Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17509


This item is only available as the following downloads:


Full Text
'~r,fs-C*K5J^ "*1 -'MW'W'"' *.-.'
"Y-V "

AMO LI1J fIfiJIl) 197
PARA A CAPITAL E LtCARK* \IK MAO SE PAA PORTE
Por tre mezes adautados......t'........ 6\$000
Por acia ditos idem........ >.'... 12,5000
Por um anno idem................. 23$000
Cada numero avulso, do meemo dia............ rJlOO
TBBQi-FBISA 30 DE AGOSTO BE 1381
PARA 0ESTRO E PORA 0A PRO VIACIA
Por seis mezes adiantadoa................ 13^500
Por novo ditos idem................. 200000
Por un anno idem. .............. 27C0C
Cada numero avulso, da diaa anteriores........... lOu
DE
pr0pttei>alie te Mancel Jigucira tte -faria i Silbos
TELESRAIUS
i
\

RIO DE JANEIRO, 20 da Agosto, s 3
hor.ia e 55 mina tard [Recebid
s 5 horas, pala linha terrestre).
A Camarii doa DepniAiloi appro-
\oa hoj<> em 3 dl*ca*fi< o orc-
menlo da fazi-nda. lendo apprara-
d r. enen<.'a relativa ao pasnjn!o
deviilo ao Ooqne de Staie<
Em S >' LilftcuMHo trata a mcornit Ca-
mar,i d recefca geral do Importo.
tcab} de fatecer o consettaeiro
Cuito Jio Manuel da Uva tiima-
lri, mombro do Supremo Tribu-
nal de Juntira.
KealiMou-Me atonten o anunciado
ras aboticionlMta nonti mullo con-
currido. Ful nelle votada urna mo-
cito de censura ao governo.
01 23.I.. 3vaS
KIO DE JANEIRO, 2o de Agosto, s
y> horas e 40 minutos da tarde.
Kcaliiou < boje no Polytbeama
o mee tino annunciado e promovido
pela Confederaco .tbolirloninta.
l'oi bastante concorrldo. e a ordena
nao fot alterada.
EMtiveram prerseniee 9 deputado*
geraen.
LONDRES, 28 de Agesto.
A Cmara dan Comnana em orna
sesoo de bontem repellio por ? 3
votos contra 191 amamorio apre-
eniada por SIr. dadatone. relati-
vamente a tlinnoluco da liga trian-
do/a >
COPENHAGUE, 28 de Agosto.
svmh o Czar e a Czarina da Bu
la acabam de onegar aqu
ROMA, 28 e Agosto.
Fui iiom 'alo nuncio apostlico no
Rio de Janeiro monsonlior Spolve-
rlni.
RIO DE JANEIRO, 29 de Agosto, s 5
horas e 45 minutos da tarde.
A Cmara dos Deputado* votou
em 3 tliacunno o orcamento do Ml-
nistorio da Fazenda.
Falleceram o conneltielro Miranda
Reg e o Sr. Silva .iiitnaracn.
BERLIM, 29 de Agosto.
I -.n arando parte dos jomaos al
lomaos atat-am rlcoroaamcnle a *
H o Czar dn Hastia pela Mua vlagem
a Cope'itiasne.
BUEN* >S A RES, 29 de Agosto.
a.EL m na edirao de boje
saegara fae o l'.vm r, Barao de
C'olo2l>o presidente do cunselbo de
ministros do Brazil propoz ao gover-
no argen;in <> den arma menta reci-
proco.
A5nn::. Hatrac, fifia] ea Frnambnco,
29 de Agosto de 1SS7.
divide-se, no sentido autero posterior, em duas
partes iguaes'e symetricas, chamadas humUpherios
cerebraes.
Hium sulco profunJ) que estab-1 'ce superior
milite a divisan entre os dona liomispbcrios ; in-
ti'riorm>'nte, p.rm, est) elles eutre ai unidos por
urna f.axa, que s denomina corpo calloso. Cada
um dos bemispberios apreaenta na su* superficie
um grande numero de eminencias ou circumvolu-
coes, separadas urnas das outras por guieos sinuo-
sos ou anfractuosidades A aaass nervosa de que
formado o cerebro c instituida par dos sub-
stancias : a substancia branca e substancia c'nzen-
ti. A primeira oceup o exterior do cerebro,
emquanto a outra principalmente no interior del-
le que so observa. O cerebro est revestido por
tres membranas ( as meninges), que sao, de dentro
para fra :Io a pin matar, saqitbraoa ino;' i te-
nue, formada por um entreqrnsauento reticular
de espillares sanguneos ; 2*, a aracbuoida, mem-
brana serosa, que lubrifica a superficie cerebral,
sem comtudo se Ihe insinuar pelas anfractuosida-
des, como faz a pia-mater ; 3 a dura mater, que
reveste externamente as duas precedentes, e que
por um iado se applica immediatamente s pare-
des internas do crneo, emquanto palo outra se
insina no sulco que divide os dous hemispherios
cerebraes, bem como nos intervallos de separaco
que entre si deixam as diversas partes do enee-^ .
phalo, resultando d'thi varias pregas membrano-
sas, das quaes sao oais importantes a foice do ce
rebro e a teuda do earebello.
(Continua).
aanmzm
INSTRDCCiO POPULAR
PHYS10L0BR fll
(Extrahido)
OA BIBUOTHECA DO POVO S DAS ESCOLAS
SEGUNDA PARTE
Fl XCCKSj DE KFI.ttiO
(Con ti nuc rao)
IKSCBVBCO
Definic*-Dis-se innervaco o complexo das
aceoes nervosas que se exereem no organismo, ou
a influencia que exerce o systema nervoso, como
agente especial das sensacoes, doa movimentos e
das expresees voluntarias, e anda como elemento
que preside s funecoes da vida orgnica.
O systema nervoso, comporto de massaa centraos
de prolongamentos periphericos, espalhados em
todas as diversas partes do organismo, a sede
da senaibilidade e das percepeo-s sensoriaea, e a
das facilidades intellectuaes e afrectivas. E' o
agente iniciador dos movimentos voluntarios e in-
voluntarios, e tem tambero sob a su a dependencia
a* funecoes de nutricio.
Id geral do systema nervosoO systema ner-
voso cousprehende :o encephalo, a medalla espi-
tul e os ervos.
O encepbalo constitu o que vulgarmente se
chama os milos. Divide-se em tres partes, que
sao : o cerebro, o cerebello e o bolbo racbidit.no.
listas tres secces estilo ligad?s entre si pelo isthmo
do encephalo. ....
O cerebro boje considerado pelos physwlogij-
tas wno um aggregado de orgaos, aos quaes se at-
tribu* a sede dos instinetos, das faculdades intel-
lectuaes, das sensacoes e das determinscoes da von-
tade. Occnpa a regio anterior, e parte da poste-
rior, da cavidad* do crneo. A iua face Bopenor
?ARTE UFFlClAi
Hinlsterio da Justiea
Foi prorogado por 3 1|2 mezes o prazo
marcado ao juiz de direiro Ignacio Acuioli
de Vasoncellos para assumir o exeroicio
das respectivas l'uucgojs na comarca da
ImperaLriz, provincia do Maranbao.
Mar:aram se os seguiutes prasos : de 6
mezes ao desembargador nomeado para a
relaySo de Goyaz, Jos Mincel de Frei-
tas ; de 2 mezes : aos desembargadores
Gastas Fcrreira de Gouveia Pimentel Bel-
leza, removido da relac&o de Belm ptra a
de S. Luiz, e Casimiro de S^nna Madura-
ra removido da de Goyaz para a de Be-
ln : e ao juiz de direito Tiburcio Vale-
riano da Rocba Lias, removido da comar-
ca da Imperatriz para a do Pilar, ambas
na provincia das Alagoas.
Nao foi agr-iado o reo Jos Mixinia-
ao dos Santos, condomnado a pana de 6
annos de prisao com trabalbo, de confor-
midade com as deuisSes do jury do Reci-
fe, na provincia de Pernambuco, por critne
de homicidio.
o eneourajado Aquidaban o Io tenente
Edmunlo Miller ; do cruzador tlmperial
Marinheiro para o en-ouraejaio Aquida
ban o machinista dj Ja classa Francisco
Feraandes do Abr-'u, para a canbonoira
Braconnot o guardiao Joao Nunes de
Siqunira; desta para aquslla o gaardiSo
Antonio Z ferino do Nascimento.
T>'ve ordem de desembarcar da corveta
Nitherohy o 2o tenente Adalberto Tha-
dim Costa.
Para servirem no conselbo da guerra a
?uo vai resoonier o Io tonento Raymundo
'rederico Kii-ppa da Costa Rubim, foram
nome los eapilo de fragata Antonia
Fcrrrira de Oliveira, presidente, o capitSo-
tenente Tell Jos Ferrao e os primeiros te-
neiites Juvencio Nogueira de Moracs, Fran-
cisco Fabiano de Cantali ;e, Manoel Das
Cardoso e Jos Manoelereira de Sampaio,
vogaeB.
Octa-
quantia
Ministerio da -tierra
Mandou-se adiar at segunda ordetn o
embarque do rnajor do 6a batalbo de in-
fantaria, Jos Francisco Ribeiro, para o
Rio Grande do Sul.
Foi reconhecido cadete de 2* classe o
soldado do Io regiment de cuvallaria Joa-
quina de Castro, que provou a sua nobreza
era conselbo respectivo.
Permittio-se que o capitao do 4* regi-
ment de cavallaria Antonio Delfino Leite
de Cerqueira e o forriel do 9* batalho de
infaotaria Manoel Ladislao de Souza se as-
signem conforme pediram, o primeiro An
tonio de Cerqueira e o ultimo Manoel
Apollo.
Mandoa se recolher ao 9' batalhao de
infantaria, a que pertence, o tenente Theo-
dozio Mauricio Wanderley, que se acha
addido companbia da mesma arma das
Alagoas.
Expedio-se ordem para qu*> o tenente-
coronel do corpo de esttdo maior de i'
classe Jo5o Nepomuceno de Medeiros Mal-
let, oomeado para presidir o ceneelho de
guerra, a que v2o responder diversos offi-
ciaes na provincia do Piauhy, inspeccione
a companbia de infantaria all existente,
do periodo dejorrido do 1 de Janeiro a 31
de D-z.-rabro do anno prximo lindo, fi-
esndo sssim satisfeito o pedido do ominan
dante interino da mesma companbia.
Concedeu se lieenga ao capitao do Io ba-
talhao de artilharia Luiz Barbedo, para,
conforme requereu, estudar os diversos ty-
pos de canhSes, armas portateis, metralha-
deras e todo o material existente nesta es-
cola, visto ter se inscripto no concurso a
que alli se vai proceder no mez de Setem-
bro prximo vindouro para o preenchimen-
to da vaga de instructor adjunto.
Mandou-se addir ao hatalbao de enge-
nbeiros por tres mezes e sem direito a ou-
tros vencimentos, alm dos que actualmente
percebe, o oapitlto do 2 batalbSo de infan-
taria Onofre Moreira de Magdh .s, que
veio do norte, soffrendo de beri beri.
Ministerio da Harinha
Foi nomeado pare servir no corpo de
imperiaes marinbeiros o official de 2a clas-
se do corpo de fazenda Joai Jos Rodri-
goes Correia, em substituico do offioial de
3* classe do mesmo corpo Alfredo Ramos
Lopes, que foi ^nomeado para a escola de
aprendiaes marinheiros da provincia do
Csar.
Apresentaram se ao quartel-meatre gene-
ral da armada : o 2 tenente Adolpho Vc-
tor Paulino, vitado da flotilha do Amazonas
e o offi-ial de 3a classe do corpo de fazen-
da Marcionilb Olegario Rodrigues Vaz,
vindo do norte onde estove servindo a bor-
do da canboneira Laaego.<>
Tveram ordem de passar: do encoura-
cado Aquidaban* para o encouracado
Riachuelo o 1' tenenle Jo.iquim Ribeiro
da Costa ; par< o vapor Purs o 2o te-
nente Alberto Footonra Freir de Andrade
e para o cruzador Imperial Marinheiro
o macbinista da 4' classe Ildefonso Macha
doDutra; da cruzador Sete deSetsmbro
pare o eocouracado Bahas o 2- cirur-
giao Dr. Domiogos Pedro dos Santos
deste para aquello o 2* cirurgiao Dr
Dr. Albioo Moreira da Costa Lima, ambos
com suas boticas; do vapor Purs para
Governo da Provincia
UfcSPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DIA 27 DE
AGOSTO DE 1887.
Abaixo assignados, miradores na villa de lgua-
rass. Nada ha que deferir, vinto ter sido hoje
approvada a arrematafao dj aervico a que se re-
feren is supplieantes.
Amorim Irmos Jt C. -Sim, mediante reciba.
Antonio Gaspar da Cunha. Requeira ao 8r.
Dr. chfcte de polica.
Anglica Francisca Bastos. Informe o Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda.
Antonio Justino Ferrelra da Luz.Remedido
ao Sr. inspector do Thesouro Provincial para
mandar effectuar o pagamento solicitado nos ter-
mos da sua informaco de 23 do corrente, n. 84.
Commisso nomeada pela irmandade do Santis-
simo Sacramento da freguezia da Boa-Vista.
Remettidoao Sr. inspector do Thesouro Provin-
cial para mandar efiectaar a entrega do producto
de lotera, de que se trata mediante flanea, nos
termjs da sua nifjrmacao de 19 do corrate, n.
798.
Domingos Jos Avila.Sim, satisfeitoB os di-
reitos fiscacs e foros cm divida.
Jos Pedro de 8ouza. Informe o Sr. juiz de
direito do 2 districto criminal do Recife.
Jos Ferreira de Menezes. Iitorme o Sr. Dr.
juiz de direito do 2 districto criminal do Re-
cife.
Joa Remandes Vianna. Informe o Sr. ins-
pector do Thesouro Provincial.'
J. D. Piatl. Informe o Sr. inspector da sau-
de do po te.
Sizenando Hilario Ramos -Informe o Sr. ins-
pector do Thesouro Provincial.
Victorino Jos de Sonza. Nenhum despacho
foi proferido em requerimento do supplicantc ua
data mencionada.
Abaixo assignados, vereadores da Cmara Mu-
nicipal do Recife.Informe com urgencia a C-
mara Municipal do Recife, para o que o seu presi-
dente convocar sesso impondo malta aos verea-
dores infractores o chamando para substiluil os os
precisos immediatos, de accordu ccm. os artigos
228 e 229 do regulamento o. 8,313 da 13 de Agos-
te de 1841 e aviso n. 40 de 2 de Maio de 1888.
Francisca Antonio Brandas Cavalcante. Re-
mettido ao Sr. presidente da Cmara Municipal
do Recite afim de convocar a Cmara para o pr-
ximo dia designado para suas seeto. s, mu.tando
os vereadores que nao tem querido comparecer e
constituindo a cmara com immediatos em votos,
para em seguida informar este recurso. Os ve-
readores infractores alem da multa, estilo.sujeteos a
processo criminal salvo impedimento por motivo
justo.
Secretaria da Presidencia de Pernambuco, 29
de Agosto de 1887.
O porteiro,
F. Chocan.
Manoel Ferreira Lopes e Augusto
viano de Souza.Entregue-se a
era deposito.
Offi;io do Dr. procurador dos feitos, Fr.
Jos de Santa Julia Botclho e SebastiSo
Antonio Cavalcante. Iaforrae o Sr. con-
tador.
Tbom Rodrigues du Cuuha e officio do
Dr. procurador dos feitos-Informe o Sr.
Dr. administrador, da R-?cebed)ria Provin
sial.
Henrique Ferreira Baltar Sobrinho, Au-
na Apridio Cavalcante, Antonio Jos de
AluK'i'' "Fiico, Mari:i Rita do Livramen
to Ca^JirTat, Fabio Volloao Freirc-t) Cos-
ta & C..'.laja vista o Sr. Dr. procurador
fiscal.
Francisco de Paula Freitas e Bellramino
Ferreira Padilba.Satisfaca a exigencia.
Miguel Archanjo Mindello e Diojjo Au-
gusto dos Reis.Certifique-ao.
Jorge Cypriano da SiUa Tdixeira.En-
tregue-so pela porta.
Repartico da Polica
2* scelo. -N. 760. Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 29 de Agosto de 1887
Illra. e Exm. Sr. -Participo a V. Exc.
que foram recolhidos Casa de Detenco
os aeguintes individuos :
No da 27:
A' minha ordem, Theodoro Marques da Silva,
viudo de Fernando de Noronha, disposico do
Dr. juiz de direito das execucoes; Jos Antonio
do Monte, com destino Escola de Aprendizes
Marinheiros e Fe'ix Abilio Pereira, vindo do ter-
mo de 01 inda, remettido pelo Dr. juiz de direito
como r> appellado.
A' ordem do subdelegado da ireguesia de Santo
Antonio, Antonio Regolino da Silva e Jos Amaro
de Oliveira, por disturbios
A' oriem do do 1- districto da freguezia de S.
Jos, Jos Joaquitn de Q'ieiroz por crime de
furto.
A' ordem do do 1 di.tricto da Boa-Vista, Julio
Alies Bezerra e Rita Mara da Conceico, por
embriaguez, disturbios e cffensas amoral publica.
A' ordem do da Magdalena, Joo Jos de Le-
aos, por disturbios e ofiensas moral publica.
No da 28 :
A' ordem do subdelegado da freguezia de Santo
Antonio, Jerooymo Peregrino de Furias, por dis-
turbios e uso ue armas defeza.
A' ordem do do 2- districto da freguezia de S.
Jos, Joo Clemente de Mello, Tbomaz d'Aquiuo
de Moura, Joo Silvino da Siva, Joo Sergio de
Souza, Jos Francisco de Barros, Jos Carneiro da
Silva e Jos Andr do Nascimento, por embria-
guez e disturbios.
A' ordem do de Belm, Manoel Rodrigues de
Jess, Joaquim Candido Francisco 4a Cesta e
Antonia Mari* dos Santos por embriagues e dis-
turbios.
Communicou-me o delegado do termo de S.
Jos do Egypt^, em officio datado de 13 do corren-
te, ter prendido os aeguintes individuos, no dia 1
deste mez : Joo Alvea Cascavel, como pronun-
ciado no art. 201 do Cdigo Criminal, no termo de
Joo do Cariri Velho da provincia da Parabyba
do Norte e no dia 7 tambem deste mes, Manoel
Ignacio da Silva, desertor do 2' batalhao de in-
fantaria.
Participou-me o eidado Joo do Reg Lima
Jnior, ter no dia 27 do corrente assumido o exer
cicio do cargo de delegado do districto do ter-
mo'da Escada.
Deus guarde a V. ExcIllm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azevedo, omito
digno presidente da provincia.-O chefe
de poli .a, Francisco Domingv.es Ribeiro
Vianna.
OlARiO BS PERMMBCO
Noticias da Europa
Pelo paque inglez Cotopaxi, ante-hontem chegjdo
dos portes da Europa, recebemos as aeguintes noti-
cias, alm das que constam da carta do nosso corres-
pondente de Lisboa que vai publicada sobre a ru-
brica Exterior :
IcsiiaaiiH
Acerca deste reino escreve o nosso correspon-
dente de Lisboa:
O ministro dos negocios estrangeiroa inaugu-
rou no dia 12, s 4 horas da tarde, em Cdiz, a ex
posico martima. Assutio a esta ceremonia im-
mensa muttido do povo. Entre os marinbeiros
notavam-se os marinheiros portoguezes.
A viagem da rainha regente de Hespanha s
provincias Wascmgadas tem sido um constante
tiiuojpho.
Em todas as estacoes por onde passou, fosse de
madrugada ou alta hora da noite, o povo accla-
mou-a ruidosamente. Dos arrabaldes ebega nu-
merosa gente para ver D. Cbristina.
A entrada de S. Sebastio, grande regosijo.
Muito povo, po'itcos de todos os partidos, espe-
ravam Sua Magestade na gara. Pelas janelas da
cidade em festa, vistosamente adornadas com ri-
quissimaa calchas, as senhoras saudaram-a com
lencos e os leques, o que produzia um etloito lin-
dissimo, e no meio de acciamacoes enthusiaaticas,
de um nunca acabar de vivaa e de bravos, a no-
bre rainha passou com o seu bello sorriso de bou-
dade, conduzindo nos bracos o pequenino rei.
Nao pode baver de certo mais brilbaute espec-
tculo, do que esta viagem triumphante da regen-
te por todo o seu reino, anda nao ha muito irre-
quieto e convulso, e agora dominado orno que se-
duzido, pela sua fioissima intelligencia e extraor-
dinario bom aenso.
Italia
As correspondencias da Sicilia do cent* do ter-
ror e pViico que se apoderiu d) igumaa povoa-
coea rurles d-.^u.illa ilha, em coosequeneia do ap-
pareeimWnto do cholera.
Os habitantes, na aua maior parto, inclunds
muitos fanecionarios, togem espavorid is dos pon-
tos infestados, deixaudo os enfermos sem soc-
corro.
Durante a noite nao se pode transitar pelas ras
das povoacoes pequeas, porque alguna habitantes
apossaram-se da extravagante idea de, as janel-
las, effectuarem descargas com project s, na estu-
pida creuca de que assim afogentam a epidemia.
Referem-se algamaa aceas que recordam os
horrores da idade media.
Apezar dos jornaes italianos tratarem de atte-
mar os effeitos do cholera, as cartas particulares
aflirmam q >e a cruel epidemia adquire grande des-
envolvimenlo na Siena e antigo reino de ap-
les.
A morte do Sr. D. pretiz foi geralmente sen-
tida, e para logo se reconheceu a influencia que
havia de ter na poltica a desappanco desse e ni-
ete bomem d'Estado.
Na ultima reorgauisacao ministerial causara
grande cstranheza a permanencia do Sr. Depreda,
tornava maior estracheza o tacto de cont inuar a pre-
sidir aquella estadista o govern de qm passavam 16ate"affi7m7o"e a RuTsa dirigi o's'VeuTagen-
a fazer parte os srs. Crisp e Zirnade li Sigu- ^g uala circ0|;r protestando contra a elevacao do
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 27 DE AGOSTO DE 1887
Julia Mara Caldas da Rocha.Fagam-
se as notas da portara de licenca.
Joao Elviro de Moraes e Silva, Leoca-
dio Julio de Castro e Manoel Jos dos
Santos Ferreira.Registre-se e facam-se o
assentamentos.
Tiburcio de Oliveira d C.Escripture-
83 a divida,
Alexandre Americo de Caldas BrandJo,
Zirnadeili.
fctva o caso a diflictildade que se or recia em
dar a presidencia do gabinete ao Sr. Crisp, e jul-
gava-se difficil que no mesmo goverco se remis
sem o Sr. Depretis, que se afastra da esquerda, e
o Sr. Crisp, o vulto mais proeminente da oppoji-
co. Ai cousas, porm, passaram mu i as vimos,
embora a organisaco ministerial fosss to labo-
riosa que excedesse em tempo a todas quantas se
teem dado na Europa constitucional.
Pouco sobreviveu rorgau:s*c) ministerial
ultima o Br. Depretis, e agora o Sr. Cnsji encon-
trou-s naturalmente indicado para chefe do go-
veruo, sem que o rei podesse afastal-o, e porque a
opinio o iodicasse como 8uccessor de Depretis.
O Sr. Crisp satisfaz por certo na actualidade
as exigencias da poltica interior, e pode suppor-
se que saber tornear todas as diffleuldades pro-
venientes da poltica externa.
J Depretis nao era o poltico sempre disposto a
seguir as aguas daa influencias ademas; nao o
ser tambem o Sr. Crisp.
Os estadistas italiauus teem dado sobejis pro-
vas de como podem sahir-se das grandes difficul-
dades internacionaes, affirmando e robustecendo a
poltica da nova Italia.
Ninguem intlhor do que elles conhece o que
mais interessa ao seu pas, e ninguem mais do que
elles tem contribuido para afervorar na alma do
povo o culto da patria.
Na prxima abertura do parlamento que se
poicri conhecer o caminho quo o Sr. Crisp se
prop: segar, e qual a disposi ao doa partidos
em presenca da nova poltica que vai encetar-se.
Inglaterra
Os liberaea-unioaistaa ingleses reuuiios ultima-
uieute n'um banquete, ao aoreciarem a situnco
que Ibes convioba, accentuaram as suaa inclina-
coes para os conservadores.
Nada os leva p. aproximarem-sc de Gladstone,
antes se Ibes afigura graviaaimo perigo a ascencao
daquelle estadista ao poder.
Nao parece, porm, que a opinio deixe de se-
guir o velho Oladstone, porque at u'utna recente
ulaico, o candidato do goveruo acaba de ser ven-
cido, sahiudo vencedor o candidato p.rtiduno de
(iladstoue.
A questao irlacdeza sobrepoe-se a todas na Gri
Bretanha. O.i partidarios do govorno vo ven-
cendo no parlamento, porque emquanto os liberaes-
u lionistaa o rao desampararen), nao corre risco o
marquez de SaKsbury. Apesar de tudo, e de
vea em quando sempre se tallf na necessidade
de reforcal-o, entrando para elle representantes
dos liberaos dissidentes e dos radicaea.
Allcinantift
Os allemes proseguem sem descar.co em aug-
mentar as suas f oreas defensivas e offensivas.
Assim, ao pasto quo nos ltimos annos. quasi
todas as [.iracas fortes da Atlemanba teem sido re-
constru as e artilbadat com canhoes de grande
calibre, e que o exorcito de torra teve um grande
augmento, a eaquadra allem tambem vai soffren-
do urna importante remodelaco e tanto isso
certo, que j hoje ella att como em forya de navios hto efectivo c onsideravel
e com que qualojuer naco deve contar para o caso
de um contl cto provavel.
Nos ltimos lempos construiram-se na Allema
nha do3 transportes courac-idos, uma fragata
couracada, urna fragata a vapor, systema mixto,
ferro e madeira, tres corvetas, um cruzador de
grande marcha, dois avisos e um navio escola,
alm ds gmn le numero de torpedeiros.
ltimamente firam encommendadas pelo alini
rantado allemo mais alguna barcas torp>deiros.
Essa eueomuipnda foi feita importante casa
fabril Schign Elbing.
Oa novos torpedearos tero 55 metros de com
primenro por 6 de larguia.
As machinas aero de syatema Schichan, de tr-
plice expansao, da forca aproximada de 2.0)0 ca-
vados vapor, e dando 270 rjtacoes por minuto.
A velceiiade me L "jrpa da 21 no f r 'ie*. Av .-iti- i tubos
lanc>-torped s e sol
sero m lutadas caioli 3 Holchyss.
Em Oastein veritieou-so a entrevista do inpo-
rador Guilberme, e do imperador Francisco Jos.
Deste modo a Alleicauha e a Austria-Hungra
inostratD as boas dsposic.oes em que se eacoatram
08 dous gevernos dos imperios.
Mas desde que se reunein dois dos imperadores,
pergunta-se sempre pelo tercero, ou su.-ge in-
terrupeo persistente sobre se existe ou nao a tr-
plice allianca dos imperios russo, a'.iemo e aus-
traco.
Tantoj sao os inleresaes que reunem aquelles
imperios, que a cueto ae acredita na divergencia
entre elles, e por vezes to encontradas parecem
as vistas dos estadistas que os governam, que
nao menoa difficil comprehender como podem
entender-se amigavelmente.
Agora reuniram-se os dous imperadores da Al-
lemanba e da Austiia; teremos entrevistas de
algum destes, ou de ambos com o imperador da
Russia.
Ser que a Al .em mha e a Austria pretendam
deste modo mostrar como so affastam da Russit,
que appar?nta inclinar-se Dar a Franca ?
De qualquer modo as visitas dos imperadores
nao parecem agora indicio de guerra, como tantas
vezes se tem apregoado que o .
A paz pesa sobre os governos, o todas as expan-
ees bellicas se desvauecem fcilmente.
Nao contribue pouco para isto a altitud.' serena
e firme da Franca.
Bnssla
A campanha empreheudida pela Alternan ha
contra o crdito da Rusta parece estar ultimado.
Mas uo se sabe com certeza se ella produziu o
effeito que desej .vatn os seus iniciadores.
Consta, porm, que o imperador Alexandre III
se nao deixou intimar em face das graves aecusa-
c-s que to respeiton imente se formulavain contra
o crdito e cju tico : econmicas do seu imperio.
Alexandre III respondeu. sem exitar s suces-
sivas diatribas adems, dundo ordem aos directo-
rea de fabricas, assim como aos administradores
de propriedades e eatibelecimento de toda a espe-
cie, que nao sao de ongem russa para abandona-
rem o paiz, e especialmente ag provincias frontei-
ras da Polonia, no praso de 10 das.
Esta providencia produziu profunda senaaco :
vin-se n'ella urna lucta administrativa e diploma-
tva. Mas aquelles a que so diriga a ordem, t>-
ram forjados ao exacto cumprimento della, e o
effeito resultante parece difficil fazel-o desap-
parecer.
Ninguem contesta, diz urna folha peridica, que
a allianca germaniea muito poderosa e impor-
tante ; mas a R ja permanecer seuiora dos seus destinos, e da sua
completa liberdade de aeco, reservan do-se no
futuro a independencia precisa para tomar a po
sicao qu melhor Ibe convier, segundo oa aconte-
cimentos.
Deste estade de coosas, e da attitudo em que se
collocaram es dom imperiis, embora as uas rela-
ce-s S'jam aparentcaiente amigavei resnltam
serias aprehensoes. Apezar das expreseoes favo-
raveis conservaco da p iz, que ltimamente se
prouuociaram 11. intervista de Gastein. tmese
que essas garantas posaam ser perturbadas de um
momento para outro.
O encarregado dos negocios da Russia commu-
nicou no dia 13 vrbalmunte sublimu Porta um
despacho do Sr. Giers que protesta contra a elei-
co do principe Fernando de Coburgo para sobe-
rano blgaro e contra a sua ida Bulgaria.
O Sr de Giers espera qus a Turqua ajontar'i
a sua voz a este protesto.
Commutiicti<; lo idntica foi feita a todas as
potencias.
Un despacho de Vieona para o Jornal dos De-
principe Fernando deCrburg) ao tbrono da Bul-
garia.
Bulgaria
Depois de multes boatos, em regra, contradi-
ctorios, sobre as intencoes do principe r'ei naudo de
Coburgo em presenta da sua < leico para o tbrono
da Bulgaria, annuuciou-se oflicialmecte a aua par-
tida para o principado.
A maior parte dos peridicos estrangeiros escre-
vem a este respailo. Algunsorgos da impreusa,
e eutre elles La Libert le Paria, qualifieam to-
mada pelo principe.
Na Allemanha a imprensa mistra-se muito cir-
cumspecta. Os principaes peridicos ingleses af-
fectam urna certa perturbar > pelo que respeita
pessoa de principe: o Pall Mal Gazette est per-
suadido de que se Ihe nao permittir a sua resi-
dencia na Bulgaria, porquanto a sua eleico nao
nao fra ractincada por ninguem.
O Daily News talla de couspiracoes contra o
principe.
Os orgos considerados iudepeadeotes, da im-
preasa e Vienna, eases teatemunbam sympathia
pelo jovem principe, dizendo comtudo qia elle vai
affroutar urna carreira arriscada.
Encontramos eacnpto, que na monarchia danu
biana, veria a opinio sensata com praser, que o
principe couseguiu o que nao poude conseguir de
Battenberg, procurando extinguir o fos revolu-
cionario existente, e de qu < podem resultar graves
complicace.3 no Oriente. No entretanto outras
iuform .coea suatentam que a situie) internado
principado, realmente deploravel, e que comditH-
culdade se podero dominar alli elementos to en-
contrados .
Em presenca de tantas conjecturas, nao consta
anda sobre as verdaderas instrucco-s do principe
do Coburgo. Muitos suppunham, porm, que elle
dingiudo se a Tirnova, pensava apenas em agra-
decer a sua eleico, declarando em acto inmediato
que nao aceita a coii.
No dia 13 de Agost <, a noite, chsgou a Tirnova
o principe de Fernando de Coburgo, qoe teve um
acolhimento devra enthusiastico. Respondendo
r. urna allocuco de boas viudas, fallou no roturo
do paiz, sem todava indicar um orientaco qual-
quer.' Occupa no paco os mesmos aposentos do
principe Alexandre de Battenberg.
A 14 pre-etou juramento perante a grande So-
brante. No di 15 reunio-ae a aasemola para a
lormaoo do gabinete e a 16 partira para Philip-
pons e Sotiu.
Eis a proclama^o que o principe Fernando de
lourgo ftz ao povo bu gar, quaodo ebegou a
O.sosa :
< A naco buigara esolheu-me para seu prin
cipe, pela nuanimidade de votos de seus represen-
tantes. Foi-me p:'u iso ter de hesitar, mas fil-o pa-
ra me nao expr censura de ter descarado a me-
nor circua itaocia que podesse fazer ganhar a noa-
sa causa as ytnpatnias u'aquelles que governam o
mundo. Os meua estoicos, pirm, nao foram co-
rdados de sueceaeo e aa circular que fiz aos gabi-
netes da Europa tive de declarar qae.aceitava a
escolb'i di soberana indrp^nlente do Ciuieat-
mento das potencias.
Puvos da Bulgaria venho para o maio de vos
com os bracos abertoo e om um eiraca) dedicado,
para eompartilbar comvosco tai 1 o que o futuro
vos reservar. Empregare todos os esforgos para
seguir o caminho da liberdade, da civilisafo e do
progresso intelletual A misso que aceitei graa-
de e levantada. Grandes e tempestuosas naveaa
pairam no vosso borisonte, mas a minba confianza
na vo38a c .-ager o na vossa persistencia tam-
bem grande. A vontade do povo sagrada, e essa
vontade triumphou sempre. l ie essa vontade aeja
tamtoin a minha. Espero queme apilareis nodea-
empenho da minha misso: coa a ajuda de Deas,
delendere a vossa cansa.
Francamente se este o manifest authentico,
como o affirinam os jornaes de Pest, decarande
Resido ciminnnicadi p^lo Conde Zichy, aju-
dante d> principe. i i n jcamento.....que dcixi
muir a des jar tanto da forma, como na esseacis.
Em couformidade com a resposta que dei 4 de-
legacao da Sbrame, teuho a ho ira de vos partici-
par que vou Hulgaria para aceitar o throuo ^oe
me foi offereeido. Nao tinha respondido immedia-
tniBciite ao cbamamento djs bulgarus por esperar
que a escolba da Sbrame seria ratificada pelos
governos, e por ias* quiz esperar a resposta daa
rau les potencias. E-isas respoatas nao foram ver-
daderamente favoraveis, como pareceu. Mas nao
levautando objeeeoea contra a minba pessoa, mas
nicamente contra certas formalidades, emprehen-
do a viagem com a certeza de que as potencias,
depois do facto consumado, deixaro de se oppor.
Vou po8 para a Bulgaria com a firme resoluco de
por termo deploravel situaca > em que esse paiz
se acha. Espero que o Todo Peleros permittir
que eu cumpra a minha misso pacifie imeute, e
que eleve esse povo posico a que tem direito no
meio das nacoes civilisadas. A misso qus me im-
ponho nobre e grande; e tambem santa por
consagrar a vida inteira felicidade d'um povo.
Deus me ajudar a caminbar com passo firmo para
o fim a que me pr .ponho. Peco-vos que nao mo re
tiris a vossa protec^o que me secundareis no;
meus esforc.
Agora a nota enviada Sublime Porta :
< C Sublime Porta que aceito a escolha da Sobraai e
que en'.rei hoje no territorio blgaro. Espero que
este acto aeja conforme ao3 votos e s inteacoes
de Vossa Magestade. Que Vossa Magestade es-
teja convencido de que eu reinare eom amor e
juatica e sabere fazer respeitar a liberdade con-
fessional. >
A proclamaco do principe Fernando produsic
boa impresso nos circuios austracos.
No dia 13 celebrou-se em ofi% um solemne
Te-Deum nacatbedral. Orou o metropolitano,
dizendo quo toi-s os partidarios devern adherir ao
principe Fernando, tem a firme espe-anra de que
es-e ha de fazer sabir o paiz da crise, e reconciliar
a Russia com os bnlgaroa.
Os correspondentes dos jornaes inglezes em
Vienna sao de opinio que os negocios da Bulga-
ria nao occasonaro complicacoea diplomticas.
Diz um despacho de Rustcbuk que os cnsu-
les nao npp ireceram ebegada do principe Fer-
nando de Coburgo.
O correspondente do Jornal dos Debates, em
Bucbarest, assevera que a poliea descobrio vaati-
gios de urna eoospir. c) em Rostcbuk, eacontrou
oombas e outros engenhos explosivos e prcadea
varios individuos sospeitos.
Os inte-esses das potencias com relaco aos ne-
gocios da Bulgaria esto muito divididos, e por
isso a pertinacia com que se tem havido a regen-
cia, pelo menos digna a lograr o meliior resal-
tado.
Egypio
A questo do Egypto parece tomar nova feico.
O sul to nao ratifico u a convenci com a Ingla-
terra, e, por sua parte, o marquez de Salisbary
nao coosiderou o eso como grande desastre poli-
tico.
Em vez de irritar-ge, o gabinete ingles teosau
tudo boa parte.
Nem a Allemha, nem a Italia, nem a Austria se
mostravam dispostas a contrariar a Inglaterra,
antes pareciam inclinadas a apoial-a. Da parte
da Russia e da Franca que surgiam as dtfieul-
dades.
Nao nos parecia que a Franca tomasse urna po-
sico muito ostensiva a este respeito : mas o cer-
to que o Sr. Flourens, ministro dos negocios es-
trangeiros, expedio urna circular aos agentes di-
plomticos fraucezes naa diversas cortes, com re-
laci questo do Egypto.
A circular est redigida em termos muito pacfi-
cos e cortezes, notsnio-se n'ella, comtudo, que se
tivesse ajustado o convenio entre a Tarqaia e a
Inglaterra, sem que, previamente, tivesaem sido
informados os givernos europeos.
Visto haver sido abandonada a convenci, ou
ter reconhecido a Inglaterra que nao ple ser ra-
tificada pela Turqua, percebe-sa que o goveruo
francez se toma a palavra neste assumpto, que
deseja tratal o mais de espado.
Ser porque a Franca no caso snjeito, cantando
cm a Rudsia, pretenda tomar urna iniciativa
agradavel a esta potencia ?
Talvez ae trate de promover um accorda eoro-
peu sobre a questo ; mas nao faci! perceher
desde j se esse accordo poder oa nao chsgar a
estabelecer-se.
as questoes do Egypto a velha diplomacia do
centro da Europa costumava desinteressar-se, en-
tregando a solucao d'ellas Franja e Ingla-
terra. A Frauca, poia, procurando o concurso ea-
r pea, afasta-se das velhas tradicoes. Esta rumo
pr.-judicar os rnteresses da Ioglaterra e favore-
cer os da Franca t
Melhor parecia ir seguindo o pendor que az coa-
sas havibn tomado durante to longo periodo;
mas o que se deduz da circular di Sr. Fiourcno,
indica de algum modo que se pretende seguir en-
tro caminho.
As disposicoes e at mesmo os olbarez aatiga-
veis entre a Franca e a Russia nao sao provavei-
mente estranhas ao que se est observando.
A morte do distincto jomalista redacten da
Gazctao de Moscow foi motivo para se nttattas-
tarem por parte da Franja demonstrares nata-
veis de sentimento pela perda d'aquelle homsst
Ilustre. Era elle am adversario da Allemanha, e
por ventura nao foi estranha esta qualidade qnel-
laa demoustraeod. Porque, em verdade, o nota-
bilissimo escriptor uetava longe de corresponder-
s aspracoes da democracia Na imprensa fran-
ceza, apesar da disposico geral de sentimento
pela morte do edactor da Gazeta de Moscow,
uo deixon comtudo de ferr-se a nota de nao ser
elle um representante des principios liberses.
---------- ?
Noticias do Su!
O paquete inglez La Plata foi portador das se-
guales noticias, alm das officaes que publicasen
na seceo respectiva e das constantes da oarta do
nosso correspondente da cite, inserta oh a ra-
brica nter or.
Pacifico e lo da Prata
Ditas at 12 de Agosto :
Diz um telegramma de Valparaso, datada e W
que o governo chileno a dirigir ao peruan na
nota declarando-lhu categricamente nao estar dia-
pisto a aceitar nenbuma clausula do contrasto esa
que 0 Per julga salvar a sus sitnaco fiauteeiar.
Noticiando a ncmeaco do Dr. Carlos Mara Ra-
mrez para vir em m sso especial temporaria %o
Brasil, diz El Siglo : As questoes confiadas ae
Dr. Ramiros sero as que se tem agitada Itis
ment e affectam to profundamente aai s
interesses commerciacs.
O Jornal do Commerci da corte pnblicoa 1
gutntea telegrammas :
r^ED


,:.




a '" w
Diario A* feroambvco--Terfa-lira 30 de Agosto de 1887
Montevideo, 20 de Agosto (Retardado).
Embarcou boje, a bordo do paquete franeeafra-
ce do C mpanhia dr. Transportes Martimos,
o Dr. Cardara Ramrez,enviado tnwdi-
nario e ministro plenipotenciario da Repblica
Oriental no Brasil- ...
O novo mmistro vai acompanbado de um secre-
tario, o Sr. Zuroaran, e de um addido scientifieo, o
gr. Arrchavaleta.
O Dr. Bamire foi alvo de urna maniestaco
sympatbica na occasio do -mbarque, sendoacom-
panhado a bordo do paquete pelts ministros do
Brasil e da Hespanba, conselheiro J. da Ponte
Ribeiro e Dr. J. de Avellano.
Montevideo, 22 de Agosto.
Preparam-se grandes festejos para celebrar o da
25 de Agosto, anniveraario da independencia do
Uruguay. .
O cabo submarino acba-se ncvametite nusrrom -
pido entre esta capital e Buea< s-Ayreo.
Buenos-Ayres, 22 de Agoato.
Foi decidido que o baoco da provincia de Bue-
nos Ayres proporcionar emprestimoa aos agri-
cultores mediante garantas determinadas.
Deu-se um accideute na estrada de trro do
Norte, perto de Conception. Abaten urna ponte
ao pasear um trem, e foram precipitados no no
alguns wagons. Ha moitos feridos : faltam per-
menores. ,
O governo ceta definitivamente resolvida a por
a venda a eslrada de ferro Central do Norte.
Consta que o bispe do Paran partir para a
Europa afim de reprea. ntar o clero argentino no
jubil" do Papa Lea" XIII.
Santiago, 22 de Agosto.
O governo chileno est preparando ana emprea-
timode 16milboes de pesos.
Buenos-Ayres, 23 de Agosto.
Osjonmes da oppossivao atecam com grande
vivac-dade o projecto da subvena luna de pa
quetes a vapor, directespara Boenos-Ayres, que a
Companhia Houston pretende crear.
A federaliaaco do Banco Agrieola da provincia
pede ser considerada negoeio decidido.
O Dr. Tilemcn Posse, ministro da justica, des
cultos e da instruceo publica vai a presentar bre-
vemente ao cougresso o projacto de le estabele-
cendo o casamento civil. .. .' .,
Foi offerecido a D. Carlos, Doque de Madrid,
um grande baile, ao qual assistiram, alm de
muitos membros da colonia bespaaJsola, varias no-
tabilidades argelinas. A testa corren muito ani-
mada e oasaloesestavam verdadeiramente esplen-
didos.
Lima, 23 de Agosto.
A imprenea mbate as pretencoes do governo
chileno e sustenta a validada do contracto feta
com oa creoores ingleses do Per. O governo nao
respoodeu ainda nota diplomtica do Chile.
Valparaso, 23 de Agis'.o.
Reinou hontem grande tempestade as costas do
Oa estragos causados em trra, pelo vento, sao
consideraveis. Recea-ee muito que alguns navios
tenbam dado cesta.
Santiago, 23 de Agosto.
A imprensa chilena combate o emprestimo de
16 milboeo de pesos que o governo pretende con-
tractar com capitalistas estrangeiros.
KindrundrdaMil
A supracitada folha publica o seguate tclegram-
ma:
Uruguayaca, 20 de Agosto.
Inaugurou-se h je solemnemente o trafego do
Estrada de Ferio d.Qoarabyma Itaqui.
A cmara municipal e as autoridades da fron-
teira, de mar e trra, assistiram ao acto.
Paran
Ainda a mesma folha publieou este outro tele-
grsmma:
Cnrityba, ii de Agosto. .
C\.m aesistencia do presidente da provincia e de
grande numero, de euipregados publieos e de pee-
soas gradas, foi inaugurado hontem, pela agen.ia
de coloaisaco, o novo ncleo de mmigrautes ae
nominado Presidente Paria, que se acba situado
em terreno de primeira claase, no lugar chamada
Canguiry, a 7 kilmetros da est.co de Piraqua-
rarana da estrada de ferro, a 2 da estrada da Gra-
ciosa e a 20 desta capital.
O nove ncleo tem todas as condicocs precisas
para prosperar.
Datas at 19 de Agosto:
Na taculdade de direito foi encerrada a inscrip
cao par o concurso cadeira de rhetorica e po-
tica do curso annexo.
Ficaram inscriptos os Srs.: Dr. Manoel Alvaro
de Souxa Si Vianna, Dr. Jos Esequiel I-reire,
Dr. Joo Jo* de Arauja, Dr. Nelson Tobas de
Mello e Joo de Campos Navarro de Andrade.
Em S. Jos do Rio Pardo, na occasio em que
era perseguido por diversas pessoas do povo e po-
licas loeaee, que o queriam prender por ter-se
evadido da cadeia, onde tora reolbido por ordm
doSr. delegado de Casa Branca, atirou-eeao no o
cabo Joe R drigues, autor de um delicio.
O cadver nao tinha ainda apparecido.
Em I', no dia 20, s 2 1)2 da tarde, um meni-
no d.- 4 para 5 anuos, filho ..o fallecido Joao LoOo,
ex-empregado da cnmpaohia Ituana, tentando com
um ph isphoro incendiar um monte de palha, fel o
com tanta inft-licidade, que a c-bamma communi-
cou-lhe as vestes, ficando inteiramente queimado,
O seu estado gravissimo. _
Foi preso em Botucat o criminoso Joao Curuca,
autor de um criroe de morte na cidade de Pirat-
eaba. J T A
Em Cspivary foi victima de urna qaeda Jcse
Soares, c perario, que atffreu urna forte contusao
na espinha dorsal.
O seu estado grave.
eainara municipal de Campias cencedeu pri-
vilegio a Roberto Normanton e outro para explo-
raren urna lioha de bonds que, partindo da esta-
co de Vailinhos, na estrada Paulista, v ao bar-
ro das Cabras.
U .uve em Campias, no dia 15 um grande mee-
ting pera protestar contra o minuten >.
Foi votada unnime adheso mocas aceita na
capital.
Ja chegaram ao Salto os matenaea di pente de
ferro de 70 metras de extenso, encommendados
pela c mpanhia ituana para substituir a actual
ponte de inadeira sobre o Tic.
Na estrada que de It vai para Porto Felia, ap-
parecou urna uuvem de vespas cassunuagai, que
cabio sobre algumas pessoas, deixando-as prostra-
das. ..
J pouco antes tinha apparecido urna grande
quantidada dellas, no Salto, prximo fabrica de
tecidoa do Dr. Barros, mordendo muitos operarios,
que ficaran. bastante malti atados at com febre.
Em Jacarehy, no dia 11 do crrente, um grupo
de abolicionistas tomou 10 escravos a um indivi-
duo que os condusira para o oeste, e fel-os embar
car no dia seguiute para a capital.
De Casa Branca escreveram ao Correio de
Campias, em 17 do corrente :
Agitacb entre o povo e polica de S. Jos do
Rio Prd.
P.ilicia arrombou as portas da casa de nego-
cio dos cidadaos Louienco e Jos Correia na noite
de 10.
Polica de Casa-Branca, com o delegado Au-
relian Carneiro abra inquerito, no qual a culpa
eontra o sargento Jos Rodrigues da Silva.
Este fugio para Casa-Branca, quando se faaa
e inquerito.
S-Idaios e povo foram ao encalgo do mesmo e
nao conseguirn! pn-ndl-o.
Cheguu o mesmo Cara-Branca na madruga-
da de 12, o delegado, nao em exercicio, fel-o vol-
tar, com carta ao delegado Carneiro, porm houve
desencootro deste com o sargento.
Quando chegou em S. Jos do Rio Pardo o
povo insubordinou-se querendo matal-o.
O" sargento, perseguido pelo povo, atirou-se
no Rio Pardo, onde morreu.
Distique ha muita gente respons-vtl por
tal morte.
O cadver ainda nao 8ppareceu, e resta veri-
ficar o ferimentos que o corpa ter.
O mesmo sarg n.o Rodrigues, antes de at-
rar-se ao Rio Pardo, eefaqueou a um italiano.
N cidade do Rio Claro o alltmao Mntbias Lang,
de 40 annos de idade, sapa eiro, suicidou-ae dan.o
um uro na cabeca.
ui urna carU declarou que suicidava-se por es
tar atrasado em b-ta negecioa.
Falieeeram : em Csa Branca, D Marianca
Corlea Nogneira : tm Ompioas, o profesa- r Sera-
fim Jos do II rto c Mello ; em Itatiba, o fasen
deiro Luis Fmiicieco Amorim ; ua capital, Joa-
qun Antonio Domingues; em Santos, Manoel Luis
Pereira Braga e Joao Seixas Cardoao; no Rio
Claro, Manoel Ii>yo.undo do Mattos; em S. Car
los do Pinbal, L> Mara das Dores S. mpaio e Pu
lino Carlos de Aovedo e em t>. Luis de Paraby-
tinga o capitn Osnasa Pereira de Castro.
Urna tieres
Datas at 19 de Agosto.
Na capital falleceu, victima de urna angina do
peito o ccntadi r da administra(o dos crrelos, Joo
AffeDo de Morses Pereira Torres.
Bto de Janeiro
Datas at 24 du Agosto.
Eis a resenha dos trabalbos parlamentares:
No Senado nao houve sesso a 20.
Na Cmara, depoie de lida e approvada a acta
antecedente, feram lidos e approvados dous pare
eeres da commieso de tasenda, pentoes e ordena-
dos pedindo infarmacoes do goveruo.
Foi a imprimir o parecer da commiseao de cons-
tituico e legialacfio tornando extensiva a toda e
quhlqner especie do furto de gado o art. 1 do de-
cieto de 7 de Julho de 1883.
Foi tambera a imprimir um parecer da comtnis-
sao de tsenos autorisando o governo a conceder
liceuca a um magistrado.
Foram lidos e fiearam adiados requerimcntee
dos Srs. AffosMO Celso Jnior e Hennqme Salles,
pediutto infoiassicSna ao gosemo.
Na primeira paste da crda. to dia orartm os
Srs. Carlos Peixoto sobre negocios de Minas e
Rodrigui s Jnnior sobre negocios do Cear.
Na segunda parte e a rcauerimento do Sr. Be-
ssmat, foi encerrada a 3. discuaso do orcamento
da agricultura.
A proposta foi approvada erm algumas emendas
e remettida a commiseao de redaecao-
Entrou em diecuaso um requerim^nto, adiado,
oo Sr. Affonso Celso Jnior sobre irregularidades
ocoorridas na matricula de escravos em Cam-
pos.
Oraram os Srs. Andrade Figueira, Affonso Cel-
so Jnior, C lho de Almeida, Jaguaribe, Bel trao
Al vare Caminha e Ratisbona.
A 22 Ho houve seaso no Senado.
Na Camra, dopois ds lida e approvada a acta
antecedente, foi approvada a redaeco definitiva
do orcamento da agricultura, soooto o mesmo re
mettido ao Senado.
Foram lides e approvados sem debate dous re-
querimentos do Sr. Afionso Celse Jnior, pedindo
informacoes ao governo.
O Sr. Joaquim Pedro mandou mesa urna re
presentaco da Cmara Municipal de 8. Se^as-
tio do Cafcy protestando contra o npojecto.de re-
forma municipal ltimamente approvado pela C-
mara.
Preencheram a hora do expediente o Srs. Ro-
drigo Silva (ministro da Agricultura) e Oliveira
Ribeiro.
Na primeira parte da ordem do dia foi encerra-
da, sem debate a 1.* discussao do projecto n. 122
que fui approvado e entrou logo em 2.*, a requen-
mento do Sr. Almeida Nogueira.
Foram apoiadns e entraram conjuactamente em
discussao duas emendas, da commiseao de fazenda
e do Sr. Rodrigues Jnior.
A 2. discusio foi encerrada sem debate, sendo
o projecto approvada.
Foi tambeen encerrada sem debate a 1.* dis
cussao do projecto n. 30 de 1886, que foi appio-
vado.
Foi approvado em 2* discussao o projacto u. 49
de 1886, sobro clasaificaco o uso de armas pro-
hibidas.
O Sr. Pedro Luis obteve dispensa de intersticio
para que este projecto fosse dado para a ordem do
dia de boje.
Achando-se esgotada a 1.* parte da ordem do
dia e nao estando presente o Sr. ministro da ta-
senda para assistir a 2." discussao do respectivo
ornamento, foi suspensa a sesso a 11|2 horas, a
requerimento do Sr. Affonso Celsj Jnior.
A's 2 1/2 horas, reaberta a sesso, eontinuou a
2.* discussao do orcamento da fasendo.
Oraram os -^rs. Affonso Celso Jnior, Almeida
Nogueira.e F. Belisario (ninistro da tasenda).
A discussao fie >u adiada.
A 23, no senado, foi apoiado e posto em discus-
sao o requerimento do Sr Silveira ds Motta, re-
lativo a nogociacoes do Banco do Brasil. Oraram
os Srs. F. BelLario e 8ilveira da Motta, e ficou
o debate adiado pela hoia.
Na ordem do da proseguio a 2' discussao do
ornamento do ministerio da marinha. Foram
apoiadhb e submettidas conjunctameote discus
sao duas emendas : urna do Sr. Paes do Mendou-
ca, equiparando os vencimentos do director e aju-
dante da directora de torpedos aos dos das de
mais directoras do Arsenal de Marinha ; e outra
do Sr. Correia, mandando applicar ao strvico me-
teorolgico parte da quantia consignada na verba
eventuaes. Oraram os Srs. De Lamare, Meira
de Vasconcellos, Correia e Affonso Celso, e pela
hora ficuU adiada a discuseo.
Na cmara, depois de lida e approvada a acta
antecedente, teve primeira 1 itura um projecto do
Sr. Euphrasio Correia, sobre promoco de empre-
gadus da Alfandega, independente de novas pro-
vas de habilitado.
Foram lides e apjiados dous requerimeotos ci
Sr. Aff-ns" Celso Jnior, pedindo informacoes ao
governo, e ficaram adiados por terem pedido a
palavra os Srs. Xavier da Silra e Carlos Pei-
FaUaram na hora do expediente os Srs. Car-
los Peixoto, Maciel, Joaquim Pedro e Luis Frei-
Na primeira parte da ordem do dis, 3 discus-
sao de project n. 49 de 1886 sobre use de armas
prohibidas, o Sr. Coelho de Resende offereceu urna
emenda, que foi apoiada e entrou conjunctamente
em discussao.
Orou o *. Mac-Dowell (ministro da justica),
que apresentou um suostitutivo ao projecto.
O substitutivo foi apoiado e entrou em discus-
sao.
O Sr. Affonso Celso Jnior requereu que fosse
elle commisso de conttituico e legislaco para
dar parecer, porm retirou o requerimento por
ter o Sr. Duarte de Asevedo requerido o adia-
manto da discuseo do projecto por 48 horas, o
qup foi approvado.
Na segunda parte, foi suspensa a sesso as 2
horas e 10 minutos por na estar pr. sent o Sr.
ministro da fasenda para a discussao do respec-
tivo orcamento.
Compareeendo S. Exc. s 2 e 25 e reabert a
sesso, eontinuou a 2 d'scusso do orcamento da
tasenda, orando os Srs. Belisario (ministro da fa-
senda) e Lourenco de Albuquerque.
A discuseo ficou adiada pela hora.
O cons"lho deliberativo da Associaclo Com-
mercial da Si > de Janeiro dirigi o seguiute offi-
cio ao Exm. Sr. Baio de <. otegipe:
Exm. Sr. O conselho deliberativo da asso
ciaco commercial do Rio de Janeiro resol ven di-
rigir a V. Exc. um voto de reconhecimento pelos
resultados tj pnmptos como orneases da acelo
dos delegados do governo imperial, por cujo influ-
xo as recentes tentativas de alteaco da ordem
publica nesta cidade foram reprimidas. Se a to-
das as classes da populaco consfrange a alt' ra-
co da ordem e do socego publico, a nenhuma,
como dos comm-rriantes, importa a manutencao
da paz e da tranquillidade, sem as quaes pro-'un
damenie se abalam os ulereases, se per'urbain
as relMcea e periclitam as benficas autoridades
da corporaco, que representa em toda parte a
forca e a grandeza das nacoes. O commerc:o
desta praca pela sua propria natureza e pela
conatituicao de seus elementos a corporaco neu
tra nos conflictos originados as paxoes ardentea,
e nao na serena contemplaco e claro asaentu dos
destines gloriosos desta grande patria ; quanto
obstar ao sen progresso e engrandecim uto .he
em extremo desagra Wvel, come todos os meios de
prever ao seu'Wvre desenvolvimento, ao pacifica
exercicio de suas actividades lhe relavantiseimo
servico e benfico anparo.
O gov-rno de Sua alagestade o Imperador,
que V. Exc. to sabiamente preside, penhorou a
gratido da classe cimmerc I, impedinda pela le-
gal int-rvincao da aut ridade, os conflictos de-
plora vlmente inicalos nesta cidade.
Digne-se V. Exc. dr aceitar esta expresso
dos votos da Associac" Commercial do Rio de Ja-
neiro com os protestos de oossa inais profunda
veneraco.
> Deua guarde a V. Exc.Sala das seso b d
Assi ciaco Commercial do Rio de Janeiro, em 19
de Agosto de 1887. Illm. e Exm. Sr. conse-
lheiro Bario de Cotegipe, moito digno preidente
d> conselho de minittro, ministros e secretario de
Estado dos negoeios estrangeiros. Seguem-st
as assiguaturas.
- O Sr. desembargador thefe de policia da
corte, nomeou Ricardo Rodrigues da Fonseca
para o lugar de oificial do expediente daquella re-
particu.
__ tm Campos oDr. Jos Ribeiro de Castr-
libertou 7 de seus escravos, e o Baiio de Quissao
m festejou sen anniversario uatalioio restituindo
libtrdade 10 tscrav s.
O Monitor Computa, de 16, di a segunte
noticia, sob a monea Irofanafo da igreja da
Boa-Mrte:
A populaco da cidade est indignada com o
procodimento qoe a po'iea teve ante hontem
noite na igreja da Boa Murta.
A proeisso na viaja entrado na igreja, quando
na soldado, ao que a acompauharam, vendo qu^
um individuo do cor preta, quo se achava por
rir se, observou-lbe que
baixo do toro, esteva a
nao devia nr-se alli.
< O individuo respondeu-lhe que nao estava fa-
sendo nada de mal, e se havia alguma difiurenca ?
Ao qie o soldado ret ucou, que, se havia alguma
differenca, desfaaia-se e deu lhe ordem de prwo.
Mas, dada a ordem de priso, o individuo en-
caminhou-se para o corpo da igreja e foi beijar os
altares, sendo seguido pelo soldado que, alcancan-
do-o perto do altar mor e querendo o sujeito fogir,
deu-lhe muttos cachacocs.
Esta goeno oauscu indigns(o e grande alvo-
roco, estando a igf eja repleta de povo, que pro-
euiava sabir-asm grande confuso.
Na occsjbjii em que a coafuso era maior en-
trou ama par da forca, que acompanhara a proeis-
so, de n fla- ekseoobainriado e baionetas caladas,
levando dissssa- ds si bomens, mulheres, criancas,
que espavoridos-ianfavam gritos da terror, e en-
tilo Uiinvu so tesrivei e tumulto, havendo des-
maioa, queda, onnures.
O individuo da differenca quis a favor do tu-
multo fugir da igreja, mas antes de sabir foi bru-
talmente capancado por soldados de policia
Nunca se vio urna profonaco semeihante, um
furor, urna brutalidade de tal especie da parte da
ferca publica, em urna igreja, na occasio de urna
solemnidad* religiosa!
O stMado que detfes a difterenca, foi preso
pelo Sr.cepito Fernando, com mandante do desta-
mento.
Falleceu na corte a 20 o abastado capita-
lista portugus e septuagenario Antonio da Oli-
veira Leite Leal.
Eftplrito -santo
Datas at 20 de AgoBto.
Falleceu na capital o negociante Fabiano Pe-
reira de Lyrio e o major reformado do exercito An-
tonio Ferreira Rufino.
Babia
Datas at 27 de Agisto.
Amanb, 3) deste mes, realisar-sc-ha a inau-
guraco do prolnngamento da nossa ferro-va at
villa Nova da Rainha.
O tr^m offieial partir da Calcada, s 9 horas
da noite, ebegando Alagoinhaa 1 l/'2 da ma-
nb e d'ahi p rtindo s 3 horas da madrugada
para a Villa Nova, onde chegar s 4 da tarde.
O cerimonial da inauguraco realisar se-ha s
5 horaa da tarde de 31, voltando o trem para a
capital no da 2 de Setembro.
De Alagoinhaa a Villa Nova conta o prolonga-
monto 322 kilmetros e 203 "10 Entre os dous
pontos ha 14 estacoes, exclusive as de Alagoinbas
e Villa Nova.
Lemos na Gateta da Bahia de 26;
Ha dias levantaram-se nesta capital suspeitas
vehementes da que portadores do bilbetes de lote-
ras de outras provincias eram legados por meio
de lists fallases, vista das quaes recebiam in-
significantes premios, passanda d'est'arte as sorte
a pertenctr aos que se incumbiam de pagar os bi-
Ihetes e que tambem os vendaos.
Alguns dos tesados apresentaram qaeixa ao
Sr. Dr. ehefe te polica, e esta autoridad mandou
proceder s diligencias legaes, que foram realisa-
das pelo Sr. Dr. 1 delegado, e em virtude das
quae foram hontem presos preventivamente, por
mandado do juizo de direito de 1 districto crimi-
nal requisita do mesmo delegado, o negociante
Antonio Vaz Vicira dos Santos e o agente das lo-
teras do Espirito-Santo, u'esta etdade, Jos Bruno
Nunes, sendo aquelte recolhido ao quartel de po-
lica por ser offieial da guarda nacional, e este
casa de correeco.
A policia, que tem procedido n'esta questo
com todo o zelo e habilidade, prosegue em diligen-
cias.
Pelo Sr. Dr. chefe de policia foram manda-
dos apresentar ao Sr. administrador da Reeebd-
doria Provincial para os fins convenientes 13
quintos da 12 loteria do Para, appreheodidos pelo
alferes Joo Pedro d-s .-'autos Vital, no baico
da Uja do Sr. Gallo Jnior, na occasio em que
este os venda.
A mesma folha escreveu a 27 :
a Em virtude de officio dirigido pelo Sr. Dr.
chefe de policia ao Sr. administrador da Recebe-
dona Provincial, foram multados por aquello re-
parco em 20000u cada um os negociantes de
bi.betes Gallo Jnior, Antonio Vas, Antonio de
Sousa Correia, Jos Bruno Nunes, Joaquim Au
gusto da Silva Miranda, e Joo Rodrigues de Oli-
veira, e os vendedores ambalantes Paulo Joaquim
Bernardes da Matta o Francisco Coelbo Bar-
bosa.
A todos lies mandou o administrador intimar
para pagamento da referida multa, no praso de 3
dias eob as penas comminadas no art. 25 do refe-
rido acto, que sao tres dias de priso.
Foram anda multados ultima hora o mesoo
negociante tallo Jnior, como reincidente, er-
cente dos Santos que venda diverses bHhetef-re-
cebidos do dito Gallo, os quaes foram spprehidi-
dos por Manoel Mendes.
Ao Sr. administrador da Recebedoria Provin-
cial foram mandados apresentar pelo Sr. Dr.
chefe de policia 25 bilbetes da loteria do Paran
e 1 da do Espirito Santo, apprehendtdos em mo
de Viente Santos.
E pelo Sr. subdelegado da fregueaia da S
22 da loteria do Grio Para aprehendidos em poder
de Geraldo de tal.
Sob o titulo Indio Arycobes, lemos o seguin
te no Jornal de Noticias de 24 :
No paquete nacional Espirito Santo, hontem
chegado da corte, vierara oito habita otes da
Miseo do Arycob, que por causa de mos tratos
recebidos all, abandonaran] seus bens e por trra
vierain atrevessando a provincia de Goyas e norte
de Minas, at Ouro Preto, de onde o presidente
respectivo enviou-os a corte, pelo trem de ferro.
" Ahi ebegando, apresentaram-se alies prin-
cesa imperial regente, qoe depois de ouvir-lhes as
queixas, mandou os ao ministro da agricultura,
que, por sua vez, enviou-os ao Sr. eonselheiro
Bandera do Mello, digno presidente da pro-
vincia.
A viagem extraordinaria desees oito quasi
Ashaverus, nao destituida de interesse. Desde
1 de Maio, pela manb, poseram-se riles em
marcha, e, durante mais de noventa dias que le-
varam nos invi s sertoes de Goyas, supportaram
toda a sorte de obstculos, que urna natureza
virgem como a noeaa, em pleno serto, offerece a
cada passo.
A' noite, dormiam sobre folhas seccas, parca-
mente reunidas sobre o chao, e de dia adivioha-
vain o itinerario, sem outro guia mais do que a
vontade.
Durante todo este penoso tempo alimentaram-
se aque l< s aryeobeoses da caca, muito abundan-
te as paragens por onde passaram, serviodo-se
dos arcos que traziam e das delgadas fldxas de
cambahubas.
H >ntem os infelizes indios andaram exibindo
s vistas publicas os seus trajas cobertos de p e
dilacerados pelas urzes do camiuho.
H* occasioes s vezes em que o paradoxo
vem-nos so bico da penna. Esta, por exemplo,
uuoa dellas.
Ou se arrancara sclvageria uns tantos igno-
rantes para dar-Ibes o qne a civilisaco tem para
elles, ou ento melbor deixal-os entregues vida
singular que levxm, evitando-se desta sorte os
stffrimentos qoe n'ama sociedade mal preparada
pod- a E' um paradoxo, diro. Mas, pense o governo
bem a espeito.
O n sao pensamento, longe de afastar dos
centros civilisados os desherdados da instrueco,
os que vivem entregues int- iramente s irregula-
ridades de urna naturesa selvagem, os quer edu-
cados, mas ao mesmo tempo cercados de um bem
catar, que os faca esquecer as ingratidoes da vida
primitiva.
a O que d-se com estes oito aryeobeoses nao i
um tacto solado ; multas e multas vexes tem se
r gistrado o soffrimenta de indios trazidos vida
civilisada.
No dia 11 do corrente. le se no Americano,
nm rapasinbo, escravo do nosao respeitavel amigo
padre-mestre Jos Lourenco Vieira Geraldes, de
uome G'Iasio, cacando, na tasenda Reinaldo, onde
reaide o referido padre-mestre, e sita no termo da
villa de b. Goncalo dos Campos, acontecen que
tendo a arma negado fogo, o intelis soprou o cano
para ver si pelo ouvido conhecia a causa, sto si
este acbava-se entupido, e ueste acto disparou a
arma, empregando-se toda munico na garganta,
despedaCaodo-lhe a lingua, e fallecendo elle mo
mentos d- pas.
O padre mestre Geraldes, pela estimaco que
dava a Gelasiu, a quem j tinba promettido liber-
tar, como fas tudo anno no dia da testa da Seuhora
das M> rcd, sentio extremamente a sua morte.
Da cidade de Lbos c.mmunicaram o se-
gunte, em 24, Gauia da Bahia :
A noite do dia 21 de Aguato veio deixar esta
nteiis cidade immersa no mais profundo luto.
impossivel descrever-se o facto tal qual
dru-se, com todoo seu cortijo de lgubres eir-
cumstancias, o incendio da capella de Nona Se-
nbora da Victoria.
Ignorase ainda a origem dessa enorme cala-
ir idade que veio ferir este inditoso povo profun-
damente.
> A' tarde l estiveram as devotas res indo o
santo officio, como costuine, e taita a illuminaco
no exterior do tempe s 6 1|2, retiraram-se to-
dos. Esea iliuiniuaca concormu muito pra que
nao se percebesse mais cedo o fego que laborava
no interior.
Eram j 9 horas mais ou menos quando aos
gritos de incendio suspeodeu-sa toda a popula-
co e preesurosa corren ao alto do morro onde est
edificada a dita capella.
Referir o que ahi passou-w ainda nos causa
horror 1
Ofgo manifestado no altare alimenta lo por
nma viracio fresca tomou repmtin-araente propor
cSes to aterradoras que impad o o iogresoo aa
apolla-atoa
* Por quaiquer lado que se smissom entrar p*
salvar as imagene, aeommettia o incendio auwa-
cando envolver em seus medoabos torvelinhos
aquellos que, animadoi p>r um telo eminentemen-
te catbolico, arrostavam as furias de terrivel ele-
mento.
A agoa condusida da cidade e em pequeas
vasos tambem nao poda dar um ataque forte que
permitrieee avancar-ee at o preibyterio.
m Otecfo prestes a degabar, a falta de recursos,
a hora e a lugar, o tanger dos sinos, o alarido in-
discreptivel e as exelamaedes pl>n?entes do povo
em massa, que s senta fendo ni fibra mais si
grada de seu cora^o, tudo encorreo para aug-
mentar o esespero, a confuso e o hrror.
* Aquella imagem de tempos immemoriaes
principal objecta de amor e venera;o desse povo
achava-se circulada de um fogo vivo qua zombava
de todos e de tudo.
* 86 era possivcl urna nica tintativa e esta
pndena traser em consequencia u perda de algu-
mas vidas ; mas sem considerar em tal e levauda
a sua coragem at ao herosmo, alguns devotos
avancaram pelas chammas e subtrahiram-lbes as
(magens de S. Caetano e Nossa Senhora da Victo-
ria ; a de 8. Jote s no dia seguiute foi encon-
trada.
Eepalhados pilo tecto bombos de urna intre-
pidez a toda a prova, uns mandavam agua sobre
o incendio e outros itnpediam einiiuuar o fogo qu**
se tinha commanicada ao corpa la igreja. Foi
insano o trabalho e s<5 s II horai conseguiose a
extiucfo, depois de empregar-se toda a activi-
dade.
O povo mostrou-se na altura de seus brios e
se 11mentas religiosos.
Estiveram presentes o Dr. juiz de direito, o
vicario, Dr. juis mumcipal, promot^rirrerino, Dr.
S Oliveira, autoridades policies e a respectiva
Garfa, finalmente todas as pessoas as mais conspi-
cuas da localidade.
\companhadas pelo nosso ae oso parocho des-
cerara as imagens para a matriz, ande em couti-
nuas e fervorosas oracoes permar eceu o povo at
a manhdo dia seguinte.
E' inenarravel o que se obsirvou nesae tra
eeP- .
i Clamores levantados de todo: os lados, lagri-
mas pungentes, gritos descompasiiados, tudo pro-
vava que aquelle d-'ploravel aaontecimeato viera
pesar sobre este povo como urna enorme desgraca.
Mulheres semi-mortas, earregada* urnas, ariradas
outras pelo caminho, mostrsvam (fue as forcas do
corpo haviam cedido impressu forte d espi-
rito.
O psvo uborava o esse pranto eopioso era o
teatemuaho solemne do seu reconhecimento pela
serie de beneficies recebidos de sus protectora e
soberana padroeira.
ic Esse pranto era a voz da gn.tido pelo pa-
trocinio que diariamente recebiti este povo da
Xlai de Deus sob a invocaco de Senhora ia Vi-
-tona, diante de cojo altar tantas veces fora agra-
decer a sua inteivenco n realieaco deste ou
daquelle milagre, porque o milagre urna reali-
dade.
Por occasio do incendio a confuso tocou
incontestavelmente o seu auge, a oda assim nao
hiuve caso algum a lamentar se n foi to forte a
i ni ore sso que deixou o horroroso sinistro que at
hoje conserva-se a cidade na maior tristesa como
em profund )aluto >
Fallecern) na Cachaeira : o tenente da an-
tiga guarda nacional Joo Francisco Carneiro,
que fora negociante e fiscal da caara, e o cida-
do Manoel da Hora, que tevo hotel ao caes de
Mara Alvss.
*ierslpe
Na Gateta da Bahia de 26 destt mes encontra-
mos esta noticia :
Sabemos por telegramma ter fallecido aate-
hontem na cidade do Aracajn', noiso amigo e cor-
religionario o capitu da antiga guarda nacional
Joaquim Jos Pereira Espinherra, irmo de noseos
distinctos amigos os Srs. Paulo J is Pereira Es-
pinheira e Pedro Jos Pereira Es|rnheira.
Era o finado um cidado datado das mais
apreciaveis qualidades, e exemplt.r chefe de fa-
milia, qual lega com um nome oonrado grande
pobreza.
Na parochia do Pilar desta cidade, onde re-
sidi ainda ha poneos annos, exeresu diversos car-
gos de eleico popular, e gosava da geral estima e
prestigio.
EXTERIOR
Correspondencia do Diario de
Pernambac
PORTUGAL Lisboa, 17 de Agoato de
1887
Encerrou-se no dia 13 o parlamnnto, dando el-
rei commisso aos ministros para, 'em seu nome,
declararem fechada esta primeira esso da legis-
latura actual. Dunu quatro metes e meio a sea
sao. Leis, votaram-se muitas, misareceita ficou
muito longe de equilibrar-se com i despeza.
Os impostos, sooretudo os udirectos, foram ag
gravados, especialmente dos genens man necea-
sarios vida.
No da do encerramento, pouco antes desse acto,
houve sesso em ambas as camaran A lufa-lufa
do costume em queja se nao discute e s do que
se trata de dar vaso aos projec culos de mero
interesse local ou individual.
Efectivamente no conselhi de estado poltico,
poueoj dias antes, fora dada autorisaooao gover-
no para miis urna prorogaco, no caso da carecer
delta.
A faina, porm, foi to activa que os projeetos
considerados mais urgentes, ou lelo governo, ou
pelos padrinhos dos interessados, licalidades e in-
dividuos, foram incluidas no exped.ente do lavar
dos cestos.
Passou tamoem, ultima hora, na cmara alta,
o projecto de lei doa tabacos, votado j na dos de-
putados apezar de urna demonstra cao pacificados
operarios e operaras das fabricas.
Estes encheram o largo das cortes, acompanhan-
do urna commisso qu-> levava ei.mara dos pares
urna representaco cintra o monopolio.
A cmara crea que deiton o reouerimento col-
lectivo para a cesta dos papis inuteis. A poli-
cia, par bans modos para evitar o escndalo de
um chinjrin, dispersou os representantes e mani-
festantes e o projecto fei votado muito em santa
pas, limitandu-se os vendedores a por os taipaes
as moatras das suas lojas, collaudo-lbe um papel
tarjado de preto, como quando merre pessoa da
hmiia do logista.
Esses papis fnebres continham .protestan em
boa lettra garrafal. Patacoaclas ce que o gover-
no se nao importou e as maioria) nao fizeram
caso.
O projerto do porto-franco ficou 11 remessa ...
ou foi engulida pelo ministerio, naphrase picaresca
de que usam as opposicoes, quando os gov. rnos
recunsideram.
Era acceitaV'l a idea, e ningu> m a combaten
ao goveruo. O commercio de Lislioa represeutoo
uo contra a cr-ac j do porto trauco, em absoluto ;
mas desejava que os armazeos do e i tro posto ficas-
sem em Lisboa, coma ficamem todcs os portos do
mundo onde ha essa iustituico.
Era fcil ao gobern ter transig lo nesse ponto.
Se o ministro da fazenda entenda que em Cas-
caes, ou uas proximida tes, ficavam mais garanti-
dos os interesses da fcalisaco, a diffWenoa nunca
pidona ser tamanba que valesse a p -ii-i resistir
com tanta energa ao corpo commtroial de Lis-
boa, que reciamava o contrario, baleando as suas
re lamaco -s no que suceda em Rotterdam, em
amburg, em toda a parte finalmtnte.
Mas que querera, se a compaohis das caminhos
de ferro portugueses (do norte e leite) tinha obti-
do a coucesso da liuba margiual do lisboa a Cas-
caes, obrigaudd-se a coustrail-a sem subsidio do
Estado, coceeso esta que se Ib transformara
o'uma pessima esp-euUo, sem o aorta franco em
Caecaes, e as vautagena subsequentes ? !
E' isto o que oboerva a oppjsiu o com ama cer-
ta malicia de transparentes irona:i.
Loga que nao pode ser o porto-franco ao p de
Cascaes, nao ser em parte ueuhun*, pensou o
governo, ou para m- Ib ir dixer o ministro da fa
senda e o projecto li ficou para na prxima sesso
ser njvamente eonsiierado, au modificada ou posto
de parte definitivamente.
Qiliuta-feira 18 coinecar najeamara dos pa-
res ojulgamento d>s don deputados a que me te-
oho referido as minhas anteriores.
Julgado que seja o proeessa do Sr. Ferreira de
Almeida, o Sr. conselheiro Heurique de Macedo,
que havia sido, em 8 de Malo, dasacatado physica-
mente por aquelle offioial la armado, senda o Sr.
Macedo ministro da marinha e ultramar, volver
a ser reiut- grado n'aquella pasta, du que entio se
exonerara, e que at boje tem sito gerida iuteri
mente pelo Sr. eonselheiru barros Gomes, mi-
nistro dos negocios eatraasjeiros.
Diz-se que o digno par do reino, progresis!*
Antonio Augusto Pereira de Miranda, era pola
governo nameado gobernador d i baoco emissor,
cuja orgauisaco foi ltimamente approvada pelas
cortes.
Parece que o Sr. Adrio de S 'ixas ser despa-
chado secretario geral do mesmo estabelecimento
b*nc>ro.
Affirma-se qne o Sr, Alfredo Ribeiro redactor do
Pimpdo, f Ihi huinoriatiea por ella fundada e pela
fallcido Th-maz Basto, e ao mesmo temp> colla-
borador do Diaria Populir ser nomeado cooimis-
sario regio junto companhia nacional a quem
fica o monopolio da iinportaco e fabricaco do
tabaco.
No da 14 inaugurou se na largo das Daas-
Erejas, ao cima do Cbiado, (ra Garrett, segun-
do a nova nomenclatura das ras de Lisboa) o
centro poltico da fraeca regenerad ira que esco-
Ihe para ch-fa o Sr. caaselbeiro Ba'jona de Fre
tas. Apezar de nao se tereu. feto avisos, nem
haverem apparecido nisjirnaes quaesqupr ndica-
gOes nesse sentido, as salas do nuvi centro liberal
encheram se completamente de amigas pessoaes
do Sr. Barjona.
Por emquanto os sjus orgios na imprenga da
oaoital sao a Eevolufii de Setembro e aa Noticias
da Noite.
A Bandera Portugueza, folha semanal, adherio
tamb'm, filiaodo-se no partid) novo > seu pro
priet.ano. rj' preciso notar que as adhesoes a
esta parcmliiaiu te;m sido comol-ttam 'ote es-
pontaneas e nao urna cousequcacia de solictales
ofiiciosa-.
O grupo a que presiie o Sr. Antonio de Serpa
vai vvendo de alardes e promess-is. T -r ele-
mentos para grande vitalidade ? Te! os-ha maio-
res o outro grupo?
Logo que, pa^sadts as vilegiatur.s e ferias b li-
neares, os d .ua partidos com e-'in a entrar saria-
m-ate na grand-' luta pasa eriste.icia, se po
melbor formar juizo a esse respeito. Por ora, do
que mais teem cuidado os orgias dos d.us grupos
de se h-Mtiorea eoeipe ismama*,
gado o seu adversario cammuao, quienpirtido
representado baje na poder p.lo gabinete actual.
Esqoeeia-me itser-ihes qus a eamara dos
pares tiuba guarda) o bdl dsindermiidtde para
remate o8t"--ivo do sous trabalbos
O Sr. Barjona de FVeitao, aa ind i m "nos se -4-
perava. levaatou urna quostio previa, e era a bri-
se poiUin ou ni) vota.- os a .vos p*rei akritos,
sobre i aet9 da dictadura, des 1 que o Sr. Jos
Luciano de Castro (preat.iaota do a rsa lia d-' mi-
nistros) di-sera, norelatorto dacolg asuaiaia-
trativo. qae asauaira a dictadura pira que os
pares podesasui ser eieitos segundo a sua taic)
polkioa.
A maiaria da esaaara nao se preideu com aa
observaf:>s, ali muito ensatas, o Sr. Barjona
de Freitas e votou na confirmidaie dos des do Sr. presidteute do coaselh). Ap-zr de tula,
na cmara dos pares nia passou e pr jcto d > bil
sem emendas. Q/>e os decret03 dictatoriaes care-
can de modficacoss, reconheceu o a c>>inmsso
que, na cmara dos deputados os estu iou ; m ia
absteve-se de Ihes faser emendas. Foi mais
adianto a oaoaara alta. Nao emeniou manto ; :m,
seinpre ernendou.
Sao frejueates em Lisboa, em Lisboa sobre
tudo, os casas trgicos em que figura a tracoei-
ra navalha de pauta e motta. Aastenoo me sem-
pro e o mais que paoso de iuqunar estas revistas
com a relaco dos orines vu gre, mas nem por
sao menos repugnantes e symptaniatiooi do baixa
nivel da educaca da nossa piaba. O fadisla, de
calca de bocea de sino, sen modo da vida conhe-
tecido, vivendo de tranquibernias asquerosas es
faqoeaudo agora a amasia por ciumes, logo outra
vctima quaqaw da> ua ret por quaates patio-
tras de (averna, o protegaanta permanente das
locaes* de sensacao as ralbas de 10 ris.
Como que a poeM nao desbarata a pujanca
do fadista, nao anniquilla o terror que inspiran
na gente pacata e da bon vivar estes eapoeiras
do Bairro Alto ? Nao se sabe. En parte os
agentes mais subalternos da policia fraternisam
com essa ca alba faquista, os guardas nocturnos
pagas pelas morsdores de cada raa, fechara os
olbos, os jurados sao benvolos e sahndo da tri-
bunal absolvidos por falta de pravas ou d'alli
para a cadeia e para o degrado quando as pravas
sao esmagadoras, o certo que essa praga de vi-
dios e sicarios regressa paodega infame das bo-
degas abertas mediante a mais absurda das liceo-
cas municipaes at romper o dia, e ah contina a
tramar contra a seguranza dos cidadaos.
accede alguns desees episodios mais frisantes?
Chama-se tres das com tres noites en todos os
peridicos, O poderes pblicos fazem ouvidos de
mercador. AUega-se que a rea da capital quasi
que triplicou, sem que o numero dos agentes de
policia tivesse proporcionalmente augmeutado os
orgos do partido que est no poder embalam a
expectativa publica, fasendo promessas, adiadas
sempre, de urna reorgansaco radical da policia,
reforma que nunca chega, e que ebegaese! A
polica carece n'uma cidade que ae presa, de urna
educaco especial que a nossa nao tem.
Agora est em scena um attentado que, entre
muites cueros do mesmo genero, tem causado
graudissima sensacao. En duas paUvras :
Durinda Rodrguez urna graciosa tipia hes-
panhola, que representa no theatro da Trindada.
Domingo depois do espectculo, regressava ella
com sea marido, Jos Rodrigues, primeira violi-
nista da orchestra da zarzuela, no mesmo theatro.
Com elles vinba o representante da companhia com
sua mulher e o empresario. Cearam no caf Lalo
da ra do Principe, foram tom-ir o fresco Aveni-
da e ao p da 8. D imiogos, sapararam-se, ficando
Jos Rodrigues e sua mulher aes no Roccio, perto
da guarda do theatro de D. Mara II. A malta
dos cocheiros, clamados serenos, porque s
trabaiham de naute e ficam alli estacionados, me-
diante outra absurda liceuca municipal at ao as
cer do sol, son o seu cortejo de fadistas que vi
chamar os freguezea noctivagos e as corrlde.s
aventurosas dos batoteiios e retardatarios de to-
da a especie, toman lugar na almofaia juut) aos
cocheiros para sarsirem as pilecas essa malta
dirigio-se a Jos Rodrigues e mu ber, a gentil ac-
triz, otfereeeudo-lhes cachea. Recusada a of-
ferta em bons termas, vieram as chufas e obsce-
nidades. Jos Ridrigues respin^ou, O cachero
Galvo contiauou praocando. Afadistagem igno-
bil fez roda, palavra pucha palavra, e Jos Ro-
drigues estava dentro em paaca com o figadi va-
rado, por urna valente navalhada que lhe vibrou
um tal Gabriel Archanjo dos Santo. Que nome
to seraphico !...
A polica quando appareccu, aos gritos da ac-
triz D rinda e da sua amiga que volrara atrs
com o marido, o represe itante da companhia de
sarsuella quia prender o ferido julg^ndo ser elle
o aggressor Os meliantes haviam-se jescapuli-
do para urna tasca, das qae nao fechan em toda
a noote s portas da Sanio Anto.
Removeram afinal a victima n'um trem para o
hisp tal de 8 Jos, enfermara de Santa Oaofre,
onde Jos Rodrigues expirou pelas 6 horas da
mann.
Isto em pleno Reo no corac) da cidade, sitio
onde ha um posto de guarda, patrnlbas, policas
civis, guardas nocturnas que rondam, ou ti igem
que nao dormem b-ira das lojaa e armazens im-
portantes que cir.'umdam aquella praca !
Parece impossivel.
O mais curioso da tr-gedia, porm, que apa-
nhados no tal caf de lep-s os dous m.landros,
o cocheiro Galvo e o seraphico Gabriel Archanjo
dos Santo* e leva los para o calabouco^ do gover-
no civil, ah se avengou que e Galvo fora ape-
nas u provocador e o Santos o assassino. Por fim
at esta o cantessou ao conmissano geral de po-
li -ia.
E de revelaco en revelaca veio a saber-se, e
diaso fasem um famos > libello as folhas da noute,
que esse Gabriel era desertor da armada, onde
servia como manijo; que o marques de Vallada
lh-.' obteve commutaco da pena por entra muito
suave ;que o ficou protegendo desta ento; que
era o referido ex-maruja o sea companbeira noc-
turno ; aue passeafa cam elle de trem para excur-
kes mystenoaaa etc., etc.
Imaginen que escndalo para juntar novo ca-
pitulo a entreji ds travessa da Espera qae ha
poucos annos pronoveu ao referido marques o con-
selneiro Arrobos qaanda era governador civil de
Lisboa !
Accreseentem a tudo isto que ha poacos da,
em de^f-rco de ualH8 censuras mais violentas que
o marques de Vallada fez ao S. Navarro minis-
tro das obras publicas na cmara dos pares, o jor-
nal As Noviiades ., do Sr. Navarro pregou o
dito marques na mais infamante p lourinho de qoe
se p Je tazar idea comparando o ao celebre mar-
qaez da Sade, de que resam as chronicas sudomi-
ticas da Franca,
Tudo isto vergonhoso.
O funeral do pobre Rodrigues foi concorridissi-
mo. O theatro techau em signal de luto.
A infeliz vuva est erj mar de desventuras
porque loga que chegou a Lsboa, tallecea-lhe o
pai Poueas s-manas dep<> un fihito ; e agora,
depon do aleivoso assasinato do marida, recebe
un telegramma de Orense, participanto-lhe a
morte de outra filbo seu que l deixara com os pa-
rentes.
E como se resiste a todas estas fatalidades !
Infeliz Doriuda qae tanto encantada as plateas
da Tri idade e to captivos trazia as suas gracas
e talento us frequentadores d'aqu-a easa de es-
pectculos 1
Triste, tristissimo L.
*
INTERIOR
Correspondencia do Diario de
Pernambnco
RIO DE JANEIROCorte, 23 da Agosto
de 1887
Summario:Noticias sobro a saufe do imperador
Parecer dos medicas que o exami-
ram.O :" aniversario da inaugu-
raco da actual situaco politiea.
Saeepoio de comm-'maracjlo palo Sr,
presidente do conselho commentada
pelo Paiz. Os requerimentos
adiados na Cmara dw l> -putados.
Qu-ixag da minora.Motivos de
taes requerimentos.Observacoes do
Sr. Andrade Figueira N gocios do
Cear.Incidente nao publicado nos
Annaes Un voto da reconhecimento
ao Sr. Cotegipe que o i Pa.z nao
apptov i.
Temos aqni noticias mais recentes do imperador,
do qu ; pot'm ter ahi, onde a jarnalisna nao tem
correspou.ii-nre.se reportera ttpeeiaoa, quo,
alm do q'ie reterem em suas car as, expeden te-
legramma), antecipanJo o que Ihes parece de mais
importancia, para satistaaier a cariosidade do pu-
blico.
O activo correspondente da Gazetadi Noti-
e ;s i G 1 j ,i> obter copia dos pareceres dos pro-
temores Petar e Browa Scguard, as duas eslebri
dades medical que examinan-m o impera tar, e que
poaoo ni? ou meuos assin 9e ex orinen :
Estado d* vida orgaai.-a
Carca> e gnsjos vaios : normoes.
Pnlmcs : iatoiramente s>j ( o que muito
para Dotar, eSIe que ha glyeosaria).
. nao dilatado.
Pigado : 11 centmetros de mati' sobre a
liaba mas-I.) tar, ou estado normal absoluto, ape-
llar dos '3 alastras Je Jaaaiao nltino.
Baco : 11 esattmetros da matit > sobre a li-
oha maraeilouar, oa 2 cenfinstros d-i augmento,
que cor.- ic a r canta daquelles accidentes ; porm
o baga ulo doloroso.
Funcy93
Digestiva : perfjita, bon appetite, evacuacoe3
regulares, lucir emmagrecinento devido fadia
e aos acciaentes da Janeiro.
Crculatoria : normal, anda que lhe encontrasse
0 palso u:u ooaeo nervoso e frequente.
Nervcias : intelligenca excitada ; palavra viva.
clara, precisa. Da ha alguna mezes ligeir per-
turbicaa de. memoria, caracterisada pelo esqaeci-
ment i dos facas de data recente.
Urinaria : glyeoauria, coj o appi-eCKnanti de
1 a f> grammas en 1 litro.
En re-:a.no, todas as fuoccocs da vida vegeta-
tiva pef(;tas,apenas havendo como faca mrbido
actual que conven cambitcr a glycosura a o esqut-
cimento de factos recentes, que, quanto a man, ape-
na3 sao devitos tadiga e sobreearg do cerebro.
Sendo a glycosuria una molestia essencialmente
nervosa e que se refere ao bulbo raehano, se as
causas que coucorriam para ella nao fosoem remo-
vidas, se o enf trmo nao fosse retirado do avio em
que viva, poderia a bype-emia propagar-se s cir-
cumvolucjs c irebraes que presidem ao pensamen-
to, e em consequencia trazar a perda da memoria e
a diminuidlo gradual das outras faculdides intel-
lectuaes. Assim, o trataranto deve ser instituido
da seguinte forma :
1 Rapjuso absoluto e afastamento de todas e
qutesquer oceupacoas intellectuaes e o do meio
onde essas preoecups^as nao poBsam ser evitadas.
2 Instituico de um rgimen reeanstitointe, no
qual os feculentos e os assacarados entren em
muito fraca proparcao.
31 Uso de una agua mineral alcalina.
4o Tratameoto bydrotherapico, sendo pseTidas
para sao as aguas de Royat, por mais supporta-
veis.
5 Applicacoes de pontos de fogo ao longo da
columna vertebral, por meio do thermocauterio.
6o Strychnina em doses proporcionadas.
O Dr- Se prognostico e tratamento seguido pelo Sr. Viscon-
de da Mo'ta Mais, aecrescnta qaa a strichnina
deve ser .-.aplicada em doses progressivas, nada
haveado a eceiar se sabrevier*ra caimbris e tri-
saras. Parece nao ligar nportancii a glycaso-
ria, e fas o prognosticoa mais songeiro, obaerva
o citado correspondente.
O Dr. Boucbard, em carta de 29 do pasa&do,
respondendo consulta que lhe fez o Sr. de Motta
Maia, diz, confirmando opiuiaa qae j havia ma-
nifestado :
Persisto em acreditar que o entraquecimento
produzido pe'a grave molestia aguda ao mes de
Marco a causa dessa diminuico ia memoria,
qae vai melhorando diariamente. Creio qae o
diabetes, apasar de s se revelar da an modo in-
termitiente pela g'ycosuria, continua a ser a mo-
lestia principal e que o collega tem toda a razo
em cuidar dalla com constante solicituie.
11 Eatendo eufim que pela asodieacSo uervosa
que se pode esperar manter em situacao satisfacto-
ria a preciosa saude de Sua Magestade, o nada te-
nho de m liar a fazer qae ajuatar-me ao coilega
para reconaieadar-lhe o emprego da valeriana,
da strychnni e da hydrotherapia,
O profaasor Charcot nao foi canaultade porque
na occasio achava-se em viagem pela Hespanha.
Os telegrannas qae nos ebegam de B,ien-Ba-
den coufirmam os resultados espetados por aquel-
las mdicos, ouvidos logo qae o imperador chegou
a Paria, nao obstante ni o ter Sua Magestade ob-
servado alli rigorosamente o rgimen que lhe foi
aco'iselhado quanto aa repouso absoluto. Embora
a pequea divergencia que se nata entre a opima
do professor Browa Sagaard, que parece nao dar
importancia a glycusoria, e a do professor Charcot,
que acha que essa contina a ser a molest prin-
cipal, o que est fra de contestara qne o im-
parador se restabelecer completara nte; e isto
recordi-ne o pragoostico feito no da do embarque
de S. Magestade aqui, pelo medico, cuja opinio
refer, sem citar o seu nome, o qae agora posao fa-
zer sem cumnetter indiscripco: o Sr. Visconde
da Silva.
Un correspondente do Pais dando conta da par-
tida d) Inperadr para Baden-Baden e ennume-
rando os nones de quasi todas os membros da co-
lonia brazileira em Pariz, que foram a esta9o da
estrada de farro despedir-se de Suas Magastades
acrescenta :
O Imperador disse algumas palavras a cada
urna das pessoas presentes, mostrando.se muito ani-
mado. A Inperatris estava dominada de ama vi*
sivel impressa de reconhecimento p ir encontrar
tantos brazileiros no sea caminho to longe da pa-
tria.
Estava tambem na estaeo o p eta Guerra
Juoqaeiro, d quem o Sr. Eduardo Prado fizara na
vesp-ra o hera de ama festa litteraria improvisa-
da no hotel Wiudsor, e que se despeda afectuo-
samente di Imperador, disendo-nse mais tarde :
Voc< i n iocpTadar por mais aaaos seos
medico o'qui o nao mataren 1
Mais adiaute observa.
O principe D. Pedro prodaaio muito boa im-
pressa em toda a parte onde se mootrou, senda
pilotado ne.sa sua primeira navegaoo parisiense
pelo Baro da Estrella. O que agrada aa brazi-
leiros no filba do duque de Saxe ter elle orgulho
de sua patria nao querer ser priueipe europeu.
Quando o chamaraduque de Saxeola reclama,
disendo quo prefere ser o principe D. Pedro do
Brazil. Essa amostra d^jjmprincips educado in-



',,
-* ^

l

t.




'
F
Diario de PernambocoTcr^a- fcira 30 de Agosto de 1887
<
*
teiramento no Brasil nao por crto d.'sfavorava
paraos crelit ib da educado braziler*.
pAtaem 'j agora ao que vai c pir esta ca-
pital. No j-.b'udo, '0 di corrant', ein q'ie d'aqui
parti o pqu te portador da carta aitenor, houva
aeasio oa Can ira dos Diputado, por ter sido do
vespera fotado a inverslo da ordem di da, afim
de votar-ae em 3* diajussio o ornamento do mi-
nisterio da agricultura, mas ni) houve sessio no
senado, qua onde o governo mus deve desejar
que nao baja falta* nos trsbalhos. E como nos dos
qne faltaram chamada foi o Sr Cotegipe, infe-
riram as folhis opposiciomsta que a falta de 8.
Exc. foi alculada, para que nao houresse numero,
visto ser o segundo anniversano da actual sita -
cao e do aetuil gabinete, o ter o honrado presiden
te do coneelho de ficar embaa, nao s" para rece-
bar as felicit*co-a que haviam de ser-lbe endere-
cadas 011 levadas paasoaluiente pelos amigos, desde
codo, como pira predispor e dirigir os arranjos do
lauto banquete que tinha de dar, e ao qual succe-
deria noite um esplendido baile.
Effeetivara-nte, o Sr. Cotegipe recebeu felicita-
coea at por tele^rammas enviados de algunas pro-
vincias, teve numerosos amigos ajsntar, a a noite
reuni nos seus saldes esjolhida e numerosa socie
dade, o que qoer dizer : esplend lo sarao. Mis por
isso, nao era precito que deizassa -le havar sesea o
no senado.
O actual presidente do conselho receba eema-
nalmente a.s aabbadosao jantar e noite.
Eie o que a esse respeito dis a sceloNoticias
Variasdo Jornal do Commereio :
Coincidindo o sabbado de hontem, dia de re-
cepjao em casa do Sr. Bario de Cotegipe, cora o
annivcrsario do ministerio 20 de Agosto, utMiio
grande numero de pessoss a comprimentar por este
motivo o Sr. presidente do conselho.
De tarde, urna ooinmissio de meninas da fa-
brica de riore dos Sra. Kibeire de Carvalho 4 C. |
all (rain lser enteega de duas ballissimas jsr-
dineiras, por Has fabricadas. S. Exc, agradeeen-
do, den 504 para abrir urna caderneta na aixa
Econmica a orpbi do estabelecimento qec melhor
se tiver portado no crrante anno.
O Sr. ministro argentino envin um vistoso
toucador primorosamente feito da oros naturaes,
obra de muito gosto offerecido a Sra. D. Antonia
WanderLy.
A' noite as salas regorgitavam de altas per-
sonagens ministros, senadores, deputados, diplo
matas estrangeiros, magistrados e representantes
das mais elevadas classes. Aebando-se igualmen-
te presentes maitas senhorae, houve msica e
dan na. o
A graciosa amabiliade do Sr. Moreno significa
a boa dispoaicio de ani-ao em que se acba o go-
verno argentino para com o actnal presidente do
conselho.
O Pau, procurando desmerecer a importancia
da festa e ochando que nao merece hoxanaa e aa-
niversarios da existencia do ministerio, recoria os
golpes que Iba tea sido vibrado pelo senado
achando que se viveasemos em outro paix, basta-
va um de taee golpes, para determinar urna crise
ministerial; sendo mais adiante, porm, na secoio
noticiaria vulta aquella mesma folba a imporsaa-
eia do banqaete, fasendo tomar parte nelle peasoas
que l nao estiverans, como ministro portugus a
o escriptor Bamalbo Ortigo, os quaes jantaram
juntos, verdade, mas em caso do primeiro, que
nesse dia tambera dea nm jantar a diversos com-
patriotas seus entre os quaes algons actores da
companhia dramtica portuguesa que aqu se acha
e brevemente retirar-se-ha. O Sr. Nogueira Soares
s comparecen recepcio a noite.
Na segunda feir, hontem, em quo o Sr. Cote-
gipe foi um dos primeiros a chegar ao senado, an-
tea da hora, tambera nao houve sesio, por falta de
numero, como no sabbado, o que em ambos os ca-
sos devido aomenta circamstaocia de nao ter
o governo maioria no senado, e estar em tudo de-
pendente dos senados liberaes, ambora alguna des-
tes, como os Sr8. Simimb, Nunes Q >nc\ives, 8a-
raiva, Paxaaagu, Ottoni e Soares Braudo, nao
se prestara *o plano de urna opposielo syateinati -
ca, sem outro fim e resultado, seniu causar em-
barazos e diffiaultar a posicao do governo.
Mas como eas.-s nao obriajados a manifestar de-
dicacao, nem prestar servicos ao sainisterio, pro-
curam apenas desempenhar-se dos seus devere
sem pressa ; de modo que, com excepeo do Sr.
Sinimb, presidente da casa, edo Sr. Nanea Gon-
calves, 2 vice-presidente, raro dalles que eom
parece hora da chamada. Em compensadlo, os
Srs. Affonso Celso e Candido de Oliveira sao de
extrema pootualidsde e dos primeiros a ebegarem,
para o que der e vier.
Na cmara, como j diese, foi aproveitado o sab-
bado na vtoacSi doorcamonto do ministerio d'agri-
cultra, que foi approvado caca diversas emendas,
algumas d*a quaea, pcovavclacar*, So serio adop-
tadas pele senado, por eaworverem augmento de
despeza com servicos jas podem ser adiados para
tempos mais prsperos. Entre as emendas aaeitas
ha urna relativa a eisa provineia=ie qne e tele-
grapho ja deve ter dsdo noticiaasBigoada pela
respectiva depuUcao, autorisaadoo governopara
contractar, com quem melhores vantagens offere
cer, o trecho j4 locado de Gasneleira a Caruarn,
na estrada da trro do Becife a Caruar. Usa ou-
tra emenda approvada, e que foi apreseutada pela
commissio, autorisa o governo a mandar con-
struir a estrada ne ferro de Madeira ao Mamor
pelo syitema que julgar mais conveniente, sem ga-
ranta de juros. *
Nao ecraprehendo bem 0 sentido deesa autori-
aacao.
A garanta de juros s tem logar para obras
concedidas a empresas particulares, mediante con-
tracto. Mas, se governo julgar que o melhor sys-
tema para a construccio da estoada por admi-
cistracio, p ider metter maos 4 obra ?
Com relajo a essa estrada ha illusoes, que ad-
mira ainda nao estejam disaipadas, depeis de
urna conferencia aqui feita pelo engenheiro
Ueagr, filho da Bussia e braaileiro aatnraliaado,
o mesan, de quem ha consa de dous annos ocen-
pou-se a imprensa, dando o como condearaado
morte e executado na sna patria natal, por ter-se
envolvido em conspirares nihilista. Essa eoge-
aheiro, qua conhece a Bolivia, onde aodou em sc-
ploracoes e estudou os seas elementos da prosperi-
dade e os recursos de que dispoe, mostroa, em
urna sesso da Soeiedade Qleograpbica Brazi-
leira., perante nimeroso auditoria, que es depar-
lamentos de Sinta Croa e Beni, daquella repu
blica, nicos a que tal estrada aproveita, nao tem
nem p quer fabril, qoer pastoril, que justifiqoem a esp-
ranos de um Jrafego, cuja renda d, pelo menos,
para o casteio da estrada : mal chegar, disia
elle, para a despeja da graxa ou sebo para as
machinas.
Enretaut) gastaram se centenas de contos de
ris e perderam-sn preciosas vidas nos estudos
dessa estrada Urna das victimas foi um filho
do Sr. David Mornovi, engenheiro qua f*zia parte
da primeira commissio que 14 trabalbou. E aqu
cabe dizer qne, por brigae e divergncias entre os
chefes qne dirigiram cada nata das daas commis-
soas, veio am deltas a imprensa, em nma serie de
artigos que nao tiveram resposta, mostrar os des-
perdicios, a pirda da dioheiro, que bouve, alem
de notave! differenc, nio satisfatoriament expli
cada, entre o primis* e o segundo oreamento
dos trabalbos. De modo que, se o governo ti-
ver de levar a efiVito a execucao da estrada, nio
ser fcil saber qual dos dous dssses orcamentos,
que divergem em mbares de contos, servir de
base para u contracto.
D pois de votaio o oreamento da agricultura,
pagsou a cmara a occapar-se com a discuassio
de reqaerimentos adiadas, desde o principio da
sessio at aquella dia, em que ainda quttro fo-
ram apreaentad >s, sendo doas pelo Sr. H :nrque
Salles e dous palo Sr. Celso Juoior, o qul c m
esses eompletou nada menos de 133 requ^rim o
tos qae tem enviados i mesa ; a saber : 25 em
Maio, Si em Juaho, 40 em Jalho e 36 at aqaalla
data- = ^
Qaasi tedoe essvs requerimentos ncxram adiados
Juntados a este os de outros debutad is, dj
de admirar qua chegnem acerca de dos-otos os
estio penJeutes de discussao, eonsUndo a
discutido a materia e tanda tambem a rolacio da
edrte pm conterencia do dia anterior, reconside-
rado a sua primeira discussio relativa a taes ma
triculas, firtunndo assim doutrina quanto as sup-
postas irrag-ikridades, p->r filiatfio desooohecida,
na ia tinha du novo a acoresceotar.
Entretanto, por estar eom a palavra, passou a
discutir a tbeoria dos r.'quarimantos, segsndo pre-
tende a minora, quo n^sse ponto tem reclamado
pela ref rraa do requenmento, o mostroa qua
opposiciu nio licito pedir iuformaooes pelo
modo porque tem feito, assim como maioria
nio se pode contestar o direito de querer discu-
tir esses pedidos ; mrmente quando a opposicio
nio se tem contido nos limites convenientes, por-
que por qualqner noticia de jornaei, por qualquer
informacio infundada on pouco seria, requer infor-
macoos a respeito ; nio se lesabrando que para as
reparticoes publicas podeiem prestar tantas e tio
variadas informacoas, algumas at depndentes
de engenharia, seria preciso augmentar o pessoal
e acaraetaria despezas extraordinirin ; alem de
que algumas dessas intormacoes constam dos re-
latsrios e de iocumentos officiaes, o que faz crer
que a nobre opposicio nio l os rotatorios nem do-
cumentos officiaes.
Depois de urna replica do Sr. Affonso Celso J-
nior, tocoa a palavra ao Sr. Rodrigues Jnior,
que, tratande de responder a um discurso, do Sr.
Jaguaribe Filho, pronunciado em nma das sessoes
anteriores, tratou dos negocios de sua provincia,
dando-se entio troca de palavraa muito azadas
offensivas de parte a parte entre o orador e o Sr.
Caminha, qie foram ommittidas na publicacao do
debate. Assim foi bom, porque taes doestos entre
representantes da naco nio devem ir para es
Aanaes. .
Nio terminare sem noticiar-Ibes um voto do
reconhecimento que o conselho deliberativo d
Associacio Commereial do Rio d^ Janeiro acaba
de dirigir aoSr. Bario de Cotegipe, pelos resol-
tados tio promptos como efficaies da accio dos
delegados do governo imperial, por cojo inltuxo
as recentes tentativas de aleracio da ordem po-
bliea nesta cidade foram reprodozidas.
t 8i a todas as classes da popnlacio, diz o men-
cionado ooaaelho, eoasirango a alteracio da ordom
e do socego publico, a nenhuma, como i dos eom-
merciantes, importa a manutencao da pal e da
tranquillidade, sem as quaes profundamente se
abalara os interesses, se perturbara as relacoes e
periclitara as benficas autoridades da corporacio
qae representa em toda parte a forca e a grandeza
daanacaa. O commereio desta prac pela sna
propria natureza e pela constituido de eeus ele-
mentos a corporacio neutra as conflictos origi-
nados as paixoes ardentes, e nio na serena con
templac?o e claro assento dos destinos gloriosos
desta glande patria ; quanto obstar ao sen pro-
gresso e engrandecimento lhe em extremo dea-
agradavel, como todos es meios de provar ao seu
livre desenvolvimento, ao pacifieo exorcicio de
suas actividades lhe relevantsimo servicoa be-
nfico amparo.
O governo de S. M. o Imperador, que V. Exc.
tio sabiamente preeide, penhoroo a g'atidio da
elasse commereial, impediado, pela legal inter-
vencao da autoridade, os conflictos deploravel-
mente ioioiados nesta cidade. >
Nio preerao dizer que o Pau, cujo redactor
principal foi nm dos convocadores do mttting a co
aberto, reprova o procedimento doa signatarios
desse voto.
Aos commerciantea allodidos disse elle, talta-
lhaa competencia e carcter para se arrogarem o
direito de qnalificar dellctos de ordem poltica e
para applaodirem oo ensoiarem individnalmente
e po olicamente actos oo prononcmmeatos, qner do
governo, quor do povo, ne exereicio de fanecoes
qae a constitu cao reservn para oa que sao cida-
dioB bnuileiros.
KtViSTA DIARIA
que
maior parfe delles de frieleiras a aseuaiptoe sem
importaucm olhidos de qnaaaas notiais, mais ou
menos estr iv igantos, st iiam nos i'rnae-, a me
dida que .nm sendo dadas, embora dias depoi
fossem esuv oti la. Mas eaaao o fim principal
dos autores dss-s requeri) ntos que fiqaam
consignados nos tAnnaes faetjs de sensaei-
pouco M Ihe3 J disCBtil-os ou nio. Com tud.
qneixam-se eoastautemeata de que a maio'ia, aiin
de recusar Ibes o meie de obterem eaclarecimHn
tos de que pr cisam, ni* Ihea permute aiqu-r ex
poros factos, na diaaatsio doa reqo-nm-ntos.
Foi-lbes, portaut ),desde a 2 parlad o dein do di.
daquella eessi, dtda para tal discussao, come;.n-
do esta ror um requerimento do 8r. CeU* Jnior
relativo i matricula de eacravos, sobre o qual ha-
via pedido a palavra o Sr. Aodrade F'gueira.
Ponaerou este qae tendo j em uutra oecasiio
luloriilades aollelaea. Por portara
da presidencia da provincia de 26, e proposta do
Dr. chefe de polica, de 25 do corrate, foram no-
meadoa :
Subdelegado do diatricto de Pedra Branca, do
termo de Santo Antao o tenente Bernardino de
Senna Teixeira Cavalcante em aobstituico de
Joaqoim Teixeira de Oliveira, qae foi exonerado a
pedido.
Segundo sopplente do subdelegado do 7distnc-
to do mesmo termo o eidadio Christovio de Moara
Cavaleante, em substituicie de Joio C.ncio Ca-
valcante de Albuquerque.
Cbefatura de palela Hontem deixou
este cargo o Sr. Dr. Aotooia Domingos P into que
ezerccu mais de um ann, sendo ineonteataveis
oa ser vicos que nelle prsatoa i provincia e nesta
cidade, nio obstante as difficul ladee que, por ml-
tiplas circumstancias, inclusive a falta de forca
suffieiente, teve de vencer o digno magistrado, cujo
mrito o governo imperial acaba de reconbecer
distinguindo-o com a desgnscio da importante
vara dos Peitoada Faaenda da provincia.
Hontem mesmo tomn posse e assanio o exerei-
cio daq'wlle cargo o 8r. Dr. Franciaco Domingues
Ribeiro Vianna, juiz de direito.
O Ilustre magistrado nio um hornera deaco-
nhecido provincia.
Deputado provincial no bieanio de 1870 a 1871,
promotor publico as comarcas de Florea e do
Brejo, juiz municipal e delegado de polica do ter-
mo de Cimbres e ltimamente juia de direite da
primeira daquellas comarcas, em sua adiantada
carreira judiciaria, tendo aempre revelado em to-
do* os seus actos muito criterio, moderaco e im-
parcialidade, nunca deixoa de dar os melhores ex-
emp'os nos cargos qae tem exercdo com esforco
pouco vulgar de actividade posta ao servico de
um animo firme e vontade tenaz e enrgica.
Com taes predicados auspiciamos que o Sr. Dr.
Ribeiro Viann prestar trente do ramo da ad-
ministrscao que lhe foi confiada os mais proveito-
sos servaos polica da provincia em beneficio da
ordem e tranquillidade publica e especialmente a
esta capital.
Facaldade de BireltoHontem as 2 ho-
ras da tarde reanio-ae a congregacio doa lentas
para tomar conhecimento das babdiucoes dos can-
didatos inscriptas para o prximo concurso e apo-
sentar as theses para o mesma.
Acham-se inscriptos e foram considerados habi-
litados os neguintes candidatos: Dre. Oliveira
Escorel, Adolpho Cirne, Hanriqne Milet, Castro
Fonseca, Martins Jun.or e Manoel Portella Filho.
H je deve reunir-se de novo a congregarlo para
escolner e approvar as theses, que tem de ser ex-
pedidas aos candidatos.
Dll'aenelna per* Miada,No dia 1' de
Setembro comeesr a ser feito um servico de
transporte de passageiros para Olinda por maio de
diligencias, segundo o horario, qae em oatra sec-
cio publicamos.
As diligeucias funecionario entre Asylo de
Menlicidade e a cidade de Olinda.
aVaierlae da p'oviacla.O Sr. eomraen-
dadur Jos Candido de Vloraes, thasaureirn das lo-
teras desta provincia pede-nos, que declaremos
qua elie nio manda para a provincia da Baha bi
Ihates das loteras a seu cargo e que all nio tem
agente ulguin.
ecretaria de Polica.Ao deixar_hon-
tem o exercieio do cargo da chete de polica, dirigi
o Sr. Dr. Antonio Domingos Pinta ao Dr. Joaqaim
Francisco de Arruda, digno secretario da Reparti-
dlo d^ Pohcia o s'gum' i .tfi^io :
1. Secoio.N. 3,767. Secretaria da Polica
de Prrnambuc, em 29 de Agosto de 1887. Illm.
Sr.Tendo sido exonerado por decreto de 18 do
cirreota a meu peisd do cargo da chife de poli
ca deata provincia, campr.i, ao daixar h je o ar-
sacia do mesm > cargo o dever de agradecer a V. 8.
a valiosa coaijuvacio, que preatou-uje nas fe-
lo -i do cargo, que com tdo aelo, iotelliganeia e
actividade ex-rce, rvinio Be V. 8. da trausmittir
a todoi os in pregad os daSscretaria s*b*na d roe-
o, os meus agradecimantos palo dasempeuho de
usa fanecoes, ord<-m e regulandada oj servico, o
que cuns'tae para elleo am titulo de especial re-
tjmine.adica i.
Oeus guarde a V. S. Illm. 8r. Dr. Jjaqaim
fr'rucide> de Arruda, mui diga secretario da Re-
pirt ca. de Pjhaia de r'ern .mbuco. O chafa de
polica, Antonio Ditrnyoi PintJ.
SO de Aolt. L ae no Jornal io Com-
merch, de 21:
Caineid-ndo o sabbado de hontem, da da re-
cepcao . anmversario do ministerio 20 da Agosto, affl no
grande numero da pessoaa a c jinpTmentar por este
motivo o Sr. presidiente do coaselno.
0*i tarde, urna c "nuitssio da oo'ninas da fabrica
de flores dos Sra R'boiro de Carvalho & C, all
foram fazer entrega de daas belssimas jardinei-
ras, por ellas fabricadas. 8. Exc, agradecendo,
deu 501 para abrir um ead meta na caixa eco-
n >raica orphi do estabelecimento que melhor se
t ver portad) no correte anno.
O Sr. ministro argentino enviou um vistoso tou-
cador primarosamenie foiio de flores naturaes, obra
de muito gosto, offareoido Sra. D.Antonia Wan-
derl.'y.
A' noite as salas regorgitavam da altas persona -
gens, ministros, sonadores, deputados, diplmalas
eatrangeiros, magistrados e representantes das
mais elevadas classes. Achando-se igualmente
presentes muitas senhiras, houve msica e dansa >
Bellaca Illaalrada.Recebemos do Rio
de Janeiro esta engraoada e bem escripta revista.
Agradecemos.
Ka na ola*. Com a aeguinte carta recebemos
hontem 3i para dar de esmolas :
Illms. Srs. Redactores do Diario de Pernan-
buco. Tando cabido a urna soeiedade de cinco
mambros o premio da 10:000* da ultima lotera
extrahida na provincia do Para, tem ella a satis-
facao de rematter a Vv. Ss. a quantia de 30* para
que se dignem de distribuil-a por varias viuvas
mais necessitadas a juiso de Vv. Ss.
Corta da bondade com que oesa Ilustrada re-
daceo se ha prestado pratica desse acto de bu-
manidade, a allndida soeiedade espera ser atten-
dida no que pede, e pelo que desde j, protesta p*r
sto a sua eterna gratidao O cinto favorecidos
dafortisM.Recife, 29 de Agosto de 1887.
Gratos a confianoa que nos foi dispensada, re-
aolvemoa distribuir assim a quantia qae nos foi
remettida em quinte esmolas de 2* cada urna :
D. Miqualioa 8. da Albaqaarqae Vidal, ra do
Nogueira n. 12
D. Marianna Pires de Seuza, ra das Carrocas
n. 32.
D. Laura, viuva do typographo Vctor, ra Au-
gusta n. 18#, leja.
D. Mara Joannada Silva, ra do Padre Nobrega.
D. Januai ia da Cmara Vasconcellos, ra da As-
sumpcio n. 74.
D. Alexandrina Maria da Conceicio, roa das Trin-
cheiras n. 48.
D. Mana Candida Wanderley Autran, ra do
Mrquez do Herval n. 137.
D. Joanna Francisca Pires, ra de Pedro Affonso
n. 76.
O. H rmelinia Sette, ra do Visconde de Albu-
querque n. 64.
D. Mana Magdalena do Nascimento Pires, Pateo
do Terco n. 66.
D. Mana do Espirito-Santo Paiva, Campo-Grande
D. Josepha Maria Francisca do Espirito-Santo,
estrada do Cambe em Beberibe.
O. Maria Candida da Silva, Campo-Grande.
D. Leopoldina Msria de Jess, roa da Detencao
n li.
D. Senhorinha Duarte, roa do Pires n. -i-
(lilncli- da VictoriaRacebemoijoatem
o Meteoro de 27 deate mea, do qoal extrahirat as
aegnintes noticias :
Na noite de 22 para 23 do corrate mea, os
mchameos roubaram o estabelecimento commer-
eial do Sr. Pedro Alves, subdelegado do 5o dis-
districto, no lugar li.'ixeiras.
Apeaar do Sr. Pedro Alves morar em um com-
partimento do proprio estabeleeimanto os mcha-
meos foram tio delicados que nio o incommo-
daram. *
O delegado da comarca fes a competente via-
toria e procura descobrir os autores do crime.
. O trem que deseen d'esta cidade a 3 horas e
46 minutos da tarde do dia 24 ficou entelado no
valle de Taumata-mirim devido aos grandes agaa-
ceiros terem coberto o leito da estrada.
Os passageiros vindo do Recife aqui chegaram
as 11 horas da noite do mesmo dia, e os qae d'a-
qui sahiram as 3 e 46 minutos chegaram no Re-
cite 1 hora da madrugada.
Domingo o aegunda-teira d'esta semana cha-
ven bastante n'esta cidade.
Na segunda-teira nio houve nenhum esto
absolutamente.
- O rio Tapaeur que aqui passa, tomn urna
enchente bem regular. *
* Um individuo qne no sabbado passado estava
esperando o trem qne vinha do Becfa, atirou sobre
oa trunos, quando o trem chegava a eataeao, o
Dardinbo de nome Manoel, qne deixon de ser vic-
tima, devido a marcha vagarosa que trasia e
trem.
A polica botou-o una das na cadeia para
cantar a serena estrella.
Recebemos tambem o Lidador da mesma data,
do qual extrahimos o seguate :
KoaboNa noite de 21 do correte mea, no
lagar Alagoa dos Cabaooa, deata comarca, os
membros da companhia do olba vivo a foram a
casa do Sr. Pedro Alves dos Santos, all morador
a autoridade policial, e roubaram do estabeleci-
mento do mesmo Pedro Alves, cerca de 503*000
em tazendas, miudezas e outros genero* de es-
tiva.
Oa ladroea penetrarais na casa por nm buraco
que fiaeram no telhado.
E' indigitads como um doa autores deate ronbo
o bem conbecido Manoel Grande, a innocente
victima Da phrase do Jornal.
A autoridade proceden as vistorias necessarias
e trata de descobrir os autores do crime.
rada s^lo Sr. Abel, depois ca terem orado os Srs.
Dr. Carlos, Arthur Pinto e o Chroniata.
Apj uno i questio de ord un em qne tomaram
parte os Srs. Abel e Joio f salo foi posta em dis
eussio e approvada a ohronica primaria, tendo
orado o Sr. Jos Martina chronista) a Dr. Carlos.
Raalisou-se em segaida o jury de Matines de
Albuquerque.
T>miram parte o Dr. Laia (promotir) que fal-
ln 2 veses, Joaquim Kaphanl e Dr. Carlos.
A commissio revisor* da theses apesentou di-
versos pareceres que foram spprovados.
Foi em seguid sorteada t. commissio qua tem
de dar parecer sobre o paraeiiagem, fieando assim
composta, aps algumas reoveaj por parte dos Srs.
proaiotor, advogdo : Virgin o Braga (relator) Is-
mael e Athur Pinto.
Foram igualmente sortead os :
Parsouagem para o proceaio jury.Luthiro.
Promotor.Virginio B.-ae: k
AdvogadoGraciliano M irtias.
Chronista secundario.Gnciliano.
Cbronista primario. -Theoioro Borja.
Iel*a lSajtaar-se-nij:
Hoja :
Pelo agente Pinto, Praca da Independencia
na. 18 e 20, de urna armaoio e mais objectoa de
tavarna.
Pelo agente Stepple, s 11 horas, ra do Im-
perador n. 22, de predios.
Ataanhi :
Palo agante Stepple, s 11 horas, na ra do
Imperador n. 22, da parte do engenbo Novo da
comarca do Rio Formiso.
Pelo agento Pinto, s 11 hras, raa do Vis-
conde de Goyanna a. 66, de movis.
Pelo agente Guarni, a 11 horas, ra do
Mrquez de Olinda n. 19, de movis.
iNiaa fanebreaStrio celebradas:
Lulerla tto CearaEsta acreditada lote
ra aojo premio maior de 250:000*000 aera ex-
trahida no dia .. do correnta.
Os bbetes acham-se a venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23 de Martins
Fiuza & 0.^.
CHRONCA JUDICIARIA
ImprensaDa corte recebemos o aeguinte
jornal:
Jornal dos Economistas, n, 15 do 2. anno, cojo
aummano o seguinte :
Estado do crdito: a deficiencia do crdito em
nosso pais e a usura dos estabelecimentos uan-
earios.Minas do Asauru.Navegacio de cabo-
tagem.Bevelacoas que eos podam servir de
licio.As guias do caf.Commereio interna-
cional.Admiaistracio da marinea.
Da Babia recebemos :
Boletim Gtral da Medicina ciruraica, a. 2,
sendo este o suramarto :
I. Trabalbos OriginaesEmprego therapeutico
do iodul, pele Dr. Deocleciaoo Ramos-
II. Sociedades ScientificasI. Academia das
Sciencias de Paria.M. Verneuil. Tbermo-dyna-
mica biolgicaDos Clysteres gasosos.- II. Aca-
demia de Medicina de ParizM. MartyrO ci
e os kystos hydaticos Da sobrecarga intelec-
tual.
III. TherapeuticaAntipyrina na phtaica
Tratamento da* perturbacea menstrnaes pela per-
manganato de potassa e pelo manganeaAnta-
gonismo entre a sfriebnina e a cocanaSub-
nitrato de byamutha no curativo das feridas resal-
tantes das operaces.
IV. Revistas DiversasElephanciajdos rabes
V. Chromca Gerai.NicrologiaO Dr. Pau-
lino Chastioet.
luatro carias de llberdadeTantas
foram as que, 27 do correte, no engenbo Ara-
runa do tormo de Agua Preta, receberam, sem
condieio algum, os escravisados de nomes : Ru-
fino, de 24 aunes de idada ; Sebistiio, de 22
(pretos); Nszaria, de 50 (parda) ; e Vicente de
19.
Aquelles tres primeiros pertenciam a Exma.
Sra. D. Anua C irdero de Miranda e este ultimo
ao Sr. LouieuC'i A nerico de Miranda, vi uva e
filho do capitio Iguaoio Amaneo de Miranda.
Registramos cora satisfacia estes actos dignos
de ser imitadas por qaam anda possue escravi-
sados.
Companhia de EdifcaosloAaaumiu
hontem a gerencia effectiv desiacompanbia, o Sr.
Dr. Ricardo Maneaea.
A trans nuici porque acaba de pasear eata
asa km.tio, eom a reforma de seus estatutos, e o
modo de ser administrada, faaem crer que vai
elle melborando oonaideravelmeate.
O novo gerente, vantajosamente conhecido nio
s n'esta provincia, como no sul do imperio,
pelas suas btbilitacoes a actividade iuexcedivel,
de snppor, qae d o elasterio necesBario a essa
esparauQosa e til compaabia, e assim correspond -r
as vistas dos seus asociados, a par dos melhores
desej is d qua se achain possuidos os dignos honra-
dos direct res da mesma.
Keanles aoelae* Ha boje ss seguio-
tes :
Da Soeiedade Melpomena Olindease, s 6 1/2
horas da tarde, em aasembla geral, para presta
ci de con tas e tratar da fasta de seu anniver
sario.
Do Club Litterano Ayres Gama, em sessio de
assembl geial extraordinaria, para tratar de ne-
gocio da surarna importancia.
Club (iliterario Biesjsaesj Janlnr-
Ped in-uod a pubncaaio do seguiut i :
Fuuuciouou no dia 25 com assistenea de 17
socios.
Foi lida e approvada a acta da anterior sessio
depois de um discurso do Sr. Jo > Paulo.
O Sr Ismael > a ebrooica primaria da penl-
tima sessio. Bapois de orarem oa Srs Dr. Carlos
P. Caraeiro e Chronista, foi appr ivada a mesma
chromca.
Foi hda e adiada a ebronica secundaria elabo-
ni, Andrs I. Agr, Domingos Antonio Blanco.
Sebastiio Antonio A Lins Wauderley. Gartrudes
Tberesa da Rocha Lins, Maria Lins Wanderley.
Sahidos para o sul no mesmo vapor :
Francisco Moreira de Barros, Dr. Antonio da
Costa Pinto, Deocleciaoo da Silva Souza, Antonio
da Costa Ferreira, Luigi Fraoszo e 2 filaos.
Sahidos para o norte no vapor nacional
Espirito Santo :
Raymuado Castanhada, Antonio Lambnrti, E-
nas A. de Medeiros, commerdador Joio de Sou-
aa Magarhiea, Jos Varandas de Carvalho, Flix
Moreira de S, Constancio da Souza Bandeira,
Jos Cordeiro Brasil, Antelo Blanca, Gorjan
Agr, Josepba E. da Costa, Maria da Conceicio
de Jesns, Theodora Francisca da Luz, Luiz Fe-
lippe de Oliveira, Francisco A. M .reir Chaves,
Carlos Garca, Manoel Serpa, Dr. Alvaro Barbo-
lbo Ucha Cavalcanti, 1 aprendiz marinheiro, te-
nente Francisco Vctor da Fonseoa e Silva, D.
Joaqina Oliveira Ucha Cavalcante.
Nindos dos portas do sul no vapor ingles La
Plata :
Joaquim Antonio da Costa e sua senhora, Da-
niel Strisff, Miguel Taveira, Manoel de Araujo
C. e S4, Abilio Cavalcante de Albuquerque, Vir-
golino Jos de Souza, Joio Alves Barbosa, Valen-
tina Pinto de S, Laara Pinto da S, Jama Sil -
vem e Augusto Moreira.
= Sahidos para a Europa no mesmo vapor :
E. L. Lathame 2 filhoa, Richard Ziffar. S. Nathau,
Joaquim Da* Heira Lima, Francisco Marques
da Silveira, N. Howard e C. Cbristiansan.
Sabido para o norte do vapor nacional
Marques de Caxias :
Pedro Saras.-1.
Sahido para o sul no vapor nacional Man-
dahu :
Guilberme Grambom.
Operaeoea clrurglca*Foram pratica-
das no hospital Pedro II, no dia 29 do correte, as
seguintes:
Pelo Dr. Estevio :
Amputacio.da mama direita indicada por epi-
telioma da mama.
Ex traeca o de nm tumor fibroso da face.
PeloDr. Berardo:
Daas pupillas artificiaes indicadas por glanco-
ma ebromeo.
adocena da Cear-Eis oa premios da 2
parte da 4* lotera da provincia do Ccar extrahi-
da em 22 do correte :
6371 250:000*0t)0
1521 40:OJO*000
3765 15:000*000
4639 10:00 *003
233 4:ii00*000
8z56 4:000*000
Estao premiados com 2:000* os seguintes n-
meros :
1988, 2860, 5188, 9129.
Estao premiados com 1:000* os seguintes n-
meros :
691,1000, 4686, 5145, 5698, 5935, 6441, 9135,
Esto premiados com 500* os seguintes nu-
mero* :
287, 1598, S208, 2627, 2713, 3195, 3298, 3728,
4060, 4216, 4510, 4792, 7557L 7901, 8781. 9968.
Approximaco as
9370 2:000*000
6372 2:000*000
1520 8i 10*000
1522 800*009
3764 600*000
3766 6004000
2638 45OiO00
2640 450*000
Os nmeros de 6301 a 6100 esli premiados
com 300*000 excepto o da aorta grande.
Os numarus de 1501 a 1600 estao premiados
com 200*000 excepto o da sorte da 40:000*000
Todos os nmeros terminados em 1 e 2 estio
premiadoa com 100*000 excepto os dos dous pre-
mios maiores-
IiOterlaa diversasA Casa Feliz, de A.
A. doa Santos Porto, na praca da Independencia
ns. 37 e 39, tem a venda os bilhetes das seguintes
loteras:
Espirito-Santo: A 1' parte da 4a loteria,
cujo premio grande de 50:000*000, pelo novo
plano, ae extrahir no dia 2 de Setembro impra-
tenvelmente.
__Cear : premio grande 250:000*000 ae ex-
trahir no dia .. do correte.
Alag: A 4.* parte da 19.* lotera, pelo
nsvo plano, cajo premio grande de 4'J:000*000,
ser extrahida no dia 1 de Setembro, ao meio
dia, impreterivelmente.
Bllaeiee de loterlaaEm mi do agen-
te Bernardino Lpes Alhairo acham-se a venda os
bilhetes das seguintes loteras :
Do Eapirllo-Santo : A 1'parte da 4* lote-
ra, cajo premio grande de 50:000*, pelo novo
plano, aera ext. ahida no dia 2 de Setembro, im-
preterive mente.
sao Ceara : com nm importante plano, cuj
premie grande de 250:000*000, ser exlrbida
o dia do corrate.
e Alaatoaas A 4* parte da 19. > loteria,
pelo oov > plauo, cujo premio grande da........
40:000*000, aera extrahida na dia 1 de Setem-
bro, (quinta-feira), s 12 horas da maohi mpre
terivelmente.
Oo Uro-Para : A 3' parte da 12* loterA,
pelo no*o plauo, cujo premio grande de 100:000*
ser extrahida amanba 31 do corrate, impreteri-
velmente.
Lotera da provincia do Paran-
A 4 loteria desta provinci,pela novo plan >, cu
jo premio grande de 12:000*000, se extrahir
boje 30 deAg'Sto.
rJilh"tes a venda aa Casa da Porcuna, ra
'rimeiro de Marco numero 23, de Martins Piu-
sa C.
Molerla de Alagoa* A 4.* parte da 19*
Litara, pelo novo piano, cujo pramo grande de
40:0i)0*iHO ser extrabida no dia 1 de Setembro
(quinta feira) s 12 horas da manhi, impreterivel-
mente.
Os bilhetes acham-se venia na Casa da tor-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23, de Martins
Fmaa & C.
Lotera do rao-Para A 3' parte da
12 lomna deata provincia, pelo novo plano, cujo
premio grande 100:000*000, ser extrahida
amaohi 31 do corrate {quaita-feira) impreteri-
v Im.nre.
Os bilhetos achum-se venda na Casa da For-
nna rna Crimeiro de Marco n. 23, de Martins
Pinza A C.
Lotera do Bapl. Ito aoto-A 1* par-
te da 4" lotera desta provincia cujo premio gran-
i 50:000*000 era extrabida no dia 2 de
Setembro.
<>s bilbetea acham-se venda na Casa da For
tuna raa Primeiro de Marco n. 23 Martin Fiu-
sa re.
Iaitta Commereial da cidade do
Keeife
ACTA DA SESSO EM 25 DE AG JSTO DE
1887
PazaiDEC A DO ILLM. SR. C IUMEXDIDOR ABTOHIO -OD
MES DE MIRANDA LEAL
Secretario, Dr. Julio Quimar&es
A's 10 horas da maohi declarou-se a berta a
sessio estando presentes os Srs. deputados Otnto
Bastos, coramendador Lopes Machado, Beltrao J-
nior e Hermino de Figueiredo.
Lida, foi approvada a acta da sessio anterior,
e fez-se a leitura do seguinte
EXPBDIKMTE
Officios :
De 20 do correte, da junta doa corretorea
desta praca, enviando o boletim das cotacoes
officiaes de 18 a 20 do presente mes.Para o ar-
chivo.
Diarios officiaes de ns. 233 a 224.Para o ar-
chivo.
O n. 81 do Diario do Parlamento Brasileiro.-
Archive-se.
Foram distribuidos rubrica os seguales
livros :
Diarios de Sebastiio Jos Beaerra Cavalcante,
Martins Pires 4 C. e Rodrigo Carvalho 4 C-, co-
- Hoje .
As 8 horas, na igreja do Tur;, pela alma de fiadores de Joao Moreira & C, Joaquim Duarte
Joio Baptista Patrio. Sanes ez C. e Martins Pires te C.
Paanaaelroa Viudos da Europa no vapor Ttjndo-so apreaentado nesta data o livro diario
inglez Cotopavi : da casa cqMajurcial de Joio M ireira & C, ainda
Charlea A. Craver, W. liegbj, Emma Grf sem eacriptoraoio, e rubricado a 12 de Agosto de
fith, Bose House, W. Blackbums, Ednvin Guille- 1886, para se corrigir o engao qae se reconhe-
ccj existir da duplcala das folbas 200, 20, 204
206 e 208, o qual foi rectificado pela Rece be-
doria a 24 do corrate, declarou-se em dito diario
qae c .ntinba elle 250 folbas e nio 245, como se
disse no respectivo termo da 12 de Agosto de
1886.
DESPACHOS
Peticas :
De Manoel Alves Barbosa, suecessores, para
que seja registrada a nomeacio dos seas ca:xei-
ros. Regstrese, depois de satisfeito o parecer
fiscal.
De Maa Silva & C, idem. Seja registrada,
depois de satisfeito o parecer fiscal.
Da Affonso de Oliveira & C, dem.Igual des-
pacho.
De Andr Santoa.Como requer, depois de sa-
tisfeito o parecer fiscal.
De Jos Joaquim d Carvalho, dem e baixa no
registro da nomeacio de seu ex-caixeiro Jos Mi-
nervino dos Santos.Como psde, depois de satis-
feito o parecer fiscal
De Antonio Ferreira Nobrega, baixa no registro
da nomeacio de seu ex-caixeiro Manoel Soares
Freir.Como requer.
De Jos Braz da Conceicio o Silva, idem de
seu ex-caixeiro Jos Antonio da Costa Cabral.
Como requer.
Da Capitalino Rodrigues do Passo, tendo feito
alteraces na marca indeferida na precedente ses-
sio, pede que se admitta a registro. A deaomi-
nacio principal Leio, e o estabelecimento com
mercial ra do Cabug n. 14.Indeferida, por-
que aindt. so parece com o registro n. 186.
De Joaquim Jos da Abren, para que se regis-
tre dnaa procuracea que Iha pastara Antonio
Goncalves de Azevedo.Sejam registradas.
De Caetaoo Cvriaco da Costa Moreira s C,
para que seja registrado o crdito martimo, que
apresentam.Deterida.
Da Sidronio Ignacio de Mello, natural desta
provincia, da 40 annos de idada, domiciliado e es-
tabelecido nesta praca com commereio de carnes
verdes, para que seja admittido matricula de
commerciante. Sio attestantes do eredito com-
mereial do impetrante Gratuliano doa Santoa Vi-
tal, Pedro Alexandrino Maa e Silva e Joio Ro-
drigues de VouraViata ao Dr. fiscal.
De D. Maria Amelia da Cunha, viuva de Anto-
nio Pereira da Cunha, campnndo o despacho de
18 do correte, para que facam-ae notas no regis-
tro da marca n. 186, no sentido de perteneer-lhe.
Como requer.
De Leal aV Irmao, para que aejam registradas as
nomeafoes de seos caixeiros. (Otficiou como presi-
dente o Sr. deputado Olnto Bastos.)Reconheei-
da a firma signataria d nomeacio, registre-se.
Proferia-se o despachoDeferidanas peticoes
aegnintes, solicitando registro de nomeacoes de
caixeiros :
Dias Silva & C.
Manoel Martins Torres.
Angosto Fernandos & C.
Jos Z icarias da Motta.
Avila Se, Irmao.
Capitalino Rodrigues do Passo.
Jos Vctor da Silva Pimental
Caetano Cvriaco da Costa Moreira & C.
Guimaries Fonseca C
Thoinaz de Carvalho A C-
Felix Venancio de Cantalice.
Thomaz Times.
Pinheiro Silva & C.
Dias Guimari-s & C.
Jos Coimbra & C.
Martins Pires & C, roa eatreita do Rosario n. 1.
O mesmo, a mesma ra n. 1.
Carvalho Irmao fe C.
A. M. da Bosa.
Freitas Tavarea & O.
Fontes < C.
Francisco Barbosa & C.
Martiniano Jos de Campos.
Joio Fiancisco Ramos e Silva.
A. Costa & C
Moreira K-i% 4 Filho.
Franciaco Cardoso da Silva Pinto.
Natto & Alvea.
Tiburcio de Oliveira & C.
Laorentino Pires de Carvalho.
Maia Irmao fe C.
Silva & Santos.
Fran. isco Ferreira Vital.
W^lff c C.
Josepb Kranse & C.
Albuquerque fe Irsaac.
Costa & Irmao.
S-bastiio Jos Bezerra Cavalcanti.
Antonio Jos Martina & J.
Braga db a.
Manoel de Carvalho.
Leonardo MagalbSas & C.
Oiogo Augusto do liego.
Ramea fe Santos, rna do Visconde de Inhama
n. 62 B.
Souza Rocha fe C.
Ramos fe Santos, ra
n 75.
Pereira Ferreira & C.
Manuel da Silva Paria.
A. Lab-rty.
Bedel & David.
'Jada mais huve e
11 3(4 horas d manhi.
d* Visconde de Inhama
foi encerrada a sessio a
n dLiai'ofcS a pedido
A elelco do Io
n
dlstrleto
Antes de tudo temos necessidade da des
faz r am engao em que labora a P*o
vmcia.
O escriptor deatas linhaa nao nenhum
doa tillioa do Exm. Sr. conselheiro Portel
la, os quaes ignorara at quem seja o oa
valheiro que tomou a paito susto otar, no
terreno largo e ampio das discussSis se-
rias, a candidatura do nobre ministro do
imp rio.
utro-sim nio tendo nos declarado que
os artigos da presente serie appareoeriara
diariamente, nio po lia o es riptor da Pro
vtn ia, rom mis modos em que se podi
encontrar ou divisar um ressabio da mofa,
diiar qu i tinhames mterrompido a nossa
ardua tarefa.
laso posto, vamos apreciar per $Hnmx
eapifa as allegayB H da Provincia, quo alias
nao contestou que a sua liuguagem para
com o honrado minis'.ro do imperio o seus
Ilustres filhoa havia sido acrimonioso e re
voltante.
Conessarido isto, a Provincia de ante-
hontem procura justifcar-sa dizeado que
foiaggr-dH pelos cabalistas do oonselhei
ro Portella.
Mas o articulista attenda-nos, por obse-
quio. A legitima defasa, no g>sso de cujo
dimte preteode estar, s seria cabivel se
a nomenclatura de adj activos desbragados
fosse dirigida contra quem (oo seu enten-
der) o atacou contra aquelles que tiveram
a bombridade de tomar a serio a defesa de
urna causa justa e sympathioa.
Tal, porm, oSo succedeu e a Provin-
cia, longe de voltar suas armas contra es-
ses, atira-sa cegamente contra a pesaos ve-
neravel do conselheiro Portella e dos seus
fi'hos.
J veem, pois, aquelles que tom de jul-
gar oude est a justica, que a Provincia
nao se pode justificar, pormaneaendo, por-
tanto, da p as nosaas considerarles quan-
to ao modo inslito do ataque.
Urna confisso devemos fazer ao publi-
co : detestamos extraordinaria e sincera-
mente a injuria, venha ella d'onde vier e
por mais revestida que se acba de primo-
res estyleaticos, por isso nunca nos have-
mos de bater no campo vergonhoso do es-
carneo que revolta, da leviandada que
abata aquellas, que dalla se quizeram uti-
lisar.
Mas... continuemos.
Vem a Provincia dizendo que as nossas
considerares a respeito da competencia do
Dr. Joo Portella sao mal fundadas, por-
quanto as nomeacoes fazem-sa nao em at-
tencao capacidade ims em virtude das
8olicitaco*98 e rogativas e empenhos(!...)
Po leamos remetter semelbaute tbeoria
aquelles que fazem timbre de cumpridores
dos seus deveres, aquelles que nao torcem
sua conssiencia s imposicSes e pretenjes
infundadas.
Comtudo concedamos que na nomeacSo
do Dr. Joo Portella tal cousa succedesse:
pode-se, porm dizer o mesmo quanto i
promocao T
Nao porque esta s tem lugar em recom-
pensa de servicos prestados em attenco a
habilit lyoas profissionaes que tomam o in-
dividuo apto para merecer tal tavor.
c Para quem o nio conhecia, as suas
apti.l 's dependiam de p.-ovas praticas, do
desempenho que dsse s suas fanecoes
offioiaes.i
No decurso de 2 annos e 4 mezes (Abril
de 83 a Agosto de 1885) o governo teve
bastante tempo para julgar se as unecoas
foram bem ou mal desempenhadas, em um
to longo intervallo o governo tinha tem-
po de sabar se o nomeado havia satisfeito
suas obrigico;s. ,
Se o promoveu foi porque as proras offi-
ciaes a t testa va m que o Dr. Joao Portella
cumpria satisfactoriamente os seus deve-
res.
Quando um governo promove um seu
reconhecido e intransigente adversario po-
ltico porquo as habilitado -s e capacidade
deste o* recommendam e nobilitam.
Urna cousa convem deduzir de tudo isso.
A Provincia na completa ausencia de
meios de que podesse dispor para des-
truir a legitimidade da candidatura do
ministro do imperio, lanca-se sobre as
pessois que por sua posicao e qualidades
goza ca de algum prestigio nesta provincia
que ter muito a lucrar e nada a perder
com a permanencia do conselheiro Por-
tella no ministerio de 20 de Agosto.
Sa Pernambuco nao conseguir algum
melhoramento em quanto for ministro um
representante seu, que tenha atareases a
salar e que procure cereal o de bsneficios
am de recebar o premio dos seus servicos,
muito menos com a sabida d'este e subie-
quente substituido por um representante
de outra provincia.
E' preciso ser se sistemticamente surdo
razio para nao concordar oom nosco. A
eleicio de um deputado liberal, por maior
que seja o seu prestigio, nio conseguir
formar maioria na Cmara nem derribar a
situacio.
Cila produzir somonte urna reorganisa-
sio ministerial, que de modo algum, pode
ser-nos mais til do que a contiauagio do
actual estado de cousas.
E' preciso, pois, reeleger-se o conselhei-
ro Portella.
Se os nossos adversarios nio poderens
ser lgicos e rasoaveis, sejam ao menos
amantes do progresso da nossa cara pro-
vincia.
Ihemit.
A eleif ilo de 14 de Setembro
Sob esse titulo tem apparecido na Pro-
vincia o Sr. Dr. Joaquim Nabuco, para
insultar o seu competidor, ae partido con-
servador, ao eleitorado do 1.a distrioto e
aos liberaes genuinos.
O actual procedimento do Sr. Dr Na-
buco nio tem explicacio possivei, s de-
monstra o nenhum criterio, e a falta de
resignacio para supportar o infortunio da
derrota.
Qaai ser o eleitor sensato e indepen-
denta que se > eleitoraas para dar o seu voto a um homem
que para manter a sua desmesurada am-
bicio, nio hesita em elogiar a si proprio, e
ma ular a dignidade do proprio eleitorado?
O publico que leu, como nos, eom cui-
dad e impanialidade 03 edictoriaes da
Provincia, de 25 e 26 do corrate, subs-
criptos pilo Sr. Nibuco reconhecer, que
nio phant-isiam-.s ou intrigamos.
Nio, mil vezes nio.
pois de insultar aos liberaes que vo-
taran] no Dr. Portella, na ultima eleicio,
aes quaes qualifioa de t desertores ve-
naes, que sio a podridlo fluctuante dos
t dous partidos ; depois de molestar ao
s funecionaliamo publico, o Sr. Joaquim
Nabuco di* mais o seguinte :
a Com a libar-lado de oouscienoia, elle
teria reunido un p -quena minora dos elei-
torea parnambueanos, porque quaei todos
alias (el-itures) sio vi timas como a na tir
e sua pobreza atteitam: do systema social
ale., ato.
Contina aijda o Sr. Nabuco, em outro
pari lo, qw. o Sr. Dr. Portella foi Uit
ka dais annos, nicamente por causa da
compresnS) do eleitorado proletario das sec-
cius suburbanas (A/ogados, Bjj-Viagem),
etc.




I


i


Diario de PernambncoTcrfa-feira 30 de Agosto de 1SS7










A ingloria tarefa que se impoB o Sr.
Kabaco, em combater de um modo tSo in-
ufificaTel ob sea adversarios, nao ha de
pradusir os desojados effeitos, porque aci-
M e tndo est < a opiniao publica .
Para quem escreve o Sr. Joaquim Na-
ta ?
Porque procede assim ?
Onde esto os seus sentimeutos T
Onde a lealdade de suas convienes ?
Onde a sua edncacSo e a prova da sua
convivencia com os lords da Inglaterra ?
Multo podem os interesses possoaes e o
egosmo poltico contrariados I
E' justo, mais decente, que S. S. retire
A Ma candidatura, e espere melhor oppor-
tnnidade para tentar fortuna; aceite um
Wat conselho, tolte Londres para des-
fructar os commodos, que nao encontra,
por c, nesta trra de necios e escravo-
cratas (conforme diz S. S.) e afastado
dos bomens de cor e sera t conscien-
3a (!!!) reflicta melhor e contemple a sua
prepria vida, e depois...?! invoque o
Borne de Sneca, e diga o que este pbilo-
gopbo disee a Marcia quando a consolava.
< S possue o usufructo dos bens deste
auodo; quem nd-os emprestar, nunca
sa vonta.de o tempo da restituido. *
Fksmos boje nestas conBider^oea e in-
terroga Ses.
Um ptrnambucano.
Opposl^o de alaguel
Se verdade que o Sr. Dr. Pedro Vicente esta
a drizar a admioistraco da provincia, S. Exc.
Jeve retirar-se maito satiseito.
COMERCIO
REVISTA < OWf1i:it( I %1.
t ifnsaa de a ti de agosto de
1889
Cambio sobre Rio de JaneiroA 60 d/v 1 1/4
/, de descont.
Cambio obre Babia Nada constou official-
MBtS.
Cambio sobre Santos Nada constou official
Cambio sobre Rio Grande, do Sul Nada coas-
toa i Scialmente.
Cambio sobre Porto Alegre=Nada constou offi-
cUimeote.
Cambio sobre ParaA 30 d/v 5/8% de descon-
t.
Cambio sobre LsndresA 90 d/v 22 1/2 d/s 22
5/8 d/s e 22 3/4 d/s e vista 22 3/8 d/s por
1*000 do Banca
Cambio sobre Paria Nada constou ofEcialmcn-
te.
Cambio sobre Hamburgo A 90 d/v 518 rs. o
K M do Banco.
Cambio sobre Portugal e Lisboa A 90 d/v
135 / de premio do Banco.
Cambio sobre Porto A 90 d/v 134 % de pre-
mio do Banco.
Cambio sobre Montevideo Nada constou offl-
cielmente.
Cambio aobr Buenos AyresNada constou ofi-
cialmente.
Apolices da divida publica de 5 %Venderam
se 5 do valor de 1:000* a 950* cada urna.
Ditas provinciaes de 7 /Venderam-se 37 do
valor de 1:000* e 1:800* em midaa ao par.
Cimpanhia Segn IndemnisadoraNao constou
renda*.
Companhia Phenix dem idem.
Companhia Seguro Anfithrite dem idem.
Companhia PernambucanaI lem idem.
Companhia Fmco e Tecidosdem idem.
Companhia do Beberibe Venderam-se 100 ac-
edes do valor de 100* a 155* cada urna.
Companhia de Santa TheiezaNao constou tran
sbccso.
Companhia de Chinda a Beberibe dem idem.
Descont de lettraadem idem.
Lettras hypothecarias Venderam-se 159 com
joros a 94*500 e 55 do actual semestre a 91*500
do valer de K 0*000.
ttncr nariooaes
Agurdente As vendan forano de 49* a 50* a
pipa.
Alcooldem idem de 935 a 95*, a pipa.
Assacar Entraram 840 saceos Vendes,
bronco de 1*800 a 2*300, smenos de 1*400 a
1*500, mascavudo (i.- 1*100 a 1*200, bruto de 900
a 1*000, rtame de 700 a 800 rs.
AlgcdoEtitrarem5,561 saccas dem de
6*400 por 15 kilos de 1 sorte.
Anos em cascaO retalbo de 4*400 a 4*800
o sacco com 10 /o de descont.
Caf Entraram 157 sscos O retalbo de
13*000 a 16*500 na 15 kiloe, mercado firme.
Ceblas do Rio Grande do SulSem existencia
Cera de Carnauba Cntamos por lotes de 3*800
a 6*000 os 15 kilos.
Couros salgados seceosAs vendas foram de 505
a 510 rs. o kilo.
Couros verdes Catamos ncminalmente a 300
rs. o kilo.
Cerveja nacionalO retalho de 6* a duzia de
1/2 e 5* a de 1/1.
Farinha de mandiocaO retalho de 2*500 a
2*600 o sacco, continuam abundantes as entradas
do interior.
FumoO retalho de 6* a 15* os 15 kilos /em
iolha) e de 16* a 32*000 (em corda) conforme a
qualidade e procedencia.
Gosiin de mandioca ) retalbo de 2*200 a
2*400 os 15 kilos.
Graixa do Rio Grande do Sul Nominalmente
otamos de 3*800 a 4*000 os 15 kilos.
Gcrdara do Rio da PrataNominalmente cota-
moa a 4*200 os 15 kilos.
Genebra nacionalSe mantm o retalho de....
3*801 a 9*500 a caixa conforme a qualidade.
Mel Sem existencia,
Milbo O retalho de 45 a 50 rs. o kilo.
Pelles cortidasFer-se vendas de 40* a 80* o
cesto.
dem em cabello -Fex-se veadas de 128* a ...
I30*ocento.
Sal do Asa e Mosaor Vendas de 900 rs. os
100 litros, entradas pequeas.
Sebo cuadoCotamoe nominalmente de 4*400 a
4*500 os 15 kilos.
Tapioca O retalho de 3*000 a 3*300 oa 15
kilos.
Velas stearinas do RioO retalho de 280 rs. o
ma*o liquido.
dem idem da provinciaO retalbo de 260 rs.
o masso liquido.
Vinagre do RoCotamos a 8C* a pipa.
Vinho do RioCotamos de 125* a 160* a pipa.
Xarqoe do Rio Grands do Sul Deposito ....
27,000 arrobas, que se retalha de 4*000 a 6*000
cada nma.
(eneros eatrangeiros
Alfasema Anda o mercado pouco supprido o
de 2*500 os 15
retalbo de 8*500 os 15 kilos.
Arroz da Iodia O retalho
kilos.
AlpisteO retalho de 4*700 a 4*800 os 15
kilos.
Aaeite de oliveira em barrisSem existencia.
Dito de dita em latas O retalbo de 15*500
a 15*800 a lata.
BaealhoDeposito 10,000 barricas, que se re-
talba de 18*000 a 18*500 cada ama.
Banha de pr.rcoCbegaram 545 barrisO re-
talbo de 410 a 420 rs. a libra.
Batatas portugnezaa O retalho de 3*600 a
1/2 caixa.
Ditas Inglesas Contina sem existencia no
aereado.
Ditas francezasO retalho de 4* a 1/2 cai
xa.
BreaCotan* e de 12* a 14*000 a barrica en
forme a qualidade.
Carvao de pedra-0 retalbo de 1G* por tone
Assumio o governo em condieaps precarias;
tendoa situado liberal que desmanehou-se deixado
os cofres pblicos com enormes dficits; a provin-
cia to sem recursos que nem aos seus emprega-
dos pagava emdia ; e anda assim, S. Exc., con-
tinuando a honesta adminittraco do honrado vice-
presidente que o preceder, tem podido realisar
grandes economas, levado a efteito reformas uteis,
e mostrado por sens actos cerno se pode ser poli-
tica dedicado a eeu partido e gavernar com mora-
lidade e com justica.
A melhor prova do que afirmamos, est em que
tendo ojpartido liberal, para faser opposicoa S:
Exc alogado urna columna do Jornal do Re-
cife, e posto all a escrever de ganho alguns va
dios e desoecupados que encontrn, estes pobres
gatos pingados para receberem sen alague!,
em falta de assumpto de opposico, recorrern a er-
ros ora de copia, ora de imprensa que encontram
no expediente do governe, truncam palavras, agei-
tam phra^es, e depois gritam com emphaae que
houve oeste ou naquelle officio discordancia de
grammatica, accrescentando, a proposito, algumas
descomposturas a laia de garotos de ra, e con -
cluindo que, a vista disso, a admioistraco nao
presta e precisa de ser quanto antes substituida !
E assim dio por ganba a emprcitada !
Mas ato opposico ?
Disem os alugados qae esto obrigando ao Sr.
Dr. Pedro Vicente a suores fros, porque nao
sabe grtmmatica como ellos, burro, oca vallo,
monstro, paulista, nao sustentou theses c como
elles, foi comprado por uos assassinos filalgos
para defender-Ibes a causa contra o propriopai (!)
consentio na patota do dizimo de gado, coxinhei-
ro, perverso, ele, etc., s faltando acerescentar
que tambem bode, <> cousa que a de-cobrirain
os collegas > do l'ar !
E isto gente que anda se tome de aluguel ?
Entretanto, o honrado presidente acabau com
despezas superfluus em diversas repartieres ; raor-
ganisou as obras publicas com urna economa de
cerca de cem contos de ris no pessoal ; melborou
o servico da arrecadaco das rendas provinciaes ;
chamou a contas o colebre tbesoureiro vitalicio
das grandes loteras, que tudo pode porque
Fariuha de trigo -Deposito 18,000_a 19,000 bar-
ricas, que se retalha de 16*500 a 17*000 a ame-
ricana e 19*500 a 22*000 pela de Triestre.
Feijao O retalbo de 4* a 9* o sacco con-
forme a qualidade.
Garratoes vasiosdem, idem de 450 al* con-
forme a capacidade del les.
Doces em calda O retalbo de 750 rs. a lata.
Farello do Rio da Prata.-dem, idem de 3*900
a 4*000 o sacco.
Dito de Lisboadem, idem de 4*200 a 4*400
idem.
Genebra dem, idem de 3*500 a 14S500 a
caixa conforme a qualidade e procedencia.
Herva docedem, ioem de 17*500 os 15 kilos.
Keroiene Denosito 6,000 caixas que se reU-
Iha de 3*300 a 3*400 a lata liquido.
Louca ingleza ordinariaO retalho de 80* a
125* o gigo conforme a qualidade e sortimento.
Mansa de tomite Mercado pouco supprido o
retalbo de 900 rs. a libra.
Vanteiga em barrisMercado pouco supprido,
0 retalbo a 780 a 8U) rs.Ja libra, subiodo.
Dita em latas O retalbo de 1*100 a 1*200
a libra.
Massas italianas dem idem de 5* a 7*000 a
caixa.
Oleo delinhaca dem idem de 1*700 o galSo
(em barril).
Passas communsdem idem de 8*500 a 9*000
a caixa.
Ditas finas dem idem de 10*000 a 11*000
a caixa.
Papel de embrulhodem idem de 586 a 1*400
a resma conforme a qualidade e dimenso.
Pimecta da India dem dem de 1*350 a
1J400 o kilo.
Plvora inglezadem idem a 20* o barril.
Queijosdem idem de 3*200 e 3*400 um.
Sal rstrangeiroSem existencia.
SardiohasO retalbo de 310 a 320 o i|4 con-
forme a qualidade e procedencia.
Toncinho de Lisboadem idem a 10* os 15
kilos.
Dito americanodem idem de 12* a 12*500
os 15 kilos.
Velas stearinasdem idem de 550 a 900 rs. o
masso.
Vinagre de LisboaO retalho de 150* a ...
170* apipa.
Vinho de Lisboa-Idem idem de 220* a 230*
a dita.
Dito francezdem idem a 250* a dita.
Dito Figueiru dem idem de 210* a 240* a
dita.
Xarque do Rio da PrataDeposito 41.000 ar-
robas que se retalha dii 6* a 7*000 cada urna.
Mercado de Blo de Janeiro
ULTIMA DATA 23 DE AOOSTO DB 1887
CAFE'
Saccas
Deposito no da 1 de Agosto 269.577
Entradas de 1 a 21. 112.946
dem em 22..... 5.236 118.182
387.759
Vendas de 1 a 21 .. 43.723
Da 22:
Estados-Unidos 3.400
Diversos .^. 325^ 3.725 47.448
Deposito no dia 22, tarde. 310.311
Cotava-se pjr 10 kilos :
Lsvado....... 8*370 a 9*400
Superior fino..... Nao ha.
1.- boa....... 8*850 a 8*980
1 regalar...... 8*570 a 8*720
1 ordinaria..... 8*300 a 8*440
-boa....... 7*970 a 8*170
2.' ordinaria..... 7*560 a 7*830
TELEGRAMMA
DA AS80CIAC/O COMMEaCIAL rAIU NOVA- YORK.
(Expedido em 23 de Agosto de R87, de manhi)
Caf
Existencia verificada 350.000 saccas
Entradas no dia 22 6.000
Entradas em Santos 2.000
Vendas para os Estados-Uni-
dos ....... 5.000 -
Estado de mercado Calmo.
BoNa sjamercial
fJOTAyKS OFFICIAE8 DA JCNTA DOS COR-
RECTORES
Redfe. 9 de Agosto ,/; 1SH7
Cambio sobre Londres vista, ~ 1,2 J. por 1,
do banco, sabbado.
O presidente-,
Antonio Leonardo Rodrigues.
U secretario,
Eduardo Dubeux.
Mvintenio nanearlo
RECira, 29 DE AO08T0 DS 1687
PRACA DO RECIPE
Os teos adoptaram boje a taxa de 22 3/4 d.
sobre Londres e dariam a 22 7/8.
Em papel particular fiseram traneacco.'s a 23 d.
PRACA DO RIO DE JANEIRO
Mantiveram no balcio a taxs de 22 7/8 d., cor-
rendo, porm, terem o bancos dado a 23.
As tabellas expostas aqu foram estas :
Do IaTEBHACIOHAL :
90 dio vista
22 1/2
422
422
522
236
211
2*220
Londres....... 22 3,4
Pars........ 418

517
Lisboa e Porto..... 234
Priucipaes eidades de Porta-
gl........ . |

Do Lobdob Bahx :
Cebolas-0 retalho de 10* a 11* a caixt em
perfetto estado.
CervejasO retalho de 6* a 10* a dusia con-
forme s qualidade e fabricante.
Cimento O retalho de 6* a 8* a bar.ica,
jobforme o fabricante e peso.
CominbosO retalho de 17*500 os 15 kilos.
Gravo da IndiaO retalbo de 2*800 o kilo.
Londres.
Paris, .
Italia. .
amburgo
Portugal
Scw-York
m djo
22 3/4
418
518
234
vista
22 1/2
422
422
y3
236
2*220
o EaoLisu Bank :
Liondres....... 22 3/4
Pars........ 417
Italia........ . .
Hamburgo...... 517
234
Principaes eidades de Portu-
90 dlv vista
22 1/2
421
421
522
236
govsrna o eleitorado da Varsea e manda na Rela-
(o do districto, faaendo aquelie servico entrar
nos seas eixos ; i> pos termo propina dos alma-
nks, e outras e msis outras, sem qae nada disso
servase de assumpto de opposieo, de base para os
insultos!
O Sr. Dr. Pedro Vicente deve de estar satisfeito.
Se os liberaos de Pernsmbaeo, querendo a todo
o transe, descobrir defeitos na pessoa de S. Exc.
e censurar sus administraco, alagaram para esse
fim o rapasio da todas as coragens, > e este e
achou coasas dessas que fazera suor fri >
(parase da giria, quer dizer, ser maltratado) qae
S. Exc., na verdade, teai talentos e virtudes que
nao se Ibe pole contestar.
Mandem osnossos liberaes d'aqai os seas artigos
paraos liberaea de S. Paulo.
O Dr. Pedro Vicente all maito conbecido, tem
tido glandes latas partidarias, na imprensa, na
tribuna na assembla e em comicios eleitoraes, e
bom qae os adversarios de l conhecaa as armas
com que elle tem sido aqu combatido.
Quem sabe se entre aquelles adversarios haver
algum que queira seguir a meama trilha, com
gloria para os alagados, > que obtero assim pa
tente de introductor (dSo de invcnc&o, como a
thtse) de mais essa industria til > na indus
trial provincia de S. Paulo.
Pernambnco, todava, nao solidario com < a
industria dos alugados.
Esta capital possue tres jornaes diarios, um sem
poltica militante e dous francamente liberaes
nem aquelle, nem estes, desceram jimais a to
baixo lamacal.
A Provincia, filiada aos excessos do aboli-
cionismo, enrgica, vehemente, injusta mesmo
multas vezes, mas aprecia os tactos, analvsa, exa
gera, apaixonada, mas nao tem jamis lnguagem
de regateira.
O 'i Jornal e o Diario, mais calmos, dis-
cteos, principios, armando aquelle as tramoias
que pode contra o governo, do qual inimigo s
mente porque nao est em anas mos o governo,
ambos sem injuriar, nem calumniar a ninguem,
em lica de cavalheiros.
gal........ 241
liba dos Acores .... 244
lina da Madeira .... 241
N'ew-York ...... 2*220
Cotaco de assacar
{rauco, os melbores que
apparecem no mercado,
regulam de .... 2*200 a 2*400
3.> surte boa..... 1*900 a 2*100
3 regalar..... 1*700 a 1*8.10
Hmidos e baixos 1*500 a 1*700
Smenos...... 1*300 a 1*400
Mascavado..... 1*040 a 1*100
Broto....... *900 a 1*000
Btame...... *700 a *800
Cotaco de algod&u)
O mercado man te ve-se frouxo, ha vendo offertas
de 6*400 por 15 kilos o de 1.* sorte do sortao.
Entradas de assncar e alfodo
HEZ DB AOOSTO
Assucar
Entradas Das Saccis
rJarcacas...... 1 27 2.063
Via-terrea de Caraar 1 & 27 327
Animaos...... 1 29 278
Via terrea de S. Francisco 1 26 3.088
Via-frrea de Liinoeiro 1 26 241
Somma. 5.989
Algodao
Entradas Das Saccas
Barcauas ...... 1 27 1.126
Vapores ...... 1 26 4.742
Via-ferrea de Caraar . 1 27 178
Aiiunaes...... 1 a 29 3.024
Via-ten ea de S. Francisco . 1 26 369
Via-ferrea de Limoeiro . 1 26 1.386
Somma.
10.825
Fretansento
Foi feito o do lugar ingles Caledon'a, para car-
regar na Parahyba, com desuno a Liverpool, al-
godao, a 3/8 e 5 0/0.
Vapore* dospacnadoa
V.ipor nacional Manda/tu, sahido hontem, levou
para :
Macei : 71 fardos com xarque.
Penedo : 10 fardos com xarque.
Aracaj : 204 fardos com xarque.
Carrcgaram diveraos.
Vapor nacional Espirito Santo, sahido ante-
hontem, condozio para :
Ciar : 10 barricas com assacar bran:o e 5 far-
dos c m xarque.
Msranbdo : 2 pipas com aguardent-, 10 fardos
com xarque e 4 caixas com rap.
Para : 532/2 barricas, 250/3, 867/4, 70 latas e
120 barriquinbas com assucar branco, 32 pip.s
com agurdente, 7 caixas com calcado e 20 volu-
mes com 480 kilos do doce.
Mansos : 20 saceos. 10/2 e 30/4 de barricas com
assucar branco, 100 barris de quinto e 3 pipas
com uguirdcnte.
Carregaram diversos.
>ni Brigue portugus Armando, para o Porto.
Escuna allemS Gesine, para o Rio Grande do Sul .
Vapor inglez Merchant, para Liverpool.
Vapor allemo Kid, para Ntw-York.
"aviiia & aeacarsja
Barca nacional JfarianntnAa, xarque.
Barca norueguense Vina, carvo de pedra.
Barca dinamarquesa Jorgen J. Lolz, carvo de
pedra.
Barca norueguense i'etrus, madeira
Barca uorueguenae Vernica, madeira.
Barca nacional Mara Angelina, gorduras.
Barca nacional Mnrinho XI, gordaras.
Barca noruegueuse Expedit, varis gneros.
Brigue iol z Ephratah, carvo de pedra.
Escuna diaamarqueza Fidts, xarque.
Lugar norueguense Sirxu, varios gneros.
Lugar inglez Florence, bacalho.
Lugar inglez Caedonia, varios gneros-
Patacho dinamarquez Anne Charlotte, sal.
Patacho portugurz lentaltva, gorduras.
Patacho inglez Silvia, bacalho.
Vapor inglez Orator, varios gneros.
Paala da ai tandee a
SkHANA DI 29 DE AOOSTO A 3 DE SETEHBBO
Da 1887
(Vide o Diario de 28 de Agosto
Memorial
Aos accionista: da Estrada db Ferro do Rub-
bao ao Bonito foi marcado o prazo de 60 das, a
contar de Agosto corrente, para realizaren! a 7.'
entrada de 10 0/0 de suas acedes.
Com o descont de 4 0/0 e at 30 de Setemb-o
vindoaro, serio substituidas na Thbsocbaria db
Faxbnda as notas do valor de 2*000 da 5.' estam-
pa, 5*000 da 7.' e 10*000 da 6.a
Importaco
Vapor inglez Orator, chegado de Liverpool e
Lisboa em 26 do cerreute e consignado a S. P.
Jobnston, manifestou :
Amostras 9 volumes a diversos.
Alpifte 5 saceos a Jos Joaquim Alves & C.
Arroz 30 saceos a Joa Moreira & C, 100
ordem.
Arcos de ferro 100 feixes a Rois & Santos.
ArmacSes para selins 1 caixa a W. IIallidy 4
Companhia.
Ac 40 feixes a Antonio Rodrigues de Souza
4C
Barras de ferro 50 a Albino Silva & C, 44 e
116 feixes a Ferreira Guimaries & C, 30 e 166 a
Cardoso & Irmo.
H .rrilln O0 tambores ordem.
Cha 2 grad s e 2 ca s & ordem, 10 a Joaquim
Ferreira de Carvalho 4 C.
Cominho 20 saceos ordem.
Calcados 3 caixoes ordem, 3 a Albino Crui di
C, 2 a Thomaz e Carvalho & C.
Cevada 10 barricas or-m.
Carvo de pedra 60 toneladas ordem.
Cognac 5 caixa-i a Paulino de Oliveira Maia.
Chapeos 2 caixo.s a Afionso Oliveira 4 C 1
ordem, 1 a Bruao da Silva Carvalho k C.
Cofre de ferro 1 caixo a Antonio dos Santos
Oliveira, 1 a A. D. Carneiro Vianna.
Cobre 15 volumes a Ferreira Guimares & C.
Correntes de ferro 1 barrica a C C. da Costa
Moreira 4 C.
A industria, pois, apenas, patrimonio dos
jornalisfaa do < ganho .
Elles nanea suam fri ; esto sempre
qnentes (isto nao se ofteudem); olham uns
para os outros e riem-se...
A. B.
A cclelo de 14de Setembro
O espirito partidario dos liberaes de Per-
nambuco vai, pelo que parees, dar a todos
os nossos concidadSos, e alias a todos us
brazileiros, um louvavel ezeooplo de
provincialismo.
A este partido tem de caber a notavel
primasia de collocar o interesse da provin-
cia cima dos caprichos mal entendidos do
partidarismo intolerante.
A muito que Pernambnco aspira ter na
suprema gesteo dos negocios pblicos um
pernambucano ;a muito que es interesses
materiaes, polticos o moraes da provincia
reclamam este acontecimento ; sendo elle
a legitima aspirajao de todos os bons per-
nambucanos, sem distinejao de cor poli
tica.
Felizmente tao nobre desidertum tornou-
se urna realidade com a entrada no conse-
lho da cora do Ilustre pernambucano, o
Sr. coasalheiro Manoel Portella, deputado
ge ral pelo nosso 1 districto eleitoral.
Pela primeira vez vamos ter a inexpri*
raivel 8at8facXo de vermos um pariido for-
te quebrar os antigos moldes da politiza pe-
quenina e demolidora, nao creando emba
reos ajusta reeleiyao do pernambucano
ministro.
2jO partido liberal da Pernambuco, n2o
apresentando, como nao apresenta candi
Drogas 4 volumes a Faria Sobrinho 4 C.
Esteiras 1 fardo a Manoel da Cuoba Lobo.
Enxadas 9 barricas a Miranda 4 Souza, 30 a
Vianna Castro 4 C, 1 a A. D. Carneiro Vianna,
4 a Carente Vianna.
Estopa 38 fardos ordem, 20 a Julio 4 Irmo.
Euxofre 12 barricas a Bailar Oliveira & C.
Fogareiro 190 a Samuel P/Jobnston 4 C.
J Fio 6 tardos a II. Nuescb & C.
Fclhas ae ferro 60 a Livramcuto 4 C.
Ferrsgena 8 volumes a Parentu Vianna & C,
29 a Ferreira Gnimares oc C, 7 a H. Naeacb &
C, 11 a Antonio Rodrigues de Souza 4 C 8 a
Miranda & Souza, 6 a A. D. Carneiro Vianna, 27
a Samuel P. Jobnatou 4 U 3 a Albino Silva o
C-, 5 a Antonio dos Santos Oliveira, 9 a Gomes
de Mattos Irmaop, 2 a Livramento 4 C, 4 a Jos
dos Santos Oliveira, 13 a W. Halliday C, 8 a
ordem, 4 a Jos Ferreira dr C., 3 a Leite Basto
6 C, 10 aos berdeiros do B.wman, 1 a Caetano
C. da Costa Moreira, ditas e outros artigos 39 vo-
lumes a Baltar Oliveira & C.
Formas para assucar 40 gigos a Cardozo 4 Ir-
inos.
r'olhas de fiandres 50 caixas a Almeida Macha-
do 4 C, 25 a Albino Silva < C 10 a Gomes de
Mattoa Irmos.
Louca 50 gigos a Psiva Valente & C, 10 a
Joo F. da Costa, 10 a Feruandes & Irm.ios, 50 e
3 barricas ordem.
Linha 3 caixas a Manoel Isabella & C, 22 a
Francisco Lauria & C, 16 a Oliveira Basto & C ,
1 a Netto, Campos 4 C, 1 a Manoel Ciliado & C.
Lona 3 fardos a A. D. Carneiro Vianna.
Marmore 3 caixas a S. Fernandes & C
Moveia 2 candes a Silva Fernandes it C.
Meias 1 caixo ordem.
Macbimsino 8 volumes a Cardozo 4 Irmo, 3 a
Vctor Neeseo.
Molbo inglez 5 ca:xasaGoncalves R>a\ 4 Fer
nandes.
Materiaes para gaz 21 volumes a empresa.
Mercaduras diversas 1 voluine a Ferreira Gui
maraes 4 C, 1 a Baltar Oliveira 4c J, 2 a Ma da Cunba Lobo, 1 a (iaimares Cardozo & C, 2
a H. Nuescb 4 C, 3 a J. W. Smith, 1 a Mano.l
Joaquim Ribeiro 4 C, 1 a Netto. Campos & C,
1 a Manoel Coliseo 4 C., la Aff n> > Cliveira .fe
C, 3 a Angelo Rapbael a C, 1 a Great Weateru
of Brasil, l a Jos Ferreira 4 C-, 1 a Guimares
Se Firman.
Materiaes para eucanamencos d'agua 153 vola-
mes e p -vas a companhia de Beberi'oe, dibJ p-ra
estrada ae ferro 2,127 volumes e pefus ordem.
ODjectos para chapeos de sol 1 caixa a L:ite
Basto & C.
Oleo 1 caixa a ordem.
Presuotos 3 caixas ao consignatario.
Pinenta da India 10 saceos a Goncalves Rosa
& Fernandes. 5 a Jos Joaquim Alves & C.
Pencas de ac 1 caixa a A. D. Carneiro Vianna.
Ppel 1 caixa a Gom s de Ma'.toa Irmo*, 3 a
Carvalho t C, 1 ordem.
Quadros 1 caixa a Paano de Oliveira Maia.
Salitre 40 Darricas ordem.
Tinta 1 barrica ordem.
Tapetes 3 fardos a Guimares Irmos 4 C.
Taxas de ferro 20 aos herdeiros Buvrmanu.
Tintas 5 barricas a Ferreira Guimares & C,
5 ordem, 2 e 2 caixas a Cardozo 4 Irmo.
Teciloi diversos 12 volume a Olinto, Jardim
4 C., 221 ordem, 9 a Loureiro Maia 4 C, 38 a
G jncalves Irmo fc C, 85 a Luiz Antonio Siqum-
ra, 2 a B. Maia & C, 28 a Narciso Maia 4 C, 1
a Francisco Petrocell 4 Irmo, 19 a Bernet 4
C, 121 a Machado 4 Pereira, 3 a Silva Fernn
des, 15 a Alves de Bri'o 4 IX, 2 a Francisca Lau-
ria 4 C, 4 a Figueiredo C, 9 a Silveira 4 C,
28 a Couto Santos 4 C, 4 a Joaquim Luiz Tei-
xeira C 21 a Guerra 4 Fernandes, 21 a Ro-
drigo de Carvalho 4 C, 8 a Albino Amorim ic C,
5 a Soasa Nogueira & C, 10 a Joaqun Goncal-
ves 4 C, 6 a AgostinhoSautos 4 C, 2 a Andra-
ue Lopes ifc C, 2 a D. P. Wild 4 0.
Wagons 2 vciumes a Cardozo 4 Irmo.
Whisky 50 caixas ordem.
Vidros 4 volumes a F. J. A. Guimaries.
Vinho 8 1/2 barris a Paulino de Oliveira Maia.
Carga de Lisboa
Azeite de oliveira 60 caixas a Francisco Ribeir.
Pinto Guimares ot C, 15 a Domingos Ferreira
da Silva 4 C.
Agua iogleza 2 caixas a Francisco Manoel da
Silva.
Albos 20 canastras a Domingas Ferreira da
Silva & C.
Bagas de sabugueiro 1 baruca a Martina Vie-
gas & C, 1 a Lopes 4 Araujo.
Batatas 50 1/2 caixas a Goncalves, Rosa 4 Fer-
nandes, 20 a Araujo Castro 4 C, 30 a Esuaty
Rodrigues & C, 100 a Silva Guimares & C,
150 a Paiva Valente & C, 50 a J. B. de Carva-
lho, 25 a Joo Fernandes Ferreira, 60 a Domin-
gos Ferreira da Silva de C, 30 a Siqueira Ferraz
06 C.
C bolas 25 caixas a Guimares 4 Valente, 20
a Goncalves Rosa 4 Fernandes, 15 aAranjo Cas-
tro A C, 100 a Silva Guimares & C, 30 a Paiva
Valente 4 C, 25 a Siqueira Ferraz 4 C, 20 a
Carlos Alves Barbosa, 130 a Ferreira Rodrigues
ce C. 50 a Domingos Ferreira da Silva C.
Cal 50 barricas a Guimares & Valente, 30 a
Beuto de Freitas Guimares 4 C, 30 ordem,
30 a Manoel B. Borges Cmara, 50 a Lopes 6
Araujo, 50 a Manoel Cruz, 50 a Pinto Alves 4
Companhia.
Chauncas 2 caixas a Ferreira Rodrigues & G.
Cortinas 1 caixa a Jos Gomes Ganches.
Conservas 15 caixas a Joaquim da Silva Car-
neiro, 8 a Domingos Ferreira da Silva.
Carne ensaccada 4 caixas a Cnnha Irmos 4
Companhia.
Erv" doce 6 saceos a Domingos Ferreira da
Silva 4 C.
Farel'.o 100 saceos a Ferreira Rodrigues & C.
Fruetas 20 1/2 caixas aos meamos.
Livro 1 caixo a Joo W de Medeiros, 1 a Jos
N ogueira de Scusa, 1 G. Lporte 4 C, 1 a Me-
deiros 4 0,
Louca 1 caixa a Jos Gomes Ganches.
Macas 3ceixas a J. Martina da Silva, 36 1/2
ditas a Ferreira Rodrigues 4 C.
Ma celia 2 caixas a Francisco Manoel da Silva
&C.
Obras de vime 2 volumes a Justo Teixcira 4
Companhia.
Papel 1 caixa a Jt) Nogueira de Soaza.
r-oliame 4 volumes a Beltro & Costa.
Toncinho 10 barris a Ferreira Rodrigues 4 C.
Vma re 25 pipas e 35/5 a Paiva Valente & C ,
2 banis a Jos Gomes Ganches.
Vioho 15 pipas a J. F. de Carvalho, 15 a Fer-
nandes da Costa, 15 e 15/5 a Domingos Cruz 4 G,
e 5(5 4 ordem, 5 20|5 e 20(10 a Joo Fernandes
de Almeida, 15 e 20|5 e 10(10 a Antonio Mara
da Silva, 15, 35(5 e 30(10 a Silva Guimares 4 C,
dato eleicSo de 14 de Setembro, -collo-
ca eloquentemente os melboramentos que
devem advir provincia da continuacSo do
Sr. cooselheiro Manoel Portella no minis-
terio gloria epbemera e amarga da des-
truido, aem nada construir.
', no entretanto, este facto um grande
ezemplo de provincialismo, que deve ser o
nosso ponto objectivo em poltica.
Honra, pois, ao partido liberal psrnam
bucano !...
Os demolidores systematicus, porm,
apresentam candidato s urnas de 14 de
Setembro, o distincto Sr. Dr. Joaquim Na-
fa uco.
Estamos convencidos, no entretanto, de
que S. S. recusar, desde que o partido li-
beral, representado officialmente na impren-
sa pela respectiva columna no Jornal do Re
cije nao apresenta candidato dita eleico.
S. S. ter o bom senso de evitar as ms
companhias polticas, que mais tarde po-
dero tornal-o impossivel dentro do partido
apresentafao de candidato ao prximo plei-
to de 14 de Setembro, e esperam que o
Sr. Dr. Joaquim Nabuco secunde os nobrea
intuitos do seu partido, retirando a sua
candidatura.
cima da va i dad e e incontessaveis sug-
gestoes partidarias est o interesse provin-
cial.
Qatao.
O engenheiro Joo Pinto .Ha-
chado Portella ao publico
Comprehende-se bem qaal o movel da lngua-
gem desbragada e inj ariosa de qae se tem servido
o orgo abolicionista A Provincia, contra meu pai,
o couaelheiro Manoel Portella, e especialmente em
seus ultimas nmeros contra miai e meu irmo.
Tanto esce como eu estavamos no firme proposi-
to de nao retaliar aos amigos da Sr. Joaquim Na-
buco, entregando ao desprezo os insultos que en-
tendessem dever dirigirnos em bem da candida-
tura do mesmo Sabuco.
Educados em escola muito diversa da dos redac-
tores da Provincia e aeguindo os exemplos de mo-
' ~~Z ,7"~ l deraco e bombridade dados por nosso pai as
liberal, que tanto adb.-sao Ihe tem presta- t,(eJSoes anteriures, nao desceremos ao terrena dos
do, e que tanto tem a esperar da sua illus-
trafao, talento e espirito democratizo, do
qual S. S. tem perfeita intuigSo.
A provincia, agora, muito tem a esperar
do Sr. conselheiro Jlinoel Portella, e pre-
cisa t*r occasiao da julgl-o pelos actos
que praticar.
doutos.
Demoveu-me deste proposito o srtigo que a re-
daceo da Provincia estampen a meu reapeito no
seu numera de 28 sob a epigraphoA eleico do
1" districtono qual me foram atiradas injut:- j e
calumnias.
Nao pooso eonsontir que a tanto se aniatu. os
defensores ao Sr. Joaquim Nabuco, nem que, e par
, amor a interesses deste, venbam aquelles publica-
L, no entretanto, da a a liypothese da meate, pela imprens e impunem.-nte chamarme
eleiyo do Sr. Dr. Joaquim Nabuco, em
flus de sesso parlamentar, nada ganbaria
oa grandes interesses de Pernambuco.
Os pernambucanos dao sinceros parabens
ao partido liberal d provincia pela nao
15|5 e 10(10 a Domingos Ferreira da Silva i C,
10)10 a Francisco Antonio da Silva Barbosa, 4|5
a Jos Comes Ganches, 7 ancoretaa a Domingos
Alves Matbeus, 50 caixas a Domingos Ferreira
da Silva & C.
Hiate nacional Dus te Guarie chegado de
Maco, em 28 do corrente e consolado a B.:rtho-
louoeu Laureus", muifestu :
Algodao em rama 33 saccas a ornes de Mattos
Irmos.
Coaros salgados seceos 100 a Joo Paes da Oli-
veira.
Cera de carnauba 30 liceos aos mesons.
Palbas de carnaubt 1,550 molhos ao mssmo.
Sal 19,-00 litros ao coasignatario.
Exitortaco
SJSCira. '.1 DE AG5FTO DE 1887
Para o exrenor
No vapor inglez Dryd.u, c>irregar*m :
Para Liverpool, G. da Mattos Irmos 317 saccas
com 24,323 kilos de algodao.
No vapor allemo K'e', ca.-rogaram :
Para New-Y.rk, U. Laadgrin t C. 5,153 cou-
rinhos de cabra.
Para o interior
Na escuna allema Gcsine, carregaram :
Para Pelotas, Amorim Irmos Ji C. 25 barricas
com 2,561 kilos de tusueaf branco.
No vapor uaciui.al Espirito San'o, carre-
garam :
P 1,110 lilroa d.i agiurdeuw ; P. Pinto 40. 40 bar-
ra com 3,810 litros de agurdente ; Amorim Ir-
mas fe C. 40 barra com 3,840 litras de aguar
deute ; J. M. Dias 20 barricaa com 748 kilos de
assucar brauca.
Para o Para, Maura Boigas Sz. C- 150 volumss
cam 10,3l kilos ds assucar branco ; J M Dias
620 voiuin:. cen 51,353 kilos de assucar branco e
100 barra cjrn 9,600 litros de aguar lente ; F. A.
de Azevedo 102 vuiuin-s com 3,.'56 kilos de assu
car branco ; P. Carneiro i C. LO pipas com 4,800
litros de agurdente c.'iO barricas cpm 44,772
kiloj do assucar branco ; J. S. da Gasta Moreira
70 barricas com 3,031 kilos de assucar branco ;
M. J. Alves 50 barricas com 2,026 kilos da acu-
car branco; Amorim Irmos & C- 240 barricas
com 17,038 1(2 kilos de assucar branca e 22 pipas
com 10,560 litros de agurdente ; A. R. da Costa
20 volumes com 420 kilos de doce; A. F. dos San-
tos 1 caixa com medicamentos.
Para Maranho, Maia 4 iiezende 1 pipa com
480 litros de agurdente Bailar Oliveira a: 0- I
pipa com 480 litros de agurdente ; J. Martina
Dias 4 caixas com 111 kilos de rap.
Para o Cear, Baltar Oliveira 4 C. 10 barricas
com 1,050 kilos de assucar brinco.
No hiate nacional D. Julia, carregou :
Para Maco, J. C. C. AzeveJa 800 saceos com
farinha de mandioca.
Ulnhelro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Mrquez de Caxias, sabido
hontem, para :
Maco 3:000*000
Pela vapor nacional Espirito Santo, sabido
antehontcm, para :
Parahyba 5:900*000
Rio Grande do Norte 10:0oO000
Cear 54:500*000
Pelo vapor nacional Jac:ihype, sahido hon-
tem, p:.ra :
Mossor 5:000*000
ttendimeatos pblicos
HEZ SE AGOSTO
Alfaniega
Renda gera!
O 1 a 27
dem do 29
Renda provincial
De 1 a 27
dem de 29
Raxbedoria geral
Ue I a 26
dem ce 27
770:352534
35:9255o-'
74:053*372
1:671*381
25:I18610
1:416*205
806:278*136
76:724 603
883.002*733
26:534*815
Recebedoria pi-ooindai
Oe 1 a 26
dem i 27
Recife. Drainage
e 1 a 26
dem ao 27
23:288*139
2.160*267
----------------- 25:448406
43:998*872
1:941*180
-----------------Ji 44:* -43547
Herrado Haulrlpatl de 4 4o*
O movimento deste Mercado nos dias 28 e 29 de
Agosto foi o seguinte :
Entraram :
205 bos pesando 12,693 kilos, sendo de Oliveira
Castro, 50 ditos de 1* qualidade, 9 de 2*
e 32 1/2 ditos particulares.
194 kilos de pene a 20 ris 3*So0
82 cargas de farinha a 200 ris 16*400
16 ditas de fruetas diversas a
300 rs. 10*800
20 taboleiros a 200 ris 4*000
31 Sumos a 200 ris 6*200
Foram oceupados :
49 columnas a 600 ris 29*400
46 comoartmeatos de farinha a
500 ris. 23*000
44 ditos de comida a 500 ris 22*000
118 ditos de legumes a 400 ris 47*00
58 ditos de fasendas a 400 ris 23*200
38 ditos de saino a 700 ris 26*600
22 ditos de tressuras a 600 ris 13*200
2J talhos a 2* 40*000
18 ditos a 1* 18*000
A Oliveira Castro 4 C.:
" 108 talhos a 1* 108*001,
Deve ter sido arrecadada acares iiss
a quantia do 385*880
Rendimento dos dias 1 a 27 5:687*180
Foi arrecadado liquido ate neje 6:073*0O
jj Precos do dia :
Carne verde da 280 a 400 res o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sumos de 500 a 640 ris idem.
farinha de 200 a 240 ris a cuia.
Milho de 240 a 320 ris idem
Feijao de 640 a l*O00 idesn.
de patvAKicaooa desbhaoado e adaciosodizer
petulante e falsamente que tenho d -uiittido estre-
pitosamente empregados, fazeudo compresso so-
bre outros ; que se ienham meus compakhkibos de
BEPAKTICO COTISADO PABA BBPABAB FALTAS GBAYISST'
mas poa mim praticadas e que deixo da cumprir os
Haiadonro Pabitev
Foram u ha*) das ncMatadonro da Cabanga 98
rezes para o consumo do dia 30 de Agosto.
Sendo : 67 rezes pertencentea Oliveira Castro,
Sr O, e3i a diversos.
Das 67 rezes pcrtencente3 aos Srs. Oliveira Gas-
tro 4 C, 2 foram para a caldeira.
Embarcacies sartas no porto eaa
S c 99 de Agosto
NACIOMAES
Armandocousig. Loyo i Filho.
* Espirito Santcao Visconde de Itaqui do Norte,
Giqui C mpanhia Pernrmhucana.
Jaguaribc Companhia Pernambucana.
* Jacuhype Companhia Pernambucana.
Lameg(cauhoneira de guerra).
Marianninhacousig. Baltar Oliveira 4 C.
# Manlah Compaohia Pernambucana.
Mariano XI Jos d* Silva Loyo & Filho.
Marinho Visconde Domingos A'ves Matbeus.
Mara Angeua L-yo 4 Fi ha.
# Mrquez de Caxias Domingos A. Mathcus.
Pirapama Companhia Pernambucana.
ESTBANOEIBAS
Anne Charlotteconsig. ordem.
Caledonia Livramento 4 C.
Cotopaxi Wilson Soas 4 C.
Expedit4 Fonseca Irmos 4 C.
Ephratah ordem.
Fides ordem.
Frita H. Lundgrin 4 C.
Florence Sauoders Brothers 4 C
Freidig ordem.
Gesine- Pereira Carneiro 6 C.
Jorgen J. Lotz ordem.
Kiel Boxwell 4 C.
La Platai Amorim Irmos 4 C
Mcrchanti S. L. Jobnston.
Nina ordem.
Noieeman4 Companhia Thelegraphica.
Oratora S. L. Johnston.
Petrus4 Pereira Carneiro 4 C.
# Reform H. Lundgrin 4 C.
Seiprig ordem.
Sirias H-rmann Lnudgrin & C.
Silvia Saunders Brothers 4 C.
Tentativa Amorim Irmos & C.
Tiber Saunders Brothers 4 C.
Union H. Lundgrin & C.
Vernica ordem.
O 8gnal indica ter a embarcaco sahido.
Vaporis A entrar
DOS pobtos do scl
Corrientesa I de Setembro.
Ville de Maceia 3.
Advaneea 5.
Manosa 6.
Mondegoa 14.
Pernambucoa 16.
Cimilloa 27.
Taguaa 29.
DOS POBTOS DO NOBTB
Camilloa 3 de Setembro.
Paraa 13.
Espirito Santoa 23.
DA EUROPA
Girondea 3 de Setembro.
Ville de Babiaa 6.
Tamara 10.
Nevaa 24.
DB KEW-POBT
Fiuancca 9 de Setembro.
Vapores sabir
QMBJ hoje, s 5 horas da manh, para Rio
Formoso e Tamandar.
Marinho Viscoade h je, s 4 horas da tarde,
para a Babia, tacando em Macei, Villa Nova,
Penedo, Aracj, Estancia e Babia.
Xa io* A entrar
Antelopde Hamburgo.
Farward de Liverpool.
Hardi de Cardfi.
Lidador do Rio Grande do Sai.
Mariedo Rio de Janeiro.
Msrietta -do Rio Grande di Sul.
Marinho Ido Rio Grande do Sul.
Positivodo Rio Grande do Sul.
Temerariodo Porto.
Withelminede Hamburgo.
Hovimeuto do porto
Navios entrados no dia 28
Liverpool e escala18 dias, vapor inglez Coto-
paxe, de 2601 toneladas, commandante W.
H. Hayer, eqnipagem 92, carga varios gene-
ros ; a Wilson Sons & C.
Maca*15 dias, hiate nacional "Deua te Guarde,
de 120 toneladas, mestre Jos Antonio de
Moura, equipag. m 4, carga varios gneros ; a
Bsrtholomca Leurenco.
Sahidos no mesmo dia
Valparaso e escalaVapor ingles tCotopaxe
commandante W. H. Hayer, carga varios g-
neros.
Rio-Grande do SulEscuna noiuega Reformas,
capito J. Larsen, carga assucar.
Manos e escalaVapor nacional Espirito-San-
to, commandante Carlos Gomes, carga varios
gneres.
Navios entrados no dia 29 de Agosto
Buenos Ayres e escala12 das, vapor ingles
La Plata, do 2069 toneladas, camuandante
A. H. Dyks, oquipigem 96, carga varios g-
neros : a Amorim Irmos 4 G.
Rio de Janeiro4 1(2 dias, vapor ingln Nor-
stuii'i, de 826 toneladas, commindante W.
Lacey, equipagem 54, carga apparelhos tele-
graphicos.
Terra-Nova52 dias, pataoho ingle* Silvia, de
113 toneladas,capitao Alberto Bearir, equipagem
8, carga bacalho; a Saundcis Brothers 4 C.
Santos18 diis, lugar noruega Freidig*, de 420
toneladas, espito J. Berg, equipagem 10, en
lastro.
Sahidos no mesmo dia
Southampton e escalaVapar inglez L Plata,
commandante A. H. Dyki, carga varios* g-
neros. .
AracatyVapor nacional Mrquez de Caxias,
commandante Jos Joaquim Coelho, carga va-
nos gneros. ,
Mossor-vapar nacional Jacnbyp comman-
dante Joaquim Jos Eateves Jnior, carga va-
/
*

!


nacional Maud.h>,
nos gneros.
Aracaj e escalaVapor
commandante Antonio Francisco Pestaa, carga
varios gneros.
mm
I


IMHB1M



*
Diario de PernambocoTer^a-feira 30 de Agosto de 1887
*>
V
lena Jeveres de fonccionario publico para me oc- f na veas com o uso de beberagens mineraes, nada
par com os ibtereaaes de miaba industria de pode d-ter a.mu-cha da victima at quasi a bordas
aompra e venda de gneros do paic, em cajo ser
rito empregj os trabalhadores e os -armasen! do
^rokmgaueuto.
Afiruij aem o recelo da ser contestado, qaa at
koje ncnhutna demisso ou remoco Gz de ma-
san; ncm a estes me dirig acerca do pleito do
* 14 de Setembro; e que tudo mais nao passa
e ama calumnia to torpe, como sen autor.
Preso muito a miaba dignidade e em materia
e cnmprimeoto de deveres, nao cedo a primasia
a aenfaum dos meua collegas ou a qualqner outro
pregado publico.
Por issu j requer em juso a exhibici do au-
ographo do artigo da Provincia da i* do corren-
te, e chamarei a responsabilidade ^ o seu autor, si
quem o escreveu dSo fr algam miseravel que fuja
eorardemente. fascndo se substituir por algum
*$ta de ferro. Darei conta do resoltado ao pu-
Wieo.
Recife, 29 de Agosto de 1887.
J. P. Hachado Portella.
Eleifo do dia 14
Tudo serve na e.bila. O anno passado o que
Jisiara os patriota contra o Erro. Sr. cmselh -iro
rVrtella, era que havia elle mandado para c mul-
tas folhas de p ipel em branco com a sua assigna-
.trra para depcis da visita feita aos eleitores pelos
rtu amigos, aerem cbeias em forma da carta com
a reaovaco dis promessas a cada um feita e de
caja falta de cumprimento cada um se qucizava,
como ee ) Exm. Sr. conselhiro pr-'Csasse descer
a isto para se fazer lembrado depois que foi resi -
r na iiirte, sju eleitor o nao recebi nenhuma
sarta!... Hoj-, a nota sonante, a qucst) da
M)lonucao.
S. Exc. entente, a entenda muito bem, que nao
aere perder mais tempo em aproveltar a difiici-
Sora cooaisHcao nacional. Eat sabido que me-
caro e mais proveitoso para o Brazil tor uo
jen seo estrangeiros que trabalham do que na-
.onaes pregiic-aos que especulam, por exjmplo,
tt vcndendo o sen voto. Eu bem sei que suffrere-
aos com a concurrencia dos estrangeiros ; mas
jomos filhos lucraro, tendo de se baver com gen-
" E depiis o sangoe djs estrangeiros, belgas, ita-
JaDOS, maltczps, nao apurai o sangue africano
s o aangue sborrigene que quasi exclusivamente
ass corre as veas, legando-nos os vicios da es-
ravidao dessas racas selvageus? !... Fas muito
--ern o Sr. conselheiro em nos melhorar.
Um eleitor.
da sepultura, a nao ser este antidoto contra eases
venenos. O mes rao acontece quando o viras d'uma
molestia natural, trabalhando M systema venoso
a desenvolve debaixo da forma de ulceras escro-
fulosas, cancros, tumores, carbunclos, inflamma-
coes brancas, abcessos, erupcoea, e todas as demais
terriveis eofermidades externas ; pas este grande
remedio opera chimicamente sobre o sangue vicia-
do e sobre os mais fluidos animaes, transtorman-
do-os quasi milagrosamente em correntea puras e
nutritivas, levando a sade e o vigor a todos os
orgos por onde circulaos.
Encentra se venda em todas as pharmaciaa e
drogaras.
Agentes em Pernambuco, flenry Forster s C.
ra Uo Commercio n. 8.
produzidas pelo Peitoral de Cambar, apressar-se
a faser publicas essas mesmas curas, afin de, com
isso, prestar relevante nervio* a humanidade.
Avot da verdade.
Recife, 11 de Abril de 1887.
Dr. Mello Gome*
MEDICO PARTEIRO
ft-Rua Larga do Rosarlo -41
Onde tem consultorio e residencia, e ple ser
procurado a qualquer hora do iia e da noite.
Especialides : Pebres, molestias de senboras e
do p.ilmS"!, sypbilis e cstn'itamentos da urethra.
Consultas : 10 ao meio dia.
Telephon* n. 374
AoExm Sr Dr.Seabra
O eleiti rado do 1- districto deseja ouvil o em
ronferencia publica sobre a eleicao do dia 14 de
Setembro prximo.
Naoseesqueca o Sr. Dr. Seabra que o Sr. coa-
jeJbeiro Portella seu amigo e foi sen mustie,
sue muito o distioguio.
Muitos eleitorcs.
Acuda Sr.fiscal
Pode qualquer pessoa collocar trilhos pelas ras
teta liieiica da camaia '/
Oe que esiau uo caes do Ramos acabaram com
gai-las e arvoreluaque a cmara mudouplau-
*ar. oe d 'US ltimos que restara foram hontem
ondeiauadu a desapparecer com os trilhos que
notaran jauto delles. Cada gaiola e arvoredo cus-
tM a cmara 37O0 Sr. fiscal.
allemo.
FdCuldade de Direito
Tratando se de es.-olher local para o no-
vo edificio da Faouldade do Direito, lem-
bramos ao Ilustrado Sr. Dr. Tbaumatur-
go o sobrado e sitio contiguos ao quartel
do Hospicio, onde j fun^cionou a mestna
Faculdade.
Serve pela sua situaco, que pelo exten-
so terreno, que passue, no ha outro pre
dio, que se lbe avantage ; sendo de notar
qne actualmente acha-se aterrado o pateo,
desapparecendo assitn qualqner objecgSo
sobre a sua salubridade.
O local indi jado, prximo de todas as
vias do communioacao urbana, tem ainda a
vantagem de estar um pou;o arredado do
centro da cidade, o que assaz vantajoso
em estabelecimentos desta ordem.
Estamos certo que os seus proprietarios
Emulso de Lanman
& Kemp
A EmulsSo de oleo de figado de baca-
lbo com oa bipophosphitos de cal, soda e
potassa, preparada pela acreditada casa
de Lanman A Kemp de Nova York, 6
melhor, a mais perfeita, e a mais efficaz e
agradavel que ai agora se tem cfferecido
ao publico.
E' um regenerador poderoso das consti-
tuiySes debis e am remedio certo para
todas as affeccoes do peito, da garganta e
dos pulmSes.
sese so a Emulso de Lanman &
Kemp nao confundindo-a com as outras.
Vende-se em todas as drogaras e pbar-
raaciau.
Companhla Ferro Carril de
Pernambuco
Por contracto celelebrado com moradores da ci-
dade de Olinda esta companhia ostabelecer, do
dia 1* de Setembro em diante, um servico de dili-
fencas entre o Varadouro e o extremo da linha
e Santo Amaro, em correspondencia com]os carros
desta linha.
Vigorar a seguate tabella de precos :
Passagem do Varadouro ao Recife e vice-
versa, adultos 300 rs.
Passagem do Varadouro ao Recife e vice-
versa menores de 12 annos 200
Passagem do Varadouro ao Asylo e vice-
versa 200 ,
Viagero extraordinaria de urna diligencia
durante as boras de servics ordinario
da linha de Santo Amaro, com direito a
passagem no bond C000
tem, item, fra d'estas horas, como e
quantose conveacionar.
Nos termos do referido contracto a Companhia
nao se obriga a por em sorvico maior numero de
diligencias, seja qual fr a afluencia de passagei-
ros.
HORARIO DA8 DILIGENCIAS
Estrada e ferro do Recife a Ca~
EDITAES
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, jniz de
direito do civel desta cidade do Recife e
sen termo, capital da provincia de Per-
nambuco, por S, M. imperial e constitu
tional, o Sr. D. Pedro II, a quem Deus
guarde, etc.
Pac) saber aos que o presente edtal virein ou
delle noticia tiverem, qae findos os das de pre-
guen e pracas legaes e na audiencia deste juiao
do dia 10 de Setembro prximo, iro praca por
venda a quem mais dr e mai.r lance offereccr, os
segu ates bens :
Um relogio de parede avallado em 204.
Doze banheros de cobre avallados em 205 cada
um.
Vinte e quatro torneiras de lato a 14 cada urna.
Dose cadeiras de f*ia u 500 rs. cada urna.
Seis ditas de junco a 14500 cada urna.
Dons sofs envernsados de preto por lf.
por prego commodo ; concorrendo assim
para que a provincia poasua um edificio pu
blico bem situado.
Recifa, 27 de Aagosto de 1888.
Execranda
Ai ti'aquelle infeliz que dura a sorte
Arrvjar a teus pe, aojo maldito !
Ai do triste infeliz, ai do prescito.
Que quiz- r preferir-te fera morte !
Infeliz do mortal que d'lladido
Quizer render um culto a t us encantos !
infeliz io cant, r que cora seus prantos
Suspira por te ver, d'amor rendido!
X.i. feliz pissir quem d"sprezado
5e julgar ura momento desditoao
"Sita st) lerabrar de ti, de seu passado .'
Oh feliz, bem feliz, quem afastado
De ti se ontiver, pois que formoso
Lbe vira o futuro abenejado.
Quatro bancos de pinbo a 14 cada um.
serao bastante razoaveis para cederem-n'o Urna secretaria avahada em 154.
Duas bombis de Japj avahadas por 154 cada
urna.
Quatro quadros com estampas per 104.
Os bens cima descriptos vo ser vendidos em
prafa publica para pagamento do pedido e cus-
tas da accSo executiva que move a mesa regedo-
ra da vneravel ordem 3* de Nossa Seohora do
Carino contra Luiz Antonio Pe.eia e sua mulher.
E para que chegue ao conbcunento de todos
mandei passxr o presente edital qne ser afiliado
no lugar do c.stuine e publicado p la mprensa.
Dado e passado nesta cidade do Recife aos 13
das do mez de Agosto de 1887
Eu, Felicissimo de Azevedo Mello, escrivo, fiz
escrever subserevi.
Joaquim da Costa Ribeiro,
Olinda
Agosto87.
Odlareq M'dnal.
Separara de aocledade
: \e qoe tinha BMSt> cidaie com Joao Baptista dos
Saa;oi no estabelecimeato de calcados ra do
Viseando de Iahama n. 4 o que gyrava sob a
rasan social de Cypriano & Baplista, vem deca
tmt qso o socio Joaj Baptista dos Santos retirou-
ie pago e satisfeito do seu capital e lucros, fican-
do a cargj do raesmo abaixo assignado todo o ac-
t,i e passi vo do referido estabelecimento, que
oosrinaa a gyrar s-jb a mesma firma de Cypna-
30 A Baptista.
Recife, 16 de Agosto de 1887-
Prancisco Cypriano da Silva Santos.
V.> xellino da d ralleclmenlo ao
amUo e colletra Joo Bapciata P
irao por oceaslao da nslaisa na
ls;reja :< > - do Bectfe.
Heos senbores.Ante a magestade do tmulo,
. n nao devo emudecer porra em luta com a
pobreza de talento e falta de requisitos oratorios
ftuprcgarei o que for possivel afim de pagar a gra-
idlo a memoria do Ilustre morto cuj i preito suf-
:'r ganos.
Sim, stiihores, Joo Baptista Patrio, o amigo
deiesdo e companheiro excelleute, j nao parten-
e&o numero dos vivos !...
Anda hootem chcio de esperanca e resignado
o soffrer, foi traiconramente roubada aquella es-
peraoca pela ingrata m irte e o que nos resta
agora ? Lagrimas e saudades...
Avm, familia incansolavel, permitti que o mais
:iacoe p"qucno telgraphista da estrada de ferro
rio Recife uo Sao Francisco, comparti-lbe com vos-
x> em tao acerba dor e destolbar em nome de seus
eollegas urna cora de saudades sobre a lousa do
sond.
Peco desculpa se nao eompri honrosamente a
-xissao da qual fui inmerecidamente incumbido.
Resife, 27 de Agosto de 1887.
Francitco de AuU ferrara Magalhaet.
(Telegraphista das Cinco-Pontas).
fos Cario
Sobre o tmulo do inflito&o
Jos Curio, estudante do Io
anno do curso Jurdico, boje
30 dia do seu prematuro tres-
passo deposito ama sentida la-
grima.
Recife, 30887.
J. B. P. Corte Real.
diiTerenca entre a vida e a morte
Zata a distinecao entre a salsaparrilba de
atto), e todos os medicamentos mercariaes; estes
Isiienam o sangue, aquelle o purifica e vigirisa.
QoaBdo ai ementes da morte se teem in'roduzido
Aos moradores de Olinda a directora
do Club Io de Jullio participa que tendo
contrastado cora a Companhia Ferro Car-
ril, o transporte de passageiros do Re-fe
a Olinda e viceversa, a mesma companhia
do 1 de Setembro em diante estabelecer
um servico de diligencias, qne partirlo do
Varadouro em Olinda a se encentrare ti
com os bonds em Sant) Amaro, custando
cada viagem do Recife a Olinda ou vice-
versa 300 rs., inclusive o transporte no
bond, e para os meninos at a idade de 12
annos 200 rs.
Os bonds da linha de Sinto Amaro em
correspondencia com as diligencias levarSo
urna bandeira azul-
Certamente os passadores de festa e mo-
radores de Olinda daro preferencia as di-
ligencias nao s por economia como tam-
bera por commodidade, tendo alera disso
a vantagem de saltar era qualquer ponto
at a estacSo da ra do Bruia.
Era outro lugar vai publicado o horario
das part Jas dos bonds e diligencias.
-----------------------^------------------------------'
II una ii i da de
Os repetidos desastres occasionados pelos tra-
coeiros caudieiros de vidro para kerosene, devem
despertar-jas o desejo de acautelar vossas vidas,
fazendo acquisicSo de candieiros de metal, nicos
solidos e iuexplosivos.
A' venda na ra Duque de Caxias n. 86, Fer-
rcira Guimare3 ti C.
as a
TJ s _ o
a o a
O < o 11 3
B os m z-
m o
s, a
6.25 6.45 1
7.25 7.45 2
8.25 8.45 2
9.25 9.45 2
10.25 10.45 1
12.25 12.45 1
2.0 2.40 2
3.20 3.40 2
4.20 4.40 2
5.20 5.40 2
6.20 6 40 2
7.40 8 0) 1
8.40 9.00 1
9.40 10.00 1
Carlos Alberto de Menezes,
Geren te.
DtiliLARCOFi
De ordem do Illa. Sr. inspector t co publico,
que perante a sessaoda junta, do dia 3 de Setem-
bro prximo vindouro, se recebem propostas at
as 11 horas da manha, para o fornecimento de
alguus remedios neceesarios a pharmacia do pre-
sidio de Fernaudo de Naronba.
A relcelo dos remedios precisos, acha -se nesta
secretaria e ser apresentada a quem se queira
propor ao fornecimento.
Thesouraria de Pernambuco, 29 de A? sto de
1887.
O secretario,
Luit Emygdio Pinheiro da Cmara
Lanman k Kemp
Previuem o publico que existem nesta praca
inutacoes fraudulentasdo seu oleo pbc de fi-
oaoo de Bacalhocontra as quaes se devem
acautelar os consumidores, por isso que o uso
d'esses leos falsos sera em prejuiso dos
doentes.
Entre essas talsificacoes ba un a quealm da
differeiica ua puresa do liquido que s pode apre-
ciar-se comparando o oleo verdadeiro com o falso,
engaa fcilmente os incautos, e por isso apresen-
tamos as diffdreuces que existem dos frascos e in-
volucros :
& circular que acompanha ada frasco deve
ser issignada porLanma Kemp?=c ua=i
Lenman & Kempcomo na falsificacAo.
Os nossos irascosas tres lados descobertos
trasem em relevo no rr.esmo vidro as seeuiotes
palavras : Cod liver oil Lanman ce Kemp
New-York, em quanto qne os falsos vidros tem :
Refined Cod Liver Oil=New-Tork.
* as nossas capsulas metallicas l-se :Lan-
man & Kemp, Droguistas, Nueva York, em quanto
as falsas se i ;Cod Liver OU=Refined=Nue-
va York.
Recommendaraos, poir, aos doentes que quize-
rem usar do nosso oleo, e retirar os resultados
maravilbosos pelos quaes se tem acreditado em
todo o mundo, tenbam todo o cuidado em exami-
nar os frascos que comprarem, para nao aerem
engaados por infames talsificaces.
Tambera ba muitas falsificares da nossa aooa
FLORIDA DB MDBRAY & LANMA*. E TOSICO ORIENTAL
de kemp, falsificacoes essas preparadas geralmen-
te com substancias prejudiciaes pelle e ao ca-
bello ; exijam, pais, os consumidores os verda-
deiros e nao recebam outroa.
HAVENDO REGISTRADO RESTE IMPERIO TODAS AS
NOSSAS MARCAS IN "USTRIAES E BOTLOS, PPEVENIMO
OS IMITADORES E FALSIFICADORES, QUE PRECEDEREMOS
CONTRA ELLES MUS TBIBUNAES, KM PBOTECCO DE
NOSSOS DIREITOS.
Pernambuco, 28 Junho 1887.
Lionan i Kemp.
Em homenagem verdade
Acontccimentos se do na vida humana que
cmquanto relativos a um s individuo, in teres-
sam, tedavia a todos, em geral.
Nesta ordem de tactos, est indubitavelmente
adstricto o da conservado da vida, isto da vida
cem sade.
Ha quem diga, de si para si, que a nica con-
viccio firme aquella que se funda as provas
qne cada um adquire pessoalmente e nao aquella
que se transmitte ao individuo por tactos que se
do com oatrem. Ma-, eaea assercab, sobre nao
ser mais do que um paradoxo inacceitavel, mais
do que isso, pois significa a expresso mais anti-
p..thica do egosmo.
Pois justo e admissivel qua s acreditemos
em nos mesn os ? Pois nao haver, n'aquelles
que nos rodeiam, pessoas que merecam tanta con-
fianza como s que temos no que experimentamos
ou no que presenciamos ?
Aquclles que lerem estas liabas, far nos-hSo a
justica de crer na sinceridade d'ellas ; nao as-
sim ?
Pois abi esta a respoata mais lgica aos argu-
mentos capciosos dos que nSo crem nos elocuen-
tes attestados passados em favor dos prodigiosos
effeitos do Peitoral de Cambar, preparaco cujas
materias componentes nao sao, em nada, nocivas
sade e, alm disso, permittem que esee reme-
dio seja o preferido pelas senboras, creancas e
pessoas de paladar delicada.
Em homenagem verdade, pois, rigoroso devur
de quem, como nos, sabe das innmeras curas
O administrador da Recebedora Provincial faz
publico para chegar ao.conbecimento de todos a
quem posss caber a execucao do regulamento de
4 de Julbo do corrente anno, que pagaram o de
vido impos'o para vender em seus estabelecimen-
tos bilhetes de loteras de outras provincias os
Srs. Antonio Augusto dos Santos Porto, estabe-
lecido pra;* da Independencia ns. 37/39, e Ma-
ncel Martins Fiusa ra Primeiro de Margo n.
23, sendo que o ultimo deixou de tolicitar a res-
pectiva licenca.
Alem destes, e como vendedores ambulantes,
pngaram o imposto e obtiveram licenca por esta
reparticao os Srs. Joo Pereira de Brito, Bernar-
dino Lopes Albeiro, Porfirio de Albuquerque Ma
galhes e Joo Rodrigues Pereira.
Recebedora Provincial de Pernambuco, 19 ce
Agosto de 1887. O administrador,
Francisco Amynthaa de C. Moura.
Diligencias de Olinda
Horario
Companhia de Edifi-
cado
Communieo aos Srs accionistas que por deli-
berado da directora foi resolvido o recolhimento
da oitava prestaco na razao de 10 por cento sob
s valor das respectivas acedes, o qual dever rea-
lisar-ae at o dia 29 de Setembro prximo futuro.
Recife, 29 de Agosto de 1887.
Ricardo Menezes,
Gerente.
Club Garios Gomes
Tendo lugar no dia 7 de Setembro prximo, na
sede do club o concert musical em solemnisa-
co do 8" anniversario de sua installaco, previ-
ne-se aos senbores socios que de conformidade
oom o art. 58 dos estatutos, a distribuido dos in-
gressos comecar a ser feita no da 31 do corrente
em diante, das 7 as 8 1/2 horas da noite na sede
domesmo.
^Secretaria do Club Carlos Gomes 27 de Agosto
d 1887.O 1 secretario,
Pompeo C. Casansva.
Obras Publicas
De ordem do lllm. Sr. engenbeiro director geral
das Obras Publicas e de conformidade coma au-
toi isaco de S. Exc. o Sr. presidente da provincia
de 13 e 20 do corrente, faco publico que no dia 15
de Setembro, ao meio dia, na mesma reparticao,
recebe se propostas para execucao dos reparos da
cadea da cid-de de Nazareth, oreados em......
426800, do predio provincial que serve de escola
publica na villa de Barreiros, na importancia de
506000 e dos de que necessita a cadeia da cidade
de Goyanna, no valor de 2:977*806.
Os ornamentos e clausulas especiaes para os
respectivos contratos acnam se nesta secretaria
para serem examinados por aquelles qae preten-
deren! arrematar as mesmas obras, de accordo com
o que dispoe os artlgos 70 73, 89, 90, 92, 97
101, 106,115 e 116 do r.-gulamcuto de 20 de Junbo
do corrente anao.
Secretaria da repart,o das Obras Publicas de
Pernambuco, em 27 de Agosto de 1887.
O engenbeiro secretario,
Joaquim Gomes de Oliveira e Silva.
inga
fISO AO PUBLICO
Do da 1 de Setembro em diante haver as se-
grales alteracoes na tabella anda em vigor :
Linha principal
O trem de 7.45 da manh do Recife ir at
Apipucos.
O de 7.5 da tarde do Recife sahir a 6.45 at
Apipucos.
O de 8.30 dem dem dem s 8.45.
O de 9.45 dem dem dem s 10.0.
O de 9.20 dem dem dem s 9.45 (linha do Ca-
xang).
O de 10.3 dem do Entroncamento dem s 10.20
linha do Arra.al.
Haver tamb-im um tr>m sahindo do Recife s
7.40 da tarde at Dous Irmoa pela linha prnci-
Pal-
Linha principal
O trem de 8.52 da manh do Monteiro sahir de
Apipucos s 8.45.
O de 7.4 da tarde de Dous Irraos dem s 6.42.
O de 8.29 dem dem dem s 8.42.
O de 9.48 dem de Apipucos dem s 10.5.
Linha da Vanea
O de 7.41 idem da Varzea dem s 7.29.
O de 9.11 i dem do Caxang idem s 9.40.
O de 9.15 dem do Monteiio idem s 9 45 linha
do Arraial.
Haver tambem um trem sahindo de Apipucos
s 7.45 da tarde pela linha principal.
Eacriptorio da Companhia, 27 de Agesto de
1887.
(Assignado)H. W. Stonehetoer Bird.
Gerente.
Ba
DO
BRASIL
Capital 20,000:00041
dem reallsado S.000:0004
A caixa filial d'este Banco funecionando tem-
porariamente ra do Commercio n. 38, saca,
vista ou a prazo, contra os seguintes correspon-
dentes no eetrangeira :
Londres......... s/N. M. Rothschil & Sons.
Paris
Hamburgo.......
Berlim..........
Bremente........
Frankfurt a/ Main
Antuerpia.......
Roma..
Grenova
aples
Mlo e mais 340
cidades de Ita-
lia............
Madrid..........
Barcelona.......
Cdiz...........
Malaga.........
Tarragone......
Valencia e outras
cidades da Hes-
panba e ilhas
Canarias......
Lisboa.........\
Porto e mais ci- f
dades de Por-j
tugal e ilbas... )
Buenos- Ayres.... )
Montevideo......)
Nova York
De Rothschild Frres.
Deutscne Bank.
Banque d'Anvers.
Bae. Genrale
agecciha.
e suas
Banco Hypoteeario de
Espaa e suas agen-
cias.
Banco de Portugal e
suas agencias.
<2
6 25
7.25
8.25
9.25
10.25
12.25
2.20
3.20
4 20
5.20
6.20
7.40
8.40
9.40
< -<
M .a E 33 Cu
6.45 6.45
7.45 7.45
8.45 8.45
9.45 9.45
10.45 10.45
12.45 12.4o
2.40 2.40
3.40 3.40
4.40 4.40
5.40 5.40
6.40 6.40
8.00 8 00
9.00 9.00
10.00 10.00
o
a

7.05
8.05
9.05
10.05
11.05
1.05
3.09
4.00
5.00
6.00
7.00
8.20
9.20
10.20

8.SP
Precos
Recife Olinda e vice-versa inclusive
o bond .........
Meninos at 12 annos inclusive o bond.
300 rs.
200 rs.
Companhia Ferro-Carril de Per-
nambuco
Do da Io de Setembro em dante observar-ae-ha
o horario abaixo para os carros da linha de Sauto
Amaro. As viagens em correspondencia com a
linha de diligencias do Asylo ao Varadouro vio
B88igoalada3 por um p-nto preto e os carros qe
as fizerem levaro como distinctivo urna bandei -
rola azul por cima da taboleta.
I.inlia dellDlo Amar
RECIFE SANTO AMARO
IDA VOLTA
A 6.15'A 2.40 6.45 3.10
V 6.85 A. 3.10 7.05 3.40
A 6.55 C 3.30 7.25 4.00
A 7.15 A 3.50 7.45 4.20
V 7.35 A 4.10 8.05 4.40
A 7.55 c 4.30 8.25 5.00
A ' 8.15 A 4.50 8.45 5.20
C 8.35 A 6.10 9.05 5.40
A 8.55 C 5.30 9.25 6 00
A 9.15 A 5.50 9.45 6.20
A 9.45 A 6.10 10.15 6.40
A 10.15 C 6.30 10.45 7.00
A 10.45 A 7.00 11.15 7.30
A 11.15 A 7.3# 11.45 8.00
A 11.45 A 8 00 12.15 8.30
A ' 12.15 A 8.30 12.45 9.00
A 12.45 A 9.10 1.15 9.30
A 1.15'A ' 9.30 1.45 10 00
A 1.45JA 10.00 2.15 10.30
A 2.10|A 10.30 2.40 11.00
A- -Asylo.
U- Cemiterio.
K*cife, 29 de Agosto d el887.
Carlos Alberto de S lenezes,
Gerente.
Estrada de ferro do Ribcirao ao
Bonito
Pelo presente faco saber aos Srs. accionistas
desta empresa, que apenas realisaram a 3.* en-
trada de 10 % de suas acedes, constantes das cau-
tellas ns. 19, 28, 29, 34 e 35, que em virtude do
disposto no n. 1 do-art. 9 dos estatutos, fica-lhes
marcado o praso de 30 das, a contar de 16 do cor-
rente mez, para realizarem a 4. entrada de anas
accoes com a multa de 20 "/',.
Outrosim, o accionista que nao realisar suas en-
tradas no praso determinado, perder um beneficio
da empresa as entradas que j tenba feito.
Recite, 11 de Agosto de 1887.
Joti Bellarmino Pereira de Mello,
O director secretario.
Companhia
DE
Fia$o e tecidos de
Pernambuco
A directora tz scienta aos senbores subscrip-
tores da nova fmisso de accoes para o levanta-
mento da fabrica na Torre, que fica marcado o
praso de 30 das, desta data, para o pagamento
da segunda prestaco de 25 0/0, e autorisado o
Sr. thesoureiro Jos Joo de Amorim Jnior, para
o recebmento, ra do Bom Jess n. 3.
Recife, 23 da Agosto de 1887.
Os directores
Manoel Jos da Silva Guimares.
Henrique Saraiva,
Secretario.
Jos Joo de Amorim Jnior,
Thesoureiro.
Englsh Bank of the Ri-
ver Pate. Limited.
G. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do impe-
rio e do estraogeiro.
Recebe dinbeiro em conta corrente de movi-
mento com juros a lazo de 2/o ao anno e por le-
tras a prazo a juros convencionados.
O gerente,
William M. Webster
Companhia de Edifica-
fo
Tendo asaumido hoje a gerencia desta compa-
nhia, assim o fafo constar para os fina convenien-
tes.
Recife, 29 de Agosto de 1887.
Ricardo Menezes,
Gerente.
CHAREl'RS REUNS
Companhia Franceza de navega-
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lis-
boa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
0 vapor Tille de Baha
Comroandante Sebire
E' esperado da Europa
at o dia 6 de Setembro, se-
guindo depois da indispen-
savel demora para a Ba-
bia. Rio i!e Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. Importa dores de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvarenga.-, jaal-
quer reclamaco concernentc a volumes, quJ po-
ventu a tenham seguido para os portoa do sul,a!im
de se poderem dar a tempo as providencias neses-
sarias.
Expirado e referido prase a compaohiSoa n se
reaponaabiliaa por extravos.
Para carga, pat8agena, eacoramendas e dinheirc.
a frete : trata -ae com o
AGENTE
0 yapo, yule k Macelo
Coaimandante Panchvre
Esperarse dos portoa do sul
no dia 3 de Setembro aeguin-
do depois de indispensavel
demora n U.IVBE, tocando
em LISBOA havendo nu-
mero sutficiente de passaaei
ros de 1 classe.
O VAPOR ENTRARA' DENTRO DO
PORTO
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo passa-
dio.
As passagens pdenlo ser tomadas de antemo.
Recebe carga encommendas e paesageiros para
oa quaes tem excellentes accommodacoes.
Para carga, paesagens, encommendas dinheir j
a frete: trata-se com o
AGENTE
Augusta Labille
9 -RA DO COMMERCIO-9
Unued Slates & Brasil S. I
O vapor Advance
%j E' esperado dos portoa do
anl at o dia 5 de Setembro
depois da demora necessaria
seguir para
Haranho, Para. Barbados, .
Thomaz e \cw-York
Para carga, pasaagena.eucmraendas e dinheirc
a frete, tracta-se com os
AGENTES
0 paquete Finalice
Eapera-ae de Sev-fort-
News, at o dia 9 ; Setem-
bro o qual seguir depois da
demora necessaria para
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagena, e encommendas tracta-
e com os
AGENTES
llenry flurster & C.
8 RA'DO COMMERCIO -N. 8
1 auda
H
rg-uuuatui
anipsdiilTalirls-liesesciiai
O vapor Corrientes
MARTIIOS
Tendo o couselho administrativo de organisar
o corpo de remadores para a prxima regata, ao
convidados todos os bjjos qne fazeu e os qne
queiram fazer parte do mesrao a se inscreverem
em um livrs qne para tal fim so acha na secreta-
ria io club. Aquelles que nao o fizerem no im-
prorogavel prazo de oito dias, julgnr-33-ho ex-
cluidos do corpa.
Secretaria do Clab Internacional de Regatas,
21 de Agosto de 1887 O 2- secretario,
B. R. Borges.
Of
LirteU
J
Capital do Banco....... 1.000,000
Capital realisado......... 500,000
Fundo de reserva....... 200,001?
A contar desta data e at ulterior reso-
ucilo, conceder-se-ha juros de dous por
cento ao anno, sobre os saldo d3 dinheiro
depositado em conta corrente de movimen-
to no rnesmo Banco.
Recebe-se tambem dinheiro em deposito
a juros por periodos determinados, ou su-
jeito ao aviso previo de trinta dias para ser
retirado, mediante as condicSea de que se
dar conhecimento aos interessados.
Pernamcuco, 23 de Maio de 1887.
Henry K, Qregory,
Gerente.
coHPi\a:s PKniiiimc!*
DE
Vavegavo Costeira por vapor
Rio Formoso e Tamandar
0 vapor Giqui
Comandan te Lobo
Segu no da 30 de
Agosto, pelas 4 bo-
ras da manh.
Recebe carga at o
Idia 29.
Encommendas, passagens e dinheiros a frete
at s 4 boras da tarde do dia 29.
ESCRITORIO
caes da Companhia Perabn
__________cana n. A___________
Companhia Uahlana de narega
cao a Yapor
PORTOS DO SUL
Macii, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Baha
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante Pereira
Segu impreterivel -
mente para os porto?
cima no dia 30 de
-Agosto, as 4 horas dt
tarde. Recebe carga
Pnicamente at ao 1(2
dia do dia 30.
Para carga, pasaagens,encommendas e dinheiro
a frete tracta-se na agencia
7Ra do Vigario 7
Domingos Alies Malhens
(Oni'VMIIi: IIMN HUMNAbtS
RIKM HAKITIHES
LINHA MENSAL
0 paquete Gironde
Commandante Minier
Espera-se da Eu-
ropa at o dia 3 de
Setembro, aeguin
do depois da de-
mera da costume
para Buenos-Ay-
res, tocando na
Baha, Hlo de Janeiro e Monte
Tldo
Lembra-se aos senhores passageiros de todat
as classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualqner tempo.
Previne-se aos senhores recebedores de merca
dorias que a seattender a reclam sces por fal-
tas nos volumes que forem reconhecidas na occa
siSo da descarga,
Para carga, passagens, encommendas e dinheir.
a frete : tracta-se com o
AGENTE
iugDSte Lablft
9 RA DO COMMERCIO -9
E' esperado dos por-
tos do sul at o dia 1
de Setembro e seguir
d pois da demora ne-
cesaria para
Lisboa e llambnrgo
Para passageiros e carga a frete trata-se com os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RA DO COMMERCIO N. 3
1* andar
Fono por Lista
Para ob portoa cima indicados seguir breve-
mente o brigue portugus Armando.
Para carga e passageiros trata-se com os con-
signatarios Jos da Silva Loyo & Filha
LElLUES
Terca-feira, 30, leilo da armaco, cofre pro-
va de fogo e mais objectos da armaco da leja da
praca da Independencia ns. 18 e 20.
Quarta-fcira 3i, o de um bilhar e differenter
movis n casa terrea da ra do Visconde de Gcy-
anna n. 66, em frente da casa da Sra. Cowe.
Quinta-feira, 1 de Setersbro, o de fazendas.
chapeos e manteiga ltimamente retirada d'Alfan-
dega e existente no armazem da ra do Merques
1 de Olinda n. 52.
Leilao
De casas e um terreno
Terca feira, 3o do corrente
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 22
O agente Stepple por mandado e assisteneia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito privativo de orpbos
e ausentes a requerimento do ioventariaute dos
bens deixados pelo finado Joaquim Fernandes da
Silva Manta, levar a leilo as soguiutea casas :
Urna casa terrea ra do Fogo h. 3, em sole
proprio ; urna dita ra de Vidal de Negreiros
n. 73, em solo proprio; urna.meia-agua na traves-
sa do Peixbto n. 20, ro sol* foreiro e um terreno
estri da de Joo de Barros.
Os Sra. pretndanles desteja podem examinar
as ditas casas, e para qualquer informaco o mes-
mu agente dar.
Leilao
>iB
Da casa terrea n. 68 ra Dias Cardoso
antiga do Caldereiro
' Terca feira, 3O do corrente
A's 11 horas
Ra rio Imperador n. 22
O agente Stepple por mandado e assisteneia do
Exm. Sr. Dr. juis de direito da provedoria de capel-
las e residuos, a requerimento do inventariare
dos bens do finado Nicomedes Mara Freir, leva-
r a leils a casa cima. Os Srs. pretendentea
desde j podem examinar a dita casa.
Leilao
de ama armaco envernisada o envidracada, l
balco, candieiro gnz, arandellas, 1 carteira, 1
mocho, 1 burra prova de fogo, de Milner, 1 pren-
sa para copiar carta, 2 escadas e mais objectos
existentes na loja da
:' raca da Independencia ns.
ls e SO
Terja-feira 30 do corrente
A's 11 horas
Agente Piolo
y


"--


,
,
(
t


-' **
)
'
Diaria de FernAiiirwir^...Ten2a>.teira 30 de Agosto de 1S87
Agente Pestaa
Leilo
De predios e terrenos
Um sobrado de 3 andares com urna sota sito
ra de Domingos Jos Martins n. 33, o qual ren-
da 70*000 mensaes.
Urna easa terrea sita ra lupeial a. 200-C,
fragnesia de 8. Jos.
Urna dita dita ra da Via-Ferrea n. 16.
Urna dita mef agua i mesma ra u. 7.
Um terreno com casa da taipa n. 171 ra Im-
perial e um outro terreno na mesma ra, entre aa
cuas ns. 157 e 161.
O agente Pestaa, lcgalmente antorisado, leva-
r a leilo na terca-teira, 30 do corrento, as meio
dia em ponto, no armazem ra do Vigario n. 12.
Urna casa terrea ra Imperial n. 200 C, con-
tendo 2 satas, 2 qnartos, cozinha fiira, inais um
quarto fra, quintal murado com cacimba, com
portas que do sahida para o rio. em solo proprio;
Urna dita ra da Via Frrea n. 16, com 2
salas, 2 quartos, coiinba fra e um pequeo quin-
tal com portao, em solo proprio.
Urna casa mei'agua n. 7 na mesma rus, com
urna sala e 1 quarto.
Um terrena com casa Je taipa n. 171 ra Im-
perial, em solo proprio.
Um dito mesma ra com 122 palmos de fren-
te, entre as casas ns. 157 e 161.
Os Sis. pretendeutes desde j podem examinar
OS ditos predios e terrenos.
Lelao
Agente Britto
O agente Pestaa por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. jais de orphius vender a quem
tois der o exeelisnte sitio e casa cima mencio-
nado.
AVISAS DIVERSOS
Afcaga-ae tMM a 8#WOU
nos, justo de S. anearlo :
uiperatria n. 54.
no Meen dos Coe
a tratar na ra d.
Tni
Oriental
De 1 armaco envidracada,
camas, marqueioas, mesas,
1 piano, meailiaa,
guarda vestidos e
gnarda-iuuca, 1 guarda-cernida, 2 moinhos, malas,
commodas, earteiraa, 1 scf \, 2 consolas e 2 ca-
deiras de balanco de amarello, cabides, quarti-
nheiras, candieiros para kerosene e gaz ca bonico,
jarros, quadros, facas, copos, clices, louoa para
jantar, faicndas e muitos oatros artigos.
No armazem ra de Fcdro Affonoo n. 43
Terca felra. do correte
As 10 1[2 horas
Agente Stcpple
Alnga se sor 10*000 a casa n. 21 aa Var-
es, defronte da estaca, com armacao ; a tratar
na ra da Imperatris n. 56.
Compra-ee urna casa terrea na ra da As-
aompcao on Manta Cecilia ; a tratar na ra do
Marques de Olinda a. 8, loj.
Aluga-se a casa terrea da ra de S. Fran-
cisco n. 27 ; a tratar no becco das Carvalhas nu-
mero 1.
na Precisa-se de um menino para vender tabo-
l>;iro ; no pateo do T reo n. 18.
Precisa-se fallar a negocio de seu interesse
com o Sr. Speridiao Barbosa da Silva, ra de
Marcilio Dias, antiga Dneita, predio n. 45.
= Precisa-se de urna ama de leite
Matriz da Boa-Vista n, 9.
na rita da
Da parte do engenbo Novo da comarca do
Rio Formoso
Quarta feira 31 do corrente
As ti horas
No armazem ra do Imperador n. 22
agente cima, por mandado e assistencia do
xm. Sr. Dr. juiz de direito da provedona, re-
uerimento do inventariante dos bens do finado
[icomedes Maria Freir, levar a leilo urna
parte do engenho cima declarado, e para qual-
quer informacao o mesmo agente dari.
Lelo
De diversas mobilias, camas para casal, cofre
ingles, prencas para copiar, cadeiras de Jacaranda
de balanco, relogie de oure para senhors, malas
para viagem, mesas elsticas, guarda-vestidos
guarda-loncas, pratos e de chicaras novas, copos,
clices, ts Hieres e bebidas.
QARTA-FEIRA, 31 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS
No armazem da ra do Marqutz de Olinda
n. 19
POR INTERVENCAO DO AGENTE
Gusmo
*>. Precisa-se de una, para casa de
pouca familia, que saiba cosinhar e faser mais
algum servico de casa ; na ra do Arago nu-
mero 23.
Novas coileccoes de artigos pretos para eo-
feites de vestidos, bonitos modelos e elegantes.
Outrosim, modernos botoes de metal para enfeites
de vestidos ; ns ra Duque de Caxias n. 63, Nova
E aperan ca.
Precisa-se de urna ama que saiba eogommar
para casa de pouca familia e bem assim faser ou-
tro qualquer servico de cas*, na ra das Calcadas,
boje Domingos Theotonio n. 2.
PergMta kioceiite
Ao Sr. Dr. Jos M.ria de Albuquerque pergun-
ta-se qual o papel que S. S representa conscien-
temente nessa comedia ridicula, que politicamente
se est representando ao 1' districto desta pro-
vincia : quem pergunta quer saber.
*;

Precisase de urna ama para engommar e tazer
servico* de casa ; na typograpbia do Diario, no
3- andar, n. 24, ra Duque de Caxias.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinbar
tar no becco do Padre ingles n. 8.
a tra
Peroeiras
Sabbado a aoite esta vas sedutor.
Fonseca.
Ama de leite
Precisa-sede ama ama que tenba bom e abun-
dante leite : a tratar aa ra dj Marque* de Olinda
n. 12, 3' andar.
Na ra do Imperador n. 79, 1 andar, existe
urna carta para a Sra. D. Anna de Almeida (,'outo
BitKncourt, que por se ignorar sua residencia se
faz o presente.
Aluga-se barato
Ra Visconde de Itaparica n. 43, armasem.
Ra Coronel Suassuna n. 141, quarto.
Travesss do Carmo n. 10, loja.
Largo do mercado com agua n. 17.
Ra de Santo Amaro n. 14, loja.
frata-se na ra do Commercio n. 5, 1* andar
es jnptorio de Silva Alugv
i-se
a casa terrea na travessa da Ponte de Ucha a.
12, com bastantes commodos para grande fami-
lia, eom sitio murado e arborisado, b a agua po-
tavel para beber, deposito e banbeh-o de eimento
e bomba, fica a dita casa margem do rio Capi-
baribe, com banbo doce temperado e salgado :
qu-;m pretender dirija-se a mesmo sitio, das 6 s
10 horas da meaba, que encontrar o propie-
tario.
0 Remedio do Dr. Ayer
CONTRA SEZ(*ES.
F.' um toHtco forte para nenas Teguas!, e,
to practico dos aeaa effei-
tos, (ai:a\ ,.,,rto para
n a malignas. sordera de-
v sl,fl orlgem a na veneno rniaemaiieo
Ditera
o ligado c motiva os diffe
febres conhecidas por Terciarias e
Qup/trenarias, Internas, de Fro,
Malignas, Intermittontes, Rsmit-
tentes, Eiliosas, e Typhoida.
O RaarBDfO i") Dr. Avki: nnntrsaaa o
i miasmtico e expele-o do systema.
Km* outoui (juiuMiu ucui isjsnadtaate at
gn mtnen; v. wuro e tnoffensivo, e
usa segando as (Hrceeoee.
paajMMdao ri'i.n
DR. J. C. AYER e CA.,
Lowell, Mass., B. V. A.
A' venda nas principae-i pUurmacios e
drogaras.
Advogado
(Fdro civil e ecdesia$tico)
Bachare Antonio de Lellis o Sous_ Pontee, ra
do Imperador n. 37, l andar.

se
Quem quiser alugar a casa n. 8 ra da UniJo
com muitas accommodaces, poder entender-se
com os Srs. Negreiros ra do Imperador n. 24.
Ama
Leilo
de ama mobilia, oom 1 sof, 2 consetos, 2 cadeiras
de Uraco e 12 de guarnici'-, 2 candieiros, 2 casti-
5es e mangas, 2 cadeiras de balanco, 1 mesa re-
donda, 2 lnvatorios, 1 mesa, 1 aparador, 2 mesas,
1 sof, 12 cadeiras de junco, 1 mesa de louro, co-
pos e clices.
Dm marqueao, 1 cammoda, 1 sof, 2 eonsolos,
1 cama para menino, 1 guarda roupa e outros mo-
vis.
Quarta-feira 31 do corrente
A's 11 b ras
Agente Pinto
Na casa terrea ra do Visconde
Goyanna n. 66, em frente da
casa de Mme. Cowe
Ent to(nuafo
Um bilhar e seas perteoces.
Precisa-se de urna ama para o servico de casa
de familia e que tenba boa conducta ; a tratar na
ra do Baio da Victoria n. 46. loja.
100*000
Poltica
Leia-se os impressos que se est distribuindo na
Pharmacia Amerieanu.
VERMIFUGE COLME]
CHOCOLATE com SANTONINA
nruLirri un dtitmr as unuaiG^
Isla Vermfugo rtCMBMiidiilo peJt fl^t
sea utor ignlarel a eoiamc^s udaiii. Jf/
E*r a uttgnturM : ff
Lnf/i-esuitT.<-*m. ',,..><. rus-aj^
Por um caixeiro fordm perdidas do boleo, no
sabbado 27 do corrente, da ra do Livramento at
ao Recife, des cdulas de 10*' 00 cada urna :
quem as achou, querendo restituir, s >r recompen-
sado e agradecido no armazem do caes de (-api-
baribe n. 42.
Alleucao
de
Leilo
De
auissas
fazendas inglezas, francezaa,
e allemas
OONSTAN-0 DE:
Pannos finos, casemirae, brias, cretones, chitas,
maiap-. les, erogelas, atoalhados, chales, cami-
sas de meias, gravatas, meias, pelncias, lencos de
linbo, roupa feta, chap s, pannos para rede, me-
rinos e muitas outras fasendss que serao vendi-
das por
Liquidadlo
Qnlnta-felra, 1 de Mctembro
Agente Pinto
No armazem da ra do Mrquez, da Olinda
n. 52
Vende-se especial farinba de milbo e de arroz,
feita vapor, e preparada para bolo, eaagica,
cuscus e outras diversas especies de comedorias,
que neeessitem destes meamos gneros, sendo a
240 rs. o kilo da de milbo e a de arros a 880 rs.,
assim como srinha para tender o pi cerveja a
2/000 a arroba : na padaria da travessa do
Pombal n. 1, nertencente a Pereira at Pinto.
Telepbone296.
4o (.'onimm'io
O abaiso aanigaado, rssponsavel da firma de
Goncalves & C, declara que ntsta data vendeu
o seu estabelecimento de molhados sito ra lar-
ga do Rosario n. 1, tendo por cujo fim cessado os
poderes que dera ao Sr. Antonio Jos Das Pi
nbeiro, por meio de urna procuraco passada nas
notas do tabelhao Infante de Albuquerque, para
gyrar dito estaaeleciments, pelo que de boje em
diante considera aem effeitc dita procurado para
todos os fins. Oatrosim, declara que a referida
firma nada deve, e se algaem se julgar prejudi-
cado com a presente declaracao, queira reclamar
no praze de tres dias. Recife, 2i de Agosto de
JS87.
Joaquim Goncalves Cascao.
E. F. R. S. F.
SEMOLIM
De Brsns k C, de Glasgow
Este artigo, preparado por um novo processo
de trigo da melbor qualidade, possne os elemen-
tos necessarios para nutricao de criaacas e doen-
tes, > muito se recommenda*por ser de fcil di-
gesto e gosto muito agraoavel ; tambrm pode-se
fazer urna excedente papa, misturado em partes
iguaes c -m a maisena dos meamos fabricantes,
addiciooando-se-lhe algum leite. nicos agentes
neeta araca, Saunders Brothers & C., la/go do
Corpo Santo n. 11, primeiro andar.
Farello fla caroco ae igoaao
Cheg^u a primeira remessa do precioso farello
de caroco de algodSo, o mais barato de todos os
alimentos para aoimaes de raca cavallar, vac;um
auino, ate. O caroco de algodao depois de ez-
trabida a casca e todo o oleo, o mais rico ali -
ment que se pode dar aos animaes para os forta-
lecer e engordar com admiravel rapidez.
Nos Estados-Unidos da America do Norte e na
Inglaterra elle emoregado (coas o maie reliz re-
sultado) de preferencia ao milbo e outros farell js
qae sao muito mais caro e nao se de tanta sus-
tancia.
A tratar no Heclfe eom FratcaRorba.
Fabrica de chapeos
Antonio Jos Maia & C*
DEPOSITO
roa do Sarao da Victoria ns.
34 M
Os proprieau ob desto estabelecimento seienti-
cain aos seus numerosos freguezes e ao respeitavel
publico, que contiauam a ter grande sortimeato
de chapeos de todas aa qualidades e formatos,
manufacturados oom toda a perieies e por presos
mais vantajosoe que em outra qualquer parte.
Mademoiselie otinba
Roa do Imperador n. 55, segundo andar.
lsottlsla
Semenlesdeearrapato
Compram se pequeas quantidades : na droga-
ra de Francisco M. da Silva & (J., 4 ra de Mr-
quez de Olinda n. 23.
TAuIOAlnLfr"
Participa s suas Ex mas fregurzas. que
clie^ou de sua viagt-.m a i'aris, no vapor
Ville de Cear e que abri o seu novo
atelier a ra do BarSo da Victoria n. 15,
1. andar, e espera continuar a merecer
mesma prctecgSo e confianja e desde j
aguarda suas valiosas ordens, e pede ao
mesmo tempo o obsequio de visitarem o
seu novo atelier, sonde encontrarlo todas
os novidades francezaa e por prejis razoa-
veis.
Ra do Baro da Victoria ot
i. andar
VENDAS
Vende-se a casa n. 10-A da liba de Bemfi-
ca, na Passagem da Ma.-dalena, margem do
rio, com 5 quartos dentro, cosinha e copiar fra,
quintal fechado, com portao para fra, onde corre
um terreno que lh pertence, com coqueiroa, agua
do Beberibs encunada e caes na frente para o rio ;
vende-se barato : a tratar na rea das Trinchei-
ras, loja n. 17.___________________^
Vendc-se o sobrado de d us andares e sotas,
em bom estado, em chao proprio, ra de Aguas
Verdes n. 22 ; a tratar com o leiloeiro Martins.
Vende-se a bem afreguezada taverna da roa
de Luis do Reg n. 19 ; a tratar com Mello & C,
ra da Detenco n. 9, taverna.
Vende-se
urna boa casa com 2 quartos, 2 salas e cosinha,
sita travessa das Flores n. 3 ; a tratar na ra
de Paulino Cmara n. 4.
Para mu
Urna mobilia completamente nova, de urna fa-
milia estrangeira que se rerira no primeiro vapor
para Europa; na ra do Mrquez da Olinda n.
59,1-andar. H
Visee DE JURUBEBA
COI I0DIRET0 DE POTASSIO
Tnico, depurativo e anly-
rheaaaasico
PREPARADO POR
Bariloi! & G. Shccbssot i .., s^> *_* ^,ia.
Approvado pela Junta Geral de Hygiene de :
da Corte e autoriaeda pelo governo Cachemira de strinha a 600 is o co-
Os repetidos pedidDs qae aos foram feitos por j vado.
muitos dos nossos .ilustrados clnicos para jantar-1 dem broche borda a 1.J500 o dito.
dem pretas 700,800, 10000, 10200,
4 Revoluto
48-Boaflo Dnaoe oCbh
mI :
AMA
Leilo
Oe
14 caixas com manteiga em latas de
1|2, 1, 2, 7, 14 e 28 libras
(Km um oo anata lotea)
QUINTA FEIRA, 1 DE SETEMBRO
A's 11 horas
Agente Pinto
armaiem da ra do ]
qiiez de Olinda n. &t
Precisase de urna ama para comprar e
cozinhar em casa de familia : na ra Du-
que de Casias n. 14 se dir.
Xo
lar-
Lt'lov
espefbos
HilAliAssr
Francisco Xavier
Barreto
Adv<
Paea
Joao HspiUis Pal rato
Os absixo assignados, telegrapiatas da estrada
de ferro do Recife ao 8. Francisco, dolorusamente
pungidos pelo prematuro falleeimento do sea m-
ditoBO amigo e collega, Jo4o|BaptBta Patrio, man-
dara celebrar missas na igraja de N. S. do Terco,
trigsimo dia do referido passamento ; convidan-
do para este acto de earidade, parentes e amigos
do finado.
ESTAQUES
Recife, Antonio Orne e Alfreda Rocha.
Cinco Porta, Praociaco Magalbies e Bartholo-
meu Campello.
Praaeres, Jos Ferr ira e Franoisco Lima.
P. Jaboatao, Jos Coelho.
liba, Jos Qabriel.
Barbalho, Joao P. B. Barree (inspector), Jos dos
Pastos e Maooel I. de Sonta.
Olinda, Pedro Obagas.
Escada, Manoel Athayde.
Limweiro, Ehsea Jacome.
Frezeiras, Sergio Magalbies.
Anpib, Juveocio Mello.
Ribeirao, Antonio Ai ves
Qamelleira, Pedro de Meira Lima.
Cuyambuca, S. Medeiros.
Agua Preta, Jos Vasconeeltos.
Una, Antonio Elias
Emilio Blllion, Engenheiro Mecnico, engarre-
ga-se de montar novos appanslhos, das melbores
fabricantes franceses, e os mais apperfeicoados,
peles condicoes e precos segu.ntes :
O aseucar ser fabricado pelo systema Bro-
oheton e Billion igual ao da Usina Pinto.
- Garante-se no mnimo 9 7. do assucar cris-
taJIisado de todos os jaetos, e 10 /. com moenda
de represso, angmeotando os precos abaizo de-
rdarados.
O frabalho dos appsrelbos ser por 24 ho-
ras, se aproveitarao os edificios existentes, com
pequeas reformas ; os propietarios daro todo
material, como : fijlas, cemento, cal, arma, asa-
deira, ete. ficando por osota do empreitorio todo
mais traaalho.
Prero da I sinax
XI
a
5
i
ogado
reldgfos
le movis,
Quinta feira, 1 de Setembt
A'S 11 HORAS
Na casa ra de Dias Cardoao, outr'ora
Caldereiro sob n. 68
O agente St' pple, por mandado e assistencia do
Ecm. Sr Dr. juiz de direito da provedoria, a re-
querimento do inventarianie dos b ns do finado
iuomedes Maria Freir, levara a leilo os movis
seguin'es : 12 cadeiras, 2 censlos, 1 s< fa, 2 ca-
deiras de balanco, 1 un sa elastici, 2 commodas,
camas de ferro, 1 santuari >. marqir sao, lanternas,
1 espelbo, puarda-louc', caiza de amarello, ga-
mella, 1 porta, mesa para jogo e outros movis.
Agente Pestaa
Euearrega- se de oobrancas, mediante
ajuste muito razoavel.
Graee dferenp
os
QQBiios frescos Uvsm
>. Bo la Ciinha FreMsasi Cav
val runie
Joao Francisco leu. ira Marques, sua mulhor
Luisa Joaquina Oavalcaute de Albuquerque Mar-
ques, suas eunbados Maria Pastora Cavaloante de
Mello e Constanca Cavaloante Cuaba, convidara a
seas parentes e amigos para ouvirem urna missa
que mandam celebrar por alma de sua presadiss-
ma s gra e mSi, D. Roaa da Cunha Freitas Caval-
oante, na capell do cemiteno, em Santo Amaro,
s 9 horas da manb do dia 1- de Setembro pro-
zimo futuro, anniversario de aeu raUecimento
antecipando-lhes seu nconnecimento.
o
I
3
lOOtoaael.
125
150
*oe
B
i
t
l
9.000 k
11.250
13.5K).
48100.
3 t
!
H
110
140
168
2fe
sae.
II
ao nossoViobo de Jurubeba,j tie vanta
josameute conhecido no noces paiz, como ao estraa-
geiro, ama doae eaacta sempre determinada de
iodureto de potassio, creando assim um medica-
ento certo e iaalteravel, de imsoemas virtudes
medicinaes, aao nos deisaram hesitar um s in-
stante, e traje tratos a satisfcaeao de apresentar ao
illuatre corpo medico do nosso paiz e ao publico
em geral esse novo preparado, cuja accio curativa
e certa em grande numero de molestias inooa-
teetavel, como seja no rbeamatismo agudo ou
chronico, nas ebstrucedes do ligado e naco, nas
otemiae, nas cloroses, aydropesias, molestias uri-
narias, debilidade do estomago e nas de origem
sypbilitica.
A jurubeba, rssa planta preeiasissisoa, t&o ebeia
de virtudes medicinaes, associada assim ao iodo-
reto de petassio, o depurativo de am valor im-
menso, fas com que o nosso preparado seja usado
de preferencia, como um madieamento certo e in-
rallrvei para a cura das molestias qae aerara dei-
samos descriptas.
KSeu oso de fcil appticacae, pedendo por isso
ser tomado pelo doente: todava recemmendamoj
a direceio de um medico, e s elle deve modificar
a saa aceito, elevando ou diaunuindo aose se-
gundo o effeito que julgar
1,5400, 1600 e 2flr000 o dito.
dem de todas as corea a bOO, 1J000 e
1,5200 o dito.
Ricas guarnicSes de veluiilho a 6J000
urna.
Settns liaos a 800, 13000 e 10200 o ao-
vado.
Seda escosseza a 640 rs. o covado.
Lindos metins com liatrinhas a 400 ris
| o dito.
Faile com palminhas a 400 rs. o dito.
Setinetas escossezas a 320 rs. o dito.
Ditas com liatrinhas e palmiahaa a 320
! o dito.
Lionay-se com palminhas de retroz a
114^000 peca.
Organdir bordado a seda a 150000 a
dita
Etamine tecido transparente a 100000
a dita.
Cambraia bordada a 50000 50500 e 60
preciso aa face das
molestias a coasbater.
O nosso vinho de jurubeba e iodureto de potas- | a dita,
sio puro teso urna dose exacta de iodureto repre- i Fuatflea hrnnnn
sentada em ama eolher de sopa por quatro graos j fin "^ bran *.dW' < ^ 440' 500'
de iodureto, podando por raso er tomado peles rs'
adultos na dose de 8 oolberes de sopa por dia e
pelas creancas aa d>- 3 das de ob, momentos an-
tes ou no acto das refeicoes.
BARTHOLOMEU DEPOSITO
34-Rua Larga de osario-.l
PERNAMBUCO
HOtOOOOOO
130.00('000
150:000*000
180:0004000
Para qualquer explicacao, dirigir-se na praca
Aripib u Usina Bosque.
TINTURA POMADA
NICA TNICA
DE FILLIOL
IBSTANTAJIEApui. MTka.
M aa rUm. mi pr^uv>
a lanfw.
Dfc FILLIOL
aoaaoawn duwaai
DrmocM
COr primitrra
Precisa se de omw, para cosinhar em easa de
familia e que seja de boa conducta ; na ra do
Imperador a. 73, 3- andar.
E barato
Alnga-se na Boa Viagem ama easa com cas-
tantos eommoaos, parto da estacao da via-ferrea e
des banda ; a tratar na ra larga do Rosario au-
mero n. 34.
Antonio Duartc
A elle aates qae ut acabem
Justo Teixeira & C., succ. ssores, a roa da Pe-
nca n. 8, tem am frrande deposito de qoeijns fren-
os, ane vendem a S00 rn ckilo e tambera a 600
ris !'! para admirar tal conveaiencia, pois sao
de superior qoalidade e acahou de chegar, proce-
dentes de Patos e Serid.
Ba da Penba n. 8, Justo Soccessores.
Desapparecimenlo
Tendo desapparecido na dia 28 da ra da Im-
perara urna cabocla de 11 annos e de nnme Jose-
pha, pede-se a pessoaque encjntml-a queira ter a
bondade de leval-a a dita ra n. 8, 1" anlar.
'< *ua Rantel
D. Mari Francisca de Alcntara e Joao de
Soasa Rangel Juuior, seus filh-js, parentes e ami-
ga, agradecem do intimo d'aima todas as pes-
soas que auxi iaraui e dignaram-se de acompanbar
..o cemiterio publico o corpo de seo esposo, e nai,
Joao de boma Hangel; e de novo as convidara
para essistirem a missa de stimo dia, que sera
celebrada em 3 de Set-mbr. vindouro, as 6 horas
dx roanha. na greja da fonha.
Bo importante sitio aam i xcellente casa terrea de-
aeudencias para criados, estribara, jardim a
muitas arvores fructferas roa Imperial n.
150, fr-guesia de S. J>e, inventario de O.
CalixU Frrnc-isea dn Quciros.
Unia felra f de Metembro
A's 2 horas em ponto
No armazem ra do Vig^rio n. 12
4lug-se
O 1* andar do predio n. 36 4 roa de Paulino
Cmara, est limpo. e tn seo. Trata se roa
da matris da Boa-Vista n. 28. 2* andar.
Precisa-se de orna ama para cosinhar no
Pat>-o do Terco n. 18, venda.
Jom Gnlitirrsne l-ulinaraeo
O padre Antonio Fiancisco Goncalves 3uima-
rSes (ausente) e Antonia Guin-res mandam ra-
sar orna iniasa na ordero teretira de 8. Francisco,
Ss 8horas da manha dj rtia 31 do corrente !'
anniversario di falle, imento deseo saudosu irino
J s Guilberm. Gumaraes, CDvidam es seus e os
amigos do tinado, nt.vipaud lhes seus aerade-
cimentos.
asaflsfinl m rarlai muai. 47, ni TUiaa, tUM
to *nwauKC8 : TSUM- M. da AI1.VA O.
Extracto de Malla iUm
Prsparada
DE
ni itoi .ns m:i.N. OBUUCOS BE LOMMW8
Um podeiofoagiut- digesaivL e acimilativo; um
alimento nurntivo, eapecialmente adoptado para
os enfermos e nao; om grai de soccedaneo do
aseite de figado de bacalhn.
O Extracto de Malta de Kepler ou alimento
perfeito em i mesmo e contera todos os principios
digestivos e nutritivos da eevada, to paospba
tos, maltosa, destrina, albura na e o importante
quaoto poderoso uccoaeono di|,'estivo chamado
Diastase,podendo-se assim iliser que com a m
trodoccao do Extracto de Malta, como agente tbe-
rapeutico, se ha produzidc orna revolocao no trac-
tamento de jertas entermidades da nutricio, ope-
rando especialmente na oyspepsia, ulceracao do
estomago, caera do estomago, debilidades, con-
valecencias de enfermidadea agudas, vmitos e
gastro-ententes das enancas, marasmos, affsecoee
iscrofu losas, tahercu losas, etc.
i asea elepoaae
34 -Ra do Rosario-34
Pharmacia e Drogara
A'uga-se barato ~~
O 1 andar do predio n. 45 roa estreita do
Rosario, com muitos bous eommjdos para familia,
moito fresco, pintado de novo, e a loj do mesmo
preaio, muito prupria p.ra um b>m estaoe ecimen-
to de nimbado* ou deposito de movis, est muito
hmpa : a tratar na ra Duque da Caxias n. 85,
oja.
receben directamente do Porto vinho verde, dito
do Dooro, saipices de furoeire, ditos em calda, e
vende par preco mdico :ro seu estabelecimento,
roa da Untao a. 54, confronte a estacao.
~t
0 riiko ion
Proprio para mesa
Joao Ferrefra da Costa, nico importador deste
excellente vinho, acaba de recebar urna nova re-
messa, que resol ve vender ao sen armasem de mo-
lhados i rus do Amorim n 64, em pipas, barra
de quinto e de dcimo ; o que avisa aos Sis. re-
talhedores que deaejarem propor venda este de-
licioso vinho.
Industria nacional
Aleool de canoa rectificado desinfactado, cog-
nac biasileiro (agurdente de canna desinfectada),
obtidos por A. M. Veras & C
Alugael barato
Aroga-se o segond-> andar roa da Roda a. 17,
com excellentes coc.modos ; s tratar no largo do
Mercado n. 12.
ima para lavar e engommar
a tratar na ra do Aragao
Precisa- se de urca
numero 35.
o covado.
Lindas alpacas de cores a 320 o corado
Sintos de cbagrem a 1)5500 um.
Camisas inglezas a 36)J005 a duzia
Colarinbos e pasaos para eenhora.
Sabidas de baile 34500 ama.
Fechus de 1S a 20, 20500 30 e a 80000
am.
GaarnicSes de crochet a 80 e 100001
ama.
Lenooa de eeguiSo a 20SCO e 30500 a
duzia.
Orando sortimento de madapolode 40
a 100000 a pe$a
Leques de papel 500 rs. om.
Cortes de cachemira para vestido a 200
am.
Toilet para baptisado a 90000 e 140009
am.
Veludilbos lisos, lavrsdos e bordados a
retroz a 10000 e 108(>O o covado.
Anquinhas a 10800 urna
Colchas bordadas a 50, 60000 e 70000
ama.
Cobertas com dous pannos a 20800 ama.
Grande sortimento de case iras, brins
brancoss e de cores, puncos, colarinhos,
gravatas, meias e lencos e artigos para
boraem e senhora.
S na loja da Revoluto
_HenrN|Be da Silva Moreira
Livramento & C.
vendem cimento port'and, Jmarca Robins, de 1
quaiidade ; no caes do Apollo n. 45.
Colarinhos e punhos de
sellnloide
Carlos Sinden receben pelo ultimo vapor, e
vende baratistimo ; na ra do Bario da Victoria
numero 48.
Circular
LIQUIDAQO
DE.
Venderse por tato pr>Vo, a reUlho, todas as fazendaa existentes na loja ra
d* RaDgel n. 53, para acabar J
O club I iterar io Krt i Caneca convida aos pa-
rentes e amigos do n-aocio Jos Curio pra assis-
tirem a mista que pea alma do mesmo manda ce-
lebrar boje, trigsimo dia d > seu passamento, na
grr ja da Penha. 7 hora da manha.
Fumo carioca
Preparada pela acreditada fabrica do Eio, de-
nominada Pout.- Li-npa ; vende se em oacetinhos
am todos os estabelecim^utos u ; relalho.. Uaico
depi-sito. na fabrica Venesa, rao da Conceicao
nmeros 4 e 6.
para todas ou rlellora dr qualquer
dtalrirlo reda ootilic
Todos a pos os para a luta forera qoe iota ?
Naturalmente re.-ponderao, ele>toral qoe st a
bater i porta, e id p a nossa vea l> moramos
qoe nao de tal que ref nmo-uos, e sim a da
vida, pela qual sua-ae atoante em tempo de ca-
lor, e ento off racemos os bons o commodca asi-
larinbos de borracha e tambem punbos, nicos
DAY& MARTIN
forntesdors de Sai Mtjmttdt i Btinht t Ingltfrrt,
do Ezcrcito < tfs tttrinti brtttnnKi.
GRAIXA BRILHANTE LIQUIDA
GRAIXAe,PASTaUNCTU0SA
OLEO para ABBEI0S
EUiaoi)eneoessarii)Mraimnut6(i{ioo couro
sos todas as formas.
qae resistem aos soorea trios
atrpelos eleitoraes : vendem
C-, roa Duque de Caxias.
pilhas.
eui occasio s de
Ptvro Autu es t
Vende-se estam
tl
Compras por atacado
O IN-lK.rnl de tambara
tem presos especiaos para a tundes que compra-
rein grandes poreftes. Distribom se i m reseos a
qoi m os pedir, contendo as con Jicoes de venda :
na roa do Mrquez de Olinda v,' drogara dos
I aicos tigentes e depositarios g rasa
Francisco M. da bi\ a fj C.
DBPOS1TO GERAL EM LONDRES :
87, High Halborn, 97
lo ferointam : rBite> %. Bi SLVa. & C"
PIULAS
DB
JURUBEBA
BARTHOLOMEOsC"
Ptarm. Perrambuco
\Curo as SesSea, e todas as VaM
iutennlttente.
S ANNOS DE SUCCISSO.'
igruKtaxm,,
^E-
x ai
7?tjte**~e~:
^
^

f
4
i
i




Diaria de PenroinbircoTerfa-fofra 30 de Agosto de 1887
IPII.DLAS DIGESTIVAS DE PANCREATINA!

de
Pharmaceutioo de Io Ciaste, Forneeedor dos Hospitaes de Pars
A Pancreatina pregada nos hospilaes de Paris, o mais poderoso i
I digestivo, que se conhega, visto como lera a propriedade de diferir efj
tornar assimilaveis nao smente a carne e os corpas gardurosos, mas*
[tanibem o pao, o amido e as fculas.
Qualquer sue seja a causa da intolerancia dos alimentos, alteracao, oul
I ausencia de sueco gstrico, inflaiuoiaciio, ou ulc8Fa?0es do estotnugo, oul
ido huestiiio, 3 a 5 pilulas de Pancroatina de Defresne depois da co-j
Imida, sempro aJcancam os melhores resultados a s3a jie:' isas prescriptasj
Ipelos mdicos contri as scguintos affeccdes:
Iraltri de appetite. f Anemia. j Gastra'-^*!!
'Ms dijc j-o- i Diarrhea. (i "S-
Vomito,. I Dysfciu..,d. ii,w, -o figado.
Flacuiencia estomacal.j (jastiales. bmmacjrui.iut:.to.
(Somnolenciadepoisc':comer,evcmitosqeacompaiiham- a gravidez!?
(PANCREATINA EFRESNE em frasquinhos com a dase do :i ;. colhe-l
tsinhas dppois da comida.
I Em ca de DEPJSESPTS, crator da PepUana, PARS, e n I -.sea j
FiS D FERRO
CARDUZO IRMAO
Ra do Sarao do Triumpho os. 100 a 104
Deposito a raa do Apollo ns. i c 2 B
Tem sempro era deposito todos os roacbinismos e ferragens precisas agricul-
tura desta provincia, como sejam : vapores loeomoveis, sean fixos, com caldeira
ehornis ou para fogo de assentaaeoto, rcoendaa de t3do8 os tamaahcs, tachas batidas
o fundidas, etc.
Mandam vir por encororwndi qualquer rnachinistno, encarregatn-se de sental-os
se re spnsabilisam pelo bom trabalbo do roesmo.
Vendem a prsao u a dinheiro coro descont e a precos resumidos.

SAUDE PARA TODOS.
UNGENTO HOLLOWAY
O Uneoento de Holloway im remedio Mlivel par 01 males dt persas e do peito 4 tambem au*
as ferida* antigs chagas e ulceras. E lamoso para a gota e o rheumatism e para todas as enferou-
tiades de peito na se rtconhece egual
Para os males de garganta, bronchites resfrlamentos e tosses.
Tumores Das glndulas e todas as molestias da pelle nao teem semelhante e para os membroa I
contrahidos e juncturas recias, obra -orno por encanta.
ssas mtdidnas sao preparadas smente no Esubdecimento do Professor Holloway,
78, 5EW OXJOED STREET (antea S3, Oxford Street), LOHb&ES,
E vndanse em todas as phairaaci* do univenow
' Os cssnpsadores slo convidadas iiss ilimiii im a nsmiasr os rtulos de cada caixa e Pote, te nao teem
dincoao, 533. Osrd Srset sa= talsioeaooss. _^_^_^_^_^__
J
<>
DE
WOLFF& C.
N. 4BA DO CAIGA'! i
iVest m 11 fo conhecido estabelecimen-
to eocontru r rewpeiiuvel publico mais
variad* corr.pleto sartimento I* JOIAS
recebadas sempre directamente da* aielho-
res f..br!cantes da tiurepa, e que primam
pelo apurado asta do mundo elegante.
Rico* dereeas completos, lindas pulsel-
ras, Hiaetes, volca de ouro cravrjadas com
brilhantes, ou perolas, anaeis, cacalotas,
baldes e eutrss muitos artigas proprio
dea te generes.
ESPECAUDAOE
Esa relogio de ouro, prata e nickelados,
para bonaens, senhoras e meninos dos mais
acreditadas fabricantes da Europa e Ame-
rica.
Para todos os artigas desta casa aran-
te -se a boa qualidade, aasfan como a modtel-
dade nos preces que silo sem competencia.
Vcftta casa tambrm ceneerta-se qual-
quer obra de ouro ou prata e tamben relo-
gias de qualqucr qualidade que seja.
4--RUu do Cabug--4
m
f
#>



TNICO FEBRFUGO REGENERADOR
VINHOooSJOHANNO
Quina, Coca, Extracto de Carne e Hypophosphito
Recommendao-no nos casos que aecessltao tnkeoa para rooonatltntr e roceaerar
o organismo arruinado por molestias, cessos, natureza do clima, Anemia, Csnoroau.
Amenorrbea, Cachexl, n*u bvtmeo, que tanto arruinao a saude das muineres,
Pobreza de Sanane, rratrneaa twtl, PeblUdade, etc.
H.VIVS,roult,80, Boulavard de StwTjour^^omPABIS
n: V^i
SANTA CATHARINA
5O:00O$000
IMPORTANTE PLANO
f "Esta loieria corre no dia.....de Agosto
Billictes venda as Casas do eostume.
ADMlNISTRACiO : ^fc
PARIJ, 8,BouUard Montrnartf, PAJUZ
PaSTTLB*8 digestivas fabricada en.
vichy com u Si' cxtrahulos AatPo*tet. sao
de aosto agraii vel e a na accSo sOrU con-
___tra a A zia e as DigestSa diffice.
NUU WtlHOS. Um rolo para um Lanbo, para at pessoas que nio potMakr aTasby.
w* evtUr tu *mtta;6tt exw f* todos os productos *
TVI-A-ROA "DA. OOrvLI. DB VIOHY ._.
r.,s-r..... hio-MSSi (i-- U RAP.ISMEWtlT t I-ABOJA. H -
IsaBKlMIrTMll
fonoutHim,
Fia ra i.* de lf0 n. 20 (tato ao Leuvr;)
APEOVEITEM!
Alta aovidisde em cambraiae de cores cooi salpicos a 5jKX)CV a ]eca.
Ditas brancas a 5#OO a pe^a.
Merinos de cores coa duas larguras a 750 rs. o covado.
Cachemira de lisrpaa, ultima nowidade, a 400 rs. o corado.
Gorgorinas com palmas de efirca a 440 ra. o covado.
Metins de efires, lindisaiaes deseobos, a 220 e 300 o covado.
Rpnda branca da India a 240 rs. o covado, aproveitem 1
Fuetao branco a 400 e 700 rs. o covado.
Zt-pbires de cores a 240 rs. o covado; pecLiacha !
EaguiSes pardo da linho a 360 ra. o covado
Parcflea de corea a 240 rs. o covado.
Grande oortimento de cretone a 280, 320 e 360 rs. o covado.
Completo Bortimento de las para vestido.
Creps de cores, do preco de 800 rs. por 360 o covado, pee hincha I
Bramante de linho, com 10 palmos, a (5800 o metro.
Dito de algodao, com 4 larguras, a 800 e 1)5000 o metro.
Panno da Costa de listras a l,JO00 o covado.
Dito de tito de quadros a 1(J200 o covado.
Atoalhado braneo, muito Urgo, a 15300 o metro.
Guardanapos de liuho para cha a 2^800 a duaia.
Ditos de dito para jntar a 5,5000 e 65000 a duzia.
MadapoKas a 4^000, 45500, o^OOO, 5*500, 65000 e 75000 a peja.
Algodoe de 35UO0, 45000, 45500 e 55000 a pet^a.
Espartilbos fioiasimoa e muito lommados, a 55000 o 75000, um.
Leques transparentes a 25500, um.
Fichs de linho rendados a 25000 e 25500, um.
Bordados lpades e transparentes a 500 rs. a 25000 a pega.
Cortinadoa bordados a 75500 e 8000 o par.
Lences de bramante de linho, omito encorpado, a 35000, um.
Cobertas de gangas com dous pannos a 25800, urna.
Ditas de chita com dous pannos a 35000, urna.
Chambres para hornea, a 55000, 65000 e 75000, um.
Toalhas felpudas para baubos 15500, urna.
Ditas ditas para rosto a 55000 a duzia.
ARriGOS PARA HOMENS
Palitots de aeda-palha a 85500 um.
LindiasiaioB cortes de case miras para costumes a 195000.
Ditos de casamiras com mselas de seda, para caiga, a 65( 9 e 105000.
Grande sortitnento da cheviots, casemiras, pannos pretos e de cores para costu-
mes, por precos sean compeioacia.
E nauitos outros artigos oomo sejam : camisas de linho, de flanella, collarinhos,
punhos, grvalas, meias, oeroulas de linho e de algod&o por precos razoaveis.
Para banlios de luar
Costuaes para senhoras a 10000, um.
Ditos para ho-naas a 85000, um.
Ditos para meninos 55000. um.
Sapatos e boleas para o mesmo fi'n.
AMARAL & C.
ES Prrwtml ucc : ^,.
ULteStnaS
Este Nr.DIcaHEJiTO de nm gusto agradavel, adoptada com rrande exiu na
Sais oe ao uim pelor melUois MetUcos da Pars, cora os Dtfluxot, *nps, Tims,
V narefa C*nr, mf- ** de a dea TW mrm, I Lotera da Provincia
A cha se venda a 10.a lotera a bene-
ficio dnS. Casa d Misericordia do Recife, qne
ter lugar no consistorio daigrcji de Nossa
Senhora da Conceipao dos Militares, onde
estar expostas as espheras em orden? nu-
mrica, para sercm examinadas.
XAROPEd reinvillier
i pola Aotdemia da Madiolaa
mjama t U0M1 Bnti ,.
ro
O Ifeospbato de ei S a substancia mineral mais abundan* do organismo teda toi at ana
qnanSdade normal dlmlm resuiu urna aaeccao orgnica graTe. "-------
Mais de cinco mil curas, a mor parte vtrfada pelos Professorea e Mdicos das RieoMades
torio obUoas ltimamente e flzero com ^ue o Xjmp* do t> Reinvillier fosee el mimo
Oomo o especifico mais seguro COQira a Tsica pulmonar, aranclilto cbroalca, Svaesata,
Bactaitltras, DebllldaSe do Orsranlsmo. 0 tarop do if Beituvitltor adnunaatraao
otariamente as cr'au^as facilita a denUc e o cresclmento: as maes e amas de le) toraa r
Mte fueltior; impede a oarie e queda dos deuU-s tao frejueafcat depois Pipa lito: Pharmacia ?Tr JTOUB, 8, Plao da la Magdalelna, VAXZX.
Bm Pernanbuev : FR.*lf M. da Hit. VA % C, mi prtmipf f'-m]ijj_0fO|tH
BOA ACQUISICAO
A grande moda eJa exprsalo do bom gosto em artigos de novilaie encontra-se
presentemente no LOITRE grecas a perspecacia de escolha de m dos socios,
que se acha actualmente em Paris e mui conscientemente convidamos as Exraas. se-
nhoras urna visita ao nosso estabelcimento offerecenda esp3cialidades aproveitaveis,
como sejam :
Rendas bicos largos em differentes tecidos o cores diversas, por precos sem
ompetencia 1
Luvas de seda, de core*, bordadss para senhoras, grande rovidsde !
Plastrnns de cores, escolha aprimorada I
Toile d'Alsace em cortes de 21 covado, mui lindo!
Mantilbas andalusas, grande pxposiyio.
Em liquidado para acabar!
Popelinas de seda a 500 rs. o covado I
Dinas de Lyon a 15000 ocovado !
Bordados estreitcs a 500 a pee* !
Toalhas abochoadas a 35500 a duzia I
Atoalhado de linho acamas tado a 35500 a vara !
Romeiras visites e casaco de cachemira de 255000 a 405000)
Setim Duchessc, muito largo, a 15200 o covado.
Brim pardo liso a 320 rs. o ovado I
Bardados du cores, de 5 varas por 25000 a per;a !
Pellucia branca de algodSo a 500 rs. o covado !
Tecidos transparentes pnra soire a 5K) rs o covado ; nproveitem
Las de quadnnhos a 300 rs. o covado 1 e muitos oulros artigos quo se acham
em exposicSo.
NO GRANDE ARMAZEM DE
Misto liitmi k
4 Ba i: de Marco i, 20 A
GASA -OE CONFIANZA
in mu &
RHa Io de Marco n. 0.
i'artnjpam ao respeitavel publico que, tendo augmentado ees
Betabel -i i asento de JOIAS com mais ama seceSo, no pavimento terreo,
com esp'vtssiades em artigos de ELECTRO-PLATE, convidam as
Exraas. familias e seus numerosos freguezes para visitar seu estabele-
cimento, onde encontrar2o um riquissimo sortimento de joias de ow 3
prata, perol.s, brilhantes e outras pedraa preciosas, e relogios de -aro,
prata e nikel.
Os artigos que recebera directamente por toaos os vapor s2o
executados pelos mais afamados especialistas e fabricantes da Europa e
Sstados-Unidos.
A par das joias de subido valor achanto urna grande variedade
ie objectos de ouro, prata e electro pate, proprios para presentes de
jasamentos, baptisados e anniversaries.
Nem em relacao ao preco, e neui qualidade, os objectos cima
mencionados, encontrarlo concurrencia n'esta praca.
SUSPENSORIO MILLERET
Elstico, sen Corddes
Para eritar as caatrafaciea
' Exifir a marea io Inventar imprimas
em cada nupmmrit.
Meimt para Vmrizes
DIpusB Tecidoi Isiticoa slgvsu a tUs,
MILLERET,
FUNDAS MILLERET
Saaa annarat rmmm** >
sm sTsaNstsu atMitasniesu i
svu fxMStas imnirm, '*r'l
comer s hemim* e fuebradurat 1 mait*
SjOaav
CIITRiS P4BA i EUMi E 0 IHBIM.
LE GONIDBC, Saoeaaaor, -49, ra t.-J- Roaaaaau, PAMIS
DEPSITOS RM TODAS AS PRINCIPIES PH&BUACIJlS
Venda de sitio
Vende-se ou permata-se por predio nesta cida-
de um bom sitio com boa casa, muitas fructeiras,
excfllente banho do rio, boa agua de cacimba,
pxfensao de terreno para baixa de capim, to lo
murado oa frente, com rortao e gradeamento, com
caminho .e ferro e eataQo junto ao dito sitio, no
Porto da Madeira, conhecido pelo sitio do Joao I
Selleiro, junto ao Dr. Erne-to de Aquino Foose- .
ca : quem pretender dirija-se pra$a da lude- |
pendencia n. 40, das 11 horas as 4 da tarde.
JWftfcEdeBUCHl
."A TOCA! AO
lo
VINHO GILBERT SEGUIIN
a^iprovado pala Aoadsmla da l^ediolria, da yrsvn jm.
AIS DI SES8ENTA ANNOS DE EXPERIENCIA
Vinho de ama efficacia 'ncontestavel como Antiperodico para cortar as jfekrtm,
e como Fortificante nu Convaleace>*?''* Itebiliilntle to Satiaue,
Falta efe MenutruacAo, Mnappeiencia, MaestSe difiiceU,
Enfertnidade ervos***, itebilidadt*
Pharmacia G. SEGUIN, 378, ra Saint-Honor, PARS
Dept>sii.'i FRAN M da SiLVAtC'.
MtJaaji#>Afi*afv""~ >aawr*jta0)n>^ajamjlaa*aasa^sija
Diariiimente debate-se na imprensa a crise
aterradora porque esto paseando as provincias
do norte desie imperio ; sao innmeros os recla-
mes de todas as clasaes, sem que sejam atteudidos
os seus justos pedidos, de que se gioriam as na-
ces civilisadaa.
E para que se poasa dar impulsos aos desejados
progresos que certamente trarao o bem estar de
todos, resolveram Martina Pires 6i C. estabele-
cid( s com armaiem de molbadcs roa Es-
treita do Ros-rio ns. 1 e 2, a vender por presos
mdicos os artigos conceroeutes ao seu- ramo
de negocio, que cerlamrnte cmstitue urna eco-
noma diaria e onde su acha um completo sor-
timento dos seguintes artigos, que pela sua qua-
lidade e presos sao recommendaveis, codjc se-
jam :
Vinhcs finos do Porto
Madeira
Sherry
Chamberlin
Bordeaux
Moscatel
Collares eBucalas.
Completo sortimento de cervejas, cognac, bitter.
licores, doces, bolachinhas nacionaes e eatrangei-
ras.
Queijos frescos do serto, pralo, Miaas e fls-
mengo.
Aseite de coco, mate do Paran, foraicido ca-
panema.
Precos sem competencia.
Ns. 1 e 2Ra Estreita do RosarioNa. 1 e 2
Martins Pires & .
WHISKY
ROYAL BLEND marca VIADO
Este excellentn Whisky Eocoas-)z pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de canna,
para fortificar o corpo
Vende se a retalbo nos melbores arraa-
zens de molbados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO
cujo nome e emblema sas registrados para
todo o Brasil.
BROWNS & C, agentes..
Cobrado a vender-se
Vende-se o sobrado n. 87 roa da Aurora, em
frente a ponte do Santa Isabel ; quem pretender,
pode entender-se com o errector Pedro Jos Pin-
to, na praca do Cimmercio.
Chf preto superior
Carlos Sinden receben pelo ultimo vapor e con-
tina a vender sem competencia ; na roa do Ba
r$o da Victoria n. 48, loja de altaiate.
Terreno
Vende-se nm terreno confronte a estaco i
Principe, estrada de Joao de Batros, com 90 pal-
mos de frente e bastantes fundos, e rom alicerces
para 3 casas; tratar na roa d'Apollo n. 30, pri
eiro andar.__________________________________________
Attenco
Vende se poj preco commodo um bom chalet,
defronte da esta(o de Parnameirim, acabado de
novo, e eom todas as accommo iaooes, sssim como
urna casa ua ra do Amparo n. 6, em Olinda, com
2 janeas e 1 porta, 2 salas, 3 quartos, cosinha
externa e quintal murado ; tamben tem para ven
der nm boaa piano qaasi novo, de tres cordaa, de
melhor autor, e outros objectos : a eutender-sc
com Maximino da Silva (Jusmao, em qualquet
iug;ar em que o mermo se achar.
Silio no Arraiai
Venae-se a casa terrea com 7 quartos, S satas,
sosinba, qoarto eom banho de ehuvisco, depen-
dencias para criados, cacimba com incito boa
agua e bomba, um lindo jardim, passa um riachi
pelo centro do sitio, lendo urna pequea ponte
com bancos para recreio, arvores fructferas, co-
queiros, laranj. iras, aapotiaeiros, mangneiras, ja-
queiras e outras diversas, ra da Harmoaia,
dividindo com o sitio do Sr Baduem : a tratar
com o Sr. Domingos Gom-s C rreia, na casa atoa-
nlla, ou aa roa da Paz u. 42.
i vrwcuuannm
Gawro clvoco a Jaxiga,
trrittrt* to Canal da antro,
Molestias aa prstata,
stcoatifdacia t Urina,
Arela na urina, ote.
, 3WAN1$, Pharoiaw.utJca-Chimiao,
'SSt.?^ SDA CAATWay, 5, t&S^^
Fio de algodao da fabrica Catilina
A mura, da Babia
Vendem Machado & Pereira, ra do Impe-
rador n. 57, por cemmodo preco.
A FLORIDA
Duque de (avias a. IOS
ADMIREM!
Cintos modernos a 15000.
Luvas do pellica a 25500 o par.
dem de seda a 25000, 25500 e 35000 rs.
o par.
Fitas de velludo a n. 9 a 65000 r>. 5 a
400 rs. metro.
Albuns de 35000 at 85000.
Ramos de flores fina a 15500.
Luvas de escocia para menino, lisas, e bor-
dadas a 800 rs. e 15000 o par.
Porta retrato a 5U0 rs. 15000 15500 e
25000.
Anquinhas do 15500, 25500, e 35000 urna.
Plisseis de 2 a 3 ordem a 400 rs. 500 rf.
e 600 rs. q rpetro.
Pentes para cc com inscripcSo.
Enchovaes para baptisados a 85, 95, 6
I25OOO.
1 Caixa papel e 100 envclopes por 800
reis.
Capellas e veos para noivas.
Suspensorios americanos a 25500*
La para bordar a 25800 a libra.
Estojo para crochi-t a 15O0O.
Bicos de cores col 2, 3, 4 dedos de lar-
gura a 35000 45000 e 55OOO a peca.
Lindos broches a 35000 15000 e 500 rs.
Leques para menina a 200 rs.
Linbas para machina a 800 ra. a duzia.
Garrafa agua florida a 800 rs.
Leques com borlla a 800 rs. um.
Bicos brancos para setinota, creione o chi-
ta para correr babados a 15000 15500
a peca com 10 varas, e barato.
Albuns de chagrn, velludo e 'elbotini
para 50 e 60 retratos a 65 75, a
85000 um.
Meias de escocia para senhoras a 15500 o
par'
Lencos de linho em Lindas caixas.
Bicos das ilhas muito fino proprio para toa-
lhas e Saia8.
dem br ancos com 5 dedos de largura a
35000 a peca com 10 varas.
Caixas com sortes de jogo de mgica pro-
prios para salan a 55000.
Sabonetes de diversas qualidades a 120
200 e 500 rs.
Boleas de couro para menina de escola.
Grande pecbincha em espartilbos de linho
35OOO um.
Lindas pastas de 500 rs. 15000 25000
35000 e 65000.
Carteiras para guardar sedulas de 105000
a ce tu.
Ditas letras com os repartimentos de Ja-
neiro a Dezembro.
BARBOZA & SANTOS
DOENCASdoESTOMAG
OQESTOES DIFFICIII
Dyspepsias, Gastralgias, Anemia,
Ferda de Appetite, Vmitos, Diarrhea,
Debilidade das Criangas
GUSA SSOSA B UPi'A PELO
ELIXIR GREZ
TNICO-DIGESTIVO
eom Quina, Coca t 1'epnina
[ Adoptado em todos os Hospitaes
MEDAIHAS RAS EXP0SIC3ES
I PAlIS,r.UBnjre.34,eeD todas as Phanuciai.
aa.v!I.*|S DORES 060^^^
JIPA roas-tro BocaraMdos !J'w^*jw
** IlUadp.poPastadentifrioios r^%
RR. PP.~
rarriaaaOTUMLttD
a Abbadia de SOTJLAC (Gironde)
DOS MAGTJTtOWITE Prior
2 "M "^P a. t -1-T A d US OUBO
aruellM US iMim MM
A mate ettemm reeatnttensms.
iNv....iAQOt|>-aa
OssjaojasbsT'sriidBil
DeaUTrlelo doWK. rr.MPr
neaictiaoa, ooau Uasc S aja
^cura* acfu^Srss^Sitea,
branqueceo, fortaleceni
aan^g, ijwsjitjs p,
c restiswr wau erqpdBse
servlco, ^SAgnalaoir. ajje nossos
aa^ssto anig twtBRisao
Aatt-se mi faJHM Boas tr,mns), PharmaOn$
i Drogan,,.

1 sIGIVE 1
i


'r
#.!'W W "V"
8
Diario de Pcraanibnc--Terca-feira 3Q de Agosto de 18S<
S01ENC1AS
Berogllpb** itatcoa e limeriprei
multe
(Da edicdc semanal do Times)
(Conclusao)
Deixamos do lado os captulos respecti-
vamente t Connexlo cypriea, a Egypeiaca
c a Canaanita que serlo reconheciias
como de grande impjrtaacie pelos especia-
listase outras counexo'es ; nao porque
tejara deficientes de interesa:porque, se
as conjecturas e suggestSes do capitlo Coa
der slo bem fundadas, parece provavel que
essas inscrpjoes altaicas revelarara affiui
dades sobremodo philologcas e etbnogra-
phicasporm, porque dispomos de pouco
espajo. Devenios, no emtanto, fazer no
tar as seguint s observajSes sobre a alle-
gada existencia de mu Imperio Ilitti-
to j completamente esquacido.
Sempre me pareceu que a theoria de
mu < Imper! oto te baseava em
fundam- nto uigura solido. Si tivessemos
descobcrto que os hittites pertencesseni a
alguma raya distiucta, a theoria poleria
ser anda nec icaria; porm, tal nao suc-
cede. Nos i.-unumentos apresenta-se os
hittites to smente como urna tribu pode-
rosa e civilisada da Syra.
As tribus d\ A=ia Menor nlo tinbam
esse Dome. Ma iba nao temos noHch
do Imperio Hittite. porm, somente dos
chefes da regiao Hittite que era a Syria
Septentrional. Heruiotos nao podia ter
objecjao pessoal aos hittites, porm, cer-
tamen^ uunea nos falla dellcs como cons
tituindo imperio, o o mesmo suecede com
todos eseripiores antigs.
Este imperio nlo eslava, no emtanto,
esquecido, porque nunca existi. A ques-
tlo pode parecer muito secundaria, porm,
pens que urna das raz3es porque os textos
nunca furam previamente traduzidos,
porque nao se reeonheceu serem altaicos,
e tambem porque os hittites eram consede-
rados como um ramo distioeto.
O seguinte o summario que o capitlo
Conder d de seus argumentos e conclusao,
e da evidencia da ioderpretajlo por si pro-
posta dos textos altaicos :
1. Baseando-me na compaarajlo do
professor Sayce, em 187ti, do cyprico e
hamathito porm, com o auxilio de ami-
tos texto cypricos, at entilo desconhecidos
tenei mostrar que 21 sons dando 21
palavras, todo do dialecto proto-medio ou
akkadio, pode ser identificado com os tex-
monumentos egypciacos, e com approxima-
goes intimas dos textos mgicos dos akka-
dios. Em seto casos principiam pela pa-
tarra En (oracao ou encanto), que encon-
tra-se no cornejo de tantos dos textos
akkadios j conhecidos pelo cuneiforme, e
as orajoas em varios casos terminam com
variaj3e8 das palavras qua no akktdio
corresponda a Ammu, ou Amen, na tra-
ducjlo do assyrio. Bertin notou a diffe-
ronga de assumpto entre as inscripgocs
akktdia e sumeriana. No akkadio, diz o
subi, temos recordares histricas, encan
tos e hymnos. E' natural que smente as
reminicencias rnais antigs devassem ser
mgicas, e nos lembram cvilisajlo sme
lhante dos povos selvagens monglicos
da epocha actual.
8. A decifrajlo materialmente- adian-
tada por urna comparadlo dos hierogliphi
eos com os antigos aymbolos cuneiformes
que se conbece, e que se approximam das
formas de emplomas hieraticos, qua se en-
contrara cm monumentos e specialraante
em um da Babylmia. Esta coinparajlo
nuaca foi, creio, tentada antes, e na ver-
dade seria muito difficil si nao fosse a iden-
tidade desta pesqu'za a i lentifi :ajlo fri-
sante dos emblemas para o fogo. Em
mos de especialistas, a comparajlo assim
iniciada pode tornarse susceptivel de com-
pleto desenvolvanlo.
9. O par-JIelisrao observado entro os
stemas fcltaico e egypciaeo nao arbitra-
rio. Repousa sobre b se scientifica, e con-
corda com semalhanjas observadas por va-
rios sabios entre o cuneiforme e o egyp-
ciaco.
10. Estudando os nomes de res e c-
dades indicados em memorias egypcacas,
juigamo-nos habilitados a mostrar que a
lingua dos hittites eram a mearoa qua se
encontra nos monumentos considerados, e
assim provar que os obeliscos de Hamath
e Carchemish sao com toda probabilidade
de origem hittite : isto combina com o mo-
do de ver do Dr. Wright, aposentado pelo
mesmo ba 12 annos.
11. A conclusao concorda exactamente
com a r^presentajlo egypeiaca dos hittites,
como raya monglica.
12. A distribuijao dos monumentos, a
oceurrencia do carcter em partes do Ni-
neveh, e em objectos da Capadocia e Ba-
bilonia, nao apresenta mais difficuldado.
A raja que os produzio, existi tanto na
Mesopotamia como na Asia Menor, como
c sabido.
13 A evidencia lingistica est de per-
craio que o professor Sayce que em
1876 descobriu oito sons, mais ou menos,
eom o auxilio do cypnco, o sobre essa des
coberta basea-se a minha. Porm ninguem
ainda conseguiu identificar previamente, a
lingua, a que essas sons pertencem : e o
professor Sayce nunca foi alem do que
suggerir sem dar prova detalhadaa
connexao com o gergico. Nao pretendo
dizer,que as miabas traduca sejara cora
pletas e fiaaes. E' uecessario eonheciraeu-
to especial para chegar a esse ponto, e
creio qua longos anuos ainda contaremos
antes de se obter esse resultado : porm
esp to por as naos 'los s tbios, urna cha
ve com auxilio da qual poderlo obter essa
solujlo definitiva.
Resta-nos, somente, citar um ou dous
exemplos das interpretaj3e3 a que chegou
o capitao. A primeira a da usoripjao
conhecida pelos sabios esmo tPedra Hv
math.n. 1, do que se tem padrao em South
Kensington. O capitao d primeiramente
a sua avaliagiio phonetioa e syllabica de
accordo com os ssus methodos. Segu se
depois urna tradcelo litteral que requer
coragam e pratica philologica para distu-
guir-se qualquer sigmficajlo, que seja ra-
eional :
Ia Oracao, cima -vse (plural)ndo.
Throno (ou santidade) (cima ?) espada-
corando e poderoso pira cora (ou para)
2. Re (intenso) minha adorajlo (Eri)-
por. (Pot ?) agua (correr ?) elle-ndo rei
reiespirito 1ercomo -ndo 3. Itka
kek me (Amen). Pode obrigar, (nuvem
correr ) agua ellepara.
Istc, diz o capitao Conder com alguma
razio, parece bastante brbaro, porm co-
mo mostrei em relaclo a quasi cada sym-
bolo desta psdra as paginas anteriores, a
coustrucclo propria de urna lingua ag-
glutinativa ; n as partculas prexas, af-
iixas e suffixas esto em seus verdadeiros
lugares.
Damos agora urna livre traduejao sug
gorila pelo capitao Conder, com as notas
do mesrao :
1. Elevando oraySas. Ao santissimo
cima, forte e poderoso. 2. AdoragSo pelo
mcu re (fazendo urna iibacSo ?) O rei que
o rei espirito (ou o rei da vida.) 3. Amen.
Faja a agua do firmamento (ou nuvem,
Pa-
mui-
fogo
A ti
tos'altaicos, sendo que o professor Sayce Ifeto accordo com o que colligimos na Bi
j determinou pelo menos oito desses
sons.
2. Entre esses sons estao os pronomes
pssoae8 c as partculas coramuos e formas
gramraaticae8 que slo usidas na lingua
akkf.dia.
3." A gramraati:a que pertence a esses
dialectos parece ser reconciliavel com a
occucncia desses symbolos nos textos sl-
taicos conhecidjs de llimatba e Carche-
mish, etc.
4 Essas identificayo.-s concordara exac-
tamente com os valores dos symbolos na
parte relativa a Tarryktimme, como foraro
determinados pelo professor Sayce.
5. A descoberta da linguagem torna
possivel dar valores phoneticos conhecidos
a muitos outros emblemas, por urna com-
paradlo com os valores ideographicos em
cuneiforme e egypciaco.
6. O resultado d-uos de ura modo na-
tural os nomes de nove ou dez das diviu-
dades adoradas pelos que escreviam essas
injcripsoes. Essas dvindades tom prova-
do ser akkadias em todos os tasos bem
conhecidosfacto que concorda completa-
mente com a theoria inicial, quanto n-
guagem, .
7." O assumpto das nssnpsoes e exac-
tamente o que deviamos esperar. Refe-
rem-si a estatuas dos deuses, e slo se-
ment invocado ;s, como a dos primitivos
blia a respeito das ragas canaanitas; econ-
diz perfeitamente com o que all se encon-
tra sobre a disiso de certas tribus egyp-
ciacas, e dos philisteus no sul da Pales
tina.
14 V-r-se-ha agora que o texto pode,
sem contrafazer urna syllada que seja, ser
arranjado de modo a dar um sentido con-
secutivo. Alguns textos breves, como o
que est atraz da cabeca do rei em Ibruz,
sao especialmente instructivos, desde que
a tradcelo pareja natural e conveniente.
15 O systema nao smeute rigoroso,
como tambora elstico. Elle d um valor
monosyllabico a cada emblema, porm,
applicavel descoberta de muitos ainda
desoonhecidos, representando palavras que
alo perteacem ao assumpto dos textos co-
nhecidos. Systema algum de decifrajlo
alphabstica raalisavel para 0 systema
hierogliphico. Sjb outro ponto de vista,
como O profaisor Saya o indinOU ha mul-
to tempo, os hierogliphicos nlo podiam ser
usados em lingoas semticas, porque slo
inflexionaos, e tal a razio da invenclo de
8yllabarios e alpbabetos.
16 Fiualmente desejo apresentar em
poucas palavras a parte que tenho na des-
coberta, afim de que nlo baja engao pos-
sivel Nlo reclamo ter descoberto os sons
pertencentes s syllabas ; o nico que po-
de pretender alguma cousa nesse sentido,
cahir ?)
Tudo o qu9 podara significar: orai alm
para o santissimo, forte e poderoso. As
sira seja o Senhor adorado com libajSes.
O Senhor, o Senhor espiritual. Ara-.-n.
(Ajs n nos dsse chuva ?)
A ultima parte duvidosa, e o estudo
especial pode melhorar muito este primairo
ensaio.
O segundo exemplo que damos o de
urna inscripelo, cujo texto j urna vez pu-
blicamos. E' annotada pelo capitao da se-
guinte maneira :
Litleralmente devemos, pens, 1er as-
sim: (1) Deus agua -mea (?)vem che-
fe aguade D;us. E a pa'avra para.
Sceptropegando--vem para (?) meu (2)
ser para. (Eu lhe elevajlo 1) faca ser.
Faja.. oferecendo agua rnesma oFcrta.
O mais santo cimasanto Aku (rei da
agua?) (3) offdrtafeita. Rei (intenso) (ma-
cho ?) para com poderoso para com cha-
mar. Rei (intenso) (macho, macho ?) Se-
nhor da luz Deus Ea como semelhante &
Deus (palavra offerta ?). .. Orajlo. Aa,
palavras para (exaltajlo para ?)
E' sena duvida possivel tentar se malho
rar esse ensaio.
Traducirlo llore
Appelio para o Dos A o magnifico Se-
da Agoa, Ea. En sua honra faco o mo-
numento para a sua elevajao. Ordeno que
seja offerecida urna libajlo. Ao mais san-
to dos santos Aku (forte ?) rei o poderoso.
Eu... offerejo ao (forte?) rei (forte?) se
nhor da luz para Ea como Deus. Urna
qrajao Palavras para a (exaltajlo de
Aa.)
Esta a traducjlo em substancia pu-
blicada no limes, excepto ser melbor pro-
vavelraente traduzir A como o nome dos
bem conhecido, e nlo como agua ou chuva.
Damos afinal livre tradcelo do texto,
qua o capillo Conder considera como o
mais distincto e bem preservado, que pos-
suimos, dos hieroglipnir-os altaicos. E. co-
nhecido por Texto Jerabis n. 1.
1. Orajlo do monumento de Set.
lavras poderosas para o fogo vivo, o
to alto... o divino.
2.. a... .(dosier?) Tammus, Aa,
vivo o mais alto descendo (propicio?)
forte Set...
3. O memorial () para. A ti. .e
Set grande do aga a orijlo do memo-
rial (j para (aceitas) O moiumadto de Set.
Tu...
4.. Dame vida d me forjas d-me a
tua baajo para o movimento da Set. Tam-
mus; Aa..., fgo vivo.
5. (grande protector ?) Ri de cima
desee proteger. Tu... Tu espirito de mi-
nha vida... o monumento em honra de
Ea... o monumento de Set...
Taes sao alguns dos resultados da gran
de tentativa phirologica do capito Conder.
Nlo podemos deixar de ciar como exem-
plo a aviso, a observajao importante e in-
structiva, que d no fim dj seu livro. Se
a theoria semtica das nscripjSaa hitties d
resultados tao devergentes, o que podemos
esperar da theoria altaica, quando for dis
cutida pelos sabios ?
Posso tal vez C3m vantagera dar as tra-
ducjScs previas de urna imcrijlo por tres
sabios diversos, que mo3tr?m qulo limita-
do o accordo existente.
Fazei cantos, toaai minias harmonas,
afim da que traten de curar-te. Teu feu-
do de meu dona, Sadi-dijah, do qual vem
orago s para os seus deuses no Ibano.
(Hebrea.)
Sou o Senhor poderoso, o re de Ha-
math, o principe do Bine Heth Adar Na-
hem, rei dos res dos Httites, filho de
Saph Hcth o ri. (Hebreu).
Diz o principa Tu ves. erses, o filho
d... rei rei dos paizes... o rei da regiao dos Hit-
tites, o poderoso... governador, filho de
Sandu Setue o ra (A linguagem nlo
definivamente fixada pelo autor.)
Nlo creio que jamis inscripjlo alguma,
excepto a celebre pe ira de Newton, tives-
so tantas traducjSes.
VARIEDADES
ser advagado, improprio pira a direojlo
dos negocios do paiz, e deve ser afastado
de l systematicamente.
Com effaito, todo advogado, depois do
dez anuos de exercicio de sua profisslo,
tem defendido quasi todas as quest3ea, em
seus sentidos os mais diversos e os mais
contrarios.
A essa velLa toada, que. denomina o ad-
vogado*o defensor da#viuva e do orphao
em respondo que era face" do advogato
que defenda a viuva e o orphlo, ha sem-
pre um outro advogado que os ataca, e
sem o qual nlo haveria necessidade de de-
fendel-os.
Sera contar alguns casos excepcionaes,
L'avocat C... D... tati un vieux mali.
Quidfendait la veuve... etfaisait l'orphelin.
No fira de tj loa os processos, ha sem-
pre um advogado, qu, pronunciada a sen-
teoja, se acha ter sustentado a mentira, a
injustija, o roubo 6 os crimes de todo gs
ero ; e como todos os advogados perde-
rara e gaaharam causas, acontece que to-
dos os advogados representa certo numero
de vezes esse triste papel; e que forja
de se adextrarera no desviar o espirito dos
jurados e dos juizss, os advogados acabara
por falsear e obliterar seu proprio juiz), e
tornara-se incapazes de discernir, mesrao
em boa f, o justo do injusto, o verdadei
ro do falso.
Cicero, certamente, nao suspeito de
uialquerenja contra os advogados e orado-
res de profisslo, e entretanto eis aqui o
retrato \ elevado sumoiidade do sua arte :
Sa acontecer encoutrar-se um horaem
sim aliquis extiterit, etc, que possa,
como Carnades, sustentar o pro e o con-
tra sobre toda a especie de assumpto, pro-
nunciar, na mesma causa, dous discursas
contradictorios, este o verdadeiro, o per-
feito, o nico orador* vens, 3 perfac
tus, is solu3 orator. (1)
Ajuntai a este r-trato dous ou tres re-
toques do mesmo Cicero :
c Ura dos personagens dos dos Dilo-
gos do orador, Antonio, d como preceito
e como exemplo, e sem que algum dos in-
terlocutores o refute ou combata, que en-
carregado da peior causa, elle a ganhou
contra Sulpiciu3 ; e ensina como ao deve
proceder nesto easo.
< Eu podia apenas, diz elle, sem faltar
a todas as conveniencias, eu que tinha si
do censor, tomar a defeza de ura sedicio-
so, culpadode crueza para com um perso-
nagem consular oppriraido pelo infortu
FOLHETIM
JOS LA RONZA
POR
JACQES D FLOT E PEDRO MAEL
tnm PlBTE
CIRHEV
1 So dj n.
XXIII
196)
L-ronza, vendo fugir o yacht, persegui-
do pela canhoneira iogleza, perdeu a ulti-
ma esperanja.
O sou rosto mauifestava decepjao supre-
ma.
De sobrecilio3 cerrados, o tremor de seus
rcaoibros revelavam a aDgustia e a raiva
que nelle corabatiara.
Entretanto, Maximiliano tinha reunido
os seus compaaheiros.
Que vamos fazer dessa infeliz ? per-
guntou, indicando o cadver, j rgido, cu-
jas linhas duras acceituavara-se debaixo
da manta.
Sepultal a, respondeu gravemente o
tenente.
Sepultal-a ? .interrogou Juliano, es-
tupefacto.
Sira, uvu amigo. Aqui est trra.
Com o braja eatendido, indicou a mais
prxima das has negras do horizonte.
A brisa era fresca e o fluxo comejava
Os advogados
POB ALPHONSE KARE
(O Faiz)
D immortal autor das Guipes, o fino Ili-
terato e publicista, to hbil quanto pa-
triota, Alphonse Karr, depois de percorrer
os campos do batalha da fronteira oriental
dajFranja, de veros soffrimentos, as priva-
g5ed crueis dos exercitos francezes, derro-
tados pelos allemles em 18(0; ao mesmo
tempo que os advogados poiiticos sa apode-
ravam do governo em Pars, e faziara bo-
nitos discursos, phrases cinzaladas, espiri-
tuosos trocadilhos de palavras sonoras
oficio e gloria da classe forense, escreveu
o artigo que produzio grande emojlo, e
que encerra grandes verdades, ditas cora-
josamente e em estylo claro e elegante,
como sabia escrever o honesto e eminente
jomaliata.
Eis aqui o artigo :
Vendo ha mais de 30 annos os advoga-
dos invadirem os bancos das assamblas
polticas e sobretudo os empregos, as in-
fluencias e os ministerios ; vendo os advo-
gados imporem-se ao paiz como a casta
dos Brahmines India, eu disse e redisse
altamente a seguinte verdade incontesta-
vel:
c Um homem, pelo simples facto de
nio... Em taes casos, nlo se deve tratar
de esclarecer o juiz, mas de levar a per-
turbajlo ao seu espirito.
Quando eu estou encarregado de urna
causa duvidosa, e na qual vejo que nlo
poderei actuar no espirito dos juizes pela
convicjlo, emprego todos os meus esfer-
jos para adivinhar a opinilo, 03 sentira ;n
tos dosjuizc8, o que elles podem desejar
ou temer. >
E depois n'outra ordem de ideas :
1 C. Gracchus fazia esconder atrs de
si, quando fallava empublico, um msico,
que lhe dava rpidamente o tom, o diapa-
zlo, n'u'na flauta de martina, para levan-
tar a voz se aconteca cahir, ou para aba-
xal-a depois de phrases estrondosas... 1
Demosthenes dizia que a principal sa-
udade do orador era a acclo.
0 que a acjlo ?
Cicero vai-nos dizer pela bocea de aat
dos interlocutores, que ella p8a em sce*a:
E' a arte da pintar todos os sentiaiea-
tos pela attitude, os gestos, as entoajSe* da
voz.
E elle censara a cert03 oradores o de-
xarem-se vencer nesta arte por alguns c-
micos.
1 Nada de moviments nos dedos. Qitt
o busto -conterve sua vertical, e conforme a
tirada fir calma ou vehemente, o braja e
deve precipitar para a trente ou parar d-
brado...
Mais looge, elle reoiurnenda o empregts
das syllabas breves ou longas en tal o
tal circumstancia.
A voz, no fira de ura periodo, gosta
de repousar em urna syllaba longa. (Ci-
cero a Bruto.)
Um velho magistrado dizia con graade
candura :
Nada to claro e to fcil de julgac
como a inaior parte das causas, em vista
da exposijlo dos factos: nada tao embru-
lhado e tao difficil como a mesma causa,
depjis que os advogados t:n fall .do.
Notai bem que tudo quanto aqui cita
extrahido de escriptor, tndo por objec
to coufeasado o elogio e exactidl) do ara-
dor. E nio creis que as ideas moderoat
sejara neste ponto differentes das id 18 dor
antigos.
Cahio-rae n'outro dia debaixo dos oh9S
ura cscripto de M. Marc Dufraisso, adva-
gado como Cicero, e na occasilo homem
poltico como elle, um desses governadores
que ajuntarara nevos e singulares aperfei
joamentos s can daturas otficaes, faaaa-
do-se uomear a si mesraos deputados. (25
Neste escrpto M. Dufraisse aprsente
Mirabeau como um grande o sublime ora-
dor.
Mis, sem perceber, faz della urna espe-
cie de histrilo ^e m, f, repetindo que
Mirabeou nunca era mais eloqueota da
que quando nlo senta ou nlo pealara
a urna palavra daquillo que dizia. 1
Accrescenta que ella trahia mu prova-
velmenta a repblica e se tinha vendido
monarebia.
Mas que entretanto elle nao poda
condemnal-o, tal era a admirajlo que ti-
nha por sua eloquencia.
E termina aconsolhando aos pena 50&
pena de morte, a amarera e adojrarecE.
seus oradores.
Bonita moral! o raro bon-senso !
Os advogados, forja de pratic&r a ar-
te de abusar da palavra, acabam por se
engaar a si meamos, creem era auss pro-
pria3 palavras, e se embriagara com a ca-
cbaja que servem aoa outros.
Quando Jules Favre dssa na triaia*:
t Nos fizemos o juramento de mirrer
tedoa at o ultimo era urna phraea de
effeto. Mas nlo acreditis por um mo-
mento que o advogado que a pronttactac
pensava erapenhar, alera da phrasa profe-
rida, a sua pessoa nem aquelles em acns?
dos quaes elle fallava.
Como um tenor que cantassa :
Amis, secondez ma vaillaace ...
*
(1) De Oratore, lib. HICarnades,
enviado como embaixador Roma pelos
Athenienses, fez diante de Galba e Catlo
o censor, oa doua maores oradores daquel-
le tempo, urna magnifico elogio da justja,
e no dia seguinte fez um discurso nlo me-
nos eloquente em sentido contrario. (Lac-
tancia.)
O cardeal Perrou, depois de ter faito um
magnifico discurso, para provar a existen-
cia de Deus offereceu-se a Henrique IV
para provar que Deu3 nlo existia. Henri-
que IV mandou-o enxotar.
Entretanto Pouliguen e Ned tinbam co-
mecado a trabalhar.
Tinbam tirado do navio picaretas e bar
ras, cora que cavavara como ponara urna
cova de am metro de profuaddade. Alm
das gaivotas e talvez de algum pescador
sorprehendido, nenhum ente vivo frequen-
tava essas rochas solitarias.
Afinal estava aberta a cova aos ps des-
sas visitas lgubres.
Nlo 8abirei mais deste lugar, mur-
murou Ned, em voz cavernosa.
Ninguem ousou dizer palavra.
A sua r era daquellas qie nlo racio-
cinara e que nao se acalmara com pala-
vras.
O corpo de Carmen estiva beir da
cova.
Maximiliano, aepois de um momento de
recolhimento, tornou :
Meus senhores, temos outra misslo
a cumprir.
~ Urna missao ? ir.terrorapeu Darmailly.
Um dever, se prefere, raen caro Ju-
liano.
E accrescenDU gravemente, dirgindo-se
a todos :
Mas psra cumprir esse dever, as opi-
nioea podem divergir. E' preciso qua pro
cedamos tendo por nos o direito.
O advogado, muito commovido, inter-
rompeu segunda vez :
Creio ter comprohondido, meu caro
Maximiliano, permUu, pos, que lhe peja
que seja muito preciso na pergun'-a que
vai fazer,
O doutor incnou a cabe ja affirmativa
mente.
Meus senhores, disse elle, o dever
que temos do cumprir c um dever de jus
tija
A miilhe*' que ah ropoasa morrea vic-
tima de ura attenta no est era no3BO poder. Devemos pu-
murrau-
aNed :
iacorreu
sur-
Em poucos minutos o lugar, hbilmente
governado por Jlo, passava os primeiros nij.0
recifes e atracara a um rochedo escarpa- j gm respori do, mascujo phno inclinado facilitava o e0yank.e.
a^cesso. Darmailly ficou calado.
Pouliguen argot! a ancora. Vou procarar a opinio de cada um,
Depois, empurrando o pir*ta para o tun- { c()ntinuou o joven medico, pesando as suas
do da embarcajao, levantou o corpo de
Carmen e I vou elle mesmo trra o*( des-
pojas rgidos e gelados.
Nenhum padre I nenhama
murmurou Maximiliano.
Solujava. All sobre esta rocha perdida
que ainda comejava a escalar, recor
dndose das scenas terriveis do passado,
no tneio desse mar infinito, que lhe fazia
sentir a nihilidade do homem, o medico j
aTeito s miserias da humanidade, sentio
o corajao ebeio do nma piedade immensa,
iLdizivcl.
orajao!
palavras.
Coraejou pelo gageiro.
Piarrick Pouliguen, que pena infligi-
ra ao asassino ?
A de morte.
E voc, cap ti o Jlo de Treguern ?
A de morte, respondeu resolutamen-
te o offical.
E voc, Julinn Darmailly?
O advogado deu .m msso para a freMe.
.va ptllido e, luz do sol nascento,
essa pallidoz pareca sobrenatural.
Meus Benhor^s, disse elle, no neg
os crraea de Laronza, alo procuro atte-
nual os. Fui o primero a abrajar esta
causa como irmao. Esse homem merece a
morte, mas nlo creio que tenhamos outro
direito que nlo seja entregal-o juatija.
Nos nlo podemos aer seua juizes e seas al-
gozes.
Entlo oppJSe-se ? perguntou Ar-
band.
Abstenho me simplesmente,
rou o advogado.
Maximiliano, entlo, dirigise
Ned Hobson, em que pena
este homem ?
Na pena de morte, pronunciou
Jmente o americano.
Houve um silencio profundo.
Ouviam-se as ondas, que subiam crepi-
tando na praia.
No centro da lhota, a eova ssrvia de
ponto de reuoilo. Attrahia todos os olba
res, pareea que nessa momento aquel.e
buraco servia de exo ao mundo.
.Maximiliano fj o primero a romper o
silencio.
Varaos, disse elle com esforjo.
Darmailly erabargou-lhe o passo.
Maximiliano, conjuro lhe...
Jlo o interrompeu bruscamente.
Tornou o advogado pelo brayo e appro-
xmando-se de Carmen, levantou violenta-
mente a manta que a cobria :
Cr que o assassino dessa mulber
merece um castigo ?
Darmailly voltou se borrorisado.
O cadver appareceu com toda a hedion-
dez que lbe dava a morte produzda pelo
veneno. Esse rosto, to bello um momen-
to antes, esses olhos, to profundos, esses
labios adoraveis, estavam inchados, azula-
dos, injectados, deformados pela acjlo cor-
rosiva o fulminante do virus. Os despejos
da desventurada nlo eram reconheciveis.
Ned soltou um grito terrivei e abaixan-
do-se cobrio de beijos as mos do cada*
ver.
Vamos I procunciou Pouliguen, qua-
si com dnreza, vinganja, rapaz I
E, levantando o americano titubeante,
arrastou o na direcjlo do lugar.
O barco, portan to pela ancora, estava de
popa para a rocha.
O gageiro entrou a bordo.
Laronza all estava deitado.
Conservava a sua immobilidtde feroz.
Pouliguen seguro a-o pelo meio do corpo
e polo em p, depois fez signal so ameri-
cano que cortasse as cordas que prendiam
os ps do pirata.
Ned executou a ordem calado.
O gageiro disse en tac a Laronza :
Marcha, tratante. Nlo aqui que
tens de morrer.
O pirata fez um esforjo.
As suas pernas dormentes nlo podiam
sustel-o.
O gageiro com a sua mo callosa friccio
nou energicameate as arlculaj3es ao pri-
sioneiro.
Laronza, afinal, pola mover-se.
Desembarcou, ajadado pelo marinheiro.
Piarrick o empurrou na sua frente at o
meio da ilhota,
O bandido parou ante a cova aberta.
A' vista do corpo de Carmen, nlo ficou
mais senhor de si : um tremor o abalou.
Contemple a sua obra, proouuciou
Maximiliano.
Os 8obrecilios do prisioneiro eerraram-se.
Urna lagrima correu-iha pela face.
E' a nica morte que lamento, dioso
elle cora ferocidade.
Vais expial-a, dsso Jlo com du-
reza.
Laronza levantou a cabeja e encarou-08.
Isso quer dizer que vio matar me.
Matem.
Jlo da Treguern anda respondeu :
Primeiramente, vamos julgar-te.
E, voltando-se para Maximiliano :
Sr. Dr. Arband, ao senhor cabe no-
tificar a este homem a sentenya pronuncia-
da contra elle, ha pouco.
Ura sorrBO de bravata passou pelos la-
bios de Jos Laronza.
Nlo d8serara que ara julgarme?
Se isso j est ieito, poupem-me prembu-
los ociosos e ridiculos.
E, indicando Hobson com o olhar.
Os senhores tem entre si um traidor ;
elle esompenhar o officio de carrasco.
Ned nlo repello a injuria.
Voc, disse ah urna verdade, capi-
llo, pronunciou elle cora um sorriso siais-
tro. Se essa a vontade dos senhores,
tambem a minha.
Entlo, faz o teu officio, covarde.
Maximiliano estendeu a mao.
Silencio I ordenou elle. E tu, Jos
Laronza, que tambem tomaste os nomes
de Lewis JUbb e Stephan Rou val, respon-
de s perguntas que te vou fazer.
Eu aecuso-te de teres matado a meu pai,
um santo velho, que quizeste despojar :
de teres matado a Tahar Sing, nababo do
Jeypore ; de teres matado o principe Goo-
lab, sobricho do nababo a meu protegido.
tratante sorrio impudentemente.
O doutor devia agradecer-me essa
morte.
Pos nlo herdeiro do menino ?
O sarcasmo nlo impressonou Arband.
Acenste de quereres deshonrar a
mulher que amo; aecuso-te de teres que-
rido assassinar-me e por todos ases moti-
vos pronuneio contra ti a sentenja de mor-
te, sem appelio nem sgsrravo.
O tenente approxiraoo :
Jos Laronza, aecuso te de teres des-
conhecid a gratidlo e abusado do perdi
que te conced generoaame ite, contra o meu
direito, nos mares da India. Reparo a mi-
nha falta, e em virtude do meu carcter
omnipotente, condemno.te morte, sem ap-
pelio nem demora.
Foi a vez de Pouliguen :
Jos Laronza, diese o gageiro cora
aspereza, quizeste mal a todos quanto amo.
Mataste e menino nos meus brajas. Pejo
ao Sr. capitao licenja para te quebrar
os 08808 com as mos.
Ned Hobson deu um passo para a frente.
Capito Lewis Jubb, voc matou a
mulher a quem eu amava, depois de ter-
lbe matado o pai. Pejo para, por minha
vez, matar-te
Todos quatro tinham fallado.
Juliano levantou a mo a reclaraou si-
lencio.
Jos Laronza, s eu posso aecusar-te
de certos crimes desconhecidos. Tu ma-
taste Lewis Jubb, enteado de Clanos, ma-
taste o banqueiro Jubb, de Melbourne, ma-
taste o jadeu Jacob, mataste Debora Ja-
cob, sua mulher. S eu recuso ser teu
juiz, reclamo a tua cabeja para o carrasco
legal.
O banqueiro deu urna risada de mofa.
Isto Sr. legista, conced3-me urna
espera ?
Darmaily nao respondeu e recuou al-
guns passos.
Entlo, Maximiliano fez signai a Pouli-
guen.
Este pz na areia dous machados e duas
espadas de abordagem, que trouxe do lu-
gar.
O bandido ficou estupefacto.
Para que quatro armas, quando bas-
ta urna ?
Entretanto, o doutor tinha-se approxima-
do do cadver.
Ajoelhou-se de cabeja baixa e orou.
Todos, menos o pirata, o imitaram.
Arban ', auxiliado por Pouliguen e Ned,
metteu, com cuidado, o corpo inerte na co
va aberta.
Com dous pedajes de madeira, tirados
do lugar, Pouliguen fez uraa cruz, que
plantn junto cova.
Nlo encha a cova, dsso Ned, cujos
olhos brilharam com um fulgor iaBupporta-
vcl.
E accrescentou com um tremor convul-
sivo :
S depois, s depois.
XXIV
Immoveis em torno da cova, os cinco
se julgaria obngado, urna vez que b&ixu
se o panno, oa elle eatrasse para os hace-
dores, a ir para as trincheras cambater
iniraigo ; a representajlo est acabada, a
cantor vai tranquilamente para casa, ca*
e deita-se a dormir. (Contina:
(2) Nos os posuimos anda 1 mais ha-
bis ; oa nossos advogados e prestleotej
de provincia fazem-ae eleg.-r peles seu
collegas, mesmo cuata da un>s eaoa-
moteajao do diploma albeio, e at do as-
aaasinato de alguns eleitores; 03 exemplos
abundam e slo muito conhecidos.
hameua ficaram mergulhodos em triste coc-
templajlo.
O ruido da Vaga, que sabia, cfasaieucs
realidade.
Era preciso terminar.
A ilhota em que estavam nlo tinha mtis
de trecentos aros de superficie. Subiado a
mar devia ficar coberta.
Ora, nesse momento, o mar, cercando &
rocha, tinha coberto completamente os rr-
chedos viziohos.
Maximiliano foi direito ao pirata ;
Jos Laronza, disse elle em vosjjfca
ainda ba pouco affrontaste nos, cuawwic
nos de carrascos, pederamos sl-o conthoc
direito, porque nenhum soccorro sjpMMnc
pode vir-te e os teus crimes te condeaam.
Interrompau-se. O bandido pareced ad-
mirado.
O doutor tornou, muito calmo :
Entretanto, apraz-nos fazer ama ex-
cepjlo e conceder-te uraa honra. Neaban
homem aqui quer desempenhar o oflHff da
carrasco. Mas queremos a tua morte. Eis.
psis, o que resolvemos :
Um de nos recusou ser teu juiz, foi seu
irmlo Juliano Darmailly. Ella nlo entra
em causa. Outro pardoou te urna vez. ec
memoria de sea pai, meu irmlo Jola de
Treguara. Eu o arredo do debate. Fica-
mos tres : eu, Pouliguen e Ned Hobsoe.
Daixamos-te a escolba das armas e do ad-
versario, pronuncia-tj.
E, dirigindo-se ao gagssro :
Desamarra o, meu hora Pouligxex.
O gageiro cortou as cordas que pren-
dan! o bandido.
Sentindo se livre, 03 olhos do pirata ruti-
lara ra viva chamma de urna alegra fersc.
Pode descansar, tornou Arband, posto
que a mar nlo deixo muito tempo.
Laronza sentou-se em uraa rocha e laor
jou um olhar aombrio pelo mar.
Nenhuma vela apparecia no horizonte.
Os doua azues mesclavain-se em um beijo.
O bandido levantou se. A sua alta es-
tatura pareceu ainda crescer.
Para que esperar, dase elle, estad
prompto.
Foi postarse perto da cova, e depon de
examinar os machados e as espadas, deci-
di se por um machado.
Entlo, muito calmo, sem fanarruoioe,
mas em voz alterada disse :
Meus senhores, tratam-rae como -
valheros. Podiam matar-me, concedes
um duello. Nlo sou homem que pee*
ricordia, ma" sei reconhecer urna ge
sidade.
{Continuar ae-ic)
__________________
T>p. do fiiaro a Duqw de Canas o. .J
-


k
1 ara i
1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYX0DX9D3_8WMIJV INGEST_TIME 2014-05-22T22:47:27Z PACKAGE AA00011611_17509
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES