Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17539


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L. NUMERO %s^
s
|Jk 4 CAPITAL JE LUGARKS 0\*K ft! NIPA^i PORTE
'^Iroeaed adianlado*.............. ear
Perrffitosideai. .*/. .
Pors nnoi^em. .21 >^ **|
Por i raero avulso W >
Caw
69000
129000
249000
9320

SAUM1JU
OUII
TJE
L JAi\Lltt*J UCi 101 J
>^ PAIA DEHTP9E PMU .l V\1I A
Por tr meaes adiantados f ........... 69T&0
For seis- ditos idem................. 1395*9
Por nove ditos ides ................ 209250
Por urn aaoo yMm.................. 2790*0
A
PR0PRIEDADE DE MANGEL FICUEIROA BE FARIA 6 FILHOS.
'
__
Vi-iM:-
H Sn. Ger! Antonio Afres & Fi. 'hos'n0 Par<; GonWlye8 ***> MMannlSj Joaquim JcM de Olivejj/ji'^o, no Ceart; Antonio de Lemus Braga, no Aracaty ; Jolo aria Jolio Chares, no And; Antonio Marques da SiWa>noHatal JoU Ja
Pereira a'Alm eida em Mamanguape ; Augusto Gomes da Silva,.^ panyba j^tr .., Jose Gomes,na Villada Penha; Belarmino dos Santos Buleao,,era Santo Antao ; Domingos Jose* da CostaBraga, emHaxareth;
,jO>
Antonio Ferreira de Aguiar.em Goy^ Joao ^nio Macnteo> no Pilar das Alagoas; Alves 4 C, na Bahia; e Leite, Cerquinho d C. no Rio {de Janeiro.
I
V
PAR^OFTICIAl
Gover
BK3PACH0S DA PI
Adolpho Silvi
forma requerida.
toria da instruct
Carlos Scholle.
Bacharcl Cypri
Passe porlaria
Francisco de S
r Francisco Ner\
i"r. chefe de poti<
0 Jose" Ignoeio di
laria na forma i
Jose Bonifacio
portaria, concede
Joao Francisco
raria de fazenda.
low & Blouot
tlirigido a thesou
Manoel Jose a.
correndo as desp.
supplicant".
Manoel Gomes
1 rma requerida.
Martinho da Sil
Mart a Maria da
Manoel Maria C
na forma requeri<
Pedro Paolo do.-
(testa data a theso
'It* provln*?***
CU DO DIA 31 OEDE7.
sudel..- Passe ports'
lica.
ferido. .
melon Guedes Aleot
dcndo a licenca reqi
a Cavalcante.- Inde
'.antos-. RemoUid-' .
ra ouvir ao suppln-"
us Qaaresraa.-Ps:
ida.
'antes Mergalhaooj
licenca requeridr.
rras. Dirija-se
rido com offieio
-ovincial.
Concedo
'. comedona
'.MHR0
ia na
direc-
irado.
jrida.
jrido.
o Sr.
nli'.
e por-
Passe
ihesou-
ta data
pa ssagem,
I sonta do
of*4"* na
rejUaicado.
S5e bortaria
- Pefe/>o f offlci0
e faien#-
li. Passe
Junior.
-Indeferidr.
Mello.-
DIARIO DElPS^r|U0O
Retrospects*;
RECW-'v 2 DE
1
:ir DE
lie ij4* T* do
Wi.
JANt
II
Historiando os aconi)*""e' "9 ae "..
1S72 ; escreveuws ui)i, ha Uj anao' e
>iue cnmpre reletnbrar I. ,,
t A vida contempon " rise permanent, pois 'lc a cri^e_ui 1JfifJuen.
.omo consequencia oufra eru e D'l ,f ,do paiz
la, e de crise era cris^ v| '\fj de um
^.ravessando sceoas i-otuosa- h ra i
ideal, que jaraais chegal a rea. >*ar-
A monarchia, depoif daub grandio
ia<;ao que derrubou Isaibel II c *
V. reconstituida comiuma i va on
sobre um solo sempre prestes a Pg
laeio das mais incessart'es an >eacas .'de
. ,*,..,., fiir tod*
174.
ha, em
imiias
e uma
dia U*az
<.:ies carlistas e republfeanas. tor
domina o vieio de orgatf'sacoej que
-uas ea^heras respeci'v,;'?; por^wua
da revo-
Carlos
lia', vivo
or e em
insurrei-
a parte
rbitam de
te se os-
pre qae
de os go-
os os res-
reconsti-
te que se
da em que-
entauj impavidas as aif*"rariePaa3. f
plerteiarum mei i.iVeral, faP-endo ala
\ ernos radicaes de um labsolutiP'"0 a loj
pitos condemnavel.
t A' um gabinete que sobe, -Ssolve
tua uma camara, sucrctie'outro 8abin<
guia do meso mode ; b, assim. de que 22*^
.la, vai indo o pretendid,, syste'oa Parla ""iC
las ruas da amargura, bem en^ntrar ij~
segaro, sem achar urn rfbrigo pc iraz n ,Wa-
Menda dos bates que tnjdos os /partidos
r^m com furor ipiasi sa' mico. .;
i Coliocando a' seiiVacj'o o'sr. iZorrill.%
dicaes, o rei Amadeu aecendeu contr os demaj$
mats, se e possivel, as.iras de loao? ,,< Pm ar-
vartidos, entre os qoaes jps carli:las- a"| .jca af.
mas, o republicano, presl es a eni rf Ba/ ^ Dend30
Vmsino, que ergueu deiin iiivame > o s ,...,,:'
. flnahnente o unionis a, ate entto $**
mas pouco depois irriiad' pela a**0*
caes ao poder.
Em taes coii'li^Owr1, i-se
roseas as cores quo tingi'am
litica interna .a Hespanfca..
t^mpo, appa'^cerem as f.
d.t febre que devorava a t
to da fatidica desmoralis
ibysmava o paiz. >
os ra-
si ainda
.ue nao eram
orison ,es da P?"
facil era> a todo
u "^ nsequencias
jspirit osporeffei-
\ri p|
que se
Excitados os animos,
verno, ningem pode dizer
nara a tempestade que an
excluir o throno de S. Fe
ta o fllno de Victor Emm;
bre raodo incertos os desi
parece que feneceu de tod
patrio, e com elle os sentii
Xao preconisados no secul
As nossas previsdes inft
mentidas; e, se ba noje n.
cujo seio se tenham agitad
iligellos da politica, a desr.
a indisciplina no exercito,
l>os, e o desbarato nas tiua
gragada Hespanha 11
Ao encerrar-se o anno d
realmente na Hespanha ?
vezes elara, patent-?, impon
msntos constitutivos do pal
goes politicas, que se asset!
burinno apaixonado, a ess;
rlementos abnosphericos,
ceia espaorido.
da via toios os pur lidos d
u carlisU pelejando e d.--
paiz, o republicano fszend :
.-as e o radical fraccionado
Coesconspiranio na opposi^
.. atra, quasi em nartnonia dt
Jbiicanos, coospirava por sua
curava senrir-se de rei Ama
que se movesse a feicao de
Em meio de lodas esas j
nidio da lantas e tao dese
cntre as quaes flguravam si
mas decreUdas para Porto I
1873, coruo qae annuviado
pestuosas nuvens, i:-..uo que
crue-is borrascas para a palr
Logo em seu coice$o, o m
dias abalado em sua orga- ;.-
difBculdades que Ibe creavar.
versos matizea da camara, j:
tentee mais um podcroso ele
to, apreseutando a assemblea
a escravatura em Porto Rico.
Esta medida, altamcnte I
que sem duvida seria reccbi
com as mais so!emne3 demon
Ibi acolhida pela camara na
por ta! forma acabou do em;n?
liticasqu-! d'!er:nno!i um? r
na muit-) raela'tiida, e ospcr
menlUis, maaimo pcia baixa c
dos publicos, que e. ainentao i
em que se media a tempera!
ciaes.
A nwdificagio ministerial, p
renar os animos, pelo contrai
vez mais, e de tai forma que *
gaiamse tremendas accu^agS*
^orrilla, qae, em maie dessa h
aao entendia senio com a a~
ra, obra eleilura sua nas ulu
em 187S.
A todas essas causas quo t
rei apprehensive e ccioadoso, u
e de
como a
teaca d
nando,
muel
inos da
oo sei
nentos
o actual
liziueii!
t Europ!
o e se
rganisa<
a guerrj
..;-
e 1872
A goer
.do o go-
ndo sera-
tudo, sem
se assen-
30 fao so-
li a, onde
do amor
manidade,
ana des-
paiz em
todos os
poderes,
nos cam-
z e a des-
ae havia
la, e por
.dos os ele-
ante, eifas ag fac.
z, en.r^ seu Dur_
lelhavan luta3 &
3 treme
que o h
esgosto.-
jrgaiilsai
demon:
, e um,
ao, em
) vis us
vez no
praen-
mtre elles
nortc do
ies ruido-
>tas frac-
tto que a
os repu-
e pro-
a! .no um titere,
deu comU
s-a von
leripecias
acontradi
n.istramei
tico, sur,
pur so.
presai. _,
a do genj
inuterto.
acau,.!,
i as oppo-
intou as'
meilto

i '
ttcas, em
piraroes,
refor-
anno de
s e tern-
as mais
Prim.
e muitos
numeras
s dosdi-
xas exis-
esconcer.
abolindo
manitaria,
occasilo,
regosijo,
spada ; a
eadaa po-
in!?tirhl
OS llli. -
n us iuu-
ro L'.xa.-tn
offl-
e de se-
tou cada
; lados er-
- gabinete
ica, ja se
da cama-
bavi Ja>
spirito do
:ausa veto
juntar-se que devia apressar uma profunda trans-
formai.-au politica not destinos da Hespanha, a, de
qu('.da em queda, levar esse malfadado paiz a
mais desenfreiada anaruhia. Foi essaeausa a no-
meacao do general Hidalgo para uommandante
geral da artilharia na Catalnnba.
Compromettido outr'ora nos negocios de uma in-
surreicao, mat' visto e al6 desconsiderado pelo
exercito, o general Hidalgo nao devia ten sid^es-
colhido pelo governo para tao elevado mister, ma.
xime por que essa nomeacao, oUendendo as sus-
ceptibilidades e os brios dos officiaes de artilharia,
podia e devia determinar uma crise, como offecti-
vamente aconteceu.
Todos os officiaes, que deviam near sob as or-
dens do general, apre3entaram ao governo as snas
fdemissoes; e estovencontraado da parte_ do rei
severa opposipao nao so a citada nomeacao, mas
tambera a aceitacao da demissao dos officiaes, uro-
vocou um conflicto com o rei, pondo do seu lado
a camara, onde fez passar uma moc,a) de louvor
a proposito dos factos em quest*).
Este proeedimento do gabinete, que, como ja o
dissemos, queria ter dominio sobre Amadeu I, fe-
rio profundamente os brios e a dlgnidade do rei,
que afinal, comprebendendo que era-lhe impoisi-
vel continuar a governar um povo, que, por tados
s meios, creava obices a sua autondade e des-
prestiglava as institnicoes juradas, resolveu devol-
ver a corda real aquelles que Ih'a tinham espon-
tanea e instantemente offerecido e outhorgado,
abandonando assim uma posifao incommoda, que,
bem a seu pesar, aceitara.
Assim, pois, o reino de Amadeu I, objecto de
tanlas esperan;as, pouco mais de dons annos du
rou, e Undou-se em meio da crueis apprehensoes
para a Europa, que foi unanime em louvar o pro-
eedimento digno, elevado, energico e sublime d>
duque de Aosta, desse principe da easa de Saboia,
que, deixando as alegrias de um viver placido e
tranquillo, se tiuha votado ao sacrificio de fazer
a felicidade do povo hespanhol.
Poucos mew? de uma existencia facil, que au-
torisava lisongeiras e^perancas, deram lomeco a
esse reinad >, que todavia se fundara passando so-
bre o cadaver do general Prim, assassinado nas
ruas de Madrid, em consequencia do seu energico
cslurco por dar paz c ordem a sua patria.
Pouco depois desscs lisongeiros mezes, vieram
as difflculdades de t Ja a ordem ameacar-Ihe a
existencla.
A audacia nrescente dos republicanos, sempre
conflantes no futuro ; a scisso dos radicaes, um
de cujos grnpos, guiado pelo genio exaltado e
amargurado do Sr. Sagasta, buscava a allianca da
uniao liberal, em quaoto o outro, que tintia por
chefe oSr. Luiz Zorrilla, se ineliuava cada vez
mais para as solucoas republicanas as mail ex
travagantes coalisoes ; o paiz elegeado a pequeaoa
mtervallos assembleas sagaslistas e zorrillistas ; o
desbarato nas flnancas e ua administi agio ; o car
lisrao desfraldando o seu pendao nas montanhas da
Navarra e da Biscaia; vas tentativas de accordo
com o conservadores, represeutados pelo ex-re-
gente, o marechal Serrano e, flnatmente, um ut
timo ministerio radical, que, a todos os momentos,
buscava sobrepor-se aos direitos e as prerogati-
vas da coroa, e que por ultimo obrigou rei a ab-
dicar: eis o ingrato resumo desse reinado, que
apenas durou dous annos.
E a quem cabe a responsabilUade, a qnem sa
deve acensar por esse funesto desenlace, ao rei ou
a nacao?
Inquestionavelmente a nacao; e esta foi a opi-
niao unanime da Europa, e de quasi todos os po-
vo? do universo.
A Europa censurou a Hespanha nao ter sabido
aproveitar-se da rara ventura de ter como rei um
principe intclligente, honesto, illustrado e animado
dos melhores desejos de bxar a felicidade do povo
hespanhol pela pratica sincera dos principios pro-
clamados pela revolucao de IH68; e censuroulhe
mais ter perdido, por suas loucuras, talvez a uni-
ac occasiao que se lhe offered* para fundar o
verdaleiro regimen constitucional.
0 ceo enviara a Hespanha um soberano cheio de
lealdade e de honradez, Glho do paiz do coalmen
te onde meihor se tern aclimado at liberdades in-
glezas, educado em excellente escola, bravo como
seu pai, e com > elle respeitoso para com os direi-
tos do povo. Esse re> tintia a seu lado, no throno
do S. Fernando, nma mulher eminente, qua reu-
nia a belleza uma alma generosa e uma intalli-
gencia nao vulgar Entretanto, tudo iato esque-
ceu a Hespanha I e esse thesouro, que lhe podia
fazer a ventura, foi malbaratado, foi desperdicado
e atirado aos ventos da proscripcao pela indolo ir-
requiela, pela versatilidade politica de um povo,
sem duvida digno de meihor sorte I
A essas censuras da Europa, e certo, responde
a Hespanha com uma catilinaria de circuinstan-
cias e factos qua, a seu ve.-, justificam a guerra
crda que moveram os partidos ao honestissimo
rei. Entre esses factos figura o de nao amar o
rei o seu offlcio, de o desempenhar contra a von-
tade, pois que era rei a despeilo seu.
Nenbum deeses factos, porera, nenhuma dessas
circurasiancias servam de attenuantes ao ingralo
proeedimento dos hespanhoes, que nem o sou-
barara amar nem respeitar, que lhe necaram o
apoto dos sens partidos, da sua burguazia, do
seu povo, e do seu axercito, obrigando-o a viver
como um estrangeao profundamonte dorainado
pelas uudades da patria.
A verdade, inteira palpavel. imponenta, e essa
qua ahi fi;a, visto como nao foi o caracter do rei,
mas sim a indola do povo, que levou o soberano
a praticar o maior acto de eivismo, de abnegacao
e de desisinteresse qao a bistoria registra em seus
augnstos fastos : a reminds da coroa.
Nem se diga qua essa renuncta foi acto repen*
tino e irreUeetido, nao : elle naseeu do estudo
attenlo e cuidadoso das circumstancias, da obser-
vacio madnra dos factos que se desenvolviam em
torno do throno, e contra os quaes ara impotente
o rei, que nem, e quer, podia seobertar.se com o
art. ^3 da constituicao, visto como o art 110, au-
torisando as caraaras ordinarias a reformarem a
constituicao, nenhuma reserva fez relativamen-
te aquelle artigo, em que se esubelecia a monar-
chia como forma de governo.
Nio, nao foi acto irreflectido e repentino, visto
como ia antes de julho de 1871 a abdicacio era
cousa julgada possivet e ate diseutida nos jornaes
da Madrid, qae n$o se occupavam entao de outro
objecto.
As razdes pelas quaes nao se realisou esse facto
aiuda hoja sao ignoradas ; mas nao e fora de pro-
poiito suppor qne para isso tenha contnbui Jo o
rei Victor Emmmuel, pai do duque de Aosta, cu-
ja influancia no espirito do Glho sem duvida e pos-
sante, maxirae no interesse dos principi >s de que
l\>i sempre paladino aquelle rei liberal.
Besde entao, porem, o projeclo de reminds se
aflgurou ao rei Indeclinatel necessidadi1; nao
oti-tante. f'. elle continnamlo a dirigir >< de-tinos
la li raiie.ie-, eajo Male ao poder, u ir. Zorni'a, evi-
(lentemente aguard.ua uma opy^rtuniJ do para
sabmetter completivnente o rei a> e-i partido ou
ilerruba-l'i do throno por mew de unit ;tincea)
com u< republicanos, cujasbda- grai,-.!.- ull.'captava
cada vci mais. .
Esa upportanidade sorrio-llie na qunstao Hi-
la'"o ; e i rei foi nctima d.i s ia re- itoacis em
nao'quorer afasur-se da sua nobre e tlsvada po-
litica para lancar-se nos bracos di ra-licalismo.
0 rei igaiTou a rasisten: ia djs officiaes, e;n
ter olio ch fe o general HiJalgo, at'' quo o? jor-
.nae* o informassera. disso. > seus ministros
neii) ao nienos o infer nsram sobre o aisumpti '
Elle compreV.nd d d lcance ^
Sff\fSi!S* responsabilidade que lhe
* e SSt\. conrormsndo-se com a
SnoteST^n-lisse ^mggt
ra estava em arms* e aim..
zia mais de um facho ma
stantemente
Sr. Zorri-
ria se-
->to em qne a Navar-
^xistia na Audalu-
pois, o Sr. Zorrilla, e, testemu^J.-L
rnquieucoes e cuidados, pedio^a^jl;^8,""
que arranjasse o negocio, e obteve
la a promessa formal de que tudo
gundo os seus desejos.
Entretanto, os jornaes continuaram a insu ,
acerca dos ac mtecimentos ; e, vendo o rei .,
estes seguiam um curso iniuietante, teve segun-
da confereneia om o Sr. Zorrilla, na qual recor-
dou-lhe as pMrnessas que este estadisla fizera ao
rei de Italia, qnando fora a Florenca, como pre-
sidente das corles, com o proposito de acomna-
nna-lo. _
No espirito perverso do Sr. Zorrilla nao poderani
porem, peoetrar as razoes de conveuiencia politi-
ca apresentadas pelo rei ; mas, insistindo este
no seu proposito, o chafe do gabinete, em harmo
nia com os radicaes e republlcanos da corte, fax
entao passar na camara o voto de conftanea de
que adma fallam )s, e que foi ao mesmo tempo
um iributo de louvor ao gabinete e um cheque
dado ao rei.
Em 16 de novembro de 1871, 191 votos procla-
maram-n'e rei de Hespanha ; a 8 de fevereiro de
1873, um igual namero de votos, pozeramn'o na
dura alternative de, ou submetter-se inteiramente
as veleidades radicaes, ou retirar-se, abdicando.
Conhecedores do caracter probo e altivo do il-
lustre principe, osvadicaes sabiara de antemio
que, entre a coroa e a honra, o rei nao lies i tar ia
em salvar a sua dignidade; e assim aconteceu.
A' tarde do dia 10, os ministros apresentaram
lhe para serem assignados os decrelos que exone-
ravam dos seas postos os offidaes de artilharia.
0 rei pedio-lhes um adiamento, e levantou a ses-
sao de conselho ate as 3 horas da tarde seguinte.
Antes, porem, que tivesse expirado esse prazo,
o ministerio, robustecido e firraado no voto da ea-
mara, quiz logo cortsr deflnitivamente a questio
por um comeco de execu^ao; e, n'essa contorrai-
dade, ordenou que os commandantes e os offlirares
que entregassem os homens e os canhoes e mais
armaraenlos destes a partir das 10 boras da ma-
nhi.
Foi isso, sem duvida nenhuma, como disse o Sr.
Valera, antecipar se a decisao do rei, jogar com a
3aa preregativa, e tratal-o como um polichinello,
cujos cordSes os ministros tivessem nas mao.
Alguns chefes do partido eomervador offerece
ram se ao rei, nessa difflcil conjunctura, para ser-
vir-lhe de eseudo, e solicitaram-lhe emfim que
aventurasse nessa batalha das ruas para que o
incitavam. Os officiaes de artilharia so espera-
vam am signal para esse flm, e so entregaram
suas pecas a tarde, e depois de se terem assegu-
rado de quo o rei recusava o cambate. #
Na opiniSo da pnblicista acima citado. ao rei so
reslava uma destas tres sahidas : ou declarar se
para sempre radical, ou bater-se, ou abdicar.
Quanto a primaira, elle estava farto do seu pa-
pel de rei radical e de sacrifices imposlos a sua
dignidade. Quanto a segunda, sua coragem era
de vulto amedirse com todos 03 perigos; mas,
e elle consentira em ser rei contra sui vontade,
nao podia nem queria sel o contra os hespanhoes.
Ficon lhe, pois, a terceira sahida; e por esta
caminhou elle, as9ignando os decretos em questao,
e enviando depois a assemblea uma mensagem,
na qual, em linguagem energica, que a Europa
louvou, manifestou toda a nobreza do seu caracter
e os elevados sentimentos que o aconselharam a
abdicar a corda por si e por seas descendentes.
No dia 10, logo que a assemblea constou a
resolucao do rei, foi o ministerio viva e calorosa-
mente interpellado : e, explicados os factos, deli
beraram as cdrtes, em meio do grandes alaridos,
eleger uma commissao permanente, que velasse
pela segaranQa da patria, e adiaram-se para o dia
seguinte, afitn de dar tempo a accentuaQao dos
acontecimentos.
Estes precipitaram se, como ja vimos; e, quan-
do, por entre mil anciedades que agitavam o es-
pirito publico, abrio-se a sessao as 5 horas do dia
11, e alii foi lida a mensagem do rei, um senti-
mento multiplo de alegrias e tristozas dominon
por toda a parte, enchendo com os seus borbori-
nhos o ambiente respiravel.
Lida a mensagem, varios grupos da camara,
por meio dos seus chefes, declararam que nao
opporiam obices a organisacao do estado, e a as-
semblea deliberoa convidar o senado a se lhe
reanir, o que feito, levantou se a sessao.
Reaberta esta, estando rennidos deputados e
senadores, deelarou o Sr. Rivero, presidente das
cortes, que as caraaras reunidas se constituiam
em cortes soberanas. 0 Sr. Martos pedio entao a
palavra, e deelarou que o Sr. Zorrilla nao podia
comparecer, que a resolucao do rei era iaabala-
vel, e que o ministerio, de que elle fazia parte,
apresentava a sua demissao e fazia votos pela li-
berdade.
Entao foi votada e aceita unanimemente a re-
nuncia do rei, sendo nomeada uma commissao
para redigir uma mensagem de resposta a do rei,
e outra commissao para acompanhal-o ate a
fronteira.
Depois disto o Sr. Pi y Margall apresentou uma
proposta declarando que a assemblea naeional
assnmia os poderes, nomeando o governo respon-
savel ; e qae outra assemblea seria incumbida de
determinar a forms da republics.
Esta proposta provocou renhida discussao, da
qual sabia uma vota?ao, estabelecendo a repu-
blica, e d.-claraudo que a assemblea assnmia os
poderes.
Em seguida, tratou-se da nomeacao do governo,
qne iicou conslituida. sob a presidencia do Sr.
Figueras, com varios membros republicanos e ou-
tros radicaes.
Em quanto estes factos tinbam lugar no interior
do congresso, em torno d< ediQcio agitava-se uma
multidao immensa e desenfreiada, que dava vivas
a republics.
Para contel-a foi mister que a tropa interviesse,
e fizesse evacuar aquelle sitio, o que se veriQcou
todavia sem effusio de sangue.
.0 lei re-i gnat a rio. entretanto, fez os seus pre-
parativos de viagem ; e, quando deixou Madrid,
em companhia de sua illustre esposa, ainda mal
reslabelecida dos incommodos de um taboriMO
parto, aconteceu acliar-se to, no meio dos seus,
visto como binguem pensou em dar lhe nma
guards de hours, e ate nennum dos membros da
commissao, eleita pela assemblea para acompa-
nhal-o ate a frontcifa, comparecou ao sen embar-
que n'um trem que o devia levar a Portugal I !
Aponas o Sr. Rivero, presidente ias cortes, foi
a estacio do camyiho de ferro, offerecer lhe os
seue servieot; in*j, esl-s mesmns inuteis seriam
ao roi, vialo n nu pj-ica* hora> itefUK f->i o Sr.
Rivero, substitoida na presidend* das cflries p -r
iim de vm am <;.-, u Sr Martos, ex-mioistro do
ga'im.'te Zorr.lt.i
Attd e.iud", e aband-mando Madrid. 0 rei Ama-
deu, regojo os i.opnl- >s da sua uignil'ide, e os
hespa:illiB nao la <\-nl ram rsse triste oesenlace,
qua tao charo IIv* devia e.astar, cmno o* successes
po-t i: :i- cmfirmaiwra.
Fci-se, a.-sim, mais uma revolujao em Hespa-
nha ; iii.H, ae menos desta vez, faz-se uma reyij-
lucao'pacifica, embora fosse um abysmo que in-
vocava muitoa.oatros abysmo*
de desorganisacao em que se acuavam os partidos
monarchicos, outra nao podia ser a solucao da
crise provocada pelos radicaes e sanccionada pela
resignacao da corda.
A republics aehou-se desde o seu nascimento
em meio das mais serias difficuldades; e, tendo a
sua frente a insurreigao earlista, sempre domi-
nante no norte, vio successivamente o paiz cami-
nhar para uma guerra civil geral, a cujo auge
chegou por meio do federalismo socialista.
Nao antecipemos, porem, os factos, e guardemos
na narracao a ordem logica em que elles se pro-
duziram.
Apenas instituido o novo governo republicano,
t Tenaram algum tanto os espiritos, e a boa nova
rwi Toclamacao da republica foi bem acolhida no
que" Co''' Da'z> aspecialmente pelas antoridades,
ordem"do rarissunas excepcoes, aceitaram a nova
0 itabin8i.1U5as-
nue tudo se pjilfueras coraprehendcu desde logo
garanlir todos os 'ia> 9e elle na0 w fsforcasse, por
panha, dissipando u*'eMe8 conservadores em Hes-
rior, e dettruindo as a3 inquietacoes no mte-
sem produzir no exterio. ^nflancas que se podes-
Por essa razao o Sr. Pi .,
interior, dirigio uma circui. Hargal, mimstro do
das provincial, recoramendanu *J* governadores
Qao da ordem como uma suprema "s a manuten-
o Sr. Emilio Castellar, ministro dos ""ssidade; e
fez o que pode para acreditar o systeu. ^geiros,
elle era um dos fautores, aprejentando-^ W6
oriundo de uma origem legal, desenvolvendo 5ajo
caracter paeifico, e fazendo declarar peranU *l
cdrtes pelo ministro da fazenda que todas as obn
gacoes do credito, todos os compromissos da es-
tado seriam escrupulosamente respeitados.
Nada disso, alias muito lisongeiro e bello para
o governo, inhibia, porem, que a republica, logo
em seus primos dias, se achasse em face de mil
difficuldades e de mil impossibilidades, taes como:
levanlamentos de iudependeucia em' Cuba, insur-
reicio earlista no nortejdo paiz, desencadeamentos
revolucionarios nas provlncias do sul, decomposi-
cao do exercito e desorganisacio nas finan^as, de-
voradas pelos dificils e esgotadas por expedientes,
ruinosos.
. Rntre todos estes embaracos, que causavam se-
ria apprehensoes a todos os espiritos conserva-
dores, as mais irritantes foram sem duvida as
eancernentes a insurreieio earlista, que se pavo-
neava e ainda se pavonoa nas provincias do nor
te, e, mais do que a elles, os concernentes aos
movimentos revolucionarios, quo iam tomando, e
chegaram a oslentar o mais desgracado caracter
nas provincias do sul.
Alii, no nortc, os carlistas dominavam como se
nhores: administravam.cobravamimpostos e com-
mettiam toda a sorte de depredates, apoiando-se
no seu exercito,. alias disciplinado e destimido.
Aqui, no sul, as preprias e intimas divisoas d>s
republicanos faziara se sentir dolorosamente.
Ameacado por ans e por outros, a republiea
nao safcia entao para onde se dirigia, nem sabia se
too.urU a forma federalista ou unitaria.
0 proprio governo sentia-se embaracado em
meio de todos esses factos; e, se em alguns dj
seus membros predominava a idea unitaria, em
outros era palente a opiuiao federalists, preceden-
temente manifestada em solemnes occasides.
Em quanto o governo caminbava nessas per-
plexidades, a iucerteza e a agitacao ganhavam c
paiz todo ; e o que os politicos receiavam discutir,
as paixOes desencadeadas foram resolvendo de um
modo bellicoso e terrivel.
Em Barcelona foi desde logo intenlada a repu-
blica fdderal, e todos se armaram para defende-la.
Em outras cidades procedeu-se como senao hou-
vesse mais poder central.
Os sol dados julgaram-se de posse do direito de
licendamento, e amotinaram-se para obter as suas
baixas definitivas.
Os camponios da Andaluzia disputaram a par-
tilha das terras, e langaram-se sobre as proprie-
dades, esganando as proprietaries, o qua aha* nao
6 novo nessa parte do paiz, onde es:a especie de
socialismo c tradiccional.
Em Madrid mesmo, onde haviam alguns restos
de accso regular, a situagao foi-se aggravanJo, a
apresentou-se uma fermentaQao, que ora se tra-
duzia por meio de manifeslacoes dos officiaes da
milicia naeional em plena assemblea, ora por os-
cillacoes no governo, que afinal, foi levado a mo-
di Qcar-se, como sc alguns desconhecidos de mais
ou da menos no ministerio podessem influir na con-
dicao geral das cousas.
E: igio-se um ministerio mais honaogenio, e tal
j.foi elle reorganisado pelo Sr. Figueras; mas o
qqe houve de curiosc n'esse facto foi que os no-
vos ministros foram apenas eleitos, pois que era
entao a assemblea que os elegia, por uma insigni-
ficante maioria II
Esse gabinete, resultado do antagonismo latante
entre republicanos e radicaes, nem por isso se
achou em meihor pe que o seu predecessor; e,
nao obstante est.irem a sua frente tres homens
eminentes, os Srs. Figueras, Castellar e Pi y Mar-
gal, achou-se sempre e c:-.la vez mais em luta
com os elementos dissolventes que minavam o
paiz.
OSr. Castellar, ministro de estrangeiros, usando
de mas brilhantes faculdades, dirigio aos repre-
sentantes da Hespanha no exterior um extenso e
bem elaborado memorandum, no qual procurou
incutir conlianja, assegurando aos demais gover-
no? o caracter pacifies do regimen estatnido no
seu paiz, e pedindo o concurao moral da Europa
em troca da energia que ells tinha o direito de
exigir do governo de que elle fazia parte.
A diplomacia.do Sr. Castellar, porem, nada pd
de obter dos governos europens, e a republica
hespannola nao pode conseguir um logar entre as
Sotencia i regulares, pois que, exeep^ao feita da
ulssa e dos Estados Unidos, os gabinctes tomaram
o prudente alvitre de nio reconhece la.
Entreunto a verdadeira questao para a Hespa-
nha nao residta nas chancaliarias dos estados eu-
ropens, mas sim em sea proprio seio, entregue a
todas as agitacdes, e a todas as anciedades do
ma"s escuro futuro. A questao da existencia da
republica estava em Barcelona e em Malaga, nas
maos dos federalistas; na Navarra e na Catalu-
nba, sob o juiro dos carlistas; e ate nas proprias
ma? de Madrid, onde a revolta e a desorganisacao
railitar erguia o collo, e por vezes paracia querer
tudo aniquilar.
Para esses pontos deviam convergir de prete-
reneia as vistas do gabinete, e nao distraairem-se
-para o exterior ; e isto era tanto mais urgente,
quanto, a despeHo da pretensa horaogeneidade do
gabinete, continuaram as hostilidades ao governo,
aceendaar.do se de une-jnodo terrivel logo que tra-
tou-se de decretar a elei;ao de uma assemblda
constituinte, pretendendo o ministerio que, depois
disso, fossem adiadas as cdrtes existentes.
nva emargencia, mostraram se
citrki/M, e conseguiram fazer eleger
,io contr\ia ao gabinete, e'euj > re-
jstes, nerfuma esperan^a dava de
is paixdes^v
ttitude pareeia Inevitavel um erni-
fliclo, e cer amenta este ter-s-liia dado, >e por
ventura caus \* exleriores a vontate e delibera
cao da user iblea, nao tivessem infla.-nciad. n <
animo dos radicaes de raodo a demove-l? do seu
proposito. \
0 que se ^bservou effoctivaraente foi qil*. em
vez deisa prujectada resistencia, encontrou o fiu
nislerio toda| o acolhimento que pedia para 0?
Os radicae
bastante r
uaia consul
latorio, ja p
serensmentn'
Ante esa
C-tm essa revolucao, naseeu de improviso uma I seus projectds, abatendo as armas o Sr. Martos,
republica; mas, e forva confessar que, no estadel, presidente do congresso.
0 3egredo dessa submissao esteve em que, em
quanto so deliberava na assemblea. formou-se a
resistencia nas ruas, e uma mul'idao provocanle
cercou o edificio do congresso, prestos a recorrer
as armas, se por ventura bouvesse um voto hostil
ao ministerio.
Ess_e voto nao se deu ; e, pelo contrario, foi a
votajao favoravel ao governo, que achando-se as-
sim robustecido, mandou o Sr. Figueras a Barce-
lona afim de accommodar os animos,|tao exdtados
alii que ja preludiavam scenas de horror.
Os radicaes desra<>ralisados completamente pelo
voto que foram coagidos a dar aes projectos do
governo, perderara de todo a sua influencia, e, as-
sim como serviram mal a monarchia de Amadeu
e de forma a perde la, assim tambem, depois de
se terem feito os padrinhos da republics, foram
por esta despresados, nao obstante a sua maioria
nas cdrtes.
Votado o decreto de convocacao das cdrtes cons-
tiluinles, e fixados os dias 10 de mai > para as
eleieoes e l* de junho para a reuniio do congres-
so, occuparam-se as camaras soberanas de alguns
outros objectos concernentes ao governo, ate que
ein 22 de raareo foi approvado o projecto de abo-
liijao da escravatura em Porto Rico, entre caloro-
sas demonstrates da mais nobre alegria.
Este facto, unico sem duvida, que alevanlou os
brios dessa assemblea, foi recebido pur toda a parte
com solemne cnthusiasmo ; e, nao obstante ter
ainda de decorrer um prazo de c nco annos entre
a data do decreto e a effect:va e completa abolicao
da escravidao nas possessors hespanholas, foi esse
acontecimento ura notavel triumpho para as ideas
manitarias, que atra vez de todas as vicissitudes
Hi, sempre abrir brecha nos coraQdes da moder-
Vo. cao
eleger u lai humanitaria, tratou a assemblea de
eordo con, ""mmissiio permanente, para, de ac-
do publico i "ma, occupar-se com os objectos
constituinte co ,c era quanto nao era eleita a
os seus trabalho. 'i e depois disso suspen-leu
de conqutstar symp- cuidar os seus membros
a maioria se afflgurou u para ami reeleicao, que
impossivel. 8 difficiluna, senao
E foi realmente diffieilim.
der lomar pe no oceano revol^- "''do radical po-
provocara, e tanto mais difflci *5es que tile
lorte das lutas parlamentares, o pai. sahindo
no Ocou senhor do campo, nao OMtanu,. ublica
nedades que lhe creavam os carlistas ao u *>lra-
federalistis ao sul, e a dosorzanisacao do ex. os
em toda a parte.
No meio de todas essas aflliccdcs e perturbs-
cdes, a Hespanha assemelhou-se, por momentos, a
um navio desamparado qua nao pode mais go-
vernar e que nao sabe onde encontrar urn* porto de
refugio.
E essa situacia ainda mais se aggravou^ cerca
de um mez depois do encerramento da sessao das
cdrtes soberanas, quando, em consequencia de um
conflicto que rebentou entre a commissao perma-
nente da assemblea e o ministerio, dissolveu este
violentamente aquella sob o pretexlo de exorbi
tancia de suas attribuicoas.
Resultou o couflicio, entre os dous poderes, do
seguinte facto. A commissao permanente, receio
sa pelo futuro do paiz, e vendo o governo sub-
metter-se a todos os agitadores, sentio necessidade
de tomar medidas que o salvassem ; e, ncste in-
tuito,e eutendendose com ogeueral Serrano, pro-
poz, depois de violentos debates, uma convocagao
immediata da assembled de quem e-a delegada,
adiando-se previamente as eleicdes para a consti-
tuiute.
Com estas deliberaQdes coincidio, de um modo
que nio foi cert3mente fortuito, uma reuniio ar
mada dos antigos batalhdes da guards naeional, do
tempo da monarchia, na praca dos Touros, decla-
rando esses batalhdes estarem promptoc a secuu-
dar as vistas da commissao.
Sem perda de tempo a agitacio ganheu terreno,
e o governo, vendo-se ameajado, poz-se em guar-
da, e fez um appelio as poucas tropas que lhe res
tavam, aos guardas nacionaes que lhe eram dedi-
cados, aos voluntaries e a republica, nara o fim
de repellirem a revolta preparada pela commis-
sao.
Esse appelio, no estado em .qua se achavam os
espiritos, nao foi infructifero ; e, reunidas as for-
gas, cercar;m ellas os antigos batalhdes, que pres-
tes se despersaram sem combate, deixando o cam-
po aos republicanos. Estes voltaram se entao con-
tra a commissao, que ameacaram de dispersar e
aniquilar pela forca ; e o governo, docil executor
das vontade? da multidao, em quem buscava apoio,
decretou pnra e simplesmente a dissolucSo dessa
commissao, menospresando assim a soberania do
poder qne o tinha creado.
Assim, pois, desappareceu a ultima apparencia,
de legalidade na Hespanha, ao passo qne ficou
triumphanle a dictadma combinada com a revolu-
cao t
Junte-se a esse quadro a impotencia do governo,
que se sujeitava a snpportar todas as desordens,
todas as violencias que se pralicavaro nas provin-
cias, e a viver do apoio que lhe davam todas as
forcas anarcbicas, qne o compromeltiam, susten-
tando-o; junte-se-lhe mais a desorganisacao que
cada vez mais augmentava no exercito, cujos sol-
dados ja nao ebedeciam aos sous etiefes; junte-se-
Ih > ainda a iraporlancia, que de dia para dia ga-
nhavam os carltstas, e as objurgatorias do federa
lismo de Barcelona, erigida em caniao autonomico;
e ter-te-ha bem desenhada a situacao da He-pa
nha, no mom en to em que foi violentamente dissol-
vida a coraniissao da assemblea, uuico treio que
podia a'mda conter e ammar esse governo, que at-
tentou contra a soberania naeional, em nome de
nma republica, a quem faltavam elementos para
viver.
Entretanto, essa republica foi-se mantendo em
meio de todas esas diatibres, e com ella foi-se
mantendo o governo, sem lhe imporlar nem a ta-
cita reprovaeio dos demais governos do continente,
nem tao pouco a explicits conJemnsrio da opiuiao
publica universal, qae vio com doloroas apprehen-
sdes a ordem de cousas que ia pela Hespanha
E, com effeito, era para doer essa ordem de cou
sas, visto como nao havia seguranca em parte algu
ma, e por todo o paiz se desencadeiavam violencias
e actos de vandalismo da mais requintada perver-
sidade, enlre os quaes flguravam tristemente bor
rendos sacrilegios e abominaveis impiedadesl
A Hespanha deseau entio ate a abjeccao; e foi
no meio dessa abjeccao que se effectuarain as elei-
cdes de maio, sdmaate dispntadas pelos federalis-
tas e por um pequeno nnmero de republicanos
unitario?, visto como todos os mais partidos, to-
dos os elementos conservadores se abstiveram da
luta, preveudo as suas fataes cooscquencias e re
ceiando as violencias de um governo que so se di
rigia pelo impulso irreflectido das massas.
Os federelisUs trinmpharam, pois, em quasi a
totalidade das eleieoes; e-desde entio >e previo
sorte que aguardava a Hespanha, entregue a esses
desastrados pair lot as.
D'essa sorte foi um brilkante minif-t > n q->".
pouco antes das eteiojJes, sncce-leu a-, bartias !
guv-i rno, com a munieipalidadi; de Malnd.
Foi o caso que, tsado-se reuni io oi cam .ri-t..s,
e sendw Ihes prrsonte uma ni!;ii", appi
acto rb govi-rno que dissolvera > Miimistin I.
assembles" rejeitaram dies araoju. eompradu
assuu um dever de bonra". Tanto b.istou, porem,
para qae fossem os camaristas cercadjs o inti Sos de darem a sua demissao ou de desfazeren o
que haviam feito.
Os dignos camaristas tomaram o primeiro alvi
tre, e demittirara-se por bem e obra da dictadori
e da revolncao I
N'estas condicoes, repetimos, as eleicdes forani
que podiam e deviam ser; mas, nem ellas, m
a reuniio da constituinte, qne se realisou no du
f de junho, foram de natureza a acalmar os <
ritos, a attrahir capitaes ao thesouro, a deter
a fixidade nas instituiedes, a paeiGcar a Navarra r
a Biseaya, occupadas pelos carlistas, ou o sol, cada
vez mais agitado pelos socialist;!-*.
Apenas se reuni ram as novas cdrtes constiiuin
tes, e ante a primeira difliculdade, apres*ara-s-
ellas em applicar aos males do paiz o unico tote-
rano reined io a to Jos os males a proclamaci
official e definiriva da republica federal.
Esse reuiedio. porem, nao foi inf.illivel oe occasiao, visto como a reuniio da nossa inuinhiyi
loi o signal para uma grande crise no poder,jeriK
como jamais se vira semolhante, a da qual luo da
guardar Iembran^a todos os que della tiveram bo
ticia.
Com effeito, apenas Gcou constitnida a mesa da
assemblea, tando por presidente o Sr. Orense, elein
por grande maioria; o Sr. Figueras, como Ibe in
punha o dever, depoz nas raaos da constituinte os
poderes do governo, apresentando a demissao do
gabinete.
Logo depois a assemblea elegeu o Sr. Pi y Mar-
gall, presidente do poder executivo, autorisaado c
a constituir gabinete; e foi esse o ponto de parti -
da para sessdas tumultuarias. anarcbicas, terapes-
taosas, em meio das quaes baquearam varias ten-
tativas de organisacao ministerial.
0 Sr. Pi y Margall aceitoa a incumbencia com a
meihor voatade, e, depois de veneer varias resis-
tendas, eonseguio organisar ura gabinete com a
meihor gente da nova ordem de cou-ss de Hespa-
nha. Esse esforco, porem, da nada lbs scrvio, vis-
to como o sea gabinete durou menos de om dia, e
cahio ante as intern;.cries dessa assemblea incon-
sciente, que sabia tanto de politica, quanta os de-
magogos das ruas entendiam de Gnancas.
Perdida essa esperan;a. voltaram-sa todos para
o triumvirato Figueras, Castellar, Pi y Margett ;
e os ministros demissionarios consentiram em
continuar no poder.
Durou pouco, porem, essa nova eombinacio,
cahio como a precedents era menos tempo do qu*
o que gastamos em relatar o facto.
Esse novo desastre determinou ainda a volls-
rcm-se as vistas para o Sr. Pi y Mar/all, a qnem
foi mais uma vez outhorgada a presidencia do
jabiuele, devendo este, pjrem, ser eleito pela pro-
' camara.
isto uma innovacao inteiramente. axtrava-
mas, o que fazer, se tudo, n'esses nw-
A "ai minhava pola rua das amarguras ?
pe.a morv.' ** elegi-n, pois, os novos ministros,
e este Gcou u de proceder equ. 'Ji tendo por collegas homens
banez, ministro da come am certo Sr. Este-
um deserter do exerc. \ qae nio passava de
E tudo isto, convem "^uba.
entre as mais desenfreadas "\foi celeb
memoria em corpos legislativ.N^as de que
.. fat. ^ '. mw '
foi celebrado por
quenhos da turba-raulta dos feu ^>js gritos rou
biaja
V
que em torno do edificio do congres. m da ro-'
as suas ephemenides dolosas, espalhan. hrava
o urror, emqaanto outros grupos portv *s
cidada e occupavam pontos estrategicos fr.
sands com os soldados in-lisciplinados e alai..
dos I
Mas o qua imporlava tudo isso, se esiava pro*
elaraada a republica federal, se dominava ess*
panacea de todos os tempos e lugares T t
A republica federal, diziara entao os tele-
grammas officiaes, foi bem aceita geralmenw, e
por toda parte reina a ordem.*
E a ordem reinava, com effeito, pur toda parte,
excepto onde reinavam os carlistas, que tinham a
sua policia, seu modo de manter a ordem, de la
vantar contribuicdes, e ate de celebrar tratadoa
com. os caminhos de ferro I
E a ordem reinava, com effdto, por toda partr,
excepluadas as provincias do sal, onde imperava
a mais desenfreiada demagogia, onde o punhal e o*
petroleo eram a egide protectors d'essa sangui-
nolenta republica I
E a ordem reinava ainda, por toda parte, meson
em Vicalvaro, as portas de Madrid, e mesmo Ha
ruas da cidade, onde os intransigentes se batiam
com os federalistas, e estes tambem se esmorra-
vam psra maior gloria da republica I
Sim, a ordem reinava em toda parte ; e a
cdrtes eonslituinlej eram d isso ura nobre exem-
plo I U alii partiam as deliberacoes ; alii se fa-
bricava a ordem, essa triste ordem no meio da
qual nenhum governo podia achar guarida, e qne
era represenlada pelas lutas tempestuosas entre a
dlreita e a esquerda, entre nma maioria apaixo-
nada e uma minoria intransigent.
E como deixaria de existir esse naodelo d
ordem, so a con fusao era geral, se as lets sis
eram respeitadas. e nao havia autondade regular f
A Hespanha, n'estes ultimos quarenta anno-,
passou por mnitas tormentas revoludonariaa ;
mas essas erises, ao menos, foram momeqtaaes*.
e tiveram duracao assignalada de ante mao. As
crises do anno findo, porem, tiveram caracter
diverso, e succederam-se com uma tal rapido,
e accumnlaram-so de lantas complicacpes, de UaU
confusoes, que a propria Hespanha diffidliaoaa*
se reconhecia no meio de taatas diatribes, par
vezes chegou a perguntar se alia tinha govern,
ministros, forca publica, a financas.
E' qne tudo isso andou de tal modo coufaodids,
malbaratado, esphacelado, que os espiritos vii
muitas vezes como que suspensos sem nada
prehenderem, sem de nada poderem julgsr.
0 Sr. Pi y Margall, era o chefe do ganjoete
eleito pela assemblea; mas o que podia ello -n
meio de collegas dascoobeddos, sem praiicacV
administracao, e alguns ate malversores T
Nada ; e d'ahi as crises successivas, e o des-
barato em todos os negocios; e d'ahi aiad* a
espbacelameoto d'esse gabinete. que pouco ^9-i-".
viveu, e se demittio, seodo incumbiao o wmimr '
Sr. Pi y Margall de organisar outro rainisiario,
Gcando com a precisa competeneia para reaoiver
as crises supervenientes.
Difficil foi essa nova tarefa dads ao Sr. fi jp
Margall, mas ella a veoceu, embora qaani* js>
se achava sob a ameaca de om voto de censor*
das cdrtes, impacienles por conhecerem o novo
gabinete.
Essa impaciencia foi satisfeita em 28 de joako.
e nessa occasiao o Sr. Pi pr.nuncion nm disenrsi.
cm que programmatison a politica do mimsterfn,
-ynlhetisan lo-a nas palavras ordem, uniao e h-
ba> dado, Como se tudo is o estivesse ein mw
mios fazer, c eno se depenle-se da si manter >
ordem, fom^-ntar a uniao, < eurar dov foterflsw* i
da liberda rios e sera prepoadadaaeip no paiz t
A verdsd-, a triste e dolorosa venial >. eatavat
a cern leguss de d\<\ racia do progrannna nstai
rial, visjuc.i:ii i, qu-: em-pdifi m flian-
.is. a HX|i-iM*ia tinha entS^o Ipgra'- pr'-vi!-gn
>< reuuir, s-ti I- -! ipta \.. ti miserias, io as agonus, inm-i la queria
civil b pel' exliauriinento d Un-sour...
A desorgoii-,rsi do exercito chHg.-uaonf.nto
de nioser ;- -- I -rorum batafhin para -VbHfir
as insurrni lebanrtar s e ussjl-
tar-se contra > : chefes, an pi-ar -i- psr.i >
carlistas.
No norte o gen v.' Nrivillv, quo
operacJps eontn os cirlistas, mas n
nem podia f.zcv, a-'ab>u po" se r
UiJ f

V >


iHifUUA&ftO
rrr;

tetno lutou tenarmente antes ii
*,uem o fosse st&Miluir. EntrcUut>. os caijislas
ganharam terrene, e j nos principios do JuHio, na
Caialunha. D. Aitoiadjirmao de I). Carlo!, clfogort
a involver e dgfljpBt#t uma coiunraa commau-
dada pelo geiMMMCkSriaetiy, facendo-llie (MTisiur
neiros, tomando armas e munic&es e mataudo esse
general. __
E em quanta isso ajeKi naela Qeaakinha, en
Malaga varios bandpPolucidnarios derramavani
o terror por loda parted assaastaanlo o alealde
outras auioridaJes, e in '.-Midland i iltioios, ae
passo quo em Aleoy roBethra-ae as mesma* sco-
nas, e a ex com nuia ladores, aim* inais eedentos do san^'ue e da in
cendios>.
Em Madrid mesmo as cou*as corriain mat; e,
em quanto' o govern-) se dehalia cum o impossiycf,
cerea de quarente depritedos, dos ehamadi s in
transigeates, abandonaram o congresso, com o
pmposilo de se irem juntar aos revoluccionarios
das provincias.
Entretanio os chefes republicanos continuavam
a iwuvar-se i>ela obra de fevoruiro, sem ao muii is
cogitarem da tremenda respon-abilidade quo Ihes
eahia por todos esses crimes, por loda essa anar-
chia, por todo esse esphacelamento, crueis symp
tomas de a ma sociedade qae esta prestos a ani-
quilar-se I
Para evitar esse aniquilamenlo era mister ter
aeuragem do appellar para todas as forcas con
servaloras ; erapreciso hear n'um interesse corn-
mum tudo quo sobresahia no partido liberal, gene
raes e hoinens polilfroa ; era -preciso emlim segw-
gar dessa vasia confusao as ultimas garantias de
urn regimen'conslilucional tutelar e reparad r.
Quern so mcumbiria, porem. uesao mister ?
U sr. **i y Margali ? Nao, era Itw impassive! raa-
lis:r esse prograuima, por qua faltav.un Ihe as for-
cas e as cnergias precisas ; forca* e euergias que,
fracas, eomo eram, estavmn gastas, e tiaham side
ludibriada* pelos revdioso% que syrabolisavam,
nil uma revolu;ao pwgramntatisada, nao uma
-explosite local au accidental, mas am iniineaso
raslilha de sangue e de fogo, espalhando-se por
todos os lados em o sul 'la II'span ha, onde, sob o
preti-xto de republiea federal, as provincias. as :i-
daries, as villas e os burgos proclamavam sna in-
dopeadencia c autooomia, pilbando, iueendianlo, e
assassinando, ale as proprias autoridaJes repu-
blicanas I I
Quern se incumbiria entao do mister de talvar
at&spanba f
Urn homeui apoateva a opiniao scnsata ; mas
esse homem, o Sr. Castollar, energic-i, illustrado,
capaz d.- gr ndes o.nmeiliment.'s, hesitava; e em
face des-a hcsitaeao, a desordem ia lavrando, o
paiz ia se abysmwdo, e a assemblea apenas cura-
va de discutir nmi projocto de constitui\;ao I I
EolretaiUi) (troseguiam as tormeutas do Alcoy.
ondc ne muuva geule, qneimando-.i no peimleo
inceniiado. Entretauto a iosorreiclo campeava
em Malaga, w Sevtina, em Cadiz e em Valencia,
ojide nao liaviaoi fureas oara sopita-la! Entretau
to o foco dofl l'eviiiucion.trios, Carlagma, procu
ravi rlar d.eque no governo de Madrid, destituin
rt.> o de sua autoridi le, e euderecaudo memoran-
dum ii poti ncias e^traogeiras I
Qn>a e.sialo do cousag cliegou a lal ponto, que,
vaiia-i poteaciaa do conlinante. vaado os seus sub
diti* aoioa^ados, maudaram para as aguas do sul
da il'spitiiba diveoos vasos de gueira com o fun
de prueg^rem os inieresses de.-ses subditos alii,
d'jisi^wad'js.
A vigiUucia desses vases f..i energica, e em
cert.> in >d.i sopprio a falta da po'.icia que a metro-
,iol.: uao p-'dia manlor nos portos mai'iliu'os.
Xa.maiori:; Jjs.casas a.tutoltdada d'esses navios
iniiii:: se a proteger os inieresses cilado*, sem to-
0>via qoebrar a neiitralilade que c de uso e do
direito guardar-se em taps circuiuslaiicias.
Bsee^efies, purew, b juveram, que, ne.m por se
real em tieni da inanuloiicao il+ ordem, c terem
sid i.exp!icadas amistusainente, nao deixaram do
P"str .i.ilor.'S.imeme no pvo bespanhul.
Kiiu.: essai ejtcjj^fpes ligura trisiemenle a de
*'ii* fqi aatpr u:n navio prussiano, o uual, com o
s i [iroueder, iadaudo causa aserias compliitii.oes,
qu-- feliznrente se a'pasigaaram, gracas a attilutV
amistosa Jo governo ailemao, que j;:.i boa b
i:iipre!ienJ-.'U pie nao t'mha raza> na quo*'
ex iflcou se^iisfiL'toriaaii-nte.
i'.ii o casj que, leado os iosurgente- ,.-"JC-
radi de algans navios bespaulioos, u ".*"0'
-veino do Madrid a todas as,pot*- *j.e 3 Unlu
na etinta dd piraias, e que er es deviain ser
irataJon.
BascaJ > nesta commur" um nayio prussia
noaprisiouou um d< "* a cujo bordo se
chava um deput*'' "ra uin "* cllcfes *
snrrei.Tio. .
a>ii im, :s> "ous outros desses navios
-a!:i- de Cartagena com o fim de
.epredaroes, foram iaUntados pelos
-s e aftemaes de retomarem suas no
.u'haram-se assim bljqueados, e cm certo
tagi la a insurrei^ao.
idn i--i) f-ii Bbsairoso para a (Is^panha; mas
jiuo foi praticado em nomn dos inieresses hunu
r.itarios, e espei-iatmcnte no intereste dos subditos
das duas pixlefcHfts 'lafoes, passou sem grandes
eeumientarios, ate porqne ncssc tempo luvia hem
poneo quern se occupassc com taes ohjectos.
0 que bavia nraito msse tempo,era quern se oc-
^t, -igavel, da) todas as
!vrf Jiil>fll pqyos foutwraiu cnBertira d Ridjsm^to jja^uii^^olji^jpacilit. ,s 1 ms la-.i
"ouco torn'
itas, t-.'
am*
upasse do faz-.-r pulitica ao modo do governt de
Madrid, ist a. aeisando que, tanto na Cataiunba,
coma na Navarra e n.u provrnsftrs vascongadas, os
oailisias sea*senhoreassem dos campo?, das vias de
>: j:;)'Muiiic.i.a ', >s prin^'ipaes ponlra da fronteira,
e uicsmo Jj uma partedas cjsla-, e por esse mo-
Jo poi>e-se;ii se abastecer di) vivvres, de armas e
de mtlfrtcdvj, e ate po-Jessem se ui gani-ar em todi
iberdade, no entente que ao sul o socialismo c a
demagugi.t raziatn proeeM e devoravam eepa-
;os.
Essa poliiioa do governo doSr. Pi jrMargali con-
ustia piua o stmpftsMente em activar te aascn>
tlea a dfecnssSo da constituicao, em prauiorer vo-
los oonfianr; i, c reeebo-los de descontianea, e
em pass;:r liohti esqueciJas em bzer combinacoes
par!.iii;:ii!ares, que nala produziaiu.
Felizinente paia a H.jsjtanha essa governo d>
Sr. v\ y Morgiiil durou pouo, e em fins do jullio
canw ante o p so da reapOHsaMioade dos *.'tosde
vaudaliiUH' pralicados no sul.
Sub.-ntuio ao Sr. I'i y Margill o Sr. Salmeron,
presidtmte que era entao das c6rt;s em ;ob*titni-
ao do Sr. Orense.
Apeaan organisou o seu ?abine!e, b .Sr. Salmo-.
Tun ajirefeir.ou-se as cortos, e em lingaagem ener-
> :> pmton a sJtaa'^aV) coni as suas vnrdadeiras
- .res, h (,'iuieluro p->dmd quaes o chamamento a annas de, 8(ty>Ji) homens
aa reserva.
ffttidas e-sas medidas, o governo metteu moos
a obra, e desde logo foram mandadas tropas e
bottj generaes e offlciaes para o sul, afim de debel-
larewi a insurroirao, e outras maitas medidas fo-
ram don-etadas pelo podijr executivi como meio
de retrabeleeer a ordem.
O resultado desses ados de energia foi que, pou-
-os dias depiis, fez-se alguma Inz nocabos hespa-
nbol. vjfio como.toda a demagogia ao tr! entrou a
I'esfallecer apenis sentio-.se cercada deperto.
Com etfeito ; as tropas legaes, eommandadas por
Martinez Campo;, aabaram por assenhorear-se de
Valencia, depois de um hotnbardeament > de al
puns dias; o general Pavia retomra SeWIha a vi
a forca ; ^ Cadiz ceden por sna ver. ao impulso
das forjas^overuanteniaes. restringin'Jo-se por es-
se modo o campo dos soeialiates e tuternaciona-
iistas, qne jteonreduzid) a t^rugpni.
Hara alii fez logo o vcverno wmvergir todas as
'lorcas disponiveis, |ra c iim de reduzi-!a a ren-
d"r-se, comoaconteceu wm assuas innas re.olu-
ciiBarias.
ntb
dou
reflectir
que
uma minoria facclosa, em coja nieio o governo
sentia-en esmaaar conw tjm grao do lrig< -tattre as
inns de am montho !
Tanben o Sr.Ci stellar, iniraodo ns* alliiras do
seu talenlo, naojaudever de la, o quo todos viam;
isto e, Sovilba, ajiz, Granala, e a Murcte subjei
tadas a legalidade, mas fora deHay, as stfas portas,
mis canfos da Jlodulzia, e em Cartagena, a insur
reicio prosiguinl > em seus borroros, pilhan 1 o, in-
ceudiando e assassinaudo A
FioalniBnte, nlo vio ou nao quiz ver o br. us*
tellar a desorganiaaeio do exarcito c da armida, a
oohreza dos cofres do estado, e, mais do que isso
iud^, a relaxacao dos costumes e uma moraj de-
pravada guian'do a n cio a largos passos para o
abysmode sua perdfcao !!
E' quo o Sr. CaatiUal tinhi medo da dicladura,
e, entretanto, a dicladura cada voz se apr ximava
mais do Sr. Castellar, ate (jue, por fim de contas,
cahio-lhe nas mads coma um raio, ou antes Bi
uiandada forjar por elle, oovo Jupitor da situaeaj,
para poder s jbrepujar-se aos acontecimentos
Com elioito ; por occasiao de discutir se na a?-
sembtfa um pr.ijecto quo cou-agrava a pen l de
morte, o Sr. Salmeron declarou quo so manntencao dessa ptna.
Um depulato da maioria propoz entao asuppres-
saodo art. eoncernehte a pena ile morte, a-rpasso
que outro deputado propoz a sua conservaijao nos
coiigos, com.) indispensavi'l meio de nunalouir a
ordem c a disciplina no exercito.
Travada a luta, foi rejeitada a pnmeira pro-
posia e manlida a pena ; o o Sr. Salmeroii, depoi-
de aceitar a demis-^ao dos seus mimstros, apreseu-
tou a sna demissao a assembloa, quo em seu lugar
elegcu oSr. Castellar.
Apenas oMistituio este o seu niinisteri >, apreson
tuu-se as ciirtes que o acenlheram com grandes
mostras de contiauea, e alii pronuueiou u n n >vo
discurso, fazendo alarde de duutrinas conservado-
ras. Logo dei>ois dirig.o elle a loda* as autorida
des o sejuiute despach, recebido com verdadoiras
mostras de jnlitlo :
Madrid, 7 Acibo de ser uomeado pela ca-
mara pres.deule do poder executivo da republiea
hespanhola. A BaioiM iuteira S3be as minh is ideas
e os meus compromissos, 0 que a meu nome re-
presenta e signilica. Sigoiliea e representa a con-
linna;ao da liberdade, da democracia, da federa
cm por todos os rnoios que se acbain ao meu al
CMC* Signilha e representa o meu-iuteresse su-
-liremo pela patria ; siguilica a guerra de morte ao
carlismo, a gnerra a lodo transc ; a c.jnstitui;.ao
da ordem em todas as paries, >uprouta aecessida-
de deste in-taut-, e o reslabelicunimto d.i discipli-
na em todo o seu rigor, para que tenbamos um
exercito a altura das ckeunwiaucias, e emtjarni)-
iki com a no-sa gloriopa lustoiia ; siguilica tain
betn 0 chainaineDto de todos hi elemento- liberaes
para que ngrupados em torno da buiteira repu
ItUcnua, veui^m a reacc-ao theccratica, que n.i
ameaca. Kspem que V. in-^piraodo-se uesies new-
saiiieulos. gecaudara esta polities twm pairilwui'
CnxMitr.
Do posse do poler, o estendendo as viat? .<>
paiz, 0 Sr Castellar coniprebendeu a *i'" j wn
que se achava. e nao mais imscui i,: ulala ;
e, pelo eoatrario, actlarou-a, depo1 --tula-la.
oeclaraudo que a republi:a so -sivelsere-
pndiasse todas as violencias Ktas ou radi-
caes ; qio para veneer as >.ic5es comiuu-
uislas oh carli-tas era pr-' '!" eKerarto ; e que
para obier esse exeie'-' :'a mJiapeusavel mani
beleeer a autoridad f militares.
Em /-esumo o .^UjIUcvjo o paiz anarcbi-
sado. e eoaop* que era mister um ealurce
im neaso p *" e l,:tra tS'e esfor^j eliese
julgou.a '' -anseqaencia disso pedio elle as
cories -aspensao de suas sessiies ale i de ja-
uejr /timo que hi.-ntem conecon, e soJicitou
,. ./ extraordinarias para crear exercitos, o
.liar iinpostos e capitaes, con o duplo lim de
.cellar a insurreieaocarlistadonorte e a revola
vao coinmiinista do sul.
Tudo quialo elle pedw obteve das curies, que
ale Ihe dewm faculdade para suspeuderas garan-
tias couslitucionacs.
Era a dicladura, quo o Sr. Cas-ellar tanto temia
e contra a qual gritara tanto ; mas, que unpor-
tava issn, se pairava-lbe nas majs todo o bju
poder ? !
Sim, era a dicladura, mas uma dicladura neees-
satia, indispensavel, urgenle. E de posse della o
Sr. Castellar meiteu hoinbros a empreza, e corns*
eon a obra do pacilicamenlo complete da palria
do Ctd e da Prim.
_Nodia20 de setembro suspen.leratnse asses-
ioas da constituinie, e nesse me^mo comecon a
I'aina de decre(ros, tendo par alvo restabelecer a
ordem e d uninar as rebelliOes.
Enireianto os radicaes puolicarara urn extenso
manifesto, protestando contra a sujpeusao das
Cortes, e expendendo as suas vistas poliiicas, que
nao deixavam de ter um certo acidahneato no
paiz.
Estas viiias foram, gttwdadtt osrtas rescrvas,
as ijue abrai;avam os honwns do poder, com o Sr.
CaatelUr a frenle ; e disto se convenceram os
parlidos adversos, logo que viram o< resullados
praticosobiidw pelo governo, como cijitsequenr.ias
logicas das suas energicas medidas
Com effeito, cerca de dous metes depots da as-
cenjiio do Sr. Castellar ao poder, achara-.n-se or-
ganisadjs o exercito e a armada, melhoraram con-
sideravelmente as circumstancias pe.miiiarias, ga-
uhoti vauugens o credit), e decresceram as pro-
babilii'.los cariistas, e os movimentos socialistas
do sai.
.\ada disso, porem. foi de fva a determiuar
um apasigi::uaento das coa-blnacoes poiti^as dos
diversos partilos, pois ate um grupo de matlz
mais pronuaciado teuton desfraldar a sua baa'loi-
ra, no que feliziieale nao foi acomp&nhado polos
seus amigos iuiluontes, que to Jos viram vantagem'
superior para aairia u uma tregaa uboessari3, que
3 dc Janeiro de 1874
g mxwst jo/f
tivada* pelos aegocios de Cuba, qae, as ultimas
Mas, a\Ma oraan inquiotaduras*. f ajaaaa*>
Com etler^; roaotvi la a qoestio,, eomo aciqaa
flea dito, o got. V) hespaahol nrdwoa ao de Cu
ba qu-1 erttrcgasae ^ nos. M3S, esu non,.~ ao derraoter se na itha,
cansou protatdhsima s*isa?go nos pariidarlos da
Hespaaba, e damorou o- a as- nir uma altitude
jde resi Hf ar JiaiajKtfrid, nao s6 dizeadyiajqfc era imposs.i-
vel elsa iWi, em face do espirito agitado da
p< palagao, mas tambem pedindo a sua delnvssao.
Este acontocimeuto, amda imprevisto, levou o
govern j bespanhal a nogociar com o americaoy
am acccrdo supplementar para a entrega do refe-^
'rirto vapor, e nesse accordo flxon-se a 6poca e a
forma da entrega, que deyia ter lugar abi meiados
d: dezeuibro.
Ter-se-ha el la reaUsade ? Pole pode ser que nao.
No priuieiru caso, a diplomacia o somente ella.
lera de occupar-se das ultimas negociafdes. No
sngundo, porem, I licito suppor que 09 Estaloi-
Unidos om?regarao a forca, iutervindo na revo-
la.-ao quecoalinuaa assollar a raioba das Ar.ti-
Utas; e d'ani, pois, conseqnencias terriveis para a
Hespanha, que taive* so veja foreada a perder essa
rica pissessao.
Em qoalnoer dos casos a offensa feila a Uniao
Americana hade perdurar, 0 sera mais uma razao
de intervencao, que pode ser mais ou raeaos tar-
dia. ma? hade dar-se.
A infeliz Cuba gemo ha longos amit>s sob os fer-
ros da Hespanha. Liberia-la d'esse jugo, qae ella
emaaldo tem teutado sacudir longe de si, e nao s6
uma ubra humanitaria, mas tambem de politica
liberal, que as nnc/>es da America devem ap
plaudir.
Se isso consegnir, a America do norte prestara
um rtlevanto servlco a politica americana; e mais
uma vez suslentara a sua divisa, que c, que uaa
p ide deixar de ser=Ilberdade e harmonia entre as
a;6es do continenle, c proteccao reciproca contr
as i.tvasoes, e contra as prep^tencias e iuflaeD .
exlernas.
Em quanto, porem, uao soar a hpra d'e inter
vi;iii;an; em quanto uao fore a: vearido .. carlislas
e dominados os coinmunistas, isto c. quanto nao
se acclarar n futuro da Hespan'' continental; e
licito duviiar desse fuluro, n- ,..e muiias eau-as
dis-ohentes conspiram coo' jile, a historiaesta
cheia d exemplosdemo nia> absolulas assan
tes sobre as ruinas fu^'oanles de povos espha-
celados por conslan' successivas revolueoe^.
_ de infantaria Manoel
esi ,iual se aelu imposniba>lado para 0
ddVixerJ.'" "in consequencia, dlf fprnnehto
^rde'sftora.- con^W-aposln
Pqnepediram: -.j ,_
aqui.a Estanislao da Silva hi'smi0' no lttg
iesfflttli, a alfandega do v^".* ^1
Forv0l"*30 '-j ;': d'tseseao ex tin ;ta dp the-
souro |ab^
deliiKerioTda .,J>"*'Ur.iria di
m*
lii*>^l*i.*aa>*
active, mas firme, jj^ovneia
n-iwl, em ui0i *
fotevel
y*"r nas
Antonio Luii" Fernabdes da Cu-
em commisstto 0 referido lugar
Ftaicjfpa. 4Pt a JWqi hWa-o.
cambio, que se conse.rvou \m\^,
sotir"e l.'lfidrits a i6 IA l ptpeTTTiw^h >, ^ o*/8, JVl-'peia d
26 <-/2e-26!/16'l. ifartieular. *"V- Kok-oVe"
. .Xa -prajii a. apathta. foi wittpleu7\J .traivpirou uma pequena njwNsao em apMices^^ ^egrapl '/"for^de"reo,r^n
emprestimo nacional de I8b8 a 1:07j*. a en'.re-Tjhffit0 petal ''"tie,-irof '*
"'TSfh queregalara. -t*^Li con
regnlares para coa-
cere* 1c
I'elo ministarti da''IUs,l5''. cm 18 de dezembro
- tBguiile J^su a l'res'dencia da Ba-
Mm- efexa. Sr.-Eu oW1'1 "J/1- de 26 de
novembro oWmo, V. Exc. comCttni^l1 '1ue
desembargador do Recife. Joao Antow )ra?"
it) Freitas Heariques, oue asUva a4dido J* rtla5*"
?'>js.i provi .cia, por aviso de :)t de main ds^^
paa,lp, deixara a 2J 0 respectivo exereicio.'fi-.
entenosr q presidente desse tribunal que 0 aviso .
'-;a'lu'^'l^i"-e d. quo determma 0 art. 3-do d
.w ereten. g.X"' Je do dito mux. Em resposta, de
claro a v Lxc."Sw iraiando a disposicao do arti-
go eitado dos desel\-,rgadorcs qa. esilverem ser-
gar no dia 5 de jan^n fuluro.
-, As vendas darraXe foraea
e as de assucar meaos que
sumo. L
Sahiram Usibcra para ean-umo
-robas de carne secca. .....
liLisnoa a ordem,
s dito, a 33 a.,
ditoa&2 s-frd
6,01)0 a>. -se : I navio
Fretarant. tra Nova Ori
cafe a 45 s., { pf- -il a on
para Saajajr e Ca... c up
0|D le capa, e
ooO.i
4Pr
on algiJaiTa Si s., lodo*
para Hampton Rinds, dito.,.
Bst'iaiTo s \.\ ro.
Assentara-sc no dia 8 a pnmeira n.
nova matrix, quo vai ser engi la na Villa
nao so os exce-
convmio, po-
se refere a co'
quant 1 f aj
'aS se m na
$*:
desse enxarcias para o samp4elo socege do paiz.
Este, ac findarse 0 anno, ia pou^o 0 pouco en-
Irando em ylas paeificas, p lisque cada vez decres-
cia mais a inlluencia carlisia, ao passe que a in-
snrrei^o communisla perdia completanrarrte 0 seu
caracter.
Uma e outra uao Sahara nem pidom ter raizes
fundas no paiz; e, pois, nao era, nem e impo-sivel
domina-las. 0 que faltava para esse lira era nm
braeo forte qae dirigisse a aecao contra ellas. Lo
impn
car a situajae.
Esse imprevisto quasi qae, em novembro, pro-
duzio craves acontecimentos. Foi 0 caso que 0
vapor de gnerra hespaahol Trvaio aprisionou,
nas gnas de Cuba, ao vapor flibasteiro Kirt/imiij^'
e leVyu-o para aquefla ilfta, onde grnnde parfe dat
setrs tripolantes foram aandado? fuzilar pelassan-
guinarias aatoridades de Santiago de Cuba.
Este acto rcvollanle, que, de um so golpe, ferio
duas grandes nacdes, os Estados-fJaidos e a logla-
lerra, is qnaes pertenciam grabde parte dos tri-
polantes em questao, lancon 0 alarma c a cons-
ternacae em todos os -espirites, qua viram presles a
rebentar uzna guerra terrivel entbe as poteacias in-
teressadas no negocio.
Felizmente 0 bom sensp, anido aos etforcos da
diplomacia, toraou conlaflo assumstti do'^izsiAtus;
c deu 3.103. um arranjo auu'gavel, sem quebra do.-
principios de nonra que dirigem 03 govcrnos mp-
A Hespanba, reconb.-ceodo a iapradeacia dos
seus agentes cm Cuba, e accordaado-se com a .opi-
niio de varios governor europeua e de jurisperitos
a qaem consoitou, nao trepiJoa em reconhcCer
proeedentes as queixas e reclamaeoes soerieanAs,
e por isso convencionou cora o governo da grand*
republiea amoricana cntregar-lh* immodiataiiTente
0 Virgimus, mat e indevidamente aprisionado, re-
gDlando se depoi diplomat! ;amen'.e as questoei de
I indemnisa^o, de saudacao a banueira americana
|e outras in creates a esse objecto.
0 resuUado disto foi afastar-se das relaeoas in
lernacionaes as possii>ihdades e diremos niesrao as
pTobabilidades de uma calamiu-'i guerra, que m
ria para a Hespanlia de cuusequencias funestis-
si mas.
Apenas re achava reiaovila essa ditlkuldade, no-
vos imprevi-tos aiipareeeram nas relacdes interna
cionaea da liespanba. Far-tn BUts :' a aprisiona-
meuto de dous navios allemaes por vasos de guer-
ra hespauhues. 3as Philipiuas; 0 o aprisionamento
do Cunsul liespaojot em Honduras, e insultos feitos
ao p.vilnao easielhaao e rouboi e depredacnes
commettidos no onsulado por occasiao da guerra
civil qae devora aquella rqpubliquela ameri-
cana
Dm
RKCIF*-- DE JANEIRO DE 1874.
\ .-**is do sul do iutiseriu.
A' ftcccu hontein em nosso porto 0 vapor in-
g" .fuuo, Irazendo dates : do Rio da Prata 21,
1 .th le Janeiro 26, do Espirito Santo edaBa-
.ia 3 de d;zembro. Eis 0 quo coliiemos dos jor-
nacs recebidos:
KKFUBMCA DO PACUICO.
Sao de 18 do passado os telogrammas de
Vilparaisi. 0 senado cbileno coutinaava a dis-
cutir a reforma do codigo penal,
mo DA PHATA.
Rclatiyamente a Entre-Rlos a oaiea noticia que
eueootrun is, e essa mistna com-, simples asser-
i.-Ao de um official apresentado, e a dc ter conso-
gnido Lopez Jordan, depots da derr.ua soffrida em
I). Gonzalo, encorporar-se co.n 30(1 homens as for-
ras do general Caraballo, a quemsereunto tamb m
Campos com uns 100
Dizia-se inteiramente derrotados os ludiosqae ii
iibam iavadido ate Blamn Grande. Pcrsegnidos e
aleaneados retomou-se-llies 1,000 de 4,000 eabe-
ras do gadd que levavam ronbadas. Ficaram mui
los inortos na refrega.
Em Martin Garcia, para onde tiuh.vn si lo trans-
feridos os quarentenarios da Enseada, desenvbl-
veu-se logo 0 cbulera-morbus com intensidale, ata-
eando 0 medico e alguns offlciaes de marinha
Em Buenos-Ayres, onde se lin'.iam dado alguns
casos, lom:i>-am se todas as melilas de precau-
cao possiveffl, para combater o terrivel r.agello
se cliegisse a iropagarse. Comtado ate a u'ti-
ma data apenas sedava como avengoalu um a.ii-
;o caso.
Em Montevideo Impoz-se uma qnarentona de 12
dias para as procedencias da vizinha capital; e,
parte da iuiprensa, uao coniiaudo basUnVd na e.li-
oacia desta raedida, principiava a oxigir qae se fe-
chasso a ellas inteiramente do porto.
Um lelegramma annuncia haver chegade a Bue-
nos Ayres 0 se^retario do minis'ro Gainza com a
parte official circumstauciada da batalba de D.
Gonzalo e os tropbeos da victoria.
RIO DE J ANSI so.
Por despaclio de ii de dezembro foram RoMM-
dos :
Commendador da ordem da Rosa, o inspector da
thesotiraria de fazenda da provincia da Bahia, Jose
Francisco de Moura, pelos relcvantes servicos qua,
no exercicio de snas funccoes, tem preslado ao
estado porespa^odo 43 annos.
Commissario vaccinador da provincia de Santa
Catbarina, 0 cirurgiao-mor reformalo do exercito
Thomaz Silveira de Souza ;
Foram naluralisados:
Os subditos portuguezes Auguslo Borges Ca
bral, Beroardo Luiz Ribciro Bastos, Joao Joaqaim
de Souza Teixeira, Joao Jose da Ojsta, Jose-Fran-
cisco Pesca e Luiz Antonio Sabrete; os subditos
italiaoos padre Francisco Libonati Xavier, Jose
Mattera, e o cidadao francez Pedro Paulo van
Oolsen, machiniste de 3* classe extranumerario da
armada.
Foram concedidas as seguintes pens5e*, depen-
dentes de approvacao da assemble* geral:
Oe 60i mensaes, igual ao soldo da patente ao
jctLpitao bonorario do exercito Pedro Borges da
Barros, 0 qual em consequencia da ferimento re-
cebido em combale, ficou impossibililado de pro-
curar meios de subsisiencia.
De 50/1 measaes, equivaiente ao meio soldo da
patente,-a D. Ignez Angmta Daltro e Silva, mai da
1 cirargiao da armada Dr. Manoel Simoes Daltro
b Silva, falle.-ido em consequencia de molaslias ad-
qiiiridas-em eampa.
De Wt mensaes, reparlidaniente; a D. Maria'
Angelica Cirte Real e D. Adelaide Marcia Cor
Real, innas do tenenle eoronel do etereite Al-
Almeida CoTte Real, sendo esta pen-
sua fallecida mai D. Listarda
ralisados.
Como se vc,poi, aindanaj estava de todo sub-
Itigado 0 movimento demagogico e mejalwla, e.
entretanio ja g esquerda das cortea, compost* dos
intransigentes, que tinliam fegressado aos seps
4ugares, r^clamava umaamnislia para os iosuigen
-es, [qne sem ?o aenos linhaai deposto as ar-
inasl
A laespretenfoesae oppoz"o ftoverno, que ehe
gou a pedir obteve autorisacao para proceder
contra alguns deputados empenbados nessa rebel
liao ; e newe empenho sjudou-o 0 Sr. Castellar.
profligando com a sua palavra, enerjt'ca e ntwHraj
e, os m iviraenios revoluc-ionarios, e exaltando a
(o-es idade de coagregar 0* etexaeattw cmserva-
iores. para 0 fim da salvar-sa a patria.
Entretanio, poaco depois, sse mesiao illastre
lepataaV, ao tomar p-isse da cadeira presidencial
lascOrtes, para a qual fora eletioa 23 de agosto,
mi mais u:n r:otvel discur.-o que pronuneiou.
0:00 que se contra lisae, qiunlo. depois da de-
ilarar que era preeiso iiilenwo da integridade na'.ion ii. p-la orteu, e
,;lo re-iabelocim^nto da .!,'- 'iplina no exereUo,
onclofc) fazendo a ab iloaia da republiea federal,
ue, Mguiidn inanifastou, so ella podia impedir a
ict Inra, lllha da aoarcUia I (
tii e sempre .,Sr. Castellar qae foil D-m relacao 4 segunda emergencia, c natural I has isxuraveisiqneTos tor'narala
eral^iiera poz 0 facho e 0 punhal J que a Hemaniia peea satisfai^ei a Honduras, e jajauaf no servi^o.
rirgentes do sai; esqueeeu entao ineste sentido se minifesta a opioiao *pdblica emj "Km vista daa "dlsposico = do 3* do
cellar que eta Valencia, Alcoy,, Madri J. JleJaiivaraente ao primeiro facto, a AIJ3- balxou com 0 do.
j Sevll&a e Cadiz, foi a idia fe-1 manba ja fez as suas reelamac^sa, que; l?2 j; *o
Oe 800 rs. diarios ao cabo de esquadra re&'
ruado do exercito, Jaa 1 tiaptista dos Santos, que
perdeu a man d.reita por occasiao de uma
salva, no dia 2 de dezembro de W?f, na cida-
de de S. Gabriel, provincia de S. Pedro do Rio
Grande do Sul.
1 Por decreto de 24 de dezembro foram. promovi-
dos ao posto de 2tenente da armada national e
imperial os seguintes guardas-marinrras: Jose da
Oinha Ribeiru Espindola, Bernardo Goncalves da
Costa, Alfred > Srlvorio do Sousav" Jese Rodrigues
do Abreu, Francisco Jose Vieira, Hapoel Hodrigues
Cajado, Jo^e Ramos da Fonceea, Francisco, Anto-
nio de Maeedo, Alfredo Jose de Abneu, Arthur Indii
dp Brass! e Silva, Gustavo Antonio Gamier, Can-
dida dos Santos Lara; Jose Lopes Pereira Ra-
hia, ignaoio Jose Godinho e aostino de Souza
Franco.
Pbr deoretos de 24 de dezembro foram trans-
feridos.
Para 0 commando do b> batalhaoxle infantaria;
o teuente coronel da 13* da snssma annaiAntonio'
Joaquim Bacetlar.-e para o commando destebata-.
Ihao o teaeate-cdrsmel daqaelle, Doajlcgos Alves
Barreto Leita.
Para a 2- cempanhia do 16* baUllito de lnfan-4
taria, 0 eapMao do W batamao da me;ma arma,
Manoel Joaquim Bello.
Para a t' compadhia do 18.batatoao da infan-
taria, o capitiio do 20' da meanw arma, Hpipli
afo Manoel de Carvalho ; e para a 4' ooraparihia
deste, 0 capitao daquellc batalbdo, Joaiiaim. Vierra
deAguiar. 'i/ '.
Para a 8* eompanhia do 18* batalbio de iafenia
ria, 0 capitiio do Id* da mesma
Silva Rosa Junior. /
Para 0 corpo do estado-maio^de
co 11 for mi da de com 0 art 6* da/e'i n.
do setembro de 1861,0 2 terdnte do
to' de artilheria a cavaMa Fernando
Silva Veiga. / r
Foram reformados.
Na forma do qae dispSe of ( do alt. 9 da. Jai
n. 6i de 18 .ie agosto de 1832, 0 czpitfn do 10*
batalliao de fnfmtnria Franckco Antow'7 de Deos
e Co-ta e 0 alferes a^gregado a anna e cavaHa-
ria Jose Antonio Haptista, viate soffrercsj moles
Msaoel da
(vasse, de
|,101 de 11
regjteeo-
iffuato da
mi
dg conti-
piano qov*
viudo nas relacles, c, --.rehend8
dentes, como tas'Uein o. iidas
rem, que 0 dese"n*.."vftV'^". .,e
sulta se recollia a sua- *i"1vt
Ondar 0 pfazo denlro do -^u... 0
desse dislrieto. Deus gaarde a
Anlon'o DiMrte tk Azeveio.'n
- Pelo ministerio de jasiica f _,neu so :
Ao presidente da provincia & aarannio, os re-
ijuerimentos de Joaquim jrcnc.> Dias e Fran-
cisco Diogo Sarai a 0 SiW aa,n Ue maadar pro-
ceder a novo concurs.- ara 0 provimento dos offi
cids de tabelhao e _nVao do termo de Pastes
Bons.
I. Ao da Parahvi' ( QS diJ j()-0 R,)drigai,s di Silva
Lmv capita rtme|j, Auionio uarinho Cesar,
Jose Theo' da amara Barroso e alferes Fran-
Cisco A- ,|0 Pereira Pinto para mania* proceder
^ no' .oucurro para o provimento dosoffleiOS de
1' j!lia.> e escrivao do termo de Pianco.
arcou so'
Aos juizes do direito Oaniel Luiz Rosa, Manoel
Alves de Lima Gordillio, Miguel Augusto do Nas-
i-imento Fiitosa e Francisco do Paula Marinbo.o
prazo de quatro mezes,
Aos juizes de direito M inoel Teixeira de iou'.a
Magalhaes, Joaquim Antonio da Silva Barata, Do-
mingos Ribeiro Follia, Joao Salomo do Queiroga,
E-tevao Vaz Ferreir Amerieo Mililao de Freitas
Guimaraes, Luiz de Gerqaeir* Lima e Jose Cleraen-
te t'essoa de Mello, 0 de tres dtezes.
- Lcmo-* no Jornal do Commercio :
Em resposla a saodacao dirigida por S. M. 0
Imperador as provm :ias da Bahia, Peruambuco e
Para no dia da iuauguraca) d > cabo eleetnca sub-
manno, forsm re;ebidos os seguinics telegram
mas:
Do presidente da Bahia. -2i de dezembro de
1873 A S. M. 0 I.uperadur lonho a honra de
sa idar, em nome da provincia, 0 presidents da
Bahia pelo fausto asoiilecimeuto de ja se achar u
cabo submarine nos lerritorius da capital do Bra
sil. A Bahia, senlindo a beaotica inliueucia de tio
poderoso inve.ij\ feliciu-se a si mesma por ter
miio .--le meio de significar ao excelso monarctia
que a electrieidade que cotne<;a a ligar as cidudes
mais importeutes deste iinimrio, nao 0 faz tao es-
ircitameute como 0 patrioiismo que reuue todos
os brasileiros ao mesmo empenho |tela prospe
ridade de uossa magestosa patria promovida por
seu prltneira representant", a qaem a iiatiia cor-
diaJioeale deseja loago e sempre gt.jrio.-o reina-
do.
Do presidente do Peruambuco. AS. M. 0
Imperador. -O presidente de Peruambuco loin a
di-ti.ncta lioara de saudar a S. M. 0 Imparador
pela inaaguracao, na corle do imperio, do mara-
vilooso mvenlQ do cabo submarine qae iia de
auxiiiar poderosaiueule ao patnotismo brasileiro
no empenno de elevar a magestesa pair .a ao au-
ge de sua graudeza c prosperidade. A provincia
de Pern, mbaco eongraiula-se com 0 seu primeiro
co:npalriola, em cujo bnlhaute reiualo acaba de
ser iugugurado um dos mais importaalos ineliio-
rauieutos da moderna civilisa;4o, o qual ha de
po lerosamou'.e coulribuir para a graodeza e pros-
pervade do vasto imperio americano.B
Do presidente do Para. AS. M. 0 Impera-
dor.Gorresponden lo a hoarosissima saudayao de
V. M. Imperial apresenta 0 presidente do Para,
em nome desta important-) proviucia, a sua ex
pressao do fervoroso jubilo pur Uaver chegado a
capital do imperio da Santa Cruz 0 cabo subma-
riuo, podcrosa arleria de engrandecimeiilo geral
A tdlegraphia electrica, a mais eloqueute prova
do progress) tnoderno. perucluara do hoje para
lodo sempre a grandeza e 6 hicontesta ej palno-
tismo do excelso mouarcba braiileiro 0 Sr. D.
il'edro 11, a cuja inspiracao e sabio govern:-. d.:ve
u paiz mais esse iaea'.imav.'l benulicio. Nesle dia
an*que a cbrislaodade ce.iebra 0 nalaUciodo re-
den;iU cimeiito de.-so novo iaossias da civilisaeao coalemi-
p-jraoea : feliz coincidencia que equlvale a uma
ver Jadeira rederape 10. Em nome do Para 0 seu
presidente, airaves das distancias, brada com pa-
triotico entnusiasmo : Viva S. M. o Imperador,
viva a naeao brasileira, viva o cabo telegraph!-
up Miliiuariuo.))
0 cabo submarino da compauhia Platino Bra-
silitra, dev partir de Londres de l'i a 30 il ja-.
ueiro proximo, a bordodo vapor in/iez Aib dor, que o merguihara do Rio de Janeiro ate San-
la Catuarina, tocando em Santos.
< Qumze dias depois da pailida do Ambamada-
vira o Gonot, que asieudera 0 cabo desde San!a
Catbariaa ate o Rio Grande .do Sul e frontetia
do Chuy.
_ Os engeaheiros que diri.'era estes trabali.os
sao os Srs. WiHiam .Thomson, e professor Fiee-
ming Ji'ukin.
hK lapresentantedelies.o Sr. William F. King.
No tr.tnsparte Venieck, esperada do Rio da
Praia, devem caegar 0- restos mortaes do beneme
rite general Antonio Manoel de Mello, uma das il
lustres vienmas da campanba do Paraguay, qae se
achava sepullado na cidale >le Cqrrienles, onde
fallecera.
Por ordem do Sr. cons ;lutiro Junqueira, ac-
tual ministro da guerra, e an homtnagein as vir
lades e servicos relevantes presiados por aquei-
ld distinct militar, fuiaui exhumados os reieri-
dos reetos, qae vio ser eutregues no.-la curte a
family da iilusirc fmado.i
a 0 resultado dos exaines de iimtem na facu!-
dado de medicina, foi o seguiiit.-. :
Deteaa de ihese. -Approvadas^omxlistiuccao
Antonio Pompea da Sonaa ttcasil, Joao do .\a-;i-
raouto Guddee Junior e Jose .-Benlcjo da Abreu :
appro 'ados plenameate, Antonio Manoel da Aze-
Vedo, Franciseo de Paula Itueno do Azeve.lo Ma-
eedo, Joao* tteptatla ttueao Hainftm, Auioaio da
Costa Pinto e Anioniu Gomes de Siqueira Ramos :
approvado simplosmenie Luiz .la Cuuha Muraira.*.
Na casa da rua dd Hospizio n. 323, onde re-
sidia Augusta AmSlia da Costa Lima e Maria
Rosa da Silva, achava-se anw-honiem (25; as b
e meia'boras da tarde Francisco Rodiigues Ra-
inaiiio, quanio appareeen Antonio Sabino.
Seguio-se log> uma scena do ciumes, late fa-
riosa e aof rim Ramabio puchou p.r uma faca e
cravou-a -nor duas vezes em Sabino, que cabio
morto.
1 Aoe gritos das duas mulheres, tastemunhas
deste aeto horrivel, acndio.o guarda urbauo Joso
Alves PintK'-ir:. O a-sas-ino, perpelrado 0 crime,
fugio pelos fundos da casa ; 0 guard.i sem kesi*
tar um iostaute foi-Ute na euoal.a. Ramalno
saltou 09 muros de tres qumtaes perseguid0 sem-.
{ire pelo urbano que nnalmeate logrou prende-lo
Ja perto da rua do Regente.
0 preso foi conduaido a presenca do Sr. Luiz
lgnacio da Silva, subdelegado do 1 district-) do.
Saoramente, qae toreeu conheciraento do facto.
ftemalbo, send) interrogado negou ter fe
rido Sabino ; disse que apenas lutara com este
corpo a corpo ; -que fugira porqne as moradoras
da casa, veudo aquella luta, tinham comecado a
gritar da jauella pedindo soccorro ; que coahe-
cia a faca por ssr do servico da cosinha.
Darante 0 interrogatorio Bamalho osleotava
grande sobranceria, interrompia e uesmentia a<
te-temnnhas, vendo-se o sublet gado por mais de
nma nej obrigado a ordenar-lhe que se calasse ;
0 cadaver M reraeitido parao neeroterio e .(ama-
Iho recolbido ao x idroz de policia.
Sospeita-so quo nao foi este '0 pri/neiro as
sassimO.) perpetrado por Francisco Ramalno ;
oonsta que elle f.i preso ha tempos, e depoi* de
averiguacoKs posto em liberdade por nao so ter
podidn provar sua participacao no erime : 0 Sr
sub lelfgado do dislrieto do Sacramento indaga
a este jtospeito.
A easa n. 223 da rua do Hospicio ja sarvio
de theatoo a outro aasatsiaato horrivel; foi alii
iqne ha annos nma tnulher cab o assas.-inada a
ajoipi's .! maehadinba descangailos p^ir um des-
-tra d'uma
H S'T
.'":'-'''
ra. a exponsas dos rcsidenWs daqaelt0 inii'aviam
pio. PorIntermeMode uma commissao, 1. >, i'"
>(!jlo feitas val- 'sas offurtas, quer de djajuja; t jef
''eriae- cs-a obra.
r ..tiia.tr se no dia 28
a el-iicao dos mem-
assemolea provincial
a im
Deve
bros 0' 'em d* compor
no r.rfxino quatrienaio.
ui se no Estandirte, das Cachoeiras de Rape-
meiira :
Depois de havermos passado por um anno ca-
lamitoso, como oi este para os dou* municipio-
de Rapemerim 3 Cachoeiras, pela falta de rcanli-
mentos [>ara uonsumo e cereaes para exporucao,
por causa das tres inundates do rio Itapcmerim,
das eontinuas chuvas, c, alinal, do sol ardeute
quo voio BMtM todas as plautacoes, a Pra.videucia
parece querer, em compensacao, dar-nos no fa-
turo anno uma abun lanto colheila, nao s6 de
mantimentos para eonsumo, como tambem para
grande expertocao.
* Os cafeeiros promellem uma excellente e
abunlante colheila de cafe, por se acharem muito
carregados ; as c.miias, tambem por sua v.-z, se
desetrvolvem e promettem uma boa Mara de assu-
csr ; emlim, tudo pare a querer ressascir a pas-
sada penoria e os faa\adAs prejuizos.
* Os lavradores nm geral, quo alargaran-se
cedo em spus plantecfies e trabalho* de campo,
estio ita bella epectaliva de nma abnndancia ex-
traordinaria.
BxHiA.
Lemos no Correio:
Ame-honie.n (29) as 9 horas da manhi, S.
Exc o Sr comui'mdadiir presi'tente da provincia,
acompinhado por gramle numero de c.ivalheiros
disliniMOS, dirigio se a estacao da linba da friUu-
cenlraes, a Birroqumiia, Jo onde partio em um
irem esjecial para 0 engenho ReHry, e ahi b ile a
o primeiro preg 1 da cumieira d 1 e hfieio qae se
esta edilicando p ira o novo mat idouro publico.
Fmda a solenifiidade. foi jielo* Srs. emprez-
rios da ompanhia offerecido am lafiL a S. i?sc.
e aos 1:onvi'l.idos qae 0 acompmharam. Por essa
occasiao levintar m-se diverso* br.nles. Durau
te este tempo execulava a musioa do policia esco
Ihidis pecas de sea Mpeftorto, e sabiram ao ar
ounierosas girauJolas de f'gueies. S. Exc. re-
gi'essda as 0 11 ras e 3|4 da tarde.
Cmsla-nos qu*, ha poucos dias, cbegoti no
Montego o material preciso para o estabefeelmento
do telegraph) entre as cidades da Ga Feira de S.inl'Atina ; e ja seachanlo aliantados
os irahallios da linha enire esta capital e a c .iu.de
de Santo Amaro ; e d- creT que em breve tempo
vej'amas essas ires itnpoftaaltds ItieaMdades da
nossa provincia ligadas |ielo tio electrico, 0 one
sera incoiitestavelminte mais um grande progres-
so, conquistado nestes ullimos tempos.
No'iciamos tambem com prazer aciegada do
vapor Laplace, e do vapor '.uzitania, ambos p-r-
ladores de malariaes para 0 assentamento da via
ferrea pennanente, en're as mesmas cidaies da
Cachoeira 0 Feira de Sanl'Auna.
MlSAMBBCtt
REVISTA DIARIA.
ninltipltearl
do com a*i
ao pajriotis
sua ;
Deus
ro d
Olive
(
nistro
com t
da pa uaes aotaw
glono 'W.honrand
de--en d.co*, ,,e sua
teruv Ka3 comsrovin
rt:" as saulacoes (,
_.lf jaja inauguracao do
ierrilo** (' imperio-, e coi
oortan* melhoramnnto sera
ceiro lie lrara a k"1 nova
itou 0 arrazamente
erio, realisando a a
da grande cidade,
lario, qne vivia atrop
i'unctanfn1"'-010 os seas i
ceifeza de conseguil-i
ncuriamenio das
eborne.-ur 1}
uniformo c 8I- "
,"*"? beajeflef
' (?ssJfBad0 e v lllA perDa:
f *'vUdes
fwrirV
difoJ
sens
que coi
tai do i
um SCO;
no sect1
j
com cei*
Nudn a roinlu
Mavimellimeu -
auv>r 4< insti
etas uleis, vepr
1 e pro-'peridade
ipiica o pensa-
ticacdes a o t*m-
laneias. tambem
Mipcrio, fazen
qaje interesst-u)
raslle.ros seja a
a. LoKvcmjs a
tio, I* dejaofi-
refb Cerrei1 *t
u>Exm. ?r mi-
.00 illa-loe qne
ge os n.goci >s
'm o nome t as
ia natal, sgra-
, por men in-
ba de Hies di-
submarino tu-
que -ste im
reve 0 n>-usa
que o ministre
ioitos na capi-
cao de mais de
ancipou 0 ensi-
1, promuvc con-
;tos collega*.
sarao da obra
di dado uma das
R.xife, o>
c''ua vv" 1 -f ~ *
do uort' cms rr*'s insuntes neccssi.
1 Tmlw. muitos culms fenprwa< M:c:
, -,"flram troeados a pedid0 ae.\ianuuieras n.--
s as c',rc as diversas *** Cab ; *"
.:,i' honter^continuava. ,. 1Sii
n.set. a pericia, a pnmpftj" ; -pie a rr*-
m -tiva r'"l>anhia torn cum,,rF rabalhosa m^
5 ,S* i:"Pz. f"' -*olemnLemeDl nwaMasto
0 1
^aqvcB3 atoaHieas, qae
SStam uaanL?iem p^fc
riaam(<5msnotad)Jed'''B.
Ihioro iue a a l0!,rt'SfiIti'
i..ihiirFtfar:,ont seil serente
jRSlM 'I,,e a" Sr- Pear-0Ill.r''n" ^ d"
r conf-ergiram todas as attW do dia, to**
ofannla11^ < occasiao, tog!*! .mandestacoe-
n2nte5w queUlaconlecimento 'n*pirava: a.
esPJPt,n1n, pSS, os nossds l,ara.1 I'-'" lo
seus esforeos, de snf ** -dade e de BM
d(a mes: t do festiin *
" de 1 irtnra e da gt >-
03 ao distincto cava-
a digi jun-'iite, 0 Sr
nestaT cidade.
on,
Sr. Pear
exito de
dedicac;
Gv
geneia d
Sr. ->r. J
Qiic:
circuraspi
de preson
le nesta c,
0 p!
qae dew
para que
>endo sn
isso, 0 IKV
d^lle se t
da cqflsci
le s po Ii:
Jitat
modo MspadJ*-
p Nspado, como v'B,
|).q.im Graciano A( "
la. r*llirisa.,-^(M
clae de illu^lradoj ?""
e M Europa, i ?m "m
id.idi, extrahimos- sc8'
aos
Acha-se na rr-
geral, o Rvrn
o.
ai'.a de naaafia
), 9W ; a"ha
amigo e parea
inte:
bispos d> Bras..
pra^.u de tres aim a*,
em cow a anata.
ate^fdVajCc*. Rail
'j', e nnnra mai"
'o- as inpira is que iva'aieu-
dade do papa.
- P-lo iribunai
oi us seguintes c- -
.unta no anno e:
a ncommenJav
rn an macons no
lies se reeonei
peadna* todas
cio Icara em
tira,deixando-
icia dts lieis.
coaseiuir da i
de teorre
do"ouw3'"cio f,ri,n des'
rectorcs A* eonparei
"prudent?- -Sernirdh
levou de f s,iaep^;iJ,av- aWou hontetn pel.
manba do^ara- "a l"feiWra- a canIi,nWr* br "
8^"DS* hegar a t -^l d" 1,IJ
Janeiro em ****&,
'"SU.ro- -daB
Pernambi ) recebVi.
lo del Vasconrellos.
?into de Lemos.
trau-
bdb a
rernamm 1 ^J s que f ,zem o scnico da u s-
companhiK deyjJPTi, Y',0 r.2V3i8IO. a expn.
porle brasileiro B,.i-
passado a prara
responsaliihlade d.-.-
Prisito do Btspn.. Pelo vapor a:neri?ano
South America, aqui tbegado do Rio de Janeiro
ua qulntafeira a tarde, foi romellido a pMsbleaV
cia desta provincia 0 seguinto despav"r!io de pro-
nuncia lavrado pelo Siiiin-mo Tribunal do Justi;a
contra 0 Exm. e Rvm. Sr. blspo de*ta diocese :
t X. 161. -Vistos o relalauos estes autos, posta
em disciissiio a matoria, depois do snrieia, eoMi-
leranio quo o itvm. Dispa de Olindi. P. Frei
Vital Maria Gonc*tel de Uliveira declaroa lornnl
c obstinadain'-ute >\aa niio cumpria a ordem do
governo imperial dando provimento ao recur?o a
coroa inlerposto pela eonlraria do SS Sacramento
da matriz de santo Antonio da cidade do ilecife,
assun como que a olisorvancia da dtta erdem,
ali'eu de sir um peccado gravissimoe crime enor-
meaos olhos do incorruptivel Juiz de nos.-as al-
mas, eerk uma vergoohosa traicao dos sagrados
iurameutos que pre tarain os vigarios e uma vor-
dadeira aposlasia da relig:ao de Jesus Christo e
qne pelo omlrario os que a nao observa^sem, qae
longe de co nmetlcrem um erim, ser-am herops,
crodores da adminislragao do orbe calholico e
digoos das bencao* no seu pa.-ter ; consilerando
Guabnente irae com o seu exemplo, nela posicSo:
ele.vada (in que se acha e com a faculdade de sus-
pender tx infonnata conscientia, que po! era pra-
tica contra um dos vigarios que se mos'.rou hesi-
taqtc, inlluio poderosamenie para que nao pro
dazisse 0 devido effeito a ordem do poder execu-
tivo no exercicio de suaa atttibuicoes legaes, como.
tudo consla dos documents a fls. 9, 27, 3, 3t e
39, obrigam a prisao e livramento 0 mesmo Rvm.
bisjio D. Frei Vital Maria Gon;alves do Oitve.ra,
como incur so na di>posicao de art. 96 da codigo
C'iminal ; sojaseu nome lancado no rol dos ".n
padas, e expeeam as ordens precisas para ser
cumprido esto despaclio. Rio da Janeiro, IT de
dezembro do4873. -Brito, presidente. l.cilo, re-
late!' seal vote. Cjh*o Mariani, ela&olqaei o-
crime no art. 128 do codigo penal. t,nto Cki
cliorro, volei pela pronuncia nos arts. 142, CD i
86 do codigo criminal." ,
0 art. 96 do"iM:ligo criminal, em qua foi pronun
ciado S. Exc* Rvm Sr. trtspo diocesano, dispOe 0 |)|}J^'
seguinte:
Obsiar on impedir de qualquer maneira 0 el-
fdilo das delerminacSes dos poderes moderador t>
"xccutivo conforme a con Penas: no gr.io miximo 6 annos de pi.sio
ci.-;i) irabalho ; no grao medio 4 annos idem y bo
6 ra 0 mini mo dous annos i dem
Bm camprimedto.dessa ordem, S. Exc. 0 Sr.>
commendador presidente da provincia determioon
bo juiz de direito da t* vara da oomarca do Re-ji-
fe, 'Dr. Qul.nlino Josd.de Miranda, quo fo.*se inlimar.
a exeencjb daqneKe despacho a S. Exc. Rvm.
Chegando ao palacio da Soledade 0 Sr. Dr. Q ia-
tine e oUservnndo fielmente o que lbe estava *-
cambido, reeebeu de S Kxe. Rvm. a respo-'.a de-
vegacao, a ,1",ntia
pelo inesn^ meivQ
sendo para *
Rio de Jantm
Bahia
Aracapi
Penedo
Maeeio
Parahyba
Namangan.;.
pi
Feriands dt^ron!-
Macao
qnaat
a do 7,V)i:^UiV-
u
Mossoro
ftraeaty
Acaracu
Ci'ara
Granja
Atiandga. -' I-
No anno tie 1872
No anno dto (873
Este ultimo rend
i.tetttc:
Janeiro
Fevereiro
Marco
Abril
Mate
Jenho
Jalho
Agosto
Setembro
Outnbro
Novembro
Dezembro
Rceebetiori
K^raes. Arrec
No anno dj |87?
No anna dt IR7.'
Este ren^iw
mite':
Janeiro
Fevtreiro
Marco
Abril
M a i o
Junho
i.72:iia*4Cn
300:682*9.')
I9:!20*4;0
M:9tUWl
895:S5Ui!'J
479:o5i*OX
43.0 OiO 218:389*910
36:Ta*i*'00
tS:8877il
99:020 aflOii
7' 0if>.1'
9:138a*^'.i
320 7'10 35'." >
62 *<>.'>
.:sta rebarticao arreeadou :
U.283:3l9*7'.i
11,987:135*971
3"iito :vtdio-sc assim raensa -
divid}i
1.3^6:179*1
l,0i3:(.^.abi'J
I 18:303*021
1,192:440*811
)2:ie-,*9:
714 16711*'/
869:7611V. I
952:559*90-
832:927 *3t"
|,038:6:t2l8>>
966:370,802
883:609*3 71
irndas internal
estacao flscal :
80^:66 >242
io-se assim aal
/
que sd so eutregaria ppeso a amoridade -coiape-- Abril
ton!'', que nao era esse magistrado.
Ao ser levada ao eonhecimente do Exm. Sr.
.commendador presidente da pravincia a decisio do
diocesano, daiiberou aquelle immadiatamente la-
ter alH- eoijtpareoer-O' Sr. Dr. cbefe do palics* acana-
panhado dos Srs. tenonte coronel commandante di
corpo de policia e major do e* biitalhao de infan-
taria de liana ; a vlnte do que S. Bxc. Rvm., da-
pois de fazer o protesto que pnhlicaraos no lugar
compeir^te, deddio se a acoinpanhar ao Sr. Dr.i
xhefrf de policia.
Tfendo b. Exc. o Sr. commendador presidente d*
provincia posto a dispooc-ao de S. Exe. Rvm para
ser recolhido, einguaute rilo chega an nosso port?'
a Iransporie B'mifaain, que o deve eonduzir icer-
tq, o palacio episcop I, sob garanlia de sua palavra
0 arsenal de marinha, e a corveta Recife, prelario
S. Exc. Rvm. o arsenal de marinna, onde se acba
Agosto
Setembro
Outnbro
Ntm embro
'Deaenbro
Capalazi
mente desta re
nmjevereiro d
No anno de
No anno de
Este rendii
raonte :
Janeiro
tfevereiro
Slar^o
47:543*3^^
53:247*8^
63:6. 0*3j':
74:936*11".
61:491*86"
57:039*1 :v
67:093A5f-
0O:9O*7d7
34:866*2o
10g.735*0:o
80:3491o;-
84:836*3'*:;
da aMtandesa. O rend-
ticao, qi comefou a faaecimur
W2, arr scadou
I
3
to
di rWio-se
effectivamente recolhido, desde as 3 horas da tar jafo
Mate
Tunno
Jumo
Agoato
^elemliro
Ouiubro
Novainbro.
Daiembro
ConsulMd
fiscal arrecadoi
-No anno de l
No annexe
Este nUimo
raente:
Jbneiro
Beveraira
Mareo
Abril

148:ft2*3*
217:86**0
assiai mansal-
17:o88*aa*
13.738*343
<6:687S5;t
20:209*04')
lo:46d0(&>
13:714*617
18:929*589
25:603*424
i4;2J15i*i34
20:ui4*3Jt
17:775*03i
b^fxou com 0 deereto de 11 de dezambsay'de laM#,4 gra?ado qne este cumpnndo seatcn'-a..
fom 0 respeciivo saUo por uCelro, c hlhft da" Eb as nolicias commiyciaes da ultir
ima data :
\
de de bont^n.
A circumspeccao, o zeio,.com que S. Exc.o Sr.
commendador presidente da provincia desempe-
utiou as ordens do governo imperial, com relaeao
a esse facto, sad notaveis recouimaadacoes aos d
tes ad niiiistrativos do S. Exc.
Professsures latorinua. Por portefia
da presidencia da pravincia de 31 de dezembro
foram nomeados para reger imerinamente as ca-
deiras publicas: da povaacao de Una, 0 aiamno
mestre Monoel Maria Cezar de Mello; do Poco
Fundo, Jose lgnacio do* Santos Quaresma; da
Barra da Jangada 0 alumna mestro Adoloho Sil
vino Baudel; 0 do Brejo, Antonio Cordeiro Caval-.
cante.
luausuraeao da telegrrapdao etwi
teiro submarino. Em adJitamente ao
quo 'hontem apressadamento podomos eacrevei >-
bre esse auspicioso succasso, cabe-n >s ainda ac-
cres-eut*r 0* telegrammas trocados entre 0 Exm.
>r iiiinisirodo imperio e S, Exc. o Sr. commeada-
dor pwsidenle da provincia, e que s5o os seguin-
tes :
Do ministro do imperio a S. Exc. o presiden-
ts da proviuaja de Peruambuco. -Corn 0 mais i-
yo prazer e com verdadeiro 'ealbosiasrao pel- me-
in
e
ec
Jpnho
Julbo
4fsto
actembro
Uutubro h
-vavembro tr
Dezembro d
Assaasi
dislrieto poll ,
Damasceno 1
sassinaram *
pois em fug;
Cadhavc
Mleial da b
dft oreta Tl
morador; 0;
cido oe uoc
Ruubc
dezembro, p
do Soaego, v
dem 03 itali
dfahi levara:
*P libras est
3: sos*.
Ferim*
; bro, no eng'.
I
*
A^rowsjaaelal. Bate aaaaajae
U*v I l,7ll-J*W*872
1573 J 1,73^:417*821
jndtmcntfc dividio-se asaim mans*
I 188:26i*7lo
\ 1M:72I*7D3
136:045*993
li*:73UDK
' 135.6a,*6W
149:212*888
133:722*4*)
} 67:33 U*>--
l36:98fiJaS*
65:186*115
I 94:54**157
320:035*758
,a|p No dia 28 de dezembro. ate
al da villa do Limoeiro. Jeremias
1 Mello e lose Joaquim de Souza, as-
Jose Alve i das Neves, pondo-se de-
. M0 lugar Goiaba, do district
lihadinba, fa* eacontrado a ca laver
dora, esci*va de Ant mio de tel aiU
<-rando os pcriu* ter a prataJalle
ngesti cerebral.
.' 3 tool da tarde do dia 31 dt
liaraB os ladrdes na caea d- rui'-
iregueiia da B6a Viata, onde re.-
l3s Josel Antonio Lieu e outras, e
1 sedulas, 40* am prate,
lettras na importatria do
.330* H
e.linase
uiaicr
no .Ha.
ive. No dia 7 de deaoix-
ite, da fregaeiia Je.'ia-,
. )
4 -
( moihijo_Zj
ILEBlVEl

<


Felix, evravo de Gabriel Antonio, fen)
iimmo com diversas facadw ao ten ptrc a
ijlleceu no dia 9
lo.ctiainpj
L .1
JJfJt?l 1*1
bro, e
es;ra-
rnorte.
uorte
-Pela delezaeiado tet
ruanl foram presos: go dia 20 de d
rocolhido a respeetiva cadeia, o preto J
vo, conhocido por Dunga, crimiuoso
nesse tcrao ; e no dia 22, o criininoso
Jose Moroni.
iwtean mvm Ao arraazcn
sicas do Sr. A. Jo>e do Azevedo, a rua
da Victoria a. II, acabam dc ehegar d taovaj
pecas dc musica, de grande effeito e rat ntosa/,
publieaias em Lisboa, denominates m|u e
Walta, escriptos e dedicados ao modi' hf*>a-
nhol Dr. Anieeto Mascaro. i .
Pa^adoria de faxenrfa NdL esta-
;io payvn-se Uuje as scgniutes folhas : tribunal
do corn ]iroioBssu,"tJ danoli:ia, juisijjo.'ies outiiae* I'j'etereiio e eulro*, juizo dos fe s> ma-'
rinbagem o guardas da alfandega.
OsjLJfcMecionaaoa ante deixarow d- eeeber
nesteMi:?:-''' polerio Tazet-o do oltavo u(i! em
diante.
Truiisfereacla de festa..A 1Q se ha
de celebrar na igreja de Nossa Senht do Bom
Suecesso em Olinda, em iionra dc sua I elsaPa-
itroetra^-jdH:tiiiantrrida de 6 para o a 18 do
l,ftlMfc-A que seacha a venda a 82', a
henajkifl taria-Caea de Misencordia is .--ci
a qual ; Mi Lcilao. Hoje ) offectua o ageie Pinto o
ljp *Tidas da massa fallida d Amorrn
KflgMOy A C, as que foram r'-Jo no dia
ni *e dejoertrtj-jwirtimo passadu.
wta* e agente Mar is i I ho
i ad gfide.f*neros, movei utensilios
nsfl i da rua do Impertdor 26, em lo-
tew vontade dos eatnpradores.
CAM de detencfco.Movi ,to da casa
do detniieao do I.* da Janeiro a 31 e dezembro
de 1873 :
Existiam presos no dia 31 d.e deif ro de 1872
286. Entraram durante o anno d (873 17.'>9.
Regress.-, ram 218. Somma 2,263.
St hiram durante o anno de 1*73 941. Exis-
tia no dia 31 de dezembro de 1*73 j.
Movimenlo da easa de de'.env do dia 1.*
de Janeiro de 1874 :
Existiam presos 322, entrou i, jstem 323.
A saber :
Naeiooaes 236, mulheres 11, e a*geiros23
evraww 46, escravas 7.Total 323.
Alimentados a cnsta dos cbfres puVicos 2ol.
Uovimento da enfermana do dia V de Janeiro
de 1874.
Teve baixa :
Francisco Soriano de Albuquerque, f
Passagretros.Chegado dos
no vapor americano South-America .
F. N. Saunders.
Sahiram no mesmo vapor para portos intermedios : ,
Jo-e da Silv* e Jesse if. Longnan. I
Ci-iMiteriu poblieo.-Obitual, do dia 31
de dVzetnhro da 1873.
Fraucisco da Silva Pereira, bran* Portugal,
37 anrins, solleiro, Recife ; febre am' >|la.
Emilia Maria da Coneeicao, branca Pernambu-
eo, 26 annos, solteira, Recife ; bexig:
Joaquim, brauco, Pernambueo, i uuos, Ilia-
Vis4a ; bexigas.
Thomazia Maria de Jesus RoJrigue parda, Per-
nambueo, SOamros, soheira, Santo ( otonio ; hy-
pertrophia do coracao.
Riu, parda, Pernambueo, 6 mefc, s. Jose ;
bexigas
Vicente Ferreira deOliveira, oarb, Pernamba-
C9, 48 annos, casado, Boa -Vista, ospital Pedro
il; variolas.
Apolinario do Naseimenti, pard >ernambuco,
(i annos, solteiro, Boa- Vista, \.r..\i.\\ Pedro II;
variolas. /
Manuel, pirdo, Pernambueo, 0 iezes, S. Jose ;
eonvulsoe*.
Jo.*e Victal, Pernambueo, 20 mos, militar,
b a-Vista ; hepatite clirooi'-a.
Januario i^rvalbo. preto, Pernanhuco, 33 annos,
militar, B5a-Vista ; variolas. J
Arthur, pardo, 6 auuos Santa Antonio; va-
riola*
Joanna, e"serava, preta, PenyTi)u:o, 16 annos,
sok ira, Recif--; febre intermitt/,te.
Luiz, braueo, Pernambucojt mezes, Recife;
bexigas. U,
aria das fli>84 "au" Nat'c into, parda, Per-
l"nat-'!' 2ftftaos, solteira, a Vista; varielas.
1.* de Janeiro de. 874.
Maria, parda, Pernambueo, 2Vnzs, Boa-Vista ;
.onvulsoes. J _
Maria i.arda, Pernambueo, S. Jclse ; convulsoes.
i, Portugal, 34
... '<.0ca
Giu- jaina*i jer^/c*
privij&gios,
^ IE'
l* C- ^Hmente 0 maig a
"ledicacao aos noasw ,
buarda a Deus collBsBil
dores por nos nomeadoi.
E, para lestemophas dete protesto invocaraos 3
Deus, aw nosso nAanbo mnHo amado, e aos nos-
le rau-jios rapregados e offleiae* (fa* presentes se
Bario ae ham.
na, violeu^ia qpe
nossos direiws,
%
iS
.a
oja
aos governa-
niotem igual
?
Ilia s espessura
mundo.
rat.
Esta fazB ~M nossos medicos
pela gra/JWBWR com 1^ c'vra a tosse em to-
dos os p*fitfc? It caeddemia madica de Benito
teve muita razlo em co*siderar o succo desia bal-
mica arvore, eoroo urn esnecilico ahsoluto para
jrB* v vaso*
Isthma,
Exarado em 0 nosso palacio da Sole iade, as
2 1|4 horas da tarde de 2 de Janeiro de 1874, nma
hora depoh da inttmsrao official.
f-Fi. VlTAU, BP0 DE OtINBS.
Padre Joaquim Graciano do Araujo,
Provtsor e vigario geral.
Padre Miguel America Pereira it Souza,
Seccatario do btspado.
Padre Dr. Francisco do Rego Maia,
Secretario de S" Exc. Rvma.
Padre Joaquim it Assumpf&o,
Escrivlo da eamara*-epfscopal.
Padre Valeriano At Alleluia Correia,
{. official da camwt!**
Padre Imi A/kmo de t&na e Sd,
a.'olBciahda socretena.
Padre Jucenao Verttsmo dos Anjos,
CapeMao do etmtterio.
Padre Maetiao Constantino de Medeiron,
Lento substituto de moral.
Diaeono ThmtstocUs G.dt Audrade.
nal LeogA
tjwanchfics
- Para 0 Rio Grande do Sut,
nal Rio Biv*cfc Sfcarregou ?J}W}
eat com 60a laos d>' asetioar b
Costa 61 dits lorn 5371 ditog 1]
com 2,211 ditos de' dlto nftsShvi
jLima 2H Dr. Augusta TrajanfcdtolWIanda Chaain.
Dr. Araerkw Vtspwk) Mowira de Almeida.
no navio nacio-
reira 10 barri
tnco ; F. A. d*
I dito, a 20 ditas
eatarrho, dor da garganta on broneMtes, pode1 re.
tistir as suas propriedades contra-irritantes. Kes-
litue e restabeleoe a voz, qiiando por affecooes da
trachea ou larinx se chegi a perder. ou debihtar;
faz parar a expectoravao sangulaea,' 0 impede a
agglomeracio de mucosidadefe nos tuftos da respi-
racao, qne conduzera aos pulmSes. Inteiraraenw
mui ditlerente a eMes peitoraes compostos princj-
palmente de fraclas acres e adstringentes, etc, u-
nalmente na sua delicada e elaborada composicao
nao entra nenuum acido pimm. nem lio pouco
ingxediento algum de ospacie ou caraoler vene-
noso.
Para 0 Aracatv, no hiale brasileiro Dtos te
Gme, carreg-iu : T. P. M. Bastoa 3a barricas com
.1,800 kilos de assucar branco ; I. Bruno 25 ditas
corn 1,173 dito* de dito rednado.
Para Mossoro, na bareaca Dotu Amiga*, oar-
regou J. G. Paes Barreto 2 barricas com 60
kilos de assucar branco.
CfJMMERGK
1 ii'
imento.
rtos do
ul
pspilal Pedro 11 \
ortugal, 13 an-
Antonio Alves da Guaha, branc .
moos, "olle'ira, Recife ; de uina <;i eda.
%nt<.nk) Fran'-isco de Salles, pi r 10. Pi
co, 30 annos. casado, Boa- Vwta, b
i;ei>ate interslicial.
J,se J.cintho Pacheeo, branco,
nos, solteir, Bda Vista ; febre am.relU.
Joaquim Martins Botelho, par lo. Pernambueo,
'1* anno*, casado, Boa Vista ; diarrhea.
Philo nena Maria da Silva, parda, eernambuco,
^i annos, soiteira, Recife; hemorlragia purpnral.
Plnlomena, preta, Pernambueo,! 1 anno, Recife ;
variolas. 1
de Jataelr*.
SOeiBOADF. DOZE DE SETEMBRO.
E' estao titalo de urja seciedade que fun-
dou-se em Pernambdco dwante guerra
do^afagaay, e destinada enUo a pro mover
manit%sta alcan^adiK pelas nossas armas. Ainda estd
na lembran^a de todos na soeiedade do
Recife a parte que tomou essa patriotica so-
t'ciedade na brilbante recepgao que alii se
fez a suas altezas 0 Sr. conde d'Eu e a se-
renissima princes imperial quando, pouco
depois de terminada a guerra, seguiram pa-
ra a Europa.
-Nao lendo mais razao de ser, a soeieda-
de era vagi de dsolrer-se transformou-se
era soeiedade pr&tectora das arles e in-
dustria.
Nesta segunda phase de sua existencia
promoveu nao poucos meios para differen-
tes instituicfies da provincia e sobra tudo
era favor da soeiedade dos artistas meclia-
nicos e liberaes do Recife.
Visava, porem, a Doze de Setembro fim
mais elevado.
Organisou exposi^Oes agricolasannuaes e
provinciaes.
A sua primeira festa ieve lugar a 2 de
dezembro do corrente. Pdde reunir nesse
dia em ediftcio apropriado uma variadissi-
ma collecja-' de productos naturaes, agr-ico-
las e florestaes das mais completas, e que
causou na capital do Recife, a admiraijao
de todos que a examinaram.
Essa exposi^iio parcinl que comprehendeu
os productos dos priucipaes ramos de la-
voura da provincia de Pernambueo, e um
real beneficio, e servira de esti nulo ao deS
envolvimento da cultura. E' tanto mais
digno de apre^o 0 caminhar da soeiedade
Doze de Setembro, quanto todo o seu es-
forgo eofructo ia iniciativa particular de
alguns poucos mocos que alii se de lieam d
causa dos publicos inellinramentos.
Aos que mais se distinguinim na festa do
2 de dezemtiro. vai a AMMdade couferir di-
plomas de marito. M>strou-nos o distiacto
pornambucano Sr. Dr. Gusmao Lobo dous
exernplares desoes diplo nas, um dos quaes,
trabalbo do paiz, e u'ni I e artistico, o-nbo-
fa simples, corao e uma festa do tr Nos quatro angulns .Jo diploma vaem-se
eniblemas representan lo a industria, a ni-
wrjn^So-, a agricullura e 0 enmmercio.
Nao temos senao palavras tie louvor para
casos de pUriotica iniciativa como os da
so tedade Doze de, S-ttembm.
[ He forma).
MARITIMOS
GAPATAZIA DA ALFANDEGA D;
GUCO, RELATIVO AO MEZ DE DE
1873, COSpVARAD') COM 0 DE r*"
187?.
Verbas d receita
Taxa di^ erttbarqne
l)it;i de desembarque
Diia de armazenagem
Dita d^ embarcacSes
DIM de alvarengas
Dita de bagagens
DSta de divorsw
1
mtao
3:901/121
5:079*678
671*700
93**700
66*200
1:2I7*I2
PERNAI-
; i:\umo de
iBUDRODE
e^
00
40*720
3:624*981
W:158*6W
299*500
8271850
239*o00
1:010*830
a.
Alv
es.
erque.
CHKONICA WMCfW-V
-I'rilmaal do coiaJii5rci#.
AiTTA m, SESSAO DE 29 DE )EZEM8R0 DE
! 1873.
RXM. Sn. CONSEI^USIRJ ANSEl.MO
CONTRA 0 FOGO.
A companhia Indemuisadora, estabelecida
nesta pra^a, tooaa seguros mnritimos sobrt
navios e seus carregamfentos e contra fog
rua do Vigario ri. 4, pavrraento terreo.
COMPANHIA
Pheoix Pernambuoaaa.
Toma riscos marilimos em mercadorias,
fretes, dinheiro a riscaje ftnalmente de qual-
juer natureza, era vapores, navios 4 vela ou
harcacas, a premios mufto raoditfos.
RUA DO COMMERCIO H. 3i.
Seguro ciHilra-fogo
THE LIVERPOOL A LONDON* GLO
INSURANCE COMPANY
JtgedVe^
SAUNDERS BROTilERSA C.
UOorpo Santotl
NORTHEftiN.
lanital. a0,000:000!00t
'undo de resem. 8,000:000500f
Agntes,
Mills Lathavi d C.
!\UA DA CRUZ N. 38.
GMPANIIA ALLIANCA
seguros maritimos e terreb-
tres estabelecida na Bahi&
era 15 de Janeiro em 18 7 0
CAPITAL 4,000:000000.
foma seguro de mercadorias e dinbeiro
..co marttimo em navio de vela e vaporei
oara dentro e f6ra do imperio, asstra cora<
.ontra fogo sobre predios, generos e fa
ondas.
Agente : Joaquim Jose Goncalves Beltrao
ua do Commercio n. 5, 1* andar.
ORAGA "'DO RKGIFS 2 DE JANEIRO
DE 1873.
US 3 1/2 HORAS DA TAR3B.
<>otncdet offtelaes.
Assucar -Ganal 1*300 por 13 kilos.
B. de -asconcellos
l'elo pr. sidentu.
A. P. de Lemos
?elo secretario.
Tola! 12:189*157 *6:302*02i
Tisonraria da empreza da9 obras e capalazia
djda alfandega de Pernambueo, 2 de Janeiro de
Antonio lose Leal Reis Fillio
Piel do tbesoureiro.
Gonforme. Manoel Aotonio dos Passos Miranda
Ajudaute do Bel.

C.vPATAZlA DA Ai.PAN'DE'i A
RdMuteMl do di* 2
2iO*7H
VOLUMES *\HIOOS
No dia 2
rTimeira pou
jefnnda porta.....
Tvceira pona.....
Qiarta porta......
fuoiche Coneeicao
8EKVIGO MA1UT110
No dia 2
Na^t.vs atracados no trap, da altatrdej*
(.Alvarenfas........
Vo irapiche Gonceigils
6
5
65
196
262
aEGEBEDORIA DE RENDAS INTKRNAS G&
RAES DE PEKNAMBUGO
:endimento do dia 2 2877*437
GONSGLADO PROV1NG1AL
.eadimeuw do dia 2 26.9jd*49o
RECIFE DRAINAGE.
tendimtnto do dia 1 a 23. .
IESUK0 DA EXPORTACAO DE GENEROS
PARA PORTOS DA EUROPA NO MEZ
7.EMBRO DE 1873
Para Liverpool 6,361
733*715
DO PAIZ
DE DE-
da< eotacoes offl-
novembro.Para
7SHSIDBXCIA oo
ifRANCISCO PBUETTI.
A's 10 horas da manna, presehtes os Srs. de-
udtados secretario Oliuto Bastos, Lopes Machado
^ suppleutes, Sa Leitio e Alves Gilerra, S Exc. o
Sr. conselheiro presidente declaroc^ aberta a jes
sao.
Foi lida e approvada a ac(a da precedente
i-rssae.
ESPEDIKNTE.
OtHcio do presidente e secre ario da junta"dos
: rreHres, remeitendo o boletim
ae< dalemana do 22 a 27 dd
o archivo. ,
Offlcio do corretor AnUMito Leonardo RodriRues
aocusandb o recebitneuto do trtbunal de *Odt
corrente. -0 tribunal noou in< sirado e mandou
irehivar dlto offlcio.
DESPACHOS
R-querimeutos :
" De Jose da Gonceicao Oliveira
dindo qne se regisire a noraea "
i andido Hetiodoro de Souza Mira
reudjBMi
Do memo, registro da non:
Caetam Souza Cousseiro Junior.
De Quinteiro 4 Aze/el>, snfr
iro a noraia-;ao de Adolpho Biru
Edoard-. de Sa Girrua. -Oomo n
lie uaaiel TeixeiraBastos, re_
iro da nomeacao de seus caixeiresVNa forma re
queri'la. "\_,
De D -mingos Teixeira Bastos, trayido a re-
...siro a nomea.;au |unta do sou oaiartA. fltah^
De Carlos Jose de Medeiroa 4 L.,. Apraselrtaado
para telistraifjo-a n-)meacao de Lnk
Chega-n de Pernambueo, a florescente
provincia que a twiureza talhou a tiiu
graiidesdestiiMS, as in.o grstas uotictas.
Um novo acto acaba de realisar a iuicia-
tiv.i ciiala nos-it parte I > i npsno atr os
applausosde quatilos cotihecem, pelas li-
uoes da expertenoia de pows cultos, a be
nlica influencia desses torneios da indus-
tria e das artes, conhe llos ao nome de ex
posicoes.
Nao foi uma obra do governo a exposi-
r;ao agricola que o publico daquella provin-
cia pOle visitar no dia 2 de dezemdro em
quatro vastas salas conveuiontemeiiie deco-
radds.
Duplo 6 o iotepesse que assira nos deve
o facto suscitar a todos-nos brasileiros.
Se uma exposigao agricala e jd de si mes-
mo um acoutecitnento digno de mencao,
sobe de ponto o seu valor ao saber-se que,
sem ser lndifferente a essa tionrosa teutaiiva
mantes tendo-a auxiltado com a oelbor von-
tade, nao foi o estado que a ordenou, nao
foi o estado que a ragOlamentou, nao foi o
estado que a fez, mas sira uma patriotica
assocjac^ao que, desde alguns anuos, func-
cionaregulawnento en Pernamouc\, asso-
ciando-se com generosa espontaneidd ie a
tu-io quanta entende ca o d^seuvolviraeu-
["to da instrucc&o, das artes e das indus-
tries.
Doze M "Setehbro :e o nome dessa
irrrportaote associa^S > que, sem um pro-
le Qainteiwa-^mmadeifciidu, fomuita o yrogresso so-
*m. ciaV^oi BimadillerentHs manif'-stJCOis, mos-
tranuVse em toll a parte onle o concurso
da inidttiva ci lada pode ser um auxiliar
da prosparkjade publi a.
i>audante -a patriotica a-socia^So.
AeXposiijSo agricola q'lft elia
aLFANDRGa
veadimento io d't 2 -
22:022*903
Figueiredo, pe-
its sen caixeiro
Conto.Como
o de Joaqnimj
ittendi a regis:
erendo o reg'u
Detcarregam tMje 3 da Janeiro de l*7i.
Vapor innlez Cordooi (atracado) mercado-
rias para aifan i-ga.
Barca ingleza Fmilur tijolos e retortas jd
despachadai para o caes do Apollo
Patachodinaraarquez Katie -larinha ja despa-
cbada para e caes do Apo Brigue argentino Po/'in(e farinha ja despacbada
para o oaes do Apollo
Barca ingleza Dora carvau ja despacteado
para o trapiehe da companhia peruara
bucana .
Patacho americano Alice -fannha ja despacbaaa
paia o caes do Apollo.
Patacho portug-ez Vand i lagedo para o tra
piche, para despaehar.
saccas de algodao,
12,213 saccos de assucar mascayado.
Para o Canal -1,181 saccas de algadao, 36,6 0
isccos de assucar maseavaJo.
Para Greenock-3,700 saeeos de assucar mas-
sa vado.
Para New-York -20.900 saccos do assucar mas-
'apaS'Boston 2;300 saccos de assucar branco.
Para Hampton Roads-il,300 saccos de assu-
ar mascavado. m ,
Portlaud 10,60.1 saccos com assucar masca-
apara o Havre-1,333 sac:as de algodao, 9,173
ouros, e 200 saccos le assucar mascavado.
Para Hainburgo -1,33'J saccas de algodao.
Para Barcelona 1,4 0 ditas de dito.
Para a Rio da Praia 6,8z9 Oarricas de assucar
oranco e 9IH) de dito mascavado.
Para Lisbua -827 >aec..s d aUodao, 9,032 con
:os, 31 pipas de aguardente, 10.U9 saccos e f2o
jarris de as>uear branco, 10,813 saccos de assu-
iar mascavado. .^...: ,,
Para u i>orlo 353 saccas de algodao 1 ,V9
ouros, 2i2 saccos de assucar branco e 175 ntcs
di dito mascavado. Kn
Par.. S. Misuel -30 pipas de aguard-nte,50 sae-
ca, 6i barricas de assucar branco, 110 saccos e
103 barricas de mascavado.
Portos doBrasd.
Parao RioGrmle do Sal -It P'Das de aguar-
dute, 4 de mel, 6,123 saccos e 4, 01 barricas de
asucar branco 2 >0 saccos e 12 > barricas de dito
?Pm odRio de Janeire- 5,000 meios de sola,
187n saccos de assnear branco.
P*a a Bahia 1,"60 saccos de assucar branco.
Para Maranbao 9P saccos e 150 barrica- de
asucar branco e 0 birricasde Wlto
Para o Para -10 oipas de aguarlente, 18 de al-
col, 4 saccos e 1,110 barricas de assucar branco
Dr. Antonio-HrD
CiruVglio Aatn
Dr. Cosme de Sa Pereira.
Dr. Constancjf'ioaSan
Dr. Daniel
Dr. Estevao
Dr. Ermiro
Dr. Francisco Goncalvwde Moraes.
Dr. Francisco de Paula Soares.
Dr. Francisco Jacintho Pereira da Motta.
Dr. Francco Gomes de Attdrade Lima.
9r. Franeiseoda Cunha Beltrae* A. Pereira
Dr. Francisco Rodrigues Guiraaraes.
Dr. Guatavo Adolpho Walbaum.
Dr. Guilherme Kaegle.
Dr. Ignacio Alcebiadee Vellozo.
Dr. Jose Joaquim de Souza.
Dr. Joao Jose Pinto.
Dr. Joaquim de Aquino Fonseca.
Dr. Jose Joaquim de Moraes Sarmento.
Dr. Jeao Raynrando Pereira da Silva.
Dr. Joao da Silva Ramos.
Dr. Jesuino Augusto dos Santos Mello.
Dr. Jos6 Pereira da Costa Motta.
Dr. Josd de Miranda Cnrio.
Dr. Join Forreira da Silva.
Cirurgiao Joaqnim Jose Alves.
Dr. Jacintho Silvano de Santa Rosa.
Dr. Luiz de Carvalho Paes de Audrade.
Dr. Ludovico Correia de Olireira.
W. Manoet Duarte de Farias.
Dr. Manoel Enedino do Rogo Valenija.
Dr. Manoel Francisco Teixeira.
Dr. Malaqnias Antonio Goncalves.
Dr. Murilio Mendes Viaana.
Dr. Pedro de Athayde Lebo Moscozo.
Dr. Raynrando Mendes Vianna.
Dr. Tnslao Henriques Costa-
DENTISTAS.
Frederico Maia,
Alexandre Richard.
Nuina Pompilio.
William M. Grath.
PARTEIRA.
Delphina Donalila. .
V PHARStACEUTlCOS.
Antonio Maria Marifnto Ferreita.
Antonio Jose de Abren Ribeiro.
Antonio Jose Lopes da Silva.
Agostinlio Jose soares.
Americo Soares Rapozo.
Antonio Francisco das Neve*.
Alfredo Jose Ferreira.
Braz Marcelino do Sacramento.
Candido Monleiro Alves.
Fran-.isco Dornellas Pessoa.
Firmino Antonio.
Francisco Ferreira Maia.
Graciliano Octavio da Cruz Martins.
Honorato Caetano Alve9.
Hermes de Souza Pereira.
Joaquim Marti nho da Cruz Correta.
Jose Pereira Jacintho Junior.
Joaquim das Virgens Lima.
Jose Pedro de Souza e Silva.
Jose Gomes Monleiro.
Joso Elias de Moura.
Joao Pereira da Silveira.
Joao Climaco Freire.
Jose da Cruz Santos.
J. Kirschoffer.
Jose Alexandre Ribeiro.
Jose Maria Freire Gameiro.
Joaquim Ignacio Ribeiro.
Joaquim Rodrigues das Cotias.
Jose Joaquim JordSo.
loao Facundo de Castro Menezes.
Jose Francisco Bittenconrt.
Jean Da maze Rouqueirol.
J .se Francisco de Moura Junior.
Manuel Alves Rarboza.
Marcelino Jose d Britto.
Manoel Thoinaz 'ereira do Rego.
Paulo Jose da Costa Araujo.
Vicente Jese de Brito. _____
'und-
wrreoK afinr de abi se eir, se te *J^?'
nao, dissolver a associacao ; e, :w easo a*P~
vo, aual o destlno qne deve tor o penu^
social. L- .. .
Bibet^o-
lI
Pela mH ".^P0
blico que ?> orrel*, pnneiptam a
contar o 30 (MM flttU, Hr daoao, independBBUe de'^iltt, tot**)** im-
postas, cobrados por Lu^aaenio. perteBceaMM*
anno Dnanceiro do 1873 a 187i, ficando sSJelM a
multa. todos os qnrt forem pages depois de
os referidos trinu dias.
Consnlado provincial de farnarabuco, 2 de )a-
neiro de 1874.

T
aSSHasfH
a*
M

rt*_.
0 dministrador do cousnlado provincial, fa*
publico que no'dia 9 de Janeiro vindooro. se find*
o prazo marcado para n pafamento livre d i niuita.
dos impoitos da decinn ofteanw, e-ae X '/^'twte
a repda dos bens de ra, *"la!ivo M I.*
do exereicio de W73 a 87f, fkando I
multa de 6 % ^os s conlribnintes qu*
depois d'aqnelle dia.
Gansulado Provincial dte Pernambueo.
dezembro de 1873.
O aAniahiraior,
Antonio Cttrneiro Maohad* Riot.
COliPANHIA
DOS
TRILHOS URRANOS
DO
Recife 4 Olinda.
Haveafo no domingo 4 *
eornate, esplea** *fO At
artiticio, na graode fetta 4e
Nossa Senbora do Huh *
Olinda, e>ta couipaalM ex
pedira, alem dos MM 4a
tabeHa, tantos expressos
quanto3 forem nectssarios.
Como costuma haver nessa tarde grandistiau
concurrencia de romeiros, e para qne o trans
porte chegue a todos, nao podera cbegar o uy_u
ao Carmo ; serao at partidas da estacao do >a
radouro todas as meias horas aid II f|S 4a aeite.
on mais se a nece$sid*de o exigir.
0 gerente,
Laurentino Josi de Miranda.
V
liymnasiii Campestre
NA
Povoae.. > do )\Mim.
Sabbado 3 de Janeiro.
0 director deste theatro avisa aos Srs. auoSia-
dos e ao respeitavel publico, que o Urceiro40e-
ucnlo tera lugar hoje 3 de Janeiro de 1B7|, m-
vando a scena o importante Jrama pastoni:
ANJO MAO
I'nnciinai a a 8 l|2 horas.
Havera trem para o Recife dopois do etpecta
' 03 bilhetes podera desde ja ser prooitados
no hotel do Monteiro.
0 film sr. inspector da thesouraria provin-
cial man la fazer publico, que do dia 8 do corren-
te por diante pagara - gados provinciaes vencid is no mez de dezembro
do anno proximo Gndo.
Secretaria da thesou-ana provincial de Pernam-
bueo, 2 de Janeiro de 1874.
0 official-maior
Miguel Alfonso Ferreira. _
Pela thesouraria provincial se faz publico
qne foi tran^ferida para dia 8 do corrente a ar-
remalae&o do costeio da illoiauiacao pobliea da
cidade de G ifauua. _
Secretaria da thesouraria provincial de Pernam-
bueo, 2 de Janeiro da 1874.
Ooffl-ial-maior,
Miguel Alfonso Ferreira.____
Secretana Dnmbuco. 30 ledi-zembro de 1873.
Por esta secretaria. e de ordt-ra do Him. Sr. Dr.
regedor int.-rrai.se dedans quera interessar pos-
sa que no dia 2 de Janeiro proximo vindouro se
ac'haab rtaa matriculados alnmnos deste instituto
e bera assim >e faz publico o artigo 37 dajei^pro-
vincial n. i,12' de 17 do juniio
ssiin di'pde : fieain
AVISOS &UWTM0$,
COMPAHBIA
HESSAGERIES HARIT1MES
ineiifial
dia 7 do
que s
HOViMiNlU
*
Navio entradi no dia l. dejanetro.
Rio de Janeiro e Babia. 6 dias, vapor americano,
ftwtA America, de 2.(50 toneladas, commau
dante Tenk epangh, equipagem 60, carga varios
generos, a Henry Forster & C.
Navios snhidos no mesmo dia.
Polaoa hespanhola Nicacia -xaqueja despacba- Rio Grande do Sul Lugre brasileiro flw Branco,
cai.it.io Joao G mijalve^ Reis. carga assucar.
Rio Grande do Sul Patacho naciooa! Cardia, oa
Lugre
do para ti-rra.
inglez -fljsario-kerozene para o trapietw
ConceiQio, para de>pachar, e farinha }a
despachada para oeaes do Apollo, e ke-
rozene para deposito no traptebe alfande-
gado Vieira.
----- carga assucar.
laiportaeSo. Navies entrados no dia 2 J?ro- p#iBfl
Polaca hespanholai Antonio Maria, entrada do i Rirt de Janeiro e Ba aia b dias vapor "*"
ZZ^i^l .Z ^ nrrnta r-.nnsienada a Pedroli Lde 3,100 toneladas, commandante R. Muddert
equipagem 109, carga varios generos, a Wilson
pitao Jose Lopes de Carvalho carga assucar
Marseille Barca franceza Jeanne dArc, capitao
Sigalo. carga assucar. __,_, M.h.
Canal Brigue ingiez Angeles, <*pMo Daniel Mahy
Jo corrente anno,
evadas a lOOA a pa^a
Uiinensai que"d.vem fazer ao instituto os aluranos
internos ; a 20i a mensalidade dos meiapensio
nistas e a 6 a dos externo-.
0 secetano
Celso Tertuhano Fernandes Quintella.
P f
iAB^COES
Linhn
E-pera-se da n opa at6 a dia 7 do corrente.
nm do< vapo-es desta companhia, segmndo lepow
ds lenura de costume oara BueovAyre*. t.>cando
na Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo.
Para passageiros, encommendas, etc., a tratai
Cm OS AGEJTTES
Harismendy Lnbillc
9 itua do Comment
Marty Maury, manifotou:
Xarque 209,199 kilos aos consignatanos.
Patacho dinamarquez Katie, entrado de New
York em 1 do corrente e coasignado a H. Forster,
ii C, manifeston : ,"
Agua Florida 50 caixas aos consiRnatario?, 50 a
Manoel Alves Barbosa e 4 a A. Caore.
Banha 210 barris a Fernandes da Costa & u,
200 a Souza Bastos 4 C, 150 a Luiz Jose da Cosla
Amonm & C. reu 100 barricas a Fernandes da
Costa & C, 102 aos cohsignatarios. Barricas aba-
tidas 3000 aos cdnsignatanos.
Cabos de vassouras 1 fejxe a campanula Ferro
Carril de rVrnaiutuco. Cumpainhas l caisa a
mesma
I^XaCri-'l^lW^aT^mr;a!irT,>i lo em todo o easo u,-o esU
- >..s ooiimeiDme.nt.js, yol'; e uev* tra,
ra. Va fdrraa pedida. V.
D;Tnemisto;|.-sCaiu'.> do Aguiar, sa^mUndo
fagistro anomeacii de seu caixoiro Jo'ss Ovidig
Js Barros Ldbo. Registre se. V ,
De Pedro Ortiz de Caraargo, satisfazendo odea
pacno do tnbuiil de 9 do andante, para ter lulf
, rgistro de seo c .ntrato Seja regUtrado o c-j;
irato iuoU) ms terra > \ -z que foi cnuitindj o despacho de 9 do corren
De R.im Irraart.4)ara r*gistrar-se a-naraejoao
ia Trajano Gesar o>AiBuquerqua. -Com*r*%B>-
F De Fr&neisco Mamede de Ahneidar-matrioWa
; commerciante. -Deferido.
Ao meio dia, nao tiiven lo raaiA naU *
nar, S. Exc. o Sr. conselheiro pffci
rou a seaaao.
beoeliwius a sorle dessa grant
ustria.de que depeule o luturo de
-
do pu
promopl
uia ensoio rnodesto ?
m pb iato sao menus ere lores
jbfoor ;&fOttieciierito os qu o
*W4U .
rft-J4i uaa Obira d,i iniciativa inJivi-
dda* :a i$to bastaria yari iHcoiniaouJar a
-.ornjnsa tefntijva eixy nn paiz jue, precisb
e U recelier tudo d*
Paries diat canhoneira naeional Araguary com-
mandante V tenente Elesier out.nho de Car-
Imtevideo 20 dias, polaca heapantaoU Antonia
Maria, dc 176 toneladas capiUo Matarot, equi-
pagem 11, carga 209,192 kilos de carne, a P.
Navios sahidos no mesmo dia.
Miw-York e portos intermedios vapor americano
^nuth-America, commandante Tenklepangh, car-
ga a mesma que trouxe dos portos do sul
veroool e portos intermedios -Vapor inglez Ph-
no, commandante Stu Idert, carga a mesma que
trouxe dos portos do sul e algodao que recebeu
ne-te porto.
*ummM$ i wro
Cioverno do li|Io.
Ja diocese de olinda, do coaseltiu de Sj
peradxr. .
Prptft*MB's em face di> nosso, r*
.mad^aaJ&k^mu^Mui-lo MGfihtJ
SKuul "Oinoa bispo. poo quo mur
Mi deixamo* eeU cara dioceae quel
trwsBe&usttr^1'1
a- ind
p* suo-TlkiaL BUas ha na
in- m laento, e evnpi'raiido-se
hc'V"" # quo d*antes,*<*u:
toatim Wta aiguma^a-*ifta<
Ij /Jlfferente aoperaca'i deste
_j wtd-r vigoradar vegetal, h
U Wixo do'faiatftt fed* *
-deBt Ja o* vaeos do cranoo, e a
^d|a- antaa reobido pela* rateea, e
Vroiertamos ontrosim com todays fbttM^nesmos jeye^le^ejomt
n isaa ataa JMM-4Ma *iolensU qne em nwealwna p.trM-dM tagMtomtm
SS^SSrl^ de ser irrogada a santalnonr e wwarnr o cabeW
4 1 a /*i4*a*ieerce' "''
.rAirnue qie tolas as iVepar;
para"o cbello dao resnltadoi tao
K' gimplesmente porque o s^u pff,
(Nacdo.)
C., 35" a Luiz 1<*>'J C..^a Amorim & G.,- tiO*
nagalhU.-n & lnnao.
I^na.Stu*vn!r'C,>^ffVBftfr Lami'e8*9 e
perteacas S.V.Uimii --. .
Mateiia.-^ ,i.i i r >-al\ a companhia Fer<*
Carril de'fei-Jiam'on'). mci lorias dirersas 4
WSflS^ ^rro^ftfllWR.f^
nSopamfoiTar fardo i nWtna.
Pentea de ferro 1 caix* a mesma. nstqias.eear-
luxos 1 viduine c;Mqgg4^(f>^r.Tp,rfIIci
R;!Ji;i,s. Cv ,la,.ie-...t:;o.v uos.
Tapete'-12 ioIos.aos-Mir^
Tlnta vermelba'l p.
.Ferro .Carril l< P'^nj
'a:uq u
OITAIS.
Hoqer t
iBcio.
ra i,< r u:^ kilo* d as xam-nan mis ^4 jr."- ^T*rrjp''
,,*.. tern S ra--
uma _Vlr J^jg l*m\
as
-t.it-
H rar.. affor "i^Jj.3
t2 Oiliei:i dMlt j '
_ I Elle e-ftnnrj
la o absorvdi ^ j
wa em seni ttntttrimto-airOH carr-
him flora*. f->rii'tra *
f5oa*,para re-
dar*-lhe vigor,- brl-'
r
s
liiria'";
1 nia>i;avado.
. Rhza, Pjta
s i,. 3JW'
;u- raascavado.
,- A camara municipal de*ta ci lade faz pu-
blit oara ce ihecimento de quem interessar possa
o trtigo de postnra abaixo tran cripto.
Urt 8 Nos primeiros oito dias do mez de |anei-
rooVcuda anno, todo os medicos, cirurgifles,
phrtrraeeuticos, drugnistas, parteira?, sangrado
TBi, > entistas e vetennarios, mandarao a camara
ioipalad^claraeao de seus nomes, natu^ali
^TOqrada-i aflm de que flla possa mandar
^r a lista de toda< estas pessoas ; os inlrac-
3 serao multados em i0
aco da cam ira municipal do Recife, 19 de
mbro do 1873. .
Theodore ft. F. Pereira da Silva
Pro-presidente.
Pedro de Albuquerque Autran
Secretario.___________
PorordemdoHlm.Sr.coinuiendadorUr Pedm
.Athavde Lobe Bo^coso, inspector da saude pu-
lifa, faco publica a rela^ao dos senhores medicos,
ihlrmaceuticos, dentistas e parteiras, que se a-
hin matriculados tiesta repariic o. -
Se aJauera tiver de fazer quaiquer reelamacao,
'fid* dirigir se a esta renarticao, ate o dia 4 de
iro enrrente.
^pecrao de sande publica de Pej-nambuco, 26
fezembro de 1873.
0 eserevente,
Jose Educcrdo de Souza Landim.
MEMCOS.
SANTA CASA DA MISERICORMA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa easa da
lisericordia do Recife, raanda fazer publico que
aa sala de suas sessSes, no dia 8 de Janeiro
oelas 3 horas da tarde, tem de ser arrematadas a
ouem mais vanlagens offerecer, pelo tempo de um
a tr s annos, as rendas dos predios em seguida
,eClaESTABELECrdENTOS DE CARIDADE
Rua de Hortas
Casa terrean. 118, 2*0*000
Loja do sobradon. 41. ... 306*000
Travessa de S. Jose.
Ca"teTATR.ONi0 DOS ORPHAOS. ""^
Becco das Boias. __
Sobrado n. 18 ...... W
Mua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechada) .- 1:000*090
Rua da Guia
Casa terrea n. 25. ...... 200*000
Ruo do Pilar.
Casa terrea n. 98. |4'*000
Casa teree.n. 99 (fechada) JjJjOOJ
Idem n. !o2 '., !_ I.J '. 241*00,
Rua do Rosano da Boa Vista
Case terrea n. 58fechada ... 200*000
Rua da Moeda. a(ml
Armazera n. 37 (fechadd 600*000
Rua Velha.
nasa terea u. 44....... *
Os pretendeutes dever o apresentar no acto da
irreniaucao as suas liancas, ou comparecerem
K-.0. panhados dos respectivos fladores,
HESSAGERIES MARITIMES.
I.inha inensal
RIO GRANDE
Espera-se dos poi tos do sul ate o dia 9 do cor-
renteV seguindo depois da dem ra do costu-
me para Bordeaux, tocando em Dakar (Gorte) e
1 14 TV \'\
Para condicoes, fretes e pasagens, tnta-w. ec*
OS AGE.NTF.S
Harisiuendy A Labille
9 Rua do Commercio 0
devende
pagar alem da renda, o p.emio da quantia em
iue for seguro o predio que contiver estabeleci
uento commercial, assim como o sernco da um
peza e precos dos apparelhos.
Secretari i da -anta casa da inwencordia do He-
,ife, 2 de Janeiro de >873.
0 escrtvao
Pedro H'hlr Por esta adoii'istra;ao fa/, so sciente aos
contributes dos api-areih .s e au.uudades da -
Companhra Recife Drain i--, iue, era v.rlude da
iHirUria d< lllm. Sr. .os. eel .r la thesouraria pro-
vincial, de hontem iMOW a.-ha-e prorogado ate
o dia 18 de jainiiM pro^ioi. fntoro o prazo para
erecol imento da import.uoia dos me?mos appa-
relhos e annuidades. *: ,,_
Me*aaoconsuUdopruvinwal, 30 de deze ,>bro
Antonio Carnoiro Mchado Rios,
Adm'mistrador. __I
DE
LI,!IT\DA
Huceio, Peuedo, Arueajii
o Bahia.
E'esperado dos portos do sul ate odia 6 di Ja-
neiro proximo futui o o vapor DanJoa, o qnal se-
Suira para os portos acima no dia seguiule ae
e soa cbegada. .
Recebecarga, eciom.neuJas, paa nheiro a trete. __.
AGENTES
Anto.io Luiz de Ohveira Aievedo & C.
57-Rnado Bom Jwns W ___
m
i^asa^^-Rr^w^^
Littiaa quinmeua4
0 PAOUETE
iin
Institute* pfovicsorio dos pro
fessores
NJo se tendo pndido legalraente realisara asso
ciaei d prrtwsores. por uao se lor pnn to <
ter a apDrovaeao dos reapectiv.i. estaiutos 4s
onaes ha einco annos m acham_ saieit is a nir.r-
macio da dlrectoria da in^trnc^ao publica ; cm-
t1dQ,jaa qnalidade de presidenie do dito Institutt.,
aosVSt9.,proi9ssores era geral, e era particular ao>
associadbs, para no dia 3 de janerru pr.xi.no fa
,turo, pelas ft+oras da rnanh^ "
asa n. Jflda pta^a-do Conde '
iMpara.tR1 d Bu dia S do janeire, e de-
S: ,u da dc iituira para a co>u
n Paeificu. via 3ai..... Rio de Janeiro e Rio da Pra-
airoa, encommendar
p .in lipip i r*|. .
H. B. R n*-e n 8r paatageirw ofavtr de
viivin u.ir .-eu* u-u la r.hegada do pa-
qutte.
OS AGENTES
IVilHttn Bowe &C
-'Hit in I ilOMHKRCIO----1
ream rein i:
a (paviraeu
Para
Lisboa.
dias a barca
portafoua
D
rw
(



----- Pera alguma ponca carga qneflie falta.
i m cow E. R. Rabelto A C, a ma da Com-
"i a. *S.
HBtESS0 HffAftfTIMS SB ^QRTO
re*a pTtucugc i* vapor catre l"rtugal c
raall.
0 vapor
ALMEIDA GARRET
Caanuandantr Lnix A. To-
Mptal.
r Dove chegar da Europa at o dia^S de Janeiro
fBWrimo futuro e depois de pequena deiaora den-
tmaeeie porto, segmra para os da Bahia e Rio do
JMHHo.
Heoebe carga, passageiros, oacoramendas e va-
!o*es, sara e quo trata-se com
OS AGENTES
E B. Rabell* C.
48 ROi do Comtneroio 48
Lisboa e Porto
Sague viagem muito breve a galera portugueza
Usboa, por ja se achar coin quasi todo o ceu car-
rapaMBto tratado- Para a aouca cargv one lhe
tafia e passageiros, aos quaes oftaraee rauito bom
-wnodo : trata-se com Tito Livio Soares, rna
do Vigario n. 17.
P1H1
Pretende seguir com brevidade para o Para, o
feille Olitida, por ter pane de saa carga, e para
aqae Ibe falta, trata-se com os consionatarios Joa-
mua Jose Goncalves Beltrao & Fifco, a rua do
GMBmercioa o.
WiKianio Crockes, capitao do brigue inglez
Annie & Lopytr, tendo arribado a este porto com
araria por alboroajio, precisa receber propostas
para o concerto do dito navio : os pretendentes
fioiem entregar ao mesmo em carta feohada ate 7
-4o corrente, no consulado inglez
Lisboa
Para o referido porto preter.de seguir com pouca
deaaora o srigue poitngaez Ligeiro lit, de 1*
... capitao Nobre, por ter a maior pane de
: earrogamento engajado, e para o resto que Ibe
(alia trata-se com os consignalarios Joaquim Jose
GootaivesBeltrao & Filho, a rua do Commercio
B.8.
Allianca Maritima Por-
tuense.
Campaahia de KavegacAo en
tre Portugal e o Hrasil.
A galera portugueza Vasco da Gama segue em
jpooeos dias para o Porto, achando-se ja prorapta
^raode parte do sen earregamento.
Para passageiros e fretes trata-se com o res-
pectivo capitao, ou com os agentes da companbia,
Jose de Silva Leyo A Piibo, escriptorio, a rua da
Companhia Pernambucana.
*-------------------------
LEILOES.
Sesaaaa-Teira R de Janeiro proximo
ftttavo
A' HORAS EM POKTO.
tfa ru* 4a Moeda N. 33.
LEHil
sita
DA
casa depasto, generos o mais utonsHios,
a onta da Moeda n. 33.
SEGdNDA-FEUU 5 DE JANEIRO PRO-
XIMO FUTURO.
As i I horas em ponto.
O $rposto do agente Pestana frra deiUo, par
couU risco do qoem pertencer, pasto, generos e mais utensilios do rkmbo esta-
belecioiento, cnja ehave acha-se livre e desemba-
racada de qualqoer onus.
SEGCNDA-#EmA 5 DE JANEIRO PROXIMO
FUTURO.
As' U horas em ponta.
Ma rna da Moeda \. S3.
LEILAO
AVISOS DVERSOS
A4;>matrtade de N. S. do ferco previne a todas
as pesroas que se aduvam convidadas para assis-
tlrem a hencao das imagons de sen novo tempi),
que em vista de nao porter presentemente S. Exc.
Hvma. conneder li<-nc para taes ados, fiea
'trwwferido para quanta snomcar a licen<;a al-
meijada : para o que faraaantiiiciar.com antoce-
deocia.
AR
BO
VAPOR FRANCEZ
KCA TO HMIAO DA VICTOWA
H. 7Outr'ora NovaN. 7
V
!U Rna do 'perador 49
Novo e ultimo
leilao
DA
loja de fazendas sita a rua da Imperatriz
n. 48, pertencente a massa fallida de
Paulo Fernandes de Mello Guimaraes.
HOJE
As 11 horas
O agente Pinho Borges levara a novo leilao, por
mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de direito especial
do commercio dcata oidade, a armacao, roupa fci-
ta, camisas e ontras fazendas, 1 cofre de ferro, I
carteira e mocbos, candieiros de gaz, espelhos,
mesas, caixas vasias, 1 balcao, armaiio e cabide,
que se acham patentes para previo exarae dos
concurrentes, ao acio do leilao.
DE
4 caiitae com fOO caixinbas com marnelada -em
caixas de papelao enfeitadas.
SG6UNDA-EEIRA 5 DO CORRENTE
as lO boras em ponta
0 ppeposto do agente Pestana fara leilao, por
conta -e risco de quen pertencer, de 4 caixas com
100 caixinhas com-marmelada em caixas de pape-
lao enfeitadas.
SEGUNDA-FEHU 5 DO CORRENTE
as 10 .boras em poDto.
No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
Grande importante
Leilao
OS
vinhos efipeoiaes abaixo declarados, vindos
das docafi de Loadres, em frasqueiras,
das eras de 1815 a 1847, os quaes por
sua especialidade tornam-so recommen-
daveis
QUARTA-FEIRA 7 DE JANEIRO
proximo .faturo
A's 12 boras -em ponto
bo armazem do Sr. Annes.
0 preposto do agente Pestana, competentemea-
te autorlsado, fara leilao jtor conta e risco de
quern pertencer, dos melhones vinbos que tern
vindo a este mercado ate hoja
A SABER:
Diversas frasqueiras com superior vinho do Porto.
Ditas com dito dito bourgonhe.
Ditas com dito dito Madeira.
Ditas com dito dito Xerez.
Ditas com dito dito champagne.
Ditas com dito dito lieor.
Ditas com dito dito cognac.
Ditas com dito dito Vermouth.
Vindos da doeas de Londres
QUARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE.
A'S 12 HORAS EM PONTO
No armazem do Sr. Annes, em frente da alfan-
dega.
Leilao
de
LEILAO
carga e 1
DE
6 cavallos de sells, 4 ditos
burro.
Aoniciodia.
Por mandado do Illm. Sr. Dr. juiz de direito es-
pecial do commercio desta cidaae, e a requeri-
mento dos curadores fiscaes da massa fallida de
Manoel Jose Monteiro Torres, o agente Pinho Bor
ges, levara a leilao os referidos animaes, no arma
zem do sal a rua da Conceigao dos Coqueiros.
DE
6 caixas com 960 hbr8s de manteiga
Copenhague, marca vacca, em latas
d 2 e 4 libras.
Quarta-feira 7 do corrente.
ds 11 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana fara leilao, por
conia e risco de quern pertencer, de 6 caxias com
960 libras de manteiga de Copenhague em latas de
2 e 4 libras, ultimamente desembarcada?.
QUARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE.
as 11 koras em ponto
No armazem do Sr. Annes, defronte da alfandega.
Ama, corn ur-
gencies
Precisa-se, eom urgencia,
m casa de pequena famili :
na rua do Capibaribe n. 40;
****:*******$
m
*
i
1
0
ft
m
*ze-los por precos modicos.; assim como ^.
tambem vende relogios. > 9
aftft^:ft00:ftft
CASA DA NfflNL
AOS 4:000*000.
BILHETES GARAIVTID0S.
4' rua Primeiro de Mar go (outr'ora rut dc
Crespo) n. 23 e cos as do costume.
O abaixo assignado tendo vendido nos
O r-elojoeiro e dourdor
Albino Baptists da Rocba,
de volta da Europa, conti-
niia a encarregar-se de
concertar e dourar relo
gios, bem cuu o ontros
objeotos; rogando a sens
amigos o freguezes o ob-
seqnio de procura lo na -rua Dnqne de M
Caxias (antiga rna da Crazes) n. 32, pa- J
vimento terreo, queoencontrariopromp- jf[
to. A garantia de sens trabalhos e fa- ~^>
*
m
ft
ft

Cakado
franco.
. sen fe-
llzes bilhetes, nm inteiro n. 982oom 4:000*00,
doiw meios n. 1834 com 200*, e outras sortesdeiO*
e 20/ da loteria qne se acabou de extrahir (j|),
convida aos possuidores a virem receber na ton-
formidade do costume, sem desconto algum
Acham-se a venda os felizes bilhetes garantdc*
da 18* parte das loterias a benencio da S;nta
Casa de Misericordia do Recife (82), qoe se extra-
hira na *exta-feira, 9 de Janeiro do eorronto atno.
PRECOS
Bilhete inteiro 4*000
Meiobilhete 2*000
IV POftgAODK 1009000 PARA CIMA.
Bilhete inteiro 3*500
Heio bilhete 1*750
________ Manoel Martins Fiuta
Precisa alugar uma escrava de mjia
idade que seja liel e civilisada para serv^o
interno e ejtterno, pa rua da Vira^ao n. i3.
s
40 canastras com alhos novos.
QUARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto.
0 preposto do ageate Pestana fara leilao por
conta e risco de quern pertencer de 40 canastras
com alhos novos, marca quarta-feira 7 do cor-
rente, as 11 horas da manhS, no armazem do Sr.
Anno, defronte da alfandega.
LEILAO
PENHORES
Na travessa da rua
dasCruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma casa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
fara homrni.
SOTINAS de bezerro, cordavao, peHica, lustre t
de duraque com biqoeira, dos melhorei
fabrkautes.
SAPATOES de bejerro, de cordavao e de case-
niira.
SaPATOS de lustre com salto.
SAPATOES atamancados com sola de pao, pro-
prios para banhos, jitios e jardins.
SAPATOS de tapete, chariot, castor o de tranca
fraacezes e porluguezes.
' Para senhara.
80TINAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
SAPATINHOS de phantasia com salto, brancos,
pretos e de cores differentes, bordados.
SAPATOS de tapete, chariot, castor e de tranca.
Para meninas.
BOTTNAS pretas, brancas e de cores differentes,
lisas, enfeitadas e bordadas.
ABOTINADOS de diversas qualidades.
SAPATOS de tranca portuguezes.
Para nieninos.
BOTINAS de bezerro, lustre e de cordavao.
ABOTINADOS e sapatSes de bezerro, de diversas
qualidades.
SAPATOS de tranca francezes e portuguezes.
Botas de montaria.
Lotas a Napoleao e a Guilherme, perneiras
meias perneiras para homen', e meias perneiras
para meninos.
No armazem do vapor france', a rua do BarJo
da Victoria n. 7.
Mobilia de vimes.
Cadeiras de balanco, de braco, de guernicoes,
sofas, jardineiras, mezas, conversadeiras e costu-
reiras, tudo isto muito bom nor serem fortes e
levos. e os mais proprios moveis para saletas e ga
binetes de recrelos.
"No armazem do vapor francez, a rua do Barao
da Victoria n. 7, outr'ora Nova.
PIANOS.
Acabam de chegar muito bons pianos fortes e
de elegantes modelos, dos mais notaveis e bem
conhecidos fabricantes ; como sejam : Alphonse
Bldonel, Henry Hers e Pleyel Wolff 4 C.: no
vapor francez, a rua do Baiio da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7, a precos muito commodos.
Perfumarias.
Finos extractos,tf>anhas, oleos, opiata e pos den-
trifice, agua de flor de laranja, agua de toilete,
divina, florida, Iavande, pos de arrez, sabonetes,
cosmeticos, muitos artigos delicados em perfuma-
ria para presentes com frascos de extractos, cai-
xinhas sortidas e garrafas de differentes tama-
nhos d'agua de cologne, tudo de primeira quali-
dade dos bem conhecidos fabricantes Piver e Cou-
\
Ha neste estabelocimentn o melhor sbrlimetHe pianos '!>> mais afrDados autort^,
como sao : Uerz, Plejel, Plop, etc. Offetv06"56 t*)rt,n uma fl**alic?w^e de pianos supe-
rior*, mandados expressamente coostruiF P*1"** clima, o qual o amadorw d*-s
bons pianos s6 encontrarao nesta casa.
Recebem-so pianos usados em troca.
Concertam-sc e alinani-se pianos. ^, r
Tambem avisa-sc aos Srs. V
concettadores ipianos
que lia spmpre o mais cotnpli.to sortimento def0l''at>! IM,ra couterUr pianos, com.>
s8o: cepos, folba para os mesmos, cravelhoa
marfim, etc., etc.
49 JRU.t no Oil
irafusos, castor, cacaursa, cordas,
dray.
. armazem do vapor
da Victoria, outr'ora Nova n. 7.
ray
No
lo armazem do vapor francez, a rua do Barao
DAS
dividas da massa fallida de Amorim, Frago-
so, Santos & C., aquellas que ioram a
leilio pela primeira vex no dia 16 de de-
zembro.
Hoje
A's 11 horas.
0 agente Pinto, levara novamente e pela segun-
das, as dividas que fazem parte da massa fallida
de Amorim, Fragoso, Santos & C, e que foram a
"eilao no dia 16 de dezembro, sendo que naquelle
^ffectuar-se-ha a venda com quem melhor vanta-
gem offerecer. 0 leilao sera effectuado as 11 ho-
ras do dia acima duo, no escriptorio do referido
agente, rua do Bom Jesus n. 43.
LEILAO
NA
confeitaria da rua do Imperador n. 26
Hoje
CONSTANDO DE :
atas com ovas de bacalhao, latas com leite con-
densado, ditas de marmelada, ditas com lorabo
de porco, ditas com peixe, vinho Bordeaux fino,
garrafas de licor, ditas de vinho Madeira, ditas
eom vinho do Porto fino, biter francez, frascos
com alcaparras, ditos com ruarrasquino, gar-
rafas de cognac, differentes ntensilios para tra-
.balbo de con/e>taria, como sejam : tachos de
cobre, formas para pudins, bacias de eonfeitar
amendoas, e tambem alguns moveis e 3 fiteiros,
. e bem assim um variado sortimento de cesti-
nhas, caixjnhas, cartuxos com amendoas e con-
feitos, objectos proprios para presentes de festa,
qne tudo sera vendido para hquidar.
pelo agente Martins.
AS 11 HORAS DA MANHA.
DA
taverna da rua do Rosario da Boa-Vista n.
II
QUARTA-FEIRA 7 DO CORRENTE
0 agente Martins fara leilao d'armacSo, generos
e mais pertencas da taverna da rua do Rosario n.
II, em um ou mais lotes.
.___ A's II horas do dia acima.
LEILIO
DE
Uma buna (cofre) 1 carteira, 2 mdchos, 1
prensa ou machina de copiar car tas, 2
cadeiras, 1 mesa e outras objectos de
escriptorio
Ouiila-feira 8 do corrente
As 11 horas da manhi
No sobrado da travessa da Madre de Deusn. 10
primeiro andar.
POR INTERVENCAO DO AGENTE PINTO
Em conttiiua<;ao
Ao nieio dia vender-se-ha o mesmo sobrado edifi-
cado em chaos proprios.
Primeiras Iettras.
Jose de Bittencourt, participa aos Srs. pjs de
seus alumnos, e a lodos os Srs. que lhe quitrem
dar a honra de lhe confiarem seus meninos,para
os instruir em tudo quanto e concernente aipri-
meiras lettra, qne sua escolaestara aberta de7 de
Janeiro em diante. Aqui nao ha decorioes, em
suppre esta falta, sao suas educandas que,para
isso estao habilitadas : rua da Matriz da Joa-
Visu n. 16.
Leil
ao

DO
Sobrado de 2 andares e sotao da travessa
da rua da Madre de Deusn. 10, edificada
em chaos nroprios.
as 19 horas em ponto.
0 agente Pinto levara a leilao, precedida a com-
petente autorisacao, o sobrado da travessa da Ma-
dre de Deus n. 10 ; o leilao sera effectuado no re-
ferido sobrado por occasiao do leilSo dos objectos
de escriptorio.
LEILAO
Bernardino Duarte Campos, Jia-
qnim Duarte Campos, Antonio lu-
arte Campos Junior, mandam e-
lebrar no dia 3 de Janeiro .vindouio,
na igreja de S. Francisco, as 7 to-
ras da mnaha, uma missa poralna
de sua mai, fallecida em Portugd,
tngesimo dia doseu passamento ; para assistira
esse acto convidam a seus parentes e amigos.
presenS
Do anno novo
Oh I vos MOgos E MOCAS, que recebestes >s
presentes de festas do Natal, e que estais na rs-
tricta obrigaijao deretribuirdestaes festas, ide, ile
correndo ou mandai a
Confeitaria do Campos
na vespera do anno novo, que alii encontranis
para ditas
Retribuicoes, o seguinte :
Uma rica caixinha ou cestinha com amembas,
confeitos, doces, etc., etc., etc.
Um fiambra ricamente enfeitado.
Um bolo inglez idem idem.
Um pao-de-16 idem idem.
Um pudin idem idem.
Um queijo inglez superior.
Uma sorpraa sorprehendene.
Etc., etc., etc., etc., ete.
Na confeitaria do CAMPOS
Tao conhecido...
DE
160 saccos com milho.
SEXTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
as 11 horas em ponto
0 preposto do agente Pestana, fara leilao
por
am terreno cultivado com uma casa coberta
de telha, cacimba, com 150 palmos d
frente e 500 de fundo, sito em Agua Fria
em Beberibe de Baixo na estrada das
fioiadas.
**rg;ii nd a fe ira & de Janeiro pro-
ximo fniiiro.
A's 11 ho em ponto,
Na rua k i;; rd H. 33
-O prp-:> ^o afeato Pestana fara leilao, poi
caita e n.-ro ii q i.-iu pertencer, do silio, e casa
acima mei.i-i,>nad"s
jBk BEBERIBE NA E IP DA DAS
conta e risco de qnem pertencer, de 160 saccos
com milho para fechar contes.
SEXTA-FEIRA 9 DO -CORRENTE
as 11 horas da manha
No armazem do Sr. Annes, defronte d'alfandega.
CASAS
Aluga-se a casa n. 17 a rua da Moeda, con ar-
mazem, !. e S. andares e sotao, pintada e caada
de novo, e tudo mais concertado; e lamban a
pequena casa, sita na travessa do becco da Lama
trata:se na rua da Cadeia n. 3.
LEILAO
marca para fechar
DE
149 meios de sola, resto de
conta s.
SEXTA-FEIRA 9 DO CORRENTE
As 11 1]2 horas da manha.
O preposto do agente Pestana far* leilao, por
conta e risco de quem pertencer, de 149 meios
de solla, re-to de niarca para fechar contas.
SEXTA-FEIRA 9 DO CURaENTE
A's H horas da maaha
BOIADAS. no armozem do Sr. An m defronte da alfandega'i. S8 qw athara com uem tratar.'
Aluga-se metade da casa da rna dos Qia'ro
Cantos n. 16, na Capunga : a tratar na mesma
Consullorio medico
DO
Dr. Marillo.
RUA DA CRUZ N. *6, ANDAR.
Recem-chegado da Eurepa, onde fre-
quenton os hospitaes de Paris e Londres,
node ser proenrado a qnalquer hora d*
dia ou da noite para objecto de soa pro-
fissio.
Consultas das 6 horas da manhl as 8 ho-
ras, e do meio dia as duaa da tarde
Gratis aos pobres.
ESPBUALmADES.
Molettias de senhoras, da pelle e da
erianea.
*XX^ffcaX0XiS
Quem precisar de nm rapar pertuguez nara
caixeiro de taverna, tanto para a praca, como
para o matto : dirija-se a rua da Imperatriz, loja
Quinquilharias.
Artigos de differentes gostos e
phantazias.
Espelhos dourados para salas e gabinetes.
Leques para senhoras e para meninas.
Luvas de Jouvin, de flo de Escocia e de camurga.
Caixinhas de costura ornada com nrasica.
Albuns e quadrinhos para retratos.
Caixinhas com vidro de augmentar retratos.
Diversas obras de ouro bom de lei garantido.
Correntes de plaque muito bonita3 para relo-
Kins. /
Brlncos a imitacao e boioes de punhos de pla-
que.
Bolsinhas e cofres de seda, de velludo e de con-
rinho de c6res.
Novos objectos de phantazia para cima de mesa
e toilette.
Pincinez de cores, de prata dourado, de aco e
de tartaruga.
Oculos de aco fino e de todas as guarnicSes.
Bengalas de luxo, canna, com castdes de mar-
nm.
Bengallas diversas em grande sortimento para
hoinens e meninos.
Chicotinhos de baleia e de muitas qualidades
diversas.
Esporas de Urracha para saltos de botas.
Ponteiras de espuma para charutos e cigarros.
Pentes de tartaruga para desembaracar e para
barba.
Ditos de marfim muito finos, para limpar ca-
heca.
Escovas para roupa, cabellos, nnhas e para den-
tes.
Carteirinhas de medreperola para dinbeiro.
Gravatas brancas e de seda preta para homens
e meninos.
Campainhas de mola para chamar criados.
Jogos da gloria, de dama, de bagatellas, de do-
mino e outros muitos differentes joguinhos alle-
m4es e francezes.
Malas, bolfas e saccos de viagem de mar e ca-
aiinhos de ferro.
Argolinhas de marfim para as criancas morde-
rem, bom para os dentes.
Bercos de vimes para embalar criangas.
Cestinhas de vimes para braco de meninas.
Carrinhos de quatro rodas, para passeios de
criancas.
Venezianas transparentes para portas e jane lias
Reverberos transparentes para candieiros de
gaz.
Estereoscopos e cosmoramas com escolhidas
vistas.
Lanternas magicas com ricas vistas de cores em
vidros.
Vidros avulsos para coismorama.
. Globos de papel de cores para illuminacoes de
festas^
Baloes aereostaticos de papel de seda mui facil
de subir.
Machinas de "varios systemas para cafe.
Espanadores de palha e de pennas.
Tesourinhas e canivetes finos.
Tapetes com vidrilbos para mangas e lanternas.
Tinteiros de lonca branca, modelo bonito e bom.
Tiras de molduras douradas e pretas para
quadro8.
Quadros ja promptos com paysagens e pbanta-
zia.
Estampas avulsas de santos, paysagens e pban-
tazias.
Objeetos de magicas para divertimentos em fa-
milia.
Realejos pequenos de veio com lindas pecas
Realejos barmonicos on accordions de todos os
amanhos, e outros muitos artigos de quinquilha-
rias difflceis de menctonar-se. No armazem do
vapor francez, "rna do Barao da Victoria, outr'ora
Nova n. 7.
' Medidas de 40 a 100 metros,pes e palmos para
medir terrenos.
Brinquedos para meninos.
A maior variedade qne se pode desejar de todos
os brinquedos fabricados em differentes paries
da Europa para entretenimento das criancas tudo
a precos mais resumidos que e possivel: no ar-
mazem do vapor francez, rua do Barao da Vic-
oria, outr'ora rua Nova n. 7.
Cestinhas para costura
Grande sortimento de bonitos modelos chegadoi
ao armazem do vapor francez, cua do Ba-ao da
Victoria (outr'ora Nora) a. 7.
56 aRua do Marquez d\01inda 56 a
(outr'ora rna da CFeia)
LOJA DE MiCHINAS
Sendo este antigo estabelecimento assaz conP^o como principal e recommen-
IMO pelos grandes depositos e bons sortimentos cfi 1ne sempre prima em ter das
mejuores, mais acreditadas e verdadeiras machinf americanas para ulgo -
So, desde 10 & 60 serras, e havendo em todo?s tamanbos diversidades de syt>
mas e melhoramentos para perfeito e rapido desc-?ament0 ; tornam-se dignas <:.-
serem vistas e apreciadas pclos Srs. agncultores s quaes, alem disto, encontrar^c
tambem mais :
Apurados vapores locomoveis, de forca
de 2y e 3'/i cavallos com todos pertencas
precisos para trabalharem 4 machinas para
ilgodSo, ou para outro qualquer mister.
Machinas para lavar roupa.
Arados americanos para varzea e ladei-
ra.
Carros de mSo para atterros.
Tinas de madeiras.
Baldes de dita.
Ditos de ferro estanhado.
Ditos com valvula para lavatorios.
Ditos de madeira para cornpras.
Apparelhos para jardins.
Guards-comidas.
Tampas para cobrir pratos.
Tarrachas para fazer parafuzos de ferro.
Dita dita ditos de madeiras.
Trens para cozinha.
Emfim muitos outros artigos, que s6avisla e ne.18 estabeleomoderloentp i i
laminados.
TeniL de bandeijas linas.
Corra65 P*1"8 arrastar madeira.
HjlinAM americanos para padarias.
PerteJ*5 avulsos para machinas.
Salitrfrefinado.
Breu iperior.
Moinif de diversos fabricantes para rr^
lho e car
Debulfdores para milho.
Azoitef spermacete para machinas.
Camas^ ferro.
Bombajfte JaP)'-
Ditas africanas-
Cofres (\ferro patente.
Cannos \ ferro esmaltados.
Ditos de?t0 estanhado.
Ditos de pumbo.
Ditos d urracha.
Folles p ferreiros.
A VERDADEIRA TINT;., VIOLETA
. I
JOSE FERREIRA DA SJ li ^
SUCCESSOR
DE

5^>
o
a
SANTOS NKVES 2
Condnua a vender a ve.rdadeira tint. vioJa\x,lil.lill;) ^ Mo|1|ei.
ro, em meias botijas o quartos, a retalho e
Em grosso com vantajoso /lesconto '5s
mik PRIMEHIO DE M4Rf;o n. {8 9
ANilGO DEPOSIT 0 \
ohimok oa mi-um I
L1NHAS
DE
RETROZEDEALGO-
DAO
DE
IQDaS
As
CORES
ULSAS
E
Aceessori< s
PARA
QUALQUER
PARTE
Machina
Com as falsificac,des que tem apparecjg0
Oc abaixo assigoados deel nm ao respeita-
vel pnblico desta cidade, e com .-pecia-idade ao
commercio, qne por motivos, que ?6 a olles diiem
retpeito, resolveram hquidar o armazeii' de agen-
da na rna do Viyano n. 1 por isso. peden a
todas a* peisoas H ie urn ohjectos no m =rao ar-
mazem a virem retira-tos ri<"' prasn de 6 ^'a.
Recife, 31 de dezembro de I8~3.
Raymundo R<" igfo de Mello unidfc
P..r r.ifu pai J Miria Peslaao.
0 prep t> Jaqi. xtaxim;nno Pestana.
O
00
DAS MACHI5AS PARA COSTURA
' DE
SINGER
Porque?
uma ma-
china Singer elegi-
| tima jenaolevar"%
in
a esta m^rca fixa .
rg braQo^ machina.
7
Para evitar falsi-

fica^ocs notem-se g
be m todos os deta- ^
a
lhes da marca. <3
7
*
L_jmii_l LJMBft
i



I
RDA DO JffiUM N. 52
(Passar lo o chafariz)
It* Ut UJ
aovo aortimento
o qne com a in?
PEDEM AOS Manor
ifiinismo o favor de dc
de cngviiju e outros agricul.jf. sf %e aip;<.g;.d
visite aae
(onpleto qoe abi ton; aando tndo '
oecclo peaaoal po4#M vfi-ificar. .
ESPECIAL ATTENgAO AO ffJMERO 8 LUGAR DE SUA FUNDICAO
XT a iinriiu A rnrlaa (\* ^rvna d08 mais mo'1ernns ly^ioaa eem ta
VapvrOo tf iVUW U vgua manhoa coovenientea para as diversas
tircnmstanciaa doa aenborea propriet, rioa'e para descarogar algodio.
MoendaS de CaniU oatamanboa, aalmelbore. qoe aqai
Eodas dentadas a,aUMM* ***.
Taixas de ferro fu idido, batido e de oobre.
Alambiqnes 9 fane os de alambiques.
WapVliniamna part ma lioca e algodio,! Podendo; todos
aaiwmnloifIUP # para swrarmadeira. \ser movidoa a mio
Romhaa 1 (Pr ?*01' ****
uvuiwm de patente, garantidas........ |oa ammaes.
Fai qualquer conerto da machi-,nl0' apre aIre8an>id0-
FomiaS dfi feiTO m ,s melborei e mais biritas existentes no mer-
tUnAnrnmanrlfla lDC -be-sfl de mandar vir qaalqner macbinismo i von-
ouuuiuuiouuao. UtTtdos clientea, lembrando-lhea a vantagem de faierem
mat compraa por intermedio de p* soa entendida, e qae em qaalqner oeceaaidade p6de
Jm preatar aaxilio. 1
Axados americanik in,lraawn,ot a8ricolM-
RUA Dff BRUM N. 52
PASSANMO O CHAFARIZ
FUNDING DE FERRO
4' raa do Bar&o do yriorapho (ma do Bruin) ns. 100a 104
CARDOSO RECEBERAM de Inglaterra complete sortimento de ferragens e machinas par* en-
eenhos, as mais modernas e melborobra que tern vindo ao raercado.
VapOreS d6 forca de 4, 6, la 10 cavallds.
vAldCira.S de sobresalentl para vapores.
MOnQ3jS mteiras e ml as moendas, obra como aonca aqni veio.
laiXaS IUlKlldaS e baujas, dos raelbores fabricantes.
KOQaS Q aglia com cubaje de erro, fortes e bem acabadas.
KOQaS uentadaS de tedos os tamanbos e qualidades.
RelogioseapitOS p| vapores.
liOIIlDaS de'ferro, derejmcho.
Al*a_OS de diversas qualidades.
r OnnaS para aSSUC&r grandes e pequenas.
ConCGrtOS concertam c0! promptidao qualquer obra ou macbina, para o qne teem
sua fabrica bem montada, com grande-e bom pessoal.
J^7ll*OIBiTH*nd_^ HMD^*0 Til Pr oucwuimeutla da Europa, qnalqner machinismo,
. __ias pflra Q (^je M correspondem com uma respeitavel-casa de Londres
* com nm dos melhores engenUeiros de Inglaterra ; incumbem-se de mandar assentar
'ditas machinas, e se responsabilikam pelo bom trabalho das mesmas.
Rua do Barao do Triumpho (rua do Brum)ns. 100 a 104
FUNDICAOlDE CARDOSO d IRMAO.
Este remit, cuja falta a ui tanto sentem
us rs, fabricaiit s P possui'l'ies do carrot*
gens, aralw de >\<- g-'r rnra sou unicd depn ;
sito, das s guiulcs qnalidad.;*.
VER.MZ SU'KRKIX* PARA t'.\l\
i:.AUHIJA<.t.NS.
E' um verniz muito cfaro e duravel para
as caixas do carruagens, para todas as de-
rnaos, ou para a ultima somente, sobre
outros vernizes. A snperficie secca em 13*1
horas, depois das quaes se etpoc ao ar por
algum tempo, o que fazeudurecer, e passa-
das 15 a 18 horas pode passar-se a caixa a
pedra pome e dar-lbe em seguida outra de-
mao. Dao-se com facilidade tres demaos
deste verniz sobre as tintas, em tres dias.
A primeira demao servindo de apparelbo,
ajuda a seccar as ultimas demaos e produz
um excellente brilho.
Verniz superior aeccaute para
carrnagena.
Este verniz e da mesma cor que o ante-
cedente, mas endurece e secca com mais ra-
pidez. Emprega-se com bom exito nas
obras urgentes, e pdde misturar-se com o
anterior. A duragao do verniz permanente
diminue na proporpao da mistura.
VERNIZ SUPERIOR ELASTICCO PARA OS
JOGOS DAS CARRUAGENS
Nao e tao claro como o verniz para as
caixas das carruagens. Emprega-se nos jo-
gos das carruagens e tambem para as pri-
meiras demaos sobre cdres escuras. Pode
passar-se a pedra pome passadas 10 boras,
podendo dar-se em seguida outra demao.
Verniz preto do Japfto, superior.
Para trabalbos em preto de carruagens.
Produz o preto mais escuro e brilbante, e
p6de passar-se a pedra pomes 10 horas de-
Sois. Deve dar-se duas demaos sobre um
undo preto e cobrir-se com outras duas de
verniz que se emprega nas caixas das carrua-
gens.
VERNIZ PARA COUROS, aBRILHANTE E
ELASTICO.
Este verniz, contendo na sua composigao
grande quantidade d'uma substancia muito
semelhante aoaeeite denominadopieds bceuf,
6 o unico qe di flexibilidade ao couro ve-
rho envermsado. Em geral basta uma de-
mao que deve ser applicada muito ligeira-
mente, com um pincel depois de ter limpo
o couro com agua-raz. Exposto ao sol ec-
ca em 1 -ou 2 horas, e & sombra mas ao ar
secca em 4. Em tempo humido e inutit tal
trabalbo, por que nao e*possival tornar o
vernk elastico e seccante ao mesmo tempo,
Verniz para appnrelho.
Depois de ter apphcado 2 ou 3 flemaos
deste verniz n'um intervallo de 8 horas, de-
ve-se deixar a obra into eta por 2 ou 3 dias,
no Bra dos quaes se pode pulir com extre
raa fecilicidade. E* essencialmente neces-
sario cobrir este verniz-com duas demSos do
verniz superfino para caixas de carrua-
gens.
VERNIZ SECCANTE. .
Mistura-se com as tintas de apparelho, e
sobre tudo coin as tintas moidas, para que
sequem mais facilmente e para lhes dar
mais consistencia.
PECHINCHAS
>6 o n.,29
RDA DO fcHESPO
L0.IA m 1 P0RT4S
Or coMimii.i n Tf iid'-r muito IhtMo pira apnrai
muito diiihtiro.
CASSA LA
Chegoa esta fazt'nda,seuilolindospadr5e3,evcn-
le-se pelo dimiuuto prec-o de 800 r. o covado, e
pechincha 11 I dao-so aiwstras.
METINS
Proprio para vestidos o que ha de mais gosto,
padrdes novos, pelo pre?o de 400 rs. o covado, e
pechinchat I I doSse amostras.
LA3 ESCOCEZAS
Lasinbas escocezas, padroes bonitos, a 240 rs. o
covado.
Dilas com listras, padrSes modernos, a 180 rs. o
covado.
Ditas la e seda, padr3es modernos, a 640 rs. o
covado, e pechincha I I dio-se amosu-as.
ALPACAS DE CORES
Alpacas de cores, padrSes bonito9, fazenda de
IflOOO a 400 o covado, e pechincha I 1 I dao-se
amostras.
CRETONE
Cretone em pecas pequenas, com bonitos pa-
drSes, pelo diminuto preco de 400 rs. o covado, e
pechincha 11 I dio-se amostras.
Cortes de casemira dj cores, a 5XC00 cada nm.
Cambraia de linho de cores, a 360 rs o covado.
Ditas pretas para Into, a 240 rs. o covado.
Pustao branco para ronpa de meninos, a 360 rs
o covado.
Brim pardo e de cores, a 400 e 440 rs. o co-
vado.
Cobertas de chila adamascada, a 3,1500 rs.
Colcbas brancas e com barra de cores, a 34500
e 4/000.
Lencoes de bramante, a 2/000.
Dites de algodao, a 1/400.
Toalbas alcochoadas, a'6/000 a duzia.
Ditas felpadas, a 6/500 a duzia.
Lencps de cassa com barra, a 1/000 a duzia.
Ditos de cassa abanbados, a 2/000 a duzia.
Ditos de e?guiio finos, a 3/500 a duna.
Cambria lisa transparente a 3/000 e 4/500 a
peca.
Cambraia Victoriaa a 3/800.
Atoalhado adamascado, a 2/000 a vara.
Dito trancado, a 1/400 a vara.
Fustoes de cores, a 1/000 o corte.
Chales de merino liso, a 2/000.
Ditos estampados, a 3/500,4/000 e 4/800.
Ditos com listras muito finos, a 5/800 e 6/000
Esguiio muito fino, a 2/000 a vara.
Brim preto trancado, a 2/000 a vara.
Bramante de algodio, a 1/600 a vara.
Dito de linho de 9 e 10 palmos de largura, a
2/300 e 2/800 a vara.
Algodao marca T, a 3/000 a peca.
Dito domestico, a 3/000 a peca.
Brim de algodio com listras proprio para cami-
sas, a 400 rs. o covado.
Nanzuc cambraia de cores muito fina, pelo di-
minuto preco de 400 rs. o covado.
S6 na rua do Crespo n. 20
AHENCAO
Prccisa-se alngar uma ama de meia idade,,po
rem qne seja prela. aue nao t-nlia virios nem
,11'haqiiw, c que liihict.i, i-sm coin
I'rur e cvziLna* mi* u:;u J'-' :i !"'--"" :V
i lrat.tr r... ti.i.'i o '.1: O*.!; >V< '-|m.u. .-a
>* trirci prandje, rt;:i : bliio a.> lud>.____
~~~.\\::q:i s.- o ..: '< -'/ sobradoda rua do I'om Je?u;, pnti'ura daCrns,
n. 20, proprioi para esrabelccimenfo comine'rcial:
a tratar na rua do MarguM J* Olinda n. 58.
Escravo iiigido
300^000 degratifica^ao
Ausentou-se desde o dia 13 de maio de 1872 o
preto de nome Alfredc, representa ter de 30 a 40
annos de idade, t perfejto cozinheiro, alto bartante,
e bem magro, pouca barba, olhos grandes, e muito
ladino, consta que tern pai no cngcaho do Sr. Luld
de Caiari, em S. Lourencp da Malta. Este preto
foi cozinheiro dos negociantes Adriano A Castro e
Sr. Jose Joaquim Goncalves Bastos, o julgase
qne esteja alugado em algum hotel ou casa parti-
cular nesta cidade, como forro : pedese a todas
as autorldades e capilSes de campo, que o desco-
brindo, o tragam a rua Doque"de Caxias n. 91, loja
de miudezas do rival stm segundo, que serao gra
tiflcados com a quantia acima. ________^^
MOFINA
Esta cricouracado I!!
A;fua ihoIc cai it-(if: duru
i'aitto :!a nt <*? ;j t'nra.
'.Vy.-i -- ... lilm, ?r. i^'.*' rivi- i..': '.'.. '' y^.u'rih ti* j,r.Aiiieia,
l ij. nr i:... ia..|ue tt* uai.-.s 36, a n-
doir aijucile kegock) que S. S. se ctunpromelUD x
realgar, pela tcrccira ouamada deste jornal, tm
5d; de di-zembro ile 1871. e ueoois para janairo,
passoa a fevereiro e abril de 1872,e nada cnmpHo;
por este motivo e de novo chamado para dito
am, pois S. S. se deve lembrar que esta negooo e
de mais de oito annos, e quando o Sr. sen nlho se
icbava nesta e idade.
I
Na rua do Barao da Yictoria n. 36 precisa-s
allar ao Sr. vigario Andre Curcino do Araujo Pe-
eira, negocio de sen interesse.

Descoberlas medicinaos B

#
m
n
ANTONIO
Rua
m DE AZEVEDO.
ova n. 11.
IPIANOS.
Ouerendo definitivamente liqiidar este negocio, vende todos os que tem, ^novos e
isado6, pelo preco do custo de factura.
Tambem aqaba derecebero seguinte:
OLEADOS inglezes para assoalho de salas, de muitos lindos desenhos de 11 a 33 palmos
de largura a 100 de tomprido, podendo forrar-se uma sala por grande que
seja com oleado intei
MAGNIFICOS espelhos ovaes pa
ANNEIS electricos para curar d
MUITO lindas gravuras, grand
(tRAMPOS para segurar roupa
TALAGARCA e papel picado pan
VERDADEIRA agua de colonia
E muitos outros artigos, e
Como nao c necessario dar lustro a ultima
demao de verniz empregado nas caixas de
carruagens e no dos jogos, conv^m dd-lo
n'um local separado aonde nao baja p6.
Quando a obra urge,- deve pdr-se a sombra
e ."< ar livre depois do secco, des 12 horas, lava-se e unxuga-se bem com
uma esponja humida. Quantas mais veze
se lizer isto, mais brilhante ncard o verniz,
e mais depressa ss terminara a carruagem
(em caso necessario tres dias depois da ulti-
ma demao). Durante as duas ou tres pri-
meiras semanas deve-se lavar a carruagem
com agua fresca, depois de ter ser-
dido.
Os frascos devena conservar-se sempre
bermeticaraente tapados, o resto do verniz
nae se deve deixar ficar no frasee, e p6de
usar-se para as primeiTas demaos.
NSo deve misturar-se com este verniz ne-
nhum outro ingrediente, nem agua-raz, e
de nenhum modo com o seccante. E' pre-
ciso limpar bem os vasos e os pinceis, e o
melhor e servir um .piucel para cada ver-
niz.
Deposito unico para o Brasil, Rartholo-
meu & C., Pernambuco, Rua do Rosa-
rio n. 34.
Pharmacia Torres
O abaixo assignado, cbimico pharmaceutico,
graduado pela faculdade de medicina da Bahia,
participa ao respeitavel poblico e aos Srs. medicos
clinicos deSU capital, que tendo comprado a bem
conhecida pharraacia do Snado Ignacio Pessoa da
Silva, sortifla de medicaraentos novos, preparados
francezes, dos melhores autores, tintas de todas
as qualidades, e avia qualquer receita a qaalqner
hora do dia ou da nolte, com todo o esmero, asseio
e prora'ptidio. sem fazer substituicoes, por precos
os mais razoaveis possiveis.
Manoel Thomaz Pereira do Rego
Shaw, Hawkes 4 C fazem sciente^ue, ten-
do se retirado de sua firma social o Sr. C. J.
Shaw, a casa continuara de hoje em diante sob
a firma de Hawkes & C.
-Pernambuco, 1 de Janeiro de 1874.
mmmmwmmr
FESTAS
ornamentos de salas.
res de cabeca. nevralgias e nervoso.
para quadros de sala.
iendida nas cordas, a 208 rs. a duzia.
bordar com \i ou seda.
garrafas empathadas.
por barato preco.
MM! AilR
L5000
PARA
31arcar vestidos, roupa de cama, guardanapos, lencos,
meias e todo genero de roupas
COMO TAMBEM
Cartdes devisita, livros. envelopes etoda a (^alidade de
papeis, elara e exaclamente com o nome competente da pessoa
Garante-se dar uma chapa tSo boa como poderia conseguir-se em Londres ou> Nova
y'ork, e affian^a-se igualmente que a tinta sera indelevel.
You can bet your bottom dollar on that
Cada chapa como nome da pessoa e acompahada de dous frasquinhos de tinta, um
pincel, ama direceflo sobre a maneira de empregar a chapa e uma receita para fazer
linta, costando tudo \
Preco fixo \ 3^000
Em letra de mio e gothica
\RGOIAS VMYAV1C VN VS
PARA CHAVES
Sao muito coraraodas e possuem as seguintes vantagens :
Servem para ajuntar as chaves, e ao mesmo tempo sendo chatas, ha liflar para o
nome e moradia do dono.
Sfio facets de abrir e fechar, deiiam entrar a maior chaVe sem oi
argola. --.
Sio feitas de prata allemd e nao sao sujeitas a enferrujar, quebrar ou abrir
argolas de a$o, slo muito fortes e bonitas. Cada argola amerioana com o nora
dia do dono, aberta na mesma, custa :
Preco fixo
P.LATIRO MACPHERSON
NO HOTEL ESTAIMfiT
Rua do Liipi'rndor q. 32
TODOS OS WAS CTfcIS DA1- -i HORAS AO MEIO DIA.
Aluga-se uma eserava para o servioo
rua da Gloria n. 146.
na
Aula particular de instruc-
clo elemental!, naruada
PoBte-velha n. 101
Felippe da Costa Dourado faz scientc aos pais
de feus akimnos e a todos aqaelles que quizerem
confiar-lbe a educacio de sens filhos, que no dia
7de Janeiro proximo vindouro terao comeco oe
trabalhos de sua aula, os quaes consistem em
leitura de presa e verso, caligraphia, arithmetica,
systema metrico. grammatica portugueza, etc. etc.
*. Precisa^e de um caixeiro de taverna de 14
a 16 annos de idade : na raa do Lima em Santo
Amaro n. 15.
omo as
mora-
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-st
allar aos Srs. Pedro do Rego Chaves Peixoto e
o6 Paes da Silva, a negocio de particular into-
Precisa se de tima escravi para cozinhar
e comprar : na rua Primeiro de Marco d. 23
oja.
Aos pais de familia
A professora particular, abaixo assignada, avisa
aos pais de suas alumnas e mesmo a todos os che-
fes de familia, que quizerem conftar-lhe a educa-
cao de suas nlhas, aue no dia 12 do corrente mez,
principiam os trabalhos de sua aula, onde conti-
mia a ensinar a ler, escrever, contar e grammatica
nacional, inclusive todos os trabalhos de agulha,
bem como bordados de matiz, ouro, alto relevo,
ensina com gosto a fazer flores e trabalhos de cro-
chet e la, e a aquellas meninas que mais se quei-
lam aperfeicoar, ensina o francez, musica, piano,
danca, pois tem para isso habcis mestres. Aceila
externas e internas, e espera a proteccao dos che-
fes de faiiiilia, promettendo em compensacao gran-
de desvello no cumprimento de sens deveres : na
rua do Cabuga o. 16.
Fortunata Fortes.
Aula particular de instrue-
cao primaria
Manoel de Souza Cordeiro Simoes pre vine aos
senhores pais de seus alnmnos, qne no dia 12 do
andante se ha de acbar sua aula aberta em con-
tinnacao do* sens exereicios ; bem como ae res-
peitavel publieo, que continda admittir alumnos
exte'nos e intfrnos, pensionistas e meio-pensio-
istaii : na rua travessa dog Exposto?, 2* andar
da i*asa n. 16.
Aiuga s- barato umai mei-aguas novas, na
trave-a ^s Barreiras (becco do Aquino): a tra-
lar us rna il> iiv.llii n. 25.
Vistuarios de fustao paia meninas a
4*000.
Ditos de cambraia .. 'abados a
6*000.
Ditos de alpaca enfeitados a 7*.
Rua do Crespo n. 10.
mmmmmmwmwmm
orraena para limas
Recebeu a pharmacia Torres, de primeira qua-
lidade, por commodo preco, vinda pelo vapor
Ceard.
ma BACHAREL
MANOEL DE SIQUEIRA CAVALCANTI
1" o Preservative da ery-
slpela : para curar com certeza, e
en. pouee tempo, qualquer ataqoe de
erysipela, e prevenir o sen reappare
cimento.
Este medicamento tambem e muito
poderoso para o rheumatismo.
o ReRulatlor da mens-
truncao : para falta, irregularida-
de, suppressao repentina da menstrua-
cao, e dos lochios, assim como para
todos os soffrimentos devidos aquellas
jj, an"ecc.5es. Ambos extes medicamentos
ja sao muito conceituados, e procura-
dos nesta provincia, e na do Rio de
Janeiro.
Acham-se a venda somente em casa
do autor, das 9 horas do dia as 3 da
!fc tarde, e a qualquer hora em cases ur- .gK
V gentes. W
^ GRATIS AOS POBRES %&
^ Rua da Imperatriz n. 14, 2 andar. Casa de campo
Offerecese a quern quizer fazer os concertos
necessarios, o arrendamento por algnns annos, de
graca, da excellente casa sita na Porta d Ajrua,
que foi do flnado Dr. Joaquim Pires Carneiro Mon-
teiro, passando-se escriptura para maior seguran-
ca. A localidade e muito salubre, e a casa muito
fresca, tem magnifico banho de agua doce em
frente, e e muito commodo visto que o trem passa
iefronte : quern pretender pode dirigir-se ao Sr.
Francisco Carneiro Monteiro, em Apipucos, ao
Sr. Francisco Ignacio Pinto, na rua do Bom Jesus,
ou ao Sr. Cannan, a rua do Commercio n. 40.
Banhos eares saudavcis do
Monteiro.
Aluga-se alii duas pequenas casas muito em
conta para quem precisar de bons ares e banhos
frescos : a tratar a rua do Barao da Victoria, ou-
tr'ora Nova n. 7._______________________________
Aluga-se uma excellente casa na povoacao
de Duarte Coelho, em Olinda, com bons commo-
dos para familia; a tratar com Jorge Tasso, rua
Amorirn n. 37.
nm ruBUCHcOES musicaes.
.4. J. (lMzevc(lo-nun.\ovu u. If
Acabam de publicar-se, e acham-se a
venda as seguintbs musicas :
PIANO SO'.
Danse espanhola, por Aschor
Arabella, mazurka, por G. Wer-
theimer
Valsa do Fausto, por Croyzes
Sonuo de uma virgem, por Alber-
ta zzi
Anna la Prie, cavatina
AoClair de la I.u.ne, por Bussmeycr
ESTRELLA DO >0"Elpolkabri]hante jjjooy
SAUDAg.vo ao Bahia (
Cricket, por Scixas, offerei ida aos
chrickcls club pernambucano e
babiano i^OOO
PIANO E CANTO.
Desespero, muito Undo romance
por I. Smoltz 25000
Non m'amava, romance por Guercia 13000
Tambem reeebeu da Europa grande sor-
menide musica para piano, piano e
antoudos, methodos, etc. etc.______^^
2-3000
1C300
i#000
15000
15000
15500
SAQUES
Carvalho & Nogueira, na rua do Apollo
n. 20, accam sobre o Banco Commercial
de Vianna e suas agendas em todas as-ci-
dades e villas de Portugal, A vista e a prazo
por todos os paquetes.
% Oiiiion Duaile & Imfte
% Caklkireifo

8
0 Rua da Imperatriz n. 82 0
S Rtceberam uin grande e variado sorti- m,
mento de tran.as de cabello artiflcia lpara 'tf.
os penleados modernos que vendera pelo y
, baratissimo pre?o de 6 cada uma. /
Cozinheiro
Precisa-se de um bom coiinheiro : a tratar no
largo do Corpo Santo n. 19, andar.__________
Precisa-se
ozinheiro : a tratar no hotel U^
CASA DO OURO
Aos 4:0005000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos seus
muito felizes bilhetes a sorte de 7004 em um
uieio de n. 3308, a sorte de 100j em um meio de
n. 3669, e um bilhete inteiro de n. 1800 com a
sorte de 1004, alem de outras sortes menores de
40*000 e 20*000 da loteria que se acabou de
extrahir (81*; ; convida aos possuidores a virem
receber, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publieo para vir ao sen estabelecimento com-
prar os muito felizes bilhetes,que nao deixarao de
tirar qualquer j^emio, como prova pelos mesmes
annuncios.
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
rantidoa da 18* parte da loteria a beneflcio da
Santa Casa da Misericordia do Recife, que se
extrahira no dia 9 de Janeiro vindouro de 1874.
Precos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De 1005000 para chut..
Inteiro 3*500
Meio 1*750
Recife, 29 de dezembro de 1873.
Joao Joaquim da Costa Leite.
Precisa-se de um caixeiro : na padaria da
ma de Domingos Jose Martins, no Recife, n. 96.
Pereira da Cunha Irmaos mudaram sen es-
criptorio da rua Marquez de Olinda n. 21 para
a travessa da Madre de Deos n. 16, 1* andar.
Pf '-.> if
dre n. W.
.in criado : no becco do Pa-
Cramer Frey & C. fazem sciente ao respei-
tavel corpo do commercio que, os Srs. Carlos Frey
e Edwin Frey, relirara-se hoje come socios solida-
rios, fu-ando porem ambos socios commanditarios.
Os annunciantes tambem communicam que nesta
data admittiram como sccios solidarios nas suas
casas os Srs. Pompeii Bolley, Oscar Falkeisen,
Eduardo Frey e Julio Meili.
Pernambuco k Bahia, 1." de Janeiro de 1874.
Precisa-se de 600* a juros de 1 1|2, por espa-
co de nm anno, dando-se garantia em predios :
quem quizer annuncie on dinja se a rua Augusta
n. 288._________________________________________
Aluga-se o 2* andar do sobrado da rua es-
treita do Rosario u, 36 : a tratar com o ministro
da ordem terceira de S. Francisco, no conistorio
da mesma ordem.
Acreditarao vendo
Retalha-se um vasto e bello terreno a*
margem do rio, nos fundos da povoacao de
Beberibe, ainda nao visto pela maior parte
da populagao, por ter sido na pouco derru-
bado os mattos que cobriam dito terreno, o
qual consta de uma grande p'nnicie, pro-
pria para edificacAo, e distancia de 8 minu-
tes ''a ultima esta^So da via ferrea, achan-
do-se ja dividido em ruas, com approvacio
da camara de Olinda.
Quem pretender pdde ir ver que sem do-
vida^cara agradaJo, e entender-se como
Sr. Jose Honorato Medeiros (Znmba1. en-
carrego'bt ou m o proprietorio, junto a
ponte da din |>ooacao.
Precisa-se de um meuino com pratica ou
sem ella, para taverna : na rua Oireita n. 4.".
Aluga se metade de uma casa de familia,
mnlher e marido, sem filhos, so a casal : a rua do
caes da DettencSo n. 11. ______________
Precisa-se de um caixeiro com bastante pra-
tica de taverna, e dando-se um pequtno interesse,
que de* fiaJor.de sua conducia : na rua Duque
de Caxias n. 22, andar.
Aiuga-se
o sitio da Ponte de Ucbda n. 35 : a tratar no mes-
mo sitio, ou na rua do Rangel n. 7, 1* ou 2-
andar._________________________________________
Atleneao
0 Sr. Francisco Agostinho Madeira,.e rogali
vir a rua do Duque de Caxias n. 60 A.
Escravo fugido
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do cor-
rente, do engenbo Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes: cabra, idade 30 annos
pouco mais ou menos, boa figura, um tanto grosso
e espadaiido, sendo o signal mais visivel uma
gomma na junta do pe esquerdo : roga-se a todas
as autoridades e capitaes de campo queiram ap-
prehender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19 que serao genero^amente
recompensados.
Recife, 19 de novembro de 1873.
Dinheiro perdido.
A pessoa que achou a quantia de 608*000, per-
dida na terca-feira 30 do corrente, do bairro do
Recife a rua Bella, e quizer resiitui-la, pode faze-
lo na rua do Bom Jesus n. 56, primeiro andar,
qne sera generosamente gratificada.
Aluga-se uma escrava que cozinha e engomraa
bem : a tratar na loja do Passo, na rua do Cres-
po, junto ao arco de Santo Antonio.
mm
Precisa-se de uma ama
que engomme e faca outros
servi-^os domesticos, em casa
de pequena familia: na rua
do Capibaribe numero 40.
Aluga-se uma casa terrea com comraodos
para familia, e tendo gaz e agua encanados, na
rua Imperial n. 179 : a tr tar junto._____________
AVISO
MODISTA FRACEZA
Mme. Clementine Daura, participa ao respeita-
vel publieo, que aehandn i"e estabelecida na rua
da Imperatriz n. 19, faz costura- vestidos para
passeios, baiies, casamentos e baylisados, com a
maxima promptidio por preco mnito barato, satis-
fazendo nas proprias casas as pessoas, que quize
rem honral-a de suas encomroeiidas^__________
0 abaixo assipnafo faz sci-nte ao nsi>eit
vel oublico desta capital
em seu armazem sit- a i
veis, fazendas, miudeza
para serem vendidos em
tendo desde ja aos se-
probidade. nao s6 na b. j
tos recolbldos, como no
mes r ^ logo que forem >
Recife, 1.' de Janeiro
Por meu
0 preposto, J- "
de um perito
Rordeaux.
Aluga so ou vendese a casa terrea da ruu
do Coronel Lamenha, outr'ora Prazeres n 26.
com quintal : a tratar ua rua do bem Jesus n
31, primeiro andar________^________________
_0$
faz sciente ao resu
le coniiiiua a rwolher
* do igaiin n. ni
e qu:-rqner ubjectu-
eiliu puNico, pruniei
umi. ul I' -hI" i-
coaaer^'i; au o''ji
orapt .- r-L .eiiln .
didot).
1874.
Jose Maria Pestana.
im V xiiua-j fe iana.
Precisa-se de uma ama &rr?. on escrava, qu-
cizinhe bem o nrdinario para casa de familia, a
seja de boa conducta, pagando-se20^000 mfj;.-ae-:
na Capunga, rua das Pernambucanas. casa ue so-
tea, junto ao sitio do Dr. Pereira do Carmo.
Gollegio de H S. da
Saude
Para eilucacSo das eucniuaN. o
tabetecido na rua Fornao.4H
II 95.
A directora deste collegio, abaixo assignadi, fa/
sciente aos pais de suas alumnas, e mesmo a todos
os chefes de familia que quizerem conuar-lhe a
educacao de suas filhas, quo no dia 7 de jam-ii
proximo vindouro comecam os trabalhos deste es-
tabelecimento, uo qual se ensina com asseio e per -
fei'.ao, e por escolbidos professores a leitura tie
prosa e verso, caligraphia, arithmetica, systema
metrico, lingua vernacula, historia, geog-aj-hia
fran^ez, inglez, musica vocal, piano, desenh dan-
a, crochet, labyrinpio, obras de IS, bordado> a
matiz e ouiro, etc., etc. ; nao serao admiiiida-
mais de vinte alumnas.
A directora conunua a ser zeiosa e incaosavc-l
no cumprimento de seus deveres, e desde ja agra-
dece em extremo a bondade com que a honram os
pais de familias, conGando-lhe a educacao de suas
innocenles lilha=
Boa vista, 29 de dezembro de 1873.
Maria Elena da Ikcha
Directora.
Cbnvida-se
aos scDhcres escriptores, liaera_>, chefes de re-
particoes e commercianies a visitarem a
EXCADERNACAO BRASILE1RA
a rua Duque de Caxias n. 21, onde verao que .
este o estabelecimento que dispoe dos melhores
meios e processes para bem scrvi-los na arte d
encadernar, e o unico que
POSSUE A MELHOR
machina para pautar papel, riscar livros, mappa-.
manifestos, folbas de empregados, despachos, fa--
luras, contas carrentes e de venda ; cujotrabalh >
sera regulado pela seguinte tabella de precos :
Papel pequeno em caixinhas.
Para pautar 1 caixa 1*000.
Idem 4 ditas a 500 rs. cada uma.
Idem 10 ditas a 400 rs.
Idem 20 ditas a 300 rs.
Idem 50 ditas a 250 rs.
Idem 100 ditas a 200 rs.
Idem 20i> ditas a 150 rs.
Mais de 200 ditas a 100 rs.
Papel em tamanho fiume. contas e despachos.
Por pautar I resma 1*500.
Idem 10 a 1*200 cada uma.
Idem 20 a 1*.
Idem 50 a 800 rs.
Idem 100 a 600 rs.
Idem 200 a 400 rs.
Mais de 200 a 320 rs.
Outros trabalhos conforme o ajnste.
A differenca em preo do papel liso para
pautado, n nosso mercado^e mm to superior a 3 i
rs. em resma, sendo per isso vantoioso aos Sr .
IMI'ORTADORES DB PAPEL
mandareiu vir o papel liso para aqni ser pautTjv
podend --im venderem mais barato, ganh_d-i
mai- di n .M, para o que
GARANrE-SE
a b ndadj e limoeza do trabalbo, entrecando *
r. ir.o. .D resma com a mesma perfeicio
- 1
US
e tiver receMdo na
A rP.NgAOBRASILEIRA
Un ie de Caxias21.
\
-BO.

villa
l!v8i.i d^ S,.nto AntontOi eslaMaci-
sera aberto no dia 7 do corrente.

1


Oiano de x'eroambuco Sabbado 3 de Jafteiro de It7i
A
*Qo ) homeopa- #
tfii Ml
Do Dr. Santos Hello ft
41-------Rua do Imperador41
Coasultas .todos os dias das 11 a 1 da 25
ta rde. 0
Grate aos pobres. t
Residenda a rua Nova n. 7, segnndo ?S
andar, bnde da consultas das 6 as 9 da #
ianha e das 3 as 5 da tarde. Q.
:

iSC cm aa
' # n^ '
pagan rajfep3 todos os
credores da mas f Cordeiro
Lima, qoe de prompfo qnteerem re.'ebcr de con-
formidade com a Concordats dbtida ew jaizo ; de
Tendo os mesmo* credorea apresentarem seas ti-
tuios ate o dia 2i do eorrente para serem eonfe-
ridas.
Recife 18 de deiembro de 1875.
Precisa-se de
comprar e co2inhar :
da n. to, 1.* andar.
urna criada ou criado para
na rua do Marquez de CHin-
Cfcamados a 'quar^aer fcora.
Casa em Oftnda
Aluga-se porquatro mezeaau mais e por pouco
dinheiro. umaaicelJlBte.eaaa cm Olinda, na rua
do Boroflru n. aWfc %afc* "coal ewmodos
para grange (aMiaytelaV 4gare paeleanados,
grande quintal on 8itio arborisado, e eom excel-
ente viata para o mar e a e(Me, apeaas distante
tras mioalos da estacio do Carroo e ptmoo mais
dos banheiros: a uwar so araawra de Joao Ro-
sa, na travessa da Madre de Beoa n. 8._________
Cof!tgii> fiwez la dfmga
Mine. Carubrone avisa aot pats de fimilia que
abrira no 1 de Janeiro do aaao vradouro urn col -
egio francez provteoriamcnte na Capunga, rua da
Ventura n. 35, para o sexo feminino ; alem do
raneez ensinarse lia portuguez, icgiei, geogra-
phla, hijtoria, mu3ica, bordados, danca, etc
100#000de gratificaqao
Engenbo Santos Mendes
Fugio no dia 20 de dezembro^ do engenho San
los Mendes, comarca de Nazareth, freguozia de
Tracunbaem, a escrava Maria, crioula, 50 annos
de klade, pouco mais ou menos, baixa, grossa, cor
preta, rosto alquebrado, pes seccos e espanados,
dedos curtos, Cabellos braneos, canellas finas, tem
dous signaaa cabelludos no queixo, e e bem Iadi-
na. A pessoa que entregar esta escrava ou ao sen
dooo, que e o seabor do engenho acima, Lauren-
lino Gomes da Cunha Pereira Beltrao, ou no Re-
cife, largo do Corpo Santo n. 19, 1 andar, sera
ecompensada com a quantia de 100 J
Precisa-se alogar uma ama boa cozinheira,
forra ou escrava ; a tratar aa rua da Imperatrii,
casa j. if,>gaa# andafcYLl Kif_________\,
gacio de sea interesse.
Precisa-se- de uma
AMAi
cornija.
ana para eo
zinhar era casa de pouca familu : s
tratar na iua do Hospicio n. 46,
casa que tem bolas amaretlas na
Armada.
Pfa rua do Bafao da Victoria n 39, uWcisa-se
fallar ao Sr. teoente Jose M.r.a Pesiaae, a no- I f^* tofiolonT c7le^o1^pp^"e grl'
Furtaram do 1 andar do sobrado a. 34 da rua
eitreita do Ressrio, oa raanha de 26 do eorrente,
0 aeguinte : 1 collete de merino preto, 1 relogio
de ouro, descoberto, com o mostrador de vidro
grosso e o interior de crystal, do novo systema de
dar corda, e eorrente preta, tendo no boluo do
mesnio eollele 30^ em dinheiro, sendo qnatro no-
tas de 10# e duas de St, e mais 1 bilhete de rifa
de relogio. e outros papeis, t sobrecaaaeo de pan-
no preto, contendo 1 lenco de pontas amarellas,
1 macs de ehaves, pai^is e ama letra de 800 oa
9etantos mil fete, corfc tres firmas, 4adas
quaes sao os Srs. Aatonio Fraaclsco'iJ&A*BMr-
qae Santos e Mawod Jeronymo L'chta Cavalcante,
AMA?
mja.
PreoiM'te de ama ama-aar* eo-
zinhar em rasa d pouea famiha :
tratar aa rua do Hospicio, easa 0.
70, que tem bolas araarellas aa cor-
Ama de leite.
Precisa-se de uma ama de leite, paga-se bem
na rua do Hospicio a. 30.
Ama de leite
Precisa-se de uma ama de leite quo tenlia bom
e abundant^ paga-se bem na rua Formosa
n. 24^ ca&a com jardim defronte do becoo do Fer-
reiros.
A \f" A Precisa-se de ama ama para cozi
^xin.^1. nnar ; na raa de Hortas n: 16. pri
meiro andar.
AM\
I'reciia-se de ama ama pars com-
prar e cozinhar : aa rua do Irapera-
dor n. 79, loja.
Aluga-se
a casa n. 13 a Passagem da Magdalenba : a tra-
ar com 1.1. M. Rego.
Desappareceu ao amanbecer. do dia 4 do eorren-
te, do engenho Serigi, comarca de Goyaaaa, o es-
cravo de nome Jos6 Borges, mestre de assucar,
t endo os signaes seguintes: cabra, idade 30 annos,
pouco mais ou menos, boa Bgura, urn tanto gros-
so e espadaiido, sendo o signal mais visivel uma
gomma na junta do pe esquerd: r ga se a todas
as autori^ades e capitaes de campo queiram ap-
preheader dito escravo.e leva-lo ao referido ea-
genho, ou nesta praca a Oliveira Filbos Si C, lar
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen-
te r^compensados.
P
id
aaana.
Aluga-se a da rua dos Pescadores ns. 1 e 3 :
a tratar com Tasso Irmaos, rua do Amorim a. 37.
N>vainente se roga a pessoa que no dia 20
de uove,n!.r proximo passado action uma cartei-
ra no Dm U rua Nova, defronte do bilbar da casa
.a. 7, pel is 4 horas da t.irde, contendo duas lelras,
Uma de 400*, oulra de 276*457. am flea de 20*
mais sessenta e tantos mil reis em dinheiro, e
nro9 papeis de importancia, como ja foi annun-
- to por este Diario nos dias 21, 22 e 24 do
'ncionatlo met d novembro, senio a 1 tra de
13, aceita peto 8r. Vr Francisco Augusto da
a, a favor Jo Sr. Dr. Glaudino de Aranjo Gui-
i ass, venci la no dia S de inarco de 187i, com
i, juro* d- I 0|i>, o favor de mandar eutregar dita
> teira ninha ca?a n. 67. na loja de relojoei
: iu a itf.ruardino do Senna Dias, que foi qnem
a (jerdc ; hz-'udo en'rega de tudo, podera fi-
car com tinh iro por grattffcacan, e se Ihe agra-
dc .era, v f <->in > ditas letras e papeis de na.la
servem a in.-m achoii, e >uxt a qaem perdeu, por
96 tar ItoRo sc-'-ulu aos re>pectivo* devednres.
AMA
54, loja.
Precisa-se de uma ama pura engcm-
mar : a tratar aa Passeio Publico a.
Ama escrava.
Precisa-se de uma ama escrava por alagaer,
que cozinbe e sirva par vender oa raa qnaado
for preciso : a tratar na loja do Passo na raa Pri
meiro de Marco. ^^^^^^^
Amn Na rua do Hospicio a. 49 precisa-se
I%.ma> ,je unia ama |jvre 011 es(-rava.
Precisa-se de uma aina para casa da urn
rapaz solteir j : a tratar na rua do Cabuga a. 6,
loja, das 18 as 3 da tarde.
Preci*a-se de uma ama que
saiba cozinhar bem : na raa
do Marquez de Olinda n. 22,
AMA
antiRa rna d i Cadeia.
vata de gorgurSo com boloes grandes de tartaru-
ga : recammciida-fe as auloridadei policiaes, oa
qualqner pessoa a quern ditos objectos forem ofte-
reeia^ a apareactaao 8*08 mesptos.
Cpn^gw^fe Saflfo toiiDveva
flub a direv^ao
Antonio Mirmtesde Amorim
EiU collegio, .estabeUcido a rna do Hospicio n.
.>.">, em magnitico pcedio, offerece todas as propur-
c6e*para commodidade,, adiaalamenlo e recreio de
seas alumuoA.
Sepurad.) do mare que o corca em paralella
grammo, tem aa I'rente um bellu Jardim, dos lados
extensos pateos de recrei), e da parte .posterior
am terren > arborisado, vastiesimo dormitario nas
melhores condicoes hygienicas para '150 iciies,
com .-ervi^o iir/iprio ao asseio em agosento lateral,
grande lavatorin, 16 banheiros,. bom refeitorio, e
Qnalmente commodas salas para as classes,, urn
salio de estndo, euro e arejado, com proporcoes
para 200 estudantes.
0 director convida todos aquelle.1, a quem inte-
ressar possa, para que viditem o seu estabeleci-
meata, cuju,s mappas que foram publicados na
tercet feira, 23 do eorrente, polo Joriurf do Becift,
demonstram o resuhtado das aulas no eorrente
anno lectivo.
De accordo com o programma dos estudos, foi
designado o dia 20 de novembro, e annunciado
pelo mesmo jonial, para o exame no collegio, dos
alumnos habilitados, nao so em linguas, como em
scieacias.
S. Exc. o Sr. presiJente da provmcia visitou o
estabeleoimeala nesse dia e assastio aos exames,
3ue foram presididos pelo Exm. Sr. Dr. Antonio
e Va concfllos Menczes de Drammond, Iente da
faculdade de direito.
Foram.examioadores os Srs. Drs. Ezequiel Fran-
co de Sa, R Honorio da Silva, Jorge Dornellas Ki-
be iro Pi-s-oa, Jose Diniz Barreto e o professor C.
L-achelery.
1
Ruad
l tmmm
I
Vende fazendas para liquid*!*, p ir bawrtiwiiBo pre^ come
abaixo se Ve: 2
Na estrada.de Luiz do Rego ou Santo Ama-
ro das Salinas n. 13, se precisa de uma ama de
leite sem fllho, paga-se bem.
Aliened.
0 Sr. Candido G. R. Lima, faca 6 favor vir a rua
do Duque de Caxias n. 60 A.
diausai-sc
z loja de r,z'nda- e roupa feita a rua do Mar-
fjuer. do Cyiiida n. i0, os senhores abaixo mencio
iia-ii i: a i'i!i'hmo de interesse reciproco:
Adi l|>li i Rbrtr Kuoper.
Bento M.>.'alhat-.
Hermi -n s Nnn-s la ^ilva.
Jbao Marrios Nogneira Santos.
Miguel L sen ijiiinaraes.
Jose AlTonso.
tfiguel Feireira ''into.
Miguel Azt-vedo.
Mannel Ttieodoro do Nascimento.
Bernardino Lopes dos Anjos.
Doini'.igos Matra.
Antonio Serra.
Jos6 do Ri-go Araujo.
Jose da Cunha Freitas.
Jose Ignaco Porto.
Antonio Moreira Camara
Zef-rino Domingucs Moreira Junior.
Joao Raposo de Souza.
Paulino Jose Antuaes.
Mnoel Bacellar Pereira de Moraes.
Antonio Aquilino da Costa.
Arnand de Hollanda Cavaleante.
de am -riado para p servico
no hotel de tarBordeaui
Precisa-se
de cozinba
a tra-
Escravo fugido.
Fogio a 26 de dezembro de 1873, o escravo Se-
bastiao, cri annos, altura regular, corpo reforcado, falla urn
ponco deseansado; foi aqni vendido'em 13 de de-
zembro de :873 poi Jos6 Francisco Pontes de
Azevedo, rnnrador na matriz de S. Caetano, fre-
^zuezia da Rapoza, tendo sido escravo de Alexan
dre Ribeiro d i Sobral, da mnsma freguezia ; acha-
se matriculado no munic.ipio de Caruarii, para on-
de se dpsc ga se todas as autoridades e caoitaes de campo
a apprehensao de dito escravo e leva-lo ao Recife,
ru" do Livramento n '8, armazem do Baliza, que
serin generosaraente r"compeosadns.
Recife. 30 de dezembro de 1873.
Escravo fugido.
Fugio no rlia 27 de dezembro da casa do seu se-
nhor Pedro Osirio de Cerrueira, morador na es
trada *a Tore, sitio das Manguelras, o escravo
Maximiano, prdo, 36 ann^s, pouea barba, tem
os dedos dos pe astan'.e uonlos, levando v6sti-
d i roupa de ris'-ado azul e om bonet de caso-
mira, f omra mmla enntante de uma camis.
braaca e uin i cale >te ra emira escnra. cujo es
cravoe natural d> seraodesta proviocia, e re-
sidio p r :n ii'i. tinr.> un freguezia de Ipojura,
eiiffw Q i"loz; fiii c mfianhia doat-u ex senlior
Fran-is-. ,je Sa Albu porque. Roga-se a to
da- ..- i turijaii nicfetis e capitaes de campo.
qneir-'. irehe ler o -t to escravo e leva-lo no
refe.idu .- -.: ia rua da lipperat:iz n. 32, que
se r> co ni .-ara > :n toda geivT'isi lad -.
% Consnllurio Hiedico-clrorgico 5
H DE
!
Chamados : a quaiquer hora.
Consultas: Aos pobres gratis, das 2 as
4 horas da tarde.
11, outr'ora rua da matriz da Boa-Vista nil- &
Companhia do Gaz.
A empreza ilo gaz tern a hoara de anuunciar
ao publico que recetmu ultiiueote um esplen-
iJido sortimento de lustres il vidro, cawliei-
ros, arandelas e globus, cajas amustras estao
no escriptorio & rua lo linperailor n. 31,
e serfio vemlidos aos seus freguezes pelo
prego mais razoavel possivel.

0


Pereira da Silva & Guimaraes teodo
tem resolvido fazer uma liquklario dos mesnaas
< com o unico dm de epurar dintieiro, para o qu
freguezes, como o respeitavel publico, a vir SDrti
no seo estabetectmonto denominado o-Patioa
BAZAR
Rm do BarSio da Victoria n. tl.
OB
CAMBRAIAS A 4^ WOO, 59, 6 T.
0 Pavao vnde um magnifico sorti-nento
das mais finas cambraias brancas transpa-
rentes, tendo 10 jardas cada pecs, pelo ba-
rato prego de 49, 49800,59, 99,tendo tam-
bem das mais finas que custumam vir ao
mercado, assi'ii como um grande sortimento
de ditas tapadas e victorias que vende do 49
nt6 89, sendo fazenda que valle muito mais
dinheiro.
COM SAIPICOS DE CORES A 59.
0 Pavio recebeu um elegante sortimento
de cambraias brancas com bonitos salpiqui-
nhos miudinhos de cores, tendo 10 jardas
. cada corte de vestido e vende pelo barato
perfeito artista para ensinar as mesmas, em pre?0 de ^ ^ Mr peChincba, ditas com
qualqner parte desta ctdade, como bem a- saipicoS tCKlo branco sendo fazenda finissima
fran
Garneiro Vianna.
A' este grande estabetecimento tem che-
gado um bom sortimento de macbinas para
eostura, de todos os autores mais acredita-
dos ultimamente na EUropa, cujas machinas
sio garantidas por um anno, e tendo um
sim concerta-las pelo tempo tambem d am
anno sem despendio algura do comprador.
Neste estabeiecimento tambem ha pcrten^as
para as mesmas machinas e se suppre qaal-
quer peca qoe seja necessario. Estas ma-
a 79500 e ditas a 59000.
VESTIDOSA ISO BA CORTE 129
0 PavSo vende um bonito sortimento de
cortes de vestidos a uso da corte, trazendo
bseV trrn-graTfdn depoYrto Ife fazendas
m grande abaiunanto as pragos.
conttdam rTBO* -#d os setft flumerosoi
se de muiUs fazendas, boa* bmui
tra da Fntpawrtriz n. 60.
* r\ t Am t T %
>z motto Aio a 39000, Ipenas precis*
'"cHALES^if/fltATOS
O 1
rind I
cort"
iouit
crepe
livao
'29,
a29,2500,HKj
a eraitafjSc
vende cbales a TOnTa*c^o de m^
. ditos do meria6 lisos detodaa at
2WV00, dJIDft deWOfindflSfampaaos,
finosa 49-id#to# fuuMiaaos eon lis-
seda a 69500, rfttos muito lfuos d
al09eH9. offrtA^*
chinas trabalham com toda a perfeic,8o del cada cdrte todos os enfettes necessarios como
um e dons pospontos, franze e" borda todajsajam : babadinhos, entra-meios, rendas,
quaiquer eostura por fina que seja, seus requefifes, e vende pelo barato prec,o de 129
AVISO
0 abaixo assignado estabeleeido com saboaria e
serra ria a vapor sita a rua do Barao do Triumpho,
( outr'ora Bruin ) daclara qne de hoje em diaote
nie se respiinsabilisa e ui-m pagara debito a1 gum
contrahido em sen nome por quem oner que
seja; outro sira scientidca aos seas devedores que
os nnicos encarregados da cobran?a de sua casa
sao seus caxeiros, Elpidio de Vasconcellos e Joao
Pranclca Martins.
Becife, 2 de Janeiro de '874.
____ Antonio Joaqvim de Vasconcellos.
CHAMADII.
0 Sr. Jivini Fernandes da Cruz eJoaquim Cle-
A. 13. da Silva Mala. Sf "^nte de Lemos Duarte, sao chamados a roa do
Rua do Visconde de Albuquerque n. / f^^Jai9'am ai negocio de Particular

e
*

*
NED1C0-CIRUKGIG0
DO
Dr. Santa Rosa.
Rua do Barao da Victoria n. 46, 1.*
andar, outr'ora rua Nova.
Consultas das 10 horas da manna ao
meio dia.
Chamados porescriptoa quaiquer hora
Especialidades. Partos, molestias de
olhos e do apparelho re-piratorio.



m
m
k\\ IIIHIIRII)
M >tta Junior & C. e Antonio Martins Leite&
C. administradores da massa falinla de Jose >'ar-
eiso da Silva 4 C. convidam ats credores 3a
massa que apresentem seus titulos ate o dia d
de Janeiro, alim de serein veriticadas e admiiti-
das ao rateio.
Recife, 23 de dezemhro de 1873.
Attencao.
Precisa-se de 2:000i a premio sohro hypotheca
em quatro escravos moQos e hahilidosos : a pes-
soa que pretender, p6de deixar o sea nome nesta
lypographia com as iniciaes A S.
Aluga se o 2* andar do sobrado n. 70 a rua
Duque de Caxias, proprio para familia : a tratar
na loja
Fugida
No dia 15 de novemhrn proximo passado fugio
dapovoa.ao de Goyauninha a e-crava v'erencia,
de idad 18 annos,"ustatnra men is quo regular,
bem parecida.bonita de corpo.pes e. dimtes.cdr fula,
costuma ahnr o cabello ao meio da cahe^a, e os
con>erva grandes, tem queimadnras nos braQos, a
prineipiar das mnnhecas, -eondnn'6 vetfiaos de
eanibraia. csssa e cbita, chales e sapatos: quem
leva-la a sen senhor, na povoa ao de Goyanna,
ou cm casa de Antonio B., a ra i do ueio, cidade
de ftoyanna, sera bem rccuiupensado.
V'MBAS-
Villa dePalmares
Vende-se n"r pre^p. muito baixo duas casas ter-
reas a raa Nova daquella villa ns. 35 e 37. com
grande terreno ale a no,e-tao alugadas, e dan boos
juros ao capital impregalo : air .tar no Recite,
rua do Crei'0 n. 7 A.
Vende-se
por mnito comm-ido preco exce lentes terrenos
nos seguinies lugares : na Torre, a margin) do rio
Capibaribe e p--rio da esta ao do Cr.minho de fer
ro ; na e-trada de B^heritm, a marnem d> rio e
perto da osUu;.i > do caminho de f-rro, na estrada
nova de Bei>e>ihe, tambim pert i da cst.i'.-ao : a
tratar &>m Joao Feilosa, na rua estreita do Ko>ario
numero 81.________________________________
- Vende-se um bimito sitio na Cruz das Almas,
travesss da Tamarineira, cm gradiamentn e por-
tao de ferro, mur .do na fn'iite e nos lados ale
certa altura, com jardim inuitos arvore|..s fruc-
tiferos, como : inangueiras, jaqueiras, iaranj :ra-,
etc, (prodtiz mais de 19.000 laranjas por anno),
baixa decapim plantada de novo.
Boa casa, com cosinha fora, quartos, copii, c
calcada em roda da casa, c.eheira, estribana e
quartos para criado*. 1 quarto para dispensa, ou-
tro para secret a, 2 caciinha* com as competentes
borabas, boa agua de beber, e casa para banho.
Um cabriolet de 4 rodas e 4 assentos, uma carro-
ca para i cavallo, ll> com sous arreios. Avia-
mentospara f.zer farirrha (madeira de sienpira)
em bom estado, 1 h i c ni cam .5.1, tudo se vende
por 0 dono qm-rer retirar-M> para Europa. A tra-
tar com J "cndlbourc, no mesmo sitio.
Terreno a venda.
Vende-se um bom terreno no becco do Bspinhei
ro, com 1 lo palmos de frenle e trezento? e tantos
de fundo : tratar a rua de S Goncalo, sobrado
n. 29, junto a iurKja, de manha ate'as 7 horas e
a tarde de 4 horas em diante.
Parr e4irica(jao.
Vende-se portas de amareiln, rotolas de dito
varias outras pecas proprias pra edificagao: para
ver e tratar a rna de S. Goncalo, sobrado n. 29,
junto a igreja. de manha ate as 10 horas, e a
tarde ate as 4 horas em diante.
arneiro.
fugido
Pngi.. nm earAxiro liraaeo com o cabello gran
de, p.'i iii|iasi;qlo de sujo, levaudo ao peseoco
uin (.. in-, .if.- ru velha amarrada, toinou pela
eslia'l.
S. I.
nVi
N
re.- :
-, entrando nella em
'a-se a pessoa qne 0
andar levar &o Caminho
. 0 ma \ova, loja n. II, que se
1 ||J5
Ab
co
ti-
tan
tu
qoe se acabaram de
j. boje Riaehuelo, coo-
jesuitas : a tr atar no
..npe,
Caiat. avisa as rtpartic5s
em diaote nao con-
ivora -em seu armazem de
A Torre
Aloga-se para pssarn f^sta um sitio com
excellfnte casa de habiti;a< e banho no rio
a frenta desta: quem a pretendep, p6de
procurar A rua de (lervasio Pires n. 24
Aluga-se a loja da casa da rua das Trin-
cbeiras, por baixo do escriplorio do escrivio Brim:
para ver na mesrna casa no segnndo andar, e tra-
tar na rua do Imperadur n, 67.
-----------------------------------------------^_----------------------------------------------iI----------------------
Alngain-sc
As casas da rua de Lomas Valentinis na.: 19 e
33 : a tratar com mimsiro da Ordem lercoir .
a^ S Fianci-iM. no c.-< isi mrio ila m>-sna Ordem.
ALUGA-SE
nma rasa na Capunga, rua das Pernambncanas,
c in coxnira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorif n. 31
0 pri meiro aadar do sobrado da raa do Coroaal
Soassuna, jnnto aoi-xarivriosn. 146, com graodes
commoly* pa. a familia, muito fre.co : a tratar 00
mesmo >obradp, 8 andar, das 3 a.,6 tarde, por coomodo pteep.
Libras sterlinas
Vendem Pereira Carneiro & C, a rua do Com-
mercio n. 6
Vende-se terra a retain a preco de 21 0
palmo, com ?* '> pahnus de fimdo, na estrada do
Arraial, junto do stio dbs Buritis ; assim como,
tem dentro da mesma urow ioda'le duas casas, 1
de maOoira e ouira de pedra e cal. sendo nova e
grande para fainida ; taml>em tem terreno dentro
do mesmo sitio para diversos- pre.-os, com-oiaitos
arvoredos, com boas baixas, ."oni riacho pelo
ineln do sitio, e a KOha ferrea de Limociro pasa
por d.-ntro da mesma proohedade, e muito boa
localidades, OcanrJd esta propried ide no centro de
tr-^ estralas : quem pretender d.rija-se a tratar
ob mesmo sitio.
Para acabar!
Ricos chap>..s p*ra sen Hora *6 na rua daqne
deGanias n. 6" A, loja da es^uina.___________
VEHDE-SE
Uma arnucao de amareil.. envidraeada com
balcao proprio para qoatquer negocio : a tratar
na rua d Crespo n 20
111 jSi* S (1 khijft.
Vende-se Bu htel da Albaoci .1 m.i do'Commer-
cio n. |l..
Piano
Vende-se ou aluga se um plann 1 ., jj0
rmem pretender dirija se a raa tl is Qu r| is u
tfl; 2 and-ir. _______
Pechinchc
1
Vende se baratis imo qm pequeno balr.ii
pao d"oleo, ama peqaeiwttalanca de fenvrpxra
cjrua do mesmo, om*grade de madeira, pinfarii
paja qoalguer rpartunaaki ou-divi-Ao nun qu
faier-se em armazem, e ama duzia de taboa- I
fas oa amcrelte-, gaa^cleo, Imiro e pjoho, t
la asado, por^m em bom-aslado : na rua du
buga o. it.
pre?os sao da seguinte qualidade : ;iajra tra-
balhar a mSo de 309000, 40900O. 459000
e 509000, para trabalhar com 0 pc s5o de
809000, 909000, 1009000, 1109000,
1209000, 1309000, 1509000, 2009000 e
2509000, emquanto aos autores nao ba al-
terac,8o de pre^os, e os compradores poderSo
visitar este estabeiecimento, que muito de-
venSo gostar pela variedade de objector que
ha sempre para vender, como sejam: cadei-
ras para viagem, mnlas para viagem, cadei-
ras para salas, ditas de balanco, ditas para
crianQa (altas), ditas para escolas, costurei-
ras nquissimas, para senhora, despensaveis
para criancas, de todas as qualidades, camas
de ferro para horaem e criancas, capacbos,
espelhos dourados para sala, grandes e pe-
quenos, apparelhos de metal para chd, fa-
Jueiros coin cabo de metal e de marfim,
itos avulsos, colhe.res de metal fino, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-comidas de
arame, tampas para cobrir pratos, esteiras
para forrar salas, lavatorios completos, ditos
simples, objectos para toilette, e outros mut-
tos artigos que muito devemagradar a todos
que visitarem este grande estabeiecimento
que se acha aberto desde as 6 horas da ma-
nha ate as 9 horas da noute a
Rua do Barao da Victoria n.
__________22.__________
Nao ha mais cabellos
braum
TiNTURARtA JftPOHEZA. .
S6e unicaapprovada pelas academias de
sciencias, reconhecida superior a toda que
tem appa/ecido ate hoje. Oeposito princi-
pal & rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-
quez de Olinda, n. 51, 1. andar, e em
todas as boticas e casas de cabellei-
r6iro.
cada um, assim como, ditos a 2 do julho
com todos os enfeites a 105, cortes de cam-
braias brancas abertas, com listras e lave res
a 89, ditos linisbimos a 89, dltoa de cam-
braia branca com listras de cores, para aca-
bar 39500, e pechineha.
CORTES BORDADOS A 209 E 359-
0 Pavao vende ricos cortes de cambraias
brancas delicadarnente bordados, pelo ba-
rato pre^o de 209 e 359.
CASSAS FRANCEZAS
a 300 rs, o cowido
0 Pavao recebeu um grande sortimento
de cassas francezas com delicados padrdes e
cores fixas, que vende pelo barato preco de
300 rs, 0 covado, organdy branco e lis-
tado e de quadrinhos a 640 rs. a vara fi-
nissimo 1116 branco liso e de salpicos, e tarla-
tanas de todas as cores.
BORNOUS A 129.
0 Pav8o vende um bonito sortimento dos
mais modernos bornous cornbonitas listras e
vende pelo barato prego de 129 cada um,
assim como um elegante sortimento dos mais
bonitos chales demerimS e com listras de soda.
LAZINI1AS A 320
0 PavSo vende bonitas lazinhas lisas,
sendo verde e cur de lyrio, pe o barato pre$o
de 320 rgJs o cutu.Ii>, mc **>mo di;<*..w
lazinhas de quadrinhos a 280 reis, 0 pe-
chineha.
Grauatlines GAO
0 Pavao vende um elegante sortimento
das mais bonitas grariediries ou gazes de
seda para vestidos. tendo de todas as cores
e vende pelo barato preco de 640 re"is 0 co-
vado e granadine preta com listras de seda
a 19800.
De forca de dous a seis cavallos : a venda no
armazem do Joaquim Lopes Machado 4 (1, tr-a
vessa do Corpo Santo a. 25.
Wll on Rowe iv C. vendera no sea armazem
a rua de Commercio n. 1 i :
0 ver iadoiro panno de algodao azul amencano.
Excellente flo de vela.
Cognac de 1* qualidade
Violin de Bordeaux.
Carvao de Pcdra de todas as qualidades.
Farinha de mandioca nova
Teem para leader Joaquim Jose Goncalves Bel-
trao & Filho, a bordo do patacho Sapko, chegado
de Santa 'atbarma, fundeado ilefrodte dotrapiche
darao do Livrameuto; e para tratar a bordo, on
n seu escriptorio a rua do Commercio n. 3.
Caaarios da AHemanha
Chegaram pelo ultimo vapor da Europa, per-
feitos cantadores 0 de cores muito lindas : acbam
se a venda no arnn^m Fidelida ie, a rua do Im-
perador n. 14.
i^'H
k )UU I 1 A.A!Li
Km seus aruidzt-.ns a rua do Amorim
n. 87 e cats do Apollo n. 47,
tHtn para vender por promos commodoi
Tijoios encarnados 3extavi>s para ladrflho.
('anos de barro para esgoto.
Cim^ntD Portland
Cimento Hydraaliec.
Machinas ae descato^ar algodlo.
Matrhinas de padariar
e Potawa da Rnssii em barril.
"huphoro-. do cdra. .
Sagd em garraf5es.
Sevadinha em gwafoes..
Lunlilhaa- em ga^rafSes.
It hum da aJmaica.
vinbo do parto-velbo eagarraladb.
I inbo do Furto f merior, dito.
Vjaho c v. dito.
Vinho d SrMw
Poies coia-' v.i^i .,- dobradas ingletaa.
Iiaares fit*..^ -u.. !o.
K lPcmemi
. a*tnh ingloz.
n iho nw salraonra.
_-----------------------------------------1 I, 1 11 I...
liindas las escocezas.
os pn.trSps, e inteiramente modamas, a
T' is n covado; na rua Primeiro da-Marco
, do Crespo ii. 13, loja das eolumnas.de Ao-
' aiconcellos.
Alg4 lffo enfestatdo a 19 e t9*M>
0 I ftvio vende algodSo eufestado com 8
palmt U de largura, proprio para leor;6e
sendo (do mais encorpado que team vindo ao
merca |o, liso a 19 a vara e trangadoa.....
192 .
.TOALHADO A 19600, 29, 59.
0 1 wao vende ftoafttaelb trancado com I
de largura 1 ttHtOO e 19600, dito
ante ado a 29, Rtd de linho adamasca-
do a 3? e 59.
KM PAR4 ItSTTOOS
a 19600 e 29.
0 Pa do vende um bonito sortimento da
sedas < >m listrinhas proprias para ve*ii-
dos de meninas e de aeufcora a I9M0 r>co
vado,. d us lavrarlaabas a 29, os padvoes sm-
muito b nitose vende-se por este prec/) para
acabar.
BaXinas m 5^000
0 Pav 0 tem um completo sortimento da
botinas luito bem anfeitadas parasenboraa
e vende /pelo baratorpreco Je 59, artigo qua
envoatraL quakfwr parte eusta i9e 79.
LOgOS BiUN'COS
a. 39000-
So vende lencos braneos abjnha
dos, tarf. > para homens eomo paraseatroras.
a 25 e "iuO.a duzia, ditos da eapiiio
cambrri de linho t-mbem ab^inhados <
39500(ei \ 59, d tos francezes ascuros, par*
rape a \ a duzia.
0 vJk
.SlMISAS PARA H0SCU.
0 Pa\a'o vende ricas camisas com peiCo
d linho. bord^das, preprias pta mmoi
10(5e 12? cadi uma, ditas de linho seu ac-
rem bor k jdas 49, 49500 e 59, ditas corr
peito de aljkodao muito finas 29* 296^0 e
39, ditas dlchita fina miudinha a 29, 2950u.
e 39, aaaaaa como grande sortimento de ce-
s tanto de linho comoder1
600 ate" 39, gr nde sortimento
s inglezas de 49 ale* 89000 j
roulas fra
godo de 1
le mei s c
duzia
.-SXM5TXKA mto:
0 PavSo-'-tem um grande sortimento de
fazendas riret s para luto comu sejam : c?s-
s s, ISs, olu tSzinlias lisas que vende a 400
e 500 reis, o covado, bombazinasdr 1JG' C
ate 29 o'covado, cantao a 19 e 19200,
granadinei lisa com listras, cassas e cbita*
todas pretas com listras e salpicos, -lp-ca
todas pn-jias e lavradas do branco, merinos
eutrasmmitas fazend s apropri das, que a
LAZINHAS A 360 0 COVADO. v*u,, P1 menos do que cm outra qu lque.t
0 Pavfio vende bonitas lazinhas transpa- parte. i
rentes com palminbas a 360 reis 0 covad >, ( MAMP0L0E8 ENFESTAOOS
ditas ditas indianas com lindos dezenhos, I a SWOO
tanto em listras como em quadrosa 280 rs. \ Pavao vende peeasdte madapolao enfes-
o eovado, e grande sortimento de alpacas e ta(I cotn *2 janis a 39, dito a 39500, dik
com 20 jardas a 19, 39S00 e 69000, dito
com 24 jardas de59 ate 8 e 109, sendo o
mais finos que tem vindo ao mere do.
lazinhas de 400 a 8U0 re'is.
chiVas de cores
a20l, 24ii, 28ne 30rs.
0 PavSo vende um grande rtifflento de
bonitas chitas tanto claras o < escuras e
vende de 200 ate 32nrs., assim como ditas
com listras aolado muito finas a SeOe^H),1111"*0 ^qPorPado ** **>.
rs., finissimas percales miudinbas com lin-|
dos dezenhos a 360 e 400 reis, garantindo
Algodaozlnlio n -&9000.
0 Pavao vende pecas de algodao?;::.
9, dito
TAPETES
serem todas de cores Szas.
COBERTAS A 29, 29500, 39, 49.
0 Pavao vende bonitas cobertas de chita
com ramagem grauda, pelos baratos pregos
COITES DE CASEMIRA A 59.
I
0 Pav^p vende um grande sortimenU, ife
cortes deiasemira para ealcas, com bonitu
de 29, 29500, 39 e 49, ditas encarnadas gostos, claros e escuros a 59, ditos de 69,
fnrradas a 59, ditas defustao branco e de cor' 79, 89, te 109, superiores ca semi ras fra 1
com barras a 49 e 59, ditas de croche para cez se inglezas, para covado,vde 39500 alt
cama de noivo a 69, ditas muito ricas a 169,; 6$, pauous pretos e do c ;res dos mais b ir
ditas de damasco a emitacao de seda a J 09 tos e mais finos qoe tem vindo ao mercadc,
e 149.
FusfSes
0 Pavao vendefustoes broncos ede cores,
sendo as mais bonitas cores que tem vindo ao
mercado, tanto para roupa de criancas como
para vestidos e roupas de homam,_e vendo
pelo barato preco de 56u ate" 19, 0 covado.
BRAMANTES
a 19600, 20200 e 29500.
0 PavSo vende bramantes de algodao com
1*> palmos de largura para lencdes, pelo ba-
rato prec.0 de 19600, dito de liuho com a
mesma largura/a 29, 29200 e 29500, dito
Cortes dc>hitna 99, %?500 c
0 PavSo vendo cortes de chitas escuras e
claras com 10- covadoscarta corte, pelo ba-
ratismo preob de 29. 29500 e 39000.
CORTES DE BRIM A 19400.
0 Pavao vende cdrtes dn brim pardo para
calca, a 19400. Ditos de cdr, fazenda mui-
to boa, a IC60O.
Espartilhos a 3# e 4#000.
0 Pavad vende os mais modernos esparti-
lhos, proprios para senhuras e meninas,
pelos baratissimos pregos de 89 e 49000.
Ditos muito superiores, braneos e'tiB *6r, a'
59 e 69000.
Ceroulas francezas de linho e algodao, para todos os pregos e qualid.-Lic^aaaiii
como grande sortimento de meias cruas, camisas, colennbos, que U|d> av'vMide poi
pregos myit r zoaveis.
----------,--------------------------------------------------------i----------------------
por pregos muito razo-veis.
Roupa feita
0 Pavaut tem constantemente am grandt
sortimentoldeToopas feitaspara homem, 091 *
vende por preoo muito em dfhta, eomo se-
jam :
Calgasdebrim de cores de 295< 0 ateij
Ditas del casemira escura a 39500
Palitots da mestn 1 fazen 1 a 49500.
Calgas de brim p^do de 29 ate 5d.
Dit s de casemir de cdr Ditas de casemira preta dw 79 to 144.
Palitots de panno pret. de-49ate 129
Fraques depann jireto fln.i d# 909 aU
359OOO.
Calgs brancas de linho de 'i9 atd79
Colletes de casemira r de 39000 att
59000
Ditos de dita preta o> 4h 79.
CartaaaVKfai 4WKH.
0 Pavao vende honitus eortfw to lasmhas
padrdes miudinhos com liu :ps cores, tendi
15 covadoscada corte, pelo barato pregode
?90.00.
CORTES DE ORGANTVY A :i: i00 e 3*500.
0'Pav8o vende r.orte de organdy branco,
com listras e quadrr Ins. s.-mhi fazenda mui-
to fina, pelos baratissmi' de 89
39500 0 corte.
Fio da algodao da Bahia;
Tem of-a vender eto ea'eaeriptorie Joaaalm I
Jose Gonialves Beltrao & FUbo, a-roa'da Cook
mercio of 8.
JUl
Bid
oa rua
unieas ver<
hambargnezas qne vem a este mereado"
Maraaet dauUataB.81
I.4.-C; fr-
ll^WLT. W"688/.* 9aPer""" veraai^ir...
' vmbb seres Ins melbores qualidaaea
BittBrs de Angoatgra.
ChirpNtaenr tatau ie 10 Kens.
Todas u preparaeaaa chlmieaa do rir
irauzetn ia raa do Cowacrcio a
r^salieO


i
>
Dffjfk de, Vommpyw -&bado 6 ,4a. Jgflftfo & $&]
DE mm
whs mmn
nmm
WHG05
Bm do Sarao da Victoria 9. 28
U U simples, as mais baratas e as melbores do rnundo!
Na exposicao de Paris, era 1867, foi concedido a
Bias Howe Junior, a medalha de ouro e a condecora-
cio da Legiao de llonra, por serem as maohinas mais per.
feitas do raaado.
Rua de Imperatriz n. 72
Laurence Nttfcti Mettdes^uimnpaes
Declara aos sous freguetes que tern rcsolvi o faze: uma-gran-'-e liquidarjao, ate
Gm do corrente anno.
A SABER ;
CAMBIUMS'BRAKC1S A 8&000J
Vende-so pecas de cambrafa branca^ tapa-
da e transparente; a"*0, ^jS0O, 4f00O
55POOO.
LAS! NBAS A 200 RS.
Vende-se lSsiuhas para vestidos, a200,
320 e 5C0 rs. o cova-le.
ALPACAS A640RS.
Ditos de p&lba, a 29. 38000 e 49000.
Ditos de mass*, a 49000.
PERFUflARIAS E LIOUIDAGAO.
Vende-se snboiwtes.de diversos tamanhos,
a 120, 200 e 240 e 320 rs.. todo bom.
Prasco d banria, n 160, 320 e .00 rs.
Frnscos com aguade colonia, a 240 e 326
rs. cada urn. E outrps muitos extrnctos que
1
DE
Fazendas finas
NA
Run l. de Marco n. 7 A.
DE
Cordeiro Simdes & C.
B' esta casa, s*m duvida, uma das qne hoje,
node com primazla aprescntar aos seus freguezes
urn
Vendu-se alpacasdc cores com listras a 640 se vende muito barato para liquidar
e 800 rs. o covado. TOALHAS A 800 KS.
GRENADINE A 800 RS. Vendo-se toalhas felpudas, a 800 rs. cada
Venle-se granadine preta com listras de uma. I.encos brancos, a 29000 a duzia, t
Jres, para vestidos, a 800 rs. o co-j 39000 abainhados, fazenda quo vende-se
t-!vado. 'por 59000.
TOUPEL1.NA JAPONFZAA19800. GRAVATAS PRETAS A 500 RS.
Vende-se uma fazenda nova com listas, Vende se gravstas pretas, a 500 rs. Man-
' com o nomc de poupelina japoneza, propria tasde cores a 200 rs.
para vestidos.de senboras, a 19H00oco~! Chapeos para baplisadas de meninos, a
vado. Todas cstas fazen;ias sao vendidas no 39006.
Bazar National, d'rua da Imper uriz n. 72.; BF.NGALAS E CfilCOTES A 800 RS.
C0RTKSDECASSAA295 0, | Vende-se berrgalas e chicotes, a 800 rs.
Vende se c6rtes de cassa para vestidos, cada uma, para liquidar.
Cabe^flbs o dever de annunciar que a companbia das machmas de Howe de Hova- C01H ioLovados, a 2B500.
!ork, estabelecea nesta cidade roa do Barao da Victoria n. 28, am deposit agenda, CHITAS'URGAS A 240 Rs. ; GRAMME LrQl'lBACAO DE ROLPA FE1TA
serai, para em Pernambu^o e mais provincias se venderem as afamadaa machines de cos-1 Vende-se chitas francezas, largas, dc cores ] V>ndc-s*crooW do algedim, a 19000.
A medalha de ouro, conforida a E. Hove Junior, not .'?''
; COtes,
Estados-Unidos por ser o inventor da macbina de
tura.
A medalha de ouro na exposicao de Londres acreditam
estas machines.
A
ra de Howe. Estas mammas sao justamente apreeiadas pela perfei$ac deaeu trabalho, (jaSj a 240j 300, 320 e 380 rs. o co-0
pregando uma agulha mads curta com a mesma qualidade de linha que qualquer outra, vado
fl introducjao dos ma*' aperfeicpados apparelhos, estamos actaalmeHte habiHtados a CASSAS DE CORES A 260RS.
eracer ** exanu puW'cc as melhores machinas do mimdo.
Ak vantagens ctestas machinas sao as seguintes:
ffinwuri.0 publico ss* qo ellas sao duradouras, para isto prova incontestavel, a
"fraustcnaia 4e nuaca terera,(tnarecido no mercado machioas d Howe em segun-
alo.
Saraoda. jei o material preciso para reparar qnaiquor desarranjo.
Twoeira.Ha nellns menor Iriecio eotre as divereas pec^as, e raenos rapido estrago
foeoes outras.
Ouarta.Formam 0 ponto como se fdra foUo i raao.,
9itiV-*9ennRte:qe se eiamine o trahalho de ambos os fios, 0 qnese nio cansegu
*er9tWM.
fttttfr.Arzera ponto miudo em casemira, atravcssando 0 Go de um i outro lado,
1C7 fem segeW s*m modifljr-*e a tensio d linha, cozem a faxenda mais
Setlma.-Q eompressO> 4 tevantado eom a maier facilidade, qnando se tern de mudar
tfiiton ao co*$er nova eostara.
0Rav.Muitas companhkis de machinas de eostura, tern tidu epocas de grandeza e
Vendese cassas francezas Gnas dc cores,,
a 2C0, 320 e 400 rs. 0 covado.
SAIAS A 29000.
Vende-se saias brancas com barras de cd-
res, a23000.
CHITAS PARA COBERTA A 280 RS.
Vende-so chitas para cobertas, a 280 e
360 rs. 0 covado."
MEIAS PARA HOMENS A 69000 A DUZIA.
Vende-se meia* cruas verdadeiras, para
jhomcns, a 65C00 a duzia, a qual val
'8?000.
CHALES DE LA A 800 RS.
Vende-se chales de 18, a 800 rs. cada
'um.
CHITAS FINAS A 400 RS.
Vende-se chitas finas de campo largo, fa-
-adencia. 'Ma^u o^^p^lm,'sio ioje.qMri (tescoLhecidas, outm "soffeeraiB' zendar^.uIit,cboV S. ,^k? J0*^
*d*fcc*raiCT*spaTapodrem substitwir : ehlretento a companhia das machinagda Howe UiALta> ut Air,nimi A ^uuu.
d%ftafldo a'tjpfnfto do Ehas flowe, mestre emartes mechanioas, tem mmmmmh^^SS^SST^^SlISk cst3mPado6'a
ea-innitatlo 0 sou fabrico, e hoje nao amende procura, posto que faca 600
"ada machftja acompanbalivretos com instruc^oes em portuguez
k.
A

7
do Barao da Victoria n. 28,
-
MCHINAS PARA COSiUM
A 30#000 e 30^00.
DOUS P0SP0NT0S
5Ta loja4e^Soares Leite Irmaos, k rua do Barao da
Victoria n. 2S.
pelUc*
compjjqueno toque,' Espelhos demoldura dourada, de todos
j os.tamanhos e precps.
para colleto, grande sorti-
,}.wt, de.
t ,200 ri.
A-botoadurss
Geixa fajigw de marca, a 20.0 rs.
Umparinas a gai^dando uma lux muito
:a,a 1960Q.
fjjytja.de pecas de oordio imperial, a
i0 rs.
Cao* de botoes da osso para eal(ia, a
J0O rf. .
>u4a de carreteis de linha, 200 jardas, a
00 rs.r
idemJidei60 iftrdas, aJ2+0rs.
Ma^o de fita chineza, a 800 rs.
Caixa de linha com 40 novellos, a JSOO rs.
Keios adarejos .com camai^u,, a 5.00.rs.
. 'iarrafa .de-liota joxa extrW-fina & 19000
Potes com dita ingleza, preta, a 100 e
iCOrs.
Caixa depennasPerrj, myita boas, 1
19000. -
Idem.ijtem, a 400 rs.
>ixa de enveloppes tarjados, a 500 r.
Idem i'iejn forrados, a 700 fs.
*^aixa de;papel amisade', beira
80jr>. ,
:tem idem idem fis#. a 000 rs.
"Juzia detalhe/es cao .braoco,
Ditos de listras a 59000 e 65000.
BRI.NS EM CORTES A 15500.
Vende-se cortesde brim de cdrcs e pardo,
a 19300, para liquidar.
COBEVTAS DE CHITA A 19600.
Vende-se cobertas do chita. a 19600 e
29000.
BRIM PARDO E DE CORES A 400 R$.
. v"?de-iaft brim pard edo cm^pw -""
pa do namens e meniaos, a 400 1
do, para liquidar.
COUXAS DE CORES A 23000.
Vende-;secolKas de cores para cama, a 29,
e49Q0Q.
TRANSPARENTES PARA CADEIRAS A
15500.
Vende-se transpareutes para
19500, para liquidar.
BONETS A 500 RS.
Vende-so bonets de seda para homens, a
500 rs.
Ditasrie linlio, a 15600 e 2-3000.
CHri5as dc flhitas finas, a IJ08O.
Ditas (re peito de cores, a 25000,
Ditas brancas finas, a 290Lt0, 39000 e
49000.
Calcasde brim pardo ede cores, a J>006
e 29500.
Ditas de casemira de cotes e preta, a 89.
69, 79 00 e 8?006.
Palit6tsde alpacas de<-orps, a 29500.
Ditos pretos, a 39000* 89>00.
Ditos de casemvra de cores, a 49 t
69000.
Ditos ditos pretos, a 50000, 69500
85000.
Colletes detasemira de cores, a 29, 39 *
49000.
Camisas de flancHa, de cores, a 29P00 e
25500.
AL'iODAO A i90O0.
Vendc-se peoas de algodao, a 40, 59 e
05000.
CASE.V1RA DE COAA.295^0.
Vende-se casemira de c res, a 2>500 o
covadoi
MADAfOI.AO A .39000.
Vendle-jjeiiifc^ns i\a madapul&j enfeatado.
a 39000. '
Dito ingXez, a 49500, 5ft, 03 e 70600.*
ie^a.
se.nuora ? meninos,
BOJINAS
rs. 0 cova-:a 45500, 59 e 65000.
Ditas deenliar, a 25000.
Sapatos de lapete, a IJiiOO.
Ditos de trar^a, a 19800-e -29000.
BMMANTE A 19600,
Vende-se bramante com 10 palmos d
cadeiras, a^argura, para lenc6es, a 19600 e 29500
metro. E outras mujtas fazendas propria*
do merendo, quo se vende sera reserve, d>
prejo, para liquidar at6 0 fim d > corrente
(anno, por i A' ruu d Os proprietarios da iredilecu, no aUaito *
coiiservar 0 hum conct'ilo ^ue Uxm tnerceitl* 4a
respeitavtl publico, disUoguiudo 0 sen cMiilialf i-
awnto dos m:iis quo negociam 00 n'exmo geacta,
teem srientificar aoa seus bans frfgoeies qua ar*-
veuiram aosteos correspondeotes oai dwiMaipir
d'Europa para lhf s eaviareot por todos os aa-
les os objecto; de luxo e b.>m goto, qoo **
mais bem aceitos pt-las ?uriedades eleganlaa
.ut'lles paiies, visto aproxuuar se 0 tempo de
fesfa, em que 0. beWo sexo deta lisda Venexa
mais osteoia a riqueza de suas toiUfitea ; a ea-
rn vanadissimo soriimcnio de fateudas finas pa- mo jj recebcssem peln paqu.-u- franrM diverso
ra gvande toik>tte; assim come, para 0 uso ordi- Mtigo9 da ultima DKida, vtn pauuipir algua"
nario de todas as classes, e por prepos vanUjo- d'entre ellts que se toraam nuw rrcommeadawia,
tot para ns coippradares. de cuja fazem um pe- e^peraqdp do retpeitavel public- a eostuaiada.
queao resumo. coDcurrencuL
Mandam fazendas as casas dos pretendentes. Aderrees de urlaruga os mais hn.tos que leas
para 0 que tem e pe^oat necessano e dao amos- vjnj0 ao mercado
trMmediantepenhor. Alhuns com riras caaaa da roadi*perla e a
Uirtea de sedate lindas cores. velludo, sendo diversos umanbos t baraios pra-
Ditos de gprgurao de eorcs. ^3
Grosdenaple d- todas as cores. />derecos completes de borracha pr ,**.* par;.
Gorpurao branco e prete. ltl0 tanmem se vendem meios alerew* muito bo-
Seiim Macau preto e de cores. nitos.
Grosdenaples idem idem. Boioes e'e setim preto e de core* para ureaio 4*
Velaoa preto. vestidos de sethora; tambem i.i" cara collet*
Granadine, seda preta e colismasrt de cores lin- njijiut
dissimas padroes e fazenda da ultima moda. m^s para 5enboras, existe qui bello strtitaea-
P(^elins de bndos padroes. ,0 de se<'a, de palba, de chagrim. etc, elc, par
Filo de seda branco e preto. barato pieco.
Ricas basquwas de seda. Bouecas de todos os tamanlioa. tanto de loaea
Manias brasileiras. COU10 j,. rerai de borracha e de ma.-a ; chama-
Coirhas de seda para noivos. mos a attenrio das Exmas. Sra*. para este ariife.
Cortesde eamhraia branca com bndos bordados. ^ as veies loraam-faa* crianvas um pouco im-
Capellas e mantos par:a n ivas. pertiu Riquissimo sortimcnto de las com listras de seda. trelenliani.
<:ambraias de cores Camisas de linb.i lisas e com |ieili b-rdad*
Ditas maripozas, brancas e de cores. para homem, veodem-se por preco comroodo,
Nansuck de bndos padrfies. Ceroubu de linho e de algodif. d diveraos pra-
Baplisla de pa Per?alinas dc quadros pretos e brancos, de lis- Caixinhas com nmsiea, 0 que ha de mais iiodc,
tras, etc. com dislicos na tampa? e proprua para presca-
Brins de Hnho de cfres, propnos para vesUdos tes
ct barra e listras. Coques os mais moderaoae do dv.>..s furaasr
Fustao de lindas cores. i^,
Caeaquinhos de la e de todas as cores, para se- ciiapoosparasenhora-Receberamuin sorrme&Sa
nboras. da ultima raoda. tanio para senhon, c imo para
Saias bordadas para swihoras meninas.
QHKaaa idem idem Capellas simples e com van (ra ouiva.
Vestuarios para meninos laujaa bordadas para meoiuas.
Ditos para baptisado. Eniremcios estampados e trdados, 03 luduJ
Cliapeos para ditos. desenhos.
Toalhas.0 guacdanapos adamascados de linbo de gscuvas eleclriras para denies, ic-m a prapna-
cores para mesa. dade de evitar a -ai i>) do deotes.
(^Idias .de I Franjas de seda prctaa e de cores, exile aai
Cortiuadus bordados. grande sortimento de divercas largura* e b^rak
Camisas bordadas para homem. preco.
Mf ins df Cores para bomens e meninos. pjtai de sarja, do gorgurao, de setim e da eba-
GoiRfleto sortimanto de chapeus de sol para ho ma|0te, de diversas hrgoras e bonitas cores.
mease senhorss, rum cabo demarfim. Facbas de gorgurao muiui lindas.
M Dito preto. servar sempre nm bello e pran>le sorlin^nto de-
Atoalhadp de linho e algodao para toalhas. tls flo eSj nao Sq para enfeite dna cl>ilo., c:c
AtoaThado parda. tamhrm para ornato de vestido de noivas
Brine de iinho branco, preto e de cores. Galucs dc algodao. de la e de seda, briiu
Setim de bndas cores e com listras tos c de divtrsas cores.
Chalps de merin6 de-cores e pietos. Gravatas de seda para homem e senboras.
Ditos dc casemira. Lacos de can.Lraia e de seda di! diversaa aasai
Dilos- de seda preta c de cores. para sent.ora.
Dito de touquim- Ligas de seda de cores a brancas Lordauai pata
Camisas de linho. noiva.
Ditas de chita. Livros para ouvir missa, ecm capas de madre-
Ditas de flanella. perola, marlim, Os-o e velludo, tudo queaa-M
Ceroulas de orim e algodao. bom.
Damasco de la de cores. Peotes detartaruga e marfim para abaar os c*-
Paanos de crochet para cadeira, sofa e consollos. DCj ^ teem tambem para tirtr caspas.
Golchas de dito. Port bouquet. Um bello sortimnrto de madre-
Tarlatana de todas as c&res. perola. marfim, 6sso e dourados por barato a*a\
Espartilhos lisos e bordados. Perfumarias. Neste arUgo esti a PreddecU ixii
Foulard' de seda. provida, nao so em extractos, comu c:n oleoa t
Casacaa a tricot. banhas dos melhores odores, dos mais afamad-
Jti,vos.cortes de vestidos de linlu para senhora, fabricantes, Loubin, Piver, Sociedade Ilygr-i.
de di ersas cores, com os competentes entei- Coudray, Gosuel e Rimel ; sao indispenaaveu pai
tes, ultima moda. a festa.
Cas<-miras prelas e de cores, chitas, madapoloes. S4jas bordadas para seuhora, por comu,
o-inii.?iii mnnft fino i-rjto e azul, collannhos, pre0_
puoho*, gravatas, luvas de petrtca, arras d flo slpa,jnno? je la e de seUra bordados .para 1
de Escocia, brancas e de dores, tapeb-s de todos tjsad0s.
Na'ktjado Passo, rua Pnmeiro dc Marjo n. 'mem de jjYersos Umaubcs; unio parasol. ..-
A, antiga do Crespo. _______________1 mo para Pntrada de salas.
Rirrns (\ vAnrlfl Vestimentas para, baptfeado o que ha d.< m.
JJullUoai Vt5LIU* gosto e 05 man modurvi.*. rnnbau imiic
J. Deiro a visa a seus freguezes que esta em vende por barato proco, para ticar ao akaaal
viagem para as provincias de Alagoas e Peruaui- qualquer bolsa.
bueo, conduzindo excellente tropa de burros Rua (16 CaOUiZci 11.
"ha-firande. Por- i
PERFUMARIAS E MILDEZ.AS.
Frasco com oleo Oriza verdadeiro,
10000.
Idem com tonico de Kemp, verdadeiro,
19000.
Oarrafa de agua florida vcrdauVira a 10200
Oarraia d'agoa japoneza, a 10000.
Idem idem divina, a -10000.
Idem idem Magdalena (novidade) a
10200.
Caixa -de p6s para dentes, a 200 rs.
Idem idem de pos cbinez, muito bom, a
500 rs. e 10090.
Pole con>opiata de Rieger, Rimel e Gros-|
oeU 10000.
Duzia de sabonetes de amendoa, a
90000.
Duzia de>sabOnetesde*nJinbo transparen-
les, a 29200.
Idem idem eom floresj a 10560.
Sabonetes Glycerino transparentei, a
.19000.
Caixa com sabonetes, formato de fructas,
a 19000 e 19500
CHAPEOS A 29500. j tirem-se de fazemlas baraias, para a presen-
Vende-se chapeos do castor para rreninos to festa que estd na.porla, A rua da Imperatrir
e homens, a 20500 e 39000. n. 72. Bazir Nacroual.
Agua florida, de Guislain, Grrainpos, brincos e rozetaa
parafazeros cabellos pres-
tos.
domrados.
A loja da aguia branea, a rua do I>cqu
Caxias n. 50, r-acebeo.1j9va1uca.te benitoe gram-
A aguia branca, a rua Duque de Caxias n. 50,; pos, brjncps e rozetas dourados ; assini como
acaba de recebernova remessa da aprociavel aguai povos diaderaas' de afo, e -eoTne.sempre s>nQ-
Dorida para fazer os cabellos pretos. O 60m re-j uila a vende-Ios por preeos raioaveis
sultado colhido por quem tem feilo uso dessa
inotfensiva prt-para^ao a tem aUameote coaceima-
do, e por isso apejias se fax lembrar a quem nu-
vamente deila pjecise e queira se aproveitar de
sua uUlidade. Tambem veio agua de topasio e
oieo Hondo para 0 mesmo u etio acreditados
como aquella.
Voltas e brineos de groesos
aljofares de cores.
A aguia branca, a rua do Duque di. Caxiaa r>.
{SO,- reeebeu nova* e bonitas voltas e brineos. de.
grpssoa jdjofares de cpres,, e como sempre conti-
nua a vende-las por preco commodo.
Novos diademas dourados e
com pedras.
- A aguia branca, a rua do Duque de Caxias n.
50, reeebeu novo sortimento de bonitos diade-
' mas dourados e eom pedras, unto para meniaas
Cosmeticos, graudes e pequenos,
9 B., a|800 rs.
Franco comagua de colagne, a 200,'20,
40QOO
Resm*' de papel pautado, a 40QOO 500 ts, e 14*00:
e 50800: &traetos muRo fines dds-melhores an-
Uw ia^mliao^spO, M00e 50OIW, i.tores.
Coques mocternos', .
100 e com0 Para sennras.
(Mleeeoes do traslados ou
Duzias de.gWfts d^ trinsas de caracol
Lindas e elegantes caixi nhas cam perfama-
nonuias para escreverTse.
A agaia branca, a rua.Duque de Caxias a. 50,
reeebeu. novas colrec^oea 09 normas para as crian1
caa aprenderem a escrever por si mesmo, hoje tio
nsadas nas aulas e erJUegiost e como mprerea-
rias, proprias para presentes, dos.autors -de-aapor r*ca comuiod*
brenca/a 400. rs. E- Codray, Rieger, Geltt'PferesVetc.
IdeaiidwaJiMV** Leques de osso e sandafcft;^ tj9o*0t .. Wtwwj|m to^ilawi yM> Um grande-Uboieto profrui p'quftl-
UioraMopiesfiom 18-'sU8|a.60O0O. queiloja. ^
Praeco e jkort^iuachlria a 40'0'rsu ,
Rua do Barao da Vkftrh i. 28.
mte pedrincha a,
POiavlW.
Wi

Cassa 15, padYCes novos,
11 vindo ao raercado, so
4.1. loja da 6aarra.ii
irecp de J00 rs. o covado I
Oneguem freguezes que, se acab
Os
e de mais gosto quo
rua do Quoitaalo
ies, palo ditniau
Fariaha de ararota
Vmd-*e superior faridha ,d> arar.uta, taoto em
iof i'isto sua qiuWad* i daj^titaa -mm aeguinte* lu-
aares: ruadoVjgario n. l, rua do Amorim n
58, e trave.ssa da rus das Cruzes n 4, a 500 ra. a
libra a retelho.
VENDE-SE
nma casa na vii.'a de Barreiros, na rua do Com-
inercio, por ^kco ewdieo; a mur com Taaw'
Iraiiw & C
Vinbos dc Bourgogwe
das marcas
Chambertin
Pommard
Virits
Tolnay
Beanna
Monthelie
Dito Bordeaux em quartollas. ,
Vende-se por barato preco
PARA UQUIDiiCAO DE OONTAS
Bua Larga d SaWaarla 84.
Botica.
Meias cruas finas para meni^
iias esenhoras
A loja d'aguia braaea, a .rua Daque de Caxtaa
n. SO, raoetwwjw artuaenta da4u^laai|o pxo-
curaa>wia*vcr\iaa*Ma. seuhora,, vmdp igual.
las Tret
uradas swia* jwUta iPMa s^pnora,, vin
mente para meninas, e continda a v~
precoe commoipe.
Yeos ou i^ntioli*s prctaa.
A luja .da *nU branca,.a rua doDuque de Cr
xiaan- SQ, raoabeubooites veas pp.- W"
pretae ,ae seda, com flores, e outras a 1mi'
erocnei e venw-as pates baraios preijog'-
if e 6/000. A fazenda *i>oa* esta em.pesfaito
astado, pelo que eootiuda a ter pawnpU extracr
Perfeita novidade.
Srampos oomborboletas, bezouroa a gaV
nhotos dourados -e coloridos.
A loja da aguia branca, a rua do Duque de
Caxias n. ', reoabeu novos grampoa comior-
boleus, beiouros e gafanbotos, o qua de.certo e
perfeita novid de. A quantmade e pepuena, a
nor isso em breve *e aeatera.
Novas gofiftrhas ornadascom
pelueia ou arminh
A loja d'aguia branca a rua Duque de Caxias
60, reeebeu uma peqnena quantidade de boni-
s e novas gollinnaa, jrabalho de la e seda,- en-
naitada* com arminho, obras estas de muito gosto
e inteiramente novas,
Caixinhas com p6s dourados
e prateados, para cabellos.
Veade-se na loja da Aguia Branca a rua do Vrt-
qua de Caxias n. 80,
passara por Penedo, Pilar, Castauha-Grande, Por- j
to Calvo. Barreiros, Bio-Formoso, Escada, Cabo e
provavclmente por Santo Amaro de Jabaatao a:
Nazareth ; por isso pode ser avisado ou encon
lido em qualquer destes lugares.
Larangeiras, zO de outiu>o de 1873.________
n
W
i]
CIMENTII
Crheou o verdadeiro de Portland; barr.u.
ggandes de 400 kilos : no armazem da Tasso Ir-
maos & r- caes do Apollo.__________
Chitas a ttO rs. o covado.
A 540 rj. o covado.
A SiO rs. o covado
Sonarua Duque.de Caxias n. 60
esquina. ^^_____
Rua do Brum n. 76
Vende se zinco pnro de superior qualidad
proprio para cobertas da casas, medindo il pti-
A, loja da mos da comprido e 4 da largo, po.- [ireeo mt ^
I em coota. _________________^___
wi^J^JJArARANOA'.
Luvas de pelfica pretas e de
outras ;.ere&
A loja da Aguia Branca, a roa Duqoa de:Ca^
tfias n. 50, reeebeu novo sortimento de 1uvt de
pellica, pretas e de outras cores
rlguas AlciiHnit*timm ds Pe
dras Salgadas.
Villa Eoucarde i Ajuiar.
BIGARBONATAOAS~Sn|QAg.
Vital y* 1 ttr.Jase .kul.o Bcari
gnes, lente da esula Polyte
etiniou Ic I.ishoa.
Esta excellente- agua- usada com vantagem- no
padecimenlos' das via* clgastivaSi. urioanaa < *r:
estomagti etc., etc.
Vende-se
NA'
Pbnrmacia lro*T r\n
DA
Rua lar a do Heaario 4.
Tfm para vender Joaquim Jose Gon\aIves Bel-
two.* Fitho, a bordo do brigue portuguez Ooa-
rtmt,, fundeado defrtnte do trapiche Cuaha, e
caj-a t'raiar no seu escriptorio a rua do Coramer-
eio n 5._______________
e
Biiralis>Kiio
rLaa unhas corn itstsas ^sUn^adAd t-eic d jxi- r>u to,
eco de 400 rs-.o covado.
Dita? corn listras assetinadas a 11000 o co-
vado.
Geaoadina&paalas cam Itstoaa deaures a 600 rs.
o,ov*ap.
IJebns iraacados prpprjospara va3tido, a MO'ts;
o cevado. i
Atpacasdequadvas, propria* -para- veslidosy-a
44Qgs.i0ftcmsaiiii
^ufeoStSS^ ****"M
Dfiod>"co>es,'rlB6o pflro.la l#4J-i vara.-
i Cb*pe deaotide aeda1l ^a n^^ta^do6jp n,^0,da rua do, Crespp,
loja.pas 3 nprtas. de Guilherme^yC,
Disn mtsmm
' YirAqsern-haffTl e^ogarrawdo#,daniarcs*o
Bheci(lasi'acredHa4(M' gavaoMdaa, ioatasna, ^ua.
Made propria -pact uamup ca p**wm.-'lwoaSJ
veadem Cuaha; Irmjws, A Cj^W-A*"**** A*
Deoe,n. 34.
Aravalfnjia anil' de tH3i
Qttr*iW da-anna da'e*4:
YeH narHcularde'trMRt.
Duqne o> IU$.
Duqne do Porto:
Beaina.
Petaasa nova da Russia em.trieios barris.
VENDE-SE
eu arrenfla-se, no^astado emoque -se acaa, um i-
.Jiana freguiMia dos Remedio*. iraauazia dos Afo-
gados n. 8, chad proprio, com 340 paimas de
frante e 658 "Be fundo : os prsteodaHtes dirijam-
se ao saa propristtrio na -
sobracfe n. 10,
rua-de'S. Francisco,
E sempre assim.
Quando parece terse esgotado o reperto^o da
raodas, pela imrnensidade de artigos de n
que -tem apparecido, eis que os velhos e *
Tem para vender Joaquim Jose Goncaivee Ba-
ao Filho : a tratar no seu escriptorio a n
do Commerciu n. o.
Tinlii, eliii e fume
Amaral Nabuco 4 C. vendem rinus orisaline -
Lotion vegetate para tiagir de prties cabL>tos,
dade aue se conheca de mais utH e commndo, nlj Si
ansa- B0 modo de emprega-lo, como no resuiudo q>.
preto chegado auirnan.:?
atraa a aa
rua u' F-i
minucro^amente as novas mveacSes; remetwm
para ai Mova Bsperaiira. e auturisam na a dizer
aos. seus (reguezes e wpeciakpeote ao bello seao
quennao, ereiam em lal : "e.para prova evidente
doque.acaba on ex por, ve|ain o. que abaixosej
MANUABB'^ajra aasaa,.cota;eapa aa-madceasroia
- I
nde-se uma typograpbia bem monl.idt, c 3
um pequeno relogio perfeito- regufa- ^^ ^rres n ^ -
dor.
, sobradp. 1* andar
Boa ac^uisi(?ao
CARBfflUtS, po-t cbarutes, port cigarros e poria
moneys no mesmo gosto.
tARISlHAS para nous com capa de marlim, ma-
Lembrna-rlaro8a'COm0di8tiCO-' Vende-seoupennutHporescravos uk,
B6L3A9Jpara"ennoS; 0 meUier qne tena vinda a ca COnsUuida d BOYp, tendo dii*4ij#.id
esiemercado.de diversos tamanhos, seis quarros, co*a gabinele, sala de en-
qaa^dades, a medaka de novainven- g0Bnnar, CQBhaf6r, auartos para fainilia,
PORTBOcfesde lindos gostos temanbes ^J"^0* "*"S ij*L0 T(P^;
especialidades para as noteaa. bew flrbonsado; no alto Ja Torre : a tratar
CAtXWtthS-com nmsicas e aam ellas, proprias nesta Ijpograpb'a.______________________
r. 1 put, presentes. .
outros de inteira novidade.
- E ,eom os sttawo&
A Nova Esperanca, a rua Duque de Caxias n.
63/,HBetenqs'- bancofl de' borracba de tonnatos
iniesoupcto.novoj : os meniuos uiuito apreciarao
;e^^yerdade.
Qnalqcer senhora de bom gosw, parece que
po ap*e.J*njp^taJ e ua loillelte, sem dar ura
pAsaerJ AJTova-Es
j Vende-se
. um cabriolet amerirano, coberto, eom quatro aa-
' sentos, de qtratro rodas. eom arretes para um ca-
valio : para ver,oa aoebalra da Joaquim fermfcr
area do: Jmperadar.e para tralar, na rua do Vi-
gajHP Taaiwno.a- 3., anpaaam.
^
enae-se
, Q. a tavena siuarua daflariado Triumoba n. C
Aa-4 lo)a4e miudezas qua aiais bem .afreaaaaada ; mmm^etrtoder d.nja-se
eampMa-tcaiai.ern-Bortir.ieBt}, e oue mais novida- mesma qua cnar ?fa qnam4raUr.
das-ajjreaema, ao public^ em geral.
'feeom as floristas. j
A Bk>v E|peran?a, a rua do Duqup de Caxias
\a xlMMtatttii A raa d.* Brniii ns. 100 alOS
^J^S^^^^'^^^end^^ os seguintes ob-
Pam-orianca. jectos, por preeos
coramodos:
de diaar
A ffbva ESperanca, a roa do Duque de Caxias
n. 63, reecBcu um sortimento de v.-marios de
casemiBa>ealtiaca para criancas : m.-dernos 0 bo-
niioa
Las mescladas.
Um boait'i "-timento de las mescladas em o6-
ras, leoeaeu a Nova esiw'-ani-i, a rua Duque de
Caxias n. 63.__________ ____ _^^
Aviso.
No eteript no de Tlwmaz vie Atuimu Fojeca 4
C. Succeesoitrs vende-se a relalho vinho da Fi-
gueira, das melhores marca?, chegados ulUma-
meaifti (
1
IUWW> wriu> j
VARANDAS francezas de teriu ruiujido
e bonitoa a>t*B.
FOGOES fi ancezes graudes e pequenoy.
DITO dito para trabalhar o-rn gaz.
BOMB AS francezas de raonxo.
BAN OS com pes de te.ro. cm m-p'.la c sear
ella.
PES de ferro t-ara mesa
JARROS de ft rro para Jardim, grindts e ue^aa-
nas
MACHINAS para galar agua e fazer gala gelam
agua cm 10 miuutor uem fab.am.


Diario de Pernambuoo Sabbadb 3 de Janeiro de 1674.
JURISPROIHieiA.
Relatorio
A RESPEITO DO NEuOCIO DO MARECHAL BAZAINE
. EX-COHJUJiDANTE BM CHEFE DO EXERC1TO
DO RHENO.
TERCEIRA PARTE.
tAPlTCLACiO ( 1>E 7 A 29 DE OUTl BRO )
C1P1TULO III
CONSELHO DE 10 OF. ull'UBUO.
KE-jRESSO DO GENERAL BOYER, E CONHmENCIA
DE 8 DB OUTUBRO.
(Contiiviardo)
A dosapparigao dostes despuchos officiaes
bastaria para justilicar desconGangas ; o cui
dado tornado pelo general Boyer, ajudante
dc carapo do marechal, antes da sua partida
para Iuglaterra de prescrovor que as quei-
massem, tira-toda duvida do que a niaior
parte de entre ellas era singularmente wm-
p-omettodora. As relates entro o marechal
e n grande quartet general allemao, nao
consisliram sdmente n'uma trosa de corres-
pondents.
-- Como jd se indicou, um official prussiano
foi recobido pelo marechal om pessoa, antes
da chegada de Reguier, e posteriormente d
eotrevista que teve lugar em LongertU),
entre o geiioral Boyer e um ajudante de
carapo do principe Fredorico Carlos
0 summario moslra que no inturvallo de
26 de setembro a 29 de outubro, houveidas
e voltas quasi continias entre o quartel-ge-
neral prussiano e o do marechal Bazaine.
0 depoimeut) do conductor da carruagem
destinada ao transporte dos officiaes parla-
mentarios, dos postos avancados ate" ao
qaaTtnl general do marechal e torminante
a este respeito. .. Nunca passoi quatro dias,
SMm ter qua conduzir officiaes allemaes i re-
sidencfa do marechal. Calculu que, duran-
te os ineus trinta c seis dias do servigo, este
iact>> love lugar doze vezes pelo menos.
Em duas differentes vezes acontece'i ter de
conduzir a S Martinho dous parlamenta-
rios no mesmo dia.
S<'gundo o marechal, ao qual este depoi-
mento foi communicado, o numero de par-
laraeutarios que vieram ao luartel-general
eve ter sido apenas de oito..
Kstas relagoes, diz elle, nao se referiam
senao a negocios geraes, concernentes ao
servigo e nao a intelligencias particula
res.
Observou-se ao marechal, no decurso da
instrucgao do processo, que se deveria ter
abslido de conversas directas com o inimi-
go, deixan do este cuidado ao estado-maior
general; nunca emfim, n'uma conjunctura
tdo delicada como eram as comraunica-
gdes com o inimigo, devia sahir dos usos
regulares.
0 marechal limitou se a responder que
36 des o principio, o chefe de estado-maior
gem-;.;: uvesse recebido os parlamentarios
em lugar de os raandar conduzir ao quar-
tei particular do marechal, ter-se-hia cjn-
tiwiado assim.
Para mim, accrescentou o marechal,
fo. iy*n simplesmecteum negocio de habito,
on vi nestas relagoes a gravidade que
!hi :;ipoem, e a este respeito, a minha
con :. ncia e a minha lealdade estao ao abri-
go ).> qaalquer sentlmento.
-zar deste protesto, nao se podem dei-
. censurar aquellas relagoes tao anor-
uand o era tao simples tratar destes
ins pur moio da correspouduucio, c
itermedio do estado maior general,
rvando-se os parlamentarios nos postos
gndos,- como o prescreve o artigo 9i.
rdenanca de 3 de maio de 1832 sobre
u svrvigo de campanha.
As re acoes com o inimigo fazem igual-
mente parte das disposig&es formaes Gxadas
pelo direilo de 13 de outubro de 1863.
0 commandante superior deve ter o
menor numero possivel de comraunicagoes
com o inimigo. -
Para que foram essas idas e vindas conti-
naas, uma vez que nao existiam negotia-
tes entre o principe Frederico Carlos e o
merechal Bazaine ? Deviam divulgar-se. A
consequencia dessas relagdes, deviam ser,
nio s6 uma certa incuria no servico, uma
especie de tregua tacita, mas a sua frequen-
cia devia necessariainente provocar uma
tendencia para se desviar para com o inimi-
go das exigencias da guerra.
0 vestigio defte sen*imento encontra-se
a orde.n dada pelo marechal ao comman-
ds i
net
ae?
CO
v-
ua >
FOLHETIM.
tUCSESIA ECE&IA
MEMORIAS DE SATANAZ
POR
. HanoelFernandez Gonzalez
SEGUND A PA RTE
SAVONAROLA.
danto do forte deS. Quintino, relativamente que a iroperatriz se recusava e assignar os
ao tiro dirigido contra a gare de Ars, onde preliminares da "paz, impostos pel govemo
fo operavam grandes morimenUs de mate- allemao, continuaram ate* ao momento m
riaes. 0 quartel general inimigo tinha pe- que a noticia da capitulagSo do exercito de
dido que senio atirasse contra os edificios Melz chegou a Loadros.
destinadbs ao lervijodas ambulancias, ,ode Mas a 24 de outubro, chegou ao mare-
ae encoalravam, segunJo se dizia, os feri- cbal B#zaiae, por iuterven^o do principe
valia a peJJr a suspensSo do fogo, era in- de Bismark, concebido nestes termos :
ajsqucncia da quasi impossibilidade de Grande quartel-general em frente de
regular sufficientemente o tiro a uma tio Metz.
grande distancia (6,300 metros). 0 mare- Teabo a houra de eqviar a vossa ex-
chal mandou que se tivesse em conta esta cellencia copia de um telegramma chegado
distancia.
& meia noite, e cujo conteudo e o se-
Ora, independeutemeate dos raovimentos guinte :
do aprovisionamento e de munigoes que ti- A' sua alteza o principe Frederico Car-
nham lugar naquelle ponto, muitos allemaes los, 0 marechal Bazaine.
se tiuham ido fixar em Ars ; faziam-se alii 0 general Boyer deseja que vos com
festas, cujo arruido chegava ate aos postos. munique o seguinte telegramma :
avanjados. Re^ulta fiualmonte dodepoi-' A imperatriz, com quern estive, fard os
raento do doutor Andre-, maire de Ars, que maiores esforgos a favor do exercito de
de S. Quintino so n3o padia ver a ambalan- Metz, o qual e* objecto da sua profunJa so-
cia, onde se tinham deixado alguus feridos licitude, e das suas constantes preoccupa-
francezes. ^oes.
Perguntouse ao marechal se nSo tinha De\o, comtudo, fazer-vos observar,
visto naquelle facto uma illusSo da parte do sonhor marechal, que desdo a minha entre-
inimigo para suspo ider o fogo, que o in-, v*sta coin o general Boyar, se nSo realisou
cDmmo lava ; re-puudeu quo dando a ordem nenhuma das garantias que eu lbe bavia de-
do que tetrata, nao julgou fazer uma con- signado como indispensavel para antes
cessao ao inimigi, mas sira conformar-se de entrar em negociagoes com o regimen
con as leis da guerra, as ques prescrevem imperial, e que nJo esUndo, de modo ne-
que se evite disparar contra os bospitaes, nhum, seguro o futuro da causa doiinpe-
tanlo mais quanto acreditava que bavia nas rador, em consequencia da attitude da na-
ambulancias de Ars um grande numero dos'gSo e do exercito francez, 6 impossivei ao
nossos feridos. Sabe-sc o caso que o inimi-jrei prestar-se a negociagdes, das quaes urn-
go fez, pela sua parle, desta reserve em uso camente sua magestade teria que fazer acet-
ate entSo eulre as nar;6cs civilisadas echris
tSs.
Estas explicates, que apresentou o ma-
rechal, nao podiam dcsculpa-lo, porque
elle sabia que a gare do caminho de ferro,
em Ars servia de deposito de material, de
tar os resultados i nagfto franceza. /*
propostas que nos chegam (ie Londres, sao,
na situacao actualr absol utamente inaceita-
veis, e declaro, com graode sentimento
rneu, que nao antevejo mais nenhuma pro-
babilidade do cbegar a um result a do por
polvora e de munir;5es para o inimigo ; o mek) de negociacoes politicas.Bismark.
brigadeiro Pennetier, que a 14 de setembro Tenho a bonrar etc., (assignado) Fre-
Ihe tinha trazido os primeiros jornaes
mandados por Mr. Andre lh'o tinha feito
saber.
Um facto da mesnia ordem exige referen-
da icerca da ponte de Longevilie. Vio-se
que, na mauhade 16 deagosto, dous arcos
daquella ponte tiuham silo maliciosamente
destruidos. A circula^ao tinha-se restabelecse
por meio de passageiros, quando, em 20 de
setembro, o marechal deu ordem para er
reconstruir o caminho.
A 8 tie outubro concluio->e um dosea-
rainhos, e a 24 de outubro outro. Aquelle
enorme aterramento estava a um bom al-
cance das baterias do inimigo estabelecidus
em Jussy, e nas immediacies, cuja execu-
0o o general Coffinie'res tinha jalgado im-
possivel. Todavia a obra nunca foi incom-
modada. 0 inimigo tinha effectivamente
comprehendido todo o partido que p :dia
lirar do restabelecimento da circular;ao de-
pots da tomada de Matz, para mandar para
Thionville o material destinado a reduzir a
praca, e para ligar a tinha de Sarrebruck
ao caminho de ferro dos Ardennes.
Procura-se em vao o motivo que p6de ter
levado o marechal a fazer restabelecer o
caminho, vez que julgava impossivel uma
uma grande sortida. So tivesse sido discrete*.
deveria alllOi iWtruir ooipllmu*B '!"
derico Carlos.
No- mesmo dia em que chegoi* este tele-
gramma, foi reunidoocouselho no quar-
tel-general para Ihe ser communicado
Tendo-se mallogrado* as riegociacjoes, ha -
combate, que todos os me i.bros do eonse
lho julgaram uecessano a 10 de outubro,
para salvar a hanra das arraas. Esta pro-
posta energtca, renovada-em 18 de outubro
pelo gensral Coffinieres,. nao tinha sido re-
jeitada nom approvada. Um grande esfor-
(o, ou para melhor dizer uma tentetiva
desesperad em presence das exigencias-do inimigo.
Em face de uma semelhante eventualida -
de. tudo exJgia que o mareebal tomasse mo-
di Jas conveoientes para etevar i altura da-
quella resolui;at heroica, a moral dos sol-
dados, que as privagoes detoda a especie a
que tinham estadojsujeitos, devia ter enfra-
quecido.
Nao se manteve a moral do exercito.
Nada se fez neste sentido. Pelo contrario,
duraute o pertodo daquellas-ultimas nego-
ciagdes, o marechal parecia disposto a des-
viar o espirito publico dos seiHimentos ener^
gicos.
A 18 de outubro, receberam os comman-
J"1"- ** ??rr^* *^ **.eommunicar
tes o interromper assim a circula^So com o aos seus divisionanos as netwias trazidas
pelo general Boyer. Deviam ser em segui-
da transraittidds por elles, segttndo a ordem
hierarchica, as-tropas que seaehavamdebat-
so das suas ordens.
compunha o exercito de bloqueio. Na ves-
pera tinha-se levadj ao conheci nento do
publico, por meio dos jornaos um resumo
summario da nota circumstanciadas transmit-
tida aos commandantes de corpos.
0 decreto de 1863, e* terminante; o
commandante de uma pracj deve ser sardo
is noticias que o inimigo fizer chegar ao seu
conheciriento, rosistir a todas as insinuacoes
a nSo permiltir que a suj coragem, nem a
da guaroicao que co.nmandasejam abaladas
pelos acontecimentos.
0 marechal faltou pois ao sen dever acei-
tando como verdadeiras as iiiformacoes que
lhe transmittia o inimigo. Communicando-as
dssuas tropas, dava um caracter de proba-
bilidade a noticias de origem mais que sus-
peita. Se em vez de doscrever & Franga
como em osta lo de dissolucao, tivesse con-
cluido da continuaga" > da guerra que o paiz
oppunha, uma resisteucia desesperada con-
tra o inimigo, teria exaltado os aLiraos em
vez de os abater n) seu euthusiasmo. E'
claro que n&o 6" d*ndo noticias da natureza
das que elle trausmiitio, accrescentando por-
menores a respeito das forcas quo cercavam
o exercito, e das obras- preparad;s para im
pedir as sortidas do exercito, que se. ia exal-
tar a moral das tropas.
Teria adoptado o partido de abater, a nao
proceder de outro modo Seas communi-
cagdestivessem, pelo menos, sido feitas com
o caracter conliilemial aos eommandantes
de corpus-, de maneira a infornrai-os dos olw-
taculos que podia n ter a venser, as cou-
sas parecin-m muito- naturaes. Mvulgadas-r
pelo coutrario, os resultados quo se iam
produzir uao podiam duixar de ser desastro-
90S.
Nao s; podia ver n*fste senao o pensa-
mento de courencer o exercito da nceessida-
da-de capitular, e de o preparar para esta
extremidade homilhante.
Pnfluencia cxercida sobre a impvensa
local. 0 marechal uao se limitava a ope-
rar kd animo do s*)ldalo pefas publtca0es
que acabamos de recordar ; j.^de ha muito
que a-direcgao da imprensa se exercia bo
(nes;oosentido ; as provas dos jornaes eram
via chegado o momento de dar o ultimo -mancfadas todos bs- dias ao grande quartel
genera!-,, d'onde partiam os eommunicados
que se destinavam a-ser levados ao conheci-
mento lib-publico.
A 24 de setembro; a S e a ES-de outu-
bro, inseriram-se, por orde.n, nos jornaes,
notas a respeito do effectivo e da repartigo
das format- inimigas em- volta de Metz. Qual
podia ser o resultado desemelhante commu-
nicagao, senao de enfraquecer o espirito das
tropas parao caso de seter querido tentar
uma strL.ia.
Quando, pelo contrario, as provas dos
jornaes submettidos a exame, conlinbam
artigos de9tinados a fortalecer a esperanga
no seguimento da luta, o-marecbai'impedia
a sua publicagao ; foi ajsim que suspendeu
a insersao do um artigo do coronet Hum-
bert, antigj director ifas fortifica$es de
Metz, no qua) aquelle ofScial superior pro-
curava estabelecer, por meio de considera-
goes bistorieas, que a sitoagao nao < era de-
sesperada, e que os esforc/?s tenta-los pelo
paiz podiam produzir os seus resultados.
Debaixo desta mesma ord(im de ideas,
qUe~5C 9U|.|>I l.ilu TT- u liy. .1 u y.i.j.
caminho de igualmeDte.
Como e que o silencio das baterias aHe-
rais uto fizeram reflectir o marechal! Io-
tcrrogado a osto respeito, o marechal decla-
rou que, se fez execuUr aquelle trabaiho,
foi para facilitar as communicaQdes entre o
2, 39 e 4 corpos, e para poder fazer pas-
saras locomotivas no caso de se ir para
Thionville; emfim, quo se nao devia coo-
cluircousa alguma do silencio das baterias-
inimigas, attendendo a que esse silencio era
8eral a
Confessou nao ter pensado om uestruir
aquella comnaunicagao, a qual, disse elle-,
prestou services ate ao ultime momento.
Prestou espccialmente servicos ao inimigo,
ou, para melhor dizer, unicamente ao ini-
migo.
CAP1TLLO IV.
Missao do general Boyer junto da impe-
ratriz.Cheque definitivo dasncgocia(des.
Na manha de 19 de outubro, partio o
general Boyer para Londres. Nao entra
nos limites deste relatorio expor as instantes
diligencias que se tentaram por parte da im-
[-. T.-.triz a favor do exercito. Estas diligencias,
que n3o podiam produzir resultado, por isso
o iuserir. Este facto caracterisa francamen-
te a natureza da acgao que o marechal Ba-
zaine exercia sobre a imprensa e iatenc&o
que tinha de dirigir os animos em um ter-
reno favoravel aos seus disignios; isto 6,
de desfigurar a verdade.
CAP1TULO V.
CONSELBO bE 24 DE ODTUBRO
DISGUSSAO DAS CAOSAS DA CAPITUL.VCAO.
Missao do general Changariuer. Era
necessario resignar-mo-nos, disse o marechal
na sua memoria por que' uma tentative 4
viva forga teria sido um verdadeiro suicidio
nas circumstancias actbaes, offerecendo ao
inimigo uma victoria facil sobre um exercito
exhaustos, e que todavia nunca tinha sido
vencido. Teria sido um crime sacriQcar
inutilmente milhares deexistencias confladas
pela patria d responsabilidade de chefes ex-
peri nentados.
Era muito tarde, evidentemente a 2', para
empenhar a luta, mas admittindo-a, conve"m
referir-mo-nos a 10 de outubro, em que ella
ainda era possivel. Nesse dia, occultando a
verdade sobre o insuccesso das conferencias
secretas que tinha tido com o inimigo, o
marechal deixou ligar os seus logares-teneu-
tes a negociagoes que nao podiam ser senao
irroteis, e assu.nio so a responsabilidade de
resoiugoes que tornavam i npossivel o corn-
bate exigido pela bonra das armas". Dos
17,000 prisioneiros francezes, succumjiram
duranie o seu captiveiro na Allemanha ..
11,000" pertencentes ao exercito de Melz.
E' um numero maior do mortes do que
haviam custado ao exercito do Kheno todas
as batalhas que deu desde o principio da
guerra.
Deve pois reconhecer-se, que, fbnge de
cwtar a perda de um uoico homem, a ca-
pitulagao teve consequencias muito mais
fuiiestas do qwe teria tido n'uma luta su-
preraia.
E quando mesmo nao tivesse sido assim,
nao tria sido cem vezes preferivel ver esses
sold ados cahir gloriosamente no campo da
batalbo-prestandb o seu ultimo servigo ao
excercito e & Fraitga, do que irem perecer
miseravelmente no soffrimenio da doen^a
e do captiveiro.
Mas, sedepois de 12 de outubro era muito
tarde para se bater, era, pelo menos, ainda
tempo para destruir a maior parte do ma-
terial. Esta questao foi tratada-no conselho
jde 24 de outubro. 0 general Coffinieres
"depoz da inaneira seguinie a respeito deste
ineidente.
Nesse conselho levaotou-se a questio de
destruir o nwterial de guerra. A discussio
foi muito limitada e ura:membn>raanifestou
a- opiniao de-que seria- mais digno nSo se
empregarem em destratgoes que podiam
eneetar graves desordens. Esta observagSo
poz termo i discussao. 0 general^.interro-
gate a respeito do nome desse membro,
respondeu :
'Nao tenhe ideas cartas para responder
coto relagSo a esta pergunta.
Oigoverno Wpmfto recusando eotinuar
ae-negociagdesv jd. nSo havia motivo para
i>rocurar assegurar-se das condigoes que
o veocedor ia impor.' 0 conselho julgou
nee encontrar interposto mais autorisado
junto do principe Frederico Carlos, do q
VII
UM GOLPE DE MORTE.
(Continuaclo do n. 1)
Esses tres homens eram : Francesco Va-
l^ri, ja de idademadura, de aspecto severo,
uegociante rico que vivera desterrado du-
rante o dominio despotico de Pedro de Me-
di(-is, que voltara quando Pedro fdra expul-
so da Toscana, e quando se constituira o
govemo popular desempenhara o olevado
cargo de magistrado da justioa.
0 outro era Francesco Davauzati, mer-
. ,.l.)r de sedas, grande amigo de Fiancesco
Mori, que com elle estivera desterrado,
qu* voltara com elle, e tomara parte tam-
beiL n governo, desempenhando o cargo
. v. pn'or da liberdade do aopremo conselbo
o'os Ono.
0 terroiro era Maircacio Salviati, tembem
grande pitriota, proscripto durante o do
uiuio dos MeMicis e capitao, depois da
i, a d aquelles, dos tres mil infantes lans-
qnenoi-saueformayam a guarda dasenhoria
P'. -;a.
T.iIms tiles eram sectaries 'de Savonarola,
jj .riy.it-. Savonarola atacava os Borgias, e os
Borgias protegiam os SWdicis.
Trnl.? elles estavam dispostos a desem-
i- .iiili.:: a ospada e a sublevar Florenga em
v.,1- tie Savonarola.
\- i-jr-nmstanciaseram, pni?, graves, n
. i a viuda de f.ucrecia d Floren-
. anojar de perto ps.flos de uma
. n->vao fecrela contra i p.,dor de Savo
D Miiinico, como servidor inlimo do Savo-
narola, conhecia muito aquelles tres per-
sonasjens, e apresentou-lhes Pedro de Na-
poles. dizendo :
Eisaqui om homem, que ha muito
tempo segue o bom caminho, e cujos ser-
vigos em favor da liberdade e da justiga,
podem ser muito apreciaveis; 6 o Sr. Mar-
cello Porta, natural de Syracusa, e um dos
mais bravos sicilianos que podem ter conbe-
cido. Recommendo o d sua amizade.
Os tres personagens populares cumpn-
mentram Pedro de Napoles, apertando-lhe
calorosamente a m5o. Durante a hora que
decorreu desde esta apresentagfio ate que
appareceu no pulpite frei Domiiuco de Pes-
chia, aquelles cinco homens estiveram fal-
lando com o enthusiasmo de todos os pa-
triots e de todos os sectarios das cousas pu-
blicas, de Savonarola e da neoessidade de
um concilio que reformasse a disoiplina da
igreja Quando frei Dom nico appareceu
no pulpite, levantou-so entre a multidao
que occupava n grande nave da cathedral,
um rumor estranho. No pulpite da esquer-
da apparecera simultaneamente um frade
francisi-ano.
Savonarola, severo, grave e sombrio,
atravessou o templo e foi sentar-se em um
angulo do altar iu6r.
0 arcebispo estava no c6ro com os c
negos.
Tudo aquillo tinha o aspecto sombrio e
solemne dos preparativos de uma batalha.
Frei Domini ;o de Peschia voltou-se para
o arcebispo e disse com voz sonora
No mesmo dia, o marechal* tevou ao co-
nhecimento do exerciti>a descripgao des
obras executadas pelo inimigo para impedir
qualquer sortida.
Esta nomenclatura, dividida em 18 para
graphos, comprehendia todos os pormeno-
res das obras, linbas, baterias, trinchei-as,
etc., cujo tracado estava representado n'u-
ma carta das immediacoes- de Metz ; sendo
os estados maiores convidados a tirarem co-
pia.
Ora. resulta dos testemunhos dos officiaes
que fiearam. na praga depois da capitulagio
para operar a entrega do-material, que aquel-
las indicagfies, muitas vezes erradas, eram
em geral descriptas com grande exagera^ao.
Os depoimentos dos coroneis Merlin, Salan-
son, Protebe, nio deixam a menor duvida a
este respeito.
No mesmo dia, t8- de outubro, fez-se a
communicate aos generaes, e chefes de cor-
pos dos terrenos eccupados em volta de
Metz pelos sete corpos de exercito de que se
poz-se energicamente em pe" e avaacou al-
guns passos para o pulpite que occupava
frei Dominico.
Que falle o mestre 1 Que falle o
mestre I Que defenda a sua doutrina I
griiou um grande numero de vozes.
Nao I uao I estd excommungado I re-
plicaram outras vozes.
Savonarola retrocedeu estremecendo, e
foi sentar-se nos degrdos do altar.
Frei Dominico voltou-se para o altar e
disse :
Senhor, pego que fa gas descer sobre
mim o tou espirito para qua favorecido pela
graga, possam as m in has palavras reverte-
rem a bem do teu servigo.
Era difficil determioar se frei Dominico
se dirigira a Deus ou a Savonarola, ao Crea-
dor ou d creature ; se fdra um christao sin-
cero, ou um sectario fanatico.
Em seguida, voltando-se para o auditerio,
disse :
IrmSos, havia-me proposto pregar
sobre o Evangelho de S. Joio, poiem ve-
jo-me ohrigado a renunciar o" meu propo-
sito. 0 meu sermio vai converter-se n'uma
controversia. Accus i-se de heretica a dou-
trina dos religiosos da ordem dos pregado-
res de S. Marcos de Florenga, e eu, con-
Qando no favor -iivino, vou defender essa
de la Mozelte, repellindo-a ide'a de uma ca-
pitulagao. Pergunta-se par que e-que se
tomou esta-medida no dia immediate ao
conselho em que se th*ha declarado por
unanimidade que se teataria u(n> esforco
desesperado, se o inimigo quizesse- impor
ao exercito-condigoes ineompativets^ com o
sentimentoda honra e do dever?'
A publicagao de noticias desanimaderas
encontradas nos jornaes allemaes apprehen-
didos nos pontos avangados, nao apresentava
sendo incoavenientes ; gergunta-se por que^
foi isto prescripto pelo marechal ?
Vimos que voltando de Versailles o gene-
ral Boyor^ trazia jornaes quo lhe bavia enr
tregado Mr. de Bismark.
Dous. desses jornaes mandades ao com-
raandante superior de Melz para.serem eom-
municados & imprensa^. pareceram ao gene-
ral tao-pouco concordes com a.exposigao da
situacao da Franga, feita perante o conselho,
que julgou inopportuno. a sua publicagfio e
reenviou- ao marechal^
Tendoo Independent^ laMozelle queri-
do publicar um artigo a respeito destas con-
tradigdes, para desraentir as- noticias irazidas
pelo.general Boyer*racebeu ordem para nao
grave doutrina contra os quo a impugnam e a
' sentenceiam como heretica. Envia-te a'santa
- Reverendissimo padre em Christo, eu' se, irraao da ordem de S. Francisco, ac-
vim aquipara pregar sobre o Evangelho,, crescentou frei Domimco voltando-se para
com a devidaveniade vossa s^nhoria illus-1 frei Francisco de Paglia ; congratulo-me
trissima; diante de mim apparece outro com a honra que se me faz, eda qual me
pregador; qual dos dous ha de tallar, re- julgo iudigao, collocando na minha frente
verendissimo padre? Pra refutar a minha humilde palavra.o
Em seguida a estas palavras de frei Do- sabio e faraoso pregador de Nossa Senhora
minico, uma das dignidades docabilosu- e Monserrate em Roma. Rogo-te, meu
bio d epistola e leu um breve do papa ao irma<>, que perdoes de antemao tudo quan-
arrpbiipode Florenga, em que lhe roanifes- 10 no calor da minha peroragio te possa
tava que, sendo necessario atalhar e ds- paraer offensivo, e o tennas por nSo dito.
truir s pemir-iosos effeitos da doutrina do Franciso de Puglia inclinou se com uma
prior de S. Marcos de Florenga, (rei J<*ro- enrt-zia verda leiramente romana.
nymo- Savonarola, da ordem dos prr-gado- Frei IA. ninico saudou o arcebispo, depois
i os, a santa s^ encarregava frei Francisco de Savonarola, e voltando-se para o audtto-
faglia, da ordem de S. Francisco, para que rio is?e : ...
r*fut.iw a douiriua do- Savonor Ja.sust-Mi- -Vou comefiar expbeando a doutnua
tada, apezar das ccn'^uras de tP-' 9>[oi que t-regamoa, mis, os Doininicoa de S.
dis.-ipulos tT-i prior de S. Marcos. Mtreos, fallandc-vos da eandade o de oomo
\ nrgualade frei Dominico havia sido deve entender-so a eandade dentro do E van-
compl^aenle satisfeita. golbo. Fallareiem lingoagem vulgar, para
ouvir a leitura do Jjrcve, Savonorola que de tods seja ealondida a miuuft pala-
vra, imitando a Jesus Christo, que se valia
da, simlpicidade da phrase, para que ate os
meninos o podessem comprehender.
Era isto uma manobra habil de frei Do-
minico, que sabia que a grande forc^a do
seu adversario consistia na pratica da argu-
mentagao escolastica, e no muito versado
que era no lafcim e no grego.
Reduzir frei Francisco de Puglia a um
raciocinio simples, que podessc ser compre-
hendido pela multidao, era desarma-lo, re
duzi-lo a impotencia. Um sorriso frio con-
trahia os labios de Savonarola.
Frei Dominico estava jA inspirado ; vol-
tou-se e disse com summa faciliJade em
grego correcto a frei Francisco de Puglia,
que permanecia impassivol no pulpite:
Nio te chamo para a linguagem com-
mum e intelligivel para todos, por medo,
ou por ignorancia, nao ; fago-o porque a
palavra de Deus deve ser simples, clara e
universal. N&o se trata aqui de um vSo alar-
de de escolasticismo, nem de digressarmos,
perante o vulgo ignoranto, pelas regioos
obscuras das conclusdes metaphysicas. Nao,
temos de falfar aos que n&o sabem, a lin-
guagem scientifica da igreja. Quando quei-
rasessecertamen, 6 tua a cadeira da nossa
igreja de S. Marcos. Alb, desde o nosso
veneravel mtstre ate* mim, oult-mo de
meusirmaos, discutiremos comligo. Aqui
devemos e vitar as obscuridades,devemos fazer
com que as nossas palavras sejam cheias de
luz ; trata-se da causa de Deus, que e" a
causa da igreja, da paz e da 1 berdade do
povo, que e a causa da humanideda. Em-
viam-teypara combater, combate ; Deus dard
a victoria d justiga.
Callou-se frei Dominico, encruzou os
bracos, inclinou a cabega sobre o peito fi-
cando n'uma po igdo digni e sympathies e
frei Francisco do Puglia replicou em grego
com grande entonagio e grande dogura ao
mesmo tempo :
Amadissimo irraSo : o santo padre
envia-me nao para refutar a vossa doutri-
na, que em si u boa e orthdoxa, mas para
eensurar os erros quo mfBtorais n'essa dou-
trina, para destruir esses soahos que des-
gragadamenle torn causado o vosso enthu-
siasmo religioso, para arrancar d credulida-
de da multiddo iguorante a crenga de quo
possuis o espirito prophetico, de que sobre
vos baixa a visSo celeste, e vos seritls favo-
o-gciterai Liiangarnier, esse gloncso vte-
rano dos nossos exercitos, cuja intrepidez
acabava de brirbar com novo esplendor na
guerra actual.
Ogeneral foi encarrega lo de pedira neu-
'ridisariii) do exercito, o do orrioi4o quo
eHe occupava, eom um armisticio-leal em
quo so permittiria o muoiciamento necessa-
rio, oflbrecendo-se appellar para os-depata-
dos e para o poder constituido era. virtude
da constituigao-de maio de 1870, a fun de se
tratar da paz entre as dnas potencies.
No caso de nio ser aceito o prhneiro ar-
tigo. pederia para ser internado neste pon-
to do torritorio francai, para desempenhar
alii a mesma missao de ordem.
Emfim, se sc nao podesse alcao^ar cousa
blguma, pedir., nas coodigoes de uma capi-
tulagao iraposta pela falta de viveres, que
fjse mandado-para Argel.
i E* diffic I admittir que o rnareehpl Bazai-
ne tenha pensado por um momento que
semelhantespedidos tinham alguma proba-
bilidade de exito; Para que se desceu por-
tanto a suppbxas inuteis As- horas decor -
riam; os ultimos viveres desappareciam,
e se depots do cheque daquelles pedidos se
decidia finalmonte destruir o material, e
tempo fattaria evidentemente.
Como era facil de prever, o
Changarnier, depois oa ter sido acolhido pe-
lo principe Frederico Carlos com cortezia e
deferencia, nSo alcangon senio uma recosa
formal e cathegorica; A unica questio en-
tdo era capitular.
A24de outubro, o inteudente Labrun
declarou ao conselbo que ji nio podia dar
is tropas senao algum arroz e cafe" para um
dia. Um dia de pao, dous quando muito,
ffcavam, alem disso, nas reserves des corpos
do exercito.
t Os viveres tinham durado mais do que
havia annunciado o general commandante
superior na sua carta conGdencial do 9 de
ootubro.
A extincgio dos recursos militares tinha-o
forcado a dirigir-se, a 13, i autoridade mu-
nicipal, para obtor Os trigos necessarios i
alimentagio das tropas. 0 general resot'
?eu-se ao mesmo tempo a eonstituir a cona-
rnissdo da vigilancia de provisoes de sitio.
Era seguramente pouco sdrio crear a cora-
missdo d i vigi ancia no momento em que
jd nao bavia quo vigiar sendo armazens e
depositos vazios, quando ate entio se tinha
julgado poder passar sem ella.
A contmogao produzida pela noticia dada
a 13, no conselbo municipal, produzio a
mais viva sensagio. Forgou o general com-
mandante superior a resolver, sob a pressio
da opinido publica, que se dessem aos ha-
bttantes ragoes de 100 grammas de pio
para cada adalto, desde o dia 16, etevan-
do-se a 300 uti-19 de outubro. A adopgao
para a populagao civil do pio empregado
para o exercito desde 9 de outubro, foi or-
denada contar do dia 16 de outubro.
A applicagio desta raedida, as pequiias
adoptadas na cidade desde 12 de outubro,
a mudanga nos armazens da praga, dos ar-
tigos pertencentes aos corpos do exercito,
emfim as reservas do odo desses corpos, nao
deisavam prever qae* fosse possivel prolon-
ga-, >lem de 23 de-outubro, a duragio do?
viveres.
.W.soo do general de Ciney.Conaelht
de 26" de outubro. 0 marechal pedio ao
general Cissey, ao qual os seus brilhantes
servigos na campanha- de 1870 assegura-
vain um acolhimento distiucto da parte do
inimigo, que se dirigisse junto-do chefe do
estado-maior allemao para lho pedir as con-
digoes- que deviam ser impostas- ao exercito
no caso de uma capitulagdo que naodeves-
secomprometter a praja de Metot Respon
deu-se qae as condigoes serianv as que ti-
nham sido impostas ao exercito do marechal
Mac-MalKKi, e que a sorte da praga nio po-
dia ser seporada da do exercito. ftprotocollo
summario passado pelo- general Stiehle foi
entregoe pelo general Cissey ao- marechal
Bazaine. Este importante'docomento, que
foi c mmuiucado ao conselho qaa se reunie
a 26 de outubro, nio figura nos^archivos.
As condigoes principaes eram, segundo 0
depcimento do general Jarras, quo todo 0
exepcho estava prisioneiro de guerra ; que
a praea do Metz devia sar entwgoe- ao ini-
migo/ assirai como o materiel^ de- guerra,
bandeiras, ete.
Estas eondiodes, disse o general Jar-
ras. foram. eonsideradas como- eioesssivas.
Os generaes Changarnier e Cissey eram des-
ta opinido, mas declararam qua nao- podiam
conservar a menor duvida a respeito do
proeedimento que o inimigo usaha a nosso
respeito,. MH por taute se davia esperar
gue ao-cUnsulas consignadas no >protocollo
fossam- rigorosameiuti uMHiWask.
Kssas elausulas foram mattes- vezes re-
lidas e coromentadas, disse o general Jar-
ras ;.procarava-se algam meio de obter al-
guma modificagio naquellasderas condi-
goes.. Una membro da conselho e*oittio a
idea de que o inimigo, que bavia manifes-
tado-aos generaes Changarnier e Cissey rer-
dadeiros sentime tcs de estima pelu exerci-
to, nio recusaria talvez a am simples des
tftoamento compos to de tropes- da to las a.-,
armas, que se dirigisse d Franga. ou i Bel
giea, oa a Argelia, com armas ft bagagens,
com a eondigao de nao servir contra a Alle-
manba, emquanto durasse a guerra ; mas
os generaes Changarnier a Gessey manifesta-
ram a opiniao de que so nio deviam entre
gar a semelhante illusao. Nio fazendo o
protocollo nenhuma meng-ao das espadas
dos ofiiciaes, um dos membros do conselho
emittio a opiniao de que aquillo nao era
mais do que o resultado de uma omissic
involuntiria.. (Contiauar-se-ha.)
recido pela revelagio. Nem o nosso sanks-
simo padre nem a igreja podem pdr em du-
vida, sem incorrer em heresia, que Deus
pode favorecer com o espirito prophetico
e com a visao celeste, as suas creaturas
seria isso negar os prophetas ; porem nao
sois v6s os que d-veis.aeclarar-vos favore-
cidos pela graga ; para isso necessita-se um
signal patente do Altissimo, e necessario um
milagre.
Savonarola levaotou-se.
Sentira o g lpe no coragao,
Estremeceu, langou um olhar de fogo
para o bade franciscano, e tornou a sen-
tar-se,
Todos tinham visto o movimento de Sa-
vonaroUt todos haviam comprehendido que
o franciscano dissera alguma cousa gravis-
sima, todos des'javam que terminasse
aquelle prologo em grego, do qual nio en-
tendiam uma unica palavra.
Pois venha o milagre I disse Savo-
narola em toscano, isto e, no idiom a vul-
gar de Florence ; se fdr da vontade de Deus
realisar-se-ba o milagre.
E, voltando-se para a multiddo, accres-
centou :
Esse religioso romano exige de vos,
Dominicos de Florenga, uma prova irrefu-
tavel ; quer que effctuemos, como se fos-
semos pantos, um milagre patente ; n6s
aceitamos o repto, faremos o milagre, por
que Deus nos ajudard protege rid o o que
defendem a sua santa causa.
IrmSos, disse frei Francisco de Pu-
glia : o padre mestre frei Jeronymo Savo-
narda estd allucinado; nao affirm > que
minta ao dizer-vos que 6 propheti. que
sente a revelagao, que vfi em extasis um an-
jo do Sonhor sob a figura de um mancebo,
ndo ; tudo isto e apenas um sonho da sua
pbantasia, um resultado das suas continues
vigilias, da sua rontemplagao. A doutrina
evangplicH que vos tern pregado e6 'a, pura
e dfigmatiea ; porim incorreu n> lensuraa
da igreja por haver niist-irado a doutri n
ido fcvjogeluo com asseveragfics f
pprstiriosttS. S> e piopheta, patettteio-o ;
sc ri santo, obi'e um milagre.
Sim.sim, um milagre I cxclamou co-
mo po>sui.la por esso- mesmo peQsamenlo
e com uma conflanga cega em Savonarola,
a multidao que eochia a uavo.
Savonarola levautou-s e disse com voz
tranquilla, dirigindo-so ao franciscano :
Aceito a prova e o martyrio. Conti-
nua irmdo, dize do que modo preteodes qua
o Senhor prove a verdade e a purezada nossa
dou t iaa.
Tambem eu aceito o martyrio, re-
plicou com energia e com ferveate entha-
siasmo religioso, frei Francisco da Puglia
proponho vos, irmao da ordem dos prega-
do?es de S. Marcos de Florenga, uma prova
terrivel ; sdbe tu, Jeronymo Savonarola,
sobe comigo a uma fogueira; se es propbe-
ta, e estas verdadeiramente possuido da
graga do Senhor, que as chammas ; te res-
peitem e saias illeso de entre ellas ; porem,
se nio se effectuaro milagre, se tu e ou for-
mes devorados pelas chammas, a sentenca
do Senhor terd resplandecido declarando
heretic i a tua doutrina.
Seja, disse com voz tranquilla, porem
accontuada a terrivel, Savonarola.
Seja, exclamou nervosamente frei Do-
minico de Pesohia.
Seja, bradou transportado pelo seu
zelo religioso frei Francisco de Puglia.
Vamos i pre senga da senhoria disse frat
Dominico, e determiaaremos de qne modo
ha de lear-se a oabo a prova do fogo.
E desceu do pulpito.
Frei Francisco da Puglia i mi tea o sea
exe.nplo.
Ao mesmo tempo levantou-se Savooarela,
avangou para a nave e, antes de cbegar i
grade que separava a multidao do aitar-mdr,
reunio-se a frei Dominico e ao franciscano,
seguindo com elles por entre a mullidio qua
Ibes abrio camieho domiuada p*.r uma
terrivel effervesceocia.
Sahiram da cathedral, e, seguidos per
um gentio inimigo, enraminharam-se para
o palacio da senhoria.
Pedro de Napoles, Dominico, Frmicisoe
Valori, Francisco Davanzati, e Marcucio
Salviati,.sahiram da cat'uedrl p(-l. porta
quedd*p-ra a run del Cocomer... m qual
estd o grupo de bronzj que represent* Jn-
dith corta:ido3 cnb.'Ci a Mo'of-.Tiies.
MUar-se-ha.l
TYF.DO DIARIO.-BUA DUtyj DKjCAXUa.
>
f
D
r
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E25Z2IK6V_LNU35R INGEST_TIME 2014-05-22T21:22:37Z PACKAGE AA00011611_17539
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES