Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17459


This item is only available as the following downloads:


Full Text
- -f k
PARA A CAPITAL E LIGARES <* DE XAO SE PAA PORTE
Por tren mezes adiantados............... 6)5000
Por seis ditos dem................ 12(>000
Por um anno dem............... 23i|000
Cada numero avulso, do mesmo dia......... 100
QABTA-MRA 27 DE FEVEREIRO DE 1889
PARA REVIRO E PORA RA PROVIVfM
Por seis mezes adiantados ..........
Por nove ditos idem................
Por um anno idem... ...........
Cada numero avulso, de dias anteriores..........
134600
204000
26\J000
4100
DIARIO DE PERNAMBUGO
Troprkdxtde de Manuel Jigueifca de Jara Jubos

L
i
Os Srs. Amede Prin-
ce & C. de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios
epublicares naFran-
pae Inglaterra.
TELKRiHAS^
. ssrij sa hacia um
PARS, 26 de Fevereiro.
O curso das acc5es do Canal de Panam
de 40 fraucos.
Consta em divorsos clubs (mas esta no-
ticia carece confirmacio) que o governo
est revolvido a levantar o decreto de ex-
pulsao contra o Duque d'Aumale.
Agencia Ha vas, filial em Pernambuco,
26 de Fevereiro, de 1889.
IHSTRCgiO POPULAR
iSliBWIIESnVEHMS
ANTASAS 8 MODERNAS
AS
Sciensias. industrias e artes
POR
VI
os reosle*
l Contin uacao)
O seculu XVIII, fecundo em invences novas,
rio brilhar os nomes de Sully, Pierre e Julien le
Ro. Ferdinand Berthoud, Lcpaut, Harrison,
e Breguet. Foi entao que se* fabricaram os
relogios raarinhos, chamados chronometros, ins-
trumentos admiraveis por sua precisSo e exadti-
dSo.
A arte da relojoaria moderna, a qual resulta
dae invences successivas de que apresentamos
urna historia resumida, oocupa-se em construir
os grandes relogios ixos, os relogios de sala,
os de algibeira e em fim chronometros que sao
instrumentos destinados a medir fraeces de
tempo com a mais rigorosa exactido, e contem
um machinismo mais complicado do que o dos
relogios de algibeira.
ConteBtar-nos-hemos pois com examinar aqui
os relogios fixos. os de sala, e os d'algibeira.
Nao nosso lim o descrever completamente estes
apparelhos nem explicar a marcha reciproca de
todos os systemas de rodas ; tentaremos somen-
te fazer comprehender o jogo das pecas princi-
pies que produzem o movimento dos ponteiros
no mostrador.
Relogios fixoNos relogios fixos, por exem-
plo, nos grandes relogios dos editirios pblicos,
o agente motor um peso, suspenso na extremi-
dade de una corda que da certo numero de vol
tasem torno deum cylindro horisontal. Este
cfimdro gir.i em torno do seueixo, e recebe um
niovimento de rotaco do peso, que tende con-
stantemente a descer pela aeco da gravidade.
Este movimento de rotar,io transmittido aos
k dous ponteiros do mostrador por meio d'uma
JUoda dentada, soldada ao cylindro, a qual faz gi-
^rar, por meio de um carreto e d'uma engrenagem
intermedia, urna outra roda dentada e em fim o
volante.
As rodas do relogio, assim postas em movi-
mento pelo motor, girariam de urna maneira
continua, mas nao uniforme, isto os ponteiros
a;? quaeso movimento communicado pela ac-
cao do peso motor, nio percorreriam espacos
iguaes em ttmpos iguaes, em virtude da des-
^igualdade dos attritos das diversas rodas. K
por consegrante necessario remediar esta falta
de uniformidade da acc> motriz. Conscgue-se
este resultado por meio de urna peca que oscilla
regularmente, e que, a cada oscillaco para in
teiramente e a intervallos iguaes, a acjjo do mo-
tor ; obtem-sepor este modo um movimento in-
termitente peridicamente uniforme : esta peca
re< ebeu o nome de regulador.
Regulador dos relogios Para os relogios fixos,
o regulador a pndula dos pbysicos, a qual
habitualmeute designada neste caso pelo nome
de balanceiro. Dando-Ihe um comprimento bem
rigorosamente calculado, a pndula produz urna
oscillacao por segundo e pode portanto indicar
no mostrador esta fraeco de tempo.
As peqas por intermedio das quaes a pndula
ou balanceiro para, a cada segundo ojmovimento
produzido pelo peso motor, constituem aquillo
que se chama escape. O mais empregado o es-
cape d'ancora. que vamos desc.-ever rpida-
mente.
Urna peca, em forma de ancora maritima, dis-
posta na extremidade do curso da pndula, rece-
be desta um movimento de oscillaro em torno
de um eixo horisontal de suspensao. Entre as
suas duas extremidades, acha-se urna roda den-
tada que o motor do relogio faz andar. Os denta^
desta roda appcam-se alternativamente a face
Afaferior de urna das extremidades da ancora, e
inferior da outra extremidade, e estas extremida-
des acham-se tambera talliadas de forma que.
durante todo o tempo que um dente da roda
deudo por urna das extremidades da ancora este
dente ia immovel, bem como a roda. O movi-
mento tornado ntermittente e igual, porque
nio posto em ceo seno pelas oscillaces
isochronas da peulula.
E' pois evidente que os ponteiros de um re-
logio nao andam n mostrador de um modo con-
tinuo, mas por pquenos impulsos. Como os
ponteiros caminhan em cada impulso urna quan:
tidade mui pequea, parecem animados de um
movimento continuo: mas observando-os atten-
tamente, notase que o sen movimento nao con-
tinuo, mas procede poi impulsos singulares.
(Contina)
PISTE 0FF1CIAL

overa* da provincia
IXPKDIFTTB *0 DA 15 I* FEVERBIB0 DE 189
_
' presido* ?30tre aue seja
-iva a W<- publicas pr nfRf* do art. 71 do
imeww de **? IWf, ficando
nsa parte alterado o art. 7 i do mesmo
u-se ao director geral
das obras publicas e ao inspector do Thesouro
Provincial
O presidenta d provincia resol ve, de con-
formidade com o disposto no art. 110 do regula-
monto annexo ao decreto n. 9,430 de 28 de Abril
de 1885, combinado com o art. 1* do decreto n.
3,322 de 14 de Jullio de 1887, nomear Joo Bap-
tista Wanderley para exercer os officios de 2
tabellio do publico judicial e notas, escnvo
das execuces riveis e annexos do termo de Pal-
mares, durante a vida do respectivo serveutua-
no, Augusto Berenger de Almeida^Alcoforado,
ao qual de ver pagar a terca pan aDs venci-
mientos, segundo a lotaco.-
ao insasetor da ThjsoariasP FaceoBa.
presidente ik provincia tendo em vista a
proposta do inspector do Thesouro Provincial
contiila em officio de hontem, n. 77, resolve no-
mear o cidadSo Alcino Rabello de Amorim para
exercer o cargo de collector das rendas provin-
ciaes do municipio da Boa-Vista.Coramunicou-
se ao inspector do Thesouro Provincial.
Officios:
Ao hrigadeiro commandante das armas.
Nao me parecendo conveniente para deposito
d'agua da enfermaria militar, as jarras de ma-
deira pintadas a oleo, de {que trata o pedido
annexo ao ineluse officio de V. Exc. de hontem
sob n. 286, queira V. Exc. ouvindo o delegado
do cirurgio-nir, do exercito, informar-me a
respeito.
Ao Dr. chele de policia ^interino.Expeca
V. 8. as convenientes ordens para que o carce-
reiro da caJeia de Villa de Flores informe qual
o procedimento do reo Benedicto Pereira Leite,
que, aili se achava em cumplimento de pena,
imposta por deciso do jury do termo da mesma
denominacao.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Comraunico a V. S.. para os fins convenieates,
3ue em 21 de Janeiro lindo o promotor publico
a comarca de Flores, bacharel Joao Quintiliano
de Azevedo e Silva entrou no gozo de tres mezes
de licenca que Ihe conced para tratar de sua
saude. Continua i substituil-o o cidado Galdi-
no Ribeiro Vianna, conforme participa o juiz de
direito uo officio junio pr copia.
Ao direc.or do Arsenal de Guerra.Tendo
sido pelo Ministerio da Guerra, segundo consta
de aviso de 30 de Janeiro findo, mandados trans-
ferir para os da arma de artilharia, na forma do
artigo 267 do regulamento de 10 de Outubro de
1871. as pravas da companhia de operarios mi-
litares desse arsenal, Rayraundo Marques de
Souza, Manoel Guilhjrme da Soledade, Jos Fran-
cisco da Silva e Joaquim Garrido, conforme pro-
poz essa directora em officio n. 198 de 24 de
Novembro ultimo; assim declaro a V. S. para
seu conhecimento e ins convenientes.
Ao mesmo.Faca V. S. recolher corte,
conforme determira o Exm. Sr. Ministro da.
Guerra em telegraimna de 13 do corrente, os
operarios militares Raymundo Marques de Souza,
Manoel GuiInerme da Soledade, Jos Francisco
da Silva e Joaquim Garrido transferidos para os
corpos de artimaa.Mandou-se dar passagens
por conta do Ministerio da Guerra e communi-
cou se.
Ao mesmo Conforme solicita 9 brigadeiro
commandante das armas em officio n. 284 de
hontem datado, autoriso V. S. a mandar satisfazer
o incluso pedido de 1 ul baixas impressas para o
14* oatalho de infantaria.Fizeram-se as ne-
cessarias communi^cfies.
Ao mesmo. Era cumplimento ao aviso do
Ministerio da Guerra de 30 de Janeiro lindo,
mande V. S. fornecerao 2'batalho de infanta-
ria, com destino Enfermaria Militar, urna ba-
lara ajeara cima de meza, com pezos de 4 gram-
mas at 10 kilograrnmas.Fizeram-se as neces-
sarias communica^Oes.
Ao mesmo.Autoriso V. S. a satisfazer o
incluso pedido para o concert e fornecimento de
diversos artigos necesarios Fortaleza de Ita-
maraca.
Ao engenheiro encarregado das obras mili-
tares.-De conformidade com o aviso do Minis-
terio da Guerra de 29 de Janeiro findo, autoriso
V. S. a mandar collocar urna corta imperial, de
ferro, no porto do quartel do 2." batalhSo de in
fantaria. para ser Iluminado a gaz por occasiSo
de festejos nacionacs, devendo na forma do cita-
do aviso a respectiva despesa na importancia de
80*000. segundo o orcamento que acompanhou o
seu officio n. 257 de 16 de Novembro ultimo, cor-
rer por conta do crdito concedido por aviso de
11 do mez prximo pa*sado para obras militares
nesta provincia. Fizerau-se as necessarias com-
municaces.
Ao mesmo.Determinando o Exm. Sr. mi-
nistro da guerra em aviso de 28 de Janeiro lindo
que, por conta do crdito de dez contos de ris
distribuido por aviso de 11 do me3mo mez para
as obras urgentes e reparos nos proprios naci-
naes, se proceda a cllocaco de um pra-raios
no deposito de plvora da Imbiribeira, nao exce-
dendo a despes.. com esse melhoramento da quan-
tia de 5924250 em que foi oreada pela directora
geral das obras militares, mande V. S. quanto an-
tes effectuar o asseoxameoto do alludidq pra-
raios Communicou-se ao inspector da Thesou-
raria de Fazenda e 80 director do Arsenal de
Guerra.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal da comarca do CafcO.Respondo ao officio de
V. S. de 11 de Dezernbro e 14 de Janeiro ltimos,
sob os. 199 e 101, aiitorisando-o a mandar passar
aos officiaes constan tes do citado officio a guia de
que trata o art. 45 do decreto n. 1,130 de 12 de
Marco de 1853.
Portara:
O Sr. engenheiro ehefe do Prolongaraento da
Estrada de Ferro do Recife ao S. Francisco, man
de dar passagens de Una a estaco de S. Joo por
conta da provincia ios soldados do Corpo de 0-
licia, Modesto Gomes de S, Manoel Rodrigues da
Silva e Lauriano Nuoes da Silva que regressam
para seus destacamentos conduzindo fardamen-
tos-
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officio:
Ao brigadeiro commandante das armas.De
oriem do Exm. Sr. p-esidente da provincia de-
claro a V. Exc. em esposla ao seu officio de
hontem sob n. 289 qiiB hcem dadas as providen-
cias no sentido de sei atisfeito o pedido annexo
ao citado officio.
BXPBDIKNTB DO DIA I 6 DF FEVBRKIRO DE 1889
Actos:
O presidente da provincia, tendo em vista
o officio de 6 do corrente do coronel comman-
dante superior da guarda nacional da comarca
de Bom Conselho, renolve privar dos respectivos
postos os officiaes do 63 batalho de infantaria
j'aquella comarca aba.xo declarado? :
4* coinpanhia
Capito Thoni de Amorim Lima.
8* companhia
Capito Manoel Goncalves Ferrara Mendes.
Tenente Jos Correi >ie Araujo -Communicou-
se ao commandante superior.
O presidente da provincia, em execucao da
le n 2395, de 10 de Setembro de 1873, resolve
nomear para preenchitnento das vagas existen-
tes no 6 r batalho de infantaria da guarda na-
cional da comarca de tfom onselho os segura-
tes officiaes:
4' (otnpannia
Capito, Antonio Cadena Bandeira de Mello.
8" companhia
Capito, Augusto Pinto Vilella.
Tenente. Candido Tenorio Vla:Nova.Commu-
nicou-se ao commandante superior.
O presidente da provincia resolve nomear
para os lugares de Io, 2- e 3- suppientes do juiz
municipal e de orpbiM do termo de Salgtieiro l
Jos Mathias Dantas, capito Angelo Gomes de
S e Braz Pereira de Souza, na ordem em que
se acham collocados
Aos nomeados tica marcado o nrazo de 2 me-
zes para prestarem o juramento do estylo.Fi-
zeram-se as necessarias communicaces'
O presidente da provincia de conformidad^
eom a proposta do Dr. chefo de policia interino
em officio n. 179, de hontem datado, resolve no
mear para o lugar vago de sudelegado do dis-
tricto de Cupity do termo de AlagOa de Baixo o
actual 1* supplente o tenente Antonio Jos de
Mourae uraa^|a|^fMftj0 eidadao Manoel
O presidente da provincia resolve exonerar,
a pedido, Jos Luiz Gomes do cargo de delegado
do districto litterario de Caboclo em Petrolina,
e nomear para substituil-o Antonio Tolentino
Rodrigues Coelbo. -Remetteu-se o titulo ao in-
spector geral da Instrucco Publica.
O presidente da provincia, tendo em vista
o resultado do concurso ltimamente procedido,
do qual trata o officio n. 52 de hontem datado
do inspector geral da Instrucco Publica, resolve
nomear o alumno-mestre titulado pela Escola
Normal Joo Cordeiro Fonseca de Medeiros pro-
fessor publico effectivo da cadeira de ensino pri-
mario do sexo mascolino da cidade de Pe-
quera.-Communicou-se ao inspector geral da
Instrucco Publica.
Officios:
Ao presidente da provincia da Bahia.
Transmuto a V. Exc. para os devidos fins, o in
cluso recibo que me foi apresentado pelo inspec-
tor do Thesouro d'esta provincia em officio n.
76 de hontem datado do London & Brasilian
l!ank, Limited, da importancia de 228*000 ao
crdito de V. Exc. com a caixa Hlial d'aquelie
estabelecimento nessa provincia, para pagamento
dos premios dos bilhetes da lotera em favor da
educaco de ingenuos da Colonia Isabel de que
trata meu officio de 12 do correnie.Communi
cou-sc ao inspector do Thesouro Provincial
Ao brigadeiro commandante das armas.
Tendo por despacho d'esta data vista do termo
de inspeceo de saude, annexo ao officio d'esse
commando de 14 do corrente. sob n. 291, con-
cedido ao soldado do corpo de alumnos da es
cola militar da corte, addido ao 2 batalho de
infantaria Alfredo de Drummond trinta dias de
licenca para tratrr de sua saude; assim o de-
claro a V. Exc. para seu conhecimento e devidos
lins.
Ao mesmo.Faca V. Exc. recolher corte,
conforme determina o Exm. Sr. ministro da
guerra em telegramma de hoje, o tenente-coronel
Estevo Jos Ferraz.
Ao mesmo.Declaro a V. Exc. em esposta
ao seu officio n. 307 de hontem datado, que nao
convm, por ora, a retirada da forja que se acha
destacada em Ouricury.
Ao Dr. chefe de policia interino.Declaro
que tica autorisad) o delegado de .Magua de
Haixo a alugar o predio de que trata no seu offi-
cio, por copia, annexo ao de V. S. n. 178 de
hontem datado, que assim fica respondido.
Ao mesmo Rccommende V. S. ao admi-
nistrador da Casa dp Detenco que declare se
existe, n'aquelle estabelecimento Joaquim Mar
tins de Moura, condemnado pena de gales per-
petua por deciso do jury da cidade da Fortaleza
capital da provincia do ear.
[. No caso afrmativo, convm que aquelle reo
aprsente a petico que tem de ser enderezada
a Sua Mage3tade o Imperador, visto ter elle in-
terposo recurso de graca, e que o referido ad-
ministrador informe acerca do seu procedi-
mento.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda
Mande V. S. pagar as "inclusas contas na im-
portancia de 68*600 proveniente de objectos for-
necidos para o expediente da inspectora espe-
cial de tei ras e colonisago durante um anno e
de publicaces feitas por ordem da mesma in-
spectora no Diario de Pernambuco e Jornal do
Redfe, correndo a despeza pelo crdito de
50:000*000 para ncleos coloniaes do exercicio
findo.Communicou-se ao inspector de trras e
colonisaco.
Ao mesmo.-Mande V. S. pagar a F. P. Bo-
litreau Successor de Gabriel Laport & C, a
quantia de 3:290*000 proveniente das impres
ses feilas relativamente colonisaco. constan-
tes da inclusa conta; correndo a despeza pelo
crdito de 50:000*000 para ncleos coloniaes do
exercicio lindo.Communicou-se ao inspector
de trras e colonisaco.
Ao mesmo.Expeca V. S. suas ordens para
3ue seja paga ao conselheiro Joaquim Correia
e Araujo, procurador do Baro de Muribeca. a
3uantia de 70:000*000 importancia da compra
a propriedade Suassuna em Jaboato : sendo
46:620*640 pelo crdito do exercicio lindo, e
23:379*360 pelo exercicio corrente.
Ao director do Arsenal de Guerra.Au-
toriso V. S. a promover administrativamente, de
accordo com o orcamento na importancia de
30*000 annexo ao seu officio n. 339 de 14 do
corrente, a compra do livro mandado fornecer
enfermaria militar, em aviso de 2 de Janeiro
lindo, e de que trata o meu officio de 14 do
mesmo mez.Communicou-se ao inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Ao engenheiro encarregado das obras mili-
tares. Conforme solicita o brigadeiro comman-
dante das armas em officio de hontem sob n. 301,
autoriso V. S. a mandar caiar e pintar, como
medida hygienica, o edificio que serve de quartel
a companhia de cavallaria.Fizeram-se as ne-
cessarias communicaces.
Ao commandante do corpo de policiaA"
vista do officio do Dr. chefe de policia interino
n. 176, de hontem datado, e por copia junto
mande Vmc. completar o destacamento de Tra-
cunhem com pracas tiadas de outros lugares
povoados da comarca de Nazareth.Remetteu-
se copia ao Dr. chefe de policia interino.
Portaras:
A' vista do que a Cmara Municipal do Re-
cife me expOe em officio n. l^de 6 do corrente
mez, autirisoa a pagar, por conta da verba-
juros e amortisaco de apolices consignada na
lei do orcamento em vigor, a importancia de
700*000 de juros decorridos no semestre a con-
tar de 1." de Agosto do annolindo ao 1 f do cor-
rente mez, aoj possuidores das apolices' munici-
paes que no valor de 20:000* foram emittidas
para pagamento do que a mesma Cmara devia
a Pena Motla & C.
O Sr. agente da Companhia Brazileira de
Navegaco faca transportar corte por conta do
Ministerio da guerra o soldado do 18 batalho
de infantaria Lourengo Teixeira Palha que por
nao ter attingido a sentenca que cumpria no
presidio de Fernando de Noronha o tempo para
ser excluido das fileiras do exercito, recoloe-se
ao seu corpo.
ao referido soldado acompanha sua mullier de
nome Benta Mauricia e seus filhos Joo de 8 an-
nos de idade, Joanna de 7 anno; e Virgilio de 5
annos.
O Sr. gerente da Companhia Brazileira de
Navegaco faca transportar a provincia das Ala-
gas, por conta do Ministerio da Guerra, o sol-
dado da companhia de infantaria all existente
Antonio Honorato Pastor que veio escoltando um
desertor do 14. batalho de infantaria
O Sr. agente da Companhia Brazileira de
Navegaeo faca transportar corte por conta do
Ministerio da Guerra o soldado Antonio Jos Pe-
reira que foi transferido do 14. batalho de in
fantaria para um dos corpos estacionados no sul-
Communicou-se ao brigadeiro commandante
das armas.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETMUO ,
Officioe:
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
O Exm. 8r presidente da provincia manda re-
meta; a T S. para os devidos fins oito ordens
do Thesouro Nacional de ns. 15 a 22.
Ao inspector do Thesouro Provincial.O
Exm. jSr. pesidente da provincia manda com-
munictr a V. S que nesta data proferio o se-
grate despacho na Mtjco do bacharel Zozino
Zenaides da Cmara U, sobre a qual e
The*ou.. icfcrna enaBcio de 11 do corrente
n. 71 :
Indeferido vista da rnfbrraaco.
Ao Dr. juiz de direito da comarca do Bo-
nito.De ordem do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia declaro a V. S., em resposta ao seu offi-
cio de 12 do corrente mez, que enistindo na co-
marca e termo do Bonito 28 pracas do corpo de
policia, conforme o mappa enviado hontem pelo
respectivo commandante, ha numero sufficiente
para serem tirados os guardas, que devem con
duzir os sentenciados para esta capital.
Edital:
Por esta secretaria se faz publico a quem
interessar possa que se acha n'esta repartico
alim de ser entregue depois de pagos os evidos
direitos a patente ae reforma no posto de major
de capito da 1 companhia do 7. batalho ae
reserva da guarda nacional da comarca do Rio
Formoso, Antonio Pereira da Rocha.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo I Mesmo era Dezernbro foram feitas concessoes
Ges, muito digno presidente da provin- de garanta de juros de 6% ao anno para cons-
cia.O ebefe de policia interino, Dorio I tr"cco, uso e gozo de engenhos
Cavalcante do Reg Albuquerque.
que
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 25 DE
FEVEKED20 DE 1889
Fielden Brothers.Encaminhe-se, de-
vendo ser pago o respectivo porte na Re-
partido dos Correios.
Capito Franklin Alves de Souza Pai-
va.Nesta data nomeei os Drs. Augusto
da osta Gomes e Antonio Cavalcante
Pina para procederem os exames de
traa o supplicante.
Francisco de Paula Lins de Carvalho.
Concedo-
Francisco Tavares da Silva Cavalcante.
Informe o Sr. inspector do Thesouro
Provincial.
O mesmo.dem.
Bacharel Joao Zeferino Pires de Lyra.
Informe o Sr. director engenheiro em
chefe do prolongamento.
Jos Jeronyrno da Silva.Sim, a con-
tar do prximo futuro semestra em dian-
te, com a clausula de ser reposto o appa-
relho logo que a casa nao seja oceupada
por um s inquilino.
Joaquim Emygdo de Souza Gouveia.
Passe portara concedendo a licenca reque-
rida .
Bantiu-l Joao Quintiliano de Azevedo
e Silva. Informe o Sr. inspector da The-
soraria de fazenda.
Tenente Jos Francisco Cavalcante de
Albuquerque.Passe portara nomeando
novamente o supplicante.
Joaquim Ferreira Cavalcante.Defe-
rido.
Bacharel Manoel Gomes Viegas.Passe
portara concedendo a licenja requerida.
Manoel Jos do Nascimento.Encami-
nhe-se.
Pharmaceutico Vicente Guedes de
Araujo Pereira.Informe o general com-
mandante das armas.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buca, 26 de Fevereiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartido da Polica
2.* secejo.N. 210Secretaria da Po-
licia de Pernambuco, 2G de Fevereiro de
1889. Illm. e Exm. Sr. Participo
V. Exc. que foram hontem recolhidos
a Casa de Detencao os segaiintes indivi-
duos :
A' minha ordem, Joao Jos Damasceno,
re me tt ido pelo Dr. juiz de direito de Ja-
boatSo, como criminoso e se achar doente,
afim de ser convenientemente tratado.
A' ordem do Dr. delegado do Io distric-
to da capital, Miguel Goncalves da Silva
e Manoel Prxedes Campello, por distur-
bios e offensas moral publica.
A' ordem do subdelegado da fregueza
do Recife, Francisca Mara da Conceicao,
Jorge Antonio Francisco de Oliveira, por
ort'nsas moral publica; Joao Antonio,
como vagabundo, Eduardo de tal, Joa-
quim de Sant'Anna, Manoel Leoncio, An-
tonio Francisco, Mariano Luiz de Franca,
Belizario Baptista de Plaa, como vaga-
bundos turbulentos e Daniel Femandes
Vianna, por crime de ferimentos.
A' ordem do da freguezia de Santo An-
tonio, JoSo Francisco de Sant'Anna, Luiz
Thomaz de Aquino e Joaquim Carneiro
Peixoto, por disturbios.
Ante-httntem s 6 horas da tarde, na
Praca Pedro I da freguezia do Recife.
diversos individuos promoveram desordens
resultando dellas sahir ferido Jos Fran-
cisco de Oliveira, anspejada do 14 bata-
lho de infantaria, pelo de nome Bibiano
Francisco de Farias.
O subdelegado respectivo tendo scien-
cia do occorrido, para alli se dirigi econ-
seguio prender seis dos referidos desor-
deiros, inclusive o autor dos ferimentos.
O offendido foi vistoriado pelo Dr. Jos
Joaquim de Souza, que considerou leves
os ferimentos.
Procedeu se a respeito nos termos da
lei.
Anda s mesmas horas, na ra do Co-
dorniz daquella freguezia, foi ferido Juvi-
no Bispo de Menezes, conhecido por La-
rangeira, residente ra do Amorim, da
referida freguezia pelo subdito portuguez
Daniel Vianna, mostr do vapor Pirapama
da Tomponhia Pernambucana, que foi pre-
so e recolhido Casa de DetenIo.
O offendido foi vistoriadojpelo Dr. Souza
que tarntam considerou leves os ferimen-
tos.
Acerca do facto procedeu-se nos termos
da lei.
Deas guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
1)K
ladoria
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 25 DE FEVEREDiO
1889
Lbtero Clementjno- Leite.P.igue-se.
Isabel Francisca de Quental -A' Cont:
para o fim requerido.
Claudiana Jtativa do O' Santos. -A' Contadoria
para attender a supplicante.
Tenente c >ronel Manoel Cordeiro Cavavalcante
Galvo, (2), Manoel Jos Alfonso, Joo Pinheiro
Catle, Uuilhermino Rodrigues do Monte Lima.
Informe o Sr. Dr. contador.
Gregorio Targino Accioly. -Haja vista o Dr.
procurador fiscal.
Jos Maria dos Santos Delgado, Maria Salom
de Siqueira Varcijo, Augusto Octaviano de Sou-
za.Certifique-se.
Domingos Gancalves Pereira.Informe o Sr.
collector de Palmares.
Joaquim Francisco Collares e Jos Paulo Bote-
lho-Informe a Recebedoria Provincial.
centraes desti-
nados ao fabrico de assucar de canna as pro-
vincias do Maranho, Pernambuco, Sergipe, Ba-
hia e Rio de Janeiro, referindo-se as conccssSes
a sete fabricas. '
Instrucco Publica
despachos do dia 21 de fevereiro
de 1889
Joaquina Mafalda de .Carvalho Veras. -Enca-
minhe-se.
26
Jesuina Baptista de Oliveira. -Como
Porfiria
requer.
Rosalina Olympia Bczerra de Mello. Cum-
pra-se e registre-se a apostilla de 19 do cor-
rente.
Industria saccharina
Sao do retrospecto commercial do Jornal do
Commercio da corte, referente ao anno de 1888,
as seguintes linhas :
A lavoura da canna encontrou valente auxi-
liar para o seu desenvolvimento na associago
Centro da Industria e Commercio de Assucar. fun-
dada em 1887 e que durante esse anno e o de
1888 nao descanou nos esforcos tendentes a
chamar a attenco dos poderes pblicos para a
lavoura da canna, e a levantar o animo abado
dos interessados.
Depois de lutar com grandes difficuldades, a
benemrita directora do Cen'ro censeguio reali-
sar o seu empenho organisando nesta capital
urna exposico de productos saccharinos. A
exposico flcou quasi completamente nrompta e
foi inaugurada nos primeiros dias de Janeiro de
1889. (iracas ao apoio solicito dos ministros da
agricultura e dos negocios estraaaeiros, a di-
rectora pode reunir, por intermedio dos nossos
diplomatas e agentes consulares, avultado nu-
mero de ."mostras e typos de assucar de todo o
globo, memorias e documentos precisos sobre a
industria e commercio deste importante produ-
cto e obteve remessas dos engenhos centraes e
de quasi todos os estabelecimentos do paiz de-
dicados industria saccharina. Assim na uti
lissima exposico promovida pelo centro pode-
ro ser feitas analyses e confrontacoes sobre a
produeco, preparo e commercio do assucar das
quaes devem resultar grandes vantagens para os
nossos lavradores e productores.
Na exposigo encont-am-se amostras de assu-
car nosso de primeira ordem, que demonstram
notavel progresso da fabricafo realisados ues-
tes ltimos anaos. Ha alli tambem amostras
bellissimas de assucar preparado na Blgica,
Allemanha, Inglaterra, Italia, Portugal, Chile,
Per e repblicas Argentina e Oriental.
Proseguindo no empenho em favor desta in
dustria, tantas vezes e por tantos modos de-
monstrado, o Sr. ministro da agricultura resol-
veu recentemente enviar ilha de Guadalupa o
engenheiro Luiz de Castilho alim de assisti^ s
experiencias que alli em breve tem de ser feitas
sobre differentes processos de fabricaco de as-
sucar de canna.
Pelas instruccoes que recebeu foi esse enge-
nheiro incumbido de proceder aos estudos do
novo processo do tratamento do caldo nos difu-
sores e de outros, fazende as analyses das va-
riedades da canna de assucar alli cultivadas,
das talhadas esgotadas, do caldo dos difTusores,
da alcalinidade, do mesmo caldo, dos xaropes e
sua alcalinidade, da massa rozda, dos assuca-
res do primeiro e segundo jacto, se fr possivel
e do mel; verificando a porcentagem do asucar
turbinado e quaatidade de mel por volume, de-
terminando as perdas do assucar no fabrico, o
gasto do combustivcl, se fdr possivel, e sendo
todas as analyses feitas segundo os metnodos
mais modernos; finalmente ter de verificar
tudo quanto possa interessar industria issuca-
reira, inclusive o systema de cultura da canna
de assucar.
Infelizmente anda neste anno as provincias
de Pernambuco, Alagas, Sergipe e Maranho,
grandes productores de assucar, tiveram de lu-
tar com a baixa de precos do seu artigo princi-
pal de commercio.
Tambem na nossa praca a situaco do assu-
car foi desfavoravel como vai exnosto no lugar
competente deste retrospecto e demonstrado em
tabellas.
Em 1 de Dezernbro de 1888 foi expedido novo
regulamento para as concessOes de engenhos
centraes, segundo esse regulamento as conces-
soes nao podero ser transferidas seno depois
que as fabricas se acharem em construeco e as
companhias cessionarias deverao ter sua sede no
Rrasil. Somonte a agricultores ou companhias
nacionaes podero ser feitas as concessOes. e a
garanta nao se tornar effectiva antes que as
obras da fabrica estejam concluidas e aceitas -
Como sabido, a le de 6 de Novembro de 1873
autorisou o governo para garantir juras at 7 /
ao capital mximo de : 'OjO'KM)* que fosse ef-
fectivamente empregado na construeco de enge-
nhos centraes. Aps numerosas concessOes, em
grande parte rescindidas, em fins de Dezernbro
estavam em vigor as constante? d'esta tabella :
Provincias
Maranho.....
Parahyba-----.
Pernambuco..
Sergipe .......
Baha.........
Rio de Janeiro.
S. Frtilo.......
Minas-Geraes..
Fabricas
l
1
5
2
. 2
6
1
1
Capital
730:000f 00
7' 0:000000
3.35 .000000
1.230:000*000
M50:<)0t
4.60 .mooojuoo
303:000*000
Totaes.. 19 .000:000*000
ao lypodojuro subdividia-se
Com referencia
mesmo capital :
Juro de 7 /.. l 000:000*000
Jurode6% ........ 11.600 000*000
O governo eslava, pois, autorisado para garan-
tir o capital de 17.4w:00M, podendo alterar se-
gundo as exigencias da produeco a tabella que
acompanh >u o decreto de 1 de Dezernbro, quan-
to distributco do capital pelas provincias.
A qVspeza total realizada com engenhos cen-
traes at o lim do anno financeiro de 188S a 18S7
foi de 2.011:908*, inclusive differencas de cam-
bio e gastos da fiscalisar,o.
Os engenhos centraes e outros melhoramentos
realisados por fazendeiros as suas propriedades,
empregando apparelhos peridicamente aperfei-
coados, lizeram nascer a esperanca de que aug-
mentara a produeco da agurdente ; mas at a
ultima data pouco apreciavel se tornara o aug-
mento.
Nos raappas, que acompanham este trabalho.
v-se que nos ltimos dez annos a importaco de
agurdente cresceu apenas 10 a 15 /0 modiflcan-
do-se frequentemente os precos, nao sendo lon-
ga a sua elevaco, e tornndose elles ultima-
mente pouco remuneradores em face das maiores
despezas actuaes da lavoura.
Mo grado a crise do trabalho, no municipio
de Campos, houvena ultima safra produeco su-
perior das colheitas de i887 e 1886 e muito ap-
proximada s do tempos mais prsperos, atten-
dendo-se circumstancia de ter vindo d'alli n'es-
te ultimo anno grande quantidade de espirito de
36 e 40 graos, ou 3,215 pipas, que representan!
6,430 em agurdente de 20 graos.
Na extensa zona atravessada pela estrada de
ferro D Pedro II a produeco de 1888 baixou
mais de 50% relativamente a 1887 e 1886. sendo
a differenca de quasi 3.000 pipas, o que corres-
ponde a urna perda de cerca de 240:000* para
os lavradores d'essa zona.
No municipio de Angra a differenca foi de cer-
ca de 90:000*000.
Em Paratv a produeco nao diminuio.
Essas differencas foram compensadas para o
consumo do nosso mercado pelas entradas de
Alagas, Sergipe e Pernambuco, que nos mao-
daram mais de 5,000 pipas.
Seria maior a importaco se o consumo manti-
vesse a progresso de 1882 a 1886, quando as re-
messas para o interior exigiam muita agurdente
transformad? em productos diversos outr'ora im-
portados de mercados eslrangeiros e de inferior
qualidade. Para satisfazer um erro do consumo
os nossos fabricantes, que tem sua disposico o
melhor espirito que se possa desejar, teraiam em
dar aos productos urna procedencia estrang^ira.
0 imposto de 50 ris por litro de agurdente ou
de qualquer outro producto alcoolico. cstabeleci-
do pelo Regulamento de Fevereiro de 1888 nao
foi bem recebido pelos interessados residentes
em varias provincias do Imperio e surgirara di-
versas reclamacoes. Attendendo a essas reclama-
cOes, o corpo legislativo autorisou o governo para
n-ver o regulamento, reduzindo o imposto a 20
ris.
A maioria dos negociantes de agurdente por
gresso, nesta praca, em 188, diligenciaram ob-
ter para seus trapiches particulares os favores
concedidos em 1887 ao trapiche Saude.
Originouse semelhante pretenco no facto de
nao ter aproveitado aos mencionados negocian-
o recurso tentado, o anno anterior, perante o
juizo commercial, afim de tornarse effectiva,
vontade delles, a retirada de qualquer porco. de
agurdente depositada sua ordem no sobredi1"
to trapiche.
Na impossibilidade de retirarem, quando qui-
zessem, a sua raercadoria, por ser isso contra-
rio a urna postura da cmara municipal, elles re-
correram ao governo imperial e este, porum
aviso expedido pelo ministro do imperio, Sr. Ba-
ro de Cotegipe,manteve a citada postura.
Solicitaran] entao do conselho de estado o
exame de suas allegaces, e o parecer Ihes foi
adverso.
Parecia que as diligencias dos negociantes de
agurdente da maioria daquelles que, em tem-^
po, foram os proprios a pedir um trapiche pri-#
vativoficarium privados da soluco desejda.
Nao succedeu. ponm, assim.
O ministro do imperio, Sr. conselheiro Costa
Pereira, por um novo aviso, expedido em No-
vembro prximo lindo, autorisou um dos sobre-
ditos negociantes, a usar da faculdade adquiri-
da pelo trapiche Saude ira pondo smente ao
mesmo negociante, a obrigaco de levantar as
paredes do seu deposito. Ambos os citados avi-
sos podero ser dignos de respeito, porm, -
tabelecendo elles to oppostas resoluces exe-
cutivas, alguna dellas ha de ser contraria ao
direito ou justica. Quando menos nao se com-
prehende, como, subindo as paredes de qualquer
deposito, desea a forca inflammavel dos gneros
all depositados.
A opposico que os negociantes de aguarden-
te fazem permanencia dos favores gosados pe-
lo trapiche Saude s pode ter um fundamento :
a falta de um regulamento approvado pelos
poderes competentes afim de garantir os inte-
ressados, tanto com respeito aos preces, como
quanto ao tempo, pois nao devem os negocian-
tes ficar ex pos tos a alterages de tarifas nema
mudarem se, mais tarde, nao' podendo depois
tornar a possuir os depsitos ou trapiches, que
actualmente servera para o trabalho proprio do
seu commercio.
Tornem-se firmes as tarifas de armazeoagem
por tempo determinado assegure-se um certo
prazo para manutenco do deposito a que desti-
naran! o trapiche Saude, seja este ou outro qual-
quer o entreposto privativo de agurdente; e
urna tal resolucao nao poder ser seriamente
combatida; porque ella aproveitar nao s a
mais vantajosa arrecadaco des impostas, mas
tambem ao commercio legal, que assim ficar
amparado contra a concurrencia desleal, que,
no caso contrario, Ihes faro os vendedores am-
bulantes nao tributados.
Diz-se que isto equivale a um monopolio, mas,
se a postura sobre os fnflamaveis de rigorosa
necessidade, e se pretende sustentar que a
agurdente possue tal propriedade, a con-equen-
cia necessaria ser: guardar esse geierom
um deposito afastado e nico, porque i agur-
dente perde sua qualidade em contracto ou pro-
ximidade de outras mercadorias.
REVISTA DIARIA
tuarda* nacionalFoi honfeiu expedida
a seguinte portara:
*f. Secco. Palacio da Presidencia de Per-
nambuco, em 26 de Fevereiro de 1889.
O presidente da provincia, tendo en\ vista a
propona do tenente coronel commaitdsnie do 7."
corpo de cavallaria da guarda nacou da co-
marca de Oiinda e informaco do respocti vo com-
mandante superior, de 20 do corrente resolve
nomear para o referido corpo os seguintes aJfi-
ciaes :
5 companhia
Capito. teneute Eduardo Daniel de Scui.a Fradi-
que
6.a companhia '
Capito, Urbano Jos de Lima.
7.* companhia
Capito, Jos Luiz Salgado Accioli Innocencio
Marques de A ayo Ges.
Acin da Prenidencia Por aet is de 15
do correnie mez:
Foi resol v ido que seja exM^^H
qualquer contracto de obras publicas |
a disposico do art. 72 do regulamento de 20 de
Junho de 1887, ficando assim n'essa parte alte-
rado o art. 73 do mesmo reglame!)tu
Foi norneado Joao Baptista Wai

:
ix
V



V
i
Diario tle 5>4Ki:nbuco--T1Qu4kfeira 27 de Fevereiro de J<9
sofficiostfe l" tabellio'do publico ju- quim de Freitas'Hec.riques, 1" promotor subli
dicial e notas, escrivo das efemOtm 'atwipgf cojeWpiWWt*alo rtMlUcjiM 1*1

*.. nMnlpOvc OOM CaMIc Httto SaHH
mMMadM
teafcs (kM ci
lhlon valh:-:
lia
Ja.
exas do termo de Palmares, durante a vida
do respectivo Juoceionario Augusto Berenger de
Almeida Alcdforaob,aoqual deve'r pagar a 3."
parte dos vcnrimwtas.
* Foi nomaado-Al no Rabello de Araorim,
para exercer o caigo de collector provincial do
municipio de Ba-Vista.
- Por actos de 16 do corrente
Forara privadMas re
pitaes do &MitfrMfctD c
Bom-ConselM9rh(Mdo Mor;
Gongalves IlMMnNtadelqte o
reia de Araffo.
ForatiffeniealMipaia o
i^aMiiuauaia
Capitao, AnftMK mteaafcatide*! Jaatlo
Capitao, Aujlft Mfe "J
Tenente, CanttealBi'ri*l *"
ForamndtwStfos l.*Tl* suppleBWWf
juiz municipal e de orphos do termo de Sal-
gueiro Jos Matbias Dantas, capitao Angelo Go-
mes de S e Braz Pereira de Souza.
Foi exonerado, pedido, do cargo de dele-
ado lilterano do Caboclo, ein Petrolina, Jos
Euii '"irnins. i '- ~~-i^-r^~>-^-^-*wi-
Antonio Tolentino Rodrigues i oelho.
Poinomeado |)rofessor-public effcctiW) da
laataita de easino primario do sexo masculino da
cidade de Pe*jueira, o alnmoo-raestre Joao Cor-
deiro Fonseca de Medeiros.
Por offieios da mesma data :
Autorisou-se a Thesouraria de Faeenda a pa-
sar ao conselheiro Joaquim Correia de Araujo,
procurador do Barao de Muribeca a quantia de
/0:0to# da compra da propriedada Suaasuna em
Jaboatao.
Mandou-se a mesma Thesouraria.pagar e
K. P Bolitreau a quantia de 3:290*000 prove-
niente- deimpresees relativas eolonisagao.
Autorisou seainda a Thesouraria de Pazen-
da a pagar a quantia de 68*000 de objeetos ifor-
idos duranae um armo para o expediente da
inspectora especial de ierras publicas e publ-
cateos feitas To -Man* de- Pernambur&c Jorjuil do
Rerifr.
lotoridadr policial i>or portara da
" presidencia de 23 e proposta do Dr chai* de
eoliea de 22 do crreme foi uomeado. para o
igar de delegado do termo da Ipomea, Maaoel
Heraclito de Aluuquerque, em substiruico do
capitao do rarpo de pohclaFrancisco Pereira do
Lago, que solicitou exonerago.
Kmpri'Mtimo provincial ^ Provincia
de hontem, procurando comentar o que, emiop-
. posigo sua urimeira, noticia sobre o ampres-
nimo< provincial, dissemos na folha de domingo,
' engeudrou uns, castellos. para torogoetode der-
rubal-os.
Nao chamamos de falsa,- indiscreta eteviatu a
referida noticia da Provincia. O que drsseaaos
foi que essa noticia nao era inteiramente exac-
ta, e aceresceutamos ter sido pumatura e algo
. infiel a infor-mago que Ihe servio de.base,
i' laso mantemos.
Que a noticia nao foi inteiramente exacta pede
dizel-o o Exra. Sr. Visconde da Silva Loyo, por-
que este Ilustre cavalneiro sube queaproposia
: pie, emnome de lerceiro, apresentou, s foi
aceita como base p ra ajuste.
S. Exc. eslava no palacio presidencial .qaando
toram abertas essa proposta e urna carta, nicos
documentos receidos tendo relago com o era-
presmo. Presentes estavam diversas pessoas,
.tre as quaes um dos redactores deste.Diario:
e todos ouviram o Exm. Sr. Dr. JnnocencioGes,
dign presidcn'o da provincia', dazer ao Exm.
Sr. Visconde da Silva Loyo-que aceita va a sua
, i proposta, mas. que era iudispeasavel chegarem
um accordo relativamente i algumas condiebes,
'qne precisavam de ajuste.
tem, evidente que a proposta nao foi acei-
ta definitivamente, mas sim- est dependentedo
juste de algumas condig&es.
Segue-sedahi que a noticia que eolheu a Pro
iluda, dando como definitivo Um tacto que nao
t.realzado e ainda depende de ajuste, foi
'^'nlgo infiel como affirmanw, e repetimos, e foi
tambem prematura, isto -, anticipada ao-referi-
ofacto.
Bis a vordade, que asequencia da negociago
ha de confirmar, sem i-mbarge dos rcspeiaveis
cidados aos quaes se referi a Provincia, i>.que
podiam ter sido induzidos urna apreciacSo er-
rnea porum -qiiivoco iraalqucn- do sen infor-
mante.
CnoiBMiiiiiHlnil(Manitn!lora Ama-
, uli ao meio dia. reunem-se em assembla geral
accionistas da Companhia Jademnisadora, alim
de apreciarum as conta& da direogao. o balando
e o parecer fiscal, e bem a^sini para darem exe-
njao ao dwposto no 2" doartigo 27 dos res-
i pertivos'estatutos.
nperial Nuriedade .do* MMM
I er.lMnt-o v LiDeruea Atnanh.i. petas
-. horas da tarde, devem reunir-se em assembkia
seral os socios daJmperial Sociedade dos Artis-
'aa Hwanieos e Liberaes, para tomarem co-
nhecimento das contis do auno findo e assisti-
rem posw do novoa membros da directoria.
K\ p.i mos, obsequiados com um exeraplar do catalo-
go dos productos enviados pela commisso des-
la provincia, organisado pelos memoras dacooi-
. misso respi-ctiva, Srs Dr. Vicente Ferrer de
Barros w. Araajo e tenente coronel Francisco
P. Boulreau.
O numero dos objeetos altimrc a' 798.
O catalogo estt escripto em francez e acha-se
\ aitidamente unpresso.
Agradecemos.
' pa*Ma*niiU><-Hontem as i horas da msi-
drugada, victima de urna affecco cardiaca,'fal-
lecen com a idadede 34annos. D. Candida Go-
mes de Oliveira Basto, esposa do Sr.oming*
Teixeira Basto
O cadver foi honleju -tarde sepultad o no
Cemiterio Publico.
Apresentamos Sxma familia da lin-i'la os
afeas condolencias.
(rrincnlviiA's-6 tioras da tarda do dn-
iingo ultimo, na Praga Pedro I, diversos iudi-
nduos promoveram desordens, resultando del-
fas sahir ferido Jos Francisco de Oliveira, ana-
.-penyaUjic 11 batalho de uanlaria, pelo de
oom remano Francisco de Faria.
0 Sr. subdelegado do Retife sabi-ndo do ot-
.corrido pai-a all se dirigi e prenden a sei6 dos
desordeiros inclusive Bibiano.
Os feriments fbiam coasi'lerados-leves pelo
Sr. Dr. Jos Joaquim de Souza, qu procedeu, a
Vitoria. ,
Aquella mesma hora, aa ra do Codorniz,
, i ferido Jovino Bispo de Menezes, conheuido
aor Larangeira, pelo subdito portuguez Daniel
Vianna, nlestre do vapor Pirapama da Compa-
fca rimmhnrim o qual foi recoUiido a Oaa
.de.Detengo. .. .
A vistoria oi procedida ambem pelo mes:no
loaquim de Souza, que declarou le-
ves os feriments. .*> ..'..-.
FaUrrmeailo Succt-mbio houlem, a
Or
rderaauxa. Joaqaftftglaii
SaMH ]atMBaWro AnkHaMos
JitMiiHaMoflal) Pcreim 4t*Car-
_ doM|nHnajBres, datasordos
ou{ras>rwd|ue dacii -wi ato ter tpemosde-
t| featodee.
&*ansaJa de mmm iHai3iBfa)z-5adoa taam-
. juiaaBULtoeto :
JH>liarii MItflo. i*
Antonio Caetano de Oliveira Goragem.
Jos Fernandes de Mello.
Agostinho Jos des Santos.
Antonio Adolpho Borges : eal.
Manoel (oeiho Cintra R;malho.
Manoel Gomes da S.lva.
kora da farde, victima de urna lesao cardiaca a
respeitavel matrona D. Hennqueta Prazeres,
ai do Sr. Dr. Feliciano Euzebw Das Prazeres
Era a fnada natural de Portugal e centava 80
Minos de idade.
Dotad de um esmetiente carcter, era um
modelo de virtudes e estimada de "veras por to-
. 4oe quanUis a conheciaa.
' A' 9a Exma. familia apresentamos nossas
condolencias
O cadver acha-se depositado na t.apella do
eeoiiterio jniblico de Santo Amaro, de vendo o
Ierro effectuar se boje, as 4 horas da tarde.
i ha convites especiaos,
ra do Imperador.
Ferro-lia do Hteiro ao Bonito
Amanh, 4 1 hora da arde, no predio n. 73 a
praca Pedro 11, reunem-se en amembla geral
es accionista aa-ferro-v do Ribeirao ao Bo
nito para darem execucSo ao art. 27 dos respec-
tivos estatutos. ____
Triaaaal do Jarr m*-i-ire-Func-
in itontem estelrikaral com a praseoga de
juizes de facto.
Vs ti horas da-manfc,' presentes o Srs. Dr.
tomDemipouto; mu de***p
districto, presidente do vnbunal, Dr. JoaoJoa-
Franco, escrivao privitivo do jury, principiou a
sessao.
' Foram julgados ot reos Jos Antonio dos.Ali-
jos, Antonio Jos de Lunji, Salustiano Ferrara
Bastos, Manoel de Sant'Anna Oliveira e Antonio
Francisco de Sooza pronunciados no artigo 269
do cdigo criminal po* despacho do Dr. juiz de
aireito do 4o districto
za ossttoi Dr.
ntosna aiivmmo do
. Elias CordciraEinli-a,
Antonio Agusto da Frota Menezes.
Dr.'Duarte Estevo doOtiveira.
tk'nto Manoel deC; slro Amaral.
Deferido ao jury d setenca o juramento legal
foram interrogadoa os reos e em seguida fez o
escrivao a leitura do processo.
Ooost>dosaHfr" -que na- noite de 24 para 23
de Omubro de.1887, no-lugar Rosarinho, 2. dis-
tricto policial da reguezia da Gra^a, os reos pe-
netraram em asa de Francisco Cecilio Fornandes
da SilvaGuimares.d'otide tiraram para si contra
a vontade de seu dono por- meio de violencias,
diversas pegas de roupa.
O Dr. promotor publico pedio aoondeomacao
dos reos no grao i.iaMino do art- 269 do cdigo
criminal > por terem concorrido na pratica do
crime as aggravantes dos.Jg 1." v. 17." do ant: 16.
Successivameateifoi dada a palavra aos defen-
sores dos acensados que, deduslndo a defesa ne-
garam a autora do crime.
Houvo replica o trepca.
Em visu das decises do jury que negou a
autora do delicto foram os roos-dwolvidos e
condemnada a municipalidade.nas cusas.
Terminou o julgamento s*6 horas da tarde.
A sessao foi adiada para boje s tO horas:
' r.iri(-i- de directoriaA Sociedade.
Recreio Familiar li$ de Junho, que tem a sua
sede ho povoado Preguigas, procedeu no Domin-
go 24do ooraBrrle asua eieigaopara nova direc-
toriajquetem de regel-a este anno. O resultado
da mesma foi o segiinte ;
Presidente^-MaDoel Joaquim. Barretto de Gus-
rao, (reeleito.)
Vice -presidenteVirginio da Silva Fraga.
i* Secrotario-JosTiieotoniodeLunajtrealei-
to.)
2." Dito-Flix df Gantace-Luna.
Thesonreiro-Benjamin Bereira de Axaujo,
(reeleito.)
Procurador Manoel de Paiva Cavalcante.
Ufiadarr-Dr.. aflaMNAat Jtoodoro. da-Costa.
['reeleito.
O club denominare Qaterna procedeu tam-
bem a eleicaodo-suadireeioria no dia 23 do cor-
rente, a qual licou assim organisada :
PresidenteJos Jeronyma BuslorfT.
Viae-presidente^-Aclhur V. Pereira da Silva.
i: SecretarioAntonio Martins Pereira.
2.' DitoJoao Manoel Y. Alves.
Taesouniro-Olyainio de Menezes.
. Fiscal-T-Libanio Jose.BustorfT.
Faculdude de loireila-rNa sexta-feira
i. de Margo vindouro, s li horas do dia reunir
se-ha acougregacao para dar cumprituento ao
disposto no art. 68 de* estatutos da Faculdade.
4 lub nos tres dias do carnaval percorrendo as princi--
paes. ras ila cidade.
, oa-vieo anllMarEsta designados diqje
para superior do dia o Sr. capitao Francisco
Jos dasliva, e para, ronda menor o Sr. alfares
Manoel Machado da Silva.
A guarnigio da cidade dada pelo 14" ba-
talho d infantaria.
As guardas da Thesouraria e Palacio sao
commandada6 boje por dous Srs. offi iaes tk> 2
batalho de infantaria.
Existem na enfermara 36 pragas dos cor-
pos da auarnigo.
jb a presidencia do Sr. ceronerJft Evan-
gelista >'ecy da Fooceca, fuuccionou liootem no
quartel general o consulho do guerra a que asta
sujeito o soldado do 14" batalho de infantaria
Francisco Jos Lima.
Verilicaram pra<;a uo dia 23, 12 plsanos e
no dia 25, 11, os quaes toram incluidos nos cor-
pos, da guan icao.
Fo dispensado por 8 dias o Sr. tenente
Leoncio Luiz Pinto liibeiro. .
Foi uansferido para o 2" batalbio de infan-
taria, conforme pedio, o 2" caete da eompauhia
de cavallaria JooGuilherme de Moraes.
11 uftananninato da ra da laa|ecMdor
-nHontem, na sala das audiencias, perante 6 Dr.
Alvaro Barbalho L'choa Cavalcante, juiz substi
tuto do 2* districto criminal, perante o *' pro-
motor ipublico Dr.: Alfonso OlmdenseJbeiro de
Souza. comegoo a lormagao da culpa no pro-
cesso em que reo Manoel da Paixao Ramos,
asaassino do tenente Pedro Regaard.
Estiveratn presentes os advogados : do reo.
Dr. Adelino de Luna Filho ; da viuva da victi-
ma, Dr. Luiz de Drummond.
Foram interrogadas ae testemunhas PedroRa-
mires -e Dr. Jos atar Maria de Albuquerque
Mello.
A aadieucia lerminouas horas datarde.
i Bota vinho O Srs. Loureiro A C. mimo-
searam-nos com urna amostra de fcom vinho do
Porto, intitulado tin*o da Regoa, que d'alli rece
Deu deencommenda e vondem no seu estabele
cimento, ra de Bemfica n. 7.
Recommendamol o aos apreciadores como di-
gno de estima.
irrrloria da* obra de eoaMrva-
odoa rosto* de reanaamabacoRen-
fc: 2 de Fevereiro da 1889.
t Boietim meteorolgico
Horas
6 ra.
9
12
3 t.
6
5 ?! o
gil
23 3
23, 2
28- 2
27-9
27-2
Barmetro a
0"
761-12
762-37
762-04
760-47
MQ-99
lelisao.
do vapor
19,81
21,26
20,89
20,70
20,67
-o
g
1
3
'.'V
88
72
73
77
Temperatura mxima28*,75.
Dita mnima 23",00.
fc-vaporacao-em 24 borasao sol: 4 .5 ; i soai
bra:-2~.3.
Chuva-^28-.8.
Direcgao do vento: ESE de meia noite ate
I horas e 40 minutof- da manh E at 3 horas.
o minutos : SE at 5 horas e 15 minutos; S at
II horase 15 minutos; SSE at 12 horas e 25
minutos da tarde ; SE al meia noite.
Calmar durante 7 horas pela manna.
Velocidade media lo vento: 1" 15 por se-
gundo:
Nbulosidade media: 0,62
Boietim do porto
33 ..
=*
*~ a Da
tsg
i _____________________
25 de Fever.

26 de Fever.
Horas
1 33 da Urde
751
2-20 da manila
818
Ai tura
2-,H
0-60
2-.13
,64
-EfTectuar-se-ho os scguintes
bmattoM
Pelo agente Modesto Ba'plisU, as
da ra das Cruzes n. 10, 1 andar
de
travessa
movis louca, etc.
Pelo agente Gusmao, s 1 horas, no Caes 22
de Novembro, da barcaca oas IrmSos.
Pelo agente tinto, s 11 horas, a ra A
quez de Olinda n. 52, de predios.
Amanha :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, a n
n. 46 de movis, louca e vidros.
Pelo agente Gnsnao, s'l horas, no arma-
zem do Sr. Annes, le pbospboiw variados.
Pelo agente Stepple, s 11 horas, A ra d
Henrique Dias n. 5, em Olinda, 9x averna ah S -cu creio que as
sita. .faWio*A. boje se acha, a
Misa fanebrenSero oetebradas :
oje:
.-daada.
adkilia
As 8 horas.ou matriz da Boa-Vista,. !< esadrelha na neutralidaoe, que nao salva nada,
- no. soori i lamento, que convida uaudo.
[ffiquanto os lobos e os crdeiros nao bebe-
io' pela alma (Fe D. Rufina Maria da Concetoo.'' m nos mesmos arroios, gesto de ouvirna cha-
Amanha
As 8 1/2 horas,
na matriz de Santo Antonio,
Mawt;<
z. -fra alma do
id
&eiZ&
..denoto
da^Miamimaiiiiirtom altlTI boraayaa matrm
a de ftnd) Frafl'
osatora'"aoto-o va
Woni
raas.
Ir
, tatas 11
,X;:*xmS:-32i-?'-
rao Gusmao Lima, Antonio C. ds> Magalhes,
Dr. Joaquim Vilella do Reg, Pudro Le'ssa, Af-
fonso LoyoJa,Julio C. Braga, commendadorJoSo
Francisee do-Amarale* criado, W. A.Hrldreth,
Constancio Jos da Cunha, Dr. Joo Carlos Gu-
tierres, Dr. Hypolito Pederneiras, Dr. Agosti-
a cnflilva Li.il -sua mafaora';- 4*erwrmlo A
de .Albuqwrque -armeatOH>Dr7"tfanoel Mara
Dr. Francisco A. do Carmo da | uaha sua se-
iiliura, padre Luiz Becerra daiRoeha, Jos de
Amorimv Muael de Amorim, Joo Ebas Grego.
Dr- t'mbelino: Souza Marinho, Eugenio Mergu-
lhao. Henrique i da' Silva vCoUtinito, Jofio Carlos
Rodartu.-lDr. Arthur T. Lemo5Augusto Sioupi-
ra..Luiz hrflmjza, Manoeiide Moura'Rolim: Moi-
sen, 7 soldados de liaba, a 3 imperiaes mari-
nfieiros.
Sabidos paDBO sol no vapor francez Ville
de Maranhao :
Joaquim Gomes, Dr. Jos de Medeiros, Fir-
mino da Cunha Alfredo Varella. tus de Mliga-
lhaes.e;Dr- JowJaptista G. da Costa.
riSahidos para onorte uovapor naoional
prrapanuf:
Dr. Antonio de ^ouza"ttrrvallio. ikirao-deAs-
s, sua.8eubora e sensfilhos. Dr. Felippe Guer-
ra, Aindronico.'6eumnet rio Guerra, seu tutellado Cmctnato e 2 criados,
Dr.Luir, atedia Lima,-Thoraazi'Jos B^Gomese
sua senUora EloyiCastriciauo de Souza, D. Sil-
vina de Paula Rodrigues e 1 criada, Manoel An
dr deliimaiFiho. Carlota de Araujo Lobo,
D. Havmuiida. Leal daiMatta ffiltencourt elfl"-
Ibo, wiUiam HayjHenry .Smales, A-. Hsper e
Juvnno Cesar Pees rBarreto.
C:a tiet sxntenco^-.Mcvimento dos pre-
sos da Cusa de Detengo do dia 23 de Fevereiro
de 1889.
E\istiam460; eatearain 18; sahiram 11; exis
tem 467.
A saber:
Nacionaesi43i^ tmUheris' 13-; estrangeiros 21.
-TotaiA67.
Arragoados.408.
Bons 379.
Doentes 24.
Loucos >. Total'408.
Moviraonto da eufermarii
Teve. baixa :
Salustiano Ferreira-Bastos.
Manoel lo ancisco Faustino.
Joo Campelio Bandeira.
Janot-1 Delfino do Nascimento.
Antonio Pedro da Silva.
Teve.alta :
JosiV.Joaquim de Sant'Anna.
-Sos Francisco tteiMello
Hospital Pedro II 0 movimenlo .'keste
estabelecimento dft daridade, no .dia 25.de Fe-
vereiro, foi o seguinte;
Errtraram 14
-Sabiram 21
Falleceram 2
J5xistem 76
Foram visitadas as respectivas enfermaras
pelos Drs.: .
Mosoosos 8 l**,Cveoeiro 10, Borros Sobn-
nhas 7,rBerardo aH, alaquias s9,,Ioutual
s 9 li4, Estevo Cavalcante s 8 ,l|2,.Stmoes
^ ftana*'dcve etar ar- desembar....lores Silva Reg e Alves Ribeiro. -
joven nao deve acabar como a Ve
raraela os idyllios pacilicos mas. Lembro
que os pastores da .Cuiatga, da Sanbmbaxt do
S de.fuzil. Bem. aataaos ilmwiios.
antemos comauUo^tfmtlinos. i Ma*t.conio
rtia o grande MpaatoMno (tomvviUpeiilia-
amanesm^mrecer
Tmaaanataponta-
ptM os mataos I'u-
enxuta a uossa paitara
iscencia usada, direi: .
danos iiossos cana*- e
zis.
mssim os suprmuei
rafhiicanos, se
damas turvar as
Morrer da morte dos vis pedindo perdao,
injurias que nos fazem jamis -
ostaabosatobibem
alvaz araat nao
das
- L 'aurore sMlume,
L'ombre. -paisse fuit ;
Le rete et la brurne
Vont ii va la wiut ;
Paupires et roses
S'touvrent demi^closes;
IXu rreil kmkoses
Gn enkiid te bmit.
(V Muooi.
Ramosa, s 9 3i.
O cirurgio dentisLi ama -Pompilio nao com-
parecen.
0 pharmaceutico entrou s 81|4 da ni&uha e
sabio s.4 da tarde.
o ajudante do plwrmaceutico entroua 7 l|2
da manh esahios 3 l[2horasda.tarde.
Lotera do trato-.Har -A 3 par!" da
6' lotera, dessa provincia, cujo premio grande
60.0004000, :er extrabida, quarU-feira, 27 de
Fevereiro.
Cemiterio PublicoObituario do da 12o
de Fevereiro de 1889.
Joo, Pernambuco, 14mezes, Afogados, a trep-
sia. .
Almira, Pernambuco, 37 das, S. Jos; convul-
ses.
PcdFo Antonio Xavier Ferreira, Pernambuco,
26 annos. casado. Boa-Vista ; leso cardiaca.
Jesuino <:oelho ello, Parahyba. 61 ,annos,
solteiro. Boa-Vista; beriberi.
JosGosreia do Nascknento, Pernambuco, 33
anuos, casado. Boa-Vista ; epilepsia.
.Donino i ardeal, da Cmara,. Peiwmbuco, 23
annos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res. ... .
Mara, Pernambuco, horas. Boa-Vista ; nvia-
bil idade.
Um pouco de tdo
Do Dtetjt de Noticias da Bahia :
DiEjSoares Barbosa : Quando alguns adje-
ntivos'collectivos universaes ludo-e nada se ppe
dopois demuito substantivos continuados, in-
da que.sejam do plural, o verbo vai .v>,sL\qu-
lar .
A mesma regra acha-se reproduzda as gram-'
maticas do padre Daarte,-Passos, CosU e-Cunqa
Julio Ribeiroi Grivet, etc.
Para.mim, esta regra 6 verdadcira qnandose
trata dos verbos chamados adjectivos. Exem-
plos dos autores citados : Bens, dignidades,
horas, tiuo desaparece com a morte-Jog8. con-
versages, espectculos, oda o tnava do seu
retiro Passageiros, .carga, .ripelaga i*do
perdeu no naufragio .
Quando, porm, se tratar do verbo ser, a cqn
cordanria do mesmu se faz mas com o aUribufo.
sendo esle- representado par um substantivo.
Veulum, para demonstrar, os proprios exem-
plos apresenlados por, aquelles grammalicos:
- O ouro, os diamantes, as perolas, tudo-e t,r-
wu e.da trra .t-Aqui. o verboiosla.no singular,
nao pwa conoordaricom o- qironome ludo, e s|m
com o attxibuo (frr(.1|ambem do singutar
Tanto assim, que, daudo-se para attributo um
substantivo do plural, com elle vai o verbo con-
cordar : Oioaro, os diarnaates, as perolas,
tudo sito futilidades para o philoaopho Jim-
^uem diz ludo i. (vlidAtdes. __ I/"
- Honras, dignidades riquezas, tudo evai aos olhos do sabio -PoBdo o attributo bo plu-
ral : Honras, dignidades,riquei.as, iidO'SB
niiaades aos olhos do sabio Sao se diz ; ludo
. vaidades
Logo, nestes casos, o verbo concorda com o
attributo ou predicadoe a regra que prevalece
nao maiB esta, sim est'outra de. Juo-Aibeiro,
a qual se acha igualmente em todas as gramma-
ticas : Tudo, lendo depois de si como predi-
cados substantivos do plural, ex.: ludo sao.-
aa Jj/M f*t C
Admira como, formulando a primeira regra,
nao estabeleceram os grammaticos a respectiva
excepea>, quanto ao verbo ser.
Vilhena Alves.
,%
No li Poplo Humano lemos o seguinte :
Muitas pessoas ba que nao deixara de reco-
nliecer a gravidade da situago flnanceira e eco-
nmica francezae digam se a Franca faz mal
exliaunndo-se em armamentos, faz mal a Italia
em imtala.
Ora, nos nao negaremos certaraente que se-
ria um grande bem o poder consagrar ao de-
senvolvimento da economa nacional aquelles
milliOes que se pedem para a defesa.
Mas se isto nao posaivel, a culpa nao nos-
sa; que seja preciso estar armada, e prompta a
qualquer evento, dlzia-o hontem um velho pa-
triota, que na est certamente esquecido do
passado e por isso comprebende as necessida-
des do presente: disse-o hoje um poeta, que
ninguem certamente querer suspeitar de muito
submisso ao governo, e de dependencia para
rom sua natria.
Giosu Cardncci, B'uma resposU ao convite
pacificadores milanezes, a qual hoje circula
em toda a imprensa italiana, luz entre outras
cousas:
Da noite o-su o veo, despouta o dia,
Mil perfumes nxbala a flor mimosa,
A briza agita a coma selaa-umbrosa,
A patativa o canto preludia.
Doieando o m verde serrana '
Al luz ik> oo se espraia cor de rosa.
Murmura a luitte lauguida, amorosa.
A solid&o de galas se atavia.
Poema divinal Santas doenra- !
De cada ser desprende-serum sorriso,
Da cada -risoum mundo de veatnras.
Em tudo a sabia man de um.Deus diviso;
h. a minlfalma, ail'fita as amargaras,
Salo espandirse luz deium paraso I
Manoel Cn raleante de Mello Filho.
Janeiro de 1889.
a
#
Lemos na Jl^urmu de ttouia, do 18i de Janeiro
ultimo :
A circular /dobonrado prestante do coa se-
ibo,) desde iKtntum i,pon noa1annunoiudai declara
que.ee artigo 28 do-rcgulamento, autorisa a cor-
respondencia direotarrentre -o- rain taterio do inte-
rior e-os, oonsalevnos negoeioa geraes-relativos
a i ii ug raga o.
.Declara que. taes disposices nada estorvam
a liontpetenca acci'w beuelica, tutela ilos-iioss06 e iura los o
das nossas colauias.
. Ouer-se cmentei exonerar o; nriflisterio dos
1'stranneiros, em certas casos determinados. lo
encargo de simples Urajismissao, tambern-pura
mais rpida prompirio e sianjlicidade do ser-
vigo.
.ChaBiudo inaHomj'in dos ootisulos sonta as
reclainacoes dos emigrantes e a "slrulloria. que
dever ser.feita sumiaarianmnte,. communicaado
os seus resultados ao ministerio do interior, re
commenda o honrado Crispi^ue-eja informado
exactamnnto c com. a .mxima pcompudo ,o aii-
iiisteri do iuterior, ao-rca de todas as cortdi-
ges as quaes se patenteia o phenotaeno da
wnigrago,timde.quesfljam bem iaformados
da sorte qne Ihes pode tocar nos- piiises. onde
julgam ir.
Considera o governo que pelos.oasule Ihe
sejam transmittiaas as iuformages sobre as lo
calidades para,ondc a -nossa emjgrago costuma
dirigir-se.
^everao informar o ministerio especialmente
acercadas eondig&es plii.sjc.as,,higinicas,.pul-
luravs de coionisago e de populago. dos seus
distnejos: quauto a jmjtortancia das colonias
ii:k'iuim"s, das industriase dos misteres.eni que
es oossos sao (hj preferencia oceupados, dos. sa-
larios, do progodos vveres, do_s miOS.decopi-
mumeago e de'outros arguijjentos.
Em cada semestre, os cnsules deverft man-
dar oraa reliKp. para informar o governo sobre
o estado da nossa. emigragao.
Especiaes relatnos devuro depois ser_man-
dados ao ministro do interior quando, por ac-
gao dogoverno ou de associoces, se projnpves-
se urna corrente de .emigragao, op se inicias-
sem eoJonisagOej e.obras publicas.
E isto, tanto no caso que oonvenha dissuadir
os oqssos joroaleiros de emigrar, coino prm.
denle resepa, ,uia paiz ,de [)refere.ncja, a qu-
tro.
De tal modo <> ministerio .mtende .exercer
aquelle dever de tutela obsequiosa, que torna-
r mais a/dente emenc-sperigoso 0 ruoviraento
dos enpgrantes."
CHRONICA JD1GIARI
r-
* Bu n*o devo nem quero, nei
cOes de historia aaingeom.
soaso dar lic-
i I ril.iiu.il la He I ac o
gEiSO ORWNARIAEM.26DE FEVEREI-
RO DE 1889
J'KKsmBCIA POyWfJC- SB. ^N.8ELHJaBO
, Sectario, Dr.. Yir.gMip Coelho.
As.horas do,costume presentes os SM.das-
embargadores eni, numero legal foi aberta a
sessao depois de lida o approvada a acta da an-
tecedente.
Distribuidos c passadqs os foitos q>:raai-pe
osseguintes
J[-I.liAMENlMS
llal"'a- corpus
V u'U'iiti' '
JosPinheiro daiSilva.-rMaadou-se ouvr,. ps
Drs. chefe de polica e juiz de direito do, Bp-
nito.
IWcursos ..-leijraes
Da Indepeiiddiicia -rr Raoorrente Belicio Au-
gusto Ferrer da Silva, recorrido o jmizo. Bela.
tor.o Sr.ydasombargador Bunrque, Lima. Ne-
gou-se provimeiito, unnimemente.
Oe aruar Recrreme JoaquTi Ibornaz
Vilbi-Nova, recorrido o juizo. Relator o Sr. des-
embargador ellioo CavuJcante. -legou-e- pno-
vimento,,unnimemente.
De Oiiuda- Reoorrente Jos de Moraes Gue-
des Ali'oforado, recorrido Flpriano Rodrigues do
l'asso. .Relator o Sr. desemburgador Dellino
Cavalcante;, iNegou-se provimento, contra o Mo-
to do Sr. desembargador Monteiro de Andrade.
De Caruar Recrreme Amancio Jos de
Souza, recorrido o juizo Relator .o Sr. desem-
bargador Pirel^Eerreira.-Negou-se proviefi-
to, contra o voto, do Sr. desembargado!- Silva
Reg.
De Villa BellaRecrreme Isaac Barbosa No-
gueira de Barros, recorrido Sebastio Pereira da
silva Xetfo. Relator o Sr. dedembargadar: Mon
teiro de Aadrade-Em diligencia.
De Caruar -Recrreme Joaquim Vellozo- de
Azevedo, recorrido o juizo. Relatero Sr, des-
embargador Pires Gongalves:-Negau-ie provi-
ment.\ miannemenle.
De Villa Bella Recurrente Isaac Barboza No-
gueira de Barros, recorrido Manoel Aadrelino
Pereira da Silva. Relator o Sr. desembargador
Alves Ribeiro.Em diligencia.
De CaruarRecrreme Ernesto Martins Mo-
reira, recorrido o juizo. Relator o Sr. desem-
bargador Tavares de Vasconcebs..Negou-se
provimento, unnimemente.
De PanellasRecrreme Firinino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Arthur Genuino de Sou-
za. Relator o Sridesembargador Oliveira An-
drade. Deu-se provimento, unnimemente.
De Caruar -Recrreme Domingos de Oli-
veira Cavalcante, recorrido o juizo, Belator o
Sr. .desembargador Silva Reg.Negou-se pro-
vimento contra o voto do relator.
Recurso crime
Da linperatrizRecorrente o juizo, recorrido
Miguel Dellino de Moraes. Relator o Sr. des-
embargador Buarque Lima, t- iNgou-se. provi-
u flto, unnimemente.
AgqravaB de peticao
Do Recife-Aggravante Luiz Jos da Costa io
Silva, aggravado o juizo. Relator o Sr. desem-
Deu-se provimento, contra o voto do Sr. desem-
bargador Silva RegO.
Do Recife-Aggravante Joo Vctor Alves Ma-
theus. aggravado Frederico Sodr da Motta.
Relator o Sr. desembargador Pires Ferreira.
Adjuntos os Srs. desembaradores Tavares de
Vasconcellos e Toscano Barreto.Negou-se pro-
vimento^ aaaWaflieineale.
De r.uiif aka iTinrtr Piir-JT" Prrr i Vi-
tal, aggmauda maFranoaunii da Silva .rtlmeida.'
Relator o Sr. dmtiinbaWpidor.Manteiro de Ui-
drade. Jaa^mtaaos SPaam'eseaaBBtnSft's Buar-
que Lima a Mino amaleante. Bagm-se pro-
vmentadmaiaaWDienle.
Do Iniifi utoj i imr li. Anua Geaaroza Ro-
drigucaflaCtiiwaawavaa o juizo. aMator o Sr,
(leseinliaafudar'jyvesiBebeiri). \ Apuntas os
desemlmagajamil l'iattoitarraira o silva
Deu-se pwrfmento, nnanimmeut.
Revista civel
De Belm Recorrenle Fausto Pinto Guima-
res, recorrido Antonio Joaquim Rodrigues dos
Santos. Relator o Sr. desembargador Ruarque
Lima. Revisores os Srs. desembargadores Tos-
4amw BarntoDefamo Cavalcante. J^rgou-se
nulla a aagto proposta, unaniuieiilelite.
AppellagOes crimes
De Caruar-T ppellante Joaquim Fructuoso
da Silveira, appelLda a ju-,tea. Relator o Sr.
desembargador Alves Riberiro. ? Mandou-se a
novo.jury, unanimeraejite, com urna advertencia
aojaiz da. direito.
Do PilarAppeilaote o juizo. appeUado Ma-
uol Francisco dos .8antos.' .Relalor o Sr. tlei-
ombargador Dellino Cavalcante. Mandoa-se a
novo.jury', unnimemente.
De'PaneIlas-*Anpellante Jos Ferreira daiSilr
va. ajjtoJIada a jiiftica. Relator o Sri desem-
ba''("* Tavares de Vasconcellos. Coofir-
moutSoa aenlengav ttoaairneuient .
Do. Caru-vriTppellante Joaquim Biaflo Ma-
Geda, apjwilada a fustiga., Rfatorjo Sr, des-
eaibargador Pires -Feryeira.-ri-Mandou-se .a aovo
jury, unnimemente, com lima advertencia ao
juiz de direito.
a ppellates -eiveis
De l'alm ires AppeBantes Leocadio .iatonio
de Leao e outro, appellado Candido Alves de Fa-
ria. Rolator o Sr. desembargador Alves Ribei-
ro. Revisores os Srs.. desembargadores Tavares
de Vasconcellos e Buarque Lima Reeeberam-
ae os i' banjos, una ni muiente.
.to Recifc-vAppeliante Antonio,.Joaquim iMo-
reira .^ampaiov appel'ado Joaquim Jos Alves
Gaimaraes. Relator e Sr. desembargador Alves
Ribeiro. Revisores os Srs. desembargadores
Silva Rego-e Tavares de .Vasaoncullos.-li 'spre-
aramrse os embargos, unanimeuKute.
Embargos infringentes
i Do Beeife:Embirfganle Mjgue. Jos Barbo/.a
Guimaries, embargado Joaqaim Soares Neves.
Relator o Sr. desesutiargado^Tavares de-iVasoon-
cellos. Revisores os Srs. desembargiidorestUi
veiraAaarade e Silva Reg.Naoitomaram co-
ubecimento dos embargos por se julgarenjj im-
pedidos.
iPA8SA<*KNS
ii Do Sr.'desombangador Pires -Ferreira aa-iSr.
desemburgadoriMoMteipo de Audrade:
Appellages [crimes
Da Recife--AppeRante o juizo. appellado Ma-
noel Francisco de Hollanda Cavalcante.
i Be. Agua'Prta -Apiadlanteo promotor publi-
co, appelludos.Jos*;a()lano' Moreira eoutro.
Apivellaco cwmmercial
Do Recife -Appelante Antonio Gongalves; de
laevedo, appellado Antonio Augusto Pereira, da
Silva.
Do Sr., esumbargador Monteiro de Andrade
ao Sr, desembargador Alvos Ribeiro:
Apnullacao- crime
De AlagasAppellaiite o promotor publico,
appellado Domingos, oxreseravo.
Ao Sr. desemiiargiMlor *ires Gongalves
Appellac civel
DaiudepiMidencia Appullante Jos Lenidas
de Aranjo Lima Freir, ap;.liado AutoninGue^
des Beaerra.
O Sr. desembargado r Pires Goaoalves oomo
.procurador da ooroa e iomotor da justiga, t\ea
parecer nos seguintes (Vitos :
ppella((es crimes
De NazarcthAppeilante o juizo
Jos Antonio do-Reg.
:. De Bezerros Appeilante o jubo,
Amonio Cursino De (;,i-iauhuis7 -A|i pulan te o juizo
.CatauoiHibeiie da Silva.
De Atalaia- Appeilante Manoel Antonio Ca-
valcante, appellada a justiga.
, ,De Anadia-rAppellantes Ladgero Rodrigues
Nobre e ou.ro, appellada a. justiga.
De TacaratAppeilante o promotor pubco,
appellado Antonio Flix do Naaeiuieoto.
De Mamanguape-Appeilante o juizo, appel-
lado Pedro Vianna.
Do Pilar--ppellanteo^promotor publico, ap-
pellado Antonio de Lyra Baisjnha.
' Do Sr. desembargador ,Alves. Ribeiro ao S>r.
desembargador Tacares de Vasconcellos :
Appellaces crimes
DoiPiauco .-.* ppellante o juizo, appellado
Raymundo Cavalcante de. Lacerda.
lia Espada-Appeilante o promotor publico,
appelbdo Adriano Jos dos Santos.
Do Sr. desembargador Tavares de Vasconcel-
los ao Sr., desembargador Oliveira Andrade :
Appellago crime
De Caruaru'-Appellante luveocio Gomes da.
Silva, a| i pellada a justiga.
Appellago comiaercial
Do Recife Appellaates Levis Enermann e
outros, appeUados Luiz- Gongalves da Silva *
Pinto e oulro.
Do Sr. desembargado!! i Oliveira Andrade ao
Sr. desemba gador Silva Reg :
Appellago crime
De Olinda-Appellantes Porcino Manoel dos
Santos e, outro, appebada a justiga.
Do-Sr. desembargador Silva Bego ao Sr. des-
embargador Buarque Lima :
Appellago crime
Apuellante *ntnemogenes Correia ,Maia, ap^
peUaii. Joaana Maria da Conceigao.
^VyftEi.CiAS
Com Aisla ao Sr., des embarcador, promotor da
justiga e procurador da corta :
Appellago,oivel
De Macei-Appollante .o juizo, appeJJada a
Companla BrazLeira de. navegago a vapor.
AppeHages, grimes
De IguarassU'-rAppellante ,o juizo, appellado
MuuoelAives Pereira. .
De Bom ConselhoAppeilante, o,juizq, appel-
lado Antonio Pereira de Oliveira.
Do.Recifer-Appeilante Jos .Venancio da Sil-
va, appellada a justiga. .
De Bom ^OBselho-iAppellante o juo, ap-
pellado Alanoel Luiz de Sant'Anna. .
De Goyanna-rAppettante Ovjjmzo, appe^ado
francisco, ex-escravo. j
De Taoaratu' Anpellonte o, promotor publico,
appellado Jos Marinho do Nascimento.
De Taquarenga -.Appeilante, Joo Amaro de
Mello, appellada a justiga.
De NazarethAppeilante Afltoniojoaquim da.
Silva, appqllada ajustiga.
DisTgiBmgiES
Racursos criaies
Ao Sr. desembargador Tavares de yascon
etilos ^
De GuarabiraBecorrente o juizo, recorriao
Adelino Serapbim da Silva.
Ao Sr, deMBbargader Oliveira Andrade :
De ampioa GrandeRecorrente o JUUO, re-
corridos Manoel Bezerra e-outros.
Ao Sr. desembargador Silva Reg
DeArea Recrrante p juizo,,recorrido fran-
cisco Lopes da Silva.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
De S. MiguelRecorrente o juizo, recorraos
UlyssesSnares da Silva a outros-
Ao Sr. desembargador Toscano Brrelo :
De Caiazeiras Recorrente o juizo, r^r"^0
obachai-elLyndolpho da Assumpco .Santiago.
Appellaces crimes A^A*
Ao Sr. deserabaraador'Monteiro de AndMde,.
De GuarabiraAppellaute, ,Jose. Amonio Ja-
uuario, appellada a,jusliga-
Ao Sr. ukembargador Alves Ribeiro '
Do Pilar-AppeUaale o jmzo, appellado Joo
Marinho de Ssuza. __.J-j
Ao Sr. desembargador .f avares de Vascon-
'f'IIl)"* *
Do Catot do Rocha .AppeUanto Hnuorato
Vieira de Mello, appellada ,a justiga.
-, Ao Sr daaqmbargador Oliveira ..AQdrade :
De Oind* ,AppeUame ,o.1ipfojo|qr.. appeuada/rraawiaco Bonifacio Alves. Pereira. I
Ao Sr. desfimbargador Silva Reg :
[
appeUado
appellado
appellado
junta commercial
relacQo dos com-
hiestro do anno
a reaepro e ar-
>I)e Olinda -Afpeflate o promotor publico,
appellado Albino Pereira Coutinho.
AoSr,-desembargador Buarque Lima :
Do PilarAppebuBle.Aaomo Rorges deDeuf,
appellada a justiga.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto :
Da Gloria lo GoitAppeilante o juizo, appel-
lados Jo5o Francisco de Lyia e outro.
Ao. Sr. dfiserabargador-Dellino Cavalcante :
De Alagda, do Maateiro->aippellante Joo Au
misu de Mwius,..appellada ajustiga.
Ao Sr. deaniilajvpa>dorPires Ferreira :
De Araoaa VppeHaateo juizo, appellado An-
tonio remandes de Almeida Filho,
- -Apiielujo-Qaaiuiercial
Ao -,:. ileaAiibasga'ior Manteiro de Andrade:
-:0 MaceloAnpaUaiitaeB. Anua El.ysa Vigdal
BMSta 4Ms lahoa, apvajlados Silva Lefio a
^*ippeH?e>*"Crveis
Ao Sr. desembargador Pires Gongalves :
De Garanbuns- Appeilante Joaquim Flix da
Silva Burgos, appellado Antanio Vctor da Silva
Vianna.
oSr. desembargador Alves Ribeiro :
Do Jnga-^ApnwUuie Manoel Antonio de Oli-
veira, appellado Manoel Aniso Baptista Guedes.
Eueecrun-se a-sessao s Upa horas da tarde.
-----------?-------------
Jcinta toniitiert-ial la cidaale Reelfe
ACTA DA SESSAO DE SLiBE FEVEREIRO
DE -1889
FKES1DENC1A DO 1LLM. SR. COMME.NUADOR ANTONIO
GOMES BE MIRANDA LEAL
Secretario Dr. Julio Gmmaraes
As 10 boras da manh >declarou-sc aberta a
gessor catando presentes os Srs. deputados Olin-
lo Bastos, commendador Lopes Machado, Her-
inino de Figueinedo : Btltru -Jnior.
Lida, foi approvada a acta da sessao anterior
xi iz-se a- kuca do seguinte :
UXUEDtBKTB
Olw-ios :
De 1* do-presente-mez, da
de S. Salvador, remetiendo a
merciantes inalriculados no 2
prasirao passado.Artaise-se
chive-se.
De 16 do corrente, da juntados correlores des-
ta praga, enviando o boietim das cotagoes offi-
ciaes de li a 10 do presente mez. Para o ar-
chivo.
Diarios olliciaes de ns. 31 a .40.Sejam ar-
chivados.
Foram distribuidos rubrica os- seguintes li-
vros :
Diario de Araujo Castro & C., dito de Manoel
Rodrigues da Silva, dito.de Ferreira Irraao A C,
copiador de branles & C.
DESBACHOS
Peticdes :
De Anastacio da Silva Loruga e Jos Nicacio
Alves, sob a firma Loreaa & C. para que se re-
gistre outra marca que adoptaram para os ci-
garros de fumo Borba, de seu commercio ra
Larga do Rosario n. 8, sob a deuominagoCata
flores.Regstrese.
aVddatCortos MayhnK Jonlriro deitadrade,
ARrediLiCarles. Mayriac.k:4iaateiro do Andrade,
solidarios e um commauditario, para.que se re-
gistre; :COBiO"segredo roconwiendado na le o
contracto do sociedaue em nome coliectivo e em
couiiButtdUa. sob a lirma Mayrinck IrmoA C,
com o ,wptal de o:t em commandita de 7:0a0000 para o commer-
cio da fabricago de vinagre e outros lquidos
nesta praga ra Bariio do Triumpho u. 75.
Registre-se com o segredo recommendado na
le'.
De Jos Marques da Silveira e Antonio Ro-
drigues Gomes da Silveira, para que soja archi-
vado o distracto dalirma Silveira & C, nelo que
tica o ex socio .- ntonio Rodrigues Gcmes e Silva
3ue de hoje em diante se assigna Antonio Ro-
rigues Gomes da Silveira. de posse do estabe-
'leci'nienlo de fazer-das ra Duque de Caxias,
desta cidade, n. 44, e do activo e obrjgado pelo
passivo da extncla sociedade com a-faculdade
de continuar a usar da mesma lirma..= rchi-
ve-se.
Da companhia de seguros .Amphilrite-, joara
que se archivem o balango e relago nominal dos
accionistas da dita companhia. Nao tomaram
parte os.deputados Olinto Bastos o caminen da-
dor Lopes Machado.Sejam archivados
Da companhia de seguros Phonix Pernarubu-
cana, igual pedido quanto ao inventario e rela-
cio dos-accionistas.Arehive-se.
De Manoel do Nascimento Cesar Burlamaqui,
para que se registre o conhecimento do imposto
de agente de leiles desta praga.Regstrese.
De Aotonio Leito Marque*, para que se archi-
ve o distracto de sociedade commercial que leve
com Dj Maria Eugenia Correia, sob a' firma An-
tonio Marques c C., pelo qual tica a ex-soeja de
posse do activo com a responsalnlidade do pas-
svq, lazendo liquidago em seu nome indivi-
dual, pertencendo-lhe o estabelecimento opm-
mcrciai sito a travessa Duque de Caxias n. 9.
Archvese na forma da le.
Do .Banco de GreditofReal de Pernambuco, re-
presentado pelos respectivos administradores,
para que se archive o balango e a relago de
seus accionistas. Ofliciou neste despacho ,-cmo
presdeme o Sr. Onto Bastos. Sejam archi-
vados.
De Bruno da Silva Carvalho & C, para que se
do baixa no registro da nomeagao de seu ex-cai-
xeiro Manoel Vilar Ferreira Pinto. Di"-se a bai-
xa pedida.
De Manoel Vieira Nevos, dem, quanto ao seu
ex-caixeiro Felinto Bezerra Teixeira Cavalcante. ,
Como requer.
Proferio-se o despacho-registre-seuas se-
guintes peticfks solicitando o registro das seguin-
tes qmeacoes de caixeiros : De Epamiu/c; 'as
Krause, Monteiro Braga c C, Viuva r.ons'aiirma
Pinto Ferreira da Silva & C, Joaquim Martins
dos Santos, Noves & Salgado, Joaquim Duarte'a
mes 4 C, Vicente Costa & C Joa um Caval-
cante C, Demetrio Brando, Antciiio Ferreira
da-Silva' & C, Lima Coutinho & C, Lopes *,
Araujo, Couto, Santos & C, Jomo Fernaude* Fer-
reira.-'' 0., Alneida Santos & C, Caetano Cyria-
co da Costa Moreira ,v C, Odilon ^Duarte-oJ Ir-
mo. Manoel, Vieira Neves, Mbrtiniano Jos de
Campos, Aquilino Ribeiro d Cuajia Oliveira, J.
Coimbra & C., Baro de Nazareth Joaquim da
Costa & C, Francisco dos Santos Macedo, Anto-
nio Alfonso Simes, Antonio Francisco da Costa,
Souza Rocha C, Joaquim Bernardos dos Beis
* 0j, erdeiros de Manoel lardoso Ayrs. 'arlos
Sinden, Candido Sobral, Barboza Lima & c'Jos
Nogueira de Souza, Joo Antonio Gozende.^Au-
gusto Fernapdes.
As 41 horas e 1 4 foi encerrada a .sessao.

INDICACOES DTEIS
Mellizos
. Dr. Cprojaeira Leite, tem o seu escripto-
rioabertoaruaDuquede Caxias n. 74Xidas
12 as.2 horas da- tarde, e desta hora em pian-
te em sua.residencia rua Barao de S.
3prj n, :22. JBapoqialidades m.olastia
dfisanboras e priancas. Telephone n. 326.
Dr. Joaquim Louteiro medico e partei-
ro, C9nsutorl,o ra do Cabug u. .14,
1. .andar de 12 42.,da,l^rde; residencia
oin^onteiro.
Dr. Bttmtto Sampai* d, consultas de
meiq-dia s 3 horas no 1,* andar da casa
ra. d>,B*rSO| da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ru,,Sete de $eternbro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. CastroJess ptedico e operador.
Pratica a. lavage.m da tero quando p co-
mo aconsellsada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra da
Bom Jesqs, .(amiga da (>uz) n. 23, 1.a
andar.
\r. Mibeiros, meio din s 3 horas da te^ie, no 1." an-
dar a rim P*ou# de.f:*xUs n., 46, poden-
do ser pr^twadu para,...hdauu na, sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone%. 303.
.Mi**** D "
pode gac^oauBadn -. ra do imperador
n. 71, 1.- andar.
<

'-
:


r

'$
;
-


Digna d& Pern3ml^cQfrr-^agtexfeira.^ d^^EeYareijcq de 1839n
3
t( rio de advocada, para-* ra do Impera-
dor n. 46, 1- andar, sala Aa frente..
0 bochares Jos Vicente Meira de'Vat*
concellos e M<*md. da Trindadv Per Mi,
mudaram, seu escriptorio para a roa do
Imperador n. 50, 1." andar.
Occiilista
Dr. Ferreira. com pratica- no* princi-
paee hospitaes e clinica de Paris e Los-
dres, coi horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario a. 20.
Serrar! Tapar
Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos, Macado, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estable-
cimento, o primar da. provincia ncste
genero, compra e vende madeiras de toda
as qualidades, serra madoirw de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina, po* machinas e por precos sem dom-
petenciaPernamhuco.
Dragarla
Furia Sobrit & .'..droguista por ata-
cada, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Sikoti&C, deposi-
tarios do todas as especialidades pharina-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
I'ruri-mor aucricuuu
. Devido a mudanca de residencia, Mr.
George B. Nind, pode ser procurado nos
dias iiteis na ra da Conquista n. 20.
. PUBLICARES A PEDIDO
Ao publico
Li na Provincia Je 12 do corrate mea um
liso artigo assignado por Joo de Siqueira Ges,
vil instrumento de seu3 parentes, os monstros
da natureza Antonio Alves de Ges Melio e Fran-
cisco Alves de Queiroz Amara I, em que de en-
volla com repugnantes qualiticalivos, sou accu-
sado de uaver concorrido para que fossem as-
sas-inados o pai e um irmo do meu miseravel
aecusador.
E' preciso serse ura desalmado, ou um incon-
sciente ou, ento. um instrumento de alheias
paixues, como o Sr. Jos de Siqueira Ges. para
se me atlnbuir copartecipacao na lastimavel oc-
curreucia do dia 30 de Noveinbro de 1887 as
catingas do Cuxy.que deuem resultado as mor-
tes dos infelizes Joaquim de Ges Mello e Jos
de Siqueira Ges e ferimentos graves de lilho?
menores e vaqueiros de meu irmo Manoel Lcite
de Siqueira Mello.
Sabe o Sr. Jos de Siqueira Ges, sabem todos
os habitantes d'esta comarca que eu andava de
Yia.-v'i'. para Santo Anlo, onde linha ido cora
urna bolada, negocio de que uso, quando se deu
a nlludida oceurrencia, nao esperada e nao pre-
rista, mas, sem duvida, desejada e procurada
com arietrice pelos meus perversos iuiuiigo.
prenles do meu aecusador, Antonio Aires de
Ges Mello e seu irmo o celebre Francisco Al-
Yes de Queiroz Aniaral: sabem o Sr. Jos de Si-
queira Ges. sabem todos os habitantes d'esta
comarca, que nao havia entre miin e eus infe-
lizes pai c irmo rixas ou questes que motivas-
sem ilesgostos. como nao as havia 'com meu ir-
mo e que, pelo contrario, tinhamo boas rela-
ocs: sabe e nao pode deixar de saber, que seu
pai e seu irmo foram os provocadores do con-
flicto querendo tomar armas que conduziam um
vaqueiro e um escraro de meu irmSo para mara-
reiu um teuro bravo pertencente a meu irmao, o
qual ainda boje existe n aquellas catingas do
Guxv ou Urub. en satisfacao a desabaros dos
meus miseraveis inimigos : conflicto em que se
acbavam trez menores sendo um de 16 annos
OOtro vaqueiro e o escravo de meu irniao. dous dos
quaes sabinal gravemente feridos;; e pois, de-
via, pelo menos, procurar imitar-nos|na pruden-
cia qn* eu e os meus temos sabido manter em
to deagradavcljemtJriencia.
Si Jos de Siqueira Ges nao fosse um incoa-
scienji). eu podia qualifical-o como um perverso
do quilate d'aquelfes que se perrera d'elle para
darem expansao a odios polticos e fstaea ae-
tudas ; si o meu aecusador fosse accessivel
noac e justica. reconheceria que meu proce-
dimento. de homem de 30 annos de idadr. bem
co-ihecido nesta comarca e em outrus. exclua a
- suspeita dp eoneorrer e para dessrarns: rero-
nn-.Mvria que. cumprindo sentengas e expiando
Crimea, demm estar aquelles que o levara a re
presivilar o baixo papel de testa de ferro ou de
idiota, por tactos criminosos que Ibes sao attri-
buidos. com especialidade na pratica de furtos
de gados riheios. de que sao useiros, como bem
sabido nesta comarca !
Desafio ao meu inconsciente aecusador, ou
a qualquer outro quera quer que seja. para que
aponte vim s faci de minha vida publica ou
particular d<- natureza a fazer-ine corar peranto
>.os homuns de honra.
E podero dizer mesmo aqurlle-s a cujo ser-
vir i eat o Sr. Jos de Siqueira Ges ?
Nao.; e si o fizi-ram sero esniagados : porque
nao ha nesta comarca quem nao saina paraquan-
to valem os Srs. Antonio Alves de Gos Mello e
irmao Francisco Aires de (ueirox Amaral e
u instrumento e prente Jos di- Siqueira Ges.
Isto posto, preciso por a limpo porque e como
(teve lugar a occorrencia de que me o.'cupo e da
qual foram protogonistas os perversos e execra-
veis Antonio Alves de lioes Mello e sen irmao
Francisco Alves de Qoeiroi Ama-al.
Estes, aproreitaudo-se da circumslancia de ter
tido o Dr. Luiz da Silva Gusmo, ex-juiz de di-
reito da comarca de Brejo, urna faaenda de gado
no Pint, gados que vendeu ha annos, vendendo
por lim ha quatro annos a dita proprifidadu com
todas sua? bemfeitorias ao Sr. coronel Gandido
Xavier Pereira de Brito. vai ter-se com o Dr.
Gasmo o Sr. Ges Mello, naquellc anuo de 87,
e lhe fez ver que haviam apparecido as catin-
gas do Cuxy e Urub, fuudos de pusta-eu- de
gado* de meu irmo e outros, dubl vaccas per-
tenceales ao mesmo Dr. e.queia compral-as. ts-
sira, leudo o Dr. Gusmo'aquella noticia, e dS
devendo suppor que se qnizesse comprar aquil-
lo que nao existia, e nem to pouco prever a as-
tu .'-. lo Sr. Ges Mello, nao devia deixar de
vender as vaccas: tanto mais. nao devendo sa-
ber que o Sr. Ges Mciio costuma lancal ;nus
de gados alheios. Assim, pois, chegando ueste
termo o Sr. Ges Mello, prepara-se com muilos
vaqueiros, em cujo numero am os infelizes Joa-
quim de Gos Mello e Jos de Siqueira Ges. e
seguem oceultamente para o Urub, no intuito,
diz elle, de pegar as ditas vaccas e bem assim
todo gado bravo que fosse encontrado, por-
ue deviara ser produeco das ditas vaccas.
eve, pois. meu irmao da"mandar matar a tiros
" (porque s assim podia ser pegado) um novilho
bravo que"pa5tava e pasta com outros gados na-
Suelles pastos, e por essa occasiao recommen-
ou a seu vaqueiro, que ia acompanhado de um
fillio de meu irmo de 16 annos de idade, e dous
outrus menores, alm de um escravo e condc-
elo para transporte da carne, que, caso encon-
trasse gente em procura das vaccas, recouimen-
dasse que s pegassem rezes orelhndas depois
aue pegassem as vaccas que se diz serem do
Dr. Gusmo, visto como elle nao devia ter mais
gados. alli urna vez que ha dous annos havia ex-
tinguido, venaendo todo gado da fazeda Pint.
' Por essa occasiao, Joaquim de Ges Mello pai
do meu aecusador offerece-se para desarmar o
vaqueiro e pessoas que o acorapanhavam. e nao
sendo obedecido, cmo devia sel-o, recebera o
vaqueiro urna pancada, seguindo-se dahi deses-
perada lucia, a? mortes e ferimentos a que ci-
ma aljudi.
so o que consta d* processo e que nao se
pode contestar.
Attendam os leiteres : Antonio-Alves de Ges
Mello e seus intelires parentes Joaquim de Ges]
Mello e Jos Alves de Siqueira Ges, se acha-
vam, um grupo de 18 pessoas armadas, uns de
armas d rege e outros de focas.
Entretanto, fra duvida que, se meu irmo
quizesse que se -luscitasse questo entr<' seu va-
queiro e a gente do Sr. Ges da qual fazia par-
te insensatamente seu irmo e pai do me;
jquim de Ges MeHo e seu (jlho Jos Al-
l mandado meninos, neo *xpmttt so-fllhi
aor enem tto pouco o seu entilo escruto kinom*
Marcolino pratica de crimes.
S em resposta ao publico oceupo sua atten
cao para defenderme de calumnias de um ho-
rnera como o signatario do artigo a que-*espoi do: e para que liqnem sabendo os petuersos
Antonio Alves de Ges Jleloe seu irmao Frau
cisco Alves de Queiroz Amaral, que sei que sao
elles meus mais vis, mais perversos e mais roins
inimigos, sem que nunca lhes-4enha procurado
fazer mal, apezar de ter-me revestido,de paoia
cia inexgotavel para supportal-os.
Voltem, se quizeiem, Ges e Amaral e me
acharao promptos a dar-lhes resposta esmaga-
dora. '
Abstenho-me sempre de devassar a vida alheia,
porra se a tanto for toreado, serei obrigade a
fazel-o com relacao a meus aecusadore?.
Entretanto nao devo concluir deixando sem
resposta ao que diz o Sr. Jos de Siqueira Ges
contra o ex-delegado deste termo, tenente Ma-
noel Raynero de Barros. Quanto injusto !
uanto insensato o instrumento dos Srs. Ges
ello e Queiroz Amaral I
O teneute Raynero umoflicial distincto, e
como tal nao podia merecer a conslderacao de
homens perdidos, que a ninguem honra, como
sao os Srs. Ges Mello, Queiroz Amaral eJos
de Siqueira Goes.
Villa de Alagoa de Baixo de Baixo, 30 de De-
zerabro de 1888.
Francisco Alies de Siqueira e Mello
- asa
Djalma Moreira da Silva ao
publico
Nilo de espontanea vontade que venho a ini-
prensa; a necessidade de defender- nieu concai-
to e reputaco, levianamente oflendiao pela di-
rectora do Prado Pernambucano, a qual cedia
s maligflas suggestes do seu secretario, eng*-
nheiro Souza Res, explica meu apparecimento
na grande tribuna, da qual vou agora aprovei-
tar-me para expor s justas e severas censuras,
de todos o procedimento altamente reprehensi-
rel, de quera apezar de ornamentado com um ti-
tulo sciefititico. deu mostras de iuhabilidade at
para o cargo de gerente do Prado Pernambuca-
no. como passo a demonstrar.
No da 10 deste mez, logo aps a corr Ja do
5o pareo, disputado pelos animaes Apello, Enia-
ni e fricana, e no qual os jockeys Antonio de
Freitas e Antonio Cnrispim, qe montavam os
dous ltimos, esbarraram mais de urna vez, e
com o raaior escndalo, seus animaes sobre o
cavallo Apollo, ferindo e atropellando-o de mo-
do tal. que s por isso obtiveram o Io e 2 lu-
gares, dirigi-me ao Sr. Souza Res, e, de manci-
ra atteuciosa, h'z sentir a S. S. que a carreira
fra irregular e illicita, como era publico e no-
torio, do que davam teslemunho irrecusavel di-
versos cavalheiros qualitcados e insujpeitos.
Longe, porm, de ser acclhida a minha recla-
raago como mereca, o Sr. Souza Reis, sem a
capacidade de aferir a responsabilidade da pa-
lavra, em phrases speras e injuriosas, nao du-
vidou contestar-me, allirmando a regularidade
da carreira.
D'aln resultouum certo tumullo: chegando at
a exhibirem-se rauitas facas, que me obrigaraiu
a por-me era defensiva : vindo por isso dizer o
Sr. Souza Reis que eu havia lancado m&o de ura
revolver contra si. como se para repulsa de um
vilao houresse carencia de meio to enrgico !
No dia seguinte, enderecei directora do
Prado Pernambucano, a peticao, abaixo publica-
da, na qual insista n reclamacao verbal do dia
antei'br, salientando a circumstancia de perten-
cereni os dous animaes Ernani e Africana aos
raesmos donos, explicativa do coulnio dosjo-
kevs para a irregularidade quejpraticaram, con-
cluindo por pedir a applicacao ao caso dos arts.
42 3 nico e 51 do cdigo de corridas.
At ento eu acredit iva na seriedade da direc-
tora e suppunha que ella nao seria capaz de
subnietter-se s deuberaces desacertadas e ca-
prichosas do seu secretario
i'epressa, porm. desilludi-me, e es-a direc-
loria esquecida dos seus rigorosos deveres, en
teodeu fazer-se golidaria com o dc-^.issisamento
de seu secretario, e proferto o cstravagante des-
pacho que se 16 margem da peticao.
N'esse despacho a directora prevpricou e,
ainda mais, raostrou.se iiieonsciente e eootra-
dictoria : nem podia deixar de ser assim. desde
que ella nao resolveu por si. mas pelas inspi-a-
cOes do Sr. Souza Hei-
Submettida a minha peticao ao coiihenmento
^PPiW
da referida, pena, que ja disse e rept-
u despresava, mas' tambera, e principalmen-
te, d snspeaso dos i jockeys, seus amigw
da direcloria, tinha esta a indeclinavel obriga-
cao de, nos termos do ari. o\ do cdigo de cor-
ridas, reuuir-se aos plises de chegada, departi-
da, ensilhamento, pezigeaie inspectores da raia,
para ento deliberaran, i>or maioria de votos,
sobre a minha leclamacSo.
Desde que assim nao procedeu, como se evi-
dencia do proprio despacho, este nao lem cunho
de legalidade. e s pro va urna prevaricacSo.
Entretanto, repare o publico, esffl direcloria.
julgando por um lado improcedente a minha re-
claraaco.parajno recusar o pagamento do pre-
mio aos animaes que chegaram em Io 0 2" mga-
res, os quaes deviam ser desqualicado. nos
termos do art. 31 do cdigo de corridas, em vista
da falta havida, para caber o premio ao animal
Apollo que, apezar de ;tpertado por aquelles
contra acerca, causando isto geraj tadigua
conseguio ebegar no meio delles. mosliou i mu
contradieco e inconsciencia, quanthi nipos a
pena de suspenco por 60 dias. sea dous ji-
Freitas e Chrispini!
Reconhecer a fjitajdestes, para iiifligir-lli< a
pena de suspenso a ao mesmo lempo declarar
valida a corrida, deciso que atiesta a mais
formal contradieco, a inconsciencialdirectona !
E' verdade que no tinal do despacho disse lia.:
. E quanto a corrida man la pagar os premios de
aeronlo com a deciso dos juizes de che
nada. -
Oh pois os juizes de ehegadu tinham compe-
tencia para proferir tal denso ?
Ser ignorancia ou ra f?
Foi a ii certeza, que ahi predorai-
nou .
Se o art. -i'h do Cjdigo citado manda, ja o mos-
tramos, manir, no caso de reclamacao, os juizes
de chegada, de partida, ensilhamento, pesagera e
ins|>ectores da raa com a directora para resol-
ver-se por maioria de votos; como, a nao ser por
Di f. pidiaai somente os juizes de chegada de-
rfdir da reclamaco, sem audiencia e votaco de
todos aquelles outros?
Porque nao foram ouvidos, ao menos, os inspec-
tores da raia ?
Isto inqualilieavel f
Dingi aos referidos insoectore cartas pedindo
para respoderem o que aviara [iresenciado, e
se. nem que, alguns procurassem as respostas
velar o procedimento irregular dos dous jockeys,
o Sr. Jos de Assis Collares Moreira foi i'raeco e
positivo, como se v da sua resposta, declrrando
queho>ti e irregularidade da parte dos jockeys Frei-
tas e < hrispim que forcaram o caralh Apollo a
desgarrar por diversas rezet e assim impedalo que
elle fzesse livre carreira!
Isto que affirma o Sr. Collares em parte con-
firmado pelo Sr. Domingos Manoel Martms, como
v-se da sua resnpsta.
Bastara essas duas cartas para prora eridente
da irregularidade da corrida ejeonsegutoteraente.
o rigoroso dever que teria uraa director^ mora
lisaua para desqualificar os dousanmae3 que, se
diz. chegaram nos !.' e 2." lugares e mandar pa-
gar o premio ao animal Apollo, ainda quando se
o considerasse distanciado.
Depois de tanta immoralidade, devia seguir-se
ainda outraa : foi por isso que me communica-
ram dous membros da directora, cuto secreta-
rio jurara suspeico, que licava prohibida minha
entrada no ensilhamento do Prado Pernambuca-
no, at outra qualquer (bem applicado!) deci-
so I
Que desforco torpe contra mim!
o Sr. Souza Res suppe que eu podia ser
equiparado a jockey, para ser punido; mas, en-
"ana-se : a pena que os seos dous tteres commi-
naram por ordem sua, eu a despreso do mesmo
modo porque considero despresivel o gerente do
Prado que se desvanece e iulga-se honrado pela
convivencia intima, cordeal e at, segundo dizem,
provei-osa com os jockeys.
E, a proposito, devo tornar patente que o
inepto protesto, que contra mira flzer m, pela
imprensa, os jockeys Freitas e Chrispim. foi sug-
eendn pelo Sr. *ouza Reis, para cohonestas o
procedimento irregular e indecente que a direc-
tora ia ter mais tarde a meu respeito; proo-sto
a que alias nao liguei, nem devia ligar, a mni-
ma importancia.
Fui, depois. informado de que a pena a mira
imposta foi um ardil paralar lugar a ppare-
cer um abaixo assiguado, solicitando, n5o s a
Esse abaixo assignado anda foi inspiraeio do
Sr. Souza Reis!
Nao ha duvida ; o Sr. Souiu fisis dispe de
recursos !
tiim, bom.saber das tracas, para poder vi-
ver;
Ha um anno que possso animaes de corrida
no Prado, e entretanto, nunca Uve quesU' al-
guma; estava reservado ao Sr. Souza Rea
gloria de ser o priraeiro a provcalas.
Nao importa, eu 3aberei sempre venc^l-as.
O que tenho exposto habilita o respeitavel pu-
blico a julgar quanto censuravel e at preju-
dicial ao proprio Prado a maneira por que pro-
cede o Sr. .-ouza Reis.
Deraorei esta publicaco por causa dos docu-
mentos que nao pude fcilmente obter : da acta
da sessfto extraordinaria da directora, do Pra-
do, ainda nao me foi dada certidao.
Talwz que nemse tivesse lavrado semelhante
acta!
ReehV. 26 de Ferereiro de 1889.
Djalma Morena da Silva
Jllm. Sr. Dpmingos.Manoel Martina.Rogo a
V. que a bem da verdade rae responda ao pe
desta, perraittindo-me fazer de sua resposta o
uso que me convier se na corrida que realisou
se no domingo ultimo no Prado Pernambucano,
c em que V. S. foi iuiz de raia, os jockeys que
tomaram parte no S pareo procederam regular
ou irregularmente e nestev ultimo caso em que
consisti a irregularidade
Sou com toda a considerac' de V. S-At-
iento: teneradar e rriarto- Djalma Momra da
Silra.
Illm. Sr. Djalma Moreira da Silva.Em res-
posta a sua presente carta, tenho a responder-
la, que sendo juiz de conlirmafo de partida,
vi no momento ao signal de partida uns quinze
metros approximadamenleque o jockey Chrispim
susteve o animal que montava parecendo que
rqueria deixar passar o cavallo Apollo e quando
emparelhou notei que houve um choque entre os
dous animaes, por ter Africana dado um forte
encontro na occasiao em que Apollo pro 'Urava
tomar a frente, emquanto ao resto da corrida
nada posso dizer por nao ter prestado muita at-
tenco.
Pode V. S. fazer o uso que lhe convier, de mi-
nha resposta.
Recife. 12 de Fevereiro de 1889. Domingos
Manoel Martins.
Illm. Sr. Jos de Assis Collares Moreira.
Rogo a V. S. que a bem da verdade me responda
ao p d'esta, permittindo-me fazer de sua res-
posta, o uso que me convier, se, na corrida que
realisou-se no domingo ultimo no Prado Pernam-
bucano, e era que V. S. foi juiz de raa, os jo-
ckeys que toraaram parte no 5." pareo, proce-
deram regular cu irregularraente, e n'este ul-
timo caso em que consisti a irregularidade.
Sou com toda consideracSo.De V. .Djalma
Moreira da Silva.
Illm. Sr. Djalma Moreira da Silva.Accedendo
ao pedido que V. S. me faz era sua carta supra,
tenho a dizer-lhe que no o. pareo da corrida a
que se refere, houve irregularidade da parte dos
jockeys que montaram os animaes Ernani e
Africana, e que esta irregularidade consisti em
atrapalharem os ditos jockeys o cavallo Apollo,
forcando-o a desgarrar por diversas vezes, e,
assim, impedindo que elle fizesse livre carreira.
Permittindo-lhe fazer da minha resposta o uso
que lhe convier, assigno-me com toda considera-
caoDe V. S.Jos de Assis Collares Moieira.
Illms. Srs. directores do Prado Pernambucano.
Djalma Moreira da Silva, gerente da Coude-
laria 2 de Fevereiro, a que perlence o cavallo
Apollo vera protestar perante Vv. Ss. contra o
modo irregular porque procederam os jockeys
Antonio de Freitas e Antonio Chrispim, que
moataram os animaes Ernani e Africana que
disputaram o 5." pareo da corrida que se reali-
zou homem.
' publico e notorio que aquelles jockeys com
o maior escndalo esbarraram mais de urna vez
seus animaes sobre o cavallo Apollo, e o atro-
pellaram de tal modo que s por isso obtiveram
os animaes que montavam o 1." e o 2." lugares.
E' tambera cousa publica e notoria que ditos
animaes Ernani e Africana perlencein aos mes-
oos donos, e d'ahi o manifest conluio dos jo
ckeys para a irregularidade que praticaram.
O supplicante pois, conscio de que essa direc-
tora quer dar fiel cumprimento ao cdigo d'esse
Prado, vem requerer que se digne applicar ao
caso as disposices dos arts. 42 % nico e 51
d'esse cdigo.
Para que essa digna directora se convenga do
allegado, ouvir sem duvida aos Srs. juizes de
raia, c o proprio Sr. Dr. secretario foi prevenido
antes da corrida, de que se projectava fazer o
que realizou-se.
O supplicante pois espera deferimento.
E. R. M. |
Recife. 11 de Fevereiro de 1839. Djalma Mo-
reira da Silva.
Informe o Sr. secretario.Dubeux.
Reunida a directora para resolver e que posso
informar.
Recife. 11 de Fevereiro de 1889. francisco de
Souza Reis.
Em sesso extraordinaria de hoje resolveu a
directora que fosse applicada aos jockeys An-
tonio de Freitas e Chrispim Antonio a pena de
suspenso por 60 lias a contar de hoje, de
accordo com o art. 42 1..
E quanto a corrida manda pagar os premios
de accordo cora a decisso dos juizes de che-
gada.
Recife, 11 de Fevereiro de 1889.Francisco de
Souza li'1*-. secretario.
Elei^ao do 10 districto
E' chegada a occasiao do brioso eleito-
rudo do 10' districto provar nao s que
sabe resistir s exploracSes de adversarios,
que tudo envidam para lograr os seus fins,
com tambem que nao abandona o seu pos-
to de honra na hora de affiruiar a sua con-
fianca no distincto mojo, que tilo brilhan-
temente tem representado esse districto na
Cmara dos Deputados.
O eonselheiro Francisco de Assis Rosa
c Silva, que esse mogo a quem nos re-
ferimos, tem eft'ectiv.T.uente sabido corres
ponder confianca, quo o 10 districto
uel!e tem depositado, e iikia vez elevado
aos conselhos da coroa tem o direito de
esperar que esse districto lhe d um ele-
vado tcstomunho do apreco que lhe vota e
da admirajao que lhe consagra, elegen-
do-o de novo para seu representante.
Que importa que os liberaos do Jornal do
Ueeife e da Provincia contrariados com a car
reiraque o eonselheiro Ros! e Silva lhe tem
aborto os seus talentos e os seus elevados
dotes moraes, proourem amesquinhar-lhe
a estatura politiua, e estejam todos os dias
a fazer-lhe a revoltante injustija de con-
siderado sem o merecimento necessario
para a alta posicao que oceupa ?
Se o despeito capaz d'isso e de muito
mais ainda, a fofa presumpcao de certos
polticos explica per'eitamente essa m
vontade, com que um moco incontestavel-
mente distincto e abocanhado as folhas
da opposicao.
Infelizmente esse o modo, porque o
partido adverso nesta provincia entende
que ha de fazer opposicao aos que nSo mi-
litam sob as suas bandeiras.
A questSo de principios cousa-vque
nao tem importancia para esse degenera-
do partido liberal, que s conhece por ar-
ma de guerra o sacrificio da verdade, e o
manejo de tude quanto possa trazer o des-
crdito dos seus eontendores naturaes.
Desgrajadamente essa a orientaijao,
que tem seguido o partido liberal desta
provincia, ou melhor de todo o imperio
em relagao aos seus adversarios.
_ JB_
Tste ciar trtido
liberal saate** cBirmqveeia e. vtm pie-
cisa eneegi para darr, combaU, >aa*, aeus
adversarios nocaapa -das tse^ a, por iaeo >
soocorrws do oonder*nnve> xpediente de
atacar as personalidades' como ulflmo re-
curso, pa ver si ooasegua triumphar do
partido opposto.
O que se est paseando em Tela?* ao
conseheiro Rosa e Sirva urna prova
d'isto..
O mogo ministro, qua, teta ama. reputa-
cao formada a cusa fe-su brilhante in
telligencia, e dos seas seriV estudos, e
cimentada pelo seu bello carcter, at ho-
je inmaculado, nao atacado com vanta-
gem por seu. edversawps, nem podar
Bel-o, ponqu-para tsneiG. nae-itHvelles
elementos de espacU;.aUjuuia.
E' preciso, portanto:- fazer-o papel que
est tazando o Jornalado Recife, que para
tudo olha vesgamente- e nao ha de ver
ministerio perfertoj senSo no diar em-que
o sea lord redactor f5r guindado aos con-
selhos da cura aos obra e graya de sua
insaciavel pretenciosidade.
O digno eleitoradff di) JO* districto, po-
rm, nao se presta a servir de joguete as
mSos dos Srs. liberaes, que. apenas preten-
dem turvar as aguas para nella* lhs cor-
rer uiais a contento a pescaria da, cade ira.
de deputado, vaga pelo chamado- do eon-
selheiro. Rosa e Silr* .fazor parte:do glo-
rioso ministerio -10 de Margo-t-.
Esse grande eleitorado dev ufanar-se
de ver que o seu receu a honra de ser elevado a um posto
tao eminente, como entre nos o de mi-
nistro de Estado^, -e portanio deve estar
ancio80 por manifestar-lhe a sua aatisfaco
por essa assignalada conquista, pondo em
evidencia o alto apreco e a inqtvbranta
vel confianca que lhe consegra.
Fique aos liberaes a gloiia de julgar o
eleitorado do 10" districto, oapaz de ser
todo comprado pelo ouro do respeitavel
pai do eonselheiro Rosa Silva ; que esto
se regosija de {lser do eleilarado;. que j
urna vez o elegeu, o elevado conceito a
que tem jus.
Quem tem a. coragem de oft'ender por
semelliante modo um eleitorado intein e
aos seus amigos principalmente, julgan-
do-os capases de votar no cooselheirO' Ro-
sa e Silva a peso de dmbieiro, por certo
que capaz Nos, porm, protes'tamos bem altq con-
tra a insultuosa. assergSo de que o eleito-
rado do 10 districto est se vendendoao
eonselheiro Rosa e Silva, que s-coBana
dedicacao e benevolencia- dos seus amigos,
e concitamos esse brioso eleitorado a dar
no dia 4 de Margo prximo vindouro, aos
detractores a resposta que mere-
seus
cem.
25
de Fevereiro de .138).
William.
. Notas do seatimento
A Repblica Fraaeeza
ra
(Vid. Diario a. 54 de 1889)
Erara precisos todos aqueles clubs com toda
aquella ardente vehemencia, para sustentara
valenta da Convenco, e nos quaes os princi-
paes membros da famosa montanha, senao to-
dos, vinham rctemperar a sua tenackiade no ar-
dor que inllammava o povo que nelles se manifes-
lava;esses clubs que impuzeiam a condemna-
c4o do ei, como j notamos, de sua mulher, a
austraca, a mais erapeuhada em salvar o seu
throno pelas armas das naedes, em suplantar a
canaiha. em esmagar os anarchistas; esses clubs
que obrigavaitta Peme a sujeitar-se monta-
nha, para agradar qual Filippe Engalit pai
do que veto a ser o rei Luiz Felippe, votou a
morte de Luiz XVI, seu primo.
Oh! Nao foram aquelles horrores, aquelles
tremendos ajustes de cenias, e eu seria ainda,
como todos os que nao descendem da nobreza
de sangue a vil canaiha, escabello dos senhores
e dos padres que ento tinham tanto de chris-
tos, como os sacerdotes do paganismo, que
elles restauraram sob o nome da religio de
que se diziam ministros.
Fra o deboche delles que o desprestigiara
fra o de Luiz XV que os. relaxara.
Re absoluto pode ser cruel se severo ; po-
de relaxar os costumes se sem escrpulo. Era
assim Luiz XV. Portante no tomou ao serio
a cleresia, e tanto menos quanto maior era o
grao do deboche a que ella tinha chegado.
Dahi resultou que as praticas do sacerdocio
christo infundiram a descrenca s lettras fran-
cezas; o espirito leviaoo, o deboche do rei, to-
da a imrnorafidade da corte, deram s lettras a
mais livre expansao para tornar em ridiculo tu
do o que fra santo, sagrado, venerando, como
ridiculo os tinha tornado a vida immoral e es-
candalosa do cler,', as suas praticas infames.
0 re e a corte riram da satyra laucada a tu-
do o que continua a religio. Mais aniraara-se
a imprensa a desencadear-se, e o despreso e o
ridiculo de tudo que era de.serio ou santo, des-
ceu da corte e da nobreza a todas as carnadas.
S havia de serio o horror da Bastilha e ao
podero dos senhores.
Sera o laco moral que estreita o sociedade era
um feche nenhum pod*r publico pode-se susten-
tar pela torga das armas; porque as mSos a que
sao confiadas estao eivadas do mesmo espirito
Rotosos lacos sociaes, o primeiro. o laco mo-
ral, a uocao religiosa, estava o novo na inteira
posse de sua soberana, .e sentindo-o, foi o seu
primeiro impeto contra o instrumento do po-
der mais tyranico, a Bastilha : e depois de ca-
minhar a revoluco com passo ora mam ora me-
nos acelerado, chegou era menos de tres anoos a
essa febre.esse horrivclfrenes, essulucta furiosa
e sanguinaria em que tantas vezes tenho fallado,
cujas phases nao na pincel que as desenhe com
as aores bastante expressivas em todos os seus
episodios.
Foi quando veio a malanga dos nohres em
massa e pelas massas as cabecas tangidas, por
bracos vigorosos, animados por coraces de odio,
de vinganca e de feroz alegra.
Levantava-se a massa por dous desses bracos
furiosos para esmagar a caboca de um velho no-
bre a quem chegava a sua vez. A sala em que
se agloraeravam assim as desgranadas victimas
e seus espontneos algozes estava como um logo
de sangue que nao tinha tempo de coagular-se.
A fdha do desgragado. moga de verdes annos
lanca-se de joelnos e jde mos postas ao algoz
peaindo-lhe pela vida de seu querido pai. Elle
cede com a condiccao della beber um copo da-
quelle sangne em que todos alli tinham seus
ps mergulnadosijiradando viva a repblica
A pobresinha por todo o prego salvara a vi-
da de seu pai. Recebeu o copo cheio de san .
guere, clamando viva- a repblica, devoroty0
era poucos tragos. Mas o infeliz assim p^ivo
naquelle momento pela desditosa creancp^ Tei0
sempre. mais tarde, expiar pela morte, 0 crime
de ter nascido nobre.
Nao sSo ainda scenas destas o que mais pinta
a horrivel grandea dos sentimento^ de todos os
gneros daquelle tremendo pericyj0 a revolu-
co. 0 que temos visto dos ipa^res n5o diz bs-
tanle do odio, do ridiculo e d>"j despreso em que
elles cahiram ; odio e des^reso, palavras Jque
exprimem id^aa que se cc^tranam.Ie que no en-
tanto algui^^ Tezes se encontrara sem contra-
riar-se.
Hv mais exprime foi o chamado, peto mais
horri'f,ento dos sarcasmos,o casamento dos
Pa.d /es,este de todos o mais triste, impdico
e jorroroso espectculo, o morticinio dos reli-
' giosos e religiosas, praticado aos apupos e gar-
galhadas do povo pelo processo que chamaram
o rasaraento dos padres.
0 que era isto f
Abriram os conventode frade e os de^i^
ras, tiraram-nos os IrouiiBram eseett rdot es-
ses religioO de para dentiu.dos navio* tundeados nos^ios...
Erara despidos flcaoda completamente as, os
mocos, as mogas, velhwe-veihas, e, todos em
p^eram atados-da dous,Hi,doafaaB'nau
laer, frente frente, os bragaei-e as peroaa-dos
frades, aos das freirs, e assim .cercados todos e.
aggloraeradus e aperlados as pontes ou pavi-
mentos dos javios, furatam-nos e os deixavara
ira pique.
E' quando se ouviam as acclamag>er.ruidM8
do triumpho popular
E esse povo assim sem religio e sera Deusy
nao se anniquilon, nao foi esraagado pelas na-
cocs todas contra elle coUigadwt
E' que se de Deus tinha o clero feito instrumen-
to de suas torpesas, .de sua.tyraania e, daiyran-
niados reis, da insolencia edo dos preso dos
pobres, da patria tinha feito o povo seu Deus,
qual como j o vimos mgirum altares.
Nao foram. porm sinenv estes e outrosJ.
muilos episodios...de horrivel commemor.ico
qae nSo exprima a perversidade do grande po-
vo, mas sim a tenso vigorosa de seu animo
cheio de razo, como se sentiamro que mostra a
sua grandeza; ella* tamben #> enoontran nes
fjetos mais bellos de abnegaco c sacrificio
A revolof.ao' eslava- nesespintos, o sentimen-
to de todos, todos, multo agitados, de todas as
classes; mas ella nao rebeatava. nao havia es-
sa falsea que incetasse a sua exploso. Ura de-
putado dirgese a outroe diz-he, pouco-mais ou
menos :
Eu sou urna mediocridade; bem pouco pos-
so dar prtria do quanto desejo. Mas lodos sa-
bem corao sou ardente e dedicado causa da i-
berdadee contraes nobrese pelo que elles tan-
to raeodeiam.
Isto habilita-me a fazer ura grande serview
patria, pela minha morte. E' assim :
Tu rae esperas em tal parte, no bairro dos
nobres de pnnhal em punho ; quando eu chegarj
Conversaremos espreitando ooasiSo em que nao
possamos ser observados poralgu/in, e ento
tu rae apunhaias no enrago, e eu cahindo es-
tendido, pela manb'se attribuir. nobresa a
minha morte. e isto dar lugar ao rompimento
du revolago pola matangadeles.
. 0 collega .a quera elle, razia esta, proposta, ac-
ceitou-a.promeaandojr eaperal-o nu lugar e hora
convencionado8,-aelle.la foi para assim .ser mor-
to; mas nao encontrando o outro, aindaosperon
em vo.
A patria, j o disse, era o Deus, o Deus nico
que oceupava o senthnento do povo, na ausencia
completa do Deus do co que cahira em com-
pleto, mais- que despreso, ridiculo, pelas causas
que. tan tas vezes j temos notado.
Era vo trabalham os sabios para-supprir pela
seiencia o Deus que mes parece ter ella lhe es-
pantado do sentimento ; jamis elles-sentfr se-
ho tranquillos era seu saber para dispensal-o
absolutamente.
Por mais que fagam sentlro sempre-eerta
falta era seu saber para o Dous ser banido de
todo seu sentiraento, emboraJenham este phe-
nomeno de sua alma, como ora preeoncejio da
educaco e do habito. A" razo ontra :
A fatuidade com-que se enchem-de seu saber
pelas grandes descobectas que se vo sempre.
fazendo das leis, dos segredos da natureza, faz
parecer-toes que Deus i' para supprir. i ignor
raneia do povo, que, nada conliecendo, de tudo
se admirando, a tudo attribue natureza. prin-
cipio iiiaravilbos*-autor sobreaataral ou causa
volete de todns'as fonja* prodoelos-dellas.
Mas os sabios que eonhucem as leis da natu
reza pbysic i, que presnmem, embora com tanta
discrepancia, sabe-as da natureza moral, aquel-
les que presumem mais conhecer as causas e
principios do organismo, desde o principio for-
mador do germem e do principio da vitaiidade
ou funeces orgnicas, aquelles. que mergulham
as profundezas e abysraos do espago, supprin-
do em tudo pela bypotnese qur assentam muitas
vezes comoprincipios demtnstrado, como em to-
dos os ramos da sciencia, no obstante toda a
sua fatuidade de saber*estao qua tito"longe da
sciencia absoluta, como a massa do povo mais
ignaro.
Quasi tanto, o digo, por qua o que sabido de
certo. pois que nao o saber assas mil hypo-
theses que os tolos que se querem impor a tolos
maiorej, assentam como verdade demonstrada,
o que sabido e demonstrado est to distante
do que se ignora e faz to profundas as trevas
do espirito em todos os ramos do* saber humano,
que esse saber, deduzidas as nypollieses multas
vezes absurdas que se assentam como principio,
vem a ser nada, comparado coa o infinito da
ignorancia humana.
Ora, se Deus e necessario s para suprir a
ignoraecia do povo, elle- necessario para todos,
porque o que sabido 6 apenas urna parte do
intinito da .-cieacia; e portalo- urna peqaena
parte, como tempre pequea toda a parcella
do intinito.
Deus, portento, s mal pode ser dispensado no
sentimenlo fatuo dos espirito* que se julgam
com muito saber.
E' por isto que aquelle grande povo francez
que havia espancado do sentimento o Deus do
co pelo ridiculo, nao podendo soffrer esse va-
cuo, fez da patria o seu Deus e engio-lhe al-
iares.
E' ainda ura desses mnitos rasgos, desses epi-
sodios locantes de que a leitura da historia dei
xou-me n'alma profundas impresses, suprindo
a fraqueza da memoria, que quero notar.
Faltara o salitre, e a guerra estava accesa e
incendida, assim no interior como na fronlerra,
e a Franga estava toda bloqueada.
Proclamou-se a todo o povo que cada pessoa
extrahisse das cavidades ou subterrneos das
casas um punhado de salitre, e o viesse depor
como sublime offerenda no altar da patria. Os
sabios ensinaram o processo dessa extraego.
E todo povo se empenhando neste trabaHio,
dentro em pouco veto cada um com um punhado
de salitre que pode exlrahir e cada um vinha
depor essa onereoda no Altar da Patria.
E a abundancia delle foi to grande que
nunca mais o salitre faltou.
Fagamos pausa aqui para proseguir amanh,
se fr possivel que o que segu muito para
dar tudo era um folego
Recife. 2.'i de Fevereiro de 1889.
\ffonso de Albuquerqiw Mello.
mm
leslBte^eoeliceDe dos Mm
Olinda
Os abaixo assignados veem declarar ao Insti-
tuto de Ofciaes da Guarda Nacional, que de
iniciativa propria e muito antes da lembrvtnga
do mesmo Instituto, j se haviam constituido em
commissao, para agenciar donativos em favor da
familia do desventurado lente Pedro Regaard,
brbaramente ssassinado na noto; de 9 ao cor-
rente, o que nao ignorava o Instituto, e que con-
tinuam n aquelle proposito, ?.ssim como, que
i-io publicando por este Diario o producto arre-
cadado, como teem feito, semdo finalmente o re-
sultado entregue ao Uln:, Sr. commendador Jo
seph Krause, depois de dedusidas as despesas
de enterro, luto e mis-jas, para que reunido com
o resultado da conurAsso do Recife, se possa
constituir um peqi'.eno patrimonio em beneficio
daquella infeliz familia.
Portento foi o instituto muito leviano. com a
nomeacd de 'ama commissao nesta localidade
para tal fim ama vez que, os abaixo assignados,
sao todos consocios do mesmo Insti uto-
Olinda, 23 de Fevereiro de 1889.
Herculano Cavalcante de Albuquerque-
Manoel Procopio da Silva.
Silvino Augusto Nunes de MeHo.
Francisco Antonio Teixeira de Parias.
Ao publico
Francisco dos Santos Coelho, depparando com
um nome igual ao seu na parte policial, publi-
cada no dia 22 do correte, vem declarar que
nao se entende comsigo tal priso, pois que
muito conhecido em Freixeiras, na freguezia da
Escada, onde habita muilos annos e est actual-
mente.
Freixeiras, 23 de Fevereiro de 1889.
Francisco dos Sanios Coelho.
Reunio-se no dia 2J i directora d'essa sociei
dadenstraton de diverso? assumptos,, entre
quaes, dos metos de adquirir donativo? para a
familia do infeliz tenente.Pedro Rygaard, e to-
mn-a delmeracao de nomaar diversas comrais .,
ses, as qnaes noaram compestas dos; segnintes ,
Recife
Capito 'NHho Ales da Fonseca...
Tenente Galerno Jos Brity.
Alferes Augusto Leopoldiao da Silva ieves.
Santo .Antonio
CapdtSo-Augusto.Cesar.Cousseiro de Mattos.
Tenente Antonio Pedro Dionisio.
Alferes Sezino Vieira da-Silva.
S. Jos ,
Teniente"Hermillo. de Aaticedo.Coutinbo..
Teniente Gaspar Antonio, dos Reis.
TexKnle Heliodoro > andido EerreiraiUbeho.
Boa-Vista
Tenente Pedre Gelesiino de irito, Macado.
Tenente Manoel Domingues da Silva.
Tenente Maximiano Ribeiro de Aram>.
Olinda
Capito Fortunato Jos do Siinpatoj
Tenente Manoet Procopio. la.Silva.
Tenente Manoel Nunes Vianna.
Graca
Capito Vicente Ferreira de 5axlt' J.nna
Capilo Francisco Mauricio de Abreu.
Tenente Godofredo de Abreu Liraa.
S. Lourenco
Capito MaJlocl Joaquim de Trevas Marinho.
Capito Augusto de Miranda Albuquerque..
Alferes Antonio Ferreira Lobo..
Victoria
Alferes Joo Carolmo.de Goes Cavalcante.
Capito Joaquim Joo da Cunna Pirapim.
Tenente t.'aetano Bento da Cunha Figueiredo.
Cabo
Capito Manoel Duartc Vieira.
Alteres Luiz de Franga de Hollanda Chacn.
Alferes Joo Francisco do Reg Barros.
Escada
Capito Sergio-Evergisto de Souza Mnsaraes. ,
Tenente Paulino Martins da Costa.
Tenente Luiz Joe"de Franga Carioca.
Nazsreth
Vicencia: -Capito Elysio Tavaces de Mendonca.
Pugas.
Alaga-Secea:Alferes Joo Lobo de Oliveira
Tracunhem : Capito Joaquim Ignacio GongaJ
ves da Luz.


Cirurgio Dentista
DR. ROBERT V. RAWLINSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Barao do Victoria 19, Io s
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senboras e creaneas. i
Consultorio e residencia ra da impe--
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da mauhl.
Chamados (por escripto) qualquer hora
TELEPHOKE: N. 226 "
I
i
Nao ha nenhum remedio, mais efficaz
para a cura e preservado das enfermida-
des do ligado, hepatite dos paizes queli-
tes, splecn ou hypocondria, clicas biliosas,
que as
Porola-* df nuraade do l>r
Clertan
(eth r thbrebinthinado)
Segundo os testemnnhos dos medicas
mais Ilustres.
O Ether thercbinthinado tem a indis-
cutivel propriedade de acalmar as atro.
zes .clicas e os vmitos que tao freqente-.
mente acompanham os clculos biliarios, e
certas nevralgias hepticas. (Trous-
soau).
< Este antigo remedio de Durande, que
tem promettido dissolver oe^scalculos bilia- ,
rios, tem cumprido sua promessa, posso
affirmal-o. (Professor Bouchar)
Dzes: As perolas de Durande do
Dr. Clertan preacrevem-se em numero de
ti a 10 por dia, de preferencia hora das
refei$3es ou com urna chicara de caldo
tisana, etc.
Fabr.
Pariz.
L. Frre,. 19, ra Jacob, .
Oculista
Dr. Barrero Santpaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas' de/
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barato da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
i
[j Medico operador parteiro U
I!
l Ra Largado ttotar<* S4';j j
(Por cima do Annel de Ouro) w
Onde tem ronaultorlo e real- '
deuda t podendo ser encontrado e
recebendo chamados a qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades: Partos, febres, moles- i I
tias de senboras e dos pulmes, syphilis
em geral, cura rpida e completa eope-
rages de estreitamentos e mais soffri-
mentos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, qualquer distancia.
Telephoae a. 374

m.-
^S
an-
j Frederico Chaves Jnior U
Homocpatha
W 39 RA BARO DA VICTORIA 39
j I Primeiro andar
Collegio de Santa Vernica
Na ra do Arago n. 10 2o andar acham-se
abertas as aulas deste estabelecimento de ins-
truegao para o sexo femenino.
MEDICO HOMEPATA
Dr. Ballhazar da Silveira
Especialidadefebres, molestias
das criancas, dos orgJo respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos phannacia do Dr. Sabino,
ra do Bar&o da Victoria n. 43,
onde se indicar sua pesidenc
3X=^c


;.. ^2Kli.

-
Diario de Pernambuco---Quarta-feira 27 de Fevereiro de
Marca registrada o. 24&'
ereiiMliM Innta Cominerela!
do Recite
Aaastacio da Silva Lorega, brasileiro natura-
toado, casado, de 50 anuos de idade, e Jos Ni-
eacto Alvs, brasileiro, solteiro, de 33 annos de
'idade, ambos commerciantes domiciliados nesta
eidade, tnembros constituintes da Arma Lorega
A C eslabelecida com fabrica de cigarros ra
larga do Rosario n. 8, fregueiia de Santo Anto-
aio do Recife, requerem a essa tneretissima jun
ta que, de accordo com a nova lei do registro de
marcas, se digne mandar registrar a inclusa
marca denominada Cata Flores destinada a as-
sigoalar os cigarros pelos supplicanti's manipu-
lados na predita fabrica com fumo Borba.
A marca constituida por dous quadrados
iguaes unidos por urna tarja azul que os emmol-
dura. No quadrado da esquerda, sobre fundo
azul fuscado, ha um elipsoide de fundo branco,
no centro de cuja arca estio dous cireulos con
cntricos, entre os quaes, em campo amarello
gemado, fusco, em arco, estao as palavras:
Fabrica no alto, Trade a esquerda, Amor em
baixo, Mark a direita.
Na rea do circulo interior esta um cupido so-
bre nuvens armado de arco, flecha e a I ja va. Os
quatro ngulos do quadrado sao oceupados pe-
los versos c reversos de duas medalhas de ex-
C;icao impressas cpm tinta amarella geraadp
c, as quaes assentam cada urna, metde so-
bre o fundo do mesmo quadrado e a outra me-
tde sobre a rea do elipsoide. Urna tarja ver-
melho-rubro emmoldura o elipsoide e as men-
cionadas medalhas; e na rea d'aquelle, por
rima dos circuios, estao, em arco e em lettras
uzues, as palavras : Lorega & C, successores de
Iodo Goncalces, o liespanhol, e por baixo dos
mesmos circuios, em sentido uorisontal, taiubem
eom tinta azul as palavras : -V. 8, loa larga do
Botarlo, telepkotu 453, Pernambuco.
A direita e a esquerda dos cireulos, dentro da
rea do elipsoide, estao com tinta azul ornadas
de encarnado os monogramas de Lorega A C.
O quadrado da direita sobre fundo branco
deixa ver na rea um campo verde amarello, so-
bresahindo no primeiro piano, a direita e a es-
querda ramos e arbustos floridos, e no centro
nina figura de crianca com o regaco cheio de
(lores, tendo n? hombro esquerdo um passaro
pousando, e no b.aco direito outro passaro bei-
jamlo as flores e junto a cada p um passaro.
No- alto em arco sobre a caneca da crianca
leem-se em tinta rosa as palavras Cigarros
Cata Flores.
.Vestes termosE. R. M.
Recife, I i de Fevereiro de 1889. Lorega &
Onnpanhia.
Eslava urna estampilha de 200 ris, legal-
nente inutilisada com a data e assignatura
supra.
Certifico que foi apresentada na secretara da
Junta Commercial.do Recife as 10 horas da ma-
nila do dia 12 de Fevereirp de 1889.
Escrevi e assigno em fe de verdade.
0 secretario, Julio Augusto da Cunha Guima-
res.
Certifico que foi registrada sob o n. 243 em
y rtnde do despacho do Meretssima Junta Com-
mercial em sessao de hoje.
Pagou 14000 de um parecer fiscal.
Escrevi e assigno iM~t;i secretaria da Junta
Commercial do Recife, nos 21 de Fevereiro de
18-9.
Em f de verdade.
O iecretario, Julio Augusto da Cunha Guana-
raes.
Eslava ao lado, em alto relevo, o grande sello
da Junta Commercial do Recite.
I
i
N
Factos e mais factos
Os tactos fallara mais alto do que as
palavras e isso a razad do proloquio
latino Res non verba(contra factos nao
ha argumentos).
Eis a prova :
Illm. Sr. J. Alvares de Souza Soares.
Convencido por urna brilhaute cura ope-
rada em minha rndJher, que havia onze
^-aiezes estar soffrendo de urna bronchite
impertinente e do peior carcter, de que
o Peitoral de Cambar, composicXo de V.
S., se pode considerar o melhor e o mais
seguro especifico at hoje eonhecido para
combater as molestias dos orgZos respira-
torios, apresso-me, a bem da hunianidadc
soffredora, a attestar-lhe o facto occorrido
em minha casa, afim de tomar mais co-
COMERCIO
Revista do Mercado
Recife, 26 de fevereiro de 1889.
movimento foi ainda pequeuo, limitando-se
apenas a poucas trasaeces no mercado de cam-
bios-
Cambio
Os bancos adoptaram hoje a taxa de 27 7.8,
dando, porm, a 28 d. para a primeira mala de
28 do corrente.
Em papel particular nao hove movimento al-
gum, exigindo os oancos 28 i '4.
Np Rio os bancos saccaram a 27 7,8 sobre ban-
queiros e 28 sobre a raixa matriz.
Papel particul r foi cotado a 28 18 com ten-
dencia para alta.
Na Bahia houve negocio em papel particular a
28 1/4.
TABELLAS AFFIXADA8
nhecido, ae isoo posaivel, o seu ercellen-
te Peitoral de Cambar, que considero
urna descoberta de magna importancia
para a cora de taes molestias.
Minha mulher acha-se perfeitamente,
restabelecida de sua grave enfermidade,
com uso de quatro vidros de Peitoral de
' ambara, tendo antea experimentado, sein-
pre inultimente, talvez cinecenta remedios
diversos.Sou, etc.
* Joaquim Soares Gomes.
(Vice-conaul de Portugal, Franca e In-
glaterra, em Paranagu.)
Este importante preparado venderse no
so, em casa dos agentes Francisco Manool
da Silva A C, ra Mrquez de Olinda
n. 23, como tambera, em muitas outras
pharmacias e drogara ao preco de 2*500
frasco.
. Operario importante
Quatorze annos de sofFrimcntog doloro-
sos, e outros tantos de esforcos, de sacri-
ficios intilmente empregados, tal a his-
toria do meu estreitamento da uretbra.
Chegando'a esta eidade supportando as
mais eructantes dores, produzidas por tal
molestia, indicou-me meu compadre e ami-
go Sr. Joaquim Dias de Andrade o Illm.
Sr. Dr. Carlos Bettencourt para medi-
car-me.
Em tres dias este distincto clnico den-
me por prompto e urna real idade e
achar-me radicalmente curado.
Ao Illm. Sr. Qr. Carloa Bettencourt,
pela pericia que revelou na operacad, fei-
ta pela electrolise, pela delicadeza, pela
attencad com que sempre se dignou trac-
tar-me, meu eterno reconhecimento.
Recife, 18 de Fevereiro de 1889.
JoSo Carneiro da Motta Sveira.
v. s
trra da* florea
Por meio de um delicado processo-resultado
de urna grande experiencia, habilade e traballio
conserva-se a fragancia das mais escomidas
flores que se abrein na Terra das Flores, na
Agua Florida de Murray & Lanman como si fosse
a presentada em um ramalhete de flores acabadas
de colher.
O perfume deste modo obtido duradouro e
delicioso, pois seu odor se impregna nos vesti-
dos ou no lenco em que se ha usado, sendo urna
combinaco do puro odor natural das flores mais
delicadas ; sempre refresca, sempre agradavel
e em quanlo deixa um rastro.jde sua prescuca.
conserva estes rasgos caractersticos.
\ / Vias urinarias, molestias do tero,
I i operacScs elctricas
& CA2L0S UTRICOUBT
j I ESPECIALISTA
I ( com pratica de p.vhiz f loxdres
Estrcitameutcs da uretbra curados ra-
dicalmente-pela clectrolyse, sem dr;
bydroceles sem injecc (cura radical);
feridas e ulceras enronicas. com garan
lia de cura rpida; pedras da bexiga.
fstulas e bemorrhoidas : syphilis, go-
norrhas, pelo metliodo das mstillacOes;
molestias da garganta e do peito pelas
athraospheras medicamentosas. Con-
sultas e operacOos das 12 as 3 horas
da tarde.
RA DO MRQUEZ DE OLINDA N. 34
f. ANDAR
Kewidenria na Torro
1
T
-
i s i
' f ;
rr o
3
er
c
-i
i;
O
? '
1
i
9
9
a
S os
r> 1
5.
; c-. > 4> Gf
; ; : K> 8]
; * ^ * : -Sr 1 ?
'. te l- > -- I
e
re <
^J 5.
?* te . P- ~ eo 2. 1
'f te te K * *
o X eu *- -- -J.
< s
# f : u a =. ?
~ te M9 * u. <
* M co te 2
- te * W i^ *>
-----. OS * * y.
Bol
sa
UXS DA JUNTA DOS COR
RETORES
0 de /S9
110 ddadaiaK d. ,or
1 r I (( V- '
Dr. Vanoel do VisciiiciiIo ma-
chado Porlella Jnior
Escriptorio ra do Imperador n. 65
Io. ANDAK
Cambio sobre Pars, a vista 3i3 rs. o franco, do
banco.
O presidente,
Candido G. *Icoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
tlgodo
NJo constou vendas, appareceudo cffertas dt;
6<400 para o de 1* sorte do sertfio.
A exportaco, feita pela alfandega neste niez
at o da i3 subi a 1.10i./i9 kilos, sendo992.i'J
para o exterior e ilz.z27 para o interior.
As entradas vericadas at a data de hoje, so-
bem a zi.*96 saccas, sendo por:
Barcadas.....
Vapores.....
Animaes.....
Via-ferrea de Caruar.
Via-frrea de S. Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro
Somma.
Assnear
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, si -
undo a Associaco Commercial Agrcola, foram
Aviso ao publico
Enquanto durar a ExposiQo Universal de
1889, os nossos leitores que se acharem em Pars
e fque desejarem receber quaesquer noticias da
trra, poderlo 1er os nmeros mais recentes do
nosso jornal no escriptorio dos nossos corres-
pondentes, os Srs. Amede Prince & C, 36 ra
Lafayette, em Pars.
Os nossos patricios podero receber a sua cor-
respondencia, peridicos etc. etc., em casa dos
Srs. Amdee Pnuce & C.
Outrosim, os mesmos Srs. Amdee Prince & C,
negociantes-coinraissarios pem a sua casa de
compras as ordens de qualquer pessoa que dese-
jar ler urnas inforaaces. ou utilisar seu inter-
medio
; | Bacliarel Antonio Witpu- '
vio Pillo Bandeira \
11 Pode ser procurado ra do Imperador
I n. 71, Io andar | I
EDITAES
O Dr. Thomaz Garcez Paranhog Monte-
negro, commendador da Imperial Or-
dem da Rosa, juiz de direito especial
do commercio, desta eidade do Recife,
capital da provincia de Pernambuco
por Sua Magestade o Imperador a qnem
Deus guarde etc.
Fayo saber aoa quo o presente edital
virem ou delle tiverem noticia, que o
barao de Santo Andr me dirigi a pcticSo
do theor seguinte : Illm. e Exra Sr.
Ur. juiz de direito especial do commer-
cio da eidade do Recife. O bacharel Jos
de Amoriin Salgado, barSo de Sant An-
dr saccador da lettra inclusa^ de prin-
cipal um cont de reis alera dos juros
do aceite de Alfredo Cardoso Pereira, es-
tando a mesina lettra prestes a prescre-
ver por completarem-se os cinco annos de
vencida a vinte e sete do corrente inez
visto ter sido saccada a vinte sete de
Fevereiro de mil oitocentos e oitcnta e tres
a doze raezes de praso, requer a V.
Exc que se digne mandar o escrivao
quem esta for distribuida tomar por ter-
mo o protesto que faz, para que nao pres-
creva o direito de haver do referido Al-
fredo Cardoso Pereira o pagamento de
dita lettra com todos os juros at real em-
bolso. Requer ainda a V. Exc. que se
digne, no dia, hora e lugar que designar,
admittir ao supplicante provar coin teste-
munhas a ausencia em lugar incerto do
dito Alfredo Cardoso ? ereira para ser' elle
intimado do referido protesto por carta de
editos na forma da lei. Nestes termos.
E. R. M.
Recife 25. de Fevereiro de 1889. Barao
de Santo Andr, Sellada legaluiente.
Distribuida. Como pede. O escrivilo de-
signe da.
Recife 25 de Fevereiro de 1889. ion-
tcnegro.
mais se nao continua em dita peti-
c3k> e despacho a qui copiados, e por for$a
deste. me8ino despacho o distribuidor a
quem foi a dita petico apresnetada a
distribuio ao escrivao Ernesto Silva que
lavrou o termo de protesto dv theor se-
guinte :
Aos 25 de Fevereiro de 1889 ciu meu
cartorio peante inim comparecen o burilo
de Santo Andr e por este foi dito que
reduzia a termo o protesto CDnstante da
petic3o retro que offerecia como parte
ueste em que depois de lido assigna.
Eu Ernesto Machado Freir da Silva.
Barao de Santo Andr Manoel Antero M.
Furtado e Antonio B. Cordei.ro.
E mais se nao continha em dito termo
de protesto aqu copiado fielmente,
tendo o justificante produzido suas teste-
munhas justificando a ausencia do justifi-
cado, o respectivo escrivSo depois de pre-
parar e sellar os autos m'os fez conclusos,
e nelles profer a centeuca do theor se-
guinte. Vistos. Procede a justificacao.
Seja feita a intimaco pedida por editaes
com o praso de trinta dias. distas ex-
causa. ,
Recife 25 de Fevereiro de 1889. Tho-
maz Garcez Paranlios Montenegro.
E mais se nao continha em dita sen-
tenca aqu fielmente copiada por forca da
qua o respectivo escrivao fez pasaar o
presente edital pelo theor do qual chamo,
cito e hei por intimado o justificado au-
sente Alfredo Cardoso rereira pasa com-
parecer ante estejuizo no praso de trinta
dias allegando o que for a bem de seu direito
E para que chegue ao conhecimento de
todos mandei passar o presente edital que
ser publicado pela imprensa e afHxado
nos lugares do costume.
Dado e pasaado nesta eidade do Recife
aos 26 de Fevereiro de 1S89. Eu Er-
nesto Machado Freir Pereira da Silva
subserevo e assigno.
Thomaz Garcez Paranhos Montenegro
DECLARARES
2 375 Saccas
zil
8.114 ifl
1376
1959
10.251
21.296 Saccas
os scguintes:
Brancos ., .
Someno .
Mascavado purgado
bruto.
Rtame .
32O0 a 3i800
1*900 a 2*100
IiOO a 1 *500
a 1*200
a 1*001)
1*100
*800
Colonia Isabel:
Branco 1*
. z ,
. 3* .
Someno
Mascavado
Usina Pinto:
Branco 1*
2"
Someno .
Mascavado .
liOO
2*800
)*5oo
i*900
1*600
i*000
2*300
3*000
1*304
A exportaco, feita pela alfan.lega neste me? at
o da 23, atngio a 12.045.064 kilos, sendo.....
6099.066 pata o exterior e 5.945.998 p'ia o
interior.
As entradas verificadas at a data de hoje
bem a 131.863 saceos, sendo por :
so-
Barcadas
Vapores.....
Animaes.....
Via-ferrea de Caruaru.
Via-ferrea de S. F/ancisco.
Via-ferrea do Lunoeiro .
Somma.
49-307 Sacesi
''.856 .
8.911
54.737 .
12.052
131.863 Saceos
Pelo \apor nacional Manos, foram remedi-
dos 500 saceos com assucar mascavado para
Victoria e 3.65 saceos com uasaear brancw e
3.290 dilos eom dito mascavado para Rio de Ja-
neiro. .
A barca porlugueza "Mimosa,- carregada
asr Bailar Oveira 4 C, levou i.oOO saceos com
assucar branco para Rio de Janeiro.
Couros
Mercado l'rouxo, com offertar
os seceos salgados.
Pela barca portugu''z.i Mimosa. foiMn re-
mullidas 30 pipas para Rio de Janeiro.
Alcool
Ultimas vendas, na razo de 18000> por pipa
de 480 litros.
Mel
Cola-se a 50*000 por pipa de 480 litros.
Pauta da alfandega
SEMANA D> 25 lK FKVERKIB0 A 2 1>E .MMti'.'p
de 1889
Vide o iiario de 24 de Feseretro
Vuvlos carga
Barca portugueza Novo Silencio, para o Porto.
Barca sueca Axel, para Santo.
Patacho inglez Peggu-, para Mentevideb.
'atacho hollandez Broedertioice, para Pelotas.
Vapor ingles Locltiel, para Liverpool.
\avlos descarga
Barca norueguense Frida, carvio.
Barca norueguense Frhyof, carvo.
Barca inglcza Sobrina, fareLo..
Barca mgleza Parayero, bacaltio.
Barca norueguense /o*ra, carvSo.
Barca allemi Auna, earvao.
Bri^uc sueco Pepita, earvao.
Escuna insten Abej", bacalhao.
Lugar inglez Vtola, bacalhao.
Lugar nacional Maiinlio Vil, Corvo.
L.i"iiii" inglez Muy Coi y, bacalhao.
Vapor iu^lez CUilian, carvo.
AlteraetSes para mais, encontradas no
lancamento da decima urbana da fregue-
zia de S. Jos, relativamente ao exerci-
cio de 1889, pelo lanzador Izidoro F. de
Mattos Ferreira.
Marcilio Dins
N. 1-11. Um sobrado arrendo
por
Lomas Valentina
N. 78. Um sobrado arrendado
787000
por
N. 47.
438*000
192000
Urna casa terrea arren-
dada por
Coronel Suassuna
X. l'K). Urna casa terrea ar-
rendada por 360i000
N. 180. 1 m sobrado arrenda-
do por 1:0005000
X. 224. Urna casa terrea ar-
rendada por 3335000
N. 260. Urna casa terrea ar-
rendada por 360M.>00
N. 53. Urna casa trra arren-
dada por 2405000
N. 85. Urna casa terrea arren-
dada por 1535000
N. 91. Urna casa terrea arren-
dada por 2135000
N. 105. Urna casa terrea ar-
rendada por 2135000
N. 143. Urna casa terrea ar-
rendada por 1505000
X. 117. Um obrado arrancia
do por 6005000
N. 2.01. Urna casa terrea ar-
rendada por 2735000
N. 203. Urna casa terrea ar-
rendada por 2735000
S. Joao
X. 58. Urna cosa terrea arren-
dada por 1G85OO0
X. 55. Urna casa terrea arren-
dada por 2735000
Felippe amarao
X. SS. Urna casa terrea arren-
dada por 2135000
X. 97. Urna casa terrea arren-
. dada por 1925000
Mrquez do Herval
X 68. Urna cas:1, terrea arren-
dada por 1:3205000
N. 134. Uina casa terrea ar-
renda por 2735000
N. 138 Urna casa terrea ar-
rendada por 2405O
i-aaaaaaaaaaaaaaa] 11
X. 148. Urna casa terrea ar-
rendada por
N. 12. Urna casa terrea ar-
rendada por
X..172 E. Urna casa terrea
arrendada por
N. 113. Urna casa terrea ar-
rendada por
X. 211. Urna casa terrea ar
rendada por
Travessa do Poucinho
N. 9. Urna casa terrea arren-
da por
Dias Cardoso
X. 30. Urna casa terrea arren-
dada psr
X. 46. Urna casa terrea arren-
dada por
X. 68. Urna casa terrea arren-
dada por
N. 7. Urna casa terrea arren-
dada por *
X. 25 A. Urna casa terrea ar-
rendada por
X. 39. Urna casa terrea arren-
dada por
Padre Nobrega
X. 34. Urna casa terrea ar-
rendada por
X. 27. Urna casa terrea ar-
rendada por
X. 53 Urna casa terrea arren-
dada por '
X. 57. Urna casa terrea ar-
rendada por
Travessa do Gaz
X. 2. Urna casa terrea arren-
dada por
Cadeia Xova
X. 20 B. Urna casa terrea ar-
rendada por
X. 20 C. Urna casa terrea ar-
rendada por
X. 55. Urna casa terrea arren-
dada poa
Gazomctro
X. 1 E. Urna casa terrea ar-
rendada por
Vidal de Xegrciros
X. 30. Urna casa terrea arren-
dada por
X. 108! Urna casa terrea ar-
rendada por
X. 25. Urna casa terrea arren-
dada por
X. 125. Urna casa terrea ar-
rendada por
X. 147 Urna casa terrear ar-
rendada por
X. 151. Urna casa terrea ar-
rendada por
Frei Henrique
X. 36. Urna casa terrea arren-
dada por
X. 40. Urna casa torrea ar-
rendada por
X. 42. Urna casa terrea ar-
rendada por
Dique
X. 2. Urna casa terrea arren-
dada por ,
X. 6. Urna casa terrea arren-
dada por
X. 30. Urna casa terrea arren-
dada por
X. 34. Urna casa terrea
(. rendado por
Xe 1 A. Urna casa terrea
rendada por
X. 11. Urna casa terrea
rendada por
X. 15. Urna casa terrea
rendada por
Travessa do Prata
ar-
ar-
ar-
ar-
iMporaeo
Vapor francez Ville de Maranho, entrado do
Havre e Lisboa em 25 do andante e consignado a
Angoste Labille ; manifeslou :
Carga do Havre
Amostras 5 volumes a diversos. Art gos para
buhar 1 caUa a Antonio Maia & C. Armas 6
cacas a ordem.
lironze 1 caixa a innandade da matriz de S,
Jos. Watatas 50 1|2 caixas a Silva Marques A C,
25 a Soares & Fernandes, 200 ao consignatario.
Cachimbos 2 caixas a Azevedo i C, I a Maia
Silva A4C. Chapeos l caixo a Adolpho & Ferrao.
1 a Augusto Fernandes & C, 1 a Raphael Dias
& artas para jugos 1 caixa I Maia Silva
& C. Cidra 15 caixas a Ramos Geppert v C.
Couros e calcados 1 caixo a Ferreira Barbosa
a :. Calcados 1 caixao a Petrocelli & Irmio, 1
a Fraucisco Ramos da Silva & C.
Brega* redames a Francisco Manoel da Silva
t '., I a Odilon Duasje AC, 3 ao consignatario.
BrVunas 10 caixas J^Araujo Castro A Es-
pelho 2 caixas ao consignatario.
PartnOS para calcados 2 caixas a^ Braga .t S;i.
Ferragen 1 volutnc a Fredorico<-'"., 1 Manoel
da Cunta SHldanha.
Icistromeofo de msica 1 caixa a Emilio Ro-
berlo.
Livros 1 eaixasa J P Bolitreau, 2 a Joo W.
de Medeiros. Lix 1 caixa a Ferreira Guiuia-
raes & C
Manteiga 2'.0 barr* 3I5meios ditos crdem,
50 e 73 ao consignatario, 25 e 30 a Fraga Rocha
tC 50 e 50 a Joo Fernandes de Almeida, 30 e
40 a Joquim Duarte SimOes C, 40 e 40 d Souza
Ba.-;o. Amorm & C, 13 e 10 a Joo F. Ferreira,
i.'i e 30 a Feruaude* & lrmos. 15 e 20 a JoaqDim
Ferreira de Carvalho > C. 20 e 30 a Fernandas
,la Cusa A C. 30 e 40 a Paiva Valente & C, 20"
is a Jos J 4 C, ii a ordem, I
lao. 1
- para engcnlto ti vi I. Marque-'
tguardeate iundaCavaleanle. M-rcadori.1 1 vo ;
nias vendas, a S54000, por pipa d raaos A C, 2a An-1
' tonic Jos Maia A C, 2 a Francisco Lauria A C,
2 .1 Guimaiae- Cardoso A C, 1 Manoel da Cuaba
Lobo, X a Joo deserta A C, 2 a Manoel Collado
\ 1... 3 a G. Lapsrta 4 C). 5 a Antonio Duarle Car-
neiro Viainia, 2 a Ferreira de Irruao, 1 a Petrocelli
\ Inuo. 2 a Francisco Gurgel 4 Irmio, I a E.
Gonpdn Caf cao, 1 1 Maia [Silva A C., 1 a l'a-
poula A C, 2 .1 Auge o Rapliael A C..3a C. de
Guimaries Basto. 3 a Francisco Manoel da Silva
i C, 1 a marte A C, 1 a Xetlo Campos A C, 9
a R. de Drusuia C., 3 a G. de Mattos A lrmos
Objeotos para relojoeirOj caixa a Eugenio U
Clemenl.
Porcelana 1 tina aG. Laporle A *., i a Deoda-
tado Torres A C. Pedwis a erreira Guima-
rai > 6 C. Perfumara 3 caixas a Maia Silva
A C. Papel 4 caixas a ordem. l'enles 1 caixa a
Nuiles Fonseca A C. Piano 1 a D. Maria Alves
Monleiro. I'elles 1 caua a J. Gerald.
Queijos 1 lina a P. de OliveiraMaia. t7caixas
aJoaqinin Feti|ipe Agubtf, lOJoaquim Ferreira
de Carvallio C 40 a J'aiva Valente C, 40
orden).
Uceante 2 caixas a Ferreira Guwnares A C
Tinta 1 caixa a J. P. Bolitreau. Tecidos di-
versos volumes a Goncalves Cunha >v C, 1 a
Machado IVreira, 3 a lves de tirito A C, la
Bernet de antalicc. 3 a A. Vieira A .. 1 aos Herdeiros
de A C. de Vasconcellos. I a J. Coiinbra & C, 2
ordem, 2 a Rodrigues Lim & C., 3 a II. Burle
AC, lD. P. *d iC.
Vedas 2 volumes a Ca valho A C. Verulouih
25 Callea a Domingos herrara da Silva C.
Vinlu I barril a Paulino de Oveira Maia.
Carga de Lisboa
Albos 23 camwtras a Paiva Valcnti' & C, 80 a
Gucdes de Araujo A Filbo, 12o ordem. Agua,
mineral 4 caixas a Francisco Manoel da Silva
& C. Azeile 5 barris a Fernandes da osta AC,
20 caixas a Fernandes A lrmos. Alfazeina 10
pceos a Joaquim Ferreira de Carvalho AC.
' agaa 4 barricas a Pinto A C.
Castanbas 2 caixas a A. J. da Costa. Ceblas
10 caixoes a Lopes Mayalhes & C. 15 a Venan-
cio de Santa Rosa, 20 a Jos Barbosa de Carva-
lho Conservas 3 caixas a Paulino de Oveira
Maia. 60 a J. F. Forrara.
drogas 4 volumes a Manoel Alves Barbosa
Succcssor. 4
Maaaa ae tomate 1 caixa a Venancio de Santa
Roza
Peixe 3 caixas a Paulino de Oliveira Maia,
capatOS 1 caixa a Ferreira Barbosa A C, 1 a
Jos Antonio Pilro. Saniihas 10 12 barricasj
Lopes Alheiro & C, 15 a Paiva Valente C., iO
a Joaquim Felhppe A Agotar.
V111I10 18 pipase60 barris a Souza|Basto Aino-
nm A Cv o barris a Jos P. Botelho. 16 a Pauli-
no de Oliveira Maia, 6 a J Antonio M. Guima-
rae* C, 12 a GaacaiTea llosa & Fernandes, 40
u Antonio S Braz, 10 caixas ordem. Vinagre
:i Barra a Jos ntoino M. Gaimaraes.
Cxporlaco
ton 25 iB fkvkhkibo de l't9
i'ara o exterior
No vup'or inglez Locltiel, carregaram :
ira Liverpool, J. H. Boxwell 600 saceos com
45,000 kilos Be aesucar mascavado F. Casco A
1 550 saceos com 38,3J0 kilos de assucar
a o.
No vapor americano Uliawa. carregaram:
Para NW-York, F. M da Silva A C. 300 suc-
ra 30.000 kilos de bages de mamona.
a cscun portugueza Feiticeira, canvgou :
N. G. Urna casa
dada por '
terrea arren-
2T3i5K)00
30CWXX)
300*000
546,JOOO
333*XK)
165,5000
213*000
300*000
300*000
153*000
216*000
144*000
273*000
192*000
273*000
144*000
144*000
120*000
360*000
200*000
288*000
333*000
273*000
333*000
333*000
277*000
300*000
120*000
189*000
1890000
168*000
168*000
213*000
213*000
72*000
180*000
189*000
1893000
te, 1.00 saceos com 60,000 kilos de assucar
brauco e 1,000 ditos com 60,000 ditos de dito
mascavado; S. Guimares A C. 1,100 saceos com
66,000 kilos de assucar brauco c 40J ditos com
24,000 ditos de dito mascavado.
i No vapor austraco Szecheny, carregaram :
ParaSaHtos, Amorim Irmos AC. 1,300 saceos
com "8,000 kilos de assucar branco e 700 ditos
com 42,000 ditos de dito mascavado, 10 pipas
com 4.800 litros de alcool, 30 pipas e 75 harris
com ii .i)0.i litros de aguardeute.
Para Rio de Janeiro, J. H. Boxwell 50 pipas
com 24, 00 litros de agurdente.
."o vapor inglez Estrella, carregou :
Para Rio de Janeiro. A. '". da Silva 50 pipas
com 24,0 0 litros de agurdente.
No vapor nacional P. do Gro Pa; carre-
garam :
Para Babia, M. Lopes de S A C. 30 barris com
4,800 litros de mel.
No vapor nacional Maiuios, carregaram :
Para Rio de Janeiro, P. Carneiro A C. 3 bar-
ris com 300 kilos de oleo de mamona; A. F. dos
Santos 32 caixas com vinho jurubeba.
Para Victoria, A. F. dos Santos 1 caixa diver-
sos medicamentos.
No vapor uacional Pirapama, carregaram:
Para Cear. V. A. de .Azevedo 50 saceos com
3,750 kilos de assucar branco.
Para Natal, A. da Silveira Campos 16 barricas
com 960 kilos de assucar retinado e 4 ditas com
210 ditos de dito branco.
Dinheiro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional -Manos,-
Macei
Rio de Janeiro
Pelo Tapar nacional
itossor
AssumpcSo
N. 44. Um sobrado arrendado
por 900*000
N. 56. Urna casa terrea arren-
dada por 273*000
N. 62. Dm casa terrea arren-
dada por 273*000
N. 66. Urna casa terrea arren-
dada por 273*OtO
N. 72. Urna casa terrea arren-
dada por 300*000
Domingos Theotonio
N. 18. Urna casa terrea arren-
dada por 273*000
N. 39. Urna casa terrea arren-
dada 273*000
N. 43. Urna casa terrea arren-
dada por 500*000
Padre Floriano
N. 56. Urna casa terrea arren-
dada por 273*000
N. 72. Urna casa terrea arren-
dada por 240*000
N. 7. Um sobrado arrendada
por 660*000
N. 29. Urna casa terrea arren-
dada por 273*000
N. 57. Urna casa terrea arren-
dada por 273*000
Ra do Forte
N. 18. Urna casa terrea arren-
dada por 213*000
Antonio Henrique
N. 13. Uina casa terrea arren-
dada por 168*000
Santa Rita
N. 18. Um sobrado arrendado
por 819*000
Travessa da ra ova de Santa Rita
N. 13. Urna casa terrea arren-
dada por 300*000
N. 25. Urna casa terrea arren-
dada por 168*000
Pescadores
N. 19. Uina casa terrea arren-
dada por 213*000
N. 35. Urna casa terrea arren-
dada por 213*000
Imperial
N. 162. Urna casa tenca ar-
rendada por 216*000
N. 236 B. Urna casa terrea ar-
rendada por 480*000
N. 238. Uma easa terrea ar-
rendada por 480*000
N. 23. Uina casa terrea arren-
rendada por 273*000
N. 159. Uma casa terrea ar-
rendada por 500*000
N. 261 O. Uuia casa terrea ar-
rendada por 360*000
N. 265. Uma easa terrea ar-
rendada por 150*000
Tra-'essa do Lourenco
H. 8. Urna casa terrea arren-
dada por 72*000
Travessa do Raposo
N. 11. Uma casa terrea arren-
rendada 144*000
N. 13. Uma casa terraa arren-
dada por 168*000
N. 2L Orna casa terrea arren-
dada por 168*003
N. 23. Uma casa terrea arren-
dada por 168*000
N. 31. Uma casa terrea arren-
dada por 168*000
Becco do Tavares
N. 25. Uma casa terrea arren-
dada por 144*000
Luiz de Mendona
N. 20. Uma casa terrea arren-
dada por 144*000
N. 30. Uma casa terrea arren-
dada por 180*000
Via Frrea
N. 4 M. Uma casa terrea ar-
Entraram :
26 bois pesando 3,971 kilos.
102 kilos de peixe a 20 ris
154 cargas de farinha a 200 ris
6 ditas de fructas diversas a 300
ris
11 taboleiros a 200 ris
13 suinos a 200 ris
16 matulos com legumes a 200 ris
Foram oceupados:
26 columnas a 600 ris
1 escriptorio a 300 ris
24 compartimentos de farinha a 500
ris
24 ditos de comidas a 500 ris
81 ditos de legumes a 400 ris
18 ditos de suinos a 700 ris
9 ditos de fressuras a 600 ris
35 tullios a ti
21040
3 <*800
I 800
2200
31000
32X)
15*600
300
12*000
12*000
32*400
12*600
:*4"0
70*000'
Rendimentos dos das 1 a 23 do cor-
rente
203*340
.4:734*580
para:
46.000*000
11.966*250
Pirapama, para:
10:000*000
Para lllia
coai i Lit!
< Vf T
C. M da Silva
irte.
pipas

totas, H. Buii" '. oto 9,600
.dente ; Amoritn limaos A C. 30
s e 50barns com 19.200 litros de aguarden-
Rcadlmcatos pblicos
MEZ DR PEvKntiii.>
Alfandega
Renda gera:
Do dia la 25 732:731*126
dem de 26 54:004*466
Foi arrecadado liquido at hoje 4:937*920
Precos de dia:
Carne verde de 240 a 560 reis o .kilo.
Carneiro de 720 a 1 reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 4n0 a 360 reis a cuia.
Milbo de 380 a 440 reis idem.
Prf'lo de 900 a 1 *20idem.
-
Matadonro publico
Neste estabelecimento fotam abatidas para o
consumo de hoje 75 rezos pertenecntes a diver-
sos marchantes. j
Vapores a entrar
HEZ DE FEVEREIRO
..... Pernambuco....... 27
Allianca
Sul..
ul........
>Ul........... AfWIUMM.
Renda provincial :
Do dia 1 a 25
Idem ib- 26*
113:927*108
6:176*078
806:735*592
120:103*186
Somma total 926:838*778
Segunda seceio da Alfandega, 26 de Fevereiro
de 1889.
O tbesoureiro Flerencio Domingues.
O chefe da seceio -Cicero B. de Mello.
Rcccbedoria eral
Do dia 1 a 25 34:469*420
dem de 26 11:&54*826
66:324*246
Reeebcdoria provincial
Do dia la 25 13:177*904
dem de 26 521*119
15:699*023
Recife Drainagc
Do dia i a 25 26:422*759
dem de 26 7:439*056
.i 1*813
Mercado Municipal d* S. Jone
O movimento desle mercado no da 21
vereiro foi o segtnte;
Fe-
vapores a sabir
MEZ DE FEVEREDJO
Maeei..... Mandahu'......... 27 as
Norte. Pernambuco....... 58 as
Liverpool Araucania......... 28 as
New-York Ai/iaiifo.......... 29 as
h.
h.
h.
4h.
Movimento do porto
Navios entradas no dia 26
Londres c escala30 dias, vapor inglez Golf of
Akaba, de 1,272 toneladas, coramandante John
J. Munzo, equipagem 30, carga varios gneros;
a Wilson Sons C.
Rio de Janeiro-24 dias, lrigue portugus S.
Lourenco, de 218 toneladas, capitao Joao de Je-
ss Ferreira Lima, equipagem 9, carga varios
gneros ; a Amorim lrmos A C.
Sonidos no mesmo dia
Barbados -Barca sueca Vidga, capitao A. Pahlson;
em lastro.
Valparaizo-Vapor inglez Gulf of Akabtt, cora-
mandante John J. Munzo ; carga varios gene-
ros.
SantosBarca sueca Axel, capitao O. E. Milsson;'
carga assucar.
Santos e escalaVapor francez Vk de Maranho,
eommandante Breant; carga varios gene-
ros.
Rio de Janeiro Barca nacional Mtmosa, capitao
Antoino Albino de Barros : carga assucar.
Ceara e escala-Vapor nacional Pirapama, eom-
mandante Francisco Alves da Cost^
varios gneros.
Rio Formoso e Tamandar Yapo,
guaribr. eommandante Alfredo Monteiro;



I

1
.1


* -:

i
"i
*


Diario de PernambucoQuarta-feira 27 de Fevereiro de 1889




3000000
960000
840000
120*000
96*000
72*000
60*300
720000
72*000
120*000
72*000
72*000
720000
rendada por
N. 4 O. Urna casa terrea arren-
dada por
N. 14. Urna casa terrea arren-
dada por
N. 6. Urna casa terrea arren-
dada por
N. 30 C. Mma casa terrea ar-
# rendada por
N. 5. Urna casa terrea arrcn-
Bdada por
L 21 A. Uuia casa terrea ar-
rendada
N. 21 B. Urna caso terrea ar-
rendada por
N. 21 C. Urna casa terrea ar-
rendada por
Becco da Gomelleira
N. 2. Urna cesa terrea arren-
dada per
N. 4. Uma casa terrea arren-
dada por
N. 10. Uma casa terrea arren-
dada por
N. 12. Uma casa terrea arren-
dada por
N. 14. Uma casa terrea arrea-
dada por
N. 5. Uma casa terrea arren-
dada por
1* seccao da Recebedoria Provincial, 18
de Fevereiro de 1889.
O chefe,
Jefferson Mirabeau de Azevedo Soares
retarla da Instruee Publi-
ca 4 de Dezembro de 1888
FRAZ;> 60 DAS
Contractos de cadeiras.
De ordem do Sr. Dr. Inspector Geral
de Instruccao publica, e em cumprimento
e determinacSo de S. Exc. o Sr. Desem-
bargador Presidente da Provincia de 21
do corrente, se faz publico, que fica mar-
cado o- praso de 60 dias aquem nteressar
possa para contractar as cadeiras mixtas,
Marayal e Ganimelleira de Buique e a do
sexo feminino de Agua Preta, devendo os
pretendentes apresentarem suas peticSes
instruidas na forma das instruccoes de 24
de Maio do anno passado como abaixo se
declara.
I. Os titulados pela Escola Normal Offi-
cial e pela da Sociedade Propagadora da
Instruccao Publica.
II. Os que, mediante exame de capaci-
dade feito nos termos das disposicSes vi-
gentes, tiverem obtido diploma de habi-
litacao.
III. Os que provarem haver exercido
o magisterio publico com reconhecida ha-
bilitado.
IV. Os que provarem exercer ou ter
exercido o magisterio particular as mes-
mas condicSes.
V. Os que, nao se achando as condi-
c3es mencionadas nos ns. I. a IV, tiverem,
todavia, notoria aptidaV para o magisterio.
Art. 4". Os individuos mencionados no
art. antecedente terao preferencia, na or-
dem em que se acham enumerados para
as cadeiras que requererem, por modo que
somonte se admittirao os da segunda classe
quando nao houver pretendentes da pri-
meira e assim por diante.
Io Em igualdade de condicoes quanto
ao titulo ou diploma, preferir o candidato
que j tiver exercido o magisterio.
2o. Em igualdade de condicoes quan-
to ao exercicio do magisterio, preferir o
que tiver antes servido por outro meio
que 81o soja o contractDou por interinidade.
| 3o Em igualdade de condicSc3 quanto
ao meio anterior de provimento, prefirir
o candidato, que tiver mais tempo de
servico.
Art. 5o. Quanto aos que forain contrae-
tados em virtude da lei de 8 de Junho de
1874 e do regulamento de 7 de Abril de
1879, lica-lhes mantida a preferencia es-
tatuida pela lei n. 1766, art. 9, segunda
parte.
Art. 6o Os que pretenderem o provi-
mento J)or contracto, deverao, dentro do
praso de que trata o art. 2o, requerel-o
ao inspector geral da instruccao publica,
exhibindo certidao de idade, folha corrida
e atte8tados de moralidade.
Sao dispensados de apresentar folha
corrida os que exhibirem attestados de
procedimento civil e moral, passados pelas
Cmaras Municipaes, autoridades judicia-
rias e policiaes da* localidades em que
houverem residido nos dous ltimos annos;
os que, se achando no exercicio de em-
prego publico, exhibirem attestados dos
respectivoschefes ; eas educandas do col-
legio de orphas e casa de expostos.
| Io Os que requererem as condicSes
do art. 3o n. III, se tiverem cxerc'do o
magisterio a titulo interino, devera pro-
var haverem assim, ensinado por mais de
tres annos com proveito para os alumnos.
O meio desta prova consiste na exhi-
bicao do titulo de nomeacao confirmada
ou feita pelo inspetor geral ; de certidao
de exercicio, extrahida dos assentamentos
da secretaria da instruccao publica e de
attestado do delegado litterario quanto ao
aproveitamento dos alumnos.
2o. Quando os pretendentes torem ou
tiverem sido professores de ensino parti-
cular (art. 3o n. IV) deverao. fazer prova
por meio de certidao extrahida dos assen-
tamentos e mappas constantes da secreta-
ria da instrueyao publica, de terem ensi-
nado as materias de instruccao primaria
por mais de cinco annos, e attestado do
delegado litterario e dos pais dos alumnos,
quanto ao aproveitamento do ensino.
Art. 7o. A petico para o contracto
edeve conter a declaracao da filiacao, idade
estado e proffissio anterior do requerente
a escripia pelo proprio punho deste, sendo
a lettra e firma reconhecidas por official
publico.
O contracto s podc. ser a6signado por
procurador, se fr provada a mpossibili-
dade do coBiparecinaento pessoal do con-,
tractante.
Secretaria da Instruccao Publica 24 de
Dezembro de 1888.
0 Secretario
p, ,/jintinc Saraiva de A. Galeno
__ 0 Dr. chele 1 t polica inunda publicar pa-
ra conti-" '" loo* e ,iel OWcafiBo os
- municipaes:
Art 70 F:l prohibido mate municipio o
rntrudocom agua ou qualquer ou-
ancia de quuiquer maneira que se em-
os uifractorei pajarito a multa de i5*
ias de pns
a prohib. de limas de
Jer paga-
amBuco, 23 de
De ordem do Ulm. Sr. Dr. inspector
faco publico que em cumprimento da re-
sol ucao de S. r'xc. o Sr. Dr. presidente
da provincia, de 14 do corrente, fica mr
168*000-icado o prazo de 45 das a contar desta
data, para a incripbao ao concurso que
192)5000 ter lugar neste Thesouro no dia 15 de
Abr 1 prximo futuro, afim de preencher-
se tres vagas de 3" escripturario existen-
tes nesta reparticao.
O exame versar sobre leitura, analyse
grammatical, orthographia e arithmetica
at a theoria das propor3es inclusive.
Os candidatos deverao requerer ins-
pectora deste Thesouro a sua adinissao ao
concurso por meio de peticao documenta-
da, provando ser maior de 18 anno?, adiar-
se livre de culpa e pena e ter boin com-
porumento, lhes sendo licito juntar, alem
destes, quaesquer outros documentos que
possam favor f i Brc^to.
Beorctam Pernambuco, SI de i evcicu-o de co>.
Servindo de secretario
0 official,
/.iii'lnlfo Compeli.
Prazo uV cinco dias
Pela inspectora desia Alfandega se bu publico
que as II horas d dia 27 d. crtenle me/, serio
vendidos cin prar.i porta desta repartirSo,
doxu rulogios de nickel para algibeira .indos
de bordo d vapor inglez La Hala, apprehendi
dos pelo guarda desla reparticao Augusto de
Albuquerque MngnlhSes Bastos.
3." seccSo da Alfandega de Pernambuco, 43
de Fevereiro de 18890 chefe,
Domingos Joaquiin da Ponseca.
4.* scele.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em" 19 de Fevereiro de
1889.
Por esta secretaria se faz publica a re-
commendacao do Exm. ministro e secre-
tario de Estado dos negocios do imperio,
constante do aviso n. 288 de 22 de Ja-
neiro findo, para conhecimento de Maria
Severna da Conceieao Lucas, mai do
alumno do Instituto dos Surdos-Mudos,
Jos Lourenco Godolredo Lucas.
c N. 288. 2* directora.Ministerio
dos negocios do imperio. Rio de Janeiro,
22 de Janeiro de 1889.
f Illm. e Exm. Sr.Nao podendo, na
conformidade do artigo 25 do regulamen-
to do Instituto dos Surdos Mudos annxo
ao decteto n. 5,435 de 15 de Outubro de
1873, continuar alli, por haver attingido
a idade de 18 annos, o alumno Jes Lou-
renco Godofredo Luca, a quem se refere
o officio dessa presidencia de 24 de Ou-
tubro de 1882 e convndo, portanto, pro-
videnciar afim de que seja retirado do
mesmo Instituto o dito menor, o qual, se-
gundo informa o director de estabeleci-
mento no officio, que a tal respeito me di-
rigi, se exprime regularmente por escrip-
to, perito official de encadernador e tem
o peculio de 864*950, recolhido a caixa
econmica, dou conhecimono d'isto a V.
Exc. para os fins convenientes.
t Deus guarde a V. Exc.. -A. Ferrei-
ra Vianna.Sr. presidente da provincia
de Pernambuco.
O secretario interino,
Manoel Jonquim Sveira.
Concurso
Por esta secretara > taz publieo em vista do
despacho da presidencia da provincia de 9 do
corrente mez, e de orden do Sr. Dr. inspector
ireral da instruccao publica, que se acha aberta
a inscripcae para o concurso a que se vai proce
der a requerimento do alumno mestre titulado
Kdla Escola Normal, Artliur Octaviano da Silva
huios, para provimento da cadeira de ensino
primario do sexo masculino do Poco da Panella
(de i.' en'rancia), sendo somt ate admiltidos a
cssa inserincao os professo-es pblicos de qual-
quer cathegora, e os indi\iduos titulados pela
Escola Normal, devendo este? no prazo de 40
dias apresentar os secuiotes documentos : folha
corrida on attestado de procedimento civil e mo-
ral pelas autoridades judiciarias, policiaes ou
'amaras municipaes das localidades em que ti-
verem residido nos dous ultimos annos, diploma
conferido pela Escola >orinal. Ficando sem
elTcito o edital n. 52, que annuneiou o accesso
da mesma cadeira.
Secretara da instruccao publica de Pernam-
buco, II de Fevereiro de 1889.O secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvac.
O Illm. Sr. Dr. chefe de polica in-
terino manda publicar para conhecimento
de todos o art. 1. do regulamento para a
matricula de boleeiros e carroceiros, afim
de que nao se reproduzam os abusos que
se tem nado, de dirig re m carros e car-
rocas individuos nao matriculados, recom-
mendando nesta data ao mestre de cam-
pos Francisco Justino de Assis, toda a vi-
gilancia para que seja cumprido fielmente
o menciodado artigo.
Art. 1. Ninguem poder sei admitti-
do ao governo de carros, seges, mnibus,
carrocas ou qualquer outro vehculo de
conduecSo, seja na qialidade de boleeiro,
seja na de carroceiro, sem qne esteja ma-
triculado na reparticao de t- olicia.
Secretaria de Polica de Pernambuco.
20 de Fevereiro de 1889.
O secretario,
Joaquim Francisco de Arruda.
Indemnisadora
A directora desta companhia convida os se-
nliores accionistas a reunirera-te em assembla
peral ordinaria no dia 28 do corrente, ao meio
dia, na sede da mesma. pira o lim de aprecia-
ren] o bataneo, contas da drecco e o parecer da
commisso fiscal, e beta como dar-se cumpri-
mento ao que determina o art. 27 2- dos seus
estatutos. Recife, ii de Fevereiro de 1889.
Os directores
Joaquim Aire da Fonseca.
Antonio da C Ferreira Beltar.
Gompanhia de fiacao e teci-
dos de Pernambuco
Por deliberado da directora sao convidados
os senhores associados desta companhia a se
rcunireni no aaBo do edificio da Associagao
Comoenial Benelicente, a 1 hora da Urde, no
dia 7 d' prximo mez de Marco, para approva-
rem as contas do anno indo em 31 de Dezembro
de 1883, e nomearern a corimissio fiscal-do cor-
rente anno.
K> cil'e, 7 de Fevereiro de 18b9.
Jos JoAo de Amorim,
Secretario.
Secretaria da Instruccao Pu-
blica, 26 de Janeiro de
1889.
Faco saber a quem interessar possa, de ordem
do s. Dr. inspector geral da instruccao publica,
que podem ser procuradas nesta reparticao as
cadernetas da Caixa Econmica Escolar da 3*
eadeira do sexo masculino da freguezia de Sau-
to Antonio, recolliidas pelo ex-professor Fran-
cisco da Silva Miranaa, constantes da relacdo
infra.
Relacao das caiernetas da Caixa Econmica Es-
colar da 3" cadeira do sexo masculino da fre-
guezia de Santo Antonio, ainda nao reclama-
das.
1879 N. 2.021 Joo Gomes Pe-
roirad Silva, folhas 38
N. 3-774 Manoel Pedro
Alexaadriuo de Lima,
dita 68
1880 N. 2.011 Joao Baptista
Lopes de Castro, dita 48
N. 2.012. Allpjdo Proco-
pio Lopes de astro, dita
4!l
1881 N. 2.084 Theolonio Afiri-
5i no dos Santos, dita lo
. 3.516 Gustavo de Sou-
za Lopes, dita 17
N. 3.517 Joo de Souza
Lopes, dita )8
N. 3.510 Martiuiauo Joa-
quim de Mello, di'a 21
N. 3-805 JooSilverioda
Costa Olivcira, dita 30
N. 4.638 Manoel Soares
Monteiro, dita 45
N. 4.640 Lupicinio Fer-
nando da Silva, dita 47
1882 N. 5.021 Victorino Duar-
te Pereira Lima, dita 8
N. 2.388 Capitulino Tho-
m Baptista, dita 16
N. 4641 Manoel Candido
Ferreira da Silva, dita 19
N. 4.647 AI e x a o d riao
Tavares, diu 20
N. 5-029 Arthur Ferreira
Soares, dita 34
N. 5-311 Raymundo Al-
ves de Souza, dita 42
1883 N. 5312 Luw de Franca
Soares (ou Souza.) dita
31
N. 6.183 Alvaro de Oli-
veira Colas, dita 37
N. 4.642 Joo dos Santos
Pereira Braga, dita 57
1884 N. 6 371 Joaquim de Sou-
za Pinto, dia 12
N. 5.66 Manoel Silveno
de Miranda, dita 20
N. 7.145 Amaro Joao de
Alencar. dita 37
N. 8.196 Rosa de Lima
dos Passos Barbosa ,J dita
42
1883 N. 5.618 Carlos Henrique
Soares, dita 41
N. 5.975 AfTonso Dantas
Teixeira, dita 36
Fraccoet
uooo
100 1*000
3*000
3*000
160 10*000
600 5*000
600 5*000
, 520 10*000
16*000
40 2* 00
100 UOOO
9*000
140 17*000
11*000
500 7*000
740 1*000
560 3*000
11*000
840 2*000
309 1*000
4*000
630 4*000
500 6*000
400 1*000
800 3*000
700 4*000
8700
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
Francisco da Silva Miranda.
Os pretendentes devem apresenlar-se devida-
mente habilitado?.
O secretario;
Vergrntino Saraica de Araujo GaltSo.
ST"CASA~
CASAS PARA ALUCIAR
Ra da Moeda n. 49, armazem
dem 1I0 Vigario Tenorio n. 27, loja
dem idem u. 22, 3. andar
dem idem n. 25. 1." andar
dem do Bispo Sardinha n. 3, 1. e 2."
andares e sotao
dem do Bom Jess n. 29, 3.- andar
dem do Mrquez de Olinda, sobrado
.44 H 2:131*000
dem do Bom Jess n. 13, I. andar 240*000
Becco das Boias n. 14, loja 1." e 2.' an-______
dares 4805000
Um sitio em Parnaineiriuo. 460*000
De ordem do Exm. Sr. Dr inspector* se
faz publico que em virtude do telegramma et-
pedido pelo Ministerio da Fazenda, a taixa* ad-
dicional da tarifa movel, cobravel do 1- de Mar-
co* prximo em diante, conforme o decreto 1170
de Janeiro ultimo, ser de 20 0/0 at ordena em
contrario.
3." seccao da Alfandega de Pernambuco, 26 de
Fevereiro de 1889. O chefe,
________Domingos Joaquim da Fonseca
WiihdVIegacla do 1 di*rl . fregaezltf de H. os. M dr
Fevereiro de 1889.
CAVALLO FURTADO
Acha-se apprehendido n'esla subdelegada um
cavallo lussu-pedrnz pequeo e omito magro,
quem fr scu dono compareca na 3" estacao'da
guanla-civica no dia 27 do correte, s 3 horas
da tarde, afim de justificar a posse de sua pro-
priedade.
O subdelegado,
Joo Antonio da Silva Pereira.
240*000
240*000
180*000
360*000
400*000
200*000
Companhia alagoana de
Fiacao e Tecidos
Convidamos aos Srs. subscriptores des-
ta companhia para, de accordo com os
arts. 9 e 10 dos estatutos at o dia 17 de
Marco prximo futuro, realisarem sua
3uarta entrada na razto de 10 j0 do valor
e suas accSes ao Banco Intenarcional
em Pernambuco.
Maceio 15 de Fevereiro de 1889.
Os directores,
Jos Teixeira Machado.
Jos Januario P. de arvalho.
Propicio Pedroso Barreto.
u 1
iiium Fran>
L-Tuaa
Imperial Sociedade dos Ar-
tistas Mchameos eLi-
beraes
No tendo comparecido numero legal para a
convocaco feita para 14 no corrente, de novo
convido a todos os senhores socios effectivos
que no? gosos le sena direitos a com-
pare: <6ho;as da tarde,
na s. ahm de ter lugar a assembla
enlacaj de contus c posse dos
nos.
de 1889.
O i secretario,
Francisco da Costa Ramos.
1 .,,
Pede-se aos Senho-
res consummidores
que queir a m fa z e r
qualquer communica-
^o ou reclama^o, se-
ja esta feita no escrip-
torio desta empreza
ra do Imperador n.
29, onde tambem se re-
ceber qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrado-
res externos sao os Se-
nhores Hermillo Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r e Manoel Antonio
da Silva Oliveira, e
quando for preciso o
Sr. Antonio Martins
C arvalho.
Todos os recibos
desta empreza deverao
ser passado em tales
carimbados e firmados
pelo gerente, sem o que
nao terao valor algum.
George Windsor,
Gerente
I
I
2* praca
Pela inspectora desta Alfandega se faz publi-
co que, as 11 horas do dia 4 de Margo vindouro
seno arrematadas em praca a porta da reparti-
i-fio as sefruintcs mercado'ras :
Armazem n. 1
Marca R de I) A G -Urna caixa n. 00, contendo
obras de folha de Flaodres pintada, pesando li-
quido 11 kilos, viuda do Havre no vapor francez
Vdle de Cenr. entrado em 1 de Marco de 1888,
consignada a II de Druzina C.
Armazem n. 2
dem A N Uma caixa 11. 309. contendo case-
mira de la singella, pesando 128 kilos, vinda de
Liverpool no vapor inglez Editor, em 23 de Fe-
vereiro de 1888, a Druzina.
Armazem n. 4
dem C VUm parte sem numero, contendo
amostras de luva de seda, uma de cada qualida-
de e cor e botes de cada qualidade e cor, vin-
da de Hamburgo no vapor allemo Peiropoli* em
23 de Fevereiro de 1888, a Antonio uarte Gar-
neiro Vianna.
Armazem n. 6
dem A P S S & CUma caixa n. 30, conten-
do molduras de madeira douradas, pesaodo li-
quido 317 kilos, vinda de Hamburgo {no vapor
allemao Petropol, em 22 de Fevereiro de 1888,
consignada a Pedro de Souza Soares & C.
dem idem lima caixa n. 31, com a mesme
nvreadoria, pesando liquido 24 kilos idem,
idem, idem.
Armazem n. 7
dem E S -Urna dita n 8417, contendo obras
de folha de Flandrcs, simples, pesando bruto 51
kilos, tara de 30 por cento liquido legal 36 kilos,
vinda do Havre no vapor francez Vilte de Victo-
ria, em 22 de Julho de 1886, a Eugenio Samico.
dem idem Uma dita n. 8419. contendo 118
kilos de obras dejfolhas de Flandrcs pintadas, ta-
ra de 30 por cento, liquido legal 83 kilos, idem,
idem, idem.
dem diamante P contra marca J LUma cai-
xinha contendo folhinhas de<88 e annuncios de
uma so cor, pesando liquido 4 kilos, vinda de
Hamburgo no vapor inglez Bessel em 26 de Mar-
go de 1888, ordem.
dem TM&CeTHem baixoUma caixa n.
72, contendo molduras de madeira douradas,
pesando liquido 510 kilos, vinda de Hamburgo
no vapor norueguense Stanley, em 8 {de Junho
de 1887, a ordem.
3.* seccao da Alfandega de Pernambuco, 26
de Fevereiro de 1889.
0 chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
documentar seus
terem mais de
de idade, goza-
vaccinados e te-
Correio geral
Ctmciirso para preenchiMeato
de nnt lugar de pratlcante de
9a classe
Faco publico para conhecimento dos
interessados, que acha-se aberta nesta ad-
ministracao durante o prazo de 30 dias,
a contar desta data, a inscripcao para o
concurso que deve realisar-se para preen-
chimento de um lugar de praticante de 2a
classe.
Os candidatos deverao
requerimentos, provando
11T e menos de 25 annos
rem boa saude, estarem
rem bom procedimento.
A idade exigida para a inscripcao deve
ser provada com certidao de baptismo
extrahida do assento feito no livro de pa-
rochia no devido tempo, ou justificacao
prestada perante autoridade ecclesiastica
e por esta julgada por sentenga. Este do-
cumento nao pode ser supprido por publi-
ca forma; e muito menos, por attestados
passados por vigarios, no ausencia dos li-
vros da freguezia.
O exame versar sobre as lingusa por-
tgueza, franceza, geographia geral, com
desenvolvimento quanto ao Brasil, e arith-
metica at a theoria das proporgSes inclu-
sive, sendo motivo de preferencia o co-
nhecimento das linguas ingleza e allema.
Adminstragao dos (.'orreios de Pernam-
buco, 12 de Fevereiro de 1889.
O administrador,
AJjForuo do Rea Barros.
C. D. F.
Club Dramtico Familiar
Qulata-fefra S8 do cor reate
Espectculo em favor do Illm. Sr. Dr. Tobia*
Brrelo de Metiese*, honrado com a pre-
senga do Exm. Sr. presideute da provincia.
Direcgao e ensaios do consocio Antonio de
Moracs.
Depois que a orchestra executar nma brilhan-
te uvertura subir a scena o pomposo e deslum-
brante drama em 5 actos, traduzdo do francez
pelo Ilustrado dramaturgo e poeta pernambuca-
00 Dr AFFONSO OLINDENSE, intitulado
ODXABO
Denominagao dos actos
1 O Rapto
2 O antro da panthera
3*_A Traicao
4*A Bastilha
5'Vinganga por viuganga
O primeiroacto passa-se na officina do joa-
llieiro Marcello.
II
Salao deslumbrante no palacio do marquez
d'Appiani.
Gabinete de trabalho do conde de So Ger-
mano- 1
IV f
Masmorru sombra representando urna das
priscs na Bastilh.
V
Sala rica do palaiio do marquez d'Appiani.
Acgo passa-se em Paris.
ESTYLO LU1Z XVI
Scenarios apropriados e guarda roupa rico e
feito a carcter para esta pega.
Urna banda marcial brillianUr o acto tocan-
do nos intervallos do drama.
Comegar as horas do costuro*
Depois do espectculo haver trem at Apipo-
eos e bonds para diversas lipbas-
A commisso promotora desta testa, ir
em um dos intervallos comprimentar aos
Ilustres 4cavalheiros que benvolamente
correspondern co seu appello, acceitando
os convites < a honra de enviar-
lhes.


Empreza da estrada de ferro
de Ribeirao ao Bonito
toMinbli'H Seral
De ordem da directoria sao convocados os se-
nhores accionistas a comparecerem em assem-
bla geral ordinaria no dia 28 do corrente mez,
a 1 hora da Urde, no escr ptorio desta empreza,
n. 73 praga de Pedro 2., afim de darem cum-
primento ao que preeeita o art. 27 dos esta
tutos.
Recite, 8 de Fevereiro de 1889.
Jos Bellannino Pereira de Mello,
Director, secretario.
BAICO .wmuBST
DO
Capital 0,000:0004
Ideai reaUsado i.ooo:ooo
A caixa filial deste Banco funeciona
n do Commercio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
LONDOK..(Baaeo lateraaeioaal
do Brasil,
London office.
( l.ondon A C oiinly
( Banking Company L.w
PARS......(Baaqnede Paris des
Pays-Bas
Deutsche Bank.
Bank d'Anvers.
Banca Genrale e suas
agencias.
Banco Hypofecario de
Espaa e suas agen-
cias.
Hamburgo..
Berlim.......
Bremen.....
Fr an k fur t
sur Main...
Antuerpia..
Roma........
Genova......
aples...'..
MilSo e mais
340 cida-
desde Ita-
lia...........
Madrid......
Barcelona ..
Cadia........
Malaga......
Tarragona.
Valen cia e I
nutras ci-
da des d a
Hes pa nha
e ilhas Ca-
narias......
Lisboa......
Porto e mais
cidades de
Portugal e
ilhas.......
Buenos Ay- t
res .........,
Mon tevido
NovaYork. G. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praga do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimento com juros na razao de 2 /0 ao
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, H Mam M. Westber.
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
London & Brasilin Bank
Limited
.Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n. 75. No
Porto, ra dos Inglezes.
Companhia de Seguros
AGENTE
Miguel Jos Alves
>. 7- Kuh do Rom Ji-mk -'%'. *
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ultimos seguios a nica companhia
nesta praga que concede aos Srs. segurados semp-
cio de pagamento de premio em cada stimo
anno, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de 15 por cento em favor dos segurados.
INDEMNISADORA
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Eatabelecida em iss.%
CAPITAL 1,000:000^000
SINISTROS PAGOS
At 31 de Dezembro de i 8 84
Martimos.. 1,110:000^000
Terrestres. 316:000#000
44Ra do Commercio44
SEGURO COATRA FOliO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .:
AGENTES
R.DEDRUSDA&C.
13Ra Marquez de Olinda13
Compauhia
Imperial
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Tazas baixas
Promjito pagamento de jrrejuizos.
CAPITAL
RS. l.(i:(MMIOf|
. DHRI
IIKOUXi A C.
N. 5RA DO COMMERCION
Companljia ^f ^c^axos
comA :c:o
NORTHERN
. de Londres e Aberdaea
Posico nanecira ("Dezembro de 1885J
Capital subscripto ..000,000
Fundos accumulados 3.134,348
Reeeita annual :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vid; 191,000
De juros 32,000
O-AGENTE,
John H. Boxkdl.
SEOUROS
MARTIMOS CONTRA FOGO
Companhia Paealx Per-
nantbueana
RA DO COMMERCIO N. t6 i. ANDAR
' "....."""SEGUROS
CONTRA POGO
The Liverpool k London k filobe
htsurattce cdmfaxty
slacsbst, mim & c. -
Ra do Commercio n. 3
MARTIMOS
Royal Mail Steam Packet
Companhia
O paquete Trent
Commandante W. Chopmam
Es pera-se da Europa at o dia 1 de
Marco, seguindo depois da demo-
ra do costnme para
Maeel, Baha, Rio de Janeiro.
Saatos, Montevideo e Kneno-
Ayres.
Para passagens, fretes e encommendas trata-
se com os AGENTES.
O vapor Atrato
Commandante L. R. Dickinson
E' esperado do sul no dia 3 de
Margo e seguindo depois da demora
necessaria para
Lisboa, ligo. *outhani|)ton e
Aatnerpla
Keduc^o de passagens ,
Ida Ida e volta
A' Lisboa i> classe 20 t 30
A' Southampton 1' classe 28 t 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Emquanto vigorar a quarentena imposta na
Repblica Argentina, aos navios procedentes do
Brasil, os vapores desla companqia nao aceitarlo
passageiros nem carga para Buenos-Ayres.
Para passagens, fretes, encommendas, trata-se
cornos
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra de Bom JessN. 3

(OHFtMiM PKRMMBUAM
DE
\ avecaeo eostelra por Vapor
PORTOS DO SUL
Mam, Penedo e Araeaju'
O vapor Mandahu
Commandante Alcides
Segu no dia 27 do corrente s
5 horas da tarde. Recebe car-
ea at o dia 26.
Encommendas-, passagens e dinheiro frete,
at s 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cde>. da Companhia Pemambucana
Companhia BasiJeira kr
Navega^ao a Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco de
Almeida
E' esperado dos portos do sul at o
dia '1 de Fevereiro e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte at Manos.
As encommendas sao recebidas na agencia
at i hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e Talo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=6
1 andar
I
United States and Brazil
M. S. S. C. J.
Ovapor Advance
E" esperado dos portos do
norte at o dia 2 de Mar-
go o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
Bahia, Rio de Janeiro e Mantos
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os AGENTES.
f______
I
Ovapor Allianca
E' esperado dos portos do
sul at o dia 28 de Feverei-,
ro o qual depois da demo-
ra necessaria seguir
para o
MaraahSo, Para, Barbados, S.
Thomaz e \ewlork
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiroa frete : trata-se com os
AGENTES
Henry FoVster & C.
8Ra do Commercio8
1* andar
Pacific Sl;e* m Navi^ation
Con pany
STRAITSOFMAGELLAN LINE
O paquete Araucaia,
Espera-se do sul at o dia
28 do corrente e seguir,
depois da demora do costn-
me para Liverpool por
Usboa, Bordeaos e Plynioiith
Para carga, passazeiro?, encommendas e di-
flheiro a frete: trat-se com os
AGENTES
Wilson, Sons k L Limiied
14RUADO COMMERCIO14
Para Ilha de S. Mi-"
sruel
o
JA escuna portugu'jza Feitieetra, segu para o
indicado porto nt o fin do mez, por ja ter par-
te da carga encajada, e para o resto que Ihe
falta trata-se com o consignatario Antonio Maria
da Silva, ra da Companhia Pemambucana
numero 10.
i
Mossor e \ raeat
0 hiate Victoria segu
aquelles portos ; na
a bordo, no caes do L
mero 14.




**?"
iario de Pernambuc---
C0*fMH
Maritimes
LINHA MEKSAL
O paquete C ooge-
Commandante Lecointre
, JE'esperado eos portes do
lino da1 5 de Margo.
seguindo depois dademo
rtdoeos"nme para bor-
Uaus., tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra se aos Srs. passageirc da todas as
dasses que ha lugares reservados para esta
agenaia; miftpojden tomar em quahjuer tempo.
Faz-se abutimento de 15 0|0 em favor das a-
alias eomposU6 -de 4 pessoas ao menos e que
pagiircn 4 passagsos inteiras.
Por excepoao, os fiados de faanlias que tc-
marem bilhetes de proa, .gozam tambem deste
ahatimento.
" "iVw firil-"" ai"" ***-* <*>* pa*
de contado. ____
Para carga, passagans, encoajmtnoas e di-
Bheiroa frele: tratteiecomo
AGENTE
O paquete Nerthe
Ceinmamiaiite i Jeeegabsl
I *
1E' esperado da Europa no
dia 7 de Marco e seg*i-
r depois da demora se-
'cessaria para
Baha, Rio de Janeiro, Buenos-Ayret e
Montevideo
Lembrwe-aos-Srs. passageiroe-de todts as
classes que ha lugares reseados para esta
agencia, que podem tomar em qaatqaer lempo.
Previne-se aos Srs. recebedores- de mercado-
riasqueso seattender a reclamag6es por fal-
tas, nos volumes, que forem reeonhecida na
occasio da descarga, aasim como, deverao af-
n de 48 horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, fazerem qualqner reclamaefio con-
cernentes a volumes que norventum tennam se-
guido 'para os portos do sul, atim de poder-ge
lar a tempo as providencias- necesearias.
Este paquete Iluminado a luz eleeti
Para^B^paBsagww.- eiKwnmwjdai e.
nheiro a frete : tra'a-sMOo GfcJiTr-..
Auguste Labille
9 Ra do Commercio 9
Rio Grande e Pelotas.
Para os portas acima^segue com brevidade o
lugar brasileiro Uarinho Vil; para carga trata-
se cornos cootigiiatarios- Jos da SilwLoyoA
Filli.
di
k'i-
LEILOES
Hojfct.27, o de predios, conforme o aunun
co em jMitro lugar desta eeego.
""_ Qointa^eira 28, o da movis, no sobrado a
na da -Roda-a.. 46- _____
Sexta-liraT de %fjo, o de fazendas.
miudezas. calcados, pe fumarias, chapeos, fer-
ragenst utrot objeotois de gosto,*oo !? ssdar
do sobrado sito ruu do Bom Jess .n. 20.
*~^"Sabbad~a\' deW ter lugw o da agutf
sette, vinda atmameate do Rio > Janeiro.'
Aceite Brillo
Leilo
m
tmiutt ii na
m
-fin-
ira 27 de Fevereiro. do 18&
inforaiacao
n. 3.
com 'o agente
u alguma-
ra do Imperador
LxM
De 11 caixas m^^^mmie phospho-
ros com- toque mar marca Nitedale.
luiila-felra, tM do corr-ule
A'all hora*
O agona' Gusmo fara leilao na porta do ar-
mazamrdo fir. Annes, defronte da Alfandega,
das caixas com phosaboret cima menciona-
des-_______________________________________
Grande e variado
Leilo
de fiazendas, miudeziia, perfumarlas, cal-
cados jchapOBy a peJfcos(gbifutoiioo>
constan de .de:
Camisas de linho para borneas, casemiras in-
festadas, calcadoa.yya wnaas, senderas e me-
ninos, chapeosd*paUu_*. d'. la pan houiens e
senhoras, plumas e enfeites para chapeos, loques,
linos, camisas e eeroulus de la, eollarinhos" de
linho, suspensorios, espartilhos, fichs, chales,
pentea, pinceis* xtmoloa, espelhos, fechaduras
finas, tesouras, cannetej, jucas, bainhas pratea-
das e muilos outros objectos de apurado gosto
em leilih).
Sxta-feira, I de Marco
No 1." andar do sobrado ra do Bom
JesHs n. 20
WilhelmReimere, teudo.de seguir para a Eu-
ropa, faz leilao por iuterreofao do agente Pinto
em lotes Tontade dos compradores, da sua
grande exposicao de fawndas/ miudezas, perfu-
mara^ calcados ^por. urnostras e existentes no
Erimeiro andar do sobrado sito ra do Bom
esus n. 20.
0 leilao principiar* s 10 1(2 horas em ponto
por serem muitose Airantes-os lotes.
Leilo
De diversas duzias de camisas brancas.e de ere
Jone, co-stumede casemiupara homem a mt--
nios, calcas, palctots. camisas de linho, sa-
bonetes e extractos finos, vestuarios para masj
caras, bisnagas, 60 duzias de chamins de di-
versas linhas-, duzias de ii6es grandes com
tinta para escrever, toaMna para rosto, col-
xas, guardanapos. atoalhados, esguiao, gar-
rafas com vinho de caj superior, mobilias,
pianos, movis avulsos, lout;as, vidros e mui-
tos outros artigos p-oprios para o carnaval.
*eUa-fefra 1 de Mareo
A's 11 horas
No armazem & ra Mrquez de Olinda
n. 48
Por intermncSo do agente
Gusmao
flaHre^dH*iwko.ditt^[(ANI1Ka.QTTmAClO
doReoife
m
kOr. Pedro AMafUK d Meflo
janta-administretiva desta *anta tasa -far
celebrar na igreia da Senbora do Paraizo, pelas
8 horas da manha do dia 7 de Marco, a missa do
30 dia com rquiem r,iatadptls -exposta,
pelo descanso eterno d'alma do seu companheiro
de trabalho, Dr. Pedro Affonso de Mello, e pede
a assistencia de todos os membros da irmanda-
de, dos pareotes e amigos do finado a to pie-
doso acto.
becretaria da Santa Casa, da Misericordia do
Recife,27 de Fevereiro de 188iO escrivo,
Pedro Rodrigues- de Souza.
t
t* tmrli* de *n"Ui atona 4 ua*ba
Digna.de Santa-Rosa. Joanna Amelia dCn-
nba, Joanna Francisca dasChagas Cunha, Pedro
Tertuliano da Cunha, Joao Francisco da Cunha,
Jovino Epiphanio da Cunha, Tranquelino Ildefoa-
mi da Cunha, Senborinha Cunha, Hermina Ama-
lia da Cunha e Jesulna Cunb, summamente
roinniovidu pelo infausto passamento de sua
muito prezada irni, m3i, madriuha, ora e cu-
nhada, D. Amelia de Santa Rosa Cunha, convi-
da a todos os seu? parentes e amigos para as-
sistrem as uiissas que pelo eterno repouso da
mesma finada, maadam celebrar na igreja ma-
triz de Santo lAntonio, no dia 28 do corrente, s
8 1/2 horas ; e por esle acto de caridade se con-
fessam eternamente gratos.
V'
Proreanor Antonio Candido Ferreira
O Gremio dos Profesaores Primarios, Jprofun-
damenle magoado pela sentida morte de seu
mui presado consocio ex-presidente, professor
.Antonio Candido Ferreira, anauda celebra urna
missa pelo seu eterno descanso, s 8 horas da
manila, de quinta-feira, 28 do corrente, trigsi-
mo dia de seu fallecimento, na igreja matriz de
Santo Antonio desta cidade.
Para assistir a esse caridoso acto o Gremo
convida a Exma. familia, parentes, amigos e col-
legas do finado.
Secretaria do Gremio dos Professoros Primai
rios de Pernambuc, 25 de Fevereiro de 1889. i
O secretario interino,
Augusto Wanderby,
Leilo
A's 11- horas-
De predlas rrreocrau*
De 4 casinhas dentro de um terreno uuifiaov rendendo tadas 48.*, em solo proprio, no boceo
do Pon bal para J'io le Barros.
Um terreno, tendo 90 palmos de frente com
alicerce para 3 casas, murado, em frente esta-
go do Principe.1 _,.-
Um terreno na estrada aura' de Agua-Fria,
com 280 palmos de frente e .800 de fundo, sendo
a frente de 800 aamaqa vai m frtnte a casa
\
Quarta/eira 27
Ra do Rangel n. 48
da egaa Rlsette
de 7/8 sangue nacional, S. Paulo, por San*
Pareil (by speculum) e Rosina 34 Rio
' da Prat*, vinda {do Rio de Janeiro e
desembarcada em- 17 de Ferereire do
paquete Alagos.
Animal alli de reconhecida superioridade, onde
com 3 annoa percorreu i -430 metros em 96 se-
gundos, batendo folgada Mandarim, Jenny, Ca-
tana, Clannetta, etc., e no mesmo dia 1609 me-
tros em 108 segundos .Espadilha, puro sanpie,
(de jornaes do dialB deMovembro de 188T)i
Tendo este animal em pouea* vesw que o
anuo passado correo, apresenlado-se sempre
jsignificante preparo, c seu proprietario
desde entose retirott do sport, regeitando em
leilaolStfOMOOO
Agente Finio
Sabbado dr larfo
A's 11 horm
No largo do Arseafii de.MartnJB em frente
cocheira do Balthasar
Leilo
la importante barcaga denominada Tres r-
maos, ero porfeito estado para naiegar. com to-
dos os seus pertences. carrogaado 3,000 arrobas,
a qual se acna fundeada.no caes >23 de Novem-
Alaga-se o pavimento terreo do sobrado n.
46 ra da Roda, estando 0 mesmo calado, pin-
tado e todo ladrilhado de novo, contendo 1 sala,
aro por traa da sua de Pedro Alfonso-, mitiga da 2 quartos e cosinba ; a trato na ra do Cabug
Praia.
Quarta-feira, 27 do corrente
As 11 hMH
0 agente Gusmo, autrado, far, leilo na
porta da Associagao Commercial, da importante
e perfeita barcaca cima mencionada ; .podeado
os Srs. compradores desdej examinal a.
Leilo
*as duas casas terreas da roa do Caminho Novo
ns. 68 e 70.
Duas meias aguas no caes de Capibaribe ns. 5
e 7, que renden 120* cada urna.
Um sobrado na ra Velha n. 82, com janellas
no oit.'io.
Urna terca parte da casa e sitio da travessa da
Joao de Bar***.* becoo-do Pembai-
luar i a- foi r.n 9 9 do porrete
A's 11 horas
Agente Pinto
No armazem ra Mrquez -de OlistSa
n. 6
Leilao
De urna mobilia de junco preto, 1 marquezao
largo, I dHa.f estpeito. l ineia-fommoda'. 1
- meza, 1 baaqmnlia, ti cadeiras de amarello, 6
ditas de junoo, 4 lavatorio. 1 cu bid* 1 espeibo
i oval. 1 par do lanteraap. louca, garrafas, ro-
pos, cauoes e outros artigos de casada fa-
milia.
Huarta-eira 3 lo forrete
A's U horoM
Na travessa da ma das Cruzes n. 10
Io andar
Agente Modeslo'fiaptista
D.
Leilo
movis, lmic"! e vidros
AVISOS DIVERSOS
n. 16, loja.
Aluga ae"eaea a W80 no be Ibos, junto de S. Goncallo : a tratar na ra da
Imperatriz n. 56.____ __t________________
AJuga-ae o sobradod Jsaressa do Livra-
mento n. 10. o 2 andar da ra do Padre, ita-
liano n. 69c a ca*a.la4rs<*N 58 : as cluwwioa Paoinha!n-7, e trata -ao na ruj
do liruin n, 62, 2 andar.
~^luga-se o 2- amlar cbm agua, ruado
Padre Muniz n. 13;>as casas--terreas roa de
^anta TheVera e becoc' do Gaju ns. 58 c 24 j a
tratarina rua-das'Triacbeirae -n. 18.
i recisa. a uaa .anj ^)a ra todo servieo
.1
Na Lja das Estrellas
56-Ru Duque de fix.as-^81
Telephone a. KO
Este beto eoakeeiio ataaelecimeoto acaba
de pasear por urna grande reforma,
sendo ligado interiormente com a
casa-coatifitia do ,n. 58 no intuito
de enera- despaobados todos os seos
freguezes com mxima brevidade
possivel, resolveu fazer grande II-'
Veide.se esta imprtante obra, ntidamente,
impressa e ornada de estampas coloridas em
numero maior de 100 ?>adoptada ao reereio da
jovens que.apMciain.-a, leitura : a ver-e tratar
quldaeao de todos os saldos que na typographia da ra Duque de Caxias a. 39.
ricaram
50
de
"[ do s
menos
artigos
de
Joao Marlinw' Raym
1" anniversario
Joo Martins da Silva. Joao Martins Rayman
do Netto, Agostinho Martins Raymundo, .Albi-
no Martins da Silva, pedem aos seus parentes e
amigos para assistircm as missas que i mandam
celebrar quinta-teira, 28 do corrente, s5el,2
ho:as da manha, na matriz do Corpo Santo, pelo
eterno repouso da alma de seu sempre lembra-
do pai. av e padrinho, Io anniversario de seu
infausto passamento, e desde j se conffessam do
intimo d'alma agradecidos a todos que compare-
cerem a esle acto de religiao e caridade.______
T-
t

Jui- Hemeferio do Caar*
Amaral
4' anniversario
Rosa Angerios de Castro Amaral, suas inmls.
cunhado.-e sobrinhos convidara a todos os- seos
amigo, para assistirem a missa que maudaoi to-
zar por alma de seu sempre lembrado lilbo. so
brinno e primo, Jos Hemeterio de Castro. Ama-
ral, na matriz da Boa-Vista, s 8 horas da ma-
nha do dia 1 de Marco, 4 anniversario de seuy,
balanco, por
valor, cujos
passamos a demonstrar :
Artigo* de le
Esguiao, peca, a 3f5500.
Madapolo com um metro de largura
144 or 74000
dem idom americano de 84 por 54000
AlgodSo marca T, especial, muito largo,
de 74 por 54000.
Bramantes, pecas, por 74000.
Atoalhados,'lindos desenhos, duas largu-
ras, a 14 e 14200 o metro.
Guardanapos de 44 por 24000 a duzia.
Estopa de linho para bordar a 500 o me-
tro.
Bramantes de linho com 11 palmos de
largura a 14500 o dito.
Lencos brancos e com barras de cor a 14,
e 14200 a duzia.
Toalhas de fueteo, qualidade superior, a
34 e 44000 a duzia.
Cretones para cberta a 240 rs.
Colohas.acolchoadas, brancas de cores a
24000.
Lences de bramantes a 24000.
Chales escocezes a 14000.
E outros muitos artigos que ser. mencionados e que se vendesu cora
igual abatimento
Teeldos de alia oridade
PARA VE8TIDO8 DE SENHOBAS
Linhos pardos para vestidos a 300 e 320
Sedas com quadros e Hstras de 14890 por
800 rs.
Setjna-de seda, todas-, as cores/de....
14200 por 500 e 320 rs.
Merinos lisos, todas cores, de 500 por
" 240 rs.
Tuaile de Vichy, de 240 por 100 o 80 rs.
Nonsaks, desenhos novos de 240 por
120 rs.
Crotones claros e escuros com lindissimos
desenhos de 440 por. 240 rs.-1.800
PEC/AS!
Merinos de quadros, grande variedade de
padrSes, de 50J por 240 rs.
Mimos dos Alpes, de 640 por 240 rs.
pechincha !
Fustoes de cor, de quadros e outros dese-
nhos muito lindos, de 500 por 160 rs.
Sedas Felippinas, de 500 por 200 rs.
E muitos entro- tecidos para vestido,
em algodao, linho, la e sedas que se ven-
dem como o mesmo abatimento de 50 [c.
Confeefe
Vestidos feitos de Casemira ricamente
bordados de 804 por 54 e 304-
Ditos para armar de 6?), 84 e 104-
Ditos brancos bordados era- oaptSo, alta no-
vidade a 84 e 104.
Guarnieres de colariuhos e punhos para
sentora por 14 "e 14200.
> RIFA
Fiea.Bem-*lTeilo os billietes que foraa. paa.
sados.de urna.rifa de calleca; doas cavallos. e.um
par,d arreios : bilhetes quo deviam er extralii-
dos! mi a lotera do Grao Para que oorre
hoje.
mvez desses bilhetasibramanittidos outros,
pplos quaes sero aquellos trocados.
A vida das flores
Gal preta caldeada com
agua doce
0 abaixo assignado offerece aos Srs. edificado-
res e engenbeiros a cal preta caldeada com agua
doce, que muito preferivel caldeada rom
agua salgada, como est vericado podendo
Siualquor pretendentc mandar examinar em seu
orno, ao entrar no rio de Nova Cruz, onde fez
agora urna cacimba com 40 palmos de profnn-
didade, a qual conserva agua muito boa para
beber e com a raesma calaeia o seu forno de
fabricar cal prela.
Nova Cruz. 2o de Fevereiro de 1889
Francisco Ccckles Teixeira d'Araujo e Silva.
Molestias do peilp
O Peitoral de Cambar de S. Soares,
remedio efficaz para todas as molestias do
peito. Vende-se em casa dos agentes
Francisco Manuel da Silva & C, ra
Marqucz.de Olinda.
Conselho
Quando alguraa afteecaa pulmorar amea-
car\a vossa existencia, 'experimentae o
Peitoral de Cambar, que ficareis livre de
tal anu'iii^i. .
Os ageiitcs.
Finat-im* M. da lira A C .
Broixchites
O remed> infwHivel para as bronchites
o raaTBvrtho8o Peitoral de Cambar, de
S. Soares, que se vende-era casa de Fran-
cisco Manoel da Silva & C, ra Mr-
quez de Olinda- n. 23.
Nova loja de calcados
Ra do arquea de Iluda >
19
- NICA DESTB -6EHEBO NA ^EGE.'IA
DO EECIFE
Recentemente aberta achando-se em condi*
coes de bem servir o respeitavel publico espera
merecer a conanga de todos os habitantes desta
provincia e das limitrophes.
Venderse em grosso e a retalho calcados n?-
cionaes e estranpeiros por pregos rasoaveis..
Recit,-20 de Fevereiro de 1889.
Maia Rodrigues & C.
anniversario uu ac, OA
infausto passamento; eonfessando-se desde i Capotas (preparadas na corte) de 204 por
gratos a todos que assistirem a este acto de rcli-
giao e caridade.
Padre Manoel l*nacio Becerra do
Xlll.ll'Ul
Jos Gornclio Leitio Rangel convida aos seu
amigos e prenles para.assistirem a urna missa
3ue manda rezar no dia 4 de Marco, trigsimo
o "passamento de seu prezado amigo e p. padre
Manoel-Ienacio B. do Amura!, a qual ter lugar ^ ', _i ,
na matrnV. de N. S^ilori. do 'fioitt, pelas.8- ^^retudos impermeaveis de borracha de
tO e 8001, por d04 e 40).
Capas e pellerinas de cachemiras ottoraa
horas da manhir 'daquelli- dia, e desde a agr
dece cordialmente a todos quantos assistirem a
esse acto de relijao._________________
BBBBBBBBaBBBBaaUBUBBaBBBBauaBUaai
a tratar na ra da Florentina Precisa-si* de urna ama para-comprare co-
sinhar para casa de poocm fainia ; na ra da
Penha n. 21. seguo* andar.
"'" Precisa se de ums-; ara.qe cosinbe, lave
e eagomme para um homem s ; na ra de Hur-
tas n. 76. ___________________
Prertsa-se de umu ama-para cosirmar ; a
tratar no largo do Corpo Saato n. 19, armazem.,
Vede-s- a tatema .bem afreguezada da
ra da lmpprntrhrn. ^;
t
Antonio fcon-ilve* \sn*ira .
Manoel Goncalves No^ueira. tendo recebido a
infausta noticia do fallecimento em Portugal -de
domestico rmoasa de euraageircv saga-se -oem; sen prezado pai Antonio Goncalves Nogueira,
A.ma
Preoisa-se casa de familia : a tratar-Ta r-ia n. :). padacia. _____
Ama
Preciase df uioa asa epe saiua v i.s'.iihtr e
durmaem casa do patriio. queatieste a sua con-
ducta : na ra da ConHi 4.-4 andar.
A sal)
Hma i! ih!'; i I 2 cadci;. de brai-o e 12 de .'uaraicao, 2 de ba-
baeo. I spellic '-'t quadrr>s, 2 casticacs com
manga- I candi mi para paz e 2 escarradeiras
Urna ':nin( i. I ci ma, 1 meza de cabeceira,
i aeza ovuas- navetas-, 1 machina de costura.
2 bahw. 1 meza. 2 app; r-ilnivs, 1 radeira de ba-
taneo, 6 cadeiras de guarnir:'o, 1 sof de ama-
relio, 1 qnartinheira. loura e vidros, 1
para caf c outros -bi'-.-i eaaa de familia
juluta-feirat*ilo*or
A's 11 horas
Ama
Para casa de familia. p.-<, i-a-.- ;imn ama :
na ra d>. Cabugi n G
Lou reino &frl l.
continuamariTi-bw os -t. <<<
ciraos'1 quintos, o que r-tallnm :
Genuino de Goan s
Superior de (.Weleiro, un>i!os vinbos de maior
consumo en Lisboa
Tinto ila Kgoa > alto Douro, -- I
maeliin daoo por um particular oart>.
Tamben: retalhaui V-mc e FfcgHeira, (Cali-
dades garantidas por Loan xnA C ra deBem-
fica n. 7, l'assa/. m.
do
Apile Pili
brado da
eilo
. leira do Vara-
len*W'.j- '> Negro a (Mitra
ra na (!a
Hii:>-. -a 9H1*> eorJ*i*ne
s 11 h>>
Ae por rr
Santc h t
convida aos-seus amigos para assistirem as mis-
sas que pelo etera^|pouso de sua alma manda
celebrar na igreja fcmirito Santo, as 7 horas
da manha de senHHT 1 de Margo, trigsimo
dia de seu fallec memo, confessando se grato a
todo* aquellee que cbneorrerem a esse acto de
religio c caridade, ___________
t
i. iiM'lia >de saniH Cuota**
A piofassora Digna de Santa (Rosa convida a.
todos os sens collegas para assistirem as missas
que pela alma de sua sempre lembrada irnia,
amiga e collega, D. Amelia de Santa, liosa u-
nha, manda rezar na igreia matriz de Santo An-
tonio, pelas 8 1/2 horas do dia 28 do corrente,
stimo de seu fallecimento, e por este acto de
caridade se confessa grata. ______
t
Martin*
mhkxIiu Franeieco
2- anniversario
Maria Honoria Tavaree Mar'iiH. sens lbos e
genro convidam aos seus lironles c amigos pa
ra assistirem as missas qne por alma de seu
sempre lembrado esposo, pal e sogro, mandam
celebrar na igreja do t'orpo Santo, as 7 1/2 ho-
ras da manha do dia 2S do eorn-nte. 2 anniver-
sario de sej passamento, pelo que eonfessain-se
desde i agradecidos._________________
94 c 104
Collalbas, e punhos para iiicniuo de 3 a
8 anuos.
Vestuarios o roapuihas para crianoas,- por
54, &i>, 84 e 104, e Jersey, casemira e
de brim.
Saias bordadas a 24 e 34-
Enxovaes para baptisado com collares ele-
tricos por 54.
Luvas de seda meio braco c qualqner ta-
manho a 14500 o par.
dem idem de Escocia a 14 c 14-500.
enfei
de vidrilhos a
RELOJOARIA
A antiga e bem acreditada officina.de relojoei-
ro, sita ra Primeiro de Marco n. 4, acaba de
ser transferida para a ra i-arga do.Rosa-
rlo n. I?.
0 seu proprietario, lendo um completo e muita
bom sortimento de aviamentos tendentes a sua
arte e com urna longa pratica da mesma, offerece-
se ao publico em geral para encarregar-se de
todos concertos de relogios, caixas de msica,
etc., etc.
Espera continuar a merecer a conlianca.de
seus freguezes e assegura-lhes que ser sempre
solicito no- cumplimento de suas oraens.
42Ra Larga do Rosario 42
Gustavo Vollichard
Amorim Innaos & C. pre-
vi nem ao corpo commercial
t a todos que iirteressar
ix>ssa. que o Sr. Antonio Au-
gusto Bezerra de-Menezes
deixou de ser seu empre-
sado.
( 08*nreira e modista
franceza
Madame f-aimy-Siha em o seu atelicr de mo
das e.costuras.'rua BarAo da Victoria n. 15. 1
andar, e coniecctoia todu e qualqner toilette,
com apurado gosto e elegancia, para casamen
tos, bailes,' visitas, passeios, etc., faz tambem
manteletes exapas sobre medida. Contina a
ter um lindo sorumerto de novidades de Paris.
vestidos de 6eda, feitos, e em cortes de seda
paz, velludo, broch e crep de chine, foulards
surahs, sedas e ottomanas pretas. Escolhido
sortimento em vidrilhos pretos. chapeas, capo-
tas e visitas : luto em 24 horas. Telepbonen.
9:1. Ra Bar.'!.) da Victoria n. lo. 1- andar.
MIS DE 10:000 CIRAS
m
im

. .


DORES DE DEXTES

Jt"^*r\.*C>#^fx)wt_j Ju -OtA*V>
Viva
o cama val
*
3
Rna Dtiqne dk I'rirueLro aun
Gra i di M
de ph '' li
para w baile ''.. HipiMima
Carlos i. >n*> '
PIlKf.'tS BJ
i na Dutjneid^' C.!\m
vedo
Maria Thereza^outo d nzevedo e sea? lilhos
do intimo d'almaVgradc pessoas que se
dignaron] acompanhar ao wmit'Tio puMic
restos mortaes de seu dbo e mao,
Josr Cupertino Couto de Aze' I e de novo
convidam todos os seus aaigor e u ireutes a as-
sistirem as missas que pel eterno repouso do
mesmo tinado mandam cel brs r na
Sotedade, pelas 7horac
t' de Mar> -____
n\t ricamente
254 e 304-
dem idem de renda, seda, damasco e
gurguro, tanto para phantasia come
para commodidade a 384 el 404.
Velludos de seda e algoda de* muitas oo^J
Gazes de seda. 0
Ricas rendas bespanholaa de. seda,, algo-
dlo e linho, com um metro de largura.
Setins Alacao de todas as cores a 750 e
800 rs.
E muitos^ outros artigos de contfecgBes^
como sejam mantilletes de blonds, sahidas
de bailes,-leques transparentes e de phan-
tasia, e outros muitos mais, que se ven-
dem com o mesmo abatimento do 50 "[,.
Para hornea
Cannrras inglezas com dua* larguras, de
34500 por 14200.
Ditas, cor-de caf e. azul, de 24500 pe
800 rs.
ijortes-de seda para cllete,-de 124000 por.
34000 e 34500.
Ditos de velludo e fiistlo a 14 ft$$W.
eias inglezas com fo d* seda, de 12-^
por 64000 o duzia.
Paletots, de 74 por 44000.
Camisas com um pequeo toque de mofo
a 14600 urna.
Ooilarinhos, modelo modera... a 54000 a t*1'' :"
*, Proco i.;._
duzia.
Camisas ingtpzaa com collarinh'is e pu-
nhi.s, aem collarinlios e sen funhoe .-
364lXK>a duzia.
Brins pardos de linho a 240, 28Q. 32'
360 e 400 rs.
Dito branco de linho n. 6 a 14200 v,n.'
Lindos cortes de casimira ingleza. 84. 104 e 125 a 44, 64, 84 e 1Q0OOO. r pi
Sobrotunos iir|)erii:p.-iv*-ideboiTcha,pav; s.w pnriioi vre qi
homens, de 704 e 804 por 30A e 40*. i"'" .rada p-a o-v*ii dr -,.. prossfm na
n i oqc. ai! ru;! lo J .- .; II. 39.
Oeroulas frsm de -.>> por 244
(JKJGaJfBXTE
PRKPAEADO
POK CALASAXS (S C.KA IIAHIA
Medie:: iiiviito heroico contra os rheuma-
tismi*. inchacSea, dores aciatieaa, nevral-
gias. tioi-mencis, etc., empresa do-se em
t'oioentai;.' .-> soljrc ota Inaartis a.fectados
(Jura o beri-bri, as paralysias e as dores
de uoutus.
Todos os frascos levara direcedes para
nv-'!

duz
N
Por lima da
i-:r.'4teriii-iio ttp Mi-
ra tula
In nanln Cn/
H convida
I)
or; >8li
^arBVHBHBHiBaBVaUMaBWBBlBV
em diani
i/.^osir; NO Bl i FJK
. ran ->1. S ia
. Prolessora d<\pian
['nvi >- ." hiih I ..co seu
ido. ii tambem pela ;...: '. ifCt-se
\i-t:4 -r pi -. .i: '
"?
pQu.jre* ift> HA.vCA, na *,\1L::g.
HSP>HH. no RP.AZ'l,
and9 v3j 'o.-Vt''-)-? > ; .-J "' j M/^ian^
1 :redi';?-V>o iStrsxnt Bi iMInl iMi iliTUirr '. .-!; la.
KlSara sa tratar s. por !"<;> i>ar--lo. e ^
ns- ;urar mpoiK-u bii ^
I E-.-ii ui. .a.'... :."'.a;. ,.-. ';,
SLav-' -.""-os.lvl -,:.i: '-w.-w A
SJP-;|i .uc oecj^>:iam &.:;-^r-.an.- %
Si umesUaS; purllca o SOii^ae o .uipddi; 1^
3#--*!:dM- __________,____*
S aC: l. .' 3u. : i I--KIC. t->'
i V(IU i-S KjCi'l!::.:.!-. UO -Vi i.:..- ,,, .
W *Hafe ^-^ v
m 5friiHi>^.. -,*il.-.JK.:-.a --tas-ggj -- j
?! r---r.--: r- .-ni--^ ..'".
<*' :'cn I -ulc/ .;ioi;.:u i f.Mibt ;..u-.
Sjjwr.i as ikisbi rif tl'-rcn r^twj-gj
. :,-
K[ ASka i j .-. *fc-
**o.',. rif.i'v .- .''im^-'
-i- Vi... .,-.-, '; ''... :...i.-. "'*?'.
Or/i/t-')i*n<"etH">.. "' O"-.-!
>f[}exi m- flrfcCfflR.iMn !;-s i
l.::i,.-lTO i rOBA* .... 1'HAIWA. :-'
jfeEBBBjBiaaffiEliBBgaifif-S -
AO TORRADOR
Lima Coutinha &..C.
i:lRl'A DUQUE DE CAXIAS43
llfironle da Pracinha la lo*
dependencia^
Esteinovo estabelecimenfio intitulado
AO TORRADOR vende sem competen-
cia, como as Exmas. familias, poderle'
analysar pelo seua precos.
Lanzinhas de quadros a 60 rs. o covado.
Ditas de ditos a 200, 240 e 280 ra.
Merino de quadros, bonitos padrees a
300 rs.
Ditos lisos enfestaos. a 48Q rs.
Baptista e nanzuch tinos a 140 e 240 ra.
Mariposa branca e d cores a 240 rs.
Chitas finas cones tixas- a 200 a 240 rs.
Ditas forlaidine a 240 rs.
Cambra a branca bordada a 45500 e
4*800 a pega.
Dita Victoria, fina, a 24800 e 34500 a
peca.
Seda de Japao, lindissimos padroes a
200 rs. o covado.
Dita da Persia, Uudo6 padrees, a 180
rs. o covado.
Sargelins de todos as corea a 1GG.,'20(}
e 240 rs.
Setinetas lisas, largas, a 360 e 400 rs.
Merinos pretos tinos a 800, 14000,44200
e 14500.
Colchas para cama a 14S00, 24000. e
tfgOOO.
Cortes do casemira de cor a 24500 e
34000.
Casemira preta. duas .larguras,;.a 14800
24 e 24200:
Madapolo ouperior com 20 varase 44.
54000 54500 a peca.
Dito americano, superior, a 74200 a
peja.
Bramante de algodn para lences_a
700 e 14000 o metro.
Dito de linho superior, eou 10 palmos
de lagHta a 14600, o metro.
(guardanapos de "linho. e algdiaa 2-j a
'duzia.
Toalha? felpudas a 34 e 400 a duzia.
Atoalhaiiob pura mesa, linCmmnaoe pa-
drees, a 142H>e 14800 o metro.
Dito traaeado, alvo, a IjQO&o, n. !...
Lentos biaBCpG com barra de cor a 1 >2' *J
a duzia.
Ditos superiores, de linliu. e algtdo, a
24200 a duzin.
Enxovaes para Kipsados, ooiB|iLsift por.
todos, os pretH.s.
Entrcmeios e babados bordados por ivJa
pceo.
Bieoo.de tedas, .->h coros pam.cnie.it-
vestidas.
Baleias coberta> e doscubeefa*
A:( s cobectOB i>ara.:iiqui!iha.
Oan.isas brancas para hoiiKn e menan
nos.
Dit:'- meta para i:. ..:.;.- e senhoma--
]Mand:i-s! t':iz>-r roiipn por 'i oda"
se amostras de todas as tacadas.
Lima Coutinho &. C.
Bnoilio eoai">t Pyr*ira
So Borxs C. <;
C. .Ja Cunha, \igariu Genoiu ira,
por
a da
Paktot- de seda; completos e feitos d.
oaaemTH. malas para viagem. boleas d<
tapete e um completo e variadissimo i
timento de cheviots, casimiras francesas
ingleza. pretas e de coa de padroes in-
teiramentti novos e que se vendem col
jtoenmo .ibatimento ^de 50 "p de seu valor
R'falli*
Aprovcitem u grande
es di j co ':. irmio
ili
SIMO
Go:. :|, 0 COOVi
nsaaaaaa..
! n:i'ualriz do Corpo
i de M; ri
- que
folia
bbbbI
nb.os.
E pechinchas qu
krea a
Loja das Estrellas
. 5r
?98 e XARQPE de QDUA FERRCT
BRIIAULT 0-, Ph U Parto
pftflOl ttl Jittt Ss Hftitn 00 **-4**li*i
Oneas s sow propriedadea tnicas e repa-
radoras, estes preparados produzem os me-
mores resultados croando empreados contra
S anonla, a oblro*, 4 leacorrht, as descr-
daos da manatruacio, as oalmbra do eato-
mago, consecutivas a essas enfermldades. o
lraphatlamo eoutras molestias pro ven ien le-
da pobres da aanjraa. Excitando o, appenle.
estimulando o organismo, e reconstuindo os
osaos e o sangue, o vinho o xabope de
QUINA TRRO da aBOUMlTmC-.aesen-
vettm rapitamsntc as creancas deCels e as
mocas paludas e anmicas. corUo os Uelrs
os tuoru tutetumo*. o da nfof.5j*g
naa Marrhas rsoiUst, facltlo sm*"***?8
comxuaetnps urtau uttntH os ttUos.
a-as ?libo Saraos''?-
m ds axcaD-Mt anlnm
HaXrteaoSo da alebr
jbm pars, a. tja viiriaimK.


-
'



- .-
I
-;* I '**&&**# a
r


io1 din %f nambucoQi
f^&tt&firo "de
nm



m**t
'-^-r*
COK
UUcicii
nmhi^oi^ ^e ^pwdM fttOH toitifwaWaraaVagosrAa a empobeealmcata o.smgac. -lomase
M o* do*, vites 1 (Ai nMehe. -. Xuatrafae imttaeoes. Eadffii a inu IL WSAVAIV
laprlmll* rtraulh. Dspmito na mrparte das Pharmaciaa.
FERRO GIRARD
Approvado pela Academia de Medicina de Paris.
Approvado pela Junta Central de Hygiene publica do Brazil.
0 Pro (es sor Hrard enearregado do Relatorio Academia deoaonstreu que
fcilmente occeito pelo doentet, bem tolerado pelo estomago,jrestaura
as forcas e cura a Moro-anemia; que o que dtingue.parctarmente
este novo sal de ferro, i que. nao causa pristo de ventre, a combate, e
eletiando-se a dse, obtm-se dejeccdes numerosas.
0 FERRO GIRARD un anemia, odres paluda, oaixnJuraa da eetc-
macrc, empobreofanento do eangne; fortifica os temperamento fraoos,
lta o appetlte, regulariza as recjra e combate a eeterl
Dspiiiti sai Ptri, e, -asa Vi viesas s sas sriastaass 0 rtesriss frf
Molestia & ^Nervosas
.'Capsulas do Boutor
laureado. da .f acuidad de U diana de Pars. Bramio Montmn
., ap>iJa^..c8-lictttor CLIN ao Bromureto de Camphora enapregao-se
5 t:orestias, as de* Cerebro e conlra as affeccoes seguintes:
i A.-itli:na, \Bscaunia, Palpitoces do Corceo, Epilepsia, KallucinacSo.
tieii as lieznictania, Afleaces das van urinarias et para calmar toda
adpaae de exeitacAo.
0 1W Urna aaolicacio datalhada atompanha oada Fruto.
Exig ir a Verdadeirua Capsula ao Bromureto de Camphora de CLIN te C1*
de PABiS, qut se eiiamira em eaats da Droguistas *t Pharmaweutieea.
PEREliiAtMGVLHAFS
Recebedores/iirectos dos mercados da En ropif
liquidam os seguales rticos com descont d 14 j(i nas
vendas em
AO.N. 20
grosso
i
I
Gasee de cdres a 500 rs. o ovado.
Bramantes de algodu.aaperiores, a 800 rs. o metro, 4 largura*.
dem, de puro liana fazeada de 24200 para acabar a 1(5500, metro.
AtoSlhado alvo,, duas largaras, a 700 ra., 101QO e 1<|200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para lences a 5)5500 a peca.
Madapolao americano, a 2(5600, 4f5O0O e 6*5000, com 24 jardas.
Maripozas de cores a 220 rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idem a 120 rs. o dito.
Zefiro8 de quadrinhoa, a .80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito,
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichsde renda-chics a 14000.
Colchas francezas de cores a 25000 e 40000, urna.
Lences de.bramante a 1(5800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupa de enanca a 1*000 e 15800, -Vagonal, dnas*
larguras.
Camisas Jtaglezas e 'ancaeas a 26f$000 e 304000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandes, a 1-44000 um.
Cortinados ricamente bordados a 5<5500 e 6,5000-
Pannos de cores para mesa a 14100 e 15300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 35000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o. dito.
Veludilhoa de cores o pretos a 900 rs. e dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
Setins de todas as cores a 90Q rs. o dite.
Setinetaa lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas moderna*, lavradas, a 240 rs. o dito.
:Meias croas inglesas para homem a 25500 e 35000 a duzia.
Ceseulas bordadas,' de bramante, a 125000 e 165000 a dito
Cortes de casemiras para calca a 45000 e 65000.
dem de meia casemira a 25000.
i.Toalbas g&ndes, para rosto a 45000 a duzia.
dem-felpudas para banho a 125000 a dita.
E mu tos artigus que sarao lembrados com aprsenla d.noaMsji.;mres.
69Ra Duque de Caxias59
^ BOJ A DE
Fustao branco a 360 e rs.
Brins de cores a 280 re. o
Baleias pretas a 260 a ra.
Colchas de corea a 25
Cumbcaias bordadas a
Luvas de eeda a 25 e
Lencos branoes a M20u e 1580(5 a duzia.
Cretones de AlsacJ a }60 rs. o covado.
Atoa)hado borda* a 15200 o metro.
Brim pardo a 2oD rs. o covado.
Linhoa de quadfos a 280 rs. o covado.
Bramante trancado a 00 rs. .o metro.
Espartilhos coiaraca a 55000-um.
Chales 'adamascados a 24500. un;.
Cortinados bordados a 650(10 o par.
Merino do cores, a >500 rs. i covado.
Ceroulas de bramante a 124 a duzia.
Madapolao-americano a 6(>000 a peca.
Chaohemiras lasas e listra de combinan!
a ls)2O0 o oovado.
Cambraia Victoria a'fit900 a peca.
Bramante de liaho a 15100 o-metro.
Toalhas para banhoa 15500 urna. *
^apetes grandes a 135000 um.
Ceroulas de., linho a 3450< K) a duzia.
Cretones franeezes a 400 rs. o covado.
Leques transpaientes a 25500 um.
Alpacas de qusdro a 600 rs. o coradlo.
Camisas brancas para meninos.
Sahidas de baile a 15000 urna.
Cretones de cores a 240 rs. o covado.
Pejxtates as a 200 rs. o. cevado
Xaiisok cores furas a 240. o dito.
Las escossezas a 260 rs. o dito.
Alpacas indianas a .320 rs. *> covado.
A O LOU
tiPopelina branca a 800 e 15000 o covado.
Bicos matisados a 25500 e 35000 a pesa.
Panno da costa adamascado.
Regatas de cores a 15000 urna.
Sargelim de cores a 200 rs. o covado.
Crenolina preta e branca, a 400 rs.
Chambres, de*eepe a 55000, e 65000 um.
Cachemiras de quadros a 260 rs. o covado.
Guarnicao de crochet com matizes.
Grinaldas para noivas.
Setim de cores a 800 rs. o covado.
Cachemiras de duas larguras '800 rs.
Cortes de linn em cartao a 105 125000.
Camisas allemaes a 365000 a duzia.
Cachemira de duas larguras a 80Q rs. o
coVfldo.
Linn de cores a 500 rs. o dito.
Linhos de qyadros a 80 rs. o dito
Bramante trancados a. 10000 o metro.
Meias para horneas a SjfQOO-.jt, duzia.
GuarnicSo de crochet, brancas.^v
Extracto Port-Veine a 15400 V x
Alpacas mescladas a 600 rs. o covado."
En t retel la para camisas a 800 rs.
PAM'O CARNAVAL
Guarda-p para homens a 65000.
Guarda p para sennoras a 105000.
Paletots de seda palha a 85000.
Ditos de alpaca preta a 55000.
Ditos de. brim pardo.a 55000.
Esgulao pardo a 400 rs. o covado.
Gangas lisas a 340 rs. o covado.
Setioota dourada a 400 'rs. o covado.
TarLatana prateada a rs. o covado.
Vdbotina de cores a 800 rs. o dito.
Jes
As Pifolas Catharcas
Do Dr. Ayer.
.V c^erieneia d'-'tenpo, applicado hs l'il'ilan do
.iik.V,Ti umtdh ioai>pmTsl comacreaultodoa
otUakconi as m*--Tns. 11 iu%ide qnauBjita i qwnflw PUu oliiiyram omit yxtp*3lri.lti-!i- um-
,rcrs,il,quKPenbuma uuaoedocinipingwiva.tem
p>^lk! , AU'Ut De i u Vdntre cora suavldade,* eUmoUm o or-
jiIcku.o3b>* djgwcwoj; abolltivos.
, .As Pulas do Dr. Ayer
l ;jet;lo a lmsdijnento, e evitun ir.uiai
i 4Ahu -a.4uiad* ia*ae#, cuiVruidadfS,-notivadu
. ,;wila d*sor.l : -.
iVm m doencas v I>t u; iTiptoKiae.fi' a KoJwmi'iiMlearfa Folie,
-irdor e Peao lio Jatmnnc^>, Xauaea, Malrs,
OiiTi'A^CalieTenJHvllte.KfidfbPcbrc Biliosa
4 ''if.ic.i. D6r*-q do estonago .costa* e>sepaduas,
..nriuarrH iiyilrogiiaw., etc.. iiad .as allirU
"ii S'S"rana e proinptl-'lo como as PHXX.iB I'O
]::. Avri:; as r,aa.s sao du fraude utilidad1; ja
las Ui'inorrlwldas.
uw .i-nie^ico nao ten* egoal.
AGU Mil
-DE-
Murray S Lanman.
OM^ISEXQUESITO
DOS
Perfumes do Toucador.
Perfuma o Corpo e
Vivifica a Mente
;iNOl-BANHO.
> Superior a Agua de C
:iia pela delicadeza de
aroma e z. durabilidade
seu perfume
mnaiso.
Teb
Vejam e admirem!
Legraiama
rirPAE.U)AS fELO
r\\
. CAyEBE.CA,
l5ow#ll}.Masi*, E. U. A.
Aluga-se
\
a casa dama Gorenel^Suassuna n. 180; a tratar
na ra Marcilio Oias ft 106.
Ahiafa
Tse
a casa n. 3 da ra de Paysand. tem agua e gaz,
e muitas acoramodacGeS' para familia: a en ten -
der-se ra do Corredor do Bispo n. 6.
Aliig^a-se
S o 55 ra Duque de Caxias pode
vender pelos precos que abaixo aiencia-
namos. ,
Amor da China, novidade em-padroes, a
200 rs. o covado.
Fustoes brancos a 360 e 500 rs. o co-
vado.
Velbutina* de todas a.res a 800 rs.
covado. E' barato!
Cas.os e capas-para senhorasy o qaa
ha de mais novo e barato.
Cortes de seda, padsSes lindos ,eprecos
razoaveis.
^ loja e a- andar do sobrado a ruada impera-
tr^ n. 20, ambos em pexfeito .estado de limpezr
ecoincrandes commodos para familia ; a tratar
com Catttulino de Gflsmao, ra do Bom Jess
n. 11, i-vinaar.

X
THi ; ( tvt m: < OM I \< \


k"f
r
c.
'M '^vmjmst^ir 4
m*mm
.,ijeoitv. *unt:.v*v.'*K- ^>>"- .;a tOJai c.
Altgja^se barato
a casa n. 47 traveste do Bartbolomeo, os 1 e
2- andares do sobrada ao caes- do.Apollo n. 75,
e os 1 2- e 3 andaresNtto-da ra dofirum n.,8i,
todos com bastantes accoiynod;ices para fami-
lia : a tratar na ra largante Bosario n. 34.

l^C '',
-Vi*'a# t*s "'
Para folia-do Carnaval
4, padaria a vapor do Vorntal, expoz a venda
s de arroz a 100 ris o pacote, nos lugares :
abrica Slartina, rui da Imperatrz n. 1, Tesoura
Muda, Livramento n. 31, merciaria Lusitana.
ttei varsio Pires n 54. fabrica Flora, ^abuga n.
7 A, loja Rival, Duque de Caxias n. 8' padaria
Conde d'Eu n. 14, padaria Princeza Izabel n-..
Itaerciaria /flt rio Vali-nk- A *'... cunt de No-
vembro ; assjm como cspBCWlixli'l'i. para jilhs,
ou, papas <; bolos Anos.

ALLAN PATERSON & C
N. 44Ra do BiumR 44
'JUNTO A B8TA(!0 DOS B0NC8
Teto para vender, por precoa mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas rundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de indos mod-ios.
Portas de fornalha.
i Vap"res de for9a de 3, 5, e 6 cavados.
Moeudas de 10 a 40 pal legadas de paadora.
Rodas d'agua, svstema Leandro.
Encarregam-se de coneertos, e assentaiaente de maobiaismo e execntam qual
quer trabalho com perfeicao e presteza.
9
(Atviso ds Os- PEOET7CTS da
ibfiihu na ktmm
207, va. d* &*Iqxiqc<), JPAJFilS
BEyEM 0 SE11.SMND-. -"!T0 BM C0KD.O.WV0R 00 iJBUC0 :
l. Ao ?viJ4a 2* A'sua lualidsde inalteravel e ,suavidade do seu perfume.
f$i COMO SE W- ISMia4FgQJ:$ D'EJTES P3QDUCT0S ORIZA
ccti intuito de /rs. r.Mm a cusa da fama da que gozam,
pomos de. ^obreaT"'^ oe freernezes no tim que .e nao
a<-wa*n eiiyauar.
ti VKUsEIMS PU0U6T0S se V*sm r V&t h U tai:: el rWlaail ( Cfeorii.
MaJiDA-SK i i-AJvlS O CAAMKM.IIAUSTRADO PRANCO DB PORTB

M
18^000
Aluga-se a rasa n. 16 D, da ra daftiacbuello,
antia ili li'-no. Da Boa Vista, com 2 salas, 2
quartos e quintal :
reaem S. Jos, om 2 alao,.H^uirtos, cosinha
e quintal por 123000; a de u. 16, junto, por I5.
com 2 salas, 2 quartos. cosjnha, soto e cacim-
ba : as chaves estao junte para ver e trata-se na
ra da Guia .n. 62.
Tratamento. Reconstituate
COM KXTRACTO
de Figario de Jtactj.Uiu
Oi( i na (ac ii
Perdeu-se
Np Pojo da Panella entre Mariano e a estaco da Casa Forte penleu-sa um
pincenez de ouro, quem o acbar pode levar a
ra Barao da Victoria n. 18 Io armar, 'que se-
r bem.gratiteado.
! ypogapliia e Lith#graphia
JABRICA DE LITROS DE ESCRJLPTU-
RAQAO
Premiada na esposos de
lStel8&
Manoel J^ Encaderaacao e especialidades em cartdes de
visitas.
^M^oa Dnqne k Caxias39
Telephonen. 194.
--a-aa-aa
Cada frasca d'eate,
I ELIXIR contam c
principie| dapurativo
tnico* da um litro da olao <
da figado da bacalhu
um litro do vinhode Quina. (
Tam obra o. olao da
fg*dc dabacalbu a Kan-
tege/n de accalarar as
funecea do atomago
am lugar da t patiurbar,
a da daap^rtar o,appe*ita.
--*---
T Este Medicamento, de sabor e gsto
Tmuito agradaveis, obteve o molhor suc-
\ cesso em -Franca para combater :
i ANEMIA, CHLORSE,
AFFBC . 1 ePULMES,
c a^FRAQUEZA das CR1ANCAS
*-a-a-aya->
De;-j. ;to geraJ era PABIS :
S.TJ0EAM?, 15, ruifti Poltou
Em twna.mbuoo .-
^*^^a?^|fe^*f.*
Olferece-se
orna iwnboTfl de bJvki idade ede l'siba, de boa
conducta, para faser cmpaohi .".. easa de fe-
- nao ttmii.i uivtnios. ili-QtiO desta
1 I -nninfa i-em irp'en-
-e roa Nnrnejra re 15, das 9 bo-
rai is ;t da tarde, que adiara coinuuein tratar.
Umiaiairifia *fAfa,,t, Bouj&art HtmktmttrL-
ORANDE-QRILLE. Affoccoes lymph.itii'M,Jl4en-1
Owtf<< srerae, Concreoie iIkM m da til,. |
I SOPIXAL ^floci-nJaj ias.^i; -.! -ai. lu.-om^ia-
.io-! Jo .'.l.iiufOL. D.es:o I ;.li)i.
Gastralgias, I)yspp Ct-aaTINS. -A*xiC. dos rii*. ila.heiiia. Arelas,
| CoiKre{ps .las .inr*s,GoW. Oialxtc,.\Jh rAOl'JtitalVE.- \Scecsdorins.d.ibeiiga. Arelas.
Cour*afotias aatisM/lata,Pukctcs. Albomiou(u
EXUA-SE 0 IfOIE da FBTE na CAPSULA '
WEALHA OC '
ACADUi KAGIQNa

Da sabor aiui agradTel, t V1NHO do Dantor VIVF' "re-I
eeitado por todos os, atedicos para o Raehitismo, Sacreplintos, A cana. J
i Pait, CmUrrh nmlmamar, DeUUdad*. ate.
e>A.mm\
> O", eo, Wnafarara mtrma KIOLESTIAi DM CREAMQAt
XAR0PE.RABA0 IOOAD0
de QRIMAULT O*
tta'in! s*t iauta HnVam 0a Ua es aaism
Mala activo que o xarope antfseor-
butico, excita o appetite, raaolva
o engorgitamento das glndulas,
combata a pallidez, torna firmas
as camas, cura os mos humores
e as croatas de leite das creancas,
e as diversas erupces da pelle.
Esta combinacao vegetal, essencial-
mente depurativa, melhor tolerada
que os ioduretos de potassio e de ferro.
Em PAR/8, 8, fa* Virlmni*.
Em Ptrnimbjtc.ii Agas *- fo^tm da Vchy.
ti-ima sonead ^ncaaaidc
tHi.aCH&BOEi:lfLI.*.-.'", 'K'.'u;dkna.LABIIAB.
Cosinbeira
Pre'isa se de urna ama que cosinbe bom ; no
terceiro andar do predio n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da typoerapbi do Diario.
Assucar
UsinaPinto
Santa Filonila
Colonia Isabel
Na refmacao Salgueiral, a roa Mareilio Dias
nusjero 21.
Assucar refinado
especial, o melbor que se fabrica nesta cidade.
JOAQUIM -AIEIRAL A C
Ra Marcilio Dias n. 22
Telephone numer .&
Precka.e.deumabo\en.
gommadera i qu e aqat ontfos
servidos, a tractar no 3. an-
dar, por cimasa typographia
do c Diario na xua Duque
deXaxiasn. 42.

Precisase de urna. ama. para, coinhar, nara
casa de pouca familia ; a gratar, na ra do Coto-
vello n. 34.
Ama
Precisase de urna -ama para casa de lioinem
solteiro : na roa da>Fugdicao n. 4.
Ana
Precisa-se de raa ,ara para cuidar de urna
enanca : na roa da Imperatriz n. 47, segundo
andar.
-4ma
Precisa se de urna,' qae lave e engomme com
p&ifeigo, para duaa pessoas. e maiaervicos ;
a tratar na ra Pedro ArTcmso a. 66, ?ntiga da
Praia, armazem.
Ama
Precisa-ae de urna perfejta cosinbeira, para as-
sistencia interna : tratar na, ra do Mrquez de
Olinda n. 54.
los amadores do carnaval
A bem conhecida loja de miudezas-BAZAR
DOrRECIFE,a roa Mrquez de Olinda n. i I
auriga da Cadeia) receben grande sortimento de
mascaras calicatas para homens, senboras e
criancas, e grandes colleccoes para clubs e so-
ciedade-carttavarescas. vndese por pregos sem
competencia, quer pequeas ou grandes porces.
Vale a pena visitar a loja de miudezasJBAZAR
DO 'REiaFE para ver o melhor sortimento d
mascaras que tem viudo ao mercado. Tambem re-
ceben- giade sortimento de bwnaga de cheiro
e outros artigo? propriog para o capoaval, rudo
a prpcosmodicos loja de miudezas
Bazar do Recife
A'. ruaMorifuei Je Olinda n. 11
De Domingos M. ^Martin
Aula ole paisagem
Acna-se a berta a matricula para a aula
paisagem, no, tyco de Artes a. Oflioios, a q
funccionar nos domingos, ao meioidia. so
direegao do Sr. J. J. Tclles Jnior.
.
MlflaWl
ma Beahora.csfBpetestemente habilitada,
propoe-sea Wccionni-.^a cc-U^gios e casas par
tieulares Ui seguiates matenas : portuguez.
francez. msica e piano : a tratar na ra Vis-
conde aclAliiflquerque ir, 20.
Pharmacia Bartho-
lomeo
Precisa-se de um ortico
larga do Rosario n. 34.
a tratar
a
na ra
Camellas do Monte de Soccorro
Compra-se cautellas do Monte de Soccorro de
qualquer joia, brilbantes e relogios: pagas?
bem na Praca da Independencia n. 22, loja di
relojociro. _________
Professora
Urna senbora competentemente habilitada, com
pratica de 11 annos de profissao, apresentand(
diversos attestados de bom methodo e comporta
ment, offerece-se para teccionar em casas par
tieulares, na cidade ou en seos arrabaldes as se-
guintes materias : Portuguez, Francs, Italiano
GeograpUia, Piano, trabalhos de agulha, etc.; a
tratar a roa Visconde de Goyann n. 69 ou em
casa do-Regulador da Mariuharoa largado
Bosario D. 9.
Madapolao com 1-inietro de largura* a
66 a peca.
Zetiros a 80, 170, 200, 240 e 400 rs.
o covado.
Ditos bordados a 800 rs. o covado.
Tecidos arrendados a 400 e 500 rs. e
covado.
Brius de cores a-320 re. o. covado.
Cortiaados d crochet, cousa chic e
preyo barato.
Cambraia .Victoria a 20800 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargelins de todas as: cores a 200 rs. o
co-vado.
Guardanapos bon3 a 1 ?>800 a duzia.
Las modernas a 240, -280 e 320 rs. o
covado.
Rendas-hespanholas a 2 n -metro.
Luvas de seda a 2)5 e 2J, o par.
Espartilhos couraca 4, 5(5 e 6*5 un.
Merino pretas e de sores., urna varie-
dade immensa em pre9es e qualidades.
Setins de todas as corea a 800 rs. o co-
vado.
Toalhas felpudas, grande ruductao em
precos em vasta da grande (juantidade.
Enxuvaes parabaptisados o que ha de
masspioderno e por pouco preco, 10)5000.
ColciiS8 de crochet multo chic.
CamisalAinglezas com e sem coUarinho.
Atoalhadopar. mesa a 10 ai3i5800
muito tino.
Collarinhos c pimhos^igjiiho e algodao
o por preco barato.
Babados e entremeios7 grar]
mente.
Madapolao pelle de ovo por to a peca.
Esguiao pardo e chumbado a 400 rs. a
covado.
Urna grando variedade em lencos.
Gravatas-e .meias. para homens.
Cretones para coberta o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a b ama.
Leques de setim muito chic.
Linn bordado com quadros a'800 rs. o
j covado, muito bonito.
Chitas jscuras e claras a 240, 280 a,
320 rs. o covado.
Cretones trancados, finos, a 320 rs. a
covado, para acabar. ja
Casemiras de cores e pretas um grande
sortimento em qualidades e precos.
Casinetas, o que ha de mais bonito, a
400 e500rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por precos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 1J600 o me-
tro.
Brins pardos a 320, 400 e 500 r, o
covado.
Cortes de vestido de cachemira com vi-
drilho o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos bordados.
E' barato.
Cambraia branca, bordada, o que ha de
mais gosto e por preco razoavel a 8)5000 a
peca.
Dita com sal picos a 44. e 5)000 a peca.jjfc
Colchas argentinas a 6)5)500 urna.
Ditas de 24, 3,5,- 4,5 e 5,5000.
Bramantes de algodao e liho de todos
os precos.
Grande sortimento em fichs de cores
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas e leques .para noivas.
Bicos de cores muito chic.
Alm .do que. acabamos .de,,anunciar,
temos urna quantidade de ajrtigosique sO '
vendo-se, se acredita, pelo que pedem que
compare5am.
Do-se amostraa.-sem penhor.
Setinetae lisas de.todae as cores a 400
rs. o covado. Sao muito largas.
Roupa feita e por medida.
55 -RA DUQUE DE CAXIAS 55
FEBWXIIESDEAIfiVBOIt
........_....................-........-----....-,-..-....
Ensino particular
O professor Joaquim Elias de Alte,i.rane
Reg Baos, roa da Conceicao n. 27., vusai.
3uer ou nao, pela* easas, as seaaiate&iMieria*.
epois das 3 horas da tarde : portugu-.' 0 U\tkm
arithmetica, geographia, historia et
P A S TA
A PtirtMiWih fea
I cartees ', giaiUMl
|6imr- i ?. :ij-
:- -wlo
lirrl-
ton.--'
Alfafa
Genero hoto chegado direetamerrte de Monte-
vido, vendem Maia A Rezende.
:
MACK
Cmoo fabricanle-inveB



I'-.gn: ;Eaj1? .'~JTIT
i\f \,'^srm,%ji\j
mJ I n.-4k. arisam ao respeitavel publico.
todas altercas e sextas-feiras, tem este sa-
oso pftoMI larga do Rosario n. 40.

Engommadeir
Precisase de urna boa engommadcira ; na ra
do Sebo u. 22.__________________________
Cosinheira
Precisa-se de urna, que saiba cosiooar e nao
saia a roa, para casa de familia : a tratar na ra
do Cabug n. 14, de meio dia ate 2 horas.
Caixeiro
Precisase de um menino de I* 14 anuoi,
com pratica de taverna ; na ra da Fundic3o
numero 4.____________^______________
Professora
Na ra Barao do Triumpho n. 68, se dar in-
formacOes de quem precisa de urna professora
para ensinar cinco meninas. |>ortugue, geogra-
phia. historia e trabalhos de agulha.
ucoQuarta-feira 27 de Fevereiro de 1889
Prefessor americano
Devido mudanca de residencia
MR. GEORGE B. NIND
* pode ser procurado nos dias uteis,{ na ra da
Conquista n. 20.
VENDAS
Vndese ieite de vaccas da trra, puro, a
320 rs. a garrafa, garantindo se a boa qulidade
aos freguezes que o comprar nesta casa. 6s
freguezes encontraro o leite. das 5 s 7 horas
da manfla, e tambem nos encarregamos de man-
dar levar em casa de qualquer freguez : na ra
, do Rangel n. 53. ^^
Fanelas baratas
- Loja do Triumpho
Ra Daqae de Caitos o. 4
Las fins com troco, a 320 rs. o covado
Ditas de quadros, bonitas a 300 rs.
Merinos lisos, 2 larguras a 560 rs.
Ditos lavrados, 2 larguras a 700 rs.
Zefiros largos de quadros a 240 rs.
Ditos largos de quadros tinos a 280 rs
Ditos bordados tinos a 700 rs.
Etamine arrendada a 440 r.-.
Dita de listas abertas a 400 rs.
Setins de listrinhas a 660 rs.
Ditos da China (fantazia) a 240 rs.
Saias bordadas linas a 3*000
Camisas bordadas linas para senhora a 4*000
Cambraia branca bordada, a 44500 a peca.
Dita bordada de cor a 54500 a peca.
Chitas escuras muito boas, a 200 rs. o covado
Algodao largo ( 10 metros), a 2*500 a peca.
Dito dito de 20 jardas a 4000
Toalhas arolchoadas grandes, a 44500 a duzia.
Redes inglezas grandes a 5*000.
Guardanapos deliuho, a 1*800 a duzia.
Camisas de linho sem punhos e sem coiarinho
a 3*000.
Bramante de algodao 4 larguras, a 700 rs. a vara.
Tapetes grandes para sof a 14*000
Cortes de seda para collete a 4*000,
Cortes de casimira ingleza a 4*500
E unirs muitas fazendas que se vendem mui-
to barata; para liquidar.
A* ra Duque de Caxlas n. 4
Bastos efe? G.
Bom cavallo
Vendc-se um cavallo novo, bom andador, ra-
teiro e sem achaques : dirija-se ra de S.
Francisco n. 72 quem pretender compral o.
Cimento
Vndese cimento da melhor qulidade pelos
mais razoaveii Breos do mercado, na ra do
Mrquez de Olinda n. 54.
^,1 averna
Vende' iia taverna na estrada do Peres, a
priraeira ao saltar na estaco de Tigipi, a qual
je^acba bem sortida e bem afreguezada por ser
a primeira do lugar, o aluguel da casa buratis-
simo e com morada indenendente, com bom si-
tio : informaces na ra de Stnta Thereza n. 30,
taverna. O motivo da venda se dir ao com-
prador. _____ ______
Ceblas
Na ra do Vigario D. 15. armazem, vende-se
qualquer quantidade de ceblas novas em res-
teas a 200 ris por kilo ou por cento, pre^o ba-
rato.
Vendc-se qualquer quantidadi-.
i
FOLF^TIM


SEM MI
POR
::::: nlubucor
DURANTE A TEMPKSTADE
-1
I
A (Continuado do n. 45)
CAPITULO VIII
O m.l.-n.
Teu marido te ve sem duvida receio de
emocionar-te com o papelzinho azul, cuja
chegada sbita sobresalta-nos sempre um
pouco.
Ella crispou as suas bellas mbs palu-
das sobre as cobertas :
Esto me engaando, disse ella ; til-
do sso nao natural!...
Apezar das affirmacfes do Sr. de Sau-
?66, moa febre violenta accommetteu a jo-
ven mai.
Durante toda a noite ella delirou.
O Dr. Graniers, que tinha sido chama-
do novamente, nao a deixou senaode dia.
Ella tem um temperamento extre-
mamente vigoroso, disse elle a Pedro ;
outra qualquer morreria com certeza esta
noite. Vou visitar alguns doentes, e vol-
tarei depois. Tomem muito cuidado, nao
a larguem.
Quando transpunha o limiar da casa, o
doutor voltou-se sbitamente e disse:
Por que nao previne a prefeitura de
polica do desappareciiuento do Sr. Cha-
niers ?
Pedro ficon muito vermelho.
Oh doutor disse elle com eviden-
te repugnancia. 4
E* que essa ausencia parece-me ca-
da vez mais inquietadora.
De certo, mas tambem fazer seme-
lbante gente metter o nariz nos nossos ne-
talvez perigoso.
O Dr. Graniers ecolheu os hombros.
Novidades
ReeeberaH atadas de Parto
AZEVEDO, IRMaO & .
16 Ra do B. da Victoria 16
(Antiga Nova)
Lindas capas de surah, cachemira, me-
rino e renda o que ha de mais novo. Renda
comprimento de saia a 10000 e 10500.
Sargelim fino todas as cores a 200 o co-
vado.
Baleiascom forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a duzia.
Bramante de linho com 10 palmos
10500.
D to de algodao com 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 50000 e 60000.
Ditos de crochet finos a 80000 e 100000
Estracto Rita Sangal a 20000.
Fichus de la e seda 10000, 10500.
Capellas com veo bordado a 60000 e
70000.
Madapolao globo a 70000.
Dito camiseiro a 70000.
Tapetes grandes para sofii a 130000.
Espartilhos couraca a 40000 e 50000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Panos de crochet para cadeiras a 800.
Ditos de crochet para sof a 20000 e
30000.
Guardanapos de linho a 20500 a duzia.
Merinos de cores a 400 o covado.
Zefires largos a 160 e 200.
Setim maco a 800 e 900.
Toalhas para banho a 10000 e 10500,
Madapolao com um metro d largura
a 60500.
Cachemira arrendada e de quadros
10500.
Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 30000 a duzia.
Tamisas finas para homem a 330000.
Colxas de crochet com flores a 50000 e
90000.
Lindas velbutinas de quadros lisos e coiu
listas propinas para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a .400 o covado.
Caixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 90000.
Pao verde para bilhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
Crinoline preta a 300.
Guarnieres pretas e de cores.
Camisas de flanella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglez.
Mcias brancas de seda a 40000.
Cachemiras de quadros a 280.
Fusiao branco a360 ocovadb.
Esguio fino a 10500 a vara. .
Casciniras para roupa.
Ronpa feita por medida.
TELEPHONE200
O desengao ir ver
Taverna
Vende-se a taverna da ra de Luiz do Reg n-
47, em Santo Amaro das Salinas : a tratar na
mesma ou no Caminh" Nuvo n. 87.
Armai;ao
Vende-se urna irmacSo de amarello em per-
feito .estado, propria para miudezas ou tabaca-
ria : a tratar na ra do Cabug n. 11-A.
Cofres de ferro de Mil
ners
Vendem-se estes extellntes cofres, como tam-
bem de outros bem acreditados fabricantes, va-
rios tamanhos, prova de fogo, cora a maior segu-
ranza desejavel. a preros baratissimos. na ra
Mrquez de Olinda u. 54.
Breu
Em barricas vende-se na ra do Amorim
n. 60. _
Taverna
Vende-se a taverna do i>ateo do Terco n. 19
a tratar na mesma.
Perigoso! repetio elle. Para gente
honesta, como a desta casa, o que que
pode haver de perigoso ?
Pedro, que continuava a suppor que Jor-
ge estava em companhia de Joanna Des-
cours, nao respondeu.
Creia-me, insisti o doutor, siga o
meu conselho.
Hei de ver isso, replicou evasiva-
mente o engenheiro ; preciso reflectir.
Mas duas cousas apoquentavam o Sr.
de Sauves.
Joanna devia j ter voltado a Pariz, e
nesse caso porque Jorge nao vinha para
casa?
Depois, tinha que fazer pagamentos con-
sideraveis visto como todos os reparos
da usina e da casa de morada deviam ser
satisfeitos naquelle mesmo dia.
Ora tendo seu cunhado levado os trinta
e oito mil francos com os quaes devia-se
saldar tudo n aquel la manha, Pedro era
obrigado a mandar casa de seu banquei-
ro buscar a quantia necessaria.
Chamou o caixa.
Sr. Simn, disse elle, aqui est um
cheque com o qual o senhor ir a casa de
Sr. Gerard, nosso banqueiro, buscar qua-
renta mil francos.
O caixa fez um movimento de contra-
riedade.
O que ? perguntou Pedro, que
percebeu esse movimento.
A minha escripia est muito atra-
z&da, senhor, respondeu elle, porque sabe
que parti sbitamente sabbado. Alm
disso, minha mai contina muito doente,
e eu desejava pedir-lhe licenca para sahir
cedo. Ento, se podesse deixar de des-
empenhar essa commissao, estimara bas-
tante.
t Bem, disse o Sr. de Sauves, que ti-
nha que sahir para ver se Joanna Des-
cours havia voltado a Pariz; bem, vou
eu proprio.
Em casa de Joanna apenas soube que
ella n3o havia voltado senao de manha e
ssinha ; que depois sahira, um pouco mais
tarde, sem dizer onde a.
No banco, apezar do seu sangue-frio,
Pedro embara^ou-se as explicacSes que
deu para pedir dinheiro.
E, preoecupado como estava pela gra-
vidade que ia acarretar para a situajao de
su* irm a persistente ausencia de Jorge,
respondeu a torto e a direito s diversas
perguntas que lhe fez o Sr. Gerard.
O que ter o Sr. de Sauves, per-
guntou este ao seu secretario, quando Pe-
dro desappareceu. Elle, sempre o aus-
tero, tao calm, to grave, parece que le-
vou urna martelada na cabeja !...
A MV0UICVd~48
A' raa Dnqne de Ca*|i i. 4
Nesta loja denominada A Rerolucao,
tendo sempre um grande e variado depo-
sito de fazeadas, resolveu-se vndelas por
menos 30,j do que em outr* qualquer
casa. Como sejam : *
Toalhas felpudas e acolchoadas, branca
e de cores, t&manfeo reglar a 120, 20",
500, urna. ^
Merinos de ftadros, lindos padree-
200, 240 e 280 d covado.
Seda Alcac ana (fazenda de fentasa).
249 o covado.
. Cachemiras de quadros com combina-
Jpo a 320 o covado.
Mimosa cambrai*tas m^as para cami-
sas a 30200 a pea.
Lindos cortescara vestidos ea cartao
com todos os avianwntos a 70 90 100 e
14$ um.
Saias bordadas para senhora (recebidas
ltimamente de i ars) a 30000 urna.
Cretones inglezes, francezei e allemaes
a 240, 280 e 320 o covado.
Zefiros de quadros, muito largos a 100
200 e 240 o covado.
Lindas colchas com palmas de cores
para noivos a 100000 urna.
Chitas claras e escuras, muiros padroes
a 200 e 240 o covado.
Batistas com palmas e pintas, cSree fi-
xas a 120 o covado. \
Redes francezas a 50 e 60000 tuna.)
Fechs de 1S, muito grandes, toda; as
cores de 20000 por^500.
Camisas francezaae linho (pechinca) 'le
60 a duzia por 480.
Merinos finos com duas larguras, todas
as cores de 800 a 500 o covado.
dem dem idem dem preto a 800 e
10000 o covado. j
Cortes de fus tao branco e de cores para
colete de 40 por 20000 um. ,
Madapol5es finos a 40, 50 e 60000 a
peca.
Atoalhado de linho, lindo desenho a
10700 o metro.
1 ortes de casemira para calca, finos e
modernos a 40, 50, 60 e 70000 um.
dem idem idem idem costumes moder-
nos a 200000.
Cambraia de salpicos muito fina com
10 jardas a 40000 a peca.
E muitas outras fazendas que s com a
presenca das Exmas familias, poderao ser
vereficadas. comb sejam: mantilhas brasi-
lheiras, leques transparentes, bicos de co-
res, entremeios, bordados, leos, extratos,
luvas etc.
48 DUQUE DE CAXIAS 48
Para oDerby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de cores proprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por precos sem competencia.
Recebeu tambem collarinhos e punhoe
de borracha de formatos novos.
48rih barXo da victoria 48
NOVIDADES
FAZENDAS PRATEADAS
m VESTIDOS rmTASIASOS
Aos bailes do carnaval
\os Clubs Internacional. Carlos
Cioaaes e ieventude
VENDE A
Loja das Listras znes
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
D-se amostras.
Mobilias austracas
Vendem-se mobilias austracas de todas as
Jualidades e cores, por preces os ma3 commo-
os, para liquidaco, a ra do Mrquez de Olinda
n. 5i-
Soflfreu talvez alguma perda que o
desoa, replicou o empregado. Porque
nao natural que, depois de haver retira-
do quarenta e tres mil francos de nossa
casa sabbado passado, sob o pretexto de
pagar vencimentos de hoje, esses senhores
venham retirar mais quarenta mil francos
agora.
E' sem duvida isso; mas urinal de
contas elle estava com urna physonomia
uto exquisita!
CAPITULO IX
A rana aula
O enterro de Paulina Oages tinha sido
marcado para terja-feira, s onze horas e
meia.
( hegando usina, depois das duas ve-
zes qua sahira, Pedro encontrou todos os
operarios fra da officina.
O que se passa ? Perguntou o Sr
de Sauves a um delles.
O infeliz Pedro perdeu a mulher,
patrSo.
Pedro ficou abysmado, com os ps pre-
gados ao chito.
Como exclamou elle, a pobre Pauli-
na morreu ? !... .
Nao o tinham sabido, ou, se lhe disse-
ram, na intensa preoecupacao em que s
achava havia dous das, nao o tinha co
prehendido.
Nos queramos ir todos ceremonia,
patro, disse o operario; um camarada sof
freu esse grande desgosto, e nos debemos
levar-lhe as nossas consolares.
O que muito natural. Dou-lhes li-
cenca de sahir duas horas mais cedo es-
ta maaki. Tratem de estar de volta
urna hora.
Talvez s duas, patrao, mas nada
mais tarde.
Bem, vao.
E Pedro, mais desolado do que nunca,
foi pedir noticias da rm3, que delirava.
NSo estava melhor.
No seu desespero, elle nSo teve a ler-
branca de deixal-a para ir levar as suas
condolencias a Eugenio, que era entretan-
to o seu operario predilecto.
Este, quando os seus amigos come$a-
ram a chegar, appareceu-lhes tao trans-
tornado, to decomposto pela dor, que
caasava d a todos.
A raorta achava-se desde a vespera a
noite deitada no seu caixSo. que estava
agora exposto em baixo da pequea esca-
da, cercada de alguns cirios e eoberto pe-
lo panno mortuorio.
Os operarios da typographia em que
CHAPEO ELEGANTR
Ra do Bario da Vletorla ni*
Acaba de receber pelo ul-
timo vapor da Europa urna
collecSo de chapeos para Se-
nhoraso que ha de mais mo-
derno fino e elegante, ven-
dem por preco commodo.
Carval ho Irmao &C
Salo da Moda
Roa do Visconde de Inliama n. 15
(ANTIGA DO RANQEL)
Os proprietarios d'este mui acreditado
estabelecimento previnem a seus fregue-
zes, que tem um completo sortimento de
fazendas, que vendem por menos 30 [0
do que em outra qualquer parte: como
sejam:
Linhosinhos de quadros a 80 rs.
Las de quadros a 160 e 240 rs.
Zefires, muito largos, do 320 a 240 rs.
Cambraia de salpicos a 40000 a pega.
Dita Victoria a 20800.
Cretones claros que eram de 320 a
240 rs. o covado.
Chitas de 200 e 240 rs.
Fichus, .com ramos e sem elles a 10000,
20000, 30000 e 40000.
Baptists de cores a 120 te. o covado.
Camisas \francezas a 20000.
DiUs.de linho* a 20800.
Ditas inglezas \ 40500
Chales de casemira a 20000 e 30000.
Sargelim diagonal a 200 rs. o covado.
Meias para homemv senhoras e meninos
a 200, 240, 320 e 400 rs. o par.
Tambem temos una completo sortimento
de artigos para homem como sejam :
Casemiras, brins, Fust5cs para collete,
collarinhos, punhos, gravatas e muitos ou-
tros artigos que sao precisos para satisfa-
zer as exigencias de mais caprichoso e
elegante cavalleiro, para o que montamos
urna officina de alhuate sobre a direceao
de um perito mestrei
PRECOS SEM /COMPETENCIA
Gon^aues Sanios & C.
Doce seccp de caj su-
perior
Tem para vender em lafas 'de 2 e 4 libras, por
preco commodo ; na ra 8o Bom Jess n. 35,
armazem.
Cimento Portland
Vendem Soares de Amaral Irmaos, ra da
Madre de Deus n. 22.
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos', e fre-
guezes em geral que recebeu pelo ujtimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por presos mais resumidos em Vista
da continuaco do cambio avoravel. \
Convem que experimentem.
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
8$000 a duzia
OLEO AMERICANO
O mala econmico, hyglenlco c
perfumado oleo para o
c .a. oe oe x, x, a
VENDEM
GOHEft DE II IT IOS I H 11 VOS
23-rna Mrquez de Olinda -23
RTCOT5
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Em decimos e caixa de duzia, tem para ven-
der Joaquim da Uva Carneiro. largo do Corpo
Santo n. 13, 1 andar.
Paulina trabalhava haviam levado flores e
grinaldas, com a tocante solicitude que o
povo de Pariz prodigalisa aos mortos a
quem conheceu e cstimoa.
N'um canto da pequea cozinha, a Sra.
Lureau dava de beber orphanzinha.
Ella sugava gulosamente a mamadeira
cheia de leite, e era a mais bella crianci-
nha que dado imaginar, n.uito rosada,
com os olhos azues de extraordinaria bel-
leza, cabellos louros que desciam at meio
da testa n'uma pequea mecha dourada,
tao fina como um pennacho de passaro, e
uiua covinha dividindo ao meio um queixo
alvo e lindo.
A um canto, Eugenio, sentado, chora-
va, cora o cotovello apoiado sobre a mesa.
Estava vestido de preto, para a ceremo-
nia, com a sobrecasaca e o chapeo alto
que havia comprado para o seu casamen-
to, e que Paulina guardara e dobrara cui-
dadosamente na couimoda.
Elle abaixava a cabeca, estava com os
olhos horrivelmente nchados e os labios
trmulos.
Apertavam-lhc a mao; os camaradas,
muito enternecidos, balbuciavam-lhe algu-
mas palivras ao ouvido :
Urna grande desgraca, meu vclho...
Tenha coragem... a pequea ah
est. .
Nada, elle nao ouvia cousa alguma, ni".o
via nada, n3o reconhecia ninguem.
Como est desgostoso !... diziam
em volta delle.
Pobre homem, elle vai morrer !...
Tambem, urna mulher to boa! nun-
ca encontrar quem a substitua.
Fra, toda a ra enchia-se pouco a pou-
co de operarios, de mulheres. de criances
da visinhanca, que conheciam a morta ou
o marido, e fallavam todos a respeito
delles.
Bem triste para um operario, a casa
sem mulher!...
E anda for cima filha para criar...
Urna .carga ternvel!
Pobre hoitetn, um pouco amante das
bebidas, mas to bom rapaz !...
Emfira chegaram os padres, e o peque-
no cortejo poz-se em marcha para a igreja
visinha, de Jo&o Baptista de Bellevile.
Eugenio camnhava na frente.
Sahindo de casa na occasio em que er-
guiam o caixo para o carro mortuario,
teve um estretneciraento em todo o corpo
e deixou escapar um soluto que asseme-
lhavase a um grito de dr, depois voltou
ao sen estado de quietude, com os olhos
temos, os labios trmulos, inconsciente e,
mudo.
Acorapanhou o corpo igreja, na ra,
[Mais Barato
r
A Loja das Listras Azues
A' RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Tele|)honc a. ti 1
As fazendas vendidas nesta casa sao de boa qu-
lidade, e nao levara; medida escassa;
aceita-se a fazenda vendida se, por
quaiquer motivo nao f6r de muito agra-
do da pessoa para quem for comprada.
D-se descont a quem comprar de 20#
para cima. *
ESPECIALIDADES
SIrlm de listras aznespecas com
20 varas i 6000.
HadapoISo com um metro de largu-
ra a 60800 a peca.
Cortes de vestidos bordados em
cartao a 100000.
Vclludllho bordado a contas a 10600
o covado.
Cachemiras pretas, de quadros e
arrendadas a 20 e 20500.
Tecldos fantazia arrendado proprio
para baile e theatro a 400 500 rs.
Cortes de cachemira com guarnieres
bordadas, lindas cores, a 200 e 250000.
Setim Maco de todas as cores a 750,
e00rs.
LIdod bordado, tecido de urna s cor,
qualquer que se deseje, a 200."rs.
Zefiros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 rs.
Las de quadrinhos a 200, 240 e 360
o covado.
Linho* lisos a 60 e de quadrinhos a
00 rs.
Guardanapos melhor qulidade a
10800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores a 10.
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 40000.
Cortinados de crochet, com sane fas,
ultima novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados a 900 rs. o
metro.
Colchas de fustSo, brancas e de eco-
res, a 20000.
Chitas finas prccales a 200 e 240 rs.
Chitas escuras a 160, 240 e 280 rs.
Oatistcs de cores seguras a 120 rs.
.Vanzue de lindas cores a 280 rs.
Brlm pardo esguiSo a 240, 280 e 320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.
Mantilhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 80000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da com lindos enfeites e com vibrilhos a
200, 250 e 300000.
Leques de pennao e transparentes,
ultima novidade, todo prejo.
Luvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 20.
Espartilhos inglezes a 40500 e 50,
tem desde o n. 40 at 80 de grossara.
Bien branco creme e de todas as
cores desde 700 rs. at. 20500 a peya.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodao, preta, branca e de qualquer cor.
Babaaos e entremeios bordados ta-
pados e transparentes por todo preco.
Clrampos e pentinkos fantazia para
cabello a 400 e 500 rs.
Btelas para vestidos a 260 rs. a
iuzia.
Relogios despertadores com fi-
guras em movimento a 80 e 90000.
Aspas de a$o para vestidos a 120 rs.
o metro.
Sargelim francez fino, diagonal, a
200 rs. de qualquer cor.
Crinolina de cordao preta, branca,
chumbo e cor de caf a 400 rs. o metro.
Redes americanas para menino
ormir a 30500 e para homem a 60000 e
70000.
' E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas aa loja das
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto Dias
ao cemiterio, sem parecer ver nem com
prehender nada.
Mas quando ouvio a trra cahir sobre o
caixo, atirou-se violentamente para tras,
o chapeo cahio-lhe e viram-se-lhe os ca-
bellos ericar-se na cabeca, e os dentes ba-
terem-lhe.
Jurar-se-hia que alguma medonha appa
r5?io erguia-se de repente dante delle,
enchendo-o de um desses espantos sbi-
tos, cujo desenlace a loucura.
Efectivamente poz-ic a soltar gritos
agudos, e, sem ver as pessoas que o cer-
cavam, tentando acalmal-o, escapou-se lhe
das mSos e fugio como um louco.
A' entrada do cemiterio ilguns amigos
o alcancaram e fizeram-no entrar n'um de-
posito de vinhos, onde pediram-lhe que se
sentasse, e depois obrigaram-n'o a beber
alguma cousa.
as bordas do copo os dentes do infeliz
entrechocavam se, emquanto n'uma mesa
visinha alguns gatos pingados comiam
queijo de Brie e bebiam vinho.
Finalmente Eugenio pareceu voltar a si.
E' preciso ir para casa, meu velho,
disse-lhe ura dos camaradas da officina.
Nunca. Ella est muito vasia ago-
7sn pasa casa
Ra Duque de Caxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1[2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 800 e 10, muito fino, de
qualquer largura a 10400, e de fustSo, de
700 a 10800 a peca.
Enxovaes para baptisados a 80, 100 a
120000.
Lindos enfeites para penteados a 100,
200, 300e500rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 20500 o covado.
Pulseiras americanas para 30, 40, 5#,
60 e 80000 o par.
Guarnieres americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 e 60000. .
Porta dedaes de vidro, objecto para pre-
sente a 10000.
Broches de fantasa de 500 a 10000.
dem americanos de 20 a 30000.
Lencos d seda a 10000.
Sublaque a 200 rs. o par.
Guarnic3es de crochet, sendo um para
sof e 4 para cadeiras por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno e or,
com finos veos.
Flores artificiaes a 10000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 20 20500 o par.
Bicos bancos de limbo e de cores a 20,
20500 e 30000 a pea.
Contas de cor para enfeitar vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missanga de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento ama
80000.
Talheres para crianca a 800 rs.
Luvas de pellica a 20500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 20000 e
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhos com fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 40000 e cara dora
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missan-
gas.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta c de cores, sem e com vidn-
lhos.
Tim31o8nhos enfeitados de bico ereada.
PECHINCHA
Coiarinho para homem a 30 e 40 a
duzia.
Bordado de cambraia Victoria muito
fina com 3 Ij2 metros de qualquer largura
a 102OO a peca fazenda que vale 20 e
20500, vende-se por este pre?o para liqui-
dar a grande quantidade que temos.
PARA O CARNAVAL
Agua Florida e agua de
Orea a 500 rs. a garrafa.
4
r
ra.
O desgosto ral-o-hia perder a razo ?
Ento, perguntou um delles, o que
vais fazer?
Quero partir, expatriar-me. -
E a pequea?
Ah sim, o ponto negro. Nao
posso levar urna crianca de dous dias, nao
ha duvida, n2o. Com certeza, assiin com
a casa vasia como vai ficar, eu cabina de
todo no vicio, e por consequencia na ulti-
ma degradacSo... Nada!... tornar-me um
ebrio, um vadio, um valdevinos !... N&>,
prometti a minha pobre defunta rehabili
tar-me. Como homenagem a ella, vou
tentar.
Faz mui:o "bem !
Entilo o que vais decidir?
Collocarei a pequea em qualquer
parte. Anda n5o sei onde. Em algum
lugar onde possa mais tarde encontral-a,
depois partirei para a America. Ha casas
em Pariz que contratam machinistas, pa-
gando-lhes a viagem, e que garantem l
um bom ordenado. Vou procurar umades-
sas casas.
Ha um commissario no faubourg
Poissonnre, que faz os contratos de que
fallas. t
Em que altura ?
Um pouco cima do Conservatorio,
e do laio opposto. Nq vitrina ha um na-
vio.
Na nui Auber ha outro.
muther
minha po-
Minha pobre
bre mulher !...
Depois erguendo a cabeja ao cabo de
alguns minutos :
Nao preciso pedir conselhos a nin-
guem, disse elle ; quero partir e nada me
impedir que o faca.
lima vez que resoluao delle, para
que contrarial-o ? disse um amigo. -
Apertaram-lhe a mo, e Eugenio al-
guns instantes depois, afastou-se para o
lado de Pariz.
Mas, como era homem de inteligencia
muito cima da vulgar, nao tardou a se-
renar e a refletir na sua situacSo.
Devia obter dos commissarios, a cuja
casa ia dirigir-se successivamente, as me-
mores condigoes possiveis. Para isso era
preciso vencer o seu desgosto, afim de dis-
por de toda a lucidez de espirito.
Quando chegou ra do faubourgo Pois-
sonire, estava absolutamente senhor de si.
Expoz em poucas palavras a sua s
9&0, e discutio clara e simplesmente
condicSes do contrato.
Propuzeram-lhe pagar a viagem, e,
chegada, garantiam-lhe um salario dupla
mente mais elevado do que eHe poda ga-
nhar em Pariz.
*
WIISET
Boyal Blend marca YUDO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou a>iiardes^e de caca,
para fortificar o corpo. ^ \-
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Hoy ni Blend marca Viada,
cujo nome e emblema- sSo registrados para
todo Bnr/.il.
BROWNS A C., agentes.
_
kJ
-
Carne verde
.">o m. o kilo
Veudc-se no taino da ra do Ranpel, junto a
botica imperial, e nos tainos ns. i, 23 29 do
mercado de S. Jos.
*
Na ra de Santa Cecilia tambem.
Ha grande procura de operarios agora |
para o estrangeiro, especialmente para a
America do Norte.
E' para l que eu preferirla ir. Em-
fim, vou ver.
E' preciso tomar alguma cousa an-
tes de separar-nos.
Nao, obrigado, meus amigos, nao
posso. Estou com a garganta apertada...
O meu desgosto enorme. Vou dar os
passos que tenho a dar. a
Devias consultar primeiro o Sr. Pe-
dro, que tao bom para a tua pessoa, disse
um dos operarios da usina. E' um ho-
mem muito sensato ; elle te daria um con-
selho til.
Ou entao o Sr. Jorge, disse um ou-
tro.
Anda, vamos, officina, tens tempo
de ir depois casa dos agentes.
Mas sbitamente Eugenio, que estava
j de p, cambaleou, emquanto urna palli-
dez mortal invadia-lhe as feicJJes, que con-
vulsionavam-8e de novo.
Ah meu Deus! o que tens tu ?
perguntou algucm ; vais perder os senti-
dos.
Porm elle, cora urna das mSos sobre
os olhos, murmurou po duas vezes :
Typ. do Diario ra Due de Caxia
r


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL0SA7AUM_1WDLZI INGEST_TIME 2014-05-22T21:45:05Z PACKAGE AA00011611_17459
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES