Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17508


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1JJ0 XlJi OEfiO 196
i if ------------------
PARA A CAPITAL B JLUSABUKM OSDE SAO MB PAA PORTE
Por tres mezes adiantadcs............... 6&OC
Por seis ditos idem.......... ...... iS^UOO
Por um anno idem................. 23$OrXi
Cada numero avulso, do mesmo dia............ 0100
DIARIO DE
BOMUiGfl 2i DE AGOSTO CE 1381
PARA DBMTRO B PORA DA PRO VISriA ,
Por seis meze* adiantados........... ?"' .
Por nove ditos idem............. .
Por um anno idem................. 27|JtOC
Cad. numero avulso, de dias anteriores. 9^*....., ,5(100

\

Pruprietrafce ft Jflmoel -liguctra i>* Jhxl 4 Silbos

-m i
Os Mr", lmede arfase A 5
4e Par3j, afta os novaos agentes
exclusivos le anusiuelos epu-
blleocoes na Franca e Ingla-
terra

TELEGRAMMAS
.ssavxss ?as:ic:la3 so suaio
RIO DE JANEIRO, 27 de Agosto, s 3
horas e 55 minutos da tarde. (Recebido
! Loras e 50 minutos, pela linha terres-
O contclbelro Carlos Caatrioto. mi-
nistro da marlnha. apresenioo a C-
mara don DrputadoN urna propona
para KerconulKnado o crdito de cla-
co mil canloN. denllnadoaomaterial
fluctuante da armada.
^a menina Cmara e*t sendo tra-
tado em 3.' ti cusalo o orramento
lo Miniserl da Fazenda.
Fot Horneado Juiz municipal e de
orph-i do termo de Porto de Pe-
dras. na provincia de Alagos, o ba-
rbare! Luiz Barroca, em aubMtltut-
co do bacharel Ladislao Perelra
da Coala, que nao acccltou a uomea-
cao.
Poinomeado tenente-coronel rom-
andnnte To batalbo da suarda
nacional do municipio de Ourlrnrj-
em Pernambuco. Antonio Manoel de
imorim.
PARAHYBA,27 de Agosto, s 4 horas e
30 minutos da tarde.
lui adiada a scssiio da .tunembia
Provincial para odia 15 de Outubro
prximo.
t opinlao publica moslrn so sals
r-ita com enne acto do presidente da
provincia.
SS730 2* gOlS 27S
RIO DE JANEIRO, 27 de Agosto, s
4 horas e 35 minutos da tarde.
O Eim. sir. ministro da marinba
apreaentou na Cmara dos Deputa-
du urna propona de le. pedlndo
um crdito de 5.000 conloa para
machinas do TAMANDARE'.
So correr de um discurso que pro
nunciou o Sr. Br. Andrade l'itueira
critlcou rigorosamente o pagamen-
to da dotara da princesa Leopol-
dina.
PARS, 2o de Agosto.
( sr. general Perron miniatro da
guerra deaignon o 1 9. corpo de exer
cito para o ensalo de naobillnaco
eral.
'II V. 20 de Agosto.
Oa cnsules dos potencias estran-
geiras evitaos encontrarem-se com
a principe de Cobourg.
uj.fi' Ilava, filial em Famambuco,
-Jl de Agosto di 1887.
mente uerv sa e vascular, qae a pelle deve a fu
delicada e intensa sensibilidade.
A rpiderma a carnada externa ou superficial
da pelle, destinada a proteger a derinu e o co-po
mucos i c utra o contacto dos carpos exteriores.
E' ama membrana densa, iinpermeivel, semi- trans-
parente, insensivel, e firmada por cellulas raais oo
menos, achatadas. A espessura da epiderme
variavel, e tanto manir qaanto mais snjuita a it-
trit'isea contactas a regiao qas reveste. Na
sua superficie observa-se mullidlo de pequeos
orificios, que corresponden! ao pice das papillas,
teem o uome de poros da pelle, e sl> as aberturas
dos ductos exteriores que dao sihidi ao suor.
A'm das partes ',ue ficara descriptas, aind a
pelle apresenta na sua espessnras e na sua super-
ficie partes aceessorias, qir* -s-rvora para Ibe mo-
dificar as qualidaies. Taes sai : os pelos ou ca-
bellos, e as nnhas. Silo os pelos produceoes c>r-
neas de natureza epidrmica, secretadas per um
orgo especial, que tem o nome de bolho caoillir,
e que urna especie de pequeo tubrculo ovo'de
implantado na derme. As mnaselo prodceles
anlogas sos pelos constituidas por laminas duras,
corneas, elsticas e semi-transparentes, que gn.tr-
necem as extremidades dos dedos.
O sentido tacto exeree-se por meio das imprs-
socs que o contacto dos corpos produz as papillas
da derme, por intermedio da epiderme, ou as
ramificado s dos ervos de sensib.lidade, que se
distribuem na superfi das membranas mucesaa e
no espessura dos orgos sensiveis.
(Continua).
?ARTE OFFIClAi
lolsterio do Imperio
Foram elevados : a Visconde o fdro da Ptl-
meira e a Viscondessa a Baronesa do Paral y-
buna.
Foram agraciados : com a commenda da Rcsa,
os Srs. Jos Jeronymo de Mesquita, Joo Vieira
da Silva, Visconde de Monte Real, Baro de Mat-
tosinhos, Chirles Roinard de Bellet, cnsul do
Brazil em Nice : Rco Mcnier, commaudante do
paquete Gironde; e com o grao de cavalleiro da
mesma erdein os Srs. Dr. Emilio Len Vidal, cn-
sul do Brazil em Hyres, Agoatinhr Auzot capi-
talista em Vincennes, e o Dr. A. Bain.
Poi nomeado o Dr. Genuino Marques Mancebo
adjunto da cadeira de histologa tbeorica e prati-
tica da Paculdade de Medicina da i rte.
Poi transferido a sen pedido o Dr. Jos Joaquim
Seabra. de lente da 2.* cadeira do 2." anno da Pa-
culdade de Direito do Recife para a 2.' do 5.
anno.
Por decreto de 18 do correte, foi exonerad? a
seu pedido do cargo de presidente da provincia da
Parabyba o Dr. Gerain Ges, sendo nomeado para o mesmo cargo o ha-
chare! Francisco de Oliveira Borges.
Por decreto da mesma data foi nomeado '." vice-
presidente da provincia das Augoas o Sr. J io
Francisco Nogaera Castello Brance.
Por decreto da mesma data foi exonerado de se-
cretario da presidencia da provincia das Alaglas,
Theopbilo Leopoldo Raposo Cmara, sendo nem;a-
do para esse cargo o bacharel Osear de Mao;do
Sodr; e para igaes cargos na provincia do -
pirito Ssnto, Alfredo Colbo da Rocha ; e da do
M ranho o bacharel Augusto Mxgalkes de Bar-
ros e Vasco acel loa.
Poi enfirmada a renuncia que fez o padre F-
lix Fleury de Amorim, na igreja de Santa Rita da
Parnabyba, na diocese de Ooyaz.
IHSTEDCClO POPOLAR
PHYuOLOGla llNA
(Extrahido)
OA BIBLIOTHKCA DO POVO K DAS K8COLA8
SEGUNDA PARTE
I I >t < DE RKI.ll tO
OOSTO
(ContinuaQo)
l>elleL>-ae o neme de pelle a membrana te-
gumentar qae toda a snperficie exterior do corpo'
Esta membrana perforada ao nivel dos olhos.
das aarinas das orelhas e da bocea, etc., por o i-
ficios maiores ou menores, em coja peripberia se
. continua com as membranas mucosas, que forram
a superficie dos oreaos internos.
A pelle constituida por tres carnadas, intima-
mente un .las e sobrepostas, qoe sao, eomecando
de dentro para foro : a derme, o corpo mocoso, e
a epiderme.
A derme a parte msis espessa da pelle, ej
formada t filamentos extremamente delgados, en-
trelazados e cntretacidos em t^das as direc$5es,
formando um tecido compacto, atravez do qoal
passam vasos e filetes nervosos. A sua superfie
? terna est onida is partes subjaceotes por urna
carnada de teoido cellular e apresenta n'algumas
regies fibras musculares, destinadas a operareis
n'el'.a movimeutos. A externa tem pequeas sa-
lieacias avurmelhadas, mais on menos pronuncia-
das, que as palmas das mos e as plantas dos
ps formam series, regulares, sensiveis atraves da
epiderme. bao as papillas da pelle.
O corpo mocoso constituido pela reuniio dos
filetes nervosos, dos vasos sanguneos e dos lym
phaticos, que rio distribair-se na snperficie das
".anillas da derme A soa textora e constituida
por cellulas epidermiess de ionnacao recente, con-
tendo a materia colante chamada pigmento, qoe
da 4 pelle a sua cor propris, variavel as difieren
tes racas humanas. E' a esta carnada, essencial-
Ulnlsteri< da lastlca
Foi nomeado desembargador da Kclacao de
Goyaz o jais de direito Jos Manoel de Freitas.
Foram removidos : da Rlaco de Goyaz para
a do Para o desembarga dor Casimiro de Senna
Madureira, e desta para a do Maraobo o descim-
bargador Gastao Ferreira de Goava Pi nentel Bel-
leza.
Foi nomeado para o cargo de juiz dos feitos da
fazenda, na provincia de Pernambuco o Dr. Anto-
nio Domingos Pinto.
Foi exonerado de chefe de polica da provincia
de Pernambuco. a seu pedido, o Dr. Antonio Do-
mingos Pinto, e nomeado para o substituir o _uiz
de direito Francisco Oomingues Ribeiro Viaona.
Foi Humeado jui* de direito da comarca de Plo-
res, provincia de Pernambuco, o bacharel Argemi-
ro Martiniano da Cuaba Galvo.
Foi aposentado o 2." official da Secretaria de Es-
tado dos Negocies da Justica, Gaspar Olavo Pinto
Rodrigues.
Foram nomeados jnizes municipses e de or-
phaos : do termo de Iagazaira, na provincia de
Pernambuco, o bachaiel Pedro Jorge de Souza ; e
do termo de Itabbyaoa, na provincia de Srgipe,
o bacharel Manoel dos Pasaos de Oliveira Tcl.es.
Foi recondnzido ao lagar de juiz municipal i: de
urphos dos termos reun k s de Assar, Saboeiro e
Brejo Secco, na provincia do Cear, o bacharel
Manoel de Faiva CaValcante.
Foi nomeado commaudante do 1." corpo de ca-
vallaria da guarda nacional da comarca de lar-
reiriiibas, da provincia do Maranbio, o tenente-
coronel Francisco Florindo de Souza Castro.
Passou-se dipl-ma habilitando o bacharel Ar-
tbur Pedreira de C rqueira ao cargo de jais de di-
reito, bem como ao bacharel Justiniano Ferreira
Bastos.
Ministerio de >2strangeEros
No int''reste das relacoes eommerciaes e outras,
entre o Brazil fi a Blgica, o governo imperial, por
despacho datado de 18, transferio a sede do seu
consulado geral de Bruxellas para acidade dr An-
tuerpia.
Ministerio da Fazenda
Por decretos de 17 do coorrente foram nomea-
dos :
Inepec.o- da Tbesoararia de Faaenda do Rio
Grande do Sol, o inspector da da Maranhao ber-
nardo de Castilho Maia. ^sa
Guarda mor da Alfandega da sjBia, o di de
Santos, Joae Dias de Mello : guxrda mor da Al-
fandega de Santos, o ajadaote do guarda-mf da
do Rio de Janeiro, Aureliano de Souza NogWra
da Gam >; guarda-mr da Alfandega de Peroam
ouco o da Jo Para, Jos Joaquim da Gama "via 1 -
eber; guarda-mr da Alfandega da cdade do Rio
Grande do Sul, o da Alfandega de Panhmbuco Jos
Aogusto de Azevedo Marques; gusMa-mr da Al-
fanae Janeiro, Beijimin de Macedo Costa.
Ajudante do guarda-mr da Alfandega Jo Rio de
Janeiro, Jos Candido Nones Pires.
l.s escriptarario da Thesonraria de Fasendt do
Piauby, o 2.a dito Antonie Marques da (Suata.
Solicitador dos feitos da fazenda da provincia
de Matto-Grosso Mananno Trajano da Silva Je-
me na.
Fui concedida a Joaquim Antonio Visques a
aposentadona qae pedio no lugar de inspector da
Thesnuraria de Faaenda do Rio Grande do Sul
Por ttulos da mesma data torar nomeados : 3.'
escripturano da Rscebedoria do Re de Janeiro o
pratietnte Antonio Ferreira Pinto da Silva ; 3.
escripturario da Alfandega do iiio de Janeiro,o3.
escrituraria da Casa da Moeda, Cario Alberto da
Gama Moret.
2 escripturario da Alfaude* da Prnabyba,
provincia do Piauby, o 2. escripturario da Thesoo-
rari-! do Amasonas, Egydio Osario P.rfino da
Motta. .
Official de descarga da Alfandega da Parntby-
ba, Cesar Coliseo Canda Veras.
Por portaras de 18 foram nomeados :
Terceiro escripturario, o official de descarga
Ceciniu Antonio de Lima ; official de descarga,
Vicente Ferreira Pinbeiio de Moura : pratieunte
Francisco Jos da Cocta.
Fji demittido o 3 escripturario Leopoldo dos
Santos Brigido.
Ministerio da -u erra
Por ter sido nomeado ajudante de ordens do ge-
neral inspector do Asylo de Invlidos, di'ixou
h tem as fune^es da director da escola regim.'ii-
tal do 1* regiment de cavallaria o tenonte Ole-
gario H. Silveira Pinto, sendo el"t;ido eos oj-
dem do diaSrelo corancl AnJra.t Pinto, pelo seto,
intelligenci e dedic>c3o que sempre mostroo no
desemp^nbo das tunecc-s queexercia.
Foram desligados para rcunirem-se aos seus
corpos, o major do 6o de infantaria Jos Francisco
Ribeiro e alferes do 3- d- mesma arma Bento
Jouquin Soares.
Deram-se as convenieutes ordens pararee:lher
se ao bttalbo o destacarecnto de 1 offi.-i! e 25
i>racas, que "st na escola do tiro, e pertencente
ao 10 de infantaria, visto haver falta de pessoal
para o servico da guaroicilo, sendo por cmquanto
aupprimido esse destacamento mensal.
O ajudante-general mandou louvar era ord''m
do dia guarmcao o capitao Francisco Luiz Mo-
rcira Jnior, teoente Jos Lauriano da Cista e al-
fares Francitco de Albuquerque Pajuaba e Joo
Candido Damiense]Ferrdira, todos do 10 de in-
fantaria, os quses estiveram ltimamente em di
ligencia na provincia de S. Paulo, com um cu-
tingente deate batalbo composto de 50 pracas,
pelo promptidao, zelo e maneira disfincta esm que
se portaram na dita provincia, oque ficou eit r-
nado tambem na ordem do dia da presidencia d
11 do correte. O coronel commandante do 10',
fazendo publicar scmelhantes louvares, reiterou-os
por sua parte.
Foi approvado o acto da presidente da provin-
cia do Har, prorogando por 3 mezes a licenca ao
escrivlo chefe do escriptorio do Arsenal de Guer-
ra desta provincia Severino Luiz das Neves Fal-
co, para tratar de sua sande.
Mandoo-se contar como tempo de servico ao 1*
sargento da 6' batalbo de infantaria Cantidio
das Neves Mafra, o periodo deeorrido de 15 de Ju-
Iho de 1865, 6 de Jnlho de 1870, em que servio
na campanba do Paraguay, como voluntario da
patria.
Foi approvado o acto do presidente da provin-
cia da Baha celebrado com o pharmaceutico civ'l
Lino Antonio Ferreira, para seryir na pharmacia
militar ahi estabelecidu, com os vencimentos de
pbarmaecutico-aiferes do dito corpo.
Foi approvada a deliberaco tomada pelo com-
mandante da escola militar da corte de mandar
desligar do commando da 3* companhia do res-
pectivo corpo de alumnos, viste ter obtido a de-
misaao qae pedio do servico do exercito, o capitao
Licinio Atbanasis Cardes, tornando-se effectiva
a aomea(2o feita pelo dito commandante do capi-
tao de estado-maior de i rtilharia Alexandre l ar-
los Barreto para interinamente exercer aquelle
lugar.
Foi nomeado Joao de Paula Nepomuceno e Sil-
va para o lugar que interinamente exerca de
agente de compras desta reparticao.
Foram transferidos :
>Para o corpo de estado-maior de artilharia o ca-
pitao do 3- bate bao da metma arma Manoel pal-
meiro da Fcnt' urt.; para a 1 companhia do 20-
batalbo de infantaria, o capitao Manoel Aphrodi-
zio da Silva e para a ('' companhia do 5- o capi-
tao Manoel Joaquim Pereira.
Foram concedidas as de 2' cirurgio do corpo de
sande do exercito ao doutsr em medicina Ernesto
Frederico da Cunba, em remuneracao aos servieos
que prestoa na campanha contra o governo da re
publica do Paraguay.
Foram transferidos : para a guarni<;o da curte
o 2o cirurgio do corpo de saude do exercito Dr.
Hortencio de Mendonca Uchoa, para a da provin-
cia de Santa Catharioa o 1 cirurgio Dr. Jsyme
Alvares Guimares e para a de Matto-Grosso o
2 cirurgio o Dr. Aprigio Antero da Costa An-
drade.
Mand in-se contar orno tempo de servico ao 2o
cirurgio do corpo de svide Dr. Ismael Rocha o
periodo decorrido d 28 de Setembro de 1881 do
4 de Deembro de 1884 em que servio como me-
dico contractado na colonia militar de Chapec,
provincia do Paran.
Poi approvada a proposta que fez o comman-
dante das armas do Rio Grande do Sal para o la-
gar, qoe j exerca interinamente, de aecretario
deste commando, do capitao de estado-maior de 2*
claese Jos Joaquim de Andrade Neves.
Foram designados para o 7" batalbo de infan-
taria os ex-aiumnos da escola militar Izdoro Car-
los da Silva e Mario Pires, que perdern) o anno
lectivo na escola militar.
M'.ndou-se desli-rar do 10 batalbo de infan-
taria o alferes do 5 da mesma arma Cwillo Ber-
nardino Feroaudes, para reunir-se ao ieu bata-
lho.
Conc?deu-se por menngem ao alferes do 4 ba
talbo de infatuara Tbeotonio Goncalves Gui-
mares, que ai! acha respondendo a conseibo de
gu-rra, a cdade de S. Gabriel, no Rio Grande do
Sul.
Foram nomeados : o capitao Francisco Agosti'
nbo de Mello S usa Mcnezes e o tenente Olegario
Herculano da Silveira Pinto para serviris, este
como ujudaute de ordens e aquelle como secretario
do general inspector do Asylo de Invalides da
Patria.
Foi aposentado com o ordenado proporcional ao
tempo de servido, de accordo com o disposto no
art. 291 do regulameuto approvado pelo decreto
a. 5,118 de 19 de Oatubru de 1872, o agente de
compras da intendencia da guerra, Lua Jos de
Almeida, visto auhar-se, por molestia, impossibili-
tado de continuar a exercer esse lugar.
Mandou-se laucar nos assentamentos do capitao
do corpo de estad i-maier de 2* classe J-sAJpa-
qcim de Andrade Neves os elogios qae ItMpRz o
commando da diviao de cavallaria sob cajas or-
dens servio na campanba do Paraguay. '
Mandoa-se contar como tempo de aervicsasS ao
2 cadete do 17 batalho de infantaria addido ao
7 da mesma arma Cornelio dos Santos Lontra, o
periodo deeorrido de 10 a 15 de Junho de 1S75,
em que esteve no exercito, e ao sargento ajudante
do 19* bata bao da mesma arma Francisco Autu-
nes da Costa, o periodo deeorrido de 5 de Msio de
1875 a 5 de Maio de 1881 em que esteve com prsca
no exercito.
Furam transferidos os seguintes alferes da arma
de iifantaria : Man para a companhia da provincia do Espirito-Santo :
Myrtharistides Fortuna, desta companhia para o
16 ; Bento Joaquim Soares do 16 para o 3 ; e
Servilio Jos Goncalves do 3 para o 4.
Mandoa-se continuar addido ao l" regiment
de arlbaria o 1 tenente do 3 batalho da mes-
ma arma, Antonio Jos Dias de Oliveira.
Fui approvada a proposta qae do alferes Ignacio
Joaquiss PYeira Lobo fez o commandante do 14'
batalho de infamara para o lagar, qae j exerce
interinamente, de teerttario do dito corpo.
Ao commandante do corpo militar de polica da
corte fe expedido o seguinte aviso :
Foi presento a Sua Alteza 4 Ptineeza Impe-
rial Regente, em nome do Imperador, o oficio n.
381 de 19 de Marco ultimo, no qual V. S. con-
salta se o official inferior desee corpo, condem-
nado por crime de fnrto incorre em baixa defini-
tiva do poste, e pode ser eipulso fra dos casos
declarados nos artigos 88 e 90 do regulameuto
qae btixou cou) o decreto n. 3,395 de 7 de Marco
de 1885. a
E a mesma Serensima Senhora, tendo ouvido
a scelo de justica do conceibo de estado, com
cujo parecer ae conforma, ba por bem mandar de1
clarara V. 8. qqe o official inferior condemuado
por crime de furto pode ter baixa do posto e ser
expulso dease corpo fra dos cajos especificados
aos citados artigos, se assim fr determinado pelo
governo, em a so para esse tira exped Jo.
A' vista do que recommendo a V. S. que
faca rebaixar do posto e expulsai desse corpo o 2<>
sarg'nto Francisco Egydio de Almeida Guima-
res, de que trata o retendo officio.
.Ministerio da M trlnha
Tu ve ordem para embarcar no cruzadur Gitana-
bara o 2o tenente Pedro Altes Fernando da
Frontn.
Tendo-se dado a omisso do nime do Io tenente
Pedro 'iu.l) do Oliveira Santos na relacao dos
commandantes que se eicpregarain em sefvieo qua-
rentenario foi agora louvado.
Foi nomeado para embarcar no canboeeira Ma-
rojo o 2o ccnvnte Manoel da Silva Lopes.
Tiveram ordem de passar do c-uzador Imperial
'darinheiro para a canboneira Traripe, o guarde-
marinba Atbanagildo Lopes da Cruz, e esta para
aquella o guarda-mariuha Fraicisco de Paula
Mello Alvos.
Teve ordem de embarcar no ei.couracado Baha
o 2 tenente Manoel da Silva Lopes.
Foi de-tacado do cruzador Guanabara para o
patacho Aprendiz Marinheiro o 2 tenente Pedro
Max Fernando de Frontn.
Foi desligado do respectivo coroo o imperial ma-
rinheiro de 2a classe Manoel dos Passos, que foi
condemnado a 12 annos de priso.
Foi perdoado ao imperial marir. hei:o de 2a classe
Francisco de Asis Segundo, o r;sto da pena de
priso a bordo dos navios da armada, a que oi
condemnado pelo coaselbo supremo militar.
Foi nomeado escrevento das o ficinas do Arse-
nal de Marinha da corte, Franciaco Torres Rodr i-
gues.
Cioverne da Provincia
DESPACHOS DA PKESIDESCU, DO DIA 26 DE
AGOSTO DE 1887.
Agoatiobo Joaquim da Silva.Informe
o Sr. inspector da Thes jurara de Fazen-
da.
Antonio de Alleluia Patr.cio- Concedo.
Elysio Clementino Bezen a. Satisfaga a
exigencia do Thesouro Provincial.
Genesio Libanio de Albi querque Mon-
teiro. D se.
Jdartinho Lopes da Cost.. Informe o
Sr. Or. chefe de polica.
Secretaria da Presidencia de Pernambuco, 27
de Agosto de 1887.
O porteiro,
F. Chacn.
Reparticao da Polica
2a secgao. -N. 754. -Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 27 de Agosto de 1887
Mr, egxm. Sr. Part; ipo a V. Exc.
que .'ifiiDJ honU-m recolh; ius Casa da
DeteusjV) os seguintes individuos :
A' ordem do Dr. juiz d' direito do 2'
districto criminal, rmauco dos Passos
Barros, como pronunciado no art. 29 do
cdigo criiijinal.
A' ordem do subdelegado da fregueza
do Recife, Elias Gomes da Costa, Francis-
co Feird, Jos Brancio e Ajanoel Leandro
Elias, roquerimento do ccnsul de Portu-
gal.
A' ordem do de Santo Antonio, Antonio
de tal, micha disposicSo ; e Antonio
Gonyalves Ferreira, Jos [guaci Caval-
cante-de Mello, Manoel Pe 1ro dos Santos
e Antonio Ferreira da Silva Soares, por
disturbios e uso de armas ciefeza.
A' ordem do do Io distr to da fregueza
de S. Jos, Jos Gomes da Amorim e Ber-
nardino Alves de Oliveira, preos em fla-
grante, este como mandataio e aquelle co-
mo mandante, por crime do morte.
A' ordem do do 2o diatiiato da mesma
freguezia, Henrque Bellann'no da Silva,
por crime de bigamia, minha disposijao;
e Pedro Marques da Costa, por crime de
dtfloramento.
Participou-me o Dr. delegado do Io dis-
tricto da capital, que honte n pelas 8 horas
4a noite o na ra de S. Joao, le distri to
da fregU'zia de S. Jo-, fji assassinado
cora urna focada Jo Pin Cesar, por Ber-
nardino Alves de Oliveira, que foi preso
em fligrante anda com a faca homicida
da mao ; bem como o subdito portugus
Jos Gomes de Amorim, iadigitado como
mandante do crime.
O, criminoso, sendo interrogado, confes
son ser o autor do delicto.
Sobre elle facto abrio-so o cempetente
inquerito policial e nelle se prosegue.
Ccmmunicou-me o subdelegado do Io
districto da Graca, que na aeite de 25 pa-
ra 26 do correte, os ladros por meio de
diversos furos feitos em urna das portas -da
casa de residencia do Dr. Jos Bandeira
de Mello, na ponte de Ucl5*, penetraram
oa mesma casa e coeduzram da dispensa
diversos gneros como fosusm, manteiga,
assnjar e caf, e ao serem presentidos por
pnssoas da casa fugiram deis ando um
sacco de estoupa com as io ci.es A. C.
O Dr. Bandeira de Mello desconfa se-
roja, os autores do roubo, alguns eseravos
J*aeu sogro, qu3 andara fgidos por a-
qu lias imrnediac3es.
Em seguida, segundo se presume dlrigi-
rara-se casa do estudanto Ignacio Ab-
dias Maracaj, que fica contigua a do Dr.
Bandeira, e por meio de um buraco que
fizerara na janella da cozinba, penetraram
no interior da mesma e roubaram diversas
pegas de roupa e um relogio de prata.
O respectivo subdelegado tomou conhea
cimento do facto, fez proceder a vistoji.
e prosegue a resp-ito nos termos, da lea
Hontera pelas lO boras da macha na
ra da Ventura do Io distrito da Graga n-
occasiao, emque o subdito portugus Manel
de Medeircs Camadinha, conduzia urna
carrosa com tij'.los, foi por urna das rodas
desta apanhado um filho do mesmo co ro-
ceiro qae ficou com urna da pernas frac-
turad.
O facto foi tolojcasual como a'.tesUram
diversas pessoas que o presenciaran!.
Deus guarde a V. Exo.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Az-vcIo, rouito
digno presidente da provincia. O chefe
de polica, Antonio Domingos Pinto.
aos
Reeebedoria Provincial
DESPACHOS DO DIA 25 DE AGOSTO DE 1887
Manoel Pereira Bcmardino, Jos Tava
res Cerreiro, Alexandre dos Santos Selva,
Bellarraino Lourenco da Silva Cesar Ju
nior, Visconda de Itaqu do Norte e Joa-
quim Bernardo dos Rsis. Informe a 1*
8ec5o.
Manoel Corrida & C A' 1* seogao pa-
ra os devidos ns.
- 26 -
Jos Antonio de Souza, Joao Baptista
Telles, Polmann & C, Jovnano da Rocha
Pereira, Jos Gomes de Oliveira, Miguel
da Silva GuimarJes o outros, Clementino
Gomes da Silva, Oliveira & C Joaquim
Alves e Luiza de Miranda,fHennqne de
Gondim. -Informe a 1* se^aoV*
Lopes Alheiro A C. Satifa^am a exi-
gencia da 1* seceo.
- 27
A. M Veras & C. e Jos Paulo Bote-
Iho.Sim.
Sodr da Motta Filho & C, Antonio
Pinto Lapa & Irroo, Antonio do Souza
Duarte Ferreira, Espjrany.i Luiza da Luz,
Manoel Clementino Ribeiro, Francisco Jos
dos Passos Guimares, Antonio Goncalves
Pereira & C, Domingos Jos Antunea Gui-
mares e Martina Viegas & C.Informe a
Ia seccSo.
Mello Irraao, Visconde de Itaqui do Nor-
te e Manoel Correia & G. Satisfaga m a
exigencia da Ia secfao.
Silva Jnior Assis, Antonio da Silva
Jnior e Reis & Cousseiro.A' Ia secjao
para informar.
Luiz Jos da Silva Guimares. A' Ia
seccao para informar, tendo em vista os
precedentes em casos idnticos.
Manoel dos Santos Falcao.Dirija-se ao
Thesouro Provincial, se o debito a que al-
lude j foi remettido para o juizo.
Charles Pluym & C. e Francisco d'A-
zevedo & C.A' 1* seccSo para informar.
Marcolino do Souza Travassos.Volte a
Ia seccao.
DIARIO DE PERBAPUCC
RECIFE, 58 DE AGOSTO DE 1887
noticias do Mal
O paquete nacional Espirti-Santo tiouxe-nos
do sul as seguintes noticias, alm das officiaea, in-
sertas na seceo competente e da carta do nosso
correspondente da corte, publicada sob a rubrica
Interior.
Pacifico e Uto da Prata
0 Jornal do Commerci da corte publicou os se-
guintes telegrammas :
Montevideo, 14 de Agosto.
Telegrammas de Buenoe-Avres noticiam urna
tentativa de assassmato contra o general ') M-
ximo Santos. O autor do crime nao eonseguio o
sea intento
Buenos- Ayres, 14 de Agosto.
A municipalidade ordenou que se fizesce o re-
cenceameuto geral da populayo da capital e de
seus arrabaldes.
Tendo a applicaco desta medida encontrado se-
rias difficuldades por urna parte do povo ignorante,
o arcebispo de Buenos-Ayres, Dr. Frederico Anei-
ros, dirigi aos fiis urna circular em que Ibes re-
commenda que .auxiiiem os embregados da muni-
cipalidade no cumprimento desta miss) to de
licada.
Lima, 14 de Agosto.
O governo peruano parece decidido a resistir s
pretcnces do governo chileno. A imprensa, au-
xiliando o goveruo, sustenta que o contracto feto
com os credotes ingleses da repblica perreita-
meute legal e em nada off^ade os dreitos que o-
chilenos cons-'guirum em conjequenca da ultima
guerra.
Montevideo, 13 de Agosto.
O goveruo prohibi urna manifestaba) que se
quera fazer em memoria do aiferes Orciz, qu : se
suicidou depois de ter disparado contra o dictad >r
Mximo Santos um tiro de revolver, que o ferio no
roato, no dia 17 de Agosto do anuo passado.
Buenos-Ayres, 15 de Agosto.
A colneita da canna de assucar, as provincias
Jo norte da repblica, apresenta-se em mignificaa
cendicoes, e auxiliada por uai tempo muito fa-
voravel.
A safra promette sr muito importante. E', por
tauto, provavel ama baixa nos presos do assucar.
As commuuicacoos telegraphicas pela Via Gal
veston acbam-se interrompidas.
O estado sanitario melhorou muito nesta ultima
semana.
Pernambuco, 16 de Agosto.
Est de passagem, a bordo do paquete A! i i-in-
ca, o Dr. Domingos Freir. O conhecido protes-
sor recebeu a visita de muitos amigos e admirado-
res e tem fito at agora expeliente viagem.
Bueno3-Ayres, 16 de Agosto.
Cbegou aqui a bordo do piquete francs Sene-
gal, o das Messageries Mautimes, a senhora do
general Mximo Santos, com sua familia.
O ex-presidente pretende fixar aqu a sua resi-
dencia com toloi os seus. E' inexacto o boato de
ter sido feita urna nova tentativi contra a vida de
Santos, como publicaran] alguns jornaes do Uru-
suy- ,
O intendente municipal, Dr. Crespo, vai fazer
importantes reformas na polica da capital. Est
tratando actualmeate da orgaoisaco de urna nova
guarda municipal.
Consta que as negociacoes para o estabelec-
mento de um lazareto internacional na ilha das
Florea mallograram-se inteiramente por causa das
exigencius do governo argentino.
Buenos-Ayres, 17 de Agosto.
O seaaao aciba de approvar definitivamente o
tratado de extradico celebrado entre a Repblica
Argentina e a Blgica.
O governo estuda um projacto de lazareto. E'
provavel que seja estabelecido no porto da Ense-
nada.
Santiago, 17 de Agosto.
Continnsm as negoeiacoes diplomticas entabo-
ladas pelo governo chileno com o Per, afim de
obter a annullaco do contracto feito ltimamente
pelo governo peruano com os seas credores nglez*s.
A' visto da insistencia do Chile provaval que
o parlamento do Per o annulle.
Buenos-Ayres, 18 de Agosto.
O teir Maiini fez o sen beneficio com a opera
II Barbieri.
A festa foi verdadeiraraeate magnifica. E'dif'
ficil descrever o enibaaiasmj d>s espectadores; g
beneficiado foi ruidosamente victoriado e reeebac
m-igmfiuos pres ntes.
X companhia Ferrari parte para o Rio de Janei-
ro no dia 1 de Setembro.
Montevideo, 18 de Agosto.
Embarcou para o R> de Janeiro no paquete in-
gina La P.ata o Dr. Julin Alvarcz y Cond?
10 secretario da legaca oriental nessa capital.
O seuado acaba de eliminar o ex-dictador gene-
ral Mximo Santos da lista des s 'us meinbroa, pri-
vando-o de to las as regalas e direitos inherentes
a eate posto.
Bueooe-Ayres, 18 de Agosto,
O ministro da fa2enda ufficiou ao director doa
correios Dr. Ojeda, autoriaaodo-o a estabelecer c
rgimen dos vales postacs em toda a exteneo d:
territorio da Repblica.
Valparaso, 18 de Agis'o.
As noticias recebidas de Angol soexcellentes
A epidemia quasi d'-sappareceu ; contesta-se qn
se tratass'1 do cholera. k
Buenos-Ayres. 19 d>i Agosto.
Dr. Roque Saenx Pena foi nometdo ministre
plenipotenciario da Repblica Argentina junto ao
gjverno oriental.
Rio brande do Sul
Datas at 14 de Agosto :
Pelas victimas do naufragio do > Rio Apa C-
lebraram-se solemues exequias na capital, nis ci
dades do Rio Grande, Pelotas e Bag e na villa de
S. Jos do Norte.
O o Guarauy o de Uiu^usyana de 24 d?
passado diz o seguinte :
Cbegcu-noa a noticia de mais ama desgraca
occasionada pelo grande temporal do dia 11. Foi
a victima o Sr. Miguel Gorter, ou R. Gorter. ci
nhecido nesta cidade pelo nome de Migael hollan-
dez, por pertencer a cssa n-icionalidade.
Esse individuo, depois de ter nssse dia pli-
sado a uado urna picada en Jutatu. tall -c -u a
pouoa distancia, suppoe-se qua por efFeito do fro
tendo o cadver sido encontrado no da immsdiatc
por uns vsinhos daquelle lugar.
O morto era homem anda mojo e geralmnnte
bemquisto, possaindo alguns bens de fortuna.' II i-
via ba pouco tempo feito urna viagem Hollania
donde viera em pequeo para a America.
Da 1 a 31 de Julbo ultimo entraram a barr--.
da provincia 38 embaressoes, sendo 26 de vela e
12 a vapor.
As primeiras perteaciam s seguintes naciona-
lidades :
Brazilei.-as 6, dinamarquesas 5, noraeguensea 5.
inglezas 5, allemls ', italianas 2 e hollandeza 1 :
e as ultimas : brazileiras 10 a inglezas 2.
A equipagem de todas ellas foi: de 577 e a tone-
lagem de 8979.
0 calado em que entraram variou entre 14,5 e
15,5 p.iiiu- .3.
No mesmo periodo sahiram 56 embarcaces,
sendo 43 de vela el3 a vapor, assim distribuidas
as primeiras, brazleiras 12, inglezas 10, allemls 9.
dinamirquezas 6, portugaezas 2, suecas 2, iiorae-
guensejl e hollandeza 1 ; e as ultimas, brazileiraa
10 e inglesas 3.
A equipagem total de todas essas embarcacoes
foi de 687 e a tonel gem de 12812.
O calado em que sabiram variou entre lie 15/:
palmos.
Sobre o Rio Apa diz-o seguinte o k Dia
rio do Rio Grande de 2 :
A's 10 horas da noite de sabbado, regresa-v?
da costa do ocCeano o joven e illustisdo medico Sf
Dr. Manoel A. Aff.n-o djs Reis.
S. S. tendo sabido desta cijade no dia 29, e
pernoitado nessa mesma noite no Estreito, so ac
dia 30 pie durante algumas horas, percorrer a
praia na distancia de 13 leguas ao norte da villa
fronteira.
Durante a sua excursao o m ir nao arrojou
praia cadver algm. Os que bavis tinham side
sepultados bavia 5 ou 6 dias, motivo porque a Sr.
Dr. Reis nao fes o exame que pretenda.
O Sr. Dr. Reis nao vio cadver algum; dia-
se-lbe, porm, o subie.'egado de pilicia, que era
de 11 o numero dos que tinham apparaeido, entre
elles o de urna creanc i de dos anuos mais on me-
nos, cuja sepultura S. S. vio assigoalada por ums
pequea crus.
Accrescentou aquella antoridade que alguns
dos corpos ackavam-se, quando deram praia.
v.nd em regular estado de conservajo.
O mar *st anda arr jindo muitos destrojos.
A cada instante esto vindo praia pedacos de
raadeira que pertenciam ao vapor, garrafas, barri-
cas, taboas de carnarios e militas outras cousas
Existe na costa um escaler, perfeito, MB ac
Sr. Dr. Reis parece mais de navio estrangeiro do
que do paquete Rio Apa.
Alm desse, txist'-m aperaos -rea praia
fragmentos de outro escaler, parecendo-lhe ter sido
esse do vapor.
Em poder do Sr. Alfredo Moutinho vio um
grande salva-vidas, o qual, a sea ver, servir an-
da bavia pouco.
O Sr. Dr. Affonso Reis estendea a sua exor-
alo tres leguas alm do Estreito.
A mesma tolha de 12 publicau a seguinte rela-
co dos officiaes, tripulantes e passageiros deste
paquete :
Cimmandante, c-ipito de mar e guerra Eduar-
do Fabio Pereira Franco: immediato, Antonio de
Souza Reis; pilotos: l" Erico Perras de Campos,
2- Luiz de Jess Correia ; machinistas : 1- Nico-
lao Forineila, 2- Carlos Alberto hhnizer, 3- Roque
Antonio Masso ; tripulantesMeatre : Joo Gon-
calves do Taino ; carpinceiro : Julio Cnspin da
Silveira ; foguistas : Antonio Serrano, Clemente
Tarantino, Salvador Caro, Luiz Goncalves de Alar
ria, Frisante Nicols, Andr Spozito, Romao Go-
mes, Manoel Maravati e Antonio Damasceno;
carvoeiros: Joo Paradcllo, Mathias Lopes da
Silveira e Manoel Galbino do Araujo ; nuriuhei-
ros: Francisco Jfavier, Manoal L jureuco, Joo
Lucio, Antonio Gomes de Paula, Francisco Alvea
da Craz e Francisco Vassoura; moco : Jos
Antonio, Manoel do Carmo Oliveira, Antonio Fer-
nandes, Antonio Teixeira, Nicolao Sant'Anna e
Jos Pacheco Grajaha ; despenseiro : Jua Barra,
cozinheiro : Ango David ; Celestino Tajes, Ba-
nitez Diz.
Passageiros : D. Maria Augusta de Souza Reis,
D. Francisca Augusta Flor de Liz Gouvcia, D.
Paulina Anna Flor de Liz Feij Carneviva e treg
filbos, D. Florentina, D. Juauita, tenente-corodOL.
Francisco Villela de CaJtro Tavares, oito filhos e
ama criada, 1- tenente Antauio Pedroso Pompee
de arros e um criado, alfares Fortunato Lemoa
do Prado e sua familia, cadete Jo* Maria Pompee
de Barros, Francisco Gomes do Passos Perdigo,
Zeferino Cunhs, Francisco Olympio Correia, Ma-
noei Gervasio da Andrade, Dr. Jorge Meyer, At-
tila Fernandes, Manoel da Rosa /jarcia, cadete
Antonio da Silva Paranhos, An'ooio Tbom de
Paiva, Francisco Antoaio, Joao Braga, Joao An-
tonio Rodrigues, Zedenho Zaneizeck, Guatavc
Adolpho Nicolich, 1 edro Pastorinbo, Pedro Muller
Rodolpbo Rivera, argento Cooeguudes BraudSa,
cadete Pedro Joaquim de Soasa Peres, cadete Be-
nedicto Liudolioo ie Caatilho Campas, anspecada
Manoel Joo da Costa, forriel Antonio Sales Jas
pert, eoldaoos Francisco Jos Fernandes, Antonio^p
Pereira de Barros, Maximiauo Jo& de Sant'Anna,
Jos Fraucise-j da Silva, Jote Mathias Ferreirs,
Raymundo Marques de Audrade, Jos Joaquim de
Sant'Anna, Jpo Pereira de Almeida, Porfirio
Jos ie Stnt'sana, Jos Raymundo dos Passos,
Jos Marcolino da Silva, Maaoei Alves da Silva,
com muiher e dous filhos, Jos G incalvcs de Soa-
sa, Balbino Luis Tavares, Belmiro Bernardo de
Araujo, Antonio Ventura da Costa, Manoel Geral-
do com muiher e am filho.
Na cidade do Rio Grande, ao dia 13, Jos
--


wf&k
%
I I
1
I


!<

Diario de rernambacoDomingo 28 de Agosto de 1887


Carlos Oterc, *o asbir de om ca* de j*V'lJ'
paVon nm tiro de pistola fS*le^l'T
Antonio Jodier, ir, o.deo.oc do .delegado
^Ztt:^* Pv* intimado-lhe
"otare d^o^de destechar o tiro, jo(ron a pis-
tol,' ,', judim da mwleocia do Sr. L. Fraeb
a ra de !' ymno, esquina da praca de t-ete de
Seunbro, w-iioo pteo ni fl-griioie delicto.
__ L te no Diario do Rio Grande:
, a altn<-ga de Uiugutyana anecadon era
Julbo ultimo 30:506*073.
E no ea>ii.to lobe a ailhare de contos o
valor de m< rcadoriaa entradas ltimamente pe*
frcnteir
O Sr. Tbomas de L-mos Vianna, ex-eollector
da meaa de rendas provnose, fugio tfectiva-
mente, deixando na reparfcao a sen cargo um
desfalque superior a 10:000*000.
L< n.os bontem urna caria por elle esetipta no
da 25, j d. p. is de Laver fgido, dirigida a nm
eavalheiro deata cidade, e na qnal dizia mais ou
menos o a< guintc:
< Que sorprendido com a visita doSr. Pedro
Gomes CardoBo e achando-se em embaraces para
prestar tusa contas, sahira precip.tamente paia
pedir a um amigo que o aoccorresse, nada, jorm,
tendo pdedido conseguir.
Que aUribuia a desventura que estava soffren-
do a aua demasiada debilidadec fraques ; que re-
coromeudava aua excelleote e digna espoan e seos
innocentes filhinhos proteccio desse amigo a
quem pedia igualmente perdi pelo desgosto que
he eau8ava. ,
Quanto ao desfalque, deu-se do segninte modo
segundo o que se dix por ahi :
Durante os oito annos em que esteve desem-
pregadu, tendo sobre anua hombros o peso de urna
numerosa familia, o Sr. Vianna vio-Be obngado a
eontrabir avultadas dividas.
ApenaB o viram empregado, os seus creedores
trataram de haver delle a importancia dos dbitos ;
una faziam descontos por occasio dos pagamentos
de decimas urbanas e outros impostos, outros
ami-acavam n'o de o citarem perante os tribuuaea,
de modo que, perseguido por todos 01 lados e ten-
do vexaroea de dirigir-se a seus amigos, lancu
nio dos duheiros do Estad, para solver os seas
compromiaso individuaes.
c A um negociante do Rio Grande pagou....
1:6004; a doua capitaliataa deata cidade 900* a
um e 700f a outro, pagamentos estes realisados
todos sob pressio de aneacas e repetidas solicita
<. Conheceodo depois a falta que commettera,
entregoa-se loueaineute ao jogo da lotera, com a
esperanza de rehaver o que gastara, pela sorte
erante por essa forma obtida .
_ Seeuio para Bag, com destino ao Algrete,
acompjiahado de urna escolta de quatro praca de
i linba, o celebre bandida Doroteo Agarre, ac-
euaado como autor de 16 crimes de morte.
__ No mes de Julho acbaram-ae em movimento
no porto de Pelotas 53 navios de alto burdo, pela
forma seguiute :
Estavam tundeados, carregados, carga c va-
stos no dia 1*, 23.
Entraram no decurso do mez, 14.
Sahiram 16 (14 carregados e don* vasios).
No da 30 fiearam ancorados, 21.
__ As reparjices de fazenda de Pelotas rende-
ram no me de Julbo 113:728*609, sendo : mesa
de rendas geraee. 54.188*664 : mes de rendas
prov.nci.ea, 55:688*847: barra de S- Gonalo
(imposto cobrados na provincial), Jt^lgOro ;
total, 113.7**109. ,
Falleceruro : na capital, o capitao honorario
Albino Brodt e o alferes Francisco Antunea do=
antoa Rjque ; em Pelotas, o commeudador He-
leodoro de Azevvdo c Souza, um dos mais antigos
moradores e em Jaguarao, Joaquim de Santos
Sonaa. .
Falleceram mais : na capital, o negociante Joao
Caetano Ferraz, M. Goutach e D. Carolina Leo-
poldina de Oliveira ; no Rio Grande, Marcos Jos
Ferreira Cainboim e Leopoldo Lahorgue ; em Pe-
lotas. Vctor de S, uza Mursa, Luis Borgea de So-
veral, D. Anna Barcelloa de Moura e D. Del-
phina Augusta ; f m Jaguarao, Tbeotomo de Bit
taaeturt Pereira de Mello que ha mais de 30 n
nes exercia o magisterio ; e na Uruguayana, D.
Firmina Mara as Silva.
Mana Camarina
Datas at 14 de Agosto :
__Fallecer na capital Paschoal Marques.
Paran
Datas at 12 de Agosto:
Falleceram : na Serra Azul Thomaz Mana
Navarro, e na apital o Dr. Joao Manoel da Cu-
aba antigo advgado que exerceu por muitos an-
mas o uiegisterio .-m Paranagn e na capital, foi
director da inetruccio publica, mimbro da aasem-
bla provincial em diversas legilaturaa, poeta e
msico, d. izando nanitas cemposices de msica
sacra e profana
Coyas
Datas at 29 de Julbo :
__ ^u da l'1 chegou capital mais urna turma
4e indios Ca^ajs das aideiaa do Araguaya e fo
r&m ^commcoucos no quartel do 20* batalhao de
^nfantaria'
O presidente tinha voltado a capital depoi de
ter percorndo diversos pontos da provincia.
Ao Gcyaztecreveram a 22 do passado do Porto
Imperial :
No dia 18 do corrente, espancaram bar ba-
asen-e. o promotor publico da cemarca, o Sr. Do-
mingos Baptiata de Araujo, s 8 li2 horas da noi
te, em urna das ras da cidade.
. Sahiram ao eucontro da victima tres mas-
carados e traicoeirmente o hggr.diram. O Sr.
Doming s Baptista tem procedido aqni muito re-
gularmente e ule aaDemoa a que atinbuir o ata-
que que acaba de soffrer.
L se no mesmo jornal :
aTin dos dominicanoa do largo do Roaario, in -
foriiian-noe, ch-mado par urna coufiaaio na ma-
drugada de nte-bontem, na ra do Mareira, tra-
Tou-se de razes com um cadete d 2-9 batalbao
de intautaria, que em cempanhi de outroa por
all se diverta.
Palavra puxa i- ilavra, e eis que de repente os
eadetc8 forma cir>ulo em torna 4 reverendo, e
urna rever, ndusima chava de cachucea e petele-
cos desaba furiosa sobre a c-ibeca do pobre mi-
sionario, que apenas t"V. tempa de arrcga?ar a
aamarra e abrir o chambre fel ras das Flores
abaixo.
F'tlleceu n^ capital o e :pitao da guarda nacio-
eional Vanl Jlo de Miranda, importante capi-
talista a cavaeiro da Rosa por servicos prestados
por occasio da guerra do Paraguay.
Hias Cierae*
Datas at 19 de Ag i
ilivia cheg^lo capital o novo preaidente
da provincia, Dr. Luiz Eugenio Horta Barbosa.
__S^b o tirulo Etraa de ferro d'este, lo-
bci na Gazela Mineira :
Na occasio im que se armava o vo central
ja ponte deeta tstrada s^bre o Rio das Mores, e
quando j se acbava quasi concluido o trabalbo,
foi o rio a respectiva vit'a de ferro, arrastando
em sua qaeda 5 trabajadores, 3 dos qnaes falle-
ram.
Este lamentavel acon'echnento foi devido a
aiprodencia ao mestre da absa, que, entretanto
nm officiat cujaahbbilitav'e o incontestavea e
que a- tem sabido perfeitameny bem de difficul-
dades ma>ores.
Facto deata natur-'i aao couirouna nos tra-
balbua de conetruteo daa e.trada de ferro.
Kao portanto, de etranbr que este se tiveese
J>do, imdo emo foi o priuieim d, asaa're oc-
Errido noa trblboa da entrada de ferro d'O.ate.
Oa pilarea da ponte nada toffioram, api-zar
do embate da v g de farro, que coin o seu enor-
je oeso apenas leixiiu uro v-.traco na face in
terna de nm pego por i.ude tseorrrgou.
Oatraao de servio :e,ultaute oeste incidente
rr apenaa de 15 a 2-/ das.
__ Oa estaca lo Porto-Novo, telegraph u no
dia 14 para a corte o fr. Biao de S. .raido :
Inangur i luje a eieao d. Santa Lusia do
Csran"ol, a duz' utoe e quartorzn kilmetros de
PcrtoNovo. Coro o tiecbo inaugurado com-
pita a estrada Leopoldina 798 kil. metios em
trafego e a mais extensa de-toda a America d
Snl. >
Rio de Janeiro
> Dta at 20 de Ag ate. :
I Eie a reaei.ba doa trabulbos do par menta :
No da 16, o Mwada o hr. Vmato ae Meoer s
justificeu um r. querimtnto, pedindo ipfrm>.c6ei'
sobre o peefoal nonead (elo governo para o <-r-
Tico da HasaisM e.o publica, p.alirioimente ao
decreto de 24 de D. zembro oe 1886. bem debate
foi spprovado este rtqiiei iuient.
Outr reqw rio.n.io fui justificado pelo Sr. Ba-
rio d Estancia, r. laiivanivnte a.i estado de seg
ranea individ al das eidao* do Lignito e Simo
Das. 0 i o i r-r. Bna oe ( tafia*, e, a pedido
do sen sn'or o requera nio fui n tirado.
O Sr. Fianco de a justificoucutro requerimen
to, pedindo inf. rmaco a ubre artigo de impiensa
pago pelos cofre publicoa. Este reqnerimento
fci tambe m retirado a pedido de seu autor, de-
pon de tir orado o Sr. bario de Cotegipe.
Na ordem do dia proceden te a votacao dsn or-
camentoe dos Ministerios da Juatica e do Es.ran-
geiroa ; proeeguio 2* diacusaao do projeotJ do
Senado relativo 6, navegacio doa rio Tocsntius e
outros, ficando o debate adiado pela hora, depois
de haver. m orado o Srs. Meir de Vaaconcsllos,
Ant.nio Padro e Viriati de M. deiros.
Na Cmara, depois da leitura da acta antece-
dente, foram lido e mandados a imprimir diversos
pareceres daa commiseo-s de fazeuda, penftes e
ordeando, roarink* e guerra e contitnicio e le-
gi alacio.
Foraro lidoB e fiearam ada 'os tre requenmen-
fa do Sr. Affmso Celso Jnior, pedindo nforma-
coes ao governo.
Depois de alguraaa obaervacocs do 8t. Jaua-
ribe Filho, preenebeu a hora do expediente o Sr.
Penido. .
Na primeira parte da ordem do da, continuacao
da di tcuaaio do projecto n. 46 A, reformando aa
eleices provinciaea, oraram os Srs. Cosario Al-
vim e Mourio, ficando a discussao adiada pela
hora.
Na segunda parte, e na 3' discussao do c re-
menlo da agricultura, oraram oa Srs. Luiz Frei-
r, Marcondes Figueira e Lacerda Werneck.
A discunsiu ficou adiada pela hora.
No di 17. no senado, foi apoiado para entrar na
ordem dos trabalhos oprojectj de Jai, offerecido
pelo Sr. Candido de Oliv-ira, oa seaaio de 1^ do
corrente, vedando a coerci do diroito de renniio.
Proaeguindo a diacuaaao, adiada na aeeaio de 13
do corrente, do requerimento do Sr. Leio Vello-
so relativamente ao indulto de um criminoso, orn
o Sr. Danto e ficou o debate adiado pela hora.
Na ordem do dia foi approvado o parecer da
coinmissio de constituico opinaudo pela conces-
sao da licenca ao Sr. senador Carrio.
Entrando em 2 diwuaao a proposta do gover-
no, convertida em projecto de lei, fixando a Jes-
pesa do ministerio da mariuha para o exercici de
18S8,orou o Sr. Viriato d..- Medeiroa. Foi liiae
apoiada urna emenda do Sr. Jaguaribe, equiparan-
do a grtifieacio do auditor de marino a do au-
ditor de guerra. Orou em aeguid o Sr. Avil ae,
pela hora ficou adiada a discussao.
Na cmara, lida a acta antecedente, o Sr. Af
fonao Celao Jnior fes aobre ella alguna obser
vacea, aa quaea respondern o Srs. Milton e
presidente.
Approvada a acta, foram lidos no expediente
tres ufficios do governo e requerimentos dos Srs.
Olympio Campos, Custodio Martina, Oliveira Ri-
beno e Afionso Celso Jnior, que fiearam adiados.
Preenebeu a hora do expediente o Sr. Marccu-
dea Figueira.
Na prioi ira* parte da ordem do di foi encerra-
da sem debate a diacutaao nica do projecto con-
cedendo licenca ao deaerabargador Casimiro de
Senna Maaureira, ficando adiada a votacao para
boje, na forma do regiment.
OSr. ministro da fazenda apresentou um pedi-
do de crdito supplementar na importancia de..
6.h29:631*547 para a lugalibacio de despeaaa ur-
gentes e imprescindivcia.
Conlinuou a 3 discussao do projecto n. 43 A
reformando as eleices previociaes.
Orar-m os Srs. Affouao Celso Jnior, Olympio
Vallada e Ritisboua.
A discinsio ficou adiada.
Na segunda parte da ordem do dia. continuou a
3* discussao do orcamento da agricultura, ora ido
os Sra. Jos P.ropcu, Domingaea da Silva e Pe-
nido,
A diacuasao ficou adiada pela hora.
No dia 18. no aeoado, o Sr. Viriato de Medeiroa,
fallando pela ordem, envin a meaa as informaceg
prestadas pelo ministerio da marinba sobre a re-
particao bydrograpbica.
Pela ordem lallaram tambero os Srs. Bario de
Cotegipe e Jaguaribe : o primeiro enviando a me-
sa um telegramma da presidencia do Sergipe em
que se explicam as oceurreucias a que em sessio
anterior alludira o Sr. Baiio da Estancia ; e o
segundo requerendo a diviaao da orden do dia em
duas partes, ao que nio pode acceder o Sr. presi-
dente que fes sentir a uigencia das leis annuas.
Proaeguiudo a diacuaaao do requerimento do Sr.
Leao Velloao relativamente ao perdi de um cri-
minoao, orou c Sr. Bario de Cotegipe e ficou adia-
do o debate pela hora.
Continuou na ordem do dia a 2 discnasio do
orcamento da marinba, a qual tambm fieon ada
da pela hora, depois de terem orado os Srs. Cn
dido de Oliveira e Ctrioto, ministro da repar-
ticio.
Na cmara, depois de lida e approvada a acta
antecedente, foram lidos no expediente dous^offi-
eis do governo e um parecer da commiaaao de
marinba e guerra.
Fiearam adiados dona reqnerimentos do Sr. Af-
fonao Celao Jnior pedindo informacea ao go-
verno.
O Sr. Pedro Luiz reepondeu ao Sr. Marcondea
Figueira, combatendo algumaa propoaices que
reputou cffeusivas, e que foram retiradas por este
deputado a convite do Sr. presi lente.
Requi reram e obtive-ram urgencia para serem
dados opportunamente para a ordem do dia diver-
so projectos, os Srs. Tbeodoro Machado e Jos
Pomp i, sendo negada a urgencia requerida noa
meemos termos pelo Sr Joao llenriqne
Fallaram i inda nos tres quartos de hora oa Sra.
Affjnao Celao Jnior, Pedro Beltrio e Luis
Frer.'.
Na primeira parte da ordem do dia foi rejeitado
o projecto autoriando o governo a conceder li-
cenca ao desembargador Casimiro de Senna Mu
dureira.
A requerimento do Sr. Cruz, foi encerrada a 3*
diacuasao do pr-jeto reformands aa eleices pro-
vinciaea.
O projecto foi adoptado em 3 discusaio e re-
me'tido i commisaae de redaccao.
Continuou a 3* diacuaaao do orcamento da agri-
cultura, orando o Sr. Junqueira Ayrea.
A diacussio ficou adiada.
Na segunda parte, diacuasao do orcamento da
fazenda, oraram os Srs. Lenrencorfie Albuquer-
que e Cintilo. jJMjj,
A discus.lo ficou adiada pola n.a.
o da 19, no senado, foi apreaentdo o parecer
das commisses reunidas de legitlacio e m ocios
ecelesiastieos sobre o projecto de secularisaco dos
cemiterios.
O Sr. Candido de Oliveira reclamou contra a
publicacio crucial do discurso que proferir a 18.
Justiticou o Sr. Silveira da Motta um requer
ment pedindo informacea acerca de negocateles
do Banco do Brasil. Ficon o requerimento para
ser opportunamente apoiado.
Na crdim do dia pns'guioa 2* discussao do
orcamento da marinba. Orar.m os Srs. Affonso
Celso, que presentan emenda ai. a.ando o para-
gr-pbo nico daa emendas da cmara para cons-
tituir projecto separado, e o Sr. Avila, ficando o
debate adiado pela hora.
Na cmara, dep is de lida e approvada a acta
antecedente, f> approvada a redaccio definitiva
d projecto n. 46 C de 1887 sobre o voto incoen
pleti as eleices provinciaes, sendo o projecto le-
inettid) ao senado.
Foram lidos e fiearam adiados, por terem pedido
a palavra os Srs. Geraldo de Rezende e Coekra
ne, dous requenm-utos do Sr. AfLnso Celso J-
nior pedindu iuf. mtea ao guvernu.
Os Srs. Araujo Goea eCnstudio Martins envia-
ran) meaa auas rapreseutatea daa cmara mu
uicipsea de S. Salvador da Babia e da Ponte
Nova, aa qnaes foram remettidas a commisses
re.-pectivas.
O Sr. Mrcond'B Figueira voltou a responder
ao Sr. Pedro Luis em relacio ao incidenteoccor
rido na seseio d. 17.
E''i approvada a urgencia, requerida pelo Sr.
Kernandes Filbo, p-ra s> r dado para orden do
da o prejico n. 14 de 1887 sobre posturas mu-
nieipaea.
i'i eenchi raro a b' ra do expediente oa Srs. Ri-
fo'iro Oa Conha e Aff oso C IsO Jui.ior.
Na primeira paite da oidem do dia, continuou
a 3* lircusaso do orcaneuto da agricultura.
Foi lido, apoiado e entrou coujunctamente em
discussao um additivo da eommisoa do orcamen-
to aulorisando o governo a dar nova irgan aoa correi.a e telegrapbos.
Oraram oe Srs. Le m s e Rodrigues Al ves, fi-
cando a discus-io adiada.
Na teguuda phrte, 2' discusaio do orcamento
da fazend, cra'am ,-r. Osario Alvim e Mat-
loaei. A oikcuksf'o ficon adiada pela boa.
Ceiebiaia Be no da 15 c>m a pompa do
a nume s tradicional testa de Nusaa Senhora da
Gloria.
__ Foraro ao dia 14 ao asylo de invlidos da
pain, na Ib do B< m Jesne, oe Srs Bario de
ibitoiuna, eonselbeire Carlos Fredeneo e Dr.
Jacinto Carlos Baptista dos Sautos par lavar o
rosto e s naos do* cadavf l do g> neral Osoru, que
all ae acba enbalmado, a voitaram no di se-
gninte par mudar roup, que, por cansa da b
midade, ficou muito estragada.
Eativeram presentes o Sr. senador Avila e an
gearo do finado.
O cadver est bem conservado. V,
Fallecen na dia 16, is 2 horas da madm \
gada, com 74 anna de idade, o professor de mu
sica Rapbael Coelho Machado.
Era condecorado com os hbitos da Rosa e de
8. Tbiago de Portugal.
B >m organista, foi por longos annos encarrega
de de dirigir a parte musical de festividades re-
ligiosas e presten, na su especial i rinde, bons ser-
vicos Sociedade Pr.rtuguosa de Beneficencia,
Caixade Soecorros de Padro V e ontras iati
tuiecs de oaridade.
Fui professor do Inetituto doa Cgos durante 31
anao tenrfo aarvido gratuitamente os 14 primei
ros. Foi tambero mam de 30 organista da igrja
de Noasa Snahor.i da C mdclaria.
Compjz especialmente urna grande missa para
a inangurcio da matris da Gloria, mereceudo
en lio elogios da imprensa. Compoz tamb"m nm
Te Deum, que foi eidcutado na igrej da venera-
vel ordem terceira de S. Franc'sco de Penitencia,
em celebracio da victoria das armas brazileiras
na guerra coro o Paraguay.
Escreveu um tratado de harmona e varias mu
sicas algnmaa aioda inditas.
Naacen na iiha Terceira, e veio para o Brazil
na idace de 21 annos. Nxquella ilha foi volunta-
rio da rainha D Mara 11, haveodu sido mal ten-
do na defesa de um forte da cidade e Angra.
Rapbael Machado, que tanto contribuio para a
vida de centenares de artistas, morrea paupr-
rimo.
No dia 13 chegara a Campos o presidente da
provincia Dr. Rocha Leio, que fora de Nictheroby
por S. Fidelia.
Deroorando se pouco temoo, seguio em trem ex-
presao para a cidade de Macah ; d'alli foi visi-
tar o ramal do Rio Bonito at a lagoa de Sum-
boaasica.
Do volta i cidade visitn diversos eatabeleci-
inentos publico*, o porto de Iinbetiba e tomando a
linba terrea foi at a -alacio do entroneamento,
de ou le aeguio at a fazenda do Visconde de Ara-
ruaraa, visitiu o engenho central de Quiasama e
voltou para Campos. Neata cidade, visitn di-
versos estabelcciinentss pblicos e particulares.
Babia
Datas at 24 de Agosto :
Arribara no dia 18 a barca a'lemi Cedzr.
afim de reparar as avarias que recebeu em via-
gem de Sunderall para Melbournn. Levaa car-
regamento e madeira.
Realisou se no sabbado 13 a manifestacao
feita pelas acadmicos do medicina ao Sr. couse-
lheiro Bario de Itapoan, ero regosijo ao leu ani-
versario natilicio.
Rcnaidos na escola, uoite, segniram os esto
dautes, incorporados e precedidos da banda de
msica policial, para a residencia do Si. Bario, i
ra de S. Pedro.
Ahi, interpretou os sentimentos jubilosos da 5"
serie, o acadmico Sr. Guarioo Freir, que, em
uome dos meemos estudiutes. fez entrega a sen
Ilustrad i professor de urna rica abotoadura de
brilhantes e de um alfinete par gravata.
Em reaposta, o Sr. Bario abraCJU, aa por uro,
atodoa os seus alumnos.
Romperam, om seguida, as danesa, que, anima-
damente, prolongaram-se at a madrugada.
A casa regorgitava de couvdados e admiradores
do Sr. Bario, sendo avultado o numero de senho-
ras da nosaa melhor aociedade.
Iu8tallou-ae na capital, no dia 19 do corren
te, a Compaobia Minas da Jacob na, que tem por
fim a miueraca e extraceio de aro e outroa me-
taes na comarca que Ibe da o nome, e cuja concea-
sio foi feita pelo governo imperial ao negociante
Sr. Eduardo Das de .Vloraea.
O capital deeai eompanhia de 200:000*000,
dividido em 1,000 aeces de 200*003, e sua dura-
ciopor 60 annoa, achando-se j depositados na
Sociedade Commercio 20:000*, isto 10 /, do
capital.
A administrado da eompanhia foi confiada aoa
ae^uintea senhorea que roram eleiloa :
ireccio Eduardo Da de Morara, Carlos
Martins Vianna e Auguato Weatphall.
Conaelho fiscalAntonio Joaquim (4 mea, Jaio
Teixeira do S, commendador Jos Ferreir* Car-
doao, Dr. Aitbur de Almeida Costa, Tb. Weat-
phalen e coronel Augusto Francisco de Licerda
No domingo 14, a bordo do paquete ingles
Mondego, que ueste porto entrn cerca do 5 huras
da tarde, fallecen o pasaageiro de 3 ctasee de
nome Joao Cunh, victima de tuberculaae pulmo-
nar.
Vinha de Lisboa para o Rio de Janeiro,
cadver foi laucado ao mar.
Tinham fallecido, Franeiaco Leite Baptiata
e a profeasora de piaa D. Virginia Ferreira
Alaceaa
Datas at 26 de Agosto :
Lemos no Alagos de 17 :
Sabbado tarde dois marinheiros de nma
barca ingleza surta em nosso parto, tendo da em
barcar no escaler que devia conduzilos a bordo,
c hiram ao mar, devido ao estado completo de
embriaguez m que se acbavam ; apesar doa ea-
forcoa empregadoa para salval-os, nio foi poaaivei
conaeguil-o e deaappareceran, ambos.
II oteen pela maubi deu coata o cadver de
uro ilclles, que foi sepultado depois das formalida-
aea 1< gaea.
A polica tomou conhecimento do facto. >
A mesma folha diese ero 19 :
Dcu costa ante-hontem, completamente co-
mido dos peixes, o cadver doa aeguudo dos ingle
ses que cahiram ao mar, como noticiamos no pas
sado numero.
Quasi a reatava do infeliz afogado a oasa
da. *
Tinham fallecido em S. Miguel dos Mita
grea o tenente Juveucio da Graca Bello ; en S.
Luiz, D. Nicacia Pereira e n capital, a 14, D.
Adelaide Augusta Saldanha de M lio esposa do
Sr, Antonio Faustino da Costa Mello.
EXTERIOR
ttnas Magestades Imperlaes
(Correspondencia da Gateta de Noticias d corte)
Pariz, 25 de Julho. a
Tendo ihegado 1 hora da tarde, de 18 do cor-
rente, a Madrid, Suas Mageatades Impenaes dei-
xaram etsa cidade no dia a> guinte, tomando o trero
rapid, que d'alli parte s 5 h .raa e 35 minutos da
larde. AHia, xou maia cedo a bella capital de Ileapanha, por
nio se sentir, talvez bem acc mmodado no hotel
que de antemio escolhera, o Grande Hotel de
Roma.
E' um estabe'eeimento de primeira ordem, nem
ba devida : perm os compartimentos de todo o
primeiro andar, que haviam sido antacipidam 'nt<
t mados, nem se quer haviam aido cnveniente
mente distribuidos p las vinte e tres possoaa que
compoem a comitiva imperial, de s. rte que ana Srs.
Viaeondea de Nioac e de Motta Maia coube a im-
proba tarefa de aadarem, aj.s a ebegada, a viaitar
a examinar quartos e salas, afim de os escolher e
distribuir de accordo con as necesidades e com-
i doa de cada um. Isto enfastiou-os sobremanei-
ra, e compreheode-ae ; e insisto em dist-f-o porque
a esta questio de preparo de accomn-odac a em
boteia se ach intimamente ligada nm uutra
questio nio menos importantea do nosso peasoai
de legacio. E ja me v..u explicar.
Antea de Suas Magestadea ch garra a Lisboa,
o Hotel Brsganca j se achava convenientemente
^reparado para recebar a imperial comitiva, pois
que a tudo proveram o atilado, diligente e velho
Bario de Carvalho Borges e sen secretario, o moco,
atilado e diligente Luiz Guimaries, Baiio V
Lettras Tal nio auccedeu em H spaaba, porque
ouvi eo, essa veraioalli a legaciu eat quasi
aeepbnl, acbando-ae interinamente occuptndo o
cargo de enearregado de negocios o Sr. S- Idanba
da Gama.
Este um joven, extremamente joven ; pouco
pratico em aeaumptoscomplicados e portanto poje
no cas de atleoder aoa te-egrammaa que c cedencia lbe haviam sido dirigidos pedindo Ibe que
tratasse das ucejmodaces deatinadas* Suas Ma
gestade. Ter aido talvez, causa i'isso, a inexpe-
riencia da juventudee.icarregada de negocios ou
o dr. Saldanba te' dito de si para si croo o .A-t-
mousse do PetU Duc. pardon, mais je suis iei pour
Juire anosursde Utlerature el non pas pour... pru
arraujar qurtos em botis Eutreuoio, por isto
ou por aquillo, o acto que a coaitiv de Suas
Magestadea obaervou quanta differenoa havia
eutro a nossa legacio em Heapanba e a nosaa le-
gacio em Portugal eob esse ponto de viata de qu*r-
toa e de camaa... E 0 nome de Luis Qnircariea
o noeao raonho e amavel poeta, acudi logo, logo
como ae ease mordomo do palacio ds tausaa ti
veaae demonstrado iguo'm-ot" que elle aabaria ser
nm bom arraojdor de coinmodtoa as hospedaras!
vainonte Luis Guimaraes est bica para
o lugar vago em Hospauha, e uem se pode cooce-
ber a razio por que at agora nao 8e teuba dado
easa promocio natajal, justa justificada. Diaciu-
cto fuoccionario, correcto, intelligente e digno,
Jjuiz Guimyies de ba inuitos annos representa o
Brasil na Europa con elevacio auperior tanto na
diplomacia como naa lettraa. tem exercido in-
terinamente o cargo de noaao enearregado de ne
gocioa nada meooa de quatro vezti8 e nada menoa de
duaa foi ministro plenipotenciario, aerviodo em urna
d'ellaa no convenio puntal celebrado n'eaat m ,-in.
Hespanha, que ora i aTerece urna porta aberta, e
prxima, promociodo brilbante poeta ; e erofim L
Ouimaries nada menoa que um do noaao pouco
diplomata, cojo nome se pode citar eom orgulho,
poia aabe-ae que o de um ciivaiheir > que, nos
aeus User, anda presta sarvicos aa pniz que re-
presenta fabricando primoroso verana, applaadi-
doa gcralmsate, geralmeote eati nado.
Ao que parece, o noaao poeta da ae agora a
excavucoea biatoricaa e cata ce documeut. a iro-
portantes, o que anda maia anona o seu espirito
sio e laborioao. Pelo menoa d'iaso deu prova, of-
ferecendo ao principe Pelro o Begumte docu-
mento, que por roiuba vez eu offereco meditacio
protunoa dus noaao Capistraooi, amantes de cu-
riosidades patrias e histrica i. E' um. carta
tracada em papel amarellado, escripta com tinta
que denuncia o tempo em que f. i usada e trazeu-
do na obrea do fecho aasigualadas aa armas impe-
naes d Brrsil ; e diz em eulligraphia perteiu-
meute legivel, em que se evidencia a torca de von-
tade e a superioridade dn anime :
< Boaventura.
Faz-so mistr urna ama de leite que sej das
pretaa do sul vate iato mande ou d a8 ordena ne-
oe'ssarias p ira ella vir c para casa de seu aogro.
Dizero-me que urna tal Simpliciana que pari a
s-'ismuzea e eat em sua essa a-: aasim tur ordeuo
lbe que mande eaaa.
Por hora nio tem mais nadi a ordenar-lhe.
Eate seu amo,
O Imperador.
Boa-Vista, 1825..
II
Da leitura deste documentoque copio fielmen-
teae depreheade que em 13 de Novembro de
1825 o Sr. D. Pedro I preoecupava-ae com a idea
de procurar urna ama da leite, preta, daa vi idas
do sul ; e, como qu m eatava para naaaaf, I
effictivamente nasceu d'ahi a dezenove das, foi o
Sr. D. Pedro II, claro ese que a Simpliciana do
Boaveotura, que havia pando seis metes, era
confiscada expressaminte para v.r amaro.-ut.ar o
noaao actual e enfermo Imperador. .. Assump'.o
digno de estufo doa nossos Ctputranos, aos ques
peco inataatement diserem algo aobre a pret.
Simpliciana, a Amaltba da nos-i- historia patria,
eacavada por Luiz Guiinavies .;m momentos em
que, terminados oa trabalhoa da legacao, elle ae
uceupa de cou*a uiais seria do que dae; iresai
fuuecii a maia importante e a maia evideute da
dioloinacia ero geral e da nossa diplomacia em
particular.
Que meditemsobre o d icumento os nossos
historiadores e sobro a promocio do dietiu :to
poeta o aeu reapeetivo roiniatrc.
Durante as vmt? e oito horas que ae dcaurou
em Madrid, o Imperador apenas esteve no boBal o
teropo preciso para repousnr. S .hioio aooataate)-
incute de cario tirado por belliasima parclba, vio
tudo quanto era poaaivei ver durante a curta pa-
rada que fez na tormosa MiJr-d.
Nao eatando na cidade a rainha Mercedes, fizera
esta repreaentur-ae pelo seu m nistro de eslrau
geiros, o qual, com o enearregado dos negocios da
Russia, o secretario da leg-co da Franca, o mi-
nistro da Inglaterra c t ida a nossa legicao
cooiposta do joven Saldanbalora esperar os un-
oi raos viajantes gare das D-dicias- Tambcm
alii se achava o Duque da Urca, D. Pedro de Brs-
ganca e Bourbon, primo, aobriuh >, ou o que la
do Imperador, e que foi o compiiuheiro use jara-
vel do principe D. Pedro em todas" as suas exeur-
ses por aqueja cidade-cidad-i notavel e pre-
destiuada, a quem coube a dita ele, em un s dia,
dar hospedagem a tres principas, todos tres de
Bragauca e todos tres Pedros !
O Imperador, de sua visita u Madrid, ao que
parece, guardou maior impressio da igreja de S.
Francisco, templo esplendida, nquissnno, onde te-
ve ensejo de ver uns frescos de f Ucencia, de Pa-
dilla, de Casudos e famosos quadros de Lucas
Giordano e Rbeos ; do paco do Senado, onde vio
o celebreqnadro de Padilha---.4 rendico de Gra
nada e a bibliotheca, teita de ferro, de Toledo ;
do muaeu de archeologia, onde examinou detida
mente umaa eetatuaa de pedra, que ainda nio es-
t bem eatudadaa e qua aio attribuidaa aoa phe-
nicioa ; do musen de pintu.a, onda uxtasiou-s;
diante daa obras priroaa daa escola heapaubola e
hollandeza ; e, fin tmente, da expoaicio philippi-
na, onde se encontram oa documentos que attes-
tam o adiantamento e o progresso dos haoi antes
das HhilippmaS, n agricultura, na industria, naa
artes, e, sobretndo, na pintura o na ecculptura.
Ahi foi recebado pelo ministro do fomento e pelo
director da exposicio, que duiante a visita farlou-
se de dar-lhe esclarecimentoa.
Afinal, naturalmente fatigado e acompanhado
de funccionarios superiores de Madrid, o Impera-
dor embarcon s 5 1/2 horas da tarda na gare do
Principe del Po, com direccio a Pars.
Releva, porm, dizer a verdade, a Hespanha nio
deu pela historia, nem aonbe que So Magestade
l esteve. Na gare, ouvi a ana eujetoaaque mul-
to admirados bearam de saber que alli se acbava
o imperador do Brasil; outros per^untavain em que
parte de Portugal ficava essa porcie ae trrae,
o que nio admira, porque na estucio telegraphica
um empregado superior foi verificar no ndice de
um grande livro se efectivamente exista o nome
Rio de Janeiro e concluio por perguntar em que
parte do mundo ficava o Brazil... Alia a sua
ignorancia era justificada : n'uuo grande cartas,
pregado a urna columna, venfiquei que se acha-
vam os precos das transmiase para a Europa,
para a Asia, para a Oceania e para a fricas-
mente. Com a America ainda nio contain, natu-
ralmeute acreditando que ( hriitovo Colombo
urna figurade romance e qne urna tal rainha de
Hespanha, que o protegen, urna creacio de cere
bro fantaaista, nao paasando tudo iaao de outroa
tantos coritos da carocha.
Ora, valba- noa Deua e maia noasa presump-
Cosa ra do Ouvidor!
Sua Mageatade fes a viagem ao rapid naa me-
Ihorea coudices. Mesmo uoi'e sa tava do wa-
gn lit em todas as eatacea em que o trem para-
va, aproveitaudo os poneos minuioa de nter vallo
para passear ao longo daa plataforma com o Sr
Nioacessa dedicacio peraomficada. Ao ebegar
o trem aHendaya, f i Sua Mageatade recebido na
gare pelo prtfeito de Bayonne, pelo Conde de Bar-
ral, filbo da condesa do mesmo titulo, e por va
noa cavalheiroa condecorados, que nia aei qu-ui
eram. Tomando lugar no expresao de Orleana,
que foi quaai exclusivamente uceupado pela comi-
tiva, Suas Mageatades deixarain Hondaya a l e
10 minutos da manha, gracas bonJade das auto-
ridades, que dispeosaram exame e revoivinento
das bagajeus, cousa easa da maior embirracao doa
pobrea viajantes.
Em Bordeaux esperavam-oi na gare, e toma-
ran lugar no expresao o Sr. Bario de Annos, to-
d o prasoal da 1. gacio brasiieira em Paris e o
l'1' Alfredo Nioac, que comprimentaram con a
naior effuaio oa auguatos viajantea. Tamben
naquelU eatacao antoridadea francesas, fardadas
e codlecoradas, foram apresentar seus compri-
rceuioa ao imperador, demorando-S alguna ins-
tautea dentro do w >gon.
Era quaai uma hora da madrugada quando o
rapid chegou gare de Pars, und-< acbava se
grande numero de p ssoaa permanentes colonia
orazileira, aa pnacezaa I). Januana e D. Francis-
ca, a v-lha Cundeaaa de Barral, o Bario de Alou-
querque, o Bario de Itajub, o Sr. Tovar de Le
moa, ex-ministra de Portugal no Brasil, o Bario
da Estrella, o Dr. Aborto de Nioac, o jornaliata
i. Deleau e aua Exma. seubora, e muitas ontras
aenboraa e cavalbsiroa.
Sua Magestado a imperatris beijoi repetida
vezes aua velh amiga, a Condoaaa de Bu ral, e
uio menos ebeio de efiusjs offec'uosas fojo en-
coutio do i operador con sua limas, (jdfceasa
d'Aquila e princesa de Joiuville. Teado^Kpri
Jenentado e agradecido a C-das as pesa a"q os
haviam ido esperar, Suas dagestades seguirn
logo para o Grand Hotel, no rioulevard dos Ca-
puc nes.
Gran le parte do primeiro andar deata vaato os-
tabeiecinento forajs preparada de anteni) para re-
ceber oa imperiaes via|antes, oa- quaea all tdm in
greaao por urna larga porta e ea jada particulares,
qua abrem para a praca da Opera. Os comparti-
mentos reservados a Suas M g-stadea e comitiva
oceupam toda a parta do 1 andar do hotel, que
hea entre o boulevard do Capuchiohoa, a praca
da Opera a a r ja Auber, e sio lateiraneate sol
dos dos dos outroa viajantaa.
Dis o Fgaro que tudo all miravilboso e que
Suas Mageatades acham-se insta Hados u'ua ver-
iladeiro palacio. O grande sali, en velourt dt
Genes, sur bois dor, (estylo das nossas novas sec-
ones ouvidoreanas) abre por cinco janellaa sobre
o ngulo da praca e do boulevcrd. Ao lado, di-
rignidj-se para a ra Scribe, encoutra-ae um ga-
inete de trabalbo e em seguida o quarto do piin-
ipe D. Pedro; cmara rouge (mesmo eatylo) com
leito de bano incrustado de nacare de marfim.
Em seguida o gabinete de trabalho do imperador,
a cama na do imperador e da iuiperatriz, com doua
leaos gemeos collocados lado a lado; toda a c-
mara en velours Jrapp, bUu de Smyrne (dem).
L) pos o pequ-nu aala da iroperatriz aeu gabine-
te de toilette, o sali do veador, outroa quartos,
etc. Do outro lado d grande aalio, dando para
a praca, urna vasta sala de jantar, onde quarenta
peasoaa ae encontraran vwulade; oa quartos das
da naa ; por toda a parte quadros de preco, bron-
aes de lodion a de Barye, tentares de peluche vieil
or. des tupis d'Orient, etc. -eia o que diz o bem
informado Fgaro, que at ebega a aflinnar que
Suaa Magesta es viajain aob o titulo de Conde e
Condeaaa de Bragauca e que o Bario da Estrella
o ajudante de campo (I) do Sr. principe D. Pe-
dro.
Uira vez installados em aeua aposentos, isto s
2 boraa da madrugada, .juera crr que Suas Ma-
gestadea tivasem dormido peifeitumente, coro
quero vinua de fazer longa viagem. O que tac-
to q e muito cedo eatava de p, ji paoaeava a
p e j recebia visitas ah multas viailas mu
tas rocano, eutre aa quaea una que merece espe-
cial capituloa do Sr. Conde Fernando de Lca-
aepa, aeu particular amigo.
Aqui em l'ariz a grande questio da actuali-
dade o Panam, aaaim cono o general Boulao
ger a grande iudividualidadc da moda. Bou
langer e Panameis o que se ouve todo o mundo
fallar a tuda hura, noa cales, as ras, noa mni-
bus, nos trainwavs, por toda a parte eroGin.
O Panam, ou a (r ,nde Companbia tfoiversal
do Canal uteroc amco do Panam, era actual-
mente um negocio vacillante, que perigava, Ape-
zar de toda a sua populurJ^ade, de todo o aeu
prestigio, o conde de Leasi-ps nio tinha conaeguido
vencer a duvida que ae apoderava do eapirito dos
srus accionistas e ba cerca de seis meses via o ne-
gocio correr mal.
E' preciso notar que Lt;seps um sujeito riqui-
cissimo (per loen o superlativo... por insufficente),
que vai coro a familia ao Bois. ah dfixa a sua
carruajero e roistura-se con o povo no UBSaoiO a
p. Falla aoa 'ioeberoa, aoa bomena da plebe, re-
cebe todo o inundo, a qualquer hora, c < norme-
) mente agradav I e gentil, : iaao d en resultado
o elle gozar de urna pjpularidade extraordinaria
Ora, nuitoa doa aeus accionistas, iato doa que
tiveran grande parte das aeces do Panana 8o
geute da p.coe. pue fez econ iniaa e fji depoaital-as
ua caixa da uascente cimio-.unia. Dis-se que Les-
sep, quereudo paaaai BCC -s, basta chegar rus,
bter ao hombro de uta coebeiro e dize: amgavtl-
inen'e :
Bati, seu felisardo, j qua vota tem ahi o
seu fanaia hinko, bein !...
U reaultad cero na ahi disaeims : aio tavas
c uta as. Se- cocheiro uio tero o aeu Panama-i.-
nho, vai comprar um ; se j tinha urna accao, vai
correndo comprar outro PanamainAo.
E* eVidMute ina^, com > os negocios da abertura
do canal iero corrido mal e a compaania tem des-
p.'ii.lulo milhea, abalou-ae enorme-neate a cin-
fianca u'ella depositada o para a reunido da assem-
bla g-ral man- 121 do COri ,:oiava-se
com um verdali-'iro desastre: ia ser nadada, fa-
talmente e indubitav lm ut" Lcsaepa a ctr
da segunda presta aio correspondente emissio
de maia 500 mil acy'a do Panam! A cnae era
iacoujuravel. Ningaen pensavu ua probabilidad
ne Lessepa vencer d'esta vez, e o daaastre inevi-
tavel era anuunciado aoa q'iitro ventos e de an-
temio c'jtntncntado.
Fi justansnta u'este momento solemne, n'eate
inataute decisivo, que cahio do eco junto a Lea-
sepa um enviada da Providencia: o Imperador do
Brasil! Exactamente o Imp'rador chegara a 21,
hora antes i reuuiio, que se devia effactuar s 3
da tarde; e L'saepa, S"U amigo particular, grande
engenbeiro e grande hornero do secuto,porm
sobretudo o bomem doa golpea certos, atrevidoa,
segurosvio que estava Calvi...
(Jomo? perguntar o leitor.
E' aimplea. Lesaeps foi logo pela manha ao ho-
tel visitar o Imperador, dar Ihe aa boaa viudas e
de camiobo pedir-Ihe que fizesse o favor de in-
sistir grande reuniio dos accionistas da sua eom-
panhia, que devia ter lugar n'aquelie mesm) dia...
O Imperador, sempre benvolo e indulgente
para oa seas amigos, e demais, tratando-se de
una grande obra que nter, asava o futuio e o
progreaso de todaa as naces americanas, cono
Ib'o diaseram em pomposa phraae,accedeu.
Nen ae lenbrava o Imperador du que a aber-
tura do canal de Panana antea aera prejudicial do
que favoravel ao Brazil, porque d'ahi' desviar
rouita correte que por neceasidade fazia caminbo
por noaaa cesta en via cifico; e nem fizeram ver ao Imp.rador que era
um facto aaaa singular, exquisito e inexplicavel,
a sua presenca como um verdadeiro intruso n'uma
aaaembla geral de accionistas de urna compaubia,
e em dia em que ae lam ferir discuases sobre in-
tereaaea da mesma e talvez decidir da sua mortc
ou da sna vida.
Foi; e o Sr. de Lesaeps teve o sen coup e o seu
clon desejadoa !
Muita gente para alli se dirigi s para vir o
Sr U Pedro II, de que os jornaes da vespera j
fallavam coro insistencia a a quem o Fgaro da
anteveapera dedicara um artigo na aua parta Ili-
teraria. (O Fgaro protege o Panam.)
Ant -a de curoecar a aessao, o Sr. de Lesaeps sa-
bio a um estrado e fez aos accionistas presentes a
esplendida apreseutacio do Sr. D. Pedro II, o
Imperador do Brazil, que, tendo ebegado n'aquelia
mesma manha a Pariz quiz dar com a sua presenca
a prova do grande in'.erease que ligava obra e a
pessa do presidente do Canal de Panam... *
(Textual).
D'ahi proseguio o sea discurso ; o imperador foi
muito saudado e... resultado: os qne l tinham
ido na ntencii de discutir, de protestar contra
certos actos de ac?usar os directores da eompa-
nhia, quedaram-ss nudos, a contenplar o nonar
cha que Ibes viera dar em exposicio o habilissimo
Sr. conde ia L"s*epa !
E eis orno o Imperador fez mais em meia h ra
do que t .dos os engcnbeiros, que tero estado no
Panam, tem feo para a abertura do canal. P
desse mesmo diser a todo tempo que foi o nosso D.
Pedro II qiem cortou oappendiculo que pretenda
o aul ao norte da America...
Baatou para isso que o Sr. de Lesaeps se lem-
brasse de apresentar aos accionistas revoluciona-
dos da sua eompanhia vacliante,como se fra
expor diaute d'elies urna phoca da Laponia, um
urso braoco da Sibcria, um Kangorou, um exem
piar completo do gorilla, o vivo Shiva da India, o
crocodil.o do Ganges ou mesmo um dos uossos co
roados, qualquer couaa de bicho raro,o noaao
excedente e pacato Imperador, r. almente adoiavel
e laatinavel na aua supina ingenuidade e Ilimita-
da bonhornia.
Pelos bvutfiard disseram-se pllberias de man
guotav m so o Imperador era accionista ou ae se
entiba c>m o Sr. de L-saepa... elle o Sr. D. r*e-
droTl, cima de toda a sospeita em queales ma-
terias* de diuheiro e incapaz de prateger ou ani
nar tnd > quanto aeja eapeciil icio, anda que se
eovolva 8o0 ponpoaoa nonea de progresso, adian-
tamento e ci^jjuatio.
Mas venceu d Sr. Lesseps e, amauhi s 4 horas
da tarde, couta-se Boa) um. victoria esplendida:
vai ser coberta toda a emissio.
Rtspito : ora'valba-nos l) -us e nais a nossa pre-
suropceisa ra do Ouvidor I
P 'la qoe tsenos Cada figura .
Neisse mean o di o Imperador paaseon de carro,
foi a varios estabelecimentos, paseou pelo Insti-
tuto e, noite, ealeve no Hypp > irem ., nde urna
compaubia eqneatre e gymuastica aprsenla ama
grande sena dos dsenos da Arabia, ero pessual
numeroso e Camellos inclusive, ri no da aeguinto
foi viato palos dous roestrea naa acienciaa medicas,
cada um por sna ves, um pela n*ohi e outroi
tarde : Petar e Brwo Seqasrd ; eate, aeu *amig>
particular n intim >, que viera de Uieppe, onde ago-
ra reside,expresamente para ver i Imp rador.
Petar fes um exa ne minucioaisaimo e, segundo
cuusta, eoncordou lateiramente como o medico a.
aiateuta do Inpeoador, o Sr. visconde da Motta
Maia, tanto quanto aodiagaostico e ao prognostico
cono ao tratanento. Elle e Browa Sequard apenas
nao julgararo prudeute sujeitar o doente s aguas
de Cariabad, que elle nio poderla suppirtar, pre
feriado a duchas e o tratameoto por un sal tnico
e de accao excitantemotero aobre oa ceiros ner-
vosoatratanento a que alias elle j era su tune t-
tido de ba muito, por indicacio do aeu medico, ou
dos seus nedicos.
(Junto ao nais, estivern de oerfeitc accordo
con o Sr. Visconde de Mtta Maia, que teve por
isso grande e justificado regoaijo.
Brown-Bequard fez o Imperador despir-se
exaninou-o, cono ae diz vulgarmente,da cabeca
aoa pea. Eacutou-o com minucia e declarou nada
encontrar para o apparelho reg^ir torio nem para
o circulator.o. Examinou Ihe o figado e o -baca,
e, tendo com um lapia de cor delimitado nos hi-
pocondrios respectivos o egpaco oceUpdo J,t
aquellas viaceraa, concluio que eatavam re tosidas
Completament o aeu estado normal. Percut
todo o crneo do Imperador e fes-lhq ahi um meti-
culoso exame, relativo aeusibilidade ; edo mesmo
modo e para o mesmo fin examinou- com um pe-
queo compaseo de ramos desiguaes e movis, que
Ihe applicava face, ero varios pontos da lingua,
ua face palmar das naos nos dedos, etc.
Ambos, BroWu-^equard e Peter, fizeram un
prognostico favoravel. Petar dssse aps a au-
cul'-acio do msculo cardiaco :
Voaaa Mageatade t m um coracao d oco !
O que sen duvida o naior elogio que posaa
fazer a um coracio de t2 annoae o que deve
aobremaaeira ter sido agradavel a Sua Magestade
onvi'.
Relativamente ao diagnostico, e tendo concr-
dalo com a opimao do Sr Visconde de Motta
M*ia, aquelles doua medieoa mostrararo-se tam-
bero de accordo curo o professor Boucbard, a quem
coube examinar por ultimo o Imperadore isto no
dia siguite, 23.
Como se sbe,e nem para ninguem um se-
gredoo Imperador s.ff e de diabetes. Oa tres
professores, dos quaea um levou comulgo urna cer-
ta quaotidade de urinas para examinar, infurma-
doa da propurcio de aaaucar encontrada em ana-
lyaes anteriores, uio mostraram se arreceiar desaa
especie mrbida.
<4o.nto a uroi pequea aiterajio da menora,
que teve Sua Magestade, traduzda por lgeiro,
luaigmficaute e oasaageiro esqueemento de tactos
i tes, toruanda-se notavel a aua integrdade
para os factoa remotoa, parece que aquelles mdi-
cos nio Ihe deram igualmente grande imp rtan-
cia, por isso que sffiraaaa nio depender absolnta-
mentu aquelle facto de qualquer alterae;ao mate-
rial do cerebro.
D.i resto, essa aiteracio da memoria irciuuio
muitisaimo e hoje roaia que insignificante. Ser
o resulta lo do prolongado uso do sal de quina ?
Ser apenas o resultado do entraquecimento ge-
ral, produziio por cerca de quatro meses leinap-
Batencia absoluta, deaordenskgastro-intestiuaes o
talte de nutrici>, tudo causado pela intoxicacle
pilustrc ? Ser que em determinado ponto uio
se fizes?e durante lgum tempo perfeita e comple-
ta a irngaciu sangunea '?
h i o q;-' nao sei ; eis o que ni i pude saber
so qu o Sr. Visconde de Jlotta Maia nio pode;
nem deveaar, atienta a sua posicio delicada
e de raaponaabilidade ante o enfermo, que cuida
com desvelada attencio e vigilancia iuquebran-
tavel.
j{A este medico roe dingi com o intereeM da co-
i-.-r :,l^u..-,j infornacio verd.i i u resul-
tado dos exain -s dos p i alluddos ; -S. Exj.,
reeebeodo-me eaos aii'io.ii ial e boudade extre-
mas, nada pude, entretanto, confiar-ne, quanto
s niuucia a i pel.t mesma ra-
sio qne alladiha pouca Apeaas pude coiher
de S. Exe. a eoofirmacio do lina c inseguir obter
r ni iii. is de pessoaa aqu alt-
is; q le S. Exc. teva a fortuna de
ver pleaasaenta de accordo aauigo oa trea pro-
: coasaltados, j\ em ..> daaos:ic
yg )i:-.co e j ao tratara mitoj p .-j que Ih
i os ene unios.
Ni op olio da Pe ir Imperador dhda Isa
i- grave; apenas tm um irraode entranqoeci-
m.'uto, loo .- podar ser vencida a casta de re-
pouao, mi- repoaao completo, absoluto.
Deotaroa |tte en conveniente o linpj-ador
nio se d -morar ein Pariz, pois to lis estes visi-
t.int- s que o nao ieix,m, eases divertimeutoa e es-
aas viaitas q le eie faz, nio Ihe poden produzir
bem e talaea-ao repoujo que Ihe aconaelhado
O tratsmeuto reduz-se a un rgimen reconati-
tuintc, applioaedo de duehaa e paaaeioa a pe Ad-
miuiatra.;ao de p quenas Uose3 de um sal de stiy-
chnina, que obrar como enpsptico, toaico e ex-
citante relevador das torcas.
Poi o que pude eolher, apez:r da impene'rabi-
lidade, alias justifi:ada c aceitavel, era que ae col-
loccu o asaiste.nte do Imperador.
Como, porm, todas estas informaces tenlem
a traaquilliaar o espirito dos braziteiro em ge-
ral, que se arreeeiavam do estado de Sua Mages-
tade e talvez o juigissein muito gravemente en-
fermo, com prazer que aa envi d'aqui, atli.-man-
do que aa oOtive de foute aegora e fidedigna, em-
bora care9am da sanevio do Sr. visconde de Mot-
ta Maia, a quem um bem encendido escrpulo im-
pede de fornecer-m'a.
Creio ^ue o Imperador, que j tem sido sub-
mettido ao tratameoto nyirotheraDico e tem to-
mado duchas aqu mesmo uo hotel, depois do que
faz longos pasaeos p, vai para Royat, ou para
Vicby, ou para os arredores de Munich. E' ques-
tio de escolha apeaas. N'esse interim ficar em
Pariz a divertir-se. e a'esse pouto forcoso confes-
aar que Sua Mageatade nio s.- descuida do seu r-
gimen.
Logo no diaseuinte, 23, foi Grande Opera
aasistir Favorita ; nio perde noite de espect-
culo, alimeota-se bem, passeia muito, reee'oe to-
dos os que o procuran (e sao em grande numero),
parece conteute e em va de cara. A' la bonuc
heure l
S o ter-se visto livre d'aquelle rgimen obri-
gado do hynno nacional desde pela manhi at
noite... Prancameote, parece que a abstencio do
bymna faz bem Sua Magestade.
(Continua.)
INTERIOR
RIO DE JANEIROCokte, 19 de Agosto
de 1887
Sukmabio : Porque o orcamento do ministerio do
imperio ainda nio eutroa em 3* dis-
cusaio no secado. Qual plano dos
liberaes abi, secundo o Sr. Candido
de Oliveira. -Perspectiva de urna lon-
ga prorogaeio das cmaras.O pro-
jecto de refrma da eleicio de depa-
rados provinciaes.Requerimento da
Sr Leio Velloso sobre o perdi a um
condemnado.Informacio 8obre este
dadas pelo Sr. M :ira de Vasconeellos.
Beaponaabilidade ministerial nos
actoa do poder moderador.Discursas
dos Srs. Dantas e Cotegipe.Traba-
lhos da cmara dos deputados.
0 leitor deve ter notado que o orcamento do mi-
nisterio do imperio, approvado em '' discuti na
senado na seaaio de 20 do passado, em seguida as
incidente de que resuitou a retirada do Sr. Mamo-
r do minieterio, ainda nio tenha entrado em 3J,
quando oa orcamentos doa ministerios da justiea e
de eatrangeiroa que foram discutidos e approvados
posteriormente, j tiveram 3a discussao, em que fo-
ram adoptados, e agora se esieja tratando, em 2
discusaio, do orcam.-nto da marinba.
O facto tem explicacio. Tendo aido encerrada a
diacussio d'aquelie orcamento aem debate, como
expuz na carta era que re-feri o occorrido na
mencionada aessao, e ficando oa liberaes d aenada
muito contrariados com a recuaa do Sr. Smimb
de reconsid-rar a declaracio de encerramento, que
riles couaideravam precipitada, resolverem desde
logo, e nio o oceultaran, dtorrar-s i n 3 discus-
sao, retardando-a quanto poaaivei, afim de mostra-
ren! ao governo e ao Sr. Smimb, a qnem, aim de
acbarem multo aotontorio, acensan de excessivo
niuisterialismo, qoe nada ganharam com a aup-
pretsio da 3 diacussio do orcamento do imperio
a nica em que na expirante seaaio anda poda
a?r admittido debate poltico. Conhecido am tal
proposito, entendeu o governo adiantar oa outros
orcam ntoa em amb.s aa diacusaea, deixando para
ultnn i logar quede.
Maa, oent aaam t-m o governo colhido vnta-
gen, porque noa 30 liaa decorrido de ento at
h je, anda nio c.ODeguio pasaar do orcamento do
niuiaterio da nannha, > con o qual e com o da
guerra que se lbe duve seguirdizia ha deas dias,
o Sr. Caodido de Oliveira, em conversa as ante-
salaspretenden ellea lib-raea ir at o fin deste
roes, deixando a 3* ii,cuaaio do orcamento do im-
perio e aa duas de cada um*dcs orcamentos da
agr.cultura, da fazenda e de lec-ita para a proro-
gafio. cuja dur-co mal ae poder prever, por-
que aio precisamente estes (rea ltimos orcaroen-
toa qne naia asannpto ..ffer-cam para larga e de-
morad discussao. Queremos ver at on le ir a
resistencia, > acerean-utava o meano Sr. Candida
de Oliveira, eom aquella eip.nsao jovial, que a
ae. uipanhio sempre fr da tribuna. Donde teY
fie o ministerio, se nio ceder ao cancico, ceder
ante a aoseaca do aban fono da cmara doa depa-
tad .a, qne ae snppe ni > iteca para doas meses, pauco mais oa menos.

U
\.
*.
/
I


V
Diario de Fernn,boroDomingo 28 de Agosto de 1887
.
Nio creio nem n uta*, n'in n'oulra hyp.th-se.
Primeiro qu- tu lo, os ministros nao ti-in licem;
Cra cancar. Depoia, alm da dedicarlo e obedi-
ia partidarias, o aeutimonto do dever nio con-
lentir qu<: a actual inaioria se retire sea ter vo-
tado a le do orea meato.
A aossa historia parlamentar offerece a esse
respeito mais de iim -x-mpio dado pelo partido
conservador. Em 1841 a sessio foi prorogada at
Novembro, afiui de ser votada a lei Jo 3 de B"e-
tembro. Em data mais recente, em 1860,os libe-
raes no senado re orreram ao mesmo meio que
agora vio erapregar.a as cmaras i foram encer-
radas em 16 de Outubro, mantenJ '-se na corte
numero de deputados mais que suficiente para
haver sessio na cmara e serem ah votadas as
emendas feitas na lei do ornamento pelo senado.
E n'aquelle tempo o subsidio era de 2:400* por
sessao.
A tudo isto accresce que se o proloogameato dos
trabalh .8 alm de certo limite, fra do periodo or-
dinari i, fatiga ao g .verno e os seos amigos, tam-
bem fatiga aos adversarios, especialmente aos II-
dadores da tribuna naestacio calmosa que comeea
logo ; pelo que raras sao as prorogacfces, nestes
Itimus tempos, que teuham excedido de nm me,
mas certo tambem que nenhuma sesao se tem
encerrado sem pror.igacao. Portanto, apezar das
atrmaeoes do Sr. Candido de Oliveira, que ag9e -
gara que para levar a ffeito o plano tracado, uio
sao precisos mais de seis senadores que torneo a
palavra, acredito que co:n um m-r de prorogacao,
podtrio ser encerradas as cmaras, ficaodo vota-
da, alm da lei do orcamento, mais alguma outra
pela qual o governo se interesse, como seja a re-
solucao iniciada no senado e anda delle dependen-
te em 2' discussao, relativa navegaran do Toian-
tins e Araguuya, que apenas chegue cmara ser
ahi adoptada em poacos dias.
Nao creio, entretanto, que igual sorte tenba
anda, na presente sessao, no Senado, para onde
deve ter seguido boje, o projecto de reforma da
eleico de depurado provincial, adoptado pela C-
mara, cun pequea alteracio do que foi apresen-
Udo pelo Sr. Rodrigo Silva. E' materia que ha
de despertar debate largo, e menos, calves, para
alargar as disposicoes da reforma e tornal a mais
completa, do que pelo intento de contrariar o go-
verno, nuitas emendas bao de ser presentadas, e
por fim se ha de allegar que o assumpto, pela sua
natureza, nao papa ser tratado apressadamente,
duronte urna prorogacao em que toda a attencao
4o Senado tem de ter absorvida pela discussao das
restantes materias orcamentarias.
Tudo isto, porm, se poder evitar se chegar-
se a um accordo entre o governo e a opposicio do
Senado, como era de suppor, vista do modo por
que a minora na Cmara acolbuuo projecto, quao-
do este foi apresentado. Na segunda discussao
mesmo, parecen que nao seria diffieil con;iliar as
objeccoes levantadas quanto a puntos secundarios,
com o fim capital da reforma. Mas na 3. discus-
sao, o projecto soffreu por parte de alguos liberaes
impugnadlo completa, que nao era esperada, o que
fas suppor que houve inspiracao dos chefes do Se-
nado, ada esta bypotbese, bem de ver que o
projecto, alterado ou aio, nao ser votada oeste
anno no ainado, o qual, em ultima aoalyse,
auem ha de faaer a reforma.
De par com a discussao dos orcamentos no
Senado, outras se tem dado, suscitadas pelos re-
quer meatos presentados antes de entrar-se na
ordem do da. Nesse ponto o regiment do Sena-
do differente do da Cmara dos Deputados.
Nesta os requerimentos apresentados, desde que
ha qiienrpeca a palavra sobre elles, ficam adiados
e, salvo urgencia votada pela Cmara, s podem
ser discutidos, sendo dados para a ordem do da,
nos sabbados.
Naqueile, os requerimentos podem ser apresen-
fados e discutidos dentro da primeira meia hora,
e quaado adiados, por ter se de passar ordom
do dia. pode a discussao continuar as aessoes
seguintes, sempre na dita meia hora.
Um requerimento apresentado pelo Sr. Lelo
Velloso tem dado motivo a aun discussao interes-
saute, mas toda theorica e doutrnaiia, e, em re-
sumo, sem resultado ortico, tanto mais tratndo-
se de questio debatida desde cincoenta aunos no
nosso parlamento, sem que nenhuma das duas es-
colas a que se achato filiadas os nossos partidos
polticos, teoha se dado por vencida ; a saber :
si 09 actos do poder moderador estao ou nao su-
jeitos responsabilidade criminal.Por ontra :
se os ministros sao ou nao respon javeis pelos actos
do poder moderador.
Nasceu a questio agora do que na discussao do
orcamento do Ministerio da Justica disse o Sr.
Meira de Vasooncelloa a respeito do perdo conce-
dido por decreto de 20 do passado a um preso que
deve ser ahi no R cife muito conbqcido, Gustavo
Adolpho C irdoso Pinto. conJ-mnado a gales per-
petua com trabalho em 1868, por crime de homi-
cidi Sem criticar o acto do perdi, nememittir
juizo sobre elle, o Sr. Meira limitou-se, como dis-
se, a prestar esclarecimentos acerca .do agra-
ciado, lendo pecas officiaes referentes ao o me por
ello commettido e confessado, e ao procedimento
que teve durante o tempo em que esteva cumprin-
do a pena no presidio de Fernando. Ha, real-
mente, no crime, circumstancias horrip lantes.
Recorrenio ao relatorio do Sr. Dr. Souza Baodei
ra, que foi encarregado de ir a Fernando exami-
nar o presidio, leu o honrado seuador parahybano
o segu nte, no tocante ao procedinento dos pre-
sos :
Entre elles farei mencio de um bem digno de
aprofundado estudo psvcbologieo. E' natural do
Para, toi condcmiiado pena de priaio com traba-
lho por crime de morte commettido na corte, este
infeliz, que teve regular educaco litteraria, dis-
ped talento e imaginadlo ardentsima. Mos-
trou-me bem boas poesas e alguos outros traba-
Ihos de merecimento. Mas esse preso, qne tao
aproveitado poderia ser, ao contrario, nm dos
embaracos do presidio. A vida das prises em
Tez de promover o arrep>-ndimento, estragoa-lhe
completamente o carcter, de modo a tornal-o nm
espirito perverso___ Paro aqui.
Esse discurso do Sr. Meira foi pronunciado na
sessao de 6 do corrente, mas s foi publicado no
Diario tficial de 12.
O Sr. ministro da justica, na resposta que deu,
disse que teve milito boos documentos, que pode-
rla apresentar em outra occasiio, para acenselbar
esse pi-rd-io.
Encerrada a 2." discussio do orcamento da jus-
tica, e nao teodo o Sr. Mac Dowell de comparecer
mais ao Senado, o Sr. Lai Velloso apresen ton um
requerimento pedi.ido copias de taes documentos,
dizendo qae julgnva ir ao encontr de S Exc. ot-
ferecendo-lhe opportunidade de eibibil-oa, certo
tamo estava elle orador de que a politicagem nao
tinha entrado na concessio do perdo.
O Sr. Cotegipe, estrauhando a novidade de se-
melbante requerimento, cujas consequencia, se
acaso fosse approvado, deviam ser bem meditadas
pelo Senado, c >mbateu-o com certo calor, mostran-
do que o ex* me e critica a que se pretenda su-
jeitar os documentos que serviram de base ao per-
dio, nada menos importavam do qne sujeitar
censura o mesm> oerdo, que acto do poder m >-
deradur, poder irrespo.isavel e apenas su jeito
censura moral ; e nem cabe s cmaras censurar
OS seus actos, mas sim respeital-os.
Ficando a discussao adiada pela hora, e pas-
saodo-ae 3.' liscusso do orcamento da justica,
a Sr. Candido de Oliveira e o meemo Sr. Li-ao
Velloso tiveram occasio de combater /opimio
do Sr. C >f>-gip-, sustentando a r sponsabilidade
ministerial n'8 act>s do poder moderador, tanto
ma9 no caso de que tratavam, por ter o Sr. Mae-
Dowel declai ad que aoiselbara o perdi. Foi,
porm, o Sr. Dantas, na aetsio d ante-bontem,
na coatinuacAo da discussio do requerimento, que
com uiaior des ovolvimeuto e estorco s apresentou
txpoudo e susteotaudo os fuadamento? da escola
liberal, deduzi i da no>s coastituico, dos prin-
cipios que ilev-m regular a mat-na e dt> opina o
de homens p litic com > Tbiers, o qual sobre o
ssesmo asuiimpto aasim se expres.-ou :
Em princ-i.oi, na oossa eonstituici', ha duas
prerogativas, que sio correlativas. A pnm-ira,
cima d ta lo, ( oviolabiiidaJ-- da corda |sl i
necesjario, p irao*) de S*Jtra sorto, a mouarehia
seria a peior d- rolas as repeb lea*. E' de Mr
qae todos us sx toveraa possam ter disen-
tidos, sem que < < ule nfl.c-ta sobre a e.n ;
mas dar-se-bia- .-urdo dos d-soitism 8 s-
nio houvesM'. dess prorogativa, a maia
Completa reso < ministerial, uu inuii-.tr-a
da tal mod rr.(i i/aavei.., lio.seriau.eute r spou-
saveis que, et; o, i.i. parecesse Ucar-ne
nenhuma ourr i le s>-nio a delle m.nisaro
Se se eoode.ooa e i*, u retta aeuio o
sil.-ncio. Or, o MhMBcio nio para unta stituiclo, o m- n> 'ie M s-lva." da propri* e de res-
tabebe r seu espirito quaado est compromet
tida.
Adduzindo grandfl apia de argumentos, na p |h
o Sr. Daiit.is d^ixar de mo^rar-se maraviihad*
Tendo o Sr. C i.J' su.tntar ids lio reto-
gradas e mostrar se no sectil* presente ti > emper-
rado, tio infenso a >s pnueipu* ^ae conatituea em
todos os pases regidos coas tituc mal mente, os
melhores alicerces de ordem e engraodecimento
dos povos; o orador descoahece no actual presi-
deote do conseibo o Cotegipe dos outros tempos.
Onde est elle? pergunta o Sr. Dantas.
H .ntein respondeu-lhe o Sr. Cotegipe, em um
soberbo discurso, que esse Diari offereoer oppr-
tunamente aos seus lnitores. Nao vendo que os
S'-us principios possam per em pengo as liberdades
Dublicas, e antes estrauhando que taes os consi-
dere o Sr Dantas, elle tambem pergunta: qae
d'aquelle Dautas de outras pocas?
O poder moderador nm poder poltico,
observa o orndor. A nossa constituicio, separan-
do-se das dvisoes dos poderes polticos, adoptadas
em outras constituicies, creou mnis um poder neu-
tro, o poder moderador, ao qual confiou a misso
de manter o equilibrio entre os outros poderes, e
confiou o privativamente ao imperador: todas as
attribuiceos quj Ihe foram dadas sio conserva
doras, com o fim de evitar o choque entre os di-
versos poderes.
Entre essas attrbuico "8 est a eaeolhi dos se-
nadores. Esta attribuicio. que a vida para um
dos ramos do poder legislativo, pede ser confiada
oo poder executivo? Como esta, todas as outras
atlribuico'8 do poder moderador, sio de natureza
(al que para enteuder-se dellaa se pode abusar de
modo que perigne u as liberdades publicas, pre-
ciso figurar pocas em que a revolucio perturbe
todo o organismo poltico.
Esta organisacio do poder moderador consi-
derada por eacriptores de nota como innovacio de
grande vantag >m ; sabem os nobres senadores que
isto foi copiado de Benjamn Constant. A argu-
mentadlo com que este Ilustre publicista funda-
menta a creacio desse poder, quo elle chamou
neutro, a mais proc -dente. Esse poder, diz elle,
deve estar superior a todos os outros, como qae
a chave que, pela accao propria, mantm a har-
mona que deve sempre existir entre elles
Confiar portento esta attribuicao ao poder exo-
curivo, como eoteode a escola a que pertence o
oobre senador pela Babia, porque tanto equivale a
exigencia da responsabilidade ministerial para que
possam ter execucio os actos do poder morador,
tornar o poder ex-cuf ivo mais forte o poderoso do
que qualquer ontro poder; desapparece o equili
bro que deve dar-se entre tolos elles: o poder
executivo, armado com as attribuicpes do psder
moderador, torna-se irresistivel. O perigo.de se-
melhante doutrioa salta aoa olhos.
E' o ministro responsavel pelos actos do poder
moderador: este poder tem de fazer a escelba de
um senador: o ministro que se quer tornar res-
ponsavel crimioalmeote por tal escolba, recusa-ie
a referendal-a : qual o recurso que tem o poder
moderad >r? o que pode elle faser? >
Ponderando qua a nossa c instituico reveste o
poder moderador da attribuicoes taes que s po-
dem ser benficas e nunca prejudiciaes, di que
ella salva a bypothese de abuso; e como nio se
trata de jure canstituendo mas de jure corututo,
cumpre recorrer antes a ella do que constituicio
belga e francesa, notando que a nossa faz distinc
cao entre poder executivo e imperador, como mos-
tra com a leitura dosicapitulos 1.* e 2.". e titulo 5..
A's autoridades citadas pelo Sr. Dantas ante-
pe, nio a daquelles que pensam como o orador'
mas a daquelles cuja memoria deve ser acatada
por V. Exc. A primeira vez que se suscitou
esta questao as cmara, aecrescenta, f.i em
1831; veio ella na discussio da lei da regencia.
Tratando-se dos poderes qua deviam ser conferi-
dos regencia Permanente, ons oppozeram-se que
fossem limitados, outros sustentaran] limitacio;
estes veneeram ; decretiu-se que ficasse limitadas
certas attribuices do pod.T moderador e que ou-
tras ni) fossem exercidas aem referenda ministe-
rial.
Se nio tivesse passado esta disposiclo, a par-
te do poder moderador exercida pela regencia nio
ficaria dependendo da referenda dos ministres,
como nio dependa atentio.
A' excepcio do Sr. Paula Souza, ninguem sus-
tentou a responsabilidade dos ministros, pelos ac-
tos do poder moderador; os mais questionaram
sobre o tacto de dever a referen la ser dos minis-
tros on se dos conselheiros de estado.
Keappareceu a questao por occasiio da refor-
ma da Con'tituicio. Vencen se na Cmara dos
Deputados a extinceao do poder moderador, pas-
saado as suas tuoccoes a seram exercidas pelo po-
der executivo. Maa no Senado cabio essa idea, e
na fusao das cmaras venceu a opioiio do Sena-
de ; isto que o poder executive nio teria inter-
ferencia no poder moderador.
E quem sustentou estas opinies, boje taza-
das de retrogradas e de conterem em sen bojo o
absolutismo no Brasil? Lino Coutinno e outros
liberaes como este, especialmente Alves Branco,
cojo discurso um monumento, e mostra o que era
aquella grande caneca!
Se taes principios foram sustentados, j nio
diz por Vascoocellos, mas por homens da cathego-
ria de Alves Branco, e se isto nao convence que
quem hoje anda assim pensa, ao menos procede
de boa f, o orador sujeita-se condemnacio.
Mas se no presente tal mjustica foi teita ao orador
e aos que com elle pensam, nio estar talves Ion-
ge a poca em que justica Ihes ser feits.
Desde que o orador maotem estas opinies ha
muitos annnos, que eatrabeza poda causar ao no
bre senador que, pergunta qae Ibefoifeita:
Quem o responsavel? respondesse. : Nin-
guem?
Tudo isto, psrm, nio significa que os minis-
tros nao possam sconselhar, uem que o poder mo-
derador exerca suas bttriboicoes sem regras, mas
apenas que nio ha responsabilidade ministerial
para esses actos.
Os excerptosque aquitianscrevoe dio urna idea
do discurso do Sr. Cotegipe, nio dispeosam a sua
leitura, como tambem nio dispensa a do di curso
do Sr. Dantas, a ligeira noticia que delle dou.
Passaodo aos trabalhos da Cmara, pouco
tenh j a dizer.
Smente hoje deve ter lugar o encerramento da
3' discussio do orcameuto do Ministerio da Agri-
cultura, e nie hontem esmo eiperava-se, porque
s honte n foi que a commissio apresentou o seo
parecer sobre as diversas emendas apresentadas,
que por enrolverem augmento de de desqezas, nio
podiam ser admittidaa discussio sem ser ouvida
a dita commissio, segundo dispoe o regiment.
Hontem tambem toi apresentado o parecer so-
bre a receita, e com^con a discussio do orcamen-
to do Ministerio da Fasenda, sendo o debate ini-
ciado pelo Sr. Lourrnoo de Albuquerqae, o qual,
conforme havia promettido em outra occasiio,
propoz se a demonstrar que o programma finan-
ceiro do Sr. Belisario tem falbado completamente.
KtviSTA DIARIA
utorltlaiiea policiaea rW prria
da presidencia de 26 do correte e proposta do
Dr. cb-f de polica de 25 toi exonerado a pedido
Joaquim Teixeira de Oliveira do cargo de subdele-
gado do districto da Podra Manca do termo de San-
to Antio e nomeado para substituil-o o teneote
Bernardino de Senna Teixeira (Ja val can ti, e paran
Je 2* supplente do subdelegado do 7- districto do
mesmo termo, Christovio de Moura Cavalcante, em
substituido de Joio Cancio Cavalcante de Al bu-
querque, que foi exonerada.
B-r.rma na elelrao le reputado*
strovlneiaea E esta a resoluc-io votada na
cmara dos deputados e enviada ltimamente,ao
s -nado :
VOTO IHCOMFLSTO HAS ELBICOB3 DE DCrOTDOS PBO-
viiritas
fl edacQao do projecto n 466 de 1887
A Assembiea (eral res.. 1 ve:
Art. I.* Na eleiues de membros das assem
blas legislativas provincia.-s, a le n. 3029 de 9
de Janer de 1851 seta observada com as altera-
ces seguintes:
1. As provincias de Minas-freraes, Baha e
Pernambuco formar) novos districtos eleitoraes
pela incorporaci, dou a dou, d s actuaos dis-
tricto, pela ordam de sua numeracio ou por sua
co.itiguidade territorial, comp >ad i-se de tres o ul-
timo de Pernambuco.
Os districtos das outras provincias continuarlo
como e acham actualmente, salvo o disposto no
paragraph. seguate.
| 2 N iisrnct -s que ele oros da assembla legislativa da provincia, cada
eleitor votara em tres r.omes ; o is dimais disfne-
t 'i>, cada i-ieitor votar em taiit > uomes quantos
eorresponder.-m ao 4/5 da totalidade da rejjre-
aentacio do dietricto, accresccndo a traccoes
aaioria. .
Serio c-insiderados eteitos em um f escrutinio
os mais vuta Joa em numero correspondente ao dos
rrp esen tan i es asniguaJ a ao districto.
% 3. Nos distn. tos iac .rporados por forca da
pruseute le far-ae-h* a apa.acio doi voto, con-
f irme as di"pesices vigeot -s. na cabeca do dis
tncto de m- unr numeiaoo actual.
Art. 2.* BtVogam-|B as disposicoes em con-
traria.
Sala das commisses em 18 de Agosto de 1887
Bulhes Carvalh i.Fernandos da Cunha Filho
Affousn C"lso Juuior.
Illasemaraihoelra de Paulo tf
fonaoNa 8a pagina publicamos bo|e um arti-
go, escripto pelo Sr. E. C, eidadio francs, re-
sidente nesta capital, relativamente a celebre ca
cboeira de Paulo Alfonso, que ltimamente com
dstinctos praticios seus vaitou.
Todos vieram dalli agradavelmeote impressio-
nados pelo que viram, sffirmaado que em todos os
sentidos a cachoeira brasilura de Paulo Affjnso,
formada pelo rio S. Francisco excede s mais
afamadas do muado, inclusive a de Nigara, n os
Estados-Uuidos do Norte.
O trabalho do nosso amigo, Sr. E. C. digno
de ser lido.
AaaaaalnstloPor volta das 8 horas da
noute de snte-hontem foi aasassiaado c m urna fa
cada no baixo ventre ocid>dio Jos Pires Cesar
quaado passava pela ra de S. Joio do 1- distric-
to da freguezia de S. Jos desta cidade, facada
que Ihe foi dada por Bernardino Alves de Olivei-
ra e em consequencia da qual falleceu pouco de-
poia o oSendido.
Nio sio accordes as vers -s a respeito dq cau-
sa do crime, poir o interrogatorio do delinquente,
segundo nos informaram, nio concorda com o qae
dizem algumas pessoas, que ndicam o portugus
Jos (Jomes de Amorim estab decido no pateo do
Terco esquina da ra de S. Joio, como mandante
do assassinato.
Tanto Bernardino como Amorm foram presos
pelo furriel do 2- batalho Manoel Motta Cabral e
guardas cvicos u. 47 e 58, e interrogados pela po-
lica, eonfessaudo aquello a autora do facto delic-
tuosa.
Prosegne o inquerto.
Club da paPor meio de buracos feitos
em urna porta da casa de residencia do Dr. Bao-
deira de M dio em S. Jos do Manguioho pe-
netraran os industriosos socios do olab cujo
nome eocim esta local e carregaram diver-
sos objectos da despensa e mais fariam se
nio fossem presentidos por pessoas da casa com
o que se poseram ao fresco.
O Dr. Bandeira de Mello deaconfia que os visi-
tantes tenham sido alguno escravos de seu sogro
que andam fgidos por aquellas immediacos.
Anda os mesaosSegn Jo diz a parte
policial, os cujot em seguida se dirigiram a casa
doestudante Ignacio Abdias Ma-acaj, que mora
contiguo ao Dr. Bandeira de Mello e penetrando
no'intenor da casa levaram diversos objectos que
julgaram precisos as suas necessidades.
A polica procedeu as diligencias determinadas
por lei.
accidente Antc-hontem pela manhi no 1
districto da Graca, ca occasiio em que coaduna
o subdito portugus Manoel de Madeiros urna
carroca com tijolos, foi por urna daa rodaa estra-
gado um filho do mesmo conductor da carroca que
ticiu com as pernas fracturadas.
O facto foi todo casual como amrmam as pes-
soas que presenciaran}.
Exposlcau. de retratos No 1 andar
do predio n. 61 ra Duque de Casias por cima
da loja das listras azues, haver hoje urna expo-
sicao de retratos de familia tirados a oleo e col-
locados em ricas molduras douradas em alto rele-
vo, trabalho feito nos Estados Unidos da America
por encommenda do Sr. Jos Augusto Das, pro-
pietario da referida loja.
As pessoas que qnizerem vel-os e as que os en-
commeodaram podem portanto para all dirigir-se
das 10 horas da manhi at as 2 horas da tarde.
Os referidos retratos s serio entregues na se-
gunda-feira a qualquer hora.
Socledade Recreativa faventade
Ha hoje nos salos desta sociedada a costumada
toirie bimestral, para a qual a respectiva presiden-
cia tem expedido numerosos convites.
Agradecemos o que nos foi feito.
i|iietlo BastoCom este titulo foi-nos en-
viado da Baha um folheto, contendo a refotacio
e resposta, dada pela Dr. Alexandre Garca Pe -
roira, promotor publieo de Santo Amaro aos arfi-
gos publicados no Diario da Baha por Jos Silva
Basto.
Agradecemos. ,
Recebeo o resolverO honrado Sr. Jer-
rasson, empregado do telegrapbo submarino, pro-
curoj-nos hontem e pedio-noa que declarasaemoa
ter ello recebido do Sr. commandante da guarda
cvica o revolver que na madrugada de aute-hon-
tem Ibe fra apprehendido por praess da mesma
gaarda.
Balado blatorleo-sjeostrabblooO Sr.
Firmino Be vi la qua para facilitar o estudo histo-
rico-geographico das provincias, imaginou organi-
aar um uiapo* daa capitaes das provincias com os
nomos das eidades, villas, serras, ros, e de homens
notaveis j fallecidos, filhos da mesma provincia,
identificando assim a capital com o corpo da pro-
vincia.
O ayatema ideado pelo Sr. Bevilaqua consiste
em dar s ras da capital os nomes das eidades,
villas, ros e serras ficando as pracas para os no-
mes dos hroes.
Neste sentido dirigi o Sr. Bevilaqua circula-
res s Cmaras Muoicipaes da cortee capitaes daa
provincias, pedindo-lhes que adoptem o seu plano.
Companbla de ediflcaco Por conta
do Sr. Dr. Manoei G .mes de Mattos, acaba a
companhia de edificaco de construir duas obras
digoas de serem vistas. Urna deltas no predio n.
8 ra do Principe, consinti em grande modifi-
carlo da primitiva obra. A outra na construc-
cio de um chalet, no terreno contiguo aquella ca
sa. Ambos os trabalhos foram projectados pelo
hbil architecto Sr. Hereulano Ramos.
O chalet com accommodaces para urna peque
na familia, acha se construido com toda solides,
assoalhado, perfeilamente ventilado, bastante cla-
ro e cap idiosamente pintado.
E' a vigsima obra de que se tem encarregado
a companhia, que no desempeuho dos seus coa-
tractos se tem havido de modo a ao dar motives
de reclamadlo relativamente sos mteriaes empre-
gados, sempre de boa qualidade, e a execucli das
obras.
Informam-nos que os seus directores cogitam
agora de por em pratica as construcooes de canta
propria, o que ser de grande proveito paia esta
cidade.
Imprenta -Recebemos hontem da corte as
seguintes publicaces :
Revota d Obsrvalorio, n. 7 do 2" anno, cujo
summario este :
eclipse total do sol em 19 de Agosto de 1887.
Dez anuos de progresso da astroaomia (1876188o)
Aspecto do co durante o mes de Agosto- Dia-
rio meteorolgico do mez de Maio de 1887. Re-
sumo das observaQe meteorolgicas feta no Im-
perial Obs>rvatorio no mez de Maio de 1887. Re-
vista climatolgica do mez de Maio e Junho de
1887. Resumo das observaces meteorolgicas
fetas no ttio de Janeiro, no res de Junho de
1887. Resumo das observaces meteorolgicas
feitas em Santa Cruz no mez de Junbo de 1887.
Observaces simultaneas.
Unao Medica, fascculo 8- do anno- 7' sendo
eat o summario;
Clnica therapeutica.Das perturbares cere-
braes no alcoolismo sub-agudo e de seu tratamen-
to pelo bromureto de ammonio, palo Sr. Dr. Ti-
berio d'Almeida.
desta asso'iacio sob a presidencia do Sr. Dr. Er-
mirio Cesar Coutinho por ter faltado com casa
participada o Sr. presidente Dr. Alcibiades Vel-
loso.
Lida a acta da sessao precedente foi uuanimo-
mente approvada.
Foi lido um oficio dirigido pelo consosio Dr.
Cosme de S Pereira qua se acha actualmente em
Pariz, residiodo no Bjuleva'd Saint Germn, 16,
agradecendo a m inifestacao de apreco que Iha foi
d.da pela sociedade na occasiio do seu embarque
o pondo seus servicos disposiclo da mesma.
Foi pelo Sr. Dr. Barros Carneiro communicado
casa um facto do sua clnica, de um doente que
tendo repetidas congestes pulmonares, manifes-
tou-se com unauarca erpelliado em um vomito um
corpo que aprsenla sociedade e pede sobre elle
o parecer, sendo remettido commissio medica
para o fazer.
O Sr.Dt. Saata Rosa cemmunicou um facto de
ana clnica de partos em urna senhora com urna
preuhes gemea, em que ambos os fetos se apre -
sentavam pela extremdade pelviana, seguindo-se
forte hemorrhagia que pos em risco a vida da
doente, a qual cedeu com o emprego das injecces
hipodermieas de centeie e compressio da aorta
abdominal, ficando restablecida a parturiente e
o segundo feto vivo, sendo que o primeiro j estava
morto quaado foi chamado o Sr. Dr. Sania Risa,
fasendo o autor da communicicio notar o quanto
raro na prenhez gemea amos os fetos terem igia|
apresentacio, mostrando a estatistca de Djpault
qua em 138 casos de prenhez gemea somente em
tres eate facto ae deu, attriburado elle a eata cir-
cumatancia da apresentacio a hemorrhagia mesmo
porque ha dous annos pouco mais ou menos eve
um igual facto seguido do mesmo accidente.
O Sr. Dr. BarrettoSampaio communica um facto
de sua clinica de olhos que considera raro. E' um
doente que ha dous anuos soffreu de exophtal-
moB do clho esquerdo devido a nm kisto do fundo
da rbita, do que foi operado, ficando rcstabeleci-
do ; voltando o mesmo doente ao seu consultorio
ha doua meses pouco mais ou menos com flegmlo da
rbita sendo tambem operado e achando-se resta-
belecido coma visio perteita. O Sr. Dr. Bsrretto
Sampaio apresentou sociedade o doente de que
trata na suacommunicacio.
Terminada a hora das communicaces passou-
ae a 2* parte da ordem da dia, oceupando-ae o Sr.
Dr. Paula Lipas da dissertacio sobre a newpa'hla
cerebro eardiaem; tratou largamente sobre as
fuaeces do cerebro mostrando ser "lie a s le da
loucura ; demonstrou nio ser a nevropathxa cere-
bro cardiaca um estado de a ienacio mental, po-
dendo ser todavia urna predisposicao para ella e
em quanto a physiologia pathologica demonstrou
anda nada haver se resolvido de claro e acerta-
do. Coocluindo foi comprimentado pelos collegas,
que o applaudram.
O Sr. presidente, marcando para ordem do dia
da sessio seguate, que ter lugar no dia 2 de
Setembro, a continuadlo da antecedente, levantou
a sessio.
jremlo Recreativo FamiliarHon-
tem teve lug-.r nesta sociedade urna reuni!o|de As -
sembles Geral soba presidencia do consocio bene-
mrito Antonio Raphael Alves da Costa.
Procedendo-se a eleico para os cargos que se
acham acephalos deu n seguinte resultado :
PresidenteZacharias Corroa Jnior.
2 secretarioAlfredo Maurica.
Orador Arthur N. Coelbo de Sousa.
FiscalJastor Faribio A. Souza Licerda.
ThesoureiroBernardino Botelh).
Domingo 28 do corrente as 6 horas da tarde,
ter lugar ama rsuniio da directora afira de em-
possar os eleitoe em sua sede a ra do Imperador
n. 19 1 andar, em seguida havar urna n uniio
familiar para a qual tem empregado todos os
estorcog o digno director de mez o Sr. Zicha-
risa Correia Jnior.
Kermesse -Hoje s 3 horas da tarde estar
exposta aos fiis devetos do milagroso patriarcha
S. Goocalo de Amarauthe em Santo Amaro das
Salinas, urna grande Kermtsse semilbante s usa-
das na Europa e grandes capitaes.
A commissio nio tempiupado esforcos a bem
do brlibantismo da festa por isso espera a con-
currencia do brioso povo pernambucano.
Pontos de FrancsEstio sendo publi-
cados na typographia Central os pontos de francez,
segundo o programma de 1887, que ser posto en
execucii noa exames deste anno, no corso anaexo.
Est venda o primeiro ponto na Livraria Eco-
nmica ra Priaeiro de Marco.
Bseola dos cgos ao Asylo Tendo
chegado da corte, onde por doente xa achava com
liceoca o Sr. Francisco Victor Coelbo protessor
da escola dos cgos, que tuacciona no Asylo da
Mendicidade, aomecam os respectivos trabalhos
oa segunda-feira pr ixima, s horas do costume e
no mesmo eifabelocimento.
Para matar frmicasLomos no Dia-
rio da Manhi, de Maoei :
A'guns lavradores da Parabyba di Norte
aoonselbados por um feliz acaso, fizeram em suas
residencias a experiencia do sal commum ontra a
formiga denominada sauva que tantos estrsgos
causa a lavoura.
< O processo da applicaclo facilimo.
< Tntura-se bem o sal e deita-se as bordas do
fermigueiro, cem afastameuto de meio palmo, e
parte dentro deste.
No dia seguinte v-se o efieito desejado, se-
gundo a experiencias taitas, notndose grande
quantidade de formigas mortas, e nio appareceado
as vivas ; o que deixa inferir qua dallas, fulmi la-
das pelo sal, morrem todas ou mudara se as sc-
b revi entes.
Eis, pois, um poderoso meio de debellar-ae,
com pouco dispendio, tio aui .z inmigo da agri-
cultura.
Clnica nevropathica.Notes pour servir l'-
tusR des relations et de l'influence reciproque de
l'pilepsie ou de rbypootisme avec le rhuinatisme
articulaire aigu, par M. Le Dr. Sonsa L-ite.
Therapeutica das muc isas. La rsorcine daa
les maladies des muqueuses, par M. ie Dr. Jus
tus Andeer.
Revista dos livros.Contrbution Ttalo do
la paralysie spinale aigue de l'alulte, par le Dr.
Joio Paulo de Carvalho. Annuario medio bra-
sileiro p-lo Dr. Carlos Costa, o>r Vieira de Mello.
PublicaeSes novas.1 lioletim geral de me-
dicina e cirurgia. II. Revista gy .ecolgica ora
si lei'a.
Bibliotheca da ailo medica.Obras eeebi-
das.
Supplemento. Especialidudes pbsrmaceuti-
cas.
Tacclna pablleaO Sr. Dr. Bstevio Ca
vaicastte de Albuquerqae, incumbido de vaaeinsr
no Qtauasio Provincial as peasoas qae all forem
para este fim s quinta feiras, deliberoa suspaa-
ier rase servico at que chdguem ao sea p>der os
tub >s d- lT'n,>ha mwnici, qufl psdio.
Club Commerolal KficrrpeII j a
' ff-.'iuar tarde o passeio de ss :uri. da banda
musieal d-te dnb a cid 'de de O inda, embarcan
do na es acio da roa da Aurora ao trem das 4 1/i
boras ds tarde.
Club Iliterario Pinte JantnrC.n-
form o convite publicado em outra seeoio deve
hav--r sessao desta associaoi i no da 29 do corres
te, s 4 horas da tarde, te, na ra Wlhan 65, para proceder-se a eleicii
da nova directora.
Aasoelaeao Hedlrn Phsrraarratlra
PernambnednaAofe hontem hoave sessio
Fernando Em 23 do corrente escrevem-
nos :
< No dia 18 s 6 horas da tarde, mais ou me-
nos, aocorou no porto desta ilha o vapor S traseodo a seu bordo um alteres e algumas pracas
escoltando a 12 sentenciados.
Alguns dias antes da chegada do G tp
aportou aqui um vapor ingles trasendo a reboque
duas bareacas qua pertencem a empresa qae, com
o governo ceatractoa a extraccio do phosphato
de cal na ilha Bata, e cujo gerente o Sr. Joio
Ignacio Ribeiro Roma que, com 30 operarios, j
imciou e prosegoa activamente nos trabalhos a
seu cargo.
Tambem ae acham aqui tres ioglezes, que
vieram a bordo do mesmo vapor, e que, segundo
elles dizem, aodam percorrendo a America em
ommissio scientific para collsciooar tudo quai-
do encontrarem de raro aos reinos vegetall, animal
e mineral.
O certo que estes scientificos coecc madores,
ou exploradores, nio descancam um momento des
de que aqui chegaram ; percorrendo a ilha em
todas as direcces e reuniado no seu arsenal de
especimensjtode quanto encontrara de ordinario e
de extraordinario
Assim iue comsigo levam ratos, Ugarti-
chaa, grillos, muncocas, mumbebos e viuvas do
reino animal, folhas de burra, eipigas de milho,
carrapiebo de cigano, matapasto, fadegoso, etc.
do reino vegetal.
Do reioo mineral como nada encontraran!
se nio trra preta e trra vermelba, e pedras de
todos us tamanbos e fetios, nada por isso junta-
ram sua scientifiea-exploradora oUcclo
. Em compensacao porem, e para substituir
esta deficiencia mineral, eato fazendo acquiaicio
de tudo quanto calangroa o trros velos a tira-
dos como imprenta /eis nos casebres abandonados
a monturos da ilha.
Quem sabe ei estes exploradores nio inves
tigam a sede do tbesoaro que se diz estar enter-
rado nesta uba desde o tempo do dominio hol-
lando. ? !
Elles parees erera bastante coahecedores
das sciencias paleographicas pois que procuram
tradusir mas guardando para ai, a decifraoio do
todas as inscripcea antigs que tem encontrado.
Um destes exploradores tnatos faser ascenci
ao pico do Pico mas at hoje anda nio se
r.-alioou esse novo tentamen dus nufragos do
ar....
O piesidio est almo, nio ocoorrendo, em re-
lacao a aua administraoio, nada que passa eom
nter, sse mencin r-se.
Segu hajo para a capital o vapor Oqu'i, le-
vando a seu birde o Sr. altere Villar.m, pharma-
eeutico Jos da Fonseca e Silva, o padre Silva e
pracas escoltando a alguna seot-a-iiodos
Fundo de enanneipaco D.rigi as
da 18 o Miuisterio d' \. ic'ntu.a a seguirte cir-
cular s preoideneias de provincias, c .m uxcpoio
das do Amisonas e Cear, onda ni existem es-
crav s :
Illm. e Exm. Sr.ASm de distribuir na forma
da le, a oitava quota do fundo de emaucijaeio,
aguarda tio me.ite o ministerio 4 m-n cargo qae.
M-ganieada a Matistica da popilaco escrava do
imperio, poasa ser uuspri lo o preceno legal qae
manda effectuar a dislrrbmcio di.a quota disponi-
veis d'aquelle fundo proporcionalmeate aos escra
vos eiisteutea em cada provincia.
Nio tendo anda chegado de varias provincias
os quadros com qui devem conorrer para a esta-
tistca geral, por haver sido necessario reen-
viar a numerosas estacea os ms-ipas parciaes afim
de serem sanadas as irregularidades notadas, re-
commendo a V. Exc. a expedicio de promptas or-
dena para que seja applicada a 7* quita do funio
de emaucipaclo nos municipios onde o competente
proceeBO bou?er sido retardado, de m vieira que, ao
ser distribuida a nova quota, esteja completamente
ultimado o processo da anterior.
Nos regulameotos vigentes estio disposicoes pa-
ra chamar ao cumprimento dos seos deveres as au-
toridades que se mostrarem nmissas.
Deus guarde a V Exc Rodrigo A da Silva. *
Plantas forrasrelras Nio ha muitos
dias publicamos iuteressaute eommunicacl) do Sr.
Dr. Pedro Das Gordilho Paes Leme, acerca das
fortes qualid idos nutritivas da gramnea c mhecida
pela denominacio vulgar de grama de Pernambu-
co, nio somante demonstradas pela experiencia,
mas pela alta porcentagem de asoto que na mesma
gramnea foi achada i e hontem t'vemos occasiio
de tornar conhecidas algumas iaformacs de ou
tra fonte, tilsimas para determiaarem a prefe-
rencia que, entre as plantas similares, merece
aquella.
Tambem ba tempos fes-nos saber o Sr. conse-
Iheiro Nicolao Moreira que, ao capim de planta
(panicum mximum) forragem excessivamente le-
nbosa e poons9iina da elementos axotados, que
muito contribue para debilitar os animaes, e dara-
nificar-lhea as formas, conviria suostituir a alfafa
na alimentacao da raca ca vallar, tentando acclimar
veg taes forrageiros exticos que experimentado s
culturaes demoaatrassem a:har entre nos con di
ces aJequadas de solo e de clima. Por asa occa-
siio, dando coata de analyses feitas na laboratorio
do Imperial Instituto em forraguus obtidas de se-
mentes ofi'ereci Jas por Forgeat k C de Para, re-
commeadou aquello profassor aos nossos lavrado-
res a luzerna denominada Mennetli dourada (Mea-
d cago lupulina) como excel'eate pasto para os aai-
maea langeros, sendo forragem pouco exigente,
qae se apras com os terrenos seceos o rapullula
medida que vai sendo ceifada pelos animaes, nio
produzindo, como outras, o meteorismo.
S na apparencia pode'-se ba ter esta objecto
como de importancia so nenos. Na realidade trata-
se do verdad -iros nulboramentis agrcolas, que
muito poderlo iuflair na ecouomia da industria
pastoril dos diversos ramos, e, como nio ha situa-
cie rural em que nio haja necessidade de curar da
alimentadlo do gado, muito geral o interesse da
divulgarlo das uteis plantas, de acclimacio tio
fcil.
Sabemos que o Imperial Instituto, alm de con-
tinuar as investigacoes desta natureza, est em
peabado na vulgarisacio da taes planta, e bom
aervico parece-nos este, ao qual a lavoura corres-
ponder de certo com a solicitude que o seu mesmo
interesse para inspirar-lhe. Sem a collaboracli
ioteil'gente dos particulares, serlo matis os es-
forcos qua hajam sido e veaham a ser empregados
por melboramentos de tal genero. Fra mui deplo-
ra vel que eata cooperario viease a faltar propa-
ganda tio til qae de nin^usm exiga sacrificios.
Sessfio espiritistaUrna ceremonia ni-
ca em seu genero celebroa-sa em Massacbusetts,
nos fuferaes de Mme. Cutter, consummadi espiri
tiata. O fretro do cadver foi condusido a um sa-
li torrado de preto e sem urna lus que o llumi-
nasse.
Reinava profunda eseuridio quando a familia
da finada se assentou em volta do fretro, cerrn
aa portea do sali e comecou urna verdadeira ses-
sio da espiritismo.
Um mdium mvocou os espiritos e da repeote
vio-se apparecet ama sombra dianto do fretro que
pronunciou a oradlo fnebre. Outros phautasmas
vagavam pelo sallo, mas todoa obedeciam ao pri-
meiro. A um signal desappareceram as sombras e
deu-se o acto por termiaado.
Olestla singular. As folhas de Berlim
dio noticia de urna molestia singular de qua foi
accommettido um operario e acerca da qual o pro
fessor Mendel dirigi sociedade de medicina de
Berlim urna interessante communicaclo.
O dito operario perde o ouvido e a palavra s 9
horas da manhi e fica sardo-mudo at s 6 horas
da maohi do dia seguinte.
O paciente foi accommettido deste mal o anno
passado, em consequencia de um ataque de epile-
psia. As faculdades mentaes nio tcem diminuido e
a memoria conserva-se boa. Communica-se com a
familia e com os patiss por meio de escripta.
Quando comprimem o doente em certo ponto da
mi, elle tem caimbras violeotas : se, porm, a
compressio feta em certo ponto do braco direi-
to, cessam as caimbras.
0 professor Mendel declarou que nao poda dar
explicace8 deste phenomeno.
Beanines sociaes Ha hoje as segua-
tes :
Da Sociedade Minerva Progresso Pernambuca-
no, s 10 horas da manhi, em sua sede, para em
sessio de assembla geral ordinaria tratar da ne-
gocios diversos e urgentes.
Oo Moote-Pio dos Typographos da Pernambuco,
s 11 horas da manna, na Praca de Pedro II n.
75, 2o andar.
Do Instituto Litterario Olindense, s 10 horas
do dia, na sede social, em assembla geral, para
presta^io de con tas.
Segunda-feira:
Da Associacio Protectora e Beneficente dos Em-
pregados da Fasenda de Pernambuco, s 5 horas
da terde, em sua sede provisoria ra das La-
rangeiras n. 12, 1" andar, para proseguir na dis-
cussio de seus estatutos.
Terra-fcira :
Da Sociedade Melpomene Olindeose, s 6 /2
horas da tarde, em assembla geral, para presta
ci de contas e tratar da festa de seu aniver-
sario.
delineaEtTctuar-se-hao:
Asoanhi :
Pelo agente Modesto Baptista, s 11 horas'
Segunda-tetra :
Pelo agente Silveira, s 11 horas, ra Es-
treita do Rosario n. 24. de predios.
Pelo agente Guarni, s 11 horas, a ra do
Marques de Oliada n. 19, de 1 vacca inglesa.
Pelo agente Piuto, s 11 horas, no Monteiro,
de boos movis, crystaes, etc., etc.
Terca-feira :
Pelo agente Pinto, Praca da Independencia
ns. 18 e 20, de urna armacio e mais objectos de
cavaras.
Pelo ag 'nte Stepple, s 11 horas, ra do Im-
perador n. 22, de predios.
Quarta-feira :
Pelo agente Stepple, s 11 horas, no ra do
Imperador n. 22, Ja parte do engenbo Novo da
comarca do Rio Forra iso.
Palo agenta Pinto, s 11 horas, ruado Vis-
conde de G lyauai n 66, de movis.
Operacoes cirnrgicas -Foram pratica
das no hospital Pedro II, no da 27 do corrente, as
segu i a tes:
Pelo Dr.^ Berardo:
Extraerlo de catarata senil dura pelo processo
de Weoker.
Incisio Staphiloma central e compressio.
Excsio de tumor erectil da coojunti /a ocular.
Ca" ae BetenciioMovimento dos pre-
sos da Casa de Detengo do Recile no dia 26 de
Agosto de 1887 :
Exisliam 370 ^entraran, 17 ; sahiram 7 : axis-
tem dou.
A saber :
Naciouaes 315 ; mulberes 15 ; eatraugeiro. 14
escravos sentenciados 4 ; dem procestada l'-
dem de correeclo 1Total 380.
Arrarlados 310, sendo :
Bons 316 ; doeotea 24.Total 339.
Moviraento da enfermara :
Tiveram oaixa :
Antonio Barbosa de Aguiar.
Eleuterto Francisco do Paula.
Tiveram aita :
Jos Mansicho do Nascimento.
Manoel Francisco Arthur.
Casa da Fortuna -Pela referida casa foi
voudido o n. 3858 cum a sorte de 100:000* da
2 parte da 12 lotera do Par extrahida hoje 27
de Agosto.
Orande lotera do Para Eis os Da-
meros premiados da 2' serie da 12' lotera ex-
trahida em 27 de A^.sto :
3858 100:001*000
2i)32 15:0004000
2398 5:000*000
116 2:1100*000
2878 2:000*000
11 l:(iO)#000
3134 1:000*000
3523 1:000*000
Estio premiados com 500* :
213 911 2239 2128 29i5 3295 5092 5545
5798 5910
Approxiraacoes
1:000*000
1:0)0*000
300*000
300*000
3860 estio premiados
3851
a 2040 estio premiados
a 2400 estio premiados
premiados
premiados
8857
3859
20U
2033
Os nmeros de
com 200*.
Os nmeros de 2031
com 100*.
Os nmeros de 2391
com 100*.
Os nmeros terminados em 58 estio
com 100*.
Oa nmeros terminados em 32 estio
com 100*.
Todos os numeres terminados em 8 estio pre-
miados com 60* excepto os terminados em 58.
Todos os nmeros terminados em 2 estio pre-
miados com 50* exeept os terminados em 32.
A seguinte lotera corre no da 31 de Agosto
eom o plano de 100:000*.
Loteras diversasA Casa Feliz, de A.
A. dos Santos Porto, na praca d* Independencia
na. 37e 3?, tem a vendaos bilhetes das seguintes
loteras :
Espirito-Santo : A l parte da 4 lotera,
cujo premio graade de 50:000*000, pelo aovo
plano, se extrahir no dia 2 de Setembro impre-
aflajaa* fnebres-Serio celebradas:
Amanba !
A's 7 horas, na igreja do Rosario de Santo An-
tonio, pela alma de O. gueda Mara da Coacei-
9*o ; s 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela al-
ma de Horacio de Aquino Gaspar.
Terca-feira :
As 8 horas, oa igreja do Tarro, pela alma de
Joio Baptista Patrio.
PassagelroajCbegados dos prtos do sul
no vapor nacional Etprit i Sanio :
Dr. Domingo* Joaquim Braga Torres, Joi> Paes
Barreto, Francisco L'opildin G Lina, Hamil-
tou F. de Paula, Joe de Mallo Moraes, Francis-
co Vctor Coelbo, )r Liberato V. B C u inho,
Jos Laitomer Jnior, Jos Rodrigues, Firmiaoo
Jo Firmino Celestmo de Siuia, Tabichi r*as-
coa, Tabacbi Giaotno, Lioagier Gnvani, Sa-
Vanier Luig', Coletti Giovaoi, Tabachi RoJolpbo,
Luis de Fra>ir<, Jos Felippe Santiago, Abe ion
A. de Lima, Dr Matheus Vas, H-arique L si
Cirne, Gastn Pnhi, Or. Antonio Rocha Vanos,
Joio da Soaza Magalaiea, Urcicio N ines da Sil-
va Laraego, Aug.k. Nathain, Dr. Pedro doa San-
tos, Joie vJaacio de 8. Migaihi-s, Joio lii'ln-
gue dos Sant'S, Francisco Mara, Marcol i ao Ri-
beiro da Silva, Kaymuado de Seixas, Bapbael A.
Vaz da SiiVa, Alfredo da Silva Torres, Gcraido
de. asafeda Mello, Feleaon G neroso de Ajba-
qu-rque, teaeate Fraociscj Victjr da FonEeca,
cabo Manoel Vicente d Souza.
Cheg.dos de Fernando d Nossnha no vapor
nacional Capital vi. .w1 Accioli de Miara Gondim, sua
senh ira e urna tila., alfares Antonio Francisco
Pereira Giriraut, sua s-ohira e urna criada, Jia-
quim Pinto do Alm'ida Jnior, su. aeubora e um
criad) aderes Joaquim Quinao Villana e um
criad i, 17 pracas do 2* e 14* batalhio de infanta-
ris S t nuin-r-a das utas pravas, 17 sentencia-
dos, 5 mulberes e 7 6.has ds mesmas, padre
Francisco Joaquim da Suva, Jos da Fonseca e
Silva.
tenvelmente.
Cear : premio grande 250:000*000 se ex
trahir hoje, 28 do correte, impreterivel-
mente.
Alagas: A 4. parta da 19. lotera, pelo
nsvo plano, cujo premio grande de 40:000*000,
ser extrahida no dia 1 de Setembro, ao meio
dia, impreterivelmente.
Bllbetes de loterasEm mi do agen-
te Bernardino Lopes Alheiro acham se a venda os
bilbetes das seguintes loteras :
Do Eapirtto-Santo : A 1'parte da 4> lote-
ra, cujo premio grande de 50:000*, pelo novo
plano, ser ext. abida no dia 2 de Setembro, im-
preterive'monte.
Do Cear : com nm importante plano, cajo
premio graude de 250:000*000, ser extrahida
hoje 28 do corrate, domiago, impreterivel-
mente .
De Alasoast A 4* parte da 19. lotera
pelo novo plano, cajo premio grande de........
40:000*000, ser extrahida na dia 1 de Setem-
bro, (qumta-feira), s 12 horas da manhi impre-
terivelmente.
Oo Grao-Para : A 3' parte da 12 lotera,
palo noo plauo, cujo premio grande de 100:000*
ser extrahida no da 31 do corrente, impreteri-
velmente.
oteria da provincia do Paran
A 24* lotera desta provineia,pelo novo plano, cu-
jo premio grande de 12:000*000, se extrahir
no dia 30 de Agsto.
Bilhetes a veuda na Casa da Fortuna, i roa
Primeiro de Marco numero 23, de Martins Fia-
ra & C.
Molerla de AlasoasA 4. parte da 19*
lotera, pelo novo plano, cujo premo grande de
40:000*0*10 ser extrahida no dia 1 de Setembro
(quinta feira) s 12 horas da manhi, impreterivel-
mente.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marro n. 23, de Martins
Fiuza 4 C.
Lotera do rao-Par A A 3 parte da
12 lotera desta provincia, pelo novo plano, cujo
premio grande 100:000*000, ser extrahida
no da 31 do corrente (sabbado) impreterivel-
mente.
Os bilhetes acham-se venda ua Casa da For-
'una ra Primeiro de Marco n. 23, de Martins
Fiuza & C.
Luierlii do Espirito Santo A 1 par-
te da 4 lotera desta provincia cujo premio gran-
de 50:000*000 ser extrahida no dia 2 de
Setembro.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marro n. 23 Martin Fia-
ra & C.
Lotera do CearEsta acreditada lote-
ra cojo premio maior de 250;000*OQO ser ex-
trahida impreterivelmente hoje 28 do corrente
(domingo).
Os buhetes acbam-se a venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marro n. 23 de Martins
Fiuza Se C.
Cetnterlo Publico.Obituario do dia 2
de Agosto:
Silvmo Xavier dos Santos, Parabyba, 22 annos,
solteirn, Boa Vista ; gastro enterite.
Christovio de Moraes Ceutinho Guerra, Per-
nambuco, 61 anuos, casado, S. Jos; lesio do co-
racao.
Mamet Jos de Oliveira, Pernambuco, 17 an-
uos, solteir Grara ; epilepsia.
Jaciutba, Peroambuco, 4 meses, Grara; convul
ees.
Conrado Jacob Emiliano, Pernambuco, 65 anaos.
casado, Grara ; accesso pernicioso.
IJalioa Christina de Albuquerqae Msrsnhio
Pernambuco 38 annos, solteira, Santo Antonio;
tuberculoso.
Aaaa Alexandrna de Albuquerque, Pernambu-
co, 25 annos, viuva, Saoto Antouio; tubrculos
pulmonares.
Mara Villas Boas de Almeida. Pernambuco, 42
ann >s, casada, B*.-Vista; bronchite.
M .rtiuba Moreira da Silva, Pernambuco, 14 an-
nos. solteira. Boa-Vista; qu-inudura.
Mria, 40 anuos, solteira, Boa-Vista; turb rcu
los pulmonares.
Mara, Pernambuco, 3 dias, Boa-Vista; cos-
vuU5-s.
Jo.una, Pernambuco, 70 annos, solteira, Boa
Vista; rheumatismo.
Beuedicto Victoriano dos Santos, 50 annos, sol
teno, B.a-V'sra; tubercul >s pu'moaares.
Felppa da Coaceicio, Paroambuoe, JO
solteira, Bia Vista; cyrrh.se heptica.
Berthoieza, Boa-Vala; esmagamento.
PUBLIC .COKS 4 PEDIDO
Alago ts
Em resposta n n na ioj ista aceusacio formula-
da pelo Jirnal do Recite contra i 8r. Dr. Mo-
reira Alves. em a sua edicio de 17 do crrante,
trsnscrevemos os artig s que a respeito publica-
ra m os jornaes d'aqu-lla provincia.
Lendo os, ver u lator quio injustos sio oa
conc-'itos do J jrnali.
Eil-os :
( D) Alagos )
Lamos, n urna u ticia sobre esta provincia, ao
Jornal di R-cite, o seguate :
A mor garte da p .pularao deesa provincia
est indignada com a admims'.rario do Sr. Morei-
ra Alves.
< para que nao se diga ser falso o qae avax-



riafitn

i




^^mmmm

Diario de PeruambHcoDomiugo 28 de Agosto de 1387
camos, vamos transcrever o que dia o .Orbe, fo-
lha conservadora d'alli :
Est requerendo de noy o Sr. Ildefonso Mea-
quita pan haver a importancia de 1:400* pelo
sen trabalho como procurador fiscal ad hoc no
desfalque do Consulado, cousa a que nao tem di-
reito algum, con-.o foi de parecer o Sr. HolWnda
como chefe de secco, na primeira ves que reque-
ren o mesmo Sr. Mesquita, sendo o sen requer
ment indcferido pelo Sr. Dr. Geminiano. Entre-
tanto, novamente est iato na tela, e andando cora
toda ligeireza... e qual ser o resultado ? Os
assaltos que se estio dando aos cofres nesta ulti-
ma .mpreiuda do Sr. Moreira Alvea esto escan-
da loiissimo..
Que vergonha :
Qu< m isto l, fica pasmo ante a enormidade da
alsidsde que em tio poucas linhas existe.
O Orbe, conatituino o nico aferidor de urna
administraco que tem a seu favor todos os eutroa
jornaes pnblicados nesta capital e na provincia !
Nao ha no s peridico que se mostr iudignas
do contra vergonbas da administraco Mjreira
Alves, porque nao ha factos que a desdourem.
Ahi esto todos para provar o que adiantaaaoa,
Se o Orbe, por si, e em unidade vergonhosa,
serve para formar convicco redacco do Jor-
nal do Recite, nio lhe vale alguma cousa a opi-
dio quasi unnime da imprensa da provincia ?
Pode a gente do Orbe, constituir essa maior
parte da populaco por em tacto nico apon-
rado contra essa ?
Pois bem : o facto noticiado pelo Orbe e que
servio par o libcllo formulado pelo Jornal do
Recite, ainda urna talsidade.
O requerimento do Sr. Ildefonso de Mesquita
:oi indeferido pelo Dr. Moreira Alves ; o peticio-
nario replicn e elle nao decidi a replica, man-
dando ouvir ao Thesouro Provincial.
Ora : temos como acto consummado o indeferi-
Jiento que d a presumpcio de^ que S. Exc. nlo
teui opinio favoravel protenco.
Como accusal-o por um facto cuja presumpco
e a seu favor ?
Ora a redacco do Jornal do Recife a dar
crdito ao que dix um peridico da forma donosso
.Orbe. !
Pois qoera o 16, nao v logo que aquillo pas-
juim immundo ?
Parece-nos que, ao dar aquella noticia, a redac-
co do Jornal, deixeu fallar o seu odio velho
entra o antigo redactor do Tempo.
(Do Diario das Alagse* )
MACEIO', 26 DE AGOSTO DE 1887
0 Exm presidente da provincia e o Jornal do
Recife
Em sua edicio de 17 do corrente, dando noticia
aos seus leteores do que vai por esta provincia
disse aquelle orgo da imprensa pernambucana
que a administraco do Exm. Sr. Dr. Moreira Alves
ara execrada pela mor porta da populaco alagoana,
citando, como prova do seu asserto, urna local do
Orbe,em que se dis que S. Exc. ia mandar pa-
gar ao empregado do Thesouro Provincial Ildefon-
so Mesquita, urna gratificaco a que elle se julga
va com direito, pretenco que fra j iudeferida
pelo Exm. Sr. Dr. Geminiano Gomes.
Recorrendo ao Orbe, que s tresanda odio
contra o Sr. Dr. Moreira Alves, para accusal-o, o
Jemal do Recite commetteu urna grave injas-
tica, pois foi o proprio Dr. Moreira A'ves quem
quem indeferio a peticao do Sr. Mesquita, como
veao es leitores, lendo a peticao e o despacho
abaixo publicamos.
do
Si o Jornal do Recife pensa que a mor parte da
populaco est mal com o presidente da provincia
porque um peridico o aecusa, n, com o melhor
fundamento poderemos diser que ella o tem em
grande conta porque a maior ia da imprensa da
provincia, inclusive o orgo liberal, nenhuma cen-
sura ha dirigido a S. Exc.
Eis os documentos :
Illo. e Exm. Sr. Dr. presidenta da provincia.
Ildefonso de Paula Mosquita Cerquen, chefe
da 2* secco do Thesouro Provincial, tendo sido
nocaeada proenranor fiscal ad hoc para emittir pi-
recer sobre a liquidacio das coutas da eitine.a
agencia de Jaragua, afim de ser recolhida ao co-
fre do Thesouro a importancia do desfalque que
alli Uvera lugar, e isto porque o procurador fis-
cal da fasenda se dera de uspeito nessa questio,
e outros que para tal missio foram nome.dos se
recusaram, formulou o seu parecer e em virtude
delle toram taea contas liquidadas, entrando para
o cofre provincial a quantia de 36:288*474, e
como por torca do art. 41 da lei n. 933 de 14 de
Juina de 1883 tenba o fiscal da fasenda direito a
urna porcentagem pela cobranza da divida activa,
urna ves que tenba funccioaado no feito ; venho
muito respeitosemente pedir a V. Exc. se digne
da mandar pagar-lhe a importancia em que monta
aquella porcentagem.
O art. 115 do Reg. do Thesouro Provincial d
ao fiscal ad hoc urna gratificaco relativa im-
portancia doassumpto sobro que tenba de dar o
seu parecer ; esta o supplicante requeren e a jun-
ta marcou-lbe a mesquindade de ceoto e tantos
mil ris ; entretanto a essa gratificaco bouvesse
ou nao bom resultado, tinha o peticionario direito
sem que, p r isso o perdesse porcentagem de
que falla aquelle artigo de lei de 14 de Ju-
Iho de 1883, no caso de bum resultado de seu tra-
balho.
O peticionario j nao requeren essa retribuico
porque lutaodo a provincia com difficuldades,
aguardava melhor occasio ; agora, porm, qu
suas circumstancias outras sao, vem ante V. Exc.
reclamar esse direito, podendo a importancia que
lhe couber ser paga em apolices da divida publica
da provincia, coma ajor.tros tem V. Exc. man-
dado pagar.
Nestes termos pede a V. Exc. deferimento.
E. R. Me. Macei, 10 de Dezembro de 1886.
Ildefonso de Paula Mesquta Cerque ra.
Eslava o sello adhesivo no valor de 200 ra., de-
vidamente inutilisado.
DESPACHO
A' vista da informaco do Thtsouro Provincial,
consideran lo que a arrecadaco do alcance, a que
allude o supplicante, foi eflectuada, por intima-
cao administrativa, em virtude do 2- do art. 33
da lei n. 965 de 21 de Julho de 1885, nao tem o
supplicante direito a porcentagem, segundo a oi-
dem do Thesouro Nacional de 22 de Oufubro de
1862, que altern a de n. 284 de 20 de Julbo do
mesmo anno e a que se refere u parecer fiscal :
considerando anda que o supplicante, na quali-
dade de procurador fiscal ad hoc, tem araente
direito a urna gratificaco arbitrada pela juuta do
Tbesouro, du conformidade com o art. 116 do re-
gulamento daquella repartilo e em caso nenhum
porcentagem que requer ; indeferido.
Palacio do goveruo e m Macelo, 29 de Margo de
1887.1. Moreira Alves.
COMERCIO
As tabellas expostas
Do IaTBBSACIOKAL :
aqui foram estas
TELEGRAMAS
Servico da Agencia Havas
LIVERPOOL, 26 de Agosto.
ASSUCAS:Mercad Orme.
de Pemambuco n. vende-ae a
11/9 por quintal.
ALGODO: Mercado sustentado.
O FAIR de Pemambuco vende-ae
a SI/1 d. por libra.
Venderam-se boje durante o da
cerca de i:000 fardo.
NEW-YORK, 26 de Agosto.
ASSUCAR:Mercado Arme.
Londres.......
Pana........
Italia........
Hamburge......
Lisboa e Porto.....
Principaes eidades de Portu-
gal........
Vew-York......
90djv
22 5/8
420
520
235
Ai irf
vista
22 3/8
424
424
525
237
242
2*240
A' na Alteza Imperial Regente
e ao Es mi. Sr. ministro da
justlca.
Nio sem fundamento, que venho do alto da
imprensa tratar de urna questo que me intima-
mente affecta.
Nao sem fundamento, porque, venho tratar do
traicoeiro e brbaro aasassinato do meo infeliz
pai, o tenente Manoei Ignacio Cavaleante de Al -
buquerque, e pedir aos altos poderes do Estado,
para que volte suas vistas para elle, de modo que
fas a quem compete na grande comarca de Pao
d'Albo, privar de que ande impunemente e com
urna ordem de habeos tarpus preventivo na mo, o
criminoso Joo Carneiro da Motta Silveira, que se
acha denunciado pela promotoria publica, como
cmplice em to horrorosocrime 1
E' de lamentar que, para a punco de tal cri-
minoso, me visse toreado vir imprensa despertar
a alta attenco do governo pedindojustica.
Sim, porque, nunca julguei, que em face do art.
18, i da lei n. 2033, podesse ser facultada or-
dem de habeas-corpus preventiva um individuo,
indiciado en crime de homicidio, e como tal, de
nunciada pela promotoria publica, em vista das
provas que resultan do inquerito policial, que
acerca de to lamentavel facto, procedeu o dele-
gado de polica do termo, quando, segundo as dis-
posicus do art. 29, do decreto n. 4824, de 22 de
Novembro de 1871 devia estar elle preventiva-
mente preso na cadeia da cidade.
Tendo, pois, o juis de dreita concedido ae cri-
minoso semelbante ordem de habeas-corpus, me
coilocou em posico nao esperada, o que profunda-
mente lamento; porque n'elle confia va encontrar
a maia perfeita e robusta de todas as garan-
tas.
'osta vas, o velho magistrado quiz sempre mo-
delar os seus actos de modo a merecer applausos,
ebqueceu-se de trilhar o caminho luminoso que sem-
pre seguio na sua gloriosa car reir, e sem qne at-
tendesse 4 denuncia, s provas dos autos, o clamor
publico que se levantou na comarca, e as lagrimas
da familia do assassinadoconcedeu, coDtra as
dispisicoes do artigo citado, ordem de habeas-
corpus, quando, dovia mandar o promotor publico
requerer a priso do criminoso.
Esse procedimento que t- ve o Dr. juis ^e di-
reito da comarca de Pao d'Albo, tem concorrido
para que o criminoso ande soberanamente por toda
a parte, venha cidade e esteja assistindo a for
maco da culpa tendo advogado a seu lado !
Assim, pois, tendo o juis de direito. ultrapassado
as raias do circulo luminoso, onde brilha serena
e bella ajustica, e sacrificado, portanto, a pa-
gina mais brilhante da lei de 20 de Setembro de
1871 ; pagina qie mais garanta offerece justica
e parte : eu como parte, e parte interessada nao
podiu calar meo espirito ; mxime, quando vejo
caminhar ostensivamente um dosastaaainosde
meu infeliz pai !!
Assim, me expresso, porque tenho como prova a
inimisade que elle lhe votava cerno geralmente
sabido na comarca, as perseguicoes que delle sof-
frera, os depoimentes que de oito testemunhas do
inquerito policial, a denuncia contra elle dada
prl-j Dr. promotor publico, e finalmente, os depoi-
mentos de quatro testemunhas inqueridaa na for-
mace da culpa.
Todas essas provas, porm de nada valcm
vista da ordem da Habeas-corpus que obteve e da
qual ele tanto se ufana 1 !
Nao admira, e nao era de esperar outro proce-
dimento : visto que, jamis criminoso algum
gosou de tantas regalas ; pois que, alm dos que
encerra um Habeos- corpus elle lem mais as de
c s poder ser preso depois do despacho d sus-
tentace de pronuncia, ou de sentenca condemna-
toria !
Desta maneira'j se pode ser criminoso de morte,
e de todos os mais c> imes inafiancaveis ; porque,
alm de se obter com toda facilidada Habeas-cor-
pus preventivo, se tem, como certa urna estrada
larga e curta que atravessar, sem se encontrar o
menor cardo ou espinho, at o fim do processo,
que, sem contestaco algumaser a deepronun-
NSlll
E' sem contestaco um nao precedente este : e
que se tornasse urna realidade na lei, muitssimo
teria que soffrrer a sociedade, quasi sempre amea-
cada por essas hordas de seekiados, que iofestam
o territorio da provincia.
Em vista de semelhante acontecimento, quem
poder duvidar da irresponsabilidade do crimi
noso Jo Carneiro da Muta Silveira ? !
Quem poder duvidar de sua impunidade quan
do tem elle como taboa de salvaco a ordem de
Habeas-corpus preventivo ? !
Certameute muguen).
Nio me sendo mais possivel, ter a mesma con
Banca que tinha, de ver devidamente punido refe-
rido criminoso ; recorro imprensa para por meio
da sua voa portentosa, tazer ebegar aos ouvidos
des altos poderes do Estado o meu grito de 4dr e
indigaaco. contra aquelle que por perversidade,
nao trepidou de concorrer para o aasassinato do
meu inditoso pai! !
Procedenda por esta forma, fico descaneado pela
convicco que tenho de ibter justica, e justica
patente, que posea eemagar a pesada espada de
Damoclca que maneja s e continuar aje mane-
jar, no tenlamem ae se conquistar a impunidade
para to grande, quaado eymeo criminoso! !
Engenho Sipo, 23 de Aguslo de 1887.
Antonio Cesar Cavaleante de Albuquerque.
O brlgadelroFramciscotioaqiiim
l'ereira Lobo ao publico
Cabio, finalmente, por trra a obra da mais re-
quintada perversidade humana !
Mas isto mesmo era de prever-se porque impos-
sivtl seria que a forca do direito e da justica ti-
vessem por fim de ceder as mais inconfessaveig
artimanhas de um conjuncto de cerebros escal-
dados.
Fui absolvido no cerebrino e monstruoso pro-
cesso de responsabilidade com que espiritos taca-
nhos me quizeram saagoar, e pelo que j elles es-
taro extiemamente Contrariados, porque nao vin-
garam as suas to malvolas maquinacoes foijadas
nos escondrijos, e exercidas por tanto tempo
contra a minna humilde individualidade.
Curvado j ha una velbice de 77 jaaeiros, a
completar prximamente, 63 dos quaes emprega-
dos ininterrupta, escrupulosa eprobidosimente ao
servico do meu paiz em varias e importantes cem-
mi8oO08 a que sempre dei o mais cabal desempe-
uho ; enfraqufeido moral e pbyjicamente por con-
trariedades que se tornam communs no longo
curso de urna vida publica e laboriosa, e por eo-
termidades graves adqueridas, eobretudo em cam-
pauba nos campos inhspitos da repblica do Pa-
raguay ; agraciado por ambas as polticas consti-
tuiuas, quando no governo do Estado, com muitas
.ustiuccoea nouorihcas do Brasil, e tendo mais
urna do Reino de Portngal, sendo.aqnellaa e esta
ganbas ao r>-c i aubuissiino dos mais Ilustres
Alcool...... 9.0
Algodo ...... 108.014 kilos
Assucar......821.3531/2
Do LOHDOB BiKK
00 djv vista
O FAIR REPINlNGitm Pemambuco
vende ae a 4 r cent, por libra.
Agencia Havas lial em Pemambuuo,
26 de Agosto de 1887.
Mercado do Blo de i neiro
ULTIMA DATA19 DB AGOSTO DB 1887
CAFE'
Deposito no dia 1 de Agosto
3ntradas de 1 a 17. .
dem em 18.....
Vendas de 1 a 17 .
Da 18:
atados Unidos ....
Deposito no dia 18, tarde.
Cotava-se por 10 kilos :
Lavado.....^
Superior fino.....
1.' boa.......
1. regular......
I ordinaria.....
-"boa.......
2.' ordinaria.....
95.493
3.555
18.759
3.580
Siccas
269.577
99.048
368.625
22.339
346.286
81370 a 94O0
Nao ha.
8*850 8*980
8*570 a 8*720
8*300 a 8*440
7*970 a 8*170
7*560 a 7*830
Londres....
Paria.....
Italia.....
Uamburgo .
Portugal .
New-York .
Do EaaLiss Ba.n*. :
Londres.......
Paria........
Italia........
riamburgo......
Lisboa e Porto .
Principaes eidades de Portu-
gal........
liba dos Acores ....
liba da Madeira ....
^ew-York......
22 5/8 22 3/8
420 424
424
520 o25
235 237
2*240
SO djo vista
22 5/8
420
520
235
22 3,8
424
424
525
237
242
245
242
2*240
Mercado de aaoncar e alxodao
bbcifb, 27 db agosto db 1887
Assucar
A cotaco deete producto, para o agricaltor,
contina a ser a seguinte :
Branco, os melbores que
apparecem no mercado,
regulain de ....
3. sorte boa.....
3. regular.....
Hmidos e baixos .
Smenos......
Mascavado.....
Bruto.......
Rtame......
2*200
1*900
1*700
1*500
1*300
1*040
*900
*700 a
2*400
2*100
1*8 JO
1*700
1*400
1*100
1*000
*80
Carrapato
Cocos (fructa) .
i toce......
Elixir cabera de negro.
Espanadores de penna .
Farinlia de mandioca .
Fio de algodo .
Polhas de jaboraudy .
Man......
Medicamentos .
Oleo de mocot .
Meo d" ricino
Franchoes de vinhatico.
Preparados medicinaos.
Queijo de serto .
It ij-e.....
Sai......
Taboas de pao carga
Tatnancoa ....
Vassouns de piassava.
Viubo de jurubeoa .
5.500
32.000
1.020 kilos
15 eaixas
80
32 saceos
250 kilos
80 .
100 .
1 oaixa
475 kilos
4.870
12
38 eaixas
170 kilos
216 1/2
15.000 litros
3
3 fardos
50 duzias
54 velumes
Para o exterior
Para o interior
IBCAFITULACAO ,0 ASSCCAB
2.193.181
821.3531/2
kilos
Somma 3.014.5341/2


JELEGRAMMA
DA ASSOClAflo COMMEBCIAL FABA ROVA-YOBK
Expedido em 19 de Agosto de 1887, de manh)
Caf
existencia verificada 356.000 saccas
Entradas no dia 18 4.000
Ontradas em Santos 3.000
Vendas para os Estados-Uni-
dos ....... 4.000
stado de mercado Calmo.
Precos :
:. regular 8*650 por 10 kilos.
- boa 8*100 p^r 10 kilos.
Bo)a on&mercia!
COTAgM OFFICIAES DA JONTA D08 COB-
BECTOBE3
Recife. 27 ae Agosto He 1887
Algodo de Mossor Ia sorte, 6*500 por 15 kilos,
Mataa.
Dito de dito mediano, 5*500 ptr 15 kilos, hon-
tem.
Hto de dito. 2* sorte, 4*500 por 15 kilos, bontem.
^etras hypothecarias correndo juros, a 94*500
cada urna.
.'ambio sobre o Rio de Janeiro, 60 d[v. com 1 1(4
e descont, bontem.
imbio sobre Para, 30 d/v. com 58 0|0 de des-
cont, boje.
rabio sobre Londres. 90 d|v. 22 3/4 d. por 1 *,
do banco, houtem e boje.
.imbio sobre ilamburgo, 90 d/v. 518 rs. o R. M.,
do banco, honteir.
ambio sobre o Porto, 90 d/v. 134 0/0 de premio,
do banco, bontem,
)e3Conto ae letras, 8 0/0 aoanno.
Na hora da bolsa
Venderam-se :
126 letras hypothecariaa.
O presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
U secretario,
Eduardo Dubeux.
Movltnento bancario
aora, 27 db aoosto db 1887
PRACA DO RECIFE
Os bancos mantiveram no balcio a taza de 22
8 d. sobre Londres, dando, porm, todos a 22
:4 d.
Em papel particular fiacram transaccees a 22
7(8 e22 15/l&d.
Alood&o
Houve offertas de 6*400 por 15 kilos para o de
1. sorte do serto, fechando o mercado frouxo.
Entradas de
Entradas
Barcacas...... 1
Va-terrea de Caruar 1
Animaes...... 1
Va-terrea de S- Francisco 1
Via-ferrea de Limoeiro 1
Somma.
Algodo
Entradas
Barcacas......
Vapores......
Via-ferrea de Caruar .
Animaes......
Via-fenea de S. Francisco .
Via-ferrea de Limoeiro .
Somma.
aaaucar e algodo
; DB AGOSTO
Assucar
Das
26
27
27
24
25
Saceos
1.887
327
278
2.519
241
5.252
Diaa Saccas
1 26 995
1 26 4.742
1 27 178
1 27 3.024
1 24 869
1 25 1.140
10.448
Despachos de exporlaco
MBS DB AGOSTO
Nos dias 1 i 25, toram despachados na Alfan
dega os artigos seguintes :
Pura fra do Imperio
Agurdente..... 32.071 litros
Algodo......1,416.992 1/2 kilos
Frelamenios e eagajamenioa
De 13 a 27 de Agosto foram effdctuados os se-
guintes :
Vapur ioglez Dryden, para carregar aqui, com
destino a Liverpool, 2.000 saccas com algodo, a
1/4.
Vapor ioglez Tliales, para carregar aqui, com
destino a Liverpool, 1.200 saccas com algodo, a
1/4.
Patacho norueguenss Union, para carregar
aqui, com destino aos Estados-Unidos, 70) tone-
ladas de assucar, a 20/.
Patacho ingles Ttber, para carregar aqui, com
destiuo aos Estados-Unidos, 350 toneladas de as-
sucar, a 20/.
Escuua allem Ges'.m, para carregar aqui, com
deatino a Pelotas, 100 toneladas de assucar, a
260 tb.
Brigue ingles Amorette, para carregar na Para-
byba, com destino a Liverpool, 1.400 saccas com
algodo, a 3/8 e 5 0/0.
1 lluua rolsroe de frelsmenlo
CABBKOANDO AQUI
Cooi destino a|Liiverpool, algodo a 1/4 e assu-
car a 10/ e 5 0,0.
Com destino aos Estados-Unidos, assucar a 20/.
Com destino a Santos, aasucar a 130 rs.
BO BIO GRANDE DO HOBTE OD PABAHVBA
Com destiuo a Liverpool, algodo a 3/8 e 5 0/0.
Com destino aos Estados-Unidos, assucar a
22/6.
\avio despachado
Escuna norueguense Reform, sabida bontem,
levou :
Pira Ro Grande do Sul :
4.i0 b '.r.-icas com asquear brinco.
50/2 ditas com dito dito.
50/4 ditas com dito dito.
25 ditas com dito mascavado.
110 pipas com agurdente.
10 ditas com alcool.
Carregaram Amorim Irmos & C.
Assucar mascavado (kilo)
Alcool llitro).....
Arroz com casca (kilo) .
Algodo (kilo) ....
Borracna (kilo) ....
Couros seceos salgados (kilc
Couros seceos eepiebados (kilo)
Uouros verdes (kilo! .
aco (kilo).....
Caf bom (kilo) .
Caf restolho (kilo) .
Cachaca (litro) ....
Carnauba (kilo) .
Caracos de alfodo (kilo)
Uarvo de pedra de Cardift
Farinha de mandioca (litro)
(ienebra (litro) ....
Mal (litro)......
Mimo (kilo).....
Taboados de amarello (duzia)
toa.)
066
155
65
366
1*066
460
485
275
400
80
600
60
333
14
16*000
30
200
40
40
100*000
sacrificios, e nao disputadas ingloriamente pelo
patronato poltico-social, e sem ter, posao dizel-o
Vem alto e solemnemente, um nico ponto negro
aiquer em toda essa larga vida militar: nada disto
me recommendou ento para se me evitar o acerbo
desgasto de no ultimo marco de existencia ser
processado e pronunciado, ter de conparecer a
barra de respeitaveis Tribunaes, e smente, por
haver sido, na opinio sutpeita de alguns perver-
sos, condescendeute com criminosos, meus com-
mandadog, porque nao os pun rigorosamente pela
sua immediata cumplicidade nos lamentaveis de-
lictos commettidos fatal e inexperadamente no pre-
sidio de femando de Noronha, e isto nos ltimos
das de minha seguuda administraco de 4 annos,
5 mezes e 11 dias desse estabelecimento peniten-
ciario !
E o que me cumpria ento fazer em tal emer
gencia alm do que j havia feito, e que foi conser-
vados em priaoi-s seguras at que all chegasse o
vapor Meduza ou outro qualquer para recbelos
por ordem do governo e transprtalos para esta
capital ?
Foi o que fis, e ningem diri que com isto nao
cumpri eom o meu dever,.pirque castigal-os corpo-
ralmente nao era ento e oo.o aiada.'permettido
pelo reglamento do presidio.
E' verdade que quando mandei destnbuir dife-
rentes prites todos aquelles implicados em taea
acontecimentos delictuosos, que foram em numero
de 103, nao autorisei aos executores dessa minha
ressoluta deliberaco, nica que me caba por em
pratica, que arrancassem a mao e brbaramente os
cabellos e barbas daquell.es inflites; que brutalmente
os esbofeteassem e espancassem; que por escarneo os
despojassem de suas roupas para substituxl-as por
outras degrosso algodo, e, como cumulo da maior
perverso, que fossem espedacados todos os bahkn
que Ibes pertenciam, e que continham suas parcas
economas para seu uzo e de seus filhos !
Estou convicto, portanto, de que se assim bou-
vesse procedido, bem de encontr aos dictames da
moral e ia sensibilidade humana, ao envez de ser
indigitado como ua> criminoso, teria sido elogiado
i m documento offieial, tal como o foi o mandante,
ou pelo menos, o inmediatamente reaponsavel por
todo aquelle barbariamo to ffrontosoa cvilisa^to
e praticado para com presos inermes que vinham
ser puoieos pelo poder competente, e que s por
isto, principalmente, deviara estar bem ao abrigo
de taes canibtlismos, de que resultou alguns
fal.ecereu poneos dias depois de se terem recolhi-
do a Casa de Detencdo.......................
Com tudo isto nao me arrependi anda de haver
silo to condescendente, parque nunca me quiz
constituir um Calabar, muito emboia a aeco da
justica tivesae mais tarde de responder por culpas
que me emprestaran.
Gracas, porm, a intereza de carcter de um
juiz boarado nao se deix>u inspirar pelo odio e
capiicbo de alguos jauizaroa, para, desvirtuando
sua cousci-.-nciosa perspicacia, e maculando assim
sua illibada reputaco, fazer rcabir sobre mim
o estigma ignominioso de urna condetunac/to iai-
qua, inqualific-tvel e m-smo inquisitorial.
Um tal julgamento to juaticeiro, porque s foi
baseadn <'m todos os tramites legaes, se pir um
lado recomm-nda o sen autor a admrnco de
gregos e troyanos, pelo outro d bem medida do
valor intriuseco das graves aecusacoes de que fui
obj'cto, s p-ira se me torturar j no ultimo
quartel da vida.
A quantos, portanto, muito malignamente me
promovern] ease dezar que me acoinpaDhar a
Memorial
Aos accionista. da Estrada de Ferbo do Ribe
rao ao Bonito foi marcado o prazo de 60 dias, a
contar de Agosto correte, para realizarem a 7.a
entrada de 10 0/0 de suas accoes.
Com o descont de 4 0/0 e at 30 de Setemb'o
vindouro, sero substituidas na Thesoubabia ds
Fazbmda as notas do valor de 2*000 da 5.* estam-
pa, 5*000 da ?. e 10*000 da 6.a
PRAQA DO BIO DE JANEIRO
Os bancos adoptaram h -je, firme, a ta:ca de 22
7,8 d.
Assucar
Borracha ....
Caf.....
Careos de algodo.
Carrapato
Cera de carnauba .
Cobre velho .
Cocos (fructa) .
Cila .....
Courinhos e pellee .
Couros espichados .
Couros salgados.
Doce.....
Farinha de mandioca
Ferro, velho ,
Mel.....
Metaes velhos '
Usaos ?.
Duro velho .
Parreira branca.
Passaros seceos .
Piassava.....
Pranehes de amarello.
Prata velba .
Residuos de algodo
Sementes de carrapato.
2.193.181
4.133
122
451.275
100.000 .
9.685
10.000 .
10.000
18 kilos
65.034
392 kilos
49.683
83 .
2 saceos
52 tonelad.
6.415 litros
3 tonelad.
302.770 kiles
368.788 graos
4.00 kilos
1.800
3.000 kilos
69
1.223.960 graos
70.926 kilos
3.880
41.0*0 .
25.000
Trapos
Unhas de boi
Para dentro do Imperio
Agurdente..... 449,140 litros
\a\ loa A carga
Esto sendo despachados os scguiatos .
Brigue portuguez Armando, diversos artigo
o Porto.
Escuna allem Guie, assucar e agurdente, para
o Rio Urande do Sul.
Vapor inglez Merchant, diversos artigos, para
Liverpool.
Navios 6 descarga
(ADEO DO BACAUIAO
Lugar inglez Floren**
O.UADBO OO XARQB
Barca nacional Atarianninha.
Escuua diuamarquez* Fides.
CABVAO- DB PBDBA
Brigue inglez Ephrutah.
Barca norueguense Nina.
Barca dinamarquesa Jorgen J. Loii.
MADBIBA
Barca norueguense t'etrus.
Barca norueguense Vernica.
GOBDDBAS
Barca nacional Mara Angelina.
Barca nacional Marinho XI.
Patacho portugus lenta'iva.
SAL
Patacho dinamarqus Anna Charlotte.
VARIOS OBSBBOS
Barca norueguense Expedit.
Lugar norueguonse Sirias.
Lugar ingles Caledonia.
Vapor ingles Orator.
Vapor nacional Giq.
Vapor nacional Jacuhype.
Vapor aliemo Kiel.
Importaco
Vapor nacional Espirito Santo, chegado dos
p ortos do sul em 27 do corrente e. consigna io ao
v iaconde de Itaqui do Norte, manifestou :
Carga do Rio de Janeiro
Assucar 47 1 j barricas a Jos dos Santos Mo-
reira.
Caf 3 saceos a Tavares de Mello Genro & C.,
60 a Joaquim Duarce Simoes & C.
Calcado 1 caixo a Fraucisco Ramos da Silva.
Couros 1 caixo a Costa Campos & C.
Conservas 4 cairas a Pereira Carneiro & C.
Cerveja 5 barra a J. Meyer, 40 caixis a Au-
gusto Labille.
Chapeos 1 caixo a Cbristiani & C, 4 a Adol-
pho i Ferro, 1 a Affjnso Oliveira C.
Cbamins 1 caixa a Saunders Brothers & C.
Fumo 300 voluinos a Moura B orges & C, lia
Joo Vctor late Matheus 4 C, 60 ordem, 5 a
Rodrigues de Paria & C, 3 a Costa Lima & C
Fazendas 1 caixa a Saunders Brothers & C, 3
oraein.
Lpulo 1 fardo a J. Meyer.
Ladnlho 20 volumes a Souza Nogueira & C.
Livros 1 caixo a Jos Nogueira de Sousa.
Marmore 2 eogradados a houza Nogueira & C.
Merendonas diversas 3 volumes a Maia de Re-
zende, 1 ao Asyl > de Mendioidade.
Mi-asas alimenticias 25 volumes a Pereira Car-
neiro & C.
Panno de algodo 51 fardos a Ferreira & Ir-
mo, 5 a Luiz Antonio Siqueira, 25 a Olinto Jar-
dim & C, 10 a Andrade Lop^a C.
Papel 13 eaixas a Pereira Carneiro & C.
Sola 1 rolo a Marcelino Crus & C.
Viubo 7 eaixas a Souza Basto, Amorim & C.
Xarque 320 fardos a Maia & Rezende.
Carga da Babia
Azeite de peixo 5 barns a Silva Marques & C.
Charutos 1 caixc a R. de Drusioa 4 C 2 a
Almeida Machado & C.
Fie de algodo 30 saceos a Joo Francisco Le-
te, 40 a Gomes de Mattos Irmos.
Fazendas 1 caixa a Machado & Pereira, 1 or-
dem, 2 a Andrade Lopes Ladnlho 15 engradados a Francisco R. Pinto
Guimares fc C.
Panno de algodo 55 fardos a Machado & Pe-
reira, 10 a Albino Amorim & C, 20 a Andrade
Lopes & C, 10 a Beruet & C, 10 a Alves de BrV
to 4 C 10 a Guerra 4 Fernandos.
Pelles 25 amarrados a U. Landgren 4 C, 3
ordem.
Fia ssava 50 molhos aos meamos.
ricas com 468 kilos de assucar refinada e 12 ditas
com 515 ditos de dito branco.
= No cter S. Ambrosio, carregaram :
Para Maco, E. C. Reltro & Irmo 11 barricas
com 615 kilos de assucar branco.
Dinhelro
BBCEBIDO
Pelo vapor nacional Espirito Santo, chegado
bontem, dos porros do sul, para :
Martios Fiuza A. C- 3:000*000
Berna,din> Lopes Alheiro 3:000*000
Manoei Teixeira 4 C. 2:000*000
Jos Candido de Moraes 2:000*000
Pelo vapor nacional Jacuhype, de Aracaj,
para :
Maia 4 Rezende 1:066*500
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional PernambucJ, para :
Macei 2:000*030
Rio de Janeiro 19.963*00
Reodinentos pblicos
MKZ DB AGOSTO
Afaniega
Renda eeral
Od 1 a 26
dem do 27
Renda provincial
De la 26
dem de 27
731:969752
38:332*832
71:1461611
2:902*761
770:352*584
74:053*372
De 1 a 26
dem oe 27
Oe 1 a 26
dem de 27
Oe1 a 26
dem ae 27
Rtcebedoria geral
814.405*956
23:607*199
1:511*41
Recebedoria p.oinnaia
25:118*610
22:210*296
375*267
Recife Drainage
2:585*563
42:345*828
1:927*716
44:-73*544
ultima morada, s tenho a dizer que se houves *
rou bado em Fernando e distribuido comsigo o re-
sultado infamante de negociares illicitas, queme
ufano em nio tel-as feito, e pelo que imponho-me
lisongeado com urna velbice probidosa, eu nio
teria, por causa de um processo engendrado as
trevas, andado do Herodes para Pilotes, commet-
tido toda especie de sacrificios individuaos, e pe-
cuuiaros, reduzindo-me com isto a mais extrema
pobreza, para salientar o meu direito invectivado
e com elle a justica que me assistia.
As considerares que aqui deixo consignadas, e
que s as fiz como um desabafo sos tantos soffri-
meotos com que me victimaram, porque nao fui e
nem sou ladrio e vndalo, e pelo que jamis me su-
jetei, ou me sujeitarei ainda, a pratica de certas
manejos indecentes, sirvam ao menos de exemplo a
outros qu como eu, timbram em ser probidosos,
para p-r fim serem massacrados e postoa mar-
gem, como tenho estado por aqnelles mesmos a
quem mais desinteressadamente preste! relevantes
servicos pblicos o obsequios polticos, e pelo que,
talvez devido a estes, se diziam ento de meus de-
diradissimos admiradores !
E foi com essa inoeda aznhavrada que fui pago
de tantos servicos; e fui com esse adsalio a minna
dignidade que fui compensado de tantos obse-
quios !...
Sao sempre assim premiados oa velhos servido-
rea do Estado...
Edifiquem-se todos nesse espelho, e nao mais
acreditem naa falsarias zmbalas dos marcadores
do templo....
Agora que, felizmente, j4 nao me attinge mais
ac^o da justifa de meu paiz, perante a qual
acabei de provar cloquentemento a improcedencia
dos estirados cathalogos que coutra miin se rede-
gram, s me resta a revaiaco do meu eterno re-
eouhecimento ao nt.-^ro magistrado que me
absolveui illuetradj Sr. Dr. Joaquim da Costa
Ribeiro ; ao nao menos Ilustrado Sr. Dr. An-
tonio Estevo de Oliveira, que obsequiosa e ge-
nerosamente muito patrocinou com suas luzes para
o melhor xito do meu trumpho e a outros amigos
que, sempre ao in>'u lado, tambem contribu-
rain para o desidertum satisfactorio que con-
segu.
A tao dlstinctos cavalleiros um sincero aperto
de mo, e aos que oeram causa a inftene perse-
guico du que fui victima u meu despreso c nada
mais.
Abaixo publico a certido do meu julgamento
final, precedida da respectiva peticao.
Recife, 27 de Agosto de 1887.
Francisco Joaquim Pereiri Lobo.
Illm. e Exm. Sr. Dr. juiz de direito do 1" dis-
tricto criminal.O brihadeiro Francisco Joaquim
Pereira L por crime de responsabilidade capitulado no art.
158 do edigo criminal, requer a V. Exe. ic digne
por seu respeitavRl despacho mandar que o escri-
ris do jury lhe d por certido verbum ad verbum
a aeuteoc* proferida por V. Exc.. absolvendo ao
aupplieantc, e bem nseim que o mesmo cscrivo
certifique se passou em julgado a referida senten-
ca.P. a V. Exe, deferimento.E. R. M. (Tinha
urna est mpilha de 200 ris assim inuflisada.)
Recife, 24 de Agosto de 1887. Brancisco Joaquim
Pereira Lobo.
Certifique Recife, 24 de Agosto de 1887.St-
Ceiro.
Certifico em cumprimento do respeitavel despa-
Maria Angelina Layo 4 Fi-ho.
Mrquez de Caxias Domingo* Alves Matheus.
Pirapama Companhia Pernambucana.
ESTRANGEIBAS
Aone Charlotteconsig. ordem.
Caledonia Livramento 4 C.
Dux ordem.
Elstow ordem.
Expedit Fouseca Irmos 4 C
Ephrutah ordem.
Fides ordem.
Frita Baltar Oliveira 4 C.
Frits H. Lundgrin 4 C.
Figueirense ordem.
Florence Saunders Brothers & C.
Gc'siue Pereira Carneiro s C.
Jorgen J. Lota ordem.
J. L. B. ordem.
Kiel Boxwell 4 C.
Lisbonense Jobnston Pater 4 C.
- Monitor H. Luadgrin & C.
Merchant S. L. Jobnston.
Nina ordem.
Oratora S. L. Johnston.
Petras Pereira Carneiro 4 C.
Reform H. Lundgrin 4 C.
Seiprig ordem.
Sinus Hermann Lundgrin & C.
Tentativa Amorim Irmos 4 C.
Tiber-- Saunders Brothers 4 C.
Union U. Lundgrin 4 C.
Vernica ordem.
O signal indica ter a embarcaeo sahido.
Vapores A entrar
DOS POBTOS DO SUL
La Plataamanh.
Corrientesa i de Setembro.
Advancea 5.
Manos* 6.
Mondegoa 14.
Pernamoueoa .16.
Camilloa 27.
Taguaa 29.
DOS POBTOS DO HOBTE
Camilloa 3 de Setembro.
Paraa 13.
Espirito Santoa 23.
DA EDBOPA
Cotopaxihoje.
Girondea 3 de Setembro.
Tamara 10.
Nevaa 24.
DB KEW-POBT
Financea 9 de Setembro.
Pama da AUandega
DB 29 DB AOOSTO A 3 DB SETBMBB0
DB18B7
Assucar refinado (kilo) ....
Assuaw branco (kilo) ....
175
126
Exportiico
ancua, 26 db agofto db 1887
tara o extenor
No vapnr allemo Kiel, carregaram :
Para New-Y.rk, Abe Steiu 4 C. 21,800 cou-
rinhos de cabra.
Para o interior
No vapor inglez Cotopaxi, carregaram :
Para Uruguayauna, F. carneiro t C. 10 pipas
com 4,800 litros de agurdente.
No vapor nacioial Espirito San'o, carre
garain :
Para o Para, A. R. da Costa 110 voluiftes com
2,535 kilos de assucar branco ; M. L. de Si & O.
20 barricas com 6J kilos de assucar refinado ;
J. L da Silva Oliveira 17 barricas com 1,115
kilos de assucar refinado.
= No niate nacional Bom Jess, carregaram :
Para Macabyba, E. C. Beltrio & Irmio 22
saceos com 1.320 kilos de assucar mascavado e 60
barricas com 4,2)9 ditos de dito refinado.
No hiate nacional D. Julia, carregaram :
Para Aracaty, Fernandes 4 Irmo 6 barricas
com 360 kilos de assucar refinado.
No biata nacional Correio de Natal, carre-
gou :
Para Macao, M. Tavares 4 taboas de ama-
rello.
Na barcaca Tentativa, carsegiram
O movimento deste Mercado no dia 27 de Agosto
foi o seguinte:
Encraram :
43 bois pesando 5,920 kilos, sendo de Oliveira
Castro, 23 ditos de 1 qualidade, 3 de 2
e 17 ditos particulares.
307 kilos de peixe a 20 ris 6*140
82 cargas de farinha a 200 ris 16*400
26 ditas de fructas diversas a
300 rs. 7*800
10 taboleiros a 200 ris 2*000
27 Sainos a 200 ris 5*400
Foram oceupados :
241/2 columnas a 600 ris 14*700
23 compartimentos de farinha a
500'ris. 11*500
24 ditos de comida a 500 ris 12*000
59 ditos de legumes a 400 ris 23*600
30 ditos de fazendas a 400 ris 12*000
19 ditos de suino a 700 ris 13*300
11 ditos de iressuraa a 600 ris 6*600
10 tainos a 2* 20*000
9 ditos al* 9*000
A Oliveira Castro 4 C.:
54 talhos al*
llave ter sido arrecadada oestes dias
quantia do
Rendimento dos dias 1 a 26
54*000
214*440
vapore sabir
Espirito Santohoje, s 5 horas da tarde, ara os
portas do norte at Manos.
Cotopaxi hoje, a-t meio dia, para Valparaso,
com escala pela Bahia, Rio de Janeiro e Mon-
tevideo.
La Plataamanh, l hora da tarde, para Sou-
thampton e escala.
Mandah amanh, s 5 horas da tarde, para Ma-
cei, Penedo e Aracaj.
Mrquez de Caxiasamanh, s 3 horas da tarde,
para Maco, Mossor e Aracaty.
Giqu 30, s 5 horas da manh, para Rio
Formoso e Tamandar.
Marinho Visconde a 30, s 4 horas da tarde,
para a Baha, tacando em Macei, Vjlla Nova,
Penedo, Arac-j, Estancia e Bahia.
Xavlos a entrar
Antelopde Hamburgo.
Parwardde Liverpool.
Hardi-de Cardiff.
Lidadordo Rio Grande do Sul.
Mariedo Rio de Janeiro.
Marietta -do Rio Grande ds Sul.
Marinho Ido Rio Grande do Sul.
Positivodo Rio Grande do Sul.
Temerariodo Porto.
5:472*740
5:687*180
Foi arrecadado liquido et heje
Precos do dia :
Carne verde de 240 a 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris dem.
Sumos de 500 a 640 ris idem.
farinha de 160 a 240 ris a cuia.
Milho de 240 a 320 ris idem.
Feijio de 640 a 1|000 idem.
Matadonro Publico
Foram abatidas ao Matadouro da Cabanga 91
rezes para o consumo do dia 27 de Agosto.
Sendo: 63 rezes pertencente a Oliveira Castro,
& C, e28 a diversos.
Das 63 rezesperteneen'es aos Srs. Oliveira Cas-
tro 4 C, i foi para a caldeira.
Embarca cAes
tf
surtas no porto em
de Agosto
HACIOHABS
Armandoconsig. Loyo & Filbo.
Espirito Santo ao Visconde de Itaqtii do Norte.
Giqui Companhia Pernrmbucana.
Jaguanbe Companhia Pernambucana.
Jacuhype Companhia Pernambucana.
Lamego(canhoneira de guerra).
Marianninhaconsig. Baltar Oliveira 4 C.
Mandah Companhia Pernambucana.
Marinho XI Jos da Silla Loyo & Flho.
Para Guarapes, E. C. Beltrio os Irmio 8 bar-'Manaho Visconde Domingos Alves Matheus.J
Hoviinenfo do porto
Navios entrados no dia 27
Rio de Janeiro e escala6 1/2 dias, vapor nacio-
nal Espirito Santo, de 1999 toneladas, com-
mandante Carlos Antonio Gomes, equipagem 60,
carga vorios gneros; ao Viiconde de Itaqni
do Norte.
Santa F53 dias, lugar norueguonse Sirius,
de 342 toneladas, capito A. Holm, equipagem
10, carga hnbaca em grao; a H. Lundgren
& C.
Fernando de Noranha60 horas, vapor nacional
Giqui, de 223 toneladas, commandaate
Sousa Lobo, equipagem 29, em lastro; a Com-
panhia Pernambucana.
Sahidos no mesmo dia
BlticoVapor ingles Elstovr, commandanto
T. Robertson, carga varios gneros.
New-York por escala Vapor ioglez Lisbo-
nense, commandante A. Bennock, carga varios
gneros.
Gaspe (Canad)Patacho inglez J. L, B.,
capito Tbomas Robson, em lastro.
PortoBrigue portugus Figueirense, cspi-
tio Carlos L. Gaspar, carga varios generes.
Rio Grande do 8ol-Escuna allemi frits, ca-
pito F. Dius, carga assucar.1
Rouen (FranfaiBarca norueguense Dux, ca-
pito P T. Terjesen, carga milho.
Liverpool Eseuna sueca Monitor, capito
Lar Ahisson, carga ossos.

V-




>

Diario de PernanibucoDomingo 28 de Agosto de 1887


i

>
:



cbo retro que a sentenea pedida do tbeor se-
ga ate :
Viitot eitea autos, em que pela justica publica
accusado o brigaderro Francisco Joaquim Pereira
Lobo de baver por frouxido na exercicio das
attriouicoes de sen cargo como director do presi-
dio de Femandt de Noronha deixado de empregar
es meios a seu alcance para prisao e castigo dos
autores das mortes nlli commettidas eo Julho e
Agosto ae mi! oito centos e oitenta o cinco, julg >
a accuiaco nao provada por quanto a fra os iu
dicio colbidos na mencionada fo.-macao da culpa
oa quaes embora aufficientes para obligar o livra-
mento Rao o sao para imposicSo de pena, v-se
que nenhuma prova ulterior ioi produsida em
apoio do libcllo para faxer certa a criminalidade
d roo e destruir o que em contraria resultados
depoimeotos prestados pelas testemunhas da defe
za que confirmara o quo em favor delle depoieram
outros do mesmo sumario, ficando fura de duvida
que as pruoee ffectaadas depois dos crimes de
dezeaove a vinte de A-josto contra todos senten-
ciados sospeitos de fazurem pirte do grupo mal-
fe'r, foram det-rmiuadas pelo reo, entretanto
que nao est verificado ser anteriormente elle sa-
bedor quaes tinhum sido os aut-ircs do delicto pra-
ticado em Julho apezar do nenhum resultado do in-
puerito que se procedeu, e aen estas circumstan-
cias foi realmente omisso por desidia. Pelo que
absolvendo o reo da aecuaacio intentada mando
que se Ibe d baixa na culpa e condomno a muoici-
palidade na custas. Recife, dezenove de Agosto
de mil oito centcs e oitenta e sete.Joaqun da
Costa Ribeiro.
Certifico mais que a sentenea supra aqui bem
e fielmente transcripta passou em julgado.O re-
ferido verdade.Dou fRecife, vinte e cinco
de Agosto de mil oito centos e oitenta e sete. (Con-
tinba urna estampilla de 2i 0 ris assim inutilisa-
da.) Eu, Jos Joaquim do Reg Jnior, escriv
interino do jury.
E' o mesmo Silveira Martina, que ajaba
de fazer ouvir um brado de condemnc3o
contra os regalos, que nos desgovernam. I
f Os administradores nomeados pelo go
verno sSo mos e tem perdido as provin-
cias.
O notavel tribuno rio-grandense flagel-
lou igualmente o poder permanente e a vi-
taliciedade, como contrarios a natureza.
Queremos tambera nos outros ouvir a
palavra fecunda do orador pernambm.ano
sobre o gravissimo assumpto da federado
Acautele-se purera que ba ahi mouroi na
costa e livre-se, aobretudo, de oahir na
sentina da diframicSo e dos impnp tos
pessoaes, que a grande poltica em toga
entre urna certa roda liberal, poltica de
mezericos e de diffamacSas libertinas, que
degradara e deshonrara esta trra.
S. S. nao tem senSo que evangelisar as
ideas, em no rae das quaes solicita um rain-
dato poltico nesta heroica provincia: o
resto aos eleitores e ao paiz.
O Demcrata.
desapparecendo assim qualquer objecySo
.sobre a sua salubridade.
cal indi:ado, prximo de tolas as
vas do comnunioacaa urbana, tem anda a
vantagem de estar um pou jo arredado do
centro da cidade, o que assaz vantajoso
em estabelecimentos desta ordem.
Estamos certo que os seus proprietarios
sero bastante razoaveis para cederem-n'o
por prego commodo ; concorrendo assim
para que a provincia possua um edificio pu-
blico bem situado.
Recifa, 27 de Aagosto de 1888.
DECLARACES
0 Dr. Joaqun, tabaco
O Dr. Joaquim Nabuoo corneja a fazer
ouvir a sua voz oa Provincia, que in-
.jontestavelrnente, ama gazeta democrtica
de propaganda federalnesta cidade.
Fez bem o valente tribuno, que nao quiz
envolver se no capote do anonyraato trai-
coeiro e cobarde, como costumam alias os
HM disant liberaes da nossa trra.
Saudamos o carnpeSo da democracia,
que, por certo, nSo hade retrahir-se som-
bra de mystificaco2S ;avillosas, traduzidas
em palavras vazias e sempre engaadoras
de liberdade.
O Demcrata sem jaca que levante alti-
vo a suu palavra serena e convicta, qie
nSo especula, jamis, como esse partido
decrepito, retalhado sempre em mil peda-
jos.
Nessa hora de incertezas e presentimen-
tos, em que comeca a fazer-se sentir na
irte do imperio a aogao profundamente
vigorosa do terceiro reinado, justo, no-
bra que a voz fortalecente e consoladora
de intemoratos patriotas se faga repercutir
por toda parte.
Mas tambera, de todo ponto, indispen-
savel quj os propagadores sinceros e leaes
i causa da democracia, venbam expr, ante
os olhos de todos, quaes sao os remedios
que convm applicar esse corpo enfer-
misj, para cural-o de males to profun
dos.
A earopanha eleitoral, que vai brir se,
no dia 14 do prximo Setembro, exige, na
conjunctura poltica actual, uma acentua-
do muito mais ampia, do que a referente
a total exterrainacao do escravismo.
Coui effeito, vai j adiantada a hora, que
O roobo da Thes.iurara e o Sr.
i#11 mendailor Kelly
Como o Sr. Kelly, em sua defeza appelieu para
os seus precedentes e fez de! I s alarde e meto de ,j0 i
defezH, vamos dar uma pequea amostra do que
elles valem. Mais tarde trataremos dos servico*
militares e de uma reforma por sentenea do cor-te
Oto de guerra e appellaremos cu til i para o veae-
rtndo Sr. Dr. Moscoso, contemporneo desse facto.
Conferencia abolicionista
Foi transferida pan. o dia 4 de Setembro pr-
ximo a 18a conferencia das promovidas por esta
sociedade e a UuiSo Federal Abolicionista, por ter
sido cedido e theatro das Variedades ao eminen-
te orador Or. Joaquim Nabuco, que far a sua
apresentacSo ao eleitorado do Io districto no dia
28 do corrente.
Societaria da Sociedade Peraambucana contra a
Escravidao, 26 de Agosto de 1887.
Adolpho Guedes AlcoJ'orado,
Secretario.
Inspectora da Tbesouraria de
lia de soar, em todo o imperio, cora igual
applauso, alias, dos dous partidos monar-
cbicos, para o coramento dessa obra de
paz e de restaurarlo social.
iio de ura conservador de todos os tem-
i u recentes expresados, que vao se-
guir :
A escravidao o nosso grande mal.
i Desejaria que a gloria da abolicSo da
jscravidao coubesse ao mea partido ; mas
vejo que isto impoasvel, por que o ac-
tual governo resiste s aspiracSes do paiz.
pplaudirei o Sr. presidente do con
seibo, se S. Exc. acabar coin a eacravi-
dao.
Scmclhante cansa, n2o ha duvidar, uraa
nausa vencedora.
E taes sao, effectivamente, os votos de
milhares de conservadores, como eraiu os
votos de milhares de liberaes, cuja classe
directora mal acaba de abandonar as ca-
deiras do poder, sem que vissemos prati
cada essa humanitaria e moralisa lora ta-
refa !
M.s qual a cauzaium cauta, que tSo
nexoravelmente acta pela conservado do
Matu quo ?
Por que nao denunciar, cora sobranceira
icalJadeEsse formidavel penedo contra o
qual vao esboroar-se todos os enthasiasmos
generosos w u
Onde se acha agasalhado o pessoSl^oder,
essa temerosa sphinge, senao na denomi-
nada Arca Santa da Constituico Poltica
do Imperio ?
Vem de Silveira Martins essas palavras
frescas e sinceras, que se vai 1er :
a Essa anarchia que se nota no nosso
governo e na administrajao devidajaoyo-
ler permanente, que heriou essas qualida
des do fundador do imperio, descendente
do poder absoluto e faz esse governo pater
nnl, amando a justica e as letras, mas que-
rendo mandar s.
a No Brasil o que se v o governo ac-
chalo e uma cmara, qae nao manifesta-
do da naci, mas feioSo do governo,
|u; est por tal forma desorganisado en-
tre nos que ha de ser sempre isto, tanto
estejam os liberaes, como os conservado-
res.).'
E bem de ver que a fonte dos nossos
aisles pblicos nao jorra somente da escra-
n lo dos horaens pretos, pasto que a ella
levamos attribuir ama grande parte desses
males.
No intuito nobilissimo de regenerar este
paiz, faz se mister remedio mais heroico
i debellar os effeitos deleterios, que,
onya manu, e de envolta com a escravi-
dao do negro, preparavam as cadas para
escravao do branca.
J n5o ha derivativos que illuda a ur-
gencia de reformas maiores, mesmo radi-
caes.
Grande ser a divida para com aquellos
que tomarem sobre os hombros a causa sa-
grada da regeneracao das provincias em-
oobrecidas e subjugadas por administrado-
-es, que cada dia vito cavando o abysmo
ara sua completa ruina.
Nada de presidentes nomeados pelo po-
der 1
As provincias querera governar-se por si
nesmas, independentemente de nomeaca
>u de escolha da corte, que as tem aniqui-
lado.
S dest'arte renascerSo os nobres est-
mulos do patriotismo, e com elles o bem
estar, a independencia, a riqueza e os go-
zos legtimos da vida poltica social.
1 precedente.
Mntto-Qrosso.
O conselbeiro presidente da provincia, tendo
em vista uma reprenentaciu qud Ibe dirigi o juiz
de direito avulso bichare! Manoel Pereira da Sil-
va CoeI bo, acerca dofacto de ter o inspector da
Thesouraria de Fazeada, Antonio Ctecano da Sil-
va Kelly, abusando do seu emprego, havido para
si a importancia das etapas do escravo da Ni ;ao
de nome Manad Antonio e de ter escravos da
N-.cSo ao sea servico por aluguel simal ido e de
ter alujrado a Jos T >rtoro!li o meamo escravo
Manoel Antonio pela quantia de 2> diarios ceino
s v do peridico 1" de Marco, n. 8, de 20 do cor-
rente mez, e entrado para o cafre da Tbesouraria,
an com a quantia correspondente a este jornal,
mas sim na razao de 1/200 por dia e finalmente
ter recibido e conservado em sen poder a impor-
tancia desses alugueisat 13 de Marco ultimo ;m
qui; jirctendeu recolhel-a ao cofre da mesma 1 lie -
suuraria com guia datada de 7, o que nao conse-
guio por nao querer o tbesoureiro receber a guia
assim antedatada, resolve usaando da faculdade
que Ibe concede o art 5 % 8 da le n. 33 de 3 de
Uutubro de 1831, suspender o referido inspector,
Antonio Caetano da Silva Kelly do exercicio do
seu emprego per abusos nelle cummettidos psra
ser reepoosabili ado no juizo competente como i a-
curso nos arts. 146 e 170 do cod. criminal e cr-
Oliada
Aos moradores de Olinda a directora
Io de Julho participa que tendo
oontractado com a Companhia Ferro Car-
ril, o transporte de passageiros do Re a Oliada e viceversa, a mesma companhia
do Io de Setembro em diante estabelecer
um servico de diligencias, que partirlo do
Varadouro em Olinda a se enceotrare.a
com os bonds em Santo Amaro, custando
cada viagem do Recife a Olinda oa vice-
versa 300 rs., inclusive o transporte no
bond, e para os meninos at a idade de 12
annos 200 rs.
Os bonds da linha de Santo Amaro em
corresponden ia com as diligencias levarlo
uma bandeira azul-
Certamenle os passadores de fasta e mo-
radores de Olinda darlo preferencia as di-
ligencias nao s por economa como tam-
bem por commodidade, tendo alm disso
a vantagem de saltar em qualquer ponto
at a estaclo da ra do Brum.
Em outro lugar vai publicado o horario
despartidas dos bonds e diligencias.
Comi gral
Malas a expedirle hoje
Pelo vapor Espirito Santo, esta administracSo
expede malas para os por los do norte, recebendo
impressos e objectos a registrar at 1 hora da
tarde e cartas ordinarias at 2 horas ou 2 1/2
com porte duplo.
Administraclo dos correios de Pernambuio, 28
de Agosto de 1887.O administrador,
_________ Alfonso do Reg Barre*.
Club Litterario Pinto
Jnior
Em virtu le de ordem da presidencia deste club
slo convi lados todos os socios para o dia 29 do
corrente, s 4 horas da tarde, em caaa da vice-
presidente, ra velha o. 65, afim de se procoder a
elucao da nova directora, noa termos dos esta-
tutos.-A 1 secretaria,
Mana da AssencSo de Souza Landim.
Qit Carlos Sois
Tendo lugar no dia 7 de Setembro prximo, na
sede do club, o concert musical em solemnisa-
co do 8 anniversario de aua installaclo, previ
ne-se aos senhores socios que de eonformidade
oom o art. 58 dos estatutos, a distribuicio dos in-
gressos comecar a ser feita no da 31 do corrente
em diante, das 7 s 8 1/2 horas da noite na sede
do mesmo.
^Secretaria do Club Carlos Gsmes 27 de Agosto
de 1887.O 1- secretario,
Pompeo C. Casanava.
Sociedade Unto Gommercial Be-
necente dos Mercieiros
Tendo esta associaco de proceder a nova elei-
cio para os cargos que foram recusados por al-
guna membros do conselho lineal e directora,
deixa de ha ver hoje s i horas da tarde, como es
tava determinado, seeso de posse.
Humanidade
Os repetidos desastres occasionados pelos trai-
Qoeiros candieiros de vidro para kerosene, devem
despertar-VdS o desejo de acautelar vossas vidas,
deua que se remettam os documentos ao juis de foseado acquisic&o de candieiros de metal, nicos
din-ito da comarca para proceder na forma da lei. so'ido* e inexplosivos.
Palacio da governo de Matto Grosso em Cuya
b, 24 de Abril de 1871.=Francisco Antonio Ka-
poso (Bardo de Caruar). Conforme. Antonio
Jus de Sant'Aana, secretario do governo. Con-
forme.Benedicto Manoel Nanea.
A' venda na ra Duque de Caxias n. 86, Fer-
reira Guimarae3 & C.
Estrada de ferro do Recife a Ca-
2. precedente. Extracto de um artigo publica-
do no Jornal do Commercio n. 259 de 19 de Se-
tembro de 1883 a assignado pelo juic de direito de
Porto Alegre Dr. Trajano Viriato de Medeiros,
hoje chefe conservador na provincia do Rio Gran-
de e e que nao foi chamado responsabilidade :
S o Sr. 8b.. e os que participaran) do ma-
n do co as conferencias da Alfauddga podem
qualificar de funccionario honrado ao Sr. Antonio
Castao da Silva K' ly, ex-inspector, quando est
na consciencia publica que foi um prevaricador sem
escrpulos. Nvesa repiriiclo (Alfaudega de Por-
to Alegre! tornou se o ch-fe da commandita que
alli se orgamsou para assaltar o erario. la
quem tenha documentos disso e o Sr. S... melhor
do que eu sabe a quota que era distribuida entre os
honrados commaudilarios....
Volcaremos ao assampto e publicaremos para
edificacao do publico outros excerptoa.
Bem disse em 9 de Setembro do anno prximo
passad* o Sr. Or. Corvelloa seu te.npo provari i
quem abi vende bullas falsas e impansina os nes-
cios com fanfarronadas.
O Themoteo.
i m capitulo da historia
Em 15 de Fevereiro de 1883 o Or. Costa Ri-
beiro, chefe de polica n'esta provincia, dirigi
Presidencia, em seu relatorio, as seguintes pala-
vras :
Com a falta de trabalho vem as consequencias
funestas da ociosidade, a iuclinaco ao turto, a
falta de estimulo contra a embriaguez.
O habito de trazer armas oceultas, principal-
mente facas de pauta, e tudo quanto pode servir
A eonatltuico e o Rnine
SC
Sem uai tratamento constitucional impoasvel
conseguir-se a cura permanente de nenhuma en-
fermidade eruptiva oa ulcerosa. O sangue vieado
deve se purificar e fazel-e saudavel, do contrario
a causa do mal permanece oceulta no systema, e
certo que no fim se apresentar em outra forma
mais terrivel do que a anterior. S um remedio
dos conhecidos entre os homens, busca, esquadri-
nha e expulsa este mortifeio principio e restabelece
a constituic3o pbysica sua primitiva fore e vi-
gor. Tal en taes cao as virtudes da salsaparrilha
de Bristol.
Os remedios suppressivos sao excessivamente
perigosos em taes casos, e o mercurio aubstitue in
variavolmente uma molestia por outra anda mais
terrivel que a primeira. Porm esto balsmico de-
tergente e restaurativo vegetal, arranca at os ali-
cerecs da enfermidade, e converte n'um baluarte
de sade e forca o systema, depois de baver expul-
sado o veojQoso invasor. Este remedio, o mais
admiravel e maravilhoso de quantos se conbecem
no mundo deve sua extraordinaria reputac&o t
suas virtudes vivicantes e punficadoras.
Encentra-69 4 venda em todas as pharmaciaa e
drogaras.
Agentes em Pernambuco, flenry Forster & C,
ra do Commercio n. 8.
Pllulas operativa da mal Selgel
Contra constipacSo, ina^cao do liga-
do, fcte.
Dessemelhante a muitas outras medici-
nas catharticas, estas pilulas n3o fazem
como nstrumenM perfurante, parece constituir, com que uma pessoa se sinta peior antes
na maiona d'essa gente, um vicio irresistivel. 3' \ e ge gentir melhor. Produzem o sea ef-
nouvel o numero de ferro, de toda a especie q,rejfet0 com brandura ma8 completainente,
os agentes policiaes apprehendem conatantemeote | r '
aoa transentes, quer as pontes d'esta cidade, I n sendo acompanhado de accidentes
oude para esse fim se eollocam noite, em dina desagradavei, taes como nausea, apertos
indeterminados, quer as occasio:a de agglomera- j 0 ventre etc., etc.
ci do povo, e quer as ronda.s nocturnas. Ag pjluiag 0nnp:
Apezar da frequencia a essas diligencias, a
quantidade de armas encontradas sempre grande.
Nao menos consideravel o numero das que
sao remettidas a esta reparticio pelas autoridades
dos districtos visinhos.
Em taes condices as rixas e altercacoes, por
motivo muitas vezes de mnima importancia, tiio
frequeotes quanto facis de suscitar-ge entre pes-
soas sem polidez, anmalas nao s pelo contacto
dos punbaea oceultos, seao tambem muitas vez-a
pela influeneia do alcool, do lugar a conflictos a
que se deve a maior parte dos crimes de fer-
mentos, e nao raros bemicidi .s.
Esse chefe de pslicia nao era, com certeza, con-
servador.
Entretanto, o Exm. Sr. Dr. Pedro Vicente
horrivulmente maltratado pelos liberaes, porqae
no seu relatorio fallou as facas de que tanto aqui
se usa, como se v do seguate trecho :
O povo pernambucano altivo e valentn;
abusa, porm, muito da faca, e a ociosidade, pjr
falta de occupa5)es facis e promptas, moti/o
para ajantamentos, que provocara disturbios, djs
quaes, em geral, semprc;alguem sabe ferido.
Que criterio!
O abelhudo.
uia
AVISO AO PUBLICO
Do da 1 de Setembro em diante haver as se-
guintes alteracoes na tabella anda em vigor :
Linha principal
O trem de 7.45 da manh do Recife ir at
Apipucoe.
O de 7.5 da tarde do Recife sabir s 6.45 at
Apipucos.
O de 8.30 dem idem idem s 8.45.
O de 9.45 idem idem idem s 10.0.
O de 9.20 idem idem idem s 9.45 (linha do Ca-
an g).
O de 10.3 idem do Entroncamento dem a 10.20
linha do Arraial.
Haver tambem um trem sahindo do Recife s
7.40 da tarde at Dous Irmos pela linha princi-
pal.
Linha principal
O trem de 8.52 da manh do Monteiro sahir de
Api pacos s 8.45.
O de 7.4 da tarde de Dous Irmos idem s 6.42.
O de 8.29 idem idem idem s 8.42.
O de9.48 idem de Apipueoa idem s 10.5.
Linha da Vanea
O de 7.47 idem da Varsea idem s 7.29.
O de 9.14 dem do Caxang idem a 9.40.
O de 9.15 idem do Monteiro idem s 9 45 linha
do Arraial.
Haver tambem um trem sahindo de Apipucos
s 7.45 da tarde pela linha principal.
Escriptorio da Companhia, 27 de Agosto de
1887.
(Assignado) H. \V. Sttnehewer Bird.
Gerente.
Arsenal de Guerra
De ordem do Illm. Sr. major director, distribue-
se costuras nos das 29, 30 e 31 do corrente mes,
s costureiras de ns. 301 350, de conformidad*
com as disposicoos dos aouuncios aoteriores.
Secco das costuras do Arsenal de Guerra de
Pernambuao, 28 de Agosto de 1887.
Flix Antonio de Alcntara.
____^_^_ Alferes adjunto.
Irmandade do Divino Espirito San-
to do Recife
Assembla geral
De eonformidade com o disposto na segunda
parte do art 84 do nosao compromiaso, convido
aos carissimos irmos a se reunirem em o nosso
consistorio domingo 28 do corrente, pelas 11 ho-
ras do dia, afim de elegermos alguns membros da
actual mesa regedora que recuaaram os cargos
para que foram eleitos
Consistorio da Irmandade do Divino Espirito
Santo do Recife, aos 25 de Agosto de 1887.
O secretario do conselho
Domingos Jos Antunes Guimares.
A Gl.\ do Sup.\ Arch.*.
do Un/.
**.-. BV. CaMlbeiron da Crac
Nao ae tendo realisado a sessao de financas,
convocada para o dia 22 do corrate, sao de novo
convidados, pi-r ordem do Resp.-. Ir.-. Ven.-., to-
dos os OObr.-. desta Aug.\ Off.-. a se reunirem
no dia 29, s 7 horas da noite, proc?dendo-se dita
sesso com o numero de OObr.'. qne comparece-
rem. Recife, 26 da Agosto de 1887 E.\ V.-.
Eduardo Goncalves 18. .
Secret.-.
THEATEO
SfflTfl MTO!
COMPANHIA. DRAMTICA
Empresa e direccSo do
DR. CAR.\EIR0 VILELLA
United Sutes Brasil S. S. C
O vapor Adyance
E' esperado dos portos do
slate o dia 5de Setembra
depois da demora necessaria
seguir para
Haranhio, Para, Barbados, %
Thomaz e \cw-York
Para carga, passagens.e ic unu^-ndas -jdinheira
a frete, tracta-se com oa
AGENTES
0 paquete Finance
3.a RECITA
Hoje-Domino ? de Agosto Uoj<-
A' 1ARDE
Espectculo para a distincta claase commercial
A 3. e ultima representaco do magnifico e ap'
plaudido drama do Dr. Carneiro Vuelta
0 NfflLSTA
Terminar o espectculo com a 1.* representa-
cao da espirituosa comedia em 1 acto, composicao
original do OR. AFFONSO OLINDENSE
Guerra s mulheres
Os scenarios sao completamente "novos.
Comegar s 61[2 horas da tarde.
Eapera-se de Sew-Port-
News, at o dia 9 e Setem-
bro o qoal seguir depois da
demora necesaar:. para
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, e encommendas traeta-
io com oa
AGENTES
Henry Forsler & C.
s 8 RA DO COMMERCIO -N. 8
1 anda
COMPAKHII PElt.VtMBIJCAIVA
DE
Mavega^o costelra por vapor
fORTOS DO SUL
Macei, Penedo e Aracaj
0 vapor Mandahu
Commandante Mafra
Segu no dia 29 de
Agosto, s 5 horas da
-tarde.
Recebe carga at a
Idia 2.
Encommendas, passagens e dinheiros frete at
i 3 horas da tarde do dia 29.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Penvtmbucana '
n. 12
Pacific Meara ftavigalion lompanv
STRAITS OF MAGELLAN UNE
Paquete Cotopaxi
MARTIMOS
HaiDDre-SaeiiaiiirHscB
Dampfschifffahrts-Gesellschan
O vapor Corrientes
E' esperado dos por-
tos do sal at o dia 1
de Setembro e seguir
d pois da demora ne
cetaria para
HINCO INTERNABIONA
DO
?
O
Dr. Paulo d olivelra e a
qiioto do Brejo
Anda se acham oa consciencia do publico os
lamentaveis econtecimento, que tiveram lugar no
dia 26 do mez prozimo pastado e de qae figura o
Dr. Paulo de Oliveira cobo principal reiponsavid,
entretanto este bomem nao cessa de cmtinuar a
perturbar os meus direitos e intewsses, provanlo
mais uma vez a parte activa, que"omou naquelles
lamentaveis acontecimentos.
Acaba o Dr. Paulo de Oliveira de fechar estra-
das do terreno de que estou manutenida, autori-
sando a um seu assalai iado Manoel dos Caxos a
aggredir moradores meu e a euviar-me recadja
inconvenientes.
Para que isto nao continu, peco ao Srs. Dril.
ebefe de polica e delegado do 2 diatricto que pro-
curem conter a este bomem, que, sem respeitar us
leis, tem procurado offeader nao s minha pes-
soa como os meui direitos, afim de que posna
tal vez augmentar a sua fortnna a minha casta e a
de minhas Albas.
Monteiro, 27 de Agosto de 1887.
Josepha Francisca D. de Mell,
Fdenldade de Direito
Trataado-se de escolher local para o no-
vo edificio da Faculdade de Direito, le-
ramos ao Ilustrado Sr. Dr. Thaumatur-
go o sobrado e sitio contiguos ao quartel
do Hospicio, onde j funecionou a mesrt a
Faculdade.
Serve pela sua situic&o, que pelo ezte -
so terreno, que possue, nSo ba outro pre-
dio, que se Ibe avantage; Beodo de notar
qna oJualmente acha-se aterrado o pateo,
As Pilulas Operativas da Mai Seigel sSo
a medicina de familia a mais til que se
tem descoberto. Ximpam as entranhas de
todas as substancias irritantes, deixando-as
em condiyao saudavel. Sao o melhor re-
medio que existe contra a peste das nossas
vidasconstipacSo e naccao do ligado.
Estas pilulas impedem febres e toda a
sorte de doencas, pelo simples facto de ex-
pellrem toda a materia venenosa das en-
tranhas. Operam com vigor, mas suave-
mente e sem causar ddr alguma.
Se uma pessoa apanbar um resfriado e
a ameacar uma febr;, e sentindo dores na
cabega, costas e membros do corpo, uma
ou duas dses das Pilulas Operativas da
Mai Seigel expedirSo o resfriado, impe
dindo a febre.
Lingua grossa asompanhada de um
gosto salobro, a causa de materia impu-
ra no estomago. Urnas poucas d3es das
Pilulas Operativas da M&i Seigel limparao
o estomago, removendo o mo gosto, res-
taurando o apetite e com elle trar boa
sade.
QjMuitas vezes succede que doenc3 ou
alimento meio apodrecido, causa nausea e
diarrhea. Se se limpar as entranhas d'esta
impureza com uma dse das Pilulas Ope-
rativas da Mii Seigel, estes effeitos desa-
gradaveis desapparecer&o, resultando boa
sade. ^
As Pilulas Operativas da Mai Seigel im-
pedem os roaos effeitos que produzem o
comer e beber em exessso. Uma boa dse
ao deitar da cama torna uma pessoa hbil
e inclinada para o trabalho do dia se-
guinte.
Como estas pilulas s2o cobertas de uma
carnada de assucar tomam-se com agrado.
O gosto desagradavel to commum a maior
parte das pilulas desta forma evitado.
Acham-se venda em todas as boticas e
lojas de medicinas, em toda a parte do
mundo e casas dos proprietarios A. J.
White, Limited, -Londres.
Depositarios na provincia de Pernambu-
co por atacado: Francisco M. da Silva
< C, ni cidade do Recife.
Vendedores por retalho, oa cidade do
Recite : Bartholomeu & O., J. C. Levy
A 0., a. M. Veros & C, Bouquarol
Frres, Faria Sobrinho dC. e T. S. Sil-
va, em Palmares, A. (J. de Aguiar e em
S. Joao da Igreja Nova, J. A. da Costa e
Silva.
BRASIL
Capital o.oooroooa
dem reallsado 8,000:0004
A caixa filial d'esle Banco funecionando tem
porariamonte ra do Commercio n. 38, saca,
vista ou a praso, contra os seguintes correspon-
dentes no estrangeir :
Londres......... s/N. M. Rothschil & Sons.
Pars........... > De Kothsi-hld Frres.
Hamburgo.......\
5erlim..........( Deutsche Bank.
lremente......../
Frankfurt s/ Main
Antuerpia.......
Roma...........
Senova.........
aples.........
Milito e mais 349
cidades de Ita-
lia............
Madrid..........
Barcelona.......
Cadis...........
Malaga.........
Tarragona......
Valencia e outras
cidades da Hes-
panha e ilhas
Canarias......
Lisboa....... \
Porto e mais ci- (
dades de Por-
tugal e ilhas... ;
Buenos-Ayres.... )
Montevideo......)
Nova York......
Banque d'Anvers.
* Banca Genrale
agencias.
e suas
Banco Hypoteeario de
Espaua e suas agen-
cas.
Banco de Portugal e
suas agencias.
English iank of the Ri-
ver Pate, Limited.
G. Amaiiik & C.
Compra saques sobre qualquer praca do impe-
rio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em couta correte de movi-
mento com juros a razao de 2% "o anno e por le-
tras a prazo a juros convencional oa.
O gerente,
William M. Webater
Tiericnl h Regatas
Tendo o conselho admimstrati vo de organiaar
o corpo de remadores para a pro::ima regata, sao
convidados todoa os sizios que faze n e os que
qurirara fazer parte do mesmo a se inscreverem
em um livra qne para tal fim so acha na secreta-
ria lo club. Aqueltes que nao o fizerem no im-
prorogavcl prazo de oito dias, j ilgnr-33-ho ex-
cluidos do corpe.
Secretaria do Club Internacional de Regatas,
21 de Agosto de 1887 O 2- secretario,
B. It. Borges.
EitiSu Bai of Rio fle Janeiro
Capital do Banco....... 1.000,000
Capital realisado......... 500,000
Fundo de reserva....... 200,001?
A contar desta data e at ulterior reso-
lucSo, conceder-se-ha juros de dous por
cento ao anno, sobre os saldos de dinheiro
depositado em oonta corrente de movimen-
to no mesmo Banco.
Recebe-se tambem dinheii-o em deposito
a juros por periodos determinados, oa su-
jeito ao aviso previo de trinta das para ser
retirado, mediante as condieSas de que se
dar conbecimento aos interesados.
Pernamcuco, 23 de Maio de 1887.
Henry K, Qregory,
Grere te.
Lisboa e Hamburgo
Para passageiros e carga a frete trata-se com os
CONSIGNATARIOS
Borstelmann & C.
RA DO COMMERCIO N. S
i* andar
CHARGELRS REUNS
Companhia Franceza de Xa vega
cao a Vapor
Linha quinzenal entre o H.vre, Lis-
boa, Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos
O vapor Ville de Baha
Commandante Sebire
E' esperado da Europa
at o dia 6 de Setembro, se-
guindo depois da iudispen-
savel demora para a Ba-
bia. Rio de Janeiro
e Manto*.
Roga-se aoa Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha,queiram apresentr dentro de 6
dias a contar do da descarga das alvarenga.-. qual-
quer reclamace concernente a volumes, que po-
ventni a tenham seguido para os portos do sul,alia
de se poderem dar a tempo aa previdencias neces-
sariaa.
Expirado o referido prase a companhiioa n se
reaponaabilisa por extravos.
Para carga, pai sagena, encommendas e dinheire
a frete : trata-se com o
AGENTE
O nw Tillo io Macei ;
Commandante Panchvre
Esperajae dos portos do sal
no dia 3 de Setembro seguin-
do depois de iudispenaavel
demora oHtVBE, tocando
em LISBOA bavendo nu-
mero suficiente de paasa6ei
ros de 1* classe.
O VAPOR ENTRARA' DENTRO DO
PORTO
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece exccllentes commodos e ptimo passa-
dio.
As passagens poderlo ser tomadas de antemSo.
Recebe carga encommendas e paesageiros para
os quaes tem excel lentes accommodacoes.
Para carga, passagens, encommendas dinheiro
a frete: trata-se com o
AGENTE
Angoste Labllle
9 -RA DO COMMERCIO-9
lOMMAlLSTEAMPAClET
C01PANY
Vapor La Plata
E esperado
do su 1 no dia 29 de
corrente seguinic
idepois da demora
necessaria para
Lisboa e Sontlianipten
Reduccuo de passagens
Ida Ida e volta
A' Southampton 1' classe 28 42
Camarotes reservados para os passsgeiros de
Pernambuco.
Para passagens, fretes, etc., tracta-se cem os
Consignatarios
Amorim Irmos &C.
M. 3- RA DO BOM JESS -N. 3
E' esperado da Euro-
pa at o dia 28 de
Agosto, e seguir de-
pois da demora do coa-
tume para Valparaso
eom escala por
Baha, Rio de Janeiro c Monte
video
Para carga, passagens, encommendas e din-
Seiro a frete tracta-iecom os
AGENTES
Wllson Sons fc J., Limited
N. 14 -RA DO COMMERCIO-N 14
Companhia Bahlana de navega
cao a Vapor
PORTOS DO NORTE
Haco, Mossor c Aracaty
O rajor fflarpz e Caxias
Cammandante J. J. Coelho
Este vapor sahi -
r para os portoa
cima indicados,
no dia 29 do cor-
ente, s 3 horas
da tai de.
Recebe carga nicamente at ao meio dia do
referido dia 29.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete, trata-se na
PORTOS ~D0 SUL
Macei, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Babia
O VAPOR
Marinho Visconde
Commandante Pereira
Segu impreterivel-
mente para os portos
cima no dia 30 de
Agosto, ai 4 horas de
tarde. Recebe carga
nicamente at ao 1(2
dia do dia 30.
Para carga, pas3agens,encommendas e dinheirt
a frete tracta-se na agencia
7Ra do Vigario7
Domingos Alves Malheus
COMPI\!I!> PKR.11HBIC41A
DE
Wavegacao Costeira por Tapor
Rio Formo so e Tamandar
O vapor Giqui
Comandante Lobo
Segu no dia 30 de
Agosto, pelas 4 ho-
ras da manh.
Recebe carga at c
dia 29.
Encommendas, passagens e dinheiros a frete
at s 4 horas da tarde do da 29.
ESCRIPTORIO
Cae* da Companhia PerKambn
eana IV
lOni'MIII DEM XEMSASB
re haritihei
" linha mensal
O paquete Gironde
Commandante Minier
Espera-se da Eu-
ropa at o dia 3 de
Setembro, seguin-
do depois da de-
mera de coatume
para Buenos-Ar-
res, tocando na
Baha, Rio de Janeiro e Monte
video
Lembra-se aos senhores passageiros de todas
as clasees que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-se aos senhores recebedores de merca-
dorias que s seattender a reclam acoes por fal-
tas nos volumes que forem reconhecidas na occa-
siao da descarga,
Para carga, passagens, encommendas e dinheiro
a frete : tracta-se com o
AGENTE
Angoste Labille
9-RA DO COMMERCIO9
Porto por Lisboa
Par* os portos cima indiendos seguir breve-
mente o brigoe portugus Armando.
Para carga e passageiioa trata-se com os cen-
signatarios Jos da Silva Loyo & Filha
IELOES




.

I


Terca-feira, 30, leiiao da armacio, cofre pro1-
va de fogo e mais objectos da armncao da loja da
pra9a da Independencia ns. 18 e 20.


i
VHnfatssHBaVBVftttnnlanfataafla"!****!



V -
V
- -. -- -
\



n
Diario de PcrnaiMbiH-4---DuiiiiDgo 28 EaWnnda f-ira, 29, deve ter lug*r o leilo do
fttts movis, quadros, crystaes e mais objectos da
H de residencia do Sr. Gustavo Sahr, no Mon-
teiro. A's 10 horas em ponto partir om trem
exaresso para o Monteiro, qaedar passagem gra
fes aos concu-reoMs ao leilo.
U Quarta-foira 31, o de um bilhar e differentes
vea d casa terrea da roa do Visonde de Gy-
amaa n. 66, em frente da casa da Sra. C"we.
_ Quinta-feira, 1 de Setentbro, o de fajendas,
ehapos e manteiga ltimamente retirada d'Altan-
dega e existente no armazem da ra ds Merques
fe Olinda n. 52.
Leilo
De urna bonita va SEGUNDA-FEIRA, if9 DO CORRENTE
A'S 11 HORAS
No armazem da ra do Mrquez de Olind*
n. 19
Em coniinnafo
De pianos, mobilias diversas, camas francesas,
marquezoes, mesas clsticas, cabides guarda ves-
tidos, guarda loucas, guarda pratos, commodas
de Jacaranda, cadeiras avulsas, bancas, quadros,
jarres, candieiros, espelb-is, garrafas para vinho,
copos, talberes, bacas, pratos, chicaras e di ver-
gas fcebidas.
POR INTERVENQAODO AGENTE
Gusnio
Grande e variado
Le'la o
De bons movis, finos crystaes, objectos de
electro pate, porcellanas, quadros a oleo,
oleographias, pombos, galliuhas e ove-
Ihas.
- A SABER m
Sala de visita
IFm piano forte e novo (excelente), 1 mobilia de
junco com sof, 2 con6olos cim pedra, 2 cadeiras
de bracos e 10 de gnarnico, 2 meiis dejogo,
diversos quadros a oleo, jarros de electro-pate, 2
candieiros para mesa.
Sala de jaotar
Mobilia de negueira, urna mesa elsticas, 1 bu-
fet com tampo de pedra, 12 cadeiras de guar-
nidlo, 4 quadros, 1 relogio, 2 apparelhos de pro-
ceilana fima para cha e jantar bandejas, copas,
clices, garrafas, porta-licares, ealheteiras, porta-
glo, salvas, lacas e outros objectos de electro -
pate.
3a bala
Urna estante, 2 secaetarias, 3 laucas para cor-
tinados, 2 tapetes grandes, 5 ditos menores, qua
iros, jarros e vasos de trra cota, meza e machina
de coaturas e 2 catiscaes.
Qoartos
Duas camas com colxoes, 1 lavotorio e' toilet
com pedra, 1 guarda reupa, 1 guarda-vestidos,
atezas de cama, tapetes, guarnicoes para lavato-
rio e toilets, 1 cama de ferro, 1 commoda, quadros
e gravurau.
Objectos avalaos
Trem de cosinha, trem de jardim, pombos.
aaaliabas e ovelhas.
Segunda-feira, 29 do corrente
No Monteiro
Gustavo Sahr tendo de seguir para Europa com
sua fimilia, faz leilo por interveneo do agente
PINTO dos movis e mais objectos existentes em
casa de sua residencia na povoaco do Monteiro,
perto da estaco.
A's 10 ors partir da estaco do arao de
Santo Antonio um trem extraordinario que dar
passagem gratis aos concurrentes ao leilo, tor-
naudo-se eipresso do Entroncameuto em uiante.
Leilo
de ama mobilia, eom i sof, i consoles, 2 cadeiras
de braco e 12 de guarnir 2 candieiros, 2 casti-
ces e mangs, 2 cadeiras de balaoco, 1 mes re-
donda, 2 lnvatorios, 1 mesa, 1 aparador, 2 netas,
1 sof, 12 cadeiras de junco, 1 mesa de loum, co-
pos e clices.
Um marqueso, 1 commoda, 1 sof, 2 con tolos,
1 cama para menino, 1 guarda roupa e outres mo-
vis.
Quarta-feira 31 do corrente
A'a 11 b ras
Agente Pinto
Na casa terrea roa do Viaconde de
Goyanna n 66, em frente da
casa de Mroe. Cowe
Ean eoHtfnuae*
Um bilbar e seus pertences.
Leilo
De fazendas inglezas, francezas, suissas
e allems
CONSTAN JO DE:
Pannos finos, casemiras, brins, cretones, chitas,
madaptloes, creguelas, atoalhados, chales, i:ami
sas de meias, gravatas, meias, pelncias, lencos de
linbo, roupa feita, chapeos, pannos para rede, me-
rinos e muitas outras fasendas que sero vendi-
das por
Liquidara
Quinta felra. 1 de Setembro
Agente Pinto
No armazem da ra do Mrquez de 01 nda
n. 52
Leilo
De
Leilo
De casas e um terreno
Terca felra, 3 do frrenle
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 22
O agente Stepple por mandado e asistencia do
xm. Sr. Dr. juis de direito privativo de orpbaos
e ausentes a requerimento do inventariante dos
bens deixados pelo finado Joaquim Pernandes da
Silva Manta, levar a leilo as seguintes casas
Urna casa terrea ra do Fogo n. 3, em solo
proprio ; urna dita ra de Vidal de Negreiros
n. 73, em solo proprio; urna meia-agua na travs
a do Peixoto n. 20, em sola foreiro e am terreno
estrada de Joo de Barros.
OaSrs. pretendentes desde j podem examinar
aj ditas casas, e para qualquer informacSo 0 mes-
ato agente dar. _____________________^^^^^
Leilo
Da casa terrea n. 68 ra Dias Cardoso
antiga do Caldereiro
Terca felra. 30 do corrente
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 22
O agente Stepple por mandado e assistencia do
Exm. 8r. Dr. jais de direito da proved >ria de capel-
las e residuos, a requerimento do inventariante
dos bens do finado Nicomedes Mara Freir, leva
r a le la a casa cima. Os Srs. pretendentes
desde j podem examinar a dita casa.
Agcnt
e Pestaa
Leilo
De predios e terrenos
Um sobrad" de 3 andares com urna aota sito
roa de Domingos Jos Martina n. 38, o qual ren-
de 70/000 mensaes.
Urna casa terrea sita ra lrrperial n 200-C,
fresuezia de S. Jote.
Urna dita dita ra da Via-Frrea n. 16.
Urna dita mei'agua mesma ra u. 7.
Um terreno com caaa de taipa n. 171 ra Im-
perial e om outro terreno na mesma ra, entre as
casas ns 157 e 161.
O agente Pestaa, Icgalmente autorisado, leva-
r a leilo na terca teira, 30 do corrente, ai meio
dia em ponto, no armazem i. ra do Vigario n. 12.
Urna Casa terrea ra Imperial n "00 C, con-
tando 2 salks, 2 quartus, coziuba fra, mais um
qaarto fra, quintal murado cum cacimba, com
portas que do sabida para o rio, em solo proprio;
Urna dita ra da Via Frrea n. 16, com 2
salas, 2 qaartos, cozinlia fra e um pequeo quin-
tal eom portal, em solo proprio.
Urna casa mei'agua n. 7 na mesma ra, com
Urna sala a 1 quarto.
Um terreno com casa de taipa n. 171 roa Im-
perial, em solo proprio.
Um dito meama roa com 122 palmos de fren
te, aatre as casas ns. 157 e 161.
Os Srs. pretendentes desde j podem examinar
08 ditos predios e terrenos.
Leilo
de Orna armaco envernisada e envidracada, 1
bal cao, caodieiro gas, arandellas, 1 cartt-ira, 1
ssocho, 1 burra prova de f.go, de Milner, 1 pren-
sa para copiar carta, 2 oseadas e mais objectos
existentes na loja da
Prava da Independencia ns.
Helo
Terfa-feira 30 do corrente
A's 11 h'jras
Agente Finio
14 caixa* ootn manteiga em latas de
li2, 1, 2, 7, 14 e 28 libras
(Ebm asm os mal lotea)
QUINTA-FEIRA, 1 DE 3ETEMBRO
A's 11 horas
Agente Piolo
.\o armazem da ra do Mr-
quez de Olinda n 59
De
os
v
movis, espelhos e
Quinta-feira, 1 de Setembt
A'S 11 HORAS
Na casa i ra de Dias Cardoso, outr ora
Caldereiro sob n. 68
O agente Stepple, por mandado e assistenei* do
Exm. Sr Dr. juis de direito da provedoria, a re-
querimento do inventariante dos bens do finado
icomedes Maria Freir, levar a leilo os movis
seguintes i 12 cadeiras, 2 consolos, 1 sof, 2 ca-
deiras de bataneo, 1 mesa elstica, 3 commodas,
camas de ferro, 1 santuario, marqueso, lanteroas,
1 espelho, giarda-louca, caixa de amarello, ga-
mella, 1 porta, mesa para jogo c outros movis.
Agente Pestaa
Do importante sitio con excellente casa terrea de-
pendencias para criados, estribara, jardim 9
militas arvores fructferas ra Imperial n.
150, fregueaia de S. Jos, inventario de D.
Calixta Frrnciaea de Queiroz.
Quinta felra 1 de Setemforo
A's 12 horas em ponto
No armazem ra do Vigario n. 12
O agente Pestaa por mandado e assistencia do
Exm. Sr. Dr. juiz de orphios vender a quem
mais der o excallente sitio e casa cima mencio-
nado.

Ama
Preeisa-se de ama ama ; a tratar na roa do
Paysand n. 19, Passagem da Magdalena.
Ama
Precisa-se de ama ama para engommar e taser
servicos de casa ; na typograpbin do Diario, no
3- andar, n. 24, ra Duque de Carias.
~~ Al
Precisa-se de ama ama que seiba ciainhar ; a
tratar na ra Velha n. 75.
Preeiaa-se de ama ama
de Pedro Affosso n. 70.
para osinhar ; na rna
Precisa-se de urna ama para comprar e cosi-
nhar ; na roa do Rosario da Bja -Vista n. 53
segando andar.
Ama
a tra-
Precisa-se de nasa ama para
tar no becco do Padre Ingles n. 8.
Aluga-se barato
Roa Visconde de Itaparica n. 43, armaxem.
Ra Coronel Suassuna n. 141, qaarto.
Travessa do Canso n. 10, loja.
Largo do mercado com agua n. 17.
Ra de Santo Amaro n. 14, loja.
rrata-se na ra do Coinmercio n. 5, 1* andar
cs;riptorio de Silva Ouimaries ft C.
Aluua-se
am grande sitio, contando as principaes fructas,
no Caldeireiro n 9, com boa casa de morada (que
foi do finado Mamede), tendo agua e gas, a qual
confronta com a casa do Dr. Alcoforado ; a tra-
tar na ra do Apollo n. 30, 1- andar.
AlugVL'
se
AVISOS DIVERSOS
Alnga-se casas a 80U) no becco dos Coe
nos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra d
Imperatris n. 56.
Alnga se por 10#0UO a casa n. 21 na Var-
sea, defronte da estaco, com armaca > ; a tratar
na ra da Imperatris n. 56.
Compra-se urna casa terrea na ra da As-
snmpcSo ou Santa Cecilia ; a tratar na rna do
Mrquez de Olinda n. 3, loja.
Alo
cisco
mero 1.
Aluga-ee
n. 27 a
b a casa terrea da ra de S. Fran-
tratar no becco das Carvalhas nu-
Vende-se o sobrado de d us andares e sotiio,
em bom estado, em chao proprio, ra de Aguas
Verdes n. 22 : a tratar com o leiloeiro Martina.
es Precisa-6* de um menino para vender tabo-
leiro ; no pateo de T reo n. 18. ji_________
Precisa-se fallar a negocio de sea interesse
com o Sr. Spe.'idio Barbosa da Silva, roa de
Marcilio Diaa, antiga Dneita, predio n. 45.
a Preeisa-se de urna ama de
Matriz da Boa-Vista n. 9.
eite ; na roa da
ASI %. Preciaa-se de urna, para casa de
pouca familia, que saiba cosinhar e faser mais
algum servido de Casa ; na ra do Aragao a-
me ro 23.
Vndese a casa n. 10-A da liba de Bemfi-
ca, na Passagem da Magdalena, margem do
rio, com 5 quar'.os dentro, cosinha e copiar fra,
quintal fechado, com porto para fra, onde corre
um trrrene que Ihe pertence, com coqoeiros, agua
do Btbenbo encanada e caes na frente para o no ;
vende-se barato : a tratar na rea das Trinchci-
ras, loja n. 17.
Novas coiiecces de artigos pretos para en-
feites de vestidos, bonitos modelos e elegantes.
Outrosim, modernos botoes de metal para enfeitus
de vestidos ; as rna Duque de Canas n. 63, Nova
Esperanca.
a casa terrea na travessa da Ponte de Uchia n.
12, com bastantes commodos para grande fami-
lia, com sitio murado e arberisado, o a agua po-
tavel para beber, deposito e banheiro de cimento
e bomba, fica a dita casa margem do rio Capi-
baribe, com banbo doce temperado e salgado :
quem pretender dirija-se aa mesmo sitio, das 6 s
lu horas da manh, que encontrar o propie-
tario.
O "'T'igor
do
Cabello
do
Dr. Ayer.
Preparado Sob
Bases Scientiflcaa
E P'hysiologicas,
para o
Toucador-
0 Vigor do Cabello
Do Dr. Ayer.
Devolve. com obrllho e frescuia da jnventude, ao
t?mlM'll<) urinalho <>u branco una Hca cor natu-
ral, castanlio ou proto, como fe deseja. I'elo seu
uao, ao casco claro ou rflxo p>xle dar-se urna cor
cura, c grossura au cabello Ino. emqaanto que
frequentcim-ni'- eanftomlTlete, toren Dan sempre.
Impcde a queda do cabello, etlimulainloo dbil e
enfermo a cresct-r vigorosanii'iite. Hcpriine o pro-
uiomwj e cura a titiha e caspa, eui ando quasi todas as
aoencas peculiares do pcrcraue"'. <;omo Cosmti-
co para aforrooa-tar o cabello das Senhoras o
Viffor n5o tem rival; nao contci azeite ou tinta al-
Kuinu. loma o cabello suave, biiluante c stnloao na
apparencia, e coinmunica-Ihe um purf auic delicado,
agr.uLucl e permanente.
PREPARADO PILO
DR. J. C. AYER e CA.S
Lowell, Mass., 15. U. A.
A' too Ja na piincipaes pbarmaoias e drogaras.
Criado
A'uga-se barato
O 1' andar do predio n. 45 ra estreita do
Rosario, com mnitos bous eommodos para familia,
maito fresco, pintado de novo, e a loja do mesmo
predio, muito propria para am bom estabelecimen*
to de molbados ou deposito de movis, est muito
limpa : a tratar na ra Duque de Caxias n. 85,
loja.
Sitio do Arraiai
Vende-se a casa terrea com 7 quartos, 3 salas,
sosinba, qu&rto com banbo de chuvisco, depen-
dencias para criados, cacimba com muito boa
agua e bomba, um lindo jardim, passa um riach i
pelo centro do sitio, tendo urna pequea ponte
com bancos para recreio, arveres fructferas, co-
queiros, laranjeiras, sapotiseiros, mangueiras, ja-
queiras e outras diversas, ra da Harmouia,
dividindo com o sitio do Sr. Baduem : a tratar
com o Sr. Domingos Gomes Correia, na casa ama-
rella, ou na roa rta Pas n. 42.___________________
E. F. R. S. F.
WTf
*3*^Sr4sW^"
Ama
Agente Stepple
Leilo
Da parte do eng-nln. N >vo da comarca do
Rio F rrnOSO
Quarta feira 31 do corrente
As II horas
Ko armazem ru* d I np-ndar n. 22
O geme cima, p r man nido e assistencia do
Exm Sr. Dr. juis de direito da provedoria, re
Sueriuient > do inv. uinriant- d. bns d finsdi.
[icomedes M.na Freir, levar a leili-> otra
parte du eDge-ibo cima declarado e para qual
qaer iuforui.cJo o mesma sg-ute dar.
Precisa-se de jma asa para o servieo de casa
de familia e qce terina boa conducta ; a tratar na
ra do Baiio da Victoria n. 46. loja.
lOOSOIH,
Por om eaiieiro foram perdida* do boleo, no
sabbado 27 do torrente, da roa do Livram-ntQ at
ao Recife, des cdalas de 104 00 cada ama :
quero as achoo, querendo restituir, s r rucompen-
aado e agradecido no armazem do caes de Oapi-
baribe n. 42.
(I
Vende se espeoial fannba de milho e de arrir,
feita i vapor, e preparada para bolo, cangica.
cuscus e outras diversas especies de comedoriae
que ,ii : seitem destes meamos gneros, sendo a
240 r?. o kilo da de railho e a de arros a 3"0 rs.,
nssim como farinha para tender o pao cerveja a
24 KiO a arroba i na padana da travessa do
Pjaibal o. 1, psrtencente a P.-r^ira ot Pinto.
Telephooe296.
Ao conimercio
O abano assignado, responsavel da firma de
Goiic^alves & C, declara que rusta data venden
o s-u estabejauimaoto d- moihadoa sito rua lar-
ga do KosarSf a. I, tendo por c-oj fin eessaio ou
pideres que dera ao Sr. Antouio Jov Das Pi
nbeiro, por meio de urna prjcuraci pesada nal
Uiras do tabellio Infante de Albuquerque, para
gvrar dito pstabelecimen'-', p-lo que de h je em
dame considera cem ffit> dita pr curado par
todos os fias. Outrosim, declara que a referida
firma inda deve, e se alguem se julg.r pr. judi-
a Jo com a presente d-clraQo, qu> ira r clamar
n [irosa de tres dias B cife, 2> de Agosto do
1887.
Joaquina Oonealves Csscao
Joo nnpllila Palro
Os abaizo absignados, telegrapbistas da estrada
de ferro du Recife ao S. Francisco, dolorosamente
pungidos pelo prematuro fallecimento do sea n-
ditoso amigo e collega, Joo Baptista Patro,
maodam celebrar missas na igreja de N. 8. do
Terfo, na terca-feira 30 do corrente, s 8 horas,
trigsimo dia do referido passamento ; convidan-
do para este acto de caridade, parentes e amigos
do finado.
ESTAQUES
Recife, Antonio Crus e Alfredo Rocha.
Cinco Pontas, Francisco Magalbies e Bartholo-
meu Campelio.
Prazeres, Jos Ferrira e Francisco Lima.
P. Jaboato, Jos Coelho.
I ha, Jos Gabriel.
Barbalbo, Joo F. B. Barros (inspector), Jos dos
Passos e Manuel 1. dd Sonta.
Olinda, Pedro Cbagas.
Escuda, Manoel A'bayde.
Limueiro, Elsea Jacume.
Frexeiras, Sergio Migalbes.
Anpiri, Javencio M-llo.
Ribriro, Antonio Aives-
Oamelleira, Pedro de Meira Liosa.
CuyiimbucH, 8. Vledeiros.
Agua Preta, J< Vasconcallos.
Una, Antonio Elias______ .
SBB^SEBBBBaBBBVSBBBBWSBBBaBBBBBBBBBBBBBBBWC)
f
Por alma de Agaeda Maria da Conceioio ce-
lebra-fe urna mibsa de stimo dia na igreja Jo
R 'sari'i de Canto Antonio, a convida-se a seos
prenles e amig is para assistirem-na. segunda-
feira 30 de Agoito.i 7 horas, e desda j se agr-
d-ce.
anaci i(e quino tiasaar
O Dr. Alfredo Oapar e neu 'rmos agradecem
quelles que, candosainen'p, se prestaram a acorn
panhar ao eemiierio publu-o o- restos mortaes de
geu irmio Horacio de equino Gaspar, e pedem
aos seus amibos e ai s di finado, o novo obseq lio
de assisrirem as missas que, por int-nco da raes
m >, mandam cel brar s nunda-fera '9 do corre-
te, s 8 horas da manh, na malris da Boa-Vista
O qn- aera 'eerr4.
Precisa-se de am roa
(Pass. gem da Magdalena).
do Paysand n. 19
Quem quiser alugar a casa n. 8 roa da Uniao
com muitas accommodacoes, poder entender-se
com os Srs. Negreiros ra do Imperador n. 24.
Advogado
(Foro civ e eccle.dastico)
Bacbare Antonio de Lellis e Souz Pontes, rna
do Imperador n. 37, l andar.
92

5:
%
= P
B es
o p
SL iS"
a p
i p p
5

92 92
>*9 O
- fl
9 9
LSJ ^^~
~- 1
9 p
r"-*-
e 9
GR 92
>>
e. N-.
S JS
s
0
9 95
QC 1 r
S ^ p *<
1 ^- 9
92
35
XX
8EM0L1M
De Brons k C, de Glasgow
Este artigo, preparado por um novo proeesso
de trigo da melhor qualidade, possue os elemen-
tos necessarios para nutnco de enancas e doen-
tes, r muito se recommenda *por ser de fcil di-
gesto e gosto muito agr >avel ; tambem pode-se
fazer urna excellente papa, misturado em partes
iguaes Cum a maisena dos meamos fabricantes,
addicionando-se-lhu algum leite. nicos agentes
nesta oraca, Saunders Brothers & C-, la/go do
Corpo Santo n. 11, primeiro andar.
Cbegoii a primeira remesua do precioso farello
de caroco de algodo, o mais barato de todos os
alimentos para aoimaes de rafa cavallar, vaceum
auinn, ate. O caroco de algodo depois de ex-
trahida a casca e todo o oleo-, o mais rico ali -
ment que se pode dar aos animues para os forta-
lecer e engordar com admiravel rapidez.
Nos Estados-Unidos da America do Norte e na
Inglaterra elle empregado (com o maie feliz re-
sultado) de preferencia ao milho e outros farell jb
que sao muito mais caro e nao bao de tanta sus-
tancia.
A tratar no Recife rom Fra(SBscba
Fabrica de ehapos
Antonio Jos Maia & C.
DEPOSITO
roa do Harn da Victoria ns.
34 c 31
Os proprieta! ios des te estabelecimento scienti-
cain aos seus numerosos fregueses e ao respeitavel
psblico, que contiouam a ter grande sortimento
de chapeos de todas as qualidades e formatos,
manufacturados com toda a perfeico e por precos
mais vantajosos que em ontra qualquer parte.
Mademoiselle (olinha
Roa do Imperador n. 55, segundo andar.
Modista
Attendite
Buuquets de diversos modelos para casamente,
etc e tambero cu pellas mortuarias de perpetuas,
fabricados por Jos Samuel Botelho ; proclamas
para casamento ; a tratar na ra Nova, loja n. 20,
e na ra da Cadeia do Recife, loja n. 43.
MAOME FAMiY SILVA
Participa s suas Exraas freguezas, que
chefcou de sua viag-oi a Paria, no vapor
Ville de Cear e que abri o seu novo
atelier a ra do Barao da Victoria n. 15,
1. andar, e espera continuar a merecer
mesma proteegao e coofianja e desde j
aguarda suas valiosas ordens, e pede ao
mesoao tempo o obsequio de visitaren o
seu novo atelier. aonde encontrarlo todas
os novidades francezas e por prejes razoa
veis.
Roa do Barsio da Victoria n- 15
1 andar
Aviso
Emilio Billion, Engenbeiro Mecnico, engarre-
S-se de montar novoa apparelbos, dos melhores
tincantes franceses, e os main apperfeicoados,
pelas condicoc s e precos seguintes :
O assacar ser fabricado pelo systema Bro-
cheton e Billion igual ao da L'eioa Pinto.
- Garante-se no mioimo 9 / de assucar cris-
tallisado de todos os jactos, e 10 "/. com moenda
de represso, augmentando os precos abaixo de-
clarados.
O trabalho dos apparelhos ser por 24 ho-
ras, se aproveitaro os edificios existentes, com
pequeas reformas ; os propietarios darao todo
material, como : tijolos, cemento, cal, arela, ma-
deira, etc. ficando por conta do empreitorio todo
mais trabalho.
Preco das Ualaaa
i
05
M
ce
22
3 *
n
1 100 tonnel.
125
150
4 2t0
9.000 k
11250
13.600.
18000.
23
4 *
32
110 sae.
140
168
225
52
s
110:0004000
130:00o*000
15U:000*000
IbO.OOOOO
Para qualquer explicaco, dirigir-se n praca
Aripib ku Usina Bosque.
II
_ "t r. a <
Va K-B S.
a 3 "a.- 3 ES ~
c B r .q = .a- 2. a
l2-oJI!g:s
o c 3 a. 2. B
C =r te" o- a. ib
B
s-rs o
.-5
2-5!
O O g.
c
os"
ti
D
SUS
*3
n>
a03.
33
3 2.*?
9%
VIMIO DE JDRDBEBA
COI 10DIRET0 DE P0T1SSI0
Tnico, depurativo e anty-
rheuuiath-o
PREPARADO POR
MloiiKSun
Approvado pela Junta Geral de Hygiene
da Corte e autorsada pelo governo
Os repetidos pedidos que nos foram feitos por
amitos dos noseos llustrsdos clnicos para jantar-
mos ao nossoVinho de Jurnbeba,j le vaata-
josameute conhecido no notso pais, como no estran-
geiro, urna dose exacta sempre determinada de
iodureto de potassio, creando assim um medica-
mento certo e ioalteravel, de immensas virtudes
medicinaes, nao nos deixaram hesitar um s in-
stante, e boje temos a satisfaco de apresentar ao
illuatre corpo medico do nosso paiz e ao publico
em geral esse aovo preparado, cuja aeco curativa
e certa em grande nnmero de molestias incon-
testavel, como seja no rhenmatismo agudo on
ebronice, as obstruccoes do ligado e baco, as
anemias, as oloroses, hidropesas, molestias uri-
narias, debilidade do estomago e as de origem
sypbilitica.
A jnrubeba, rssa planta preciosissima, tao cheia
de virtudes medicinaes, associada assim ao iodu-
reto de potassio, o depurativo de um valor im-
menso, fas com que o nosso preparado seja usado
de preferencia, como um medicamento certo e in-
fallivel para a cura das molestias que cima dei-
xamos descriptas.
fJSeu oso de fcil spplicacao, podendo por isso
ser tomado pelo doente: todava recemmeadmo>
a direcelo de um medico, e ei elle deve modificar
a sua aeco, elevando ou diminuindo a dose se-
gundo o effeito que julgar preciso em face das
molestias a combater.
O nosso vinho de jurnbeba e iodarete de potas-
sio puro tem urna dose exacta de iodureto repre-
sentada em orna colber de sopa por quatro graos
de iodureto, podendo por isso ser tomado pelos
adultos na dose de 3 colneree de sopa por dia e
pelas creancas na de 3 das de cha, momentos so-
tes on no acto das refeicoes.
BARTHOLOMEU & C. SUCCESSORES
DEPOSITO
34--Rna Larga do Rosario.",7,
PERNAMBUCO
VENDAS
Farinha de mandioca
de *5m a i* loo oaacco
Vende-se no trapiche Barbosa.
Precisa se de urna, para cosinhar em casa de
familia e qne seja de boa conducta ; na ra do
Imperador n. 73, 3- andar.
E barato
Aluga-se na Boa Viagem urna casa com ras-
tantea commodos, perto da estaco da via-frrea e
dos bonds ; a tratar na roa larga do Rosario nu-
mero n. 34.
Antonio Duarte
Urna mobilia completamente nova, de urna fa-
milia estrangeira que se retira no primeiro vapo;
para Europa ; na ra do Mrquez de Olinda n.
59, 1- andar.
4 Revolucao
48-BlHlB OllH, II Gmu-48
Recebe as seguintes fazendas de movida
de:
Cachemira de listrinba a 600 tis o co-
vado.
dem broche borda a l.->500 o dito.
dem pretas 700,800, 1,5000, 10200,
10400, 1600 e 20000 o dito.
dem de todas as cores a 800, 1J000 e
10200 o dito.
Ricas guarnicoes de veluJilho a 60000
urna.
Setins lisos a 800, 1$000 e 10200 o co-
vado.
Seda escosseza a 640 rs. o covado.
Lindos metins com listrinhas a 400 ris
o dito.
Faile com palminhas a 400 rs. o dito.
Setinetas escossezas a 320 rs. o dito.
Ditas com listrinhas e palminhas a 320
1 o dito.
Lionay-se com palminhas de retroz a
140000 peSa.
Organdir bordado a seda a 150000 a
dita
Etamine tecido transparente a 100000
a dita.
Cambraia bordada a 50000 50500 e 60
! a dita.
Fustoes branco a 360, 400, 440. 500,
600 e 640 rs. o covado.
Lindas alpacas de cores a 320 o covado
Siotos de chagrem a 10500 um.
Camisas inglezas a 360005 a duzia
Colarinhos e punhos para senhora.
Sabidas de baile 30500 urna.
Fechus de IS a 20, 20500 30 e a 80000
am.
Guarnirles de crochet a 80 e 10000*
urna.
Lencos de esguiSo a 203CO e 30500 a
duzia.
Girando sortimento de madapolode 40
a 100000 a pesa
Leques de papel 500 rs. nm.
Cortes de cachemira para vestido a 200
nm.
Toilet para baptisado a 90000 e 140009
um.
Veludilhos lisos, lavrados e bordados a
retroz a 10000 e 108tO o covado.
AnquinhaB a 10800 urna
Colchas bordadas a 50, 60000 e 70004
urna.
Coberas com dous pannos a 20800 urna
Grande sortimento de casemiras, brins
brancoss e de cores, punhos, colarinhos,
gravatas, meias e lencos e artigos para
hornera e senhora.
S na loja da Kevoluco
Henriqne da Silva Moreira
receben directamente do Porto vinbo verde, dito
do Duro, salpices de fumeiro, ditos em calda, e
vende por preco mdico em seu estabelecimento,
ra da Unio n. 54, confronte a estaco.
0 rinho Moniiscs
Proprio para mesa
Joo Ferreira da Costo, nico importador daate
excellente vinho, acaba de receber urna nova re-
mesas, que resol ve vender no sen armazem de mo-
lbados ra do A mor m n 64, em pipas, barra
de quinto e de dcimo ; o que avisa aos Sis. re-
talhadores qne desejarem propor venda este de-
licioso vinho.
Boa acquiso
Com os precisos ccmmoOos para qualquer esta-
belecimento commercial, aluga-se a loja do sobra-
do n. 11 da ra da Imperatris, qne se acha capri-
chosamente limpa : a tratar no 1* andar da dits
casa.
Industria nacional
Alcool de cai.na r> ctificado desinfectado, cog-
nac biasileiro (agurdente le can na desinfectada),
obtidoa puf A. M. Veras & C
AJtigiiel barato
Aluga-sc o segundo andar ra da Roda n. 17,
com excellentes coamodos ; a tratar no largo do
Mercado n. 12.
lina para lavar e engommar
Precisa- se de urna : a tratar na ra do Aragao
numero 35.
aattaVasai l pami. #, Sontnud HonUurtrt.
GRANDE-CWLIJS.ASci;iWlTmDbtCi<,doen-
(aidat Ti*idi{MtiTU,obiiriie*!M o agado r do baco
obstravtM nscc-aet, eoaen^m lalcolous da bile.
HOPITAX. aBeefdeidaa tim digejtif u ioeomiae-
dos do Mtomaeo. digestio difflcil, iDapaertuci,
gistralfu dyspeaiia.
CXESTTNS.AUntOstdat rio, d>lsiiga traiai.
eoDCreoo>adasoarina>, fc..^, dUbeU,wbuiBauria.
HAUTKH1VE.Alteren*.- dos ros, da bad|ajaalM
CODenKoMda!>oiiriDas,go:a. d abUs, albontaaria.
E-IJA-SE 0 fiOlF. Da FNTE Da C&FSDU
E&i F+rftmbucc. as *a.gs du Feotes d Vi arina nomecd. ailo-ie ra casas de
rJISBlEN^Y UiBlLLZ, 9, nu do Cc^*rto;
SULZbB BE KOLXHLIN. 3.V rea C* Ci
Liyramento & C.
vendem cimento port'and, ]marca Robins, de 1*
qnalidade ; no caes do Apollo o. 45.
Colarinhos e punhos de
selluloide
Carlos Sinden recebeu pelo ultimo vapor, e
vende baratisimo ; na rna do Barao da Victoria
numero 48.
Circular
para lodos om elelinr*) de qualquer
dlati Icio f credo poluiro
Tod.'.s a pos os para a luta forem que luta ?
Naturalmente reiponderio, eleitural que tst a
bater porta, e u pea ooasa ves 1< mbramos
que nao de tal que refer mo-nos, o sim a da
vid*, pela qoal sua-se astante em tempo de ca-
lor, e ento i ff recemos os bons e commodi Cul-
larinbos de Borracha e tambem punhos, nicos
qne resistem aos suores trios em occasio s de
atropelis eleitoraes : vendem Pedro Anta es &
C, roa Duque de Caxias. Vende-se estam
pilhas.
Fumo carioca
Preparado pela acreditada fibrica do Rio, de-
nominada Fante Limpa ; vende se em pacetinbos
em todos os estabelecimeutos Je retalho.. Uuico
deposito, na fabrica Venesa, arco da Coaceicio
uuroeros 4 e 6.
EXPOSIQAO
Medaille 'Or
UNIV1 1878
Croix^CheTalier
l8 PLUS HAUTCSRCOHPintes
Nova Crea?ao
PRIMAVERA
E.C0UDRAY
Inventor da\
\ PERFUMARA ESPECIAL de LACTEIM1
To aprsciado do alio mando.
Saboaetd........ PRIMAVERA
Oleo............ PRIMAVERA
Age de Toncador PRIMAVERA
Essemcia........ PRIMAVERA
P de Arroa...... PRIMAVERA
FABttIM E DEPOSITO :
PARS 13, Bas d Enghieo. 13 PUBIS;
ICIa-M i ruada Wtai u-nad| hrfiaarlM .
IIIIIIIIIIIIIIIMIIIIIII
-
:




I
i
suaauauuusaaUaUBBaaluaBBBaaBrtBBBBBliawal



TK
Diaria de PernambucoDomingo 28 de Agosto de 1887
grageas de Ferro Rabuteau
Laureado do Instituto de Franca. Premio d Therapeutica
O emprcgo em medicina de Ferro Rabuteau baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Fewo Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Chlorosa, Anemia, Plidas Cores, Corrimentos, Debilidad, Esgotamento, Convalescencia,
Fraqiteza das criancas, Depauperammto Alterafo do tatigue em consequenen de
fatigas vigillias e excessos de toda a natureza. Tomar 46 grageas dor dia.
Vem Constipacvo nem Diarrhea, Assimilaco completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podara engulir
engufc- as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente pare as enancas.
ltJl Urna explicado detalhada acompanha cada frasco.
Exigir o ?erdadeiro Ferr Rabuteau de CLIN A C'a, de PARS, que ae
encontra em cata dos Droguistas e Pharmaceuticot.___ ^
FUNDICO DE FERRO
CARDUZO t IRMO
Ra do Barafl do Triumplio os. 100 a 104
Deposito a roa do Apollo ns. 2 e 2II
Tem sempre eui deposito todos os machinismos e ferrsgens precisas agricul-
tura desta provincia, como sejam : vapores loeomoveis, seoii fizn, com calHeir
ehornis ou para fogo de assentamento, moendaa de todos os tamanbos, tachas batidas
e fundirlas, etc.
Mandan vir por encommeuda qualquer machiniamo, encarregam-se de sental-os
se respnsabilisam pelo boro trabalho do mesmo.
Vendem a prazo ou a dinbeiro com descont e a precos resumidos.
h****M
POS DE ARROZ SIMN
Satoonet Orena. Simn
preparados com glyccrina, para a toilette diaria, contra
as influencias perniciosas da atmosphera e para dar ao
rostro : Frescura, Mocidade e Macieza.
FRUSTRAL AS NUMEROSAS IMITAfQES.
J. SIMN, 36, Ru de Provence, PARS
PRINCIPAES PHARMACIAS, PERFUMERAS ET LOJAS OE C8ALLEREIK0S.
^^iMWW
r*M.
fe
!!i

ie>
f>
m
m
WOLFF& C.
N.4-BA DO MGA'-fl.i
Veste milito conheeide estabelecimen-
to encontrar o respeUavel publico o mal
variado ** completo sortimento de JOIAS
recele ida* sempre directamente dos melho-
res fabricantes da Kuropa, e qus primam
pelo apurado (auto do mundo elefante
Illcus derecos completos, lindas pulsel-
rai, aifincteo, voltas de ouro oravrjadao com
brilhitntes, ou percala*, anneis, eacoletas,
botdes e outros muitos artigo proprio
leste generes.
ESPECALIAE
Esa relog de ouro. prata e nickelados,
para lioiu ns, senhoraa e mt-ninos dos ssais
acreditados fabricantes da Europa e Ame-
rica.
Para todos os rticos desta casa garan-
te-so a boa qualidade, aasim como a mnd-ci-
dade nos precos que site sena com pe ten c'a.
iVrsta casa tambes concerta-se qual-
quer lira de ouro ou prata e tambe m rete-
ios de qualquer qualidade que seja.
4-Rua do Cabug-4
Na ra \: de Marco n. 20 (Junio ao Loovrc)
APROVEITEM!
Alta novidade em cambraias de cores com salpicos a 50000 a peca.
Ditas brancas a 5 Merinos de c3res com duas larguras a 750 rs. o covado.
Cachemira de listras, ultima novidade, a 400 rs. o covado.
Gorgorinas com palmas de cores a 440 r. o covado.
M-tina de cores, lindiasimos desenbos, a 220 e 300 o corado.
Renda branca da India a 240 rs. o covado, aproveitem 1
Fustao branco a 40 e 700 rs. o covado.
Z-pbires de cores a 240 rs. o corado; pecbincba 1
EsguiVs pardo-de linho a 360 rs. o corado.
Percales de cores a 240 rs. o corado.
Grande sortimento de cretones a 280, 320 e 360 rs. o carado.
Completo sortimento de las para vestido.
Creps de aeres, do preco de 800 rs. por 360 o corado, pecbincba I
Bramante de linho, com 10 palmos, a '.(|800 o metro.
Dito de algodao, cora 4 larguras, a 800 e 10000 o metro.
Panno da Costa de listras a 1 #000 o corado.
Dito de tito de quadros a 10200 o covado.
At.alnado branco, muito largo, a 10300 o metro.
Guardanapos de linho para cha a 20800 a duzia.
Ditos de dito para juntar a 50000 e 60000 a duzia.
MadapolSes a 40000, 40500, ;>/>000, 50500, 60000 e 70000 a pesa.
AlgodSes de 30000, 40000, 40500 e 50000 a pega.
Espartilhos fnissimos e muito commodos, a 50000 o 70000, um.
Leques transparentes a 20500, um.
Fit'ba de linho rendados a 20000 e 20500, um.
Bordados tapados e transparentes a 500 rs. a 20000 a peca.
Cortinados bordados a 70500 e 80000 o par.
Lences de bramante de linho, muito encorpado, a 30000, um.
Cobertas de gangas com dous pannos a 20800, urna.
Ditas de chita com dous pannos a 30000, urna.
Chambres para homem a 50000, 60000 e 70000, um.
Toalhas felpudas para bauhos 10500, urna.
Ditas ditas para rosto a 50000 a duzia.
ARriGOS PARA HOMENS
Palitots de seda-palha a 80500 um.
Lindsimos cortes de case miras para costumes a 190000.
Ditos de casemiras com mselas de seda, para caiga, a 60, 90 e 100000.
Grande sortimento de cheviots, casemiras, pannos pretos e de cores para costu-
mes, por precos sem competencia.
E muitos outros artigos como sejam : camisas de linho, de flanella, collarinbos,
punhos, gravatas, meias, ceroulas de linho e de algodo por precos razoareis.
Para banhos de mar
Costumes para senboras a 10000, um.
Ditos para ho.nens a 80000, um.
Ditos para meninos 50000. um.
Sapatos e boleas para o mesmo fim.
AMAIUL & C.
GRAGEAS
te Copahrba, Cbeos
araeh/a Ferro, Bismutho
ileatrto, Ttrebenthina, l'
FORTN
INJECCAO
Higinica a IVetarrsssra
sem causar
accidente altas.
As QRAQEAS <)*<. rorio as primeiraa qno obtiveram a approvacto da Aeademim
de dtnna (183b ata ptaram-se noa HospiUee. Caram aa molestia secretee,
mais rebelde* esa fatigar os estmagos mais delicados.
A INJECCAO FORTN sempre recommendada como o complemento da raadicaclo.
PJSJSSJsaaSn rerummhue i nUH" M. da SILVA ft O. a na* jrlMolpaea Flu niara
m
r
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Pilulas purlflcb o Sanue, eorrigem todas as esordems de Estomago e
aos intestims.
Fortalcete a saude das consttaeoes delicadas, e sao d'um valor incriTel para todas as enfermidaaes
ao a*ae fesaasBo em todas ao edades. Para os meninos as.-im como tambara pan as
pessoas de idade avoncada a sua eficacia e incomestavcL
Satas medicinas slo preparadas snwntc do Estabelecimento do Professor HollowaV,
78, NEW 0XF0SB STEEET (antea 983, Oxfard Street), LONDRES,
E vcndsjtnse era todas a pharmacias d-~ nniverso.
JstT O? compradores sito convidados respeitosanente a examioar es r.itolos de cada oaixa c Potase nfto WCsBI
dircegao, gaj, Oxford Sueat, ist Miincagosa.
i-iI
j"l~>- yt
Lotera da Provincia
Acha-sc venda a 10.a lotera a bene-
ficio daS. Casa de Misericordia do Recife, que
ter lugar no consistorio daigreja de \ossa
Senhora da Conceipao dos Militares, onde
estaro expostas as es pileras em orden? nu-
mrica, para seren examinadas.
SINTA CATHARINA
5O:00O$000
IMPORTANTE PLANO
Esla lotera corre do dia.....de Agosto .
Bilhctcs renda as Casas do eostume.
VINHO e GRAGEAS ,.i VIVIEN
Extracto aatux&l de Figado de Bacalaso
PREMIADO CON MCDALHAS DE OURO E PRATA
X>ela Academia Naconal
Ordenados dos Bospitaes de Franca, America, Inglaterra, Russia, etc., etc.
Administrar sob omia mal faclle agradavel todoa os elementos curativos do oleo evitando
assim o chelro e sabor nauseosos 'Teste, alem d'isso esta preciosa prepararo tom urna
superioridaUe Incontestavi'l sobre o Oleo i>orque pode ser usada durante os grandes (-alores
em quanto o uso darruelle lmpossivel, tal o eminente servlco prestado pelo Sontor
vi visar i a experiencia tem continuado o bom xito d'este producto.
rlf a Arma do Inventor M viva em duas coree ao redor do gargalo de cada
com o sollo da Unio dos Fabricante.
PAUMS ao, BoaUetNard alo gtrmabourg, SO PA^ilS
Ezlj
BOA ACOUISICAO
A grande moda e'a expresaSo do bom gosto em artigos de novi iade encontra-se
presentemente no LOITRE gracas a perspecacia de eacolha de um dos socios,
que se acha actualmente em Pars e mui conscientemente convidamos as Exmas. se-
nhoraa urna visita ao nosso estabelecimento offerecendo especialidades aproveitaveis,
como sejam :
Rendas bicos largos em differentes tecidos e cores diversas^ por prejos sem
competencia 1
Luvas de seda, de core?, bordadas para senhoras, grande novidade !
PUstrons de cores, escolba aprimorada I
Toile d'Alsace em cortes de 21 covado, mui lindo!
Mantilbas andalusas, grande expsito.
Em liquidarlo para acabar!
Popelinas de s^da a 500 rs. o covado !
Dinas de Lyon a 15000 ocovado !
Bordados estreitos a 500 a peca 1
Toalbas alcochoadas a 3f$5O0 a duzia 1
A toa! liado de linho amainas .-ado a 3^500 a vara 1
Romeiras visites e caeaco de cachemira de 2$000 a 40#000 1
Setira Ducbesse, muito largo, a 1^200 o covado.
Brim pardo liso a 320 rs. o covado I
Bardados de cores, de 5 varas por 2($000 a peca !
Pellucia branca de algndSo a 5U0 rs. o covado !
Tecidos transparentes para soire a 500 rs o covado; aproveitem !
Las de quadrinhos a 300 rs. o covado 1 e muitos outros artigos que se acharo
em exposicSo.
NO GRANDE ARMAZEM DE
de Marc d. O A
casa xy& Goasr^xjLasrgA
Em casa de todos os Perfumistas e Cabolleireirog
da Franca e do Extrangeiro
LretaOT-i
W Jk^^^ Por OH. P\A.Y
v &JL&I8, 9, Ru.a ele la Ps
Sos i* (glrdi PREPARADO COM BISaTUTHO
, Perfumista
IPaiac, 9, PAEIS
un me k
Ra de Narco o. 6.
Participam ao respeitavel publico que, tendo augmentado sea
estabelecimento de JOIAS com mais urna seccao, no pavimento terreo,
com especialidades em artigos de ELECTR-PLATE, convidara as
Exmas. faruilias e seus numerosos freguezes para visitar seu estabele-
cimento, onde encontrarao um riquiasimo sortimento de joias de ou* i
prata, perolas, brilhantes e outras pedras preciosas, o relogios de -aro.
prata e nikel.
Os artigos que recebem directamente por todos os vapor slo
executados pelos mais afamados especialistas e fabricantes da Europa e
Estados-Unidos.
A par das joias de subido valor acharao urna grande variedade
ie objectos da ouro, prata e electro pate, proprlos para presentes de
casamentas, baptisados e aniversarios.
Nem em relacao ao preco, e nem qualidade, os objectos acuna
mencionados, encontrarlo concurrencia n'esta praca.
Venda de sitio
fio de alsodao da fabrica Catillaa
m, ni a. da Babia
Vendem Machado & Pereira, roa do Impe-
rador n. 57, por commodo preco.
A FLORIDA
Ba Duque de Caxiao n. IOS
ADV1IREM!
lo
Vende-se ou permuta-se por predio nesta cida-
de um bom sitio com boa casa, muitasofructeiraa,
exalente baoho do rio, boa agua de cacimba,
extenaao de terreno para baixa de capim, to^o
murado na freote, com i ortao e gradeamento, com
caminho ie ferro e etaco junto ao dito sitio, no ~ AU^l^uJt'
Porto da Madeira, conhecido pelo sitio do Joo ^'"tos modernos a JfJUUU.
Selleiro, junto ao Dr. Erne.-to de Aquino Fonse- Luvas de pellica a 2(5^)00 O par.
ca : quem pretender dirija-ie praca da Inde- dem de seda a 2,-JOOO, 25500 e 36000 r.
pendencia n. 40, das 1 i horas s 4 da tarde. par
Fitas de velludo a n. 9 a 6)51000 o. 5 a
400 rs. metro.
Albuns de 35000 at 84000.
Diarmniente debate-se na imprensa a cuse p, j a_ c 1 a^nn
aterradora porque esto passando as provincias "am08 f 0reS. finaB 8 U?00-
do norte deste imperio ; sao innmeros os recia- Luvas de escocia para menino, lisas, e bor-
nes de todas as classes, sem que sejam atteodidos dadas a 800 rs. e l 000 o par.
os seus justos pedidos, de que se gloriam as na- Porta retrato a 50 rs. I000 10500 0
coes civilisadas. 9JS0O0
E para que se possa dar impulsos aos desejados *,* 1fl-nno*-nn oimr^
progresos que certamente traro o bem estarde Anquinbas de l#o00, J)J500, e 3(>000 (nna.
todos, resolveram Martins Pires 6c C. eatabele- Pliaseis de 2 a 3 ordem a 400 rs. 500 r.
cidos com armatem de molhados roa Es- e 600 rs. O metro,
treita do Rosti ns. 1 e 2, a vender por precos n_, i *
mod.cos os rticos concernentes ao seuMLo J"^8 Para ceo jom tnsenpeo
nchovaes para baptisados a 8$, 9ff. 6
126000.
os artigos concernentes ao seu ramo
de negocio, que certamente constitue urna eco-
noma diaria e onde se acha um completo sor-
timento dos seguintes artigjs, que pela sua qua-
lidade e presos sao recommendaveis, como se-
jam :
Vinhos fiaos do Porto
Madeira
Sberry
Chambertin
Bordeaux
Moscatel
Callares e Bucalas
Completo sortimento de cervejas, cognac, bitter, Lindos broches a
licores, doces, bolacbinhas nacionaes e estrangei- r
ras.
Qucijs frescos do sertao, prato, Minas e fia-
meogo.
Azeite de coco, mate do Paran, formicido ca-
panema.
Precos sem competencia.
Ns. 1 e 2Ra Estreita do RosarioNs. 1 e 2
Martins Pires & C.
WHISKY
ROYAL BLEND marca VIADO
Este excellente Whisky Escossez ore-
ferivel ao cognac ou agurdente de canna,
para fortificar o corpo
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO
cujo nome e emblema sSa registrados para
todo o Brasil.
BROWNS & C, agentes.
Attenco
Vende-se especial farinha de milho e de arrox i
feita a vap r e prepsrada para bollo, cangica,
cuscs e outras diversas especies de comedorias que
necessitem destes meamos gneros, sendo a 240
res o kilo, na nadara da travessa do Pombal n,
1, per tunente a Pereira & Pinto.
Telephone n. 296.
Cobrado a Tender-se
Vende-se o sobrado n. 87 ra da Aurora, em
frente a poute do Santa Isabel ; quem pretender,
pode entender-se com o orreotor Pedro Jos Pin-
to, na praca do Cimmercio.
Ch preto superior
Carlos Sinden receben pelo ultimo vapor e con-
tina a vender sem competencia ; na roa do Ba-
rSo da Victoria n. 48, luja de altaiate.
1 Caixa papel e 100 envelopes por 800
reis.
Capellas e veos para noivas.
Suspensorios americanos a 25500*
LS para bordara 2f)800 a libra,
i Estajos para crochet a lfJOOO.
Bicos de cores com 2, 3, 4 dedos de lar*
gura a 3#000 4$000 e 50000 a peca.
30000 10000 e 500 n.
ques para menina a 200 rs.
Linhas para machina a 800 rs. a duzia.
Garrafa agua orida a 800 rs.
Leques com borlota a 800 rs. um.
Bicos brancos para setineta, cretone e chi-
ta para correr babados a 10000 10500
a peca com 10 varas, e barato,
Albuns de chagrn, velludo e velbotina
para 50 e 60 retratos a 60 70, e
80000 um.
Meias de escocia para senhoras a 10500 o
par*
Lencos de linho em lindas caixas.
Bicos das ilbas muito fino proprio para toa-
lbas e saias.
dem brancos com 5 dedos de largura a
30000 a peca com 10 varas.
Caixas com sortes de jogo de mgica pro-
prioa para salo a 50000.
Sabonetas de diversas qualidades a 120
200 e 500 rs.
Boleas de couro para menina de escola.
Grande pachincha em espartilhos de linho
30000 um.
Lindas pastas de 500 rs 10000 20000
30000 e 60000.
Carteiraa para guardar sedulas de 100000
a cem.
Ditas letras com os repartimentos de Ja-
neiro a D-Zembro.
BARBOZA & SANT09Q
MUiSTtASofrPEtTO
DOD*CHURCHILL
1
XAROPE
DE HTPOPIOSPHITO DE CAL
Entregados com tanto exitoocra cuurtj a
phtblsica c as molestia* toAr-calta-a,
vendem-ae nicamente em frascos q mi ira-
dos cora o nome do doxtor Cbubcbiu. uotre
8ob a influencia dos Hvpophq-sphuo* a
vtosse diminue, o appetlKs augmenta, as for-
loas toruto a vlr, os suores nocturnos tsalo,
o o doente goza de um bem estar desusado.
O h.fpopkophilo qifl levSo a marc*
de fabrica da phannarta SWISS,
H, roe Castighone. Pariz, to o uni-
te recon herido e recow.mendadoh palo
D' CHDRGHILL axior da eUecoberta
ed uas propiedades curativa.
Proco : 4 francos por fusco a a fnaac-t-
Vntd'm-it as pnneyatt Pnarmnet:

X
approva<;ao da academia de
MEDICINA DE PARS
O qninium Labarraque um Vinho eminentemente tnico et febrfugo destinado a subetitnir codas
ootm prepararas de qui.ia.
i) qutnium Labarraque cooicm todos os principios activos dos vinhos mais generosos.
O quinium Labarraque prescripto com vantaem aos convalescentes de doencas graves, u panurient .'
k todas as pessoas iracas ou denilitadas por urna febre lenta. h
lomado com as verdadeiras pilulas de Vallet, sao rpidos effeitos que produz nos casos de cklonm, eme-
mi, cores paludas.
10, roe Jacob, Parla.
xn razao da efiRcecia do Quinium Labarraque, preferivel S/S
> em copo de licor, no fim da reteico e as pilulas de Vallet antes, ^/faj
Vende-se na mor parce das pharmacias sobe a assignacura :
Pabrioaoao e atacado : Casa L. FRERE
^
a>*p
Terreno
Vende-se um terreno confronte a estsefio d:
Principe, estrada de Joao de Batros, com 90 pal-
mos de frente e bastantes fundos, e esm alicerce;
para 3 casas; i tratar na roa d'Apollo n. 30, pr.
eir andar._________________________________
AttenQo
Vende se poi preco commodo um bom chalet,
defronte da estacio de Parnameirim, acabado de
novo, e eom todas as aecommoiacoes, assim cota:
urna casa na roa do Amparo n. 6, em Olinda, coa:
2 janellas e 1 porta, 3 salas, 3 quartos, costaste
externa e qaintal murado ; tambem tem para vea
der um bom piaao quaai novo, de tres oordas, :
melhor aator, e outros objectos : a entender-se
com Maximino da Silva Gusmao, em qualqasr
lugar esa que o mesmo se achar.
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA1
aaaaaSa ka ataia 4a lam aaaalo; aicads lodaa
aaaaaraaail eapartane aacado e-xquinlo.
Tana Muiuui >-. Ovao
PARZ im, CALCtriTA 18S4
V*li aitra-Saa aioaScaaa
a> nulidad*.
.uaus noaonios t A'.kinson
raoaSA a cvmixmnf
4a rato e peculiar perranic os jaies lendo aido
rasa! bi il | lalaa nr*tUoporm< ae aaoa laveatoresna Aren&s destea.
AOOA DC COLOVIA DE ATKINSOK
aaai nral pala san perraaM sua coDceotracio.
Bxce4c (Max ot arodacloa sioiiUrei miillaS
soa a bmubo aorae
aovA itgmioA ae aikinson
aahcXo perlaaai an ac istlads 4a
" aaoaaaa aawamta.
twatn-u aa Can u Mn ai IjtMluiH ,limm
i. C. ATKINSON
34. OU atoad Btraat. Londrea.
. Mana 4a rafeaiaa- Vaaa "Roaa aiaaaa -
aaara tasa Ljra 4a Ouro."










I
i
i


-

8
Diario de PernambncoDomingo 28 de Agosto de 1837
VARIEDADES
Nova forma le Iniciativa part
calar sobre habltacde*.
O CONSKLHO MUNICIPAL ENCABREGADO DO
DOMICILIO DOS POBBES. -AS ASSOCIA-
c5ES DK INSPECClO SANITARIA DAS CA-
SAS.
{.ConclutSo)
Tornase necessario reformar a crganiaa-
jSo municipal de Londres, absolutamente
deficiente, sendo que as vestries raostram-se
muito abaixo de sua trela.
Verdade que a indifferenja dos contri-
buintes assim como a negligencia que mos-
tram negocios locaea, merecem maia serio
reparo.
Em 1884 o Conselho
Central e as com-
n.isso'es Iocrps tiveram de occupar-se de
2.500 casos de insalubridade; durante o
anno de 1835 esse algarismo elevou-se a
perto de G.UOO. Um certo numero delles
fui considerlo inoignii'ante e infundado;
outros fora-:> remediados pelo proprio pro-
prietari 1; veriti ando se em gr.nde parte
que a insalubridade era obra do proprio lo-
catario, da sua falta de asseio e de babi-
toa'de destruido.
Nem por isso deixam de existir, em
grande numera, casas, as quaes illudida
a in*pecjIo (!) syndico, deixando de ser'
revelada a irre^ularidtde no acto da visto-
a, pelo receta que tera o inquilino de ca-
bir no desagrado do proprietario.
O c inselho teve um dia de enfrentar
com a resistencia de duas autoridades l-
caos o^ie nenbuma importancia haviam li-
gados os factos assignalados.
O Vestriz de CleskeDwell nada fez para
remover a insalubridade que se manifestara
em cerca de 500 babitacoes, nem mesmo
deu-se ao trabrlho de responder as cartas
do conselho. m .
O Vestry de Mile Ead Od Town mi
tou esse prooedimento.
Essa resistencia passiva detarminou o
conselho a lanjar mo das recoromeuda-
j5es constantes do relatorio da commisslo
extra-parlamentar, a respeito dos domici-
lios de opeiarioa.
Dirigi se ao secretario de Estado do
Interior e conseguio obter um inquerito
publico. O ministro designou o Sr. Cu-
bitt Nichola, para presidir urna commisslo
composta de dous membros do Vestry de
Clerk-mvell e de quatro representantes do
conselho de Mansin Home,
A inspeccao das casas defeituosas du-
rou urna somana, o inquerito oral dous
dias.
Igual procedmento tiveram em Mile End
Od Toron. Publicou-se o relatorio desses
dous inqueritos. O eff-?ito iraniediato foi
excellente; as duas autoridades, locaes
dispertaram da lethargia em que jaziam, e
immediatamente esforjarara-ae em melho-
rar ao condijjpes sanitarias de seus dis-
trictos.
Parece que era Londres, alguna propne-
tario8 pouco escropu'osos procuraram at-
trahir iocatarios para seus predios construi-
doa fra das regras de bygiene, intitulao-
do-o as casas modelo.
lato cau80U reparo ao Conselho, e gra-
jas aos seus esforj >s, conseguio fechar va-
rias pseudo modeldivellings, obrigando os
respectivos propri tanos s modificajoes
precisas.
A'.m disso, usando da faculdade que
lhe d a lei de 1885, o conselho da Man-
sin House intentou processos perante oa
juizos de p*z, -m vez de fazel o aos ma-
gistrados da polica do diatricto, cujas au-
diencias sao demasiadamente concorridas.
Eu nao sei at que ponto poderla ser
transplaotada para o continente a cbra
mente sua sexta reunilo annaal, sob a pre-
sidencia de lord Chelmsford. Conta hoje,
perto de 1.200 membros.
O numero de casas inspeccionadaa pelos
engenheiros da associajao, em 1886, foi
de 398; 59 % forain judgdas mais oa
menos defectuosas. Este algarismo mais
elevado do que a media dos annoa ante-
riores.
O numero de casas inspeccionadas, das-
de a installajlo da aooiedade eleva-s<> a
2:210 -
A maior parta d'ellas foram aperfeic ja-
das o melheradas as coudijoes saaitarias.
O Conselho da Associajlo tere o::j-
silo de verificar qua o resultado obtido
nao ae limita a essas casas. E npregaram-
se para obter as modifieajoas necessarus,
feitores que muito tem aprendido e apro-
veitads a esta instituijlo.
urna violencia extraordinaria cahem n'um [ duas saletas : a da frente, geralments offo-
sorvedouro immeuso, cuja profuudidade I recida aos hospedes, nio tem porta, de
.i-..- ,...!. ____L._____*_ a___________.. ...
O auxilio que, por si mesma prestara, e
decididamente muito mais clfi:az e mais
econmico, no sentido de raelhorar o esta-
do sanitario doa domicilios de qualquer
condigno, do que o cortejo das autoridades
locaes ou nacionaes, que funccionam pelo
concurso dos contribuintes.
Akthur Raffalovich.
VIAGEM
l'ma exciirso do Heeiffe s ca
choelras de Paulo Alfonso
Grajas visita efectuada, de alguna
annoa para c, por diversos cavalheiros re-
sidentes n'esta provincia, j so to tornan-
do mais conhecidas estas bellisairoas ca-
choeiras, verdadeira maravilha da natureza
e realmente digna desta grandiosa e adrai-
ravel trra do Brazil.
Enthuajaamados pela narrado d'uraa
viagem, realisada em Fevereiro ultimo pela
conhecido explorador francez, Mr. Marjal
Monnier, o nosao mais vivo desejo era om-
prehender um excurslo, na primeira occa-
silo, o que nio se fez esperar.
Visitado ltimamente por dous distinc-
to8 viajantes, M. M. Prosper Loques e
Eduardo Morel, representantes de casas de
commercio de Franja e encarregados plo
governo de ana najlo de estudo3 commer-
ciaes, conseguimos fazer entender aos nos
amigos e patricios que urna visita s mar-
gena do SIo Francisco nao seria destitui-
da de todo intereaae para o commercio eu-
ropsu, e que, alm d'isto, as cachoeiras de
Paulo Affonao valiam bem a pena de 8e
deaviarem ellea do itinerario prefixado.
Reaolvida a excurslo, embarcamos no
dia 28 de Julho e voltmos, a 15 de Agos-
to, maravilhados de tudo quanto presen-
ciamos e ao mesrao terapo penhorados pelo
amavel tratamento que encontramos du-
rante todo o percurso, tanto da parte dos
funcionarios do Estado como dos particu-
lares, o que mais um* vez confirmou a pro-
verbial hosptalidade dos braziieiros 1
E' muita audacia de nossa parte procu
rar descrever o que sao as cachoeiras de
Paulo Affonao, qusndo tantos tdentos j
8e recuaaram a est s trabalho, aob o pretex-
to de que taes raaravilhas alo iudiscript-
veia. Com effeito o slo e dignas da pen-
na de um Agaasiz oa Haroboldt; mas, pos-
suido de sincero raconhecimento para com
todas as pessoas cora que eotretivemo3 re-
la^joes, sempre procuraremos manifestar
as nosaaa impressoes, com o nico intuito
de serem ute8 e profeitoaaa aquella regiao
do Brazil.
Segundo optaioas muito serias, nio ha
comparajlo que se posaa fazer entre a
muito reputaaa queda do Nigara, nos
Estado8-Unido8 da Amerioa do Norte, e as
cachoeiras de Paulo Alfonso.
Alli existe urna enorme e nica queda
d'agua, de quarenta e tantos metroB de al
emprehendida pelo conselho de Mansin d agua, de quarenta e tamos mearos
Uolse. Os nabitos do povo talvez nio se tura; aqm sao o.to f cJ>oeira ^ *t *
era quatro planos, avahados era cento e tan
toa metros, do leito do rio ao fundo da ul-
prestrassem a tal, acarretando inconvenien-
tes maia ou menos serios.
Como quer que seja, a preza merece era
serconhecida. Ve se a iniciativa individual
esforjar-se para superar, por raeio da sua
actividade, a insuficiencia dos org2os da
autoridade g^vernamental 011 da coramuna
tima queda.
A chamada priaeira vista o lugar
onde o rio Silo Francisca, ainda de urna
grande laigura, acha-se dividido em quatro
quedas de uns dez metros de altura e mais
A par deste tentamen destinado sobre-, um rpido, que se rennera todos n urna ta-
ludo s classes operaras e s indigentes, ca, para de novo w prseiprtarm*m Wt
ex8tera outras aasoci.ig53S encarregadas
da inspcc;3o dos imraoveis da classe re-
mediada, as quaes se esforjam para des
cobrir os defeitos que apresentam sob o
ponto de vista na hygiene e indicar os meios
de remedial-as. S?u numero augmenta.
Citamos, a London, and Suburban Sa-
nitary Survey Association, a Sanitary Assu-
rance Association, a London tianitary Pro-
tection, Association.
Ellas sao a applicacSo do proverbio If
you want a 'hing doing, do it yoursrlg.
Quera quer vi, quero nao quer manda,
oa si quizerdes quo urna cousa se faja,
fazei-a.
A London Sanitary.
Protection .Assoctatio effectuou ultima-
so cachoeira de G a 8 metros de altura.
Essa enorme massa d'a^uas quabradas,
espumantes, forman ura curso de 30 me-
tros de cumprimento sobre 20 de largo
que parece mais uo enorme monte de al-
godao desfiado posto era movimento por
urna forja invisivel Este mesmo curso
atra-se de novo uysmo de alguna
metros de proundidaia e l entSo vem
juntar-se o outro brajo do So Francisco
da provincia da Baha, jbamado vulgar-
mente a Trapera, que uraa linda cata-
dupa de uns vinte e cineo metros de altura
e que parece ter des doze metros de
altara.
Todas as aguas do Sao Francisco reu
nidas, torcendo-se, paitando ferver e com
nSo pode ser avahada exactamente attenta
a pulverisajao das aguas que formam, ao
levantar do sol, sa esplendido arco-iri.
E' a isto que se chama a queda grande.
Aqui terminara as cachoeiras e o raagjs-
toso rio segu outra vez o sea carao no
mescao sentido da ultima queda, n'um per-
curso de carca de duzeatos metios entre
montea muito8 elevados, e, bruscamente,
quasi a ngulo direito, volta pela direita
deixando do outro lado ura loito coin pouca
agua, da cerca de 3jss3nta metros, que s
en.;he na cccasio das cheias, o cujo fundo
a entrada do Fuma ou Gruta dos Mor-
cegos.
Imaginera os leitores uraa raraena ca-
vidade praticada pelas aguas n'um a mori-
tanha da trinta a quarenta metras de alto,
a entrada priupd de forma bizarra
toda obliqua da direita para a esquenl-
com vinta metros de altura, uraa furna de
mais de cincoenta metros de fundo aobre
quioze a vinta de largo, verdadeira galorii
de ruinas, habitada nicamente pelos mor-
cegos. Em auraraa esta gruta curiosa,
mas nio compensa o trabalho qua d ao
visitante para descer e subir outra vez.
Voltarao8 agora cachoeira de Paulo
Affmao pira fallar da vista chamada o
Angiqumho. E' o ponto ra^is elevado
d'onde tera-89 a vista goral de todas as
cachoeiras da direita e pela esqu^rda e sos
ps, n'uma profundidade de mais de cin-
coenta metros a Grande -queda !
A acusaco que aa expjriraeota vendo-sa
aquillo, nio se pode explicar K Fijase
raaraviloado e no mesmo terapo aterrori
sado pelo grandioso e encantador espec-
tculo quo se contempla!
To la sorte de r> flaxSas passara pelo ce
rebro e fica-so em admirajlo diante do es-
plendor da Grande Naturezal
Panorama igual nunca se olvida I 1 Pen-
aa-se sraente as grandezas da creajlo
n'esta lugar quasi desarto e do ara en-
canto iniraaginavel I
Urna nica casinha de barro e palha, a
do vaquro que vos hospeda, fica distac-
tj meio kilmetro.
S so ouve o estampido das aguas, que
parece a voz de ura gigante anda nio
imaginado.
Para o enlovo dos visitantes desajamos
que as cachoeiras fiquem ainda rauitos an
nos como esto, taes quaes foram creadas;
e smente por este motivo continuarlo a ser
mil vezes superiores ao afamado Nigara
onde a cvilisajlo j collocou fabricas de
cerveja, restaurants, etc., etc.!
A vista chamada Limpo do Imperador
situada do outro lado da Furna real-
mente bonita, mas a queda principal e a
Trapera achara-so um pouco escindidas
por urna enorme pedra que sobreaae do
lado osquerdo. Por esta razio oa noasoa
companheiros, M. M. Loques e Morel,
tendo da tirar amas photographias, procu-
raram entre o lugar Angiquinho e a vol'.a
do rio um ponto livre de impedimentos.
Depois de muito trabalho acharam a ponta
extrema de um rochedo, de onde se pode
ver a queda grande e a Trapera. Este
lugar foi, com a devida licenca, baptisado
Vista dos Francezes, nome que os habitan
tes do lugar prometteram conservar. Foi
collocada uraa bandeirinha com o distico
seguinte escripto a lapis :
Viva o Brazil 1 Viva a Franja I
Vista dos Franeezes
5 do Agosto de 1887.
Distante das grandes cachoeiras um ki-
lmetro existe a cachoeira ou antes os r-
pidos do Vai e Vem chamados aasira pe-
lo movimento das aguas.
Imagioe-se urna garganta entrj pedras,
de 6 a 8 metros de largura, sobre 30 de
cumprido e cujo terreno areia fioissiraa:
esse o lugar dos banbos
Os amadores entrando para agua, que
sobj e deaoe constantemente com^bastante
rapidez verdadeiro fluxo e refluxo do
mar n'um momento ton agua at aos joe-
lhos e at ao peito. Os banhoa ahi sao
agradareis, visto a constante renovajlo do
elemento. Este movimento de vai e vem
causado pelo encontr de duas corrente-
zas de brajos diffarentes do rio SIo Fran-
cisco.
sorte que nio raro serem estes visitados
durante a noite por cabras, cabritos e por-
quinhos, sera fallar de outros animaeainho8.
Pratioar portanto um acto de caridade
e ao mesmo terapo de patriotismo bem en-
tendido S. Exc. o Sr. Bario de Agua
Branca se be resolver a mandar fazer alli
urna casa maia commoda.
E bem certo qu logo qua o mais sim-
ples conforto faltar, as cachoeiras de Paulo
Affonao serlo visitadas por ura numero mui
to limitado de pessoss, porra raais certo
qu'j no dia em qua os visitantes tiverem a
certeza de qua nio aerlo obrigadoa a dor
mir -' la bule toile, expostoa ao sereno,
ao fri o chuva, do sul e norte do Impe
rio e, quera saba ? talvez da Europa, oa
touristes hlo de aflloir o contribuirlo para
enriquecer a regilo, qua entra pareniheses,
nos pareceu ass pobre e de veget^jlo
raqutica, poia, afora a criajlo do gado e
pequenaa plantajSes, nio notmoa outraa
espacios de rendiaento para a populajio.
Esperamos que S. Ex;, o Sr. Bario
de Agua Branca so digaar de ou/ir o hu-
milde appello que fazemos aos seus sent
mantos e qua mandar levantar una casa
onde todos os visitantes possara estar ao
abrigo das inclemencias do terapo.
A viagem para as cachoeiras de Paulo
Affonso, qua deve ser effectua la da Ju-
nho at Outubro por causa da baix das
aguas, i muito fcil como poderlo julgar os
que me lerem pelo itinerario que danos
i-baixo ; e aa nio fesse a falt* absoluta ae
conforto no seu t:rmino, estaraos certoa do
que a eatrada de ferro teria ama receita
mais avantajada do que tera actualra-nto.
Da Jatob, ponto extremo da linha s
cachoeiras ou antes aos rpidos de Itapa-
rica a distancia de 3 ou 4 kilmetros.
Urna exDursaG a e83ea rpidos penos-
sima e de pouco iuterease comparada co n a
que se faz s ca:hoeira3 de Paulo Affonso,
apezar de quo o brajo prinopil do Sao,
Frauciseo forma um admiravel rpido :
talvez o mais importante do mundo.
O mais curioso nest-is parag3ns slo as
pedras de formas excntricas, de cor de
ferro ou bronze envernisado, denominadas
os caldeiro3si>; com effiito parecera cal-
deiras monstruosas usadas pelas grande
industrias.
Encontra-se urna grande variedade de
pedrinhas curiossiraas e bastanta crystal e,
procurando se com cuidado, encontrar se-
hlo diamantes.
O rio Sao Francisco divide-89 ahi era di-
versos brajos sendo ura to estreito que os
guias atrevem se, apezar do perigo, a pular
de um lado para ouutro sobro a padra
lisa.
Itaparica nio d idea do que sao as ca-
choeiras de Paulo Affonso e pode a gente
dispensarse de ir at l ; silo 43 kilme-
tros de menos pela estrada do ferro.
Itinerario e informaedes %
Do Recife erabarca-se nos vapores das
Companhias Bahiaaa ou Peraambucana,
que sahem para Penedo, pelo meaos sema-
nalmente.
O servijo de bordo bem teito e a co-
A vida que ae passa naa cachoeiras a
mais primitiva que se pode desojar. En-
contra-ae entretanto excellente leite de vac-
ca, ovoa, galbanas, deliciosa carne do sol,
muitas cabraa, cabritoa e porco. Ha bastan-
te caja sobretudo rola8, rolinhaa, perequi-
tos e papagaios.
O hornera que nos d bospiUhdade alli
chama-se Luiz de Franja do Nascimento ;
vaqueiro do Exra. Sr. Bario de Agua
Branca, riquissimo capitalista e proprieta-
rio de urna iramenaa porjlo de terrenoa
para criajlo de gado, junto s cachoeraa.
n. casa do vaquero pequea e tem
^"-
FOLHETIM
JOSLARONZA
POR
JiCQES !)L' FLOT E PEIIO
c aini:v
( ContinuagSo lo n.
XXII

Como s bom,
Agradejo-te
AL 8U3pirou ella.
Tueu caro Maximiliano..
O teu corajiio tem compa-xao da
martyr.
Muito commovio o doutor solujou.
chou os olhos o deitou a cabeja para tras.
Ned Hobaon, Darmailly e Pouliguen, che-
garam-se a ella.
Est tudo acabado, diase-lhes o dou
tor. A destraijlo chegoa a todos os or-
glos. A pobre menina nio sent mais
dr.
MnximiUno tomn !h a csibeja e pl-a
:em cima de ama p?j'i de corda.
Eu dara matad do meu saDgue pa
MaEL ra reanimar essa boa creatura, disse o ga-
' geiro. E' bera duro ver a raorte lanjar o
harpo sobre mulheros bellas como os ao-
jos.
E Pouliguen tambem tsraou ama das
mos que Maximiliano tinha beijado, e es
fregando-a com cuidado entra as saas, ten-
tou dar um pouco de vida a e88e corpo to
joven que o veneno tornara inerte.
E' intil, meu bom Piarrk, rnurmu-
rou Maximiliano. Nio voltar maia a si.
Pensemos agora em vinfjal-a.
Sem duvida, hei de vingal-a. E isso
ve-
* Car cen, nao tenho compaixSo d
WUs seus aoffrimentos a rimero* Como
acaba de dizer, tem sido urna martyr. Ha
muito que est perdoada. .. Eu lhe pejo...
teeha coragem .. Em breve deixar de
soffrer.
Disendo isto, Maximilianoltomon as mos
da moja, que ardiara.* pulso pareca que-
rer romper s arteria.
Eotratanto, retribuirn) o aperto de Ma-
ximiliano.
Foi a ultimo oaforjo. A hespanhola fe-
jo, resraoneou o gageiro.
Ned Hobsoo, que at entlo tinha-sa con-
PjDre ^rvado Ci-lado, rrette:-so entre Piarrick
a Luronza.
N2o, disse elle com calma. Nao con-
vm mtalo agora Ainda nSo ohegado
o momento.
O gageiro respona.a, aiastando o yan-
ke-
Nio ha moroero *lhor do qua este.
i Elle estara melhor m inndo do mar do
I que aqui a bordo.
Ned nao se deu por vencido.
__ Esse co nS'- I da ter o ocea
,30 oor tmulo, uacd-raol-opara as aves
ds rscioa.

ro i re&iir 2 tea atento.
mida muito regular.
A viagem do Raoife a Macei da 10 a
12 horas e de Macei 6 Barra de SIo
Francisco.
Macei.Dexa ao paasageiro ama im-
preaalo muito agradavel : presente-ae que
a capital das provincia da lAagoas vai
brevemento tomar grande desenvolvimiento.
A barra do magestoso rio da um ac-
ceaso baatanto difficil, devendo-se aprovei-
tar o levantaraento das ondas para paasal
a, e, apezar da pericia e grande pratica
nio s dos commandantes dos vapores
como tambem doa praticos espaciaes, o na-
vio d quasi sempre algumas pancadas na
areia.
T)s vapores sobam geralmente o rio at
Penedo, mas s vezes, quando as aguas
esto baixas, fundeam a tres ou quatro
mlhas da barra (a mar BnIo sa faz sentir
ahi sensivelmonte). Entlo o pratico do
ro, os passageiros e malas slo baldeados
para urna embarcajlo, que faz lembrar a
barcaja pernambucana, qua no rio SIo
Francisco chamase: canoa.
A canoa differa da barcaj tanto pela
disposijlo da mastreajlo como pela eolio
cajlo do camarote, que de palha e acha-
se na proa e nio na pupa. Quanto sua
mastreajlo compo8ta simplesmente de
um ma3tro grande, armando duas velas de
de cada lado, o que deu occasilo a S. M.
o Imperador o Sr. D. Podro II, na sua
viagem s cachoeiras, Ibes desse o norae
tao bem applicado de iBorboleta do So
Francisco.
A canoa coontribuio muito para a ale-
gra da viagem.
Nada mais interessante do que quando
se encontrara porjlo dessas borbuletaa su
biudo o rio, s vezes com mais rapidez de
que oa vapores '
Chega-se em Penedo no fim de duas ha-
ras, depois de ter passado o povoado da
liba dos Boi, vendo-se algumas plantajSes
ds canoa e Villa Nova, na provincia de
Sergipe, villa que nos pareceu era via de
prosperidade, grajas importante fabrna
de azaito de algodI> e da outra3 qualdades
de propriedade doa Srs. A. Vaz de Car-
valho A C.
O aapecto de Penedo muito bonito
mas, infelizmente, a illualo perde-8e ao
desembarcar: tl o est ido do desl-ixo ero
qua se acha o lugar da desembarque.
Entretanto Penedo ura centro o talvez
chamado a tornar-sa uraa clade de g-an-
*e importancia, d'aqui a pouco tempo.
Muitas traosacjioVs d'alli slo effactuadas coro
a capital da Baha e poucas cora a de 'er-
nambuco.
Ponodo acha-sa relacionado com toda3 as
laualidades do S. Franc'i3o at Pirauhas
por um* linha da vapores subvencionada
palo governo geral, linha de uraa impor-
tan :ia capital e cujo servijo pontualmen-
te faito. Cada aegunda-feira da manhl
aegue o vapor para Piraohas, ponto extremo
da navegajlo, aiuado mais ou menos cem
milhas a oi na, as quaes sao percorridas
era 16 horas de marcha, nao contando a
noite, durante a qual o vapor nao anda,
attentas as difficuldades da navegajlo.
Esta viagem muito interessante e cu-
riosa por causa das inuun3ra3 v;Itas qua
faz continuadamente o vaporzinho o que
tornara o camiaho duas vezes mais cum-
prido.
E' preciso qua a gante do bordo este-
ja muito acosturaada pra nio encalhar,
pois, a cada instante, encontram-se bancos
de areia chamados coras e duas ou
tres milhas antes do termo da travessia
navega-se no meio de pedras: dous ho-
rneas no lame slo suffi-ientes para o navio
obedecer s ordens do pratico.
A paisagera das raargens do rio ad-
miravel e nunca aborrece.
O vapor levan lo as mala3 faz eac;.la em
quasi todos us pontos habitados, e toma
passageiros em todo o parcurso.
A tarifa das passgeos varia at 120 rs.
de urna localidade a outra.
As escalas slo as seguales :
1. Saude.
2. Propri (provincia de Sjrgipe cida-
d3 de bella apparencia.)
3. Porto Real do Collegio.
4. SIo Braz.
5. Amparo.
6. Lagoa Comprida.
7. Traip.
8. Curral de pedras.
9. Ilha do ouro
10. Villa do Bello Monte.
11. Ariticum.
12. Limoeiro.
13. SIo Thiago.
14. SIo Pedro.
15. Po da Assucar (aidade da provin-
das Alagoaa admirave'.raente situada n'uma
immensa baca; do frente, na outra mar-
geno do rio, o lugar chamadoNic'.heroy
o que completa a illuslo de um Rio de
Janeiro em miniatura.)
16. Ilha do ferro.
17. Curralinho.
18. Entre Montes.
19. Nova Oloda.
20. Piraohas: pequea povoajlo de Ala-
goaa de um pitoreaco eatraoho, cooatruida
sobre os lados e no valle de duas monta-
nhas.
Ao p da villa de Piranhas est situa-
da a eatajlo pracpal da estrada de ferro
de Paulo Affonso de um admiravel effeito.
Acha se alli em conatrucjlo urna igre-
jinha para cuja edifioajlo trabalha o povo
inteiro, grajas energia e dedcajlo do
Revdm. capuchinho Fr. Venancio, que
conseguio levar o povo em procisslo e ao
anoitecer beira do rio para bascar milhei-
ros de tijolios e outros materiaes ; e asaim
homens e meninos, mas sobretudo mulhe-
res, vio cantaodoe e carregando a sua
mea duzia de tijolios a um kilmetro de
distancia.
Infelizmente o dinheiro falta e, apezar
da boa vontade de todos e do Revdm. Fr.
Venancio, a pequea igreja nio ae termi-
nar se o governo proviacial ou geral, ou
urna posso caridosa nilo vier contribuir com
o seu bolo para auxdiar a coastrucjlo
della.
O material rodante muito reduzido ;
de origem americana. O combustivel era-
pregado pira as locomotivas lenha e nio
carwlo de pedra, costando era Piranhas
a tonelada deste ultimo producto trinta a
quarenta mil ris. Sendo o rendimento da
eatrada qua8 nulb, as deapezaa devem 8er
e alo muito reduzidas. Oa s^is primeros
kilmetros, sahida de Piranhas, slo os
que exigiram mais obras em consequen-
cia das aubidaa fabricadas na padra viva.
O panorama esplendido mas o trajec-
to torna so montono urna vez chafado o
trem planicie.
A vejitajlo pequea, 08 arvoredos de
pmja altura, o terreno muito pedrgoso.
A pou;a distancia de Piranhas encontrase
pedra molla e de excellente qualidade para
edifijajSes.
O trajecto na estrada at Jatob de 6
horas, e de 4 smento at Sinimb, lagar
mais perto das cachoeiras de Paulo Affon-
so, onde se encontrara cavallos, geral-
inento bons, para alugar. O caminho para
as cachoeiras excellente e em menos de
duas horas pode se chegar ao fim da via-
Treguern o acalmou, e mostrando-lheos
phares de Jer8y.
Eapera, Piarrick, o tratante nio per
de nada por esperar. Daqui a tres horas
fundearemos onde nenhua cbrlstlo ha de
impedir-nos de punir Lorenza.
O perigo tinha deaapparecide.
Treguern cedeu o lerae ao yaakee, que
assim pode vigiar de mais perto o seu ex-
patro.
O teneote, entlo, foi ter com o doutor,
que estava ajoelhado ao lado de Carmen
A moja no respirava maia.
Poodo a mo no hombro de Maximilia-
no, cujo pezar comDrehendia, o tenente di
rigi ao amigo algamaa palavas de ani-
mado. j~ bH
Estamos, cheganao, mel caro Ma-
ximiliano. Tenba coragern at p fin.
Veja como ella bella | disse-lhe Ar-
band, que absort na sua cootemplajlo,
nio prestara attenclo s palavras de Tre-
guern.
Pareceu, entlo, que Carmen quiz cor-
responder a nasas palavras subidas do co-
rajSo do homem que tinha adorado.
Urna convulslo agitou-lhe os membros.
Ella estendeu os brajos para o doutor. O
seu olhar procurou o do mojo. Este, irra-
sistivelmente attrahido, abaixou se. A hes
panhola paasou Iba os brajos pelo pescojo
e obrigou os labios de Maximiliano a tocar
os seus. Os seus olhos arregalaram-te
olhando para o co, come para diz-r : Hei
de amalo mesmo l de cima, e, dizeudo a
palavra cobrgado, expirou.
Arband ahaixou-lhe piedoiamento aa pal
pebras.
Graudea lagrimas oorriam lhe dos olhos
A dsapoito de lembranjas mais tera, as
;
sua emojlo era tal que elle nSo a poda
conter.
__Ha na vida meu caro Treguern, mo-
mentos bem difficceis de passar, suspirou
elle.
Eu o comprehendo, Maximiliano, re-
plicou 1 tenante. Mas ha tambem gran-
des culpados na trra, e muitas vezes ellea,
nio expiam os seus criroes. Felicitmo-
nos por poder caatigar este Lironz*. Com-
prehendo o seu pezar em preseuja dessa
mulher to cruelmente arrancada vida.
Mas, permitta qua record que voc nio
tem culpa de nada disto... O seu cjrajlo
nio pertence a outra mulher ?
Tem razio, meu caro Joao, nada te
nho que exprobrar-me, e quaudo Laronza
tiver i'esapparecido deste mundo, procura
re tudo esquecer.
A conversa dos dous amigos foi inter-
rompida pela voz de Pouliguen.
Urna luz branca estendeu-se sbita-
mente n 8 aguas em que navegava a em-
barcajlo.
Luz proa por eatibordo, gritou o
gageiro.
Treguern voltou a vista para o ponto in-
dicado.
Recebeu entlo em chelo o jacto de urna
lampada elctrica, aiimaataaa no pasaadi-
je de um vapor, cojos tres phares regla-
mentares appareceram alm do foco incan-
descente.
Que ha ? perguntou Maximiliano.
Estaremos sondo vigiados pela guarda da
costa.
Lxtronza, que estvera quieto em baixo
ido banco, sentn sa.
Foi ello quem reepondeu a Maximiliano.
Ha, meus senbores que sao todos
Os trens de passageiros chegam at Jato-
b c estajSos intermediarias, partera data
vezes por semana, s segundas e quiatas-
foiras, regrossando as terjas e sextas.
A estrada do ferro de Paulo Affonso
tem a reputajlo de haver custado ao Esta-
do urna quantia avultadissiraa; pareceu-nos
bem construida apezar da immensidade de
curvas, subidas e descidas, a maior parta
das quaes poderia ter-sa evitado.
Jatob de fundajlo rcente, j contan-
do mais de duzentas casas : ha quatro ou
cinco annos nao existiera dez Todas as
autoridades, que outr'ora estavatn era Ta-
caratu' passar^m para Jatob. Esta villa
talvez de um grande futuro. Para alli,
provavelmente, que serlo trazido?, de-
pois da desobstru jilo do alto S. Francis-
co, era que ae est trabalhando activa-
mente, muitos productos d-.s provincias de
MiiiiS-Geraes e da Baha, pilo menos du-
rante o tempo era que nao ficarera prom-
ptas aa linhas do prolingamanto da estra-
da de ferro de S. Fran-jisco tanto do lado
de Pernambuio como da Baha.
O que ha de notavel a ver em Jatob
mesrao, especialmente, o caes da estrada
de ferro, na beira do rio, de uns 16 a 20
metros de altura3obre 25 ou 30 iecuraprido,
talhado era parte na rocha. Obra honita
esta, mas de um cu3to elevado para as
necessidades actuaea. A eatajlo e oflici-
nas da estrada tambera slo moaumeatos
que nio passam desapercebdos.
Resumo
A viagem para as cochoairas de Paulo
Affonso nio smenta muito fcil como
pouco dispendiosa. A passagem do Reci-
fe a Penedo de 305000 por pessoa, e de
45 ou 55 a estada em Penedo (dous dias.)
60500 a passagem de Penedo a Pira-
nhas.
6)5000 em quatro refeijoes a bordo do
vaporzinho fluvial.
45000 na da estrada de ferro de Pira-
nhaa a Si airaba'.
50000 de aluguel por um cavallo por 3
dias.
Gasta se as cachoeiras o que convier,
pequea gratifioajlo ao guia, leite muito
barato, ovo3 a quatro vintons a duzia:
mas dove se levar todas as outra3 provi-
stas de bocea como: vinho, pao, agurden-
te, etc., que sao artigos des jonhecidos por l.
Nao podemos acabar esta pequeo tra-
balho sem vir agradecer publicamente, do
fundo da alma, a todas as pessoas qua nos
dispensaram suas amabilidades, avisos.,
conselbos e recemraendajoes.
Entre outras ao :
Exra. Sr. Dr. Moreira Alves, ex-presi
dente da provincia daa Alagoaa.
Ao Illra. Sr. coramendador Mmoel Lalo,
da Macei e Es na. familia.
Ao Exra. Sr. Dr. Novaas da Carvalho
muito digno juiz de direito de Jatob e sua
Exma. familia.
Ao Illm. Sr. coronel Antonio Ulysaes
de Carvalho, sympatico e amavel em-
preiteiro da navegajlo do S. Francisco.
Ao Illm. Sr. Dr. Henrique Cbberge, di-
rector interino da estrada de Paulo Af-
fonso.
Ao Illm. Sr. Valdevno, chefe da esta-
jlo em Jatob e sua digna consorte.
Ao Illm. Sr. Dr. Vicente Landim, pro-
motor publico de Po de Assucar.
Aos Illms. Srs. Alberto e Samuel Vac
de Carvalho, distinctos industriaos em Villa
Nova.
Ao Illm. Sr. major Theodosio, de Pira-
nhas, do qual conservaremos a melbor
lembranja por sua dedicajlo em fazer-noi
visitar a oitava maraoilha do mundo
AS CACHOEIRAS DE PA'JLO AFFONSO.
Terminando repetiremos aqui o que es
crevemos no livro dos visitantes :
Amadores I
Apromptem as pernas. Os inconve
t nientes da excurslo serlo logo esqueci-
a dos e largamente compensados pela
< bellezas que vio admirar. >
meus prisioneiros. Tcocaram-se os papis.
E' o meu yacht que lhcs d caja. Esto
descobertos. Se nio querem ser mettidos
a pique, s lhea resta renderem-se.
Era com effeito o yacht do pirata que se
diriga a toda a forja para o lado do cat
ter. Tinha cruzado naquellas alturas, ar-
roatando a'tempestade.
O seu commandante quiz reconheeer s
embarcajlo.
Vais ver como nos rendemos, rugi
o tenante, que tornou a tomar o leme e deu
ordem a Pouliguen que estrangulaaae La-
ronza, logo que o vapor cbegaaae a diatan-
cia da intimar ao cutter que arriasee as vo-
las.
__Cajar escotas, disse elle depois aa
yankee e a Maximiliano, que obedeceram
logo.
E o lugar aprooa para a maior das Uta as
Ecrenou.
A manobra nao escapou as yacht. Dous
relmpagos successivos rutilaram dos seus
fl incoa, e urna descarga de metralha paa-
sou pela embarcajlo, furando a vela gran-
de.
__ Que sucia de calafates, gritou Pouli-
guen, nem sabem regular a mira.
C dea em Lareaza um formidavel pon-
tap.
Toma para te espertar tratante....
Anda, manda calar essas boceas, senla a
cada descarga metto-te o taclo na car
cassa.
Troou segunda descarga, e dessa vea
urna bala quebrou o leme.
O tente nio pardea o sangue fro ne
cessario ao coromando. Tomando um re-
rao, ajustn-o popa e servio se delle pa-
ra governar o barco.
Por oito visitantes sabidos
buco em viagem de recreio,
de Pernam
Reaif
E. C.
26 de Agosto de 1887.
O gageiro ia pela segunda vez desandar
om pontap no pirata, quando, por acaso,
vie, sabndo de ama enseada de Jersey,
os phares branco, vermelho e verde de
ama canhoneira ingleza, que o estrondo
dos tiros attrahio.
Estamos salvos exclaraou Treguern.
Oa inglezes vao nos trazer auxilio. O dia
ah vem. Os piratas poiera apagar os seus
phares, nio hlo de eacoader se.
__ Se nio nos apanharem antes, insi-
nuou Maximilano.
__ E' impossivel, meu caro doutor, tor-
nou o teuente. Vamos virar de bordo e
irea>03 fundear tranquillamante entre as-
rochas. Assim, dentro em poucos minutos
a canhoneira estar entre n3 e o yacht.
Treguern nio se enganou. O yacht ale
quiz chegar ao alcance doa canhSes do va-
so de guerra inglez. D-'s;reveu um arce
de cirjulo e bateu em retirada, dando-lhe a
canhon' ira caja.
Vendo isso, o ten?nte dirigi o lugar pa-
ra a maior das ilhctas.
Desta vez nio escapas, disse o ga-
geiro, dirigindo-se a Lirooza.
O pirata nio postanejou.
pentro em pouco o lugar poderia atra-
car.
XXIII
As nuvens tinham desapparecido, o co
estava claro.
E essa barca levava o cadavor de um*
pobre mulher, victima de um dest.no dolo-
roso. -
Maximiliano treu ajnanta, e coa
piedosa cobrio o corpo da infeliz.
r [Continuar-i
Typ. do Dirio roa Poqae de
i
-
*
.


A' -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY1UQF4DG_OBW1D3 INGEST_TIME 2014-05-22T23:26:23Z PACKAGE AA00011611_17508
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES