Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17454


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AMO LXY-NUMERO
PARA A CAPITAL E LIGARE 0\DE NA SE PACA PORTE .
Por tres mezes adiantados.
Por seis ditos dem .
Por um anno dem.....
Cada numero avulso, do mesmo dia.
FEVEBBffiO
PARA DE\TRO E PORA DA PROVINCIA
60000
12*000
230000
0100
Por seis mezes adiantados .
Por nove ditos idem.....
Por um anno idem.......
Cada numero avulso, de das anteriores
130500
200000
270000
0100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Trcpriedade de Marwel Sypmrca de diaria Fitycs
Os Sis.Jkmede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios
e publicares na Fran-
ge Inglaterra.

s
TELEGRAMAS
il
s:s:::: mmm jo szabzq
NATAL, 10 de Fevereiro, as 7 horas
e 40 minutos da manhS.
Segu hoje de volta de sua viagem ao
norte o vapor Pirapama da Companhia
Pernambucana.
RIO DE JANEIRO, 20 de Fevereiro,
as 2 horas e 35 minutos da tarde.
Foi feita a concessao de um engenhp
central do valor de 750:0000000, e juros
garantidos de r> J/0, ao Dr. Joaquim La-
cerda, devendo ser estabelecido o mesmo
engenho no municipio de- JaboatSo, em
Pernambuco.
:::,::::da a&sscza um
PARS, 19 de Fevereiro, noite.
Mr. Meline informou ao presidente da
repblica que todos os seus esforcos foram
infructferos e que renuncia a misso de
formar um novo ministerio.
PARS, 20 de Fevereiro.
A crise ministerial prolonga-se.
Nao se pode por emquanto conjecturar
sobre sea desenlace.
A formacio do ministerio actualmente
apresenta serias difficuldades.
PARS, 20 de Fevereiro.
Foram dispensados do servico 2,500 ope-
rarios das obras do Canal de Panam.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
20 de Fevereiro, de 1889.
INSTRCgiO POPULAR
AS ttiSDES INVEHES
ANTIGS E MOBKRNAS
AS
Sciencias. industrias e artes
POR
A fcuola
(ContinuajSo)
. Esta declinago varia muilo de um lugar ou
filtro : occidental na Europa, oriental na Am-
rica e no norte da asia. Mas em utn mesmo lu-
gar apresenta numerosas variages urnas regu-
lares, e outras irregulares, que entilo se cha-
mam perturbacoes. As auroras boreaes, as erup
noes volcnicas, a queda de raios, perturbam ac-
cidentalmente a declinago da agulha magneti-
- ca Em quanto as variagOes regulares, estas
sao seculares, annuaes ou diurnas. Averiguou-
se por meio e tabellas rigorosamente formadas,
que em Pariz a declinaco tem variado mais de
31 desde 1580. Nesta epocha era de 11* 30" a
leste : em 1851 era de 20 25 e oeste. Obser-
vou-sc que no anno de 1663 a fdeclinacao era
nulla, isto que o meridiano magntico e o me-
ridiano terrestre se acharam entao confundidos
em o mesmo plano.
At ao anno de 1576, tinha-se supposto que a
agulha mesmetica devia estar perfeitameute ho-
risontal. Quando se notava que baixava mais
de um lado do que do outro. attribuio-se este
inclinacao a urna determinago errnea do cen-
tro de gravidade. N'essa epocha Roberto Nor-
man fabricante de instrumentos em um dos ar-
rabaldes de Londres, reconheceu por urna axpe-
riencia bem simples que na inclinago da agulha
influa outra causa alm da gravidade. Como
se lembrasse de medir o peso necessano para
restabelecer a horisontelidade complete de urna
agulha magntica, achou que este peso nao este-
va f m proiwrco com a differenca de compri-
ntento das duas metades da agulha e concluio
aue tal inclinacao era devida a urna outra causa
que nao a desigualdade de peso entre essas
me,adcS- (Contina)
cerda, Camillo de Lellis Peixoto;-Bernardo Fer-
reira Loureiro e Pedro Francisco dos' Santos Cos-
te, na ordem em que vo collocados. Remetteu-
se os ttulos das referidas autoridades ao Dr.
chefe de polica.
O presidente da provincia, de conformida-
de com a proposta o Dr. chefe de polica em
officio n. 131, de hontem datado, resol ve exene-
rar dos cargos de 1" e 2o supplentes do subdele-,
eado do Io districto do termo de Palmares Izidio,
Firmo de Oliveira e Joaquim Firmo de Oliveira,
e nomear para substituil-os Francisco Lobo e
Manoel Jos do Reg Barros.
PARTE 0FF1C1AL
Cioverao da provincia
EXPBD1ENTB DO DIA 9 DB FEVK1IEIKO DE 1889
ACtOS : *-._.
O presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chef de polica interino,
em officio o. 139, de hontem datado, resolve res-
taurar o districto do Arraial da freguezia do Pogo
da Panella, que principiar do porteo da Jaquei-
ra. Parnameirim. seguindo pela estrada do En-
canamento, lado direito, estrada das Ubaias, tra-
vessa da Cas Amirella, Ladeira dos Mudos, bec-
co do Qu abo, at o largo do Cemiterio, indo
pela estrada do Arraial, Cruz de Ima*, Jacar,
estrada lo Limoeiro, at i estrada do Bartholo-
meu, que divide cog o districto do Macaco.
O presidente da provincia resolve, de con
formidade com o proposte do Dr. chefe de policia
10 n. 13^ d. hentem datado, nomear
dF subdelegado, 1, 2* e 3* sup-
ines dos arrematantes daquellas, se presterara
flanea e qual a importancia dest.
Ao presidente da Cmara Municipal de Pal-
mares. Remetto a Vmc. a inclusa representa
ciio, por copia, de quatro vereadores dessa C-
mara atim de que me informe a respeito.
Ao juii de paz em exercicio do 1" distric-
to da parochia do Senhor Bom Jess dos Afilie
supplentes do subdele J tos de Panellas. Decla:-o a Vmc. que, tendo
passado o lugar Brejo de Joo Alves e outros a
que allude o seu officio de 29 de Janeiro lindo,
a pertencer freguezia de Quipap, em viste da
lein. 1,481, de 2 de Julho, de 1879, devem os
tivos assentos, jiote* e averbages do r
bivil ser feitos peloescrivao mesma freguezia.
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
Conforme foi-me requisitado pelo director do
pralongaraento da via-ferrea do Recife ao S.
Francisco, em officio de hontem, sob n, 130, faca
Vmc. emba-car para Penedo, no vapor Jacuhfpe,
que segu a 11 para os portos do sul, por conte
da estrada de ferro de Paulo Affonso, 628 trilhos
e mil chapas de juneco destinados mesma es
Irada de ferro.Communicou ao engeaheiro di-
rector do prolongamento da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.
Ao director da Colonia Isabel.Providen-
cie V. Re vma para que me seja apresentado o
menor Joao, a que allude o officio desta presi-
dencia, de 1 i de Dezembro do anno passado,
afim de ser entregue ao soldado addido ao 14*
batalhao de infantera, Laurindo Teixcira Pnlha
pai do referido menor.
Portaras:
Para os devidos effeitos comaunico C-
mara Municipal do Recife que no requerimento
de mercadores de fazenda, miudezas, calcados
e outros artigos sobre o qual versa a sua infor-
mado n. 11, de 23 de Janeiro lindo, profer, hoje
0 seguinte despacho :
Neg provimento ao recurso, por quanto
fora de duvida o direito que assiste a Cmara
Municipal de arrendar os compartimentos do
Mercado de S. Jos, em leilo publico, artigo 44
da lei de t de Outubro de 1828 c artigo 11 da
lui provincial n. 1,355, de 6 de Marjo de 1879;
mas attendendo que o anno financeiro munici-
pal comega no Io de Outubro e termina a 30 de
Setembro, achando-se, portento, decorridos at
agora 5 mezes do actuafexercicio, determino que
os futuros arrendamentos comecem a correr do
1 de Outubro vindouro, sendo, nesta parte, pr-
vido o recurso dos suppl cantes.
Determino Cmara Municipal de Itamb
3ue expeca communicago aos juizes de paz e
as domis providencias do estylo atim de que
se proceda nesse municipio, no dia 26 de Mar-
co vindouro, eleicSo de um venador, em sub-
stituido de Francisco Paulino Correia Lima,
que mudou de residencia, segundo participou
me o presidente dessa Cmara em officio de 1
do corrente mez.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife a Limoeiro d passagens de ida e vol-
ta, com direito a bagagem e por conte da provin
ca, desta cnpitel estaco de Nazareth a duas
pracas do corpo de policia que para alli condu-
zem o reo Joo Leite Correia de Mello a quem
dar transporte para aquella cidade. Officiou-'
se ao cammandaute do corpo de policia para
mandar apresentar as referidas pracas ao Dr.
chefe de policia.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
ollicios :
Ao Dr. iuiz de direito do 2 districto cri-
minal da comarca do Recife. S. Exc.. o Sr. pre-
sidente da provincia manda commuuicar a S. S.
que no seu officio n. 70, de 30 de Janeiro lindo,
hoje recebido, profeno o seguinte despacho :
Ao director do presidio de Fernando de No-
ronha para satisfazer a requisico.
Ao secretario da Assembla Legislativa
ProvincialDe ordem do Exm. Sr. presidente
da provincia remetto a V. S. para os uns conve-
nientes, o balanco da receito e despeza do exer-
cicio de 1887 a "1888 e o orcamento para o de
1888 a 1889 da Cmara Municipal de Taquare-
tinga.
Ao director geral das obras publicas.S.
Exc. o Sr. presidente da provincia llcou inteira-
do pelo officio de 8 do corrente, sob n. 13 de
havarem sido sido por V. S. recebidas definiti-
vamente as obras de reparos das pontcs de Ca-
xang, Cairar, S. Joao, Nazareih e da recons-
lruct;ao do boeiro de Campia da Vassoura.
Ao 1 supplente, em exercicio, do delega-
do do termo de Bom Jardim.S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia manda de#arar a V. S.
que a communicaco constante de seu officio de
1 do corrente mez devera ser feita ao Dr. chefe
de polica com quem V. S. se corresponder
Ao gerente da Caixa Filial do Englisb
Bank of Rio de Janeiro Limited.S. Exc. o Sr.
presidente da provincia manda aecusar o recebi-
mento do officio de V. S, de 7 do corrente acom-
panhado do balancete e das operac&es dessa
Caixa Filial effectuados no mez de Janeiro ul-
timo.
ttiroiim, resolve notqffr pjg^Jjpavago rg^pecti
(.y ^irfl "*_ damesn
O presidente da provincia,%Uendendo ao
que requereu o capito da 5 companhia do 7
batalhao de reserva da guarda nacional da co-
marca de Pao de Assucar. na provincia das Ala-
goas, Ignacio Jos da Silva, e tendo em vista a
uia de que trate o art. 45 do Decreto n. 1130
e 12 de Marco de 1853, da qual consta haver o
supplicante cumprido o disposto no citado art.,
resolve designar o 64 batalhao de infantera da
guarda nacional da comarca de Aguas Bellas
nesta provincia para a elle ser aggregado o re-
ferido official.Communicou-se ao commandante
superior da guarda nacional da comarca de Aguas
Bellas.
O presidente da provincia resolve nomear
para os lugares de 2 e 3o supplentes do juiz mu-
nicipal e de orphlos do termo de Leopoldina o
capitao Honorato Honorio Ribeiro Granja e Ray-
mundo de Oliveira e Silva.
Aos noraeados lie;, marcado o prazo de dous
mezes para presterem o juramento do estylo.
Commun*:ou-se ao juiz de direito de Salgueiro
O presidente da provincia attendendo ao
que requereu o juiz de direito da comarca de
Goyanna, bacharel Geroncio Dias de Arroda Fal-
cao, resolve concede r-lheom mez de licencacom
os vencimentos a que tiver direito, afim de tra-
tar de sua saude, aereado entrar no goso da li-
cenca no prazo de 15 dias.
O presidente la provincia, attendendo ap
?ue requereu o promotor publico da comarca de
acarat, bacharel Jos de S Cavalcante de Al-
buquerque, resolve conceder-lhe tres mezes de
licenea, com os veucimentos a que tiver direito,
afim de tratar de sua saude, devendo entrar no
goso da mesma licenea no prazo de 40 dias.
O presidente da provincia, tendo em viste
o termo de exanie, annexo por copia, ao olficio
do inspector interino do Arsenal de Marinha, de
houtera, sob n. 24, do qual conste haver John
Agustus Sraall prestadD exame de conformidade
com o art."3 do decreto n. 1324 de 5 de Fevereiro
de 1854 e obtido approvacao unnime dos exa-
minadores para servir de 4o machintsta de bar-
cas a vapor, ordena que ao examiaando se expe-
ca a competente carta de habilitacao, na forma
do art. 5o das inslrucces que baixaram com o
decreto n. 2600 de 2 de Junho de 1860.Com-
municou-se ao inspector interino do Arsenal de
Marinha.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Alexandrina de Albuquerque Arau-
io, professora publica do sexo femiuino na Casa
Forte, tendo em viste a informaco n. 47 do in-
spector geral da InstruccSo publica, de hontem
datada e o attestado exhibido, resolve conceder
petecionana dous mezes de licenea com or-
denado, para tratar de sua saude onde lhe con-
vier.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o 1* sargento do corpo de policia
joaquim de Azevedo Araujo Pinheiro, resolve
conceder-'he 60 dias de licenea com o respe-
ctivo sold para tratar de sua saude, devendo
entrar no goso da li ornea no praso de quinze
dias.
0 presidente da provincia, tendo em viste
o officio do juiz de paz, presidente da junta do
alistemento militar da parochia de Nossa Senio-
ra da Assumpco de Cabrob, de 14 de Janeiro
lindo, do qoal se verifica tereui o subdelegado
do respec'vo districto, Antonio Pires da Silva e
o parocho 'da mesma freguezia Emilio de Moura
Ferreira Santos, deixato de|comparecer sessao
da referida junte, sera motivo justificado, resol-
ve de conformidade coai o g 3o do art. 122 do
regulamcnto annexo M decreto n. 5881 de 27
de Fevereiro de 1875. impor-le a multe de..
B080O. Fizeram-se as necessarias communi-
ca6es.
Officios :
Ao Dr. chefe de policia iaterino. Remet-
iendo V. S. copia do officio que em 30 de Ja-
neiro ultimo dirigio-rae o fiscal da Companhia
Recife Drainage acerca da collocacSo de appare-
lhos obrigatonos no permetro da planta appro-
vada para execucao do contracto de 18 de De-
zembro de 1865, recommendo a V. S<|ue, to
mando em consideraco o assumpto desse offi-
cio, providencie em ordem a ser prestado auxilio
policial para a collocai.ao de apparelho no pre-
dio n. 23 da ra Marcilio Dias. Communicou-
.-e ao fiscal da Companhia Recife Urainage.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
tramunico a V. S., para os fins convenientes,
que o juiz municipal e de orphaos do termo de
Taquaretinga bacharel Manoel Tobas do Reg
Albuquerque assumio no dia 5 do corrente mez
o exercicio da vara de direito da comarca do
mesmo nome.
Ao director do Arsenal de Guerra.Auto-
riso V. S., conforme solicita em seu officio de
hontem datado, sob n. 334, a transferir os apren-
dizes artfices desse Arsenal constantes da re-
relacao annexa ao seu citado officio, para a com-
panhia de operarios militares, ficando a ella
aggregaJos, at que o Exm. Sr. ministro da
guerra, a quem submetto o meu acto, ordene o
destino que devem ter.
Ao mesmo.Devolvendo o incluso requeri-
mento e mais papis de Alfredo Gomes de Oli-
veira, que acompanharam o officio dessa dire-
ctora, de hontem datado, sob n. 335, autoriso
V. S. a mandar alistai na companhia de apren-
clizes artfices d'esse Arsenal, quando houver
vaga, o menor Belrairo Gomes de Oliveira, ir-
rnao do peticionario, urna vez que se ache as
condigoes do respectivo regulamento o referido
menor.
Ao inspector geral da Instruceo Publica
Chamo a attencao de Vmc. para o facto de
uchar-se o professor da villa de Correntes, Ma-
noel Carlos Vital, nesta capitel, de onde dirigi-
me a peticito junta, datada de 28 de Janeiro fin-_
do, competentemente informada por essa raspe-
ctorid, solicitando tres mexes de licenea, venft-
eando-se por isso a r ypothese do art 190 do
regulamento de 18 de Janeiro de 1888, que
con/ere a Vmc. a faculdade de impor pena disci-
plinar ao professor que abandona sua cadeira.
'este data remetto ao promotor publico da
comarca de Garanhuns, copia dos papis respe-
i tivos atim de proceder como de direito, visto
constituir o abandono de emprego crime publieo
previsto no artigo 167 do codiso criminal. Offi-
eiou-sc ao promotor publico da comarca de Ga-
ranhuns remetiendo copia deste oflicio e respe-
ctivos papis.
Ao mesmo. Uendendo ao que requereu-
me Arthur Octeviano da Silva Ramos, alumno-
mestn titulado pela Efcola Normal, recommen-
do a Vmc. que fia posta fiffl concurso a caceira
de ensillo primario do Kd masculino do Poco
profesor. *. ,
Assim respondo ac s:u officio n. 46, de Hon-
tem datado.
director gera1 das obras pubiicas.-
das obras em an-
leu-se a repeito nos termos da
JRcipou-me o tenente Manoel Jos de
Cnire Vilella, ter hontem assumido o ex-
ercicio do cargo de subdelegado da fre-
gueaia de S. Pedro Martyr de Olinda.
Communica o subdelegado de Palmares,
por telegramma de hontem, ter sido alli
preso o individuo de nome Jos Candido de
e Oliveira autor do furto de urna mala, per-
tenctjpte ao acadmico Jeronymo Vrez,
chegaft a este-porto no dia 17 djjyoorrcntc.
e b m assim apprehendido pari^TO^bjec-
toscontidos em dita -mala: facto este de
que tratou o Jornal do-Mecife de domingo
ultimo.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Groes, muito digno presidente da provin-
cia. O chefe de policia interino, Daro
Cavalcante da Reg Albuquerque.
DIARIO DE PERNAMBUCO
s do districto do Arraial da regBezia do I Envi me Vmc. urna relaco
Poso da Panella, Fraacisco Jos Guedes de La- damento e das projctadas, declarando os no
19 DE
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA
FEVERED10 DE 1889
Francisca Coimbra dos Santos.Informe o Sr.
inspector geral da instruego publica.
Gerente de London Brazilian Bank Limited.
Remettido ao Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial para observar o contracto na plrte a que
se refere este petigSo.
Gremio Litterario e Recreativo Panellense. -
Encaminhe-se, pagando o supplicante o porte no
correio.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 20 de Fevereiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
2.'
Repariico da Polica
seccao.N. 194Secretaria da Po-
licia de Pernambuco, 20 de Fevereiro de
1889. Illml e Exm. Sr. Participo a
S. Exc. que foram hontem recolhidos
a Casa de Uetenclo os seguintes indivi-
duos :
A' minha ordem, Heleodoro Jos Igna-
cio dos Prazeres e Juvencio Bezerra de
Mello, vindos de Tigipi como vagabundos.
A' ordem do subdelegado da freguezia
de Santo Antonio, Manoel Mendas Juliao,
Luiz da Rocha Ramos, Manoel Pedro da
Silva, por disturbios e uso de armas de-
feza; Jacob Manoel do Nascimento e Se-
bastin Antonio da Silva, como vagabun-
dos.
A' ordem do do Io districto da fregue-
zia de Afogados, Joao Coelho de Mello,
por disturbios.
Hontem s 5 horas da tarde, no Hippo-
dromo do Campo Grand^ na occasiao em
que diversos jockeys c^javam cavallos,
aconteceu cahir um dos mesmos jockeys
e ficar com urna perna fracturad*.
O subdelegodo do districto de Blm
tomou conhecimento do facto, a mandou
transportar o offendido para o hospital Pe-
dro II, afim de ser medicado.
Retrospecto poltico do anuo
de 1888
POLTICA 1'ARIICI LAR DOS ESTADOS KUR0PES
(Coninuag ao)
Dessa ventura as urnas tirou o deputedo do
Norte argumento favoravel ao projecto da refor-
ma constitucional que, em sessao de 4 de Junhoi
apresentou na cmara dos deputedes. Lendo a
justificafo dos motivos da sua proposta disse
elle:
As vigorosas manifestaces eleitoraes de
que tenho sido alvo, impoem-me o de ver de in-
dicar-vos o que ellas, no meu conceito, expri-
mera. A Franca, experimenta, ha annos, um
profundo mal-estar; n&o goza da tranqnillidade
a que tem direito; quer, pois. mudar de regi-
gimen."
Estas palavras provocaram exclamares no
centro e na esqutfrda. Mahy diz que sao incon-
stitucionaes, que nao podem ser toleradas na
tribuna. Boulanger proseguiu, todava, calma-
mente na sua leitura, interrompda de principio
a ta pelos apartes que se cruzam entre os di-
verios membros da assembla, por violentas re-
clamacOes, por ditos jocosos e picantes.
Na parte critica, a exposico reproduzia, com
certa ampliacoes, jfdiscurso de Naquet no jan-
tar do caf Riche. Disse o orador, ou antes o
l|or, que as causas do mal do paiz eram a im-
frepriedade das instrtuiecs nacionaes e urna
concepcSo absolutamente falsa da repblica;
que esto nao devia ser propriedade de ninguem,
que todes os francezes tinham direito ao seu go-
verno, mas que desgracadamente essa verdade
nao tinha sido comprehendida pela igreja op-
portuniita.
E' preciso separal-a do estado, grite An-
drieux.
Pedimos a carta ao duque d'Aur le, res-
ponde ferinamente outro deputedo.
Esse partido -continua o gene e sem-
pre a repblica como cousa sr uziu-a as
condigoes de um grupo- Este !odo avivou
as disenses, que, podendo sei tecundas, de-
ram pela mesma razo, origera a um conflicto
perigoso para a propria existencia nacional. As
denominagOes de conservador, progressista ou
radical s3o destituidas de sentido. Pode-se ser
urna cousa ou outra, sem que se seja adversario
de urna forma de governo que abrange todas as
opiniOes, como todos os cidadaos. Nao ha no-
me mais comprehensivo que o de republicano.
Ser republicano, ser amigo da justica e da li-
berdade de todos.
Referindo-se s eleicOes de 1885, arguiu Bou-
langer que ellas raostraram do que era capaz o
rgimen de feico dos opportunistes ; que os
tres milhes de votos alcangados pela opposicao
n3o constituiram urna manifesteco monarchica,
mas um protesto contra um estado de cousas
intoleravel Os suffra^ios de Ai3ne, Dordonha
e do Norte nao tiveram outra signilicacao, posto
que exprimissem terabem um sentimento patrio-
tico que me honra e constitue a minha gloria
Devia ter dito isso quando foi ministro! -
exclamou Rouvier.
Ha tres mezes nao pensava e m nada do
que esta dizendo! accrescentou Tony Rvillon.
Admiram se de que eu tenha obtido votos
de republicanos e tambem de conseavadores.
E' que uns e outros experimentam os mesmos
damnos, soffrem dos mesmos males, o seu patrio-
tismo feriilo confunde-se em um so grito.
Depois o ex-ministro da guerra comparou os
desgostos de quasi todos os departamentos
com a inercia parlamentar.
Affirmou que anacao quer reformas, e que o
parlamento nao pode dar-lh'as pelo systema de
que procede; que nao faz mais que excitar am-
igoes e embarazar os bons designos. A consti-
tuicao de 1876, para o general, nao republica-
na, nem democrtica; a reahsacao do parla-
mentarismo oligarchico, e no o s*lf government
Na sua opinio o parlamentarismo supp6e :
um corpo cleitoral apto para coahecer de todas
as questoes que lhe forem sujeitas ; urna repre-
MOHB90 homognea e imparcial, nicamente
inspirada no bem publico; ministros escomidos
ent-e os mais dignos, e que juntem as qualida-
des profissionacs a autoridade do carecter e o
prestigio do talento; um chefe de estado que
vele pelas funeces desse mecanismo; o poder
nos mSos de urna classe privilegiada, formando
sempre dous partidos, em lugar da multiplicida-
de de divises consequentes do suffragio uni-
verso!, que elege representantes aos quaes
nem sempre conhece, e isto por confiar em pro-
gramlas que esses representantes esqueccm, e
sao ohrigados a e9quecer, sob pe de tornarem
aiuda mais instaveis os ministerios.
Ha le Ci,nfesar-se que o ideal politico de
Boulanger 6 um tanto ob-curo, confuso e soffri-
velmente contradictorio comsigo mesmo. li-
mis fcil destruir que construir; e o autor, da
exposicSo ou memoria, cerno cuamou Clmen-
c eau ao discurso escripto do general, tinha com
muito antecedencia preparadas nos arsenaes
realistas e imperialistas as melhores balas da
sua critica. Com effeito, a imprensa e a tribu-
da^ reaccionarias j havlam dito milhares de ve-
zes e por milhares de formas, muito antes da
agitcao boulangiste, desde que a terceira re-
publica ficou definitivamente fundada, que os
ministerios no podem ter poltica propria e
duradoura; que sao agentes servs das coalises
que os levam ao poder, e a quem pagam com
favores e deploravel escolha de funecionarios,
porque os deputado3,.em vez de seguirem urna
poltica nacional, entram no palacro Sonrbon
para servir as ambices de grupos.
Mas, ao menos, os monarchistas sao coheren-
tes. Para elles'o advento da to desejada polit ca
nacional s pode dar-se mediante a resiauracao
do governo de Julho, na pessoa do conde de Pa-
rs, ou como novo imperio do principe Jeronymo,
senao de seu filho Vctor, grave questo que an-
da este por decidir. E por isso que pedem tam-
bem, e com tanto ardor como os boulangistas, a
dissolugao da cmara, a consulta ao paiz, a re-
forma da constituico ; e tudo isto pelas mes-
mas razOes que invoca o general, porque
preciso substituir completamente os alicerces do
poder, porque a Franca est fatigada e aborre"
cida de um rgimen de corrupeo, mentira e es-
terilidade. Em consequencia dessa uniformi-
dade nos sentimentos e as censuras, que em-
quanto o conselho municipal de Paris, os depu-^
tados do Sena, quasi toda a extrema esquerda, a
mocidade das escolas e o partido dos operarios
protestavam contra o boulangismo, era este fer-
vorosamente apoiado por todos os corypheus dos
velhos partidos, por Mittchell e Cassagoac, como
pelos condes de Martiraprey e de Mun, os du-
ques de Faltre e de la Rochefoucauld.
Entrando na, parte orgnica de seu trabalho,
Boulanger pergunta se a nova constituico deve
dar um presidente repblica, imitaco dos
Estados-Unidos, ou negar-lh'o, segundo o exem-
plo da Suissa ? Pessoalraente inclina-se ao pri-
meiro alvitre, mas a assembla nacional decidi-
r em ultima instancia, 0 que preciso que
o chfe do poder executivo saia da posico en-
colhida e nulla em que a con ^ituigao o collocou,
A responsabilidade ministerial o aviltamento
desse poder. Nao ha peor rgimen que o das
collectividades. X' cmara .cumpre legislar e
nao governar. 0 p esideute da repblica deve-
ra ter reios de oppor-se promulgico das leis
de iniaativa parlamentar.
Quinto ao actual senado, posto que es teja in-
camara e at que
restricto, istoe7
do direito de resistir
ura, nomeado por voto .u.v.
leitores sen mandato; constitue, portan-
a derogaco dos direitos do suffragio uui-
, que n8o pode ser mantida. O general
ia desapparecer sem saudades, nem des-
por isso que nada representa, nem ser-
ne para cousa alguma. Se todava quizerem
conserval-o a'pretexto de ponderaco, necessa-
rio dar-lhe um?. base mais larga, fazendo-o ele-
ger directamente oelo paiz ou por qualquer modo
que a assembla coastituinte determinar.
Esta assembla tem, realmente, de ver-se em
serias difficuldades para satisfazer as divergen-
tes e encontradas aspiracGcs de tantos refor-
mistas. Quando Boulanger apresentou o seu
projecto de revisao j ha va na cmara boa meia
duzia de propostes do mesmo gernaro, e todas
mais ou menos differentes entre si, quer
as clausulas, quer nos intuitos. De moda que
nem por esse lado era original o procedimento
do deputedo d<5 Norte. Antes delle tinha o im-
perialista Jolibois, alm de outra pedido urgencia
para a discusso do projecto da sua lavra.
Floquet respondeu exposicSo do program-
ma boulangista, qualificando-a severamente.
Clmenceau e Basly quebraran! langas para que
o general nao obtivesse a urgeneja pedida. Fo-
ram satisfeitos : a cmara negou-a por 359 vo-
tos contra 181. Tambem resolveu, a requeri-
mento de Manoel Arene, que fosse affixado o
discurso do presidente'do conselho.
A maioria nessa importante sessao corapoz-se
exclusivamente de republicanos dos diversos
matizes; a minora de todos os deputados reac-
cionarios presentes e mais 22 membros da es-
querda. Alguns destes ltimos eram j boulan-
gistas conhecidos. Entretanto, o insuspeito F-
garo dizia mais ou menos o seguinte, a propo-
sito da agitago promovida pelo general e seus
amigos:
Por mais perigosa que parega a continuado
do actual/egimen, a reviso apresenta-se em
taes condigoes de incerteza, os conservadores
acham-se, apezar das suas declaragoes officiaes,
to desaccordes quanto ao principio inicial e
resultados finaes dessa reforma, que nao se pode
pensar sem certa hesitago na lucta a que ella
vai arrastar-nos.
(Contina.)
SCIENCIAS
ilioso motivo
le si
INIHAH 1
r*A
Quesies philosophlcas
A FINALIUADE
Numeri regunt munium.
(PlTHAGORAS.) >
Cauta efjictens causa finolis.
A ordem e harmona que apresenta a parte do
universo que dado ao homem conhecer, a re-
gularidade de certos phenoraenos, a relagio de
causa a elfeito com que o erpirito humaio pode
ligar certo numero d elles. a analoga apparente
-que existe entre taes resultados os que o ho
meti^obtem, quando para um h*m determinadj
utilisa-se das leis naturaes que descobrio, o tem
levado a at'ribuir tal ordem e harmona a um
ser intelligente e omnipotente, que tem creado o
mundo e mantem aquella ordem.
D'ahi a concepgfio dualista, do universo crea-
do por Deus e.mantido por elle, que serve de
base a todas as religies.
Essa ordem e. harmona, resultantes de leis
manifestadas pela propria natureza, nunca fo-
ram postes em duvida. Cali enarrant glorutm
Dei, dizia o p&almisla, Cicero, no seu tratado
X
de natura Deorum, v n'ellas valia
para acreditar-se no poder d'aquelle seres hy
pematuraes; e os compendios de philosophia
orthodoxa (Philosophia Tneologtm aeda) as clas-
sificam 4ktrc as pravas posteriori da existencia
de Deus.
Por outro lado, desde o principio dos lempos
verdaderamente histricos, que para nos, no-
raen&rda civilisago occidental, comprehendem
apenas 25 seculos, houve quem nao se. satisfi-
zesse com a h ypothese geral mente aceita de um
ser hypernatural creador do mundo e mantene-
dor da ordem e harmona que n'elle tranapare-
cem e apresentesse outra hypothese mais sim-
ples.
Foram os sabios d'aquelle tempo, os philoso-
phos ou amigos da .-ciencia cojos escriptos nao
chegaram al nossos dias,'mas de quem co-
nhecemos as opiniOes. pelo que d'ellas nos re-
ferem Aristteles, Plata, Herodolo, Diogenes,
Plutarco, Cicero e outros escriptores mais mo-
dernos.
Aristteles, no seu tratado de physica, nos
diz que a escola inica, fundada por Tales de
Mileto cerca de 600 annos antes da nossa era,
chegara pelo orgo de Anaximandro a identifi-
car a forga creadora e mantenedora com a pro-
pria natureza, que considerada em sua totalida-
de era o proprio Deus ; cocepgao este essen-
cialmente unitaria, qoe pouco difiere da que
formulou o filustre Spmosa 2,300 annos mais
tarde, na sua ethica ordine geomtrico demostrla
e da que sustente hoje Hceckel sob a denomina-
gao de monismo, pois tanto val absorverDeus
na natureza cerao a natureza em Deus.
Cicero em seu tratado de finibus. refere que
meio seclo depois de Anaximandro, Leocippe
e Democrito, tambem philosopbos gregos, e
continuadores da escola de Thales, considera-
vam o mundo como formado de tomos mate-
riaes, coio attributo essencial o movimento, e
que comninando-se, de accordo com certas leis
que lhes sao inherentes, forraam todos os corpos
existentes. Era monismo puro ; mas logo no
meiado do V seculo antes de Christo, Anaxago-
ras, mestre e amigo de Pericles, reinstallava o
Dualismo, accrescentendo concepgo atomsti-
ca, para trnala eompativel com as crengas re-
ligiosas, a de um ser nao material independente
do mundo e que lhe imprime o movimento !
Plateo e Aristteles sao dualistas declarados;
embora um dos discpulos do prinfeiro, Strato de
Lampsaca, professasse, que a hypothese dos
Deoses desnecessaria para explicar o mundo,
como se v do seguinte fragmento das Acad-
micas : Lampsacenus Strato negat opera deorum
se uti ad fabrkandum mundum; quacumque autem
sunt docet omnia esse effecta natura et quid quid
ant sit aat/iat naturalibus fieri aut factum esse do-
cet pondertbus et motibus.
Emfim, no IV seculo antes da nossa era. Epi-
curio, de cujos escriptos ainda existem alguns
fragmentos, e cujo systema acha-se exposto por
Titus Locretios Carus em seu poema de rerwn
natura, renovou a hypothese atomstica e meca-
nica applicando-a a universadade dos pheno-
menos, e embora admittisse Deoses, recusava-
Ihes qualquer ingerencia nos phenomenos da
natureza, pelo que ambos sao legtimos pre-
decessores de Hmckel e dos outros pensadores,
tempes modernos leem sustentado a
ocepgo unitaria do universo a despeito dUJB'
que a intolerancia religiosa lhes fazia cor
levaram fogueira o infeliz Jordaoe Bruno
sei se os philosophos gregos, de quem"
tratfi mais cima, attribuiam, ao que chamavam
universalidade dos phenomenos, o mesmp senti-
do em qne empregam os hoje essa IocugSo, que
para nos exclue completamente o chamado ocaso
e deixo aos eruditos a solugo desta duvida ;
mas errerto que j antes do principio de nos-
sa era, as duas grandes hypotheses, do unita-
rismo ou monismo e do dualismo, pretendiam
dar a razo de todos os phenomenos do univer-
so, e da ordem e harmona que elles apresentem,
a primeira poi meio de forgas e leis inherentes
ao substracto dos mesmos phenomenos, a seguD>
da pela intervengSo de um ser independente
creador e mantenedor d'aquella ordem.
A concepgo moderna do Cosmos, a que im-
pe-se a inteligencia de todos os pensadores a
par dos progressos das sciencias physico-cbv-
micas e biolgicas, pouco dijfere em sua base da
hypothese imaginada ha 2.300 annos por Demo-
crito e Leucippe, adoptada por Epicurio e ex-
posta no poema lucreciano.
Segundo a sciencia actual, todos os phenome-
nos do Cosmos sao devidos a' urna forga que poe
em movimento, de accordo com certas leis eter-
nas e inmuta veis, tomos materiaes irapenetra-
veis, insecaveis e indestructiveis.
Sero dita Torga e leis propriedades inheren-
tes a natureza dos tomos, como pensavam Leu-
cippe, Democrito, Strato e Epicurio, e sustentan
hoje Hceckel e seus discpulos cora verdadeira
intolerancia de t,ecterio, ou devero ser attribui-
das a um ser independente que as impoz a to-
mos por si inertes e as maatem ?
A sciencia nao repelle nem este nem aquella
hypothese ; cumprindo apenas i: taria tem a seu favor ser mais simples e respei-
tar o principio de Occam entia non multiplican-
do sunt prater necessitatem, e a dualista est
mais de accordo com as crengas do geral Sa hu-
man idade. s ^
E- certo, que nao conhecemos estes leis pri-
raordiaes da evolugo do Cosmos, cuja intelli
gencia nos desveudaria, com os mysterios do
presente, os do passado e do futuro, e que ahypo-
these dualista e tii impotente como a unitaria
para esclarecer-nos a respeito Mesmo pelo que
toca a nossa pobre humanidade, ignoramos, si o
progresso que nella descortinamos ser continuo
ou si, depois de attingir certa mete, ser segu-*
do de urna retrogradaco. como acontece a todos
os organismos que nos cercara e s cossas pro-
prias individualidades. Ignoramos si o homo
sapiens o ultimo termo da evolugo dos verte-
brados ou ser substituido algum dia por outro
ser mais perfeito. Ignoramos etc., etc.
Entretanto, quaesquer que sejam estes leis
desconhecidas. logo que ellas existem, quer in-
herentes ab eterno aquelle subtracto dos pheno-
menos a que denominamos materia, quer im-
postas por um poder externo que mantem a sua
execucao, os resultados que dellas dimanam po-
denam ser previstos por quem as conbecesse e
por conseguinte a evolugo do i osmts verifica-
se segundo ura plano, e pos-o accrescentar se-
auingo um plano intelligente pois o que zensti-
fue a intelligeucia, do homem a faculdade de
ligar os phenomenos pela rclacao de cansa a
eneito. ,. ,
Entendida por esta forma a finaudade na evo-
lugo do Cosmos verdade intuitiva para quem
tem'em qualquer grao o espirito scientilico ; e.
apresenta-se como consequenci.i toreada da con-
cepgo unitaria ou mecnica do universo, sem
comtudo conliadizer o dtralismo, que cora ella
accomoda-se perfeitameute
O proprio Htecke! nao pode contestar Ij^cl-
m'iote esta conseqwnria las dmtrinas qu'i pro-
fessa; e si se lhes apresenta ouirario. pjr que
aftgura-'se que toda e qual raer (lnaliilade fpro-
veita ao dualismo que seu du n le. o que nao
exacto, pois a admisso da liualitla-le n;.o pre-
supp5e um creador externo e a,i na- lei
taveis cujos resultados podessem -
por quem os con liecesse.
Quanto ao arg ment, tantas
tirado da existencia de o
ios, dita ej.istencia
algu;n de um plano, qt
at hoje < aescouhei
leis inhejfeiea aos tomos

r


%
iem|te


w
v
!

2
.
de PernambucoQuifttatfeira 21 de Fevereiro de
9ssms
m, peftBafla*tc o nreamo myslero aewta o
m que se pode chamar divino na Jtfmtaese
enlista. O que se tem imaginado, e dado' como1
ertencente a dito plano, nao pfssa de pbauto-
i inspiradas-petos precoflceitos anthropomor-
ta e aathrapooaatricoa de que os-espiritos
lis livres custam a deserabnracar-se comple-
aasneiitc ffos factos citados porHmckcl olhos
ne nio ^em, msculos que nada moVem," nao
odera ser adduzdos para contraria!- urna "
fiad; completamente descoahtwda.
miraigo, casas 'lipre i Mi sa igUmmut,
joucc aprecio as leSegoes-iem fastsetajue-
ndoc inio podetfesolTOf; mo, pbHm, mt5*H
ilustrado cOMHidaNfbraM lazar granea caso
_j opiniesaterMulBTflrpego liceaeaparsHepro-
cir aqui alfa* tnaanos do escripto qua-aquiN
fe notavul naturalista- publicou sob o titulo de
. Acolhimenle#eito a orHwm d*8--espaetes de
Jtarwin, poPa**am 4lcs bem potivoseai pro
4a these que b*n dfcoeWDr. Arrt Or-
tando. Ellos:
A scieucia exige de seus adeptos, como acto
e fe, a confisso da univereahdade da ordem
go (principio de* causalidade) em qualquer
noca e circumstancia. Esta confisso e acto de
japorque em razo da natureza de semelhantes
osigoes, a sua veracidade no susceptivel
Dnstrago. Entretanto, esta f nao cga,
feional, porque a experiencia a continua in
; rariavelmente e ella constitue o nico fundamen-
- -4a de qualquer acto.
Hais adiante, alludindo nica oncepco do
aaiverso aceitavel no presente estado da scien-
.ia. e reproduzindo alnimas linbas, publicadas
< ma 1869 sob o titulo The Geneology of animis,
'He accrescenta:
Este concepcSo consiste em que o noeso
i osado orgnico e inorgnico o resultado da
aefo reciproca, de conformidade con leis cer-
. las, das energas ou potencias das molculas de
. se oompunha-se a nebulosa primitiva que ge-
na o nosso universo. Sendo isto verdadeiro,
.:-. aao menos certo que o mundo actual existia
jtualmente n'aquelle vapor csmico e que urna
.' teigencia sufncientoniente conhecedra das
, praprieaades de taes molculas tea podido
r r exemplo. d'ellas deduzir o estado de fauna
i *tr Bretanha em 1869 com a mesma certeza
. .'tieso hlito n'um da fro de invern.
Os pontos de vista teleologico e mechanico
ira natureza nao se excluem mutuamente de um
tando necessario. Pelo contrario.
E' o.que eu4ambem pens. Tenho f comple-
, t na univwsalidade, de lei de causaco. Para
< um nao ha phenoraeno astronmico, physico.
'"'^sychico ou social, que nao seja consequencia
h sais ou menos prxima d'aquellas leis primor-
A-naes .quer se as considere divinas, quer inhe-
- asertes aosubstratuio material dos mesmos pheno-
aefiost e que por consequencia nao podesse ser
revisto por quem conhecesse aquellas leis. Se
.. alo nio basta para constituir um planoe um pla-
na intelligente, nao sei o sentido qae se deve li
- pu a semelhantes locucOes.
, H. A. Milrt. ,
VARIEDADES
AMOR E BNHEM)
POR
t,
-i*K XIX
(Continuatao)
X de noite, Paulo e a Sra. Duchanin conver-
aram perto do fogao, no dia seguinte ao do
-**-
Anda nuilo formosa, a velha mi tinha se ador-
ase para elle s.
Anda o pequeo raulo tinha orgulho d'ella.
Aolyceu, quando ella o ia visitar durante o
i 3b. sc bem que elle fosse apeaas moio-pensio-
arta, experimentava urna especie de orgulho,
|Baudo oscamaradas murmuravam com admi-
. ssfo: a formosa senhora Duchanu est no
famtorio.
Agora empoaia-se como as velhas marquezas,
e que tinba ablegantes e altivas maneiras.
S nessa noite, maternalmente garrida, traba
icstido o seu lindo roupao de damasco debruado
e ouro, abrindo sobre um peitilbo da rendas
Paulo gostava de fallar de litteraua e de
coahecia tudo quanto se imprfce e se
He. A mSi chamava-o s vezes seu filho
-artista Tratava-se. pois, de aHK-nTe bom gosto, primeiro meio de oxMn-
^errar.
A Sr.o. Duchanin nao perdeu lempo.
Com toda a roragem comecou :
Nao estou nem doente nem cansada, como
* disse : mas que.-ia licar s2comtigo. Logo o
acobeste, nao e verdade ? 4
Pauto des\iou os olhos sem responder.
Nao perderei lempo em rodeos, continuon
fia. A nossa salvaeao depende de ti. Catha
rea Parsollier ama-te e exactamente a mulher
'afopm eu desejava poder dar o nome. de lilha.
, Paulo fez am gesto indescriptivel. Ainda
taco por Therea, nao podiatregaar-ae quelle
acrifcio.
Ami continuou -
Conhe^o ha muito lempo o obstculo : 6 a
Sra. de Marian, tua amante.
Hila ultima palavra, passando pelos seus la-
Ibs, tomava taf expresso de sereno desdem
^ePaulo ficou gelado.
Uavia um ponto em que se nao confessava
ella mulher irapeccavel. Tinba entretanto a
a parte de responsabilidade naquella aven
..jiorque nao tinha visto sem prazer enr^tro
* mapo a ligaco de Paulo com urna mullir titu-
-, de muito oa familia e cuja fofVna solida
i "'inri a independencia.
>iia ento, ,de si para si, qu^o amor da Sra-
4e Marian preservara seu liUfo das loucuras da
ocidade, dos desvarios ruinosos para a bolsa
* para a saude.
i timila tinha-se conservado sempre em boas
naaces eom a moi
Oepoif de urna d^forosa pausa, Paulo munnu-
Se euajbandonar talvezella ">orra
A velha fretezouo corpo e a suacabeca levan-
*--* fcrjberba na sua dignidade de mulher
*> Meu tilho. disse ella com urna inflexj
uao deixava de ter urna certa mageslade,
n cipeoeott e cinco annos respeitando osmeus
Quando urna mulher e provada como
M a Sra. de Marian. os meus ensinaram-me
Deus lhe reslava como nico e supremo
riecurso.
Se oor acaso a mulher se desvia do cami-
akK> recto, o seu quinho e soffrer-lbe as conse-
wacias, visto que lhe aceita as vanlagens.
' fio posso ter d della l^ra fundar urna Tami-
fe, preciso urna mulher honrada, incorrupli-
m no futuro e pura no passado. Eis como se
v urna familia de gente honrada. Tanto tea
gae como eu temos comprehendido a vida des-
ae modo, eis o motivo por que nos respeitamos
, for que nos continuamos a amar depois de
"'Bariiia e quatro annos de casamento.
lima familia de gente honrada I Esquecia a
aaftier amada Aquella palavra cruel as cir-
tancias presentes, fez-lhe subir urna lagri-
aos olhos. Passou lenta e pesada atravez os
fechados, depois deslisou solitaria pela face
A Sra. Duchanin estendeu-lhe os bracos. Pau-
llevantou-se e approximou-se della.
- Como em outro tempo, como nos das de in ,
tocia, cj u oc oiou acabeca no coracao ma-
jKalao, assustada com aquella lagrima de ho-
MfD e com aquella efusao que lhe restitua o
Bk.de o Sra. Duchanin sentio abala-
bjb- ic(,es da vida.
I*la primara vez no seu coracno de mae e de
3H i, penetrava a comprehei
SB -uf r'-ir^s iodulgencf
^Therexateria gn tudo: Obrigada! Toma tudo.
Os pt'uto e setnu e oito mil francos da proprie-
fladB, tttdd maiS't Sou Wa millhor e o leu bem.
Quero partilbar i; tuas probabilidades de fortu-
na, boas ou ms
Eis-o que elle nao faria dalli em diante. A
moca senta afundarem-se em volta della todas
as esperancas passadas. Ento pensou que era
de seo dVe- preparar urna solucao. Pnmeiro
recapitulou a sua. fortuna, elaborou planos de fu-
fUiro.
BtAmuni'fWTiWiitufMaa' newiario acabar com
quete mierave egoco dos vinte e meo
mil Inncos e sal rar a sua propria dignidade.
Depois vera c me havia de fazer.
Astle lioras iln manh,aSntedeMarian man-
dava poro carrc'.
17, ra Cuatro de Setembro.
XXI
O Sr. Li* Boux compulsava uns autos wolumo-
os qaandose alnio a porta do seu escaiptorio
Com oso!W*Blho rrTegado.j preparava-Tmi ser-
mi duro contra o intruso.
O empregado mo lhe deu tempo para /aliar
Entregou Ine um -artao de visita explicando:
Eu bem aflirraei que o senhor nao esteva
no escriptorio Mas, com urna expresso de
energa particular,^cuja tristeza me impraask*-
non, esta senhora disse-me ento : Veja se o
Sr Le Roux nao \oltou para a casa por minha
ausa, accrescente que insisto porque tenho um
servido por lhe pedir.
Isso differente. O senhor dir Sra de
Marian que para ella, com efTeito, estou sempre
aqui, respondeu Andr Le Roux. *
Thereza entrou.
Como os caracteres rectos, impellidos por
um sentimento justo, a nioca bata a boa porta.
O Sr. Le Roux compriraentou-a com urna phra-
se de cortezia. O som da voz dava-lhe o seu
valor real: urna sympathia disposte a correr em
si-u auxilio. Porque elle connecia o que eram
resolucoes. A qnt se lia. na attitude tranquilla
da Sra. de Marian, devia ter urna gravidade par-
ticular.
CBiddosara.Mite vestida, como de costume,
tinba quasi o rosto de todos os dias ; com um
Souco mais de fneza, comtudo, na expresso
us labios, e um iinperceptivel toque de .severi-
dade nos oUios.
Primeiro a moga tirou de urna carteira um
respeitevel maco de notas do banco e come-
gou :
Aqui est, meu querido Sr. Le Roux, de
que se trata. O Sr. Paulo Duchanin...
a
rlam mais besa advogtdos por aquelle bom ho- iDioi;
mem do que por ella mesma ? lBraca a
O Sr. Le .Roux calculou cento e vinte mil: reir.
Antonio Francisco das Chagas e a
[uarda-civica)4n. 15, Jos Heoorio Per-
despezas de escriptura doze mil, qumze mil de
concertos.
A senhora gastou cento e quarenta e seta
mil uwncos. Podemos tornar a vendl-o fcil-
mente por cento e setenta e cinco mit francos :
lucro liquido : vinte e oito mil frascos. 6m-
pra outra cousa ?
Certaaeate, reipniia ella.
nmtmftUiate 1 .
Nao. A-cas* HaMtagl fi tonada para
as propwfDW de ftoii qe j4 nao- existe,
disse etla-cam unwuabMftBta tranfuade, de
que o tahellio comfMMMlu o dotaros, aleant
ce. Quero um palueosiebo-commodo, iMstante
grande para que eu possa-ii raetber um- nume-
ro imitado de coafcecid; uao lisse-4e ami-
5os mas deve pedir pouco pcnoal. fMkeflro o
inheiro i*olso e naW)Mro)MaplHita mi-
nha vida. *.
Talvez que eu possa arranjar o seu neg
ci no bairro Monceau.
Muito bem.
Cento e vinte mil francos. Discutiiemog
ainda e talvez que ganhemos a metede das des-
pezas da escriptura. .Picar eoin o.neceaaio
para se inslallar coe um bom lucro. A Sra.
condessa leve urna boa idea. Ja tinha pensado
nisso muitas vezes.
O discreto rosto do tabellio 'xprimio'o cuida-
do absoluto pelos interesses da cliente,
onferio alguns clculos e conclnio :
E' uim boa medida.
(Contina,)

m
RKVISTA DIARIA
jpuxa
k de :
ntllh
a .
tw
r
tqi'lla hora, os mysterios da
i para pila.
offrer o contra-cho
Ifnor, no coravao de
out -a
-ua honm perdida pDr
leiro, durante'a qual >eu pae
.^^ndo na beira da -
XX
lo Rosque, o primeiro sol da
cfba no ar o perfume das 8ei
kf*lieav*:u pelo lago, alongando o
Um ligeiro moviinento das palpebras trahio
attenco mais intensa de Andr Le Roux.
Vio-o ella f ou seguio a sua idea sem se preo-
cupar com o que pensavam os outros ? A sua
voz nao enfraqueceu. nao teve nenbuma entoa-
co particular. A moca pronunciou aquelle no-
mo como se Ibe fosse estranho. Nao sendo m-
terrompida Thereza, continuou:
O Sr. Paulo Duchanim procura urna som-
ma de vinte e cinco mil francos pagaveis em
curto praso. Sou je isto pur acaso. Seja qual
fr a amizade que tenho...
S a palavra amizade passou com difficulda-
de, pareca ferir-lne os labios.
-... o meu desojo de servir, no rae per-
mute ouerecer-lne este somma directamente.
Poda o senhor mesmo emprestar-lh'a?- O que
eu desejava que nao lhe deixasse suspeitar a
minha intervenco.
-r- Isso tanto mais fcil, minha senhora,
quanto lhe recusei essa somma quinta-feira pas-
sada.
Bem, ento o senhor pode mudar de deci-
so?
Certemente.
E dar-lhe esta'dinheiro o mais breve pos-
sivel... hoje mesmo ?
Hoje mesmo. Permita rae apenas que lbe
observe.-
Thereza interrompeu-o com um gesto.
Esquecia-me le lhe dizer urna cousa, que-
rido senhor. que me preste o servicp gue lhe
peco sem commentarios, sera pergunlas e sem
conselbos.
O Sr. Le Roux inclinou a cabeca.
Sem commentarios, minha senhora, respon-
deu elle coma mais absoluta dedicago.
Nessa mesma larde de segunda-feira de Pas-
choa, a ondessa-de Marian janteva em casa de
Arnaud Btancard.
Alguns dias antes, quena desculpar-se, pre-
textar urna doenca.
Depois das suas ultimas resolugOes tomara o
partido de frequentar a sociedade e de preparar
as radicaes traasfonuacOes que meditava.
Pelaprimeira vez. viram-a em toda a sua bel-
leza. O seujespirito alegrou o jantar que a mo-
notonia ameacava no comeo.
Quando o aborrecimento comecava a pairar
por sobre os ricos convivas. Tbervza tinha orna
sahida fina e alegre que fazia sorrir mesmo os
mais preoecupados.
Quiz agradar e conseguio-o.
Os donos da casa cintempl
lho ; Thereza bastava para a al
nio.
Quando se levanlou da
do toda a gente.
Ao passo que a raaior^arte dos homens se
couservavamainda na sabidos fumantes, as mu-
Iberes e alguns ap.iixoi/los do sexo que flearam
junto dellas por causrda Sra. de Marian, come-
caram a tegarehyr" sobre tudo e sobre todos,
contando os m^s pequeos incidentes da este-
go. f
De repente de urna cadeirade bracos em fren-
te de Thafeza urna voz alegre exetamou :
SSmem a grande noticia ? Parece que os
Dui-Jnanin vao outra vez ficar por cima. O filho
c^sa com a pequeua Parsollier.
Nao possivel, respondeu um janota estu-
pefacto : ento o pai Parsollier perdeu a cabe-
ca? Os Duchanin nao fin nm sold.
f,Ora adeus, a j>equena Catharina lem por
dous.
Em todo o caso um casamento ridiculo.
Eu nao acredito nelle, disse outro.
A Sra. condessa, que conhece os Duchanin,
perguntou sem maliciaura grandepersonagem
magro e muitt) condecorado,acredita que isto
seja verdade ?
- Caro .Sr. Rougemonl, -respondeu Thereza
com calma perfeitasou muito discreta. Se eu
soubesse dos negocios dos meus amigos, nao os
conlava.
Algumas boas almas olharam para ella, afim
de saber se os boatos que corriara sobre a in-
timidade da moga co Paulo Dachanin erara
fundados.
Nunca se vio mais perfeita indifferenca.
Ora vejam como o mundo mo t
Thereza verificou a calma das pulsaces do
seu coracao. Lotige de chorar o amor perdido,
a moca experimentava um allivio. A obseca$o
da espera quotidiana ia acabar.
Quera que fallara abi em amores eternos i
Estara ella ver ladeiramente curada daquelle
horaem.. daquelle amor. c para sempre f
XXIII
Prevenida logo naquarta-feira noite por um
bilhete do Sr. Le Roux que Paalo tinha o dmhei-
r* e pensando que o mogo ia emfim voltar, diri-
gio-se casado tabellio para dar occaal i o
moco de tomar a p>r no 3eu lugar e na sua au-
sencia os vinte cinco mil francos.
Poz a chave do contador muito em evidencia,
correndo mesmo Mitigo pelo lado dos criados.
Seo Sr. Ducianin vier, recommendouella
quando sahio, pecam-lhe que me espere no gabi-
nete.
conquista-
A-tM da presidenciaPor actos de U
do correte mez :
Foi BBOieado delegado littrario do districto
da Boa Vista, vago pelo fallecimento do bacha-
rel Pedro Alfonso de Mello, o bacbarel Pedro
Celso Ucha Canteante.
Foi exonerado a pedido o tenente coronel Ma-
noel Joaquim de Aquino Mello do cargo de dele-
gado de Flores.
Por officio da mesma data-mandou-se o The-
ssouro Provincial restituir a Gentil Crrela de
Gusrao a quantla de 39*090 que pagou iliegal-
mente de imposto.
Autoridades ploiclaesPor portera da
Di-esidencia da provincia de 19 e proposta do
Dr. chefe de policia de 18 do correrte 1oram no-
meados :
ara os lugares de Io o t suroUitas do de-
legado do termo de Gloria do Goit o tenente
Vicente Mara de Hollanda Cavalcante e aos Cy-
priano de Souza Pimentel, na ordem em que vo
collocados, em substituigo-ie Joo de Souza Cos-
te e Antonio Bezerra de Medeiros. que nao pres-
tarara juramento.
Para o lugar vago de i* supplente do subdele-
legado do termo de S. Loureoco da Matta, o ci-
dado Alfredo Garrett.
Vaculdade de iMreitoNo dia 1 de
Marco prximo Jvifldouro abrir-se-ba na secreta-
ria da Faqpl ':iae de Direito a iuscnpco dos
alumnos que quiairem cursar as aulas da mes-
ma Faculdade, terminando essas tinscripcOes
para o 1" anno do curso em 31 do referido mez
e para os demais annos a 15 do mesmo mez.
Festejo carnavalesca -Alguns mem-
bros da commissSo encarregada de promover fes-
tejos carnavalescos na ra Duque de Caxias
reuniram-so antehontem tarde no escriptorio
do Di*. Barros Carneiro, e sob a presidencia do
mesmo, resolveram augmenten o numero dos
membros d coramisso para com mais facilida-
de levarem a effeito os referidos festejos.
Eis os nomes Jdos cavalheiros cora que foi ac-
crescentada a commisso :
Antonio Ferreira da Silva.
Albino Goncalves de Azevedo.
Alexandre da Ponseca Fernandes.
Alexandre Loqjbs de Mediis.
Antonio Silveira Gomes e Silva.
Antonio da Silva Couto.
Pharmaceutico Francisco Dias da Coste.
Francisco Moreira Nctto.
Joaquim Tavares Ferreira Barboza.
Jos Antonio Fernandes.
Jos Mendonca.
Jos Pereira Bastos.
Matbias Lima.
Pedro Antunes.
Rodrigo Carvalho da Cunha.
Assassinato da raa do Imperador
__Foi ante-hontem concluido e hontem remetti
do ao Dr. juiz de direito do 2 districto crimi-
nal d'esta capitel o inquerilo procedido contra
Manoel da Paixo Ramos, aecusado como autor
dos ferimentos feitos em Pedro Regaard, na
noite de 9 para 10 do correte.
'"umpre agora, ainda urna vez dizemos,. fazer
cahir sobre o cynico criminoso a aeco da ii
exemplo da sociedede que precisa w
us y
es.
litulagSo do inquerito feito pelo ,1-
Luiz de Serra' Cavalcante, subde-
tezia de Santo Antonio ;
esse dioneiro levado pu
acast
Bons dias, meu caro tabellio, disse ella
com (ravidade risonna e calma estendendo-lh a
moz.nha. POde coucederrne um pouco do seu
tempo esta manb 'f
Sempre tenho tempo" para a Sra. tmdessa.
Encontrou emprego para os seus cento c setenta
e oito mil francos ? Tinha justamente urna coma
para lhe olerecei i ia lhe mandar Fougerol.
Olirigada, disse ella simplesmente rindo,
ande l, leuis s aple~
Conv rsaram alguna instantes sobre cousas
indifferentes. Depjis a Sra. de Marian come-
cou :
Quero upproximnr me do mundo dos vivos.
AMuette es' morfttioieftte inste, la camodo
le invnio f|e magua e de aborrec
o. PodW-me -ncontrar fcilmente um ooD-
prador para o meu palacio, t *
Justamente un destes dias, ama familia me
pedio cousa se,uielhante Por quanto o quer
tender!
Vinha consultil-o.
A Sra. condessa pagou cento e vinte mil
francos por elle. Nos zemos-llie obra quando
liora se installou no valor de quasi quinze
mil francos, nao verdade T .
noca igiiorivi a importancia, mae alm
\ intil, f o lhe dava ella carta branca,
certa, com razio, de que os seue interewes sa-
ca para i
Eu
feres .-
legado l
IWC.AP'.TCLAQAO
Do presente inquerito, no qual, alm do
auto de declaracOes feitas por Laurentina Maria
de Jess de lis. 2 a 4, depozeram mai3 tres tes-
temunhas de fls. 19 a 26, verilica se que, s 10
1/2 horas, pouco mais ou menos, da noite de 9
para 10 do correte, o individuo Manoel da Pai-
xo Ramos, dirigindo-se ra Duque de Caxias,
em frente ao sobrado n. 33, em cujo l1 andar
mora Laurentina Maria de Jess e ahi dando um
assobio eonvencionado para se conhecerem e ao
3ual acudi Laurentina apparecendo na varanda
e sua casa, cjnvidou a para que descesse, alim
de ceiar em sua companhia no hotelGlobo -,
sito uas proximidades, declaraco feite por Lau-
rentina no seu depoimento. o qual de summa
importancia, porquanto nelle se en contra a nar-
racio completa de todo o crirae commettido por
Manoel da Paixo Ramos no dinamarquez natu-
ralisado brasileiro, Pedro Regaard. que nao era
allemao como se acha declarado no interrogato-
rio a que respondeu a fls. 7. Esta inexactido de
seu deiwiraenio verilica-se em todos os mais as-
se.iilamentos relativos sua pessoa, no pasa-
porte, na car a de naturalismo e no proprio
hospital, quando deu-os na noite em que foi re-
colhido. ... .
E conforme se v do depoimento da mesma
Laurentina, depois de ter ella accedido ao con-
vite de Paixo Ramos, dirigiram-se arabos ao
hotelGlobo -onde juntos ceiaram, sahindo de-
pois e ainda juntos pela mesma ra, para o lado
da Primeiro de Mar^o, por onde seguiram e
onde deu-se o commettimento do crime ao che-
garem ra do Imperador.
Os objectos encontrados e pela mesma Lau
rentina reconhecidos como pertencentes a Pai-
xo e com os quaes eslava elle na mencionada
noite, coinprovam as suas declaracoes. Nenhu-
raa duvida pois ha sobre o autor dos ferimentos
feitos em t'edro Regaard, o qual-no dia seguinte
.relies vet a fallecer, segundo se v do corpo
dedelicto de fls. 8e8 v.
As testemunhas accordes em seus depoi-
mentos contirmam e completam as declarayoes
de Laurentina, nica testemunha de vista,* uias
que fornece todos os esclarecimentos necessa-
Ao interrogatorio a que respondeu Paixo,
firma-se elle em ter passado a noite do commet-
timento do crime, jogaiido Bisca em casa e em
companhia de Manoel Jos Ramos, na ra da
Roda, onde este estabelecido, quando ho seu
depoimento, Manoel loS Ramos diz, que na
noite do commettimento do crime, fechando ale
seu estalielecimento, dirigio-se para a travessa
da Matriz n. 18 oude passara toda a noite de 9
para 10 em companhia de Tranquilino Mafaldo
inca Magalbaes, Manoel FertoBata da in,
negociantes na cidade de Limoeiro, Mana Rosa
da Silva e Joaquim de tal, estabelecido coiu ho-
tel na mesma cidide e que somente ao voltar
pela maulla ao seu e-Uilielecimento, que encon-
irou Manoel da Paixo llamos, all anegada ha-
via pouros momentos antes, elle con-
vidado para assistir a fest da varzea,
disse Paixo Ramos que se diriga, dbmrite a are
Manoel Jos Ramos, nao aceitn, conforme
declara tudo em seu depoimento de Os. li a
l..v.
Est, pois, evidenciado que os ferimentos
feitos em Pedro Regaard na noite de 9 para 10
do corrente e dos quaes veio elle, a fallecer no
da seguinte, tiveram como autor Manoel da
Paixo Ramos.
. Como testemunhas na forniaco da culpa
podem ainda depor orno iateiro conheced
do fado, os Srs. Drs. Jos Maria de Albuquerque
Antonio Pedro'
Mello e Demetri.
i*aes. tenente
reir.
Imperial naarlnbelrs Ante-hontem,
s 40 horas da noite, foi preso, no restaurat da
travessa do Queimado n. 1, o imperial mari-
okairo Antonio Lourenco dos Santos, pertencen-
te tripulaco do patacho Guararapes.
Esse individuo, em completo estado de embria-
guez, praticou varias diifbruras
(Nana do Barao da^ietoi-ia.jOKOam tpedra
tHrtienino, quasataHttaao-o.
Nrua iro Fogo oMtou por- trra a porta da
caa*de urna marafena, r-tatrando como una
baaba tudo destruio, arrebentasdo movis e
roeai-ando ceos e terra-oom a faatoa qnsteva
armado.
pois d'essas e.a oatraB",prcK:zas, foi o tal
imperial marinheifa*comer>e*bebep no iaticado
restaarant, onde a ioto/-CTunwrfsadiel-o
EUee uorem, resista a priso, faantdaa-go*nde
alarido e espalhafato. Alinal foi preso e reco-
lhido detenco.
vuiioH da Olysmpo Este 3sociedade car-
navalesca em sessao de-hontem deliberoureali
sar a sotree do corrente anno no dia 4 de Marco
no palacete da antiga academia de Olinda o ele-
geu as s?guintes'commis96es e directora :
Directores
Presidente -Capito Castro Vi le la.
Secretario -Hortencio Bessoni.
ThesoureiroAntonio Martras Pereira.
Directores de sala
Leodegario Padilha
Joaquim Manoel do Reg Barros.
Tenente Francisco Silva,
Recepco
Joo Antunes Filho.
ntonio de Pinho Borges.
Phileinon Restier.
Manoel Cruz. r % +
Joaquim de Parias Heves.
Fernando Cezar.
Juvino Barra!.
Dr. Caetano Costa.
Alfredo Gama.
Reconhecimento
Dr. Ges Cavalcante.
Francisco A. Pacheco.
Dr. Bernardino de Senna Dias.
Meipomene oiindeasePara eleger-se
a nova directora esta sociedade rene-se na se-
gunda-feira 23 do corrente, s 6 horas da tarde
em sesso de assembla Mal.
tiabinete Porlucuez de Leitnra-
No prximo domingo, 24 do corrente, s 11 ho-
ras do dia, davem reunir-se em assembla geral
os socios do Gabinete Portuguez de Leitura, para
elegerem alguns membros da respectiva admi-
nisiraco.
Ferro-via do atlbeiro ao Bonito
Em assembla geral devem reunir-se a 28 do
corrente. i hora da tarde, na praga Pedro II n.
73. os accionistas da emprezu da ferro-via do
RibeirSo ao Bonito, alim de darem cumprimento
ao disposto no art. 27 dos respectivos estatutos.
Instituto Arqueolgico e Geogra-
phico Pernarabarano -Moje, 1 hora da
tarde, reunem-se em assembla geral os mem-
bros da Instituto Archeologico e Geographico
Pernambucano. para elegerem a nova directo-
ra que tem de servir no anno social de 1889
1890.
Companhia IndentnisadoraEm 28
do corrente, ao meio dia, devem reunir-se cm
assembla geral, na respectiva sede, os accionis-
tas da Companhia de Seguros Indemnisadora,
para o duplo fim de apreciarem o balanco, con-
tes da direceo e parecer da commisso fiscal, e
cumprirem o preceituado no 2 do art. 27 dos
estatutos da companhia.
Recreativa (omnrrrial-A socieda-
de desse nome faz o seu sarao trimestral no dia
24 do corrente (sabbado). Para essa feste tem
sido expedido muitos convites.
\omrit praprio* o Sr. Feliciano Eleute-
rio do Horison te Brazileiro com paz e publicou
um diccionario dos Jnpmes propros de homem
e de mulher cscriptos de conformidade com a
pronuncia verncula.
Obsequiou-nos com um exemplar, que lhe
agradecemos.
-Tribunal do Jury do HecifeDeixou
de ha ver julgaraento hontem neste tribunal por
sO ha verem .comparecido 29 juizes de fado.
A's il horas da manh, presentes o Dr. An-
tonio-Domingos Pinto, presidente do tribunal, o
Dr. Joo Joaquim de Freitos Henriques, | pro-
motor publico e o capito Florencio Rodrigues
de Miranda Franco, fez-se a chamada e nao
achando-se presentes juizes de facto em numero
legal, foram multados em 201 os que faltarara
e adiada a sessao para hoje s 10 horas.
Hontem s 9 horas da manh, reunidos no
paco da (amara Municipal os Srs. Dr. Joaquim
da Costa Ribeiro, juiz de direito do 1 districto,
Dr. Alfonso Otindense Ribeiro Jde Souza, 2* pro-
motor publico, coronel Corbiniano de Aquino
Fonseca, presidente da Cmara e capito Fio
rancio Rodrigues de Miranda Franco, escrivo
Srivativo do jury, fez-se o sorteio dos 48 jura-
es que tem de servir na segunda sesso ordi-
naria do jury convocada para o da 18 de Marco
prximo.
Foram sorteados os cidados seguintes :
Recife
Luiz Alfredo de Moraes.
Santo Antonio
Dr. Manoel Enudino do Reg Valenca.
Antonio Rodrigues de Souza.
Antonio de S Leito.
Ignacio Joaquim de Souza.
Antonio Macario de A-sis.
Arphelim Jos da Coste Carvalho.
Manoel Felippe Pimentel.
Flavio Jos Bterra Cavalcante.
Tenente Francisco de Paula Mafra.
Ricardo Luiz da Cunha.
Jos Gurgel do Amaral. ,
S. Jos
Albino Leite de Farias.
Tenente Jos Luiz Netto de Mendonca.
Capito Joo Carolino do Nascimento.
Boa- Vista
Luiz Manoel Viegas.
Modesto Leopoldo Xavier Bustorff.
Miguel Foutoura
Manoel Luiz de Siqueira.
Antonio Soares da Rocha e Silva.
Jeronymo Jocundo da Silveira Mendonca.
Capito Manoel Goncalves Pereira Lima.
Alcides Lauro Accioli.
Manoel d Silva Bastos Jnior.
Dr. Manoel Gomes Viegas.
Julio Calar Paes Barreto.
Dr. Virginio Marques Carneiro Leo.
Arthur Goncalves Ferreira.
Jos Joaquim Pereira.
Manoel Roberto Botelho.
Joaquim Pedro do Reg Cavalcante.
Luiz Augusto Moreira de ''arvalho.
Dr. Jos Nicolao Tolentino oe Carvalho.
Gmya
Salustiano Bezerra Baptisla.
Antonio Ignacio do Reg Medeiros
Francisco Joo de Barros Jnior.
Dr. Avres de Albuquerque Gama.
Eutimio Erasrao Moreira de Mendonca.
Fabio de Albuquerque Gama.
ifogados
Archias Lindolpho da Silva Mafra.
Francisco Manoel da Fonseca Rosa.
l'Ofe
Joaquim do Reg Barros Pessoa.
Dr. Paulo Jos de Oliveira.
Francisco Jos Moreira.
Dr. Elpidio de Abreu e Lima Figueiredo,
Francisco Raymundo de Carvalho. -i
Varzea I
Thomaz Lins Caldas. j
S. Loar, ngo
Dr. Joo Francisco Xavier Paes Barreto.
Lanierna Mgica istribuio-se hontem
o ii. 2i8desie peridico livre e humorstico.
Pedrada-Hontem, s 4 1|2 lioras da tar-
de, na ra Vidal de Negreiro.4, da paroebia de
S. Jos, o individuo de' nome Jos de tal. ferio
levemente com uina pedrada que fracturou o
. Luiz Antonio Per eir, com quem alli
i disputa
O delnqueme evadise.
Associaco Medico Pharnaaeeutica
PernambcanaHoje u'esta associaco e
a hora do costume iaver sessao.
Paisamenc4p)eu hont -m alma ao crea-
dor. Ru'ina Maria da Couceico, presada 'ta do
ir. Dr. Augusto Lopas de Assumpco Pessoa.
Foi victima, de una leso pulmonar que zom-
bou dos recursos scientilicos empregados -para
debehal-a.
Ao seu enterramento concorreram innmeros
amigos do Sr. Dr. Lopes Pessoa a quem damos
nossos sinceros psames.
Servico militarEsto designados para
superior do da hoje o Sr. capito Manoel Ansel-
mo, e para ronda menor o Sr. alferes Manoel Fe-
liciano.
A guarni(;o da cidade dada boje pelo 14"
batalho de infantera.
As guardas da Tiesouraria e Palacio sero
commandadas hoje por 2 Srs. oflkiaes do 2o ba-
talho de infamara.
Na enfermara militar, existem em tratemento
34 payaslososrposdaguarnicJo.
Hoje vai ser inspeccionado de saude o Sr. 2'
cadete 2^ -sargento Jos Armando da Cunha, por
ter requerido licanca para matricular-se na esco-
la militar que vai ser creada na provincia do
Car.
No requer ment do soldado do 14 batalho de
infaotaria.4it)inJQando da Cunha freir Pedrosa,
em tratasmto na enfermara militar, -pedindo
permissao^iara- aguamar deciso de sua baixa
em seu quartal visto tersido jlgado ineapaa do
servico do exercito, deu S. Exc. o seguinte des-
pacho : como pedeem vista das informacOes.
Forara entregues ao 2o batalho de infamara,
rubricados por S. Exc. os ajssentamentos de pra-
ca que servem de scuza ao soldado Felismino
Francisco Xavier que.obteve baixa do servico por
concluso de-tempo, e bem assira os prets espe-
ciaes por duplcate pertencentes ao mesmo.
Interesses da intmlgracaoL-se no
Pai'z da corte:
Durante o mez de Janeiro prximo findo, en-
traram no Imperio do Rio de Janeiro 11:763 im
migrantes, dos quaes 10:071 italianos, 1:253 por-
tuguezes, 213 trancezes, etc : 6.893 do sexo
masculino, 4:870 do feminiuo : 8:SOI maiores de
12 annos, 2:962 menores idem.
Desses individuas, 8891 receberam auxilio do
governo na hospedara da Ilha das Flores.
O movimento de sahida para fra do Imperio,
no periodo assigoatado, est representado pelos
segntes ajgarismos: 2(4 para a liuropa, 19
para o Rio <|a Prata ; o que somma 283.
Sahiranydesla corte para se estaoVlecer em
differentes pontos do paiz 11:818 immigraotes.
cujos destinos foram os seguintes : Minas Ge-
raes, 5:300: S. Paulo, 2:551 : Rio Grande do
Sul, t:615; Rio de Janeiro, t:106; ?anta Catha-
rina, 855: Espirito Santo, 285; Paran, 56;
Baha, 13 ; Amazonas, 5; Para, 5; eroambuco.
1. Toranram destino ignorado 26; licaramnesta
corte 337.
Durante o mesrao mez, a entrada no porto de
Santos foi de 8:910 inmigrantes, sendo italianos
7:916, hespanhoes 519, portuguez 411, etc : ho-
mens5:092, mulheres 3:818: maiores 5:269, me-
nores 4:641.
Recebemos, pois, em Janeiro, nicamente pe-
los dous portos cima mencionados, um total de
20:673 imraigrantes.
. Directora das obras de eonserva-
eo dos Portos de Pernambuco Reci-
fe. 19 de Fevereiro de 1889.
Boletim meteorolgico
Luiza, Pernambuco, 7 mezes, Graca ; eclamp-
sia.
Manoel Marcal Rodrigues, Pefnanrbuco, 20 an-
nos, solteiro, Santo Antonio ; febre perniciosa.
Joaquim Raphael, Pernambuco, 25 annos, sol-
teiro. Boa-Visto ; cancro na pharynge:
Carolina Francisca Rangef, Pernambuco, 5f
annos, viuva, Boa-Viste ; volvulo.
Vicente Ferreira Gomes, Cear, 40 annos, ca-
fsado, Boa-Vista: tubrculos.pulmonares,
dosepha Maria da Conceiao, Pernambuco, 24
annos. viuva. Boa-Vista ; diarrhea.
Jos Miguel dos Anjos, Pernambuco, 30 annos,
6olteiro. Boa-Vista ; entente.
Joaquim Vinssimo dos Santos. Pernambuco,
15 aunos, solteiro, Boa-Viste; cacliexia palus-
tre.
Ignacio Mandes da Silva, Pernambuco, 48 an-
nos. Casado, Graca iiai rliea.
Joaona, Peenambuoo-, 80 annos, solteira, S.
Jos paral ysia.
Francisco Pedro de Mello, Pernambuco, 42
annos, solteiro, S. Jos : congesto cerebral.
Cirneme, Pernambuco, 18 mezes, Poco ; den-
tico
Hilario Manoel Monteiro, Pernambuco, 73 an-
nos, solteiro, S. Jds ; insuficiencia mural.
Angelo Joriolano de Mello, Pernambuco, 46
annos, solteiro, Boa-Viste; tubrculos pulmo-
nar. *
Anna Al exandrina da Conceicc Medeiros,
Pernambuco, 58 annos, viuva, Boa-V'sta ; tubr-
culos pulmonares.
Horas H t** Barmetro a 0
6 m. 26-6 759-69
9 28-5 760-91
12 30-6 760-51
3 t. 30-6 758-81
6 28-8 759-12
* 9
Tensoj
do vapor
20,47
21,23
22,20
22,20
21,23
I
9
82
72
68
68
72
Temperatura mxima 31 ,09.
Dita mnima 26,25.
fcvaporaco em 24 horas ao sol: 6-,6; som-
bra : 6",2.
Chuva1-,4.
Direceo do vento : E de meia noite 1 hora
e 25 minutos da manh ; SE, ESE e E alternados
at 6 horas e 55 minutos ; SE, at 2 horas e 15
minutos da tarde; SE. ESE e E alternados at
meia noite.
Velocidade media do vento: 1-62 por se
gundo.
Nebulosidade media: 0,->l
Boletim do porto
(i 1 Dia Horas Altura
P M. B M. P M. B. M. 19 de Fever. > 20 de Fever. * 0-58 da tarde 710 131 da manh 0-.45 1",43 D-,43
LeilaesEffectuar-se-ho os seguintes :
Hoje:
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do
Mrquez do Herval n. 96, de urna armaco e
mais pertencas da loja de barbeiro ahi exis
tente.
Pelo agente Britto, s 10 1,2 horas, ra do
Rangel n. 48, de mobilias, fazendas e miu-
dezas.
Amanha :
Pelo agente Gusrao, s 11 horas, ra Mr-
quez de Olinda n. 48, de champagne, ceblas, be-
zerros, urna vacca tourina e outros artigos.
Pelo agente Silveira, s 11 horas, ra do So-
cego n. 27, de predios.
Missas fnebresSerio celebradas: ,
Amanh:
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela al-
ma de D. Joanna Guimares de* Menezes Furte-
do; s 8 1/2 horas, na igreja do Terco, pela al-
ma de Luiz Antonio da Silveira Tavora Filho.
Passageiros Sahidos para o sul no vapor
Irancez Vle de Baha:
Bernard Levy, E. G. Clement, E. G. Sulvian e
sua senhora, Jos Ferreira Jnior, Nicola Mr-
chese, Antonio Gomes Braga, sua sephora e 4
lilhos^ Manoel S. Silva Bulcao.
Reflniao socialHaver hoje a seguinte :
Do Club LiUerario Martins Jnior, s 3 horas
da tarde, em sua sede ra do Imperador n. 77.
i andar, em sesso extraordinaria, para posse
de sua nova directora.
Opcraro clrnrgica--Foi praticada no
hospital Pedro II no dia 20 do corrente, a se-
guinte :
Pelo Dr. Pontual:
Ext racciio de ura lipoma da nadega esquerda.
Casa de BeteacaoMovimento dos pre-
sos da asa de Detenco do dia 19 de Fevereiro
de 1889.
Existiam 436; entraram 8; sahiram 14 : exis-
tem 430.
A saber:
NacionaeS 397 ; mulheres 11; estrangeiros 22.
Total 430.
Arracoados 382.
Bous 361.
Doentes 20.
Louco 1.Total 382.
Movimento da enfermara
Tiveram baixa:
Jos Manoel da Souza.
Flix Gomes Ferreira.
Tiveram alta :
Porfirio Francisco da Cruz.
Antonio de Souza Almeida.
Foram visitados os presos deste estabeieci-
rento por 156 pessoas, sendo 77 homens e 99
""mulheres.
Hospital Pedro n 0 movimento deste
estabelecimento de daridade, no dia 19 de Fe-
vereiro, foi o seguinte;
Entraram 23
Sahiram 10
Falleceram T
Existera 571
Foram visitadas as respectivas enfermaras
pelos Drs.:
Moscosos 9,Cysneiro s 101j2, Barros Sobri-
nhos 6 3|4, Berardos 11, .Malaquias s 8 3|4,
Poutual s 9 1|2, Simoe3 Barbosa as 9 1[4 ho-
ras.
O Dr. Estevao Cavalcante nao compareceu.
O cirurgiao dentista Numa Pompilio nao com-
parecen. .
O pharmaceutico entrou s 8 ijl da manha e
sahio s 4 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrou as 7 lji
da raanha e sahio 4 horas da tarde.
TLoteria do Ciram-ParaA 3* parte da
26' lotera, dssa provincia, cujo premio grande
60:000.000, era extrahida, quinta-feira, 21 de
Pevereiro.
Cemiterio Publico -Obituario do da 19
de Fevereiro de 1889. '
Alice, Pernambuco. 5..annos. Boa-Vista ;
eclampsia.
Amelia, Pernambuco, 2 mezes, S. Jo-
mo.
L'm pouco de tudo
.Sobre a Casa da Moeda escreveu o Paiz da
corte de 10 de Fevereiro :
< 0 augmento que tem tido a cunhagem
prata, pelos motivos a que por vezes almdimos,
obrigou a nossa casa da moeda a trabalhos ex-
traordinarios para satisfazer aos pedidos dos
portadores do metal. Para aquelle estabeleci-
mento.dejfado, pela natureza do nosso meio cir-
culante, quasi em abandono, reduzdo a trabamos
de estampara e a cunhabem do nickel e do
bronze, a -ulula e insistente procura de moedas
de prata foi urna verdadeira sorpreza.
Nao causou porm embaracos taes que a sua
hbil administraco se entorpecesse. A casa da
moeda, com um pequeo augmento de verba,
cerca de 15:000, e sem despendel-a toda, satis--
fez aos pedidos do thesouro e dos particulares.
Para se conhecer os bons servidos que assim
tem prestada o digno director interino d'aquelie
estabelecimento. o Sr. Mximo Innocencio Fur-
tado de Mendonga, e do pessoal que diligente-
mente o auxilia, daremos o trabalno de cunha-
gem eflectuado pela casa da moeda o anno pas-
sado :
Ouro.............. 53:590*000
Prata.............. 1.71o:13#500
-Nickel............ 313:2485800
A tmHada cunhagem da prata l'compe-se
n estas parcelas era moeda de ?
SOOris........ 122:301*500
l*tX0........... 99:239*000
2*000............. 1.493:5764000
Em moeda de nickel a*sim se compoz o to-
tal :
50 res........... 7:6488O0
100 res.......... 147:900*000 '
900 ris........... 157:7008000
As moedas do ouro cunhadas foram todas de
lOOOO.
**.
Ainda nao expirou o velho re da Hollanda e.
j a imprensa europea comeca a tirar do olvido
algumas memorias piccarescas do re, cujo fraco
ou antes o forte, foi sempre o bello sexo.
A mais ruidosa de todas as suas aventuras foi
com Mrae. Musard. "
.Musard era m msico notavel, cujos concer-
tos lizerain poca tanto na Europa como na
America. Em Nova-York enamorou-se de misa
Eliza, a mulher mais formosa d'aquella cidade,
e, imagnese oque sera essa belleza para ter al-
gancado ser a fascinating beauty d'aquella ci-
dade.
Os concertos de Musard estavam em todo o seu
brilho, quan Jo, de repenle, o msico favorito de
Pariz abaudonou a batuta e foi viver para um pa-
lacete bem adornado e mobiliado e deiou car- '
ruagem.
Os peridicos dsseram que elle tinha reoebido
a heranca de um tio que morrera na America.
Mas ao palacete seguiram-se quantias de vinte
mil francos, diamantes magnilicos, o palacio da
Avenida de Jena, o castello de Villequier as mar-
geos do Sena e a villa do Grao-Duque de Tos-
cana, as raargens do lago de Como, que custou
200 contos de ris.
O ta da America era o velho re Guilherme de
Hollanda, que chamava a madam Musard, a sua
querida filha, a qual gostava lanto de diamantes
que dispuzera que quando moresse Ih'os espa-
ihassem sobre o corpo. A infeliz, porm, morreu
cga e quasi imbcil no melanclico hospital da
Dr. Blandir. Sic transit gloria mitndi.
Quanto aGuilfcerme, que j era velho quando
chamava lilha a Mrae. Musard e amava mais que
paternalmente aquella belleza divina, resisti ao
combate dos annos e das doencas, e dulciHcam-
Ibe a agona- urna mulher joven e bella, amada
do povo, e urna ilha de nove anuos, que deve
col locar a cora sobre os seus louros cabellos.
Da industria protectora de l, que, em tantas
regioes origem de importantes lucros, nao tem
curado a nossa provincia do Rio Grande do Sul
tx>m a energa e conflanga necessarias pros-
peridade de qualquer ramo de trabaiho. Sao
poucos os fazendeiros que all se dedicni ao
aperfeicoamento da l de maneira que o pro-
ducto no geral considerado como de qualidade
inferior. D entre estes fazendeiros destaca-ge,
segundo lmos na Federa$ao. o Dr. Victorino Ri-
beiro Carneiro Monteiro, o qual, tendo imp" 'ada
no seu estabelecimento doQuarahy m: nos le-
gtimos, e applicando especiaes cuidados pra-
duego dala, ha obtido dos ?eus t^PigenlM
esforgos resultados dos mais animad, res. '?
Tres qualiclades de l tpm produ/.ido a fazen-
da de Quarahy e a classificada em 3" lugar (ou
inferior) tem-se mostrado incont .-tnvelmente
superior que commum na provincia, A fo-
Iha cima indicada pondera com razac que tal
resultado muito para estimular os criadores,
tanto mais que a provincia offerecea-semelhante
industria todas as eondiges desejaveis de des-
envolvimeulo.
Na verdade nao nos fallecem, na vasta exten-
so do nosso territorio, elementos de riqueza.
O que occorre no Rio Grande do Sul. quanto
produego da la. d se do mesmo modo em mui-
tas outras zonas do imperio. Espirito de inicia-
tiva, bem dirigido, poderia em prazo curto cons-
tituir na produego de l fonte muito abundan-
te de riqueza.
No dia 20 do passado a bordo do paquete La-
dara, em viagem no rio Paran, receberam a
general Carlos Resin e o coronel Joo Bautista
do Reg Barros Cavalcante de Albuquerque,
coramandante do 7 batalho de infamara, sig-
nilicaliva prova de a prego e estima dos seus ca-
maradas.
Era o anniversario natalicio da esposa do ge-
neral, e do coronel Kego Barros.
O coronel Candido Jos da Costa, commandan-
te de brigada, reunindo toda a officialidade. e
com a banda de msica do 7, foi com primen tar
o general e o coronel.
Houve excellente jantar e sobremesa levan.-
tarara-se diversos brindes, sendo o primeiro do
major senhora do general e o segundo do ca-
pito Pacoa ao coronel Reg Barros.
O Coronel Candido Costa saudou o general
Deodoro e ao presidente de M^lp Grosso Dr.
Bandeira, que vai no mesmo vapor.
O Dr. Bandeira saudou a officialidade do ex
cito e o Dr. Autran, chefe de polica de Matto-
G/osso, tambem coinpaoheiro de viagem.
cas.
Foi .tambera muito felicitado o Sr. A-reira-da
Caoba, oommandante do paquete*
A' noite illumingu-se o tombadilho com pba-
res de cores e dangou se at s 2 horas da ma-
nh.
0 general Sean e coronel Re.gj Barrosa:.
, ni inifesMgo com i ea-
deram os seus eompanhei
X .lortisgo mnvida
ras de notes do g e 200* d
a leval-as ao troco na referida repai
r\e jU( i ate auno, jwrquanto u
laemdiaote sfffrera
lecidos no ait. 13 da
bro de 1886. que sao 09e.
DeJuIhoaSetetn&p *
DeOutubro a Desn>
Janeiro a.M
<
I
in
i

MUTHADO



\
De Abril a Junho
Era JnUio
Km Agosto'
Km Setembro
Em Outubro
Em Novembro
Em Dezerabre
Em Janeiro de 18W
Em FeTereiro
Em Marco
Em Abril
Em Maio
Em Junho
Em Juliio
Km Agosto
Em Setembro
Em Outubro
Em Novembro .
Em Dezembro
8'/.
10 ",.



raambucoQuiflterfeipai 21 de Feverair de 1889 i
iS
20
55
30
35
40
45
50
55
60
65
70
75
80
85
90
95
*
1

Nos paizes protestantes s luctas quondianas
8e ajuutam tambem as contestajes religiosas,
porque all a religio est submettida critica e
o hornera tem urna fonte nova e fecunda de ne-
Trosismo.
Entre nos a critica prohibid pelo dogma iai-
mutavel, e tambem quando a razio se rebella
contra a autoridade, nao acha por isso terreno
de disputas tendo o scepticisrao innundado por
toda a parle e sepultado tantas plantas que n'ou-
tra parte esto rigorosas c dao como a arvore
mystica do Paraso terrestre tantos fructos do
bem e do mal.
A este proposito o Dr. Beard com razio disse :
O protestantismo com a s suas subdivises
as mil uitn que d'ella derivam um elemento
que contribue para produzir as doencas nervosas
do nosso tempo.
O paiz catnolico nao omito nervoso e em
grande parle porque n'estes paizes o peso da re
ligio e supportado pela igreja emquanto que
nos protestantes este peso sourido por cada ra-
diviflno. D'aqui nascem as duvidas, as contro-
versias e o antagonismo entre os individuos de
urna me mu seita e entre as igrejas...'
Todos estas luctas, todas estas impaciencias.
todo este batalhar de elementos do co e da trra
no cerebro humano conduzem a duas grandes e
horriveis consequencias, urna theorica, Outra pra-
tica, isto :
A urna philo-ophia enferma.
A.urna vida pouco feliz.
A philosophia moderna, que sob diversas-esco-
las e por diversas vas degtruio a antiga apoiada
sobre dogmas religiosos, essencialmente novro-
sica e por isso pessimista ; e o pessimismo hoje
invade as escolas e de modo indirecto reflecte os
seus raios obscuros e frios sobre a litteratura e
as arles : o que alias 1160 o nico dos circuios
viciosos, nos quaes a causa se confunde com o
effeito e a'serpente morde a cauda.
Na embriaguez phantastica e voluptuosa do
opio e dos outros narcticos, depois das imagens
negree e esplendidas, apparecem as scenas te-
tricas e os quadros horrendos ; e assim tambem
em cada irauallio do cerebro embriaguez das
producces succede a cauceira e com a canceira
apparecem os phaslasmos negros do pessimismo.
E' esteum dos reductos inais inexoraveis da vida
e da naturvza.
A philosophia germnica, que est entre as pri-
meiras do mundo, nao pessimista, porque nas-
ceram na Germania Schopenhauer, Hartmann e
os seus discpulos i mas estes philosophos nas-
ceram e lizeram escola na patria de Arminio ;
porque os seus pensadores, depois de muito te-
rem pensado, vieram a ser nevrosicos ; e o ne-
vrosisrao. que em um hornera vulgar conduz a
bypocoodria e n'uraa mulher sensivel ao hysle-
rismo, qnando tem por coeficiente um grande ce-
rebro crea um ideas se ak-rupam, se crystallisam ao redor de
urna sement do pessimismo.
As raassas de nev que distrocm urna aldeia
teem por ongcm urna insignificante pedra. assim
muitos d'entre os mais conhecidos syslema3phi-
losophicos teem por origem a dyspepsia quoti-
diana dura grande pensador.
Na antiga Grecia, tambem soberanamente bella
e s, nao podia nascer o pessimismo, e at os
scepticos de entao erara alegres e epicreos E
muito menos podia nascer esta forma de nevro-
sisrao do pensamento era Roma, onde msculos
vigoroso.- e cerebros anda mais robustos traziam
os tbomes em acc3o e nSo destemperaram as
energas intellectuaes na analyse do Bu e na con-
templacao hypocondriaca dasvaidades humanas.
. O pessimismo philosophico dos nossos lempos
% a ullirnaco do nevrosisrao geral as altas es-
pheras. assim como o augmento dos suicidios,
das loucuras e das affeccoes nervosas tem a sua
pro va nos atalbos da vida quotidiana. Ramos al-
tos a ramos baixos, mas todos partindo d"um
mesmo tronc, a cante ira do systema nervoso, a
debitdude com erethismo dos nossos bous patho-
logos, eis o que peeoecupa a todos de cincoenta
aunos a esta parte.
O amargo desagrada a todos que o provam
pela primeara vez ; mas tristes de nos se com a
artificial eschola acosturaamns o paladar a pro-
val o. u .estudal-o e a amalo. Se a paixo do
doce mais espontanea, se acompanha as horas
ingenuas da infancia e da adolescencia, a pai-
xo do amargo mais teuai., mais intensa e po-
de durar tanto quaato a vida.
Os philospphos modernos prepararam o calix
amargoso da sua philosophia. e nos caucados,
aborrecidos de todo outro sabor, o tragamos.
Hoja ama se o amargo e eleva-se nyo nos
dr e tornam-se todos viciosos d'aqnelle absiu-
tho verde, que derrama-se nos clices e que por
fim arruina o estomago, o ligado e os ervos de
quem o bebe.
Entretanto, nao sentimos o toxico que penetra
no pensamiento como as aguas de ura rio em
que se farta um povo.
O absintho dos licoristas en toxica o copo do
individuo : o absiatho do pessimismo envenena
as fontes as quaes todos os lilhos de Adao pro-
cur.uii 1 par da f, ou o iris da esperanca, a
embriaguez dos enthusiasmos ou os hymnos da
poesa.
AmaUiigoemos 0 pemiamim'liiho do nevro-
8smo moderno, e procuremos arrancal-o dos es-
condirijos" do pensamento, e tratemos de dar ao
homem o ceu azul debaixo do qual nssceu a
beata vi sao de um crepsculo, que promette ou-
tro crepsculo irmo da alva visinha.
O pessimismo nao pode durar, porque, e con-
trario s leis mais fundamentaes da vida. E'
ura estadio passageiro da canceira nervosa, e
urna ictiriciS que dura emquanto 110 sangue cir-
culam os elemento** da bilis, que devero elimi-
nar-se por outra via.
A huinanidade inteira nao pode vir a ser pes-
simista, como nao pode ser toda hyslerica, e se
isto fosse possnel deveria suicidai-se toda, fa-
zendo desapprecer a rara humana da superficie
do nosso planeta.
No entretanto o pessimista reina e governa,
dura c reinar, e governar at que.o nevrosis-
mo se acabe. '
Os nossos jowmis, quando comeeam a
seacham em frente deste cruel dilcmma: qu
abracar cora os oihos fechados urna philosophia
escripia conforme os principios do dogma. 011
entregarem-se ao pessimismo. que. amaklira a
vida e chama-a um castigo da natuic/.a
E elle.- crescem scepticos e sem coraco, du-,
vidaiulo de ludo antes de terem couhecido o
. mal. p uisensiveis a ludo antes de terem lido
um nrM.fin. e os mvguicosos e inertes sao sem-
pre '- ipjr mais se accomodaoi ik> leil* ou an
t- ... iu fatalismo couituodo ao ocio
JL&ff-T do fatalismo turco sen por
fie. urna roupa philosophica que
de pen-amentos negacSo da
tana douirina ao passo
a retusa da lieram a patero*;
mais vergonbaso-de que 6 c-
ptame
se frios paizes. onde o pes.-imis
1 forma nevrosica do pensamento
are fecunda obras immortaes.
lo contrario, coefficiente do ocio
ra .lanas inutilidades,
loara os gyneneoe do Oriente : nova
iloulriuu d I que sacrifica o
ue tambara o amor urna bal
elicidade nao ama v era
no. Hipprodomo, Derby e Prado. Premioa ;
200* ao 1, 501 ao 2e 20* aa 3.
1* turma Orniond. Jatob, Ida, Aquidaban,
Traviata, Corsario, Phebo ex-Patife, Janota, Bis-
coutinho, Ferrabra.Roldao.Druid 2-, Meduza,
Sinabrus, Jonkopings, Rocambole.
2* tarma.ero, Dengoso, Licorne, Tuturub.
Boyal, Kissme, ex l'arbleu, Violaof Sneca, Bis
marek, Bilootra, Puns, Bocado, Arreda, Meteo-
ro, Breas, Vassallo.
2 PareoHippr%iomo do Campo Grande1.609
metros. -^Animaes de qualquer paiz. Premios :
600* ao Io. 150# ao 2" e 60< ao 3o.
Josephus, Price, Coupon, Olga e Ernani.
3* pareo Imprenta Pernambucana 900 me-
tros.Animaes da provincia que anda nao ie-
nham ganho premios nesta ou maior distancia
em nenhum dos prados desta capital. Premios ;
250* ao 1, 60* ao 2 e 25* ao 3 :
Cabrion, Job, Phebo, ex Patife, Theseu, Petit-
Caira, Tupminquini, Bonaparte ex-Vagabundo,
Vlete, ex-Rato, Jaboato, Orion, BoTachinha.
Fanfar. Orange, Brizzard, Etna, General.
4 Parco. -Progrmo. -1,400 metros. EgUas
at puro sangue. Premios :.350* a Io, 80* a 2',
35* a 3.
Olga,. Aspasia. Alpha, Gallia, Mascotte, Mi-
nerva.
5 PareoDerby Club de Pemambuco. 1.700
metros Animaes da provincia.. Premios : 300*
ao Io, 75* ao 2 e 30 ao 3
Traviata, Gracejo, Templar, Mouro e Monitor.
6 Pareo Prado Pernambwano850 metros.
Animaes nacionaes de menos de meio sangue.
Premios : 400* ao I-, 100* ao 2 e 40i ao 3.
Figafo, Favorita, Aymor, Recifc, Galatha,
Alpha. *
7 Pareo-Focid*.800 metros.Pequ i ras
da provincia com 1 metro e 30 centmetros no
mximo. Premios : 150* ao Io, 33* ao 2" e
15* ao 3.
Jagnary, Capeta, Sombrinha, Cavallico, Pacifi-
co, Bodinho, ex-Bentevi, Borboleta, Advance,
Borracho. Sudan, Bella Rosa, PUheria, Elctrico,
Boulanger Teimoso, Petit Ruy Blas, Sorvete.
Hoje s 5 horas do tarde sero medidos os pe-
quiras no llippodromo, correndo smente dentre
os dezesete os que liverem at 1 metro e 30 cen-
tmetros de altura.
Prado Misas Movaa
Coliocado em planato d'onde se desenrola aos
olhos dos espectadores com um golpe de vista
pelas verdejantes vaneas que Ihe fleam ao sap
a poucos metros de distancia da via-ferrea de S.
Francisco, 'incontestavelmenle o Prado Minas
Novas urna excellente distraeco, a qual offere-
ce todos os commodos, tendo urna arebibancada
para acommodar de 150 a 200 pessoas, muito
fresca pela sua locac&q, ensilbamento para
200 cavados, tendo a raia 750 metros, e tendo
sido feita a capricho, sendo a melhor da provin-
cia, exceptuando-se as da capital.
Frequentado todos os domingos durante a
construcco pela melhor sociedade tanto da co-
marca de Gamelleira como de todas as visinhas,
de esperar contine u ser um centro de agra-
davel distracgo tanlo para os agricultores como
para a sociedade das cidades visinhas, a qual
convido para a inaugurado domingo. 24 do cor-
rente, s U horas em ponto, recebendo-se as
proposta* no escriptorio do mesmo Prado (que
annexo archibancada), de quinta-feira at
domingo, duas horas antes da corrida. '
1*pareOfEstra650metros. Premilo*.
2* pareoCotegi 1,000 metros. Premio 30*.
3 pareoPinta -800 metros. Premio 25*.. -
4o pareoGrande premioJnauguraco 1,600
metros. Premio 60*.
5 pareo-^-Riqueza750 metros. Premio 20*.
6,pareqAmaragy 4,290 metros. Premio
35*.
7 pareo Ribeirao -700 metros-Premio 15*.
Nenhum pareo se realisar sem que corram
menos de quatro cavallos.
Urna archibancada 500.
Urna dita com direito a entrar para o ensilha
ment dous cavallos e um criado, 1*500, e com
direito a um s cavado 1 *000.
Os proprietarios de cavallos inscriptos goza-
rlo do mesmo direito que Ibes concdelo os ou-
tros prados.
O gerente,
Ignacio Lavalpaute.
iSj
INDICARES DTEIS
SPOR,J,
Hrppodroino do t ampo ramio
la i' corrida,
~ no domingo
prronO :
itda
iiham ganh.premio
Mdicos
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio aberto ra Duque de Caxias n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e desta hora em dian-
te em sua rssidencia ra da Santa Cruz
n. 10. Especialidadesmolestias de se-
nhoras e criancas. Telephoneai. 326.
Dr. Joaquim Lomeiro medico e partei-
ro, consultorio ra do "Cabug u. *14,
1." andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Burreto Sumpaio d consultas de
meio-dias 3 horas no 1.a andar da casa
a ra do Baro da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.a
andar.
l)r. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Advogados
O bachure! Witrunio Pido Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar.
O Dr. H. lxlet mndou o sen escripto-
torio de advocada, para a ra do Impera
dor n. 46, l- andar, sala da frente.
Oceuliata
Dr. Ferreira. com pratica nos princi-
paes hospitaes e clnica de Pars e Lon-
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario n. 20.
Herrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de cenrapina
de Francisco dos Santos Macedo, *:aes do
Capibaribe n. 23. Este grande cstabele-
cimento. o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por pregos sem dom-
petenciaPemambuco.
Drogara
Furia Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharnia-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
ProfenNor americano
Devido a mudanca de- residencia, Mr.
George B. Nind, pode sen procurado nos
dias uteis na ra da Conquista n. 20.
Patrimonio Regaard
Commissao do Recife
Relaco das pessoas que concorreram com dona-
tivos para o patrimonio Regaard, cujo resul-
tado se acha depositado as mos do digno
thesoureiro, o Sr. Joseph Krause.
Transporte
Ahonymo
Carona
Papoula
Anonyrao (ra do Cabug)
Cnsul de Portugal
Francisco Antonio Barbosa
Figueiredo
Goncalves Lourengo
Julio Azevedo'
Henrique Moreira
Anonymo (ra Duque de Caxias)
Andrade C.
Manoel Dias da Silva
BraudSo
Gomes Oliveira C.
Anonymo (ra Duque de Caxias)
Reg "Pontes
r'imentel Pereira
Quirino de Santa Aiiua
Agostinho Santos
W. Halliday
Moreira
Bazar do Recife
J. E. Purcell
Bourgard
Belisario Pemambuco
Anonymo (ra da i'ruz)
Joaquim Alves da Fonseca
Anonymo (ra Mrquez de Olinda!
Paulino de Oliveira Maia
Souza Neves
4341X10
1*000
1*080
1*000
1*0)10
3*000
2*000
2*000
2*000
1/000
1*000
1*000
5*000
2*000
2*000
500
2000
500
1*000
1*000
15000
2*000
2*000
2*000
2*000
2*000
2/000
5*000
2*000
34000
5*000
1*000
102*000
NSo ha nenhum remedio mais efficaz
para a cura e preservaco das enfermida-
des do figado, hepatite dos paizes quen-
tes, spleen ou hypocondria, clicas biliosas,
que as
Perol as de Ou rumie do Dr
Ciertas
(eth e thebebinthinado)
Segundo os testemnnhos dos mdicos
mais Ilustres.
O Ether therebinthinado tem a indis-
cutivel propriedade de acalmar as atro-
zes clicas e os vmitos que Uto frequente-
mente acompanham os clculos biliarios e
certas nevralgias hepticas. (Trous-
seau).
Este antigo remedio de Durande, que
tem promettido diseolver os clculos bilia-
rios, tem cumprido sua promessa, posso
afirnial-o. (Professor Bouchard.)
Dzes: As perolas de Durande do
Dr. Clertan prescrevem-se em numero de
6 a 10 por dia, de preferencia hora das
refe5 tisana, etc.
Fabr.: Casa L. Frere, 19, ra Jacob,
Pariz.

Programma da tradicional
festa do glorioso Santo
.maro.
se venera em
PUBLICARES A PEDIDO
Incuria seaa noaae
So assim se deve denominar o fado de nao ter
0 Sr. subdelegado do distncto da Boa-Vista,
assistido ao interrogatorio a que respondeu o
infeliz 1 edro Regaard, confiando-a a um escri-
vo ad-hoc nomeado, que alm de iacompttente
para sosioho poder fazel-o, nSo tinha as ucees
sarias habilitayes!
Enorme foi o descuido do Sr. subdelegado,
pois que consentio e assignou depois, de cruz,
um interrogatorio que nao comprehende todas
as declaragoes do oftendido, devido pressa com
que eslava o aorado escrivo e que as poucas
que contem oo sao m totum verdadeiras, devi-
do nao sas pressas do (al escrivo, como sua
nenhuma attengao, sendo de taes irregularidades
responsavel o Sr. subdelegado, que nao quiz
comparecer, como era de seu dever, e nao po-
dia deixar de fazel-o.
E preciso que melhorcomprehendamos ares
ponsabilidade dos cargos de que nos adiamos re-
vestidos, nao os aceitando por mero luxo e s-
mente para fazer figura.
A Provincia de... do correle, j sobrevesta
irrcgularidade sem nme e de etTeilos os mais
prejudiciacs. um artigo especial dedicou.
0 Sr. subdelegado nao contestou e nem o po-
dia fazer desde que S. S. mesmo confessou que
nao tinha acompannado ao escrivo. nem a
tido au interrogatorio, que um monto de in-
exactides. Nelle se acha declarado que Pedro
Regaard dissera ser allemo, quando tal elle ja-
mis fizera, tendo at na vespera dado a sua na-
1 lonalidade de dinamarquez o entrar para o
hospital. U seu passaporte, a sua carta de na-
turalisaco. emfini em todos os assentamentos
relativos a sua'individualidade, encontra-se ser
elle natural da Dinamarca, menos no seu inter-
rogatorio, onde o respectivo esarivao naturali
sou-o allemo I
E' edilicante tanta incuria nos negocios publi-
maxime n'um caso como este de lamanha
responsabildade
Mais cuidado devem ter os que se achara re
vestidos de corto* car:
Nemo. 1
,que
sua capella das Salinas.
Sexta-feira, 22 do corrente, s 7 horas
da tarde, ser basteado com toda a pompa
o estancarte do glorioso Santo Amaro,
sendo acompanhado por crescidissimo nu-
mero de distinctas senhoras e^gentis crian.
9as, e pela banda marcial do 2 batalhao,
soltando-se diversas gyraadolas de fogue-
tes. sendo largado um magestoso balSo.
tabbado,* 23, ao meio dia, urna salva
real e diversas gyrandolas subirSo ao ar,
e a referida banda de msica executar
lindas pecas de seu vasto repertorio.
A'.- 5 horas da tarde do mesmo dia di-
versas garandlas e os sons da banda de
msica convidarlo os fiis a assistirem as
?esperas, que *constar9o de ladainha canta-
da as 7 horas da noite.
Domingo 24, ao romper da aurora, urna
Em seguida, e para por termo a toda
a festividade, ser queimado um liado ro-
go artificial feito palo eximio artista Olym-
pio de leilo; preenchendo os intervallos
a banda de msica ^ue- executar^ impor-
tante* pecas:
O largo da capella achar-e-ha todo em-
banderado, e A noite ser Iluminado a
giorno.
A companhia de bonds expedir durante
todo o dia grande numero de carros ex-
traordinarios, augmentando ainda mais
tarde e noite.
A mesa regedora roga aos moradores
do largo da capella e ra do Bom Gosto,
o favor de illuminarem as fachadas de
suas casas para maior brilhantismo
Consistorio da capella de Santo Amaro
das Salinas, 20 de Fevereiro de 1889.
O escrivJto,
Heiiodoro Jos da Silva.
da
Eleleo dos provedores, prove-
doras. raordomos e mor do-
mas da Celestial coafrarla da
nm. Trladade, ao anno con-
proHlssal de 1888 a 188.
Provedora por eleigao
A Exma. Sra. D. Hortulana Amelia Lo-
pes Moreira.
Provedora da bandeira
A Exma. Sra. D. Luiza de Franca Lins
de Lacerda.
Provedores
Os Illms. Srs. :
Antonio Jesuino Marques.
Francisco Pereira da Silva.
J0S0 Dias Moreira.
Joaquim Duarte Campos.
Francisco Botelho de Andrade.
Capitao Belisario C. da Costa.
Manoel Joaquim Pereira.
Antonio Luiz Machado BrandHko.
Antonio da Silva Santos Moraes.
Provedora
As Exinas. Sras.:
D. Mara Umbelina Carneiro da Silva.
D. Carolina Maria do Sacramento.
Esposa do Illm. Sr. Antonio Alves
Costa.
D. Maria Clementina da Silva Medei-
ros.
D. Umbeliua, esposa do Illm. Sr. major
Jos Elias de Olivefra.
D. Henriqueta Villar Nogueira de Souza.
D. Francisca Guilhermina da Costa Gui-
mares.
D. Maria Honorina de Senna.
Mordomos
Os Illms. Srs. :
Olympio Francolino de Mello.
Flix Jeaquim Ferreira de Carvalho.
Francisco Ferreira de Almeida Cruz.
Manoel Severiano das Mercs.
Pedro Rogero de Oliveira Baduen.
Jlo Pedro dos Santos Cruz.
Henrique Goncalves Dias.
Jos Lucio de Oliveira.
Joaquim Modesto da Silva.
Firmino Jos Guedes de Lacerda.
J0S0 Bento Monteiro da Franca.
Manoel Alves Mendes.
Mordomas
As Exmas. Sras. :
D. Carolina Vieira de Lacerda.
D. Rosa Maria de Gozende.
D. Marcionilla Damazia da Silva Farias.
D. Joanna Baptista de "Oliveira.
D. Maria da enha Maciel Sobreira.
D. Anna Amelia Ferreira Baptista.
D. Mara das Neves Azevedo Soares.
D. Joanna Annunciada da Conceicao.
D. Maria Bandeira de Mello Coutinho.
D. Anisia Mirandolina Bandeira de Mello.
Constantina, esposa do Illm. Sr. Manool
Jos < arneiro ^'into.
D. Leonor Amelia dos I'assos Guima-.,
res.
D. Amelia Leonor dos Passos Guimar&es.
D. Izabel Leopoldina dos Passos Guimaraes.
Esposa do Illm. Sr. Manoel de Souza Ro-
cha.
D. Corlota Augusta Belfort de Sampaio.
D. Florinda Francisca da Silva.
D. Arselina Bemvinda Times. ,
D. Emilia Ferreira da Cunha.
D. Amelia Augusta de Souza M. Rampk.
D. Luiza Leopoldina de Paula.
Consistorio em mesa, 27 de Maio de
1888.
O secretario,
Joo Jacintho Quedes de Lacerda.
Fr. Paulino -da Soledade.
Guardio.
Appeilo especial as Exmas*
Sra*. erar fan-or da dito'
sa .vhiva e- filhos daJ victo*
. ma Pedro Regaard.
Oh! vos Exmas. Sras. brasileiras e es-
trangeiras da cidade do Recife, e fra d'el-
la, e bem assim as dignas directoras de
collegios e com suas jovene collegiaes,
vos Exmas. em cujos coragSes germinam
a caridade a sensibilidade e a generosi-
dade.
Considerai a dor profunda que aflige
aquella desditosa viuva nossa irmo de
sexo, vendo seus innocentes filhinhos, pe-
direm-lhe pao sem que ella o tenha para
dar-lhcs e matar-lhes a fome, isso por-
que, a mao do malvado, do perverso, as-
sassinou-lhe brbaramente o marido seu
nico arrimo.
Considerai que, a flexibilidade de nosso
sexo nao lhe permitte tanto trabalhar que
possa com dignidade cuidar na ed. cacao
dos cinco queridos filhos de suas entra-
nhas.
Considerai finalmente queipraticacs urna
obra de caridade. soccorrendo aquella in-
feliz viuva, e orphaos desvallidos.
Assim disponde de vossas eeonomias
urna qualquer quantia de accordo com
vossas posses e generesidade, e fazei-a
expontaneamente remetter sob vosso nome
a digna commisso, e esse obulo n3o vos
far falta em quanto servir para minorar
a afliccao a aflicta.
Nos de Olinda e algures quo consagra-
mos os mesmos sentimentos de amor a
caridade, faremos outro tanto.
Nao vos tornis Exmas. Sras. indiffe-
rentes aos rigores da dive sidade.
A todos esses corac3es bemfazejos o
co abenjoar, assim lhes desejam, vossas
Irmas Olindenses.
Patrimonio Regaard
A commisso abaixo assignada compos-
ta de amigos do infeliz tenente Pedro
Regaard brbaramente assassinado na noi-
te de 9 do corrente, resolveu solicitar do
coromercio e do publico desta cidade em
geral, um obulo afim 3e ser adquirido um
pequeo patrimonio para a desventurada
viuva o orphaos da infeliz victima.
Confiada a commisso na caridade e
benevolencia do mesmo publico, espera
seja attendida em seu muito justo fim,
podendo entretanto aquellas pessoas que
quizerem cncorrer com o seu obulo, re-
mettel-os ao thesoureiro abaixo assignado
ou a redaccao deste l/iaro.
Recife 15 de Fevereiro de 1889.
Presidente,
Felippe de Figueiroa Faria.
Thesoureiro,
Joseph Krause.
Commisso agenciadora
Capitao Joaquim R. de Souza Gonzaga.
Alteres Jos Samuel Botelho.
Tenente Antonio Pedro Dionisio.
'Tenente Franeisco Jos da Silva.
Tenente Liberato Prisco Ribeiro.
Tenente Delmiro Gaudencio Ribeiro
Pessoa.
Cirurgio Dentista
DR.-ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Univeraidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Barao do Victoria 19, Io
Jar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
an-
A actriis portuguesa Helena Balsamas
Rodrigues- actual proprietaria do antigo,
theatro de Santo Antonio reabaa ,pelo caife
naval naquella casa de espectculos 4'
magnficos bailes de mascaras para- o qu 1 <<
organisou grandes reformas, ficandp os doia,
saldes para os baile muito melhores da 1
que eram.
Continuando depois do carnaval as obras i
que o dito theatro reclama e que ir fi-
car urna das melhores casas para espertar
culos onde o publico encontrar todas a*/
commodidades.
A fachada do edificio que j est promp- .,
ta tico- linda e de muito-gosto. Vimoa.a.,
explendida scena que appareeer no pal-
co durante os bailes e que foi pintada pelo 1 *
noeso talentoso Chrispim do Araaral que /
representa um baile de mascara e a elle
dirigimos um bravo sincero pelo seu bello
trabalho que de completa novidade.
As ornamaotacoes para os sal$Qp ta
bem devem produzir bello effeito.r
O velho Santo Antonio remoyou-e offe-
recer este anno ao publico os melhoree; 1
bailes carnavalescos
N'um dos compartimentos do theatro '
est exposto um sumptuoso e variado guar- *
da roupa propriedade da actriz D. BaJse-
mao que se aluga por presos muito modi
eos e com a vantagem de quenv augat
roupaa ter entrada gratis nos bailes.
Finalmente estamos certos que o nosso.
publico corresponder aos esforcos que a
intelligente actriz tem empregado > para
enriquecer a nossa provincia com maie
um theatro decente e que muito concor-
rer para o embelezamento d'aquella raa
Nos bailes tomaro parte seis caneania^
tas francezas.
I
nSo pede ser a que se v deseripta no
salva real o diversas gyrandolas annuncia-J respectivo edita),
rao .ios fiis ter ebegado o dia da festa do
glorioso Santo Amaro.
As 11 horas do dia entrar a festa,
sendo a missa denominarla Santos Pinto ;
oceupando a tribuna sagrada ao evangelbo
o distincto pregador da capella imperial
Fr. Augusto da Immaculada t'onceico.
A orchestra acha-se a cargo do professor
Tavares de Medeiros, e os solos sero exe-
cutados por habis cantores, tocando an-
tes e depois da festa a referida banda de
msica, lindas pecas do seu repertorio, e
subindo ao ar um lindo balao.
Das 3 horas da tarde por diante estar
exposto, no largo da capella, concurren-
cia dos devotes um esplendido bazar de
prendas offertadas pelos devoto do glorio-
so Santo Amaro.
As 4 horas, tero comeco as cavalha-
das, tomando parte diversos amadores,
que obsequiosamente se offereceram para
assim dar mais realce afesta.
A's 7 horas da noite entrar a ladainha
solemne precedendo senuio pelo mesmo
pregador da festa, rinda a qual ser arrea-
do o estandarte com toda a solemnidade
sendo entregue a futura juiza, subindo ao
ar diversas gyrandolas, e executando a
bavda de msica variadas pecas ; depois,
ter lujjar o desafio acrio de dous aers-
tatos Vesper e Venus.
Protesto
Tendo sido annunciada pelo juizo dos
feitos da fazenda, escrivo Torres Ban-
deira para, o dia 22 do corrente, a praca
da casa n. 38 do largo de Apipucos, ava-
hada em 500J000. e como pertencente
a Domingos da Silva GuimarSes, e tendo
constado ao abaixo assignado que a casa
em que os officiaes fizeram penhorae de
que se fez avaliaco foi a de n. 40, de
propriedade de sua mulher, D. Joanna do
Reg Maia Tavares, o que parece ser cor-
roborado pela de8cripco que se faz da
mesma easa, avisa a todos os pretenden
tes do referido leil&o que a casa n. 38,
pertencente a Domingos da Silva Guima
rees, acha-se em estado de mina e assim
Protestando pois fazer valer seus di-
reitos contra quem quer que seja, faz a
presente declaracSo afim de que ninguem
depois pasaa pretender direitos que nao
adquiri, nem poder adquirir por um
mero equivoco dos avaliadores. *
Recife, 18 de Fevereiro de 1889.
Antonio Rodrigues Tavares.
Aviso ao publico
Emquanto durar a E*;posico Universal de
1889, 08 nossos leitores que se acharem em Pars
e Jque desejarem receber quaesquer noticias da
trra, podero ler os nmeros mais recentes do
nosso jornal no escriptorio dos nossos corres-
Eondentes, os Srs. Amde Prince 4 C, 36, ra
afayette, em Pars.
Os nossos patricios podero receber a sua cor-
respondencia, peridicos etc. etc., em casa dos
Srs. Amde Prince A C
Outrosim, os mesmos Srs. Amde Prince & C.
negociantes-commissarios perr. a sua casa de
compras s ordens de ququer pessoa que dese-
jar ter unas informace. ou ujilisar seu inter-
medio
Bacharel Antonio Wilru- J
vio Pinto Bandeira L
do Imperador > l
&
Pode ser procurado
n. 71. !
Gratido
Tendo adoecido no dia 16 do corrente,
meu empregado Jos Ferreira de Castro,
chamei oillustre Sr. Dr. Miguel Themu-
do, que reconhecu adiarse o doente ata-
cado de febre amarella; e logo fazendo
applicaco do medicamento proprio, no
dia seguinte, (24 horas despois) se acha-
va o doente completamente restabeleci-
do. Venho, pois confessar minha grati-
do a t*o Ilustre facultativo, pedindo
que me releve se por ventura offendo a
sua reconhecida modestia.
Recife, 18 de Fevereiro de 1889.
Antonio Jos da Costa Araujo.
Operac,ao importante
Qua'torze annos de soffrimentos doloro-
sos, e outros tantos de esforcos, de sacri-
ficios intilmente empregados, tal a his-
toria do meu estreitamento da urethra.
Chegando a esta cidade suportando as
mais cruciantas dores, produzdas por tal
molestia, indicou-me meu compadre e ami-
go Sr. Joaqum Dias de Andrade o Illm.
Sr. Dr. CarW Bettencourt para medi-
car-me. \
Em tres diaa\ste distincto clnico deu-
me por prompto < urna realidade o
achar-me radicalmente curado.
Ao Illm. Sr. Dr. CaiOos Bettencourt,
pela pericia que revelou Hiv operaco, fei-
ta pela eleetrolise,. pela delicadeza, pela
attenco com que sempre se dignou trac-
tar-me, meu eterno reconhecim^nto.
Recife, 18 de Fevereiro de 1&$J.
Joao Carneiro da Motta SUveira.
Collegio de S. Hipe!
Ra do Vlscoude de Camaragi-
be m. M
Aos respeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instrueco para o sexo feminino,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
A mesma promette aos paos que lhe
confiarem suas filhas esforcar-se por lhes
dar urna educacSo primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do Io de Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde s 7 da
noite.
A direetora/
Emilia A. de MendoMoa
J( Leonor Porto
II Ba Larca aa kai-io n. t
2" andar
Contina a executar os mais tbf"
ricis figurinos recebidos de Lon-
dres, Paria, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeico de costuras,
em "brevidfcde, modicidade em pre-
ces e fino gosto.
Elixir depura-
tivo vegetal.
Formula de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene Pubca do Rio de Janeiro em 20.
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande efficacia as mo-
lestias syphiliticas impureza do sangue assi. *
como em todas as molestias das. senioras.
Tem curado radicalmente mitas pessoas ac
commettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os adultos temarao quutro colheres das 4e .
sopa pela manha e quatro noite. As crianea
de 1 a 5 annos tomarao urna colher pela manh
e oulra a noite, e os de 5 a 11 annos tmarae
duas colberes pela manha e duas noite. De-
verao tomar banhos fro ou morno pela manha e
noite. Resguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva & C, ru do Marqilez de
Olinda n. 23 e pharmacia Oriental ra Estili-
ta do Rosario n. 3.
O autor deste preparado pode ser procuradof |
na ra do Haro da Victoria n. 37, onde ser ea--
contrado para dar toda, e qualquer explieaco, 1
que for precisa.
Beriberi
N 46
Luiz Vctor Homem de Carvalho, doutor em-me-
di;in pela Faculdade da Baha, etc. etc. ete.
Attesto que empreguei com feliz resultado' c+
Elixir depurativo do Sr. Angelino Jos dos Saa-,
tos Andrade, em um doente affectado ben
beri com dormencia as extremidades
riores.
O referido verdade.
Recife, 30 de Julho de 1885.
Dr. Luiz Vctor Homem de Cnrvatkf.
Reconhego a firma supra -Recife, 28 de Agos-
to de 1885Em testemunho de verdade.O ta- .
belliao publico Apollinario F. de Albuquerqae; \
Maranhao.
N. 47
Illm. Sr, Augelino Jos dos Santos Andrade.
Recjfe, o de Maio de 1882.
Acommettida o comeco do anno de 1879, de
terrivel mal que a sciencia denominaBeriberi
fui entregue aos cuidados, e tratamento do
Ilustrado e cuidadoso medico o Illm. Sr. Dr.
Estevao Cavalcante, que com zelo e proficiencla
que lhe sao caractersticos, envidou todos os
seus esforgos durante o longo periodo de cerca-
de um anno em prol de meu restabelecimento,
j aconselhando a mmha ida para a Torre e j '
para a ilha de Itamarac, afim de ver se coma
mudanca e ares oLtinha resultados benficos
para meus padecimentos, urna vez que a rebel-
da do mal pareca se ter tornado impotente
medicina
Engao manifest.
Na ilha de Itamarac onde permanec por mais
de tres mezes melhoras nenhumas obtive, e
quando de l regresse foi, se nao peior, ao me-
nos no mesmo estado em que quando d'aqoi
sahi.
Era elle de tal nalureza que ao desembarca'
no cics do Hospital Pedro n fui transportada'-
para casa, que era ento raa Coronel Lamenha,
pequea distancia do caes de desembarque, car-
regada em urna cama por amigos dedicados de
meu fallecido marido.
N'este estado de desespero, prostrada em um
leito de aculas dores, servida pelas maos dos
outros porque achava-me quasi que paralytica;
e j sem a menor esperanca de vida, a mini'
confesso, apenas para satisfazer as instancias de
pessoas que tanto se interessavam pela minn. '
sorte, a usar do seu Elixir por V. S. preparado,
sendo tal a sua poderosissima e prodigiosa effi
cacia, que com duas garrafas, restabeieceu-me
de todos os meus soffrimentos, restando-me
hoje apenas pequea presso nos dedos mos-
Dizendo isto nada mais posso accrescentar, se
nao um voto de agradeciraento a V. S. que com
o seu Esifrcesuscilou-me- vida e proclamar
a sua excetteneia e emeaoia*como restaurado i- ,
da: v^da a mais conipromettida por.molestia de.^
tal ordem. /-'
Poder V. S. caso- queira, fazer d'e?ta o uso -
que lhe aprouver, pois assim far um grande be-
neficio bumanidade.
Subscrevo-me com lodo resucito e considera-
do-
*De V. S criada veneradora e obrigada.
Candida Francisca Muniz Fcij.
N. 48
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Estando urna senhora do rainoa familia sof-
frendo de gomas as pernas ha cerca de dous
annos mais ou menos, bem como de grande irre-
gularidade, a ponto de, nrostral-a nq leito da dr,
e depois de esgotar todos os remedios, j estava
despersuadida de licar Boa
Um amigo, em tao boa hora, indicou-me sea
Elixir pnrificador Jo_ sangue. com tanta feUci-
dade que com duas garrafas a- restabelecea *e
todos os seus soffrimentos de que dou multas
gragas a Deus; e para que a liumauidade possa
gozar de lio benfico remedio, passo o present
attestado, e autoris". a fazer d'efle o,uso que
convi.r.
Recife. 5 Oe Setembro de 1888.
De Vmc. venerador e obligado.
Manoel Rodrigues d
(Estavam selladas e reconhecida-
t (Contina.)
Frederico Chaves Jnior
Homoepatha
39-RA BAR0 DA Vil
Priatrire aaAtr "
I
1

I




1
-
m
Diario de PernambucoQuinta-feira 21 de Fevereh
+**.+
i. a
Exceltor t
As falsificaron abundam. As imitag5es aug-
mentam cada dia. A fraude nSo cessa. Porm
a legitima Agua Florida de Murray 4 Lanman.
ou antes o Penme Universal, nao succunibe ja-
mis
Ao contrario, cada dia mais popular, cada
dia se affirma mais uo publico a convicgao de
que dSo na Agua de Colonia nem perfume de
(oucador francez que possa comparar-se-lhe em
fragrancia, delicadeza, durabilidade, e sobretudo
nessa generalidade de usos e applicagoes que
Ihe ha valido seu sympathico distinctivo.
No banho, na baca, no cop i dos dentes, na
loalha, no lenco, as roupas e na atmosphera do
aposento, a legitima Agua Florida de Murray &
Lanman, umca e,sem rival sobre a trra.
Oculista
Dr. Bkrreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
1 andar da casa n. 51 ra do
BarSo da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Factos e inais factos
Os tactos fallam mais alto do que as
palavras e isso a razao do proloquio
latino Res non verba(contra factos nao
ha argumentos).
Eis a pro va :
Illm. Sr. J. Alvares de Souza Soares.
Convencido por urna brilbante cura ope-
rada em Tni'nhft mulher, que havia onze
mezes estava sofrrendo de urna bronchite
impertinente e do peior carcter, de que
o Peitoral de Cambar, compoBicSo de V.
S., se pode considerar o melhor e o mais
seguro especifico at hoje conhecido para
combater as molestias dos orgSos re?pira-
torios, apresso-me, a bem da humanidade
soffredora, a attcstar-lhe o facto occorrido
em miuba casa, afim de tornar mais co-
nhecido, se isso possivel, o seu excellen-
te Peitoral de Cambar, que considero
urna descoberta de magna importancia
para a cura de taes molestias.
. Minha mulher acha-se perfeitamente
restabelecida de sua grave enfermidade,
com uso de quatro vidros de Peitoral de
Cambar, tendo antes experimentado, sera-
pre inultimente, talvez cinecenta remedios
diversos.Sou, etc.
* Joaquim Soares Gomes. ,
' (Vice-fconsul de Portugal, Franca e In-
glaterra, em Paraaagu.)
Este importante preparado vende-se nao
s, em casa dos agentes Francisco Manoel
da Silva & C, ra Mrquez de Olinda
n. 23, como tambem, em muitas outras
pharmacias e drogara ao preco de- 2(4500
frasco.
i
i
I!

Vias urinarias, molestias do tero,
operacoes elctricas
11. CASLOS 82TT2SC0UST
ESPECIALISTA
com pratica de pabiz k Londres
Estreitamentcsda urethra curados ra-
dicalmente pela electrolyse, sem dr;
hydroceles sem iniecc (cura radical);
feridas e ulceras chronicas. com garan-
ta de cura rpida; pedras da bexiga,
fistnlas\ e hemorrhoidas; syptilis, go-
norrbas\ pelomethodo dan nstillagCes;
molestias' dn garganta e do peito pelas
athmosphcras medicamentosas. Con-
sultas e operucos das 12 s 3 horas
da tarde.
RA DO MRQUEZ DE OLINDA N. 34
2. ANDAR
Rcnidrm-ia na Torre
. Oculista
Dr. J. Correia de Bittencourt, oculista
residente na corte, ex-chefe de clnica
ophthalmologica dos Drs. Wecher e Pa-
nas em Paris e do professor Hirschberg
em Berlim, tendo regressado de sua ex-
curs&o s provincias do norte, demora-se
alguna mezes nesta capital no exercicio de
sua especialidade.
Consistorio e residencia ra do Baro
da Victoria n. 23 1 andar. Entrada pela
Camboa do Carmo.
Consultas das 12 s 3 da tarde. Gratis
&os pobres.
COMERCIO
bio
Os bancos mantiveram no balcio a taxa de 27
5,8, saccando reservadamente a 27 3/4, appare-
cendo, porem, poucos tomadores.
' Em papel particular constou pequeas trai-
sacefes a 27 7/8.
No Rio foi cotado o papel particular a 27 7/5,
lettras escassas.
TABELLAS AFFIXADA8
de taipa e telha em mo estado, bem como
existindo tambem no lugar Sorucuc des-
te mesmo termo urna parte de trra
com urna casinha de taipa e telha tambem
em mo estado ha mais de dez annos
sem que at esta data tenha apparecido
herdeiros ou consenhores de taes casas e
terrenos, mandei passar o presente edital,
chamando a qnem se julgar com direito
aos referidos bens, a virem no prazo de
trinta dias, a contar da data do presente
edital, habilitar-se na forma da lei lindos
os quaes nao apparecendo os consenhores
serao ditos bens vendidos em hasta pu-
blica deste juizo.
Villa de Panellus 1.- de Fevereiro de
1889. Eu MiguelJoaquim do Reg Bar-
ros,cscriv2o de ausentes que escrevi.
Jos Paulino Cavalcante de Albuquerque.
E nada mais mais se continha em dito
edital que copiei por certidao do proprio
original ao qual me reporto c dou f.
Villa de Panellas '1.- de Fevereiro.de
O tratamento alo foi longo, as memoras foram gradualmente augmentando } 1889. O escrivao de ausentes.-Miguel
UMA BUBA NOTAVSL
NSo usemos commentarios, sobre o.que se vae ler,-porque verdade nao ca-
rece de apanagios de palavras, para que brilhe radiante. Limitamo-nos a transcrever
o seguinte attestado que, por si, falla mais alto do que tudo quand* poderiamos dizer
sobre os predicados efficazes que possue o Peitoral de Cambar.
Eis o attestado;
Illm. Sr. J. Alvares de Souza Soares.Pelotas.
Tendo em 1878 o meu filho adoptivo, Thomaz Lencina, sentado praca, e
estando em Porto-Alegre servindo no quartl-general, adquiri urna toase impertinente
que nunca pode ser combatida pelo medico da enfermara: em vista disso foi enviado
para o Rio Pardo onde esteve em tratamento com o illustre medico militar, Dr. Me-
deiros, e alli foi reconhecido achar-se effectado de urna turbeculose muito adianteda.
Nao aproveitando nada eom o tratamento, teve baixa do servigo e veio para
minha casa em 1882.
t Empreguei todos os recursos para salval-o da morte.
Mdicos de Sant'Anna do Livramento, a quem consultei, declararam ser
caso perdido o intil qualquer "tratamento, visto o estado adiantado da doenca; o Dr.
Fialho, porm, aconselhou-me o Peitoral de Cambar eV. S.,, talvez nicamente
para satisfazer-me, e foi com este preparado que o meu filho se curou'
mas, medida que ellas progrediara, os meus cuidados redobraram, pois todos sabem
como alguns doentes n'estas condicSes tomam-se mais insoflEridos e descuidados do sen
estado, com o apparecimento das primeiras melhoras.
Por isso, propositalmente, obriguei-o a continuar, por algum tempo, no uso
do seu preparado, guardando um rgimen conveniente, e dentro era pouco, meu filho
toruou-se forte, vigoroso, completamente reBtabelecido!
t Entendendo que este tocto nao deve ficar ignorado pelos que soffremde tSo
terrivel enfermidade, pe90-lhe para publical-o, tendo em vista levar urna esperanca ao
coracSo de tantos enfermos desanimados.
t Accgite os protestos da maior gratidaoDe V. etc. Vicente SimZes Filho.
(Dona Serritos em Sarandy, Rio Grande do Sul.) *
A 2)5500 o frasco, vendido este remedio em casa dos agentes Francisco
Manoel da Silva & C. e em muitas outras pharmacias e drogara d'esta capitel.
Gurso primario e prepara-
torio
Ra Larga do Rosarlo n. I *
Io andar
Estadio abertas as aulas deste curso no
dia 8 do cerrente mez.
O director,
Camerino Sobrinho.
MEDICO HOMEPATA
Dr.. Bal Ib-azar da Silveiraj
Especialidadefebres, molestias
f das criancas, dos orgos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do Baro da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.

i
Collegio de Santa Vernica
Na ra do Arago n. 10 2" andar acham-se
abertas as aulas deste estabelecimento de ins-
truccao para o sexo femenino.
EDITES
Edital n. 55
(< oiKiiiMt da cadeira primaria d<>
H'niu-ira)
De ordeui do Sr. Dr. inspector geral da Ins-
truccao Publica e de accordo com o disposto no
ar(. 67 do regiment dos concursos de 16 de Ou-
tubro de 1885, se declara a quem interessar'pos-
sa, que no concurso a que se acaba de proce-
der para provnento da cadeira do sexo mascu-
lino de Pesqueira (2* entrancia), foram approva-
dos e classincados pela coinraissa julgadora :
Em Io lugar o alumno mestre da Escola Normal
Artliunio Vieira, e em 2 lugar tambem o alum-
no mestre da mesma Escola, Joao Cordeiro en-
seca de Medeiros, como se vi? do seguinte mup
pa:
Taboa "ral dant ola numrica*
obtida pelo* roniirrcnlr*
>
3 |
5'
3=1
S.S
to 2.
8 i
S
Dr. Manoel do \asciineulo Ha,
diado Portella Jiinior
Escriptorio "i do Imoerador n. 65
a ra do Imperador
Io ANDAR
H
i
t. Igclto #nmes
Medico operador parleiro
. 4 Boa LartH do Hoarlo ti
) (Por cima do Annel de Ouro)
Onde tem consultorio o real-
Hdcnela i podendo ser encontrado e
recebendo chamados a qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades: Partos, fcbres, moles-
tias de senhoras e dos pulrues, syphilis
em geral, cura rpida e completa e opc-
racOes de estreitamentos e mais stffiri-
mentos da uretra.
Acode de promnlo a (hamados para
fura de qualquer distancia-
Telcphone B. 394
I
i
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especia-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 18, lu andar.
Consultas de 8 s 10 da manh.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHOlE N. 226
M t Gram- | s ma'ica | C
MI " "~ 'l f Analyse S S i <
(eometria
M InstruccSo civica M >
l Pedagoga
* M M 11.i'ilura
1* te InstruccSo moral
(ti ~ Arilhmetica 9 C i '
u ij Metrologa O 9 >
co Gymnasca
~ l * Prelecco
Somma geral
u Classilcai;3o
SecirUna da ln buco, 1$ de Fevert Pergenlino strucciio Publica de 1 iro de 18 9. 0 secretario, Saratca de Araujo Gt ernam-cao.
Revista do Mercado
i
RECIFE, 20 DK FEVERE1B DE 1889.
Conlinuou a ser pequeo o morimento na pra-
No mercado de cambios pouu foi feito e no de
algodao vendeu-se um lote do do sertio.
Bolsa
0TAgSE8 0FF1CIAE8 DA JITOTA D*OS COR-
RETOBES
Recift, 20 ae Fevereiro de J889
Algodao do sertao* 1* sorte, 6J350 por lo kilos,
non tem. '
Cambio sobre Londres, 90 d, v. 27 3/4 d. por
If, do banco, hontem.
O presidente,
Candido G. Mcoforado.
O secretaria,
Eduardo Dubeux
AlROdo
Foi negociado o de sorte do serto a 64350
por 15 kilos.
A exportacao, feita ptla alfandega nesle mez
at o da 18subioa1.170.845kilos, sendo964.874
para o exterior e 205.971 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje, so-
bem a 16.528 saccas, sendo por:
Barcacas.....
Vapores.....
Animaes.....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea de Limoeiro .
O Dr. Jos Paulino Cavalcante de Al-
buquerque, jui municipal e de auseu-
tes do termo de Paullas por S. M. o Im
perador a quem Dos guarde etc.
Faz saber a todos os habitantes desta
comarea e a quem mais o conheci ment
deste tiver que existindo no povoado de
Jurema desta villa de Panellas urna casa
Joaquim do liego Barros.
DECLARARES
-- 1.* scelo.Secretaria da presiden-
cia de Pernambuco, 19 de Fevereiro de
1889.Fao publico, para os devidos fins,
que n'esta secretaria se acham as patentes
imperiaes de reforma do coronel Joo Car-
os de Mendonca Vasconeellos, tenentes-
coroneis Jos Ilenriques de Salles Abreu
e Candido Jos de Barros, majores Do-
mingos Hamos de Andrade Lima e Joa-
quim Franisco Belm.O secretario inte-
rino, Manoel Joaquim Silveira.
1 449 Saccas
162
4.998
988
1401
7.530
Someno .
Mas cavado
Usina Pinto:
Branco 1*
. 2" .
Someno .
Mascavado .
:ii900
1600
23
:t000
15U0
Aexportaco, feita pela alftadega neste niez at
o da 18. attingio a 9.576.0111/2 kilos, sendo...
5.168.196 para o exterior e 4.407.815 1.2 para o
interior.
As entradas verificadas at a data de hoje so-
bem a 99.709 saccas, sendo por:
Barcacas .... 36.275 Saceos
Vapores '. ......
Animaes..... 5.500
Via-ferrea de Caruar. 6.760
Via-ferrea de S. Francisco. 42772
Via-ferrea do Limoeiro 8.402
Somma. 99.709 Saceos
Pelo vapor francez Vlle de Bahia, foram
remettidos 3.700 saceos com assucar para San-
tos ; 500 saceos para o Rio de Janeiro; e 100
ba'ricas com dito para Bahia.
< ouroft
Mercado frouxo, com offerta?
os seceos salgados.
do 370 n'.U pan
Somma.
16.528 Saccas
Assucar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
cundo a Associacao Commerciaf Agrcola, foram
|SS?!:. 3*200 a 3*800
Someao..... 1*900 a 2*100
Mascavado purgado *400 a 11500
bruto. 1*100 a 1*200
Retam..... *800 a 1*000
AjEiiardonte
Cota se a 90*000, nominal por pipa de 480 li-
tros.
Pelo vapor francez Vlle de Bahia, foram
remanidas 50 pipas e 100/5 para Santos e 95 pi
pas para o Rio de Janeiro.
lleool
.Ultimas vendas,. 16000 poj- pipa de 80 li-
tros.
Colonia Isabel
Branco !
4*100:
2*8*0 '
1*500
0 vapor fiancez '.ViUe Ae Bahia, evou 10
pipas para Santo?.
' Hel
Cota-se a 50*000 por pipa de 480 litro?.
Pauta da alfandega
SKUANA > 18 A 23 OS FEYEMIR0 DE 1859
VuU o Diario delire Fevereiro
Aavios carga
Barca portugueza NotojSUenco, para o P
Barca par^ Santos.
Patacho ingles Peggie para Mentevido.
Prazo de 3 dias
De ordem do Illm. c Exm. Sr. Dr. inspector
da Alfandega, e de conformidade com o dispos-
to no | 2.- do art. 208 da Consolidaco das Leis,
se faz constar aos donos ou consignatarios das
mercadorias. inflammavcis abaixo mencionadas,
vindas ordem no vapor ailemao Tijuca, entra-
do em 13 do corrente mez, que Ibes lica marca-
do o prazo de 3 dias, contados desta data, para
virem despchalas, lindos os qoaes.serao ven-
didas em Pnoa no trapiche desta repartiro.
Marca M S ft C n. 501. Urna caixa, espo-
letas.
Marca dous diamantes com VV no centro do
primeiro e S. no segundo n 11 15. Cinco ditas,
phosphoros.
Marca diamante S 4 C. n. 2220/29. Dez di-
tas, ditos.
Marca diamante 530 no centro n. 63,65. Onze
ditas, ditos.
Marca diamante J D S 4 C n. 92. Dez ditas,
ditos.
Marca F A P n. 1,15. Quinze ditas, ditos.
Marca diamante 536 no centro n. 66. Qainze
ditas, ditos.
Terceira secjo da Alfandega de Pernambuco,
20 de Fevereiro de 1889.
O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Olllix. Sr. Dr. chefe de policia in-
terino manda publicar para couhecimento
de todos o art. 1." do regulamento para a
matricula de boleeiros e carroceiros, atim
de que nao se reproduzam os abusos que
se tem aado, de dirigirem carros e car
royas individuos nao matriculados, recoui-
mendaudo n'esta data ao mestre de cam-
pos Francisco Justino de Asis, toda a vi-
gilancia para que seja cumprido fielmente
o menciodado artigo.
Art. 1. Ninguem poder sei admitti-
do ao governo de carros, seges, mnibus,
carrosas ou qualquer outro vehculo de
condcelo, seja na qualidade de boleeiro,
seja na de carroceiro, sem qne esteja ma-
triculado na repartic&o de t'olicia.
Secretaria de Policia de Pernambuco.
20 de Fevereiro de 1889. .
. O secretario,
Joaquim Francisco de Amida.
Gabinete Partuguez
de Leitura
AM<*inlil<'u eral
No tndo toda a directora e alguns mcgibros
do couselho deliberativo, acceitado os cargos
para que orem eleitos em sessio de 20 de Ja-
neiro prximo passado, convido de novo, de
ordem do Exm. f*r. Visconde da Silva Loyo,
presidente, os serAorcs associados a se reunirem
em assembla geral, domingo 24 do corrente,
pelas II horas da inanhit, nos salOes do Gabine-
te, para ter lugar a eleigo dos meuibros qu:
faltam pura completar o corpo administrativo.
Outrosim, faeo publico,- que se nao for pos-
sivel eleger urna administrac/io que se torne
efiecva, a actual commissao directora resigua
r pelos uieios leguas, o mandato que lhe toi
confiado.
Recife, 13 de Janeiro de 1889.
Dr. Jos de lbuquerque,
Secretario.
Xavios descarga
Barca norueguense Frida, carvio.
Barca norueguense Frkyof, carvao.
Barca ingleza Sobrina, farello.
Barca portugueza Tentadora, kerosene.
Barca ingleza Paragero, bacalho.
Barca norueguense mea, carvao.
Barca allema Auna, carvao.
Brigue sueco Pepita, carvao.
Escuna ingleza Abeja, bacalho.
Lugar iuglez Viola, bacalho.
Lugar nacional Marinlw VII, Cnrvo.
Lugar norueguense Varuna, farello.
Lugar inglez May Cory, bacalho.
Vapor inglez Chiltan, carvao.
IaaportacSo
Barca allem Atusa, entrado de Xew-Castle,
em 19 do corrente e consignada ordem, inaoi-
festou:
Carvao de pedra 612 toneladas companhia
dotiaz.
Barca norueguense Josra, entrada de Cardiff,
em 17 do corrente, e consignada ordem, ma-
nifestou:
Carvao de pedra 728 toneladas ordem.
Vapor inglez andel, entrado de Buenos-Ayres
u escala, em 20 do corrente. e consignado a Bla-
ckburn .Needhara & C, mauirestou:
\arque 2.959 fardos a Amorim Irmos 4 C,
1.000 a BalUir Oliveira C. 1 205 a Francisco
Ribeiro Pinto Guimaraes 4 C.
Renda geral:
Do dia 1 a 19
dem de 20
Renda provincial :
Do dia 1 a 19
dem de 20
Exportacao
RECIF 19 DK rcVEIKIRO DE 1889
Para o exterior
No vapor inglez Locliiel, carregaram : *
Para Liverpool, P. Carneiro & C. 400 saceos
com 30.000 Julos de assucar mascavado ; F. Cas-
cao 4 Kilho 1,500 saceos com 1o5,0j0 kilos ale
assucar mascavado.
Na barca portugueza Novo Silencio, carre-
garam :
J'ara o Porto, P. Ferreira 4 C. 2 barris com
120-fitros de agurdente, 1 caixa com 20 kilos
de doce e 2 barricas com farinha de mandioca ;
M. D. da Silva Guimaraes 8 barrieas cora 400
kilos de assucar branco.
vara o interior
No patacho hollandez Broedertrone, carre-
garam : .
Para Pelotas, P. Carneiro 4 C 450 barricas
com 42,120 kilos de assucar branco e 50 ditas
Lpoin 5.210 ditos de dito mascavado.
Na barca nacional Mimosa, carregaram :
a Rio de Janeiro, J. S. Loyo 4 Filbo 1^0001 Do dia 1 a 19
os com 75,000 Jdlos de assucar b^anco., dem de 20
No hiate nacional Bom Jess, carregaram ; I
I
De ordem do Illm. Exm. Sr. inspector da Al-
fandega se faz constar aos interessados que, do
1. de Marco vindouro principiar a ter execu^o
o decreto n. 10,170 de 20 de Janeiro do corrente
anno.abaixo transcripto.
DECBETO N. 10.170-db 26 de uneiho de 1889
Estabelece tarifa raovel as Alfandegas para cer-
tos gneros fabricados no paiz. a qual ter
execuc&o do dfe Io de Margo prximo futu-
ro em diante de conformidade com o art. 2.
n. 4, da lei n. 3,396 de 24 de Novembro de
1888.
Em execuco do art. 2, n. 4, da le D. 3,390
de 24 de Novembro do anno passado, hci por bem
decretar:
Art. 1 Alm dos direitos etabelecidos nata-
rifa das Alfandegas para as mercadorias com-
prehendidas na tabella junta, cobrar-se-ha, do
dia l. de Marco do corrente anno em diante, urna
porcentagem addicional, calculada sobre os nies-
mos direitos, e proporcional oscillagao da taxa
de cambio, na razo seguinte :
De 22 1/2 at 25 dinheiros por 13000 G /
De mais de 25 at 27 1 2 15
De mais de 27 1/2 20 /
Art. 2." O ministro da fazenda determinar em
tempo jpportunoa taxa que dev ser cobrada em
todas as Alfandegas por occasio do despacho
para consumo das referidas mercadorias.
Art. 3. As alterares de taxas assim determi-
nadas entrarSo em vigor as mesinas Alfandegas
no dia seguinte ao em que forem neilas rerebidas
as ordena respectivas.
Art. 4. Ficam revogadas as disposices era
contraria.
Joo Alfredo Correia de Oliveira, conselheiro
de Estado, senador do Imperio, presdeme do
conselho de ministros, ministro e secretrio de
Estado dos negocios da Fazenda c presidente do
Tribunal do Thesouro Nacional, assim o tenha en-
tendido e faca execuir.
Palacio do Rio de Janeiro.aos26 de Janeiro de
de 1889, 68. da independencia e do Imperio.
Com a rubrica de Sua Maoestade o Impeiu-
dob.
Joao Alfredo Correia de f)liteira.
''alK-ilii a qtie s- refere o decreto
. i O. fo I i-s la data
*
Artigos da
tarifa Mercadorias
3o. Couros sera pello e enveruizados, excepto
camunja e pellica.
32. Arreios.
36. Calcado.
46. Malas.
53. Sellins e sellas.
58. Conservas de carne e extracto de carne.
ti'. Colla.
61. Espermacete em velas.
64. Linguas eir. conserva.
67. Conservas de peixe.
72. Siearina em velas.
98- Fructas em conserva c em doce.
10". Tomates preparados do qualquer modo.
123. Fumo.
171. Perfumaras.
361. Aparadores.
365. Balis e caixas.
360. Bancos, mochos e tamboretes.
372. Bercos.
373. Bidets. *
374. Buhares.
3M. Cadeiras.
382. Camas.
385. ijommodas.
386. Conslos.
388. Cupolas para ramas.
390. Formas.
393. Genullcxorios.
394. Guarda-loucas, copeiras a guarda roupas
ou guarda-vestidos.
396. Lavatorios.
398. Mesas.
408. Retretes.
409. Secretarias.
410. Sofs.
415. Toucadares e psychs.
419. Obras nao classiicadas de tulla e raobi-
lias movis. i
467? Algodao em lio simples para trama ou
urdidura, cru, branco ou tinto e o torcido
. ou entrangado para pavios.'
477- Riscados entroncados.
484- Cobertores ordinarios.
499. Lonas e meias lonas.
504. Meias nao especificadas.
509- Panno de algodao, liso ou entrangado,
cr.
514- Riscados lisos.
515. Roupa feita de tecidos especificados
nesta tabella.
516. Saceos nao especificados. /
531 L era fio simples para trama ou urdidura
cr ou tinto.
532. Feltro liso ou estampado.
536. Baetas e baetOes.
537. Baetiihas e llanellas.
547. diales, mantas, lencos c palas.
548. Chapeos de feltro.
550. Cobertores.
564. Pannos, caserairas fl cassinetas.
567. Roupa feita dos tecidos especificados
nesta tabella.
666. Papel 67*. Barro era obra.
852. Caixas para carros, carrinhos e carrua
geus.
853. Carros e'mais vehculos comprehendidos
neste artigo.
854. Carros para estradas de ferro.
85,5. Carrogas e m..is vehculos comprehendi-
dos neste artigo.
1.027. Carros de mo ou de atierro.
1.073- Chocolate, coramura ou de refeigo.
1.076 Doces e confeitos.
1.092. Manequins.
Palacio do Bio de Janeiro, em 26 de Janeiro
de 1889.-Joao Alfiedo Correia de Otneim.
Terceira secgo, 20 de Fevereiro de 1889.
O chec,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Para Aracaty, P. Carneiro 4 C. 100 saceos com
farinha de mandioca.
No hiate nacional Aurora, carregaram :
Para Mossoro, P. -Uves 4 C. 8 barricas com
842 kilos de assucar branco.
- No vapor nacional Arlindo, carregaram :
Para Santos, P. Carneiro 4 C. 105 saceos com
7.875 kilos de assucar mascavado ; Maia 4 Re-
zende 250 barris cora 24,000 litros de agur-
dente.
Para Pelotas, Maia 4 Rezende 50 barricas com
5,250 kilos de assucar mascavado e 290 ditas
com 30,45"f ditos de dito branco ; P. Carneiro
4 C. 1,135 barricas com 101,150 kilos de assucar
branco e 105 ditas com 11,025 ditos de dito mas-
cavado.
o vapor francez VUU de Baliia, carrega-
ram :
Para Santos, A. V. de Barros 1,000 saceos
com 60,000 kilos de assucar branco.
Para Rio de Janeiro, Burle 4 C. 400 saceos
com 24,000 kilos de assucar mascavado c 100
ditos cora 6,0.0 ditos de dito branco.
Para Bahia, A. Guimaraes 100 barricas com
11,236 kilos de assucar branco.
No hiate nacional Camelia, carregaram :
Para Ccar, M. Borges 4 C. 80 saceos com
4,800 kilos de feijo ; J. P. Lapa 100 barris com
9,600 litros de rael ; M. Amorim 62 saceos com
farinha de mandioca.
= Na barcaca Victoria, carregaram :
Para Parahyba, V. Costa 4 C. 15 caixas com
120 litros de genebra:
Na barcaca Adelina, carregou :
Para P. de Alagoas, J. Cordeiro 10 garrames
com 150 litros de genebra.
Thesouraria de Fazenda
De Qrdem do Illm. Sr. inspector con-
vido os credoros de dividas de exercicios
findos abaixo mencionados para virem re-
ceber as. respectivas importancias, visto
ter sido concedido o necessario crdito
pelo Thesouro Nacional
Bernardino Alves Neiva 1990998
Eloy Nahum de Souza Landim 1360875
Francisco Antonio Torres Ga-
lindo 1360875
Oeraldo das Mercs Ferreira
Landim 2730750
Pedro Secundino de Souza Lan-
dim 2730750
Miguel Ferreira das Neves 890000
Manoel Constancio de Jess 890000
Boaventura Jos, do Sacra- *
ment 890000
Joao Correia de Queiroz 890000
Antonio Jos Muniz 890000 .
Tiburcio Marinho dos Santos 890000
Demetrio da Paz Teixeira 890000
Francisco Manoel da Silva 4800000
Companhia do Beberibe 720800
Feliciano de Lyra 200000
Campanhia Pernambucana 220500
Tiesouraria de Fazenda de Pernambu-
co, 20 de Fevereiro de 1889.
O secretario,
Dr. Antonio Jos de Sant'Anna.
Companhia A al agoana de
Fiac,ao e Tecidos
Convidamos aos Srs subscriptores des-
ta companhia para, de accordo com os .
arts. 9 e 10 dos estatutos at o dia 17 de*
Marco prximo futuro, realisarem sua
quarta entrada na razao de 10 i0 do valor
de suas acc3es ao Banco Jntenarcional
em Pernambuco.
Maceio 15 de Fevereiro de 1889.
Os directores,
Jos Teixeira .Machado.
Jos Januario E. de ("arvalho.
Propicio Pedroso Barreto.
Prazo de'trinta dias
De ordem do Sr. Dr. inspector ceral dains-
truccao publica, fago saber ao professor Joo
Cordeiro Fonseca de Medeiros, nomeado em vir-
tude da portara da presidencia de 16 do corren-
te para reger a cadeira de 2.* entrancia do sexo
masculino de Pesqueira, que lhe fica marcado o
prazo de 30 dias, a contar da data da mesma,
para assumir o exercicio da referida cadeira.
Secretaria da Instrucgo Publica de Pernam-
buco, 19 de Fevereiro de 1889.
O secretario,
Pergenlino Saraica de Araujo (inicuo.
S. R. C.
Wociedadc Recreativa < ommercial
Aviso ,
De ordem do Illm. Sr. presidente, a\iso a to-
dos qut se julgarem credores da sociedade Re-
creativa Commercial a apresentarem suas con-
tas ao Sr. thesoureiro Manoel Simo dos Santos
e silva, ra Pedro Alraso n. 82, afun de sc-
n m inmediatamente pagas.
Secretaria da sociedade Recreativa Commer-
cial, 18 de Fevereiro de 1889.
O 1 secelario,
Ernesto Guimaraes.
SANTA CASA
CASAS PARA tlKllt
Ra da Moeda n. 49, armazem 2 40 000
dem do Vigario Tenorio n. 27, loja 2405000
dem dem n. 22, 3. andar <80000
dem dem n. 25, 1. andar 3605000
dem do Bispo Sardinha n. 3, 1. e 2."
andares e sotao 4005000
dem do Bom Jess n. 29, 3. andar 200000
dem do Mrquez de Olinda, sobrado*
i .44 2:131M0f)
dem do Bom Jess n. 13, l. andar 2405000
Becco das Boias n. 14, loja 1. e 2. an-
dares 4805000
Um sitio era Parnaraeirino. 605000
Empreza da estrada de ferro
de Ribeirao ao Bonito
Asaemlrta Bcrnl
De ordem da directora sao convocados os se-
nhores accionistas a comparecercm em assem-
bla geral ordinaria no dia 28 do corrente mez,
a 1 hora da Urde, no escr ptorio desta empreza,
n. 73 prega de Pedro 2.-, afim de darem cum-
plimento ao que preceita o art. 27 dos asta-
tutos.
Recite, 8 de Fevereiro de 1889.
Jos Bel larra i no Pereira de Mello,
Director, secretario.
Reeebedoria provincial
De dia 1 a 19 10:6415986
dem de 20 2405297
10:8825283
Kri'lfe I rain age
Do dia 1 a 19 17:7644563
dem de 20 8875264
Rendimentos publico?
MEZ DE rEVEnsiE)
Alfandega
0/3:6375839
26:1105250
90:2315793
5:1785360
599:7485(89
95:4305153
Somma total 695:1785242
Segunda seceao da Alfaadegu, 20 de Fevereiro
de 1889.
8 thesoureiroFlerencio Domingues.
chefe da seccSo -Cicero B. de Mello.
Reeebedoria
32:6785437
4:1945415
Geral
36:872585?
18:6515827
Matadonro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 69 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE FEVEREIRO
Norte......... Mandos........... 23
Sul.....r..... Estrella..,........ 25
Mil........... Araucama......... 25
Europa....... VU de Maranhao.. 25
Sul........ Pernambuco....... VI
sul........... Allianca.......... 28
Vapores a sabir
MEZ DE FEVEREIRO
Sul.......... Manos........... 23 as 5- h.
Liverpool Araucania......... 25 as li h.
Sul.......... VU de Maranhao.. 26 as 4 h.
Norte........ Pernambuco ..:.... 28 as 5 h.
New-York. Allianca.......... 29 as 4 h.
Jlovimento do porto
Navios entrados no dia 20
Buenos-Ayres por Montevideo10 e l dias,
vapor inglez Handel, de 1293 tonelauas, com-
mandante G. Braittwaite, equipagem 30, car-
ga varios gneros ; a Black burn Needhara 4
companhia.
Rio de Janeiro23 dias lugfrpoi;
de 197 toneladas, capitao J*
erruipagem 8, carga varios -.'neios
rim Irm08 & C.
Sonidos no me-
LiverpoolVapor ingfez Sigretia, command
te W. Tavlor, carga varios g-
Barbados Lugar noruega
tro. .-aua.
Santos e escalaVapor fraroc
commandan
ros.
1

i
t


-
^ i .* iii i mfmmm
Diario de Pernambuco---Quinta-feira 21 de Fevereiro de 1889.
a


Recebedoria Provincial
0 procurador dos feitos interino da fa
zenda provincial, tendo recebido do The-
souro a relacSo abaixo transcripta dos
devedores do imposto de bombeiros no ex-
ercicio de 1886 a 1887 (3o eemestre) das
freguezias do Recife, Santo Antonio, Boa-
Vista e S. Jos, que deixaram de pagar
no tempo competente, declara aos raesmos
devedores que lhes tica marcado o prazo de
.'.i i dias, a contar da publicaoao do presen-
te edital, para dentro delle pagarem a im-
portancia' de seus dbitos na Recebedoria
Provincial com guia da seccSo do conten-
cioso, certos de que', findo aquelle prazo,
se proceder a cobranca judicialmente.
Recite, 1 de Fevereiro de 1889.
O procurador dos feitos interino,
Jos^Froneisco de Ges Cavalcante.
(Conclusao)
Boa-Vista
Ra da Imperatriz n. 29. Anto-
nio Pinheiro da Silva
Ditan. 40. Alheiro & C.
Dita n. 42. Alheiro Oliveira
&C.
Dita n. 48. Antonio Fortunato
Ribeiro Bastos
Dita n. 54 A. Argemiro Pedro
da Silva
Dita n. 84 B. Antonio Ferreira
Guede6
Dita n. 21. Agripino Branco
Ditan. 53. Abilio da Silva & C.
Ditan. G3 A. Antunes & Hen-
nque
Praca do Conde d'Eu n. 2. An-
tonio Jos Martins & C.
Dita u. 5. Antonio Francisco de
Araujo
Dita n. 9. Antonio Jos Soares
Dita n. 19. Antonio Maria Mar-
que Ferreira
Conceic2o n. 6. Andr Affonso
& Filho
Caes do Capibaribe n. 10. Anto-
nio Joao de Araujo
Dita n. 12 A. Alfredo Tou-
quiari
Dita n. 14. Albuquerque d C.
Dita n. 32. Angelo Custodio
de Ohveira
Conde da Boa-Vista n. 13. An-
tonio .hrisostomo de Albuquer-
que
Dita n. 57. O mesmo
Travessa do Palacio do Bispo n.
3. Anna Ferreira da Silva
Leite
Io Becco do Principe n. 2. Au-
gusto Ricardo Cavalcante
Largo dos Coelhos n. 29. Anto-
nio Carneiro da Cunha
Coronel Lamenha n. 50. Antonio
Martins Saldanha
Soledade n. 49. Antonio Soares
Raposo
Fernandes Vieira n. 46. Antonio
Siqueira Bastos
Visconde de Goyanna n. 60. An-
tonio Gomes Braga
Dita n. 45. Antonio Rodrigues
da Costa
Capitao Antonio Lima n. 28. An-
tonio Soares Raposo
Estrada de Luiz do Reg n. 38.
O mesmo
Dita n* 40 E. Antonio Lopes da
Silva Campos
Imperatriz n. 58. Braga & C.
Dita n. 84 A. Bemvenuto t ar-
neiro de Mello
Praca do '"onde d'Eu n. 9. Bem-
jamim Ribeiro da Coste. Silva
Visconde de Albuquerque n. 83.
Bellarmino Alves Archa
Estrada de Luiz do Reg n. 19.
Bernardino Jacintho da Silva
Largo de Santo Amaro n. 6 B.
Bento Jos Ferreira
Imperatriz n. 19. Couto & C.
Dita n. 79. arlos C- Tresse
Caes do Capibaribe n. 42. Carlos
Antonio Wanderley Linden
Aurora n. 29. Claudino Izidro
dos Santos
Largo dos Coelhos n. 7. Claudi-
no Henrique da Silva
Travessa do Jasmim n. 3. Carlos
Le i mas
Estratla de Luiz do Reg n. 50.
Ciar indo de tal
Imperatriz n. 45. Deodato Fran-
cisco da Silva
Dita n. 49. Emiliano Cypriano
Costa Leite
Uniao n. 52 A. Euzebio Baptista
da Silva Rosa
Imperatriz n. 4. Francisco Hila-
rio de Oliveira Maia
Dita n. 74. Freitas Tavares & O.
Praca do Conde d'Eu n. 3. Feli-
ciano Bezerra de Souza
Visconde de Albuquerque n. 140.
Francisco Castro & C.
Caes do Capibaribe n. 30. Fran-
cisco dos Santos Macedo
Riachuelo n. 3. Fonseca e Silva
dC.
Uniao n. 2. Francisco Ribeiro
Guimaraes
Hospicio n. 1. Floriano Passos
Santa Cruz n. 20. O mesmo
Hospital Pedro II n.. 3. Francis-
co Pedro de Alcntara
Soledade n. 4. Francisco Mel-
chiades da Silva Macliado
Visconde de Albuquerque n- 2.
Gratuliano d C.
Imperatriz n. 12. H. E. Pluym
Dita n. 78. Hygino Gomes Fer-
reira
Dita n. Henrique Wogeley
Dita n. 67 a 71. Henrique Hohn-
sen
Visconde de Pelotas n. 43. He-
leodoro Severiano Ferreira Ra-
mos
Pateo da S*anta Cruzn. 16. Hen-
rique Luiz Ferreira & C.
Socego n. 1. Guilhermino Au-
gusto do Araujo
Coronel Larujnha n. 23 Ildefon-
so dos Rci.i Gomes
Imperatriz n. 30. Justo Pejeira _
da Silva **
Dita n. 36. Jlo Francisco- Do-
308 Cam^iro
Dita n. 50. Joaquim Fejnandes
da Rosa
los Maria de Le-
3*180
35180
30186
35180
3^180
35180
35180
35180
35180,
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
3180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180*
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
31180
35180
3*180
35180
meida Guedes
Pra9a do Conde d'Eu n. 32. Jos
Mantea de Almeida 35180
Dita n. 7. Jlo Francisco Pere-
grino da Paz 35180
Dita n. 21 Joao Jos dos Santos 35180
Visconde de Pelotas n. 6. Jos
da Silva Chiape 35180
Dita n. 1. Joao Manoel Pedreiro 35180
Dita n. 19. Joao *Dua?te Ribeiro 30180
Caes Capibaribe n. 12. Joao Nc-
plont* Baha 30180
Riachuelo n. 27. Joaquim da
Costa Fajozes 30180
Rosorio n. 53. Jos Moreira da
Silva 35180
Gervasio Pires n. 14. Jos* Sil-
vino Martins 35180
Dita n. 53. Jos Goncalves
Martins d C. 35180
Principe n. 28 E. Joao Le-
moB 35180
Santa Cruz n. 5 A. Jos Maria
Campos Barbosa 35180
Ribeira n. 3. Jos da Silva Ba-
Vista 35188
Largo dos .Coelhos n. %. Jos
Martins do Armada 35180
Lalo Curoadn n. 2. Jos Mo-
reira Gomos 35180
Barita do S. Bora n. 56. J.
Arsur 30180
Capitao Antonip Lima n. 4.
Jos Ramos de Oliveira 35180
Travessa da ra "do Norte n. 3.
Joviniano Joaquim Alves 30180
Imperatriz n. 14. Lenidas Tito
Loureiro 35180
Dita n. 32. Lauser & C. 30180
Praca do Conde d'Eu n. 1.
Luiz Antonio Alves da Purifi-
cagab 35180
Imperatriz n. 76. Maria Isabel
C. da Cunha 30180
Dita n. 1. Manoel Antonio Pe-
reira 30180
Dita n. 13. Mano*j Joaquim
Goncalves 30180
Conde da Boa-Vista n. 77 A.
Manoel Patdo de Albuquer-
que 30180
Rosario n. 60. Manoel Pedro de
Castro Lima 30180
Socego n. 33. Manoel Ferreira
Braga
Santa Cruz n. 1 A. Manoel
Machado 30180
Visconde de Goyanna n. 63.
Manoel Nunes da Silva 30180
Dita n. 137. Manoel dos Santos
Barros 30180
Capitao Antonio Lima n. 52.
Manoel Antonio de Macedo 30180
Dita n. 72. Manoel Joaquim de
Souza Motta 35180
Imperatriz n. 31. Noronha&C. 30180
Visconde de Pelotas n. 45. Ns-
tor Corbiniano do Soccorro 30180
Ainrora n. 177. Nicolao Jos
Lidstone 30180
Imperatriz n. 55. Oliveira d C. 30180
Gervasio Pires n. 4 A. Olivei-
ra Castro d C 30180
Imperatriz n. M. Pedro de Al
cantara Borja Castro 30180
Dita n. 43. P. Bessone & C. 30180
Socego n. 62. Pedro Manoel da
Trindade 30180
Largo dos Coelhos n. 27. Pr-
xedes Ferreira Cavalcante 30180
1." becco do Pombal n. 1. Pe-
reira d Pinto 35180
Pombal n. 16. Quintino dos
Anjos Pereira 35180
Imperatriz n. 17. Ribeiro & C. 35180
Dita n. 39. Rodrigo & C 30180
Rosario n. 41. Soares Raposo "35180
Carnario n. 17 A. Symphronio
Olympio Queiroga 30180
Estrada do Luiz do Reg n.
40 D. Silva Campos & C. 35180
Imperatriz n. 37. Thiago Vc-
tor Pereira 35180
Largo dos Coelhos n. 13. Vi-
cente dos Santos Barros 30180
Freguezia da Graca
Pernambucanas n. 2. Alfredo
Mauricio 30180
Tamarineira n. 9. Antonio Fe-
lisardo de Amorim 30180
Conde da BGa-Vista n. 124.
Antonio Casadmontes 30180
Visconde de Goyanna n. 213.
Bento Mendes Laboredo 30180
Becco da Cruz das Almas D.
Companhia das Carnes Verdes 35180
Nunes Machado n. 2 D. Do-
mingos de x\raujo Carmo 30180
Ponte d'Uchoa n. 57. Francis-
co Rodrigues Martins 35180
Paysand n. 4. Joao Marcos
Ferreira Leal 30180
Visconde de Goyanna n. ,179.
Jos Latham 50000
Dita n. 219. Jacintho de Albu-
querque de Almeida 30180
Creoulas n. 12 B.'Jos Rodri-
gues Cabral 30180
Dita n. 14. Jacintho de Albu-
querque de Almeida 30180
Dita n. 37. Joaquim Antonio
Pereira Bastos 30180
Dita n. 39 A. Jos Rodrigues
Beirao
Joaquim Nobuco n. 20. O mes-
mo 30180
Dita n. 36 A Jos Calado
Hoanda Rero 30180
Dita n. m47. Jacintho de Al-
meida 30180
Ponte d'L'cha 11. 21. Jos Ja-
cintho do Oliveira 30180
AtHictos n. 22. Joaquim da Sil-
va Pereira
Travesea do Rosarinho n. 5,
Luiz de Franca da HaixSo 30180
Joaquim Nabuco n. 35, Maxi-
raiano da Silva Carneiro 30180
Pernambucanas n. 28. Vicente
Ferreira de Sant'Anna 30180
Seccao do conntencioso do Thesouro
Provincial, 1 de Fevereiro de 1889.
0 1. official,
Manoel do Nascimento Silva Batios.
Companhia de fiacaoeteci-
os de Pernambuco
por deliberacfio da directora sio convidados
os senhores associados desta companhia a se
reunirein no salao do edificio da Associacao
Comraercial Beneficente. a 1 hora da tarde, no
dia 7 do prximo mez de Marco, para approva-
rt'in as contas do auno findo ein 31 de Dezembro
de 1888, e nomearem a commissao fiscal do cor-
rente anno.
Recite, 7 de Fevereiro de 1889.
Jos Joao de Amorim,
Secretario.
Dita n.
jo de Al-
Re'cebedoria Provincial
0 administrador da Recebedoria Provincial
em imprmenlo da ordein do Illm. Sr. Dr. ins-
pector do Tlu'souro, constante da partaria sob
n. 108 de 28 do corrale, faz publico para co-
nhecimento dos respectivos contribuintes que,
de accordo com a reiaco abaixo, dar-se-ha prin-
cipio nesta reparlicao, no espaco de 30 dias uteis,
contados de 4 de Fevereiro prximo a cobranca,
livre de umita, das annuidades e mais serviros
da Recite Druinage Corapany, relativa ao 2 se-
mestre do cxercicio findo de" 1888.
Recebedoria Piovincial de Pernambuco, 30 de
Janeiro de 18 0.
Francisco Amyutlia? de Carvallio Moma.
Reluru 11 que se. refere o eal supra
Fragaeiia do Recife -
Rnas : Marquei de Oliuda, Bom Jess, Alva-
res Calmil, Commercio, Hispo Sanlinha, Torres,
Thom de Souza. I). Miria de Souza, VigarioTe-
norio, Bando de Menezes, Mariz e Barros, Bur-
gos, Amonirt. Moeila, Tuyuty, Companliia Per-
uaiubucana, Madre de Deus, Domingos Jos Mar-
tins. Mscate. Restaurado, D. Maria Cesar, Vis-
conde de Itaparica, Pliarol, A rea I, S. Jorge, Vi-
tal ue Oliveira, Guararapcs e Baro do Tnum-
plio.
Pracas .Assembla, Chaco e Pedro I.
Travessas .-Vigario Madre de Deus, Cam-
pello, Domingos Jos Martins, Corpo Santo, An-
tigo Porto, Bra Jess, Apollo, Areal, Para a
Fundicao, Occidente, Guararapes e Praca Pe-
dro I.
Largos :Alfandega, Corpo Santo e Assem-
bla.
Beccos:Abreu, Noronha, Laigo, Pindoba,
Tapado e Paschoal.
Caes : Companhia, Brum e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Bas : Imperador, Primeiro de Margo. Duque
de Caxias, Cabug, Barao da Victoria, -Trinchei-
ras, Larangeiras, Larga do Rosario, Estreita do
Rosario, Francisco Jacintho, Joao do Reg, liba
do Carvalho, Conselheiro Piretti, Netto de Men-
donca, Major Agostinho Bezerra, Vinle e Oito de
Setcmii, Santo Amaro, Pedro Ivo, Mathias de
Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Pobo, Livra-
mento, Penha, Visconde de Inhauma, Pedro Af-,
fonso, Nova da Praia, Marciho Dias, Henrique
Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, San-
ta Thereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mr-
quez do Herval, Cadeia Nova e Barao de Villa
Bella
Largos :Paraiso, Carmo, Penha, S. Pedro e
1 race. O
Travessas :Queimado, Cruzcs, Mrquez do
Recife, Bella, Calabouco, Matriz, Flores, Carmo,
Bomba, Livramento, Arsenal, 1* e 2* da Praia,
Carcereirp, S. Pedro, ViracSo, Lobato, Falco,
Pocinho e Concordia.
Beccos :Bella, Calabouco, Matriz, 1, 2 e 3o
da Camba. FalcSo, Io e 2o da Cadeia Nova.
Praca :Pedro II.
Caes :Vinte e Dous de Novembro.
Campo :Princeza.
Freguezia de S. Jos
Ras :Marcilio ias. Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S. Joo, Felippe Camarao, Mr-
quez do Herval, Vinte e Quatro de Maio, Dias
ardoso, Passo da Patria, Padre Nobrega, Victo-
ria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros, Frei Hen-
rique, Dique, Assunipcao, Domingos Theotonio,
I*adrc Floriano, Christovno Colombo, Jardim,
Forte, Antonio Henrique, Nogueira. Santa Ceci-
lia, Santa Rita, Padre Muniz, Praia de Santa Ri-
ta, S. Jos, Pescadores, Praia do Forte, Ypiran-
ga. Imperial e Luiz de Mendonca.
Travessas :Martyrios, Ramos, Pocinho, Cal-
deireiro, Gaz, Matriz, Forte, Prata, Serigado, Co-
nares. Nova de Santa Rita, Pra do Forte, S.
os, Peixoto e Lima
Beccos :- Palma, Caldeireiro, Gaz, Assump-
-ao, Nova de Santa Bita c Matriz.
Largos : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Ras :Imperatriz, Conceico, Visconde de
Pelotas, Tambi, Visconde de Albuquerque, Au-
rora, Capibaribe, Ponte Volita, Conde da Boa-
Vista, Riachuello, Uniao, Sauuade, Sete de Se- \
tembro, Visconde de Camaragibe, CamarSo, Ro-
sario, Gervasio Pires, Dr. Villas-Boas, Socego,
Principe. Santa Cruz, S. Goucalo, Coelhos, Hos-
pital Pedro II, General Searo, Coronel Lamenha,
Conselheiro Aguiar, Leao Coreado, Bario de s.
Borja, Mues Machado, Visconde de Goyanna e
Attracco
Travessas :Gervasio Pires, Atalho, Coelhos,
Barreiras, Veras, Quiabo, Joo Fraocisco, Man-
gueira, Campia e Palacio do Bispo.
Largo Campia.
Beccos :S. Goncalo c Coelhos.
Pracas :Conde d'Eu e Santa Cruz.
sajtco msmcisfcL
DO
Jo Jtx. *$* -cj XjL
CapUal 90.00l:M0
30180
Indemnisadora
A, directoria desta comiianhia convida os se-
nhores accionistas a reunirem-?e em assembla
geral ordinaria no dia 28 do corrente, ao meio
dia, na sede da mesma, para o fim de aprecia-
ren] o balanfo, contas da direccao e t) parecer da
commissao 'fiscal, e ben como dar-se cumpri-
mento ao que determina o art. 27 g 2- dos seus
estatatoY Recife, 14 de Fsvereiro de 1889.
Os directores,
Joaquim Alve.- da Fonseca.
Antonio da C. Fefreira Beltar..
den reallsado I 9,000rOOO*
A caixa filial deste Banco funeciona
ra do Commcrcio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
L0ND0N..(Banco Iniernat-ioual
do Brasil,
London office.
( London A C ounij
( Banking Compahy L."1
(Basque de Pars 4k des
(
PARS.
Ilamburgo..
Berlim.......
Bremen.....
Fr an k fur t
sur Main...
Antuerpia..
Roma........
Genova......
aples.....
Milao e mais
340 cicla-1
desde Ita-J
lia...........'
Madrid......\
Barcelona..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona.
Valen cia e '
outras ci-
da des d a
Hes pa nha
e ilhas Ca-
narias......
Lisboa......
Porto hnais
cidades de
Portugal e
ilhas.......
Buenos Ay-
res .........,
Mon tevido
No va York.
Pays-Bas
Deutsche Bank.
1 Bank d'Anvers.
1 Banca Genrale e suas
agencias.
Banco Hypotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
G. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praja do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro ein conte corrente de
movimento com juros na razao de 2 /o a0
ann8 e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, Jiilliam M. Weetber.
S. R. C
SiM-ledade Rerroaliva lommercial
Soiree trimestral em 24 do correte
Scientifico aos senlieres ocios que esta soyee
principiar as 8 horas da noite.
Convites em poder do Sr. secretario.
Ingressos so com o recibo do mez de Feverei-
ro, o qual pode ser procurado em poder do Sr.
thesoureiro, ra Pedro Affonso Q. 82, ou na
sociedade.
Aggregados nao sSo atlmissiveis. '
Secretaria da Soriedade Recreativa Commer-
cial, 16 de Fevereiro de 1889.
0 1 secretario
Ernesto Guimaraes.
Concurso
Por esta secretaria se faz publieo em vista do
despacho da presidencia da provincia de 9 do
corrente mez, e de ordem do Sr. Dr. inspector
geral da mstruccao publica, que se acha aberta
a inscrifjao para o concurso a que se vai proce-
der a requerimento do alumno mestre timlado
pela Escola Normal, Arthur Octaviano da Silva
Ramos, para provimento da cadeira de ensino
primario do sexo masculino do l'ogo da Panella
(de 2.* en'.ranciai, sendo som.nte admittidos a
essa inscri|)cao os professores publi(s de qual-
quer cathegoria, e os indiriduos titulados pela
Encola .Normal, devendo estes no prazo de 40
dias apresentar os seguintes documentos : folha
corrida ou aitostado de procedimento civil e mo-
ral pelas autoridades judiciarias, policiaes ou
cmaras muuicipaes das localidades em que ti-
verem residido nos dous ltimos annos, diploma
conferido pela Escola Normal. Ficando sem
efleito o eaital n. 32, que annuneiou o accesso
da mesma cadeira.
Secretaria da instrueco publica de Pernam
buco, 11 de Fevereiro d 1889.0 secretario,
Pcrsentino S. de Araujo GalvQo.
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial, na
forma das instrueces de 27 de Julho de 1883,
convida as associaces que nesta cidade tem
existencia legal se encarregarem da distribu-
cao do imposto de reparticao constante da ta-
Bella annexa a le n. 1884 ; sendo esse trabalho
remettido a esta reparticSo no prazo improroga-
vel de 30 dias uteis, contados da data do pre-
sente ; findo o qual sem a respectiva apresenta-
co se proceder nos tetmos do art. 27 das refe-
ridas instrueces.
Recebedoria Provincial de Pernambuco, 6 de
Fevereiro de 1889.
Francisco Amyntlas de Carvalho Moura
Correio geral
Concurso para preenchlmento
de un lugar de praticante de
tasse
Fa^o publico para conhecimento dos
interessado8, que acha-se aberta nesta ad-
ministracSo durante o prazo de 30 dias,,
a contar desta data, a inscripev> para o
concupo que deve realisar-se para preen-
chimento de um lugar de praticante de 2a
classe.
Os candidatos deverio documentar seus
requerimentos, provando terem mais de
18 e menos de 25 annos de idade, goza-
re m boa saude, estarem vaccinados e te-
rem bom procedimento.
A idade exigida para a inscripcao deve
ser provada com certidao de baptismo
extrahida do assento feito no livro de pa-
rochia no devido tempo, ou justificaeao
prestada perante autoridade ecclesiastica
e por esta julgada por sentenca. Este do-
cumento nao pode ser supprido por publi-
ca forma; e muito menos, por attestados
passados por vigarios, no ausencia dos li-
vros da freguezia.
O exame versar sobre as lingusa por-
tugueza, franceza, geographia geral, com
desenvolvimento quanto ao Brasil, e arith-
metica at a theoria das propor5<5es inclu-
sive, sendo motivo de preferencia o co-
nhecimento das linguas ingleza e allema.
Administracao dos Correios de Pernam-
buco, 12 de Fevereiro de 1889.
O administrador,
affonso do Reg Barros.
Instituto Arheologico Ceo-
graphico Pernambncano
Quinta-feira, 21 do corrente, 1 hora da tarde
reunir-se-ha esta AssodagSo em assembla geral
para a eleigo dos membros da mesa administra-
tiva, no prximo anno social de 1889 -1890; pelo
que sao de novo convidados os Srs. socios para
comparecerem na sede do Instituto, no referido
dia e hora : \isto 11Q0 se terem reunido no dia
marcado pelos estatutos. ,
Secretaria do Instituto, 19 de Feuereiro de
1889.
Baptista Regueira.
1 Secretario,
Secretaria da Instrucc,aoPu-
blica, 26 de Janeiro de
1889.
Faco saber a quem interessar possa, de ordem
do s. Dr. inspector geral da mtruccao publica,
que podem ser procuradas nesta reparticao as
cadernetas da Caixa Econmica Escolar da 3'
eadeira do sexo masculino da freguezia de San-
to Antonio, recolhidas pelo ex-professor Fran-
cisco da Silva Miranda, constantes da reiaco
infra.
Relacio das ca'iernetas da Caixa Econmica Es-
colar da 3a cadeira do sexo masculino da fre-
guezia de Santo Antonio, ainda nao reclama-
das.
1879 % 2.021 Joo Gomes Pe-
reira da Silva, folhas 38
N. 3.774 Manoel Pedro
Alcxaadrino de Lima,
dita 68
1880 N. 2.011 Joo Baptista
Lopes de Castro, dita 48
N. 2.012. Alfredo Proco-
io Lopes de Lastro, dita
Frae^Ses
1881 N. 2.084 Theotonio Agri-
pino dos Santos, dita 10
N. 3.516 Gustavo de Sou-
za Lopes, dita 17
N. 3.517 Joo "de Souza
Lopes, dita 18
N. 3-510 Martiniano Joa-
Srim de Mello, dita 21
.3.805 Joo Si I veri o da
Costa Oliveira, dita 30
N. 4.638 Manoel Soares
Monteiro, dita 45
N. 4.640 Lupicinio Fer-
nando da Silva, dita 47
1882 N. 5021 VictorinoDuar-
te Pereira Lima, dita 8
N. 2.388 Capitulino Tho-
m Baptista, dita 16
N.. 4.641 Manoel Candido
Ferreira da Silva, dita 19
N. 4.647 Al ex andrino
Tavares, dita 20
N. 5-029 Arthur Ferreira
Soares, dita 34
N. 5.311 Raymuado Al-
ves de Souza, dita 42
1883 N. 5.312 Luiz de Franca
Soares (ou Souza.) dita
31
N. 6.183 Alvaro de Oli-
veira Colas, dita 37
N. 4.642 Joo dos Santos
Pereira Braga, dita 57
1884 N. 6.371 Joaquim de Sou-
za Pinto, dia 12
N. 5.6i6 Manoel Sil veno
de Miranda, dita 20
N. 7.145 Amaro too de
Alencar. dita 37
N. 8.196 Rosa de Lima
dos Passos Barbosa,"* dita
42
1883 N. 5.618 Carlos Henrique
Soares. dita 41
N, 5.975 Affonso Dantas
Teixeira, dita 36
1500O
100 1*000
3*000
3*000
160 10*600
600 5*000
600 5*000
520 10*000
16*000
400 2*"00
100 1*000
9*000
140 17*000
11*000
500 7*000
740
560
11*000
810 2*000
*309 1*000
4*000
60 4*000
500 6*000
40t 11000
800 3*000
700 4*000
8*700
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
Francisco det Silva Miranda.
Os pretendentes devem apresentar-se efevida-
mente habilitados.
* O secretario;
Pergentino Saraiva de Araujo Gatuno.
Thesouraria de Fazenda
SUBSTITUICAO DE NOTAS
De ordem do lllm.'Sr. inspector e de*confor-
midade com o oflicio da inspectora da Caixa de
Aiuortisaco de 7 do .corrente sob n.. 52, faco
publico que, tendo apparecido na circulaco no-
tas do governo de 200*000 da 5 estampa, fal-
sas, que confundem-se com as verdadeiras, a
junta administrativa d'aquella reparticao resol-
veu que seja:n ellas recolhidas ate 30 de Junho
do corrente anno.
Assim, pois, sao convidados os possuidores de
taes notas a trazel-as ao troco at o referido dia,
pois que dessa data era diante soffrerfio o des-
cont de 2 i durante os mezes de Julho a Se-
tembro, 4 |0 de Outubro a Dezembro. 6 *j. de
Janeiro a Marco de 1890, 8 |, de Abril a Junno,
10 o em Julho, e d'ahi em diante o descont
progressivo e mensal de 5 \f at perderem de
todo o valor, como prectita o art. 13 da lei n.
3,313 de 16 de Outubro de 1886.
Em 16 de Fevereiro de 1889.
O secretario,
Dr. AtlttmiO Jos de Sant'Anna.
Seeretarla da Instrueeao Publi-
ca t4deDezcntbrode 1888
PRAZO 60 DIAS
Contractos de cadeiras.
De ordem do Sr. Dr. Inspector Geral
de Instruccjo publica, e em cumprimento
e determinacSo de S. Exc. o Sr. Desem-
bargador Presidente da Provincia de 21
do corrente, se faz publico, que fica mar-
cado o praso de 60 dias aquem interessar
possa para contractar as cadeiras mixtas,
Marayal e Gammejleira de Buique e a do
sexo feminino de Agua Preta, devendo os
pretendentes apresentarem suas peticoes
instruidas na forma das instrueces de 24
de Maio do anno passado como abaixo se
declara.
I. Os titulados pela Escola Normal Offi-
cial e pela da Sociedade Propagadora da
InstruccJto Publica.
II. Os que, mediante exame de capaci-
dade feito nos termos das disposicoes vi-
gentes, tiverem obtido diploma de habi-
litecao.
III. Os que provarem haver excrcido
o magisterio publico com reconhecida ha-
bilita$ao.
IV. Os que provarem exercer ou ter
exercido o magisterio particular as mes-
mas condicoes.
V. Os que, nao se achando as condi-
{Ses mencionadas nos ns. I. a IV, tiverem,
todava, notoria aptidao para o magisterio.
Art. 4". Ob individuos mencionados no
art. antecedente terao preferencia, na or-
dem em que se acham enumerados para
as cadeiras que requererem, por modo que
somente se admittirao os da segunda classe
quando nao houver pretendentes da pri-
meira e assim por diante.
Io Em igualdade de condigSes quanto
ao titulo ou diploma, preferir o candidato
que tiver excrcido o magisterio.
2o. Em igualdade de condicoes quan-
to ao exercicio do magisterio, preferir o
que tiver antes servido por outro meio
que nao seja o contracto oupo&interinidade.
3o Em igualdade de condicoes quanto
ao meio anterior de provimento, prefirir
o candidato, que tiver mais tempo de
servijo.
Art. 5o. Quanto aos que foram contrac-
tados em virtude da lei de 8 de Junho de
1874 e do regulamento de 7 de Abril de
1879, fica-lhes mantida a preferencia es-
tatuida pela lei n. 1766, art. 9, segunda
parte.
Art. 6o Os que pretenderem o provi-
mento por contracto, deverao, dentro do
praso de que trata o art. 2, requerel-o
ao inspector geral da instrw^ao publica,
exhibindo certidao de idade, folha corrida
e attestados de moralidade.
Sao dispensados de apresentar folha
corrida os que exhibir ein attestados de
procedimento civil e moral, passados pelas
Cmaras Municipaes, autoridades judicia-
rias e policiaes das localidades em que
houverem residido nos dous ltimos annos;
os que, se achando no exercicio de em-
prego publico, exhibirem attestados dos
respectivos chefes ; e as educandas do col-
legio de orphas e casa de expostos.
Io Os que requererem as condigSes
do art. 3o n. III, se tiverem exercido o
magisterio a titulo interino, deverao prb-
var haverem assim, ensinado por mais de
tres annos com proveito para os alumnos.
O meio desta prova consiste na exhi-
bido do titulo de nomeacao confirmada
ou feita pelo nspetor geral ; de certidao
de exercicio, extrahida dos assentamentos,
da secretaria da instruejao publica e de
attestado do delegado, litterario quanto ao
aproveitamento dos alumnos.
2o. Quando os pretendentes forem ou
tiverem sido professores de ensino parti-
cular ( art. 3o n. IV) deverao fazer prova
por meio de certidao extrahida dos assen-
tamentos e raappas constantes da secreta-
ria da instruegao publica, de terem ensi-
nado as materias de instrueco primaria
por mais de tinco annos, e attestado do
delegado litterario e dospais dos alumnos,
quanto ao aproveitamento do ensino.
Art. 7o. A petijao para o contracto
edeve conter a declarac3o da filiaco, idade
estado e proffissao anterior do requerente
a escripia pelo proprio punho dste, sendo
a lettra o firma- reconhecidas por official
publico.
O contracto s poder ser assignado por
procurador, se for provada a impossibili-
dad* do comparecimento pessoal do con-
tractante.
Secretaria da InstruccSo Publica 24 de
Dezembro de 1888.
O Secretario
Pergentino Saraiva de A. Galv$o
CONTRA FOGO
The .Liverpool & London k Globe
IH3URAITC3 CDMFAITY
2LACSSS, mim &:.
Ra do Commercio n. 3
SEGKOS.
MARTIMOS CONTRA FOGO
Companhia Plieolx Per-
nambueana
HUA DO COMMERCIO N. 26 1." ANDAR
Campanljia ht fregatos
costtba roso
NORTHEM
de Londres e Aberdaen
Posicao Gnanceira (Dezembro de 1885J
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accumulados 3.134,348
Recelta annnal :
De premios contra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros 32,000
* O AGENTE,
John H. Boxivell.
1 ........... ... 1 1 1 -----------a
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n. 75. No
Porto, ra dos Inglezes.
Companhia
Imperial
DE
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizos.
CAl'ITAL
RS. f .000:0004000
AGENTE
niiou \s k C.
N. 5RA DO COMMERCION^
Companhia de Seguros
JfiUliml
AGENTE
Miguel Jos Alves
IV. 1-Rua do Bom Jcsus -*%. *
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES .
Nestes ltimos seguios a nica companhia
nesta praca que concede aos Srs. segurados isemp-
cao de pagamento de premio em cada stimo
anno, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de 13 por cento em favor dos segurados.
~ segMMtra fogo
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .000:000
AGENTES
R.DEDRUSINA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
INDEMNISADORA
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Eatabelerida en* 1885
CAPITAL 1,000:000^000
SIXISTROS PAGOS *"*>
At 3 i de Dezembro delS84
Martimos.. l,110:00t)#000
Terrestres. 316:000#OO0
44Ra do Commercio44
MARTIMOS
co
AMIll PRRtl
DE
rc.*.V4
k
Navegaco costeira por vapor
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Mostoso, Araea-
ty e Cear
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 26 do corrente s 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 23.
Encommendas, passagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRnroRio
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
COMPANHIA l'KHXAHBI CI\A
DE
.\avegaeo costelra por vapor
Rio Formoso e Tamandar
O vapor Jaguaribe
Commandante Monteiro
Segu no dia 26 de Fevereiro as 5
horas da manli. Recebe carga at o
dia ....
Passagens at s 3 horas da tarde do dia 25.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n.12
Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco de
Almeida
E' esperado dos portos do sul at o
dia ti de Fevereiro e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte at Manos.
As encommendas sao recebidas na agencia
at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
PORTOS DO SUL
O vapor Manos
Commandante o Io tenente Guilherme
Waddington
E' espe -ado dos portos do Torte at
o dia 24 le Fevereiro e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul.
Recebe tambem carga para Santos, Santa Ca-
marina, Pelotas, Poro Alegre e Rio Grande do
Sul, frete mdico
As encommendas so sero receidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, flassagens, encomrr
res trata-se com os AGENTES.
Pereira Carneiro & C.
>J=*=Rua do Contme>
1 andar I


6
___
ario de PernambucoQuinta-feira 21 de Fevereiro de 1889*

DI
Navega*** rstetra pr Vapor
PORTOS DO SUL
Mwei, renede e Aracaju
O vapor Mandahu
Commandante Alcide
Segu no dia 27 do correte s
5 horas da tarde. Recebe car-
a at o dia *.
Encomme
*ts3
passagens e dinheiro (rete,
tarde do dia d* partida.
ESCRIPTORIO
As -Cae* da Companhia Pernambucana
n. 12
CHARGERSfcEUNIS

Companhla
DE
FraBCM
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
Xavegaco
Linha quinzenttl entre
Pernambaoi, Bahia,
Santos.
O VAPOR
V'ille de* M aranho
gk
Commandante Brant
E esperado da Europa at o dia 25
de Fevereiro, seguindo depois da in-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desto linha> queiram apresentar dentro
e 6 das a contar do da descarga das alvarengas
qualqeTrftctoi eonewnWte a rtritlttotfqi
porventura tenham seguido para os portos do
sol afim de se poder dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao se
respis-bilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommeada? e di-
nbeiro a frete : trata-se com o
AOENTE
Angoste Labille
9-RA DO COMMERCIO 9
United States and Brazil
M. S. S. C. J.
Ovapor Advanee
E' esperado dos portos do
norte at o dia 2 de Mar-
go o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
Baha, Rio de Janeiro e Sauto*
Para carga, passagens, encommeadas e di-
nheuO'a frete : trata-se com os AGENTES.
O vapor AUianca
E' esperado dos portos do
sul at o dia 28 de Feverei-
ro o qal depois da demo-
, ra necessana seguir
I para o
aranhSo, Para, Barbados, *.
Thomaz e New-York
Para cafga, passageaf, encommendas e di-
ubeiroa frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commsreio8
1* andar

Pacific Steam Navigation
Company
y-, ^ STRATTS OF MAGELLAN LINE ^
O-paquete Araucania
Espera-se do sul at o dia
28 do corrente e seguir,
depois da demora do costu-
me para Liverpool por
Jsboa, Bordean e rljnonih
Para carga, passageiros, encommendas fe di-
theiro a frete: trata-se com os
AGENTES
WHson, Sons & (.. Limited
14RA DO COMMERCIO14
Ro}*al Mail Steam Packet
Companhia
O paquete Trent
Commandante W. Chopmam
Esnert-se da Europa at o dia 1 de
^Marco, seguindo depois da demo-
*ra do costnme para
Macelo, Baha, Rio de Janeiro,
toantes. Montevideo e Buenos-
Ayres.
Para passagens, fretes e encommendas trata-
ge com'os AtiENTES.
O vapor Atraco
Commandante L- R- Dickiason
E' esperado, do sul no dia 3 de
Marco e seguindo depois da demora
necessaria para
LEILOS*
Leilo
Agento Brito
Do mobilias de junco, movis, fazendas, miu-
dezas, extractosflteiros, balangre, malas, eoutros
objectos, ao correr do tnartello.
4|nlnta-felra. '-i I do correnle
A'$ 10 lfihoras
48-Rua de T\angel48
Leilo
da armac de amare,lo envldragada, fteiros e
mercadonas existentes, na antiga fabrica de ci-
garros, denominada Venus, e da loja de barbei-
ro, com todos os seu; alencilios. sita ra do
Mrquez do Herval n. 'Mi.
luiofti-elra IIf do correte
A's 11 hora
O agente Gusmo. autorisado, far leilo dos
estabelecimentos cima mencionados, os quaes
sao bem loeansados e afreguezado. Garante as
chaves.
Lisboa, vigo. Kouthamptfon e
Antuerpia
Rf oncean de passagens
Ida Ida e rolla
A" Lisboa classe t 20 S. 30
A' Sonthanipton classe ti 41
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Emquanto vigorar a quarentena imposta na
Repblica Argentina, aos navios procedentes do
Brasil, os vapores desta compamjia nao aceitarlo
pass3g Para passagens, fretes, encommendas. trata-se
com o '
AGENTES
Aihorim Irinos & C.
N. 3Rna do Bom JesnsN. 5
lio rande do Mu. Pelota e
Porto-Alegre
infflez Estrella
V apor
B'T *
i /erado dos portos do sul
no dia 15 do corrente e seguir
/pan-',- icima indicados
M de pequea demora.
i?-ugeiros a
irata'
PereirfCanieiro &.C.
RUAD" EHCIO-tf
1- andar
Rio Grande PeloL
Para os portos cima, fegue eom brevidade o
lugar br ra carga trata-
Xjeil
de 1 garrota tourina prenhe
SEXTA-FEIRA ti DO CORRENTE
A's 11 horas
\o armazen da ra Mrquez
de Ollnda n. 4*
Por occasio de leil de champagne, factura
de roupas feitas para homens c meninos, ra*
veis, etc.
Por interven 580 do agente
Gusmao
Leilo
de fardos com ceblas d* Rio Grande av-
riadas
Sexta-feira M de Fevereiro
A"s i 1/2 horas
No armazem do Sr. Aun, defronte da
Alfandega
Por intervengo do agente
(iiismo
Agente Silveira
2 leilo
Da casa terrea sita ra do Socego n. 27
terreno foreiro
Sexta-feira, tt do eorrente
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 45
O agente Silveira por mandado e com assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orphaos,
a requerimento de D Joaquina Ceciliana da Pon-
seca, levara a leilo a referida casa.
Os Srs. pretendentes odem examinar.
Leilo
De movis
Sendo : 1 mobilia de amarello com 12 cadei-
ras de guarniso, 2 ditas de bracos, 2 ditas de
balancp, 2 consolos e 1 sof, 7 etagers, 3 jar-
ros, 2 quadros grandes, 2 ditos pequeos, 1 ta-
pete para sof, 7 pannos de crochet, 2 escarra-
deiras. 1 cama franceza de amarello, 1 espelho,
1 toilett. 1 lavatorio, 1 commoda, 1 cabide gran
de, 1 dito menor, 2 mezas de amarello de peis
torneados, 1 sof, 1 1. larquezo, 1 cupola. 1 col-
chao, 1 armario, 4 bancas, 1 taboa para engora-
mado. 2 escadas, 1 porta, 1 trem de cozinba, 1
pele de onca, 1 candieiro, 3 quadros e outros
muitos movis.
Sexta-feira, 22 do corrente, s 11 horas
Na casa n. 37 da ra de Lomas Valentinas, anti-
ga das Aguas Verdes
O agente Martins. auiorisado pela Sra. D. Pau-
lina Alves de Oliveira,, que se retira para fora
da provincia, far leilo dos movis e mais
objectos existentes em dita casa e que sero
andidos ao correr do martello.
Leilo
De 5 caixas com champagne fina, 111/2 du-
sias de pelles de bezerro mixto e choix, 1 faetn-
ra de amostras, contendo costumes para homens
e meninos, calcas, palitols, camisas, sabonetes,
extractos linos e 6 machinas para desarrolhar,
1 silho novo, 1 barrica com presuntos de fiam-
bre, 1 capa nova para piano de cauda, queijos
ingleze6, ancoretas com vinagre, mobilias de
junco, ditas de Jacaranda, pianos, movis avulsos
de junco, jarros, loucas para almoco eiantar, co-
pos, clices, talheres, diversas fazendas e miu
exla-fcira. ti do eorrente
A's 11 horas
Ab"'ormazem rita Mrquez de (Minda
n. 48
Por intervencao do agente

G
usmao
Agente Pestana
LEILO
fio importante sobrado de 2 andares e sotao, edi
caao no Pateo de S. Pedro sob o n. 4, ren
dendo mensalmente 70.
Kabbado 13 do eorrente -
A'i 11 horas
No arnitPH a ra do Imperador
n. 1
O agente Pestana, auiorisado por mandado e
com assistencia do Exm. Sr. Dr. 'juiz de orphaos
edo Illm. Sr Dr Tavares; vender a quem mais
der o cellente sobrtio de 2 andares e sotio, sito
ao Pateo de S. Pedro n 5 eom os commodos se-
guintes:
Pavimento terreo, 2 salase! saguo. Primeiro
andar, 2 salas, 2 quartos e cosinba. Segundo an-
dar. 2 salas, 2 quartos, cosinha e sotio : cujo so-
brado mede 22 palmos de frente, com 3 portas e
50 ditos de fundo.
Leilo
Da armacao, gneros e utensilios existen-
tes na taverna si ta ni do Bispo Sar-
dinba n. 11
Ter^a-felra II de Fevereiro
A's 11 horas
O agente Gusmo, autorizado! furahilo, por
conta e risco de quem pertencer, da armagifo,
gneros e utensilios da taverna aciraa mencio
nada,tm um ou mais lotes vontade dos Srs.
compradores. Garante s*a chave. \
AVISOS DIYERSOS
AMA Precisa ji- de urna cflsinheira que durma
em casa : a rna das flores n. .
Aluga se casas a MO00 no beeco dos <:oe
Ido.-, joitto le S. Goncallo; a trUr na ra da
Imperatriz n. 56. _______
Aluga-se o pavimento terreo do sobrado n.
46 ra da Roda, 'est indo o mesuio tado e todo ladrilnado 'le. novo, controdo 1 sala.
quartos e cosinha a tratar na rur. do Cbug
n 4ti. oja.
,!r: lirado n. : i ra do Caes do
(imam:-u-o.que segoe da Gasa deDt#nco, com
iKn^ romnMofl quinial cwr. fructeiras; a tra
im L. M. R. V.leara, ra das Trtecta
numen 7._______
. praca Conde d'Eu
n. 26 o sobrado -d rna Barao de S. Borja n.
26. com coraaodos pafv nuraerosa familia ; a
tratar oa ra da Aurora n. 86. merceana.
28 ra dT
l^nte Vaha, coro aiia gaz e bastante asseiada:
a ra Visconde de A'bijqnerque n 28. segundo
indar
Precisa-ge de boa cosrureira para Vestido ;
na roa do Imperador n. .44, 1 andar.
* Precisa-se de nm criado ; a tratar na ra
Bario lo-Victoria-. 3, toja.
Precisfl'se do*niBa ama para todo serrijo
domestico* (Jasa *e estrangrtro; pagffse bem;
a tratar na ra da Florbtitrja n. 10.
___
var
Precisa-se de urna aro* para oosinhar e la-
na ra da Praia n. 12.
Ef Precisa-se de urna ama para todo servis :
no segundo andar n. 16 ao largo do Carmo.
Em que flea o Sr. M. T. A. S., nem liquida
nem apparece.
Pergunta-se ao Sr. Franisco Raposo Fal-
co quando quer restitnir os movis, se nao paga
osalugueis enem os entrega. -
Precisa se de urna criada para copeira e
mais algum servido de orna casa de familia : a
tratar na ra da Soledade n. 82.
VE.ND-SE urna mobilia de amarello com
pedras, muito bem feita e com pouco uso ; a
tratar na ra das Trincheiras n. 19 loja.
Ama
Precisa-se de urna ama para eosinhar em casa
de pouca familia : na ra do Livramento n. 23,
segundo andar.
Cosinheira
Precisase de urna boa cosinheira : na ra da
Aurora n. 119.
Cavallos roubados
Furtaram ante-hontem do engenho Matapagipe
do termo do Cabo, dous cavallos com os seguin-
tes signaes : um alaso, com frente aberta, an
dador de baixo e de tamanho regular; e o ou-
tro rodado, sem muda nenhuma, cabano e sm
ferro algum : quem delles tiver noticias exactas
dirija se ao referido engenho que sera generosa-
mente recompensado.
Nova loja de calcados
Ra do Mrquez de Olinda n.

NICA DESTE OENEBO NA FREOUKZ1A
DO EECIFE
Recentemetlte aberra achando-se em condi-
COes de bem servir o respeitavel publico espera
merecer a conh'anca de Iodos os habitantes desta
provincia e das limitrophes.
Vende-se em grosso e a retallio calcados, na-
cionaes e estrangelros por precos rasoaveis.'
Hecife, 20 de Fevereiro de 1889.
Maia Rodrigues & C.
Telegramma
Vejam e admirem!
S o 55 na Duque de Gaxias
vendar polos precos que abaizo mencio-
namos.
Amor da China, novidade em padroes, a
200 rs. o covado.
Fust5es brancos a 360 e 500 rs. o co-
vado.
V el bu ti as de todas as cores a 800 r% o
covado. barato!
Case ;os e capas para senhoras, o que
ha de mais novo e barato.
Cortes de seda, padroes lindos e precos
razoaveis.
Madapolao com 1 metro de largura a
6f5 a peca.
Zefiros a 80, 170, 200, 240 e 400 rs.
o covado.
Ditos bordados a 800 rs. o covado.
Tecidos arrendados a 400 o 500 re. o
covado.
Brins de cores a 320 rs. o covade.
Cortinados de crochet, couaa chic e
preco barato.
Cambraia Victoria a 200 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Padarias
Farihha secca para tender; vende-se na pada-
da ra do Brom m 01.
Prefessor americano
Devido mudanca de residencia
MR. GEORGE B. NIND
pede ser procurado nos das uteis,; na ra da
Conquista n. 20.
0 Peitoral de Cambar
De J. Alvares de %. Moars .
Sempre foi, e ser o principal remedio
para as molestias da laringe, bronchite os
pulmSes. ,
A bronchite, asthma, molestia do pcto,
roaquidSo, coqueluche e qualquer tosse sao
perfeitaraente curados com o verdadeiro
remedio Peitoral de Cambar, de S. Soa-
res, approvado peb Exma. Junta Central
de Hygiene Publica do Brazil, premiado
com duas medalhas de ouro, e rodeado de
valiosos attestados mdicos e de innmeros
de pessoas curadas, tanto nesta provincia
como em outras do imperio.
Precos : frasco 2(J500, 1/2 duzia 13&
duzia .240000.
Em rao loa atrnlrn
FRANCISCO MANOEL DA SLVA 4 C.
23 BA MABQBEZ DE OLTNDA 23
Pernambuco
Traspassa-se
ou arrenda-se urna casa para pequeo negocio,
em um dos pontos mais contraes do bairro de
Santo Antonio, pintada de novo e com armaco
nova : quera a pretender dirija-se ra Bafao
da Victoria n. 54, 1 andar.
Moana
on4l_
P^ 1LERY
Vende-se en toda a
Bronehites
'"%..
O remedio infallivel para as bronchites
podo* o maravilhoso Peitoral de Cambar, de
S. Soares, que se vende em casa de Fran-
cisco Manoel da Silva & C, ra Mr-
quez de Olinda n. 23.
Sal&o da Moda
Roa do Visconde de luhauma b. 13
(ANTI0A DO RANG-EL)
Os nropretarios d'este mui' acreditado
estabelecimento previnem a seus fregue-
zes, que tem um completo sortimentfe de
fazendas, que vendem por menos 30,t0
do que em outra qualquer parte: como
sejam :
Linhosinhos de quadros a 80 re. ,
Las de quadros a 160 e 240 rs.
Zefires, muito largos, de 320 a 240 rs.
Cambraia 000 a peca.
Dita Victoria a 2*800.
C retoes claros que eram de 320 a
240 re. o covado.
Tintas de 200 e 240 rs.
Fichs com rateos e sem elles a IdOOO,
25000, .3*000 c 4,5000.
Baptiates de cores a 120 rs. o covado.
Camisas francezas a 2|$000.
Ditas de linli a 2*800.
Ditas inglezas a 4*500
Chales de casemira a 2*000 e 3*000.
Sargelim diagonal a 200 rs. o covado.
Meias para homemai senhoras e meninos
a 200, 240, 320 e 400 rs. o par.
Tambem temos um completo sortimento
de artigos para hojnem como sejam:
Case miras, brins, fustoes para collete,
collarinhos, punhos, gravatas e muitos ou-
tros artigos que sao precisos para satisf;
zer as exigencias do mais caprichoso e
elegante cavalleiro, para o que montamos
urna officina de alfaiate sobre a direcsao
de um perito mestre.
PRECOS SEM COMPETENCIA
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
Kzcede toda u ontn< pelo sb
perome erqnhlto.'
LOQAO de QDIRHO de OTSCS
sem riTil para lortalec# e1 em\*clcz&t
oe cabellas.
Garantida inoffeosiva.
AGiFLCHADETKKSg
perfume e*cepoinnl para o len^a; di
tillado da maia exquisita tscolha.
Encontra-se em Cas tf todo*, o* ftegy-
cJtntt 9 Fabricanos
J. A E. ATKINSDN
24, Od Bond Street, XUonrAree
lUrmdo Fabrica d R .';i kno''
obr* orna L> rm .te Oaw "
com endareco na totalidada.
Tratamenlo radical em 6 dias
DAS
BLENOHRHAGIAS AGUDAS
O'
GHROlfIGAS
(VULGO PURGAR
0)
i
Joan na .uinarco de Medeiro
Kurlado
Jos Joaquim da Silva Guimaraes e sua mulher
Anna Rosa do Carmo Guimaraes, mandara rezar
urna missa na sexta feira 22 do correte, s 8
horas, na matriz da Boa-Vista, por alma de sua
mana e cunhada Joanna Guimaraes Medeiros
Furiado. stimo dia do seu fallecimento, couvi-
dam aos seus pareotes e amigos e os da falleci-
da, para aasiatireiB a este aeto de caridade, que
desde ja Ibes serao gratos.__________^^__
t
t
Julia Rosa de Amujo
Francisco Perreira de Araujo, tendo recebido
a infausta noticia do fallecimento em Portugal,
de sua prezada mili Julia Rosa de Araujo, con
, vida aos seus amigos para assistirem s missas
Sargelins de todas as cores a 200 rs. o que pe,0 eten)0 r(fpou^0 de gua alma manda re.
zar na igreja da ordem terceira do Carmo, s 7
4/2 horas da manh de sabbado 23 do corrente,
trigsimo, dia de seu passamento, confessando-
se grato a todos aquelles que concorrerem a esse
acto de reliRio e caridade.
co-vade.
Guardanapos bons a l|98O0 a duzia.
Las modernas a 240, 280 e 320 rs. o
covado.
Rendas hespanholas a 28 o metro.
Luv.is de seda a 2# c 3(5 o par.
Espartilhos coura^a a 4#, 5(5 e 6> um.
Merinos pretoe e de eres, urna varie-
dade immensa em precos e qualidades.
Setns de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Toalbas felptdas, grande reduc?ao em
preces em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisados o que ha de
mais moderno e por pouco pre$o, lOiflOOO-
Colchas de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem collarinho.
Atoalhado para mesa a 15 e 1)J800
muito fino.
Collarinhos e punhos de linho e algodao
e por pre^o barato.
^Babados e entremeios, grande sorti-
mento.
Madapolao pelle de ovo por t>d a peya.
Esguiao pardo e chumbado a 400 rs. o
covado.
Urna grando variedade em lencos.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para coberta o que ha de mais
barato e bom. '
Mantilhas de renda a b urna.
Leques de setim muito ehic.
Linn bordado com quadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas escuras e claras a 240, 280 e
320 rs. o covadq.
Cretones trancados, finos, a 320 rs. o
covado, para acabar.
Casemiras de cores e pretas um grande
sortimento em qualidades e precos.
Casinetas, o que ha de mais bonito, a
400 e 500 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por precos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 1)5600 o me-
tro.
Brins pardos a 320, 400 e- 500 re. o
colado.
Cortes de vestido de cachemira com vi-
drbo o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos bordados.
E' barato.
Cambraia branca, bordada, o que ha de
mais goeto e por pre?o razoavel a 8)5000 a
pe&.
Dita com salpico a 45 e 5)5000 a peca.
Colchas argentinas a 6)5)500 ma.
Ditas de 25, U, U e 55000
Bramantes df algodSo e linho de todos
os precos.
Grande sortimento em fichs de cores
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas e 1 ;ques para Mfivat.
Bicos de cores muito chic.
Alm do que acabamos de annunciar,
temos urna auantidade de artigos que b
vendo-se, se acredita) pelo que pedem que
compareani.
Dio se amostras sem penhor.
Setinetas iisae de todas as Aires a 400
rs. o covado. Sao muito largas. ;
Roupa feita e por medida.
55-RA DUQUE DE CAXIAS 55
FEaULUDESDEUniBOiC,
ps
t
0 conselheiro Jos Bernardo Galvo Alcofo-
rado, sua mulher, cunoadas e lilhos convidam
seus parentes e amigos para assistirem a missa,
qne mandam resar no dia 23 do corrente, na
igreja do Monteiro, s 8 horas da manh, por
alma de sua cunhada, irm e lia. D. Isabel Can-
dida de Moraes Sarment.
Joaquim I'iisoii
Manoel Joaquim Pessoa manda rezar urna mis-
sa na matriz da Boa-Vista, sabbado 23 do cor-
rente, s 7 horas da inann, por alma do seu
prezado irmo Joaquim Pessoa, stimo dia do
seu fallecimento. Para assistir a ella, convida
aos seus parentes e amigos.
Joao Jom da Nllva
Mara Venancia da Silva, Mara A. da Silva,
Rita Angelina da Silva, Guilhermina Eulina da
Silva Cesar, Isabtl Julia da Silva Braga, Isabel
Rosa da Silva Furtado, Rosalina Regina da Sil-
va, Manoel Jos Alves da Silva, Joo Jos ra Silva
K i I lio (ausente), Antonio Perreira Braga. Joo
Antero Furtado, Irineo de Araujo Cesar e Clara
Manada Costa, sogra, UbttSj genros e rni, lin-
da profundamente envolvidos no gil pe que aca-
ba de vibrar Ihes a plida morte, convidam sei s
amigos e parentes, como os amigos e parantes
do fallecido Joo Jos d Silva, para assistirem
as missas, que pela sua alma, mandam rezar na
igreja matriz do Corpo Santo, d*3 horas do dia
24 do corrente, semo do seu passamento.
Desde j se confessam agraderidos a todos
aquelles que coocorreram ao enterro, e de novo
assistirem as missas.
DO IIOHEM OU DA Til I.IJi:H
E da leucorrha ou flores brancas
Pflulas Kesino -Balsamleas
E
Injecc^o Anti-Blenorrhagica
PREPARADOS POR CALASANS & 0.
PBODCT08 APPBOVADOS PELA
DI8PECTOBIA GEBAL DE HYGIENE
Urna serie de brilhantes e innmeras ex-
periencias, coroadas sempre de bom xito
durante dez annos, assignala a estes dous
medicamentos, usados com a dieta e dosa-
gens prescriptas, o primeiro lugar entre os
medicamentos estudados e preconisados
para curar estas terriveis molestias.
As pilulas sao supportadas pelo estoma-
go o mais delicado, pois que ellas nSo im*
pedem nem dimeultam as funccSes deste
orgao.
A injec9o anti-blenorrhagica n2o ab-
solutamente irritante e por isso nao tem o
inconveniente das actualmente empregadas
e nao produz (streitamentos.
Nao publicamos o grande numero de
cartas, attestados e agradecimentos que te-
mos recebido para- nao offender aos nossos
Clientes, muitos dos quaes sao pessoas mui-
to conhecidas o altamente collocadas.
Empregada como artigo de toilet parti-
cular excellente preservativo contra as
molestias secretas.
Modifica e faz dcsapparecer o mo cheiro
das regras.
Preparados por Calasans & C, Phar-
macia Imperial, Bahia.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
Cozinheiro
Precisa-se de um cosinheiro ; a tratar na ra
do i aysand n. 19.
CHAPEO ELEGANTE
Ra do Baro da Victoria n. 19
Acaba de receber pelo ul-
timo vapor da Europa urna
collecao de chapeos para Se-
nhoras o que ha de mais mo-
derno fino e elegante, ven-
dem p or preco commodo.
Carvalho Irmao&C.
t
I
Manoel Hachado
Manoel de Oliveira Menor e sua mulher Brgi-
da Machado Menor, tendo recebido do Rio de
Janeiro a dolorosa noticia de ter all fallecido o
seu presado sogro e pai Manoel Machado, con-
vidam aos parentes e amigos para assistirem a
missa que por alma do-raesmo tem de ser rezada
na igreja da Santa Cruz, sabbado 23 do corren-
te, s 7 horas da manh, stimo dia de seu fal-
lecimento, pelo que desde j se confessam agra-
decidos.
l.ui* Antonio da licira 1 atura
Filho
Luiz Antonio da Silveira Tavora convida aos
seus amigos para assistirem as missas que man-
da rezar no dia 22 do corrente, trigsimo do
passamento de seu lho Luiz Antonio da Silvei
ra Tavora Filho, as quaes terao lugar na igreja
de N. S. do Terco, pelas 8 1/2 horas da manha ;
e desde j cordialmente agradece o coaipareci-
mento a esse acto de piedade e religio.
i. Joanna Hiiimarac* de Medei-
i'fls Furtado
Dr. Manoel Antero de Medeiros Furtado, Jubo
Antero de Medeiros Furtado, Arthur Antero de
Medeiros Furtado, Joao Antero de Medeiros Fur:'
tado, Virginia Eugenia de Medeiros Furtado.
Maria Esther de Medeiros Furtado, Isabel Silva
de Medeiros Furtado e seus (ilhos, varia Cam-
pello de Medeiros Furtado e seus Olhos, agra-
decem a todos aquelles que se dignaram acom-
panhar ultima morada os restos mortaes de
sua prezada niai, sogra c av; e de novo o?
convidara para assistirem as missas que por sua
alma serao celebradas na igreja da matriz da
Boa-Vista, no dia 22 do corrente, pelas 8 horas
da manha stimo do seu fallecimento, por cujo
acto de re'igiao e caridade licarao eternamente
gratos._________________________________
t
Mara lloare* Perelra iow
Guilherrae Pereira Bastos, Cesaria Pereira
Bastos, Francisco Pacheco Soare3, Antonio Pri-
mo Soares, Joaquim Antonio Pereira Bastos.
Maria lereira Bastos, Jo^p Pereira Bastos, Jos
Pereira Bastos, Francisco Pereira Bastos, agra-
decem a toda- as pessoas que se dignaram aeom-
panhar uttima morada os restos mortaes de
sua prezada mulher, irm, sobrinha e cunhada;
e de novo as convidam para assistirem as mis
sas que por sua alma mandam celebrar na ma-
triz da Graca, as 7 1/2 horas da manh do dia
23 do corrente. stimo do seu fallecimento, pr'
cujo acto de regio e caridade licaro eterna '
mente gratos
IMPORTANTE

REDUCCO DE PRECOS
:ilES,Pll-21
*(X' \ tendo de reeeber bre-
vemente um sortimento de artigosnovos de alta novidade, resolvern,
fazer urna grande reduego nos presos dos artigos abaixo menciona-
dos, para os quaes chamam a attengao das suas Exmas. freguezas.
21-
OLYER;
Linbos para vestido padrSes modernos a 160 rs. o covado.
Cretones francezes, c6res claras, a 260 rs. o dito.
Merinos de cores, duas .larguras, a 500 rs. o dito.
Ditos de c6res, lavrados, de 2i>000 a 1|5000 o dito.
Lis de cores, desenhos de cachemira, de 900 a 600 rs. o dito.
Merino de quadros de 320 rs. o dito.
FustSc branco de 400 e 500 re. o dito.
Mursolina branca para casacos a 500 rs. o dito
Zephir de cor, listas e quadros a 500 rs. o dito.
Ditos arrendados, lindos gostos, a 600 rs. o dito.
Ditos de listas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito.
Etamines arrendados, de cores, de 800 a 500 rs. o dito.
P18r de Italia em quadrinhbs, a 500 rs. de 900 ra_
Mursolinas de cor, de listas, a 400 re. o dito.
Cortes de cambraia bordados transparente e tapado, de 154000
e 20000 por 90QOO e 120000 cada um.
Linao, padroes em quadroe. a 440 re. covado.
Nanzukes padrees mimoss, de 280 rs. o dito.
Percales miudinha se pannos finos, a 200 rs. o dito.
Merino preto fino, de 20000 a l^OOO o covado.
Setim Macao de todas c5res, a 900 re. o dito.
Brira fino pardo para vestido, a 400 rs. o covado.
Cambraia Victoria transparente, fina, a 35000 a peca.
\
35000 urna,
de 4*000, 5500,
6*001
Mantas hespanholas, de soda preta
Espartilhos, o que ha de nielhoi:
75000 um.
Fichs do cor arrendados, de 15OU0 um.
Capinhas hespanholas d<; cor a 25000 urna. j
Fichs de seda, muito lindos, a 3*000 um.
Sargelim diagonal, todas as cores, a 240 rs. o covado.
Casacos de cambraia branca bordados, a 35000 e 4000 um.
Luvas de seda, todos os tamanhos, de 25000 a 35000 o par.
Lences de linho do Porto, a 4i5O0O um.
Ditos grandes para cama franceza, a 65000 um.
Colchas de cor, de 25000 a 55000 urna!
Fichs, sortimento completo, de 25000 a 65000 um-
Lencos de linho com barrinha a 25000 urna duzia.
Camisas francezas, de 245000 e 3&5000 a duzia.
Meias cras para homen.. de 45000, 55000 e 65000 a du^ia.
Ditas brancas cras e de cores para senhoras.
Ditaa brancas cras e de cores para criain;at.
Chambres de cretone, e 55000 e 05000 um.
Cortea de casemirn de cor. de 65000 a 85000 ora.
Cortes-de fisto para collete. de lO"
Camisas inglesas de franella, 15 purn.. ; 55000 urna.-
Alm de outros artigos que deixamos d% mti
ite, tina, a 35UUU a peca, Aiem ae outros artigos que aeixami- i
21Rua do Crespo _.!
NAO SE DAO AMOSTRAS
\ ^r'
(
i
i
t





QuWa-fi
1889
.58 Rua Duque de Gaxias-58
GBANDE LIQL1DAC0
Principia na segunda-feira, de todos os artigos que
ricaram de saldo do balanco do anno prximo passdo,
vendendo-se por metade do seu valor.
Grande quantidade de retalhos de algodaosinho,
madapolao, chitas, seda, setim, etc., etc.
56 e 58Ra Duque de Caxias56 e 58
EPILEPSIA
CONVULSES
MOLESTIAS Laroyextne
M***
haaiMifiiiiMii;MiMi5jililmiiiiHiW.Wi
* LICENCIADOS PELA WPF.nTOKIA RAL DB HTOIBNB foO IMPFMO DO BRAZ7-.
* Aperiente*, EMomochico, Purgativos, Depurativo ____
* cintra a Falta d appetlte, a Obstrncoo, niaquec, as Vertlft-eaM.
* as Canr:etbea, ele Dose oidtaria : 1, $ a S grao*.
2 Desconfiar as latalcacuis : xilr o rotulo iunto Imprimido eui francs
e com letras* core seuo rt vj.il A {Taja, jai FlITICltM.
cada umaleti-a eTuua edr diirerei.te c v '-r- ubiov o *a>iiuwo.
Pharmacia LXXOT DcHf ilm IMuti |WHMi
PEHEilUftMAGALHAKS'
as
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidam dsseguintes artigos com descont de 14 io
vendas em grosso
Bramantes de aigodao superiores, a 800 rs. o metro, 4 Jargurao.
dem de puro linho fazenda de 20200 para acabar a 1<>500, metro.
, Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 e 10200 o dito.
AlgodSo alvo, nacional, para lences a 5(5500 a peca.
Madapol3o americano, a 30600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Maripozas de cores a220rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idema 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhoe, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito.
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito. %
Fichas de renda chics a 1(5000.
Colchas trancezas de cores a 2(5000 e 40000, urna.
Lences de bramante a 1(5800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupa de crianca a 10000 e 1(5800, diagonal, duas
brguras. ^
Camisas inglezas e francezas a 26(5000 e 30)5000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandes, a 14(5000 nm.
Cortinados ricamente, bondados a 5(5500 e 60000-
Pannos de cores para mesa a 1(5100 e 10800 o covado.
Cheviot preto e azul, a 3(5000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veludilhos de cores c pretos a 900 rs. o dito%
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
SetTDS de todas as cores a 900 rs. o dte.
Setinetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias ornas inglezas para homem a 2(5500 e 35000 a duz.-..
Ceroulas bordadas, de bramante, a 12)5000 e 16)5000 a dito
Cortes de casemiras para calca a 4(5000 e 6(5000.
dem de meia casemira a 2(5000.
Toalhas grandes para rosto a 4(5000 a duzia.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
K muitos artigos que serao lembrados com a.presenya de nossos : 59Rua Duque de Caxias59
LO JA DE
PESEIRA & HAfiALHAES
*
'sragea^ de Ferro Rabuteau
Laureado fio Instituto de franja. I .smio de Therapeutica
O emprego en medicina de Ferro Rabuteau i baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Perro Rabuteau sao recnnmipndadas nos casos de J
Chlorose, A*eim>t, Pulidas Cores, Corrimentos, DeM'idade, Esgotumento, Convalescena, |
Fraqueza das criancas, Depauperamento e Alterado do taugite em consecuencia de I
fatigas vigilas e excessoc i loda a natureza. Tomar" 4 fi prageas dor da. L
Nem Constipacdo nem Diarrhea, Assimilafo completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas riw nao podem engulir
engulir as grageas. Um calix de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente par as criancas.
dfl Unta explicacao detaihada acompanha cada frasco.
Exigir
o Verdadeiro Ferro Rabuteau de CLIN Se O", de PARS,
encontra em cata dos Droguistas e Pkarmoceuticos.
ALIAN PATERSON& C
N.44
Rua do BrumN. 44
NTO A BSTACO POS BOKDS
ender, por prc(;os mdico*, a* BaJprilfVe 'rrragers :
Tem para ven
Tachas fundidas, batidas e calderdas.
Crivflcos de diversos tamanbob.
RodaB de espora, idem, idem
Bitas angulares, ideui, idem.
Bancos de ferro com berra ci;t.i';.. .
Gradeamento para jardini.
Vrandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalha.
Vapores de forca de 3, 5, e 6 ch val os.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e aaeentamento de machinismo e executam qual
aoer trabalho*com perfeicao e presteza.
PEROLAS i. PEPSINA PORA DYALISADA
de CHAPOTEAT, Pharmaceutico.
Fot o Mr Cbapotaot o primeiro chimico que conseguio preparar e forneber ao
mdico e aos doentes, em perolas redondas, urna pepsina pura, nao contendo.nem
amido,TemdMucardeleite,nemgelatina.E Cinco vezesmaisactivaqueapepsina que
figura na ultima edicao da Pharmacopeafrancesa e digere 00 vezes seu pezode carne.
Sua acc&o da maior efflcacia; duas parolas tomadas depois da comida oastfto
para favorecer e activar a digestio, e fazem desapparecer no nm de um quarto de
hora as enxaquecaa, as dores de cabera, os bocejoa ti somnolencia, que
sao a aonsequencia de urna m digeatab.
Cada perola leva impresso em negro o nome CHAP0TEA0T.
PARS, 8, Ru Vlvlenne, em todts Dnjtriu t Ptomtlu.
i? i
-rs a gota

fp, bronchiles
NERVOSAS
HajaMUla em P*rn*mtme*. i
ro. aon m
OLUSO lTIHRfOy
TIMO* Bk. f
HRft, 7, BlUlwirB OMM, ?, MK8
riARMClA PIUl
" M> te BB.VA a. a.
PREG) SEM COMPETlNCA
A' rua Primeiro de Maree n. 20
Jante
Atoalnado bordado a 1^200 o metro.
Alpacas indianas a 320 rs. o covado.
Ditas mescladas a 600 rs. o covado. g
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Batistas finas a 140, 200 e 240 rs. o dito.
Brim pardo a 280 e 320 rs. o dito.
Baleias pretas a 260 e cobertas a 500 rs,
a duzia.
Bicos de urna so cor a 2(5 a peca.
Bramante trancado a 800 rs. o metro.
Brins de cores para crianca a 260 rs. o
covado.
Bicos matisados a 2(5500 c 3 a pe 5a.
Cumbraias bordadas a 4(5 a peca.
Cachemiras de quadros a 260 o covado.
Cortes de seda para colete a 5(5000.
Ditos d linn em carto a 7(5000.
Colchas de damasco a 60000 urna.
Cretones de alsace a 360 rs. o covado.
Cambraia arrendada a 460 rs. o dite.
Cachemira da India a 220 rs. o dito.
Chales adamascados a 2(5500 um.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Colchas de cSres a 2(5 e 2(5500 urna.
Cortes de casinetas a 10500 um.
Chambres 40500, 50 e 60000 um.
Cortes de setineta a 60000 um.
Cambraia Victoria a 20900 a peca.
Camisas allemSes a 360000 a duzia.
Cachemira de duas larguras a 800 rs. o
covado.
Cretones claros a 280 e 320 rs. o dito.
Colchas de fustao a 30500 urna.
Camisas de meia a 10000 urna.
Ceroulas de bramante a 150 a duzia.
Esguiao pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Espartilhos couraca a 50000 um.
ntremelos bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimento de casemira e- brins, collarinhos,
oob^ bolsas, fichs, lencos, leques e muitos outros artigos.
o covado.
rs. o dito.
do l.on vre
Fichs de malha a 3*000 um.
Fustao Branco a 360 e 400 rs.
Dito de cor para roupa a 800
Guarnico de crochet com matizes.
Gazes de cores a 500 rs. o covado.
Guarda-p para homens a 60000.
Grinalda para noiva a 80000.
Guarda p para senhoras a 80000.
Lencos com barra a 20000 a duzia.
Leque a grS-duqueza a 20000 um.
Lencos brancos a 10200 e 20000 a duzia.
Luvas de seda a 20 e 2|500 o par.
LinhoB de quadros a 80 rs. o covado.
Las escossezas a 100 rs. o dito.
Linn de cores a 500 rs. o dito.
Merino do cores, duas larguras, a 800 rs.
o dito.
Meias eom pintas, para senhoras, a 800 rs.
Madapolao americano a 60OOO a peca.
Meias para horneas a 30600 a duzia.
Extracto Porte-Veine a 10400.
Popelina branca, de seda, a 800 rs. o co-
vado.
Paletots de seda palha a 70500.
Ditos de alpaca pretaa 40500.
Panno da costa adamascado.
Pacotes de p de arroz a 500 rs.
Percales fi as a 200 e 220 rs. o covado.
Roupas para banhos salgados.
Regatas de cores a 10000 urna.
Sabidas de baile a 20000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargelim de cores a 200 rs. o covado.
Setim de cores a 800 e 900 rs o dito.
Dito do Japo a 240 rs. o dito.
Toalhas para rosto a 30600 a duzia.
Ditas para banho a 10400 urna.
ka PMias Oatharticas
Do Dr. Ayer.
t r-j;--!l!i]cia. do temi, applicailoA Pllnl*f. Dr. Am, i' a 'la ajw obtiixcai asmefm.-. Haiiiaisdeqoarentaai.ii';"
' que es'a Pllula obtiveram ama pnpulari>la vera.il. qne nenhaina oatra inedeclnii puryatiT t.m
aodido rivalisar. .
AS Pili .as no DR. Ater, purgara completa-
mente o reiitre coa uavdade, e rstlraulam e or-
tincare os orgias (UfartlTM e assimilaiiTS.
As* Pilulas do Dr. Ayer
*nram inligestao e liiTWdlmento, e evitam mtaa
(trias c a uimlo fajae, eujtermidaUes, motiva la
por aquellas desor.l'Mf.
i':ira as doenfas do Kst/>mago. Figado e Kin.
vinpfomaB sao as Kn/ermidade da Pelle,
i.ilor"e Peao 10 Estomago, Nausea, Male*
ilt -'le <^abeca, Hlito Ftido,Fl>re Jiilinsa
(.'olica. Dores do estomago costas e espadnas,
liiebacSva Hydroplca. etc..nada as allirta
'>mi legurava e prompti lio como as Pilulas do
gl'i:. Avrk; as quaes ao de grande utildade v*
l0 'i.'-1 Hemorrholdas.
1 orno .-einedlo.doiEetioo uio teip anal.
PREPAKADAS PELO
DIi. J. C. AYER CA.,
I.owell, Mass., E. U. A.
1 vei.la aas prijicipaes pharmacias e -lrogarlas
Alug-a-se
a casa da rua Coronel Suassuna n. 130; a tratar
na rua Marcilio Dias n. 106.
lug-a-se barato
a casa n. 47 travessa do Bartholomeo, os 1 e
2- andares do sobrado ao caes do Apollo n. 75,
e os 1 2- e 3 andares do da rua do Brum n.84,
todos com bastantes accomraodaccs para fami-
lia : a tratar na rua larga do Rosario n. 34.
AMA
punhos, leos, toni-
AMARAL & C.
x&*&*A**J(Ji
O melhor
PURGANTE r
60
O
-^ pl|IA .UM UOICISA ^J
0 P0 DE ROG
P0UDRE HOC
legitimo sellado
com um rotulo
impresso em
aUATRO CORES
' Nao ha Purgante
algum que tenha
sabor mais agradavel
* Casa L. FRERE
19, na Mi, toa
INJECTION CADET
Cura certa em 3 dias sem outro medicamento
PARS 7, liouleraril Itenain, 7 PARS
Depsitos em todas as principaes Pharmacias e Drogaras.
Para oDerby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de cores proprias
para of i madores do Prado e est vended-
do ir jn-ecns sem competencia.
Ueeeoea tambem coHarinhqs e punbo-
d>: boiTach:i de fnmatot novos.
48BA rMRAO DA VICTORLA 48
Cosinheira
I'reii.-u se (!< urna ama que cosinlie bem ; ao
terrciroindnlopruJio n. 42 da rua Duque de
.\i:is, nor iii'i:i da tynoprapbia do Diario.
Criado
Precisa-se de um criado
n. 119.
na rua da Aurora
CSj
'asa
nluga-se urna boa cafa para grande familia,
com agua, gaz e est limpa, defroute da estacio
do Caminho Novo : a tratar na rua da Cadeia n.
47, andar, ou Aurora n. 81.
zm*^^~-~\
Apolice provincial
IIiivendo-.se desencaminbado do poder do
abaixo assignado urna apolice provincial n. 279
da 2." serie, do valor ae 5000O e juros de 7
0/0, pertencente ao menor Mario, filno do Sr-
Dr. Andr Cavalcante de Albuquerque, faz-sr
publico o facto, para flns convenientes.
Hecife. 7 de Fcvereiro de 1889.
Joaquim Duarle Campos.
Professora
Urna senhora comiietentemeate habilitada, con
pratica de 11 annos de profissfio. apresentandi
diversos attestydos de boni metbodov comporta
ment, offerece-se para leccionar em casas par
tknlares, nacidade ou em seus arnbaldes as se-
pnintes materias: Pnrtuguez, Francez, Italiano
Geographia, Piano, trabalhos de agulha, etc.; a
tratar a rua Visconde de Goyanna n. 68 ou em
casa doRegulador da Mannharoa larga do
Rosario n. 9.
1=
9**W*_
i*
Farls e Londres
A H
tahoi)
tacK (em i i loes eif.f^niis-
lakoii < \f- :ian.dol
.ft dfllcln r litiesico, '
' r_Mia e toueador.
. rAza de fama universal, altor-
Mea nuitUa > ratl. o, como rirracaate, suf eri
todo nacas, dregariaa,
principaes filfaaiarW do mnndo.
Oaieo fabricam r- ti
D*osliaiios n "erntm&co ."aj IWrilJ. V.
f'aixeiro
Offerece-se um rf paz esperto e com bustante
praiica de tpverna, dando informado de suacon-
ucta : a tratar no pateo da Sania Cruz n. 2.
Aula de paisagem
Acnn-se aberta a aratricnla para a aul de
iifem. no Lyceo de oflioios. a qual
| funivionar nos domin-ros. ao meio dia. sob a
direcc].'.!) .lo Sr. J. J Tilles Jnior-
Cosinheira
0n FRAMCi, fiS -SitflfC/t, i
'HESPUlH.noBHAZIL. t
onde sao usai :'' Hrgiens ',
edt,-..?uj U arativa o Tfce- i
LoaatituUtc u ndo toda a l'.ciUilade I
para 86 tratar ti. ..to, e(
-c ni- ir i o
. l.OJtt
oi -
urei'iiiiiiiiis. s .
vern Mrtertta
Chrntoaa.
hiom l.qu- !
6
-
tu, i
tatnivh'. f.;
Tumor '"' '" *{
apprtlU '"-
1 Quil;.. .
Pk-COTTIN
[ttu.
.aS
te***55yEfwSSft^.--!a8t!
Precisa-se de urna boa en-
goramadeira que fa^a outros
servicos, a traetar no 3. an-
dar, por cima da typographia
da cDiario na rua Duque
de Caxias n. 42.
Precisase de urna ama de leite ; a tratar na
rua Baro da Victoria n. 5i, nova agencia de
movis.
Ama
Na rua Direita u. 86, 2 andar, precisa se de
urna ama para casa de hiucu familia.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar; na tra-
vesea do Pires n. 5, Geriquiti.
Ama
Precisa-se de urna ama para engoramar e co-
sinhar ; na Camba do Carmo o. 14.
Ama
Precisa-se de urna ama para eugommar e eu-
saboar, para casa de familia : a tratar na rua
Conde da Boa-Vista n. 24-B. ou 4 rua Duque de
Caxias n. 93.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar para
pequea familia : a tratar na rua das Larangei-
ras D. 3.
Ama
Precisa-se deuma ama : na rua do Imperador
n. i. primeiro andar.
Ama
Na rua da Matrisda Boa Vista n. 26, 1 andar,
precisa se de urna ama que cosinhe bem, para
casa de pouca familia.
Cosinheira
Precisase de urna bea cosinheira : na praca
Conde d'Eu n. 32. 2- aiaiar.
CAPSULAS de GRIMAULT & C"
COM
M TICO
iMmiiti Ma Juta Mtnl i*
BTltoM Mkliu m IrttU
Consinofo ia bsMSfa i* Mstieo
com o BtUtmc it CtfkH*
Remedio mtalUvel pan cura
t imifcaa. mbawcaj
o estomago, nem provocar fe-
putnaacla, effetto que semjre
produAem toaaa aa cpalas m
oopahlba BuuMa.
DMI Ph- ORUtAOLT CP, I, ru \
m trtMlum ntmmlti f
Pharmacia Bartho-
lomeo
Precisase de um pratico : a tratar na rua
larga do Rosario r.. 34.
OEIfyy
PARA O CABELLO.
ugitenta, Aformosea
E PAZ CBE&CEB O CABELLO
* com assombresa rapidez.
"PRODUCTOS ESPECIAN "
Do Dr. Carlos iteUcmourl
APPROVADOS PELA JUNTA CENTRAL DE
HTGIENE DA CORTE
Salsaparrilha e Caroba
GRANDE DEPURATIVO DO SANGUE
Elixir anti-rheumatico, anti-syphilitico, empre-
gado em todas as molestias de pelle, erysipela,
dartbros ou impingens, beriberi, anthrazes oa
carbnculos, cancros venreos, feridas cance-
rosas, ulceras, gonorrhas chronicas, boubas,
bubes. escrfulas e todas as doengas que e-
pendem da impureza do sangue.
Este remedio superior a todos os outros *
seu genero, o que est provado pela preferencia
e acceitaco que Ihe d o publico.
Um vidro 3*060
' !

RELOJOARIA
A autiga e bem acreditada iiTiciua de relojoei-
ro, sita ruu PriBieiro ele Marco n. i. araba de
ser transferida para a rua i^uran to owt-
rio n. 39.
O sen proprletario. ten'iium completo e muito
bom sortimento de aviamntOfl temientes sua
artee com urna knga pratica da inesum, offerece-
se ao publico em geral para enearregar-M d
todos roncertos de retoo*. enix:is de mnsica.
etc., etc.
Espera conlinnar i a cunfianra de
seus freguezes e asset'uni-lhes que ser sempn
solicito no cumprimeniij de suas ordene.
* 42Rua Larga do Rosario 42
Gustavo Vollicbard
Ao
Elixir de Jurubeba, Quina e
nto
Pegapii
TNICO FEBRtf-GO E DESOBSTRENTE
Empregado na debilidade geral, doengas aa
estomago, convalescencas depois do parto, febrafl
palustres, molestias do ligado e baco, falta e
apetite, anemia, cblorose, cores paludas ou faMa
de sangue, doengas nervosas.
E' um reconstituinte de energa, aromtico e
agradavel ao paladar.
Um vidro 3*000
Xarope de Jaramacani com-
posto
GRANDE PEITORAL
Tratamento curativo de toflas as molestias de
peito e da garganta, defluxos, tosses simples e
convulsa, coqueluche, constipares, asthma,-|braa-
chite, catarrno chronico e tysica pulmonar e A>
larynge.
K' o primeiro p&itoral que se coahece al neje
na medicina.
Um vidro 2*500
A' venda na rua Baro da Victoria n. 51
Pharmacia Pinho
Costureira e modista
franceza
Madame Fanny Silva tem o seu atelier de ar
das e costuras rua Baro da Victoria n. 15, f -
andar, e confecciona todo e qualquer toilette,
com aparado gosfo e elegancia, para casamen-
tas, bailes, visitas, passeios, etc., faz tambe
manteletes e capas sobre media. Contina a
ter um lindo sortimento de novidade? de Pars,
vestidos de seda, feitos, e em cortes Jetala,
gaze, velludo, broch e crpe de chine, foi
su ralis, sedas e ottomanas pretas. Esi ...
sortimento em vidrilhos pretos, chapeos, rapa-
las e visitas ; luto em 24 horas. Telepbane a.
93. Rua Baro da Victoria n. 15, 1 andar.
iiilellas do Monte de Soccorn
Compra-se cautellas do Moflte de Soccorro de
qualquer joia, brilhantes e relogios; paga-se
bem na Praca da Independencia n. 22, loga ale
relojoeiro.
Nova Hamburgo
Bailes a Phantazia
Pelo Carnaval
Approximando-se a epocha do carnavala
Nova Hamburgo aviza ao respeitavel pnbliee
que no presente anno como nos precedentes,
terao lugar'com o maior brilhantismo os bai-
les fantaziados que este grande e bem mon-
tado estabelecimento industrial custnma fa-
cultar ao generoso povo pernambucano para
o que desde j se trata da ornamentacSo
do garrido theatro de Variedades existen-
te no recinto da fabrica bem como doa
arranjos dos magnficos terracos pavilhSes
e gardins. Collocada a Nova Hamburgo
no centro desta cidade podendo sem es-
forz as grandes caminhadaa ser visi-
tada a cada instante pelos amantes da fo-
lia e pelos que buscam narcotizar o tedio
implantado no espirito pelas oceupacoes
pesadas; tendo em seu favor a agrada-
bilidade de structura e proporcSes que a
torna preferida as quatro noites consar
gradas muza alegre des devertidos de
esperar, mesmo admissivel contar com
a frequencia que( se ha notado as epo-
chas anteriores em que a boa ordem do
servigo interno ha perfeitamente correspon-
dido ao espirito ordeiro espansivo c so-
ciavel da nobre populacho desta venezm.
'ommereio
Offerece-*e um rauca de
escriptorio, ou para tai de t brancas: b
tralar na rua onde da Boa-Vista n. 79.
AlimenboiCriangas
. "ara remediar a fraqueza das criarlas, desenvotver
as tuos forros e presentios 'os doengas ia dude
tenra. os principaes Mdicos de Pars, i "aforos
da Academia de Medicina e Parts.reui-iUw com
ptimo exi|i> o v<-rdadciro
acaboat dos Arabas ai Delanfrenier, di Parla.
K-te tgr,idav,'iaiiinento.compOslocomsufosl.->"Ctas
ii sniilritivaiieforlakcoilorasiii co-
i liiila. e, pelas suasfropcloi'.. 'ts,
.olelcdrtssnii rascucama-
. is loicas lnguidas doealumago-
SI, r ftifosiiDS ....rhima-hsloluJisitwr.
Ensino particular '
O professor Joaquim Elias de Albuquerque
Reg Barios, rua da Conceicio n. 27, eatsina,
quer ou nao, pelas cas;is. as segualesmatefia
depois das 3 horas da tarde : portugus, -latiai
arithmetica, geographia, historia egeojetria.
Professora
Orna senhora competentemente hahiHada,
propoe-sea lefllionar em collegiofl e casas par-
uculares as seguintes materias : portugaet,
francez, msica e piano: a tralar na i>;Vis-
^onde de Alliuquerqueja^O^_______r
Aos amadores do carrawil
A bem conhecida loja de miudezas AZA
DO RECIFE.a rua Mrquez de i
antiga dt cadeia) recebeu'grande
mascaras calicatas para homens,
criancas, e grandes collecg6es |
ciedados carnavalescas. TOide-se,
competencia, quer pequeas ou
Vafe a pena visitar a loja de m
DO HECIFE para ver o
mascaras que tem vindo ao me;
cebeu grande sortimento de bi-
c outros artigos proprios :
a precosmodico8 leja di
Bazar do Red
A' rua Mrquez de Olma
De Domingos M. Martim
Cosinhe i
Pre>
tar na rua dx L.
Jl
tiaiewaile
as e
e se-
sea
es.
AS
re-
ine
tiide
~

*^

r
MUTHW U




t
w*
J'
l'
Engommadeira
. rua Farinosa n. 8, precisa-Be de urna en-
gom _________
Typogaphia e Lithographia
FABRICA DE LIVROS DE ESdlPTU-
BjICAO
Premiada as exposlces de
lS88ei5
Manoel J. de Miranda
Encadernaco e especialidades em cartoes de
visitas.
39loa Duque de Caxias39
Telephonen. 194.
Professora de piano
Urna senhora habilitada, nao so pelo seo es-
tado, como tanibem pela pratica, offerece-se a
ensioar piano por precos mdicos, quer em ca-
sas particulares quer em eollegios, podendo ser
procurada para o exercicio de sua profissao na
rua do Jasimoi n. 39.
VENDAS
Vende-se leite de vaccas da ierra, puro, a
320 rs. a garrafa, garantinrlo se a boa qnalidade
ao treguezes que o comprar nesu casa. 0>
fregueses encontrarlo o lcile das 3 s 7 horas
da manha. e tnmhem no<- rncnTp;::>mos de moli-
da r levar em casa de qualquer fregus : na rua
di- EtaogeJ n 53.
VV.idc se ln.-a.tu mu leweao cm Agaa Frw,
c> 06 paiiitOa >.c .o iic c 300 de fundo, na rua
d'p >. Paulo ; a ira lar lia lia.eesa d Casa Foile
u. i\>, taverna.
Fazn Loja do Triumpho
Rua Duque de Caxias o. 49
Las fins com froco. a 320 rs. o covado
Ditas de quadros, bonitas a 300 rs.
Merinos lisos, 2 larguras a 560 rs.
Ditos lavrados, 2 larguras a 700 rs.
Zetiroe largos de quadros a 240 rs.
Ditos largos de quadros finos a 280 rs.
Ditos bordados tinos a 700 rs.j
Etamine arrendada a 440 rs.
Dita de listas abertas a 400 rs.
Setins de listrinhas a 660 rs.
Dit06 da China (fantazia) a 240 rs.
Saias bordadas linas a 3*000
Camisas bordadas linas para senhora a 44000
Cambraia branca bordada, a 44500 a pega.
Dita bordada de edr a 55500 a peca.
, Chitas escuras muito boas, a 200 rs. o covado
Algodao largo ( 10 metros), a 24500 a pega.
Dito dito de 20 jardas a 44000 .
Toalhas acolchoadas grandes, a 44500 a duzia.
Redes inglezas grandes a 54000.
Guardamanos de linho, a 14800 a duzia.
Camisas de linho sem punhos e sem colarmho
a 34000.
Bramante de algodao 4 larguras, a 700 rs. a vara.
Tapetes grandes para sof a 144000
Cortes de seda para collete a 44000,
Cortes de casimira ingleza a 44500
E outras muitas fazendas que se vendem mui-
to baratas para liquidar.
A' rua Duque de Caxias u. 1H
Bastos efe G.
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Em decimos e caixa de duzia tem para ven
der Joaquim da silva Carneiro. largo do Corpo
Santo n. 13, 1- andar.
Vende-se
bagaco de sement de carrapato,
plantajes de capinj ;~na*i1>rica
taes. rua da Aurora n. 161.
rio para
leos vege-
rf.
Aproveitera !
Livre < deurnbararad*
^.' Vende-si' ama merecaria bem afreguezada, no
bairro de S. Jos, a qual vende mensalmente
1:5004000. o motivo da venda seu dono mudar
de ramo de negocio : trata se no pateo do Terco
numero 19.
Taverna
Vende-se urna taverna no bairro da Boa-Vista,
bem localisada, de pouco capital, muito propria
para principiante, e o motivo da venda se dir
ao comprador : a tratar na rua do Aragao nu-
mero 13.
FOLPCTII
SEM MI
POR
PAULO SWBUNIT
DURANTE A TKMPESTADE
CAPITULO V
AMona
(Continua?ao do n. 41)
A fatalidade quizera que Paulina fosse
chamada cabeceira do leito de morte da
irmS de sua mi.
A infeliz agonisava ssinha as visi-
abancas de Orleans.
Elt nio quizera recusar e partir.
Conservara-se ausente um mez, poco
mais ou menos.
ftuaio voltou, Eugenio tinha sido des-
E^Hfc da casa em que trabalhava. -
Hravcssava-se urna quadra m, os ne-
HEflfc nao caminhavam bem, elle nao en-
Hrarava emprego; segundo dizia.
Ento o aborrecimento^ a solido, a ocio-
eidade reunidos fizeram-n'o voltar vida
de rapaz*.
Tornara fregpencia dos cafs, onde
jogjk mais do que nunca, onde beba com
llgos, onde entregra-se a toda a sor-
^^Hr_ orgias.
[ada, nem as lagrimas, nem as suppli-
cas de Paulina haviam conseguido fazel-o
Toltar a trabalbi).
squenas economas esgotavam-se
por sold, semana por semana.
iiilher, que exprobrava-ihe mei
^^Bpreguica, elle redarga des-
MaaiKfiadamente:
lo, nao sou preguicoso; mas nao
tro nada, absolutamente nada.
a roupa branoa, as poucas joias de
Paulina comecavam a tomar o triste carai-
nho do monte do soccoito, quando appa-
os primeiros signaes de urna gra-
ibitamentc, accommettera o o
A KEVOLGO DO 48
V rua Duqu>> de Caxias n. 49
Nesta loja aenominada A' RevolucJto,
tendo sempre um grande e variado depo-
sito de fazeadas, resolveu-se vendel-aspor
menos 30i do que em outra qualquer
casa. Como sejam :
Toalhas felpudas e acolchoadas, brancas
e de cores, tamanho regular a 120, 20U,
500, urna.
Merinos de quadros, lindos padrSes
200, 240 e 280 o covado.
Seda Alcaciana (fazenda de fantasa),
240 o covado.
Cachemiras de quadros com combina-
9ao a 320 o covado.
Mimosa cambraia das mojas para cami-
sas a 36200 a peca.
Lindos cortes para vestidos em carto
com todos os aviamentos a 7? 9$ 10j5 e
14' um.
Saias bordadas para senhora (recebidas
ltimamente de 1 aris) a 36000 urna.
t-retones inglezes, francezes e allemes
a 240, 280 e 320 o covado.
Zefiros de quadros, muito largos a 16Q
200 e 240 o covado. >
Lindas colchas com palmas de cores
para noives a 105000 urna.
Chita claras e escuras, muitos padrSes
a2O0e^40 o covado.
Batistas com palmas e pintas, cores fi-
xas a 120 o covado.
Redes francezas a 50 e 6)5000 urna.
Fechs de 1S, muito grandes, todas as
cores de 2,5000 por 1(5500.
Camisas francezas de linho (pechinca) >ie
60 a duzia por 48)5.
Merinos finos com duas larguras, todas
as cores de 800 a 500 o covado.
dem idem dem dem preto a 800 e
1j5000 o covado.
Cortes de fustao branco e de cores para
colete de 40 por 20000 um.
MadapolSes finos a 40, 50 e 60000 a
peca.
Atoalhado de linho, lindo desenho a
10700 o metro.
Cortes de casemira para caiga, finos e
modernos a 40, 50, 60 e 70000 um.
dem idem idem idem costumes moder-
nos a 200000.
Cambraia de salpicos muito fina com
10 jardas a 40000 a peca.
E muitas outras fazendas que s com a
presenca das Exmas familias, pode rilo ser
vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
lheiras, leques transparentes, bicos de co-
res, entremeios, bordados, leos, extratos,
luvas etc.
48 DUQUE DE CAXIAS 48
Diario de RrnambucoQuinta-feir 21 de Fevereiro d*H&9

Armado
Vndese urna armacSo de amarello era per-
feito estado, propria para miudezas ou tabaca-
ria : a tratar na rua do Cabug n. 11-A.
Cabriolet americano
Vende-se um, propro para medico, muito
leve ; na cocheira da rua das Flores n. 3.
Ta>
terna
Vende-se a taverna da rua de Luiz do Reg n-
47, era Santo Amaro das Salinas : a tratar na
mesma ou no Caminho Novo n. 87.
8SSOOO a duzia
OLEO AMERICANO
O mais erononlro. hyglrniro e
perfumado oleo para o
C A. Jc3 Jo X_ XL O
VENDEM *
I.Oni-S DE HA1TOK IRHlOK
23-rua Mrquez de Olinda -2.1
_______MSClgjj_______
Pao ceHteio
Millc & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
ooroso pao ; rua larga do Rosario n. 40.
amor paternal, e o que nSo pudera conse-
guir a infeliz mulher com a sua ternura e
a sua meiguice, alcancara-o o amor pelo
ente que ia nascer.
Fdra isso justamente por occasiSo de
Jorge Chaniers alugar a usina da rua de
Bellevlle.
Eugenio, que entrara ao servico de um
empreiteiro, fora mandado fabrica para
executar certos trabalhos.
Pedro de Sauves, que vira-o trabalhar,
ficara mpressionado com a sua intelligen-
cia e habilidade.
Contratara-o para a fabrica, e pouco a
pouco aheicoara-se-lhe.
Mas depois, quantas vezes a embria-
guez e a orgia nio o haviam attrahido
novaipente, apezar do interesse que teste-
munhava-lhe o patrio, do affecto de Pau-
lina, dos seus sofiVimentos, que cresciam
medida que approxmava-se o termo fa-
tal da gravidez ?
E agora que ella achava-se rgida e fria
diante dos seus olhos, arrependia-se amar-
gamente de tel-a feito infeliz, de nao a
haver escutado, de ser causa de ama dr
maior ou de urna angustia mais profunda,
Nao seria o mo sangue, estragado pe-
los desgostos que elle lhe dava, ou o ex-
cesso de trabalho, que a teriam posto na-
quellc estado?
Ah! homem sem coracSo, canalha, in-
corrigvel que elle era!. ..
Levantou-se novamentc, dirigo-se para
junto da morta, cobrio de beijos e de la-
grimas a sua fronte gelada.
Minha Paulina, murmurava elle, eu
te amo tanto!. .
Depois, de sbito, levantou-se, arrancou
os cabellos, emquanto roucos solucos es-
trangula vam-no.
Acabado !... est acabado !... Mor-
ta!... morta!... vio leval-a daqui!...
Ah! por que parta ella no momento em
que, com a vinda da pequea, o arrenen-
dimento, desta vez sincero, entrava-lhe na
alma ?...
Como elle trabalharia para a filha!...
Como se tornara bom, vendo crescer o
seu cherubim sobre os joelhos de Pau-
lina!
Emquanto que agora o quefzer?
Separar-se da filha para mandar crial-a ?
E entrar sempre na casa vasia, no lar
deserto !...
Nio!
Revolta-se, grita, blasphema.
E' o ultimo dos desgracados !
De repente reflecte:
Ah! se tivMse dinheiro !.
Os olhos brilhain-lhe, a fronte annuvia-
se-lhe, o rosto torna-se-lhe duro.
Cahe sentarlo na extremidade opposta
azuespe9as com
Mais Barato
ALojadas Listras Azues
A' BA DUQUE DE Ca^IAS N. 61
Tclephone u III
0 proprietario desta conhecida casa previne as
Exmas. familias e todos os seus fre-
guezes, que as pechinchas que eos turna
dar, nao sao nem numea forain divididas
de outra casa como alguem annuncia
para engaar, vendendo fazendas ordi-
narias por boas, castume que a Loja
da Llatroa Aiuen nao tem.
As fazendas vendidas nesta casa sao de boaqua-
lidade, e nao levara | medida escassa;
aceita-se "a fazenda vendida se, por
qualquer motivo nao fr de muite agra-
do da pessoa para quera for comprada.
Dase descont a quem comprar de 20f
para cima.
ESPECIALIDADES
Hrim de listras
20 varas a 6i>000.
Madapolo com um metro de largu-
ra a 60800 a peja.
Cortes de vestidos bordados em
cartao a 10)5000.
Velludllho bordado acontas a 1)9600
o covado.
Cachemiras pretas, de quadros e
arrendadas a 2*e 20500.
Tecldos fantazia arrendado propro
para baile e theatro a 400 500 rs. *,
Cortes de cachemira com guarnieses
bordadas, lindas cores, a 205 e 250000.
Setlm Maco de todas as cores a 750,
e800rs.
Ubod bordado, tecido de urna s cor,
qualquer que se deseje, a 200_rs.
ZeOros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 rs.
Las de quadrnhos a 200, 240 e 360
o covado.
Llahos lisos a 60 e de quadrnhos a
00 rs%
Gnrdanapos melhor qualidade a
10800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores a 10.
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 40000.
Cortinados de crochet, com sanefas,
ultima novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados a 900 rs. o
metro.
Colchas de fustao, brancas e de eco-
res, a 20000.
Chitas finas precales a 200 e 240 rs.
Chitas escuras a 160, 240 e 280 rs.
BatlstCS de cores seguras a 120 rs.
>anzue de lindas cores a 280 rs.
Brlm pardo esguio a 240, 280 e 320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.
Mantilhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 80000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos eneites e com vibrilhos a
200, 250 e 300000.
Leques de pennao e transparentes,
ultima novidade, todo preoo.
Lnvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 20.
Espartilhos inglezes a 40500 e 50,
tem desde o n. 40 at 80 de grossara.
Bieo branco reme e de todas as
cores desde 700 rs. at 20500 a peca.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodao, greta, branca e de qualquer cor.
Babados e entremeios bordados ta-
pados e transparentes por todo preco.
OrampOS e pentfnhos fantazia para
cabello a 400 e 500 rs.
Slelas para vestidos a 260 rs. a
dtftia.
Reoslos despertadores com fi-
guras em movimento a 80 e* 90000.
Aspas de ac para vestidos a 120 rs.
o metro.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas aa loja das
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto Dias
do quarto, com o cotovello apoiado me-
sa que a boa Sra. Lureau havia encostado
parede.
CAPITULO VI
lm grito na noite
Emquan'.o passavam-se estes tristes acon-
tecimientos na pequea casa da rua Pi-
xrcourt, a residencia dos Chaniers tinha
tambem as suas agitactes, as suas angus-
tias.
A' tarde Adelia sentio-se sbitamente
muito fatigada, as dores dos rins da vs-
pera haviam augmentado, outras dores
profundas atormentavam-na, alquebravam-
na, aniquilam-na, para deixal-a um quarto
de hora depois, com longos momentos de
allivio, durante os quaes ficava muito cal-
ma, muito tranquilla, invadida por grande
sensaeao de bem estar.
E' preciso mandar chamar um me-
dico, declarou Suzana a Jorge.
Um medico, por que ? replicou este
admirado. NSo nada.
Suzana deu de hombros.
Nada exclamou ella. NSo, effec-
tivamente s o pequeo que vai che-
gar!
O Sr. Chaniers teve um violento sobre-
salto.
Hein !
Sim, confirmou a criadinha de quar-
to, tratet de visinhas outr'ora e sei o que
aquillo A senhora ^omeca a ter. as d
res, nada mais, nada menos.
Mas a cousa era somonte para o fim
do mez.
Mande sempre chamar o medico,
creia-me, melhor.
Meia hora depois, com effeito, o medico
chegava.
Era um amigo de Jorge, muito hbil, e
cuja reputacSo comecava a ser grande.
Ella teve alguma emo^ao V p'ergun-
tou elle a Chaniers.
Sim, esta manha minha mulher foi
visitar urna das suas protegidas no mesmo
estado em que ella, e que foi accommetti-
da das dores na sua presena.
Foi iss queapressou o parto da Sra.
Chaniers. Mas tranquillise-se, vai tudo
muito bem.
Jorge apertou enrgicamente a mo do
doutor. >
Supplico-lhe, disse elle com urna
emocSo que apertava-lhe a garganta, fa-
ca-a soffrer o menos possivcl.
O outro sorrio com indulgencia. \'
Isto, disse elle, nao estffem meu j>o-
der, mas certifico lhe que nao ha perkro
algum e que antes da noite ter o sou
bdi no berso
Navidades
Reeeberam modas de Pars
AZEVEDO, IRMaO & C.
16 Ba do B. da Victoria 16,
(Antga Nova)
Lindas capas de surah, cachemira, me-
rino e renda o que ha de mais novo. Renda
compriment de saia a 10000 e 10500.
Sargelim fin todas as cores a 200 o co-
vado.
Baleias com forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a duzia.
Bramante de linho com 10 palmos
10500.
D to de algodlo com 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 50000 e 60000.
Ditos de crochet finos a 80000 e 100000
Estracto Rita Sangal a 20000.
Fichus de 15 e seda 10000, 10500.
Capellas com veo bordado a 60000 e
70000.
MadapolSo globo a 70000.
Dito camiseiro a 70000.
Tapetes grandes para sof a 130000.
Espartilh* couraca a 40000 e 50000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Panos de crochet para cadeiras a 800.
Ditos de crochet para sof a 20000 e
30000.
Guardanapos de linho a 20500 a duzia.
Merinos de cores a 400 o covado.
Zefirea largos a 160 e 200.
Setim maco a 800 e 900.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
MadapolSo com um metro de largura
a60500.
Cachemira arrendada e de quadros
10500.
Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 30000 a duzia.
Camisas finas para homem a 330000.
Colxas de crochet com flores a 50000 e
90000.
Lindas velbutinas de quadros lisos e coin
listas propinas para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 400 o covado.
Caixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 90000.
Pao verde para buhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
Crinoline preta a 300.
Guarnieres pretas e de cores.
Camisas ^le flanella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglez.
Meias brancas de seda a 40000.
Cachemiras de quadros a 280.
FustSo branco a360 o covado.
EsguiSo fino a 10500 a vara.
Caaemiras para roupa.
Roupa feita por medida.
TELEPHONE200
O desengao ir ver
Doce secco de caj su-
perior
Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
preco commodo ; na rua do Bom Jess n. 35,
armazem.
Cimento Portland
Vendem Soares de Amaral Irmaos, rua da
Madre de Deus n. 22.
Vende-se
seus pertenees :
o hotel do Beberibe com todos
a tratar no mesmo.
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
gnezes em geral que recebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por precos mais resumidos em vista
da continnacSo do cambio favoravel.
Convem que experimentem. ?
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
Barato
S na loja das Estrellas
56-RIA DUQUE DE CAXIAS 56
Tclephone n. lo
0 proprietario deste mui acreditado estabeleci-
. ment previne a todas as Exrnas. familias
e freguezes em geral, que as muitas pe-
chinchas que costuma fazer, nS sao'mais
divididas com a sua ex-casa das LISTRAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos que em outra*qualquer parte dirja-
se a LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trara um completo e variadissimo sorti-
menfo de fazendas que se vendem por pre-
ces que nao lhe podem fazer competencia
como pussamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 1(5800 a 1#000.
Dito de cSreg a U e 10300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a 106OO.
Brn de cores para ronpa de criangas a
280 e 320 rs.
Colcha^ de crochet de 10$ por 5(J0OO.
Cortinados bordados a 50 e 6J000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 40 e 40500.
Cortes de vestidos, em carto, a 70000.
Cretones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 20800 a peca.
Camisas inglezas para homens a 280000
a duzia.
CollarinhoB, punhos e aberturas de cel-
Iuloid, um completo, por 20500.
Capas de vidrilhos e Mecidos arrendados
a 100, 150 e 200000.
Casacos Jersey a 20500, 30, 40 e 50.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 10200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 10100 a jarda.
Esguio de linho, pardo, a240e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 50600.
Espartilhos couraca a 30 e 30500.
Fichus a 500, 10 e 10200.
Fusto branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos veos de Blond
a 70000.
GuarniySes de crochet para sof, a 50500.
Gorgorito preto de seda a 10800.
Quardanapos de linho de 30500 por 20
a duzia.
Leques de fantasia a 400 rs.
Lencos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 10000,
10500, 20 e 20500.
Las e cachemiras de quadros a 60 rs.
Madapolo pelle de ovo, muito fino, a
60000 e americano, com um metro de lar-
guro, de pre$o de 120 por 70000.
Dito de 80 por 50000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Rendas hespanholas a 10600, 10800,
20500 e30000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs.
Dito de quadros, ultima novidade, a 10.
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpudas a 20500
e 30000 a duzia.
Ditas para banho a 800 e 10200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
i A8sim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos 20 i0 do que em qualquer outra
parte.
Effectivamente, muito antes de anoite-
cer, urna bella menina foi dada ao mundo.
Soltou um pequeo vagido, que asseme-
lhava-se ao] miar plangente de um gati-
nho, e emquanto Suzana arrebatava-a lou-
ca de alegra, emquanto o doutor deixava
a mi para oceupar-se com a crianca, Jor-
ge cahia de joelhos cabeceira do leito de
Adelia e cobria de beijos tudo quanto al-
cancavam os seus labios, o lencol, a col-
cha de setim, a fina mosinha que pendia
inerte e sem forjas.
Adelia esteva muito pallida, muito fra-
ca, com os seus bellos olhos pisados, anda
cheios de lagrimas, apezar dos seus labios,
que sorriam, as suas mechas louras cola-
das em desordem na fronte molhada, e o
seu rosto branco, que pareca ter-se alon-
gado e enmugrecido.
O que tenho eu? perguntou ella a
Jorge, que espreitava as suas menores im-
pressSes.
E a sua voz era to fraca, to imper-
ceptivel, que elle adivinhou, antes do que
ouvio.
Urna filhinha, to bella, to bella..".
urna pequea tu, que eu adoro j como
um deudo.
A joven mi murmurou :
Greorgina!
Nao, Adelaide!
Ella raeneou a cabeca pallida, e com
doce obstinbaos obstinajo de mulher fe-
liz e apaixonada, repetio :
Georgina !
Seja, pois bem, tudo quanto quizer;
mas cala-te, nao falles, nao te fatigues.
Quero-a aqui disse ella designando
um logarzinho no leito.
Jorge sahio e chamou Suzana.
Alguns minutos depois a criadinha eD-
trou, trazendo nos brajos a menina Geor-
gina, cuja cabeca, to pequenina como o
punho, desapparecia n'uma toucatoda en-
feitada de rendas, destacando-se as faces
rosadas, as mosinhas, que crispavam-se
involuntariamente, a boccasinha vermelha
sobre a adoravel covinha do queixo.
Adelia teve um relmpago nos olhos.
Eetendeu as naos, n'um involuntario
movimento.
Minha filha! disse ella.
E inais baxo, olhando para Jorge : .
Amo-te balbuciou ^lla, a ti que m'a
dste!
Suzana havia deposto a crianca ao lado
da joven mi, muito perto della; esta, en-
costada quelle pequeo volume quente e
vivo, experimentava urna sensaco nica,
poderosa e doce, profunda e indestructi-
vel.
Jorge inclinou-se sobre o leito, abra-
ceu-aa ambas, "apertou-as contra o cora-
Vinho de pasto
0 que ha de melhor, vende-se pelo mdico
prego de 3500 o barril de quinto *e 9*000 o
garrafao de tres caadas, voltando o garrafo
7500 (pregos lquidos) : rua do Amorim nu-
mero 60.
Qo, e cobrindo-as indistinctamente de bei-
jos loucos :
Oh! meus amores! disse elle, como
as adoro !... Ah com que alegria vou
trabalhar para ambas !...
O doutor voltava.
Do limiar da porta assistio scena.
E ento !... E ento disse elle com
indulgencia, que tolices sao essas ?....
Quer fazer o favor de deixar a minha
doente tranquilla, Sr. Chaniers ?...
Doutor, nao ralhe, sinto-me to fe-
liz !
Sim! sim! Est direto, mas ha de
sentir-se muito mais daqui a alguns dias,
quando a Sra. Chaniers passeiar coa o
seu bebe no jardim... Para isso, porm,
preciso que me obedeca.
E fazer o que, terrivl doutor ?
-* Em primeiro lugar o menor barulho
possivcl. Em seguida nao fzel-a fallar,
nao fallar-lhe, evitar-lhe as menores emo-
c3es. Bem v que estava ainda ha pouco
com grande vontade de realisar todo este
programma!
As emoeftes doces nSo fazem mal,
doutor.
Tanto como as outras, no estado em
que se acha a Sra. Chaniers. Por emquan-
to quem manda sou eu.
Fall, doutor, ha de ser obedecido.
A sua senhora vai to bem quanto
posaivel, mas nao quero comprometter o
seu bem estar. Voc tambem nao, nao
verdade ?
De certo !
Pois bem, vai deixal-a s; a enfer-
meira que trouxe commigo velar junto
della, com as minhas instrucc3es particu-
lares.
Supplico-lhe, doutor, permitta-me
nao deixal-a.
Nao ha perigo.
Farei to pouco barulho !...
Nao. Voce nao poderia deixar de
mexer-se, de levantar se, afim de olhar
para ella.
Engaase,"ho farei um movimento.
Nao, ainda urna vez. Bas.ta a emo-
jao de sabel-o ao lado della para agital-a.
Urna mulher to susceptivel nesses mo-
mentos nao dormira. Ora, preciso que
ella repiuse. (
Mas a miin, senhor, perguntou Su-
zana com expresso de ardente supplica,
vai permittir que fique, nao verdade ?
Tambem nao. Alm disso, pre-
ciso que voc trate do bebi e vele por elle.
Deixe-me minha filha, supplicou Ade-
lia muito baxo.
Amanh res^tuir/-lh'a-hei, e nao a-
deixar mais, se for ajnizada at l 5 mas
esta noite preciso que repouse, o es-
m mi csEE
Rua Duque de Caxias u. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1[2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 800 e 10, mutofino, de
Qualquer largura a 10400, e de fustao, de
700 a 10800 a peca.
Enxovaes para baptisados a 80, 100 e I
120000.
Lindos enfeites para penteados a 100,
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos. ,
Renda hespanhola a 20500 o covado.
Pulseiras americanas para 30, 40, 50,
60 e 80000 o par.
Guarnieres americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 e 60000.
Porta dedae8 de vidro, objecto para pre-
sente a 10000.
Broches de fantasia de 500 a 10000.
dem americanos de 20 a 30000.
Lencos de seda de 500 rs. a 10500.
Lublaque a 200 rs. o par.
Guarnieres de crochet, sendo um para
sof e 4 para cadeiras por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno e c6r,
com finos veos.
Flores artificiaes a 10000 o ramo.
* Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 20 20500 o par.
Bicos brancos de linho e de cores a 2,
20500 e 30000 a peca.
Contas de cor para enfeitar vestidoflfli
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e puuhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento tnfi
80000.
Talheres para crianca a 800 rs.
Luvas de pellica a 20500 rs. o'
Linhas de cores para crochet a
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 500
10000.
Espelhos com fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 40000 e cara aura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missaila
gas.
Lindas franjas douradas para facha, i
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos.
Timosinhos enfeitados de bico erenda.
PARA O CARNAVAL
de
(
V
N
jar.
&0OOO
rs. a
'

Agua Florida
Orea a 500 rs. a garrafa.
agua

Boyal Blend marca YIADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede lloyal Blend marca Viada),
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
____________BBOWNS & C, agentes.
NOVIDADES
FAZENDAS PRATEAMS
m :ss::i:: rsAmsiASQS
Aos bailes" do carnaval
\os Clubs Internacional. Carlos
Cime.* e eventude
VENDE A
Loja das Listras Aznes
RUA DUQUE DE CAXIAS N. |lJ
D-se amostras.

sencial... E' tarde, meia hora depois da
meia noite. Voltarei cedo amanh, eque>
ro encontral-a boa. Vamos, d-me eats
aenhora, que desejo eu mesmo fazel-a Wf-
mir o seu primeiro somno.
E muito meigamente, com um gei
mulher, o medico carregou Georgina,
era socegada como urna imagem.
Sem fazr bulha, transportaram
quarto visinho o ber^o todo branco
os seus grandes cortinados de fil, que
laco de fita immaculada, do tamanho tan
ramilhetes (que se dao Virgem no rafa
de Maio, prenda a um gancho pratead.
hi, menina, disse o doutor deital
do elle proprio a pequea sobre as
colchas alvas, durma bem e nao acor
mami.
Depois, dirigindo-se
D-lhe a chupar
co d'agua assucarada,
um pedaco de panno :
amanh de manha. E
a Susana
esta noite um
na qual
isso bastar
voc, minha
rida filha, durma tambem, para es
perta de dia, a substituir a enfe:
quando ella for descansar.
Havia no gabinete um grande din
Deitar-me-heiali, doutor, disse
pariga, e dormir i muito bem.
O medico nao tinha mais nada que
na casa, onde nenhuma omplicago
se mais temer, e preparou-se para
rar-se.
Vou acompanhal-o at l embaixo,
disse-lhe Jorge; e urna vez que interdiz-
me o quarto de minha mulher, descerei,
porque far-me-ha bem tomar um pqueo de
ar.
Desappareceram ambos effectivamajrte
allumiados por Suzana, que conservos
indinada no patamar, nao onsando afas-
tar-se do bero em que dormia j a crian-
ca que lhe estava confiada.
O tempo, Jque estivera quente todtg*
dia, tornara-se tempestuoso.
Longos relmpagos rasgavam
zonte, grossas gottas de chuva comecavam
a cahir, pesadas e repetidas, a trra exha-
lava o cheiro particular que acompanha as
primeiras enxurradas depois das grandes
seccas.
1 Finalmente temos um pouco d'agua,
disse o doutor; j era tempo, abafava-at
de alguns dias para c!. ..
Espere, disse Jorge entrando pr< V
pitadamente no vestbulo, vou
guarda-chuva.
dar-lhc um
!(Continuarse



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZZ7MEQIT_VJXPNV INGEST_TIME 2014-05-22T22:35:21Z PACKAGE AA00011611_17454
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES