de 31 de Janeiro de l842,obti*eT escnsado de ob-
delegado ; 3 Qne nio ha iticorapatibilidadeen-
tre 0 cargo de vereador a o poste de offlcia1 da
guarda nacmnal, eomo dTspSe a pwrtaria de 1 de
agosto do 1834 e aviso h. 408 de 22 de setentro-
de 1860 ; 4." Finalmonte, que se a cidadJo a qiem
comoluiz de paz eornpetir o eaereicio de funcjoes
eleHoraes^ seado ao mesnto tampo vereador, ti-
vfcr impedfdo para aqnelle exeretoia, devera ser
conslderado como tambem impedido para osegun
do cargo. E o mesmo augusto senhor manda de-
elarar a V. Exc. que a I; 3' a 4* das ditas dacisoes
sio approvada*; mas nio a V, a vlsla da dbijdrf-
Bft do aviso de 29 de Mb deste anno, qua decla-
re*!, sobre consulta da sei^Io dos negocios do im
Serio do conselho de estado-ter cesaadb.em virtu
e da disposicae do art. If parte pVieUeira do de
creto n. 4,814 de 21 to dezembro de 1871, toda
meomwanbilidade entre os bargos'fl* vereador e
de soM&egado; vislo haver passado para o jaizes
de paz a attribuicao que tinham es delegados a
subdelegaidos de Jnlwr as Jafraecoes de postaras
municipaefi. Beusguarde a V. Exc.-/o 'do fUrrtfa de Ofteeira. '
Foi indaferido 0 requeriflHInio'de B. Umbe-
Una Rosa de Uma Pinho.
For decreto'de 17 de dezembra, foi nomeado
Virlato Ant onto da SHva RWio, para o lugar de
addido de r clasae a legacao rmperial'na'repu*i|iea
mori posse esu manlia sem nenhant .'faeideme.fda Bolivia
Corre 0 boato de qae 0 goverao vai tbhiar medi-j 0 eapitao flannel da Silva Rosa Junior, trans-
;Ojor- ferido por derreto de 24 dedeeembro, para 0 18
batalhao de infantaria pertencia ao 16* a> nio ao
og moinhis moam a novidade, ettao ne\lios e
das rigorosas centra os jornaes carlistas. Ojor-
nal A Correspobiencia daanjente tjne a' negncla-
pfies rfdiro Salmefqn e Castell'ar fissem ro.npidas.
Julga pelo conlrarib que ha esperancas de enegar
a nm accorlo. 0 conselho de ministros nio pode
reunir-se esta manhS, por canaa de llgeira indis
posicao de Castellar ; rennir-sc a noite.
a Madrid, 2i de dezembro as 3 boras e 30 mi-
nutos da tarde. Diz a Gazeta qne 0' brigadefro
Silamanca desalojon 0 bando de Hiret, forte de
800 homens 0 80 cavallos, da viliade Capellades,
qlie foi toinada a bayoneta pelos cacad res de
Itebs. Os voluntaries de Recusta, Catslnnha, re-
pelliram um ataqoe do 800 carlisias, os quaps lo-
10 da mesma arms, coma por engano ftldo pu-
blicado a 27 do mesmo raez.
Pelo mfhisterio da guerra, no dia 19 foi enn--
cedida :
Para matrienfsri?ni sb no anno proximo vindou-
ro, no curso 0Waratorio da escola mnitar, se
honver vagas, e jr5fisfazer*n a* eindlfldes do res-
pectivo regulamcnto, ao l'cadete do (' regjmento
do cavallaria, Francisco fe Paula Pinto PaCca, ao.
"2*'e3rgpnto do deposito lib aprendlzes artiltieiroo
Pbdro Nolascode Souza,e ao seldado do batalhao
do en^eilheiros Jnaqnfrn J"'"* de Sallys Lopes, -
; 2* regimeuto do
gelf* "l KtatMtr*j artilharia a pe,
offerecido aos denais corpos um copo d'agua em
signal'de rogosijo pelo fefiz acontecrmento qoe
hontem comraemorainas. Devo aJBrmar a V. Exc.
(fne tado correu na melhor ordwn pbssivcJ, mda
deixando a desejar as nossas forcas em asseio e
garbo milifar. Deos giArffe a V. Etc.Win: ft
Exm. Sr. conselheiro Dr. Joao Jose de Oliveira
Junqaeira, mtniorro da guerra. 1
-3 Expedio-se a 22 de dezembro 0 seguinte avi-
so 4 pre-Jd'eiicia'da Parahyba :
* film, e B*W. Sr. Resolrendo a dnvMa que
me foi proposta pela thesonrarli de fazenda dessa
privincia, tenho a dizer que, na ausencia de lei
proWbitiva, e permlttido 0 exureicio simnltaneo da
proflss*o rrredica'em qnaasqtfer estibelerfmenHs
ou servicos de santfe Iteferiado-me, toda via, ao
casb- aN(pte trati'aqueila reparii;ilo, prethw a V.
Exc, para tadevines* effeito*, de que, nao sendo
as pracas da companbia de aprendizes in uinhei-
ros tratadas no respective quartel, mas sim, me-
diarrte cbnirato. nas eflfermarias da Santa Casa da
Sisericordia, sbmente na hypo'.bese de JimnWr--e
nasubyencao pagaamesma Santa Casa a retrtu-
neracSo que percebe das cofres publicos 0 Br. Ab-
dan Felinto-uHarrez, podera este continuar a'ser-
Vrr com 0 tifdlo e na3 condrc5es d>? medico'da
comparrhia, visto que de outro mode nao haveria
justificafao para 0 seu emprego.Deos guarda a
V. Exc. -Joaquim Delfliio Rtoeiro da Lns.
'Pelo'tirrnisleTro da jostica :
Arftltrorj-se :
EW 800* a ajuda de eusto do juiz de direfto
I'mbelino Moreira de Oliveira Lima.
Aogmentoa sc com mais 200^ a aluda de custo
dilfti' municipal do tenno de Cabrobo em Per
hameoeo- bacharet lose de Carvafflo Ce^ar.
Prorognu-se por 6 mews- a Heeuca concedida
ae padre Cavaillo do dendijnca Fortado, vigarto
collado da fr^gnezia de Santos Cos'nn 0 Damiao,
da dtocese de 01 inda.
Lemos no Jornal do Commercio :
Um telegramma e'x'pedido pelo dolegado da
Macahe, diz Haver naufragado ne dia 32, na praia
de earapelids, 0 brigac Jo*$e I, de naeionnlidide
grega, proeedente'da .Mtintevlde'ocwn,oarreganien-
lo de corariis salgados e seccos. Falleceo am dos
rnarlrtheiros.
a O resu I tado dos exarnes de hontem (28) na
facnldade de medicina, foVo sagninte :
t 6^ anno (defeza dchesoi); appfovados com
distinccao : rlonvirio Bodrigees de Araojo Libero,
Cesario Pereira Macrtado 0 Manuel de Anrnjo da
Cuuha Alvarenga ; appvovadw plenameaaa Miguel
Archanjo da Silva, Francisco Pcregrlno Viiiato de
MeSeiros. Jose da Cruz Lburdh\> Sampiio Junior,
Manoal da Motta Lertede ArauprEuXiardo Olym-
pio Teixerra e Joao Hioio de Castro Mcneaes.
* Reainto-se ao salao do tbeatro Lyriaco. a as-
semblea geral da Caix < de Soccorros de D. Pedro
V, para dar pos-e solemde a nova aimiaiilracao.
< 0 Sr. commendador Jo a sessaoe pedio desculpa de niio ler 0 lHal*Mio|
por ter ja si do publicado. Procedendo-se a eieicao
de thesoureiro, nbteve unanimidade de votos 0
commendador I la Thome da Silva. Eta r-eguida
o mesmo Sr. commenJa lor Keia noaieou uma
cammisslo para reeeber o Sr. conselaeira Mattiias
de-Garvalho, ipinistro de Portngal, a quefa foi
confiada a presidencia da as-semblea, e qne no-
raeou asitnnni4sfje; para reeeba-oin os Sit. mi
nistros do imperio 0 da justica, que sc dignaram
honrar a festa. Com as dovidas formaiidarfes to-
ram tambem hrtroduzidos ao recinto os Srs. des-
embargador chafe de policia e Mr. Almeida Valia,
director da casa de correeeao, diversos advogados
e medicos, os membros de diversas sojiedades que
abi se Gzeraia representar e ontras muitas pessoas
distinctas.
0 Sr^ conselheiro Mathias de CarvaUio pro-
nuocioa alginnas palavras, manifcstanilo a gran-da
sansfacao qae sentia ao ver alii reanidas 06 ca-
valheiros que tao importantes servi;o8 liaviam
prestado a Caixa de Soceorros de D. Pedro V, e
lerrainou offereeendo a luedalha da cartdadc aos
referidos Srs. ramistros, Brs. desembasgador chefe
de policia e director da casa de correeeao, aos
Srs. advagados, medicos e agentes qoe mais tna-
balharara em favor da mesma Caixa.
a Depois dos disenrsos proferidos pelos Srs. eon-
selheiros Duarte de Azevedo e Joao Alfredo, pe-
los oradores das diversas soeiedades, e por varios
cutros eavalheiros, 0 Sr. Nuno Tel mo da Silva
Mello, actual conselheiro, em name do ex-tliesou-
reiro Joaqumi Pereira Fola, offerecea mna inoeda
do reinado de D. Joao Y, do valor de 1/200, a
qual sendo posta em leilao pelo Sr. eonsetheiro
Mathias de Garvalho, produzio a quaotia de...
5:0 OS.
t 0 Sr. conselheiro Mathias de Carvalho eneer-
rou a sessao com nutro discurso, toraando de novo
bem patente a valtosa coj djuva^ao prestada por
brasileiros e portngneaesa diredtoria da Caixa de
Soccorros de Pedro V, e fazeado votos para que
se estreitern cada vea nnris os la,MS que ligam os
dous povos. >
t ReaUson-se hontem a seata conferencia dis-
correndo o Sr. conselheiro Alfonso Celso sobre o
importante ponto pratic j de que se encarregara :
- Em qme amdicSe* pode ser instil uido no Brasil
0 enseitoobrifatorio. Concoraou no emprego das
advertencias, das muitas aggravadas nas reim-i-
dencias, e ate na privacao do veto do cidadao que
naosoaber lor e esorever, mas rejeila 0 meio
coercitivo da prislo.
1 Ao termiuar, lombrou S. Exc. a coaveoiencia
da fundacao, no dia 1" de Janeiro, de uma asso-
ciacao promotora do eosino popular, e convldou 0
Sr. conselheiro Gorrda a esforcar-se pela realisa-
eiio desta idea.
* O Sr. Corre"a, subindo a tribuna, disse quo
era sua intencAo concorrer para a fundacao do
duns associaedes, umade seaharas para pramover
ainstraccao dera-miuasdes/alidas, e outra de ho-
mens a bem dos meninos necessitados ; iogo que
a idea tivessa penelrada em todos os espiritos co-
mo nma neeessidade indeclinavel, pois qne esta
crenca asseguraria a durarae das anocia^oes qae
se fundassem.
Tendo chegado 0 memento, depois do que ou-
vira do' Sr. conselheiro Alfonso Celso. e das mani-
fdstacoes daa pessoas presentes, convidava-as a se
inscrevsretn co.no membros de taes associaeuas,
cuja rastaHacao seria no mesmo lagar. no dia 1*
de Janeiro, as 11 boras da manlia.
Tomadas as assignatnras daa seahoras e ea-
valheiros qae assistiram a conferencia, assentou-se
em que continuaria aberta a inscripcao ate a pro-
xima reuniao, ns qual se trataria das bases de
uma e outra assoriarao. t
Ha varanda de uora casa de negocio do lagar
denominado Dende, na estrada da Pavuna, foi
sacootrado moribundo, no dia 24, 0 padre Jeso
Maooei da Conceicao, vigario da fnegnezia de Bro-
as, proviocia de S. Paula
Sendo levado por ordem do stfhdelegado res-
neetiw), para 0 laboratorio do Campioho, alii fal-
leeeu de inanicao, pouco depois da mela noite.
a 0 infeliz sacardote estava muito mal trajado a
tescalco, e nio tints eomsigo se' nao um relogio
I prata, nma pbqaeaa moeda amerieana do mes*
no metal e 1 *220.
t 0 resultado des exames da hontem (29) na- fia-
culdade da medicina, foi 0 seguinte :
c Defeza de these. -Antonio Zacarias Alvares da
va Junior, apprevado com distinccSo ; Paulino
Laid Cyrille da Silveira, I.uiz Pinto de Magalbaes
Situeira, Antonio Caetano da Silva Lara, Luis
Cardoso de Monra, Antonio de Mello Muniz Maia,
Antonio Pereira da Barros Leila, Tbemaz Pimentel
de Urhda, LuitJose de Arvarenga, Sergio Ensta-
quio Farreina de Oliveira, approvados plbna-
mente.
2 anno mediea.Carlos Fernandes Eiras,
approvado plenamente; Januario de Figueiredo
Pdrfflra de Banes, approvado simpleBmente. Ad-
mlttldor extraordraariamente por motivo de mo--
lestia
< Em reuniao do conselho deliberative do gabi-
"netc portttguer de leitura, effeetuada para eleper
directnria .'tue tera de funccionar no proximo an-
no lie 1871, fb*Jtm refi,,,ifc n^ Sra. Jose Joaquim
cretano ; Antonio J.^ AiT(JS Q,e|h,,. thesinreiro;
e coidmendador Itomingos Antonio dc Goes Pach'o-
en, thesonreire adjuncio.
t Tomaraiii hontem (30) 0 grao de doutor em
eina, i^rante a eongregasao da faculJade de
icma, por fBtivo de grave enferalldade, os
I.uiz Cardoso de Moura e lose Camillo de
ra.
0 rwultaao dos exames foi a seglinte :
l>ofeza de these. -Approvados com dislinejlo:
z Joao Falleiri e Caetano Ignacio da Silva ; ap-
vados plenamente: Jo-e Leopoldo It a mis,
.nklin Hento Pereira Salgado, Virgilio Horacio
de Oliveira, Francisco Leopoldino Buano de Faria,
Lniz Aga,iito da Veiga, Joao Francisco de Soaza
eTrlinda Ramires Esqiiivcl Jantdr.
t 2. anno pharmaceutieo.Approvado siraples-
irtente, Benedlcto Didg-do JMta ( admittido extra-
OTdinarramenta por motivo de molcstia. )
c Por occasiao da cnegada de Suas Magestades
Imperiaes a ctdadade de Petropol is frzeram-se nas
noites de 26, 27 a 28, do passado, festejos, pro-
movidos pela camara municipal e a que 0 povo
concorreu em grande numero
Franqueeu se ao publieoo Knde jardimqne a
camara mandou fazer na praca de D. Pedro ILe
Temos dalas de Macaie atd 28 de deiembro :
t Falleeera no dia 26 opresidente da camara
municipal Or. Join Bidrigues da Costa, distineto
advogado daquella cidade. Os vereadores, empre-
gattos da camara e advogados do fore resoiveram
tomar lut 1 por oito dias.
Pafleeera tambem na sue fazenda, da fregne-
zia de Nossa Senhora da Cutlcei?ao do Frade, vic-
tima de nma apoplexia, 0 tenerrte Francisco Afves
de Moura
0 resultado dos exames de hontem (31) na
foealdade de medicina, foi 0 segurnte :
6 anno (defeza de these)Antonio Domtn-
gues de >d Junior, Jose Bdefonso de Oliveira Ma-
fra, Jose Martins Carneiro Leio, Felhc Ho Irignes
Seixas e Germaao Augnsto da Silva Chaves, ap-
provados plenamente
2. anno medico. -Alberto Ulysses do Bego
Lopes, apprevado eom distlneeao; Jose Alvares Ru-
biao, approvado plenamente ; Francisco Alves Mo-
reira da Roe?-.a, Jose TeBes dj Mennze', Ednardo
Rrbelro da Silva e Jose Laiz Moreira de Barfos,
approvados sinrplesmente.
A soeiedade AnxiHadors da Indastria Naeio-
nal apprcvoe hontem em assemblea geral, por
unanimidade de votos as segmntes propostas :
Proponho que se consigne na acta que esta
soeiedade applaude com patriolieo jubilo o gran-
diow ac.ioteciinento da chegada do cabo subma-
ribo a eapiial do Brasil, onde e desde ja nm pode-
roso eleftiento de seu progresso e crviiisacSo.
< A telegraphia ele:lrica que poehoje em com
municaca>> 0 nerte 0 o sal do Imperio da Santa
Cruz, 6 reconhecida pela soeiedade AuxiPadora da
hilustria Nacional como 0 facto mais estrondoso
da industria moderna, teadendo, com os cami-
nho? de ferp a eneurtar as distancias e ligar po-
los lagos rridastriaes e commsreiaes os povos ci-
vilfsados.
A seeMade Auxiliadora da Indastria Nacional
congratala-se com as snas irmas do norte, por ver
no reinado do priheipe prelector das letlras e da
grandeza nacional immergido nos mares do Bra
sil 0 admfravel propubor que d-ve trnzer entre
aidas a rapida corirmiinicaijao do Sen commercio
b desenvolvhaeVHeda industria national. -Joaquim
Antonio de Azevedo.
Eis as notieias commercwes da ultima d*1a :
i) mercado de cambio ri3o apresenlotl altera-
fan sensivcl. Effectuaram se peqnenai transac-
5i5es siibre Londres a 26 l|4 e 26 3]8d. papef ban-
cario, 26 3pS e 26 1|2 d. patticulaT. /*
t ITm leted.! ouro nacional obteve hoje 3 If2
OfBde preaiio, a dinheiro.
De apoliecs lb emprestimo nacional de 1866
negociou-se uma partida a 1,071*, a entregar nos
primeiros dias de Janeiro.
a 0 mercado de aecSes eontinu^i a mo pouco active aos segnintes precos : Companhia
ioconwtera par, a dinheiro ; Companhia de Car-
ris de Ferro de S. Christovao 4301 cx-diridendo,
pagamento e transferencia em 15 de Janeiro ;
Compaifhia Brasrl Industrial I98J50O, a dinheiro.
As vendas effectnadas haje no mercado de
productes foram peqnenas dto catt e de assecar.
Sahiram pata consume cerca de 6,000 ar
robas de came seoca.
Pretaram-se dons navios. sendo um para o
canal a ordgm, via Maroim, assnear, a 35 s. e 0
oatro para Paywandn, vra .Paraaagua, madeira, a
200 paracSes.
A alfandrga rendeu ne mez de deaembro
2^99:314/535
Sahiram para Pernambuco ai 27, osendafran-
eezn Marte Hetoriett; a-30, a galer.i portogueKi
Tentadtra eo psnaeao idem .aJVirM Jtee : e a 31,
0 brigae brasileiro Iztbel.
BMM
Lemo9 no Jornal:
No dm 29 de dezembro coHocou-se a cttmiei-
ra do edifieio que a camara manicipal matidoa
constrair no engenho Reiiro para 9orvlr de mata
doaro, por nao convir continuar esse service no
interior da cidade.
a Esta obra foi resolvida pela camara de 1869,
tem sido continuada pela actual. Foram delta
eaoarregados, mediante contrato, os dircetores da
linha de trifhos centraes, a qual tem de ser pro
longada ate o engenho da Conceicao, passando por
aquelle estabelecrmento, ao qaal vai proporcionar
toila a factndade de commanicaeScs e de trans-
porte.
A's 10 horas da manlia fahiram da estacao
dos triHios centraes, na Barroqumha, era vragoes
novos e rani bem tcabados, os cowvidados da em
preza. lam S. Exc. 0 Sr. president* da provincia
com sea seeretario e ajodante de ordetts, 0 Sr. Dr.
B.iggi, eagenheiro e deputado provincial, vereado-
res, oSr. coronel eommandante db corpo policial,
0 Sr eagenheiro Loureneo Pessda, representantes
da imprensa diaria, e cidadios que pertenceram
a edilidade de 1889.
a No termo des trifhos, passaram eseoavidados
para esenrros qae alii os esperavam, e chegaram
ao engenho Retiro as It horas, sendo saudados
pelos operarlos e recebides com masic*-e fdgnetes
ao som dc vivas.
0 edificio estava embandeirado, e ostentando
a sua construccao.
8. Exc. o Sr. presidenle da prorioeia, a coo-
vite do- empreaarios, snbio acempanhado dosen-
genheiroe presentes, e ahr'sendo Ibe apresentado
um prego doarado a nm martelle da ajo, bnteu 0
na enmieira, toeando nessa oeeasiao a musiea, en
tee vivas c foguetes.
a Ao deseer S. Exe. fez sallente, com eloquen-
tes palavras- 0 procedimnato do 9. M. d'Rnperador,
eendo 0 prlmeiro a mmobrbr 0 cabe efeofrico
snbmarino na praia de Copacaban*.
Letantaram-se vivas a S. M. 0 Imperador ao
sem do hymno naciona', descobrmdose todas as
pessoas que so achavam prBsenies.
n Foi enfio servldo am aheocii dwrahteo qeal
se levantaram os seguintes brindes :
De S. Exc. 0 Sr presidente a empreza dos tri-
Ihos centiaes, os quaes, atravessaado a cidade, e
estao desrmados a pre star grandes e- importantes
serwebs ao ten bem estar eaaeseus melhor 1 men-
tis, sendo ma 1 to para apreciar-se a obra munici-
pal de que se aeha encarregada. Bio's!) par dbtar
a cidade com nm morrnmenfo, come pela vsnta-
gem qae delle resnlta para a bigiene onbliea. >>
Ne dia 27 fallecen !R cidade da Gaehoefira a
Dr. Manuel Candido de Araajo Lima, chefe de aee-
cao da seeretaria do go reran e deputado a assem-
blea, provincial, eleito pelo segunlo dietrieto. >
II intern, (31) seguirau ao vapor da compa-
nhia Bahiana Rio-Vermellv>, pain as colonias do
sol da proviocia 0 oommeadador Egas Mnaiz Ilar-
retto de Aragao, e 0 official addiJo a secreiaria
da presidencia Joao Antonio de dies TiMirinJ*)
< Seguiram tambem no mesmo vapor oa Drs.
Gabriel Gomes de Brito e Lino Romualdo Teixeira,
qua vao dirigir 0 servico medico nos- ejtabeieci-
mentos colooiaes, e 0 pharmaceutieo Emili 1 Tava-
ras.
a DiaWiaam por
flndo hontem :
0 Baaco da Bahia 101-400 por aocio de X OJ.
0 banco raercaatil 6*000 por aocao de 100*.
i a A soeiedade commercio 5*000:par accao de
100*.
c A companhia interesse publico 25*000 por
accao eorrespondente a 35 por ceato de premio.
a A'companhia Allianca 25*000 por accao, ou
50 ppr eento de premio.
Durante 0 mez flndo reoderam
a Alfandeca
Reeebedoria
a Mesa do rend as previneiaes
Correio
c Nedia 30 de novembro, no Ribaira >, do ter-
mo da Area, foi asMssinado Sebastian Rodrig.ues
da Costa, pelo individuo de nome Romiu Moreira
da Fran?a; e no dia 23 do mez passado, bo
d'Area, Saba^tiij Marques de Armda,
Pereira'Paradso. Os astaaaiDis faraw presoi, a a
delegado respective precede a3 diligenojas reconv
434:138*09)
53:Ui*aa3
191:537*0lo
5:IWi530
fjU
ffles
pro-ics--.'
Jeto fcntir&'SdmSsntr
t Pelas- 2 haras-.la nMdrrigada do dia 21 ds p.-
sado, na villa.lo Cnaxivicira*. fw tambem ais-
sinado 'da nor I Eliziarjp de Lima Viamn, not -'
achava recolhtdo na cadeia' daquella \iila :
recruta, com nm tiro que Ihe dispararam por uat
dos buraaps exisieutea na refund* tytdeia. 0 d>
legado procedeu ao respeciiro cirpo '
prosegtte oas diligeneias necassarias, afi.n d
se descobre os autores dean crime para serem n
nidos oa forma da lei.
Ao ainanhecer do dia tJ do pawid'>, :' -
contrada morta victorina de tal, moradora ir.
ciuha Monte-Alegre, no Jacarr, do termo de Raaa-
reth. Procedida as diligeneias preeha-. reconl
ceu se ter sido a infeliz assassinada por cstraii-^
lacao e haver arrombamento aa casinha em que a
mesma morava ; recahlndo as snspeitasda autona
de tal crime sobre Vicente Rodrigues Netto, r .ja
prisao ja foi requisitada ao juiz munici|>al do vr
mo.
t Aute-honlcm (1) den-se um sini.-tro 1...
trada de ferro desta capital ao S. Frnndsci O
ire m ordinario, quo d'aqui tinha parti do, chegan
do perto da estacao de Ofara, as 8 horas e de. n., -
nutos da manlia, enconlroa um homem deiud"
dentro dos trilhos ; e apezar de repetid .s signae*
de apito da machina a da applicacio immed.au
dos freios do trem, nio foi pos-ivel evilar qn
mesmo esmagasse. por ser em uma nirva sot-r-
um declive do 1.147 correndo 0 trem apenas 2.
metros. depiis de ter sido avistado o iuMiz,
morreu pouco tempo dopou. Os pa*sagPiro !
trem duclaratam qua por parte do pessoai .->.
companhia foram erapregados os meios nece*-
rios para evitar-se o simstm, e neste seatido 1
ramum nos abaixo assigaado em favr dos r-
pectivos empregados. A victima era uui ly>r^ .
conlieeido por ebrin, e dizem-no< que algdmas pe-
si'ns afirina n que o mesmo pastou a ii.iile. e : 1
visto na manna do sieistro em coiupieto esul >
de embriagucz.
o No dia pnmeiro do eorrente, pelas 7 bora- u.
noite, na fregiezia do Pilar desta capttil, (oi as
sassinado em uma tavorna 0 partnguez Jose J .
quim da Silva por Julio N'unes Pimvniel, qar -
rofugiando dentro da mesma taverua, IMMN-
logo apos si Foi ella posta em cerco pelo des'i-
caiiiento de urban is da Jita freguezia, 0 q.u' Pi
pel) Sr. Or. chefe raandado reforcar p.ir pracas aa
estacao central, as quas alii estiveram *'-
amannecer, quando coaseguiram cap'urar
sas-mo, qne felizinente se acha recolhide at r-
reccao. 0 subdelegada da referidi freguezia i<:(
cedeu ao respectivo exame cadaverieo, e prwa-
gue no inqnerito policial para ser in^taura-lo
eompe'.ente processo.
W!"
'EENAMBUCft
REVISTA DIARIA.
('nllcetorlia provhielal. Por pv -.. a
da presidencia da provincia. de 7 do correct*, *n
nomeado Manuel Juvcoein de Saboya escriva u
collect ria provincial da Escada.
Gnarria nacional. Por portaria la pre
sidencla da provmeia. de 7 da eorrente, tors"i
nomeados para u 9.* batalhao do infantaria, 0
municipin de Olinla : 3 companhia, capiti-
tenente Francisco CameBo Pessda Cavakaate, 1
fares 0 I.* sargento J.is* f^nizGonzaga da Silva
8 dita, tenente o alteres Marculm > Lopes Cata
Governo do t>i<*piitto. Por acti de 5 6 .
eorrente, mandou 0 Rev.n. Sr. governador 0 b;v
nado, que a circular sobre as preees, qne n#-i
data havia expedMo, fosse camprida pelos deim:*
vigari.is da dioees-, nos tres dias HtnediMos a
primeiro dia festivo que segnir se a rereiv5o da
mesma, ou a notkia desta deliberaciio dada prr
qnatquer jornal.
PresrldcntedeSerffipe.Embarc.i c
ao vapor Dantos, para a provincia de Src>-.
cojos destinos v.ii dirigir, 0 Exm. Sr. Dr. MMM
dos Pa-sos Miranda.
Fillio desta pravlncia, razemos volts par* yue
S. Exc. possa, n* senda premeitedora qae M -
aberta, iflu-'traT tanto seu nom, qne venha -
ella refJcctir do niodo mais honroso.
lustttnto Areheoln^teo Haaaay -
pit!eo. Iteunio-se rmntetn sab a presKleneia do
Exm. Sr. eonselheiro monsenhor Mnniz Tavart-
e com assistencia dos Drs. Aprigio Gnimaries, Soa-
ras de Azevedo, Baptista Rfgueiva. Soarcs Brand.
Alfonso de Albuquerque, Paula Saites, Jacrn'.- : a
Sampai 1, e dos srs. coronel Leal, conego !.'
clnrrgiao Ferreira de Almeida.
E' lido e approvada a acta da antecedenlp.
0 9r. seeretario perpctno mencieaa o sej 1
exoediente :
Um offlcio do Sr. Dr. Manoel Pereira de Bar.
Pinneiro, aceita^do e agradecendo sua oleira 1 *
socio eorrespondente. fnieirado.
0 mesmo St. seeretario perpetno da conta im
segnimes offartas : Varies ns. do Dinrto de f*
nvnlnic-), polo consncio Dr. Figueiroa ; alguns Dv
da Proeincio, Correio do Assu e Bezonro, y*)f
respectivas redaccGes; uma collee.ao dos anna*-
da camara dos Srs. depotados do anno de !?"'
offertada pelo urinisterio do imperio; mn folheV'
sob 0 titnlo Esboco Beograpkici do Dr Jos- 1%<
Anjos Vieira de Amorim, olTerecido p>r sen autor
Sr. Dr. Miguel de Auk rim ; outro do Vndemxiu*
do Vaccinador por F. A. A. Silva Brasil e pelo m-
iso offertado ; outro de these apre culdade de Medicina da Bahia pelo Dr. P. C. Bel-
trao de Araujo Pereira, offertado por aquplle se-
nhor; fi ns. da Rerista Polytechnics, os relatortos
da presidencia de I'ernarabuco dos annos de 183*
a 1842 e um folheto. contendo doeumenios ofcrr
a pyramide do campo de Ouriqne do Maranhii---.
oftVrtados pelo consocio Terres Bandeira; umw-
trato da voluntaria da patria Marianna Amaba A 1
Rego Barreto, offerecide pelo Sr. 6. M. de Mira -
Todas estas offertas sao recebidas com agradfl p
raandam se arehivar.
S3o Infos e approvados dnus pareeeres da eom-
missfu de admissJo de socios e era segnida eleif"
socio honorario 0 Exm. deao Dr. Joaquim FraD-
cisco de Farias, effectivo 0 St. Floriano Corr#a t*
Bnto e correspondentes os Srs. padre Antonio Pe-
reira de Alencar e Brs. Joao Barhalho UehAa Ca-
valcante e Augusto Gurgel.
0 Sr. presidente ponderou que aproximandc
se 0 dia 27 de Janeiro, em qne 0 instituto cetebra
a festa do sen armiversarfo e devendo providential
sobre a mesma, nomeia para a cemnissao qne t^as
de cotrvidar os Exms. presidente da provian.
eommandante das armas e governador da bi aos Srs. Drs. Aprigio Grrimaraes, Baptista Regaei
ra e'Sampaio e para de arranjes da casa aes $
Dr. Salles, conego Lino e coronel Leal.
0 Sr. BY. Aprigio frradamenta e manda a mesa
a seguinte proposta, qne e unanimemente appr
vftda.
t Proponho a delrberacSo de nma ses*e fnn-
bTe especial, em tionra a memoria do secro hon*
rario commendador Antonio Joaqdim de Mello, en
dia ijue depois sera fixado. Sala das sessdea o>
lOstituto, 8 de Janeiro de 1874Dr. Aprigio 6a-
mar'ies.
Rio Grande.Este vapor, da lin*a de Per-
di'.is. sahio do porto da Bahia para 0 nosso r...
dia 7 do eorrente, as 8 horas da nolle. D^v*
aqur errPgar hoje.
Dantas.Sahe hoje a tame para a Bahia, pe-
as escalas, este vapor, da companhia Bahiaaa.
Para o sol do Imperfo.Cm 3 reva-
bidos em nosso porto levon 0 n-mnai IWpaesa-
geiros.
IMnherro. Os vaperes Bifcto e
trouxeram para:
Bank of Bio de Janeiro
Oliveira Filhos 4 C
Morpira t Irmao
Praneisc* A. Chabariber
Amorim Irmsos & C.
Jose Rodrigues de Setna
Antonio Gomes Ifetto
Presldeate do Para. Acha-se abort*
do Buftto, era viagem para a pro vincia do Part,
ieus aooioniitas uo seoMstre Exm. Sr. Dr. Pedro Vicente de Axevedo, pre'i -
dente uliimamante nomeado para alL
Telegraphia do collesio.- A Pefaraj-
altiinameute prattcada nasbandeiras com que j
respcclivo telegrapho assigna-la a aproximacao dV
navios, que demandant a barra, deve ser quantc
antes allerada, attendendo a que, vistcs a certa
di-tanc a os galhardetes, aclualmente em uso,
confundem se com as banleiras quadradas, Uo
insigaili ante I a diffarenca de forma entre aos e
outras. D'alii, enganos qne se repetem e engaafe*
prejudiciaes.
CJiamamos, poii, para eate facto a alaoiitio da
pessoa a quem compete provid^nciar a reapeito.
Loterias do Rio de Janeiro.' Resa
ivi dos premios da 28.* loteria em beaeficio da
construe "ao db theatre lyrico, extrahida na <6n>
a 29 do dezembro :
& 1 08...................
n. 17'r..........
! ft 4356.........
X 4560.........

!
...........

\ inSiirii
I ILEGtVEL


.... I-
<&fa<&3eira ^*m&&*vW&.
**4 /ft&IWe4m4!eMI*w*ria*K]P
2441 MM e 3*2! SOD/ acfeaAewn 1410. 30M.^o^01,4,i33i, 4S69, S392,
5415, 5558. 8773. 58D2 e. 5358-100$ a cada'um.
1H0, 1144, lSM'-rt7.:13il, 1386. 1448, fUfi
1611, 1633, 1286, 1938; 2187, 2008, 2623, 2720.
2807, 2891,4911, l, 3136(3159, 3172, 3373
3644, 3596, 3813, 3834, 3865, 38. 3921, 3964,
3985 4023, 4626, 4146, 4278, 4318, 4692, 4770,
4871, IMP, J7| W7, |483, 5532, 3734,
I.otcrl i (In B;ihia. Li '.a dos promios
raalores d.i I.* lotoiia, coacedida a beneficie da
niatriz de S. Goocalo dos Campos, extrahida hon
tain:
N; *2...................... 5:009|009
>fi0. ub. .*J. .rii^UaJ*ui. *Rl^
................... Stooo
'aMfc-iow-i'cvaaaro.
4,2588, 1226, 185 6*556-40*
t38i,
:.*tava segaro

^^J^^lJ^SSa^ta^8Sia?io
pagiiri-'se hoje as segumtes folfias :
Guardas nacional, navios d'armada, e a'posea
t&diJs.
Os fanccionarios que deixarem de receber neste
dia, so "pederJo feze-lo do 8" dia uiil era (liable.
FesclvidaMle religiosa.Com a prtmpa
condigna, teaa lug* "ho proxfcio doraingo, 11 do
correule, a feM4aeafeiaa*Senik>ra do Tereo em
sua igreja, vjifeWala^Jer-rlMincada. Pregara
ao Evangelho o Rvd. Joao Grego, e no TV Deum
Fr. Augusto da lAhnaculada Conceicao. Haveri'
a m>) te fogo de artlflcio.
Fcrimento -Jose Fernanies do Souza ferio
pom uma facada a Anna Rodrigues da Silva, no
districto de S. Lonrenoo da Malta, Pre8fre;ii fla-
grant e o criminoso, a atitoridade local procede se-
gtmdo a lei.
Inquerito..Segaio a son destino o qae se
elfectnou contra Manoel de Aridrade, pela sub ie-
legacia do Poco da Panella.
Gazeta juridica. : 0 n. 51 deste jorual,
caegado li-mteia pelo vapor Bahia, contem :
Gazela Juridica : 1, A interdiccao do testdmu-
oho do preso e uma raedida mdtii efoijusta; 2%
Tal 11eceito estende-se ao Ibro criminal T
Jurisduqao Civil: I; Fllltos nao podem con-
testar % inveotariaule, nos ablos de invontariede
seu fallecido pai, aqualidajje do viu'va deste; 2,
Como que-U> de iflia inlfeajao, srio remettidos
para o juizft dbfamljni, Qlipdo, p irem, as par.i-
Ihas peremptoriamente julgadas e guardand o'se o
que nella se coatem,1*, Requi-itos essenciMs e
eternentos. constitutivos de capella vinculada so
caractefi*fciW tolas' obrigaooes anoaxas> perpatua-
mento aos' rendimentos de ap >lice; para esra >las;
dotes e missas;'2, Na oxistencia de capella flao e
essencial fltJQ_o addrinistrador perceba algKima
fiatte dos renflitaient >s por seu trabatho ; 3, Nal-
l 6 a1nVt!tm>J0 d? legado universal cm RiTijr de
Cbrpbracao do mao morta, dan1o-se assfm fnsii-
fjijao d'afma por herdeira Qa".m tern por si a
presnTOp^ao de'dir^lto, nao 6 obrigadj a prova.
Penhora era predlo e nenhUMa, sem citaoao
para a ao;ao e exscocao dos adjudicatarios do
meSmo.
Aggraoo : Competencia nan (em o juizo de au-
>enses para proceder a inventarip dos bebs do de-
firtcto que deixem cnnjbge notorlamente confte-
cfdo.
furisdicgao Commercial:Privilegio, por credi-
to de salarios, 6 becessario, para ser graduado,
que esteja precisamente nas condi<;oes do art. 876
3." do Codigo do Commerclo. Titulo passado
por sqfclfl de firma cedida, em rela^ao a mesna
sbcie'dade, e Commercial.
' Ju*isdicgSt Criminal r'Jtafa furmador da cul-
pa p6de eonhecer farto casaal, Cobsiilerado pro
vijoriamente crime. O do fatal para a interbosi-
<;3o da appellacao, no crime, comprehende o do
termo em cart*rio.
Miscelunea.Falleceu em Vienna, n:i ida
di de 70 amtos, o feld-marechal principe Edinun-
do Schwarzemberg.
Fallecfln na povoacao de Rivas ('Barcelona),
victim* de uma affeceso da bocca, o celebre cabo-
cilha Barranot, tao conheeMo pMos seu~ feitos ao
principiar a gaerra civil, e actualmente encarre-
gado do comuian.lo g.-ral >l is aifandegas do Prin-
cipado, cargo que llw foi coaforido para o aflastar
dos combat^s, nos quaes patenteava bastanto ti-
midez e demasiad \ precaacar'. Ao seu cnterro
^uncorreu urn piq:iete de faociosos.
Morreu o infante D Fernando, 01 ho niais
velho do dujoo de Monlpensi^r. Tinha l\ annos
de idade e estudava no -eminario de Orleans sob
a direccao do monsenhor Dupanloup.
I'm exemplar em p^amhho da Biblia lali-
na impressa par Giuteraberg, prucedente da biblio-
thee i do Sr. Parking rico cervejeiro de Londres,
foi ultimunvote ad<]aindo p ir um dos primeiros
hanqneiros da Buropa pela respnitavel somma de
3,400 Iibras de cinco osexemplares que so cmsorvain do uma
Obra tao importanie para a historia da tynograpliia.
Pela chancellaria da Legiao de H >nra foi
n:andada irapiimir a edicao detinitiva do fJvro de
mire, o qual 'ormara um volume em 8. de mate
de 800 paginas, impresso na imprensa nacional.
A tiragem sera do 1,0'0 extmplares, a o cmto
de cada exemplar para os subsiriptores que o qui-
rem adquirir de 5 franco*.
Foi ultiuiamante presa em Paris uma mnlher
ijae se empregava a mendicidid^, e a |na|"se on-
OMtroa em sua casa uma sonima de 12^1D|000
em inscripcoes e obrigacoes de varias co npanh'as,
lre ellas do canal de Suez. A mendiga estava
de tal modo magia, que ale parece se privava So
istenlo nocessariu.
Existe uma industria da qual raramenfc se
pubiicam dados eslatisticos. E' a fabrica^ao de
ihos artificiaes para homens a mulberes, dos
qnaes so em Paris se vendem 400 semanalmente.
So deposito central de venda na referida cidade
hacriaiossm um dos ollios pafa, collocando se-
lUas nas orbitas vazias os exemplares escoluidos, o
< artificial de que se trata. Os olhos bons, bera fa-
brfcados vendem-se por altoprejo, mas ha-os tarn-
I.em iraperfeitos qua se voaaem mais baratas. 0*
.'dido* de ofhos artificials siimuito mais impor-
tantes do qua geralmente se suppSe, exportam se
gpandes quantidades para a Iulia Ingleza e vein-
dem-se_ alguns at6 nas ilhas Sandwich.
Um e-culptor francez, comiuanto de origem
polaca, o Sr Godobaki, actualmen* professor na
3cademia de bellas-artes de S. Petersburgo, acaba
de offerecer-se a familia de Theophilo Gautier para
construir gratuitarnente o miaumento quo os ami-
S93 do finado resolveram erguerlhi ao cemit rio
!ontmar(re. 0 generoso nffereclmento foi aceito,
devendo o tumulo ser inaOgurado no proximo an-
no por occasiao do annivorsario da raorte do pdeta.
No dia 7 do corren,te foi iaangurada em S.
Petersburg^ sini estitua de Catharina II.
0 rei dos violinistas, Vieuxtemps, que actbal-
Hidnte dirigia os concertos populates da Braxellas
acaba de soffre'r as consbiiruencias do ama piraly-
sia nas mao, que io impossibilita de tornar talvez
r. locar.
0 JeekeyClub de Paris acaba da conCar ao
usoulptor (Carrier Belleuse a exeougao do oiijJcto
tie arle que deve coinpor o grando pr-jmio de
18:000*001 nas corridas de 1874. 0 artista eseo-
lNeb como assurapto o Rapto debezanire, que sera
..r-.-utad j em prata macissi.
Por noHcias reeebidas de Paris, -sabe-selque
naufragara a vapor a nerican > QueeA of Panama,
-n viagem de Liverpool para Nova-York.
Tambem naufragou em viagem da Cron-tad
parao Havre o Copenhague o vapor francez Per-
>e.eranae, nao se sabendo o destmo qne tiveram o
capitao 'se*B tripol antes. 0 resto da tripoUgio
pA-le sa^var sef. 0 vapor era de ferro e a helice,
media 429 toneladts e fora eetKtraido em Renfrew
era 1869. Estava seguro no Havre por 4 francos.
Incendiou-se am Bilbao o vapor meronte
se a maiar p.rte da carg*.
Calail* se quo a esutistiea criminal do cur-
rents anno accasara am aug:ento no mimero de
delictos prpetradj>*: em *.i-4ria de 30 p. r. sobTe"
a e*tatistica dos annos Mteriores.
0 general bar.io Enrfei, a|tt4aate^o'carfapo
do doqtie de Sai*-Meiaiagea foi ha ojas freso
per ter. cootrahiio dividas no valor do. 309,'i00
thalers, servm lo s4 para isso da as Xaufr:
Duokeri
Nam
salv
ris e
a helice
de Paris.
Os israelitas do Paris comocaram no d a 14
d dcaembro 4 celebrac^o da fe'sta do< Ma^cha-
bftns, SmprVjprfimente chamala o Natfl"jttdeu.
Esta festa iflo te"m batra reMgio com o Natil se
nao a coiacidencia basttnte curwsa da saa data,
fixada psra 25 do rtez le kiilev. Esta festa foi
institaiBa em raemoria dis victorias dos Maccha-
beus sobre cs assvfios e da restatfra^io do servi-
co no templo de Jarusalern ; e pois, mais nacional
qu9sJeligiosa. Dora btto dias <(ae qlo sao 'fBriados,
por ser* SolemnWade de institui^Io pnst-biplica
0 fabrico da dynamita e objecto de trabalhos
em grande escala no Reino-Unido.
Segando o Alheriiukn, so na E cou a4'ttHlf^rt'WWeyiepmduzir, pot dia,
20,100-ltiWgMHHflM Besfe 0i8poeto(JulminaJte.
/LM*f**.~jL we se,*aa venda ra 92-, a
bewneio 8aSanta Cisa'deMftericordia doRdcife,
aq.nl sora'exirWWIa-hoJe.
Casa de deteaeao.Movimento da casa
de detencao do dia 7 janeiru de 1874 :
Bxisiiam presos 324, Sntraram 3, sahira'm 3.
exUtem 324. r J"<* "V
escravos 49, escraVas 4.-^0taI 314.
Aiunenudos a custa dos coffea DaJwicos 216.
Passaseiros.Chegaram dos portos da Eu-
ropa no vapor Donnai:
Paul Conn, A. Boris, iudore Klaeh, David Flach,
sua'imrfber e "lima criada, Augasto Schoch, Barao
de Santa Cruz, Jose Augusto da R. Figueiredo,
Gnalberto Oerreia Souto e Leouard Kuhn.
Saliiraui para o sul' no mesmo vapor;
A. de Amorim Garcia, J. de Amorim Gardia e
'Francisco Pereira Afrbta.
Vieranr de Penedo a escalas no vapor nacio-
nal Mandahu :
1 sargento, 6 pracas de policia e oma mnlher.
a Alfredo Gibson, 1 a V. Falqnes. I a SoUza 4
Castro, 1 a ordem e 1 a'Hattos Lembs.
Ceiniterio |*UIllco.Obituario do dia 7
de Janeiro de 1874. ,
Manool, pardo, Pernambuco, 5 horas, S. Jose
eepasmo.
Cypriano, preto, Pefnatmbuco, 38 annps, oafeado,
scirroso hepatico.
annos, Boa Vista,
amarella. ; .
Mariano Ferreira da Nasciraonto, pardo,'Per-'
nambaoo, 31 annos sulteiro, B-Visa, liosbital
Pedro If ; lubefculbs pnlniottares.
Januaria de 3ua Roiha, brarfCa, Portag.nl, 62
annos, viuva, Boa-Vista ; diarrhea.
Maria, branca, Pardambuco, 14 mezes, S. Jose ;
bexigas.
Francisca Maria Rasa, parda, Perrtambaco, 50
abnos, casada, Boa:Vista ; seirro uterlno.
Ricardo Cau.'hfin, branco, Iuglaterra, 19 an-
nos, solteiro, Boa-Vista ; febre, amarella.
Francisco Luiz Cordeiro, pardo, igriota-se a natu-
ralldade, 37 annos, solteiro, Sabto Antonio ; phty-
sica
Ursulina Maria da Cbnoeicao, parMa, Pernam-
bbco, 27 aonb!,,'solfelra, ReciTe ; nexrgas.
Justino Martyr Correia de Melio, branco, Per-
nambuco, 68 annos, viavo, Boa-Vista ; apopla-
xia fulminante.
Maria, parda, Pernambnco, 3 mezes, Recife ;
convulsoas
Anna, parda, Pernambuco, 7 dias, S. Jose ; 63
pasmo.
Manool, branco, Pernambuco, 2 annos Santo An-
tonio ; bexigas.
Porfirio, escravo, pardo, Parahyba, 22 annos,
solieiro, S. Jose ; variolas.
- Na <*>i-ds'<*a U de'dereobrof.il roub; _,
'M^BagViilfcA qtiradRl'de f0sia'9*Wof*" flaf 1
da. qua estava collocado ao lad j d) alt*' de *S'
"4W^nW#1raiaiB*i|j3a,!&*'"pfBW a,
devila ao pipbej 4certbre Aloaso *-ao* erJt b-
jedte da idmiracao- dos artistas e da devoeiJ dos
fleis.
Rochefort [para
mi*, do por o de
da 16 hoi ens,
nstruido em Pa-
era de fei ror" 6
rersas compai bias
uvpnano, prero, reruamouco, .
Boa-VisU,ttbspital Pedro II, set
Gallin Aranand,' %-anpa; IS a
hosuital Nofdll i'fcbre amarel
COLI&GIO
DA
20--I.ua d >s Coclliis--20
A abaixo assignada, licenciada pelo Exm Sr.
presidenta da prorincia, e pelo Illm. Sr. Dr. direc
torgeial da instruc^ao publica, tem e-tabelecido
na rua dos Coelhos, n. 20, a ppucos passos da
igreja de S. Goncalo, um collegio para menihas,
sub a invocacao da Santissima Tbind.ade.__
Auxiiiada por suas irmaas D. D. Landeliha Jer-
sey e Olindina Jersey, ambas as quaes, em com-
mnm com a abaixo assignada, reeeberam igual
educajio, durantc quasi sete annos, era um dos
melhores collegios francezes da cidade do Porto,
esta por certo habilitada para transmiltir a suas
aluinnas todos os conhecimentos adquiridos beSse
longo cspaco de tempo.
Chamando a attengao dos illustrados pais de fami
Ha, nacionaes a estrangeiros, p*ra os estatutos
abaixo, a annunciaute espera merecer decidida
preferencia, pois o seu estabelecimento se distin-
gue, nio so porque nada pagam em separado pelo
estudo das artes de recreio, coma tarhbem pelo das
linguas estrangeiras que, em geral, s-amente se
ensina a tradiizir, ao passoque no Collegio da San-
tissima Tbindabb se aprendera a fallar e escrever
correctamente ; o que se torna sem duvtda de
nina vaniagem a Utiodade incontestaveis.
Invocando, cheia de cobSanca, a protecgao de
seus compatriotas, e de to'dos os estrangeiros ilfiis-
trados, a annuncla'nte e sbas irmaas, no cumpri-
:n-nio dos sous deveres, esperam e promettem en-
vidar todos os esforcos, atira de provar qua, entre
nos, exislem pernambucanas suTBciantemente ba-
bilitadas para instruir e p'reparar nossas innoe'eb-
tes e amaveis patricias, nao so a, desempebharem
no futuro o nobre e respeitavM minislerio de
mais de familia, como a se t irnarem aqui, ou em
qualquer paiz, onde se acharem, o brilhante or-
naraento da mais culta a ditineta sociedade.
As aulas abrerase a 26 de Janeiro.
Philortetia Mtnervina de A. 0' Connelt Jersey.
ESTAWTOS
do
Collegio da Santissima Trindade, sob a
direcgao de Philumena Mmervina dfAl-
buquerque 0' Connell Jersey, coadjuvada
por suas irmaas D. LanJelina d'Albuquer-
que 0' COaneli Jersey e D. Olindina a Al
baquerque 0' Connell Jersey.
Art. l. 0 Collegio dirigido por Philomena Mi-
nervina d'Albuquerque 0' Connell Jersey denomi-
na-seGou.BGtQ da Santissima Tbindadb.
Art. 2. As alumnas rec^bem nelle inHrucgao
primaria, secundaria, religiosa, de crvilWade, e de
fecreio e pr ndas.
Art. 3* Aiastrnccio primaria e -leitura, es-
cripta, contabelidade (as quatro opeTacSes) aoUeb
de gram mat lea portugueza, costura cha e cro-
chet.
Art. 4.* A instrucgao secundaria comprehende
lingua nacional, francez, inglez, italiano, blsto-
ria, geographia e arithmetic.
Art. 5.* A iOstrucQao religiosa efdada pelo, ca-
theeismo ; as alnmoas aprenlem doutrina cbris-
. e'todos os deverts religiosos a cnmprir pira coin'
Dtebs, sens pais e parentes, e em geral com a sW-
ciedsde.
Art. 6.* A ihstruccto do civilidade abrange to-
dos os actbs da vida de uma senhora, em relacao
com as pessoas de sua familia e com a socie-
dade.
Art. 7.e^A instruecSo de recreio consta de -
desenho, ausica, piano e danca.
Art. 8." A instraccao de prendas reune todos
os trabalhos de agulna, e toda a especie de bor-
dados, que deve saber uma senhora da melhof so-
ciedade.
Art. V 0 AilJegio admitto alumnas internas,
meio pensionistas e externas.
Art. 10. A lingua que se falla no interior do
Collegio e a franceza; e darante as aotts de iogfez
e italiano so se fallam MJp flngua1). I
Art. il. As alu.nnas qui esludam francez, ,in-
lez e italianb ap^hdeSn a laflar, escrever e tra.
tnrr sstes idioraas
^tttofciffr* (*T1Sorte d0 k^auS W*.' via^seaiixpesi
a iim-Sra-D^"aUmbelin^MBJa eteiiva. permit
tral/alhani duas vez*r ao Ji-.'de raanha' Lij'.TP0- RibeirO.
k* de mr*f d* l|f is _7 As Exras. Srfl5. i

D. Manoeld BtiHarmina da Conceiyio.
alunK^w.^"*"0 amtteria.
dos, B*9M^;rrtad"s fWfi
ma3j,,..u
-mu TatKMPd
das fl a*fl2j'-e ..
Art. 15. O eux>val J,s iirtaroas 6 ao goite de* ~ ',
seus pals; assiui como a wnpa lavada, engomma- ,.,vponf-t^ncia da eves,
da e perteoces por elles *erao fornecidos. ,
Art, 17. M pequenas indisposicoes e molestias
das internas sao tratadas no Collegio ; nas grave?,
porera, a directora fas avisar 'aos pais ou cor res-
pondentas para providenciarem s .bre o tratameo-
to, que poJeser em suas casas, ou no Collegio.
Art. 18. Os feriadoi sio os das aulas publicas ;
salvo as quiotas feiras que, no CoHegio, ncam des-
tinadas a instruccto de recreio.
Art. 19. Tadas as raaterias leccicnadas no Col-
legio da SaMHssdia Thinoade sao professadas pela
directora e suas irmaas, on outras senhoras com a
aptidao precisa, e qne a directora jalgar.necessa-
nas. / .. wot
Recife. 30 de dezembro d 18JJ.
. Philomena Miner etna it A. O'Gonxell Jcrtty.
Approvo-Dirbria geral da UMlruccao publica
de Pcrnambaco, 8--4e jaaeirode 4874.
7oao Barbalho Uchoa Cavalcanle.
"'''
cant
sUdo de.fiWiserMaoH;
de uma riquissi
ill

ma collec^ao de madeiras, o^
=. pqdeode
DAS PESSOAS Ql'E TEEM BE FESTe'JAr 6 t*.0*
RIOSOS. BENOlCTO, ERECTO NO CONvkwrt)
DE S^rMVlfOOjD/itt.VDA, NO PRESF.NTE
AN4fJflE7|B7^ A 1874.
SOAS DE 9OR PRETA.
Juiz.
FraiMtgco 6f,
.)nv
D. Gertrudes Eleuteria dos Passos.
D. Faustina Pereira do Nascimenlo.
D. ijlariida QpnceiQao d'Olireira Moura. '
D. Rosa de Lima Nunes da Silva Reis.
A consorle do Illm. Sr. Guarino de Souza
Peixe.
As Exms. Sras. :
P. Cprdolina Maria da Coucoiijao.
D. Attanasia Thomasia da Silva.
Escrivas por eki^ao.
As Exms. Sras. ;
0. Rita de Cassia de Senna. .
D. Candida Leopoklina Maabado.
D. M^ria Pereira do Nascimanto.
I). Frant-olina Maria do Mello.
U. Firmina Pereira do Nascimento.
I). Felismina Maria do Carino.
D. GarolirM Maria da Conoeifdo.
I>. Laopoldina Maria da Concei,-8o Mellu.
Olimla, 14 de deaerabro do 187^.
Fr. Antonio de S. CdmiltadeLelis,
Guardiao.
Manoel Chrlspiaa de AlBiiaida.
Thesaureiro. ik
SimpH*to5B^tis4A:d'fTft_B.
Procurador geral.
JoSe Arttbrrio do"?*a9*Wlettt6.
i.,procurador.
Zenobio Antonio Mendes.
8, dilo. A
Manoel 'Xbifib do MOnte.
r.. 3. dilo.
Genuino Fruflejsco :I>dro.
Defioiybres.
Prisco Francisco Baptista.
Anacleto Joaquim do Espirito-Santo.
Jesuino Jose ftomao da- Costa.
Barnabe Baptista de Oliveira.
Alberto Francisco Baptfsta.
Florencio Jose da Concei^ao.
Severiano Jos^ da Concei';ao.
Cosme Francisco da Encarnagao.
Tobias Antonio do Espirito-Santo.
Jos6 Ignacio da Cunba Fred.
Joao Jose da Silva.
Zelador.
Ignacio Fefnandes de Souza.
Juiza.
A Kxma.-Srs. D. Delphiira Maria da Con-
cei5So.
Escriva.
A Exma. Sra. D. Flora Maria da Concei-
gao.
Mordomas.
As F.xma. Sras. :
D. Berifa Miria da Sifva.
D. Joanna Maria da Hora.
D. Maria Antonia de Paula.
PESSOAS MAMAS E PARDAS.
Joizes por eleigao.
0 Exm. Sr. BarSo do Livramento.
Os Illms. Srs. :
Aristides Duarte Carneiro da Cunba Gama.
Libanio Candido Ribeiro.
Juizes por devogao.

Fr.
Joao de Santa
Art. 12.
40*00J, p;
a- exten
tres qne, 11
cidos.
STfimatreaTiBente.
if jpaWas internas die
Mtmiaas 2J4000, a dara
'iSldilhtados por trirnes-
i^RIbs, consideram se ven-
A consoAtfll Wfhi."i!jf S#. Ezequiel Fr^n-
laqaa, dsvtdtaaantaiatniticada por alto.;, -j, ^&f Kt,h A ipsiracsip its aJuraias iqteflilas,
do remuaarada seeuodo 0 artico antecadaate.
fj4jmwnores "medhaote a inJemtisacio, qua
Art. 14. As despeza? com livros, papel, etc., sao
0 Rvm. parJre-mestre
Thereza.
Os Illms. Srs. :
Or. Jorge Uornellas Ribeiro Pessoa.
Dr. Joao Barballio Ucbda iCavalcanto.
Professor Migttel Arcbanjo Mindello.
t-onego Mauoel Jo'ao Gorne$.
Jose Raymundo da Natividade Saldanha.
Padre-mestre Valeriano dc Alleluia Cor-
r6a.
Padre-mestre Lima e Sa.
Marianuo de FigueirOa Faria.
Professor Vindtmal Ribeiro
Joao Finnitio dos Santos Stokel.
Julio Coelbo do Rosario.
Frnesto Silveira da Silva.
Thomuz Barreto Lins de Barros.
Padre-mestre Fr. Jorge de
cio.
Alferes Manoel Alcantilado Torres.
MaiWel Glaudino Bezerra. .
LoTz Firmed' Pefelra.
Esferivies por eleijio.
Os Illms. Srs.:
Professor Miguel Arcbanjo da Silva Braga.
Joaquim Bonto Macbado.
Jose Bento Macbado.
ManOel Fraucisco Ribeiro.
Francelino de Souza Barro|s.
Professor Antonio Baziiio
ros.
Tbeodorj Autonio de Jesus Borges.
Antonio Pires de Carvaluo.
Jose de Olinda
Soares.
Sant'Anua Lo-
Ferreira Bar-
Rtm. thonsurado Amaro
Barcellos.
ManoelPereira de Holland i.
Francisco Rotilio da Rochn.
Professor Antonio Martins Vianna.
Oito Ludgero Lopes Lima.
Dito Marcos Evabgelista CbrrSa.
Dito Rodolpbo Mamode do Atnara!.
Dito Climerio RoRno Ales de Sant'Anna.
Dito Dimas de Oliveira Barcellos.
Domidgos da Costa Monteiro.
Manoel Tueoduro doNasciaiento.
Alexandre Jose da Silva.
Balbino Jos^ de AndVade.
Vicente de Pi'iila Sabtos.
Vicente Ferreira dos Anjos.
Escrivao por devDQio.
ArftOrtio V^etrte'Games.
Vicente Ferreira de Paula.
WdHoeiflftuT'tlellMllo.
lunqcefttib da Cuhba Pred.
Quiritino Feficissimo SoareS.
Manoel Ignacio Gomes do Mello.
Antonio Macano de Assis.
Joaqbim Rc*mSo'do COtrto'Sondim.
PeJro Ratis de Borges.
Justifio Francisco de Assis.
Cosme Damiao Pereira da Luz.
Clementino Furreira de Pauta..
Marcolino da Costa Lima.
Marcolino da Cast* Lima Junior. .
Manoel Jose de Souza..
Antonio Urbane Tavares de Mello.
Lucio Jose.
Fedrrji Mafqu%s.
Martiniano, C!omeil-%>ov?a RoSa.
Jnuas~io Prancil^^ rapta,.
Joaquim Manoel da Silva Mendes.
LudjWM Pewmc via Holland
ItiS.rt? $fc eleicjlfo.
A consorts do Tflra. Sr. Dr. Ra'pbhel de
Mello "
lni'iiti\ a particular.
{ LMA EX.POSU;.*0 AGRICOI.A EM PERKAMRL'CO. J
E' corthecido 0 faetoda 'ewosi^ao Agivi-
cotAeom-ique foi solemoisado em Perham-
bucoo dia nous de dezembro. Annuncian-
do-o ha alguns dras, renderaos desde entao
adetida juslica aos patrioticos esforcos com
flub a iociedide doze de Stembro empre-
hendeu e era pouco tempo levou ao cabo a
execuQio de tio util id^a.
Cotno > bra o,ue foi de muito espontaQea
iniciativa particular, a esposigao agricola
de Pernambuco, pareceu-nos, apenas ao-
nunciada, um vtrdadeiro acontecimento na
ordem industrial, digno de todos os csti-
mulos e credbr de justa ailmirayao.
Mais quo a recoiifiecida utilidadede uma
exhibirao dei prodbctos, n'uma provincia
em que os ba tantose do tamauho pre^o,
prendeu^nos e prenio-nos a atten^io a
grata circumstancia dt o haver tentado e
realfsado dma assoeiajio toda particular,
que vive vjda indepeixlejite de auxilios do
Lslado, e nuaca 81145 os solicitou ou'pre-
tended.
A sociedade doze de setembro turn
annos de existeocia, e nao os tem estereis.
Fuadada ao impulso de. nbre patriotis-no
no momento em que as nassas armas se
feriara com as do Paraguay, ella tomou
uma parte attiva em festejos publicos com
que assignalou cada uma do nossas victo-
rias, e nao foi indifferente d remessd dos
numerosos coutiogentes com que a grande
provincia contributo ate a ultima hora
para 0 desaggravo da honra nacional.
Terminada a guerra, a sociedado doze de
setembro ndo julgou cdmpleta a sua
missao ; e alargando o seu primitivo pro-
graroma, occupoa-se tie instrucrao pu-
blica, de emancipar/3o, de industria e
artes.
A exposicao a que Pernambuco acaba de
assistir e, incbntesta'velmente, dos serviijos
mais relevabtes que a essa generosa asso-
ciagao sao devidos em sua nova phase do
existencia.
Nflo jd nos referimos ao valor de uma
festa'de tal natureza. 0 que tem para n6s
uma sigiitica^do ate eloqaente.e que esta s
duas seductoras palavras iniciativa par-
ticular' po'fessem Ser lidas em distinctos
caracterss nos programmas, no prospectos,
diploma; e nos saloes da exposicSo, entre-
lagadas dos tropheos symbolicos do trabalho
da art*-.
Quan'k) a iniciativa cidada. sente-se por
toda palte despertada, o exemplo que nos
vem de 1'ernainbuco, p6de e deve ser o
do mais benefico influxo sobre o espieito
publico. Na exposir;5o agricola daquella
provincia estd um persuasivo attestado do
quo p6de 0 espinto de associacao.
-Nao foi apenas uma louvavel teutativa
que a sociedade doze de setembro logrou
realisar. De uma carta particnlar que de-
vemos a obsequiosidade de um amigo, co-
lhemos informacdes que nos babilitam a
assegUrar que a exposi^ao agricola de Per-
nambuco, exce lendo a tudo quanto podia
'ser esperado dos baveres modestos da
associacao. nao flcou aqucm das duas expo-
sigdes provinciaes alii organisadas do ordom
do governo como preliminarcs das exposi-
gdes nacionaes a qUe temos assistido.
Iniciado em maio, sob'prdposta de um
illustre consocio, 0 Sr. Dr. Lamenha Lins,
collaborador activissimo da associacAo, 0
projecto da exposicao agricola foi enviado
a agerttes loeaes com as devidas instrucgdes,
e recebido com um certo favor por parte
de alguns agricultores e proprietaries.
.ifteceinemenle terminadas as obras do
palacete destinado pela ordem torceira do
Clrmo a um novo hospital, ndo duvidou a
piedosa confraria pOr 0 elegante edificio d
disposigSo dos incansaveis promotores da
idea
As proporrOcs do editicio iam bem d
exhibigdo que pdtl'e ser feita com gosto e
arte.
Dos dous immensos saloes do pavimento
superior, para quo diz uma elegante esca-
daria interna, foi um destinado ds sessbes
de inaaguVftgSo e encerramento, e outro d
expdsigao de productos agricolas.
A's machines a instrumeiitos foram reser-
vadas as satas e 0 pateo do pavimenlo
terreo.
Cma linda galeria, Sustebtada sob'ie ar-
cadas, circulando um pateo interior para
quo dao desirida duas escadas, foi desti-
nada d expiTSigio de Wores, plarttas e ma-
deiras,
A entrada e a escadaria do ediQcio mos-
travara se ornadas com plantas e flores
naturaes, veWdo-se no tepo dous granle*,
tropbeols -ftrmados por ba'ndeiras uacionaes'
enlacando instrumeiitos do trabalho.
0 sateo de hdira *u6striva uma deCtf-
fj'cao tSo innpWfc cbrtio 'elegante, sendo
convenientemente collocados entre festoes
de flores os -retflrtos de sas magestaoes
l-MPERlfes. w
tio'Htih Ae&fabdo nos prfrSwctds agri-
ramidas sob um gropo de banibw .n(le
ser ahi admirada uma grande variau.
parasites* MIMMnnelBe" djispostas.
Entre as machines coflocadas no pavi-
flwrth^"" *"**".
Inaugurada com sessao solemne no dia
2 de DE7.EMBRO, a exposicjio foi frequen-
tada dorante os 7 dias e;n qua este-
ve aberta por 6,000 pessoas aproxiraada-
mente.
Oi munfeipios de Rio-Formoso e Bairrei-'
ros tinbam obtido primazia pela Variejdade
e riqueza de seus productos. A colonia
de Pimenteiras, usamos de uma phrase que
nao & hosst, expo/, productos que foram
reputados verdadeiros milagres de inddstria
mivd ebtpesflao agricola.
Se outro resultado pratico nao devesse
della reaultar,'' nao seria jiduco digno do ser
nomeado b'Wdo ddtexpbslr;Io de um pro-
ducto, primeira vez exposto, que estd talvez
destinado a operar uma revohi$ao na in-
dustria.
Rel'erimo nos i cera vegetal que, com
outros productos dignos de estudo, vji ser
subiu'ettido'd' sbcieUdde AuxiRa'dfofJi da In-
dustria Nacional. Outros artigos, tarribem
dignos da nota, devem ser r'emettidoS ao
museu agricola que se projecta crear no
Jardim Botanico desta cdrte.
V6-seqne a patriotica associaijaortaoper-
deu de vista os resultados praticos de Uma
verdadeira exposigfio. Ella nao se limitou
ao apparato da festa ; mas procurou tirar
dalle todo 0 possivel pfoveho.
Foi com este louvavel empenho que
eVdavefcla cesleira pof vapor. ma-i'
Algodio Waaccas a tqmjmo Gooalves T.-rres.
barncas vasias 36 a ordem.
Conros salgados 107 a Domingos da Sila Tor-
res.
Farinha de nandioca M saceos affnaeiaeo Oan-
ralves Torres.
Milho 36 saofos ao mesmo.
Oleo de ricino 100 latas aos raesmos.
Pipas vasias 30 a ordem
'-aocez Donnai, eMrado de Bordeaux .
fiipOf la. Mnn>a-i ll-.^Jm...j.. *
-Ji*f
nundv A La-
commissdo directora da exposifao creou di-
plomas de 1.* e 2.a classes para distingaire
premeiar aos expositores.
Dos exemplares que um nosso amigo teve
a delicadeza de onviar-nos, vemos que o
diploma de l.a dasse, lithographado era
uma oflicina de Paris, d um acabado traba-
lho que p6de servir de raro moJelo ds nos-
sas of&cinas.
0 de 2.a classe, tendo nos quatro an-
gulos as figuras sjmbolicas da industria,
agricultura, navegagao e commercio, 6 obra
de uma oflicina da provincia, que infeliz-
Mente nao podemos nomeiar. Se nao tem
a elegancia e a correcrao do diploma de I.1
classe, tem pelo menus muita nitidez 0 gos-
to que attestam o mento do artista.
A exposicao de Pernambuco, que se abri-
ra como a feliz realisacdo de um-i promes
sa, encerrou-se por outra da nao menos va-
lor.
0 dia 2 de dezembro be 1874 jd esta"
designado para a segunda eiposicSo agri-
cola.
Possa a patriotica associagao proseguir
diligente em sua gloriosa missao Attra-
hindo sobre si as vistas de todo 0 imperio
pelo passo gigante que fez dar a iniciativa
particular, nao lbe faltardo nem d concurso
dos bons cidadaos nem 0 applauso dos ho-
mens de coracao nem os premios de que
um governo bem intencionado ndo tem sido
nem p6de ser avaro em tratando-se de obras
de tamanho alcance.
A sociedade Doze de Setembro reahsou
um real e inestimavel progresso em nossos
costumes.
Honra aos que a fundaram, como aos
que a sustentam.
(Aafdo.y
II IIIIIIMWIMIMII......II
I
i
wy de Ba'rceHos.
OSO.
Correia
PhACA DO RECIFE 8 DE JANEIRO
DE 1874.
AS 3 1/2 U0RAS DA TAF.DS.
Cotacoes offleiaes.
Algoao de t" sorte 7*800 por 15 kilos.
Algodao do sertao 1 sorte 8*000 por 13 kilts.
OnuDio sobre LoAdres a W d|V. 25 3j8, e do
banco 26 ir.d. por UOOO.
Cambio-sobre Paris a vista 367 rs. 0 franco, do
banco.
Cambiosobre Hambnrgo a 90 d[v. 4o5 rs. por R.
M., banco.
Dtio sobre dito a vista 463 rs. por R. M., banco,
hontem e hoje.
Cambio sobre 0 Porto a vista 109 0(0 de nre-
mio, banco.
Oito sobre dito a vista 102 0[0 de premio.
B. de Vasconcellos
Presidente.
A. P. de Lemos
Secretario.
colas, distribuidos com esmerada classlfi- J^f fft1 ca,xa a ordem-
Lcacao e com as necessa'rias fndicacoes, via-se
ura _gr_u_po em que, sobre um 0 nor me
tronco de gamelleira, cercado pelas princi-
paes plantas naturaes da provincia, eanha,
fumo, algodSo, milho, cafe e vtrhw'Ootras,
iii3W/>a941ftn ^stentava
aL
A galeria fort dtVidida em tres paries:
mesa, circulada de cannas plantadas em
mmmm.
\LFANDEGA
Aandimemo do dia 2 a 7 .
t in do dia 8 .
149:397*432
56:8214456
206218^838
Oescarregam boje 9 de Janeiro de 1874.
Vapor nacional -Bahia -generos nacionaes para
0 trapiche da companbia.
Vapor nacional Mandahu generos nacionaes
para 0 traniche da companbia pernam-
bucana.
Vapor inglezVi-ilet -mercadorias para alfandega
Patacbo dinamarquez Katie varies generos
para 0 trapiche Conceicao, para despa-
cnar.
Patacho dinamarquez Gipsey farinha para 0
trapiche Conceicao, para despaehar.
Brigne argentino Volante -farinha ja despachada
para 0 caes do Apollo
Lugre inglez Stella bacalhao ja despachado
para a companbia pernambneana.
Lngre inglez Rosario farinha ja despachada
para p caes do Apollo e kerozene parao
trapiche Coaceigao, para despaehar,
Patacho inglez Jessy -baealha ja despachado
para 0 trapiche Conc-icao.
Barca ingleza Fazilier mercadorias para al-
fandega.
censifnado a Uarismendy A Labill
mesraadalaa, 'w
manifestoa r caixa a Duarte Irmio* t
Artigos parjsiense. ^nia rjastro t Alm,.'da
a Alfredo Gibson. 1 a s>. il fTautihi 4 1
Ariiigos para igreja 1 caixa a *. verei~i .. j.
Riulena 1 caixa a Lehemann r. ^
da Silva Leyo 4 filhos.
Calcado 2 eaixas a Fari*-& C CaOfsv
a Pinto da Silva & Cascio. rhapOoa 1 caixa-,
CosU Vaia 4 C, 1 malla a Keller fc C, 2 a Mrei--
ra Halliday & C, I a J. Christian-! A ('., 2 a C Si
raoes 4-i:,ia Cunlia & C, t a Cnnha & Mtata.
f a Vax Janlbr AC, 3 a I. Chrlsliam 4 C Cha-
peos do sol 1 caixa a Virginia Falque. CiiuM-
pagne 16 eaixas a ordem.
Esiampas 1 caixa a Paul Guelphe d C.
Fitai i caixa a Clementino de Faria Tavare*
Livros 1 caixa a Walfredo fifSouza, 1 a De Um-
Ihacar & C. Luvas 1 caixa a Matios Lamot.
Mobilia e marmore 3 eaixas a LeU.uaan Prere*.
Mercearias I caixa a Souza Sa & C.
Objecto* di verso* 2 eaixas a fTirl.r
bille, 1 a E. A. Burie & C.
Queijos 32 eaixas a Antonio franco Ctraa til a
Beltrao & FiOpo 4 a Joaquim Jose Loil'io 4 C, 60
a Antonio raMi de Carvallm. 117 a i>r-l -in, 33 3
Cardoso Martins 4 C, 28 a Jerm\m<> S. l-'erreira.
51 a Magalhies lrrnao, 50 a Sou/a Basto 4l,
a Jose Joaquim Alves 4 C, 17 a Liuta & Silva, 7
a Joaquim Joe Lei tao ^ C. 50 a Fern .111 [* dx
CosU 4 C 173 a Hansmendy & Labillc.
Roupa feita 3 caixa* a Silva Barroso & Fdnos. I
a Antonio Gomes da Silva.
Sardinbas 30 eaixas a Bellra 1 & Pi.ho, se-Ja t
caixa a Gurgel d'Amaral 4 C.
Tecidu* 1 caixa a M tnteiro Grcgorio A C, 1 a Mo-
nbard MeUler A C, 2 a Vaz & Leal, fl a Manoel
Alves Barbosa, 4 a Luiz A. S'MMieira.
Velas 20 eaixas a J. 0. C. Doyle. Viveres 32
eaixas a Jose Francisco de Paula Ramos. Vinbn
1 barril a Cramer Frey i ('.., 2 a I., hemann Fr-
res, 4 a Harismendy A Laltille, 1 a Mnron & C.
150 eaixas a Manoel da Silva Faria & C, 2 ..
Luiz Antonio Siqueira
8SPACHOS OB EXPORTv;AO NO DIA 7 I)K
JAHEIKO DE 1874
Para os portos do exterior.
No vapor inglez Cordova, para Liverpool,
carregon : KeHer 4 C l.ifil eouros salgaAos com
16.832 kilos ; P. Oliveira & C. 2 barricas com 114
ditos decafe; L. J. S. Guimaraes 1,570 saccas com
117,750 ditos de assucar ma-cavado : Keller 4 C
50 saccas com 2.761 ditos de algodao.
No logar inglez Cairini/ton, para o Canal.
carregau : A. Howie & C 147 saccos com ll.01'
kilos de assuear mascavado.
No patacbo ioiclez Queen of Runty, para n
Canal, carregou : Simps m 4 C 200 sacco* earn
15,000 kilos de assucar mascavado.
No palbabote pnrtuguez Pens imenio, para
Lisboa, carregou : B. < Miveira 4 C JO princta.***
de amareilo; J. de S Silva Cunha 48 saccos com
3,504 kilos de a->sacar branco e 42 dilos com
3,066 ditos de dilo inasciva >.
Na galera portuguezt l.isbo-i, para 0 Porto,
carregon: J. J Pi. Mendes Id saccas eon l,53.'
1|2 kilos de algodai HI. da Cnnha Sobrwho
400 saccos com 30,000 ditos de assucar mascava-
do ; F. A. da Costa 500 ditos com 37.500dhaade
diti : para Lisboa, Carvalhn & Nogueira %00
ditos com 30,600 dito* de dito branco c 200 6ilo
com 15.00) ditos de di'.o in;i-.-.i.a l.i.
No brigue portnguez Ligeiro III, para Lu
boa, carregou : A. Cordeiro 18 laacas eon 1.332
kilos de algolao e 487 eouro; sa!gados coin 3 "544
ditos
No navio inglez J. Maria, para Portland.
earrezou ; H. Pamer & C. i,500 sacc-js eom
187,500 kilos de assucar m Na barca ingleza Eliza, para New-York,
carregou. : H. P"r*ii>r a- <^- BOO **< *?"
id,ooo kilos de assucar mascavado.
No patacho hespanhol Henrique, para 0 Rio
da Praia, carregou : P. Carneiro 4 C 2) p*_>as
com 9,600 litsos de aguardeule.
No brigne argentino Volinte, carregou
Amornn Irmaos 4 C. l,noO harncas com 119. *9
kilos de assucar branco e 2'Xl ditas mm 2>.27t
ditcs de dito mascavado.
Para os portos do interior.
Para 0 Rio Grande do Sul, no brigue bra-
sdeiro Santelmo, carregou : Amorim Irataos &C
250 barricas com S4,S83 kilos de essnrar branco e
5U pipas com 24 000 litros de aguardeute.
Para o nio Grande do Sul, no patarho bra -
sileiro Salsepaedes, carregou : Silva ^ Cascio 2'
pipas com 12,0 mj litres de aguardenle.
Para o Rio Grande do Snl, no patacho bra-
sileiro Helena, carregou : P. Vianna & C. 50J bar-
rL*as com 40,427 kilos de assucar branco.
Parao Rio de Janeiro, no vapor brasil m
Cruzeiro do Sul, carregou : F. P. Carneiro 5 bar
ricas com 406 kilos de gomma de ararnta.
Para Macao, na brrcaca Veronica, carregou
P. da Silva Guimaraes 4 barricas com 308 Mm <-*
assucar branco
Para u Para, no vapor brasileiro fl '* >.
carregon ; A. F. Balthar Sobrinho 4:0 barrk'as
cm 22,741 1,2 kilos de assucar branco.
Para Maraanguape, na barcaca Caule.
carregarara ; B. Gome* & C. I bania com ''>'
kilos de as-ocar branco.
Para Mossiro. nabarcar;a F. JMidlm, earrt-
garam : F. G. A. Marauhio 2 saccos eon IS'
kilos de assucar branco ; A. Oliveira A. C. i
barricas com 120 ditos de dito reflnadc e 2 bar
ris com 120 litros de aguardente.
Para 0 Rie Grande do Sul, na l.irca bra.-i-
leira Andrade Neres, carregaram : Oliveira Filti. -
4 C 60 saccos com 4,500 kilo* de assucar bran
e 15 herris com 1,440 litros de guard-m.
Para a Parahyba, na barcaca S. n
carregou: B. Machado Coelho 2 eaixas ccm
kilos de doce.
Para Macao, na bareaca Triumphs,
gou : M. J. Rodrigues 2 barricas eon 12"
de assucar branco.
Imporluc-ao
Vapor nacional Bahia, eutrado dos portos do
Sal em 8 do corrente e consignado a Pereira Vian-
na & C., manifestou:
Carga do Rio de Janeiro.
Cafe 25 saccos a Jose 4oaquim Lima, Bairao.
Charutos 1 caixa a Antonio Alfonso de Aim'eidi.
Cadeira^ de balanco 2 ao Dr. Jrffio Guimaraes. Ci-
garros 20 barricas a Davin & FernanJes, 30 a Do-
mingos Alves Mathens, 1 caixa a Antonio Affonso
ds Almeida., .
famo 9i.rolos. 77 picotes e 30 eaixas a Jose M.
PalmeTTa, 39 rolas a mdalnaesdrina is, 129 aos
consiguatarios, 20 a Jose Joaquim Lima Bairao, 48
a Jose Domingos do Carrao e Silva, 14 encapados e
1 capia a Boargard 4 C, 15 surrdes a Jose Anto-
nio S.Brttp/i pacotes a Joao Ramos & Machado,
f i Avtotfio Maia de Brno, 4 e 5 eaixas a Jn.iqaim
Bernarlo dos Rois. Pazenlns 2 caixa* a Keller &
C. Faxi'na de mandioea 2 barri;as ao Dr. Jnlio
Carga daBamla
Chart to* 5 eaixas a Domingos da Cof-ta Forrei-
a, 2a Parana Simoei, I Cunha 4 Mania la
raaral (JTaljaco 4 C. Ciiarros II Volumes a J.
barffnes Wrarfab. .,.,
Fio 20 saccos aos consignatariSs, 60 hi Amorim
t
VapMr aKdutthl Mbntti^ ftH*MB Pwedo na
mesma data e cinsigaaua 4 wmpatwia nernamba-
i_ litrt(H 1
CaPATAZI\
Rendimento d> dia 2
dim do dia 8
DA ALPANIHftJA
a 7 1:1
Ml -
2.7!'-
volumks SAHtr>"s
No dia 2 a 7
No dia 8
.^riraeira porta .
Uganda porta .
fbrceira porta .
Juarta porta __.
riapiche Conceicao
SKRVigO MARITIMO
vlvareagas descarregadas n-^ mafehs
alfandega da dia 2 a 7 .
No dia
laMis atracadosno trap, da a!taai--'
Alvarengas ........
to trapiche Conceicao ....
I4*i
4 i*
it
tECEBEnOBIA DK RENDAS INTERNAS RAKS DE PERNAMBUCO
tsodimento do dia 2 a 7 6:Mfc*:
dem do dia 8...... 1:189*-.:
;.:.5i5;-
CONSUL ADO PROVINCIAL
teadlnieato do dia 2 a 7
Idem Uo dia 8 .
;i3.uii
17:U4i3J--
50:S34aH.t
' I .1,111 I '!! "I I' I HW
MOVIMENTO 00 MtfTO.
\avws cntrados no dia $.
Penedo e escalas3 dias, rap r braiiMfo
Mafutahfi de 222 Wnelada*. dante Julio Gomes ua Silva,' *ia^%ec
16, carga algolio e outros gennroa ;
companh'a Peraambucana.

^ ...^.


Diario de Jfcpp^pibiwi Sexta ieira g^^Janeiio da ljfti.
A
Rio de Jineiro o portos iataroieAios7 di. *,
vap^r national Bahia, de 1,53ft tone ia*.
dt, comttftflriante etpttSo teoente ""fai-
xer, eqinp^aifl.55, carga ^arios g e-
ros ; a Pereira Vienna "A C.
Itordt**! e pottos intermedia19 dies,
vapor fraucez Donnai. de 1,62ft toaielt-
das. commandants Butler, equiaagem
105, carga fazendas e outros geaeros ; a
Harismendy & Labille.
Harbor Graca33 dies, burca ingleza He-
Jtn Isabel, de 249 toneledas, capitao John
BaJstou, equipagem 'ft, carga 3,500
barricas com bacalhao:; a Saunders Bro-
thers d C.
Piavios sahilos no mesmo dia.
LiverpoolGalera portugueza Audacia, ca-
pitao Santos, catgaassucar, algodao e
eutroa gsneros.
Suenos-Ayres e portas intermediosVapor
francez Donnai, oommandante Butler,
carga parted* qwetrouxe dos portos da
Europa.
Obwrvaoao.
Suspendeu do iamarao para Babia, a es-
cuna ingleza Highflyer, capitao Cross.
carga a mesma oue trouie de Terrj
"Now.
Fundeou noiemarao a b;irca Iranoeza
Veridiana, para entrar boje.
Dado e passado nesta cidade do Recife Jde Per
, aos 8 dias do moe-de Jaatiro de 1874.
lesto Machado 'Freire Parent da Silva.
,' stthscrevl.
Stbattiaodofteoo Barros de Lacerdi.
Ao sello 300 fto. V S. S. ex-wuafc.
'. diarros fir Laetrda.
** "'Mlllw|ffct
msm
Tribunal do Commercio
Nesta data 'fica inscripto no competentc
livro tie rnatricuta o Sr. Antonio Rodrigues
do Souza, cidadao Lrasileiro, de Made de
33 amios, domkiliado o estabelecido nesta
praca coin loja de ferrageus i'rba do
buque de Caxias, sob a razio do Antonio
Rodrigues de Souza & C.
' Secretaria, 8 de Janeiro de 1874.
0 ofFicial-inaior,
Julio'Ouitnar&es.
tut
EDITAES.
Secretaria do gymnasio provincial de Per-
nambuco, 30 dedezembro de 1873.
Por esta secretaria, e de ordem do Mm. Sr. Dr.
regedor interino^e declara a qnera interessar pos-
st, qua no dia t de Janeiro proximo vindouro se
acnaaberut matricula dos alumnos deste iustituto
e bem assim se faz publico o artigo 37 da lei pro-
vincial n. 1,134 de 17 de junho do cor rente anno,
que assim dtspee : fieam ele^das a 100a a paga
-irimensa] que devem fazer ao institute os alumnos
internos ; a 304 a mensalidade dos meiapensio-
nistas e a 6J a dos externos.
0 secretano
Cefao Tertuliaoo Fernandez Qnintella.
Edital n. 112.
Pela inspectoria da alfandega se faz pu-
blico que a arrematagao annunciada para
boje, por edit;)I n. Ill, fica transferida para
as 11 boras da manha do dia 10 do cor-
rente, a porta desta repartigio.
Alfandega de Pernambuco, 5 de Janeiro
de 1874.
0 inspector,
Fabio A. de Carvalho Reis.
4." SeccSn.Secretaria da presidencia de
Pernambuco, em 5 de Janeiro de 1874.
Por esta secretaria se faz constar, a quem
interessar possa, que nesta data sio reraet-
tidos a thesouraria de fazenda para serem
entregues depois de pagos os dividos direi
tos os titulos pelos quaes foram nomeados
os senhores seguintes:
Major Francisco da Cu'ha Machado Pe-
drosa, official da ordem da Rosa.
Francisco Epiphanio de Souza, conticuo
da faculdade de direito do Recife.
0 secretario interino,
Adolpho Lamenha Lins
EDITAL N. 113.
Pela inspectoria da alfandega se faz pu-
blico que, as 11 boras da manha do dia 11
do corrente, se ha de arrematar livres de
direitos esujeitos ao imposto da capatazia
a porta desta repartiofio, as mercadorias
abaixo declaradas, que deixaram de ser des-
pacbadas dentro do praso maivado par
editaes ns. 78, 95 el03.
Armazem n. 3.
L'ma peca de flanella de la, pezando li-
quido real 3 kilos, no valor de 235146.
l'ma dita de tecido de linbo ate 12 lies,
pezando liquido real 3 kilos, no vaior de
89680.
L'ma dita de panno de algodao cru liso,
de mais 8 lies, pezando liquido real t ki-
los, no valor de 45J220.
Um panno de renda de crochet, pezando
liquido 75 grammas no valor de 155720.
Trapicbe Conceicao.
M. J. F. C. 100 barricas com cal em p6,
pezando bruto 5',660 kilos, tara de 10 [0
liquido legal, 5,094 kilos no valor de....
801?C6.
J. J. C. B. L'ma caixa contendo frutos
deteriorados sent valor.
2* porta.
J. M. sem numero. Uma caixa contendo
diversas amostras no valor de 1200 '.
Sem marca enumero. Um bahii velho con-
tendo roupa uzada e mais objectos velhos no
valor de 803>000.
Alfaudaga de Pernambuco, 7 de Janeiro
de 1874.
0 inspector.
Fabio A. de C, Heis.
Banco Commercial de
Pernambuco.
() banco paga o segundo divfdendo na
razi'io do 8 */o ao aiino ou 25*400 porac&io,
relativoao seinestre flndo em 31 de dezem-
bro de 1873.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junu admioistrativa da saata casa da
Misericordia do Recife, manda fazer publico ffae
aa sala de suas sessoes, no dia 8 de ]neiro
pelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
qnem mais vantagens onerecer, pejo tempo de am
a tr-s aanos, as rendas dos predios em seguida
declarados.
BSTABELKaviENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Casa terrea n. 118,.....a 240*000
Lojadosobradon.il.....306*000
Travessa de S. Jose.
Casa terrea n. 11.......301*000
PATRIMONIO DOS ORPHaOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 18.......431*000
Rua da Crux
Sobrado n. 14 (fechada) .... 1:000*090
Rua da Guia
Casa terrea n. 25.......200*000
Ruo do Pilar.
Casa terrea n. 98...... ( 241*000
Casa teree i n. 99 (fechada) .... 240*000
Idem n. 10).........241*000
Idem n. 102........24l*00u
Rua do Rosario da Boa Vista
Case terrea n. 58fechada.....200*000
Raa da Moeda.
Armazem n. 37 (fechado) 600*000
Rua Velha.
Qasa terea u. 44.......
Os pretendentes dever^o apresentar
irrematacao as suas liancas,
icompanhados dos respectivos
450*000
no acto da
ou comparecerem
nadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia em
que for seguro o predio que contiver estabeleci
mento commercial, assim como o service da Um
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
die, 2 de Janeiro de 1873.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza,
Por esta admiaistracao faz-se sciente aos
contribuintes dos apparelhos e annuidades da
Companhia Recife Drainage, que, em virtade da
portaria do Illm. Sr. inspector da thesouraria pro-
vincial, de hontcm datada, acha-se prorogado ale
o dia 18 de Janeiro proximo futuro o prazo para
e recol: imeoto da impuri .ucia dos ineimos appa-
relhos e annuidades.
Mesa do consulado provincial, 30 de dezembro
de 1873.
Antonio Carneiro Machado Rios,
Edital eoiii prazo de 30drasn.
Hi
Pela inspectoria da alfandega de Pernam-
buco se faz publico, que achando se as
mercadorias contidas nos volumes abaixo
mencionados no caso de serem arrematadas
para consutno, nos termos do cap. 6." do
tit. 3. do regulamento de 19 de setembro
de 1860, os seus donos ou consignatarios
deverao despacha-las no prazp de 30 dias,
sob pena de, findo elle, serem veudidas por
sua conta, sem que lhes fique competindo
allegar contra os effeitos desta venda:
Trapicbe Cuoha.
Marca. MXCinco pipasvindas deLis-
boa no lugre portuguez Julio, descarrega-
de junho do anno proximo findo e con-
das em 16 signadas a Domingos Joaquim
Ferreira Cruz.
Alfandega de Pernambuco, 8 de Janeiro
de 1873.
0 inspector,
Fabio A. deC. Reis.
Consulado provincial
0 administrador do consulado provincial, faz
publico que no dia 9 de Janeiro vindouro, se finda
o prazo marcado para o pagamento livre da multa,
dos impo3tos da decima urbana, e de 5 /o sobie
a renda dos bens de raiz, rdalivo ao 1." semesire
do exercicio de 1873 a 1874, ficando sojeitos a
multa de 6 % lodos os contribuintes que pagarem
depois d'aquelle dia.
Lansulado Provincial de Pernambuco, 31 de
dezembro de 1873.
0 administrador,
_______Antonio Carneiro Machado Rios.
Santa Casa da llisericordia do
Recife.
Pela secretaria da Santa Casa da Misericordia
do Recife se faz sciente a quem interessar, que o
Sr. thesoureiro, bo dia it do corrente, pelas 9
horas da manha, no salao da casa dos expostos,
far a pagamento das mensalidades vencidas de ou-
tubro a dezembro, as amas que se apresentarem
conduzindo as crhngas qne lhes foram confiadas.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 3 de janeira de 1874.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Ver.a aerie H, n. 5; *a cartas ns. 783,
1.9W e2,0fll, e a lastroocio n. 346,^ fffli
OCEANO PACIFlCfIkPTE5TRI0NAL.
Reconhecimento das Uhas Gallego e Ducan.
aviso dos Estados-Onidos, procurou nos
dias 13,14, 15 e 16 de maio de 1872 as
iUia9Gal!ego e Duncan; que osUo collocadas
nas cartas :
A ilba Irtllegoa fWl.ti' 106 48' 0.
A ilha Duncan eos 6 V5' X., e 108
30' 0.
A ilha Duncan aos 6 00' N., e IOb^
2i* 0.
0 reconhecimento nao teve resultado ; o
tempo era bom, mas o vento em frnco e
variavel e geralmeute pouco favoravei ao
fim em vista. 0 Santa Maria passou pro-
ximamenta pela posi^io indicada para estas
ilbas, sem ver indicio de terra ou de banco.
" A' essa observac&o, publicada pela repar-
ticao de navegaco dos Estados-Unidos,
acrescentaremos, qua era 1870, o comman-
dante Truxton passou sobre a posicao da
ilha Gallego e nada percebeu. Em 1871, a
escuna de guerra dos Estados-L'nldos, Ja-
mestown, procurou as ilbas Gallego, Dun-
can, Henderson, Interrogation e Copper,
sem descobrir terra nas posic,6es marcadas
para estas ilbas.
Alteracao na Mumina$do do pharol fluc-
tuante de Sandy-Hook { New-York).
Um aviso da reparticio de navegacio de
Washington snauneia que, a contar do 1.
de fevereiro de 1873 em diante, as luzes
brancas de pbarol fluctuante de Sandy-
Hook, amarrado na entrada da babia de
New-York, serao substitvidas por duas luzes
vermelhas.
Ver a serie E, n. 369, e a carta a. 1,469.
Banco de pedras *a costa da Florida.
0 capitao Pennington, do vapor Santo
Antonio, coramuawu a* repartn;ao hydro-
grspbica de Wasaington que, aos 30 de
outubro de 1872, rfs 11 horas e 30 minutos
da manha, passou por dentro de um baixo
de duas milhas de eitensao, de norte a sul,
com 18 metro; de profundidade junto. 0
mar de leste, mui tranquillo na occasiSo,
quebrava coniinuamente sobre o banco, que
e muito estmto, e sobre uma parte delle
parecia nao &aver mais de 2,44 m. a 3 me-
tros d'agua Este banco esta" situado a 20
milhas proiimamente ao norte do pharol da
enseada Jipiter, e a* cerca de 5 milhas da
costa. 0capitSo Pennington julga que este
banco augments rapidamente.
Rumos verdadeiros. Variacao : 4 50'
NE. em 187 .
Ver* carta n. 2,139.
Est^ conforme. 0 secretario da capitania,
Decio d'A quino Fonseca.
Dubosc
Lesurques, pal
Daubentou,ju
Dedier
Joliquat
Lambert
Dumont, aorreio
Magloh-e, postilhao
Chopard, e ainsvt<
Vwriol
f.niMUrd
Guemeau
Um esa1aja Criada dasstalagem
Om agente da policia
tin carcareiro
Filho do estalajadvira
luHa Lesurques
loanoa
IHn rnntinuo
('m carrasco
Um sacerdote
Personagens.
AeloTes.
Sr. Penaate.
Idem. !'
Sr. Ptatia
Sr. Braga.
Sr. los* Iduard*.
St. Lyra.
Sr, Maximo.
Sr. Tatirmo.
Sr. Silva.
^r. Bernardaao.
'Sr. Correa.
Sr; Paiva.
Sr. Taunno.
Idem.
D. Joaquina
Sr. Paiva.
Sr. Taorino.
N. N.
D. Filoineaa.
D. Filomena.
N. N.
-N. N.
N.N. .
Seldados etc. etc
A empreza recommeada ao respeitavel publico,
este drama, como um dos melhores do sen reper-
tory, e assegura que ira a scena coavenlente-
BMDte monudo.
Amante do irabalhe, como e a empreza, asse-
gura ao respeitavel publico que nao so se ha de
esmerar na eseolha o execucio das pe^as, como
tambem melhorar o seu theatro.
fttodptarttaawkof*.
rOIMMV
MESSAGERIES MARITIMES.
Lin ha mrn sal
RIO GRANDE
Espera-se dos pm tos do sul ate o dia 9 do cor-
rente, seguindo depois da demon do costu-
me para Bordeaux, tocaudo em Dakar (Goree> e
Lisboa-
Para condicSes, frctes e passagens, trata-se co1"1
OS AGENTES
Uarlsaneady A Labille.
9 Rua do Commercio 9
As &
DOMINGO
peat*.
horas eat
Beneficio do
Representar-se-ha a muito
ictos ornados de musica :
chistosa comedia em
0 medico a pao.
sera feito pelo artisU Fla-
com a aria cantada
0 papel de medico,
vio.
Continuara o espectaculo
pelo actor Penanw :
0 mascate italiano.
Terminara c^m a comedia em 1 acto :
OS IBMiOS DAS ALMAS
0 Braga pede proteccao a quem nunca Ih'a ne-
gou.
A's 5 horas.
1VIS0S MARITIMOS
Monte Pio Portuguez.
Conselho fiscal.
Sao pelo presente convidados os dignos func-
ciooarios desta associacao, ultimamente eleitos, a
virem tomar posse de seus respectivos cargos, sab -
bado 10 do corrente mez, as 6 iiz horas da tarde,
no salao do gabinete portuguez de leitura.
Igualmente sao convidados os funccionarios da
adminirtracao finda, para dar aquelles a posse dos
cargos para que foram eleitos.
Secretaria do conseUio fiscal do Monte Pio Por-
tuguez em Pernambuco, em 7 de Janeiro de 1874
1 secretario,
______ Jose da Silva Medrigites.
Obras militares.
A' 12 do corrente, ao meio dia, tera lugar a ar-
rematacao da reconstruccao de uma parede no
qusrtel do Hospicio, orfada em 360/6i0. As pes-
soas que quizerem encarregar se deste trabalho,
apresentem no referido dia e hora suas propos-
tas na reparticao das obras publicas, onde desde
ja se acha o respectivo orcamento.
Pernambuco, 5 de Janeiro de 1874.
O engenheiro das obras militares,
Chryssolito F. de Castro Chaves,
0 Or. Sebastao do Rego Barros de Lacerda, juiz d j
direito especial do commercio da cidade do Re-
cife de Pernambuco, por S. M. Imperial, que
Deus guarde, etc.
Faco saber pelo presente que acha-se aberta a
fallencia do negociante Manoel da Silva Pontes,
pela setenca do theor segumte :
Vistos os autos, atteodendo a lettra de folhas
ires, documento de lolba cinco e a propria decla
racio de felbas nove, feita p ir Manoel da Silva
Pontes, negociante estabelecido com loja da fazen-
das a rua do Marquez do Recife, nesta cidade, hei
por declarada a abertara de sua fallencia, a datar
de27 de setembro proximo findo.e nomeio curado-
res flscaes aos credores Mills Lathan & C, que
pretiarao juramento.
Proceda-se l qua no acto nomearei e serviia ate que os credo-
res nnmeiem outro no* termos do artigo 812 do
codlgo commercial, e para o que se reunirao na
sabt das audiencias, em 10 do corrente, as 11 ho-
ras. Por editaes pnblique-se esta sentenca, e fa-
ga-se a convocacjio dos credores. Pagas as cus-
ua pela massa.
Recife, 7 de Janeiro de 1871.Sebastiao do Rego
Barros de Lacerda.
nada mais se continha em dita sentenca aani
fietaente transcripts.
E para que eftegue ao conhecimeote de todoa,
naodei fazer o presente edital qne sera afOxad<>
not lagan-s do costume e putilicado pelos jor-
na.
Capitania do porto de Periiam-
baco.
Para sciencia dos navegantes, esta capita-
nia manda publicar os avisos abaixo :
Aviso aos naveaantes.
N.4. *
AMERICA MERIDIONALCOSTA OCCI-
DENTAL.
RIO GUAYAQUIL.
Luz fixae lampejante em Amortajada.
Recebeu-se aviso de que uma nova luz e
actualmente exhibida de um pharol ultima-
mente construido em Amortajada, ou ilha
de Santa .Clara, na entrada do rio Guaya-
quil.
A luz 6" branca, fixa e lampejante, mos-
trando um lampejo de quatro segundos de
durac,ao em cad a meio minuto : elevada
"8,in028 acima do nivel do mar, e em tem-
po claro deve ser vista da distancia de 24
milhas.
0 apparelbo illuminador 6 dioptrico, ou
delentes, da terceira ordem.
A torre e* branca, e estd no curae da ilha.
Posicio: Lat. 3 10' 45" S.; Long. 80'
24' 80" 0.
Reparti(aoydrograpbica do AlmtrantaijV
H, Londree,3 de Janeiro de 1873.(As 1
gnado) Geo enry Richards, hydroapbo.^ do
OCEANO ATLANTICO MERIDIONAL.
Luz provisoria no cabo de Santa Maria
( Uruguay. \
0 governo do Uruguay communicnu, que
acendeu-se no 1.' de Janeiro de 1873 uma
luz provisoria no cabo de Santa Maria,
sntrada do Rio da Prata.
A luz 6 branca fixa, elevada 15 metrot
acima dft nivel do mar, e, estando a atmos-
phera clara, poder-se ha vL-a a 8 milhas
de distancia.
A' excepcao dos navios de guerra, dos
paqaetes do governo inglez e dos da Mes-
sgeries nationales franchises todos os
navios que pasarom pelo pbarol pagarao 2
centavo? oortonelada de imposto de pharol.
Tribunal do Commercio de
Pernambuco.
Esta secretaria faz publico que nests data foram
arehivados os seguintes conlratos de sociedades :
De Pedro Ortiz de Camargo e nais tres com-
manditarios, sob a flrma de Pedro Camargo & C,
com o capital de 12:0004 para o commercio de
fazendas na praca de Maceio, a rui do Commercio
n. 94, sendo o fundo em commandUa de 12:000/
em fazendas, arma^ao c o aciivo do estabeleci-
mento.
De Manoel Luiz da Silva e Joaquim Ribeiro da
Silva, sob a flrma de Silva & Ribeiro, com o capi-
tal de 2:063/453, para o commercio de generos
seccos e moihados em uma tavema sila a rua de
Marcilio Dias n. 139, desta cidade.
De Onarte Irmaos, de cuja flrma fazem parte
Pedro Americo da Gama Duarle, Joao Duarte
Coelho da Gama e um commandiiario, com o ca-
pital de 53.888/860, para o commercial de fazendas
e miudezas nesta cidade do Recife, sendo a socie-
dade em nome colltclivo para os dous socios de-
clarados e em commandita para o 3 socio ; o
fundo em commandita e de 50:000/.
Secretaria do tribunal do commercio de Per-
nambuco, 5 de Janeiro de 1874.
0 official-maior
_____________________Julio Guimaraes.
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO 8 DE JANEIRO DE 1874.
. Pela administracao dos correios desta provincia
se faz publico que foi creada uma agencia do
correio, na Colonia de Pimenteiras, hoje denomi-
nada Colonia Isabel, para oude se expedirao raalas
nos dias 1,4, 7, 10, 13, 16, 19, 22, 125 e 28 de
cada mez, feshando se as respeetivas malas ao
meio dia.
0 administrador
Alfonso do Rego Barros.
PAHY
Llnha quinaenal
0 PAQUETE
YAUMAAASO
espera-se aqui, dos portos do sul ate o dia 16 do
corrente, e depois da demora do costume, seguira
para Liverpool, via S. Vicente e Lisboa, para onde
recebera passageiros, encommendas e ca^ga a frete.
OS AGENTES
Wilson Rove a C.
14RUA DO COMMERCIO14
COMPANHIA PERNAMBUCANA
\avearacOo costeira a vapor.
MAMANGl'APE.
0 vapor Com ripe,
commandante Santos,
seguiri para o por-
to acima no dia 12 do
corrente, is 5 horas
da tarde.
Recebe carga, encommendas, passageiros e di-
aheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
a 12.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
Navegaffta costeira a vapor.
rARAHTBA,RATAL, MACAO, MOSSORO', ARACk
TT, CF.ARA, MANDAHT, ACARACU' E GRANJA.
0 vapor Pirapama,
commandante Silva,
seguira para os por-
tos acima no dia 15
do corrente, as l
boras da tarde.
Recebe carga at o dia 13 do corrente, encom-
mendas ace o dia 14, passageiros e dinheiro a fre-
te ate as 2 horas da tarde do dia da sahida :
escriptorio no Forte ao Mattos n. 12.
Rio Grande
Sahira na presente semana o patacho nacional
Helena, tendo ainda lugar para alguma carga : a
iratar na rua do Vigario n. 7.
Lisboa
Para o referido porto pretende seguir com pouca
demora o brigne poitugaez Ligeiro HI, de !
classe, capitao Nobre, por ter a maior parte de
seu carregamento engajado, e para o resto que Ibe
falta trata-se com cs consignatarios Joaquim Jose
Goncalves Beltrao & Filho, a rua do Commercio
a. 8.
Allianca Maritima Por-
tuense.
Coiupanhia de ^lavegacilo en
tre Portugal e o Brasil.
A galera portugueza Vasco da Gama segue em
poucos dias para o Porto, achando-se ja prompta
grande parte do seu carregamento.
Para passageiros e fretes trata-se com o res-
pectivo capitao, ou com os agentes da companhia,
Jos6 de Silva Loyo 4 Filho, escriptorio, a rua da
Companhia Pernambncana.
COMPANHIA BKA8ILEIR 1
DE
\AVEGACAOAVAPOR
Portos do sul.
CK\3ZHaO BO S\3L,
0 vapor Cruzeiro do Sul, esperado dos portos do
norte, ate 9 do corrente, seguira para os do sul
depois da demora do costume.
Para carga. encommendas, valores e passagens,
trata-se no escriptorio da agencia, rua do Vigario
n. 7.
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS DE PEHNAM-
BUCO 9 DE JANEIRO DE 1874.
Malas pelo vapor Bahia da companhia
brasileira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (9) pelo vapor acima mencionado para os
portos do norte, sera recebida pela maneira se-
guinte :
Macos de jornaes, impressos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar ate 2 horas da tarde,
cartas ordiaarias ate 3 hora?, e estas ate 3 lij'
pagando porte duplo.
0 administrador
_______Affonso do Rego Barros.
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO 9 DE JANEIRO DE 1874
Malas pelo vapor GiquiA da companhia
pernambucana
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (9) pelo vapor acima mencionado para a
Ilha de Fernando, sera recebida pela maneira se-
guinte :
Macos de jornaes, impressos de qualquer na-
ureza e cartas a registrar, ate 10 horas da ma-
nha e cartas ordiaarias ate 11 horas.
0 administrador
^^^^ Affonso do Rego Barros.
the
IWm DMMTICO
KKSUKXA
Sabbado 10 do corrente.
Primeira rcpresentacao do grande e apparatoeo
drama em S actos e 7 quadros tradnzido do fran-
cez, pelo rti>u brasilelro Dr. Germano Franeiaco
de Oliveira :
0 PRBCESSO p
BE NAVEGAQAQ
Allianga Maritima Portuense
Sociedade auouytua de respon-
sabilidade Iintitada.
CapiUl.................. 1,500:000/000
1.' emissio................ 289:600/000
Esta companhia encarrega-se do service mari
timo de conduc;ao ds carga e passageiros entre os
portos do Brasil e Portugal, com a possivel regu-
laridade, para o que possue os seguintes navios :
Galera America Barca Maria Carolina
Europa Claudina
Adamastor Humildade
Castro II a Joven Adelaide
Saudade Admiravel
Fortuna Josephina
Vasco da Gama < Vencedora
a India Patacho Santa Maria de
Belem.
a Lisboa
Sabidas fixas ( salvo casos de fun;i maior ) em
dias annunciados com antecedencia.
Precos os mais equitativos.
E' permittido pagar fretes e passagens nos
portos da pariida ou do destine
Aceitam-se commissSes e consigna^oes.
Agentes no Brasil.
Os consignatarios dos navios da companhia.
Escriptorio e sede na cidade do Porto, praca de
Carlos Alberto, n. 132.
Directores-Manoel AntonioMortira da Silva.
PtorindoJosi Teixeira de Carvalho
Joao Antonio da F. Vasconcellos
COMPANHIA PERNAMBUCANA
BE
\avegacio costeira a vapor.
RIO FORMOSO E TAMANDARft.
0 vapor Pa rahyba, com-
mandante Pedro, segui-
ra para os portos acima
no dia 15 do corrente,
as 9 horas da noite.
Recebe carga, encom-
mendas, passageiros e di-
nheiro a frete : escriptorio no Forte do Mattos
n. 12.
LEILOES.
DE
10 caixas com queijos flamengos e 10 meias
ditas com ditos marca diamante A 2
Hoje
as 11 horas da manba
0 preposto do agente Pestana fana leilao, por
conta e risco de quem perteneer, de iO caixas com
queijos flamengos e 10 meias ditas com ditos des-
embarcados ultimamente, sexta-feira 9 do corren-
te, as 11 horas da manha
No armazem do Sr. Anues, em frente da alfan-
____ dega.
AS" It HQlUflEM POlfTO.
0 preposto do agaote Pettna fart letOo, par
conu risea da qnea parteacer, do tida t eata
acima neodaaadoa, titoi eta Bakeribe a* Mm at
estrada daa Boiadaa ___
SABBADO 10 DO C0RRERTE
Ai It boras em pooto
No armazem do Sr. Annes, defronte da al-
famlega.______
Agente Dias
LEILAO
DO
patacho inglez Industry, de 102 toooladas
inglczas e mais sobrt salentes
Seguudu-ieira 1 da correate
A'S 11 HORAS DA MANHA.
no trapicte do Exm. bario do Livraif to.
0 agente DIAS, com autorisac.ao do Dim. Sr.
consul de S. M. briUnnica e aistencia do mesmo,
vendcra por conta e risco de quem perteneer, 9
patacho iuglez Industry (recentemente arribado a
este porto em vjrtude de forca maior e legalmenle
condemnado) comprehendendo casco, mastreacao,
enxarcias e amarracio, lal qual se acha fundeMe
na ccroa do Passarinbo, junto a barcaca de creoa
do supradito Sr. bario, onde os Srs. pretenuentes
poderao desde ja examina-lo.
Em seguida vender-se-ha os sobresalentes coo?-
Untes de velas. cabos, moiloes, baleeiras, nlensi-
lios, barris com carne salgada e outros maoti-
mentos.
Leilao
DO
patacho nacional Maria Emilia, de 222 tooelAdas,
pregado e forrado de metal e encavIUudo de
novo (estanque da quilha a bordo) com todo 0
seu massame e velame, prempto para navegar,
tudo em bom e perfeito estado, como bem po-
de ser examinado no seu ancoradouro na twU
do Forte do Mattos
SEGUNDA-FEIRA 12 DO C0RRENTF.
Ao meio dia
POR INTERVENCAO DO AGENTE MRTO
Em frentu da Associacao Co>umercial
Oi pretendentees poderie desde ja obterem
qualquer informacao do mesmo agente, em *u
escriptorio, rua do Bom Jesus n. 43.
leilao
20 caixas com castanhas de Lisboa
Sexta-feira 9 do corrente
0 preposto do agente Pestana fara leilao por
conta e risco de quem perteneer de 20 caixas com
castanhas de Lisboa e para fechar conlas
A's 11 horas em ponto
No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
COMPANHIA PERNAMBUCANA
DE
lavegactto eosteira a vapor.
MACEI6, ESCALAS PENEDO E ARACAJU'.
0 vapor Mandahu,
commandante Julio,
seguira para os por
tos acima no dia IS
do corrente, as 5 ho-
ras da tarde.
Recebe carga ate 0 dia 13 do corrente, encom-
mendas ate 0 dia 14, passagens e dinheiro a fret*
te is 2 horas da tarde do dia da sahida : es-
criptorio no Porta do Mattos a. It.
DE
19 caixas com cebolas, para fechar contas
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem perteneer, de 19 caxias com
cebolas, para fechar centas
no armazem do Sr. Annes,
A's 11 horas em ponto .
DE
moveis, louca, orystaes
e i bras de prata
A SAB ER:
Um piano de Colard & Colard, 1 mohilia de ja-
caranda com 1 sofa, 2 consolos, 2 cadeiras de bra
cos e 12 de guarnicao, 3 lancas e 6 pares de cor-
tinados, jarros e vasos para (lores, 1 lustre o>
crystal com 4 bicos, t Iindo tapete para meio oe
sala (grande) caslicaes e mangas.
Umaontra mobilia dejacaranda, 2 ecarrade-
ras, 2 candieiros de pmcelana, 4 vasos para lo-
res, 1 mesa para escriptorio, 1 estanle e 1 mappa
do Brasil.
Uma caroa franceza de jacaranda (nova), 2 toi-
lettes, 2 guardas vestidos, 2 lavatorios, t secreta-
ria de cliarao, caiziohas de dilo, 1 commoda, I
mesa de amarello, 1 locador ecamas pararo*-
ninos.
Uma mesa elasiica para 21 pessoas, 1 mobilia
de mogno, 1 guarda louca, 1 aparador de mogno,
1 quartinheira, 2 aparadores torneados, 1 mesa.
apparelhos de porcelana para cha e jantar. copos,
alices, garrafas, compoteiras de fino crystal, lan-
dres, poles e trem de cozinha.
Duas estanies de amarello, 1 mesa para escre-
ver, cadeiras americanas, consolos, cabides, me-
sas, cadeiras, lavatorios e rouitos outros objectos
Quatro sofas defero, 12 vasos de terra-cott
com florei, I carro de mao, tfem de jardim, etc.
Col eres de prata, salvas, 1 faqueiro. e mniio*
outros objectos de casa de familia.
TLUCAFE1RA 13 DO CORRENTE
Em Sant'Anna, casa proxima & estacao do
mesmo nome.
0 Dr. Alvaro Caminlia Tavares da silva, tendo
de mudar sua residencia para a curie, levara a
leilio, por intorvencao do agente Pinto, os move-*
c mais objectos acima mencionados, existenles na
casa de sua residencia cm Sant'Anna, onde M tf-
fectuara 0 leilao.
A's 10 1)2 horas em ponto partira da estacao
do arco do Sauto Antenio, um trem expresso qu
servira de condupao gratis aos concurrent** to
leilao.
O \. ilao v. itu? [HMia as I .
horan.
EM TEMPO
A roencionarla casa sera tambem vendida i-.n
leilSo do dia 15 do corrente, podendo ser e* am--
nada n =
LEILAO
DE
160 saccos com milho.
SEXTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana, fara leilao por
conta e risco de quem perteneer, de 160 saccos
com milho para fechar contas.
Hoje
as 11 horas da manha
No armazem do Sr. Annes, defronte d'alfandega.
LEILAO ~
DB
149 meios de sola, resto de marca para fecbar
contas.
Hoje
As 11 1]2 horas da manha.
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conta e risco de quem perteneer, de 149 meios
de solla, resto de marca e para fechar eontas.
SEXTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
A's II horas da manha
armozem do Sr. Ann eg defronte da" alfandeg
LEILAO
uma tavema na estrada dos Afflictos n. 9,
denominada Mangwira
0
m*P
da carreira da Bahia segue para
esse porto logo que tenha coo
pie to ten car-egamento: trata se
com 0 capitao Custodio Joae
Vianna, ou i rua do Amnrim m.
37, com Tasso Innios A C.
0 agente Martins fara leilao, ao currer do mar
tello, d'armacSo, generos e mais pertencas da la-,
verna acima, em um so lote, a qual se acha bas-
tante soriida e afregnazada.
as 11 horas
LEILAO
DE
um terreno cultivado com uma casa coberta
de telha, cacimba coin excellente agua,
com l&O palmns de frente e 500 de fundo,
sito em Agua Fria, Beberibe da Baixo
Sabbado 10 do corrente
Da excellente casa de campo em Sant'Anna, pn-
priedade do Dr. Alvaro taminha Tavares da Si! -
va, a qual lorna-se recommendada por ser bem
ediQcada, em Chios proprios, e ha pcuco mais de
urn anno, com 56 palmos de frente, 80 de fundo.
com solSo, quarto fora, gallinheiro, casa de ba-
nho com 3 banheiros, bomba e um grande sitio
com 200 palmos de frente e mais de 1,000 pal-
mos de fundos, perio da estacao da iinha ferrea.
lugar muito arejado e saudavel.
QUINTA-FEIRA 15 DO CORRENTE
As 11 horas em ponto.
Por InterveneAo do agenle Pinl
Em seu escriptorio, rua do Bom Jesus n. 43.
Os pretendentes poderao examinar as accom-
modates da casa acima no dia 13 do corrente,
por occasiao do leilio de moveis, louca, vidros e
crystaes que alii deve ter lugar, e no dia 14 por
occasiao da entrega do3 mesraos objectos.
LEILAO
DO
Sobrado de 2 and a res e sotao da travessa
da rua da Madre de Deusn. 10, ediftcado
em chaos nroprios.
Qu nta-leira 15 do corrente
A's 11 lj2 horas
Por iniervencao do agenle Pinto, em sea es-
criptorio, a rua do Bom Jesus n. 43.
avisos DVEBSOS
Fslae de \. 8. do Terp
Sabbado, 10 do corrente, sera celebrada a pri-
meira missa, na nova igreja de Nossa Seobora dc
Torco, pelo Exm. e Rvm. Sr conego Andrade, go-
vernador do bispado, is 7 boras da manha; eat
seguida o Rvd. capellao da irmaodade celebrara
a missa do costume.
No dia 11, havera missa, pela madrofada,
dando-se pnnripie a testa da Padroeira, eon a
pompa e briihantismo possivel, as 11 borta da
maahi, occupando a Iribuna sagrada o Rvm.
Leonardo Joao Grego
A orchestra sera dirigida pelo hibil maestro
Rodolpho.
A' noite havera am solemne Te Data, occu-
Eando a tribuna sagrada o Rvd. Frei Augusto da
mmaculada ConeeicAo, findo o qual havera an
Iindo e variado fogo artificial.
Algumas bandas de musicas tocario dorante
as mesraas solemnidades.
- A irmaodade pede aos moradorw do pateo do
Tereo e ruas adjaceotes, o especial favor de Mn-
mioarom as freales de suas casts para maior
briihantismo da solemnidade.
= Precisa-re de
part uma peasoa,
n. 61
uma etcrava
na botict da
para
rot do Ittael
Preeisa-ie da uma eseravt part fazer a ttr-
vfoo da eomprti e vender na rot: quem qther
alngar, dirija se a raa dot Pins, eata a 33.


i
I
I
I


!
?

-

>jftrio de Peinambugu S$xta fofra 9 cte Janeiro de 187f.

-!1
-

..'.**'
BRUM N. 5
PEDEM k<
ttunismo o fa
ompleto qoe
*ccio pesaoal
B8P
ndo o chdfariz)
eogcabc a OQlri'j agrkcuioiM,
A a im eslabelecimento, para verena 0 novc lort.meutu
todo aoperior
Podendo]todoa
ser movidoa a mlo
por agon, vapor,
oa animaes.
e pe^aa de qa ae coaloant precisar.
d macaioismo, a pre$o moi resamido.
'.


feB^Hg>d>'!oa de u.
rent 0 novc lortimeoto
qaalidaSf f (ortldlo; o qce com a Ins
ao numeroVlugar DE SUA FUNDICAQ"
wA_A-A(1 mm+Aa /lA~no d8 "M'8 tnodftrnoa aysteaiaa % em ta
VapOreS 9 rOuB QagUa machos convenientes para at diversas
yrcoaataociaa doa aennorea proorieurio* para dscarocar algodio.
Moendas de canna "'""^ "Be,horM ,M ""
Rodas dentadaa a-**"*
Taixas de ferro fandido, batido e de cobra.
Alambiques e fundos de alambiques.
Machiniamos *&?*
r>0kH DaS ^ ptfeote, gawnUdat...
Todas as machinas
Fai qnalqner concerto
Formas de hno.*Km^*1*"nm'*m m '
fiiAAWMiAtiiloe tocnabe-ae de mandar vir qaalqoer machiniamo a voo-
BllCOIlluienaaS. uiQ d08 diettes, lembrando-lhea a vaotagem de laserem
mas ooaapraa por intermedio de peaaoa entendida, e qoe em qnalqner neceaaidade pode
haa preeur aoxilio. r
AimdoB amerioanoa *"*r,Mlu-
RUA DO BRUM N. 52
PASSANDO O CHAFARIZ
'___________..... ---------------
0 rel'joeim le donr. dor
Albino Baptist^ daRocha,
de vulta dn ErfrVpa, Cent;-
nda u encarregar se de
concertar o dourar relo-
fe^k bem co.< p o.irosi
objectos ; ros*H'io a seus
nWH'os u frcpuezes o 0J-
sequ'w ie nrocura lo na rua Daau'o de
Caxias (antiga rua da Crates) n. 38, pa-
vimenlo terree, qne o encontrario promp-
lo. A garantia de seas trabalhos e U- am
xe-los por preco* raodicos ; assim coaao ff
tambem vtnde relogios.
a*************
Ama, eom ur-
S6 o n. 20
RUA DO CBESPff.
m MS 8
51
a vnnier moitt bnrito para apufaf
CASSA LA
muito diulieiru.
'

gencia.
Preoisa-se, com urge:
na,
de uma ama para cozaaliar
em casa de pequena famiii
na rua do Capibaribe n. 40. J
i.
Musica
O professor Manoal Angusto de Meneres Costa
toma discipulos de ambos os sexoa, tanto em sua
easa oono em particular, para leccionar cantoria
ou qaalqner inatrumemo : qmeni de sea prertimo
se quiier utilisar, procure-o oa rna Augusta nu-
mero 187.
V ni
DE FERRO
do BarSo do Trinmpho (rua doBrnm) ns. 100a 104
CARDOSO & IfiMAO
DE
Barreiros
A aiguem que nessa villa mais cuida em urdir
nas trevas as mais vis intrigas com sioistros fins
politicos, se declara que a pessoa, alvo de suas
entrigas, ainda dbo teve a nonra de comrounicar
com s Exc. o pwsidente da provmcia, e mnos
dar denuocia d Sr. Dutra, etc Guide mais nos
seus sagrados deveres; ou ao menos se seu orgu-
lho e ambfcao uao tem limites, continae a ser po-
litico sem ser intrigante, e a dominar -essa misera
freguetia com seu refinado Jesuitisms grande
machiavelismo.
#
RECERERA'M de Inglaterra completo sortimento de ierragens e maribinas para en-
genhes, as mais medernas e melhorobra qoe tem vindoao raercSdo.
VapOreS defers de 4,^,8e 10 carallos.
OakteiraS de sobresalente para vjqwres.
MoendaS mteuraS e meias moendas, obra come aunca aqui few.
TaixaS fundidaS e batidas, dos raelhores fabrioantes.
RodaS d agUa Com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
RodaS dentadaS de todos os tamanbos e qualidades.
RelegioS e apitOS para vapores.
ijOmbaS de ferro, derepucbo.
AradOS de diversas qualidades.
FormaS para aSSUCar grandes e jwquenas.
rintVPrtoq concertam com promptidao qualqoer obra oamachina, para o qoe teem
VAjin^ei iajo sua fgi,^,^ jjem m0ntada, com grande e bom pessoal.
rTnPftmmPndafl mandam vir por encommenda da Europa, qualqoer machinismo,
EjuiAJiuiucimaio ^^ Q ^ue ge porfespondem com uma respeitavel casa de Londres
e com am dos melhores engenheiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
Jitas machinas, e se responsabilisam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua^doBarao do Triumpho (rua do Brum) ns. 100 a 14)4
FUNDICAO DE CARDOSO & IRMAO.
Imperial Institute de N. S.
do Bom CoBselho
DiriKido pelo baeharel Antonio Co
liimbano Seraphieo de Assis
Cavrwlbo.
Tem iugar, neste Institute, no dia 7 de Janeiro
do corrente anno, a abertnra das aulas de Ins-
truccaa primaria e *cnndaria.
t
Chegou esta rszend'a.sendoliridospadrSes.even-
de-se pelo diminnto pre^o de 100 ra. o covado,
pechintiatlTl afo-^.amo*raa| if {_
I | METINb I I
Proprio para vesUdaa o que ha de mais gosto,
padrtea aovos. pelo preco de 400 rs. o covado, e
Lisinnas escocezas, padrBes bonitos, a 140 ra. o
covado. a* _.'
Ditas com listras, padrtes modernos, a J80 ra. e
Maw ft e seda, padrtes modernos, a 640 rs. o
covade, e pechincha i I 1 dap-ae anosiraa.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padrSes bonitos, fazenda de
4*000 a 400 o covado, e peehineha I I t dio-se
amostras. ______
CRETONE
Cretone em pacas pequenas. com bonitos pa-
drSea, pelo dlminuie preco da 400 rs. o covado, *
pechincha I 1 dio-se amostras.
Cortes de casemira ds cores, a WOO cada nm.
Cambraia de linho de core*, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para luto, a 140 n. o covado^^
FusUo brancopara roupa de meninos, a oo rs
BTim pardo e de eom, a 400 e 440 r. o co-
V Cobertas de chita adamascada, a 3*800 rs.
Colchas brancas e com bam de cores, a Horn
Lencoes de bramante, a 2*000.
Ditas de algodao, a 1*400. .
Toalbas akochoadas, a'.6*000 a duaa.
Ditas felpudas, a 6*500 a dnxia. -
Lencos de cassa com barra, a 1*000 a duiia.
Ditos de caasa abanhados, a 2*000 aduna.
Ditos de esguiio flnos, a 3*500 a duna.
Cambria Use traasparente a 3*000 e 4*500 a
Cambraia Victoriaa a 3*800.
Atoalhado adamascado, a *000 a vara.
Dito trancado, a 1*400 a vara.
Pushes de cores, a 1*000 ocorte.
Chales de merino liso, a **0WX
Ditos estampados, a 3*500,4*000 4*500
Ditos com listras murto finos, a 3*800 e 6*000
Esguiio muito fino, a 2*600 a vara.
Brim preto trancado, a 2*000 a vara.
Bramante de algodao, a I *600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, a 5*000 a peca.
Dito domtstico, a 3*000 a peca. ,
Brim de algodao com listras propno para cami-
sas, a 400 rs. o covado.
Naniue cambraia de cores muito flna, pelo at-
minuto prejo de 400 rs. o covado.
S6na rua do Crespo n. 20
Lioja de
Guilherme & 0.
Alugase o armaaem e o primeiro andar do
sobrado da ma do Rom Jesa, ouU'or* da Cms,
0. 20, proprioi para esubelociraeoto coma
a iratar na raa do Manfnet dc ulimla n.
300|0d0 dc jtaitificaeAo'
Auenti>i;-* d--V ., Am IS <\-t toil* bV 167; <
wm d ih*ne A fro* repitsfeht '- >J>* '*
annos de idade, ( perfeito corinb-.Mio, a;M ha>tante,
6 bem magro, pouca barba, olhos gr^ude^ muito
ladino, conata que tem pai no ongeooo do Si. Lulu
de Caiara, em S. Lourenco da Malta. Este pruto
fei eeeinheirc dos m-gociautes Adriano 4 Castro e
Sr. Jose Joaquim Goncalves Bastos, e julga-se
que esteja alugado em aigura hotel ou caa para-
eular nesu cidade, como forro : pede-se a todas
u autoridades e capities de campo. que o de&co-
brindo, o tragam a rua Duque de Caxias n. 91, loj*.
de miudeias do rival stm segundo, que serio gra
uneados eom a qnantia acima.
MOFINA.
Estd encouracado !! !
.i. -
A2;i:i IIKrlr <*5ll ie rmididhiitr ...ri*J.i ua ef*i.H -I- -"/'"Hh '*' |re\-iona.
favoi Je v.r j rai IHniar d tfaalas n. 36, # coc
luir auuelie aegotiu .,ar. Sc S. se coniprfi^tt a
fifisar, pels lorrdira .-h.-'-rrada defe joial,
Hns do (kzeuibro de 1871, e jlfpou Pf 1*D20'
passou a fevereiro e ahril de 1871, e nada cumpnc,
s por este motivo e de novo chamado para o
Um, pois S. S. se deve lambrar que este a
ie mais de eito annos, e quando o Sr. *
ichavj nesta cidade
OCK)
se
Na rua do Barao da Victoria n. 36 preciaa-s.
allar ao Sr. vigario Andre Curcino de Araujo Pe-
eira, 8 negocio de seu interesse.
Bescobertas medidnaes
9
@
Aluga-se um escravo moco para qualquej
sei^vico : na rua do imperador n. 50._________
Sociedade Recreativa Bella
Harmonia.
De ordem do film. Sr. presilente, aviso aos
Srssocio9que do dia II do leorrente em diante
principiam 03 reereioa e ensaios da mesma socie-
dade, de conformidade com os aossos estatutos.
Secretaria da Sociedade Recreativa Bella Har-
monia, 8 de Janeiro de 1874.
0 t secretario,
Joaquim F. de Sant'Anna.
PEI.O BACH ABEL
MANOEL DE SIQUEIRA CAVALCANTI Q
1* o Preservative da ery- Zfe
sipela : para curar com certeza, e V
en. pouae tempo, qualquer auque de -Wv
erv*'pel. prevemr o seu reappare ^
cimento. A
Este nedicamento tambem e muito w
poderoso para o rbeamati9mo. 9m
%' o Regulador da niens- *v
truacito : para falta, irregulanda- Q\
de, suppressao repentina dameostraa- "T
qio, e dos lochios, as?im como para 4
todoc os soffrimentos devidos aqnellas
affeccSes. Ambos estes mediramentos
Ja sio muito conceitaados, e procura-
dos neata provincia, e na do Rio de
^St Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa
do autor, das 9 boras do dia as 3 da
fc, tarde, e a qualquer hora em casos ur-
Hm gentes.
Bfc GRATIS AOS POBRES
^ Rua da Imperatriz n. 14, 2 andar.
Casa de campo
Offerece-se a quem quizer fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por alguns annos, de
itraca, da excellente casa siu na Porta _d Agua,
queToi do finadoDr. Joaquim Pires Carneiro Mm-
teiro, passando-se escriptura para maior seguran-
ca A localidade e muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magnifico banho de agua doce em

iffiN
ANTONIO JOSE DE AZEVEDO.
Rua Nova n. 11.
PIANOS.
Querendo deQnitivamente liquidar este negocio, vende todos os que tem, ^novos e
osados, pelo preco docusto de factura.
Tambem acaba derecebero seguinte:
01.EADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos de 11 a 33 paJmos
de largura e 100 de comprido, podendo forrar-se uma sala por^rende que
se|a com oleado inteiro.
MAGNIFICGS eapelhos ovaes para omamentos de salas.
4SNEIS electrieos para curar (lores de cabera. .nevralgias e nervoso.
MUITO lindaa gravoras, grandes, para quadros de sala.
SRAMPOS para segorar roupa estendida nas cordas, a 200 rs. a dtizia.
TALAGARCA e papel picado para bordar com 18 oh s&ia.
^ERDADEIRA agoa de colonia em garrafas empalhadas.
E muitos outros artigos, e por barato preco.
- Aluga-se no largo da Par, nos Afogados, uma
casa teirea n. 90, com commodos para grande fa-
milia, grande quintal com arvoredos e outras mui-
tas.commndidades, por pre;o razoavel; a fallar na
ma-do Duque deCaxias n. 97,i e para ver a mes-
ma casa. com o sacristao da matriz da dita fre-
guezia. I____________
Atten<;a6
n
J100$000 de gratifica(jao.
No ultimo donxugo do mes de dezembro proxi-
mo passado, por occa9iao da missa na igreja do
fiosanio da Varzea, perdeu-se uma pulseira de
euro, com o retrato do fllho mais velho do abaixo
assignado, tendo a roda alguin esmaite preto e seis
ou oito hrilhantes : quern a achou, se re-tituir no
engenho Meio, da Vaizea, ou na rua do Trapiche,
armazem n. 13, recebera 100* de gratificagao.
Aluga-se a casa n. 77 da rua de S. Joao : a
tratar na rua Duque de Caxias n. 44, ou na rua
do Raogel n. 41, f andar.___________________
Os abaixo assignados declaram ao respeita-
vel publiea desta cidade, e com especialidade ao
commercio,4]ue poc motivos, que so a elles dizem
respeito, r-esoiveram liquidar o armazem de agen-
da na rua do Vigario n. II, por isso, pedem a
todas as pessoas que teem objectos no mesmo ar-
mazem a virera retira-los no prazo de 6 dias.
Hecife, 31 de dezembro de 1873.
Raymundo Rmigio de Melio Junior.
Par. men pai lose Maria Pestano.
_______O preposto Joaquim Maximiano Pestana.
Moleque.
Precisa-se de um moleque para todo servieo
de easa de familia : na praca da Independencia ns.
9e8._________________________________
Garanhuns.
C0Z1NHEIR\
Precisase de uma perfeita cozinheira, nao im-
porta que seja ferra ou escrava, para casa de ama
familia estrangeira, paga-se bem: a tratar na
ma do Bom Jesus n. 55, casa de Keller & C.
Clara Henriques Correia de Linhares, decla-
ra ao respeitavel publico, qoe esta mudada para
a rna da Coneordii. casa junto a da esquina por
onde passa a rua da Victoria, para onde se ma-
dara logo que se acabe, e que como profes-
sora particular, entra no exercicio de sua prods-
sao, ao dia 10 de Janeiro do corrente anno, onde
ensina, nio s6 primeiras lettras, trabalhos de agu-
lba e contabilidade, como tambem lingua nacio;
nal, traduccao franceza e geagraphia, e qne esta
prompta para prestar os seus servicos a quem
a procurar na c:isa acima indicada, oode tambem
recebe alumnas internas e meias pensionistas.
No engenho da Sapucaia, de Beberibe, ba
bons sitios de lavradores, boas terras de excel-
lente assucar, commodidade de traosporte de ge-
neros para a praca ; e sobretudo a moradia nos
arrabaldes da cidade sao vantagens que para esse
genero de vida nio se acham em outra qualquer
irle.
(rente, e 6 muito commodo visto que o trem passa
lefronte : quem pretender pode dingir-se ao br
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipucos, au
Sr Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
on ao Sr. Cannan, a rna do Tommercio o. 4tt
Alugase uma excellente casa na povoacao
de Doarte Coelho, em Olinda, com bon> commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso. rua
Amorim a. 37.________________________
AtlenQao
HOWS PUBLICRCOES MUSICAES.
A. J. d'Azcve(lo-Hiia\o\an 11.
Acabam de publicar-se, e acham-se <
venda as seguinfos musicas :
PIANO SO".
Danseespahhola, por Ascher 2*000
Arabella, mazurka, por G. W--
theimer l?^wu
Valsa do Fausto, por Crojzes 15000
SONHO DE UMA VIRGF.M, por Alber-
tszzi 1JO0W
Anna la Prie, cavatina l??000
AoClair de la Lvjne, por Bussmeyer U5 ESTRELLA DO NORTE jp ,fca bri,hiinte ^,.,~.
SaudacAo ao Baiii a (
Cricket, por Scixas, offerecida aos
chrickets club pernambucano e
bahiano ia<>*
PIANO E CANTO.
Desespero, muito Undo romance
por I. Smoltz *HMW
Non m'amava, romance por Goercia 15000
Tambem recebeu da Europa grande sor
menide musica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc.___________
SAQUES
Carvalho & Nogutira, na rua do fcp. II
n. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as ci
dades e villas de Portugal, a vi>la e a ptfl
por todos os paquetes.
tX5 CSC0*a5C X?5?O0
Odilou lUiarte & inifoi jj
Cahelk'iniro ^
& Rua da Imperatriz n. 821
0 Sr. Franchco Ag-wtioho Madeira, e roga
vir a rna do Duque de Caxias n. 60 A.
do
Aloga-se uma casa lerrea com commodos
para familia, e tendo gaz e agua encanados, na
roa Imperial n. 179 : a tratar junto.
IIIll
PARA
Marcar vestidos, roupa de cama, guardanapos, leneos,
meias e todo genero de roupas
COMO TAMBEM
Cartoes de\isita, livros, envelopes e floda aqualidadcdc
papeis, clara e exactameate com o nome competenle da pessoa
Garante-se dar uma chapa tio boa como poderia conseguir-se em londres ou Nova
V'ork, e affianca-se igualmente que a tipta sera" mdelevel.
You can bet your bottom dollar on that
Cada chapa como nome da pessoa 6 acompahsda de doas frasquinhosdetinta, um
piocei, uma direcclo sobre a maneira de empregar a chapa e mna receita para fazer
iota, costando todo
Preco fixo
Em letra de mio e pothica
jVRGei,iVS \M^IUC\?i vs
PABA CHAVES
Sao muito commodas e possuem as seguintes vantagens :
Servem para ajuntar as chaves, e ao mesmo tempo sendo
nome e moradia do dooo.
Sib faceis de abrir e fechar, deixam entrar a maior
5 Sio feitas de prata atlema en5o slosujeitas a enferrujar, qoebrar ou abrir ; como as
argolas de aco, ado muito fortes e bonitas. Cada argola americana com o nome e mora-
dia do dono, aberta namearoa, custa :
Preco fixo
P. LAURO
^iO HOTEL ESTAMINfiT
Rua do Imperador n. 32
TODOS 08 DLA8 UTFJT DAS 9 ITORAS AO' MEIO DU.
'"'!'- ^ oa> Mftunw >
Na rua
:allar aos
os6 Paes
esse.
do Barao da Victoria n. 36, precisa-ue
Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
daSilva, a negocio de particular inte-
Aos pais de familia
A professors particular, abaixo assignada, avisa
aos pais de suas alamnas e mesmo a todos os che-
fes do familia, que quizerem conflar-lne a eduea-
cao de suas (ilhas, que no dia 12 do corrente mez,
principiam os trabalhos de sua aula, onde eonti-
nua a ensina r a ler, esc re ver, con tar e grammatica
national, inclusive todos os trabalhos de agnlba,
bem como bordados de matiz, ouro, alto relevo,
ensina com gosto a fazer (lores e trabalhos de cro-
chet e la, e a aqueJlas meninas que mais se quei-
lam aperfei;oar, ensina o franeez, musica, piano,
danca, pois tem para isso habris iuestres. Aceita
extbrnas e internas, e espera a proteccSo dos cue-
fes de fan ilia, promettendo em compensacao gran-
de desvello no cumprimento de seas deveres : na
rna do Cabuga n. 16.
Fortunata Fortes.
34000
.WOOO
chatas, ha lugarpara o
chave sem offender a
34000
*tm t. am top ten

V -].
m
Aula particular de instruc-
cao primaria
Manoel de Sooxa Cordeiro Simdes previne aos
seohores pais de sent alumnos, que no dia 12 do
andante se ha de achar sua aula aberta em con-
tinuafio dos seus exercieios ; bem como ao res-
peitavel publico, qoe coniiniia admfttfr alumnos
externos e internoa, pensionistas e meio-pensio-
nistas : na rna travessa dos Expostos, 2* andar
da casa n. 16.
-0 abaixo assignado declara ao respeitavel cor-
po commercial, e especialmente a seus credores
que nesta data transferij seu estabelecimento de
molhados e (fazendas da esiacao de Frecheiras
para o povoado denominado S. Jose da Boa Es
peranca.
Recife, 6 de Janeiro de 1874.
Jose Gomes da Silva.
ATTENQAO
Faz-9e negocio com o estabefecimento sito a
praca da Independencia ns. 32 a 36, com as mer-
cadorias existentes ou sem ellas : a tratar no
mesmo.
Offerece-se am caixeiro eom bastante pra
tica de taverna : quem precisar dirija se a rua da
Imperatriz n. 22. __^______________
Aluga-se uma escrava para todo servieo de
casa: a tratar na rua de S. Jorge, antiga Pilar
n. 74.
a
Car vao animal
DA
Fabrica do Monteiro a 2$
arroba.
Os proprietaries deste grande estabelecimento
avisam ao respeitavel publico e especialmente aos
Srs. rcfinadores, que se acham de continue pro-
vidos de grande porcio do melhor carvao animal,
nao so para abastecer o consnmo interno da pro-
vincia, mais ainda para satis fazer qualquer en-
commenda para exportacao. Os pedidos poderao
ser feitas a rua Duque de Caxias n. 28, deposito
central.
Na rua da Praia n. 76, precisa-se de uma
ama, preferindo-se escrava.
Ao Sr. chefe da saude pu-
bliea.
Pergunta-e se pode o fllho do finado Peixe,
que e relojoeiro, estar com a botica do sen finado
Sai, aberta e vendendo remedios a titulo de casa
e drogas ? ?
Um pharmaceutico.
Attencao.
Vende-se a armacio de fazendas existentes na
loia de cbapeos, sita 4 rua de de Uarcilio Dias n.
61 ; loit esta que pertenceu ao finado Tranqoili-
no Candido da Silva, a qaal se acha muito bem
sortida e e rauitn aireditada. Qaem pretender
uma e onlra coasa, dirija-se k roa do Bom Jesus
n. 48, escriptorio de E. Burle & C. que achara
com qaem tratar.
Moleqne.
Precisa-se alagar um moleque de 12 a 14 an,
nos para o servieo domestico : na rna do Bara'
da Victoria n. 38______________________-
Qaem precisar de am rapaa portuguez para
caixeiro de Uverna, tanto para a praca, como
o matto : dirija se a rua da Imperatriz, loja
28 qoe achara com quem iratar,
0 artista cabelleireiro
Jayme.
Podera ser procurado para exercer os misteres
de sua profissio a raa do Duque de Caxias n.
18, deposito central de perfumarias da fabrica do
Monteiro.__________________^_______
Carro americano
Vende-se nm carro americano, de qnatro rodas
e 2 i'U i assentos a vonlade, em perfeito estado e
com arrei : para ver na fabrica de earros da
rua da Florentiaa n. 14, aonde se dira com quem
3e deve tratar.
Vende-se a armagao e pertencas da taverna
do pateo do Terco n. 4, propria para qnem so qui-
te/ estabelecer com pouco capital : a tratar na
mesma.
0 abaixo assignado- declara ao pulilice 6 com
especiaiidade ao corpo do cemmercio, qne com
prou a Uverna aita na travessa do Peixoto n. 30,
ao Sr. Antonio Jose Vieira, Iivre e desembara;ad
de qualquer deblto oa onus.
Manoel Jj'e Fernandes.
Deseja ae fallar ao Sr. Joiu Fraucteeo da Cosy
ta: oo Porte do Matto
ariDaaem da Corapanhia.
' 0 abaixo assignado faz scif-nte ao respeita-
vel publico desta capital que continiia a recolher
em seu armazem sito a rua do Vigario n. II, mo-
veis, fazendas, miudezas e quaesquer objectos,
para serem vendidos em leilao publico, proniet
tendo desde ja aos seus cumitentes, todo zelo e
probidade, nio a6 na boa conservac,Ao dos otijec-
tos recolhidos, como no prompto paga.nento dos
mesmo, logo qne forera vendidos.
Recife, !. de Janeiro de 1874.
Por meu pai Jose Maria Pestana.
0 preposto, Joaquim Maximiano Pe-tana.
Escravo fugidu.
Fugio no dia 4 do corrente mez de Janeiro d
74 o preto por nome Ignacio, idade &0 annos, al-
tura regular, secco do corpo, bigode e Cavagnac
ralo, cabe^a muito pequena, olhos pequenos, lalia
de denies na frente", rosto secco, tem voz baixa,
falta pouco, e e carregado no semblante, foi do
engenho, comprado a D. Felippa < avalcanle de
Albuquerque, senhora do engenho Tanto Es-
curo, do sul, comprado em 17 de junho do anno
proximo passado, e dalii para ca se tem orcupado
no trabalho de padaria, deve ler os nos dos dedos
das maos calejados do referido servieo, sabio com
roupa ordinaria, calca remendada, e costuma an-
dar com ella arregacada, e camisa por fora da
calca, levou camisa de chila com listras encarna-
das, e de algodaozintio, tudo ja usado ; desconfia-
se qoe seguisse o caminho do sul para o referido
engenho ou seus soburbios : pede-se as autorida-
des policiaes ou as pessoas que o encontrarem de
leva-lo a casa de sea senhor, no Recife, em Santo
Amaro das Salinas, rua do Lima n. 72, que se
gratificar agenerosamente.
Aluga-se o 2* andar do sobrado da rua es-
treita do Rosario n. 36 : a tratar com o ministro
da ordem terceira de S. Francisco, no con^ist:rio
da mesma ordem.
Escravo fugido
Fugio no dia 30 de dezembro, e consta que an-
da pelos sitios dos Auliclos e >rraial, o preto
Tito, idade de 40 aunus pouco mais ou rneno.-,
altara regular, e bem preto, e tem na cara mar-
cas de bexigas ; levou camisa de ctita verde e
calca de brim pardo ja velho; anda sempre com
nm pequeno avental, para encobnr a qurbradnra.
Quem o pegar leve-o ao Caminho Novo n. i08. ou
i rua Nova n. II, que sera bem recompensapo.
Da-se dinheiro a premio sobre hypotheca,
nesta cidade, assim como aluga-se am moteque de
14 annos : a tratar na rua do Duque ae Caxias
n. 44.
9 Rtceberam nm grande e variado soru-
U mento de tran-.as de cabello artMeta Ipara jf
Q os penteados modernos que veodem pelo rf
fl baratissimo preco de 6* cada uma.
Precisa-se do uma ama ten* on rav, !-
cixirhe bem o ordinario para ei-.i d
seja de boa conducta, pagando -: 20*000 re n
na Capunga, rua das Peraambacaaas, raa d
tea, junto a ^itio do Dr. P--ieir.i d^^nr^
Collegio k X S. k
Saude
,m iueitiiia*>. c.--
i-iia I'.ji'm .
Hotel Aguia de Ouro
a rua estreita do Rosario n. 23, precisa de um
bom cozinheiro para o mesmo.
Aluga-se tres casas com commodos para fa-
milia, sendo duas na Capunga e uma na freguez a
de S. Jose : no pateo de S. Pedro, venda n. 10, se
diz quem alnga.
Sociedade patriotica doze de
setembro
Sabbado 10 do corrente, as 6 horas da tarde,
tera lugar no club pernambucano, no caes it de
novembro, o leilao dos objectos que figuraram na
exposicao agricola, e qoe foram offerecidos para
o nm de apphcar-se o sea prodacto as obras do
lyceu de artes e offlcios.
AVISO.
Modista franceza.
Madame Clementine Daura
partk'ipa ao respei-
tavel publico, que achaodo-se estabelecida na rua
da Imperatriz n. 19, fas vestidos para passeios,
bailes, casamentos e baptisados com a maior prom
ptidao, por preco muito barato, satisfaaendo nas
proprias casas as pessoas que quizerem houra la
com anas encommendas.
A' loja do Pavao.
Sio ehamados os seguintes senhores, a negocio
de sea interesse:
Javencio Affooso de Mello.
Jose Maria varrocos Hendes.
Jos* Carlos Marinho.
Alisio Tellea de Sooxa.
Godofredo A6rtn Lima.
PraneiBeO RosaV.
Para eluca?t<* 9
ttabeleci n *>
A directora deste celleg'o, abaixo iwipil
scieute aos pais de ?uas alumnas, e iiifsm
os chefes de familia que qnizeren oaadar-l
educacao de suas filhas, qao no dia 7 d-> |si
proximo vindouro umtjiM < s trabalfcM iea
tabWecimento, no qual se easjna & m at*
fei-.a-jt e por eteuihidMa pro'eosores a Wtni
l-rosa e verso, cabgraphie, irtHaaMiea, <\
m-trieo, lingua vcrnarula, hit"ria, |
frame/, incTex, musica v 5a, crochet, la'iyrintho, olsras ie la, b
ntatiz e ouiro, etc., ale. ; lie serao admi i>
man de viute alumnas.
A dirictora c-jntiuua a Mr tetosa a
no cumprimento de sen- deveros, e d'^d" ja \fri-
dece em extremo a bondada com qu* 1 h rsM -
pais de familias, contiandn lh' .1 edamrjw Ie
innocenles lilhas.
Boa vista, 29 de dezembro de. 1873
Maria Kkna da ft
Dlrcrffira
Aloga-se a cssa da rua d-> General S
(antiga do Jasmim) n. 33, a-sim eoxo dm-
noas para conduc.io de miliirintu : a Irataf
mesma rua n. 39
Precisa se de um empregado com prati
escriptorio, boa lettra. sol teiro. e que de Mestaio
de sua conducta : a tratar n-t travessa do Cari :
n. 2, caes do Ramos.
38SSSS
COXSULTORIO
DO
DR. FKRRE1RA
Medico operador, a rna larga dc Ro
sari-i n. 20,
Antigo gabinete dc sen pai.
Cura de byd "ore'es sem anjeccio
Ab-rtura de abcessos e ex trace*' ^
de derramamentos aerosos pelo aspi-
rador de Potain.
Consolias de 7 boras da manh* ao
meio dia
Chamados a qnalqner hora.
Gratis aos pobres.
Aula particular
Secnndino Jose de Faria Simdes, professor par
ticular de insiruccio piimaria, avisa ao respeita-
vel publico e ^om especialidade aos pais de fami
lia, qne no dia 12 do corrente estara aberta raa
aula, na rua da Penna n. 25, i* andar, aonde con-
tiniia no exercicio de sen magisteno. 0 mes-
mo professor prome'.te muito se esmerar peV>
adianlamento de sens alumnos.
Aluga-se
0 sitio da Ponte de Ucbda n. 35 : a iratar no me*
mo sitio, on na rna do Rangel a 7, 1* 00 2*
andar.________________________________
AllENCAD
At publico.
Existe na rna da Santa Out, eaaa de nm Sr.
Lima, nmas pretas escravas qne gostam de in-
snlur alguns dos vixinnos sem esass Ihes darem
0 menor motivo ; no dia 7 do corrente, as ues
scravas descomnoioram a nmas mocaa de familia,
com palavras offensivas, qne nao se pode deixar
desapercebido ; tem ellas ul atrevimeoto porque
0 S'. Lima nio tem forca moral para corn as -
rava, ella- nao levant 0 sen senhor em coata, ate
0 deaeompSem qnando eHa falla. Mesmo paao
providencia para ella nio deixar coat
abuso. senao alias poderao achar anwt
ao peUo.
Un prejodKado.
ul
va
P
d


_

81 ab^ii^xifc.
o ae remain
.6 *
isktiffa %Ddm$$? st m*-

Cas
Atuga-se per n
on\
a
is e por ponco
dinheiro, uiha excellente casa em Olipda, na
doBomfim a 2t mrt^ttaa,;^liioma;los
para graode fartiilia, tendo agaa e gar encanados,
grande quintal ou sitio arborisado, torn excel
enje vista para o raar e a cidade, apenas distante
ires mioutos da estacio do Carrao a poaoo mais
dos banheiro? ; a tratar oo arraazem de Joao Ro-
sa, na travesaa da Madre de Peos n. 8, ______
100#000 de gratincacao
hngepbo Santos Mendes
Fugto no d4 fle detemtcro, do eneenho San
tos Mendes, cbmarca de Nazareth, fregtoeia de
Traenntilem, a escrava Maria, crioufa, 50 anloa
dous signa
na. .^pesso:
done, ojue 6
vino Gouios da
eife, largo do Corpo Saaro
ecompensada com a qar.ntia d
eixo, e 6 bem lad!
,on ao sen
. Lauren-
ou no Be-
tUHandar, sera
Ama
84, loja.
Desapparecen ao amanheeer do dia, 4 do correa-
le, do engenho Se'igi, comarca de Goyanna, o es-
cravo de nome Jos* Borffts, mfestre de alssucar,
t endo os signaes segahiies: cabra, idade 30 annos,
pouco mais ou meaos, boa figura, hoi taato gros-
so e espadauilo, sendo o signal mais visivel ama
gomma na junta do pe esquerdc r ga se a todas
as autonjades e capitaes de campo queiram ap-
prehender diio escravo e leva-Io ao referldo en-
genho, ou ne.-ta praca a OKveira Fdbos & C, lar
go do Corp.) Santo n. J9, que serao generosamen-
te recompeusados.
Giainain-se
a loja de fazendas e roupa feita a rua do Mar
quez de Olinda n. 40, os senhores abaixo mencio-
nados a negocio de interesse reciproco:
Adnlpho Rober Kooper.
Bento Magalhaes.
Hermngenes Nunes da Silva.
Joao Martins Nogneira Santos.
Miguel [topes Ouimaraes.
Jose Alfonso.
Miguel Ferreira Pinto.
Miguel Azevedo.
Manoel Tneodoro do Nascimento.
Bernardino Lopes dos Anjos.
Domingos Malta.
Antonio Serra.
Jose do R.go .Araujo.
Jose da Cunha Freitas.
Jos6 Ignac o Porte.
Antonio Miireira Camara
Zcferino Domingues Moreira Junior.
Joao Raposo de Soaza.
Manoel Bacellar Pereira de Moraes.
Antonio Aquilino da Costa.
Arnaud de Hollanda Cavalcante.
.--------------------
*o Brv.cisa-se.de uma triad a ou c
eimprar e eeinhar date. 40, a> .aodat. n m. '
, Preciea-se-.alugar uma ama Cm coat__
Annada.
Na rua do Barao .da Victoria a 3d, precisa-se
fallar to Sr. teaente Jose Maria Pestana, a ne
gacio de sen interewe.
'cido com saboarift
lo ISaranrdu Triump i
te di uijelcm dian
alg (
A\)fA Precisa-se de uma ama pra eaaitnr
AJH-a. m: atrattr aa Pasesie Puafieo a
84, loja.
Anift dscravB*
Precisa-se de uma ama esera'
q>e cpziiibe e sirVa par* ?dnfler i
lot pffcfeo : a'tratar ua loia-.'do '
meiro de Marco.
. 'ii-w 1" i ',
Ama Na raw ioHiipicia i 4.
l*t de oraa-anntlrm 0a esmva.
Amn Precisase" de uma, que saiba la
T\.iua engapnar, |IJa duas pessoas : a
do Hospicio n. 50,
Prw*a-se
zinhe : t'^HilW
ilTit
a6d%
PrecisFSe oe nrtia
ntiar, na rua. do
loja dei B i'lMul
delHr
Amas pe]
serri^w hrternos, para uma casa
lia, tpm naefonaes, qaet*'Atr'J
bem : a tratar das 9 boras da t
de, ft ma' do Barao da **
AMA
'recisa-se
iar : ni
na rua
Aftta de J^ite

Precisase de ama ama de ieite : aa rua Duaue
de Gaxias a. HI, oa aa ma de Hortasji. <5. ,
Escravo fugido.
Fugio a 26 de dezembro de 187^, o escravo Se-
bastiao, crimlo fulo, sem barba. com idade de20
annos, altura regular, corpo reforcado, falfa am
pouco des-an-ado; foi aqui ven#ido qro IS de de-
zembro de 1873 por Jos6 Francisco Pontes de
Azevedo, nmrador na matriz de S. Caetano, fre-
gnecia dre P.ibein. do Sobral, da raesma freguezia ; acha-
so rnatriculade no municipio de Caruani, para on-
' sconfia ler fngido ou para a Rapoza ; ro-
:.is as antoridades e canitaes de campo
i;t-u$ao de dfto escravo e leva-Io ao Recife,
. I.ivramtnto n .18, armazem do Raiiza, qae
iUO ; i.rosMmente recontpensados.
' 3.' de dezpmhro de 1873.
Escravo fugido.
I..*r*
r re
Ccimpanhia do Gaz.
A empreza do gaz tera a honra o}e aomincaai
ao publico que reoeboa ultitrtente m espltb^
dido sort i men to de lustres de viilro, candiei-
ros, araodelas e globos, pjijas annos4rre%tr| ^
no escriptorio d rua do Imperaclor ri. IJ^,
e serSo vendidos aos'se'us fregSieiies pelo'
preQo mais razoavel possivel.
it
t
no dia 2/ de uezembro da casa do sea se-
PtJro Os.irio de Cerqueira, morador na es-
da Toire, sitio das Mangueiras, 0 escravo
Jtaximiano, pft-to, 36 annos, poura barba. tem
13 usdos dos pd- tiastante unidos, levandi) vesti-
do rrapa de risc-ade azut e um bonet de case-
mira, e ouira muda censtante de uma ramisi
branca c uma calca dc ca-einira escara, cujo es
cravo e natural do scriao de.-ta provincia, e re-
sidio p: r miiilo tempo oa freguezia de Ipojuca,
engeaho Qucli'z, ero corapanhia do shu ex seubor
Franrisco de Sa e Albuquerque. Ruga-se a to-
das as aoturidades policiaes e capitaes de campo,
queiram apprehcuder 0 d to escravo e leva-lo no
refenido sitKi, ou na rua da Imperatriz n. 32, que
.-e recompensara com toda generosiJadj._______
tozinhcira
Precisa se de uma boa cozinheira
Imperatriz n. 37,1* andar.
na rua da
Copeiro
Precisa-se de um copeiro que seja asseiado
tia rua da Imperatriz n. 37, andar.
Collegio de Santa Ge-
noveva.
55-Roa do ilosi,ieio---55
O director Antonio Marques de Arm rim avisa
ao- Rims. Srs. pais 0 tutores de sens alumnos
4'uJ de scgunla Mra 12 do current* em diante
funcclonarao a< aulas deste collegio,onde a ma-
tncula n-spes'iva otarft aberta desde 0 dia 7.
Jo o Juse de Oliva declara qae, por conve
ui&ncia Comnn rcial, muda seu nome para Joao
Xarciso de U'.iva.
Recife, 2 dc Janeiro de 1874.
Na rua do \igario n. 19,
1. andar, ha para vender:
Cera em~vulas e bogias, de superior qu'alidade.
Cognac inglez.
Retroz de Porto.
Vinhn do Porto ennarrafado, em caixas de duzia.
Yelas stearinas inglezas de 1 libra cada masso.
Primciras Icttras, musica, piano e
frail cez.
No dia 22 do mez proximo passado, na aula
particular da rua do t.amarau n. 3, regida pela
professora Emestina Vir'tnrina dos Santos Beran
ger (alumha-rnestra da Escwla Normal desta pro-
vincial) foram, examinadas todas as alumnas, sqn-
do em granimallca pOrfMueza e arllhm-tiea ap.
pTovadas e premi^das: JuTi'a Hbrtencia Xavier <(e
S.)ur.a, Maria de Negreirns Oa Costa Reis, AmeU>
Carolina das Chagas e Maria Amalia da Conceirao
Silva. As duas primeiras com di>tinctlo e as
duas ultimas pienbmeate. Eutro as pequeninas
distinguiram se Maria da Cnceicao de Barros-
Simdi'S, Amelia Joanna Spieler e Zulmira Jose
phma de Azevedo, dne foram ignalmente appro
vadas. Foram examiriadores os Srs. professores
Miguel Arrbanjo'Hjrideflo'e AnWrtid Razilio Fer-i
reira Barros ; e espectadeires os pals' das meSinaa,
algumas senhoras e1 ffiafj pessoas. DepUs dista
varian alumnas tteciltaram no piano pedaios es-
colbi.lus, sendo premiMa Com dislinccio Are|a
Carolina das Chagas. A supradita professuia
agradncendo cordialmenie^os respeitaveis pais de
saas alumnas a honra que ibe.fazem na confianca
da educacao de suas fillias, partii-ipa lhes, tasim
como ao respeilavef publico, que se achara a aula
aberta no dia 8 do corrente mez, e que contmua
ra com tado o asnwro, esperando a proficuiJade
deseus esJor&is' d maftaexperieacia que tem do
ensino tarHi}iquf"corno'nas Alagfias.
B6a-Vista. (I 1f ifruoiW^p <8?4.
EsewlVii t'*gida.
Te
ProtesU-se coaira; a pessoa qae cenko* ei
mi a casa a escfavaJ^aoaa. ^ue fugioda cauldd
sua seohora BanMftMida-fftra S o .'ornoala, e
pede-e a |ielKff)e^0!<'CdiW de-farspDrde-' la
>itfer*n^ itaadatfja o$:.aaia*e< aigaamrma-
^, boixa,, ,fid>, eabeilM oafiio^.,cta*a^
"|iRg*l aHos*DM,. n nia"4
-='M rftaT*>a*t am escravo mo$> e sadio, em condicoes
todo wttiao. .
A
A
do:
A
A
JWrua do
vimento. terred,
uma ama que
tfcga-ge beJB
Procisa-se
BC^S^-Seide
S
idade para lavar, engommar e
cozinhar para casa de |bocos
solteiros, paga-se bem agradan-
a tratar na rua do Rangel n. 3.
90OTtdaria.
iducaeao de seus raboi, que
; Janjirj) ^ pmtaui, JiBdoM
abertas as aulas. Desde ja, agrad
IW^lrejiaA.Jrp^adr.c^iueiq^n-3
WW JiMpfcW am ^wpwfc tJWW-
te contmuar a ser zelozo no catnari-
mentn ^dieos deveres. .,1 a* aMsaaJ
ODr. Raym
boras da U
dos paraofijeefo de'sua pro"
IMiil' i i fl ill
'
AlleocSo.
O Sr. Caadido 6. RsLima.faga I faror ir a kta
do Duque de Caxias n. WA,
i CoiBBftorio nedieNiif red
A. B. da Silva Majj&
; B.da do Visconda de ^Ibuqaprqoe *.'
11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista
n. II.
Chamados : a quaTVrnaf horic',, _,,
^ Consultas: Aos p bras #fls, '(MM il
J 4 horas da tarde.
m
i
MEDIC0-CIRUR6ICO
I
DO iff
Dr. Santa Rosa. gff
Rua do Barao da Victoria n. 46, 1.*
andar, outr'ora rna Sow.
onsulias das 10 horas da manna ao
meio dia. -
Chamados por escripki a qiialquer hora ^
Especialidades. Partos, molestias de ^|
at olhos e do apparelho re-piratorio. ^
?1 Alnga-se o sitio Pedra-molte aope'daesta-
c3o do mesmo nome (liirha do Caxanga)^ tarn boa
casa, frncteiras e muito terreno para pt*wa$Jes de
lavoaras e hortaHc-s : a trftlar na rua Dmjrie de
Caxias n. 46. ou na estrada do Galueiro t. i.
0
i


4' Torre
Aluga-se para pssara festa am shio cow
excellente ensa de habitaeao e banho no rio
a frenta desta: quena a pretender, pdde
proeurar A rua de Gervasio Ptres ttu >SWl
uma casa na Capunga, rua das Peroamboeana^,
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vfgario Tenorio n.'31.
Constando one se tem ansentadb d'esta cidade 'o
Sr. Salvador de Sl-raefra CaValcaute cdm stta fa-
mllia, levando conisigo os ektraVos FTaolnsta e
Aquelina, deque edepo^itario, e' tpte .nSd'tfs.Ieni
querido ^e^titui^ a seu dono, nao obstanfe o man-
dado de pri-ao que contra si tem de Sr. Dr. iaiz
do commercjo, previne se qtre ntnguem conlr^t*
negocio algum com dito Salvador, tendente a'esses
escravos. Recife, 3 de Janeiro de11874.
Fugio no dia 20 de dek'erabn. 'de*i873'o es-
cravo de nome Joaquim, de idade 3"i adhos, Baiic'o
e cheio do corpo. cum urn signal no beiaj.de ci-
ma, parece s.-r de um talho, assim como tambem
tem um pei|ueno defeito am um <)lhp : queni o
pegar tenha a bondade do o'trazerna rua de Sato-
ta Rita p. 85, junto a refioagio.
O abaixo aillgnadd
ratsxBXAa
spon/abili
snaVnom
scfeotifita
rregados da
tad seus caxeiros, Klpidio
Franclco Martins.
Recife, 2 de jaoaire de 1874.
AiUor.to Jda/iuim OSr.
mente de L
mar
rr <** oiWaad^^ua^olaTD^H'tiudaaaai'ifca les
enptorio da rua Marquez de Olinda abfatt'-^ra
^fctftaufr iafajnoli?>itpoab if,*
. -_
a imper
A UA
'i! r.
acf :
ktf a*eq oi^om
183
WT%
atfi
Vende-
reas a rua
Kr^'io'
rua do Grespo n
Veinl
^'Mi.
,>se
aSawuf 'pfexjo exjselentes terrdaos
.._'l5*jT4Wflul margem do.ri*
rto da estacao do eaminbo da-fer-
larcem do rio e
rro, na estrada
o da estacao<: a
|flafar,Pflm> Joao Feitosa, na rua estreita do RoaAnd
nqmajo,^________'--
por muji
DOS
Capiftaribe
ro ; na eat
pertod:*-
nova d
JWrJPt'4'lfflti
!WBIf j5TO!rjWTOl'M ba9; dd, Espiufcw-:
\Jjn MS ualmos de.freutq e wjidntps e.taaws-
tarlB de y.poras em .dianje.
cajo. apbradq
as 7 fioraa-
3:060*000 de apoiices do governo : a tratar aa
Praea do Marque? de Herral a. 2, com os S,rs.
Borgee & Costa. ____________________
Vepde-se um BW rfidlto bwn, com uma eftrro-
ea : aa Tamarineira n. 4.
Vende-se um bom cabriolet de quatro
rddas : na na* de S. Goo^alo. n. 29, se-
bfado no lada da ig^ja. _________
Wnde se o hotel da rua do hangel n. 8ft : a
tratar no mesmo.
Vende-se a taverna sita ao pateo do Tero*
n. 1, propria para torindpfadie, e bem afregueza-
da : a tratar r.'a nysma.____________________
PUfNCHA
Cbapeds a*fe"-pa*ra horhom, pello de seda :
eade%etira,rua do Vfgario'a.-IT, priraeiro uadar,
peio baratissimo prsfo de 8^000 cada nm.
Fabiii Ruslleo
JeauifeiAo em Pfernambeo
A/ yeadar'ai'ilivraria Bronnrai-a, a rua Pi*i-
jneiro Barao da Victoria, e na typographia Comaaercial
a rua estreita do Rosario n. i Prego 4*000.
a taverna sita a rua do Visconde de Inhauma (ou-
trora Range!, n. 5, hem afreguezada tanto para o
matocomo para atyntyi: a tratar na rua de Pe-
dro Affonso d. 61.
4
I Dp

k* este grande estabeleamento tem gardo vm horn animentd de machinas par*
costura, dfc todos os duMfres mais acredita-
dos ultimaTnentetW Europa, emas machines
sio WfJ^daC JP0? 4UDQ *nn4-J[ e tendo lum
perfef^aaftiff wa|enti|[^a#mesmas, em
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerttH-fas pek> tempo WMXiu d'um
Jfekfe Sern *e^^'a1gtfffi fio corapfJldor.
iN'este estabdecimeirto tambem i.a perten^as
ra as mesias-rabinas e se ssppre qiial-
e^a qf' *j*fte*ess&rio. bs ma-
nai tWftalWfhi com toda a pttfet&o rfe
iim'elJdui'potponlosy iraqie e fcord i^w
qualquer costarft por fern ajue 9 precos sao da seguinte qualidnde pace Itra-
balbar a mao de 3&0OW, 405>0 &.. iS^JDOO
e 5O|M)00, par trabnlbar com o p6sfid b
805000, 90fOW, 1W3000, i i0g>0C%,
1269000, lZt&VW, 15O9000', 2u&$00 e
2509000, eoaquattle aod adtores nao-ha al-J
te'r'a^ao de p'rec/)'*, e os cooapradori* pederatf
visit* fc&'iattrbefeeidientd, ^ue muito de-
verao gostor pela variedade de ol>jectoa qae
hd seteprte pertrVewrten eomo^wh : cadet-
ras para viagem, niB!esA>ara viagem, caflei-
ras para SalaS, ditas de baJeno, dita&- para
crianoa (alias), ditas parar escolas, cosiurei-
ras nquisslmas, para -senbera, despensaVeis
para errands, de todas as qnoUdades, caroas
de ferro para homem e crmn^as, capaehos,
espfelbd* dbte-ados para sw*, grandos^pe-
quenosj apparelbos- de mfetal para chA, fa-
Jueiros coin ca bode metal de marSm,
itos avulsos, colherss de metal fino, condiei-
ros pam data; jarross gard-comlad-de
araWre, tsiMfeai pata icobHt prtiWs', UsWas
pari'forViif salas, Tavatorios eoropletos, ditos
simples, objeetos para toilette, eoutros mui-
tos artigos que muito deveraagradar a tsdos
que TisHarem estegradde estabelecinaeato
qae se acba' aberto de*.de as 6 horas da rna-
nhA ati as 9 horas da Boated
Kua do Barao da Victotia n.
__________2^__________
l\St ha m\h cabcllos-
braocos.
S6o anicaapprovada pelas academk* de
scienaias, iebOnhecida superior a toda que
tem' dppjsifbcido ate hoje. Deposito princi-
pal & rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Otnda, n. 51, 1. andar, e em
todas a& boticas e casas de oabellei-
0 PavSo Yettde um magnificc sortrmerito
das mais finae cimbraras brancas trarJspaL
rentes, tendo 10 jardte ada tfe^a, pelo ba-
rato preco de 49, 4I500,9$, 4$, tendo tam-
bem das roals-ffnas qtie etistumam rh- ao
mercado, assi-n eomo um grande sortimento coTes 55W>. de !as tapadas e victcfrfas tme Tetide de 4^ *fuito ti** a >* ii**
ate 89, sendo fazenda que vaMe muito mats
rdinbeiro.
Vende fazendaspata !!qiiidar,por baratisshnapre^comc
abaixo se ve: ^
Siiva & Guimaalm M)d#tnHM^mi graMe i^ftftu flfe fa*
i fdzetdas
Pereira da
tem resolvido fazer uma liquklacio das memms -;os
com o unico fim da npurar dinheirn, para 0 que cowTTOrnPTiB^^saWyM^jroaos
frafones, apmo oresw*el4MVicOaVffH^i^K%e JtaWiiH 4|M)afe imi*&rt
nO^en- stae1ecirSenf
espitavei publico, a vir surtir^e 4)4MfgA ^ttf^S
niaeJerfotwnaao 1*av8oa roa M rW^W%trn. W.
TrsncWz bbthto fins
1, *f* ni*
>, apenas pfr> :-
O Parab
riao a 29, ^Irtoe de m
COMSALPICOS DE CORES A 5J>.
Olav5o recebeu am elegante sortimento
db cambraias brancas com bonifes salpiqsi-
nhos miudinhos de cores, tendo Id jarda'sl
eada corte de vestido e vende pelo barate
precp de 59, por ser pechincna, rlhas com
salpicos todo branco sendo fazenda Inissima
a7950Oe^ilasa590O.
VESTIDOS A LSO DA CORTK 19
Pavao vende um boRtto sortimento de
cortes de vestidos a uso da corte, traaeodo
cada-cdrte'todos'bs em*eil0S hecessarioSNcofco
sejam : babadinhos, erifre-meiOs, rend as,
requefifes, e vende pelo barato pre^o de 129
cada um, assim como, diios a 2 de julho
com dos s rnfeites a 10?T/'edlles de cam-
braias brancas afeertas, com iSaraS'e kvt.res
a ft>, dftss^fiifc^mos a 89,,xdSbs 'de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, e pechmcha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359.
0 PaSo veade ricos corles-de eambraiis
brancas defleddamente bdrAados, p^lo ba-
rato pre$o de 20l> e 359.
GA9SAS FRANCEffikS
a 300 rs, o cbvado
0 Pavao rccebeu um grande sortimento
de cassas- ffancezas com delicados padroes e
eores fixaSj que vende pelo barato pre^o de
300 rs, o covado, organdy branco e lis-
.tado e de quadrinhbs a'B40 rs. aVafd'%-
nissimo fil6 branco liso ode salptcos, e tarla-
tanasde todas as cores.
BORNOUS A 129.
0 Pavao vende um bonito sortimento dos
mais modernosbornous combonitas listras a
vende pelo barato preco de 129 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales de merin6 e com listras de seda.
itts de seda a fcfSGfr, ditos
cfepbmaiM*29.
mm
fSeonomia nolavel
um
AlganlHo cnaWawU m 49 e HWN+
O Pavfio tende m&Mo ofestado com fr
pahnos de largura, proprio para tea^rW
sendo do mais encor^ado que tarn vi*ie ar>
mercado, liso a 19 a*vara e trancadoa... .
19280. *'_
ATOALHADO A1W99, 29, 59.
O-lMlb vendl. aMlflo trancado com 0
aol^largAaJ9llo e 19600, div
aewo a S^qtxo de linho adamasra-
do a 39 e 59.
SftA
LAZINHAS A 320
0 Pavao vende bonitas lfcinhas lisas,
sentfo verdee cor de lyrio, pe o barato preco
de 320 reis o covado, assim como delicadas
lazinhas do quadrinhos a 280 reis, e pe-
chiiidia.
0 Pavao vende um elegante sortimento
^^^ a 19600-e29. _____
*- CfWIft IWflB UIB lonilo serumento d
muitbT)ohTto^e vende-se por este preoo par*
acabar.
#oiMrtiatte iBW
0 Pavao tem um completo sortimento d
Botidas diiit* bem erffditadas para senhora*
e vetide^)4lo<)arato prelo de 59, artigo qt>
em otKra qtKllqufr parte casts i9 e 19.
LKNITJOS BRARCOS
a 2900U.
0 Pavao vende Iencos brancos abiinba-
riM, tarlto'p^atioiTjenscomo-pafi'aWthoras
a-29 e 29500 a duzia, ditos de tes&oiac
cambraia de liriho tambem abninbado!
39500, 49, 59, a***1 francfties'dse^ds-, par
rape a 69, a duzia.
CAMISAS PARA-BbMBM.
0 TPavSo vende ricas camisas oom peiu
de tinho' -bOKhdasv 'propVfts 'p'-ra'trblvoa
10d e 129 cada ulaa, ditas de-'liahoadn se-
Wm "bor'lvaas a 49,''49500 e 5f, d*Jtosccr-
peito de algodao muito Anas' f^Jt'ftWO
39, ditas decbita fina miudinha a 29, 29500
e 39, *ssitti roulas franceias tanto lie linfeo como de a
godSo de 19600 ate" 39, gf ade sortiment
ie 'meiiis crtus inglezas cTel '49 ate" 89000 >
duzia.
FA2EW)ASP*RAffiiJ*0.
0 Pavao tem um grand* sortimento d
fazenclas,prdtrs para luto como sejam : cas
s s, \$s, ou lazinhas lisas que vende a 401
das mais bonitas gratiadlnes ou gazes de ^i0^18 ^ado' bombtz"*,s lf60{'
seda para vestidos. tendo de todas as cores atte T >*do, cantdo a 19 e 19200
e vende pelo barato preco de 640 reis o co- graWM JWTjfcit,
vado e granadine
a 19800.
preta com listras de seda Pretas 2" ltras e salpicos, alpsca>
De fdrca 'de dods a seis
armazem de Joaquim Lopes
VBBSa'do Corpo Saato n. 25.
cavallos : a.venda!no
Macbado & C, tr-a
WU^on Rowe 4 L. vendem no sea annauero
a rua de Coramercio n. 14 :
0 veriadelro panoo de algodSo azul atnericano.
ExceJIente' fio le vela.
Cognac de 1" qualidade
'Vin'ho de Bordeaux.
Carvao de Pedra de todas as qualidades.
Collegio de S. Sebafltiao
D. Manoela Angu^ta de MenUhnca lfl61k>'i'Heg*
Ittrtirfna aos paw, (utfir'-s e correspfffldeilfes Be
suas alumnas, que trao*ferio aqneife'estlfbMeci-
1 meeto d educacao para o sexo femniino, sob soa
;div^cao, para a rua estreita de Rosario n. 31, 2
andar, onde contintia a recener alumnas pensib-
nistas, meio pensioniftas e externas, sendo qae
sua abertura tera lugar no dia 12 de Janeiro ccV-
Aluga-se uma casa com twa pf qutdQiitlfvimaS
salas. cincn quartos, du'4i copiires e cozinha fora.
na rua do Quiabo, nos ASgeJk ; quem preten-
der dirij* se a olaria de ManoAgnacio A villa, na
travessa dos Bemedios. __________
Aluga-.sa ama canna,:prspj|a para care
capim : a tratar nos Afugados, a rua Direit/-
mero 13..
*
""= *' ;, ; :r I' '"________. *V vlIIlDliail
Aula particular de primeira& ^vm^^^v^^
Aa Tbeotfhra "Sff8es' 4vi Bah"de|:Wa8 aWttais. e *o "
fta'se aeh*t*'k1>eNa'sna
truccao primaria^ no.dft
Ifa'vessa dasJfcwjt' '?x P?s* i*i i*ft rfrtaeiro aadai
onle eipete'AtiJfazBH^os^il^i.reVpais de fat
&#^JMKWr uidenls lartoa-, Mrittlw^ flo U*-evodasraa)' sow filtan, -'laiHoH na i
sraarj^^sawssT'
f(
r '>**-
concernente as ha
loiinSflN.
Precia-se de nm cozltiHe'fro'lfvraou.". aiciivo ;
tratar no hotel de Apipucos.
Por 2^000 eoinpra-se
custa apenas, 29000^
CJera'este ini'iniilo '\>b
500 rs. custo do ufna' fiSllLillta:
20iO8O custo de urn^'Tab** de Cainbio sobre
12<000 custo de uma Taboa de Cambio sobra
Lisboa.
, ?*0OO custd de-am livroem bianco para assen
tos diatios.
., U caflto de um i^egaiaaaeato do sello.
0 Memorial Pernambucano. serve
Para o comtperci
sobre Eiiropa e E>tados-Unidos. Regulamenb
do sello. Reguiamento dofcorreio.
Para oa advogadb% :
^Lembraacw djia/jaa. Livrea tie oontas para
n^wi08.--ynonBto8-do8- appellos, provinlen-
para os noniens de leHtras :
De-jofaafr-dia/ic- P*r relataracontecimentos nbJ
Uveis, patamdfajif^e'casac:!
De livro de despezis.
i^tifete
%.?
No:
estioas, ate. i -
Folhiuhas pafa 1874.
Teem para'vender Joaquim Jo9d*3oncalve's'Bel"i.
traoiFilbo, a bordodo'pataeho SapRo, ehegado*
de Santa "atnarina, fnndeado defrbnte do ffapifche
Oarao do Livramento; e para'tratar a bordo, ou
He seu escriptorio-i' rua do ComrrterciO' n. 5.
Uma araaaeio de amareilo envidraeaQ;i com
dcao proprio para a "
na rua do Crespc- a.
balcao proprio para qualqper negdelo : a tratar
Em seus armaiens i ma do Araorim
n. 37 eHfiaes doApofto n. 4T,
tem para' vender por precis commodoa
""'olos eaearnaaos 'aex'tfvos para ladritho.
L de barro para eago'to.
Ho Pprfland.
iento Hydraulico.
Machinas de descarocar algodlo.
Machinas de padaria.
Potassa* da Russia em baMl.
todas pretas e tevradas de branco, msriao?
outres mOitas%zendi)S apropri das, qae s-
LAZINHAS A-360 0 COAH)0. veWs pdr menbs do que em outra quslque'
0 Pavao vende bonftas'Ifliinlias transpa- pdflb.
rentes com palminhas a 360 re's o covjftlo, I M*DP0L6EyKNISlAI)0S
ditas ditaS indianas com libdos "dezfenh*,' a 39000
tantd evn listras como em quadro8'a"280"fs.! *8.v5e- 1inde pecttt de rnftpolao enfe
o eovado, e gmnde sortimento de alpacase ^da Gm 12 ja,rdjsj km dito a 39500, dit
lazinhas de400 a 860 reis. | cf3m--20 jarda% a* S9,f5#S00 e 69000, dit-
com 24 jardas de 59 ate 89 e 109, sendo <-.,
mais-flnos que tem vindo ao mere do.
Algodaozlnho IcOOO.
OPavSo vende peigas de algadaozi"r'<.
muito encorpado B'49, diio a'59 e*49:
tAtWis
CORTES DE CASntlRA A 39.
4
0 Pavao vende um grand sortimanto o<-
co*tes deensemira para caicas, com fconitt-
gostos, elaros e escuros a 59, ditos''ate 69.
79, 89, ate 109, soperiorts casemtMstlrar.
cezas e inglezas, para covado,'de 39500* e'.
6^, paunos pretos ede c-.>resrtos mais bara
tos e mais finos'qae torn viado ao mercadr.
por precos muito razoaveis.
Roupa i'eita
0 Pavao, tern cooaaaritemanteroin ftnai*.
sortimento de re^a^Mtas-pira Itofcera fat'
Teode pofpre^omtiito am'foirda, oniortse-
Jam :
Calcas de brim de cores de 29500 atia.
Ditas de casemira escyra'ai95d0.
I'alitots da mesma fazeul^a 49500.
Calcas de brim' pardo de 29 ate 55.
iMt-isMe casemira de cdr de 7# atd 12|)
Ditas de casettiira preta de 79 ate 14fi.
PaKtofs de panno pret>> de <9 ate" 129
ftaqne^'dapma^-pwitifano de J09 a-.i
359000.
Calebs brtneas ddlhttto^i^lteTi.
CdlleteS de'easemitt de'tWr' de139000 at*
CHITAS DE CORES
a 200, 24t>, 280 e 320 rs.
0 Pavao vende um grande sorflmento de
bonitas chitas tanto claras como escuras e
veftde de200 dto 320'rs., assim como ditas
com listras ao lado muito finas a 360 e 400
rs., finissimas pSfcales miudinhas com lin-
dos dezenhos a 360 e 400 r-els, garantindo
serem todas de cores flxas.
COBERTAS A 29, 29500, 39, 49.
0 Pavao vende bonitas cobertas de chit*
com raraagem grauda, pelos baratos precos
de 29, 29500, 39 e 49, ditas encarna'das
forradas a 59! ditas de fustao branco e de cor
com berras a 49 e 59, ditas decroch6para
camade noivo a 69, ditas muito rlcasa 169,
ditas dc damasco a emitacdo de seda a 109
e 149.
FosiSes
O Pavao vende fustftes brancos e de cares,
sendo as mais bonitas cores q^dlera tinib ao
mercado, tanto para roupa de eTian^as'como
para Vestidos e'rttupas dd hoMm,^e ^ende
pelo barato prec.o de 560 ate" 19, o covado.
BRAMAttttS
a 19600, 2*200 e 29500.
0 Pavao vende bramantes de dgWio eoan
10 palmos de largura para lenses, pelo ba-
rato preeo de 196H0, dito de liuho corn a
mesma largura, a. 29, 29200 e 29500, dito
Cortes derhitaa *?, 3*00 e
35000.
0 Pavao vende cortes de ohttas ascuras e
claras com lOcovadoscada c6rte, peteba- 59000.
ratismo
9500 e 39000.
FoUanha reh|jea a _
ixactamente calculadas para Pernambaeo.
Li vmi ia Franceza.
-r
Pal?* os e4pttSes de navios
ob aqjoo.1 ,
SAl;a4n
iSs'^ffide^aMfaaa.
|rt6'sdpeti6r,to.
rix, dito.

1
t
Poles com I inguaa e dob
Liceres finos sortidps.
I Cognac GauJMet-'Sel**.
. LKtas le taielMolilklw,
BaMs e^i^r^lrk>WslllnV^ra.
..
WafS
cdrvl^DE^R^lA
0'Fav'4'6' vende cdrtes de brim pardo para
calca, a 19400. Ditos de c6r, fazenda mui-
to "Boa/a 19600.
Espartilhos *- fflyij&tfo
0 Pavao vende os mais modernos. esparti-
lhos, proprios para senhoras ^^mamna's.
DitosdediUprata d^9taY9.
Cartoade Ifta 4940OO
0 Pavio vende bonito* oatterde liaiaha!
padroes miudinhos com iiodls cores, tendo
15 covndos cada cMa,-.*lo ICORTCS DE ORGANDY A 39000 e 39*00
o^PavJo vende cdrte de organdy brancc.
pelos baratissimos precos "do "99 e 9aHNH' cotrfWstras'a arjJWflhW^se4W6v,feiWda mu
Rf wrtto-' slipeflores, DfllHOoS'BTad edr,-*'
59 6 69000.
como
f D%^-pelbs*%aBh^^f^jW^de 39
39500 0 corte.
Cerbulas Crmcezas de linho e algodSo, para todos os precos e qualidadeayaaiia
rande sortimeuto de meias cruas, camisas, colermbas, >qe iudoaa aendSpr .
loKj razoaveis. .....
j razoaveis.

Fb k alsodfto da Ba
,,
Tem para ven
Jose Ooneatvea B
mercio n. 5.
'J ?i
Bichaa tittartniium* vot" a "eete mercado
W rua aUrauot dauiaaao.51
C IWyie.
anpariera vardadetr.
qnaHdadea.
. M!ftttaiOdW)tBH.
Tadai aa preparaeaaa aaMtiaaa de 9r.
at rua do Commeraia a. *.
Ayar




\
ffiiV 1
55*9

\8 U
aoiE

u
:
linta

UKIC0S AGENTES
Raa do Barao da Victoria a. 28
Vs mais,aiiaj)les, as mais baratas e as melhores do mun
Na exposicao de Paris, em 1867, foi concedido a
Eli as Howe Junior, a medalh* de ouro e a condecora-
gio da Legiao de Hoora, per serem as machines mala per.
Wtts do ratodo.
Lvmice'Fere
It


eodesfiuimaracs
>1
1 Ditos de palha, a 3$, 3*606 e 49606* *< d-end^re
A medalha de ouro, conferida a Howe Junior, no*
Estados-Unidos por ser o inventor da machina de cos-
tura.
k medalha de ouro ua exposicao de Lendres acreditam
estas machinal.
Declara aos sens frcgoezes (Jbe tem resolvfje 'fitter uma grange liquid$4o,,1at6-e
fitn do corrente auno,
A SABER :
, CAMBRAIAS BRAHMS A SWO*
Vende-se ,pe?as de cambraia branca; lape^
da e transparent^, a 39, 3500, 4$0OO e
SJP800. '
LASIUHAgA20*RS.
1 Vende-se lasirraps para vestidos, 3206,
360 e 500 rs. o covado.
A
Cabe-nos o dever de anitunciar qae a companhia das machmas de Howe de 5ova-
i rx, estsMecen nesta cidade t> raa do Barlo da Victoria n. 28, urn depostto e agenda'
*rd(i?SlLeM l^aDbBr^_0 S***? J^*T!m 2 afa2fil *chiu8 ^ *1 Vende-se chitas francezas.iargas, de cores
*ra fle Ho#e. Eftae ttacainas sao justamente aprectadas pela perfef$*o de sen trabaino,' ga3 a 2J o 300 3^0 e 366 rs b co-6
anpHsgando area "fcguln*'mais tfitirta coin a mesma qualidade delitAaq6e - #lt lQtrodse^lo dos m** aperfeieoados appareifaos, estamos actualmente habihtadoB a
tW Ah vantapens desias mackinas sao as seguintes:
frinBuira. 0 pubiico sake qi* ellas sao duradouraay para isto prova incoutestavel, a
-frumifcw de uunca terem aaoaracido so mercado machines d Howe em segun-
Ditos de massa, a *K060.
PERFUSMRJAS EM lUQiiiDACAO.
Vende-se sabonetes-de drVersoa ternanboe,
a 126, 266 e240"<,3Wr3.. fresco debfchfta, a *66; 32e 406 re.
1 Frascos com aguade colon in, a 2*6 e 820
ALPACAS A 646 RS. 0 rs. cada utn. Extras awltosestpactos que
Vendw-se alpacas fie cOres cemlistrasa6iQ.se vende muito ba-retepara liquidar.
e800rs. o covado, TOALHAS A 860 RS.
GRANAMNE A 866 RS. Vende-se tpalbas felpudas, a 800 rs. cada
Vende-se grenadine preta com listras deuma. I:ctitjos brarrtos, a 3JW60-a dona*
cdres, para vesfidos, a 800 rs. o ca-J3SW)00 abainhados/'ftzenda qbe- vebde-ee
vado. por S9606.
TOUPEUNA JAPONKZA A 1800. GIUVATAS RRETAS A 800 RS.
Vende-se uma fazenda nova com Jistas, Vende se gravatas pretas, a'866 rs. Man-
corn o nomo de poupclitia japoneza, propria Uasde cores a 206'rs.
para vestidosde senboras; a 1*800 oco-| Cbapfos para baptisadee de incmnos, a
vado: Todas cstas fazendas sao vendfdas no 39006.
Bazar ^National, a- rua da Imper ariz n. 72.! BENGALAS E CHICOTES A'866 IS.
CORTES TDECASSA A 2?KS 0, Vende-se bengrilas e chicotes, a 860 rs.
Vende se c6rtes de cassa para Teslidos, oadar umo, par8"HquJdar.
com lOvOvados, a 35500.
CHITAS LARGAS A 246'[lit, |tiMNW--MQtlEL\C*0 DE UOLFA FE4TA
Ven.le-so cerou!a> de algodiio, a 19000.

tofcn
8ejriida.0-. via o material preciso para reparar quaiqwer desarraujo.
rapido estrafo
CASSAS DE CORES A 960RS.
Vende-se cassas francezas finas de cores,,
rf2C0, 320 e 400 rs. o covado.
SA1AS A 29000.
Vende-se saias brancas com barras decd-
res, a29600.
CHITAS PARA -COBERTA "A 280 RS.
Vende-se ohitas para coberUS, a 286 o
360 rs, o covado.
Tercclra^^la iteRas menor friogao entre as diversas pecas,
aue nee outras.
Quarta.Formam o ponto oooto ae Mr* feito i m8o.
?aita.-^Permrtte ique se examiae e trabalho de ambos es flos, o i 3Ctras.
Seitft.Faxem ponto miode m casemira, atratessattdo o flo de em i astro lado,
tftgo am sagid mm mvdilicAr-ae tensao da linha, cozena a fazenda mais
**
5etima.0 cempressA^ e ferantado com a maior faeiiidade, quan#o se tern de muder
- tgaiha ao eorts^er neta coatura.
0t.--MsHUs compaabias de mackinas de costra, tem tido epocas degr*ade*a
-adencia. Mackinas outr'ora popeiarres, sio hej^qttesi-desoenAecida*, outras soffreram' 2eBa muito-.bea, a 406 rs. ocovado.
*b-dan$asradicaesparapodern sabstituir : entretanto a cempanhia das macbiBasdeHowe CHALKS DE M W A 2^660.
anka kvratos com instruccdes em portnguex.
Ditas de linho. a 19600 e 250011.
Camisas de cbitas finas, & l-CMO.
Mas de peito de cores, a2900,
Ditas brancas iina?, a 29000, 89000 e
49000.
Calcasde brim per? de cores, a 29600'
e 29506.
Dlt8s de caseroiraide ceres e prta, ttf\
69, W 00 89000.
Palit6tsde alpaeas de cores, a 20506.
Who*pretos, a 396# 89S06.
Ditos do casemira de cores, a 49 I
MEIAS PARA HOMGNS A G9006 A DLZIA.
Vende-se meias crUas verdadeiras, para 69666.
homens, a 69O66 a duzia, a qua! >al. Ditos VKlos pretos, a *i906(0, 69506
89666. 89066.
CHALES DE.LA A 860 RS. fcbfletes de caeerWira de ores, a 29, 89--
Veiide-se chales de la, a BDO fs. cada 4^666.
dm. Camisas de flanella, de cores, a 29660 e
CHITAS FINAS A 406 RS.
Vende-se cbitas finas1 do campe larfo,-la-
".#da mackke a
LEITE, IHMiOS
A*
Biaro da Victorr n. &


Mi
-
.. 1-----lM_____
A
MCHINAS PARA COSTUBA
DOUS POSPQNTOS
Xa lojade Sdafes Leite Irmaog, aruadoBarao da
Tictoria e. 28.
peHica coropequeno toque,
lty*s de
. 266 rs.
i-botoaduras ptra ol\ee, -grande sorti- j
I'euto a 120 ts.
Caixa de linha tie raarca, a 260 rs. j Frasco com
LampaTinas i gax, dando uma luzmuito 19666.
Espelhos de-moklura dourada,
as.tamankos e precos.
de tedos
PERFUMARUS E MIUDEZAS.
oleo Orwa verdadeiro,
de cordao imperial, a
osso para calca, a
ia, a 19666.
Ihja de pecas
t6re.
Caixa de botdes de
tOO rs.
Duzia de carreteis de linha, 260 jardae, a
660 rs.
Idem idem 60 jardas, a 240 rs.
Maco de fita ckineza, a 866 re.
Caixa de linha com 40 novellos, a 560 rs.
Ueios aderecos com camafeu, a 506 rs.
iiirfa de finta roxa extra^na a 19000
Poles com elite ingleca, preta, a 100 e
sfiOrs.
Caixa de pennas Perry, muuo hoas, a
-9000.
Idem idem.* 400.rs.
<:aixa de enveloppes tariados, a 566r.

Idem idem forrados, a 746 rs.
Caita depapel amisade, beira dourtda.'
600 re.
Idem idem idem lka, a 600 rs
DvwU de tafixeres cako
mm
Resma de papel pwrtadp, a 006
a 59866.
Mem idem Jiso, a29800, 39800e 59000.
Goques modernos, a 39000.
BuzUs de pe^as de traumas de ceracol
t.'snea, a 460 rs.
Idem idem liaas, ? 466 s*. ,
Leques deosa e ndaio, a 2*000,4#
<69666.
KJU'develludode todaa escereseWgu-
-aa.
Idem com tonico de Kemp, verdadeiro, a
If000.
Garrafa de agua florida verdadeira a 19266
Garrafa d'agua japeoeza, a 19000.
Idem idem divirra, a 19000.
Idem idem Magdalena (novidade) a
19266.
Caixa de pds pera dentes, a 266 rs.
Idem idem de pos chinez, muito bom. a
$66 rs. e 19666.
Pote com opiata de Rieger, Rimele Gros-
Dd, 19006.
Duzia de sabonetes de amecdoa, a
89660.
Duzia de saboaetes de anjinho traosparen
Ites, a 2#206.
Idem idem com 16res, a 19660.
Sabonetes Gljcerino transparentea, a
19606.
i .Caixa com sahoaetes, formato de froctas,
a 19000 e 19500.
Cosmeticos, graudes e pecjuenos, a |66 e
braneo, SB4| 800 rs.
Franco comaguadeeolagne, a 200, 820,
800 rs. e 1,5000.
Extracjos muito finos dos melhores au-
tores.
Lindas e elegantes caixinhascomperfuma-
rias^ proprias para presentes, dos autores
%. Codr^,^R*gr;Gle Weresjetc.
Qudro com saotose estampas separa-
Entrqmeiqse hahados towspareQtese|a-J
pados. *
para qual-
Vende-sc cheles de merind estampados; a
29, 89, 49660 e 59606.
Dites de 1 wtras a 5000 e $66.
BR1J EJW CORTES A 106
Vende-se cortesde brttn decetes epaMe,
a; 1^366, para Hqmdar.
COBEHTAS 0ECH1TA A*9666.
Vonde-se-cobertss -do-chrte, 'a 15600 e
29666i
BRIM PARDO E DE CORES A 466 RS.
Vende-se-brimpatdoedecoTOS,ipara ron-
pa de horHens e menfnos/a 466 rs. 0 cova-
do,-para liquid ar.
COLXAS DE COIfES A29666. '
VBnde-secokas de cores para'-ttmna, a 29,
49006.
TRA1f9PARENTES PARA CAfHIIBAS A
19566.
Vende-se transpareirtes para cadeiras, a
19500, para liquidar. '
BOHCTS A 560 RS.
Vende-se honets de seda para twmens, a
500 rs.
eHAPEOS A 29560.
29506.
JHjWDAO A 49066.
Vende-se pecas de algodao, a
69*666.
!
I
9,'39 e
iCASEMIRA UL COiLA -2ff0^.
Vendo-se casemira de c?ijos,.* -29560,ulPaanos de?iochet
covado. 1 Cofcha3 Be aito.
MADAPOLVO Ar.JWWO..
Veiide-rse p?flas 4*i.maii.ip*ilao cideatado.
8 89000.
Dilo inglez. a 49500, 5J, 69 e
-'BOflTiAS A '49960.
7,9000.8
a mm
com 40s' pa^mosd >
RfMWAT*
i*ende-'9e^braiante
l*PgorB,-pwt-a4eel4e6^ia f#666 e 29500
metro. ;E outras-maita5 Caaendas propria
d0-mercado, 1 qoyise vei>de 1 sera reserva, de
prec/o; parattiqiiJdaf ate oftnd Mwrrente
faHO,'poris80 venvem-aos'compradores sor-
'tirem-se de fazondas baratas, para a presen-
Vende-se chapels de castor para rreniuos tefstaqoest*n*'poTta;d homens, a 29500 e 39000. n. 72i Bwzif Saoioual.
NA
Rua l. de Marco n. 7 A.
im
CorddroSim5es<#)C.
que
rr
E'eala casa, sera duvida, uma das Que hoje,
pode com primazla apresentar aos sens fregueze.'
um variadissimo sortimenlo de faaendas finas pa-
ra. sjraad toilette; aasim corao, para o uso ordi-
aarki de todas as atatsc*. e por prefos vaniajo-
os ctiprdores, de cujas faxein um pe-
resamo.
Mandam fazendas as casas dos pretendenles.
am o qua ttm o eessoal necessario e dao amos-
tras.awdlBei^obor.
Cortea de seda de lindas cures.
Ditos.de aorgurlp de c6res.
Grosdwiaple de todas as corea.
orfrio kraaco ft preto.
SeUaa Macaa awto, de Area.
Groscfenaplee idam idun.
Veludo pr^tb.
6ranadine, eda preta e eoKsmasn de cores lin-
dissimas. padfdee c fezeada da ultima mod*.
PopakQS* de UwJos #adr5es.
Filo de seda braneo e preio.
Picas basquinas de seda^
Maotas brp.sileiras.
Coffhas de teda para noi-vaa.
Cories de cambraia branca com 1 in dos bordados.
Capallas e mantos para n ivas.
Riquisaimo aortimento de las com listras de seda.
Cam braiaa de eftrea
Ditas maripozas, brancas e de cores.
Nansuck de liudos padroe*.
Baptista de padrdes mui delicados.
Perealinas de qqadros pretos c brancos, de lis-
tras, etc.
BriDs de linho de cores, proprios para vestidos
com barra e listras.
Fustao de lindas cores.
Casaquinbos de la e de todas as cores, para se-
nnora.
Saias bordadas para seohoras
Camisas idem idem
Ve*tuahos para meuinos.
Ditos para baptisados.
Chapeos para dil09.
Voalbas o guardanapoe adamascados de linho de
cores para mesa.
Colchas de h.
Cortiuados bordados.
Camisas bordadas para homem.
*4eias de cores para homens e meninos.
Comptelo sorlimenio de chapeos de sol para ho-
. ens e senhoras, com cabo de marfim.
Merino de cures para vesudos.
Dito preio.
AtoaHiado dc lirAo e algodfto para tealhas.
AteaWrido pards.
Brins de linho braneo, preto e de cores.
i^etimde lindas cores e cqm listras
Chales de merin<5' de. cores e ptetos.
Ditos dc casemira.
Dilos'dtjisedB preta e de cures.
Dato.de-Wnfom)-
Camisas de liuho.
Ditas de chita.
Ditas de flane'.la.
Ceroulas de brim e algodao.
Damasao de la de cores.
para cadeira, sofa e consollos.
Tarlatana de todas as cores.
JJapanUftos lUos e bordados.
FouIarQ' de seda.
Casacos a "tricot.
RkJds,*oes deeitidos dc linho
de di ersas cores, com os
tes, ultima jiwida.
Caseroiias pretas e oe c5res, chitas, madapoloes i
cambraiasj panno fino preto eaeul, eoUarinhos,
para
senhora,
enfei-
A' ruat ieCMjtf> A.
6a pKonrietnaoa day rredtecu, uu intoito it
mservar o bom conceito qae teem merecido do
respettaVel pubiico, dMagutndo o aea ealibeleci-
mento dos mais que ncgociam no mesme jeacr,
veem seientificar aoa Mp bogs (reguezes que pre-
veniram aos sens correspondentes nas diversas nar-
caa d'Europa para Ihes enviarem pot todoa wpe-
quetes os objecto; de luxo e bom posto, que sc-
jaim mais bera accitos pclas sociedades elegante*
aaquelles paiies, visto aproximar se o tempo dr
festa, em que o bello sexo desta linda Veneu
mais ostenta a riqueza de snas toillcttes : e co-
mo ja recebessem pela paquete franrei diverse
arligos da ultima moda, veem palentear algun-
d'entre elles quo se tornam mais recommeudaven.
e.'perando do respeitavel pubiico a costumana
concurreneia.
Aderecos de Ururnga oa mais lindoa qae towa
vindo ao mercado.
Albuns com ricas capas de madreuerola e dc
velludo, sendo diversos tamanhos e baralos pr-
Aderecos completoa de borracha pr prios para
lcto, tarobem se vendem meios aderecos muito bo-
nitos.
BotSes de setim preto e de cores para ornate de
vestidos de ser.hora ; umbem tem para eollele e
paliiot.
Bolsas para senhoras, exifte um beilo surtimea-
to de seda, de palba, de chagrim. etc., etc, por
barajo pieco.
Bonecas de todos os tamanhos, tanto de I-iu.j
corao de ce*ra, de borracha e de massa ; chama-
mos a altencao das Exinas. Sras. para este artigo,
pois as vexes tornam-se as criancas um pouco iffi-
pertinentes por falta de um obiecto que as en-
tretenham.
Camisas de linho lisas e com peih* bordados
para homem, vendem-se por preco commode
Ceroula. de linlio e de algodir, de diversos pre-
cos.
Caixinhas eom musica, o que ha de mais lindo,
com disticos nas tampas o proprios para presen-
tes.
Coques os mais modernos e de diversos forma-
tos.
Chapeos para senhora. Receberam um MrtiaeM*
da ultima moda, tanto para senhora, come, para
meuinas.
CapelUs simples e com veo para noivas.
'.aleas bordadas para meninas.
Entremeios estampados e bordados, de lindoa
desenhos.
Ecovas elecUicas para dentes, iem a propr*
dade de evitar a caxie dos denies.
Franja3 de seda pretas e de cores, exi.-te am
grande sorthnento de diverpas larguras e baraV)
preco.
FUas de sarja, de gorgurao, de setim e de \J.i-
mali*', de diversas larguras e bouitas cores.
Fachas de gorgurao muito lindas.
Flores artificiaes. A Predilecta prima em cvD-
servar sempre um bello e grande sortimento del-
tas flo es, nao so para eufeite dos cb.-llos, :.-
tatubeiu para ornate dc veslido de noivas.
Galoes de algodao, de la e de seda, brancos, pre -
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para homem e scnhuias.
Lacoa de cambraia e de seda do diversas .-.re-
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordada- p.ra
noiva.
Livros para ouvir missa, com capas de mailrc-
Eeroia, marfim, os-o e velludo, tudo que ha 6v
om-
Pentes de tartamga e marfim para alisar os ca-
bel os ; teem tambem para tirar ca*pas.
Port bouquet. Um bello sorti men to de madrc-
perola, raarlim, 6ss e dourados p..r barato pre^--..
Peruiroarias- Xesle artigo e^ta a Pred.ieetS btm
Krovida, nao so em extfactos, com. em oleo. a
anhas dos melhores odores, dos mais &'a:nado*
fabnicantes, Loubiu, Piver, Sqcirdade Hygi.n"-.-.
Coudray, Gosuel e Rimel ; sao indispen^avei> :
a festa.
Saias bordadas para senhora, por col
Vende-se botinas para senboTa-ein^inos:,4pn5iiio9j' awtvates, luvasr de pebica,' ditas d #o j r 8apaUr
a 49560,'89e 69606. deJBKoaia, Jujncaaade diires, Upetes.deiiodos,jj^j^
Ditas ddeiffiar, a-29660.
Sapates-acr-tapete, a-19560.
Ditos de tranca, a rfWe- e -290*0.
os tamanhos, bolsas de viagem, etc. etc.
,2*a loja do PassQ, rua Pnmejro de Margo n.
J-
J
Cresjio.

Cbitas a iiO rs. o covado.
A 246 rs. o covado.
A 240 rs.o covado.'
So na rua Duque de Caxias n. 60 A, loja da
esqnpna.
Tapetes. Becebeu a Predilecta um bonilo
memo de diversos tamanhos, tauto para so.
' mo para entrada de saias.
Vestimentas para, baptjiiado o qqe ha de r
! gosto e os mais modernos. recebeu a Predi
i vendo por barato preco, para near ao afcac.
qualquer bolsa.
Rua do Cabp^a n. 1
i
*
Agua florida, 4e Guiskuii, Gcampos, rbrmofts iaeto
para fazer os cabellos pre-
tos.
doui-ados.
A loja da 4guu br*n,CA, a rfta do Djique
Caxias n. 50, recebeu tfnvamente feonitos gram-
A aguia branca, a rua Dnque de Uxias n..6,; pos, trincos e znna&s douradee ; ^usim como
acabade receber nova remesea da apreciavel agua, novos diadem as de aco, e como.sempre conU-
flonda para fazeros cabellos pretos. 0 bom re-
aortado col hi do por quern tem feito uso desaa
inofTen&iva preparacao a tem a.'tamente copceiuta-
do, e por isso apenas ae faz. lembrar a quem no-
vamente della pjecise e queira. se aproveitar de
sua ntilidade. Tambem veio agua de topasioe
oteo florido para n meamo n eitio aorcditadQa
como aquella.
Voltas e a^jofares de e6r)ea,
Cwia^n.
icos^.e
aco, e como.sempre
tma,a ^eoale-los-por pracoe razea.Yis
liirrfts de'p^lliea prc^ae'e -de
outras cores.
A loja da Afaja-Bracca, a .pja Duque deCa-
kiaa a.I SOv^eoeben novo ,sortimato de, luv^ de
pelliea, pretas e de outras cores
\ Vma^ra^e^aholeMt PfOJ^U
12 na*a4aK)W0. 'q^r^
Ificroscopios com .
PraBeo eom oleo para maekina a 400 rs.
Ti. -; j 0
i ninA
tin fo$mmy\^%M:
______--------r-

'
-----

ill vl

precoWM.raJn Mtb^l- **
'Jtegnem fregnezes que se afttfoi

i -
Os verdadebs

I
JPariBha de araruta
fares: rua do Vigarto 'n. 26, njado Araorini n,'
68, e travessa da rua das Crazes n 4, a 300 rs. a
hbra a retalho.
-,
VENDE-SE
uma casa ua villa de Barreiros, na rua do Com
foerew, por prec,i jnotftee : a WBar com Tasao
'feih;os de -PofHwgae
das mrm
'^isafii
.
jieJ.'CJ 0 fii6J MJ|
'.I
^antbelie
Dito Bordeaux em quartoU&s.
Veade-se por barilo pre^o
^^RA LIQUIDA;AO M COKTAS
NA
Rua Larga da Rosario. S4.
Botica.

A aajuia branea, ma do Duque dj
(fO,; recebeu novas e booitas voltas e; br
grosso; iiljotares.de Cores, e como sernp
pua a vende-bM perpreeo-eonMnodo. i
TOVos "diademas douraidose,
com pedras.
A aguia branca, a rua do Duque de Caxias n;
pO, recebeu aovo sortimento de beojtos idiade-
mas dourados e com pedras, tanto para inenioaa
comqaara sfenbpras.
Colleccoes .de traslados ou
normaspara ecreverfle
A aguia branca, a rua Duque' de Caxias n. fO,
recebeu novas collecijoes ou normas pa-ra as tSrad41
eas aprenderem a escrever por' si m*o, bojeUio
ueadas nas aulas e ooilegioe; soaao afMfOe t#n-
deragper pew eornmpdo. >l()
Meias cruas finas paa Bieai'
s, e contiatia-dVTMMeilas .poif
precos commodos. .
Yet6 A loja da aguia branca, a rua do Duque de
.e,(aj rend*-a* paiea barataa..pr .
Primim ffl&WM ^r^jwta exu-ac-,
Perwta,nofvJd;
Grampos eom borboletas,
elaotoa .daudo*e o
A 14laaftatwa,branca, ^^
,^ a^eabMijipyos,,
hejouros gafanaotoSj -
Writ de.T A^ tjoantidad*
isso em breve se acabara.
ia ou arminho V .
A loja d'aguia branca a re a Dnque de Caxias
80, recabeu ma aeqnena quantidade de boni-
s e novas gollioljas, irabalho de la e seda, en-
neitadas com arminho, obras estas de muito gosto
e inteiraraente novas. '
Caixiuhas cp^p^ dourados
e prateadps, para oabeljos.
Vende-sfi-na loja dr Aguia Branca & rua dA Dn-
que de Caxias n. 66,
1 rtevas ;teHo^to)Ss 4as Y?
Tlllat'Houca de Affuiar.
BICARBONATAAS-S0DICAS
""tlsVattnitfSiHaJlBP
etaalqal tr^mit dartjoa.
Eat* eaeltaaio^ftuaaWft#a. A9ak.vajKageja.jio
Ida
^ft^e/rse
- JM,
Mile Calm Verde
'0
Crhcou o verdadeiro de Portland ; barrje--
'.ggandes de 400 kilo's : no armazem de Tasao Ir-
,Tepra.vender.Joaqukn Jose. Gonealyes.Bel- maos A C... caes do Apollo.
Irao,* J'Jho,a bor,do do brigue portuguez Ova- T>.,^ A~ TJ..,,,^ 1 Ct
rensf, fnndeado defronte do trapicbe Cunha, e' rvUa GO 1)1 Ulll 11. 4.0
para tratar no seu escriptorio irua do Comraer-
cis n 5.
E setup assim.
Quando parece ter-se esgotado o reperto^o da
rnodas, pela immensidade
que tern apparecido, eis que
espendentes da No
Vende ae zioco pure de superior
proprio para cobertas
mos de comprido' e 4 de largo,' po,- prero mniU
em conta.
quabdade
de.casas, medindo it pal-
Tin la, cha e fumo
Amaral Nabuco A C vendem lintas oiialine -
potion vegetate para tingir de pretas .cabellos. -
que se eunhece-de-mais util e commodb, nao .
no modo de emprega-l<>,~uiBK>- no reuIiado que
se obtem. Cba verde e preto cuegauo^uJuajjmeik _
te, e fumo inglez e fraoeez, para ciganos e ca-
4e a i tig os ct ade
e os vejhos e ansa-
veis correspondentes da Nova Esperanca, a-fua
Duque de Caxias n. 63, descobrem outros no
muada elegante, aonde se conservam escogiundo
minuciosamante as novas invem.oes ; remettem
para a A'Qva Esperan;a. e autorisam na a dizer
5ue rKl^p^SS i^9Vi:coVrtdera2D B-^c,ori..-ruad,Ba
daqae aaba. expor, teja o que abaixa se ,ao "a v"
MANI;aES para missa, com eapa de madreperola!
Ou tartaruga. tendo no centra da eapa!
um pequeno relogio perfeito regofa-;
dor. |
I CARTEIBAS, po-t cbaratos, port. cigarros,e ports n
moneys po mesmo gosto. ,po
S para notes com eapa de martm, ma- :Urrado Torres n. .ti-iobrado.
dreperola e tartaruga, com o dtttico ------------------/ .7^" '
nde-se uma typographia bem moniao...
machina e um prel.s tudo em bom
prego modico: quem a pretender, drij..-
t'apdar
reco
oTu
;:-
Rua lar a hS
Ou O'i tiOVii
osa
a
'ftmiissimo
. 4
Mil)
i." I* a
- i Lembijanca.
BQU?AS par^.sauhora, o meihor quartern vindo.a
. este mercado, de diversos tamanhos,
qpalidades e modelos de nova inven-
cao.
PORT BOUQUETS de lffldo&goBtos e tamanhos
.ii
Dite
comli^rasestampadas pelodimhttW
Tsvo-(*e> s com listras assebaadas a 4*000 o ot-
j^lfi^^fm11!!^.^ ^re*a 500 rs.
a trawjados pittrie9fara-e3tida.a>3664sii
o covado.
S^^mS^Uwkf uwo,,a.|4O0 a VAa.
CAIXlNHAs com musicas e sem
para presentes.
E eitros-d&mtetra novidade.
3 <#& ps meninos.
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.'
M, r^cebemos oonecas de borracha de formatos
Iwteiraewate bovos1 : os meBiaos muito apreciarao
eate brinqnedo.
B verdade.
Boa aqiiisifiio
Vende-se ou permuta-se por escra v.:
casa construrda de-nevo, tendo dua>- i sa
seis qiiartos, com gabinete, sala >*,-
para as nqiyaa.
eflas, proprias igommar, cozinhafora, wiartospara fs;: :i,t..
cecioiba com boa aguade beber e um sitio
bem arborisedo; apdlto-da Torre : a tr*4r
nesta typographia.
lb ftuditfo de Carton A~\mfa
,i^rii1rBnnis.iM#'a.MB
J^XiJ^^^ os segubtes ob-
jectos, ,por ,precos
passeio a Nova Esperanca a.rua do EHuae de Ca-
^*!P,^ePor>Joad,a|oJade,wi "
Cnapeos fle soi de seda, cibo 'de eanna, a
du arrenda-sernT ^SU um rf-'
tio na /regueua dos Remedio*, rreeueiia Ttrta Afo-
doa n. .8 cbfiipNpria(:K8aB lllitndriuMide
W*M da fed* : ps tlft^ffe&flwjpn-
tmtif* ^uale.jOfianc^^
"' v i 'Jt>
I
00
.An
awmsas floris
commodos:
ebapm a^ttmapto 4e rait
eJa|p.ac4,RaVa.ervHJc>s : me -
Jrffe!;lm6seJa(Ja&
tMOJ^MMpde lasit
"ASPXaes^iranca^,
)uque de
/iiliiit:
it
jjo/lf?.Jim. mv$%i
J^
mesmo/ nnff gride
3ara qualquer repartimbatb o d**tl*| q^qsJeM
[azer-se em.aranazao, a uma duzia de laboaa lar-
&_f*./fimfo Wi^oleo, -Jooro a fiuho,. lado
tirTOfflPV.lPW ia usa
bqgin"!
t- Venne-sa a^.taVerna
fronte a casa rr*W, Hi. al
fundo*,- propria Mriobitte
maim,
'VARANJDASfraneeias defarro fundidode drvar
^N^Csp^anjaaroadoDo^d <** 5^E^<2^-
n. 63, recebeu pelo ulhmo vapor, nm irdejro sor-jBdMBAS francezasde reonxe
mm.J*.mm.W>!#F>.1 aee'-. pmOS com pes de &A,*com moila e *m
Pra ciuaaca. |Ptefc *
MACHTNAS para gelar agua e fazer gefo ; aetaxB
. agua em 10 minntor uem gi em
......." al'iiin .<. ........i i
rtm edifieacao.
Vene>se poms de amaraMo, wwias da iiU) t
varias outras pecas proprias para edilicarao; pan
yera tnru*,i*rua de. S. Goncalo. aobrado a. 29.
junto a igreja. deaaaha ate as 10 horas, e a
tarde ate as 4 Jioras em, diante.
' ^ Wde^mx caB^ Wez de Auas rodas
,eun ncffieMe eavaflo para o
.paa vartatdocta;ira*'nudaRoda. a
tratar a rua Direita^i 10.________>______
AtteiicSo
gr Vende-se muito barato a arroacao da laverna
n. 60, site a rua Direita dos Afogados : a tratar
na padaria junto n. W. '
Vende se as casas da rua de Vidal da Ife^
greiros (outr'ora Cineo Pontas) old. da raa do
B.rao de S. Boria (outr'ora do Jwh*) a. II : a
tratar na^ua do Rosarian, 56, em fcente a |W
tdoAragao.
AViso/ '
Thomaz (j^ Aain.o Fonseca &
uccessores ventte-ae' a rdtalho viflno da"Fi-
gueira, das melhores marcas, chegados -tiftftiWJ
meote : na rua da Vigariaa. -19 f andar
trrwntr-rww-top-----r. ,
vende-se^,
um* **sa terrea euj OMnda, rua de S. Pedro Mar-
tit.P, o, tendo.2 saias, 2 quartos grandes, cozinha
rora e quintal grande : quem a pretender dirfia-
searua de S. Joao n. 37.
Fara acabar!
Ricos chapeos para senhora : 6 na rua Duqne
la, Gaiiaj *. 9*4, Joja da esqaiaa.
I wmm \
L_iiflin







8
Diario da Pernambueo Sexta fefra 9 de Jatteito de 1674.
^
- .
^zttiF* HHl
A RESPEITO 0
ibl #
u HO MARKCIAL IAZAl!rt
DO 1KHO.
TERCEIRA PARTS. "
CAPITULACAO f BE 7 A 29 DE OUTUBRO )
CAPITULO vir.
CAPITl'LAg.VO
[Continuqe&q]
Deste modo, quando os uossos depositos
continbam suffiei-jutes viveres para o dia
30, e o inimigo tiritfa prepirado pola sua
parte mantimentos afim de prover 4s pn
meiras necessidades, as tropas pormaoece-
ram esbautas. A respousabilidade do ma-
rechal acha-se duplamente comproraettida
nesta triste circurastancia.
Esta dolorosa narracAo nao seria com pie-,
la, se se nao fizesse 3obresahir quanto toria
sidoaugmeutada a dura;8o da resistencia
seo marechal tivesse feito itnprirair uma
diraccjko judiciosa oos servicos das subsis-
tencias
Contentamo-nos em dizer, e isto ha de
ser estabelecido no relatorio especial relati-
ve 4s subsisteucias, que, se, desde o I* de
setembre, se tivesse posto em commum
todos off recursos, e dado rac,5es aoexorci-
to ea popufocjio, terse hia podido fazer du
rar os viveres recolhidos mais trirrta dias,
na razio de 350 grammas de came, 500
grammas d* pao, e 3' kilos do f rragens.
Se, alem- disso, o marecha tivesse nos pri-
meiros dias do, bloqueio feito entrar no
campo entrincheirado, as colhaitas que
acabavam de ser coltiidas> teria podido ga-
nhar mais trinta e tres dias na razio de uma
racao de 400 grammas de carne, 500 gram-
mas de pao, e 4 kilos e meio de forragens,
formando ao todo 63 dias de viveres para
258 mil racionados. Em vez de capitular
a29de outubro, o exercito teria podido
marter-se no primeiro case a'e 29 de novem-
bro, e no segundo ate1 ap 1" de jdneiro.
Se o marechal tivesse deixado o campo
intrincheirado no 1 de setembro, a iistri-
buiga" judiciosa dos re ursos que deixava
em Metz teria permittido aos 106,000 ra-
cionados encerrados na pra$a viver ate 31
de Janeiro' inclusive, na razao de uma ra-
55o de 350 grammas de ca'-ne,
grammas de pao e de
gens; se, alem difco,
agosto, se tivessem recoImUo
immediatamente proximo* dos campos, a
resisteneia poderia ter sido rauito prolon-
gada. ,
! res, penuria que se podena ter facilraento
prevenido, forcou o marechal Bazaine a capi-
tular apparece no Loire, entre Severs e
Blois, cinco corpos de exercito fraetSz.
Aquellas novas tropas faltava seguramente
acohesio, masoseu effectivo era muito
consi ieravel e os alleraies nao teriam tido
para lhe oppnr, retidos como estavam dian-
te das necessidades do bloqueio, senao ter-
ras muito inferiores em numero.
So o exercito do principe Fredenco Car-
los do qual as primeiras tropas comecmm
a mover-se a 24 de outubro, e iue chegou
a Fontainebleau e Pithiviers a 25 de novem-
bro, fosse retido sob as muralhas de Metz,
5 condi<;6es da luta teriam sido n uito di-
versas, diante de Orleans.
A este respeito, ?6 se podem fazer
jecturas ; mas o exito alcancado em
miers, por douscorpis de exercito franecz,
que se nao empenhou no combate todo,
permitte pensar quo a nao ser a interven-
q5o do exercito do principe Fredenco Lar-
los. teria sido possivel desembaragar
Paris. -jx
P6 le-se pois affirmar, que nao tomando
as medidas necessarias para prolongar a
duracao da resistencia do oxercito e da pra-
ra de Metz, o marechal deve sofTrer uma
pa-te da responsabilidade dos revezes do
exercito do Loire,revezes irreparaveis e de-
cisivos. ,
Sedan, Motz, Orleans ; o nome do mare
chal Bazaine ffcari ligado eternamente a es-
Apezar da chuva, qua cahia a torren
as immediacSe} do.paLjol) do Trjani
a* ebeias |e] poirf.fJfiSjj ^
abnr a aodiencia, ja estavam occ
de
' P.-Faflou-vo3 da intencio que tinha i
iratfl
P.A 9 deu-se ordem ao exercito
ispor a dar b^alht dcboaiva.
vosso iniciaiiva. Havieis rece-
ordem para vos preparardes para
Rao julgodever insistir fgora nas
fttec relativas ao effectivo do exercito,
esteva debaixo das vassas ordens; mais
e me occuprrei disto no decurso do de-
lugares reservados, assim como os lugares P-Assinf,
oibiioSf i '-'.I ml jdfdas pela vo
' Do lado de ton, muitis cenlenas de pes- bido a 10 ord
esperavam poder entrar na la da au-; uta movimento offensivo, como o major ge imm. O
c\s. t'ltih grande fonja de guard* de neral aiwunciava ao ministro da guerra? P.!
mrti.i?i.ila nor um official, continha' R.IWorecebi essa ordem tropas fr
soas
dien
paz, cororaandaJa por um official, ontinha
de ca- ne, 500
3 kilos de forra-
d* 2 at4 29 de
os recirsos
con-
Cou-
aquella multid&o.
Do lado de deotro da teia notavam-se
muitos magistrados perteoeentes aos tribu-
naes de appellacJo de Parb e das provin-
cias.
A uma hora e cinco minutos come^ou a
sessSo do c nselho. sendo o marechal Ba-
zaine iutroduzido na sala da audiencia.
Presidents.kale* de proceder aa inter-
rogatorio do accusado, von dar parte i de-
feza e a accusagao da maneira por que'leo-
ciono dividir o processo ; dero tafabem dar
parte que a lei, eonfariodo-me o poder di-
cricionario, me impede de o delegar.
Eis aqui as divisdos qoe me propoobo fa-
zer :
1.* Tomada de posse do commando ;
2.' 0pera<;6es miliures desde 13 ate" 49
de ngoetof
3.* C'>miuunicac,6es- com o iraperador,
com o governo e com o marechal M*c-
Mahon ;
4.* Operates militares de 19 de agwto
ao 1* de setembro ;
5* Divisao das opera^oes da praga de
Metz ;
6.* Incidentesy Procedimento durante o-
sitio ;
7.' Communicates com o governo da
defeza nacional ;
8.* Ultimas negotiates-;
9.a Gapitulac^o ;
Presidents.Fostes nomeado comman-j
dante supremo em 13 de agosto?
Marechal Bazaine.Sin>r seobor presi-
dente.
P.Tivestes occasiao de exercer aquelle
commando antes daquella data-?
R.Nio tfnha ac^ao senao- nos corpos
forraadosao longo da fronterraj enonca ad-
mitti as restricc,6es que se fizeram i minha
ordem de servigo, e que me uao davam ne-
nhuma autoridade sobre os corpos celloca-
dos As minhas ordens.
P.Recebostes no dia 6 ordens paraexe-
cutar diversos movimentos?
R.Es>es movimentos nao ttnham sido
calculados em present de um ataque sobre
a fronteira.
P.E a 7 pela manha, ordem para ou-
tros movimentos?
r._.\s tropas que se puieram- em movi-
mento n8o estavam debaixo das- minhas or-
dens.
P.Nesse dia o major general deu or-
dens, e as tropas que se achavam as vossas
ordens, formndas sob as aiuralbas de Metz,
deviam ret rar para Chalons?
R.Nunca me foi notificada a ordem de
marcha sobre Chalons. As orctens relativas
ao 3. corpo chegaram directamente ao ge-
neral Frossard, sem passar pelas minhas
maos.
P. Da pergunta que se vos fez, e da
vossa resposta, resulta que nao tendes tido
conhecimento senno das ordens relativas ao
3. e 4.*, c 4 goarda ?
R.Sim, senhor presidente.
P.0 quarto corpo e a guarda, retiraram
sobre a linha franceza ; o segundo estava
estendid.) na estrada de Sarreguemines a
Nancy. V6s occupaveis a posi0o de Fautque
mont, onde havieis recebido a visita do im-
perador. Falhu-vos elle da intepcSo em
que estava de abandonar o projecto que ti-
nha de voltar para Chalons, como escroveu
d .mperatriz, e de dividir o exercito era dous
grandes corpos, um dosquaesretiraria sobre
Metz, e o outro operaria na direccao de Pa-
ris para defender a aproiimac,5o ?
r.__0 iraperador nao me fallott.de ne--
nhum projecto de semelhante jiaAureia
P.-t-Havifiis nesse mesmo dia recebido or-
dem para conduzirdes os corpos que com-
mandaveis sob a protec^aD dos fortes de
Metz ? _),-..
R.-Ignorei at^ ao ultimo momento as
instruceOes do estado maior ganeral, relati-
vamente a esse movimento de retirada.
P.A serie de ordens qua iara fazer con-
centrar o eercito ena Metz n8o diraanaraa
pois de vos ? -ok.
R. Nao, seobor prestdeate.
P. Pez-se-vos acomrounicacao das or-
dens para municiar e abasteeer o exer-
cito?
R.Nessa oecasiio, nao me foram com-
oraoicadas sewelbantes ordens.
P.Nfio hav-ieissido inforraado dos movi-
mentos do ioiraigov dos exploradores viodos-
sobre a fronteira ?
R.Nao, senhor presidente. Foi si por
um despacho do icaperador, de t3, que eu
sube baver-se o iomwgo estabelecido em
Pont-a-*)usson.
p.^ ordem desse dia mudava-a nossa
posi^ao, e dava-nos arm autoridader que
permittic* que nSo ignorasseis mais oada do
que se passava. Estaveis ji investido do
novo comsaando, quaiido o imperador tos
dirigio um despacho paFa-vos iudicar qaie-ta
tomar uma resolucao ?
R.Estaw investido bo commandor mas
oao tive conbeeimento oVssa resolug8o.
p.Parece que o imperador Inudou ui-
tas-vezes de reselucjio no mesmo dia. fiesto
caodo, pela manha prescrevia elle ao 5.*
corpo que estivesseproraptoomarchar sobre
Metz, e talver que sobre fibatens, e a* 5
boras annullava essa ordem ?
p..Nao tio conhecimento dessjas bb-
dao^as.
p.Procuraij recordar-vost 12, encen-
tra-se um despacho dirigido- ao general' de
Partly? .
RNao ti# coBhecimento dasse desoa-
cho, foi mandado sem que au tivesse side
prevenido.
P.A 12, ordenava oimperador ao ge-
neral Coffinieres-oestabelecimeato de pontea
sobre o Moselle.
R.Nao tivoeonhecimento disso depois
de ter sido investido no commando.
P. 0 imperador deu-vos parte da situa-
rjte-da ala direita?
R.O imperador nao mo eommunicwi
nenhumas instruecdes.
P:Esperaveis ser investido no com-
mando?
R.Hesitei aceitar, e pedi ao imperador
que escolhesse ouiro mais digno. Fui es-
tranho a tudo qnanto se fea para se me4ar
esse commando.
P.0 imperador deu-vos a saber a- or-
dem expedida 4s reserves que acabavam de
ser chamadas de Paris, do Chalons, e de
outros pantos-da, Franca ?
R.Dc maneira nenhuma.
P.Entaos na occasiao de entwgaro
aommando, nio julgon dever fornoeer-vos
espontaneamente as explioaQOes necessarias
a vossa nova situa^ao ; ba*ieis feito algumas
observagoes 4cerca da escolha quo se tinha
feito do general Jarras para vosso chefe
d'estado maior, e pedistea modificatdes na
lista dos differentes chefes- de^ersic/) e dos-
commandantes dVtk)rp<- de exereito ?
R__Naa-'se tratou disso entio-; s6 fiz
modificai;6es mais tande.
P.-T>Por occasiao da vos^a enteevtst3 com
o itnperador, nio estavam presentes os com-
ms'adantes de corpos de exercito ; quando
-f^; r.Q = poiinistps nela orimeira vez ?
toi que os reunistes pela primetra
R.No dia 22 de agosto, creto eu.
Foram sob a vOssa iaapiraclo todas
irdens dadas a 13 ? Nao tram ellas com
fim de atrevessar o Seille, e de esfender as
tropas. na estrada de Var-Jun ?
R.Todas as ordens foram dadas por
pffn. Q nosso Gm era ganliar Verdun.
o existiam para deixar passar as
tropas: tres servi^os do ponte ; tendes feita
reconhecer os caminhos pelos quaes o exer-
cito podia marchar?
R.Mandei o coronel Charras para re-
conhecer aquellas paragens.
P.Reconheceis essa ordem, Sr. mare-
chal ?
0 escriv8o passou iim papel para as maos
dp marecbal, o qual respondeu :
E' uma ordem dictada por raim
0 escrivaofez a leitura dessa orderrr, que
e assim coocebida :
Examioai quae> sao as ponies langadas
sobre o Mosello. Quantas ha, e quaes sao
os ewninhos que alii conduzcn ; que coiw-
munka^des condireem 4s estradas reaes?
p. Por space* de uns_15 hilometros,
as du estradas de Mons-Ia-Tour e d'Etain
seguem a> inesraa direeQAo, desembocando
ambas e Gravellotter de maneira que, na
realidade, o exercito nab tinha senip- uma
sahida ; deate modo, porque e que n&> ha-
vieis dado ordem para se utilisarem todas as
pefltes sobre o Moselle ?
R\ Tinha indicado a direccao. geral,
todas as outras ordens do detalhe deviam
ser reguladas peio chefe d'estado-maiorr em
quern eu tiuhatoda a conflanca.
p. Independentemente dessas pontos,
havia ainda a do caraioho de-ferro de que
vos podicis ter otilisado, e fezer destruir
depois-da passagem das tropas-; o que teria
demoradb muito a marcha do inimigo ?
R. Repito que me era irapossivel re*
gular Sodas as queStoes de detalhe. Quanto
a deroorar a maroba do inimigo, isso era
impoasivel, porque naquella data, j4 havia^J
feito atravessar o Moselle por muitoe corpos
de exoreho.
P. Hivieisdeterminado as daas divisdes
de cavallaria que expkHrassem a estrada de
Verdun, sobre a margem esquerda ; o ge-
neral Forton prevenia-vos que fc-seis boras
o seu movimento n5o tinha podido ser ainda
operado, mas que tinhorn sido vistgs explo-
radores iniraigos do lado de Boroy. Esta
communiea^ao nao attrahio a vossa atten-
cao?
R. Nao me lemhcoque esse despacho
me tenha-'entao passado pela vista,
P. Neojulgavei<|aeas vossas'divisdes
de cavallaria tinhaja .podido ser mais util-
monto empregadas em roconhecimentos do
lado da sol ? Parece didicil admiMir que a
communieecAo do general Forton. vos n3o
tenha chogado 4s maos?
R. Nao me lembco de a ter recebido ;
passei a-eavallo todo-o dia 13.
P. Se tinheis o sontimento de que o
inimigo a viva ra a marcha sobre-a vossa li-
nha do retirada, nao -podieis eacaaunhar os
vossos parques, comboios e bagageos, para
a estrada de Verdun, determiaando-lhes que
n4o suspendessera a marcha, senao na sa-
hida do desfiladeiro '.'
R. Tinha dado. ordem para se fazer
constantemente frente 4 retaguarda; para
n5o eompromettee aoninha linha do retirada.
P^ Neste meio tempo oxnoutava o ini-
migo- um movimento de uaoco; estavam
os corpos formados de maneira que se nao
incommodassem,. e ficassem eobertos pelos
tres- corpos do primeiro exereito;. evideu-
temente n8o podieis ignorar a presence do
exercito em Nancy, e em Poat-a-Mousson *
Nao podieis, com o.tacto da espada, presen-
tir, que serieis incommodado ?
R. Sim,, senhor presidente ; escrevi
:nesse sentido ao imperador.
p.__Entao preparai-vos para um movi-
mento offensivo ; nao foi gor ordem do im-
perador que hsvieis renunciadoa elle-?
0 marechal hesitou em. responder;
F0LHSTIii
LUCBSCXA SQS&IA
MEMOBHSl SATAHAZ
POR
D. Manoel Fernandez y Gonzalez
S-EGUND A PARTE
SAVONAROLA.
IX
EM QUE SE VE COMO OS ADEPTOS DE SAVONA-
ROLA DESCOBRIRAM 0 ESC-MDERUO DE LU-
CRECIA, K ATE. QUE POSTO LEVOU ESTA A
DUilEZA DO SEU CO.RACAO.
(Coutinuacao do n. 4j
Marietta, cada vez mais aterrada abrio
a ianella do centro e olhou a medo para
arua. Prtsentia que a amcacava um pe-
rigo terrivel elmmediato e n3o tinha senao
aqVlla sahida. Mettia-lhe, porem, medo
a altunj, augmentada ptia imagina^ao epela
obscundade. -r _ Ouvio, como tinham ouvmIo Lucrena,
Buotti, Pedro de Napoles e Angiolma. aquel
le rumor longinquo que se aprox.imava
Qcou
r,ue crescia, que se convertia em estrondo.
Afinal, vio desembocar na rua uma raul-
tidao numerosa, 4 luz de archote, que re-
flectiam sobre espadas, capaceljs, arcabu-
zes, e ouvio clara e distioetamente os gntos
de : Morra Lucrecia I ,
Em seguida seotio alguns tiros de arcabuz
muitas de cujas balas penetraram na came-
ra pas^ando por cima da cabeoa da joven.
A rua esUva completamente cheia de cu-
nM*rietta retirou-se aterrada da j.nella,|
correu para a porta da camara e bateu a
dia com desesperacAo, bradaudo por soc-
^Colombo esUva por detraz d'aqaelli por"
ta. mas perraaneceu callado.
Ouvia-ae com estrondo os golpes com que
os assaltantes pretendiam arrombar a porta
do palacio ; porem a porta era de carvalho,
chapeada de ferro e resistia.
Os morras e improperios contra Lucrecia
mul'iplicavam-se, e encobriam os gntos de
saccorro de Marietta.
De repente ouviram-se algumas vozes
que sritavara :
Ao assalto t
Escalem-se as janellas I
Colombo metteu a chave na fechadura e
esperou.
M^rietia que ouvio aquellas vozes
petriflcada de espanto. _
De repente soltou um grito hornvel, agu-
do, intenso, impossivel de descrever.
Tinha visto assomar pela janella uns
rostos lerozes e horrendos.
Por um instincto de conservacao propna,
voltou-se para a porta que se abrio daudo
entrada a Colombo, ao mesmo tempo que
alguns dos que penetravam pela janella di-
ziam com energia :
Que ninguem a Bra I
Apoderemo-nos de Lucrecia 1
E" ella 1 M L
Colombo, antes de que aquelles nomens,
podessem apoderar.se de Marietta, precipi
tou-se sobre ella, e ferio-a no coracao com
uma panhalada.
Marietta cahio sem sol tar um grito. Co-
lombo soltou em seguida outro grito e cahio
debrucos no chao.
Um dos assaltantes, ao ve4o erguer o
punhal para Marietta que julgava ser Lu-
crecia, disparo'u sobre Colombo o arcabuz
para o impedir que a matasse.
0 segredo de Lucrecia fkava guardado
por dous cadaveres.
Houve um- momento da^ consternacao
entre osassaluntes que havFam penetrado
pelajanelk na camara. Nio haviam rece-
bido ordens para taoto.
Aquillo era peiorar o estaio das cousas.
__Ah 1 disse um j4 entrado em annOs,
istieterrivel. Porque nio vieram com-
nosco Francisco Davanzati, Fraaeisco Va-
len o os sens amigos 1 Qoem nos acon-
seihar4? ... ,-
0 conselho 6 muito siranles, rephcou
um outro ; trata se de a desflgurar, e dei-
ta-la ao Arno, para que a nio reconbocam
pelo seu trajo de princeza, fazer 0 mesmo
a esse outro cadaver, e voUarmos em $1-
lencio para nossas casas. i
Espalhada a noticia pelos assaltantes, a
maior parte d'elles esquivaram-se surratei-
ramente, e outros desempenharam a triste
tarefa de mutilarera os rostos de Marietta e
de Colombo, e de langawm ao no os seus
cadaveres.
As roupas foram queimadas no pateo do
palacio. .:.
Depois d'isto, fugiram.
A' oma hora da ooite, tudo era silencio
e repouso em Flbronca.
No dia seguinte Sovonarola soube com
horror, da bocca de Francisco Valori, o que
havia succedido.
be queLu-
evidente que evita fazer posar a responsa-
bilidade no imperador.
Fez-se a leitura do seguinte despacho :
0 marechal Bazaine ao imperador em
Metz.
Borny, 13 de aosto, is 9 horas da
noite.
a 0 inimigo parecendo aproximar-se de
nos, e querer vigiar os nossos movimentos
de maneira que a margem esquerda possa
proporcionar um combate que nos seja de-
favoravel, e proferivel, quer eaperar nas
nossas linlias, quer ir para ellepOr meio
de um movimento geral de offonsiva. Voo
procurer ter informa5es sobre a posi^So
que occupa na exlenaio da nossa frente. Or-
denarei entio os movimento* que se deverio
executar, e darei conta a vossa magestade.
Os tios telegraphicos estSo constantemente
destruidos, e julgo que nio ser4 um bom
systema deixal os estar ao longe do solo, no
meio de uma agglomeragio tio forte como
a nossa.
c O imperador ao marechal Bazaine.
Metz, 13 do agosto, 4s 11 boras.
0 despacho que vos envio da irrrpera-
triz, mostra bem a importancia qoe o ini-
migo liga a que n4o pwsemos para a mar-
gem esquerda.
E' necessario pois fazer diligencias para
isso, e se julgardes devor fazer um movi-
mento offensivo, que vos nao colloque de
maneira a n3o poder operar a vossa passa-
gem. Quanto As-distribui^oes, poder-se-bio
ellas fazer na margem esquerda, ficando
ligado ao caminhode ferro. Xapoledo. *
P. Tendes ligado algums imporUncie
a um despacho do marechal' Mac-Mahorr
chegade nesse dia?'
R. A-quasi totalidade do exercito tinha
executadbo movimento de retirada. quando
foi necessario suspeodel o para eombater.
P. Aesististes ao eombate ; estaveistao
perto do fogo que podieis receber um esti-
lha?o de obuz ; nao vos tendes deixado
intimidar.ebavieis conttouado a commandar
b vosso exereito. Que-ordens tendes dado
para que o exercito cootinuasce a passar o
Moselle, ou para fazer operar um movimen-
to offensivo geral ? Respondereis a esta
pergunta quando recornec,ar a audieneia.
A audieftciasuspendeu-se 4s duas boras e
jneia, e recorae^ou 4s tres em ponto
p. Quo disposi^oes- bavieis tornado
depois do corabote de Borny, para assegu-
rar a passagem do Moselle, ou para dar a
uma mudanf? -offensiva um earacter geral ?
It. .Fiqaioi ate a uma bora da manha
no campo. A* onze boras dirigi-mo ao
quartel impetiaA e dei conta ao imperador
das minhas impressOes. Ficou concordado
desde aquellatarde, que eoatinuariamos a
nossa marcha sobre Verdun, sem comtudo
eomprometter eousa alguma. Quanto- is
ordens dadas sio ellas conhecidas do gob-
selho. i
(0 accusado iez a leitura da sua ordem
do dia, relativaroente aos viveres de campa-
aha e 4s disposic^es de marcha e de eom-
bate, dispos^ojes que foraoft, disse eUe,
desattendidas. Esta ordem-d'maito cireums-
tanciada ; o seu fim principal era assegurar
a concentraQio das tropas, .e desembaracar
do todos os '.mpedimentos as positjoes de
aorabate. j
P. Durante o combate de Borny, nao
Lhe foi necessario assegurar a defeza-even-
tual dos fortes e especialmente do forte de
S. Quintino. que foi precis armar comnma
bat?ria de reserve, e cujo estado incorapleto
careceu da immobilisagao da guarda ?
R. Sim, Sr. presidente, o8o tenho to-,
dos esses detalhes na memoria, mas lembro-
me que foi necessario prover a defosa do
forte de S. Quintino, assim eorao o^do forte
de Saint Julien, cujo armamento estava
igualmenle incompleto.
P.Jttlgaes que aquelle combate demo-
rou a passagem do Moselle?
R.0-combate retardou a nossa retirada
dez horns pelo menos.
P. Nao foi essa demora antes- occasiona-
da pela accamulagao? Qual foi-ocorpo que
erabaracou o vosso. movimento?'
garara i phmtdf>. Ao Plaopeville senao a
16. Mudarem o eomraandantes dos cor-
pos, e isto retardou oecessariamente a mar-
cha.
P.As divisoes demoradas vieram pelos
caminhos que estavam litres, o nio poderam
retardar a parhda do exercito ?
R.Esses corpos nSo teriam soffrido
demora, seas ordens que dei para reunir
os comboioi tivessem sido pontualmente
executadas ; mas houve uma grande desor-
dem, em coosequencia da. aocuraulajio,
e as tropas nio encontraram os caminhos li-
tres- XiiLUObsuVO .
P.0 contacto das tropas eora o inimigo
nio pcovou que terieis podido susteutar o
choque, e no caso de necessidade sehir vie -
tori^sos da Lta ?
R. As tropas eram excellentes f cumpri
ram valentemente o seu dever.
P. Haveis dado conta ao conseiho da
vossa conferencia como imperador na noite
de 14 para 15, depois do combate de Borny.
N'essa mesma noite havieis dado ordem para
concentrar o vosso exercito na planiciede
Marsha-Tour ? ^^
R.Eu esUva havia tree ou quatro dms
a cavallo; sentia-me extenuedo ; foi sd a 15
pera manha que pude dar iDStrucodes n'ease-
sentido.
F.Nio baveis indicadco caminho de
Briey ; porque teudes abandoned as oatras
dua> estradas?
R. Eu nio podia occupar-me das ques-
toes dedetalhe % isso pertencia ao chefe d'es-
tado maior.
p.Prcoccupou-vos o movimento de re-
tirada, que tant'o preoccupava Pacts?
R. Tinha mandado fazer reeonheeimen-
tos, e nenhum corpo inimigo me tinha sido
apontado.
P. A ti havieie dado as seguinte* or-
dens : o 4 corpo e o 3" segiirao pela es-
lacio Scaramuccia estavam quebradas e que
ninguem habitava n'elle, porem os bons
florentiuos disseram uns para os outros :
E' bem natural o qoe succedeu. 0
diabo nio quiz que lhe usurpassem o seu
palacio e expulsou d'e'.le Rodolpho Gual-
terio e sua mulher.
0 palacio Scaramuccia fieou, pois, outra
vez deshab tado, com peior fama do que
nunca, e com duas gaandes manchas de
sangue no chao.da carvalho da sua camara
principal.
DE COMO LUCRECIA 1NC0RREU S'UM EQDTVOCO
GRAVlSSIMO. ''".
Antes do barco chegar 4 ponte da Santa
Triniti, bavia-se extinguido completamente
o estrondo do tumuito.
Angiolina quo permanecera na.janella
ouvindo as vozes furiosas que pediam a
morte de Lucrecia, e a detonaclo dos arca-
buzes, que permanecera ainda na janella
quando o tumulto se convertera em estron-
do e diminuira outra vez ate um love ru-
mor, sentio < repente 4 sua esquerda o
ruido de muitos horaens que corriam pda
margem do Arno e ganhavam a Ponte-Ve
lha pelo Hanco direito.
Eram os assaltantes do palacio Scaramuc-
cia que habitayn a cidade velha e que ti-
nham fugido sabendo que Lucrecia Borgia
tinha sido morta.
Nio era so Angiolina que observava
aquella scena.
Seu pai, a duqueza de U.rbino e e capitio
Christobal de Vtlloslada, qae tinham ouvido
os tiros e os gritas, haviam chegado 4 janel-
la j sem, porem, deixarera ver lpz atravez
dos vidros.
A janella de Angiolina era a nwca que
estava illuminada. ^/m
A maior.parte dos habitauteada margem
do Arno obserravam ignalraente, 4s escuras,
nos seus aposent s.
Decorreram alguns minutes.
Sentio-se rumor de gente no Lungo det
Arno, por detraz do palacio Scaramoccii
Lucrecia Borgia., era de
dos eadaveres fosse o de
R.O 3 e o V4corpos, que nio che-
trada de Conflaus ; e 2 e o 6, a- estrada
de Verdun ; a guarda seguir4 esse mesmo
ca-ainho. Porque e quo essas oadons nio
foram executadas ?
r;0 general Forton quiz fazer um fotte
reconhecimento 15t Tinha entio- tres di-
visoes de cavallaria reuoidas. 0> general
Frossard tomoo-sebre si suspender aquella
demonstracao, q*e consideroa inuhl e ape,
na minha opinion, poderia ter tido exoellen-
tes resnltados.
p.Porque haviais- determinado Adiw-
sao dos atiradores da guarda que se conser-
vasse na posicAo ao romper do dia? Rio
julgaesque teriasidepreferivelfazefc-aavan-
jar roais?
R.Sim, senaorpresktente; mas-eocon-
tava com outras forc,as> cjuechegaram"mais
tarde, e nio julgava indisponsavel a pnesen-
ca d'aquella divisao
P.A .ponte do- cammhode ferro de Lon-
geville a Ars foi dastruid*. Tories sido
vos que havieis dado ordem para a fazer
saltar?"
R.Sim, senhor presidente.
P.Porque? I
R,_Receiava que nm troco inimigo con
seguisse passar, on espattmsse um panico na
nossa retaguarda.
p.Otrem auxiliar eoejpunha-se de...
2:590 carros. Uma ordem verbal, deter-
minou que se dirigisse aquelle trem para-
Metz, afim de quo-elle- fosse utiUsado nas
necessidades da praca. Esta ordem execu-
tou-seincompletamente; resultou por con-
sequeneia, pelo que dia respeito is provi-
soes, uma especie do desigualdado entre os
corpos. Nio julgaes que teria sido preferi-
vel dirigir o comboio auxiliar para. Verdun.
por isso que vos nwsrao devieis proourar al-
car>?ar aquella pra^a o mais depressa possi-
rel?'
R.-A.quette-trem auxiliar pertencia qua-
si todo ao district* de MeU, e contaya. en-
contrar em Verdun, e alem eomboios de
vweros preparados antecipadamente, ecu-
ja existencio me dispensava de embaraear a
minha marcha em circumstanciastio criticas,
conservando comigo aquelles pesados car-
ros que podiam obstruir o caminho n'um
momenta dado.
(Continuar-*e-ka)
Aquella gente aproximou-se do no j pou-
co depois ouvio-se esse rutdo especial, que
nio poife corBtuodff-se eom outro, o de um
corpo lanc,ado ao rio. I
Passaram- alguns segundos e ouvio se ou-
tro ruido semelhante, e em seguida o tropel
de muita geote que fugia.
Depois, ficou tudo em sileoeio.
Para Affonso Crespi, para a duqueza de
Urbino, para Christobal de Villoslada, e fi-
nalmente para os vizinhos que haviam ob-
Trtdavia ninzuem mas spuue que Lu- naimeme |iaio v* n-- -r~- rr
loaavia, ninguoiu ^ m eervado tudo aquillo, era fnra de duvida,
Bc.a Borma tinha estado em p. .J*^^ sldo4UBCados ao rio douscada-
crecia Borg
l _.4;^r. viita aue tinuara siau taitvauus w wi
de morte contra
supper que um
Lucrecia.
Entretanto, o barco havia passado por
baixo da ponte de Santa Triaita e chegara
na margem esquerda do Arno, 4 ponte de
Carrajia, atracando a uma das escadas.
Francesco Buotti saltou em terra e deu a
raio a Lucrecia que sah.p do barco.
Ap6s elles seguio Pedro de Napoles.
No tdpo da escada, proximo da porta de
Paderini, Luerecia parou. e junto della
parou tambem Pedro de Napoles.
Buotti tornou a descer e disse aos Pesca-
dores :
__Cada um de voces pegue n um cai-
xote.
E, dirigindo-se, aos esbirros, accrescen-
tou: A I
Voces sigaca com a espada na mao.
Os sete pescadOres que tripolavam o bar-
co carregaram com os caixotes, e subiram
a custo a escada, porque aquelles eram pe-
sados. .
' Os esbirros seguiram apos elles.
0 cortejo poz se em marcha. e, tomando
Kla ruaSerragli, chegou a um antigo pa-
;io, 4 porta do qual bateu Buotti.
Era o palacio Poderini.
A porta abrio-se e appareceu um dos
esbirros de Lncrecia com uma luz na mio.
Entao pode Lucrecia ver Pedro de Napo-
tess, e 4 sua vta soltou um ligeiro grito de
S Ahl disse ella, o senhor aqui. Affonso!
chegou junto a mim deum modo tao sin-
I 1
gU Lucrecia confundia Pedro de Napoles
com seu irmio o principe de Tarento.
Senhora, respondeu Pedro aprovei-
tando o engano de Lucrecia, qualquer mo-
do 6 bom para chegar iunto a si.
Siga-rae, pfinerpe; disse vivanoente
exciUda Lucrecia.
Esta er^dro de Napoles, precedtdos pelo
esbirroque allumiava, atravessaram as ga-
lerias de dm grande pateo e subiram uma
escada, seguidos pelos pescadores que leva-
vam os caixotes. ,
Francesco Buotti tornou a sahir, cnegou
ao Arno, soltou o barco, entregou-O'a mer-
ce da chrrente e voltou para o palacio Pode-
rini. ,
Os pescaddres esperavam na galena do
patoo qae lhes pig'wsem para
rem. .
Francesco Buotti disse-lhes :
__Fizoram a sua fortuna ; de hoje em
diante ganhar4 cada um.um florim por dia.
E porque, meu senhor? perguntou
um d'elles
Porque nio sahirio d'aqui, sabe Deus
durante qu.nto tempo, e 4 jnsto que se lhes
pague os cuidados que vAo dar 4s suas-fa-
roilias.
Mas o qae ser4 d'eWas sem n6s t So-
fmos pobresfce nio temos,. para susteoiar os
nossos filhos, senio o que nos reade o traba-
Iho de cada dia.
Dir-me-ha cada um onde raora sua
familia, que ser4 soccorrida e receber4 no-
ticias suas.
Os pescadores resignaram-se, ou, para
melhor dizer, cederam 4 for^a.
Diante d'elles, mascarados como Fran-
cesco Buotti, estavam quatro esbirros com
as espadas desembainhadas.
Os pescadores foram enoerrados em um
dos aposeutos interiores do palacio.
Pedro de Napoles comprehendera o equi-
voco de Lucrecia.
Pedro parecia-se excessivamente com seu
irmio Affonso, porque ambos eram o re-
trato de seu pai o rei Frederic? de Napo-
les.
Affonso nio estivera nunca em Roma, e
Lucrecia-conhecia-o tfio somente pelo retra-
to que a havia enamorado.
0 retrato flcara em Roma, e por tanto
era explicavel o engano de Lucrecia.
Vejamos o estado do coracao d^aqueHa.
Saorificada sempre 4 conveniencia da sua
familia, n8o amara nenhum dos seus mari-
dos, e conservara virgem o coracao.
Gonzalo de Cerdoba coramovera um pou-
co aquelle coracao altiyo ; com tydo Lucre-
cia fdra para elle mais ama 'mulher de es-
tado, do que uma mulher enamorada.
0 proceder altifo do "gran-capitio para
com ella irritara-a, obrigaraa ao raptode
Angiolina, e ao empenho que raostrara por
Gonzalo de Cordoba.
Com tudo, Lucrecia estava apaixonada
por Affonso de Napoles.
0 retrato d'elle fallava-lhe aos sentidos.
As caitas apaixonadas que de Napoles lhe
escrevera o principe de Tarento, haviam-lhe
fallado ao coragfto. .
Pedro de Napoles apparecia-lhe tio dif-
terente do que fdra o musico, o vagabun-
do Bonvinetto, que Lucrecia nio podia fe-
conhece-lo de modo algum. A activtdade
da alma de Lucrecia era espantosa.
Acabava de co-ametter um crime horri-
vel, fazendo-se substituir por Marietta, en-
tre. an lo-a 4 morte, e, com tudo, a vista
de Peiro do Napoles aue ella julgava ser o
principe de Tarento fe-la esquecer de tudo
para pensar tao somente n'aqoelle mancebo
que a enam'irava, no primeiro marido que
a sua familia lhe impunha, sem lhe contra-
riar o oora^io.
Que significa isto, Affonso ? Porque
raz3o nos conhecemos do um modo tio sin-
gular? perguntou ella esplendida de formo-
sura por isso que o amor augmentava o po-
der dos seus encantos.
Eu recebia com frequencia as suas
cartas, replicou Pedro de Napoles, que, em
quanto estivera ao servico de Lucrecia sob
o disfarce de Bonvinetto, vira com zelos,
que todos os dias da villa Borgia partia om
correio com uma carta de Lucrecia para, seu
irmio. .
Sim, e" certo, eu escrevia todos. os daas
e todos os dias recebia uma carta sua. Faz
boje quinze dias que lhe mandei diaer: Nio
me responda, Affonso, porque nio receberei
a sua carta ; para isso seria necessario que
a dirigisse para Floreuca, para onde parto
em breve, e a prudencia exige a contrario.*
Por isso mesmo, eu que nio pude
passar sem noticias suas, vim incognito a
Florenga. Al4m rt'i so, desejava conhece
la, ve-la de perto, ignorendo todo o mundc
que nos viamos. Oh I roal sabe quanto au
a amo, quanto tenho soffrido 1
Obrigada, disse Lucrecia ; eu tambem
o amo como nio araei nunca ; mas o sou
fato est4 molhaio... vejo-otremer do frio.
__Oh 1 nio, 4 um estremeciraeoto de
amor. Esta felicidad qoe an nio esperava,
oerturba-me, enlouquece*ras) I
E' absolutamente necessario que mode
de roupa. Feliimeoto, em um d'esses cai-
xotes ha roupa perteocente ao meu mordo
mo. 014, Francesco 1
Francesco Buotti appareceu immedia-
raedte. a .
Este 6 o principe de Tfrento, meu e$-
poso, disse Lucrdoia ; esti molhado, e por
tanto procura um dos teus trajos melhores
que vem n'esses caixotes. Adeus, Affonso,
se estiver muito tatigado recolha-se. Fran-
cesco fica 4 sua dispoSHjio. N8o estando fa-
tigado, saiba que eu nio tenho somno, e
por tanto ate logo on ate amanhi.
Lucrecia sorrio feiticeiramente para Pe-
dro de Napoles e sahio da caroara.
Francesco Buotti olhou desconfiado para
Pedro de Napoles.
0 senhor nio me coohooe ? disse elle
emquanto abria um dos caixotes.
Ah I aim... respondeu Pedro como
que recordaude-se j ha oho annos quo es-
tiveste para ser enforcado.
Francesco olhou com espanto para Pedro
de Napoles.
A data era exacta.
i / CoHiin,uprse-ha(
"tYP.DO DIAWO.-RUA DU^US OSCAXIaS."
f HIM




'

-:ri


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL19CTY1Z_YAAWD3 INGEST_TIME 2014-05-22T22:41:51Z PACKAGE AA00011611_17543
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES