Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17449


This item is only available as the following downloads:


Full Text

.
ANNO LXV-NUMERO 37
I
!.
I

PARA A CAPITAL E LUGARES
*-) j
8BXTA-FEIRA 15 DE FEVEREIRO1E 1889
" 1
ONDE XA
SE PACA PORTE
Por tres meses adiantados.
Por seis ditos dem.....
Por um anno dem.....
Cada numero avulso, do mesmo da.
wooo
12iJ000
234000
0100
DIARIO DE
\
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiantados..............\ 130500
Por nove ditos idem...........* \ 200000
Por um anno idem................ 270000
Cada numero avulso, de dias anteriores .'...-......\ 0100
Trcpriedade de Manoel Sngtt&rt
Lacla numero avulso, de das anteriores .........\ ffxw
RNAMBUC
; de Jara # 3^os \
_____________________________________-JA
fT
Os Srs. Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de annuncios
e publicares na Fran-
qae Inglaterra.

TELEGRAMAS
sssti;: iuiiculab so bxaeio
RIO DE JANEIRO, 14 de Fevereiro,
1 hora e 30 minutos da tarde.
Com toda solemnidade e grande acom-
panhamento de pessoas das classes mais
elevadas, effectuou-se hoje s 10 horas do
dia, 0 enterramento do corpo do Bai-o de
Cotegipe.
"- Foram dispensadas as honras militares
de accordo com a ultima vontade do Ilus-
tre finado.
"fc Cerca de 200 carros formavam o presti-
to fue seguia ao coche funerario.
As folhas da manhlt de hoje publicaran
longos artigos salientando os talentos e os
srvicos do Barao de Cotegipe.
NATAL, 14 de Fevereiro, as 10 horas
e 15 minutos da manhS.
Chegoo hoje aqui o paquete nacional
Para, vindo do norte.
Segu tarde para o sul.
IHSTRCCiO POPULAR
com a informaco do fiscal da Companhia Reci- pitlore fbradou a seu turno o bonapartista Jo
feDraynage.
Kutiuu Demetrio de Souza. Nesta date especo
as precisasordens a inspectora geral Ida Ins-
trucco Publica no sentido da reclamaco do
9upplicnte.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
14 de Fevereiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
buco,
Repartlto da Polica
2. scelo.N WlSecretaria da Po-
lica de Pernamhuco, 14 de Fevereiro de
1889. Illm. e Exm. Sr. Participo
V. Exc. que foram hontem recolhjdos a
Casa de DetencSo os seguintes individuos :
A' ordena do Dr. delegado do 2* districto da
capital, Joao Francisco do Nascimento, conheci-
do por Joao Pequeo, por disturbios e uso de ar-
mas defeza.
a' ordem do subdelegado dafreguezia do Re-
cife, Manoel Francisco dos Saatos,preso em fla-
grante portrime de fcrimen tus ; Jos Geraldo
Guimaraes, ntonic Rodrigues de Souza e Geo-
rane Gne^n. como ragabnndos
O Dr. delegado do f districto da capital com-
municou-me que pelas 7 horas da manh de hon-
tem, na praia de Fra de Portas, travando-se de
razoes os individuos de nomes Manoel Francis-
co dos Santos e Aprigio Antonio da Silva, deltas
resultou sabir este (crido com urna facada.
Aprigio deu voz de priso a seu ofTensor e o
conduzo at a 2* estaco da guarda cvica, onde
encontrou o subdelegado da freguezia do Recife,
que tomando conbecimento do tacto, fez proce-
der yistoria pelo Dr. Jos Joaquim (de Souza,
que cnsiderou grave o ferimento.
Abno-se o competente inquerto.
No dia 30 do me/, passado, no lugar Curral
Velho do termo de Flores, morreu instantnea-
mente fulminada por um raio, Autonia de tal,
alli moradora, conforme communica o respecti-
vo delegado que deu as necessarias providen-
cias.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencia Marques de Araujo
Ooes, muito dig#> presidente da provin-
cia. O chefe de polica interino, Dorio
Cava/cante do Reg Albuquerque.
AS GRANDES
ANTIGS K MQBERNAS
XAS
Sciencias. industrias e artes
POR
v"
A biiola
Continuajo)
Antes de ir mais longe, importa dar a expli
carao scientihYa do moviuicnto da agulha mag-
ntica da bussola.
O phenomeno essencial que nos manifeste a
agulha magntica, isto a sua propriedade cons-
tante de se dirigir para o norte, e regressar para
o oesmo ponto sempre que fr desviada deesa
direceo, explica-se fcilmente se como fazem
os physicos, se considerar o globo terrestre
tambera como um- immenso imn natural. A
trra, em sua aeco magntica, aprsente-nos
eectivamente todos os phenomenos peculiares
dos imans naturaes e artificiaes.
Se se metter na limalha de ferro um imn na-
tural de forma oblonga, ou simplesmente urna
barra magntica, observa-se que a limalha de
ferro attrahida pela aeco magntica, nao tica
distribuida igualmente por todo o comprimento
do imn ou barra. V-se a limalha de ferro fi-
xar-se principalmente as duas extremidades da
barra, e a sua quantidade diminuir rpidamente
a medida que se affasta dessas extremidades :
na parte media da barra a attraeco nulla e
nao se fixa partcula alguma da limalha. Cha
mam-se polos as extremidades do imn, e linha
neutra aparte inedia da barra, em que a forca
quasi ufla.
Os dous polos d'um imn ou barra magntica
parecem exercer urna aeco idntica quando slb
postos em presenta da limalha de ferro ; mas
tal identidade s apparente. Os physicos ad-
mittem, em um imn a existencia de duas espe-
cie de fluidos actuando cada qual repulsivamen-
te sobre si mesmo. e attractivamente sobre o
outro fluido, e cujas resultantes de aeco esto
situadas nasextremidades ou polos do imn.
Efectivamente, se se suspender a um fio urna
pequea agulha magntica e tomando urna outra
agulha magntica se approximar successivamente
a ex#emidade desta agulha dos dous polos da
agulha suspensa, v-se que a agulha magntica
attrahea extremidade ou polo da agultia suspen-
sa, e repelle, pelo contrario, a outrae xtremi-
dade. .
Todos os imans gozara da mesma propriedade;
repellem-se pelos seus polos do mesmo neme e
estabeleceu-se cm physica a le segumte concer-
nen te a aeco reciproca dos imans: Os polos
magnticos do mesmo nome repllense e os polos
de nome contrario attrahem-se.
Um simples brinquedo de manga vai mostrar
ao leitor a realidade deste principio. Quando se
tomam aquellas pequeas barras magnticas que
servem de bridquedo s mancas para attrahir
um outro corpo magnetisado e fluctuando na
agua como um cysne, um peixe, etc., formados
de ferro magnetisado, e se voltar a barra, isto
, se se apresentar ao corpo attrahido a extre-
midade ha pouco oceulta na mo, v-se csse cor-
po cessar de ser attrahido e ser mesmo repellido
asss fortemente. As extremidades ou polos
dos imans gosam pois de propriedades antago-
nistas : urna repelle o que a outra attrahe.
Rerebedorla Provnola!
despachos do dia13 de fevebeibo
de 1889
Arsenio Ramires U C, e Francisco Lopes Gui-
maraes. Informe a i* seceo.
KA Burle. Defirido em vista das informa -
ces. ,
Francisco Barbosa Je C. -A seceo para in-
formar.
Manoel Ferreira.-Certiftque-se o que cons-
Jos Teixeira 4C.-A1' secc para os devi-
dos fins. _
14 -
Lourega C. Claudina do Espirito-Santo Bran-
dao, Francisco Ramos da Silva a ("... Henrique
Prxedes de Barros, Jos de Macedo e Pinto Sa-
raiva & C.Informe a 1* seceo.
Jos T. Campos de Medeiros. Informe a 1
seceo.
m
(Contina)
PARTE OFFICIAL
foverno da Provincia
DE3PACH08 DA PBESIDENCIA DO DIA 13 DE
FEVEREIRO DE 1889
Antonio Reg da Gama. Sim, pagando as co-
medorias.
Fon3eca 4 Innao e outros, gerente da Compa-
nhia Recife DrayuageEncaminhe-se.
; Marinho de Araujo.- Junte procurac/w
Joanna Paula Porto MachadoInforme e Sr.
ctor da rhesouraria de Fazenda.
naco da Silva.-Eneaminhe-se,
i^ago c respectivo porte na Re-
;ao dos Cr rreios.
iuim MonteiroConcedo.
Manoel Joaquim Pereira Deferido de accordo
DIARIO PE PERHA1BDC0
RECIFE, 14 DE FEVERErRO DE 1889
Retrospecto politlc* do anno
de ihhh
POLITICE PARTICULAR DOS ESTADOS BUR0PBU8
(Continuardo)
Apezar da energa com que o ministerio Ti-
rard castigara o general, os radicaes da cmara
nao o julgaram bastante forte para luctar com o
boulangismo. J na sesso de 90 de Marco, de-
pois das interpelIacOes de Cassagnac e Laguer-
re, Clmenceau tinha dito : < Acclama se um ho-
mem para oppol-o a quinhentos palradores, por-
que ? Pela razo de que o governo nao tem sabi-
do realisar o que delle es esperava. O mal veio
do ministerio, e nao pode ser curado;em quanto
este existir. > E como conclusao deste juizo.
apresentou urna mocao eoncebida nos seguin-
tes termes:
A cmara, decidida a manter a disciplina
do exercito, reconhecendo a fraqueza do gover-
qo, e convencida de que s urna poltica refor-
mista pode por termo a agitacao do paiz, passa
ordem do dia.
Debalde Ribot conjura ao chefe radical para
que no provocasse naquelle momento, ante as
iiistituices amea^ada?. urna crise ministerial;
para que se limitasse a approvar a conducta do
governo em relaco a Doulanger, como alias ti
nha feito : Clmenceau declara, inabalavel, que
nao pode mais consentir na permanencia de um
ministerio impotente em face dessa individuali
dade temivel- Comtudo, o gabinete Tirard an-
da se manteve dessa vez. Mas vio-se logo que
nao poda ir longe, atiento o grande numero de
abstencOes (130), que se deram na votacao da
ordem do dia proposta pelo moderado e conci-
liador Ribot Cabio, com effeito, poucos dias
depois por urna coaliso em que entraram a di-
reite e a extrema esquerda. Eis como o caso se
passou :
A cmara tinha, emiim, approvado o orpamen-
to de 1*88, cuja discussao fra, como sem-
pre, difficil e agitada. Nao o fizera sem tempo,
porque ex pira va no dia seguinte o prazo dos
duodcimos provisorios. Depois dessa votaco,
a sessao continuou. A lei das (mancas voltara
para o senado, e o presidente do conselho acom-
panhara-a at alli, to longe esteva de pr>ver o
que se ia passar na sua ausencia. O ministerio
s ficara representado na cmara por Yiette, mi-
nistro da agricultura. Levantou-se inesperada
(mente Laguerre, e pedio que entrasse, em pri-
meiro lugar, na ordem do dia o projecto de re-
forma constitucional que Michelin e Planteau
haviam apreseutado. Camino Pelletan nSo quiz
que o depulado boulangista lhe tom,asse a dian-
teira. Lembra que cl.c e seus amigos tambem
eram autores donm projecto da mesma nature-
za, e pede urgencia para a discussao E' pre-
cisodisseapiessarmc -nos em expurgar o re-
gimen republicano dos vicios rleanistas inocu-
lados na constitieSo it 1873. Ancli' io son,
libois, menos o italiano, que entilo nao gosava
de extraordinario crdito em Franca : apresen-
tei igualmente urna reforma de revisSo, basean-
do-a na imprescindtvel necessidade que ha de
se appcllar para o povo. Estoura, em seguida,
abomba realista atirada por Baudry-d'Assoit.
Um bom dia mete-se em casa. Este acceita 3
reforma, porm sera plebiscito ou appello ao po-
vo : quer a convocando de urna constituinte que
d cabo desaa nefasta repblica que est ar-
ruinando deshonrando* a patria. O presi-
dente chama-o" ordem, sem lhe lembrar que
n'outros tempos nao se permittiam tees liberda-
des de lingaagem, quando se trata va da mon ar-
dua. O deputado da Vcnda, entusiasmado
pelo echo de suas proprias palavras, anda teve
tempo para finalisar o improviso com a acclama-
cSo dos seus conterrneos d'outr'ora : Viva a
Franca pelo rei I
0 tumulto era enorme. la proceder-se vote-
cao. O nico ministro presente pede que se es
pere avalte do presidente do conselho. Mas, fal-
lando com os seus sentimentos pessoaes, declara
oppr-se formalmente ao pedido de urgencia, em
viste das manifesteces facciosas que a cmara
eslava presenciando. Joiibois incommoda-se com
o qualiicativo. e replica : Faccioso um go-
verno estabelecido sem o assentimento do pai.
Sediciosas sao essas palavrastorna-lheAnto-
nin Dubost. Sao ?pergunte o deputado sau-
doso do 2 de Dezembro e de Sedan ; e como se
deve chamar a urna revolucao realisada vista
do inimigo ? Alludia queda de Napoleo III.
Es.sa imprudente recordagao histrica, acompa-
nhada d'outras injurias, produzio indignaco tao
profunda, que Brisson pedio a palavra. NSo ti-
nha fallado uraa s vez da tribuna da cmara, de-
pois das cleices de 1883. Este circunstancia fez
com que fosse recebido com applausos do centro
e da esquerda :
Falla-se em revolucao leite diante do inimigo
exclama o ex-presidente do conselho; -aecu-
sam-se 09 republicanos de tenterem amordacar o
paiz I De que bocea sahem tees palavras ? Pois
que! um imperialista que ousa memorar que
vimos o inimigo junto s muralhas de Pariz *
Este apostrophe eloquente foi saudada com urna
dupla salva de palma9, que nao deixam ouvir o
vociferar da direite.
O que assim se exprimecontinuou Brisson
um dos directores do partido que declarou a
guerra, depois de haver esbanjado todas as ri-
quezas financeiras e militares da Franca; elle
que evoca a memoria dos patriotas que tomaram
a iireccSo do governo, quando o antigo poder se
tinha desfeito por si mesmo t E' um bonapartista
que nos empreste o desejo de tyrannisar a patria,
a nos republicanos que lhe demos liberdades sem
limites, e que estemos satisfeitos com isso!
Occupando-se com os pedidos de urgencia e de
entrada em ordem do da dos projectos reformis-
tas, combateu-os por igual, e instigou os seus
correligionarios. menos os amigos do plebis-
cito, para que o imitassem, se nao quizessem
dar um triumpho direite e ao personagem
que esteva desahumadamente atacando as insti-
uices.
Clmencean declara nSo approvar a conclusSo
do orador, posto que esteja de accordo com mui-
tos dos seus conceitos. Segundo pensa, a consti-
tuigSo actual a negaco dos principios republi-
canos ; d"ella se origina a perturbacao e desor-
dem do paiz ; nunca deixou de combatel-a, e per-
gunte se deve negar-se a reforma, s porque o
tal personagem a deseja; repelle o plebis-
cito, porque nao lhe parece um meio honesto de
consultar a naco, como se vio em 1870; o me-
lhor meio de a consultar, chamal-a a desiguar
os seus representantes, e eis o que, no seu pare-
cer, a constitulcao nao permitte ; ao lado do suf-
rragio universal, autorisa ella um suffragio inno-
minado, que contraria era ludo a cmara-
V-se que o chefe da extrema esquerda nSo tem
excessivo amor ao senado. Elle quer que o pacto
fundamental da repblica tenha em viste os inte-
resses da democracia, e nao se bazeie n'um prin-
cipio falsoo de urna olygarchia que resiste aos
intuitos nacionaes. Invoque-se a soherania do
novoconclue,nio por um plebiscito menti-
roso, mas por eleices sinceras e livres.
Este confianca n"uma soberana, n'um eleitora-
do, que na sua maior parte nao sabe para onde
quer ir, nem para onde o leva a grande multido
dos seus cortejadores. verdadeira e genuina
mente parlamentar. Boulanger disse que, ven-
cendo a campauha eleitoral no departamento do
Norte, nao tinha derrotado o seu adversario os-
tensivo-o radical Foucart; maso proprio Cl-
mencean. Eis um caso em que o suffragio uni-
versal nao se mostrou demasiadamente reconhe-
cido para com o illustre defensor da democracia.
Mas voltanos sesso.
Fallaram ainda em contrario aos designios
revisionistas Rouvier e Sarrien. Goblet observa
que, n'outras circunstancias, nao duvidaria 36-
sociar-se ao pedido de reforma constitucional ;
mas que n'aquelle momento o achava de todo o
ponto impoltico. Andrieux pede para que se
suspenda a discussao at que volte do Luxem,
burgo o presdeme do conselho. Tirard chega-
atinal. Decl irou que o governo se oppunha do
modo mais decisivo a que se tomasse em consi-
deraco a proposte que se discuta. E deu as
suas razoes : achava um perigo em augmentar-
se a agitacao que j se manifestava no paiz ; con-
siderava que nao era sensato promover a lefor-
raa de urna constituicto que n'aquelle mesmo
dia tinha sido atacada do modo mais audacioso.
Alludia ao manifest que Boulanger dirigir aos
eleitores do Norte.
Procedeu-se votaco. A proposta de Pelle
lan foi approvada por 268 votos contra 237. Era
mais um ministerio tragado por urna assetnbla
que, segundo parece, s (icaria plenamente sa-
lsfeita se podesse dar-seaesse innocente prazer
de mez era mez.
O orcamento ainda podia tornar cmara, que
por isso, depois de suspender a sessao por al-
gum tem
tanto da
alteraces
portento, i
fadigas do
opportuno
measse um
estadar os
tucional.
mente
decidido
moc&o
No dia 3
o ministerii
con
cahil
unio-se outra vez s 9 horas e
O senado, porm, nao fez novas
lei annua. Os deputados poderiam,
esde logo descantar das grandes
se Cuneo d'Ornano nao achasse
por que, no dia seguinte, se no-
commisso de onze membros para
versos projectos de reforma consti-
deputedo bonapjirtiste era conse-
que, nao ha va muito, tinha sido
naiora de seus collegas. A/ sua
todava, por 212 votos contra 189.
e Abril apresentou-se s comaras
presidido por Floquet. Compoz-se
de sete depilados, dous senadores e um mem-
bro estranbf ao parlamento, o almirante Krantz,
a quem foi confiada a paste da marinha. Os
ministros deputados foram : Peytral, da extrema
esquerda (fazenda) Floquet e Lockroy, da es-
querda radical (interior e instrneco publica) ;
Goblet e Viene independentea, mais ou menos
approximados da esquerda radical (estrangeiros
c agricultura); Deluns-Montand, da unio das
esquerdas (justica); Pierre Legrand, indepen-
dente, tendendo para a unia dos esquerdas
(commercio). Os senadores foram Freycinet, da
esquerda republicana (guerra), e Ferrouillat, da
unio republicana (obras publicas).
Dous membros do novo gabinete haviam feito
parte do ministerio TirardViette e Krantz.
(Contina).
INTERIOR
Exposloio de Macar e riamos
(Jornal do Commercio da corte)
vemos NACIOXASS
Concluindo a serie de artigos que temos dedi-
cado aos diversos ramos de industria nacional,
nao podemos deixarde assigualar o promettedor
futuro que parece apresentar a vinicultura, um
dos ramos agrcolas que mais tem prosper^M
nos ltimos annos.
As provincias do Rio Grande do Sul, Paran;
Santa Camarina, S. Paulo, Minas e Rio de Janei-
ro, j apresentam largos espacos dedicados a
essa cultura, e na exposico,^lguns especimens
denotem conhecimentos de nnificaco que pro-
mettem converter em breve estes ensaios em til
ramo de commerci*.
Diversas pessoas competentes e habilitadas,
como os Srs. Drs. Dr.ienert e L. Pereira Barrete,
e F. Albuquerque, teem-se oceupado com as
questes referentes ao cultivo e viniticaco, e dos
seus estudos resulta que largos espacos do nosso
solo sao apr9priados a este ramo agrcola, e que
o paiz se preste acclimataco das melhores
sortea de uvas e cepas.
A extenso da rea apropriada a asta cultura
mmensa. Consta de informaces fliedienas
3ue no Maranho produzem se boas qualida-
es de uva; em Pernarabuco ha urna cultura
secular de cepas na ilha de Itemarac e no
termo de Una, e actualmente conste de aver-
guaces do Sr. Joao Fernandes Lopes que ba ex -
portaco regular de Garanhuns, Triumpho. S.
Berito, Raixa Verde e outros lugares ; na Bahia
sao contiendas as escolenles uvas da ilha de Ita-
parica e do reconcavo, e sabe-se que j outr'ora
se fabricou bom vinho na provincia; as pro-
vincias do norte distingue-sc a de Alagoas, pela
excedencia das uvas que accodem ao mercado
de Macei, e sao iguaes as moscateis da Europa,
sendo facto conhecido os diversos ensaios de vi-
nificaco que alli sejteem feito; em Matto Grosso
e Goyaz a parreira como que um producto na-
tural do solo.
Quanto as provincias verdaderamente vinco-
las, Rio Grande do Sul, Paran, Santa Camarina,
Minas Geraes e S. Paulo, j produzem quantida-
des de vinho que influem no mercado de impor-
tadlo, e se os processos forera aperfeicoados e o
fabrico bem aconsclhado, nao nos admirar que
este conjuncto de provincia entre no mercado
com urna somma annual superior a 100 000 pi-
pas, que at podem contribuir para a exporteco
externa.
No ultimo inquerito que no Rio Grande do Sul
se effectuou sobre vinhos, por ordem do Sr. Dr.
Rodrigo Villa-Nova, ex-presidente da provincia,
reconheceu-se que a produeco actual exceda de
40 000 pipas, embora mal aproveitada e confec-
cionada.
S o exiguo terreno da ilha dos Marinheiros
aprsenla urna produeco superior a 1.000 pipas
por anno, e este entra toda no commercio inter-
no e interprovincial.
Do inquerito feito em S. Paulo resulta que no
commercio local j se effectua por anno a venda
de numero superior a 1.000 pipas de vinho.
Na provincia do Rio de Janeiro e no proprio
Municipio Neutro, serra da Gavea c do Matheus.
ha importantes plantaces de vinhedos, que sup-
prem o mercado da corte com valioso contin-
gente de uvas.
As videiras deJTheresopolis sao afamadas pelos
seus productos, que podem rivalisar com os mais
delicados do Rio Grande do Sul, e estemos cer-
tas de que as uvas colindas entre Petropolis e o
valle do rio Macuc poderiam, bem utilisadas c
difundidas, converter-se em grande industria
vincola.
Em Rezende, Campos eCantagallo os ensaios
de vinicultura teem sido proficuos, c os indus
triaes europeus que teem examinado os vinhedos
entendem que havendo mais raethodo e espace-
jamento ,no planto, mais acertados ensaios de
enxerto e processos apropriado3 de confeeges,
que corrijam a accidulez natural da uva nacio-
nal, nao ser difficil obterem-se boas sones de
vinho branco e tinto, assim como aguardentes e
cognacs de uva iguaes aos da Europa.
Nesta especialidade, as amostras apresentadas
na actual exposigao pouco deixam a desojar, e
poderiam converter-se at em industrias de ex-
porteco.
0 cognac exhibido pelo Sr. Uiborio Goldsch-
mited, de S. Paulo, confunde-se perfeitamente
com melhor de Franca, e deixa at duvidas
sobre a sua procedencia. '
O mesmo apreco podemos ^ar as aguardentes
de uva dos Srs. Gaspar Pereira de Castro, de
Itatiba, Carlos Bromer P Franca, de S. Paulo,
Prudencio B. de Oliveira, de Santa Rita de Sapu-
caliy, e outras.
C>mo sabemos quanto e diflicil e caro o.alcoo
de uva na Europa, parece-nos que a venlicucM
de pdennos fabricar este producto em larga
escala com as nossasuvas, nao nos traria iusi
nilicante ramo de exportago.
Oma illacio pode desde j tirarse com as 80
variadissimas amostras de productos vincolas,
e as centenas de garrafas em que ellas se re-
produzca) na exposico, e que nenlium aos
ramos desta indus-ria allieio ao -razil, embo-
ra a maior parte carega de correctivo e. princi-
palmente, de e.xcluso de alcpols defeituosos
estraulios, ou de assucares nao expurgados, que
nfectam -o gosto eo aroma dos vtuhos.
Como em outros ramos de exposices da ac
tualidade, a provincia de S. Paulo parece tomar
a primazia na .nova industria, propendendo ao
fabrico de bons' vinhos maduros e tintos de me-
sa. O districto de Pelotes rivalisou um pouco
com S. Paulo cm productos similares, e mesmo
em preparados alcoolicos de uva, de notavel
qualidde. mas, em geral, as provincias do Rio
Grande do Sul, Santa Cathanna e Paran ten-
dem ao fabrico de vinhos leves, accidulados,
Kuco alcoolisados, que se assemelham aos de
rdos ou aos do Chile.
As amostras mais carregadas que se nrepa-
ram para o nosso mercado nao representara o
verdadeiro vinho rio-grandense, e antes sao um
tributo ao nosso triste paladar, estragado oelas
coafeccOes de pacotilha que nos mandam os*pai-
zes estrangeiros.
A' forca de ser explorados pelos direitos pro
hibitivos da alfandega, e pelos gneros artifi-
ciaes c baixos que fazem face a esses pesados
onus, como que perdemos a uoco do que seja
o vinho natural, as boas bebidas alcoolicas, e em
geral os gneros nrincipaes de alimentado. Es-
tragamos a sauae com artigos confeccionados
interna e externamente para nosso singular e
especial consumo, e nos admiramos de que na
i dad e da robustez de entras populaces. sejamos
j individuos rachiticos e empobrecidos de san-
gue e msculos.
Os vinhos de Minas fazem-nos involuntaria-
mente lembrar do que j dizia dclles urna re-
viste ingleza de 1876. Com honrosas excep-
ces, olios autorizara o seguinte conceito do es-
criptor inglez :
A vinlia d maravilbosamente em Minas
mas a uva tem um gosto particular, que d em
resultado ser o vinho que ella produz mais se-
melhante cidra do que ao verdadeiro liquido
vinoso. Notara a mesma accidez nos lactici-
nios e preparados de carnes. Talvez seja urna
coQsequencia dos saes contidos nos campos, que
fcil ser corrigir no fabrico.
Entretanto quando os vinhos mineiros, que
dispem de vinte ou trite qualidades .de uvas
castigadas, sao bem preparados e corrigidos,
encontram-se entre elles qualidades noteveis pe-
la cor, aromae paladar. Parece a provincia raais
disposte a fabricar vinhos finos bramos, doces
ou seceos, semelhantes aos de Malaga e Lisboa.
Aponteremos, entre ontros. os vinhos finos
brancos do conego Cosario Mendes, de Itepece-
rica, padre Joaquim Antonio de Rezende, novi-
dade de 1878, excedente no aroma e gosto, e
Francisco de Paula L. Araujo, assim como o
malvazia, de Prudencio B. Oliveira, de Sapuca-
hy, que seria de primeira ordem, se houvessem
liorngido a acidulez.
E' muito dilflcil classificar os nossos vinhos
nacionaes pelo gosto e aroma, pois variara tanto
de ronfeccao, e ainda na maioria sao to rudi-
mentares, |ue escapara a nalyse commura. S
um rigoroso methodo scienlinco, que conheca
pela analyse a forca alcoolica, o grao de acidu-
lez, os ingredientes estranhos, os excessos de
coloraco, etc., etc., poder determinar asna
aceitaco ou excluso, e parece que ser esse o
alvitre adoptado pelo jury industrial que os de-
P
ve julgar.
Trata-se do um artiga de consumo que impor-
ta em mais de 10 mu con tos por anno, e se
a vinicultura nacional poder aproveiter a maior
parte dessa quantia,' preparara, pela experien-
cia interna, nossa concurrencia em Franca, Al-
lemanha e Inglaterra para o fornecimento de vi -
nhoe o alcools apropriados ao fabrico. Este ul-
tima perspectiva llimitada, e superior a do caf
e assucar. O Chile e a Repblica Argentina j
conheceram o alcance que na America do Sul
pode ter a produeco vincola e entregam vastos
espacos e osse cultivo.
O que a vinha produz em relaco ao solo est
exempliticado em Portugal, cujas uvas e vinhos
sao a inveja de toda a Europa. Ha dez anr.os,
antes das terriveis devastac&es que talvez o des-
nudamente do solo causou as plantas, ocasio-
nando doencas e epidemias, em 9.126.510 hec-
teaes do paiz, apenas 189,407 estevara plantados
de cepas, que alias produziam cinco milhes de
hectolitros de vinho. ou nada menos do que H i
litros para cada habitante. A forca alcoolica
regulava de 8 a 16 / Em poucos annos a ex-
porteco subir de 17 800.000 litros, no valor
de 6.000:000*, a 30:450,000 litros, no valor de
20.o00:000*. Apphcando estes dados a nosso
solo e forcas productoras^pe pode avahar o que
podia ser a vinicultura dentro de dez annos.
So na provincia de Mendoza em 1888, a Re-
publica Argentina possuia 3 900,562 cepas de 1*
classe e 5,920.374 cepas de 2' classe, calculadas
no valor total de 22,528:000*. O Chile aprsen-
te na exposico de assucar e vinhos onze quali-
dades de vinhos brancos e tintos, que se equi-
parara aos de Brdeos e Borgonba, pela cor, cor-
po e gosto. Como modelo apresentaremos os
vinhos de La Florida, propriedade dos Srs. Vi-
ctorino Rojas Magallanes C, no departamento
de La Victoria. Estes productos tm 12 "I. de
forca alcoolica 3.92 de acidez e 25 grammas por
litro de extracto secco. O vinhedo regula ren-
der 1,050 hectolitros por anno. Os vinhos obti-
veram medalha de ouro em Londres e Philadel-
phia, medalha de prata era Antuerpia e o priraei-
ro premio na exposico de Santiago do Chile.
No primeiro semestre de 1888 a venda dos vi-
nhos L'i Florida para consumo local de Santiago
regulou 300 caixas por mez. Em Brdeos foram
qualiticados, como os de Mdoc, razo de 400
rs. o litro. Na exposico universal de Pariz fi-
guraro as qualidades tinto e branco, iguaes s
ao vinho remettido ao centro.
Por estes dados comparativos os nossos agri
cultores podem regular os seus passos e este
dos
as collecces de vinhos nacionaes dislin
guem-se os remettidos pela presidencia do Pa
rana, em que ha bons specimens tintos e madu-
ros e pela cmara municipal de Pelotas, onde
existem productos de boas cepas portuguezas
aclimatadas.
A exposico de S. Paulo conta entre os vinhos
de qualidde. os tintos de Antonio Manoel Al-
ves, do Tiet, de Joo Baptista de Souza, do mes-
mo lugar e o Chateaux Joly, de Alfonso Emilio
Joly, de Itatiba. Mencionaremos, tambera, entre
os tintos os pertencentes a L. Goldschmidt, B.
Diedrichsen, Jos Trocolly, Carlos Birmer, Anto-
nio Steffan e Casimo Viein Alvarenga. Sao vi-
nhos j introduzidos no consumo local. Notemos
a jeropiga, de Gaspar ercira do Castro, de Ita-
tiba, cora um certo -oslo de canella. O vinho
de pecego, de L. Goldschmidt, muito agrada ve 1
aO paladar. O mesmo diremos da agurdente de
milho do mesmo productar. Entre os seus vi-
nhos o branco pa eceu nos muito accidulado, as
sim como o rasscatel. O vinho branco doce do
coronel Antonio Dias Maciel, de boa cor e gos-
to. Alera das aguardentes de uva j citadas,
mencionaremos a de Carlos Bromer P. da
Franca.
Os principaes productos da provincia de Mi-
nas sao os vinhos brancos de Prudencio de
Oliveira, de Santa Bita de Sanucahy, padre Joa-
quim Antonio de Rezende. Joao Tmcoly, conego
Cesario Mendes, Miguel Lucrecio, de Sabara,
etc.; as aguardemos d- uvas de Domingos Viei-
ra da Silva, de Cattas Altas. Prudencio B. de. Oli-
veira, de Sapucahy. etc. ; e orhura. aguardante
de canna e o rnum do engenho Rio Branco. En-
tre os vinhos tintos notamos os de F. A. Al ves,
Joo Joaquim Machado de Moraes de Barbace-
11a, Domingos Vieira da Silva, de Caltas Altas,
Francisco de aula L de Araujo, do Rio Novo,
Joo Jacques Dou : El Kei, conego Cesara Mondes, Joo Tho-
maz de Souza, o outros que negulam o mesmo
grao de accidulez e forca alcoolica. Ha um vi-
nho de Jaboticaba, de Cattas Altas, de gosto sin-
gular.
Entre os vinhos tintos do Rio-Gninde do.Sui
distinguem-se pela cor e gosto os de Benito Mu-
rcll i*. Filhos, A. G. Gastal e outros productores
de Pelotes. Ha um vinho ligeiramente amargo
marca Bruveres, de A. G. Gastal, bastante agr'
davel, assim como a marca Catabro, do mesmo
autor. um bom vinho, e tinto, de Guilherme
Roth.
Os vinhos engarrafados por Souza Assurapco
A C. e os da Colonia Silveira Martins, sao leves,
frescos e proprios da esteco calmosa. O vinho
branco de A. G. Gastal, soffrivel. bb mesmo
fabricante primara o cognac de vinho e o kirsch
de pecegos, embora neste predomine o gosto de
amendoa.
Ainda mencionaremos os vinhos tintos de Ber-
nardo Lanetti e padre Luiz Francisco de Monra,
de Pernambuco, e de Ricardo Martins & C, de
Santa Camarina, o malvasia de Bernardo Pinto
4 Fimos, de S. Fidelis e o vinho branco doce, de
Busque, na colonia Iteiahy. Entre as especiali-
dades^ ha os vinhos de caj de C P. da C. Ma-
mede, do Cear e de D. Isabel Pessoa, do Recife,
e de Laranja, de Scrates Valeriano, do Rio de
Janeiro.
Entre os productos alcoolicos de canna note-
mos a agurdente do mel, do engenho Santa
Amelia, de Pernambuco, as excellentes aguar-
dentes da fojuca, Quissam, Antonio Verissimo
de Mattos, fazenda do Sabugo, Rio Branco, Rio
Bonito, Porto Real, Pureza, etc., etc., e aexcel-
lente laranginba estomacal da fazenda do Sabu-
go. Parece-nos que neste especialidade e na da
alcools podiam enceter-se experiencias de arti-
gos de expartaco, apropriados aos diversos
paizes.
Estes indicaces sao incompletas, mas do
idea sufficiente da exposico, emquanto nao ap-
parecem os relatorios especiaes. Al guias in-
dustrias novas ahi se apresentam, prestes a ex-
pandirse, e que poderSo aproveitar nossa ex-
porteco.

\

VARIEDADES
-
-
AMOR B JMHEIRO
POB
VI
(Continuando)
Apenas a Sra. Le Roux sahio porte, a Sra. de
Manan deu logo ordem para por o carro.
Em um minuto, Thereza vestio-se para sahir.
Emquanto esperava o carro, a moja reflectio
que vate cinco mil francos talvez fossem in-
sufficientes. Era preciso munir-se de somma
maior.
Para o que desse e viesse, metteu tres macos
de vinte cinco mil francos na bolsa da viagem.
Ignora va ainda como faria para otlerecer o
dinbeiro, mas conteva icom a inspiracio do mo-
mento. Alem disso, se fossemos a reflectir muito,
nao ousariamos tentar nada.
O cocheiro demorava-se e para oceupar o
tempo poz-se a contar o dinheiro da gaveta de
segredo e que ficra por instantes em cima da
mesa.
Um, dous, tres macos de vinte cinco mii
francos I
A moca sorrio com tristeza.
O dinheiro conte-se duas duas vezes, dizia esta
raanha o Sr. Fougerol.
O escre vente tinha razo, porque le. a va os
Snatro macos em lugar de os deixar em casa,
em mil francos em lugar d* setenta e cinco
mil.
Estou mesmo com a cabeca perdida I...
Vejamos, um pouco de ordem I
Tirou os majos da bolsa.
Um. dou, tres...
Na gaveta...
Um, dous, tres... Hein ?
Nao sabia o que havia de pensar.
Lentamente, methedicamonte, acalmando o
coraco, chamando a razo, porque duvidava so-
bretodo de si, Thereza contou a toialidade. Ouvia
ainda o Sr. Fougerol multiplicando vinte e cinco
por sete. E depois... multes vezes... ella pro-
pria...
A principio e sem espnrancas, sacudi o ves-
tido, procurou em cima das cadeiras de bracos,
em cima do panno, por toda a parte. .
Nao havia duvida. Faltevam vinte e cinco mil
francos f
Debaixo da abobada, ouvia-se o rodar da car-
ruajera.
Est bom, respondeu ella quando a criada
grave veio avisal a.
Dez horas I J I
Vejamos I Os mais pequeos promenores do
dia representeram-se-lhe ao espinto. Primeiro,
nem mesmo tinha deixado o gabinete para jan-
ter, visto que lhe tinham servido o ahi em urna
bandeija.
O Sr. Fougerol!...
Na sua paste, com os papis ?... Nao. Nao os
classficava elle sosegadamente um por um ?
Atravessou-lhe o espirito urna sus pe te.
Aquelle moco, dewa ter nscessidade de di-
nheifo; era muito elegante. Talvez..'. Um la-
dro. aquelle homem to correcto 1 Ora
adeusI .
Diacho. Entretanto faltavam effectivamente
vinte e cinco mil francos I
A nao ser Fougerol, ninguem l tinha ido. S
Paulo tinha entrado alli, visto que ella tinha re-
cebido a Sra. Laumier na sala do rez-do-cho.
Mas j nao se apressava.
Porque t
O ladro era...
Oh nunca loria pensado semelhante cousa do
Sr. ^ougerol.
Mesmo era face da evidencia, nSo se podia
convencer.
Nao esteva convencida.
Ento, porque motivo uro sofrimento impre-
visto lhe penetrava no mais intimo da alma f
Dir-se-hia que urna apparico surgia diante
delta com uraa horrivel evidencia.
Anda ha pouco alli, quando ella abna a porta,
recordava-se, Paulo escoudia qualquer cousa.
ora modo estranho, fixava nella omos de allu-

m
a scena... e comprehen-
cinado.
Ento, tornou a ver
deu ludo. .. .,.
Sinente... agora j nao poda ir a casa delle.
Com os olhos s"ecx>?, tirou o capuz, deixou
cahir a capa de pelles e deu ordem para tirar os
cavallos, Depois despodio a criada gravo, porque
j nao tinha preciso dos seus servicos n'aquella
noite. .
Ento coniecou a caminhar. a passoar triste
pela sala parando s vezes para contemplar o
lencol branco esteudido sobro a trra, semelhan-
te a urna mortalha fnebre, agora estemlida so-
bre a sua vida.
Quamli o albor matutino lhe nitrou no quarto.
a Sra. de Mariau. que nao se tinha deitado, rior-
tniairuma cadeira de bracos, einb'-ulhada'nasua
capa de pelles.
VII
Paulo pelo caminho, coimnentava no espirito
o absurdo do acto que lbo causava todo aquelle
ombaraco
Que cousa tela !
Felizmente conhecia Thereza : esteva bem

.



*





f

2
a chave
com un
la metter o
erto que nacrTonwns a ornar f
o tornar '.omtanto
-vam eu emprego, como de
eguinte ou depois, .
ara examinar o inteVbr 11
pretexto qualquer, ddpeie'tornav
dV I
A su:, estupida alaranlacao o* punna
a. Goffl i perder a ca/eca a tal ponto ?
Mesui daqaelle mov'
pedia duiT. urna vez qap
Quiz verificar atMpe ^,aBS!ul*** .s*tl,ri
lenanas. Mena spqaaaaior*
il francos.
Coica era simples I

unto instinctivo
wmh orfuabeiro
JUo UMHUlta
.RmlhadkltaiaBkv
Ern lugar .le todaedluilBeH-js que
iMima, arriscado a'a*s a*e ll *SPeitls / .
Decii!. Lmente qu*dau9aasu
Y VIH'- i'
cri/pto
Auiorldnrip po Iriai-n Por portara
da presidencia de 12 e roposta do Dr. ehefe de
polica de 11 do corren ;e foi nouieado para o
Jugar vago de 1. supplente do subdelegado do
1' djstricto do termo dt Floresta, o tenente Jos
Alexan Ir Gomes de .
Por portara da presidencia de 13 e proposta
do Dr. chefe de polica de 12 do correnle foram
AOn rilOflaSades '
aaaade Diaast Costa.
Narex> luaar de sutidcisaadat-e Quaaiadas wwt ten*) f+iai aadoio M
lema a -noel de K arias Caite, en sulistaicl
I
No cran.de esc.,
acaull ^ala inyeh*3 com 1ualro Jantllas 8rjn
ees e'siitnlesiVente guarnecida com urna com-
anda mesa coarta de papis dous horaens al-
ientos ao ruid tenor, mudos e pallidos, eon-
servavam-se / /ovis.
Coutcrapb/M a* vezes ? ie[o& monumcaU^.
cimadfi pn o modelo de urna machina cujo
hTaetH)/|wrtencia.aca8a- .
Dma K-1-1!.'lU servida em um cantmho da mesa,
estava i-P'asi iulacta.
Paulio esperava a valla do pai em corapanbia
4o ca/xa.
lioras!
u apenas nove horas I
oh a quarto, a meia hora
il u pouco dez horas t
Urna riruagem I...
Nenlim del les ousou correr para ir saber as
ovidad.-.-. Om io-se tornar a fechar a porta pe-
sada. S un duvida, subia a cacada lentamente,
uite causado de caminhadas infructuosas, o
ai!
Um passo soava agora, lento e pesado, pelo
corredor. Dir se-hia que aquelles ps pesavam
em cima do eoraco dos dous homens.
Cota o ouvido atiento, cada vez mais paludos,
mayara ib ara a porta como se a podessem tornar
aaajiiiriinrr
O pai Ducharan abri essa po^ta. Den dous
pasaos e a luz. crua do ^az illuminava-lhe a alta
estatura o a cabeca tnergica de cabellos br-
eos, solemne na sua.expreaso de terrivel lian-
quillid ule.
Jio Hie trema um msculo do rosto. Laia
severa e-tatua do desespero. Aquillo dizia sem
aalavras:
Ni 11! e vou raorrer!
Depots de um minuto, infelizmente longe
como a eurnidade, o Sr. Duehanin sorrio, com
m serriso branco. aterrador na sua significati-
va eloqueueia e pronunciou com voz meiga.
Vao-se embora, mcus Sitios. Deixem-me
sol
Panio levantou-se, com os olhos pregados no
rosto. ...
Gritou, pap e tirando do bolso o dinheiro
de Tbereza uisse:
Vinte cinco raii francos 11 !
Oh I
O Sr. Duehanin. agarrn no chapeo e ternou a
descer coui a rapidez de um homem de vinte an-
os. A p'irlinbola do liacra tornava a fechar-se.
Pugia alravs a noite e a nev. Ah I tinha-se
realizad.*, poiro.milagre esperado.
Smeav entfio. o caixa. nao c nnprehendendo
aada e lalvez mais preoooupado do que antes,
voltav.i se para Paulo para Hte pedir urna expli-
cacao
O mofa tnhu perdido os sentidos.
K
No da seguinle ao daqaelle fatal da, a Sra.
de Miwiafl devorada peiafebre.passei.-nv aaaa
pela salinha, testemunha de tanto amor e de tan-
la felicidade; testemunha tambem do drama da
Tespera !
Recusou toda a especie de alimento. As faces
acendiilas luziam Ihe. e pelos olhos passavam-
Ihe os cJarefs do delirio. A Sra. Le Roux man-
dou chamar o Dr. Tarnier, medico que tratava de
Tbereza desde menina.
O vellio doutor adivinhon qualquer magua, o
flesasoceao constante das situaces irregulares.
Se bi-m que Therezase tivesse plenamente en-
tregue elle, o doutor poriiscrico nao interro:
gou mn-uem Mas, na duvida, Paulo nao foi
Evenido e nada soube da doenca do Thereza.
inlava-lhe dous telegrammas por da : mas
em utna carta!
O desgrasado como louro, procUrava os nnte
e cinco mil'francos.
Se tive-s" ido, lalvez que o seo coracao se ti-
PLJH>
  • ler qn amava.
    ""Whez (jue tivesse confessado tudo.
    Aqualle impulso do coraco, talvez que os sal-
    vasse ai:ida.
    Nao Pli !
    Nao soube de nada !
    X
    Pe prunira vez.jPaulo Duehanin pode medir
    desastre 4a casa Duehanin e a dimirmico do
    sen crdito.
    Os vinte e cinco mil francos, nao se podiam
    encontrar
    Resolveu consultar o pai, sem dizer o nome
    da pessoa que epprestou. .
    Mas nao se resenava a isso, senao na ultima
    eatremidade, nao tomprehendendo nada na atli
    tade d i velho industrial. Dir-se ia que daquel-
    U data em diantetMas as preoceupacOes tmham
    acabado para eHe. \ '
    O Sr. Rogerio DucMnin punha-se de novo ao
    trabaltio rammero daVida ordinaria, como ho-
    nem absolutamente traftfjpillo e a quem nada
    poderia perturbar a posiclp slidamente adqui-
    rida. '
    No flio de cinco dias j tom a -eaergia ex-
    hausta, comprehendeuque nal acharia nada s-
    Jinho. __
    como havia de voltar casa de Tne-
    ide
    Joa-
    exo-
    n> quiJos de Miranda, que soliciten a sua
    iierafto.
    I^ra-n Infpar de r -u .subdelegada
    d*nt*\du mtmm'e ^JaesNaida, Mlual f
    easalxPwlwrlii-Me-' nense.
    Para o lugar de t snpplente que licou vago,
    o cidadao Trajano (loncalves de Lima.
    Para 2" snpplente do subdelegado de Serra
    Verde do dito termo o cidadao Joo Al ves Ca-
    mella du Arauj Peraira, em *ubattuio de
    Mauoel Pedro da '"aixao. que foi exonerado.
    Para subdelegado do districto precitado termo, o capitn Joao Gapitulino de
    Aquino Guerra, em substituicao do capitao Sil-
    vano Antonio Gaiao, que mudou-se para a pro-
    vincia da Parahyba.
    Para 1* supplente do referido subdelegado de
    Bizarra o alferes Jos Antonio da Fonseca, em
    sobstitnifo de Joaquim Correia Xavier (iaiao
    que nao aceitou a nonieacao.
    Para 3' supplente respectivo Manoel da Silva
    Pinto, em substilui'o de Joo aptista de
    Araujo, que falleceu.
    Para o lugar vago de Io supplente do subdele-
    gado do districto dt S'irubitu do m<'iieion^do
    termo 4 tenente Manoel Jos Pinto.
    Para os lugares de 2 e ^ supplentes Amaro
    Severino de Paula e Hcnrique Jos do Reg em
    substiluigo de Manoel Christovlo da Silva l*inlo
    e Sabino Gomes Barbosa, que solicitaram exo-
    erago.
    Pauweio piiltliro llde Maio-A coin-
    missao eiicanv/ada. da conatruccao 'te passeio
    piblico 13 de Miio, que vai ser fundado u'esla
    cilla le. acaba de receber o'valiosoilonalivo de
    tO.-OUOJOOO,' que Ihe val ser concedido pelo Mi-
    nisUio das Obras Publicas.
    E' de esperar que somma igual Ihe seja conce-
    dida pelo Ministerio do Imperio, a cujo cargo se.
    acha a salubridade publica.
    A commissao espera collocar a primeira pe-
    dra do passeio no dia 13 de Maio d'esle anno
    S. Exc o Sr. presidente da provincia acha-se
    animado dos melhores desejos para dolar esta
    ci.lade com lo grande melhoramento.
    A commissao muito ha feito em ordem a ter-
    minar-se o mais depressa possivel o aterro dos
    alagados.
    Eis a comiuuoicaco que referida commissao
    acaba de dirigir-o Exm. Sr. conselheiro Joo Al-
    fredo, digno presidente doeonseloo, sobre a con-
    cessao dos J0:000 de que fallamos cima :
    Gabinete do Presidente do Gouselho de Mi-
    nistros.Rio de Janoiro, 26 de Janeiro de 1889.
    llms. Srs Cumproo deverde cordialmenie
    agradecer a Vs. Ss. as coiiL'ratulaces que me di-
    rigiram pelo mellioramenio que vio realisar
    n'essa oidade.construindo um passeio publico
    com a denominaco de 13 de Maio. Applaudindo
    de coraco a idea, que se recommenda por na-
    tagens que importaro um grande adiantameuto
    para essa capital, tenho o prazer de commumear
    a Vs. Ss que o Sr. Ministro da Agrioultura re-
    solve dar a quantia de 10:0004 como comeco de
    auxilio a tao til e importante emprehendi
    'ente.
    Deus guarde a Vs. Ss. Joo Alfrtdo Correii
    de Olwetra.
    Sr. presidente e mais membros da commis-
    sao eaca regada da coustrucco do passeio pu-
    blico da cidade do Recife.
    to> > iv
    a* s-u w .-
    iian do Dr
    i urna iieclaragao :
    Que lepois de recolhido Paixao a Dettacff
    i'JIe psleinanhatendo de ir a palacio da prest*
    deneia enoeotrar*-se n largo do Paraso com
    um portugus de nome Manoel estabelecido com
    taverna na ra da Roda esquinada travessa dos
    Exposlus e Uvera occasio de conversar1 sobre o
    facto dado na noite de 9 do correnle e em pre-
    senta da^MMnMsBMizio tadatastelq'
    dfauoi-i qo asnaasto
    hd)<'l('ciiasBioH*lBdhe para na caso d* lhe
    per^u:iladaviliiiawpi elleaecuaaaa proteafc' ha-
    viaili iiassiidaaaMie jsajKdawsaspora,
    coaio pediraoubaaque fiaaraan-^' coi
    um chapea damasaa-pretasanissBaiiie a na
    o-actuisadfsaseiita-jiossis;
    Que no vokar elle te. iMMnlisv de palacio da
    presidencia,- sauiieaaqug-B' .urusi.ilo. pn.^.rtu
    luvta.passsdaa iMrax-in asraaadaaunaaiaaaida
    10 para 11 do correnle e que a havia aconsellia-
    do a negar o facto pretextando tur sido coagida
    pela polica e que elle testemunha imuiediata-
    meiiie foi ter com Laurenlin:'. aliui de saber do
    accorde, ao que ella respondeu ser verdade tuao
    quanto dcscreveu no auto de perguntas que Ihe
    sraii fasta sajan s aaaaaasaai*saBaa^amarara
    sado a noite de 10 para 11 do correnle em sua
    casa. .
    Da la a palavra ao acensado pararontestar
    o depoiinento da lesteintinha disse elle:
    Que nao era exacto ter elle aecusado passa-
    do a noite de dez para raza do correnle em ca-
    sa de Laurentina como tambem nao ter pedido
    a pasroa alguma para Ihe comprar um chapeo.
    Disse mais, que no dia II docorrente, pela
    manhi. estando elle aecusado em seu estabde-B
    reo
    ao=
    ass'ig-
    - aVBtiatera=-cii-cum.stancias
    faviia-'do'r1' f
    .- t-recoammetteu o crime violentado
    rasdaw'irresitrvel ?
    Igniii iii saasios foram propostos quantrr ao
    Atli-edaiBaReiiio Crespo, e tambera quanto
    oirtros aecusadus exceptuando o 6" quesito.
    Recolhido o "onselho a sala das conferencias
    volttftaraasaia publica duaadMraairaepnia. com
    ihaistr em vista das quas* forasar ea
    iiras-abaaisaiis e condemnMla a jaraaici
    nM-su-iaasa
    O jurjpsppondeu sim, por tBW^ wl<>% o uao<)
    pc^saraasas a todos os quessatmiiaiiaos-i as
    reos- AutSBo Gomes de SauzaenAllr !o a) a%
    Terco.
    Para este acto de religiao e caridade pede o
    compareciiiiento dos Srs. offlciaes da guarda na-
    cional.
    EmiiolaaDo Sr. V. M. B. reeebetnos non-
    tera a quantia de 20000 para ser distribuida
    por 20 viuvas pobres as quaes transini'timos o
    cimento* ra Larga <(o Rosario uumoro desoitd pedido de resarem um Padre Nos*o pela alma de
    e sendo-lhe dito pelocaixeiro de seu eftabeleci
    ment de nome Jos Ferrera Callacio que na
    tfC. B. fallecida e;u Portugal.
    Fizeuio-: assim a distribuidlo :
    ra dolmnerador na noite de nove do crrente Viuva de Joao I.uiza Carneiro, Ihoradora em S.
    havia se dado am faoto criminoso que imputa- ifeongalo.
    que a polica andava
    (Contina)
    REVISTA DIARIA
    tUfwrre a rauatntu A" presidencia
    ia provincia do Rio Grande do Norte fot expe-
    didojpeto Ministerio do Imperio o seguinte
    UY1SO
    Rio a% Jafieiro, 30 de Janeiro de 1889.Illm.
    e"Exm ^r.-De possedo ollick) n. 16 de 12 do
    oorrentc mez, que acompanha a copia de um te-
    legramas da raesma data, expedido a essa pre-
    sidencia pela Cmara Municipal e comraercio de
    Mossor. representando sobre a urgeute neces-
    sidade (|e soccorrer os famiutos que, flagellados
    pela secca, afdu-in jiara aquelle porto, declaro a
    T Exc. que tendo ouvido os representantes da
    'provincia do Cear onde a calamidade tem as-
    sumid) maiosas proporyes, licou assentado
    como egra geral que nao se dessem soccorros
    em esmolas, mas em salarios por servicos em
    abras de utilidade publica, e que s em ultimo
    caso aos retirantes validos, que desejassem sahir
    para outras provincias prestassem os presiden-
    tes ii. ;sagens graluiUs nos vapores das compa-
    ajii- osteiras ou nos que fossem destinados
    ^^Koveruo geral a esse servico
    . Como, porm, na actual emergencia muito
    ha que seceiar da agglomeragao de grande nu-
    aiero !> individuos em pontos pouco salutares
    doltoral, que fcilmente se eonvertero em
    fccos epidmicos, convm que V. Exc.verihque
    se os ret;rant es na referi la cidade po-
    dem sem incoaf ates, ser dirigido-^ para
    tal ou qaalquer outra zona ainda nao
    attu- peloflagello onde o seu rabalho seja
    4e.il.i -n aprflveitada
    i-iirretanto. convrncer-se V. Lxc. da ne-
    . para evitar maior mal de facilitara
    reti da provincia, autoriso-o a
    io, i>or telegra
    providencie afirn de que
    i transporte-de relirati-
    l-ncia e que liverem calado
    .!. I
    az-
    ao ,
    os
    provn
    toman lo a sen bordo
    '' nos
    zas poder V.
    - pblicosum
    <
    irir oiro
    Ii '/. II 10
    n que
    n por diante, para o
    documenti
    r- o meu te le-
    gran
    \Moiiooliiaio da ra do Imperador
    \:it --lioiitein foi tomado o depoiinento de Ma-
    noel Jos Ramos, co-proprietano do estabeleci-
    iin-riio commercial ra larga do Rosario, de
    que se diria tambem socio Manoel da Paixo Ra-
    mos, o assassino do tenenle Pedro Regaard.
    Manoel Jos Ramos socio da firma Gongalves
    Lourenco *C, e o seu depoimento, contrarian-
    do o do assassino no ponto em que este asseve-
    rou ter passado a noate de 9 para 10 do corren-
    le no esiabelecimento citado e eni companhia de
    Manoel Jos Ramos e a jogar com elle, p6e pa-
    tente o cynismo do mesmo assassino, eviden-
    ciando a sua m f.
    Eis o auto de perguntas feitos a Manoel Jos
    Ramos:
    Respondeu:
    que, tendo fechado o seu estabelecimento
    no da nove do correte, as nove horas da noo-
    te, d'elle sabio um quarto de hora depois, diri-
    gindo-se para a travessa da matriz n. 18, onde
    esteve at pela manh do dia dez, de ond sahio
    das seis para sete horas da inanha para seu es-
    tabelecimento ;
    ' que, rara a vez que dorme em seu estabe-
    lecimento e isto mesmo nao acontece ha cerca
    de dous mezes :
    que, ao voltar para seu estabelecimento, en-
    controu Manoel da Paixo Ramos, o qual mo-
    mentos antes tinha entrado, dizendo-lhe apenas
    que ia para a Varzea assistir a fesla que all ha-
    via, convidando a elle respndeme, ao que re-
    cusou, dizendo-lhe que fizesse bom proveito e
    retirou-se Manoel da Paixo Ramos, tornando
    elle respondente a velo no Wia. onze, quando pas-
    sava preso para a secretaria da polica;
    que, effeclivamente eslivera jogando na tra-
    vessa da matriz n. 18, o jogo denominado sueca
    em companhia de Tranquilino Mafaldo de Souza
    Magalhes, Manoel Fortunato da Silva, negocian-
    te na cidade de Limoeiro. Mara Rosa da Silva e
    Joaquim de tal, estabelecido com holel na cida-
    de de Limoeiro;
    que, com relacSo ao assassinato do tenente
    Pedro Regaard, apenas ouvio no dia dez docor-
    rente pela uiaiili. que se tuhain dado uns fer-
    racntos na ra do Imperador, em um allemo e
    ara voz publica que o autor destes ferimentos
    ara Manoel da Paixo Raidos .
    Primeira testemunha.Tenente-coronel Her-
    culano Cavalcante de Albuquerque, disse:
    Que no dia 10 do corrente, as 8 horas da ma-
    nila comiuunicaram a elle testemunha que na
    noite do dia anterior havia|sido ferido gravemen-
    te o lente Pedro Regaard, do batalhao sob seu
    'ominando, por um individuo de nome Paixo
    Ramos e que dirigindo-se elle testemunha aoJRe
    Ofej veriheou ser exacta aquella noticia, nao s
    pelo que Ihe disseram diversas peescas, como
    tambem por ter estado no Hospital Pedro II com
    o mesmo tenente Pedro Regaard que Ihe dera os
    signaes do individuo que o havia ferido e sao os
    seguintes: Estatura regular, cor alaranjada, cheio
    do corpo e coincidiam com os do aecusado pre-
    sente ;
    Que soube mais ter Paixo Bamos seu pae no
    Mgar Varzea, para onde se havia dirigido, pelo
    que elle lestemunha dirigio-se ao Dr. chefe de po-
    Jtiiojiedindo-lhe a captura do aecusado presente,
    recebendo do Dr. chefe de polica um carto au
    torisando ao subdelegado d'aquella localidade a
    etteciual-a;
    Que no trem de 1 hora e 18 minutos da tarde
    elle testemunha em companhia do tenente Anto-
    nio Pedro Dionisio seguio para a Varzea em cujo
    trem tambem seguia Laurentina de tal em pro
    cura do aecusado piescute.;
    Que nao encontrando o subdelegado resolve-
    ram por si ver se encontravain o aecusado pre-
    sente o que nao conseguirain, sabendo entretanto
    que elle all havia estado, nao s por diversas
    orno por Laurentina que lhes dissera
    larab. m nao ter encontrado Paixo, mas que ha-
    Oi lo ter elle por al'i andado, o que foi cou-
    do pelo mesmo Paixas Ramos quando por
    i'lli- lestemuehs rii condolido para a Casa de
    Que voltaram da Varaea no trem de oito ho-
    i da noite. viudo tamLem no mesmo
    tn m Laurentina
    Que no dia n vindo de sua casa no trem de
    - e meia da manbS, tratar do enterro
    o da ra
    urora Ibtrfoi dito t '' '- '' 1U''
    io l-
    ente D-unizio no paleo do Paraiao, as"6 horas
    Queelli aaruiide
    otir o mesmo tenente Dionisio que s eotl-
    duzr, .do present o que elle testeoio-
    nlia effectivamente tez ja o.~ encontrando ao
    da ponte da comp;.nhia de trilitos urbanos
    i ru,i da Aurora e que d'ahi o
    diefatura Je polica nao encon-
    trando all auloridaa>*a guma, resolveram reco-
    vam para elle aecusado e
    em sua peocura, ao que elle aecusado respondeu
    que ignorava tndo isto, reeolvenHo m mesma
    occasiu mandar chamar o tuneni" I'Ira Dioni-
    sio aliui de saber pira que-o proeui-ava.neudo
    chesado depois o feneute yomsio ao estabele-
    cimento. foi-lne perfiuntado' para que o tmlia
    procurado, ao que Ihe responden Dionisio ser
    pelo crime praticado na ra do Imperador que
    unputavain a elle censado; que elle aceumdo
    resolveu ir com i) tenente Bionisio apresentar-
    se ao Dr. chele de polica, o que fizera, demo-
    rando-se elle aecusado naoiioina de carpinado
    mesmo lonisio, algura tMn- ia ao Arsenal de Guerra para de|ois alugar un
    carro para Ir com elle aecusado Secretaria de
    Polica, o que nao chegou alugar o carro por
    ter viudo com muila pressa o mesmo tenente
    Dionisio, sahindo ambos a pe dirigindo-se Se-
    cretaria de Polica, de onde voRou para a Casa
    de Detenco. E por nada mais haver dllo, maa-
    dou o subdelegado encerrar o presente depoi-
    inento que depois de lido o assigno Eu, llen-
    rique Francisco de Moraes, escnvfio, escrevi
    Setru Cavaleamte. -Herculano Cavalcante de Al-
    buquerque. -Maneel da Paixo Ramos.
    Ponte le Afosadoii -Informam-nos que
    a poule de Aoiad** est com o lastro, que de
    taboas, bastante cuagado, e ao ponto de cor-
    ivrem risco os trameiintes, visto como ha alli
    aberturas nolaveis pelas qua8"p9dem cahir ao
    rio crianens e at hornea*.
    Chamamos para isso a attenc. lo do- Sr. enge-
    niieiro director da repartido de Obras Publicas
    Provinciaes.
    Tribunal do Jury do Recife Fuuc-
    cionou hontem este tribunal com a presenta de
    37 juizes de facto no-julgamento dos reos Anto-
    nio Gomes de Souza. Altedo Eugenio Crespo.
    los Venancio da Silva, Jos Antonio da Silva.
    Antonio Mathias do Nascimento e Jos Francisco
    de Mello, todos pronunciados no art. 192 do cod.
    erial, por despacho do Dr. juiz da direito do i."
    districto.
    Deixou de ser julgado o co-ro Vicente de As-
    sis Tavares que requereu adiamento.
    Ao meio da principiou a sesso sob a presi-
    dencia ilo Dr. Antonio. Domingos Pinto juiz de
    direito do 5' districto criminal.
    Occupou a tribuna da aecusago o Dr. Io pro-
    motor publico da comarca Joao Joaquim de Fre-
    las llenrque, sendo oceupada a da defeza pelo
    bario de Nazarelh patrono do reo Antonio Gomes,
    Dr. Adolpho Tacio da Costa Cirne, advogado de
    Eugenio Crespo e Dr. Materno de Carvalho, como
    defensor dos uniros que declararam nao ter quem
    os defendesse.
    Foram sorteados para coinpor o conselho de
    sen lenca os seguinles juizes de facto:
    Joo (limaco iras Santos Bernardes.
    Joo Murieio de Abreu.
    Elias Cordeiro Cintra.
    Capilo Jos Roma de Abreu e Lima.
    Manoel Joaquim de Arruda.
    Thomaz de Aquino Medeiros.
    Barao da Soledade: .
    Manoel Gomes da Silva.
    Antonio Martins Viauna.
    Denlo Manoel de Castro Amaral.
    AgoslinlK) Jos dos Santos.
    Antonio Caetano de Olrveira Coragem,
    Deferido ao conselho o juramento legal e in-
    terrogados os reos, cada um por sua vez sendo
    retirados os outros para lugar d*onde nao podos-
    sem ouvir as respostas do que era interrogado,
    fez o eserivao a leitura do processo
    Consta dos autos que no da 21 de Agosto de
    1883 tendo embarcado com destino a esta cidade
    o major da praga do presidio de Fernando de
    Noroiiha Guilhermino I'aes Barrete, com receio
    de ser victimado pelo grupo de sentenciados
    que, dirigido por Vicente de Assis Tavares j
    havia praticado, assassinatos, nubos, estupros,
    violentado mulheres casadas e outras desordens,
    para feslejar a retirada d'aquelle major qlTereceu
    Assis um grande jantar e sahindo d'pois cora o
    dito grupo de sentenciados levando baifleira
    branca com cruz prela, ao som de bombo, vio-
    les e outros instrumentos e aos gritos de -viva
    a repblicapercorreu as ras do presidio e
    dirigio-se ao estabelecimento do senteaciado
    Joaquim Martins Gomes.
    Depois de haverem bebido n'aquelle estabele-
    cimento 18 garrafas de agurdente retiraram-ae
    lodoB e verilicando Martins que Ihe haviam fur-
    tado alguns geaeroi sabio um procura de Assis
    a quem queixou-se do furto que havia soffrido.
    Por essa reclamago que consideraran! una
    offensa, resolveram, Assis e seus companheiros,
    em conselho, ussassinar Martins o que foi real-
    sado brbaramente em casa do sentenciado Ma-
    noel Jos do Nascimento.
    Morto Martins, dirigio-se o grupo ao seu esta-
    belecimento que foi roubado sendo conduzidos
    os gneros em saceos para o sitio de Joaquim
    Martins de Moura.
    Concluida a leitura do processo obteve a pala-
    vra o Dr. promotor publico que desenvolveu a
    a usaco e pedio ao jury a condemnaco dos
    reos no grao mximo do art 192 do eodigo cri-
    minal pena de morte, visto que os reos ajus-
    t; i'do i para commetter o assassinato, o reali-
    saram a noite e com superioridade em forjas e
    armas de maneira que a victima nao podia de-
    fenderse cora probabilidade ^e repellir a offensa
    (art. 16 5| 1. ." e 17.).
    Obtendo a palavra o Baro de Naz .reth, patro-
    no do reo, Antonio Gomes de 3ouza. negou a
    autoria do delicio, allegando que o seu consti-
    tuinte fazia parte do gru di igido por Assis
    violentado por medo irresistivel, (art. 10 3 do
    cdigo criminal).
    0 Dr. Adcipho Tacio da osla Cirne advoga-
    do do reo Alfredo Eugenio Crespo negou tambera
    a respousabilidade do seu constituinte pelo as-
    iassinalo de Martins, tornando saliente a cir-
    cumstancia de rerificar-se dos au'os que os f ri
    mentes que n'lle praticados tinhain ame na
    extenso, devendo ter sido feitos pelo mesmo
    instrumeato e portanto porum s individuo.
    Finalmente o advogad dos presos pobres Dr.
    Jeronymo Malern i Pereira de Carvalho produzio
    za dos oiitm- reos negao lo por sua vs
    tere u sido eTIc os autores do delicio.
    i
    Terminado os debales e depoia le inq
    a jestemunhn Manoe los N i Dr.
    jlUZ de direito coc-
    ido p.ira julf
    ..... is da aecusa
    e defeza e pnp q
    Qu. | s de onza :
    i i) :-. ti i da !l de Agosto de 1883 n i pre-
    si lio "oiiua maten o Senten-
    ciado Joaquim Martin* Gomes como coasta de
    exatn- lg? a
    2-. 0 i'o coraraette o Crimea noite ?
    O reo corametteuo o crime con silperiOr
    ridade em arra is de modo que oolTen-
    diilo nao poda defender-s com proDa^ilidade
    derepellir affei
    nio Cresaasae nao por ou zar-voto* as primtirosi b' assn.
    , Sucretario vira.
    Thfsoureiro- lori
    Procurador JooM de V. Alves.
    Directores -Joo da Siha Noves, Olympio
    Mmezes e Ascanio A. G. mxoto.
    ttociedade l.itn-iiri:i (ionfaltei
    Da-Reunise, hontem, em as sembla geral
    extraordinaria, esta sociedade,alim de iniciar
    os trabalhos sociaes e proceder eleigo da nova
    directora que tem de servir duraut o trimesU'e
    ida Fevereiro a Aatyidand0>>8egiHatafastfri-
    dado :
    eleilo).
    1." vice-preiaaale^4ran' isemJos do Mello.
    2. vicc-piesidaaae Josa Paula Carneiro bato.
    1. secretarioB<)liraaa,Esdra*J-:ustaajnio.Em-
    quesitos relativos aos outrosu'os, joJ- Jtdttqica*'
    .judicadoaaaulemais.
    O presidaaie do tnbiMudasaraMeaada diuwn
    do jury quanto a Antonio Gomes de Souza e Al-
    fredo Eugenio Crespo, pura o Superior Tribunal
    da Relaco.
    Terminou ^o julgainento as 8 lf2 horas da
    noite.
    A sesso foi adiada para boje s 10 horas
    FitM nome \iwioiini Bata aaaoeacSo
    s 7 horas, rezar missas pela
    Pedro Regaard, na igreja io
    tairaasaia i
    da inania
    manda ainanh
    alma do tenente
    na ra das Cal-
    nova do escrivo Frederico,
    cadas n. 103.
    Hermelinda Sette, Viscotide de Albuquerque
    n. 64.
    Marra Auiran, Bebertbe.
    Maria Pires, travessa do Peixolo n. 78.
    Maria do Espirito Santo Pai va, Gaaapo Grande.
    Joauna Pires, Santa Rita n. 13.
    Alexandrina Mana da Conceico. Trincheiras
    n 48.
    Maria Magdalena do Nascimenlo Pires, paleo
    dd Terco n. 66.
    Maria da Conceico Mello1 Falco, Jasraiu nu-
    mero 12.
    Maria Candida da Silva. Campo Grande.
    Umbelina C. Virnes Dutra, Cotovello n. 20.
    Maria Carolina da ruz, S. Joo, Olinda.
    H.gina Honorata lacbme Assumpco, oito da
    Penda.
    Elvira Sobreira de Mello, Conceico n. 78.
    Candida Rosa de Torres, beccodo Cochixo nu-
    mero 22.
    Eugenia Candida da Costa, Imperalriz n. 43.
    Anna Maria do Kspirito-Santos, Lomas Valen-
    tinas n. fti
    Alexandrina Rosa de Menezes Souza, Amonio
    Henriques u. 8,
    Joanna Francisca Tavares, ruada Roda n. 13.
    Club MlrandAlaCom ese nome alguus
    mocos empreados no comiuert.io consliluiram
    um club que pretende apparecer nos tres dias
    do carnaval.
    KomasanrnioHontem, 10 horas da
    raauh, no largo da Paz, em Afogados, um me-
    nor que tentnu subir para um dos carros da
    companhia Ferro Carril quand. dito carro esta-
    va era movimento, cabio e Hcou com o p es-
    querdo esmagado pelas rodas do vehculo.
    0 accidente foi exclusivamente devilo im-
    prudente crianca, que, como outras, eslava ha-
    bituada a subir e descer dos carros d'aquella
    companhia, sem attenco as advertencias dos
    conductores.
    trienal de Mariana Pedem-nos a pu-
    blicado do seguinte:
    Como estava annunciado, foi hontem, s 3 e
    1/2 horas da larde,- raneado1 ao mar o cruzador
    Sieiuza, do servido da Alfandega, que a 17 de
    Notembro do ,anno prximo lindo foi col locado
    sobre a enrreira do norte deste Arsenal.
    Devido'ad se!o, actividade e pericia do in-
    causavel constructor naval o capilo-lente Ro-
    drigo Nuno da Costa, actual inspector e director
    de construccOes, e aos esforcs e dedicagao do
    pessoal artistico flcou' este navio em estado de
    ser hincado no mar em to curto espago de
    tempo."
    Ao acto coraparecerara o Exm. Sr. Dr. Inno-
    cencio Marques de Araujo Ges, presidente da
    provincia, os-Srs. Des. Ignacio Joaquim, RRieiro
    Vianna. Joo Livramento, as primeiras aatorida-
    des e pessoas gradas desta capital, innmeras
    familias, lodo o pessoal do Arsenal e numero
    avultado de pessoas' do povo, tendo sido cortada
    por S. Exc. o Sr. presidente da provincia a fita
    que prenda trra o navio, entre as harmonas
    das bandas marciaes da escola de aprendizes
    raarinheiros e do 2 batalhao de infantaria.
    Aps este acto, que esteve imponente, foi
    offerecido aos convidados-.e a telo o pessoal ad-
    ministrativo e artistico um profuso Inneh, onde
    foram trocados diversos brindes, sendo o Sr.
    inspeclor alvo das manifestagOes de apreso, de
    que incontestavelmente tem-se tornado credor,
    quer como director das ofticinas de construc-
    coaa navaes. quer como inspector sabendo alliar
    os de veres dos altos cargos que oceupa, com os
    que engrandece um carcter mano, probo e jus-
    ticeiro.
    Honra a aquel ks que visam no Irabalho hones-
    to o ponto de apoio a suas aspira'oes sociaes ;
    honra ao pessoal administrativo e artistico do
    Arsenal.
    Parabens ao Sr. capito-Ienente Rodrigo Nuno
    da Costa.
    Dinneiro O vapor Jaguaribe, da Compa-
    nhia Pernambucana, levou para o presidio de
    Fernando de Noronha 3:696*700 e para a ilha
    Rata 29037-I0.
    ConcertFoi transferido para quarta-feira
    20 do corrente, o concert vocal e instrumental
    que no salo do theatre de Santa Isabel d o
    Sr. Giovaoni Escolari.
    Fulminado por um ralo Mandaram
    dizer de Flores que, no dia 30 do mez prximo
    lindo de Janeiro, no lugar Curral Velho, foi ful-
    minado por um raio o individuo de nome Anto-
    nio de tal, alli morador. A morte foi instan-
    tnea. *
    Laraploa Pelo sobrado n. 11 da ra da
    Alegra penetraram os industriosos e passando
    pelo muro do quintal da casa visinha n. 13 con-
    duzram toda roupa queencontraram.
    O sobrado n. 11 acha-se desoecupado ha j
    algum tempo e os larapios quebrando o vidro
    de uraa das janellas, abriram ua e por ella pe-
    netraram.
    Nao satisfeitos com o furto, quebraram ainda
    os globos que encontraram em seu passeio.
    iervico miniar Esto designados para
    superior do dia boje o Sr. capito Francisco An-
    tonio de S Barreno, e para ronda menor o Sr.
    tenenle Jos Carneiro Maciel da Silva.
    A guarnico da cidade dada hoje pelo 14*
    batalhao de infantaria.
    As guardas da thesouraria e palacio sao
    cominandadas hoje.por 2 ofBciaes do 2.* batalhao
    de infantaria.
    Existem na enfermara militar 50 pracas
    dos cornos da guarnico.
    Funcciona hoje no quartel general o conse-
    lho de guerra a que est sujeito o soldado da
    companhia de cavallaria 'ermenegildo Gomes
    t'ereira sob a presidencia do Sr. coronel Frede
    rico hnstiano Buyz.
    FacadaHontem, s 5 e meia horas da tar-
    de, na ra do Imperador, prximo Pharmacia
    Critial, Maria Emilia da Silva Braga, encon-
    trando se cora Joanna Baptista Ncporauceno,
    cora quera andava intrigada, travou lucta com
    ella.
    Intervindo para affastalas Antonia Vicenr.ia
    do Espirito Santo foi esta ferida or Maria Emi-
    lia, que Ibe deuuma facada no'peito esquenlo.
    A delinqu-ule foi presa pelo Sr. tenente e
    pharmaecutico Jos Francisco Billencourt, que
    a entregoii a polica da parocbia de Santo An-
    tonio.
    A fendida, cujo ferimento grave, depois de
    eiro curativo na ph irma. ia i
    mdaaida p i I Pedro II.
    Mana Emilia e Joanna BoBUSlu foram i
    i guarda cvica, e a primeira
    racolbila ftCasa d etenco depois daquell.-
    Nociedade llerrenlita Bella I nio.
    em Olinda Res dveu esta associaco n.'BYo-
    xiino -ubbadole carnaval i de Marro dar una
    iciados. A diix-cloria icou
    aposta :
    PresidenteArthur V. Pereira da Silva.
    2" secrelarioErase*) uems Bsete (re-
    el'-Hoi.
    Mtiblio'hecario daatln N'jbaaaas aV^iiajta*?'
    ThesoureiroPaulo de Freas Fragoso ire-
    i-ll'itO,.
    Orador-Gaspar Antonio V. Gutmares (re
    eleilo).
    ViceoradorFrancisgo Pedro de Araujo Fi
    lbp.
    Director de aulasJoo Barbosa -los Reis.
    Cotnoiissao de svndicancia
    Relator-Francisco de Mello.
    Membros mtnto Carajur e Paulo Fragoso.
    (ominiss-jo de redaeco
    RelatorGaspar Guimai-aes.
    . MembrosJuvenal osla e Tito Rosa Filho.
    Commissao de reviso de theses
    RelatorJulio Lorcto.
    MembrosJoas Paulo e Alvaro Arnoso.
    Foi noraeado o dia 21 para a posse da nova
    directora.
    He\iNtn llluMtradatRecebemos da cor-
    le o n. 534 desde escellente semanario, alli pu-
    blicado pelo Sr. Angelo Agastini.
    PUtMioloartm rio pratter Sr. ;. L.
    Garnier, conheridissimo editor do Rio de Ja-
    neiro, acabado obsequiar-nos com a obra em 2
    vo'.umcs, do Dr. Pedro Hantegazza, intitulada
    Phisiolo?ia do prazer, tradueco do Sr. Visconde
    de Coaracy.
    O livro do eximio escriptor, de quera por
    muitas Seaes havemos |iublicado excellentes
    excerptos, digno de ser lido. E' um precioso
    trabalho de observaco c de analyse anatmica
    do homem Motaf.
    < lu %(ir" idorctdo sello *rxo
    Kunccionou anldiontera esfti sociedade para ele
    gor nova direclori:! a qual lieo assim o'rg-mi-
    sada :
    Presidente -Jos Freitas de Souza Magalhes.
    Vice-presidente -FranciscoGomes Villaga.
    I secretario-Joo Freitas Souza Magnlbes
    2o secretario -Cicero Rodrigues de Oliveira.
    Thesoureiro -Eulogio Jos de Oliveira
    OradorArthur AlIVedo dos Santos.
    Procurador geralAntonio dos Santos i. Si-
    queira.
    Fiscal -Antonio de Souza Mello.
    Manto Amaro dan SalinMWCo:n.iit-
    nicara-nos :
    t A fesla do Glorioso 'anto Amaro que se ve-
    nera na sua capclla das Salinas, est detinitiva-
    raente marcada para o lia 24 do correnftt.
    .-' actual meza rege lora nao leas poup.ido
    esforcs para que este anno ella soliresaia aos
    demais anuos.
    Acaba de serconlractadoo impolante diyer-
    liinento intitulado ('.uvulhadas com os prinieiros
    corredores residentes n'uina dasjddades visinhas
    esia capital.
    As c numisses, dio hoje cafceco a collecta
    das prendas que teeui de coflstnufr ura grande
    bazar.
    0 fog.) artificial, tendo Wdo coniiado a ura
    perfeito artista, constar de importantes pecas
    raleiramente novas.
    Crdito de r*,0M> cont* l.emos na
    Gazeta de Noticias da Corte, de 3,do corrente :
    O crdito de 3,000:000000 concedidos ao
    ministerio do imperio destinado a ser empre-
    ado dete modo:
    3,000 contos para a drainagem profunda da
    corte, segundo o systema Rvy.
    1,000 coctos para a construego de um hos-
    pital nennanente, destinado a epidemias, para
    ambulancias, e ou ras necessidades de urgencia
    na actual epidemia.
    1,000 contos para acudir s provincias do
    uorte assoladas pela secca, principalmente o
    Cear.
    Relo agento Martias, oas ti boras,
    Padre Floriano n. 48, de movis, loucas.
    e muitos outros objectos.
    Amanha :
    Pelo agente Silveira, s 11 horas .rua do Im-
    perador n. 45, de predios.
    Pelo agente Pinto. s*U horas, ra do Mr-
    quez de Olinda n. 52, de urna parte de casa. aj
    Mcnnu fnebre*Serao celebradas:
    A's d.boras, na igtreja da Congaegaco, pela
    aimadavA Tliomazia l'mbeliim dfe Lima e S.
    FaasBascir.-n-Sahidos paraca Europa no
    yaponBaacez Vtlle de Cear :
    AdriaOsarie assy e i criada, A Ducasble e 2
    hlhos, Fraacis-o Altiori, Gamillo Garrido Pinhei-
    ro, Jos aapozo Cabral e 1 filho.
    SiLiides para Eeriiando no vapor Jagaaribe:
    12 pBMaaxlQ 21 e l batalhfio de infantaria,
    nina-muliierv ura IMku de urna praga
    OiA-' lorii duulinu le onoerva-
    ro do* Porto* de Pernambuco -Reci-
    te. 13 de Fevereiro de 1889.
    Bolelim meteorolgico
    = a Barmetro a 0' 761-37 762-53 762-12 760"'77 761-29 Teaso do vapor 19,84 20,70 20,27 20,21 20,18 o a
    nortM o 7Z '5 5 B
    6 m 9 i 3 t. 6 :V-1 27--7 29-2 28"-l 78 74 66 71 75
    Temperatura mxima29",30.
    :)tn mnima 25,50.
    Ev.ipora-o em 24 horas -ao sol: 4,9 ; som-
    bra : 4-,9.
    Chuva0-,
    Direcco do vento : SE de meia noite s 6 horas
    e 13 minutos da mann SSE al 7 horas e 20
    turraros : ?E at 1 i horas 30 minutos da tarde;
    ESE a' meia noite.
    VelocidadeMaedB do vento: 2"33 por se-
    gundo.
    Sbulosidpde rndia: 0,78
    Boletim do porto

    i.a H1 Dia Horas 910 da manhft 3 -41 da tarde 9-56 417 da manha Altura
    i M P M B M. i'. M. 13 de Fever. 14 de Fever. 0-62 2-,23 0-,44 2-,22
    * Nonibrio de*ferno Lemos na raesma
    foHia:
    O cemiterio de S. Francisco de Paula foi
    hontem, s 4 horas da larde, iliealro de urna
    Scena tristissima, sombro desfecho de um dra-
    ma intimo.
    Poucos minutos antes da hora indicada, vio o
    Sf. Manoel Franeisco Salvador dos Anjos, admi-
    nistrador daquelie ceimterio. entrar um indivi-
    dua alto, be n propo cionado, deformas.athleti-
    cas, todo vestido de preto, e diri-ir-se lentamen-
    te para mil-irrmnto, beira-da qual ajoelhou-se.
    Em segaida, arredando nma grinaida que estava
    sobre a podra mortuaria, e raystcrioso indivi-
    duo uuio as mos, em altitude de quem orava.
    Momenios depois, entrn urna scbhora,
    acompanhada de ura moco. Dirigio-se este ao
    administrador do cemilerio e perguntou-lhe se
    nao estara alli um homem de nome Carneiro. O
    administrador apontou para o lugar onde estava
    ajoelhado o individuo. Reconheceram ento os
    dois que era a pessoa que procuravam.
    Dirigiram-se elles para o lugar onde esta-
    va o citado individuo, que, aos vel-os, tirou um
    revolver do bolso e desfecuou to certeiro tiro
    sobre o corao, que cabio morlo instantnea-
    mente.
    O infeliz suicida era Joaquim Feliciano Al-
    ves Carneiro. e as duas pessoas que por elle ha-
    viam perguntado ao administrador de cemilerio,
    eram sua senhora e Ral Cardoso, amigo do
    suicida.
    O administrador do ceraiterio, que havia as-
    sistido a toda esta 'ugubre scena, mandn im-
    mediatamente chamar o Sr. Eneas Pontes, sub-
    delegado do Espirito-Santo, que compareceu
    com c Sr. Dr. Silva Mattos, Io delegado de po
    licia.
    Arrecadou esta ultima auroridade urna car-
    ta dirigida ao Sr. deserabargador chefe de poli-
    ca, carta encontrada em poder de Alves Car-
    neiro. Nella declarara o infeliz que tres moti-
    vos o le va vara a por termo aos seus dias : o mo
    estado dos seus negocios, a perseguico que sof-
    fria dos credores, e a ingratido de alguns ami-
    gos.
    Tambem foram encontrados um diploma de
    irmo da ordem de S. Francisco de Paula e urna
    carta dirigida administrago daqifella ordem,
    na qual pedia para ser enterrado naquelle cerai-
    terio, onde se suicidara, e que o sepultassera
    vestido como estava.
    Na mesma carta pedia elle a sua senhora e
    administraco da citada ordem, que nao raan-
    dassem dizer missas por sua alma, nem collo-
    cassem pedra mortuaria sobre a sua sepultura.
    O infeliz suicida linha feilo parte da tirina
    Carneiro 4 Tavares, photographos, e ha cerca de
    dois mezes dissolver a sociedade.
    As pessoas que o conheciam, affirmam que
    ltimamente Carneiro pareca ter urna preoecu-
    pa^o que Ihe annuviava o espirito. Andava
    sera pre triste, sombro, e poucas vezes, rarissi-
    raas vezes mesrao, o viain sorrir.
    ite-bontem passou elle todo o dia em sua
    casa, ra do Conde de Bomlira, cora sua se-
    nhora. tarde recebeu a visita do Sr. Ral
    Cordoso, de quem era muito amif;o. Ao retirar-
    se Cardoso, pedio-lhe elle, que o esperasse no
    dia segrate (honrem) na ra de Gonpalves Das
    liara trataren) de ura negocio a que hgava gran-
    de nteresse.
    Avisad. por carta que seu marido havia
    deixado de que ia elle suicidar-se, a pobre se-
    nhora correu a procurar Cardoso, o amigo da
    familia, e com elle dirigi se ao cemiterio indi-
    cado na sarta, onde assistio tristissima scena
    de que eabamos de dar noticia.
    O tmulo b-dra do qual suicidou-se o in-
    feliz Carneiro, era de sua familia.
    Corno lisseraos, desfechado.o tira cahio ful-
    minado o suicida. Foi sen corpo encontrado ca-
    bido de costas sobre o tmulo.
    A> 11 lo esquerdo eslava o revolvx:
    capsulas intactas e u na dlo iada.
    . o revi lver arrecadaila pelo 5.\ Dr. Si-
    *, lieui como a quantia de 24W0. sendo
    %i era papel e 400 ivis am nickel.
    0 qadiver foi depositado na capclla do ce-.
    pro edero boje os mdicos da
    ideaco do bito.
    ^eildkea Elfecluar-se-no os segum
    - Hoja:
    Pel agente Stenple, s 11 boro, a ra do
    Imperador n 39,.de um importaule terreno para
    um predio.
    Kouno aaelattllavera domingo a se-
    L'uinle: ,
    Do Monte-Pi Typographico l'ernambucano. s
    10 lioras da manliu, na sede social ra do Co-
    ronel Suassuua n. 41. 2J andar, em assembl*
    geral.
    Cana de DetencoMovimento dos pre-
    sos dd Casa de Detenco do dia 13 de Fevereiro
    de 1889.
    Exisliain i24 ; entraran) 5; sahirara exis-
    tem 424.
    A saber:
    Natiodes 392 ; mulheres 11; estrangeiros 21.
    Total 424.
    Arracoados 379.
    Bons 365.
    Doentes 14.Total 379.
    o*pital Pedro II-O movimento deste
    estabelecimento de dari-Jade, no dia 12 de Fe-
    neiro. foi o seguinte ;
    Entraram '0
    Sahiram 14
    Falleceram 3
    Existem 576
    Foram visitadas as respectivas enfermaras
    pelos Drs.:
    Moscoso s 8 1)2, Cysnciro a.- 10







    Ma,
    Poutual
    Barros
    as 11,
    briSonho s 7, Malaquias s 9.
    Estevo Cavalcante s 8 1|2.
    Nao comparceram os Drs.:
    , Berardo.
    3imes Barbosa.
    O cirurgio dentishi Numa Pompilio s s 1|2
    horas.
    O pharmaceutico entrou s 81|2 da manh e
    sahio s 3 da tarde.
    O ajudante do pharmaceutico entrou s 7 l[2
    da manh e sahio s 4 horas da tarde.
    Lotera do tiram-ParaA 2* parte da
    i' lotera, dessa provincia, cujo premio grande
    60:0001000, ser extrahida, sabbado, 16 de
    Fevereiro.
    Cemiterio PublicoObituario do dia 13
    de Fevereiro de 1889.
    Maria Emilia Silva Braga, Pernambuco, 20
    annos, solteira, Graca ; luberculose.
    Ilermirio, Pernambuco, 7 raezes, Boa-Vista ;
    febre amarella.
    Manoel Francisco de Mello, Pernambuco, 60
    annos, solteiro, S. Jos ; tubrculos pulmonares.
    Francisco, Pernambuco, 4 annos, S. Jos: t-
    tano
    Manoel, Pernambuco, 16 annos, solteiro, S.
    Jos: anazarca.
    Francisco Gaudiano da Silva, Pernambuco. 19
    annos, S. Jos; tubrculos pulmonares.
    Manoel, Baha, 24 annos. solteiro, Graca : lu-
    borculos pulmonares.
    Um feto, Pernambuco, Boa-Vista ; asphixia.
    Um feto, Pernambuco, Santo Antonio.
    Manoel, Pernambuco, 3 mezes, S. Jos ; con-
    vulsoes.
    Um pouco de tudo
    Disse o Jornal do Commercio da corte
    tertido carta particular de Manaos, de 11
    de Janeiro, no qual Ihe indicam uteis re-
    sultados colhidos pelo nosso incansaval
    compatriota, Sr. J. Barboza Rodrigues, de
    excurso que realison s cabeceiras da
    rio Javary e ao Per.
    Na sua longa e spera viagem achou-se
    o Sr. Barboza Rodrigues em contacto coas '
    muitas tribus (Tikunas ^argurenas) Coca- '
    mas, Y natillas, Oregones, Geveros, Cauichia*
    nos, etc., havendo tido occasiao de assis-
    tir a differentes festas e solemnidades in-
    dgenas entre as quaes o velorio de um
    morto. Tirou photographias de diversos
    typos ede varias paisagens e augmentou
    o seu cabedal, notoriamente opulento, d#
    dados referentes ethnographia e pre-
    historia sul-americana.
    A viagem do Sr. Barbozu Rodrigues foi
    ainda interessante pelo aspecto da botni-
    ca e da paleontologa. Com effeito, al ni
    de ter achado tres Strychnos, at agora
    desconhecidos, descobrio urna palmeira
    nova do genero Astrocaryum e exemplares
    notabilissimos da fauna fossil.
    Tinha o nosso. esplorador, havia tem-
    pos, descoberto os restos de urna tartaruga'
    fossil, Emys quaternaria, e um dos fina
    da sua excursSo era recolher no leito do
    Alto Solim3e8 um esqueleto inteiro do
    animal. Nao o tendo conseguido, em ra-
    zao da altura das aguas, teve comtudo a
    fortuna de descobrir parte de urna ossada,
    perfeitamente petrificada, de outra gigan
    tesca tartaruga fossil, qual impoz- a de
    naininacao de Emys macrococygiana, achan-
    do-se o 0880S e parte do casco em bom.
    estado da conservacao e podndo assim
    dar caracteres muito claras.
    As dimensSes segifintes dSo idea do ta,-
    manho do precioso fossil: Una elavicu-
    l tem o dimetro de 0m,0, quando a
    Jas maiores hodiernas nSo excede df
    0m,0l. A primeira verte
    pesa 1,366 g animas, teudo Om,l-d<'
    pri nento e Oui,li de danretroj qi
    dimetro da? aptuaes nao tem mais
    Om, 025. O osso coxal, que hoje a2i) at-
    inis de Ora, 1,2, medo :
    fossil 0in,5O.
    E' descoberta (diz o no
    tanto mais interessante qu
    a nao ser a tartaruga de Perpignan, ne-


    f.t
    r
    V
    r
    1


    ca apriiii''
    Corn a mesma oseada, e junto della,
    achou tambera o Sr. Barboza Rodrigues
    um ca angueijo fluvial do genero Ampulla-
    ria, igulraente petrificado e de tamanho
    i disforme. Os maiores que ora existem no
    [Amazonas raedera <>rn,15 no raaior dia-
    etn da espiral. Este dimetro de 0m"021
    no petrificado. Lavados e' despejados da
    " argila (no os envolv*, tnostraram-se lus-
    trosos os 08sos e prctos como Abano.
    De cada urna das suas recentes desco-
    bertas far o Sr. Barboza Rodrigues
    objecto de especia estudo, enriquoeendo
    por este moda o inventario, j numeroso
    dos subsidios com que teui concorrido
    para o progreso da sciencia, sobretodo
    na esphera da botnica, na qual o seu
    nome est ligado a pesquijas c dosoobri-
    Dinrio d^ Rfei?nainbuco--S'Xftrw^ 15 de.Jevereiro de 86d
    la estaba
    veto mu
    tiJi-

    !

    I
    mentos de snmma valia.
    * *

    No Diario Oficial de Goyaz de 24 do
    passado l-se o segninte :
    A 16 do corrate, em commemora-
    co ao aunivorsario da adhesao da provin-
    cia independencia do imperio, realzou-
    se com grcuido pompa e regular concur-
    rencia de povo a inaugura cao o obser-
    vatorio astronmico e meteorolgico que
    0 Dr. Julio Alves da Ounha, engenheiro
    fiscal das obras civis o da navegaeo flu
    vial da provincia, emprehendeu fundar e
    levou a ett'eito entre nos.
    *0 pavilhao para esse fim erigido
    de scelo quadrada, medindo 4 metros
    face, todo construido de solida alve-
    ttaria de tijolos, rejuntados com argainas-
    sa de cal e areia, e assente sobre fuuda-
    cSo de pedras ligadas por argamassa forte.
    Para maior embellesamento, foi orna-
    mentado com moldaras de ordem toscana
    adaptadas ao genero de construccao. So-
    bre o entablamento foi levantada pa ti-
    banda que limita a rea superior ou so-
    ta, sustentada p0| pranchoes de arocira,
    qual (Li accesso urna escada provisoria
    de madeira de lei, por abertura protegi-
    da por urna elegante guanta de madeira,
    de gosto ohiuez, pintada a oleo. O pavi-
    lhao est collocado em urna eminencia de
    terreno sito margen da ra Ernestina,
    e teiu a frente perpendicular direccao
    da traba meridiana. A inauguraca o. esta-
    va marcada para meio dia porm, devido
    tarde effectuoii-se.
    Desde a manha desse dia foram os
    instrumentos definitivamente installados no
    pavilhao.
    Para as observares astronmicas lis-
    p8e por einquanto o olwervatorio do tho-
    odolito de sestoule e de dous excellentes
    chronoinetros, um dos quaes traz a hora
    do Kio de Janeiro.
    Dos effeitos perniciosos do uso do fumo
    tem-se dito muito. Agora mesmo lyer-
    sen assignalou ao Instituto ennadiano de
    Teranto a terrivel influencia do fumo e
    do alcool sobre o sentido da vista, in-
    fluencia que determina s veres completa
    cegueira e de ordinaria precedida por
    dores do coiacuo c irregularidades do ap-
    pefrte. e principalmente, perda da me- j
    moria.
    Toda a medalha, porm, tem o seu re-
    verso, uso d> fumo tem achado quem
    o'preconi>l' por grandes vaiftagens. O
    Dr. IVcholin, professor da faculdade de
    Montpcllior, assignalou a utilidade do f-i-
    mo pomo preservativo do colera e da :
    beCculoae pulmonar. Varios mdicos nor-
    te-americanos declarara recentemeute ter
    observado que os fumantes foraia preser
    va is da febrs unarella.
    A estas noticias accrescenta o Cosmos
    que, segundo tkJkeiMdtScientifica expe-
    riencias de Tassinari, baviam posto em
    evidencia ter a fwuaca e tres qualida-
    des de charutos retardado > desenvolv-
    ment', de microbios e feito cesaar inteira-
    mente o dos bculos do cholera asitico
    e di febre typhoide, sendo no emtanto
    muito menor o ctTeito da fumaea do ci-
    garro, mesmo sobre os bacillos que .1 dos
    charutos mata.
    Lembrad > estaro os leitores ue que
    um Sr. Vervaet, redactor de urna folha
    pomposa::i -nte iititulaibi l'nwomt Com-
    tnercial pie se publicava- em Bruxellas,
    disparou um tiro de revolver pela janelia
    do consulado da Repblica Argentina, de
    que chele o >Sr. Beecar.
    1 >rvaet havia utabolado negoeiacoe*
    com 0 Sr. Beecar para favorecer, median-
    te Bubvencao, a emigrayo para a Rep-
    blica Argentina, qual. como sabido,
    gasta largamente para esse fim.
    Houve longa contestacao entre o con-
    tar tanto os aforos, pela imposibindac*e
    da queima das ro
    Os nossos "agricultores terlo hojeno
    servico meteorologa) bussola segara para
    guiarem-se nos scus labores.
    Alm de scieutifico, de enorme al-
    cance pratico o servico que boje vemos,
    com satisfacao, inaugurado nesta capital.
    1 A temperatura do lugar ficar, depois
    de observacao animal, determinada, e en-
    tlo conhecida a linha isothermica que
    o corta.
    < orno justa o merecida homeuagem,
    ao Sr. brigadeiro Felicseimo do Espirito-
    Santo, digno e honrado l1 yice-presidente
    da provincia, em exercice, foi collocada
    na frente do edificio a seguate inscripcao
    em letras de relevo, abertas sobre exoel-
    lente pedra olar, tar eommura em nossos
    terrenos :
    Observatorio Astronmico. Adminis-
    trado do Exm. Sr. brigadeiro Felicissi
    mo do Espirito Santo.Execucao do en-
    genheiro Dr. Julio Alves da Ounha, 16 de
    Dezembro de 1888. >
    Olinda
    Subscripcao .levantada que, em favor da lam
    lia do desventurado tenente Pedro Kegaard, br-
    baramente assassinado no Recite, foi aherta en
    tre os moradores da velba eidade de Olinda
    Francisco Fioueirda de Faria
    el Pfocopioda Silva
    Frailis) Antonio Terxeira de Farias
    Mo Soares Raposo
    Alpheu Soares Raposo
    Jos Augnsto Teixeira de Farias
    INDICARES DTEIS
    .Mdicos
    Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto
    rio aberto ra Duque de Caxias n. 74, das
    12 s 2 horas da tarde, e desta hora era dian-
    te em sua rssidencia ruada Santa Cruz
    n. 10. Especialidades molestias de se-
    nhoras e criancas. Telepbone n. 326.
    Dr. Joaquim Is/uieiro medico e parte i -
    ro, consultorio ri\a do Cabug u. 14,
    1." andar de 12 s 2 da tarde; resideucia
    no Monteiro.
    Di: Barretto S meio-dia s 3 horas no 1.a andar da casa
    a ra do Barao da Victoria, n. 51. Resi-
    dencia ra Sete de Setembro n. 54, en-
    trada pela ra da Saudade n. 25.
    Dr. astro Jess medico e operador.
    Pltica a lavagem do tero quando e co-
    mo aconselhada. Consultas das 11 s
    o da tarde em sua risidencia ra do
    Bora Jess (antiga da ruz) n. 23, 1.a
    andar.
    Dr. Joo Pardo, especialista em partos,
    molestias de senboras e de criancas, com
    pratica nos hospitaes de Paris e de Vienna
    dAustria, d consultas de 1 s 3 horas da
    tarde em sua residencia ra do BarSo da
    Victoria n. 59, 1 .* andar. Chamados a
    qualquer hora.
    r. Ribeiro de Brtto d consultas de
    meio dia s 3 horas da tarde, no 1." an-
    dar a ra Duque de axias n. 46, poden-
    do ser procurado para chamados na saa
    residencia na do Hospicio n. 81. Te-
    lephone n." 303.
    Advogados
    O bachnrd Witruvio Pinto Bandeira,
    pode ser procurado ra do Imperador
    n. 71, 1.- andar.
    O Dr. H. yiilet mudou o seu escripto-
    torio de advoeaeia, para a ra do Impera
    dor n. 46, 1" andar, salada frente.
    Oecullsta
    Dr. Ftrreira. com pratica nos princi-
    paea hospitaes e clnica de Paris e Lon
    dres, consultas todo6 os das Jas 9
    horas dao meio-dia. Consultorio c resi-
    20.
    Serrarla a vapor
    Serrara a vipor : oficina d$ oirapinc
    de Francisco dos Santos Mace lo, caes do
    Capibaribe n. 2o. Este grande estabele-
    eimento, o primeiro da provincia neste
    genero, compra e vende madeiras de todas
    as qualidades, serra madeiras de conta
    alheia, assim como prepara obras de cara-
    pina por machinas e por procos sem dom-
    pe t ene a- -Pernambuco.
    Drogara
    Faria Soorinho & I ..droguista por ata-
    cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
    Francisco Manad da S'lva & C, deposi-
    tarios de todas as especialidades pharma-
    emitieas, tintas, drogas, productos chimi-
    cas e medicamentos homeopticos, roa do
    Mrquez de Olinda n. 23.
    PUBLICARES A PEDIDO
    Dra sacerdote
    Um conego
    Dr. Antonio Estevio de Oliveira .
    liui anouyiiio
    Silvio Luchis
    (Custodio da Silva Pessoa
    Joio Francisco da Lapa Jnior
    Joo Pinto da Costa Souto Maior
    Joaquim O/Uiaiino Goncalves
    Samuel de Lima Botellio
    Mai.oet Ferruira da Cruz
    Kuzebio Beltro
    ' edro Marques
    Viud Marques da Silva
    Antonio Bra^a
    Jos Nunes de Oliveira
    D. Amelia Torres
    Vanee! Alca itiludo Torres
    Candido Guedes Alcoforado
    Floreotino Nunes de Mello
    Gentil Gusmao
    Um anonyrao
    Adolpho de Mello
    Emygdio Jos de Sant'Anna
    Joao da Malla
    Mendes
    Mariano F. Ferreira
    Frofessor Pula
    Antonio Pires de Carvalho
    Fernando Caetano Chaves
    Manoel da Rocha
    Augusto P. Hamos
    Antonio da Silva Carneiro
    Emilio Soares'
    Professor Moraes
    Jos Joaquim de Sant'Anna
    Antonio de Mallos P. Guimares
    Ulysses Colombo
    Domingos Duartc Ferreira
    Reg Valenca
    Um ann y mi
    Jos Carneiro
    Manoel Frazo de Alencar
    Antonio Tavares
    Antonio Caslro
    L'm anoayiDO
    Astolplio Adolpho de Paiva Vianna
    *
    Conego Jos Vaz Guiterres
    Padre Jos Gil Vaz
    Joo Cancio Prospero Montanha
    Ambrosio F. de Barros Leite
    Elixir depura-
    tivo vegetal.
    Formula de Angelno Jos
    dos Santos Andrade
    Approvadoipela Inspectorio Geral de Hv-
    giene l*uolica do Rio de Janeiro em 20
    de Julbo de 1887.
    Este depurativo de grande efficacia as mo-
    lestias syphiliticas e impureza dosangue ; assmi
    como em todas as molestias das seuhoras.
    Tem curado radicalmente inultas pessoas -ac
    coramettidas da terrivel molestia beriben.
    MODO-DE USAR
    Os aoultos tomaro qu-jtro colheres das de
    21000 Hopa peta manha e qaatro noite. As eranra?
    104000
    5*000
    5*000
    l*i'00
    J*OK)
    liOOO
    2*000
    2*000
    oOOO
    (XK>
    1*000
    1*0"'0
    2*000
    llMX
    2*0i K)
    I 100! 1
    1*0110
    2*000
    1*000
    2*000
    1*000
    5*0
    240U0
    2*000
    2*000
    000
    500
    l.'OOO
    2*000
    24000
    de 1-a-S awsoWDmaifio nma colher pela mann
    e outra noite, e os de 5 a 11 anuos .omarao
    duas colheres pela manha e duas a noite. Dc-
    verSo tomar banhos fri ou morno pela mikuha e
    noile. nesguardo regular.
    Encontra-se A venda na drogara dos Srs
    Francisco Manoel da Silva & C, ra do Mrquez de
    Olinda n. 23 e pharmacia Oriental ra r.tr'-
    ta do Rosario n. 3.
    Somnia
    2*000
    i'OOO
    1*000
    1*000
    2*000
    1*000
    2*000
    1*000
    1*000
    1*0(X)
    2*000
    2*000
    2*000
    2*000
    2*000
    2*000
    5*000
    2*0 0
    1*000
    1*000
    2*000
    2*000
    3*000
    2*000
    1*000
    1*000
    117*500
    .--------**m
    densia ra Larga do Rosario n.
    O bacharel Julio Augusto da Cunha Ji-
    marScs, secretario e fiscal da Meretissi-
    ma Junta 1 ommercial do Recife, em
    observancia da disposicao do artigo 41
    do decreto h. 9828 de 31 de Dezem-
    bro de 1887.
    Cerlilico que us seulencas proferidas nos au-
    tos dcaggravo entre parles ag^ravantes Pereira
    Penna C. aggravados Carlos de Anuda C.,
    sao do tbe r seguinte :
    A Junta Conunercial do Recife tomando ein
    consie^eraca u allegado pelos ag^ravantes Carlos
    d'Arruda 7 C, ex socio da Arma Ventura Pereira
    denna & C, em sua minuta de folhas 10 e 11
    verso e o que consta da fiel e exacta informacao
    da secretaria desta Junta de folhas 13 e 14, da
    qual resulta a verdade de nao ter esta Junta con-
    frontado a marca dos aggravautes Carlos de Ar-
    roda & C, registrada sb o 1. 221 a 22 de Mar
    eo ultimo, com a dos aggravados Pereira Penna
    & C, quando soliciiaram o respectivo registro,
    pelo que confrontando-as e acbaa'iu queas ag-
    gravados imitardin parcialmente a marca dos
    aggravuntes. e, tendo em vista as artigo 8o n. t da lei n. 3346 de 14 de Outubro
    de 1887 c artigo 9* n. 6 do regulamento n. 9828
    de 31 de Dezembro de 18S7 que preliibem ex-
    pressamente o registro de marca que contiver
    -iniitaco total ou parcial de marca j registra-
    se para producto da mesma especie, que possa
    indnzir um erro ou confusio ao comprador; de-
    vendo consiilerar-se veritica'la a possibilidade
    de erro ouconfusiio semjne que as differengas
    nao possam ser Wi ililiwTilli sem exame atten-
    to ou confronlfo.
    Reforma por isso o despacho proferido em ses-
    sao 1'en-ira Penna & C, de cuja lirma sao socios
    Jos Pereira IVnna e Bento tarboza, para o tiin
    de ficar sem etTeito o registro n 242 da marca
    Indiana que ser trancado ou concellado, e
    c,i--j ios o segundo e terceiro exemplares da
    dita marca que se acham em poder'd>s aggra-
    vadfts. e annexando-os a este processo, Hondo
    salvo aos me? 'os aggravados a interposicio dos
    1*000 O autor deste preparado poae ser procurado
    * lia ra do ifarao da Victoria n. 37, onde ser en-
    contrado para dar toda e qualquer explicacao
    que for precisa.
    Atteno
    N. 43
    nim. Sr. Angelno Jos dos Santos Andrade.
    Amigo e senhorTendo miaba senhora soffrido
    por espaco de 30 annos mais'ou menos, da ter-
    rivel molestia erizipella. da qual ha 2 anuos a
    esta parte, accommettia a miudo a ponto de re-
    petir-lhe duas vezes ao dia, e tendo esgotado
    todos os recursos mdicos sem delles ter o
    menor lenitivo aos seus sollrimentos a 6 mezes
    uiis ou menos : um amigo me jconselhou o seu
    Elixir puricador do sanguc. sera f fui com-
    prar urna garrafa, e appliquei, a qual operan
    urna maravilha, porque at a data presente nao"
    appareceu mais o mal.
    Destas poucas linhas que s contm a vern-
    da, far o uzo que Ihe aprouver.
    Recife. 2 de Marco de 1888.
    Jos Pereira de Alcntara Brando.
    N. 44
    Ilhn. Sr. Angeliuo'Jos dos Santos Andrade.
    Recife. 20 de Marco de 1883.
    Amigo Sr. Faltara ao meu dever, se por
    meio desta deixasse de ninoife.star-lhe quanto
    acho prodigioso o Elixii depurativo do sangue,
    por Vmc. preparado, pois sofrenio eu, ha mais
    de 2 anoos de dores por todo corpo. e com es-
    pecialidade no peito. assim como de urna ulce-
    ra syphilitica na garganta, e tendo eu ja perdi-
    do a f. aos medicamentos que consecutivamen
    te me receitavam os mdicos, quando fui acon-
    selhado por um amigo para que lizesse uso do
    seu Elixir Depurativo, o que fiz uso de tres gar-
    rafas. Hoje, (gracas a Deus) e ao seu remedio
    acho-me completamentt restabelecido.
    Poder.Vmc. fazeruso desla minba mamfesta-
    i Ao. o que llie aprouver por ser com subida es
    tima e consideracio.
    De Vmc. amigo, venerador, criado muito obri-
    mdo.
    Manoel Tavares da Costa Martins.
    .....-I.....-
    Collegw-le S.-iguel
    Ra do Visconde de C'amaragi-
    be H. 53
    Aos respeitaveis paes de famias parti-
    cipa a directora deste novo estabeleclmen-
    to de instruccao para o sexo feminino,
    que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
    de 1889.
    A mesma promette aos paes que lhe
    cofiarem suas tilhas esforcar-se por lhes'
    dar urna educaco primorosa, solida, reli-
    giosa e domestica.
    A tratar, do Io de Janeiro no. propro
    estabelecimento, das. 2 da tarde s 7 da
    noite.
    A directora,
    Emilia A. de Afendonen
    "Si-"
    X. 45-
    Illin. Sr. Angello Jos dos Santos Andrade.
    Sendo accommettido ha 2 anuos mais ou menos
    de uuia iniammaco na orelha esquerda que
    progredindo em demasa, causou-me serios re-
    cejos ; uzei a conselho de um amigo, do seu
    Elixir purificader do sangue : e de fado, urna s
    garrafa, foi quanto basto para sentirme perfei-
    tamenle bom : nao obstante anda repito urna
    outra garrafa, do qu alias nao precisava ; e a
    evidencia rapidez e pontualidade na cura, nao
    se fez esperar.
    Faca o uzo qne lhe aprouver desta caria.
    De V. S. atiento e. obrigado.
    Recife, 1S de Janeiro de 1888.
    Pedro Alexandrino Machado
    (Estavant selladas e reconhecidas as firmas.)
    (Contina).
    ----------------"ssie-ggS&s'-----------------
    Ao publico e a polica
    O abaixo assignado proprietario do
    Hotel Chinez, previne ao publico e a po-
    lica, que. nao deem agasalho a Manoel
    FcrnandeS, ex-criado do meu hotel, poisj
    o desped de meu serviyo por ter elle si-
    viciado a urna crianea de cinco anos que
    tenho debaixo de miuha tutella. Portan-
    "'juma^Srcial lo Recife, emsessode27 to, convm, que se acautellem aquelles
    A' uiore do eminente estadista
    Baro de Cotegipe
    Ven iiinnis inoriar.HoiaTii s.
    Toailiou 110 occaso o astro cujobrilbo
    Os destinos da patria esclareca,
    Gefcw-se o grande peito em que ardia
    Pela ierre can amor de lilho.
    Obumbra--!' a afia feia tristeza
    Bule-oiornalista a trocado cartas a/..- '. Trausmuda-ilie emcrep luctuoso
    . .'. 4s i-alas do seu co formoso.
    As galas do sm eco f.'iinoso.

    -: v'em gemer, d'agonla prcft,
    das. Atinal desesperando Vervaet ol.r,-
    o dinheiro a que se ju'.gava cora direite
    disparou em das de Outubro o tiro de No delirio de lancinante dor,
    revolver conforme demos noticia em No- Junto^oj^dej^meo.S(
    Tembro. A bala nao ferio niegue o*.
    \"e:\.iet foi preso e a caba de eotnparc-
    caf pe-ante o tribunal cerMecbna] de
    Bruxellas que o condemnou a 4 mezes de
    prisao.


    Diz o astrnomo Janssen que se trata
    de fabricar para, o observatorio de Meu-
    don urna luneta de mais de 80 centime*
    tros de abertura e 17 metros de fckso
    bem como um telescopio com o fliametro
    de um metro. Estes poderoses instru-
    mentos viro juntar-se aos colossos de
    Niza, de Lick e de Pulkon para rasgar
    astronomia horizontes novos, constituindo
    ao mesmo tempo prova admiravel dos pro-
    gressos da ptica.
    t om esses instrumentos pretende o
    Sr. Dr. Jnlio determinar em breve a lon-
    gitude dosta capital, em rela;3o ao meri-
    diano daquelle lugar.
    c Para as observajoes meteorolgicas
    possue o observatorio um thermometro-
    padrSo, um outro de mxima e mnima,
    modelo Casella, um psyehroraetro, um hy-
    drometro de Saussure, um barmetro ho-
    losterico, alguns barmetros aneroides,
    um anemmetro e um pluvimetro, e etc.
    < Com to estimavel cabedai scientifico
    os phenomenos ciunatologicos se,-<> devi-
    dameite apreciados entre nos e attenddas
    com proveito as ndicacCes previas que of-
    recem e que tio importantes subsidios
    preetarao agricultura, sobretudo.
    Se j stwease ineiciado o senric^o
    eteqrologJco que boje dwemos 4 inic^-
    tiva e persavewuites sforcos do Sr. Dr.
    .aba, outra seria a sorte de noasa
    luvoura,
    De sua gloria brilhante foi-?e 01V.
    Genio do parlamentoa safio
    Perdeu-te, as a historia, o arrebol
    Surge de tua brilhante sagracao.

    Recife-13-2-89.
    Mantudo Castro.
    ^---------------
    Cldade da Escada
    GRANDE 'RIME A PUNIR
    lia mezes passados, procuramos por meio de
    pequeos communicados, com a epigraphe que
    encima o presente, patentear ao publico sensato
    especialmente s autoridades e habitantes da ei-
    dade da Escada, o cime de defloramento pra-
    ticado pelo Sr. Antonio. Lins Hibeiro Giumaraes,
    em urna crianea, que a seus cuidados lhe fra
    confiada pela me d:i mesma, momentos antes de
    fallecer.
    Nao queremos voltar ao facto, porque no3
    peza a penna quando temos nece9sidade de en-
    trar em todas as circumstaneias d*esse monstruo-
    so c negro attntado. mesmo porque, julgamos
    estar elle no dominio de todos.
    Lembramo -nos, porm. de fazer um appello as
    nrincipaes autoridades d'esta provincia e muito
    distinctaraeute aos circumspectos Srs. joizes de
    facto da eidade da Escada, por onde corre essa
    causa crime, para que pondo de parte os pedidos,
    que se lhes possam fazer em favor do criminoso,
    punil-o com todo o rigor da lei em casos seme-
    (hantes. .
    Aqu depomos a peana e esperamos pelos
    acontecimentos.
    Fscam jastica.
    I m que sabe tudo.
    Outra forma para usoexteruo segundo a pre-
    scripcao do mesmo sabio autor, o Ungento de
    Aveleira Mgica do Dr. C.C. Bnstol, vahosissinio
    uando se deseja a-afesorpifao cutaooa immedia-
    to, e em casos' de <*rtas eofcrainiades ou affec-
    cftes locaes ternas nas-qnaet se equernm
    emoliente ao mesmo lempo que um resolvente.
    I .nndipmnai>isenn! aereiudi- Especial em casos tle ilawneunas.
    -Va" nices propriete-ieefckncant^LMurianA
    cada pelo apparecimeot'ia|iew de IVxcmbro de 1888. 'Olinlo Bastos, presiden-
    te interino. Lopes Machado. Beltro Jnior.
    Figueiredo. 0 secretario Julio Gumret.
    AccordSo em Relaclo, depois do torteio e re-
    latorio do estylo, qiie aggi-avados nao foram os
    aggravaates pelo daspacho le que se aggravaram.
    em vista des aulo> e fundamenlos expendidos pe-
    la Junta Commcrcinl desta eidade, em sua con
    iraminiila d folhas 28. 8, negando portanlo,
    provimeiito ao aggi-avo, conilemnam os aggravau-
    tes as custas.
    Recife. 8 de Fevereiro de 188U. Quintino de
    Miranda, presidente. Vouteiro de Andrade.
    Delphino Cavalcanti!.Pires Ferreira.
    Cumpra-se a deciso de folhas vinte, confir-
    ma.la a folba* 31.verso, colloque-se o rejnstro
    n. 224 no seu vspectivu lugar, e proceda-se aa
    forma da lei quanto ao segundo e terceiro exem-
    plares la marea de Pereira Penna & C. e Duan-
    lo cohnmca das cusas Vlencentes a blenda
    nacional.
    Junia Coinmercial lo Recife. em scssio de I i
    de Fevereiro de 188!. Miranda Leal, presiden-
    tatilinto Basle- i. Mchalo. Figueiredo.
    0 secretario, v;
    Sao e>[..s ,..-. tensa? ex:rbidas dos aulos
    deag_ia\ \< di.- 11 c dores Carlos de
    Alt j d 1."
    1; : passda uesi.i seereiarin da Junta
    ('.i al ao- 14 de Fevereiro de
    1889.
    Escrevi e assigno. Em f de verdade. 0 se-
    cretario, Julio Augusto da Cunha Guimaraei.
    que precisara de servicos de outreiu.
    Recife. 12 de Fevereiro de 1889.
    Manuel Antonio da Silva.
    Novos estados de mdicos, primeiro cm
    Franca, depois na AUemanha e em todos
    os paizes da Europa e da America, tem
    mostrado a efficacia da creosota extrahida
    do al cal rao de faia as affeceoes chroni-
    cas do larynge, dos bronchios e dos pul-
    nioes, particularmente as bronebites
    chronicas e nos catharres. as Perolas
    de Creosote de Dr. Clertan a creosota
    encerrada debaixo de urna fina carnada
    gelatinosa, conforme o processo apprvado
    pela Academia de Medicina de Pariz-
    Este medicamento toma-se assim com a
    maior facilidade.
    Nao smente seu sabor e sua caustici-
    dade sSo assim dissimulados, mas anda
    o doente pode tomar com confianca um
    medicamento que se apresenta com todas
    as garantas de nma puieza irreprehentsi-
    vel.
    Oculista
    Dr. J. Correia de Bittencourt, oculista
    residente na corte, ex-chefe de clnica
    ophthalmologica dos Drs. Wecher e Pa-
    nas em Paris e do professor Hirschberg
    em fterlim, tendo regressado de sua ex-
    curso s provincias do norte, demora-se
    alguns iiiexes ueeta capital no ejercicio de
    sua especialidade.
    . Consistorio e residencia ra do Baio
    da Victoria n. 23 1' andar. Entrada pela
    Camboa do Carino.
    Consultas das 12 s 3 da tarde. Gratis
    aos pobres.
    Hippodromo do Campo
    Grande
    :*aru os lies grandes e esplendidos bailes de
    tnascaras que se hao de reahsar nos dias 3. 4 e ."
    de Marco prximo vindouro, tcha-se aberta urna
    asignatura para os tres dias com passe de ida
    e volta no trem, pela bagatella de 44 : as pes-
    soas que queiram assignar podem dirigir-se ao
    abaixo assignado 011 nos lugares abaixo mencio-
    nados.
    Ra do Rangel n. 58.
    Ra Larga do Rosario n. 8.
    Ra do Cabug n. 2 D.
    iraca da Independencia n. 20.
    Duque de 1 axias n. 39.
    Encadernacao de J. M de Miranda.
    Haver trem de meia cm meia hora ou mais se
    forem precisos, a condurcao ser fcil e satis-
    fatoria.
    H tambera um grande sortimento de roupas
    de todas as epochas e por todos os precos.
    A assignatura ftcha-se no dia 16 do correte.
    Recife, 8 de Fevereiro de 1889.
    Manhonca.
    #
    Aviso ao publico
    E-ncjuanto durar a Exposigo Universal de
    1889, os-nossos leitores que se acharem em Paris
    e |que desejarem receber quaesquer noticias da
    trra, poderd 1er os nmeros mais rtcentes do
    nosso jornal ho escriptorio dos nossos corres-
    pondentes. ssjSrs. Amde Prince & C, 36, ra
    Lafayette, emfl>aris.
    Osnossos tatricios podero receber a sua cor-
    tespoadeneja/'peridicos, etc. etc_ em casa dos
    Srs. Amde/rtce & C.
    Outrosia.-fcs mesmo Sr#. Amde Prince & C,
    negooiantes-(]|uiniissaEioft. pfiem a'- sua casa de
    oosspns as.Asas de qualquer pessoa aue dese-
    jar ter aaafjtaforinacoea. ouutilisss senioter-
    .medio.
    1
    I
    Vias urinarias, molestias do tero,
    operacSes elctricas
    BL. caslos ramcouBi
    ESPECIALISTA
    com pratica de pabiz e Londres
    Estreitamentcs da urethra curados ra-
    dicalmente pela electrolyse, sem dr ;
    hydroceles sem iniecc (cura radical);
    feridas e ulceras chronicas. com garan-
    ta de cura rpida pedras da bexiga,
    fistulas e nemorrhoidas : s/pbilis. go-
    norrhas, pelo methodo das instillaces;
    molestias da garganta e do peito pelas
    athmospheras anedimentosas. Con-
    sultas e operacOB das 12 s 3 horas
    da tarde
    RA DOHARQEZ DE OLINDA N 34
    Io. ANDAR
    stosdstoSM* nsTerre
    MEDICO HOMEPATA
    |jDr. BaKhazar da Slveira
    Especialidadefebres, molestias |
    das criancas, dos orgos respirato-
    rios e das senhoras.
    Presta-se a qualquer chamado para
    ora da capital.
    AVISO
    Todos oe chamados devem ser di-
    rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
    ra do Bario da Victoria n. 43,
    onde se indicar sua residencia.
    Cirurgio Dentista
    DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
    mado pela Univevsidade de Alaryland nos
    Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
    torio, na ra Barao do Victoria 19, Io an-
    dar.
    Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
    'I Frederico Chaves Jnior j
    Homoepatha
    ' i 39 RA BARO DA VICTORIA 39 ( J
    j I Primeiro andar ) j
    Dr. Alfredo Gaspar
    MEDIC
    Operador, parteiro trata com especiali-
    dade de molestias de senhoras e creancas.
    Consultorio e residencia ra da impe-
    ratriz n 18, Io andar.
    Consultas de-8 s 10 da mauh.
    Chamados (por escripto) qualquer hora.
    TELEPHONE K. 226
    Leonor Porto
    Ra Larca lo Rosario 11. 96
    2o andar
    Contina a executar os mais dif"
    ficis figurinos recebidos de Lon-
    dres, Paris, Lisboa e Rio de Janeiro.
    Prima em perfeicao de costuras,
    em brevidaie, modicidade em pre-
    sos e fino gosto.
    Curso primario e prepara-
    torio
    Ra Larga do Rosario n. I 'i
    1 andar
    Estaro abertas as aulas deste curso no
    da 8 do cerrente mez.
    O directorj
    Camerino Sobrinho.
    Bacharel Antonio Wiini- '
    vio Pinto Bandeira
    Pode ser procurado ra do Imperador
    n. 71, Io andar
    mmmmmmmmmmmmm
    sentada masa- acerata ra. em.eartas fecha-
    das.
    Estas-sero laberta* pelo mesmo Exm.
    Sr s 12 horas do dia, em que expira
    praso fixado, com o proponentes,presentes
    Nos termos da referida lei, emprestme
    sera de quanlia que produsa apredita impor-
    tancia' de 8,600:000$ {oito mil e seiscen-
    tos contos de ris)?Jiquida,i& ser applicada
    ao resgate da divida da provincia, funda-
    da em apolces de jaros annuaes de 7 [0
    (sete por cento), oom excepcao .Jaquellas
    que tenbam sido emittidas por empresta-
    mos a corapanhias ou a particulares, como
    auxilio agrcola ou industrial, bom como
    para liqnidacao -dos exercicios de 1886 a
    1887 e 1887 a 1888.
    A taxa da emissaa nao ser inferior a
    92 (noventa e dous) livro de commissao
    e o juro nao exceder de b r\0 (cim30:por
    cento) alm da quota de amortisa'jiq, que
    nao ser superior a 1 [0 (um por cento),
    sendo esta e aquelle safisfeitois sewestral-
    mente.
    O secretario .interino, Manoel Joaquim
    Silveira.
    DECLARARES
    '
    Jj Medico operador parteiro
    itl Ba l.ana do Rosario*4
    \ 1 {Por cima do Annel de Our)
    1 Onde tem coiwullorio e reai-
    I i denria ; podendo ser encontrado e
    ) \ recebendo chamados a qualquer hora
    ' do dia e ua noite.
    ) 1 Especialidades : Partos, febres, moles-
    } < tas de stimas e dos pulmes, syphilis
    * em geral,-cura rpida ecompleta eope-
    ( ragOes de estreitamentos e mais soffri-
    | mentos da uretra.
    Acode de prompto a chamados para
    i i fra de qualquer distancia-
    Telephou o. 394
    Oculista
    Dr. Barreto Sampaio, medico,
    oculista, ex-chefe de clnica do
    Dr. de Wecker, d consultas de
    meio dia s 3 horas da tarde, no
    Io andar da casa n. 51 ra do
    Barao da Victoria, excepto nos
    dpmingos e dias santificados.
    Residencia ra Sete de Setem-
    bro n. 34. Entrada pela ra da
    Saudade n. 25.
    Dr. Manoel do Nasciniento Ma-
    chado- Portella Jnior
    Escriptorio ra do Imperador n.
    Io. ANDAR
    65
    ED1TAES
    3a seceo.Secretaria da Presidencia
    de Feraambuco, em 7 de Janeiro de 1889.
    Fa90 publco, de ordem do .-Exim Sr.
    Dr. presidente da provincia, que se acha
    aberta a concurrencia para o emprestimo
    externo de 8,600:000)$ (oito mij/ e seis-
    centos .contos de ris), autprisado pela lei
    provincial n. 1,927 de 15 ^de Novembro
    ando, com o praso de quarenta e cinco
    dias, a contar da data da primeira. pabli-
    cacao do presente, para o reoefcimento
    ^j^}. das respectivas propostafc, que ser&o apre-
    Recebedoria Provincial
    O procurador dos fetos interino da fa
    zenda provincial, tendo recebido, do The-
    souro a rela^io abaixo transcripta dos
    le vedo res do imposto de bombe iros ao ex-
    ercicio de 1886 a 1887 (3o semestre) das
    freguezias d> Recife, Santo Antonio,,Boa-
    Vista e S. Jos, que deixaram de pagar
    no tempo competente, declara aos mesmos
    devedoreaque lhes fica marcado o prazode
    30 dias, a contar, da publicarlo do,presen-
    te edital, para dentro delle pagarem a im-
    portancia de seus dbitos Ba.Reeebedoria
    Provincial cora guia da seceo do conten-
    cioso, certos de que. findo aquelle. prazo,
    se proceder a cobranca judicialmente.
    Recife, 1 de Fevereiro de 1889.
    O procurador dos fetos interino,
    Jos Francisco de Ges Cavalcante.
    (Contrauaco)
    Ra do Livramento n. 31.
    Antonio Luiz Ferreira da Luz
    Largo da Pcnha n. 24. Antonio
    Soares Raposo
    Visconde delnhamnan. 14.. An-
    tonio Raimundo de Miranda
    Dita 11. 32. A. Fernandes
    Dita n. 50. Antonio.Maia & C.
    Ditan. 33. Alfredo Martins &
    C.
    Dita n. 49. Antonio Bento de
    ' ampos
    Dita n. 53. A. D. da Silva
    'ampista
    Pedro Affonso n. 28. .Antonio
    Jos Lopes Braga
    Nova da Praia n. 23 A. Almei-
    da & Filhos
    Martilio dias n. 40. Antonio
    Joaquim Ribeiro
    Dita n. 56. Antonio Cromes
    Correia de Miranda
    Dita n. 29. Antonio Jos Duar-
    te Braga
    Dita n. 37. Antonio Sabino de
    Freitas
    Dita n. 67. Antonio Gomes de
    S
    Coronel Suassuna n. 5. Antonio
    Duarte de Figueiredo
    Dita n. 27. Antonio Goncalves
    la Silva Araujo
    Palma n. 11. Alves Barbosa
    .v.':.
    Duque de Caxias n. 75 Antonio
    < arneiro Rodrigues Campello
    Largo deS. Pedro n. 6. Anto-
    nio Ferreira Ramos
    Coronel Suassuna n. 17. Anto-
    nio Herminio de Senna I
    Imperador n. 35. Barros & O
    Primeiro de Margo n. 25 Bedel
    & David
    Duque de Caxias n. 29. Baptis-
    ta&C.
    Barao Victoria n. 50. Bernardo
    Augusto Soares Leite
    Larga do Rosario n. 12. Burgos
    4 Pilhos
    Dita 11. 34. Barthoiemeu & C.
    Successores
    Paulino Cmara n. 2. Barbosa
    Ramos & C.
    Mrquez do Herval n. 2. Bellar-
    miiio Alves Arcba
    Dita n. 39. Barros.& Britto
    Imperador n. 79. Bario de Na-
    zaret
    Ditan. 45. Coolho & C.
    Barao da Victoria 11. 24. Couti-
    nho Motta & C.
    Dita n. 54. Carneiro JuJiior &
    Leite
    Larga do Rosario n. 18. Cascao
    & O
    Dita n. 36. Carvalho .Lopes
    & C.
    Dita n. 46. Castro Monteiro
    &'C.
    Joo do Reg n. 22. Carneiro
    <*C.
    Visconde de Inhauma n. 18.
    Collaco & C.
    Pedro Affonso n. 34. Carvalho
    Soit/.a & C.
    Dita n. 15. Costa j& C.
    Ia Travessa da Praia n. 9. Cle-
    mentino de Oliveira Somentes
    Largo do Paraizo n. 30. Custo-
    dio de Araujo
    Cabug n. 12. Domingos Gon-
    galves Gomes Penna
    Primeiro de Marco n. 17. Domin-
    gos Jos- Antnnes- OuiMwiies ->'*#18G
    Barato da Victoria n. 16. DaraiSo
    Lima & C.
    Larga do Rosario n. 1. Dias
    fcC.
    Pedro ASonso n. 74. Domingos
    Rodrigues de Oliveira
    Nora da Praia n. 32. Delmiro
    Gouveia
    Cabug n. 5. Eugenio Goetschel
    Visconde de Inhauma n. 16.
    , Epaminondas M. da Silva
    Gouveia
    Marcio Dias n. 65. Eugenio
    Samico
    Imperador n. 7. A. Francisco de
    Paula Mafra
    Dita n. 35. O mesmo
    Dita n. 41. O mesmo
    'riaaeiro de Margo n. 4 A, Fran-
    c8oa Xavi-r Ferreira &
    ;;i80
    3*180
    3*180
    3*180
    .3*180
    3*180
    :;-H80
    3*180
    3*180
    3*180
    .3*180
    3*180
    3^180
    3*180
    -3*180
    **isa
    ,3*80
    3*180
    3*80
    3*180
    3*180
    3*d80
    3*18
    ;5*180
    3*180
    ?
    3*i8r
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    [3*180
    3*180-
    3*180
    141180
    3*180
    -3*180
    i
    I
    I


    Diario de Pernambuco---Sexta-feira 15.de Fevereiro de 1889
    Duque Casias n. 66. Fioravante
    Daos
    Dita n. 31. Francisco Damazio
    AC.
    Larangeira n. 4. Francisco Bar-
    bosa & C.
    Larga do Rosario n. 10. Francis-
    co Jos Sampaio
    Estreita do Rosario 11. Farias
    Salgado & C.
    Larga do Rosario n. 28. Figuei-
    redo & C.
    Conselheiro Peretti n. 58 e 60.
    Francisco Marcolino de Albu-
    querque
    Sravessa da ra Bella n. 8. Fra-
    dique & C
    Travessa da Matriz n. 4. Francis-
    co Soares Quintas
    Paa n. 2. Felippe Nery Guima-
    raes
    Visconde de Inahuma n. 56. Fa-
    rias A C.
    Pedro Affonso n. 43. Francisco
    Joaquim Ribeiro de Brito
    Dita n. 47. Francisco Antonio
    de Albuquerque Mello
    Travessa do Arsenal de Guerra
    n. 3. Francisco Xavier dos
    Santos
    Nova da Praia n. 30. Francisco
    Antonio de Albuquerque Mello
    Marcilio Dias n. 18. Francisco
    Gabriel das Chagas
    Marques do Herval n. 37. Dr.
    Francisco do Rogo Baptista
    Imperador n. 46. G. Laport & C.
    Cabug n. 7. Geraldo Gauditn
    Io de Marco n, 25 A. Guilher-
    me Ferreira Ramos
    Duque de Caxias n. 60 B. Gui-
    marSes Ferresra d C.
    Barao da Victoria n. 26. Gaspar
    Antonio Soares Le te
    Estreita do Rosario n. 29. Go-
    mes A C.
    Io de Marco n. 7. Hermina Cos-
    ta A C.
    Barao da Victoria n. 12. A mes-
    ma
    Caes 22 de Novembro n. D. In-
    nocencio Alves
    Trincheiras n. 43. Ignacio Fran-
    cisco doB Santos 4 C.
    Estreita do Rosario n. 29. Ismael
    de Oliveira Guimaraes
    Joio do Reg n. 36. Ignacio Xa-
    vier
    Pedro Affonso u. 55. Ignacio Jo-
    s Ferreira
    Imperador n. 32. Julio Fuersten-
    berg
    Dita n. 61. Joa Pi Cesar
    Dita n. 77. Jeronymo Ferreira
    Pinto
    Caes 22 de Novembro n. 36. Je-
    ronymo Gomes da Fonseca
    Dita n. 32. Jos Antonio dos
    Santos Carneiro
    Dita n. A. Joaquim Ramos A C.
    Praca da Independencia n. 26.
    Jos de Barros Falclo de La-
    cerda
    Dita ns. 31 a 35. Jos Antonio
    P. A Irmao
    Cabug n. 2 D. Joio R. de Al-
    buquerque
    Dita n. 16. Joaquim Pires da
    Silva
    Dita n. 1 B. Joao de Araujo
    * Cesar Sobrinho
    i de Maaco n. 6. Joseph Krau-
    ^B* d C.
    .TDuque de Caxiasn. 51. Julio de
    Azevedo d C.
    Dita n. 85. Jos Cardoso dos
    Santos
    Dita n. 87. Jlo Ferreira dt C.
    Bario da Victoria n. 40. Joao
    J, da Costa Leite
    Dita n. 5. Jlo Baptista Telles
    Dita n. 25. Jos de Souza
    Aguiar
    Dita n. 43. Jlo Sabino Ludge-
    ro Pinho
    * Dita n. 61. Jos Antonio de
    Souza
    Trincheiras n. 3. Jos Antonio
    da Motta Guimarles
    Travessa do Queimado n. Jos
    Vasques d Irmlo
    Larga do Resario n. 20. Joaquim
    Co nrado de Aguiar
    Dita n. 24. Jos Joaquim Gon-
    calves de Barros d C.
    *
    COMERCIO


    30180
    30180
    3*180
    35180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    5*000
    3*180
    3*180
    3*180
    5*000
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    3*180
    Dita n. M. Jos Tavares Cr-
    rela 3*180
    Dita n. 42. Jor reira 3*180
    Estreita do Rosario n. 10. Joa-
    quim Mamede do Nascimento 3*180
    Dita n. 36. Jos Ramos de ^Oli-
    veira Jnior 3*180
    S. Francisco n. 28. Jos Augus-
    to F. Correia Cesar l3*l0
    Jlo do Reg ns. 10 e 12. Jlo
    Mayer 3*180
    Dita n. 34. Jlo Casimiro da
    Silva Gouveia 3*180
    Dita n. 1. Jos Emilio Ferreira
    Lima 3*180
    Conselheiro Peretti ns. 41 a 45.
    Jos Duarte Pereira 3*180
    Matas de Atbuouerque n. 24.
    J. Sabino R. rings 3*180
    Dita n. 3. Joaquim da Silva
    Ferreira 3*180
    Travessa das Flores n. 2. Jlo
    Luiz Bernatdo Pessoa 3*186
    Livramento n. 34. Jlo Rodri-
    gues de Moura A C. 3*180
    Dita n. 7. Jos de Araujo A C. 3*180
    Dita n. 15. Jos Alftedo de Car-
    valho Jnior. 3*180
    Thesouro Provincial
    De orden do Illm. Sr. Dr. inspector desta re-
    particao, faco publico que no da 1S do correte
    mes para se aos professores de 1.* entrancia,
    com relacao aos seus vencimentos do mez de
    Janeiro ultimo.
    Pagadoria do Thesouro Provincial,, 14 de Fe
    vereiro de 1889.-0 escrivao,
    Silvino Antonio Rodrigues.
    Indemnisadora
    A directoria desta companhia convida os se
    nhores accionistas a reunirem-e em assembla
    geral ordinaria no dia 28 do corrente, ao meio
    dia, na sede da mesma, para tlm de aprecia-
    ren] o bataneo, contas da direccao e o parecer da
    commissao fiscal, e bem como darse cumpli-
    mento ao que determina o art. 27 2- dos seus
    estatutos. Recife, 14 de Fevereiro de 1889.
    Os directores,
    Joaquim Alves da Fonseca.
    Antonio da C. Ferreira Bcltar.
    -----------j-
    bio

    Os bascos mantiveram a taxa de 27 5/8,appa-
    isecado poneos tomadores.
    Em papel particular constou rnui pequeas
    transaccoes a 27 13/16, pedmdo os saecdores
    3/i.
    0 mercado contina firme.
    No Rio foram efectuadas algumas transaccoes
    em papel particular e 27 13/161
    TABELLAS APT1IADA8
    Juizo dos Feitos da Fazenda
    BSCBIVXO TORRES BAXDEIRA
    No dia 22 do corrente, depois da audiencia do
    juii substituto, irfio praca, por venda, os pre-
    dios abaixo declralos, penliorados por execu-
    co da fazenda provincial:
    , S. Jos
    Casa terrea, ra de Santa Rita n. 54, com 2
    portas e 1 janella de frente, 2 salas, 3 quartos.
    cosinba fora e quintal, 4 metros e 30 centmetros
    de frente, 16 metros e 90 centmetros de fundo,
    avaliada em 1:000*000, pertencente a Joio Fran-
    cisco de Souza Xavier.
    Casa terrea, ra Imperial, com 2 janella- e
    1 porta de frente, corredor separado, 2 salas, 5
    quartos, cosinha externa, quintal murado e ca-
    cimba, 6 metros e 40 centmetros de frente, 20
    metros e 25 centmetros de fundo, em bom es-
    tado, avaliada em 2 000*000, pertencente a Anna
    Joaquina da Silva. *
    Ba-Vista
    Seis casas de taboas. dentro do terreno ra
    Sete de Setembro n. 19 A, e do Hospicio n. 50 A,
    cobertas de zinco. com porta e jandla de frente,
    1 sala, 1 quarto, 3 metros e 80 centmetros de
    frente e 4 metros e 20 centmetros cada urna,
    avalladas 5 em 50*000, e a coberta de te-
    Ihas, com o metro* e 50 centmetros de frente e
    o metros e 50 centmetros de fundo, avaliada em
    20*000. as quaes pertencem a Isabel Mara de
    Vasconcellos.
    Casa trra estrada de Joo de Barros n. 6,
    em terreno proprio, murado na frente, portao de
    ferro e soto, com 3 janelias de frente e portao
    nos oitoes, 2 salas, 1 saleta, 4 quartos cosinha
    fra, dispensa, estribara, 2 quartos, banbeiro,
    casa de farinha. O sotao com varanda, 1 salo,
    3 quartos, 6 metros e 90 centmetros de frente,
    17 metros e 80 centmetros de fundo avaliada
    em 4:0004000, pertencente a Francisco das Cha-
    gas Ramos.
    Casa terrea, a ra Coronel Lameuha n. 50,
    com porta e janella, 2 salas, 3 quartos. cosinha
    fra, quintal e cacimba, i metros e 15 centme-
    tros de frente, 15 metros e 10 centmetros de
    fundo, avaliada em 1:000*000, pertencente a
    Emiliana Josephina da Cunta
    Casa a estrada velha de Santo Amaro n. 12
    A, com portae janella, 2 salas, 2 quartos, cosi-
    nha fora, qnintal murado e cacimba, 4 metros e
    10 centmetros de frente, 11 metros e 20 cent-
    metros de fundo, avaliada em 600*, pertencente
    a Joio Carneiro Rodrigues Campcllo.
    Um terreno a estrada de Joao de Barros, com
    75 metros de frente e 160 metros de fundo, com
    arvores de frncto, todo cercado, no qual fra li-
    neada a casa n. 7, avahado em 1:0324, perten
    cente a Antonio Feliciano Rodrigues Sette.
    Graca
    Casa a travessa do Feitoza n. 5, com 2 janellas
    de frente e I porta no oito, 2 salas, 2 quartos,
    cosinha fra, com terreno cercado e arborizada,
    3 metros e 40 centmetros de frente, 10 metros
    e 10 centmetros de fundo, avaliada em 2004,
    pertencente a Honorio Jos Ferreira.
    Casa travessa do Feitoza n. 19, com 4 janel-
    las de frente e 1 porta, janellas nos oitoes, 2 sa-
    las, 2 quartos, cozinba fra, sitio arborizado,
    cercado, com porto de madeira. 13 metros e 50
    centmetros de frente, 11 metros e 40 centme-
    tros de fundo, avaliada em 1:0004, pertencente
    a Francisco Furtado de Mendonca.
    Api pucos
    Casa no largo dt. Apipucos n. 38, com poita e
    janella, 2 satas. 2 quartos, cosinha fra, quintal,
    4 metros e 10 centmetros de frente, 8 metros e
    10 centmetros de fundo, ava.iada em 5004 per-
    tencente a Domingos da Silva Guimaraes.
    documentar seus
    terem mais de
    de idade, goza-
    vaccinados e tc-
    Correio geral
    Concurso para preene himento
    de um lagar de pratlcante de
    9a elasse
    Faro publico para conhecimento dos
    interessados, que acha-se aberra nesta ad-
    ministracSo durante o prazo de 30 dias,
    a contar desta data, a inser icio para o
    concurso que deve realisar-so para prcen-
    chiinento de um lugar de praticante dejtf"
    claass.
    Os candidatos deverlo
    reqnerimentos, provando
    18 e menos de 25 annos
    reiu boa saude, estarem
    rem bom procedimento.
    A idade exigida para a inscripc&o deve
    ser provada bm certidito de baptismo
    extrahida do ssento feito no livro de pa-
    rochia no devido tempo, ou justificarlo
    prestada perantc autoridade ecclesiastica
    e por estajulgada por sentenca. Este do-
    cumento nlo pode ser supprido porupubli-
    ca forma; e muito menos, por attestados
    paseados por vigarios, no ausencia dos li-
    vros da freguezia.
    O exanie versar sobre as lingusa por-
    tugueza, francesa, geographia geral, com
    desenvolvimento quanto ao Brasil, e arith-
    metica at a theoria das proporcoes inclu-
    sive, sendo motivo de preferencia o co-
    nhecimento das linguas inglesa e alloma.
    Administra cao dos Correios de Pernam-
    buco, 12 de Fevereiro de 1889.
    O administrador,
    Affonso do Reg Barros.
    Recebedoria de Rendas In-
    ternas Ceraes
    Imposto de industrias e profissoes
    0 administrador da Recebedoria de Rendas
    Internas Genes faz publico que finda-se no dia
    28 do corrente mes o prazo para o pagamento,
    hvre de multa, do imposto de industrias e pro-
    fisses relativo a<> I* semestre do exercicio cor-
    rente de 1889. depois do que ser cobrado com
    a multa de 10 0/0.
    , Recebedoria, 13 de Fevereiro de 1889.
    Alexandre le- S. Pereira do Carmo.
    S. R.M.
    Sarao carnavalesco em 2 de Marco
    nvida-se aos senhores socios para apresen-
    tarem suas notas para convites, lngressos em
    mao do Sr. tbesoureiro.
    N. B Nao se admitte agjrrejiado.
    Becife, 5 de Fevereiro de 1889.
    0 1* seeretario,
    Guilherme Pinto Meirelles.
    Recebedoria Provincial
    O administrador da Recebedoria Provincial, na
    forma das instrueges de 27 de Julho de 4883,
    convida as associaces que nesta cidade tem
    existencia legal se riicarregarem da distribu
    cao do imposto de reparticao constante da ta-
    bella annexa a le u. 1884 : sendo esse trabalho
    reraettido a esta reparticao no prazo improroga-
    vel de 30 dias uteis, contados da data do pre-
    sente ; Hndo o qual sem a respectiva apresenta-
    go se proceder nos lemos do art. 27 das refe-
    ridas iiistrucces.
    Recebedoria Provincial de Pernambuco, 6 de
    Fevereiro de 188.
    Fraucisco Amynthns de Carvalho Mmira.
    Recebedoria Provincial
    0 administrador da Recebedoria Provincial
    em cumprimento dabrdem do Illm. Sr. Dr. ins-
    pector do Thesouro, constante da portara sob
    n. 108 de 28 do corrente, faz publico para co-
    nhecimento dos respectivos contribuintes que,
    de accordo com a relacao abaixo, dar-se-ua prin-
    cipio nesta repartico, no espaco de 30 dias uteis,
    contados de 4 de Fevereiro prximo a cobranca,
    livre de multa, das animidades e mais servicos
    da Recie Drainuge Company, relativa ao 2* se-
    mestre do exercicio lindo de 1888.
    Recebedoria Provincial de Pernambuco, 30 de
    Janeiro de-18*9.
    Francisco Amynthas de Carvalho Moura.
    Hcluro a que se refere o edilal supra
    Freguezia do Recife
    Ras :Mrquez de Olinda, Bom Jess. Alva-
    res Cabral, Commercio, Bispo Sardinha, Torres,
    Thom de Souza, Mara de Souza, Vigario Te-
    norio, Barreto de Menezes, Mariz e Barros, Bur-
    gos, Amorira, Moeda, Tuyuty, Companhia Per-
    nambucaua, Madre de Deus, Domingos Jos Mar-
    tins, Mscate. Restauraco, D. Mara Cesar, Vis-
    conde de Itaparica. Pharol, Areal, S. Jorge, Vi-
    tal de Oliveira, Guararapes e Baro do Tnum-
    pho.
    Pracas :Assembla, Chaco e Pedro I.
    Travessas :Vigario Madre de Deus, Cam-
    pello, Domingos Jos Martins, Corpo Santo, An-
    tigo Porto, Bom Jess, Apollo, Areal, Para a
    Fundicao, Occidente, Guararaites e Praca Pe-
    dro I.
    Largos :Alfandega, Corpo Santo e Assem-
    bla.
    Rceos:Abren, Noronha, Laigo, Pindoba,
    Tapado e l'asrhoal.
    Caes: Companhia,BrumeApollo.
    Freguezia de Santo Antonio
    Ras :Imperador, Primeiro de Marco, Duque
    de Caxias, Cabug, Baro da Victoria, Trinchei-
    ras, Larangeiras, Laiga do Rosario. Estreita do
    Rosario, Francisco Jacintho, Joo do Reg, Ilha
    do Carvalho, Conselheiro Piretti, Netto de Meu-
    doney, Major Agostinho Bezerra, Vinte e Oito de
    Setemkro, Santo Amaro, ledro Ivo, Malinas de
    Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fogo, Livra-
    mento, l'enlia. Visconde le Inhauma, Pedro Af-
    fonso. Nova da Praia, Marcilio Dias, Henrique
    Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, San-
    ta Thereza, Viute e Quatro de Maio, Palma, Mr-
    quez do Herval Cadeia Nova e Bario de Villa
    Bella
    Largos :Paraso, Carmo, Pcnha, S. Pedro c
    HraceU.
    Travessas :Queimado, Cruzes, Mrquez do
    Recife, Bella, Calabouco, Matriz. Flores, Carmo,
    Bomba, Livramento, Arsenal, 1* e 2* da l'raia,
    Carcereiro, S. Pedro, Virayo, Lobato, Falco,
    Pocinho e Concordia.
    Beccos :Bella, Calabouco, Matriz, !, 2 e 3"
    da Cainboa. Falclo, Io e 2 da Cadeia Nova.
    Praca :Pedro II.
    Caes : Vinte e Dous de Novembro.
    Campo Princesa.
    Freguezia de S. Jos
    Ras : Marcilio Dias, Lomas Valentinas. Co-
    ronel Suassuna, S. Joao, Felippe Camaro, Mr-
    quez do Herval, Vinte e Quatro de Maio. Das
    ardoso, Passo da Patria, Padre Nobrega, Victo-
    ria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros, Fre Hen-
    rique, Dique. Assurapco, Domingos Theotonio,
    Padre Floriano, Christovo Colombo, Jardim,
    Forte. Antonio Henrique, Nogueira. Santa Ceci-
    lia. Santa Rita, Padre Muniz. Praia de Santa Ri-
    ta, S. Jos, Pescadores, Praia do Forte, Ypiran-
    ga, Imperial e Luiz de Mendonca.
    Travessas :Martyrios. Ramos, Pocinho, Cal-
    deireiro. Gaz, Matriz. Forte Praia, Serigado, Co-
    piares Nova de Santa Hita, Praia tdo Forte, S.
    Jos. Peixoto e Lima.
    Beccos : Palma. Caldeireiro, Gaz, Assump-
    rao, Nova de Santa Rita e Matriz.
    Largos : Forte e Mercado.
    Freguezia da Boa-Vista
    Ras :Imperatriz, Conecico, Visconde de
    Pelotas, Tambi, Visconde de Albuquerque. Au-
    rora. Capiliarilir. Ponte Velha, Conde da Boa-
    Vista, Riarhuello, Unio, Sau.iade, Sete de Se-
    tembro. Visconde de Camaragibe, CamarSo, Ro-
    sario, Gervasio Pires, Dr. Villas-Boas, Socego,
    Principe, Sania Cruz, S. Goncalo, Coelhos, Hos-
    pital Pedro II, General Sean, Coronel Lamenha,
    < onsellieiro Aguiar, Lefio Cornado. Baro de S.
    Borja, Mues Machado, Visconde de Goyarma e
    Altracco
    Travessas :Gervasio Pires, Atalho, Coelhos,
    Barrciras, Veras. Quiabo, Joo Francisco, Man-
    .'urira. Campia e Palacio do Bispo.
    Largo : -Campia.
    Beccos :S. Goncalo e Coelhos.
    Pracas : Conde a'Eu e Santa Cruz.
    Prazo de cinco dias
    De ordem dp Hito, e Exm. Sr. Dr. inspector,
    se faz publico que as 11 horas do dia 19 do cor
    rente mez serau vendidos em praca porta da
    guardamoria desta alfandega, um bote usado e
    urna pe^a de lona de lindo, pesando liquido 28
    kilos apprehenddos na noite de 9 do mez de
    Janeiro ultimo, cujo dono nao appareceu a re-
    clamar contra a mesma apprchcnsao.
    3.* seceo da Alfandega de Pernambuco. 14
    de Fevereiro de 1889 0 chefe,
    Domingos Joaquim da Fonseca.
    Revista do Mercado
    Recife, 14 de fevereiro de 1889.
    0 movimento limitou-se a poucas transaccoes
    no mercado de cambios.
    Bol
    t
    TTT"
    I 9
    t w
    a
    5-

    3
    i
    15
    5.
    V
    s

    L


    * B

    * ,1
    r

    sa
    JOTACCES OFFICIAE8 DA JUNTA D08 COR-
    RETORE8
    Recife, IkiUFectreiro de 88Q
    Cambio sobre Londres, 90 d'v. 27 5/8 d. por
    1J, do banco
    0 presidente,
    Candido .. G. Alcoforado.
    O secretario,
    Eduardo Dubeux
    SANTA CASA
    CAMAM PARA ALLCAR
    Ra da Moeda n. 49, armuzem 240tX)ii
    dem do Vigario Tenorio n. 27, loja 24040O)
    dem dem n. 22, 3." andar 8010<>0
    dem idem n. 23, i. andar 3 dem do Bispo Sardinha n. 3, 1.* c 2."
    andares e sotao 400J000
    dem do Bom Jess n. 13, 3 andar 2005000
    dem do Mrquez de Olinda, sobrado
    n. 44 i:131000
    dem .do Bom Jess n. 13, 1. andar 240O0
    Becco das Boias n. 14, loja 1." c 2." an-
    dares 480*000
    Pateo do Paraizo n. 29, 2. andar 240*000
    Hua da Saudade n. 5 4805000
    Soraeno .... .'lOOfl
    Masca vado .... 1A3O0
    A exportarn, i'ei (a pela alfandega neste mez at
    o da 11, attingio a 4.396.535 l/ Kilos, sendo...
    2.055.969 para o exterior e 2.340.566 1,2 para o
    interior.
    30-
    4.156
    5.270
    30.618
    6.818
    O de 1* sorte do serUo cota-se a 6*200, nomi-
    nal.
    A exportaco, frita pela alfandega neste mez
    at o da 11 sabio a 1.014.818 kilos, sendo 919.851
    para o exterior e 94.987 para o interior.
    As entradas verifteadas at a data de hoje/so-
    bem a 9.755 saccas. sendo por:
    Barcacas .... 824 Saccas
    Vapores ... 162
    Ammaes..... 2.344
    Via-ferreade Caruur- 688
    Via-ferreade S. Francisco. 817
    Via-ferrea de Limoiro 4.920
    Somma.
    9.755 Saccas
    Assacar
    Os precos pago* ao agricultor, por 15 kilos, se-
    srundoa Associac, io Commercial Agrcola, foram
    os seguintes:
    Branobs.....' 2*800 a 3*500
    Sornimo ....... 1*900 a 2*100
    MaJtavado purgado 1*400 a 1S500
    1*00 a 1*200
    Retalie..... *800 a 1*000
    Col
    Branco
    tfomeno .
    Maecavario
    suia Pinto:
    Branco 1*
    . 2-
    :*i00
    2*880
    l500
    3*000
    lAoOO
    3*408
    2*300
    As entradas verificadas at a data de boje
    bem a 77.003 saccas, sendo por:
    Barcacas .... 30.141 Saceos
    Vapores..... ......
    Anufties.....
    Via-ferrea de Caruar.
    Via-ferrea de S. Francisco.
    Via-ferrea do Limoeiro
    Sonuna. 77.003 Saceos
    t'ouros
    Ultimas vendas, 380 ris.
    Agurdente
    Vendeu se na raz2o de 90*000 por pipa du 480
    itros
    Ale4l
    UltimaS vendas, 160*000 por pipa de 480 li-
    tros.
    Concurso
    Por esta secretaria se faz publico em vista do
    despacho da presidencia da provincia de 9 do
    corrente mez, e de ordem do Sr. Dr. inspector
    geral da instrucco publica, que se ada aborta
    a iiiscripco para o concurso a que *e vai proce-
    der a requcriiHculo do alumno mestre 4iiulado
    lela Escola Normal, Arthur Octaviano da Silva
    Ramos, para provimeulo da cadeira de ensiuo
    primario do sexo masculino do Poco da l'anella
    (de 2.* eirnnici.ii. sendo souitnte admitalos a
    ssa iiiseri|H;o os professores pblicos de qual-
    iiuer cathegoria, e os individuos titulados |iela
    C-rola Normal, devendo este* no prazo de 40
    dias apresentar os seguintes documentos : folha
    corrida ou altestado de procedimento civil e mo-
    ral pelas autoridades judtciarias, policiacs ou
    caoWTM municipaes das localidades em que ti-
    verem residido nos dous ultimo* annos, diploma
    conferido pela Escola Normal. Ficando sem
    effeito o edital u. 52, que anuuneiou o acci-sso
    da mesma cadeira.
    Secntaria da nstrurcSo publica de Pernam-
    buco, II de Fevereiro de 1889.-0 seeretario
    Perirentino S. de Araujo Galvo.
    Mel
    Cota-se a 50*000 por pipa de 480
    itros.
    Pauta da alfandega
    SSUANA "* 11 A 16 DB FtVKRIRO DE 18S9
    Vide o Diario de 10 de Feoeretro
    \avios carga
    Barca portugueza Novo Silencio, para o Porto.
    Barca americana Olive, para Liverpool.
    Patacho inglez Peggie, para Montevideo.
    \avIos descarga
    Barca norueguense Frida, carvao.
    Barca norueguense Frilhyof, carvo.
    Barca americana J. F. Rotliiutn, carvao.
    Barca ingleza Sobrina, farcllo.
    Barca portugueza Tentadora, kerosene.
    Barca norueguense Celer, carvo.
    Bar ja sueca Augusta, carvc.
    Barca ingleza Paragero, bacallio.
    Brigue sueco Pepita, carvo.
    Escuaa ingleza Emulator. bacaibo.
    Lugat inglez Viola, bacattro. -
    r nacional. 3larinhoV.il, c*rvaofc
    ,oruegtts Varuna, farello."
    y Cory, bacalho.
    mglez Stetla, bacalho.
    inglez Chilian, carvao.
    Iniportaeo
    Vapor inglez Estreit Gtbraltar, entrado de Car-
    dill' em 13 do corrente e consignado ordem,
    ni a ir, fes n i n :
    Carvo de pedra 2,299 toneladas a Livramento
    4C.
    Escuna norueguense Gefton, entrada de Pelo-
    tas em igual data e consignada a Joaquim da
    Silva Carneiro, manifestou:
    Graxa 103 pipas.
    Sebo 583 barricas.
    Xarque 22o fardos ao consignatario.
    Expor tacan
    BECm 13 DC FBTBSB1RO DE 1S9
    Para o exterior
    No vapor inglez lortuense, carregaram:
    Para Liverpool, J. Pater & C. S,000 saceos com
    120,000 kilos de carocos de algodo ; J. Fernn-
    des 1,000 saecos com 73,000 kilos de assucar
    masca vado.
    No vapor inglez Wexford, carregou :
    Para Liverpool, J. H. Boxwell 3,0OJ saceos
    com 223 000 kilos de assucar mascavado.
    No vapor inglez Nagrebia, carregaram :
    Para Liverpool, J. H. Boxwell 10,000 saecos com
    750,000 kilos de asucar mascavado ; Julio 4 Ir-
    mao 1,000 saceos com 73,000 kilos de assucar
    mascavado ; Companhia Sugar Factores 560
    saceos com 52,000 kilos de assucar mascavado.
    No vapor francez Ville de Cear, carrega-
    ram :
    f-ara o Havre, H. Burle & C. 2,331 ecuros ver-
    des com 49,035 kilos.
    Na barca portugueza oco Silencio, carre-
    gou :
    ParaoPsrto, L. Lima 149 couros salgados com
    1,788 kilos.
    Para o interior
    Na barca sueca Axel, carregaram :
    Parir Santos, H Carneiro & C. 100 saceos com
    6,000 kilos de assucar mascavado.
    No vapor nacional Para, carregaram :
    Para Babia, P. Carneiro & C. 1.000 saceos com
    farinha de mandioca ; S. P. da Cunha tem 3
    barris cora 240 kilos de doce.
    No vapor inglez Cometa, carregaram :
    Para Porto Alegre, P. Carneiro & C. 1,950 sac
    eos com 146,250 kilos de assupar branco e 850
    ditos com 63,750 ditos de dito mascavado.
    Para Rio Grande do Sul, P. Carneiro & C. 200
    saccas com 12,008 kilos de algodo. v
    Para Rio de Janeiro, P. Carneiro C. 850
    saccas com 29,728 kilos de algodo, 50 pipas cora
    24,008, litros ele agurdente e 1,064 sacos com
    64 260 kilos de assucar mascavado*.
    No vapor allemSo Tejnco, (Carregaram :
    P..ra Rio de Janeiro, M. F. Martins 150 saceos
    cora 9,000 kilos do assucar brinco e 100 ditos
    com 6,0,0 ditos de dito mascavado ; A. A. Hol-
    ecretarla da Instrueeo Publi-
    ca 14 de Dczcmbrnde i8
    FRAZ bO DIAS
    Contractos de cadeiras.
    De ordem do Sr. Dr. Inspector Geral
    de Instruccao publica, e em cumprimento
    e determinacSo de S. Exc. o Sr. Desem-
    bargador Presidente da Provincia de 21
    do corrente, se faz publico, que fica* mar-
    cado o praso de 60 dias aqueta interc-ssar
    possa para contractar as cadeiras mixtas,
    Marayal c Gammellcira de Buique e a do
    sexo feminino de Agua Preta, devendo os
    pretendentes apresentarem suas petic3es
    instruidas na forma das instrucc5cs de 24
    de Maio do anno passado como abaixo se
    declara.
    I. Os titulados pela Escola Normal Offi-
    cial e pela da Sociedade Propagadora da
    InstruccSo Publica.
    II. Os que, mediante exarae de capaci-
    dade feito nos termos das disposicoes vi-
    gentes, tiverem obtido diploma de babi-
    litaco.
    III. Os que provarem baver exercido
    o magisterio publico com reconhecida ba-
    bilitacao.
    IV. Os que provarem exercer ou ter
    exercido o magisterio particular as mes-
    mas condicoes.
    V. Os que, nao se adiando as condi-
    coes mencionadas nos ns. I. a IV; tiverem,
    todava, notoria aptidao para o magisterio.
    Art. 4". Os individuos mencionados no
    art. antecedente terao preferencia, na or-
    dem em que se acham enumerados para
    as cadeiras que requererein, por modo que
    soinente se adiuittirao os da segunda elasse
    quando nao houver pretendentes da pri-
    meira e assim por diante.
    Io Em igualdade de condignos quanto
    ao titulo ou diploma, preferir o candidato
    que j tiver exercido o magisterio.
    | 2o. Em igualdade de condicoes quan-
    to ao exercicio do magisterio, preferir o
    que tiver antes servido por outro meio
    que nao soja o contradi ou por interinidade.
    | 3o Em igualdade de condieftes quanto
    ao meio anterior de provimento, prefirir
    o candidato, que tiver mais tempo de
    serviyo.
    Art. 5o. Quanto aos que foram contrae-
    todos era virtude da lei de 8 de Junho de
    1874 e do regulamento de 7 de Abril de
    1879, tica-Ibes maatkto a preferencia es-
    tatuida pela lei n. 1766, art. 9, segunda
    parte.
    Art. 6o Os que prctcndcrcm o provi-
    mento por contracto, deverao, dentro do
    praso de que trata o art. 2o, requerel-o
    ao inspector geral da instrueyao publica,
    exbibindo certido de idade, folln corrida
    e attestados de moral idade.
    Sao dispensados de apresentar folha
    corrida os qde exhibirem attestados de
    procedimento civil e moral, passados pelas
    Cmaras Municipaes, autoridades judicia-
    rias e policiaes das localidades em que
    houverein residido nos dous ltimos annos ;
    os que, se achando no exercicio de em-
    prego publico, exhibirem attestados dos
    respectivos chefes ; e as educandas do col-
    legio de orphas e casa de expostos.
    | Io Os que requererem as condicoes
    do art. 3o n. III, se tiverem exercido o
    magisterio a titulo interino, deverao pro-
    var haverem assim, cnsinado por mais de
    tres annos com proveito para os alumnos.
    O meio desta prova consiste na exhi-
    bico do titulo de nomeaco continuada
    ou feita pelo inspetor geral ; de certido
    de exercicio, extrahida dos assentamntos
    da secretaria da instruccao publica e de
    attestado do delegado litterario quanto ao
    aproveitamento dos alumnos.
    | 2o. Quando os pretendentes forem ou
    tiverem sido professores de ensino parti-
    cular (art. 3o n. IV) deverao fazer prova
    por meio de certido extrahida dos assen-
    tamntos e mappas constantes da secreta-
    ria da instruccao publica, de terem ensi-
    llado as materias de instrueyao primaria
    por mais de cinco annos, e attestado do
    delegado litterario e dos pais dos alumnos,
    quanto ao aproveitamento do ensino.
    Art. 7o. A peticab para o contracto
    edeve conter a declaracSo da fihayao, idade
    estado e proflissao anterior do requerente
    a escripia pelo proprio punho deste, sendo
    a lettra e firma reconhecidas por official
    publico.
    O contracto s poder ser assignado por
    procurador, se fr provada a impossibili-
    landa Costa 40 duzias de frascos com elexir ca
    beca de negro.
    Na barcaca Aurora, carregaram :
    Para Macao, A. M. da Silva 6 barris cora 360
    litros de mel.
    Para Mossor, Maia k Rezcnde 400 saceos com
    farinha de mandioca.
    Na barcacaAnnrt Elisabeth, carregaram :
    Para Cear, Maia & Rezende 247 saceos cora
    fariulia de mandioca e 63 ditos com feijao.
    llcn'JIntentos publico*
    HEZ DI PEVERK1BO
    Alfandega
    Renda geral:
    Do dia 1 a 13
    dem de 14
    403:404*009
    40:2484078
    Renda provincial :
    Do dia 1 a 13
    dem de 14
    63:3365180
    6:888*139
    443:652*087
    70224*319
    Somma total 313:8764406
    Segunda seccio da Alfandega, 14 de Fevereiro
    8thesoureiroFlerencio Doraingues.
    chefe da seccio -Cicero B. de Mello.
    Recebedoria
    Do dia 1 a 13 22:301*352
    dem de 14 2:289*702
    eral
    24:591*054
    Recebedoria provincial
    Do dia la 13 7:482*086
    dem de 14 270*414
    Recife Drainage
    Do dia 1 a 13 9:219*184
    dem de 14 I:i74*313
    7:752*300
    10:293*497
    Mercado Municipal de 9. Joa
    O movimento deste mercado no dia 13 de Fe-
    vereiro foi o segrate:
    Entraram :
    25 bois pesando 3,978 kilos.
    413 kilos de peixe a 20 ris 8*300
    51 cargas de farinha a 200 ris 10*200
    5 ditas de fructas diversas i 300
    ris 1*500
    10 taboleiros a 200 ris 2*000
    15 suinos a 200 ris 3*000
    16 matulos com legumes a 200 ris 3*200
    dade do comparecimento pessoai do con-
    tractante.
    .Secretaria da Instruccflo Publica 24 de
    Dezembro de 1888.
    O Secretario
    Pergenlino Sarniva de A.' Galvao
    res
    que
    Pede-se aos Senho-
    consummidore s
    queiram fazer
    qualquer eommunica-
    c,o ou reclamac.o, s-
    jaesta feita no escrip-
    torio desta empreza
    ra do Imperador n.
    29, onde tambem se re-
    ceber qualquer conta
    que queiram pagar.
    Os nicos cobrado-
    res externos sao os Se-
    nhore s Hermillo Fran-
    cisco Rodrigues Frei-
    r e Manoel Antonio
    da Silva Oliveira, e
    quando for preciso o
    Sr. Antonio Martins
    Carvalho.
    Todos os recibos
    desta empreza deverao
    ser passado em tales
    carimbados e firmados
    pelo gerente, sem o que
    nao tero valor alguni.
    George Windsor,
    Gerente
    lililii im\
    Domingo. 19 de Fevereiro
    Festa artstica do actor
    LYRA
    EXCHENTE REAL
    Logo que a orchestra tenha exhibido urna das
    memores pecas do seu repertorio,, subir sce-
    na o muito desejado, apparatoso e sempre ap-
    plauJido drama em 3 actos e"4 quadros de cos-
    tumes militares, original portuguez
    29
    H0N
    JtWl
    E GLORIA
    Tomara parte diversos artistas c alguns ama-
    dores, por obsequio ao beneficiado.
    No ultimo quadru estar postada em scena a
    brigada, cora as respectivas bandas de msica,
    que tem de assistir cxecuco do soldado 29;
    terminando o espectculo com
    O
    1VK0 DE D. PEDRO Y.
    0 beneliciado nao tem poupado esforcos,
    de apresentar urna festa digna aos seus convida-
    dos e admiradores.
    0 pequeo numero de bilhetes que existe
    acham-se em mio do beneliciado. e no dia do
    espectculo no escriptorio do theatro.
    Trem para Casanga e bonds para a Passagem.
    A'a 8 e 1\4 horas
    Foram oceupados:
    26 1/2 columnas a600 ris 13*900
    1 escriptorio a 300 ris
    26 compartimentos de farinha a 500
    ris 13*000
    25 ditos de comidas a 300 ris 12*500
    84 ditos de legumes a 400 ris 33*600
    18 ditos de sumos a 700 ris 12*600
    9 ditos de fressuras a 600 ris 5*400
    37 tamos a 2* 74*000
    Rendimcntos dos das 1 a 12 do cor-
    rente
    195*500
    2:446*280
    2641*780
    Foi arrecadado liquido at hoje
    Precos de dia:
    Carne verde de 240 a 480 reis o kilo.
    Carneiro de 720 a 1*000 reis idem.
    Suinos de 560 a 640 reis idem.
    roaba de 360 a 480 reis a cuia.
    Milbo de 360 a 440 reis idem.
    Feijao de 900 a 1*20j idem.
    Jlatadonro publico
    Neste estabelecimento foram abatidas para o
    consumo de hoje 54 rezes.
    Sendo: 19 pertenecntes aos Srs. Oliveira
    Castro & C, e 35 pertencentes a diversos mar-
    chantes.
    Vapores a entrar
    MEZ DE FEVEREIRO
    Norte......... Foro............
    Europa------
    hu.........
    Sul.........
    hu.........
    Europa------
    Norte.
    Neva........
    Art indo......
    Elbe.........
    Alagos......
    Ville de baha
    Manos......
    Sul........... Pernambuco
    lo
    16
    16
    17
    17
    18
    24
    27
    Movimento do porto
    Navio entrado no dia 14
    Babia-2 dias, vapor inglez Xorseman, de 826
    toneladas, commandante \V. Lacv, equipsgem
    56, carga fio telegrapluco.
    Sahidos no momio dia.
    LiverpoolVapor inglez Wesfmd, commandante
    J. J. Ormiston, carga varios gneros.
    Havre c escalaVapor francez Ville de Ciara,
    commandante E. Lany, carga varios gneros.
    New-York Barca americana Olive Thourloto, ca-
    pito F. F'. Corbett, carga assucar.
    Fernando : Noronha-Vapor nacional Jaguari-
    be, commu ndan'te Alfredo Me
    gneros.
    LehVapor belga Dy
    Falk, careta assucar.

    James
    y
    r

    i


    i


    **!***
    Diario de PernambucoSexta-feira 15 de Fevereiro de 1889
    QUE SE REALISAR' NO
    Dia 17 de Fevereiro de 1889
    OOT a veti-
    mrnila
    Proprirlario
    PareoCoMM*lar-800 metrosAnimaes da provincia que ainda nao tenham ganho
    premios o Dcrby. Premios : 200# ao (, 50 J ao s- e 205 ao3.
    9
    10
    11
    12
    13
    14
    l.Congo. ...
    J.Cognac ...
    JPitt--------
    4 Bertiando.
    oEcla......
    8 Ormona ...
    jFidalgo ex-
    7i Caboco .
    5 Guerreiro.
    Bona parle ex.
    Vagabundo
    'Imirante..
    Good mor-
    ning--------
    Orange -----
    Bolaxinha. -
    Vlete ex-Ra-
    tio ......
    Mercurio.....
    lo
    2* Pareo
    Castanho....
    Russo.......
    Zaino......
    Russo pedrez
    Pedre/....
    Alazao ...
    Pern.
    Rodado .
    Alazao caxito
    Rodado ..
    Alazao-----
    Rodado .....
    Castanho
    Russo.......
    o Caslauho-----
    4 I Russo nedrez
    33
    55
    55
    53
    53
    55
    53
    35
    53
    35
    53
    53
    50
    55
    53
    Encardado e branco.
    drenat e ouro......
    Branco...........
    Ene. azul e branco..
    Grenat e ouro ... .
    Branco e azul......
    Grenat.
    Branco e encarnado.
    Encarnado e branco.
    Azul e grenat.......
    Preto ene. e ouro
    Branco e azul.. ..
    Encarnado e azul ..
    Branco e encarnado.
    A. C.
    Bostock.
    8. T.
    I. J.
    G.
    M. P S.
    Coudelaria Capibaribe
    M.M.
    R. ti L.
    Coud. Integridade.
    Coud. Integridade
    G- A.
    M. G. M.
    B. D. C. P.
    L. P.
    renMiMl>iica*9003metrosAnimaes de menos de meio sangue.
    Premios: 300* ao 1-, 75* ao 2 e 30* ao 3-
    Alfa.....
    Cometa. .
    Galalha.
    4 Aymor.
    5Rcife.
    i Favorita.
    Alazao
    Hosilha......
    Castanho
    I
    '.Zaino.......
    S. Paulo..

    R.G.doSul
    S. Paulo.
    Rio de Jan.
    S. Paulo...
    54
    55
    54
    55
    55
    54
    Branco e encarnado.
    Verde e ama re lo.....
    Encarnado e preto. .
    Ouro e grenat.......
    Coud. 2 de Fevereiro.
    Coud. Luso Brasileira.
    Coudelaria Allianca.
    A.M.
    S. P.
    Maia Chrysostomo.
    i 3 Pareo -Berftv Club de PernMkw* 1,609 metrosAnimaes de qualquer paiz
    Premios ; 500*, ao 1*, 125*. ao 2 50* ao 3*
    1 Apollo......
    2.Castiglione..
    3 Salvatus
    Price.......
    Emani.....
    Africana------
    Coupon .....
    AlazSo.
    Zaino. -
    Alazio
    Zaino..
    5 Alazao......Franca ... 57
    R. da Prata
    Franca. ..
    I
    Inglaterra.
    R. da Prata
    H
    57
    ;;-
    81
    57
    H
    Branco e ouro.....
    Grcuat ouro e rosa
    Rosa e pretal......
    Grenat eouro. ..,..
    Branco e encarnado.
    Coud. 2 de Fevereiro.
    Coudelaria Cruseiro.
    A. M.
    P. C.
    Coudelaria Riachuelo.
    . Moreira da Silva.
    I'aien-Protix'ia de PerMMbHco 1.200 metrosAnimaes da provincia que ainda
    rito tenham ganho n'esta ou em maior distancia no J>:rby. Premios: 250*
    ao Io, 60* ao 2 e 25* ao 3o.
    l
    Cognac.. .
    Good -mor-
    ning.......
    Carangueijo.
    Pirraca......
    firid.......
    Etna ......
    Cublain......
    Florete.......
    Russo...
    Rodado.
    Baio.....
    Castanho
    Alazao.....
    Castanho,..
    Pern.....
    :i
    54
    54
    54
    54
    54
    51
    54
    Grenat e ouro
    Azul e grenat.......
    Verdee branco......
    Azul e ouro.........
    Branco e azul.......
    Grenat e ouro.......
    Branco..............
    Encarnado e branco.
    Bostock.
    Coud. Integridade.
    A. O.
    F. L.
    Coudelaria Piranga.
    F- t Oliveira.
    I. G.
    C. D. M.
    5.|PareoIMpredroa do
    meio sangue.
    i (Corcovado...
    2 Ruy-Blas..-.
    3 Douro......
    4 Cometa.....
    5 Fgaro......
    lampo craadr 1,100 metros Animaes nacionaes at
    Premios : 350* ao Ia, 80* ao 2* e 35* ao 3*.
    4 Castanho ... Rio de Jan. 51
    1 Alazao. .... *. Paulo .. 34
    7 * Rio de Jan. 54
    5 S. Paulo - 54
    5 Chita........ R-G-do Sul 54
    Encarnado e preto
    Rosa e preto........
    Verde e amarello.....
    Encarnado e branco
    Coudelaria Paysand.
    Arthur Silva.
    F. P.
    C. Luzo-Brazileira.
    5. S. Bastos.
    6. PareoC**erdla1.400 metros- Eguas ate puro sangue.
    a 2" e 40* a 3'.
    Premios : 400* l, 100*
    1
    2
    3
    \
    6
    7
    8
    Olga.......
    Minerva ....
    Aspasia------
    Cvnira......
    Africana......
    Gallia.......
    Vamia.......
    Mascte......
    Castanha...
    Douradilha.
    Alaz.....
    Zaina
    Alaza
    Zaina...
    Preta...
    S. Paulo...

    Inglaterra.
    m
    R. da Prata
    Inglaterra.
    R. da Prata
    51
    51
    54
    54
    60
    60
    60
    57
    Branco e encarnado.
    Grenat rosae branco.
    Preto ene. e branco ..
    Grenat e ouro.......
    Ouro e hfanco.......
    Verde e amarello
    Encarnado e preto .
    Coud. 2 de Fevereiro
    Coudelaria Cruzeiro.
    Guimares f, J.
    Coudelaria Riachuelo.
    Coudelaria Eraulaco.
    A. T.
    Coudelaria Paysand.
    Pareorrop*TidadrHoO metros Animaes da provincia que ainda nao tenham ganho
    premios em maior distancia. Premios: 2U0* ao 1*, 50* ao 2 e 20* ao 3.
    premios
    Bonaparte ex
    Vagabundo
    Almirante.-
    3Sirid.
    L
    8
    9
    10
    11
    12
    Lindaess
    lucifer......
    6 Orange .....
    1 Dublin.....
    Mytord......
    Etna.......
    General-. ..
    Vida Alegre-
    ex-Lezeira.
    Florete .....
    Rodado......
    Alazao .....
    Castanho....
    Baio........
    Rodado .....
    Castanho ...
    Rodado
    Baio.......
    Castanho ...
    Rosilho
    Russo
    Castanho
    Pern.. ..
    53
    55
    53
    53
    55
    53
    a
    55
    55
    33
    55
    55
    Encarnado e branco.
    Branco e azul.......
    Azul e branco......
    Branco e encarnado..
    Preto e encarnado___
    Asul ene. e branco .
    Azul e ouro.........
    Grenat e ouro.......
    Encarnado e preto ..
    '.Anic branco.......
    ! Ene irnado e branco
    R. G. L.
    Coud Integridade.
    Coudelaria Piranga.
    Coudelaria Vencedora.
    A. U.
    G. A.
    Henrique Gibson.
    A. F. R. Leal.
    F. & Oliveira.
    J. D. C. B.
    Coudelaria Imperial.
    C'D. M.
    Os animaes inscriptos-para o 1* pareo devem achar-se no ensilhamento s
    9 1(2 horas da manhl.
    Os animaes inscriptos para os outros pareos, deverSo estar urna hora antes
    da determinada para o pareo era que ti ver de correr.
    Os fvrfaitt serlo reeebidos at sabbado, 16 de Fevereiro s 3 horas da
    tarde, hora do encerraruento do expediente para esta corrida.
    A venda de poule encerrar-se-ha 20 minutos antes da corrida.
    HORARIO
    l.o pareo.
    2." pareo
    3. pareo.
    4. pareo.
    5. pareo.
    6. pareo.
    7. pareo.
    11 horas e 30 minuto
    12 e 20 >
    1 e 10 >
    2
    2 e 50
    3 e 40 i
    4 e 30 .
    O Gerente,
    Henrique SckuteL
    Cumpanljia l>e Seguras
    com* ::::
    NORTHEBN
    de Londres e Aberdaen
    Posigo financeira (ezembro de iSSbj
    Capital subscripto
    Fundo accumulados
    Reeelta 1 *.
    De premios contra logo
    De premios sobre vid
    De j
    3.000,000
    3.134,348
    577,33&
    191,000
    -.000
    O AGESTE,
    Toltn H. Box,
    London & Brasilian Bank
    Limited
    Ra do Commercio n. 32
    Sacca por todos os vapores sobre at cai-
    xas do mesmo banco em Portugal, sendo
    em Lisboa, ra dos Capellistas n. 75. No
    Porto, ra dos Tnglezes.
    SEGUROS
    M4WTI10S C9.WI.4 FOCO
    Companhia Pbenlx Per-
    nambneana __
    JO COMMERCIO N. 26 1 ANDAR
    Compinhia de Seguros
    x&tliMt &t WxtHx
    AGENTE
    Miguel Jos Alves
    S. I-Rua do lom denN. T
    SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
    Nestes ltimos seguios a nica companhia
    nesta praca que concede abs Srs. segurados semp-
    c3o de pagamento de premio em cada stimo
    auno, o que equivale ao descont annual de cer-
    ca de 15 i>or cento em favor dos gcgnrado.
    ~~SEGURO CMTUFMI
    Royal Insurance Company
    de Liverpool
    CAPITAL 1.000:000
    AGENTES
    R.DEDRUSDA&C.
    13lina Marquen de Olinda13
    HIPPODROMO
    campoIbanqb
    13li
    Coinpanhia
    Imperial
    Seg-uros contra Fogo
    EST: 1803
    Edificio e mercadorttis
    'Laxan buixa
    Prompto pagamento de prtjuizo.
    CAPITAL
    R*. 10.4M0:000000
    AGENTE
    BROMA* L C.
    N. 5RA DO COMMERCION
    INDEMNISADORA
    Conpanhia de Seguros
    MARTIMOS E TERRESTRES
    F.*Ubrlrrl rm !-
    CAPITAL l,0O0:000|000
    SINISTROS PAGOS
    At S1 de Dffrnil.ro drissi
    Martimos.. 1,110:000#000
    Terrestres. 316:000^000
    44Ra do Commercio44
    SEGUROS
    CONTRA FOGO
    The Liverpool i London k filobe
    rDTSURATTCS CDMPAlTr
    siicms, mu i c.
    Ra do Commercio n. 3
    t\i\ n i;i
    Gompanhia de fia^aoeteci-
    dos de Pernambuco
    por deliberando da directora sao- convidados
    os senhores associados desta coinpanhia a se
    reunirem no salao do edilicio da Associafo
    Cominercial Renelicente. a 1 hora da tarde, no
    dia 7 do prximo mez de Margo, para approva-
    rem as contas do anno (indo em 31 de Dezembro
    de 188S, e nomearera a commissao Rscal do cor-
    rente anno.
    Recite, 7 de Fevereiro de 1889.
    Jos Joo de Amoriin,
    Secretario.
    Irmandade ao Divino Espi-
    rito Santo do Recife
    oMrlko Owl
    De conformidade com a segunda parte do art.
    38 do nos;o compromisso, rogo o comparecimen-
    to de todos os irmos, ex juizes e berafeitores,
    em o nosso consistorio, pelas S 1/3 horas da tar-
    de de quinta-felra 14 do corrente, afim de tra-
    tarse de diversos assumptos de dita importan-
    cia. Consistorio, 11 de Fevereiro de 1
    0 procurador geral,
    Jos Ignacio Avilla.
    Secretaria da Instruc^ab Pu-
    blica, 26 de Janeiro de
    1889.
    Faco saber a quem inleressar possa, de ordem
    do 8. Dr. inspector geral da in^trucco publica,
    que podem ser procuradas nesta repartico as
    cadernetas da Caixa Econmica Escolar da 3*
    eadeirrdo sexo masculino da freguezia de San-
    to Antonio, recolhidas plo ex-professor Fran-
    cisco da Silva Miranda, constantes da relaco
    infra.
    Relaco das cadernetas da Caixa Econmica Es-
    colar da 3 cadeira do sexo masculino da fre-
    ' guezia de Santo Antonio, ainda nao reclama-
    1879 N. S-OJl Joio Gomes Pe-
    reira da Silva, folhas 38
    N. 3.774 Manoel Pedro
    Alexaidrino de Lima,
    dita 68
    1880 N. i.OH Jo&o Baptista
    Lopes de Castro, dte 48
    N. S.011 Alfredo Preco-
    pio Lopes de Castro, dita
    1881 N. .084TheotonioAgri-
    Slno dos Santos, dita 10
    . 3.516 Gustavo de Sou-
    za Lopes, dita 17
    N. 3-517 Joao de Souza
    . Lopes, dha 18
    N. 3.510 Martiniano Joa-
    5uim de Mello, dita 21
    I. 3.805 JoaoSilverioda
    Costa Oliveira, dita 30
    N. 4-638 Manoel Soares
    Monteiro, dita 45
    . N. 4-640 Lupicinio Fer-
    nando da Silva, dita 47
    188J N. 5.0S1 Victorino Duar-
    te Pereira Luna, dita 8
    N. 8.388 Capitulino Tho-
    m Baptista, dita 16
    N. 4-641 Manoel Candido
    Ferreira da Silva, dita 19
    N. 4.647 Alexandrino
    Tavares, dita 10
    N. 5-0J9 Arthur Ferreira
    'Soares, dita 34
    N. 5311 Raymuado Al-
    ves de Souza, dita 42
    1883 N. 5312 Luir, de Franja
    Soares (ou Souza.) dita
    31
    N. 6.183 Alvaro de Oli-
    veira Colas, dita 37
    N. 4.642 Joao dos Santos
    Pereira Braga, dita 57
    1884 N 6.371 Joaquim de Sou-
    za Pinto, dia 12
    N. 5.616 Manoel Silverio
    de Miranda, dita 20
    N. 7.145 Amaro Joao de
    Alcncar. dita 37
    N. 8.1% Rosa de Lima
    * dos Passos Barbosa,3 dita
    1883 N. 5.618 Carlos Henrique
    Soares, dita 41
    H. 5.975 Affonso Dantas
    Teixeira, dita 36
    Fracrdes
    lOOO
    100 1*000
    000
    3000
    160 10*800
    600 5*000
    600 5*000
    520 105000
    16*000
    400 2*<00
    100 1*000
    9*000
    140 17*000
    41*000
    500 7*000
    740 1*000
    560 3*000
    11*000
    840 2*000
    309 1*000
    4*000
    630 4*000
    500 6*000
    400 1*000
    800 3*000
    700 4*000
    8*700
    Recife, 21 de Janeiro de 1899.
    Francisco da Silva Miranda.
    Os pretendentes devem apresentar
    mente habilitados.
    Pergentino Saraiva dt A
    Que dever ter lugar domingo 24 de Fevereiro de 1889
    t. pareoENSAIO800 metros. Animaes da provincia que ainda nSo tenham
    ganho premios no Hippodromo, Prado e Derby. PEEMOS: primeiro
    20OJ000, segundo 50*000 e terceiro 200000.
    t. AireoIMPRENSA PERNAMBUCANA900 metros. Animaes da provincia.
    que nao tenham ganho premio n'esta ou maior distancia em nenhum dos
    prados d'esta capital, premios: primeiro 250 e terceiro 250000.
    . pareoHIPPODROMO DO CAMPO GRANDE1.609 metros. Animaes de
    qualquer paiz. premios : primeiro 6000000, segundo 1500000 e terceiro
    600000.
    4. pareoPRADO PERNAMBUCANO1.500 metro. Animaes nacionaes at
    meio sangue. pr*mios : primeiro 4000000, segundo 1000000, e terceiro
    400000.
    *.' pareoDERBY CLUB DE PERNAMBUCO1.700 metros. Animaes da
    provincia, premios : prmeiro 3000000, segundo 750000 e terceiro
    300000.
    .pareoPROGRJSSSO 1-400 metros. Eguas at puro sangue. premios:
    primeiro 3500000, segundo 800000 e terceiro 350000.
    f. pareoVELOCIDADE800 metros. Pequiras da provincia com 1 metro e
    30 no mximo, premios : 'primeiro 1500000, segundo 350000 e terceiro
    150000.
    Observacoes
    Nenhum pareo se realisar sem que se inscrevam tres animaes de proprieta-
    rios differentea.
    A inser pello encerrar-se-ha no dia 18 do corrente s 6 horas da tarde no es-
    criptorio do Hippodromo.
    O cdigo de corridas prescreve o modo da inscripcao.
    O 6. pareo nao se realisar sem que se inscrevam 5 animaes.
    Recife, 12 de Fevereiro de 1889.
    O secretarlo,
    Ferreira Jacobina.
    O vapor Elbe
    Commandante Armstrong
    ^_ E' esperado do sul no dia 17 de Fe-
    ^sLfcw vereiro e seguindo depois da demora
    ^ ^necessaria para
    S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
    Antuerpia
    Reduecao de pasBagen*
    Ida Ida e vela
    A' Lisboa 1* classe t 20 t 30
    A' Southampton Ia classe t 2a 42
    Camarotes reservados para os passageiros de
    Pernambuco.
    Emq uanto vigorar a quarentena imposta na
    Repblica Argentina, aos navios procedentes do
    Brasil, os vapores desta companipa nao aceitan'
    passageiros nem carga para Buenos-Ayres.
    Para passagens, frotes, encomriendas, tratare
    com os
    Amorim Irmos & C.
    N. 3Ra do Bom JessN. 3
    LEILOES"
    Grande festa
    Domingo, 17 do corrente
    \o largo do Carino em Olinda
    Umdiacheio!
    Msica
    Divertimento populares
    Fogoe de artificio.
    Fogo de artificio especialmente preparado pelo
    eximio pyrothechnico LEONCIO, vantajosamente
    condecido pelos grandes fogos astronmico e
    mythologico.
    AudicSo gratuita
    VisSo gratuita.
    Domlaeo 17 do corrente
    NO LARGO DO CARMO EM OLDDA
    O programla ser publicado amanha.
    eauco nrisBfiACiom
    DO
    DQDf-^A-ZiXX^
    O.OOOMKM^
    Pays-Bas
    Deutsche Bank.
    > Bank d'Anver.
    > Banca Genrale e sua
    agencias.
    Capital
    I4e rellsado
    A caixa filial deste Banco funeciona
    ra do Commercio n. 40, sacca, vista ou
    a prazo, contar os seguiates corresponden-
    tes no estrangeiro.
    LONDON..(Baaeo Internaelonal
    < do Brasil,
    , ( London office.
    ( l.ondoa k Couutj
    ( Banking Company L.14
    PARS......(Baoqne de Pars & des
    (
    Hamburgo.A
    Berlim.......
    Bremen.....
    Frankfurt
    sur Main-
    Antuerpia ..
    Roma........
    Genova......'
    aple.....
    Milio e mais
    340 cida-
    desde Ita-
    lia...........
    Madrid......j
    Barcelona..
    Cadi........
    Malaga......
    Tarragona.
    Valen cia e
    outra ci-
    da des d a
    Hes pa nha
    e ilhas Ca-
    naria......
    Lisboa......
    Porto e mais
    cidades de
    Portugal e
    ilhas.......
    Buenos Ay-
    re .........,
    Mon tevWo
    NovaYork. G. Amsink & C.
    Compra saque sobre qualquer praca do
    imperio e do estrangeiro.
    Recebe dinheiro em conta corrente de
    movimento com juros na razSo de 2 /0 ao
    anno e por letra a prazo a juro conven-
    cionados.
    O gerente, nliam M. Wettber.
    United States and Brazil
    M.S.S.C.J.
    Ovapor Advanee
    E' esperado dos portos do
    norte at ojdia 2 de Mar-
    co o qual depois da de-
    mora necessaria seguir
    para a
    Baha. Rio de Janeiro e Manto*
    Para carga, passagens, encommendas e di-
    nheiro a frete : trata-se com os AGENTES.
    O vapor Allianpa
    E' esperado dos portos do
    sulfat o dia 28 ie Feverei-
    ro o qual depois da demo-
    ra necessaria seguir
    para o
    Maralo. Para, Barbados, H.
    Thontaz e New-York
    Para carga, passagens, enc^Mumendas e di-
    obeiroa frete : trata-se com os
    AGENTES
    Henry Forster & C.
    8Ra do Commercio8
    l1 andar
    Banco Hypotecario de
    Espaa e sua agen-
    cias.
    Banco de Portugal e
    suas agencias.
    The London & River
    Plata, Limited.
    MARTIMOS
    Vapores naciooaes
    EMPREZA NORTEE .SUL
    Santos, Rio Grande do Sul, Pelotas e
    Porto Alegre
    O vapor Arlindo
    E' esperado dos portos do sul.
    io dia 16 do corrente e seguir
    parr os portos cima indicados
    ' de pequea demora.
    e passageiros a
    CHARGEURS REUNS
    (apanhla Francesa
    DE
    IVavegaelo
    Linha quinzenal entre
    Pernambuco, Babia,
    Santos.
    O VAPOR
    Ville de Bahia
    Agente Pestaa
    Leilo
    De movis, lougas e vidros
    Sexta-felra i* do corrate
    A's 11 horas em ponto
    No 1. andar ra da Penha n. 2o
    0 agente Pestaa autorizado pela lllm. Sra. O.
    Leodovina da Silva Campello far leilo dos mo-
    vis abaixo declamados:
    Urna mobilia da excellente madeira (oiticica,)
    composta de 12 cadeiras de guarnico, 2 com bra-
    cos, 2 com balangos, 1 sof e 2 consolos coavpe-
    dra, 1 espelho dourado grande, i jarros, 2 escar-
    radeiras, 1 candieiro a gaz, 4 quadroe, & linter-
    nas, 1 relogio de cima de mesa, f cama de ama-
    rello, meia commoda de dito, 1 marquezo es-
    treito, 1 cama para menino, 1 berco, 1 bidet, i
    cadeira com bataneo. 1 mesa elstica com 4 ta-
    boas. 12 cadeiras de amarello, 1 sof, 2 aparado-
    res, 1 quartmbeira, 2 cadeiras de abrir, 1 can-
    dieiro a gaz e um registro, 1 aparelbo de almoco,
    um dito de jantar, 12 copos, 12 clices, garrafas,
    talheres, compoteiras e outros muitos obiectos
    que esto presente a vista dos Srs. compradores.
    Agente Stepple
    lehAo
    De um importante terreno para um bom
    predio
    Sexta-felra 1* de Fevereiro
    A'e 11 hora
    Vo armazent na do impera
    dor n. 3
    0 agnnte Stepple competentemente autonsa-
    do, levar a leilo um importante terreno com
    frente para a ra 7 de Setembro, freguezia da
    Boa-Vista, com portao de ferro na frente, com
    14 metros e 20 centmetros, e de comprimento
    at onde chega o muro do quintal da casa n.
    50 da ra do Hospicio, tendo 40 metros e 60
    centmetros.
    Os srs. pretendentes podem desde j examinar
    o terreno, e alguma informago o mesmo agen-
    te dar.
    LeilaQ..,.
    a vapor
    o Havre, Lisboa,
    Rio de Janeiro e
    Com mandante Koux
    E'esperado da Europa at o dia 18
    de Fevereiro. seguindo depois da in-
    dispensavel demora para a
    Ufe:
    Bahia, Rio de Janeiro e Santo
    Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
    vapores desta linha, queiram apresentar dentro
    de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
    qualquer reclamaco concernente a volumes que
    porventura tenham seguido para os portos do
    sul afim de se poder dar a tempo as provi-
    dencias necessaria8.
    Expirado o referido prazo a companhia nao se
    responsaOilisa por extravos.
    Para carga, passagens, encommendas e di-
    nheiro a frete: trata-se com o
    AGENTE
    Augusto Labille
    9 RA DO COMMERCIO 9
    ao
    |'e diversas duzias de pelles de bezerro mixto,
    choix e carneiras, grosas de brinco, pentes
    para caspa, espelhos pequeos, tezouras linas,
    escovas para cavallo. resma de papel pautado,
    collerinhos, toalhas para rosto, despertadores,
    movis, louca, vidros, jarros para flores, es-
    Eelbos, fezendas.e diversas qalidades de bc-
    idas.
    SEXTA-FEIHA 15 DO C0RRE>TE
    A' 11 hora
    \o armazent da rna Mrquez
    de Miada n. 48
    Por intervencSo do agente t
    Gusmao
    Companhia Brasileira de
    Navega^ao Vapor
    PORTOS DO NORTE
    O vapor Alagoas
    Commandante JoSo Maria Pessoa
    E' esperado dos portos do sul at o
    dia 17 de Fevereiro e saguindo depois
    da demora mdispensavel para os
    portos do norte at Manos.
    As encommendas sao recebidas na agencia
    at 1 hora da tarde do dia da sahida.
    Para carga, encommendas, passagens e valo-
    res trata-se com os
    AGENTES
    y
    PORTOS DO SUL
    O vapor Para
    Commandante Antonio Ferreira da Silva
    ^_m ^ E' esperado dos portos do norte at
    llm. d'a ,5 de Fevereiro e depois da de-
    ^ mora indispensavel seguir para os
    mnBiWportos do sul-
    Recebe tambem carca para Santos, Santa Ca-
    marina, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande do
    Sol, frete mdico
    As encommendas so serao recebidas na agen-
    cia al 1 hora da tarde do dia da sahida.
    Para carga, passagens, encommendas e valo-
    res trata-se com os AGESTES.
    Pereira Carneiro & C.
    6=Rua do Commercio=6
    1<> andar.
    depois
    Recebe carga, encommendas
    tratar com o_______ _,
    CONSIGNATARIOS
    Pereira Carneiro &C.
    6-^RUA DO COMMERCIO6
    1- andar
    Royal Mail Steam Packet
    Companhia
    O vapor Neva
    Commandante G. M. Hicks
    -/mAji Esnera-se da Europa at o da 16 de
    HSFtevereiro, seguindo depois da denso-
    ^^ra.do coitnme para -
    Bahia. Rio de Vaneiro. Monte-
    (l'ara
    Ideo
    e Buenos-tyres
    frete e enosomneadas
    De movis, loucas, 1 piano de Pleyer^l boni-
    ta mobilia de junco com encost de palba, com
    12 cadeiras de guarnico, 2 ditas de bracos, 1
    ditas de bataneo, 2 consol os com pedra, 1 sof
    e jardineira, 1 piano de Pleyel, 1 cadeira para o
    mesmo, 1 espelho, jarros, 1 guarda vestidos de
    amarello, 1 cama franceza, 1 lavatorio.! bidet
    com pedra, 1 machina de costura, 1 relegio de
    parede, candieiros, quadros e passarianos, 1
    mesa elstica de 3 taboas, 1 guarda louca, 1
    aparador, 12 cadeiras de junco, 1 cama Dar
    crianca, 1 banquinha. louca de jantar, dita de al-
    moco, copos, garrafas, comeres e inuitos otros
    movis que serio vendidos.
    Ao eorrer do martello Jf-
    Hext a-i eir 1 5 do cmrremte
    A't 11 hora
    Na casa de Azulejo n. 48 da ra do Padre Flo-
    riano
    O agente Martins tara leilo por ordem de urna
    familia que se retirou para fra da cidade dos
    movis e mais objectos existentes em dita casa
    ra do Padre Floriano n. 48.
    Leil
    Leilo
    n. 6 do
    de uma terca parte da casa e sijl
    3o neceo do Pombal *
    Sabbado 1 do eorrajntt
    AS 10 1 i HORAS
    Agente Pinto,*
    Rna Mrquez de Olinda n. 52 I
    Em continua^ao
    e s 11 horas
    Oe difTerentes objectos na porta d'Alfandega
    Agente Silveira
    Segundo leilo
    Da casa terrea ra dos Pescadores n.
    24, em terreno foreiro
    Sabbado 1S do eorrente
    A' 11 hora
    No armairn a ru d Imperador
    n. 15
    O agente Silveira, por mandado e com assis-
    tencia do Exm. Sr. Dr. iuiz de direito de or-
    phos e a requerimeoto do inventariante de Ma-
    noel Jos Monteiro da-Franca, levar a leilo a
    referida casa.
    Grande leilo
    De importantes movis austracos e dourados,
    piano, linos crystaes, porcelanas, electro-
    pate, forros de tapetes, alcatifas e esteiras,
    plantas, trem de cozinha e ferramentas para
    jaidim.
    Terca-feira, 19 do corrente
    A's 10 e 1/2 horas
    No Io c 2' andares do sobrado sito ao largo da
    Santa Cruz a...
    Constando :
    De 1 rica mobilia austraca, com li cadeiras
    de guarnicSo, 6 ditas de hragos, 1 sof e
    querqus, 1 importante piano, novo de
    cadeiras para dito, capa para dito, estaj
    msica, etageres com jarro% 8 jarre
    jardineiras com jarros e flores artif
    para ceniro de sala, almofadas para
    para forro de sala, 1 rica mobilia
    portantes guarda louga e aparador
    e pedra. aparadores com pedra,
    cadeiras anstriacas de espaldar, dita
    com muio bragos. apparelhos d^
    almogo e jantar, dito
    o, importante f
    tim completo, pai
    garrafa?, comp
    le. cosinha
    tos que sero de

    *

    ;aae:ras
    ^fm1 j"ww







    6
    Vise [ui do Norte, fari
    neos movis que oenam sui rteiflencia 8ita ao
    largo da Sania Cruz n...
    AVISOS DIVERSOS
    __Alaga se casas a 84800 do becco dos Coe-
    Mms, junto de S. (Joncallo ; a tratar na ra ida
    Imperatriz n. 56.
    Aiuwa-se o pavimento terreo do sobrado n.
    *. Vi raa da Roda, estando o mesmo raiado, pin-
    tado e todo ladriihado de aovo, conteiido i sala.
    IfUirtose rosinha ; a tratar na ra do Cabug
    16, luja._______________________
    l'recisa-e-se de um meco hbil, com pra-
    "' tica de nereearia, que d 0ador fu conducta,
    para casa commercial a rrkalha nesta cidade ; a
    tratar na ra larga do Rosario n IV____
    ""*"_."Precisa-sa, de tuna amanara cosiuhar : na
    praca da ssembla arraazem n. 15.
    " \_avciia se dr urna crict pura oopedra e
    mais algum servigo de urna'casa de familia : a
    tratar n roa da Stedade n. 82.
    PMk- *:*- *
    CAMA
    Precisa-se de urna boa en-
    gommadeira que faga out ros
    servidos, a tractor no 3. an-
    dar, por cima da typographia
    do Diario na na Duque
    de Caxias n. 42.
    y&&
    Precisa-se de orna ama para senrico de urna
    casa de familia, preferindo-se de idade ebons
    eofttnmes t a tratar na ra da Mangucira n. 1.
    Ama
    Precisa-ge de urna ama para cuidar de crian-
    cas; na ra dasCreoulas n. 2-B (Capunga), casa
    Se azulejo. _______
    Ama
    Precisase de urna ama para comprar e cosi-
    uhar ; na ra de Santo Amaro n. 14.
    o commercio
    O abaixo assigaado participa ao corpo com-
    mercial que deixou de ser interesado no seu
    estabelecimento de molhados que grrava sob a
    firma de Goncalves Dias & Motta. sito ra
    Mrquez do Herval n.M, o Sr. Fortunato Pinto
    da Motta. o qoa nao tem gerencia alguma desde
    28 de Janeiro prximo passado ; quem se julgar
    credur da dita tirina aprsente suas comas ra
    Corom- vtassuna n. 15. Recifc, 14 de Feverei-
    ro de 1889.
    Jos Gonjilves Dias.
    Cosinheira
    Precisa-se de urna boa cosinheira ; na praca
    Conde d'Eu n. 32. 2 andar.
    Aluga
    -se
    o sobrado na ra BarSo de S-Borj.. n. 26, com
    commodos para numerosa familia ; a tratar ua
    ra da Aurora n. 85.
    Ae^oes entre irmaos
    lie brante, mobilia, guarda-vestido, guar-
    da louca e mesa elstica, corre impreterivelmen
    te codi a ultima lotera de 60:000c00 do Gro-
    Par. que se extrahir *ste mez, conforme se le"
    as mesmas accOes; outrosiin, pede-se aos ca-
    valieiros que se dignaram acceital a- o obsequio
    de mandar satisfazel as.
    Rec. *
    Ao Ci** MI CIO
    Jos de Alraeida 6 C. fazem sciente ao publico
    que hesta data tem comprado o estabelecimento
    de molhados a ra Conde da Boa-Vista n 7.
    livre e desembaracado, aos Srs. Joaquim Ferrei-
    ra A C. Retire, i de Fevereiro de 1889.
    Jos de Almeida C.
    ttenco
    Do engenjio S. Bento 're-
    fuezia da Luz comarca de
    Vio d"Alho fiirtaramno dia
    16 deJaneiro u rn ca val lo rus-
    ocomuma rotura na barriga
    e em cima da anca o nome S.
    Bento. Paga-ge bem a quem
    0 levar ao referido engenho
    Modosos animaes que tive-
    rem este nome de en genho
    na anca podem tomar que <
    donan mu vt.Mide uem (roca.
    A'* rn;ies de wailias
    QEKE1S V.lStOS HILAOS SEMI'RK SADIOS r
    Adritinattrae-lhes o xarope ou as
    Pilulas V DO DR. CALASAlf
    ptimas preparacSes de niastruz
    e rhuibarbo, para a expulso completa, seiL
    dores nem incoramodo, dos vermes
    intestinos ori lorabrigas
    (DAS CRANLAS E DOS ADULTOS)
    SEIS ANNOS DE SUCCESSO!:
    i Esta? oxcellentes preparares nao ne-
    cb purgativos ixtmo auxi!
    Tisto seren purgativas por ai mesmas.
    Ai pesaoaa que tm. vermes sentem
    eat, tem constan te-mente diarrhas, i
    lo de corpos que se movem
    non intestinos, endurecimento do ventre, e
    _ v.-zes, vmitos. Kangen;<..- dentes, quan-
    do doruiem. s e pefeoas uxpe
    vermes com as fezes ou com ai materias'
    dos vmitos. Ai crancas apresentam a*
    pupillas dilatadas e inapetencia.
    As pilulas levam impresso o nome do
    DR. ('ALASAN- e sao cor de rosa.
    1 iaxtz de pilulas 14B0Q
    1 vi.h-o .le varope
    \S i'RLNCl]'A:> DROGARAS
    I'HARMACIAS
    Feitor
    \imi- mu fritor ix>: %
    Uarniada Bartho-.
    m^^
    Nova
    BaUe
    ?
    Diario de lV.rBaml)U(<)- BH_______________I ^ c'e l^eY^reiro de !^)
    isabuceo
    Phantazia
    Pelo Carnaval
    A| | wiiii iiirlir-Y a epocha do camrrala
    Nova H_inburgoT_a ao respeitarel pnblko
    que no pre_ent,_T_&o como nos precedentes,
    terlo lugwcomoBoaiorbrilhantismoobai-
    les fantaziados que este grande c bem mon-
    tado estabelecimento industrial custnma fa-
    cultar ao generoso poro pernambncano para
    o que desde j se trata da ornamentacSo
    do garrido theatro de Variedades existen-
    te no recinto da fabrica bem como dos
    aranjos dos magnifico terracos pavilhoes
    e "gardins. Collocada a Nova Hamburgo
    no centro desta cidade podendo sem es-
    for9& as grandes cajuinhadaa ser vizi-
    iadsi a cada ilutante' pelos amantes da fo-
    lia polos qwe btHpaiD narcotizar o tedio
    implantado no espirito pelas occupacSes
    pesadas; tendo em seu favor a agrada-
    bil idade de jtmetura e proporcCes que a
    torna preterida nasqnatro noites consa-
    gradas muaa alegre dos devertidos de
    esperar, e mesmo admissivl contar com
    a frequencia ijue 9 ha notado as epo-
    oliaa anteriores em que a boa ordem do
    servico interno ha perfejtamente correspon-
    dido ao espirito "ordeiro espansivo e so-
    ciavel da nobr populacao desta vneta.
    i\l
    asearas novas
    (Mullo barato)
    Acaba de chegar nm grande sortimento de
    mancaras de popetao, rame, seda e eariratas: a
    venda na loja de mosicas do Azevedo, ra Nova
    numero 13. __________
    Ao eommercio
    O abaixo assiinado pai ticipam ao respeita-
    vel corpo comnircial qw dissolveram a sofif-
    daile que tioham oo eetabeleciraeuto de molha-
    dos Ato fu Marqupz do Herval n. 29, o qual
    fftrava sob :i tirma social de Goncalves Dias &
    Motta, 'licaado denosse do activo e obrigado
    pelo passivo o ex-socio Jos Goncalves Das ;
    asen como quem se julgar credor da raesma
    firma, aprsente suas coalas a ra oronel Su-
    assuna n. 15, noprazo de tres dias. acontar
    desta data. Reate, 14 de Fevereiro de 1889.
    ''*SW> Fortuuatu Pinto da Motta.
    Jos Goncalves Dias.
    almas caridosas
    \\
    Rila l'envn do Espirito Santo, viuva, mora-
    Jora na travwsu da Piedat n. 6, em Santo
    Amaro, '-hando-ae o mais extrema miseria e
    tendo em saa-rarapatilna una afilhada aleijada,
    vem pi'ir n carulaie publica que a_ccorra,
    alim de-matar'* &e.
    Feitor
    Precisa se de um Feitor pura tomar conta de
    um sitio ; a H-t*r na rn^ do Vigario n. 13.
    Ajolice provincia I
    Havendo-se desencamraliado do poder do
    abaixo assignado urna apolle provincial n. 279
    da i -. r;> ,1o, v^lor de 300-000 e juros de 7
    O'"'. |^urkalea_l^ilO'menor Mar, filho do Sr.
    Dr. Andrc- Caialcante- de lbuquerque, faz-se
    publico o Uc\q,. para Hns efenientes.
    R'fife. 7 d.:.FcKereiro de:i889
    .'oaquim Duarh? uauxs
    PSw t^nteio
    M.:.-A Rt-l. t'NBB o re*fave; publico,
    i\ne le im a lAeas n sextas-feras, tere este sa-
    i na-', pao nm larga do Rosario n. 40.
    *
    Crialo


    Pi-e.-isa-SErdcum criado de 14>a 16 annos : na
    !."! ;al n. 17.
    1SO,
    Amorim Trmaos & C,
    scitMitificara ao corpo com-
    mT<'ialv olue o Sr. Antonio
    Augusto Bezerra de Mene-
    /> (Im\ou de ser seu em*
    pregado.
    Proessora
    ira competeiiteii:.-ii!e Iwrilit-d.
    i-.iiiuaj: - < casas par
    : portuguez,
    . :ia ra Vis-
    : US -' ID
    |,
    ;.pw-s.-a
    .,itil.n---s i- -jiuints mate
    r,-,.iici'/.. ii.u- i-M.i piano : ;i
    onde '!. A;!*UHUtiue n, 0.

    DE VIDROS
    J3 Hin d Aurora 19
    Kx[)oe a venda em _;roso
    t* a relajjJMi i>s .productos dt
    sen ial>rico.:endo
    ConoK.cf>m e sem pe, ditos
    com a/a [rara cerveja, cli-
    ces. _:!*hos, efra paa baiiisiietcetc.
    Jureros *eu_ competencia
    / Preferencia
    O PEITUatli DS'CAMBAIi hoje O re-
    ine o ...aii rocoitaito pelos mdicos para
    a.- io-lestiaa dw> pfito.
    Fr hcImo atioel da Silva & C.
    Su | .-enoridade
    Ariiiin rla^jnHfaer outro remedio para
    - '*(" 'o, e<;; eoJlocado pela
    .<;, ,. Pfeu-il le Cambar que
    se vead i*w cna dua agentes Francisco
    }\ :.-.,.1 ,l:i -Suva C, ra Mrquez de
    83.
    A ultima palavfa
    Ua i:n:die;iiu pana tu mole-tiaa do peito
    II PBllVR-L 1>K <~\ HAR.
    irseo M. 'I-i Silva t C
    (oi'iieo

    a tratar na
    Casa
    ., i'
    12: a tratar no escriptorio
    Diario
    YIIO e XAROPE K QQ1IA e FERRO
    u imiAuT c-, rr- u Parta
    Ac+rvnHi ttlt Jintt Hjgltn m-H-iunln I
    Oracaa is soas, prwrJe-ades tnicas e ropa-1
    radoras, estai prapuados produzem os me-1
    moros racultados quanjjo emprecados contraj
    & hl a c
    .asa da manatMeto, as aababraa da wto- 1
    migo, consecutus ^M entermldades. o
    lympht_ii_^aotJ-i _M>littMprovenientes I
    da DobrMa aanao*. Excitando o apetite. I
    MUmaUado^rgaaiswfl, oonstufiado os
    quina raemo ori-Ialt c\ teten- \
    voltem rftMmeik uatmaf1 -
    moc p-llldaa e anmicas, corto ot 1
    a, muA*
    ildtefifao
    Preeisa-se alugar vm sitio ma tenha commo-
    dos para ter vaccas de frite, baixa de capim. e
    que seja collocado as proximidades das linhas
    de ferro e bonds : a tratar na ra da Aurora n
    81, i- dan. ___.....___
    WE1HS
    ' aBtiro
    PneM-se deam at-eiro It a M annos,
    que tenha pratica detaverna e di liadorde sua
    conducta ; na ra do Motocolonib n. 65, Afo-
    gados.
    Cosinheira
    Precisa se de urna ama que cosiohe ncm ; no
    terceiro andar do predio n. 42 da ra Duque de
    Caxias, por cima da tf pograpbia do Diario.
    Cosinheira
    Precisase de urna cosinheira : na ra de
    Bemtica n. 7, Pasaagein.
    Cairtdlas do lonte de Soeeorro
    Campra-se cautellas do Monte de Soccorro de
    qualquer joia, brilbantes e relogios; paga-se
    bem na Praca da Independencia n. ft, loja de
    relojoeiro.
    Vende-.-. .-ite de vacca da trra, paro, a
    i3_0 rs. a garrafa, garanbndo se a boa qualMado
    aos freguezes que o comprar nesta casa. O
    freguezes encontrarto o leite das 5 s 7 horas
    da manha, e tnmbem los aicarregamos de man-
    dar levar em casa de qualquer fregu* na ra
    doKangel n. J.
    Vende-?e eal nova de Lisboa ; na ra Pe-
    dro Affonso ns. :.' e il. __
    Vende-se urna (averna bem afreguezada
    no bairro da Boa-Vista ; a tratar na ra da Im-
    peratriz n. 55.
    Vende-se barato um terreno em Agua Fria,
    com 90 palmo d< frente e 500 de fundo, na ra
    de S. Paulo ; a tratar na travessa da Casa Forte
    n. 10, ta?erna.
    Carocos de algodo
    Compra-se carocos de algod&o ensaccado3;e
    treges nos armazens, ra do Baro do I'riura-
    Eho ns. 10, 12 e 14 : ao preco de 380 res po f"
    ilos. _______________________^
    Peitoral de C ambara
    Attesto que o Peitoral de Camba r.- do
    Sy. Jos Airares de Sonza Soares, prepa:
    nido do urna arvore aromtica denomina-
    daCAMBARA'que vegeta na Berra
    desta provincia, ? um cceilento balsmi-
    co expectorante, e como tal o tenho em-
    pregado sempre com bom resaltado as
    affecc8e8 pulmonares. O referido ver*
    dade e o juro sob a fe do meu grao.
    Dr. Vicente Cypriano da Maia.
    (Pelotas). _________________
    Otara e de boro paladar
    NSe ha remedio que rena mais vanta-
    gens para'os doentes do poito, do que o
    Peitoral de Cambar: cura e de bom
    paladar.
    rergiHMta
    Oual o remedio mais erficaz e aconselha-
    do para a tosse ? O Peitoral de Camba-
    r que se vende em casa de Francisco
    Manoel da Silva rt C, ra do Mrquez
    de Olinda n-. 33.
    _#ctyc leerse
    O abaixo assignado, cfdadSo on
    morador no Monte Bonito, 2 districto de
    Pelotas (Rio-Grande do Sul),-attesta que
    soffrenda-d-na toase perigoea, foi radi-
    calmente curado, em poucos dias, cam o
    popular medicamento eeitoral de amba-
    ra, preparado do Sr. J. Alvares de Souza
    Soares desta cidade.
    Joaquim Thomaz Affo>so.
    inental,
    i ostureira e modista
    franceza
    Madame Fanny Silva tem o seu atelier de mo
    das e costuras 'rua Bario da Victoria II. 15, !
    andar, e confecciona todo e qualquer toilette,
    com apurado gosro e elegancia, para calamen-
    tos, bailes, risitas., passeios, etc., faz tambera
    manteletes e capas sobre medida Contina a
    ter um lindo sorlimerto de novidades de Pars,
    vestidos de seda, feitos, e em cortes de seda,
    faze. vellorio, broch ecrpe de chine, foulards.
    suralis, edas .v 'oUoownas pretas. Es.olhido
    -orlimeuto em vidilhos pretos, chapeos, ca po-
    jas e visitas : luto em 24 horas. Telephone n.
    03. Ku_ Uarao da Victoria n. 15, 1 andar.
    PranriMA Candida don Wanloa
    Birardo Pantaleao da Cmara Santiago, Can-
    dida Mar ia dos Prazeres, Justino Manoel dos San-
    to*. Jos1 Francisco da Cmara Santiago, Phila-
    delpha Hiomena da Cmara Santiago e Maria
    Francisca da Cmara Carneiro, penhoradissimos
    agradeccmdo intimo d'alma.a todos os amigos e
    prente? que se dignaram de acoinpanhar a.) ce-
    miterio publico os restos mortaes de sua preza-
    da Blha, mai e irm, Praucisca Candida dos
    Santos; e de.novo os convidara para assistirem
    a niissa do stimo da. que ter lugar na igreja
    matriz de Alegados, no sabbado 1 do crrente,
    as H horas da raanh.
    c^.*WEa_a_B_B_a_a__a______WB_a_-
    f
    l|>anna Barboma < trauju
    4. ANNIVERSABIO
    Josi'- Tereira de Araujo. seas ilhose geuro con-
    vidara a todos os prenles e amigos aassistirera
    M missas que pelo descanso eterno d'alma de
    sua sempre lembrada esposa, mai e sogra man-
    dara rezar no dia 18 do corrente s 1 horas da
    manhi. as igrejas matrizes ila Boa-Vista e San-
    to Antonio d'esta capital c as capellas dos enge-
    nho.' Visgueiro e Amaragy, s 8 horas da raanh
    do racsin da._________' __________
    aaaM_________a___a_a___aaaMwa_____
    JU
    Tenenle Pedro H**;lartl
    A directora do Instituto > ilterario Oiiudense
    por si e por todos os associados manda celebrar
    urna missa, sabbado, 16 do corrente, s 7 horas
    da manh,Jia igreja do Bom-Fim em Olmda.
    pela alma do inditoso tenente Pedro Itygaard, 1'
    secretario da socieddde; para tssistir a este
    acto de religio eearidaJc convida rnuiliae
    aos amigos do mismo linado. _____
    T
    Carolina do Carino Iras
    Vctor Mathias Brasra e BaUoazar Marques Sal-
    les, tendo recebido a infausta noticia de ter fal-
    lecido em Portugal sua prenda e extremosa ir-
    m e tia, D. Carolina do Carmo braga, convi-
    dam aos seus pueutea e amigos para assistirem
    as missas que por sua alma mandam celebrar na
    igreja da Santa Cruz, segunda feira 18 do cor-
    rente, pelas 7 horas da manha, stimo da que
    recebeu a infausta noticia, pelo que desde j se
    conje^saui eternamente agradi'cjdos.
    1
    ^ie^e
    Amella de ..ceiedo
    2." universal
    Antonio da Silva Heves e seus llhos
    aos sea. prenles o amigos paro aesutirem 8?
    missat que mandam cakbrar terea feira 19 io
    eorrente, s 8 horas da tnanba, na igreja do
    convento de S. Francisco. *lo eterno reponso
    d'alma de sua carissima esposa e mai. 2- ann'
    versario-de seu infau.-'. lascaairnto.
    se confessam agradei
    desde ji
    Antonio Jesuino Marques, tnstino Manoel W..
    Santos, Francisca Thereza des Santo
    Manoel dos Simes Araujo. sob a doloiosa im
    pressori passameiit de sua sobrinhu mai"
    cunhada, Fran. dula dos Sanios, convi-
    dara as pesio m u*>aainHdc pata assistireni
    as missfajaie.-nuiulaiu n-w pela m olma nal
    matriz -encobados, no dia 16 do renvute.
    las 7 J/2 hora
    faUecimeoto.
    I
    Telegramma
    Vejam e admirem
    S o 55 ra Duque de Caxias pode
    vender pelos procos que abaixo mencio-
    namos.
    Amor da China, noviciado em padi-Ses, a
    200 rs. o covado.
    Fustoes brancos a 360 e 500 rs. o co-
    vado.
    Velbutinas de todas as cores a 800 rs. o
    covado. E' barato!
    Cas ;os e capas para senhoras, o que
    ha de mais novo e barato.
    Cortes de seda, padrees lindos e prefos
    razoaveis.
    Mailapnlao com 1 metro de largura a
    6)5 a peca.
    Zeiiros a 80, 170, 200, 240 e 400 re.
    o covado.
    Ditos bordados a 80 rs. o corado.
    Tecidos arrendados a 400 e 500 rs. o
    covado.
    Brins de cores a 320 rs. o covado.
    Cortinados de crochet, osa chic- e
    preco barato.
    Cainbraia Victoria t'W&OO pesa.
    Dita batista a 120 rs. o covado.
    Sargen de todas as cores a 200 rs. o
    co-vado.
    Guardanapos bons a 15800 a duzia.
    Las modernas a 240, 280 e 320 rs. o
    covado.
    Rendas hespanLoIas a 2(5 o metro.
    Lnvas de seda a 2)5 e 30 o par.
    Kspartilhos couraea a 4i5, 55 e 65 ura.
    Merinos pretos e de cures, urna rarie-
    dade inmensa em precos e qualidades.
    Sctins de todas as cores a 800 rs. o co
    vado.
    Toalhaa felpudas., grande feduccSo em
    precos em vista da grande quantidade.
    Enxovaee paraba plisados o que ha de
    mais moderno e por poco preco, 100000.
    Colchas de crochet mnito chic.
    Camisas inglezas com e sem collarinho.
    Atoalhado para mesa a 15 e 1)5800
    muito fino.
    Collarinhos e punhos de Hnho e algodao
    e por prejo barato.
    Babados e ntremelos, grande sorti-
    mentn.
    Madapolao pelle de ovo por 6(5 a peca.
    Esguilo pardo e chumlwdo a 400 rs. o
    covado.
    Una grando variedade em Ienos.
    Gravatas e meias para homens.
    Cretones para coberta o que ha de mais
    barato e bom.
    Mantilhas de renda a bb urna.
    Leques de sotim muito chic.
    Linn bordado com quadros a 800 rs. o
    covado, muito bonito.
    Chitas escuras e claras a 240. 280 e
    320 rs. o covado.
    Cretones trancados, linos, a 320 rs. u
    covado, para acabar.
    Casemiras de cores e pretas um grande
    sortimento em qualidades e prejos.
    Casinetas, o que ha de mais bonito, a
    400 e 500 rs. o covado.
    Tapetes grandes e pequeos por procos
    razoaveis.
    Crinolino preta e branca a'l$<>nO o me-
    tro.
    Brins pardos a 320, 400 e 500 rs. o
    corado.
    Cortes de vestido de cachemira oon vi-
    drilho o que ha de gosto.
    Ditos de linn para vestidos bordado*.
    E' barato. t
    Caiubraia branca, bordada, o que ha ie
    mais gosto e por preco razoavel a 8;j' ti
    pea.
    Dita com salpicos a 45 e 5)5000 a pora.
    Colchas argentinas a 6)5500 urna.
    Ditas de 25, 35, 45 c 55000.
    Bramantes de algodao e linho
    os precos.
    Grande sortimento era fichs
    e pretos.
    Grinaldas para uoivas.
    Luvas e leques para noivas.
    Ricos de cores muito chic.
    Alm do que acabamos de annunciar.
    temos urna quantidade de artigos que s
    vendo-se, se acredita, pelo que pedem que
    comparecam.
    Do se amostras sem penhor.
    Setinetas lisas de todas as cores a 400
    rs. o covado. Sao muito largas.
    Roupa feita e por medida.
    55-RA DUQUE DE CAXIAS r.
    rERi\AKDLSDEAZEVGD(U(.
    ADOR
    mK CrtlltinKn kr O enra e prercao das eamwdadea 4c _g_d,
    X_lllll(l vuiuillliu 'SjL V_/ hepatites dos paize quentes, tp/cen ou hypoeon-
    frMRlJ VXI.vi -43 '
    iTefroule da Praclahada ln-
    lopendencla .
    Este novo estabelecimento intitulado
    AO T0RRAD0R vende sem competen-
    cia, como as Exmas. familias poderlo
    analysar pelo seus precos.
    Taverna
    Vende-se urna taverna u i na do BoeanMnen-
    to n. 11 propria para pnHnpiaiite. c P uotivo
    da venda m' dir :io e*_pr_rtor.
    Assucnr refinado
    s relinudores desta cidade avisam ao pnlilieo
    quedo dia 13do eorrente em diante os assuca-
    re rehilados serlo vendidos pelos preeos se-
    gaintes i
    * Primeira 40O
    Segunda .1*500
    Tep-eira 3*000
    SANTAL CLERTAN
    Perol ai* de tenencia purm
    de Smntal
    A essencia pota de Santal tem sido experi-
    mentada cora o maior saccesso pelas celebri-
    dades da Europa e da America. E inofensiva,
    mesmo dose elevada, e nSo oceasiona ncm
    diarrhas, nem 'orea de estomago, nem arotos
    eomo produzem frecuentemente ai prepara(,C3
    de copah.
    A essencia pura de Santal ao exals che i* re-
    velador.
    As perolas de Santal do D' ClerUo, prepara-
    das com a approvacfto da lAcademia de Medi-
    eina de Pariz, con-m essencia pura, e sua effi-
    eacidado i certa nos corrimentos contagioso,
    esquentamentos e todas as inflammacSe ou ca- .
    tarrbos .dea rg&es genito-urinaros.
    Podem ser teewua* a todos ea periodo da
    blenorehsgi'a. Ilomandoas,.parolas de Santal do)
    D ClcrUn, os do*-as,s_oasegur_do.de ter um |
    producto que meress, toda coBfians. ~^']bcigit I
    afirma. /
    Veade-so aa afe, parte d*s pksliaaeias.
    dris, clicas biliosas, queas
    PBroIas lB Duraste flo Dr Glortan
    Ether therebintbinado)
    Segundo oa testemunhos dos mdicos mais
    VJllostres.
    O Ether therebinthinado tem a indiscutavel
    prbpriedade de acalmar a atrozes clicas e o
    vomito oiie Uto frequentemcnle acompanham os cal-
    Lanzihns de quadros a 60rs. o aovado. <**k biliarios e certas nevralgias hepticas
    Ditas de ditos a 200, 240 e 280 rs.
    Merino de quadros, bonitos padr3es a
    300 rs.
    Ditos lisos entestados a 480 rs.
    Baptista e nan/.uch finos a 140 e 240 ns.
    Mariposa branca e de cores a 240 rs.
    Chitas finas cores fixas a 200 a 240 rs.
    Ditas forlaidine a 240 rs.'
    Cambraia branca bordada a 45500 e
    45800 a peca.
    Dita Victoria, fina, a 25800 e 3S500 a
    peca.
    Seda de Japao, lindissimos padrSes a
    200 rs. o covado.
    Dita da Persia, lindos padrSes, a 18"
    rs. o covado.
    (Tro-ssoau).
    Este antigo remedio de Durande, que tem pro-
    mcltido dissolver os clculos biliarios, tem comprid
    tua promessa, posso affirtnal-o (Professor Bou-
    ehard).
    Doses : As perolas de Durande do Dr Clertaa
    prescrevera-se em numero de 6 a 10 por dia, da
    preferencia hora da refeicSes ou com urna
    chicara de caldo, tisana, etc.
    Fabr.: Casa L. Frere, 19, ra Jacob, Paria.
    rr
    Jo
    Peitoral k Candar
    SE
    Alvares de Socza Soares
    /),- t'rtofas
    Api'vovado pela xin. Junta Central
    le Llyiene Publica, autorisadu pelo Go-
    Sargelins de todos as cores a 160, 2f)\)vej e 240_rs. libaaiia ouro de 1." class.-..
    Setinetas lisas, largas, a 360 e 400 rs. O pkitgRAL DE < a.mij.u cura pei-feita-
    Merins pretos finos a 00, 15000, lo.; nMr n brOneiiite ngnj* '"' cbwnica;
    e 15500. 11 ;; iOUAt. DE CXMK.Ai.A i-:':-; :. asTrfma
    Colchas para cama a 1800, 2500" u ..ir -:;;i.- antiga ane seja;
    $g000. ) ) '.;:>. ;KAl. DE t'AMJIAlt i'ri de urna
    Crtesele casemira de cor a 2550'1 l'oniiii a-:; ii :" v"'1' r*WjHd_i ou
    35OOO. ;i. i-.';, lie \-->7. :
    Casemira preta, duas larguras, a 1580* >' O PBITORA". de CAMar cura incoatet-
    26 e 25200. f:.v.-li;ic!f6 tVMC Madapolao superior com 2" varas a 4o, > pK>r< 55000 e 55500 a peca. 'simples, m dorluxiVs '": fiei! ':>i;>l:imen-
    Dito americano, superior, a 7520f.' ai te ame no prl>ri> ix-nte cmisa a-'mra-
    peca. ; 9S0.
    Bramante de algodao para lenes a
    ]>:o,
    700 e 15CHX) o metro.
    Dito de linho superior, com 10 palmos
    de lagura a 15CRX), o metro.
    Guardanapos de linho e algodao a 25 a
    duzia.
    Toalhas felpudas a 35 e 45500 a duzia.
    Atoalhados para mesa, lindissimos pa-
    drees, a 15200 e 15800 o metro.
    Dito trancado, alvo, a 15000 o metn .
    Lencos brancos com barrado cor a 152'
    a duzia.
    Ditos superiores, de linho e algodaV'.
    252OO a duzia.
    Enxovaes para baptisados, completos, p"
    todos os precos.
    Entrenieios e babados bordados por t
    preco.
    Bicosde todas as cores para enfeite ij
    vestidos.
    Baleias cobertas e descobertas.
    Arcos cobertos para anqumha.
    Camisas brancas para homens e meni
    nos.
    Ditas de meia para homens e senhoras
    Manda-se fazer roupa por medida e *
    se amostras de todas as fazendas.
    Lima Coutinho .& C.
    l-.-ti- i ni portante medicamento vende-se
    a 25500 frasco, 135000 1/2 duzia e
    245000 n duzia, em casa dos agentes e
    depositarioH geraes.
    Fn1i1rinr.11 Mu-noel da Silva <& C.
    23 Roa Mrquez de linda 23
    PAPEL RIGOLLOT
    MOSTARDA EM F0LHA8 para SINAPISMOS
    INDISPENSAVEL AS FAMILIAS
    E AOS VIAJANTES
    Usada 00 mundo inteiro.
    ysp
    NADA DE
    VERDADEIRA
    que nao leve a
    FIRMA
    atrs
    com
    tinta
    rjciuiu
    O mata
    simples,
    o mais
    coramodo
    e
    o mais
    efflcaz
    dos
    Revulsivos.
    EXIGIR
    esta MARCA
    para evitar
    a Contrafaec*.
    A' randa m todas as Pharmacias
    DEP O SITO GERAL : A VEND VICTORIA. 24
    PARS
    de f
    de coree
    A VERDADEIRA.
    AGUA de BOTOT
    ' o nico Dentifricio approvado
    pela ACADEMIA de MEDICINA DE PARS
    0 melhor calmante contra as Dores de Dentes
    Kecommondado especialmente com os POS de BOTOT com Quina,
    para oe cuidados da bocea.
    289. Ru St-Honoro, Parla, e ea todti as bou Drofariu. Perfumarui e Cabelleniriu.
    .-lili'S ?
    NAO FERCAES TE%1FO!
    TOMAI O PEITORAL DK CAMBA
    qnp o nnli'< remedio riflrax
    para a molestas do larynse. frridM i
    t'oni o uso deste poderoso medicamento debell.-iin se *as tises as milis imperti-
    nentes e rebeldes e tanibeni desapparecein ;..- appreas^es dores do peito o alterarles
    da voz; cessara ns expectorafies sanguinolentas o o esearro.s '.[> s;.i,gno: em pouco
    tenipo desenvolve-sc o appetite, as foreas perdidas *eajjpareee;!i. e :> ir-a palav-ra-
    os enfermos sentem urna iiudiiiiea mnito notavel |iof assm cHzcf. reanimam-s ^H
    cscapam de nina morte certa.
    Exaiuinoi que amarcad.-i ibrica e a tirina Jo nitor J. .\.'v.-.v.-- S. Soares
    se achem nos rtulos que circulara a rolha e gargnlo de cada fr.-..-.,-... rv jjnran^jkr-
    contra as militas falsificacSes e imitaeoes que por tacbi n part- appareeir..
    Agentes n"es proiteefa
    FRANCISCO MANOEL DA KltVA C.
    Ra Mrquez de O Jimia n. 2J
    Precos: S55O0 rs. o frasco, 135000 meia duzia e 245000 a
    IBiIW-W! .- -..r;:. :
    '' 'C;'' "' C* S'M K eElilS S rLUt-b da ^k
    Empcegra-se ";n ih>U_Hi .'^ito ha n.o..- ao so annos jieta roaor liarlo ios ".aitatl-
    vos Krancezes e hs'ranc-eiro? para a curada AX1-.JI1A, C'///-OJt_; (orea jtsUiiiSU) e a
    JPormafdo d A Inscrcao no novo Codex Fraucez. outrosiin o taco de ha ver a Tunta -'Hygiene do Sruti
    verifica j aeiTic-ci* d'estas Plalas, a.uori-.n lo-lhes a venda, escusa qualquer encomio
    O nmtrtiom itJtm Uittt m n* ti Uventtr tnt]i turtttt Ma allf- mm atrs.
    DESCONFIEM-SE DAS IMITA90ES
    NOTA. Al Virdtdeim Pllvlu ao D' Blaud nto u nndem unto em frsicoi i 112 fraseo
    di 200 a 100 Hlsiu, mal nunca por miado.
    PARS, 8, BU_ PAYKNNE DEPSITOS EM TODAS AS PRINCIPAES PHARUACIAS
    d
    n'izia
    mi
    \LLA\
    \. 44Rua ilo BruinV.
    14
    AE;
    i p i j f\i\\ or.\!{'\0
    AV V\J< OUi>XV .
    J L NTO a jk" j xxymt xj\j^
    Trn para vnder. por precos .:. lieos. ::s segnip*s frrrgi
    Taclias fundidas, batidas e caluadas.
    Crivacos de ft_ftM! t*m_rthos.
    R.xlas de espora, idotn, idem.
    LWtas angulares, idem, idem.
    Bancos de ferro com serra eircu'ar.
    Gr.'ideanien o para rdfrn.
    Vararda de ferro balido.
    Ditas de dito fundi'lo, de lind< modelos.
    Portis d> fornalha.
    Vai.irf.- de orea de ''>, h, <'' avallos.
    Moenda* de 10 a 4" 'e panadura.
    I\
    aer tra-> com pieoi
    Grageas Dipazirj
    ,A_qprovdas K>*1-. Inspectora d.a Hyjiana. do B
    GMBCAR/V SAGRA0A lOLUrftEIQ FECR0 I
    VmuutMdmima Rammdia Q mnf activo dos Wrruginomom]
    I | rsim MirTiin ii habitual.I NSo jifiatielaili a Primio de Ventre.
    Dfluosito 5er_r:THABIACIa 6, DEMAZIRE. 7l;apwte;1iflpsjarisj
    Ka Knumbau : raa- M. da SILVA C

    J




    f-
    Di
    iubuco- -Sexbu

    MMi
    as
    de
    --
    188-
    ___
    REDUCCAO DE PRECOS
    2HU\IH)CUii$Pll-21
    OLlVfilR CAMPOS & f!. tendo de reeber bre-
    . II. _1 J 1 '*a*Ivua i^arga ao nosario *z
    veniente nm sortimento de artig-osnovos de altanovidade,resolveram Gustavo Vollichard
    fazer urna grande reduc^o nos presos dos rticos abaixo menciona-
    RELOJOARIA
    A antiga e bem acreditada oflicina de relojoei-
    ro, sita roa Primeiro de Marro n. 4, araba de
    ser transferida para a ra Larga do Rowa-
    ri n. 4.
    0 seu proprlctario, tendoum completo e rauito
    bom sortimenio de aviamentos tendentes sua
    artee com uma longapraticadamesma, offerecit-
    se ao publico em goral para encarregar-se de
    lodos ncertos de rlogios, caixas de msica,
    etc., etc.
    Espera continuar a merecer a coufianea de
    seus freguizi's e assegura-lbes que sersempre
    solicito no cumplimento de suas oraens.
    -Ra Larga do Rosario 42
    A*
    dos, part os quaes chaman a attenqo das suas Exmas. freguezas.
    Linhos para vestido padroes modernos a 160 rs. c- covado. Mantas hespanholas, de seda preta
    Cretoncs francezes, cores claras, :t 26G re. o dito. Espartilhos, o que ha de melhor,
    Merinos de cores, duas larguras, a 500 rs. o dito.
    Ditos de coros, lavrados, de 2^000 a l&0()0 o dito.
    Las de cores, desenhos de ciiclicmira, de 900 a 600 rs. o dito.
    Merino de quadros de 320 rs. o dito.
    G.SO00
    Fustiio brinco do 400 e 500 rs. o ditu.
    Mursulina branca para casacos u 500 rs. 0 dito
    Zepliir do or,*listas e quadros a 500 rs. o dito.
    Ditos arrendados, lindos gostos, a 600 rs. o dito.
    .Ditos do listas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito.
    Etamines arrendados, de cores, de 800 a 500 rs. o dito.
    Flor de Italia em quadrinhos, a 500 rs. de 900 rs.
    Murso. ::as de cor, de listas, a 400 rs. o dito.
    Cortes le cambraia bordados transparente e tapado, de 15)4000
    e 201000 por 9O00 e 120000 cada um.
    Lmao. >a>lroes em quadroe, a 440 rs. n covado.
    Nanzukc? padrees mimosas, de 280 rs. o dito.
    Percales miudinha se pannos finos, a 200 rs. o dito.
    Mlnr. m-cto fino, de 2*000 a l^UOO o covado.
    Setim ^Iac> de todas cores, a 900 rs. o dito.
    Brim fino pardo para vestido, a 400 rs. o covado.
    Cambraia Victoria transparente, fina, a 3|400U a peca.
    3^000 uma.
    de 40000, 5000,
    ~>&*J0 um.
    Fichs de cor arrendados, de 10000 m.
    Capinhas hespanholas de. cor a 20000 uma.
    Fichs de seda, muito lindos, a 30000 um.
    .Sargelim diagonal, todas as cores, a 240 rs. o covado.
    Casacos de cambraia branca bordados, a 30000 e 4000 um.
    Luvas de seda, todos os tamanhos, de 20000 a 30OOQ o par.
    Lences de linho do Porto, a 40000 um.
    Ditos grandes para cama franceza, a 60000 um. *
    Colchas de cor, d. 20000 a 50000 uma.
    Fichs, sortimento completo, de 20000 a 60000 um.
    Lencos de linho com barrinha a 20000 uma duzia.
    Camisas francezas, de 240000 e 360000 a duzia. ,
    Meias cras para homen, le 40000, 50000 e 60000 a duzia.
    Ditas brancas cras e de cores para senhoras.
    Ditas brancas cras e de cores para enancas.
    Chambres de cretone, de 50000 e 60000 um.
    Cortes de casemira de cor, de 60000 a 80000 um.
    Cortes de fustao para collete, de 10000, 105OOe 20000 um.
    Camisas inglesas de franella, la pura, a 50000 uma.
    Alm de outros- artigos que deixamos de mencionar.
    21-Ra do Crespo21
    Para oDerby
    'Carlos 8inden recebeu grande sortimen
    to de gravatas e camisa de cores propria.
    para os amadores do Prado e est venden
    do por preces sem competencia.
    Recebeu tambero collarinhos e punh<
    de borracha de formatos novos.
    48BA BARAO DA VICTOEU 48
    Professora de piano
    Urna senbora habilitada, nao so pelo seu es-
    ludo, cdfho tambern pela pratica, oHerece-se a
    encinar piano por pregos mdicos, quer em ca-
    sas particulares quer em collegios. pdenlo ser
    procurada para o exercicio de sua profissao na
    ra do Jasmim n. 39.
    Pihuas Cathartica*
    *
    Do Dr. Ay. *
    \ p.'riiicia flo *'" *'>
    i> -. ,\\, ,-io
    ule -'iirenW anuo*
    idMUnn :tra mnecrnn purgativa *,
    ,-- o rWU
    1 :;alas do 15 u. Ayhr, pjirgara compb i
    ventre con. *u;vMhW. sthnulnm t foi
    Li -.ia As Pilulss o Di?* Ayer1
    Hiii-v-S: M.tn. evitam im._if>
    f 'l-p*<*ll'lcS, III"*
    ' -in,,
    b lo Eato:ii.if*v. Fpndn c "Biiif,
    mptomoaifio as En?vrmidSiU la IVU**,
    >.-.-o _u> K-tom*jfA. XiiiiHea, Mnlr*
    T.> Cabera, Hlito Ftido, Febre ii i--.
    . .i:ic!i, Dtcb do e&tomagp c*(;tH e espaduas,
    - *:.vilropica!., tCc.. nada aa alli-rta
    r->n^n e proniptio corno a Pii.clas do
    :, M QJWes a.:o p lr.ind" utUldade o*
    INFALLIVEL e RADICAL
    no curativo de tedas as aSecfOes bionchiaes:
    Mal de Garganta, Toase e Tsica
    - PECTORAL

    Cosinheira
    Precisa-se de uma ama para cosinhar
    tar na ra do Livramento u. i.
    a Im-
    precisa-so de uma
    numero 137.
    Cosinheira
    cosinheira: na ra Velha
    Cozinheiro
    Precisa-se de um cosinheiro
    do J aysand n. 19.
    a tratar na ra
    Ensino particular
    0 professor Joaquim Elias de Albuquerque
    Reg Barios, ra da Conceico n. 27, ensina,
    I
    uer ou nao, pelas casas, as seguintes materias,
    Jepois das 3 horas da tarde : portuguez, latim,
    arithmetica, geograpbia, historia egeometria.
    58 \\n:-.' Dwqnt de Caxias-58
    WkMt LUUDA t
    5
    Principia na.segunda-feira, de todos os artigos que
    ficanirt de saldo do balanco do anuo prximo passado,
    vendendo-se por metade do seu valor.
    Grande quantidade de retalhos de algodosinho,
    .madapolfto. chitas, seda, setim, etc., etc.
    56 e 58Ra Duque de Caxas56 e 58
    CAPSULAS THEVENOT
    Enfernridades nervosa de qualquer niturtxa
    Antipyrina.
    Bromursto tte Camphora.
    Bromureto te Potasso.
    \ther. Etheroteo e Valeriana.
    Apil (Amenagogo, regalador do tangue).
    Sulfato $ Quinina.__________
    PaECS^CllMPETKNCIA
    A' na Primeiro de Maree i. 20
    su/i r.HElRONEM SABOR
    Depositario, em PERHAMBUCO
    4 UVA A Cl.
    PEiilliA !1
    1
    I\|
    \
    Juafo
    Atoalnado bordado a 1200 o metro.
    Alpacas indianas a 320 rs. o covado.
    Ditas mescladas a 600 rs. o covado.
    Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
    Batistas finas a 140, 200 e 240 rs. o dito.
    Brim pardo a 280 e 320 rs. o dito.
    Baleias pretas a 260 e cobertas a 500 rs,
    a duzia.
    Bicos de uma s cor a j a peca.
    Bramante tranfado a 800 rs. o metro.
    Brins de cores para enanca a 260 re. o
    covado.
    Bicos matisados a 2^500 e 3(5 a peca.
    Cumbraias bordadas a 45 a peca.
    Cachemiras de quadros a 260 o covado.
    Cortes de seda para colete a 5)5000.
    Ditos de linn em cartao a 7(5000.
    Colobaa de damasco a 6f$000 lima.
    Cretones de alsace a 360 rs. o covado.
    Cambraia an-endada a 460 rs. o dito.
    Cachemira da India a 220 rs. o dito.
    I Chales adamascados a 2(5500 um.
    Cortinados bordados a 6fJ000 o par.
    ! Colchas de cVes a 2(5 e 2)5500 uma.
    I Cortes de casinetas a 1(5500 um.
    } Chambre a ||500, 5(5 e 6*000 um.
    i Cortes de setineta a 6)5000 ^um.
    ! ,'ambraia Victoria a 2(5900 a peca.
    , Camisas allemiles a 36)5000 a duzia.
    , Cachemira de duas larguras a 800 rs. o
    covado.
    -'retoes claros a 280 e 320 rs. o dito.
    I Colchas de fustao a 3*500 uma.
    Camisas de meia a 15000 uma.
    Ceroulas de bramante a 15)5 a duzia.
    re.
    o covado.
    o dito.
    u
    liq
    lll:
    Recebedores directos dos mercados da Europa
    darn osseguinLes artigos com descont de 14 [o
    vendas em
    as
    i^rosso
    Bramantes de algodao superiores, a 800 rs.- o metro, 4 largura.
    dem de puro linho fazenda de 20200 para acabar a 1(5600, metro.
    Atoalhado alvo, duaa larguras, a 700 rs., 1)5100 e 1*200 o dito.
    Algodao alvo, nacional, para lences a 5*500 a peca.
    .Madapolo americano, a 3*600, 4*000 e G*000, com 24 jardas.
    Mariposas de cores a 220 re. o covado.
    Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs o dito. #
    Batiste! idem a 120 rs. o dito.
    Zetiros de cpiadrinhoe, a 80, 160 e 200 re. o dito.
    Merm '.s lisos de uma largura a 200 rs. o dito.-
    Idem de quadros modernos a 280 e 300 re. o dito.
    Fichs de renda chics a 1*000.
    Colchas traucezas de cores a 2*000 e 4*000, urna.
    Lences de bramante a 1800, para cama de casal.
    sin.iras de cores para ronpx de enanca a 1*000 e 1*800, diagonal, duas
    largara.
    Camisas ingrezas e francezas a 26*000 e 30*000 a duzia.
    Tapetes aveludados, grandes, a 14*000 um.
    C 'i-tinados ricamente bordados a 5*500 e 0*000-
    Pannos Cheviot preto e azul, a ;>*000 o dito.
    Brin pardos e de oVee a 88G o lito.
    Veiudilhos de cores 'i pretos a 900 re. o dito.
    Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 re. o dito.
    Setins de todas as eres a 900 ra. o dite.
    Setinetas lavradas 200 e 240 re. o dito.
    Alpaca modernas, lavradas, a 240 re. o dito.
    Meias cruas inglezas para homem a 3*600 e 3*000 a duaia.
    Ceroulas bordadas, de bramante, a 12*000 e 16*000 a dito
    Cortes de casemiras para caiga a 4*000 e 6*000.
    dem de meia casemira a 2*000.
    Toalhas grandes para rosto a 4*000 a duzia.
    dem felpadas para.banho a 12*000 a dita.
    E muitos artigos que serao leinbrados com a presenca de nossos leitoitss.
    50Ra Duque de Caxias50
    LOJA DE ...
    PKRKBtA A HAfiALHAES
    do Lonrre
    Fichs de malha a 2*000 um.
    Fustao Branco a 360 e 400 re.
    Dito de c8r para roupa a 800
    Guarnicfo de crochet com matizes.
    Gazes de coree a 506* re. covado.
    Guarda-p para horaens a 6*000.
    Grinalda parir noiva a 8*000.
    Guarda po" para senhoras a 8*000.
    Lencos com barra a 2*000 a duzi.-
    Leque a gr5-duqiteza a 2*000 um.
    Lenjos braucos a 1*300 e 2*000 a duzia.
    Luvas v seda a 2* e 2*500 o par.
    Linhos de quadros a 80 re. o covado'.
    L2s escoasezas a 100 rs. o dito.
    Linn de c6res a 500 rs. o dito.
    Merino" do cores, duas larguras, a 800 re.
    o dito.
    Meia* com pintas, para senhoras, a 800 rs.
    IfadipoUK) americana- 009 a peca-
    Meias para horneas a 3*600 a duzia.
    Extract Porte-Veine a 1*400.
    Popelina branca, de seda, a 800 re. o co-
    vado.
    Paletots de seda palh a 7*500.
    Ditos de alpaca preta a 4*500.
    Panno da costa adamascado.
    Pacotes de p de arroz a 500 rs.
    Percales fi as a 200 e 220 re. o covado.
    R<"i upas para hanhos salgados.
    Regatas de cores a 1*000 uma.
    Sahida& de baile a 2*000 uma.
    Suspensorios americanos.
    Sargelim de cores a 200 rs. o covado.
    Setim de c6res a 800 e 900 re o dito.
    Dito do JapSo a 240 re. o dito.
    Toalhas para rosto a 3*600 a duzia.
    Ditas para banho a 1*400 uma.
    Eaguiao pardo a 360 e 400 re. o covado.
    Espartilhos couraca a 5*000 um.
    Entrcmeios bordados a 700, 800 e 900.
    Completo sortimento de casemira e brins, collarinhos,
    bolsas, fichs, lencas, leques e muitos eutros artigos.
    punhos, leos, toni-
    nos
    >i.
    AMARAL & C
    -kHOPE PHEMC0 db toAg
    IL Jt* Pharmaceutico em Pars ^4
    O acido Rienioo 0 prncipio activo dos alcatroes expurgados
    roa degagradafel a toa *D,^,cao5.*idiSfe C0D? ^li0".1'1^
    ""iJ^-mi
    le todo quanto
    torna
    latel toa aoaorpcao, o m muere com auncuiaaue.
    a dm xarone. um especinco elOcaz contra as Do*)iQaa do paito,
    Ambm^Wnquldda, toa^. (^queluohe e Orip]>a. Produa o
    al
    a thta m yrtjactp fharmuxeiaa do Bwal U yorUtgal
    Mesfriamento, gosse, atarrho, Risica
    XAROPE db HYPOPHOSPHITO de CAL!
    de GRIMALT & C,a
    Approvado pe Jant de HygJene do Rio do Janeiro
    Fazendo-se uso deste Xarope, calm3o-se os accessoa de tosse.J
    I desapparecem os suores nocturnos, goza-se de um somno re-
    parador, desperta-se o appetite, e o doente, augmentando suas forcas,
    apresenta o aspecto de quem gosa boa sade. Os mdicos recommen-1
    d5o que se tome ao mesmo tempo as Pastilhas peitoraes de
    sueco de alface e agua de louro cerejo de GRIMALTeC,
    que constituem os dois calmantes mais inoffensivos da materia medica.
    Oa fr&Mcom ovaes, que contm os te Xarope, 8o de m bella or 4 rom
    0 Urro m, marca de fabrica, o mello e a Arma da nceea oasa.
    Depatita m Pars, 8, Ra Vivienne, e iu iraciytei Hantadu e Drqiriii.
    ""Efe
    ANEMJA
    AS VERDADKIKAS
    CHLORvOSE
    PILULAS DE VALLET
    NAO SAO PRATEADAS
    mm TALLET 0 impra*M aa* freto aoora ada pOmlm.
    A maior parte dos mdicos concomio eos a Academia de medeeina em que,
    mererem a preferencia que se Inea d*sobre os ouiros farrng'neeo.
    Eristem numrrot t \mitac6et da
    PILULAS K TLLET
    Exift'' em cada extremidad* do frat~
    00 h* aVe impresto em ocatso oSub.
    (f
    A

    r\l\Jl L#teA
    - TnharrpMCn^
    fp^r.LLAD
    -om xito h* mt d
    *f. Affee*** eHe.
    SaiBUBVBVHidHlBVHB
    __. r %
    1
    anata
    :n' Ilnrlo. riniida-
    niedlo d'tuiestlco iS.i tep effu.il.
    PBEPABADA* i-EI/>
    |X:
    J. C. AYER e CA.,
    OAvrll, Mass., E. U. A.
    Aluga-se
    a casa terrea-da roa da Palma* n. 29, com gran-
    de quintal arborisado, com agua o gaz encana-
    dos ; a tratar na ra Daau de Caxias n. 47.
    Aluja-
    se
    a casa da ra Coronel Suasrana n. 150 v a fratar
    na ra Mareilio Dias n. 106.
    Ama
    Precisase de uma ama para o servico domef
    tico de casa de familia; a tratar no escriptor
    deste Diarw,
    Ama
    Preci9a-se de uma ama que saiba cosinhar e
    durma em casa de seu patrio, e d fiador 4 sua
    conducta : na ra daConccicao n. 4,1- andar.
    Ama
    Precisase de uma ama para cosinhar em casa
    de pouca familia a tratar na rna do Livramento
    n.23, 2- andar.
    Ama
    Precisa-se de orna ama para cosinhar para
    pequea familia: a tratar na ra Direita n. 64,
    segundo andar.
    Ama para o Para
    Precisa se de uma excellente cosinheira que
    Sueira ir para o Para ; a trata'- na ra larga do
    osario n. J6.
    Amas
    Na ra do Vigario n. 25, 2- andar, precisase
    de uma eosinheira e de uma ama secca para
    crianca.
    PRODUCTOS ESPEMAES
    lo r. Carlos Betfenronrt
    APPROVADUS PKLA JUNTA CENTRAL DE
    HYGIENE DA CORTE
    Salsaparrilha e Caroba
    GRANDE DEPURATIVO DO SANGUE
    Elixir anti-rheumatico, anti-syphilitico, empre-
    ado em todas as molestias de peUe, erysipela,
    aarthros ou impingens, beriberi, anthrazes ou
    carbnculos, cancros veeret; feridas cance-
    rosas, ulceras, gonorrhas cornicas, boubas,
    bubOes, escrfulas e todas as doonras que de-
    pendem da impureza do sangue.
    Este remedio superior a todos os outros do
    3eu genero, o que est provado pela preferencia
    e acceitacao que Ihe da o publieo.
    Um vidro 3*000
    De ANAC AHUITA
    Remedio Vegetal'da Natofeza para o all-
    vio e cura de todas as molestias
    Do Porto-o dos PnlmSea.
    Criado
    Precisa-so de um criado ; na ra da Aurora
    n. 119. ______
    los amadores do carnaval
    A bem conhecida loja de miudezas- BAZAR
    DO RECIFE,a ra Mrquez de Olinda n. 11
    (antiga da Cadeia) recebeu grande sortimento de.
    mascaras caricatas para homens, senhoras e
    criangas, e grandes colleccOes para clubs e so-
    ciedades carnavalescas, vende-sepor pre_os seta
    competencia, quer pequeas ou grandes porces.
    Vale a pena visitar a loja de raidezas^BAZAR
    DO REl IFE para ver o melhor sortimento t
    mascaras que tem vindo ao mercado. Tambem re-
    cebeu grande sortimento de bisnagas de ebeira
    e outros artigos proprios para o carnaval, tua
    a prcrr^odiros leja de miudezas
    Ba_sar do jecife
    .1" '.' Mrquez de Olinda n. 11
    De Domingos M. Marti b
    Cavallo roubad
    (Escada)
    Foi hontc :n roubado da estribaria do Sr. Apo*
    Ionio Tobias Vieira de Souza, um cavallo rodado,
    grande e gordo, bom andador de baixo. meie e
    esquiparlo, faltando-lhe dous dentes no queix
    de Daixo, de primeira muda.
    Juntamente roub_Tam uma sella, ingiera, om
    par de estribos de nickel, freio e rabiclal.
    Pede-se a quem der noticias d*elle, que se di-
    rija a ra Duque de Candas- n 84, ou na cidade
    da Escada em casa do dono que'ser recosa-
    pensado.____________________
    Professora
    Na na da Imperatrii n. 11, t" audar. conaVa-
    ta-se uma professora para leccionar de duas at
    seis meninas, esseBci-lmente em francez, msi-
    ca e piano, n'um engenho muito" perto de Santo
    Amaro de Jaboatao, tendo para sso uma. boa
    casa separada e bem commoda correndo todas
    as mais despezas por sna contae dando conhe;
    cimento de sua conducta ; a quem convier aJai
    dirija se par ajnstaropreco. .
    Gstsft
    Aluga-se uma boa1- casa para grande famili*,
    com agua, gaz e est limpa, defronte da estajiD
    do Caminho Novo : a tratar ira ra da BuMPB.
    47,1- andar, ou Aurora n. 81.
    puMmimpummUMi
    Elixir de Jurubeba, Quina e
    Pegapinto
    TNICO FEBRFUGO e desobstruente
    Empregado na debilidade geral, doencas do
    estomago, convalescencas depois do parto, febres
    palustres, molestias do ligado e baco, falta de
    apetite, anemia, chlorose, cores paludas ou falta
    de sangue, doencas nervosas.
    E' um reconstituinte de energia, aromtico e
    agradavel ao paladar.
    Um vidro 3*000
    Xarope de Jaramacan com-
    posto
    GRANDE PEITORAL
    Tratamento curativo de lodas as molestias do
    peito e da garganta, defluxos, tosses simples e
    convulsa, coqueluche, constipajoes, aethma, bron-
    chite, catarruo chronico e tysica pulmonar e do
    larynge.
    E" o primeiro peitoral que se conhece at hoje
    na medicina.
    Um vidro 2*500
    A' venda na ra Barao da Victoria n. 51
    Pharmacia Pinito
    EXPOSITIOR
    Mdiille d'Or
    UHIr" 1878
    Croixi* Cbefllier:
    lu nu utrfm nctnamnis
    PERFUMARA especial
    LACTEINA
    _._:_ COUDRAY
    PiMoosada p-la Cal^rid.ides Medicas de Parie
    MM TODAS UMCC.SSIOADES DO TOMDOI
    PRODUCTOS ECPECIAES
    rUlde iMOZ UCTEINi p.ira bi anquear a peUe.
    SiElO de LACTEIN1 par mocador.
    CSEK e P .' SABiO f. LiCTMA para a barba.
    FOIADi de U'TiAlk pan lle.S dos cabellos.
    JGC- de UCTIHA pan o tu'.cador.
    0' EO de LACTIINA na a embelkzrr os cabellaa.
    E.;SECIA de LACTEIM para lenral
    P AC1 CFST.FBICIOS de LACTEIIA.
    CFilE LA;IE:NA dumada setim da pelle.
    UCTEINIIA para branquear a peBe.
    EITEI ABTHUS AC AU-SE NA FAItlOa
    pars 13, me EoghJu. 13 PARS
    OataaMai *> *odai m Per.'omarjas, HirairiH
    Cabellerelroe da Amcrfca.

    Typogaphia e Lithographia
    FABRICA DE LTVRQS DE ESCRIPT-'
    RAgO
    Premiada na exposices de
    INS.elNS*
    Manoel J. de Miranda
    EBcadn-nacSo e especialidades em. cartoes de
    visitas.
    Professora
    Urna senhora competentemente habilitada, com
    pratica del! annos de profissao, apresentando
    diversos attestados de bom methodo e comporta
    ment. r* """ c" r,~~' Ut+ififis* th f-n -"
    tiCUla! i idauc OU um _eu_ tMtHlDUUV.6 .-> ac-
    guinii" i.erias : Portuguez, France., i___i____t_ ,
    Geogl'. .- h^,,_'. J^ -.i^o r'r. i
    tratar v i
    casa Ki'^H-Uno
    Ftosari ".
    -T____
    59Hia DuqiiP de Caxias- B
    Telephonen. 1^4.

    FxceJe totln? c? -ra pele neo
    t Ai amada
    -J ka i
    lncoinpan-Tel pelo sea perfan_e e _ns
    oone<'ntra''ft". Rroede todo* os pro-
    -dnctos similarc? Tendidos 0b o mesmo
    Dome.
    Enoentrt-ee em Cita de todos os nego-
    ciantes s fabricante
    a*. OH Wond Street, ___bndres
    m _s cclm _i :__<
    ___u _. >_ c*u*. o* Urna Wnm

    ua iuaiuiua -lili lai*jatuo| __,_ ,">
    V
    Capsulas de Quinina de Felletier
    Hoje nao ha quem ignore que Pelletier o inventor da Quinina e que a sua _
    marca de fabrica foi adoptada por todos os mdicos, por ser imeiramente pura, '
    contra as Enxaqneoas, as Nevralgias, os Accessosi de iebre, eohtra as
    Febres intermitientes e paludosas, a Gota e Rheumatismo, e os Suores
    nocturnos. Cada capsula, da gr >ssura de uma ervilha, O'intm 10 centi- f~
    grammas de sulfato, e nella l-se PELLETIER. Estas capsulas tem accio ffai_i_B
    mais prompta e mais segura do que as pilulas e confeitoa, e engolem-se >__
    mais fcilmente do que as hostias.
    Vendem-se em frascos de iO, 30, 90, 100, 200, 500 e 1000 capsulas. E* o tnico
    mais poderoso que se conhece. Urna capsula somente representa om grande
    copo de vinho de quina. ...............
    Deposito es PARS, 8, nu Vivienne, e naa principaea Pharmaciaa e Drogarlaa.
    Ltezzzlzttpaa tuepeeterla Oanl de Ryfrlfine do Imperte do BmL
    J&rem ele MSatmago, l>yspt-pH4im,
    _Ffrre*.
    _
    _Km_b__io
    de IS.eOO tt.
    IB, Hiartoasettttco *--*^ P__RIB, V
    -aroche ic i ^auiifsar preparade, porem o
    ppruna ue ot antr

    *

    J
    . I
    i
    ____!
    i


    8
    Di
    lamo
    de
    15 de Fevereiro de 1889

    11
    Fardadas karatas
    Loja do Triumpho
    Roa Duque de Caifas n. 41
    Las una com Troco, a 320 rs. o covado
    Ditas de quadros, bonitas a 300 rs.
    Merinos lisos, larguras a 560 rs.
    Ditos lavrados, 2 larguras a 700 rs.
    efiros largas de quadros a 240 rs.
    nMns '"""os de quadros finos a 280 rs.
    Di!o1ro?dadosb^a700rs.
    Etamine arrendada a 440 rs.
    Dita de listas abertas a 400 rs.
    Setins de li.-trinlias a 660 rs.
    Ditos da China i fantazia) a 240 rs.
    Saias bordabas Unas* 35O0J
    Camisas bordadas finas para seiihora a 4*000
    Cambraia branca bordada, a ioOO a peca.
    Dita bordada de cor a 5*500 a peca.
    Chitas escuras muito boas, a 200 rs. o covado
    Algodao largo ( 10 metros), a 2*300 a peca.
    Dito dito de 20 jardas a 4*000
    Toalhas acolchoadas grandes, a 4*500 a dusiu.
    Hedes inglezas grandes a 5*000.
    Guardanapos delicho, a U800aduzia.
    Camisas de linho scm punhos e sem colarinho
    a 3*000.
    Bramante de algodao 4 larguras, a 700 rs. a vara.
    Tapetes grandes para sof a 14*000
    Cortes de seda para collete a 4*000,
    Cortes de casimira ingleza a 4*500
    E outras muitas fazendas que se vendera mui-
    to barata 3 para liquidar.
    A' ra Duque de Caifas n. *9
    Bastos efe G.
    a ?? Tirina f*.
    ht** i
    !n&fflfiDEuii2ii*.yi*
    de fiRItAULT s C", toiCIttJ
    (Clicas, Diarrha, Dysanterta)
    Esta prepaiucSo conten o jub-iiiiialo
    de bismutho em fttrma de pasu < exlre-
    mnuienle dividido. De mistura com agua
    elia forma um verdadeiio leite inspido,
    que com assuear, ou sem assuear, as
    craaocaa, tao beui como os adultos,lomao
    com prazer. E' um remedio poderoso
    contra as clicas, as diarrhas, a dy-
    senteria dos paizes quentes.us dores
    d'eatomago, as gastri tes. gastralgias
    e lilil fttns do intestino. Suaocvo
    massvhosa para combatera diarrha
    precursora do Cholera.
    Cada frasco acompanbado de urna
    colher de osso. que a medida exacta
    para a sua applioagao. A dose de duas,
    quatro it seis colheres para os adultos;
    para as creancas, ella de meia colher.
    Em PARS. 8, Rna Vivienne.

    8SOOO a duzia
    OLEO AMERICANO
    O asis eronomico, hyglenleo e
    perfumado oleo para o
    CABELLO
    VENDEM
    OHES DE MATTOM IRMA*
    3rua Mrquez de Olinda -23
    3EUtffi
    A REVOLCAO DO 48
    A' ra Duque de taifa a. 48
    Nesta loja denominada A' Revoluclo,
    tendo sempre um grande e vanado depo-
    sito de fazeidas, resolveu-se vendel-aspor
    menos 30#i do que em outra qualquer
    casa. Como sejam:
    Toalhas felpudas e acolchoadas, brancas
    e de cores, tamaito regular a 120, 200,
    500, urna.
    Merinos de quadros, lindos padrSe6
    200, 240 e 280 o covado.
    Seda Alcaciana (fazenda de fantasa),
    240 0 Covado.
    Cachemiras de quadros com combina-
    rlo a 320 o covado.
    Mimesa cambraia das mocas para cami-
    sas a 3)5200 a pega.
    Lindos cortes para vestidos em cartSo
    com todos os aviamentos a 70 90 100 e
    143 um.
    Saias bordadas para senhora (recebidas
    ltimamente de rarh) a3)5000 urna.
    Cretones ingleses, francezes e allemaes
    a 240, 280 e 320o covado.
    Zefros de quadros, muito largos a 160
    200 e 240 o covado.
    Lindas colchas com palmas de cores
    para noives a 100000 urna,
    Chitas claras e escuras, muitos padrSes
    a 200e 240 ocovade.
    Batistas com palnas e pintas, cores fi-
    xas a 120 o covado.
    Redes francezas a .">> e 60000 urna-
    Fechs de 11, muito grandes, tinas as
    cores de 26600 por 1*500.
    Cameas francezas de linho (pechinca) -le
    60 a duzia por 486
    Merinos finos, com duas larguras, todas
    as efires de 800 a 500 o covado.
    dem idem dem idem preto a 800 e
    16000 ocovado.
    Cortes de fustlo b raneo e de c6res para
    colele de 46 por 26000 um.
    Madapoloes finos a 46, 56 e 66000 a
    peca.
    Atoalhado de linho, lindo desenho a
    16700 o metro.
    Cortes de casemira para caiga, finos e
    modernos a 46, 56, 66 e 76000 um.
    dem idem idem idem costumes moder-
    nos a 206000.
    Cambraia de salpicos muito fina com
    10 jardas a 46000 a peca.
    E muitas outras ff-zendas que s com a
    presen ja das Exmas familias, poderlo ser
    vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
    lheiras, leques transparentes, bicos de cd-
    res, ntremelos, bordados, leos, extratos,
    luvas etc.
    48 DUQUE DE CAXIAS 48
    NENHUBI
    #*nral adquira urna repuUcSo mais mercld*
    *> qae a d rmatm e do Xmrmpm de Saf
    Bmm r# univerami, funtlm-M i
    4
    i
    Franca" contra os BcIum, Broncbltei, Irrt'
    tmcSi do elto e da Oarsaata.
    20 8uaeomjlc*o,cuja base o ft'icto do Wart
    te Arabia Hlbiscus esculentus de Lnine).
    fue relapso ilgiimi tem com os outros pcitoraes.
    Oo Sobre as mttalyra dos Srs Basavel
    O^ Cottbreau, entnteos da Kaculdade de Parte,
    que demonslrao nao conter ncm Opio, nem Mor-
    i/tina, nem Cofaina pelo que podein ser dados as
    crlanca com xito e etruranca quando atacada
    te Toa OU Tou* coanilia.
    1 AtiO mendao a Panta e o Xnrop* da
    btfa conllam-a dos mdicos c "lo publico, ttulos
    que ranea lori concoilidoa pcitoral algum amigo
    ^\ ou iu aerno
    JKx,.4 VfcA.V/rK, 53, nt Vi/ierne, TAUIB
    a tat u tiLMtut lutnu a hrtual at IruU.
    Doce secco de caj su-
    perior
    Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
    preco commodo ; na ra do Bom Jess n. 35,
    armazem.
    FOUETll
    SEM MAI
    PK
    DURANTE A TEMPESTADB
    Armai;ao
    Vndese urna srmagiio de amarello em per-
    fi-ito estado, propria para miude^as ou tabaca-
    ria : a tratar na ra do Cabuga n. il-A.
    Vinho de Collares especial e
    da Madeira
    Em decimos e caixa de duzia, tem para ven-
    der Joaquim da uilva Carneiro. largo do Corpo
    Santn. 13, I- andar.
    N0V< !S
    Rerebrraaa asoafas de Parfs
    AZEVEDO, IBMaO & C.
    16 Ra do B. da Victoria 16
    l^Antiga Nova)
    Lindas capas de surah, cachemira, me-
    rino e renda o que ha de mais novo. Renda
    comprimento de saia a 16000 e 16500.
    Sargelim fino todas as coros. 200 o co-
    vado.
    Baleias com forro a 240 a duzia.
    dem com forro a 400 a duzia.
    Bramante de linho com 10 palmos
    16500.
    Dito de algodlo com 4 larguras a 800.
    Cortinados bordados a 56000 e 66000.
    Ditos de crochet finos a 86000 e 106000
    Estracto Rita Sangal a 26000.
    Fichus de 11 e seda 16000, 16500.
    Capella8 com veo bordado a 66000 e
    76000.
    Madapollo globo a 76000.
    Dito camiseiro a 76000.
    Tapetes grandes para sof a 136000. i
    Espartilhos couraca a 46000 e 56000.
    Brins de linho cies fixes a 600.
    Panos de crochet para cadeiras a 800.
    Ditos de crochet para sof a 26000 e
    36000.
    Guardanapos de linho a 26500 a duzia.
    Merinos de cores a 400 o corado.
    Zefires largos a 160 e 200.
    Sem maco % 800 e 900.
    Toalhas par* banho a 16000 e 16500.
    Madapollo com um metro de largura
    .,6*500.
    Cachemira arrendad e de quadros
    16500;
    Crochet para cortinados a 700.
    Toalhas felpudas a 36000 a duzia.
    Camisas finas para homem a 336000.
    Colxas de crochet com flores a 56000 e
    96000.
    Lindas velbutinasde quadros lisos ecoiu
    listas propras para veo.
    Ntomc finos a 240 covado.
    Ditas finas a 200, cavado.
    Cretones finos a. 400 o covado.
    Caixas proprias para presente.
    Palitos de palha seda cores a 96000.
    Pao verde para bilhar.
    Leques de pennas.
    Ditos transparentes.
    Crinoline preta a 300.
    GuarnicSes pretas e de cores.
    Camisas de flanella de cores.
    Seda crua de quadros a 800.
    Crep inglez.
    Meias brancas de seda a 46000.
    Cachemiras de quadros a 280.
    Fustlo branco a360 o covado.
    Esguilo fino a 16500 a vara.
    Casemira8 para roupa.
    Roupa feita por medida.
    TELEPHONE200'
    O desengao Ir rer
    Tavema
    Vende-se a taverna da ra de Luiz do Reg n
    47, era Santo Amaro das Salinas : a tratar na
    mesma ou no Caminho Novo n. 87. .
    NOVIDADES
    FAZENDAS PHATEADAS
    mi vssrzso;: ?2antsabos
    Aos bailesfdo carnaval
    \oh club isiteraacfonaf. Carfos
    Gomes e afeveatude
    VENDE A
    Loja das Listras Aznes
    RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
    D-se amostras.
    CAPITULO II
    O Invento de Pedro
    (Coq'tinuaclo do n. 36)
    Nao havia ainda oito dias que Jorge es-
    tar no auge da sua felicidade, quando
    na manhl lhe foi entregue urna carta
    tarjada de preto e procedente do Auver-
    gne.
    X) mancebo abriu-a com o coraclo aper-
    tado.
    Ella continha as linhas seguintes :
    1 SenhorTenho a honra de communi-
    car-lhc a morte da Sra. viuva Duelos, sua
    tia. Por um testamento olographo deposi-
    tado em meu cartorio, ella o constitue her-
    deiro universal de seus bens. Rogo-lhe o
    faor de nmndar-me as sitas instruegoes,
    tanto para os funeraes como a respeito da
    Seranea.
    Tenho a honra de subscrever-me seu
    dedicado e obediente criadoLeonardo
    Varnac, tabeii&o em Saint-Flour.
    Jorge telegraphou que punhn-se a cami-
    aho, e parta s, naqella mesma tarde.
    Quando voltou, estava muito triste : a
    Sra. Duelos era irm de sua av, c qnaai
    a sua nica parenta.
    " Mas, sob as lagrimas, entretanto muito
    sinceras, bnlhava um raio'de esperanca.
    Encontrara em casa da pobre velhauraa
    Urtuna tres ou quatro vezes mais conside-
    ravel do cjue julgava.
    Ella paasava par ter uns trinta milfran-
    aos, t."..veaojuarenta mi!, sem contar acasi-
    nha morava e o pequeo terre-
    sava.
    > Marietta Duelos, casada com um
    can c ouq retirara-se com uns qua-
    re neos de capital, e que morrera
    algum te;upo depols passara toda a sua
    vida recolhida na sua casinha e no seu tra-
    balho.
    A pequea propricdadepioduztaa lenha
    o trigo, o pouco vinho qu-: gastava a vmva,
    e o grao necessario ]>ara a cria^So de que
    vi\ia; nlo gastava um sold.
    Alm d880 morrera-lhe um tio deixando-
    lhe vaccas, e ella explorou a industria dos
    queijos, trabalhando como urna criada,
    economisando aos vintens para deixar urna
    fortuna ao mancebo que ella adorava, e
    para a educaclo do qual, muito mo grado
    delli, o pai Chaniers despender tudo
    quanto tinha.
    Cento e dez mil francos!... sim, ella
    havia deixado cento e dez mil francos, a
    pobre senhora!... Cont /e dez mil francos,
    cada escudo de cinco francos dos quaes
    fora posto de parte pensando na felicidade
    de Jorge!...
    E Pedro, o homem de todas as delica-
    dezas, pensou nisso; c disse-o muito alto,
    antes de lembrar-se que essa pequea for-
    tuna permittia fazer dar luz o seu inven-
    to, fornecer-lhes-hia, a Jorge e a elle, os
    meios de installar-se, de montar urna usina
    de attingir a urna elevada e honrosa situa-
    93o.
    Apezar do desir-teresse da familia ds
    Sauves, ebegou finalmente a occasilo de
    falar nessas cousas.
    Que Socio ideal nlo era aquelle Jorge,
    nlo smente cunhado, mas amigo de Pe-
    dro, que conhecia o j>roces30, approvava-o,
    exaltava-o at !...
    Come90U-se entlo por pedir privilegio
    para o invento, procurou-se urna instalia-
    5I0 conveniente, comquanto modesta, e
    antes mesmo de encontral-a fizeram-se as
    primeiras experiencias.
    "Um amigo da estola central, Dionysio-
    Trigure, estabelecido em Grenelle, e que
    possuia urna usina em que fabricara appa-
    relhos de distilaclo, emprestou um alier
    com urna discrecic e urna complacencia
    raras, e deu toda a. forca motriz nece3-
    saria.
    Pedro vigiara em peesoa a confecglo
    dos seus moldes, e quando os modelos fi-
    caram promptos, quando foram limados,
    retocados, bruidos, solaram-se infinitas
    exclaraasSes de alegra.
    Sahiram soberbos. sem um deleito, mais
    duros e mais resistentes do que as ma-
    deiras que representavam.
    Tratou-se entlo de correr s grandes
    casas do bairro de Santo Antonio e de sa-
    ber se alguma d'ellas quera adoptar o
    producto.
    Jorge, mais fethusiasi.i, mais expsnsi-
    vo, com a sna palavra brilhante e fcil,
    encarregou-se da ccmmissSo.
    Vinho Maduro
    rocas Mendes &. C% com grande estabeleoi-
    mento de seceos e molhados, sito casa n. 9 i
    roa estreita do Rosario, contiguo a igreia, ac-
    bam de receber urna grande remessa do acre-
    ditado e especial vinho Maduro, o nico que sem
    e mnima confeccao importado neste mercado,
    s se vende no referido estabelecimento.
    Cimento Portland
    Vendem Soares de Amaral Irmaos, ra da
    Madre de Deus n. zz.
    Vende-se
    seus pertenees
    o hotel do Beberibe com todos
    a tratar no mesmo
    Cha preto superior
    Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
    gnezes em geral que receben pelo ultimo
    vapor cha preto novo e superior que ven-
    de por precos mais resumidos em vista
    da continuaclo do cambio favoravel.
    Convem que experimentem.
    48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
    Barato
    S na loja das Estrellas
    56-RDA DUQUE DE CAXIAS -56
    Tefepkone n. lo
    0 proprietario deste mui acreditado estabeleci-
    mento previne a todas as Exmas. familias
    e freguezes em geral, que as muitas pe-
    chinchas que costuma tazer, nao sao mais
    divididas com a sua ex-casa das LISTRAS
    AZUES; portanto, quemquizer comprar por
    menos que em outra qualquer parte dirja-
    se a LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
    trara um completo e variadissimo sorti-
    mento de fazendas que se vendem por pre-
    cos que nao lhe poaem ftizer competencia
    como passamos a demonstrar, a saber :
    Atoalhado para mesa, de 1$800 a 10000.
    Dito de cores a 10 e 1(5300.
    Bramante de quatro larguras a 660 e
    759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
    mos de largura a 1(5600.
    Briin de cores para ronpa de crancas a
    280 e 320 rs.
    Colchas de crochet de 100 por 50000.
    Cortinados bordados a 50 e 60000.
    'Cortes de cambraia, bordados, brancos
    e de cores a 40 e 40500.
    Cortes de vestidos, em cartlo, a 70000.
    Cretones, cores claras e escuras, a 160,
    200 e 240 rs. o covado.
    Cambraia branca, transparente ou Vic-
    toria, a 20800 a peca.
    Camisas inglezas para homens a 280000
    a duzia.
    Collarinhos, punhos e aberturas de cel-
    luloidFnm completo, por 20500.
    Capas de virilhos e tecides arrendados
    a 100, 150 e 200000.
    Casacos Jersey a 20500, 30, 40 e 50.
    Damass de seda com lindas cores cla-
    ras a 10200.
    Esteiras brancas e de cores para forro
    de sala a 10100 a jarda.
    Esguilo de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
    Enxovae s para baptisado a 50600.
    Espartilhos couraca a 30 e 30500.
    Fichus a 500, 10 e 10200.
    Fustlo branco a 240 re.
    Grinaldas com finissimos veos de Blond
    a 70000.
    Guarnicoes de crochet para sof, a 50500.
    Gorgorito preto de seda a 10800.
    Guardanapos de linho de 305K por 20
    a duzia.
    Leques de fantasa a 400 rs.
    Lencos para meninos, a 320 rs. a duzia.
    Luvas de seda para senhoras a 10000,
    10500, 20 e 20500.
    Lis e cachemiras de quadros a 160 rs.
    Madapollo pelle de ovo, muito fino, a
    60000 e americano, com um metro de lar-
    guro, de pre^o de 120 por 70000.
    Dito de 80 por 50000.
    Merino preto com duas larguras a 560
    e 700 rs.
    Dito de todas as cores a 500 rs.
    Ditos de quadros, lindissimas cores a
    240 rs.
    Rendas hespanholas a 10600, 10800,
    20500 e 30000.
    Setim Maco, preto e de cores a 750 e
    800 rs.
    Dito de quadros, ultima novidade, a 10.
    Sargelim de todas as cores de 160 a
    200 rs.
    Toalhas alcochoados e felpudas a 20500
    e 30000 a duzia.
    Ditas para banho a 800 e 10200.
    Tecidos arrendados, ultima novidade, a
    200 240 ro.
    Zefiros de todas as cores a 80 rs.
    Assira como muitas fazendas que seria
    enfadonho mencionar, e que vendemos por
    menos 20 \ do que em qualquer utra
    parte. #
    Logo no primeiro dia alcancou o mais
    completo xito.
    No meio de todas as animacoes, das
    boas palavras, das promessas de encom-
    das que conseguio de todos os lados, a
    casa Ulysses, Chelannon, urna das mais
    importantes da ra de Charonne, enthu-
    siasmou-se de modo particular pelo pro-
    ducto, que maravilhou o dono do estabe-
    lecimento :
    A minha especialidade o movel de
    palissandre bem acabado, disse-lhe elle.
    Se as suas fabricafSes assemelharem-se
    aos modelos, creio que ter de fabricar
    exclusivamente para nos.
    Assim, po8, s restava estabelecerem-
    se, o que fizeram.
    Depois de ter corrido tudo, procurado
    muito, Pedro descobrio no alto da ra de
    Belleville urna usina abandonada em con-
    sequencia de raaos negocios e com todos
    os utensilhos necessarios.
    Apresentava dous inconvenientes: a fa
    brica em si era demasiadamente grande
    e a casa de habitaglo demasiadamente pe-
    quena.
    Mas as condicoes eram to vantajosas,
    o jardim que rodeava a casa to bonito
    com as suas grandes arvores e os seus
    canteiros de flores, que Jorge nlo p6de
    resistir tentaclo e alugou-a, apesar de
    tudo.
    Demais, Pedro sempre dedicado,, sem-
    pre cheio de abenegaclo, declarou que ira
    morar com sua mli e Roberto em outra
    parte, ao ar livre, como exigia o estado
    de sade da Sra. de Sauves, que caricia
    de cuidados, de calma e de descanso, e
    Suzana ficaria como o joven casal em Bel-
    leville.
    Foi urna dor para a mli e para a filha a
    sua separaclo sobretudo para Adelia o facto
    de ieixar o Roberto, que ella adorava; mas
    ob apaixonados slo por natureza egoista%
    e o amor de Jorge consolou-a.
    Efectivamente, se elle ousasse gastar a
    heranca inteira da ta para cercar o seu
    dolo de luxo, para enfeital-a, fazel-a a
    mais bella mulher do mundo ; se Pedro
    nlo cstivesse alli para impcdil-o, elle faria
    loucuras.
    Nlo viva senlo por ella e para ella,
    nlo a deixando, abandonando a Pedro,
    que nlo se quelxava nunca, o pesado far-
    do da direcelo da fabrica, o cuidado de
    velar sobre os operarios e de attender aos
    freguezes e s visitas.
    E quando Adelia desculpava-i-e, dizen-
    do que abusavam muito d'elle, Pedro res-
    ponda com um bom sprriro: *
    Vamos, meus filhos, sejam felizes;
    quando a mim, trabalho... O trabalho
    faz-me esquecer os pezares...
    .a. :F,>oaaxDa.A.
    VEB PASA CSSS
    Ra Duque de Oaxias n. 103
    Vende-se bordados de cambraia tapada
    de 2 1[2 e 4 metros e urna chave de lar-
    gura a 500, 600, 800 e 10, muito fino, de
    qualquer largura a 10400, e de fustlo, de
    700 a 10800 a peca.
    Enxovaes para baptisados a 80, 100 e
    120000.
    Lindos enfeites para penteados a 100,
    200, 300 e 500 rs. um. .
    Lindos granpos para segurar chapeos.
    Renda hespanhola a 20500 o covado.
    Pulseiras americanas* para 30, 40, 50,
    60 e 80000 o par.
    Guarnicoes americanas a 30000.
    Lindos espartilhos a 40, 50 e 60000.
    Porta dedaes de vidro, objecto para pre-
    senta a 10000.
    Broches de fantasa de 500 a 10000.
    dem americanos de 20 a 30000.
    Lencos de seda de 500 rs. a 10500.
    Lublaque a 200 rs. o par.
    GuarnicSes de crochet, sendo um para
    sof e 4 para cadeiras por C$000.
    Finas capellas de pellica, panno e coi,
    cm finos veos.
    Flores artificiaes a 10000 o ramo.
    Anneis americanos a 20000.
    Plisss de 400 a 10000 o metro.
    Luvas de seda arrendadas e bordados
    a 20 20500 o par.
    Bicos brancos de linho e de cores a 20,
    20500 e 30000 a peca.
    Contas-de cor para enfeitar vestidos a
    700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
    Missangas de todas as cores.
    Lindos leques brancos para noiva.
    Collarinhos e punhos de borracha.
    Colchas de crochet para casamento urna
    80000.
    Talheres para crianca a 800 rs.
    Lavas de pellica a 20500 rs. o par.
    Linhas de cores para crochet a 20000 e
    cor de creme a 10500.
    Lindos leques de papel de 500 rs. a
    10000.
    Espelhos com fina moldura, com dous pal-
    mos de comprimento, a 40000 e cara dura
    a 500 rs.
    Finos binculos.
    Agulbas para bordados a ouro e missan-
    gas.
    Lindas franjas douradas para facha, de
    seda preta e de cores, sem e com vidri-
    lhos.
    Tmlo8nhos enfeitados de bico erenda.
    Grande sortimento de fitas modernas a
    13 de*Maio, Imperial Regente, a Nabu-
    eo e a Jlo Alfredo.
    Lindas fitas para facha a 20, 20500 e
    30500 o metro.
    Carteiras de chagrn para algibeira.
    Finas gravatas plastrBes e regatas a 10,
    10200, 10500 e 20000.
    Lindos porta-ps de arroz.
    Grande sortimento de jarros para enfei-
    tar consolos e sanctuarios.
    Completo sortimento de perfumaras.
    Finos sabonetes de todos os fabricantes.
    Grande sortimento de alfinetes dourados
    para enfeitar o penteiado e tambem gran-
    pos muito lindos.
    N. B.D-se amostras de bicos e bor-
    dados.

    aznes pecas com
    Vinho de pasto
    O que ha de melhor, vende-se pelo mdico
    preco de 35'O0 o barril de quinto e 94000 o
    parrafao de tres caadas, voltando o garrafao
    7*500 (precos liquides) : ra do Amorim nu-
    mero 60.
    Se a Sra. de Sauves nlo tivesse morri-
    do algum tempo depois da abertura da
    usina, na pequea casa em que Pedro mo-
    rava com ella na ra da Torre, em Passy,
    a felicidade mais completa teria reinado,
    tanto em casa de Jorge Chaniers como na
    familia de Sauves.
    Com effeito, gracas actividade de Pe-
    dro, sua boa administradlo sua sensa-
    tez, os negocios prosperavam.
    Havia, verdade, algumas pequeas
    discussoes entre os dous cunhads, por ter
    Jorge as mos muito abertas quando tra-
    tava-se de Adelia e applicar muito re-
    petidas sangras na caixa da fabrica; mas
    no fundo elles adoravam-se e s tinham
    um coradlo, um fim, um interesse, que
    era commum.
    CAPITULO ni
    Engento Oncea
    Quando Pedro de Sauves, depois de
    conversar com sua irml, subi ao grande
    gabinete oceupado por elle e Jorge Cha-
    niers, e onde discutiam-se os negocios,
    decidiam-se os melhoramentos, tratava-se
    da adopclo de modelos novos, Jorge es-
    tava recebendo dinheiro de um emprega-
    do do Banco.
    O caixa, como devem recordar-se, ti-
    nha effectivamente partido, chamado sbi-
    tamente por um telegramma para junto de
    sua mli, que adoecera repentinamente.
    N'um canto, ao p da porta, um rapaz,
    de p, trajando a blusa de operario, eB-
    perava.
    Tinha cerca de vinte e seis ou vinte e
    sete annos: era um ponco mais alto e so-
    bretudo mais magro do que Pedro de
    Sauves.
    Os seus cabellos eram muito negros, a
    sua fronte vasta e intelligente, e o seu
    rosto fino e alongado, mais alongado ainda
    por urna barba aparada dos lados.
    S os olhos, e sobretudo o olhar, inspi-
    ravam urna certa desconfianca.
    As pupilas cinzentas, muito grandes,
    muito bellas, um pouso flor da testa,
    fugiam, erravam, abaxavam-se, sempre
    vagamente inquietas.
    Bom dia, Eugenio, disse Pedro ao
    entrar; est ha muito tempo ^minha es-
    pera ?
    O marido de Paulina Goges, porque era
    elle* cujas pupila cinzentas achavam-se
    xas nos saceos de dinheiro que o empre-
    gado do Banco depunha sobre a secretaria
    de Jorge, estremeceu violentameete, como
    .se um forte trovad e despertasse sbita-
    mente de p.qsado somno.
    Mas recuperou rpidamente o sangue
    fri. \
    I
    -A^iT:
    f
    1
    WI1SIT
    Boyal Blend marca YUDO
    Este excellente Whisky Escocez pre-
    ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
    para fortificar o corpo.
    Vende-se a retalho nos melhores arma*
    zens de molhados.
    Pede Roral Blead marca Viudo,
    cujo nome e emblema slo registrados pan
    todo Brazil.
    BROWNS & C, agentes.
    Mais Barato
    ALoja das Lisfras Azues
    A' RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
    Telcphone n. 911
    0 proprietario desta conhecida casa previne as
    Exmas. familias e todos os seus fre-
    guezes, que as pechinchas que costuma
    dar, nao sao nem usca foram divididas
    de outra casa como alguem annuncia ^
    para engaar, vendendo fazendas ordi-
    narias por boas, castume que a Loja
    las Lktm As fazendas vendidas nesta casa sao de hoaqua-
    lidade, ? nao levam | medida escassajM
    aceita-st a fazenda vendida se, pflf-
    qualquer motivo nao fr de muito agra-
    do da pessoa para quem for comprada.
    D-se descont a quem comprar de 20*
    para cima.
    ESPECIALIDADES
    nrim de .listras
    20 varas a 60000.
    MadapofSo com um metro de largu-
    ra a 60800 a peca.
    Cortes de vestidos bordados em
    cartlo a 100000.
    Vef ludilho bordado a contas a 106001
    o covado.
    Cachemiras pretas, de quadros e
    arrendadas a 20 e 20500.
    Tecfdos fantazia arrendado proprio
    para baile e theatro a 400 500 rs.
    Cortes de cachemira com guarnieres
    bordadas, lindas cores, a 200 e 250000.
    fce ini Maco de todas as c6re8 a 750,
    e 800 rs.
    I.lnnn bordado, tecido de urna s cor,
    qualquer que se deseje, a 200.rs.
    Zefiros lisos e bordados, tecido fino,
    novidade a 500 rs.
    Lis de qur drinhos a 200, 240 e 360
    o covado.
    EJathos lisos a 60 e de quadrinhos a
    00 rs.
    diardaaapos melhor qualidade a*
    10800 a daa.
    Atoalhado branco e de cores a 10.
    Oleados para mesa redonda ou qua-
    drada a 40000.
    Cortf nados de crochet, com sanefas,
    ultima novidade, para janellas e portas.
    Crochet para cortinados a 900 re. o
    metro.
    Colchas de fustlo, brancas e de eco-
    res, a 20000.
    Chitas finas precales a 200 e 240 rs.
    Chitas escuras a 160, 240 e 280 re.
    Batiste de cores seguras a 120 rs.
    Nnmzae de lindas cores a 280 rs.
    Brisa pardo esguilo a 240, 280 e 320.
    Casinetas de cores escuras para rou-
    pa de homem ou menino a 400 e 500 re.
    Mantilhas de renda hespanhola, pre-
    ta, de seda a 80000.
    Capas e visitas, de cachemira, de ren-
    da com lindos eneitea e com vibrilhos a
    200, 250 e 300000.
    Leques de pennao e transparentes,
    ultima novidade, todo preco.
    Luvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
    rendadas, pretas e de qualquer cor a 20.
    Espartilhos inglezes a 40500 e 50,
    tem desde o n. 40 at 80 de grossara.
    . Blco branco creme e de todas as
    cores desde 700 re. at 20500 a peca.
    Rendas hespanholas, de seda e de
    algodlo, preta, branca e de qualquer cor.
    Baados e entremeios bordados ta-
    pados e transparentes por todo preco. '
    Cirampos e pentinhos fantazia para
    cabello a 400 e 500 rs.
    Hlelas para vestidos a 260 rs. a
    duzia.
    Relogios despertadores com fi-
    guras em movimento a 80 e 90000.
    Aspas de 390 para vestidos a 120 re.
    o metro.
    E muitas fazendas que se vende muito
    barato para liquidar facturas a loja das
    LISTRAS AZUES de

    Ha alguns minutos apenas, patrio,
    disse elle logo. O senhor mandou-me vir
    s cinco horas trazer os novos modelos do
    Sr. Chalandon; e bem v: slo apenas
    cinco horas e seis minutos.
    Designava, ao fallar assim, um grande
    relogio pendurado no meio da parede
    atrs da secretaria dos dous cunhads.
    Bem, disse Pedro, onde esto os
    modelos ?
    O operario abaixou-se, e de urna pe-
    quena cesta tirou molduras, bordados, ma-
    canetas, objecos muito finos, muito deli-
    cados.
    Pedro examinou-os com a maior atten-
    9I0.
    Muito bem, disse elle, estou muito
    satisfeito, e o Sr. Chalandon ha de ficar
    tambem, assim o espero.
    Este frontal de armario est parti-
    cularmente bem feito. Os olhos mais pra-
    cos julgal-o-hiam esculpido na propria ma-
    deira.
    Gages abaixou-se de novo.
    Ao cabo de um segundo, levantou-se
    trazendo um objecto envolvido n'um pe-
    daco de panno velho.
    Desembrulhou-o.
    Era um pedestal de lampelo, mas to
    fino, to maravillosamente bem feito, que
    Pedro soltou urna exclamarlo de alegra.
    E' o nosso modelo d'outro dia, disse
    elle ; mas nlo estava bom, e desta vez
    sabio perfeito. Foi voc mesmo que o po-
    lio, nlo verdade, Gages?
    Eugenio Borrio.
    Fiz cousa melhor ainda, dase elle,
    accrescente urna cousa sua invenrlo,
    Sr. Pedro.
    * O que foi ?
    O empregado do banco havia-se reti-
    rado.
    Jorge, com as sobrancelhas franzidas,
    escuta va seu cunhado e o operario.
    E' simples, respondeu' elle : elevei
    a temperatura, por meio dos jactos de gaz
    que se dirgem aos pratos da prensa, de
    170 a 200 graos. Eis ahi todo o meu se-
    gredo.
    - Mas o molde, como resisti elle ?
    Substitu o seu molde de metal mal-
    lea vel por um molde de bronze, que um
    de meus amigos, muito hbil, fabrcou-me.
    Faco-lhe os meus comprimentes. Sa-
    hio um trabalho admiravel. Havemos de
    estudar isto mais de pert ferca-fer.
    O operario ia retirar-se.
    Volte para o pagamento d'aqni a
    urna hora, disse Pedro, e nos lhe. daremos
    urna gratificaclo pelo seu trabalho, mas
    sob urna condiclo.
    Qual patrio ?
    Ha de levar fielmente esse dinheiro
    k
    t
    i
    f
    Jos Augusto Dias
    a sua mulher, que lhe pede para voltar
    para casa logo que sahir da fabrica, por-
    que ella nlo se sent boa.
    Urna sbita pallidez invadi o rosto as-
    pero do operario.
    Ella veio procurar-me ? perguntotr
    elle. Nesse caso, estara verdadeir?mente
    doente.
    Nlo, tranquillise-se; minha irml, a
    Sra. Chaniers, encontrou-a na ra, quan-
    do voltava de Pars, e sua mulher recom-
    mendou-lhe que o mandasse para casa o
    mais cedo possivel esta tarde. A Sra.
    Gages estava fatigada, mas nlo doente.
    Obrigado, patrio. Ah! pregou-me
    um susto A querida creatura tio boa!
    Pronunciando estas palrvras com ex-
    preeslo de profundo intersese, mas com
    voz cujas inflexSes ligeiramente melliflua
    desagradavam, Eugenio Goges sahio.
    Interessas-te na verdade por este
    homem? perguntou Jorge a seu cunhado.
    Muito. E' um rapaz de rara intel-
    ligencia.
    Mas de muito m conducta.
    Outr'ora.
    Sempre.
    Mas nlo; a mulher delle disse a
    Adelia que o rapaz estava se corrigindo ;
    que depois ^dn esperanca de urna prxima
    paternidade elle nao era mais o mesmo.. '
    A mulher d'elle urna santa, que
    morrer sem soltar urna queixa. Mas ha-
    via de admirar-se muito se visse algum dia
    semelhante homem corrigido. S o mo
    olhar e a ingrata physionomia que elle
    tem!... Fiseste mal, Pedro, em con-
    tar-lhe o sgredo da tua fabricaglo.
    Nao podia deixar de fazel-o. Mas
    que me dizes a respeito da sua conducta
    afflige-me extraordinariamente. Tenho-
    Ihe pregada tanta moral, tenho-me ;preoc-
    cupado tanto com elle !... E estava na
    persuaslo de que o havia guiado para o
    bom caminho Ests certo de que elle *
    tem-se* portado mal nestes ltimos lem-
    pos ?
    Estou;
    1,
    17
    .
    na ultima
    elle s
    , *. un...! quinzena
    appareceu em casa na noite do domingo
    para segunda-l\ra. Admira que ello tra-
    balhasse aqui sem que tu lhe conhecesses
    pelo rosto a orgia em que esteve.
    Elle tao inteligente, tem tanta
    forra de vontade quando quer... Quem
    te deu essa informaclo ?
    Continuar-ie-ka)
    Typ. do DUn> raa Duque de


  • Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EAQ8P6HBX_2RXEKR INGEST_TIME 2014-05-22T22:19:29Z PACKAGE AA00011611_17449
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES