Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17453


This item is only available as the following downloads:


Full Text

AftN0 LXY NUMBRQ 41
____________________
PARA A CAPITAL1 E LIGARES 0\l>E XAO SE PACA PORTE
Por tres mezcs adiantados............... 6(J000
Por seis ditos dem................ 12(5000
Por um auno dem................. 23J000
Cada numero avulso, do mesmo dia......... 100
_L i Vil! ~
QUABTA-EEffiA 20 DE FEVEREffiO DE 1889
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis meses'adiantados .....'......... 13(|500
Por nove ditos idem................ 20iflQ00
Porum annoidem................. 270000
Cada numero avulso, de dias anteriores .. 0100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Troprkdade de Mancel higuana de 3wia S 3%0)vs
TELEGRAMMAS


^

1
S
*.
sss::;: furculas so::::,::
RIO DE JANEIRO, 19 de Fevereiro,
1 hora e 35 minutos da tarde.
Falleceuo 1.* escripturario da.2.' conta-
dora da directora geral de contahidade
do Thesouro Nacional Miguel de Azevedo
Freixo. .
f **-
MACEIO', 19 de Fevereiro, as 12 ho-
ras e 40 minutos da tarde.
O Exm. Sr. presidente desta provincia,
Dr. Aristides Augusto Milton, mandou
resar hoje nina missa por alma do BarSo
de Cotegipe, celebrando-a o Bevm. viga-
rio Espinosa.
Assistiram esse acto S. Exc, o Dr.
chefe de polica, as autoridades judiciarias
e militares, os chefes de repartieres e mui-
tos funecionarios pblicos, diversos com-
merciantes e outras pessoas.
Foi geral o sentimento causado pela'mor-
te do Ilustre estadista.
BELEM, 19 de Fevereiro, s 2 horas
e 40 minutos da tarde.
Hoje, s 8 horas da manha, foram cele-
bradas exequias pelo descanco eterno do
Barao de Cotegipe, consistindo em missa
de rquiem i grande instrumental cora Z-
berarae.
Foram mandadas fazer pelo Gremio do
Partido Conservador.
Assistiram ao acto o Exm. presidente da
Provincia, autoridades civis e militares,
senadores, deputados geraes e provinciaes,
e grando numero de outras pessoas gra-
das.
O acte esteve imponente.
PARTE 0FF1C1AL
Co ver no da provincia
EIPDlENTl DO DIA 7 DE FEVEREIRO DE 1889

ssbvijo n a&sscia havas
PARS, 19 de Fevereiro.
Mr. Meline, que est encarregado pelo
presidente da repblica de formar o novo
gabinete, tem achado grandes difficuldades
para cumplir esta misslo.
Agencia Havas, filial em Pcrnambuco,
19 de Fevereiro, de 1889.
INSTRCCIO POPULAR
~^S GRMDES
ANTIGS K MODERNAS
AS
Seacias. industrias e artes
POR
A bassola
(Continuadlo)
0 meio da agulha oceupa o cent.'o do circulo
O instrumento conserva sempre urna horison-
talidade perfeita apezar dos movimenlos varia-
dos que soffre o navio, batido pelas vagas, cojo
embate o faz inclinar diversamente sobre seu
eixo ou no sentido do comprimento.
A bussola serve para dirigir a proa do navio
para o sitio onde se quer Ir ter. Tracou-se no
interior da caixa que perfeitamente quadrada,
um traro vertical collocado de forma que o raio
que lhe corresponde seja exactamente paralielo
ao eixo do navio. Por conseguinte, examinan-
do a situaco que a agulha tem no mostrador da
bussula e comparaBdo-a com a caixa, sabe-se
em que direccao avanca a proa do navio, e nao
e necessario fazer outras observacoes. Quando
o capitao ordena ao timonciro que dirija o navio
segundo certo rumo, o marojo da ao leme de
* modo que o beque ou proa do navio corresponda
sempre ao rumo que lhe prescripto, porque a
direcelo da quilha vana conforme o raio da rosa
dos rentos a que corresponde o trago vertical da
bitacula ou caxa da agulha.
Crea-se durante longo tempo que a agulha
magntica se diriga em toda a parte para o nor-
te exactamente. Foi Christoro Colombo o pri-
meiro que notou em 1492, dorante a celebre
viageo em que foi descoberto o Novo Mundo,
irae a agulha da bussola se desviava sensivel-
mente do venladeiro norte.
Em 1599 os navegadores hollandezes forma-
ram tabellas para documentar esia vaacSo em
differentes pontos da Ierra. Outros observade-
?otaram que somente o desvio da agolha va-
riava de um lugar ao outro, mas variava tambem
ao cabo de certo tempo em o mesmo lugar.
Desde entao distinguise a direegao absoluta do
diano astronmico, e por analoga deu-se-lhe
le meridiano magntico. O ngulo que
mam estes dous meridianos chama-sc
conforme a ponta norte da agulha
a iesle ou oeste da linha meridiana, diz-
adeclinacfio oriental ou occidental. Os
chamam tdriacaoi declinacao da
^^magnetica. ,
(Contina.)
Actos :
O presidente da provincia, de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica interino,
em officio n. 133, de hontem datado, resol ve no-
mear para o lugar de subdelegado do districto
de Caric, do termo de Itamb, o actual 1 sup-
plentc Vicente de Paula Rodrigues de Assump-
co, em substituicao do major Luduvico Fran-
cisco Cavalcaote que mudou-se do districto, e
para o lugar de 1* supplente da mesma subdele-
gacia Joaquim Vieira de MagalbSes.
presidente.^ ptoviptia,-attendendo ao
que requeren JooHermenegildo Borges Diniz,
agente recebedor addido a 2- seceo da Recebe-
doria Provincial e tendo em vista as informacoes
constantes do officio do inspector do Thesouro
de 5 do corrente, n. 56, resolve, de conformida-
de com o disposto no art. 5 da lei n. 683, de 5
de Maio de 4866, restabelecida pela de n. 1522
de 11 de Abril \le 1881, conceder ao peticiona-
rio a gratificacSo da lerca parte deseus venci-
menlos por contar mais de 30 annos de servicos,
devendo ser abonada a mesma graticaco pela
forma estabelecida na lei n 1682 de 21 de Junho
de 1882.Remelteu-se copia ao inspector do
Thesouro Provincial.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requeren Mariana da Silva Jeso3, professora
da radeira de ensino primario de Catuama. tendo
em vista a informaco n. 36 de J."ie Janeiro
findo, do inspector *do Thesouro Provincial e o
attestado medico exhibido, resolve conceder
peticionaria, a contar de 16 de Janeiro findo, 45
dias de licenca com ordenado, para tratar de sua
saude onde lie coavier.
Officios :
Ao presidente da provincia do Maranh*. -
Reitero a requisico feta em oflicio de 27 de Ju-
lho de 1887, para que V. Exc. se digne de trans-
mittir-me a certido do procero do reo Felippc,
que iuterpoz recurso de graca da pena de gales
perpetuas, imposta em 18 de Dezembro de 1880,
em virtode ae deciso do jury da cidade de S.
Luiz nessa provincia
Para cumplimento do disposto no aviso circu-
lar do Ministerio dos Negocios da Justica de 28
de Junho de 1865 e no de n. 63 do mesmo Minis-
terio, datado de 22 de Outubro de 1886, convem
que a referida certido venha acompaohada de
informaco do juiz da condemnacao, ou daquelle
que o ti ver substituido no cargo.
Ao brigadeiro coinmandante das arma>
Deferindo hoje o requerimento de Bartholomeu
Eugenio Muuiz Wanderley, 2 cadete 2 sargen-
to do 2o batalhao de infanlaria, autoriso V. Exc.
de accordo com a sua informaco n. 226, de hon-
tem datada, a eonceder-Ihe 30 dias de licenca,
para tratar de soa saude.
Ao Dr. chefe de polica interino.Convem
que V. S. expeca suas ordens para que o admi-
nistrador da Casa de Detcncao infirme se all
existe Joo Ramos Pessoa, condemnado por de-
ciso do jury desta capital pena de 4 annos e
8 mezes de priso simples e multa de 5 "/. do
valor furtado.
Ao commandante superior da guarda na-
cional da comarca de Pao d'Alho A' vista d4,
que expoe V. S. em oflicio de 28 de Janeiro Qndo,
referente ao tenente-corouel commandante do 54*
batalhao de infamara, autoriso-o a mandar abrir
novos lvros para os assentamentos do referido
batalhao.
Ao director do Arsenal de Goerra.Devol-
vendo o incluso requerimeoto e mais papis de
Mara Joaquina de Sant'Anna, quejacompanharam
o officio dessa directora de 5 do corrente mez,
sob n. 327, autoriso V. S. a mandar alistar na
companhia de aprendizes artfices desse Arsenal,
quando houver vaga, o menor Jos Mara da silva,
filho da peticionaria, visto achar-se as condicOes
dos arts. 165 c 166 do regulamento de 19 de Ou-
tubro de 1872.
Ao mesmo.-Conforme solicita o brigadei-
ro commandante das armas era oflicio de hontem
snb n. 222, antoriso V. S. a mandar satisfazer o
inoso pedido de oito caixes de pinho para
acondicionar fardamento do 14 batalhao de i
fantaria. Communicou-se ao
mandante das armas.
Ao inspector geral da Instruecao Publica.
Devolvo a Vmc. o proesso disciplinar qoe
acompanbou o seu officio n. 43 de 5 do corrente
mez, no qoal confirmo a sentenca recorrida.
Ao joiz de direito da comarca de Itamb.
Declaro a Vmc, em resposta ao seo officio de 1
do correte mez, que ao juiz de paz em exerci-
cio, da freguezia cabe impor as multas quelles
que, tendo obrigaco de dar a registro algum
nascimento, casamento ou bito, nao fizerem as
declaraces competentes dentro dos prazos men-
cionados no respectivo regulamento.
Ontro sim, declaro a Vmc. que nesta data ex-
peco ordens a Cmara Municipal de Itamb afim
de'que nao se faca enterramento algum sem cer-
tido do escrivao de paz.Officiou-se Cmara
Municipal respectiva.
Ao juiz de direito da comarca da Victoria.
Para Vmc. prestar a informaco exigida pelos
avisos do ministerio dos negocios da justica, de
28 de Junho de 1865 e 22 de Outobro de 1886,
sob ns. 287 e 63, transmitto-lhe a certido mi-
nistrada pelo conselbciro presidente do Tribu
nal da Relaco, do procedo do reo Joaquim Ca-
valcante do Reg Barros, que interpoz recurso
de graga da pena de 14 annos de priso, impos-
ta pelo jury do termo de Santo Anto em 14 de
Jumo de 1881.
A referida certido ser-me- devolvida com a
informaco.
Ao presidente da Cmara Municipal de Rio
Forraoso.-Transmiti a Vmc. em resposta ao
seu officio de 28 de Janeiro findo, copia do que
me dirigi a 5 do correte o Rvm. governador
do bispado, sbre a ncmeaco de um vigano
para essa freguezia.
Ao juiz de paz da parochia de Muribeca.-
Deciaro a Vmc. em resposta ao seu oflicio de 29
de Janeiro lindo, que a importancia das multas
impostas por infraeco do regulamento do re-
gistro civil deve ser recolhida collectoria
geral.
Ao juiz de paz presidente dajunta de alis-
tameoto militar da parochia de Santo Antonio
do Cabo de Santo Agostiaho.lnteirado do que
expoe Vmc. em officio de 4 do corrente, recom
mendo-lhe que, de confernidade cora o aviso do
ministerio da guerra, de 21 de Agosto de 1875,
dirigido presidencia da provincia da Baha,
designe novo dia para a reunio da junta de
ali^tamento militar d'essa parochia c de comeco
aos respectivos trabalhon, certo de que ao Dr
chefe de polica me dirijo, no sentido de seren
apresentadas pelas autoridades competentes as
listas de que trata o nico do regulamento de
27 de Fevereiro de 1875. Officiou-se ao Dr. che-
fe de polica. .. ..'_ ..*... .
Ao Io juiz de pr.z do distiycto de Santa-
Cruz do Brejo.Respondo ao officio de 24 de
JaDro findo, declarando a Vmc. que o esenvo
de >az do i districto da parochia de Santo Ama-
ro de Taquaretinga a autondade competente
para fazer os assentamentos do registro civil na
de Santo Antonio de Jacarar. nao instituida ca-
nnicamente, por ter sido desmembrada daquella
em virtode da lei n. 1364 de 8 de Abril de 1879,
conforme decidi o Exm. Sr. ministro do impe-
rio e me foi commnnicaio em telegramma de 13
de Dezembro do anno pausado pela respectiva
secretaria de estado, quuilo tratou-se de remes-
brigadeiro com-
sa de livros parochia de Santo Antonio de Be-
beribe.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios :
Ao gerente da caixa filial do Banco Inter-
nacional do Brazil.S Exc. o Sr. presidente da
provincia manda aecusar o recebimeoto do ofii-
cio de V. S. de 5 do correte acompanhado do
balanco das operaces dessa caixa filial effectoa-
das no mez de Janeiro oltimo.
Aos raerabros da commisso de contas da
estrada de ferro do Recife ao Limoeiro.S. Exc.
o Sr. presidente da provincia deu hoje o conve-
niente destino aos documentos que vieram au-
ne xos ao oficio de Vv. Ss. de 4 do corrente.
EXPEDENTE DO DIA 8 DI FEVEREIRO DE 1888
Actoa:
(residente da provincia em execugo da
lei n. 595 de 10 de Setembro de 1873 resolve
nomear Viceote Ferreira de Souza para o posto
de capitao da l3 companhia do 59 batalhao de
infamara da guarda nacional da comarca de
Garanhuns, em substituicao do capitao Mauricio
Lopes Lima que fei reformado.Communicou-se
ao commandante superior.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Francisca Ludovina Ribeiro Ba-
cellar, professora da cadeira de ensino primario
de Sant'Anna, tendo em vista a informaco n.
38 do inspector geral da instruecao publica e o
attestado medico exhibido, resolve conceder
peticionaria, a contar de 16 de Janeiro findo, tres
mezes de licenca, com metade do ordenado para
tratar de sua saude onde lhe convier.
Officios : ,
Ao brigadeiro commandante das armas.
Expeca V. Exc. suas ordens para que sejara fei-
tas as honras fnebres ao tenente-coronel da
guarda uaciooal, Henrique Jos Alves Ferreira,
por occasio das exequias que terao lugar hoje
pelas 4 horas da tarde na igreja matriz de Samo
Antonio.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Conforme foi-me requisitado pelo presidente da
commisso ageociadora de productos para a ex-
posico universal de Pars em officio de 6 do
corrente, providencie V. S. afim de serem embar-
cados livremenle com destino a Europa, em um
dos vapores da companhia Chargeurs Reuns, a
10 deste mez, os objectos que tem de figurar oa
mencionada oxposico.
MtUatis nuitanidis ao inspector do Thesouro
Provincial quanto Recebedoria Provincial.
Communicou-se ao presidente da commisso.
Ao mesmo.Recommecdo a V. S., em res-
posta do seu officio n. 74 de 5 do corrente mez,
que mande proceder cobrauca do que dispen-
deu-se com os reparos da galera ingleza Arden-
caple, de que trata a conta annexa do officio aqu
junto por copia, n. 729 de 20 de Dezembro ulti-
mo, do director do presidio de Fernando de No-
ronha, convindo que providencie no sentido de
ser para all remettida a quantia arbitrada aos
presos e recolhido o saldo de 8541000 aos cofres
dessa Thesouraria como receita daquelle estabe-
lecimento.Remetteu-se copia ao director do
presidio de Fernando de Nbronba.
Ao fiscal da companhia Recife Drainage.
De accordo com a informaco de Vmc, em offi-
cio de 6 d corrente, defer hoje o requerimento
em que Luiz Antonio de Siqueira pedio a sup-
presso do apparelho dessa companhia collocado
no predio n. 84 da ra de Domingos Jos Mar-
tins que serve de deposito de. seu estabeleci-
mento commercial, restabelecendo-se o mesmo
apparelho quando o predio se destinar a outro
fim.
A responsabilidade dever contar-se do prxi-
mo futuro semestre em diante. "ommunicou-se
ao inspector do Thesouro Provincial.
Ao juiz de paz do Io districto da parochia
de Nossa Senhora da Conceico dos Montes de
(Palmares).Respoodendo ao officio de 28 de Ja-
neiro tiodo, declarando a Vmc. que compre-lhe
impor multas quelles que tendo obrigaco de
dar a registro algum nascimento, casamento ou
bito, nao fizerem as declaraces competentes
dentro dos prasos marcados no respectivo regu-
lamento.
Nesta data expeco ordens Cmara Munici-
pal de Palmares afim de que os administradores
ou zeladores dos cemiterios ahi existentes nao
facam enterramento algum sem a certidio do
escrivao de paz, conforme determina o art. 74 do
citado regulamento.Officiou-se a Cmara Mu-
nicipal.
Ao 1 juiz de paz do 1. districto da paro-
chia de Aguas-Bellas. -Declaro a Vmc, era res-
posta ao seu officio de 28 de Janeiro findo, que
oservico do registro civil deve estar sob a diree-
gao e inspeceo do juiz de paz em exercicio, a
quem cumpr impor as multas quelles que nao
hzerem as declaraces do nascimento, casamento
au bito dentro dos prazos marcados no respec-
tivo regulamento.
Outrosim, declaro a Vmc, afim de fazer cons-
tar ao mesmo juiz de paz em exercicio, que n'esta
data expeco ordens Cmara Municipal afim de
Jue nao se faca enterramento algum sem certido
o escrivSo de paz.Officiou-se a Cmara Muni-
cipal.
Portara:
De accordo com o art. 93 da lei n. 1.221 de
21 de Junho de 1875, concedo a autorisaco so-
licitada pela Cmara Municipal de Limoeiro, em
officio de 1." do corrente mez afim, de applicar
no exercicio corrente o saldo existente em caixa
s obras do edificio do mercado publico d'essa
cidade.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios:
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia licou in-
teirado.tpelo officio de V. S. de 6 do corrente, de
ser expedido por essa companhia o vapor Jacu-
Uype, para os portos do sul at Aracaj a 11 s 5
horas da tarde.
Ao juiz municipal do termo de Tacarat.
S. Exc. o Sr. presidente da provincia recora-
menda a V. S. que, com urgencia, remeta a rela-
co nominal dos reos processados, com indica-
go das datas das pnsOes e pronuncias, decla-
rando o motivo da demora na formuco da culpa
de modo a nao se acharem preparados os res-
nectivos processos para serem subraettidos a
julgamento na ultima sessSo do jury do anno fin-
do como affirma o juiz de direito da comarca.
Edital:
De ordem do Exm. Sr. presidente da provin-
cia, e de conformidade cora o art. 157 do regula-
mento annexo ao decreto n. 9420 de 28 de Abril de
1885, fago publico o edital abaixo transcripto
pondo m concurso, com o prazo de 30 dias, os
officios do 2." tsbellio e annexos do fermo de
S. Jos do Egypto.O secretario interino,Ma-
noel Joaquim Soeira
O Dr. Pedro Jorge de Souza, juiz municipal c
de orphos, dos termos reunidos, Afogados e S.
Jos do Egypto, d'esta comarca de Ingazeira, da
provincia de Pernambuco, por S. Alteza a Prio-
ceza Imperial Regeote, a qoem Deus guarQ,
etc. *
Fago saber aos que o presente edital virem ou
d'elle noticia tiverem, que est aberto o concurso
durante 30 das, a contar de 28 d'este mez (Ja
neiro) a 26 de Fevereiro prximo para quem pre-
tender o provimento dos officios do 2." tabeflio
e annexos do termo de S. Jos do Egypto.
Assim, pois. quem pretender apresente-se no
Srazo instruindo se nos teraios do art. 14 1.' do
ecreto n. 810 do decreto n. 817 de 30 de Agosto
de 1851, de accordo com o art. 3 do decreto n.
4.668 de 5 de Janeiro de 1871, regulamento a que
se refere o decreto n. 9.420 de 28 de Abril de
1885, e mais leis conceruentes ao provimento.
E para lito mandei passar o preseote edital.
Dado e passado n'esta villa de Afogados aos 22
de Janeirojde 1889.
Eu Miguel de Queiroz Amaral, escrivao o subs-
crevi.-ftdro Jorge de Souza.
Eu official de justica e porteiro d'este audito-
rio abaixo nomeado certifico que affixei hoje na
ortadaigrcja matriz d'esta villa de S. Jos do
gypto, lugar do costurae de se affixar editaes, e
mais puWico o edital datado de 22 de Janeiro
corrente assignado pelo Dr. Pedro Jorge de Sou-
za, juiz municipal e de orphos d'este term, pelo
qual pe em concurso o 2." tabellionato e officios
annexos d'este mesmo termo de S. Jos do Egyp-
ser verdade dou fe, e passo a presente
^.ipto, 28 de Janeiro de 1889.O
astga e porteiro do auditorio, Agosti-
losa.
.-----------------*.-----------------
DB8PACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 18 DE
FEVEREIRO DE 1889
Dr. Charles Berthand.Concedo e expegam-se
as ordens necessarias.
Custodia Mara da Conceigo.-Informe o Sr-
Dr. chefe de polica ouvindo o delegado de poli-
ca de Goyanna.
Francisco de Souza Leal.Neg provimento
ao recurso, porque o recorrente nao soffre de
molestia que o inhabilite para servir no jury.
Francisco da Silva Miranda.Deferido vista
da informaco.
Tenente Flix Julio Teixeira Lima.Nesta data
recommendo ao commandante superior da guar-
da nacional das comarcas de Ouricury e Ba-
Vista o cumprimento do despacho da presiden-
cia de 30 de Setembro de 1886.
Fielden Brothers.Encaminhe-se, devendo ser
pago na repartigo dos Correios o respectivo
porte.
Os mesmos.Aguardem crdito.
Os mesmos. -dem.
Os mesmos.dem.
Os mesmos.Encaminhe-se, devendo ser pago
na repartigo dos orreios o respectivo porte.
Os mesmos.dem.
Genesio Libanio de Albuquerque Monteiro.--
Sim, deixando o supplicante sua custa pessoa
idnea que reja a cadeira e a contento do dele-
gado litterario, nos termos do art. 17 das In-
struegoes de 24 de Maio de 1887.
Jos Jerooymo da Silva.Informe o Sr. fiscal
da Companhia Recife Drainage.
Jos Francisco de Arruda Falco.Como re-
quer.
Jos da Silva Maia.Informe o Sr. inspector do
Thesouro Provincial.
O advogado dos presos pobres Jeronymo Ma-
terno ferira de Carvalho.Ao Dr. chefe de po-
lica para mandar verificar, com urgencia, a iden-
tidade dos presos, e tirar as informagOes neces-
sarias acerca de sua priso, afim de providen-
ciar-se como fr de direito.
Sizenando Hilario Ramos.Informe o Sr. in-
spector geral da Instrucoo Publica.
Thereza Portiriajde Jess e Silva.Concedo
com ordenado.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 19 de Fevereiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges, muito digno presidente da provin-
cia. O chefe de polica interino, Daro
Cavalcante do Reg Albuquerque.
DE

Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 18 DE FEVEREIRO
1889
Francisco Pedro Bolitreau, Jos da Cu-
nba Fontenelle Filho, Jos Joaquim da
Silva Barreto, Joto Joaquim da' Costa
Leite.Informe o Sr. Dr. contador.
Joaquim Francisco Collares.Informe a
seccSo do contencioso.
Amaro Joaquim do Espirito-Santo.In-
forme a seccSo do contencioso, sobre o
que exige a contadoria.
Raymunda Joaquina Mari a da Concei-
co.Haja vista o Dr. procurador fiscal.
Joaquim Onofre Rodrigues.Junte-se
as informajSes.
Reeebedorla Provincial
DESPACHOS DO DIA 19 DE FEVEREIRO
DE 1889
Jacintho da Hora i ires, Israel Irm3o
d C., Antonio Ramos & C., Carlos Lou-
renco Gomes 4 C, Torres Irmaos & C.
e Augusto lia Silva A C.Informe a Ia
seccSo.
Christiani & C. e Manoel da Cunha Lo-
bo.Requeira de accordo com o regula-
mento de 7 de Outubro de 1873.
Mello Pinto & CA' Ia secsao para
os devidos fins.
Joaquim Luiz Teixeira & C.Iuforme
a Ia seccSo.
Dias C.Informe a Ia secco.
Jos Dias de Almeida.Informe a Ia
seccSo.
Hinho & C. A' Ia seegao para os de-
vidos fins.
Manoel Joaquim da Costa Carvalho.
Deferido da accordo com as informacSes
e a escriptura apresentada.
Instruecao Publica
despachos do dia 13 de feveeeieo
de 1889
Antonio Vieira de Barros. Encami-
nhe-se.
Josephina Jovita Belmira de Oliveira.
Cumpra-se e registre-se a apostilla de
28 de Janeiro findo.
15
Mara Emilia da Cmara Ferreira.
Como rospier.
Genesio Libanio de Albuquerque Mon-
teiro. Encaminhe-se.
* 'lU*ar(co la Pottcla
2.a seccSo.*-N.* 188Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 19 de Fevereiro de
1889. Illm. e Exm. Sr. Participo
V. Exc. que foram hontem recomidos
a Casa de DetencSo os seguintes indivi-
duos :
A minka ordem, JoSo Ribeiro da Silva,
conhecido por JeSo Gago, indiciado em di-
versos crimes em S. Lourenco da Matta e
Iguarass, e Jos Apolinario da Silva,
como vagabundo, ambos vindos do termo
de Bom Jardim.
A' ordem do Dr. delegado do Io dis-
tricto da capital, Manoel Delfino de Sou-
za, por (embriaguez; JoSo Barreto,
disturbios e uso de armas defeza e
norio dos Prazeres por offensas moral
publica.
A' ordem do subdelegado da freguezia
do Recife, Flix Xavier de Sant'Anna,
Estanisl Lopes de Carvalho, Jeronymo
Lopes de Souza e Antonio de Souza San-
tos, como vagabundos.
A' ordem do da freguezia de Santo An-
tonio, Vieente Luiz Ferreira Bazilio, An-
selmo de Oliveira, Manoel Pereira, JoSo
Flix da Silva, Jos Pedro do Nascimen-
to, Jos Ferreira e Jos Nogueira da Sil-
va, por disturbios.
A' ordem do do Io districto da fregue-
zia de S. Jos, Emiliana Benedicta da
onceigSo e Josephina Maria do Espirito
Santo, por disturbios.
A' ordem do do Peres, Manoel Antonio
do Espirito Santo e Jos Soares da Silva,
por embriaguez e disturbios.
No dia 2 do corrente, o delegado do
termo de Barreiros, acompanhado do Dr.
promotor publico, do escrivSo e do respec-
tivo carcereiro, fez a visita na cadeia pu-
blica, onde encontrou 8 presos, sendo 3
condemnados, 3 denunciados e 2 processa-
dos.
Nenhuma reclamacSo fizeram.
Communica o delegado do termo de
Ipojuca que no dia 15 do corrente, pelas
4 horas da tarde, foi encontrado mar-
gm do rio do engenho Usina daquelle
termo, o cadver de urna mulher de oSr
parda, de 35 annos de idade, conhecida
por ConceicSo
Aquella autoridade tomou conhecimento
do tacto, fez proceder a competente visto-
ria, declarando os peritos ter sido conges-
tSo cerebral, a causa da morte.
Communica o Dr. delegado do Io districto
da capital, que na noite de 16 do corrente,
na ra do Torres, da freguezia do Reoife,
em urna quitanda all existente pertencen-
te a Henry M. Schmit, travando-se de ra-
z3es diversos tripolantes de navio com o
referido Schmit, resultando dellas sahir
ferido no crneo, o de nonie Charse
Anderson, pelo mesmo Schmit. *
O subdelegado do distrito, tomando
conhecimento do facto, fez recolher o cri-
minoso a DetencSo, e o offendido ao hos-
pital Pedro II, afim de ser medicado.
Procedeu.se a respeite nos termos da
lei.
Deus g%arde a V. ExcUlm. e Exm.
INTERIOR
Correspondencia do Diarlo de
Pernanibueo
BUIQUE, 9 de Fevereiro
Principio esta mencionando que ja nao esta-
mos mais sob a ameaga de urna secca abrazado-
ra, que comegava a causar prejuizos nos creado-
res ; pois j tem cnido chuvas; fazem-se plan-
tages em trra molhada e j respiramos um ar
mais fresco, que permitte que cada um se entre-
gue ao genero de trabalho a que se dedica e de
que vive sem as fadigas e atropellos, que occa-
sionavam um sol abrazador e urna evaporaco
asphixiante, qual o que tivemos durante quasi 7
mezes.
Nao foi muito pobre de assumptos e oceurren-
cias o periodo decorrido da data de minha pri-
meira missiva esta.
Nos dias 5 e 6 do corrente mez proceder, com
assistencia do promotor, o subdelegado em exer-
cicio, tenente Joao Freir do Reg Barros, um
minucioso inquerito policial e muitos autos de
perguntas acerca de um tiro desfechado pela
meia noite de 3 para 4, contra um soldado de
polica de nome Antonio de Rezende, dos sete
que destacam nesta villa, sob o commando de
um cabo; oceurrencia que parece envolver um
mysteno, atientas as circumstancias que o pre-
cederam.
Interrogado o cabo, disse que, j estando aga-
zalhado, batera-lhe porta urna pessoa, cuja voz
nao conhecera, dizendo-lhe que o subdelegado o
mandava chamar para dissolver um samba; que
abrindo a porta j nao encontrara a pessoa; e,
nao obstante, reunir as pragas e seguir com
estas, levando smeote sabres; que nao ouvindo
alaridos na villa, se dirigir fallar com o sub-
delegado, achando a casa fechada e dizendo-lhe
mais dejuma pessoa, a quem encontrava, que o
chamado nao era exacto, por isso que o subdele-
Sado eslava agazalhado e nada havia na ra que
evesse despertar a attenco da polica; que ahi,
convidara as pragas para irem at ra da i ruz,
onde costuma haver sambas e disturbios, e oode,
nada encontrando, voltava com seus companhei-
ros quando passam dous individuos armados,
indo um a cavallo, os quaes procuraram reconhe-
cer e nao conseguiram, porque elles apressa-
ram o andar; que, tornando a voltar, j vindo
com elles dous paisanos, que se tiuham reunido,
encontram um gropo de poucas pessoas, que,
com armas em puuho e apontadas, os intimara
para que prassem, sob pena de morrerem;
que se achando em posigao desigual, visto que
andavam desarmados e desprevenidos, obede-
ceram a intimago e tratara elle cabo de mode-
rar os aegressores ; sendo que ao mesmo tem-
po partir um tiro de lado cuja projectil apenas
estragara urna pequea parte de urna das man-
gas da blusa, qoe vesta o soldado Kezende.
Os demais soldados confirmara o que referi o
cabo, com a differenca de que alguns delles in-
dicam a perssoa que desfechra o tiro sfjni o af-
firmarem.
empre que d-ae nesta villa qualquer oceur-
rencia, por insignificante qoe seja, apparecem
pessoas que lhe dao proporges de novidades;
e como que para mostrarem que dispem de po-
dero fazem affluir para esta villa criminosos e
gente propria para desordens, como, nao fallan-
do em facto* mais antigos, se deu, em Setembro
do anno passado, por occasio de urna questo
com soldados, em que tomara parte o Dr. juiz
municipal, e ltimamente, por occasio de exe-
cutar-se urna precatoria do juiz do commercio
dessa cidade, para que tivesse lugar um arres-
to ; diligencia que fora executada'sem consequen-
cia3 lastimaveis, i orque o arrestado tooiava o
alvitre de nao servir-se dos elementos subversi-
vos que se pozerain sua disposigo.
E' sabido que neste termo se costuma instigar
a gente rude contra os soldados de polica, e que
se tem o proposito de desp*tigar o principio
de autoridad*, e o que peior, at costumam
propalar que dispoem do jury para absolverem
a quem Ihes approuver.
O registro civil nao tem tido execugo, por-
que, como sabido, se tem procurado iodispor
o povo contra elle, calumniaDdo-se e invertendo-
se os seus fins.
Sendo este, e muito peior, o estado deste ter-
mo, confiamos que S. Exc. o Sr. presidente da
provincia nao deixar de mandar para aqu um
militar de linha, como delegado, com urna forga
de pelo menos, 20 pragas.
Consta que nao s as autoridades policiaes,
Jue nao se julgam garantidas, como o adjunto
o premotor, o commendador lAntoiiio Ferreira
Cavalcante Badega, que homem ordeiro, se in-
teressaram com o promotor, para este# sem de-
mora solicitar a alludida providencia, que, em
verdade, inadiavel, e que o Dr. juiz de direito
da comarca se maoifesta no mesmo sentido.'
Trata-se, pois, de urna providencia aguardada
com o maior interesse.
O Dr. juiz municipal contina na villa da Pe-
dia, para onde ce transportou em principio do
mez prximo findo, onde leva a mesma vida
sendo indifferente para com o cumprimento de
seus deveres... E' mais urna difliculdade que
encontra a justiga nesta comarca.
fifi-
HYGIENE
Transnsso da tuberculoso
pelo leite da race a
(Do Commercio de Portugal)
0 Diario do Governo publicou hontem alguns
documentos relativos s providencias a adopta/
contra a transnsso da taberculose pelo leite de
vacca, como alimento.
Desses documentos, transcrevemos o seguinte
officio do vice-intendente de pecuaria da 4 re-
gio, em que sao indicadas as providencias con-
tra a transnsso:
Illm. e Exm. Sr.Parece hoje averiguado, de
forma a nao haver duvida, que entre as causas
i ni mediatas da tsica no lio nem a tuberculoso
das vaccas em fnego de leite, para consumo,
representam um dos factores mais importantes,
seno o primeiro de to devastadora doenca.
Em presenga, pois, desta conquista scientinca
encontra se actualmente a sociedade na posse
dos meios de combater e restringir a manifesta-
gio e at a disseminago de to terrivel e des-
gragado morbo, se a populagSo se prestar a au-
xiliar a autoridade na sua missao salvadora.
Assim que, para prevenir a difiso da tu-
berculose nos habitantes da capital, tenho feito
sentir, por meio da imprensa, quanto pode ser
prejudicial e nociva a indifferenga e deseixo dos
consumidores no uso immoderado do leite, tal
como sane do ubere dos animaes, aconselhando
sempre que o sujeitassem acgo esterilisadora
do calor, indicagao esta que resultara de ter en-
costrado durante a inspecgo alguns animaes
tuberculosas e muitos outros que tambem suppo-
nho affectados, mas em que por emquanto nao
possivel fazer o diagnostico.
Observando, porm, que as mrahas indicagoes
sao das em menos conta, e taWez mesmo des-
prezadas, e por outro lado a certtta da existen-
cia da tuberculose em muitas vaccas qqe ahifbr-
necem leite ao publico, sendo mesmoOSefei'*'"
que esse numero seja muito maior, visto a difli-
culdade em reconhecer tal doenca nos seus pri- A
meiros periodos, escapando assim muitos ani-
maes a esta primeira inspecgo, vou rogar a V.
Exc. se digne, emquanto este servigo nao for
montado de forma que a -sua eficacia nada deixe
a desejar, pelos meios que tiver por convenien-
tes fazer constar a todos os habitantes desta ca.
pital o perigo a que esto expostos, nao segura-
do os conselhos cuja acgo protectora a expe-
riencia tem demonstrado, e que, em rirtude do
artigo 8. do decreto de 16 de Dezembro de J886
me cumpre submetter illnstrada apreciago de
V. Exc.
Em harmona portante com estas disposiges.
e dando-se a circumstancia dos effeitos se ma-
nifestaran] muito tempo depois que a causa efi-
ciente contamine o consumidor, explicndose
talrez assim o motivo de menos cuidado da po-
pulago, tenho a honra de propor o seguinte :
i" Nao dever fazer-sc uso do leite, especial-
mente de vaccas, sem que tenha sido frvido du-
rante qninze minutos, pelo menos;
f Quando o leite provenha de vaccas velhas
melhor nao o utilisar, derendo sempre ser re-
jeltado se a esta circumstancia se juntar a ma-
greza do animal;
3o Dere sempre suspeitar-se de todas as vac-
cas que tenham tosse. O leite dcstes animaes
deve ser rejeitado pelos consumidores ;
4 Embora nao haja tosse nem velhice, mas,
se o aspecto geral do animal deixar duvidas so-
bre a integridade da sua saude, prudente recu-
sar o leite;
5o Desde que conste que era qualquer vacca-
ria ou outro alojameato de vareas houre algum
caso de tuberculose, motivo para suspeitar dos .
animaes que cohabitara no mesmo alojamento;'
6" Ser conveniente conservar por certo tem-
po, sob vigilancia activa, o alojamento de vaccas
em que se haja dado algum caso ou casos de
tuberculosa,
7 f'eraprc que se verifique um caso de tuber-
culose devero ser tratados pela agua frrverite o
lugar e mais objectos pertencentes ao animal";"~
devendo a acgo da agua prolongar-se por um
espago nunca inferior a dez minutos. Durante
dois ou tres dias devero o mesmo lugar e mais
objectos ser beneficiados pela agua pnenica (10
grammas de acido para 1 litro de agua). A pa-
rele fronteira ao lugar oceupado pelo animal,
depois de convenientemente lavada com agua
fervnte, ser caiada;
8o Parecendo que o calor nao altera as quali-
des alimenticias do leite, nao dever haver a
menor duvida em o ferrer, o que sempre ser
pracado seja qual for o estaoo e idade do ani-
mal que o fornega, emquanto a inspecgo nao for
to rigorosa que. pcissa garantir ao publico este
producto em boas condigoes.
Deus guarde a V. Exc. Lisboa. 11 de Agos-
to de 1887. O vice-iutendente de pecuaria da
7* regio. Jote Anastacio Montetro.

i
V

VARIEDADES
AMOR B BNHBRO
POR v
XVII
(Continuaco)
Nos primeiros dias de Fevereiro, a familia Par-
sollier voltou definitivamente paraPariz. Os pro-
jectos de associago tinha prolongado por algumas
semanas a sua residencia no campo.
Tiuham decorrido uns vinte dias, depois do fa-
tal vencimento de 15 de Janeiro. O trabalho de
decoraposigo nos seotimentos operava-se com
horrivel rapidez, quer em Paulo, quer era The-
reza.
Paulo j nao ousava apresentar-se em ca.-.
Sra, de Marian.
O seu receio de ser desprezado por i
ver aecusar um- innocente, importava ^
de desagradavei e de aggres<
ca com o principio do odio.
r eUa,-
nV|"'HaB^r
I
]


liario de PernambucoQuarta-fmra 20 de Fevereiro de, JS89
^^ ^^-^^^^L
a
i-asa e encontrara ratfcarsna e a Sra. Parsollier
com sua mi, quer, para jantat. quer quando vol-
tavam das visitas aos rmateos '
EntSo, imperado por urna paixas de ma desfor-
ra, desempenhava delicadamente, agradavehnen-
le o seu papel de apaixonado, exaltando-se, um
mesa .
Eis aqui I disse a mae, amanha quarta-
feira Paulo janta em r.ossa casa. Nio precipite-
mos nada para nao o atacar de frente. Acharas
um pretexto absolutamente verosmil prate au-
u sentares e iantars fra. Maudei prevenir os
anto pela moca que eslava presente, amito mais Srs. Coursellin e Prier para nao viremrpois es-
usla sua fortuna e futuro vingador; inwnacien- tou> inooaimotodK- Pauto hcra s eommigo.
tmente tambem pela reeordacao das uracas da; Prensu o qnsrjne** duer. Podes considerar
lusente coom como eita.
Paulo soffria cruelmente. O Sr. Duchanin abanou a cabeca.
Detestara, amara: duplo sentimento para-com MiBha pobre enanca, respondeu elle com
a mesma mulher, paraconi-a Sra. de Manan, se melancola e nada podena traduzr a meiguice
>jem que elle pensaste o contrario. daquella palavra pronunciada por um hornera de
NSo menos cntbusiastiea a apaixonadamsnte sessenta annos, ajrigndo-se a urna mulher de
iesejava 'atharina. cincoentae cinco, tesvmunho de ura amor so-
A Sra Duchanin sem tallar em. casamento, brenvenao aos annos, modilu-ado mas nao di-
irabjliiava activamente ii'eUe, com suaw hbil miMdo), mmha pobi* enanca, tu nfto sabe o
-imlomacia ferainina despertada pela pnmeira poder das paixes Ilcitas, lu nao conlieces o
terreno em que tens le caminhar.
Ao na-so que os homens elaboravam planos, A' primeira palavra (leas desarmada. As
alculavam a* despezas e meios de acgo, estu- mulheres que vivem fra do carainho direito sa-
llando o mecanismo novo da empreza, a mi re- bem empregar seduccoes extraordinarias.
r.reenlava com apparente ingenuidade o seu pa- Se Paulo ama a amante, como recelamos,
Si de* grande hdalra, habituada desde longo -nao haver familia, nem interesse, nem honra
sonpo alta sociedade : o seu papel de amiga e que vaina.
SuppOe mesmo (pie oblemos delle o seu ca-
samento com a menina Parsollier, Paulo em bre-
ve ter saudade da mulher do passado, abando-
nada sem conviccao.
Nao um exemplc a Sra. de Marian f
E que escrpulo podia delel-a?
Nao dir ella que Ihe fizeram o mesmo ? \
Sra. de Marian recebe-a teu llho, quando elle
quizer voltar para ella
Nao, disse a velha abanando a cabeca, eu
tambem conhego a sociedade. Se elle se casar,
>oa couselheiri
Um baile em espectativa tinha romeado pre-
exto para aquella feliz combinagao.
Um rico fabricante de productos chimicos,
vrnaud Blacard. inaugurara o seu palacio com
oi baile a pluntasia A festa promettia ser
abuiosa. .
Toda a gente de Pans se inscrevia para obler
Bonvitea. ..
Fallava-se de despezas extraordinarias Duas
apegaras do quarto de dormir custavam oltenta
rSacIos ~"~ a condessa nunca mais o torna a ver.
\ escada principesca de ferro, forjada pelo Ora, deus I disse com dureza o pai; ella
sodeo augmentado da escada escolhida pelo tomou um amante I
De mais, que importa, concluio a s>ra. u-
Himiu (io).iiiiiiiujv *-** ,_w.~~ ------- ,
ende d'Aquila, para o seu palacio do Bosque de
Bolonha, custava 120.000 francos. Urna com-
oda. ornada com placas de Svres, tmha sido
paga por 230.000 francos.
()s Parsollier foram dos primaros convidados
Decidiram oSr.ea Sra. Duchanin a i" tambem
ara visitar aquella niaraviltia. A cousa foi tanto
aais fcil quanto a Sra. Duchanin, a preparara
e se tuina airanjado para ella mesma despertar
nos seus novos amigos o desejo de sua pre-
*Obriguria tanibem o filho a mostrar-sc pelo
eu lado elegante, dangando com a moca e fazen-
io-lhe a corte. .
Apezar de sua gaande fortuna, a Sra. Parsoi-
lier^ercebia que Ihe faltava ainda muita cousa.
ara chegar a sciencia mundana da Sra. Ducha-
nin, nascida de parentes ricos e muito reques-
tada pela sua belleza na sociedade industrial, no
empo de sua mocidade. .
Consultada, para o traje de Catharina, oftere-
oeu-lhe os seus-servigos com enthusiasmo.
Desde entao as tres mulheres nao se separa-
am mais. Corriam juntas as casas de roupas
de phantasia, depois as tojas de modas para os
vestidos depasseio. __
No meio de tudo aquillo a Sra. Duchanin
asara as vezes em Catharina um longo olhar
Maternamente admirativo e terno, misturado
com doses iguaes de diplomacia e de smcen
dade.
Muito finalmente reservada a este respeito,
raras retes fallava no lilho.
Nao convinha fazel-odesejar
A astuta percebia perfeitamenle que,
? ricos e em urna situaco precaria como
nao o devia metter cara dos Parsollier
As profundas habilidades occorriam
mulher, sincera at entao, -
e social, naturalmente.
Agrilhoava-i a necessidade ; e o mais
da tarefa fazia-o ella insensivelmente.
menos
a sua,
. aquella
na medida mundana
arduo
'
Na ra Thheran. o palacio Arnand Blacard
despejava a luz a jorros pelas portas e pelas
jane I las.
Urna interminavel lilajde carros aproximava-se,
Urgava os convidados e tornava a partir.|
Os convidados, vestidos de brocados anligos,
de velludos, de ouro e pedrarias, subiam pela
grande escadaria. '
As caudas dos vestidos csi^ndiam-se sobre as
alcatifas, alongavam-se pelos degraos abaixo,
elevando a estatura das.mulheres em contornos
finos e reaes. / ,, ,
As vezes unhtto lidalgo, vestido de velludo
siHbr,. a,. |,u!ado branco, de purpura ou de
niarello, coaTprimentav, levantando o feltro
emplumado com a mSo pousada emmma farrusca,
ou vm urna espada maravilhosa, objecto de col-
, leceo, depregada para aquella circumstancia.
Algn- Madgvars acompanhavam Hngaras
vestidas com o costume nacjpnal.
Pelo meio daquelles pesados trajes passava, as
vezes, una menina, urna moca, vestida com
aaze de lliama, dando a nota Qa e transparente
de urna graca ligeira no rico conjuncto da
Com as instantes solicitages da Sra. Koux,
rtiereza tambera tinha ido quelle baile.
A excellente mulher quera distrahil-a e arnm-
eal-a a tristeza. ._
Os Parsollier acliavam-se no pnmeiro saiao,
inando Tliereza chegou.
J havia muito tempoque elles desejam travar
relacoes com ella.
sn LeRoux apresentou-os. Conversavam
mando chegou Paulo Duchanin, estupefacto,
consirando e descontente de os adiar juntos.
A Sra Le Roux olhava para Paulo e para
Catharina Fez-se-lhe inmediatamente a luz no
espirito. ii-
O moco sorria ouvindo a menina Parsollier,
-ue, plcidamente. enumerava as c
i palacio
Jo dcimo sptimo seculo.
Nada podia convir inelhor aquella frescura
mtfia da mocidade.
Quando ella enumerou por minucias todos os
pianos, olharam para aquelle era que se acha-
vam. _..'
Era nina vasta sala ornada de nogueira escul-
' pidi- Dava para a ra por tres altas e grandes
jantlla-. Estavam alli as maravilhosas upeca-
rias de "itentamil francos.
Urna especie de balaustrada tambem de ma-
deira esculpida separava a sala em duas- com-?
maimeza de cr-n,unho sepsra os officiantes
do-fiis. .
JSo fundo erguia-se um lato mmenso de co-
>iranas salomnicas coberto de brecado e rendas
antigs.
Um bonilo riso de perolas. discreto e encanta-
dor expandi o rosto serio de Thereza.
Pobre geute! dizer que ficam condemna-
dos a dormir nesta sala dos guardas, disse ella
a me i a voz.
seas formas de crianca, to simples de coragao,
era o seu bem.
Iria perder com ella toda a poesa das suas jo-
vens ternuras? '
Tinia i !o alli certamente por causa delle e li-
ana se vestido fosse como fosse. quasi ao acaso
acaso ila gente de bom gosto
D amantes san mais nada bnlhavam Ihe nos
vabellos as orlhas, as pregas do seu cor- cerca ,je 60 annos, olliciai ae crpina, uioi
nmho t-.-curo, do azul profundo de um co de que tra m nA conde, da Boa-Vista, ao que
\
xtra
M B#*fc6 coraeterpept-
rando-se para reivindieaces quando cnegasse o No da seguinte ao deste baile, o Sr. e a Sra-
4^ da fortuna Dochanm fiearamcalados.'emqufmtoocnaaoserf
\"s vezes n'aqnellas occasides, voltava para vio o almogo. Mas lego que se pz o caf nk
^ u\, mu-, uu< w> -------
chanin, se en nao a conhego a ella, conhego per-
feitamente meu filho. Nao fui eu que o edu-
quei e alimentei com o meu ieite 1 NSo Ihe en-
sinei os 6eus deveres de classe e de cathecismo ?
Junto delle velei e orei Dia por dia vi-o viver.
Por minha parte, respondo, por elle !
(Contina,)
KEVISTAJHARIA
Artos da PresidenciaPor actos de 9
do corrente mes :
Foi designado o 64' batalho da guarda nacio-
nal de Aguas Bellas para a elle ser aggregado o
capitao do 7o batalho da guarda nacional da
provincia das Alagas, Ignacio Jos da Silva.
Foram Horneados*" e 3 supplento do juiz
municipal do termo de Leopoldina o capitao Ho-
norato Honorio Ribeiro de Granja e Raymundo
de Oliveira e Silva.
Foi concedido um mez de licenga ao juiz
de direito da comarca de Goyanna bacharel Ge-
roncio Das de Arruda Falcao.
Foram concedidos trez mezes de licenga ao
promotor publico da comarca de Tacarat, ba-
charel Jos de S Cavalcante de Albuquerque.
Mandou-se passar carta de 4o machinista de
barcas a vapor a John Agustus Small, que pres-
tou o respectivo exame. ,
Foram concedidos dous mezes de licenga
professora publica Alexandrina de Albuquer-
que Araujo.
Foram concedidos sessenta dias de licenca
ao Io sargento do corpo de polica Joaquim de
Azevedo Araujo Pinheiro.
Foi imposta a multa de 50*000 a cada um,
ao subdelegado e vigano da freguezia de Nossa
Senhora da Assumpgao de fcCabrob, por nao
terem comparecido sesso da junta de alista-
mento militar.
\uioi ii.ad.- policialPor portara da
presidencia da provincia de 18 e proposta do
Dr. chefe de polica de 16 do corrente, foi no-
meado para o lugar de subdelegado de S. Frei
Pedro Martyr do termo de Olinda o tenente Ma-
noel Jos de Castro Vuelta, em substituigo de
Francisco Lacerda Cavalcante de Albuquerque,
que solicitou exoneragao.
Bunio de CotegipeNa igreja de S. Pe-
dro Martyr de Olinda foi hontem mandada cele-
brar pelo Sr. Dr. Antonio Jos de Amorim, urna
missa pelo eterno repouso do Barao de Cote-
Assistiram-n'a muiUis pessoas gradas da ve-
lha cidade, sendo geial e pesar que tocias ma-
nifestaran! pela grande perda soffrida pelo paiz.
Concertlloje, no salao do tbealro Santa
Isabel, realiza o baixo profundo Giovanni Sco-
lari um coacerto vocal e instrumental, no qual
o difno artista auxiliado por distinctas senho-
ras e por alguns collegas ue arte.
O programla dessa festa foi bem organisado
e bastante attrahente.
O Sr. Giovanni Scolari, conhecido amigo do
nosso publico, que sempre o fesiejou, merece
que sua festa concorra grande numero de ama-
dores da boa mnsica.
Arsenal de MarinnaHontem foi este
estabelecimen visitado por S. Exc. o Sr. pre-
sidente da provincia, que tendo chegado as il 1/2
horas di manh retiron-se 1 1/2 da tarde, visi-
tando no decurso d'este tempo as dependencias
do Arsenal e da companhia de aprendizes mari-
nheiros, sendo acompanhado nesta visita pelo
inspoctor interino, ajudante, director de machi-
nas e o commandante da escola de aprendizes
marinheiros.
Quando S. Exc. entrou no quartel dos apren-
dizes marinheiros foi recebido ao som do hymno
nacional executado pela banda de msica dos
menores aprendizes, a qual egperando S. Exc.
Jo palacio. hellezae de vida no porto do Arsenal, executou algumas pegas
o hymno nacional quando S. Exc. se retirou.
BeviMte iiluNiracla D'este excellente
semanario, publicado na Corte peo Sr. Angelo
Agostini. recebemos hontem o n. 523, a que
acompanha um lindissirao auadro com a folhi
nha diste anno, no centro aa qual.se v^ Mlle
Sukaret,a mais bella, que obteve o primeiro
premio de belleza em Spa.
Agradecemos.
Cadver encontradoO delegado do
termo de Ipojuca communicou ao Dr. chefe de
nolicia que no dia 15 do corrente, as 4 horas da
larde mais ou menos, foi encontrado margem
do rio do engenhoUsifla Bandeira, d'aquelle
termo, o cadver de urna mulher de cor parda,
representando ter 35 annos de idade e conhe-
cida pelo norae de i onceigao.
Aquella autoridade, tomando conheciraento uo
facto fez proceder a compeente vistoria, decla-
rando os peritos 1er sido causa da raorte urna
congesto cerebral.
ferimentos -Na noite de 16 do
roe i a voz. 1,u1h e reramentoo -lia iiuue uc io uu
Paulo esquecia as proprias culpas contemplan- arrete, e na ra do Torres da freguezia de S.
i-a Frei Pedro Goncalves^do Recite, trovando se de
Aquella suave e delicada rreatura, lina as razoes diversos tripolntes de navios com Henry
M. Sclimit, dono de urna quitanda alli existente,
resultou d'ellas sahir feridoo mesmo Schmit que
por sua vez ferio o de nome Charle nderson-
t) subdelegado do districto, tomando conheci-
raento do facto, fez recolher o criminoso i De-
tengo. mandando e offendulo para o hospital
Pedro II, alim de ser medicado.
suicidio] Kelippe de Santiago, pardo, de
cerca de 60 annos, ofticial de crpina, morador
pa-
noite.
Aquillo era rico on simples1?
^e sabia. Mas no meio daqnella multi-
dao parecia urna creatura de raga supenor, quer
vestida de velludo, quer de se bem que esta
sociedade fosse aquella em que Thereza havia
jftscido. '
la presenga havia apagado tudo.
Entraram na grande sala. Paulo dava o orago
a Sra. Parsollier: o Sr. Le Ri.un tomou o de The-
reza e o Sr. Parsollier o da Sra. Le Roux. 1.a-
tnrina ia nerlo da mae.
ueno gabinete afastado o Sr. e a
roenravam em vao Paui'
briram-se assus-
raaidam nir- ... braco 'lo marido .:
ilo de cabega secco ndicou-lhe
i-M-hanin olbou : Paule MMfe
o um riimohar-
dh podtam ejiganai-
laulo pareca anial-a
..io, prompto para 4 guar-
ner contra todos.
Sra.
t' i
rece estava |atacado de alienagomental, leudo
a mana do suicidio.
Hontem, pouco depois de meio-dia, quando
pelas oflicinas da ferro-va do Caxanga passava
o trem de carga que suba a linha, tentou elle
deixar-se esmagar pelo mesmo trem, atirando se
sobre os trilhos na frente da machina.
Obstado nesse intuito pelo machinista que,
apenando o freiu conteve o trem, tentou anda
m de Santiago a|'unlialar-se alli mesmo, no
que foi ainda obstado por diversa^ pesftjas.
Nao desisti, entreunto, o infeliz da sua si-
istra idea. Ao approxii.iar se um oulro trem ie
1 Miciin.-. postou-se elle no
ero-amento das roas Gervasio Pires e C
da Boa-Vi 'lli pas-ou dito trem,
ib-e os trilitos na frente
da locomotiva, sendo completamente esmagado
pelos vehculos.
. ucai tomou lonbecimeto do facu e
procedeu ,
Diz-se que o infeliz Feupede Santiago desde
muito dav.i sigoaes de periurbagoe meiitaes em
consequencia das diHiculdades que unta para
tnahter a familia. vj_io faltar-lhe lraball\p.
Trionnal do J-iry do Beeife -Func-
ejonou bontem este tribunal com a presenga de
36 juises dt facto.
A's 11 horas da matma, presentes os Srs.-Dr.
Antonio Domingos Pinto, juii de direito do 5
districto presidente do tribunal, Dr. Joao Joa-
quim de FreitasHenriqnes, Io promotor publico,
e capitao Floreucio Rodrigues de Miranda Fra#-
co,escrivao privativo do jury, foi aberta a *?
gl 'i
Foi submeltido julgamento o reo Jo|u Jos
de Fiemos, pronunciado ne art. 193, combinado
com o art. 34 do cdigo criminal, ejfccusado de
aaver no dia 16 deNovembra de 1887, as 6 e 4/2
horas da tarde, na.setrada novarte Casanga, ten-
tado matar cora um-tiro de espingarda a Este-
vio Pcreira Cavalcante, sendo ferinas peles pro-
jectis Paulina Seohorinlia Cavalcante, mulher de
Estevo, Luiza Pereira Cavalcante sua lilha e
urna menor de 8 mezes que se achara nos bra
goa desta.
Occupou a cadeira da defeza o Dr. Luis Drum-
mond.
0 jury de sentonga compoz-se dos seguintes
jurados :
Antonio Caetano de Olivara Coragem.
Antonio Fernandes de Ubuquerque.
Francisco de Lima Coutinbo.
Miguel Antonio da Costa e Silva.
Elias Cordeiro Cintra.
Augusto Cesar Pereira de Mendonga.
Antonio Adolpho Borges Leal.
Manoel Coelho Cintra Ramalno. ,
Benjamn Constant da Cunha Salles.
Antonio Augusto da Frota Menezes.
Joao Ferreira Loureiro.
Manoel Mara de Araujo.
Deferido ao conselho de sentenca o juramento
legal e interrogado o reo, responden que era na-
tural desta provincia, de 47 annos de idade, ca-
sado, agricultor, e que sabia 1er e escrever-;
Que conhecia as testeraunhas que juraram no
processo, nada tendo a oppflr contra os seus de-
poimerttos e nao attribuia a aecusacao a motivo
particular;
Que no dia 16 de Novembro, tarde, andou
passarinhando, e de volta entrn em urna taver-
na situada defronte d.i casa de sua residencia 1
Que nessa taverna e sem saber como, drspa-
rou a espingarda delle respondente, ouvindo di-
zer que a carga ferira urnas mulheres.
Em seguida ao interrogatorio fez o escrivSo a
le i tura do processo e ultimas respostas do reo.
O Dr. promotor publico produrindo a aecusa-
cao, historiou o facto delictuoso, e expondo ao
jury todas as provas e cricumstancias que sus-
tentavam a cnminalidade do reo, pedio a sua
condemnago no grao medio do art. 193 combi
nado com art. 34 do cdigo criminal.
Allegou o patrono do reo em defeza do mes-
mo que o delicto de que era elle acensado nao
podia ser considerado tentativa de morte e sim
o previsto no art. 19 2a parte da lei 11 2,033 de
20 de Setembro de 1871, e se o jury reconheces-
se ter elle disparado a espingar Ja cora a inten-
co de matar Estevo Cavalcante, devia aceitar
a justificativa meneionada no art. 14 3" do cod.
crim.. de ter elle praticado o crime em defeza
de sua familia.
Houve replica e treplica.
Em vista das decises do jury que reconheceu
por seis votos, ter o reo disparado a espingarda
nao com aintenco de matar Estevao Pereira
Cavalcante, mas em defeza de sua familia, foi o
mesmo reo absolv !o e condemnada a munici-
pal idade as custas.
Foi levantada a sesso s 4 horas da tarde sen-
do adiada para hoje s 10 horas.
Foi convocada para o dia 18 de Margo prxi-
mo a*2* sesso ordinaria deste tribunal.
O sorteio dos jurados que tem de servir na
mesma sesso ser feito hoje s 9 horas da ma-
nh no pago da Cmara Municipal.
Registro civil-Na parochia de Vicencia,
pertencente ao termo de Nazareth, no mez de Ja-
neiro foram langados no registro civil assenta-
mentos de:
32 casamentes.
11 nascimentos.
19 bitos. ,
KeSieJos carnavalescos -A ra Duque
de Caxias, a primeira que iniciou nesta capital
os festejos carnavalescos sem agua e sem p,
festejar tambem este anno o Deus Momo com
flores e illuminago; para o que acaba de no-
mear urna comu isso, composta dos seguintes
cavalheiros, para se encarregar dos festejos;
Antonio Pinto da Silva. Antonio Nunes da Cruz,
Antonio Fernandes Guerra, Francisco de Lima
Gnutinho, Henrique da Silva Moreira, fJos Maria
de Andrade, Jos Augusto Dias, Manoel Vieira
Neves, Bt. Manoel Argolo, Dr. Manoel C. Barros
Carneiro.
Tendo o Club Mathias Lima a sua sede na
ra. de esperar que ella sobresaia nos festejos.
Hlppodromo do .Campo fraude
Hontem tarde neste Hippodromp e por oflcsfcio
deentrarem precipitadamente fiara^ o etoilha-
mento diversos animaes que haviam sido coteja-
dos, succedeu irem elles de encontr ao porto
do referido ensilhamento. resultando disto Gcar
gravemente ferido o jockey Antonio Candido Flo-
res. .
Servieo militar- -Estao designados hoje
para superior do dia o Sr. capitao Francisco
Antonio de S Barrete, e de ronda menor o Sr
lente de cavallaria Leobaldo Augusto de Mo-
raes. ...
A guarnigo da cidade dada hoje pelo
2o batalho de infantaria.
As guardas da Thesourariae Palacio secom-
mandadas hoje por dois ofiiciaes do 2o batalho
de infantaria.
Na enfermrria militar existan em traUmen-
to 38 pragas dos corpos da guarnigo.
Foi distribuida aos corpos da guarnigo a
delegada do corpo de saude, Fortaleza do Brum
casa da ordera e secretaria do commando das
armas, a ordem do dia do exercito de n 2235.
de 18 de Janeiro do corrente anno.
- Kunccionou hontem no quartel general o
conselho de investigago a que respondem os
soldados do 2o batalho Manoel Pereira de Arau-
jo, e Daniel Baptista de Oliveira, sob a presi-
dencia do Sr. capitao Joao Justiniano da Rocha
A junta militar de saude, que inspecionou
em 18 do corrente ao Io cirurgiao Dr. Jayme Al-
vares Guimares, foi de parecer precisar elle de
40 das para seu tratamento.
Peste da manqueiraLemos no Jornal
do Commercio da corte :
Temo-nos referido varias vezes enzootia
mortfera que, de longa data, reina em grande
zona da provincia de Minas-ieraes, sendo alli
conhecida pela denominago de Peste da Man-
queira, e determinando, anno por anno, avultada
perda de individuos do gado bovino. Procura-
mos tambem acompanhar com attenco as iaves-
tigacoes a tal respeito instituidas pelo Dr. Joo
Baptista de Lacerda, por incumbencia do Minis-
terio da Agricultura, sendo que, nao ha muito,
noticiamos haver chegado este eminente physio-
logista a conclusOes definitivas quanto natu-
reza do mal e aos meios de obstar a sua man-
fes lago e propagago.
O nosso laborioso com patriota acaba de
apresentar completo e notavel relatorio que
para inspirar o mais vivo interesse, j pelo as-
pecto snentilico, j pela utilioade pratica das
pesquiras de que d conta e dos resultados de
duzidos das mesmas pesquizas e das numerosas
exprimentages que levou a effeito. Taes resul-
tados foram assim resumidos pelo Dr. J. Baptista
de Lacerda:
1. A zoonose denominada na provincia de
Minas Geraes peste de manqueira, doenca j
conhecida e estudada na Europa sob a denomi-
nago de carbnculo symptomatico.
2." A causa pathogenica dessa zoonose uto
bculo que conseguimos solar dos lecidos e dos
lquidos de liltragos dos tumores subcutneos.
3.* O meio nico de cercear as devastagoes
causadas nos campos de criago de Minas por
essa terrivel enzootia a pratica das inoculages
preventivas, de conformidade com o que ha sit*
feito ma Europa era regies assoladas pelo car-
bnculo syniptomatico.
4. un pre que os poderes competentes,
confiando nos resoltados dessa pratica, tratera
de organisar, quanto antes, um servigo regular
de vaccinagx de mancira que sejam feitas as
iuoculaii's preventivas "na provincia de Minas,
duas vezes por anno.
As inoculages preventivas constltuem, por-
tante,- o meio de restringir a inortandade por
euVilo da Pesie de manqueira. Ellas nao 310 to-
dava o uuco que para tal tira oonvem empre-
Demonstrados quaes se achara, apa os
trabamos de Pasleur e de outros
exiic da ohumago de
animar* fenecidas de molestias virulentas e con
tagi" ide o Dr. J. J- Baptista de Lacerda
que pre iso acabar de urna vez a pratica de
systeina tao pernicioso, e adoptar como provi-
denda hygienica, quasi obligatoria, a incinera-
gao dos corpos das victimas da peste. A res-
peito desta providencia escrave o autor :

1
Para islo sena conveniente que cada pro-
prietario construisse as suas fazendas pequeos
romos, nos quaes fossem langados os animaes
mortos de peste afim de serem incinerados. A
superficie do slo onde esteve o animal antes de
ser transportado para o forno incinerador deve
ser regada com urna solugo de sulphato de co
bre a 25 %.
Pondo em pratica estas medidas, pode se
ter a certeza de que todos os germeos aecumu-
lailos nos lquidos e tecidos do animal sao des-
truidos, removendo-se desta sorte nma cansa de
novas infecees que tendem a perpetuar a mo-
lestia com os seus desastrosos effeitos.
Em apoio desta precaugo, de importancia nao
inferior da inoculago preventiva, lem^se no
relatorio estas interessantes liabas :
Em todas as molestias de orgem micro-
biana, principalmente aquellas que ti'm como
agente causal micro organismos que se repro
duzem por esporos, a multtplioaco dos micro-
Organismos coqtinua a effectuar-se, ainda algu-
mas horas depois da morte, de tal sorte que o
cadver se torna viveiro de germens, uns pro-
movendo o trabalho de decomposico orgnica,
outros conservando-se no seu papel de parsitas
facultativos, proinutos a invadir novos organis-
mos e a reproduiir a molestia.
A grande resistencia dos esporos acgo
dos agentes atmosphericos, s vanagOes de tem-
peratura, etc., concorre para manter a infecgo
no solo durante longo tempo, facilitando a trans-
raisso da molestia. E' assim que, por accu
mulago crescente de germens na trra, se tm
creado campos malditos em certos departamentos
da Franca onde o carbnculo exerce devasta-
goes enormes. O revolvimento do solo, exigido
pelos trabalhos de cultura, a acgo das aguas e
das ebuvas torrenciaes, o transporte pelos ver-
mes que surdem superficie da torra, trazendo
residuos das carnadas mais profundas, espalham
pelos campos o agente virulento, e criam con-
dves favoraveis infecgo.
A inhumago, portante, como fcil de
comprehender, tratndose de molestias virulen-
tas, nenhuma garanta offerece contra a digse-
minago dos germens. Em vez disso, ella fro
move a superinfecgo do solo, perpetuando a
molestia pea formago de mltiplos focos da
materia virulenta.
A industria pastoril da provincia de Minas
Geraes acolher com prazer e reconheciraento o
fructo de estudos tao parientes, delicados e difli-
ceis quaes ageites nos quaes o Dr. J. Baptista
de Lacerda despendeu mais de anno. Da sua
parte o governo imperial, tendo perfeito direito
a todo o louvor pela sua esclarecida iniciativa,
levar certamente adianto a sua til intervengo,
providenciando pelo modo cima aconselhado
para que servigo regular de vaccinago contra o
carbuuculo symptomatico seja instituido na pro-
wncia de Minas-Geraes.
Directora das obras de eonserva-
iio dos Fortos de Pernambueo Reei-
e, 18 de Fevereiro de 1889.
Boletim meteorolgico__________
a -
m
Horas
2 c m
m -
H-
6 m. 26 -4
9 29-2
12 29-8
3 t. 29-9
6 28-8
Barmetro a
0
738-69
759-83
759-27
758-44.
758-39
Tenso
do vapor
21,63
21,79
22,66
22,33
21,23

-

Si
71
n
67
72
Temperatura mxima30,23.
Dita minima 26,0'.
F.vaporago em 24 horasao sol: 6-,7 ; asom-
bra: 3-,6.
Churanulla.
Direcgo do vento: E e ESE alternados de
meia noite s 11 horas da tarde : E al meia noite.
Velocidade media do vento: 1-50 por se-
gundo.
Nobulosidade media: 0,46
Boletim-do porto
si 1 = 2 Dia Horas Altura
b M P. M. B. M. 18 de Fever. 19 de Fever. 0 -15 da tarde 6-30 da manh 111 0-,39 2-,62 0-,35
belldes-Effectuar-se-ho os seguintes :
Hoje:
Pelo agente Modesto Baptista, s 11 horas,
ra do Fogo n. 8, de movis de diversas quali-
dades.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Vis-
conde de Goyanna n. 56, de um par da arreios
para carro.
Amanha :
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do
Mrquez do Henal n. 96, de urna armagao e
mais pertengas da toja de barbeiro ahi exis
tente.
Pelo agente Britto, s 10 1,2 horas, ra do
Rangel n. 48, de mobilias. fazendas c miu-
dezas.
Mlssas funeresSerao celebradas:
Hoje:
A's 7 horas, na igreja da Penha, pela alma de
Jos Francisco de Carvalho.
Passaselros Chegados da Europa no
vapor francez Vtlle de Baha:
Manoel Treodrippe de Souza, Umbelino Dias
e Thereza Vicenzo.
Operaedes cirurjicas Foram platica-
das no hospital Pedro II, no dia 19 do corrente,
as seguintes:
Pelo Dr. Malaquias:
Ligadura da arteria ternura! no triangulo de
scarpa pelo catgut, indicada por aneurisma dif-
fuso da arteria popltea.
Pelo Dr. Pontual:
Extracgo de ura kisto da regio escapular es-
querda
Casa de DeteneaoMovimento dos pre-
sos da Cusa de Detengan do dia 18 de Fevereiro
de 1889.
Existiam 433; entraram 20; sahiram 17 : exis-
lem 436.
A saber:
Nacionaes 403 ; mulheres 11; estrangeiros 22.
Total 436.
Arragoados 382.
Bons 362.
Doentes 20.
Louco 1Total 382.
Movimento da enfermara
Tiveram baixa:
Joaquim Jos da Costa Coelho.
Leonardo Jos de Souza.
Joo Capistrano de Souza.
Tiveram alta :
Jos Mansinho do Nascimento.
Jo3 Francisco da Silva.
Hospital Pedro II O movimento deste
estabelecimento de daridade, no dia 18 de Fe-
vereiro, foi o seguinte;
Entraram 15
Sahiram 18
Falleceram 2
Exstem 365
Foram visitadas as respectivas enfermaras
pdlos Drs.:
Moscoso s 81]4, Cysneiro s 10, Barros Sobri-
nho 7 1|4, Ucranio s 11, Malaquias s 81|2,
Poutual s 9 3(4, Estevo Cavalcante as 9 1|4 lio-
ras.
O Dr. Simoes Barbosa nao coinpareceu.
0 cirurgiao dentista Nuina Pompilio s 8 1(4
horas.
O pharmacentico enirou s 81|1, da manh e
sahio s 4 da tarde.
0 ajudante do pharmaceutico entrou s 7 Ij4
da manh e sahio s 4 horas da tarde.
l.oM-ria do Gram-ParA 3 parte da
6' lotera, dessa provincia, cujo premio grande
611:000*000, .-era extrahida, quinta-feira. 21 de
Fevcridfc.
Cennterio Publico Obituario do dia 18
de Fevereiro da 1889.
Joo Jos da Silva, Portugal, 63 annos, casado,
Grdga; tuberculose pulmonar.
Flix Valois da Silva, Pernambueo, 44 anao.
casado. 5. lose: myelete.
Maria Soares Pereira Bastos, Pernambueo. 30
Olinda; beriberi.
Telesphoro, Parahyba, 41 dias, Santo Antonio ;
fraqueza congenita.
Francisca Ferreira, Pernambueo, 60 annos, sol-
teira, Boa-Vista; leso cardiaca.
Manoel Jadntho de Sant'Aona, Barros, Per-
nambueo, 60 annos, casado, S. Jos; iiepate.
Joaquim, Pernambueo, 1 anno, Graca: con-
pteNs.
Cosma Maria da Conceigo, Pernambueo, 20
annos, solteira, Boa-Vista: tubrculos pulmo-
nares.
Manoel Teixeira de Souza, Pernambueo, 26
annos, solteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares.
Victoriano da Silva Lapa, Pernambueo, 38
annos, casado, Graga^ encephalite chronica.
Mana, Pernambueo, 60 dias, S. Jos ; espas-
mo.
Um pouco de tudo
Diz o Commercio Portuguez que para se
saber a idade de qualquer senhora basta-
ra perguntar-lhe em quantas das seguin-
tes columnas est o algarismo igual ao
numero de annos que ella conta. Indica-
das as ce 111 mnas, sommar-se-hao os pri-
meiros nmeros de cada urna dellas e o
resultado ser... a terrivel incgnita se
acaso a interrogada nao se esquecer pro-
positalmente de indicar alguma das co-
lumnas.
1 2 4 8 16 32
3 3 5 9 17 33
0 6 6 10 18 34
7 7 7 11 19 35
9 10 12 12 20 36
11 11 13 13 21 37
13 14 14 14 22 38
15 15 15 15 23 39
17 18 20 24 24 40
19 19 21 25 25 41
21 22 22 26 26 42
23 23 23 27 27 43
25 26 28 28 28 44
27 27 2% 29 , 2 45
29 30 30 30 - 30 46
31 31 31 31 31 47
33 34 36 40 48 48
35 35 37 41 49 49
37 38 38 42 50 50
39 39 39 43 51 51
41 42 44 44 52 52
43 43 45 45 53 53
45 46 46 46 54 54
47 -17 47 47 .")
49 50 52 56 5G 56
51 :.l 53 57 57 57
53 54 54 58 58 58
.i.) bo 55 59 59 59
57 58 ) 60 60 60
59 59 61 61 (11 til
61 62 62 62 62 62
63 63 63 63 63 - 63
* *.
Eis um calculo curioso para saber-se
com exactidlo o nome do dia em que al-
guem nasceu.
Sabendo-se com precisad o dia, mez e
anno em que alguem nasceu ou alguma
cousa se fez, escrevem-se os dous ltimos
algarsmo8 do anno immediatamente ante-
rior ao do nascimento, despresadas as
fraegoes, se houver; mais ainda o alga-
rismo 5, e finalmente, mais a totalidade
dos dias decofridos desde 1 de Janeiro at
o do mez e anno em que nasceu inclusive,
nao esquecendo mais um dia do anno bi-
sexto, se nesse nasceu.
Soinein se essas quatro edigSes e di-
vide-se por 7 ; o resto da divisad indi-
car o dia da semana em que nasceu,
e, se nd houver sobra alguma, esse dia
ser sexta-feira.
Assim, pois, c representada a sexta-
feira pelo signa! 0; sabbado 1; domingo
2; segunda-teira, 3; terga-feira 4; quarta-
feira, 5; quinta-feira, 6.
Supponbamos que alguem nasceu
de Margo de 1850; faz-se entao
guinte calculo;
Anno anterior ao do nascimento
Quarta parte desse numero
Accrescenta-se o algarismo
Total dos dias decorridos de 1 de Ja-
neiro de 1850 at 25 de Marco
a 25
o se-
19
12
84
150
Divide-se 150 por 7, o que d por quo-
ciense 21. ,
D 3 de resto, que corresponde ao dia
segunda-feira.
Este calculo pode servir para saber-se
o.dia em que tenha havido qualquer acon-
tecimento.
#**
Por occasiao do terremoto de 28 de
Maio de 1887, em Vernac, foi destruido,
entre outros edifficios, o da thesouraria.
No momento da catastrophe o soldado J.
Koungourtsew, do 7o batalhSo de linga da
Siberia Occidental, fazia sentinella caixa
da thesouraria.
As paredes do edificio estavam a des-
abar e ameagavam de morte certa o po-
bre soldado. Resignado sorte que o es-
perava, Koungourtsew preparava se j para
morrer, pondo a arma em adoragad ,
quando, felizmente, correu o sargento de
guarda, que Ihe mtimou a ordem de se re-
tirar. Em recompensa deste acto de fide-
lidade ao dever, o imperador, avista da
parte do commandante da circumscripgd
militar de Oinsk, concedeu ao soldado
Koungourtsew urna medalka com a fita da
ordem de Sant'Anna. Alm disso elle re-
cebeu 100 rublos em dinheiro.
Dando ha dias noticia da publicaran do
Boletim do Club Naval, referimo-nos com
especialidade ao artigo em que se apre-
ciava urna metralbadora de invengao do 2.
tenente da nossa armada o Sr. Severiano
de Castilho.
Agora acabamos de 1er o nome do mes-
mo official citado com louvor no TFournal
de l'exposition permanente des inventions
nouvelles, que se publica em Paris.
Descrevendo o Grampo automtico, ap-
parclho inventado pelo Sr. 2. tenente
Castilho e de que ha tempos demos noti-
cias, diz o referido peridico que esse ap-
parelho deve prster importantes servicos,
dando facilidade e seguranza manobra
de igar e arriar erabarcagoes, e que o seu
inventor bem mereceu da marinha inter-
nacional.
E' sempre com sincera satiafagad que re-
produzimos apreciagoes desta natureza com
referencia aos nossos compatriotas.
A nossa marinha, que j mereceu hon-
rosa mengao na imprensa estrangeira pela
bravura e disciplina de que deu repetidas
provas as ultimas lutas em que nos acha-
raos eiupenhados, nao menos dignamente
tem all figurado, gragas ao genio inventi-
vo e aos trabalhos scientificos de muitos
dos seus membros que d'est'arte contn-
buem para dar luzimento |ao nome bra-
silaas.
*
Sobre a noticia que demos relativa
declarac&o feita pelos mdicos mericaaos
de que os fumantes foram preservados da
febre* amarella, escrevee-nos o Sr. Dr.
Souza. Lima :
Creio ter havido engao de traduecjio
sobre a palavra fumantes, porqtianto se
assim fosse poucos teriam essa molestia,
visto como quasi todo o mundo fuma.
Agora se, em vez de fumante, a noticia
refrase a fabricantes ou preparadores de
fumo, cigarreiros, charuteiros, etc., ,entd
preciso dizer que este facto foi consig-
nado por mim em 1876 (ha 13 annbs) no
relatorio que apresentei sobre o movimen-
to da enfermara de doente da febre ama-
relia, que nesse anno me foi confiado.
Esse relatorio corre impresso e alli se
acha consignada essa tal ou qual immuni-
dade, como um ponto de interrogago dig-
no de estudo relativamente influencia
preservativa d'arquella profissao, a respeito
da febre amarella.
Nao dou como facto averiguado, nem
reclamo pnon'dade, porque nao eei mSmo
se antes de mim alguem teria feito a mes-
ma observaglo; mas sei que o trecho, a
qae alludo 110 meu relatorio, repetido
por Corre no seu importante Tratado das
fiebres.
*
* *
Carlos Gomes annuncia em urna carta
que, antes do fin da Fevereiro, estar im-
pressa a sua partitura do Schiavo, i
para piano e canto..
Accrescenta que recebeu propostas se-
rias para fazer representar a sua opera em
Buenos-Ayres, na prxima primavera, sen-
do ella cantada por artistas da ordem de
Masini, Theodorini e Battistini.
*
#
Imagem pittoresca da amisade :
A amisade um chapeo de chuva. que
se vira pelo avesso logo que comeca a fa-
zer mo temo. ,
#**
izia um fabricante de vtnhos ;
Sim E' verdade que agora ha mui-
to mtnos uvas do que outr'ora: mas, em-
fim, ainda se colhem algumas. E que
se ha de fazor com ellas, nao rae dirao ?
CHRONICA JUDICIARIA
Tribunal da Rclacao
SEiSO ORDINARIA EM 19 DE FEVEREI-
RO DE 1889
PRESIDENCIA DO EXM. SR. CONSELIIEIRO
QUINTIXO DE MIRANDA
Secretario, Dr. Virgilio Coelho.
As horas do costume presentes os Srs. des-
embargadores em numero legal foi aberta a
sesso depois de lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Distribuidos e passados os l'eitos deram-se
osseguintes
JULGAMENTOS
Rabeas corpus
Paciente:
Manoel Rodrigues Camargo.Mandou-se ou-
vir o Dr. delegado Jo 2J dislricto por interme-
dio do Dr. chefe de polica.
Recursos eleiloraes
De Panellas-Recorrente Firmino Pomposo de
Mello Falcao, recorrido Manoel Florentino Leite.
Relator o Sr. desembargador Branque Lima.
Deu-se proviraento, unnimemente.
De panellasRecorrente Firmino Pomposo de
Mello Falcao, recorrido Theodoro de Vera-Cruz
Agr. Relator o Sr. desembargador Buarque
Lima.Deu se provimento, unnimemente.
De PanellasRecorrente Firmino Pomposo de
Mello Falcao, recorrido Jos Rodrigues da Cruz.
Relator o JSr. desembargador Buarque Lima.
Den-se provimento, unnimemente.
De PanellasRecorrente Firmino Pomposo de
Mello Falcao, recorrido Mauricio de Araujo Fi-
lho. Relator o Sr desembargador Delno Ca-
valcante. Deu-se provimento, unnimemente.
De Panellas-Recorrente Firmino Pompse de
Mello Falcao, recorrido r.emvindo de Barros
Correia. Relator o, Sr. desembargador Delfino
Cavalcante. -Deu se provimento, unnimemente.
De PanellasRecorrente Firmino Pomposo de
Mello Falcao, recorrido Jo; Cavalcante de Al-
buquerque. Relator o Sr. desembargador Ta-
vares de Vasconcellos. Deu-se provimento.
unnimemente.
De Panellas-Recorrente Firmino Pomposo de
Mello Falcao, recorrido Jos da Cunha Lustosa.
Relator o Sr desembargador Tavares de Vascon-
cellos.Deu-se provimento, unnimemente.
De Pao d'Alho-Recorrente Jos Francisco Pi-'
nheiro Ramos, recorrido Antonio Lopes. Dias
Borba Relator o Sr. desembargador Monteiro
de Andrade.Nao se tomou conhecimento, con-
tra os votos dos Srs. desembargadores Silva
Reg, Oliveira Andrade, Pires Gongalves e Ta-
rares de Vasconcellos.
Recursos crimes
De Olinda Recorrente o juizo. recorridos
Manoel Francisco de Lima e outros. Relator o
Sr. desembargador Delfino Cavalcante. Negou-
se provimento, unnimemente.
Do BonitoRecorrente o juizo, recorrido Jos
Flix Monteiro. Relator o Sr. desembargador
Pires Ferreira.Negou-se provimento, unni-
memente.
De Caruar Recorrente o juizo. recorrids
Antonio liento de Oliveira. Relator o Sr. des-
embargador Monteiro de Aadrade. Negou-se
provimento, unnimemente.
De Iguarss-Recrreme o juizo, recorrids
Antonio Lourengo Carneiro. Relator o Sr. des-
embargador Tavares de Vasconcellos. Negou-
se proviraento, nnaniniemeute.
Aggravos de petigo
Po RecifeAggravante Vctor Neesen, aggra-
vado o juizo. Relator o Sr. desembargador
Buarque Lima. Adjuntos os Srs. desembargado-
res Monteiro de Andrade e Alves Ribeiro. -Ne-
gcu-se provimento, unnimemente.
Do ReciteAggravante Jos Soares do Ama-
ral, aggravado o juizo. Relator o Sr. desembar-
gador Delfino Cavalcante. Adjuntos os Srs.
desembargadores Oliveira Andrade e Silva
Reg.Negou-se provimento, unnimemente.
Do ReciteAggravantes Dr. Jos Lopes Pes-
soa da Costa, Antonio Ferreira de Carvalho e
R. Drusina, aggravado o juizo. Relator o Sr.
desembargador Tavares de Vasconcellos. Adjun-
tos os Srs. desembargadores Buarque Lima e
Pires Ferreira. Deu-se provimento ao aggravs
do curader fiscal e negou-se os outros dous,
unnimemente.
Do Recite-Aggravante Arthur Lopes de Oli-
veira. aggravado Joaquim Jos Alves Guimares.
Relator o Sr. desembargador Oliveira Andrade.
Adjuntos os Srs. desembargadores Delfino Ca- *
raleante e Pires Gongalves. Negou-se provi-
mento, unnimemente.
PAS8AGENS
Do Sr. desembargador Buarque Lima ao Sft
desembargador Toscano Barreto :
Appellagdes crimes
De Alaga do MonteiroApoellante o juizo,
appellado Augusto Alves Feitoza.
De Atalaia Appellante o juizo, appelkds
Jos Francisco Rosa.
De Pedias de FogoAppellante Pedro Jos da
Silva, appellada a justiga.
Do Sr. dtmembargador Pires Ferreira ao e,
desembargador Monteiro~de Andrade:
Appellagdes crimes
De Alag;; ds> Mouteiro Anppllante o prome-
ter publico, appellado Vicente Ferreira Lima.
De Alagas Appellante .0 juizo. appelladt' -
Manoel Francisco dos Santos.
Appellago civel
Da IndependenciaAppellante'Jos Lenidas
Guerra Ferreira, appellado Antonio Gqedes Be-
terra.
Do Sr. desembargador Monteiro ide
ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
i)
De S. Bonto -Appellante Joa
da a justiga.
De Macei Appellante Ifi
ipoeilada a instiga.




Diario de PernambucoQuarta^fer 20 de FeTerirode 1889






Da ConceicoAppellante o juizo, appellado.
Raymundo Cavalcante de Lacerda.
Da Escada^ppellante o promotor publico,
appellado Floreneio Jos dos Santos.
O Sr. desembars?ador Pires Goncalve9 como
procurador da corda e promotor da justica, deu
parecer nos seguintes feitos :
Appellacoes crimes
De Palmares Appellante Bellarmino Feiippe
Damasceno, appellada a justica.
Do BreioAppellante o juizo, appellado An-
tonio Barboza dos Santos.
T)e OlindaAppellante Porcino Manoel dos"
Santos, appellada a justiga..
Do Recife Appellante o juizo, appellado
Manoel Francisco de Hollanda Cavalcante.
De Serinhaera--Appellante o juizo, appellado
Joo, ex-escravo.
De Caruaru- Appellante Juvencio Gomes dos
Santos, appellada a justica.
De Agua PreaAppelante o promotor publi-
co, appellado Jos f.aetaoo Moreira.
Conflicto de jurisdicgo
Entre os juizes municipaes e de orphos dos
termos de Aguas Bellas e Bom onselho.
Appellaco commefcial
e BerreirosAppellantes Caetano Gyriaco
da Costa Moreira &. appellados Silvino ,Fer-
reira da Costa Braga e oulros.
Do Sr. desembargador Alves Ribeiro ao Sr.
desembargador Tacares de Vasconcellos :
Appellasao crime
De Anadia-Appellante o promotor publico,
appellado Luiz Rodrigue de,Moraes.
DILIGENCIAS .
Com vista ao Sr. desembargador promotor da
justica :
Appellacoes crimes
De Anadia Appellante Ludgero Rodrigues
Nobre, appellada a Justina.
Do PilarAppellante o promotor publico, ap-
pellado Antonio de Lyra Baixinha.
Da ImperatrizAppellante Pedro Anselmo de
Lima, appellada a justica.
De Tacarat -Appellante o promotor publico,
appellado Antonio Flix do Nascimento.
De AtalaiaAppellante Manoel Antonio Ca-
valcante, appellada a justicia.
disteibuiqOes
Recursos crimes
Ao Sr. desembargado." Toscano Barrcto :
De Bezerros Recorrente o juizo, recorrido
Antonio Paulino de Oliveira Vaston.
Ao Sr. desembargador Delno Cavalcante :
Do BrejoRecorn-nte o juizo, recorridos Be-
lizario Marques Zeferino e outros.
. Ao Sr. desembargador Pires Ferretra:
Da Imperatriz-Recorrente o juizo, recorrido
Antonio Pedro de Alcntara.
*o Sr. desembargado Monteiro de Andrade :
l)o Cabo -Recorrente o juizo, recorrido o sub-
delegado Epiphanio de Luna Freir.
AoSr. desembargador Alvos Ribeiro :
Do Teixejra-Recorrente o Dr. Manoel Caval-
cante Ferreira de Mello, recorrido o juizo.
Aggravo de peticao
Ao Sr. descmbajgidor Toscano Barreto :
Do Recife Aggravante Manoel Joaquim Fer-
reira da Cruz, aggravados Lopes, Magalhes A
Companhia.
Appellacoes crimes
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
Do Recite Appellante o promotor publico,
appellados Antonio Marcelino de Souza e outros.
Ao Sr. desembargador Alves Ribeiro :
De Olinda-Appeilante o promotor publico,
appellado Manoel Maria Bnndeira.
Ao Sr. desembargador Tasares de Vascon
cellos :
De CimbresAppellante o juizo, appellado
Manoel Cvpriauo Leite.
Ao Sr. desembargador Oliveira Andrade :
De Cimbres Appellante o juizo, appellado
Antonio Valerio de Ges.
Ao Sr. desembargador Silva Reg :
De Traip -Appellante o promotor publico,
appellado Adelino Maximino avalcante.
Ao Sr. desembargador Buarque Lima :
Da Gloria do Coit-Appellante ko juizo, ap-
pellados Manuel Ribeiro de sant'Anna e outro.
Ao Sr. desembargador Toscano Barreto :
De Bom ConselhoAppellante o juizo, appel-
lado Miguel Antonio.
Ao Sr. desembargador Delno Cavalcante :
De Hom Conselho Appellante o juizo, appel-
lado Antonio Pereira de Oliveira.
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira !
De Iguarassii--Appellante o juizo, appellado
Manoel Alves Pereira.
Encerrou-se a sessio as i horas da tarde.
desse termo pelo respectivo juiz municipal no
exercicio pleno da vara de direit, 13 cidadaos
que provaram possuir as qualidades exigidas
pela lei para serem eleitores, acontece que o
hniz de direito de Caruaru avocando o proeesso.
alit concluido do mesmo alistamento, mandou
excluir os referidos i idados, sob o fundamento
de ser aquelle juiz incompetente, e nao estarem
no caso de ser alistados, sem excepeo do pro-
fessor de S. Bento, e vitalicio I
Desse Ilegal despacho fbram interpostos os
competentes recursos, para os quaes pede-se a
attenco de V. M. Imperial.
E para que possa V. M. Imperial apreciar
devidamente o procedimento do juiz de direito
de Caruaru, passa-se a narrar Ugeiramente o
que occorreu entre esses dous magistrados.
Transmittindo ao juiz municipal o exercicio
parcial da vara de direito para presidir tmente
o jury, entendeu aquelle que isso nao tinha ca-
bimento, e devia assurair como assumio o exer-
cicio pleno, fundado na lei de 20 de Setembro de
1831. Ferreira ViannaConsolidaco das Leis
Criminaes art. 1354, Paula PessoaAnnotaces
ao Cod. do Proc. notas 1847 e 2553, e Av. de 1
de Junh oe 1885.
Assim. nao so presidio o jury, como praticou
outros actos, tomando conhecimento do alista-
mento e concluindo-o.
O juiz de direito considerando criminoso esse
procedimento do juiz municipal, instaurou con-
tra elle um proeesso, e ex aucortate proprta,
reformou o alistamento. eliminando os que ha-
viam sido incluidos pelo juiz municipal!
Admittindo-se mesmo que o procedimento do
juiz municipal seja irregular, evidente e fra
de contestacao que so pelos meios legaes e de-
ciso do superior legitimo pedia ou nao ser re-
formado o alistamento, faltando ao juiz de di-
reito competencia para conhecer de actos pra-
ticados pelo juiz municipal como juiz de direito,
e reformar esses actos.
E' pois incontestavel que o jniz de direito ex-
orbitou de suas attribuicoes, e so por meio de
recursos para o Tribunal da Relapso podiam ser
desalistados os fecorrentes. ou nao.
Ora, nao tendo sido interpostos esses recur-
sos, e tendo a sentenca passado emjulgado, nao
podia o juiz de direito refrmala por sua pro-
pria autoridade.
Logo, nao pode deixar de prevalecer o alista
ment dos recurrentes.
Quando porm assim nao fosse. injusto e lle-
gal por outro lado o acto do juiz de direito que
mandou desalistar os recorrentes, por motivos
frivolos, como ver V. M. Imperial.
Alguns foram desalistados por falta de prova
de idade, nao julgando o juiz de direito sufli-
ciente a publica forma de urna certido de ba-
ptisrao ; nao admittindo outras certidOes por
taita de despacho mandando-a passar, e negando
authenticidade a documentos por nao conhecer
o tabelliao que as passou !
E' incrivel I
outros finalmente por nao merecerem f certi-
dOes das collectorias!
as razoes com que instruirn) os recursos, os
recorrentes demonstram cabalmente o direito
Jue lhes assiste, e vista d'ellas e do exposto
e esperar provimento aos recursos, como de
rigorosa.
JUSTINA.
Joo Marinho de Barros.
Manoel Marinho de Barros.
Manoel Honorato de Barros.
Andr Alves Cavalcante Camboim.
Mauoel Moreira Borges Uchoa.
WBICACOES DTEIS
Medicas
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rioaberto ra Duque de Caxias n. 74, das
12 as 2 horas da tarde, edestahora em dian-
te era sua residencia ra da Santa Cruz
n. 10. Especialidades molestias de se-
nhoras e- criancas. Telephone n. 326.
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Barretto Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.a andar da casa
a ra do Bario da Victoria; n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ma da Saudade n. 25.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1."
andar.
/ r. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Advogados
O bachard Witruvio Pinto Baudeira,
pode ser procurado ra do Imperador
a. 71, 1.- andar.
O Dr. H. TAet mudou o seu escripto-
torio de advocacia, para a ra do Impera
dor n. 46, 1- andar, sala da frente.
Oceulista
Dr. Ferreira. com pratica nos priaci-
paes hospitaes e clnica de Pars e Lon-
dres, A consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario n. 20.
errarla a vapor .
, Serrara a vapor e officina de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
eimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sera dom-
petenciaPernambuco.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por" ata-
cado, roa do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
oeuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
ProfeNitor anti-ria Devido a raudanya de residencia, Mr.
Oeorge B. Nina, pode ser procurado nos
uteis na na d;i Conquista n. 20.
PUBLICARES A PEDIDO
Ao egregio Tribual da Re-
laeio
ALisraMBrro eleitoeal ue s. bento
lo incluido do alistamento eleitorai
Osabaixo as signados, 'altamente indignados
contra a inexactidao da noticia que, sob a epi-
graphe A polica em Barreiros inserio a Pro-
vincia, naturalmente mal informada, em seu nu-
mero de 6 do correnle, vem, por meio deste, pa-
tentear ao publico a verdade do facto que deu
lugar a tal communicaco e protestar contra a
clamorosa injustica que uella se atira ao mui
digno Sr. lente Deocleciano Peixoto de Alen-
car, o qual, pifias maneiras affaveis e delicadas
de que dotado, alliad..s justeza de suas reso-
lucoes e energa e valor que emprega no cum-
pnmento de seos deveres, tem sabido grangear a
estima de todos d'aqui. quer gregos quer troya-
nos.
Eis o fado como se deu e como attestariam
toda a populaco desta villa e muitas pessoas
gradas residentes fra della e que se achavam
presentes na occastfo, se tanto fosse preciso para
restabelecimento da verdade.
Um grupo de desordeiros coja maior parte
pertencia s tripolac&es das barcacas que nave-,
gam d'aqui para o Recife, avesado desde longa
data promover barulhos e desrespeitar as
autoridades policiaes desta localidade. que con
tra si tinham a falta do prestigio que d a farda
e um insuflicieute numero de [iracas, apreson
tou-se, na noite do dia i do mez rorrete, arma-
do de ccete para assistir a um baile pastoril,
qu tinha de funecionar na ra mais publica
desta villa.
O Sr. tenecte Deocleciano, que nao <\tz negar
a licenca pedida para o dito divertimento, |neile
apresentou-se, na hora conveniente, sem osten
tagao ; e, com toda a cordura e delicadeza, to-
raou innmeros cacetes, e facas, com o im de
evitar urna desordem, como aqui tinha havido
em uias de Janeiro prximo passado. e que dra
lugar |sua acertada nomea<;ao para delegado
de polica desie municipio.
Correu o entretenimento sem incidente algum
at depois de meia noitfe, hora em que os taes
turbulentos, novaraente armados, acommetteram
a polica, v.sando principalmente o intrpido de-
legado, o qual, uao obstante ser surprehendido
pela inesperada aggresso, houve-se com tanta
prudencia, valor e energa, que, armado apenas
com a sua espada, e com os seus poucos solda-
dos somente de sabr, obrigou-os a-recuar, len-
do-lhes feito simplesmente coutusOes e leves fe-
rimeutos.
Morreu na luta, exacto, um dos mais ncar-
nicados turbulentos, porem morreu, victimado
pelo puohal de um de seus companheiros. que
mirando o peilo de um soldado com quem elle
se acbava atracado, e tendo o dito soldado des-
viado-se, recebeu o golpe dirigido a este.
Tanto tsso a verdade que, no corpo de de-
licia procedido no cadver, verificaran) os peri-
tos que o ferimento que deu lugar morte foi
produzdo por punhal, e este de lamina estreita:
Nao satisfeita a malta de desordeiros com o
que tinha feito, quando recuarara, em vez de se
irem embora, postaram-se dentro dos mattos
existentes em urna soluco de continuidade que
offerece a ra. junto do lugar do conflicto, c de
l comecaram a atirar pedras sobre a polica e
a insultal-a.
Vendo isso, mandou o digno delegado que Os
soldados fossem ao quartel municiar-se. c, na
volta d'elles, depois de Ihe terem dirigido um
tiro e outro em um soldado (tiros que felizmente
nao attingiram os alvos) ordenou a duas de suas
pracas que dessem dous tiros para o ar, aira de
fazer fugir os turbulentos, o que eftectivamente
se deu.
Quanto a circumstancia deter anda a polica
intimado s familias, que se achavam em urna
sala de danca fronteira. para se retirar, isso
aiuda una atroz calumnia desmentida por tudas
as senboras e mais pessoas que alli eslava n.
Concluindo, pedimos a S Exc. o Sr. presidente
da provincia que aqui consurve por longo tempo
o Sr. tenente Deocleciano. que tao bons servicos
tem prestado e contina a prestar a esta locali-
dade, onde fazia-se sentir a falta de urna autori-
dade policial que acabasse coa as desordens que
rontinuamenle se davam, com o desrespeito as
familias e com a falla de seguranca individual.
Barreiros, 12 de Fevereiro de 1889.
Barao de Gendahy.
O juiz de direito interino Manoel O. Guedes
Nogueira
O promotor publico Miguel Archanjo Pereira
do Reg.
Dr. Manoel V. da Costa Barros.
Vigario Christovao do Reg Barros
Francisco das Cnagas Pires
Manoel Leoncio de Mello.
Joao Xavier de Barros.
Jos Pereira.
Manoel de Barros Wanderley.
Pedro de Barros Wanderley
Francisco da Rocha Hollanda Cavalcaate So-
brinho.
Alipio Accioly S. Raraos^
JoSo da Bocha Hollanda Cavalcante
Joo de Bart-os Santiago Ramos.
Jos Martins de Miranda.
EjfYdio Ferreira Pmentei.
Jos Joaquim Alves de Oliveira
Manoel Irineu de Gouveia Accioly
Jos Ferreira de Araujo. r
Sergio Machado.
SezinandoM. deeira
Mauoel Leito Figueira.
Manoel Francisco de 01iveira>rruda
Joaquim Ferreira Leite. ->-*
Luiz de Franca Rodrigues Ramos
Joo Mauricio Wanderley
(barao de coteoipe)
Ilomens ha cujas phases da vida mun-
dana e transitoria por si sos constituem
verdadeiros acontecimentoa patries e at
phenomenaes. Grandes de merecimentos
reaes e legtimos nesta travesaia do beryo
campa, maiores anda se tornam quando
infelizmente terminam a sua perigrinaySo
terrestre e comecam entSo a aer e objecti-
vo das mais proveitosas liyfles.
O parlamentar que faz assumpto obri-
gado do presente artigo, e que seus no-
me e titulo encimara estas linhas, um
delies e ninguem ousar negal-o.
Espirito lucido, quanto os que maie pos-
sam sel-o, alma ortodoxa, e por isto mes-
mo sempre aborta aos mais grandiosos fei-
tos pblicos, o Barao de Cotegipe foi
um genio Braseiro, emprehendedor dos
mais extraordinarios commettimentos na-
cionaes, e como tal nuqca a immortalida-
de o cessar de reverenciar.
As demonstraySes de pezar que se ux-
ternaram quando esse sol se oceultou no
occaso, com tedas as suas irradiaySes, pa-
recendo at que a propria natureza quiz
compartilhar da condolencia de nosso pla-
neta, permanecendo ao norte obscureci-
dos os horizontes, servem de prova robus-
ta que a queda fatal de tao immenso ce-
dro do Lbano produzio enorme abalo,J,
profundissima sensacJlo geral.
Foi realmente um grande vulto poltico-
social o Ilustre morto, [cujas mocidade e
velhice sempre estiveram em posto hon-
roso para prostar serviyqs relevantes a
patria, que tanto o extrettieceu quanto o
admirou.
A sua perda, portanto, foi urna enorme
desgraya publica, cuja irreparbilidade as-
sume grandissiraas proporyoes e talvez
mesmo de fatalissimas consequencias.
Que o digam os altos poderes do Estado,
em cuja vanguarda era elle sentinella vi-
gilante ; que o digam as prerogativas mo-
narchicas, um cuja avanyada a sua expe-
riencia amadurecida e acentuada nao re-
gateava esforyos hercleos em prol das
in8tituiy5es reguladoras do Paiz ; que o
digam o Senado e a Cmara dos Depnta-
dos, onde sua palavra fluente e autorisada
convenca e edificava; que o digam a im-
prensa^ essa tribuna universal, e, final-
mente, as mais importantes quest5es que
se agitaran) no Imperio da Santa Cruz,
onde naquella e nestaa o seu lugar era o
dos mais invencives degladiadores.
De tciitamens assim previlegiados, e
moldado por ndole e costumes a pratica
do bem e do til o Barao de Cotegipe
salientou-se em vida com rasgos de ad-
miravel abnegayao patritica, e sem que
jamis retrocedesse do caminho encetado
flores perfumosas ou espinhos aguyados
que esse contivesse.
Valente at o herosmo, quando fallava
ou escrevia, porm, sempre modesto, affa-
vel e sem amor proprio, discuta sem
maiores ostentay3es do seu talento, aco-
lhia com generosidade e nao se suscepii-
bilisava com a fraqueza dos inconscien-
tes. /
Victimado, algumas vezes, pyr iiusti-
yas de adversarios, * assira, nao renegava de seus principioJfcio
cordura; rduito ao contrario d'isto procu-
rava primeiro suavisar as asperezas da
aecusayao, attnbuindo-as generosamente a
azedumes de momento, e depois com ver-
dadeiro arroubo de eloquencia produzia
a sua defeza que sempre primava pela
forma c pelo estylo, quanto pela clareza e
elucidaySo de seu objecto.
De carcter filiado a escola spartana, a
sua hombridade e firmeza de principios
nao se -estremecan) diante das mais brus-
cas investidas da maledicencia.
Sem que nunca o abandonasse o sobran-
ceirismo que lhe era peculiar, aparava to-
dos esses golpos com inexcedivel cora-
gem e sempre nos limites trayados escru-
pulosamente sua posiyao eminente.
Com taes requesitos, pois, e por xcel-
lencia mesmo, o Barlo de Cotegipe, cujos
annos de vida publica iam sendo contados
pelos serviros que prestava, tem lugar
reservado no Pantheon da gloria e paginas
da Historia, entre Euzebio de Queroz, vis-
condes do Rio Branca e de Itaborahy,
Zacharias, Nabuco e outros, os quaes ten-
do feito um brilhante e largo tirocinio
vital reunidos alm tmuloservemagora
de estimulo e exemplo aos que os estSo
succedendo.
Verdadeiros focos de luz, homem da
sciencia e do trabalho, todos ellescom
suas tendencias de progresso-1-, sao admi-
rados pelo Bras, da mesma forma por
que Palmerston e Peel o slo pela Ingla-
terra, i 'avour pela Italia o Thiers pela
Franca.
Cumprio-se, finalmente, o mo destino,
pois das alturas em que pairava desee
fatalmente a mais baixa esphera material
-a valla commum dos sepulchrosessa
grandiosidade' intellectual t5o inesperada-
mente ayoitada pelo vendaval da morte.
tjurvenio-nos, portanto, respetosos dian-
te da sepultura que contm em seu mbi-
to to preciosos e nobilissimos despojos,
e obedecendo resignados a essa terrivel
porm necessaria transiyao natural da hu-
manidade, sirva-nos de lenitivo a convic-
ySo inconte8tada de que a morte do corpo
o coraeyo da vida da immortalidade de
espirito.
Sendo este o senti ment que nutro, te-
nho que ser o mesmo de quantos, tal
como eu, crean) em Deus e reverenciem
suas tradicy8es honrosissimas e sacrosan-
tas.
Repouse em serene paz e a sombra dos
louros que tanto colheu a alma preclara
mo nobre Barao de Cotegipe, cuja vida in.
teira foijjem consagrada a sua patria.
Recife, 18 de Fevereiro de 1889.
A. Q. de GusmSo Lob^
....... *......."
Notas do sentimento
Oh bandidos da moral
v
Nada pode liaver tao inslito, tao infame, como
leyantar-se em ama sociedade civisada e re-
ligiosa una besta de dous ps, um bandido de
todos os setitimentos raoraes, pregando as dou-
triuas mais infames e nogenta? com a pretenco
de depravar esta sociedade como depravados
e infames sao todos os seus^ntimtfntos, todos
os actos de sua mais que prostituida vida.
E como que urna folha cujos leitores nao da
rao nem un por cento dos bandidos que dra
apreco a tao Infames produeces, como que
essa folha tem a coragem de receber e estampar
ensaas columnas tao nojenlas e infames pro-
dlo8?!
E um burro que so tem de gente a figura', da
mais crassa ignorancia e subido peda tismo,
Jue nada sabe, nada conhece e enche a bocea
os termoslitteratura e sciencia; sem idea
nem sentimento, a nao ser de todas as suas tor-
pezas e immoralidades de sua vida, as quaes
quer erigir em doutrina ; que por isto nada que
exprima idea ou sentimento podendo escrever,
so sabe fallar de aua vida, de seus modos, de
seus costumes, de seus passeios pelas areias
quentes, do copinhode cognac quelhederam, do
vinho de caj, do cavallo magro que ainda'fra
o de Joo Pernandes Vieira, o da historia. E
ludo isto vem a modo de espirito, de gaiatice.
E quando sahe d'ahi para dizer que o pec-
cado original, o fructo da arvore prohibido do
crime de amor em queDeus pegou Ado e Eva
em flagrancia.
Quem disse a esse bandido que o fructo da
arvore prohibida era o amor ?
So poda ser a sua pedantesca toleima; pois
se leu a biblia vio l que o proprio Deus que
d Eva a Ado e reciprocamente, e manda-lhes
que crescame multipliquem-se.
Ainda a sua pedantesca estultissc que v
ser o trabalho a que Deus sujeiiou Ado, nraa
condemnaco por esse crime.
Nao v esta besta que quer-se metter no que
nao entende, que antes do peccado Deus j ti-
nha dado a Aduo e a Eva toda esta pujante na-
tureza phisica, os rios, os peixes, as aves, os
animacs para elles sujeital-os sua utilidade e
proveito, e o oroprio Paraizo das delicias para
que elles o cultivassem (laborare) T
Nao v que depois do peccado, da infraccSo
do preceito, Deus condemnou a Ado, nao ao
simples trabalho que ja era-lhe isto dado para
exercicio de sua activdade, para seu deleite
portanto ; mas ao duro e custoso trabalho, tiran-
do o seu sustento da lena que por seu crime
lhe seria ingrata, e o tirara a custa db suor de
seu rosto f
E nao v que assim se deu. porque desde en-
to o homem nao luctou so com a natureza para
domal-a e sujeital-a a seu poder como lh orde
non Deus que o fizesse, mas luctou com o pro
prio homem, com o irmb, desperdigando e des-
mirado as principaes de suas torcas para sujei-
tarem uns aos outros ?
Nao v que d'ahi que vem todas as desgra-
cas da trra, todas s miserias humanas, de luc-
tar, despender o homem suas forcas contra o
homem, em vez de erapregal-as todas contra a
natureza, que foi esse o trabalho que D^eus dei-
xou ao homem antes do castigo ; que *esse tra-
balho seria de fructosimmensamente mais abun-
dantes, em vez do que lhe produz hoje a natu-
reza ingrata, por que a maior parte de suas pro-
pinas forcas o homem as emprega contra seus
irmaos ?
Se nao v isto, se de nada sabe, nao yenha
fallar no que nao entende, metter-sc a redicula-
rizar o que a sua redicula pretenco nao pode
alcancar.
Como pois ter a pretenco de redicularisar a
biblia e aos que crm nella, e at o proprio
Deus ?
Esta besta c.uvio dizer que outros impos tra
mettido a bulba as cousas sagradas, outros que
ao menos dao a materia digna de ser refutada,
e por isto vera tambem se metiendo a rabequis-
ta com essas asnidades.
Mas a minba indignayo sobe assim a este
ponto, pelo quanto ltimamente este bandido
tem levado a sua depravaco doutrinaria.
Elle diz a este publico que o l, que aprenda
a moral delle que a terdadeira, que elle vae
inaugurar, cultivar e levar ao fim um curso de
moral pratica e terdadeira ; e a delle i a verdudev-a
por que nao como a dos falsos moralistas que o
sao de contrabando.
E qual esta moral deste bandido ? a do
amor, a da pura e simples lei natural da atraco
dos sexos.
Homem e mulher que se querem unir, pede a
mulher a sua posse, ou a mulher ao homem,
unem-se e est formada a base da familia.
Em vez porem desse facto natural e legitmo
em face das leis do coraeao e da natureza, vem
a lei, a lei dos homens e verificando a ausencia
de urnas tantas cerimonias meio ridiculas e meio
buileseas, inventadas adrede para augmentaras
rditos de urna causa que se conveio em chamar
religio, mas que nao passa do privilegio de urna
certa ela.-se de individuos, successores de uns
Iputros espertis8imos que resolveram explorar a
^.Jri q ntido das creaturas tolas e ignorantes
declara i|in nUlNpwi'iiornan I.....iln im^ ,\jjw Mil
formula natural e summaria.
Sguodo pois a lei dos homens contra a lei da
natureza para ha ver familia, preciso o casamen-
to, com o precedente namoro e cartinhas, tudo
escondido, quando tudo deve ser feito a luz do
dia, este birbante quem o diz.
E quando taes entes que se amam esto uni-
dos assim pela lei da natureza, l vem a polica,
agarra os pelo coz, forma ou simula um pro-
eesso, come a maior parte do dote que ella ar-
bitra, arranja um desgracado sem vergonha e
da-i lie o resto.
Onde vio este bandido que a polica interve-
nha, se nao quando os devassos abandonan) a
victima de sua lubricidade, ou quando nao que-
rem cumprir a promessa de casameuto que fize-
ram-lhe t
Mas o bandido da moral, este tbrpissimo que
veio nao sei d'onde fazer propaganda de todas
as infamias e immoralidades, nao quer o casa-
mento por que elle de urna causa que se con-
veio em chamar religio. Quer o stmples im-
pulso da lei natural, sem nenhnm freio, nem
regra da lei, da razo humana, da lei da religio,
da nossa, que toda ella da razao.
Nao quer o casamento que consiste em urnas
cerimonias ridiculas e estultas de urna cousa que
se conveio em chamar religio
Quer o amor livre, a lei natural em toda a sua
expanyo, sem os freios e as continencias de
i utras taas leis naturaes, tambem como de to-
dos os horneas Se servem utilmente modificando
pela acyo de urnas as de outras. Quer o amor
livre como o do cavallo e do cao.
Mas como urna sociedade pollida soffre, como
urna ciilade, um povo christo pode soffrer que
um bandido que tem urna vida como todos a co-
nhecem faca propaganda de sua torpissuna rao-
ral do amor livre que elle chama verdadeiro ?
Como que tal cidsde essa trra soffre e l
um jornal em que se faz tao infame quanto torpe
propaganda ?
Sem duvida que o seu proprietario ainda uo
-eparou no que se passa no i odap de sua folha.
Em todo o tempo tempo de se enchutaren)
os porcos que fazem urna casa immunda.
Recife, 14 de Fevereiro de 1889.
Alfonso de Albuquerque Mello.
-------------^-------------
ppcllo especial as Exmas*
Sras. em favor da indito-
sa viuva e filhos da victi-
ma Pedro Regaard.
Oh! vos Exmas. Sras. brasileiras e es-
trangeiras da cidade do Recife, e fra d'el-
la, e bem assim as dignas directoras de
collcgios e com suas, jovens collegiaes,
vos Exmas. em cujos coray5es germinam
a caridade a sensibilidade e a generosi-
dade.
. Considerai a dor profunda que afflige
aquella desditosa viuva nossa irmSo de
sexo, vendo seus innocentes filhinhos, pe-
direm-lhe pao sem que ella o tenha para
dar-lhes e aataf-lhes a fome, isso por-
que, a raao do malvado, do perverso, as-
sassinou-lhe brbaramente o marido seu
nico arrimo.
Considerai que, a flexibilidade de nosso
sexo nao lhe permitte tanto trabajhar que
possa con dignidade cuidar na ed citfSo
dos cinco queridos filhos de suas entra-
nhas.
Considerai finalmente qu* praticaesuma
obra de caridade soccorrendo aquella in-
feliz viuva, e orphos desvallidos.
Aasim disponde de voseas economas
urna qualquer quantia de accordo com
vosss posses e generosidade, e fazei-a
expordaneamente remetter sob vosso nome
a digna commissio, e esse obulo nao vos
far falta em quanto servir para minorar
a afflicyao a afcta.
Nos de Olinda e algures qno consagra-
mos os meemos sen ti montos de amor a
caridade, taremos outro tanto.
Nao vos tornis* Exmas. Sras. indiffe-
rentes aos rigores da diveisidade.
A todos eses coray5es bemfazejos o
co abenyoar, assim lhes desojara, voseas
Irms Olindentes.
Patrimonio Regaard
i'ontinuacao da subscripgao em favor da fami-
lia Regaard.
Transporte 117*500
Joaquim Gal va o 1JO0O
ntonio Ribeiro de Albuquerque 2*000
Alvaro Pessoa 4S"0
Sebastio Antonio do Reg Barros 2*000
Canuto Guimares 1*000
Empregados do correio do Recife 20*000
Jos de Macedo oOOO
Abilio Jos Bezerra Cavalcante 1*000
Silvino Augusto Nunes de Mello z*000
Manoel de Almeida Lima 2*000
J. C P. 1*000
Manoel Eustaquio de Mello z000
Jos Figueira de Parias 5000
Jos da Costa Pereira 2*000
Jos Estevo Baptista 5000
Manoel de Mattos 2*000
Joaquim Ferreira da Silva 101000
Jos Nicacio Alves 2*000
Um leiloeiro 1*000
Samico de Lyra e Mello 1*000
Antonio Jos de Amoriin 21000
Dr. A. A. de M. H. 2*000
Conego F. 2*000
Gomes de Mattos 14000
Joo Theodomiro da Costa Monteiro .3*000
Conego Marcolino Pacheco do Amaral 31000
Dr. J. V. M. de Vasconcellos 21000
Miguel Hilario Pereira de Azevedo 2J000
Joo Faustino da Silva 1*000
Leopoldo Marques da Assumpco 2*000
Somma
203*000
Nos abaixo assignados, membros da socieda-
de Becreativa Familiar Barreirense, indignados
contra o artigo publicado na Provincia de 6 do
mez correnle, com referencia ao delegado de po-
lica deste termo, tenente Deocleciano Peixoto de
Alencar, declaramos que a reunio, de que falla
dito artigo, nao foi intimada pela policia para
desfazer-se ; e nem foram de modo algum por
esta incommodadas as familias que alli se acha-
vam. Sendo, portanto, urna inverdade o que se
assevera em dito artigo, protestamos contra tal
publicaco.
Sala da sociedade Recreativa Familiar Barrei-
rense, 9 de Fevereiro de 1889.
Augusto Cezar de Almeida Jnior.
Guilhermino Augusto do Oliveira Arruda.
Joo Carlos da Costa.
Manoel A Lins.
Horacio Jos Ferreira.
Joviniano Bezerra Salgado.
Bacharel Francisco Santiago Accioli Lins.
Pedro Gomes da Fonseca.
Paulino Salgado Accioli.
Leocadio Fragoso de M ira Lima.
Miguel Archanjo Barroso.
Joaquim de Souza Portella.
Jos Victorino dos Santos.
Joo Isaas Vianna Alcoforado.
Jos Das Ferreira.
Manoel da silva Gusmo.
Jo5o Vicente Marques.
Joo Firmino de Almeida.
Antonio Jorge Sotter.
Jos Buarque de Vercoza.
Joo Goncalves da Rocha.
Joo da Rocha Hollanda Cavalcante.
Sociedade Musical Olinden-
. se 13deMaio
A directora desta sociedade agradece
aos distinctos socios da philarmonica Ju-
ventude, a nobre e honroza acyo que fi-
zeram no domingo 17, d mandar urna
commissao em nome da directora, cow
primentar a essa sociedad qtur naquella
OCLa^ia. jmhavaj* feando no pavilhSo
do Carmo em Olinda.
Estamos sinceramente gratos.
---------------?
OperacSo importante
Quatorze annos de sofFrimcntos doloro-
sos, e outros tantos de esforyos, de sacri-
ficios intilmente empregados, tal a his-
toria do meu estreitamento da urethra.
Chegando a esta cidade -supportando as
mais cruciantes dores, produzidas por tal
molestia, indicou-me meu compadre e ami-
go Sr. Joaquim Dias de Andrade o Illm.
Sr. Dr. Carlos Bettencourt para medi-
car-me.
Em'tres dias este distincto clinic deu-
me por prompto e urna realidade o
achar-me radicalmente curado.
Ao liba). Sr. Dr. Carlos Bettencourt,
pela pericia que revelou na operayao, fei-
ta pela electrolise, pela delicadeza, pela
attenyao com que sempre se dignou trac-
tar-me, meu eterno reconhecimento.
Recife, 18 de Fevereiro de 1889.
Joao Carneiro da Motta Silveira.
COH-.-Vw*
H.
O perfume unirmal
E' sob este lisongeiro nome que se conhece
hoje em todas as partes e especialmente no
mundo elegante, a deliciosa e afamada Agua
Florida de Murray Lanman, extracto delica-
dissimo dos jardins encantados do trpico; es-
sencia imperecedora que deixa em torno alguma
cousa como urna recordaco de prazer e de feli-
cidade realisada.
No banho saude, no loucador prazer e no
lenco distincgo.
So legitima a Agua Florida de Murray *
Lanman, preparada por Lanman 4 Kemp, New-
York.
Collegio de S. Miguel
Ra do Viscoo.de de Camaragi-
be o. 53
Aos respeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instrueyao para o sexo feminino,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
A mesma promette aos paes que lhe
contarem suas filhas esforyar-se por lhes
dar urna educayao primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do Io de Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde s 7 da
noite.
A directora,
Emilia A. de Mendonca
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
BarSo da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
A actriz portuguesa Helena Balsemao
Rodrigues actual proprietaria do antigo
theatro de Santo Antonio rcalisa pelo car-
naval naquella casa de espectculos 4
magnficos bailes de mascaras para o que
organisou grandes reformas ricando oe dois
saloes para os bailes muito melhores do
que eram.
Continuando depois do carnaval as obras
que o dito theatro reclama que ir fi-
car urna das melhores casas para espect-
culos onde o publico encontrar toda as
commodidades.
A fachada do edificio que j est promp-
ta ficou linda e de muito gosto. Vimos a
explendida scena que apparecer no pal-
co durante os bailes e que foi pintadanpelo
nosso talentoso Chrispim do Amaralr i|ue
representa um baile de mascara e a elle
dirigimos um bravo sincero pelo seu bello
trabalho que de completa novidade.
As ornamentaydes para os saloes tam-
bem devem produzir bello effeito.
O velho Santo Antonio remoyou e ofe-
recer este armo ao publico os melhores
bailes carnavalescos
N'um dos compartimentos do theatro
est exposto um sumptuoso e variado guar-
daroupa propriedade da actriz D. Balse-
mao que se aluga por preyos muito mdi-
cos e com a vantagem de quem alugar
roupas ter entrada gratis nos bailes.
Finalmente estamos certos que o nosso
publico corresponder aos esforyos que a
intelligente actriz tem empregado para
enriquecer a nossa provincia com mais
um theatro decente e que muito concor-
rer para o embelezaraento d'aquella ra
Nos bailes tomadlo parte seis cancanis-
tas francezas.
Elixir depura-
tivo vegetal.
Formula de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio G-eral de Hy-
gene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande eflicacia as mo-
lestias syphiliticas e impureza do sangue ; assim
como em todas as molestias das sennoras.
Tem curado radicalmente muitas pessoas ac
commettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os auultos tomaro quitro colheres das* de
sopa pela manh e quatro noite. As criancas
de 1 a 5 annos tomaro urna collier pela mam
e outra noite, e os de 5 a 11 annos tomaro
duas colheres pela manh e duas noite. < De-
vero tomar banlios fro ou momo pela manh e
noite. Besguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos srs.
Francisco Manoel da Silva & C, ra do Mrquez de
Olinda n. 23 e pharmacia Oriental ra Eatrw-
ta do Rosario n. 3.
O autor deste preparado poae ser procurado
na ra do Haro da Victoria n. 37, onde sertan-
contrado para dar toda e qualquer explieaeo
que for precisa.
Beriberi
N. 46
Luiz Victor Homem de Camino, doutor em me-
dirina pela Faculdade da Baha, etc. etc. etc.
Attesto que .f "ipreguei com feliz resultado o
Elixir denj't""0 Qo Sr. Angelino Jos dos San-
tos Ajp*3e, em ura ente affectado da beri-
com dormencia as esTrctn****1
ores.
O referido verdade.
Recife, 30 de Julho de 1886.
Dr. Luiz Victor Homem de Cnrvalho.
Reconheco a Arma supraRecife, 28 de Agos-
to de 1885Em testemunho de verdade.--0 Ja-
bellio publico Apollinario F. de Albuquerque
Maranho.
N. 47
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos andrade.
Recife, o de Maio de 1882.'
Acommettida o comeco do anno de 1879, do
terrivel mal que a sciencia denominaBeriberi
fui entregue aos cuidados e tratamento do
Ilustrado e cuidadoso medico o Illm. Sr- Dr.
Estevo Cavalcante, que com zelo e proQciencia
que lhe sd caractersticos, en vi Jou todos os
seus esforyos durante o longo periodo de cerca
de um anno efn prol de meu restabelecimento,
j aconselhando a minha ida para a Torre e j
para a ilha de Itamarac, afim de ver se com a
mudanya e ares oLtinha resultados benficos
para meus padecimentos, urna vez que a rebel-
dia do mal pareca se ter tornado impotente
medicina.
Engao manifest.
Na ilha de Itamarac onde permanec por mais
de tres mezes melhoras nenhumas obtive, e
quando de l regresse foi, se nao peior, ao me-
nos uo mesmo estado em que quando d'aqui
sahi.
Era elle de tal natureza que ao desembarcar
no caes do Hospital Pedro U fui transportada
para casa, que era ento ra Coronel Lamenha.
pequea distancia do caes de desembarque, car-
regada em urna cama por amigos dedicados de
meu fallecido marido.
N'este estado de desespero, prostrada em um
leito de aculas dores, servida pelas mos dos
outros porque anhava-me quasi que paralytica;
e j sem a menor speranca de d, a mim
confesso, apenas para satisfazer as instancias de
pessoas que tanto se interessavam pela minha
sorte, a usar do seu Elixir por V. S. preparado"
sendo tal a sua poderosissima e prodigiosa efi-
cacia, que com duas garrafas, restaaeleceu-me
de todos os meus soffriinentos, res&ndo-me
hoje apenas pequea presso nos dedos ^ mos.
Dizendo isto nada mais posso accresceatar, se
nao um voto de agradeciinento a V. S. que com
o seu Elixir ressuseitou-rae vida e proclamar,
a sua excellencia e eflicacia como restaurador
da vida a mais comprometida por molestia de
tal ordem.
Peder V. S. caso queira, fazer d*esta o uso
que lhe aprouver, pois assim far um grande-be-
neficio humanidad".
Subscrevo-me com todo respeito e considera-
cao.
De V S criada veneradora e obrigada.
Candida Francisca Muniz Fetj.
N. 48
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Estando urna senhora de minha familia sof-
frendo de gomas as pernas ha cerca de dous
annos mais ou menos, bem como de grande irre-
guiaridade, a ponto de piostral-a no leito da dor,
e depois de esgotar todos os remedios, j eslava
despersuadida de ficar boa.
Um amigo, em to boa hora, ihdicou-me seu
Elixir purificador do sangue, com tanta fclici-
da'de que com duas garrafas a restabeleceu de
lodos os seus soffriinentos de que dou mudas
gracas a Deus; e para que a humanidade pi
gozar de Uto benfico remedio, paseo o prstate
attestado, e atitoriso a fazes d'elo lhe
convier.
Recife, 5 de Setembro de 1888.
De Vmc. venerador e obrigado,
Manotl Boari'.i
_ (Estavam selladas e reconhecida ,as.)
(Contina.)
Frederieo Chaves Jnior
Homoepatha
39-RA BARAO DA
Primeiro nadar



r
" "'.
Ll


Diario de PernambucoQuarta-feira 20 de Feyereiro de 1889
Protesto
Tendo sido annunciada peVo juizo dos
feitos di faaenda, escrivSq Torres Ban-
deira pira o da 22 do corrente, a praca
da casi. n. 38 do largo de &pipucos, ava-
llada om 5001000. e como pertencente
a Domingos da Silva GuimarSes, e tendo
constado ao abaixo assignado que a casa
m que os officiaes tizeram penhora e de
que se fez avaliacSo foi a de n. 40, de
propriedade de sua mulher, D. Joanna do
Reg Maia Tavares, o que parece ser cor-
roborado pela descripcSo que se faz da
mesma casa, avisa a todos os pretenden
tes do referido leilo que a casa a. 38,
pertencente a Domingos da Silva Quima
rees, acha-se em estado de ruina e assim
nio pede ser a que se v descripta no
respectivo edita!.
Protestando pois fazer valer seus di-
reitos contra quem quer que seja, faz a
Sresente declaracSo atini de que ninguem
epois passa pretender direitos que nao
adquiri, nem poder adquirir por uin
mero equivocg dos avaliadores.
Recife, 18 de Fevereiro de 1889.
Antonio Rodrigues Tavares.
Patrimonio Regaard
A commissao abaixo assignada compos-
ta de amigos do infeliz tenente Pedro
Regaard brbaramente assassinado na noi-
te de 9 do corrente, resolveu solicitar do
commercip e do publico desta cidade em
geral, um'obulo afim de ser adquirido um
pequeo patrimonio para a desventurada
viuva o orphos da infeliz victima.
Confiada a commissSo na caridade e
benevolencia do mesmo publico, espera
seja attendida em seu muito justo fim,
podendo entretanto aquellas pessoas que
quizerem concorrer com o seu obulo, re-
mettel-os ao thesoureiro abaixo assignado
ou a redaceilo deste Diario.
Reoifc 15'de Fevereiro de 1889.
Presidente,
Felippe de Figueiroa Faria.
Thesoureiro,
Josepb Krause.
CommissSo agenciadora
CapitSo Joaquim R. de Souza Gonzaga.
Alteres Jos Samuel Botelho.
Tenente Antonio Pedro Dionizio.
Tenente Franeisco Jos da Sdva.
Tenente Liberato Prisco Ribeiro.
Tenente Delmiro Gaudencio Ribeiro
Pessoa.
Leonor Porto
a Lartu do Kowario n. le
2o andar
Continua a executar os mais dif"
ficis figurinos recebidos de Lon-
dres, Paris, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em pcrfcico de costuras,
em brevidade, modicidade em pre-
908 e fino gosto.
Oculista
Dr. J.
residente
ophthalmolo
ns em Pars
irreia de Bittencourt, oculista
corte, ex-chefe de clinica
dos D.' ^echer e Pa-
do --p'rofessor^rschberg
r'regressado de suV-*fc ?d<
cursao as provincias do norte, demora-se
alguns mezes nesta capital no exercicio de
sua especial dad i'.
Consistorio e residencia ra do BarSo
da Victoria n. 23 1 andar. Entrada pela
Camboa do Carino.
Consultas das 12 as 3 da tarde. Gratis
aos pobres. %
COMERCIO
Revista do Mercado
1
Recife, 19 de fevereibo de 1889.
Pouco movimento na praca, constando apenas
transaectes no mercado de cambios.
Bolsa
CCTAgOES OFFICIAE8 DA JUNTA DOS COB-
RETOBE8
Rfdfe, 19 de Fetereiro de J889
Cambio sobre Santos, 30 d/v. com 7/8 0/0 de
descont.
O presidente,
Candido C. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Cambio
Os bancos abriram com a mesma taxa dehon-
tem, isto 27 0/8, dando mais tarde 27 U/16 e
ao fechar do da 7 3/4:
Em papel particular houve negocio a 27 13/lb
^ de manha, exigindo os bancos, depois do meio
* dia, 27 7/8. ,
O mercado fechou firmissimo.
No Rio nio constou modificaces na taxa ban-
caria, qne regulara 8 27 3,8, havendo, porm,
em papel particular, transacc6e9 a 27 7,8.
em papel particular.
TABELLAS AFFIXADAS
i
g. -s
z. 3
a
3-
p
r
5'
v
te
os
2.
o-
B.
v.
c
a
l
c
1.
3"
& 3.
3
s
%
3 l
_. e- l W M
X) U *" ~^~
s s
l .
8
s s =
9
I
t
Gratido
Tendo adoecido no di 16 do corrente,
meu empregado Jos Ferreira de Castro,
chamei o lustre Sr. Dr. Miguel Themu-
do, que reconheceu acbar-se o doente ata-
cado de febre amarella; e logo fazendo
applicacSo do medicamento proprio, no
dia seguinte, (24 horas despois) se acha-
va o doente completamente restabeleci-
do. Venho, pois confessar minha grati-
dio a tSo Ilustre facultativo, pedindo
que me releve se por ventura offendo a
sua reconhecida modestia.
Recife, 18 de Fevereiro de 1889.
Antonio Jos, da Costa Araujo.
Bacharel Antonio Witra- J
} { vio Pinto* Bandeira ,
/ < Pode ser procurado ra do Imperador / \
I j n. 71, andar \ \
:==:==
ConaagraeSo aeientiflra
J nao s o publico, j nao s5o ape-
nas os mdicos, mas tambem os archivos
cientficos, os depositarios mdicos, que
veem exalcar as virtudes do Peitoral de
Cambar, de Souza Soares.
Sem mais commentarios, abrimos espa-
90, hoje a duas consagraeSes scientificas
que por certo, hSo de merecer do publico
o maior conceito pela sua procedencia in-
suspeita.
Eil-as ; I
c ... Sem nos referirmos ao Cambar-
tinga, Lantana vellosiana ao cha de pe-
destre, Lantona pseudotha, St. Hil., de
reconhecidos effeitos na medicina domes-
tica, apontaremos Cambar verdadeiro,
Vernonia polt/antges. Len, o qual por
sua acco s qualidades demnleentes e
balsmicas daquellas outras, rene a de
ser ao mesmo tempo expectorante deven-
do por isso ser aproveitado no tratamento
das bronchites, e nomeadamente da tsica
trpida .............................
< Bem avisado andou o Sr. J. A. de
Souza Soares. Pelotas, preparando, com
essa especie, o seu Peitoral de Cambar,
que tive occasiao de examinar ecom
pleno conhecimentoaconselho o seu uso
com a maior confianca.
(Do Formulario Internacional do Dr.
Pires de Almeida)
... O PEITORAL DE CAMBARA^
apresenta um bello aspecto, possue cheiro
e sabor agradaveis, qualidades que, s
por si, j sao de grande valor.
Quanto s suas propriedades thera-
peuticas, dizem os attestados mdicos que
o acompanham que sao preciosas as affe-
ccoes broncho-pulinonares, pela sua aeco
emoliente, balsmica e expectorante, qua-
lidades sem questo apreciaveis as affe-
cces catarrliaes, o que justifica a nomea-
da adquirida pelo preparado, cujo hist-
rico acabamos de fazer................
Como planta nossa que o cambar
tem direito a oceupar a atten?ao dos que
se dedicam no estudo da flora brasilcira ;
e como no preparados do Sr. Jos Alves
de Souza Soares encontram-se rftinidas
excellentes qualidades officinaes e organo-
lpticas, alm de valiosos attestados medi.
eos, julgamol-o digno de nossa confianca
e merecedor da attencio dos nossos illus-
nulos collegas aos quaes communicare-
mos jwstrteUente os resaltados das ob-
servagoes pessoae****6
mos.
(Da Unido Medica do Rio de Janeiro)
OS AGENTES
FrnaclMO Nauoel da Uva A C.
Pernambuco
Ra Mrquez de Olinda n. 23.
Algodo
Cota-se o de 1* sorte do serto a 6300 por lo
kilos ,
A exporta$ao. feita pela alfandega neste mez
at o da 16 subi ai.170.743 kilos, sendo974.874
para o exterior e 205.971 para o interior.
As entradas verilicadas at a data de hoje, so-
beni a 16.372 saccas, sendo por:
barcacas..... i ^9 Saccas
Vapores..... ?*
niinaes..... 4'?? '
Via-errea de Qaruar. 8is
Via-ferreade S. Francisco. 1-401
Via-frrea deLimoeiro 7.330
Somma.
16.372 Saccas
Pelo vapor inglez "Portuense, foram rcmetti-
das 300 saccas para Liverpool.
O vapor inglez .Cometo, levou 100 fardos
e 1.330 saccas para Rio de Janeiro, 200 saccas
para Rio Grande do Sul e 5 ditas para Porto
Alegre.
Asquear
. Os precos pagos ao agricultor, por lo kilos, se-
gundo a Associaco Commercial Agrcola, foram
n PfrninPfi :
os seguintes:
Brancos .
Someno .
Hascavado purgado
bruto.
Retome .
Colonia Isabel:
Branco 1*
2 .
. 3' .
Someno
Hascavado
3*200 a 3J&00
U900 a 2.S100
i400 a 1300
U100 a 1*200
800 a 1*000
41100
2*800
1*300
3*900
1*600
4*000
2*300
3*000
1*500
Usina Pinto:
Branco 1* v *.
. 2* .
Someno
Mascavado
V exportocao, feita pela alfandega neste mez at
o da 16, attingio a 8.067.5301,2 kilos, sendo...
5.036.616 para o exterior e 3.930.914 1/2 para o
liuterior.
As entradas verificadas at a dato ac hoje so-
bem a 99.091 saccas. sendo por:
Barcacas .... 36.273 Saceos
YaPres......siA "
Anunaes..... 5.aw
Via-ferrea de Caruart. 6372
Via-frrea de S. Francisco. 42.772
Via-ferrea do Limoeiro 8412
Somma.
99.091 Saceos
O vaper inglez Portuense, carregado por J.
Pater t C. levou 7.000 saceos com assucar mas-
cavado para Liverpool.
Cours
Mercado frouxe, com offertas de 370 ris para
us taceos salgados.
Agurdente
Coto se a 90*000, noninal por pipa de 48? li-
tros.
Pelo vapor nacional Alagos, foram remet
tijas 2 pipas para Maranbao, 34 ditos e 160,5
para Para e i/5 para HanOB.
DOEN^AS CHRONICAS
DO LABTKGEDOS BRONCHICOK,
DOS PLMOESBBOKCHITES CHEOHI-
CASCATABROS CONSDMl^Io
Medicamentos recommen-
daveis
Perol* de Creowot de CIe* CapulH -reoMolada*
de Berilio
Oleo de IIdo de buealhu paro de
Bering
oiho {de Ugado de baealBo
ereontotado de Beriiu-
APPBOVACAO DA ACADEMIA DE MEDICIKA
DE PAWIS
Urna instruegio acompanha cada frasco
Vendein-se n*s pharmacias de
todos os paizes
Fabricado e atacado: casa L. Frcrc
19, ru Jacob, Paris
Cirurgio Dentista
* DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra BarSo do Victoria 19, Io
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
an-
Aviso ao publico
Emquanto durar a ExposigSo Universal de
1889, os nossos leitores que se acharem em Paris
e tque desejarem receber quaesquer noticias da
trra, poderao 1er os nmeros mais recentes do
nosso jornal no escriptorio dos nossos corres-
CMidentes, os Srs. Amede Prince &. C, 36. ra
afayette, em Paris.
Os nossos patricios podero receber a sua cor-
respondencia, peridicos, etc. etc., em casa dos
Srs. Amudce Prince & C.
Outrosim, os mesmos Srs. Amde Prince & C,
negociantes-commissarios poen. a sua casa de
compras s ordens de qualquer pessoa que dese-
jar ter urnas informaijcs, ou utilisar seu iater-
medio
Vias urinarias, molestias do tero,
operacSes elctricas
IS. CABLOS SSTTSrCQVBT
ESPECIALISTA
Ul i l
ical); ) .
aran- >
sin. I
com pratica de pibiz r londrrs
EstrcitamentcsTa urethra curados ra-
dicalmente pela electrolyse, sem dr ;
hydroceles sem injecc* (cura radical);
feridas e ulceras chronicas. com garan
tia de cura rpida; pedras da bexiga,
fstulas c hemorrhoidas; syp'r.ilis, go-
norrhas, pelo metliodo das nistillagOes;
molestias da garganta e do peito pelas
athmospheras medicamentosas. on-
sultas e operacos das 12 s 3 horas
da tarde.
RA DO MRQUEZ DE OLINDA 34
2o. ANDAR
BeMideiirin na Torre
I
Jdb Cerns
Medico operador parleiro
ti Roa Larca do Bokiirio -ti
1 (Por cima do Annel de Ouro)
Onde tem conaultori e rel-
deneia 1 iiudeiido ser encontrado c
recebendo cli;iiiados a qualquer l'rora
do dia e da noite. .
Especialidades: Partos, febres, moles-
\ tias de senhoras e dos puliues, syphilis
em geral, cura rpida e completa e ope-
races de estreitamentos e mais sulfri-
mentos da uretra.
Acode de prmniito a rhamados para
[ fra de qualquer distancia.
Telephonc d. 394
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO .
r^KrRTr'o fruta com e
dade* de molestias de senhoras e c:
Consultorio e residencia ra
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da man
Chamados (por escripto) a qualqi
TELEPHOSE N. '_,-2(5
Todaa M vesos que o medico receita granulos,
tem um grande interesse para o doente em pedir
ao sen pharmaceutico granulos L. Frere (19, ra
Jacob, Paris). Estes granulos apresentSo varia
vantagens sobro os granulos medicamentosos
ordinarios : sao mathematicamente dosados o
obre cada um d'elles, o nome e o peso da subs-
tancia activa achao-se muito distinctamente im-
pressos. Esta inscripcSo tem por effeito prevenir
os erros to facis no manejo dos granulos ordi-
narios, erros que podem ter as consequencias as
mais graves. A inscripijfio proporciona toda se-
guranca ao doente e ao medico. Todas as espe-
cies de pilulas de uso corrente s&o preparados
pela casa L. Frere segundo os meamos proces-
aos. N'estas pilulas ou granulos, o medicamento
achas-e revestido d'un envolucro protector cuja
naturera permitte a conserva^ao das substan-
cias as mais alteraveis, taes como o iodurcto de
ferro por ezemplo, e debaixo de todos os climas;
mas este envolucro desuggrega-se e dissolve-se
muito rpidamente ao contracto da saliva ou dos
lquidos do estomago. Para verificar essa solu-
bilidade, bastara tomar uina pilula on granulo
cujea effeitos fossem evidentes, taes como urna
das pilulas purgativas impressaa, por ezemplo.
Estas pilulas e granulos apresentSo-se com um
cunho do elegancia e de perfeic^uo que provoca
um sentmento de sorpreza e de admiroslo. Ellos
tem sido honrados da nica medalha de ouro
attribuida aos productos pharmaceuticos naEx-
posic,ao universal de Paria de 1878 na de Ama-
tardam 1883 e em Sidney (Australia) em 1888.
Curso primario e prepara-
torio
Ra Larga do Rosario n. lt
andar
Estarlo abertas as aias dcste curso no
dia 8 do cerrente mez.
O director,
Camerino Sobrinho.
MEDICO HOMEPATA
Dr. Ballliazar da Siiveira
Especialidadefebres, molestias 11
das criancas, dos orgaos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devera ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do Barao da Victoria n. 43, \
onde se indicar sua residencia.
Dr. Manoe! do ^asciuienlo Ma-
chado Portella Jnior
Escriptorio ra do Imperador n.
1 ANDAR
G
EDITAES
O vapor inglez, .Cometa,, levou 100 pipas
para Rio de Janeiro e 32 ditas para Kio Grande
do Sul.
Alt 00!
Ultimas vendas, 1G00(X) por pipa de 480 li-
tros.

Cola-se a 305000 por pipa de 480 litros.
Pauta da alfandega
SatUNA "K 18 A t'ilt* PBVKRKIRO DE 18S9
Vide o iario de 17 de Feceretro
Aavio carga
Barca portugueza Novo Silencio, para o Porto.
Karca sueca Axel, para Santos.
Patacho inglez Peg^ie, para Mentevido.
Navios a descarga
Barca norueguense Frida, carvao.
Barca uorueguense Frkyof, carvao.
Barca ingleza Sobrina, farello.
Barca portugueza Tentadora, kerosene.
Barca norueguense Celer, carvao.
Barca ingleza Paragero, bacallio.
Barca norueguense Josca, carvao.
Brigue sueco Pej>Ua, carvao.
Escuna ingleza Abeja, bacallio.
Lugar inglez Viola, bacallio.
Lugar nacional Muriuho Vil, carvao.
Lugar norueguense Varnna, farello.
L?ar inglez May Cory, bacallio.
Vapor inglez Chian, carvao.
Importacio
Vapor francez Ville de Baha, entrado do Ha-
vre e Lisboa em 19 do andante e consignado a
Augusto Labille. manifstou :
Carga do Havre
Apparelho para typographia e instrumento de
msica 1 caixa a ndrade Lopes & C. Amos-
tras 50 volumes a diversos. Armas 7 caixas
ordein. Aieitonas S3 caixas a Manoel A. Gui-
maraes.
BotOes 1 caixa a G. de Mattos Irmaos Bata-
las 100 1/2 caixas ordem. 50 a Goncalvds Bosa
A Fernandes, 50 a Silva Marques A C, 50 a Jos
Joaquim Alves A C, 25 a Soares A Fernandes,
iO a J. Barbosa de Carvallio, 100 ao consigna-
tario.
Chocolate 1 caixa a Gdedes de Araujo A Fi-
Iho. Crystaes 2 caixas a B. Duarte Campos A C.
Cervejas 54 caixas a ordem. Cognac 40 caixas
a Domingos Ferreira da Silva A C. Cachimbos
I caixa a M. Isabel A-.C, 2 ordem, 1 a Azevedo
A C, 1 a F. Lauria A C Conservas 6 caixas a
Jos Joaquim Alves A C. Calcados 1 caixao a
Albino Cruz A C. Ditos e,couros 3 caixOes a
Ferreira Barbosa A C. <"nampanha 30 gigas a
Sulzer Kauffmann A C. Couros 2 caixOes a Fe-
derico 6t C. Chapeos 1 caixao a Raphael Dias
A C, 1 a Christiam A C.
Drogas 6 volumes a Faria Sobrinho A C.
Espellio 1 caixa a Maia Sobrinho A C. Er-
vilhas 8 caixas a Guedes de Araujo A Filho.
Ferragens 8 caixas a Doko a. dos Reis A C.
Fumo i caixa a Francisco Manoel da Silva A C.
Joia 3 caixas a E. Goctschel
Livros 1 caixa a J. W. de Medeiros. Licores
II caixas a Jo* B. de Carvalho.
Mauteiga 123 -barns e 190 meios ditos or-
dem, 30 e 40 a Paiva Valente A C, 20e3o a Joa-
quim Duarte Siuies A C, 30 e 30 a Ferreira Ro-
drigues A C, 15 e 20 a Joaquim Ferreira de Car-
valho C, 15 e 30 a Domingos Ferreira da Silva
'C., 50 e 60 aa consignatario, 50 e 30 a Fon-
seca Irmaos A C, 40 e 40 a Sonza Basto, Amo-
nm A C, 12 caixas ao consignatario, % a Paiva
Dr. Jos Paulino Cavalcunce de Ai-
buquerque, juiz municipal e de ausen-
tis di) tormo de Paullas por S. M. o Ira
.perador a quem Dos guarde etc.
Faz saber a todos os habitantes desta
comarea e a quem niis o conhecimento
dcste tiver que existindo no povoado de
Jurema desta villa de Panellas urna easa
de taipa e telha em nio estado, bem como
existindo tambem no lugar Sorucnc des-
te mesmo tormo urna parte de trra
com urna cnsixha de taipa o telha tambem
Valente C. Mercadorias diversas 20 volumes
a B. de rusiu-i A C, 2 ordem, 1 a Francisco
Manoel da Silva A C, 2 a G. Laporte C. 1 a
Francisco Gurgel A Irmaos, 2 aGuimires Cir-
doso A C, 3 a Guimaries Irmios < C. 3 a lia-
noel Joaquim Ribeiro A C, i a Maia Sobrinho
A C. 1 a Xi'tto Caiapou C, 2 a Manoel Vieira
Neves. Machinas I caixa a Jos C. de Albuquer-
que M lio. Maesas italianas 1 caixa a Guedes
de'Araujo Filho, C u Jos Joaquim Alves A C.
Palatina 2 caixas a J. P. Bohtreau. Pjapel e
tinta 4 caixas a Ramiro M. da Costa A C. Per-
fumara 1 caixa a Manuel Collago < C, 1 n P-
rente Vianna % C, 4 a Francisco Lauria A C, 1
a Maia Sobrinho A C. Pecas para machinas 7
caixaa ordem. Porcetlaua 2 voluaies a B.
Duarte Campos C, 1 a Maia Sobrinho a Francisco Manoel da Silva C. l'entes 1 d-
xa a Nuiles Fouseca A C, 1 a Prente Vianna
A C.
Queijos l-TO caixas a C. Pluyn A C, 10 a Jos
Barbosa de Carvalho.
Roupa 1 caixa a Clciueutiiio de Farias Ta-.
vares.
Tecidos diversos 8 volumes ordem, 3 a A.
Vieira A C, 1 a Machado A Pcreira, 1 a Bernet
A :., 1 a Diogo A. dos Reis A C, 1 a Luiz Anto-
nio Sequeira, 3 a Ramos Geppert A C, 2 aos
berderos de A. C. de Vasconcellos.
Vidros 3 barricas a Eugenio Sainico *C,
1 a Beruardino Duarte Campos A C, 3 a Fran-
cisco Manoel da Silva C. Velas 1 caixa a Gui-
mar&es Irmos C.^3 a Soares Fernandes.
v Car^-a de Lisboa
Cebols 7o caixas a Silva Guimares C. 10
a Jos Jaaguim Alves C, 10 a Esnaly Rodri-
gues C. 25 a Guimares A Valente.
Luvas 1 caixa aw Papoula C
Vinho 5 pipas e 70 barra a Fernandes Ir-
maos.
Escuna ingleza Alteza, entrada de Terra Nova
em 17 do corrente e consignada a H. J. Pcrnau,
manifstou :
Bacallio 2,863 barricas c 800 meias ditas a
ordem.
Barca norueguense Joma, entrada de Cardiff
em igual data e consignada a ordem, mani-
fstou :
Carvao de pedra 612 toneladas a ordem.
Lugar inglez Betrev ef, entrado de Terra Nova
em 19 do andante e consignado a Johnston Pa-
ter C. manifstou : .
Bacallio 2,230 barricas e 900 meias ditas
ordem.
Exportaco
RECIFI 18 DE FF.vf.RElBO DE 1889
Para o exterior ,
^o vapor inglez Lovhiel, carregaram :
Para Liverpool, Julio A Irmao 620 saceos com
'i(i,,*i00 kilos de assucar mascavado ; A. usscao
A C. 144 sancos com 10,080 kilos de assucar
mascavado ; B. Needham A C. 1.000 saceos com
73,000 kilos de assucar mascavado.
yarao nter- o
No vapt)r austraco Mattekoiits, carrega-
ram :
Para Santos. S. Guimares A C. 630 saceos
com 39.000 kiloa de assucar branco e 1,100 ditos
com 66,000 ditos de dito mascavado.
No vapor francez Ville de Maranliao, carre-
garam :
Para Santos, S. GuimarSes 6t. C. 400 saceos
cora 24.000 kilps de assucar branco e 550 ditos
com 33^000 ditos* de dito mascavado.
Na barca sueca Axel, carregaram :
Para Santos, P. Caraeiro A C. 100 saceos com
em mo estado ha mais de dez annos
aem que "at esta data tenha apparecido
herdeiros ou consenhores de taes casas e
terrenos, mandei passar o presente ediaal,
chamando a qnem se julgar com direito
aos" referidos bens, a virem no prazo de
trinta dias, a contar da data do presente
edital, habilitar-.se na -forma da lei lindos
os quaes nSo apparecendo os consenhores
sern ditos bens vendidos era Iiasta pu-
blica deste juizo.
Villa de Panel las 1.- de Fevereiro de
1889.Eu Miguel Joaquim do liego Bar-
ro,escrivSo de ausentes que escrevi.
Jos Paulino Cavalcante de lbuqueraue.
E nada mais mais se continua em dito
edital que copiei por certidao do proprio
original a qual me reporto e dou fe.
Villa de Panellas de Fevereiro de
1889. O escrivSo de ausentes. Miguel
Joaquim do liego Barros.
Edital n. 55
(< ..ni ni s<> da cadetru primaria le
PoMf|ucira)
De ordem do Sr. Dr. inspector geral da Ins-
trueco Publica e de accordo com o disposto no
art. 67 do regiment dos concursos de 16 de Ou-
tubro de 1885, se declara a quem interessar pos-
sa, que no concurso a que se acaba de proce-
der para provimento da cadeira do sexo mascu-
lino de Pesqueira (2* entrancia), foram approva-
dos c classiticados pela commisso julgadora :
Em 1 lugar o alumno mestre da Escola Normal
Artliunio Vieira, e em 2 lugar tambem o alum-
no mestre da mesma Escola, Joo Cordeiro t-on-
seca de Medeiros, como se v do seguinte map-
as:
Talioa kci-iiI daa notan ataamoricaM
obddaa peloa ronciirreiilt'
_
>
2.3
S |
5'
<
fl
c -
-
-
o

o


o
-
v 7.
BS
Gram- | g manca i ^ ~.
ac ^ U Analyse :
m ." Geometra 00
M ta> Instruceo cvica'
i. M ledagogia
M M Instruceo moral
C ~ Arilhmetica i < >-
= ' . Malrologia O m
U U Gymuastica
A Preleceo
Somma geral
V td Classificaco
Secretaria da lnsliutro Publica de Pernam-
buco, 13 de Fevereiro de 18-9.
0 secretario,
Pergeiitiiw Saiuica de Araujo Galeno.
1.a seccio.Secretaria da presiden-
cia de Pernambuco, 19 de Fevereiro de
1889.Fago publico, para os devidos fins,
que n'esta secretaria se aeliam as patentes
imperiaes de reforma do coronel Joo Car-
los de Mendonga Vasconcellos, teuentes-
coraueis Jos Hcnriques de Salles Abren
e Candido Jos de Barros, majores Do-
mingos liamos de Andrade Lima e Joa-
quim Franisco Belm.O secretario inte-
rino, Manoel Joaquim Siiveira.
6,000 kilos de cssucar branco e 45 i ditos com
27, 0' ditos de dito mascavado
No hiate nacional eus te Guarde, carrega-
ram :
Para Ceara, P. Carneiro A C. 500 saceos com
farinha de mandioca e 70 ditos com 3.500 ditos
de feijao.
No hiate nacional Bom Jess, carregou :
Para Aracaty, J. Cordeiro 35 caixas com 283
litros de genebra.
:\0 Vii|Kr nacional Magnas, carreparam :
Para Manaos. J. Borges 20 barricas com 1,726
1/2 kilos de assucar branco.
Para Para, E. C. Beltro A Irmo 100 barricas
com 4.578 kilos de assucar refinado, 50 ditas
com 2.043 ditos de dito branco e 35 barris com
2,360 litros de agurdente ; P. Alves A C. 80 vo-
lumes com 2,000 kilos de assucar retinado ; J.
A de S 41 barricas com 2,870 kilos de assucar
branco ; P. Carneiro A C. 200 barricas com
14,610 kilos de assucar branco ; J. s. da Costa e
Silva 5 caixas com 150 litros de azeite de carra-
pato ; A. F. dos Santos 1 caixa com 6 duzias de
pomada de jurubeba.
Para Maraaliao, Maia & Rezende 20 barricas
com 2,iO0 kilos de assucar mascavado; F. A. de
Azevedo 40 barricas com 4.360 kilos de assucar
branco e 10 ditas com 1,100 ditos de dito mas-
cavado ; J. Fontelles 13 saceos com 650 kilos de
feijo.
Para Ceara, Carlos C. Monteiro 30 saceos com
2.500 kilos de feijao.
No vapor nacional Arlindo, carregaram :
Para Santos, P. Pinto A C. 30 pipas e 100 bar-
ris com 24,000 litros de agurdenle : P. Carnei-
ro A C, 90 Dipas e 173 barris com 60,000 litros
de agurdente, 25 pipas com 12,000 litros de al-
cool, 650 saceos com 39,000 kilos de oassucar
branco c 3,400 ditos com 204,000 ditos de dito
mascavado ; B. Vieira 2.000 cocos, fructa.
Para Rio Grande do Sul, J. Lopes de Azevedo
100 cocos, fructa.
No hiate nacional Auna Elaubeth, carrega-
ram :
Para Parnahyba, P. Alves A C. 25 barrica? com
751 kilos de assucar branco ; E. C. Heltrao A
Irmao 50 barricas com 1,812 kilos de assucar
branco.
Paro Acarahu, F. Mascarcnhas 91 saceos com
farinba de mandioca e 25 ditos com 1.230 kilos
de raimo ; F. M. de Moura 25 pipas com 12,000
litros de agurdente e 2 barris com 88 ditos de
uiel. '
Dinhrlro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Alagoas, para :
Natal 2.000*000
eirt 8.628*610
Para 14.000OOO
RendJntentos pblicos
Renda geral:
Do dia 1 a 18
dem de 19
MEZ DE FKVERBIK'')
Alfandega
528:214*278
43:393*561
Renda provincial :
Do dia 1 a 18 85:426*677
Idem de 19 4:825*116
573:637*839
90:251*793
8omma total 663:889*632
Segunda secjao da Alfandega, 19 de Fevereiro
de 1889.
8 thesoureiro Flerencio Domingues.
chefe da seceo -Cicero B. de Mello.
Recebedoria Provincial
O procurador dos feitos interino da &
zenda provincial, tendo recebido do The-
souro a relacSo abaixo transcripta dos
devdores do imposto de bombeiros no ex-
ercicio de 1886 a 1887 (3o semestre) das
freguezias do Recife, Santo Antonio, Boa-
Vista e S. Jos, que deixarm de pagar
no tempo competente, declara aos meamos
devdores que Ihes tica marcado o prazo de
30 dias, a contar da publica^ao do presen-
te edital, para dentro delle pagarem a im-
portancia de seus dbitos na Recebedoria
Provincial com guia da seccao do Conten-
cioso, certos de que. lindo aquelle prazo,
se proceder a cobranca judicialmente.
Recite, 1 de Fevereiro de 1889.
O procurador dos feitos interino,
Jos Franeisco de Ges Cavalcante.
(ContinuacSo)
Dita n- 107. Jo2o Francisco Tor-
res Bandeira. 30180
Domingos Caroso n. 94. Jos
Jacintho dos Santos. 3^180
Dita n. 39. Joaquim Theodoro
de Souza. 30180
Vidal de Negr'eiros n. 50. JoSo
Fraucisco de Oliveira 30180
Dita n 144. Jolto do Ainaral
Raposo 30180
Ditan. 150. Joo Mauoel Lopes .
Braga 30180
Dique n. 1 A. Joao Jos da .
Silva 30100
Assumpeao n. 2 A.'Joaquim Gon-
calvcs da Silva & C. 3018O
Domingos Thcotonio n. 15. Joao
Ferreira Vital 30180
Travessa do Serigado n. 1. JoSo
Flix da Ilota 30180
Jardim n. 19. Jos Vicente Go-
dinho 30180
Padre Muniz n. 1. .lacintho Me-
deiros Barbosa & C 30180
Dita n. 43. Joao Jos de Carva-
lho Mascarcnhas 30180
Imperial n. 7. Joaquim Jos da
Silva Moreira 30180
Dita n. 115. Jorge Malheiros
&C. 30180
Dita n. 155. Jos Alves Pereira 3018
Ditan. 293. Jos Alfredo Be-
zerra 30180
Dita n. 321. Jovino de Carva-
lho Cavalcante 30180
Dita n. 44. Joaquim Mauricio
Wanderley 30180'
Dita n. 11U. Jos Gomes de
Oliveira 30180
Dita n. 152. Jos Francisco de
Almeida 30180
Dita n. 100. Jcronymo da Sil-
va Motta 30180
Ditan. 200 A. Jos Maria Soa-
res 30180
Dita n. 202 D. Joao Pereira do
Nascimento 30180
Lomas Valentina n. 66. Libera-
ta Maria da Conceicao 30180
Coronel Sifassuna n. 220. Luiz
dos Santos Selva 30180
Maicillo Das n- 84. Mello &
Penna 30180
Dita n. 124. Manoel Gomes de
Oliveira 30180*
Dita n. 95. Manoel Pedro Ra-
tis de Amorim 30180
Dita n. 127. Marcos Gomes da
Silva 30180
Lomas Valentinas n. 17. Manoel
Maria Gomes da Silva Cunha 30180
Mrquez do Herval n. 100. Mo-
raes & C. 30180
Dita 170. O mesmo 30180
Travessa de Pocinho n. 32. Ma-
noel Gonealves da Silva
Araujo
Dita n. 67. Manoel Pires Agr
30180
30180
Recebedoria Geral
Do dia i a 18 29:724*434
dem de 19 2:954*003
---------------32:678*437
Recebedoria provincial
D dia 1 a 18 10:402*322
dem de 19 239*664
--------------- 10:641*986
Recife Dralnage
Do dia 1 a 18 15:266*209
dem de 19 2:498*344
17:764*333
Mercado HunU-ipal de 8. Jo*<-
O movimento desie mercado no dia 18 de Fe-
vereiro foi o seguinte:
Entraram :
20 1/2 bois pesando 3,771 kilos.
261 kilos de peixe a 20 reis 5*220
133 cargas de fariulia a 200 ris 26*600
6 ditas de fructas diversas a 300
ris 1*800
12 taboleiros a 200 ris 2*400
12 suinos a 200 ris 2*400
19 matulos com legumes a 200 ris 3*800
Foram oceupados:
27 columnas a 600 ris 16*200
1 escriptorio a 300 ris 300
25 compartneutos de farinha a 500
ris 12*500
23 ditos de comidas a 500 ris 12*500
81 ditos de legumes a 400 ris 3**400 ,
18 ditos de suinos a 700 ris 12*600
9 ditos de fressuras a 600 ris 5*400
36 tullios a 2* 72*000
Rendimentos dos das i a 17 do cor-
rente
206*120
3:399*040
3:605*160
Foi arrecadado liquido at hoje
Precos de dia:
, Carne verde de 320 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Karinha de 360 a 480 reis a cuia.
Milho de 360 a 400 reis idem.
re;;5o de900 a t*20 idem.
Katadouro publico
Neste estabeleciment foram abatidas para o
consumo de hoje 66 rezes perteucentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE FEVEBBttO
Norte......... Mandos...........' 24
Sul~ ..... Pernambuco....... 27
Hovimento do porto
Navios entrados no dia 19
New-Castle80 dias. barca allem Anua, de 448
toneladas, capitn AlberlZelck, equipagem 11,
carga carvao de. pedra : Companhia do Gaz.
Havre e escala20 dias. vapor francez Ville tit
Bakia, de 1,008 toneladas, commandeote Rox,
equipagem36, carga vari gneros; a Au-
guste Labille*. _
Terra-Nova32 ibas, lugar Retriever. de 204 t
neladas, capit?.o w. Ednionds, equipagem H,
carga bacalhao; a Joas ion Pater <-.
iihidos no mesmo dia
BabiaVapor ingler Vanduck. com
P. Fisher, carga varios gene
BarbadosBarca norueguense t
J. Felliuson. em lastro.
Cear Hiah-
j0 dura, carga va:
V
1

i
4
i.

V

I
I


1
s
I*
&


ario de Pernambuco---Quarta-feira 20 de Fevereiro de 1889
o
"Bwreoa do Gaz a. 5. Maiioel
Carnes 3,5180
lrt d!e Negreiros n- 18. Ma-
noel Gavalcant Lins 4 C. 3j>180
9St n. 30 Manoel dos Santos .
Fdlo 3180
Sitan. 151. Moreira Sobrinho 3^180
1!taT8sa do Prata n. 7. Marian-
a de S 30180
Aswtsipcao n. 6". Mara Fran-
cisca da Conceicao 3,) 180
Htei. 12 A. Manoel Alexan-
ire Bezerra 30180
Santa Rita n. 1 Manoel WencQs-
ModasMcrcez ^ 30180
9bn Muniz n. 17. Manoel Ro-
apmao & C. 30180
t*rgr> do Mercado n. 5 Mi-
gel Archanjo dos Santos 30180
%yranga n. 13. Miguel Fran-
cisco dos Santos 30180
rialn. 19. Miranda & Her-
rfinda 30180
260. Manoel Francisco
Bratnaraes 30180
a. 254. Monteiro Jorge
C. 30180
Misa. 2790. Manoel Gonral-
& Nogueira 30180
I*U a. 254 A. Manoel Tavares
i* Mello 30180
fiaui de Negreiros n. 19. Oli-
iwa & Irinao 30180
Iferpsilk) Dias n. 109. Pedro das
Cbagas Ribeiro 3018U
Cfaarcael Suassuna n. 180. Plii-
luaena Maria da Concei^o 30180
Yiai de Negreiros n. 20. Pe-
wo Antonio da Silva Bastos 30180
4eagj> do Mercado n. 9. Parao 30180
fcwwial n. 182 Pedro Josi da
Sha 30180
IwTCssa do Forte n. 2. Ribeiro
daCunha&C. 30180
* Hrcilio Dias n 137. Souza Ro-
2a C. 30180
<3fra b. 139. Theodomiro dos
. Santos Selva 30180
tidalde Negreiros n. 62. Ter-
taiiano Xavier da Cruz 30180
&pcrial n. 261. Thomaz Alves
rnrcra 30180
dfcj a,. 331. Umbelino de Car-
nOo 30180
Kdalde Negreiros n. 2 A. Viu-
-aAguiar d faayerial n. 205. Viuva Valde-
tbo Ribeiro da Silva 30186
SSSan. 98. Vidal Jos Pinlio 30180
ffiwire Muniz n. 67. Wilson
&as & C. 30180
^Contina).
Instituto Archeologico Co-
graphico PernamWcano
Quinta-feira, 31 do corrente, 1 hora da tarde
reunir-se ha esta Asociafo em assembla geral
para a eleicao dos rosmbrosda mesa administra-
tiva, no preximo anuo social de 1889 -1890; pelo
que sao de novo convidados os Srs. socios para
comparecerem na sde do Instituto, no referido
dia e hora : visto no se terera reunido no dia
marcado pelos estadios.
Secretaria do Instituto, 19 de Fevereiro de
1889
Baptsta Regueira.
1 Secretario,
Indemnisadora
A directora desU. companhia convida os se-
uhoros accionistas a reunirem-^e em assembli'a
geral ordinaria no di? S8 do correte, ao meio
dia, na sede da ine na. para o tim de aprecia-
ren] o balanco, contar da direccio e o parecer da
commissao fiscal, e bem como dar-M cumpli-
mento ao que determina o art. 27 S 2 dos sena
estatutos. Recife, 16 de Fevereiro de 188.
Os directores
Joaquim Alves da Fonseca.
Antonio da C. Ferraira Bcltar.
Companhia de fiac.ao e teci-
os de Pernambuco ^
Por deliberacao da directora sio convidados
os senhores associados desta companhia a se
reunirem no salao do edificio da Associacao
Commercial Beneficente, a 1 hora da tarde, no
dia 7 do prximo mez de Marco, para approva-
rem as contas do anno Cndo em 31 de Dezembro
de 1888, e nomearem a commissao fiscal do cr-
reme anno.
Recife. 7 de Fevereiro de 1889.
Jos Jlo de Amorim,
Secretario.
Thesonrria de Fazenda
8B6TTTICA0 DE NOTAS
De ordem rio llini Sr. inspector e de confor-
midile Cora o ollirio da inspectora da Cnixa de
Amrtisaro de 7 do corrente sob n. 5, faro
publicn que. leudo dpparcetdo na circuluco un-
tas do governo de 9UJO00 da 5" estampa, fal-
sas, que confundeiii-s coin as vcriladciras, a
junta administrativa 'aquella repartielto resol-
veu que sejam ellas recomidas at 30 de Judio
do corrate anno. v
Assim, pois, sao convidados os possuidores de
taes notas a trazel-as ao troco at o referido dia,
pois que dessa data em diante solTrero o des-
cont de 2 "i., durante os mezes de Julho a Se-
tembro, 4 |0 de Outubro a Dezembro, 6 ]. de
Janeiro a Marco de 1890, 8 \. de Abril a Junno,
10 > em Julho, e d'ahi em diante o descont
progressivo e mensal de 5 [0 at perderem de
todo o valor, como preceita o art. 13 da le n.
3,313 de 16 d'e Outubro de 1886.
Em 16 de Fevereiro de 1889.
0 secretario,
Dr. Antonio Jos de Sant'Anna.
(3.
praca
J4> inspectora desta Alfandega se faz publi-
"" n. ape, as 11 horas do dia 22 do correte mez
anaarrematadas em praca porta desta repr-
taos acs seguintes mercadorias :
Armazeui n. 7
ttnca C PN. 10,132. Una caixa, contendo
Skee de folinlias de desfolhar, 1 kilo de carta-
as, nuncios, ambos de mais de duas cores,
& de Bordeaux no vapor francez Niger, eu-
mk> em i de Janeiro do correte anno aban-
dem
irtu ApolloX. 6. Urna caixa contendo 47
"ic de cigarros em bom estado e 6 e meio kilos
*- cigarros avarados.
A nna marcaX. 8. Urna caixa, contendo
MJI3 charutos furados.
Anesma marca-Tai livro em branco
'. isrsnia masca -Meio kilo de couhecimentos e
lemas lithographadas de urna s cor viudos do
ttb trande do norte no cter nacional juguara,
a u; Dezembro de 188, abandonados aos
etfiarJK* pela viuva de Autouio Pereira da Cu-
i* seceo da Alfandega de lernambuco, 19 de
"feKiro de 1889.
O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
S. R. C.
dRdr H-erflin Commorrinl
Aviso
Bt ardem do Hlm. Sr. presidente, aviso a to-
nm nw se julgareni creuores da sociedade Re-
cnaliva Commercial a apresen taran suas con-
tss- Sr. thesoureiro Manoel Simo dos Santos
MBn, a ra Pedro Affonso n. 82, afim de se-
a immediatamente pagas.
Secretaria da sociedade Recreativa Commer-
siai, 1 de Fevereiro de 1889.
0 1- secetario,
Ernesto Guimaraes.
Gabinete Portug-uez
de Leitura
toarmbK'n Rf-rnl
3Jn feudo toda a direetoria e alguns membros
no consellio deliberativo, acceitado os cargos
pn que foram eleitos em sesso de 20 de Ja-
mjio prximo passado, convido de novo, de
r4cn> do Kxni. Vt. Yiscondc da Silva Lo yo.
po*dente, os senhores associados a se rennirem
ca assembla geral, domingo 24 do corrente,
la 11 horas da manhi, nos sales do Gabine-
e, cera ter lugar a cleico dos membros que
Stoa para completar o corpo administrativo,
Ootrosim, faco publico, que se nao for pos-
sirti i-leger urna administraco que se torne
Activa, a actual commissao directora resigna
i* pelos meios legaas. o mandato que lhe toi
ecife^ 13 de Janeiro de 1889.
Dr. Jos de > lbuquerque,
Secretario.
Thesouro Provincial
Beordem do Illm. Sr. Dr. inspector desta re
flarUeio, faco publico que no da 20 do corrente
es paga se as professoras de 3.a e 2.* entra-
an eom rclaco aos seus vencimentos do mez
e Janeiro ultimo.
Ufttgadoria do Thesouro Provincial, 19 de Fe-
w de 1889.O escrivo,
Silvino Antonio Rodrigues.
. Secunda pra^a
e-tidem do ll!m. c Exra. 8r. Dr. inspector,
m a;- publico que as 11 horas do dia 22 do cor
cateaez serio vendidos %a praca a porta da
ajawobmor a desta Alfaudega un bote usado e
. ana peca de lona de iinbo, pesando liquido 28
Mtograinmas apnrehendidos na noite de 9 do
mn de Janeiro ultimo, cujo dono nao appareceu
aieelamar contra a mesma apprehensao.
J.* sec?ao da Alfandega de Pernambuco, 19
dfc Ffereraro de 1889 O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Empreza da estrada d^ ferro
de Ribeirao ao Bonito
AHUomUlm eral
frwdeni da directora sao convocados os se-
riber accionsus a comparecerem em assem-
iftfa geral ordinaria no dia 28 do corrente mez,
3 1 hora da t-rde, no escr ptorio desta empreza
:t a praca de Pedro 2., afim de darem cum-
mnento ao que preceita o art. 27 dos esta
Jtedte, 8 de Fevereiro de 1889.
i I armio Pereira de Mello,
Director, secretario.
Secretaria da Mnstrurro Publi-
ca *4 de Dezembro de 1888
PRAZ o 0 DIaS
Contractos de cadeiras.
De ordem do Sr. Dr. Inspector Geral
de Instruccao publica, e em cumprimento
e determinacSo de S. Exc. o Sr. Desem-
bargador Presidente da Provincia de 21
do corrente, se fez publico, que fica mar-
cado o praso de 60 dias aquem interessar
possa para contractar as cadeiras mixtas,
Marayal e Gammelleira de Buique e a do
sexo feutinino de Agua Prcta, devendo os
pretendentes apresentarem suas petifiJes
instruicbs na forma das instruc?oe8 de 24
de Maio do anno passado como abaixo se
declara.
I. Os titulados pela Escola Normal Ofi-
cial e pela da Sociedade Propagadora da
Instruccao Publica.
II. Os que, mediante exame de capaci-
dade feito nos termos das disposifSes vi-
gentes, tiverem obtido diploma de habi-
litacSo.
III. Os que provarem haver exercido
o magisterio publico com reconbecida ha-
bilitacao.
IV. Os que provarem exercer ou ter
exercido o magisterio particular as mes-
mas condicoes.
V. Os que, nSo se achando as condi-
fSes mencionadas nos ns. I. a IV, tiverem,
todava, notoria aptidao para o magisterio.
Art. 4". Os individuos mencionados no
art. antecedente ter&o preferencia, na or-
dem em que se achain enumerados para
as cadeiras que requererem, por modo que
somente se adinittirao os da segunda classe
quando nao houver pretendentes da pri-
meira e assim por diante.
Io Em igualdade de condifes quanto
ao titulo ou diploma, preferir o candidato
que j tiver exercido o magisterio.
| 2o. Em igualdade de condicSes quan-
to ao exercicio do magisterio, preferir o
que tiver antes servido por outro meio
que nao seja o contraets ou por interinidade.
| 3o Em igualdade de condicSes quanto
ao meio anterior de provimento, prefirir
o candidato, que tiver mais tempo de
servio.
Art. 5o. Quanto aos que foram contrac-
tados em virtude da le de 8 de Junho de
1874 e do regulani'snto de 7 de Abril de
1879, fica-lhe8 iik.ii ti da a preferencia es-
tatuida pela le n. 1766r-rt. 9, segunda
parte.
Art. 6* Os que pretenderem o provi-
mento por contracto, deverao, dentro do
praso de que trata o art. 2o, requerel-o
ao, inspector geral da instruccao publica,
exhibindo certidao de idade, folha corrida
e attestados de moralidade.
Sao dispensados de apresentar folba
corrida os que exhibirera attestados de
procedimento civil e moral, passados pelas
Cmaras Municipae, autoridades judicia-
rias e polciaes dan localidades em que
houvercm residido nos dous ltimos anuos ;
os que, se achando no exercicio de em-
prego publico, exhibirem attestados dos
respectivos chefes ; e as educandas do col-
legio de orphas e casa de expostos.
Io Os que requererem as condicSes
do art. 3o n. III, se tiverem exercido o
magisterio a titulo interino, deverao pro-
var haverein assim, ensinado por mais de
tres annos com proveito para os alumnos.
O meio desta prova consiste na exhi-
b cao do titulo de nomeaco confirmada
ou feita pelo inspetor geral ; de certidao
de exercicio, extrabida dos assentamentos
da secretaria da instruccao publica e de
attestado do delegado litterario quanto ao
aproveitamento dos alumnos.
| 2. Quando os pretendentes orem ou
tiverem sido professores de ensino parti-
cular (art. 3o n. IV) deverao fazer prova
por meio de certidao extrabida dos assen-
tamentos e inappas constantes da secreta-
ria da instruccao publica, de terem ensi-
nado as materias de instruccao primaria
por mais de cinco annos, e attestado do
delegado litterario e dospais dos alumnos,
quanto ao aproveitamento do ensino.
Art. 7o. A petioSo para o contracto
edeveconter adeclarifao da filafao, idade
estado e proffissao anterior do requerente
i. escripia pelo proprio punho deste, sendo
a lettra e firma reconhecidas por ofHcial
publico.
O contracto s poder ser assignado por
procurador, se for provada a impossibili-
dade do comparecinento pessoal do con-
tractante.
Secretaria da iEfltruccao Publica 24 de
dezembro de 1886.
O Secretario
Pergeniino Sara'-va de A. Galvfto
Recebedoria Provincial
0 administrador da Recebedoria Provincial
em cumprimento da ordem do Illm. Sr. Dr. ins-
pector do Thesouro, constante da portara sob
n. 108 de 28 do crrente, faz publico para co-
nhecimenlo dos respectivos coutribuintes que,
de accordo com a realo abaixo, dar-se-ha prin-
cipio nusta reparticao, no espago de 30 dias uteis,
contados de 4 de Fevereiro prximo a cobranca,
iivre de multa, das annuidades e mais servicos
da Recife Drainage Company, relativa ao 2 se-
mestre do exercicio lindo d 1888.
Recebedoria Piovincial de Pernambuco, 30 de
Janeiro de 18-9.
Francisco Amynthas de Carvalho Moura.
Retardo a que se refere o edital supra
Frguezia do Recife
Ras :Mrquez de Olinda, Rom Jess. Alva-
res Cabral, Cominercio, Rispo Sardinha, Torres,
Thom de Souza. Mara de Souza, Vigario Te-
norio, Brrelo de Meuezcs, Mjiriz 8 Barros, Bur-
gos, Amorim. Moeila, Tuyuly, Companhia Per-
namlmcami, Madre de eus,"Domingos JoseMar-
tins, Mscate". !' stauracao, D. Maria Cesar, Vis-
conde de Ita|>urica.,Phaiol, Areal, S. Jorge, Vi-
tal de Oliveira, Cuararapes e Baro do Triuui-
pho.
Pracas : Assembla, Chaco e Pedro I.
Travessas :Vigario Madre de Deus, Cam-
pello, Domingos Jos Martins, Corpo Santo, An-
tigo Porto, Bom Jess, Apollo, Areal, Para a
Fuodicao, Occidente, Guararapes e Praga Pe-
dro I.
Largos :Alfandega, Corpo Santo e Assem-
bla.
Beccos:Abreu, Noronha, Laigo, Pindoba,
Tapado e Paschoal.
Caes : Companhia, Brum e Apollo.
Frguezia de Santo Antonio
Ras :Imperador, Primeiro de Margo, Duque
de Casias, Cabug, Barao da Victoria, Tiinchei-
ras, Larangeiras" Larga do Rosario, Estreita do
Rosario, Francisco Jacintho, Joo do Reg, Ilha
do Carvalho, Conselheiro Piretti, Nelto de Men-
donga. Major Agostinbo Bezerra, Vinte e Oito de
Setemliro, Santo Amaro, Pedro Ivo, Mathias de
Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fogo, Livra-
mento, Penha, Visconde de Inhauma, Pedro Af-
fonso, Nova da Praia, Marrillo Dias, Henrique
Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suassnna, San-
ta Thereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mr-
quez do Herval, Cadeia Nova e Barao de Villa
Bella
Largos :Paraso, Carmo, Penha, S. Pedro e
1 raceta.
Travessas :Queimado, Cruzes. Mrquez do
Recife, Bella, Calabougo, Matriz, Flores, Carmo,
Bomba, Livramento, Arsenal, 1* e 2* da Praia,
Carcereiro, S. Pedro, Viragao, Lobato, Falcao,
Pocinho e Concordia.
Beccos :Bella, Calabougo, Matriz, 1, 2 e 3"
da Camba. Falco, 1 e 2o da Cadeia Nova.
Praga :Pedro II.
Caes :Vinte e Dous de Novembro.
Campo :Princeza.
Frguezia de S. Jos
Ras : Marcilio Oas, Lomas Valentinas. Co-
ronel Suassuna, S. Joo, Felippe Cunarn. Mr-
quez do Herval, Vinte e Quatro de Maio, Das
1 ardoso, Passo da Patria, l*adru Nobrega, Victo-
ria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros, Fre Hen-
rique, Dique, Assumpgao, Domingos Theotonio,
Padre Floriano, Christovo Colombo, Jardim,
Forte, Antonio Henrique, Nogueira, Santa Ceci-
lia, Santa Rita, Padre Muniz, Praia de Santa Ri-
ta, S. Jos, Pescadores, Praia do Forte, Ypiran-
ga, Imperial e Luiz de Mendonga.
Travessas :Marlyrios, Ramos, Pocinho, Cal-
dcireiio. Gaz, Matriz, Forte, Prata, Serigado, Co-
na res Nova de Santa Rita, Praia do Forte, S.
os, Peixolo e Lima.
Rceos : Palma, Caldeireiro, Gaz, Assump-
gao, Nova de Santa Rita e Matriz.
Largos : Forte e Mercado.
Frguezia da Boa-Vista
Ras : Imperatriz, Conceigao, Visconde de
Pelotas, Tambi, Visconde de Albuquerque, Au-
rora, Capibaribc, Ponte Velha, Conde da Boa-
Vista, Riachuello, Uniao, Saudade, Sete de Se-
tembro, Visconde de Camaragibe, Carnario, Ro-
sario, Gervasio Pires, Dr. Villas-Boas, Socego,
Principe. Santa Cruz, S. Gongalo, Coelhos, Hos-
pital Pedro II, General Seara, Coronel Lamenha,
Conselheiro Aguiar, Leao Cornado. Barao de >.
Borja, Mues Machado, Visconde de Goyanna e
Attracco
Travessas :Gervasio Pires, Atalho. Coelhos,
Barreiras, Veras, Quiabo, Joo Francisco, Man-
gueira, Campia e Palacio do Bispo.
Largo :-Campia.
Beccos :S. Gongalo e Coelhos.
Pragas : Conde d'Eu e Santa Cruz.
......BASCO NflSIAQOfel
DO
S. R. O.
Sarfrdade Recreativa Commercial
Soiree trimestral em 24 do corrate
Scientilico aos senhores socios que esta soiree
principiar as 8 horas da noite.
Convites em poder do Sr. secretario.
Ingressos s com o recibo do mez de Feverei-
ro, o qual pode ser procurado em poder do Sr.
thesoureiro, roa Pedro AtTonso n. 82, ou na
sociedade.
Aggregados nao sao adnrtssiveis.
Secretaria da Sociedade Recreativa Commer-
cial, 16 de Fevereiro de 1889.
0 1 secretario
Ernesto Guimaraes.
JO JClto&.>0 X A_*
Capital
0,000:0004
den rcallsado I ,000:000
A caixa filial deste Banco funeciona
ra do Commercio n. 40, sacca, vista ou
aprazo, contar os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
L0ND0N.. (Banco Interaaclonal
< do Brasil,
i { London office.
( London 4t (ounly
( Banking Company L."1
PARS......(Basque de Pars A dea
Pays-Bas
> Deutsche Bank.
Bank d'Anvers.
Banca Genrale eeua
agenejas.
Banco Hypotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
Hamburgo..
Berlim.......
Bremen.....
Fr an k fur t
sur Main...
Antuerpia..
Roma........
Genova......
aples.....
MilSo e mais
340 cida-
desde Ita-
lia...........
Madrid......\
Barcelona..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona.
Valen cia e
outras ci-
da des d a
Hes pa nha
e Unas Ca-
narias......
Lisboa......
Porto e mais
cidades de
Portugal e
ilhas.......
Buenos Ay-
res .........,
Mon tevido
NovaYork. G. Amsnk & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em eonta corrente de
movimento com juros na razao do 2 .% ao
anno. e por letras a prazo a juros conven-
cionado8.
O gerente, T liam M.' Wettber.
* Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
Faculdade de Direito
De ordem do Exm. Pr. conselheiro director
interino, e em cumprimento do aviso n. 481 de
5 do correte, faro publico que fica novamente
marcado o prazo de seis mezes, contado da dala
deste para a inscripgao dos que pretenderem
concorrer ao lugar de lente substituto desta Fa-
culdade, que se acha vago or ter passado a
catbedratico o Dr. Tobias Barreto de Menezes.
Pelo que todos os preteudentes ao referido lu-
gar pode rao desde ja apresentar-se nesta secre
aria para assiguar seus nomes no livro compe
tente, o que llies pennittido fazer por procura-
dor, se etiverem a mais de vinte legoas desta
cidade ou tiverem justo impedimento.
Devem outrosim, apresentar documentos que
mostrem sua qualidade de cidado brasileiro e
que esto no goso de seus direitos civil e pol-
ticos, isto tolha corrida no lugar le seus do-
micilios e mais o diploma de doutor ou de ba-
cliarel por urna das Faculdades de Direito do
imperio ou publica frraa justificando a impos-
sibilidade da apresentago do original, e na mes-
ma occasio podcro entregar quaesquer docu-
mentos que iulgarem conveniente, ou como ti-
tulo de habilitago ou como pravas de servicos
prestados ao Estada, humanidade ou scien-
cia, dos quacs se lhes oassara recibo, tudo de
conformidade com os arts. 36 e 37 do decreto
n. 1286 de 28 de Abrd de 1854 e 111 e seguintes
do de n. 1568 de 21 de Fevereiro de 1833.
E para que ebegue ao conhecimento de todos
manilou o mesmo Exm. Sr. conselheiro director
interino affixar o presente, que ser publicado
as folhas desta cidade e as da corte.
Secretaria da Faculdade de lireto do Recife,
16 de Feveriro de 1889.
O oflicial servindo de secretario,
Manoel A. dos Passos e Silva.
Concurso
Por esta secretaria se faz publeo em vista do
despacho da presidencia da provincia de 9 do
corrente mez, e de ordem do Sr. Dr. inspector
geral da instruccao publica, que se acha aberta
a inscripgao para o concurso a que se vai proce
der a reqerimento do alumno mestre titulado
pela Escola Normal, Arthur Octaviano da Silva
Ramos, para provimento da cadeira de ensino
firimario do sexo masculino do Poco da Panelia
de 2.a entrancia). sendo sonn-nte admittidos a
cssa inseripgo os professores pblicos de qual-
quer cathegora, e os individuos titulados pela
Escola Normal, devendo estes no prazo de 40
dias apresentar os seguintes documentos : jblha
corrida ou attestado de procedimento civil e mo-
ral pelas autoridades judiciarias, polciaes ou
cmaras municipaes das localidades em que ti-
verem residido nos dous ltimos annos, diploma
conferido pela Escola Normal. Ficando sem
eOcito o edital n. 32, que annuneiou o acctsso
da mesma cadeira.
Secretaria da inslrucgo publica de Pernam-
buco, 11 de Fevereiro de 1889.O secretario,
Pergentino S. de Araujo Galvo.
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial, na
forma das instrueges de 27 de Julho de 1883,
convida as associag&es qne nesta cidade tem
existencia legal se encarregarem da distribui-
cao do imposto de repartigao constante da ta-
bella annexa a le n. 1884 ; sendo esse trabalho
remettido a esta repartigao no prazo improroga-
vel de 30 dias uteis, contados da data do pre-
sente ; findo o qual sem a respectiva apresenta-
gSo se proceder nos termos do art. 27 das refe-
ridas instrueges.
Recebedoria Provincial de Pernambuco, 6 de
Fevercire de 1889.
Francisco Amynthas de Carvalho Moura
Prazo de cinco dias
De ordem do nim. e Exm. Sr. Dr. inspector
se faz publico que as 11 horas do da 23 do cor-
rente mez serio vendidos em praga a porta des-
ta Alfandega, doze relogios de nickel para algi-
beira viudos de bordo do vapor inglez La Plata,
apprehendidos pelo guarda desta repartigao Au-
gusto de Albuquerque Magalhaes Bastos, i
hora da tarde de 21 de Janeiro prximo passa-
do, hora esta em que o catraeiro Jos Antonio
Corroa trazia para trra os mesmos relogios.
3.a secgao da Alfandega de Pernambuco, 18
de Fevereiro de 1889.O chefe.
Domingos Joaquim da Fonseca.
Correio geral
Concurso para preeraekloaento
de ii m lagar de pratlcante de
elasse
Faco publico para conhecimento dos
interessados, que acha-se aberta nesta ad-
ministrado durante o prazo de 30 diaa,
a contar desta data, a inscripcao para o
concurso que deve realisar-se para preen-
chimento de um lugar de pj-aticante de 2a
classe. <
Os candidatos deverao documentar seus
requerimentos, provando terem mais de
18 e menos de 25 annos de idade, goza-
rem boa saude, estarem vaccinados e te-
rem bom procedimento.
A idade exigida para a inscripgao deve
ser provada com certidao de bptismo
extrabida do assento feito no livro de pa-
rochia no devido tempo, ou justificacao
prestada perante autoridade ecclesiastica
e por estajulgada por sentenca. Este do-
cumento nao pode ser supprido por publi-
ca forma; e muito menos, por attestados
passados por vigarios, no ausencia dos li-
vros da frguezia.
O exame versar sobre as lingusa por-
tgueza, franceza, geographia geral, com
desenvolvimento quanto ao Brasil, e arith-
mtica at a theoria das proporcSes inclu-
sive, sendo motivo de preferencia o co-
nhecimento das linguas ingleza e allema.
Administraco dos Correios de Pernam-
buco^ 12 de Fevereiro de 1380.
O administrador,
Affonso do Reg Barros.
SAL'O DO THEATRO
0,uarta-feira, SO do corrente
A' 8 e 1[2 horas da noite em ponto
EXTRAORDINARIA FESTA MUSICAL DO AR-
TISTA LYRICO BAIXO PROFUNDO
GIOVANNI SCOLARI
gentil e generosamente coadjuvado pelas Exmas.
Iras. DD. Julia Pinheiro, Luiza Medeiros, Maria
de Sequciracos distinctosprofessoresSrs. Ama-
ro Barreto, Candido Filho, Joo Alves da Silva.
Paulino de Mello e CiroCirlini.
A fasta sob a psoleccSo do 11 lustrado povoper-
uambucano, que o artista visita tlepois de doze
annos de ausencia, offerecida s Exmas. Sras.
amadoras de piano e canto e aos seus dignos
profesa.ores.
Arsenal de Guerra
De ordem do Ulm. Sr. tenente-coronel direc-
tor, distribue-se costuras nos dias 18, 19 e 20
do corrente mez, com as costureiras possuido-
ras das guias de ns. 416 a 440.
Secgao de costuras do rsenal de Guerra de
Pernamquco, 17 de Fevereiro de 1889.
, Flix Antonio de Alcntara,
Alferes adjunto.
Secretaria da Instruccao Pu-
blica, 26 de Janeiro de
1889.
Fago saber a quem interessarjiossa, de ordem
do e. Dr. inspector geral da intrucg3o publica,
que podem ser procuradas nesta repartigao as
caderudas da Caixa Econmica Escolar da 3'
eadeira do sexo masculino da frguezia de San-
to Antonio, recomidas pelo ex-professor Fran-
cisco da Silva Miranda, constantes da relago
infra.
Relacaodas cade metas da Caixa Econmica Es-
colar da 3* cadeira do sexo masculino da fr-
guezia de Santo Antonio, anda nao reclama-
das.
Fracroes
1879 N. 2.021 Joo Gomes Pe-
raira da Silva, folhas 38 1 000
N. 3.774 Manoel Pedro
Alexaidrino de Lima,
dita 68 100 laOOO
1880 N. 2.011 Joo Baptsta
Lopes de Castro, dita 48 3000
N. 2.012. Alfredo Proco-
io Lopes de lastro, dita
9 3*0O>
1881 N. 2.084 Theotonio Agri-
pmo dos Santos, dita 10 160 10*000
K. 3.516 Gustavo de Sou-
za Lopes, dita 17 600 oOOO
N. 3.517 Joo de Souza
Lopes, dita 18 600 5 000
N. 3.510 Martiniano Joa-
quim de Mello, dita 21 520 10000
N. 3.805 Joo Silverio da
Costa Oliveira, dita 30 16000
N. 4.638 Manocl Soares
Monteiro, dita 45 400 2J100
X. 4-640 Lupicinio Fer-
nando da Silva, dita 47 100 1 000
1882 N. 5021 VictorinoDuar-
tc Pereira Lima, dita 8 9000
X. 2-388 Capitulino Tho-
m Baptsta, dita 16 140 17*000
X. 4-641 Manoel Candido
Ferreira da Silva, dita 19 11*000
X. 4.647 A1 e x a n d rio
Tavares, dita 20 500 75000
N. 5.029 Arthur Ferreira
Soares, dita 34 740 1*000
X. 5311 Baymundo Al-
ves de Souza, dita 42 560 35000
1883 M. 5-312 Luiz de Franca
Soares (ou Souza.) dita
31 11*000
X. 6-183 Alvaro de Oli-
veira Colas, dita 37 840 2*000
X. 4-642 Joo dos Santos
Pereira Braga, dita 57 309 1*000
1884 X. 6.371 Joaquim de Sou-
za Pinto, dia 12 4*000
X. 5.616 Manoel Silverio
de Miranda, dita 20 630 4*000
X. 7.145 Amaro Joo de
Aiencar. dita 37 500 6*000
X. 8.196 Rosa de Lima
dos Passos Barbosa ,1 dita
42 400 1*000
1883 N. 5.618 Carlos Henrique
Soares, dita 41 800 3*000
X. 5-975 Affonso Dantas
Teixeira, dita 36 700 4*000
8*700
Recife, 21 de Janeiro de 1889.
Francisco da Silva Miranda.
Os pretendentes devem apresentar-se devida-
mente habilitados.
O secretario;
Pergentino Saraica de Araujo Galto.
SANTA CASA
CASAS PARA Al.li.lll
Ra da Moeda n. 49, armazem 240*000
dem do Vigario Tenorio n. 27, loja 240*000
dem dem n. 22, 3. andar 180*000
dem dem n. 25, i. andar 360*000
dem do Bispo Sardinha n. 3, 1." e 2.
andares e soto 400*000
dem do Bom Jess n. 29, 3. andar 200*000
dem do Mrquez de Olinda, sobrado
t .44 2:131*000
dem do Bom Jesas n. 13, l." andar 240*000
Becco das Boias n. 14, loja l.e2. an-
dares 480*000
Um sitio em Parnameirino. 460*000
Juizo dos Feitos da Fazenda
ESCRIVAO TORRE8 BANDEIRA
Xo da 22 do corrente, depois da audiencia do
juiz substituto, iro praca, por venda, os pre-
dios abaixo declarados, penhorados por execu-
co da fazenda provincial:
S. Jos
Casa terrea, ra de Santa Rita n. 54, com 2
portas e 1 janella de frente, 2 salas, 3 quartos.
cosinha fra e quintal, 4 metros e 30 centmetros
de frente, 16 metros e 90 centmetros de fundo,
avahada em 1:000*000, pertencente a JoSo Fran-
cisco de Souza Xavier.
Casa terrea, ra Imperial, com 2 janellas e
1 porta de frente, corredor separado, 2 salas, 5
quartos, cosinha externa, quintal murado e ca-
cimba, 6 metros e 40 centmetros de frente, 20
metros e 25 centmetros de fundo, em bom es-
tado, avahada em 2:000*000, pertencente a Anna
Joaquina da Silva.
Ba-Vista
Seis casas de taboas, dentro do terreno ra
Sete de Setembro n. 19 A, e do Hospicio n. 50 A,
cobertas de zinco, com porta e janella de frente,
1 sala, 1 quarto, 3 metros e 80 centmetros de
frente e 4 metros e 20 centmetros cada urna,
avalladas 5 em 50*000, e a coberta de te-
Ihas, com 5 metros e 50 centmetros de frente e
5 metros e 50 centmetros de fundo, avahada em
20*000, as quaes pertencem a Isabel Mara de
Vasconcellos.
Casa trra i estrada de Joo de Barros n. 6,
em terreno proprio, rnurado*na frente, portao de
ferro soto, com 3 janellas de frente e porto
nos oites, 2 salas, 1 saleta, 4 quartos cosinha
jora, dispensa, estribara, 2 quartos, banheiro,
casa de farinha. O soto com varanda, 1 salo,
3 quartos, 6 metros e 90 centmetros de frente,
17 metros e 80 centmetros de fundo, avahada
em 4:000*000, pertencente a Francisco das Cha-
gas Ramos.
Casa terrea, ra Coronel Lamenha n. 50,
com porta e janella, 2 salas, 3 quartos, cosinha
fra, quintal e cacimba, 4 metros e 15 centme-
tros de frente, 15 metros e 10 centmetros de
fundo, avahada em 1:000*000, pertencente a
Emiliana Josephina da Cunha.
Casa a estrada velha de Santo Amaro n. 12
A, com portae janella, 2 salas, 2 quartos, cosi-
nha fora, qnintal murado e cacimba, 4 metros e
10 centmetros de frente, 11 metros e 20 cent-
metros de fundo, avahada em 600 s, pertencente
a Joio Caroeiro Rodrigues Carapello.
Um terreno a estrada de JoSo de Barros, com
75 metros de frente e 160 metros de fundo, com
arvores de frudo, todo cercado, no qual fra edi-
ficada a casa n. 7, avahado em 1:032*, perlen
cente a Antonio Feliciano Rodrigues Sette.
Graga
Casa travessa do Fetoza n. S, com 2 janellas
de frente e. 1 porta no oitlo, 2 salas, 2 quartos,
cosinha fra, eom terreno cercado e arborizado,
3 meiros e 40 centmetros de frente, 10 metros
e 10 centmetros de fundo, avahada em 20ti*,
pertencente a Honorio Jos Ferreira.
Casa travessa do Fetoza n. 19, com 4 janel-
las de frente e 1 porta, janellas nos oitOes, 2 sa-
las, 2 quartos, cozinha fra, sitio arborizado,
cercado, com porto de madeira, 13 metros e 50
centmetros de frente, 11 metros e 40 centme-
tros de fundo, avahada em 1:000*, pertencente
a Francisco Furtado de Mendonga.
Apipucos
Casa no largo flb Apipucos n. 38, com poita e
janella, 2 satas, 2 quartos, cosinha fra, quintal,
4 metros e 10 centmetros de frente, 8 metros e
10 centmetros de fundo, avahada em 500* per-
tencente a Domingos da SU va Guimaraes.
Pede-se aos Senho-
res consummidores
que queira m faz e r
qualquer eommunica-.
o ou reclama^o, se-
ja esta feita no escrip-
torio desta empreza
ra do Imperador n.
29, onde tambem se r e-
ceber qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrado-
res externos sao os Se-
nhores Hermillo Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r e Manoel Antonio
da Silva Oliveira, e
quando for preciso o
Sr. Antonio Martins
Carvalho.
Todos os recibos
desta empreza deverao
ser passado em tales
carimbados e firmados
pelo gerente, sem o que
nao tero valor algum.
George Windsor,
Gerente
Companjia be Seguran
:::is Foao
BTHERN
de iLondres e Aberdaen
Posado nanceira (Dezembro de 1885j
Capital lubscripto 3.000,000
Fundos cumulados
Reeelta uraual :
De premio contra fogo
De premoswibre vidas
De juros >?,
Ttf AGENTE,
Johii'J. Boxive.
London & Brasilftoi Bank
3.134,348
577,330
191,000
32,000
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ru.i dos Capellistas n. 75. No
Porto, ra dos Jnglezes.
SEGIF"
martimos comba fogo
Companhia Phenix Per- v.
namburana
RA DO COMMERCIO -N. 26 1 ANDAR
-i. -. -------- i.*
Companhia de Segaros
AGENTE
Miguel Jos Alves
y. iuna do Bom Jesiiwx.
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos scmirs a nica companhia
nesta praca que concede aos Srs. segurados semp-
cSo de pagamento de premio em cada stimo
anno, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de 15 por cento em favor dos segurados.
WROCWRAFOfiO
Roy al Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL 9.000:000
AGENTES
R. DE DRUSINA & C.
13 Ra Mrquez de Olinda 13
Imperial
DE
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizos.
CAPITAL
lis. 10.000:000^000
AGENTE
IIROHVS A C.
N. 5RA DO COMMERCION
INDEMNISADORA
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Etalelecida em 1885
CAPITAL 1,000:000^000
SINISROS PAGOS
At 31 de Dezembro de 1S 84
Martimos.. 1,110:000^000
Terrestres. 316:000#000
44Ra do Commercio44
CONTRA FOGO
The Liverpool k Lento fiMe
INSURAITCS 30MF
sueros*, msm
Ra do Com



I
i
I
I

I


\



j
I
I
6
m
SASiO
I DO
THEATRO
Pernambuco--- Quarta-feira 20 de FeveFeiro de 18$9
HOJE
Quarta-feira 20 deFevereiro
A'a H litkora* da Mf
Extraordinaria festa musical do artista
Jyrico baizo profundo
Jjntil e generosamente coadjuvado pelas Exmas.
ra amadoras e dfeiACtos professoree da ca-
pital.
A festa, 3Gb a valiosa 4)roteccao do illustrado
-aovo pernambucano que o artista visita depois
GSwdote aonos de ausencia, offerecida as Exmas.
Sras. amadoras de piano e canto e aos seus
dignos protessores.
Ser honrada coni a presenca do muito digno
Exm. Sr.
Presidente da provincia
Programma
P&IMBIRA PARTE
DonizettiI. Cavatina de baixo da opera Lu-
crezia Borgia vieni la mia vandetta pelo Sr.
.SCOLARI.
L. Huguei' Bailo inmaschera, grande phan-
taeia de concert para flautas, pelos habis pro-
f essores os Srs. CAMDIDO FILHO E JOAO ALVES
DA SILVA.
3. Aria de Eboli, oh don fatale da opera
D. Carlos, pela Exma. Sr. D. JULIA PINUEIRO
4 Solo de Tiolino pelo distincto amador Sr.
PAULINO DE MELLO.
Donizetti5. Chistoso duetto cmico da opera
Borgomastro de Sardan, pela Exma. Sra. D.
LUIZA DE MEDEIROS e Sr. SCOLARI.
SEGUNDA PARTE
A. MaillartI. Les Dragons de Villars, aria de
soprano pela Exma. Sra, D. LUIZA MEDEIROS.
Sgarabati-2. Gavoteem la bemol, para piano,
pelo distincto professor Sr. AMARO BARRETO.
i Millilotti .. Tito Mattei 3. L'Eremita, canto
sacro e Marinaresca Odi tu pelo Sr. SCOLARI.
Raff4. La Fileuse, para piano pela Exma.
Sra. D. MARA SIQUERA.
Tosti5. Perch gemo I Romanea pela Exma.
Sra. D. JULIA PINHEIRO.
Donizetti6 Acabar o concert pela engra-
sada aria cmica do Dr. Duleamara Udite o rus-
tici. da opera Elixir d'amore, pelo Sr. SCOLARI.
Os acorapanhaiueotos de
do distincto maestro Sr.
canto estao a cargo
CIRO CIARLIM
MARTIMOS _____
United States anc Brazil
M. S. S. C. J.
Ovapor Advanee
E' esperado dos porto- do
norte at o dia 2 de Mar-
co o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
Bahia. Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens. encommendas e di-
nheiro a frete: tratarse com os AGENTES.
O vapor Allianca
E' esperado dos portes do
sul at o dia 28 de Feverei-
ro o qual depois da demo-
i ra necessaria seguir
_l para O
iranho. Para, Barbados, S.
Thonaz e New-York
Para carga, passagens, encommendas e di-
oheiroa frete : trata-se com os
, AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commercio8
1* andar
CHRGEURS REUNS
Fraorea
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
lumpanhia
DE
Vamegaeio
Lnha quinzenal entre
Pernambuco, Bahia,
Santos.
O VAPOR
"Ville de Maranho
Commandante Brant
E'esperado da Europa at o dia 35
de Fevereiro. seguindo depois da in-
' dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-ge aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiramapresentar dentro
de i das a contar do da descarga das al varengas
qualquer reclamacao concernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portes do
sul afim de se poder dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
" Para carga, passagens, encomraeidas e di-
oheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Aogiste Labille
9RA DO COMMERCIO 9
Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco de
Almeida
E' esperado dos porto? do sul at o
dia '7 de Fevereiro e seguindo depoi?
'da demora indispensavel para os
porto do norte at Manos.
As encommendas sao recetadas na agencia
at i hora da Urde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
ra trata -se com os
AGENTES
PORTOS DO SUL
O vapor Manos
Commandante o Io tenante Guilherme
Waddington
ttfl 3v ,raiio (,os P0"05 do norte at
4Mms* "lia 44 de Fevereiro e depois da RKZqiora indisw'savp) seguir para o:
W^-nn
Santa Ca-
thar \ legre e Rio Grande lo
ooinr-ri bida-- naagen-
iia da saluda.
amendas e talo-
Pereira Carneiro & C.
-Ra do Q,ommercio=a^
! andar
Pacific'Steam Navigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN LINE
O paquete Araucania
Espera-se do sul at o dia
2l do corMnte e seguir,
' de nois da Maora do costu-
ime paraLwpool por
Usboa, Bordeaos e Plyaaouh
Para carga, passageiros, encommendas e di-
nheiro a frete: trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sois k C, Limited
14RUADO (X)MMERCIO14
Royal Mail Steam Packet
Companhia
O paquete Trent
Commandante W. Chopmam
jfe
Lisboa.
Espera-se da Europa at o dia i de
.Marco, seguindo depois da demo-
ra do costn me para
Macelo, Bahia. Rio de Janeiro.
' Kanto*. Montevideo e Buenos-
Ayres.
Para passagens, fretes e encommendas trata-
se com os AGENTES.
O vapor Atrato
Commandante L. R. Dickinson
E' esperado do sul no dia 3 de
Marco e seguindo depois da demora
necessaria para
Vlgo, Nouhamplon e
Antuerpia

Reduccao de passagens
Ida IdaevoUa
A' Lisboa i* classe t 20 t 30
A'Southamptoni'classe 18 ** .
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Emquanto vigorar a quareitena imposta na
Repblica Argentina, aos navios procedentes do
Brasil, os vapores desta companqia nao aceitarSo
passageiros nem carga para Buenos-Ayres.
Para passagens, fretes, encommendas, trata-se
com os ,
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Blo Grande do *ul. Pelotas e
Porto Alegre
Vapor inglez Estrella
^ i E' esperado dos portos do sul
no da 25 do correte e seguir
parr os portos cima indicados,
bdepois de pequea demora.
Recebe carga, encommeudas e passageiros a
tratar com os
CONSIGNATARIOS
PereiraCarneiro &C.
6RA DO COMMERCIO6
1- andar
Rio Grande e Pelota
Para os portos cima, segu com brevidade o
lugar brasileiro Uarinho VII; para carga trata-
se com os consignatarios Jos da Silva I/>yo &
Filho.
LEILOES
Quarta-feira, 20, deve ter lugar o leilo de
movis, telheiros, tanques, cabriolis, piano, se-
rafina, classes e muitos outros objectos de colle-
gio e casa de familia, existentes na casa da ra
do Visconde de Goyanna n. 86, outr'ora ruado
Colovello. _____ _________
Agente Burlamaqui
Leild
Quarta-feira, o do eorrente
A's 11 horas
Na ra do Rangel n. 37
De gneros novos e urna boa armacao
O agente cima, por conta e ordem de Martins
Pires <\ C, na pessoa do seu nico representan-
te Manoel Martins Capito, vender em leillo to-
dos os gneros, armacao, utencilios, cofre, car-
teira, estante, santuario, prensa de copiar e mais
artigos de escriptorio, existentes no seu estabe-
cimento ra do Visconde de Inhama n. 37,
para pagamento dos seus credores.
Garante se a chave do estabelecimento; a
localidades magn.fica.
Leilo
Agente Silveira
Da casa terrea sita ra do Sucgo n. 27
freguezia da Boa Vista
Quarta-feira *0 do eorrente
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 45
O agente Silveira por mandado e com. assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orphos,
a requerimento de I) Joaquina Ceciliana da Fon-
seca, levar a leilo a referida casa.
Os Srs. pretendentes -M>dem examinar.
Leilo
Be novela, cabriolis, telheiros
e objeeos de eolle^lo
A her:
Um piano forte qiftsi novo do bem acreditado
fabricante Pieyel, urna mobilia austraca com 1
sof, 2 consolos, i cadeiras de bracos e 12 de
guarnico, i jardineira, i cadeiras lie balanco.
candieu-os para gai, casticaes e mangas. 2 jarros,
2 tiguras, 2 quadros dourados e 1 esteira, forro
de sala.
Urna mobia^le Jacaranda.
Urna seraphina. 1 estante envidracada, 1 se-
cretaria, % camas de ferro, 2 classes e 2 car-
teirinhas
Urna mesa elastici, 1 guarda-louca, 1 guarda-
comida 12 eadeira*, 1 sof, relogio, 6 cadeiras
de bracos.
Differentes objeclos de electro-plate.
Quarta-feira O do eorrente
Age ate Pinto
Na casa da ra Visconde de Goyanna n. 56
Era continuacao
E A'S 11 HORAS EM PONTO
De um telheiro coberto d>' telhas de barro.
(UHSoalhado).
Um dito coberto de telhas de zinco (novas).
l!m tanque grande de ferro, deposito d'agua.
e ferro, deposito d'agua.
D'aas bomban quusi novas de jactos.
Um portan de n
Um fogo de ferro graride. "
Urna mesa grande de fcrradura.
Urna roupari,
carteiras e 6 canias de
ferro.
Dou-
Uai ctermeto e 1 rabeca.
umbo, ferro velno, madeira3 e outros objec-
tos.
Um cabriolet aaericano de \ rodas para 6 pes-
soa s.
Um dito Dog-cart.
um tliea-
trinio.
Leilo
De 1 mobilia de junco, meia commoda, 1 cana
de casal, marquezoes, 1 mesa elstica, 2 apara *
dores, cadeiras de amarello e de junco, 1 mar-
queza, consolos, 1 jarra de torneira, candieiros,
quadros, jarros, louca, copos clices, garrafa,
etagers, 1 berco de ferro. 1 machina de frisar, i
carrinno para menino, e muitos outros objectos
de uso de hotel,
Quarta-feira nodo eorrente
A's 11 horas
No becco do Rosario cnt ada da ra do Fogo
n. 8.
* Agente Modesto Baptista
Leilo
De um par de arreios novos para carro ou
cabriolet, i selim bordado com molas de ac, 1
mesa grande propria para al faite, 1 machina de
costura de Singer.
Quarta-feira, SO do eorrente
. Ka casa da ra do Visconde de Goyanna n.
86, por occasiao do leilo ;de outros movis e
inais objectos all existentes.
Leilo
Agente Brito
Do mobihas de junco, movis, fazendas, miu-
dezas, extractos flteiros, balancas, malas, e outros
objectos, ao correr do martello.
Quinla-felra. 19 do eorrente
A's 10 lj2 horas
48-Ra do Rangel48_______
Leilo
da armacao de amarello envidracada, fileiros e
mercadonas existentes na antiga fabrica de ci-
garros, denominada Venus, e da loja de barbei-
ro, com todos os seus utencilios, sita ra do
Mrquez do Herval n. 96.
Qulnta-felra 1 do eorrente
A's 11 horas
0 agente Gusmo. autorisado, far leilo dos
estabelecimentos cima mencionados, os quaes
sao bem localisados e afreguezados. Garante as
chives.
Leilo
De o caixas com champagne fina, 111/2 du-
sias de pelles de bezerro mixto e choix, 1 factu-
ra de amostras, contendo costumes para homens
e meninos, calcas, palitots, camisas, sabonetes,
extractos finos e 6 machinas para desarrolhar,
1 sihio novo, 1 barrica com presuntos de fiam-
bre, 1 capa nova para piano de cauda, queijos
ingleses, ancoretas com vinagre, mobilias de
junco, ditas de Jacaranda, pianos, movis avulsos
de junco, jarros, loucas para almoco e jantar, co-
pos, clices, talheres, diversas fazendas e miu
dezas.
Nexa-feira. tt do eorrente
A's 11 horas
No armazem ra Mrquez de Olinda
n. 48
|Por intervencao do agente
Gusmao
Salo 4a Moda
Roa do Visconde de lahaunia n. (3
(ANTIGA DO RANGEL)
Os proprietarios d'este mui acreditado
estabelecimento previnem a seus fregue-
zes, que tem um completo sortimento de
fiBei^das, que vendem por menos 30 j0
do que em outra qualquer parte: como
sejam:
Linhosinhos de quadros a 80 re.
La de quadros a 160 e 240 rs.
Zetires, muito largos, de 320 a 240 rs.
Cambraia de salpicos a 4)5000 a peca.
Dita Victoria a 20800.
Crotones claros que eram de 320 a
240 rs. o covado.
Chitas de 200 e 240 rs.
Fichs com ramos e sem elles a liJOOO,
2^000, 30000 e 40000.
Baptiates de cores a 120 rs. o covado.
Camisas" francezas a 20000.
Ditas de b'nho a 20800.
Ditas inglezas a 40500
Chales de casemira a 20000 e 30000.
Sargelim diagonal a 200 rs. o covado.
Meias para homem, senhoras e meninos
a 200, 240, 320 e 400 rs. o par.
Tambem temos um completo sortimento
de artigos para homem como sejam :
Casemiras, brins, fust8es "para collete,
collarinhos, punhos, gravatas e muitos ou-
tros artigos que sao precisos'para satisfa-
zer as exigencias do mais caprichoso e
elegante cavalleiro, para o que montamos,
urna officina de alfaiate sobre a direccao
de um perito mestre. i
PREOOS SEM COMPETENCIA
AVISOS DIVERSOS
Aluga se casas a 8*000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncallo; a tratar na ra da
Imperatriz n. 36.
Aluga-se ojjavimento terreo do sobrado n.
46 na da Roda, estando o mesmo caido, pin-
tado e todo ladrilhado de novo, contendo 1 sala,
2 quartos e rosinba ; a tratar na ra do Cabug
n. 16, loja.
Auga-se o sobrado n. 3 ra do Caes do
Gazometro, que segu da Casa de Detenc&o, com
bons commodos, quintal com fructeiras; a tra-
tar com L.MR. Val enea, ra das Trincheiras
numero 17.__________________
Auga-se o sobrado da praca Conde d u
n. 26 e o sobrado da ra Bario de S. Borja n.
26, com commodos para numerosa familia; a
tratar na ra da Aurora n. 85, meneara.
i recisa se de urna criada para, copeira e
mis algum servico de lima casa de familia : a
tratar na ra da Soledade n. 82.
Testamento Reconstituinte
ELIXIR DCHAMP
COM EXTRACTO
de Figtido de Ma val ha u
Quina e Cacu
Cd* frasco d'atte
ELIXIR oontffm ot
principio apurativo* a
tnicos aum litro de olo
da ffado da baxalhu
um litro da vin hod Quina.
Tam sobra o alao da
' fijado de bacalhau a van-
1 tagam da acoalarar as
' funecoa* do aatomajo
1 am lujar da.aa parturbar,
1 a da daapartar o appetita.
Este Medicamento, de sabor e gsto
muito agradaveis, obteve o melhor suc-
cesso em Franca para combater :
ANEMIA, CHLORSE.
AFFECQES dos BRONCHIOS
ePULMES,
e a FRAQUEZA das CRIANCAS
-----.
Depsito geral em PARS : ,
DUCHA1P, 16, do Poltou
Em Pernambuco .
___p-QAtsleo m. d< SILVA i C.
Taverna
Vndese urna taverna no bairro da Boa-Vista,
bem localisada, de pouco capital, muito propria
para principiante, e o motivo da venda se dir
ao comprador : a tratar na ra do Arago nu-
mero 13.
t
Precisa-se de boa costurara para vestido ;
na rna do Imperador n. 44, 1 andar.
Precisa-se de um criado
Baro da Victoria n. 39, loja.
a tratar na ra
frecisa-se de urna ama para todo servico
domestico em casa de estrangeiro, paga-se bem;
a tratar na ra da Florentina n. 10.
Precisa-se de urna am? para cosinhar e la-
var ; na ra da Praia n. 12. __^
g Precisase de urna ama para todo servico :
no segundo andar n. 16 ao largo do Carmo.
m que Hca o Sr. M. T. S., nem liquida
nem apparece.
Pergunta-se ao Sr. Francisco Raposo Fal-
co quando quer restitnir os movis, se nao paga
os alugueis e nem os entrega. ____
Traspa6sa-se
ou arrenda-se urna casa para pequeo negocio,
em um dos pontos mais centraes do bairro'de
Santo Antonio, pintada de novo e com armacao
nova : quem a pretender dirija-se ra Baro
da Victoria n. 54, 1-,andar.
Aproveitem!
Mvre e dicibariu ada
Vende-se urna mercearia bem afreguezada, no
bairro de S. Jos, a qual vende mensalmente
1:500*000, o motivo da venda seu dono mudar
de ramo de negocio : trata-se no pateo do Terco
numero 19.
Vende-se
bagaco de sement de carrapato, propri
plantaces de capim ; na fabrica taes, ra da Aurora n. 161.
no para
eos vege-
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar para
pequea familia ; a tratar na ra das Larangei-
ras n. 5.
Ama
Precisa-se de urna ama : na ra do Imperador
n 2, primeiro andar.
Ama
Na ra da Matriz da Boa-Vista n. 26, 1 andar,
precisa -se de urna ama que cosinhe bem, para
casa de pouca familia.
MAIS DE 0:000 CRAS"
111)
lOSTE SO 3SSU1UTZSX0
DORES DE DENTES
E
PREPARADO NICAMENTE
POR CALA8ANS & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra o rheuma-
tismos, inchac5es, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia. etc., empregatido-se em
fomenta55es sobre os lugares afFectades
Cura_o beri-beri. a pavajjtiaa e as dores
de dentes.
Todos os frasca levam direc53es para
uso d\ admiravel.
Pre^o L* 'esconto de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Franciwjo Manoel da Silva & O ra
Mrquez de Olinda
O. Joanua (.uimaracii de M-d-i-
ro* Fiirlulo
Dr. Manoel Antero de Medeiros Furtado, Julio
Antero de Medeiros Furtado, Arthur Anlro de
Medeiros Furtado, Joao Antero de Medeiros Por-
tado, Virginia Eugenia de Medeiros Fuado.
Maria Esther de Medeiros Furtado, Isabel Silva
de Medeiros Furtado e seus filhos, Maria Cam-
pello de Medeiros Furtado e seus filhos, agra-
decem a todos aquelles que se dignaram acom-
panhar ultima morada os restos mortaes de
sua prezada mai, sogra e av; e de novo os
convidan) para assistirem as raissas que por sua
alma sero celebradas na igreja da matriz da
Boa-Vista, no dia 22 do eorrente, pelas 8 horas
da manb, stimo do seu fallecimento, por cu jo
acto de re'igio e caridade ficaro eternamente
gratos.
t
nim uimaries de Hcrteiron
Furtado
Jos Joaquim da Silva Gulmaraes e sua mulber
Anna Rosa do Carmo Guimares, mandam rezar
urna missa na sexta feira 22 do correte, s 8
horas, na matriz da Boa-Vista, por alma de sua
mana e cuchada Joanna Guimares Medeiros
Furtado. stimo dia do seu fallecimento, convi-
dan) aos seus prenles e amigos e os da falleci-
da, para assistirem a este aeto de caridade, que
desdejaihes serao gratos.________________
f
Manoel Hachado
Manoel de Oliveira Menor e sua mulher Brgi-
da Machado Menor, tendo recebido do Rio de
Janeiro a dolorosa noticia de ter alli fallecido o
seu prezado sogro e pai Manoel Machado, con-
vidam aos parentes e amigos para assistirem a
missa que por alma do mesmo tem de ser rezada
na igreja da Santa Cruz, sabbado 23 do corren-
te, s 7 horas da manhS, stimo dia de seu fal-
lecimento, pelo que desde j se confessam agra-
decidos. .______
t
Joaqui"! de Almeida Gomes e a familia do fi-
nado Jo3 Francisco de arvalho, convidara os
seus parentes e amigos para assistirem a missa
solemne que por alma do mesmo finado mandam
celebrar na igreja de N. S. daPenha, s 7 horas
da mania do dia 20 do correte mez, trigsimo
do passamento, e antecipam seus agradecimentos
por esse acto de religio e caridade.
t
0 conselheiro Jos l ernardo Galvo Alcofo-
rado. sua mulher e filho s convidamos seus ami-
gos e parentes para assistirem as missas qne por
alma e sua cunhada. irmt e tia, D. Isabel Can
dida de Moraes Sarment, mandam rezar sabba-
do 23 do eorrente. na igreja do Monteiro, s 8
horas ta nianha.___________________
I.Uli
z Antonio da Wilieira Tavora
FilUO
Luiz Antonio da Silveira Tavora convida aos
seus amigos para assistirem as missa? que man-
da rezar no da 22 do eorrente, tricsimo, do
passamento de seu filho Luiz Antonio da Si:
ra Tavora Filho, as quaes terao lugar na igreja
de .V S. do Terco, pelas 8 12 horas da maun ;
e desde j cordianjente agradece o compareci-
meuto a esse acto de piedarle rHigiao.
^Joa^*^"*!
Manoel Joaquim Hessoa manda rezar una mis-
sa na matriz da Boa-Vista, sabbado 23 do cor-
rente, s 7 horas da manha, por alma do se
prezado irmo Joaquim Pesaca, stimo dia do
seu fallecimento. Para assist r a
aos seus parentes e_ayjg09_,"
Telegramma
VJjam e admirem!
S o 55 ra Duque de Caxias pode
verider pelos precos que abaixo mencio-
namos.
Amor da China, novidade em padrdes, a
200 rs. o covado.
Fust5es brincos a 360 e 500 rs. o co-
vado.
Velbutinas de todas as cores a 800 rs. o
covado. E' barato!
Casados e capas para senhoras, o quej
ha de mais novo e barato.
Cortes de seda, padrees lindos e prejos
razoaveis.
MadapolSo com 1 metro de largura a
d a peca.
ZefiroB a 80, 170, 200, 240 e 400 rs.
o covado.
Ditos bordados a 800 rs. o covado.
Tecidos arrendados a 400 e 500 rs. o
covado. ,
Brins de cores a 320 rs. o covado.
Cortinados de crochet, cousa chic e
preep baruto.
Cambraia Victoria a 2)5800 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargelins de todas as cores a 200 rs. o
co-vado.
Guardanapos bons a 1800 a duzia.
Lis modernas a 240, 280 e 320 rs. o
covado.
Rendas hespanholas a 2 o metro.
Luvas de seda a 25 e 3)1 o par.
Espartilhos courafa a 4(5, 5J? e 6$ um.
Merinos pretos e de cores, urna varie-
dade immensa em preces e qualidades.
Setns de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Toninas felpudas, grande reduccao em
precos em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisados o que ha de
mais moderno e por pouco prego, 104000.
Colchas de crochet muito chic."
Camisas inglezas com e sem collarinho.
Atoalhado para mesa a loe 1800
muito tino.
Collarinhos e punhos de linho e algodSo
e por prego barato.
Babados e entremeios, grande sorti-
mento.
Madapolao pelle de ovo por 60 a peca;
Esguiao pardo e chumbado a 400 rs. o
covado.
Urna gran do variedade i em lenco,.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para coberta o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a 54 urna.
Leques de setim muito ehic.
Linn bordado com quadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas escuras e claras a 240, 280 e
320 rs. o covado.
Cretones trancados, finos, a 320 rs. o
covado, para acabar.
Casemiras de cores e pretas um grande
sortimento em nulidades e preyos.
Casinetas, o que h;i de mais bonito, a
400 e 500 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por precos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 1)5600 o me-
tro.
Brins pardos a 320, 400 e 500 rs. o
covado.
Cortes de vestido de cachemira com vi-,
drilho o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos bordados.
E' barato.
Cambraia branca, bordada, o que ha de
mais gosto e por prego razoavel a 85O00 a
pega.
Dita com salpicos a 4<5 e 5t5000 a pega.
Colchas argentinas a 6)5<500 urna.
Ditas de 2)5, 3)5, U e 5)5000.
Bramantes de algodao e linho de todos
os pregos.
Grande sortimento em fichs de cores
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas c leques para noivas.
Bicos de cores muito chic.
Alm do que acabamos de annunciar,
temos um quantidade de artigos que s
vendo-se, se acredita, pelo que pedem que
comparegam.
DSo-se amostras sem penhor.
Setinetas lisas de todas as cores a 400
rs. o covado. Sao muito largas.
Roupa feita e por medida.
55RA DUQUE DE CAXIAS 55
FER\AMES DE AZEVEDO C.
.
AO TOREADOR
Lima Coutinho & C
43RA DUQUE DE CAXIAS43
Oefronte 4 Praelnha da In-
dependencia
Este novo estabelecimento intituado i
AO TORRADOR vende sem competen-
cia, como as Exmas. familias podete
analysar pelo seus pregos.
Lanzinhas de quadros a 60 rs. o covad.
Ditas de ditos a 200, 240 e 280 rs.
MerinjS de quadros, bonitos padrSes a
300 rs.
Ditos lisos entestados a 480 rs.
Baptista e nanzuch finos a 140 e 240.
Mariposa branca e de cores a 240' ral
Chitas finas cores fixas a 200 a 240 rs.
Ditas forlaidine a 240 rs.
Cambraia branca bordada a 45500
4*800 a pega.
Dita Victoria, fina, a 24800 e 34500 m
pega.
Seda de Japo, lindissimos padrdes a
200 rs. o covado.
Dita da Persia, lindos padroes, a 180
rs. o covado.
Sargelins de todos as cores a 160, Wq
e 240 rs.
Setinetas lisas, largas, a 360 e 400 rs.
Merinos pretos finos a 800, 14000, L5209 .
e 1*500.
Colchas para cama a 14800, 24000- e
Cortes de casemira de cor a 2o00 e
35000.
Casemira preta, duas larguras, a 15809
25 e 24200.
Madapolao superior com 20 varas a 45
55000 e 55500 a pega.
Dito americano, superior, a 75200 a
pega.
Bramante de algodSo para lenge* a,
700 e 15000 o metro.
Dito de linho superior, com 10 palmoa
de lagura a 15600, o metro.
Guardanapos de linho e algodao a 25 ,a
duzia. ,
Toalhas felpudas a 35 e 45500 a duzia.
Atoalhados para mesa, lindissimos pa-
dr5es, a 15200 e 14800 o metro.
Dito trangado, alvo, a 14000 o metro.
Lengos brancos com barra de cor a 1*200
a duzia.
Ditos superiores, de linho e algodao, a
25200 a duzia.
Enxovaes para baptisados, completos, por
todos os pregos.
Entremeios e babados bordados por toda
prego.
Bicos de todas as cores para enfeite de
vestidos.
Baleias cobertas e descobertas.
Arcos cobertos para anqumha. v
Camisas brancas para homens e meni-
nos.
Ditas de meia para homens e senhoras
Manda-se fazer roupa por medida e da-
se amostras de todas as fazendas.
Lima Coutinho & C.
Molestias do peito
O Peitoral de Cambar de S. Soares,
remedio efficaz para todas as molestias do
peito. Vende-se em casa dos ageatea
Francisco Manoel da Silva & C, ru*
Mrquez de Olinda.
Conselho
Quando alguma affecgSo pulmorar amca-
gar a vossa existencia, experimentae o
Peitoral de Cambar, que ficareis livre de
tal ameaga.
Os agentes,
Fraaeisee n. da Uva A C.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira:
Bemfica n. 7, Passagem.
na
ru d
Bronchites
O remedio infallivel para as bronchites
o maravilhoso Peitoral >de Cambar, de
S. Soares, que se .vende em casa de Fran-
cisco Manoel da Silva & C, ra Mr-
quez de Olinda n. 23.
Novos estudos de mdicos, primeiro em
Franca, depois na Allemanha e em todos oc
paizes da Europa e da America, tem mostrad*
a efficacia da creosota eitrahida do alcatrSo de
faia as affeccSes chronicas do larynge, dos
b ron unios e dos pnlmSes, particularmente osa
bronchites chronicas e nos catarrhoa. Nasi'erciat
de Creosote do D> Clertan a creosota encerrada
debaizo de tuna fina carnada gelatinosa, coa-
forme o procewo approvado pela Academia da
Medicina de Parix. Este medicamento toma-aa
assim com a maior mcilidade.
Nao somente seu sabor e Bna causticidade ate
assim dissimulados, mas anda o doente pode
tomar com confianca um medicamento que -.se
presenta com todas as garantas de urna purs
irreprchenaivel.
ni
-
si
m
M
NAO PERCAES TEMPO >
TOMAT O PEITORAL DE CAMBAR
que o unleo remedio efOeaz
para as molestias do larj nge. bronchios e pulmes !
Com o uso deste poderoso medicamento debellam-se as tosses as mais imperti-
nentes e rebeldes e tambem desapparecem as oppress3es, dores do peito e alteracees
da voz ; cessam as expectoragSes sanguinolentas e os escarros de sangue; em pone
tempo desenvolve-se o appetite, as forgas perdidas reapparecem, e em urna palavm,
os enfermos sentem urna "mudanga muito notavel e por assim dizer, reanimam-se e
esoapam de urna morte certa.
Examinoi que a marca da fabrica e a finca dv autor J. Alvares de S. Soares
se acliem nos rtulos que circulara a rolha e gargalo de cada frasco, como g:ir;'.ntk.
contra as multas falsificagoes e imitagoes que por toda a parte apparecem.
Agentes n'esta provincia
FRANCISCO MANOIL DA SILVA & C.
Ra Mrquez de Olinda u. 23
Pregos: 25500 rs. jo frasco, 130000 meia duzia' e 245000 a duzia-
\
Purgativo Julien
CONFEITO VEGETAL, LAXATIVO E REFRIGERANTE
contra PRSA.O DE VENTRE
Approvado pela Junta central db Kygien*:s pbuqa do Brazil
........................
Este purgativo exclusivamente vegetal se aprsenla sob a forma de um C<3^^^H
agradavel, que purga com suavidade sem o menor incommodo. E' admiravel contra ^
as affeccSes do estomago e do figado, a ictericia, bilis, pituita, nauseas e gats. O
effeito rpido e benfico na enxaqueca, quando a cabega est petada, -hou
amarga, lingua suja, falta o appetite e a comida repugna, as iehaoiei ie
causadas por inflammacao intestinal, pois nao irrita os orgas abdominaes.
as molestias de pelle, usagre e oouvultdeeda infancia. O Purgativo JUenreaohett.
e difficil problema de purgar as creancas que nao acceiUra purgativo algn, pote *' i
pedem como se fosse urna pastilha de chocolate sabida de oootei
Deposit em Pars, 8, Roa Vmeana, a aas principasv Pfcaraiaciasai

i
>
":.

t
_

/


I

r




islario de PernarjabucoQuarta-feira 20 de Fevereiro de 1889
58-Rua Duque de Caxias-58
GRAME LiaUIDACO
Principia na segunda-feira, de todos os artigos que
ftcarara de saldo do balanco do anno prximo passado,
?endendo-sepor metade do sen valor.
Grande quantidde de retalhos de algodaosinho,
madapolao, chitas, seda, setim, etc., etc.
56 e 58Ra Duque de Caxias56 e 58
TSX,3e3PX3:03NrE J2XO
Peptonas Pepsicas
de CHAPOTEAT
Pharmacautico de X Claiso
MARCA dt FABRICA
Approvadas pela Junta de Hygene do Rio de Janeiro.
Empregadas nos Hoapitaes de Paria e dos de Marinka.
A Peptona o producto da digestao da carne de vacca pela pepsina de
Chapoteaut extrahida do estomago do carneiro e transformada em um- ali-
mento soluvel, immediatamente assimilavel, que vae ter a todos os pontos do
organismo por meto da circulaco venosa, e alimenta os doentes sem fatigar-
me? a estomago.
0 Vinho de Peptona de Chapoteaut por isso indicado as molestias que
tem por causa as ms digestoes, as aflecces do ligado, dos intestinos, as
gastrites, na anemia, na chlorose; as molestias do peito, na dysenteria
dos paizes quentes, as digestoes difficeis e laboriosas. Este Vinho alimenta as
ereancas, que nao supportao a comida, augmenta a secrecao do leite das pessoas
que criao e torna-o mais rico; fortifica os velhos e levanta promptamente as forcas
dos eonvaleseentes.
A Conserva de Peptona de Chapoteaut, que pode ser empregada interna-
mente e em clysteres, tem o poder de aumentar durante mezes os doentes mais
graves, como os tsicos, que nao possao tolerar alimento algum, os cancerosos, os
que soffrem da bexiga, dos rins e da medulla espinhal.
Em razo de sua pureza, esta Peptona a nica empregada no laboratorio
do Sr. PASTER.
. Deposito em Paris, 8, ra Vivienne e as principaes Pharmacias
PEHE1RA tr MAGALHAES
liq
Ifcrg
Recebedores directos dos mercados da Europa
uidah os seguintes artigos com descont de 14 0[o as
vendas em rrosso
Bramantes de algodo superiores, a 800 rs. o metro, 4 largura*.
dem de puro linho fazenda de 25200 para acabar a 1|5500, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 1#100 e 1,}200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para lences a 55500 a peca.
MadapolSo americano, a 3#>00, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Maripoza* de cores a 220 rs. o covado.
< 'hitas claras escuras, cores firmes, a 200 rs. > dito.
Batistes idem a 120 rs. o dito.
Zeriros de quadrinhos, a 80, 160e 200 rs. o dito.
\it:n is lisos de urna largura a 200 rs. o dito.
[fiera re quadros modernos a 280 e-300rs. o dito.
' *:.' iAh re renda chics a 10000.
" chas Irancezas de cores a 20000 e 40000, rana.
Lc-ocea de bramante a 15800, para cama de casal.
.iras (' lisas inglezas e francezasa 260000 e 300000 a duzia.
'petes aveludados. grandes, a 140000 um.
... iuados ricamente bordados a 50500 e 60000-
i auuoa ie cores para mesa a 10100 e 10300 o oovado.
'' viot preto e azul, a 30000 o dito.
i'iiiHt pardos e de cores a 280 rs. o dito.'
V.iudilhos de cores < pretos a 900 rs. o dito,
i., ndas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
-".-tins de todas as e6res a 900 rs. o dte.
>c:inetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglezas para homem a 20500 e 30000 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito
Cortes de casemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de meia casemira a 20000.
Toalhas grandes para rosto a 40000 a duzia.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
E muitos artigos que serao lembrados com a presenca de noesos leitore.
59Ra Duque de Caxias59
LOJA DE
PEEEHi A HA6ALHMS
*
MORRHUOL de CHAPOTEAUT
O Morrhuol contm todos os principios que entrio na composicao do oleo de
figado de bacalbo, excepto a materia gordurosa. O oleo, como sabem todos,
deaagradavel pelo seu cheiro e seu sabor, muitas vezes rejeitado pelo estomago e
provoca a diarrha. 0 Morrhuol pelo contrario bem acceito pelos doentes, e
actualmente, nos hospitaes eem todos os estabelecimentos de caridade, ena clnica
civil, os mdicos felicito-se por ter encontrado no Morrhuol um medicamento,
que desparta o appetite, acaba com a toase e os suores nocturnos, restitue
sos tsicos as cores perdidas, augmenta-lhes as forcas, melhorando considera-
velmente o seu tstado. O Morrhuol, que as creancas tomao sem a menor difficul-
dade, modifica promptamente a sua constituico, quando ellas sao debis e
lymphaticas e sujeitas a resfriamentos.
O Morrhuol, que um producto em tudo difirante dos chamados extractos
de figado de bacalho, encontra-se encerrado em capsulas redondas, cada urna
das quaea representa 25 Veses sen peso de oleo esouro, que os mdicos
reconhecem ser o mais rico de principios activos.
PARS, 8, Ru Vivienne, em toda$ a Pharmaeias._______^
FUNDISAO GERAL
ALLAN PATERSON & G
N. 44-^-Rua do BrumN. 44
JUNTOAESTACDOSBONBS ,
Tem para vender, por precos mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanbos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim. ,
Varandas de ferro batido.
is de dito fundido, de lindos modelos.
Porta de fornalha.
Vapores de orca de 3, 5, e 6 cavallos.
endan de 10 a 40 pollegadas de paadora. -*"
ia Leandro,
m-se de concertos, e aseentornento de machinismo e executam qual
[>m perieicao e presteza.
^;^oo0n;^
**%
.uaidis".
>.m-FlTiCftESMlTDft . Un, isa t> Un i,. 41, i m U>
da UTA (T.
PRECO SEM COMPETENCIA
A' ra Primeiro de Maree n. 20
JUBtO
Atoalnado bordado a 1)5200 o metro.
Alpacas indianas a 320 rs. o covado.
Ditas mescladas a 600 rs. o covado.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Batistas finas a 140, 200 e 240 rs. o dito.
Brim pardo a 280 e 320 rs. o dito.
Baleias pretas a 260 e cobertas a 500 rs,
a duza.
Bicos de urna s cor a 20 a peca.
Bramante trancado a 800 rs. o metro.
Brins de cores para crianca a 260 rs. o
covado.
Bicos matisados a 20500 e 30 a peca.
Cumbraiaa bordadas a 40 a peca.
Cachemiras de quadros a 260 e covado.
Cortes de seda para colete a 50000.
Ditos de linn em cartao a 70000.
Colchas de damasco a 60000 urna.
Cretones de alsace a 360 rs. o covado.
Cambraia arrendada a 460 rs. o dte.
Cachemira da India a 220 rs. o dito.
Chales adamascados a 20500 um.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Colchas de cores a 20 e 20500 urna.
Cortes de casinetas a 10500 um.
Chambres a 40500, 50 e 60000 um.
Cortes de setineta a 60000 um.
Cambraia Victoria a 20900 a peca.
Camisas allemaes a 360000 a duza.
Cachemira de duas larguras a 800 rs. o
covado.
Cretones claros a 280 e 320 rs. o dito.
Colchas de fustao a 30500 urna.
Camisas de meia a 10000 urna.
Ceroulas de bramante a 150 a duza.
do Loorre
Fichs de malha a 20000 um.
Fustao Branco a 360 e 400 rs. o covado.
Dito de edr para ronpa a 800 rs. o dito.
GuarnicSo de crochet com matizes.
Gazes de cores a 500 rs. o covado.
Guarda-p para homens a 60000.
Grinalda para noiva a 80000.
Guarda p para senhoras a 80000.
Lencos com barra a 20000 a duzia.
Leque a gra-duqueza a 20000 um.
Lencos brancos a 10200 e 20000 a duzia.
Luvas de seda a 20 e 2o500 o par.
Liahos de quadros a 80 rs. o covado.
Las escossezaa a 100 rs. o dito.
Linn de cores a 500 rs. o dito.
Merino do cores, duas larguras, a 800 rs.
o dito.
Meias com pintas, para senhoras, a 800 rs.
Madapolo americano a 6000 a peca.
Meias para horneas a 30600 a duzia.
Extracto Porte-Veine a 10400.
Popelina branca, de seda, a 800 rs. o co-
vado.
Paletots de seda palha a 70500.
Ditos de alpaca preta a 40500.
Panno da costa adamascado.
Pacotes de p de arroz a 500 rs.
Percales fi as a 200 e 220 rs. o covado.
Roupas para banbos salgados.
Regatas de cores a 10000 urna.
Sabidas de baile a 20000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargelim de cores a 200 rs. o covado.
Setim de cores a 800 e 900 rs o dito.
Dito do Japao a 240 rs. o dito.
Toalhas para rosto a 30600 a duzia.
Ditas para banho a 10400 urna.
Esguiao pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Espartilhos couraca a 50000 um.
Entremeios bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimento de casemira e brins, collarinhos,
cos,(5 bolsas, fichs, lencos, leques e muitos outros artigos
punlios, leos, toni
AMARAL& C.
^NENTEMENTE^
^ TTnioo V/
approvado jpelet Academia
de VCed-icina de Fariz
Quiniura Labarraque
Fabrica :
,A Casa L. FBEB.E, 19, ra Jacob ^
PARIZ
!?UGO e F0RTIF\G
Molestias Nervosas
Capsulas do Doutor Clin
Liurtto d* Ftovldsde de Midicim dt Pars. Pnmio JMtfM
As Capsulas do Doutor CLIN ao Bromnreto de Camphora empregao-se
as Molestias, as de Cerebro e contra as affecedes seguintes:
Aathma, Insomnia, Palpitacoes do CoracSo, Epilepsia, Hallucinacao,
Tonteiras, Hemicrania, Aeccdes das viai urinarias et para calmar toda
j especie de excitacao.
llts Urna explicado detalhadt acompsnht esds Fruco.
Exigir as Verdadeiras Capsulas ao Bromnreto de Camphora de CLIN a G">
de PARS, que se encontrao em easa dos Droguistas et Pharmaceutices.
Para oDerby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de cores proprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por precos sem competencia.
Recebeu tambem collarinhos e punhoe
de borracha de formatos novos.
48EDA BARAO DA VICTORIA -48
Cosinheira
Precisa se de urna ama que cosinhe bem ; no
terceiro andar dn predio n. 42 da ra Duque de
Caxias, por rm da typograpbia do Diario.
Criado
Precija-.-i- de un erarlo : na ra da Aurora
n. 119.
C
'asa
Aluga-.-i naia to- '-asa para grande familia,
comagOii. i;.iz :' 'M li'i'pa. defronte da eslafVi
do Caminlm JI?vo 'rata' na ra daCadeia n
47, laD' r mi Mirora n. Hi.
Apoli
ial
ice provinc
Havendo-se deseneaminbado do poder do
aliaixn assignado urna apoli^e provincial n. 279
da 2.- serie, do valor ae 500*000 e juros de 7
0/0, pertencente ao menor Mario, fno do Sr-
Dr. Andr Cavalcante de Albuquerque, faz-se
publico o facto, para fins convenientes.
Recife. 7 de Fevereiro de 1889.
Joaqnim Duarle Campos.
Feitor ,
Ainda precisase de um feitor para tomar conta
de um sitio: a tratar na ra Pedro Aubnso nu-
mero 58.' _____________________________
Professora
Urna senbora competentemente habilitada, com
pratica de 11 annos de profissao, apresenlando
diviTos attestados de bom methodo e comporta-
ment, offerece-se para leccionar em casas par
ticulares. na cidade ou em sen? arrabaldes as se-
guintes materias : Portuguez, Francs, Italiano
Geographia, Piano, trabalhos de aeulha. etc.: a
tratar na Visconde de Goyanna n. $9 ou em
OSaa do-Repulaoor da Vannhara largado
Rosario n. 9.
^IVEFS.
KFJWAfttt EXTR:
*o
:0!?Yi.-Cl?6!e M
SiBi 'SCII. CA DF TDfRTTE. Pf' DE ARROZ. OLEO.

@escoberta gnteressantissima
i PRIVILEGIADA!
PERFUMES ORIZA SOLIDIFICADOS
APRESENTADOS DEFXO t S ;i2tt6iW(iuTCf|r05N
Basta csjrcgtit levemente os objectos para .[-os
(a Cutis, Roupa, Papel para Caitas, etc.)
L. LEGE, \JTD, Fo rte de RussiA
RA SAINT-HONORE, PARS
nc.-# m todas as principes Pi Pharmaciu 9 Drogeriss do mundo.
rl -r,.-. Itl.
ciJvimmsmmi 'i "fitfr"iifuSS"t.. ;r-m irnmm "' '" "..'^HS
mimm
Bwsai
PILULAS do D slauJ
Eroprefam-se com ptimo xito mais de 50 sano* pela malor parte dos FacultaU-
09 France*8 e E8traDge>8 Dus.cat..AMMIA,'CUOHOaJB (erett palUdot) e a
Fnrtnuco la meninas.
A inserc&o no novo Coasx francet, outroftm o fado haver a Junta d'Hytlepo do Sraatl
TertDcano a ettlcacla d'estas nioiaa, autorlf^ndo-lhes a venda, escusa mialquer encomio
k (rairuira tina nl|Ir u m Hwur tUt mttH m ati afluU w atril. ^k
DBBOONFIEM-8E! DAS IMITA9E8
OTA. Ai 1/trHMOSirn Pllultl tfo MP Btaud *o n nndimiinto ca A-imoi 1 frteos
dt 200* 100 MhlH, mas niunt por mludo.
pasjs, s. boa PAnKifi Dspoano a toda as pamon>AJts phabuacias
^.V.A/0
O Vigor
do
Cabello
do
Dr. Ayer.
Preparado Sob
Bases Scientificas
f Pbysiologioas.
para o
Toucador
0 Vigor do Cabello
Do Dr. Ayer.
Derolve. com o brllho e frewura da Juventnde, ao
caiK-llo ffrfsalho oa branco urna rica cor natu-
ral, castanho ou preto, como se desoja. Pelo sea
aso, ao etico claro m rOxo [>ode dar-se ama cot
(-.lira. grossura ao cabello lino, emquanto que
roque temen te cura a calvicie, porem nem semprc.
Inipede a queda do cabello, estimulando o dbil e
enfermo a cresoer rigorosamente. Reprime o pro-
gresso e cura a tlnba e caspa, curando quasi toda* as
lioenea* peculiares do pericraneo. Como Cosme ti-
ro para aformoear o cabello das Senhoras o
Vigor nao tem rival; nao contem azelte ou tinta al-
Euma. torna o cabello suave, brilbante e sedoao na
apparencia, e coramunica-lhe um perfume delicado,
agrad.\vel e permanente.
PBKPAKADO PELO
DR. J. C. AYER k CA.,
I.o wll, Mass., E. V. A.
4/ veuda ui prinoipMS frlirmciM 4rogwU*
Aluga-se
a casa da rna Coronel Suassnna n. 130; a tratar
na ra Marcilio Dias n. 106.
Aluga-se
o sobrado na ra Bario de S. Borja n. 26, com
commodos para numerosa familia ; a tratar na
ra da Aurora n. 83.
Aluga-se barato
a casa n. 47 travessa do Bartholomeo, os 1- e
2- andares do sobrado ao caes do Apollo n. 75,
eosl-,2-e3 andares do da ra do Brum n.84,
todos com bastantes accommodacoes para fami-
lia : a tratar na ra larga do Rosario n. 34.
AMA
Precisa-se de urna boa n-
gommadeira que faca outros
servicos, a tractar 110 3. an-
dar, por cima da typographia
do Diario na ra Duque
de Caxias n. 42.
Precisase de urna ama de leite ; a tratar na
ra Baro da Victoria n. 54, nova agencia de
movis.
Ama,
Precisa-se de urna ama para cuidar de crian
cas ; na ru dasCreoulas n. 2-B (Capjtarga^casa
ele azulejo.
Ama
Na ra Bireita u. 86, 2- andart precisase de
urna ama para casa de penca familia
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar; na tra-
vesua do Pires n. 5, Geriquiti.
Ama
Precisa-se de urna ama para engommar e co-
sinhar ; na Gamboa do Carmo o. 14.
Ama
Precisa-se de urna ama para engommar e en-
saboar, para casa de familia : a tratar na ra
Conde da Boa-Vista n. 24-B, ou ra Duque de
Caxias n. 93.
Ama
Para urna casa de familia estrangeira preci
sa-se de ama criada para servico de casa; tam-
bem urna boa cosinheira.
Ambas devem trazer boas recommendagoes,
tratar na ra do Commercio, n. 5, Io andar, es-
criptorio da frente.
Cosinheira
Precisa-se de urna boa cosinheira ; na praca
Conde d'Eu n. 32, 2- andar.
Cozinheiro
Precisase de um cosinheiro ; a tratar na rna
do aysand n. 19.
Prefessor americano
Devido mudanca de residencia
MR. GEORGE B. NLND
pode ser procurado nos dias uteis, na ra da
Conquista n. 20. _____
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira; na ra Velha
numero 137.
Pharmacia Bartho-
lomeo ,
Precisa-se de um pratico : a tratar la roa
larga do Rosario n. 34.
RELOJOARIA
A antiga e bem acreditada officina de relojoei-
ro, sita ra Primeiro de Marco n. 4, acaba de
ser transferida para a ra Larca do Ro*a-
rloM.-l.
0 seu prpprletario, tendo um completo e muito
bom sortimento de aviamentos tendentes a sua
arte e com urna longa pratica da mesma, offerece-
se ao publico em geral para encarregar-se de
todos concertos de relogios, cixas de msica,
etc., etc.
Espera continuar a merecer a confianca de
seus freguezes e a?segura-lhes que ser sempre
solicito no cumprimento de suas oruens.
42Ra Larga do Rosario 42
Gustavo Vollichard
Criado
Pre isa-se ce um criado de 14 a 6 aunoo
ra Imperial n. 17.
na
Caixeiro
' Offerece-se um naa esperlo e rom bastante
pratica do lavaros, dando informara.; de suacon-
ucta : a tratar do pateo da Santa Cruz n. 2.
Aula de paisagem
Acoa-sc aberta a matricula para a auit d(
paisagem > de Artes e Quicios, a. qual
funccionar m demingos, ao ni ob a
direccao do Sr. i. i. Telles Jnior.
n
6tr^f-
DE
Murray i Lanman.
0 M^IS EXQUESITO
DOS
Perfumes do Toucador.
Perfuma Cor^o e
Vivifica a Mente
NO BANHO.
^
Superior a Agua de Colo-
nia pela delicadeza de sea
aroma e a durabilidade de
seu perfume
NO LENQO.
PMMICTOS ESPECIAES
Do Dr. Carlos Betteaeoart
APPKOVADOS PELA JOITA CENTRAL DB
HYOIEKE DA CORTE
Slsaparrilha e Caroba
GRANDE DEPURATIVO DQ SANGU
Elixir anti-rheuniatico, anti-syphilitico, empr
cao em todas as molestias, de pee, erysipeH,
aa*hftrS"on imptngcns, beriberi, anthrazes ot
carfcnneultrtf, cancros venereog; feridas^oanWI
rosas, ulceras, gonOrtliMs chrnitasv bofthi
buioe, escrfulas tedas as doewcas qn**
penrenrrla lii(t>urerj 'o'samjOeT'
Este remedio superior a todos os outros de
seu genero, o que est provado pela preferencia
e acceitacao que lhe da o publico.
m vidro 3*000
Elixir de Jurubeba, Quina e
Pegapinto
TNICO FEBRFUGO e dsobstbuente .
Empregado na debilidade geral, doencas
estomago, convalescencas depois do parto, febrea
palustres, molestias do figado e baco, falta de
apetite, anemia, colorse, cores paludas ou falta
de sangue,' doencas nervosas.
E* um reconstituinte de energa, aromtico e
agradavcl ao paladar.
Um vldro 3*000
Xarope de Jaramacani com-
posto
GRANDE PEITORAL
Tratamento curativo de todas as molestias so
peito e da garganta, defluxos, tosses simples e
convulsa, coqueluche, constipaces, astbma, oron-
chite, catarrno chronico e tysica pulmonar e r>
larynge.
E' o primeiro peitoral que se conhece at naje
na medicina.
Um vidro 2W00
A' venda na ra Barao da Victoria n. 51
Pharmacia Pinho
Costureira e modista
franceza
#
Madame Fanny Silva tem o seu atelier de mu'
das e costuras ra Bario da Victoria n. IS, 1
andar, e confecciona todo e qualquer toilette,
com apurado gosto e elegancia, para csame'
tos,-bailes, visitas, passeios, etc., faz tambe*1
manteletes e capas sobre medida. Contina a
ter um lindo sortimento de novidades de Pars,
vestidos de seda, feitos, eem cortes de-seda,-
gaze. velludo, broch e crpe de chine, foulardr.
surirri^. sedas e ottomarias pretas. Escolt*
sortiraento-sK^vidrilhos pretos, chapeos, cape-1
tas e visitas ; Ift(p em 24 horas. Telepboue '
93. Ra Baro da Victoria n. 151- andar.
_-----------------------------------_------------ s
Caatellas do Monte de Soccom
Compra-se cautellas do. Monte de Soccorro de
qualquer joia, bruan les e relogios; pagase
bem na Praca da Independencia n. 22, loja de
relojoeiro.
Nova Hamburgo
Bailes Phantazia
Pelo Carnaval
Approximando-se a epocha do carnaval
Nova Hamburgo aviza ao respeitavel publiee
que no presente anno como nos precedentes,
terSo lugar com o maior brilhantismo os bai-
les fantaziados que este grande e bem mon-
tado estabelecimento industrial custnma fa-
cultar ao generoso povo pernambucano para
o que desde j se trata da ornamentacao'
do garrido theatro de Variedades existea-
te no recinto da fabrica bem como dos
arranjos dos magnifcos terragos pavilbSes
e gardins. Collocada a Nova Hamburgo
no centro desta cidade podendo sem es-
forz as grandes caminhadas ser visi-
tada a cada instante pelos amantes da fe-
lia e pelos que buscam narcotizar o tedie
implantado no espirito pelas occupacSes
pesadas : tendo em seu favor a agrada-
bilidade de structura e proporcSes que a
torna preferida as quatro noites consa- '
gradas muza alegre des devertidos de
esperar, mesmo admissivel contar coat
a frequencia que se ha notado as epo-
chas anteriores em que a boa ordem de
servijo interno ha perfeitamente correspoa-
dido ao espirito ordeiro espansivo e se-
ciavel da nobre populacho desta veneza.
Ensino particular
0 professor*Joaquim Elias de Albuquerqne
Reg Barros, ra aa Conceicao n. 27, ensina,
3aer ou nao, pelas casas, as seguintes materia
epois das^ horas da tarde : portuguez, latim-'
arithmetic geographia, historia egeometria.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada,
prope-se a leccionar em collegios e casas par-
ticulares as seguintes materias : portugaei,
francez, msica e piano : a tratar na ra Vis-
conde de Albuquerque n, 20.
los amadores do carnaval
A bem conhecida loja de miudezasBAZAR
DO RECIFEa ra Mrquez de Oljnda n. 11
(amiga da i'adeia) recebeu'grande sortimento de
mascaras calicatas para homens, senhoras e
enancas, e grandes colleccoes para clubs e so-
ciedades carnavalescas, vende-seor precos sea
competencia, quer pequeas ou grandes porgues.
Vale a pena visitar a loja de miudezasBAZAR
DO REUFE para ver o hiellior .-ortimento de
mascaras quts trin vindo ao mercado. Tambem re-
cebeu grande sortimento de bisnagas de cb
e outros artii-'os proprios para o carnaval. I
a precosmodicos loja de miudezas
Bazar do Recife
A' ra Mrquez de Olind'p n. 11
De Domingos M. Ma;
Cosinheira
Precisa-se de una ama
tar na ra do LivramrntO' u. 1
i une,
tratar na roa
Ao
'I!
(iommer

-1

-


.. -

i. i
i
i
-


8
Diario de Pernambuco
Engommadeira
Nal roa Formosa n. 8, precisa-se de urna en-
goinmadeira que dumta em casa.
Typopp hia e Litlwgraphia
FABRICA DE LTVBQS DE ESCBIPTU-
BACAO
Premiada as exposlces da
lS8elN5
Manoel J. de Miranda
Encaderaacjio e especialidades em cartoes de
visitas.
39-Ru4 Duque de Caxias39
Telephonen. 194.
Professora de piano
Urna senhora habilitada, nao so pelo sen es-
tudo, como tambem pela pratica, offerece-se a
ensinar piano por precos mdicos, quer em ca-
sas particulares qner em collegios, podendo ser
procurada para o exercicio de sua profissao na
ra do Jasmim n. 39.
1GARR0S INDIANOS
preparados con CANNABIS INDICA
por GRIMALT e C*. Ph- fe Pars
krrmtiuttoinUttnimUUlmtn
Gonstituem a prepara^o a mais
efficaz que se connece para combater
a asthma, a oppresBo, as suffo-
ca?6es, a tosse nervosa, os ca-
tarrhos e a insomnia.
Dtpouito Mi PAJU8, 8, Ka* Virto.
Padarias
Farinba secca para tender ; vende-se na pada
ria da ra do Brum n. 62.
VENDAS
Vende-se leite de vaccas da trra, puro, a
3SW rs. a garrafa, garantindo se a boa qualidade
aos freguezes que o comprar nesta casa. 6s
freguezes encontraro o Icite das 5 s 7 horas
da manha, e tambem nos encarregamos de man-
dar levar em casa de qualquer freguez : na ra
do Rangel n. 53.
Vende-se barato um terreno cm Agua Fra,
com 90 palmos de frente e 500 de fundo, na ra
de S. Paulo ; a tratar na travessa da Casa Forte
n. 10, taverna.
Fazwrfas baratas
Loja do Triumpho
Roa Duque de CaxJas n. 1
Las fins com Troco, a 320 rs. o covado
Ditas de quadros, bonitas a 300 rs.
Merinos lisos, 2 larguras a 560 rs.
Ditos lavrados, 2 larguras a 700 rs.
Zeftros largos de quadros a 240 rs.
Ditos largos de quadros finos a 280 rs.
Ditos bordados finos a 700 rs.|
Etamine arrendada a 440 rs.
Dita de listas abertas a 400 rs.
Setins de listqinhas a 660 rs.
Ditos da China (fantazia) a 240 rs.
Saias bordadas linas a 3000
Camisas bordadas finas para senhora a 45000
Cambraia branca hornada, a 4$500 a pega.
Dita bordada de cor a 5$300 apeca.
Chitas escuras rauito boas, a 200 rs. o covado
Algodao largo ( 10 metros), a 2*300 a pega.
Dito dito de 20 jardas a 4*000
Toalhas acolchoadas grandes, a 4300 a duzia.
Redes inglezas grandes a 51000.
Guardanapo3 de liho, a 1*800 a duzia.
Camisas de linho scm punhos e sem colarinho
a3000. M _/"*"""
Bramante de algodo 4 larguras, a 700pg: i vaa.
Tagetes grandes para sof a 14M00
Cortes de seda para collete a,%000, *.
"QJtet 'jf Ciirimirr. i E outras muitas fazeadas que se vendem mui-
to baratas para liquidar.
A' raa Duque de Callas u. *
Bastos db G.
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Em decimos e caixa de duzia, tem para ven-
der Joaquim da filia Carneiro. largo do Corpo
Santn. 13, i- andar.
F0LPETI1
A REVOLGAO DO 48
A' ra Duque dle CaxJas u. 418
Nesta loja aenominada A' BevolucSo,
tendo sempre um grande e variado depo-
sito de fazeadas, resolven-se vendel-aspor
menos 30.r do que em outra qualquer
casa. Como sejam :
Toalhas felpudas e acolchoadas, brancas
e de cores, tamanho regular a 120, 200,
500, urna.
Merinos de quadros, lindos padrSes
200, 240 e 280 o covado.
Seda Alcuciana (fazenda de fantasa),
240 o covado.
Cachemiras de quadros com combina-
93o a 320 o covado.
Mimosa cambraia das mojas para cami-
sas a 3)4200 a peca.
Lindos cortes para vestidos em cartSo
com todos os aviamentos a 70 90 10(5 e
14)5 um.
Saias bordadas para senhora (recebidas
ltimamente de aris) a 30000 urna.
Lretones inglezes, francezes e allemSes
a 240,280 e 320 o covado.
Zefiros de quadros, muito largos a 160
200 e 240 o covado.
Lindas colchas' com palmas de cures
para noives a 10|5000 urna.
Chitas claras e escuras, muiros padnes
a200e 240 o covado.
Batistas com palmas e pintas, cores fi-
xas a 120 o covado.
Redes francezas a 5(5 e 6)5000 urna.
Fechs de 15, muito grandes, todas as
cores d#000 por 15500.
Camisas francezas de linho (pechinca) >ie
60 a duzia por 485.
Merinos finos com duas larguras, todas
as cores de 800 a 500 o covado.
dem idem idem idem preto a 800 e
15000 ocovado.
Cortes de fustao branco e de cores para
colete de 4)5 por 2)5000 um.
MadapolSes finos a 4)5, 55 e 6(5000 a
peca.
Atoalhado de linho, lindo desenho a
1(5700 o metro.
Cortes de casemira para calca, finos e
moderaos a 4(5, 5(5, 6i5 e 7)5000 um.
dem idem idem idem costumes moder-
nos a 20*000.
Cambraia de salpicos muito fina com
10 jardas a 4)5000 a peca.
muitas outras fazendas que s com a
presenca das Exmas familias, poderSo ser
vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
lheiras, lequcs transparentes, bicos de co-
res, entremeios, bordados, leos, extratos,
luvas etc.
48 DUQUE DE CAXIAS 48
Arma^ao
Vende-se urna armacao de amarello em per-
feito estado, propria para miudezas ou tabaca-
ria : a tratar na ra do Cabug n. 11-A.
Cabriolet americano
Vende-se
leve
medico, muito
um, propno para
na cocheira da ra das Flores "&>>''
TaverjMtJ
Vende-se a taverija.dafua de Luiz do Reg n-
47, em Santo Amaro das Salinas : a tratar na
mesma ou oo'Caminho Novo n. 87.
, 8SOOO a duzia
OLEO AMERICANO
O ni ais econmico, higinico e
perfumado oleo para o
cabe x, r,a
. VENDEM
(.OIIES DE MATIOS 111 TI \OS
23-rua Mrquez deOlioda -2.1
_____......iupcaht _____
Pao centeio
Mille & Biset, avisam ao respeitavel pubco,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
boroso pao; ra larga do Rosario n. 40.
SEM MAI
POR
paulo :*:::-:,::::::
DURANTE A TEMPESTADE
. CAPITULO V
A mora
(Continuado do n. 40)
Juro-o !...
Isto ficar bem s, bem^vasio aqu,
durante algum tempo, mas supporta essa
solidSo, essa dor pela minha recordacSo e
por amor della. Trata de juntar alguna
sidos para tua filha. E quando adquiri-
res esse habito, has de ver como sers re-
compensado dos sacrificios feitos pela enan-
ca ... JE' tSo bom amar alguem cima de
tudo e dedicar-se-lhe !...
Eugenio chorava de modo a causar d,
repetindo no meio das suas lagrimas :
Nao, minha Paulina, minha santa,
raeu bom anjo, nao has de morrer!
. que faria no mundo sem ti ?
De repepte as lagrimas seccaram-se
lhe.
Nos seus olhos brilhava um fogo som-
bro.
Dinheiro junto?... disseste tu ?...
perguntou-lhe elle.
Com a cabeca ella fez signal que sim.'
Elle proeeguio:
NSo ests gracejando V... Que pre-
tendi !... Mal se podem pagar as des-
pezas do mez, e quer'es que se facaui eco-
Bomias!... Os pobres como nos nao es-
por ventura votados eterna misc-
.'.. Trabalhar incesantemente... fa-
zer a fortuua dos outros.. E quando che-
a velhiee, morrer no hospital como
abandonados ou tiritar n'um canto como
Bonita perspectiva E se a
nao para esquecer tudo isso ?
ajusto. .. Nao dizes a verdade.
/francos por. da. jpom isso
Mais Barato
20 de Fevereiro de ^
I
ALojadas Listras zoes
A' RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Telephonen.tif
O proprietario desta conhecida casa previne as
Exmas. familias e todos os seus fre-
guezes, que as pechinchas que coetuma
dar, nao sSo nem nuaca foram divididas
. de outra casa como alguem annuncia
para engaar, vendendo fazendas ordi-
narias por boas, castume que a Loja
da* LiMrsa Ame nao tem.
As fazendas vendidas nesta casa sao de boa qua-
lidade, e nao levam! medida escassa ;
aceita-se a fazenda vendida se, por
qualquer motivo nao fr de muito agra-
do da pessoa para quem for comprada.
Dase descont a quem comprar de 30
para cima.
ESPECIAUDADES
Hrlm de listras a/ues pecas com
20 varas a 64000.
HadapolSo com um metro de largu-
ra a 60800 a peca.
Cortes de vestidos bordados em
cartao a 100000.
Velludllho bordado a contas a 10600
o covado.
Cachemiras pretas, de quadros e
arrendadas a 20 e 20500.
Tecldos fantazia arrendado proprio
para baile e theatro a 400 500 rs.
Cortes de cachemira com guarnieres
bordadas, lindas cores, a 200 e 250000.
Setim Maco de todas as cores a 750,
e 800 rs.
IJUOU bordado, tecido de urna s cor,
qualquer que se deseje, a 200.rs. >
Zeflros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 rs.
lis de quadrinhos a 200, 240 e 360
o covado.
Llanos lisos a 60 e de quadrinhos a
00 rs.
Ciuardauapos melhor qualidade a
10800 a duzja.
Atoalhado branco e de cores a 10.
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 40000.
Cortinados de crochet, com sanefas,
ultima novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados a 900 rs. o
metro.
Colehas de fustao, brancas e de ecd-
res, a 20000.
Chitas finas precales a 200 e 240 rs.
Chitas escuras a 160, 240 e 280 rs.
Batlstes de cores seguras a 120 rs.
\aazuc de lindas cores a 280 rs.
Brlm pardo esguio a 240, 280 e 320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.
Mantilhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 80000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos enfeites e com vibrilhos a
200, 250-e 300000.
Leques de pennao e transparentes,
'ultima novidade, todo preco.
Luvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 20.
Espartllhos inglezes a 40500 e 50,
tem desde o n. 40 at 80 de grossmra.
Blco braneo creme e de todas as
cores desde 700 rs. at 20500 a peja.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodao, preta, branca e.-de qualquer cor.
BabaUOS e entremeios bordados ta-
pados e transparentes por todo prego.
Grampos e pentinhos fantazia pas
cabello a 400 e 500 rs.
Hlelas para vestidos a 260 rs. a
duzia.
Reloglos despertadores com fi-
guras em movimento a 80 e 90000.
Aspas de a$o para vestidos a 120 rs.
o metro.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas aa loja das
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto Dias
o
pde-se pagar tudo e por de parte cem
francos por mez!...
Elle nao a ouvia mais.
Oito francos por dia!... Bella for-
tuna !... Emquanto que se encontrasse
quem me fizesse um adiantamento, um
pequeo adiantamento... estabelecer-me-
hia... Mas nao o poderia fazer nunca!...
Pobre sou e pobre serei toda a vida!...
E justo isso, quando tantos outros pros-
peram ? Ah! infame sorte!...
Paulina estava horrivelmente assustada
pela cxaltacSo de Eugenio e olhava para
elle, que continuara :
Bastar-me-hia urna somma tilo pe-
quena para comejar... Porque tenhouma
idea soberba, que poderia explorar !...
E ficaria rico tambem... E faria nego-
cios ... E adquirira o verniz que me fal-
ta para tornar-me um perfeito cavalheiro,
a quem todos comprimentariam de cha-
peo na mo e que tea dinheiro, muito
dinheiro!...
A moribunda ficou extremamente ame-
drantada.
O que dizia elle ?...
Que ideas eram aquellas que germins-
vam-lhe no ceftbro, e das quaes nunca
havia fallado at entao ?
O que pensas tu ? perguntou-lhe ellai
Que historia essa, que nao confceco?...
O que queres dizer ?... Nao te compre-
bendo.
Sbitamente Eugenio ficou embaracado
e nao soube responder.
Voltou a cabeca, fugia ao olhar sempre
tao firme da moribunda, que parecia-lhe
um olhar de chumbo, cahindo directamen-
te sobre elle, esmagando-o, penetrndo-
se at o fundo do erebro para adivinhar
os seus mais secretos pensamentos.
Apezar da morte, que approximava-se a
pasBOS rpidos, a pobre mulher ficou ater-
rada.
Ah desgranado, nao ousas mais en-
carar-me; fazes-me medo !...
As suas forjas desappareciam inteira-
mente ; em um balbuciamento indistincto,
penoso, ella repeta no tom de urna melo-
pea dolorosa e desesperada:
Medo! Medo!
Elle serenou. ^
E de repente co enxerga mais senao
aquelle rosto pallido, que o ultimo minu-
to franze. decompe, amarellece cada vez
mais.
Eugenio esquece tudo entao...
Urna nica cousa o punge, confrange-lhe
a alma, desespera-o.
Aquelles olhos i*) bellos apagam-se pou-
co a pouco.
Aquella adorada voz, que nunca se ele-
vara senao para fallar4he do bem, do de-
Novidades
Reeeberam modas de Pars
AZEVEDO, IBMaO & C.
16 Ba do B. da Victoria 16
(Antiga Nova)
Lindas capas de surah, cachemira, me-
rino e renda o que ha de maisjiovo. Renda
comprimento de saia a 10000 e 10500.
Sargelim fino todas as cores a 200 o co-
vado.
Baleias eom forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a duzia.
Bramante de linho com 10 palmos
10500.
D to de algodao com 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 50000 e 60000.
Ditos d.e crochet finos a 80000 e 100000
Estracto Bita Sangal a 20000.
Fichus de 13 e seda 10000, 10500.
Capellas com veo bordado a 60000 e
70000.
Madapolao globo a 70000.
Dito camiseiro a 70000.
Tapetes grandes para sof a 130000.
Espartilhos couraca a 40000 e 50000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Panos de crochet para cadeiras a 800.
Ditos de crochet para sof a 20000 e
30000.
Quardanapos de linho a 20500 a duzia.
Merinos de c6res a 400 o covado.
Zefires largos a 160 e 200.
Setim maco a 800 e 900.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
MadapolSo com um metro de largura
a.60500.
Cachemira arrendada e de quadros
10500.
Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 30000 a duzia.
Camisas finas para homem a 330000.
Colxas de crochet com flores a 50000 e
90000.
Lindas velbutinas de quadros lisos e com
listas proprias para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 400 o covado.
Caixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 90000.
Pao verde para bilhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
Crinoline preta a 300.
Guarnieres pretas e de cores.
Camisas de flanella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglez.
Meias brancas de seda a 40000.
Cachemiras de quadros a 280.
Fustao branco a360 o covado.
EsguiSo fino a 10500 a vara.
Casemiras para roupa.
Boupa feita por medida.
TELEPHONE200
O desengao Ir ver
Barato
ver; nunca queixosa, sempre indulgente
e boa... nao a uvir nunca mais !...
Atira-se sobre o leito, cobre de beijos e
de lagrimas a fronte da moribunda, que
comena j a ser inundada pelo suor fri
dos agonisantes :
Minha Paulina, meu amor, murmura
elle como um louco, fica... nao me dei-
xes!... Eu adoro-te... farei tudo quan-
to quizeres!.'..
Pela derradeira vez ella ergue as pal-
pebras pesadas, cerca-o de um supremo
olhar de indulgencia, de bondade, de af-
feicjlo, e balbuca:
Ama a pequea e... conserva-te...
honesto se me... am... aste.
As ultimas palavras extinguem-se-lhe
nos labios azulados; ella fica sbitamente
immovel, com os olhos entreabertos, muito
branca, sem respiracao.
Eugenio solta um grande grito, um s,
e cahe ao p do leito de joelhos, soldan-
do como um doudo.
A esse grito de supremo desespero, a
Sra. Laminois sobe precipitadamente a es-
cada.
NSo tem necessidade de fallar, de pe-
dir explicac3es... desgracadamente !...
A parteira conhece aquellas attitudes,
aquellas physionomias immoveis... aquella
pallidez de cera araarella !....
Levanta inmediatamente nos bracos a
orphazinha e toca no hombro de Eugenio
O senhor pai! disse ella muito
meigamente. Estou certa de que a mor-
ta recommendou-lhe que pensasse antes
de tudo na crianca.
Elle levanta-se estupido de dor.
O que preciso fazer? pergunta.
Nao deixar-se assim dominar pela
dr. Nao poderia mais trabalhar, e pre-
ciso pensar agera nos mezes de amamen-
tacfo!
Urna hora, duas, tres horas, elle con-
servou-se alli, sentado a um canto, com a
pequea sobre os joelhos, vendo, semeom-
prehender cousa alguma, andarem de um
lado para outro no pobre quarto, outr'ora
tao alegre, tSo asseiado e agora cheio de
todas as lgubres cousas que rodeiam a
a morte, as pessoas que se oceupavam da
infeliz suecumbida.
Via a Sra. Sureau e a parteira fazerem
pobre marta a suprema toilette, irem
procurar no armario o lennol que devia
envolvel-a, e assistio ajtodos esses prepa-
rativos estupido de dor, sem comprehen-
del-os.
A Sra. Sureau trouxera leite em urna
mamadeira; tiraram-lhe a cnancinha, dos
bracos para dar-Ihe de beber.
Ella sugava admiravelmente o leite sem
Doce secco de caj su-
perior
Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
p/eco commodo ; na ra do Bom Jess n. 35,
armazem. v
Cimento Portland
Vendem Soares de Amaral Irmaos, ra da
Madre de Oeus n. 22.
Vende-se
o hotel do Beberibe com todos seus pertenees
a tratar no mesmo.
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
guezes em geral que recebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por precos mais resumidos em vista
da continuacb do cambio favoravel.
Convem que experimentem. ?
48 BA DO BABAO DA VICTOBIA 48
S naloja das Estrellas
56 RIA DUQUE DE CAXIAS-56
Telephone n. SAO
O proprietario deste mui acreditado estabeleci-
mento previne a todas as Exmas. familias
e freguezes em geral, que as muitas pe-
chinchas que costuma fazer, nao sSo mais
dividida* com a sua ex-casa das LISTRAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos que em outra qualquer parte dirja-
se LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trara um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
sos que nao lhe podem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 1(5800 a 1000.
Dito de cores a l& e 1)5300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a 1(J600.
Briin de cores para ronpa de crianjas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 105 por 5t5O0O.
Cortinados bordados a 5# e 60000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 4# e 40500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 70000.
Cretones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 20800 a peca.
Camisas inglezas para homens a 280000
a duzia. ^xUUfc
Collarinhos, punhos e abertura de cel-
luloid, um ^ompleto, por 20500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 100, 150 e 200000.
Casacos Jersey a 20500, 30, 40 e 50.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 10200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 10100 a jarda.
EsguiSo de linho, pardo, a240e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 50600.
Espartilhos couraca a 30 e 30500.
Fichus a 500, 10 e 10200.
Fustao branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos veos de Blond
a 70000.
Gruarnicoes de crochet para sof, a 50500.
Gorgorao preto de seda a 10800.
Guardanapos de linho de 30500 por 20
a duzia.
Leques de fantasia a 400 rs.
Lencos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 10000,
10500, 20 e 20500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
MadapolSo pelle de ovo, muito fino, a
60000 e americano, com um metro de lar-
guro, de pre$o de 120 por 70090. *
Dito de 80 por 50000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Eendas hespanholas a 10600, 10800,
20500 e 30000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs.
Dito de quadros, ultima novidade, a 10.
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpudas a 20500
e 30000 a duzia.
Ditas para banho a 800 e 10200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos 20 [0 do que em qualquer utra
parte. _______________
Vinho de pasto
O que ha de melhor, vende-se pelo mdico
prego de 3>*"00 o barril de quinto c 9*000 o
garrafao de tres caadas, voltando o garrafao
7500 (precos lquidos) : ra do Amorim du-
mcro 60. _
fazer-se rogada, quasi com gulodice, como
urna creatura que quer viver.
Depois, de repente, sokou um grito,
um vagido... talvez de dor, talvez de
desgosto, porque a mamadeira estava va-
sia.
Mas a esse grito o corceo do operario
estremecen.
Elle sentio-se commovido at o intimo
d'alma.
O espirito maternal da morta, que nao
tivera tempo ainda de deixar o quarto, e
fluctuara sem duvida no meio daquelles a
quem havia amado, teria passado para o
corpo de Eugenio ?
O que tem ella ? perguntou elle
muito ancioso.
Nada, respondeu a Sra. Laminois
em voz baixa. Est soberba.
Mas Eugenio despertou do seu sonho de
estupor e de desespero.
Os seus olhares erram pelo quarto, Iem-
bra-se dp que acaba de passar-se, v Pau-
lina estendida no leito mortuario, muito
branca sob o frouxo claro das velas acce-
sas sobre a mesa de cabecefra, com as
mSos cruzadas no peito, aquellas "pobres
maos de morta, j paludas e diaphanas,
que se^uram o pequeo crucifixo de ma-
deira, que enterrarao com ella...
Elle ergue-se sombro, desvairado...
. As lagrimas o estrangulam...
NSo quer chorar na presenca daquellas
mulheres, estranhas para elle !...
Deixem-me, disse -lhes. Quero- velal-a
ssinho.
Ssinho ? repetio a boa Sra. Sureau;
o seu desespero havia de ser insupporta-
vel, meu pobre homem. A Sra. Laminois
vai voltar para Montmartre, onde tem que
fazer. Eu j preveai em casa de que nSo
voltaria. Ficarei fazendo-lhe companhia.
NSo, obrigado, a senhora tem filhos.
NSo quero.
Sureau tomar conta delles. Est
aco8tumada... E preciso alguem aqui
que de leite pequea. NSo cousa que
um homem faga.
Eu farei, hei de saber... Supplico-
lhe, deixe-me!
Mais baixo, com lagrimas nos olhos, ae-
crescenta:
Preciso fallar com ella !... Quem
sabe ?... quando estiver s com a minha
Paulina, talvez ella me responda!
Amanda, quesera dotada de extrema
delicadeza de sentimentos, coinprehendeu
o desejo do operario.
DeixemoU.0, disse ella Sra. Su-
reau ; voltaremos ainanhS de manhS muito
cedo. Irei fazer na mairie as duas decla-
racoes : de aascimento e de morte; a se-
VES FASA CSSa
Ra Duque de Caxias n. 198
Vende-se bordados de cambraia fapsfe
de 2 1[2 e 4 metros e urna chave Js lar-
gura a 500, 600, 800 e 10, muito fia,*
qualquer largura a 10400, e de fwtt, 4d
700 a 10800'a pe$a.
Enxovaes para baptisados a 80,
120000.
Lindos enfeites para penteadoe *
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpos para segurar c;
Benda hespanhola a 20500 o covafa.
Pulseiras americanas para 30, 4(L Av
60 e 80000 o par.
Guarn55es americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 e 60098.
Porta dedaes de vidro, objecto par as-
sente a 10000.
Broches de fantasia de 500 a 109JBL
dem americanos de 20 a 30000.
Lencos de seda de 500 rs. a 103J8L
Lblaque a 200 rs. o par.
GuarnicJJes de crochet, sendo i
sof e 4 para cadeiras por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno *
com finos veos.
Flores artificiaos a 10000 o rama.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
- 'Luvas de seda arrendadas e bidtt4u|
a 2020500 o par.
Bicos brancos de linho e de cSee* .*
20500 e 30000 a peca.
Contas de cor para enfeitar verffluMC
700 rs., e pretas a 600 rs. o masse-
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noivs.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento cok
80000.
Talheres para crianca a 800 re.
Luvas de pellica a 20500 rs. o pas.
Linhas de cores para crochet a Z088B
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 5Q3.s.
10000.
Espelhos com fina moldura, com funaaMr
mos ae comprimento, a 40000 e caza a.
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro mkuu
gas.
Lindas franjas douradas para faebB,4b
seda preta e de cores, sem e coja fc
Ihos.
i
C

nhora trate da pequea e do pobre homem
que est bem desesperado.
Betiraram-se : e eUe, todo entregue a sua
dor, mergulhou-se no7amente no seu des-
espero e as suas recordaeBes, satisfeito
por achar-se s com aquella que am car-
regar-lhe para sempre.
Mas o infeliz nSo pode ficar por muito
tempo sentado, sufibeava.
Andou primeiro de um para outro la-
do.
Depois voltava instinctivamente para o
leito fnebre, em que achava-se estendido
o seu "bom anjo da guarda, como elle
chamava Paulina, raudo para sempre.
Mas seria possivel que nunca mais ella
fallasse ?
EntSo era mesmo verdade que elle es-
tava s para sempre V
O que seria delle ?
E pz-se a pensar na sua vida passada,
nos seus amores, desgracadamente tao
curtos, com aquella que nunca mais des-
pertara do grande somno sem sonhos em
que acaba va de ser mergulhada pela mais
implacavel das fatalidades.
Viu-a mocinha operara tSo honesta, tao
pura, tao boa, tao trabalhadora.
OrphS desde muito crianca, havia sido
recomida por visinhos, que a tinham ama-
do, educado, criado por caridade.
Urna dama rica da ra Bamey, em
Montmayeur, dava-lhe os seus vestidos
usados nao em muito bom estadomas
que ella fazia durar muito tempo, tSo ca-
ridosa era.
la casa das irmSs de Clignancourt,
comendo na visinhan^a, ora em casa de
urna porteir, ora em casa de outra, dor-
mindo n'uma pequea mansarda, onde
morrera sua mai, urna boa creaturaj como
ella, e que lhe ~haviam deixado por cari-
dade.
E, logo depois da sua primeira commu-
nhSo, quizera adoptar a profissSo de sua
mal e entrara como dobradora de jornaes
n'uma typographia.
Ahi, ao cabo de alguns annos encontra-
ra Eugenio empregado na mesma casa co-
mo machinista.
Ella era muito pequea, muito frapzina,
mas nao obstante elle ficou mpressonado
com a extraordinaria energa que brilha-
va-lhe nos grandes olhos, a sua nica bel-
leza, mas soberbos como nenhuns outros,
j pensativos, ternos e bons !...
Elle quizera fazer-lhe a corto, acompa-
nhal-a quando ella voltasse para casa, pro-
por-lhe a sua companhia aos domingos.
Como ella o repelUra,*defendendo se ho-
nestamente, valorosamente !.. .
__E a sua reputacSo !... Havia de ser
muito bonito que falassem della, que a
TimSbsnho8 enfeitados de bico e i
PARA O CARWAVAL
Agua Florida e agua le
Orea a 500 rs. a garrafa.
Wlltlf .
Roya! Blond marea \ IAM
Este excellente Whisky Escoce* i
ferivel ao cognac ou agurdente de
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores
zens de molhados.
Pede Rojal Blend marca
cujo nome e emblema sao registeadoc
todo Brazil.
BBOWNS & C, agenten.
NOVIDADS" v)
FAZENDAS PRATEAMS
m vsstisos psastasiad
Aos bailes? do carnaval
\os Clubs internacional. Carine
Gome* e Jeventude
VENDE A
Loja das Listras zoes
BA DUQUE DE CAXIAS SLffi
D-se amostras.

suspeifassem, ella, a filha de todos do Se-
gar !... Oh nao !...
E a impressSo sentida pelo operar ss-
crudescera, desenvolvera-se, aprofua&s-
se um dia em que ella o reprehender
Na vespera elle havia-se embriagis
Paulina, que o encontrara, envergoofajsan
no dia seguinte.
O que quer, dissera-lhe elle, al So-
nho tambem ninguem mais no mundo, am
como os cSes sem domno, que fase a-
neiras, porque ninguem os ama. J'aex
quem quer a senhora que eu trbame, eu me prive, que economise, se n3a s^
nho um nico prente ?...
Para a familia que ha d vir-Sr
mais tarde.
Nunca, visto que a senhora nSo
saber de mim...
O rosto cobrira-se-lbe de rubor, e,"
do-o muito commovido, ella responda*;
Corrija-se ; depois veremos.
Por amor della, elle abandonara eafib
as bebidas, o* jogo, a frequencia des ca-
fs e das tascas e tornara8e um operan
modelo.
Como tinha sido feliz naquella poeal
O seu casamento fora decidido, porq*a
ella tinha confianza.
Paulina admittira Eugenio na peqTMBt
mansarda, onde at alli nunca puzera as
ps.
E o seu amor augmentava, veudo-a.
perto de si.
Como ella era ajuizada, razoavel,
nomica, vivmido de quasi nada com os ivms
sidos de leite que constituiam-lhe e aB-
mento de quasi todo o dia; levando ciaa
para casa brochuras para dobrar, em ves '
de ir passear e divertir-se como a
tras! ...
Tambem que bonita mobiliazinha i
prara ella quando casaram-se !., .
E como Eugenio ficava orgulhoso qaa-
do a levava casa algum amigo depois im
noivado!
Elle ganhava bom salario, que lena
entao fielmente para casa; Paulina ft-
zera viva fora continuar na sua prefe-
sSo ; mas depois da dobragem do )oteA
achava tempo sufficiente para coser e
mendar a roupa do marido, manter a e
no asseio meticuloso que era o seu
preparad- boas refeigSes substanciaos, o
stituir emfim para Eugenio, ama vida1"
calma, mais feliz, mais cheia de 'oj
do que elle nunca havi a sonhado-
Que ventara, que intimidade, i
gria nSo era entao a do pequeo lar.-
V Continuarse
%
i
r
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFUYHCPIF_N2D6S9 INGEST_TIME 2014-05-22T23:37:01Z PACKAGE AA00011611_17453
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES