Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17495


This item is only available as the following downloads:


Full Text
* t**^
r
AflIO lllll fiMEfi" 183

i

\
PAR* A CAPITAL. E 1LGARKN 0'.HE SAO NE PAA PORTE
Por tres mezes adiantadoa............... 65000
Por seis ditos idem.......... ...... i'iJOOO
Por om anno idem................. 230000
Cada numero avulso, do mesmo dia............ 5100
DIARIO DE
WXk-Mk 12 DE AGOSTO CE 1331
' I ii
PARA DEHTRO FORA DA PROVLSCIA
Por seis mezes adiantados............... 13)5500
Por nove ditos dem.......... t*j..... 200000
Por um anno idem................, 27|JOOC
Cad. numero avulso, de dias anteriores........... 5100
NAMBUGO
ProprUirafce ht JRmoel f\#acvcfa t> Jara i Jxlifos
%
TELEGRAMMAS
5SS7IC0 ?^T!CL4H 30 SUBID
RIO DE JANEIRO, 11 de Agosto, s 4
horas da tarde. (Receblo s 5 boraa e
10 minutos, pela linha terrestre).
O Dr. Pedro Beltro. (ornando par-
te na 2.a i!*<*ii<> do orcameato do
mulatera da agricultura*, pronun-
cioii um Importante discurso, occn-
pando-se de loteresse* da provincia
de Pernambuco.
Funcclonaran boje ambaw ait ca-
aai do parlamento
MADRID, 10 de Agosto.
2TIS
O Sr. general Salamanca governa-
dor da liba de Cnba Insultou com
palavran onVnwiwa* ao Sr. ministro
das colonlaM.
O ministerio proteston. e o Sr. ge-
neral Salamanca neje a o propoMllo
osTensivo.
S. PAULO, 10 de Agosto.
Estti convocado nqul um mketino.
BUENOS-AYRES, 11 de Agosto.
Tena cbovido copionanenle em to-
da a* reglfte* de Bueno-ayres.
As cbnvaa lem candado grandes
estrago*.
A- safras i'iii> seriamente com-
promeitida. ! to dlflDcul tosas e o* trabalbos Inter-
rompldos.
VIENNA, II de Agosto.
Parti para Tlrnova o principe Fer-
nando de Cobourg Gotba. elelto para
o principado da Bulgaria.
BERLIM, 11 de Agosto.
mo-
j, o
Voltou aqu reiKabelecIdo da
leatla que o bavla atacado s.
principe berdelro da Allemanha.
ROMA, 11 de Agosto.
O cholera-morbuR molra-ie esta-
cionarlo em sna Intensldade, em to-
da a Italia.
Ajttoc'l Havat, filial
11 de Agosto de 1887.
em JVernarsbuco,
IHSTRUCCiO POPULAR
(L'xtrahido)
0\ BIBLIOTHM;* I O POVO B DAS ESCOLAS
PRIMlKA PARTE
ITIVOKni DE KtTHK'AO
SECRECOB* **
CC'ontintiQao )
Seciecao e glndulas salivaresA secrecao da
saliva, liquidude cuja composicio e usos ja talla-
mos, feta pelas glndulas salivares. Estes or-
gios sao formados par pequeas granulacoes ag-
glomeradas e reunidas, de modo que formara diffe-
rentee lbulos de forma irregular. Sao eatas de
cor acinzentada e constituidas por um tecido fir-
me e resistente.
Aa glndulas salivares sio em numero de aeis.col-
locades por pares e symetricamente de cada um
dos lados da bocea. Chamam-se partidas duasque
SBtSo situadas adeante da orelha e por tras do
ramo vertical da maxilla interior ; sub-msxillares,
duas que se alojam, de um e outro lado, sob o n-
gulo da mesma malilla ; e snb tingases, as duas
restantes, collocada (como o seu nome indica) por
baixo da lingos. Cada urna destas seis glndulas
communica con. a cavidade da bocea por um ducto
excretor, aue nella derrama a saliva segregada.
Secrecio biliar. Figado.A bilis, de cuja com-
posicac- e uso digestivo tratamos quinde- descreve-
mos os phenomenos chimicos da digesto, segre
gada pela glndula mais volumosa do organismo,
a qual tem o nome de figado.
(Continua)
m
7ARTE OFFlClfll
Governo da Provincia
EXPEDIENTE DO DIA 25 DE JULH0 DE 1887
Actos :
O presidente da proaincia resolve nomear o
bacharel Joaquina Antonio da Silveira promotor
publico da comarca de Buique, sendo exonerado o
bacharel Jos da Costa Domado, que o exercia.
Fizeram se aa devidaa comrcunicacoes.
O presidente da provincia resolve, de con-
formidade com o disposto no art. 1 7 da lei a.
2033 de 20 de Setembro de 1871, nomear Jos
Francisco Salastiaao Granja adjunto do promotor
publico da comarca de Balgueiro, no termo de Leo-
poldina. Fiseram-ie as devidas commuoicacoes.
__O presidente da provincia, tendo em vista o f
fficio n. 187 de 12 de torrente mes do inspector
geral da Instruccio Publica, resolve nomear o ba-
charel Jlo Ooncalves de Azevedo para exereer o
cargo de delegado do districto litterario de S.
Lourenco de Ttjucupspo, em substituicio do ca-
pitio Jlo Lucio da Costa Moateiro, que fallecen.
Remetteu-se o titulo ao inspector geral da lav
traecio Publica.
0 presidente da provincia, asando da aoto-
risseo conferida na lei o. 1899 de 24 de Malo
do corrente anno, resolve, que ni execucSo do
disposto nos 12 a 15 art. 2" da lei n. 18G0 de
11 de Agosto de 1885, a que refere-se o 19 art.
1 da lei n. 1881 de 3!) de Abril de 1887, se ob-
serve o regulamento j publicado'no Diario d di
corrente.
iScios :
Ao inspector da Thesooraria de Fazenda.
Declarando o collector geral do municipio de Vil-
la Bella na informaclo de 5 do correte aprfsen-
tada poi V. S. com officio de 21 803 n. 166, nio
ter aceitado matricula algama de escravos com o
valor excedeute de que trata o art. 3 do regula-
mento n. 9517, remetto a V. S. a relacle n 218,
afim de providenciar como recommendei em 7,de
Junbo ultimo.
Ao mesmo.Sirva-se V. 8. de informarme
qual a importancia despendida com a compra de
216,360 grammas de plvora, para a fortaleza d>
Bram, cuja acquisicio autonsei por officio de 12
de Maio ultimo.
Ao inspector do Thesouro Provincial. Nos
termos da sua infoimacio de 14 do corrente, n.
729, mande Vmc. pagar a bielden Brothers a
qaantia de 194300, de que trata a inclusa conta,
proveniente do gaz consumido com a Iluminadlo
do Jardim do Campo das Princezas no mez de
Maio ultimo.
Ao mesmo.Em vista do que Vmc. me in-
forma no seu officio de 20 do corrente mez, sob n.
742, minie fornecer ao administrador da Casa de
Detencio, conforme solicita o Dr. chefe de polica,
urna barrica de cimento para ser applieada em
concertos de apparelhos das cellulas d'aquelle es-
ta belecimento.Commumcou-se ao Dr. ebefe de
polica.
Ao coicmandante do Corpo ds Polica Pro-
vidercie Vmc, no sentido do destacarem no *
districto de S. Jos desta capital 6 pracas e um
cabo do corpo de seu commando, que devem sub-
stituir igual numaro de pracas de Guarda Cvica,
que all permanecen), segundo requesita o Dr.
chefe de polica em officio a. 638, de 2' do corrente
mez.
Ao mesmoMande Vmc. reforear com 5
pracas o destacamento estacionado em Nasaretb
o qual ficar assim elevado ao numero de 30, de-
signado na tabella annexa portara desta presi-
dencia de 28 de Fevereiro ultimo.Comtnunicou-
se ao Dr. chefe de polica.
Ao mesmo.Ao Dr. chefe de polica, mande
Vmc. apresentar amanh ao BMia dia urna escolta
de quatro pracas afim de conduzir dous criminosos
que vo responder ao jury em bravata.C >mmu-
nicou-se ao Dr. chefe de polica.
Ao director geral das brss Fublisas.
Inteirado do que Vmc informmou no officio de 22
do corrente, sob n. 155, declaro-lhe que cumpr*
informar qual o numero e valor das pecas de ina-
deira, que teem de ser substituidas na ponte de
Ponta de Pedras, e se nao dever a despeza ser
levada conta do ex-engenheiro Joaqaiin Galeno
Coelho.
An engenheiro fiscal da estrada de ferro do
Recife a Varxea.Declaro a Vmc. em solucao ao
seu officio de 15 do corrente, sob n. 178, que deve
o gerente dessa estrada de ferro requerer a in-
demuisacao dos pastes dados pelas autoridades
polieiaes, de conformidade com o accordo de 20
de Janeiro de 1877, com nformaco de Vmc
Ao juiz municipal e de orpho do termo de
Escada.Para resolver sobre o que Vmc. solicita
no officio de 6 do cor ron te, cumpre que envi a
esta presidencia copia authentica do accordo que
passou em julgado, acerca do valor do escravo
Mauoel, libertada por conta da 7* qaota do tundo
de emancipacao.
Portaras :
Secommendo Cmara Municipal de Timba-
ba me informe si cumpriu as dtposices dos arta.
53, 56 e 57 da lei n. 1791 de 27 do Julno de 1883
quanto ao pagamento de castas judiciaes alludido
em seu officio de 11 do corrente mes, declarando
tambem de que data eram as contas constantes da
relacao annexa ao seu predicto officio.
Declaro i Cmara Municipal do Cabo, para
seu cotihecimento, que, no recurso do capitao Ma-
noel Daarte Vieira, a que se refere sua informa-
sao, n. 318, de 1 da corrente mei, profer hoje o
seguinte despacho :
Em vista da informaclo da Cmara Municipal
do Cabo, deque nao (uspeodeuo recurrente do
exercicio de sen empregu, mas demittiu-o, por
torca do art. 79 da lei de 1 de Outubro de 1828,
por entender que o recorrente nao convicha ao
servico da Cmara, accamulando a profisso de
pharmaceutieo, neg provimento ao presente re-
curso, ficando salvo ao proprietario recorrente, ou
a terceirc s que se sintam aggravados, os meios de
direto contra a nomeaco do substituto, urna ves
provado que falta a este a precisa ideneidade para
o cargo.
Declaro Caara Municipal do Recife, para
seu conhecimento e devidos fina, que, no recurso
de Francisco Avila de Mendonca, a que se refere
sua infoimacao n. 38, de 25 de Maio ultimo, pro-
fer hoje o despaubo seguinte :
> Don provimento ao recurso, para que nao seja
administrativamente embaracada construccao
ds recorrente, sob protaxto de projectar a Cmara,
em tempo ainda incerto, abrir urna ra no terreno
em que se quer edificar.
O direto de propredade constitucionalmente
garantido em toda a sua plenitude. So o bem pu-
blico, depois de legalmente verificado, autoriea o
uso e emprego da propredade do cidadSo, com-
tanto que seja previamente indemnisado do valor
dalle.
< Si, pois, a Cmara quer abrir no lugar nova
ra, alias considerada desnecessaria, huje, pelos
motivos que informa a directora de obras publi-
cas, deve desde j desspropriar o recorrente, e nao
oppor limitacoes illegaes ao sea direto.
EXPBDIBETE DO DB. SECBETBIO
Oficios:
Ao Sr. Jos Joaqaim de Mello Cah De
ordena de S. Exc. o Sr. presidente da provincia
acenso o recebimento do officio de 22 do corrente,
no qual V. S. participoa ter assumido o exercicio
do cargo de fiscal da Empresa Locomotora Per
nambucana, para o qual foi nomeado por portara
de 19.
Ao Dr jais de direito da comarca de Gara-
nhuns.De erdem de S. Exc o Sr. presidente da
provincia, commuoico a V. 8, paxa os fins conve-
nientes e em solacio do seu officio de 6 de Maio
ultimo, que no reqoerimento do tabelliio Agostinho
Ferreira da Silva Asevedo proferio hoje o mesmo
Exai. Sr. o despacho seguinte :
E' preciso sujeitar-se a exame de ama junta
medica, na conformidade do art. 104 do decreto
n. 9420 de 28 de Abril de 1885.
Si na comarca de Garanhuns nao ha mdicos,
deve o sapplicante vlr a esU capital ou pelo me-
nos ao lugar mais prximo d'aquella comarca
onde haja mlicos no caso de procederem ao dito
exame.
Edital:
Por esta secretaria se fsz publico, para co-
nhecimento de quem interessar, que o Exra. 8r.
presidente da provincia, deferindo os requerimen-
tos em que o bacharel Gaspar de Drummond e o
cidadio Joaquim Verissimo do Reg Barras, pedi-
ram que fosse com elles contrautada a fundacao
de nm engenho central no valle de Serinhaem
outro no de Pirangvsinho, na conformidade dos
arta. 16 a 18 da lei n. 1860 de 11 de Agosto de
1885, mandn chamar concurrentes, com o praso
da 60 das, c mtaaor de hoje, afim de que aprsen-
teos propostas para a dita fundacao, com excluso
da iaeucao do imposto de exportacao do assucar
fabricado, da qual ~\'* a condico 3 do citado
purt 16, concebido nos segaintes termos :
Art. 16. Pica o presidente da provincia auto
risado a eoatraotar com o cotnmerciante da praca
do Recife, Jos da Silva Loyo Jnior, ou cosa
quem melhores vantagrns ofterecer, a fundacao e
exploraco nesta provincia, de quatro engenhas
centraes, com capacidade para safn-j ir cada um
de 25 a 30 milhes de kiloerammas de c >nna,
sendo cada qual d i casto de 6O0:0J0i00O, ou oito
con capacidade para safrejar cada um de doze
nilhues e quinhentos mil a quinze milhoes de ki-
logrammas de caima, sendo nesta hypothese o
cuato de 300:000^000, sob as seguales condi-
coes :
1.* A Drovincia concorrer com a quantia de
200:000*000 no primeiro caso, e de 100:0001000
do secundo, em apolices do juro de sete por cento
para cada um desses engenbos, sendo os juros pa-
gos o portador pelo proponente ou por quem to-
mar a si oestaDelecimento dos referidos enge-
nhos e recomidos ao Thesouro no fim de cada se-
mestre.
2 -1 O pagamealo ser ieiti pela provincia em
duas presHOis", a primeira qusndo torem apre-
senrados o conhecimento do embarque, factura e
apolce do seg'iro dos materiaea, cuj >s documentos
serla endossalos ord.-m e ficaro om poder do
Thesouro Provincial, em cauclo da quantia que
receber o contractante ; a segunda, depois que se
acharem os mesara materiaes no local em que for
estabelecda a fabrica.
3." A provincia ter hypotheca sjbre todas as
fabricas para garanta de suas apolices, sentando,
pirem, durante dez annos, o assucar nellas fabri-
cado do imposto de exportacao e outros quaesquer
provincaes ou muocipaes que existam ou torem
creados posteriormente.
4. A provincia ter durante as obras um enge-
nheiro fiscal por ella nomeado, cu jo ordenado
ser pago pelo proponente ou por quem o substi-
tuir.
5.* A amortisacao das apolices ser feita a ra-
zio de 10 por cento annualmente, a contar do
anua seguinte do em que tiverem combado a tra-
balbar os referidas engenhos, ficando livre ao pro-
ponente o direito de fazer maior amortisacao se
assim Ihe convier. Far-so ha orna emisslo de
apolices com a clausula de serem rescatadas an-
nualmente e por aorteio.
6.* O contractante nao poder fazer cessao de
sen contracto senio a agricultores.
7 O proponente ou quem contractar, ser obri-
gado, a apresentar ao presidente da provincia ama
planta dos apparelhos ou machinismos mais aper
teicoados destinados aos engenhos, a qual s ser
approvada depois de ser examinada por urna com-
missao de engedbeiros, nomeada pelo mesmo pre-
sidente.
8.* O contractante dar animalmente no The-
souro Provincial flanea dos jaros que tiver de pa-
gar a provincia pela emiSBo applieada das apol-
nea aos engenhos centrass.
EXPEDIESJE DO DIA 26 DE JOLO DB 1887
Actos :
O presidente da provincia, tendo em vista o
officio de 19 do corrente, em que o engenheiro da
Repartidlo das Obras Publicas Francelino Ame-
rico de Albuqueiqne Mello declara dexar o exer-
cicio do cargo de fiscal do canal de Goyanna, em
vista do art 27 do regulamento de 20 de Junho
ultimo, resolve nomear o cidadio Affonso de Al-
buquerque MaranhSo, para exereer interinamente
o referido cargo.Fiseram-se as devidas commu-
nicacoes.
O presidente da provincia, resolve, de con-
formidade com a proposta do Dr. chefe de polica
em officio n. 635, de 21 ds corrente, nomear Do-
mingos de Araujo e Albuquerque Anteninho e
Francisco Beaerra do Rogo Barros para os luga-
res de 2* e &' supplentes do subdelegado do 1'
distrito de Pasqoeira (Santa gueda), em inbsti-
tuicao de Jos do Reg Maciel e Alexandre Gomes
de Araujo Frazo, que nao aceitaram a no-
mea ci.
Oficies :
Ao inspector da Thesourarie de Fazenda.
Remetto a V. S. a relacao u.- 336 afim de mandar
preencher as lacunas que se notam as declaracoes
das profissoes c valores ds escravos matriculados
no municipio de Nazareth, sob ns. 2,540 2.543.
Ao mesmo.Mande V. S. pagar a Fielden
Brothers a importancia da subvencio para luzes
do palacio desta presidencia correspondente ao
trimcstie de Abril a Junho do corrente anno.
- Ao administrador do Tbeatro Santa Izabcl.
Remetto a V. S., para os fins convenientes, copia
da informaclo, que em cffico de 23 de crtente,
sob n. 157, prestou-me o director geral das Obras
Publicas a cerca dos objectos e dependencias de
prevencao e extinecao de incendios nesse Tbeatro.
Ao engenheiro director das Obras Geraes.
Transmittindo a Vmc. o officio do director do pre-
sidio de Fernando de Noronha, de 12 do corrente
mez, n. 267, recommendo Ihe que sobre o assumptu
ouca o engenheiro Arthur de Lima Campos, que
d'alli tendo voltado, poder dar nformacoes do
que houver occorrido em consequencia dos estra-
gos causados pelas chovas e que eonvm at-
tender.
Portaras :
Respondo ao officio do 16 do corrente me1
declarando Cbmara Municipal de Taquaretinga'
que o imposto decretado pela le n. 1,866 de 5 de
Maio de 1886 s poder ser cobrado com a reduc-
co indicada pelo art. 3 n. 25 da lei n. 1,897 de
24 de Muio ultimo de 10 de Catabro vindouro em
diante, quaudo comeaa o exercicio finacceiro mu-
nicipal, para o qual fui votada a dita lei n. 1,897.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco, mande dar passagem
de primeira classe entre as estacoes de Cinco Pon-
tas e Gsmelleira, por conta da proviocia, ao en-
genheiro Francelino Americo de Albuquerque
Mello, que, na volta, ter de demorar-se na esta-
clo da liba, at concluir o servico a que all
vai.
EXPEDIEHTE DO DB. SECRETABIO
OfBcios l
Ao inspector do Thesouro Provincial. De
erdem de S. Exc. o 8r. presidente da provincia
sirva-se V. S. ds informar se j tei assignado e
contracto para o estabelecimento de urna compa-
nhia de bombeiros, nesta cidade, reme t ten do, no
caso afirmativa, urna capia do dito contracto.
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
De ordem de S. Exc. o 8r. presidente da provincia
acenso o recebimento do officio de 21 do corrente,
no qual V. S. participou que no dia 28, s 5 horas
da tarde, seguir para os portos do sul, at S.
Salvador, o vapor 8. Francisco, dessa compa-
nhia. ______
Ao director do Arsenal de Guerra.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia manda acensar o re-
cebimento do officio de boatem datado, sob n.
1,219, em qne V. S. participa que no dia 23 do
corrente o escrevente de segunda classe desse
Arsenal, Joaquim Alcebiades Pereira Caldas, ie-
nnnciando o resto da licenca, assumio o respectivo
exercicio. Communioou se ao inspector da The
souraria de Fasenda.
Aa commandante interino da escola de apren-
dises marinbeiros.Ca ordem de S. Ex' o Sr. pre-
sidente da provincia communico a V. 6., para os
fins convenientes, que pela ordem de Thesouro
Nacional, de 2 do corrente, n. 83, acha-se habili-
tada a Tbesouraria de Fasenda com o crdito da
quantia de 678*023, em que forano, oreadas as
abras necessaras no edificio onde funeciona essa
escola.
Ao Sr. Augusto IJyeino de Miranda. De
ordem de S. Exc o Sr. presidente da provincia,
transmiti a V. 8. a copia inclusa do officio e an-
nexos que ao mesmo Exm Sr. a mordomia 4a ca.sa
imperial dirigi em 29 de Junbo lindo a respeito
da mesada de 200 francos, concedida por ua Ma-
Sistade o Imperador, afim de que o mener Tito
ygino de Miranda, sen filbo, posa* estudar m-
sica em Vieona d'Austria.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA, DO DIA 10 DE
AGOSTO DE 1887
Anna Eufrosina de Barros e Siiva.Informe o
Sr. nspectsr da laatruccio Publica.
Antonio Coelho Ribero Boma. Sim.
O mesmo.Llem.
Jlo Mendes dos Santos.D-se curtidlo das
nt>rmac6es constantes doefficie do juia de direi-
to da comarca da Victoria, de 8 do crrente
mez.
Tente Francisco Pereira do Lago.Informe
0 Sr. juz municipal do termo ae Bonito.
Tenente Galdino Jos Burty Satisfaca o dis-
posto no art. 45 do decreto n. ,130 de 12 de
Marco de 1853.
Genriaisoo joaquim de Miranca.Sim, com a
pe.isio corresponaente aos vencimentos de que
trataui es arta. lo6 5o e 157 do regulamento de
1 u> Fevereiro de 1880, visto te- provado mais
de 35 annos de efiectivo exercicic no magisterio
c inbabilitaci pela'vaneada idade de continuar
no emprego.
Henriqua Ferreira Baltar Sobrinbo.Informe o
Sr. fiscal-da Companhia Recife Draii age.
Jos Francisco de PaolstEf "contra clausula
expressa no contracto, o que requer, e a presidau-
cia nao pode dispensar a lei,
Manoel.Fernandes da Costa Torres e Jos An-
tonio da Costa Informe o Sr. iiis|tactor da Tbe-
souraria de Fzenda.
Rita Amalia PimenteL Informe e Sr. inspector
geral da Instrnccao Publica.
Seraphim Valeriano Soares Jnior,Prove o
allegado.
Vicente de Assis Tavares.Infirme o Sr. Dr.
juiz de direito do 2* distiieto criminal.
Flix Ferre>'ra Coimbra.Sim, ein termos.
Secretaria da presidencia de P.irnambuco, 11
de Agosto de 1887.
O port'iro,
F. Chacn.
HepartloSo da Qlicla
2* secSo. N. 699. Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 11 de Ajjostode 1887
Illm. e Exm. Sr. -Participo a V. Exc.
que f'jram recolhidos boutem Casa de
Detenclo es seguiotes individu is :
A' minha ordem, Pedro Francisco de S>uza por
disturbios.
A' ordem do subdelegado da ref-uezia de San*
to Antonio, Danitl Lina Jos do Espirito Santo,
por disturbios.
A' ordem dode Belm, Jos Felippe de Almei-
daeJoa Jos de Sant'Anna, os;e como desor-
deiro e aquello por crime de furto.
A' erdem do do Io districto da (traca, Francis-
co de Souza Franco, como alienadc, minha dis-
p os icio, at que tenba o conveniente destino.
Em officio datado de 5 do corre ite, participou-
me o cidadio Andi Bezerra do Reg Rarros, ter
assumido o exercicio de di legado do tezmo de
Pesqueira.
Pelo snbltlegade da fregueaia nio foi remettido ao Dr. juiz de direito do 2o dis-
trictojcriminsl, oh inquaritos policc aes procedidos
contra Thom Jos Pereira e outros, pel-J crime
previsto no art. 201 do cdigo crim nal, por terem
na noite de 1 do crreme ferido a Olegario Al ves
de Souza Cantareles, sargento da guarda cvica.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exc.
Sr. Dr. Pedro Vicente de Azvedo, omito
digao. presidente da provinc..O chefe
de palijiaf. Antonio Domingos Pinto.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 11 DBAGOSTO DE 1887
Antonio Lasalvia. Dirija-*) ^Recebedona
Provincial.
Contas da 7* parte da lotera do 'undojde eman-
cipacao .Approvodas.
Pret do corpo de polica.Examiae-se.
Francisco O. da Ross.- Entregun-se pels porta.
Joaqnim Ansberto Lopej. A' Recebedoria
1 ovincial para attender.
Bardominiano Nilo dos Santos Ferreira Barros.
Facam-se as notas de portara d licenca.
Dr. Jos Hoaorio Bezerra de Menezes. Inde-
ferido, porque as procuracoes referir do-se declara-
damente a um anno financeiro certu e determina-
do, e este constando regularmente de om espaco
de tempo conbecido, nao podem por acto exclusi-
vo deste Thesouro serem ampliadas em seus effei-
tos ao semestre que .Ihe foi aedicionado por
cirsumstancia superveniente e que evidentemente
nao entrn na cogitacis do constituate.
Jorge Cyriaco da Silva Pereira.Prove a des-
occnpaclo.
Coronel Augusto Ootaviana de Souza e officio
do Dr. procurador dos fetosInfome o conten-
oso.
Sebastiio Antonio Cavalcante Informe o Sr"
collector de Taquaretfnga.
Eduardo Reis Gomes de Millo. Diferido, fi-
cando irresponsavel do debito anterior o novo in-
quilino que estabelecei-se na casa o- 85 ra de
Marcilo Dia*, cuja desoecupaelo te prova.
Pret do corpo de polica.Pague-se.
Hermann L,undgren 3 CResti; ua-se.
Vigario Augusto Franklin Mor. ir da Silva,
officio do Dr procurador dos feit u, Francisco
Manoel Acckli, Rrodrigo Cirvalho &. C, Dio-
go Augusto dos Reis, G. Laporte C. Joo Ro-
drigues de Moura e oficios do .director geral das
Obras Publicas.Informe o Sr. contador.
Joaquim Marques de Lima.Deferido, sendo
eliminada da contribuidlo da deciua a casa n. 50
A estrsda do Giqui a Jaboatlt, do corrente
semestre por diante e emquanto act ar se as con-
dices da lei n. 1,514.
Luiz Gonzaga de Magalhles Jun or. Regis-
tre-so e ftcem-se os assentamentos.
Msnoel Nunes da Fonseea. Deferido, toman-
do-se per termo a fianca offerecida, dndose bai-
xa na anterior e sende-lhe entregues os ttulos
que a constituan),
Manoel Carolino da Silva Carvalho e Manoel
Jos Affonso Ioforme o Sr. adiainiat'ador da
Recebedoria Provincial.
Damio Lima & C. Deferido, ficando irres-
ponsaveis os supplicantes polo debito anterior do
estabelecimento n. 16 ra do Bario da Victoria,
no qual provam nio ter suceedido.
P. Bessand & C, Jos Alvos de Oliveira, viga-
rio Joo Rodrigues da Costa, Saatts & C e com-
meodader Jos Candido de Moraes.Haja vista o
Sr. Dr. procurador fiscal.
DIARIO DE PERMHBECO
RECIFE, 12 DE AGOSTO DE 1887
Noticia da Europa
Eis a resenba das mais important ss noticias tra-
gidaa hontem pelo paquete ingles Hondero:
Poriusjal
Datas at 29 de Julho :
Sob a rubrica Exterior poblice mos a sarta do
nosso correspondente de Lisboa.
Hespanba
Relativamente a este reine esersven-nos o su-
pracitado corresp.ndante o seguinte :
Espera-se em Hespanba, entre Agosto e Se-
tembro, pronunciamentos revolucionarios. O mi-
nistro da guerra tem manifestado i eceio de algu-
ma re volta republicana, e er que, dada a estn
ldade dos ensaios feitos em trras Ja Extremadu-
ra, Catalunha e Castella Nova, esta revelta tar-se
ha proteger as fragosidades da serra andalusa ou
das fronteiras de Portugal pelo lado de Salara nca.
Na cmara, dos cemmuns de Inglaterra, *ir Ja-
mes Fergussa ecminuncou que o cnsul inglez em
Bilbaa abri um inquerito a respeto do mariuheiru
Parkins, que foi morto por um oficial da guarda-
fiscal em 19 deste mez, e o commandante militar
d'aquella praca tambem proceda a um rigoroso
exame da questlo.
O embaixador da Hespanha junto do Vaticano
parti de Roma no goso de licenca, no dia 25.
Urna carta do Papa, datada de 15 de Junbo e
dirigida ao cardeal Rampalia, fallando da Hespa-
nba diz que esta naci rem nece33idade da uniio
dos catholicos em defeza da religiio, dedicacio
Santa S e caridade reciproca, afim de nio se 'ei-
xar conduzir por fi.ua particulares nem por espi-
rito de litigio ; accrescenta que as intimas rela-
goes existentes dio ao Papa a certeza da aua aoli-
citude pelos interesses catbolicos ; e assegura que
a prosperidade da Hespanha ser eficazmente
ajudada pelo papa, que tambera cuidar das popu-
lacoes hespaaholas da America.
Quanto a Portugal, depois de lembrar o accordo
ltimamente celebrado sobre a qaostio do pairea-
do as Indias Orientaea, o Papa declara que es-
pera 'achar tambem de futuro as mesmas disposi-
coes favoraveis em Portugal.
' O ministerio est de accordo em impedir a ex-
portadlo de vinbos falsificado* O vnbos, assim
como as carnes e os cereaes, serio na fronteira
sujeitos a um rigoroso exame.
Espera-se que governo hespanbol tome bre-
vemente providencias contra a importadlo do
alcool estrangeiro.
Em Madrid teem corrido boatos de criae minis-
terial, e diz se que o Sr. Albarela, ministro em
Pars, (ornar conta da pastado reino. Entretan-
to, os peridicos ministenaes negam a existencia da
crise.
SS. MM. o imperador e imperatrz do Brazil
nio cumprimentaram pessoalmente a rainba re-
gente por causa da precipitado com que viajara.
Foi esta a razio que deram ao ministro de estado
quando os vsitou.
Esteve brlhante o banquete offdrecido pelo
chefe do departamento maritimo de Cartagena, vi-
ce-almirante D. Carlos Vatcareer ao Duque de
Edimburgo, em nome da .narinha hespanhola.
A exposifio das Philippaas tem silo visita-
da por mais de 90:000 pessoas.
Franca
Na sessio de 22 de Julho, o Sr. Rouvier res-
pondendo na cmara dos deputados aos Sr. Drey-
fus, reconheceu em principio a utilidade do cami-
nho de ferro metropolitano, e declarou que apro-
veitar as ferias parlamentaren para estudar o
projecto.
Entrou depois em discussio o projecto das poo-
soes para os* feridos de 1848 ainda sobrevives ;
mas nio pode votar-so por falta de numero suf-
ficiente de deputados.
O periodo parlamentar termiaou nesse mesmo
dia, fieando encerradas as seseoes da cmara e do
senado.
Nao se esp:rava que bouvesse mudanca seosi-
vel na poltica, posto que seja para desejar que as
fraccoea republicanas^cheguem a melbor aecordo,
afim de que termine urna eituacio demasiadamen-
te indecisa.
Os ministros foram no dia 27 ao Havre inaugu-
rar o canal de Tancarville.
Quando as cmaras voltarem a reunir-se, o go-
verno apresentar! um projecto para a conclusio
das grandes obras no Sena e no Havre, para cojas
despezas a cmara de commercio bavrense contri-
buir com cem milhoes de francos.
Acaba de inangurar-se n'uma Jas pracas de
Rouen a estatua do jornalista francez Armaad
Carrel morto em duello em I8t> por Emilio Gi-
rardn, por causa de urna polmica jornalistica.
O governo fes-se representar neste acto solemne,
que representa urna festa de familia para a im -
prensa franceza.
Efectivamente toda a imprensa, aem excepcao
de partido, deve sentir-se honrada ante tio gran-
dios apotbeie ao benemrito cidadio, bravo sol-
dado e vigoroso jornalista.
Armand Carrel morrea ha mais de 50 annos.
Sao grandes, relevantsimos os seus servio ;s
Franca, quer com a espada no campo da batalha,
quer com a penna no tribunal da imprensa.
A res pe i to deste bravo oceupam-se h^je quaai
todos os jornaes francezes, em phrase levantada e
sentida.
E' a questo do dia para a Franca republi-
cana.
Ao ser inaugurada em Rouen a estatua do jor-
nalista Armand Carrel, o Sr. Spnller proferio um
discurso, em que affirmou a necessidade de unio
entre os republicanos, renovou a declaradlo de
que o governo actual uio roverno de combate,
mas sim de reformas e de pacficacao.
Foi interrompido por alguna protestos solados,
mas applaudido por immensa maioria.
O Sr. Herdia, ministro das obras publicas,
pronunciou em Seutes um discurso concebid* no
mesmo sentido, e que den occasiio a incidentes
anlogos.
O ministro da guerra ao visitar ltimamente a
escola de S. |Cyro, pronuacion um discurso em
que manifestou a conviccio de que os futuros ot-
ficiaes quando sahirem da escola, serlo sempre
dignos dos eeus predeceesores, e accrescentsu que
preciso que se silba isto bem para l das fron-
teiras : a naci franc-za nio est degenerada, e
est prompta a fazer todos es sacrificios para
salvaguardar a sua dignidade e a sua honra.
O Sr. Julio Grevy parti para Miut-sous-Van-
drez no dia 24.
Affirma-se que para a experiencia de mobiliaa-
cao militar serio designados os corpos de exercito
10, 11a e 13 que teem os seus quarteis generaes
em Renes. Nantes e Limoges.
O Sr. La'ar, deputado da esqoerda radical, en-
viou os seus padrinhog ao Sr. Paulo deCassagnac,
que o atacou violentamente, c >mo autor das car-
tas de Clermsnt-Ferrand, publicadas pela Fronte
a respeito da general Boulanger ; mas segundo os
j orases, parece que o verdadeiro autor dessas
cartas o 8r. Paulo Deroulde, ex presidente da
liga dos patriotas.
O Sr. Julio Ferry, no discurso que proferio no
banquete de Epinal, exaltou as sociedades de tiro,
celebrou os progresso do exercito em proveito da
patria, dirigi encapotadas censuras ao general
Boulanger, atacou vivamente o partido que pre-
tende exereer o monopolio ao patriotismo, e briu-
dou pela repblica, cujos bracos esto abertos a
todos os republicanoa e a todos os francezes, dese-
jando a unilo a sombra da bandeira da patria.
Grandes applausos.
Dizem os jornaes francezes que a estada do im-
perador do ras em Paris prolongar-se-hia, pro-
vavelmente at 30 de Julho.
Morreu um dos generaes mais novos do exercito
trances, o general Regier de Linage. commandan-
te da 3* brigada de couraceiros da guarnilo de
Paris, tinha cincoe ita e dous annoa de idade.
Pertencia a urna antiga familia do Delphinado, a
qual tem fornecido o exercito, ha muitos anuos,
numerosos officiaes de valor.
O general de Linage tes a maior parte de sua
carreira em frica, no 3* de cacadores de frica.
Capitao-commandaute deste regiment, tomou
parte em Sedan, na famosa carga commandada
pelo general Galliffet, e receben tres ferimentos.
Urna bala quebrou Ihe os queixos, atravessou
Ihe a face de um lado para outro, e deixou-o por
morto no campo da batalha.
Blgica
O parlamento belga acaba de votar em segunda
leitura um projecto de le tendente a reprimir o
vicio da emonagues. ; .
Na Bolgiea nio triumphou ainda o principio de
servico militar obrigatorio pessoal. A opposicao
que se Ihe fez foi muito enrgica e logrn ven-
cer.
O general bari* de Vandernisseu, amigo pes-
soal do rei L;opolJo, na occasiio da grande re-
vista militar em com memoradlo do 50 anniversa-
rio da acclamac;so da actual dymnaatia da Blgi-
ca, fez a seguinte proclamacao s tropas forma-
das em quadrado no campa das manobras :
Scnnores. Aproveito esta occasiio para vos
exhortar a que nio desanimis com o voto que to
cruelmente trahio as vossas esperanzas.
Tende confianza no futuro, e oonservai sem-
pre a conviccie de que o paiz nio tardar em re-
conhecer a necessidade de recrutar de outro modo
as suas forcas militares. 1
Nio a nos que pertence o discutir o lado socia
e poltico do asrvic/O pessoal obrigatorio, mas cabe-
nos o direito de, sob o ponto de vista militar, aaa-
lysaimos esta questio.
Os maiores intervs^ss do paiz e a conscienca da
propna .responsabilidade, impoe-nos o dever de
esclarecermoi com a uossa opiniio aquelles que
tratam deste grave assumpto se bem o conbe-
cerem.
Aproveitemos pois as occasio:s para mostrar a
din.'renca que ha entre os exercitoa do passsdo e
os de hi^e.
OutrVra as tropas combatiam em masaaB, com-
pactas, n'utn restricto campo de batalha e entlo
carecia-se nicamente de soldados disciplinados
sob o commando de chefes intrpidos.
Hoje a maior intensidade e alcance de fogo do
inimigo obriga os exercitos a dispersarem as suas
forcas em longos cordoes de atiradores e os solda-
dos ficam assim em circumatancias to especiaes e
importantes, que militas vezes elles teem no com-
bata um papel igual ao dos officiaes.
Por sso nessario comprebnder-se que impor-
tancia e que valor ter um exercito em que um
certa numero de bomens supetiores, pelo seu ta-
lento ou pelos seus conbecimeotos, sirvam como
soldados.
Mas, nio duvidemos, senhores, que brevemente
a naci inteira hade reconhecer que a sua aalva-
cio depende em grande parte da lei do recruta-
mento e entlo todos os cidadioe hlo de reclamar -
o sen posto as fileiras do exercito.
Emquanto aguardamos esse momento, continuai,
senhores, dando pravas do mesma zelo e dedicarlo
que at boje tendea manifestado, tirai paitidoda
energa dos ol jiaee inferiores e da boa vontade
dos nossos soldados, continuai ministrando a estes
o maior numero possi /el de conhecimento?, e nio
deiieis nunca de empregar qualquer esrorco ou
trabalho quejpossa elevar a sua intelligencia e des-
envolver a sua iniciativa, afim de que o exercito
possa um da prestar patria os servicos de que
carece,
Os bispos e jesuitas belgas movem gradde in-
triga contra o general bario de VandrrsmisBen,
commandante da primeira divisio de Bruxella*,
por ter pronunciado o discurso contra o procedi-
meoto da cantara dos deputados e em favor do
servico pessoal e obrigatorio e por occasiio da
erande revista do dia 21 de Julho
Na sessio do dia 21 o deputado ultra-catholico,
M. Waeate, propoz urna interpelacao ao ministe-
terio a proposito da supposta falta de disciplina
do general.
Estando ausente o presidente do conselho, Ber-
naert, foi marcada urna das primeiras sesses da
prxima semana.
Pessoa bem infrmada diz que o rei espera o
primeiro movimento popular para dissolver as
cmaras, appellando para o voto do povo sobre a
questio de eervico pessoal obrigatorio
Desde que Leopoldo succedeu a seu pai a primei-
ra vez que elle manifesta a vontade pessoal, e, eo-
nbecendo-se a sua tenacidad.', auppoe-se que, se o
servido pessoal obrigatorio nao for lei be'ga, pos-
sivel urna abdicacio, se nm movimento popular e
militar nio proclamar na praoi publica o projecto
Oultremont. que o projecto do rei.
O Jornal de Bruxdlas, que, noticiando o caso
da prociamacio, louvara o Ilustre e velho militar,
comeca a achar inegular o procedimento, e con-
clue chamando a atteucio do ministro da guerra.
Pensase em fazer reprehender o general Wan-
dersnissen n'uma ordem do dia; mas tambem
certo que o rei Leopoldo uio assigear semelhan-
te Hffronta ao seu ajuiante de campo e amigo par-
ticular.
Na presenta questio o rei ter a seu favor o
partido socialista, os liberaes radiaes e dontrina-
rios e os catholicos moderados.
Em conclusio: o Sr. Bemaert encontra-se
n'uma posicio difficil ou cutregar as pastas, o
qua nada adiantar situacio, ou dissolver o par-
lamento e sugeitar-se derrota inevitavel do bou
partido.
Evitara assim o movimento popular contra o
voto da cmara, movimento que ter por si 03
militares, nio s por espirito de ciaste, como pelo
de justica.
A folha allerai Gazeta da Cria, referindo-se
morte do explorador Stanlty, diz que, por notiiias
recebiaas, o intrpido viajante naufragara, sendo
assaaiinado pelos naturaes, em cajo poder tinha
cahido.
O Temps diz qua o despacho, annunciando a
morte de Stanley, se torna sospeito por nads se
saber em Bruxellas.
A agencia do Ntw-York Herald telegraphoa ao
rei dos belgas, que espoudeu desuientiudo fsrmal-
mento o facto, pois recebera Jias antes um tele-
gramma de 6tauley auuunciaudo a sua chegada a
Arubuimi.
Verdade que Stanley encontrara grandes dif-
ficuldades para alimentar a gente que o acompa-
nha
Em Londres, o despacho de S. Thom produzio
grande sensacao.
Acerca da morte de Stanley, correram duas ver-
8oes : diziam uns que o explorador morrera eom-
batendo com os indgenas, para obter vveres ;
diziam outroa quo a sua embarcacio encalhara ao
subir o rio, e que os indgenas, rodeando a embar-
carlo, haviam assassinads o explorador e toda a
sua comitiva.
Os iniciadores da nova expediclo de Stanley nao
creem neasea boatos, e esperara pelo contrario,
receber brevemente a noticia da libertaclo de
Emin Pacha por Stanley.
Segundo o jornal Lemouvement geographique,de
Bruxellas, no mesmo dia em que de S. Tbom era
expedido para Londres o lelegramma que fez naa-
cer receios acerca da sorte de Stanley, era d'slli
expedido outro telegramma ao goveruo d.i estado
do Congo, annunciando que a expediclo chegsva
ao Arnbuimi, e que continuava o seu caminho
para Wadelai, no dia 2 de Julho.
Parece, pois, que os boatos da morte de Stanley
nio teem nenbuin fundamento raal.
A imprensa belga est se preoecupando muito
com um projecto, que surgi agora na Allemanha,
da abertura de um cinal entre Anvers e o Rheno.
0 projecto foi apresentado ao governo allemo
pela cmara do commercio de Francfortsobre
o Meno.
A realisacio deste projecto melhoraria consider-
vel mente os estabelecimentos de Francfort e May-
enca, pelo desenvolvimento da navegacio as
b ceas do Rheno ; mas produzlr certam-nte al-
gumas perturbacoes no systema econmico da
Blgica. A parte belga do canal est feita, desde
A overa at ao Rheno ; a parte hoflandesa est
meio teita ; e o governo ailemlo coacluio ha an-
uos, com o goveruo da Haya, um tratado, que
Ihe d o direito de completar o canal.
anta-S
Os soberanos de Portugal, Austria-Hungra e
Hespanha telegrapharam ao Papa, agradecando-
Ihe os elogios da sua carta de 15 de Julho.
Inglaterra
A lei coercitiva para a Irlanda est defim'tiv
mente approvada, porque j passou na camsra
alta. Os que se empenhavamem favor da le, a*o





m
1
:

I



J "
Diario de ernambucoSextafcira 12 de agosto de 1887





se auccedem
afirouxam agora em redamar a ana exeencao. Afi-
frura-se, porm, que o gabinete ingles esta dispos-
tb a acceder aos deaejoe do partido liberal on.oo.s-
U, no que respeita s modificacoes que essei par-
tido pretende se tacam oom reapeito a execucao da
iei
6 marque de Saliebury tem sempre mostrado o
mais vivo desejo de conservar do seu lado a fraceio
liberal unionistas, porque bem verdade, que a
assim pode susteotar-se. Se aquella liberaes o
abandonassem a quda do marque* de Salisbury
inivitavel e prompta.
Percebe-se por isso bem o interesse do efaefe do
gabinete ingles, em acceder ao que aquella frac-
cao liberal reclama.
Nao pode,saber-se quaes serio as consequencias
da execucao da lo. O Sr. Gladstone nao affrouxa
no seu empenho, nem nada capas de o demover
dos seus propsitos.
Por largo tempo se tem evitado o recorrer aos
meios violentos, e todos os que pugnam pela causa
da Irlanda, se erforcam em evitar o emprego des-
ses meios. Pode mesmo dixer-se que a attitude
da Irlanda, a dos deputados irlandeses, e a do par-
tido liberal dirigido pelo Sr. Gladstone, tem con-
tribuido muito para modificar a opinio com res-
peito aquella questio que intelismente divideo
partido liberal.
Mas nem o Sr. Gladstone, nem os liberaes unie-
nistas, perderam de todo a eaperauca de que volte
a recoustituir-se todo o partido liberal. Todo leva
a crer que essa recouciliacao nao esta tio longe
como sejulga. ___ .
E' certo, porm, que a situacio do gabinete Sa-
lisbury se modificou sensivelmente desde a appro-
vaco da lei creciva da Irlanda ; as conceasoes
ieitas d s unionistas no bil agrario deminuiram a
influencia do marques de Salisbury sobre os con-
servadores, a fraceio radical Cbamberlain est
descontente com a precipitada applicacio da le
coerc va, porque se tinha combinado que a le sena
applicada com prudencia e moderacao.
Aaseguram despachos da lidia que entre oj mu
BUlmauos indios se est manifestando um impor-
tante movimento coutra oa inglexes.
tlltlmanliu
O imperador Guilberme melhora de dia pra
dia. Voltou-lhe o appetite e com o appetite as
forcas N'um dos ltimos das o imperador fez
urna nova visita a coniessa Grioau. Tara esae
effeito sahio a p do seu palacio em Gastein, sem
o auxilio de bengala, at aui indisqensavel para
dar um pasao.
_ Eu s?mpre disse, repele multas veses o
imperador, que os ares de Gastein sao um medico
melhor que os melhores mdicos.
E com eff.ito, o Dr. Lamer est admirado das
consideraveis melboras sobrevindas ao velho sabe-
Na Alsacia Loreaa a situacio veriadeiram li-
te intoKravel.
Qualquer insignificante pretexto, nma palavra,
um simples gesto, eis o bastante para um indivi-
duo ser preso e ter de responder ante um trihuna!
sempre prempto a admittir todas as aggravantes,
mas muito diffieil de aceitar a mus leve ate-
nuante.
E' por isso que all as prisoes
urnas s outras, iuterruptamente.
Um preso, porque n'um caf deu um viva, re-
hublica, outro porque em casa eantoa a Marse-
lbeza, um tere iro porque usa urna gravata com
as eres francesas, e outros anda eo porque estao
relacionados com individuos suspeito
E como se a cadeia nao fosse bastinte castigo
para os que nao querem ou uio padera aceitar
sem protesto o dominio steoslo, o goveruc i. Hue
por todos os modos para que a esses individuas se
nao conceda trabalho !
E as grandes companbias obedeceram prompta-
mente ordem do governo !
A coinoanhia dos caminhos de ferro afflxou as
suaa oficinas editaas declarando que nao podio
de nenbum modo to erar que qualquer dos seus
operarios censura se dilecta ou indirectamente o
procedimento do governo, ou fizesse parte de
qualquer sociedade de patriotas alsacianos.
Estes, como todos os exceaso?, so conseguem.
porm, exacerbar cada ves mais o odio que os ha-
bitantes da Alsacia Lorena nutrem contra a Alle-
m A entrevista dos imperadores da AUemanba
e da Austria Hungra devia reahsar-se ni da 4
de Agosto. ,, ...
O imperador Guilherme regressara d
dia 11.
(nutria Hungra
So anuo passado foi votada na Austria Hun-
gjia urna iei de importancia capital para o pode
no mi.itar do imperio a lei sobre o landslam.
A organisacio sobre esta BU, que no de-
curso Ja diacuasio da lei pareca exigir um lapso
de tempo couaideravel. tomou com effeito, desde o
final do anno de 1886. um incremento inteiramen
te inesperado. ,
No eoseo deste anno foram publicados .os re-
gnlamentoa de applicacio por cada urna das duas
partes da mon&rchia ; passaram-se ordena pira o
estabclecimento argenta do* recenseamentos ; e
na primavera ultima, sob a iinpreasao das preoc-
cupscOes polticas da occaio, votava-se sem dis
cussao a maior parte dos crditos cecesssnoa a
nattallacao dos depsitos da n^bihsacao, cujas
despesaa deviam .ser primitivamente, repartidas
por grande numero d exercicioi orcamentanos.
Pelo seu tact.o.lsoube o governo obter, em menos
de um ann ., todos os elementos precisos pira ama
oramniaaeio que modifica completamente, e da ma-
neira mais vantajosa par si, o podero do icp;
pd i exagera que, a contar do
primeiro de 1887, o lunJ.-lun, ^pto para
desempoabar a maioria dos serv.; >s que Ibe exi-
girem : a sua onstituicio, anda um tanto demo-
rada, aera concluida em br*ve, de mod> que em
1883 adquirir o completo dnseuvolvieBento, e tai-
res que p.ssam armar-se o menos as batalhas
de marcha, com a fusil Werndl, em servico no
exercito activo.
Poder-se-ha, por esse tempo, fazer concorrer
para defama do paiz todas aa faeuldades apro-
veitaveis de muitos milhoes d
podsriam <& aqu acudir senao em restricto nu-
mero ao theatro da iuta.
O texto da lei sebre o landsturm votado em Bu
dapest po re KnB P"t08 dn
que )bteve a approvaco do reichsrath de Vienna :
a ortrai.isacao do landtlurne hngaro apresenta
tambem divergencias aensiveis daa do landsturm
cisl'itriar.o. .. .
A primeira (apresenta um carcter unitario e
simples, que fallece aegunda : urna parece ter
sido exclusivamente inapirada por considerado -a
de ordem militar, ao paaso que a outra abrange,
em mais vasta escala, certas medidaa de nteressa
civil, coja aalvaguarda era entretanto .mpost
pelo proprio tex'o da lei ciaKithana.
Exiate um aentimento predilecto dea patriotas
knngaroa pelo houved, por aquelle exercito que
como se diz no seio do parlamento, nao comman-
dado por ezfrangeiros.
Estrangeiros sao os officiaes austracos nao ori-
ginarios da parte transieitana do imperio.
Em aegaida aos -.umuitosde 184840 um gran-
de numero de officiaes huugaros abandonaram o
exercicio e foram substituidos por offieiaea de ou-
tra proveniencia.
Desde entan, a proporcao dos hngaros ficou
sempre inferior, ve *,muite, dos contingentes
dos pases tassftMtasna, situaco esta que serve
de thema as invectivas peridicas no parlaajento
da Uungria.
Sentimcnto igual se m^nifestou de forma mais
visivel no acto da organisics do laudsturm.
Emquanto que ae notava nos pases cisleithanos
ama especir de i..d fferenca hostil pela nova ins-
tituicao, impressionavam-se os do lado opposto do
Leitha d'outro modo.
Alli, fallava-se sobretodo dos encargos impos-
to aopais; aqu enomeravam-se com certa alti-
vez o total dos batalhea e esquadroes que a Hun-
gra viria a por em p de guerra.
Quando se tratou de nomear oa ofbeiaes, a emu-
laco j consideravel entre aquellea que disputa
vam esta honra : magnates e grandes capitalistas,
engenneros, advogados, industria es, professore e
coimerciaotes aol.cittram, como mesmo enthusias-
mo, a graca de seguir o curso preparatorio, rela-
tivamente penoso, imposto ao candidatos.
O primeira exemplo foi dado pelo proprios
membroa do parlamento, oa quaes se sujeitavam
voluntariamentr; a tres semanas de manobras para
pederem i ocluir-se no numero dos futuros officiaes
do landsturm.
Tao aalutar foi o exemplo, seguido por grande
numero de concidadaos, o a afluencia de pedido*
a Budapest tal, que o curso de .inatrueco foi dV
dobrado em muitas series.
Gracas a este gosto innato pelos aisumptos mi-
litares, o ministro da dafesa nacional, o bario Fe-
lervary, pode fazer inacrever oa lei hngara cer-
vantajona, aim, mas de deapeaa assaa elevadla
para ser aceita pelo Reichsrath.
Pode considerar-se a organisaco do landsfnrm
hngara mais racional do qne a austraca : a par-
te permanente das suas landwchrs para um papal
mais importante no preparo da mobilisacao do
landsturm.
Entre os presentes offerecida a Sua Santidade,
por motivo do seu prximo jubilen, figura orna crus
de ouro macisso, era vejada de pedras preciosas e
d'um valor de 100,000 tbrina (43:600*000) fer-
te.
Esta cru foi offereeida a Leio XIII pelo impe-
rador da Austria e pelas senhoraa da nobreaa de
Vienna.
Poi feita segando a* indicacoe dada pelo im-
perador.
Violentos faraces teem acoitado diversas par-
tes da Hungra, caneando inmensos estragos.
Em Sellye rebentou um incendio que destruio
metada da villa.
O Post, de Berlim dis ser quasi certo que o go-
verno russo projecta contractar um empreatimo na
celebre casa Rotschild^
O caar revogou o seu ukaae que prohiba a ex-
portacao de cavallo.
A 22 foi aesignado em S. Petersburgo, o proto-
colo que regula a delimitacao da fronteira afghan.
E' provavel que as ratificacoes se trocassem den-
tro de 8 das.
Hulsaria
A questao da Bulgaria presenta agora urna
feicio com certa gravidade, porque ae dis estar a
regencia disposta a proclamar a independencia, e
portante, a escolher um rei, sem se importar com
tratados.
A resolucao grave e naturalmente ser medi-
tada. NSo seria, porm, de estranhar que seme-
Ibanta alvitra fosse insinuado por urna grande po-
tencia.
O certo que aa actualidade correm de novo os
ventos;favoraveB Russia, c Uto coincide exacta-
mente'com a posicio sertna e pouco irritada da
parte d'aquella naci e quu nao se observara du-
rante o primeiro periodo da questao blgara.
Os joroaes allemaes, ingleses e austracos la-
mentam a opposico da Russia elevacao do prin
cipe de Coburgo ao throno da Bulgaria.
A Russia nao tem quo oceupar-se com a perso
nalidade da eleto da Sobrani.
Desde o comeco da crise que tem permittido a
alguns aventureiros o apoderarem-ss do governo
da Bufara,a Russia que tinha fortes razei de
intervir, quando mais nao fosse senao para faser
respeitar as condicoe* do trado de Berlim.
oclara ella que nunca reconhecer a legalidade
dos actos da regencia ou da assembla elcta sob
as influencias da regencia. E o seu procedimento
nao varou.
E eis aqui est porque at beje nao approvou a
eleicao do principe de Coburgo, em qne nao tem
de discutir por momentos siquer, nem a p.rsonali-
dade nem os ttulos que a recommendam.
Regressou j Sofia a deputacao que a grande
Sobrani enviara ao principa Fernando de Co-
burgo.
Segundo consta ao Daily News parece que os
blgaros vo pedir ao imperador do Brazil um dos
sens netos para o throno da Bulgaria.
Dis um despacho de Vienna para o mesmo jor-
nal que o principe Fernando de Coburgo nao re
aun ion o throno da B'ilgaria, o que a sua familia
taz as mais activas diligencias para obter o as-
sentiineuto das potencias.
Conformo ao que disem du Vionnapura o T*mps,
desde que se saioa definitivamente que o principe
Fernando de Coburgo nao vai a S;fU tomar poste
do throno, devem-ae esperar graves acoutecuien-
tos na Bulgaria, os partidos acham se cada ves
mais divididos, emquanto que uns querem que se
submettam Russia, com a condicao de ser a Bul-
garia elevada a reino, outros teem a intenco de
prcclamfir a independencia da Bulgaria c da Rou-
melia e de chamar o prieipe Alezaadre de Batten-
berg, que segundo elles affirmam em taes condi-
odea, nao hesitar em voltar a Sofia.
O Post de Berlim dis que os regentes blgaros
onam agora cff-recer o throno da Bulgaria ao
duque de Alengoa.
Turqua
Alguns corr: spondentes de Constintincpla con-
sideram rejeitada pelo sultao a convenci anglo-
turca, proposta pela Inglaterra
N ata sup f lo, pondera um correspondente do
l qne j nao pode levantar-se objeccio a urna
oecupca inglesa do Egypto, como posicio defen-
siva, emquanto a Franja conservar Tuueis sob a
sua dependencia.
A recusa do sultao at certo ponto, confima-
da pe a demissao que o grao-visir pedio.
Como se sabe, o grao-vigir era favoravel a rati-
fit acolo da cenvencio.
A demissao do grao-vigir trar comaigo na-
turalmente outra modificacoes miniatcriaes en
Conatantinopla.
Entretanto, o Times insiste em qne a Inglaterra
deve fixar urna data irrevogavel, dentro da qual
a convenci deve retirar-se se naoir confirmada.
E d a razio.
Nie deve p rmittir-se que um documento as-
signado pela rainha Victoria esteja indifinida-
mente sujeito aos caprichos de um potentado que
nao sabe o que quer.
O embaixador turco em Londres, Rustem facha,
teve ltimamente urna larga conferencia com o
pr bidente do conseibo lord Salisbury, a quem tes
urna communicacio official, que por oradesconhe-
cida.
Egypio
A convenci entre a Inglaterra o a iurquia
cem respeito ao Egypto nao foi ratificada pelo buI-
tio, e ao que parece todas as diligenciasemprega-
das por parte do governo ingles nada poderam
couseguir.
itrava-se a Inglaterra disposta a conciliar-se
cam a Turqua, mas pelo resultado, reconhece-se
que nao foi possivel encontrar o terreno da conci-
lisacio. ,.
Se foram bs resistencias d* Turqua, se as dis-
poaicoes, embora apparentemente conciliadoras da
Inglaterra que deram este resultado, o que nao
pote saber-se por emqaanto.
De qualqner modo a negociaeao nao pode ser
eonelaida, e o negociador te ve de retirar-se para
Londres, sem lograr ver concluida satisfactoria-
mente a eoneialiacio um que se achava empj-
nh.do.
Deate modo a Inglaterra continua a permanecer
no Egypto, mostrando os maiore desejos de reti-
rar ae.
Mas assim como as nogociacoes para a conven-
I i encetaraai e l-varam a esta altura, para
responder aos reparos di outras potencias, pre-
cito sab?r o que fasein essa potencias em pre-
sen? do malogra daquella convenci.
A'Franca o Russia se attnbue o ni* ter
ratificado a couveucio.
Aquellas duas potencias clhavam com mos
olhos a dispo.ico, em virtude da qual a Inglater-
ra poderia voltar a oceupar o Egypto.
Mas o que tarto H?or aquellas potencias, e
como proceder a Inglaterra que deseja tirar Ibes
o motivo para quaesjuer reparos?
E' O que estamos para ver,
sem haver duvidas
de que o assumpta ha de ser tratado no terreno
diplomtico, porque at o gabera conservar a In
glat rra, e d'alli nao a dealocarao nem a Blgica,
nem a Franca. ,
O marques de Salisbury disse ltimamente n urna
muelo dos conservadores que reina tranquillidade
no Egypto : desappareceram as tribus rebeldes do
deserto. .
O Egypto caminha para um governo civilisado ;
um erro crer que a poltica inglesa alli depende
da ratificacao do convenio o iuai era particular-
mente til Turqua e Inglaterra e nao soffre
com isso nenhuma desvantagem, porque as nego-
ciacoes remediaram o estads deploravel em que se
achava o Egypto ante 1&85.
O marques de Salibury congratulou se depos
pelo xito favoravel das negociKjoe a respeito da
questio afghan e termmou elogiando a poltica dos
conservadores ca questao irlandesa.
EXTERIOR
Correspondencia do Diarlo de
Pernambnco
PORTUGAL Lisboa, 29 de Julho de
1887
A acisao do partido regenerador est cada vea
mais pronunciada a ponto de se eaquecerem os
principae orgioa deste partido, de combater os
seus communs adversarios, ora no poder, para ae
degladiarem em diatribe que apena eompensam
umaa appaaenciaa crtese* na forma, endo no
fundo acerados como verdadeirea punbaea. Tudo
taa diepoaice favoravea boa organisaco do |gw bem vtjo, nao paasa do campo incruento da
landstnrn, taea como a unifcmudade do arrola- Retorica, maa o certo qne a bi* entre o dona
ment por nm pesaoai militar especial, medida lg,npogi .terpaceo o barjonaceoa eomeoonji
a .extravaaar-se para o dominios do parla-
mento.
O* progreasistas que se esto lavando em
agua de rosas com esta acirrada pendencia que
amolga oa embate* da opposico, obegando ba
das o escndalo a ter feitonm deputado desafec-
to k chefia do Sr. Antonio de Serpa alluses pou-
co innocente intimidade que existe, ou tem
existido entre aquelle estadista e o opulento ban-
queirode cujo peridico elle foi por muito tempo
o director poltico.
Chegon a fallar em primasias do bandeirau
partidarias ; descrevou a qne flucta por sobre o
arraiaes barjoaaceos, a antiga bandeira de Fon-
tea Pereira de Mello, o estandarte das gloriosas
tradiecoe regeneradoras, o pendi quo dominava
cima daquelle partido entio compacto e unido
assistinio a renhidos combates, etc, etc, e o mais
qne a sua imaginacao fecunda entio Ibe susciten,
paseando lago a alludr a outra bandeira, nova,
em folha, polenta de recamos e dauradoi, primo-
rosa e alviaiima, nm brinco emfim, mas compra-
prada na rna dos Fanqoeiros !... e que era essa
a bandeira dos qne promoviam por fas e por ne-
fas a chefia do Sr. Antonio de Serpa.
Fara se julgar da effoito desta bomba preci-
so saber que os escriptonos do Sr. conde Burnay,
dono do Jornal do Commercio, de que o Sr. cou-
selheiro A. de Serpa ae retirou provisoriamente
apenas, sob o pretexto de lhe sobrar o tempo de
estudar aa questoes financeiras que iam deba-
ter-ae na cmara alta em que tem aasento, que
esses escriptorios, digo, sao na ra dos Fanquei-
roa.
Hoove logo outro deputado regenerador que
lhe replicasse. A imprensa goveraamental apo
derou-se do epigramma, a gacetilha verificou-lhe
e envenenado chistee o fasto qne as hostilidades
entre os dous grupo litigantes romperam-se com
immenso gaudio da grey progresaiata.
A Revolucio de Setembro proaegnn na aua
campanha de bater em breaba a questio da che-
fia serpacea e qnanlo aoa erros do governo de
que, do preferencia devia occuoar-se, no desem-
peo) da sua missio opposicionis'a, nem sequer
lhe sobeja o tempo iudispeosavul para apontalos.
Urna delicia para a maioria, nao acham r E as-
sim, por mais que o Diario Illustrado ou out'o
qualquer orgio regenerador se empenbe em espa-
ihar que o ministerio est em vesperaa de urna
criae, por desaccordo manifest cutre alguna de
seus membroa, sobre todo entro os Sra. Jos Lu-
ciano de Castro presidente do conselho e Marian-
no de Carvalho, ministro da fazenda, a proposito
da questio dos tabicse do alcool, os amigos do
goveruojdeitam contado boatos mal engendrados
e essas presumidas desiutelligencias e yio-s i jl
preparando para assistirem a nm dos mais longos
consulados do partido progressista.
E' p iis este partido o iteztiees gaudet e s-rl-o-
hi por bastante tempo, se as 'fraccoes regenera-
doras deaavindaa uio tiverem o bom s;nso de
mudar de rumo.
Disse um dos seus peridicos ha dias que dea
tro em poneos appareceria a publico um mani-
teato-programma (iogruppo serpaceo) assignado
por grande numro de pares e deputados que o
qui-rria para ebefe.
E' possivcl e talves mesmo provavel a ser cer-
to que o ebefo do Estado, por tras da cortina,
logo Jepois da morte de Fontas exprimi o desejo
de que o penacho regenerador foase armar o cha-
p) emplumado do Sr. Antonio Serpa.
Nao Ibes posso aasegorai que essa iadicacio
attrihuida ho soberano seja um tacto ; maa a
verdade que case grupo tem todo o interesse
em fsel-o acreditar s turb..s do seu partido,
em confidencia, mas dando-lhe voga, muita voga
mesmo, porque bem sabem que, fra do pratido
republicano, s tem valia e prestimo o que agra-
da a El Re, nica forca tficas reconhecida pelo
fallecido Antonio Rodrigues Sampalo na decaden-
te poltica portugueza.
Os ltimos dia3 deste mez sio consagrados
pelos republicanos portugueses, nao dissidentea
celebraQao do 30 congressso daqnelle partido.
Digo nio dissidentea porque l tambem os
ha, abatendo-sp pir uso muitos gremios de to-
mar parte as deliben.coea do congresso, em que,
ali ib, se fario rpreaeutar diversos clubs e gre-
mios republicanos das provincias.
Hontem fai a primeira sessao, destinada a tra-
ballis preliminares. E' presidente nato da mesa
provisoria do congresso o membro da commissio
executiva que no correute mes tem exercido a
presidencia do directorio.
Os trabalhos desta primeira sessio constam do
seguinte programma :
1.* Approvaco do regulamento do congreasi.
2 Nomeaci do dnas commiasoea compostas
cada nma de tres membros para a verificacao dos
poderes dos delegados do congresso.
3.* Leitura do relatorio geral do partido em que
a Commissio executiva do directorio d cauta dos
factos Occcrriios durante a sua gerencia a datar
do ultimo congr-sso, constituindo dous documentos
separados o relatorio poltico e financeiro.
4." Nomeacao de urna commissio para formular
parecer sobre os dous documentos c mponentea do
relatorio geral.
Na sesso de 29 do crrente proceder-se-ha :
1. A approvaco dos diplomas dos delegados
do congreaao ; couatituicio da assembla, elegeu-
do-ae presidente e dona secretarios da mesa defi-
nitiva, que dirigir os trabalhos.
2.' Leitura o discusaao do parecer sobre o re-
latorio geral da coinmiseio executiva.
3." Apresentacio do relatorio resumido do es
tado de cada centro pelos respectivos delegados,
procedendo-se ao seu agrupamento para elucida-
cao do futuro Directorio.
4 Propoatas de iniciativa do Directorio cujas
funecojs terminara nominalmente pela convocacio
do 3o congreaao. Nomeacao de urna oa mais com-
misfoea para darem parecer sobre essas propostas.
as sessoes de 30 e 31 de Jull o occapar-se-ha
o congreseo :
1. Da apresentacio de propostas por parte dos
delegados ao congresso, tendentes a melhor orga-
nisaco do partido. Nomeacio de commisaoes pa-
ra formularen] parecer sobre essas mesmas pro-
postns.
2. L -itura e discusso dos pareceres sobie as
propastaa presentadas asseinbt a pela commis-
sio executiva do Directorio damissionario.
8.* Discussio acerca da marcha a seguir na di-
reccio superior do partido.
4. Eleicao do Directorio do partido republicano
portugus pelo tempo de dous anuos.
Vire* acquiriteundo...
Nio obstante estas exaireracoes de parlamenta-
rismo, tendentes bem vejo, a regular os trabalhos
por modo quu se nao tornem anarchicos nem des-
uonceitucn o partido, v-se, pelo rol dos gremios
e peridicos da capital e das provincias, que se
tasem representar no congresso, que as forcas
numrica do partido crescem de da para da.
Basta discr-lbea queja aio 29 os joroaes do con-
tinute e ilhaa adjacentes, que alli se fazem re-
presentar. O numero dos clubs fara de Lisboa
de 27, sem contar com os outros eleitoraes, gre-
mios e club8 da capital.
Vai decretar-se nova prorogacio das cortes,
parece que at 8 de Agosto, com autorisacio de
prolongar as sessoes at ao dia 20 no caso de ser
uecessano.
Prosegue na cmara dos deputados a dia-
cuasio do projecto concemente a reviaao da pauta
aduaneira e vai-se prolongando um tanto maia do
que naturalmente esperava o governo. A queato
dos direitoa de entrada, para os ceroaes a que,
principalmente, fornece mais ampia margem dis-
cu=aij.
Foi imponente o funeral de Thomas Bastos,
cujo fallecimento Ibes noticiei com magua na ini-
nha de 23 do correte.
Antes de entrar o fretro no jasigo, o general
Gama Lobo, lente decano da escola d exercito
de que o fallecido fra um dos mais distinctos or-
namentos, pronunciou um discurso eloquente, pon-
do em relevo as qoalidades que tao notavel o ti-
nhm tornado uo magisterio superior, na impren-
sa o no parlamento, como no convivio dos seus
amigos e da familia a qual dedicava todos os ex-
trt mos do seu bello coracao.
Ao funeral compareceram os homens mais pree-
minentes de todos os partidos e a imprensa toda,
at mesmo a republicana, consagrou sentidas
commemoracoes memoria de to prestante ci-
dadio.
Foi approvado o parecer da commissio do
bil de indmnidade sobre emendas anresentadas
durante a discusso. Foram approvaas algumas
emendas, sendo a mais importante a que persaiUe
a transferencia dos juises do tribunal administra-
tivo, a requerimento aeu, para outros districtos e
para comarcas de terceira classe.
O Sr. conselheiro Jos Joaquim da Silva
Amado, reitor do lyceu central de Lisboa e lente
da escola medica da mesma capital, foi nomeado
para ir representar Portugal sem dependencia de
subsidio, no congresso internacional de hygiene e
demographia que ha de reunir-se esa Vienna
d'Austria a 26 de Setembro prximo.
O Sr. Dr. Ferreira Ribeiro, medico da armada,
vai representar-nos em Washington n'outro con-
gresso cientfico.
Fallecen ba poneos dias em Lisboa o antigo
e respeitavel negociante do Para, Sr. Manoel Go-
mes de Amarim, irmio do grande poeta e distinc-
to litterato Francisco Gomes de \morim. O fi-
nado fora com seu irmio Francisco para o Para
em 1837 e alli ae conservou at 1872, em que re-
gressou de ves para i-ortugal.
Realisou-se hontem, com tola a solemnidade,
a abertura definitiva do Museu industrial e com-
mercial de Lisboa, estabelecido no monumental
edificio dos Jeronymos em Belem.
No mustu, cuja inauguracao se raalisou hontem,
estio representadas as principae: industrias do
reino, sobresaliendo oa exemplares da chamada in-
dustria caneira. Da industria est -angeira encon-
tram-se alli bellos specimens da Hungra, Blgi-
ca, Franca, AUemanba, Suiasa, Austria, Russia,
Turqua, Servia, Brasil, Hait, Arjel, etc. I
A naci mais bem representada a Hungra.
E' admiravel a exposicio dos ceut producto.
Esta inauguracao representa na. tacto da maior
importancia para a industria nacional e para o
ensino profissional.
Devem oa Icitorea recordar-s > do que Ibes
eacrevi a proposito do aleivoso ajsassinato com-
mettido pelo alferea-alumno Marn!io na p 'saoa do
cabo Pereira aeu condiscpulo na escola do exer-
cito. Tambem Ibes fallai da indIgnacio que em
toda a gente eauaou o julgair. nto em conselho de
guerra do referido criminoso, que foi absolvido de
toda a responsabilidad*1 de semeliante attentado,
tundando-se a sentenca absoluto-a as opinies
de dous illustres mdicos alienistas que o tinbam
qualificado de epilptico-lavrado, veredietum esae
contra o qual toda a imprensa de Lisboa e das pro-
vincias, sem distnecio de matizo polticos, pro-
teatou una voce.
Hontem foi julgado no tribu al superior de
guerra e marioba o recurao do ju gamento, nter-
posto pelo promotor da juatica militar, o Sr. Mo-
raes Sarment
epois dos debates e de hora e meia de deli-
berado, o tribunal superior annullou, por unani-
midade de votos, o julgamento do 1. conselho do
guerra, que absolver Mantillo da Crus, inaudau-
do-o submetter a novo julgameutt, que ser feito
pelo 2.* conselho de guerra perraai ente da divisio
militar de Lisboa.
O fundamento principal da au:iullacio da sen-
tenca da primeira instancia a oomplexdade de
quesitos.
O accordao, que foi aununciado bontem no tri-
bunal, aera publicado por extenso na sesaio ae-
guinte
O Diario do Governo de bontem trasia a
curta de lei que autorisa o governo a concluir por
empreitadaa gentes u no praso de dcziito aunas,
todas as redes de estradas reaes e distriet 16*.
Ha poucas semau .s, sjssno julgo ter-lhea dito,
um incendio consumi grande uua.ero da cabanas
de pescadores na costa do Furadojro. Attingem
a umi sommaavultada as substnpjo^s abortas em
Urajean beneficia d'aqueliea pobres bosftSM que
fiearam sem abrigo
Em breve ae ruaiisar alli um bisar de pr ndaa
e urna recita com o mesmo intuito.
Uoutem na sesaio nocturm. da cmara dos
daputados entran em dis.ussio a propoata d
veruo sobre recrutameuto militar. E' interessan
tisiimo O assompl A economa interna da pro-
posta t^m rcii-vio com interesa'J* valioso,
innovacoes referentes taxa militar, ao recmta-
m-nto regional, ou systeraa de usjecc .-.
limites do idade e as tabellas d"3 seacSes, i) de
tal modo notaveis, que multo di- suppor qi :
propoata aeja conaiderada com muito interease
pelo pariamento, tanto maia quinto certo que
eata reforma vai alterar radicalmente as praxes e
regraa at hoje seguidas no servido do recruta-
meuto militar.
Alcaucam a 2 de Maio a, ultimas noti-
cias do Timor. Estavam j presos sete indge-
nas indigitados como assaasinos do infelis go-
vernador Maia, sendo essas pii oes cloetuadas
pelos propriua miradores, aconselhados pelo Revd.
D. Joio Gomea Ferreira, superior da missio e
bispo de Cocbm. O ultimo indgena preso foi o
capitio Leandro de Sousa, que disem ter sido o
cabera do motim, isto o que den a voz de avan-
car coutra o governadur na eccasiu em quj este
procurava de revolver em punha, iispersar os sol-
dados que, por sua ordem, se achavam reunidos
no posto, afim de irem formatura quando sa
realizaasu a vassalagem do regulo de Maubava.
A prisio d'aqnelle indgena causn all grande
admiracio parque multa gente a julgava irrealisa-
vel, disendo-se que maia faciimente oa moradorea
o matariam de que entregaran i i s autoridades,
com receio de que oa comprometerse.
Realizada a prisio foram apreaentar o tal capi-
tio ao Revd. bispo e em seguida o condusiram
secretaria do governo. O preso nega o crime de
que aecusado. O reforco de 90 pracas e a canho-
ueira Tamega, quj para al foram de Micau ate-
morisaram tanto os indiguenas qae fugiram quasi
todos da cidade de Dilly.
No da 5 de Maio deveria realiiar no palacio do
governo urna reunan para que foram convocados
todoB os reguos do paz, afim de se obter da sua
fideldade ao governo a entrega da todos os crimi-
nosos, que se acham refugiados as differentes
regios.
Vieram hontem no Diario do Governo, as
cartas de lei autorisando o governo a concluir por
empreitadas geraes as obras dos portoa artihciaea
de Porta Delgada e ta Horta, abrudo para este
effeito concurso, separadamente para cada um dos
portas, por praso nio inferior a noventa das.
Foi hontem asaignada a portara approvando
os estudos do camiuho de ferro ds. Beiru Baixa, no
lance comprehendido entre Fundi e a Covilhi.
Os estudos approvados eio os dos engenneros
Navarro e Perfeito de Magalhiea, que po :m a ea-
taeio da Covilhi junto d'esta cidade, como ella
reclama va.
Vai muito adisntala a demulicao do Colyseu
A perfuracio do tunnel prosegue.
Lisboa, noite, se nio fosse i companhia de
zarzuella que est uo Theatro Trindade, era um
poco de semsoboria. Quasi toda c gente eat ve-
raneando sem fallar no grande numero de pea-
seas abastadas que tem ido para as estaceos ther-
m&es do estranguiro.
A temperatura tem-se elevado nuto; mas o es-
tado sanitario, excepcio d'alguns casos fataes
de varila, nio se podo diser abiolutamente mo.
la.
StviSTA DIARIA
Castalio Branco, que foi toda acceita, sem observa-
cao.
Eata a verdade que desejo fique mantida.
Dr. Pitonga.
Como se v, a carta do Dr. Pitan ga nio fas rec-
tificacoes ao qae hontem disemos, apenas aeeen -
tua o tacto de ter elle declarado, que continuava
a votar contra as demisaoes de empregados da
Cmara, o que nao negantes na noticia, que hontem
publicamos.
Relativamente s declaracoes contradictorias do
vereador Rocha, que verbalmente manifestou-ae
contra o que por escripto bavia assegurado, a car-
ta do Dr. Pitanga confirma, o qne hontem disse-
mos.
Ferro va do BonitoA directora des-
ta empresa por meio de um aviso publicado na
respectiva ser-cao, previne aos accionistas, possui-
dores das cautellas ns. 13, 28, 29, 34 e 35 qne
Ibes fica marcado o praso de 30 dias para realisa-
rem a 4a prestacio de 10 /0 sobre o valor de roas
acedes, de accordo com o n. 1 do art. 9 dos esta-
tutos da empresa, perdendo as entradas j reali-
aadaa o accionista que nio satisfiser a de que se
trata.
Paquete InglezHontem depos de meio
dia ebegou ao nosso porto procedente da Europa
o vapor inglez Mondego, que hoje deve seguir pa-
ra o snl, s 6 horas da tarde.
Cinii Internacional de Kegataa
Para amanbi est marcada a cessio de poaae da
directorio deate Club, nltimamente eleita, seguin-
do-se a reumio familiar do costume.
Iflumem-mullierPedem-nos qui chame-
mos a attencao do subdelegado da freguesia de
Santo Antonio para o procedimento de um indivi-
duo, que se veste de mulher e percorre a ra de
Santo Amaro de um a outro extreme, parando as
esquinas, como quem eapera alguem.
O que quererf elle ?
Concert mmica!Perante um auditorio
comDoato talves em aua maior parte de amadores
de inuaica, teve ante hontem lugar nos a-iloes do
Club Carlos Gomes, o concert vocal e instrumen-
tal realis-do pelo pianista portugus o Sr. Morei-
ra de S4, recentemente. chegado a esta capital,
Sr. Moreira do Si aem contestacio um ar-
tista que pode ser ouvido aem cauaar aborrec-
ment e em quem ae deacobrem loga alguna requi-
sitos Ddispcnsavcis a um piauista, taes como, ele-
gancia de posicio, ligeiresa de movimentos e sen-
timent i na execncio, e mostrando cima de tudo
urna exceasiva molestia.
Dos variados trechos que compozeram o sarao
concertante de qu; nos oceupamoa, foram satisfac-
toriamente interpretados e nio meuos com lelici-
dade execufados pelo Sr. Moreira de Si, o grande
Sechorso de Gottschak;
A walaa favorita, de Raff;
E a grandu ph-ntasia triumphal, sobre motivos
do hyinao nacional brasil dro, de Gottschalk.
Tomaram parte igualmente no concert os feste-
jados profeasorts Ama;o Barreta, E. Fonscca,
Elias I'ompilio e Autunio Martina, ob treta primei-
ros como pianistas e o ultimo, que se revela cada
da maia artista, com as bellas barmonina* que r-
ranca do aeu clarinetto.
Alm do que fica dito sgradon onitc a ouvertu-
le de Freischutey, a oito maos em daos piano,
escriota por Web-T, e executada pelos pianistas
. inclusive o beneSciado, que
foi c..n os demais compauheires, que to n iran par
te no concert, bast'. ndido.
Com a m;iu m>* cmirlnlioa.S
gum tempo o creoulo porphyrio Jos do Silva, es-
tando i es i do um marcneiro da
ra do Boa Jess, vio este vender por 80< urna
duzia de es leiraa e tanda o comprador designado
ao marciueiro a hora e lugar do pagamento,
apoasar-se daconta com reciba que o inarclnair
tirou e com ella apreseutou-ae ao comprador, que
satisfez ao pagamento.
Dcu'inciado esto faeto ao Sr. Cnente Santos
N ves, ficou esta autoridade pesquizauloc procu-
ran i i encontrar o tal creoulo.
H ratera ?6 le deseobril-o em um thip chemdhrs
a vender dous courinhos pela insigaiusante quan-
tia de 500 ris.
Prendeu-oe interresfanda-o, disse o craoulo que
os dous coarinhos erara do Sr. Joio liamoi que
os mandara vender.
Desconfiando o Sr. Santos Neves da veracidade
de tal explieacio, procurou o Sr. Joio Ramos, de
quem soube,que nunca mandara vender courinbos.
Outras pessoas deram ms informacoes do cri-
onlo, que era apontado como nm activo e deligente
socio do Club da pa e relacionado cam socie-
dade dos amigos do alheio.
O Sr. Santos Neves prosegue as indagacoes
sobre a origem dos courinhos e de outras cousinhas
mais, relativas ao crioulo.
I.oiitnvcl aeco. Informam-nss que o
digno parocbo da Ireguesia deMurbeca Joio Vas-
co Cabral de Algonez tendo em muito apreco o an-
iversario da subida ao solio portifice do Papa
Leio XIII, deixou de dar matricula o seu nico
eseravo, o pardo Manoel.
NennlvelAssim intitulada urna bonita
polka competa para piano pela Sr. Claudio P. da
Gama, autor das inspiradas polkas Stella, Risos
d'ain .r e da walsa Segredos d alma, que tem tido
muita aceicacio do nosao publico. Acha-se ven-
da a nova polka em cusa de Vctor Prealle Suc-
cess >r, ra do Imperador n. 55.
Agradecemos ao autor a offerta que nos fez de
um exemplar.
Le Brll=Kecebemos de Pariz o n. 161
deste correio da America do Sul, cujo summario
este :
Tlgrammes.
Arrive de l'empereuri
Notro courrier de Rio de Janeiro. iCorrespon-
dance particulire.)
Echos de partout.
Le aystemc d'immigraton et de coloniaation an
Brsil. Don Luis.
Plata et Pacifique.
Le rseau dea volea ferrea du Brsil.
Organisation du service metorologique.
Noovelles dea provinces : Sam-Paulo, Pernam-
fluco, Har, Miuaa Geraes, Santa Catharina.
Rio-Grande-du-Sud : Rapport (suite.)
Revue commerciale.D. Noel.
Revue fina: cire.
Meuvement maritime.
Club Internacional de Beguiasi
Sabbado 13 da corren te mez ter lugar a poase da
nova diiectoria, bem como a reumao familiar do
costuice.
Directora dan obra ae connerva-
co dos porto*Boletim meteorolgico do
dia 10 de Agesto de 1887 .-
JnbllacuoPor por portara de 10 do cor-
rente mez, fji jubilado o profeaior da 21 cadeira
de enaino primario da freguesia (lo SS. Sacramen-
to da Boa-Vista, Geminiano Joat.uim de Miranda,
com a pensao correspondente aos vencimentos de
que tractam oa arta. 156 5* e 157 do regulamen-
to de de Fevereiro de 1885, visto ter provado
mais de 35 annes de servico cff j>:tivo no'magiste-
rio e inhabilitacio pela idade avuncada de conti-
nuar no emprego.
Kemiifo de profewaor publicoPar
portara da mesma data, foi remtvido o profeaaor
Ricardo Fonseca de Medeiros, que lecciona na 2a
cadeira do 2o districto da tregue;.ia do SS. Sacra-
mento da Boa-Vista, para a 2* do 1 dstricto da
mesma freguesia.
LirencaPor portara de 10 do corrente, foi
concedida a lieenca de noventa dias com ordena-
do para tractar-se, ao 3 official da secretaria da
presidencia, Jos Raymundo Ferreira de Araujo
Saldanha.
Casuar Municipal.0 Sr. Dr. Ptanga-
presidente da Cmara Mnnicipa pede-nos a pu-
blicacao da seguinte carta :
a Srs. redactores do Diario :
Nio sendo exacta e fiel a noticia dos factos
occorridos na Cmara Municipal, apresso-me em
reltalos.
Esta va em trabalho de sessio qnando vieram a
mesa dous papis que verifiquei reren) proposta de
demissio.
o Antes de ll-osdeclareique continuava a
votar contra todas as demisaoes, a a favor das no-
meacoes.
Paseando a lr o 1 papel, vi que urna essa pro-
posta assignada pelos vereadore j liberaoscon-
tando a demiaaio do Dr. secret irto, do medico e
do fiscal da Boa-Vista, traaendo as seguinte* de-
claracoesdo Sr. vereador Lou enco de S, que
nao votava em relacio demisnia do medico, e
do Sr. Castalio Branco em relacio a do Dr. secre-
tario. Logo em seguida declaro i o Sr. Castalio
Branco, que apesar da declaracat votava pela de-
missio do Dr. secretario, pelo qae empatou smen-
te a votacio da demissao do med' o, sendo por mim
desempatada a favor de ana coneervacao, visto
como navendo vetado contra totlas as demisaoes,
nao poda desempatar por outra forma.
A segunda proposta toi asignada pelo Sr.
Horas 188
s o to
6 m. 206
9 24-6
12 264
3 t. 267
6 253
Barmetro a
0
76142
7*3s3
7623
760">93
760^9
Te asi
do vapor
15,58
18,73
19,36
18,42
18,42
o
o]
a
ca
88
80
76
70
76
Temperatura mxima26*.75.
Dita mnima2O,50.
Evaporacio em 2i horasao sol: 51",! ; som-
bra: 2-,8.
Chuva1">,3.
Dreccio ao vento : SE e SSE de meia noite at
2 horas e 2 minutos da man ha; S at 7 horas e
57 minutos ; SSW at 9 horas e 39 minutos ; S
at 10 horas e 15 minutas; SE at 8 horas e 10
minutos da tarde; SSE at meia noite.
Velocidade media do vento : lm,29 por segando.
Nebulosidade media: 0,32.
Boletim do porto
3 5
s.2 u
" a>
S-ea
H 3
P.
B.
p.
t.
M.
M.
M.
II.
Dia
10 de Agosto
11 de Agosto
Horas
8-49 da manhi
232 da tarde
9 3
249 da manhi
do Rosario n. 38, de nma armacio inglesa e mo-
vis.
Hinaan fnebre*Serio celebrada*:
Hoje :
A's 8 horas no Ordem Terceira de S. Francisco.
pela ,'alma de Francisco Vieira Perdigio ; s 8
horas, na Ordem Terceira de S. 'ranciaco, pelas
almas do 1 tenente Antonio de Sousa Res e sua
mulher D. Mara Augusta Valle de Seusa Res.
Arnanhi :
A's 7 horas no Convento do Carmo, pela alma
de Nicemedes Mara Freir.
PannasrelrosiChcgados da Europa no va-
por inglez Mondego :
William B. Cock, Mr. O. R. H. Bury, Mme.
Mary Bry, Richard K^nley Caarton, Elisakenley
Bernardo Bot-kiss, Manuel Goocalves Marques,
Manoel Goncalues, Manoel Moreira, Albino Morei-
ra, Jos Araujo, Alfredo Ferreira, Manoel Go-
mes, Domingo Aranjo, Delmira Silva, Manoel Mo-
rino, Jos Mara de Lemos, Dsmingos da Silva
Torres, A. da Foneeca, Seiafim Correia, Rosa da
Rocha e Jos Ribeiro da Costa.
^Bennlo nocialSegunda-feira ha a se-
uinte :
Do Monte-Pio dos Typographos de Pernambnco,
s 11 horas da manbi, ra do Noguera n. 47,
para a eleicio de um orador, vago pelo fallecimen-
to do socio Taylor ; na mesma sessio serio distri-
buidos diplomas aos socios que quiserem receber.
Operacoei clrurglcasiForam pratica-
das no hospital Pedro II, no dia 11 do correnta, as
8eguintes:
Pelo Dr. Malaquias :
Poathotomia pelo proceaao de Ricardo indicada
por phimoaia.
Pelo Dr. Eatevio :
Extraccio de grande plipo da foca nasal di-
reita.
Cana de DetenciloMovimento dos pre-
sos da Casa de Deteneio do Recite no dia 10 de
Agosto de 1887 :
Exisliam 383 ; entraram 6 ; sahram 6 ; ex;s-
tem 383.
A saber :
Nacionaes 356 ; mulheres 10 ; eBtrangeiros 11;
escravos sentenciados 4 ; dem precisado 1;
dem de correerjio 1Total 383.
Arrabiados 334, sendo :
Bons 308 ; doentes 26.Total 334.
Movimento da enfermara :
Teve aita :
Fesicio Joaquim do Rogo.
Irstertasj tllverastsiA Casa Fels, de A.
A. dos Santos Porto, na praca da Independencia
ns. 37e 3', tem a vendaos bilhetes das seguintes
loteras :
Provincia : premio grande 12:00000 que
rahir quando for aununciada s 2 hsraa da
tarde em b neneie da Santa Casa de Misericordia
E^p:: ito->'anto : premio grande 50:000000
saeitrak-r h je 12 do' corrente impreterivel-
mente.
Santa-Cntharina: A 1* parta da 2= lotera,
,;.,], ;i Je'50:000 ser extrahida
aeni .
__ I'arabyb.t: pr miq grande 20:0003003 se
ertrabir uo dia 20 do corrente, s 3 horas da

Cear:pr l.j 250:000*000 ss ex-
i quando for anu'incida.
Bllbetesi di>. loteraEm mo do agen-
-nardino Lapes Alhei ..os
puntes loteras:
Ua Eaptrita-Sausn : A la 3" lote-
ide de 50:0001, polo novo
plan i, ser la cexra-fcira, 12 do corrente,
im iret riv m inte.
a provlsela : A 91 lotera, pelo novo'pla-
oo cujo orecnio grand; de 12:000*000, em bene-
ficio da Santa Casa de Misericordia, ser extrahida
quando tor annunciada.
De Santa-Catharlna : A Ia parte da 2>
leteria com um importante plano, cujo premio
arairie de ."0:0303000, ser extrahida quando
for annunciada.
Da Parahyba : aendi o premio grande de
20:000*000: aera extrahida no dia 20 de Agosto
(sabbado), s 3 horas da tarde, impreterivel-
mente.
Do Cear : com nm importante plano, cujo
premio grande de 250:000*000, eer exirahida
quando for annunciada.
Do (ro-Par : A 10J parte da 11* lotera,
pelo novo plano, cujo premio grande de 100:0004
ser extrahida amauhi 13 do corrente, impreteri-
velmenta.
Lotera do Euplrlto Santo-A 3' par-
te da 3a lotera desta provincia cujo premio gran-
de 50:000*000, ser extrahida hoje 12 de
Agosto.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23 Martin Fin-
sa&C.
Lotera da provinciaA 9 lotera, pelo
novo plano, cujo premio grande de 12:000*000,
em beneficio da Santa de Misericordia do Recife,
se extrabir quando for annuciada, s 2 horas da
tarde, e, no consistorio dn igreja de Nossa Senho-
ra da Conccicio dos Militares.
No mesmo consisrorio estarlo expostas aa ur-
nae as espheras a apreciarlo do publico.
Os bilhetes garantidos acham-se venda na
Casa Felis na prea da Independencia ns. 37
a 39.
Tammbem acham-ae venda na Casa da Fortu-
na ra Primeiro de Mar^o n. 23 de Martia F.u-
sa& C.
Assim como na Casa d ) Oar" na ~ra d" Bario
da Victoria n. 40 de Joio Joaquim aa Costa
Leite e na Roda da Fortuno, na ra Larga do Ro-
sario n. 36.
Lotera de Wanta-Catbariua Esta
lote-ia, com um importante plano, cajo premio
grande de 50:000*000. ser extrahida quando
for annunciada.
Os bilnetesacham-se venda na Casa da Fortu-
na ra Primeiro de Jlsjrco n. 23, Martins
Fiusa i C.
Lotera da provincia do Paran
A 23a lotera desta prcvirpia,pelo novo piano, ca-
jo premio grande de 1-:OO*000, se extrahir
no dia 16 de Agasto.
B;lhtea a venda na Casa da Fortuna, ra
'rimeiro de Marco numero 23, de Martins Fiu-
sa &C.
Lotera da Parahybaasta lobera cojo
premio grande de 20:000*000 ser extrahida
no dia 20 de Agosto (sabbado) 3 horas da
tarde.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 2, de Martins
Fiusa & C.
Lotera do CearEsta acreditada lote-
ra cujo premio ma>or de 250:000*000 ser ex-
trahida quando for annunciada.
Os bilhetes acham-ae a venda na Casa da For-
tuna ra Primeiro de Marco n. 23 de Martina
Fiusa & C.
Lotera do Grito-Para A 10'parte da
1 lotera desta provincia, pelo novo plano, cujo
premio grande 100:000*000, ser extrahida
amanhi 13 de Agosto.
Os bilhetes acham-se venda na Casa da For-
i una ra Primeiro de Marco n. 23, de Martina
Fiusa & C.
Cemiterlo Publico.Obituario do dia 10
de Agosto:
Baltbasar, frica, 90 annos, viuvo, Boa-Vista ;
diarrtia.
Manoel Thomas Penha de Franca, Parahyba,
26 annos, casado, Boa-Vista ; entente.
Manoela Mara Rosa, Parahyba, 43 annos, sol-
teira, Graca ; diarrha.
Octavio, Perna i buco, 5 meses, Santo Antonio :
hypetrophia congenita do figado.
Mara, Pernambnco, 7 meses, S. Jos ; bron-
chite.
Carolina, Pemambuco, 2 annos e 9 meses, Re-
Altura
2, "il2
0,n>86
2,">01
0,>96
L,ell*eiEectuar-se-ho:
Hoje :
Pelo ageata Modesto Baptsta, s 11 horas,
ra Nova n. 24, de predios, cofres e moris.
Pelo agente Guarni, s 11 horas, a roa do
Marques de Olinda n. 19, de 1 carro de 4 rodas
para cavallo, fumo picado, loucas c vidros.
Pelo agente Guarni, s 11 horas, ra do Mar-
qaes de Olinda n. 19, de ama parte do sobrado da
roa da Aurora n. 151.
Amanhi:
Pelo agente Brito, s 10 1/2 horas, roa de S.
Joio n. 5, da armacao e gneros ahi existentes.
Pelo agente Martins, s 11 horas, roa larga
cife ; entero colite aguda.
PUBUC.ICO.S A PEDIDO
Holhorniucuio do porto de
Pernambuco
Ha mais da meio sculo que se proel-
mam, como de urgentissima necessidade
para o engrandecimeato desta provincia,
as obras tendentes a melhorar o porto do
Recife.
A AssociacSo commercial Beneficente
trata desse mornentoso assumpto em seus
proveitosos relatnos desde os primeiros
annos de sua instituicao.
Infelizmente, at este momento nada se
fez de seriamente proficuo e til a seme-
lhante respeito.



Diario de Pernambuco---Sexta-feir 12 de Agosto de 1887
Fizeram-se algumas bragas do caes,
que hoja estilo em alguna pontos estraga-
dos ; montou-sa um servijo de dragagem,
que custou somma fabulosa. Desse servi-
50 se obteve a principio alguns resultados
benficos, mas as dragas, cotn o tempo e
mo trato, estragaram-se de modo comple
to. Presentemente esto imprestaveis, e o
nosso ancoradouro acha-se boje em con-
dig5es muito peiores que ha dez ou doza
anuos passados. Este facto incontesta-
vel, o est debaixo dos olhos de todos os
que se interessam pelo desenvolvimento do
nosso commarcio raaritimo.
Tentar o concert das dragas que ainda
puiessem supportal-o, reconstituir esse
servigo de todo reorganisado, seria errar
crassainente contra as rogras mais elemen-
tares de economa dos dinbeiros pblicos.
Os numerosos estudos e planos de me-
lhorainento do nosso porto tm ao menos
servido, em falta de melhor xito, para le-
var consciencia publica a certeza de qu?
os simples trabalbos de dragagem, sera as
obras preliminares que Ibes asseguram os
resultados, constituem um palliati?o caro,
carissimo, e nada mais ; reproduzca na
essencia, a fbula do tonnel das Danaides
ou a do rochedo de Sisjpho.
O nosso porto j podia estar ba muito
dotado dos melhoramentos imprescindiveis,
e os delegados politicos desta provincia
na corta do imperio tivessem sempre vo-
tado aos verdadeiros interesses della a es
merada srlicitude que os estadistas do sul
dedicam a tudo quanto capaz de favore-
cer o progresso e prosperidade das popu-
Iscoas que representara.
E' assiuo que j foram contratados os
trabalbos de meboramento do porto de
Santos, e consta que o mesmo acontecer
brevemente em relacSo aos do poito do
Ra Grande do Sul.
Depois d9 muito esperar, eremos que
Pernambuco nao sar desta vez esquecido.
Finalmente, parece que vai soar a bora
em que cometario as obras tilo desojadas
e pedidas do melhoramento da barr i e
ancoradouro do Racife, desta cidade,
qual condieos naturaes privilegiadas de-
ram em porto que ser indisputavelmente o
mais importante de todo o littoral brasi-
leiro.
Ha quera enfeuda que
obras a qua nos referimos
rectamente realisadas pelo
Entendemos da modo diverso. O gover-
no sempre o peior dos empreiteiros, ato
de modo geral. Discutida, porera, a these
luz dos casos passados em nos30 paiz,
as empreitadas da admiuistracao sao ver-
dadeira calamicade econmica.
Os exemplos sao innmeros e frisantes
mas para s apuntarlos um dos mais co-
nbecidos nesta provincia, lembramos o da
ponte Buarque de Macedo.
Ha muito que se acha esgotada a verba
consignada para esse malfadado mcihora-
mento.
Pois a ponte ainda nao est a meio da
sua construecao I
A politicagem intervem a espacos na
direcgo dos trabalbos e admisslo dos tra-
balhadores, o que j concorreu para que
as obras da indicada ponte adquirissem o
pittoresco nome de ninho de votantet.
Nao pie, quem aprecia factos de tal
ordera, desejar que o melhoramento do
porto do Recife seja directamente empre-
heudido pela administracio.
Alm de que as naneas do paiz o nao
consentiriam, as desp^zas elevar-se hiam
ao duplo ou triplo da importancia a que
chegaram, se aB respectivas obras foram
realisadas por um particular ou urna com-
panbia mediante eontracto com os poderes
pblicos, a imitaco do que se fez ba pou-
co em Portugal, relativamente ao porto de
Lisboa.
Apenas necessario que tal convencao
se faga de modo a nao onerar em excesso
eravo de filiacao desconhecida livre, ou que pelo
menos nao ganerosidade alforriar ditos escravos.
Lamentamos que os seos conselhos nao tenham si-
do acetos pelo bagaco grosio de Tapera, o honra
do senador Luis Felippe de Soaza Leo.
Na comarca de Goyaana, assim como em toda a
provincia, qaasi todos os escravos estio matricula-
dos com filiacao desconhecida, e isto explica-se
pela facilidade que quera ter o senhor de < scra-
V06 na occasiio da matricula e mesm > porjue a
lei nao o exiga.
Na certido dos escravos do senador Luiz Felip-
pe notamos : escravos sem filiar)..... De onde
teriam vindo, e quando? tres com filiacao conhe-
cida, o que nos d a entender que o talentoso sena-
dor que ultima hora deu filiacao a trez nio pode
dar aos demais, que, pela idade, nos parecem afri-
canos.
Na de Goyanna nao se d o mesmo. E' ver-
dade, que desconhecida a filiacao de toios os es-
cravos do conselheiro Joio Alfredo, mas, podemos
afirmar que sao todos crias do engenho e que se-
ria muito fcil dar-lhas pai ou mili.... Mas, is-
to nao vem ao caso, pois o senador Joo Alfredo
j os libcrtou com a condcio de prestacio de ser-
vicos por dous annos e de suppr que este prazo
se limitar muito.
Alm d'isto seis escravos de servico domesti-
co, o llustre senador deixou de matricular, por-
que tenckmava dar-lhes liberdade.
Porque nao faz o mesmo, ou mais, o commandi-
arto de Santa Ignacio?
O conselheiro Joo Alfredo fez pouco, faca o ri-
Casso senador Souza L:io mais, libertando j, to-
dos os seus escravos sem condijio aiguma.
Deus queira, mas duvidsmos, porque, os leoes da
trra s sabem ter mos caprichos.
as importantes
devem ser di
Estado.
'
o commercio desta praga, que, estamos
certas nao se resusar ao pagamento de
urna contribuicSo razoavel, destinada sa-
tisfagao de um melhoramento de t2o reco-
nbecida necessidade.
W
\
Nao veio a proposito o que disio Juvenal ere o
Diario de 9 quando pressuroso veio defender o Sr.
Dr. Pinto das aecusaces que lhe fez a Columna
Liberal eob o modo porque ha administrado a po-
lica da trra.
Nada temos com os elogios e sim com estas pa-
lavras de Juvenal :
c O que fizeram os chefes hberaes Dr. Andr
Cavaleante, Correia de Andrade, Costa Ribeiro,
Prisco P.raizo, Martins Pereira e outros 1
Para mostrronos a sem razo de Juvenal basta
traascrevermos o que disse a Ilustrada redaccio
do Diario em 8 de Setembro de 85 quando deixra
a ehefia de polica desta provincia o desembarga-
dor Martins Pereira.
Tem a palavra o Diario de Pernambuto :
Chefe de polica-O Sr. Dr. Luiz de Albu-
qoerque Martins Pereira, chefe de polica da
i provincia, deixou hontem o exercicio desse cargo,
por ter dado parte de doente e entrado no goso
de licenca.
Durante poneos mezes exerceu o Sr. Dr. Mar
tins Pereira o cargo de chefe de polica, e forca
c reconhecer que, nesse curto lapso de tempo, S.
S. esforcou-se por dar vigor a polica e empre-
gal-a com actividade na repiesso do crime
secundando as vistas do administrador da pro-
vincia.
O melhor elogio do digno magistrado est no
facto de ter elle obtido urna boa parte do fim
c que desde comeco visou, e as provas dos seas
esforcos estio exaudas as cuas partes diarias
c registradas na imprensa.
Deixa, pois, a direceo da polica o Sr. Dr.
vel .
A Tribuna folha que no anno de 85 ainda sobre-
viva, disse, em seu numero de 12 do mesmo mes
e anno;
Tambera deixou e exercicio o Dr. Lu* de
Albuquerque Martina Pereira que com tanta
vantagem oceupou o cargo de chefe de polica.
E' de justica reconhecer que ha muito a admi-
nistracao policial nao era dirigida por moo to
activo e proficuo como o foi sob o digno magis-
t trado que ora deixa a chefatura de polica .
O funccionario publico que recebe, ao deixar
qualquer cargo neste paiz, da imprensa adversa
deve ter feito aiguma cousa.
Se o Juvenal quizer pode dirigir-se a maioria
da populacio desta cidade, e della ba de ouvir que
ainda hoja se recorda da admniatracao policial
do Dr. Martins Pereira, com saudade.
Basta.
10 de Agosto de 1887.
Um que tobe.
A Columna
A facilidad'' com qua os taes escrevinhadort
atacam a caracteres respetaveis e honestos de-
masiada, e justifica-se apenas pela degraducu a
que tem ebegad > este paiz e principalmente esta
provincia, onde a licenca tal e o decreacimento
moral to horroroso qua tudo permittido a certa
gente, e desi-eriamos se qu.zassemos infringir-Ihes
o castigo que mereoem. Nao o podemos tazer por
amor &ai unamos, pelo aseo que nos provoca,
pois muito custa ensinai leSet e cachorros que nao
distinguem o salo das pequeninas divisdes de urna
casa.
Pensa a Columna e ni com ella, que todo o es-
Pagamentos no Thesonro
Devemos ainda algumas palavras l-
lustrada redacgSo da Provincia.
Com effsito, o Thesouro, para dar com-
primento s ordena do Sr. presidente da
provincia sobre a regularidade dos paga-
mentos da funcionalismo publiao, em dia
certo, sem preferencias, entendeu preciso
deixar de lado os atrazados e fazer vida
nova, do semestre de Julho em diante.
Procedera mal aquella repartigSo ?
Vejamos.
Nao ha meio de 'pagar de prompto os
atrazados, que datam do alguns annos.
O Sr. presidente da provincia encontrou
empregados, pagos com atrazo de trinta
dias, e outro, de quatro, cinco e mais me-
zes.
Tal vez a justiga estivesse em mandar
sustar os pagamentos actuaos, sendo feito
os de mezes mais antigos.
Isto, perm, traria embaragos; os pro-
fessores de lugares longinquos demoram-se
ta vir raceber ; seus procuradores descui-
dam-se por vezas, o assim a necassi
dade de algunsprovocara o clamor de
muitos.
D'ahi veio consentir S. Exc. qua o Sr.
inspector do Thesouro puzesse em pratica
o alvilre de estabelecer nma tabella, para
8-r fielmente observada de agora em dian-
te, sem preferencia, comtanto que liquide
a passado com intuir igualdade, isto ,
pagando sempre em primeiro lugar os atra-
zados mais antigos, e estabelecendo a mes-
ma proporgj entre as diversas classes de
funceionarios, sem deixar que sus venci-
mentos passem para exercieio findo.
Nao ha exercicio findo tSo cedo ; o se-
mestre corrente foi addiaionado ao exer-
cicio do 1886 a 1887, para que o anno ci-
vil de 1888 constitua o novo exercicio ;
de modo que, executaido o Thesouro fiel-
men'e a tabella, como de esperar, todos
os professores e demais empregados pode-
rlo vir a ficar pagos no correr deste se-
mestre, e nos t-es mezes addicionaes de
lquidac2o/ era 1888.
E' c^rto qua para isso preciso sacrifi-
car todos os outros pagamentos comtanto
que esse sacrificio nao abranja despezas
que estao na mesma ordem das que se fa-
zem cora o funecionalismo e mais urgentes
do qua estas, como forga publica, alimen-
tagao dos presos pobres e sernelhantes.
O que nao possivel deixar de ser
consolidada urna grande parte da divida
fluctuante.
Com toda a economa, quasi que s no
pagamento de funceionarios est so despen-
dendo, pelo menos, vinto por cento mais
do que a renda ordinaria da provinaia.
Ora, nestds condigoes, de onde ha de
sahir o excesso ?
Nao se podem contrahr emprestimos
no vos.
Nao ha lci que os autorisa.
Ou 03 empregados, em geral, tero de
renunciar esse excesso, ou elle se ha de
converter em divida fundada.
Sabemos que a Provincia comprehende
estas cousas e faz justiga ao gaverno, que
nao pode vencer impassiveis, mas quer
que o mal, que o sacrificio seja igual para
todos.
Pois bem, essas sao as determinagSes da
presidencia da provincia ao Thesouro.
Si mais nSo ae fizar, ser porque n2o
permittido fazel-o-ernquanto a Assembla
Provincial n2o cortar pela metade os em-
pregos pblicos, como faz qualquer com-
merciante que despede parte dos caixairos,
quando o balango do fim do anno demons-
tra dficit, que preciso ser snpprido com
augmento de receita ou diminuigSo de des-
pezas, e comprehendendo a impossibilida-
de, ou si Tipias mente julgando incerto o
primeiro modo de supprimento, langa mo
do segundo, para nao abrir fallencia cul-
posa.
Por ultimo, crea a Provincia que os
protegidos sao desconhecidos do Sr. presi
dente, bem como que no podem ser con
sideradas de aluguel as opposigSes decen-
tes, anda quando violentas ou injustas,
porque isso nao impedir dous cavalheiros
de educago de se apertarem as mos.
A poltica nao um pugilato de garo-
tos ; sciencia, que s deve Ber cultivada
pelos homens de bem.
Esphlnge ou amphygiirl ?
Alheo a todas as questocs de interesses peque-
ninos que absorvem toda a seiva intellectual das
classes dirigentes da noasa sociedade, nao deixo
comtudo de prestar aiguma attenco aos pugilatos
com que se degladiam oe partidos polticos.
E' por aso qee, lendo no Jorna do Recife de
hoje urna estirada sob a epigrapbe upra, depare
com as segumtes linhaa, que si nio sao urna iro
nica esphinge, com certeza sao nm perfeito amphy-
guri : _m m .
A poltica moderna, diz o mencionado Jtrnal,
cheia de tactos, de observacoes, de sciencia, re-
pelle toda mentira, todo embuste, todo artificio,
sob qualquer forma que se manifest. A velha
poltica de mystenos e phantasmagorias nio tem
mais razio de ser seoio no Vaticano.
Si nio um embuste e urna mentira o que ah
fica, nio se como se possa quahficar o que seja o
embaste e a meutire.
Ora, dizer que se fonda na sciencia, e na obser-
vacio urna politica de apaniguados, urna verda-
deira sociedade de soccorroa mutuos, composta
de homens que hoje se arraatam aos ps de elei-
tores inconscientes para amanhi entregal-oa ao
mais supremo despreao ; politica de patriotas do
ventre, que s procuram o venha a nA, deacuraodo
dos interesses mais palpitantes da sociedade, par*
s cudarem de si e dos seos, poltica, da quai di-
lem os tena proprios admiradores, que para della
participar-se necessario ter-se perdido todo pu-
dor e vergonba; chamar-se de sciencia urna tal
monstruosidade o cumulo do amphygurismo.
Com mnito grande verdade deva ter dito aquelle
jornal: A politica moderna, firmada na mentira,
no embuste e no artificio, sob qualquer forma que
so manifest, repelle toda a sciencia, toda obser-
vacio, e esquece os factos, que s lhe servem para
arrancar-lhe a mascara da bypocrisia e revellar
aos povos a sua iguotninia.
E na verdade, qiando os bomens de bem fo-
gem deesa Messalina dasavergonhada que ae cha-
ma a politica, que alguem se lembra de tecer-lhe
o panegyrico!
' admiravel !
A' vista de tal ^ogica, com razio que o men-
cionado Jornal diz que a velha politica n&o tem
mais ran&o de ser sendo no Vaticana : e para nio
perder o azo de dizer o contrario da verdade
chama a esta de politica de mysterios e de phan-
tasmagorias.
Quando vemos os governoa entregues aos dys-
colos e feitos suecursaes das lojas secretas ; quan-
do vemos at o Supremo Tribunal de Justiga con-
demnar a dous bispos sem saber nem mesmo em
que artigo do Cdigo eatavam incursos; quando
levantando o veo que encobre as mais vergonhosas
patotas e privilegios, descobrimos por toda parte
ladroeiras impostas pela venalidade dessa poltica
de intereasos os mais srdidos ; quando vemos os
legisladores dous dias depois de terem jurado
manter a Constituaio do Imperio, volarem-lhe
at os nrtigos fundamentaos ; quando vemos sim-
ples avisos ministeriaes e at actos de um chefe
de polica valerem maU do que leis e do que o
proprio Pacto Fundamental do Paiz, quem se se
eximir de qualificar urna tal geringonca de pol-
tica de mysterios e phantasmagorias ?
A occasiio nao a mais propicia para o Jornal
soltar semelbantes disparates. L est a corte
em rebolico por nada menos do que o que acaba-
mos de asserir ; e si hoje sao os conservadores,
foram hontem e serio amanhi os liberaes os pri-
meiros a fazerem outrotanto, aculo maiorea des-
atinos.
Anda est bem fresca a memoria da questio
religiosa levantada por una, e applaudida e secun-
dada por outro i: Ah est o livro do Exm. Sr.
biapo do Para, que conseguio desvendar alguns
mysterios e phantasmagorias dessa politica, quan-
do o Vaticauojagia na maior boa f, suppondo
que estava tractando com um governo honesto e
respeitavel.
Certamcnte nao a Curia Romana que merece
o qualificativo que lhe presta o Jornal, ella que sem
pre e por toda a parte esgota todos os recursos da
prudencia e longanitnidade, aflu de nao quebrar a
paz e socogo publico.
Que o diga o Sr. conselheiro Maciel, quando na
questio da liquidacio dos bens das ordens reli-
giosas, tractou do modo o mais grosseiro a indigno
ao representante da Santa S, si esta tomou-lbe
aiguma represalia, como elle mereca.
Nio, o Jornal do Recife quiz dizer cousa diame-
tralmente contraria do que disse, e, ceg somente
pela poltica, deixou cahir da penna urna tal in-
verdade.
Foi um lapso, que lbe perdoaraos, caso nio seja
elle peccador relapso e impenitente.
Recife, 10 de Agosto de 1887.
Juli Furpao.
Telegranimas da Corte
Telegrammas que se diz virem do Rio de
Janeiro teem sido divulgados por meio de
a7ulsos ou afnxados as paredes e esquinas
das ras principaes desta cidade, noticiando
como graves acontecimentos as ultimas oc-
currencias bavidas.
A respeto destes telegrammas conve-
niente que o publico esteja prevenido para
que nao d crdito aos muitos que ho de
apparecer at o dia 14 de Setembro.
As folhas diarias nao os tem inserido em
a secgao dos telegrammas ou em outra qual-
quer ; e os telegrammas que teem publi-
cado explicam os factos, deixando ptente
a verdade que com os avulsoa ce procurou
deturpar, nicamente oom o intuito de pro-
duzir effeito.
No da 14 de Setembro deve ter lugar
a eleigao de um deputado geral pelo 1' dis-
tricto desta provincia para preenebimento
da vaga havida com a nomeagSo do conse-
lheiro Dr. Man icl Portella para ministro
do imperio.
E' tacil de prever pelo3 telegrammas
arranjados para avulsas, aos quaes nos re-
ferimos, qua de agora at o dia da eleigao
diariamente serlo distribuidos uiuitos, e
com mais negras cores do que estes, como
meio de fazer crer nao estar firme o
actual gabinete ou a situagUo, e deste mo-
do procurarlo prejudicar a reeleigao do
conselheiro Manoel Portella.
Eatejam, pois, de sobreaviso nSo s o
povo pernambucano, como principalmente
os eleitores do 1' districto.
Conferencia abolicionista
A 16" conferencia, das promovidas pelas socie-
dades Uniio Federal Abolicionista e Pernambu-
cana contra a Escravidio, ter lugar domingo,
14 do corrente, 1 hora da tarde no theatro das
Variedades, occupanda tribuna o Ilustrado aca-
dmico Sr. Francisco Augusto Pereira da Costa,
gue escolheu para thema de seu discurso a da
abolicionista em Pernambuco.
A parte recreativa a cargo de distinctos artis-
tas dramticos e professores de msica, associa-
dos a grande causa, constar da represeutacao
daa seguintes pecas :
Amor por emexn=Comedia em 1 acto por D.
Apolonia Silva e o Sr. Joao de Araujo.
Sr. Domingos fra do serioSceua cmica pelo
Sr. Pereira de Lyra.
As commissoes receberio esprtalas em favor
da causa abolicionista.
Secretaria da Sociedade Pernambacana contra
a Escravidio, 11 de Agosto de 1887.
Adolpbo Guedes Alcoforado,
Secretario.
Onie de Agonto
Filhos da grande luz, pastores da sciencis
Unidos n'uma grey ao sol da intelligencia.
J que vossoo porvir, cumpri vossa missio,
FazeiafHair o povo s fastas litterariaa :
Provai-lhe que tambera aa classes operaras
Precisara dessa luz que brota da razio.
|ue gaiato !
Pergunta-se a certo edil que fim deu s oas
de Mara 4a Gloria ? F quando pretende defen-
der-be do facto do desapparecitnento das mssmas,
do sobrado da ra do Yigario ?
Isto deseja saber o
Regadas.
Instan. Aeadetniqne
La jeunesse de tous les pays c'est I' Avenir
c'ess pourquoi tout ce qui a trait a l'enfance ou
la jeuuesse porte en soi un inters capital. Dans
lecompte renda des blica files des 8 et 9 ct don-
nes i l'Institut Acadmique par la Socit Re-
creativo Enfantine on a omis de rendre un juste
hommage la parfaite courtoisie et a l'excellente
tenue des jeunes membres de la commiasion. lis
de aont presentes et comportes comme des hommes
du monde bien eleves. Ceci fait parte de l'Edu-
cation sana laquelle l'Instruction mme est peu
de chose. C'est suz le point dlicat que portent
en general nos obji'ctions contre l'Instruclion
Universitaire. Les hommes eleves par des hom-
mes seulement peuvent etre des savants mais ils
pechent presque toujours par excs de bardiesse
ou une timidit, ridicula. Apra avolr reconnu le
m. rite de l'Instruction qui ess la culturo de l'ea-
prien redons justice i l'Education, cette culture da
coteur qui se rencontre au sein de la famle ou
auprs de directeura de collge qui possedent avec
le savoir les qualits sociales de benne compagme
et auprs des quels les enfants recontrent des
soins maternells.
L'Institut Acadmique du tras honorable Dr.
Ferrera reuns tous cea avantages et les jeunes
eleves y sont incontestablemeot je ne drai pas
aussi bien mais micux que dans latamille parce-
que poar faire'des hommes deux choses sont indis -
pensables en plus des tudes, c'est l'observance
de la discipline es l'exactitude.
Tontea les mres conviendront avec moij'en
suis certane que ce sont l deux conditons diffi-
cilea 11000 imposibles remplir dans la famille.
Vriku.
L. Filgueiras.
Quizera na immanaidade
Sacudir a minha fronte...
as fibras desse horisonte
Elevar potente a voz .'
Das espberas entre os brillos
Rolar coberto de estrellas,
Para atirar-vos centelhas
Por entre mil arrebosa !
Loucura subir tio alto
Para ver-vos sciutillantes
Como os focos rutilantes
Brilhantes sollos no ar !
Deslumhrado em tanta luz
Resvalra nos espacos,
Sem deixar luzentes traeos
Ponto escaro a actuar !
E nio sents o murmurio
Da torrente estrepitosa
Dessa vaga lumioosa
Que vem cobrr-vosa flux?
Sobre ella o quo posso dar
Senio vos olhar surrindo,
Secio seguir applaudindo
Os filhos da Santa Cruz ? I
Escutai, pois, o mendigo
Que das portas da sciencia
Vos pede benevolencia
Para fal!ar-vos. Depois,
Quando ao sol de vossas frontes
Rasgar-se o veo do porvir,
Na extrema do progredir
O mundo dir quem sois.
Silencio, joven !... ouvia ?...
Atram brados nos mares,
A festa reina nos lares,
E' tudo alegra, luz !...
E na coma das palmeiras
Onde baila douda a brisa,
Brando surrir se desusa
Pelos espacos azues !
E' a patria que em delirio
Diz ao co : A gloria minha '
Sou destas festas rainha
Porque sao meus estes filhos :
< Filhos dilectos, gigantes
Da trra que assombra os mares,
u Onde o sol entre os palmares
Tem mais ardencia, mais brilhos
E os ventos rpidos, fortes,
Correm tontos, tresloucados,
Ao ver os filhos amados
Qu'ennobrecem sua mi;
E o murmurio das fontes,
Do bosque, das cachoeiras,
O baloucar das palmeiras
Rompe o grito : Muito bem
Muito bem repete o echo
Arrebentando nos Andes...
Destinos nobres, tio grandes,
O' patria, ninguem mais tem !...
E o rio, o monte, a cascata,
Do mar a onda, a corrente,
N'um brado enorme, estridente,
Repercutem : Muito bem
Eu que sahi deasa arga
D'onde brotastes, colossos,
Bella pbalaoge de mogos
Que avancaes para o porvir,
Nio posso elar no peito
A febre do entbuBiasme...
Um da seris o pasmo
Das geracoes que hio de vir !
A mocidade o levita
Das santas revolucoes ;
Ella engrandece as nacoes
Naa lutas do pensamento :
E aos voos d'aguia bemdita
Cae das cos mais urna gloria,
Mais um brilhante na Historia
Sublime commettimento I
Hontem forga sobre a forca,
Hoje a ideia sobre a luz I
Hontem brados do arcabuz,
Hoje o sorrir da sciencia .'
Hontem gritos da innocencia
Gemendo ao rugir do crian,
Hoje o sol que o livro imprime
as festas da intelligencia !
E vos que surgis ao mundo
Quando o ceo, o mar, a trra,
Bradam : luz em vez de guerra,
Liberdade em vez de dor ;
Conquistai livro por livro
Como g I ado dos pensamentos,
Sede livres como os ventos,
Mais altivos que o cndor !
Vos que sois a turba eleita
Dos athletas do futuro,
Acendei um fogo puro
Do novo nos coraees ;
Ensna-lhe a ser mais bravo,
Esmagai o despotismo,
Sacud o servilismo
Do seio das multidss !
Dai-lhe luz e o mundo inteiro
Vos saudar, Prometbeus :
Haveis nos degros da gloria
Juntos subir t o cos !
Conquistando c'ras bellas,
Gordas de mil estrellas,
No nosso altivo marchar,
Haveis em thronos divinos,
Da sciencia peregrinos,
Vossas frontes repousar!
Joo Pessa.
Escndalo
Que moralidade e honestidada pode ter um ve-
reador da Cmara Municipal, qaando em plena
sessao prope e vota em um seu irmo para secre-
tario da mesma cmara ?
Qae moralidade pode ter um hornera, que fazen-
do urna rifa de um predio que devia ser seu e de
seu pai, depois taes armadilhas fez que ficou com
o dinheiro dos tolos e o predio ?
Moralidade.
Os narij-rro qae lean.Um palo-
vra ao dypeplco
S59
Sofireis martyno e s os que sabem o que dys-
pepsia, podem comprehender vossos sottrimentos.
A-ora ha um remedio a mi, inmediato, absoluto,
infallivel; o qual se acha por assim diaer porta
da vossas casas. Esse remedio a Salsaparrilha
de Bristol. Deveis conhecel-a. Quem ha, que nio
tenha ouvido fallar della ? Usai-a, e vos rireis das
indig stoes e de todos os seus concomitantes e con-
gequencias. N'uma semana f.llviar o repleto
deposito desse perigoso ma'erial, que tanto vos
tras atormentado.
A flastulencia, a oppressio do estomago, a falta
de actividade tanto do corpo como do espirito, as
vigilias e as angustias durante o dia, as dresele
cabeca, as nauseas, as indeacriptiveis sensacoea
qne acompanham a dyapepsia, e nio ha nenhuma
outra molestia que nio desapparega qual sombra
passageira.
Tirai-lhe a prova, experiment ii-a.
Encontrase venda em todas as pharmacias e
drogaras. '
Agentes em Pernambuco, fleory Forster & C.
ra Ib Cosamercio o. 8.
Sra. Redactores.Teudo chegado ao meu co-
nhecimento urna denuncia contra mim dada ao
Illm. Sr. subdelegado da Boa-Vista, como^aendo eu
comprador de rouboa, venbo pedir ao calumniador
denunciante que apparega em plena luz, e nao se
valba do anonymo (postal) para me querer deemn-
ralisar.
Sou muito coohecido.
Camioho Novo, 10 de Agosto de 1887.
Manoel Jo* de imeida,
Elixir depurativo vegetal
Frmala de
Angelina Jos dos Santos Andrade
Approvado pela inspectora gera do hy-
giene publica do Rio de Janeiro, em 20 de
Julho do corrente anno (1887).
Este depurativo de grande eficacia as mo-
molestias syphiiiticas e impureza do sangue e
encontrado a venda, por ora, na ra do Bario da
Victoria n. 37 e rus estreita do Rosario o. 11.
Para provar a grande efficacia quaa prodigio,
do preparado do Sr. Andrade basta apresentar o
crescido numero de attestados espontneamente
prestados por muitos cavalheiros que tem feito
uso delle dos quaes publicamos alguns de pessoas
conhecidas e residentes nesta cidada.
Lista
Conselheiro Al-xandrc Bernardino dos Res u
Silva.
Dr. Migue lde Figueiroa Faria.
Dr. Affjnso Olindensa Ribeiro de Souza
Dr. Lindolpho Correia de Arau
Dr. tienes Martina Fontes.
Dr. Argemiro Aroxa.
Capitio de mar e guerra Jos Avelino da Silva
Jaques.
Capitio Florencio Rodrigues Miranda Franco.
Tito Machado Freir de Barros.
Antonio Dias de Almeida Costa.
Affonso Ligorio Velloso.
Jcaquim Fenelon Delgado Borba.
Jos da Silva Rodrigues Neves.
Manoel Archilo ."-Iva Costa.
Antonio Jas Ferreira Refinador.
Elyso Alberto Silveira.
Candida Francisca Muniz Foij.
Jos Luiz de Franca Torres.
Ursuliano O do Torres Galliodo.
Pedro Tertuliano da Cunba.
Jos Antonio Correia Gaiio.
Joo da Silva Neves.
Francisco Teixeira Barbosa.
Arlatides Manoel dos Santos.
Urbano Jos Csrneiro.
Estevio Alejandre Jos Dornellas.
Zacbarias da Costa Lei tio.
Rufino Suzano Gajo de Miranda.
Manoel Pinto de Castro.
Manoel da Costa Alves.
Cirurgiio dentista Thomaz Antonio Espiuca.
Theodomiro de Azevedo.
Eduardo Floro de Paiva.
Jos Joaquim de Freitas Tavares,
Melchiades J. de Souza Santa Rosa.
Joaquim Santino de Figueiredo.
Francisco da Silva Miranda.
Maria Olympia de Olveira Cyrillo.
Augusto Pontes Amaral.
Aifredo Morena.
Affonso Monteiro Pessoa.
Antonio da Silva Rimos Neves.
Antonio Ferreira Diniz.
Joviniano Cordeiro Lins.
Joio Fernandos Baptista.
Major Justino Rodrigues da Silveira.
Ramiro Antonio da Costa.
Gaspar Augusto Soares Le i te.
Antonio Sos Rodrigues de Souza Filho.
Antonio Pedro de Souza Soares.
Bernardo Augusto Scares Leite.
Manoel Januario de Arruda.
Jos Antonio de Souza.
Luiz Carlos de Almeida.
Joaquim Jos Maia.
Antonio Fradque.
Augusto de Castro.
Jos Verissimo de Azevedo.
Manoel Soares Neves.
Alteres Fraacisco de Albuquerque Pajuaba.
Jovelino da Cunha.
Manoel Francisco Fragaso.
Teen te Joao Paulo de Almeida.
Joanna Candida Paes Barreto.
Joio Silverio de Souza.
Manoel Francisco dos Pasis.
Hcstiniano Ctrneiro de Moraes.
Joio Antonio do Nascimento.
Joio Francisco Times.
Jos Silvestre dos Santos Pereira.
Scbastio Joaquim do Reg Barros.
Floriaoo Gomes dos Santos.
Francisco Rodrigues da Cunba.
Miguel Manoel da Silva Coelho.
Antonio Meneles Carneiro de Guarni.
Antonio Teixeira de Lima.
Antonio Horacio.
Tranquillioo dos Santos Castello-Branco.
Jos Carlos Marinho.
Jos Luiz Goncalves.
Manoel Goncalves do Reg Barros.
Adolpbo Machado.
Manoel Rodrigues.
Manoel Leoncio do Reg Barros.
Joaquim Domingues da Costa Braga.
Pedro Alves Barbosa.
Jovino Cassiano Maia e Silva.
Jerunymo Jos Figueira de Mello.
C-ttano Gomes de Almeida.
Manoel Francisco Teixeira.
Daniel Pereira dos Santos.
Francisco Goncalves Guimaries.
Francisco Jos do Reg Mello.
Antonio Francisco da Costa.
Paulo Luiz Alves.
Rodolpho M. de Serpa Brando.
Belisario Alves de Brito.
Antonio da Silva.
Aureliano Jos dos Santos.
Antonio Pinto da Silva.
Bernardino da Costa Campos Jnior.
Antonio Flonano de Mello.
Ricardo Fonseca de Medeiros.
Caetano da Silva Azevedo.
Jos Pinto da Cunha Teixeira.
Francisco da Costa Ferraz.
Albino Jos Goncalves Dinis.
Joio Feliciano do Nascimento
Antonio Gomes de S.
Joaquim da Silva Netto.
Joio Ferreira dos Santos.
Candido Manoel dos Santos Mendonca.
Antonio Jos da Fonseca.
Adriano Antones Dantas.
Pedro Borgee de Cerqueira.
Joan Nunes Ferreira Coimbra.
Jos Pestaa dos Santos.
Pedro Aiexandrino de Mello.
Jos Moreira Branda> Filho.
Antonio da Costa Moreira.
Epaminondas P. Bandeira A. Vassconcellos.
Francisco de Mello Cavaleante de Albuquerque.
Maria Freir de Lima.
Joio Augusto da Costa.
Enfrosino Rodrigues do Couto.
Jacintbo P. C. de Azevedo.
Jos Soares do Reg Villela.
Ignacio Pinto de Aguiar.
Fortunato do Amaral.
Fernando Magalhies da Silva.
Luiz Artbar Baha da Cunha.
Cusey Juvenal do Reg.
Jos Pereira da Porciuncula.
Jos Botelho Pinto de Mesquita.
Tenenle Jos Caetano da Silva.
Madama Freir.
Bento Jos Pereira.
Fraacisco Rodrigues dos Santos.
Adolpho Cunha.
Antonio Ferreira de Lima.
Gustavo Wertheimer.
Joviniano Manta.
Feliz Pereira de Araujo.
Satyro Cordeiro.
Pedro Lucio Rodrigues.
Hortencio Eneas Vieira de Amorm.
Joio Henrique da Cruz Ribeiro.
Alexandrina Ajara da Conceicio.
Flix Jos Marques Bacalho.
Carlos Vander Lindera.
Vicente Silverio de Souza.
Emilio Pereira de Araujo.
Adolpbo Marques dos Santos.
Jos de Castro Monteiro.
Augusto Leopoldino da Silva Neves.
Manoel Filgueira de Menezes.
Jos dos Santos Si lv*
Elpid\o Accioli de Barros.
Jos Ricardo Dias Fernandes.
J. F. deCistro e Silva.
Henrique Adolpho dos Res.
Antonio C. Xavier e Silva.
F. de Assis Coelho.
Francisco Jaborandy de Moraes.
Joaquim da Costa Dourado Jnior.
Maooel Pessoa Ferreira.
Joio Baptista de Franca.
Joio David Baptista.
Joaquim Jos Ferreira Penha.
Julio Cesar Ottoni.
Beroardioo Alves Nsiva.
Fenelon Boiba.
Candido Dias.
Joio Ferreira dos Saotos Jnior.
Joaquim de Souza Silva e Cunha.
Joio Marques da Silva.
Ullyssea da Costa Spiuola.
Antonio Alves da Silva Jnior.
Francisco Ferrao Castello Branco Jnior.
Numa Pedro de Alcntara.
Antonio de Castro Monteiro.
Leopoldina Mana do Nascimento.
Raymundo Lino dos Santos Qouveia.
Manoel Augusto de Mesquita.
Jos de Souza Aguiar.
Jos de Souza Braz .
Thomaz de Aquino Leal.
Antonio Luiz de Franca.
Jos Maria da Costa Carvalho.
Arthur Antunes Dantas.
Domingos Jos Ribeiro Soares.
Annibal Casado Lima.
Capitio Austricliano de Torres Gallindo.
Jeo Lourenco Pereira da Costa Borbaleta.
Antonio Jos dos Res.
Augusto Cesar Pereira Caldas.
Benevides Barreto do Rosario.
Miguel Xavier de Souza Fonseca.
Joaquim Jos de Souza Oiiveira.
Manoel Jos Fernandes.
Francisco Jos Dias Sobrinho.
Jeronymo da Costa Lima.
Tenente-corouel Apolinario Florentino de Albu-
querque Maranbio.
Franco Martins Nogueira dos Santos.
Alfredo Bessone.
Thomaz Ferreira da Cunha JuniOr.
Arthur da Silva Regadas.
Manoel Alves Pitollo.
Tito Jos do Couto.
Jos Candido Bbeiro.
Carlos Lopes Guimaries.
Manoel Tavares da Cesta Martins.
Joao Jos da Silva.
Alvaro B. Dias Ferreira.
Alfredo A. de Vasconcellos.
Domingos Jos Rodrigues.
Emilio Roberto.
Francisco Miguel Rodrigues.
Felippe Ncry Guimaries.
Francisco de Siqueira Pasaos.
Francisco Cecilio S. Guimaries.
Fausto de Barros Bezerra.
Francisco de Souza uarte.
Tenente Francisco Evaristo de Sonsa.
Jos da Silva Neves.
Joaquim Odorico de Araujo.
Ignacio Troyano de Jess Bandeira.
Joaquim das Neves Pedrosa.
Joio Cavaleante de Araujo
Joio Hermenegildo da Silva.
Jote de Faria Machado.
Joio Verissimo do Reg Bairos.
Jcs Affonso Ferreira.
Ignacio Rodrigues de Carvalho.
Jos Maria da Silva Fernandes.
Jacintho Augusto dos Res.
Jos de A. Cesta Pontes.
Jos Alves.
Joaquim Goncalves de Azevedo Souza.
Jos Gomes dos Santos.
Joio Baptista doa Santos Almeida.
Jos Vieira da Fonseca.
Jos Affonso dos Santos Lima.
Joa Joaquim da Costa Pinto.
Joio Marques de Pinho.
Luis Marques Vieira.
Manoel Joaquim Vieira.
Paulino Beroardioo de Oiiveira.
Philomeno de Vasconcellos.
Pedro Barbosa da Silva Netto.
Thomaz Jos de 01 inda Campello.
Thomaz Dativo dos Santos.
Virginio Carneiro Leao.
Vctor Goncalves de Souza Beiro-
Gabrielle Peregriuo.
Augusto Carlos Noronha.
Jos de Moura Iglisiae.
J. Nunes da Silva.
Joio Pereira de Mendenca.
Francisco Ferreir > Brandio.
Januario de Souza Silva Serooio.
Fabio X. de Souza Fonseca.
Manoel Joaquim Pereira.
Francisco Jos Pereira.
Alberto Agripino Seixas.
Manoel Joaquim de Mello Reg.
Jos Antonio Albuquerque Pedrosa.
Francisca Florinda do Rosario.
Agapito Innocencio Poggi.
Francisco Paes de Luna.
Felismino Lourenco da Silva.
Affonso Taborda.
Mximo Rodrigues dos Santos.
Manoel Pinheiro de Mendonca.
MODO DE USAR
Os adultos tomarao quatro eolheres das'de sopa
pela manha e quatro noite, e as criancas duas,
podendo se adocar com assucar puro. Tomar-se-ha
pela manha e noite banho trio ou morno. Res-
guardo regular.
Cuidado com as falpificaces, porque j ha quem
falsifique este remedio.
Commlsso Redemptora
De conformidade con o art. 8 do Reg.
de 12 do Janeiro de 1885 convido as pes-
soas que ouizerem libertar escravisados
por conta do fundo de ernancipasao pro-
vincial, apre8entarem as propostos, duran-
te 15 dias, a contar de boje, devendo de-
clarar o preco e juntar a matricula ou
certido authentica.
A cotnmissao lembra aos proponentes
que attendam, as indemnisacoes pedidas,
ao prego corrente e que s indiquem es-
cravisados cuja coadigSo servil nao possa
ser contestada.
Os iateressados deverao se entender
com o abaixo assignado, ra da Aurora
n. 77.
Commissao Redemptora, 6 de Agosto de
1857.
Joao de Oiiveira,
Secretario.
Paz
Pede-se ao Sr. Dr. Vicente Pereira do Reg,
obsequio de mandar entregar ao procurador da Ex,
Sra. D. Amelia Augusta Carneiro Chacn, em
Bom-Jardim, capitio Joaquim Goncalves Filho,
as chases da casa onde S. S. morou naquella ci-
dade, visto achar-se a meioia casa bastante arrui-
nada, de modo a precisar de promptos reparos ;
ficando S. S. sciente, se, dentro de oito dias con-
tados da publicacio, nio satisfizer tio justo pedi-
do, a proprietaria usar dos meios permettidos por
lei.
Recife, 8 de Agesto de 1887.
Dr. Costa Gomes
MEDICO
34 -Ra do Mrquez di Oiinda34
Primeiro andar
Censultas de meidia Aa 3 hnraa da tard'
i-
t
Tenente coronel Fraaclsico Vlletla
de Can tro Tarares
O major Antonio Vilella de Castro Ta.
vares, sua mulher e filhos, D. Maria Pres-
ciliana Vilella dos Santos e seus filhos, D.
Aona Accioly Lins Vilella, D. Mara
Egypca Vilella do Reg e filhos, Joaquim
Mileto Maris e seus filhos, pungidos do
mais doloroso sentimento pelo fallecimien-
to de seus presados rniao, cunhado, tio, so-
brina >s e primos o tenente-coronel Francis-
co Vilella de Castro T wares e seus filhos,
no naufragio do paquete brasileiro Rio
Apa, convidam a todos os seus parentes
e amigos para assistirem s missas que,
pelas almas dos mesmos 'finados, mandam
resar na igreja da ConceicSo dos Milita-
res, no dia 13 do corrente, s 8 12 horas
da manha, protestando desde j a mais sin-
cera gratidao a todos aquellos que quiae-
rem comparecer a este acto religioso.
.




SaaBBMaaBjaa-.*-.;.' ;_ -. _,-.
Diario de PernanibucoSexta-feira 12 de Agosto de

Docamento importante (B)
Di a dia vai augmeutaudo o consumo do Pd
toral de Cambar, o recedio soberano para as mo
lestias do peito e que tio brilhsntes provas j tem
dado da sua grande eficacia.
U jornalismo de quasi todo o Imperio nao tem
deixado de elogiar este excellente preparado ; a
ciencia consagrou-o eloqu intrnente, por maio de
attestados valiosos, firmados par llastres aposto-
loa da medicina ; o poro, essa grande torca que
representa a vos de Deas, tem prestado as mais
eloquentea provas de reconhecimento pelos benefi-
cios prestados humanidade pelo Peitoral de
Cambar.
E asaim devia ser; porque nada mais digno dos
elogios da imprensa, da consagracb da sciencia e
da gratidao popular, do que aquillo que se destina
cnra das enfe.rmidades que maisaffligem e maior
mal causam humanidade.
Acabamos de ler nos tres mais importantes e
conceituadoa jornaes da corte, o Jornal do Com-
mereio, Paix e Gaxeia de Noticia, nma eloquente
prova do que levamos dito, pro va que vem juntar-
se as umitas que j teem sido publicadas.
O Exm. 8r. Baro de Aveliar Rezende, impar
tante fazendeiro, proprietario da. fazenda de Mat-
to-Dentro, na estrada de ferro Leopoldina (esta-
eao de Santa Isabel), que liga o Rio de Janeiro
provincia de Minas Geraes, dirigio-se, pela im-
prenaa, ao descobridor e preparador do Peitoral
de Cambar, nos termos mais lisongeiros, que con-
gtitue um valioso e importante documento, cuja
eitura recommendamos a todos quanto se inters -
sam pelo bem estar da humanidade.
Eis o documento :
Illm. Sr. Jos Alvares de Souza Soares.
Atacado de urna f >rte rouquidao, e sem ter tido
allivio algum com o uso de muito medicamen-
tos receitados, experimenten o seu xarope, Pfi-
toral de Cambar, e eco poucas das a molestia
cedeu completamente.
< Depois d'este facto tenho aconselbado a di-
veraaa peaaoaa o aeu remedio, e todas teem lo-
grado os melhores resultados. Queira, pois, re-
ceber miuhaa sinceras felicitacoes.
Bario de Aveliar Rezende.
Fazenda do Matto- Dentro, estaco de Santa Iaa-
bel, eatrad i de ferro Leopoldina, 18 de Janeiro
< de 1887. .
O referido preparado vende-ae na agencia
cargo dos Sra. Franclaco noel da Sil-
va & C. ra Mrquez de Oliuda n. 23.
Frasco 2*500, meia duzia 13* e duza 24/.
A agencia enva a quem pedir, condicoes im-
ressas para as vendas por atacado.
Palmeira de (iaranhiin*
AO COMMEKCIO
Os abaixo assignados, negociantes, agri-
cultores e propietarios, en Palmeira de
Garanhuus, em vista da mudanca de agen
te do correio deste povoado bao resolvido
mudar o inderesso do su* correspondencia,
para a agencia deCanhotinho e por isso pe-
der com milita instancia as pessoas de
snas relacoes, principalmente commerciaes
e as reJaoces dos jornaes de que sao as
signantes que por all dirijam' a correspon-
dencia que lhes for enderezada, e auto-
risam pelo presente ao respectivo agente a
entrgala, at megroo a registrada ao Sr.
Antonio de Albuquerque Maia, nao se res-
ponsabilizando os abaixo .-.asignados pelos
desvos de qualquer valor ou papel de im-
portancia que lhes for remettido contra a
indicacSo, que aeiraa fazem.
Palmeira, 5 de Agosto de 1887. I
Miguel Reinaux Duarte, proprietario.
Francisco Pereira de Carvalbo, negociante.
Jos Paes de Barros, negociante.
Jesuino Brasileiro de Veras, negociante.
Joaquim Ferreir da Silva L?al, negoci-
ante.
Satyro Emygdio de Oliveira, agricultor.
Manoel Barrete da Silva Neves, agricultor.
Sebastio Francisco de Siqueira, proprieta-
rio e negociante.
Manoel Ignacio B;zerra, agricultor e ne-
gociante.
Luis Alves Caldas, negociante.
Jos Francisco de Sant'Anna, negociante.
Pedro America Bandeira, .negociante.
Jos Basilio de Freitas Peixoto, proprieta-
rio.
E mu sao de Lanman
& Kemp
A Emulaao de oleo de ligado de baca-
Iho com os hipophosphitos de cal, soda e
potassa, preparada pela -acreditada casa
de Lanman & Kemp de Nova York,
melhor, a mais perfeita, e a mais efficaz e
agradavel que at agora se tem offerecido
ao publico. ,
E' um regenerador poderoso das consti-
tuicoes debis e um remedio certo para
todas as affeccoes do peito, da garganta e
dos pulmSes.
Use-se s a EmulsSo de Lanman &
Kemp nao confundindo-a com as outras.
Vende-se em todas as drogarias e phar-
macias.
Aos portuguezes
A satisfagao com que hoje vivo pela
saude recuperada, faz com que venha
imprensa agradecer aos cos, de vir en
contrar o v;rdadeiro e nico remedio que
curou-me da terrivel enfermidade que ia
me consumindo ha mais de 20 annoe, em
Portugal, onde fui tratado com esmero e
sempre doente ; vim para c em procura
da saude, que recuperei tomando os verda-
deros pos ante bemorrlioidarios do phar-
maceutico Lniz Carlos, e que se vender
na corte, na drogara de Silva Gomes
&C.
A minha terrivel doenca era toda hemor-
rhoidas, fazendo esta publcagao, guiando os
doentes para verdadoiro remedio, creio ter
curapridoum deverde gratidao a Deuspela
minha saude recuperada.
Santa Rosa, 28 de Janeiro de 1886.
Jos Lopes Este ves.
Deposito: Francisco Manoel de Silva
& G, droguistas a ra do Mrquez de
Olioda n. 23.
EDITAES
39-RUA
I
modista
CAXIAS-39
DUQUE DE
(1 andar)
Faz, por figurinoa, vestidos para aeohoras e me-
ninas, com promptid > e precos mdicos.
Recebe menslmcnte da Europa jornaes de
moda a.
Dr. Lopes Pessoa
Medico e operador
ResidenciaRa Lirga do Rosario
38 Io andar.
ConsultorioRa do Bom Jess n.
1* andar.
ConsultasDas 12 s 2 horas da
de.
Chamados A qualquer hora, por
cripto.
n.
37
tar-
es-
CGHKERCIO
Bov cvintnerclal
COTA(,'6E8 OFFICIAES DA JUNTA DOS COB-
KECTOKES
Recife. 11 de Agosto de 1887
Anolices geraes de 5 O/U, valor de 1:0004000 a
9554000 cada urna.
Apolicea proviuciaes de 7 0{0, valor de 1:0004000
ao par.
Letras hypothecariaa com juroa. a 914500 cada
urna.
Cambio sobre Londres. 90 d|v. 22 1/4 d. par 14,
do banco, hontem.
Na hora da uolsa
Veuderam-se :
20 apolicea gerae8 de 1:0004-
3 apolicea provinciaes de 1:0004*
11 letras bypothccarias com juros.
>> presidente,
Antonio Leonardo Kodriguet.
O secretarlo,
Eduardo Dubeux.
oclmenlo nanearlo
8BCOT, 11 DE AGOSTO DB 1887
PRACA DO RECIPE
Os bancos adoptaram hoja a taxa de 22 1/4 d.
sobre Londres.
U Internacional e o Engliali d rain a 22 3/8 d.
recuaaado-ae o Loadon a ueo.
Em papel particular nao bouve transaccoes oa
bancos, porm, cfferecerain tomar dinheiro a 22
1/2.
PRAgA DO RIO DE JANEIRO
Os bancos mactiveram a taxa de 22 1/4 d. sobre
Landres.
Nao houve papel particular.
As tabellas expoataa aqui foram estas :
Do Internacional :
M dio vista
Clnica do Dr. SiraSis Barbosa, Espe-
cialidades : partos, molestias de senhoras
e de criancas.
Consultorio ra do Mrquez de Olin-
da n. 64 consultas de 1 s 3 horas da
tarde.
R8dencia ra da Soledade n. 78.
T-1-.ohoue n. 213.
Consultorio medico-
cirurgico
O L)r Castro Jess, contando mais de 12 anno
Ae escrupulosa observaeo, reabre consultorio near
ta cidade, ra do Hora Jess (antiga da Crui
a. 23, l.o andar.
Horas de consultas
De dia : dasl il 2 da tarde.
De noite : das 7 s 8.
as demaia horas da noite ser encontrado nc
eitio taveaaa doa Remedios n. 7, primeiro por-
t&o esquerda, alm 'o por cao do Dr. Cosme.
Branco, os melhorea que
apparecem no mercado,
regulara de .... 24200 a 24400
3.'a..rte boa..... 14900 a 24100
i regular..... 14700 a 14810
Hmidos e baixos 14500 a 14700
>omeoos...... 14300 a 14400
Alascavado..... 14040 a 14100
Bruto....... 4900 a 14000
Rtame...... 4700 a 4800
AU/odao
O de 1 aorte do aertao, foi boje vendido a ...
64600 pr 15 kilos.
Eniraaa de anatacar e alzoito
Btl DB AGwtr 1
Assuaar
Entradaa
Juizo dos Feilos da Fayenda
Nacional
Eacrivo Reg Barros
Peraute o Exm. Sr. deaembargador juiz dos
Feitoa da Fazenda, Jos Manoel de Freitaa ser
levado em praca publica no dia 12 do corrate peas
11 horas da manbi, depois da audiencia, o aluguel
animal da casan. 3 sita ra do LivramenU, per-
tencente a capella dos Prazerea de Guararapea,
p^lo tempo suficiente para pagamento da Fazenda
Nacional paia o que foi penborado o mesuio alu-
guel, avahado por 4004000.
Os aluguies daa eaaaa na. 110 aita a ra de Mar-
cilio Dias, avaliadaannualmente:por 1S04000, tendo
urna porta e duas jauellaa na frente ; a caaa terrea
n. 35 ra da Aasump(3u, com urna parta e duas
janellas, ambas na freguesia de 8. Jos, avaliada
por 1804000 annualmente ; um sobrado de um an-
dar e sotao com o pavimento terreo oceupada por
urna venda, sito na freguezia de S. Fre Pedro
Qonealves. n. 80 ra de Domingos Jos Martina,
avahado renda annual por 4504000, pertencen-
tec ditos predios ao Mosteiro de S. Bento, cuios
arrendam'.'ntos aerao feitos pela tempo snfficiente
par pagamento da Fazenda Nacional, para que fo-
ram penhoradua.
Recite, 3 de Agosto de 1887.
O solicitador da Fazenda Nacional,
Luis Machado Botelbo.
= De ordem do Illm. 8r. eugenheiro director
geral, faco publico que tendo S. Exc. o Sr. pre-
aidentfl da provi c>a concedido autorisacaj Im
perial S ciedade dos Artistas Mcchanicos Libe-
raes para deaaprapriar o terreno com seis peque-
nas casas, existentes ao lado do sul do edificio do
Lyceo de Artes e Oficios, para o estabeluc ment
de olficinas e aulas praticas annexas ao mesmo
Lyceo, s lo pelo presente chamados os senh >res
interessados, para no prazo de doua meses virem
examinar a planta respectiva que foi approvada
pela Cmara Municipal do Recife e acha-ae neatu
secretaria, e apresentarem aa reclamacos que
tivereo,, aob pena de proc;der-ae a arbitramento
para indemnisaco, oa forma da lci n. 129 de 2 de
Maio de 1884.
Secretaria da repartieo das Obras Publicas de
Pernambuco, 23 de Julho de 1887.
O engenheiro secretario,
Joaquim Gomes de Olivei a e Silva.
0 administrador da Recebedoria Provincial
dando comprimento a Portara n. 1017 expedida,
pelo Illm. Sr. Dr. inspector do Thesouro em 26 do
eorrente, faz publico a quem interesaar possa. que,
na prazo de 30 dias uteis contados do l" de Aguato
prximo, dar-ae ha principio neata repartieo
cobranza, iivre de multa, confirme a lelapao mira
das aiiuuidades e maisservicoa da Rec'fe Drama-
ge Comptini/ relativas ao 2>' semestre do exercicio
de 183687.
Recebedoria Provincial de Pernambuca 29 de
Julho de 1887.
O administrador,
Francisco Amynthas de Cirvalho Moura.
Relaeao a que se refere o edital supra.
Freguezia do Recife
Roas: Mrquez de Oliuda, Bom Jess, Alvares
Cnbral, Cummercio, Bispa Sardinha. Thom de
Souza, D. Maria de Souia, Vigario Tenorio, Bar-
reto de Menezes, Mariz e Barros, Burdos, Amorim,
Moejla, Tuyuty, Companbia Pernambucana, Ma-
dre de Deus, Oomiogis Jos Martina, Mscate,
Reetaumcao, D. Mana Cezar, Viscjnde de Itapa-
rica, Charol, Areal, 8. Jorge, Vital de Oiiveira,
Guararapea e Baro de Triumph 1.
Pr(,'Hfl : Assembla, Chaco e Pedro 1'.
Travesane : Vigario, Madre de Deus, Campello,
D. mingos Jos Martina, para o Corpo 8anto, Ami-
ga Porto. Bom Jeaua, Areal, para a Fundica >, Uc
cidente, Uuararapea e Prca de Pedro l*.
Beccos : Abren, Noronha, Largo, Pindoba, Ta-
pado e Paschoal.
Largos : Alfandega. Corpo Santo e Assembla.
Caes : Companbia, limen e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Ruhs : Imperador, 1- de Marco. Duque de Ca-
las, Cabug, Baro da Victoria, Triucheiras, La-
ratigeiras, Larga do Rosario. Estreita do Rosario,
Francisco Jacintbo, Joo do R 'eo,I'ha deCarvalho,
Conselbeiro Pirette, Nelto de Mendonc, 28 de Se-
tembru,Santo Amaro, Mathias de Albuquerque,Paz,
Paulino Cmara, Fgo, Livrameuts, Punha, Via-
conde de lubauma, Pedro Affonso, Nova da Prai*,
Marcilio Dias, Henriquea Das, Lama Valentinas,
Coronel Suassuoa, Santa Tbereza, 24 de Maio,
Palma, Mrquez do Hrrval e Cadea Nova.
Caes t Vinte Dous da Novembro,
L-irgos : Paraizo, Carino, Penba, S. Pedro e
Praceta.
Traveseas : Queimado, Cruzes, Mrquez do Re-
cife, da ra Bella, Quarteis, Calabouco, Expostos,
Matriz, Flores, Carmo, Bomba, Livramenta, Arse-
nal, 1 e 2* d Praia, Calcereiro, 8. Pedro, Vira-
cao, Lobato. Falco, Pocinho e Concordia.
Beccos : Da travessa da ra Bella, Calabouco,
Htns, 1 o, 2o e 3 da Camboa, Falco, 1 e 2* da
Cadeia Nova.
Campos : Princeza.
Prajaa : Pedro II.
Freguezia de S. Jos
Ras : Marcilio Dias, Lra.as Vaientinps, Coro-
nel Snassuna, 8. Joo, Felippe Camaro, Mrquez
do Herval, Vinte Quatro de Maio, Das Cardoso,
Passo da Patria, Padre Nobrega, Victoria, Cadeia
Nova, Vidal de Negreiros, Fre Henrique, Dique,
Assumpco, Domingos Theotonio, Padre Floriano,
Christovo Colombo, Jardim, Forte, Antonio Hen-
rique, Nogueira, Santa Cecilia," Santa Rita, Padre
Muniz, Praia de Santa Rita, S. Jos, Pescadores,
Praia do Forte, Ypiranga, Imparial e Luiz de
Mendonca.
Travesas : Martyrios, Ramos, Pocinho, Cal
dereiro, Gaz, Prata, Serigado, Copiares, da ra
Nova de Santa Rita, Praia do Forte, 8. Jos,
Peixoto, Lima e da Matriz de 8. Jos.
Beccos : Palma, Caldereiro, Gas, Assumpco,
Nova de Santa Rita e Matriz de 8. Jos.
Largos : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Ras: Imperatnz, Conceicao, Viseonde de Pe-
lotas, Tambi, Visconde de Albuquerque, Capi-
baribe, Ponte Velha, Conde da Boa-Vista, Ria-
chuelo, Unio, SauJades, Sete do Setembro, V8
conde de Camaragibe, Camaro, Rosario, Gervasio
Pires, Dr. Villas-Boas, Socego, Principe, Sauta-
Cruz, 8. Goncalo, Coelhos, Hospital Pedro II, Ge-
neral Sera, Coronel Lamenha, Conaelheiro Aguiar,
Leo Coroado, Baro de 8. Borja, Deaembarga-
dor Nunes Machado, Viscoude de Goyanna e Ac-
traeco.
Travessaa: Gervasio Piree, Atalho, Coelhos
Barr iras, Viras, Quiabo, Joo Francisco, Men
gueira, Campia e Palacio do Biepo.
IV acas : Conde d'Eu u Santa Cruz.
Largo \ Campia.
Beccos : Coeihoa e 8. Goncalo.

mesmo engenhc, e'aar fiador iduneo ao preca da
renda.
E para que ehegu a noticia a todos, o presente
edital ser publicada pt-la imprensa e affixado nos
lugares do coatume pelo porteire deste juizo, o
qual dever lavrar a competente certido para
ser junta aos autos.
Dado e passado neata cidade de Nazareth, aoa
19 de Julho de 1887.
Eu, Afionso de Hollanda de Albuquerque Ma-
ranbo, escriva, o subscrevi.
Manoel Cabral de Mello.
CCLnACGES
luslidio .It(erarIo Olindense
Domingo, 14 do eorrente, s 11 horas da manb,
haver sesso de assembla geral, para prestaco
de cantas.
Secretaria do Instituto Ltterarlo Olindense, 10
de Agosto de 1887.O Io secretario, Pedro Ry-
gaard.
Primeira prag-a
O Dr. Manoel Cabral de Mello, juiz municipal e
de orpboB ueste termo de Nazaretb, por Sua
Magestade Imperial, etc.
, Fa^o saber a quantoa o presente edital virem ou
delle noticia tiverem, que no dia 16 de Agosto, ao
meio dia, em casa da cmara municipal desta ci-
dade, depois dos pregues e pracas do estylo, s? ha
de arrematar a quem mais der de renda trienal,
o engenho Cutumguba desta comarca, moente e
correute. cojo engenho foi avaliado na quantia de
1:4004'-0J de renda annual, e vai prac* a re-
querimenro do Dr. curador geral dos orpbos sob
as t-ondicoea seguintea : d: ser o arrematante
obrigado a zelar as obras e conservar as matas do
mesmo engenho a dar fiador idneo ao preca da
renda.
E para que cheque a noticia a todos o presente
edital ser publicado pela imprensa e afilado nos
lugares do costume pelo porteiro deste juizo, o
qual dever lavrar a competente certido pira aer
junta aos autos.
Dadoe pissado netta cidade de Nazaretb, aos
19 de Julho de 1887.
Eu, Affonso de Hollauda e Albuquerque Ma-
rauhao, escrivo, o subscrevo e assigua, ASanso
de Hollanda e Albuquerque Marantio.
Manoi-l Cabral de Mello.
Jaizo dos Feitos da razemL
1
Encrlrao Beso Barro*
Perante o Sr. Dr. juiz substituto dos feitos da
fazend Lindolpho Hisbello Correia de Aran, se
vender em praca piblica no da 12 do crreme
mee, pelas 1 horas da maoh, depois da audien-
cia k perante este juizo, o seguinte :
O terreo- denominado Bcriiy, sito no lugar
Arraial, freguezia do Poco, que foi pertenceule a
Jos Bruno de Lima, avaliado por 80400->, cujo
bem fu penb.or.ido pira pagaueuta dat'azeu-
da im .nal e custas.
Recite, 3 de Agosto de 1887.
O solicitador da fazenda nacional,
Luiz Machado Botelbo.
para
Dias
Barcacas ...... 1 10
Via-terrea de Caruar 1 10
Animaes...... 1 11
Vi-terrea de S. h'rancisco 1 9
Via-fi-rrea de Limueiro 1 9
Somma.
Saceos
1.459
215
114
1.140
30
2.958
Entradas
Algodao
Dias Saccas
Qarcacas ...... 1 10 400
Via-feriea de Caruar . 1 10 2
Auimaes...... 1 11 654
Via-ten ea de S. Francisco . 1 i 9 156
Via-ferrea de Limoeiro . 1 9 10
Londres....... 22 1/4
Pans........ 427
Italia........
Hamburgo...... 529
Lisboa e Parto..... 239
Principaes eidades de Portu-
gal........
New-York......
Do Losooa Bjie :
.W djv
Londres.......221/4
Psris........ 427
Italia..........
Hamburgo...... 529
Portugal...... 239
New-York......
Do Eholisb Bank :
22
431
431
534
241
2i6
2427U
vista
22
431
431
534
241
24270
Somma.
i.ta
Deapactios de exportoslo
HEZ DB AGOSTO
Nos dias 1 10, toram despachados na Alfan-
dega os artigos seguintea :
Pura fra do Imperio
Agurdente..... 1.969 litros
Algodao......636.646 1/2 kilos
Barca portugneza Claudina, diversos artigos, pa-
ra o Porto..
Vapor inglez Mondego, diversos artigo*,
Bueiio-Ayres.
Vapor uglez La Place, algodao, para Liverpool.
Vapor ingles Sculptor, diversas artigas, para Li-
verpool.
Navio* a oenc-arsa
Vc'AOKO OO BlUALHO
Escuna ingleza Emolator.
Lugar inglez Florease.
Lugar inglez Cluli.
QU1DB0 OO XABQUE
Barca nacional Marianniiha.
Escuna dinamarqueza Fides.
Escuna alienta tesine.
Bscuna a I lema Fritz.
Escuna uoruegueuse Reform.
CABVO DB PEORA
Barca dinamarqueza Jorgen J. Lolz.
Barca norueguense Homborgsund.
TBILHOS DB PBBBO
Brigue portugus Fiyueirense.
UADBIBA
Barca norueguense Vernica.
QOHDURAS
Barca nacional Marinho XI.
vahos qexbhos
Patacho portugoez Ventas.
O Dr. Manoel Cabral de Mello, juz municipal e
de orpbos neste termo de Nazareth, por Sua
Magestade Imperial, etc.
Fofo saber a quantos o presente edital virem ou
delle nctieia tiverem, que no dia 16 de Agosto,
ao meio da, em casa da cmara .deste municipio,
depoia dos pregoes e pracas,- do estylo, se ha de
anenatnr a quem mais der de reo la trienal, o
engenho Saguira desta comarca, uoente e carrn
te, cuj 1 engenho foi avaliado na quantia de....
l:-0"4000 de renda annual, e vai prafa a re-
quenmento do Dr. curador geral 4os orphas, sob
as seguintea condico '8 : de sf r obrigado o arre-
matante a conaervar e zelar ai* obras e matas 00
De ordem do Illm. Sr. Dr inspector, se faz pu-
blico que s 11 horas do dia 13 do mes eorrente.
serio vendidas em praca, na parta desta repart
cao, as seguintea meicadorias :
Urna caixa marca BF" n. 38 vinda de Bardeaux
no vapor francez Senegal, entrado no mez de Ja-
iba ultimo, contendo 27 kiloa. peso liquido, de ao-
iiunc s impresos em mais de urna er, e 9 kilos,
peso liquido, de annuncios impressoa em urna cor,
abandonada aos direitos por P. Loques.
Um barril marca M vindo do Havre n vapjr francez Ville de Alara-
11/tj, entrado (:ti "21 dem i iem, contendo fumo
em tabaco, pesando liqnido legal 117 kilos, aban,
donado una direitos por Meuron & C.
3* seceo da Alfandega de Pernambuco, 10 de
Agosto de 1887.O chefe,
Cicero B. de Mello.
Secretaria ta veneravel ordena ter-
celra do Heraplilco Padre S. Fran-
cisco, ena T 1 le Agoisio de iss
De ordem do carissimo irino ministro, convido
a todoB os nossos carissimas irmos em geral a
camparecerem no dia de 8egunda-feira 15 do eor-
rente mez, pelas 9 1/2 horas da manila, na igrej*
de nossa veneravel ordem, afim de assistirem a
missa solemne N. 8. da Ajada, padroeira dos
novc/as, na q-jal pregar o distiucto orador Rvm.
padre ommeadador Manoel Moreira da Gama.
Igualmente envida a todos es candidatos ap-
provades para entraren) de irmos, e aos nossos
carissimas irmos novicos, spprovados para pra-
fessari m. a campaiecerem una e outros para rea-
lisarem suas entradas e pn.fissoes s mesmas ha-
ras do dita dia.O secretario,
Arthur Augusto de Almeida.
gocieilitde I niaii c:*mnie>rcial Bene
renle do HerclelroN
De ordem do 8r. presidente da assembla geral,
convido os st nliarea socios a compareecrem na res-
pectiva sed* dominga 14 do andante, s 4 horas
da farde, afim de apreciaren! a leitura do rotato-
rio e comas da administradlo fiada em 30 de Ju-
nha prximo passado. Recife, 11 de Agosto de
1*37.=0 1 secretario.
M. Cap Cli Muid i Hegatas
De ordem do Sr. presidente deste club, convido
os senbores s >cios para urna reunia de assembla
geral, que dever ter lugar na s le do meamo
club, ao meia dia de 14 da eorrente, afim de ele-
ger-seol- secretario, visto como o e'.eito na reu-
uio de 7 nao leeitoo.
Secretaria do Club Internacional de Regatas,
11 d Agosto de 1887.O 1- secretario,
Joaqun Alves da Fonseca.
\. P. II.
Assuoar.....
Borracha.....
Carocas de algodao.
Coco (tructa) .
Couriuhoa e pellez .
Cuuroa salgados.
Doce......
Ferro velho ....
Metaes velhjs
Piaasava.....
Praocboes de amarello.
Semeutes de carrapato.
1.743.423
75 .
151.275 .
5.O00
200
13.551 kilos
55
52 tonelad.
3 >
3.000 kilos
69
3.880 kilos
90 djc vista
Londres....... 22 1/4 22
Pars........ 427 431
Italia........ 431
529 534
239 241
Principaes eidades de Porto-
g'........ . 246
liba dos Acores 249
liba da Madeira .... 246
New-1'.irk..... 24270
Mercado de aaaucar e algodao
KECIPS, 11 DB AGOSTO DB 1887
Astticar
Os precos, pagos ao agricultor, continuara a re-
guiar aos algariamos abaixo, por 15 kilos :
Agurdente
Aleaos.....
Algodao .
Assucar.....
Cucos (fructa) .
Doce......
Espanadores de penua .
Folhas de jabaraoJy .
Meaicameutts .
Uleo de moclo .
,'lto du ricino .
Pranchoes de viubatico.
Rap......
Sal......
Tamancos .
Vassonras de piassava.
Vinha de jurubeba .
Para dentro do Imperio
.... 122080 litros
9.00
26.853 kilos
173.193 .
12.100
350 kilos
80
50 kilos
1 caixa
75 kilos
1.800
12
216 1/2 kilos
10.000 litros
3 fardos
50 duzias
46 velumes
Para o exterior
Para O interior
BECAPITtrLACAO DO A83DCAB
1.743.423 kilos
173.193 >.
Somma
1.916.616
Vatio a carca
Eitio seudo despachados os seguintes :
Bngue portugus Armando, diversos artigos, para
o Porto.
Pauta da Alrandesa
SBMAHA DH 8 A 13 DB AGOSTO DB 1S87
Aaaucar refinado (kilo) .... 146
A.-sueur branco (kilo) .... 126
Astwr niascavadj (kilu/ 066
Alcool (litro)....... loO
Arros com casca (kilo) 65
Agurdente e...... 056
Algodao (kilo)...... 373
Borracha (kilo)...... 14066
Coa raa seceos salgados (kilo) 460
Couros seceos espichados (kilo) 585
Couros verdes (kilo)..... 275
Cacao (kilo)....... 400
Caf restlho (kilo)..... 320
Carnauba (kilo)...... 366
Canees de alroda (kilo) 014
Carvo de pedra de Cardirl (toa.) 164000
Caf bom (kilo)...... 460
Cachaca (litro)...... 056
Farinha de mandioca (litro) 035
Fumo restolho em rolo (kilo) 405
Fumo restolho em lata (kilo) 50
Fuan bom (kilo)...... 7o
Fumo em folha bom (kilo) 720
Fumo em folba ordinario (kilo). 400
Gcneora (litro) .'..... 200
Mel (litro)..... 040
Mimo (kilo)....... 010
Taboados de amarello (duzia) 10040J0
Juroa e dividendo*
Esto sendo pagos os seguintea :
DIVIDA PUBLICA
Apolicea geraes e provincias.
Apatices municipaea (rs. 151 256).
LETTHAS HYPOTHECABIAS
Do Banco de Crdito R:al, 7 0/0, ultimo se-
mestre.
BASCOS
Crdito Real de Pernambuco, 2. dividendo,
razo de 5 0/0 sobre o valor das entradas reali-
zadas do capital, oa 34000 por telo.
Brtuil, 67." dividendo, na razo de 9000 por
aeco. Esto encarregadoc desse pagamento os
agentes Pereira Carneiro & C.
CARRIL DB FEBHO
Trhos Urbanos do Recife Olinda e Beberibe,
25 dividendo, razo de 8 0/0. O pagamento'
faz se na escriptono da companhia naa tercas e
sabbadoa.
OHFAMHIAS
Companhia de Edi/icacio, joros das accoea e '
midas, vencidos em 31 de Dezembro do anno pas-
sado.
Memorial
Aos accionista, da Estbaoa dk Febbo do Rui ul-
ulo ao Bonito foi marcado o prazo de 60 dias, a
coatar de Agosto eorrente, para realizarem a 7.*
entrada de 10 0/0 de suas accoes.
Aoa contribuintes doa irapostos de odustria e
prodsso e predial, foi marcado o prazo de 30
das, que terminar 22 do corrate, para apre-
seutarem na Recebbdobia Gebal as reclaraa;ds
que porventnra tenbam de fazer com relacla ao
ultimo laocamento.
Com o descont de 4 0/0 e at 30 de Setemb-o
vindouro, sero substituidas na Thbsoobakia de
Fazenda aa notas do valor de 24000 da 5. eatara-,
pa, 54000 da 7. e 104000 da 6.
Importaco
^Barca nacional Mantillo XI, entrada do Rio
(runde do Sul em 10 do eorrente, e conaignada a
Jos da Silva Loyo 4 Filha, maoiteatou :
Graxa 179 pipaa.
beba ,1,165 barricas ordem.

As.soriaci' Portuguesa de Bene-
fieeucla
2a R-uailo da assembla gerulordioaria
Convido os Si'S. socios, a rcunirem-se aa sede
social, domingo 14 dj crrente, ao meio dia, afim
de elegerem os diversos poderes que consttuem
esta Hasoctufa para o anno social de 1887 a
1888.
Outr'sim, ueta assembla tambem ser pasta
em discusso urna propasta de interesse sociai
apreseotada ca ultima sesso a qual fui delibera-
do insudar a commieao respectiva para dar pa-
recer.
Bento de Aguiar,
1* secretario da asserabl* geral.
Recife 12 de Agosto de 1887.
Sania casa da misericordia do
Recife
De ordem do Exm. Sr. desembargador provedor
desta santa casa, convido a todos os senhores ir-
mos da mesma santa casa para a festa da pa-
droeira N. S. do Paraizo, que tem de ser celebra-
da pelas 10 horas da mauha do dia 15 do corren-
te, na igrej sle da respectiva irmandade.
Secretaria da santa casa de misericordia do
Recife, 11 de Agosto de 18S7.
O escrivlo interino,
Francisco Gomes Castellao.
Comi geral
Malas a expedirse hoje
Pelo vapor inglez Mondego, esta administraco
expede malas para os portos do sul e Rio da Prata,
recebendo imprestos e objecios a registrar at 2
hora- da tarde, e cartas ordinarias at 3 horas
ou 3 1/2 com porte duplo.
Adminstracao dos eorreios de Pernambu !0, 12
de Agosto de 1887O administrador,
Affonso do Reg Barros.
Contraria de S. Crispir e S Crispiniano,
no convento do Carino do Recife
De ordem do iroio nrocurad-r geral, convido
aos Srs. ex provedores da mesma confraria para
comparecerem cm nossi consistorio, no domingo,
14 do eorrente, s 9 heras da manh, afim de rea-
nidos em conselho fiscal, tratar-se de assumpto
que s a elle compete, de acaordt com o art. 63 do
usso compramsso.
Recife, 11 de Ag03ta de 1387.
Eloy Martiniano Lopes Galvao,
Secretario.
Club Drama1 ico Familiar
Assembla geral
Em observancia ao disposto no art. 22, combi-
nado como art. 25 das estatutos, sai convidados
oa socios d -ate Ciub a se reu.iirem na sede social,
ra do Imperador n. 41. 1 andar, no do.ninga 14
do eorrente, s 10 horas da manh, para era assem-
bla geral ordinaria ouvir.-ra a le,tura do relatorio
da directora, referente ao movimento da aocieda-
de no mez de Julln lindo, e a prestaco de eontas
do espectculo dado no referido mez.
Secretaria do Club Dramtico Familiar, 11 de
Agosto de 1887.
O 1 secretario,
Augusto Wanderley.
Estrada de ferro do Ribciro ao
Pelo presente fago saber aos Sra. accionistas
desta etnpr"za, que apenas reahsaram a 3.a en-
trada de 10 / de suas actes, constantes das cau-
tellas ns. 19, '8, 29, 34 e 35, que em virtude do
disposto no o. 1 do art. 9 dos est*tutos, fica-lhes
marcada o praso de 30 das, a contar de 16 do cor-
ren! mez, para realizarem a 4 a entrada de suas
accoes.
Cjtroaim, o accionista que na realisar suas en-
tradaB no pra80 determinado, perder um beneficio
da empreza as entradas que j tenba feto.
Recite, 11 de Agosto de 1887.
Jos Bellarmino Pereira de Mello,
O iireietor secretario.
' e 1 a 10
Iden d 11
Recite Drainage
10.-25724
1:7074641
11:9644765
S. M. Q. M.
Soeiedade Huaical Marco
De ordem da Sr. presidente e combinado do
Sr. pratessor, scientifico aos senhores socios em
geral, que a contar de 7 do correute em diante se
observar a seguinte tabella de ensnos e ensaios :
Aulas
Segundas-, quartas, quintas e sabbados, das 6
s 7 1/2 boraa da noite.
Kutaios da banda
Segundas, quintas e sabbados, das 7 1/2 s 9
1/2 horas da naite.
Ensaios de orckestra
Quartas feiras, de 7 1/2 s 9 1/2 hora6 da noite,
e domingos, das 11 4s 2 horaa da tarde-
Secretaria da aociedade musical Quartorze de
Mar;o de 1887.O secretario,
Aprigio Firmino Baptista.
Vernica ordem.
William ordem.
Exportaco
BKCITB. 10 DB AOaFTO DB 1887
*ora o exterior
So- vapor ingles Sculptor, carregaram :
Para Liverpool, J. Pater ot O 385 saccas com
20,316 kilo da algodao ; P. Carneiro & C. 100
saccaa com 7,230 kilos de algodao e 1,200 saceos
com 90,000 kilos de assucar mascavado ; F. Cas-
.-.ia & Filho 154 saceos com 11,550 kilos de assu-
car mascavado.
No vapor ingles Nosmyth, carregaram :
Para Liverpool, S. Brothers & C. 900 saccas
com 37,261 kilos de algodao ; Machado de Pereira
307 saccas com 19,659 kilos de algodao.
= No vapar inglez La Place, carregou :
Para Liverpool, J. H. Baxwe.ll 624 saccas com
(1,831 kilos de algodao
Na barca portugneza Claudina, carrega-
ram :
Para o Porto, J. S. Loyo & Filho 18 praachoes
de amarello.
Para o interior
No vapor inglez Mondego, carregaram :
Para Uruguayana, P. Carueiro j C. 50 pipas
com 21,000 litros de agurdente.
Slcutlhueatu* publico
Rend geral
U;l a 10
dem o 11
MEZ DB AGOSTO
Al/aniega
227:8234!07
40:2074664
Mercado Municipal de S. *on
O movimeutudeste Mercado no dia II de Agosto
foi o seguiute :
Kn-rarain :
411/2 boiapcaando 6,0J5 kilos, sendo de Oliveira
Castro, 25 ditos de 1* qualidade, 3 de 2>
e 13 1/2 ditos particulares.
317 kiloa de peixe a 20 ris 64340
75 cargas de farinha a 200 ris 154000
32 ditas de fructaa diversas a
3(H, rs. 94600
10 taboleiros a 200 ris 24000
11 Suinos a 200 ris 24200
Poram oceupados :
24 columnas a 600 ris 144400
25 compartimentos de farinha a
500 ris. 124500
22 ditos de comida a 500 ris 114900
66 ditos de legumea a 400 ris 264400
29 ditos de fazendas a 400 ris 114600
18 ditos de suino a 700 ris 124600
11 ditos de tressuras a 600 ris 64600
l'l talhos a 24 20400.'
8 ditos a 14 84000
A Oliveira Castro 4 C.:
54 talhos a 14 54400b
Oeve ter sido arrecadada nestes di.s
a quantia de 2124240
Rendimentc des dias 1 a 10 2:1574460
Foi arrecadado liquido at heje 2:3694700
Precos do dia i
Carne verde de 203 a 400 ris o kilo.
Carneiro de 720 a 800 ris idem.
Sainos de 560 a 640 ris idem.
tf'annha de 160 a 240 ris a cuia.
Milho de 260 a 320 ris idem.
Fcijao de 640 a 800 idem.
aiadouro Publico
Fcram abatidas no Matadouro da Cabanga 69
rezes para o consamo do dia 12 de Agosto.
Sendo: 46 rezes pertencente a Oliveira Castro,
& O, e 23 a diversos.
Embareacdea
II
porlo em
Rooda provincial
De a 10
dem de 11
24.1901316
4:3351662
268:0314571
28:526 0C8
De 1 a 10
dem ui 11
De 1 a 10
dem "* ll
Recebedoria geral
296:5574579
11:003*635
1:5324609
Recebedoria p.uuinciai
12:5364244
9:029*424
5094600
9:5394024
surta* no
de Agosto
NACIOMAK8
Armando consig. Loyo t'qui Companbia Pernambucana.
Lainego(canboueira de guerra).
Marianniuhaconsig. Baitar Oliveira & C.
ManJab Companhia Pernambucana.
Marques de Casias Domingos Alves Matheus.
Marinho XI Jote da Silva Loyo & Filho.
Piranama Companbia Pernambucana.
ESTRANQKIRAS
Armidaconsig. Fonseca Irmos & C.
Claudina Loyo i Filho.
Cluta Saunaers Brothers 4 C.
Elston ordem.
Emolator4 Johuston Pater & C.
Fi.es ordem.
Fritz Baltar Oliveira 4 C.
Figneirense ordem.
Florence Sauudera Brothers & C
[ Gesne Pereira Carneiro 4z C. ,
# Hanaa Fonseca Irmos 4 C.
Hombargsnud Wilson Sons 4 C.
Jorgen J. Lotz ordem.
La r/lsce Saanders Brothers 4 C
Merchant Johuston Pater 4 C.
Mondego Amorim Irmos 4 C.
Nasmyth Saunders Brothers 4 C
Polstyernen Fonseca Irmos & C.
Reform H. Landgren 4 C.
Sculptor S. Jobnaton & C.
Verisas Amorim Irmas 4 C.
O signal indica ter a embarcaco sabido.
Vaporea u entrar
DOS PORTOS DO BOX
Trenta 14.
Sergipea 14.
Sorataa 15.
Alliancaa 16.
Par-a 17.
Orenoquea 19.
Espirito Santoa 27.
La Plata-a 29.
DOS PORTOS DO MOBTH
Manosamanh.
Pernambucoa 24.
DA EUROPA
Tagusa 24.
DE HAUBUBOO
Paranagu a 15.
DE KBW-POBT
Advancea 19.
Vaporea a aablr
Mondego boje, s 6 horas da tarde, para o Ris
da Prata, tocando em Jaragu, Macei, Babia
e Rio de Janeiro.
Ni-smythhoje, pela manha, para Liverpool.
Manos amanh, s 6 horas da tarde, para 08
portea do sul.
Trenta 14, 1 hora da tarde, para Southamp-
ton e partos da escala.
Marques de Caxias a 14, s 4 horas dajtarde,
para Maco, Mossor e Aracaty.
Sorata a 15, ao meio da, para Liverpool e por-
tes da escala.
Paranagua 16, s 11 horas, para o Rio de Ja-
neiro e Santos.
Giqnia 16, ao meio dia, para Fernando de No-
ronha.
Alliancaa 17, s 10 horas, para New-York, com
escala por Maranha, Para, Barbados e S. Tho-
mas.
\avioti 6 entrar
Bella Rosade Terra Nova.
Expeditde Hamburgo.
Farwardde Liverpool.
Lidadordo Rio Grande do Sul.
Mariedo Rio de Jaueiro.
Mariettado Rio Grande do Snl.
Ninade Cardiff
Petrus de Savannab.
Positivodo Rio Grande do Sul.
Temerariodo Porto.
Tiberde Halifax.
Union de Santos.
Withelminede Hamburgo.
Hovimento do porto
Navios entrados no dia 11 de Agosto
Liverpool e escala21 dias, vapor ingles Mer-
chante, de 895 toneladas, commandante J. D.
Plafts, equipagem 27, carga varios gneros : a
Johastn Pater 4 O.
Santos 6 dias, vapor inglez Elstowe, de
1,040 toneladas, commandante Th. Robetsone,
eqaipagem 21', em lastro ; a Borstelraan 4 C.
Soutnamptou e escala 16 das, vapor ingles
'Mondego, de 1,464 toneladas, commandante
S. D. Spooner, equipagem 73, carga varios g-
neros ; a Amorin Irmos 4 C.
Sahidos no mesmo dia
Barbados = Barca allem .Hansa, capitn H.
Lorenzen, em lastro.
Observaeo
Procedente do Rio Grande do Sal fundiou no
Lamaro hontem s 7 horas, a barca nacional
Alice, afim de receber aqui o pratico da costa
para conduzil a a Maco, onde vai carregar sal,
o que effectuou, leguindo seu destino s 10 hora*
da mnnhi.


T


Diario de Pernambuco---Scxta-fcira 12 de Agosto de 1887

>
Obras publicas
De ordem do Illra: 8r. engenbeiro director geral
gieoe publica e para cumprimento do srt. 92 do das obras publicas e de conformidade com a au-
Inspectora de higiene publica
De ordem do Sr. Dr. inb jector interino de ny-
regulameoto sanitario, chamo a attenco dos se
ohores mdicos psra a seguinte disposicio do mes-
mo regulamento :
9 o O medico que verificar um doente de que
trate, e quando nao reinar epidemia, algom caso
de biolestia pestilencial, dever participar inme-
diatamente o tacto autoridade sanitaria.
A nfraceo ser puuida com a multa de 200
E para qu-j chegu" a) conbecimonto de todos,
faco publicar o presento pela imprensa.
Secretaria da Inspectora de Hy^ne Publica,
10 de Agosto de 1887O secretario,
Guilherine Duirte.
aJEBgGg
a uiioaa e
AOS PASSAGEIROS PORTA-
DORES DE SERIE
Em vrttide do desejo manifestado por mais de
un dos Srs. passageiros desta cathegoria, resolveu
a directora reunida em .esso ordiuaria bontem,
que fossem validos os bilbetes de series iodiatinc-
tameute dentrj do n- z, para o qual tiverem sido
emittidua, segundo o numero de vmgens contidas
em c^da taio : ficando por esta forma abolida a
restneco de t ser aceita um viagem diaria de
ida e volt*.
Funda-te e.-ti alter.-ico no tacto de allegarem
alguna dos sobreditos p-iSrageiros que para ellos
urna viagem perdida a dos das sanctificados, so
passo qu poderla a mesma ser aproveitada para
um i segunda vez em qualquer dos das uteis. E
fica-lhes asaim o direit" de fazer at as 30 vi.igens
n'um s di, cajo jolguem opportuno nease praso
esgotar toda a serie.
Escriptorie o gerente, 10 de Agosto de 1887.
O director gerente,
A. P. Simoes.
torisafao de S. K\c. o Sr. presidente da provincia
de 30 de Julho ultimo, faco publico que no dia 25
do crtente, ao meio dia, na mesma repartido,
recebe-Be propostas para a obra de reconstruciao
da ponte do Junqueira sobre o rio Pirapama, or-
eada em 8:670*207.
A planti, orcamento e clausulas especiaes do
contracto acham-so nesta secretaria para serem
examinados por aqu lle. que protenderem arre-
matar a mesma obr>, de scc rdo com o que dispoe
os arts. 70 73, 83 c tO, 98, 97 101, 106, 115 e
116 do regulamento de 20 de Junbo do corrente
anno.
Secretaria da repartidlo das obra; publicas de
Pernambuco, em 2 de Ag>-to de 1887.
O eogenlieiro secretario,
Joaquim (james do Uliveira e Silva.
Inaed SUtcs & Brasil 1- S. S- C
0 niHT AlllUSR
E' esperado dos portos do
sul at o dia 16 de Agosto
depois da demora neeessaria
seguir para
Haranho, Para. Barbados, H
Thoiuaz e XewYort
Para carga, passagens, e ic mmendaa udinheirt'
a frete, tracta-se com o
O vapor Advance
garros, lindos jarros, mobilias, camas, guar-
das-Ioucas, marquezoss guardas-vestidos e mu
tos outros movis, loucas, copos, talheres, co-
lheres, cognac, genabras, vinho e gran Je quan-
tidade de mindezas. .
Sexta-feira 12 do corrente
A's 11 horas
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 19
POR INTERVENgO DO AGENTE
Gusmo
2o Leilo
Espera-se de New-r-ort.
News, at odia 19 e Agosto
o qual seguir aepo:n da
ditnora nec ataa p-ira
Por dcliberaco da directora sao chamados os
Srs. accinistas desta empresa, para no praso da
60 dias a contar de 4 do crrente mez, rcalisarem
a 7' entrada de 10 "/ de suas accVa nos termos
do nico do art. 4" des estatutos.
Keeife, 3 de Agosto de 1887.
Jos Beliarmino Pereira de Mello,
Director-secretario.
u
De hojepor diante os presos
dos inateriaes da Otaria a Vapor,
serao regulados pela tabella se
guinte, sem descont:
Tjolis grossos formato com-
jiiiiin, milheiro 18$ Ditos fr-
malo pequeo .6$ Telhas, mi-
lheiru 5o$, Ladrihos de diver-
sos formatos SOjMO.
Recife, de Agsolo de 1887.
Vcncravel Irmaniladc do San-
livsiiuo Sacramento
Pelo presente esnvido aos iimos desta vene-
ra vr I rmandade a comparecorem no respectivo
consistorio s 11 horas da inanh do dia 14 do
corrente, para o fim de proceder-sc a eleico dos
irmos que preeocham as vagas existentes na me-
sa reged >ra do anno compromissal de 1887 a 1888.
Consistorio, 11 de Agosto de 1887.
O escrivo,
Jos Dins Alvares Quintal.
GERENTE INTERINO.
ii
DO
BRASIL
Capital ao.ooo:oo o:
dem reallsado s.ooo.ooo*
A caixa filial d'es'e Banco funecionando tem
porariamente roa do Commercio n. 38, saca,
vista ou a praz >, contra os seguintes correspon-
dentes no estrangeir* :
Londres......... s/N. M. Rothschil & Soas.
De Rotbschild Frena.
Deutsche Bank.
Banque d'Anvers.
Banca Genrale e suas
agencias.
Manta Casa de Misericordia do
Recife
Pjr esta secretaria sao chamados es prenles
ou protectores das menores abaixo declaradas,
par.:, at o dia 30 do corrente, apresen tal-na no
collegio das srphas, afim i e serem ah admittidas.
visto Hcharem-se inscriptas em primeiro lugar, no
respectivo quadro.
Laura, filba de Miguel de Souza Galvo e Isa-
b I Alaria da Silva Gralvo.
Sydronia, filha de Cosme Damiao Feiippe da
Silva e Constancia Mara da Carino.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 16 de Julbi de 1887.
O cscrivo interino,
Praneisco Gomes Castellao
Manta Casa de Misericordia do
I&eclfe
Na secretaria da Santa Casa arreoda-se os ee-
guintes predios :
Ra d > Bom Jess n. 13, 3- andar.
dem dem u. 44, l- andar e loja.
dem do Vigario Thenono u. 22, 1- andar.
Idein idem n. 25. sobrado.
dem do Marques de Olinda n. 53, 3- andar.
dem do Apollo n. 24. 1- andar.
lie ii da Moda n. 4'.
Ipem idem n. 47.
dem idem n. 49.
dem idem n. 37.
dem da Lingeta n. 14,
Bccco do AWreu n. 2, 2-
Secretaria da Santa Casa de Misercordia do
Recife, 25 de Maio de 1887.
O escrivo intrino,
Francisco Goics Castellao
Baha eRio de Janeiro
Para carga, pass.igcns, e encommendas tracta-
e com os
AGENTES
Jicnry Forster & C.
N 8 RA A) (JOMMERCIO -N. 8
. aitdut
fiOYALAiL STEA.1 PACKET
COMPANV
O paquete Trent
E esperado
do sul nodial4de
corrente seguinio
depois da demora
neeessaria para
N. Vicente, Lisboa, vigoe Son
thampton
Reducgao de passagens
Ida Ida t volta
A' couthampton 1 classe 28 42
Camarotes reservados para os pasaigeiros de
Pernambnco.
Para passagens, fretes, etc., tracta-se cem os
Consignatarios
Do sobraron. 138 da rna do Coronel Suassuna
Sexta feira, 12 do corrente
A's 11 horas
NA RA NOVA N. 24
Por mandado e com assistencia do Exm. Sr. Dr.
juiz de orphos, a requerimento da inventarame
do espolio da finada D. Maria dos Sontas Pinbei-
ro, o agente Modesto Baptista, tara leilo do so-
brado cima declarado, perteocente ao mesmo ex-
polio, servindo de base a offerta de 1:200.
Leilo
Terca feira 1 do corrente
A's I lloras
RA NOVA N. 24
De um cofre novo prova de togo, 3 mobilias.
sendo de Jacaranda, mogno e junco preto, esta
nova, 1 guarda-vestido novo, 2 apparadores, 2
mesas elsticas sendo urna nova, 2 fiteiros, 2 pia-
nos, 1 guarda-loucas com repartimientos, 1 secreta-
ria, camas de casal, cadeiras de bracos, bancos de
madeira, bercos..ricos quadros, espelhos, jarros,
candieiros elctricos, 2 cadeiras para barbear, 2
mezas de pedras para cabellereiro, perfumaras,
miudezas, brinquedos, papel, maisena, vinhos di-
versos e outros muitos artigos.
O agente Modesto 15 .ptista, tendo de entregar
as chaves do armazem cima declarado, far leilo
ao correr do martello, para liquidar contas de mor
parte dos objectos cima declarados.
Precisa-se de um homem que entenda de
servico de sitio ; a trabar na cstaco da Jaqueira
sitio do Dr. Valenca.
AMA
_
Prociaa-se de urna ama para comprar e
connhar em casa de familia: na ra da
KiacLuelo n. 13 se dir.
2. leilo
Amorim Irmos &C.
S. 3- RA DO BOM JESS N. 3
1- a-.dar.
andar.
de Misercordia
ampfschinrahrts-Gesellschal
O vapor Paranagu
Esperase de HAMBURGO.
por LISBOA, e AZORES at
o dia 15 do corrente, seguin-
do depois da demora neees-
saria para
Rio de Janeiro e Santos
Para passageiros e carga a frete trata-se com os
CONSIGNATARIOS
Borsteimann & C,
RA DO COMMERCO N. S
i* andar
DE
PRKDIOS
De urna parte do cobrado sito ra da Aurora
n. 151, avaliado em ?:000000, sendo de 3:344457
o valor da parte a qual ser entregue sem limites.
Da casa terrea sita ra do Coronel Lamenha
n. 35, antiga dos Prazeres, frrguezia da Boa-
Vista, com 1 porta e janella de frente, 2 salas, 2
quartcs, cosinba, quintal murado, cacimba, me-
dindo 9 metros e 6 centmetros de frente e 9 me-
tros e 35 centmetros de fundos.
Nexta-feira, l' do corrente
A's 11 horas
iVo armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 19
POR INTERVENGO D0NAGENTE
Cnsmao_________
Agente Burlamaqui
lHih flBflntFO
corrente
Agente Pestaa
Leilo
Das ruinas do sobrado incendiado, sito
ra do Mrquez de Olinda n. 42
Terca feira, te do corrente
Ao meio dia
No armazem de agencia de leudes ra do
Vigario Tenorio n. 12
O agente Pestaa, autorisado por mandado do
Exm. Sr. Dr. juiz de orpbos, vender no dia e
hora cima mencionados, as ruinas do sobrado
ra do Mrquez de Olinda n. 42, que pela sua ex-
cellente localisacilo chama a attenco dos Srs. can
pradores; servindo de base a offerta de 7:2150O0,
de urna respeitavcl senhera.
Protesto
Francisco de Salles d'Albuquerque, estabelecido
com loja de caloados ra do Livramento e. 35
vea pelo presente^responsabilisar, p;r perdas
damnos que soffrer posea no seu estabelecimento,
por effeito de r^edificaco o-ie est presentemente
fasendo no predio visinho n. 37, o seu actual pro-
pietario Antonio Joaquim Vinhas Maia.
Recite, 10 de gesto de 1887.
________Francisco de Salle de Albaquerque.
Freguezia do Recife
Alnga-se por 8 o sotj do 1- andar n. 63 da
ra di Visconde de Itaparica antiga do Apillo,
no mesmo precisa-se de um criado, paga-se bem
Criado
Precisa-se de um na ra da Santa
trazendo attestado de conducta.
Cruz n. 10,
Leilo
PaciGc Searo ftavigationtompan;
STRAITS OF MAGELLAN LINE
Paquete Sorata
aARuilOS
Pars...........
Hamburgo.......\
Berlim..........f ,
Bremente......../
Frankfurts/ Main'
Antuerpia....... >
Roma.........
Genova.......
aples.......
Miio e inais 340
cidades de Ita-
lia..........
Madrid........
Barcelona.....
Cadir..........
Malaga.......
Tarra_'in,' ....
Valencia e outrasl
cidades da Hes I
Suba e ilhas |
narias......
Lisboa..........
Porto e mais ci-'
dades de Por-/
tugal e ilbaa. .
Buenos- Ayres-----
Montevideo
Nova York....
Banco Hypotecario de
Espaua e suas agen-
cias.
Banco de Portugal
suas agencias.
Ri-
Engsh Bank of tbe
ver Pate. Limited.
(i. Amsick & C.
Compra saques sobre qualquer praca do impe-
rio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de movi-
mento com juros a larao de 2/o *o anno e por le-
tras a prazo a juros convenciouados.
O gerente,
William M Webster
Vacciua publica
De ordem do Exm. Sr. Dr. presidente da pro-
vincis, declaro que no Gymnasio Provincial ha-
ver vaccina publica todas aa quintas -teiras, das
11 horas ao meio dia, ou em qualquer da saati a
sesma hora.
Gymnasio Piovincial, i de Agosto de 1887.
Dr. Estevas Cavalcaute oe Albuquerque.
b. K. J.
Wocl<*ilH<- Rprrealia Jai enlode
Comtnemoraco do seu "3." annivereari} em
14 da corrente
A presidencia desta sociedade, agradeendo a
seus convidados o amuvel acolhimento que dispen-
saran) s ''ommissVs que entregaram os convites
para sua testa anniversaria, participa-Ihes que
a seeso da installaco da banda musical comeca-
r as 9 horas da .noite, e fiodu, principiar o
sarao.
Os senhores socios podero desde ja procurar
seus ingre^sos em pider do Sr. tli- soureiro.
Previne-se que uo se udmittiro aggregados.
Secretaria da Fnciedade Recreativa Juventude,
5 de Agosto de 1887.O 2 secretario,
Jos de Mediis.
Bu. ef i fie Janeiro
Lile
Capiti.1 do Banco....... 1.000,000
Capital realisado......... 500,000
Fundo de reserva....... 200.00G
A contar desta data e at ulterior reso-
Iugao, conceder-se-ha juros de dous por
cento ao anno, sobro os saldos do dinheiro
depositado em canta corrente de taovimen-
to no mesmo Banco.
Recebe-se tambem dinheiro em deposito
a jaros por penlos determinados, oa su-
jeito ao aviso pivio de triota das para ser
retirado, mediante as condicfos de que se
dar conbecimento aos i'teressadop.
"Pernamcuco, 23 de Maio de 17.
Henrp K, Gregory,
Gerente.
fonfianhli Bahiaaa de aavesa-
co a Vapor
Mfec-ii, Villa Nova, I-euedo, Aracaj,
Estancia o Baha
PORTOS DO SUL
0 vapor Sergipe
Ccmmandante Pedro Vigna
E' esperado dos or cor ci-
ma at o dia 14 de Agosto,
e regressar para os mes-
mos, depois da demora docos-
tume.
Para caiga, passagens, encommendas e dinheiro
frete tracta-se na agencia
PORTOS DO NORTE
laco. lossoro c Aracaly
0 wjor Marauez de Cs
Cammandante J. J. Coelho
segu impreterivel-
coente para os portos
cima no dia 14 di
Agosto, as 4 horas dt
tarde. Recebe carga
'nicamenteat ao li2
dia do dia 13'
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete, trata-se na
AGENCIA
7iua do Vigario 7
Domingos Alves Hatheos
< Ol t MCE I! *:* HENNAUK-
11112* 1AHITIIKS
LLNHA MENSAL
0 paquete Orenoque
Oommandante Moreau
E' esperado dos portos de
sul at o dir. 19 do corrente,
seguind'', depois da demora
do costuine, para Bordeaux
tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos senhores passageiros de todat
as classes que ba lugares reservados para rst*
agencia, que podem tomar em qualqcer lempo.
Faz-se abatimonto de 15 / em favor das fa-
milias composta de 4 prssoas ao met>os e que pa-
garen 4 passagens inteiras.
Por excepeo os criados de familias que torna-
ren) bilhetes de proa, gosam tambem U'este abati-
mento.
Os vales postaos s se tta at dia 17 pagos
de contado.
Para carga, passagens. encommendas e dinheir
a frete : tracta-se com o
AGENTE
Auguste Labille
9 RA DO COMMERCIO-fl
Espcra-se dos portos do
sul at o dia 15 de A-
gosto seguindo para
a Eurojn depois da
demora do costume.
Este paquete e os que dora
em (liante seguirem tocarao em
Plymoulh, o que facilitar che-
garem os passageiros com mai
brevidade a Londres.
Para carga, passagens, encommendas e din-
heiro a frete traeca -*e coro os
AGENTES
%VIImou *ons 1 C, Limited
N. 14-RA DO COMMERCO-N 14
Sexta feira, 19 do
A's 11 horas
So armazem da ra do Impera-
dor D. 30
O agente cima, por mandado e assislencia do
Exm. Sr. Dr. juis de direito privativo de orphaos
e ausentes e a requerimento do encarregado do
cnsul de Portugal, c com assistencia do mesmo,
levar a leilo os predios percencentes ao espolio
do finado Manoel deCarvalbo Moura, como sejam :
Urna casa terrea ra Dircita de Afogados n.
68, 1 dita n. Ti, 1 di-a n. 23 a ra de Motocolomb,
: dita n. 29, 1 dita n. 2, 1 dita ra do Bom
Gosto n. 56,1 dita ra de S. Miguel n. 25, 1
dita n. 10, 1 dita n. 10 A, 1 dita travesea, de 8.
Miguel o. 1, 1 dita n. 4, 1 dita n. 18,1 dita n. 25,
1 dita a ra Dircita n. 28, 1 dita ra do Quiabo
n. 52,1 dita a ra Velha de Santa Rita n. 71, (S.
Jos) 1 sitio e casa na Boa-Viagem, metade da
casa n. 21 a ra do Motocolomb, 1 terreno ra
de S. Miguel oqual aforado a Jos Ferreira Cam-
pos e rende annusl 21/, 1 dita no becco do Maxixe,
o qual aforado a Manoel Jos da Costa Cabral,
rende annual 6/400, 1 dito com 7o0 palmos de
frente, travessa do Motocolomb, o qual afora-
do a Manoel Ferreira Escobar e rende annual
70/, 1 dito travessa deS. Miguel cujo terrene
aforado ao Dr. Joaquim Elviro de Moraea Car-
valbo, 1 dito roa de S. Miguel forciro ao Baro
de Serinhem, rende annual 4/320, 1 dito forciro
a Mario Ignacio da Paz, rende annual 7/660.
Os 8rs. pretendentes desde j poderao examinar
as ditas casas e terrenos.
Recife] 9 de Julho de 1887.
Leilo
Do sob ado de 2 andares da ra
da ssumpaO n. 44
Sexta-feira, 19 do corrente
A'S 11 HORAS
RA NOVA N. 24
O agente Modesto Baptista por mandado e com
asistencia do Exm. Sr. Dr. juis de orphos, far
leilo do sobrado cima declarado, pertencenteaos
filhos do finado Livio de Souza e Silva, servindo
de base a offerta d 3:000/1 CO.
De 1 mobilia eovernisada de preto com 1 sof,
6 cadeiras de guarnico, 2 ditas de bracos, 2 con-
solos, 1 jardineira, 2 cadeiras de balanco, 1 es-
preguicadeira, 1 espelho, 5 quadros, 4 jarros 2
candeeiros para kerosene, 2 lanternas, 2 caixas
para pias, 3 escarradeiras, 1 relogio, 1 tapete, 3
capachos, 1 tapete para sof, 1 cama francesa
com colxo e capola, 1 toilett de Jacaranda, 1 lava-
torio com jarro e bacia, 1 cabida americano, 1
banca com gaveta, 1 transparente, 1 espelho, 1
candeeiro, 1 cabide coberto, 1 mesa para jantar,
1 aparador, 1 commoda de ainarello, cadeiras, 1
banco, loucas, vidros e outros objectos.
TERCA FEIRA, 16 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
No 2 andar do sobrado da ra do Bom Jess
n. 59, entrada pelo becco de Jos Caetano.
Por intervenco do agente Gusmo.
Leilo
Offerece-se urna engommadeira para engommsr
em sua propria cusa ou fra delia : a tratar na
ra das Calcadas n. 38.
Charutos da Baha
Os Tcrdadeiros
A' rna :a Madre ira Bans a. 36
O calangro contina a receber de diversos fa-
bricantes, a saber :
Fragrancia, de J. F. de Simas.
Utilidade, de M. da Costa Ferreira.
Barreteo, de Gracindo Barreteo.
Lavor, de Antero Chavos
A Nova Allianca, de V. Cardozc.
Sirias, de J. C. Magalhes.
VERMIFUGE COLME.
CHOCOLATE com SANTONINA
IIFALLim para dtstnir u LOMBRIGAS
bt Vermlfaf o i reeomandido pelo //*
| sea sabor graJattlcooMmo indefinida. A'/-..
Engir a assignatura : J \y 9
LParil ,Pllu COLMET-1'iAaE. hfenutir. FB AS MSItV A i C
Leilo
COMBA%K!i lKh.^A*llll*.A
DE
navega?o Ceselra por %rapor
Fernando de Joronha
0 vapor Giqui
Comandante Lobo
Segu no dia 16 d<*
Agosto, pelas 12 ho-
-ras da manh.
Recebe carga at >
Jdia 13.
horas da msnh do dia da
sat as
Passag.
partida.
ESCRIPTORIO
Caes da Campanilla Weruamhu
cana n. f*
Compaainaa lira .lieira de \ave
gacoa Vapor
PORTOS DO NORTE
0 vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
' esperado dos portos do sul
atjotdia 16 de Agosto, e
seguir depois da demora in-
dispensavel, para os porto*
do norte at Manos.
Para carga, passagens- encommendas e valeres
tracta-se na agencia
PRAQA DO CORPO SANTO N. 9
PORTOS~DOSUL
0 vapor Manos
Commandante 1
ienenle Guilherme Wad-
dington
E' esperado dos ortos do
norte at o dia 12 de Agosto
e depois da demora iudis-
pensavel, seguir para os
po-fos do sul.
Recebe tambem carga para Santos, Santa Ca-
tharin*, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande dj
Sul, frete modic .
Para carga, passgens, encommendas e valores
trata-se na agencia
PRAGA DO CORPO SANTO N 9
Porto por Lisboa
Para os portes indicados seguir brevemente
o brigui: portugus Armando; psra cargu e pas-
sageiros trata-se com os consignatarios Jos da
Silva Loyo & Fho.
Ilha de S. Miguel
Em 20 do corrente seguirl em lastro ou ora a
carga que bou ver, o patacho portuguts Ventas;
consignatarios Amorim Irmos & C.
De urna armado inglesa de louro toda forrada,
urna vitrina coas todos os pertences, 1 registro
e eocanamento e candieiros a gaz, urna mobilia
preta a balo com cadeiras de balanco, consol-
los e jardineira com pedra, 1 cama franceza de
amarello e colxo, 1 marqueso, 1 meia commo-
da de amarello, I aparador, 1 cabide de parede,
1 mesa de jantar de amarello, 1 dita de pinbo.
Sabbado 13 do corrente
A' II horn*
Na loja da ra Urga de Rosario n. 33
Garante se a casa ao cemprador da armaco por
preco rasoavel.
O agente Martics far da armicSo e movis
cima ao correr do martello.
Leilo
Agente Britto
Da armaco e muitos bons generas da venda
sita ra de S. Joo n. 5.
AO CORRER DO MARTELLO
Garante-se a casa
Sabbado, 13 de Agosto
A's 10 e 1[2 horas
De fazendas, miudezas e uro variado sor-
timento de chapeos para senhoras, ho-
roens e meninos.
CONSTANDO
De madapolhoes, algodoes, chitas, chales, case-
mira ingleza, greguelas, gravatas, lenco, baptista,
camisas de meia, pannos para rede, atoalhados,
meias, panno de linbo, casemi.-a e pannos pretos.
toalbas, casacos e umitas outras fazendas ingle-
sas, francesas, suissas e allemas, bem como cha-
peos de feltro. de palba, manilha, do Chile e de
massa, para homens e senhoras.
Por liiiuidariio
Quarta-feira, 17 de Agosto
A's 11 horas
-\o armazem da raa do Har- ,
qaez de Olinda n. 58
O agente Pinto levar leilo per conta e or-
dem de diversos e por conta e risco de quem per-
tencer, differentes volumes com cbapoi para ho-
mens e senhoras, miudezas e ferragens, por liqui-
daco, existentes no armazem da ra do Mrquez
de Olinda n. 52.
2* leilo definitivo
De carros hotos e usados
Quarta feira 17 de Agosto
A's 11 12 horas em ponto
No sitio do finado Dr. Teixeira, ra do
Visconde de Ooyanna
O agente ajima, por a I vara e assistencia do
Exm. Sr. Dr. jais de direito de capailas e residuos,
a requerimento do testamenteiro e inventariante
do finad* Dr. Manoel Francisco Teixeira, levar
a leilo urna importante victoria nova com arreios
ricos, 1 cabriolet de 4 rodas com arreios pira um
c dous cavallog, 1 dito de dita tambem com ar-
reios para um e dous cavatios e 1 arreio completo
para um cavallo, os quaes acbsm-se disposico
dos ptetendentes, no sitio cima declarado.
Ao commercio
Agente Pinto
Leilo
Bento n.
10
No sobrado ra de S.
Olinda
Quarta feira 18 do corrente
A'S 11 HORAS
Por Intervcneo do agente
Pinto
Ra do Marques de Olinda n. 52.
em
Leilo
Quarta-teira, 17, o de fazendas, cbapos para
homens, senhoras meninas, miudezas e Ierra-
gene, por liquidaco e no armazem da rna do
Mrquez de Olinda n. 52.
Sabbado. 13, deve *i-r lugar o leilo de urna
armac'.c, ballo, c tences da casa da ra do Livr une to n. 3, bem
como un mobilia de Jacaranda e um guarda ves-
tidos.
Terca-feira 16, o de boas movis, finos
crystaes, objectos de electro-plate, quadros e es-
pelbos annunciado por iotoeveoeo do agente
Pinto.
1 filill
De 1 carroca de 4 rodas para cavallo, diversas la-
tas com fumo picado, duzas de chicaras e pi-
res brancos, pmtos, lindos candieiros de luz
elctrica para cuna de mesa e pendular, charu-
tos de diversas marcas, boleas para fuma e ci-
Leilo
De ama armico envidracada e envernisida, bal-
cao, cantelras, balaceas, pesos, medidas, car
teiras, 1 cofre grande prova de fogo de MIut,
mesas, cadeiras e mais pertences do estabeleci-
mento da
Rna do Livramento n. 3
Sabbado, 13 do corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
EM| CONTINUACAO
venderi o mesmo agente :
Urna mobilia de Jacaranda massisra, com 1 sof,
2 consolos com pedra, 4 cadeiras de bracos e 18
de guarnico e 1 guarda-vestido.
De bons movis, finos crystaes, quadros a
oleo e de oleographia, jarros para flores,
objectos de electro-plate e chrystofle, a
saber
Um piano forte, 1 mobilia de Jacaranda erm 1
sof, 4 cadeiras de braco e 12 de gaarnicao, 4
quadros, 2 estantes para retratos, 3 sanrfas para
cortiuados, tapetes avtlludadcs para sof, tapetes
do carncira, 4 escarradeiras grandes, 2 serpenti-
nas, 2 figuras, lidos jarros, enfeites de mesa e
albuns.
Urna linda cama am-ricana, 1 toilet e lavatorio
de Jacaranda e pedra mannore, 2 cbides, 1 com-
moda, guirnico-o para toilet e lavatorio, inarque-
toes, berco, 1 guarda-ruupa e 5 cadeiras.
Uin^uarda-louc, 1 ncellente mesa elstica, 2
quirtinheiras, 12 cadeiras de junio, 1 relogio de
parede, 2 app.irelhos de porcelana para cha, 2
ditos para jantar, copos, clices, garrafas, truc-
teiras, jarras, quartinhar, lindos porta-licores,
bandejas e salvas, talh?res, galheteiros, porta-ge-
lo, facas e 2 jarros de faiance.
Messs e tiboas para engommar, mesns de cozi-
nha, potes, flindres, binheires, trem de cozinba e
muitos outros movis de casa de familia.
Terca-feira 16 do co' rente
Agente Bu ra m aqu i
De predios em chitos proprios
A SABER
Um sobrado de 3 andares com 4 janellas de fren-
te, ra Direita n.36,
Una casa terrea na ra de Pogo a. 46.
Urna dita na mesma rna n. 19.
Urna dita na ra do S. Jorge o. 3.
Urna dita na ra dos Guararapes n. 47.
Quinta, feira, i 8 do corrente
As 11 horas
Agente Pinto
No armazem a ra do Mrquez de Olinda
n. 52
AVISOS DIVERSOS
Alaga-se casas a 80C0 no becco dos Coc-
hos, jauto de S. Ooncallo : a tratar na ra da
Emperatriz n. 515.
Aloga se por 10*000 a casa n. 21 na Var-
zea, defroote da estacan, cora armacj ; a tratar
na ra da Imperatriz u. 56.
Manoel de Souza Almeida, pelo presente decla-
ra ao respeitavel corpo commercial, que nesta data
comprou aos Srs. Albino Jos dos Santos & C. o
seu estabelecimento de molhados sito a ra ds
Visconde de Inbama n 67, livre e deeembaraca-
do de qnalquer onus, ficando a cargo do mesmo
Sr. Almeida o activa e passivo do dito estabele-
cimento, que de ht |; em diante gyrar sob a firma
de Almeida, Santos & C. Recife, 31 de Julho de
1887.
Manoel de Souza Almeida.
Pillas pnrgaiivas e depurativas
de Campanha
Estas pilulas, cuja t-reparaco puramente ve|
fetal, teem sido por mais de 2 annos aproveitadas
com os melhores resultados n.is seguintes moles-
tias : affeecoes da pelle e do figado, sypbilis, bou-
boes, escrfulas, chagas inveteradas, erysipelas e
gonorrhas.
Modo de iianl-an
Como purgativas: tome-se de 3 a 6 por dia, be-
oendo-se apos cada dse um pouco d'agua adoca-
da, cha ou caldo.
Como reguladores tome-se um pilula ao jantar.
Estas pilulas, de inven cao dos pharmaceuticos
Almeida Andrade & Filhos, teem veridietum dos
Srs. mdicos para sua melhor garanta, tornndo-
le mais recommendaveis, por serem um seguro
purgativo e de pouca dieta, pelo que podem ser
nadas em viagem.
ACHAM-SE A' VENDA
drogara de Parla Wobrlntte dr
\ RA DO MRQUEZ DE OLINDA 41
Xarope de cambara, guaco e bal-
samo de Tola
re pai ado pelo pbarmaceutico Jos Francisco
Bitteocburt
E' um poderoso preparado para todas as affec-
des dos orgos respiratorios, como catarrho pul-
monar, astbma, coqueluche, bronchite, pneumo-
na, tsica, etc., etc.
Cada frasco 1*000
Deposito na Pharmacia Central, ra do Impera-
dor n. 38. Pernambuco.
Plian acia central
Rna do Imperador n. 38
Jos Francisco Bittencourt, antigo pbarmaceu-
tico da pharmacia franceza ra do Baro da
Victoria u. 25, avisa a seua amigos e frceuezes,
que se acha na pharmacia cima, onde espera
continuar a merecer a confiauca que felizmente
depositaran] em seus tmbalbos protessionaes.
Precisa-se d- urna cosinhera e de um criado
para casa de famiua ; a tratar na ra do Baro
da Victoria n. 39, hoja.
Precisa-se de urna pessoa queeaiba cosiuba
bem, homem ou mullier, ru:i Vinte e Quatro de
Maio n. 13,1 andar.
Alaga se a cuca na Kncruzilbada de Belem
por 81000, est liinps, tem quintal e cacimba, e a
loja da ra do Coronel Suassuna n. 139 ; a tratar
na ra dn Imperatriz n. 56.
Precisa se ie um menino pan. vender tabo-
leiro : no becco dos Pat-s n. 11.
CASA Vende-se ujia na ra de D. Maria
Cesar n. 31 ; a tratar na ra da Madre de Deus
n. 36-A.
Aluga-se urna casa ua Torre, com pequeo
sitio ; a tratar na ra Form ;sa n. 4.
Aluga-se a casa da travessa do Pucinho a.
58, a loja da travessa do Livramento n. 10 e o Io
andar da ra do Padre Floriano n. 69 ; para ver,
ss chaves esto aa loja da tua do Padre Floriano,
e psra tratar na ra do Pilar n. 125.
= Na ra do Visconde
andar, precisa se de urna
sadia.
de Iohamoa n. 31, 1
ama de leite que sejs
A luga se o predio da ra do Bars de S
Borjan.28, com commodos pira numerosa fami-
lia, com agua e gaz encanados ; a tratar na ra da
Aurora n. 8o.
Dr. Hanorl Praneisco Teixeira
O Dr. Barros Sobrinho. mandando dijer na ter-
ca-feira 16 do corrente, s 8 horas da manh, na
matriz ua Boa-Vista, urna missa de trigsimo dia
por alma de seu compadre, amigo e collee, Dr.
Manoel Francisco Teixeira, convida nao s os
seus amigos como tambem os parentes e amigos
d mesmo finado, para assistirem a esse acto de
caridade c ndigio, com o que eonfessar-se-ba re-
conhecido.
"^-)
MIcomec Mara Freir
O bacharel Jos Francisco Ribeiro Machado
convida aos parentes e amigos do finado Nicome-
des Maria Freir, para assistirem a mises, que no
dia 13 do corrente mez, stimo do seu fallecimen-
to, manda celebrar no convento da N. S. do Car-
ino. A todos anterina o s~ u fradeeimenfo.
t
Pedro (Tormo Hontelro de andrade
ValeriHnno Manco da Costa Res e seus irmos,
mandara rezar missas pela alma do seu sobrinho
Pedro Aff.nso Monteiro de Andrade, na matris
da Boa Vista s 8 da manh do dia 16 ijo cerren-
trigeesimo dia do seUffallececimcnto, econvidam
seus parentes e amigos pra assistirem a este acto
rel'gioso w desde j se confessam agradecidos.
-



-
I
5
f


mm^m



Diario de Per Bambuco---Sexto--feir 12 de Agosto de 1887

Farflllo fla caroco tte aigoilao
a 400 rs. a arroba
Chegou a primeira remessa do precioso farello
de carolo de algodao, o mais barato de todos os
alimentos para auimaes de rsca cavallar, vaccum
suine, te. O caroco de algodio depon de ex-
trahida a casca e todo o oleo, o maia rico ali-
mento que ae pode dar aos animaes para os forta-
lecer e engordar com admiravel rapidez.
Noa Estados-Unidos da America do Norte e na
Inglaterra elle empregado (com o mais feliz re-
sultado) de preferencia ao milho e ontros trenos
que sao muito mais caro e nao sao de tanta sus-
tancia. -
A tratar o Beelfe I-arge do Car-
po sanco, 1 aaaar
SAUNDERS BROTHERS 4 C, largo do Cor-
po Santo n. 11, teem para vender :
Cerveja preta e branca, de M. B. Forster 4
Sons.
Dita allem, Plisen Beer.
Vinhi> Shury. Amentillado.
Dito Bcrdeaux, St. Juen.
Whisky, Thiste Blend Scotck Wisk ***
Dito *
Presuntos de Adamson.
Maicena de Browns 4 C.
Phosphoros. Amesiosto Safet Matches.
Tintas em maesa, branca de cinco de chumbo
preta e verde.
Zarco.
Plvora da muito conhecida acreditada marca
SEM0L1M
De Brons 4 i, de Glasgow
Este artigo, preparado por um novo processo
de trigo da melbor qualidade, possoe os elemen-
tos necessarios para nutricio de criancas e doen-
tea, e muito se recommenda por ser de fcil di-
geatao e gosto muito agradavel ; tambem pode-se
fazer urna excellente papa, misturado em partes
iguaes com a maiaena dos meamos fabricantes,
addicionando-se-lhe algum leite. nicos agentes
aesta praca, Saunders Brothers & C, largo do
Corpo Santo n. 11, primeiro andar.______^^^
Semeiiles de carrapato
Compra-se grandes e pequeas quantidades :
na drogara de Frrncisco M- da Silva & C, rna
do Marques de linla n. 23.
Casa em Ja boa t fio
Aluga-se por festa nma casa com mobilia, mui-
to prxima da estacau do eaminho de ferro e do
rio ; a tratar no caes do Apollo n. 47.

l
OD
Vademcum de Homoeopatblco
Metbodo cobciso, claro e seguro de ebrar
bomo3opathcamente todas as molestias que
affligem a especie humana, particularmente
aquellas que reinam no Brasil pelo
DR. SABINO O. L. PINHO
5.' edtrcno
consideravelmente augmentada e annotada.
Vende-se nicamente em Pernambuco.
PHARMACIA HOMEOPATHICA
PeloDr. J. Sabino L. Pinho
DO
DR. HABIDO
43BA DO BARAO DA VICTORIA 43
| Tinta prta
INALTERAVEL

COMllIMftTIV

PHARMACIA CENTR A h\
38 Ra de Imperador 38
Pernambuco
y o
Ama
Precisa-se de urna ama ; a tratar na ra do
Paysand n. 19, Passagem da Magdalena.
11
Precisa-se de ama
da Unio n. 31.
ama para enanca ; na roa
Ama
Preeisa-so de urna criada para engommado liso,
e outros servicos em casa de familia ; na leja de
fazendas ra Duque de Canas n. 44.
Ama
Precisa-se de urna ama para lava e engommar,
para casa de familia ; a tratar no hotel n. 30
ra da Madre de Deus.
Ama
Precisa se de urna ama
lha n. 77.
na ra da Ponte Ve-
As Pilulas Catharticas
Do Dr. Ayer.
A experiencia do tempo, applicado iis Pllnlaa lo
&r. Ayer, tem dado approTylo eso os NaaMans
nbtidos com as mesmas. Ha mais deq laranta anuos
que estas PHulag OWnnB moa i-.inl.nidH.la uni-
versal, qoe neuhuma entra, medicina purgativa tem
podido rivalisar.
As Piiplas do I>i. aykii. pargam coi
mente o ventre com MtvUmi, aauaniaiB o for-
tifleam os orgSos digestivos e imtimUatlvoo.
As Pilulas do Dr. Ayer
curain inAgesto e Impedimento, e evitam muitaa
B a inkuto falais, ciiferiuidades, motivadas
por aquellas desorden.
Para as mtfin a Estomago, Fijado e ms,
culos syniptemas sao as BnCermldSide* da Pene,
Ardor e Pelo no KstoiniiRo, Nausea, Uun,
res de Causea. Hlito Ftido, I'ebre I'.il m ;
, Diuca, Sores do estomago costas e espadas*,
Imiaces Hvdropiraa, etc. nada as allivia
com seguranvaeproniptiilao como as Pii.hlah di>
]nt. ATBtS; a quaes Silo de grande utriioadu no
curativa das llcmorrhoidaft.
Como remedio domestico nao tem egoal.
PREPARADAS PELO
DR. J. C. AYER HJ CA.,
Lowell, Mass., E. U. A.
.'." venda as princi|es pliarmacias e drogaras.
Caixeiro
Precisa-se de um menino com pratica de taver-
na ; na ra da Palma n. 87._____^_________
Casas em Jaboato
Alugam-sc duas casas acabadas ltimamente,
muito prximas do rio e da estacao do eaminho de
ferro : a tratar no caes do Apollo n. 47.
lo de Agosto
Anoeis da boa morte, de ouro e de prata ; na
ra das Trincheiras n. 11-B, primeira loja de ou-
sives ao entrar pelo largo da matriz de Santo An-
tonio.
A FLORIDA
Rna
a*la* n. IOS
Serve para escripturacae mercantil e dagtres a
quatro copias de urna ves
? Medalha da Ouro na Exposiflo universal 1878 &~
-# BRDEOS FRANCA)
-A Depsitos em todas ai tandas de Cometf.'Mei. W~
VINHO DE JURUBEBA
COM IODURETO DE POTASSIO
Tnico, depurativo e auiy-
rlicuniatico
PREPARADO POR
Moln & G. Snnor
Approvado pela Junta Geral de Hygiene
da Corte e antorisada pelo governo
Os repetidos pedidos que nos foram feitos por
muites dos nossos Ilustrados clnicos para juntar -
moa ao nossoVinho de Jurubeba,j te vanta-
josameute conbecido no nosso paiz, como no estran-
geire, urna dose exacta sempre determinada de
iodureto de potassio, creando assim um medica-
mento certo e inalteravel, de immensas virtudes
medicinaes, nSo nos deixaram hesitar um t in-
stante, e boje temos a satisfacao de apresentar ao
Ilustre corpo medico do nosso paiz e ao publico
em geral esse nevo preparado, cuja accao curativa
e certa em grande numero de molestias incon-
testavel, como seja na rheumatismo agudo ou
chronice, as obstrueces do figado e baco, as
anem\as, as oloroses, bydropesias, molestias uri-
narias, debilidade do estomago o as de origem
syphilitica.
A jurubeba, f ssa planta preciosissima, tao cheia
de virtudes medicinae?, aesociada assim ao iodu-
reto de potassio, o depurativo de um valor in-
menso, fas com que o nosso preparado seja usado
de preferencia, como um medicamento certo e in-
fallivel para a cura das molestias que cima dei-
xamos descriptas.
Seu uso de fcil applicacao, podendo por isso
ser tomado pelo doente : todava recemmendamoi
a direccao de um medico, e s elle deve modificar
a sua accao, elevando ou diminuindo a dose se-
gundo o effeito que julgar preciso em face das
molestias a combater.
O nosso vinho de jurubeba e iodurete de potas-
sio puro tem urna dose exacta de iodureto repre-
sentada em urna colher de sopa por quatro graos
de iodureto, podendo por isso ser turnado peles
adultos na dose de 3 colberes de sopa por da e
pelas creancas na de 3 das de cb, momentos an-
tes cu no acto das refeices.
DEPOSITO
34--Rua Larga do Rosario.!
PERNAMBUCO
Bitracto e Malla de Elerjer
Prajparado
DE
III IWH 4-1IS WELLCOME & C.
CHIHICOS DE LONDRES
Um poderoso agente digestivo e acimilati vo; um
alimento nutritivo, especialmente adoptado para
os enfermos e nao; um grande succedaneo do
aceite de figado de bacalho.
O Extracto de Malta de Kepler um alimento
perfeito em si mesmo e contem todos os principios
digestivos e nutritivos da cevada, ato phospha-
tos, maltosa, destrina, albmina e o importante
quanto poderoso accesorio digestivo chamado
Diastase,podendo-se assim dizer que coma n
troduccao do Extracto de Malta, como agente the-
rapeutico, se ha produzidc um revolucao no trac-
tamento de certas enfermidades da nutricao, ope-
rando especialmente na oyspepsia, ulceracao do
estomago, cauerts do estomago, debilidades, con-
valescencias de enfermidades agudas, vmitos e
gastro-ententes das enancas, marasmos, affcc5es
escrofulosas, tuberculosas, etc.
(ire depoNilo
34 Ra do Rosario34
Pharmacia e Drogara
BARTHOLOM.EU C. SUCCESSORES
CASA DA FORTUNA
Aos 12:GOO$000
Bllhetes garantido
23-RUA PRIMEIRO DE MARgO-23
Da a lotera da provincia venderam
Martina Fiuza & C. os seguintes premios
garantidos : o n. 3878 em cinco quintos
com a sorte de 12|5000.
Acham-se venda os afortunados bi-
lletes garantidos da 9* loteria da provin-
cia em beneficio da Santa Casa de Miseri-
cordia do Recife, que se extrahir quan-
do fGr annuciada.
Precisa-se de urna ama para todo o servico de
oasa de pouca familia ; na ra Velba n. 95.
7I\\V\\\V\\\\\ 1111 l ti 11 ili
Aluga-se barato
Ba Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ra Coronel Suassuna n. 141, quarto.
Ra do Rosario da Boa Vista n. 39.
Travessa do Carmo n. 10, loja.
Ra do Rosario n. 39
Largo do mercado com agua n. 17.
QTravessa do Carmo n. 10.
Largo de S. Jos n. 74.
Irata-se na ra do Commercio n. 5, 1 andar
es.T'ptorio de Silva Quimarea & C.
i THERMOMETRO MEDICO i
de Lon BLOCH
(ramuiauDO
SSyxtema ejrfra-aensivel
Arniafo
Compra-se urna armacao envernisada, propria
para progresso ; na ra de S. Jorge n. 131.
XAROPE
VINHO deJURUBEBA
BARTH0L0ME0 & C
PKarm. Pernambuco
nicos preparados de JURUBEBA re-
commendados pelos Mdicos contra as
Docofai do lnomua, Fijado Baco
e Intestinos, Perda do Appetlte,- te.
15 Aanosde bom xito!
EXIGIR A ASSIONATUR/-
NOVO
Qu* nao experimenta variado alfru&a
derida a contracr-io da vldro.
Adoptado poli Aetdtmia d Medicina dt firt
22 de teptembro de 1885.
T*4m m sien mtrmieotoi tnsn -sf'/jSj; A
lBkiiiiilutsri: ^B81 9
cba-M ua prindpaos Cans dt Iaitraawtaa
de Oirargla.
Tula ei Grossi: 18 m Altonj,
Beftfito em Hmakut :
FRAN- M. da SILVA
PAJUZ
as prinoipaes Pbarmaolaa.
''irti/i/irir wwwwxw
AS
Enfermidades Secretas
BLENORRH AGAS
GONORRHEAS
FLORES BRANCAS
CORRIMIENTOS
recentes oh antigos sSo curados em I
poucos dias era segredo, sem rgi-
men neru tisanas, sera cncer nem I
molestar os orgSos digestivos, pelas|
e injecgo de
Fabrico de assucar
Apparelbob econmicos para o cozimen-
te e cura. Proprio para engenhos peque-
nos, sendo modici em preco e ef-
fectlTo en operaclo.
Pode-se ajuntar aos sngenfaos existentes
do systema velho, melborsndo muito a
qualidade do assucar e augmentando a
quantidade.
OPERAgO MUITO SIMPLES
Uzinas grandes ou engenhos centraes,
roa jbiniamo aporfei^oado, systema moder-
no. Plantas completas ou machinismo
separado.
Especificares e nformajSes com
Browns C.
5RA DO C'OMMEKCIO5
KAYA
DO DOUTOR F0URNIER
Cada Ptiula Um gravaAc &*>* &u>mu*.
PILLAS, 5 r. imeccXo, 4 FB
PARS, ZS, Pitee de la Madei
llfldalha da ODRO. Pars 1885
teeino j
1
Alfandega
O fiel Manoel Jos da Costa
Chamo attencao do dito senhor para ir rna
Imperial n. 55-C, dar urna satisfacao sobre o n.
22,480, sobre pena de ser explicado para que foi
mepregado o dito numero
Ao commercio e ao
publico
O abaizo assignado tendo comprado a Jos Mar-
tina de Almeidg o seu estabelecimento de molha-
dos sito ra dos Coelhos n. 12, hvre e desemba-
razado de qualquer onus, chama a qualquer credor
Jo mesmo Almeida, que tenha direito dividas do
mesmo estabelecimento a apresentar-se no prazo
de tres dias, a contar desla data, para ser satis-
feito. Kecit'e. 10 ie Agosto de 1887.
Antonio Laslvia.
Dr. Manoel Francisco Telzelra
Adolpho Coelho Pinneiro, compadre e amigo do
Dr. Manoel Francisco Teixeira, de saudosissima
memoria, querendo render um preito de devida
homenagem memoria do tao Ilustre como dia-
tincto e inexcedivel medico pernamcucaao, vem
convidar por este a todos os seus amigos e aos do
Ilustre finado, para assistirem a orna missa, que
por sua alma manda resar no convento de 8.
Francisco desta cidade, as 7 1/2 horas da manha
do dia 16 do correte, trigsimo do seu passamen-
to, pelo que desde j se confesaa sammsmente
grato. _____________
f
taximlro Laclo Jorge
Leopoldina Cecilia Salles Jorge, seus filhs,
genros e ora, mandam resar missas pela alma de
seu presado marido Casimiro Lucio Jorge, as
igrejas do Livramcnto, s 8 horas, em Palmares
s 9, do dia 16 do corrente, trigsimo dia de seu
fallecimento, convidara seus parentes e amigos
para assistirem a este acto religioso, o que muito
agradecem.______ _____
Criado
Na fabrica do rap ra do Visconde de Ooy-
anua n. 157, precisa-se de urna cosinheira para
pequea familia, sendo boa psga-se bem.
Precisarse de um criado pan vender na rna
na ra Duque deCaxius n. 39, 2- andar.
Precisa-se de um ra de Paysand n. 19
(Paasfgem da Magdalena).
Ao commercii'eao pu-
blico
O abaixo assignado, tendo resolvido deixar tem-
porariamente a vida commercial, vem pelo presen-
te agradecer aos senhores commerciantes a ben-
vola confian ;a q je se dignaran) sempre dispensar-
Ihe, e aos seus rreguezes o favor de sua valiosa
coadjuvaco ; e a estes roga o obsequio de conti-
nuaren! a presta.- igual coadjuvaco ao seu suc-
cestor, visto eomo por elle muito se interessa.
A todos c-ece o seu diminuto pristimo, es-
trada de Luii do Reg n. 18, onde deve ser pro-
curado para lirj jidaeo das sua contar, as horas
6 as 10 e 3 s t. Hecife, 8 de Agosto de 1887.
Francisco Jt s 8. Braga.
-ova tarifa das Alfandegas
Acha-se venda no armazem n. 5 do caes da
Alfandega, a tf.000 cada exemplar.
Compras por atacado
O Pe lora 1 de Cambara
tem precos esyejiaes para acuelles que compra-
ren! grandes yBpoes. Distribuemse impressosa
qntaa os pedir, xausno as condicoes de vendas :
amado Ma.-ij ;ez de Olinda J.-7 drogara dos
agentes e depositarios geraes
F-asiHco M. da Silva f
Antonio de Soasa Kei* e oua inu
lber D. Hara luiiuma Valle
de Mirasa Bela
U commendador Antonio Gomes Miranda Leal
eonviaa aos parentes e amigos do 1- tenente da
armada, Antonio de Souza teis, para no dia 12
do corrente, s 8 horas da manb, na ordem ter-
ceira de S. Francisco, assistirem a missa que ser
reseda por intencao do mesmo e sua mulher, vic-
timas do desastre do vapor da companhia nacio-
nal R o Apa, do qual era immedato.
Idalina M. Perdigo, profundamente peasresa
pelo fallecimento do seu muito prauteado esposo,
Francisco Vieira Perdigo, agradece eordialmen-
te a todos os amigos e parentes que acompanha-
ram os seas restos mortaes at a ultima morada,
e rrg4 a todos que partilbaram de sua dor, o ca-
ridoso faver de assistirem as mistas que, pelo des-
canco de sua alma, serio resadas na ordem ter-
ceira de S. Francisco, s 8 horas da manhS de
sexta-feira 12 do corrente, stimo dia do seu pas-
samento.
Aluga-se
um grande sitio, contendo as principaes fructas,
no Caldeireiro n. 9, com boa casa de morada (que
foi do finado Mamede), tendo agua e gaz, a qual
confronta com a casa do Dr. Alce forado ; a tra-
tar na ra do Apollo n. 30, I* andar.
Alug
a-se
Precisa-sc de urna
ama boa cosinheira: a
tractar ra da So-
ledaden. 82.
~ Precisa-se com-
prar O Jornal do Re-
cife do anno 1872 em
que vem publicado a
chronica do neto da
Tet Vira-saia. Pa-
ga-se bem. Quem ti-
ver annuncie.______
Fabrica de chapeos
Ra do Baro da Victo >
toria ns. 34 e 36
Antonio Jos Maia & C avisain aos seus nume-
rosos fregueses e ao publico, que continuam a ter
grande sortimento de chapeos de todas as quali-
dades e formatos, manufacturados com toda a per-
feico e por precos mais vantajosos que em outra
qualquer parte.
a casa terrea na travessa da Ponte de Ucha n.
12, com bastantes commodos para grande fami-
lia, com sitio murado e arborisado, b a agua po-
tavel para beber, deposito e banheiro de cimento
e bomba, fica a dita casa margem do rio Capi-
baribe, com banho doce temperado e salgado :
quem pretender dirija-se ao mesmo sitio, das 6 s
10 horas da manhS, que encontrar o propie-
tario.
Aluga-se
as casas ns. 22 e 24 da ra do Lima, em Santo
Amaro, caiadas e pintadas de novo, com 3 quar-
tos, 2 saias e quintal com cacimba ; quem preten-
del-as dirija-se ra do Mrquez de Olinda nu-
mero 8. _______________^___^__
Sementes e cmapalo
Compra-se na fabrica Apollo ra do Hospicio
numero 79.
Oleo d mamona
em narria;
do Mattca,
vende-se no trapiche Vianna Forte,
Modas
Para toilette,de qualquer genero, com perfei-
gao e gosto, procure se mademoiselle Cotinha, Im-
perador 55, 2 andar. Precos razoaveis, figuri-
nos os mais modernos.
Mademoiselle otinha
Roa do Imperador n. 55, segundo andar.
Modista
Diariamente debate-se na imprensa a crise
aterradora porque estao paseando as provincias
do norte deste imperio ; sao innmeros os recla-
mes de todas as classes, sem que sejam attendidos
08 seus justos pedidos, de que se gloriara as na-
coea civilisadas.
para que se pessa dar impulsos aos desejados
progresos que cortamente traro o bem estar de
todos, resolveram Martins Prea & C. estable-
cidos com armazem de molbados ra Es-
treita do Rosarlo ns. 1 e 2, a vender por precos
mdicos os artigos concernentes ao seu ramo
de negocio, que certamente cnnstitue urna eco-
noma diaria e onde se acha um completo sor-
timento dos seguintes artigos, que pela sua qua-
lidade e precos sao recommendaveis, como se-
jam :
Vinhos fiaos do Porto
Madeira
Sherry
Cbambertin
Bordeaux
Moscatel
Collares eBucalas.
Completo sortimento de cervejas, cognac, bitter,
licores, doces, bolachinhas nacionaes e estrangei-
ras.
Queijoa frescos do sertao, prato, Minas e fla-
mengo.
Azeite de coco, mate do Paran, formicido ca-
panema.
Precos sem competencia.
Ns. 1 e 2Ra Estreita do RosarioNs. 1 e 2
Martins Pires & C.
VENDAS
Ultimas notas ao ap
proximar-se a hora
CRISE E MAIS CRISE I !
Todos perguntam o qua ha de novo. Recebes-
tes algum telegramma da corte '? Uns dizetn
que sim, outros ditera que nao, e alguns em reser-
va que foram apenas consultados. E no meio
desta confuso apresentam se Pedro Antunes &
C, offerecendo as seguintes novidades, que natu-
ralmente agradara muito mais ao sexo amavel e
das modas, a quem muito particularmente pedi-
mos a vahosissima proteceo. Com licenca......
Bonitos ramoB de flores>de laranj i para um ele-
gante vestido.
15.ns leques diaphanos de bonitas cores.
Grinaldas e veos para todos os precos. Renda
hespanhola, reme e preta, em seda e em linho
bordada.
Finas meia? arrendadas de cores, ditas bordadas
a seda e muitus outras qualidades em meias para
senboras.
Completo sortimento em bordados, Victoria e
transparentes.
Commodos espartilbos para senhoras e moci-
nhas.
Finos extractos e aguas para toets .
Especial cold ds crine para amaciar a cutis.
Nao menos agradavel p Candor para perfumar.
Finos sabonetes perfumados e medicinaes.
Variedade em cutilarias finas.
Que sortimento de artigos para presentes !
Oculos e pencinez d'aco e tartaruga.
Pianos para criancas e grande variedade em
calungas.
Que bonecas interessantes Capazes de fasci-
nar qualquer crianca. E muitos outr.s artigos
de que estamos prevenidos, psrm que nao que-
remos abusar da paciencia das amaveis leitoras.
63RA DUQUE DE CAXIAS63
NOVA ESPERANZA
Pedro An'unee & C.
Duque de Ca
ADMIREM!
Cintos modernos a 1)8000.
Lavas de pellica a 2(5500 o par.
dem de seda a 2000, 2#500 a 36000 rs.
o par.
Fitas de velludo a n. 9 a G'000 d. 5 a
400 rs. metro.
Alburre de 30000 at 8,5000.
Ramos de flores finan a 15500.
Luvas de escocia par menino, lisas, e bor-
dadas* 800 rs. e 10000 o par.
Porta retrato a 500 rs. 10000 1,5500 e
20000.
Anquinhas de 10500, 20500, e 30000 urna.
Plisseis de 2 a 3 ordem a 400 rs. 500 rs.
e 600 rs. o metro.
Pentes para cc com nscripgSo.
Enchovaes para baptisados a 80, 90, e
120000.
1 Caixa papel e 100 envelopes por 800
reis.
Capellas e veos para noivas.
Suspensorios americanos a 20500*
LH para bordara 2-5800 a libra.
Estojos para crochet a 10000.
Bicos de cores cote 2, 3, 4 dedos de lar-
gura a 30000 40000 e 50000 a peca.
Lindos Lroches a 30000 10000 e 500 rs.
Leques para menina a 200 rs.
Linbas para machina a 800 r3. a dazia.
Garrafa agua florida a 800 rs.
Leques com borlota a 800 rs. um.
Bicos brancos para setineta, cretone e chi-
ta para correr babados a 10000 10500
a pega com 10 varas, e barato.
Albuns de chagrn, velludo e velbotina
para 50 e 60 retratos a 6f$ 70,
80000 um.
Meias de escocia para senhoras a 10500 o
par'
Lencos de linho em lindas caixas.
Bicos das ilhas muito fino proprio para toa-
Ibas e saias.
dem brancos com 5 dedos do largura a
30000 a pega com 10 varas.
Caixas com snrte3 de jogo de mgica pro-
prioa para sallo a 50000.
Sabonetes de diversas qualidados a 120
200 e 500 rs.
Boleas de couro para menina de escola.
Grande pecbincha em espartilhos de linho
30000 um.
Lindas pastas de 500 rs. 10000 20000
30000 e 60000.
I Carteiras para guardar sedulas de 100000
a cem.
Ditas letras com os repartimentos de Ja-
neiro a Dezembro.
BARBOZA & SANTOS
4 Revolucao
48- Rna Qo Milis He
48
Pechinchas!
Para engenho
Offerece-se urna senhora com todas as babilita-
coes necessarias para ensino primario, ou em
qualquer povoado que nao tenba professora ; quem
dos seus prestimos precisar, dirija-se ra da
Imperatriz n. 14, segundo andar, a tratar com a
mesma.
Escripias avulsas
Urna i MU 'a que dispe de algum tempo oflere
ce-se para fazer algumas ; a tratar na ra do
Mrquez de Olinda n. 10 e Imperatriz 54.
Fabrica ci
PRODUCTOS EN0L0GIC0S
de ULYSSE ROY, em Poitiers (Franga)
Emle PR0UST, SucF- & Genro
l. Perfume enantico dos Vinhos ou sobral
de Meoc ..........os lOOlraicos 2OO
S. Rancio uEssenciat Cognac, os 100 frascos SOOr.
3. Perfumes pra todos os Licores os 100 frascos 300 tx.
t. Essencia do Rbum ou deTafa, os 100 irascos 600 Ix.
bkpositawo* km Pernambuco :
PRAN" XO- X5A. SILVA Grade de ferro
Compra-se urna ni. roa do Imperador n. 28, com
dez palmos de altura e seis de largura
Ama
Pr.is-sfl d urna pura eatiba e mais servijo
de casa de familia ; ia ra Bella u. 43.
Da anliga casaCarneiro da Gunha
Adiiiirem!
Setinetas lavradas, lindos padroes a 280 rs. e co-
vado!
Fustoes brancos, novos desenhos, a S20 e 400 rs.
o dito !
Esplendido sortimento de lindas las para vestidos,
a 400 e 440 rs. o dito !
Cachemires felpudas a 1/ a dito 2 larguras.
Mirins pretoa e de cores a 800 rs. o dito dem.
Veludilbos de todas as cores, bordados, a 14000 o
dito I
Cntjues de eres firmes a 240 o dito bom ve-
rem.
Damasco de la, 2 larguras, proprio para capas
de piano, a 2/ o dito!
Pannos de lindos desenhos para mesas a 1^600 o
dita!
Cortinados bordados, riquissimos, a 64 elfo par
Guamiles de crochet para sofs e cadeiras a %t\
Camisas brancas inglesas a 364 a duzia !
Ditas 4e cretone finas a 244 a dita !
Seroulas bordadas a 124 e 184 a dita !
Lencos em lindas caizinhas a 34 a dita !
Meias arrendada para senboras a 64 a dita
Chapeos para senhoras e criancas a 24500, 4 e
64000.
Espartilbos de couraca a 44 e 54-
Brim nardo loua a 360 rs. o covado f
dem branco n. 6, de linho a 14500 o metro !
Tapetes aveludados a 124, 154 e 224.
Superiores redes com 4 punhes a 124 e 144-
Colchas francesas a 34 nma.
Cobe.-tas de ganga, 2 pannos, a 34 !
dem de setinetas finas a 34500 !
Lenci's grandes de bramante a 24 !
Cambraia Victoria de l jardas a 34 a peca !
dem c-m salpicos brancos e de cores a 54, 54500
e 64, 10 jardas !
Madapoles pelle de ovo a 64200, 24 jardas.
Camisas e saias para senboras por todo o preco
Bordados de Cambraias finas a 14 a peca.
Fichus e capas de l a 24, 44 e 64.
Sortimento de casemiras, cheviots e pannos poi
preces baratissimoa.
Grande deposito de fazendas para os Srs. nego-
ciantes do centro, tendo descont as vendas em
groase
59-RUADUQUE DE CAXIAS-59
Cobrado a vender-se
Vende-se o sobrado n. 87 ra da Aurora, em
frente a ponte do Santa Isabel ; quem pretender,
pode entender-se com o erreetor Pedro Jos Pin-
to, na praca do Commercio.
WHISKY
ROYAL BLEND marca VIADO
Este excellente Whisky Escossez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de canna,
para fortificar o corpo
Vende-se a retalho nos melbores arma-
zeos de molbados.
Pede ROYAL BLEND marca VIADO
cujo nome e emblema sSo registrados para
todo o Brasil.
BROWNS A C, agento*.
Recebe as seguintes fazendas de novida-
de:
Cachemira de listrinba a 600 is o co-
vado.
dem broche borda a 10500 o dito.
dem pretas 700,800, 10000, 10200,
10400,"1600 e 20OOO o dito.
dem de todas as cores a 800, 15000 e
10200 o dito.
Ricas guarnicoes de veludilho a 60000
urna.
Setins lisos a 800, 30000 e 10200 o co-
vado.
Seda escosseza a 640 rs. o covado.
Lindos metins com listrinhas a 400 ris
o dito.
Faile com palminhas a 400 rs. o dito.
Setinetas escossezas a 320 rs. o dito.
Ditas com listrinhas e palanahas a 320
o dito.
Lionay-se com palminhas de retroz a
140000 peca.
Organdir bordado a seda a 150000 a
! dita
Etamine tecido transparente a 10$000
a dita.
Cambraia bordada a 50000 50500 e 60
a dita.
FustSes branco a 360, 400, 440. 500,
600 e 640 rs. o covado.
Lindas alpacas de cores a 320 o covado
Sintos de chagrero a 10500 um.
Camisas inglezas a 360005 a duzia
Colarinhos e punhos para senhora.
Sabidas de baile 30500 urna.
Fechos de 12 a 20, 20500 30 e a 80000
um.
Gurales de crochet a 80 e 100000
urna.
Lencos de esguiao a 20SCO e 30500 a
duzia.
Grande sortimento de madapolaode 40
a 100000 a pea
Leques de papel 500 rs. nm.
Cortes de cachemira para vestido a 200
um.
Toilet para baptisado a 90000 e 140000
um.
Veludilbos lisos, Iavrados e bordados a
retroz a 10000 e 10800 o covado.
Anquinhas a 10800 urna
Colchas bordadas a 50, 60000 e 70000
urna.
Coberas com dous pannos a 20800 ama.
Grande sortimento de casemiras, brins
brancoss e de cores, punhos, colarinhos,
gravatas, meiaa e lencos e artigos para
hornera e senhora.
S na loja da Revoluto
Henriqae da Silva Moreira
Bois
Vende-se ezcellentes bois de carroca, gordos,
habituados ao trabalho, como tmbem carrocas :
a tratar na rna da Mrquez do Herval, armazem
da companhia do Beberibe.
Fio de algodao da fabrica Camina
A nutra, da Baha
Vendem Machado Ib Pereira, rna d-> Impe-
rador n. 57, por cemmodo preco.
Attencao
Vende se poj preco commodo um bom chalet,
defronte da estacao de Parnameirim acabado de
novo, e pom todas as accommoiacoes, assim como
urna casa na ra d.i Amparo n. 6, em Olinda, com
2 janellas e 1 porta, 2 salas, 3 quartos, cosinha
externa c quintal murado ; timben tem para ven-
der um bom piano quasi novo, de tres cordas, do
melhor autor, e ontros objeetos : a entender-se
com Maximino da Silva Gusmo, em qualquer
lugar em que o mesmo se achar._______^^^
CIi prcte superior
Carlos Sinden recebeu pelo ultimo vapor e con-
tina a vender sem competencia ; na ra do Ba-
rSo da Victoria n. 48, loja de altaiate.

I

1
B


-1- I f m->zf^

*** w
\ .
Diario de PernambucoScita-fcira 12 de Agosto de 1887
EIIII
SO A RES
GASA DE ALFAIATfi S COITOCQES PARA HOM&NS
A de maior reputado e nomeada em todo o norte do Imperio, tanto pela
presteza e perfeicao dos seus trabalhos, seriedade e modicidade nos precos, como
pela constante e variadissima conecto de azendas de primeira qualidade: casemira
de phantasia para costumes, cortes de casemiras para calcas, casemiras pretas e azul,
pannos finos, etc.
TUDO DE APURADO GOSTO
ALTA NOVIDADE
S9-RIIA DO BARIO DA VICTORIA-^
PERNAMBUCO
ec
?jesisl.
O mais Simules, o ~ Wa* Eficaz dos P.EYULSIVM
IBrDtBI'EIaAVSJa si > -- /e~~T ? r S o atoa "VX^.JAJflrXB:E
USADO NO ait'KOC IMTEIRO
4 OH* E/COlOT peda >oa Bni^ ompradores que exijas*
VERDADERO H
EQI.L0T
tut tm cada nixa
i em cadafolba,
tra\ tscnpta
em Tinta incarnada
* Firma:
'&'.)
Licenciados pela Inspectora de Hygiene do Imperio do Brazil.
CUITAS REGENERADORAS
AO LOUVRE
Bordados de cores, a 25000, a peca ; vale 5(J000
Setios inmensamente largos a l$2GO o covado; soberba pechincha!
Cretones de salpicos a 300 rs. o covado; convrn !
Popelinas de seda a 500 rs. o covado ; par liquiddar !
Teeidos transparentes par soire a 500 rs. o covado ; aproveitem !
Lenjos abainhados a 2$000 a duzia I
Lis de quadros, desenhos novos a 300 rs. o covado !
Popelirisa de Lyou, fazenda de 2000 o covado por liJOOO o covodo !
Cobeitores de 15, bero grandes a 3500 um !
Toalhas alcocboadas, a 45000, a duzia ; que pechincha! e oatras militas pe-,
chinchas em i xposic2o.
cjk.s.a. rao Goo^rDPXJK.rsrg^
os
do Doutor SAMUEL THOMPSON
As Cora* man inesperadas jio devidas a este PRECIOSO MEDI-
CAMENTO, reparador por eiccllenna de todas as perdas experimentadas
'^BSSj^' pi'lo orpanismo conseqoentes a EXCESSOS de PRAZERE3.
Estas Oottas dio fifor aos oreaos sexnaes dos Jos sesos : curo infallivelmenle tolas as affeco5i'S
deaomiaadas ESGOTAMENTO, Ues como Impotencia. Espermatorrha, Perdas seminaes, etc.
O Frasco S Francos (em. Franca.) S7 m f-(.e.n,#
Todo frasco que nao trouxer a Marca de Fabrica registrada e a assigraturai^/^f,
deve ser rigorosamente recasado. -^^^-^ <'es'9
PAKI9, Pharmacia CE11.V, roa Rochecbouart, 3B. I*' Producto.
______ Depositarios em Peruamhuco: FI.4.VC" .ir. rfa SILVA C".
Lotera da Provincia
Extrahir-se-ha quarta-feira de Agosto as
2 horas da tarde
Acha-sc venda a 9.a lotera a bene-
ficio daS. Casa de Misericordia doRecife, que
ter lu^ar no consistorio daigrej* de Nossa
Senhora da Concctyo dos Militares, onde
estaro expostas as espheras em orden? nu-
mrica, para seren examinadas.
u
Ra 1 de Marco n. 6.
Participam ao respeitavel publico qii<\ teodo augmentado se
pstabelecimento de JOIAS cora mais umi secoo, no pavimento terreo,
com especialidades em artigos de ELECTRO-PLATE, eonvidam as
Exraas. famili&s e seu3 numerosos freguezes para visitar seu estabele-
cimento, onde enrontrarao um riquissimo sortimento de joias de oxv' a
prata, perolas, brilhante3 e outras pedras preciosas, e relogios de Otero,
prata e nikel.
Os artigos que recebem directamente por todos os vapor sao
executados pelos mais afamados especialistas e fabricantes da Europa e
Estados-Unidos.
A par das joias de subido valor acharito urna grande variedade
3e objectos de ouro, prata e electro pate, proprios para presentes de
pasamentos, baptisados e anniversarios.
Nem em relacao ao preco, e nem qualidade, os objectos cima
mencionados, encontrarlo concurrencia n'esta praca.
^CRAPHW Atify
'4
ri mm iiiiEL k
Ra 1. de Marco n. 20 A (Esquina)
OPPP.ESSAO
utafho-lfloxo

. s
i a *(
u^a,. Pelos KUasOS ESPIC
Aspi: icaquepcm nervoso, facilita
aexpocloiaijao c favonsa as uinccoes uos orgas re
Venda rm ntarmlo esa rn le J !> '.'U\ l*. ra &< esa Pars
deposito em Pernambuco : FRANJI.._ i
Por iieio do impreco dos
virv,*MS
. ^O Elixir, P e Pasta dentifricios
?**
,
RR. PP. BENEDICTINOS
da a-r-r at->TA de SOULAC (Gironde)
DOM MAGUELONNE, Prior
9 Mcdallia de Oitro : Bruxelias 1880 Londres 1884
AS MAIS ELEVADAS RECOMPENSAS
1373
.NVENTADO
Pelo Prior
Pierre BOtJKS AUD
O ase Exir Dentilricio
HK P?. Benedictinos, com doi
forl
i ', aasipia-
lando este antipo e utilis-
ado. o melhor curativo o o nico
preservativo contra as Afiec^oes den-
tarias^ u
UUU rHUM U mi a W r^ III l Rue Haguerle, 3
Agente Geral : SsviUlrl BORDE AUX
ichase em todas as boas Perfumeras, Pharmacias a Drogaras.
^^
snr^TgR
LIQUIDAQAO
wrjX
DE-ji
Vende-se por todo preso, a retalbo, todas as fazendas existentes na loja ra
do RaDgel n. f)3, para acabar
BRONCHITES. TO88ES, Catarros Pulmonares,
DEFLUXOS, Molestias do Peito, TSICA, Asmas
cail RAPIBA OSETA PILAS
Gottas Liyoniennes
TROUETTE -PEBRET
Csm CRBOSQTB dt Wt/A, .LCATRAO te NORBQA e 3ALSAM0 V TOLO
Este preparado, mallirel aura curar radicalmente todas as Molestias das Vias
raaplratoriaa recommenddo pelas Notabilidades medicas como o nico efflcas.
HBioo medicamento que alea de nio fs"ear e estomago, o foHUloa, rteonatitu i desparta
o aptntit* : duas gattu pth msafl e i tarda battam para triumphar dos aasot maia ribalda.
BBVB-SB EXIOIB C ELLO DE QAKAN1TA DO SOVEMIO rMAMOES
DeiisiU priciNl: TRO^aTTE-PERRET, 264, boile?' Voltaire, PARS
taMiio, em Pernnmbue: nuur M. da IIIVA *. O-,. m niciiaM PUrase.
>*s+^+st+++*e++*++eMat**mat\
SAINTA CTHABINA
5O:00O$000
IMPORTANTE PLANO
Esta lotera corre no di a.....de Agosto
Bilhetcs venda as Casas do eostiimc.
Casa PINET, tu&dada em 1852, PARS
EXPLOTADO GERAL N CATCHUC
POP. M0V0 PP.0CESS0S APEPFBIQ0ADOS
ESPECUUDsOEriHSTRUMENTGdtMEDICINAeCIRURGIAemGOMMAElnUc M BORRACHA
rinoes, Seringas. Boraohas-Peras para In)eccSes e Clysteres. Injectoras,
Pnlrerisadores, Pessarios, Fundas, Ventosas, Tubos. Bicosde Mamadeiras.
Almo'adae, Bollas para InjeccSea para qualquer ozo, sto.. ato.
MAKDfc-SI O CITALOSO VSASOO
I. IARCASS1N A Ci, Gendre et Sacceueor, 34, ma Tnrbigo, 34, PARS
_______Estabeleclmento fabril a vapor: AUX ULA8. perto de Pri.______
H. a. A grande mga, tmpre crescente dos noaaos productos tendo dado logar
a talticaetes, conret exigir t Marca VI. A. C". ^^
s
t
4
t
as
AL11ERT0 HENSCHEL & C.
Si-Rua do Baro da Victoria:>2
Esto acreditado estabeleciniento pbotographico participa ao respeitavel publico,
qae contina a executar os mais aperfeigoados trabalhos pelo systema mais moderno e
mais apreciado. Acha-se habilitado a satisfazer as mais difficeis exigencias, qaer em
trabalhos photographieos, quer em pintura a oleo.
Alm de seus trabalhos photographieos que sao por demais conhecidos encorra-
ga-so tambem de retratos a oleo para o que j se acha entre nos de volta de sua via-
gem a Vienna d'Austria, onde visitou as principaes galerias'o eximio pintor Ferdinand
Piereck, bastante conhecido pela perfeigSo de seus trabalhos, desde 1877, quando aqu
esteve em nossa casa c ltimamente o anno passado.
Para satisfazer em geral a todos quo bonrarem o nosso estabelecimento coas
suas encommendas participa, que alm dos retractos, seja qual fr o systema, tambem
recebo encommendas para qualquer vista ou paysagem, quer photographicas, quer pin-
tadas a oleo, sendo o encarregado destas ultimas o mui conhacido paysagista o br.
Telles Jnior..
Roga-se s Exmas. familias e mais pessoas o obsequio de honraren* com suae
visitas nosso estibelecimento, onde sempre txiste urna magnifica exposicSo dos traba-
lhos quo executamos e onde tambem os senhores visitantes encontrarSo lhanesa no
tracto, perfeis^o nos trabalhos e modicidade nos prejos.
C. Barza,
GERENTE.
Licenciado pela Inspectora Geral de Hygine do Imperio do Brazil.
PREMIO NACIONAL
i, 16,6 00 ir.
Grande Medalha de OURO
Qlum-Lroche
quinas
Encerrando todos os principios das 3
APERITIVO, TNICO e FEBRFUGO
Agradabilissimo e de superioridade pro-
bada sobre todos os preparados* de quina, J
contra a DepressAo de FORgAS, as Af-
FECCES del ESTOMAGO, as FEBRES RE- *
BELDES, etC.
Omesmo FERRUGINOSO
Recommenddo toaln o DEPADPERA.1IENTO
do SANGUE, a CHLORO ANEMIA, e SS
CONSEQUENCIA8 DO PARTO, etC
Pars, 22, na Drouot, e as principaes Pharmacias do Mundo.
Colarinhos e punlios de
sellaloide
Carlos Sinden recebeu pelo ultimo rspor, e
vende baratissimo ; na ra do Baro da Vietoria
numero 48.
Mastros
Vende-se paos para roastros de hiates ou bar-
cafas ; a fratar do eugenho Dona Irmos cora o
administrador das obras da companhia do lebe-
ribe.
Terreno
Vende-se um terreno confronte a estaoSo do
Principe, estrada de Joao de Batros, com 90 pal-
mos de frente e bastantes fondos, e com alicerees
para 3 casas; tratar na ra d'Apollo n. 30, pri-
eiro andar.
Livramento & C.
vendern cimento port'and, marca Sebiaa, de 1*
qualidade ; no caes ,do Apollo n. 45.
GKD



I
>:


*









8
*-~


--*i

Oiario de Pcrnambnco-~Sexta--teira 12 de Agosto de
i
< r % r
iSSEMBLEA GERAL
CMARA DO DEPIT.tDON
DISCURSO PRONUNCIADO NA SES-
SaO DE 10 DE JLHO DE 1887
OByAMEJJTO DK KSTBANGEIEO
O Sr. Bario de Goteglpe (pre-
sidente do coDselho e ministro do estran-
geiros.) Sr. presidente, tenho por dever
completar a resposta que mo curapre dar
aoa honrados deputados, que se occuparam
de alguna asaumptos referentes ao minis-
terio a meu cargo. Fal-o-hei pola ordem
dos discursos, permittindo me o nobre de-
putado, que hontera especialmente se oc-
cupou cois* variados pontos, o resrvalo
para ultimo lugar.
O Sr. Affonso Celso Jnior.Pela ida-
de me compete.
O Sr. Barao de Cotegipe (presidente do
conseibo e ministro de estrangeiros) :Nao
senhor. Neste caso eu drei como dizem
os nossos camponezes : Nao se d por
aggravado por na contal-o primeiro, por
que o tinha reservado. (Riso).
O honrado deputado pela provincia das
Alagas tratou exclusivamente da nossa
posicao nos tribunaes arbitraes do Chile.
N'essa occasilo, nao tinha eu na pasta os
documentos que melhor poderiam esclare-
cer a materia ; boje, venho sujeital-os ao
conhecimento da cmara c com especiali-
dade ao do nobre deputado.
Daleituradesses documentos verS. Exc
que nenhum desar nos proveiu da suspen-
sao das ses3oes dos tribunaes arbitraes, e
ao contrario, tivemos de ver triumphantes
os principios que all bavia estabelecido o
nosso arbitro.
Conforme viu a cmara, os guvernos da
Inglaterra e Italia, as respostas que de
ram ao do Brasil e ao do Chile, declara-
ran] que passavam a consultar os seua ju-
risconsultos e que, depois da opiniao del-
les, responder-nos-biam. Nao conheco os
termos da consulta, mas o resultado della
mostra que a suspensao nao foi motivada
por causa justa, porquanto foram proroga-
das as convengues sera nenhuma outra
condigo ou declarago alera daquellas que
estavam comprehendidas as convencSes
primitivas.
Continuara, portanto, os tribunaes a fun-
ccionar sem declarago ou restricto era
a respeito das provas, era a respeito da
doutrma adoptada nos julgamentos.
Es aqui, pela ordem dos successos, a
narragao do que occorreu.
Vou 1er a confidencial do nosso arbitro,
o Sr. conselheiro Lafayette, datada de
Santiago, em 25 de Dezembro de 1835
a Confidencial. Santiago do Cbile 25
de Dezembro de 1885.
< Illm. e Exra. Sr. Barao de Cotegi-
pe.Os tribunaes arbitraes, como j tive
a honra de coramupicar a V. Etc. te.n
tos de doatrina jurdica que pravalec rara
as sentengas proferidas, e as regras de
apreciage de prova que foram aceitas,
destoavara das conveniencias do arbitro
da Italia e do da Franca; que, em con-
sequencia, pretextando impedimento pesso-
al, procuravara ganhar tempo para obter,
no sentido dos interesses de seus na;io
uaes, irodicag3e8 as convences, pelas
quaes foram constituidos os tribunaes ar-
bitraes, e que sao a lei fundamenta: dos
inesmos tribunaes ; qua effectivamente, so-
licitaram do governo do Chile, a abertura
de conferen-ias, em que se discutissem mo-
dificagSes s convences, seni que, no era-
tanto, houvesaotn declarado com a devida
preoisSo em que ooosistiriara taes modifi
cagSes ; que, finalmente, tendo-se o ge ver-
no do Cbile recusado perentoriamente a
admittir discussao a respeito, submettoram
o aBsumpto ao conhecimento dos seus go
vernos.
< E me informara mais que o arbitro
inglez, conservando-se estranho a esses pas-
sos, se limitara a pedir a govern> do
Chile que, se porventura fizesse conces-
soes favoreveis aos reclamantes italianos
e francezes, estendesse essas mesraas cin-
cessoes aos reclamantes inglezes.
Espera-se que as respostas dos gover-
nos da Europa s consultas dos seus ar-
bitros chegarao a Santiago por todo o mez
de Janeiro prximo futuro, sendo para crer
que os tribunaes recomecem logo os seus
trabalhos.
Depois que 03 tribunaea arbitraos re
abrirara as sussoes em 10 de de Agosto
passado, s foram julgadas 15 causas sen-
do 12 italianas e tres inglezas. O tribunal
franco-chileno ainda nao proferiu nenhuma
sen tenga.
< No julgamento deltas causas os tri-
bunaes tomaram como regras de decidir os
principios do direito internacional aceitos
pela pratica das nacoes civilisadas (Fran-
9a, Allemanha. Inglaterra e Estados-Uni-
dos da America) professados pelos mais ce-
lebres publicistas e applicados por tribu-
naes anlogos.
f E' esta a lei dos tribunaes, segundo a
clausula 6a das convences.
Em presenga da citada clausula, os
tribunaes arbitraes esto strictaraente obri-
g&dos a julgar pelos principios do direito
internacional positivo e sem violar a dita
clausula ; e, portanto, sem faltar aos seus
deveres, nao poderiam pautar as suas de-
cisoes por doutrinas puramente philosophi-
cas, que sao apenas aspiracoes generosas
dos cultores do direito das gentes, mas que
ainda ao foram aceitas na lei internacional.
Se queriam que os tribunaes funecio-
nassem como collegios de philosophos, de-
veriam opportunamente ter obtido que por
clausulas expressas das convencoes, ticas -
sem esses tribunaes revestidos da demissao
de julgar as reclamacoes, nao segundo o di-
reito internacional vigente, mas segundo os
Devo accrescentar que o regulanaen-
to para o processo dos tribunaes, organi-
sado polos meamos tribunaes, estabeleco
que as testemuohas s podem ser dadas
parante as autoridades pelo tribunal arbi-
tral respectivo, designadas e cora citacao
previa do advogado do Chile. as causas
julgadas, nenhuma distas duas formalida-
des foi preenehida.
Pego lioenca a V. Ex2. para chamar
particularmente a sua Ilustrada attengi
sobre a raanifeata illegaiidade do prooedi-
mento dos arbitros da Italia, .Franga e Irf-
glaterra, irapedindo os tribunaes de fanc
conar. Esse procedimento impirta viola-
gao do direito internacional e das convec-
c3es.
O tribunal arbitral, uma vez estabe-
lecido, corao sabe V. Exc, se desprende
inteiramente da accao e interferencia das
acjiJes que o constituiram, para funecio
nar e julgsr segundo sua consciencia e in-
telhgencia ; e de conformidade com as re-
gras de direito, que pelo corapromisso lhe
sSo presenptas,-nao um congresso de
diplomatas incumbidos do regular interes-
ses, e sujeitos s inspirabas dos seus go-
vernos ; mas um tribunal puramente de
justiga,.investido da missSo de declarar e
applicar o direito.
Uma s das nagSes, que o constitui-
ram, nao pode embargar ou suspender a
sua acgo, porque nao lhe agradem as
sua3 decisoes. So tal fosse possivel, o tri-
bunal arbitral perdera a sua razo do ser,
perdera at sua seriedade, e seria uma
simples burla, aceita ou despresada, se-
gundo a actualidade da conveniencia.
Sem duvida, o direito internacional
d recurso contra as decisas dos tribu-
naes arbitraes. Consiste esse recurso em
n3o aceitar a nacao prejudicada as sen-
tencas arbitraes, quando forera contra os
principios exarados no corapromisso, con-
tra os principios de direito internacional
umversalmente aceitos, ou quando forem
preteridas as formulas de defeza chama-
das de direito natural.
E' o recurso de que poderiam langar
mao a nacoes que constituiram os tribu-
naes de Santiago, se pudessem demonstrar
os julgamentos dados os vicios alludidos.
Estou convencido que os governos da
Europa, inteirados das occurrencias, bao
de reprovar o procedimento de seus ar-
bitros, como envolvendo violago do direi-
to internacional e como tendente a desiuo-
ralisar a instituicao dos tribunaes arbi-
traes.
deixado de funecionar ltimamente por fal- sentiraentos o ideas que professam os con-
gressos phiiantropicos, e que estes mais de
uma vez tm proposto como modificacSss
salutares a introduzir no direito da guerra.
Na apreciaste da prova dos factos ad-
duzidos pelos reclamantes deixam as con-
vencoes certa discrigo aos tribunaes (clau-
sula 4a). Nao se julgando sujeitos s re-
gras escripias desta ou daquelle cdigo de
processo, os tribunaes, para avaliar as pro-
vas exhibidas, tomaram como principios di-
rectores as regras geraes de direito, que
nao sao senao as de lgica e critica acer-
ca do testemunbo humano.
< Este modo de entender que reproduz
fielmente o pensaraento das convencSes
mais favoravel do que prejudicial aos re
clamantes, porque os subtrahe s difficul-
dades e formulas da prova rigorosa
t No emtanto, ao que parece, o arbitro
italiano e o fraouez desejariam que nem a
taes regras fieassem sujeitos os tribunaes
devendo-lhe dar ampia faculdade para ac-
ceitarem as proras, sem attenco a princi-
pio algura, isto para ulgarem a seu me-
ro arbitrio, provado o que, conforme o
simples senso commura, uo se pode acei-
tar como tal.
ta de comparecimento dos arbitros da Ita-
lia, Franca e Inglaterra.
O da Italia e o da Franca, em ofiicios
ao presidenta dos tribunaes, declararam
que nao podiam comparecer, o piimeim
por estar cecupado em servico, o segundo
por motivo de torga maior, accrescentsndo,
porm, ambos que voltariam a exercer suas
funches to depressa como cessassem os
impedimentos allegados.
O da Inglaterra, em carta particular,
me dase que deixava de assistir s ses-
soes do tribunal anglo-chileno pelo i'acto
de nao iunecionarera os tribunaes italo e
franco-chilenos, mas que com praz?r vol-
vera a desempenbar os seus deveres de
arbitro, ss assim lh'o ordenasse o seu go-
verno.
Sao estes os motivos de nao compare-
cimento, do que o tribunaes arbitraes tura
conhecimeuto otficial.
x Mas a carta do arbitro ioglez deixa
entrever que o arbitro italiano e o francez
t'.veraia para nao comparecer outros moti-
vos que nao 03 expressados.
A'mim, su me informa por via de ca-
rcter privado, mas fidedigna, que os pon-
Aproveito a occasilo para renovar a
V. Exc. os protestos da alta estima e ds-
FOLHETIM
JOSLARONZA
POR
JACQCES DI FLOT E |PDRO MAEL
m:f\Tl PARTE
CARJIH\
( C'yntinuagao do n.
182>
O banqueiro ficou lvido.
Darmaiily tirara da algibeira a3 tres le-
:ms.
Esta firma, continuou elle, sempre
sardnico, tem apenas um deleito, que
parecer-se com a sua. Em summa, o Sr.
Jos Laronza talvez o mesmo que Le-
wis Jubb, isto seu irmao, nao verda-
de?
E rio-se a bora rir.
Rouval julgou-se perdido. Sua cabega
oscillou ao choque.
E arrebatadamente tirn da afgibeira
jm revolver.
Antes que Maximiliano e Joao houves-
sem podido prever e impedir o tnovimento,
elle apontara para Darmaiily e tzera fogo.
Oaviose um grito de dr, um grito de
criang8, para logo abafado por uma horr-
vel praga.
E o gigante Pouliguen, tendo nos bra-
cos o pequeo Goolab coberto de sangue,
precipitou-se para a sala.
O menDO, com os olhos j velados pela
morte, estendeu a mo ptra o bandido.
Lewis Jubb, pronuuciou elle em voz
moribunda.
O tratante de Ceylo, rugi Pouli-
guen.
E entlo os quatro homens, aterrorisa-
dos, puderam ver a descoberto a cara lisa
do banqueiro, cujas soigas ruivas se tinhan
desprendido aos esforgos que fazia para es-
capar-Ibes.
Era eom effeito o homem de CeylSo, de
Melbourne e de Sydney, era Jubb, era
Laronza.
Rangiam-lhe os dentes, espumava. E,
como dissera Treguern, o sea vigor era
hercleo. Quadruplicado pelo desespero,
resista ao vigor de Joo e de Maximiliano.
De repente, o gageiro depositou o me-
nino ferido em um sote por sua vez avan-
gou para o miseravel.
Mas, naquelle momento, a eminencia de
perigo deu torga sobrehumana ao bandido.
Livrou se por um momento das maos de
seus inimiges. derrubou Juliano com um
soso e atirou-Ojde encontr aos outros.
Depois, correndo para 3 janella aberta,
saltou rus.
XVI
No palacete da avenida Wagram, Cela
nos esperava o seu cumplice.
Presa das mais terriveis torturas moraes,
o velbo hespanhol media, com febril impa-
ciencia, o soalho do vasto salSo.
Que haver ? dizia elle. Como est
tardando em vir !
E morda os pUnhos. dando gritos be
selvagem.
is o premio dos meus crimes, o re- j
sultado das minhas faganhas I Carmen, rai-
nha Carmen I deshonrada, manchada I E
por quem ? Pelo homem que eu eduquei,
torraei, enriquec, pelo homem a quem dei
um imperio I
< > velbo bandido levantou o punho para
o ar.
Mas, desta vez, quero vinganca, vin
ganga terrivel. Aqaelle homem deve mor-
rer minhas mSos, muito erobora esta
casa tiveBse te cesnoronar-se em cima do3
nossos cadveres, enlagados a morderem-se
furiosos.
E rapetia, loaco de dr e de raiva :
Venha ejJe! venha elle quanto
mais cedo melhor!
O ruido do ma:cello da porta de entrada
fl-o estremocer.
Eil-o 1 Eii-o arinal I Vou mtalo.
Deixara desembainhada em cima da se-
cretaria a faca com que ura momenio antes
tinha amcagado Juliano.
Agarrou a arma e cura abominavel sor-
riso olhou para ella.
O veneno, o veneno da eupborb'a !
A morte dentro de duas horas.
A mao apertou o cabo de chifre.
De repente abrio-se a porta da sala.
Clanos deu um pasao para a frente,
prompto para ferir.
Nao fji Rouval, foi Carmen quem en-
trou.
tincta consideraglo cora que tenho a hon-
ra de ser.
De V. Exc. amigo e collega muito
obrigadoLafayette Rodrigues Pereira. >
Eis o que diz respeito suspensao.
O Sr. Alves de Araujo:E' um traba-
lho %ue honra ao seu autor.
O Sr. Barao de Cotegipe (presidente do
conselho e ministro de esfrangeiros): O
nobre deputado ver, pela leitura que vou
fazer, outros documentos que o honram da
mesma maneira, tornando-se assira a cor-
respondencia do Sr. conselheiro Lafayet-
te, como que um tratado de direito publico
internacional. (Apoiados.)
O Sr. Affonso Celso Jnior : Perteita-
mente na altura do merecimento do Sr.
conselheiro Lafayette.
O Sr. Barao de Cotegipe (presidente do
conselho e ministro de estrangeirosj :
Eis outra communicago confidencial, (l):
t Confidencial.Santiago do Chile, 28
de Maio de 1S36.
Illm. e Exm. Sr. BsrSo de Cotegipe.
Depois de 18 de Abril prximo passado,
data da miaba ultima confidencial, occor-
reram successos que alteraram radicalmente
o estado de cousas, sob cuja impressao foi
escripia aquella carta.
No dia 13 do corrente, os Srs. Lan-
nen, ministro plenipotenciario da Franja,
e Silvio Cercano, ministro residente de
Italia, me procuraram em minha casa e
me apresentaram telegrammas, em que os
seus governos autorisavam os seus arbi-
tros a concorrer s sessS^s dos tribunaes
arbitraes para o objecto de se deliberar
sobre o prorogagSo dos mesmos tribunaes.
De accordo com o que socitaram, os
tribunaes italo e franoo chilenos se reuni
ram no da 15 e, por unaniraidade de vo-
sos, foram prorogados por seis mezes, na
conformidade do art. 9 das convences.
Na discussao, perguntei ao arbitro ita-
liano e ao frrucez se, concedida a proro-
gagao, concorreriara cora a sua presenga
para- que os tribunaes roassuraissera suas
funcgSss. Respondern! que s tinharaau-
torisagao para comparecer sessSo pre-
sente, destinada exclusivamente ao as-
sumpto da prorogagao. Desta resposta se
deprehende claramente que aquellas dous
tribunaes continuarao suspensos como at
esta data.
Esta mudanga, sbita e inesperada,
do procedimento por parte da Franga e
da Italia, causou aqui grande estranhez.,
e diversas sao as conjuncturaa acerca do
movel que a determnou. A mira me pare-
ce que era o governo trancez era o ita-
liano acharara ainda uma solugao clara e
precisa da aituacao que ha do resultar do
encerramento definitivo do3 tribunaes, e,
portanto, tratado de ganhar terapo, obten-
do a prorogagao.
t O Sr. II. Fraaer, ministro residente
da Inglaterra, nao tendo recebido ordem
do seu governo relativamente proroga-
gao do tribuoal anglo-chileno (o que para
notar at ao presente os tres governos an-
daram sempre de commura accordo sobre
os negocios dos tribunaes), comraunicou-
Ibe por telegrainma o occorrido. De Lon
dres lhe voio resposta, autorisando a pro-
ceder como o fizeram os arbitros francez e
italiano.
Em sessao de hontem foi concedida,
igualmente por unaniradade de votos, a
a prorogagao do tribunal anglo-chileno.
O Sr. Fraser despjou saber, em ses-
sao, qual o conceito do tribunal acerca do
seu direito de apreciar as provas, exhibi-
das as reciaraagSes.
Mantendo a opiniao que desde prin-
cipio prevaleceu, o tribunal respondeu
que, vista das clausulas da conveneo,
se considerava como um tribunal de con-
vicglo livre, tendo para julgar das provas
as raesmas faouldades que o jury em ma-
na criminal ; o que quera dizer que o
Sim, Carmen, sua tilas, paluda, com os
olhos vermelhos, tremula-
Celano3 quiz amaldigoal-a.
Toda a sua colera desvaoeceu-se em fa-
ce da dr que leu nos olhos da moga.
Meu pai, diese ella, acabara de in-
sultar-me, de insultarme mortalmente.
Preciso de vinganga, de vinganga terrivel.
Quer-me auxiliar? Responda : quer ?
Fallava com desordenada vehemencia,
que sobreexcitou o velbo.
Sro, respondeu elle, carrancudo e
sombrio.
Entre, Ned, gritou a moga.
Ned Hobson appareceu na claridade do
salao.
Sahindo da ra de Boulainvilliers, a hes-
panhola correr ao Hotel Helder. All en-
cantrara o americano.
tribunal, neste assumpto, estava sujeito
aos principios universaes de direito acerca
da prova, e s regras da lgica e boa cri-
tica.
Mostrou-se o Sr. Fraser perfeitamen-
te satisfeito cora a resposta, e particular-
mente me assegurou que, em poucos das,
tena autorisagao de seu governo para oon-
correr reabartura do tribunal.
_ V. Exc. comprehende as consequen-
cias salutares, sobre estes assumptos, da
reabertura do tribunal inglez, sem nenhu-
ma alteragao das suas attribuigoes, tal
como comecou a funecionar.
Tenho a honra de reiterar a V. Exc.
a seguranga de minha perfeita eUma e
mui alta consideragao.Lafayette Rodii-
gues Pereira.
O Sr. Alves de Araujo d um aparte.
O Sr. Barao de Cotegipe (presidente do
conselho e ministro de estrangeiros) :
Sim, senhor. Aqui est a acta em que se
menciona esta circumstancia (l) :
Extracto da acta da segunda sessao
extraordinaria do tribunal anglo chileno
de 27 de Maio de 1887.
Puesta en discusin la mocin del H.
Snr. Fraser, y despus de um largo deba-
te em que tomaran parte el Hon. Snr. Pre-
sidente y los H. H. arbitros do Chile e
de S. M. Britnica, se celebr por unani-
midad el seguiente acuerdo:
Que el tribunal arbitral anglo-chileno
estima que sus faouldades para apreciar la
prueba son las miasmas que tienen los ju-
rados inglezes en materia criminal.
Continuara as coramunicagSes (le) :
c Confidencial.Santiago do Chile, 15
de Outubro de 1886.
< Illm. e Exc. Sr. Barao de Cotegipe.
Talvez Admiras-te 'i
Nao Mas nao comprehendo.
Nao fjmprebendes... que eu sei tu-
do?
Sabes tudo ? .. que queres dizer?
Tudo... o que ?
Que deshonraste minha filha, que
perdeste a minha Carmen, que a levaste
para o meio de brutos, e exposta as vio-
lencias e aos ultrages.
Rouval encolheu os hombros.
Ah sabes Tanto peior N3o tenho
tempo para me defender disso.
Sim, porque vais morrer.
O bandido ficou de todo impaciente.
Escrevo esta a V. Exc. para dizer-lhe
que, por motivo de suade minha e de pes-
soas de minha familia, me absolutamen-
te impossivel permanecer no Chile alera de
Dezembro prximo futuro.
Acredito oue a minha retirada em
nada prejudicar a marcha dos tribunaes
arbitraes, era retardar a terminago de
suas tarefas.
A situagao das cousas esto respeito
a seguinto :
O tribunal anglo chileno tem funecio-
nado com perfeita regularidade : resta ape-
nas por julgar um pequeo numero de cau-
sas ; e, como quas todas esto preparadas
de espera que, at fins dn Dezembro, o
mesmo tribunal tanha concluido os seus
trabalhos.
O italiano acaba de ser prorogado por
protocollo negociado pelo Sr. Conde de F.
Das causas sujeitas a este tribunal, pan-
dera ainda de senenga final mais de 400.
S se reabrir era Janeiro ou Fevereiro,
porque s a esse torapo estar em Santia-
go o successor do Sr. Silvio Carcano.
1 Quanto ao tribuoal franco-chileno, ain-
da nao ha pedido de prorogagao, mas estou
informado que o governo francez dar ao
seu representanta era Santiago ordem para
solicital-a, mal teoha conhecimento da do
italiano. Das reclaraagSes francezas ainda
nao scjulgou uma s.
A' vista da morosidade cora que ca-
minham e se preparaos as cousas, por de-
feitos do processo adoptado, se pode razoa-
velmente calcular que o tribunal italiano e
o francez nao poderao concluir a sua mis-
eo antes de dous anuos.
As difficuldades que surgirm a prin-
cipio estilo inteiraraente aplanadas. As
tres grandes nagSes europeas, naturalraeo-
to pelo estudo do assumpto, se convence-
rara de qua o procedimento dos seus arbi-
tros, retirando-se dos tribunajs em setera-
bro do anno passado, toi incorrecto, e ti-
veram occasiao de sentir que um tal pro
cedimento era altamente inconveniente,
porque tenda a recollocar sobre ella3 uma
responsabiiidade, de que se tinham liber-
tado, pela creafaa das commissoes mixtas.
A Inglaterra e a Italia pediram a pro-
rogagao das convengSes sem a mnima al-
terag2o dos seus conteudos. A Franga fa-
r o mesmo. O arbitro inglez, nos traba-
lhos do respectivo tribunal, se mostra sem-
pre calmo e animado de notavel espirito de
cordura.
t Tudo isto quer dizer que aquellas na-
goes, ou por homenagam ao direito, ou por
que no descobriram outra solugSo para as
reclamagSes, esto resolvidas a aguardar e
aceitar as decisSes dos tribunaes, qual-
quer qua seja o sentido em que se profer-
rem.
* No Chile, os tribunaes judiciarios e re-
partigSes administrativas entram era ferias
desde meiado de Janeiro a principios de
Mkrgo. V. Exc. dever, pois, providenciar
para que o meu successor se ache em San-
tiago por todo mez de fevereiro.
< Devo com toda sinceridade declarar a
V. Exc. que nao tenho outro motivo para
solicitar a minha exoneragao, alera do ci-
ma allegado. O clima do Chile, por extre-
mamente fri e sujeito a variagoes rpidas,
altamente hostil minha organisago.
Nao tenho razao alguma de descontenta-
meato. Do govesno do Chile e de sua po
pulagao tenho recebido constantes testemu-
nbos de respeito e sympatbia. O governo
imperial me tem sempre honrado com a
sua confianga, pelo que lhe sou profunda-
mente grato, o muito particularmente a V.
Exc.
Em dezembro avisare, por telegram-
ma, a V. Exc. o dia da minha partida.
Tenho a honra do ser, com a maior
estima e consideragao.
De V. Exc. amigo e collega muito
affectuosoLafayette Rodrigues Pereira. I
Como depois disso pudessem ter occorri-
do outras ciroumstancias, procurei escla-
recer-aje por intermedio do ministro que re-
presenta actualmente o Chile nesta corte,
deseo-
Elle a acompanhara, offegante, sem sa- j de mais.
ber para onde.
Entilo, Carmen disse a Clanos .*
Meu pa, dou o meu coragao e a mi-
nha mo ao Sr. John Harlett, que aqui
est, o pego-Iba que ratifique esta escolha.
Estas palavras, em outra qualquer occa-
siao, terLin exasperado o /elho. Naquelle
momento, porm, nao era senhor de si.
Deu o seu consentimento.
Bem, disse Carmen. Neste caso, eu
vou cora meu marido.
Com um olhar que punga, olhar de lou-
ca, ella agarrou Hobson pelo braco e ar-
rastou-o aps si:
Vem, Ned, vem, meu amigo. Sou
tua. Amo te vou cumprir a minha pro
messa, vou pagar a minha divida.
O yankee, por seu turno, fra de si,
hallucinado pelo seu sonho, e por essa tul-
minante ventura, acompanbou-a automti-
camente.
Mal desapparecerara abrio-se outra vez
a porta da sala.
Desta vez foi Rouval quem eotrou, Rou-
val, to sombro oomo Carmen, mas ani-
mado pela carreira que dera, cara imber-
be, a camisa e a casaca rotas, sujas de
sangue e de lama.
Clanos nao vio ests3 particularidades ;
nlo vio seno o traidor e o cruel.
At que afioal I disso elle qual ver-
dadera fra, at que afinal ests em meu
poder, demonio I Vais morrer, vais morrer
s minhas maos.
Morrer s tuas mos ? perguntou
Laronza, que ainda te ve aquella sorpreaa.
Sim, s miabas maos, daonnado, mal-
dito I
Ests deudo, Clanos ?
Ora pois Basta Nao temos tempo
de sobra para dizer ou para fazer tolices.
Embrulha todos os valores que possuimos
e partamos 1 Daqui a uma hora ser tarde
Clanos rio silencioso.
Tarde demaii daqu a uma hora
Por que entilo?
Porque tudo est descoberto, tudo
est perdido. O pequeo Darmaiily fal-
lou. Tudo revelou. Digo-te que a poli-
cia anda no nosso encalgo. Nao temos um
minuto a perder. Aviemo nos.
Em vez de apressar, o hespanhol poz
tranquillamante a mao as algibeiras.
Ah tudo est perdido 1 tudo est
descoberto De quem a culpa ? E'
tua. Aposto que por causa dos brilhan-
tes. Meus cumpriraentos, Jos. Tu s um
homem s direitas. Ah! tudo est perdi-
do 1 P03 bem I isso me convra. Quera
matar-te. Da que serve ? A polica vem
ah. Vo metter-nos a nos ambos na en-
xovia I E ^eu tallare, podes fior certo
disso. E' morte essa preferivel da eu-
phorbia. J sou muito velho ; serei con-
demnado s galo*. Tu, porm, sers gui-
lbotinado, cortamente, e eu pedirei para
ver a tua execugo.
Chacoteava de modi atroz.
Rouval nSo estava em s.
Ora, pois, Gmez, tudo isso nao
serio. Digo-te que a polica vem ahi ;
acabemos com isso, caramba I Eu casarei
cora a tua Carmen ; ests contente ?
Tu casars com ella, depois de tl-a
deshnralo A reparagao seria peior do
que o crime | Prefiro que ella fique qual
Nao, v, Jos, chegou a nossa hora I Rom-
peste o contracto. E' a alma do pobre -
O bandido sorrio de modo que
brio o paroxismo da sua furia
Entao, pensas que na minha dad.1,
com a minha coragem, vou resignarme ?
Ora, s tres vezes tolo o que aqui est
perdido, pode ser ganho alhures. Nao te-
mos o nosso imperio, o nosso banco de Syd
ney, a nossa cidade mysteriosa de Ora
Lnga ?
Clanos desienhosaraente abanou a ca-
bega.
Nao ; digo-te que est tudo acabado.
Alm disso, eu nao ligo mais importancia
vida. E tenho todo o empenho em ver-
te morrer.
Ah nao ligas importancia vida ?
E queres verme morrer ? Pois bem E'
este um desojo que, meu pobre Gmez,
nao se reglisar.
Rouval tinha-se approximado da secre-
taria. A faca all estava.
Pela ultima vez, digo-td que escolhas.
Elles nao tardara a chegar, e eu no posso
deixar ninguera, atrs de mim.
Ne, respondeu o hespanhol, na sua
teimosia feroz.
A mo do pirata cabio sobre a faca, o
prago estendeu-se ; a arma embebeu-se at
o cabo no psito de Cela ios.
Miseravel rosnou o velho cahindo.
Agora denuncia-rae, se quizeres I mo-
tejou Rouval.
Toraou todos os valores, papis e dinhei
ro.
Entilo, deixando o seu miseravel cum-
plice expirar vontade, sahio da pega l-
gubre e subi aos seus aposentos.
All despio rpidamente a sua roupa en-
sanguentada e vestio o seu trajo de car-
pinteiro, o disfar^e das occasioes de gran-
de perigo.
Quando desceu, encontrn Carmen que
csnduzia Ned Hobson.
Os tres pararara, olhando-se com descoa
anga.
Rouval foi quem fallou primeiro.
Ned aqui Veio muito a proposito. Eu
a procurar-te.
E, filando Carmen, cujo rosto alterado
pela angustia e palo asco, confessava o con-
tracto hediondo que acabava de faaer :
Oh .' minha bella menina, disse elle,
aposto que acaba de tratar oom o honrado
John Harlett o meio de vingar-se do Dr.
Arband e da sua noiva ?
Apostou bem, replicou ella.
e S. Exc. deu-me algumas inforraagSes,
que julgo dever 1er.
Diz o honrado ministro Ci) :
1 ^ CaUja da 8U8Pensao' temporaria dos
trabalhos dos tr.bunaes arbitraes provea
de pretenderen, alguns dos representantes
de nagoes europeas qua se celebrasse um
protocollo addicional s convengSes, cora o
tira de nxar-re a intelligencia e applicago
que deviam dar os tribunaes arbitraes ao
art. .4 das ditas convengSes. O governo
do Chile entenda que ura protocollo dessa
natureza affectava a independencia dos tri-
bunaes arbitraes, nicos chamados a apre-
ciar a intelligencia das convengoes e o mo-
do como deviam ser appllicadas, porquanto
03 arbitros assumiam o mesmo carcter que
os magistrados judiciaes, a quem nao li-
cito prescrever a maneira de entender e
applicar as leis era conformidade das quaes
devora julgar as questSes juii.iaras.
Pre8cindindo dessa consideragao capi-
tal, o governo do Chile tinha muito em
mira o alto nteressa americano em reves-
tir e raanter os tiibunaes arbitraes cerca-
dos da maior consideragao e prestigio.
O governo allerao poz terrao situa-
gao produzida pala pretengao dos alludidos
representantes europeus, dando instruegoes
ao seu arbitro no Chile, para qua o tribu-
nal cnleno-allemo funecionasse era con-
formidade das convengo33 celebradas. Es-
sa resolugao e attitude do governo allemao,
que vinba ractificar a do governo de Chi-
le, trouxe corao immediata consequencia
instruegoes anlogas do3 mais governos
europeus a seus respectivos arbitros, e os
tribunaes Acarara prestes a funecionsr.
Ao iniciar se a tirefa do tribunal chi-
leno- allamao, o representante deste ultimo
Estado suggeriu ao do Chile aconveaien-
ca de transigir, sem necessidade de julga-
mento arbitral, sobre algunas das reclama-
goes que se apresentavara como de fcil
solugo. Aceito este arbitrio, transigiu-se
sobre uma parte dessa reclamagao. Poste-
riormente transigiu-se tambera sobre as
demais que haviam sido reservadas para o
julgamento arbitral, liraitando-se para e3se
effeito, pelo representante allemo, a som-
ma das reclamagSes a uma quantidade tal,
qua o governo do Chile julgou que, mesmo
por economa, era conveniente chegar a
uma solugo.
As reclamagojs subiam a quinhentos e
tantos mil pesos, e por ellas foram aceitos
20.000.
* E' pelo meio indicado e as condigoes
expostas, que se poz termo s fun:go3s do
tribunal chileno-allemo.
A presenga do arbitro brazileiro no
Chile contribuir efiicazraente para que
funecionem 03 tribunaes, em cuja existen-
ca est especialmente interessada a Ame-
ca.B
J v o nobre deputado que tambem o
Chile d grande importancia presenji do
nosso arbitro. E isto combina cora o qua
eu bavia aqui affirmado, no primeiro dia
qua tive a honra de dirgir-me a esta au-
gusta cmara, dzendo qua convinha que
nos prestassemos o nosso concurso o apoio
a uma nago americana.
O Sr. Affonso Celso Jnior.- E amiga.
O Sr. Baro de Cotegipe E amiga.
Nesta parte, creio haver-me desempe*
nhado do compromisso que tomei, de tra-
zer todos os esclareciuient js ao conheci-
mento da cmara e do nobre deputado que
encetou o debate.
Passo agora ao que diz particularmente
respeito aos negocios internos, que tem
mais ou menos relajo com os paizes es-
trangeiros.
O nobre deputado pela provincia do Para,
em um eloquente discurso sobre este as-
sumpto, chamsu a attenco do governo
para dous pontos principaes :
1.* a conveniencia de que se celebraste
com a Santa S uma concordata que rega-
lasse as relagoas do Estado com a mesma
Santa S, julgando conveniente que nessa
concordata se estabelecesse a nomeagab de
um cardeal brazileiro.
(CovMna)
/
y
I
wis Jubb, que eu envenenei, quera vem I Nesse caso estamos de acoordo, se
ordenar rae o teu castigo, Trata de resig-jquizerem, podemos metter os nossos recur-
nar-te, meu rapaz.
sos e os nossos odios em com mu m.
Aceito, disse anda a hespanhola.
Bem Mas, primeiramente, deixemos
este lugar, que nao tornaremos mais a ver.
Carmen e Ned fizeram a mesma pergun-
ta :
Ento por que ? Que ha ?
Laronza respondeu com mofa sombra :
Ha que estamos descobertos, e eu ha
pouco disparei um revolver.
A moga deu um grito :
Matou Maximiliano '
O bandido cerrou os punbos com raiva :
Prouvera ao diabo que eu o tivesse
matado e a todos os outros.
E interrompeu-8e com violencia.
Mas nao i s isso Fujamos sem
demora. Nao temos seno alguns minu-
tos. Andemos depressa.
Carmen titubeava. Encostou-se ao cor-
rirao.
Nao posso andar, murmurou ella.
Caramba 1 Isso que nSo faz conta.
Experimente sempre.
Ella fez um esforgo e ia cahindo. Ned
a susteve.
L fra eu a carregare, disse elle.
Carmen desmaiava, lateralmente.
Rouval palpitava de impaciencia.
Entretanto, disse elle, nao convm
despertar a nossa gente.
E accrescentou :
Algumas gottas de cordial bao de
reanimal-a.
E tirando do bolso ura frasco, deitoa
rhura em um copo de prata. Depois, de
um vidrinho azul, deixou pingar uma la-
grima de um liquide escuro, que se mista-
rou com o rhum.
Bra sorrise diablico separou-lhe os la-
bios.
Beba, disse elle infeliz mulher.
Ned Hobson nao vio nem o vidrinho nem
o sorriso.
Carmen estava meio desmaiada. Foi pre-
ciso separar-lhe os dentes para deixar fil-
trar algumas gottas na sua garganta con-
tratada.
O licor, forte, porm, parecen animal-a
Voltou ao sentimento da vida e, apoia-
da nos dous companbeiros, chegou ra.
Em relancear de olhos, Ronval levon-os
ra Tilsitt e metteu-os em um coup que
passava.
Hotel Helder, disse Ned Hobssn a*
cocheiro.
(Continuar te-ha). '
<'

Tvp. do Diario roa Duque de Casias o. 42.

I UBVtl I
t


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9852XK5Z_VA4UM4 INGEST_TIME 2014-05-22T22:23:03Z PACKAGE AA00011611_17495
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES