Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17500


This item is only available as the following downloads:


Full Text
wr^1 t
AMO LIIJJ-- JDIJiJKI 188
PARA A CAPITAL I. LI ARE* OME 91AO K PACA PORTE
Por tres mezes adiantadoe............... 6,5000
Por seis ditos idem.......... l^GOO
Por um anno idem................. 230000
Cada numero avulso, do mesmo dia............ 100
DIARIO DE
S&Ii'A-MfiA 19 DE AGOSTO M1321
PARA DESTRO M FORA DA PROV1ACIA
Por seis mezes adiantados............... 13)5500
Por nove ditos idem................. 20)0000
Por um auno idem................. 270COC
Cada numero avulso, de dias anteriores........... 100
Propriciafce frt? ilanxje! -tgucira bt -tarta & lijos


- .
O* 8r.. V'tandee .'rlnae i: C
n Pars, *& o* uivsos agentes
sx.clu&Ivo$> de .mn uncios e jo-
Hlleacd-v a "rancB e I^x' -
trra
lii

1
f
HO >E JANEIRO, 18 de Agosto, as 4
oras o 7 minutos Ha tardo. ^Reoebido
s 5 horas e N3 ninut >s, pelo cabo subma-
rino).
Hume boje eo na (amura doo
Depuiadu.
O Mr. Pedro da C mili a Bellrao.apre
enloo un rcijueiImeolo. cuja iiis
cus.ao ficoii adiada por hatee* pe-
did u palavra oulru depulado. pe-
dindo intormacoe relativamente
procedencia da noticia da tioraea-
;at do litirmbursailor alo-t Manoel
de "relias, juix de dlreilo da vara
do relio- da faicoJa de Berife. para
ni losar no Tribunal da Relarao de
4.oaz.
id ion se pela bora a 3.1 iliacaito
do urrameiil da icriciilinia.
Occupou *e em wcguida com a 9.a
dicuo do orrameulo da Fa/.en-
da.
Finalmente appmvuu em dln-
iissao o projecto alterando a lei
eleiloral quanto a eleieo de depu-
lado provinrae.
RIO DE JANEIBO, 18 de Aguato, s
horas da tarde.
\o Senado contiua a dicuo do
orramenlo. do Miniaterio da Mari
una.
1 Cmara da Depniado lulouem
3 dicuo a reforma para aa elel-
roe de depuiadoi provlnelae. e co-
mecou a disouo do urramenlo do
Ministerio da Faaenda.
O Sr. Luurenco de tlbuquerque
em um dicuro crittcou erlamenie
o or-amento.
AKIS, 1S de Agosto.
A Allemanba continu'a a elTcctuar
a i'ipuixoi'i na ilaacla Corralne.
TIRNOVA, 18 de Agoato.
4) principe Fernando I flxou Ma re
Hldencia ueia -idade.
E' prot atei que o conaelho de re-
gencia j leoiia pa*ado a maua do
principe todo o ?uw poderes.
Aii-'Uuii. HaviL, iial '.m ramsatMbvs,
18 e Agosto .le J>*7.
?ARTE FF1C1
Governo da Provincia
EXPEDIENTE DO DIA 9 DK JL'I.HO DE 1887
Actos:
O presidente da provincia attendendo ao que f|lij
O que. coramusico a V. S. de ordem do Ezin.
S presidente da provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 30 DE JULIO DB 1887
Act a :
O prcaideat* da proviacm, -m additainent>
ao auto de 25 d<- Junh, que eu-.p-nleu .lineipli -
nar e administrativamaut o tbesoureiro das I >v-
xtraordinarins dnPpr viueia, tenente-corouel
r>quereu Pairo Kamc Leuti.-r, e tesdo em vista prMCJseo f}JUQ|Ve3 Turros, p ir na qaem pre=
HSIRUCCiO POPULAR
PUTSiflUlilA flOisi
(Extrahido)
A 8IBLI0THHCA DO POVO K 3AS ESCOLAD
PKIiiElRA PARTE
FiVt> ME SUT MI *,*-<>
(Continua cao)
FL'NCCOBS DOBAfO
Existe no hypochondiio esquerdo, faseado at
certo panto symetria com o figado, um ergio cha-
mado bajo, que os anitomistaa cjstumam degere-
ver juntamente com os orgaos annexos ao appare-
]ho digestive, mas a respeito de cujas funeces
reina ainda ama grande obseuridale em pbysiolo-
gia. Tem a configuraco de um ovoide achatado,
cor de borras de vinho ; e muitissimo vascular.
As snas fnnecoes, pode diaer se qne sao anda
para a sciencia meramente bypothelicas.
Uns pbysiologistas t.eem Ihe attribuidoa funecao
de gerador dos glbulos sanguiueoa ; outroa a de
destruidor dess'S glbulos, restituiudo os respecti
vos elementos ao soro do sangue ; outroa teem-n'o
cousider*do como desempenhaudo um papel sim-
plesmente mechanico, e que consiste em contraba-
laucar o peBO do figado, existente no lado opposto
do ventre.
Nao tem faltad.) tambem quem o considere urna
viitera sem funccaoalguma a urgauismo, fuudao-
do-se para isso em que a alguns animaes tem sido
extirpado aem que elles deixem de continuar
viver com boa saude, e tambem no faeto de la
continuado a viver sem incommodo algum urna roo-
Iher de,22 annos, a quem em 1855 foi tirado o bac>,
que estava sahido por urna tsrida da parede do
vf ntre, resultante de urna queda.
SEGUNDA PARTE
H \(l liKH ME IlKLtI.tW
Chamam se fuucces de relacJ aquellas pelas
quaes o horm-m, bem como todos os outios animaes
se pe em relacao com o mundo exterior. As
funcco.s de relacao resumem se todas em dous
grandes phenomenos distinctos, que sao : o mov
ment voluntario e a sensibilidade.
Cnama-se movimento voluntario facnldade,
que possuem os animaes, de se transportaren! d<-
um lugar para outro, ob de deslocarem as difFere.i-
tes partes do corpo unjas em relacao s oulras.
Ois-ae sensibilidade a fa'-uldadr, em virtude da
qaal teem conhecimento de tudo que os cerca, por
Intermedio de certos orgaos que Ibes proauvem a
aprecia(3o das propriedades dos corpos exteriores.
Todas as func^esque vamoseatndar se inclueui
nutra d'aqnellas duas grandes funecoesou, antes
a:ij manifestacea d'aquellas duaa grand.s iacul
dades physiologicae.
(CSBMSttM)
u par.'Ci'i Ja juuta m-ica que ins*picoiooou, re-
solv' si o, com os vencimeutis a que tiver
dlreto, u. cargo d- conductor partici daa Obrs Publicas, na forma do art. 2o
da lei ii. i7t de 7 d Abril de 18M, 3^ do art.
9 d.-i le n. JS84 da39de Abril dente aono c art.
150 d regiilamento 1 iflO de Junlii u.: m)
- O prej lente da prjvir.i'ia, r.-aoive, de o u-
formidade eon s pr o )-t dj Dr. ehefe de policia
en ofltei de 2li .1 corrate mez, sob n. ti-tG. 00-
inear o tcnente do rpo p_) cia Beilaruiino
Pinto de Paiva p".ra o lugar de delegad > do termo
de Algoa de Uaixo em subtituieao de Francisco
Alves de -Mq-seira Mello. -Ouimunu-iu-ae ao Dr.
ohete iie poiieia.
Circular :
Aos presidentes di provincia.Tracanitto
a V Exc dous exemplares impressos da Palla que
Assembla Legislativa desta provindia dirig no
dia de sui iustiliacao a 2 de Marco ultimo.
Officios :
A) bispo da diocese 09 OiindaEm addita-
mento ao meu utSei > de 30 de Maio ultimo tenbo
a nonra de declarar a V. Exc, segundo as infor-
inac-s coihidas, que as comarcas de Villa-Bella,
Plore, I camb, Bezerros, Salgueiro e Tacarat os
promutores decapeliaa sao nomea ios ad hoc, sendo
que as comarcas de Taquaretinga, Caruar, Bar-
rer is, Bom Conselho, Petrolina e Floresta o cargo
exercido, nterin amerite, pelo ba haris Vicente
de VI ,raes Mello Jumor, Esteva > (Jarneiro Caval-
caute de A bi'qu-rqu Lacerda, J >s Bonifacio i'e
S Pereira e pelos cidadoa Lourea$o de Carvalho
de Araojii Yp rmg Aotoni) Mattosl de Amorim
e Fru.no Gomes de Meneses.
Ao inapectir do Ars^nr.l d Murinha. Defe-
rinda o re-u runento di aprendiz de 1' classe da
otfieina de machinas Jesse Arsenal, Francisco das
Cbagaa Jeaua Mooteiro, autoriso V. Exc, de ac-
cordo com a sin infjrm .cao de bontem datada aob
n. 89. a co:.e.--d. f-llie tres mezes de licenca, sein
v.neimento?, afim de tratar de negocios de sen
particular mteresae f^ra da provincia.
Ao inspector da Th.ijurari de Fazenda.
De accordo com a informaca de V. S. de 27 do
corrente, .i 481 antoriso-o a mandar pagar a in-
clusa conta, na importancia de 1O8:'|0 proveniente
de transpoites ff-ctuados na estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco nj mez de Junbo prximo
passadu.Counnuiiicou-se ao superintendente da
estrada de ferro do Recife ao S. Francisco.
Ao me8mo.Declaro a V. V., para os fina
couvenientes, que nest* data profer o seguiote
d.-pacho ua penca i do bacharel Estevao Carneiro
Oavbleinte de lbu-uerque Lacrda promotor
publico da comarca de Caruar, sobre a qual essa
Tbesonraria prest >u a informafio do 14 deste mez,
u. 451):
Recorra propria Thesouraria de Fazenda,
a quem compete decidir, com recurso para o Tri-
bunal di rticsoui i Nacional.
Ao mesmo.Remeti a V. S., para sen co-
abeeime itu, copia do aviso oxpeiido pelo Ministe-
rio da Jastica de 15 Jo corrate, pelo qul fji ap-
provado o acfo desta presidencia, abrindo o ere-
dito de L'.iJOO/OoO para pagamento de ajuda de
fisto arde tl^RfcsiiaC Li'ii de Albnqu erque .Vlai-
tas Pereira uoHRadopisra a Rel>ca> de Cuyab.
Ao n -irjo.Declaro a V. S., em aJdita
ment ao mcu officio de T do corrate, e de e-
cardo cora o qu requeren Jos Alvea do Prado
residente no municipio de Iguarasa, que o valor
de Sympbrouia, all libertada por couta da 7>
q'iota do fundo de euiancipacao, fie reduzida a
450J><'0.
Nesse senil lo far V. 8.a neceasaria communi-
cac) ao respectivo ctlieeter geral a quem deter-
miuei e.n 24 Je Feveieiio procedesae a uovos ar-
bitrain-iitiisdis e=/rav s libertados.
Ao inc-mo Det'erin lo o requerimeato de
Mainel Miranda de Saut'Anna, residente m mu-
oieipio de l^uarassu', recommendo a V. 8., em
additainento ao meu ofeo de 19 la corrento, que
mande pagar-lbe a quautia da 5X)0dO, p ir elle
propala no dito reqiiTimento, como indemuisacao
do escravii Lturiaui, libertado all por costa da
7" quita do fondo de ernaaeipacao a avahado em
545<0(K), segundo c insta da relacSo que !he en-
viei
Ueste sentido far V. S. ao ratpsetivo collector
a devi !a commuuicagao.
Ao administrador do Tueatro Santa Isabel.
Deelar.. a V. S. pan es devidos fins;que d.' ac-
corlo con. a sua infirm cao em cffieio do 26 do
corrente permitti a ii.ectoria do Club Dramatiei
Familiar dar n-^se rheatro um eapect icalo men
sal, a cmnecii- deste m z at 30 de Junbo vindour i
sujetando se eontribaiois do csiylo e aos Uemaia
onus previ*tos pul; r-gulamento de 16 de Marco
de 1885.Fizerau-ae hs devidas coinmunica;oeii.
Ao tiiK'Obei'O euc^rrerado das Obras Ge-
rae.S.udo de liOOJOOO o crdito dispjaivel
i' eorrente eemeotrr, oara a pintor i reparos
das tres p.,ntes da Bas-Visca, Sania Isabel o Set--
de Seteuibro, das quaea a i acba se em reparos
por couta do erodito de 8.000;i000 concedido para
o exercicio de 1886 a 1887, declaro a Vine, para
resolver sobre o seu officio de 13 do corrente, sob
n. 36, que convra st indicada qual das duas ulti-
mas deve ter preferencia a pintura que Vmc. al-
tada, apresentando-me orcameato da despez* di-
urna ou de ambas.
Portaras :
O Sr. gerente da Compauhia Perusmbucana
de Navcgaca > mande dar pas^agem de pioa, at o
presidio de Fernando de Noronha, a Mara Gon
calves do Espirito Santo, inulher do sentenciado
Jos Fisnciscode Lima, e a um filbo menor de
ame Maiioel, por couta das gratuitas a qua o go-
verno tem direito.
Mutat i mulandit quanto a Joaquina Mara da
'onceico, m do sentenciado Aveliuo Golcaiv.s
de Oliveira.Communicou-se ao director do presi
dio de Feriaodo de Noronha.
EXPEDIENTE DO CB 8ECBBTABI0
Officios :
Ao inspector da Taasooraiia de Fazenda.
O Exm. Sr. presideate da provincia manda remet-
ter a V. 8. a lueldua ordem do ministerio da guer-
ra de 20 do corrente.
Ao Dr. juiz de direito do 2' distrcto criminal
da comarca do ihTi e ordem de sua Exc. o
Sr. presidente da provincia transmiti a V. S. co-
pia dos officios ae 19 do corrate mez, sob ns. 300
c 301, em que o director do presidio de IV.-ruando
de Noronha declara o motivo porque nao vieram
para a capital os sentenciados de aoin; Jo Fran
cisco Pere;r Vicente Firreira da Silva, Lucio d-
Oiiveir Barros e (uiutiliano Prea de Carvalho
Ao eominaudante do corpo de polica.De
ordem do Exm. Sr. presidente aa provincia trans
mitto a V. 8., para os fina convenientes e em ad-
ditamento ao officio de 16 do corrente mez copia
do aviso de 21 em que o Exm. Sr. eonselhero mi-
nistro dos negocios d gnen a declara o motivo
porque nao vieram para esta pr^vineo., com des-
tiuo ao corpo de seu commaudo, 450 carabinas.
A^ mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda comu.unicar V. b. que em seu
olfieio de 26 do corrente, u. 7066. aobre ajuda de
custo do alteres Jos Mendea da Silva, exarouhoje
o segaiate despacho :
Remettido ao Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial para mandar attender.
Ao engenheiro Alfredo Lisboa.Segundo -
legrarama de bontem, o Exm. Sr. mioistro daagri-
eultura, commercio e obras publicas aut;sa a ida
de V. S. do Rio de Jaoeiro, a servco.
2,831:1504520
71O:851o40
ar comas dos valores confiados sua guarda
pertraeeatea a graude lotera as quntro mil cintos.
a favor da Colonia Orpbanol igica Isabel, sujri-
tando acuelle empregad i a acciio criminal q'i n I
i i eouber ;
Considerando que, em vista do3 ceor laoa do
Tribunal da Relacao do distrcto, de 27 de Mai>
le Junh) ultim sobren prisSo do meam o
theaour iro a sequestro em seus bens, nao tem a
adminBtraos>o saeios coercitivos prorap', >s de to-
in Ihe cootas, quaodo positivamente elle declara
que nao as dar, nao obstante sua qualidad-
de ihjsoure'ro eneai.egado de urna funecao pu
blicu, titulado e at vitalicio (lei n. 1,832 da
184);
Considerando que, uestas condiees, tb or ineio
de aeco civil se poder haver a restituicao dos
valores em 3eu poder, proveaientes da veuda de
bilhet., e aiuJa aoaimnao pelo Thesouro Pro-
vincial, se prevalecer o que djutrina a Re-
lacao do distrcto,iato que o referido fonc
etoBariti nao jertenee ao servico, u-m ao pos-
soul do Thesouro, e nem publico o tiuiheiro da
lotera nao *>xtrahida ;
Considerando que, este estado de cousas nao
pode se perpetuar, deixaudo de ter urna aoluyao ;
acte.ito i. clamor dos pussuidorea de bilhetcs, ante
a faita de cumpr ment, por parte do tbesoureiro,
das dispisicSes regulamentares de 4 de Nuvem-
bro de 1886, tanto para com o publico, como paia
cm o Thesouro, aos quaes uio d explicacoes d
qualidade alguma, a nao ser que o estc terse
guindo p:r motivos polticos ;
Considerando, entretanto, que o desfalque de
232:68790.) em dinheiro, que o thesoui"iro alle-
gou ter despendido por conta de futuras porcen-
tagena (officio de 11 do Maio) se eleva *........
457:9974840, comprebeudida a quantia de......
5:2754000 de bilbetes nao vendidos, que conserva
em seu poder, 63:1584940 cujo destino se ignora,
bem como 156:57600t> em lettras, ordens e mais
valore a receber, sem declarar de quem, quando, e
menos querer taaer aos donos a devida reatituicao
(officio do Thesouro n. 600 de 4 de Maio e docu-
mentos annexos);
Considerando que som sj recolber todo este
desfalque ao Thesouro mi pode a commissio no-
meada para a liquidaco da lotera tomar a"i os
pagum' utos a que se nega o tbesoureiro, salvo se
o fizer com abatimento de quasi 50 por cento,
teudo para isso, disposico, aDenas a quantia
que um dos "genttg do th-aoureiro reeolheu ao
Banco do Brasil, isto 710:8514640 ;
Resolve, no interesse publico e dos crditos da
provincia, e anda para que na > fiquem parau-
sadas as loteras extraordinarias do que tratam
as leis us. 1832 de 28 de Junh j de 1884 e n. 1842
de 25 de Maio de 1885, nomear theaoureiro ds
mesmas loteras interinamente e durante o impe-
dimento do fuaccioQario uffectlvn, que discipliuar-
meute se prolongara at que teuha dado cantas
da raenciouada quantia de 457:9974840, o das
loteras proviuciaes, commendador Jos Candido
de Moraes, que assumir o exercicio independeute
de novo titulo ; pdenlo propor, entre oa planos
de etrcele para novas loteras, se Ihe parecer
reali.avel, um de conversao da nao extrahida em
outra, attendendo os interesses e direitos envol-
vidos n asa grande lotera diap.ndo das bases,
quauto a ella, conbecidas que sao as seguintea :
Bilbetes por vender e fraccoes de
valores, ua agencia da corte
e outra a cargo de Francisco
G racalves d Queiros, que se
ifferecea eatregal-os ao The-
souro
Dinheiro recolhido ao Binco do
lirazn, em conta corrente com
a provincia
Alcance do tbeaoureiro teneute-
ciouel Fraucisco Goncalves
Torres, suspenso do exercicio 457:9974840
Quantia esta pela qual o mesmo
sera accionado, opportuua-
mente conforme o direito----------
4.000:0004000
D-se coohecimeut i deste acto ao Tbeaouro
Proviucial para a devida exeeuco, remetteudo-se
igualmeute coma au 1 promotor publico da capi-
tal.Communicou-se ao iuspector da Taesouraria
de Fazenda, ao Dr chefe de policia e remetteu-so
copia ao iuspector do Thesouro Proviucial e a 1*
promotor pindieo da comarca di. Recife.
O presiJeute da provincia resolve, jde couf ir-
mdade com as propoetas do Dr. chefe de polica
e.n officio de 28 do corrate m.-z, sob u. 652, no-
mear Francisco Saturnino CaValcante WauJerley
para o lugar de 2. supplente do subdelegad > do
distrcto de L.ga do Carro do termo de Nazaretb
em suD3ttuicao de Jjaquim Cavalcaute Maar.cio
Vyanderlcy. que nao aceitou a nomeaoao.
O presi lente da provincia, resolte le confor-
raidade com a proposta lo Dr. chefe de polica em
oficio de 28 do correte mez, sob u 653, nomear
Manoel Caetsuo Pereira de Queiros para o lugar,
qu est vago, de 1. supplente do delegado do
trino de Nazaretb.
O presidente da provincia attendendo ao que
requereu Floriauo Baptista de Oliveira pnfessor
de eusiuo primario em Agua Braoca e teado em
vista a iaformacao n. 196 do iuspector geral da
lustrucelo publica, resolve prorogar por 60 dias
com ordenado a licenca ltimamente concedida ao
peticionario.
O presidente da provincia attendendo ao que
requereu Bernardido Nilo dos Santos Ferreira Bar-
ros professor de en.ino primario em Serra Verde e
tendo em vista a informadlo n. 195 do inspector
geral da las trueca) Publica, resolvo conceder-lhe
a contar de 20 do eorrente 2 meses de licenca com
ordenado para tratar de sua sade onde Ihe con-
vier.
O presidente da provincia attendeudo ao que
requereu Pedro Celso Ueha Cavaleaute, professor
da cadeira de lingua inglesa do Gymuasio Per
nambucano, resolve conceder-lhe 1 dua d licenca
sem vencim utos.
Officios :
- Ao inspector da Thesouraria de Faseuda.
Teado em vista a iuformacao de V. S. de 28 do
corrente, n. 488, autoriso-o a mandar supprir o
almotarifado di) presidio de Fernando de Moronha
com a quantia de 4:9444660 para occorrer as des-
pezas que tem de ser effectuadas no mesmo presi-
dio com o pessoal e material no mes de Setembro
prximo Vindoura, conforme a inclusa demenstra-
co das referidas despesas.Communicou-se ao
director do presidio.
Ao inspector do Thesouro Proviucial. >--
volvo a Vmc. o incluso officio do provedor da Santa
Casa de Misericordia d. Recife dirigido a essa ins-
pectora, para que nos termos de sua iuformacao
de 25 do oorrente, n. 749, mande entregar ao tbe
soureiro da referida Santa Casa, commenddor
Joaquim Felippe da Costa, a quantia de 3:0244,
producto das 17, 18 e 19 partes de loteras em fa-
vor do alludido estabelecimento pi.
Ao mesmo.Em vista da informaco de Vmc.
de 23 do corrente, n. 748, autoriso o pagamento
ao detente, Manoel Marques da Silva da quantia
de 764100, importancia da lavagem aa roupa da
infermaria da Casa de Detencao no semestre rindo
om Juuho ultimo, conforme a conta junta ao officio,
que Ihe dev Ivo do administrador da mesma Casa.
Ao mesmo.Mande Vmc. pagar ao adminis-
trador da Casa de Detencao a quantia de 224290
relativa a despesa com o aceio e limpeza da mesma
Casa no trimestre ultimo de Abril a Juuho, de
i-do com sua iaformacao de 26 do corrente
n. 755.
Remeti Ihe a conta dessa despez a.Coinuouni-
usa. Dr. ehef: de polica.
0.0 director geral las obras publicas.
Ap 'rovo o covo orcameuto remettiJo por Vmc
c o o officio de 25 d corrente, aob n 159, na Ma-
taca de 8,6704207, para a KconttraeoaO da
p. nM do Junqueira, sobre o rij Pirapaota de
acrerdo coro a planta ja approvada e autoriso o a
. .i i'.r chamar c acarrantes a exeeuo-ao da obra,
nos taaos ao captol.. IX do regalameato di I
i I'.ub. ultimo, coir. ad a sVspeas pir sonta d
tO do 43 do art. 2. Ja ei n 1884 DB
di.infe a que se refere o dit i cffieio, quauto p>3
iad de apr iveitar qaalqaef material da
atesOVn ponte, j usado. C un> mnicou-ae ao ms-
i c: ir do Thesouro Provincial.
Ao euinmandaute do corpo le polica. Aa
Dr. ehefe de policia, mande Vmc. aprceucnr u
d.; 1 de Agosto proxiui) vindouro, *o ineio dia,
quiltro pracas, afim de coulUireui dous eiimin
para > termo de Goyauua. Communicou-se a i
Dr ehefe de polica.
Ao juiz municipal e de n.-phos do termo da
Eacada. De posse do officio de 26 do correute,
e un o qual Vmc. eevi u urna r-dacao doi eser.-
vos libertados nesae termo^por conta da stima
quota Jo fundo de emaucipa^ao em 10 de Junlio
uitimo, declaro Ihe qu i a dita relacao leve ser or-
gauisada como nos anaos anteriores, ua forma
do art. 42 do regulamento de 13 de Novouibro de
187, do modelo do aviso do Ministerio da Agri-
cultura, C'jmmercio e Obras Publicas de 16 de De-
zembro de 1880 e decreto n. 8,020 de 26 de Feve-
reiro de 1881.
Oitrosim, sendo exagerados os precia dos es
cravo libertados, determino baje ao reapectivo
collector geral qu promova botos arbitramentos
ou accardos, se tiver havido aeuteucae uai estive
reiu udos os prasos regulares pira embargos ; -,
caso estejam, requeira o beueticio da restituidlo
in iniegrum, de que goza a feueuda, para embargar
as aeitencia, mesmo tora do prazo ; devendo,
quer embargue dentro do pruzu, quer fra d'elle,
appellar das sentencaa para Odjuizos o tribunaes
superiores.Communicou-se ao collector geral do
municipio da Escud i.
Portaras :
Oetermino Cmara Municipal de Agua
Treta, que expeca com nuuieacl) aos juizes de paz
e d as domis providencias do esiylo, afim de
que se proceda no dia 10 de setembro vindouro
el i cao de um vereador, em substituidlo de Anto
uio Joaquim de Mello, que talleceu, segundo de
clarou me a mesma Cijo ira em officio de 4 de
Jan i. fin lo, bontem rcebidi.
Quinto segunda parte do prelito officio, re-
lativa falta de comparecimeuto de vereadores
para haver sesso, taco coustar mesma (amar.
que cumpre-lhe proceder, nos termos do art 88
da lei de 1 de Outubro de 1828, art. 22 U 4 e 6.
da le u. 3,029 e aviso de 27 de Setembro de 1881,
iato multar os vereadores remiasos, e. se ainda
aasim nao compareceivn, convocar aupplentes
em numero strietameute preciso para haver mai-
ya.
Previno Cmara que omaudat) de vereador
obrigatorio ; pelo que os ci ladlos eleitos, anda
mesmo sendo suppleutes, apeaar das multas im-
postas, cuja cobranca devsr-su-hi prom iver, eoii-
tiuaarem a faltar, nlo apresentandj motivos da
legiii'ona escusa, nos termos do art. 19 da citada
le u* 182b, esto sujeitoa a p.-ocesso de responda
blliJade, como ncursos as p -na3 do art. 128 do
c'digo criminal, vista dos nvisos de 28 de Pe
v.reiro Je 1833, 23 de Jumo do 1834, 13 de Mar
(o de 1837, 29 de Outubro de 1838, 16 de Dezem
bro de 1861 e 11 de Marco de 1884, dirigido a esta
presidencia.
Respondo ao officio da Cmara Municipal
de Tnuiopho, datado de 7 do corrente, contond i
urna repreaentacao sobre os jj 10 e 15 do art. 1.a
da lai n. 1,884 de 30 de Abril ultimo, declarando
que nlo cabe a esta administradlo suspender a
cibranfa de impostos decretadoa pelo poler le-
ifislativo ; e que, alin de razio lio poderosa,
accr.-s:e que a mi :rpre'a,,a> dada pela mesma
Cmara alludida disposiclo legal, nlo tem o al
canee que se suggere naquell* repres-utacao, cou-
forme expoz o iuspector do Thesouro Provincial
no officio junto por copia, de 26 Jeste mez, u.
753.
Declaro Cmara Municipal de Triurapbo,
para seu conbecimento e devidos fins, que, no re-
curso do vereador Jeronymo fheo'.ouio da ->lv*
Loureiro, a que se refere sua iuforuoaclo do 4 de
Abril ultimo, profer hoj o seguinte despacho :
Neg provimento ao recurso iuterpiato, por
que, alem de competir s camaraa municipaea, nos
termos do art. 79 da le do 1 de Outuoro de i823,
a livre nomeacao e demissao de seus empegados,
acc eses que os cidadios, a que alludu o recor-
reote, alo idneas, couforme se verifica da iufor-
macao, prestada pela Ca oara Municipal de Triura
pho ; saodo de uotar que <> secretario n 'mealo foi
exactor la Faseoda Provincial, segn lo inf rin
o iuspj :tor do Thesouro, em outraiio i allegieao
do reeorrente.
__ 0 8'. gerente da Compauhia Pernambuct-
n d; Navegacio taja transportar para o pr si lio
le Fernand de Norouha, por suata de Jone Joa-
quim AI/es 4 C oa g "lloros constantes da reaclo
aqui junta aasigua la pelo secretario do governo
desta provincia.
EXPEDIENTE DO DIA 1 DE AGOSTO DE 1S37
Actos :
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o subdito portugus Jo3 Xatvier de
Simas, residente nesta provincia, resolve, de ac-
cordo con o disposto no decreto n. 1,950 de 12
de Julbo de 1871, e usando da autorisaclo confe-
rida pelo art. 14 da le u. 3,140 de 30 de Outu-
bro de 1882, naturalisar o referido subdito portu-
gus Jos Xavier de Simas, afim de que possa
gosar aa todos os direitos, honras e prerogativas
que pela constituiclo competem aos cidadios bra-
sileros naturalisados.
_ O presidente da provincia, attendendo ao
qua requereu Joaquira Pedro Brrelo do Mello
Reg, amanuense do 'escriptorio do almotarifado
do Arsenal de Guerra, e teudo em vista o altes-
tado medico que exhibi, resolve, de couformidade
com a informaco do director do dito Arseual de
23 de Julhe ndo e viso do Ministerio da Guer-
ra de 17 do Julho de 1879, prorogar, par tres me-
zes, com os vencimetitos a que tiver direito, -a li-
cenca que ihe f)i concedida por portaria de 20 de
Abril ultimo, para tratar de sua saude, nos trra >8
do art. 316 do regulamento de 19 de Outubro de
1872. .3
Oficios : j,
Ao inspector do Arseual de Marinha.
Transmuto a V. Exc., em resposta ao seu officio,
u. 76 de 30 de Juuho ultiu.0, o incluso orcaniento
na importancia de 2:5774500, da deapeza a faSMT
com ns reparos de que neeeasita o estaleiro de
corrida desse Arsenal
Ao iuspector da Thesouraria de Fazenda.
Em additameuio ao meu officio de 19 de Juibo fia
do, transmiti a V. Ei., para os devidos flus, a iu-
clusa copia do terina de contracto celebrado uo
Arsenal de Marraba com Santos Lopes & C. para
o fornecimento doa geueros proprioa das rueoea
durante o correute semestre, e bem aasim a aopia
do termo de declarares referentes s eorreccoes
indicadas pela contadura de Marinha. Reapou-
deu-se ao iuspector do Arsenal do Marinha.
Ao mesmo. Alm do praso de 30 das,
concedido pelo Miaiawio da Agricultura, Com
mercio o Obras Publicas, no aviso circular de 17
de Marco ultimo, para os agentes fiscaes encarre
gados da nova matr.caia faxercm os devidos lau-
camentos nos livros propiios, o qual termiaou a
3J de Abril, sao decorndos mais os mezes de Maio,
Juuho e Julho, sem que os agentes dos municipios
do Brejo, Tacarat, Floresta, Granito e Ex des-
ai ua cumpnmunto ao que Ibes determina-i o ^ 3o
. 13 do regulamento u. 9,517 de 14 de No-
v.'iii'tiu de 1885.
Da demora, que nao tem explicacl -, quer dessea
re:i, quer de outroa, que o muito tarde des
eu>peufiar..ui o sea de/er, e Jas ianOJSersa rrega-
lades encontradas na secretaria d-sta presi-
Jeii.'ia, cora relacao a quasi r, lo os inunicipi a.
rasultoa a irapossibiijiaie do eumprimeuro do 5 4
d p m '.-m i ar
Sirva-SO V. S. d* providenciar urg otem lata a >
Ora a r^messa las relacoes daqu-liee mancipoa,
:n lagando das caucas do retardameuto.
A> mesmo.Remetto a V. S. um xeinplar
impressu do aviso-circular do Ministerio da -agri-
uultur '' ou n : ci 0 i .i Pabilo de 11 de .Jn-
Iho ultimo, sob u. 3, para s:iencia dessa Tu soa-
raria e pura que se sirva de chamar a ai:.
dos CoUeCtutes das renia geraea, acerca da data
e modo de tuZer dedacc o da pire uta .:i
valores doa eseravoa matriculadas em virtude 11
le ii. 3270 de 28 de Setembro de 1885, para aa
libertacoes por conta do faudo de emancipadla e
uniros meioa.
Ao mesmo.Sirva-se V. S. de exigir docol-
lee'or geral Jo municipio de Beaerros o motivo por-
ojas aeeitoa as dedaraedes de matricula dos me-
uores Caasiauo c Sdveria, sob u. 199 e 201, auibis
com 15 aunos le idade em 18 de Outubro do pas-
aado, reuoettendo a esta presidencia us documentos
aobre que se baseou para tal acto.
A i mesmo.Sirva ae V. S. de exigir do col-
lee or geral do municipio de Bezerros o motivo
porque aceitou a Jeclaracao de matricula do u;i -
or Faustino, a ib u. 203, com 15 aunos de idade
em 2 de Novembro d i anuo passado ; remetiendo
a esta presidencia o documento sobre que se baseou
para aquell i acto.
Ai mesmo.Srvase V S. de exigir, com a
posaivel brevidade, do cilloctor geral do municipio
de Senuha--m o motivo porque nlo ressettea a re-
.acin. 197 da qual deveui e matar os escravos
all matriculados aoo n 943 e 944, sendo por essa
oinissao o total de 1059 e nlo de 1061, como consta
da nuraeraci' final das relacoes respectivas
Ao mesm .Estando esta'oelecidos pelo art.
3 do regulamento n. 9517 de 14 de Novembro de
188) ns valores mximos do. matriculan ios, srva-
se V tS. de mandar reduzir o de 6..04000 dado a
cada urna das escravas Rita e Hermina de 48 e 41
anuos de idade matriculadas uo municipio de Gra
vat sib u. 225 e 700.
Ao mesmo.Srvase V. 8. de exigir da eo!-
1-iet.ria geral do raunieipio de B-zerros o motivo
p rqii aueitou a declaracao de matricula da cu-
li ir LiK-ma sob n. 217, c im 15 auuos de i iade em
15 de Dezembr i do ann > passado, reoettendo a
esta presidencia o documeuto sobre que se baseou
para tal acto.
Ao mesmo.Verificando-se dos papis, jun-
tos por copia, que forana in'roduzi I s n presidio
de Fernaudo de Noronha, sem as formalidades le-
gaes, os artigos constantes das coutas, jautas em
original, o que em face do disposto no art. 75 Jo
Reguiameuco dj mesmo presidio constitue o crime
de --outrab-in lo, recomin-n lo a V. S que procela
nos termos da le contra quem for achado em culpa
ana pratica de semelbante delicto.
Circular:
Aos juizes de orphlaa.Chimo a attencio
de V. para o exeraplar impresa i juuto do aviso cir
cular do Ministerio da Agricultura, Co-n-n rcio e
Obras Publicas do 11 de Julho ultimo, sob. n. 3,
explicando o modo de faz-r-se a dedueyaa da por-
ceutagem nos valoree dos escravos matriculad s
em virtude da lei n. 3270 de 20 de Setembro de
1885, pira as libertacoes por couta da tundo de
einancipacao e oUtros meioa.
Circula! n. 3.Miu8!erioa- dos Negocios da
Agricultura, Commercio e Obras Publicas.Di-
rectora da agricultura2* scelo.Rio de Ja-
neiro, 11 de Julhi de 1837.Ilim. Exm. SrPelo
art. 1 4 do decreto o. 9602 de 12 de Juuhi de
1886 foi estabelecida que, emquinto se uio eucer-
rasse a nova matricu'a, eiutiuuass; em vigor o
processa de avaluclo de escravos, indicada no re-
gulamento de 13 de Novembro de 1872, para 03
diversos modos d- lib-rtael, com o limite fixadi
no art. 1* 3 e 4 da lei u. 327J de 23 de Se-
t mbro de 1885. Tendo carrid > muit ia desses pro-
cesaos durante a matricula, su-citiu se iuvida so-
bofe se, no caso em que as alf irrias fossem decr-
talas depcis da matricula encerrada, cania a de-
dcelo da porceutagem de que trat.. o art. 3o Io
da citada lx.
Outro sim, e para o mesmo effeito da dedcelo
da porceutagem, foi submettida decala do go-
verno imperial a qu -atl-a de saber desd-- quaudo
siqha de coatar a matricula a que se refere o art.
1" 3o do ieulni.eutJ do 12 de Juuho de 1886,
em relaei) quelles ejeravas que forara inscriptos
autea de 1 de Janei -o de 1887.
D-claro a V. Exc. para oa devidos efleitos :
1.* Que, determinado o art. 3o Io da lei que as
porceutagen, aejain Jeduzidas do valar primitivo
com que tai matriculado o escravo, mi s; p ile
pplicar a dedcelo a)* procos obtid.s pela pro-
cesso anterior, isto ajaste cora 0 Biabar do ea-
cravo ou rbitraineuo judicial Paito que a cias-
sificnolo e aValiaCia si cousid-rem si npleo actas
preparitorios da liberdade, SO cOucloMa quau i)
as alfornas alo decreta las em audiencia publica,
conformo teca silo de.Urada por eate ministerio.
certo qae a disposiclo legal, mandando applicar o
o autig i proeesso, em quauto se nlo eucerrasse a
nova matrcula, nlo teve por effeito interroinpel-o,
encerrada estaje, nlo o interrompendo. uio se
pode fazer ao oree o obtda por arbitramento judi-
cial o descont que a lei explcitamente mandn
applicar ao valor estipulado pelo dono do escravo
no livro da matricula, sem utervencao de nenhu -
ma autoridad-, administrativa ou judiciaria, res-
peitado o limite da tabella. Para as quotas pos-
teriores, e assim tambem para as j distribuidas e
arada nlo processadas, que comeca a observan-
cia da mencionada disposiclo;
2 Que, determinando o art. % 3o do regula-
mento de 12 de Juuho de 1836 que, para os escra
vos matriculados depais de 1 de Janeiro de 1887,
soja ente diat-rnio eerto ao calculo do valor, aba-
tidas as porcentagens. e para oa demais escravos,
que tal calculo se faca desda a, data da nova na
tricula. enteude-se que para estes a data nlo a
da abertura geral da iuscripcio, mas a da iia.-rip-
c-ao particular de cada escravo.
P ca V. Exc. sobre estes doua pontos as cera
uiuuioifoes ueeessarias Th'souraria de Fazeud.i,
juizes de orpblos e collectores das reas ge
raes.
Deus guardo a V. ExcRodrigo A. da Silva.
Sr. presidente da provincia de Peruambuco.
3- Ao inspector do Theso ro Prorincial.
Transmittindo a Vmc. copiado termo de exame la-
vrado pela commissio nomeada para examinar os
artigos de armamentos e equipameotos viudos da
corte para o corpo de polica, recommendo Ihe qae
providencie no sentido de ser opportunamcute
paga a importancia dos meamos artigos, a qual
couata do conhecim -nto da Intendencia da Gera
junto por copia.Commuuicou-se aa commandau-
t do corp de polica, e leaietteu M copia do termo
de exame ao inspector da Tesouraria de Fazenda.
Aa ongenheiro fiscal da eatraCa de. ferro do
Re-cite ao S. Fraucisco. -De conloimidale cora a
utormacao de Vmc, em 061:10 u. 51, de 26 de
Julho ultimo, autoriso provisariameute o abate Je
de 50 (0 sobre a tarifa ordinaria para todos os
transportes de calinas destinadas a erem moidas
noa cugeuhos aojos assucaies fon-m cooduzidos por
cata estrada de ferro qualquer que ataja sua q lan-
tidade, nos termos em que solicita o respectivo
superintendente em officio Uo 25, por c> anuexo
a o seu j citado.
Nesta data submotto este acto approvacao do
Exm. .Sr. ministio da agricultura, commercio e.
obras publicas.
A i juiz municipal e de orphlaa do termo de
Nasanth Em solucil > consulta constante d-
offico de 7 de Juuho ultimo, relativamente a ava-
liadores noinoaJos pelo curador geral du orpho;.
pelos herdeiros maiores, e (aseada provincial, re-
uitto-!ie '-pia do parecer do procurador tisc .
1 1 ni Pi incial datado de 6 de Julho proxim
lasaado.
Portaras :
Declaro Cmara Municipal do R. eife, p
mb in. 1' devidos fina, que, uo recurso
interpon!o por J rio de Azevedo, a qu
ae ratera .-u .s informaeoea uo. 40, 43, 60 a ''.
de 8 o 13 de Jnuui, 4 aa 6 J.. Julho ultimo, profer
boja .. deapa 1
Neg provimeut. ao pica lite recurso, p .r e
c irrecta, aind 1 que tarda, a deliberacao da laso
ra Municipal do Recife mandando por em arr
i o servico do matadoara da Cabanga, pelas
.a guiuiea rasaOBI :
1.' Falta de contracto de prorvgago
O despacho da Cmara, de iaO de Fev- reiro
1S85, autora.11 lo a n.orogacao, por maia 3 anuos
do coutracio de 2 de Dezembr 1 de 1881, mediante
0 accordo em que o recrrante devia entrar coix
urna c.mmiasio uoineada pela im-sm a Cmara ule
ch gou a proliizir resultado, nli o por nunca ter
/iau 9 de Oezembro de 1886) como porque, aiudt
quaudo elle ffectuado fosse, t existira contraer,
i de lavra e assigualo o re m \ cerme
pelas paites Contractantea, observadas aa formali-
dades legues, c .rao r.'coahece o proprio recorreute
em sua peticii Cmara, de 17 de Novcin'-ro de
1886.
2.* Cla'tsitla expresa o cnitraclj findo, da que
nao seria prorogado
E' a ovguint- :
Art. 14. 0 preaente contracto lurari pjr
teinpo du 4 aunos, a contar desta data, nao po-
der! oer prorogado sem lieitaclo publicado. .
1 .'. itra-c, d 11 de Dezembr 1 de 1881).
3.J Falta de approvacao do governo
Por por aria del de Haroo de 188, confirmada
por oucra de 5 de Abril seguinte, foi a Cira .ra
Municipal uo Recife autoiisada a contractar com
o rec-rreute o servic 1 dj maadeuro da Cab'-nga,
mas esta autor3acio, auataJa loga depoia, a 10 de
Maio, e ..lili .i aniiiilla la por noto de 12 de Outu-
bie, aempie de 1880 na 1 produzio tffcitn.
Foi preciso vir e art 89 di lei u. 1607, do 18
de Julho de 1881, para ser convertido em contra-
cto eeae servico, j entlo com iuuovacoes o que se
fez em 22 de Dezembro de I80I, sendo d.-fi ntiva-
mente approvado par acto da presidencia de 89
d Abril de 1-82. que raaudou contar oa quatre
anuos da data do contracto innovado (22 ds De-
zembro de 1881). .
Sempre ce euten leu que os arta. 14 e 78 da le;
de 1 de Outubro di 1323 obrigam a Cmara a au-
jeitar appro-ac!o do governo os seus contractos
(officio Cmara de 14 de Dezembro de 1878).
N; 1 poda darse boje lei diversa inteligen-
cia.
4.-' Improcedencia de ai ros fundamentos do recurso
Dos proprios documentos quejantou o recor-
reut -, se verifica que om nada o favorece (. opi-
niio da Asseuabla Proviucial. Esta corporacc
na 1 loa ou c inheciraeuto do assumpto. Proposta
p la commissai de orcamenti municipal urna
emenda, determinando a arreinatacao do servico
do ina'a i un, apparoceu urna sub-emenda nc
sentido' de s ter lugar aquella arrem.tac), ie-
p na de'iiudo o contracto du recorrente.
Sem discusso, deioxou de ser approvada a emen-
da por iuutd, visto ser da attribuicao e dever da
Cmara, sendo projndicada a sub-emeuda.
A posse da prorogaea 1 Jo servico, que o recur-
rente iuvoca em seu favor, tambem uio pode obs-
tar que a Cmara pouba esse s- rvico em arrema-
taclo. E' um tacto que d -nota nao ter a Cmara
sido aelicitu id d<-se gaces, di que poi-, ta vea, advir-ibe alguma res-
ponsablidade, porm que, de modo algum irap r-
la o direito uo r. correute se constituir dono c.
arrematante, par mais tres anuos, do matadouro.
A allegacio de que o caso antes de lo.-aclt
da servicos, que de coutracto, inteuainen'e des-
cabida e eoiitraaro iuceute, urna vez que o recur-
so foi interposto justamente por se sentir o recor-
rente aggravado com a deliberacao da Cmara,
que o nao recoubeceu uo direito de urna proroga-
clo de contracto.
Subsista, portaoto, a deliberucao recorrida, a
seja aborta a concurrencia publica .1 servico Oo
matadouro di Cabanga, salvos os direitos do re-
corrente, e tambem da Cmara, quanto a obras,
obrigacoea ou pagamentos, de que incidentemen-
te se. oceupam ni preseute recurso, d s quaes, por
nlo tazerem parte d'eile, deixo de tomar couh ci-
mento.
O Sr. gerente da C.uipniuia pernambucana
man transportar ao presidio de Fernaudo de No-
rj'ilia, por couta do3 uegoeiaates Res 6t Santos.
os g eros constantes di r-lacli qoi i'i-i'', aa-
siguada peo secretario du governo. Mutat i-i mu-
tandis com relacao aos tigiciante- Mauocl Joa-
quim Alvos da Costa e iuouie Goraea Seura.
xraJiEzrrB do db. becbetakio
Offiei s :
Ai Dr. j-iiz le diroito d> 1" iis.'rict urimi-
ual da comarca do Recife. De ordem de S. Exc.
o Sr. presidente da pr. vi.icia, commuuco a V. S.
que nesta da: .'tibnuttese deliberacao dos
Eiras. Sra. eonaetaeiroa ministros e secretarios de
Estado dos Negocios da Guerra e da Marinha, o
assumpto da seu olli.io de 28 de Julho, solicitando
a caoapareeimento de tres officiaes que tetm de de-
pr no prooesao instaurado coutra o commandante
do vapor Pirapama.
Ao juiz de direito dj 2 distrcto criminal,
Dr. Joaquim Corroa de Oiiveira Andrade. O
Exm. Sr. presidente da provincia manda coramu-
uicar a V. S., que exarou boje o seguinte despa-
cho em seu officio de 29 Je Julbo ultimo, n. 334,
sobre comparecimento de empregados da Thesou-
raria de Paseada, ua sala das audiencias, amaaha,
s 11 horas do dia, e com referencia ao processo
de Tito Cardoso de Oliveira : Remettido ao Sr.
inspector da Thesouraria de Fazenda para mandar
attender.
-r Ao inspector do Thesouro Provincial. O
Exra. Sr. presidente da provincia manda remetter
a V. S., 70 exemplares irapieasos do reguiameuto
bailad em 19 de Julbo ando para regular a arre
cadacio do imposto do dizimo vaceum, cavallar e
inuar, afim de serein distribuidos s collectorias e
a ess* Tli uro.
DESPACHOS DA PBKSIDEMCIA, DO DIA 17 DE
AGOSTO DE 1887
Abaixo assiguado doa proprietarios de fabricas
de chapeos uas provincias da Baha e Rio do Ja-
neiro.Iuforme o Sr. iu'pector do Tbeaouro Pro-
vincial.
Uouiiugoa Jos Beserra.Prove a existonca de
contracto legalmento autorisado.
Domingos Jos Avila Informe o Sr. inspector
da Thesouraria de Fazenda.
Coronel Ernesto Machado Freir Pereira da
Silva. oim, provisoriamente.
Frauceliuo Alvos de Soasa.Sim, em ter-
11.03.
Geouiuo Libanio de Albaquerque Mouteiro.
Informe o Sr. inspector geral da lastruc-cae pu-
blica.
Gereute do Loudou Braziiiau Bank. Limited e
Liberato Augusto d. Lima.Informe o Sr. iuspe-
ctor do Tnesouro Provincial.
Isidoro Marques da Silva.Iuforme o Dr. juiz de
direito da comarca de Palmares.
QEjfiD
1


> m*m****+m***imim****** "* '"W
-" 'i


T
' > *- >>^l itafcrsff "fc-
-r-^--
2
Diario de ernambucoScxta-fcira 19 de Agosto de 1887


Jos Francisco de Paul.Dfr-sedetodororof-
ficios relativos.
Dr Matheus Vas de Oliveira. Sim.
Pedro Ivo da Sil'a.Informe, com urgencia a
Cmara Municipal de Garanbun, declarando o
motive por que tem demorado as informacees exi-
Sidas por esta presidencia ]or d'apachos de 24
B Abril e ai de Julho ultimo.
Rsdolpho PessVInforme o Sr. director ge-
ral da instrucco publica- __-
Sophia Guiiheimina de Mello.-Sun, com orde-
nado.
Secretaria da Presidencia de Pernasabuco, IB
de Agosto de 1887.
O"porteiro,
[F. Chacn.
eluizo de II relio do dlatrloto
criminal
PBOKDlfCIA
Jaleo procedente o smsinario instaurado sobre a
denuncia de fl3 2 a 18 do 1 volme deste autos
para em vista Jas declaracoes do reo de fls. 354
a fls. 37*! do Baro do Limoeiro deis. 4f 1 a 499
depoimentoa de fla. 565 a 609, interrogatorio de
fla 611 a fla 615 e autos de perguntat a Francis-
co de Siqueirn Carne*ro da Cante I Victorino Tra-
jano da Costa Fialho a fls 632 e 633, pronunciar
o r> bacbarel Artbur de B*rr>s Falco de- La-
cerda como incursono art. 257 io cdigo crimi-
nal combinado com o 2 di art. 2* da le n .
1090 de 1 de Setembro de 1860 aujeite a pnsao i
livrauento ; porquanto, se bem que nao fosse elle
reo einpregado da Thesouraria de Fazenda desta
provincia, je nem por qualquer titulo all exer-
cesse funccdes publicas, e dest'arte nao possa in-
correr na incriminacao do art. 172 do citado cdi-
go a vista do sen texto e contexto interpreta Sos a
luz da theoria racional do peculato que nao pres-
cnide da quahdade de funccionano publico no
gente'desse delicto (Chauveau e Hellio, Tbeer
do Cod Pen, tit. 1 n. 175; Carrara nciogrtto
itUvo d>lpeculato non puo etsere che el publico
funcionario reconatsito como tale dalla publica
amminittraone ... ; Pecciona tit. 3, pag. 58,
tinha comtudo entrada franca na seceao do tne-
soureiro, seu pae, e abusivamente era senhcr das
chaves dos cofres publicas, e por este meio
tirou dos mesmos :500*0J0 em sedlas novas
emmassadas e lacradas taes quaes vem da caixa
de amprt.saclo do valor de 509 res a 5*000
que trocou com'o allodido baro em caea deste
ruada Imperatri, allegando ter deixado o
equivalente em poder do referido seo pae e
^cTots^^^^^^l^at gisirV-sVe faSa-8e o8 asaent.tnento..
mente tudo, di m-nter o ultimo cujo respeito
referi o reo as notadas circumstancias id est ter
elle emmassado e empacotado taes sedulas com
subscripto ao mesmo baro e lh'as entregado (a
elle baro) na ra do Uabug : pelo que estando
provda a tirada e nao assim a reetituico de
emelbante quantia ; repellida por inverosimel a
declaraco da previa entrega do equivalente ao
thesoureiro, atientas as circunstancias pessoae
do reo, as declaracoes daqaelles Siqueira. Fialho e
se anteriores do Bario de Limoeiro, que di ter
dado o troco en sedulas de 208*000 em sua casa
a ra da Imperatri depois do jantar e a hora era
Vuva Miranda 4 FiThos. Iadeferida a
tsU das inforiuay5aB do collector da Pal-
mares.
Joaquim Ferreira Netto. -Deferido, fi-
cando irresponeavel no exercicio da 1886 a
1887 a contribuido de decima a casa n.
39 ra dos Pocos, em Afogadoa, por
acbar se na condicBes da lei n. 1544.
Henrique Cavalcante Leal de Barro,
Maaoel de Madairos, Joaquim Antonio da
VaaooncelloB e Simplicio da Silva Coelbo.
Haia viata o Sr. Dr. procurador fiscal.
Francia* Gon^alves Torrea.Indi-feri-
do a vista das informacS -a qua se accor-
dam com o dispasto no art. 259 do ragu-
lameoto de 2 da Julho de 1879.
Ferreira Canelo A Filbaa. Iadeforida,
por nao terem recorrido no prazo regula-
m-ntar do despacho de 16 de Novembro de
1886, proferido pelo administrador do Con-
sulado.
Jlo Fernaades4Lopes.r- Deferido, sendo
substituido na collecta pela administracSo
do Banco de Crdito Real de Pernambu-
co, em vista do | 1, art. 33 dos reepecti
vos estatutos.
Simplicio Coelbo da Silva, Henrique
Cavalcante L;al de Barro*. Deferido, po
dendo licitar.
Angelo Raphael <& CVolte ao admi-
nistrador da Bcebedoria Provincial para
satisfater a requisito.
Manoel de Medeiros.A' vista das in-
formales esta o supplicaote attendido.
Pedro Jorge da Silva Ramos e Bento de
Freitas Guimeraea. -Satist'aoa a exigencia
do Dr. contador.
Manoel Mara de Arauje.Certifiqese.
Franciaoo de Mallo Cavalcante de Alba-
querqua.Informe o Sr. Dr. administra-
dor da Reoebedoria Provincial.
Margarida Marianna de ()live:ra Figuei-
redo.Informe o Sr. Dr. contador.
Josepha Godoy de Vasconcetloa. Re-
i Thesouraria eBtava fechada; verificada
posteriormente a enorme responsabildade do me
do thesoureiro por centenares de conloa desappa
reciioe dos cofres pblicos, quantia essa incom-
paravelmente superior a flanea por elle prestada ;
sendo, em ul'ima aaalyse e na situacao era que se
acham as causas, e estado realmente prejudicado,
e nem ao menos pedendo allegar o reo que o pre
juzo recahira sebre seu pae, que contra elle oo
tem accao criminl (cit. cod. art. 262) ; tera o
ummario toda a procedencia, seno pelo enme de
peculato previsto no art. 172 e anda applicavel a
runeciouario publico, como se verificadas palavras
perda de interease que devam perceber a da
aeguintes-das qnc por qualquer titulo tiverem a
seu cargo dinheiros ou eff^itos pblicos a delles se
apropriarem..-, as quae nao podem deixar de
referirse aquelles que embora nao sejam vigoro-
samente empregados pblicos t como taes nao
possam ncorrer no art. 170, exercem comtudo
funecoes em virtude das quaes ,tem a seu cargo
dinheiros ou off.itos pblicos; o que, alias nao
aconteca com o reo, que na Thesouraria era apenas
um intruso admittido por sea pae o thesoureiro e
tolerado pelo inspector com menoscabo dos arts.
24 e 27 do regulamento que baixou com o decr.
n. 870 de 22 de Novembro de 1851, ao menos pela
da art. 257 em que o pronuncio.
Pe* tudo isto, pois, lance o esenva o nome do
reo no rol dos culpados e passe contra elle manda-
do de priso, declarendo-se "'este ovalor ds flan-
ea provisoria, que flxo em 6:000*000. ( ita a
final.
Recife, 16 de Agosto de 1887. ,
Joaquim Correia de Olivara Andrtute.
RepariJco da Polica
2a seoco. N. 719. Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 18 de Agosto de 1887
Illra. e Exm. Sr. Participo a V. Exc.
2ua fjram hontm recolbidos Casa de
letencao os seguintes individuos:
A' orden do subdelegado do 1- districto datre-
guezia da Boa Vista, Antonio Jos Pereira, por
disturbios. ,
A' orden do do 1 districto da fregueaia da
Otaca, Manoel de tal, conbecido por Manoel Iu-
gle, por disturbios.
Pelo subdelegado da fregueaia de Santo Anto-
nio, foram remettidos a esta repartico, duas na
valhas, do. s compasaos, ciuco facas de ponta e
trer ferros de ponta, tomados a desordelros dcsaa
fregueiia.
Commanicou-me o tenente Miguel Nuacs de
Freitas, ter nesU data aBsumido o exercicio do
cargo de subdelegado da 1- districto da fregueia
de Afosados.
DIARIO BE PBjtngg
RECIFE, 19 DE AGOSTO DE 1887
O Sr. i ooselheiro Poo Alfredo
Quem tiveracompaobado ltimamente as apre-
ciaces, que pela imprensa desta provincia e tem
triao contra o honrado cooselheiro- Joio Alfredo
Cirreia de Oliveira, deve ter notado a insistencia
com que se procara atacar e ieptimit o honrosu
simo coaceito, de que gua este nosso insigne e
estimado compra vi ncrane, coaceito alias conquis
tado custa de muita abnegacj e ingentes esfor-
(os pelo oem publico.
E' certaounte reparavel, que seja nesta pronn-
cis, por cujo eugrande^imento e prosperidad mais
se tem esforcado o illustre conselheiro, que appa-
re^am essas manifestacoes hostis.
Qoando a crrante geral da opinio publica
aponta com seguranca e affinco o nome deste dis-
tincto pernambucano para a ardua e elevadissi-
ma missio de encaminhar e rea isar a aspiracoe
da progresso e mais ampio dusenvolvimento do
paiz, iustamaute, que mal contidas e gratuitas
desafieicoes desabafam se por meio de injustas e
nao fundadas aggressocs, que visara ferir ao mes-
oto tempo o poltico e o particular.
Por mei que pesquisemos as causa justificati-
va desse procedimento nao encontramos motivos
serios, que o autoriaem.
O exame estudo de toda vida publica e privada
do prestigioso chefe conservador nao forneeem aoa
seus adversarios arma alguma, <|ue nao posea ser
inmediatamente quebrada pelo embate da verdade
e da mais ligeira imparciadade.
Como homem particolar a sua vida mmaeu-
lada e pode-se diser um curso de moral ea aeco.
Como pelitico o illustre senador tem a rara fe-
licidade de inspirar ao seu paia aquella, onflanca
e predilecco, com que a opinio costuma deatin-
guir os bomens superiores.
Certamente nao se consegue essa estima e con-
fianca publicas soscente pela ambicio ou pela vou-
tade de inspiral as, necessario, queee possua um
certo merecimento e certos predicados para se po-
der conseguir to invejavel posico
no cooselheiro Joo Alfredo nao faltam o m-
rito e predicados, que fundameutam e recommen-
dam a legitima e valiosa influencia, que exerce e
coutinuara a exercer nes negocios pblicos do s^p
paiz.
Honesto e de mos limpas, como o que mais for
intransigente no principios da justica e do mrito
onle quer que este esteja, instruido das enndicoe
o causas que podem determinar a grandesa e pros-
Parc%u-me o subdelegado do I- districto da peridade da naco-pela experiencia e estudo dos
*-> i\' J .1 -. J -> kpnlnfn ._*_____1_1*_^._ J>i.J> J I n n *-> f not a lili (o I un t n

fregueeia oa Graca, em oficio datado de hontem,
ter naqu Ha data feito remessa ao Dr. juix de di-
reito do 4- districto criminal dos inquentos poli-
ciaes procedidos contra Francisco Jos de Sant
Aun* e Joo Baptista de Siqueira, por enme de
furto.
Communicou-me o subdeleetdo do 2- districto
do Poco da Panella, que na madrugada de boj',
os ladioes por meio de arrombimcnto penetraram
na casa de residencia do Dr. Jos Fianeisco Ges
Cavalcante, sita no lugar Parnameirim daquelle
districto, c conduziram urna salva de prata, 4
porta guardanapos de metal fino, com a respecti-
va firma, um par de casticaes de nickel, diversas
facas, urna toalha de mesa, guardanapos, pe$as de
louca e um sof de amarello.
Acuella autoridaie oinou couhecimento do fac-
to fez proceder a vistura e diligencia descobrir
o autor ou autores do roubo.
Participou-me o alteres Luiz Jos Antunes, ter
nesBa data assumido o excrcicio do cargo de sub-
delegado da freguezia de Santo Antonio.
D'!us guarde a V. Exc Ulm. e Exc.
Sr. Dr Pedro Vicente de Azevedo, omito
digno presidente da provim.-ia. O chefe
de poli;ia, Antonio Domingos Pinto.
Tbesooro Provincial
DESPACHOS DO DA 13 DB AGOSTO DE 1887
P. Bessand & C. e Santos A C. Defe-
rido, ficando irresponsaveis ob supplicantes
pel debito anterior dos estabelecimentos
n. 43 ra da Imperatriz a n. 33 ra
de Mareilio Dias, ms quaes provam nao
ter succedido.
Jos Alvea de Oliveira. Restitua se.
Contas dos vigarios Lourenco de Albu-
querque Loyol-*, Joao Ignacio d'Albuquer-
que. Approvadas.
Antonia Maria da Paz.Deterida, fi an-
do isenU da contribuiclo da dcima no
exercicio correte a casa n. 3 do seguado
becco da travessa dos Remedios, poracbar-
se as cond93es da lei n. i544, como in-
forma a Recebedoria Provincial, a qual
proceder quanto casa n. 4, que deixa
de pertencer a supplicante, sem ter sido
avf.rbada anda a reapectiva escriptqra, de
accordo cem a doutrina do 3, art. 16 do
regulamento de 28 de Maio ultimo.
Jo Pereira Bastos.Deferido nos ter-
mos da ioformxc&o, fazendo-se as devidas
potas e declaraos -a referidas no registro.
Anna Carolina de Barros Lima e Joa-
quim Antonio de Vasconcetloa. Deferido
no tesrmos das informales.
os conservei lob administraco social, para oada
, alterar, ao menos emquanto vivesse uresis so-
gra ha poueo fallecida.
< Nao b os referidos escravos coja matricula!
< em vida de seu antigo senhor, nao tiva occasio
de ver, e depois da morte deste nao a ver be i nem
renovei peasoalmente, mas tambera oatros que
hnrdei, e miis oito doados a alguur de meus
filhos, aeham-e todos livres, parte por falta de
inacripco a parte por expressa alforria. Livre1
m igualmente Uo de ficar em tempo aquelles a
que tenho direito em duas her ancas' que es to
por dividir.
O asaafim cora esta declaraco tornar pa-
tente que nao fiz libertave porque duvidasse
do ni direito em tace da lei, agora que se agita
< a queetio da flUaoo desconbecida.
Sirvam estas palavras de advertencia a certas
desafleic. s to infatigaveis, quanto mjustas,
para que nao exercam nesta particular a Ba
actividade.
A advertencia ha de aproveitsi, pas que ao
menos poreaae lado as aggreseoes nao eneoatra rao
maia pretexto para se manifestar.
nogocies pblicos, dotado de iacontestavel talento,
de patriotismo e dedicacao, que nao recua mesmo
ante o sacrificio, de urna forca de vontade e per-
sistencia, que fa o desespero dos seus adversarios"
enrgico e decidido nocommando, do ospiito pro-
gressivo e prudente, eis ahi predicados, que cons-
tituem o horneo, de Estado e ao mesmo tempo do
a quem os tem legitimo ttulos para a direc^o de
um partido ou do governo de um paiz.
O longo ministerio de 7 de Marco serve de pro-
va ao juico, que ahi tica.
As lutas e difliiuldades, que na realisaco de
seu programma encontrou esse gabinete, nunca
deixavam de ser superadas e para as sueceseivas
victorias, que alear c u, muito contributo a habi-
lidade criterio e actividade do ministro do imperio.
Repetimos, nao vemos motivo serio que justifi-
que as inerepacoea eom que se tem pretendido mo-
lestar o illustre pernambucano.
Anda ha pouco e para se taser crer que o jon-
selheiro Joao Alfredo um escravista disfarcado,
deturpou-se malvolamente a sua generosa reo-
luco de libertar o seus escravisados, insinundo-
se que essa resoluco teve por fundamento moti-
vos outros, que nao a manifestacio de elevados
sentimentos pela causada emancipaco.
Se quisessemos e podessemos responder a esta
baixa insinuaco, retaliando, era bastante appli-
cal-a a certos dolos, venerados pelos adversarios
polticos do illustre senador.
Nao queremos, nem devenios fazel o; respeititmos
devidamente o carcter e intencoes dos cavalbei-
ros a que poderiamos referir-nos para nao dejeer-
mos a attnbuir-lhes sentimentos de qne os suppo
mos incapazes, muito embora as appareacias nos
autonsasaem a afirmar o contrario.
Preferimos a limitarnos a trancrever aqu a dig
na resposta, que com sua assiguatura deu pelo
Jornal do Commercto o conselheiro Joo Alfredo.
a proposito de um lelegramraa, relativo esta aa-
sumpto, o qual foi daqui enviado e publicad) em
dous jornaes da corte :
Nunca blasonei libsralidade am favor de crp-
a modestissimos que mais quisera ficassem igne
rados.
Parece-me, porm, necessario declarar, vindo
ao encontr de malvola apreciacosa, que os
escravos a que se refere o telegramma extx dido
de Pernambuco e publicado no Pas e na Gueta
de Noticia* de boje, herdei-os de meu sogro, com
parte do engenho da aaiucar, em cuja labor aco
KLVJSTA DIARIA
Coa pan ti I tlrakaaaktlcat Kstroar ama-
nh, no theatro de iaut* Isabel, a nova a grande
companhia dramtica, cujo empresario e director
o Sr. Dr. Carumro Villela, e da qual ha das,
por informaco que nos dera pessoa de toda a con-
fianca, nos referimos em rpida noticia.
Com se vara do segante elenco da companhia,
os artistas que della taaem parte sao excedentes
estudioaos a dignos por isso do maior apreco do
publico desta capital, que a alguna ji conbece :
aoisSras. D. Rosa Maahunca, D. Gdelvira
Lima, D. Hermina Coimbra e D. Amalia Pena-
do ; e os Srs. Antonio Coimbra Juoior, Lisboa,
Augusto Peres, Lji, Manhonca, Fernando Lima,
Araujo, Vieira Villas, Afioso da Olivera, Tei-
xeira e Livramento.
O apurado guato e iouga pratica do Sr. Dr.
Carneiro sao tambem garantas suficientes para
que naja perfeita escolha de pegas a esmero em
pol-*a em sceaa.
Vamos, disemol-o convencido, ter nesta capi-
tal urna eotacao dramtica superior, e, o que raais
, ver, de preferencia, primorosas trabalhos naci
naes, alguna dos quaes, escriptos por pemambu-
canos, a que serio representados pela primeira ves.
De mistura eom lies, dar (a empreaa as melbores
pecasdo repertorio, estrangeiro, inteiramtnte novos
para aqui.
O drama aanunciado para o espectculo da
amaab o .Nihilista* do r. Dr. Carneiro Villa-
la, trabalho que ha de agradar aqui, coma agr -
dea na erte e am outros lagares em qua f ji re
preaaotado.
Pasera parte do repertorio a. raontaros seguin-
tes dramas: Tragedia em Familia, Vilortas Su-
cias, O Cals da casamento O ladi-a da casa-
ca, O eseravo, A victimas, terceiro pencado, e
oatros: e aa comedias Guarra s mulnere, A
vendedora de p-rs, Entre o jantar c o baile, A
ra da la, As ideas do burra, Macaca asul, o ou-
outraa.
Em outro lugar publicamos o programma do es-
pectculo da estra
Amor para loaC>m este titulo acaba
o Sr. P. Tertuliano S. Cerdeire, acadmico, de
publicar um trabalho a que deu o nome de come-
dia.
Agradecemos a ofterta qne nos fes.da unt exem-
plar.
Theoourarla de fazenda Na parte
offijial publicarnos em sita, integra o deipacbo de
pronuncia do juiz de direito do 2* districto crimi-
nal contra o Dr. Artbur de Barros Falcando La-
cerda.
tlnbAbolIrlunlala O 4m* Nodo-
mingo, 21 da correnta realis* este Club a sua ins-
tallav'a por meio aa urna sesso as 6 horas da tar-
de no theatro Melpomane da cidade de Olinda.
Agradecemos directora do I lub o convite que
nos dirigi para a referida sesso.
O club da pataEsta aociedsde, cuja ex
tinefo recommendamos aos poderes competentes,
dea hontem de madrugada um aasalto na casa
sita ao Parnameirim, e onde reside o Sr. Dr. Jos
Francisco de Ges Cavaleant.
Arrjinbando, poc meio sempre da pa, uma.por-
ta e abnudo-a depois que na- casa penetraram,
arrscadaraa. vontade e puaecam em lugar se-
guro, diverso objectos da prata a de metal, louca,
toalha, etc.
Para aa ver como andam assanhadoa, basta di-
zer que at um suf eonduxirarn !
Pedam nos par lembrar a necessidade de ser
augmentado o destacamento dalU, aliegaudo-ss
que de ou doze pracas nao podem absolutamente
policial- os tres districtos da fregueaia do Poco da
Paaella.
O subdelegado do 2 districto logo que teve oo-
nhecimenta do occorrido fes a competente vistoria
e prosegue nos demais termos da lei.
Vapor do norteIiontem i tarde chegou
de N- w-York e escala o paquete norte america-
no Advance.
Trouxe no folhas do Pari aleaaoanda at 12
do correute, mas nada referem de importante.
Aaaoclacao doa Funccionano* Pro-
wln,ctaea de Pernambuco. No dia 16 do
corrent>- funcciouju essa attsociaco em assembla
u-eral sob a presidencia do Sr. Dr. Witruvio Pinto
Baudeira.
Aberta, a sesso, fui lida e approvada a acta da
anterior.
O Sr. presidente fasendoa relatorio dos trnbalhos
do conselho deliberativo, decUrou que durante o
mes tiuha o mesmo conseibo funecionado em sesBd-
es econmicas nos dias 21 e 28 de Julho fiada e 4
e 11 de Agosto andante.
Na primeira remetceu-se commisso de syodi-
cadeia urna proposta do Sr. Brando Cavalcante,
indicando para socios o Srs. Dr. Pedro Celso tJchoa
Cavalcante e Joo Antonio Monteiro, afim de iu-
terpor parecer, sjndo approvados dous pareceres
da inesma commisso relativos, um ao balancete
da reeita e despeza do Thesouro nos meses de Ja-
neiro a Abril para ser presente deliberaco de-
finitiva desra assembla, e outro admisso J-:
Exma. Sra. D. Thereza Alexandrina de Barros
Vello, que em resultado da votaco, foi declarada
socia. Em seguida sendo noticiado o fallecimento
da consocia Exma. Sra. D. Josepha Augusta da
Costa Fonseca, foi levantada a sesso em manifes-
tacio de pesar.
Na segunda foram presentes os pareceres da
commisso de syadicaucia, opinando sobre a ad-
misso dos Srs. Joo Antonio Monteiroe Dr. Pedro
ielso Uchoa Cavalcante, e exigindo declaracoes
dos consocios Srs. Pedro Jorge da Sliva Ramos e
Vicente Ferreira da Costa Miranda para firmar-so
a procedencia do pedido do auxilio social. Em re-
sultado da discusso e consequente votac'u, foi
decidido que fossem presentes assembla gera*
esees pareceres por ultimo mencionados para ser
resolv io o incidente p >r nao acbar-se previsto
nos estatutos, sendo votado e declarado soco o Sr.
Dr. r'edro C"-lso Uchoa Cavalcante, e voltando a
commisso o parecer relativo ao Sr Joo Antonio
Mouteiro, afim de esclarecer-se precisamente no
conselho sobre asna quahdade deempregado mu-
nicipal.
Na terceira foi presente e remettida a commis-
so de syndicaocia urna petico da Exma. Sra.
D. Diva de Castro requerendo a con -esso do au
xilio s cial, na qualidade de instituida no dneito
da finada consocia D. Josepha Augusta de Castro
Fonseca, sendo approvado en seguida o parecer
da mencionada commisso relativo admisso do
Sr. Joo Antonio Monteiro, que fot declarado socio
em resultado da votaco. Recebeu se com agrado
e manaou se para a bibliotbbca urna broebura 0-
tertada pelo Sr. Francisco Machada Das.
Na quarta vindo mesa, mandou-ae a commis-
so de syndicancia urna petico do consocio Mano-
el Ferreira da Costa pedindo o auxilio social por
ter sido exonerado sem causa, e urna proposta do
consocio Francisco Antonio Brando Cavalcante
indicando para socios os Srs. empregados munici-
paes Francisco Jos dos Santos Honorato, Jenuino
Jos da Kosa, Joaquim Mileto Maris, Augusto
Franco do Reg e Mtnoel Joaquim de Sousa Vie-
gas.
As alumnas do corso normal da Socieaade Pro-
pagadora tendo convidado a esta associaco para
assistir a solamnidade da entrega do seus diplo-
mas no da 11 do correte, toi providenciado no
sentido de ser a associaco representada n'aquell
testa, correspondendo assim a graciosidade do
convite.
Terminada esta expoaico, procede-se a leitura
do expediente, do qual constou a offerta de urna
broebura da Selecta dos quatro autores pelo St.
Francisco de Paula Lins.Recebida com agrado,
foi destinada a bibliotheca.
Pasaando-se a orden dos trabalhos, foi lido e
approvado o parecer da commisso de syndican-
cia sobre o balancete da receita e despezad) The-
souro no periodo de Janeiro a Abril prximo pas
sado, fechado com o saldo qm passou como re-
ceita para o mez seguinteda quantia de 1:816*090,
por ter sid a receita inclusive o saldo anterior
de 2:632*290 e a despeza de 816*200.
Foram em seguida lidos os pareceres da mesma
como-iinio sobre o pedido do auxilio social pelos
consocios Pedro Jorge da Silva Ramos e Vicente
Ferreira da Costa Miranda, e sendo requerido pe-
lo Sr. Brando Cavalcante adiamanto, foi appro-
vado o seo requeriinento, sendo igualmente ap
provado idntico requenmento do mesm senh >r
com referencia a duas propostas do Sr. Felipoe.
Meu na, visto nao estar este presente, relativas
urna aoaeiliacao das disposia-f dos arto. 71 e
87 doeestatutos, de modo a firmar quando o sa-
cio que deixa de requerel-o, pussa de eff'Ctivo a
correspondente ; e outrs soluco da duvida se o
socio privado dos vencimentos, que ten'a terap i
e por isso direito a aposentacio, pode antes de
sur-lhe denegada a mesma gozar do auxilio social.
E nao hnvendo nada mais a tratai-se, o Sr.
presiden levanta a sesso.
Beunldes loelae* -lia hoje ss segua-
te :
Dos accionistas da Corapanhia do Boberibe, em
assembla geral extraordinaria, ao meio dia, no
1* andar do predio n. 71, ru* do Imperador,
para proceder-se clei^o da directoria pra o
novo biennio social na focapa dos estatutos.
Do Club 0 immercial EBterpe, em sesso de as-
sembla geral, s 7 horas ia niite, na sede social,
para leitura de relatorio e .leicio de novos func-
cionarios.
Domingo :
Do Instituto Litterario Olindense, 11 horas
da manb, em sesso de assembla geral, para
prestaco de contas.
Da Sociedade Recreativa Juventud, em assem-
bla geral ordinaria, para leitara do relatorio e
eleic" da nova presidencia.
Club Oramstieo FamiliarIutormam-
nos que toi trautendo para o dia 23 do crrente
o espectculo em beneficio deste elub e qua estava
anmmciado nara baje.
OHuque de KdlmburioUrna ds uo-
vidades mais fresquiuhas foi a che^ada a Madrid
do Duque de Edimburgo, comm>udante da eaqua-
dra iugieza qu-j tundeou em Barcellona, e que toi
hospedar-se n leaaco do seu paiz. Em seguida
visitou a rainha D. Coristiaa- e a infanta D. Isa-
bel. No dia taguinta es'sve na exposicin Puilip-
[iiiia, na Armenia Real e no Muieu Nacin .1. A
noite aasistio aa banquete que Ibe foi ofivreeido
por Suh Magestade a rainha.
No domingo bouve recepeo- na embaixada in-
gleza que esteva maito concorrida, assistiodo to-
do ocarpo diplomtico, inclusive o nuncio de Sua
Sautiiads. O duque parti par* Valeuca, embar-
cando all para Malta, onde o est esperando a es-
quadra do seu commaado. Su* Ma>;eaCade a
rainha agr iciou-o coa a gr-eruz de Carlos III.
U duque, qua um verdade.ro marinheiro,
igualmente um msico notavel e tanto que j urna
ves tocou em publico aoa Albert-Hall, de Londres,
em um espectculo de baaefieancia peraata sete
ou oito mil pesaoas. Pasa, por a vrenla e eie
urna auedota do Conde Vaaili: Em oerta oeca-
sio, a imperatriz da Ruasia-aoosapaahada por
grande quaatidade de servicuas, fui visita* ua
ti i ha casada, cosa o Duque de Edimburgo. O lu
que, assuatado pela despea, que naturalmente ba-
via de taser, fes sentir lasa ao. mordomo-mr de
sua sogra. O resultado foi que ebegadoo momen-
to de partir,.a imperatri Batistas toda a despeza.
Porm,.coala o Conde Vaaili: aervio-se um lunch
ultima hora, o ao subir a imperatriz para a sua
carruagem.. o duque tira um papel da algibeira e
entreaa lh'o. Era a cunta do liuich-l
Crlae do aucar-Do honrado Sr. Dr-
Milet recebemo* a seguiote carta:
Sociedade Auxiliadora da A^ricoltara de Per-
nambuco, em 15 de Agosto de 1887.
Sr. redactores.Tendo o Jornal da Com
murcio da corte, em artigo que toi transcripto
as columua do Jornal do R-uiie, > alludido, ao
tratar da eme.da indastria aasucareira, a um ofi-
cio que esta ociada e dirigi, em Juaho do cor
reate anna, ao Centro da Indastria a Commercio de
Assucar ltimamente oreado na capital do imperio,
eoogratulaodo.se com os Exma. merabros da dire-
ctoria do mesmo centro por to coaspiciosa crea-
cao, rogo-lhes o especial obsequio de abrir eopaeo
naRevita> de aua bem coactutuada folba, para
o aoim citado otfiaia e pasa a resposta que ha
pouoos da recebemos.
Ser mais um obsequio qua ostt saciedada de-
ver a digna redaeco do Diario.
Soa cora, estima e consideraco etc.Henrique
Augssto Milet, seoretarto geral.
Saeiedade Auxiliadara da Agricultura de Per-
nambuco, em 13 de Juoha de 18b7.
Secco de superintendencia.
Illms. e Exms. Sr. Recebemos o ofilno que
Vs. Excs. fsram servidos dirigir-no, em data de
8 do mez de Marco prximo pawado, ao reraetter-
uos a circular contoado o programma approvado
em-18 de Fevereiro pela assemblt geral do fun-
dadores do Centro de Industria a Commeroio d:
Assucar, que hoje funeciona na orte do imperio e
do qual sao Vs. Excs. dignos representautes.
Eisa communicaclo Dchu-no de alegra.
Inatituidada em Desamoro de 1872, com o fim
de congregar os esforecs individuaos, em vista de
auxiliar por todas os meio. inclusive o de empres-
timos de capital, a agricultura da provincia, e
eea- espeeialidade a da cauna le assucar, verda-
deiro alieerca dos rendimsntoa pblicos e particu-
lares nesta parte do imperio, eata sociedade est
tnnccionando d sde o anuo de 1875, com estatutos
approvados pelo decreto den. 5518 de 31 de D--
zembro dsfl873.
Obrigada pelas clausulas da autorisicao cons-
tante do mesmo decreto, a abrir mD. bem a sau
pesar, da parte de seu programma qne abrangia o
crdito agrcola, nunca deixou, durante os 12 an
nos de existencia que hoje eonta, de promover, na
tredida das luzes e forcaa de seus directores e dos
oscassos recursos provenientes das meusalidadea
de seus socios, o estudo de todas as questoes qu
directa ou indirectamente intereasam a lavoura da
caima, quer ao ponto de vista dos melho-amentos
culturaes e do fabrico, de que carece aquella in-
dustria, quer uo da remoco dos bices de toda a
ordeno, que oppoam-se ao seu deaenvoivimunto e
hoj ameacam a com morte violenta.
No mesmo intuito, reaaoa elia os doua con-
gressos agri.olas de 1878 e de 1884; e tea diri
gido aos poderes pblicos, legislativo e executivo,
sem numero de pedidos e repreeentaces, cuja mor
parte nao derara resultado, pr >vavelmente por b
che^ar na corte echo mu enflaquecido dos nosaos
reclamos e as queixas das provincias louginquas,
como a noasa, encontrarem pouca-aceitaco oas
secretarias onde lutam as prelencods de todas as
panes do imperio.
Por isso, nutrindo de ha muito a conviccli,
hoje psrtiihada pelo Centro da Industria e Com-
merciD de Assucar, dn que. no estado anormal em
qm se acba collocada no muado iuteiro a indus-
tria aasucareira, em consecuencia dos premios
concedidos pelas pnneipaes nates da Europa aos
asueares de prolucuo Jos respectivos territorios,
lavoura da caona, nesta provincia a na que
avisinham n'a, s pode espjrar salvaco de prora
pta e enrgica protecco dos poderes pblicos,
achavaot nos at hontem entregues ao maior des-
animo ; boje, porm, com a fundocii na corte do
Centro da Lavoura e Commurcio de Assucar, por
cavalheiros de tanto prestigio e influencia como
sa os signatarios da circular, creamos novo ani-
mo contando que, amparadas por semelhante pres-
tigio, as supp icas da lavoura da cauna cmsegui-
rj obter dos poderes competentes a attenco que
merece to importante ramo de industria nacio-
nal ;' os seus p iddos sero atteodidos e ella poder
encarar com menos terror o futuro que aguarla-a.
O programma desta sociedade para salvaco da
industria aasucareira, di qual esta provincia o
verdadeiro centro (pois toca-llie metade ou mais
alguna causa da produeco total do imperio,)
ejsenc'almente ideutico ao da sociedade de que sao
Va Excs. dignos directores, e cujos pontos capi-
taes sao : a suppresso dos direitos de exportaco,
s redueco dos fretes as vias frreas e tratados
de commercio que, assegurando aos nossosjassuca-
res (mediante concessoes equiuulentes) nos pases
consumidores de assncares estrargeiros, tratamen-
to privilegiado, compensaos a inferioridade da con-
dico em que se acham hoje colloeados em concur-
rencia com os assucares premiados das principaes
nacces do Velbo Mundo.
Accrescentar-lha-hemos apenitsdous tpico, que
reputamos de inexcedivel importancia: l*o trau-
queameato aoa nossos agricultores dos recursos do
crdito, indispensaveis para que se possa realisar
aqui a subatituicao integral, hoje qaasi que com-
pleta oas colonias inglesas e especialmente em De-
merara, do velho aystema de cjsimento a logo n
pelo do coaimento no vacuo, e tambem para facili
lar a do trabalho eseravo pelo trabalho livre ; 2
abstenco absoluta, por parte do governo imperial,
de qualquer intervenco no mercad i do cambio,
que directa ou iadi-ecta m >var ou mauter urna taxa superior a que resulta
naturalmente do estado d> nossa conta do tranaac-
co.-a internacionaes.
Para aquilatar a importancia dest'ultimo ponto,
acerca Jo qual tomos dirigido a S. M. o Impe
rador, em 16 de Dezembro pjiximo pasaado, urna
petie), cuja copia acompaoha o presente oflLio,
baata considerar que, de 25 anuos para c, os pre-
coz do assucar ussmeraados ruguladores da Europa
e Estados-Unidos da America do N irte, apreciados
na nos?a m teda ao cambio de 27, t n deixado de
ser remuneradores n ba a permanencia, a bem di-
z-'r coustaut do cambio de dita moeda muiti
abaixo do par, que couatituindo para os nossos
agricultores, um premio quasi'sempre supori >r a
20 l permittia-lha continuar a produzr com
maior ou menor lucro, a despeito da inferioridade
de sua utencilageu, at qie os premi >a europeos
occasionassem a aurprodueco e consequente bai-
xa dos precos que hoje turnam insuficientes a pro
teecao devida ao estado do cambio e mantem a
crise com que lata a noasa moribunda lavoura e
que qualquer suoi la do mjamo cambio torna mais
tremenda.
Com este pequeo accrescimo, estamos inteira-
mente de accordo com o Centro da Industria e
(yimm-reio de Aisusar, e dispoatos a eo* ijuvar, na
medida de uoaaas forc-is os tentameus 'lo Vs. Ex ss
contamos, que d>apeusaro o mais benigno aculhi-
menti s reclamaco^s que a lavoura de Pernam-
buco Ibes dirigir pelo nosso intermedio e dignar-
a hl de cuneeler o san prestigioso patrocinio s
que houvenaos de dirigir aos Poderes Publicas.
Nesta grata esperauca, cougratul amos-nos com
Vs. Excs. pela fundaco na Corte do Centro da Iu-
duatria e Commercio de Assucar.
Deua guarde a Vs. Excs.lllms e Exms. Sr.
Directores do Centro da Industria e Commercio de
Arsacar.
Os raembros da superintendencia
Ignacio de Barros Barreto.
Gerente
Henrique Augusto Mlet.
Secretario geral
Antonio Pereira Simoe.
Thesoureiro
Centro da Industria e Commercio de Assucar,
Rio de Janeiro 29 dd Julho de 1887.
Illms. e Exms. Srs. Temos a bonra de aecusar
o oficio dessa digna Directora, datado de 13 de
Junho prximo pissado, em que, depois de tracar
o histrico da fundaco da Sociedade Auxiliadora
da Agricultura de P -ruatnbu.-o e dos incansaveis
esforcos que, tem impregtdo no seu proposito, de-
clara que os fina da Associaco sao ideticos acs
nosaos, accre¢aadj o franqueamento aos agri-
cultores dos recurso do eredi:o e a absleucu por
parte do governo d quiliuei- io;erveue,o no mer-
cado do cambio. Ao mesmo tempo, a ilustre Direc-
tora pedc-uis o uoso concurso na caupanhien
cetada e e digna offerecer a sua coadjuvaco.
Agradocendo tantas pro vas de sympaihia e har-
mona ue ideas, o Cintro contratla aa pelo ac-
cordo de vistas dessa illustre Associaco, pois nos
pontos em que as uoaaas bases nao sao expressas,
o Memorial que presentamos ao C irp > L -gislatvo,
addicionou cous iurayoes que eato perfeitameate
de harmouia co u o dztideraluin de uusaos illuatrea
coofrades.
Nsta data enviamos a Vs Excs. 20 exemplares
de noaso Memorial, afim de ae di^narem distribuil
oa da melhor irma para a nossa propaganda.
Como cases esforcosj tem msreci-lo o aoplauo
geral da impreosa e a attenco do C tiva, esperamos que eata illustre Associaco conti-
nuar aprestar-nos o seu valioso apoio e sabios
eaciaxecimentos, afim de que o xito seja com-
pleto.
Deu guarde a Vs. Excs.Illa, e Exms. Srs.
presideate e membros da directora da Associaco
Auxiliadora da Agricultura de Pernambuco.
A. Eloy da Cmara, presidente.
Hermano Joppert, vice-presidente.
Mal vino da Silva Res, 1- secretario.
Antonio Ferreira da Silva, 2' secretario.
Bernardo Belisario Soares de Sousa.
Terrea que delta fumara Eacre-
veram a 25 do pasaado da cidade de Liberaba:
A Gazeta de Uberaba de 16 deste, sob a
epigraphe Fogo subterrneo diaae que no dia
13 do correte diversas peasoas foram explorar um
terreno, distante desta cidada meia legua, na ch-
cara boje pertencaate ao Sr. Joo. Teodoro de
Oliveira, oude se disia que a trra arda de certo
tempo a esta parte, deitaodo fumaca e exhalando
forte cheiro de enxofre.
Esta noticia, como foi dada, raostra ter pro-
viudo de quem tem pouco coohecimento da natu-
reza do terrenos e por isto faz con que tenha
coneorr.do ao lugar grande numero de pessoas,
algumas das qoaes empregaram trabalhtdores dia-
riamente em busca das phantasiadas aguas ther-
inaea. quic de mineraes preciosos.
Eu, que desde muitos annos sabia que tal phe-
nomeno era a consequeacia do aquecimento do s-
lo por urna cbamma qualquer qua sa lbe bouveaae
communicado, all fui tambam, para malh>r certi-
fiuar-me.
i E' um terreno turfoso, produsiudo hamua pe-
la deoomp-.sicao de plantas debaixu d'agua e cu-
beras pelas trras arenosas superiores ; mais ou
menos escuro, conteni pedasos de vegetaes sec-
eos nao decompostos completamente, queimando
tacilmeute sem cbamma, mas denuaciaado-se par
urna ou outra columna de vapores aquosos, dei-
xando em residuo trra poeirenta, ou torroes tria-
veis, porosos e trageis ; esaes vapores, desde al-
guma distancia se reconhecem por sua semelhan-
9* com os do acido ulmico.
O terreno adjacente elstico e esponjoso ;
tende a combusto que all se conserva ha mais de
39 anuos, mu lenta mas constante.
Na profundidade de mais de dous metros, o
sub-solo hmido, fri e charcos).
As duas amostras qua colhi classificim incon-
testavelmente a aaturezi deste terreno, de um
hectometro quadrado
aasa^alnatoNo Jornal do Commercio *
da corte, de 5 do corrate, lemos o seguate :
Francisco Cervolloue S. Maria e Catharina
Constentina, italianos, casados, achavam se nesta
corle vindos de S. Paulo ha dous meses e resi-
diam na praca da Acclamaco n. 83.
Hontem, cerca do meio-dia, dirigiam-se ambos
para Cascadura afim de se empregarem em urna
tasen-la, quaudo ao chegarem ra de S. Fraa-
cisco Xavier tiveram urna altere -icio. Francisco
Cervollone puxou urna taca e cravou-a as costas
da ana mulber, cahiudo esta de biucos e fallecen
do instantneamente.
Depois de tal procedimoato procurou Cervollone
evadir-Be ; foi, porm, perseguido pelos ci ldaos
Leonardo Jos Leite e Joo Augusto Coelho, que
o prender am no capinsal perto do Derby-Club.
Cooduzido a preaenca do commen dador Cuaba,
subdelegado do 1 districto do Eugenbo-Velh), fez
as seguintes declaracas :
Veio de S. Paulo ha dous mesas e IQSJrtia na
praca da Acclamaco, em companhia de sua mu-
Iher Catharina Coaatanlina ; ia hontem para Cas-
eadura com esta, afim de se empregarem em urna
faaenda, quando, em ciminho, na ra do Conde-
d'Eu comprou urna faca.
Djsdc que sahio de casa sua mulher foi sem-
pre altercando com ella e reousava-se a acompa-
uhal-o para tara. S -gurou a enea > por um braco
e pjrguotou-lne qual o motivo por que nao quera
acompanhal-o, pois que nada lbe faltara.
Recusando ella responder-lne, connuava a pu-
xal-a pelo braco, quando, ao chegar ra de S.
Francisco Xavier, vendo em um bond um sargen-
to de polica, gritou para que a acudase, pois que
elle quera watal-a.
N-ssa occasio, perdendo a rszo, lancou mo
da faca que trazia comaigo e cravuu-a duas vezes
as costas de sua mulher, que cahio morta.
Procurou, depois do crime, evadir-se ; mas,
sendo perseguid*, foi presa .
Comparecern! no lugar do delicto o commenda-
dor Cunha, subdelegado do 1 districto do Euge-
nho-Velho, acompannado do escrivo Peona e
mais tarde o Dr. ti-uimo, 3' delegado de polica,
acompanhado do Dr. Thonas Coelbo e do eserivo
Pinella.
Cervellone tem 42 annos deidade; foi recolhido
casa de detouco. Cathanna tinha 46 anuos de
idade ; o sea cadver toi removido para o oecro-
terio, afim de ser autoosiado .
Kola* falaasj0 Sr. Senra, subdelegado
do 1* districto do Sacramento, da Corte, terminou
tu sua importantes diligeneias, sobre a deseo-
berta -dos introductores de notas falsas de 10*,
que ltimamente ten apparecido na circuladlo.
A autondade policial, coadjavada pelo escrivo
Carvalbo, chegou a bom resultado a apreaentou o
seguate relatorio sobre o seu inquerito :
Pelas 9 horas da noite de 1 do correnta (Ja~
Ibo), apreaentou-se no bilheteiro do Imperial
Theatro de 8 Pedro de Alcntara o acensado
Jos dos Santos Gandra e pudindo urna entrada
para o espectculo, que tiuha lugar nesaa noite,
deu para pagamento urna cdula de 10*. O bi-
lheteiro. que estava de preveneo, norque j na
vespera bavia vendido duas eutradas a um indi-
viduo, qua as comprou urna de cada vez, dando
em pagamento cdulas de 10* e recebendo o tro-
co, ao apresentar Ihe terceira ct-dula gritou que
pegassem o individuo, qae era paos-dor de notas
falsas, p-'lo que fo (xandra preso em flagrante de-
licto. Gandra cenfessa em suas declaracoes
ter comprado as referidas entradas, dando era
pagamento as tres cdulas de 10* que "foram
apprebeedidas e se acham nesta aublelegacia,
a ii i j duas no dia 30 Je Junho fiado e a outra
quando foi preso accrescentanto que comprou com
as m-smas caulas um > entrada nu theatro Lu-
cinda na noite, de 30 de Junho e outra no thea-
tro Recreio Dramtico na noite de 1 do corren-
te, quando foi preso, recebendo de cada urna o
troco de 9*000.
Apreseuta.ias as cdulas a Gandra elle as re-
coabeceu declaran io tur recebidu essas cinco no-
tas de Jos Fernaudes Conde de Albuera, que as
deu para passar, prometiendo que o lucro seria
repartido entro amb -s. Felo exame que as refe-
ridas notas foi teito p>r peritos, empregados da
eaixa da amortizarlo, requisitados para esse fim,
e que consta fl., sa venf:a serem talsas essas
notas. *
Proseguindi no nqneriti foram ouvidaa aa
testecnunhas >iu fl a fl que sao accrdas em de-
clarar que Jos Fernn les Cunde de Albuera,
iodo ao hotel da roa da Uruguayana u. 9, ahi pe-
dir para qne Ihe contassem um m>aso de notas
de 10* ; e senln ellas cootadas verificaran ter
101 n utas de 104 no valor de 1:010*000
A principio declxrou Albuera ter gacho esse
diubeiro na lotera e corridas ; mais tarde, po-
rm, o particularmente, revelon as testemunhas
que ellas eram falsas e que as baria encontrada
em urnas pedras da praia de Santa Luzia. Gan-
dra, interrogad i de novo, aocrescenta fl que no
da 27 ou 28 de Junho fiado, encontrando-se com
Albuera, toram jantar no hotel da ra do Regen-
te, em frente ra Luiz de Camoes e que ahi Al-
buera dera para pagamento urna das referidas na-
tas, e nao tendo o caixeiro da casa o respectivo
troco sabio para trocal-a. Desconfiando Albuera
eonvidou Gaudra para retirarem-ae, quando vol-
tou o caixeiro trazeado o troco, pelo que foram
anda loja de calcado da ra da Coastitaico
ii. 6, onde Albuera comprou um par de botinas
por 8*, dando em pagamento una das referidas
notas, recebendo e troco Je 2*000.
Pelo caixeiro dessa casa foram recenhecidos
nao s Albuera, como as botinas que trazia cal-
cadas e que foram por elle vendidas, sendo tam-
oem reconhecido pelo caixeiro do hotel da ra do
Regente, onde juntara com Gandra, e onde apre-
aentou a cdula da 10*, que foi trocada lora, por
nao haver troco em casa.
Interrogado Albuera fl., nega ter dado notas
a Gandra e ter tido em seu peder cdulas falsas,
confessamlo, porm, tur do com Gandra no hotel
da ra da Uruguayana n. 9 eah ter pedido a
Avelno para contar o maco de notas, verificndo-
se c nter 1:010*000, iguoraudo porm se ellas
eram falsas ou verdadeiras, po3 perteaciam a
Gandra.
A' vista da expnito e que consta do inquerito,
verifica-ae quj Jos Fernaudes Cuuie de Albuera
introductor de uotas falsas e como tal acha-se
iaeurso no art. 175 do cdigo criminal, e como pos-
sa elle evadir-se, pira furtar-ae a acoio da justi-
ca, requisito do Erra. Sr. Dr. juiz di direito do 7
districto criminal a prisio preventiva de Albuera,
se assim o enteader, viata das provaa dos autos,
e qae sejam oa mssmia devalvidoa a esta subdele-
gacia, para se completar o inquerito, viato tra-
tar-Be de facto grave, para cuja descoberta esta
subdelegada empregar todos 03 muios e diligen-
cias ao sju alcance. O escrivo remetta os autos
ao meretissimo Dr. juiz de direito do 7 districto
criminal. Rio, 8 de Julho dd 1837. Antoni
Senra.
Os autos baiuram io juiz mssma subdelega-
da afim de serem fcitas novas dligeniae, cujo
resultad 1 foi junto ao inquerito, acompanhido des-
te. relatorio :
Interrogado de novo Jos Fernn des Conde
de Albuera, declara que na casa onde resida o
co-ro neste inquerito Jos dos Santos Gandra se
ach iva enterrada jauto latriua urna lata com
notas falsas.
< Immediatamenta requshei do sabJeegado do
2' districto do Sacramento a neceas ira basa,
visto ser all a residencia de Gaudra, e feita esta
diligencia em minba presenta foi encontrada, em
um buraco feito na parede, junto latiina da ca-
sa ond: morara Gandra, urna lata conteni no-
venta e quatro cdulas de dez mil ris, que foram
apprebeulidas, como consta do respectivo auto a
a.24.
a Em cuTnprimento ao despacho do meretissimo
Dr. juiz de direito do 7<> districto criminal, fl. 18,
foram essas notas remsttidas ao inspector ia ca-
xa da amortizarlo para se proceder ao neceastri
exame, que foi feito, sendo devolvidas a esta sub-
delagacia, b.'ao como o exame que as declara fal-
sas, pelo que as rubriquei, como consta de fl. a fl.
O reo Jos Feruandes Conde da Albuera foi
preso e recolhido casa le detencio em virtude
de mandado expedido pelo meretissimo Dr. juiz
do 7" districto criminal.
Interrogados de novo Gandra u Albuera, fla.
e fls., diz aquelle que afirma' nao ter sido elle
quem oceultau as notas apprehendidas, suppoe que
lora Albuera ; este, negando o facto, confirma,
entretanto, ter jantado com Gandra no hotel da
ra do Regente n. 15, e ido ao da ra da Uru-
guayana, onde foram contadas as notas.
* Do exposto acha-se plenamente provado que
Jos do3 Santos Gair e Jos Feruandes Conde
de Albuera sao introductores de notas falsas e pa-
rece que devem ser processados como ocursos no
art. 175 do cdigo criminal.
Tendo est* subdelegada empregado todas as
diligencias para descoorir os falsificadores e mais
introductores daa referidas notas, nada mais pode
obter alm do que consta do presente inquerito,
qie est terminado, send> a demora devida s di-
ligencias que foi necessario fazer-aj.
O escrivo remetes estes autos ao meritissi-
mo Dr. juiz de direito do 7 districto criminal.
O Sr. Senra enviou em 28 do passado urna co-
pia do relatorio ao Sr. desembargador ebefe de
polica, e remett u oa autoa de inquerito ao eseri-
vo di jury, com vista ao promotor publico, pra
dar a competente denuncia contra oa reos.
As notas examnalas na caixa da amortizaco
e comparadas com aa verdadeiras do mesmo va-
lor e estampa, apresentau as seguintes differen-
cas : sao mais curtas e estreitaa, impressa3 em pa-
pel de algodo, aenlo imperfeitos os desenhos da
efigie de S. M. o Imperador c das vinhetas dos
angul. s superiores ; notando -sa maia que as notas
de ambae as senes tem a mesma uumeraco e es-
ta representando apenas doua milheiroa diiTeren-
tes, excepeo de duas notas, e que sao asaigna-
das todas lytugraphicamente com o nome de J.
S. da Rocha, devendo as da serie 10' estar assig-
n 1 las por Domingos Couto, C. Neves e Alfredo
Francisco de Araujo e as da serie 16* por Jos
Aff inso de Lima Ferreira e Henrique Pereira da
Azevedo.
O exame foi feito polos Srs. Jos de Calasans
Rodrigues de Andrade e Antonio Ferreira da
Silva.
Casa de DeteocoMovimento dos pre-
sos da Casa de Deteueo do Recife no dia 17 de
Agosto de 1887 :
Exialiam 362 ; entraram 3 ; sahiram 3 ; exis-
ten 362.
A saber :
Nacionaes 332 ; mulheres 12 ; estrangeiros 12 ',
escravos sentenciados 4 ; dem procesaado 1 ;
dem de correcc > 1Total 362.
Arrabiados 339, sendo :
Bons 310 ; doentes 29.Total 339.
Movimento da enfermara :
Teve baixa:
Antonio Alexandre Alves de Sousa.
Tiveram aita :
Gustavo Adolpbo Carioso Pinto.
Mtnoel Jos do Nasciment.
Manoel Gregorio do Naacimentc.
i.eilaentteciuar-se-no:
Huje :
Pelo agente Piuto, s 11 horas, na Passagera
da Magdalena, de bone e excellentes movis.
Pelo agente Brito, s 11 1/2 horas, no caes Viata
e Dous de Novembro, de arniaco e utencilios de
taverna.
Pelo agenta Burlamaqui, as 11 horas, ma
do VI arquea de Olinda n. 39. de 2 cavalloa a 2
carrosas.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do Mar-
gues de Olinda n. 19, de predios.
Auanh :
Pelo agente Modesto Baptista, a 11 hora,
i ra Nova o. 24, de 2 pianos e movis diversos.
*

\
V






\
\
1




Diari de Pernambuco-Sexta-Mra 19 de Agosto de i8N7
3



/
Pelo agente Brito, a 10 1/2 torna, no pateo
do Terco n. 20, de armaco e mais perteoces do
bote) abi tito.
Pelo agento Pinto, as 11 borai, i na do Mar*
qaez de Oiiud i n 52, de imudezas avariadas e
manteiga em latan.
Mftaaa* rancursa S^rao celebradas:
Amanh:
A's 8 toras, na igreja d > Carmo, pela alma de
Walfrido da Silveira Taroe* ; s 7 horas, na
igreja d? Tereo, pela alm* de I). Aleandriaa da
Silva Pinto.
Directora dan obra* tte eoaserta-
So don porto*Boletim motaorologioo do
ia 17 de Agesto de 1887 :
Maris, Pernambuco, 17 mezes, S. Jet ; utre-
psia.
Adelaide, Pernambaco, G meses, S. Jos; con-
vulsos*.
Vcencia Mara da Coneeico, I ernambncu, 78
annos, viuva, S. Jos ; leso cardiaca.
Julia, Pernambuco 2 meaes. S. Jos ; coi vul-
soes.
INDICARES OTIS
Hora* - i 11-5 So Barmetro a 0 Teaso do vapor 1
6 m. 21o-7 761 ">79 17,17 89
9 763*02 18,61 89
12 i3"i 76a 18,74 87
3 t. 230 761*51 18,61 89
( SSr>6 762*27 18,31 89
Temperatura mxima24*,50.
Dita minimn"21.:
Evaporacao em 2i hores ao sol : lm,5 ; asom-
bra: 1,0
Chava6,1. *
Direcco ac'vento : 8 de meianoitrat 45 minu-
tos da manba ; h\V at 9 horas e 33 minutos ; 9
at 11 horas e o9 minutos ; SE e SSE alternados
at 2 hores e 59 minutos da tarde ; SSE at 5
toras e 31 minutos ; S al 6 boras e 52 minutos ;
SSW at 9 horas e 39 minutos ; SW.at 10 horas
36 minutes ; SW at roeia noife.
Velo jidaaa adia do venro : 1">>,55 por aegund
Ni'buioeidade media: 0,98.
Boletim do porto
Medico*
Dr. Barros Sobrinho d consultas da
meio da 1 1/2 na ra do Barao da Vie-
toria n. 25 por cima da Pbarmo.cia F an-
ceza, e das 2 s 4 na ra do Vigario n. 4,
1. andar-
O Dr. I*obo Hoscoso, de volta de sua
viagem ao Rio de Janeiro, conntia no
oxercicio de sua pronsso. Consltuas das
10 s 12 horas da inanha. Especiald-.dos
eperagoes, parto e molestias de s-aboras e
meninos. Ra da Gloria n. 39.
Dr Barreto Sampaio >l consultas de
rneio-dia s 3 horas no 1." andar da casa
la Barao da Victoria, n. 51. Rosi
um medicamento prohibido a inuitos doentes, cujo
estomago nao pode mais supportsr as substancias
grazas. Era portuuto noeesssrio procurar um meio
de mudar radicalmente a sua fraa conservando
todos os seus principios activos to preciosos: este
resultado foi obtido pela composico do vlsibo
de extracto de Osado de baraiuao.
de Cheerler, preparado segando ama formula
approvada pela Academia de Medicina.
Rfcommendamos aos nossos leitores este excel-
lente producto que contm a vez todos os elemen-
tos do oleo de figado de ba;albo e posrae as pro-
piedades therapeuticas dos preparados aleoo-
licos. I
a ioatilisada da seguinte mane ira: Reeebedoria
de Pernambuco, 9 de Janeiro de 1883. Fortunato
de Andrade.
(Eslava reconhecida a firma)
i ra
*3 Dio. Horas Altura
B. M. P. M. B. P. M. 17 de Agosto m a 18 de Agosto 915 da man ha 333 da tard? 946 351 da man ha 0,47 0,=50 2, "'53
Lotera* dl*er*a*A Casa Feliz, de A.
A. dos Santos Porto, na praca da Independencia
ns. 37 e 3J, tero a venda os bilhetes das seguintes
* loteras :
Espirita-Santo : premio grande 50:000*000
se extrahir boje 19 do corrente imprctenvel-
mente.
Santa-Catharina: A 1' parte da 2 lotera,
enjo premio grande de 50:000 ser extribida
brevemente.
Parahyb: premio grande 20:0004003 se
eitrahir ainanh 20 do corrate, s 3 horas da
tarde.
Oar : premio grande 250:000*000 se ex-
trahir se^un.ia-fira, 22 d corrente, impreteri-
velmente.
Alagis: A 3. part da 19. lotera, pelo
nsvo plano, cujo premio grande de 49:000*000,
ser e:t:raoid* no da 25 do eorrente, ao meio
dia. impreterivelmente.
Provincia : A 9 loteri, pelo aovo plano,
cujo premio grande 12:0004OJ0, se extrahir
impretrivelmente no dia 24 do corrente, s 2
horas da tarde em beneficio da Santa Casa de
Misericordia do Recife.
Biltiett* de lotera*Em mo do agen-
te Brnarlino Lopes Alheiro acbam-se a venda o
bilhv* das seguintes loteras :
l< Espirito-Santo : A 4* parte da 3' lote-
ra, cojo premio grande de 50:000*, pelo novo
plano, ser ext. ihida h js, 19 do corrate, im-
preteriv.''mjnte.
De tama Camarina : A 1' parte da 2>
lotera om um iuipirtanti: plauo, cujo premio
grande de 50:030*000, ser extrahida quando
for annunciada.
Da Parata y la : sendo o premio grande de
20:000*000: ser extrah la amanh 20 de Agosto
(sabbado), s 3 horas da tarde, impreterivel-
mente.
Do Cear : com nm importante plano, cojo
premio grande de 250:000*000, eer ex/rbida
sefuiida-feira, 22 do corrente, impreterivelmeuto.
Do ro-Hara : A 5' parte da 10 lotera,
pelo nowo plano, cujo premio grande de 120:000
ser extrahida amanh 20 do corrente, impreteri-
velmente.
dencia ra Sete de Setembre n. 34, jo-
trada pela ra da Saudate n. 25.
O Dr. Castro Jess tero o aeu consul-
torio medico, ra do Bom-Jesus n. 3,
sobrado.
Dr. Oama Lobo medico operador e par-
teiro, residencia ma do B. de S. Borjs n. 26.
Consultorio: ra Larga do Rosario n. 24 A.
Consultas das 11 boras da manh& s 2 da
tarde, raspee alidada : molestias e pera-
cSes dos orgos genito-urinarios do homom
e da mulher.
Dr. Joaquim Loureiro medie* e parteiro
Consultorio na ra do Cabug n. 14, Io
andar, de 12 s 2 da tarde residencia no
Monteiro"
O Dr. Barro* 4uln*are*
Pode ser procurado no escriptorio des te
Diario das 11 horas da manlia s 5 da
tarde, todos os dias.
O Dr. Mi'et mudou seu escriptorio de
advocacia para a ra do Duque de Casias
n. 50, 1 andar.
Bachard Antonio Annes Jacome Pires'
praca de Pedro II n. 6.
Collesrlo Spencer
Estabeleuimedto de eduCacSo primaria e
secuudaria em Jaboato, sob a direcyo do
Jos de Oliveira Cavalcante.
lirogaria
Francisco Monoel da Silva & C, depaai
tarios de todas M especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos cb mi-
cos e medi.-amentos homeopticos, ra do
Mrquez do Olinda n. 23.
D rosarla
Faria Sobrinho & C, droguista por
atacado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e ofjicinas de carapina
de Francisco doa Santos Macedo, caes do
Capibferibd n. 23. Ncste grande e'stabele-
cimento. o primetro da provincia neste ge-
nero, comprase e vende-se madeiras
de todas as qualidades, serra-se madeiras
de conta alheia, asbim como se preparaca-
obras de carapina por machinas e por pre-
go sem competencia Pernambuco.
Cana de Moda* de J. Ba*to* A C
A ra do Cabug n. 2 B, estabeleci
mnto de modas, encontrarlo so freguezes
grande e variado sortmento de fazendss
de seda, i e algodSo, o que de melhor se
botem nos cercados de Pars e Ljon.
Festa de Nossa Senhora da Penha
A festa da Inclyta Virgem da Penha, que se
costnma celebrar no magestoio templo da mesma
Excelsa Senhora nesta cidade, ter logar este
anno na primeira domioga do prximo \indouro
mez de Setembro, a qual cahe a 4 do mesmo.
Os religiosos capui.'huiho* estao j activAmente
cuidando nos meios d" realisar a sua tradicional
solemnidade. a qual ser celebrada este anno, como
tem sido sempre, com aquella costumada pompa e
magnificencia. Elles nao desconhecem as actuaes
precarias circunstancias da goneralidade da po
i.ulaco desta provincia, em vista da persistencia
da crise que opprime com intensidade todas as
classes ; porm como o obulo da caridade o nico
patrimonio de que podera soccorrer-se estes reli
giosos mendicantes, confiados no fervor religioso
desta povo e na sua afiectiva devofo Santissi-
ma Virgem, se dispoem a apresentar-se uestes dias,
porta dos fiis para implorar Ihes urna esmola
compativel com as pussea de cada um, para levarem
a eSeito a festividade.
A piedade pernambucana, que nao desamparan
os religiosos capuchiohos na gigantesca tarda que
elles emprehendecam para a edificaco do mages-
toso templo de qfle est dotada esta bella capital,
a persrveranca com que este catholico povo tem
sempre concorrido com g<'nerosidade para o esplen-
dor das solemnidades do mesmo templo, nao dei-
xam duvida que se maniiestaro anda desta
vez.
E a Virgem Senhora da Penha recompensar
com juros o aff.-eto dos bons coracoes e o sacrificio
que cada qual fizer para glorifcala na trra.
Previnam-se entretanto os fiis de que os reli-
giosos capuchinhos nao csstumam encarregar a
outrom o cuidado de agenciar os donativos para
as suas festividades.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico ocu-
lista, ex-ebefe de clinica do Dr. de
Wecker, d consultas de meio dia s
3 horas da tarde, no l. andar da casa
n. 51 ra do Baro da Victoria, ex-
cepto nos domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setembro n.
34. Entrada pela roa da Saudade n. 26.
I
H
PL8L1C4C0ES A PEDIDO
V queui toca
Quem tiver lido o artigo que sob esta epigrapbe
Da provincia.: A 9' lotena,.pelo novo pa- ^ w|cado n0 Diari^d^ hontcm l7, ass.gnado
F K. Borges, para logo v pela sea conudo,
qae nao elle de miaba lavra.
Aos que me nao conhecem declaroque de tal
artigo s tice conhecimento ao anoitecer do mesmo
no cejo Dremio gran...
ficio da SaotaCasa de Misericordia, ser extrahida
impreterivelmente no dia 24 de corrente, s 2
boras da tarde.
De llasoa*: A 3.'parte da 19. lotera,
pelo novo plano, cojo premio grande de........
40:000*000, ser extrahida no dia 25 do corr-n
te, (quinta-feira), s 12 horas da manh, impre-
terivelmente.
Lotera da provinciaA 9* lotera pelo
novo plano, cujo premio grande de 12:000*000,
em beneficio da Santa de Misericordia do Recife,
se extrahir impreterivelmente no dia 24} do
eorrente, s 2 horas da tarde, nj consistorio dn
igreja de Nossa Senhora da Conccicao dos Milita-
ra.
No mesmo consisrorio estarlo espoatas as ur-
nae as espheraa a apreciaco do publico.
Os biihet-s garantidos acbam-se renda na
Casa Felii na prea da Independencia ns. 37
a 39.
Tambem acham-se venda na Casa da Fortu-
na ra Primciro de Maryo n. 23 de Marti F.n-
za&C.
Assim como na Casa d i Oar" na a df Bario
da Victoria n. 40 de Joao Joaqaim aa Costa
Leite e na Roda da Fortuno, na ra Larga do Ro-
sario n. 36.
Lotera do Ewplrlto-SantoA 4" par-
te da 3 lotera desta provincia cajo premio gran-
de 50:000*000, ser extrahida hoje 19 de
Agosto.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna a ra Primeiro de Marco n. 23 Martin Fin-
ia & C.
Lotera de tanta-Camarina Esta
lote'ia, com um importante plano, cujo premio
grande de 50:000*000, ser extrahida quando
for annunciada.
Os bilhetesacham-se venda na Casa da Porta
na ra Primeiro de Man;o n 23, Martins
Fiuza 4 C.
Lotera da provincia de Paran
A 24 lotera desta provincia,pelo novo plano, cu-
jo premio grande de 12:000*000, se extrahir
no dia 23 de Aguato.
BUhtes a veuda na Casa da Fortuna, & roa
Primeiro de Marco numero 23, de Martins Piu-
sa & C.
Lotera do CearaEsta acreditada lote
ra eujo premio maior de 250:000*000 ser ex-
trahida impreterivelmente no dia '22 do corrente
(segunda feira).
Os bilhetes acham-se a venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23 de Martins
Fiuza & C.
Lotera do Grao-Par* A 5 parte da
10 lotera desta provincia, pelo novo plano, cujo
premio grande 120:000*000, ser extrahida
amanu 20 do corrente (aabbado) impreterivel-
mente. .o
Os bilhetes achum-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23, de Martins
Fiuza & C.
Lolerla de 4I(toa*A 3. parte da 19
lotera, pelo novo plaao, cujo preme grande de
50:000*'KK) ser extrahida no da 25 do corrente
(quinta-feira) s 12 horas da manha, impieterivel-
xoente.
Os bilheto acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Prim-uro de Marco n. 23, de Martius
Fiusa & C.
Lslena da Parniyha esta lo^ri* cajo
pr mi grande de 20:600*000 ser extrahida
amania 20 de.Agosto (sabbado) fl 3 toras da
tarde-
Os bilhetes acham-se i veada. Cas* da For-
tuna a ra Prim-iro de Marco n. 2, de Martins
Fiuza t C- ..,,-,-
CtJBiierio Paalico.-Obitouio do da 17
de Agosto:
Victoria, Parahyba, 18 anaos, solteira, Boa-Vis-
ta ; kno Cardiaca.
Matniu Alves de Aguiar, Pernambaco, 29 an-
nos, viuvo, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Joa-Fieaaioo de Barros, Pernambaco, 28 annos,
casa**, Ba-Viata ; anaxarca.
rsula Maria das Virgens Los, Pernambaco,
75 annos, casada, S. Jos ; hemcrrhagia cerebral.
dia 17, quando um amigo chamau para tile a mi-
*ka attengao.
Divirta-se o espirituoso, quem quer que em
falsificar d'ess'arte firmas, de preferencia a fa-
sel o em documentos de valia, porque Ihe pode re-
sultar d'ahi ir tomar ares em Fernando.
Agosto181887.
F. f- Borges.
Tentativa de assassinato
Tendo sido pub'ieado ne jornal de hontem, 18,
um communicado com o titulo cima, respondo pe-
lo modo seguinte :
Conic-ee o facto como elle e nao se altere.
Informado que havia barulto no mea estabele-
eimento, para l me dirig, encontrei um turbulen-
to (ex-prac,a do exercito) que armado tentava as-
sassinar um dos meus caixeirot, em vista do qae,
pedi-lbe por boas maneiras que se retiraste, ao
que nio attendeu, voltando se contra mim, a ponto
de querer ferir-me.
r"or causa da interveneao dos meus amigos o tal
turbulento nao c nseguio realisar o seu intento
criminoso, e loueo de raiva corren gritando :
a qaerem me matar.
Nao saCisfeito, volta de novo, laucando pedras
dentro do estabelecimento na occasiSo em que ene-
gava o subdelegado e ofticial da guarda cvica,
que sabendo do occorrido o prenden em flagrante
delicio.
O informante disse que nao a primeira ves
qae se d facto desta ordem commigo, e como esta
linguag^m oSende a mnba conducto exijo que me
aponte algaem que j tentei espancar, e finalmen-
te quero que me prove exuberantemente se o cita-
do turbulento entruu na casa n. 117 para se refu-
giar.
' muto desca-amento.......
Recife, 18 de Agosto de 1887.
Francitoo F. A. Cruz.
5. anno da Academia
Tendo por turca de muita chava deixado de
comparecer om grande numero de quinto annistas
reuniio convocada para se tratar da escolha da
photographia que se deve incumbir do quad/o, e
nao podendo o anno conformar-se com a minina
de 23 estudmtts que decidi do negocio, protesta
e convoca nova reuma > para sabbado prximo das
11 horas ao meio dia na sala ende funccoiia o
mesmo anno.
Um grande numero de quinto annistai.
asir, porm pederoao
as
A pesar do vigor e promptido com que* silsa-
parnlba de Bristol, lata contra as molestias as
mais peconhentas. Comtudo a sua aeco suave e
seas vemp mentes vegetaes eminentemente curati-
vos e fortificantes, nao se achain des virtual isados
por nenhuma substancia mineral. Pde-se admi-
nistrar com toaa a segorauca s criancas e as e-
iiboras delicadas, que padecem as molestias e des
ordens phvsicas inherentes ao sen sexo, e acharo
que o anico remedio para seas padecimentos e
i.-bilidade.
Todas suas tendencias sao salutferas. Abre o
appetile, fortifica o estomago, regula o figadi e o
ventre, cobre o corpo magr* e extenuado com car-
nes novas e firmes, d tom aos ervos, refresca os
msculos, d elasticidade ao corpo e suavsc o es-
pirito. Basta dizer-se que dentro do espac > 1 35
annos, nunca constou que ralhaase urna so vi* no
curativo das enfermidades ulcerosas e eraptr/eis.
Enc.ntra se venda em todas as pharmacias e
drogaras.
Agentes em Pernambuco, flenry Forster os C.
ra ao ommercio n. 8.
L-se na Iribune Medicle :
Apecar dos procesaos de purificacio mais
aperfeicoadoi, o oleo de figado de bacalho ficou
Elixir depurativo vegetal
Formula de
Angelino Jos dos Santos Andrude
Approvado pela inspectora geral do hy-
giene puolica do Rio de Janeiro, em 20 de
Julbo do corrente anno (1887).
Este depurativo de grande eficacia as
molestias sypbiliticas e mparesa do sangae e
rneootrado a venda, por ora, na ma do Baro da
Victoria n. 37 e ra estreita do Rosario n. 11
Para provar a grande efficaeiaou quasi prodigios,
do preparado do Sr. Andrade basta presentar o
cn-scido numero de attestados expontaneamente
prestados por mottos cavalheiros qae tem feito
aso delle dos quaes publicamos alguna de pessoas
conhecidas e residentes nesta cidada.
Thomsi Antonio EMpinea. elrnrlao
dentlata pela Faealdade de Medi-
cina da Babia.
Atiesto em favor da verdade qae sendo accom-
mettido em Agosto de 1884 de urna violenta febre
diagnosticada febre syphilitiea to> Ua ao fim de
4 dias debellada pelos esforcos continuos do seu
Ilustrado medico assistente. Quando porm jul-
gado livre comecava a convalecer foi novamenta
assal tado mas agora por uns tumores ou gommas
brancas que tm numero superior a ciacoenta es-
palhavam-se-lbes por todo o corpo. _
Os esforcos empregados pelo sea intelligente e
Ilustrado clnico foram infructferos. 0 mal zoin-
bando dos grandes recursos da sciencia e realisoa-
se fatalmente a suppuracao.
O seu estado era desesperado. Lutou um anno
anda fazendo oso de iodureto de potassa como
nico lenitivo as deres ma que reconhecia impo-
tente para vencer a origem do mal.
Foi, pois, nestah.rrvel situacao entre a descren-
ga de melhoras e os soSrimentos continu s que
instancias do seu amigo o Sr. Jos Maria da Silva
Fernandes recorren um preparado do Sr. Ange-
lino Jos dos Santos Andrade. E' preciso declarar
que nesga occasio existiam 18 gommas em abun-
dante sopporaco e mata trinta e tantas prestes a
suppurar.
O effeito benfico da primeira garrafa nao me-
receu especial mencio, mas desde a terceira dse
da segunda garrafa comecou a minifestar-se nao
um bom resultado, maasimum verdadeiro milagre.
As gommas que estavam prestes a suppurar en-
traran) desapparecer da mesma forma qae as
outras diminaiam a suppuracao.
No fim da quarta garrafa o puz qae anda sabia
das ultimas gommas era de ama cor verde bem dis-
tincta, phenomeno este que nao soube como expli-
car. Quando completen a sexta garrafa restavain-
Ih apenas as cicatrises de to iocommodativa e
perigosa molestia. E por ser verdade o que cima
atiesta assigoo-me e pode fazer o uso qne Ihe con-
vier.
Recife, 27 de Janeiro de 1887.Ttomaz Anto-
nio Espiuca, cirurgio dentista.
Eslava sellado com duas estampilhas no f alor
de 400 ris e devidameole innutilisadas.
R-conheco a firma supra.Recife 9 de Agosto
de 1887.
(Estava reconhecida a firma).
------2------
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Recife, 12 de Marco de 1883.
Em abono da verdade e camprindo am dever
de gratido venho dar-lhe os meas sinceros para-
bens pelo seuElixir depurativo e restaurador do
sangue, verdadeira maravilha para eoffrimentos
de origem syphilitica. Dj emprego do sen effica.
cisBimo Elixir em casos de erupcao de pello e
rbeumatismo syphihtico obtve tao promptose pro-
veitosos resultados em poaco tempo ecm poseas
garrafas, que foi para uoim verdadeiro assombro.
Assim, pois, aceite os meas maic sin< eros embo-
ras pelo sen feliz invento e faca do mea testema-
nho o uso que Ihe convier.
Aproveito oensejo para su bsc re ver-me, eom at-
tencao de V. S. venerador e criado, obrigado.Af-
fonao Olindense Ribeiro de Soasa.
Estava sellado com ama estampilha de 200 ris
e inatilisads da maneira seguinte:
Reeebedoria de Pernambuco, 1 de Maio de 1883,
Silva Carvalho
(Estava reconhecida a firma).
Pernambuco, 5 de Janeiro de 1883.Illm. Sr.
Augelino Jos dos Santos Andrade,Tendo sof-
frido e por muito tempo de rbeumatismo syphiliti
co dores nos rins, catarrho na bexiga e muita de-
bilidade no estomago, sem nenhnm appetrte para
qualidade alguma de alimentafao a ponto de ficar
quasi sem aeco no movimento do eorpo, foi aeon-
selhado por nm amigo a usar do Elixir por V. 9.
preparado, o que de prompto principiei a usar da
primeira garrafa, conforme aa prescripcoes que a
acumpanham, dando em resaltado no fim us 12
dias e j na segunda garrafa, apparecer-me orna
bemorragbia de sangue impuro pela uretbra, e
preto como tinta de escrever, qae corren em gran-
de quantidade desde s 5 horas da tarde de sab
bado ats 11 horas da nanh de terca-ferra, aca-
bando por aahir sangue interramente limpo e
puro.
Aqaelle sangue assim impuro extrah do por for-
ca de sea Elixir, quando em poshas se parta nao
era mais nem menos do qae puz (materia) e conti-
nuando a usar deste precioso Elixir fiquei com-
pletamente restabelecido com quatro garrafas, o
que afirmo e jaro se necessano tr.
Pode V. S. fazer o uso que Ihe approirver desta
minha carta, que t tem por fim provar quanto
prodigioso o sea Elixir para os-softnmentos que
levo mencionados.
Son, com sabida estima e consideracio, de V. S.
criado e obrigadissimo, JoSo Fernandes Baptista.
Estava sellado com urna estampilha de 200 rs.
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andjade.
Tendo eu soflrido por dous ou tres meses da urna
ferida ulcerosa dentro do narii;, usando eu diver-
sos aaedicaicpiitos sem resaltado algum. Lancei
mo do sea Elixir purificador do sangue. GUran-
to-lhe sob minha palavra que ama garrafa semen-
t foi suficiente para me restabelecer de to gran-
de soSrimento, a conseibo ao Sr. Angelino que
faca yolgarisar este to prodigioso remedio,que
to a til deve ser homanidade.
Poder fazer o uso qae quizer destas poucaa li-
nhas que s contem a para verdade.
Recife, 5 de Marco de 1882.De Vmc. criado e
obrigado, Miguel Xavier de Sou&i Fonstea.
Estava sellado ctm urna estampilha de 20') ris
e inut-ilisada da maneira seguirte : Reeebedoria
de Pernambuco, 4 de Dezembro de 1882.Fort-
nalo de Andrade.
(Estava reconhecida a firma)
Sr. Angelino dos Santos Andrade.Scffrendo
ha longos annos de dores nos oiividos que me im-
possibilitavam de trabalhar durante alguna dias,
fui ha 10 mi zea accommettido seriamente deste
mal, pois alm de nuda ouvir, trouxe urna cflam-
maco enorme, que me escaldava os ouvidos e que
pelo uto cheiro, se nao podis suportar. Alguns
jiedicos disseram me ser um grande abeesso Ou-
tros, porm, me aeonselhavam qne me tractasse se-
riamente, pois era urna molestia de plle de appa-
rencia darthrosa e de mo carcter.
Usei ento do licor de Oonavau, compoato de
iodo, arsnico e mercurio, tomei Cajuruboa e mui-
tos outros depurativos, e nao tinha mais esperan-
cas de melhorar, pois a minha orelha esqaerda
principalmente era urna chaga e engroaiou borri-
velmente, como succede aos morpheticos.
Um amigo, em boa hora, me acooselhou o sea
Elixir; n eu, qae j tomei a quinta garrafa do seu
preparado, acho-me completamente restabelecido,
e u orelba, que eu julgava podre, est huje mus
s do que nunca pensei.
A bem da humamdade fac a presente declara-
cao j autoriso-o a fazer della o aso qae Ihe con-
vier.
Recile, 30 de Abril de 1886.Eduardo Floro
de Paiva.
Estava sellado com urna estampilha de 200 ris,
devidamente inutilisuda.
(Estava reconhecida a firma).
(Continua)
Lanman & kemp
Previuem o p'iblico que ezistem nesta pr*ca
imttacies fraudulentas do seu-otao pubo de vi-
bdo de HiCALuiocontra aa quaes se devem
acautelar os consumidores, por isso qae o uso
d'esses leos falsos ser em prejuiso dos
doentea.
Entre essas talaificacoes ha un a quealm da
differenca us puresa do liquido que s pode apre-
ciarse comparando o oleo verdadeiro com o falso,
engaa fcilmente os incautos, e por isso apresen
tamos as difFcreucss que existem sos fraseos e in-
volucros :
ser assignada porLanmu Kemp^**o ni^i
Lenman & Kempcomo na falsificaco.
a Os nossos frascosnss tres lados descobertos
trazem em relevo no rr.esuio vidro as secoiotes
palavras : Cod liver oil Lanman & Kemp
perial S cidade dos Artistas Mchameos Libe
raes para desaprepriar o terreno com sb peque
as casas, existentes ao lado do sul do edificio do
Lyceo de Artes e Oficios, para o estabelecimento
de officioas e aulas praticas annexas ao mesmo
Lyceo, sao pelo presente chamados os senhores
ateressados, para no prazo de dous mezas virem
examinar a planta respectiva que foi approvada
pela Cmara Municipal do Recife e acha;se nesta
secretaria, e apreseutarem as reclama^oos que
tiverem, sob peoa de proceder-se a arbitramento
para tnde-omsaco, na forma da le n. 129 de 2 de
Maio de 1884.
Secretaria da reparticao das Obras Publicas de
Pernambuco, 23 de Julho de 1887.
O engenheiro secretario,
Joaquim Gomes de Olivei a e Silva.
0 administrador da Reeebedoria Provincial
dando enmprimento a Portara n. 1017 expedida
pelo Illm. Sr. Dr inspector do Tbesouro em 28dn
pector do Tbesouro em 26 do
corrente, faz publico a quem ioteressar possa. que,
Aeio-York, em quanto que os falsos vidros tem : nj prazo de30di>is uteis contados do 1' de Agosto
Uefined Cod Liver Oil=New-York
as noasas capsulas metallcas l-se :Lan-
man & Kemp, Droguistas, Nueva York, em quanto
as falsas se ;Cod Liver OU=*Refined=Nue-
va York.
Reeommendamos, pois, aos doentes que quize-
rem usar do nosso oleo, e retirar os resultados
marawihosos pelos quaes se tem acreditado em
todo o mundo, tenham todo o cuidado em exami-
nar os frascos que comprarem, para nao aerem
engaados por infames falsificaces.
Tambem ha muitas falsidcacoes da nossa agua
FLORIDA DE MOI1KAV & LANMAN, E TNICO ORIENTAL
de kemp, falsiteayoes essa preparadas geralmen-
te com substancias prejudiciaes pelie e ao ca-
bello ; exijam, pas, os consumidores os verda-
deiroa e nao recebam outroa.
HAVENDO BBaiSTKADO NESTE IMPERIO TODAS AS
N0SSAS MARCAS INOUSTBIAES E BOTCLOS, PBBVENIMO
C8 IMITADORES E FALSIFICADORES, QUE l'R .'CEDEREMOS
COSTRA ELLES NOS TRIBCXAES, BM PROTECco DE
MOSSOS DIREITOS.
Pernambuco, 28 Junho 1887.
Lanman A Kemp.
Lyceu de Artes e
Officios
A Imperial Socedade dos Artistas Mchameos
e Liberaes de Pernambuco, que tem a sea cargo
o Lyceu de Artes e Officios, no intuito de Ilustrar
as classes artsticas e manufacto.reiras, mantm
como j bem conbecdo em sen palacete, no
Campo das Princesa:*, aulas de d versas linguaa e
scieucias, as quaes funecionam om todos os dias
atis, das 6 as 9 horas da noite.
Com o mesmo iutuite mantm ella ama pequea
e modesta bibliotheo, que com patriticos dona-
tivos, angmenta-ss de dia para dia, e franquea-
da ao publico em geral diariamente, s m anas
boras aeima, e assim como um pequeo museu
artstico.
Assim. pois, com o mu applaudido intento de
tornar bem conhecido o progreiso das artes e
officios entre nos, a perfeico e utilidade de seas
productos, fazer conhecido seui autores, bem
como os lugares deseus estabelecimento?, afim de
facilitar a sabida e o consumo delles, promove
todos os annos, para o dia de seu aoniversario,
segundo dispoe o 6o do art. 2o Jos seus estatu-
tos, urna exp 'sicao dos trabalbos d'artes e officios
e manufacturas.
E' para a consecuco de to aperfecoado quiu
vantajoso fim, que a directora da Sociedade vem
pelo presente solicitar de todas aquellas pessoas
que p08suem por pergaminho o tiabalno, sua efi-
caz concurrencia exposco qu: em Novembro
deste anno se efectuar em sua sede, Lyceu de
Artes e Officios.
Cumpre tambem a ella fazer conhecedores os
Ilustres senhores e senhoras que o quizerem hon
rar com seus productos, os seus direitos e
Ueveres
1. Devero at 15 do dito mez enviarem as
amostras de seus ven Javeis prodictos para o dito
Lyceu.
2." Em todos os objectos devero acompanhar
o nome lo autor, ou proprietario dos mesmos.
3.o Ser imprescindivel em todo e qualquer
objecto a ieclaracao do preco e lugar de sua fa-
brica ou deposito.
4.' Que os objeetss para a exposico devem sei
tal qual os costuma fazer e vencer.
tlrello
Art. 8o do regulameato da Exposico Artsticos
Industrial I
Smente aos expositores permittido abrir as
vitrinas para mostrarem aos visitantes os seus
productos.
A directora, co-isca de qae nuito se esforca-
ro para o faustoso resultado deste certamen to
proveitoso e lisoogeiro a todas as classes indas-
triaes, antecipa seas devidos agradecimientos.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechanicos e Liben.es de Pernainbueo, em 30 de
Junho de 1887.
O Io secretario,
Patenino Barroso.
Commlssio Redemptora
De conformidade cooo o art. 8 do Reg.
de 12 da Janeiro de 1885 convido as pes-
soas que quizerem libertar escravisados
por conta do fundo da emancipado pro-
vincial, apreeentarem as propostoa, duran-
te 15 dias, a contar de hoje, de vendo de-
clarar o pre^o e juntar a matricula ou
certidao autbentica.
A commisso lembra aos proponentes
que attendam, ns* indemnidades pedidas,
ao prego corrente e que s indique m es-
cravisados cuja coadicao servil nao passa
ser contestada.
Os iateressados deverZo se entender
com o abaixo assigaado, ra da Aurora
n. 77.
Commissao Redemptora, 6 de Agosto de
1837.
Jo&o de Olivaba,
Secretario.
Clnica inedlco-elrarglca
DO
Dr, Alfredo Gaspar
EspecialidadePartos, molestias de scnhoias e
criancas.
Residencia Ra da Imperatriz n..4, segundo
andar.
Telephone n. 226.
a's portuguezes
A satisfago com que hoje vivo pela
saude recuperada, faz com que venha
imprensa agradecer aos cos, de vir en
contrar o verdadeiro e nico remedio qne
eurou-rae da terrivel enfermidade que ia
me consumindo ha mais de 20 annos, em
Portugal, onde fui tratado com eaoaero e
sempre doeute ; vim para c em procura
da saude, que recuperei tomando os verda-
deiros pos ante bemorrlioidarios do phar-
macautico Loiz Carlos, e que se vendem
na corte, na drogara de Silva Gomes
& C.
A minha terrivel doenca era toda hemor-
rhoi'ias, fazeudo esta publicayao, guiando os
doentes para verdadeiro remedio, creio ter
cumpridoum dnver de gratido a Deas pela
minha saude recuperada.
Santa Rosa, 28 de Janeiro de 1886.
Jos Lopes Esteves.
Deposito: Francisco Manoel de Silva
d C, droguistas a ra do Mrquez de
Oliuda n. 23.
Dr. Coi IA
Medico, parteiro e operador
Kaadencia ra Baro da Victoria n. 15, 1~ andar
Consultorio ra Duque de Caxias o. 59.
D consultas das 11 horas da mann s 2 i
tarde.
Attende para os chamados a qualquer bor
telephone n.,449. *
Cal virgem de Jaguaribe
prximo, dar-se ha principio nesta reparticao
cobraoca, livre de multa, conforme a telaco infra
das annuidades e mais servicos da Recife Drama-
ge Company relativos ao 2- semestre do exercicio
de 188t87.
Reeebedoria Provincial de Pernambuco 9 de
Juibo de 1887.
O administrador,
Francisco Amynthas de Carvalho Moura.
REGS
TRADA
Avisase aos senhores de eogenho e
mais consumidores desta encllente cal,
que contioua ser o seu deposito ge*-al a
ra do Bom Jess n. 23. Perfeitamente
embarricuda e em pedras, como a que nos
vem do estrangeiro e em nada inferior a
esta, continua a st vendida pelo prego fxo
de 'J-SOUu a barrica.
Alm do deposito geral j iadicado, sao
tatib m vendedores della os senhores :
Guimares & Valente6 Pateo do Cor
po Santo 6.
Lopes & Araujo38 Ra do Livramen-
to-38.
Bento de Frehas Guimares &C
Ruado Visconde de Itaparica 51, Recife.
MEDICO HOMEOPATHA
i!
{}
Dr. Balthazar da Silveira
Especialidadesfebres, molestias das
enancas, dos orgos respiratorios e das
senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
for* da capital.
AVISO
Dr.
MEDICO
Tem o seu escriptorio ra Duque de Caxias
a. 74, das 12 s :i horas da tarde, e desta hora
em diante em sua residencia ra da Ssnta
Cruz n. 1.
Especialidadesmoestias de senhoras e erian-
cas.Tolephone n. 326.
de
Clnica do Dr. Silva Ferreira
Especialidades. molestias de Senhoras e
pelle.
Consultas de 1 s 3 horas.
Ra da Cadeia n. 53.
Residencia temporaria Ponte d' Uchoa a. 55
TELEPHONE-417
Grinaura. modista
CAXIAS

39
39-RA DUQUE DE
(|o andar)
Faz, por figurinos, vestidos para seaboras e me
ninas, com promptido e precos mdicos.
Recebe mensalmente da Europa jornaes
modas.
da
Todos os chamadas devem ser dirigi-
dos pharmaeia do Dr. Sabino, i ra da
Baro da Victoria n. 43, onde se indicar
sua residencia.
Dr- Lopes Pessoa
Medica e operador
Residencia -Ra Lirga do Rosario n.
38 Pandar.
Consultorio Ra do Bom Jess n. 37
1* andar.
ConsultasDas 12 s 2 horas da tar-
de.
Chamados A qualquer hora, por ea-
cripto.
Clinica do Dr. SimSas Barbosa, Espe-
cialidades : partos, molestias de senhoras
e de crianzas.
Consultorio ra do Mrquez de Olin-
da n. 64 consultas de 1 s 3 horas da
tarde.
Residencia ra da Soledade n. 78.
T"!ohone n. 213.
Consultorio medico-
cirargico
O Dr Castro Jess, contando mais de 12 anno
de escrupulosa observaco, reabre consultorio nesi
ta cidade, ra do Bom Jess (antiga da Crui
n. 23, i.0 andar.
Horas de consaltas
De dia : daal s 2 da tarje.
De noite : das 7 s 8.
as dentis horss da noite ser encontrado nc
sitio tavessa dos Remedios n. 7, primeiro por-
to eaquerda, alm !o por cao do Dr. Cosme.
EDITAES
= De ordem do Illm. Sr. engenheiro director
geral, faco publico qae tendo S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provi ca concedido aurorisacao Im
Relaco a que se refere, o edital supra.
Fregu.'zia do Recife
Ras: Mrquez de Olinda, Bom Jess, Alvares
Cabral, Commercic, Bispo Sardinha, Thom de
Souza, D. Maria de Seura. Vigario Tenorio, Bar-
reto de Menezes, llarise Barros, Burdos, Amorim,
Moeda, Tuyuty. Compaubia Pernambucana, Ma-
dre de Deus, Domingos Jos Martins, Mscate,
Reetauraco, D. Mana Cezar, Visconde de I;apa-
rica, Pharol, Anal, S. Jorge, Vital de Oliveira,
(iuararapes e Baro de Triumpho.
Pracas : Asacmbiio, Chaco e Pedro 1\
Travessss : Vigario, Madre de Deus, Campello,
D. mingos Jos Martins, para o Corpo Santo, Anti-
ga Porto. Bom Jess, A rea I, para a Pandica, Oc-
cidente, (iuararapes e Praca de Pedro 1\
Beccos : Abreu. Norcnha, Largo, Pindoba, Ta-
pado e Paschoal.
Largos : Alfandega, Corpo Santo e Assein*'
Caca : Companhia, Brum e Apollo.
Freguezia 'le Santo Antcnio
Ras : Imperador, 1- de Margo, Duque Ca-
xias, Cabog, Baro d Victoria, Trinebt as, La-
rangeiras, Larga do Rosario, Estreita o Rosario,
Francisco Jacintho, Juo do Regc,I'ha de Carvalho,
Conselheiro Firett'-, Hatto de Mendonca, 28 de Se-
tembre.Santo Amar Mathias de Albuquerque,Paz,
Paolino Can.ara. Fwgo, Livrammto, Penha, Vis-
conde de Iubauna, Pedro Affonso, Nova da Praia,
Marcilio Dias, Hvnriques Dias, Lomas Valentinas,
Coronel Suassuoa, .Santa Thereza, 24 de Maio,
Palma, Mrquez do H-rval e Cadeia Nova.
Caes i Viute Dous de Novembro,
Largos: Paraizo, Carmo, Penha, S. Pedro e
Pracnta.
Travessas : Queimado, Cruzes, Mrquez do Re-
cife, da ra Bella, Quar'eis, Calabouco, Expostos,
Matriz, Flores, Cirmo, Bomba, Livramento, Arse-
nal, 1 e 2' d- Praia, Calcereiro, S. Pedro, Vira-
cao, L bato. Paieao. Poeinho e Concordia.
Becoos .- f)i travessa da roa Bella, Calabouso,
Matriz, io, 2o e 3 da Cambea, Falco, 1 e 2 da
Cadeia Nova.
Campes : Princeza.
Pracas : Pedro II.
Freguezia de S. Jos
Ras : Marcilio Dias, Lernas Valentinas, Coro-
nel Suassuua, f. Joo, Faiipp" Cataaru, Mrquez
do Herval, Vinte Qoalro de Maio, Das Cardoso,
Passo da Patria, Padre Xobrega, Victorw, Cadeia
Niva, Vidal de Negreiros, Fre Henrique, Dique,
Assumpco, Domingos Tbeotonio, Padre Floriano,
Christovo Culombo, Jardim, Forte. Antonio Hen-
riqoe, Nogueira, Santa Cecilia, Santa Rita, Padre
Muniz, Praia de Santa Rita, S. Jos, Pescadores,
Praia do Forte, Ypiranga, Impsrial e Luiz de
Mendonca.
Travesas Marlyrios, Ramos, Poeinho, Cal-
dereiro, Gaz, Prata, Serigado, Copiares, da ra
Nova de Santa Rita, Praia do Forte, S. Jos,
Peixoto, Lima e da Matriz de S. Jos.
Beccos : Palma, Caldereiro, (jaz, Assumpco,
Nova de Santa Rita e M.triz de S. Jos.
Largos : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Ras: Imp'ratnz, Conceico, Visconde de Pe-
lotas, Tambi, Visconde de Albuquerque, Capi-
baribe, Ponte Veiha, Conde da Boa-Vista, Ria-
chuelo, Uuio, Saudades, Sete de Setembro, Vis
conde de Camaragibe, Oimaro, Rosario, Gervasio
Pires, Dr. Villas-Boas, Socego, Principe, Santa-
Cruz, S. Goncalo, Ceibos, Hospital Pedr* II, Ge-
neral Sera, Coronel Lamenha, Conselheiro Aguiar,
Leo Coroado, Baro de S. Borja, Desembarga-
dor Nuoes Machado, Visconde de G^yanna e At-
traccao.
Travessas: Gervasio Pires, Atal'o, Coelhos
Barreiras, Veras, Qurabo, Joo Francisco, Man-
goeira, Campia e Palacio do Bispo.
Piabas : Conde d'Eu e Sauta Cruz.
Largo ; Campia.
Beccos : Coelhos e S. Goncalo.
2 seceo.Secretaria dn Presidencia de Per-
nambuco, em 16 de Agosto de 1887.De crdem
do Exm. Sr. prsidente da provincia faco publico,
para os devidos effeitos, que ao provknento do
officio de 1 tabellio de pnblieo, judicial e notas
e escrivo do jury e execucoes criminaos do termo
de Limoeiro, concorren nicamente o Sr. Ernesto
de Oliveira Cavalcante.
O secretario,
Pedro Francisco Correia de Oliveira.
O Dr. Jouquim da Costa Ribeiro, juiz de
direito do civel desta eidade do Re-
cite e seu termo, capital da provincia
de Pernambuco, por Sua Magestade Im-
perial e Coostitucional o Sr. D. Pedro
II, a quem Deus guarde, etc.
Paco saber aos que o presente edital virem ou
d'.-llo noticia tiverem, que fiados os dias de pre-
gues e as pracas legaes e na audiencia deste jniao
do oa 24 de Setembro prximo, ir praea por
venda a quem mais der e maior lance cffereeer, o
bem constante do respectivo auto de avaliaco, a
saber : A parte do sobrado de um andar ra
da Penha n. 31, com duas portas de trente, tendo
o 1. andar crin varanda de ferro, 2 salas, 2 quar-
tos, cozmha fra, medindo de comprimento 80 me-
tros e 6 centmetros e 10 metros de largara, sen-
do o andar terreo um armaz-m com 2 portas, pe-
queo quintal morado, ca -imba. avaliado todo o .
predio ua quantia de 4:9X), sendo a parte do
executado novator de 1:4604568.
E nao havendo lancador que cubra o preco da
avaliaco, proceJer-se-ha nos termos da adjudica-
co na forma da le. A parte do predio asas*
dfseripto foi Dvohorada e vai ser vendida em bas-
ta publica para pagamento da aeco necativa
que move a mesa reg'dora da veneravel Ordem
Terceira de Nossa S> nbora do Carmo, contra Luis
Antonio Pereira e sua mulher.
E para que chegue a noticia a todos mandei
passar o presente edital, que ser affixado no lu-
gar do costume e publicado p 'la impreusa.
Dado e paseado nesta cidade do Recife, ana 13
dias do mez de Agosto do anno do Nastiraento de
nosso Senhor Jess Cbristo de 1887.
Eu, Felicissimo de Azevedo Mello, escrivo, fiz
escrever e subscrevi.
R;cife, 13 de Agosto de 1887.
Joaquim da Cesta Ribeiro.
O Dr. Joaquim da Costa Ribeiro, miz de
direito do civel desta cidade do Recife e
tev. termo, capital da provincia de Per-
nambuco, por S, M. imperial e constitu-
cional, o Sr. D. Pedro II, a quem Deus
guarde, etc.
Fac-o saber a. s qoe o presente edital virem aa
delle noticia tiverem, qu fiados os das de pre-
go '9 e pracas legaes e na audiencia deste juico
do dia 10 de Setembro prximo, iro praca por
venda a quem mais dr e maior Unce offereear, os
seguintes bens :
Um relogio de parede avahado em 204.
Leze bauheiros de cobre avahados era 204 cada
um.
Vinte e quatro torneiras de lato a 14 cada urna.
Doze cadeiras de faia u 500 rs. cada urna.
Seis ditas da junco a 14500 cada urna.
Dous Bufas envernisados de preto por 154.
Qaatru bancos de pinbo a 14 cada um.
Urna secretaria avallada em 154.
Duas bombis de Japy avahadas por 154 cada
urna.
Qaatro quadros com estampas per 104.
Os bens cima descriptos vo ser vend los








i
wSm
I
w






Diario de PerHambucoSexta-leira 19 de Agosto de 1

pr9 publica ptra pagtmento do pedido e cas-
tas da scqSo executiva que mive a, meta regedo
ra da v< neravel ordem 3 de Noasa Senhora ao
Carino contra Luis Antonio Pe.eir e iua mulher.
E para que chegae ao conhecimeoto de todo
mandei passar o presente editsl qne ser affixado
no lugar do costume e pablicade pela imprenta.
Dado e pastado ne_"a cidade do Recife aot 13
diat do mea de Agosto ds 1887.
Eu. Felicissimo de Acerado Mello, escrivio, fix
wcrever e subserevi
Joaquim da Costa Ribeiro,
O Dr. Jos Antonio Corroa da Silva, ca-
valheiro da Imperial Oriera de Cbristo,
juz de direito de orphaos da comarca de
Olinda, por Sua Magestade o Imperador
a quero. D !us guarde, etc
Pac' sab^r aos que o presente edita! vi-
ren) < del I" noticia tiverem, que a requisicio de
Jos Candido da Silva P.ss>a, inveutariante dos
bens dpix Hos pela finada Henriqueta Peixoto, sao
chamados os herdeiros da mesma, auseotes em, la-
gar nao sabido, a6m de asaistirem a todos os ter-
mos do inventario, oo constituirla! proeuradir que
08 represente.
E para ebegue ao conhecimento de todos, man-
dei passar o prcse-ite, que ser affixado no lugar
do costume.
Dad i e passade nesta cidade de Olinda aos 21
de Julho de 1887.
Eu, bichare! Francisco L>ns Caldas, escrivio, o
subscrevi.
Jos Antonio Correia da Silva.
Recife Drainage
Relajao dos comerlos feitoa nos apparelhos
no mas de Julho do corre Ue anno, de
conformidade com o art. JO0 do contracto
e | 2. do art. 15 do regula nento de 12
de Janeiro de 1872.
Freguesa do Refe
Boa do Marques de Olinda n. 56
Bom Jess n. 44
Dita n. 48
Dita n. 60
Dita n. 3
Dita n. 39
Dita n. 49
Couimercio n. 32
Largo do Corpo Santo n. 2
BtCLARACOES
Recebedoria irovincial
ReUcSo das differeiicas para mais, encon
tradas no valor locativo dos predios ur-
bano?, da freguezia de Santo Antonio,
que esto sujeitos ao imposto de dcima,
relativa ao esereicio de 1887 a 1883,
pelo laocador Joaquim Tranquilino da
L-roos Duarte.
Ra de Mareilio Dias
N. 36. Abilio de Castro e Golher-
me Bandeira de Castro
S. 38. Jnvino Bandeira de Mello
! 40. Albino Jos da Silva
. 52. Capella dos Prasores de Gua-
rarapes
N. 68. vntonio Joaquim Cascao
N. 74. Herdeiros de Antonia Igidio
da Silva
N. 27. Mara Martina da Silva i-
gueiredo .
N. 29. Autbur Guilherane Bandeira
de Castro e Abilio de Castro
N. 51. Alfredo Ferreira Baltar
N. 73. JeioAthanasioSCavalcantc
de Albuquerque
N. 85. Bosa da Coneeicio Dou-
rado
Largo de S. Pedro
N. 12. Custodio Jos Alves Guima-
ries
S. 1. Antonio Jjs de Sousa
Henriqoe Dias
N. 25. Viuva de Andre Goncaives
do Cabo
N. 31. Antonio Pinto Beserra de
Azevedo
Lomas Valentinas
N. 30. Bartholomeu Francisco de
Souaa
H. 15 Antonio Bruno da Silv
Maia
Coronel Suassuna
N. 18. Joaqun Manoel Ferreira de
Souza
N 42 O mesmo
N. 62 Conego Manoel de Vera-
Cruz
N. 66. Manoel Jos de Bastos Mello
1* seccao da Beoebedona Provincial, 16 de
Acost de 1887.
O chefe.
Jefferaon Mirabeau de Azevedo Soaree.
1:459000
285*000
1:532*000
393*000
859*000
1:039*000
1:035*000
1:099*000
381*000
333*000
753*000
749*000
9281000
240*001
438*000
303*000
426*000
333*000
273*000
219*000
522*000
r-OMMERClO
Bo a < i.'OTAVB8 OFFICIAE8 DA JONTA DOS COB-
RECTORES
Recife, 18 de Agosto de 1887
Apolicea provinciaes de 7 0(0, ao par.
Cambio sobre Para, tO d/v. com 1 3!4 0|0 de des-
cont,
.ambio sobre Londres. 90 d|V. 22 3/8 d. pir 1*
do banco, hontem e boje.
Na hora da bolsa
Veuderam-se :
4:900* em apatices provinciaes miudas.
ti presidente,
Antonio Leonardo Rodrigues.
U secretario.
Eduardo Dubcux.
iiilmento banrarl
BBCuTB, 18 DE ASOSTO DB 187
PBAQA DO BECIFE
Os bancos ingleses adoptaram boje a taxa de
22 1/4 d. sobre Londres, maniendo o Ioternacie-
nal a moma de bontcm, 22 3/8 d.
Fiseram traDsaccoes em papel particular a 22
1/2 d.
PBACA DO BIO DE JANEIBO
O mercado de cambio manteve-se frouxo com a
t .xa de 22 3/8.
As tabellas expostas aqui foram estas :
Do Ibtbbbaciobal:
90 d/v villa
Tboin de Sousa n. 6
Dita n. 3
D. Mara de Sousa n. 1
Becco do Abren a. 2
Vigano Tenorio n. 3
Amorim n. 15
Dita n. 21
Companbia Pernambucana n, 16
Caes da Companhia a. 4 A
Madre de Deus n. 30
Domingas Jos Martina n. 22
Dita u. 62
Dita n 82
Dita n. 104
Dita n. 106
Becco Largo n. 1
Travessa do antigo Porto n. 3
Restaurado n. 40
Visconde de 1 tapanca n. 34
S. Jorge n. 2
Di'a n. 1
Dita n. 37
Dita n. 71
Dita n. 83
Travessa para a Fundicao n. 8
Guararapes n. 84
Dita n. 84
Becco do Triumpbo n 22
Dita n. 39
Entrada da estrada de ferro de Li-
moeiro
Freguesa de Santo Antn o
Imperador n. 16
Dita n. 44
Dita n. 29
Dita n. 33
Dita n. 39
Dita n. 41
Dita n, 75
Duque de Caxias a. 18
Dita n. 20
Dita n. 56
Dita n. 58
Dita n. 68
Dita n. 31
Dita n. 51
Cabug n. 14
Dita n. 3
Dita n. 7
Bario da Victoria n. 40
Dita n. 48
Dita n. 37
Trinjheiras n. 16
Dita n. 20
Dita n. 37
Larangeiras n. 23
Dita n. 27
Travessa do Queimado n. 5
Dita n 7
Dita.n. 9
Dita das Cruces n. 12
Dita n 16
Largo de Paraizo n. 28
Dito n. 7
i'iton. 31
Dito n. 49
Larga do Bosario n. 8
Dita n. 14
Dita n. 36
Dita n. 40
Dita o. 48
Kstreita do Bosario n. 2
Dita n. 16
Dita o. 32
Dita n. 1
Dita n. 33
1*640
2*640
i*640
lt'.*260
s*720
2*640
2*640
5*280
2*640
2*640
4*360
2*640
2*640
6*160
4*400
4*280
12*320
i*640
ie*i50
2*640
2*640
2*640
4*62')
15*160
3*960
3*960
2*640
4*4(0
2*640
3*080
2*640
2*640
2*640
2*640
2*640
4*820
12*320
3*790
2*820
6*820
4*800
2*640'
2*640
2*640
2*640
9*880
3*960
6*820
2*640
3*960
41300
8*380
7*300
4*780
2*640
2*640
44MSU
8*760
2*640
7J290
2*640
2/610
3*960
9*900
8*960
3*140
2*610
6*600
2**40
3*960
240
6*840
2/640
14*6b0
2*64
4*160
2*640
2*640
15*840
2*640
3*960
2*610
2 5'10
Va-terrea de Caruar 1 17
Animaes......1 i 18
Va -terrea de S. Francisco 1 4 16
Via-ferrea de Limoeiro 1 16
Somma.
Entradas
Algodao
Dias
261
182
1.359
19i
3.550
Saccaa
Barcacas ...... 1
Vapores...... 1
Via-ferrea de Caruar 1
Animaos...... 1
Via-tenea de 8. Francisco 1
Via-ferrea de Limoeiro 1
Somma.
16 406
16 900
4 17 112
a (8 1.6M
16 202
16 284
S. Francisco n 15 4*620
Dita n. 19 29*570
Joio do Bego n. 22 2*640
D.ta n. 32 10*780
Dio n. 36 5*280
Ilh. do Carvalho n. 7 2*640
Dita n 43 2*640
Travessa da ra Bella n. 16 3*?1)
Dita dos QjH.rteis n. 34 5*280
Pauliuo Cmara n. 3 2*640
1 beepj da C-iinboa o. 5 2*640
Travessa do Carino n. 8 4*620
Travessa da B>maa n. 4 2*640
Fogo n. 48 2*640
Tri-vessa do Livramento n. 20 2*640
Livrameoto n. 22 2*640
Dita n. 23 4*360
Dita n. 37 2*610
Penha n. 17 6*K<'0
itau. 21 11*520
Dita n. 25 2*640
Visconde de Iohauona n. 36 3*960
Dtan. 38 4*620
Dita n. 7 2*640
Dtan. 37 18*210
Dita n. 69 2*640
Pedro Aftonso a. 30 2*640
Dita n. 36 2*640
Dtan. 33 2*640
Dita n. 45 2*640
Travesar do Carcereiro n 19 4*960
Nova da Praia n. 4 3*960
Marcilio Diasn. 69 5*280
Largo de S. Pedro n. 20 20*400
Viracao n. 17 10*860
Corouel Suassuna o. 28 3*960
Ditan. 27 25*580
Santa Theresa n. 21 3*960
Travessa do becco do Falcao n. 1 15*160
Travessa do Pocinbo n. 32 A 4*760
Travessa ds Concordia n. 50 2*610
Palman. 27 2*6i0
Maraes do Herval n. 47 4*5S0
Dita n. 79 2*640
Arsenal de Guerra 4*620
N" va da Praia (apparelbo publico) 3*"50
Campo das Princesas, dem 2*640
Freguetia de S. Jos
Marcilio Diatn. 113 2*640
Dita n. 121 #640
Ditan. 1^3 3*960
Dita n. 129 22*360
Lomas Valentinas n. 27 6*600
Dita n. 57 35*0 JO
Coronel Suassuna n. 102 2*640
Dita n. 106 4*760
Dita n. 110 3*960
Dita n. 114 2*640
Dita n. 176 2*640
Dita n. 180 5*680
Dita n. 208 2*610
Dita n. 228 2*640
D.ta n. 250 4*460
Dt, n. 61 6*520
Palma n. 82 2*640
Mrquez do Herval n. 100 2*640
Dita n. 133 3*960
Vinte Q latro de Maio n. 54 4*160
Dias Cerdoso u. 88 8*960
Padre Nobrega n. 11 26*340
Dita n. 25 2*640
Dita n. 33 2*64i'
V.dal de Negreirot n. 24 2*640
Dita n. 28 4*560
Dita n. 164 2*640
Dita n. 31 2*610
Dique n. 9 19*490
Travessa do Prata n. 9 9*280
Aisumpcao n. 48 3*960
Domingos Tbeotonio n. 46 15*160
Padre Flor ann. 50 6*-20
Dita n. 52 4*900
Dita n. 17 4*620
Chrsevio Colombo n. 3 2*640
Jsrdim n. 46 7*460
Forte n. 18 22*100
Santa Bi'a n 30 37*090
Dita n 40 3*960
Dita 84 2*640
Dita n. 27 2*640
Dita n. 89 2*64"
Nova de Santa Bita n. 12 4*62
Dia n. 44 6*180
Dita n. 57 9*160
3.468
Desprtaos de exportara
HEZ DB AGOSTO
Nos das 1 a 17, toram despachados na Aifan-
dega os artigo seguiotes :
Para fra do Imperio
Agurdente..... 2.056 litros
Algodao......1,297.4161/2 kilos
Londres .......
Pars........
Italia........
Hamburge......
Lisboa e Porto.....
Priocipaes eidades de Portu-
S........
Se w-York......
22 3/8
425
526
238
Do Losdom Bakk
22 1/8
429
429
531
240
245
2*260
!i d/v vitta
Londres
Italia. .
Qamburgo
Portugal
New-York
221/4 22
427 431
431
529 534
239 241
2*270
Atsucar
Borracha .....
Carocos de algodao.
Cera de carnauba .
Cocos (frncta) .
Courinbos e pelles .
Couros espichados ,
Courot salgados. .
Doce......
Ferro velho ....
Mel......
Metaos velhos
Osaos......
^'uro velho ....
Parreira branca. .
Piastava.....
Pranchees de amarello.
Prata velha ....
Besiduos de algodao
Sementes de carrapato.
Trapos.....
Unhas de boi .
Para dentro do Imperio
Agurdente..... 276 610 litrus
Aicool...... 9.600 i
Algodao ...... 58.646 kilos
Assucar......582.4121/2
2.08.'.814
4.133 .
151.275 .
9.685 >
5.000
65.034
392 kilos
49.683 .
55 .
52 tonelad.
1.575 litros
3 tonelad.
300.000 kilos
1.500 graos
4.JO kilos
3.000 >
69
5.000 graos
70.926 kilos
3.880 .
41.000 .
25.000
Do Eiulish Bank
90 d/v vista
Loudres.......
Pars......" -
Italia........
rlamburgo......
Lisboa e Porto.....
principaes eidades de Portu-
g>.........
.Iba dos Afores .
liba da Madeira .
New-York.....
22 1/4
427
528
239
22
431
431
533
241
246
246
249
2*270
Mercado de atsocsr e aieotlau
BBCrrB, 18 DB AQOBTO DB 1887
Aumcar
Os precos, psgos ao agricultor, continuad a re
.rular aos algarismos abaixo, por 15 kilos :
Branco, os melbores que
appareoem no mercado,
regolam de ....
3. surte boa.....
3." regular.....
Hmidos e baixos
Hitnenos .
vi asea vado
Broto .
Rtame
2*200
1161i
1*700
1*500
1*300
1*040
*90
*700 a
2*400
2*100
1*8 io
1*700
1*400
1*100
1*000
*800
Algodao
O de Pernambuco e boss procedencias, em tr-
ra, foi vendido na razo de 6*500 por 15 kilos.
Entradas de asaltear e alaodao
HEZ DB AGOSTO
Assucar
Entradas Dias Baccot
Barca (as
1 i 16 1.549
Carrapato
Cocos (frncta) .
i Joco......
Elixir eabeca de negro.
Espanadores de penna .
Fio de algodao .
Folhas de jaboraudy .
Medicamentos .
Oleo de mocot .
.'leo de ricino
Praochdes de vinhatico.
Preparados medicinaes.
Queijo do serto
Rap......
Sal......
Taboas de pao carga .
Tamancos ....
Vassonras de piassava.
Vinho de jarabeba .
5.500
22.100
700 kilos
15 caixas
80
250 kilos
50 .
1 caxa
475 kilos
4.830 .
12
30 caixas
50 kilos
216 1/2 .
10.000 litros
3
3 fardos
50 duzias
46 veluim-s
BECAUTULAQAO DO ASSUCAR
Para o exterior 2.082.814
Para o interior 582.4121/2
kilos
Somma 2.665.2261/2
Vapores dsspaebado*
Vapor allemo Paranagu, sahido hontem, le
von a carga segaiute :
Para Rio de Janeiro :
400 atecas com algod&o.
Para Santcs :
490 saceos com assucar branco.
1.395 ditos caos dito masca vado.
51 pipas com agurdente.
125 barris de quinto com dita.
Para Hamburgo :
268 couros salgados.
155 saceos com cera de carnauba.
Para Bremeo :
988 coaros salgado .
Car.-egaram diversos.
Vapor nacional Par, sabido hontem, condasio
a seguate carga :
Para o Cear : ,
10 barricas cem asquear branco.
10 pipis com agurdente.
lo eaix.s com preparados medcinaes.
2 ditas ci>m calcado nacional.
Para o Par :
20 saceos com assucir branco.
1.641/2 barricas com dito dito.
35/3 ditas com dito dito.
1 444/4 ditas com dito dito.
237 barriquinhas com dito dito.
45 latas com dito dito.
5 pipas com agurdente.
170 barris de quinto com dita.
29 caixas com preparada medcinaes.
.'0 meios de sola.
4 caixas com calcado nacional.
Para Manos :
30 saceos com assucar branco.
65.'2 barricas com dito dito.
95/4 ditas com dito dito.
2 pipas com agurdente.
95 barris de quinto com dita,
lu fardes com xarque.
Carregaram diversos.
.avos a carca
Estilo sendo despachados os seguintes .
Brigue portugus Armando, diversos artigos, para
o Porto
Barca portuguesa Claudina, diversos artigos, pa-
ra o Porto..
Escuna norueguense Reform, assucar e outros
artigos, para o Bio Grande do Sal.
Patacho portugus Keria, diversos artigos, para
s. Miguel.
Vaaor nacional Sergipe, diversos artigos, paraos
portos do bul
Vapor ingles Math ( chegar), algodao, para Li-
verpool.
Vapor ingle Elstow, algodao, para o Bltico
Navios a descare
Escuna ingleza Smolator
Lugar inglez Florense.
Patacho ingles O.UADBO DO XABQUB
liare* nacional Mar\anninha.
,'.-.\i tli cm .rfjn.'.a Fdt.
i.ocouu alilUa \jtUte
Escuna allema Fris.
CABVO DB PEDBA
Barca dinamarquesa Jorgen J. Lots,
Barca noi ueguense Homborgsund.
TBILHOS DE FERRO
Brigue portugus Figueirense.
MADEIBA
Barca norueguense Vernica.
Brigue -ueo Frite.
GORDURAS
Barca nacional Marinho XI.
Patacho portugus lentativa.
SAI.
Patacho dinamarqus 4nna Charlotte.
VARIOS DEBEROS
Patacho ingles Tiber.
Pauta da Alfandeca
SBMANA DB 15 A 20 3E AGOSTO DB 1887
Assucar retinado (kilo) .... 146
Assucar branco (kil 'I 126
Assucar mascavado (kilo) 066
Aicool (litro)....... IoO
Arroz com casca (kilo) ... 65
Agurdente e...... 056
Algodao (kilo)...... 373
Borracha (kilo) ...... 1*066
Coaros seceos salgados (kilo) 460
IJouros seceos ee pichados (kilo) 585
Couros verdes (kilo)..... 275
Cacao (kilo)....... 400
Caf resrolho (kilo)..... 320
Carnauba (kilo)...... 366
Oarueas de alfodo (kilo) 014
Carvio de pedra de Cardifi (toa.) 16*000
Cat bom (kilo)...... 460
Cachaca (litro)...... 056
Farinha demaudioca (litro) 035
Fumo restolho em rolo (kilo) 405
Fumo restolho em lata (kilo) 5t>0
Fum-t bom (kilo)...... 720
Fumo em fjiha bom (kilo) 720
Fumo em folha ordinario (kilo). 400
lieneora (litro)...... 200
Mel (litro)....., 040
Milho (kilo)....... 010
Taboades de am-..ello (dozla) 100*000
S. Jos n. 5 3*960
Dita n. 21 2*640
Travessa de S. Jos n. 19 1*520
Pescadores n. 22 3*340
Dita n. 28 4*620
Dita n. 30 J660
Fortalesa das Cinco Ponas 11*340
Nova da Santa Bita (apparelbo pnblieo) 3*i)60
'Vepussia da Ba- Vista
Iraperatriz n. 30 2*640
Dita n. 3 12*770
Dita n. 45 6*60)
Dita n. 49 2*640
Visconde de Albuqaerque n. 2 8*960
Dita n. 28 4760
Dita n. 38 32*220
Dita n. 82 2*640
Ponte Vlha n. 12 4*7ilO
Dita n. 18 2*641
Dita n. 40 441SO
Dita n 10! 31*340
Dita u. 61 3J960
Praca da Santa Cus n. 2 4*969
Conde da Boa-Vista n. 7 5*200
Biachaelo n. 14 3*980
Dita n. 7 3%o
Dita n. 13 2*640
H 'Snicio n. 40 4*960
Carnario n. 3 4*710
Rosario n. 2 3*960
Dita n. 4 2*640
Ditan. 30 15*150
Di n. 19 8*780
Dita n. 33 2*640
Gervasio Pires n. 50 3*960
Travessa da ru* de Gervasio Pires n. 19 4*460
Socego n. 64 3*080
Travessa do Quiabo n. 10 2*640
Baro de S. Borja n. 44 2*640
Recife, 13 de Agosto de 188?.
I. I'. Uackintosh,
Gtrente.
Pan. Ida de de Direito
De oidem do Exm. Sr. consclbeiro director in-
terino e de conformidade com o art. 119 do regu-
lamento complementar, se repee o edital relativo
ao concurso cuj 1 inscripcao sei encerrada s 2
horas da tarde do da 29 do correte, por ser do-
mingo o da 28 em que deverm terminar o prazo
para a referida inseripcio :
De ordem do Exm. Sr. onselbeiro director
interino, e de conformidade com o aviso do mi-
nisterio do imperio n. 4655 de 29 de Ontubr.i ul-
timo, faco publico \ae tica marcado o prazo de
seis meses, contados da data (leste, para a ins-
cripcao dos qne pretendereis concorrer ao lugar
de lente substituto desta Faculdade, que se acba
vago por ter passado a.cathedratico o Dr. Jos
.loaquim Seabra. Pelo que todos os pretenden-
tes o dito lugar podeio apresentar-se desde j
nesta secretaria para assiguai seus nomes na li-
tro competente, o que Ibes ( permittido faser
p>r procurador, se estiverem a mai de vinf le-
guas desta cidade 01: tiverem justo impedi-
mento.
Dcvem outro-sim ap^sent^r dicument"-" q'ie
ijatn-m sua qjalidade de ciclado brazileiro e
que cstao no geso de seus direitos civis polti-
cos, isto folha corrida no lugar de seus do-
micilios e mais o diploma ce d >utor ou ba-
cbarel por urna das Faculdades de D.fit" do im-
perio, ou publica-loma, justificando a impossi-
bilidade d apresentacao do original, e na mesma
nccasio podero entregar quaesqu r iocnmentib
que julgarem convenientes, on como titulo de ba-
bilitacio, ou como provas deservicio presta.'os ao
estado, humanidad-* ou a scienea, dos quaes se
Ibes passar recibo; tudo de eoiformidade com os
arta. 36 e 37 do decreto n. 12J6 de 28 de Abril
de 1854 e 111 e segaintes do decreto o. 1568 de
24 de Fevereiro de 1855
E para que chegue ao conhecimento de tolas,
mandou o mesmo Exm. Sr. o iinelh-iro director
interino, affixar o presente, qu-> ser publicado m>s
folhas desta cidade e as da cd te.
Secretaria da F* "iildade de Direito d> Beif^,
28 de Feverv.iro de 1887. O secretario, J .-s Ho-
ii' no Beserra de Meneses.
Secretaria da Facoidade de Di'eito do Recife,
18 de Agotto de 1887.
O tecretarin,
Jos Btnoris Beserra de Menezes
Juros e dividendos
Eolio sendo pagos os seeruinfoe :
DIVIDA rom-io
Apolices ger.ies e provnoles.
Apjlices municipas (rs 151 256). '
LBTTBA8 HTPOTBEC.iKIAS
Do Banco de Crdito Real, "l 0/0, ultimo se-
mestre.
BANCOS
Crdito Real de Pernambuco, 2 dividendo,
:axio de 5 0/0 s ibre o valor das entradas r ati-
zadas do capital, ou 3*000 por i.ccao.
Brasil, 67. dividendo, na ratio de 9*000 por
accio. Es'io encarreg doc dense cagameuto os
agentes Pereira Cameiro A C.
CARRIL DE PERIWI
Trilhos Urbanos do Recife Olinda e Beberibe,
25 dividendo, razio de 8 0/0. O pagameuto
faz se n 1 escriptorio da compi.ubia as tercas e
sabbados.
COHPAMHIAS
Companhia de Edificacio, jures das aegoes ie-
midas, vencidos em 31 de Dczeo.br. do anno pas-
sado.
Memorial
Aos accionista, da Estrada de Ferro do Kibf.i
rao ao Bokito foi marcado o prazo de 60 dias. a
contar de Agosto coi rente, para realizarein a 7.a
entrada de 10 0/0 de soas acedes.
Hoje, 19 do correte, ao meio da, devem re-
unir-se em astembla geral errraordinaria, os ac-
cionistas da CoKPAKiiiA i>o Beberiie. afim do ele-
gerem a directora para o anuo oieunio social.
Aot contribuintet dos impostan deindustria e
protitsio e predial, foi marcado o prazo de 30
das, que terminar 22 do corrate, para apre-
seutarem na Becebedobia Gbbal as reclamacoes
que porventura tenham de fazei com relacao ao
ultimo lancamento.
Com o descont de 4 0/0 e at 30 de Setemb'o
vindoaro, serio substituidas na Thesoukaria db
Fazbnda as notas do valor de 2*000 da 5.> estam-
pa, 5*000 da 7." e 10*000 da 6.
-
Bxportiico
aaciFB. 17 db aojfto di: 1887
faru o exterior
No vapor inglez Seath H., carregaram :
Para Liverpool, P. Carneiro &C 1,711 saecas
com 147,912 kilos de algodao ; <*. de Mattos Ir-
mios 350 saecas com 24,436 kilo.) de algodio.
No vapor inglez AfercAan, carregaram :
Para Liverpool, J. Pater & U. 50 sa>xos com
3,750 kilos de assucar mascavado
No patacho portugus Ventas, carregou :
Para Ilha de b. Miguel, J. li. de Oliveira 1
barril com % litros de agurdente.
Para o interior
No vapor allemio Parancgu, carrega-
ram :
Pan Santos, S. Guimaries & C. 10 pipas com
4,800 litros de agurdente.
Para o Bio de Janeiro, H. Borle & C. 100
s4ceas com 7,603 kilos de algodio.
No vapor nacional Sergipe, tarregaram :
Para Penedo, VI. A. S- uiu jc C. 5 barricas com
300 kilos de assucar refinado
No vapor ameriemo Altlanca, carregaram :
Para o Para, P. Alves Ce C 95 volumes com
5,200 kilos de assucar refinado.
No vapor nacional Para, carregaram :
Para o Para, P. Pinto & C 20 pipas e 50 barris
com 14,400 litros de agurdente ; H. Bab'llo 10
barricas com 600 kilos de aasue.i refinado ; P.
Alves & C. 35 volumes cem 1,503 kilos de assjcar
branco e 20 barris com 1,'.)20 litros de aguarden-
te ; F. A. de Asevedo 386 vjlumes com 25,652
kilos de assucar branco e 16 ditos com 640 ditos
de dito refinado ; Moura Borgcs 4 C 150 voloines
com 10,531 kilos de assucar brauc ., V. T. Coimbra
650 vtlame8 com 52,995 kilos de ansacar brano--;
L. J. S. Guimaries 500 barricas con 29,142 kilos
de assucar branco ; B. Pessoa 361 barricas com
18,533 kilos de assucar branco ; i. 3. Bnto 600
volumes com 40,000 kilos de assucar branco ;
Maia & Besende 50 v.lumes com 2,968 kilos de
assucar branco ; M. A. Se ma A O. 10 barricas
com 642 kilos de assucar refinado ; A. B. da Cos-
ta 100 volumes com 13 540 kilos de a*sncal
branco ; Amorim Irmios & C. 270 barricas com
18 720 1/2 kilos de assacar branco, 10 pipas e 70
barris com 11,520 litros de agurdente ; J. S. da
Costa Moreira 62 barricas com 2,652 kilos de
assucar branco ; H. de S. Pereirs, & C. Sncjes-
Terceira prafa
De ordem do IUm. Sr. Dr. inspec'or, se faz pu-
blico qne s 11 horas do da 22 do mes corrente,
serio vendidas em praca, na porta desta repart
Ci, as segaintes mercadorias :
Urna caixa marca BF n. 38 vinda de Bordeanx
no vapor francs Senegal, entrado no me* de Maio
ultimo, contendo 27 kilos, peso liquido, de an-
nancir-s impressos em mais de urna cor, e 9 kilos,
peso liquido, de anuncios impressos em urna cor,
abandonada aos direitos por P. Loques.
Um barril marca tdbC e contramarca B n. 1,
vindo do Havre ne vapsr francez Ville de Mar-
nhj, entrado em 21 dem idem, contendo fumo
em tabaco, pesando liquido legal 117 kilos, aban-
donado aes direitos por Mearon & C>
3" seccao da Alfandega de Pernambuco, 18 de
Agosto de 1887.O chefe,
Cicero B. de Mello.
Corro geral
Malas a expedirse hoje
Pelo vapor Advance esta administracio expede
malas para os portos da Babia e Ri 1 de Janeiro,
recebendo impresEos e objectos a registrar at 12
hora1 do dia, e cartas ordinarias at 1 hora da
tarde ou 1 1/2 com porte duplo.
Administracio dos eorreios de Pernambu 19
de Agosto de 1887.O administrador,
Affonso do Reg Barros.
Matriz de SanU Antonio
Veneravel Irraandade do HH. Sacra-
mento
Pelo presente convidj aos rraaoa desta vene-
ravel irmandade compsrecerem no respectivo
consistorio, s 11 horas da man na do da 21 do
corrente, para o fim de proseguir-se na eleicao
dos irmios que preencham as vagas existentes na
mesa regednra do anno comprimas! de 1887
1888, que foi int^rrompida no da 14 deste mesmo
mes. Consistorio, 18 Je Agosto de 1887.
O escrivio,
Dias Quintal.
Sociedade lnio Commercial e
BeiuH ente dos Mercieiros
2.a Sessio ordinaria da assembla geral
De ordem do Sr presilenr convido os Srs. so-
cios comparncerem na respectiva sede, domingo,
21 do andante, s 4 horas da tarde, afim de se
proceder a eleicao dos novos funecionarios, confor-
me determioam os aits. 23 a 27 dos estatutos.
Ped.-se sos Srs. bojos o obsequio de compare-
rem na hora cima determinada, afim de nao se fa-
zer demorar os trabalhos.
Agosto1887.
J. M. Capitio,
1 s-cretario.
A' Gl\ ;!o Lop.\ Arch.\ d \n\
S.\ B\ Cavalleiros d.i Cruz
De ordm do Bep.-. Ir.- Veo.', sao convi-
dados os 0:Jbr. aeata Ang. OfiV. a compa-
r^cercm em sua cua s le no dia '' do corrente s
7 horas na noite, afim de proceder se a sessio de
finanzas
BrCife. 18 de Agosto de 1887 E. V. .
Gluardo Gonsalves 18.- .
Sicret..
" C. CE.
Club Commercial Euleroe
Assembla geral
Sio conviddos todos os senhores socios dsto
club a compiree rem na sede social sexta feira 19.
s 7 horas da n"ite, para em assembla geral or-
dinaria, ouvirein a leitura ou relatorio com que a
directora er cerra os seus tra .alhos e elogerouj
novos funeconari s.
Secretaria d-. Club Commercial Euterpe, 17 de
Agosti de 1687.O I' secretario,
F. J. de Ainrim.
8 >res 15 caixas cita 30 duziis de frasees com el-
xir de cabrea de negro.
Olnbelro
expedido
Pelo vapor allemio Paranagu para :
Bio de Janeiro 1:500*000
Pelo vapor nacoual Para, saludo hontem,
para :
Parahyba 2:0 0*000
K10 Grande do Norte 6:000*000
Cear 107.293*460
Kendiiueatos publico*
MES DB AGOSTO
Alfandega
Beoda geral
l>- 1 a 17
dem de 18
leuda Drovinal
De 1
dem
a 17
de J8
412:2814969
37.899 433
45:4471118
3:1181246
2.* Seccio. Secretaria da Presidencia de Per-
nambuco, em 10 de Agesto de 1887.De ordem do
Exm. Sr. presidente da provincia faco publico,
para os devidos effeitos, que ao provimento do
offieio de 1- tabelliao So publico, judicial e notas
e escrivio do jury e execucoes criminaes do termo
de Limoeiro, concsrreu nicamente o Sr. Ernesto
de Oliveira Cavalsante.
O secretario,
Pedro Francisco Correia de Oliveira.
Por deliberaco da directora sio chamados os
Srs. accinistas desta empresa, para no praso ds
60 das a contar de 4 do corrente mez, realisarem
a 7' entrada de 10 % de saas accoes nos termos
do nico do art. 4 dos estatutos.
Becife, 3 de Agosta de 1887.
Jos Bellarmino Pereira de Mello,
Director-secretario.
AVISO
Becife a Oliada e Beberibe
PORTA-
AOS PASSAGEIROS
DORES DE SERIE
Em virtude do desejo manifestado por mais de
um dos Srs. passageir s desta catbegoria, resolveu
a directora reunida em tessio ordinaria hontem,
que fossem validos os bilbetes de series indistinc-
tamente dentro do mez para o qual tiverem sido
emittidos, segundo o numero de viagens contidas
em cada talio ; ficando por esta forma abolida a
restriccio de s ser aceita urna viagem diaria de
ida e volta.
Funda-se esta alteracio no facto de allegaren)
alguna dos sobreditos passageiros que para elles
urna viagem perdida a dos das sanctificados, ao
passo que poderia a mesma ser aproveitada para
um 1 segunda vez em qualqner dos das uteis. E
fica-lhes assim o dir-ito de faser at as 30 viagens
n'um s dia, caso julguem opportuno nesse praso
esgotar toda a serie.
Eacnptoro do gerente, 10 de Agosto de 1887.
O director gerente,
A- P. SimSes.
Club Concordia
Preis Kegeln
(Jogo bolas com premios)
Domingo 21 de Agosto de 1887.
As 2 horas em pomo.
A directora.
Inspectora de hygiene publica
De ordem do Sr. Dr. ins jecror interino de by
ene publica e para cumpnmento de srt. 92 do
regulamento sanitario, chamo a attencio dos se-
nhores mdicos para a seguintedieposicio do mes-
mo regulamento :
9 O medico que verificar um doente de que
traie, e quando nio reinar epidemia, algum caso
de Molestia pestilencial, dever participar inme-
diatamente o tacto autoridade sanitaria.
A infraccio ser punida com a multa de 200*
E para que chegue ao conbecimento de todos,
faco publicar o presente pela imprensa.
Secretaria da Inspectora de Hygienl'j-) iji,
10 de Agosto de 1887.O s-cretario,
Guilherme Duarte.
b'mbarcarieii
IS
porto ei
450:131402
48.565/364
498.74676i
De 1 a 17
dem de 18
De 1 a 17
Id ou a 18
>>e 1 a 17
Iie-n de 18
Ricebedoria geral
16:679*512
li7*163
16:816*681
KeceUdoria p.uansiat
Recife Drainage
14:227*164
759*441
14:986 605
26:4014979
1:551*205
27:953 4184
Mercado Municipal de H. Joie
O movimento deste Mercado no dia 18 de Agosto
foi o segninte:
Kniraram :
441/2 bois pesando 6,226 kilos, sendo de Oliveira
Castro, 27 ditos de 1* qualidade, 1 de 2
e 16 1 '2 ditos particulares.
203 kilos de peixe a 20 ris 4*060
71 cargas de farinha a 200 ris 14*200
34 ditas de fructas dhersas a
300 rs. 10*200
10 taboleiros a 200 ris 24O00
15 Suinos a 200 ris 3*000
Koram oceupados :
241/2 columnas a 600 ris 14*700
24 compartimentos de farinha a
500 ris. 12*000
24 ditos de comida a 500 ris 12*000
61 ditos de legumes a 400 ri? 24*400
30 ditos de fa'sendas a 4C0 ris 12*000
18 ditos de suino a 700 ris 12*60
11 ditos de tressuias a 600 ris 6*600
10 tainos a 2* 20*000
8 ditos a 1* 8*000
A Oliveira Castro & C.:
54 talhos al*
Deve ter sido arrecadada nest's dias
a quantia de
Bendimento dos dias 1 a 17
54*000
20.9*760
3:619*240
3:829*000
Foi arreca!. :'n liquiJo at boje
Presos do di :
Carne recua de 200 a 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sainos de 560 a 640 ris dem.
farinha de 160 a 240 <-is a cuia
Milho de 240 a 320 res idem.
''eijio de 640 a 1*000 idem.
Foi laucado ao mar 21 1/2 kilos de carne arrui-
nada de particular.
Maiadouro Pubiiro
Foram abatidas no Matadouro da Cabanga 98
r Jzes para o consumo do dia 18 de Agosto.
Sendo: 67 reses pertencentea Oliveira Castr .,
6 C, e21 a diversos.
ortsa no
de io<(
HACIONAES
Armandoconsig. Loyj & Filho.
Lamego(canhoneira de guerra).
Marianninhaconsig. Baltar Oliveira & C.
Maiilab Companhia Pernambucana.
Marinho XI Jos da Silva Loyo & Filho.
Pirapama Companhia Pernambucana.
Paraao Visconde de Itaqui do Norte.
Sergipe Domingos Alves Matbeus.
numu
Ad vaneeconsig. Beniy Forster & C.
Anoe Charlotte ordem.
Claudina Loyo & Filho.
Elston ordem.
Emolator Jobnstoo Pater & C.
Fdes ordem.
Fritz Baltar Oliveira & C.
Frita H. Lundgrin & C.
Figueirense ordem.
Florence Saunders Brothers & C.
Gesine- Pereira Carneiro At C.
Homborgsund Wilsou Sons & C.
Jorgen J. Lotsi ordem.
J. L. B. ordem.
Merchant Jobnston Pater & C.
Paranagu Borstelmann & C.
Beforma H. Laodgren & C.
Tentativa Amorim Irmios & C.
T.ber- Saunders Brothers & C.
Union H. Lundgrin.
Veritas Amorim Irmios 4 C.
Vernica ordem.
Willium ordem.
O signal indica ter a embarcacio sabido.
Vaporea a entrar
DOS rOBTGS DO SOL
Orenoqaehoje.
Ville do Maranhiohoje.
Espirito Santoa 27.
La Plata-a 29.
DOS POBTOS DO NOBTB
Pernambucoa 23.
DA EUROPA
Ville de Cearamanhi.
Taguaa 23.
Cotopaxia 28.
Vapores & salilr
Advancehoje, 1 1/2 horas da tarde, para Bio
de Janeiro e Santos.
Sergipe hoje, Ss 4 horas da tarde, para Ba-
ha, com escala por Macei, VIIj Nova, Pene-
do, Aracaj e Estancia.
Oreuoque boje, ao meio dia, para Bordeanx,
tocando em Dak-tr e Lisboa.
Ville de Maranhio hoje, ao meio dia, para o
Havre.
Ville de Cear amanhi, ao meio dia, para a Ba-
ha Bio de Janeiro e Santis.
Tagusa 23, s 2 horas da tarde, para Baenos-
Ayres, com escala por Baha e Bio de Janeiro.
Mandah a 25, s 5 hiras da tarde, para Ma-
cei, Penedo e Aracaj.

Xa vio a entrar
Antelopde Hambirga.
Caledoniade Cardiff.
Expeditde Hamburgo.
Farwardde Liverpool.
Hardido Cardiff.
Lidadordo Bio Grande do Sul.
Mariedo Bio de Janeiro.
Mariette do Bio Grande do Sul.
Marinho Ido llio Grande do Sul.
Novliuenfo do porto
Navio entrado no dia 18
S< w-York e escala 19 dias, vapor america-
no Advance, de 1,902 toneladas, comman-
dante Janes L>rd, equipagem 65, corga varios
gneros ; a Henry Forsttr 4 C.
Sahidos no mes*o dia
ParahybaVapor inglez Merchant, commaodan-
te J. D. Platt, carga varios gneros
Santos e escala Vaper ollemio Paraasga,
commandante F. D. Boklfj, carga varios g-
neros.
Manos e escala-Vapor brasileiro Para-, com-
mandante Antonio Ferre'ra da Silva, carga va-
rios gneros. ., ___.
Bio Grande de Ncrte-Hiate brasileiro .Correio
do Natal., mestre Joio Guedes de Moura, ctx-
gs varios gneros.
>
/
* **
I IG1VH I


Diario de PernanibucoSexta-feira 19 m Agosto de 1887




i


;i
f
Convida-se aos Srs, accionistas a reunirem-se
eoj atsembt* geral extraordinaria no dia 19 do
corrente m"i, ao meio dia, no prim iro andar do
predio d. 71 a ra do I operador, para proceder -
se a eleico da directora para o novo bienn'O so-
cial, na trma das estatutos.
K;cfe, 12 de Agosto de 1887.
Ceciliano Mamede Alve Ferreira,
Director gerente.
Jos Eustaquio Ferreira Jacobina,
Director Secretorio__________
sTii. j
Sociedade Recreativa Juvenlode
Assembla geral ordinaria
Sao convidados todos oa a nhorea socios a reu
nirem-se domingo 21 do correte, em noasa sede
social, para de conformidade com oa noaaoa esta
tatos ouvirem a leitara do relatorio e elegerem a
nova presidencia.
Secretaria da Sociedade Recreativa Juventude,
17 de Agosto de 1887.O 2 secretario,
Jos de Mediis.
Saata Casa de Misericordia do
Rec.fe
P_r esta secretaria sao cbamados os parentes
oa protectores das menorea abaizo declaradas,
par:, at o dia 30 do correute, apresental-as no
collegio das erpbSs, afim e serem ahi admittidas.
visto acharem-ae inscriptas eiu primeiro lugar, no
respectivo quadro.
L-'ura, filba de Miguel de Sauz GalvSo e Isa-
bel Mara da Silva Galvo.
Sydronia, filba de Cosme Damiilo Felippe da
Silva e Constancia Mara da Carino.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recite, 16 de Julho de 1887.
O escrivo interino,
Prancisco Gomes Castellao
S. M. q. m;
Sociedade Mualcal Qaatorse de
Marco
De ordem do Sr. presidente e combina co do
Sr. protessor, scientifico aos seuhorea socios em
reral, que a cantar de 7 do corren te em diaote se
observar a s-'guinte tabella de ensinos e ensaios :
Adas
Segundas, quartas, quintas e sabbados, das 6
s 7 1/2 horas da noite.
Ensaios da banda
Segundas, quintas e sabbados, das 7 1/2 s 9
1/2 horas da noite
Xtua'ios de orchestra
Quartaa feiras, de 7 1/2 9 1/2 horas da noite,
e domingos, das 11 s 2 horas da tarde
Secretaria da sociedade musical Quaitorce de
Mar;o de 1887.O secretario,
Aprigio Firmino Baptista.
I
De hoje por diante os presos
dos materiaes da Olaria a Vapor,
sero regulados pela tabella se
pinte, sem descont:
Tjolos grossos formato com-
mu, oiilheiro 18$ Ditos for-
mato peqneno 16$ Telhas, mi-
Ibeiro 358, Ladrifhos de diver-
sos formatos 50^00.
Recife, 1 de Agsoto de 1887.
GERENTE INTERINO
Obras publicas
De ordem do Illm. Sr. engenbeiro director geral
das obras publicas e de conformidade com a au-
torisaco de S. Exe. o Sr. presidente da provincia
de 30 de Julho ultimo, fco publico que no dia 25
do crtente, ao meio dia, na mesma repartico,
recebe-se propostas para a obra de reconstruccSo
da ponte do Junqueir sobre o rio Pirapama, or-
eada em 8:67042.17.
A planti, orcaineuto e clausulas especiaea do
contracto acham-se oeata s-cretaria para serem
examinados por aqn leo que pretenderen) arre-
matar a me-ma obr de acc rdo com o que dispoe
os arts. 70 73, 8.) e 90, 92, 9T 101, 106, 115 e
116 do regulam oto de 20 de Junho do corrente
anno.
Secretaria da repartico das obrac publicas de
Pernambuco, em 2 de Agi-to de 1887.
O eogenbeiro secretario,
Joaquim Gomes de liveira e Silva.
THEATRO
SANTA ISABEL
COMPANHIA DRAMTICA
EMPRESA E DIBECljO DE CAMIRO VILELLi
ESTRA. DA COMP\NHl\
SABBAD0---20 de Agosto de 1887--SABBAD0
COMA
1." REPRESENTADO
Do magnifico e apparatoBo drama] em & actos, do Dr. Carneiro Vilella, intitulado:
O NIHILISTA
lIS I IMIM l AO
HOYALMAILSTEA PACKET
COIPANY
0 paquete Tagus
E' esperado da Europa ao dia
23 do corrente, seguinda
depois da demora necessaa
ria para
Baha, Ro
video e
Para passagens
Remojo
D ordem do Illm. Sr. Dr. inspector geral, se
declara ao professor publico Ricardo Fonseca de
Medeiros, removido p ir portara da pr sideocia da
provincia, de II do correute, da 2a cadeira do 2"
-districto da B. a-Vista para a 2" cudeir* do 1 dia-
tricto da mesma fre^uetia, que Ihe fica marcado
o prazj de 20 dias, a contar da data de dita re-
msv&u, afin de assuinir o respectivo exercieio.
Secretaria da uatrucc) publica de Pernambu-
co, 16 de Agosto de 18S7 O aocretario,
fergentino S. de Araujo Galve.
S. R. J.
ocledatfe Rpereallva Juventude
Sarao bimestral em 28 do corrente
Oe senbores socios qii- d'srjarem tirar convites
para este sarao polein apresentar suas notas ao
Sr. presiaente.
Secretaria da sociedade Recreativa Juventude,
16 de Agosto de 1887.O 2- secretario,
Jos de Mediis.
A. P. B.
Coiu-panhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Estabelcida em l *-'
CAPITAL 1,000:0003
SINISTROS PAGOS
.4 t 31 de dezembro de inhi
Martimos..... 3,110:0008000
Terrestres,.- 316:000^000
4-4 lina do 'ominreio
ORTEM
de Londrea e berdeen
r*lniu aiinnreira (miembro 1**5}
Capital oubsciipto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,34^
Beeetta anaaal >
Da premios con'ra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 132,000
O AGENTE,
John H- Boxweil
Conde de Salinek iff.
Carlowitcli
Ivan Newinsky
Warsovisky, polaco
Turneberg, allemao.
Roraaniew, cossa o.
Niuolowicb, russo .
Gaetaoo, lazz tron.
A princesa de Smolensk
Olga Nieff .
Ucn official rusto
Um criado ,
Sr. Antonio Coimbra Jnior
'< Lisboa.
a Augusto Peres.
Araujo.
c Fernando Lima.
Manhom;a.
i Vieira Villa.
Lyra.
D. Rosa ManhoncV
D. Edelvira Lima.
Sr L'vramento.
N. N.
Aasoclaralo Porlniueaa de BeneO
cenca
Scientitico aos senhotes associados qoe a aiem-
bla geral ordinaria de 14 do corrente, aanccionou
a reforma dos arts. 38 e 39 d. s estatutos.
Auditivos das assemblius gtraes
Art Io Meia hora dep'M da marcada nos annun-
cios da convjcacj, na > se criando presente o
num.'ro de socios estipulado no Ia do art. 37,
poder-se-ha constituir a assembla geral com o
numero de 15 sjcios.
\rt. 2 Se urna hura depois nao se achar reunido
o numero de tocios estipulado no artigo antece-
dente, ae constituir a assembla com qualquer
numero que comparecer.
Recife, 17 de Agosto de 1887.
Bento de Agjiar,
1' secretario! a assemola geral.
DO
BRASIL
Capital 0,000:000*
dem realisado 8,000:0004
Acaixa filial d'esle Banco fanecionaodo tem-
porariamente roa do Commercio n. 38, saca,
vista ou a praz, contra os s-guint.es correspon-
dentes no estrangeir- :
Londres......... a/N. M. Rothachil & Sona.
Paria...........
Hambcrgo.......
Berlim..........
Bremente........
Frankfurt a/ Main
Antuerpia.......
Roma...........
Genova.........
aples.........
Miio e mais 340
cidades de Ita-
lia............
Madrid..........
Barcelona.......
Cdiz...........
Malaga.........
Tarragone......
Valencia e outras
cidades da Hes I
panba e ilhas I
Canarias....../
Lisboa.........\
Porto e mais ci-f
dades de Por-
tuga! e ilhas... /
Buenos- Ayres )
Montevideo......)
Nova York......
De Bothschild Frrea.
Deutsche Bauk.
Banque d'Anvers.
Banc-i Genrale e i
agencias.
Banco Hipotecario de
Eapaua o auas agen-
cias.
Banco de Portugal
suaa agencias.
Ki.i noi'UHHKEtno M. se aND4B
.'udou & Brasllian tlaBk
Umlted
Ra do Commerci") n. 32
acca por todos oa vapores sobre as ca-
sa do mesmo banuo em Portugal, sendo
ea Lisboa, ra dos Capellistas r. 75. No
Porto, ra do* Inglezea.
POMPANUA j
(MPERIA I
DE
NEdlROS contra FOGO
EST: 1803
Edificios e tnereadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuitot
CAPITAL
tU 16,000:0004000
Aoentes
BROtfNS & C.
N. e> Ra fio CmmercioN. f
English Bank of the Ki-
ver Pate. Limited.
G. Amsick & C.
Compra saques sobre qualquer praca do impe-
rio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em cinta correute de movi-
mento com juros a laz&o de 2% ao anno e por le-
tras a prazo a juros convenciouados.
O gerente,
Wiliiam M Webster
M M o i le Janeiro
ui'tm
Capital do Banco....... 1.000,000
Capital realisado......... 500,000
Fundo de reserva....... 200,000
A contar desta data e at ulterior reso-
luyao, conceder-se-ha juros de dous por
cento ao anno, sobre os saldos da dinheiro
depositado em conta corrente de movimen-
to no mesmo Banco.
. Recebe-se tambe-n dinheiro em deposito
iros por periodos determinados, oa su-
kp ao aviso ptvio de trinta das para ser
ado, mediante as condijSss de que se
c. >. conhecimento aos iatoressados.
rnamcuco, 23 de Maio de 1887.
Henry K, Oregory,
Gerente.
AGENTE
Miguel Jos Alves
N. 7RA DO BOM JESS-N 7
Seguro* ranrUtmoa e ierre I re
Nestes ltimos a nica eompanbia nesta praca
\ae concede sos Sra. seguradra iaempeSo de paga-
mento de premio em cada aetimo ann?, o qne
equivale a- d>-tonto annual de cerca de 15 por
cento em f-ivor dos segurad'*.
SEGUROS
CONTRA FOGO
fhe Liverpool & London k (lobe
INSURANCE C0MP.4W
SaiiDilurs Broters & G.
(OaPA\IIH pg weci TRO
SEGUROS
VIARITIMOS CONTRA FOGO
Companhla Pheolx Per-
napbucaaa
Ra do Commercio n. 8
~WMUESEuBOo
CO.WRl FOGO
Nortb Brilish Hercanlile
CAPITAL
:OOO.OOo de libras sterlinas
A GEN TES
Vdomsoii Howie & C.
anta Casa de Misericordia do
Recife
Na aecretaria da Sant Casa arrenda-se os se-
guintes predios :
Boa d> Bom Jess n. 13, 3 sudar.
dem dem n. 44, 1- andar e loja. .
dem do Vigario Thenono n. 22, 1- andar.
dem idem n. 25. sobrado.
dem do Marques de O:inda n. 53, 3- andar.
Ide-n do Apollo n. 24. anlar.
Ide i da Moda n. 4'.
Ipem idem n. 47.
dem idem n. 4'.'.
dem idem n. 37.
dem da Lingeta n. 14, 1 aodar.
Becco do Abren n. 2, andar.
Secretaria da Santa Casa de Misercordia do
Eeeife, 25 de Maio de 1887.
O escrivo intarino,
Francisco (ornea Castellaa,
I IfSffll i
Um lacaio, ama criada, soldados russos, carapooeze3, bumens do povo, nihilistas, etc.
A actn pasja-sje na Bossla e a actoalldade
-------):o:(-------
Denon.ioo dos actos
l.o actoServo contra fdalgo. 2. dito O repto singular. 3. ditoO
duello de morte. 4. dito -Tr idor e cobarde. 5. ditoA justiga nihilista.
MISE EN*SCENE DO AUTOR
A empreza chama a attenco do publico ptra o suenario impressionista do 3.
acto, representando as gr-ndes ruinas da AbBADI\ DE KIEL, c.obertas de gelo.
Este drama, escolhido propositalmente para inaugurar os tr^balbos da compa
nhia dramtica, que o Dr. Carneiro Vilela organisou com a prata de casa, ma3 prttta
di lei, est montada com todo o esmero e capricho, e ra rece a atteocilo do publico
pernambucano nao s pelo nome do seu autor, como p-lo assumpto de que se oceupa.
O emprezario ^presenta ao publico a siia companhia, nao cono urna reuniao de
SUMIDADES (quasi serapra b A itas), mas pura e simplesmente como um conjuncto
harmnico de artistas, uns bons e outros sotlriveis, todos por n trabaibadores, estu-
diosos o dignos de ser applaudidos.
Al.o disso nao tem outra pretencSo ssnSo a de off-.recr ao publicoa este
publico que tem engulido tanta estopada, -urna divers&o dramtica regular e artstica,
para o que garante a bd es-olha das pecas e o esmero em pol as em 8"ena.
Se foretn beru aceitos os seus enforgoj e a realidade corresponder a sua expec-
tativa, o publico do Recife ter conseguido ter um theatro dramtico regular, onde ir
ver, de perferencia os trebalhos nacionaes, dignos de a Tem vistos, e oe mistura com
elles as meihores pegas do repertorio estrangeiro, com tanto, qu, tanto urnas como as
outras, sejam inteiramente novas para aqui.
Fazem parte do repertorio s montar os seguintes dramas: O Nihilista, Tra-
gedia em Familia, Miserias, Sociaes, Os Gales do Casamento, Os LidrSes de Casaca,
O Escravo, As Victimas, O Terceiro Peccade, e outros ; e as comedias: Guerra as
Mulheres, A Vendedora de pers, Entre o Jantar e e B.ile, A ra da La, As Ideas
do Burro, Maraco Azul e outraa.
O emprezario 3 a sua companhia esperam a cnadjuvaejt) do publico e promet
tem, em troca, nao faltar aos compromissos que agora contrahem.
O espectculo comecar s horas.
.------):o:(-------
Haver bonds para todas as lionas e trem para Apipuc s se for preciso.
PRECO DOS BILHETS
Camarotes da 1 e ue 2.a ordem .
Ditos de 3.a dita........
Ditos de 4.a dita. ...
Cadeiras de 1.a ciaste ....
Ditas de 2.'........
Galeras..........
Plateas..........
Paraizos .......
Os bilhetes estao desd j na bilbeteria do Theatro.
respeitadas at o meio-dia.
de flaneiro Monte-
Uneno Ayres
fretes, etc., tracta-se oe
Consignatarios
Amorim Irmaos :(\
S. 3- RA DO BOM JESS N. 3
Pacific Meas. ^avgaUon tiooipanv
STRAITS OF MAGELLAN UNE
Paquete Cotopaxi
' esperado da Kuro
pa at o dia 28 de
Agosto, e seguir de-
pois da demora do eos
turne para Valparaso
com escala por
Baha, Rio de Janeiro e Monte
video
Para carga, passagens, encomiendas e din-
heiro a frete tractn ie con os
AGENTES
Wllson Sons N. 14-RA DO COMMERCIO -N 14
COMPAXHIft PEn.-V.4IIBI. DE
Navegaco costelra por vapor
CORTOS DO SUL
Hacei, Penede e Aracaj
0 vapor Mandahu
Segu no dia 25 de
Agoeto, 4s 5 horas da
-tarde.
tecebe carga at e
Idia 24.
Encommendas, passagens e dinbeiros frete at
3 horas da tarde do dia 25.
ESCRIPTORIO
Ao Caes in Companhia Perr.ambucana
n. 12
Leilo
De 1 armadlo envidracidn, 2 guarda loaea
novos, 1 marquaao, 1 vivriro para pausaros, 1
sof, 2 consol!, 2 cadeiras de braco, 2 Hitas de
balanco e 6 de guarnico de amarello, 1 commoda,
1 bidet, 6 cadeirHB de juneo, 1 quartinbeira. 1
"""os, eaudeeiroB keroet
atros objectos.
Agenie Britto
----~W W ^J JUliCO, i Ullril llIlUCIf f. X
banquioha, jarros, eandeeiroe kerosene, copos, c-
lices, facas e outros objectos.
Se&ta feira, 19 do corrente
A's 10 e 1|2 horas
Ces Viute o Dous de Novembro u. 28
Leilo
De raanteiga ingleza era latas de Ij2, 1, 2,
7 e 28 libras
EM LOTES
Sabbado, SO do rorrenle
Agente Pinto
A's 11 horas
\'o armaiem da na do Mr-
quez de Ollnda n. 59
Por occaso do leilo de fazeudbS, chapeos e
aiiudezas avariadas.
COMPANHIA Pt:K\.4HHIX'^i
DE
%avegac.So Costelra oor Vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Macu, Mossor, Ara-
caty, Cear, Acarahu e Camossim
0 vapor S. Francisco
Commandante Pereira
De miude2as avariadas
Mabbado todo corrente
A's 11 horas
O agente Pinto levara leilo caixa marca
NF4C n. 311 descarreg la de bordo do vapor
inglez Mirchaut, coin averia d'agua do mar,
s 11 l-.jraa do din cima.
Noarmaz-m da ra do M.rquez da Olinda
n. 52
EM CONTINUADO
vender o mesmo ageute fazeudas e chapeos para
homens senboras e memnoe.
De 1 armaco, estantes, aparadores, mesas de
jantar, cadeiras de junco americanas, 1 rdogio de
parede, 1 machina de preguear, etag-irs, quadros,
candieiros para kerosene, facas, colh rea, louca,
jarros, transparentes, 1 espeiho, trens de cosinha
e outros objectos. pertencentes ao hotel sito no
pateo do Terco n. 20
Sabbado o do corrente
As 10 1\2 hora
Por intervenco do agente
Britto
Leilo
105000
60000
3^000
300 K)
20000
20000
10000
0500
As encommendas s silo
Segu no dia 24 -ie
Agosto, as 5 horas
da tarde. Recebf
earga at o dia 23
.ncommendaa passagens e dinheiros a frete at
s 3 horas da tai de do dia da sahida.
ESCRIPTORIO
Caes da Companhia Pemamb^uia-in
n. 12
Porto por Lisboa
Para os portns indicados seguir brevemente
o brigu* portugu. s Armando ; para carga e pas-
sageiroa trata-a. c im oa consignatarios Joa da
Silva Loyo & Fh...
lllLtiU
Sabbado, 9o do corrente
A's 11 horas
Na ra Nova n. 24
De 2 pianos, 1 cofr; nova prova de fisgo, 1 mo-
bil8 de junco novo, l do jacaraud, 1 de mogno,
2 messs elsticas, 2 guarda loucas, 1 guarda ves-
tidos, 1 commoda, 2 apirador a, camas, bercos,
secretarias, 2 fiteiros, cadeiras avulsas, espregui-
gadeira, espelh s, quairos, jarros, miudezas, per-
fumaras e outrts artigos.
O agente Modesto Baptista, tenjj de entregar
aachaves do armazem aeim far I-ilo ao correr
do mart'lio afim de Irquida c ntas.
4. leilo definitivo
Da casa terrea coui sot^, ra do Socego
n. 32, em solo proprio
Segunda feira, 99 do corrente
A's 11 horas
Ra do Imperador n. 22
O sg*nte Stcpple, por mandado e assist.ncia do
Exm. Sr. Dr juiz de direito privativo de orpbos
e ausentes a requerimentu do inventariante do fi-
nado Maooel Antonio Tcixeira, levar a 4. e defi-
nitivo leilo a casa terrea cima em solo proprie.
Os Srs. preteodentes desde j.i podem examinar
a dita casa, a chavo acha te junto no n. 32.
Vaccina publica
De ordem do Exm. Sr. Dr. presidrots da pro-
vincia, declaro que no Gyoinasio Provincial ha-
ver vaccina publica todas aa quintas teiras, das
11 horas ao meio dia, ou em qualquer dia sant > a
mesma bora.
Gymnasio Piuvincial, 1 de Agosto de 1887.
Dr. Estevas Cavbante de Albuquerque.
MARITiHOS
Companhia Bahlana de narega
cao a Vapor
Maesi, Villa Nova, Penedo, Aracaj,
Estancia e Baha
PORTOS DO SUL
0 vapor Sergipe
Ccmmandante Pedro Vigna i
Segu impreterivel-
mente para os porto?
cima no dia 19 di
Agosto, ae 4 horas dt
tarde. Recebe carga
unicH mente at ao 1[2
dia do dia 19.
Para carga, passagens, encommendao e dinhei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
7dua do Vigario 7
Domingos Alves Malhcus
l'niicd Slates & Brasil M 8. S. C
O vapor A.dvance
Espera-se de Niv.-iur.
News, at o da ID .- Agosto
o qual seguir.t tepota d>i
diaora nec --.ai' p-ia
Baha e Rio de Janeiro
Para carga, passagens, e encommendas trac ta-
is com os
AGENTES
Henry ftrster k C.
:J 8 RA \A> COMMERCIO N. 8
. anda*
Companhia Dradlelra de \ave
gseSo a Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Pernambuco
- Commandante o capcLo de fragata Pedio
Hyppolito Duarte
E' esperado dos ..^rtos do
norte ate a dia 23 de Agosto
e depois da demora indis-
ZF pensavel, seguir para os
p"-tos do sul.
Recebe tambem carga para Saatos, Sianta Ca-
tharina, Pelotas, Porto Alegre e Rio (irande d >
Sul, frete modic .
Para carga, paasgens, encommendas e valores
trata-se na agencia
PRAQA DO CORPO SANTO N 9
COHPAXinE DE XENN.tUK-
ItlKM AHITl.ni 'S
LINHA MENSAL
0 paquete Orenoque
Commandante Moreau
E' esperado dos portos do
sal at o dia 19 do corrente,
seguinde, depois da demora
do costnme, para Bordeaux
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de toda
as classes que ha lugares reservados para rat*
! agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Fax-se abatimento de 15 % em favor das fa-
; milias composta de 4 pessoas ao mebos e que pa-
, garem 4 passagens inteiras.
Por excepeo os criados de familias que torna-
ran bilhetes de proa, gosam tambem d'este a bati-
mento.
Os vales postaes s se dia at e dia 17 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e dinber
a frete : tracta-se com o
,AGENTE
4ugnste Ubiile
y RA DO COMMERCIO -9
CHARGE11RS REUNS
Companhia Franceza de \avea
ci a Vapor
Linha quinzenal entre o H*vre, Lis
| boa, Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos
o nw v mi ho
Commandante Viel
Espera-se dos nortes do
sul at o dia 19 de Agosto
seguindo depois da indis
pensavel demora para o Bat-
wre.
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece exccllentcs commodos e ptimo pasaa-
dio.
As passagens poderilo ser tomada* de antemo
Recebe carga encommendas e passageiros para
os quaes tem excel lentes accommodacoes.
Para carga, passagens, encommendas dinheiro
a frrtc: trata-se com o
Ovapor ViDe de Cear
Commandante Simon't
E' esperado da Eoropn
at o dia ^20 de Agosto, s-
guirtdo depois da indispen
savel demora para a Ba-
bia. Blo tie Janeiro
e Manto*.
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelot
vapores desta linha,queiram apresentar dentro de 6
iias a contar do da descarga das alvareng.-- [aal-
quer rectamuco concernente a volumes, que po-
vi'utiii ii tenham seguido p&ra os portos do sul.aSn
de se poderem dar a tempo as providencias neces-
arias.
Expirado o referido prase a companhoa n ae
responsabilisa por extravos.
Para carga, pa sagena, encommendas e dinhoirc
a frete : trata -se com o
Augusle Labilie
9-RA DO COMMERCIO-9
Sexta-teira, 19, o de b >ns movis, objectos
de prata e electro-piale, porcelanas e crystaes na
casa da Passagem da Magdalena.
Sabbado 20 deve ter lugar o leili de urna
caixa com miudezas svariadis bein com fasendas,
chapase 12 caixas com mantei^a, ni armism
ra do Mrquez de Olmda o. 52.
3* leilo definitivo de
predio
De 1 parte do sobrado sito a ra do Aurora n.
151, avaliada em 9:0 04000 send > 3:3444457 o
valor da parte, a qual ser entregue pelo maior
lance que se obtiver.
Da casa terrea ait-i a ra do Coronel Lioienha
n. 35, antiga dos Prazeres, fregoetia da Ba-
Vista, com 1 porta e janella de trente, 2 salas, 2
quartos, cosinha, quintal murado c cacimba.
Em seguida :
De 1 cavallo preto loodrino andador de baixi a
meio, diversas mobdiis de j icir.nii, junco, ama-
relle, pao carga taia, eauas, marquezoes. com-
modas, marquezas, cadeirss, guarda !oucp,
toilets, lavatorios, pianos, quadros, ioocss, vidros
e muitoa outroa objectos qn" sero vendidos sem
limites.
Sexta-feira, 19 do corrente
Ai 11 horas
No armazem da ma do Marqurz de Olinda
n. 19
Por ntervenco do agente Gusmlo.
Sexta feira, IB do corrate
De bons movis, tinos crystaes, quadros a
oleo e de oleographia, jarros para -res,
objectos de electro-plate e chrystofle, a
saber:
Um piano forte, 1 mobilia de Jacaranda oom 1
sof, 4 cadeiras do brnco e 12 de guarnico, 4
quadros, 2 estantes psrs refritos. 3 sanefas para
cortinados, tapetes avelludados para sof, tapetes
de carneira, 5 escarradeiras grandes, 2 serpen-
tinas, 2 figuras, lindos jarros, enteites de mesa e
alfana.
Uuii lida cama am Tirana, 1 toilet e lavatorio
de Jacaranda podra mnrmjre, 2 esbides, 1 com
mola, guarnieres pnra loilet e lavatorio, marque
zoes, berco, 1 guarda roupi e 5 cadeiras
Um guarda lou^a, 1 exoelieut<- mesa elstica, 2
qusrtinheiras, 12 cadeiras de junco, 1 relogio de
parede, 2 apparelhos de porcelana para cha, 2 ditos
para jantar, copjs, clices, garrafas, fructeiras,
jarras, quartinhat, lind- a porta-licores, bandejas
e salvas, talheres, gslhrteiros, porta gel, facas e
2 jarros de faiance.
Mesas e taboas para engommar, mesas de cozi -
nha, potes, flandres, banheiros, treui de cozinha e
mui is outros movis de chss de familia.
POR INTERVENQ.^O DO AGENTE
Pinto
No sobrado immedisto chafara do Sr. commen-
dador Joao Ignacio do Reg Medeiros na Pas
sagern da Magdalena.
A's 10 horas e 20 minlos partir um bond que
dar passagem gratis aos concurrentes.
AVISOS DIVERSOS
= Vende se o botel n. 27 sito ra de L:mss
Valentinas, antiga Aguas Verdes ; a tratar ao
mesmo hotel.
Aluga-se a boa casa n. 2 no piteo de S. Pe-
dro novo, em Olinda, com muitos commodos, gua
e gas, muito fresca ; a tratar no Caminho Novo
n. l'J8. Na mesma casa .recia se de urna criada
que suiba cotonhar bem engommar, sendo ja de
maior idade, prefer*-se p irtugueza, tomt-se tam-
bem urna orph de 7 8 anuos de idace, promet-
iendo se tratamentj calidos.
A'uga-si' casas a 840CU na neceo dos Coe-
Oos, junto de n. jimcallo : a tratr na ra da
uiperatriz n. fi.i.
Alnga se por 10O sea, def'otile da estadio, com arioa^aj ; a tratar
na ra da Emperatriz n. 56.
Precisa se di urna cosinheira e de um criado
para casa de familia : a tratar na ra do Baro
da Victoria n. 3:1, loja.
Precisase de urna pessoa que saiba cozinhar
bem, bomcm ou mulher, ra Vinte e Quatro de
Maio n. 13,1 andar.
Aloga se a casa na Encruzilhada de Belem
por 8j000, est iimps, tem quintal e cacimba, e a
loja da ra do Coronel Saasauna n. 139 ; a tratar
na roa da Impcratriz n. 56
Precisa se le um menino par:, vender tabo-
lero ; no becco dos Paus n. 11.
Precisa se de urna cosinheira ; na ra da
Matriz da Boa-Vista o. 9
Precisa-se de urna c sinbeira ; na estacSo
da Jaqueira, sitio do Sr. Valeuca.
Dr. Joioii Barta Lina
Regresaou bontem da corte e sigui para a ca-
pital do OarA ao bardo do paquete Para, o Dr.
Joaquim Barbosa Liica, que vai reassumir a vara
de direito daquella capital. Dcsejamos boa via-
gem ao distincto magistrado
Dr. Mella Gomes
Medico parleiro
Mudou s'u consultorio e residencia para a roa
larga do Rosario n. 44, onde .ole ser procurado
a qualquer bora do dia e da noite.
Caixeiro 0
Precisa-se de um menina de 12 14 anuos,
para praticar ; na fabrica Martina, ra da Impc-
ratriz n. 1._______________________^_^_
Piano e casas
Vende-se um bom piano e aluga-se dua< casas
na Passagem, cjm bastantes commodos ; tratar
na ra dos Pires n. 83.
Agente Burlamaqui
Leilo
De 2 cavalloB e de 2 carracas novas com
bons eixos
Seita feira. 19 do corrate
A's 11 horas
Nos fundos do armazem da ra do Marqees
do Henal n. 39
O agente cima, antersado "pelo Sr. Joao Ma-
chado Evangelho, levar a leilo 2 cavaos e 2
carroess com pouco uso e bons eixos, e que se
prestara para qualquer servico.
Os Srs. pretendentes desde j podem ir exa-
minar.
Trras venda
Vence se terrenos em chaos propnos, boa trra
para plantaco, cem arvores de fructo, boa agua e
barro pira edificaco a 20.0 e 1 500 o palmo ;
trata-se. no mesmo Bitki. das 8 1/2 da manhS s 3
da tarde, junto a e9tacao do Campo Grande.
:-."'
i
Precisa-se de uma aun.
de Pedro Affosso n. 7(1.
LwM
para cceinhar ; na rna
Freguezia do Re-ie
Aluga-se por 84 o sotao do 1- andar n. 63 da
ra do Visconde de Itaparica antiga do Apjllo,
no mesme precisa-ae de um criado, paga-se bem.
Criado
Precisa-se de um na ra da Santa Cruz n. 10,
trazendo attestado de conducta.
I
I
K

'
i
t>
l


r
&*

Diario de Pernftiuiu>Sexta-feira 19 de Agosto de 1SS7
^,
l
;
\
s
Flnlliii canto ai RiEimo
a 400 rs. a arroba
Chegou s prisseira retaessa do precioso frello
de carolo de algodao, o mais barato de todos os
Tlimantna para aniuiaes de raca cavallar, vaccum
auias, ate. O cacoco de algodao depois de ex-
trahida a casca e todo o oleo, o mais rico ai i -
ment que se pode dar aoa animues para os forta-
lecer e engordar com admiravel rapidez.
Nos Estados-Unidos da Amen Ja do Norte e na
Inglaterra elle empregado (com o mais lehs re-
saltado) de preferencia ao milho e ontros farellos
que sao muito mais caro e nao sao de tanta sus-
tancia.
A tratar no Beetfe 6 Largo do Cor-
po Santo, I andar
OD
Vademcum de Homeeopathlco'
Methodo conciso, claro e seguro de ebrar
homoeopathicamente todas as molestias que
a Aligera a especie humana, particularmente
aquellas que reinam no Brasil pelo
DR. SABINO O. L. PINHO
5.a edlccao
consideravelmente augmentada e annotada.
Vende-se nicamente em Pernambuco.
PHARMACIA. HOMCEPATHICA,
PeloDr. J. Sabino L. Pinho
> lili. HABIDO
i 43 BA DO BARO DA VICTORIA43 )
Criado
Precisa-se de um ra de Paysand n. 19
(Pass^gem da Magdalena).
Escripias avolsas
Urna ptssoa qne dispoe de algum tempo offere-
ce-se para fazer algumas ; a t'atar na ruado
Mrquez de Olinda n. 1 e Imperatriz 54.
PILLAS
Fe3?3?vLcrira.o<3afi
DE
JURUBEBA
BARTKOLMEO & C
Pnarm. Pernambuco.
Curso a Anemia, riores brancas,
Falta de Menstrnapo,
l Debilidades Pobreza de sanguc i
cigir a assignatura
Emiilsiiii de kepler
Preparado de Buroaghv, Well-
come al C.
CHIMICOS DE LONDRES
Aceite puro e fresco de figado de bacalho da
Noruega m sciucao com o Extracto de Malta de
Kaaler.
sta a mais perfeita Emulso al hoje con be -
cida.
Foi introdusida na pratica medica a algnns
annos e desde ento o seu consumo tem tomado
um incremento to extraordinario que nao ha um
s dia em que aeja receitada pelos mais abahsa
dos mdicos do mundo
O EXTRACTO COMPOSTO DE
Salsaparrilha
do Dr. Ayer,
m nm alterado tilo xtiriij .......pleta-
ment- .lo kysi.-i
atfeco quo ism n ,|'ld
tinliaf- e as oeoasionnda )- Ao
meemo teopo vitallsa e enriquece o san- coni-
uimiicando urna aoeilo saadavel ao organismo e
rejuvuuescendo o systema inte'-o. Esta grande
Medecina Regeneradora,
emposta eoni a aerdadataa SnlsasiarrUba de
Houduw. dos ll. '>'
outros ingredientes "de rail I i 8 virtudes
curatiras. cui.la .nidos.
A formula profliaao
medica, e os mentores medi a Salsa-
rASHiLMA do Da Ai b omdo um
Remedio Absoluto
para as enfemiiilail.s ocasionadas pelo estado
vioioso do Mingue.
Est concentrado so '.-ro mi9 alto practicare!,
muito mais que qualiiiier outra preparacao da sua
etesse, que preteudo proporcionar gases effoitos, e
i por tanto a medeehsa ii-bs barata, assini como a
meUior para purinVur o saigas.
PBEPAltAIK) ir
DR. J. C. AYER k CA.,
IiOwell, M.-.ss.. E. U. A.
A' rewU as principal .. ph aramias e drogaras.
Aiuga-se barato
Roa Visconde de Itaparica n. 43, armacem.
Ba Coronel Suassuua n. 141, quarto.
Travessa do Caroso n. 10, luja.
Largo do mercado com agua n. 17.
Travessa do Carmo n. 10.
[Yatk-se Da ra do Coinmercio n. 5, l4 andar
es Tiptorio (krSilva Uuimares fc C.
Aluira-se
nm grande sitio, contendo as principaes fructas,
no Caldeireiro n 9, com boa casa de morada (que
foi do finado Mamede), tendo agua e gaz, a qual
confronta com a casa do Dr. Aleoforado ; a tra-
tar na ra do Apollo n. 30, 1- andar.
Ahig'.
a-se
a casa terrea na travessa da Ponte de Uchoa n.
12, com bastantes commodos para grande fami-
lia, com sitio mnrado e arborisado, b a agua po-
tavel para beber, deposito e banheiro de cite, uto
e bomba, fca a dita casa marg.m do rio Cap-
baribe, com banbo doce temperado e salgado :
quem pretender dirija-se ao mesm > sitio, das 6 s
10 horas da manba, que encontrar o propie-
tario.
Arrnda-se por cinco aunos o engenho cima,
situado na comarca do Bonito, moente e corrente,
com todas as suas portencas. Pode safr-jar para
mais de 1,500 pes, e dista da-estaaio de Catende
legua e meia, sendo sua renda por mdico preco ;
a tratar na ra da Cruz n. 16, prmeiro andar.
A ve Libertas
A Sociadade a risa as pessoas que tem pedido
para serem considerados seus escravos, aflhados
com' preferencia sobre* e protegidos, que vai haver librrtacoes e que para
todas as demais preparares de igual natureza, pela este fim devem apreseotar as mairiculas no praso
certeza de sua tolerancia no estomago nao s das de 8 dias a contar da presente data.
creancas como dos adultos, rebeldes omitas vezes
ao oleo de bacalho e a omitas emulsoes mal pre-
paradas.
Assim. pois, a nossa Emulio se recommenda
com preferencia para o tratamento da tsica em
todas as anas multiplicadas mamfestscoes e em
todas afleccoes dos orgaos respiratorios, como bron-
chites, raquitism', enfermidades escrofulosas, tu-
mores brancos, procedimento supurativo e na den-
ticfto das creancas, na caxexia svpbilltica, na
per da do appetitte e debilidade dos orgaos diges-
tivos e em geral em todos os casos em que se faz
preciso o levanramento na nutricio.
nico deposito
34Ra Larga do Rosario34
Pharmacia
BARTHOLOMEU d C SUCCESORES
Sede da Sociedade, em 13 de Agosto de 1887.
PRODUCTOS EN0L0GIC0S
"UlVttr PHV, aoi PoiUers (Franga)
EmllePROUST, Sucr- & Ger.ro
Na fabrica do rap ra do Visconde de Goy-
anna n. 157, precisa-se de urna cosinheira para
pequea familia, sendo boa psga-se bem.
Precisarse de um criado par i vender na roa
na roa Duque de Caxias n. 39, 2- andar.
L Perfume aaanUco dos Vinhoa ou sobra) nnn,
de Mesioc...............os 100 frascos! 2oft-
. UsaiciotiEsaancaatsCognac.os 100 frascos 600 fr.
3. Perfumes para todos os Licores os 100 frascos 300 fr.
i. Esssnda de Rhum su itTa fia, os 100 frascos 600 Si.
brpositasio* Prrnnmhuco
*Wa*ir~ 3t- DA SIX/V.A. 3c o
Aviso
Aluga-se
Vende-se ferrnos junto a capellinha de Belem,
na Encraailhada ; a tratar na ra larga do Rosa-
rio n. 10, 1- andar, esenptorio.__________________
Apalazadores
Precisa-se que sejam perfeitos em trabalbos de
calcados ; roa do Livramento n. 24, fabrica de
calcados.
Praciaa-ae de um homem para tettor, que enten-
| da perfeitasasnte de jarditn, prefere se da Ilha pa
S. Miguel; a tratar na ro:i do T rres n. 6, Keeifd
lAlADEIRA-BOMBA
Criado
Precisa-se de ura criado para
na ra Duque de Caxias n. 9, 2'
vender na roa
andar.
Advogado
(Foro civil e ucclesiastico)
Bacharel Antonio de Li-llis eSouz.. Pontea, roa
do Impera ior n. 37, 1 andar.
itlanteiga do serto
Em todo superior a inglesa, n?o s por ter me-
lbor paiada com > tambem por nao ter composiySo
alguma, e cooseguintemente apropriada para
qualquer mesa ; asaim como da mesma apurada
em liquido para tempero dos manjares mais finos.
Encontrase no armazem de Albeiro, Oliveira &
C, a ra da Imperatriz n. 42.
MONCHOVAUT
A nica
O
mina h cmTAi cm PAursso tmkahi
val vTiJa, em que nunca
te torna a descer
Medalhas
de Oun
e
de Prata
/
:C<
4W

AMA
Precisa-se de urna ama para comprar o
coziebar em caea de familia: na ra de
Riachuelo n. 13 se dir.
farsas-
Precisa-se de urna ama engommadeira ; na roa
da Aurora n. 27.
Ama
Precisa-se de urna ama ; a tratar na roa do
Paysand n. 19, Passagem da Magdalena.
Ama
Precisa-se de urna criada para engommado liso,
e outros servicos em cesa de familia ; na loja de
fazendas roa Duque de Caxias n. 44.
Ama
Precisa-se de urna para cozinha e mais servico
de easa de familia a roa Bella n. 43.
Preciea-se de nma ama para engommar e tazer
servicos de casa ; ua typographia do Diario, no
3- andar, n. 24, ra Duque de Caxias.
A \ "-
Precisa-se de nma ama para cosinhar e comprar
para casa de nouca familia ; na ra do Mrquez
do Herval n. 79.
AMA
Precisa-se de urna
engommadeira e cosi-
nheira para casa de
tres pessoas: na ra
do I!arao de S. Jorja
n. 35.
.rara engeno
Offerece-se nma senhora com todas as habilita-
Oes nccessnrias para ensino primario, ou em
qualquer povoado que nao tenha professora ; quem
dos seus prestimos precisar, dirija-se ra da
Imperatriz n. 14, segundo andar, a tratar com a
mesma.
SenieiMes e cwapato
Comprarse na fabrica Apollo roa do Hospicio
numero 79.
Oleo de mamuiia
em barris ;
do Mattcs
vende-se no trapicha Vianna Forte,
Hadenioiselle (olinba
Ba do Imperador o. 55, segundo andir.
Modista
Fabrica de chapeos
Antonio Jos Maia & C.
DEPOSITO
ra do Barao da Victoria os.
U e 56
Os prpprietaiios deste estabelecimento scienti-
caui aos%eus numerosos freguezss e to respeitavel
publico, que contiouam a ter grande sortimento
de chapeos de todas as qualidades e formatos,
manufacturados com toda a perfeicao e por presos
mais vantajesos que em outra qualquer parte.
r>
J
Diammente debate-se na imprensa a ciise
aterradora porque estilo passando ns provincias
do norte deste imperio ; sao innmeros os recla-
mes de todas as classes, sem que sejam attendidoa
os seus justos pedides, de que se gloriam as na-
(des civilisadas.
E para que se pessa dar impulsos os desejados
progresos que certamente traro o sem estar de
todos, resolveram Martina Pires ce C. estabele-
cidos com armazem de molhadoa ra Es-
treita do Ros .rio ns. 1 e 2, a vender por precos
mdicos os artigos concernentes ao" seu ramo
de negocio, que certamente cnnstitne nma eco-
noma diaria e onde se acba um completo sor-
timento dos seguintes artigos, que pela sua qua-
lidade e precos sao recoinmendaveis, como te-
jam :
Viuhos finos do Porto
Madeira
Sherry
Chambertin
Bordeaux
Moscatel
Callar e Bucalas.
Completo sortimento de cervejas, cognac, bitter,
licores, doces, bolachinhas nacionaes e eatrangi-
ras.
Qaeijos frescos do serto, pralo, Minas e fia-
mengo.
Azeite de coco, mate do Paran, formicido ca-
panema.
Procos sem competeocia.
Ns. 1 e 2Ra Estreita do RosarioNs. 1 e 2
Martins Pires & C.
Aviso
it Cilaa (erroiiuiou e de ascax ds Laranlis amarp.
TOHICD RECONSTITTJINX:
Remedio soberano
CONTRA a
CH LO ROSE, ANEMIA, CARIE DOS OSSOS,
AFEECCES DAS VAS DlflaStlVAS,
DIARRHCAS CHRON4CAS. RACHITiSMO,
ESCRFULAS, DEBILIDADE.
CONVALESCENCAS OE FEBRES TVPHOIDEAS
eos MQuaarrMSooavbs, stc
Venda em grosso : >T. B. Honredon
Phirmactitla a BHIVES (Corrizi), FRAiCA.
Depsitos c-.i Pernambuco :
FKAN" M. da SILVA A C
t. iiu x, kan twasMu ji Brazll.
Ama
Quem precisar de urna ama de le te, dirija-se
roa estrena, do Rosario m. 2.
Compra-se
ama meia agua as proximidades da cidade, em
terreno propno. loiormacoes ra Fu riosa
n. 31.__________________________________
Antonio Hilarle
receben directamente do Porto vinbo verde, dito
do Donro, salpicos de fumeiro, ditos em calda, e
vende por preco mdico em seu eetabelecisnento,
roa da Uuio n. 54, confronte ae.-raeao.
Deutscher evan^elis-
cher Gottesdienst
Wird Donnerstag den 18 und Preitag den W
dieses, 7 1/2 uhr abeuds in der engiischen Capel!e
in der roa d'Aurora stattnndeo.
Nhchber Besprechung einer wichtigen angele
ge-ibeit und aaflegung einer Liste fuer jaehrliche
Bcitraege fu. r Reiceprediger, und einer Liste fuer
Beitraege zu dea Reisespesen. Un zahlreicben
snspruch bittet.
1. L. H llerbaeh
Pastor.
Oplnso do D' BOUCHUT, lente I
i Afrailado da Facultarte de Medicina de Pars s 1
nsdico do Hospital das enancas enfermas, no sen i
[Irrro Kygiena da Infancia :
> Urna Mamadelra bem acondicionnada ]
dve ter -una vlvula onde o leite nunca i
| torne a desoer : este o principio da I
MAMADE1RA MONCHOVAUT. >
Mssotsi ta (stM ai smcfui Paansada Ortfahai
Oleo liigh-life perfumado
para o cabello
Ou oleo do bom tom
andado fabricar expressameate
em Parla por Angele Bapbael
** Cumpanhla
A grande copia de leos ordinarios e falsificados
qne invadem este mercado, com grande prtjuizo
para o cabelle, aconselh u-nos a mandar fabricar
por eneommenda, em Paria, por um dos melbcres
perfumistas, nm oleo extra-fino, verdadeiro de
ami'ndoas, de perfumee suaves, perfeitamente lm-
pido e que nao formaase deposito de sedimentos
ou borra nos frascos, como geralmeate acontece
com os leos baixos, e cujas qualidades higini-
cas podessemos garantir aos consumidores os mais
escrupulosos. Tal fim foi plenamente preenchido
com a creaco do High-life oil, que temos a honra
de presentar venda as principaes tojas de per-
fumaras desta praca.
Angelo Raphael & C
Emilio Bllion, Engenheiro Mecnico, engarre-
ga-se dj montar novos appareihos, des melbores
fabricantes franceses, e os mais ajiperfeicoados,
pelas condicocs e precos seguintes :
O assncar ser fabricado pelo systema Bro-
cheton e Billion igual ao da Usina Pinto.
- Garante-se no mnimo 9 % de assucsr cris-
talizado de todos os jactos, e 10 /, com moenda
de repressao, augmentando os precos abaixo de-
clarados.
O trabalho dos appareihos ser por 24 ho-
ras, se aproveitaro os edificios existentes, com
pequeas reformas; os proprietarics daro todo
material, como : tijolos, cemento, cil, area, ma-
deira, etc. ficando por conta do empreitorio todo
toa i rabedho.
Preeo das loinaii
VIXHO WE JURUBEBA
COI I0DIRET0 DE rOTASSIO
Tnico, depurativo e anty-
raeuHiatico
PKKPABADO POB
BarMoifl&CSicciiw
Approvado pela Junta Geral de Hygiene
da Corta e antorisada pelo governo
Os repetidos pedidos que nos foram feitos por
muitos dos nossos illnstrados clnicos para juotar-
mos ao nossoVinho de Jurubeba,j *.ae vanta-
josameute conbecido no no.-so paiz, como no cstran-
geiro, urna dose exacta eempre determinada de
iodureto de potassio, creando assim um medica-
mento certo e inaltcravel, de immensas virtudes
medicinaes, nao nos deix:-rara hesitar um s in-
stante, e hoje temos a satisfacao de apresentar ao
Ilustre corpa medico do nosso paiz e ao publico
em geral esse novo preparado, cuja accao curativa
e certa em grarde numero de molestias iucon-
testavel, como seja iu rbeumatismo agudo ou
coronice, as obdtruccoes do ligado e bayo, as
antirvas, as clorosee, hydropesias, m destias uri
narias, debilidade do estomago e oas de origem
eypbilitica,
A jurubeba, essa planta preciosissima, tao cheia
de virtudes medicinaes, associada assim ao iodo-
reto de potassio, o depurativo de um valor in-
menso, faz com que o nosso preparado aeja usado
de preferencia, como um medicamento certo e in-
fallivel para a cora das molestias que cima dei-
xamoa descriptas.
Seu uso de fcil spplicaco, podendo por isso
ser tomado pelo doentc : todava recemmendarnos
a direccao de um medico, e s elle deve modificar
a sua accao, elevando ou diminoindo a dose se-
gundo o etf'eito que j'-ilgar preciso em fice das
molestias a combater.
O nosso vinho de jurubeba e iodureto de potas-
sio puro tem urna dose exacta de iodureto repre-
sentada em urna colher de sopa por quatro graos
de iodureto, podendo por 1S30 sur timado pelos
adultos na dose de 'i colheres de sopa por dia e
pelas ereaacas na de 3 das de cha, momentos an-
tes co oo acto das refei(5es.
Modas
Para toiletts de qualquer geni'ro. com perfei-
cao e gosto, procure-se mademoisidle Cotuha, Im-
perador 55, 2o andar. Precos razoaveia, figuri-
nos os mais modernos.
NNMRI
P CLERV
Vende-se em toda aarte
ao a < a a o 3 B g 3 Ai S 9* 9 f -4 2
5 X - 3 D O B < 2* o o o o -
1 100 tonnel. 9.000 k 110 sac. 110:000*000
2 125 11.250 . 140 . 130:00D000
3 150 . 13.500*. 168 . 150:0004000
4 0 . 18.000. 225 180:000*000
Psra qualquer explicacio, dirigir-se ai praca
Aripib su Usina Bosque.
MOMO
iilsatias
l'rgenein
Precsa-se de costureiras que saibara faier ves-
tidos : na ra da Aurora n. 39, 1 andar.
DEPOSITO
34--Ria Larga do Rosario.",'.
PERNAMBUCO
SAUNDER8 BROTHERS & C, largo do Cor-
po Santo n._ll, teem para vender :
Cerveja p'reta e branca, de M. B. Forster &
Sons.
Dita allem, Plisen Beer.
Vinho hHmry. Amentillado.
Dito Bcrdeaux, St. Juii.n.
Whisky, Thiste Blend Stotck Wibk *
Dito ... *
Presuntos de Adamson.
Maicena de Browns & C.
Phospboros. Ameslosto Safet Matches.
Tiaras em masss, branca de sineo de chumbo
preta e verde.
Zarco.
Plvora, da muito enaltecida acreditada marca
EB.
SEMOLINA
De Hrons & C, de Glasgow
Este artigo, prapanado par um novo preeasso
de trigo da melhor qualidade, possoe os elemen-
tos neeessarios para nutricao de crianjas e docn-
tes, e limito se recommenda por ser de fcil di-
gestao e gosto muito agr iavol ; tatobem p
fazer ama excelleotc papa, misturado em partea
ignaes com a maizena dos meamos fabricantes,
addieionando-se-lhv aJgum leite. nicos agentes
nesta oraca, Saunders Brothers & C., la' go do
Corpo Kanto n. 11, primeiro sudar.
PAi.PE8a;s
Pomada MOputalmica
da Vuiva FAMMHSR
Eata POfcADA, ronbccula dcad* o cutio de 784,
mdqairu e tom con*rv'o o pnmnro lograr na Therapeo- !
tifa <^nlar. F.m virtudo de m relatono da E ola de .\fe cia de Pari*. (o autorizada a Tanda por m Decroto
eapecial em 1807.
Um reculo deexprri',nria> tnv.ravew tero ctafinaailo sua \
effi'-a. : ra a OPMT^sCJTJ'A Pl mVE-KBTA
i das Cranlas. (>p'<(uiswu f vfiess fjfUisMt-. O seu
bom xito infallivel as O^iiiuimiia <-*ir* .***,
Aluga-se
Urna casa terrea cem 2 salas, 4 quartos, cosi-
nha fora, pintada e caiada, ra ds Hospicio n.
70, tractar na mesma n. 81.
i i t*
"? Modalha do Ouro na Exposico universal 1878 #*
"^ PARS O ap r ll la PARS
-
"O BRDEOS 'FRANCA)
-O Depsitos em todas at tendss de Comestibles. SjV
fttffffft o-o o o O O O
YENDAS
WHISKY
ROYAL BLEND marca VIADO
Este excellente Whisky Escossez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de canna,
para fortificar o corpo
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO
cojo nome e emblema rSa registrados para
todo o Brasil.
BROWNS & C, agente-.
Sement de eaeo
Vende-se no caes Vinte e Dous de Novembro,
armazem da bola smarelia n. 36, sement de ca-
cao. Estamos ao tempo de plantal-o.
Jarro vidrado
Vende-se nm ; na roa Fomosafn. 31.
AS/flAES OE FAMILIA
Para rKuediar fraqueza das criancas, desen-
Tolver suas torcas, seu crescimento e preser--
val-os das molestias communs idade tenra,
oe prin'/ipaes Mdicos e Membrc-p da Academia
oe Medicina receito, com grando xito, overda
deiro Racahout im rabes le Delaugrenier
de Pariz. Bate alimento muito agradavel com-
Kisto de sunstano"jis vegetaes nutritivas e
rtifleantes, se espalht; por ioda a economa
e em vista de suas propriedades analeptica,
memora a composicao do leite das senhoras
que crio. e restaura as (breas eDiraquecidas
do estomago.
Dere-se eligir
a Ass/gi?atsr
em trrt '
Oeposltc gsral em THIV1GRS rDordogoe), Fraoga,
em caM de THETTXdER.
Ea Perntmbuto Fran M. da Silva .
B VAS PRIKCirAKS PHAHMAClAIt
JMOMOMOMOMOMOrvOMOr^OMOK
t
Ao n. 19
Vende-se om balcao, orna armaeo toda eovi-
dracada e pintada ; Bazar do Livramento.
Fio de alft-otlao da faJaria* Camina
Vendem Machado & Pereira, roa do Impe-
rador n. 47, par commodo preco.
Attengo
Venia k sitio
Vende-se oo permuta-se por predio n?sta eida-
de om bom sitio com boa caBa, muitas fructeiras,
exc( lente banbo do ro, boa agua de cacimba,
(Xtenso de terreno para baixa de capim, tolo
murado na frente, com norto e gradeameato, com
caminho :e ferro e ejta^Io juuto ao dito sitio, ne
Porto da Madeira, conhecldo pelo sitio do Joao
Selleiro, junto ao Dr. Erne-to de Aquino Fon se-
ca : qnem pn-teoder dirija-se praca da Inde-
pendencia n. 40, das 11 horas s 4 da tarde.
Cofre
Vende-se um cofre de Muera em bom estado :
na ra larga do Rosario n. 3o, loja.___________
rolariahos e panhos de
selluloide
Carlos Sioden receben pelo ultimo vapor, e
vende biratissiino ; na ra do Bato da Victoria
numero 48.
Atten;o
Vende-se especial fsrinha de mho e de arro
feta a vap r e preparada para bollo, caegica,
cuscs e ontras diversas especies de cemederias que
necessitem destes meemos gneros, sendo a 240
ris o kilo, na padaria da travessa do Pombal n,
1, perteocente a Pereira Se Pinte.
Telephone n. 2%.
Livramento & C.
vendem cimento port'and, marca Robins, de 1*
qnalidade ; no caes ,do Apollo n. 45.
S na loja da Revoluto
lli'iiiiquc da Silva Morara
A FLORIDV
Una Duque de (atlas n. IOS
ADMIREM!
Cintos modernos a 1#000.
Luvaa de pellica a 2|Jd00 o par.
dem de seda a 20000, 20500 e 3000 re.
o par.
Fitas de velludo a n. 9 a 60000 d. 5 a
400 rs. metro.
Albuns de 30000 at 8000.
Ramos de flores fin3s a 10500.
Luvas de escocia par menino, lisas, e bor-
dadas a 800 rs. e 10000 o par.
Port* retrato a 500 rs. 10000 10500 a
20000.
Anquinhas da 10500, 20500, e 30000 urna.
PBseis de 2 a 3 ordem a 400 rs. 500 re.
e 600 rs. o metro.
Pentes para cc com inscripcSo.
Enchovaes para baptisados a 80, 90, e
120000.
1 Caiza papel e 100 envelopes por 800
reis.
Capellas e veos para noivas.
Suspensorios americanos a 20500-
La para bordara 20800 a libra.
Estojos para crochet a 10000.
Bicos de cores cote 2, 3, 4 dedos de lar-
gura a 30000 40000 e 50000 a peca.
Lindos Lroches a 30000 10000 e 500 re.
Leques para menina a 200 rs.
Linhas para machina a 800 rs. a duzia.
Garrafa agua florida a 800 rs.
Leques com borlota a 800 rs. um.
Bicos brancos para setineta, cr-tone e chi-
ta para correr babados a 10000 10500
a peca com 10 varas, e barato,
Albuns de chagrn, velludo e velbotna
para 50 e 60 retratos a 60 70, o
80000 um.
Meias de escocia para senhoras a 10500 o
par*
Lencos de linho em lindas caixas.
Bicos das ilhas muito fino proprio para toa-
lbas e saias.
dem brancos com 5 dedos de largara a
30000 a peca com 10 varas.
Caixas com sortea de jogo de mgica pro-
prioa para salao a 50000.
Sabonetes de diversas qualidades a 120
200 e 500 rs.
Boleas de couro para menina de escola.
Grande pechincha era espartilhos de linho
30000 um.
Lindas pastas de 500 rs. 10000 20000
30000 e 60000.
Oarteiras para guardar sedulas de 100000
a cem.
Ditas lfitraa com os repartimentos de Ja-
neiro a Oezembrs.
BA.BBQZA SANTOS
Pecliiflclias!
Fabrica e ssiiear
Appareihos econmicos para o cozimen-
te e cura. Proprio para engenhos peque-
nos, sendo ntodicH em pre^o e ef-
feellTo em operaco.
;i!e-se ajuntar aos -ngenhos existentes
'lo systema velho, melhoraudo muito a
|*quadaile do assuuar e augmentando a
luantidade.
OPERACO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenhos centraos,
isajbiuisnio aperfeifoado, systema moder-
no. Plantas completas ou machinismo
i aparado.
EspecificaySes e informa^oos com
Brosjras v.
5RA DO OMMERCIO-5
Alejandrina da Mftva Plnfo
Antonio Heares Pinte e seus fihoc pungidos do
maior aeotimeoto agradecem do intimo do curaco
a seus amigos igualmente as irmandades que bon-
dosamente te dignaram acompanbar es restos mor-
tses de sua presadissima e sempre lembrada es-
posa c mi D. Alexaodrina da Silva Pinto ao
cemiterio desta cidade, ao mesrao tempo ecnvidam
stscua amigos e parentes para assis irem as mis-
ans que mandam resar na igreja de Nossa Senhora
do Terco, sabbado 30 d corrente, s 7 horas da
rrniibi, 7. dia, canfessando-se desde j gratos por
este acto de religiSo e candade.
Esmnlas aos oi.bres na eoas'So da miesa.
aoa
ValTrido da llvelra Tavora
Luis Antonio da Silveira Tavora senvida
seus amigos para assistirem a mise que manda
resar na igjs do Carmo, pc-las 8 horas do da 20
do corrente, por alma de seu prantaado flbo
** alfrlclo da Hllvelra Tavara, por ser
o mencionado dia o 1 auuiversaiio do siu nassa-
] ment.
Venda se poj prego commodo am bem chalet,
dafronte da estacao de Parnameirim, acabado de
novo, e eom todas as accommo iacoes, assim como
orna casa na ra do Amparo n. 6, em Olinda, com
2 janellas e 1 porta, 2 salas, 3 quartos, cosinba
externa e quintal murado ; tambem tem para ven-
der um bom piano quasi novo, de tres cordas, de
melhor autor, e outros objectds : a entender-se
com Maximino da-Silva Qnsmao, em qualquer
logar em que o menino se achar.
Cobrado a Tender-se
Vende-se o sobrado n. 87 roa da Aurora, em
frente a ponte do Santa Isabel ; qnem pretender,
pode entender-se com o -i-rrwtoc Pedro Jos Pin-
to, na praca do C-unmerciu.
Terreno
Vende-se om swrrxno confronte a estacao do
Prncipe, estrada de Joan de Barres-, com 90 pal-
mos de frente e bastantes fundos, e om alicerces
para'3 casas; .lrafar na-rn d'Aoollo u. 30, pri
eiro andar.
Chf prete saperior
Carlos Sindeu recebeu p>'lo ultimo vapor e con-
tina a vender sem competeocia ; na ra do Ba-
rao da Victoria n. 48, loja de altaiate.
Vende-se
urna taverna no Pombal, -besa afreguezada, pro-
pria para principiante por tsr poueo cipita. ; a
tratar na rus da Aurora n. 85, mercearia.
I
Vende-se urna taverna propria para principian-
te, junto a i-staco do Zumb; a tratar na mesma,
e o motivo da venda se dir ao comprador.
Apro veiteni!
Chita com pequeo toque de mofo a 120, 160 e
200 rs. o covado ; madapolao superior cem 20
varas, peca 31500 ; algodao superior com 20 jsr-
das, peca 3f e 34500 : ra Duque de Caxias nu-
mero 80.
Ka antg* easa Carneiro da (iunha
Admiren.!
Setinetas lavradas, lindos padroes a 280 rs. co-
vado 1
Fostoes brancos, novos desenhos, a S20 e 400 rs.
o dito!
Esplendido sortimento de lindas las para vestidos,
a 400 e 440 rs. o dito !
Cachemires felpudas a If a dito .' 2 larguras.
Minns pretos e de cores a 800 rs. o dito I dem.
Veludilhos de todas as cores, bordados, a 1^000 o
dito!
Cretones de cores firmes a 240 o dito bom ve-
rem.
Damasco de la, 2 larguras, proprio para capas
de piano, a 2 o dito!
Pannos de lindos desenhos para mesas a 14600 o
dita!
Cortinados bordados, riquissimos, a 6 e 71 o par!
Gaarnicoes de crochet para sofs e cadeiras a 81!
Camisas brancas inglesas a 361 a duzia !
Ditas 4e cretone finas a 241 a dita !
Seroulas bardadas a 121 e 181 a dita !
Lencos em lindas caixinhas a 31 a dita .'
Meias arrendadas para senhoras a 61 a dita
Chapeos para senhoras e criancas a 21500,
61000.
Espartilhos de coor&ca a 41 e 51.
Brim pardo lona a 360 rs. o covado?
Ii'em branco n. 6, de linho a 7 -'500 o metro !
Tapetes aveludt.dos a 121, 151 e 221.
Superiores redes Colchas francesas a 31 urna.
C'bertas de g>,nga, 2 pannos, a 31 !
dem de setiuetaa finas a 31500 !
LeuQVs grande de bramante a 21 !
Cambraia Vict. ra de lt) jardas a 31 a peca !
dem c m salpicos brancos e de cares a 51 51500
e 61/10 jardas !
Madapoloes pelle de ovo a 61200, 24 jardas.
Camisas e s..as para senhoras por todo o preco
Bordado de Cimbraiae finas a 11 a peca.
Ficboa e capas ae la a 21, 41 e 61.
bertimmto decasemiras, cbevioU e pannos por
prec-s baratissimoa.
Grande owpositu de asendaa para os 8rr. nego-
ciantes do eentro, tendo desconU as vendas em
groaao.
59-RA DUQUE DE CAXIAS-59
1
VERMFUGE COLMET
CHOCOLATE com SANTONINA
| UFaLLim lira aitrsjr u L0HBUS15
lite Vermtfar*' wiisWl I
[ se i sitar itnarsl utmnfU iidefioila.
Eligir a auignatura : f \^ tk% [
LsWsJfc^CHJH-'iAlI- tantisssien.niAIflI.iliSaUfC' J
\
\
I
]



Diario de Permunbuco-- Sexta-feira 19 de Agosto de I8S7
EMII
SOA RES
CASA DE ALFAIATE E GONFESgOES PARA HOMENS
A de inaior reputado e nomeada em todo o norte do Imperio, tanto pela
presteza e perfei#to dos seus trabalhos, seriedade e modicidade nos presos, como
pela constante e variadissima colleccao de tondas de primeira qualidade: casemira
de phantasia para costumes, cortes de casemiras para calcas, casemiras pretas e azul,
pannos finos, etc.
TUBO DE APURADO QOSTO
ALTA IVOVIDAD
S9-RUA 1)0 BARAO DA VICTORIA-59
PERNAMBUCO

TNICO FEBRFUGO REGENERADOR
VINHOdoutorJOHANNO
DO
'DOUTORl
Quina, Coca, Extracto de Carne e Hypophosphito
comnendio-m nos caeos que necessltao taatao* pra reeHuir e regenerar
o organismo arruinad* por molestia*, excassos, nalweza do clima. Anemia, cnlorol.
AiDioiTke, Cacnexla, riaxo branoo, que tanto arrulno a sauJe das mulhcres,
rabreaa d* Sup, rr*junin gera.1, Sebilldade, etc.
S. VZVXSlf, Droptista, 60, Boutorarl de Stniboruv, em PARES

AO LOUVRE
B >r.iados de cores, a 20000, a pee ; vale 50000
Setioa iismensamente Urges a 10OO o cavado; sobarba pechincha!
Cretones de salpicas a 300 rs. o covado; conven !
Popelinas de seda a 500 rs. o covud ; para liquiddar !
Tecidos traMphretrtes pan soire a 500 rs. o covado; aproveitem !
Lencos abaiahadee a 20OGO a duna I
Las de quadros, desenhos oovos a> 300 r. o covado !
Popeln h de Lyon, fazeoda de 2000 o covado per 10000 o oovodo !
Coboitorea de la, betn grandes a 30500 una I
Toalba al'Ochoadax, a 4^000, a duzia ; qu pecbiacha e oulrai muitas pi-
chinchas em exposicSo.
ca.s.a. lod cora,:FX.A.:rsrc.A.
)
De urna grande parte de fazendas existentes na acreditada casa ra Duque
de Caxias n. 59: apresentamos em seguida urna lista de alguna artigos que realmente
sao baratisBimos.
Esplendido sortimento [de cachemiras para vestidos, de 400 r.. a 1)5000 o
covado.
Merinos de cores a 600 e 800 rs., duas largaras I
dem pretos desde 800 rs. a 20500 o covado 1
Setinetas lindissimas a 280 rs. o ditol
Riscadinbos para vestidos, cores lindas, a 160 e 200 rs. o dito!
Cretones claros, superiores, a 240 e 280 rs. o ditol
Damascos de la, duas larguras, proprios para capa de piano a 20000 o dito 1
Camisas inglesas, branca, a 365000 a duzia !
dem de cretones finos a 24(5000 a dita 1
Ceroalas de bramante, bordadas a 12)5000 e 144000 a dita !
Meias superiores a 20800 o 3)5800 a dita I
Cambraia Victoria com 10 jardas a 3)5000 a peca 1
Madapolao pelle de ovo, 24 jardas, a 6)5500 a dita 1
Dito americano, superior, a 50800 a dita I
Bramantes de linho puro, 4 larguras, a 2)5000 o metro !
dem de algodo superior a 800 rs. o 10200 o dito 1
Cortes de casemiras e meia-casemiras a 20500, 30000, 50000 e 600001
Casemiras diagonal para roupas de criangas a 800 rs. I
dem de duas larguras a 10800, 20000, 20200 e 30200 o covado!
Brias de cures e pardos para todos os preeos.
Guarnieres crochets para cadeiras e sof a 800001
Cortinados de bordados a 70000 o par !
Col has e cobertores a 20000, 20500 e 30000 !
Sortimento de fichs, luvas, leques, enxovaes para Exmas noivas.
Deposito de fazendas e as vendas cm grosso damos descont da pra,a.
jjxixi ornnTm
fura
e certa peto
ARSENIATO de OURO DVNAMISADO
do DOUtOr ADDISOX
da Coloro*, Anemia, toda u Molestia* m*a nbeldn, Molestia* Jhronica do* Palmos, tta, ata.
Ulatiraou* BMdiau tea iW>rta o poder oanMro deaU media
o primnro e <\ man enrgico do* reeonetitumue.
O *RA*CO i FRANCOS (Ble nuucOAl
roto frote ew na trouxtr a Varal te Fabrica registrad ea
d*v***r rlgoromanU riwiu,
icSiaai
Deposito em Pernaaiuco : FRAN M. da SILVA ox
**
20
IIIIULL &
de Narco 11.20 4 (Esquina)
grageas de Ferro Rabuteau
Laureado do Instituto de Franca. Premio de Thtrapeutiea
O emprego em medicina de Perro Rabuteau baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Fero Rabuteau sao recommendadas nos casos de
Chlorose, Anemia, Plidas Cores, Corrimento, Debilidad,Esgotamento, Convalescencia,
Fraqueza das criancat, Depauperamento e Alteracao do sangue em consequencis de
fatigas vigillias e excessos de toda a natureza. Tomar 4 6 grageas dor dia.
Nem Constipaco nem Diarrhea, Assimilacao completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente para as enancas.
1121 Urna explicado detalhada acomoanha cada frasco.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN & C'a, de PARS, que se
encontra em cata dos Droguistas e Pharmaceuticos. .
*psie.ai3XaB.A. & xvx*A.Gr>^x,a:ADes
SJCCESSORES DE
CARJNEIRO DA CNHA & C.
59Rua Duque de Caxias~59
Nova PERFUMARA Extrn-fina
COpYtOpSScojAPAC

SANTA CATHARINA
5O:00O$000
IMPORTANTE PLANO
Esta loleria corre no dia.....de \gosto
Bilhetes venda as Casas do eostume.
CvRTMPSiSo
2?.....MCORYLOPSISsJirlO BUUimu..**CORTLOPSISeJAlal
flaamuiu C9RYLOPSIS Si JArlO K-........-GORTLOPSIS diJAlif
iil!A\
Hiuu. CORTlOPSISatJAlll
Casa flWKT, fundada em 1852, PARS
EXPLOTADO GERAL. CATCHC
w novo* RRoeemstpeKFCigoADot
ESPECULIOsDE nWTRMEirrOS i MEDICINA e CIRURGI ft ta SOMM1 ElnUctoB MMMI
Orino*. Saringa*, Boraobas-Peras pira Injeccoes e Clystares, Inlectores,
PalT*rlador*, Penarlo*, Funda. Ventosa*. Tubo, Bicos de Mamadairas,
Almo'cda*. Bolla para InjecpSes para qualquer nao, ato., ato.
**i^*e o catalooo rBAVOo
I. IARCASSII t e, Cendre et StctOMv, 34, roa Turbigo, 84, PARS
EsUDeledmanto tabril t apor: AUX LILAS, perto de Par*.
K. I. i tnada rot, tmprt crcente do noitoe producto tondo dado, loar
bhtfcdesM. conree eiit'ir Utrca 9. K. A O*. *
a falatllcacoei,
>...........>.
COBTLOPoISmJAPAOpmaia......CvRYLOPSIsmJ'I
FNDICO DE FER
CARDUZO H- IRMAO
Ra do Sarao do Triumpho n. 100 i 104
Depusitu a roa do Apollo ns. 2 e 21!
Tem sempre em deposito todos os machinisaios e ferragens precisas agricul-
tura desta provincia, como sejara : vapores loiomoveis, semi fixos, con (aHeira
cornish ou para fogo de assentamento, moendas de todos os tamanhos, tacfcas batidas
e fundidas, etc.
Mandam vir por encommenda qualquur machinismo, cncarregamse de sental-os
e se respnsabilisam pelo boro trabalho do mesmo.
Vendem a prazo ou a dinbeiro com descont e a procos resumidos.
11 lili
RA PRIMEIRO DE MAR (Junio aoLouvreJ
Merinos de c6res com duas larguras a 800 rs. o covado.
Cachemira de listras para vestidos, alta novidade, a 400 rs. o covado.
Percales de cores a 240 rs. o corado.
EsguiSopardo de linho a 330 rs. o covado.
Cambraias bordadas a f)$500 a pega.
Cretaoes de cores de 280 a 400 rs. o covado.
Zephires de cores, a 200, 240 e 320 rs., o covado.
Setinetas lisas e lavradas 360, 440 e 410 rs. o covado.
Alpacas de cores, lisas, a 280 rs. o covado.
Grande sortimento de las para vestidos, por barato preco.
Bramante de linho, com 10 palmos, a #900 o metro.
Bramantes de algodao a 800 e L$000 o-rnetro.
Pao da Costa a 10100 o covado.
Velbutica de cores a 800 rs. o oovado.
Pechinchas em madapoloes, aproveitem I
Atoalbado branco, muito largo, a 10300 o metro.
Leques transparentes, ultima'novidade, a 20500 um.
spartilhoB para senhora a 50000 um.
Bordados tapados, finos, de 500 rs. a 20000 a peca.
Cortinados bordados a 60500 e 80000 o par.
Lenges de bramante de linho, muito encorpado, a 30000 um.
Cobertas de gangas, forradas, a 30000 urna.
Chambres para homem a 50000 e 60000 um.
Toalhas felpudas pra banhos 10500 urna.
Ditas ditas para rosto a 30500 e 50000 a duzia.
Lindos fichs de renda da linho a 20000 e 20500 um.
Ditos de 13, completo sortimento.
Camisas de linho para homem, sem punhos e sem collarinhos, e que vem de me-
lhor a este mercado a 540000 a duzia.
Ditas Je la a 50000 urna.
Colletes de flanella com meia manga a 30500 um.
Ditos de dita sem manga a 30000 um.
Completo sortimento de ceroulas, collarinhos, gravatas, meias para horneas
criancas e senhoras, por menns preeos que em outra qualquer parte.
Para os senhores agricultores
AlgodSes do Rio de 1.a qualidade a 320 rs. o metro, em porjao faz-se o descont.
Ditos da Babia, brancos, a 330 rs. o metro.
Ditos brancos lisos a 3000, 40000, 40500 e 50000 a peca.
PARA ACABAR
Mallas americanas para vi'agem a 100000 e 150000 urna ; baratissimo !
-*

Para banhos de mar
Costumes para ho nens a 80000 um.
Ditos para senhoras 10(5000 um.
Ditos para meninos 50000 um.
Sapatos e boleas para o mesmo fin.
7
I
Telephone n. 158
OPPRESSAO Il^M'i!
NEVRJLGIIS
Pelos CGABHS ESP C
Aspira-se a fumaca quo pe 1a uervx>so. faclllla
a eipeclorat-aO e fvorlsa as ; irlos.
Venda ca alarado em c* Se J i:PH'. lia. ron uluiik, ea* Paria
Oepoiito em Pernambuco : FRAN" M. da SILVA dk C^
AMAKAL & C.
INJEGTION CADET
.ura certa em 3 das sem outro medicamento
'
tTAMia r. Jtm.tivvmni
r -VAMJU*
SOLCAO COIRRE s
Exiilr o
AO CHLORHyDRO-r*H>8PHATO DE CAL
wo do* rao*a*tltalntea tduptado por todos Oi Uedlco* da _.
to,cointt,r^^,ju*ank^-j
m?k

i


iSSEHBLEA GERAL

f
NGKADO
56. SESSaO EM 30 DE JULHO
PRESIDEMCIA DO SB. CA-VSANSAO DE 8INIMB
Matricula de Escravos
(Continuuc&o)
O 8r. F. Belisario (ministro da fazen-
d): Ura bornea*, pur mais exaltado que
aeja em su .8 opiniSes, toma-se sempre
maia moderado, quando no governo, nlto
acoinpauha a me a roa propagaada qua elle
omitas vezea ti tu excitado.
O proprio nobro senador um exemplo
desla verdade : S. Exc. dielarou deaejar
a emaneip.-cao instantnea eua ciaco se-
gundos, mas quanto organisou uto pro-
vecto de lei, erabora no soja responsave"
pelo governo, erabora seja apenas um sena-
dor da opposicAo propoz uous annos e
meio. Si o nobro senador tivesso a rea-
ponsabilidade do governo, talvez fosse
ainda maia cauteloso
Quto dizer quo niio s> p)do exigir do
governo que elle acoropanlie pari passu as
prop gandas, as opiniSas extremas.
Assim, no se pode pretender dogover
no quo qualquer questo^poiada pela pro-
paganda abolicionista ou pelos seus org.s
raais ardntes aeja elle obrigado a-ei-
tal-a.
Espero que, explicadas as couaas, Ueei
didas as duvidas da matricula pelo govef
no, a quem incumbe esta servico, a ma-
gistratura nao seguir oa impulsos aconse-
lhados pelo nobro sena lor, mus que ella
attender aos graves interesses que Ihe
cstSo confiados.
O Sr. Dantas :C nos direitos que es
tilo envolvidos uhi.
O Sr. Belisario (u..istro da fazenoa) :
. que por maia reapeitaveis qu poa
sam ser os interesses da humanidade, de
que o escravo representante, ell s foram
atieniidos pelo poder competed -, o Poder
Legislativo, e nao podeui oajuiz-s ir alera
da lei.
Ne38a lei de 1883, que tem sido to
atacada, inqueatmoavelmente ae atten-de
ram a estas duas ordena de direito, tanto
quanto era possivel: aera se respeiteu am-
plamente o direito de propriedade repre-
sentado pelo senbor, n va absolutamente o
da bumanidaie representado pelo escravo.
Estas duas ordons de direito que tornara
sempre >liffi -il a so uco desta questo, o
direito legal e o direitj natural, foram com
binadas nessa lei. Si esu foi a soluco da
lei, nao pode o goveruo consentir que oou-
tra a voutade do Poder Legislativo outra
eousa se faca; menos deve o poder judi-
ciario intervir para ext.-utar colisa difi-
rante do que .-ata na 1-i e foi a intenc"
clara do legislador-
Espero, port-nto, que a magistratura,
muito longe de aceitar oa couaelbos, eru
outroa assuinpt'S, muito pru lentes e saiu-
tares do nobre senador, nesse se contenta-
r com a 8ua raiaso, que oumprir as
leis o os regularaentoa dados pelo govern >.
Deste modo, a questao aocial, que nos
preoecupa, s encaminhar como vai ter-
minar com a raoderaco que des*janana e
no O Sr Prasideata de lar* que a disms-
sa<> li.-a adiada pela hora.
O Sr. Dantas requ que esta questo continu a ser discutiia|
na sessao si guinte. Nao carece ie justi- i
ficar a urgencia de proseguir a diacussao e
pr-sa termo a ella.
U Senado, sendo canauhada, concedeu
a urgencia pedida.
SESS.vO DE 3 D AGOSTO DE 1887.
Proseguio a discusso do requerimeuto
do Sr. Dantas, pedindo copia dos docu
mentos com que foram matriculados no
municipio da Campos os individuos a que
se r-fere o aviso di 22 de Julho ultimo ;
do offi -io do presidente da provincia de S
Paulo e dos do:um*ntos que o a~ompanha
rara, relativos questo e filiaco desco-
nhecida, de quo trata o aviso de 20 de Ju
Iho lindo, para que votou-se tirgena.
O %r. Dantas (mavi.beato Je atten-
cao) : -S-q'a ra permittido, Sr presiienf,
urna pequea razo de t.rdem, antes de
entrar muito concisamente na apreciacao
da materia que oa oceupa, tomando por
base o discurso hontem proferido p-lo no
bre ministro da fiZ>-nda.
O S^aado ouvio o exordio de S Ex;.,
pasmo por ver rae, a miui que at pou> o,
sigundo o sen proprio juizo, me ti.'iha aera
pre empenhado na questao da ext:ncca.
do cptiveiro ssra sahir do terreno leg.l,
em contradicil hoj com os meua pr.:
denter, apres^ntar rae em t-rreno muito
diffarente, to nami > -i defes* de umi
sa que, no -ni n i ie S. Ex-., na i teta
tundaiiiento oa lei, segiioda a qual ella
ve rea !" -se.
Sr. preaidente, ro. na) quero encarde-r
es servicoi que, porventura, teaha prest
do causa abolicioniata ; era mes.no que-
ro arrogar me merecitientoa por isto. Es
ta cauo.i nao oustar a ninguera no Bra
zil, estou certo, nem rs provangas da ei
3uta, nem o fogo da inqoiaicSo, n'*m o
apodo--, as injuria. aa ii^i',-. qu: a
muitos ella e outras io cusalo, como
agora ujesmo eat a da IrUnde, n Ingla-
terra, valendo a u:u bjaiein que ueste ae
calo representa talv.^z o maior pnpel dos-
empenbado na sociedade tro lerna.
A minha exposioao ser p:quena; e
nao me custar a ffrel-x ; v qu-in io no go-
verno ou lora '> lie, empenbei.ine ma
tenUr -ata ^aua^, prep .rei-me para
tigaa Dioria do JOe aquelUs qu-s o huir -
lo aeaador bontam me /. > leu da ur
so, em ntencio de offidor-me,
- que delxou (iCapnr.
z, do i'uudo '.'> tu i I o
pemaineoto expi-avd noauado eapont
mas que nem por eate moti. dev
menos cacrupui ennua-.:iad.i, era
attribuircn 03 adv rs-.rijs >ie n na c
aos
.i-,, e rao ou do
cinio p . luz .1 moralida
luz da just., i I
e ii m >nt,e
atir..- aobn miaba pea nsuei-
pu lesae r oa es'
dn gi-.ui-.-
oeoatt, aiii ficariam .
portan. uta maior
to e bater s- toatoe oa o Braoi, a' ao
da q :*, por lir'una de todos, elle
viesse a desapparecer da face de noaao
pas.
Sr. preaidente, eu catn calmo. J son
velbo, senberea, tanto maia veibo nasaa
vida, quanto muito mogo eutrei nella.
Fui anda tompanheiro do honrado Sr.
prnsideate do conselho como deputado pro-
vincial* na nossa proviocia natal. Desde
entlo at hoje, Sr. preailente, atravez de
todas as de -epcSes e de quaeaqusr trium-
pbos, quera me conheeeJQ, quera me coaho
ce, quum me quizar julgar com imparcia-
lidade, ha de ver qu' em tolas as quos-
:ojs em que mo teaha empenhadofc e n5o
tem sido p moaa, eatrei cota o calor da
convie^So, com elementos da estudo, for-
mados na raioha nesa de trabalh) ; nunca,
porm, com azedum, o >m a ra paixao,
com aninosidade, com intolerancia, porque
estas quasi aerepre acompanhan aquellos
quo sustentara as ms causas.
Estou cal no, Sr. presidente, e anto
raais calmo quanto vejo d. dia a diu au-
gmentar a onda da i-pioiSo, torca que
tudo era u'u paii hfre, para abrajar a
causa deaaea ufelisea, io infelizes que
vivem era reg3ja a/mbrias, onde nem ao
menos podera conhecer ou podem saber
quaes aqu^lies que desinteressadamente to-
taam a defeza de seus direitos I
Estou calmo, Sr. preatdeate, porqu-s ve-
jo que dia a dia se approxiraa a hora em
que ha ae s iar, por honra da aossa pbtria,
o decreta legislativo de.-Iarando que a es-
cravidao desappareceu de nossa solo.
El certo que oa que, agarrados anda
arvore podre e carcomida da escravido,
procurara austental-a, querem com a le
prolongar-lh! a existou ia por meioa ora
capciosos, ora sophiaticoa, ora clara e
monstruosamente illegis, mas estou aegu-
ro de que luctarSo de balde.
Nao tanho, portanto, motivos para dei-
x ir de estar ealmo, o que niiia urna for-
9a para mim, certo, como oatou, de que
s tenho a gauhar :on a disjusa?.) refleo
tila e esclarecida, com os principios que
podem regular a materia.
n Tres silo as quea'oas conlrovertidas
(leio as propriaa palavras do honrado mi-
nistro) : 1. o que
expresso da 1-i
ae deve entender pela
representante legal ;
2." se a matricula do eseravo com deca
racao de tiliaQo desoabeeida estabelece
ipso facto pre8Upcao de lioeria1'. ; 3.
qual a competencia do governo para inter-
vir nesfes assumptos
Sr. presidente, -ata questao de b ou
m mttricula, corra placida e della se
mostravam, pir ass'ra dizer, despreoecu-
pa ios 1 avate os Ijgislidorea, como
at oa abolicionistas; deixavam que ella
correase tntr os interessados, os senhores
e as r'particoes s :aes competentes, at
que oi subiaettida ao honrado ex-miois-
tro da agricultura, o Sr conselheiro Pra-
do, eata consulta : o genro pode matrieu-
lar escravo da aogra ausente ?
Eata "onsulta v?io ac npanhada de um
offiiio do prjsilente do Paran, na qual ae
trana.revBu o parecer do procurador fiscal
da fhsouraria.
O parecer o seuiote e para elle pec>
toda a attenco d > Senado.
Na> sendo o genro, por esse nico
facto, representante legal 'a sagra, pois
o5o sa a ha comprahenlido em espacie al
guma aos er.uraerados nos arts. 3.* ns. 2 e
7 do rehilara :,to n 4,835 de 1 de Da-
ze-nbro -le 1871 e 4 do decreto n. 9,517
i a 14 de Noverabro de 1885, s poder
rffectuar a matricula dos escravos a ella
pertencentes, mostran lo que o seu re
presentante, por meio da procuraco, como
estabeleeido era direitj (itado art. 3
o. 1 do decreto n. 4,835 de 1 de Dezera-
bro de 1871.) Contencioso, 27 de Margo
de 1887. Assignado. O procurador fis-
cal, Joao Pereira L/iges.
Este parecer --m poueas palavras diz
tudo quanto poderi concluir quem, cora o
maior desenvolvimiento estudasse a ques
to era ana footes iegaes e noa quizjsse
esclarecer con traudistaa e jurisconsultos.
Este parecer, a^ai o p-rfaitamente bem re-
digiio e concebido, deu lugar a expedico
do avis 1 do bearado senador, ex-ministro
da agricultura, e 3ou dest'arte firmada a
i.m'ntia 1 gal -te qie o genro, como qual
quer in lividuo, sen procurag&o baata ite
Xo d..no, no pod ria reprasental o no acto
da matri :u!a.
Eata decalo sb gau ao conbeeimento de
to loa, dasp rtan io justos > geraea applau
soa, e, consoaut'8 -om -lia, o collector da
ldada de Ari, na P>r.ahyba do Norte,
aspe lio eat* rrd a :
O eoUeit'i 1 s r tiias garaes deste
rauuicipij fiz pabli o que, em virtude da
or tem do Ili n. Sr, ontidor, servindo de
inspector da T". "s nir.irl 1 de Fazen la, e
por -iaisl) Ju Etffl. Sr. preaidente da
proviaeia, foram mandados eliminar da
nova usatricoia de escravos deste rauni-
t cipi > el) i- PlSes, sendo considerados
< livres, o-, saravoa ra itrieulados por pro-
cuiador, \i xhibio procuraco, ou
0 os cooit ut a las reLcSas assiguadas
1 a rogo se o : -. nuohas, cujos notnea,
taate dos Bajpbor'X como dos escravos ae
rao pabli-ado |Ue ch-gua a esta col-
teot ia 1 pia au'.heniisa das relac3es as
ai^iiadas as coi; iic5es suoraraencionadas,
ou 1 ra .; ,-.3 desde o mez de
Abr: Esob rasiiense da provin-
cia, aancj.i i tal respeito do livro
d n va i;i.;
1 Co .'. -r tdat geraea da el-
da 1 1 Julo de 1887. -O
cot r. RiH'!', '<:. da CVata Machado.*
M .., iauptaaJ Olate, surge o aviso do
novo m gricaltara, era que se
E le 12 da Maio uiti-
m;>. conmftoict V. i qua a vista das
inf 1 pelo collector das rendas
ouni ipie da Campos, no tem
tuodammto j5aa foi las matricula
le escravos alli resi-
se, tinto dos esclarec
nasal .ifiaio d'aquelle fun
cionario, ramettidj pripia, como, das
(8ea q^i 1 1 ira a mesraa ma-
: 11 contraveneno do
dii !70 de 28 de Sete li-
bro de i.-nente exacto quo
) j- fe: i >.", a exemplo d\> qu- s-
-pupilo de qualqu-r n-
'.atricul* realizada
ira ir'.u le d 2,040 de 28 de Sa-
. 1 aceitou para a matri
ia asignadas, 'no s
a p- i -i Banhores, mas por tercei
ros i, a rogo d'aquelles, segundo^ de-
clararam.
Em raspost, declaro a V. Ex. que,
de acedrdo com seu parecer e pelos moti-
vos no raeamo exarados, de vera ssr consi-
deradas validas a& referidas inscripc5is.
D'ahi a queatao e para entrar uellA de
modo a que poasa aproveitar dentro e fra
do Senado, comecemos por fazar a apra-
ciaco entre aa duas leis, porque, para qUe
aejam feitas e lealmente entendidas e exe-
cutadas, preciso que ntre as suas dispo-
sigSas, que se relacinam, dse perfeita,
harmona, aera o qus nJo ae eatabelece a
verdadeira interpretac>, de a;.ordo com
os principios de direito que reculara a ma-
teria.
Sr. presidente, basta dizer de memoria
e depoia moatrarji na lei, que a de 1885,
no que toca matricula, irapz c indico -s
novas e accrescentou cousas iraportautissi
mas lei de 187*1. E' assim que nesta
nila su tratou da nacioualidade e a lei de
1885 exigio-a ; n'aquella no se tratou do
valorado eslavo e a de 1885 rapGz a obri-
hajao de daj o ; n'aquell 1 nao se exigi a
declaracao do estado do* escravo, ao passo
quo a nova le frdenoo-a.
Ora, se a lei d. 1885 impoz novas exi-
gencias, ou decrctaram-so novas declara-
coas no acto da matricula, vamos ver de
que modo ella se -xprimio para recommen*
dar a boa e perfeita execuco daa auss
inaovayoaa.
O 3. do art. 1 da lei da 1885, diz
(atienda bem o Sinado) : O valor a que
se refere o art. 1. ssr declralo peh ae
nhor do escravo, no exee lendo o mximo
regulado pela idade do matriculado, con-
forme a seguiute tabella. (L) :
Esta mesma lei, consagrando em si as
disposic5;s do decreto do 31 de Dezembro
do 1871 para ordenar que taiab;m ama
tricla determiuada por ella s int^rviaa-
s-m as pessoaa alli menaicnadas, daclarou
no 8o do art. Io o aaguiote:
As pe8Soa% a quera incumbe a obriga-
cao de dar matricula oscravoa alheos,
na forma do art. 3o do decreto n. 4835
de 1 de. Dezembro de 1871, iodimniz ira 1
aos respectivos senhores o valor do escra-
vo que, por n3o t:r silo matriculado ao*
devldo prazo, ficar livre.i
Vejamos o que fez maia a lei de 1885,
depois de adoptar como su*, esta disp. ai-
cao da lei da 1871 ; dase : Ao credo-
bypotbecario ou pigaoraticio cabe igual-
mente dar matricula os escravos consti-
tuidos e:u garanta.
Atteuda o senado a esta cir.curasto da,
que fez avultar em muito o valor deata
disposijSo : a lei hypothecaria do 184,
tenho aqui sua dis^osigli -, entre as
pessoaa a quem permittio que levassera
inscrip9*lo os objectos hypothacados, n-
cluiu os ere dores hypothecarioa.
Dahi se poderia deduzir que tambera
elles, iateressados nesta especie da pro-
priedede, desde que se tratava de nova ma-
tricula, e que pela falta dlla taes escra-
vos ficariam livres, por for^t desta dispo-
aico la lei, teriam o dir-dto irrefragavel
de se apreseotarem as rpartiyo-s publi
ca levando insaripco propriedadea hy-
pothecadas em virtude da lei do 1861 ;
mas o legislador de 1885, taxanio oa ca-
sos nicos em que iulivi lea, represeu-
tautea de outrem, poderiam apresentar se
uas reparticoes fiscaes lavan lo escravos
matricula, nao quiz deixar em duvida este
mioiatro da igrcoltara,
:raLtnmta opposta
-, o:no o S'ttado vai
ponto, e tambera taxativamente disse :
alen laquellea, tambim permittido aos
redores pignoraticios e liypith-cirioa.
Dahi a nova questSo : maa qmndo oa
senhores, por impedidos, nao po le n levar
os seus documentos repartic&o fiscal p .ra
fazer-80 a matricula, quem pod-r fazsl-a?
Um gestor de negocios T
Sr. preaidente, vou resumir me, porque
urge o tempo, comprometiendo-me perauto
o Senado, tratar em outr* occaaio, deste
ponto, com maia desenvolvimiento.
O gestor de oegoidos, Sr. presidente
nem merecen aa honras da opinio do no
bre ministro dajuatic*. S. Exc. h-otera
declarou categricamente e muito justa-
mente que a ease le forma alguma poda
competir o direito le levar matricula es-
cravos de tercoiro.
A gest&o, aquillo que em direito se cha-
Da negotiorum gestio esercida eapon
taneameute por urna segunda passo* ; ella
nao eatabelece a obng fio aeno entre os
dous. Nao p issiv.-l que urna entidade
extra legal, que pode, por b* vontade,
praticar actos qua, segundo os jurisconsul-
tos romanos, nao sao recusados por aquel-
es e a favor de que o sSo pratc*dos, pir
que a elles aproveita n, saja o procura lor
a quem se referiu a lei, p*ra que ae lhe
recooheca competencia para levar s re-
partieres publicas'ral .c3as de es ravos coo-
tendo os iteins axigidos na lei, para preo-n-
cher uma^jformalidade sem a qual, pela
msama le, elles alo considerados livres.
E muito de paasa^em, para resumir di
rei que consultci os co ligas e alguus ju-
risconsultos, cujas opinio;s tenho aqui.
Terei occasiSo de le as, para mostrar 06
.rros crassos, porque outro noms n5o m -
recem os argumentos apreaeatadoa hontem
pelo nobre ministro da fazenla, commetti-
dos por S Exc. e comp.ometti-nie a de
monstral o iesanvolvidamente.
O Sr. F. Belisario (ministro da fazen
da): Eu v-u tomando aiti de tudo ist >;
quando V. Exc. gritar misericordia -
nao poder deixar de reconhec*r que roe
provocou.
O Sr. Dautas : Pordao: ainda nao
escapou dos labios urna nica palavra que
pudesse rogar levemente a sus -tptibilila i -
melindrosa do nobre ministro ; e ai Ala me
escapar, peco a S. Exc. quo me diga,
que eu a retirarei inmediatamente. A
minba caasa n&o carece da doeatia, de iu
jurias, basta a justica e o direito.
O Sr. F. Belisario (ministro da fazen-
da) : E' o qve eu dizia hontem a V.
Exc; na8 miabas palavras n2i havia a
menor intencSe de offensa.
O Sr. Dantas:A gesto de negocios,
ou a adrainistracao volun'aria de negocios,
feita sera promrac, diz Waldeek, opera
entre o gestor e o proprietario, entren g'a-
tor e o terceiro cora quera elle convenci
na, entre o proprietario e o terceiro, 111 -s
nao encerra carcter de repraeatacae le-
gal para oa actoa que se>pr>tuzem perau
te os tribuoao8 ou <;tfija..'8 publicoa, nos
actoa em que a lei exige o cooopareaitaei.-
to presencial ou repr -sociativo do ii:cres-
sado.
Esta opinio confimada pilo
civii francez, pelo cdigo auatriacj e por
toloa os cutros.
O cdigo cival franoez, dispia no art.
1938 o aeguints: t0 mandato concebido
em termoa geraea nao comprahende senao
oa actoa da administracSo. Si se trata de
alienar, bypothecar ou da qu.lquer outro
acto de proprie Ude, o maniato ha de ser
expreaao.
Vou ; diaposijSo do ctdigo Auatriaco,
que, a meu ver, se poasivel, ainda me
llior; e depois voltar-me h: para o nobre
amador ministro da fazen la, afira de di-
zer-lhe que as opiuiraa, quer do citado tex-
to do Digesto, .quer do cdigo commercial
brazileiro, nio eatS. em -ntagonismo cora
isto (apoiados) o qaa S. Exc. confundi
as queat3a8.
D.z o art. 1.003 do cdigo austraco :
Basta que o p ider s.ja genrico nos
casos 8Rguiniea : Si ae trata, de comprar, de
tomar por eraprestirao, de emprestar, da
cobrar dinheiro, de litigar ou de transigir,
de aceitar ouapres-ntar un juramento.
M.s deve ser especia o mandato para
um caso nico e determinado, quando se
trata ie aceitar ou de reciaar umfaucoes-
ail), de orgmizar um contracto de comrau-
nhSo, da fazar urna doacJi^ d arriscar e
de renunciar gratuitamente a um direito.
E' aaaim, Sr. presideute, qu a lei quar
um mandatario ou am pro cura lor especial-
mente autorizado: um gestor de negocios
nao pode ir,em soccorro de qualquer in
li'i'uo liael : eu respondo por ella; de quem nao
requeran .-* ioterposicio a um recurso em
pra7.1 dado, para dizer ; eu requeiro ]por
ella; de quem deixa correr graodes inte
ressas de propriedade e n.lo se apreaenta
para dizer: eu me apresen to por ell .
A funjeo do gestor de neg icios con-
vencional: eatre o iuiividuo quo o assu
me e as pessoaa com que 1 elle sa obriga.
Para os direitoa que a a estabalecem ou
aaseguram por intervencilo da autoridad.-
publica, a repreaentarcao no sa firma se
u&o pelo mandato. *
E' aaaim que ura gestor de negocios
simplemente como tal, seguado o figurou
o nobr ministro da fazajla, assign*ndo
a rogo, ou apresaotando stv pelo , rio, nao p le ir a um* coilictoaa para di-
zer : eu repreeato a Padro e Paulo que
possuein 200 ou 300 escravos, a venho em
noma dell'as trazar a ralaciio com os dize-
res da lei. ,
Sa o ter, o raanlatm pdi ciraphtarje
entre o gestor 9 o proprietario, maa tem
to 'o o direito o agente fiscal *de dizer -
duvilo da_voasa competencia; onle eatao
os voasoa poderes ?
Para conrmar o qua st u dizen lo,
aqui est o modejo da propria le, mandan-
do que o representante di proprietario as-
signe como procurador, e ueste caso, sem
desear a demonatrayoas, quer pelo que es-
creveram os juris -ousultos, quer pelo que
dcretaram os cdigos, nao p le ser um
gestor da negocios, mas lia de ser aquelle
que se ra istrar competeutemeu'e autorisa-
do par* isso, erabora o cdigo commercial
dig uo art. 140: provar-sa por testeraunhas, noa casos em
que aimissivel este geaero de provas,
porquan o a disposiyao limitada pele
art. 123 qua s adraitte que o maniato se
prove por teste.nuahas, quando o valor do
negocio nao excede do 4005000.
Portanti, o artigo que trouxe o nobre
senador, tirado do Cdigo Commercial,
11 ao colhe para a causa que S. Exa., em
tSo m hora, contina a defender.
Ah o que se di', que esses contratos
se pida o fazer deata aorte, mas a obriga
ao mandante e ao mandatario ; d'abi, po-
ro n, nao ple S. Exc. tirar a conclusa-)
de obrigsr as rap*rtic5ea fiseaes a aceitar
cono mandatario um in iviiuo que nao
tem, na phraae da lei, a fiauldade do re-
presentar o sanhor que n.'.o p le compare-
cer.
Sao que3t3ea aatis da puro direito civil,
e ellas nao padam ser resolv las nem pelo
Poier Executi.o, oe u pilo Poder Admi-
nistrativo, mas simplesmente pelo Poder
Ju liciario.
Desde que a matricula se encerrou o
governo era fatalmente obrigado a emrau-
aecer, bara ou mal feita, c'la estava feita
e acabada e d'ahi em diante a aprecia-
5I0 dos vicios e de tolos os erros jurdicos
quepoleaae ter havilo, j nao pertenaia
maia ao governo e ai n ao poler judicia-
rio.
Qusnlo app.recen o monstruoso aviso
do novo ministro da agri:uhura, consagran
io doutrina diamatralman.e opposta do
seu hnralo autacessor, tolo o trabalho
da matricula estiva eocerr*do ; S. Exc.
nao tinha maia plarra a dar, as suas ins-
truc^'Ses, as suas recora-nendai/S :s or-
dens, deviam ter sido dadas a tempi.
Desde que essas ordena no foram dadas
a os cillaotores desemp-n iaram-se bem ou
mal das obrigacSes que a lei Ihes impuoha,
a aoa interessados caberia ventilar essas
quesiSs na tela judiciarii; o governo no
poda int^rvir com a sua importancia, prea-
tigi r, a lvertencda8, eoaselboa parciaea e
iujuat-is, para dizer aos magistrados:
o Julgai oesta coaforraidade.
Sr nrasi lente, a doutria que sustento
e tanto mais claro quando o art. 149 do
Coligo Commercial diz :
< O com nittonte resomaavel por to-
dos os actos praticados pelo mandatario
dentro ios uues do man lato, ou este obre
om seu preprio noma ou ra noma do com
mittente ^e por outro lado o 2J do art.
8o do r-guiamento de l"S8o disp5e :
Incorrera no crirae lo art. 170 do
Codito Peaal os que non irrercm par. que
ae effectue a matricula de p'ssoa livre,
ou j liberta pela poase ria liberdado ou
por disposicao do lei.
A responsabilida le cri ni o al precisa de
quem a ;ssuma sem contestacSes e du>i"
das, sem subterfugios e mystificayras <,
por certo, s o maniato expresso e espe
cial, garautiodo a aceito da autoridade,
como tambera salvaguardando a responsa-
bilidade do agente fiscal, pode, pur oufo
lado, fazel-a recahir e.-u individuo certo e
determinado.
Como que o nobre sanador pretende
lei una intelligen i?, qua arrepia os
a!)-los, para por em pratic?. cousa que
inteira-iiiite contraria ?
Como, expirado o prazo da matricula,
que anua direitos cuja ooiiteatacfio c toda
da competencia judiciaria, interven o go
veroo diz.;ndo : a Nao ha taes defeitos,
continuara a ser escravos aquelles que iu-
.menta foram matriculados ?
Por piadade, cootentem ae os acravistas
com os eacrafoi que a 1-i lues d maa nilo
queiram usufruir oa servicoa deasas crea-
turas como escravos, desdo que e a mes-
ma lei que os tem protegido, quo diz:
< Si faltardes a taes e taes formalidades,
deixareis de possuir os escravos, a cujo
respeito ellas falbarem ; resigoem-se sua
aorte como todos os que no ten escravos
no Brasil; confiara no seu trabalho, no
trabalho dos bracos livres que bao de af-
fluir a nossos campos para roteal-oa o en-
riquecer o paiz; mas nao queiram conti-
nuar a augar o suor deesas creaturas por
meio de interpretajSes capciosas da le
maia do que sao, criminisas I
Sr. presidente, como terei de voltar a
tratar da fillacao desconbecida, questao so-
bre a qual o poder ju liciario, em 1* 2a
instancia, j se tem manifestado, observa
rei de pas3ag9to ao senado que fanto nesaa
questao como as outr.s da matricula, fui
mudo, no disae urna palivra, no fui pre-
cipitado, fui maia do que prudente, dcixaa-
do que ella caminbasse por canta de quem
partencia ; j v portanto, o nobre minis-
tro que no tenho impaciencia, que espe
rei da jastiga dos tribuna-s su 13 d -cisnes
Iegaes. Mas iesde que anpareceu intem-
pestivamente u u aviso ao ministerio da
agricultura, apreciando urna resposta dada
pelo presidente de S. Paulo consulta
que lhe, fra taita, por ura juiz municipal,
escravisando a quera, pelo menos, tem o
direito de levantar 1 tu favor de aua liber-
dade a duvida ; das ie ease momento jul
guei-ma obrigado a trazer ao senada as
eonsiieracSes que ae acham eslampadas
uo aeu ultimo iacurao.
Mantenbo essas consideraooas e mante-
lillo com tanta nimaaao a condanca, quan
to orara bem aceitas pelo senado o por
senadores la ordera do represante da pro-
vincia do Espirito S.anto, qu; me ouve, .e
do representante do Cear agora ausente
de^ua calaira em apartes que aqui esto,
qualideando, como qualitiquei, de raons-
truoaidade o qae> sa quera fazar, isto ,
no adraitir n;m a duvda nem a discus-
so juiiciaria e pereraploriamente decre-
tar a escravido da individuos cuja tiliaco
4 desconbecida, qu,ando se sabe que, dian-
te das leis qtfe vig ram no Brasil, o brasi-
leiro s po'de ser escravo, demonstrando aa
expressamente que nasceu de ventre es-
cravo-e" quando j se fez a vergonhosa
concasso relativa aos a frican )8 iutroduzi-
dos depois da lei de 1831. "Nesaa parte to-
marei em eousidcraco o que sem nenhu-
ma procedencia foi dito houtem p elo no-
bre mioiatro da juatiaa.
Chegamoa, Si- preaidente, ao ponto ul-
tumo, a competencia do governo. Quem i
nesta senado que ignora isso T Pois'have-
inos .ie estar a recordar os rulimentos, os
prolegmenos do rjTrcitb administrativo ?
Reaumirei o que tenbo a dizer a respeto
deate aviso do s-mpre lambrado senador
Nabuco de Arauj", jurisconsulto emrito,
que o expedio quando ministro da justica,
representante principal da lei:
< Qio, corapetindo ao poder judici&rio
a applic cao aos casos oeeurrentes das leis
penaes, civia, commercaes e doa procea-
soa resp;etvos, casse o abuso que com-
mettem mutas autorilad a juliciarias, dei-
xando da diacutir os casos oceurentes e
sujeitaudo-os o ra duvidas decalo do go-
verno imperial. ..: i-e-privando assim
aos tribunaea superiore8 de decilirem em
grao do recurso e eo.mpetent mente as
duvidas que occorrerera na apreaiajo doa
factos e ppli :aco das leis. *
3.............................
sendo que o governo imperial no pode
seno por modo geral ou regulamentar de
cidir sobre essas duvidas, obstculos e la
cunas que se encontrara na execueae das
ditas leis relativas ao direito civil ou penal
e procesaos respectivos ; t porquauto, ai aa
suas decisSes versasaem sobre oa casos in-
dividuaos e o -correntes, darara aso a con
flictos e collisoas com o poler judiciario,
ao qual esaeacialmente eompete por sua
natureza a applicaco das sobre litas leis
e apreciaco doa caaos occorrentes. >
Isso diz tudo, e portanto, pergunto ao
sealo : era possivel, era regular, era jus-
to que o governo, sem competencia, fora
de tempo, a horas martas, se immiscuisae
em urna questo qua j estava sub nettida
ao couhecimento do poder judiciario, para
dizer, qnauto filiaco, que eram escra-
vos aquelles que o ra -sino poder ju liciario
j havia declarado homena livres?
Sr. preaidente, vou terminar, maa fal-o-
hei leudo ao senado (aqui eat a chave
da abobada) algumas daa ultimas palavras
pruf-rid-a pelo honrado ministro da fa-
zeuda.
S. Exc. termiaou com chave de ouro
para a sua cus*; maa, cocsinta que lhe
diga que nessa mo'nenti esqueceu que
vesta a farda de membro do poder exe
cutivo, para someote lembrar-se de que ti*
nha de defender a causa da escravido
O Sr. F. Bal8*rio (ministro da fazen-
da) : V. Exe. eat muito engaado e est
sempre neaaa idea.
O Sr. Dantaa : Ouca o qua vou alisar :
pode ter muito bia razao para pausar que
da extincco da eana-'idao no Braad vira
um mal, urna calaraidade que a todos en-
volver, a prnhe das raais funestas con-
sequenciaa. .
O Sr. F. Brisarlo (mioiatro da fazen
da) : S for fora da lei.
O Sr. Dantaa : oou-iot*, porem,
que eu pense de modo .tf rente. Repito,
o que um membro do poder executivo, de
sua cadeira de ministro, responsavel, no
pode dize-, o que vou 1er :
Espero que., explicadas as cousas, de-
cididas s duvid is da matricula palo go-
verao, a que-a incumba esse servico, a
magi-tratura ( urna intiraac >') no se-
guir 03 impulsos acons.'lhados palo nobre
senador (sou eu o criminoso), mas que
ella altenler .-.os graves interesses que
lhe esto confiados. >
Pois bem, Sr. presidente, o honrado mi-
nistro fallando cid nome d>: interesses, 0-
tiraou a raagiotratura. .
O Sr. F. Belisario (ministra da fosea-
da) : Era nome da le.
O r. Dantas : ... para que ella no
ouvisse 03 rneua coaselhos! cae minha vez
e deste lugar. .
O Sr. Presdante : Pac > licanca ao no
bre senador. .
O Sr. Dantas : ... intimo a magistra-
tura, uo e'ii nome doa iatereases j* que
alludio o nobre ministro, mas em nome da
lei, em nome da justica, em nome do di-
reito, em nome pitri., para que no-ae inspire nos cooae-
Ibos do uobre mioiatro da fazen la, inspi.
re-ae na sua consciencia, noa mais purea
dictamea que ella lhe ha de dar, para
julgar livres todos aquelles que a lei
julga livres (Muito bem Muito bem '
O orador comprimentado.)
Tenho concluido.
O Sr. Presidente:Fica a discusso
adiada...
0 Sr. De atas : .. mas antes de ter-
minar .
O Sr Presidente : -... por j ter pas-
eado a hora.
O Sr. Dantaa : -Mas euto eu, pela or-
den), pego licenja pra observar que a
d8cusso deve proseguir...
O Sr. Presidente': J est dada a bo-
ra, e ai continuar a discusso, sarao preju-
dicadas as materias da ord m do dia.
O.Sr. Dantas:Eu r-quari hintam ur-
gencia para que se discutase hoja.
O Sr. Presidente : Mas estando dada
a hora, no pode a diacusao continuar.
O Sr. Affonso Celso (pela ordem) : Re-
queiro a V. Exc. que consulte aj senado
si concede ureuci; para continuar a dis-
cusso do requariraeuio araanh.
O Sr. Presidenta : Vou centultar o
senado, porque ease requerimanto vota-3e
aera uiacusso.
Ficou a diacu3sao adiada pela hora.
O Sr. Affonso Celso (pela ordem) re-
quareu urgenci 1 para que a discusso do
requerimeuto continuasao ua sesso se-
guinte.
Consultado, o senado conced2u a urgen-
cia pedida.
%
'
VARIEIUDES
Parabcas ao talentoso poeta
Ciustavo Vdolpho pela sua ple-
na liberdade.
Eigue a fronte laureada,
que a oveja deseap'rada,
ca-te aoa ps a repetir :
.Salve cao'or primoroso,
das musas hlho mimoso,
que coaquista8-te u parvir '
.Me.ndes Cavaxeibo.
Bem sei que a critica certa,
Desde j vou confessar :
Embora alguem ma censure
Vou na lyra dedilbar :
Ha muito que deaejava,
E ardentemente almejava,
Mimoso e joven cantor,
Que rotnpendo u veo escuro
Que te obumbrava o futuro,
1 u iesses viver melhor.
E' que Deus em seus decretos
Quiz tua sorte adogar,
Do antro do escuro carcere
Bemfazejo ts livrar,
lio opeado o grande irapoasi/el
Dessa barrera inveneivel,
Para ti tuesta e cruel I
Nutrite de novo alent,
E legou te ao pensamento
A paz, riaonha e fiel.
Trabalhar te curopre, avante !
Que o mundo gerapre assim .
Sempre o riso junto ao pranto
Nessa comedia sera ira.
Urna esponja no passado
E um passo firme ousado,
No camiuho do porvir ;
Eis o que devea, poeta,
Olhar como linha recta
Em teu fagueiro existir.
No mais paasalas lembrancaa-
De tua atroz tilicco,
Que, acerba, compung.
Teu sincero coraeio.
A' trate melancola
Su:ceda agora a alegra
Que a liberdade produz ;
A um viver trituroso
Succeda o suave geso
De um viver cheio de luz.
O poeta foi fadado
Para amar, para aoffrer.
Qu' importa o riso da turba,
Que o no pode entender ?
Tassoo louco 8ublimado,
Somonte por ter amado
Urna princeza. auorreu
N'um hospicio, abandonado..
Torpemente motejado,
E pobremente viveu I
Camoes portentoso vate
, N'um catre de hospital
Exhalou, pobre eaquecido,
O seu suspiro final.
Em tudo foi lhe o destino
Impropicio, trate, indino,
Pezaroao e sempre* mo ;
Achaudo ura echo sincero
De amigo fiel e vero #
No bora, denodado Jo.

\

Do genio sempre esta a sorte,
Sempre o destino fatal,
Tendo a gloria por cora,
E o mattyrio por fanal.
E ubora a.-ja lhe a vida
Penosa e cruenta lida,
Um soffrimento cruel,
Tem por premio sublimado
Um nome eel-brisado
Pelo futuro fiel.
Parabens, pois, meu Gustavo
Pelo imperial Perdo,
Que saroo negra chaga
Que te ia ao coraco.
Tiveste co n a libsrdaoe,
Paz, amor, felicidade,
E um Burndente porvir.
No mida a ainistra i lea
Que qu.l torpe cectopa
Te tristurava o sentir.
Recife, 10.de Agosto de 1887.
Alpdiano Cavalcanti Masques.
Typ. do Diaro^rua Duque ae Caziaa n. t.
1 mam l
t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERJTWWB44_0H9H6C INGEST_TIME 2014-05-22T23:56:41Z PACKAGE AA00011611_17500
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES