Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17450


This item is only available as the following downloads:


Full Text
1 .1
----- NUMERO 39
y*MQ-mm-*-*m..... i
PAR 1 A CAPITAL JE LIGARE!* 0\l>i: YA SE PACA PORTE
Por tres mezes adiantados.........'....'.. 63000
Por seis ditos idem................. 12(JO0O
Por um anno idem..............j 230000
Cada numero avulso, do mesmo dia......' .. 100
WKD0 16 DE FEVEREIRO
aa
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
'
Por seis mezes adiantados........'......
Por nove ditos idem............, .
Porum anno idem. ............
Cada numero avulso, de dias anteriores ...........
I
13*500
200000
270000
0100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Tropriedade de Marwel 3%gurca de Ufara # S*iD)os
-
Os Srs. Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex
elusivos de annuncios
epublicapoes na Fran-
ge Inglaterra.
TELEGRAMMAS
sesvijo
li A&SITCXA iui
LONDRES, 14 de Fevereiro.
Abundantes neves estao cahindo em toda
a Europa.
Na maior parte das reg3es as commu-
cacSes estao totalmente interrompidas.
PARS, 14 de Fevereiro.
-, O Senado adoptou por urna grande maio-
ria o projecto de lei relativo ao restabele-
clmento da votaco por escrutiuio de cir-
eumscripcao.
Nenhuma elei^So parcial ter mais lugar
at as eleigoes legislativa? geiaca ^ue de-
vem realizar-se brevemente.
A Cmara dos Deputados na sua sessao
de hoje adoptou por 307 votos contra 218
urna proposta concernente ao adiamento da
discussao da revisSo da ConstituicXo.
Em sentida a esta votaco da Cmara o
ministerio pedio a sua demissSo collec-
tiva.
' PARS, 15 de Fevereiro.
O Comit republicano nacional acaba de
publicar urna carta-manifest na qual de-
clara que o general Boulanger e seus parti-
darios votaram contra a discussao imme-
diata do projecto de revisan da Constitu,
gao, visto considerarem este projecto urna
verdadeira comedia do ministerio Floquet.
PARS, 15 de Fevereiro.
Pensa-se geralmente que a crise do mi-
nisterio vai precipitar a dissolucoo d a
actual Cmara dos Deputados.
i
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
15 de Fevereiro, de 1889.
IRSTRDCgiO POPULAR
AS GRANDES HYPfQHS
ANTIGS K MODERNAS
Scisncias.
AS
iniustas e artes
POR
2a2S PH237XKR
A IiiiMila
(Continuagao)
A trra pode ser considerada como um imn
de dimenses colossaes. porque proJuz. actuan-
do sobre os diferentes corpos magnticos, todos
os phenomeno?, que se observam na accao reci-
proca que os imana exercem uns sobre os outros.
Se urna agulha magnetisada, livremente suspen-
sa e movivel sobre um eixo. se dirige constante-
mente para o norte, isto sofTre da parte do
globo terrestre urna atlracffio sempre no mesmo
sentido, a razo porque o globo obrando, como
de ordinario os imans, attrahe um dos polos des-
ta agulha para o seu proprio polo de norae con-
trario : um dcstes imans a trra ; ,o outro a
agulha magnetisada de que fallamos.
A trra, como todos os imans naturaes ou arti-
ficiaos, apresennta dous polos quegozam depro-
Sropriedades oppostas, e una inha neutra,
bserva-se, como em todos os outros imans, que
a attracgo magntica da trra maior as suas
duas extremidades ou polos, e quasi nulla no
seu centro de figura, isto no equador. Com ef-
feito a acco magntica da trra cresce pro-
pongo que se lr caBiinhando para qualquer dos
polos terrestres, e quasi nulla no equador.
Em summa. os phenomenos que apresenta a
agulha magntica explicam se fcilmente se se
considerar o nossb globo como um immenso
imn cojos polos coincidam com os polos terres-
tres, c cuja inha neutra seja o equador.
(Contina)
PARTE OFFICIAL
Ciorerno da Provincia
EDIKNTB DO DIA 6 DE KEVERE1R0 DE 1889
Actos:
O presidente da provincia resolve promo-
ver o 1 official da q da secretaria da
presidencia, flementino Philomcno Hetmanes
ouaa-, ao cargo de-rhefe da i cao
fallccimcnto do hachare! Hearique Af-
iranda Leal.
dcn'e da provincia resobre prorho-
retaria 1a
achare! Chrislmo BreCkenfeld
cargo de 1* da i' secgo da
Tetara.
e viuda resol ye promo-
iro da secretaria na pre-
sidencia Antonio Fernandes da Silveira Carva-
Iho ao cargo de 2a official da 3* secgo da mesma
secretaria.
O presidente da provincia resolve nomear
Joo Ignacio Cabral de Vasconcellos pare exer-
cer o cargo de audante do porteiro da secreta-
ria da presidencia
O presdeme.da provincia resolve nomear
o 2* official da secretaria da presidencia, Mandel
Machado da Silva Santiago para servir o lugar
lie Io official da mesma seccao durante o impe-
dimento do fuuccionario effectivo.
O presidente da provincia resolve nomear
Manoel Joaquim da Silveira Sobrirhp para exer-
xeoo cargo de 3o official da 4' seccao da secre-
taria da presdetela durante o impedimento do
funecionario effectivo.
O presidente da provincia, em execuefio
da lei d. 2,303 de 10 de Setembro de 1873, re-
solve nomear Joo Baptista do Espinto Santo
para o posto de lente da 3* compauhia do' 10
batalhao do servico da reserva da guarda naci
nalfla comarca de Pao d'Alho.Gommunicou-se
ao commandante superior.
O presidente da provincia, de conformida-
dc com a le n. 8,393 de )0 de Setembro de 1873,
resolve nomear Jos Gomes de Moura para o
posto de capjiio da 8* companhia do 39 bata-
lhao de infantaria da guarda nacional das co-
marcas de Taq aretinga e Bom-Jardim e Li-
moeiro. Communicou-se ao commandante su-
perior.
O presidente da provincia, de conformida-
de com a lei n. 2.393 de 10 de Setembro de 1873,
resolve nomear Vicente Ferreira Goncalves para
o posto de alteres do 39" batalhao de infantaria
da guarda nacional das comarcas de Taquare-
tinga, Rom-Jardim Limoeiro, em substituido
do alferas Adolpho de Oliveira Coelho que mu-
dou de residencia.Goramunicou-se ao comman-
dante superior.
O presideute da provincia, tendq em vista
o officio do inspector do Thesouro de hOnte 5
datado, n Humeado por portara de 26 de Dezembro do
anno passado para o cargo de escrivo da colle-
ctoria provincial do municipio de Panellas, cha-
ma-se Dinamcrico Glodoaldo de Oliveira Quima-
ries e nao Dinamerico de Oliveira Guimares,
como por engao veio mencionado na respecti-
va proposta.Remclteu-si' copia ao inspector do
Thesouro Provincial.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Luiz Felippe de Carvallio, profes-
sor publico de ensino primario da Varzea, e ten-
do em vista a informaco n. 42 de 4 do corrente
mez do inspector geral da Intruccao Publica
resolve conceder ao peticionario a gratilicago
de mrito de que trata o art. 125 do regulamen-
to de 18 de Janeiro de 1888, visto contar mais
de 13 annos de effectivo exercicio no magisterio
publico.
O presidente da provincia attendendo ao
que requereu Rosalina Olympia Bezerra de Mel-
lo, professora de ensino primario da Ia cadeira
do sexo feminino, na cidade de Caruar, e teu-
do em vista a ioforinacao n. 41, de 4 do corren-
te mez, do inspector geral da instrucgopubli
ca, resolve conceder peticionaria a gratincaco
de mrito, de que trata o artigo 123 do regula-
mento de 18 de Janeiro de 1888, visto havntpao-
vado contar mais de 13 annos de effectivo exer-
cicio no magisterio publico.Gommunicou-se ao
inspector geral da instruego publica.
Oflicios :
Ao Dr. chele de polica interino.Declaro
a V. S. em resposta ao seu officio n. 127, de hon-
tem datado, que existindo 23 pracas na comar-
ca de Panellas, conforme consta do ultimo map-
pa do commandante do corpo de policia, pode o
respectivo delegado attender com ellas a qual-
quer requisicao das autoridades c moradores do
povoado de S. Benedieto.
Ao inspector da Tnesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S., de conformidade com o avi-
so de 30 de Janeiro ultimo, que o ministerio da
agricultura, commercio e obras publicas, solici-
tou do da fazenda, em 26 do dito mez a expedi-
co de ordem para que nessa Thesouraria seja
posto com urgencia disposicao desta presi-
dencia o crdito de 4:400i000 para occorrer a
despeza com a impresso de 20 mil cxemplares
da carta corographica desta provincia. Com-
municou-se ao inspector especial de trras e co-
lonisacSo nesta provincia.
Ao mesmo.tommunico a V. S., para os
(ins convenientes, que o juiz de direi'o da vara
do commercio da comarca desta capital, bacha-
rel Thomaz Garcez Prannos Montenegro, reas-
sumio hoje o exercicio de seu cargo, renuncian-
do ao reso da licenca com que se achava para
tratar de sua sade.
Ao mesmo. -Gommunico a V. S. para os
fins convenientes que Francisco Jos de Souza,
em tO de Janeiro lindo, assumio o exercicio do
cargo de promotor publico interino da comarca
do Brejo, para o qual foi na mesma data Hornea-
do pelo respectivo juiz de dirtito.
Ao mesmo. Transmiti a V. S. para os
fins convenientes copia do officio de 1 do cor-
rente mez, relativo ao exercicio do juiz substi-
tuto d comarca de Palmares.
Ao mesmo Deferindo o requerimento,
junto por copia sobre que versa a infonnaco de
V. S., de hontem datado, n. 73, do Barao de Se-
riiihaem, gerente da empreza da estrada de fer-
ro de Ribeirao ao Bonito, recommendo a V. S.
que providencie no sentido de ser attendido o
suppcante ; devendo ser assignado o respecti-
vo termo de responsabilidade pela importancia
dos impostos, afliu de ser satisfeita no caso de
que o governo imperial, a quem submetto a pre-
sente deliberacao, assim o determine.
Ao director dj Arsenal de guerraResti-
tuindo o incluso requerimento e mais papis de
Sopliia Antonia do Espirito Santo, que acompa-
nharain o officio desea dir clona de 4 Jo cor-
rente sob n. 321, autoriso V. S. a mandar alistar
na companhia de uprendizes artfices desse Ar-
senal, quando houver vaga, o menor de nome Va-
lentn), tildo da peticionaria, uina vez que se
ache elle as condicdes dos arts. 163 e 166 do
regulamento de 19 de Outubro de 1872.
Ao mesmoAutoriso V. S. a mandar alis
tar na companhia de apreodixes artfices qu;ndo
houver vaga, o menor Izaias, lilho de Fehcidade
Perpetua, visto ai liarse elle as condices dos
art. 163 e 166 do regulamento de 19 de Outubro
de 1872, segundo consta de oflicio.dessa direc-
tora de 4 do corrente sob o. 320.
Devolvo o requerimeDto e mais papis que
acompanharam o citado officio.
Ao commandante do corpo de policia.Ao
Dr. chele do polica interino mande Vrac. apre-
sentar com urgencia duas pracas aui de con-
duzirem para o termo de Palmares o criminoso
Antonio Francisco >io Carino que tem de ser alli
sobmettido a julgaraento. Communicou-se ao
Dr. Cbele de polica.
Ao Dr. juiz *! direito da coatarea dcTa-
quareiiiua. Gmvp.y .me Vmc. ventique, em
v-i,, is juntas, si u individuo
i .i r, it-i.i le f\ >re%cofi o nome
f. : i < ne-mo i|ue inter w
recuro Je graca miu o reir d.i Silva
: cuiiJeiiina lu ii i
paca
eff

Liin p or 11 mente
Taquaiv {*.
ovidoncie para que me
so, e
ao do juiz da c
ii He que o ivit substituida no
carj; ,e pivjejluam os aviso? do Minis-
^eri de 28 de Juolio de
le 1886, sob ns. 287 e 63.
Portaras :
O Sr. agente da Companhia Brasileira de
Navegacao faca transportar provincia do Ceara,
por conta do Ministerio da Guerra, os ex-solda-
dos Antonio Florentino Cavalcante e Ravtmindo
de Souza Lima, os quaes temi obtido baixa do
servico do exercito o primeiro a 2 e o ultimo a
23 de Janeiro lindo, recolhem-se aquella provin-
cia, d'onde sao naturaes.
ao ex-soldado Souza Lima acompanha sua
mulher de nme Joaquina Mara de Lima.Com-
municou-se ao brigadeiro commandante das ar-
mas.
O Sr. agente da Companhia de Navegacao
d passagem para a Parahyba, por conta dessa
provincia, ao 1" cadete do 14" baja^haoJiJgjf,^
taria Miguel Archanjo Pogfri
para all segu requisicao jfJJffce-pfSsidente
da mesma provincia.Ofuciou-se ao brigadeiro
commandante das armas.
O Sr. gerente da Companhia Pernambuca-
na de Navegacao mande dar passagem de proa
at Fortaleza, no pnmeiro vapor qoe seguir
para os portos do norte, a Bento, preto, por con-
ta das gratuitas a que o governo tem direito.
O Sr. gerente da Companhia Pernambuca
na de Navegacao mande dar passagem de r at
Penedo, no pnmeiro vapor que seguir para os
portos do sul a Joo de Souza Dias, por conta
das gratuitas a que o governo tem direito, pro-
videnciando sobre a volta do jnesmo, opporiu-
namente.
O Sr- superintendente da strada de ferro
do Recife ao S. Francisco d pabsagem da esta-
go das Cinco Vontas at a de Palmares, por con-
ta da provincia, a duas pracas do corpo de poli-
cia e ao criminoso Antonio Francisco do Carmo.
EXPEDIENTE DO DB. SECRETARIO
Oflicios :
Aos agentes da Companhia Brasileira de
Navegacao a Vapor. De ordem do Exm. Sr.
presidente da provincia aecuso o recebimento
do officio em que Vv. Ss. participam que o va-
pcf ulsramhao, chegado dos portos do sul hoje,
s 8 horas fla manos, .e seguir para os do nor-
te amanh, s 5 da tard" Coismuaicou-se
secretaria da agricultura.
Ao inspector do Thesouro Provincial. 0
Exm. Sr. presidente da provincia manda com-
municar a V. S., que secundo participaco em
oflicio.de 30 de Janeiro ultimo, o bacharel Luiz
Zacharias de Luna passou nessa data o exerci-
cio do cargo de ajudante do procurador Jdos fei-
tos da fazenda provincial no municipio do Bre-
jo ao respectivo collector, visto ter de seguir
para a cidade de Caruar, afim de assumir o
exercicio do cargo de juiz municipal.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 14 DE
FEVEREIRO DE 1889
Amelia Elisa Ramos e Silva.Informe o Sr.
inspector geral da Instrueco Publica.
Albino Fernandes & CDeferido.
Austricliniano Couto Ponce de Leod.Concedo
sem vencimentos, de accordo com a informaran
do Thesouro Provincial.
Abaixo assinado de moradores em Jaboato.
Encaminhe-se.*
Francisco dos Santos Neves.Ao inventariante
que competerequerer o recebimento dos orde-.
nados. _
Tenentc Joaqnim Jos de Barros c SifvfTComo
requer vista da infonnaco.
Jos Antonio da Motta Guimares.Informe o
Sr. inspector da Thesouraria de Fazenda.
Martmho Joo Torres Rolim. -Justifico.
Superintendencia da estrada de ferro do Recife
ao S. Francisco.Aguarde crdito.
Theobaldo Pinto Teixeira Filho. Concedo 30
dias.
Victorino Antonio de Alcntara.Concedo.
te^ ao conteBfcioso para que se officie ao
jobo dos fe tos para dar baixa nos dbi-
tos Mra alli remettidos.
Francisco da Silva Miranda. Hoja vista
o Sr. I)r. procurador fiscal.
Bartnolomeu & C. Succegeores.Ao
contteciqSo para os devidos fins.
JB Jos de Araujo. Informe o Sr.
Dr. adraiqMlrador da Recebedoria Provin-
INTERIOR
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 15 de Fevereiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartlfo da Polilla
2.* seccSo.N. 171Secretaria da Po-
licia de Pernambuco, 15 de Fevereiro de
1889. Ilim. e Exm. Sr. Participo
V. Exc. que foram bontem recomidos a
Casa de Detengao os seguintes individuos :
A' ordem do Dr delegado do 1* districto da
capital, Mara Emilia da Silva Braga, presa em
flagrante por crime de ferimentos.
A* ordem do subdelegado da freguezia de San-
to Antonio, Joo Jos de Sant'Anna, Milito Bas-
tos Correia da Cunha. por disturbios; e Joanna
Eugenia da Gonceico, por offensas moral pu-
blica.
A' ordem do da freguezia do Recife, Damio
Flix dos Santos e Joo da Costa, como vaga-
bundos.
A' ordem do do 1* districto da freguezia de S.
Jos, Felippa Maria da ConceicSo, Antonio Fer-
nandes Vianna e Anacleto Jos da Cruz, ^>or em-
briaguez e disturbios.
A' ordem do do 2o districto da freguezia da
Boa-Vista, Olympio de Seuza e S, por distur-
bios e uso de armas defesa.
O Dr. Delegado do Io districto da capitat com-
raunicou-me que hontem, pelas 5 e 1/2 horas da
tarde, em frente Pharmacia Central sita ra
do Imperador, Maria Emilia da Silva Braga, tra-
vando-se de razes com Antonia Vicencia do
Espirito Santo, dellas resultou sahir esta ferida
com uma facada, sendo a delinquente presa em
flagrante pelo pharmaceutico Jos Francisco
Bittencourt e Joaquim Teixeira Peixoto, que ap-
prehenderara tambem a faca com que commetteu
o crime.
Aquella autoridade, tomando conhecimento do
facto, fez Iavrar o termo de flagrancia e mandou
transportar a offendida para o hospital Pedro II
onde foi viste-riada pelos mdicos da policia.
Abri se o competente inquerito.
l'articipo-me o delegado do termo de Taca-
rat, que no dia 2 do corrente, pelas 10 horas
da inaiiha. no lugar Logradouro daquelle termo,
Joaquim Vieira dos Santos, assassinou com uma
facada a Flix Vieira da Graca, evadindo-se em
seguida.
0 delegado tomou conhecimento do facto, abri
o competente inquerito e diligenciou a captura
do criminoso.
Em vista do officio de hoje, do Dr. delegado
do 1 districto da capital, participo a V. Exc,
em adilitaniento minha parte diaria de 12 do
corrente, que o ferimento que soffreu Aprigio
Ferreira da Costa, foi considerado leve pelo Dr.
Jos Joaquim de Souza, e nao grave como, por
engao, foi declarado naquella parte diana.
Deus guarde a V. Exc.lllm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
des, multo digno presidente da provin-
cia. O chefe de policia interino, Daro
('iivilcante do Reg Albuquerquc.
--------------^-------------
Thesouro Provincial
DESPACHO? DO DA 14 DE FEVEREIRO DE
1*889
Gregorio Targino Accioly, Amaro Joa-
quim dt) Espirito Santo*, Joaquim de Sou-
za ilonteiro, Jos Cordeiro ans Santos.
Informe o Sr. Dr. contador.
Jos Firmino Ribeiro. Pagde-se.
Francisco Furtado de Mendoza.Vol-
A Semana
(Jornal do Commercio, da cortey
3 de Fevereiro de 1889.
Discernir no meto do conjuncto e por entre
a validado dos acontecimentos, a idea dominan-
te, a nota caracteristica, a feico, emlim> de uma
quadra mais ou menos tongaquer seja um anno
quer uma semana nao certamente fcil ta-
refa. Cresce todava a difficuldade quando a
situaco e o estado dos espiritos nao se dese-
nliam com suffiente nitidez porjque nao o per-
mitiera as diversas circumsttfncias que consti-
tuem o ambiente social.
Assim, na natureza physica, quando o sol vai-
se immergindo no horisonte, depois de longo
dia que animara com sua luz, seu calor e sua
accao permanente, o espaco e todos os objectos
nelle comidos, revestem um tom indeciso e apre-
sentam formas um tanto vagas.
Mas o espirito humano, que anecia por saber,
nao se compraz na incerteza, procura, indaga,
prescruta, e aceita satisfeito verdades ou boatos,
com tanto que a curiosidade se alimente.
Correram com insistencia e generalisaram-se
nesta sTntC! s boatos de que ia ser convocada
uma sesso cxtrart&naria da Assembla Geral
e que se trata va de nova'VhS^rem do chefe do Es-
tado. "* .
Tudo quanto podemos saber nos. leva a acre-
ditar que taes boatos carecem de ftoJamento.
O estado de sade do Imperador, se ncr-A.per-
feto, qual o desejra a veneraco e affecto oVq
povo beazileiro, entretanto aquelle que se po-
derla razoavelmente esperar depois de uma
tonga existencia desprendida sem medida e sem
preoecupago em favor do interesse publico;
depois de uma crise fortissima de persistente
molestia, mas, acreditamos, ainda a mesma in-
telligencia clara e Ilustrada acompanha o des-
envolvimento dos successos, ainda a mesma
mo bondosa, amostrada e prudente dirige os
destinos da patria. Se das infonnages co-
lindas isto resulta, nada ha na actualidade que
aconsdbe nova excurso do chefe do Estado fra
do paiz.
A reuaio extraordinaria da Assemblta Ge-
ra| s poder ser determinada pela necessidade
d?ITv*idecc4s urgentes, do carcter excepcio
Prestada homenagem devida aos que, vencidos
pela morte, cahem lastimados pela estima geral
voltemo-nos para aquellos que estendem mo
compassiva aos desgracados. Por iniciativa de
dous ou tres homens de coracao, foi creado ha
pouco nesta capital um abrigo para os infelizes
que. noite nao tem onde encontrem repouso
para o corpo fatigado da luta diaria. 0 alber-
gue nocturno abno as portas a esses miseros que
concorreram em numero maior do que se pede-
ra suppor. Ja por isso a utilissima instituicao
luta com embaracos ; para auxilial-a" acaba de
ser iniciada modesta associaco que vai encon-
trando no povo o merecido acolhimento. A nossa
irece ter compreeudido que insti-
ga dos albraoes-nocturnos dc-
vem SeT eicnBrvameijfe p o pul a rea, jjprqnfr* ca,-
ridade uma virtude Individual. ^WbTSO One-
roso, como pode parecer primeira vista, o cus-"
teio dessas casas de abrigo. A esmola deixada
ua mo do mendigo das ras raramente apro-
veita mesmo a um s individuo ; mas o bolo
entregue uma corporaco beneficente multi-
plicare milagrosamente pela associaco e serve
para alliviar a miseria de muitos. Assim se
desenvolva a associaco auxiliadora dos alber-
gues ni cturnos, afim de que nao se tornera es-
tas instituices em nova repartico publica com
verba no orcamento.
Nao se prende intimamente ao orcamento o
decreto recenteraente expedido peto Sr. ministro
da fazenda mandando estabelccer para a cobran-
ca dos direitos de importaco as alfandegas
uma escala movel que acorananhar, em razo
determinada, a alta do cambio sobre Londres
cima da taxa de 22 1/2 d.
Com effeito, este decreto expedido para exe-
cuco de uma resoluco legislativa contida na
lei do orcamento vigente, tem mais carcter eco-
nmico do que fiscal. O expediente da escala
movel nao nos parece o mais adoptavel porque,
como j tivemos occasio de dizer, introduz mais
um elemento de incerteza nos clculos commer-
ciaes. Reconhecida, pqrm, a necessidade ou
conveniencia da elevaco dos direitos sobre al
g^uraas mercadorias, preferamos que ella fosse
hxa e nao variavel com as fluctuacOes do cam-
bio.
Tendo de dar execuco le o Sr. ministro da
fazenda, cumpre dizel-o, mostrou-se discreto e
moderado na dotonniriaeo dos artigos que su-
jeitou tabella movel, nao se deixando amistar
por um proteccionismo exagerado e intoleravel.
Felizmente ludo ndica, que conservaremos
ainda por longos espado o cambio estavel. O
.ihesour5\\fn constantemente amortisado a di
vida >'iUetuanfe\que est muito reduzida, e os
saldos sua disptgsico parece que o habilitam
a manter-sc ainda plvjnuito terapo affastado do
mercado como tomador" dV-arabiaes.
Que essas lisongeiras esperaV^33 s"~J"';alizera
o nosso mais sincero desejo. '"" -v,.
AMOR E MNHEIRO
POR
nal. Nao sabemos quaes ellas sejam neste mo- iYaS31 CHAHlTAILa
ment.
E' incontestavel que entramos em um periodo
importante da nossa vida, periodo que a histo-
ria denominar talvez o da reconstrueco nacio-
nal ; mas esta grande obra, se requer vistas
largas e pulso firme nos que tem de dirigil-a,
exige, como condico impescindivel, a acco
poderosa do tetnpo. Os homens podem fazer
revolucoes, temporacs passageiros que so des-
troem; a evoluco, porem, a transformaco dos
usos e rgimen de um povo, a reediticaco de
uma sociedade s se realiza por successivas e
lentas modificaces- Nem por isto deixa de ser
diflicil a m'issao dos homens de Estado que tem
de acompanhar o traballio da reconstrueco ;
mas o seu maior mrito consiste em contrariar o
movimento natural da evoluco social, apenas
desenvolvendo as instituices existentesaccom-
modando-as s novas condices.
Felizmente as nossas instituiges tem tanta fle-
xibilidade, que podem,' sem abalos violentos,
prestar-se satisfacao das mais largas aspira-
Ses de um grande povo que ame a liberdade e
dola seja digno. Escassa populaco espalhada
por vastissimo territorio, grupos solados e re
ciprocamente indiffereates. ainda nao permitti-
ram a organisaco desses poderosos ncleos
muncipaes e provinciaes que sao entidades pre-
concebidas pelas instiluic>s patrias c cuja ac-
co enrgica e livre far brotar, como de trra
teracissiina, a prosperidade no largo mbito do
Imperio brazileiro.
Mas esta situaco, que ser o futuro de nossa
patria, resultar da evoluco, que nao pode ser
substituida por providencias legislativas. Care-
cemos certamente de medidas promptas sobre
algnns ramos do servigo publico, simplesmente
no sentido da independencia administrativa.
Para muitas ^essas medidas i indispensavel o
concurso do poder legislativo mas a urgencia
neste caso nao nos parece tanta que exija a im
mediata convocaco de uma assembla geral
extraordinaria. Nem pouco far o governo que
na poca da sessao ordinaria, cstiw prepa-
rado para submettr ao estudo do corpo legis-
lativo alguns projectos tendentes a melhorar
as condicOes financeiras das provincias, a liber-
tal-as da excessiva sujico ao governo central
para actos secundarios da administraco, e a dar
mais prest gio, autonoma e estabelecidade s
administraces provinciaes.
Prescindiudo desses boatos a que nos temos
referido, a attenyo publica na semana concen-
trou-se no desenvolvimento das febres de car-
cter grave e violento que a altissimn temperatura
constante vai infelizmente mantendo nesta capi-
tal.
A repartico incumbida da higiene publica
tem-se mostrado activa as providenciase soli
cita nos cunsellios ao povo, e de justiga reco
nliecer que e-te ramo do servico publico, desen-
volvido pelo ex-iuspector geral, que nelle deixou
nome respoitado, apresenta notavelmelhoramen-
to em relaco ao que era ha alguns annos pas-
sados. Os cuidados hygionicus podem attenuar
a gravidade e diminuir a extensSo do mal, mas
nao o atacam em sua causa principal, cujo o-
nliecimcnto ou se oceulta aos olhos da sciencia
ou su|>erior aos melhores esforcos db homem.
# A fatalidade cega deixa cahir a mo e-m.iga-
dora sobre ja cabeca loura da criancinia que
sorria ao lado do pai afadigado em "prestar soc-
corros no< enfermos, sobre os hombros j cur-
vos ilo velho magistrado e sobre o peito vigo-
roso do militar que affrontra as balas nos com-
bates. Nos registros Jraortuarios foram inscri-
pto! oesta semana tres nomes que aqui mencio-
naremos pe i seu carcter publico : o do conse-
Hioiim Jos Percra du Graga, ministro do supre-
mo tnbunal de justica aposentado, e que pelos
i vicos fora agraciado com 0 lit'ilo Ba-
ro de Arac:ty ; o do almirante Victono Jos
je, na paz o oa guerra, Bo dis-
tingui por ftotaveis feitrs, como o
Ihante f' do officio ha pouco publicada, e o do
ten 'Ote-coronel Antonio ds Seana Madareira,
cujo animo anlente nunca llie fez esquecer a
lealdade no cumprimanto dos c 'veres militares
nem o amor da patria, que servio com sua vasta
illustraco demonstrada em numerosas co
scs, e coin sua bravura nos campos de batalha,
onde nao s ganhou postos, mas tambem con-
quistou affectos, e considerago. _
(Continuacao)
Na manh do sexto dia, Paulo entrou alquebra-
do, depois de uma noite sem somuo, no quarto
paterno.
Encontrou o Sr. Duchanin prompto para sahir
e cantarolando com voz desafinada um estribilho
conhecido.
Desejava fallar-te esta manh, pap, disse
elle com ar tranquillo.
Conversaremos pelo caminho, respondeu o
pai; se nao ests prompto, eu espero.
Cada um seguia evidentemente a sua idea.
Paulo precipitou as cousas.
Nao posso vir esta manh ao escriptorio.
disse elle com ar desembaracado ; mas tenho
necessidade de te confiar urna cousa importante,
hoje mesmo. E'-me preciso pagar imraediata-
inente os vinte e cinco mil francos do outro dia.
J h A proposito, quem t'os emprestou ?
O mogo fez-se paludo.
Arraniei os eu ultima hora, mediante con-
diges leoninas. Ainda assim, -me preciso pa-
gal-os immediatamente.
Esperava novas perguntas.
Nada!
No rosto do Sr. Duchanin, nem uma ruga de
inquietagao. Olhava para Paulo com orgulho,
sorrindo para aquella cabeca intelligente, para o
masculo do corpo e elegancia de seu filho e lor-
nava a encontrar nelle mais lino, mais encanta-
dor o Rogerio Duchanin de outr'ora, quando
alumno da escola potytechnica, esperava o (im
dos seus estudos para entrar como engenheiro,
primeiro e como socio mais tarde, na casa Me-
negault pelo seu casamento com a menina Mone-
gault, casamento de amor, approvado pelas duas
familias.
E' verdade, o seu Paulo era encantador. Nao
lastiraava a moga a quem elle destinava aquelle
forraoso rapaz. Talvez um pbuco paludo T Os
ltimos acontecimentos... O bom do homem
teve um riso de confiante camarailaeem.'
Ento nao vens ? Bom f bom! Faze l os
teus negocios. Vas vamos primeiro conversar,
visto que ests ahi...
O ar mysterioso e, comtudo, alegre do pai, in-
quietava cada voz mais o filho.
Sim, pap I quiz elle interromper. Mas
acabemos primeiro com esta questo de dinheiro!
De dinheiro I gritou com alegria o Sr. Du-
chanin em um impulso de enthusiasmo. .Mas nos
vamos liquidar tudot Fiea. pois, descangado.
Os taes vinte e cinco rail francos sero pagos
com o resto e em breve prazo. Primeiro que
tudo, preciso prev nir-te : tu casas-te I
En disse Paulo espantado.
Sem fazer caso da interrupgo, o bom do ho-
nem continuou alegremente:
Primeiro que tudo. examinemos a nossa s-
Uiago presente com as suas difficuldades, com
as "suas consequoncias futuras e a taboa de sal-
vacsto que nos offorecida. Quando digo taboa.
interrompeu elle om din riso faceto e sincero
da burguezia que se conservou simples, vers
que o contrario meu felizardo porque a sal-
vago aprsente se debaixo da forma de uma bo-
nita m>ga, amavel e bom educada, de quem os
oitocentos mil francos de dote nao sao para ati-
rai .ios caes.
Paulo tinha difiiculdade^m suster-see desta
vez o Sr. Duchanin po.-cobeu-o.
O velho crregou o sobr'olho. mas tia^ia-se
sempre alistido de fazer a menor alluso aos ne-
gocios do rapaz, bem cemo aos amores de seu
filho.
Entretanto de-appareceu-llie do rosto a alegre
bonhomia e foi con o tom serio do urn homem,
que falla de negocios importantes que elle con-
linuju : .
as co-idigOes actuaos, uopodemos man-
rer a concurrencia e a casa Marvaise ter sempre
sobr nos a su;ierioridade de estar prxima do
earvo. J nao nos rost.on sacrificios para fazer;
0 capital accuraulado durante 20 annos est es-
getado. Tudo quanto po lia garantir uma hypo-
niiualiado atoo seu ultimo limite. E
nos dovcmjs trozentos mil francos !
Pauloicou calado.
Nao sabia elle tudo isso ?
pai
Na o comreliendia agora qielhor do que o
E' impossivel liquidar nesta situaco, cen-
tinuou este. Para evitar a fallencia, e precisa
tomar uma deciso sem rodeios.
A voz tornava-se-lhe mais spera Involunta-
riamente era accommettido de uma colera surta -
Isto aqui emquanto a nos,-continuou elle.
E' preciso pensar tambera no futuro de tua mai.
Nao deve soffrer a humilhago dos nossos desas-
tres.
Comprehendo, respondeu o mogo, fazendo
um heroico esforco para ficar senhor de si.
O Sr. Duchanin pareceu contentarse com
aquella breve resposta. Nao quiz atacar de fren-
te o moco e continuou com apparente alegria:
Scx'a feira recebi a visita de Luiz Parsol-
lar Tpo conheces pouco, porque nos, ha cin-
W> annos que deixamos de trabalhar para elle.
0 pa Pars illior tinha uma loja muito rao
desta de serralheiro mechanico na Tosse, perto
de Roubaix. O bom do homem fez os maiores
sacrificios para dar ao filho uma educago in-
dustrial, lora do vulgar.
Foi plenamente recompensado, porque aos
vinte e cinco annos, depois de inauditos esfor-
gos de viagens Inglaterra, para onde o mogo
tinha partido como operario, sem saber umapa-
lavra da lingna, Luiz Parsollier, aos vinte e cin-
co annos, inven'ava uma machina que revolucio-
nou a industria dos tecidos e nos libertou do
monopolio inglez.
Fui eu quem forneceu os primeiros capitaes
O pequeo serralheiro da Tosse tornou-se o che-
fe de grande casa Parsoliier.
Ficamos os seus fornecedores at o dia em
que nao podemos fabricar pelo mesrao prego que
os Marvaise. Tm sobre nos esta immensa van-
tagem, de pessuirom o carvao de pedra no lugar
da sua explorago. Eis aqui, pois, a idea que
me occorreu.
O velho fez urna pausa ; a attengo de Panto
pareca emfim despertar.
Proponho a Parsollier fazer-se fun "idor,
associando-se comnosco. Reconstruir-se-hia a
fabrica em um lugar mais favoravel e poderia-
mos transformar a nossa organisago.
Elle consente? perguntou Pauto meio in-
toressado, meio distrahido pela sua incessante
preoecupagao.
Com voz alta, autoritaria, o industrial respon-
|,deu : Paronier fornece os fundos necessanos ;
aceita. Mis exige que os nossos interesses fi-
?uera duplamente unidos. A vida de solteiro d
ugar a rauitas irregularidades. Tu ficas seu
genro ; urna condigo sine qua non.
Paulo olnou para o pai espantado.
Est entendido, nao verdade ?
Provavelmente, disse emfim Paulo. Obser-
varei apenas, que tu pensas nesta combinago,
ha um certo terapo. Fallas-me nella, a mim o
interessado, pela primeira vez. Tenho o direito
dreflectir msso... e. reflectirei.
Mas nos j nao temos tempo para delibe-
TiTtfitote casaste sem reflectir, tu-- De-
raais, estoxnuito cansado. Primeiro que tu-
do, preciso arTSjnjar os taes vinte cinco mil
francos. "'\
Em todo o caso, T K&AVa^doente, disse
o pobre pai j assustado. ^"^"-^
Nao, nao, replicou o mogo com um pdttSg.
de impaciencia, mas primeiro que tudo quero
pagar.
A quem deves tu o dinheiro t
Que importa t Nos recebemos essa som-
ma. Preciso della.
Meu caro, no commercio nao ha que "
porta Devemos estabelecer as contas e pagar
assignando o acto da associago. Por que nio
me has de dizer a mim que sou teu oai e ten
alliado natural, o nome da pessoa qu te em-
prestou o dinheiro ?
Bem, pensarei nisso, disse ainda o pobre
rapaz.
O pai e o lho apertaram a mo, mas nenhom
delles teve coragem de olhar um para o outro.
XI
Haviam decorrido sete dias, depois do fatal
acontecimer.to. Somente na vespera, o doutor
tinha permittido a Thereza levantar-se pela pri-
meira vez.
Paulo uo sabia nada ainda da doenca Sof-
fria e passava da esperanga para o desanimo
vinte vetea por dia.
Aquelle estado nao podia durar. Tomou em-
fim a resoluco de ir casa de Thereza.
A moga, nao sabia ainda de nada com certe-
za. As respostas s cartas quotidianas de Pau-
to eram cheias de serenidade; de melanclica
ternura, pacientes e resignadas. .
Nada de anormal.
Sbitamente decidido, Paulo chamou um Sa-
cre e dirigio-se casa da Sra. de Marvan. .
XII
No seu trage de musselina, com fitas ondea-
das e rendas finas envolvendo-lhe o delicado
corpo, Thereza estava deliciosamente formosa.
A boa da Sra. Le Roux fazia-lhe companhia,
lendo sem fallar, para nao perturbar o scismar
da doente.
A chegada de Paulo commoveuprofundamen-
te as duas inulhercs* Contrariado por ver uma
estranha junto de Thereza, Paulo comprimenta-
va e ficava entrada da porta, um pouco mais
de lempo do que era preciso.
Depois approximou-se. constrangido, nao en-
contrando em si os sentimentos de sinceridade
terna que all o tinham levado.
Agora informava-se dasaudedamoga.com
uma solicitude constrangida. A Sra. Le Roux,
examinava-o, e, como o nao tivesse visto havia
dous mezes, achava-o singularmente mudado.
Que preoecupages, que acontecimentos tinbaai
feito de um homem elegante e apaixonado jo-
ven e semelhante a qualquer here de aventuras
cavalheirescas. aquelle senhor circumspecto,
com voz socca, pronunciando de modo banal as
phrases de comprimento ?
A voz meiga de Thereza que da va a replica
cas entoaces commovidas tremiam lhe as phra-
ses curtas
Entre elles percebia-se uma cousa inslita ; o
constrangiraento inexplicavel e entretanto evi-
dente, paralysava a todos tres.
Sentou-se. Conversaran!. A Sra. Le Roux
que conversava, cousa muito natural, visto que
nao se devia fatigar Thereza. Mas esta com as
inos no brago da cadeira, seguia o olhar do
Paulo, irresislivelmente fixo na. fochadura do
contador, munido da sua chave dourada.
Agora apertava-lhe o corago uma grande pie-
dade. Pobre rapaz Havia muitos dias que pro-
curava Quantos amargores oxperimentou com
certeza ? i erque nao tivera elle a coragem de
lhc contar s seus infortunios? Ella o tena con-
solado. Tudo se tornava muito simples com um
podco de franqueza e de confianga n da.
Paulo nao fallava; com toda a certexaitrazia o
ainheire coinsigo e nao sabia o que hai
zer para o restituir.
Ne.-te cmenos entrou o doutor. Tlien
um relmpago de alegria. E.-
texto para o deixar soj-
Bastava receber o medico no- quarto pr
c levar cumsigo a sua boa ehferraeira.% Sra
"Roux.
Pedio, pois, ao mogo, que o
do Dr. Tarnier, afim de ouvir
icadoliniliva.
Ras duasmuiheres deixaram
Fanlo ticou s.
Pqucn di'poi Thereza \
na intimidade. o mogo
constrangido do que antes. Dej
ola
ir a i

'^m



-------

r


2
Diario Je
ctbbario 16 de Feveriro de 1*&9

l
banalidades que seesforcou por tqraar affectuoe
gas, parti
Infelizmente I sem nada confessar!
XIII
\a gaveta aberta do contador continuava
a faltai- o dinheiro
Muito calma, com o fri da morte no fundo da
alma, Thereza segta indifterente com os olhos
atransformago das brazas vermelhas n> fogo-
Smente os labios levantavam-se-Ihe desde-
abosos, traduzindo m despiezo amargo e des-
esperado
(Contkma.)
REVISTA DIARIA
Ooarda mtmsI-Pela presidencia da
provincia foram pelas seguintes portaras no-
aeados officiaes-'d-guarda naonal:
1.' Seccao.Palacio da Presidencia de Pernam-
buco em 14 de Feveriro de 1889.
O presidente da provincia de conformidade
com a proposta do commandante do8 corpo de
cavallana da guarda nacional da comarca de
. Bao. d'Albo, e lando em vista a informaco do
respectivo commandante superior datada de 12
doorrente, resolve nomear para o referido cor-
po os seguintes ofDciaes:
Estado -maior
Tenente-ajudante, alteres Francisco Ignacio de
LimaCabral.
Tenente quartel-mestre, Antonio de Abreu Mar-
ques Bacalho.
1.a cornpanhia
Capito Francisco Antonio Brayner de Souza
Rangel.
Tenente Melchiades Freir Diniz.
Aiferes Joo Baptista de Carvalho.
2.* companliia
Capito Manoel Barbosa Camello.
Tenente Manoel Jos Pimentel *
Aiferes Pedro Aiexandre de Mattog..
3* cornpanhia
Capito Diogo Soares Carneiro de Albuquesque.
Henate Francisco de Barros Silva Castro.
Aiferes Manoel Carneiro de Albuquerque.
4.* cornpanhia
Capito-tenente Jos Vjjeira de Mello Franco.
Tenente Manoel Paes Barreno de Lacerda
Aiferes Jos Rufino de Souza Carvalho.
1.* Seccao. Palacio da Presideucia de Per-
jambuco em 14 de Feveriro de 1889.
O presidente da provincia em execuco da
lei n. 2.39o de 10 de Feveriro de 1873 resolve
nomear Joo Theopbilo da Costa e Francisco Jos
Guedes de Lacerda este para capito da 7.* corn-
panhia do 54.* batalho de iofantaria da guarda
, nacional da comarca de Pao d'Alho e aquelle para
igual posto da 4.* cornpanhia do mesma bata-
Por portaras de 6 do corrente :
Foi nomeado Joo Baptista do Espirito Santo,
Sara o posto de tenente da 3.* cornpanhia do 10.*
atalliio da guarda nacional de Pao d'Alho.
Foi reformado no mesmo posto o capito do 8.'
cornpanhia do 39.* batalho da guarda nacional
de Bom Jardim Jos de Magalhes Prado, e no-
i meado para substituil-o Jos Gomes de Moura.
Foi nomeado para o posto de aiferes da i.'
cornpanhia do 39.' batalho da guarda nacional
Je om Jardim Vicente Ferreira Goncalves em
imbstituico de Adolpho de Oliretra Coelho, que
rondn de residencia.
Por actos da mesma data:
Foram concedidas as gratifleaces de mrito ao
professor Luiz Felippe de Carvalho e a professo-
ra Rosalina Olvmpia Bezerra de Mello.
Patrimonio RegaurdNo intuito de
aagariar um patrimonio para a familia do des-
venturado tenente Pedro Begaard, assassinado
brbaramente na uoite de 9 para 10 do corrente,
na ra do Imperador, organisou-se urna corarais-
sao composta dos Srs. Dr. Felippe de Figueira
Fara, commendador Joseph Krause, eapitaes
Joaquim R. de Souza Goozaga e Manoel Joaquim
Botelbo. e dos lenles Antonio Pedro Dionisio,
Francisco Jos da Silva, Liberato Prisco Bibeiro
e Delmiro G. Ribeiro Pessoa.
Sendo louvavel o fim humauitario que se vo-
;pe realisar essa commissao, pondo oii!>rigo da
miseria a viuva e filhos da incauta victima da
brutalidade de um desalm^k), liamos que nao
ser baldado o appello. ?** faz ella ao publico
em geral, ejiart**crnente classe commer-
cial, ac inuito de constituir um pequeo patri-
"Sonio para essa pobre familia
" 0 Sr. commendador Joseph Krause, Ibesourei-
ro da commissao. receberas esportillas que para
esse lim Ihe orem remettidas, e no escrptono
deste Diario tambem sero aceitas as que torem
remettidas com o mesmo destino, e que sero
enviadas ao mesmo digno thesoureiro da com-
missao.
Triliuiial do Jury lo Recife DdXOU
dehaver hontem j (ligamento neste tribunal por
so haverem comparecido 23 juizes de fado.
A's 11 horas ua manh, presentes o Dr. Anto-
nio Domingos Pinto, juiz de direito do 5* distri
irto, presidente do tribunal, o Dr. Joo Joaquim
de Freitas Henriques, Io promotor publico da
comarca, e o esenvo privativo capito Floren-
cio Rodrigues de Miranda Franco, depois de ve-
rificadas as cdulas eo numero de jurados que
comparecern!, foi levantada a sesso e adiada
para hoje, s 10 horas.
ana da Tarde-Do nosso digno colle-
ga da Gazeta da Tarde recebemos urna photogra-
phia que representa urna moca vista de 3/4 pelas
costas. Na parte inferior do cart photograpni-
co ha escripia esta phrase: Eis minha mulher
.. Onde est minha sogra ?
E' evidentemente um enygma olTerecido aos
leitores d'a melle jornal.
Elles que o decifrem.
Nos limitamo-nos ag'adecer ao coliega sua
amavel deferencia, mandando nos um exemplar
dessa bella photographia.
ervico militar Esto designados para
1 superior db dia hoje, o Sr. capito Manoel Ansel-
mo e para ronda menor o Sr. aiferes ajudante do
14* batalho.
As guardas da Thesouraria e palacio sao
commandadas hoje por dous Sis. oflciaes do 2*
batalho. *
A guarnilo da cidade dada hoje pelo 2o
batalho de infantera.
Existem na enfermara 34 pracas dos cor-
dos da marnico. .
Puhccionaram hontem no quartel-general o
cunselho de guerra do soldado da cornpanhia de
eavallaria Hermenegildo Gomes Pereira, sob a
presidencia do Sr. coronel Frederico Christiauo
Buvs e o de investigaco dos soldados do 2o ba-
talio Manoel Pereira de Araujo o Daniel Bap-
tista de Oliveira, sob a presidencia do Sr. capito
loo Justiniano da Rocba.
Vai ser hoje inspeccionado de sande o Sr.
apito do 14 batalho de infantaria Jos Roma
de Abreu Lima.
-. Exc. roncedeu por 3 mezes o uso do dis-
anctivo de cadete de 2 classe ao soldado sem
corpo designado addido ao 2" batalho, Felinto
Elisio do Reg Barros.
A .**. i nn lo da roa do Imperador
Depozeram hontem as testemunhas abaixo,
sendo os seus depoimentos os seguintes :
2* testemunba-Manoel Goncalves de Queiroz
Coutinho
Disse:
que. no dia 9 do corrente, s 11 1/2 horas da
oite. pouco mais ou menos, estando elle teste-
rsunha no hotel Globo, sito ra Duque de > a-
xias, alli appareceu o aecusado presente em corn-
panhia de urna mulher que elle testemunha nao
sabia o nomo, mas que trajava vestido branco
com palmas .'-curas:
que depois de ceiarera ambos, retiraram-se
junto- tendo a mesma mulher despedido-se do
dono do hotel, segumdo ambos pela ra Duque
Caxias para o fido da ra do Crespo;
que, oito ou Jez minutos depois, tendo elle tes-
temunha tirado no mesmo hotel, vio vir apres-
sada, do becco do Ouvidor para o dito hotel a
rnulher que momentos antes havia saludo com o
usado presente vindo em perseguico da mes-
an mulher um guarda-civico que dizia ter ella
a uns ferimentos feitos aquella hora na
rador;
-ma mulher chegon dizendo quan-
l-erguniaram as p< le alli se
jorque tinha vollado, to depressa, que
liarulho, apparerendo ento o
uiz prndela para con fe
ferimentos na ,rua do
.avia presenciado, ao que
,m se oppoze-
ao en a mes-
is que elle teste-
la afirma -
lo o guarda-civico prenu
i pouco depois e respbnsa-
.-
ib
bilisando as pesars que alli estavam pela en-
trega da dita mulher, visto como havia ella a tudo
assistido;
que n'esta occas.o nao se achava mais a ml-
lllcr no citado hotel retirando-se novaraente o
guarda;
que ele testemunha tendo sahido do hotel em
cornpanhia do acadmico Teixeira, dirigio-se para
o lugar onde estay a a victima encontrando alli
diversas pessoas, das quaes ouvio dizer que o
aecusado prcaente lora o autor d'aquelles feri
; teios;
qrw no a victima estorcendo-se no chao, mas
que nao a conheceu, vendo, entretanto, que era
um hornera de cor iranca e corpulento;
que trajava o acensado presente n'aquella
noite, roupa de casemira escura e chapeo preto
e de massa;
que o chapeo que o aecusado presente trazia
u'aquella noile nao o mesmo que aprsenla
agora :
que indo elle testemunha ra Duque de Ca-
xias n. 33, Io andar, alli ouvio a mulher, a que
se refere, negar, dizendo nao conhecer o accu
sado present, mas tambem ouvio de suas com-
panheiras que ella i'onhecia o aecusado presente
visto como frequentava elle a sua casa, havendo
intimas relacoes de amisade.
Dada a palavra ao aecusado prsenle para con-
testar, disse elle :
que a mulher nao foi ao hotel em sua cornpa-
nhia e sim chegou quando elle eslava ceiando ;
que o chapeo que presenta na occasio o
mesmo que trazia na noite de 9 4o corrente ;
Pela testemunha foi dito que coolirmava o seu
depoimento.
3' testemunhaJos Lopes Frazo
Disse :
que vindo elle testemunha da ra Bella em
direceo ao Becife na noite de 9 do corrente,
cerca de 11 horas para meia-noite, ao passar
pela ra Duque de Caxias, encontrou urna mu-
lher vestida de batina a/ul clara que noite pa-j
recia baanea, seTWo peisegteia por uta guarda-
civico at porta dbotel ah sito, voltando a
praca sem euectuar a prisn por ter, segundo
disse. se opposto a ella o capito Tiburtino.
que sabendo ento elle testemunha de que na
ra do Imperador se deram uns ferimentos em um
tal Pedro Allemo, para all se dirizio, encon-
trando no meio da ra, um individuo de cor
branca, corpo regular c que eslava ferido;
que ah soube ter sido autor d'aquelles feri-
mentos um tal Paixo, estabelecido na ra Larga
do Rosario com taverna ;
que indo elle testemunha ra Duque de Ta-
xias n. 33, Io andar, em cornpanhia da autori-
dade presente e demais pessoas, onde mora a
mulher que pouco antes havia sido perseguida,
cujo nome ignora, encontrou-a de roupa mudada
e sendo interrogada negou o facto, constando a
elle testemunha ter ella mais tarde ludo decla-
rado n'esta estaco,
A esta testemunha nada teve o reo a con
testar.
Como se v do inquerito a que se est proce-
den Jo. Manoel da Paixo Bamos, foi o fri assas-
sino do infeliz Pedro Regaard. victima de seu
punhal na noite de 9 do correte.
Cumpre agora que a justica sobre elle caia;
para punico de seu enme e exemplo socie-
dade.
a*a*.iraatoNo dia 2 do corrente, pelas
10 horas da manh, no lugar Logradouro, de
.acarat, Joaquim Vieira dos lautos assassinou
com urna facada a Flix Vieira da Graca, eva-
dindo-se em seguida.
A respectiva autondade policial tomou eonhe-
cimento do facto.
Obra poitriiima do Dr. ..rlelo tui-
mareNJ se distribuio o 20* fascculo da
Miscellanea Philosophica e sociolgica do
Dr. Aprigio Guimares, de que agente o Sr. F.
Bolitreau, ra do Imperador n. 46.'
vapor EifeePor telegrmma tecebido
pela casa dos Srs. Amorim fte Irmos, consta ter
sahido hontem da ft'hia este vapor, devendo
checrar aa"i ao anvvnhecer de domingo.
T**>.-Miro iaata IsabelAmanh o actor
Lyra faz a sua feste artstica no theatro Santa
Iz'abel, com o drama 29 ou Honra e Gloria, ter-
minando o espectculo com o hvmno de D. Pe-
dro V.
Fewta eos OllradaAmanh, tarde, lo-
car no largo do Carmo em Olinda urna banda
de msica e tero lugar diversos divertimentos.
A' noite ser queimado um grande c- vanado
logo de articio.
Club* rarnavalewco Informam-iiQs
que o Club das Caveiras percorrer as principaes
ras desta cidade no domingo e terca-feira do
Carnaval, sahindo em 20 carros, tendo frente
urna banda de msica.
Nos saldes de sua sede dar saraos as trez
noites do Carnaval.
Informam-nos tambem que alguns mocos
reuniram-se em sociedade com o titulo de Clnb
das Guiadores Careos, e pretendem percorrer as
ras da cidade em 6 carros precedidos de urna
banda de msica nos primeiro e terceiro dias
do Carnaval, dando tambem saraos dansantes na
sua sede.
Segunda-feira prxima, reune-se o club
Filhos do iHympu. em assembla geral, na sede
da Melpomene Ulindense, aflm de deliberar so-
bre o sarao do correte anuo.
a ormoaura ronapiradaraPara a
Livraria Quintas acaba de chegar de Lisboa o
! fascculo do romance sob o titulo cima de
Pierre Zaccone, com lindas illustracOes a chro-
mo-ltbographia e gravura.
Este romance est sendo publicado pela casa
editora David Corazzi.
Agradecemos a offerta que nos fez o Sr. Quin-
tas do fascculo de que damos noticia.
RecreatUa jrtaventude Amanh rea-
lizar a banda musical da Sociedade Recreativa.
Juventude um passeio 'iidade deOlinda, em-
barcando no trem de 4 1/2 horas da arde e de-
vendo desembarcar de volta s 8 horas da noite
na estaco da ra da Aurora, de onde ira tocan-
do at a sede social.
Concrefttto Carnavalesco -Com este ti-
tulo fundou-se nesta cidade na ra do Principe
urna sociedade carnavalesca cuja directora ficou
assim composta :
Presidente, Jos Gomes da Cruz.
Vice-dito, Luiz de Camargo Costa.
Orador, Mario Gomes de Mattos.
Thesoureiro, Antonio Silva.
Procuradores, Leonardo Esteves e Manoel Manta.
TriMtl*ftlmo Incidente Leraos o se-
guinte na Gazeta de Goyanna de 9 do corrente :
Ha poucos dias, no engenho Mazago. sita
do na comarca de Iguarass, deu-se um tristis-
simo facto
Um individuo empregado desse engenho,
qu' rendo por urna torneira a urna pipa que con-
tinha grande quantidade de agurdente, servio-
se primeiramente de urna verruraa para fazer o
furo em que devia ser introduzida a torneira, e
como esta nao podesse penetrar no orificio pro-
duzido por aquelle instrumento, entendeu o in-
feliz empregado que devia alrgalo por meio
de um ferro em braza que tendo penetrado na
madeira produzio chamraas, que se communica-
ram ao nflammavel liquido, resultando disso
to terrivel exploso que victimou o pobre ho-
mem e um seu companheiro de trabalho.
Tambem o Sr. Horoncio Guerra, proprieta-
rio do MazagSo, que s achava presente, ficou
bastante quetmado. '
Club Internacional do Recite -Nos
sales deste club realisa-se hoje a reunio fami-
liar do corrente mez, finda a qual haver trem
para Apipucos e bonds para a Magdalena.
vapore*-Sao esperados hoje :
Do norte o paquete nacional Para em viagem
para o sul.
Da Europa o paquete ingiez Seta em viagem
para o Rio da Praia.
Do sul o vapor nacional Arlindo. Os dous
primeiros seguem hoje mesmo a. seu destino.
Obra* de Ramitlho Ortla;ao J se
acha venda na Livraria Quintas o 4* volunte
das obras do distincto escripior portuguez, Ra-
malho Ortigo, lidas com o maior intere
O volume ae que damos noticia tracta smen-
te do parlainent iri^mo.
Agradecemos Livraria Quintas o exemplar
com que nos obsequioa. '
ApoplexlaHontem ao meio-dia ao entr
na Casa de Deteocio o vagabundo Menest/l
Jos, de Abreu. preso ordem do Sr. subdelega
do do l*di8trict i da fregueiia de -Jos, foi ac-
commettido de um insulto apopltico, morrendo
ataneamente.
Foi recomido o cadver 3 estacSo da guar-
da anca o Sr. Dr Gama L
ranellas de Miranda Esteclub, que
lem a sua sede ru i Augusta, percorrer as
ras desta citlade n as de camaya!; p
s eu itinerario em tempo ser publicado
Sociedade Recreativa Relia l'aiao
em Olinda Besolveu esta associaco dar
urna oireJno dia 2- de Margo na Cmara Munici-
pal de Olinda^ 'diain se convidadas diversas
tamil : i Jo nos informaran!, para assistir
mesma soire.
CoMnelno liilterarloReunio-se hontem
o conseibo luterano sod a presidencia do Sr.
inspector geral.
Foram lidos e approvados os seguintes pare-
ceres:
Da i-aetjco rebRac o profr jajuPi jgoao, sobre
o lmoittr^alptRbeto, methodo,do padre Au-
gusto Adolpho Soares de Reumeter. oarpluindo
que nao est no cosadoaer approradailpara o
na que o destina o seuaator.
Ua 3* seccao relator o Dr.licguetRCosta sobre
a petico do professor Izidori) de FreitaaGaraboa
requeren.lo que na sua jubilacoaeja oaRjiUtada
a gratilicaco de mrito em cu>a, gozO'ao'achava
c jiiclnin lo palo (leforiroanto.
Da mesma seccao e relator sobre o petico da
professora Anna ILaurinda Varejao Barbosa e
reque.endo a gratificagode ment concluindo
pela concesso.
Na inesa conferencia ter lugar o julga-
mento do concurso a que ltimamente se pro-
ceden para o proviraento da cadeira de Pesquei-
ri sendo approvado o parecer, do 2- relator o
Dr. Jos Diniz a respeito do referido cobcurso,
cujo relatorio foi apresentado pelo commTssario
do con ultimo procedeu-se ao interrogatorio dos pro-
fessores Francisco de Paula Lins de Carvalho,
que foi interrogado pelo Dr. Jos Diniz e Rufina
Demetria de Souza pelo Dr. Regeira Costa
Directora da* obras de conserva-
co dos Portos de Pernambneo Reci-
fe, 14 de Feveriro de 1889.
Boletim metear**ttko
RTASmeiro a
O
Pbso
Ido vapor
761-48
762-68
761-81
761-73
762-03
19,%
21,47
21,30
20,98
19,40
o
O
1
X
87
82
78
80
67
Temperatura mxima28,00.
Dita minima 24,00.
Evaporacao em 24 horas ao sol: 3",3 ; som-
Chuvanulla.
Direcco do vento: ESE de meia noite 1 hora
e 13 minutos da manh ; SE at aos 38 minu-
tos da t a tile; SSE at 2 dorase 43 minutos ; SE
al meia noite.
Calmara durante 7 horas pela manh.
Velocidade media do vento: 1- 28 por se-
gundo.
Nebulosidade media: 0.83
Boletim do porto
53 a. o - Dia Horas 10 6 da manh 4 24 da tarde 9-3fi -. ->40 da manh Altura
B M P M. B. M. P. M. 14 de Fever. 13 de Fever. 0-.48 2-,S8 o-,32 2-,36
LeildesEffectuar-se-ho os seguintes :
Hoje:
Pe'.o agente Silveira, s 1 i horas ra do Im-
perador n. 43, de predios.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Mr-
quez de Olinda n. 52, de urna parte de casa.
Terca-feira:
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, no sobrado
do largo da Santa Cruz, por occasio do leilaode
ricos movis, crystoes, porcelanas e electro-plate,
de tres excedentes vaccas taurinas com crias.
Ml**as fnebresSero celebradas:
Hoie:
A's 7 /2 horas, na igreja do Terco, pela alma
do tenente Pedro Begaard.
Segunda-feira:
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela alma
de D. Joanna Barbosa de Araujo; as 7 horas, na
igreja da Santa Cruz, pela alma de D. Carolina
do Carmo Braga.
Reunio socialHaver amanh a se-
grate :
Do Monte-Pi Typographico Pernambucano. as
10 horas da manh, na sede social ra do Co-
ronel Suassuna n. 41, 2*- andar, em assembla
geral.
Casa de DetencoMovimento dos pre-
sos da Casa de Detenco do dia 14 de Feveriro
de (889.
Existiam 424 ; entraram 11; sahiram 14; exis
lem 421.
A saber:
Nacionaes 388; mulheres 12; estrangeiros 21.
-Total 424.
Arracoados 378.
Bons 364.
Doentes 14.Total 378.
Movimento da enfermara
Teve baixa :
Victalino Jos dos Santos.
Teve alta:
Archangelo Monoel da Silva.
Foram visitados os presos deste estabeleci-
mento por 189 pessoas, sendo: 62 homens e
127 mulheres.
Hospital Pedro II 0 movimento deste
estabelecimento de daridade, no dia 13 de Fe-
veriro, foi o seguinte;
Entraram 13
Sahiram 9
Falleceram 1
Existem 381
Foram visitadas as respectivas enfermaras
pelos Drs.:
Moscoso s 81(2, Cysneiro s 9 Ij4, Barros
briSonho s 7, Malaquias s 9 Ij4, Poutual s
91i4.
Nao compareceram os Drs.:
Estevo Cavalcante.
Berardo.
Sim6es Barbosa.
0 cirurgio dentista Numa Pompilio s 8 1)4
horas.
O pharmaceutico entrou s 81(2 da manh e
sahio s 3 da tarde.
O ajudantc do pharmaceutico entrou s 7 1 ]4
da manh e sahio s 3 112 horas da tarde.
Lotera do tram-Para-A 2' parte da
26* lotera, dessa provincia, cujo premio grande
60:000000, .-era extrahida, sabbado, 16 de
Feveriro.
Cemiterio PublicoObituario do dia 14
de Feveriro de 1889.
Mara Enilia de Oliveira, Portugal, 68 annos,
solteira, Boa-Vista ; atreromasia.
Joanna Galdina da Fonscca Cunha, Pernam-
buco, 64 annoS, solteira, Poco; tuberculose.
Anni, Pernambuco, 90 annos, solteira, Boa-
Vista; diarrha.
Jos, Pernambuco, 12 annos, solteiro, Boa-Vis-
ta ; ttano.
Isabel Mara Duarte, Pernambuco, 23 annos,
solteira, Santo Antonio ; tuberculose.
Joo, Peraambuco, 7 mezes. Boa-Vista; den-
tico.
Maximiano. Parahyba, 30 annos, solteiro, Boa-
Vista ; leso do coraco.
Isabel Mara da Conceico, Pernambuco, 33
annos, solteira, Boa-Viste; lymphatite.
m feto, Pernambuco, 2 mezes, Boa-Vista.
------ *
Um pouco de tudo
L-se no Jornal do Commercio da corte :
Encarregado da fundaco oenologia na pro-
vincia de S. Paulo, o Sr. Joseph Watzl parti da
capital a 16 de Janeiro com destino ao valle do
Tiet, onde maior desenvolvimento tera sido
dado vinicultura para o fim de examinar o
o modo como se effectuam as otrlheitas e t'abri-
cago do vinho, sendo esta a quadra propria de
taes oparaces. Acompanhado pelo seu anu-
dante, eugenheiru Dias Cardoso Filho e pelo
Dr. Emilio Goldi, incumbido do estudo das mo-
lestias- da videira, dirigio-'se o Sr. J. Walyl para
a cidade de Soroc-ba onde, depois de conferen-
ciar com o Sr. conselheiro Antonio Prado acerca;
J projecto da estaco oenologica, visitn os
vinhedos do Hustre clnico, Dr. Nicolao Ver-
gueiro, os dos nerdeirostardoso, e os do com-
mendador George Oetterer, inspector geral da
ferro-via Sorocabana.
-orocaba constitrR ponto interessante para o
rilicultor que alli en contra, em maior escala do
que em qualquer outra zona da provincia, en-
saios hbilmente dirigidos da introduccao das
melhores variedades do grupo Vitis Aesticalis
(Cgnthiana, Norton's Virginia e outras All
pOde ser apreciado o aspecto que apresentam
estas variedades, comparativamente ao da par-
reiraJ*a//a, do grupo Vatis Labrusca, que a
mais geralmente cultivada na provincia e cuja
folhagem tem manifestado singular phenomeno
pathologico que o laborioso Dr. E. Goldi vai su-
jeitar investigaco. A aeraelbante pbenomeno
e ao clima anormal do ultimo auno ser pro va-
velraente para attribuir o facto, observado em
todas as rcgiOes vincolas de S. Paulo, da des
igual inaturaco da uva eaMla, quer em relaco
aos-difTerentes cachos de-oada toauiduo, quer
em relaco aos fructos de.cada caobo.
D'aquella cidade parti a commissao, a 18 de
Janeiro, para a do Tiet onde o profassorWatzl
visitn grande numero de propr.'dades vitcolas,
acotaponliando durante di*cito,cautivos o ;hj-
cesso da vinificago as adegas do Srs. capito
Antonio Correia de Moraes Silveira e Joaquim
Antonio Correia. No Tiet a cultura intensiva
a da uva Isabella que, alias, aprsente pheno-
meno moibido idntico ao observado em Soro-
caba.
de
Todavia, gracas aos esforcos d'aquelles e
outros viticultores, tera sido introduzidas no
municipio algyinas variedades do grupo Vilis
Aesttvalis as quaes depositam elles fundadas
esperan cas.
As dilterentes operaces da vinilicago resen-
tem-se no Tiet de mu tos erros e mesmo de es-
pirito rotineiro. Sao no emtanto louvaveis os
dous mencionados viticultores que tm procurado
melhorar a qualidade dos seus productos. Am
bos acolheram com promptido os conselhos
que de momento pdde proporcionar-lhes o Sr. J.
Watzl.
Emquanto o Sr. J. Watzl llcou es'.udando no
Tiet as adegas de fermentaco, o Dr. E. Goldi e
engenheiro Dias Cardoso fizeram uina excurso
cidade e municipio de Botucat. 0 municipio
de.-Botucat. esencialmente cafeeiro, conta j
pequeos *Mili"dos completamente formados e
produzindo,'cliaiido-se alli iniciadas piantaces
mai< coiisideraveis.
Era seguida visitou a commissao reunida o
municipio de Tatuhy onde a industria vitcola,
iniciada em escala nao pequea, promette des-
eo volfer-se em prazo breve.
De volta para S. Paulo, visitarara o Sr. J.
Watzl, e seus companheiros, a fabrica de Ipa-
neraa onde aquelle professor teve. occasio de
examinar os ensaios experimentaes de viticul-
tura alli organisados e cuidadosamente dirigidos
pelo Dr. Borroul, medico do estabelecimento.
Chegando capital, visitou a commissao a ira-
portante chcara do conselheiro Antonio Prado,
onde rauto lia que estudar diante dos specimen*,
ue alli so contara, de grande numero de vi-
eiras europeas e americanas.
O Sr. J. Watzl continuar a estudar em outras
zonas da provincia o estado da industria vit-
cola.
,\
Todas as (narraroos de terremotos combinam
no testeraunhar que, em taes occasioes, caes,
civallos, gado e outros animaes do demonstra-
coes de sobresalto e de terror. Por occasio do
terremoto d Lisboa, AJ7ifl,.otcixe allluia
flor d'agua '9|t:i-'e^ssocegado. Em Tokio,_
durante o tremor de trra de 1880, caes e ca-'
vallos davam todos os signaos de malestar e de
inquietaco. *
Mais interessante, porm, saber que os ani-
maes patenteiam agitaco antes do plienotneno.
A 13 de Janeiro de 1887, em Y'okohama, Jara s
Bissett vio um dos seus cavallos levantarse s-
bitamente e saltar na estribaria com grande
violencia. Trinta segundo* depois tinha-se ma-
nifestado um terremoto. Os faises gritam desusa-
damente antes do tremor de trra e as ras ces-
sam o seu coaxar instantes antes do terremoto
Diz Warnen qne os naturaes de Caracas possuem
caes, gatos e outros animaes, como vigias que
assignalam de antemao o perigo dos tremores
de trra.
Procurando explicar este pnenomeno do pre-
sent ment dos terremotos, entende J. Milne qne,
sendo de ordinario precedidos os grandes abalos
por penas oscillaces do que slo, impcrceptiveis
ao hornera mas aecusados pelos instrumentos,
natural que alguns animaes sejara sensiveis a taes
oscillaces cu]a amplitude s vezes de 1/10 de
millimetro e ainda menor quando occorrem em
solo rochoso.
No Japao, pessoas de p nao aecusam trepida-
goes do solo que se fazem distioctamente sensi-
veis a outras que no mesmo pavimento se acham
trauquillamente assentadas.
Casos apontam-se, extremamente raros, em
que algues anitaaes tm mostrado viva agitagao
umitas horas e at muitos dias antes dos terre-
motos. Isto occorre as regies vulcanicas em
razo do desprendiraento de gazes que sobretu
do espantara e s vezes matara os pequeos ani-
maes. Tal foi a causa do pbenomeno de-6 de
Abril em 1874, em Folionica, onde as ras e es-
tradas amanheceram cobertas ratos mortos qual
se honvera cabido chuva de ratos. Foram emana-
c6es de gaz carbnico que os asphyxiaram.
Zoologistas do ^eculo passado afrmaram ter
encontrado durante o invern, em buracos de
paredes eem grutas e outras cavidades, ando-
rinhas e gaivoes adormecidos em somno hiber-
nal. Alguns chegaram mesmo a inferir deste
facto que as andorinhas nao emigram mas refu-
giam-se todas, durante o invern naquellas ca-
vidades. ,
A illuso nao verdadeira mas esta hoje ad-
mittido que as andorinhas transviadas, ou que
por qualquer razo deixam de emigrar no ou-
torano, se refugiam em abrigos onde dormem tor
muitos mezes sob a aeco do fri at que des-
pertara na primavera aos primeiros raios do
sol.
A Sociedade dos Naturalistas recebeu, ha pou-
co, interessante communicaco a este respeito,
apresentando-lbe Leroux urna andorrana que
despertada de somno lethargico, tomou ovo
diante da assembla.
**
Existe carta particular de Pars na qual nos
transmute pessoa competente a agradavel noti-
cia de que os Srs. Quatrefages, Levasseur, Dau-
bre, Hervy e Topinard tm manifestado muito
vivo interesse pelos trabalhos publicados nos
Archivos do Museu Nacional do Bio de Janeiro
traduzindo a sua impresso em palavras sum
raameute honrosas para este, nosso estabeleci-
mento e para os seus collaboradores.
O conselheiro Ladislao Netto, em successivas
conferencias com aquelles sabios, tem-se encar-
regado de verter para o francez varios artigos
daquella revista, tendo-lhes mostrado, alm dis-
to, alguns artefactos indgenas que, com per-
misso do governo imperial, pode exhibir ante
o congressso dos americanistas a que ultima-
mente assistio em Berlim.
0 Sr. Ladislao Netto tem obttdo bons resul-
tados dos esforcos que tem empregado para es-
tabelecer relajees entre o Museo Nacional e con-
generes estabelecimentos europeos.
A commissao franco-brazileira da Exposico
Universal sraente aguarda o assentimento e o
apoio do governo imperial para organisar no
compartimento do Brazil urna seccao destinada
othnographia.
**#
De S. Paulo remetteram ao Jornal do Commei-
cio da corte este soneto:
Lasciate ogni speranza. voi. ch'entrate.
(DOlUrBllNO, DBDAItTB)
Por mim se vai lbrega morada
A' estancia dador que sempe dura;
Por mim se vai aos antros da amargura,
Aonde soffre a gente condemnada.
Movido por justica sublimada,
Fui do poder divino estructura,
Da summa sapiencia creatura,
Por seu amor primeiro provocada.
Antes Ae mim, as regies do eterno
Rada Axslio seno. alm do inferno,
O que tenha dq eterno a semelbanca.
Creauo embora, divinal pujan ca
DevoVp meu ser, perenne, sempiterno
Perdek vos que entris, toda esperanca.
\ DUABTE DE AZBVKDO.
GHRONICA JODICIARIA
Tribunal da Relaco
SE5SAO ORDINARIA EM 13 DE FEVEREI-
RO DE 1889
PRESIDENCIA DO EXM. SB. CONSKLHEIRO
QUEMTIXO DE MIRANDA
Secretario, Dr. Virgilio Coelho.
As horas do costume presentes os Srs. des-
embargadores em numero legal foi aberta a
sesso depois de lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Distribuido- e passados os' feitos deram-se
os seguintes
Silva.Negou-se
a soltura,
JU L AMENTOS
Rabeas corpus
Paciente:
Joo Baptista da
unnimemente.
Recursos elcitoraes
De PanellasItesorrente Firmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Domingos Esteves da
Costa Agr. Relator o Sr. dese.nbaqgador Pi-
res Goncalves. Dou-se provimento, unnime-
mente.
De Panellas -Recrreme Firmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Manoel Joaquim Barboza.
Relator o Sr. dse r.bargador Aves Ribeiro.
Deu-se provimento, unnimemente.
De PanellasRecrreme Firmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Jos Antonio Macambi-
ra. Relator o Sr. deserabargador Al ves Ribeiro.
Deu-se provimento, unnimemente.
De PanellasRecorrente Firmino Pomposo de
ello Falco, recorrido Quintiliauo anteante
de Oliveira. Relator o Sr. deserabargador Tos-
cano Barrete.Deu-se provimento, ^.uuariime-
mente.
De Villa BellaRecorrente Honorio Lopes de
Siqueira raga, recorrido Jjs de Souza Montei-
ro. Relator o Sr. deserabargador Toscano Bar-
reto.Em dili^encja.
\h-. Villa Bella Recorrente Honorio Lopes de
Siqueira Braga, recorrido Samuel Xavier Nunes.
Relator o Sr. desmbargador Toscano Barrete.
Em diligencia.
De Panellas -Recorrente Firmiuo Pomposo de
Mello Falco, recorrido Jos Vicente Ferreira
Lima. Relator o Sr. deserabargador Pires Fer-
reira.Deu-se proviraento, unnimemente.
De PanellasRecorrente Firmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Firmo Pererra de An-
drade Jnior. Relator o Sr. deserabargador
Pires Ferreira.-Deu-se proviraento, unnime-
mente.
De Panellas Recorrente Firmino Pomposo de
Mello Falco. recorrido Jos Mondes da Silva.
Relator o .-r. dse bargador viouteiro de An
drade.Deu-se provimento. unnimemente.
De 'anellas -Recorrente Firmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido lanoel Cordeiro da Silva.
Relator o Sr. desemliaig;dor Monteiro de An-
Jrade. Deu- e provimento, unnimemente.
De Panellas -Recorrente i-irmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Jos Ferreira Frazo.
Relato- o cr. dcaembCt^ador "ires Goncalves.
i^eu-se provimento, unnimemente.
Da Parahyba-Recorrente Francisco Hol.an-,
iveorrido o jiuzo. Relator o Sr. desmbargador
Al ves Ribeiro.Negou-se provimento, unanirae-
meate.
De ranellas-Recorrente Firmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Carlos Cavalcante de
Oliveira. Relator o Sr. desmbargador Oliveira
An drade.Deu-se provimento, unnimemente.
De Panellas -Recorrente Firmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Joo Baplista de Mello.
Relator o Sr. desmbargador Olrvera Andrade.
Deu-se provimento, unnimemente.
De Panellas-Recorrcnte Firmino Pomposo de
Mello Falco. recorrido Jos Apolinario de Mou-
ra. Relator o Sr; desmbargador Silva Reg.
Deu-se provimento, unnimemente.
De TirababaRecorrente Gabriel de^ Franga
Moizinho, recorrido o juizo. Relator o Sr. des-
mbargador Silva RegNegou-se provimento,
unnimemente.
Rectificaco
De Panellas-Recorrente Firmino Pomposo de
Mello Falco, recorrido Vicente Ferreira de
Aquino. Relator o Sr. desmbargador Dellino
CavalcanteDeu-se provimento, unnimemente
Recursos crimes
De Campia Grande-Recorrente o juizo, re-
corrido o bacharel Alfredo Deodato de Andrade
Espinla. Relator o Sr desmbargador Delfino
Cavalcante. Negou-se provimento, unnime-
mente. .
De Campia Grande-Recorrente o juizo, re-
corridos o bacharel Alfredo Deodato de Andrade
Espinla e Probo da Silva Cmara Relator o
Sr. desmbargador Pires Ferreira. Negou-se
provimento, unnimemente.
De Areia Recorrente o juizo, recorrido An-
tonio Ferreira da Silva. Relator o Sr. desm-
bargador Monteiro de Aadrade.Negou-se pro-
vimento, unnimemente.
De Porto Calvo Recorrente o juizo, recorrido
Jos Antonio da Silva. Relator o Sr desmbar-
gador Alves Ribeiro. Negou-se proviment.i,
unnimemente. .
De Camaragibe-Recorrente o juizo, recorrido
Pedro dos Santos Serra. Relator o Sr. desm-
bargador Oliveira Andrade.Deu-se provimen-
to, unnimemente. .
De Alaga Grande Recorrente o juizo, re-
corrido Thom Soares da Silva. Relator o Sr.
desmbargador Silva Reg. Negou-se provi-
mento, unnimemente.
Carta testemunhavel
Do Recife-Aggravante Antonio Augusto de
H. Costa, aggravado o juizo. Relator o Sr. des-
mbargador Pires Goncalves-. Adjuntos os Srs.
deserabargadores Buarque Lima e Oliveira An-
drade. -Deu-se provimento, unanimemeute.
Aggravo de petico
Eo RecifeAggravante Camillo Gouveia de
Andrade, aggravado Antonio |Joaquim Vinhas
Maia. Relator o Sr. deserabargador Alves Ri-
beiro. Adjuntos os Srs. desembargadores Pires
Ferreira e Buarque Lima. Nao se tomou co-
nhecimento, unnimemente.
Prorogaco de inventario
Inventarame Joo Barbozs Maciel.Em dili-
gencia.
Appellaces, crimes
De Souza Appellante o promotor publico,
appellado Raymundo Jos de Maria. Relator o
Sr. desmbargador Monteiro de Andrade. Man-
dou-se a novo jury, eontra o voto do re'ater.
De Floresta-ApDellante o j izo, appellados
Juvenal Gomes de Novaos e ontro. Relator o
Sr. desmbargador Pires Ferreira. Mandou-se
a novo jury, unnimemente.
PA8SAGENS
Do Sr. desmbargador Toscano Brrelo ao Sr.
desmbargador DelBno Cavalcante :
Revista civel
Da relaco de Belm Becorrentes Fausto
Pisto Guiraares e su mulher, recorridos An-
tonio Joaquim Rodrigues dos Santoe e sua
mulher.
Do Sr. desmbargador Deltino Cavalcante ao
Sr. desembargadorPires Ferreira :
Appellaco crime
Do PilarAppellaate o juizo, appellado Ma-
noel Francisco dos Santos.
Do Sr. desmbargador Monteiro de Andrade
ao Sr. desmbargador Alves Ribeiro :
Appellaco crime
De Garanhuns Anpellante Jos Joaquim de
Moura, appellada a justica.
O Sr. desmbargador Pires Gongalves como
promotor da justica deu parecer na
Appellaco crime
De Campia GrandeAppellante Joo Jos de
Maria, appellado Salvino Marcolno de Oliveira.
Do Sr. desmbargador Alves Ribeiro ao Sr.
desmbargador Tacares de Vasconcellos :
Appellaco commercial
Do RecifeAppellante Justino Epaminondas
d'Assumpco Neves. appellado Joaquim Fran-
cisco Ribeiro.
DILIGENCIAS
Com vista ao Sr. desmbargador promotor da
justica :
* Appellaces crimes .
Oe Tacarat Appellante Antonio 1-elix do
Nascimento. appellada a juctica.
De Piranhas-Appellante o juizo, appellado
Antonio Mana dos.Santos.
Com vista s partes : .
Appellaco civel
DO Recife Appellante Manoel Joaquim da
Rocba, appellado Virginio Horacio de Freitas.
DI8TR1BUIC;ES
Recursos crime3
Ao Sr. desmbargador Alves Ribeiro ;
Da Imperatriz -Recc-rrente o juizo, recorridos
Joaquim Alves da Silva e outro.
Ao Sr. desmbargador Tavares de Vascoirj
cellos :
De Palmares Recorrente o juizo, recorrido
Domingos Alfonso Ferreira.
Ao Sr. deserabargador Oliveira Andrade :
Da ImperatrizRecorrente o juizo, recorrido-
Jos Francisco Nunes.
Ao Sr. desmbargador Silva Reg :
De Bananeiras- Recorrente o juizo, recorrido
Melcbiades Minervino de Mello Muuiz.
Ao Sr. deserabargador Buarque Lima :
De Gravat Recorrente o juizo, reeorrda
Theodora Maria de Jess.
Aggravo de petigo *
Ao Sr. desmbargador Silva Reg :
Do RecifeAggravante Francisco Cecilio Fer-
na ides na Silva Guimares, aggravada D. Maria
Joaquina das Dores.
Appellaces crimes
Ao S;\ desmbargador Monteiro de Andrade :
Do Inga Appellante Camillo Gomes da Silva,
appellada a justica.
Ao Sr. desmbargador Vives Ribeiro :
Da Parahyba Appellante o juizo, appellado
Pedro Vianna.
Ao Sr. desmbargador Tavares de Vascon-
cellos :
" i e Nazareth Appellante Antonio Joaquim da
Silva, appellada a justica.
Ao Sr. desmbargador Oliveira Andrade :
Do PilarAppellante o promotor publico, ap-
pellado Antonio de Lyra Baixinha.
Ao Sr. deserabargador Silva Reg :
De Mimangnape -Appellante Felino da Fou-
seca G.ilvo, appellada a justica..
Ao Sr. deserabargador Buarque Lima :
De Palmares\ppellante Martraiano Jos Ro-
drigues, app diada a justica. .
Ao Sr. deserabargador Toscano Barrete :
Do RecifeAppellante Ovidio Henriquo Go-
mes, appellada a justica.
Ao Sr. deserabargador Dellino Cavalcante :
Do Recife -.ppellante Jos Venancio da Sil-
va, appellada a justica.
Ao Sr. desmbargador Pires Ferreira :
Do Recife Appellante o promotor publico,
appellado Pedro Francisco de Azevedo.
^ ppeliaces civeis
Ao Sr. desmbargador Toscano Brrelo :
De CamaragibeAppellante Manoel Ramalho,/
apudlado Jos Correia de Araujo Barros.
Ao Sr. deserabargador Dellino Gavalcauto :
Do RecifeAppellante Jos Gccilio Carne
Monteiro, appellada a fazenda provincial
Ao Sr. deserabargador Silva Reg :
De araaragibe Appellante Dr. Elysio R
Martiiis, appellado Augusta Jos PacboCO.
Appellaces commerciaes
Ao Sr. deserabargador 'marque Lima:
Do RecifeAppellante Jos Francisco dle Bar-
ros Reg, appellados Temporal & >-'illios."
Ao Sr. desmbargador Pires Ferreira
Do Escada Appeilantes Brocheton Bjiion,
apollados ontual & Oliveira.
Encerrou-se a sesso s 2 horas da lurdd
IHDICACOES TEIS
atedeos
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu eseripto-
rio aberto ra Duque de Caxias n. 74, das
12 s 2 boraa da tarde, e desta hora em lian-
te em sua rssidencia nta da Santa Cruz
n. 10. Especialidades molestias de se-
nhoras e criancas. Telephone n. 326.
Dr. Joaquim Lomeiro medico e parti-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1." andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Barretto Sarapaio d consultas de
meio-dia s 3 lioras no l.* andar da casa
a ra do BarSo da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.a
andar.
Lir. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, poden-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Advogados
O bacharel Witruvio Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar. %
O Dr. H. let mudou o seu escripto-
torio de advocada, para a ra do Impera
dor n. 46, 1* andar, sala da frente.
Oeeailsta
Dr. Fetrrnira. com pratica nos princi-
paes hospitaes e clnica de Paris e Lon-
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario n. 20.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e oficina d carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra madeiras de conta
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sem dom-
petenciaPernambuco.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva &C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-'
cas e medicamentos homeopticos, ra de
Mrquez de Olinda n. 23.
COMUNICADOS
\o esta atephalo
Em edictorial de hoje, o Jornal do Ree:fe, que
nao perde vasa em malsinar o grande partid*
conservador, procurou aproveitar-se do falieci-
mento do honrado Baro de Cotegipe, insinuan-
do que aquelle partidolieara acephalo.
Erabora desconhecamos a competencia que tem
o Jornal para immiscuir-se em assumptos que
entendem com a economa intima dos seus ad-
versarios polticos, nao lhe regatearemos a res-
posta necessaria, que, no caso, tanto.'mais sim-
ples, quanto o proprio Jornal nos forneee os ele-
mentos para ella.
Com effeito, se," como affirma o Jornal, o Bare
de Cotegipe, de saudosa memoria, nao tinha
impresso ao partido conservador o (junho de urna
alta individualidade, como BeaconsQeld ao par-
tido conservador da Inglaterra; se elle nao
concretisava, como anda affirma o Jornal, umi
individualidade distincta e propria, nao tinha
urna oritntaco diversa da dos eu$ mais elemlts
correligionarios, sobre a marcha dos negros
pblicos e, portento, nopodiater ab ia
sulco novo ao partido conservador
evidente que entre esses mais eleva
narios dos quaes o'illustre morto a
na orientago, uSo.deixai
recoiher-lhe a heinca inl
tido conservador com om
largueza de
rao-de Cotegipe,
Era sem duvida o boni
o mais prestigia
"I
I
I

'' t
j^

7
I y
ti
,


^
Diario de PernambucoSabbado 10 de Fevereir de 1889
H'
pa.- serrador; era, n;V> ha negat-o. o
pnmus nter pares dos actuaos chefes d'esse par-
I tido, do qnal com bons direitos e justostitulos foi
agrado chefe n'ura banquete que foi roemoravel;
as perguntamos nos : foram-lhe smenos Rio
Branco, Euzebio. Paran, e tantos antros que a
inerte ceifou quando raais alto se collocaram no
conceito pul>iico % raais se destiiiguiram as
fileiras era que se alisturam ?
Assim ramo esses vultos eminentes da poli-
tica foram se succedendo outros nao menos dis-
toctos, de forma que a serie dos chefes conser-
vadores jamis foiBinterrompida, assim tambem,
acontecer agora; e o Baro de Cotegipe, to
inexperadamente roubado ao servico da patria,
ter successor,taonobre, tao distincto, tao digno
4a estima dos seus correligionarios e da vene-
ragao do paiz, quo nobre, distincto;e digno desse
respeito foi o Ilustre morto que todos prantea-
mos.
No senado, onde se encontram os homens poli-
ticos mata noUveis de ambos os partidos min-
iantes ; no senado, onde se apuram o merec-
ment e o patriotismo, futios dos esforgos indivi"
duaes e dos scrvicos e dedicaco causa publi-
ca ; no senado, nao faltam vultos conservadores
qne possam emparelhar em estatura moral e po-
ltica ao grande homeni que se cliamou Joo
Mauricio Wanderley.
Joo Alfredo Correia de Olivcira, Paulino Jos
Spare* de Souza, Antonio da Silva Prado, Jerony-
mo Jos Texeira Jnior, Manoel Francisco Cor-
rea, Visconde de Cavalcante, Luiz Antonio Viei
ra da Silva e Francisco Belisario Soares de Sou-
za,para nao citar senSb os apontados pelo Jor-
nal do R'rifeiio chefes muito distioctos e que
reunetn qualid-.-des que o proprio Joinal reco-
nheci'. una vez que declara que elles podem ser
generaes.
Todos esses, e mais outros, que figuram no Se-
nado e na Cmara dos eputados, se teem posto
em evidencia pelos seus talentos, pelos seus sent-
eos, nelo sen patriotismo. Qualquer delles esta,
pois, no caso de aspirar a chefia suprema do
partido brain eminentes cidados, capazes de empunhar
esse basto.
Antes de ser sagrado chefe da gre por quem
toba direitos e recebeu mandato para fazel o, o
honrado Bario de Cotegipe passou mnos na po-
siii-o em que se acuain agora os vultos cujos
nomes citamos, reproduzindo-os do Jornal do Re-
eife. Nada ha, portanto, que admirar em que
o mesmo aconteca neste momento histrico.
O chefe supremo de um grande partido, e no
geral os chefes ou generaes dos partidos polti-
cos nao se fa/.em de improviso. Alem dos pre-
djcidcs proprios s individualidades, alm das
quali.lades intrnsecas para o cargo, cumpreque
os chefes tenlam o consenso geral dos respecti-
vos partidos, consenso que resulta da mais per-
feila cenfianca no mrito, no lino e no criterio
dos generaes.
asa confianca existe no partido conservador
em relaco aos personagens citados pelo ornnl
do Renfe. O que resta que os suffragios gene
escolhatn um desses pares para ser o primus : o
que alias urna questo de economa interna do
par:ido, com a qual nada tem que ver o orgao
liberal.
Por ventura j inquerimos nos do Jornal do
Recife qual o chele supremo do partido libe-
ral
Entretanto, o Jornal ha de reconhecer com-
nosco que o partido liberal, ha rauitos annos, se
acba na posico ein que foi agora coocadoo
parti.io conservador pelo trespasso do honrado
Bario de Cotegipe.
Riscados do rol dos vivos os distinctos homens
que se chamaram Zacharias de Ges. Nabuco de
' Araujo, Ottoni e tantos outros que foram proe-
minetes as fileiras liberaes ; quem licou o
bastao de chefe do partido em que milita o Jor-
nal do Recife ?
Quem o chefe supremo dos liberaes do Bra-
sil :,Manoel Pinto de, Souza Dantas.' Jos An-
tonio Saraiva ? AfTonso Celso de Assis Figuei-
redo Gaspar da Silvcira Martins T Joo Lins
Vieira ausancjto de Sinimb Lafayette Rodri-
gues ereira ? Visconde de Paranagu Octa-
viano Rosa ?
Todos esses sao generaes, toilo- sao distinctos
pelos talentos e pelos servicos, todos teem a
confin$i dos seus correligionarios; qual delles
o chefe supremo ? qual delles reuni os suffra-
gios geraes para o supremo mando no partido
liberal .'
Nenhura T .lo* teem grupos de amigos que
os teconhecem respectivamente para chefes.
Mas neiihum anda conseguio reunir as adhesoes
de lodos.
E no entanto, o partido liberal nao est ace-
phuo, e o Jornal do Recife certamentc- uo con-
ttiwmi tm acephala.
Convidamos o Jornal que indique qual o
chefe supremo do partido liberal. Desatiamol-o
que mostr perfeita identidade de orientago
entre os mais notaveis dos generaes do seu par-
tido. Yerbi-gnitia entre os Srs. Saraiva c Dan-
tas : entre qualquer destes e o Sr. Cansancio de
Sinimbu : entre os Srs. Silveira Martins o Affou-
so Celso, e en'fc os Sis. > Silveira Martins c Sa-
raiva.
Nao, o Jornal nao poder negar a disparidade
de opiniOes e conceitos entre esses generis do
partido liberal. Entretanto, faz cabedil da di-
vergencia entre os chefes conservador- JoJo
Alfredo e Paulino de Soza. anrps>-nta:ido-os
como impossives um para o out:
E' errnea, porm, easa apreciacSo de orgao
libera!, u- dons festejados chefe-, cujas in-
flueoci is mais dir tircm
Wat iliiVereiile-. so tmham ihvergencia n"um
pon i a qaesto servil. Morta esta pela u-
rea iei d" 13 de aio, Bada i.upede que os clous
illu- approxuem, se entendaiu,
e tnraum acaordo imprimam ao partido
conservador a direccao que sempre leve, e
a orientaco necessaria.
! a mesilla forma que lord Beaconsfield insu-
ue novo no corpo do partido conserva-
dor ioglez, o conselheiro Joo Alfredo reanimou
o part lo con.*e lor brazileiro. O papel dos
dou- sino. Nada un pede que Jo">o Al-
guinio, mais saliente* na phalange dos
;m no Brazil o que
ao ImryeSir
>rd Norlbc
E riles 9e lio de har,.ioni*ar, desonce o Jur-
\ec\fe, pelo mer.-- .. teal
^do os ch roe, nao obstan-
verpenn
ente :npn' qne a s*premn le.t lhe? im-
pe a di mostraran ae-
cord
Seje, porem, como for, a verdade que. por
maiorque fosse o golpe desferido no partido
conservader pela awrte de Bario de Cotegipe,
partido nao esta acephalo; oeno nao est
charias e Nabuco.
O partido ironservador tem sua frente ho*-
mens notaveis, e sob o mando delles proseguir
desassombrado em sua misso civilisadora
Foi sempre assim que aconteceu ; essa a
lieco histonca ; e ella ser proficua.
Recife 5 de Fevereiro de 1889.
BBACO.VSFtKLD.
PBLICAQOES A PEDIDO
Notas do sentimento
l'na negro e um braneo
IV
V. Diario n. 18 de 1889
Os collegas do imperador receberam-no com
agrado maior por causa da tal iei urea ; mas
nao com todo o que elle esperava, porque, como
os abolicionistas de c, nu ficaram satisfeitos
com ella. D'ahi veio que s M. continuou a pro-
teger a agitaco abolicionista desda que aqui
oIiquaii Aa uAll-i Art aii'i vi'ifr n i U'iirmi-i
chegou de volta da sua viagem Europa.
Essa agitaco foi crescendo, porm lenta e
muito lentamente, tendo sido muito interrom-
pida pela propaganda da eleico directa, feila
qnasi que exclusivamente pelo partido liberal,
isto desde que foi saureionadaa urea Iei.
D'ahi resultoou que o imperador desaponlado.
com a experiencia da Iei do berco, chamou ao
poder o partido liberal, declarando expressamen-
te ao Baro de Gotegipe que a este coinuetia
fazer a Iei, pois que naviam sido os propagan-
distas da ideia os liberaes.
Foi na chegada do imperador que o infeliz par-
tido subi. Desta vez nao Ihe falharam as espe-
rancas, e toi a nica, coitado. neste reinado, que
pode vealisar a sera ideia, e isto ainda estando
frente do goveroo um liberal ex-conservador,
da alluvio convertida a um partido novo, que se
chamara por certotempolga-progresso. ()
Depois de constituirla a le da eleicao directa,
continuou anda muito lenta e fracamente a
agitaco abolicionista: pelo que pouco cuidado
e incommodo da va ella aos senhores deescravos,
to. certos estavam todos que a urea Iei era a
ultima palana dos poderes pblicos em tal ques-
to que julgavam linda.
Nao levavam em conta o que travalhavam as
sociedades da Europa cora o imperador, nem se
lembravam de quanto este povo brasileiro ca-
paz quando tem sua frente, em qualquer as-
assumpto, a opinio ou a vontade de seu sobe-
rano : nao se lembravam, portanto, que, em taes
coodigOes, quando tudo parece momo e fri, o
imprevisto, qualquer couza. em si de nenhum
valor, vera, como a faisca cabida na materia in-
flaminavel ater o incendio. Foi o que se deu.
Corriam.as cousas calma e regularmente, sendo
as maiores difliculdades do paz a baixa do cam-
bio e a horrivel praga do papel-moeda que a
produzia, constituindo exclusivamente o meio
circulante do paiz, sendo para peiorqueo nosso
systema monetario fundado em um padrao de
valor varivael, por sera unidade do systema
sem signilirarSo real.
Nao obstante contiouava a nossa industria
nica nacional em seu tal ou qual e sempre sen-
sivel desenvolvimento, absorveudo a maior parte
de seus lucros e commercio, todo estrangeiro
que para o estrangeiro o transporta quando cada
um fez sua fortuna, empobrecendo cada vez mais
o naz, pois oque nelle rjfc riqueza se ve. nao nos
perteace, t se reuiettemas suas rendas ainda para
o estrangeiro parajseremjdesconsuminidas l.
Dahi vera essa ponreza e miseria e geral des-
oceupaco, dos nacionaes e portanto o limitadissi-
mo consumo, e assim as piracas e insuficientes
eudas publicas, a miseria das (mancas, os em
_ reatbnoi continuad.w, as emisses de papel
in.>e(la, os bancos de ctalo para com o lucro
de papel do banco se queimar o papel do gover-
no. e converter aquelle em ouro, por meio do
feiiicu nao sei de qije fada, que deixa os bancos
ricos de ouro, o puiz rico de ouro, o povo rico
de ouro. tirado da agricultura que de nada ou
d papel de bancos e de libras hypothecarias faz
tanto ouro e riqueza.
Nao sei como ainda ha nago pobre e gente
pobre neste mundo. Nao sei como sao to cur-
tos ou to orgulhosos os linanceiros das outras
naces. que nao aprendem cornos nossos a fazer
rica a sua patria cora o papelorio dos nossos
linanceiros.
Continuava pois o commercio e a agricultura
assim. e o commercio de escravos nio cessou
com a Iei do ventre livre, endo o norte o expor
tador delles para o sul e principalmente o
Cear.
E a agitaco abolicionista era no Cear mais
activa do que as outras provincias
Nao sei precisamente quando Joaqnim Xabuco
*e Jos do Patrocinio apareceram na agitaco ,
lembra-me que. quando, depois da secca do
Cear. esta provincia coraecava a luantar-se
ilaquella to horrivel quanto dolorosa desgrana.
foram vistos na agitaco abolicionista o negro e
o branco, dos quaes nos oceupamos
A secca tinha deixado aquella to industriosa
provincia e seus lilhos os mais activos do Brazil,
na mais profunda desgraca. Crescendo sempre
e desenvolvendo-se no sul as fazendas de caf,
nao se tendo ainda dado a baixa que occorrera
depo3 nesse producto, cada dia maior pceo
offereciam 03 fazendeiros daquellas patagona
pelos escravos que do norte recebiam.
Essa especie da propriedade, era o ultimo re-
curso de que iancavam mo os senhores de es-
cravos no Cear depois da secca.
Era all 'o grande a expoitaco dos escravos,
que a agitaco abolicionista comecou a se revol-
tar contra ella, e indicava medidas legislativas
pan impedil-a. Mas relativamente aos escravos
que o Cear possuint, j eram poucos os
3ue ento haia. Antes porem que alguma
as medidas iniciadas fosse convertida em Iei,
den-se um facto. resultante apenas da vontade
de um homein. trabalhada pet sentimento que
a agitaco incitava.
Este hornera o jakgadeibo nasci.mento, que
nao quiz raais embarcar para os vapores os es-
cravos a exportarse para o sul, e com elle todos
ns seus collegas em cojos sentimentos actuara
com inteiro vigor aqueile exeinplo.
O embarque e desembarque no Cear so se
pode fazer por meio de jangadas, por causa da
violencia do mar sobre a praia. Nascimento o
principal dos y ogadeiraa que faziam este ser-
vico.
Muita gente tem presenciado as scenos dolo-
iiisas que se do por eccasiao de embarque de
/os, que os negoc antes deste genero com-
pravam em diverso- lugares, e, ajuntanlo-os os
maudivnra para o sul >u os conduziam. Bram
i- dolorosas, de lagrimas e aateros, que
partiaui o coragSo do espectador;
A- l'.i'Tiilias, quando -e aflaataiu de bbmi ar#-
nocas para oo'.ras.dei-ramaoi lagrimas ii>- .-;:n-
dade. e3treitam-se SW consolailores abracas ;
!ii;i- i-.-ses pas.-os, i las da vida, sao dio-
vidas pela necessidarh e compensadas pela me-
lii ira de wtaacfto, que se demanda, mitigadas
pelo recui-o i BflPMBUnlcacao por escripto, e
consoladas pela espemooa de s ainda lorea e
ajautarem as pi i ras que anta apariacn-
se. Maso escravo nao se einliarcava por vonta-
de. nem por esperama de melhor \ida;iapor
nteresse do senhor edo marcador,como merci-
doria. a logares kivios, a aaragent ignotas ; bou
(lt-;'.iuu. como ra o qutijo ou u feijo, que pode
ficar no primeiro mercado, ou ser conduzido
para onde melhor intens-r der. ou del le mais
un; senhor precise.
(#) Esse partido liberal, estando a 18 an-
nos fora do poder, desde a revolaran de 48, para
subir solfrera a de repudiar o oqme
de ib-Tai. -endo cmniaiuiado pelos coaaerva-
dores menos presados e logitivos dos seas, sendo
o chefe d'ellcs o Marque/, de Olinda, qne veio
liga, nao pela nato o- outros, mas por al po-
Cahiudo a tao .rruptora liga, quan-
to violento fdra o partido liberal do tempo de
Chichorro. o nome que servio de laco aos cor-
no poder, nao tendo razan de ser na
opposico, foi buscado o velho' nome liberal do
sentimento do povo. sem oque na opposico nao
poderia tal partido fazer fortuna alguma ou dar
um pa
Mas ainda assim flcou quasi em todas as pro-
vincias commandado pelos chefes de origem
conservadora, e neste. provincia por urna fami-
lia conservadora, que constituio urna oligarebia
que, cono do principio da liga governa o parti-
diliberal.
Aasim deixa os lugares onde foi nascido e
creado, os irmaos, os paes, os camaradas de
quem vai perder a affeicao, a familia dos senho-
res onde era guici bem ou menos mal tratado,
8 que o vender muitas vezes por necessidade
e com doloroso constrangimento, e vai ser pro-
priedade, como um boi ou um cava! lo, de um
senhor que suppoe sempre tanto mais cruel,
exigir de si tanto maior trabalbo, quanto maior
for o preco por que o comprar e de tudo isso,
essas scenas to tristes e compungidoras.
O jangadeiro Nascimento revoltou-se contra
esta Birataria, e nio quiz ser mais instrumento
de tao brbaro quanto monstruoso attentado con-
tra o homem.
Os mesnros sentimentos actuaram n'alma de
seus collegas e nao houve mais quem embar-
carse escravo no Cear. Os commerciantes da
mercadoria humana viram-se embarazados para
conduzir as suas facturas aos rendosos mercados
do sul para onde eram destinadas.
Recorrern) polica c esta tentou obrigar os
jangadeiros a embarcar os escravos, mas nao
acharam geito nem meio. Os jangadeiros toraa-
ram entre si o eompromisso de nunca mais em-
barcar essa mercadoria e assim o cumpnram.
Este facto depreciou immediatamente os es-
cravos no Ceara, onde, pelo' genero de cultura
geral, creaeco de gado, os escravos tem pouco
em que se oceupar.
O acto dos jangadeiros e a depreciado dos
escravos que dele resultou, foi, mais que urna
faisca, for urna flamma lancada ao sentimento
explosir indignado contra a escravido.
E os abolicionistas se congregaram e as socie-
dades se multiplicaram era todo o Cear, para o
lira de acabar all em pouco tempo, em poucos
mezes com a infame instituico.
A propaganda foi activa, instante, excitante,
ardente, quasi delirante, furiosa, usando de todos
os improperios contra os senhores de escravos,
para que todos dessem a liberdade a seus es-
cravos sem alguma indemnisagao, e quando mui-
to pelo preco de um bode.
Toda a populaco sem escravo daquella *cida-
de tomou-se deste odio contra os senhores de
escravos e a tal ponto que o orgao da imprensa
que a medo comecou a defendel-os no sentido
de nao serem culpados da escravido cotra a
idea da libertago com inteiro prejuizo dos se-
nhores este orgo da imprensa vira-se forcado
a calar a sua defeza, limitando-se a registrar al
Saos dos factos mais escandalosos e violentos
os abolicionistas.
Esta agitaco com todo esse ardor e violencia
ganhou em poneos dias esta cidade e com tal
furor que tomou do maior terror os nossos agri-
cultores e quasi todos os senhores de escravos
desta provincia, porque toda a gente que ao
possuia escravos adhera a ella com o mesmo
ardor.
A libertaco devia ser j, e sem indemnisa-
gao. Mas aqui contra toda esta ardencia le-
vantou-se urna penna que o furor popular nunca
flzera recuai, pugnando pela indemnisagao da
propriedade escravo, to garantida em toda a sua
plenitude a sua posse e dominio, como toda ou-
tra propriedade ; adquirida com o mesmo pro-
ducto do trabalho, como o foram as outras.
(inmediatamente os senhores deengenho man-
daram pagar as duas imprensas dianas para im-
primir esses artigos que eram quasi diarios ata-
cando com a maior vehemencia o furor da pro-
paganda da aboligo gratuita.
Ao su' os fazendeiros trataram logo de se
constituir em clubs da luvoura, e a imitago des-
tes os desta provincia o mesmo fizeram.
Mas era modificado o sentimento destes do dos
clubs do sul; pois all organisavam a resisten-
cia a aboligo e aqui, segundo asseguravam elles
a seu orgao expontaoeo pa imprensa, so oppu-
nham a "propaganda defeza pelo valor de sua
propriedade, isto pela indemnisagao, thema
este que desde o principio fra sustentado por
esse orgo.
Elle se tornou o alvo dos maiores odios e ren-
cores ; apontavam-n'o aos escravos com a causa
de j nao estarem elles todos libertados ; mas
atacados com vigor contra a mais intqua, inte-
resseira e infame das causas, ficaram abatidos,
todo aquelle furor anniquilado. elles quasi emmu-
decidos, nao podendo sustentar to ardente phi
lantropnias pm sacrilicio, tao instante generosi-
dade custa alheia, to egosta propaganda
custa so do sacrificio dos outros, o resgate de
um direito, de urna inqualilicavel oppresso de
que toda a nago era causa, a custa da oppres-
so, da miseria, da desgraga de urna outra clas-
se somonte, menos culpada que outras desta
m*-sma sociedade.....
Urna pausa aqui ; sou obrigado a ir devagar
cora esta historia.
Recife, 13 de Fevereiro de 1889.
Affonso de Albuquerque Mello.
Patrimonio Regaard
A commissao abaixo assignada compos-
ta de amigos do infeliz tenente Pedro
Regaard brbaramente assassinado na noi-
te de 9 do corrente, resolveu solicitar do
commercio e do publico desta cidade em4
geral, um obulo atn de ser adquirido um
pequeo patrimonio para a desventurada
viuva o orphaos da infeliz victima.
Confiada a commisslo na caridade e
benevolencia do mesmo publico, espera
seja attendida em seu muito justo fim,
podendo entretanto aquellas pessoas que
quizerem concorrer com o seu obulo, re-
mettel-os ao thesoureiro abaixo assignado
ou a redaeco deste Diario.
Recife 15 de Fevereiro de 1889.
Presidente,
Felippe de Figueiroa Faria.
Thesoureiro,
Joseph Krause.
Oommisso agenciadora
Capitao Joaquin R. de Souza Gonzaga.
Capito Manoel Joaquim Botelho.
Tenente Antonio I edro Dionizio.
Tenente Francisco Jos da Silva.
Tenente Liberato Prisco Ribeiro.
Tenente Delrniro Gaudencio Ribeiro
Pessoa.
Ao conmerao
O abaixo assignado, tendo de retirar-s e
para a Europa no vapor de 17 do corrente,
faz aciente a quem interessar possa, que
deixa como seus bastantes procuradores os
Srs. Arthur Gongalves Macaes, Domingos
Gomes Correia e Bernardino do Souza
Duarte, quer para seu estabelecimento,
quer para suas transaccoes particulares ;
tal como se acham na ordem aqui estabe-
lecida.
Outro sun, faz sciente aos seus amigos
e tVeguezes que, o seu empregado o Sr.
Jos Wenceslao fica encarregado das ven-
das do balcSo, assim como receber conta,
passar recibos, etc.
Recife, 16 de Fevereiro de 1889.
Antonio de Souta Duarte Ferrara.
w.
Extracto de urna carta do Sr. D. Pedro R. Var-
Sas, datada em Granada, Nicaragua, em 21 de
ezembro de 1886:
Communico a V. S. que o Extracto Duplo de
Ayeleira Mgica (Witch Hazel) do Dr. C. C. Bris-
toljtem-me dado eminentes resultados na coque-
luche e outras molestias ; creio que se tornar
muito procurada por sua eflicacia.
A pequea quantidade que me enviaram
acabou se-me depressa, dando-me um successo
hrilhante, o qual tenho feito inserir em alguns
jornaes do meu miz, pois a peste da coqueluche
reina na actuglidade.
---- -^^-------------
O bacharel Julio Augusto da Cunha Gui
marSes, secretario e fiaeai da Meretissi
ma Junta Commercial do Bhcife, ein
observancia da duposicao dplriigo 41
do decreto h. 9828 de 31 ^fe Dfzem-
bro de 1887.
Certifico que as sentengas proferidas nos au-
tos daaggravo entre partes aggravantes Pereir^
Pennl i C, aggravados Carlos de Arruda .v C,!
sao do theor seguinte :
A Junta Commercial do Recife tomando em
consideragfto o allegado pelos aggravantes Carlos
d'Arruda ^ C, ex-socio da firma Ventura Pereira
denna & C, em sua minuta de folhas 10 e 11
verso e o que consta da fiel e exacta informago
da secretaria desta Junta de folhas 13 e 14, da
qual resulta a verdade de nao ter esta Junta con-
frontado a marca dos aggravantes Carlos de Ar-
ruda & C, registrada sob o n. 221 a 22 de Mar-
go ultimo, com a dos aggravados Pereira Penua
& C, quando solicitaram o respectivo registro,
pelo que confrontando-as e adiando que os ag-
gravados imitaram parcialmente a marca dos
aggravantes, e, tendo em vista as disposigoes do
artigo 8o n. 6 da Iei n. 3346 de 14 de Outubro
de 1887 e artigo 9* n. 6 do regulamento n. 9828
de 31 de Dezembro de 1887 que pronibem ex-
presamente o registro de marca que contiver
imitago total ou parcial de marca j registra-
da para producto da raesma especie, que possa
induzir um erro ou 'onfusio ao comprador: de-
vendo con8derar-se verificada a possibilidade
de erro ou confuso sempre que as differengas
nao possam ser reconhecidas sem exame atien-
to ou confrontaco.
Reforma por isso o despacho proferido em ses-
so de 13 do corrente, folhas sete, na petigo de
Pereira Penna A C, de cuja firma sao socios
Jos Pereira Penna e Bento barboza, para o flm
de ficar sem effeito o registro n. 242 da marca
Indiaua que ser trancado ou concellado, e
cassados o segundo e terceiro exemplares da
dita marca que se acham em poder dos aggra-
vados, e annexando-os a este processo, ficando
salvo aos mesmos aggravados a interposigo dos
recursos legaes.
Junta Commercial do Recife, em sesso de 27
de Dezembro de 1888. Olinto Bastos, presiden-
te interino.-Lopes Machado.Beltro Jnior.
Figueiredo. O secretario Julio Guimaraes.
Accordio em Relago, depois do sorteio e re-
latorio do estylo, que aggravados nao foram os
aggravantes pelo daspacho de que se aggravaram,
em vista dos autos e fundamentos expendidos pe-
la Junta Commercial desta cidade, em sua con-
traminuta de folhas 28, e, negando portanto,
provimento ao aggravo, condemnam os aggravan-
tes as cusas.
Recife, 8 de Fevereiro de 1889. Quintino de
Miranda, presidente.Monteiro de Andrade.
Delphino Cavalcante.Pires Ferreira.
Cumpra-se a deciso de folhas vinte, confir-
mada a folhas 31 verso, colloque-se o registro
n. 224 no seu respectivo lugar, e proceda-se na
forma da Iei quanto ao segundo e terceiro exem-
plares da marca de Pereira Penna & C. e quan-
to cobranca das custas pertencentes a fazenda
nacional.
Junta Commercial do Recife, em sesso de 14
de Fevereiro de 1889. Miranda Leal, presiden-
te.Olinto Bastos. -L. Machado.-Figueiredo. -
O secretario, Julio Guimaraes.
Sao estas as sentencas extrahidas dos autos
de aggravo pedido dos vene.dores Carlos de
Arrufa AC.
Dada e passada nesta secretaria da Junta
Commercial do Recife, aos 14 de Fevereiro de
1889.
Escrevi e assigno. Em f de verdade. O se-
cretario, Julio Augusto da Cunha Guimaraes.
Elixir depura
tivo ve
Formula de Angelioo Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande eflicacia as mo-
lestias s y phi I ticas e impureza dosangue ; assim
como em todas as molestias das sennoras.
Tem curado radicalmente .imitas pessoas ac
commettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os aaultos temarn quitro colheres das de
sopa pela manh e quatro noite. As criangas
de i a 5 annos tomaro tuna colner pela manh
e outra noite, e os de 5 a 11 annos tomaro
duas colheres pela manh e duas noite. De-
vero tomar bandos fro ou morno pela manh e
noite. Resguardo regular.
Encontrase venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva A C, ra do Mrquez de
Olinda n. 23 e pharmacia Oriental ra stre-
ta do Rosario n. 3.
O autor deste preparado poae ser procurado
na ra do Baro da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicago
que for precisa.
Gurso primario e prepara-
torio
|Kna Larga de Rosarlo n. i*
f" andar
Estarlo abortas as aulas deste curso no
dia 8 do cerrente mez.
0 director,
Camerino Sobrinho.
Leonor Porto
Ba
*
Larga do Kooario
2o. andar
Continua a executar os mais dif"
ficis figurinos recebidoa de Lon-
dres, Pars, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicSo de costuras,
em brevidide, modicidade em pre-
90S e fino gosto.

Attengo
l^vmv Srs. presiden!r da Rela-
eo. presidente da provincia e
ninisJro da justiea.
Pelo deiTeton^jaA^dfr'i ile Nnembro de
do- 1 irn tu) das. < os revisles
en 1 30.
1 se. pois a um dos Srs desembarga-
da Refaoo desta provincia, a razo por
Bao despacha os feitos civeis e commer-
1 ...es. que Ibes tem sido distribuidos desde Ju-
nho de 1887 at hoje, conservando^ amontua-
dos em seu poder at o presente sem fazer rea-
torio e passar ao- juizes revisores, conforme lhe
obliga a iei?
Desta forma quer V. Exc. prejudicar as partes,
isto um horror! Nao ha sapplisas e rogos
que o coramovam a deliberar em fazer relatono e
passar aos juizes revisores ?
A' Vv. Excs, impetramos o cumprimento da
Iei, se que ella nao foi feita sement para a pu-
nigao dos desvalidos, pois taes demoras s ira
rem prejuizes s partes.
A prova do que fica dito, os Srs. escrives que
attestem, segundo a carga foita nos seus proto-
colos
Urna dis victimas.
Preferencia
O peitokal de cambak hoje o re-
medio mais receitado pelos mdicos para
as molestias do peito.
Francisco Manoel da Silva & C.
Superioridade
cima do qualquer outro remedio para
as doencas do pcito, est collocado pela
sua eflicacia o Peitoral de Cambar que
se vende em casa dos agentes Francisco
Manoel da Silva & C, ra Mrquez de
Olinda n. 23.
A ultima paiavra
Da medicina para as molestias do peito
PEITORAL DE CAMBAR.
Francisco M. da Silva & C.
e o
Oculista
Dr. J. Correia de Bittencourt, oculista
residente na corte, ex-chefe do clinicn
ophthalmologica dos Drs. Wecher e Pa-
nas em Paris e do professor Hirschberg
em Berlim, tendo regressado fce sua ex-
curo s provincias do norte Jdemora-se
alguns mezes nesta capital no ejercicio de
sua especialidade.
Consistorio e residencia nM do Bario
da Victoria n. 23 1 andar. Eada pela
C&mboa do Carmo.
Consultas das 12 s 3 da Gratis
aos
?viso ao publico
Enquanto durar a E^tposign Universal de
1889. os nossos leitores que se acbaRoi em Paris
e que desejarem receber quaesquer noticias da
trra, podero ler os nmeros mais recentes do
nosso jornal no escriptorio dos nossos corres-
pondentes, os Srs. Amde Prince & C. 36. ra
Lafayette. em Paris.
Os'nossos patricios podero receber a sua cor-
resp^'dencia. peridicos, etc. etc.. em casa dos
Sr-. Amde Prince i C.
Outrosiui. os mesmos Srs. Amde Prince & C,
negociantes-commissarios pem a sua casa de
compras s ordens de qualquer pessoa que dese-
jar ter urnas informages. ou utilisar sen inter-
modio
Vas urinarias, molestias do tero,
operacSes elctricas
SL CABLOS SSTT&sVCOBT
ESPECIALISTA
com pratica de pabiz k londbes
Estreit.H'.ien! s da urethra curados ra-
dicalmente pela electrolyse, sem dor ;
hydroceles sem injecg<* (cura radical);
feridas e Ulceras chronicas. com garan
ta de cura rpida : pedras da bexiga,
Ustulas e hemorrhoidas; syp^-ilis. go-
norrtu'as, pelo methodo das instillaces;
molestias da garganta c do peito pelas
athmospheras medicamentosas. > on-
sultas e operagoos das 12 s 3 horas
da tarde.
RUADO MRQUEZ DE OLINDA N. 34
N. 43
Jllm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade. -
Amigo e senhorTendo minha senliora soffrido
por espago de 30 annos mais ou menos, da ter-
rivel molestia erizipella, da qual ha 2 annos a
esta parte, accommettia a mindo a ponto de re-
petir-Jhe duas vezes ao dia, e tendo esgotado
todos os recursos mdicos sem delles obter o
menor lenitivo aos seus soffrimentos a 6 mezes
mais ou menos ; um amigo me aconselhou o seu
Elixir purilicador do sangue, sem f fui com-
prar urna garrafa, e appliquei, a qual operou
urna niaravilha. porque at a data presente nao
appareceu mais o mal.
Destas poucas linhas que s contm a verda-
da, far o uzo que lhe aprouver.
Recife, 2 de Marco de 1888.
Jos Pereira de Alcntara Brando.
N. 44
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Recife, 20 de Margo de 1883.
Amigo Sr. Faltara ao meu dever, se por
meio desta deixasse de manifestar-lhe quanto
acho prodigioso o Elixii depurativo do sangue,
por Vmc. preparado, pois sofrendo eu, ha mais
de 2 annos de dores por todo corpo, e com es-
pecialidade no peito, assim como de urna ulce-
ra syphilitica na garganta, e tendo eu j perdi-
do a f, aos medicamentos que conseculivamen
te me receitavam os mdicos, quando fui acon-
selhado por um amigo para que fizesse uso do
seu Elixir Depurativo, o que hz uso de tres gar-
rafas. Hoje, (gragas a Deus) e ao seu remedio
acho me completamente restablecido.
Poder Vmc. fazer uso desta minha man festa-
gio, o que lhe aprouver por ser com subida es-
tima e considerago.
DeVmc. amigo/venerador, criado multo obri-
gado.
Manoel Tavares da Costa Martins.
N. 45-
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Sendo accommettido ha 2 annos mais ou menos
de urna infiammago na orelba esquerda que
progredindo em demasa, causou-me serios re-
cejos ; uzei a conselho de um amigo, do seu
Elixir purificador do sangue ; e de facto, urna s
garrafa, foi quanto bastoa para sentir-me perfei-
tamente bom ; nao obstante ainda repito urna
outra garrafa, do qu alias nao precisava ; e a
evidencia rapidez e pontualidade na cura, nao
se fez esperar.
Faga o uzo qne lhe aprouver desta carta
De V. S. attento e obrigado.
Recife, 18 de Janeiro de 1888.
Pedro Alexandrino Machado
(Estavam selladas e reconhecidas as firmas.)
(Contina).
Collegio de S. Miguel
Roa do vseonde de Cantaragi-
be n. ftS -
Aos respeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instrueco para o sexo feminino,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
A mesma promette aos paes que lhe
confiarem suas filhas esforcar-se por lhes
dar urna educacSo primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do Io de Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde as 7 da
noite.
A directora,
Emilia A. de Mendonca
jj Medico operador parteiro
| 4 -Hua Larga do Bonario *4
) (Por cima do Annel de Ouro)
' Onde tem consultarlo c rei
I dencta 1 podendo ser encontrado e
/ i recebendo chamados a qualquer hora
' do dia e da noite.
) ) Especialidades: Partos, febres, moles-
() tias de senhoras e dos pulmes, syphilis
' i em geral, cura rpida e completa e ope-
) rages de estreitamentos e mais soffri-
H mentos da uretra.
' Acode de prompto a chamados para
I fra de qualquer distancia.
, i Telephone n. 394
I
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wcker, d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Baro da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Dr. Manoel do Nascimento la-
chado Portella Jnior
Escriptorio ra do Imperador n. 66 .
Io ANDAR
EDITAES
2. ANDAR
[Tarre
Especialidadefebres, molestias
das enancas, dos orgos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devein ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Cirurg-i Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aborto o seu consul-
torio, na ra Barao do Victoria 19. Io an-
dar. I
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
[j Frederico Chaves Jnior j
j Homoepatha
M 39 RA BARAO DA VICTORIA ^- 39 \ \
j { Primeiro andar j |
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e cranlas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 1S, Io andar.
Consultos de 8 s 10 da mauML
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. 226
Bacharel Antonio Witru-
vio Pinto Bandeira
Pode ser procurado ma do Imperador
n. 71, Ioandar
)
u
(1
3a seceo.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 7 de Janeiro de 188&.
Faco publico, de ordem do Exm. Sr.
Dr. presidente da provincia, que se acha
aberta a concurrencia para o emprestimo
externo de 8,600:0000 (oito mil e seis-
centos contos de ris), autorisado pela. Iei
provincial n. 1,927 de 15 de Novembro
findo, com o praso de quarenta e cinco
dias, a contar da data da primeira publi-
cacao do presente, para o recebimentc
das respectivas propostas, que serao apre-
sentadas nesta secretara, em cartas fecha-
das.
Estas serao abertas pelo mesmo Exm.
Sr. s 12 horas do da, em que expirar.o
praso fixado, com os proponentes presentes
Nos termos da referida Iei, o emprestimo
ser* de quantia que produsa a predita impor-
tancia de 8,600:000)51 (oito mil e seiscen
tos contos de ris) liquida, a ser applieada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apolices de juros annuacs de 7 '*j0
(sete por cento), com excepcao daquellas
que tenham sido emittidas por empresti-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agrcola ou industrial, bem como
para liquidacSo dos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888.
A taxa da emissao nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de commissao.
e o juro n3o exceder de 5 j0 (cinc* por
cento) alm da quota de amortisacao, que
nio ser superior a 1 {0 (um por cento),
sendo esta e aquelle safisfeitos semestral-
mente.
O secretario interino, Manoel Joaquim
Silveira.
O Dr. Joaquim Correia de OliveiraA-
drade, juiz de direito privativo de or-
phaos e ausentes nesta comarca do Re-
cife, por Sua Magestade Imperial a quem
Deu guarde, etc.
Faco saber aos que o presente edital virem ou
delle tiverem conhecimento que depois da au-
diencia de 19 de Fevereiro do corrente anuo.
iro a praga para ser vendido a quem mais der
os hens seguintes :
Dous consoles de imarello 6S.
Duas c deiras de balance 124.
Seis cadeiras 125.
Orna uiesa de p>n!io i&.
Quatro tamboretes 1*.
Urna marquez; de amarelo 21.
Um par de lanternas 23
l':n armario 15-
Una cama de lona 1*.
Os quaes bens pertencem ao espolio do fimi-
do Antonio Gongalves Pinto c vao a praga em
um s lote por ordem deste juizo.
Dado e passado ntsta cidade do Recife, aos li
de Fevereiro de 1889.
Eu, Olavo Amonio Ferreira, escrivo, o sub-
screri.
Joaquim Correia de Oliveira Andrade.
DECLARACOES
S. R. J.
Sociedade Recreativa duvenlude
Por esta secretaria se faz publico aos sende-
res associados que foi nomeado professor de
dang-.i oSr. Joo Jos da Silva, e que do domin-
go prximo em diante, das o as 7 horas da tar-
de, comegarao as aulas.
Out^osim. declara-se. que foi escolbjdo. para
professor da banda musical o Sr. Francelrao au-
gusto Canto Bruno.
Secretaria da ^ociedade Kecreatna Juventude.
15 d< Fevereiro de 1889. O 1- secreta
A. Monte:
Club Concordia
Oidentlicbe Hauptversammlung
Dienstg den 19 Febraar 1889.
Traktanden la&t 20 der Statuten
4
Aufnahme nesser Miulieder.
DaaDirectKi
;
l
X
I
I
I
11
I
g

}


ario de PernambucoSabbado 16 de Fevereiro
de

Juizo dos Feitos da Fazenda

KSCBIVXO TORKE8 BANDEIRA
No da 22 do eorrente, depois da audiencia do
juiz substituto, iro praga, por venda, os pre-
dios abaxo declarados^ penhorados por execu-
cfio da fazenda provinaal:
S. Jos
Casa terrea, ra de Santa Rita n. 54, com 2
portas e i janella de frente', 2 salas, 3 quartos.
cosinha fra e quintal, 4 metros e 30 centmetros
de frente, 16 metros e 90 centmetros de fundo,
avahada em 1:000*000, perteucente a JoSo Fran-
cisco de Souza Xavier.
Casa terrea, a ra Imperial, com 2 janellas e
, 1 porta de frente, corredor separado, 2 salas, 5
quartos, cosinha externa, quintal murado e ca-
cimba, 6 metros e 40 centmetros de frente, 20
metros e 23 centmetros de fundo, em bom es-
tado, avahada em 2:000*000, pertencente a Auna
Joaquina da Silva.
Boa-Vista
Seis casas de taboas, dentro do terreno ra
Sete de Setembro n. 19 A, e do Hospicio n. 50 A,
cobertas de zinco, com porta e janella de frente,
1 sala, 1 quarto, 3 metros e 80 centmetros de
frente e 4 metros e 20 centmetros cada urna,
avalladas 5 em 50*000, e a coberta de te-
mas, com 5 metros e 50 centmetros de frente e
5 metros e 50 centmetros de fundo, avaliada em
20*000, as quaes pertencem a Isabel Mara de
Vasconcellos.
Casa trra estrada de Joao de Barros n. 6,
em terreno proprio, murado na frente, porto de
ferro e sotao, com 3 janellas de frente e porto
nos oitOes, 2 salas, 1 saleta, 4 quartos cosinha
fra, dispensa, estribara, 2 quartos, banheiro,
casa de farinha. O sotao com varanda, 1 saldo,
3 quartos, 6 metros e 90 centmetros de frente,
17 metros e 80 centmetros de fundo avaliada
em 4:000*000, pertencente a Francisco das Cha-
gas Ramos.
Casa terrea, a ra Coronel Lamenha n. 50,
com porta e janella, 2 salas, 3 quartos, cosinha
fora, quintal e cacimba, 4 metros e 15 centme-
tros de frente, 15 metros e 10 centmetros de
fundo, avaliada em 1:000*000, pertencente a
Emiliana Josephina da Cunlia.
Casa a estrada velha de Santo Amaro n. 12
A, com portae janella, 2 salas, 2quaitos, cosi-
nha fora, qnintal murado e cacimba, 4 metros e
10 centmetros de frente, 11 metros e 20 cent-
metros de fundo, avaliada em 600*, pertencente
a Joo Carneiro Rodrigues Campello.
Um terreno a estrada de Joao de Barros, com
75 metro? de frente e 160 metros de fundo, com
arvores de fructo, todo cercado, no qual fra edi-
ficada a casa n. 7, avahado em 1:032*, perten
cente a Antonio Feliciano Rodrigues Sette.
t Graca
Casa travessa do Feitoza n. 5, com 2 janellas
de frente e 1 porta no oitio, 2 salas, 2 quartos,
cosinha fra, com terreno cercado e arborizado,
3 metros e 40 centmetros de frente, 10 metros
e 10 centmetros de fundo, avaliada em 200*,
pertencente a Honorio Jos Ferreira.
Casa travessa do Feitoza n. 19, com 4 janel-
las de frente e 1 porta, janellas nos oites, 2 sa-
las, 2 quartos, cozinha fra, sitio arborizado,
cercado, com porto de madeira. 13 metros e 50
centmetros de frente, 11 metros e 40 centme-
tros de fundo, avaliada em 1:000*, pertencente
a Francisco Furtado de Mendonra.
Apipueos
Casa no largo de Apipueos n. 38, com porta e
janella, 2 salas, 2 quartos, cosinha fra, quintal,
i metros e 10 centmetros Je frente, 8 metros e
10 centmetros de fundo, ava.iada em 500* per-
tencente a Domingos da Silva Guimaraes.
Prazo de cinco dias
De ordem do Il!m. e Bxm. 8r. Dr. inspector,
se Caz publico que as 11 horas do dia 9 do cor
rente mez serao vendidos em praca porta da
guardamoria desta alfandega, um bote usado e
urna peca de lona de linho, pesando liquido 28
kilos apprehendidos na noite de 9 do mez de
Janeiro ultimo, cujo dono nao appareceu a re-
clamar contra a mesma apprehensao.
3." secrSo da Alfandega de Pernambuco, 14
de Fevereiro de 1889 O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Correio geral
Concurso' para preenchlmento
de un lagar de praticante de
P ** elasse
Fac.0 publico para conhecimento dos
intereesados, que acht.-se aberta nesta ad-
ministracSo durante o prazo de 30 dias,
a contar desta data, a inscripcSo para o
concurso que deve realisar-se para preen-
cbimento de um lugar de praticante de 2a
elasse.
Os candidatos deverao documentar seus
requerimentos, provando terera mais do
18 e menos de 25 annos de idade, goza-
rein boa saude, estarem vaccinados e te-
rem bom procedimento.
A idade exigida para a inscripcSo deve
str provada com certidSo de baptismo
extrahida do assento feito no livro de pa-
rochia no devido teropo, ou justificando
prestada perante auteridade ecclesiastica
e por esta julgada por sentenca. Este do-
cumento nSo pode ser supprido por publi-
ca forma; e muito menos, por attestados
passados por vigarios, no ausencia dos b-
vros da freguezia.
O exame versar sobre as lingusa por-
tugueza, franceza, geographia geral, com
desenvolvimento quanto ao Brasil, e arith-
metica at a theoria das proporcSes inclu-
sive, sendo motivo de preferencia o co-
nhecimento das linguas ingleza e alloma1.
Administrac&o dos Correios de Pernam-
buco, 12 de Fevereiro de 1889.
O administrador,
Affonso do Reg Barros.
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial, na
forma das instrueces de 27 de Julho de 18811,
convida as associagOes que nesta cidade tem
existencia legal se t-ncarregarem da distribu
io do imposto de reparticfto constante da ta-
ella annexa a lei n. 1884 ; sendo esse trabalho
remettido a esta reparligio no prazo improroga-
vel de 30 dias uteis, contados da data do pre-
sente ; lindo o qual sem a respectiva apresenta-
Sio se proceder nos termos do art. 27 das refe-
ridas instrucc/ies.
Recebedoria Provincial de Pernambuco, 6 de
Fevereire de 1889.
Francisco Amynthas de Carvalho Moura
Concurso
Por esta secretaria se faz publieo era vista do
despacho da presidencia da provincia de 9 do
eorrente mez, e de ordem do Sr. Dr. inspector
geral da instruceo publica, que se acha aberta
a inscripcao para o concurso a que se vai proce
der a requerimento do alumno mestre titulado
pela Escola Normal, Arthur Octaviano da Silva
Ramos, para provimento da cadeira de ensino
primario do sexo masculino do Poco da Panella
(de 2.* entrancia), sendo somante admittidos a
essa inseripco os professores pblicos de qual-
quer cathegoria, e os individuos titulados pela
Escola Normal, devendo estes no prazo de 40
dias apresentar os seguintcs documentos : folha
corrida ou -attestado de procedimento civil e mo-
ral pelas autoridades milicianas, pohciaes ou
cmaras municipaes das localidades em que ti-
verem residido nosdous ltimos annos. diploma
conferido pela Escola Normal. Ficando sem
etfeito o edital n. 52, que annuneiou o accesso
da mesma cadeira.
Secretaria da instruceo publica de Pernam-
buco, 11 de Fevereiro de 1889.O secretario,
Perirentino S. de Araujo Galvo.
SANTA CASA
CASAS PARA 11A <, A It
Indemnisadora
A directora desta companhia convida os se-
nhores accionistas a reunirem-fe em assembla
eral ordinaria no dia 28 do eorrente, ao meio
. dia, na sede da mesma. para o lim de aprecia
M rera o balanco, contas da direceo e o parecer da
commisso fiscal, e bem como dar-se cumpri-
ment ao que determina o art. 27 S 2 dos seus
estatutos. Recife, 14 de Fevereiro de 1889.
Os directores.
Joaquim Alves da Fonseca.
Antonio da C. Ferreira Bcltar.
CQMMERCIO
Revista do Mercado
Recife, 15 de fevereiro de 1889.
O movimento foi regular.
No mercado de cambios constou alguraas tran-
sacc&es.
Houve negocio nos mercados de algodo, assu-
ear e farinha.
C
acharara
bio
hoje algum
dinlieiro a
Os bancos
27 5/*.
Papel particular foi offerecido francamente a
27 3/4 exigindo os bancos 27 13/16.
No Rio as cota^es foram as seguintes ; 27 5/8
baneario; 27 3/4 e 27 13/16 particular.
Lettras escassas para o momento.
TABELLAS
AFKIXADAS
-O
2.
?
o-
e
75
O
I
re
s
&
3
c
m
Ra da Moeda n. 49, armazeiu 248*000
dem do Vigario Tenorio n. 27, loja 240*000
dem idem n. 22, 3. andar 80*000
dem idem n. 25, i. andar 360*000
dem do Bispo Sardlnha D. 3, 1." e 2.
andares e sotao 400*000
dem do Bom Jess n. 13, 3." andar 200*000
dem do Mrquez de Olinda, sobrado
n. 44 H 2:131*000
dem do Bom Jess n. 13, 1- andar 240*000
Becco das Boias n. 14, loja 1." e 2. an-
dares 480*000
Pateo do Paraizo n. 29, 2. andar 240*000
Ra da Saudade B. 5________________480*000
O presidente,
Candido C. G. Alcoforado.
0 secretario,
Eduardo Dubeux
Algodo
Foi cotado o de 1* sorte do serto a 6*300 por
15 kilos.
A exportacao, feita pela alfandega neste mez
at o da 13 subi a i .130.013 kilos, sendo 950.031
para o exterior e 180.112 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje, so-
bem a 10.397 saccas, sendo por:
Barcacas..... 974 Saccas
Vapores ..... 162
Animaes..... 1.390
Via-ferrea de Caruar. 688
Via-ferrea de S. Francisco. 817 .
Via-ferrea de Limoeiro 5.406
Sorama. 10.397 Saccas
O vapor francez Ville de Cear, levou 1.043
saccas para Lisboa e 96 ditas para o Havre.
Assucar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
gundo a Associaco Commcrcial Agrcola, foram
os seguintes:
3*000 a 3*800
1*900 a 2*100
1*400 a 1*500
1*100 a 1*200
*800 a 1*000
Brancos
Someno .
Mascavado purgado
bruto.
Rtame .


Jt
I
s c

<0 SO *
W
sa
DOS .COR
Cambio
WTACUES OFF1CAE8 DA JUNTA
RETORES
Recife, 15 de Fevereiro de 1889
_ sobre Londres, 90' t, v. 27 5,8 -. por
14, do banco
Dito sobre dito, 60 d/v. 27 9/16 d. por 1*000, do
banco. ,
Cambio sobre Porto, 90 d/v. 93 0 0 de premio,
do banco.
Cambio sobre* 0 de premio,
do ban
Colonia Isabel
Branco 1* .
. 2
3 .
Someno -
Mascavado .
Usina Pinto:
Branco 1*
2-
Someno .
Mascavado .
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial
em cumplimento da ordem d Illm. Sr. Dr. ins-
pector do Tbesouro, constante da portara sob
n. 108 de 28 do eorrente, faz publico para co-
nhecimento dos respectivos contribuintes que,
de accordo com a relacao abalxo, dar-se-ha prin-
cipio nesta reparticao, no espago de 30 dias uteis,
contados de 4 de Fevereiro prximo a cobranga,
ivre de multa, das annuidades e mais serviros
da Recile Drainage Company, relativa ao 2' se-
mestre do exercicio lindo de 1888.
Recebedoria Provincial de Pernambuco, 30 de
Janeiro de 1869.
Francisco Amynthas de Carvalho Moura.
Relacao a que se refere o edital supra N
Freguezia do Recife
Ras : Mrquez de Olinda, Bom Jess, Alva-
res Cabral, Commercio, Bispo Sardinha, Torres,
Thom de Souza. D. Maria de Souza,' Vigario Te-
norio, Brrelo de Menezes.^Iariz e Barros, Bur-
gos, Amorim, Moeda, Tuyuty, Companhia Per-
nambucana, Madre de Deus, Domingos ou) Mar-
tins, Mscate. Restaurago, I). Maria Cesar, Vis-
conde de Itaparica, Pharol, Areal, S. Jorge, Vi-
tal ae Oliveira, Guararapes e Barao do Trium-
pho.
Pragas :Assembla, Chaco e Pedro I.
Travessas :Vigario Madre de Deus, Cam-
pello, Domingos Jos Martins, Corpo Santo, An-
tigo Porto, Bom Jess, Apollo, Areal, Para a
Fundico, Occidente, Guarara|)es e Praca Pe-
dro I.
Largos :Alfandega, Cprpo Santo e Assem-
bla.
Beccos:Abreu, Noronha, Laigo, Pindoba.
Tapado e Paschoal.
Caes : Companhia, Brum e Apollo.
Freguezia de Sajttt*Antonio
Ras :Imperador, PrimeirOrdc Marco, 1
de Caxias, ClMga, Barao da,Victoria. Trii
ras. LarangtMfc.Larga do Broario, Estreita do
Kosario, Francofe Jacintlio, Joao' do Reg, Ilha
do Carvalho, Conselheiro Wretti. Netto de Mcn-
donca, Major Agostinho Bezerra, Vinte e Oito de
Setemkro, Santo Amaro, Vedro Ivo, Mathias de
Albaquerque, Paz, Paulino Cmara, Fogo, Livra-
mento, Penha. Viscoade de Inhauma, Pedro Af-
fonso, Nova da Praia, Marcilio Dias, Henrique
Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, San-
ta Thereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mar-
5uez do Herval, Cadeia Nova e Barilo de Villa
ella
Largos :Paraso, Carino, Penha, S. Pedro e
PraceU.
Travessas : -Queimado, Cruzcs. Mrquez do
Recife, Bella. Calabouco, Matriz. Flores, Carmo.
Bomba, Livramento, Arsenal, I" e 2a da Praia,
Carcereiro, S. Pedro, Viraco, Lobato, Falcao,
Pocinho e Concordia.
Beccos :Bella, Calabougo, Matriz, I", ? e 3o
da Camba. Falco, Io e 2o da Cadeia Nova.
Praca :Pedro II.
Caes :Vinte e Dous de Novembro.
Campo :Princeza.
Freguezia de S.Jos
Ras :Marcilio Oas. Lomas Valentinas. Co-
ronel Suassuna, S. Joao, Felippe Camarao, Mr-
quez do Herval, Viute e Quatro de Maio, Dias
ardoso, Passoda i'atria, Padre Nobrega, Victo-
ria, Cadeia Nova, Vidal de Negroiros, Frei Hen-
rique, Dique, Assumpcao, Domingos Theotonio,
Padre Floriano, Christovo Colombo, Jardim,
Forte, Antonio Henrique, Nogueira. SanU Ceci-
lia, Santa Rita, Padre Muniz, Praia de Santa Ri-
ta, S. Jos, Pescadores, Praia do Forte, Ypiran-
ga, Irapc' e ''mz de Mendonca.
Travessas iMartyrios, Ramos, Pocinho, Cal-
deireii-o, Gaz, Matriz, Forte, Prata, Serigado, Co-
na res Nova de Santa Rita, Praia do Forte, S.
os, Peixoto e Lima.
Beccos : Palma. Caldeireiro, Gaz, Assump-
c5o, Nova de Santa Rita e Matriz.
Largos : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Ras : Imperotriz, Conceico, Visconde de
Pelotas. Tambi, Visconde de Ibuqucrque, Au-
rora, Capibaribi-, Ponte Velha, Conde da Boa-
Vista, Riachuello, Uniao, Sauuade, Sete de Se-
tembro. Visconde de Carnaragibe, Carnario, Ro-
sario, Gervasio Pires, Dr. Villas-Boas, Socego,
Principe, Santa Cruz, S. Goncalo, Coellios. Hos-
pital Pedro II, General Sean, Coronel Lamenha,
iXinselheiro Aguiar, Leiio Coroado, Barao de *".
Borja, Mues Machado, Visconde de Goyanna e
Attracco
Travessas :Gervasio Pires. Atalho, Coellios,
Barreiras, Veras, Quiabo, Joao Francisco, Man-
gue i ni, Campia e Palacio do Bispo.
Largo :-Campia.
Beccos :S. Goncalo e Coelhos.
Pracas :-Conde d'Eu e Santa Cruz.
um miimmn
DO
JOCx*C3y>0 XX_>
Capital
0,000:000
Idem realisado 1.000:000*
A caixa filial deste Banco funeciona
ra do Commercio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguintes corresponden-
tes no estrangeiro.
LONDON..(Baneo Internacional
< do Brasil,
. { London office.
( 1.0,11(1 on tV C oiin(y
( Banking Company L."1
(Banqne de Pars A des
Pays-Bas
Deutsche Bank.
Bank d'Anvers.
Banca Genrale e suas
agencias. ,
Banco Hypotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
PARS......
Hambuigo..
Berlim.......
Bremen.....
Fr an k fur t
sur Main...
Antuerpia..
Roma.........
Genova......j
N'ipoles.....I
.Millo e maisJ>
y 40 cida-i
3esde Ita-J
ia...........'
Madrid......\
Barcelona..
Cdiz........
Malaga.......
Tarragona .
Valen cia e
ou tras ci-
da des d a
Hcs pa nha
e ilhas Ca-
narias ......
Lisboa......
Porto e mais
cidaues de
Portugal e
ilhas.......
Buenos Ay-
res .........,
Mon tevido
Nova York. G. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta eorrente de
movimento com juros na razao de 2 % a0
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, W illiam M. Wtsther.
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
Aleool
Ultimas vendas, I60S00J por pipa de 480 li-
tros.
Mol
Cota-se a 50*000 por pipa de 480 litros.
Farinha de mandloea
Foram vendidas cerca de 3.000 saccas na razao
de 4*800 cada urna.
31800
2*800
1*500
2*800
1*600
3*400
2*300
.1*000
1*500
A exportacao, feita pela alfandega neste mez at
o da 13, attingio a 7.280.0001/2 kilos, sendo...
4.270.594 para o exterior e 3.009.406 1,2 para o
interior.
As entradas verificadas at a data de hoje
bem a 79.378 saccas, sendo por:
so-
Barcacas Vapores..... Animaes..... Via-ferrea de Caruar. Via-ferrea de S. Francisco. Via-ferrea do Limoeiro 32.009 Saceos '4.384 3471 30618 7.096
Sorama. 79.378 Saceos
Pelo vapor belga Lys, carregado por J. H.
Boxwell, foram remetlidos 8.80O saceos com as-
sucar mascavado para Leith.
A barca americana Olive, carregada por
J. H. Boxwell; levou 12.975: saceos com gssucar
mascavado para s Estados-Unidos.
Pelo vapor inglez AVerford. foram remet-
tido:! 9.000 saceos com asracar mascavaao para
Livt rpool.
Couros
Ultimas vendas, 380 ti
Foram remettidos para Lisboa, por intermedio
do vapor francez Vnte de Cear, 100 couros
salgado:
% Agurdente
,ta se a 90*000, nominal, por pipa de 480 lj-
Panta da alfandega
SBMA.NA KM 11 A, 16 DK FEVEREIRO DE 18S9
Vide o Diario deiOde Fevereiro
barios carga
Barca portugueza fooo Silencio, para o Porto.
Barca sueca Avel, para Santos.
Patacho inglez Peggie, para Mentevido.
Vapor inglez Cometa, para Porto-Alegre
navios descarga
Barca norueguense Frida, carvio.
Barca norueguense Frhyof, carvo.
Barca americana /. F. Ruttman, carvSo.
Barca ingleza Sobrina, farello.
Barca portugueza Tentadora, kerosene.
Barca norueguense Celer, carvio.
Barca sueca Augusta, carvac.
Barca ingleza Paragero, bacalho.
Brigue sueco Pepita, carvo.
Escuna inglez Emulator. bacalho.
Lugar inglez Viola, bacalho.
Lugar nacional Marinho VII, Carvo.
Lugar norueguense Varuna, farello.
Lugar inglez May Cury, bacalho.
Lugar inglez stetla, bacalho.
Vapor inglez Chillan, carvo.
Iniportaco
Vapor allemo Tijuca, entrado de Hamburgo
e Lisboa, em 14 do eorrente e consignado a
Borstelinann & C. manifestou 1
Carga de Hamburgo
Amostras 22 volumes a diversos. Agulhas 1
caixa a W. Halliday 4 C. Azul ultramar 2 ca-
xas ordem, 2 a Antonio Duarte Carneiro Vi-
anna.
Batatas 50 gigos a Silva Marques &.<". Bar-
ras de ferro 60 feixes a Ferreira Guimaraes
&C.
Cerveja 20 barris a C. Pluyn & C, 100 caixas
a Soares do Amaral Irmos, 20 ordem, 31 a
Ramos Geppert & C. 100 a R de Drusina & C,
34 a Sulzer Kautfinann & C.
Cevada 40 barricas a Soares do Amaral lr-
raos. Conservas 2 caixas a Ramos Geppert *
C, 2 a Pinto 4 C, 4 a Guilherme Spieler. Cha-
peos 2 caixes a Chistiani 6 C. 2 a Raphael
Dias & C, 3 a Samarcos 4 C 2 a R. de Diusi-
na *C, 2 a Conrad Wachsmann, 1 Augusto
Fernandes C, la Maia Irmos C. Couros
1 caixo a W. Halliday 4 C, 1 a R. de Drusina
4C.
Candieiros 2 caixas a Azevedo *C., 2 a W.
Halliday 4 C., i ordem. Correntes Jde ferro
4 volumes a Ferreira Guimaraes 4 C.
Drogas 31 volumes a Francisco Monoel da Sil-
va v C 3 a A. M. Veras 4 C. Doces 1 caixa
a Pinto a C
Encerado 1 caixa a Francisco de Azevedo
4C
Farinha 2 barricas a Guilherme Spieler. Fio
I caixa a \V. Halliday C, 4, ordem. Frascos
vazios 15 grades ordem, Ferraiens 2 volumes
a Fernandes,' II a Miranda Souza, 2 a Net-
to Camp'os fie O.. C ordem, 1 a Francisco Ma-
neel da Silva 4 C, Tf a Maia e Silva 4 C, 3 a
W. Halliday C. 10 a Conrad Wachsnann,6
a Nunes Fonseca 4 C ,1a Gomes de Mallo
toaos, 2 a Francisco Lauria 4 C., 2 a Ovtira
Basto 4 C. Fanella 1 caixa ordem
decretarla da Instruceo Publi-
ca -tdeDczcmbrode isss
PKAZO 0 0 DI AS
Contractos de cadeiras.
De ordein do Sr. Dr. Inspector Geral
de Instruc9ao publica, e em cumprimento
e determinacao de S. Esc. o Sr. Desein-
bargador Presidente da Provincia de 21
do eorrente, se faz publico, que rica mar-
cado o praso de 60 dias aquem interessar
possa para contractar as cadeiras mixtas,
Marayal c Gammelleira de Buique e a do
sexo feminino de Agua Preta, devendo os
pretendentes apresentarem suas peti^Ses
instruidas na forma das nstruccoes de 24
de Maio do anno passado como abaixo se
declara.
I. Os titulados pela Escola Normal Ofi-
cial e pela da Sociedade Propagadora da
Instruceo Publica.
II. Os que, mediante exame de capaci-
dade feito nos termos das disposicoes vi-
gentes, tiverem obtido diploma de liabi-
litaeao.
III. Oa que provarem haver exercido
o magisterio publico com reconnecida ha-
bilitaeSo.
DI. Os que provarem exercer ou ter
exercido o magisterio particular as mes-
mas condic3es.
V. Os que, nao .se aehando as condi-
{Ses mencionadas nos ns. I. a IV, tiverem,
todava, notoria aptidao para o magisterio.
Art. A". Os individuos mencionados no
art. antecedente terSo preferencia, na or-
dem em que se achain enumerados para
as cadeiras que requererem, por modo que
somente se admittirao os da segunda elasse
quando nao houver pretendentes da pri-
meara e-assim por diante.
Io Em igualdade de condicocs quanto
ao titulo ou diploma, preferir o candidato
que j tiver exercido o magisterio.
2o. Em igualdade de condie5es quan-
to ao exercicio do magisterio, preferir o
que tiver antes servido por outro meio
que no soja o contracto ou por interinidade.
3o Em igualdade de condicoes quanto
ao meio anterior de provimento, prefirir
o candidato, que tiver mais tempo de
servio..
Art. o. Quanto aos que foram contrac-
tados em virtude da lei de 8 de Junlio de
1874 e do regulamento de de Abril de
1879, fica-Ihes mantida a preferencia es-
segunda
Recebedoria de Rendas In-
ternas Oeraes
Imposto de ndustrias e profisses
* O administrador da Recebedoria de Rendas
Internas Geraes faz publico que finda-se no dia
28 do eorrente me2 o prazo para o pagamento,
hvre.de multa, do imposto de industrias epre-
lisses relativo ao 1 semestre do exercicio cor-
rente de 1889, depois do que ser cobrado com
a multa de 10 0/0.
Recebedoria, 13 de Fevereiro de 1889.
Alexandre le S. Pereira do Carmo.
Lona 2 fardos a Albino Silva 4 C.
Mercadorias diversas 18 volumes a ordem. 2
a Joseph Krause & C 1 a J. Bezerra, 1 a W.
Halliday 4 C 1 a Prealle & C 2aT. Just, 4 a
Antonio Duarte Carneiro Vianna, 2 a Mua e
Silva 4 C 5 a Eugenio Samico 4 C. 8 all
de Drusina 4 C, 5 a C Wachsmanii, i a Raphael
Dias ic ''. 1 a Nunes Fonseca C, 1 a Gomes de
Mallos Irmos, 2 a Mauoel Collaeo 4 C, 2 11.
I. Perman.
Movis 3 caixes a Silva Fernandes 4 V.., 1 a
Jos de Macedo, i a Maia Sobrinho 4 C. Man-
teiga 1 caixa a R. de Drusina Machinas de
costura 17 caixas a Vianna Castro < C, 18 a
Albino -iiva 4 C, 13 a Antonio omingos Lima
4 :., II ordem, lo a Nunes Fonseca 4 C, 13
a Fernn Guiiiraes 4 C.
Papeluo 1 caixa a Eugenio Samico 4 C. Para-
lina 10 caixas a Francisco Jos dos Passos Gui-
maraes, 0 a Caseiuiro Fernandes 4 C. Papel 16
fardos a osta Lima i C. 9 ditos e 4 caixas a
ordem. 17 caixas a H. I. Perman, 2 a Res 4 Cou-
ceiro, 6 a C. Wachsmann, 1 a Oliveira Basto 4
C, 2 a Ramos Geppert 4 '-., lii a Manoel Gollaco
tfc C, 1 a Ramiro M. da Costa & C. Dito de ira-
presso 17 fardos ao Jornal do Recife. Phospho-
ros 51 caixes ordem, 15 a Joaquim Duarte
Simos 4 C. Piano 1 caixo a Prealle <& C.
Queijos 1 tina a R. de Druzna 4 C.
Roldas 1 caixa a Eugenio Samico 4 C.
Tecidos diversos 16 volumes ordem. 4 a Ro-
drigues Lima A (1. 2 a Francisco de Azevedo 4
C. 1 a Joaquim Agostinho C, 2 a Gonralves
Cunha 4 C l a H. C. Borstcl, 1 a T. Just, 4 a A.
Vieira C. 2 a Ohnto Jardim, 1 a Machado &
Pereira, 1 a Joaquim Gonyalves 4 C, 1 a Fran-
cisco Lauria C., 8 aBernet iC.,1 a Ferreira
Guimaraes 4 C.
Vinho 2 barris a R. de Drusina 4 C. Vidros
1 caixa a A. M. Veras 4 C, 1 aR, de Drusina 4
C. Yellas 20 caixas a Joaquim Duarte Simes
. C.
Carga de Lisboa
A vea 39 saceos a Jos Gomes Ganches. Amen-
doas 2 golpellas a Silva Guimaraes 4 C.
Ceblas 30 caixas a Domingos Ferreira da
Silva 4 ''. Castauha 1 caixa aos mesmos. Con-
servas 10 cxas aos mismos, 18 a Silva Guima-
raes 4 C.
Toucinho 25 barris c 25 meios ditos aos mes-
mos.
Eiporlaeo
BlCIF 14 DE KBVBKKiau DE 1369
Pa%:a o extenor
No vapor francez Ville de Cear, carrega-
rara :
fara o Havre, A. Labi|le 45 saccas com 3,024
kilos de algodo.
Para Lisboa. J. A. da Silva Santos 16 kilos
de cascas medicinaes ; M. i!unha 2 barricas com
174 kilos de assucar branco.
No vapor inglez Nagrebia, carregaram :
Para Liverpool, A. Casco 4 C. 100 saceos com
7,300 kilos de asquear mascavado.
No vapor inglez Nena, carregou :
Para Montevideo, A. de Oliveira Maia 2 000
cocos fruct,
No vaptsbelga Lys, carregou :
Para Leitz, >L H. Boxwell 800 saceos cora
60,000 kilos de suear mascavado.
rara o interior >
No vapor f)glez Cometa, carregaram :
Para Porto ABgre, C. M. da Silva 200 saceos
com 15,000 kilfs de assucar branco.
Para Rio Grlnie do Sul, M. Borges 4 C. 50
barricas cora 5/720 kilos de assucar mascavado
e 50 ditas corr/3,G9t) ditos de dito branco.
No vapo/ allemo T .m :
Para Santos'i E. Barbo jin 0,000
kilos ; mascavado ; M.' Bor{T"S 4 C. 600
os com 30,000 kilos di ico-e
0 ditos com 72,0:0 ditos de dito mascavado.
tatuida pela lei n. 1766, art. 9
parte.
Art. 6 Qs que pretenderem o provi-
mento por contracto, deverao, dentro do
praso de que trata o art. 2*", requerel-o
ao inspector geral da instruccSo publica,
exhibindo certidlo de idade, follia con-ida
e attestados de moraHdade.
Sao dispensados de apresentar folha
corrida os que exhibirern attestados de
procedimento civil e moral, passados pelas
Cmaras Municipaes, autoridades judicia-
rias e policiaes das localidades em que
houvcrcm residido nos dous ltimos annos ;
os que, se aehando no exercicio de cm-
prego publico, exhibirern attestados dos
respectivos cliefes ; e as educandas do col-
legio de orphas e casa de expostos.
1" Os que requererem as condicoes
do art. 3o n. III, se tiverem exercido o
magisterio a titulo interino, deverao pro-
ra* haverem assini, ensinado por mais de
tres annos com proveito para os alumnos.
0 meio desta prova consiste na exhi-
bicao do titulo de noineacoo confirmada
ou feita pelo inspetor geral ; de certidSo
de exercicio, extrahida dos assentaiuentos
da secretaria da instruceo publica e de
attestado do delegado litterario quanto ao
aproveitamento dos alumnos.
1 2o. Quando s pretendentes forera ou
tiverem sido professores de ensino parti-
cular (art. 3" n. IV) dfcverao fazer prova
por meio de certidlto extrahida dos assen-
tamentos e mappas constantes da secreta-
ria da instruceo publica, de terera ensi-
nado as materias de instruceo primaria
por mais de cinco annos, e attestado do
delegado litterarjo e dos pais dos alumnos,
quanto ao aproveitamento do ensino.
Art. 7o. A petico para o contracto
edeve conter a declaraco da liliacao, idade
estado e proffisso anterior do requerente
a escripia pelo proprio ptmbo deste, sendo-
a lettra e firma reconhecidas por official
publico.
O contracto s poder ser assignado por
procurador, se fr provada a impossibili-
dade do comparecimento pessoal do con-
trac tan te.
Secretaria da Instruceo Publica 24 de
Dezembro de 1888.
O Secretario
Pergentino Sar-ava de A. Galcao
P ra Rio de Janeiro, F. A. de Azevedo 400
saceos com 24,000 kilos de assucar mascavado e
600 ditos cora 36,000 ditos de dito branco : F S.
Macedo Sobrinho 400 saceos com 24,000 kilos de
assucar mascavado e 100 ditos com 10.00' ditos
de dito branco ; Costa 4 Fernandes 15.000 co-
cos, fructa; Fernandes 4 Irmto 35 Saccas com
2,151 kilos de algodo e 16 ditos com 8 mi ditos
de cera de carnauba ; V. Pinto 4 C. 50 pipas
com 24,000 litros de agurdente.
No vapor nacional Para, carregaram :
Para Rio de Janeiro, Bento C. M. Vieira 3,500
cocos, fructa; A. de Oliveira Maia 6,000 cocos,
fructa ; Amorim Irmos 4 C. 3,009 barricas com
228,645 Kilos de assucar mascavado ; A. F. dos
Santos 15 caixas com vinho jurubeba.
Para Babia, M. Lopes de S. & C. 100 saceos
com farinha de mandioca.
Para Rio de Janeiro, P. Carneiro 4 C. 5 barris
com 500 litros de oleo de mamona.
No hiate nacional Deus te Guarde, carrega-
ram :
Para Cear, P. Carneiro 4 C. 1,600 saceos com
farinha de mandioca, 301) ditos com 18,000 ditos
de feijao e 418 ditos cora 24,000 ditos de inilho-
No hiato nacional Bom Jetus. carregou :
Para Aracaty, F. Mascarenhas 1,500 saceos
com farinha de mandioca.
No hiate nacional Aurora, carregou :
Para Mossor, M. Amorim 30 saceos com 1.800
kilos de inilho e 10 saceos com 750 kilos de
assucar branco.
Na barcaca Anna Elisabeth, carregaram :
Para Cear. M. Amorim 60 saceos eom 3,600
kilos de inilho ; Seixas Irmos 100 saceos com
6,000 kilos de milho.
Para Camossim, A. Monteiro 8 barrica? com
822 kilos de assucar branco, 4 ditos com 313
ditos de dito mascivado, 2 ditas cora 151 ditos
de dito refinado e 4 barris com 280 litros de
agurdente.
Domingo. 13 de Fevereiro
Festa artstica do actor
LYRA
ENCHENTE REAL
Logo que a orchestra tenha exhibido urna das
melhores pegas do seu repertorio, subir sce-
na o muito desjalo, apparatoso e sempre ap-
plaudido drama era 3 actos e 4 quadros de cos-
lumes militares, original portuguez
29.
HONRA E GLORA
Tomam parte diversos artistas c alguns ama-
dores, por obsequio ao beneficiado.
No ultimo quadro estar postada em scena a
brigada, com as respectivas bandas de msica,
que tem de assistir execuco do soldado 29 ;
terminando o espectculo com
O
HYTO DE D.PEDRO Y.
0 beneficiado nao tem poupado esforcos, alim
de apresentar urna festa digna aos seus convida-
dos e admiradores.
O pequeo numero de bilhetes que existe.
acham-se em tno do beneficiado, o no dia do
espectculo no escriptorio do theatro.
Trem para Caxang e bondfi para a Passagem.
A's 8 e 1[4 horas

GRWDE FESTA II OLIYDA
No dia 17 do eorrente
>o largo do Carmo
Primciru parte
Linda ouvertura pela excellentc philarmonica
olindense 13 de .linio.
WfKiindn parle
Folguedos populares :.t ponte do Diabo; a
panella dos fdtiros, etc. etc.
ereeira parle
Trechos eseolhidos pela philarmonica olin-
dense.
Ouarla parle
Corrida de saceos
Ifcs importantes pareos.
Quinta parte
Pela philarmonica 13 DE MAIO
aUKMCOMKDOBOI
Essa banda de msica toca este tango com
urna maestria inexcedivel!
Wexta parte
O grande fogo artificial do LEONCIO. Mara-
viihas da pyrotechoia.
I.< planeta saturno.
2."A palmcira nacional.
3.0 bollide.
4 "As fitas mgicas.
s intervallos serio preenchidos com naor-
teiros, llammas e rodas e interessantes trechos
pela banda 13 DE ilAlU.
Comecar s 6 horas e acabar antes das 9 1/2
horas.
Mercado Municipal de *>. Jo*c
O movimento desie mercado no dia 14 de Fe-
vereiro foi o segrate :
Entraram :
24 1/2 bois pesando 3,il kilos.
209 kilos de peixe a 20 reis 41180
20 cargas de farinha a 200 ris 4000
3 ditas de fructas diversas a 300
ris 900
11 taboleiros a 200 ris 2*200
14 suiuos a 200 ris 2*800
18 matulos cora legumes a 200 ris 3*600
Foram oceupados :
27 columnas a 600 ris 164200
1 escriptorio a 300 ris .300
26 compartimentos de farinha a 500
ris 13*000
24 ditos de comidas a 500 ris 12*000
80 ditos de legamos a 400 ris 32*000
18 ditos de sumos a 700 ris 12*600
9 ditos de fressuras a 600 ris 5*400
37 talhos a 2* 74*000



I
Rcndimentos dos das 1 a 13 do cor-
rente
Na barcaga Mreztnha, carregaram :
Para Natal, M. A. Senua 4 C. 17 saceos com
1,275 kilos de assucar refiuado.
para Macahyba, M. A. Senua 4 C. 20 saceos
com 1,381 kilos de assucar refinado.
Readimentos pblicos
MEZ DE FEVEI1KIK
Alfandega v
Renda geral:
Do dia 1 a 14
dem de 15
443:652*087
20:185*643
Renda provincial
Do dia 1 a 14
dem de 15
70:224*319
4:132*638
463:837*730
74:356*957
Somma total 538.194*687
Segunda mgcSo da Alfandega, 15 de Fevereiro
de 1889.
Sthesouraro -Flerencio Domingues.
chefe da scelo -Cicero B. de aello.
Recebedoria Geral'
Do dia l'a 14 24:591*054
dem de 15 1:136*636
Recebedoria pro vi
Do dia 1 a 14 7:752*500
dem de 15 251*299
Recife Draina&e
Do dia l a i 10:293*497
dem de lo' i
25:727*690
icial
8:003*799
12:ol6?953
Foi arrecadado liquido at hoje
Precos de dia :
Carne verde de 240 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 1*000 reis idem
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 360 a 480 r,eis a cuia.
Milho de 360 a 400 reis idem.
F idem.
183*180
2:641*780
2:824*960
II :t:ul o uro publico
Neste estabclecitnento foram abatidas para o
consumo de hoje 54 rezes.
Sendo: 19 pertencentes aos Srs. Oliveira
Castro 4 C, e 35 pertencentes a diversos mar-
chantes.
I
Vapores a entrar
MEZ I)E FEVEKEIRO
Norte......... Para............
Europa....... Neva............
Sul. ...*....... Arlindo..........
Sul............Elbe.............
16
16
16
17
Alagos........... 17
Sul........
Europa....... Ville de Bahia
Norte......... Mandos...........
Sul..
Pernambuco
18
24
27
Vapores a saklr
MEZ DE FEVEREIRO
Sul.......... Para............. 16 as
santos e esc Tiiuca............ 16 as
Southampton Elbe.............. 17 as
Norte........ Alagaos........... 18 as
Sul.......... Jfcmcio........... 23 as'
Norte........ Pernambuco....... 58 as
h.
h.
h.
h.
h.
ti.
Movimento do porto
Navios entrados no dia 15^
Hamburgo46 dias barca franceza Tranquebar,
de 376 toneladas, i^apitao L. M, Coclrtry, eui-
pagera 12, carga A-arios generps, a Guimaraes
ferman 4 C.
Liverpool por Lisboa20 dias, vapor iaglei
Vandyck, de 1.070 toneladas, capito F.P. Fis-
her, equipagem 27, carga varios gneros, a
Blackburn Needhtm 4 C.
Sahidoi; no mesmo dia
BarbadosBarca americana John F. Rotti
pifio C. i. Nasfi, em la
MacoPatacho di n amarque
Jensem. em lastro

'-':- '
]




Diario de PernambucoSabbado 16 de Fevereiro fie 1889
i &
QUE SE REALISAR' NO
Dia 17 de Fevereiro de 1889
Companhia de Segaros
AGENTE
Miguel Jos Alves
V *Ba do Rom Je su* ->. f
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestcs ltimos seguios a nica companhia
nesta praa que concede aowSrs. segurados semp-
qo de pagamento de premio em cada stimo
auno, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de 15 por cento em favor dos segurados.
~ segiroMtrFfogo
Roy al Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL. 9.000:000
AGENTES
R.DEDRUSINA&C.
13 Ra Mrquez de Olinda 13
HIPPODROMO
CAMPO "-r,ANOE
fi
!>
na,


tontea o s 8 Pello* Natura lid. t o 3

Cor elii n-'.li-
ni. na
Proprlr-tarl**
Io PareoConaolaro800 metrosAnimaos da provincia que atada nao tenham ganho
premios no Derby. Premios : 200* ao ", 50* ao 2- e 20* ao3.
4 Castanho.... 53
i Cognac ..... 6 llusso....... 5o
3 Pitt------.-.. 5 Zaino...... Rosso pedrez 55
4Bertiando. .. 4 a 53
5Ecla........ 4 * 53
5 00
'Fidalgo ex-
7 Caboc.. . 4 Rodado ..... 53
8 Guerreiro ... 5 Alazao caxito . 00
Bonaparteex.
9 Vagabundo 5 31
10#lmirante.. 6 AlaziXo...... oo
Good mor-
11. ning..... 5 Rodado...... JO
12I)range .... 4 Castanho---- :>5
13[Bolaxinha.. 3 N
14 Vlete ex-Ra-
tao ...... o Castanho---- B
15 Mercurio..... 4 Russo nedrez 53
Encarnado e branco.
Grenat e ouro......
Branco..........
Ene. azul e branco..
Grenat e ouro......
Branco e azul......
55 Grenat.............
Branco e encamado.
Encarnado e branco.
Azul e grenat-----
Preto ene. e ouro.
Branco e azul
Encarnado e azul....
Branco e encarnado-.
A. C.
Bostock.
S. T.
I. J.
G.
M. P S.
Coudelara Capibaribe
M. M.
R. G L.
Coud. Integridadc.
Coud. Integridadc.
G A.
M. G. M.
B. D. C. P.
L. P.
2* Pareo Prado
Pemamburauo900JmetrosAnimaes de menos de meio sangue.
Premios: 300* ao l, 75* ao 2o e 30* ao 3"
i [Alfa........
JCometa. -
3|Galatha. -.
4Aymore. ...
5! Recite.......
^Favorita.....
Alazo.
Rosilha...
Castanho.
Zaino.
S. Paulo..

R.G.doSul
S. Paulo.
Rio de Jan.
S. Paulo...
H
H
3 i
K

M
Branco e encarnado -
Verdee amarello...
Encarnado e preto.
Ouro e grenat.....
Coud*. 2 de Fevereiro.
Coud. Luso Brasileira.
oudelaria Allianca.
A.M. .
S. P.
Maia 4 Chrysostomo.
3o Parco Dcrbv Club de Pernambuco 1,609 metrosAnimaes de qualquer paiz
Premios ; 500*, ao Io, 125* ao 2 50* ao 3"
llApollo......
2 Castiglione..
3Jjalvatus -.
4p>rice ......
."rErnani.....
6| Africana-----
7lCoupon.....
Alazao.
Zaino..
AhlZO.
Zaino..
Alazao.
R. da Prata
Franca. ..
'
Inglaterra.
*
R. da Prata
Franca ...'
H
57
57
:i
57
B
57
Branco e ouro......
Grenat ouro e rosa
Rosa e preto.......
Grenat eouro----,..
Branco e encarnado.
Coud. 2 de Fevereiro.
Coudelara Cruseiro.
A. M.
P. C.
Coudelara Riachuelo.
D. Moreira da Silva.
4. PareoProvincia de Pernambuco 1,200 metrosAnimaes da provincia que ainda
nao tenham ganho n'esta ou em maior distancia no Derby. Premios: 250*
ao 1, 60* ao 2 e 25* ao 3*.
|F
Cognac. .
Good m o r-
ning...
Carangueijo.
Pirraca......
irid.......
Etna.......
Cublain......
loretc.......
6 Russo..... 54
I Rodado. >... * 54
4 Baio........ a 54
8 Castanho . 54
5 54
5 54
4 Alazo...... 51
0 Castanho 54
Grenat e ouro
Azul e grenat.......
Verde c braheo......
Azul e ouro.........
Branco e azul.......
Grenat e ouro........
Branco..............
Encarnado e branco.
Bostock.
Coud. lutegridade.
A. O.
F. L.
Coudelaria Piranga.
F- A 01 i ve ira
I. G.
C. D. M.
5.lPareoHippodron* do
meio sangue.
campo randr 1,100 metros Animaes nacionaes at
Premios : 350* ao Io, 80* ao 2 e 35* ao 3.
' li Corcovado...
SRuy-Blas....
3|Douro ......
4 [Cometa.....
5|Figaro......
Castanho
tMazSo. .
Chita.....
Rio de Jan.
s. Paulo ..
Rio de Jan.
S. Paulo .
R-G-do Sul
51
54
54
54
H
Encarnado e preto
Rosa e preto........
Verde e amarello.....
Encarnado e branco-
foudelaria Paysand.
Arthur Silva.
F. P.
C. Luzo-Brazileira.
3. S. Bastos.
6. PareoConcordla-
-1.400 metros Eguas at poro sangue.
a 2* c 40* 3*.
Premios : 400* a i", 100*
1
6
lga.
inerva
spasia
Cvnira -----
Africana.....
Gallia......
Vanda......
8 Mascte.....
Castanha...
Douradilha
AlazS .....
Zaina......
Alas!.....'
Zaina......
Preta.......
S. Paulo...
a
Inglaterra.
R. da Prata
Inglaterra.
R. da Prata
51
51
54
54
60
60
60
57
Branco e encarnado..
Grenat rosae branco.
Preto ene. e branco-..
Grenat e ouro.......
Ouro e branco.......
Verde e amarello----
I Encarnado e preto .
Coud. 2 de Fevereiro
'oudelaria Cruzeiro.
Guimaraes < C.
P, J.
Coudelaria Riachuelo.
Coudelaria Emulado.
A. T.
Coudelara Paysand.
7o. PareoProperldade850 metros Animaes da provincia que ainda nao tenham ganho
premios em maior distancia. Premios: 200* ao 1, 50* ao 2o c 204 ao 3.
1
3
4
5

7
8
9
10
11
Bonaparte ex
Vagabundo
Almirante. -
Sirid.......
Lindness....
Lucifer......
Orange .....
Dublin.....
Mylord......
Etna.......
General-. --
Vida Alegre-
ex-Lezeira.
Florete.....
Rodado...
Alazao ..
Castanho.
Baio.....
Rodado..
Castanho
Rodado .
Baio.....
Castanho
Rosilho
Russo
Castanho
Pern..
55
B
B
53
55
53
53
55
55
57
Encarnado c branco.
Branco e azul......
Azul e branco......
Branco e encarnado.
Preto e encarnado...
Asal ene. e branco ..
Azul e ouro........
Gr Encarnado e preto .
55 IA ral c branco.......
57 'laciniado e branco.
R. G. L.
Co#d Integndade.
Coudelaria Piranga'.
Coudelaria Vencedora.
A. U.
G. A.
Henrique Gibson.
A. F. R. Leal.
F. & Oliveira
J. D. C. B.
Coudelaria Imperial.
C. D. M.
Os animaes inscriptos para o Io pareo devem achar-se no ensilhamento s
9 lj2 horas da manhii.
Os animaes inscriptos para os outros pareos, deverao estar urna hora antes
da determinada para o pareo emque tiver de correr. '
' Os forfaits serlo reeebidos at sabbado, 16 de Fevereiro s 3 horas da
tarde, hora do encerramento do expediente para esta corrida.
A venda de poulet encerrar-se-ha 20 minutos antes da corrida.
HORARIO
jo pareo...... 11 horas e 30 minutos
2." pareo..... 12 e 20
3. pareo...... 1 e 10
4." pareo. ......;
5. pareo...... 2 e oO
6." pareo...... 3 e 40
7.0 pare*. 4 e 30
O Gerente,
Henrique SchuteL
~i
Companhia te Seguros
:sss- ::c:
NORTHERN
de Landres e Aberdaen
Psito Gnanccir fDezembro de 1885J
Capital subscripto
Fundos accomulados .
Recelta anaual :
De p-emios contra fogo
3.000,000
3.134,348
577,330
,000
000
Lonqjon & Brasilian Bank
Limited
Ra do Gmmercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do'mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dee Capellistas n. 75. No
Porto, ra dos iDglezes.
SEGKOS
MARTIMOS G6STIA FOGO
C ompanltl* Phenli Per-
naaahncaaa
COMWERCW.N. 26 1* ANDAR
Imperial
DE
Seguros contra Fogo
E8T : 1803
Edificios e mereadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizo.
CAPITAL
R. itt,000:000000
AGENTE
IIHOW NS A C.
N. 5RA DO COMMERCION
IIYDEMIVISADORA
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Entaaelerlda em Iss;.
CAPITAL 1,000:000^000
SLMSTROS PAGOS
At 31 de Dezembro de 1884
Martimos.. 1,110:O00|0O0
Terrestres. 316:OO0;#000
44Ra do Commercio44
SEGUROS
CONTRA FOGO
The Liverpool k London & Globe
HT2URAN3E COMFAItfY
::l:z:ii sssesa: & c.
Ra do Commercio n. 3
PIRA 415.
Que dever ter lugar domingo 24 de Fevereiro de 1889
premios : pnmeiro
3.
4.

Companhia de fiacao e teei-
dos de Pernambuco
por deliberare da directora sao convidados
os senborcs aslociados desta companhia a se
reunircm no salao do edificio da Associagao
Commercial Beneiiccnte. a i hora da tarde, no
dia 7 do prximo mez de Marco, para approva-
rem as con tas do anno findo em 31 de Deiembm
de I88S, e nomearem a commisso fiscal do cor-
rente anno.
Recite, 7 de Fevereiro de 1889.
Jos Joito de Amorim,
Secretario.
Irmandade ao Divino Espi-
rito Santo do Recife
t onwelbo lineal
De conformidade com a segunda parte do art.
38 do nosso compromisso, ro^o o comparecimen-
to de todos os irmaos, ex juizes e berafeitores,
em o nosso consistorio, pelas 6 1/2 horas da tar-
de de quinta-ffira 14 do corrente, afim de tra-
tarse de diversos assumptos de dita importan-
cia. Consistorio, i* de Fevereiro de 1889.
0 procurador geral,
Jos Ignacio Avilla.
Secretaria da Instruccao Pu-
blica, 26 de Janeiro de
1889.
Fago saber a quem interessar possa, de ordem
do (i. Dr. inspector geral da instruccao publica,
que podem ser procuradas nesta repartigo as
cadernetas da Caixa Econmica Escolar da 3*
eadeira do sexo masculino da freguezia de San-
to Antonio, recolhidas pelo ex-professor Fran-
cisco da Silva Miranda, constantes da rela^ao
infra.
Relacao das ca-Jemetas da Caixa Econmica Es-
colar da 3* eadeira do sexo masculino da fre-
Sezia de Santo Antonio, ainda nao reclama-
L
1879 N. 2021 Joo Gomes Pe-
reira da Silva, folhas 38
N. 3-774 Manel Pedro
Alexaidrino de Lama,
dita 68
1880 N. 2.011 Jo5o Baptista
Lopes de Castro, dita 48
N. 2.012. Alfredo Proco-
FracqSes
io Lopes de Castro, dita
9
1881
t
,9
N. 2.084 Theotonio Agri-
ino dos Santos, dita lo.
3.516 GustavodeSou-
za Lopes, dita 17
N. 3-517 Joao de Souza
Lopes, dita 18
N. 3.-510 Martiniano Joa-
r'm de Mello, dita 21
3.805 JooSilverioda
Costa Oliveira, dita 30
N. 4.638 Manocl Soares
Monteiro, dita 45
N. 4.640 Lupicioio Fer-
nando da Silva, dita 47
1882 N. 5.021 Victorino Duar-
te Pereira Lima, dita 8
N. 2388'Capitulino Tho-
m Baptista, dita 16
S. 4.641 Manoel Candido
Ferreira da Silva, dita 19
N. 4.647 Al exandrino
Tavares, dita 20
N. 5.029 Arthur Ferreira
Soares, dita 34
N. 5.311 Raymundo Al-
ves de Souza, dita 42
1883 V. 5.312 Luiz de Franga
Soares (ou Souza.) dita
31
N. 6183 Alvaro de Oli-
veira Colas, dita 37
N. 4.64i Joao dos Santos
Pereira Braga, dita 57
1884 N. 6.371 Joaquim de Sou-
za Pinto, dia 12
N. o. 616 Manoel Sil veno
de Miranda, dita 20
N. 7.14o Amaro Joao de
Alencar. dita 37
N. 8.196 Rosa de Lima
dos Passos Barbosa,5 dita
18S3 N. 5.618 Carlos Henrique
Soares, dita 41
N. 5975 Affonso Dantas
Teixeira, dita 36 .
15000
100 lOOO
3*000
3*000
160 10*000
600 5*000
600 5*000
520 10*000
16*000
400 2*n00
100 14000
9*000
140 17*000
11*000
500 7*000
740 1*000
560 3*000
11*000
840 2*000
309 1*000
630
500
400
800
4*000
4*000
6*000
1*000
3*000
700 4*000
84700
Recife, 21 de Janeiro de 18^9.
* Francisco da >ilva Miranda.
Os pretendentes devem apresentor-se 1
I.
ganho premios no Hippodromo, Prado e Derby.
2005000, segundo 50)5000 e terceiro 20000.
parcoIMPRENSA PERNAMBCANA900 metros. Animaes da provincia.
que nao tenham ganho premio n'esta ou maior distancia em nenhtim dos
prados d'esta capital, premios : primeiro 250#000, segundo 60&000,
e terceiro 2o000.
pareoHIPPODROMO DO CAMPO GRANDE1.609 metros. Animaes de
qualquer paiz. premios : primeiro GOOiJKXX), segundo 1505000 e terceiro
605000.
pareoPRADO PERNAMBUCANO1.500 metros. Animaes nacionaes at
meio sangue. premios : primeiro 4005000, segundo 1005000, e terceiro
405000.
arcoDERBY CLUB DE 'PERNAMBUCO1.700 metros. Animaes da
provincia, premios: prmeiro 3005000, segundo 755000 e terceiro
303080.
.pareoPROGRESSO 1-400 metros. Eguas at puro sangue. premios:
primeiro 3505000, segundo 805000 e terceiro 355000.
I.0 pareoVELOCIDADE800 metros. Pequiras da provincia com 1 metro e
30 no mximo, premios : "primeiro 1505000, segundo 355000 e terceiro
155000.
Observa^oes
Nenhum pareo se realisar sem que se inscrevam tres animaes de proprieta-
rios dfferente8.
A inscripcJIo encerrar-se-ha no dia 18 do corrente s 6 horas da tarde no es-
criptorio do Hippodromo.
O cdigo de corridas prescreve o modo da inscripjSo.
O 6. pareo nao se realisar sem que se inserevam 5 animaes.
Recife, 12 de Fevereiro de 1889.
O secretarlo,
Ferreira Jacobina.
da Silva
Fogo n. 18 A. Silva & C.
Livramentc n. 14. Silva Jnior
JjVisconde de Inhauma n. 24.
Santos Sirra & C.
Ditan. 26. .Santos & Irmo
Dita n. 29. Salvador Gonealves
Braga & C. '
Dita n. 37. Souza Pontes & C.
Dita n. 41. Suva & Irmao
Pedro Affonso n. 6. Sal Mar-
ques dos Santos
Marcilio Dias n. 33. Santos & C.
Palma n. 4, Santos Sonza & C.
Mrquez do Harval n. 73. San-
tos Alves
Largo da Praceta n. 1. Souza
Travassos & C.
Largo do Carmo n. 1. Souza Pi-
nheiro
S. R.M.
Mocledade Beereallva Mocidade
Sarao carnavalesco em 2 de Marco
Convida-se aos senhores socios para apresen-
tarem suas notas para convites. Ingressos em
mao do Sr. thesoureiro.
N. B Nao se admitte aggregado1.
Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
O i* seerelari,
Gui Inerme Pinto Meirelles.
.abultados.
Pcrgcntino Saraiva de
o;
Gavao.
Recebedoria Provincial
0 procurador dos feitos interino da fa
zenda provincial, tendo recebido do The-
souro a relacao abaixo transcripta dos
devedores do imposto de bombeiros no ex-
ercicio de 1886 a 1887 (3o semestre) das
freguezias do Recife, Santo Antonio, Boa-
Vista e S. Jos, que deixaram de pagar
no tempo competente, declara aos mesinos
devedores que lhes fica marcado o prazo de
30 dias, a contar da publicacao do presen-
te cdital, para dentro delle pagarem a im-
portancia de 8eu8 dbitos na Recebedoria
Provincial com guia da seccao do conten-
cioso, certos de que, findo aquelle prazo,
se proceder a cobranca judicialmente.
Recife, 1 de Fevereiro de 1889.
0 procurador dos feitos interino,
Jos Franeisco de Ges Cavalcante.
(ContinuacSo)
Ra do Visconde de Inhauma n.
12 A Joaquim Conrado de
Aguiar
Dita n. 22. Joaquim Innocencio
do Espirito Santo
Pedro Affonso n. 8. Joaquim An-
tonio Ferreira & C.
Dita n. 76. Jos de Oliveira
Azevedo
Travesea do A. de Guerra n. 5.
Jos da Costa Baha
2a Travessa da Praia n. 4. Jos
do Carmo
Nova da Praia n. 42 e 44. Ju-
lio Fuestenberg
Marcilio Dias n. 2. Jeronymo
de Souza Rolim
Palman. 71. Jos Bernardos de
Ferreira
Mrquez do Herval n. 7. Jos
Bernardino Ferreira
Ditan. 13. O raesmo
Dita n. 25. Jos Cavalheiro
Dita n. 31. Joaquim Pinto da
Rocha
Dita n. 85. JoSo Pereira de
Lima
Pedro AffonsofH. 40. Jos Da-
niel Pereira de Azevedo
Caes 22 de Novembro n. 52.
Joaquim A deH. Cavalcante
de Albuquerque
Larga do Rosario n. 24. Jos
Dias Alves Quental
Primeiro de Marco n. 8. Jos
Victorino de Paiva
Imperador n. 27. Lino Cardoso
Marroco Mendes
Duque de Caxias n. 16. Omes-
mo *
Barao da Victoria n. 4. Ludovi-
co Gomes & C.
Larga do Rosario n. 19. Luna
&C.
Estreita do Rosario n. 32. Lean-
dro Ferreira Muniz
Conselheiro Peretti n. 50. Lau-
ruiana Mara da ConceicSo
Travessa da Matriz n. 6. Liba-
nio Lopes Moreira
Santo Amaro n. 1. A. L. de Mat-
ttos
Largo do Carmo n. 26. Luiz
Antonio Pereira
Livramento n. 39. Lopes &
Coimbra
Visconde de Inhauma n. 44.
Lopes Fonseca & C.
Pedro Affonso n. 63. Lourenso
Ribeiro & C.
Nova da Praia n. 28. Lournjo
Gomes Procopio
Imperador n. 49. Modesio do
Reg Baptista
Cabugn. 2C. M|llo & C.
Dita n. 1 C. Manoel da Cunha
Saldanha .
Primeiro de Marco n. 14. Maia
Irmao <& C.
Dita i*. 7 A. Medeiros & C
Dito n-. 15. Manoel Joaquim Pe-
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
.35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180!
{35180
35180
35180
35180
35180-
35180
reir
Duque de Caxias u. 62. M. Fir-
mo & C.
Dita n. 39. Manoel Joaquim de
Miranda
Dita n. 47. Marques & Pereira
Dita n. 53. Manoel dos Santos
Oliveira
Barao da Victoria n. 7. Manoel
Jos Gonealves Braga
Ditan. 21. Manoel & C.
Dita n. 53 A. Marcellino da Cos-
ta Bello
Larangeiras n. 2. Manoel Joa-
quim Pereira dos Res
Dita n. 21 e 23. Magalhaes & (?.
Travessa das Cruzes n. 2. Ma-
noel da Silva & C.
Larga do Rosario n. 24 A. Ma-
noel Teixeira 4 C.
Dita n. 15. Miguel Machado Ra-
mos de Oliveira
Estreita do Rosario n. 20. Mar-
tina Pires & C
Dita n. 30. Marcolino Jos Joa-
puim Correia
Dita n. 23. Manoel Francisco
Teixeira
Dita n. 25. Manoel Honorato de
Miranda
Dita n. 31. Manoel Lourenco
Pedrosa
Largo do Paraizo n. 29. Manoel
Affonso Regueira
Dita n. 31. Marques 4 Almeida
Livramento n. 36. Maria do Car-
mo Pereira Macedo
Visconde de Inhauma n. 2. Mar-
garina Ursulina da Silva
Dita n. 58. Manoel Joaquim Ta-
vares
Dita n. 15. Manoel Jos Gomes
Pedro Affenso n. 46. Mello & Ir-
mao
Dita n. 46 A. Manoel Joaquim
Ramos
1* Travessa da Praia n. 5. Mar-
tiniane Ribeiro
Marcilio Dias n. 64. Manoel Go-
mes da Silva Filho
Marcilio Dias n. 77. Manoel Bar-
nab Dias Lima
Dita n. 79. Maria Simplicia dos
Anjos
Coronel Suassuna u. 24. Manoel
Ferreira de Oliveira
Mrquez do Herval n. 23 A. Ma-
ncei Ribeiro da Paixao
Largo de Praceta n. 3. Manoel
da Silva Parias
Cadeia Nova n. 9. Mello 4 C.
Ilha do Carvalho n. 37. Olivei-
ra & Praca
Becco do Calabouco n. 20. Oti-
veira Souza & 0.
Visconde de Inhauma n. 60. Oli-
veira Castro 4 C.
Cabug n. 18. apoula 4 C.
Trncheiras n. 50. Pedro Augus-
to da Silva Proa
Estreita do Rosario n. 2 B. Po-
pes Pires & C.
Dita n. 12. Pereira Santos & C.
Largo do Carmo n. 9. Phites,
Adelino da Costa Doria
Visconde de Inhauma n. 27. Pas-
choal Jasselle
Lomas Valentinas n. 15. Pereira
& .
Duque de Caxias
go 4 Sobral
BarZo da Victoria n. 48 A. Ro-
drigues 4 C.
Largo do Paraizo n.
gues & C.
Santa Thereza n. 30. Rodrigues
dos Santos & C.
Caes 22 de Novembro n. 42. San-
tos Porto 4 C.
Dita n. 6. Os mesmos
35180 Duque de Caxias n. 28. Souza
& Noras
Dita n. 44. Silveira 4 C.
Dita n. 75. Souza Gozende & C.
Barao da Victoria n. 4 A. Silva
4C.
Dita n. 57. Sampaio Coelho &
C.
Estreita do Rosario n. 2 A. Sa-
lustiano Bezerra do Nasci-
mento
' Dita n. 40. Salustiano Pereira
n. 67. Rodri-
20. Rodri-
35180
35180
35180
35180
35180
55000
35180
35180
35180
55000
35180
35180
35180
3#180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35186
35180
35180
35180
30180
35180
55000
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35J80
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
55180
pareoENSAIO800 metros. Animaes da provincia que ainda nSo tenham j Barao da Victoria n. 31. Tava-
res Martina & C.
Larga do Rosario n. 22. Tran-
quillino los Santos Castello
Branco
Imperador n. 55. Victor Prealle
Dita n. 63. Viuva Adolpho Mar-
ques dos Santos
Largo do Paraizo n. 26. Veci-
nuto F. de Souza Rangel
Fogo n. 18. Vicente Lima
Livramento n. 9. Viuva de Au-
reliano Lins Alves
Psdro Affonso n. 23. Victorino
& Sobri&ho
MarcilioDias ns. 15 e 17. Ven-
tura Pereira Penna
Coronel [Suassuna n. 7. Viuva
Barros & Filhos'
Travessa do Pocinho n. 24. Vi-
ctorino dos Santos & C.
Largo da Praceta ns. 11 a 13.
Vicente Ferreira de Albuquer-
qus Nasci ment
Cabug n. 4. Wolf & C.
S. 4os
Marcilio Dias n. 112. Antonio
Marques da Silva
Bita n. 93. Antonio Ferreira da
Rocha
Dita n. 129. Antonio Teixeira
Machado
Coronel Suassu r n. 296. Alfre-
po Fuza 4 O-
Mrquez do Herval n. 64. Au-
husto Lumachi Miguis
Mrquez do Herval n. 146. An-
tonio Jos Leo
Dita n. 174. Antonio Avelino de
Araujo.
Vidal de Negreiros n. 4. Antonio
de Souza & C.
Dita n. 12. Adelino C. Rodrigues
de Lisboa.
Dita n. 36. Aguiar & C.
Dita n. 52. Agostinho Geminiano
Pedro Santos.
Dita n. 11. Agostinho Jacome Be-
zerra.
Dita n. 61. Agapito Innocecnio
Poggi.
Dita n. 71. Antonio Joaquim da
Silva.
Ditan. 145. A Alfredo Moreira.
Dita n. 149. Azevedo Lopes
&C.
Assumpclo n. 8. Austriclino de
Arruda Cmara.
Dita n. 10. Auxencio Cardoso de
Albuquerque.
Christov2o Colombo n. 2 A. Ar-
sencio Francisco Esteves.
Padre Muniz n. 13. Antonio Al-
ves da Costa.
Dita n. 15. Abilio de Araujo
Cesar.
Imperial n. 1. Andre Affonso de
Carvalho.
Dita n. 55. A. Adolpho -de Men-
donca & C.
Ditan. 111. Antao&C
Dita n. 139. Alipio de Franca
Mello.
Dita n. 295. A Antonio Inno-
cencio Ferreira da Silva.
Dita n. 184. Alfredo Pessoa.
Via-ferrea n. 5. Antonio Ganjal-
ves de-Miranda Wanderley.
Luiz Mendonca n. 2. Antonio
Jeronymo de Paula.
Travessa do Cunha .. Augus-
to Maset.
P^dre Muniz n. 55 a 57. Bernardo
Ferreira.
Dita n. 63. Bellarmino Mendes.
S. Joao n. 17. A Clarindo.
Dita n. 69. Constanca Maria
Fradique Silva.
Largo do Mercado n. 3. Cami-
lo Pereira Mendes.
Imperial n. 227. Casemiro Adol-
pho Fiuza Lima.
Dita n. 275. Costa Primo & C.
Dita n. 322. B Candido T. da
Costa Mello.
Padre Muniz n. 9. Epiphanio
Jos do Nascimento.
Travessa doPeixoto n. 17*. Elias
Baptista de Santa Rosa.
Imperial n. 17. Eduardo Ferrei-
ra de Espirito-Santo.
Marcilio Dias n. 106. Ferreira
Oliveira & Irmaos.
Dita n. 131. Felisberto Amancio'
da Silva. .
Cadeia Nova n. 12 P. Pigueire-
do & C.
Vidal de Negreiros n. 22. Fran-
cisco Fernandos dos Santos.
Assumpjao n. 4. A Francisco
Jos d Santa Anua
Padre Muniz n. 19. Fiuza Lima
& C.
Dita n. 21. Floriano Auxencio
da Trindade
Marcilio Dias n. 133. Guilher-
mino & C.
Lomas Valentinas n. 39. Guilher-
me Pocas.
Assumpcao n. 4. Gustavo Dn>
toya.
Largo do Mercado n. 15. "Guima-
raes&C.
Imperial n. 5. Gregorio T. deS
Leitao.
Dita n. 31. Gaspar Jos de
Mello.
Vidal de Negreiros n. 210. Her-
mano Marques da ConceicSo..
Imperial n. 153. Hermelido An-
tonio de Souza.
Marcilio Dias, n. 76. Jo
tomo da Silva.
Dita n. 112. A Jer
35189
34180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180

35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180

35180
35180"
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
3518o'
35180
35180
35180
35180
35180
35180
3180
35180
35180
35180
35180'
35180
35180
35180
35180
35180

phbcw *****


I
If
n "


6
Diario de PernambucoSabbado 16 de Fevereiro de 1889
Data. 120. Jos de S. 3*180
Ditos. 122. Joaquim Francisco
de Mello Santos. 3*180
Dita n. 135. Jos Qysneiro da
Costa Reis. 3*180
Lonas Valentinas n. 48. JoSo
Celestino de Mello. 3*l0
Dit n. 48. A O mesmo. 3*180
Dit n. 00. JoSo Jos dos San-
' tos. 3*180
Coronel Suassuna n. 217. JoSo
Baptista Alves da Silva. 3*180
Mrquez do Herval n. 114. JoSo
Jos de Jess Americo. 3*180
(Contina.)
Companhia Brasileira de
NaVegacao Vapor
PORTOS do sul
O vapor Para
Commandante Antocio Ferreira da Silva
-i-j -i E' esperado dos portos do norte at
.."aiLtjfco dia 16 de Fevereiro e depois da de-
yi Slmora indi pensavel seguir para os
^B^B^S^Bfportos do ful.
Recebe tambem carp para Santos, Santa Ca-
Alesre
Precisa-se-se de um me pra-
tica demecearia,-que de fiador cna conducta,
para case commercial a retalha nesta cidade ; a
tratar na raa larga do Rosario n. 14.
Precisa se de urna criada para copelrWI
niais algum servico de urna casa de familia : a
tratar na ra da Soledade n. 82.
tido ;
tharina, Pelotas, Porto
Sul, frote mdico
legre e Rio Grande do
Pede-se aos Senho-
res consummidores
que queiram fazer
qualquer communica-
$o oxi reclamac.o, se-
jaesta feitano escrip-J
torio desta empreza
ra do Imperador n.
29, onde tambem se r e-
ceber qualquer conta
que queiram pag-ar.
Os nicos cobrado-
res externos sao os Se-
nhoresHermillo Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r e Manoel Antonio
da Silva Oliveira, e
quando for preciso o
Sr. Antonio Martins
Carvalho.
Todos os recibos
desta empreza devero
ser passado em tales
carimbados e firmados
pelo gerente, sem o que
nao tero valor algum.
George Windsor,
Gerente
ISP
As encommendas se serao recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS IX) NORTE
O vapor Afagoas
Comxnandante JoSo Mara Pessoa
E' esperad (i dos portos do sul at o
dia 17 de Fevereiro e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do mrte at Man aos.
As encommendas sao recebidas na agencia
at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua 'do Gommercio=6
1 andar
Royal Mail Steam Packet
Companhia
O vapor Neva
m mandan te 6. M. Ilicks
Espera-s da Europa at o dia 16 de
Fevereiro, egnmdo depois da demo-
ra do costnme para
Baha, Rio de .Janeiro, vf onte-
vldo e Bnenos-A j res
Para passagens, frotes e encommendas trata-
se com os AENTES.
O vapor Elbe
Ce m man dan te Armstrong
E' esperado do sul no dia 17 de Fe
vereiro e seguindo depois da demora
'necessaria para
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Reducgao dt patsagens
Ida lia e volt a
a'Lisboa 1' classe t 80 t 30
A' Southampton 1* classe t IS 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Emquanto vigorar a quarentena imposta na
Repblica Argentina, aos navios procedeates do
Brasil, os vapores desta :ompanuia nao aceitam
passageiros nem carga para Buenos-Ayres.
Para passagens, fretes encommendas, trata-se
cem os
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
LEILOES
Leilo
MARTIMOS
/*
Vapores nationaes
EMPREZA NORTEE SUL
Santos, Rio Grande do Sul, Pelotas e
Porto Alegre
O vapor Arlindo
^^ A E' esperado dos portos do sul
no dia 16 do corrente e seguir
parr os portos a'cima indicados,
depois de pequea demora.
Recebe carga, encommendas e passageiros a
tratar com os
CONSIGNATARIOS
Pereira Carneiro &C.
6RA DO COMMERCIO6
f' andar
United States and Brazil
M. S. S. C. J.
Ovapor Advanee
E' esperado dos portos do
norte at o.dia 2 de Mar-
co o qual depoi9 da de-
mora necessaria seguir
para a
Bahia. Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os AGENTES.
O vapor Allianca
E' esperado dos portos do
su'at o dia 28 de Feverei-
ro o qual depois da demo-
i ra necessaria seguir
para o
Marnnho. iar. Barbados. M.
Thoniaz e Mew-York
Para car?a. pas-airens. encommendas e di-
nbeiroa frete : trata-se com os
AGENTES
Heury Forster & C.
8Ra do Cormwrc'o8
1* andar
CHARGEURS REUNS
Francesa
Companhia
DE
Xavegaeo
Linha quinzer.al entre
Pemambucip, Bahia,
Santos.
O VAPOR
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
ille de Bahia
Comniandante i oux
I^V-perado da Europa al o dia 18
di Fevereiro. sepuindo depois da in-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de JaDeiro e Santos
Rog. importadores d<
vapo liulia.que I atro
de 6 di.'s a contar do da descara '
qua!. n .macao coi
pon -hant seguido para os porto do
sal; poder dar a ttmpo as provi-
dencia* necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao se
reapoMatusa por extravies
lvi carga, passagens, encommeadas e di-
aheiro a frite: trata-se com o
AGENTE
Aigiste MUe
9-RUA DO. COkMERCIO9
de uma terca parte da casa e sitio n. 6 do
3o becco do Pombal
Ha libad o IB do corre n le
AS 10 1 i HORAS
Agente Pinto
Ra Mrquez de Olinda n. 52
Em continua^ao
e s 11 horas
De ditlerentes objectos na porta d'Alfandega
Agente Silveira
Segundo leilo
Da casa terrea ra dos Pescadores n.
24, em terreno foreiro
* abluid o IB do corrate
A's 11 horas
\o armimni & iiu lo Imperador
n. 45
O agente Silveira, por mandado e com assis-
tencia do Exm. Sr. Dr. iuii de direito de or-
pbaos e a requ oriniento do inventarame de Ma-
noel Jos Monti'iro da Franca, levar a leilo a
referida casa.
Grande leilo
De importantes movis austracos e donrados,
piano, finos crystaes, porcelanas, electro-
pate, forros de tapetes, alcatifas e esleirs,
plantas, trem de cozinha e ferramentas para
jardim.
Terca-feira, 19 do corrente
A's 10 e I 2 horas
Jo Io e andares do sobrado sito ao largo da
Santa ''.mz n...
Constando :
De 1 rica mobilia anstriaca, com 12 cadeiras
de guarn cAo, 6 ditas de bracos, 1 sof e 2 dun-
qoerques, 1 importante piano, novo de Pleyer,
cadeiras para dito, capa para dito, estante para
msica, etageres com j.irros. 8 jarros grandes,
jardineiras com jarros e flores articiae*. mesa
para centro de sala, ahnofadas para sof, tapetes
para forro de sala, i rica mobilia dourada, im-
portantes guarda loc^a aparador com espelhos
e pedra. aparadores ccci pedra, mesa elstica,
cadeiras austracas de espaldar, ditas de ditas
com meio bracos, apparelnos de porcelana para
almoco e jantar. dito de electro-pla'e para afuio-
co, importante faqueiro de electro-plate e mar-
fim completo, para )6 talheres, copos, clices,
garrafas, compoteira?. tudo de finos crystaes.
trens de cosinha. plantas e amitos outros objec-
tos que serao descripios em -catlogos.
0 agente Gusmo, .nit irisado pela Exma. Sra.
Viscoidesn de Itaqui Jo Norte, far leilo dos
ricos movis que orijaia a sua residencia sita ao
largo da Santa Cruz n...
Leilo
De tres excel lentes vaccas tourinas com cria
Terea-felra. I 9 do corrate
A's 11 horas *
Por ot-casiao do leilio de ricos movis, crystaes,
porcelanas e electro pate
No sobrado do largo da Sarita Cruz n. 8
Por interveni'ao do agente
GHsmao
AVISOS DIVERSOS
Aluga se catas a 8/OO no becco dos Coe-
Ihos. junto de S. Goccallo; a tratar na ra da
Emperatriz n. 50. _______
Atusase o pavim-Jirto u -obrado n.
46 ra 3a Roda, e.itando o mesmo raiado. pin-
tado i todo ladrilliado de novo, comeado 1 sala,
S quartos e eosinha : a trata: a na do Cabuga
n. 10.
sobrado n. ..; roa do l>aes do
Gazometro.qui CasadeDetencao.com
bons commodos quiuial com fructeiras ; a tra
tar com L. W. R. Valenca. ra das Tnuctjeiras
numero J7.
I'recisa-se de boa coHuwira pan
na ra do Imperador n. 44. 1 andar.
Precisa-se de um criado ; a tratar na ra
Barao da Victoria n. 38, loja.
AMA Preeisa-se de uma, que lave e en-
gamme bem ; a tratar na ra Marpuez do Her-
val n. 107, entrada pelo oitao.
Ama
'Na raa Direita n. 86, 2 andar, precisa-se de
uma ama para casa de pouca familia.
Aluga-se barato
a casa n. 47 travessa do Bartholomeo, os 1 e
i- andares do sobrado ao caes do Apollo n. 75,
eosr,2e3 andares do da ra do Brum n. 84,
todos com bastantes accommodacOes para fami-
lia : a tratar na ra larga do Rosario n. 34.
Ao commercio
O abaixo assignado participa ao corpo com-
mercial que deixou de ser interessado no seu
estabelecimento de molbados que gyrava sob a
firma de Goncalves Dias & Motta, sito ra
Mrquez do Herval n. 89, o Sr. Fortunato Pinto
da Motta. o qual nao tem gerencia alguma desde
28 de Janeiro prximo passado ; quem se julgar
credor da dita firma aprsente suas contas ra
Coronel ,-uassuna n. 15. Recife, 14 de Feverei-
ro de 1889.
Jos Goncilves Dias,
Cosinheira
Precisa-se de uma boa cosinheira ; na praca
Conde d'Eu n. 32, 2 andar.
AlugH-se
- ALUGA-SE a caa n. 52 ra no Foga.
com 2 salas, 3alcoras. cosinha eapparelho : a
tratar aa roa do Amorin armazem n. 49,
A A. de Soura Agniar.
o sobrado na ra Barao de S. Borja n. 26, com
romi..odos para numerosa familia ; a tratar na
ra da Aurora n. 85.
AcQoes entre irmos
De brilhante, mobilia, guarda-vestido, guar-
da louca e mesa elstica, corre impreterivehnen-
te com a ultima lotera de 60:0004000 do Grao-
Par. que se extrahir ste mez, conforme se l
as mesmas aeces; outrosim, pede-se aos ca-
valleiros que se dignaram acceital as o obsequio
de mandar satisfazel as.
Rec. *
A o commercio
Jos de Almeida & C. fazem sciente ao publico
que nesta data tem comprado o estabelecimento
de modados ra Conde da Boa-Vista n. 79,
livre e desembaracado, aos Srs. Joaquim Ferrei-
ra & C. Recife, 4 de Fevereiro de 1889.
Jos de Almeida C.
Feitor
Ainda precisa-te de um feitor para tomar conta
de um sitio : a tratar na ra Pedro Affonso nu-
mero 58.
Pharmacia Bartho-
lomeo
a tratar na ra
Precisa-se de um pratico
larga do Rosario 34?
Casa
Alnga-se a casa da ra General Sera, antiga
do Jasrnin n. 12: a tratar no escriptorio do
Diario.
AO TORRADOR
Lima Coutinho & C.
4:1RA DUQUE DE CAXIAS43
Defroate da Praclaha da l n-
dependeacla
Este novo estabelecimento intitulado
AO TORRADOR vende sem competen-
cia, como as Exinas. familias poderao
analysar pelo seus precos.
Lanzinhas de quadros a 60 rs. o covado.
Ditas de ditos a 200, 240 e 280 rs.
Merino de quadros, bonitos padrees a
300 rs.
Ditos lisos enfestados a 480 rs.
Baptista e nanzuch finos a 140 e 240 rs.
Mariposa branca e de cores a 240 rs.
Chitas finas cores fixas a 200 a 240 rs.
Ditas forlaidine a 240 rs.
Cambraia branca bordada a 4500 e
4^800 a peca.
Dita Victoria, fina, a 2,5800 e 30500 a
pesa. ,
Seda de Japao, lindissimos padroes a
200 rs. o covado.
Dita da Persia, lindos padrSes, a 180
rs. o covado.
Sargelins de todos as cores a 160, 20q
e 240 rs.
Setinetas lisas, largas, a 360 e 400 rs.
Merinos pretos finos a 800. 1,5000,1(5200
e 1(5500.
Colchas para cama a 10800, 2(5000 e
feooo.
Cortes de casemira de cor a 2(5500 e
30000.
Casemira preta, duas larguras, a 10800
20 e 20200.
Madapolao superior com 20 varas a 40,
50000 e 50500 a peca.
Dito americano, superior, a 70200 a
peca.
Bramante de algodao para lencdes a
700 e 10000 o metro.
Dito de linho superior, com 10 palmos
de lagura a 10600, o metro.
Guardanapos de linho e algodSo a 20_a
duzia.
Toalhas felpu'das a 30 e 40500 a duzia.
Atoalhados para mesa, lindissimos pa-
dr5es, a 102OU e 10800 o metro.
Dito trancado, alvo, a 10000 o metro.
Lencos brancos com barra de cor a 10200
a duzia.
Ditos superiores, de linho e algodSo, a
20200 a duzia.
Enxcvaes para baptisados, completos, por
todos os presos.
ntremelos e babados bordados por todo
preco.
Bicos de todas as cores para enfeite de
vestidos.
Baleias cobertas e descobertas.
Arcos cobertos para anqumha.
Camisas brancas para homens e meni-
nos.
Ditas de meia para homens e senhoras
Manda-se fazer roupa por medida e da-
se amostras de todas ae fazendas.
Lima Coutinho & C.
Nova Hamburgo
Bailes Phantazia
Pelo Caraaval
Approximando-Be a epocha do carnavala
Nova Hamburgo aviza ao respeitavel publico
que no presente anno como nos precedentes,
terao lugar com o maior brhantisiuo os bai-
les fantaziados que este grande e bem mon-
tado estabelecimento industrial custnma fa-
cultar ao generoso povo pernambucano para
o que desde j se trata da ornamentasao
do garrido theatro de Variedades existen-
te no recinto da fabrica bem como dos
arranjos dos magnficos terracos pavilhSes
e gardins. Collocada a Nova Hamburgo
no centro desta cidade podendo sem es
foro as grandes caminhadas ser vizi-
tada a cada instante pelos amantes da fo-
lia e pelos que buscam narcotizar o tedio
implantado no espirito pelas oceupaces
pesadas; tendo em seu favor a agrada-
bilidade de structura e propors^es que a
torna preferida as quatro noites eonsa-
gradas muga, alegre dos devenidos de
esperar, mesmo admissivel contar coic
a frequencia que se. ha notado as epo-
chas anteriores em que a boa ordenf d<>
servigo interno ha perfeitamente correspon-
dido ao espirito ordeiro espansivo e so-
ciavel da nobre populacao desta veneza.
Cosinheira
Precisa se de urna ama que cosinhe bem ; do
terceiro andar to predio n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da typograpbia do Diaiio
Cosinheira
na ra de
Precisa se de uma cosinheira
Bemlica n. 7. Passagem.
Duas cosinheiras
Precisa se de uma cosinheira para casa de
uma familia no Manguinho ; toma se uma outra
para um estabelecimento na cidade, cosinhando
somente nos dias uteis e dormindo onde quizer,
com tanto que compre : na ra Nova n t3.
Mat
scaras novas
(Multo haraloi
Acaba de cliegar um grande sbrtimento de
mascaras de p?.pelao, rame, seda e.caricatas :
venda na loja de msicas do Azevedo, ra Nova
numero 13.
Ao
commercio
Os abaixo asaignados pai ticipam ao respeita-
vel corpo commercial que dissolveram a socie-
dade qnc tinliam no estabelecimento de molha-
dos sito ra Mrquez do Herval n. 29, oTjual
va sob a lirma social de Goncalves Dias &
otta, ficando de posse do activo e obligado
pelo passivo o ex-socio Jos Goncalves Das ;
assim como quem ge julgar credor da mesina
firma, aprsente suas contas ra oronel Su-
assuna n lo, no prazo de tres dias. a contar
desta data. Recife, 14 de Fevereiro de 1889.
Q/BMH Fortunato Pinto da Molla.
Jos Goncalves Dias.
A's almas cariciosas
Rita Ferreira do Espirito Santo, viuva, mora-
dora na travessa da Piedade n. 6, em Santo
Amaro, achando-se na mais extrema miseria e
tendo em sua companhia uma aflbada aleijada,
vem pedir caridade publica que a soccorra,
afim de matar a fome.
um sitio
Feitor
ir para
ii^ doVifi
Precisa-se de um feitor para tomar conta de
a tratar na ru=> do Vigario n. 13.
Pao centeio
Mille A Biset, avisam ao respeitaWl publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
boroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Criado I
Precisa-se de um criado de 14 a 16 annos
ra Imperial n. 17.
na
Amorim Irmos & C,
scientificam ao corpo com-
mercial, que o Sr. Antonio
Augusto Bezerra de Mene-
zes deixou de ser seu em-
pregado.
Professora
Urna seahora competentemente habiliada. coil
pratica de 11 annos de profissio, apresentande
diversos attestados de bom mahodo e comporta-
ment, oflerece-se para leccionar em casas par
aculares, na cidade ou em seus arrabaldes aa te-
guintes materias : Portuguez, Francs, Italiano
Geographia, Piano, trabalhos de agulha, etc.: a
tratar a' roa Visconde de Goyaana n. 9 ora
asa do-*egulaaor da Mannharaa I ara a 4o
Mario n. 9.
Professora
Uma senhora competentemente habilitada,
propoe-se a leccionar em collegios e casas par-
ticulares as seguintes materias : portuguez,
francez, msica e piano : a tratar na ra Vis-
conde de Albuquerque n, 20.
FBRICA
DE VIDROS
193 Raa d lurora 193
Expoe venda em grosso
e a retalho os productos dt
seu fabrico: sendo
Copos come sem p, ditos
com aza para cerveja, cli-
ces, globos, chamins, frascos
para botica etc. etc.
Precos sem competencia
mais de iDmattt
sjssn i: sss:i:::^:
DORES DE DENTES
E
a wCTktJC xvovVJL. JC* ^>vL^V.
PRKPABADO NICAMENTE
POE CALA8ANS & C.NA HAHIA
Medicamento heroico contra os rheuina-
tismos, incha^oes, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia, etc., empregando-se em
fomenta^oes sobre os lugares affectados
Cura o beri-beri, as paralysias e as dret
de dentes.
Todos os frascos levam direcc3es para
uso d'este medicamento admiravel.
Preyo 1(5200. Descont de uma duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & O ra
Mrquez de Olinda n. 23
Convite especial
Tendo se mudado para a na i!a Conquista n.
24i, George If. Nin I e sua senhora, convidam
aos sen> vi-inlios e amigos que procuram a ver
dade e sinct lamente qerem render culto a
Sena, parareuiurein-se nadita caa no domin-
go. Is / li >"t'- da noite.
Prefessor americano
Devido mudanca de residencia
MR. GF.ORGE B. .MND
Sde-ser procurado nos dias uteis. na ra da
otiquist;i ii. 20.
En^ommadeira
.Na ra Formosa n. 8, precisa-S'i de urna en-
gommadeira que durma em casa.
Caixeiro
#
Precisase de mu menino de 10 a 12 annos,
que tenha pratica de taverna, que seja fiel e de
tea eoaducta; aa ra Imperial n. 158.
Injecco a Grimault a C
oom o M TICO
iftmtU pU Juu iTflM* t, U*-4*Juin.
Preparada com as folhas do
Matico do Per, que sao po-
pulares para a cura da blen-
norrhagia, esta injecco ad-
quiri em pouco tempo uma
reputacao universal, sendo
inteiramente inoffensiva por
conter apenas vestigios de
ses adstringentes, que se en-
contrSo em quantidade em ou-
tras do mesmo genero. Em
dias ella supprime os corri-
tos mala rebeldes e dolorosos.
Deposito em Pars, 8, roe Vivienn
poucos
WM
Vende-se rife de vaccas da trra, pan,*
320 rs. a garrafa, garantnflo so a boa qualidae
aos freguezes qne o comprar nesta casa. Gr
freguezes enconiTarao o leite das 5 s 7 howe.
da manta, e tambem nos encarregamos de mas-
dar levar em casa de qualquer freguez : na im
do Rangel n. 53. ___
Vende-se cal nova de Lisboa ; na ra Pe-
dro Affonso n8. 39 e 41._____
Vende-se uma taverna bem afreguezade
no bairro da Boa-Vista ; a tratar na ra da Isj-
peratriz n. 55.
Vende-se barato um terreno em Agua Fria,
com 90 palmos de frente e 500 de fundo, na raa
de S. Paulo ; a tratar na travessa da Casa For*'
n. 10, taverna.
TelegTamma
Vejam e admirem!
S o 55 na Duque de Caxias pot
vender pelos precos que abaixo mencio-
namos.
Amor da China, novidade em padroes, r
200 rs. o covado.
FustSes brancos a 360 e 500 rs. o ce-
vado.
Velbutinas de todas as cores a 800 ra.
covado. E' barato!
Casados e capas para senhoras, o qae
lia de mais novo e barato.
Cortes de seda, padrSes lindos e prccoK
CauleStas rio lonle de Soceorro
Compra-sc eautellas do Monte de Srccnrro de
qualquer joia, brilhantes e relogiea; paga-se
bem na Praga da Independencia n. 22, loja de
relojoeiro.
Carolos de alg-odo
Comprase carocos de algodao ensa'ccados. e
tregnesnos armazens. ra do Barao do Trium
ho ns. li>. 12 e 14 ; ao proco de 380 ris poi !"
los.
Molestias do peilo
O Peitoral de Cambar de S. Soares,
remedio efficaz para todas as'molestias do
peito. Vende-se em casa dos agentes
Francisco Manoe! da Silva & C, ra
Mrquez de Olinda.
Conselho
Quando alguma affeccAo pulmorar amea-
car a vossa existencia, experimentae o
Peitoral de Cambar, que ficareis livre de
tal ameaca. s
Os agentes,
Fraacisco da Silva & C.
Brnchites
O remedio infallivel para as brnchites
o maravilhoso Peitoral de Cambar, de
S. Soares, que se'vende em casa de Fran-
cisco Manoel da Silva & C, ra Mr-
quez de Olinda n. 2.J.
razoaveis.
1 metro de largura s
e400
rs.
PHOSPHATO DE FERRO
de LERAS, Dontor em Smenoiaa
Aponndo ptli Jnt di Hj$l do *io-de-Jtnein.
Este ferruginoso o nico que
contm em sua composicao os ele-
mentos dos ossos edo sangue. E' muito
efcaz contra a anemia, a pobresa
do sangue, as dor"es de estomago,
a pallidez, as perdes brancas e as
desordens e irregularidades da
menstruacio. Agraaavel pelo seu
aspecto e pelo seu sabor, sempre bem
acceito pelo- estomago, muito acon-
selhado pelos mdicos, s senhoras,
s mocas e s creancas delicadas.
Bm PARS, 8, Roe Virienne.
osireira e modista
franeeza

Madame ^aiuiy Silva :.'ni o seu alelier de mo
das e costuras 'rua Uar.io da Victoria n. lo, 1*
anitar, e nnileecioBa todo e qualipier tbilette,
com apur::d tas, baile.-, visita?, passt-ios, etc.. Taz tambem
manteletes je capas sobre metida. Continua a
ter um lindo sorlimeri;) de novic'ailrs Su l'aris,
vestidos de. seda, feos, e e:n corles de seda.,
gaze. velludo, broch e crpe de chine, foutards.
suralis, sedas e ottomanas pn tas. Escolhido
sortimentn em vidnlhos pretos. chopmi, capo-
tas e visitas : luto em 24 horas. Telepbooe n
93. Ra Barao da Victoria n. 13. 1- andar.
ir
Joanna na:li#s:i ae Ar.-tujo
4. ANNIVKIiSARlO -
Jos Pereira de Araujo, seus filbosegenro con-
vidam a todos os parantes e amigos aassistirem
as missas que pelo descanso cierno d'alma de
sua sempre lembrada esposa, mi e sogra man-
dara rezar no dia ih do corrente s 7 nona da
manila, nas ijrejas mttzV da BOa-Wta e San-
to Antoniod'esta capital e na-i-apellasdo- engje-
nhos Visgueii'o e Amaragy, s 8 oras da manlu
do mesm dia.
<'!:r!H:i :!<- ('armo Ira:,;a
Vctor Matias Urafin v Baltbaiar Marques Sal-
les, tendo recetod i .i diraasta noticia de t.-r tal-
le>-iilo ciii Portoffal sua prezada e exlremosa ir-
ni! o tia. i). Carolina >h> C^rmo Braga, cUfl-
dum aos -;-:- prente? mis !'-"':| assisivm
%i Musas >;ar j:- sua alma m(id un celebrar na
igreja da Santa Cruz, Wguoda fcira 18 do cr-
reme. |if,i- 7 horas 'i. cujuiha, stimo dia que
receheu a iiifansUi uotirin, nelo ipie lede j ?<
eonfessan eleniMuenie ;j-:, eitir-.
>'
Aca.'!tn .!< .Sr(>-. -ij \even
2* anniversuno '
Ai1' -i!\a N"\..- c- fiUio? pedem
ao; .- ... Kssistirem as |
que candan ira 19 >o
eorrenv. .^ s horas da mauli, na igreja do
c Praocisco, pelo eteruo i
le ,-ua carissima esposa e mi, auni
versario le seu infausta passaeoto. e dodej
.-! confessa ani adri k
Madapolao com
65 a pe9a.
Zetros a 80, 170, 200, 240
o covado.
Ditos bordados a 800 rs. o covado.
? Tecidos arrendados a 400 e 500 rs.
covado.
Brisa de cores a 320* rs. o covado.
Cortinados de crochet, cousa chic
preco barato.
Cambraia Victoria a 2|J800 a peca.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargelins de todas as cores a 200 rs.
co-vado. *
Guardanapos bons a 1800 a duzia.
Las modernas a 240, 280 e 320 rs.
covado.
Rendas hespanholas a 2(5 o metro.
Luvas de seda a 26 e 36 o par.
Espartilhos eouraca a 46, b6 e 65 u.
Merinos pretos e de cores, uma varie-
dade immensa em precos e qualidades.
. Setns de toilas as cores a 800 rs. o ao-
vado.
Toalhas felpudas, grande redcelo en i
pre90s em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisados o que ha do
mais moderno e por pouco preco, lOiJOOO.
Colchas de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem collarn!.
Atoalhado para mesa a 16 e liJ80ft
muito fino.
Collarinhos e punhos de linho'e algodSe
por pre9o barato.
Babados e entremeios, grande sort-
aento.
.Madapolao pelle de ovo por 6r) a pee*.
Esguiao pardo e chumbado a 400 rs.
ovado.
Uma grando variedade em len90s.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para coberta o que ha de rnaia
.barato e bom.
Mantilhas de renda a 5 uma. .
Leques de setim muito ehic.
Linn bordado com quadros a 800 rs. a
covado, muito bonito.
Chitas escuras e claras a 240, 280 e j
320 rs. o covado.
Cretones trabados, finos, a 320 rs.
covado, para acabar.
Casemiras de cores e pretas um grande
sortimento em qualidades e pre90s.
Casinetas, o que ha de mais bonito, a
400 e 500 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por precos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 16600 o n-
tro. %
Brins pardos a 320, 400 e 500 rs.
covado. ?
Cortes de vestido de cachemira com vi-
drilho o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos bordados
E' barato.
Cambraia branca, bordada, o que ha de
mais gosto e por pre9o razoavel a 8)5000 a
pe9a.
Dita com salpicos a 4 Colchas argentinas a 66600 uma.
Ditas de 26, U, W* 5,5000.
Bramantes de algodao e linho
os precos.
Grande sortimento em fich*
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas c leques para noivas.
Bicos de cores muito chic.
Alm do que acabamos de annunciae,
temos uma quantidade de artigos que ai
veudo-se, se acredita, pelo que pedem que
compare9am.
Do se amostras sem penhor.
Setinetas lisas de todas as cores a 40P
rs. o covado. Sao muito largas.
Roupa feita e por medida.
55RA DUQUE DE CAXIAS te

% *


de todas
de coree

JUMES DE AZEVEDO If
tomas
*"* OCRY laa-sa em fc a mrt*
Cbnolet americano
vende se um, profiri para medico, must*
eve ; na cocheira da rna das Flores n. :ifi.
II. FranrKra Camlida tio% aiXo
O vigario Pedresa celebra na matriz da Beca-
da uma mise pela alma .le D. Francisca Candi-
da dos Santos, tioje 16 do corrcuie. s 8 horas
:io dia do seu falleoimeuto.
O Instituto Benecente dos Officiaes da liuar-
da Nacional manda lioje rezar uu:a mis
igreja* de N. ireo or alma de son indi-
toso socio o teu* I o Rygaard as 7 1 3
horas da mann, para o que convida ao^
amigos e (rentes do tallecido para asaistiru.ni a
essacto, bem como a todos os senftores otli
ciaei da guarda naeianal.
Secretaria do Instituto Beneiicente dos Offi-
ciaes da Guarda -jtaoaai, 14 de Fevereiro de
1889- O 1 secretado,
Antonio dosBeis^^^
Depoti mi priaap*es
Em Penunumco .-
FRAN M. da SILVA
CX


Diario de PernambucoSabbado 16 de Fevereiro de 1899
_
combate
COM
tlilcacta
ANEMI* CHLOROSSS CORES PALUDAS
0O0awJMdo com ,.;. jo is petatea frin Matadas predispostaa o impotredmento .o sangre. Tom*-8
m eme /to do*, itft** 4 csrfa nftieio. STumorosu imitacwa. Exigir a &mA S. BBAV.fl23;
imprimid* rn&tlk Deposito na mor parto das Pharuiacia.
REDUCCO DE PRECOS
21-111A110 CRESPO-21
OLVERA CAMPOS & Riendo de receber!,.
cemente um sortimento de artig-osnovos de altanovidade, esolveram
fazer urna grande reducc,o nos presos dos artigos abaixo menciona-
dos, para os quaes chamam a atteujo das suas Exmas. freguezas.
Lneos para vestido padroes modernos a 160 rs. o covado.
Ciclones francezes, cores claras, a 260 rs. o dito.
Marinos de cores, duas larguras, a 500 rs. o dito.
luios de cores, lavrados, de 26000 a 15000 o dito.
Ut de cores, desenhos de cachemira, de 900 a 600 rs. o dito.
Merino de quadros de 320 rs. o dito. %
FWtSo branco de 400 e 500 rs. o dito.
Musolina branca para casacos a 500 rs. o dito
Tffiir de cor, listas e quadros a 500 rs. o dito.
Tutor arrendados, lindos gostos, a 600 rs. o dito.
Ditos de listas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito.
Mtamines arrendados, de cores, de 800 a 500 rs. o dito.
H6r de Italia em quadrinhos, a 500 rs. de 900 rs.
Musolinas de cor, de listas, a 400 rs. o dito.
Otates de cambraia bordados transparente e tapado, de 15000
e 20)5000 por 95000 e 125000 cada um.
Xdoao, padroes em quadros, a 440 rs. o covado.
Tiaiiinl ni padres mimosea, de 280 rs. o dito.
Irreales miudinha se pannos finos, a 200 rs. o dito.
Marin preto fino, de 25000 a 15000 o covado.
Setim Maco de todas cores, a 900 rs. o dito.
Brixs fino pardo para vestido, a 400 rs. o covado.
Qanbraia Victoria transparente, fina, a 35000 a peca
35000 urna,
de 45000, 5500,
65000
Mantas hespanbolas, de seda preta
Espartilhos, o que ha de melhor,
75000 um.
Fich de cor arrendados, de 15000 aun.
Capinhas Jiespanholas de cor a SOOO urna.
Fichs d seda, muito lindos, a 35000 um.
Sargelim diagonal, todas as cores, a 240 rs. o covado.
Casacos de cambraia branca bordados, a 35000 e 4000 um.
Luvas de seda, todos os tamanhos, de 25000 a 35000 o par.
Lences de linho do Porto, a 45000 um.
Ditos grandes para cama franceza, a 65000 um.
Colchas de cor, de 25000 a 55000 urna.
Fichs, sortimento completo, de 25000 a 65000 um.
Lencos de linho com barrinha a 25000 urna duzia.
Camisas francezas, de 245000 e 365000 a duzia.
Meias cras para homen, de 45000, 55000 e 65000 a duzia.
Ditas brancas cras e de cores para senhorasJ
Ditas brancas cras e de cores para enancas.
Chambres de cretone, de 55000 e 65000 um.
Cortes de case mira de cor, de 65000 a 85000 um.
Cortes de fustao para collete, de 15000, 15500 e 25000 um.
Camisas inglesas de franella, la pura, a 55000 urna.
Alm de outrps artigos que dcixamos de mencionar.
RELOJOARIA
A antigu e bem acreditada officina de relojoei-
ro, sita ra Primeiro de Marco n. 4, acaba de
ser transferida para a ra i.af *o Boga-
rlo ii. i.
0 seu proprletario, tendoum completo e muito
bom sortimento de aviamentos tendentes sua
arte e com urna longa pratica da mesma, offerece-
9e ao pufclico em geral para encarregar-se de
todos concertos de relogios, caixas de msica,
etc., etc. 6
Espera continuar a merecer a confianca de
seus freguezes e assegura-lhes que ser sempre
solicito no curoprimento de suas oraens.
42Ra Larga do Rosario 42
Gustavo Vollichard
Para oDerby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de cores proprias
ara os amadores do Prado e est vendeu-
o por precoB sem competencia.
Recebeu tambem collarinhos e punhos
de borracha de formatos novos.
48BA bakZo da VICTOMA 48
Professora de piano
Urna senbora habilitada, nao so pelo seu es-
tudo, como tambem pela pratica, offerece-se a
ensioar piano por presos mdicos, quer em ca-
sas particulares quer em collegios, podendo ser
procurada para o exercicio de sua prolisso na
ra do Jasmim n. 39.
21-Ra do Crespo21
DAO AMOSTRAS
Cosinheira
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; a tra-
tar na ra do Livramento u. i.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira; na ra Velha
numero 137.
Cozinheiro
Precisa-se de um cosinheiro ; a tratar na ra
do t'aysand n. 19.
Ensino particular
0 professor Joaquim Elias de Albuquerque
Reg Barios, ra aa ConceicJo n. 27, ensina,
3uer ou nao, pelas casas, as seguintes materias,
epois das 3 horas da tarde : portuguez, latim,
arithmetica, geographia, histona egeometria.
58-Rua Duque de Caxias-58
GBANDE LlQlflDAPiO
&
Principia na segunda-feira, de todos os artigos que
ficaram de saldo do balanco do anno prximo passado,
vendendo-se por metade do seu valor.
Grande quantidade de retalhos de algodaosinho,
madapolao, chitas, seda, setim, etc., etc.
56 e 58--Rua Duque de Casias56 e 58
MEOALHA OE OURO
DA ACADEMIA NACIOHnL,
f\XTRACTO W\
^'GAOOOE _
ACALHftO Jfa
De sabor mui agradavel, o VINHO do Dotitor VxviEN re-
loeitado por todos os med icos para o Rachitismo, Escrophula, Anemia,
I IMwHt do Peito, Catarrho pulmonar, Dehilidade, le.
[.VIVIEN JB O".SO.Boalrardd fUrtmbrrarvimPAFtim
PERE1RA 8r MAGALHES
Recebedores directos dos mercados da Europa
qudam os seguintes artigos com descont de 14 [o as
vendas
PRECO SEM COMPETENCIA
A' ra Primeiro de Marco n. 20
em
groi
I
Bramantes de algodlo superiores, a 800 rs. o metro, 4 largura.
dem de puro linho fazenda de 25200 para acabar a 1(5500, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 re., 10100 e 10200 o dito.
Algodlo alvo, nacional, para lences a 50500 a peca.
Madapolao americano, a 30600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Maripozas de cores a 220 re. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 re. o dito.
Batistes idem a 120 re. o dito.
Zefiros de quadrinhoe, a 80, 160 e 200 re. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 re. o dito.
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichs de renda chics a 10000.
Colchas trncela de cores a 20000 e 40000, runa.
Lences de bramante a 10800, para cama de casal. %
Casimiras de cores para roupa de enanca a 10000 e 10800, diagonal, duas
lago-as.
Camisas inglezas e francezas a 260000 e 300000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandes, a 140000 um.
Cortinados ricamente bordados a 50500 e 60000-
Pannoa de cores para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 re. o dito.
Veludilhos de cores *. pretos a 900 rs. o dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 re. o dito.
Setins de todas as eres a 900 rs. o dite. ,
Setinetas lavradas 200 e 240 re. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 re. o dito.
Meias cruas inglezas para homem a 20500 e 30000 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito.
Corte? de casemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de meia casemira a 20000.
Toalhas grandes para rosto a 40000 a duzia.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
"E murtos arligos que sera lembrados com a presenca de nteos leitores.
59Ra Duque de Caxias59
LOJA DE
PEBEffiA k MAfiALHllS
i Junio
Atoalnado bordado a 10200 o metro.
Alpacas indianas a 320 re. o covado.
Ditas mescladas a 600 re. o covado.
Ditas lavradas a 500 re. o covado.
Batistas finas a 140, 200 e 240 re. o dito.
Brim pardo a 280 e 320 rs. o dito.
Baleias pretas a 260 e cobertas a 500 re,
a duzia.
Bicos de urna s cOr a 20 a peca.
Bramante trancado a 800 re. o metro.
Brins de cores para crianca a 260 re. o
covado.
Bicos matisados a 20500 e 30 a peca.
Cumbraias bordadas a 40 a peca.
Cachemiras de quadros a 260 o covado.
Cortes de seda para colete a 50000.
Ditos de linn em cartao a 70000.
Colchas de damasco a 60000 urna.
Cretones de alsace a 360 rs. o covado.
Cambraia arrendada a 460 re. o dite.
Cachemira da India a 220 rs. o dito.
Chales adamascados a 20500 um.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Colchas de cores a 20 e 20500 urna.
Cortes de casinetas a 10500 um.
Chambres a 40500, 50 e 60000 um.
Cortes de setineta a 60000 um.
Cambraia Victoria a 20900 a peca.
Camisas allemaes a 360000 a duzia.
Cachemira de duas larguras a 800 re. o
covado.
Cretones claros a 280 e 320 re. o dito.
Colchas de fustao a 30500 urna.
Camisas de meia a 10000 urna.
Ceroulas de bramante a 150 a duzia.
Ksguiab pardo a 360 e 400 rs. o covado,
Espartilhos couraca a 50000 um.
Entremeto bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimento de casemira e brins,
dO I.OHVI'C
Fichs de malha a 20000 um.
Fustao Branco a 360 e 400 rs. o covado.
Dito de cor para roupa a 800 rs. o dito.
Guarnicao de crochet com matizes.
Gazes de cores a 500 rs. o covado.
Guarda-p para homens a 60000.
Grinalda para noiva a 80000.
Guarda po para senhoras a 80000.
Lencos com barra a 20000 a duzia.
Leque a grS-duqueza a 20000 um.
Lencos brancos a 10200 e 20000 a duzia.
Luvas de seda a 20 e'20500" o par.
Linhos de quadros a 80 re. o covado.
Las escossezas a 100 rs. o dito.
Linn de cores a 500 re. o dito.
Merino do cores, duas larguras, a 800 re.
o dito.
Meias com pintas, para senhoras, a 800 re.
Madapolao americano a 6000 a peca.
Meias para homens a 30600 a duzia.
Extracto Porte-Veine a 10400.
Popelina branca, de seda, a 800 rs. o co-
vado.
Paletots de seda palha a 70500.
Ditos de alpaca preta a 40500.
Panno da costa adamascado.
Pacotes de p de arroz a 500 re.
Percales fi as a 200 e 220 re. o covado.
Roupas para banhos salgados.
Regatas de cores a 10000 urna.
Sahidas de baile a 20000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargelim de cores a 200 re. o covado.
Setim de cores a 800 e 900 re o dito.
Dito do Japao a 240 re. o dito.
Toalhas para rosto a 30600 a duzia.
Ditas para banho a 10400 urna.
eos,* bolsas, fichs. lencos, leques e muitos outros artigos.
collarinhos, punhos, leos, toni-
.?UCBNCrABOS PF TOBU Qt'RAL VI\ HYGB51 O
AlwHentM, EstomaeHtco*, Purgativo!, Ocpi-"vo
l**;obtra a Palta de appoUte. a Obitrocpio. a 8a:t
P&SXZ, binai
ata,
AMARAL & C.
KANANGA do JAPAO
RIGAUD y C, Perfumistas
PARS 8, Roe Vivienne, 8, PARS
-i '
A AgU de Kananga, a lelo a mafe refrige-
rante, a que mais vigor d pelle, e que man branquea al
cutis, perfumando-a delicatamente.
(ExtrCtO de Kananga, suavissimo e aristocrtico,
perfume para o lenco.
OleO de Kananga, thesouro dos cabellos que abril-
nauta, faz crescer e impede de cair.
Sbonte de (Kananga, 0 mais agradad
conserva cuts sua nacarada transparencia.
MS d6 (KanaUga, branqueao a tez dandc-!he .lefante
cor mate e a preservao de sardas.
Depsito as principie Perfumara*
f
CAPSULAS
Mathey-Gay-us
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
--------- nt-
As Capsulas Matbey-Caylus c .. nluero da^mkule .ten nap fatijHO nunca
. o estomago e h'-'o recomiucndadas ; ina e
Mdicos do.- Hospiaes de Paii= L ara*a cura rpida dos,:
Cerrnentos ai TIenncrrhagia, a Cystite
Collo, o Catarrho e as Molestia da Resigas e dos oryaot genifo vnarios.
tmi *xplioito dettll 'a Frasco.
'ir que m ocho* em- rnud dos Drogwst itiecs.


4
TJM.
0 FEITORALdeCEREJA
Do Dr. Ayer.
A$ rninndsdef-iKsU d->. 5ro?as e fntaes I4 ^ ir
,"inta e'ios i htarianienWtiaeenv .-m
.j, Leii'.c i^r firinrpio basus peqaenas, eujos
Metutjuloi n;o sfio dHAsh rt* enrar se prometa*
. ;,c*ile se tratao com o reinedfu conveniente. Parara
0 1 rogresse -cdo 8t*r engaoso e a demora fataJ.
1 m Cep*ra rmultado de Laritigili*, A^tinua, liionthiti-,
ArVctfio j'tilntonitr e a Tsica.
X 0 Peitoral de Cereja 4o Dr. Ayer
em casa para o nsar em caso dt. necessidade. A
perda da um n dia. pori em mnitos casos accarre-
tar serias ccusequ-'i-cias. I'or tanto nao se deve
perder f-mpo prae|Ok6| experimentando remedios
de el.'ii-a1 l.i dnvidoa, emqaanto que a enfermi-
dade se apodora do pystema e se arraiga profunda-
mente, eiilf-o quokc nceessita tomar nes^, instante.
o remedio mais certo e activo ana seu eiefto, e es'-e
remedio sem durida algtuna o PivlxoBAL ou
Cebkja do Db. Aveb.
pbepabado pelo
DB. J. C. AYER e CA..
Lowell, Mass., E. U. A.
V fada cu prtodpaes phanuacla e drngaru
Aluga-se
a casa da ra Coronel Suassuna n. i 30; a tratar
na ra Marcilio Dias n. 106.
AMA
Precisa-se de urna boa en-
gommadeira que faca outros
servicos, a tractar no 3. an-
dar, por cima da typographia
do Diario na na Duque
de Caxias n. 42.

Precisa-se de urna ama para servico de urna
casa de familia, preferindo-se de idade e bons
costumes : a tratar na ra da Mangueira n. 1.
Ama
Precisa-se de urna ama para cuidar de crian-
Sas ; na ra dasCreoulas n. 2-B (Capunga), casa
e azulejo.
Ama
Precisa-se de urna ama para comprar e cosi-
nhar ; na roa de Santo Amaro n. 14.
Ama
Precisa-se de nma ama para o servico domes-
tico de casa de taurina; a tratar no escriptoric
deste Diario.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar e
durma em casa de seu patrio, e d fiador sua
conducta : na roa da Concf icao n. 4,1 andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar para
pequea familia : a tratar na ra Direita n. 64,
segundo andar.
Ama para o Para
Precisa se de urna excellente cosinheira que
queira ir para o Para a tratar na roa larga do
Rosario n. 26.
T ypogaphia e LHhegraphia
FABRICA DE LIVROS DE ESCBIPTU-
RACAO
Premiada as exposicSes de
188* e 188
Manoel J. de Miranda
Encadernacao e especialidades em cartees de
visitas.
39-Riia Duque de Caxias~39
Telephonen. 194.
.EEHEDIO
? munsb
,- cj^ ooio case c
RHEUMATI3MO
Iinpirfias do Sangrig, Ersp^es, EsKt
foas, Ulceras, SfcI
e toda aifecofta do Etursza
ernptira ou venrea
SLSPRRILfA
DE BISBOL
0 Remedio de Familia por exceJlencial

Griado
Preeisa-se de um errada; na ra a Aurora
a. 9.
.Us 4iiymlores ^io carnaval
A bem. fonhecida ioia- de raiarlezas- BAZAR
DO" REC3TC,a- roa Mrquez de Olinda n. ii
(antiga da Cadeia'i recebeu grand aortbnento de
mascaras caricatas parar .homens. saoboras e
criancas, e grandes cuilei>oOes para cinbs e so-
ciedades catnavalescaa. venae-se por megos sea
oompetencia, qasr peqsenaeou grandeporc6es.
Vale a pena visitar a luja de nudezas^-B AZAR
DO RECIFE para ver o melhor sertimento de
mascara&que tem vindo-ao mercado. Tambem re-
cebeu grande aortnnaflto de- bisnagas de cheise
<: ouli-o? artigos praprios para o carnaval, lude
a precosmodicos loja da mindezas
Bazar do Recife
A' ra Mrquez daOlirulAn.'Jl
De Domingos W. Martin
c
asa
Aluga-se urna boa casa para grande familia,
com agua, gaz e est limpa, defronte da estadio
do Caminho Novo : a tratar na roa da Cadeia n.
47,1 andar, ou Aurora n. 8i._ _^_________;
PRODUCTOS ESPECAS
lio Dr. Carlos Bclenooiir
APPROVADOS PELA JXTSTTA CENTEAL DE
HTGIENE DA COETE
Salsaparrilha e Caroba
GRANDE DEPURATIVO DO SANGE
Elixir anti-rheumatico, anti-syphiIitico,empre-
gado em todas as molestias de pelle, erysipela,
darthros ou impingens, beriberi, anthrazes ou
carbnculos, cancros venreos, feridas cance-
rosas, ulceras, gonorrhas chronicas, boubas,
bubes, escrfulas e todas as doencas que de-
pendem da impureza do sangue.
Este remedio superior a todos os outros dte
3eu genero, o que est provado pela preferencia
e acceitaco que lhe d o publico.
Um vidro 3*000
Elixir de Jurubeba, Quina e
Pegapinto
TNICO FEBRFUGO e desobstruente
Empregado na debilidade geral, doencas de
estomago, convalescencas depois do parto, febres
palustres, molestias do ligado 'e baco, falta de
apetite, anemia, colorse, cores paludas ou falte
de sangue, doencas nervosas.
E' um reconstituinte de energia, aromtico e
agradavel ao paladar.
Um vidro
3/000
LW
Xarope de Jaramacan com-
posto
GRANDE PEITORAL
Tratamento curativo de todas as molestias do
peito e da garganta, defluxos, tosses simples e
convulsa, coqueluche, constipajes, asthma. kron-
chite, catarrho chronico e tysica pulmonaBie A)
larynge.
E' o primeiro peitoral que se eonhece at neje
na medicina.
Um vidro 200
A' venda na ra Bario da Victoria n. 51
Pharmacia Pinho
Apolice provincial
Havendo-se desencaminhado do poder ds
abaixo assignado urna apolice provincial n. 279
da 2.' serie, do valor ae 500/000 e juros de .7
0/0, pertencente ao menor Mario, fllno do Sr-
Dr. Andr Cavalcante de Albuquerque, faz-se
publico o facto, para flns convenientes.
Recife. 7 de Fevereiro de 1889.
Joaquim Duarte Campos.
SAUDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Pilulas puriflcao o Sangue, oorrlgem todas as Jesordems de Estomago B
dos Intestinos.
Fortalecem a saude das constitnfoes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfermidades
peculiares a sexo feminiDo em todas as edades. Para os meninos assim como tambem para as
pessoas de idade ayancada a sua etcacia e incontestavel.
medianas slo preparadas smente no F.stabelecimento do Profsssor HollowaT,
78, NEW 0XF0SO STBEET (antes 6SS, Oxford Street), LONDRES,
E vendemse coi todas as phannacias do oniverso.
r Os comprad*rs aftt convidados respetosamente a examinar oa rtulos de cada caiaa e Pote se i
direc9ao. 533, Oxford Street, sao ralsicacoes.

rUNDICAO GERAL
ALLAN PATERSON & C
,N. 44Ra do BrumN. 44
JUNTO AESTACAO DOS BONBS
Tem para vender, por precos mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas. '
Crivacos de diversos tamanhos. ^s
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Varandas "de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalha.
Vapores de forja de 3, 5, fe 6 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, syBtema Leandro.
Encarr^gam-se de concertos, e aseentamento de machinismo e exe
^ner trabalho com perfeicao e presteza.
INJEGTION CADET
Cura certa em 3 dias sem outro medicamento
PARS 7, Boulewrd Itenain. 7 RMS
Depsitos em todas as principaas Fbarmacias e Drogariaa.



DB
Perna
/

F
Fazwlas karatas
Loja do Triumpho
Roa Duque de ca\ias n. 49
om troco, a 310 rs. o covado
!e quadros, bonitas a 300 rs.
Mera; -' larguras a 560 rs.
Ditos lavrados, 2 larguras a 700 rs.
Zefiros largos de quadros a 20 rs.
Ditos largos de quadros finos 2&0 rs.
Ditos bordados tinos a 700 rs.
IJtamioe arrendada a 440 rs.
Dita de listas abertas a 400 rs.
Retios de listrinhas a 660 rs
Di(os da China (fantazia) a 210 rs.
Saias brdalas linas a 300J
Camisas bordadas tinas para senbora a 40OO
Cambraia branca bordada, a (500 a pera.
Dita bordada de cor a 5S5O0 a peca.
Cintas escuras niuito boas, a 200 rs. o covado
Algodio largo ( 0 metros), a 25300 a peca.
Dito dito de 20 jardas a 4000
Toalhas acolchoadas grandes, a 4a00 a duzw.
Redes ralezas grandes a 54000.
Guardanapos de linho, a l800aduzia.
'.amisas de linho scm punbos e sem colarinao
aWOOO. .
Bramante de algodo 4 larguras, a 700rs. a vara
Tapetes grandes para sof a l i 000
Cortes de seda para coflete a 45000,
Cortes de casimira ingleza a 45500
E outras muitas fazendas que se vendera mul-
to barata para liquidar.
A ra Duque de Caxlas n. 4
Bastos db G.
SABOIETES MED1CAMEIT0S0S
i* OniHAULT C*
SABONETE SULFUROSO contra a, bor-
bulhat, as mancha* e as divertat trup-
ces quo se manifesto na pelle.
SABGHETE SULFURO-ALCALIO
mado sahnnpte e Helmertck, conti
sarna, a tinha, malhas eican
"ludo.
_ cha-
contra a
mota e a
pityrise do coro cabellu
SANETE de ALCATRO da NORUEGA
empregado aos meamos casos que o pre-
cedente.
SABONETE DE ACIDO PHENICO pre-
serraTO e antiepidemieo.
SABONETE de ALC ATRO cok BRAX
contra as affecfoes cutneas, chromcasou
ligeiras, erostas de leite, dartros, eczema.
Deposito em PARS, 8, roa Vividme.
8SOOO a duzia
OLEO AMERICANO
O nial* econmico, lij glenieo e
perfumado oleo para o
G JL 3B 36 X, X, O
VENDEM
gomes DE HUIOS IIIII loa
2o-rua Mrquez de Olinda -23
Adminittracio : PAR1Z. 8, Boulerird Montmirtrt.
GRANDE-GRILLE. AfT-ec* lymplnli'as. Doen-I
r^Jasms Jictivas,Ob.*triic<;< i'i fijada t*thaco, I
i Ol^lru.\-M51acera. Concrrroc. ciloUmuidi biicl
HOPITAL. AfcefSrtda ras .!.-. i.r.;*. Iwnoat-1
rfoi Jo MlOmafO. Dfges!0 difritil, li. ., jirU':iria. I
Gas:ral;ias Iy>|>epu.
CLESTXN8. llbtfStt .los rin<. 11 Ivxi.n. Arrias,
Coa'.r.i/' > t:.j uuriBM.GoU. I ;.1h.*1 -s, Ali.iiniuuria. j
HAUTERIVE A(7i."- Coocivcres iLu nnrinai,Gota. Diabe.e, Aluraiaaria.
EEJA-SS 0 K03 m:TE Da CAPSULA
Em Pemamuco, as Aguas das Foutes e Vicby.
a>in.i nomradi*. k.I.^k e.u o*w Je
60UHPtAKOCC.HLXN,:i5.ru'^sC.-qz:Aug LBIL:
Doce secco de caj su-
P
erior
. Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
preco commodo : na ra do Bom Jesu n. 35,
armaze =
Taverna
Veodc-se urna taverna na ra do Encantamen-
to n. II. propria para principiante, e o motivo
da venda se aira ao comprador.
FOLPSTIM
SEM MI
R
::::: :::::;:::':
DURANTE A TEMPESTADE
CAPITULO III
Eugenio fitxgem
(Continuacao do n. 37)
Julio Comte, o operario cuja mu-
lher amiga de Paulina Gages. Parece
que elle bebeu tudo quanto receben, e a
Sobre mulher foi obrgada a levar dobran-
o ornaes toda a semana, na typogra-
phia em que empregada, apesar do seu
estado, para terem com que comer desde
esse dia. Nao havia um pedaco de po
em casa. .
E* horrivel, disse Pedro commovido.
NSo pos admittir isso!
Aprox!mou-se de um tyrapano e tocou.
O que ests fazendo? perguntou
Jorge. '
__ Vou maridar cbamal-o para reprc-
bendeJko. *
Ora, intil!
Quem sabe i?
\li! que ingenuo te tornas com a
tua eterna bondade !... Quem bebeu-
beber !...
Apresentou-se um caixeiro de escrip-
torio.
Diga a Eugenio (;;ges que venha
aqu, ordenou o Sr. de Sauves.
Silmon, antes de partir, entregou-te
a chave do cofre-ferte? perguntou Jorge
ao aunha I quando icaram sos.
wndeu ^edro ; elle esta\ a
O peitnrbado, tan peearoso, tao impres-
infelicidade que lhe
para admirai- se esque-
i ii urna quanta
lia de vencin
A REVOLCAO D 48
A' roa Duque de Cajilas n. 48
Nesta loja denominada A' RevolucSo,
tendo sempre um grande e variado depo-
sito de fazeidas, resolveu-se vendel-aspor
menos 300r do que em outra qualquer
casa. Como sejam:
Toalhas felpudis e acolchoadas, brancas
e de cores, tamanho regular a 120, 20>>,
500, urna.
Merinos de cuadros, lindos padr5es
200, 240 e 280 covado.
Seda Alcaciana (fazenda de fantasa),
240 o covado.
Cachemiras de quadros com combina-
do a 320 o covado.
Mimosa cambraia das mojas para cami-
sas a 3200 a peca.
Lindos cortes para vestidos em cartao
com todos os aviamentos a 7# 9$ 10)5 e
14$ um.
Saias bordadas para senhora (recebidas
ltimamente de I aris) a 3)5000 urna.
Cretones inglejses, francezes e allemaes
a^40, 280 e 32<) o covado.
Zefiros de quadros, muito largos a 160
200 e 240 o covado.
Lindas colchas com palmas de cores
para noives a 10i5000 urna.
Chitas claras e escura*", muitos padrSes
a 200 e 240 o covado.
Batistas com palmas c pintas, cores.fi-
xas a 120 o covado.
Redes francezas a 55 e 6i5000 nma.
Fechs de 13, muito grandes, todas as
cores de 2,000 par 10500.
Camisas francesas de linho (pechinca) de
60 a duzia por 480.
Merinos finos com duas larguras, todas
as cores de 800 a 500 o covado.
dem idem dem idem preto a 800 e
10000 o covado. t
Cortes de fustao branco e de c6res para
colote de 40 por 20000 um.
Madapoloes finos a 40, 50 e 60000 a
peca.
Atoalhado de linho, lindo desenlio a
10700 o metro.
Cortes de casemira paia calca, finos e
modernos a 40, 50, 60 e 7000 um.
dem idem idem idem costumes moder-
nos a 200000.
Cambraia de salpicos muito fina com
10 jardas a 40000 a peca.
E muitas outras fazendas que so com a
presencadas Exmas familias, poderSo ser
vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
lheiras, leques transparentes, bicos de co-
res, ntremelos, bordados, leos, extratos,
48 DUQUE DE CAXIAS 48
palmos
Arma^ao
Vndese urna armacao de amarello em per-
feito estado, propria para miudezas ou tabaca-
ria : a tratar na ra do Cabuga n. il-A.
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Em decimos e caixa de duzia, tem para ven-
der Joaquim da ^iva Carneiro. largo do Corpc
Santo n. 13, 1- andar.
Taverna
Vende-se a taverna da ra de Luiz do Reg n
47, em Santo Amaro das Salinas : a tratar na
mesma ou no Caminbo Novo n. 87.



iNOVIADES
FAZENDAS PRATEAMS
mi 7SSTISC5 ;2:::..::::::
Aos baesj do carnaval
\os Clubs Internacional. Carlos
(.omes e Jevr-nude
VINDE A
Loja das Llstras Aznes
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
D-se amostras.
Quanto tens. tu ?
Feito o pagamento de hoje, restar-
me-ha em caixa a quantia de trinta e oito
mil francos.
Queres que v leval-os ao banco ?
Nao, vou mettel-os n'esta secretaria,
que forte, e onde ninguem poder suspei-
tar que elles estao, visto que nao costu-
me guardar dinheiro n'ella.
Quando Jorg! collocava o ultimo eacco
sobre a prateleira do meio de um bello
movel de acajov, Eugenio Gages entrou
no gabinete. #
O meu cunliado, disse Pedro imme-
diatamente, acaba de dar-me ms infor-
ma?oes a seu respeito.
Oh patrao murmurou o operario
abaixando a cabea, com um mo olhar
dirigido a Jorge.
Sim, sua mulher, que urna santa,
disse Sra. Chaniers que voc estava se
portanto melhor, que se corrigia; eu fi-
quei muito contente, esperando que esse
resultado era devido aos meus conselhos,
ao interesse que lhe dedico... Parece
que isso n3o verdade. Ha qninze dias
voce esteve anda n'uma orgia, e bebeu
tudo quanto recebeu dos seus salarios!...
Eugenio abaixava cada vez mais a ca-
beca.
E em sua casa, proseguio Pedro,
.nao havia pao... E sua mulher est aca-
bada, porque esfalfa-se n'um trabalho su-
perior as suas fbi-cas... E ella vai ser
mili!... Como poder sunportar a crise
do parto ?.. '.
Grossas lagrimas caham agora dos
olhos do operario, araenisando a dureza
das auas fei95es, dando um ar mais suave
ao seu rosto ingrato.
- Ah eu sou mesmo um grande mi-
seravel!... murmurou elle finalmente.
Estas lagrimas, a -exprselo que elle
deu as suas pouoas palavras, enternece-
ram Pedro de Sauves.
Vamos, ditse elle sbitamente, nao
capaz de um bom movimento, de um
acto de vontade..." voc que tem tanta
intelligencia e energa ?... Quer fazer
com que seja mal empregada a sympatliia
que lhe testemunbo, e com que eu minta
quando sustento que o seu interior nao
mo, que consegiirei, a forca de conse-
lhos, despertar eu si a fagulha do bem e
da boa conducta '
O operario .chava-se profundamente
commovido.
lilas urna especie de vorgonha cerrava"-
lhe a garganta, impedio-o ,de responder
una nica paLivra.
Est acabado, Balbuciou elle afinal,
pletamente a Seguirci os seus
conselhos, Sr. ,1'edro.
Novidades
Reeeberam modas de Pars
AZEVEDO, IRMaO & C.
16 Ra-do B. da V
(Antiya No
Lindas capas de surah, mcheinira, me-
rino e renda o que ha de mata novo. Renda
comprimeto de saa a 10009 e 10500.
Sargelim fino todas as cores a 200 o co-
vado.
Baleas com forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a dmia
Bramante de linho com 1|!
10500.
Dito de algodo com 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 50UOO e 60000.
Ditos de crochet finos a 80000 e 100000
Estrado Rita Sangal a 20000.
Fichus de la e seda 10000,10500.
Capellas com veo bordada a G000 e
70000.
Madapolao globo a 70000.
Dito camiseiro a 70000.
Tapetes grandes para sof a 130000.
Espartilhos courca a 40000 e 50000.
Brins de linho cies fixes^4 600.
Panos de crochet para cadeiras a 800.
Ditos de crochet para sof a 25000 e
30000.
Guardanapos de linho a 20500 a 'duzia.
Merinos de cores a 400 o corado.
Zefires largos a 160 e 200.
Setim maco a 800 e 900.
Toalhas para banho a 10OOOe 10500.
Madapolao com um metro e largura
a.60500.
' Cachemira arrendada e de quadros
105Q.
Crochet para cortinados a TOO.
ToalhasfelpuaV'a 30000 a duzia.
Camisas finas para homem a 330000.
Colxas do crochet com flores a 50000 e
90000.
Lindas velbutinas de quadros lisos e cora
listas proprias para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 400 o covado.
C'aixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 90000.
f'ano verde para bilhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
Crinoline preta a 300.
Guarnieres pretas e de cores.
Camisas de flanella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglez.
Meias brancas de seda a 40000.
Cachemiras de quadros a 280.
Fustao branco a360 o covado.
EsguiSo fino a 10500 a vara.
Casemiras para roupa.
Roupa feita por medida.
1ELEPHONE200
O desengao Ir ver
Vinho Maduro
rtJcas Mendes 4 C, com grande estabeleci-
mento de seceos e molhados, sito casa n. 9
ra est: eita do Rosario, contiguo a igreia, aca-
bam de receber urna grande remessa do acre-
ditado e especial vinho Maduro, o nico que sem
e mnima confcc<*o importado neste mercado,
so se vende no referido estabelecimenta
Cimento Portland
Irmos, a ra da

' Vendem Soares de Amaral
Madre de Deus n. 22.
*

o hotel do Beberibe com t
a tratar do mesmo.
Vende-se
seus pertenees
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
gnezes em geral que recebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por precos mais resumidos em vista
da continuado do cambio favoravel.
Convem que experimentem.
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
f E' bem verdade isso?
Juro-lhe.
Ah! como ha de ser recompensado
dos seus esforcos !... E' tao bom um lar
tranquilo, onde vem a reinar a abastan-
za, onde o bem-estar d'aquelles que ama-
mos apaga os nossos sacrificios e o nosso
trabalho... Para um homem intelligente
como voc, Gages, o que pode haver de
melhor sobre a trra do que urna mulher
como a sua a amar e a proteger, filhos a
educar e a dirigir? Vamos, nao me res-
ponda cousa alguma, aqu est o seu pa-
gamento. Cincoenta francos a maior como
gratificacao pelo seu trabalho. Se voc
tem coracSo, tudo isso ser levado religio-
samente a sua mulher hoje, sem falta de
um sold.
Pode contar com isso, Sr. Pedro.
Minha pobre mulher !... Nao smente
ella passa fome, mas at nao tem cousa
alguma para vestir o pequeo que vai nas-
cer !... Ah! canalha que eu sou !...
Nao se atormente; a Sra. Chaniers
lhe levar amanhj; o que necessario
Mas lembre-se das suas promessas. Do
contrario, apesar do interesse que lhe de-
dico, serei obrigado a separar me de voc.
O operario retirou-sc.
Eu persisto, disse Jorm> tuna m
physionomia. Um mo olhar^obretudo.
Nao conseguirs nada d'elle.
A mulher tem muita influencia so-
bre elle, e urna creatura perfeita. Sa-
bes, nessas familias de operarios, a maior
parte das vezes a mulher quem fuma
as boas qalidades de homem.
Eu desejo que assim seja, porque
elle um individuo cima do commum,
que pode prestar-nos muitos servijos, mas
receio que nao consigas fazer nada d'elle.
Urna hora depois, concluido o paga-
mento, os dous cunhados fecharam a cai-
xa, o gabinete, c dirigiram-se para a pe-
quena casa de habitaz&O; que sorria no
meio das flejes, guarnecida de trepadei-
ras que enlasavam-n'a de alto a baixo,
apresentando o aspecto de tenue pareda
de verdura.
Fra, a onda de operarios sahia das of-
ticinas que pulluiavam as visinhanyas,
espalhando-se na ra ingreme, entrando
tas tascas, nes botequins que abundam
as im.uediacfies das fabricas, como se o
operario tivesse necessidade de tentaicoes
para gastar o pobre dinheiro tao necessa-
rio familia !...
Atrs dos jamos das trepadeiras e da
hera que agarrava-se em volta das janellas
da casa, a bella cabeca de Adelia sorria
para Pedro e'para -lorge, qudL&VMCAvan
conversan lo.
No limiar da porta,
erturas de cel-
os arrendados
Barato
*S na loja das Estrellas
W-RUA DUQUE DE CAX1AS-56
Telephone n. 9lo
O proprietario deste mui acreditado eatabeleci-
mento previne a todas as Exmas. familias
e freguezes em geral, que as muitas pe-
chinenasque costuma tazer, nao sao mais
divididas com a sua ex-casa das LISTRAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos que em outra qualquer parte dirja-
se LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trara um completo c varkidissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
cos que nao lhe poaem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 10800 a 10000.
Dito de cres a 10 e 10300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura' a 10600.
Briin de cores para ronpa de criancas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 100 por 50000.
Cortinados bordados a 50 e 60000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 40 e 40500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 70000.
Cretones, cores claras e esenras, a 160,
200 e 240 rs. o colado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 20800 a peca.
Camisas inglezas para homens a 280000
a duzia.
* Cohtrinhos, punh
luloid, um conileto
Capas de vidrilhos
a 100, 150 e 200000.
Casacos Jersey a 20505, 30, 40 e 50.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 10200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 10100 a jarda.
Esguiao de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 50600.
Espartilhos couraya a 30 e 30500.
Fichus a 500, 10 e 10200.
Fustao branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos veos de Blond
a 70000.
Guarnic3es de crochet para sof, a 50500.
Gorgorito preto de seda a 10800.
Guardanapos de linho de 30500 por 20
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lencos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 10000,
10500, 20 e 20500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
Madapolao pelle de ovo, muito fino, a
60060 e americano, com um metro de lar-
guro, de preco de 120 por 70000.
Dito de 80 por 50000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 re.
Rendas hespanholas a 10600, 10800,
20500 e30000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs.
Dito de quadros, ultima novidade, a 10.
Sargelira de todas as cores de 160 a
200 rs.
* Toalhas alcoehoados e felpudas a 20500
e 30000 a duzia.
Ditas para banho a 800 e 10200.
Tecidos arrendados, ultimr, novidade, a
200 e 240 rs. r
Zefiros de todas as cores a 80 re."
Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos
parte.
20 i0 do que em qualquer outra
Vinho de pasto
O que ha de melhor, vende-se pelo mdico
preco de 35' 00 o barril de quinto e 9*000 o
trarr afao de tres caadas, voltando o garrafao
"500 (precos lquidos): ra do Amorim nu-
mero 60.
lada, pareca esperar os patrSes, mas, na
realidade olhava ao longe parra a porta da
usina, por onde ainda sahiam os operarios.
De repente seu bello rosto, to petulan-
te, ficou vermelho como urna cereja, em
quanto o seu corpinho de curvas rendadas
arfava mais violentamente, com mais forca.
Os dous cunhados haviam subido pela
elegante escada guarnecida de metaes lu-
zentes e Iluminada por claraboias de vidros
coloridos.
Ao longe, Eugenio Gages afastava-se em
ultimo logar lentamente, cabisbaxo, domi-
nado por grande preoecupagao tatvez ainda
sob a iinpressao das censuras e dos conse-
lhos de Pedro de Sauves.
Suzana fez um gesto de despeito.
Sou medrosa e tola, teimando em
semelhante idea!... balbuciou ella furiosa
contra si propria.
E lentamente, nao sem voltar o rosto
frequentes vezes, foi continuar a por a
mesa na salinha de jantar, situada esquer-
da da escada, e tao pequea como urna cas-
ca de^noz.
E' que Suzana, tilo feliz, tao despreve-
nida at ento, havia sido invadida por
urna angustia e urna preocupacao na peque-
a casa do bairro.
Por occasio da installacao do joven)
casl, foi Suzana quem tomou conta da
casa, querendo evitar esse trabalho a
Adelia a quem adorava e a quem um co-
rnejo de gravidez fatigava horrivelmente.
Xas suas excursoes matinaes para as
compras diarias encontrara-se com Eugenio
Gages, que, excellente operario mecnico,
mas entao desempregado, trabalhava em
casa de um erapreiteiro em encanamentos-
de gaz e agua. '
Elle nao tardn a reparar naquella bo-
nita rapariga, tSo alegre como um passaro
gil e viva eomo urna cotovia no meio do
trigo, e fez-lhe assidua corte.
Eugenio era um bello rapaz, cujos olhos
cinzentos no seu rosto moren tinham um
encanto particular', que attrahia Suzana.
Tcve o cuidado de nao dizer que era
casado, e dentro em poucoa rapariga dei-
xou-se invadir pela paixao, sonhando toda
urna vida de trabalho e de felicidade com
o operario.
A sua alegra devia ser de curta dura-
cao.
Um domingo ella eucontrou-o com urna
mulher pelo brago.
Informo-se, e'soubeque era sua esposa.
O golpe foi profundo e cruel.
Por que nao me confessou que era
casado ? perguntou ella a Eugenio.
Nao llie disse nunca que nao o era,
iu elle cynicamente. .
.julgou intil accentuar eXprobacfes
ves :m cm
Ra Duque de Caxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1(2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura'a 500, 600, 800 e 10, muito fino, de
qualquer largura a 10400, e de fustao, de
700 a 10800 a pega.
Enxovaes para baptisado* a 80, 100 e
120000.
Lindos enfeites para penteados a 100,
200, 300 e 500 re. um.
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 20500 o covado.
Pulseiras americanas para 3, 40, 50,
60 e 80000 o par.
GuarnicSes americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 e 60000.
Porta dedaes de vidro, objecto para pre-
sente a 10000.
Broches de fantasa de 500 a 10000.
dem americanos de 20 a 30000.
Lencos de seda de 500 rs. a 10500.
Lubaque a 200 rs. o par.
Guarngoes de crochet, sendo um para
sof e 4 para cadeiras por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno e cor,
com finos veos.
Flores artficiaes a 10000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 20 205K) o par.
Bicps brancos de linho e de cores a 20,
20|fl|e 30000 a pe?a.
Contas de cor para enfeitar vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
80000.
Talheres para crianca a 800 re.
Luvas de pellica a 20500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 20000 e
cor de creme a 10500.
Lindos leques .de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhoscom fina moldura, com dous pal-
mos de comprimeto, a 40000 e cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Aguihas para bordados a ouro e missan-
gas.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos.
Timadsinhos enfeitados de bicb e renda.
PARA O CARNAVAL
Agua Florida e agua de
Orea a 500 rs. a garrafa.
WHISKY
Boyal Blend marca YIADO
Ete excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Roy al Blend marca Viado,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & Coagentes.
. A Pasta Mack (em 1
I cartoes eleeantissi-1
I dos de 8 taboinbas) >,
l um novo e mara-i
vilhAso preparado;
Ksporcionanao um
ho delicioso
hjgleniro e ama
excellente agaa tonrader.
Esta Pasta Mack
goza de fama uni-
versal, aformoia e
suaTlsa a cutis, e,
COmO refrescante,
I spera todo qaanto
I se conheee at hoje.
Vende se em todas
I as pharmacias, dro-
I garias e perfumaras.
Dnico fabricante-Inventor: H. MACK, Ulu s D.
rASTA
MACK
_i
-IvoMiarU .m P,rnmbuoo : Hila StfnJM&C.
que de nada valeriam, e tratou de esque-
cer o traidor.
Mas nao o conseguio.
Como, porm, era mulher valorosa, Su-
zana guardou preciosamente no fundo do
coracSo o segredo do seu amor e da sua
decepcao. '
E Adelia, de quem era mais urna amiga
do que urna criada, ignorou-o tambem, e
nao tinha que recriminar ao operario pre-
dilecto do Sr. de Sauves urna falta que de
certo nao lhe perdoaria.
Em cima, emquanto com um suspiro de
dor Suzana via afastar-se o operario, Jorge
encontrava sua mulher com a alegra que
experimentava sempre depois de urna sepa-
raco, ainda que ella fosse apenas de algu-
mas horas.
Entao, perguntou Adelia ao irmao,
partes sempre para o Havre?
Parto, responceu Pedro, hoje s onze
horas e dez minutos*
Tao tarde ?
-*- Roberto dorme muito bem no wagn
e eu nao poda tomar o expresso das seis
e trinta, por causa do pagamento da fabri-
ca, que terminou depois dessa hora.
Quando voltaas? perguntou Jorge.
Terca-teira tomarei no Havre o trem
das seis e quarenta da manha, e estarei
em Paris s onze e aqu urna hora.
Nao te incommodes; os operarios
depois de dous dir.3 de festa, hao de estar
socegados, e eu poderei vgial-os ssnho.
Nao tenhas recio.
Se nao quizeres voltar senao pelo
rpido do meio-dia, disse Adelia, nao te
incommodes. Jorge ficar muito satisfeito
fazendo um dia por ti o que tu fazes inces-
santementei por elle...
Obrigado, replicou Pedro commmovi-
do, mas voltarei terca-feira s onze horas.
Se a Sra. de Lavarande nao estivesse em
tal situacao de solido e de desespero, eu
nSo sahiria certamente de Paris hoje.
Porque, quem eu amo mais neste mundo,
sabes perfeitamente que s tu, Adelia.
E nao posso ficar por muito tempo longe
de ti, ao pensar no teu querido bebP.
Pedro, sob a. angustia do acontecimento
esperado, dissimulava a anciedade horrivel
que lhe despedafava a alma, porque nao
desvia assustar a irma.
Mas nao podia partilhar a alegra e a
confianza do joven casal.
Tod.'.s as vezes que via j arrumado no
quarto* alegre o berco todo ornado de fitas
e rendas, lembrava-se do que succedera
em sua casa.
A valorosa Beitha, tao confiante tam-
bem, tao moca, tao'corajosa, trabalhando
na confecelo de toucas tao meticulosa-
mente tecidas, expandindo-se no seu riso
Mais Barato
ALcjadas Lista zoes
A' RA DUQUE DE CAXIAS 61
Telephone n. *11
0 proprietario desta conhecida casa previne a
Exmas. familias e todos os seus fre-
guezes, que as pecliinchas que costuma
dar, nao sao nem nuica forain divididas
de outra casa como ulguem annuncia
para engaar, vendendo fazendas ordi-
narias por boas, castume que a Loja
das lmii-u iiu nao tem. rf
As fazendas vendidas nesta casa sao de boa aa^
lidade, e nao levam medida escassa:
aceila-se a fazenda vendida se, por
quatquer motivo nao fr de muito agra-
do da pessoa para quem for comprad*
D-se descont a quem comprar de 20#
pare. cima.
ESPECIALIDADES
.11.'ini de llstras aznes pecas
20 varas a 60000. r t
MadapolSo com um metro de
ra a 6(5800 a peca.
Cortes de vestidos bordado
cartao a 100000.
Velludilho bordado a contas a 1
o covado.
Cachemiras pretas, de quadros
arrendadas a* 20 e 20500.
Teeldos fantazia arrendado pro
para baile e theatro a 400 500 rs.
Cortes de cachemira com guarmcSes
bordadas, lindas cores, a 200 e 250000.
Setim Maco de todas as cores a 750,
e800 rs.
Unon bordado, tecido de urna s edr,
qualquer que se deseje, a' 200^rs.
Zefiros usos e bordados, tecido fino,'
novidade a 500 rs.
Las de quadrinhos a 200, 240 e 360
o covado.
Linhos lisos a 60 e de quadrinhos a
00 rs. *
Guardanapos melhor qualidade a
10800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores a 10.
Oleados para mesa redonda ou qa-
drada a 40000.
Cortinados de crochet, com sanefas,
ultima novidade. para janellas e portas
Crochet para cortinados a 900 fl
metro.
Colchas de fustao, brancas
res, a 20000.
Chitas finas precales a 200

deeee
Chitas escuras a 160, 240
e 240 rs.
e 280 i,
a 12) rs.
Batistcs de cores seguras
\anzuc de lindas cores a 280 rsT
Brlm pardo esguiao a 240, 280 e320.
Casinetas de cores escuras para ron-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.
Hantllhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 80000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos enfeites e com vibrilho a
200, 250 e 300000.
Leques de pennao e transpa:
ultima novidade, todo prego.
LlITflS de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cGr a 20.
lsparfilhos inglezes a 4500 e 50,
tem desde o n. 40 at 80 de grossara-
Bieo branco creme e de todas' as
cores desde 700 rs. at 2t>f)0 a peca.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodao, preta, branca e de qualquer cor.
Sbados e entremeios bordados
pados e transparentes por todo prejo.
Cirampos e pentinhos fantazia paP
cabello a 400 e 500 rs.
Baleias para vestidos a 260 re. a
duzia.
Relogios despertadores com fi-
guras em movimento a 80 e 90000.
Aspas de ac para vestidos a 120 rs.
o metro.
E remitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas sa loja
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto Dias
g_
feliz ao pensar na adoravel cabecinha que
ellas iriam dentro em pouco envolver, nao
tendo senao ideas' de esperanga e de ale-
gra .. estava sempre presente na sua vattj
moria.
Depois, de repente, a tudo aquillo suc.
cederam-se os graos de dr, a febre, a
horrivel febre que invadi a pobre e jo-
ven mSi, queimou-lhe o sangue, bebeu-lhe
a vida, e no lugar da companheira valo-
rosa, e boa que ella tinha, deixou a Pedro
desesperado e impotente um cadver ge-
lado, que a Sra. de Lavarande carregou
comsgo para sempre !...
Se Adelia tambem morresse, el, a
querida, a adorada? Niio deva pensar em
cousas tao tristes.
Abrajou-a com muita forca, murmuran-
do todava:
Terca-fera estarei aqui de volta...
Se passar-se alguma cousa n'csse inter-
vallo, Jorge, manda-me immediatamente
um telegramma ; e trata bem d'ella.
E retrou se emquanto Jorge e Adelia,
com as msos cnlacadas, abracavam-se, fal-
lando do seu beb quando elle all e%ti- .
vesse.
Quero que seja rapaz disse Adelia;
ha de ser < ngenheiro como tu e chamar-
se-ha Andr, que o teu segundo nome.
Mas eu nao quero, r< plicou Jorge ;
ha de ser menina, e ter o nome de Ade-
laide, porque ha de parecer-se comtigo. *.
Riram-se ambos coro duas criancas que
eram.
Depois, ao cabo de alguns minutosv
Adelia, mais seria, pedio a seu marido
noticias da industria, dos negocios da
usina.
Ella era intelligeate, muito grave, de
uma gravidade pensativa, que a felicicade
n'aquelles ltimos tempos havia Ilumi-
nado um pouco ; mas Jorge sabia perfei-
tamente que amiga tinha n'ella, quan-
tas vezes uma palavra de sua mulher, uma
observacao, um conselho tinham sido pre-
ciosos para elle.
Assim, e:.-a encantador ver como elle
contava tudo miedosamente; Os pro-
gressos da industria, os clientes cada vez
mais satisfeitos, o Sr. Chalandon,
zia todos os dias encommend
mais' conskleraveis; a b5a; admiiistracSo
de Pedro, comquanto este
prudente 'do mais, eaininh;;
lentamente, na opiniao d<
Nos temos sido tao de.s
darguio Adelia pt
penuria que segu:
)ii. Pedro tem m
Tyr-




'



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ECOXCQJE9_NIKTQY INGEST_TIME 2014-05-22T22:31:53Z PACKAGE AA00011611_17450
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES