Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17448


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO LXV
HER
PARA A CAFITAJL K Ll'GiREK 0*E XJLO SE PACA PN*:
Por tres mezes adiantados............... iSffin
Por seis ditos idem................ oXvi
Por um anuo idem................ js-mn
Cada numero avulso, do mesmo dia............ 0100


OUMA-FEMA 4 M HSVEW0 >E 1889
PARA DEVTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adiaatados.............
Por nove ditos idem................ s/vS
Por nm anno idem................ iffOOO
Cada numero avulso, de das anteriores .. -\ 0100
DIARIO DE PERNAMBUGO
Trcprkdade de Mancel Svgurva de ^aria $ Snfycs

TELEGRAMAS
sss?s;a fabticlas so szaeiq
ERIO DE JANEIRO, 13 de Fevereiro,
HO hora e 30 minutos da inanliS.
1.* glasee I
r.
fl uouieado addido
do Brazil na R
Alfredo Rodrigues Torres.
1ic Argent
i Acaba de fallecer repentinamente o
Konselheiro Barao de Cotegipe.
RIO DE JANEIRO, 13 de Fevereiro,
s G horas e 45 minutos da tarde.
O Barao de Cotegipe fallecen em con-
sequencia de urna sincope cardiaca, e ao
salr de um banho.
Ao espalhar-se essa infausta noticia foi
geral a consternacao.
Muitas reparticues publicas e casas par-
ticulares fecharam as portas em signal de
pezar, e pozeram as Tjandeiras em fue-
ral.
Os jornaes da tarde publicaram artigos
de fundo, tarjados de preto, memorando a
vida e os feitos do Ilustre morto, quem
teceram encomios.
O enterro ter lugar amanh s 10 horrs
do dia, e ser feito pela Santa Casa da
Misericordia, da qual era elle provedor.
Consta que, por expressa vontade do fi-
nado, nao lhe serlo prestadas honras mili-
tares, t
= Foi exonerado do cargo de addido da
legaeao do Brazil na Repblica Argentina
o Dr. Saldanha da Gama.
s:s:::: :l a&scia savas
LONDRES, 12 de Fevereiro.
Neves abundantes estao cahindo n'esta
regiao, na Escossia e sobretudo na Alle-
manha.
As i ommunicaeoes n'cstes diversos pai-
zes esto embarazadas.
BUDA-PE>TH, 13 de Fevereiro.
SS. MM. o Imperador e a Imperatriz da
Austria-Hungria acabam de chegar aqui.
SS. MM. foram calorosamente acclama-
dos pela populacao.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
13 de Fevereiro, de 1889.
nos informa que nssa epocha collocava-se a
agulha magntica em um vaso de vidro meio de
agua, e n'elle se deixava fluctuar por meio de
dous pedacos de pal:ia.
A prjmeira bussola usada pelos navegadores
reduzia-se pois a urna agulha magntica fluctuan-
do na agua. O attriio do -liquido hara forzosa-
mente de paralysar o momento daagulha attrahi-
da pelo norte : portadlo este meio nao Ihes po-
da dar ndicaces certas.
Qual foi o hornera engennoso que tere a feliz
lembranca de tirar a calamita (assim era entao
lh;i magntica) de cunadas palhas
jiaes tlucluava aatfua, e suspen-
airalha de ac cravada no centro
ima caixa. e inventar,por este prqpessoa bus-
sola
Os italianos revindicaram o mrito desta idea
em favor de um capilo ou piloto chamado Fla-
vio Gioia, natural do reino de Xapoles ; mas esta
honra -lhes bem contestada. O que se nao pode
negar 6 que os italianos deram a este precioso
instrumento o nome qu* tera actualmente.
Os inglezes, por seu turno, pretenderam tam-
bem o mrito da descoberta da bussola, por te-
rem ligado agulha magntica um disco de car-
to dividido nos trinta e dous rumos dos rentos.
Seja como fr, a flor de liz que, segundo o uso
de todas as naces martimas, designa o norte
no cartao em que est desenhada a rosa dos
ventos, nao deixa duvidarque a bussola recebeu
dos francezes grandes aperfeicoamentos
(Contina)
PARTE OFFICIAL
Ministerio do imperio
Por despachos del.- de Fevereiro.
Fez-se merc :
Do titulo do conselho ao Dr. Joaquim
Correia de Araujo;
Do titulo de Barao de Ribeiro de Almei
da ao conselheiro JoSo Ribeiro de Al-
meida.
Foram agraciados :
Com a dignitaria da ordem da Rosa,
Bouquet de la Gry, da Academia das Sci-
encias, ohefe do servico hydrographico em
Franca;
Com o grao de official: o Dr. Charles
Henri Monool, director da assistencia pu-
blica da Franca; o coronel Felippe Fur-
tado de Freitas, commandante superior da
guarda nacional de Arrayas em Goyaz;
Antonio Pires deAlmeida e Jos Umbeli
no Fernandes;
Com o de cavalleire; o cirurgiao den-
tista Francisco da Silveira Gusmao;
Com o de cavalleiro da ordem de Nos-
so Senhor Jess Christo, o padre Pas
cal.
Foi exonerado, a pedido, do cargo de
presidente da provincia de Santa Catharina,
o coronel Augusto Fausto de Souza.
Foi no meado bibliothecari e archivista
da inspectora- de hygiene o Dr. Joao Al-
ves da Costa Brancante.
noel Carneiro Machado Freir foi exone-
rado de encarregado
marac sendo nomeado para substituil-o o
alferes honorio do exercito Octaviano Al-
fredo Gomes Padilha.
Ministerio da Mariana
Por decretos de l.- do corrente.
Concederaol*e:
ts honras do 1.* cirurgiao 3a armada
>r. Jos Pereira GuimarSes, em atten-
caoaos servieos prestados na campanha
contra o governo do Paraguay;
A graduacao do 2.- tenente da arma-
da ao segundo pharmaceutico guarda-ma-
rinha Agenor da Cunha Brito, de confor-
midade com o disposto no art. 18 do pla-
no que baixou com o decreto n. 1981 de
30 de Setembro de 1857.
Foi reformado o 2.- tenente da arma
da Manoel de Souza Gomes no mesmo
posto e com a terca parte do respectivo
sold, de conformidade com o disposto na
ultima parte do 2.- do art. 4.- da lei n.
646, de 31 de Julho de 1852.
INSTRGGiO POPULAR
AS GRANDES
ANTIGS E MODERNAS
AS
Sciencias. industrias e artes
POR
A biiMMola
(Continuacao)
So secnlos Vil e VIII da nossa era. os rom
tente; chineses faziam kmgas viagens ma
M Pretend -se que se guiavam pela agu-
jnetica. e alguns eruditos ousaram aflir-
Bpie os chineze.-' possuiam. desde o anno 121
lesos Chri-to, t-sti' meio to precoa
r Todava o mais antigo documenta
cha as obras chinezas relativamente
le ofcecto s data do seculo XI.
p os romanos conheceram o imn, a
me chaoiavaiE aprdro, isto a pe fragor e\-
eeiiencia : mas conteutavam-se com admiral a
sem delia tiraren) o mnimo proveito. Sabiam
que o imn attrahe o ferro, mas nunca chega-
ran a saber-lhe a virtude principal, qual : a
propriedade que tem esle 'minera de se dirisir
constantemente para o norte quando for suspen-
so de modo que so possa mover e vollar dsete-
atacadamente.
Ftn cerca do seculo XII que, segundo consta,
a agulha magntica se co mecen pela primeira
vez na Europa. Durante as r.uzaJas. os euro-
peos que estavam era refacio continua com os
rabes alcancaram destes povos a revelaco do
oso segredo. Os propr.os rabes tialiam
apreadid" dos indios o uso da lussola, pois, gra-
ce aos navegadores chinezes, o emprogo da
agulha magntica tinh. >-i-aliado pelos
mares das Ind
l'm documento fornecido pela historia litlera-
ria da Franea. establece com evidencia completa
o ronlircin-jpoto da l\us>ola na Europa nos lins
do--u'oXll. Uin trovad ji-francez. (iuvot de
Pre por volta do anno de 1180 :
pierre laide el brunire
Ou li fer voulentiers sejoini ,1
n&tiUwm o titulo histrico
authentico em favor da bussola eu-
Mlns4erio da fustiga
Por decretos de 1.- de Fevereiro :
Foi reconduzido o desembargador da
Kelacao de S. Salvador conselheiro Joa-
quim de Azevedo Monteiro, no luga- de
presidente da mesma Rela3o.
Foram declarados sem effeito:
O decreto de 12 de Janeiro que nome-
ou o bacharel Julio Cesar de Moraes Car-
neiro para o lugar de juiz substituto da
comarca da capital de Goyaz, visto nao
ter o mesmo bacharel aceito a nomeacao.
O de 29 de Dezembro ultimo, que no-
meou o bacharel Jos de Queirz Car-
neiro Mattoso para o lugar de juiz substi-
tuto da comarca de Vassonras, na provin-
cia do Rio de Janeiro, visto nSo ter acei-
to a nomeacao.
Foram nomeados:
O juiz municipal e de orphSos do ter-
mo de Capivary, em S Paulo, bacharel
Adolpho Coelho de Mattos Barreto, para
continuar a servir como substituto do juiz
de direito da comarca do mesmo nome.
O bacharel Emilio Ferreira de Alvim
e Costa para lugar de juiz substituto da
comarca de Atibaia, em S. Paulo:
O bacharel Manoel Antonio Braune idem
idem da comarca de Vassouras, no Rio
de Janeiro:
O bacharel Luiz de Anurade Figieira
idem idem da comarca da capital ele
Goyaz :
foi
toi poja cerca ao seculo XII que a bussola
>nn6ci, -'adores da Europa.
viria BO te.npo de S. Luiz e
poraneo de 'iuyot de Provins,
Lo ptd fcia e cura, qual o ferro se
Ministerio da Fazenda
Por decreto de l.- do c< Trente foi no-
meado Jos -loaquim Avelino para o lu-
gar de thesoureiro da Thesouraria de Fa-
zenda da rovincia de S. Pedro do Rio
Grande do Su!.
Por despacho de 31 foi concedida a An-
tonio Firmo Dia Cardos o Jnior a exo-
neracao que requereu do lugar de 8." es
cripturario da lfandega de ernambuco.
Por decretos de 1.* o corrente:
Foi mandado reverter a Ia classe do
exercito o tenente aggregado arma de
infantaria Ricardo Antonio Baptista, visto
ter sido julgado pro-.npto para o servico
em nova inspecsao de saude a que foi snb-
mettido.
Concedeu-se transferencia para a arma
de artilharia, de conformidade cora o dis-
posto no art. 6.- da lei n. 1143 de 11 de
Setemorode 1861, ao alfere, do 2.- regi-
ment e cavallaria Aristides de Oliveira
Goulart.
Concedeu-se reforma com o sold por
inteiro, valor da farinha e fardamento, de
uccordo com o djsposto no | 3,- do plano
que baixou com o decreto de 11 de De-
zembro de 18l, ao cabo de esquadra do
14 batalho de infantaria Manoe Candi-
do Baptista, visto contar mais de 35 au-
nos de servico e tor sido julgado incapaz
de nelle continuar
O tenente reformado do exercito Ma
tov'i-no da Provincia
EXPEDIKN'TB DO DA 4 DE t EVERE1BO DE 1889
Actos :
0 presidente da provincia de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica em ofli-
cio n. i 16, de 1 do corrente resolve nomear, pa-
ra o lugar vago de 2o supplente do subdelegado
do districto de Beberibe do termo de Olinda, Al-
varo Joaquim de Alera.
O presidente da provincia de conformidade
com a proposta do Dr. chefe de polica em officio
n. 120 de 1 do corrente resolve nomear para o
lugar de subdelegado do 2 districto de Santo
Antao (Tabocas) Antonio Diooibio de Barros Ca-
njeante em suDstituico de Christovao Dionisio
de Barros Pires que alleceu.
O presidente da provincia resolve de con
forniidade com a proposta do Dr. chefe de poli
cia em officio n. 115, de 1 do corrente exonerar
a pedido Targino Cabra! de Mello do cargo de
2' supplente do subdelegado do districto de S.
Vicente do termo de Timbauba Communicou-
se ao Dr. chefe de polica.
O presidente da provincia, attendendo a
que o major de engenheiro director das obras
militares, Gregorio Thaumaturgo de Azevedo, e
o 1* tenente Jonathas de Mello Barreto vao a Ita-
marac examinar a artilharia da fortaleza, alim
de resolverse sobre a conveniencia de ser ou
nao retirada d'alli, resolve, de accordo com o
decreto n. 2,884 de 1 de Fevereiro de 1862, abrir
um crdito da importancia de 3005000 verba
do flfc Ajuda de custo do Ministerio da Guer-
ra excrcicio vigente, afim de ser abonada a
quantia de laOOOOa cada um dos alludidosofi-
ciaes. Reraetteu-se copia ao inspector da The-
zouraria de Fazenda.
O presidente da provincia, tendo em vista
o requerimento de Antonio Elias de Souza, que
pretende contrahir casamento com Maria Joaqui-
na Pereira da Cunha. ambos filiados a igreja
evanglica presbyteriana, sendo o primeiro tilho
legitimo de Ignacio Jorge de Souza e Francisca
Rita da Costa, e a segunda de Antonio Pereira
da Cunha e Joaquina Flauziana da Costa Cunha,
conforme os documentos exhibidos, resolve,
usando da autorisaco conferida pelo art. 17 do
decreto n. 3,069 de 17 de Abril de 1863, conce-
der ao peticionario a dispensa do impedimento
de parentesco allegado e provado, alim de que
possa realisar o seu casamento com a mencio-
nada Maria Joaquina Pereira da Cunha, peranle
o ministro John Rockwell Simith, ou outro le
galmente reconhecido.
O presidente da provincia resolve nomear
Rodrigo da Silva Reg para exercerolugar vago
de continuo do Thezouro Provincial. Commu-
nicou-se ao inspector do Thezouro Provincial.
Officios :
Ao presidente da provincia do Rio Grande
do Xorte.Reitero a V. Exc. o pedido feito por
esta presidencia e:n officios de i de Setembro de
1885 e 0 do Jull)3 de 1888, no sentido de ser
(orneada a certidao do accordao que confirmou
a sentenca de prisio perpetua, imposta a Jos
pha Maria da Coneeicao pelo tribunal do termo
de Acary, n'essa provincia, em sesso de 8 de
Junho d 1866. visto nao ter sido dita certidSo
para aqui remettmacom asoutras pecas do res
pectivo processo : e bem assim a informarn do
juiz da eondcmiiacao, ou d'aquelle que o tiver
substituido no cargo, conforme preceituam os
aviso- do Ministerio dos Negocios da Justica da-
tados de 28 de Junho de 1865 e 22 de Outubio
de 1886. sob ns. 287 e 63.
Ao presidente da provincia o Piauhy.
Reiterando o pedido feito por esta presidencia
em officios de 14 de Agosto de 1885 e 19 de
Agosto de 1888. rogo a V. Exc, se digne de ex-
pedir suas orden* para que me seja enviada a
certidao do processo da r Josepha, que inter-
poz recurso de erara da pena de ales perpe-
tuas, em que Ifie foi commutada a de morte, im-
pasta pelo jurv do termo da Parnahyba em ses-
sode 14 de Marco de 1861.
Para que o recurso possa ter o conveniente
de.-tino, olivera que a referida certidao seja
acompanhada de nt'ormaco do juiz da condera-
naijfio. ou daqoee que o tiver substituido no
cargo, conforme preceitnam os aviaosdo Minis-
terio do Os da Justica de 2S de Junho de
1863 e ti de fMubro de 1886 sob ns. W7 e 63
Ao brigadciro co.,inundante das arm -.
Faco contar a V. Exc. p ir sea co'ihecimento e
devidos lins que nesta data e de accordo com o
seu oilicio sob n. 310 signado o 1" tenente Jonathas de Mello Brrela
para irooiQ o engenheiro militar major Gregorio
Tbanmatnrgo de'Asevedo.a Itainarac, examinar
o material de jni"rra existente na respeetiri
ortaleza e dar parecer sobre o seu estado <
conveniencia da retirada do meste material para
esta capital.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Fago BonsttC a V. S. para seu conliccimeoto e
devidos lias que em officio de 1 do corrente. sob
n. 21, participou ine o inspector do krsenal de
Ma nna haver na mesma data'passado o reape-
ctivo exercicio ao capltao-teneotc Rodrigo Nuno
da Costa, director das i-'iistrucges navaes do
dito Arsenal, visto ter sido chamado CJrte )lo
governo imperial.
Ao mesmo.Providencie V. S. p-'ra que
seja paga ao tabelliao Jos Uonifacio dos Santos
Mi'i-.'ulho a importancia de 112J proveak*nte
do feitio e mais despezas com a escriptura n
desapropt era que tem d
constru lo o edificio para a Fuculdade de Direito
desta cidade, conforme soliciton-me o procora-
(ter RsCal d souraria i icio.n. 4 de
31 de Janeiro findo. Comunihicouse ao procu-
Borda Thesouraria deFatenda.
- Ao mesmo. TrawmiUo a V. S. para os
tientes copia do olficio n. JI82-de 28
de Janeiro llndo,em que o conselheiro pre
te do Tribunal da Reiacao do Recite communica
ter na
Antonio Alves Hiheuo reassumdo oexerc
suas fuoccC
nhado daauatro exemplares impressos da tabel-
le Ttn Ua de dtlribuico de crditos para as despezas
"que, powonta do mesmo ministerio, teem dUer
rualisatlP nesta provincia duraDte o corrente
eyecio
Mutatis mutandis ao inspector do Arsenal
de Marinha e ao commandante da escola de
ap/endizes marinheiros.
Ao Dr. juiz de direito do 2o districto cri-
minal da comarca do BecifeReitero a V. S. a
rettBjBJcao feita em olTicio desta presidencia da-
taaWde 4 de Novembro ultimo, para que me
seja apresentada a certidao do processo do reo
Antonio Alves da Cunha. que interpoz recurso
de graca da pena imposta por deciso do jury
desta capital em 26 de Novembro de 1886.
Ao director do Arsenal de Guerra.Ha-
vendo falta de fardamento no deposito de artigos
bellicos da provincia da Parahyba, para djstri-
buir-se aos voluntarios que ltimamente se teem
alistado no servico do exercito, segundo declara
a respectiva presidencia em oilicio n. 3312 de 25
de Janeiro findo, recommendo a V. S. que cora
urgencia realise o fornecimento do fardamento de
que trata o officio desta presidencia de 21 de De-
zembro ultimo.Respondeu-se ao presidente da
provincia da Parahyba.
Ao inspector do Thesouro Provincial.De
accordo com a informaco de Vmc. de 30 de Ja-
neiro fodo, n. 50, autoriso-o a mandar pagar as
ajudas de custo a que tiverem direito os omciaes
do corpo de polica constantes do officio, junto
por copia, do respectivo commandante, de 19 do
mesmo mez, n. 146. -Communicouse ao com-
mandante do corpo. ,
Ao mesmo.De volvo a Vmc, para que
mande pagar, de accordo com a sua informago
em officio de 30 de Janeiro ultimo, sob n. 51 o
requerimento e certificado passado pela reparti-
cao de obras publicas, referente obra de repa-
ros da ponte do Porto da Madeira, na importan-
cia total de 297*297, paga pelo contractante,
Henrique Florentino da Silva Santiago, para a
devida prestaco de responsabilidade. Com-
muuicou-se ao director geral de obras publicas.
Ao commandante do corpo do polica.
Autoriso-o a alistar no corpo de seu commando
os paisanos de quem trata em officio do Io do
corrente mez, n. 169.
ao mesmo.Ex peca as ordens necessarias
para que da forga existente na comarca de Na-
zareth e que monta a trinta pracas seja remetii-
do um destacamento de quatro pracas para o
povoado Allianca. Communicou-se ao Dr. chefe
de polica
Ao juiz de direito da comarca de Timbau-
ba.Reitero a requisicao feita por esta presiden-
cia em officio de 13 de Abril do anno passado,
no sentido de Vmc. providenciar para que seja
ministrada a certidao do processo do reo Ma-
noel Leonardo da Costa, que interpoz recurso de
graca da pena de 18 annos e 8 mezes de prisao,
imposta pelo jury de Itamb, em,19 de Junho de
1876 e bem assim a informaco do juiz da con-
demnago, ou daquelle, que o tiver substituido
no cargo.
Portaras :
trSr. agente da Companhia Brazileira de
Navegago a Vapor faca transportar a cOrte por
conta do Ministerio da' Guerra o 2o cadete Jos
Agapito de Miranda Couto e o soldado particular
Aristides Ferreira Bandeira. Communicou-se
ao brigadeiro commahdantc das armas.
O -r. agente da Companhia Brazileira de
Xavegaco a Vapor mande dar passagens at a
provincia das Alagas, por conta do Ministerio
da Justica. aos menores e praca de quera trata o
Dr. chefe de polica no officio u. 114, junto por
copia.
Expedio-se ordem ao commandante do corpo
de polica para mandar apresentar a referida
praca ao Dr. chefe de polica.
O Sr. gerente da Companhia Pernambvca-
na de Xavegaco de passagem para a capital da
Parahyba. por conti do Ministerio da Justica ao
soldado do corpo de polica daquella provincia,
de quem trata o Dr. chefe de polica no officio
por copi."-, desta data, n. 123.
O Sr. encarregado da estaco das Cinco
Pontas d passagens at Gamelleira a 15 pragas
do corpo de polica, sob o commando de um
cabo.
EXPEDIENTE DO DR. SECBETAHIO
Officios :
Ao presidente do tribunal do juryDe or-
dem do Exm. Sr. presidente da provincia rogo a
V. S. se sirva dispensar dos trabalhos da actual
sesso do jury, o chefe da 3* secgo desta secre-
taria, bacharel Jo&o Candido Gomes da Silva.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
S. Exc. a'Sr. presidente da provincia manda re-
melter a V. S. a inclusa ordem do Ministerio da
Guerra de 26 de Janeiro lindo.
A capito de fragata Manoe! de Araujo
Cortea, inspector do Arsenal de Marinna. -O
Exm. Sr. presidente da provincia manda acensar
o recebimento do officio de V. S. n. 21 de 1 do
corrente, de cujo assumpto lica inteirado.
- A" (iieiino.-Remedo a V. S para a di
exeouco copia do aviso circular do Ministerio da
Marinha de 15 de Janeiro lido', n. 80 acompa-
Aos agentes da Companhia Brazileira de
Xavegaco.De ordem do Exm. Sr. pre.-idente
da provincia aecuso o recebimento do officio
de hontem, no qual Vv. Ss. participam que o
vapor Pernambuco chegou dos portos do norte s
6 horas da manh, e seguir para os do sul hoje
s 4 da tarde. Coramunicou se secretaria
da agricultura.
EXPEDIENTE DO DIA 5 DEjfEVERKlRO DE 1889
Actos :
O presidente da pnvincia temi em vista
o officio do commandante do 69 batalho do
servico activo da guarda nacional da comarca
de Xazareih. de i < de Janeiro ti ido, annexo ao
respectivo eonunandante superior, de 3 do mes-
mo mez, resolve, de conformidade cora o 2",
' Setembro de
capito da 3
de
do
districto sem licenca, lia mais de um anno.-
i; ,, nanic iu se ao cora naodante superior.
O presid nte da provincia, de conformida-
de c m a proposta lo tenente-coronel comman-
dante -lo 69 baialho de infantaria da guarda
naduoal da comarca de Nazareth, eteudocm
vista a inlbrmici do respectivo' commandante
superior, de 30 de Janeiro lindo, resolve nomear
para preenehimento das vagas existentes no
mrsMi > batulbao o- segrate? omciaes ;
;f companhia
Capito. Aggeo Xunes Bandeira.
61 companhia
Capilo o tenente Paulo Cuvalcante de Albn-
querq le.
Com nunicou se ao commandante superior.
do artigo (i. !i -d n. 602. de 19
1850, privar do resoectivo posto o capito da
companhia daquelle batalho Antonio Gomes
Andrade Vas >acclM, visto achar-se ausente
lei n
presidente da pro ocia em execugo da
. ,39o, de 11 de Setembro de 18/3, resolve
gas existen-
"batalho do
imearpara preenchi nento das vas
tes na i' w cao da reserva e 16'
artivo da guarda nacional da comarca
de a'iicoh, os seguintes qfficiaes:
1 uofia de inerva
1 companhia
Capito, Antonio Urbano dos Santos.
Tene.de, Antonio Pires da Silva.
2 companhia
Alferes, Miguel So.nvs da Cruz.
3a companhia
Alferes, David Marques da Costa Pombo.
\ companhia
, Capito, Procopio Jos de Carvalho.
Aleles, Antonio Cle.nentino deS.
16' bntalh/B
1 companhia ,
Capito, Pedro Soares de Novnes Mello A\el-
lins.
Tenente, Jozino Alcides Ribeiro.
Alferes, Joo Alves Brasil.
2 companhia
Capito, Jos Francisco Coelho.
Alteres, Goncalo Alves Brando.
4a companhia
Tenente, Antonio Firmino de Novaes Pinto,
Alfere3, David Gongalves Torres.
5' companhia
Alferes, Osorio Rodrigues de Moraes
7 companhia
Capito, Jos Leite de Azevedo.
Tenente, Francisco Quirino de S.
Communicou-se ao commandante superior.
Officios :
Ad conselheiro presidente do Tribunal da
Relagao do Recife. Sirva-se V. Exc. de informar
me com a possivel brevidade se foi ou nao deci-
dida a appellaco interposta ex-officio pelo juiz
de direito da comarca do Principe Imperial na
provincia do Cear. da sentenca que, em 14 de
Xovembro de 1854, condemnou a morte Fran-
cisco Irineu Pereira c. mo um dos implicados
no assassinato de. Ignacio da Silveira Gadclha.
Ao mesmo. Reitero a requisicao feita em
officio de 16 de Agosto de 1886, para que V.
Exc. digne-se de expedir suas ordens, no senti-
do de ser-me apresentada a certidao do proces-
so do reo Cosme Jos orreia, que interpoz re-
curso de graca da pena de gales perpetuas, im-
posta em 6 de Junho de 1356, em virtude de de-
ciso do jury do termo de Areia, na provincia
da Parahyba.
Ao mesmo.Reitero a requisicao feita officio de 4 de Selerabro de 1885, para que V.
Exc. digne-se de transinittir-me a certidao do
processo do reo Antonio Joaquim de Oliveira,
condemnado pena de 9 annos e 4 mezes de
priso, imposta cm 22 de Maio de 1882, por de-
ciso do jury do termo do Brejo da Madre de
Deus.
AoDr. chefe de polica interino. Remetto
a V. S. a inclusa copia do officio de 1 do. corren-
te mez do encarregado do registro ciruna pa
rochia de Muribeca, afim de mandar syndicar
dos factos argidos contra o respectivo vigario e
proceder como for de direito.
Ao governador do bispado.Transmiltindo
a copia inclusa do officio que me dirigi a 31 de
Janeiro lindo o juiz de paz em exercicio do dis-
tricto da parocliia de Canhotinho, rogo a V.
Revma. que se sirva de admoestar o respectivo
vigario padre Manoel Cavalcante de Assis Bezer-
ra de Menezes que procura embaracar por todos
os meios o servico do registro civil'na mesma
parochia.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda. -
Communico a V. S., para os flus convenientes
que o Dr. chefe de polica d'esta provincia An-
tonio Firmo Figucira de Saboia no i- dia do
corrente mez eutrou no goso de tres mezes de
licenga qne lhe conced era 31 de Janeiro findo
para tratar de sua saude.
Ao mesrao.Communico a V. S. para os
lins convenientes, que o juiz de direito da co-
marca de Villa Bell* bacharel Arconcio Pereira
da Silva deixou a 21 de Janeiro findo, por moti-
vo de molestia o exercicio de seu cargo, reussu-
mindo-o no dia 25
Durante o seu impedimento foi substituido pelo
respectivo juiz municipal, bacharel Joo Lande-
lino Dornellas Cmara Jnior.
A3 mesmo.-Transmuto a V. S. para os
fias convenientes copia do officio de 18 de Ja-
neiro findo do promotor publico da comarca de
Floresjacerca do seu exercicio.
ao mesmo.Remetto a V. S. para os devi-
dos elfoitos copia do aviso do Ministerio da Ma-
einha de 22 de Janeiro lindo, ,n. 119 a respeito
de augmento de crdito solicitado por essa the-
souraria em affieio constante do citado aviso.
Aojinspector interino do Arsenal de Marinha.
De conformidade cora o aviso do Ministerio da
Marinha de 22 de Janeiro rindo, sob n. 154, pro-
videncie Vmc. "para que seiara executados os
reparos necessarios na sala do risco, enfermara,
casa da serrara e na muralha do lado do norte
desse arsenal, conforme solicitou essa inspecto-
ra em officio n. 68 de 22 de Xovembro do anno
passado. .
Segundo consta do citado aviso Jforam dadas
as providencias para que a Thesouraria de Fa-
zenda seja habilitada com o crdito de 3:7775627
a que pode ser reduzido o orcamento na impor-
tancia de 4:030*114, organisado pela directora
das obras geras desta provincia.' ommunicou
se ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Ao director do Arsenal de Guerra.Confor-
me solicita o brigadeiro curaraandante das armas
era oilicio de liontem sol n. 205. mando V S. sa-
tisfazer o incluso pedido de duas caixas de folha
de (landres paraouducco das.dietas'aos doentes
da Enfermara Militar. Fizeram-se as necessa-
rias comraunuocOes. .
Ao Dr. Gervasio Rodrigues Can peno.
Sirva-se V. S. de comparecer n'este palacio no
dia 9 do corrente ao meio dia como arbitro do
governo ua avaliaco das obras da empreza do
gaz desta cidade, alim de escolher com o arbi-
tro da empreza um desempatador de accordo
com o art. 25 do contracto.
Matalm mut indis ao outro arbitro Dr. Theo-
philo B medido de Vasconcellos.
Ao inspector do Thesouro rovincial De
accordo com a inlormago de Vmc, de 31 de
Janeiro lindo, n. 52, autoriso-o a mandar pagar
ao tenente Ttiomaz Jos de Mello aquanti.de
6OJ00O a que se refere o documento junto, pro-
veniente dos alugueis da casa que, em Chan de
Carpina, serve de raartel o destacamento all
exi-icmte, a contar do 1 de Julho a 3i do anuo
prximo pas-ado. .
o mesmo.- De accordo com a informaco
de Vmc, de hoje datada, n. 57, auloriso o a man-
dar adiantar a quantia de 400* KW profe&sor
eontractaila para a cadeira mixta do Biyjo dos
Padres le Tacarat, Mara Amelia Forjaz de 1.a
cerda.
ortaria : .-
declaro a cmara municipal do Recue que,
conforme"consta do aviso n. 96. d- 23 de Janei
ro lindo, do Ministerio dos X 'gucios do Imp
junto or copia foi submeltido ao po ler legisla-
tivo o acto desta presidencia suspendendo o de-
creto, provincial que approvou por 6 anuos
a proTOgacuo do COUtractO cel orado por essa
cmara com a firma Oliveira Castro & C.
para IV h clinm o d'carnes verdes populacao
d'esta cidade.
MututL* nvUandii ao secretario da -Assem-
bta Legislativa Provincial.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios :
Ao inspector da Thesouraria "de Fazenda -
O Exm. Sr. presjde ite4a provincia manda re-
meltera V. 8. quatro ordens do Thesouro Na-
cional de ns. 10 a 3.
Ao secretario d.i Assemblja Legislan va
Provincial". De ordem do Bwn. Sr. piysideni
da provincia remello a V. S.; para os Has con-
venientes, o bataneo da receita c- despea do
exercicio de 1H87 a 1888 e o orcamento para o
de 1889 a 1890 da cmara municipal da cidade
de Lnnoeiro. ,.
Ao capilo-teneute Rodrigo Nuncs da Cos-
a, inspector interino do Arsenal de Marnh t.
O Exm. Sr. presidente da provincia, manda ac-
CUSar o recebimento do officio de V. b^ de
orreute, sob ti. 22, de cujo assumpto hea in-
teirado.
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 12 DE
FEVEREIBO DE 1889
Adolpho Firmo de Oliveira.A questeeflfiM-
solvida desde 29 de Dezembro do anno Ltele
portanto nada ha a deferir.
Albino Fernandes & CInforme o Sr. Mfmc-
tor da Thesouraria de Fazenda
Candido Martina de Albuquerque.--lBfore
Sr. Dr. juiz de direito da comarca da Escaa.
Fietden Brothers.Bequeira ao Ministe*a
Guerra. t
O mesmo.Informe o Sr. inspector da Tfeesae-
raria de Fazenda.
O mesmo.Informe o Sr. inspector da Tuub
raria de Fazenda.
Lourenco Teixeira Palha.J defer.
Bacharel Luiz de Caldas "Lins.Encamiake--
Maria Joaquina da SilvagBastos.-Reqmae*
autoridade competente.
Maia Silva & CInforme o Sr. inspeefcra
Thesouraria de Fazenda.
Pedro Jos do Carmo e Souza.Informe aCn
mar Municipal de SerinhSem.
Secretaria da Presidencia de Perax
buco, 13 de Fevereiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartlfo da Polica
2.a secc&o.N. ...Secretaria da R-
licia de Pernambuco, 13 de Fevereir de
1889. Illm. e Exm. Sr. Particw
V. Exc. que foram hontem recoUuME s
Casa de Detencao os seguintes indiviaa:
A' minha ordem, Jos Francisco do Rsa-
me nto, como vagabundo.
A' ordem do subdelegado da fregueiu. Te
Santo Antonio, Antonio Francisco de Ofiadra,
Manoel dos Santos Oliveira e Lauriano Jos Rs-
reira, por disturbios. .
A' ordem do do 2. districto da freguesa, (te
S. Jos, Manoel Agostinho da Rocha, por iter-
bios.
a- ordem do do i.' districto da fregueni de
Xossa;eahora da Graca, Manoel Rodriga &-
margo, como indiciado em crime de marte*,
disposigao do Dr. delegado do 2.- distrkaa te
capital. _____
O delegado do termo de Santo Antao, cohib
nica que pelas 7 horas da noite de 10 de Br-
rente, em trras do engenho A randa de Baso.
d'aquelle termo o individuo de nome Pedrs tos
assassinou com urna facada a Manoel de tal,
conhecido per Mulatinho, evadindo-se logs aps
o crime.
Acerca do facto abri-se o competente ufas-
rito, r -_
No dia 25 do mez de Janeiro prximo &an
no lugar trra do Rei, do termo de Alagfla fe
Gatos, foi encontrado o cadver de Antn Pe-
dro de Mendonca, em adiantado estado de jira-
faccao.
O -ubdelegado do distncto tomou comk-
mento do facto e das diligencias procediu a
respeko- verilicou-se ter sido a morte casuar
Procedeu-se a respeito nos termos da leL
Communicou me o tenente Deocleciano fc-
xoto de Alencar, ter no dia 2 do corrente, isar-
mido o exercicio do cargo de delegado do Serna
de Rarreiros.
No dia 31 de Janeiro lindo, pelas 6 horts
tarde no sitio Quilombo do termo de GaratiMff
o individuo Antonio Jos de Araujo, feria ot1-
talmente com um tiro a Joo Lopes da S**,
vindo a fallecer no dia segrate.
O delinquente apresentou-se voluntarianaiDs
ao delegado do referido termo, e foi recoffci*
cadeia.
Abrise o competente nquento-
Participou- me o delegado do termo de'jr-
renles, que no dia 30 d'aquelle mez pelas 5 ras
da tarde, Francisco Antonio da Silva, assasamw
com um tiro a Candido Jos da Silva, evadate*:
em seguida. '
Acerca do facto procedeu-se nos termos di ka_
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Ara^e
Ges, muito digno presidente da prwi-
cia, O chefe de policia interino, Dvm
Cawiicante do Reg Albuquerque.
-------- ? ----------
Vhesouro Provincial
DESPACHO DO DIA 11 DUFEVEEEIHO SJB
1889
Francisco Lucena Barboza da Silva,
Joao Hermenegildo Borges Di iz, Manad
Uchoa de Barros Campello, Antcro Qe^
mentino Leite.Informe o Sr. Dr. eaa-
tador.
Antoni- Pereira da Rocha.Infome
Sr. Dr. contador com tres documentos
Fielden Brothers. A contadoria.
Jos Pa lo Botelho.Infome a sefji*
do contencioso. fc
Joao Fernandes Lopes.-Haja vida.
Dr. procurador fiscal
Banco de Crdito Real de PenaBE-
bucoT 'aja vista o Dr. procurador fisral-
Maria 'avaluante de Albuquerque 'to-
cha. Certifique-se.
Rcccbedoria Provincial
DESPACHOS DO DIA 11 DE FEVgJSEP
DE 1889 f-S\' "
Henriqueta de Moura Peiira, Vibtotia.
Marques da^Fonseca, Augusto Octavian
de Souza e Joai ancio da( Silva Cot*e>-
ville. Informe a Ia seccSo.
Manoel Correia & C. Junte confa-
meuto de quitagiio dos impostos afim fe
poderem ser attendidos.
Alfredo Guimaraes & ''., A lasec
para os devidos fins.
Senhorinha de Araujo Silva. Rita Ifc-
ria da ConceicSo, Germana Mana de Ss
za, Izabel Maria da Coneeicao. Infera
;l l BdCOlO.
Eustaquio Manoel Carminando. Jaste
conhecimento de quitaco da decima xar
tiva ao ultimo semestre.
Francisco Barboza &C, Antonio de Sat
za Oliveira Satisfaga a exigencii
secvo.
Guiniares Jnior & C A" Ia, secf&s.
para os devidos fins.
MAa Cathann ~ 'xasFw-
Deferido qjtan '2.- seujeate
em vista das informa?
Maria Joaquina da Coneeicao. DeSa-
rido em vista das.informar
Justino Rodrigues d; ||Hp3*k<
em v nformac
Joariuini Maria d Defer
cm vista das informacSes quanti




>
Diarlo Je Pemimibuc o---Quinta-feica l
vereiro
J*K9
K
Hospital Pedro II em reanlo
a 2.- semestre tSo somente.
Josephina Bemvinda da Cnnha Souto-
Maior.Deferido com relacao ao xercicio
fado.
DIARIO DE
PERNaIBUCO
RECITE, 14 DE FEVEHElBODjri88<>
Baro 'AtsIpe
(Joao Mauriei Vfamdariey)
Lar- e profundo saleo rasga o seto d* patria
para receber o cadver de wdos sew-aMis no-
Uveis e eminentes lillios o conselheiro Baro
de Cotegipe.
Arrebatado repentinamente pela mo damor-
te na manh de hontein, a sua perda vem mer
gulhac eai pr-ofuadissuuu dr a todos os que es-
tavam habituados a ver n'elle um dos mais va-
lente.; batalhadores pela causa da ordein, do pro-
gresso e prosperidade do seu pas.
Nio precisamos manifestar a natural sorpresa
e dolorosa impressao que nos causou a leitura
do telegrama do nosso correspondente Acaba
di (trrr repentinamente o conselheiro Bardo d?
iMegqte.
Don.: nados ne igual impressao foram^todos os
que verana hontem c?nliecimento da infausta
aotici*.
Cobre se de espesso luto a bunileira do parti-
do conservador que esse grande cidado procu-
rou auure manter altaaeira e firme no meio
dos coronales polticos e para cujos triumphos
concbrreran o seu patriotismo, illustrago, ener-
ga e buegagSo.
Forte pela sua consciencia, por essa conscien-
cia qn* I lie servia de guia as suas deliberages,
como o declarara, quando pela primera vez sen-
Uva se aa cmara dos deputados, intransigente
as suis uonviccOes e no cumprimcnto do seu
dever ao ponto de nao recuar ante quaesquer
sacricJos, patriota, que mereca ser honrado
com animosidade de nossos visinhos, enrgico
e decidido na direcco dos grandes e importan"
tes negocios da nago, o conselheiro Baro de
Cotegipe desee ao tmulo cercado da aureola
de gloria, com que todo paiz civilisado costuma
ornar a fronte dos seus grandes horoens.
De Carcter franco e lliano. accessivel a gran-
des e pequeos, enthusiasta dos principios da
justica. devotado pela amizade, generoso e bem-
uejo\ encanecido em servir ao seu paiz, o il-
lustre brazileiro inereceu as bengos dos seus
patrioins e especialmente dos desherdados da
fertun. a quem consagrava grande parte de sua
ac.iviftade e cuidados.
Tantos e to grandes foram os seus servigos
publicas, tantas as posicOes que oceupou e des-
empeirhou aa altura do seo grande talento e
acendrado patriotismo, queedillicil, nos estreitos
limites das nossas columnas, dizer tudo o que foi
e tudo o que fez o Baro de Cotegipe, como ad-
vogado. magistrado, poltico, parlamentar e ho-
mem de Estado
Curvemo-nos sobre o seu tmulo em teste-
saunb da dor e profundo pezar que, acabru-
hainhi a fronte roagestosada patria, acabru-,
ahan a todos os brazileiros.
as altas qnafdades de que -evestia-se o seu grao-
levado espirito.
Reeleito em 1849 e 185::, quando o seu partido
oceupava t> poder, foi hoi rado pela conflanga do
gabinete 29 de Setembro com Os cargos de chefe
de polica e mais tarde com o de presidente da
Baha, em substituigSo de Gongatves Martins,
cargo este que exerceu de 1852 a 1833.
Poroeeasio de- uaaa modicaea ministerial
tino longo e memoraTe!" gabinete de 29de Setein-
fcro, tmepocbaem que u Visconde de Abael dei-
xou a pasta des negocios eslrsngairos,'era o de-
puta* v\ andertey chamado a oceupar a pasta
da marinh em li de Junho de 1853.
O novo ministro teve ento de desenvolver^
grande esforgo na luda que .-ustentou na Cma-
ra em defeza 1836 a Cmara compensava lhe o esforgo dando-
ihe urna grande pro va de conlianga com a auto-
risago para reformar o cdigo penal das forjas
de mar.
Devido sua actividade e influencia consi-
gui da assembla eral a adopgo de urna lei
sobre promoges e sobre a creagao do conselho
naval.
Em 8 de Maio de 1836 foram-lhe abertal as
portas do Senado, e deixando o marquez do Pa-
ran a presidencia do conselho de que foi inves-
tido o Duque de Caxias, passo o ministro da
marinha a oceupar interinamente a pasta da fa-
zeuda, no qual licou fciu effectividade at a or-
ganisago do Ministerio de i de Maio de 1837,
anno em que foi aposentado e honrado com o
titulojde desembargador honorario.
Negocios de familia ou causas polticas relive-
rain-no na Baha al 1867. lendo sido em 14 de
Margo de 1860 agraciado com o titulo de Baro
de Cotegipe, com grandeza.
.*.
A vida do prauteado Baro de Cotegipe, p-
de-se dizer, urna liegao eloquentissima e ao
mesmu-lempo urna prova incoucussa do quanto
vaiem do quanto podem o trabalho e o talen-
to, o amor da patria, da liberdade e da gloria,
x. Mostrar em breves tragos as longas e bruan-
tes peripecias, as eminencias e as grandezas
dessa vida, ao mesmo tempo urna homenagem
memoria do grande cidado e um incentivo a
gerago nova dos contemporneos.
Joao Mauricio Wanderley, Baro de Cotegipe,
aasceu em 23 de Outubro de 1815, na villa de
S. Francisco, mais conhecida pela denominago
de villa da Barra.
Apenr de ter pertencido esU villa provin-
cia de l'ernambuco, considerava-se o Bario de
Cotegipe como originario da provincia da Bahia,
alvez por ter sido a villa da Barra anuexada em
(1827 a essa provincia.
Pertencia a urna ntiga e respeitavel familia,
que prestou importantes servigos durante a
guerra da independencia.
Teodo se habilitado a matricular-se nos cursos
jurdicos de ento, frequentou a Academia de
Olinda, onde formoo-se^m 1837.
Como advogado pleiteou a causa dos revolto-
sos da Baha peante os tribunaes.
Pouco tempo demorou-se na carreira da ma-
gistratura, que exerceu nos*lugares de juiz mu-
icipal e de juiz de direito de Santo Amaro du-
rante cerca de dez annos, interroinpidos pelo
etercico das funeges polticas, em virtude de
mandato legislativo. >
Aquella grande alma nao encontrava sufhcien-
le espago para suas expansoes intelligentes e
patriticas no servigo de julgir pleitos e conten-
das pai ticulares, aspirava ver-se no meio dos
grandes acontecimentos em que. se debatem po-
ros e partidos para pr-se ao servigo das gran-
des causas da nacionalidade e liberdade do seu
paiz.
A poltica fascinou-o, e corpo e alma dedicou
elle ao estudo e defeza dos principios, que em
8843 reunatu sob a mesma bandeira os que ado-
ptavm, como programma poltico, a dignidade
da nagio, a economa nos orgameutos e a cen-
sura dos actos de desregramento do governo e
das violages das constituiges. *
Era deputado provincial pela Bliia, quando
pela primeira vez, em 1842, foi eleito represen-
tante Assembla Geral pela mesma provincia,
fue, desde ento renovou-lbe sempre o man-
dato.
Ligado maioria parlamentar, que apoiavaLo
gabinete de 2 de Fevereiro de 1844, defeudeu na
tribun/ com intxcedivel esforgo a justiga e op-
portuidade poltica da amnista de 14 de Margo
do mesmo anno em favor dos revoltosos de Mi-
aas e de S. Paulo.
Bsolvida a cmara em Maio, no fim do mes-
anno de 1844 era reeleito, e na sesso do
anno seauinte tomava parte activa na discussao
dali i i. para combatcl-a quanto aos cir-
nlc- d^ incompatibilidades de va-
nas i funecionarios.
O direito de initi p allgo foi conquisiado en
tao cum o aux lio de sua palavra.
22
Mar
mrante o ministerio de
.tado V% anderley com espanto
\i va um projecto de
avil.
escoava, augnientava o p.es-
r, era combatendo-
s gabinetes de 8 de
Maio de 18-48 e sempre revelando
Depois de to longa ausencia o Baro de Cote-
gipe ia encontrar grandes e profundas transfor-
raagOes na poltica do paiz.
Dominava 0 partido progressista e a guerra
do Paraguay reclamava ento todos os cuidados
do governo brazileiro.
Collocado ao lado da opposigSo, nem por isso
regateava o sem apoio ao gabinete quanto aos
negocios militares, respeito dos quaes, dizia
elle, nao admittia differenga nem distincgo de
partido entre us brazilciros.
Com a queda do ultimo gabinete progressista
por nao ter querido assumir a responsabilidade
por um acto da prerogava imperial, organisou-
se o ministerio conservador de 16 de Julbo de
186H, do qual fazia parte o Baro de Cotegipe,
incumbido'da pasta da marinha.
Sao notaveis os discursos por elle pronuncia
dos no debate da resposta a falla do throno em
1869 e 1870.
Em 20 de Setembro deste ultimo anno deixa-
va o gabinete tendo interinamente substituido
na pasta de estrangeiros o visconde do Rio Bran-
co, que fra incumbido de urna missio especial
no Bio da l'rata.
No gabinete de 7 de Margo de 1871 recusou a
pasta da fazenda, que lhe fra reservada, por es
Ur em desaccordo com as ideas do ministerio
sobre a reforma cleitoral.
Em Agosto do mesmo anno era incumbido de
urna misso especial no Rio da Prata para onde
partir em 2 de Setembro, sendo ivcebido pelo
governo oriental a 13 do mesmo mez. pelo ar
geotino a 26 e em Assurapgo a 3 de Novembro,
resultando dessa misso a concluso definitiva
dos tratados de paz, de limites, de commercio e
de navegacao entre o Brasil e o Paraguay.'
No gabinete de 23 de Junho de 1873, organi-
sado pelo Duque de Caxias, oceupava elle a pas-
ta de estrangeiros e linha opoortunidade de ter-
minar as negociagOes enceUdas com a Repubii
ca Argentina.
Sao anda bem recentes os acto da adminis-
trago deste gabinete em que o Baro de Cote-
gipe oceupou tambem a pasta da fazenda e na
qual dotou o paiz de importantes reformas c
melhoramentos.
Em 1878 o gabinete demittia-se e o partido li-
beral era chamado ao poder.
Nao foram somente o voto popular e a cora
que o distinguiram com a sua eonlianga ; no seio
da propria cmara a que pertencia vio-se eleva-
do aos honrosos cargos de vice-presidente e de
presidente do senado de 1879, at que por ser
presidente do conselho do gabinete de 20 de
Agosto, teve de deixar ajdirecco dos trabalhos
legislativos da cmara alia.
Chamado a organisar esse gabinete por indi-
cago do proprio chefe liberal, que deixava o po-
der, o Baro de Cotegipe encarregou se da pas-
ta de extrangeiros e conseguio da cmara liberal
as leis orgamenUrias e a reforma da lei do ele-
mento servil.
As relages internacionaes oceuparam a sua
attengo, e iniciou o accordo prelim inar como
principio da sotugao para a questo d e limites
com a Repblica Argentina.
Foi durante o seu ministerio, que formou-se
a chamada questo militar.
Foi necessario, que o Ilustre chefe do gabine-
te empregasse todo o sea tino, criterio, pruden-
cia e at o sacrificio do amor proprio para que
essa questo ti vase a patritica c honrosa solu-
gSo, que foi dada com a intervenco da mais
elevada corporago do paiz^
Dahi em diante sao de hontem os aconteci-
mentos que se seguiram e sobre os quaes nao
preciso avivar a memoria.
Obtcndo de S. A. a Princeza Jmperial Regen-
te demissao do ministerio, que presidia, voltou-
se de novo para as suas fuocgoes de senador e
de provedor da Santa Casa de Misericordia da
corte, a qual dedicava mais instantes e solcitos
cuidados.
ltimamente exercia o honroso enrgo de pre-
sidente da directora do Banco do Brasil, que
elle auxiliava com seu prestigio e conheckncn-
tos especiaes.
Noticias do Parifico. Rio da
Prata r ni do Imperio
O vapor fraucez Ville de Cear, entrado do Sul
hontem a tarde foi portador das seguales no-
ticias :
Parlfleo
Datas telegraplricas para- o Rio da Prata at
24 de Janeiro e pura acorte al 4 de Fevereiro :
Encerraram-se os trabalhos do congresso chi-
leno.
0 ministro do OhwbIo, Prodtnw Lazum; qt
renunciou a pastay ser neuieado ministro na
Boiivla.
Nao se cotdrrmo a noucta d renuncia oV
ministro da insflwgao.
No dia 19 o Dr. Balmaoeda, presidente (te
Cuije,' inaugurou a ConsUOCjao da importante
va Terrea, qa poro as provincias do norte em
commffjririipn com-e re-ioda repuWica,
Mtoeeu em V:Uparaiso o sa^* lgaw.io l)a-
meyku, cujos funeraes foram feilos pelo lis-
tado.
Foi adiada a inaugurago dos trabalhos do di-
que ein lali-ahuano.
Noticias de Lima referan que
sas as sesses da cmara dos
eram tumultu
deputados, por
causa da discasso to contrato Donoofhflore,
que era vigorosamente combatido por Quimper
e Arenas. Foi preciso mandar evacuaras ga-
leras amauha era a gritara dos espectado-
res.
Op
VOtO:
eussao.
No palacio presidencial foi alegremente cele-
brado esselriumpho alcangado na cmara.
Vaiparais-, 1 de Fevereiro
Em Santiago os ofliciaes do cruzador Almiran-
le Barroso foram muito festejados.
Hoje foi offerecido ao principe D. Augusto um
passeio campestre, servindo-se um lauto banque-
te, em seguida haver baile.
O presidente da repblica vai ofjereccr um
banquete olficialidade daquelle navio.
Chegou a La Paz o presidente da olivia. Dr.
Aniceto Arce, tendo recebido por essa occasiao
urna rstrOndosa ovago, assim como mudas car-
Us de felicitagoes e urna cora de loaros.
Na cmara dos deputados do Per eomeguu a
discusso do artigo do contrato Orate.
K/p, 3 de Fevereiro .
O Chile contratou em Nova-York umengenhei-
ro de machinas e operarios para as estradas de
ferro do Estado.
lio Datas at 27 de Janeiro, e telegraphicas at 4
de Fevereiro:
O Dr. Pacheco passou para a pasta do inte-
rior e o Dr. Rufino Vrela ia tomar posse da da
fazenda.
Chagra a Mendoza o raajer Vera, portador do
decreto de reposigo do Sr Tiburcto Benegas no
cargo de governadbr constitucional da provin-
cia.
O interventor deixara all ao rcMrar-se o 2.
batalhfio de artilharia para manter a ordem, at
que o governador reposto reorganisasse a torga
policial, cujas armas foram tomadas pelos revol-
tosos.
Os nimos continnavam muito exaltados em
Mendoza : apelar ie dizerem os ltimos tele-
grammas que se haviam reconciliado o gover-
nador Benegas e o coronel Ortega e teegra
phado neste sentido ao presidente da Rep-
blica.
A pedido do ministerio da Blgica a capitana
do porto de Buenos-Ayres prendera a bordo do
vapor Paraguay, um individuo chamado JooCa-
ni-ari, que indigitado autor de avulUdos rou-
bos commettidos em varios estabelecimentosban-
carios de Bruxellas.
Progrediam rpidamente as obras de um gran-
de palacio na ra Florida, destinado a um es-
tabelecimento semelhante ao Bon March de
Pariz.
Fallecer subiUmente o Ilustrado agrnomo
Eduardo Lossan. professor de economa rural na
escola de Santa Catarina.
A imprensa de Montevideo eslava discutindo
com muito calor o projecto do governo referente
ao Banco Nacional.
A Cmara de Commercio e a Companhia Na-
cioual iam assignar as escripturas relativas
construego da nova praga do Commercio, no
lugar actualmente oceupado pelo theatro S. Fe
lippc
U coronel Galarza pedio demissao do cargo
de chefe do departamento de Soriano, e foi no-
meado commandante do 3. regiment de caval-
laria, actualmente aquartelado em Mercedes, na
fronteira.
Foram publicados na corte estes lelegram-
inas :
Bueno*-Ai/res, I de Fevereiro.
Consta ter havido conflicto na fronteira brazi-
leira.
1 de Fevereiro.
A Tribuna Nacional censura o partido jurista
por perturbar as provincias proclamando o Dr.
Jurez C-dman chefe do partido nacional
O ministerio reunio-se para accordar no modo
de equilibrar o orcamento diminuindo as des-
pezas.
Montevideo, 1 de Fevereiro.
O congresso internacional jurdico approvou
alguns artigos relativos a protissSo scienlilica e
Iliteraria. O art. 7 estabelereu que os diplomas
scientiticos sertlo validos em todos os paizes sig-
natarios.
i hegou o encouragado Baha.
O chefe de divisao Wandenkolk visitou o mi-
nistro brazileiro e o ministro dos negocios es-
tro que ni
Hmf*o M jspial desencadeon-se urna m-
in tempestade acoinpanhada de chuva da
a*. qHe durou alguns minutos, arrancando
arrw e destruindo completamente as plauta-
gdes. i
Foram encontradas pedras do tamaito de um
over dOgallinha. Grandes foram os nrejuizos e
maior anda o snsto dos moradores.
- Na noite de (i para 7 do mez passado, no
termo de-8. Francisco de ssis. Joo Antonto-de
Miainf.i e senspees Manoel Rodrijrot's Martins
e Mame I Jowfuim da Costa assaiiaram e saqura-
rain a casa de negocio de Antonio Po+iin. sima-
da do 1" districto do municjOrasissrtram
Fulgo* ferrram mortalmente^i^HMerisu e una
tilli;t menor.
Fez-se o competente eorptrTktitotii-: en [u
querito policial, que teve o destino legal, adMu-
do-.-e ja prese* e recolhidos" Jfaiquent-s Mannel Martins e Mnnwnf-Costa, dlli-
genciaiido-se para a captura de Joto de Miranda.
Informaran) ao Diario, de Jaguaro que a
cmara mujiicipal ia lomar a iniciativa de erigir-
se urna estatua coinmemorativa da lei de 13 de
Maio.
A estatua em projecto ser levantada na praga
da Independencia e (leve ser construida pelo es-
eulplor Jos Itawignelh, que se ada alli de pas-
fjm.
A columna medir 16 metros desde a base at
o ponto terminal.
Os s eus immorredonros servigos pblicos me-
receram-lhemais as seguintes distinccoes hono-
rficasDignitaria da Ordem do Cruzeiro, Offi-
cialato da Ordem da Bosa, Gr-Cruz da Torre e
Espada, de Portugal. Gr-Cruz da Real Ordem
Belga de Leopoldo, de Carlos III, de Hespanha,
da Real Ordem Hespanhola de Isabel a Catholi-
ca e da Real Ordem da Coria de Italia.
Tal foi o grande cidado, que hontem falle-
ceu repentinamente victima de urna sincope car'
diaca ao sabir de um bando e que chanon-se
JoSa Mauricio Wanderley, Baro de Cotegipe.
0 parlieo conservador vest-se de pesado luto
a chorar a sentidissima mor :e de um dos seus
mais Ilustres e preclaros ein fes.
IHiViVHHllli^i^HiV
trangeiros.
Tem havido grande baixa na Bolsa.
Buenot-Af/res, t de Fevereiro.
Falleceu o Dr. Person.
Montevideo, 2 de Fevereiro.
O estado de saude do Dr. Vidal peiorou muito:
os mdicos julgam-no desesperadoi.
BuenosAyres, 3 de Fevereiro.
O general Racedo, ministro da guerra, prepa-
ja-se para applicar o crdito de 8.000.000 de
pesos nos concertos e augmento do material da
esquadra argentina.
Urna forte trovoada causou grandes estragos
no Rosario.
Manifestou-se a epidemia da diphtneria na pro-
vincia do Paran receia seque se desenvolva.
Os boatos de apparecimento da febre amarella
as tropas brazileiras que se acham em Matto-
Grosso sao destituidos de fundamento.
Montevideo, 3 de Fevereiro.
As arenes da Companhia Nacional tiveram urna
baixa.
Acha-se a bordo do paquete Aconcagua que
segu para o Rio de Janeiro, o ministro brazilei-
ro no Chile.
Buenos-Ayres, 4 de Pevereiro.
Foi publicado o decreto de reorganisago do
estado maior do exercito. sendo nomeado chefe
o general La valle.
Climas abundante tem cabido nesU cidade,
Masando grandes estragos.
Montevideo. 4 de Fevereiro.
ConsU que o Congresso Internacional Jurdico
termiuou os seus trabalhos, tendo sido approva-
dos oito artigos de accordo com o projecto apre-
sentado pelo Dr. Ramrez.
as corridas de touros realisadas hontem ftca-
ram feridos diversos toureiros.
Bio Grwade do Mu
Patas at 29 de Janeiro :
Na madrugada de 22 desabou sobre a capitel
fortissimo temporal, acompanhado de chuva tor-
rencial e trovoada, o qual durou mais de duas
horas.
Cahiram diversas faiscas elctricas, sem que
se saiba dos damnos causados ; a impetuosidade
do vento derrubou alguns muros, arrancou ar-
vores e causou muitos outros estrahos mate-
riaes.
DesBoronou um sobrado em constrnegao na
travessa Paysand junto ao edificio oceupado
pela administragao geral dos correios.
No dia 23, ao meio da, cahio sobre a cida-
de de Pelotas urna chuva torrencial acompanha-
da de trovoada.
A impetuosidade da agua era tal que as sar-
getas transformaram-se em regatos caudalosos,
conseguindo-se com muita difticuldade atraves-'
ur alguma ras. A chuva prolongou-se at s
3 horas da tarde
Todos os arroios tem enchido eon3ideravel
mente.
as proximidades do mtadouro publico, ca-
hin, urna faisca elctrica em um poste felepho-
nico. inutilisando a linha.
Em Bag sonrou no da 22 violen!
tufo acompanhado de fortissima chuva. A for-
ga das aguas era tal que cobriram o leito da es-
trada de ferro, impeaindo o movimento ordina-
rio dss Irene.
A' mesma cidade chegra do Estado Orien-
parecer da commisso foi approvado por 53, < Falleceram em Pelotas Octavio Jos Palma,
| contra 37 e o contrato ia ser posto ern dis- ^ em Bag, na idade de 130 annos, Elesbo do
Amaral Cardse
Paran
, Datas al 29 de Janeiro :
Foi adiada para 15 de Julho a abertura da as-
sembla provincial do Paran.
- Pelo engenheiro Joo Teixeira Soares, na
qualidad de representante da Compaguie Ge-
nrale de C&emias.dePer Brsiiens, foi assigna-
do o competente contracto para prolongamento
da actual linha de Paranagu a Curilyba at o
porto do Amazonas, no rio Iguass, com ramaes: umque. passand pela Lapa se dirigi-
r para o Rio-Negro, .e outro que, partindo de
Morretes, ir ter a Antonina.
Para a sob redita construego obteve a compa-
nhia privilegio, que durai por todo o praso da
concesso da linha actual e garanlia de juros de
6. durante 30 annos sobre o capital que for*
effectivamente empregado at o mximo de----
30:i'00 por kilomet o. Bntender-se-ha conce-
dida a garanta desde que forem approvados os
estudos definitivos.
Dorante o mez de Novembro prximo passa-
do a exportago da herva malte, realisada pela
via-ferrea. attingio ao peso de 1,330,800 kilo-
grammos que nroporcionaram a receite para a
estrada de 31:830280.
No mesmo periodo foram exportados 317,570
kilogrammas de madeira, cujo transporta foi
realisado pela mesma via-ferrea, percebendo
pelo respectivo frete 1:596520..
Os resultados geraes do trafcgo da estradade
ferro do Paran, relativos aos me/.es de Janeiro
a Novembro inclusive do anno prximo lindo, se
traduzeai nos seguintes algtrismos :
Receita 670:7922420
Despeza 466:9091901
Saldo 203:882 519
Manta Camarina
Datas at 30 de Janeiro:
No dia 28 reunio-se no palacio da presidencia
de Santa Catharina diversos mdicos da capital
e o presidente da cmara municipal, e depois
de discutirem as providencias para evitar a pro-
pagago da febre perniciosa que est grassando
na capital, deliberarain estabelecer quarentena
de observago para os navios procedentes do Rio
de Janeiro, ver-se o edificio que existe na Pe-
nha do Sambaqui se presta a um lazareto, por
nao ter condiges hygienicas o da ilha dos Ra-
tones tratar da lirapeza das ras, pragas e ca-
riocas, estabelecer um servigo de asseio da ci-
dade a cargo da municipahdade, irrigar as ras
e prohibir o servigo das carrogas de lixo depois
das oito da noute.
O presidente foi com o inspector de hygiene
examinar o edificio de Sambaqui.
Urna commisso de negociantes foi a palacio
reclamar quarentenas de observago para os
navios do Rio de Janeiro.
De S. Jos escreveram em data de 20 do pas--
sado ao Jornal do Commercio da capitel o seguin-
te:
Acaba de chegar de Garopaba a escolta que
d'aqui seguio ha das cate de dous desertores
do exercito, alli refugiados.
Ao ser cercada a casa onde elles se tinham
oceultado, a do cidado Jos Candido das Neves
Pereira, a praga Pedro Ventura da Silva, que
guarda va una das portas, recebeu um tiro de es-
pingarda no lado esquerdo do peito, fallecendo
mmediatamente.
Em vista d'isso retiraram-se as pragas para
o povoado, em busca de alimentos.
Mais tarde, porm, s 2 horas da tarde, com
geral espanto, aoresentou-se alli o desertor as-
sassiuo Antonio Al ves da Cunha, vulgo Palmeiro,
o qual. desafiando a escolta, procurou ferir urna
das pragas. o que nao realisou por haver a arma
negado fogo.
A polica, assim ameacada, descarregou so
bre o mesmo urna fuzillaria, deixando-o morlo.
E releva notar que quando eram assim per-
seguidos os policiaes, havia apenas 12 horas que
o famigerado Palmeiro atirara ao infeliz Ventura,
que all mesmo cahira exange.
O outro desertor, de nome Joo Ignacio do
Nascimento. vulgo Vaieiro, deixou de acompa-
nhar a escolte a este cidade em razo de algumas
contuzes que recebera em um brago por occa-
sio de urna reunida luta que travara com pes-
soa desconhecida.
. Paulo
Datas at 5 de Fevereiro.
O chefe de polica da provincia do Cear
enviou ao de S. Paulo a photographia do indivi-
duo que alli fallecer, e por ella se verificou ser
realmente o coronel Aguiar.
A commisso central do commercio de S.
Paulo organisou para receber os seus collegas
d'esta cidade, de Santos e Campias um pro-
gramma que consta de urna recepeo por asso
ciagoes e commissoes com os seus estandartes,
representantes da imprensa e todas as bandas de
msica do lugar.
Da estacan do Norte, depois da chegada dos
visitantes, ir o prestito para o Congresso Gym-
nastico, onde o orador da commisso central de
festejos saudar os recem-chegados
A's 4 horas haver bando precatorio em favor
das victimas da secca do Cear.
O bando terminar a marcha no jardim, d'on-
de sahir depois de alguma demora para ir de
novo em marche aux flambeaux ao Congresso
Gymnastico, onde haver espectculo.
. As ras es tao enfeitadas e haver noite illu-
minago.
Serlo acompanhados os visitantes at a esta-
go do Norte pelos mesmos que os receberam.
Correu ha das o boato de quo no alto mar,
na altura da Barra da Bertioga, tora visto um na-
vio incendiado. 0 guarda-mr da alfandega de
Santos, depois de haver communicado o fado ao
in spector.para o indicado ponto dirigio-se na lan-
cha a vapor, levando um corpo de guardas e ape-
trechos para salvameuto.
Nao tendo, porm, percorrendo aextensoque
da Barra Grande vai Bertioga, avistado navio
algum, nem signaes de desastre, voltou ao porto.
Diz o Correio de Sanios que telvez o fado se
tenha dado para os lados de S. Sebastio.
No dia 30 do passado, 1 hora da tarde, tendo
os Srs. Wilson 4c O, sciencia que as alturas dos
Alcatrazes fora visto um navio desarvorado e em
abandono, fizeram seguir incontinenti procura
do mesmo o rebocador S. Pavh.
Supp6e-8e que esta embarcago seia o patacho
nacional Sergipe, desarvorado perto de Cabo-Frio
em 24 de Janeiro que sua tnpolago fora reco-
Ibida a bordo do vapor Bessel.
Falleceu na cidade de Araras o fazendeiro
Francisco Antonio Leite.
Encontramos as folhas os seguintes tele-
grammas :
S. Paulo. 2 de Fevereiro.
0 trem sahido hontem da corte com os repre-
ndes da classe comtnerrial, foi recebido cora
sainlaces. fbgos e msicas ao passar pelas esta-
gcs do Engcnho Novo, Maxambomba, Barra
Mansa e Itezeiide.
CbegOU "achoeira s 5 horas e 20 minutos
da manh, sahindo s 6.
O servigo da Pedro IJ excelente vellocidade
tO a 11 leguas por hora is de parada :
Belm, Barra do Pirahy e Rezemle.
As sahidas dos Irens lentas para que alguns
dps convidados pudessera embarcar.
Seguio em toda a,v;agem o chefe da contabili-
dade Maia de Lacerda.
ago de Lorena e Pin-
dainonlinugaba s e muito povo.
Perto de Taubat, kilmetro 159, por causa de
mii boi, que ih-ou esmigaluado, descaminara, s
7 horas e 55 minutos da manh, amachina e um
carro de passageiros.
Pedido soccorro, chegarara com pequea de-
mora tiabalhadores, que com o pessoal do trem
e muitos passageiros ajudaram a colloca'- na li
nha o carro.
Grande numero de viajantes percorreraai a p
> l i kilmetros para chegar a Taubat,.onde al-
pHcaram.
Visitaram a cidade, onde os viajantes foram
cebertos de flores pelas senlmras. recebendo sig-
nilbalivas maniesiages populares.
As 10 horas e 50 minutos chegou o trem a
Taubat d'ondc sahio s 10 e 56. ,
as estaces seguintes muito poto e acclama-
ces.
No Lageado encorrtrarain um trem especial
conduzindo representantes do commercio de
S. Paulo; em nome do qual saudou o Sr. FigueJ-
redo o do Rio de Janeiro.
1 hegou o trem a S. Paulo s 3 horas da tarde.
Enorme massa de povo enchia a estago, sen-
do os visitantes recebidos com grande numero
de girndolas e enihusiasticas acclamages. *
Junto estago era extraordinario o numero
de carros, bonds e cavalleiros.
As ras esto adormdas e embandeiradas.
Organisou-se o prestito com direcgo ao Con-
gresso tiyinnastico, fazendo deil parte o com-
mercio de (lampinas, que inha chegado s 10
lloras da manila.
Xas mas e no Congresso constantes acclaina-
ges.
De diversos pontos da provincia receberam-se
telegrammas de felicitagoes.
issolveu-se a remiiao s 8 12 horas.
A's 6 i/2 percorrera a cidade una maecba am
flambeaux.
A's 8 horas organisava-se a marcha, sahindo
o Congresso GyBnastico Portuguez, conforme o
programma publicado hoje no Mercantil. A-
ruas illuminadas a giiZ, luz (lecirica, e globos
venezianos. Espectculo no theatro S. Jos. A
marcha ate s 10 1/2 horas da noite percorreu
diversas mas, saudndo as reUacees do Correio.
Gazeta do Povo e Diario Mercantil.
Contina a passeata amanan.
Ao meio dia matine em favor do rongresso
Ferreira Vianna, no theatro S. Jos.
8. Paulo, 3 de Pevereiro, S h., 5' da t.
Hontem, noite houve marcha aux flambeaux,
durante a qual foram compriineuladas as redac-
ges que nao o haviam sido na vspero.
O correspondente do Jornal visitou boje os
alojameutos de inmigrantes, onde se demorou
tres horas. A impressao que lbe ficou boa.
Oflicialmenle existem alli 3.682; mas 1.600 l
se tui introduzido sorrateiramente. Amauh o
administrador far a oepuraco delles.
Visitou tambem a hospedara do Booi Retirp
onde esto 1,300.
Seguiram hontem para o interior 636.
Hoje, desde a madrugada, tm havido msicas
e passeatas pelas mas e visitas s redacfocs.
Na matine a concurrencia foi regular. Socie-
dades paulistas esmolaram para o Cear.
A esta hora seguem os empreados do com-
mercio para a estago, amu de tomarem os treus
para a corle e para Campias. Os de Santos nao
vieram.
Consta que querem vir sos visitar o commer-
cio de S. Paulo e depois talvoz ir a Campias e
curte.
tiin.is tieraeit
Na corte foi publicado este telegramma :
Oaro l'reto, 1 de Fevereiro.
Falleceu hoje o Dr. Ferraz, presidente da As-
sembla Provincial; era dotado de carcter no-
bre, e medico distincto. A provincia de Minas
cobre-se de luto por to lamentavel aconteci-
mcnio.
0 Leberal Mineiro tornou-se folha diaria.
Bio de Janeiro
Datas at 6 de Fevereiro.
L-se no Jornal do Commercio do dia 2 do coi-
rente.
Sob a presidencia de S. M. o Imperador,
reunio-se hontem, s 11 horas da manh, uo pago
da cidade o conselho de estado e pleno para ser
ouvido sobre um crdito de 5.000:0005 para soc-
corros pblicos pedido pelo ministro do im-
perio.
O Sr. ministro apresentou a seguinte expo-
sico :
O crdito ordinario de 100:000* do orgamen-
to, que rege o actual exercicio, seria insullicien-
te.para acudir ao servigo dos soccorros pblicos,
quando nao seaggravasse o Qagello da secca as
provincias doCear. Piauhy, Rio^Grande do Nor-
te e Parahyba, como infelizmente aconteceu, re-
clamando do Estado despezas extraordinarias e
imprevistas.
Sobreveio a esta calamidade, j por si to
afflictiva, a epidemia da febre amarella na capi-
tal do Imperio.
O croverno imperial, aproveitendo-se da ex-
perieacia adquirida, resolveu, de accordo com
os presidentes de provincias flagelladas, adian-
tar as linhas das estradas de ferro existentes e
ordenar obras novas, que servissem para mitigar
os rigores da calamidade, transformassem em
salario devido o soccorro outr'ora repartido como
esmola.
Tanto cresceu o numero dos fugitivos do in-
terior assollado e sem recursos para as cidades
do littoral, que foi de mister facilitar o transpor-
te d'aquelles que desejassem procurar o trabalho
e subsistencia em outras provincias, para o que
o governo, forgado pela urgencia, abri crditos
aos presidentes das referidas provincias com os
quaes empenhou a consignaco .'do orcamento,
se nao mais, conforme as exigencias do flagello,
caso persista ou, o que seria mais doloroso, aug-
mento de intensidade.
O lastimoso estado a que icam redazidos os
fugitivos, impoe, alm do sacrificio de gratuito
transporte, o sustento, vestuario e o alojamento
at final collocago.
Este situago excepcional justifica a despeza
com o fretemento de vapores, contractos de pas-
sagens, arrendamientos de edificios destinados a
alojamento e fornecimeoto de comedorias, feitas
sob a presso da indeclinavel necessidade e na
carencia de quaesquer meios de prevengo.
Quanto a epidemia da febre amarella, faltam
igualmente recursos para de prompto montar o
servigo regular, como devera ser, do isolamento,
curativo dos[enfermos, e desinfeecao.
0 hospital martimo de Santa IzaDel, na Ju-
ruba alm da insufficiente, caso a epidemia
tome o incremento que a iniciago faz presumir,
ameaga mina, e as obras de reparaco consumi-
rao se nao Unto, pouco menos indispensavel para
estabelecer um hospital com os aperfeigoamen-
tos na expereencia moderna, e reservados aos
doentes do porto e cidade de Nictheroy.
Na falta de hospital apropriado, os acom-
mettidos pela febre amarella na cidade do Rio
de Janeiro teem sido transportados com grandes
delongas e sacrificio para o da Jrrujuba. E" de
rigorosa necessidade estabelecer na capital do
impeno, victima peridica de to cmel epide-
mia, um servigo estevel e aperfeigoado, libertan-
do a administragao de anciedades e pesados dis-
pendios, quando chega o momento de acudir
populago afflicte.
Nao urge menos resolver e emprehender a
execucao da obra fundamental de drenagem do
solo oceupado pela cidade, luz dos estudos do
Sr. Revy, reputados indispensaveis, por voto
uniforme dos mais doutos. Ser este seguro ali-
cerce de outras obras complementares no gran-
de designio de resguardar a capital do imperio
do peridico e doloroso tributo pago epidemia,
que desde 1850 a flagella. Por maior que fosse
o sacrificio em dinheiro, seria larga e prompte-
mente compensado.
Sorprehendida como est a administragao
pelo imprevisto, e solicitada por tantos infeli-
zes que nao podem dispensar o seu apoio e di
reegao. e movida pela consciencia do seu dever,
nao pode dilatar o pedido do crdito extraordi-
nario presuraptivamente necessario, e que cal-
culo em 5,000:000*, vista das informagOes que
tenho. Nem o rigor da necessidade, nem os cla-
mores da urgencia tornaro menos severa a fis
calisago das despezas auturisadas pelo, crdito
extraordinario proposto.
Comparecern! os conselheiros. S. A. o Conde
d'Eu, Marqu.?;: de Paranagu, Viscondes de Ouro
Preto, Vieira da Silva, de Heamepaire Roan e
de S. Lmz do Maranho.
Os Viscoodes de Sinimb edo Bom Conselho.
mandaran) seus votos porescripto.
Houve divergencia quanto quantia e a appli-
cago de certas sommas; mas foi concedido o
credilo pedido.
Babia
, Datas at 9 de Feveren
Seguir no dia 2 para a rte, a assumir o
* ?
cargo de.ministro da marinha, o Sr. conaelbeiro
Barc de Guahy.
A's 6 horas menos 10 minutos da tarde deu
S. Exc. entrada na arca do Arsenal de Marinha,
juntamente com a Exma Sra. Baroneza,e os
Srs. conselheiro Machado Portella. Drs. Domin-
gos Guima:es. Castro Rebello Jnior, Araujo
Santos e outras pessoas, que privara com S.
Exc.
No portSo interno do Arsenal foi S. Exc. cum-
primentedo por muitas pessoas e por ofliciaes
do exercito que j de ha muito aguardavama
ebegada de >. Exc.
Na cas das ordens, para onde dirigio-se S.
Exc, jase achavam, desde a entrada dS paque-
te, os Srs. Barao de S. .arcos, inspector do Ar-
senal, deputados Assembla Geral Legislativa
e 'nombras da Assembla Legislativa Provin-
cial, deseubar.adores, olficialidade* da armada
e do-rwp'is da gnarniean. tenente-coronel com-
mandante e odeteos do corpo policial,.presiden-
te e membros da junta e Associago Commer-
cial. cliif.'s de casas commerciaes e muitos cora-
merciantes da praga e muitas outras pessoas
que nos escaparam.
S. Exc. era seguida, acompanhado de nui
roso squito, dirigio-se para o caes do Arsenal,
para onde desde 3 horas coraegra a affluir
rauita gente, que ento j constitua massa com-
pacta, embarcando, na galeota que o devia le-
var al a bordo do Atrato, s 6 horas da tarde.
Prestou ento as honras devidas ao cargo de
ministro, urna guarda de honra do 9" batalho
de infantaria.
Tocaiam. alm da msica do 9u, as dof!6' e do
corpo policial.
Os-vapores taporiea, Uniao, Born/im, R achv&
lo e lanchas e escaleres da Alfandega, conduzi-
ram os amigos polticos e correligionarios de S.;
Exc, que o quizeram acompanhar at a bordo
do paqueo1. .
Ao embarcar inanifestou S. Kxc desejos !e ir
no vapor l'utao. plrtc'nrfente companhia de
Transportes Martimos de proposito preparado
pela Associago Commercial, que desta forma
quiz dar essa publica demonstragao de estima e
subida considerago a que tem S. Exc. iucontes-
tavel direito. Deixando nelle, porm, de em-
barcar em virtude de um convite de S. Exc. o
Sr. conselheiro presidente da provincia, para to-
mar lugar S. xc. e sua Ilustre esposa na ga-
leota presidencial.

VARIEDADES
AMOR
.*
l'K
IV
fContnuacaoj
Paulo fez nm gesto de resolta.
Depois, dcixando-se vencer pela angustia,
a^ora que eslava s, sentou-se em um cantinho
da mesa. Tinha o rosto decomposto; na agita-
gao, as nf:ss tremiam-lhe nervosas.
Quatro horas! murmurou com ar desani-
mado.
Soffrer l e esperar aqui I... Alero disso, o
que qne eu poda Eazer ?
Um solugo levaiitou-lhc o peito. Por entre os
denles cerrados passava-lbe urna palavia seme-
lhante a um silvo : a fallen.cia! E esta palavra
sacuda o com urna commogo furiosa.
Vamos l, era preciso partir. Mais tarde teria
tempo para se explicar. Se nao poda l'azer
nada para conjurar a crise. devia licar no seu
posto, estar presente chamada na hora su-
prema em que, talvez. a honra da casa ia sosso-
brar
E os ojitos depararam-lhe com os cento e se-
tenta e oito mil francos, com essa fortuna dea-
cuidosamente esquecida alli.
O seu dinheiro 2 Que irriso! disee elle
com azedurae.
A Sra de Marian nao voltava, Pau;o passeia-
va pelo gabinete, calando-se, fallando, langando
interjeigoes e trechos de phrases cora voz dura :
vinte e quatro mil francos I Quasi nada para
ella A salvage para nos t
Ora adeusl continuou elle, do que se-ve I
Em breve tudo acabar entre mim e ella!...
Pobre Thereza f
Esquecia a hora, perda a nogo de tudo !
Inconscientemente poz-se a mecher naquelle
dinheiro que eslava alli em cima da mesa.
Contou-o I Agarrou em um mago de notas de
banco: ^
Um'.. dous... tres... quatro... vinte e
cinco.
E gritou:
Vinte e cinco mil francos !... Assim eu
amo Thereza, ob e do mais profundo do meu
coragol Ella mame. Eu posso pedir-lhe
tudo. A sua honraella m'a deu A sua vida,
o abandono da sua trra e da sua familia!...
Por amor de mim, Thereza esquecer e deixar
tudo !... Pois bem ( as leis humanas, as leis so-
ciaes, que a casaram estpidamente ao ultimo
dos miseraveis (quando era to simples dar-m'
a mira, que a amava), essas leis que eu respei-
to, apezar de tudo,' por causa da rainha educa-
go, sao de tal modo que nao posso dizer sem
me deshonrar: empresta-me estes vinte e cinco
mil francos... tanto mais que eu naturalmente
nunca lhe poderia restituir.
Amanda continuava^lie com voz sombra.
Amanh, pobre Thereza, os meus ficaro de luto,
telvez que morrara alguns, deixando os outros
perdidos !
Tudo isso, porque em lugar de ser teu mari-
do, nao sou nada... nada... que... Obi a
noasa miseria gritava elle passeando pelo quar-
to como doodo.
O sangue zumbia-lhe nos ouvidos. esquecia
tudo, sacudindo violentamente as notes.
De repente parou lvido.
Abria-se a porte.
Thereza entrou.
Assustedo, longe da mesa, teve tempo apenas
para esconder atrs de si a mo crispada no fatal
mago das vinte e cinco notas do banco!
A moga nao vio nada a nao ser que elle estera
alli. Talvez!... Sim, telvez que pudesse obri-
gal-o a ficar.
Emquanto que, para o deter, Thereza empre-
iava em vo, (todos os recursos da diplomacia
feminina, Paulo febril aperteva na mo contrabi-
da as notas que elle nao sabia como havia de
tomar a por uo seu lugar.
Elle tinha invariavelmente os olhos fixos na
bandeja, no dinheiro... por tal modo que a mo-
ga acbou por ver que elle esteva distrahido I...
Ento elle nao a escuteva.
Toda entregue ao seu amor cera a teimosial
cga e a injustiga apaixonada das mulheees, en- j
comea ligeiramente os hombros, no seu desdea ,
profundo por tudo quanto nao se referia a elle ou I
a ella
Eis aqui o que sao todos os horaens. disso
tila cora tristeza. Emquanto eu fallo s amar-
guras do meu coragao, ao meu mais qnerido
amigo, ao meu nico amigo, elle est muito bem
pensando que ha cento e setenta e oito mil fran-
cos em cima desta mesa e que sou destituida de
ordem e de prudencia por os nao guardar I Pois
bem I continuou ella um' pouco (mais triste,
respirando com muita forca, afim 'de alviar o
peso de azedume accuraulado havia tanto terapa
nio lhe deixarei mesmo esse pretexto. Vou
fechar este vil dinheiro.
Paulo esteve a pouto de dar um grito, de a de-
ter. Talvez que fosse explicar-se, contar as suas
angustias, mostrar o dinheiro.. Ento talvez
que ella se offerecesse para lhe emprestar o di-
nheiro I Oh I isso nunca !
Os olbos de Paulo seguiam os movimentos da
moca com o desvairamento da loucura.
Thereza agarrou descuidosamente na bandeja
cheia de notes e de dinheiro era ouro.
Tirou distrahidamente da carteira urna chave-
zmha muito pequeaa, muito bem trabaliAda:
urna verdadeira teta de serralharia.
Abanando a formosa cabega com movimentos
de ameaga obstinada, abri um contador portu-
guez, movel do seculo XVII. de um trabalho pre-
cioso fez mover o segredo de um doplo fundo,
depois atirou pan all o dinheiro misturado, e '
tornou a fechar soceradamente segredo e fecha-
dura. Depois do que, :om um movimento bre-
ve, tornou a meUer a edave na carteira, acari
no bolso e voltou para perto de Paulo.'
Esle nao teve seno rn i.....urso, o de intrpdu-
zir a< notos do banco no bolso.
A- Thereza, fallemos de u
Paulo julgou que ia desmatar.
leu cinco horas
E seu pai !

ii m


i-
i



Diario de PernambucoQuinte-feira 14 de EevereFO de 1889

!
ro que ainda li
Ora, adeUK primeiro o mais unienlc Refle-
diria. vena' Ate l. com lesctiidosa
como sabia que olla era. nio contarla o dinheiro.
Dava-se a derradeira hiela, a batalha suprema
e elle covnrdemente pensava no seu amnr.
Violentamente agarrou Thereza nos bracos:
beijou-a nos candios, dizendo-lhe com urna voz
spera que ella nao Ihe conhma :
Adeus por hoje. The reza !
E soltou seibo dos braco.-, fugio. ao passo
que ella norria at a oseada sem se preoecupar
com os criados que o podiam ouvir.
Ento al amanh at amanh.
Nao. minha senhora. leve elle ainda tempo
gritar. Sem falta at depois de amarina.
Al la. o meu trabalho nao me deixa nina hora
de liberdade
V
Nessa noile, mortificada, dsorientada. a pobre
Thereza nao pode licar s.
San ir com aquelle tempo mi e fri, porto da
aoite, nao devia pensar nisso.
Demais, para onde hara do levar a su a tris-
teza ?
A quom devia quoixar-se do um mal, om que
n&o ha direito de fallar, sombro azedume das
situacOes falsas J
Urna vizinha, a Sra. Andr Le Roux. vinha s
vezes tia/.ondo un iraballio ligeiro, afim de po-
derem omrverfar o cupando os dedos.
Tliereza ese-reveo urna carta pequenina recla-
maudu a uro-enea da vizinha.
Polas mo horas e meia, desembarazada dasua
capa de pellos, a Sra. Le Roux installava-sejuuto
do fogio, o)in o seu lenco do sola atado cora
. fitas c posto ein cima dos joelhos. Tirou de
dentro um trico de l cor do/osa com -lpicos
amarellos.
A boa niulher trazia comsigo urna atmosphera
de paz intima e de svmpatbi.
Perto d'ella sentia-se a eate soregada, por
maiores que fossem as agitacOes d'alma.
A Sra. Le Roux conhecia as difli< uldades da
vida.
Desde a sua infancia, tinha assistido na sua
familia -una familia de artistase da por dia
a lucta contra a concurrencia e a inveja. trezen
do alternativas de tormentos e de esperanzas de
fortuna sonipre faUazes.
Apezar da sua pobreza, eis que apparece um
homem bom, bonito, joveu, rico como dous e
mesmo romo muitos.
Gostou da pobre mofa o necessario para casar
com ella sem foriuua.
Magdalena Brirael, hoje a Sra. Le Roux, ama
o marido com toda ternura, com toda a dedica-
co cultivadas na su'alma por sua rali e pela ne-
cessidade da vida dos artistas.
Aquella ventura partilhada, que de ordinario
endurece o coraco e prepara as severidades
femininas. linha pelo contrario melhorado ate
perfeico o carcter elevado da Sra. Le Roux.
Parecia-ihe com raio tito rara e .tio precio-
sa que tinha molo de nao a merecer mostran
do-so severa Com una pobre creatura abando-
nada pelo marido, sem esperaneas e para toda a
vida !
.Vio ignorava. sem duvida. a hgaeflo de Paulo
e de Thereza, mas absUuha se de fazer juizo.
disposta a lastimar a sua amiga as snas do-
res e disposia a ajudal-a tambera as suas ma-
guas.
Ambas trocaram algumas palavras sem ahan-
ce. serena luz do lampeao. abriga.las por u;:i
abnt-jour do rondas o do seda que Ihes rosava o
lino rosto.
A Sra. Le Roux pareca procurar oceasiao
para triaer iimafousa bastante defficil.
Feitas todas as rollexes, julgou .que era me-
ihor ir direito ao lim.
Deixando. pois o trabalho e as preeaucoes ora-
toria< :
Minha querida, disse-llie com a sua voz
penetrante e com o seu olhar bom. letiho urna
noticia muito triste que Ihe dar: os sous amigos,
Duchanin, esto arruinados.
i e dia para dia a sua casa declina om conse-
quencia do conibinaces que eu neo co libero
bem. Os iraraoveis estao crivados dehypothc
ca; tiverara que recorrer a emprestimos dema
siadaucnte frequentes. o seu crdito abalou se-
lhe porque ja nao olTerecem seno garantas sem
valor. Ha dous raezes que seus derradeiros es-
torcos j nao sao sogredos paraimngucm. Por
que preyo eueonlraro' ellos dinneirO necessario
para se, uqueutacein ha tanto tempo ? O certo
que, por urna miseravel somma de Tinte n cinco
mil francos.e nio se tendo encontrado e
somma at s seis eras d'aqueda tarde
declarados om fallenca amanh.
Thereza d-tevo-a logo: diuheiro! onUo nao
o tinha Tudo quanto ella possuia u.o perten-
cia a Paulo
A Sra. Lo P.oux comprehend-'U o que pas-
sava no espirito de Thereza.
Demais. eila nao tinha la ido pira outra eou-
sa o levantou-se porque a sua mis.-ao eslava
terminada.
O que restava tuzerera mu:to Jiracil: mas, om
todo o caso, isso agora era s com Thereza.
Por iv-o despcdlo-se, deixando a Sra. ..lanan
procurar a solucao.
( Continaj.
Iheir rao de Coleg -vara
fecha ilacio nao receben-
do as pessoas que s q iras oostumaui
froqueutar suas r un
REVISTA DIARIA
Arlo Uh pre*ileneia i'"' ir. l>-de 3
do corrente mez:
Foi privado do respectivo po^too capito da
3. companhia do (9o batalho -ta guarda nacional
le Nazareili. Antonio Gomos de .uidradc Vas-
PMPHaJMpiBS
Dr. Bento Ceciliano do amo* Ri-
moFoi hontem um dia funesto I
Mal (inflarnos acabado de receber a dolorosa e
cruel noticia do espasso lo lluatre e vene-
rando chefe conservadorconselheiro Baro de
Cotegipe, fomos soiprehendidos, s 2 liorns da
tarde, por outra desoladora noticia.
O Dr. Bento Cee liano dos Santos Ramos, de-
qutado geral pelo H districto d'esta provincia,
fra accommettido por urna congesto celbral-
as 2 12 horas da madrugada de hontem, e o seu
estado era desesperador.
A's 5 boros da tarde, novo telegrainma de Ga-
ranhuns trazia-nos a tristissima nova de que
aquello digno amigo tinha suecumbido s o ho-
ras da manh, na casa de sua residencia na
villa de Bom Comelho, de onde por umexpresso
fra levada a noticia Garanhuns !
Bento Ceciliano dos Santos Ramos, filho de
paes industriaes que foram devotados sua edu-
caco, nasceu na cidade do Recife, e aqu fez
todo o seu tirocin o de estudante, formando-se
em sciencias jurdicas e sociaes em 1864.
Seguio desde ento a carreira de magistrado!
occu|iando os cargos de juiz municipal e de di-
reito. sempre confirmando os bons crditos que
adquirir pelo estudo e polo trabalho na Facul-
dade de Direito. Soube ser magistrado, lionrou
sempre a toga, a cespeito de quantos crn\iracos
Ihe crearam os seus adversarios polticos.
Quando juiz de direito de Bom Conselho subi.
ram de tal modo 05 seus crditos, que aquelles
adversarios, ento no poder, removeram-n'o vio
enlmente parama comarca insalubre do Ma-
r.iho.
O honrado magit trado, cuja sade j era pre-
caria, preferio licar avulso ser desterrado co-
mo fra, econdemnado uraa morte prematura.
Em Honi Conselho, porm, tinha creado ami-
gos dedicados e sinceros, profundas affeices.
que se estendiara por todo o territorio do i
districto. Esses amigos e essas dedicaces o
indicaram naturalmente para representante do
districto; e elle foi eleilo duas vezes deputado
geral polo IIo districto de Pernambuco.
Na Cmara foi o que tinha sido como magis-
trado : um espirito culto, um homem de muilo
censo, um caracte* seno, um amigo dedicado.
Nao era orador, mas supriaessa lacuna pelo cri-
terio com que agia.
E niorreu cora 18 anuos de ldade sem urna
mancha na sua vida, e deixando de si as mais
saudosas recordaces, quer como homem pu-
blico, quer como chefe de familia, como homem
privado. r
Tranalhado o seu physico por um diabettes
rbelde, que mais de urna vez o poz s portas
d" tmulo, o insulto appoptetico que acaba de
fulminal-o foi ainda um golpe da traigoeir;-. o
fatal enfermidade que Ihe miuavaa sade.
A morle do Dr. Bento Ceciliano d s Sanios
Ramos enche de luto o partido conservador de
Peri'uuibucj. do -ual era elle um prestimoso e
distincto membro.
Repouse sua alma em paz no scio de Deas,
e receba su., digna famiiia a exprcsso de nos-
sos sinceros pezaraos.
t*Mi>lnatu Ai 7 horas da noite de ll)
do corrente, em trras do eugenho Arand de
Baixo, de Santo Antao, Pedro Jos assassinou
com urna facada a Manuel de tal. conhecido por
Mulatinho, evadindo-se em seguida.
A polica, como Ihe compre, tomou conheci-
menlo do fado.
Cadver Em 28 do passado no lugarJerra
do Rei, de Alaga dos Gatos foi encontrado era
adiantado estado de putrefaecao o cadver de
Antonio Pedro de Mendonca.
Verificou se depois ter sido casual a morte.
Com um tiroNo dia 30 do passado, pelas
5 horas da tarde, foi assassinado com um tiro,
andido Jos djyilva. por Francisco Antonio da
Silva que se ^pdio em seguida.
A polica tomou conhecimenlo do facto, na
forma da le.
lerimeniu mortalPelas 6 horas da
tarde de 31 do passado no lugar Quilombo de
Garanhuns, Antonio Jos de Araujo ferio tnor-
talmenle com um tiro a Jeo Lopes da Silva, que
no dia seguinte expirou.
O delnqueme apresentou-se voluntariamente
ao delegado, sendo recolbido cadeia.
Tenente Pedro Reiurd Com o intui-
to de tornar menos aUlictiva a orphandade do-'
lilhos do infeliz lente Pedro Regaard, assas-
sinado na noite de 9 do corrente, na ra do Im-
perador desta cidade, resolveram os officiaefl da
guarda nacional e os amigos do mesmo tenente,
residentes em Olinda, abrir urna subscripeo aJ
foi 1o?o subscriota enr
a-enie do districto ha
Crbano d >
Pae.- da Su-
de
concellos, visto achar-se
mais de um atino.
Foram noaieadus para o 69 batalh o da
guarda nacional do Nazaroth os scguiutes offi-
C3C5
3* l'ompaiihia-Capi Ag^'o.Nunes Baudeirao.
6.' ComfanhiaCapito, o tenente Paulo a-
ralcante de Alliuquerque.
Foram uomeados para a i.* secgo de reserva
do Wbatalhao .la guarda nacional deCabroii,
os seguintes olliciaes :
1.' Secri) df reservt
! Coinpauhia a'pio Antonio
Santos.
!. Compaidiiar Tenente Aii'oiio
yy
2." Cimpan!iia-Aireros Miguel imK di Cr B.
:; r.o.inanliia Aliere< >a\ id Marque.-d,i Cos-
ta Pombo. ^ ,
tompauhia -Capita iP lose ue Ear-
i.' C.iuoanhiiAlteres Antn ioCleuieulino de
16*batallt(k>
1.' Companhia Capito Pedro Soares de No-
' vaes Mello Avellins *
L* i ompanhia -Tenente Jozmo Alcides Ri-
F CorapunliiaAlferes Joo Afves Brasil.
2." CompanhiaCapito Jos Francisco Coelho.
2/' CompanhiP-Alferes Connive; AlvesBran-
V Companhia-jenente Antonio Firmino de
Novaos Pinto. ;
4.* Coinpauhia -Altores David Goncalves T. r
res.
5.a CompanliiaAlferes Ozorio Rodrigues de
7." CarapanhiaCapito Jos Leite de Azevedo.
7.* CompanhiaTenente Francisco Qnertno de
S.
Por odiaos ta mesma data :
BMando-se o Thesouro Provine ao te-
nente Thomaz Jos de Mello a qJ l*W
provement-' de alaguis da casa que serve d2
quartel emChde Carpiua.
Mandou-se o mesmo tliesouro adiantar a
quantia de 400 a professora contractada para o
JJrejo dj/ Padres Mana Amelia Forjaz de Lac
Volt'saria de Flore Por portara da
presidencia da provincia de lie proposta do
Dr. befe I polica de 9 do corrente foi exom
rada, a pedido, do cargo de delegado de polica
do tormo de Flores, o tenente Mauoel Jaaquim de
Aquio Mello.
Yitttta Jaboato-S Exc.
di'iue da provincia, acompanhado do Dr. ins
lonisac.io e de outras pessois
foi ante-hontem. em trem (xpresso da
Comf' Caraar,atavilladeJaboato.
ed'allUto engenno Suassuna, afira de ver
iminar as trras e obras d esae^ngeobc.ojide
mecta fundar o primeirc ncleo cornial.
ralacio u mwmMmmatm-b. xc o Sr.
rotente da provincia, ou*>,4mfia*p& <*
cato peto faUeciment do taimado confe-
A immliraro ni Peruacuburo
Lemos no Jornal do Comimirio de i do corrente'
o seguinte : .
Por aviso do hontem deliberou o Sr. minis-
tro interino da agricultura conceder provincia
de Pernambuco o crdito de 120:000* anta de
ser apnlicado acquisicAo de torras para funda
gao de ncleo colonial e orgauisacao de una
hospedara destinada a agasalho dos immiurau-
tes, a qual ser piovavelmeule estabelecida ni
fortaleza do Brumque parataUlim ofl'erece. alera
de conveniente espaco, outras apropriadas con-
dices.
A presidencia de Pernambuco, do mesmo
modo que a da Babia, lem-se mostrado vivamen-
te interesada pela arganisago do servico da
immigraeao. desojando que nao tarde a fuodar-se.
all, em terreno bem escolludo, o primeiro n-
cleo colonial. Infelizmente a provincia nao pos-
sue trras devolutas que se wstem a al :im, e.
portante sera preciso adquril-as. Salvo esta
dilliculdade ludo irdiiz acrerquea minigraco,
desde que fr iniccida em Peni imbuc>. adqui-
rir depressa grande deseuvoiw nent ,ei
adoptado o -ysteina do nnpreg I Lravu es-
traugeiroa oosVstaliefeeiinenlos da laVuttra.
A provincia de 'eruambuco aquella* onde
o irabail'o 'ivre mais ato den wMHtaoiM apro-
ciaveis. Por occasio da lei do Li do Mao, uo
menos de quatro quintas parte- da nroilncio to-
tal da provmcia eram devida- ao braco iivre na-
cional. Parece, pois, que a utilisac du braco
estraogeiro, acttaudo terreno as-im preparado.
afigurari paa a lavoura empresa supe-
rior aos seus estoicos e sua loa volitado.
A lei do orcaniento raanifestou em termos
i ti vos o peusanicuto iln mi iraiitaii h rnimi
gracao para todas as provincias que bfl acharera
as condictaM de Ihe olloiecer bem estar. Sero
dignos de applau-os tod>3 os estoceos que ten
derem a tal lim o este sero nieio de mauter e
aogJieutar :i correte im.ingr. loria sem tropecar
cada pa>so na d.fDculdade de dar pmonpta sa-
luda aos inimigrules recein-clicjaio-. qual to-
mo.^ presenciado nanatnunte, sem duviila por
cau-as occasionaes'. na.- qu" uem por isloin-
lluem ceos desfav icavelraente n a liento
do imprtante senico.
:-:iladji-l ni/JotEncoiiir.ci: o ioruat
do oinmercio, iu orte, es te e^rauuna :
Nova-York, i de Peven
Lo memliru aara dos d .
apoando-se na doutriua de Monroe, apresentou
um projecto de le garantindo a independencia
das lhas Samoa, annullando os ltimos tratados
e offerecendo a proteccao do governo ds Esta-
dos-Unidos.
InformacOes de Honoiulu dizein que a fragata
norte americana idam tmeaeon por a pique'a
canboneira allem deer, no casa desta reagir
contra os indgenas das illias Sania.
O presidente da repblica apresentou ao con-
.! -so urna monsagein declarando que a Ale-
inanha trata co;n prudencia a queslo das libas
Samoa e aguarda i proposta do governo dos Es-
tados-Unidos. -
Armam-sc moitasTwros degnei
Os navios allemes rsitam os navios que se
dirigem aquellas ilhas. afiai de evitar qu.' con-
duzam armarae:,
Os indgenas l'.rtilicam-.-o.
Arli*t:>s rrlianiro e Liberaos
Em asse il extraordinaria, reno
os membros da Imperia! Sociedade dos Afustas
Mechaiiicos e Libones, idas 6 horas da tard
de hoje, para o fira de toraareui conhecimento
das cuntas do aniu issurttrem a posse
da nova directori...
IrmaMdade do Bi vino Espirito Man-
to Reuoe:n-se hoje, as 6 1-2 horas da tarde,
os irmaos dessa contraria para tratarem de di
is assumptos de interosse da mesraa confra-
rw.
toucnrn* A requerlmcnto do alumno-
mestre Arthur Oca^ianoda Suva Ramos acha se
aborta a ii i com o presfl de 60 dias, pa-
ra concurso afim de ser prvida a cadeira vaga
de iiislrneeo printiria do sexo femenino do Po-
co da Panella.
Extrnalo nocturno Joo Alfredo
Acham-se abortas as aulas diste extrnalo
gratuito, para os pe bres, ingenuos e libertos,
ra do Ma-quez de Olinda n. 38,2 andar, das G
as 9 horas da noite
E' director e prensor de primeiras lettras e
mathematicas, t u:adeuiico Pedro Ccrdeiro;
vice-directof e pi ofessor de portuguez, francez
e geographia. o alumno do 3* anuo da Escola
Jormal, Severino llacques.de Sou. %
qual, encelada hontem, foi logo subscripta er
fluantia superior gOOOO.
Somos informados de que o fin da subsen-
peo alera de tirar as despezas uecessarias ao
futo da inditosa familia Regaard, efTectnar a
compra de un predio para morad i a da viuva e
dos orphos.
Louvaudo to generosa idea que evidencia a
estima em que era lido aquelle prestimoso cida-
do. filemos hontem entrega a um dos membros
da commissao da quantia que nos foi remettida
polos emprogados do correio c fazemos votos
liara que. seja proficua a generosa idea dos ami-
gos do tenente Pedro Regaard.
< ommando ulterior le liianis*ii
Por acfo da presidencia da provincia de hon-
tem datado, e nos termos da lei, foi designado
para exercer interinamente o lugar de comraau-
dante superior da guarda nacional do municipio
de Iguarass, o tenente-coronel comraandante
do 68 batalbo. Manoel Cordeiro Cavalcante Gal-
vo.
Thewourarla de Paienda-Por acto
da referida presidencia de hontem datado, foi
Horneado para exercer interinamente o lugar de
platicante da Thesouraria de Fazenla desta pro-
vincia, llenrique Borges da Silva, sendo exone-
rado o que exercia, de nome Alfredo Garrido.
ANwainato da ra do Imperador
O Sr. ir. Coelho Leile expontaneartiente com-
parecen liontem secretaria da polica, e disse
que quera depor acerca do que salda com rela-
5o ao crime de que foi victima o tenente Pedro
ogaard.
O Sr. Dr. chefe de polica pedio ao Sr. Dr.
Coelho Leite que fizesse o seu depoimento piran-
te o subdelegado da parochia de Santo Antonio,
o que S. S. fez. declarando :
que ao saltar de um bond que fazia a penl-
tima viagem de Fernandes Vieira ao Recife, cer-
ca de meia noite. vio em p na esquina da ra
do Imperador na calcada da casa de Josoph
transe ao olTendido e ouvio um apito que elle
respndeme est convencido ter sido dado pelo
mesmo ofTendido;
que depois de ter saltado vio o ofTendido dar
um passo e cahir na ra em decubito lateral di-
reito :
que depois de cabido vio-o fazer esforcos
para sentarse e retirar da regio do figado, al-
guma cousa que nao pode affirmar o que era;
que nesta occasio chegava urna praca da
guarda cvica de sabr desembanhado que pelos
gestos pareca querer tocar no ofTendido ;
qu dita pmea foi em acto continuo em per-
seguico de urna mulher que elle respondente
rio a tugir em dirccg.o de palacio ;
que depois que a praca seguio, um homem
vestido de palitot preto e chapeo tambera preto
edefeilro, afastou-se do la to que protege a
vitrine da mesma loja doKrause do lado da ra
do Imperador, em direceo ao lugar onde se
aehava o olTendido. que ahi ajoelhoii-se, pare-
cendoa of!e ros|iondente querer certilicar-se se
o olTendido viva ou nao .
q endo oteando nutras pessoas para jun-
to do olTendido, elle respondente r timu-se pro-
r irando saber dos vassouras que estavam na al
tura da ivpographia da Provincia ou Jornal do
Recife se o polica perseguio a urna mulher que
fugia c se a havia prendido, obtendo resposta
da primearapergunta-e esta afirmativa ;
que. tendo chegado elle respondente ao Club
Carlos Gomes, ah comraunicra as pessoas pr-
senles o occorrido :
- que a tuna hora da noite foi elle responden-
te procurado pelo Sr. Arthur Espiuca para pres-
tar serrfoa mdicos ao ofTendido, e que. elle
respondente declarou-lhe que annuia logo que
transMirtassem o olTen lido para lugar conve-
niente ;
i que nao ton l sido novamente procurado.
nao sabe elle respondente que destino teve o
olTendido ,
. que nao- condece o olTendido e que rodo
uinio Ihe consta a respailo o que tein sido
escriplo nos jomaos desta cidade ;
o que nao conhecia a mulher que fugira quan-
11 elle respondente chegava :
que nao conhecia o individuo que ajoelheu-
- MAtt ao olTendido : mas est convencido di-
que ello individuo ou tea) connivencia no
crime ou assistio impassivela tola aquella sce
na de sanguo :
> que ouvira dker ao conductor da linha do
Herval. que tizera a ultima viagem nessa noite
h.iver o otTento lomado dito bond na praca
Saldanha M n ..dio o conservra-se no estribo at
a na do Imperador onde saltara perg ntando
n .- c trajelo ao dito conductor se ainda havia
bond para Santo Amaro.
K foram estas as declaracOes do Dr. Coelho
Leite.
Monle-Plo Popular Pernambura-
iiti Hoje. hora e no lugar di costunie. func-
ciona o Monte-Pi Popular Pernambucano em
sesso ordinaria.
A E^iacaollocelioinos da corte o u. 2, do
18* auno de oxisieo a da l'olha de modas i Es
lac&Q corre-ooii I'iiie a :il de Janeiro lindo.
esta bem re lgula etrazfolhas
de iu II'-.
FoiiienT-iinbcni rocobomos da corto um
: publicado pelo Sr bacharel Joaquim
Mari; dos Anjos Espo/.ol. -obre sua exoneraco
do cargo de secretario do Tribunal da Relaco
dalli.
Agradecemos.
Ciluh Internacional,'or se estar pre-
parando o grande salo para o sarao carnavales-
co de 2 de Margo prximo, haver no corrente
mez somonte urna rcunio familiar nesse club, a
qual se effeotuar no sobbado, 16 do corrente.
Depois da reunio ha Irem para Apipucos e
bonds para a Magdalena
FerimentoN leve*Ao sabir ante-hon-
tem, a i hora da madrugada, o sapateiroJos
Ribeiro da Cunha. da casa de Mara Joaquina da
Conceigo ra do Fogo, foi accommettido por
seu collega de nome Manoel Martina Pereira,
que, armado de urna faca o esperava, e ferio le-
-.cnienle na cabeca e na mo direita. evadindo-
se logo aps o crime.
O ferido foi recolhdo ao hospital Pedro II.
Jury em Olinda Foi hontem pelo Dr.
juiz de direito de Olinda, convocada a primeira
ao ordinaria do jury do corrente anuo, sen-
do designado odia 11 de Marco prximo futuro
para ter lugar sua reunio.
O PnilarliNtaDoslribuio-sc hontem o n.
9Jdo 2o anno. do f-hilartia.
fres esse numero urna polka para piano
profossor Marcelino Cleto, intitulada Jfmn.
Instituto BeneOeentc do Ofllciae-
datiuarda nacionalHoje, horas do
costume. rcune-se a directora dessa sociedade
em sesso ordinaria, para tractar de importan-
tes assumptos.
Tribunal do dury do RecifeFui
hontemsnbmettido a julgamcnto ueste tribunal
o reo Antonio Francisco de Araujo. soldado do
2 batalho de infantaria, pronunciado no art-
193 do Cdigo Criminal por despacho do Dr.
juiz de direito do ;t districto, porque na tarde
de 2 de Outubro de 1887, na ra do Padre No-
brega, freguezia de S. Jos, assassinou brba-
ramente com 5 faeadas o pardo Jos Guedes de
Arnorim.
A's 11 horas da manh, presentes 36 iuizes
de facto, principiou a sesso sob, a presidencia
do Dr. juiz de dfreito do 5.* districto criminal,
Antonio Domingos Pinto.
do
PUQccionarara no conselho do
guint le facto:
Joao Ferreira Loureiro.
Manoel Gomes da Silva.
Thomaz de Aquino Medoiros.
Antonio aetano de Oliveira Coragem.
Francisco Canuto da Boa-Viagem.
Bento Mahoel de Castro Amaral.
Jos Fernandes de Mello.
Adolpho Targino Accioly.
Elias Cordeiro Cintra.
Antonio Augusto da Frota Menezes.
Joo Mauricio de Abreu.
Joo Cesario de Mello.
Interrogado o reo disse que era natural d'esta
provincia, de 19 annos de idade (perante o juiz
formador da culpa declarou ter 22 annos i, sol-
teiro. praca do exercito e analphabeto.
Que sabia o motivo porque era aecusado igno-
rando onde se aehava quando deu-se o crime e
que nao conhecia a victima e apenas conhecia
as lestemunhas Antonio Apolooie e Pedro Bar-
bosa, seus desafTectos ;
Finalmente que nao tlribuia a aecusaco a
motivo particular.
Feita pelo escrivo a leilura do processo. o
Dr. Joao Joaquim de Frenas Heuriques, 1 pro-
motor publico da comarca, produzio a aecusaco
e pedio a condemnaco do reo no grao mximo
do art. 193 do Cdigo Criminal, visto ter plati-
cado o crime por um motivo frivolo o com supe-
rioridade em armas do manelra a nao poder a
victima defender-si- Vom probabilidade do re-
pellir a oBensa.
O advogado dos presos pobres, Dr. Jorooyrao
Materno l'ereira de Carvalho, deduziudo a de-
feza, comhateu as aggravantes articuladas no li-
bello e allegou en> favor do reo a attenuantc do
S Io do art. 18.
Nao liouve replica.
Findos os debates recolheu-so o conselho
sala secreta onde respondeu os quesitos aue Ihe
foram propostos voltando sala publica urna hora
depois. f
Cm vista das decisoes do jury, que rccoufieceu
a autora do delicio com as aggravantes articu-
ladas no libello, foi o reo condemnado pena
de gales perpetua, grao mximo do art. 193 do
Cdigo i'riminai, appellando o presidente do tri-
bunal do jury para o Supremo Tribunal da Re-
laco.
O patrono do reo tambera appellou da decso
do jury.
Era seguida foi julgido o reo Jos Vieira, pro-
nunciado no art. 201 do Cdigo Criminal, por-
que no dia 3 de Novembro de 1887 em S. Lou-
renyo da Matta offendeu physicaraonte a Tertu-
liano Martins dos Santos.
Aceito pelas partes o mesmo conselho, foi in-
terrogado o reo, e feita pelo escrivo a leilura
do processo, pedio a palavra o Dr. promotor que
desenvolvendo a aecusaco disse ser de justica
a condemnaco do aecusado no grao medio do
art. 201.
Occupou a tribuna da defeza o alferes Antonio
F-rnande3 da Silveira arvalho que allegou em
favor do reo a justificativa do art. 14 2o do C-
digo Criminal.
Nao liouve replica.
0 jury reconheceu por unanimidade de votos
ler o reo iraticado o crime em defeza de sua
pessoa pelo que foi elle absolvido e condemnada
a municipalidad!' as custas.
Terminou o jnlgamento s 4 horas da tarde.
Foi adiada a sesso para hoje s 10 horas da
manh.
Conmequencian do PradoRecebemos
hontem um folheto conloado urnas quadras, sob
o titulo cima, compostas pelo Sr. T C. da Sil-
veira Lin-.
Agradecidos.
i e*iejo* carnavalesco* A commissao
da ra da 'lonceico, compe-se dos Srs Paural
M. AveniO. presidente ; Alborto Brasa, secreta-
rio ; Jos Alfonso E., thesoun-iro e Miguel Ga-
lhardo, Joo Megale, Francisco Meira e Joo Mar-
ques da Cunha. adjuntos.
Feriniento grave0 cidado Aprigio An-
tonio da Silva, branco, 40 annos, casado e de
protisso jangadeiro, foi ferido no peito esquer-
do pelo companheiro Manoel Francisco dos San-
to.-, em consequencia de rixas velhas, na Esta-
yo de Limoeiro, hontem por volta das 7 horas
da manh.
0 ferimeiito foi feito com a propria faca de
que tisain os pescadores, e pela extensas que oc-
cupa, direceo que toraoe symptomasque apr-
senla, revela ser de natureza grave.
A vistoria foi feita pelo Sr. Dr. J.J. de Souza a
pedido do respectivo subdelegado.
O criminoso foi prenso.
Club Carnavalesco Cnana Verde
A directora deste Club nao taai pojpado esfor-
cos e despezas, nos prepares para apresentar-se
os tres das de carnaval chistosamente. Todos
os costuraes de Portugal, sao por seus membros
representados, segundo nos informam.
Mcmnre a propontlto do trannfor-
mimo-0 nosso ilustrado collaborador en-
genlieiro H. A. Milet dirigi-nos mais urna qnar-
ta carta cujo tbeor o que segu:
Becife, 13 de Fevereiro de 1889.
Srs. redactores Quando o Ilustrado Dr.
Arthur Orlando impugnou, no jornal de 24 de
Janeiro, as duas (beses que eu havia formulado
na minha carta de 21 do raesrao mez, esperei
que S. S., cujo merecimento litlerario nao me
era desconhecido, procurarse instaurar urna dis-
cunso regular e scientilica acerca dos dous pon
ios controvertidos.
Havia-rae esquecido de que o distincto Ilite-
rato ao mesmo tempo advogado e, pelo que di-
zein. mudo versado u'aquellas argucias forenses
a que denominara chicarais.
Foram precisos os dous artigo- publicados no
jornal, sob o titulo Resposta devida, nos ns. de 2
e 10 do corrente para lirar-me de illuso era que
coraprazia-me.
Eu tinha estrmhado, tarrea cora demasiada
acrimonia seitasinha, ou para ser mais exacto
s seilasinhas. que querem applicar a forto e a
direito o que ellas considerara consequencias do
Darvinismo, a negaco da linalidade na evolu-
co do Cosmos e a do principio do Justo na do
Direito e dos direito*.
0 distinelo Dr. Orlando levautou a luva o
prometteu mostrar que eu nao tinha raxo. Para
esle lira o que Ihe eumpria fazer t Piireoe-me
que era: I
1" mostrar que o acaso e nao a linalidade
presidem a evoluco do Cosmos ;
2o expor a gnesis do Direito e dos direitos
e mostrar, que n'ella uo iiitervem, na qualida-
do de factor mdispeiisavel, a idea do Justo, sob
a forma compalivel com o esta lo de cultura in-
tellectual, e eircumslanoias econmicas da po-
ca considerada, ou, caso admita semelhante in-
tervenco, mostrar que esta ideia do Justo ou da
cquidade, variavel com as circunstancias do am-
biente producto exclusivo d aquillo que o seu
Mo.-tro chama a cultura humana e nao tora, co-
mo eu peuso, por sutera/MW^indispensavel ura
principio invariavel inherente a razao, urna das
chamadas categoras do entendimento humano,
cuja certeza, se nao absoluta, (porque nada ha
absoluto c o proprio concedo ua verdale sub-
jectivo) condicao necessaria da legitimidade
dos raciocinios e n'esta qualidade participamdos
attributos dos axiomas que servem de basjj s
sciencias mathematicas e sao como elles eternas
e iramuTaveis.
Em vez de usar deste procedmento lgico
e correcto recorreu o meu distincto adversario a
chicarais de advogado : procurou estabelecer en-
tre ambas as theses urna ligaco que so existe
a arasoado: erapresiou-me ideas ouopi-
que nunca foram minhas, para dellas tirar
as mais exdruxulas consequencias : levantou
me tres falsos (um era cada carta ou artigo) e
por ultimo, sahindo dos limites que as conve-
niencias irapem em qualquer discusso scienti-
lica, a adversarios que respeitam-se, qualiliea
os despropsitos que me attnbuio gratuitamen-
te de desvarios mentae de um espirito anki-
losado por inveterados prejuizos orthodoxos,
raonstruosidade inlelleclual, teratologa do es-
" pirito etc.
Poderia, com toda a-faedidado. retribuir-lhe
laes amenidades com outras do igual quilate, at-
sentenca os se- sophismas e chicanas. La Jmnesie ett presomp-
tueuse Seja como fr, a discusso nao pode
continuar desgarrada como est de seu verdadei-
ro caminho e desde j a dou por flnda. a menos
que o meu Ilustrado contender nao so resigne,
o que pouco provavel- rao parece, a seguir amar-
cha que cima indiquei.
Entretanto, como pode uiuito bem ser, que
uem o meu distinelo adversario nem a gaUria
tenliam conscier.cia clara do que est realmente
era discusso, e para isto tenjia concorrido a
forma por demais s;bmatica que dei as mi
nhas theses comprometi rae desde j a dar
Ihes era artigos especiaes taes desenvolvimentos
3ue uo permanega a menor ambiguidde acerca
o meu peosaraento, e como preliminar deste
trabalho de elucidaco, principio hoje por firmar
o sentido que ligo a certos vocabulos ou locu
i;es de que tenhousado na discusso.
- Evoluco.Este vocabulo tem duas accep-
ces; seguido da partcula de e de um substan
tivo synonimo de desenvolyimento. Assiui
fllese na evolugo das religioes, na do eai-
bryo. na da sciencia histrica etc.
Empringado sera indicago do que evolua, e
precedido da partcula, como bem quando se falla
nos partidarios da evoluco, o vocabulo evoluco
signilica a theoria moderna que tomou esle nomo
e torna-se synonimo de transtocraismo e evolu-
cionismo, eXprosses genricas, que comprehen-
deui todas as doutrinas que quer no mundo or-
gnico quer lio inorgnico explicara o passado
pelo presente e nao admitiera soluco de conti-
nuidade .ia aeco das forras que presidem evo
luco do Cosmos.
No campo da Biologa o Dancmismo das
doutrinas transformistas ou evolucionistas a que
expUoa raellior os factos e goza de mais crdito.
Como, porm, n'esta doutrina o que perleuce
exclusivamente a Darwin a aeco da selecgo
natural resultando da lucta pela vida, umita
gente emprega o vocabulo Darwinismo, n'esta
accepeo restricta.
N'estc numero contam-s os darwinistas
nmiteurs, que transportando esta doutrina do
campo de Biologa propriamente dita, onde o seu
autor a confinara, para lods a raanifestacoes.
da actividade humana veeui em toda a parte
lucta e seleceo!
- N'isto tico, Srs. redactores, e se me conce-
derem espaco suliciente ua seceo das scien-
cias, n'ella procurare expr o que pens acerca
d'aquellas unas questes philosophicas debatidas
ha mais de 2000. annos e que talvez a sciencia
moderna chegue a resolver satisfactoriamentea
da Finalidade e a da gnesis da ldeia do Justo.
Sou com estima e consideraco. de Vv. Ss. ami-
go, venerador e obrigado.H. A. Milet.
ervteo militar-Esto designados boje
para superior do-da o Sr. capito Pedro Velho
de S Harreto, e para ronda menor o Sr. ilferes
Joo Pi da Fon seca.
E' dada hoje a guarnico da cidade pelo 2"
batalho de infantaria.
Comraandam hoje as guardas da Thesou-
raria e do Palacio da Presidencia dous Srs. ofli-
ciaes do 2o batalbo.
Em tratamento na enfermara militar exis-
tem 54 pravas dos corpos da guarnico.
Funccionou hontem no quartel general o
conselho de investigaco a que rospondem os sol-
dados veira e Manoel Pereira de Araujo, sob a presi-
dencia do Sr. capito coramandante da compa-
nhia de cavallana Joo Justiniano da Rocha.
Vai ser boje nspeccinado de sade o alum-
no do curso preparatorio amiexo escola mili-
tar Alfredo de Drummond.
o requerimeuto do soldado do 2' batalho
Tertuliano de Barros Pimental pedindo um mez
para usar do disiinctivo de cadete de 2* classe,
S. Exc. deu o despacho seguinte :Como pede.
tecire lllutrado-Distribuio-se hontem
o n. 19 d'este perio lieo. Traz na 1.* pagina o
retrato do Dr. Tobas Barroto de Menezes e na
8* a copia do monumento eommemorativo a eri-
gir na cidade de Olinda.
Directora dan obra de conaerva-
co do* Porto de PernambucoReci-
fe. 12 de Fevereiro de 1889.
Boletim meteorolgico
Z) (
3 = =
Horas E:2
2^

6 m. 24- -8
9 25"-9
12 2S--1
3 t. 28- 3
ti 26-9
Barmetro a
0
761-53
763-00
762-87
76I-J9
761-92
Tenso
do vapor
20,77
21,94
20,55
19,90
20,48

-

39
98
71
68
78
Temperatura mxima"28,75.
Dita minima 24,50.
Evaporaco em 24 horasao sol: 5-9 som
bra : 2-,8.
Chuva3-,0.
Direceo do vento: E de meia noite s 2 horas
e 28 minutos; SSE at 7 horas : S at 7 horas e
30 minutos ; SSW at 9 horas e 20 minutos da
manh; SE a' meia noite.
Velocidade media do vento : 3- 13 por se-
gundo.
Nebulosidad!'media: 0,92
Boletim do porto
ribuindo a perverso da faculdade raciocinante
que revelara as suas asserces, nao a ankilose
cerebral, pois o termo ankilose s applicavel
s articulaces, mas lim selerose incipiente da
1' circonvulaco frontal: e vendo no seu proce-
dmento para comraigo um desses phenomenos
de regresso atvica to caros a Lombroso e a
nova escola Italiana de criminologa Entretanto,
nao quero acompanhai-o este terreno escorre-
gadio, onde a discusso transformarse em des-
compostura.
Pode ser que, a despeite das apparencias con-
trarias, o distincto Dr. Arthur Orlando esteja ae
boa f as sois interpretacOes e considere facio-
cinios lenHimos o que para mim nao passa.de
r 9 Dia Horas 823 da manh 3 3 da tarde 9-12-334 da manh Altura
B M P M. B M. P. M. 12 de Fe ver. 13 de Fever. 0-73 2-,12 Lelle*-EfTectuar-se-ho os seguintes :
Hoje:
Pelo agente Britlo, s II horas, ruaVisconde
de de Inbauma, de predios.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Mr-
quez de Olinda n. 52, de predios.
Pelo agente Brito, s 10 1/2 horas, Praca
do Conde d'Eu u. 18, da armacao e gneros ahi
existentes.
Pelo agente Gusrao, s 11 horas, ra Mr-
quez de Olinda n. 51, de movis bons e muitos
objectos do servico domestico.
Pelo agente Pestaa, s H horas, ra da
Penhan. 25, de movis, lou^as e vidros*.
Amanha :
Pelo agente Stepple. s 11 horas, ra do
Imperador n 39, de um Unportaute terreno jara
um predio.
i'elo agente Martins, s 11 horas, ra do
Padre Floriano n. 48, de movis, loucas, piano
e muitos outros objectos.
MiHsaM fnebresSero celebradas:
Hoje:
A's 8 horas na matriz de Santo Antonio, pela
alma de D. Rosa Emilia da Fonseca Oliveira.
Amanh:
A's 8 horas, na igreja da Congregago, pela
alma de D Thomazia Umbelina de Lima e S.
PaNsageiroM Sahidos para o sul no va-
por nacional Jacuhype :
Anna Joaquina Ferreira de Souza, Joao Bap-
tista de Noronha, Gnilherme Hrambown. Manoe,
Joaqnim Dias e Joo E. Mello.
Sahidos para o sul no vapor francez I Ule
de Pernambaco :
Manoel Clementino Carneiro da Cunha Jnior.
Dr. Manoel Felippe de Souza Leo e sua senho-
ra. Domingos Luiz Alvcs Fraga, Alcebiades de
Queiroz Fonseca e Francisco A.ves Fraga.
negados da Europa no vapor allemo K-
juca :
Csnrad Wahsmann, Marie Mayer e Manoel
Bandeira Vital.
Chegapos do sul no vapor francez Vile de
Cear :
Jos Mathias Ferreira, sua senhora e 4 filhos,
Mme. Jesuina, Dianist, Eugene Cleraent, i harles
Bertrand, Manoel Silveira Monteiro, Joo Carlos
Rodard, Agostinho Mitrosvik. Giovan Giovano-
vich, sua senhora e 1 filho.
Cana de DetencoMoviraento dos pr"-
i a Casa de Detencodo dia 12 de Fevereiro
de 1889.
Existiam 428 : entraram 6; sahiram 10; exis-
tem 424.
A saber:
Nacionaes 393 ; mulheres 11: estrangeiros 20.
Total 484.
Arracoados 381.
Bons 366.
Doentes 15.Total 381.
Movneoto da enfermara
Teve alta:
Jos Rodrigues da Silva.
Forara visiteo
to por 151 pe lo ; bom
lneres 82.
iioxuifnl Pedro II O movimen
estabelecnento de darlade, no dia II de Ja-
neiro, foi o seguinte :
Entraram 1"
Saiirain 30
Fa leceraui 3
Existeid 573
Foram visitadas *< respectivas enfermaras
pelos Drs.:
Mosoosos 8, Cysneiro 9 1|2, Barros Sobri-
nho s 7, Malaqnias s 8 1(2. Poutual s 9 3)4,
Estevo Cavalcante s 8 1|4. .
Nao comparecerara os Drs.:
Berardo.
Simes Barbosa.
O cirargio dentista Numa Porapilio s 8
horas.
O phanmaceutico eotrou s 8H|4 da manh e
sahio s 4 da tarde.
-O-ajudante do pharinaceutico entrou s 7
da manh e sahio s 3 horas da tarde.
Lotera do tiram-Para -A 2' parte da
26* lotera, dessa provincia, cujo premio grande
60:000000, era extrahida, sabbado, -16 de
Fevereiro.
cemiierio PublicoObituario do da 12
de Fevereiro do 1889.
Auna Joaquina da Silva Cordeiro. Perinm-
buco, 72 annos, riuva : cachexia senil.
Marii Annunciada da ohceico, Pernambuco.
38 annos, viuva ; febre renitente.
Mara Joaquina da Cooceico, t'ernambuno, 42
annos, solteira : insufficiencia mitral.
Francolina Mara ilos Prazeres. Pernambuco,
.'15 annos, solteira : tubrculos pulmonares.
Mara, Pernambuco, 3 mezes : athrepsia.
Mario, Pernambuco, 21 mezes; dunticao.
Manoel. Pernambuco, 6 horas: hemorrhagia
urtibelical.
Jos Joaquim Monteiro, Pernambuco. 22 an-
nos, solteiro: ttano traumtico.
Anna Mara da Paixo, Pernambuco. 30 anuos,
solteira; diarrha. #
Bernardina Mara da Conceigo, Pernambuco,
50 annos, viuva ; ulcera gangrenosa.
Um pouco de tudo
A correspondencia de O' Connell o Libertador
publicada por I. Fitz Patrick, 2 vol., Landres,
1889.
O epistolario do grande emancipador rlandez
hoje materia de vivas discussOes na Inglater-
ra e na America. Os juizos da imprensa sao
em geral apaixonados, pro ou contra, tem ca-
rcter ou de aecusajao ou de panegrico. O'
Connell, como Napo.eo, tambera hoje sig-
nal-de inextinguivel odio e di* indomado
amor.
A verdade que destas cartas, oolbidas com
devoco de discpulo, e Ilustrada- com ura -ex-
cedente estudo biographico do Sr. Patrick. Da-
niel 0' Connell nos apparece dotado do? dous
grandes caracteristico.-. dos verdadeiros hroes,
a boudade e a forca. A indmita energa do
tribuno, a ardenle sympalhia humanitaria,' a luc-
ta viva e quotidiana, nao se apagaram nem
amorteceram jamis no coracao de- O' Connell
os airelos de manilo e de pai. As suas cartas
mulher sao quentes de amor todas, desde .
as primeiras escripias em plena la de melrque
logo se percebera al as que Ihe diriga depois
de 25 annos de casado.
Longe delta, no fervor da sua batalha polti-
ca -e que batalha (atacado de inimigos tiormi-
daveis e encarnicado-. atormentados de. desar-
raigos econmicos, preoecupado com xito de
cinco eleices. teve lempo de escrever palavras
tocantes e eloquentes sua cara Mary. a sua.
swetest Mary e coineca as cartas com estas pa-
lavras : Mary oirn and only Love tanto ver-
dade que a boudade faz o intimo das naluresas
augustas.
Os mundanos, o chamados positivistas, os
scepticos, os dilettantes. os opportunistas. riem
destes sentimental ismos dos boraens hroes.
Cora tudo uma ternura profunda, urna arden-
tO|-sympathia humana, destingue os hroes, os
homensrealidades, da grande massa dos bo-
raensphantasraas. MaJiomet, Dante, : romieil,
Mirabeau e Garibaldi tm ento eipresses qu&-
si feranis por exquisita suavidade do aiecto ;
e quera poder negar que sejam as mais pos-
sanies e uergicas figuras entre as que nos apre-
senta a historia
E' curioso ver os jornalistas inglezes que dis-
cutem hoje a grandeza de 0' Connell, e os que
duvida at da durabilidade de seu nome I
Percebe-se que por elle nnguem poder mais
ter o eulhusiasmo febril dos contemporneos.
Gerlamente seus dons pessoaes de grande ora-
dor, a magnifica e meldica voz. o gesto poten-
te o olhar irresstiveJ. a sua tremenda e fulmnea
vitalidade e laboriosidade, Ihe multiplicavm a
efficacia da eloquente palavra. Mas de toit.rao-
do, alguns dos seus discursos, lidos boje impres-
sos, e em distancia de.mais de meio seculo, nos
commoveni, nos agitara como a palavra de De-
mosthenes. do Savonarola, de Luthero de Mira-
beau. do Vorgnind. de Fox, de Burke, e de to-
dos os verdadeiros grandes oradores. E o gran-
de orador se encontra tainbem emilguraas des-
tas cartas.
Nao so sabe o que raova mais a indignaco :
se as grosseiras invectivas contra O' Connelios
jornaes seus contemporneos -o Times, que che-
gou a ponto de perguntar : E at quaudoum
tal miseravel cbarlato ser tolerado entre a
gente civilisada ? se a sceptica analyse e o frip
calculo de corla empresa ingleza actual. A tarta-
ruga nao juiz competente do raionem um
tmido pliihsteo pode percebere fallar dignamen-^
te de O' Conuell ou de un\Mazzini.
0 facto que O' Connell a incarnafo da
Irlanda. A palavra de O' Connell, como, antes
de Suift, um gemido e um grito: a voz das
lagrimas e do sanguo irlandez.
O' Connell, entro os puquissiraos legtimos
leaders das nacGes-um hroe que recebeu o seu
diploma denobreza directamente de Deus. Elle
teve f invencvel ua justica de Deus, e. na da
causa irlandcza. Teve um profundo sentmiento
das realdades visiveis urna profunda averSao
para tudo oe va inostra, equivoco e mentira; i
chamo machiavelismo, ou jesuitismo, ou parla-
mentarismo, ou diletlantisrao a tudo isto que
vaidode que parece pesspa em religio, em po-
ltica e era arte nao se pode negar que foi um
homem providencial, um dos poucos a quem se
dere obedecer, como a urna realidade natural ,
em ooposico s funeces sociao-.
Bebalde a imprensa ingleza procura oh care-
cer a grande figura do Libertador. As prparias
Sedras fallaram delle, hoje que a queslo klan-
eza em toda a sua trgica evidencia e impor-
tancia s'impe velba Inglaterra. A Irlanda
a grande actualidade debaixo de todos os aspec-
tos. A poesa, o tbeatro. o romance, a tribuna
e o pulpito, esto delta como que saturados.
Todos os velbos livros sobre a que3to irlande-
za se repnmem e se commentam.
Acalia de pubficar-se urna nova edieco popu-
lar dos Irisli Tracts de Swift___ Que hvro !
Comparado a O'Connell, Svrift como o acido
corrosivo comparado com a chamma destruido-
ra. Senle-so que urna violenta indignaco ferve
no corago de Swift ... Mas como sabe conter-
se Accommoda os labios a um serriso e cada
palavra que Ihe sabe da bocea como que urna
sla envenenada Nqe seus sarcasmos lia o odio
condensado, destillado, por assim dizer. as ra-
rissimas vezes que Ihe condece perder a calma
e enfurecer-se, a sua colera espantosa. Swift
inteiro est ne'sses terriveis opsculos irlandezes
que foram e nao cessaro totalmente de sel o
o terror do governo inglez, 6 a admiracSo do
mundo. E na santidade da causa que defende-*
ram. o niisanlliropo Swift d a rao ao hum;
tario e magnnimo o 'Connell.
O enterro d Winnie Jolmsou, a mulher gor-
da causou em Baltimore grande sensafo.
Desde o momento da sua morte, centenares
de curiosos invadiran o quarto mortuorio |
sando era desfiloda diante do catafalco d negra,
a mulher mais gorda que jamis se vio nos Es-
tados-Unidos.
Pesara, nada meuos, 849 libras I
0 alando five de ser do proposito fabricado
para a defunta ; media onze [> poileg-
das de comprimento e 'res palmos e duas pofle-
gadas de fundo. Depois, preci alo
com armac6e)i de ferro, afim de que nao abalea-
se com o.peso enorme da defunta, e se abrisse
dos lados.
Oito boraens, dignos athletas de faina mol po-
diam levantar o caixfto.
Para lanca:' o corpo cova teve de se taser
liso dura guindaste : oibsso
-*r
jr*





t

Baltimoremedia 15 ps de pro-
flavttdade e 6 de largura.
Winae nasceu no condado de Henry (Kentu-
Jtj) t lambem ja na sua infancia se tinha torna-
d celebre pela sua gordura phenomenai.
as nao foi seno na idade de Tinte annos que
arme comecou a engordar de modo extraordi-
aa e com urna rapidez que os seus paes, o
rkto e ella inesma comocaram a assustar-se e
awtr de apprehenses.
Hli na pouco foi preciso alargar as portas da
ean, reforjar as escadas, augmentar um segun-
da1 ravejaoiento aos pavimentos
E eugordava todos os annos at chegar ao pe-
as** 849 libras.
Se lase urna novilha teria feito a fortuna de
a carniceiro.
flBKACES DTEIS
Urdiros
Dr. Cerqueira Late, tem o aeu escripto-
aaberto rua Duque de Casias n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e desta hora era dian-
*t m sua residencia ra da Santa Cruz
a. 10. Especialidades molestias de se-
jfcjras e enancas. Telephone n. 326.
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei-
m, consultorio ra do Cabug u. 14,
& andar de 12 s 2 da tarde; residencia
ao Monteiro.
Dr. Barretto Sampaio d consultas de
BMMa s 3 horas uo 1.a andar da casa
do Baro da Victoria, n. 51. Besi-
ra Sete de Setembro n. 54,, en-
i pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Castro Jess medico e operador.
h*tica a lavagem do tero quando e co-
is aconselhada Consultas das 11 s
3 la tarde em sua risideucia ra do
ilmi Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.*
Dr. Jo&q Paulo, especialista em partos,
Wi itinn de senhores e de enancas, com
ptica nos hospitaes de Pars e de Vienna
TAastria, d consultas de 1 s 3 horas da
Inde em sua residencia ra do Bario da
Victoria n. 59, 1.a andar. Chamados a
qpcalquer hora.
Lr. Rbeiro de Britto d consultas de
ai dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, poden-
de ser procurado para chamados na sua
jwodencia ra do Hospicio n. 81. Te-
BatVne n. 303.
Advocados
O bacharel Witruvio Pinto Bandeira,
Jjiit ser procurado ra do Imperador
.T, 1.- andar.
O Dr. H. Milet mudou o seu escripto-
Sma de advocacia, para a ra do Impera
dar m. 46, 1* andar, sala da frente.
Occulista
Dr. Ferreira. com pratica nos princi-
par* hospitaes e clinica de Pars e Lon-
itt, consultas todos os das das 9
amsdao meio-da. Consultorio e resi-
sltaria ra Larga do Rosario n. 20.
Serrarla a vapor
/Serrara a vapor e ojjicina de carapina
Je Francisco dos Santos Macedo, caes do
Csfiharibe n. 23. Eae grande estabele-
;o, o primeiro da provincia neste
>, compra e vende madeiras de todas
anualidades, serra madeiras de conta
t, assim como prepara obras de cara-
qmm por machinas e por precos sem dom-
ctatcia*Pernambuco.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata-
*, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
francisco Manotl da Silva & C, deposi-
3anM de todas as especialidades pharma-
acatieas, tintas, drogas, productos chimi-
medicamentos homeojKiticos, ra do
uez de Olinda n. 23.
HBLIGACOES A PEDIDO
Notas do sentimento
A RELIGIAO
V.
III
Diario n. XIII de
1889
unto que exalta Pinhciro Cliagas a Joaquim
lilarr dando llie do que elle tem (e mais ain-
da > que nao tem ou ao menos ainda nao osten-
.t, e nao sabe imitar o seu exemplo. J vio
iSaSciro Chagas nos escriptos de Nubuco, al-
COMERCIO
Revista do Mercado
ReCIFE, 13 4>E FEVEBEIBO DE 1889.
fbi limitado o moviinenlo.
3o> mercado de cambios constou pequeas
:ces e na Bolsa foram negociadas 119
bypothecaiias com o descont de 3 1/2
a27
amblo
Os bancos, em geral, affixaram tabella
i% apparecendo poucos tomadores.
Ba papel particular foram eflectuadas peque-
ra transaccoes a 27 13/16, exisindo os saccado-
s r 3/4.
treado firme.
Ja Rio nao conslou alteraco no mercado.
TABELLAS AFFTXADA8
3" i 9 = 8 3 -J. -o B 5' f. 33 ps 3 c c 5" -o -i Pd b a o. 3
O - p 9 i 30
Jt i 2 2 3 J
- - * i
- o. s
- - 2
e
o
s
V-
3-
8 6

9
^
m
-4
S|
I I

-.
3.1
I
8!

?
I
s e
S

guns tao bellos, sublimes, como As Grandes Im-
Fresides de Roma, das quaes tanto dista as do
itterato porcuguez collaborador d'O'Paiz, j vio
n'elles nem por sombra, aquellas torpezas com
que o irmao de alra-mar, nos manda de l;i tacs
produc(6es a nos illustrar?
Si Nabuco nao por ventura um devoto, bem
o pode ser pelo que escreve. um modesto fiel,
como em tudo modesto ; mas, si por ventura
nao o respeita as (rencas de seus concidadaos
do povo para quein tscreve. as crencas que ci-
vilisaram com seus fructos a liberdade do occi-
dente-
Pode elle ter taes ou quaes fraquezas, senti-
mentos menos puroi, praticas quaesquer menos
castigadas de morilidade, como quasi todos
nos outros mais ou menos as temos; mais fazer
ostentaco da falta, do desvio, erigir a torpeza
em doutnna, cantar-llie louvores, nunca foi visto
riel le.
Quem comprehendn o respeito que se deve
santidade da moral publica, nao ostenta a mais
leve accao que a ofleada. Muitas vezes ou em
muitos casos aquillo que apenas urna falta je-
vissima e menos que isto, mesmo o que licito
e santificado nos recatos d6 pudor, urna tor-
peza em sua ostentacio, no desrespeito publico.
O que que Consto dialogava com a saman-
tana, para Pinbeiro Chagas ver ah um galante
travesso, propagandista juvenil, de coracao aber-
to a todas as formosas, como Nabuco. que sendo
assim no seu dizer, o compara com Christo, cujo
exemplo diz que elle segu ?
Profana Chnsto, veam com ps de la fazendo
d'elle um galanteador de Magdalena e da Sania-
ritana, nao se importmdo que para nos outros
elle o Redemptor polo seu sangue e pela sua
doutrina, que philotopho algum nunca soube
dizer antes de seu ensinamento.
Queinteresse esto que teem todos os bandi-
dos da moral em profanar o que santo, em fa-
zer torpe o que divino !
Tirai a religiao da sociedade e o que lica esta
sendo f Se os que crem n'ella vivem em lucta
romsigo mesmo, nos embates dos desejos oppos
tos, os da moral com todos os que Ibe so con-
trarios, tirada a relizio, onde ficam mais estes
embates i E' a le civil que nos :ontm ?
E vem esse levnno do Jbrn tileza do irmao da outra banda do mar, dizer
que a civilisaco ainda n5o conseguio extirpar o
sentimento religioso do coraco humano !
Sabe este birbanU oque civilisagao ? Guisot
nao conseguio delinil-a, mas descreveu-a pelos
seus efieitos.
Nao sabe o bandido da moral que ha ou antes
tem liavido, principalmente, duas e ainda mais,
trez civilisajOes, a antiga, a da idade media e a
moderna ? Que todas ellas sao formadas ou mo-
dificadas rom o carcter e a feicao que em di-
versas pocas tem tomado cada urna d'ellas das
diversas religiOes ?
Nao se v sempre que as grandes reformas
sociaes e polticas se fundam ncllas as invocan-
do, ou que, quando os erros grosseiros, as suas
barbarias, supersti<;(>es, torpezas, cruezas os
seus grandes abusos, prendem os passos do
pensamento, ellas sio primeiro reformadas para
servir de pnneipio, base e estandarte as vias
dos progressos pelas luctas humanas ?
A principio, foi so um homem e urna nnilher o
que constituio a bas; da familia (*) Instituida
Kelo proprio Deus,' mas depois se prevaricou o
omem e teve tantas mulheres.
Como esta civilisacfto era a religiao ; para ex-
tirpar-se esta torpeza da civilisaco, para esta
ser outra, veio Christo, que. continuando a lei
extirpou com effcito delta tal torpeza, com o
preceito, como em irincipio, de s poder ter
cada homem nina oiulher.
Levantou e engran leceu o raulher, elevou-a a
mais alta dignidade do ser creado.
E' isto o que causa a raiva e os furores dos
bandidos da moral contra Jess Christo.
Estes nSo querem, como na antiga civilisagao,
as mulheres as dezunas e centenas, presas lu-
bricidade de um homem. mas querem-nas todas
soltas, como todos os homens, livres ambos os
sexos na malor expansao de todas as bacbauaes
torpezas.
Nao podem atacar Christo.para atacar directa-
mente este, o prime: i o ponto de sua doutrina,
que o tudo dos bandidos da moral.
Para isto vera o Clirislo prazenteiro, risonho,
garoto, requestando a samaritana, e recebendo os
aflagos da Magdalen;.: elle Christo que pregou
urna s mulber, fallundo todo o dia em meu pai
que me enviou,ou cousa assim, requestrando as
mulheres, como Nabuco que dona do bote mostrar
o lierinho de capa amarelln bella que o encom
mendara, esperando brijar as pontos de seus de-
dos!
Ah bandidos I Jt' porque porventura ignoris
que Jess Christo nunca rise ? que sempre cho-
rou pelos males da humanidade afflicta f
Elle acerca va-se dos meninos, os affagava; sua
palavra sempre doce para todos e na doutrina,
era dura quando castigara os vicios, os hipocri
tas, que se lingera santos, para poderem sanctifi-
car as suas torpezas ; mas nunca seriu. e entre
outros documentos que vi d'este acert. I embro-
me 1 'urna carta do legado do Cesar escripta de
Jerusalem ao soberano de Roma, a qual fazendo a
discripcao de Christo, mencionava este facto.
E cora effeito de tudo o que se l nos quatro
evangelhos, nao se eacontra mengo de Christo
sorrir-se, nem alguma cousa que provoque riso,
(*) De parte a tal questo mesquinha do trans-
formismo, que e isto o que conheccnios do mais
amigo.
Recife, 11 de Fevereiro de 1889.
IJolsa
COTAgES 0FFICUE8 DA JUNTA DOS COR-
RETOBES
Recife. 13 Fevereiro de 889
Letras hypothecariiis com juros,a 96A300 cada
urna.
Cambio sobre Londres, 90 d v. 27 5/8 d. por
IJ, do banco
Dito sobre dito vista 27 3,8 d. por lOOo, do
banco.
Na Rolsa Venderam-se
UO letras cypothecarias.
. O presidente,
r* Candido G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Algmlo
Cota-se o de l1 sorte do serto a 6*200, nomi-
aL
A exportaco, feita. pela alfandega neste mez
at o dia 11 subi a i 014.818 kilos, sendo 919.831
para o exterior e 91.967 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje, so-
bem a 8.923 suecas, sendo por:
Barcacas.....
Vapores .....
Animaes.....
Via-ferrea de Caruaiu.
Via-ferreade S. Francisco.
Via-ferrea deLimoe.ro
Somma.
issiicar
Os precbs pagos ao agricultor, por 13 kilos, se-
cundo a A8sociacao Commercial Agrcola, foram
os seguintes:
Brancos..... 2*600
Someno..... 1*800
721 Saccas
162
2.340 *
604 m
748 c
4.347
8.923 Saccas
Mascavado purgado
uruto.
Rtame
1*400
1*100
*800
3 i 300
2*200
1*300
1*160
1*000
Colonia Isabel:
Branco 1* .
. 2*
. 3'
Someno.....
Mascavado ....
Usina Pinto:
Branco !.*?
. r ...... i
Someno ....
Mascavadn ....
A exportacio, fe.a pela alfandega neste mez at
o da 11, attingio a 4.396.335 1/2 Kilos, sendo.
J.035.969 para o (xterior e 2.340.366 1,2 para o
interior.
__
As entradas ver fijadas at a data ae boje ;o-
bem a 67.308 saccas sendo por:
Rarcacast .... .^87 Saceos
Vapores.....
3*000
2*860
1*300
i*800
1*400
2*400
2*300
1*700
1*340
nem tao pouco de que pareja
rido.
No entanto n'este erro cahio Vai-ella quando
diz duas vezes em sen poema o Evangelho nos
Selvas que Christo sorrio-se, de episodios que o
pi poeta creou, pois nao se encom ra nos Evan-
gelhos de onde os induzisse com taes cores.
E' um dos caracteres de Christo que mais pro-
va a sua diviudade.
Nenhum horaem senao o homem Deus se pode-
ria compenetrar tanto dos males da humanidade,
para tao bem os comprehender, nenhurn podia
se fazer tao possuido de sua miaso do resgate,
da certeza de seu sacrificio, ao ponto de nunca
achar de que rir-se.
Nemhum homem por mais compenetrado que
esteja de sua alta raissao, poderia sentir-se to
triste e perenemente ferido do to doloroso sof-
frer da humanidade, que se no desvairasse ou
distrahisse d'elle um instante a rir-se urna ou ou-
tra vez das mil causas que rompem o siso do ho-
mem mais oceupado ou possuido d'uin sentimento
ou ideia, ainda raesmo quando presa de doloro-
sas tristezas.
S a Deus nao ha de que rir-se, porque tudo
conhece, como nao ha de que admirar.
E de que soffrer, nao o tura Deus ?
Aquelles que querem achar a razio de ludo, c
todas as que conhecem regeitam, porque tudo
nao podem conhecer, nao comprehendero que
Deus 8otrressc pelos males da humanidade, visto
3ue est em seu poder influito fazer cessar a
or.
O soflrimento da humanidade vem. pela maior
parte ou principalmente, do livre arbitrio, isto ,
do poder que tem o homem de atacar o outro lio
mem, de fazer o mal, de pcrwter-te; porque
sem e*M poder n5o teria d do livre exercicii de
sua actividade, dentro da csplicra de seus direi-
tos, para manter a vida. Em una palavra, sem
um livre arbitrio nao teriatambem o homem a li-
berdude.
A lei, o preceito restringe o livre arbitno, de-
fiuindo a liberdade ou faculdade de obrar, den
tro do circulo pela inesma le prescrito, de esco-
llier, no uso ejpraticajje seus direitos.
Do rompimeuto destecirculo. do abuso da for-
ca, de uso sem medida do preceito, do livre ar-
bitrio sem a limitagao do preceito, que vem a
perverso do homem, da humanidade, porque
quasi todos os homens, senio todos, coramettem
tanto ou quanto, mais ou menos, muito ou pou-
co, aquclle abuso ; -todos peccam. Deste prin-
cipio, deste abuso vem a corrupeo, a perverso
da humanidade.
Ora, se o homem moralisado soffre de ver o
homem perverter-se, odeia o oppressor, se nao o
lamenta mais do que oopprimnlo, se pratica as
licOes de Jess Christo, como nao o sodrer o
proprio Deus das miserias de sua creatura ?
Mas porque creou Deus o homem assim, sujeito
perverso e a todas as miserias !
E' o que eu nao sci; mas o certo que assim.
E' e o facto, o positivo.
E s onde pode ser adraitlido o positivismo, j
o contentar-se a gente com o facto puro e sim-
ples, ondo nao se pode achar a razo da cou-
sa. Mas porque nao se acha a razo da creadlo
e da creago do homem, deve se rejeitar a ra-
zo de udo, para rejeitar se Deus, vontade intel-
ligente, sera a qual nao poderia ser creado o
hornera, que vontade e intelhgencia cui corpo
organisado to complicadamente, no qual se
acha a razo de todas as partes do organismo ?
Nao ser tambera porque a dr urna das con-
dices da vida d'alraa O que o prazer sem a
dr, o que a sensaQo sem el les ?
O certo que a humanidade assim, e desde
o principio se prevaricando sempre. Nao sof-
frer pois Deus '>ela perverso dcsta sua cr a-
tura, Uo altamente privilegiada efeita suaiin/i-
gem. com inteligencia para devassar a sciencia,
a linguagem, parausar as ideas e communica os
pensamentos. assijinalando as ideas e cora ellas
discorrer e pensar, transmittir a experiencia,
pullir-se, Ilustrar se pelas artc..pela industria,
alravessar os mares, romper os espaeos, progre-
dir sempre sem tocar meta ? Pela vasta su-
perficie da trra nao esUo os documentos da
mmensa superioridade da creatura humana a
todas as outras!
Como pois n soffrer Deus da prevaricaco
desta sua Uo sublime creatura ?
E' por isso que Christo que veio rehabilitar o
homem de tanta perverso, nao podia deixar
de soffrer. E' por isto que nunca podia rir-se,
nunca se rio, compenetrado sempre da grande-
za das miserias huuiauas, de sua propria tarefa,
de seu sacrificio.
E nao simplesmeote" pelos que soffrem que
elle mais soffreu. de vemos notal-o neste lunar :
pelos que fazem soll'iyr. pelos que soffrem
SHin resitrnaco, nem paciencia.
Nao est a falla destas virtudes na falta natu-
ral da fona, na fraqueza do carcter do homem
Todo o homem pode Mr paciencia e resigna-
co, se tiver humililade para com Deus, confor-
macio com a sua vontade. por mais que gema e
chore a sua dr, quando llie falte esta nature/.a.
esse carcter forte, esse Ion to raro que podo
darlhe satisfazlo no solTrimento da or, lem-
brando-se que Deus a envii ou nella consentc.
NSo pois pelos que soffrem que Deus soffre.
que veio Chnsto beber o calix amargo at as
fezes, pelos que fazem soffrer, pelos que sof-
frem d'alma, pelos que a tem perversa, por to
das as perverses que o hoini-m cominette. Nao
pelos que soffrem, que a dr purifica a alma e
ella a condito do prazer, de lo a a sensaco.
do sentimento Mas s dado sabedoria in-
finita impol-a no grao que de sua vontade, e nao
que elle se tenha j ao arbitrio do bomem que a impe pela perver-
sidade de sua alma.
E nSo vades ver crueza na bondade divina,
impondo ou consentindo no padecimento do ho-
mem, que ndB parece multas vezes excesgivo...
Mas este ponto pede mais longo discurso;
deixemos pois para outra vez, para uo fazer es-
artigo muito extenso.
Recife, 6 de Janeiro de 1889.
Affonso de AUmqaerque Mello.
i Gratido
O abaixo assignado, nao podendo deixar de
mostrar o quanto grato aol muitos favores que
Ihe foram prestados, durante o periodo de sua
doenca, por parte da famia do Illm. Sr. capito
Candido Guedes, vem manifestar, sem querer
offender a modestia da distincta familia, que sua
gratido ser eterna e que deseja ter occasio
de proval-o, retribuindo os innmeros obsequios
que to espontneamente Ihe foram offerecidos.
Olinda, 12 de Fevereiro de 1889.
Salvia Gonzaga.
-------------?---------------
F
1 *****
M....
de
Animaes.....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma. .
3.960
4.723
27.l!)3
6045
67.308 Saceos
Pelo vapor francez Ville de Pernambuco.- fo-
ram remettidos 1.800 saceos para Rio de Janeiro
e 4.600 ditos para Santos.
Couros
ltimas vendas, 380 ris.
Aguardeate
Cota-se a 88*000 por pipa de 480 litros, nomi
nal.
Pelo vapor francez Ville de Cear,* foram re-
mettidas 105 pipas para Rio de Janeiro e 23
ditas e 50,o para Sautos.
Muitas vezes til associar a creosota
alcatifo de faia do oleo de ligado de
bacalho no trataniento das affecoes do
arynge, dos bronchios, dos pulmSes, e
principalmente as bronchitcs chronicas
e nos catarrhos. Esta associacab apre-
senta grandes vantagens, mesmo na au-
sencia de doenca e quando se faz uzo so-
monte no tim de fortificar um peito fraco
ou um temperamento dbil.
Estes dous medicamentos encontram-se
reunidos as capsilas de brrth creo-
S .TADAg, O' de a creosota de alcatrao de
faia aclu-se em dissoluco n'um oleo de
figado de bacalho pa ticularmente recom-
mendavel, visto ser obtido por procesaos
que s5o os nicos que tem merecido a
approvacSo da Academia de Medicina de
Rito.
Como remedio por excellencia para as almor-
reinias o Ungento de Aveleira Mgica do Dr.
".. C. Rnstol verdadeiramente maravilhoso peda
seguridade c. rapidez de seus eRVitos, c nenliuma
outra medicina |>ode competir com elle no allivio
immediato c curativo radical de queimaduras,
carbnculos, ioflammaco da garganta, dores as
costas e lados, mordeduras de insectos, dores de
cabecil, nevralgia facial, contuses. inchaces.
ple^riz, erysipeias, chagas chronicas, golpea c
toda a especie de dores externas e internos cujo
allivio instantneo produz.
VeiTin-se instrueces que acompanhan
cada vidrinho do Extracto ou do Ungento.
as
Aviso ao publico
E nquanto durar a Exposiro Universal de
1889, os nossos le lores que se achareui em Paris
e que desejarem receber quaesquer noticias da
tena, podero ler os nmeros mais recentes do
uosso jornal no escriptorio dos nossos corres-
pondentes, os Srs. Amede Prince t C, 36, ra
Lafayetle, em Paris.
Os nossos patricios poero receber a sua cor-
respondencia, peridicos, etc. etc., em casa dos
Srs. Amede Prince 4 C.
Oulrosim, os meamos Srs. Ainde Prince & C,
nesocianles-cominissarios peu. a sua casa de
compras s ordens de qualquer pessoa qw dese-
jar ter urnas iutbnnaces, ou utilisar seu inter-
medio
Oculista
Aleool
Ultimas vendas, 160*000 por
tros.
pipa de 480 li-
0 vapor franesz "Ville de Pernambuco, levou
5 pipas para Santos.
m7l
Cota-se a 50*000 por pipa de 480 litros.
Fariah.a de mandioca
"Foi vendida a 4*800 por sacca.
Pauta da alfandega
SIU1NA 11 A 16 r>B FSVBRamO DE 1859
y Video Diario de 10 de Fevereiro
Yavios carga
Barca portugueza Novo Silencio, para o Porto.
Barca americana Olive, para Liverpool.
Patacho inglez Peggie, para Mentevido
Vavos descarga
Barca norueguense Frida, carvo.
Barca norueguense Frilhyof, carvo.
Barca americana J. F. Rottman, carvo.
Barca ingleza Sobrina, farello.
Barca portugueza Tentadora, kerosene.
Barca norueguense Celer, cania:
Barca sueca Augusta, carvi.
Barca ingleza Paragero, bacalho.
Briiroe sueco Pepita, carvo.
Escuna uiirleza Emulator. bacalho.
Lugar inglez Viola, bacalho.
Lugar nacional Marinho VII, Carvo.
Lugar norueguense Varuna, farello.
Lugar inglez May Cory, bacalho.
Lugar inglez Sima, bacalho.
Vapor inglez Chillan; carvo.
Importaeo
Lugre ingle,. de Terra '
12 do
'Jham & C, m.
Bacaiho 2,630 b
con si p
Dr. J. Corro de Bittencourt, oculista
residente na corte, ex-chefe de clinica
ophthalmologica dos Drs. Wochcr e Pa-
nas em Paris e do professor Hirscliberg
em Berlim, tendo regressado de sua ex-
curso s provincias do. norte, demora-se
alguns mezes nesta capital no exercicio de
sua especialidade.
Consistorio e residencia rua do Bario
da Victoria n. 23 1* andar. Entrada pela
Gamboa do Carino.
Consultas das 12 as 3 da tarde. Gratis
aos pobres.
Lugre inglez Flora, entrado de Terra Nova em
mual data e consignado a Blackburu Neeilham
4 C, manift:tou:
Bacalho 3.000 barricas e 230 mcias ditas aos
consignatarios.
Hiato nacional Camelia, entrado de Maco era
igual data e consignado a Manuel Joaipiim Pes-
soa, inanifeslou :
Barricas vasias 171.
Palta le carnauba 300 uiollios.
Sal 38,400 litros ordem.
lliate nacional Bom Jess, entrado de Maco
em igual data c consignado a Mauoel Joaquim
Pessoa, manifestou :
Cera de carnauba 24 saceos.
Couros seceos salgados 16.
Sal 19,200 litros brdi-m.
lliate nacional Deus le Guarde, entrado do Cea-
r e escala em igual data e consignado a Bar-
tholonieu Lcurengo, manifestou :
Barricas vasias 41 amarrados ordem.
Botijas vasias 42 volumes ordem.
Dynamitc 14 caixas ordem.
Sal 38,400 litros ordem.
Xarque 228. fardos a Joaquim da Silva Car-
neiro.
Exportaco
RBCIFM 12 DE FKVEBP.1B0 DE 189
Para o exterior
Xo vapor inglea Portllense, carregaram :
Para Liverpool, J. Pater 4 C. 6,000 Saceos com
450.000 kilos de assucar mascavado.
No vapor inglez XVexfurd, carregou :
Para Liverpoel, J. H. Boxwell 1,00j saceos
com 73 000 kilos de assucar mascavado.
No vapor inglez Nagrtbia. carregaram :
Para Liverpool, J. H. Boxwell 3,000 saecos com
375,000 kilos de asquear mascavado.
Para New-York, F. Cascao a Filho 1,000 sac-
eos com 75,000 kilos de assucar mascavado.
Na barca americana O/re, carregaram :
Para N w-Yerk, J. S. Loyo & Filho 835 saceos
com ti2.625 kilos de assucar mascavado. '
No vapor francez Ville de Cear, carrega-
ram :
i ara o Havre, A. Labille 1,048 couros verdes
cora 22,008 kilos.
Para Lisboa, F. da Costa & C. 393 saccas com
30,180 kilo* de algodo.
No vapor inglez Cometa, carregaram :
Para Artigas, P. Carneiro & C. 12 pipas com
j',76 litros de agurdente.
'ara o interior
No vapor inglez Cometa, carrgarao) :
Para Porto Alegre, P. Carneiro & C. 450 bar-
ricas com ia.940 kilos de assucar branco e 150
ditas cora 13,640 ditos de. dito mascavado.
Para Rio de Janeiro, M. Ainorim 50 pipas cora
24,000 litros de agurdente ; H. Burle & C. 50J
saccas com 43,309 kilos de algodo.
Ni barca sueca Are/, carregann
neiro A C. 2,000 sa
ido.
do a L' i, ear-
Amorim Irmos 4 C. 3 pipas com
alcool^SO barris e 25 pipas com
1^m^M _
Elixir depura
tivo vegetal.
Formula de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande ellicacia as mo-
lestias syphiliticas e impureza do sangue ; assim
como eni todas as molestias das seuhoras.
Tem curado radicalmente muitas pessoas ac
commettidas da terrivel molestia ijcriben.
MODO DE USAR
Os aaultos temaro qutro ejtberea das de
sopa pela manh e quatro noite. As enancas
de 1 a 5 annos tomaro urna colher pela manh
e oulra noite, e os de 5 a 11 annos tomaro
duas colheres pela manh e duas noite. De-
vero tomar banhos fri ou momo pela manh e
noite. Resguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva &C rua do Mrquez de
Olinda n. 23 e pharmacia Oriental rua tstre-
ta do Rosario n. 3.
O autor deste preparado poac ser procurado
na rua do Harto da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicaco
que for precisa.
Atten^o
N. 43
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade. -
Amigo e senhorTendo ininlia senhora solTrido
por espaco de 30 annos mais ou menos, da ter-
rivel molestia crizipella. da qual ha 2 anuos a
esta parte, accomraettia a miudo a ponto de re-
petir-lhe duas vezes ao dia, e tendo esgotado
todos os recursos mdicos sera delles obter o
menor lenitivo aos seus sollrimentos a 6 meten
mais ou menos : um amigo rae acoiiselhou o seu
Elixir purilicador do soague. sem K fui com-
prar una garrafa, e ajiplijuii. a qual operou
uina niaravilha, porque at a data presente nao
apiiareceu mais o m;il.
Destas poucas linlias que s conten a venta-
da, far o uzo que Ihe aprouver.
Recife, 2 de Marco de I8.S8.
Jos Pereira de Alcntara Brando.
N. 44
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Recife. 20 de Marco de 1883.
Amigo Sr. Faltara ao mea dever, se por
meio desta deixasse de manifcslar-lhe quanto
ado prodigioso o FJixii depurativo do sangue,
por Vrac. preparado, pois solTreu lo eu, ha mais
de 2 annos de dores por todo corpo. e com es-
pecialidade no peito. assim como de urna ulce-
ra sypliilitica na garganta, e tendo eu ja perdi-
do a f, aos medicamentos que conseculivanien
te rae receitavam os mdicos, quando fui acon-
selliado jwr un amigo para que lizesse uso do
seu Elixir Depurativo, o que ti/, uso de tres gar-
rafas. Hoje, (gracas a Deus) e ao seu remedia
acho rae coinpfetamenti- restabolecido.
Poder Vrac. -.fazer uso desta minlia manifesta-
cao, o que Ihe aprouver por ser com subida es-
tima e consideraco.
De Vine, auiig, venerador, criado multo obri-
gado.
Manoel Tavares da Costa Martins.
X. 43 -
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Sendo acconnnellido ha 2 anuos mais ou menos
de urna inliainmacao na orelha esquerda que
progredindo em demasa, causou-me serios re-
ceios : uzei a conselho de Din amigo, do seu
Elixir purilicador do sangue : e de facto, uina s
garrafa, foi quanto bastou para sentir-me perfei-
tamente bom ; uo obstante anida repito urna
outra garrafa, do qu alias nao precisava ; c a
evidencia rapidez e poritualidade na cura, nao
se fez esperar.
Faga o uzo qne Ihe aprouver desta carta.
De V. S. attenlo e obligado.
Recit, 18 de Janeiro de 1888.
Pedro Alexandrino Machado.
(Estavam selladas e recouhecidas as firmas.)
, (Contina).
Ao publico e a polica
O abaixo assignado proprietario do
Hotel Chinez, previne ao publico e a po-
licia, que nao dccui agasalho a Manoel
Fernandes, ex-criado do meu hotel, posj
o desped de meu servio por ter elle s-
viciado a urna enanca de cinco annos que
tenlio dcbaixo de minlia tutella. Portau-
to, convm, que se acautcllem aquelles
que precisam de servicos de outrem.
Recife. 12 de Fevereiro de 1889.
Manoel Antonio da Silva.
16,800 litros de agurdente ; A. V. de Baos
300 saceos com 30.000 kilos de assucar masca-
vado.
Para Rio. de Janeiro, Burle A C. 500 saceos
cora 30,000 kilos de assucar mascavado; A. Gui-
mares 1,000 saceos cora 60,000 kiles de assucar
mas avado ; P. Pinto A C. 23 pipas cora 12,000
litros de agurdente
Para Babia, Maia & Rezendc 200 saceos cora
tarrada de mandioca.
No vapor alleuao Tejuca, carregaram :
P.ra Rio de Janeiro, M. Menezes 200 saceos
com 12,000 kilos d assucar branco.
Para Santos, H. Burle 4 C. 400 saceos com
24.000 kilos de assucar branco e 100 ditos com
6,0D0 ditos de dito mascavado ; J. J. Moreira
500 saceos com 30,000 kilos de assucar masca-
vado.
No vapor nacional Jacultype, carregou:
Para B*hw, M. Faria 10 saceos cora 600 kilos
de cera de carnauba.
Na barca Elisabelhe, c .rregou :
Para Camofrsiin, A. Adolpho Gomes 1 barril
com 96 litros de aleool.
Rcndimentos pblicos
MEZ DR FKVERKli;.'
Alfandega .
Renda geral:
Do dia 1 a 12 367:225*981
dem de 13 36:1784028
Renda provincial :
403:404 009
Do dia 1 a 12
dem de 13
31:8164906
11:3194274
63:3364180
Somma total 466:7404189
Segunda seccSo da Alfaadega, 13 de Fevereiro
8thesoureiroFlerencio Domingues.
chefe da secrao Cicero B. de Mello.
Recebedoria eral
Do da 1 a 12 20:0224916
dem de 13 2:2784436
22:3014352
Recebedoria provincial
Do dia la 12 7:02i'*06
dem de 13 4614680
Hippodromodo Campo
Grande
Para os tres grandes e esplendidos 'oailes de
mascaras que se hao de realisar nos dias 3, 4 e 5
de Marco prximo vindouro, acha-se aberta urna
assignatura para os tres dias com pasie de ida
e vota no trem, pela bagatella de 44 ; as pes-
soas que queiram assignar podem dirigir-se ao
abaixo assignado ou nos lugares abaixo mencio-
nados.
Rua do Rangel n. 58.
Rua Larga do Rosario n. 8.
Ruado Cabug n. 2D.
Praga da Independencia n. 20.
Duque de i axias n. 39.
Encadernaco de J. M. de Miranda.
Haver trem de meia era meia hora ou mais se
forem precisos, a conduego ser fcil e satis-
fatoria.
H tambem um grande sortiraento de roupas
de todas as epochas e por lodos os pregos.
A assignatura fecha-se no dia 16 do correte.
Recife, 8 de Fevereiro de 1889.
Mmhonca.
i MEDICO HOMEPATA
j Dr. Balthazar da Silveira
Especalidadefebres, molestias
das maceas, dos orgaos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital. .
tfnt
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pbarmacia do Dr. Sabino,
rua do Baro da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Collegio de S. Miguel
Rua do Visconde de Camaragl-
bc i!. 53
Aos respeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instruceo para o sexo feminino,
Jue abrir ;is aidas no dia 14 de Janeiro
e 1889.
A mesma promette aos paes que Ihe
coniareni suas lilhas esforcar-se por Ihes
dar urna educacao primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do 1" de Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde s 7 da
noite.
A directora,
Emilia A. de Mendonqa
m
Frederico Chaves Jnior
Homccpatha
39 RUA BARAO
DA VICTOBJA-
Primciro andar
I!
1
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creaneas.
Consultorio e residencia rua da iinpe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manha.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TKLEPUOSE N. 226
( Leonor Porto
Kua Larga do Ronario m. 9
2" andar
Contina a executar os mais dif"
ficis figuriuos recebidos de Lon-
dres, Paris, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicao de costuras,
em brevicWle, modicidade em pre-
cos e fino gosto.
Cinirgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLDSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na rua Baro do Victoria .19, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
15 suinos a 200 ris 31000
16 matulos com legumes a 200 ris 320o
Foram oceupados :
26 columuas a60i) ris 15*600
1 escriptorio a 300 ris 300
25 compartimentos de farinlia a 500
ris 12*500
24 ditos de comidas a 500 ris 12*000
76 ditos de legumes a 400 ris 30*400
18 ditos de'sumos a 700 ris 12*600
9 ditos de fressuras a 600 ris 5*400
37 tullios a 2 74*000
Rendimentos dos das
rente
1 a 11 do cor-
188*780
2:257*500
2:446*280
Foi arrecadado liquido at hoje
Pregos de dia:
Carne verde de 240 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 1*000 reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 360 a 480 reis a cuia.
Milho de 360 a 440 reis idem.
Fe Matadooro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 73 rezes pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE FEVEIEIKO
Norte......... Para............
Europa....... Neva v..........
Sul........... Arlindo..........
Sul........... Klbe..............
15
16
16
17
7:482*086
Recife Dralna;
Do dia 1 a 12 7:308*362
dem de 13 1:713*622
;c
'J:19184
Mercado Municipal tte f?"
raovimento deste mercado uo uia 12 ae *e-
vereiro foi o seguint
Entraram :
26 bois pesando 4,2 k
244 kilos de
u 300
iros a 200 ris
4*890
;o40
700
1*800
Movimento do porto
Navios entrados no dia 13
Cardiff19 112 dias vapor inglez Stras de
1,281 toneladas, commandante Robert
J. Nixon, equipagem 25, carga carvSo
de pedra; a Livramnto & C.
Pelotas26 dias, escuna norueguense Ge-
jion, de 117 toneladas, capitulo Th.
Wig, equipagem 6, carga xarque e gor-
duras ; a Joaquim da Silva C'arneitn^
Santos e escalas8 dias, vapor, franell
Ville de Cear. de 1,G09 tonelada^
commandiuite E. Laney, equipagem 40,
carga varios gneros; a Augusto La-
bille.
Hamburgo c escala17 das, vapor alle-
mo Tijuca, de 1.590 toneladas, com-
mandante Saimbeslik, equipagem 48,
carga varios gneros; a Borstelmaan
A C.
Sahidossm mesmo dia
Santos e escalaVapor francez VUU de
Perrifanbhco, commandante L.
carga varios gneros.
Parahyba^L"%ar ing
tio Jospph Gross, earga bacalho.
I
i.
-

P
I
I
- /
/
'i



Diario de PernambucoQuint-feira 14 de Fevereiro de 1889
b
A venoAOB oniLHA
' Por mais que facam os crticos graciosos, cuja tarea rezume-se simplesmentei
anUstruir aquillo que nao sabem nein podem construir, em certos casos impotente
-Maledicencia d'esses deniolidores perversos.
O seu trabalho, longe de prejudicar, mais um incentivo para que a verdade
&Ae radiante, offuscando-os cora a intensidade da sua luz.
De todas as classes sociaes, desde o opulento at o proletario, desde- o maior
tnVato ate intelligencia menos culta, todos, porfa, enenrregam se de vir dar ura
.fcniTir desmentido i essns criticas graciosas.
O documento que se vae 1er um attestado que falla mais alto do que tudo
mfutto podamos asseverar.
Eil-o:
< Ilhn. Sr. Jos Alvares do Souza Soares.Devo urna resposta a seu favor.
Si-o-hei em poucas palavras, mcsmo porque verdade no mister coloridas ima-
gen, para impor-se soberana, escudada as manifestar ces da opiniao universal.
BMnacSo da consciencia, d'esse foro intimo de cada individuo, onde se azyla, cila
SKtje pura e immaculada.
t A sua preparagao Pcitoral de Cambar um poderoso remedio contra as
brmidades do peito.
t Attcsto-o pelos resultados que tenho colhido em pessoa de minha casa,
mt pequeo scenario, onde, como pai de familia, posso com certeza reconhecer
t Minhas filhas usarain por algum tempo do .Pcitoral de Cambar, de sua
ianiirUn, fi ticaram complentamente curadas de unta tosse pertinaz e perigosa.
< Faca destas linhas o uso que quizer. Siempre :s suas ordens encontrar
JImumii Napoleao Epaminondas de Arrua. (Ex-dtrector cllegio, ein Pelotas, e
Swp advogado em Bag, lito Grande do Sal.)
* S5o agentes deste preparado os Srs. Francisco Manoel da Silva & C. ra
nez de Olinda n. 23, que o vendem a 24500 o frj.sm. _______
sera de quantia que produsa apredita impor-
tancia de 8,600:00)5 (oito mil e seiscen-
tos contqs de res) liquida, a ser applieada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apolices de juros annuaes de 7 j,
(sete por cento), com excepcio daquellas
que tenham sido emittidas por empresti-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agrcola ou industrial, bem como
para liquidaco eos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888.
A taxa da emifcsao nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de commissao
e o juro nao exceder de 5 *[ (cinco por
cento) alm da quota de amortisaco, que
nao ser superior a 1 [ (um por cento),
sendo esta e aquelle safisfeitos semestral-
mente.
O secretario interino, Manod Joaquim
Silveira.
Curso primario e prepara-
torio
Sua Larga do Rosario n. I <6
i andar
Estarao abertas as aulas deste curso no
Si 8 do cerrente mez.
O director,
Camerino Sobrinho.
Badiarel Antonio Witru- J
vio Pinto Randeira
fode ser procurado ra do Imperador ,
n. 71, Io andar \
Yias urinarias, molestias do tero,
operacSes elctricas
::,.::::::::::::::::
ESPECIALISTA
\' com pratica de pami k Londres
< i Estrcitamentcs da urethra curados ra-
?T ocalmente pela eleclrolyse, sem dr;
fr aydroccles sem injecc (cura radical);
>T feridus e ulce^s chronicas. com paran
%\ di? cura rpida; pedras da bexiga,
i fistolas e hemorrhoidas : svphilis, go-
? / norrheas, pelo methodo das mstillacoes;
j molestias da garganta e do peito [.-las
y athmosphcras mediramentosas. < on-
sultas e operaros das 12 s 3 horas
da tarde.
RA DO MRQUEZ DE OLINDA N. 34
2. ANDAR
n.sideiK ia na Torre
I
t Medico operador parteiro
Fi'9 -M -Rui Larg do BoarloC -I
fv [Por cima do Annel de Ouro)
Onde tcm ronmulloriu e real
|.i di-nrla % podendo ser encontrado
ii. ecebendo chamados a qualquer hora
t* o dia e da noke.
hi Especialidades: Partos, febres, moles- i
I as de senhoras e dos pulmes, syphilis l
s em geral, cura rapida e completa eope- '
kV racoes de estreitamentos e mais suffri- i
K nefatos da uretra. (
et /code de prompto a chamados para >
i iftra de qualquer distancia. |
H Tclephone n. 394 )
ir. Manoel do Xascimenlo Ma
ehado Porlella Jnior
scriptorio ra do Imperador
Io. ANDAR
65
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista^ ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e das santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. }5.
Clnica medico-cirurgica
DO
Dr. Ferreira
OCULISTA
?ratico nos principaes hospitaes de Pariz
iondres.
Cbnsultas todos os das (excepto domin-
jgpi) das- & horas ao meio dia.
fcatica embalsamamentos.
fcuItorio e residencia ra Larga do Ro-
sa.rio n. 20
Telephone n. 233
EDITAES
3^ secc2o.Secretaria da Presidencia
P,*rnambuco, em 7 de Janeiro de 1889.
|go publico, de orden? do Exm. Sr.
Iyrestfente da provincia, que se acha
torta a concurrencia para o emprestimo
WKttrno de 8,600:0005 (oito mil e seis-
BtM contos de ris), autorisado pela lei
BPrmcial n. 1,927 de 15 de Novembro
SmA>, com o praso de quarenta e cinco
i, a contar da data da primeira publi-'
do presente, para o recebimento
respectivas propostas, que scro apre-!
"" i nesta secretaria, em cartas fec

abe i
tuxm
DECLARigOES
Recebedoria Provincial
0 procurador do feitos interino da fa
zenda provincial, tendo recebido do The-
souro a relacao abaixo transcripta dos
devedores do imposto de boinbeiros no ex-
ercicio de 1880 a 1887 (3o semestre) das
freguezias do Recife, Santo Antonio, Boa-
Vista e S. Jos, que deixaram de pagar
no tempo competente, declara aos meemos
devedores que Ibes tica marcado o prazo de
30 dias, a contar da publicacSo do presen-
te edital, para dentro delle pagarem a im-
portancia de seus dbitos na Recebedoria
Provincial com guia da seccSo do conten-
cioso, certos de que. fndo aquelle prazo,
se proceder a cobranca judicialmente.
Recite, 1 de Fevereiro de 1889.
O procurador dos feitos interino,
Jote Franeisco (Continuacao)
Caes da Companhia Pernambu-
canan. 12. Jos Antonio do
C. Vianna
Dito n. 16. Joaquim da Fonseca
Dito n. 23. Jos Martina Vie-
gas
Caes da Companhia n. G. Jos
Joaquim Goncalves Bastos
Dito n. 10. Jos Monteiro Tor-
res de Castro
Largo da Assembla n. 7. Joa-
quim Duarte Simos A C.
Mrquez de Olinda n. 3 Luiz
Neuhaus
Bom Jess n. 8. Libanio Costa
&C.
Dita n. 33. Ladislao Gomes
Pereira do Reg
Travessa do Vigario n. 3. Lou-
renco do Nascimento
Companhia Pernambucana n. 10.
Lyra A IrmSo
Caes da Companhia n. 6. Luiz
Goncalves da Silva Pinto
Tuyuty n. 3. Luiz Alves de
Carvalho
Travessa da Madre de Deus n.
-&. Luna&C
Domingos Jos Martina n. 21
Luiz Goncalves de Souza Fra-
dique
Visconde de Itapanca n. 38 e
40. Luciano Mauvernay
Caes do Apollo n. 63. O mes-
mo
Dito n. 73 e 75. O mesmo
Dite n. 67. Lopes A IrmSo
Mrquez de Olinda n 64 e 66.
Miranda & Souza
Dita n. 53 A. Mendes & Pe-
reira
Bom Jess n. 44.Mendes & C.
Dita n. 11.Manoel do Nasci-
mento Vieira da Cunha Sobri-
nho
Dita n. 21. Miguel Jos dos
Prazeres
Torres n. 4. M. Walker
Largo do Corpo Santo n. 4. Ma-
noel Francisco Pereira
Dita n. 13. Maia & Rezende
Dita n. 19. Moura Borges &C.
Bispo Sardinha n. 5 Manoel
Monteiro Braga & O
Vigario Tenorio n. 4. Manoel
Amanci dos Reis
Dita n. 6. Manoel Goncalves
Ferreira
Dita n. 29. Manoel Joaquim da
Silva
Mariz e Barros n. 16. Melchia-
des Theodoro
Caes da Companhia n. 8. Mar-
colino de Souza Travasso
Amorimn 62. Miguel Joaquim
Carlos (,'ardoso
Dita n. 21. Manoel Baptista de
Mello
Marianno & C.
35180
35180
35180
35180
35180
65360
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
35180
125720
35180
125720
30180
125720
165350
35180
n.
:a-n.

- Miguel de Lima
artins n. 62.
- M;
34. Miranda &
35180
35180
35180
3180
30180
35180
65360
30180
30180
30180
30180
120720
30180
30180
30180
30180
30180
30180
Dita n. 132.' Manoel Machado da
Costa
Travessa do Corpo Santo n. 16.
Manoel da Costa Cardoso
Visconde de Itaparica n. 29. Mi-
guel de Carvalho
Dita n. 37. O mesmo
Bario do Triumpho n. 39. Ma-
noel Pereira da Costa Borbo-
leta
Caes do Apollo n. 47 e 49. Ma-
chado Lopes^c C.
Dito da Alfandega n. 1. Mendes
Lima & C.
Madre de Deus n. 16. Manoel
Marcelino Monteiro
Dita n. 3. Maria Angela Petla
Largo do Corpo Santo n. ID Mar-
colino de Souza Travasso
Commercio n. 10. Nicolao Lids-
tone
Visconde de Itaparica n. 21. Nas-
cimento & Ribeiro
aes da Companhia n. 4. Olivei-
ra & C.
Mrquez de Olinda n. 58 c 59.
Prente Vianna & Q.
Bom Jess n. 27. Pereira Castro
& C.
Commerco n. 46. Pontual Re-
zende & C.
Vigario Tenorio n. 14 Paternia-
no <'. da Fonseca Barros
Dita u. 17. Pedro Osorio de'er-
que ira
Amorim n. 15. Pereira Pinto
&C.
Restauracao n. 3. Pinto Alves
& (i.
Caes do Apollo n. 69 e 71. P-
rente Vianna & O.
Travessa da Madre de Deus n.
12. Ramos & C.
Domingos Jos Martins n. 52.
Rodrigues & C.
Mrquez de Olinda n. 34. Sul-
zer Kauffann <& C.
Dita n. 3. SebastiSo Alves da
Silva
Bom Jesus n. 23. Sebastio Jos
Bezerra Cavalcante
Commercio n. 44. Souza Noguei-
ra& C.
Dita n. 5. Silva Guimaraes & C.
Dita n. 15. Sebastiilo de Barros
Barretto
Largo do Corpo Santo n. 11.
Saundrcs Brothers d C.
Barreto de Menezes n. 4. Seve-
rino Jos de Barros
Mariz e Barros n. 4. Secundino
Floro dos Santos Bezerra
Dita n. 8. S & C.
Dita n. 14. Sodr da Motta & C.
Travessa da Madre de Deus n.
4 e 6. Souza Basto, Amrim &
C.
Domingos Jos Martins n. 12
C. Sergio Jos Rodrigues da
Costa
Amorim n. 66. Sequeira & Fer-
raz
D. Maria Cesar ns. 42 e 44. Sa-
muel P. Johnston, resto
Dita n. 13. Soares Raposo & C.
Vigario Tenoric n. 9. Souza
Basto, Amorim & C.
Largo da Alfandega n. 6. Silva
Marques & C.
Caes da Alfandega ns. 8 e 3 A.
Seixas & Irmao.
Madre de Deus n. 22. Soares do
Amaral & C.
Mrquez de Olinda n. 38. Traja-
no da Costa Mello
Dita n. 19. Thomaz Jos Gus-
mo
Bom Jesus n. 15. Thereza Tava-
res de Macedo
Dita n. 57. Temporal & Filhos
Commercio n. 32. Telegrapho
Submarino
Dita n. 32. The Western Bra-
silian Telegraph
Torres n. 10. O mesmo
Vigario Tenorio n. 2. Theodoro
Just
Mariz e Barros n. 3. Thereza
Carolina de Medeiros
Domingos Jos Martins n. 22.
Theodoro Christiansen
Dita n. 12. Urbano Costa & C.
Mrquez de Olinda n. 49. Viuva
de Antonio Pereira da Cunha
Domingos Jos Martins ns. 6 e 8.
William Halliday & C.
Santo Antonio
Imperador n. 16. Antonio #de
Souza Braz
Dita n. 44. Antonio Jos de
Abren Ribeiio
Dita 19. Antonio Bernardo Quin-
teiro .
Dita n. 65. Antonio Lopes Braga
Praca de Pedro II n. 4. Antonio
Cardoso de Souza
Praca da Independencia ns. 28 e
30. Antonio de Souza Ribeiro
Cabug n. 3 A. Agostinho Ir-
mao
11. Alfredo Guimares
11 A. Alexandre Laber-
n. 20. Amaral &
52. Andra-
30180
30180
30180
30180
30180
3518U
30180
30180
120720
30180
30180
12720
120720
30180
30180
35180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
35180
30180
30180
30180
30180
30180
60360
30180
30180
30180
30180
60360
30180
30180
90540
30180
30180
' 30180
120720
60360
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30160
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
30180
documentar seus
terem mais de
de idade, goza-
vaccinados e te-'
Antonio Jos Maia
Dita n.
A C.
Dita n.
ty
1 de Margo
C.
Duque da Caxias n.
de Lopes A C.
Dita n. 60 A. Antonio Jos-Mo-
reira
Dita n. 25. Anselmo Ayrejs de Azevedo.
Barao da Victoria n. 6. Antonio dos San-
tos Oliveira.
Dita n. 30. Antonio Pedro de Souza Soa-
res A C.
Dita ns. 34 a 36.
& C.
Dita n. 9. Andr Santos.
Dita n. ti"). A. Ducasble. r
Larga do Rosario n. 13. Antonio Martins
. Jnior
Estreita do Rosario n. 6, Agostinho Albi-
no Bezerra.
Dita n. 34. Antonio Barbosa da Fonseca.
Larga do Rosario n. 22. Amelia A. Ade-
laide Ribeiro.
Conselheiro i eretti n. 48. Amaral Vieira
&C.
stinho Bezerra > 41. Alpedo Ar-
thur de Albuquerque.
Larg armo n. ;)9. All te &
Irmao.
Livramc:
des.
Correio geral
Concurso para preenehlmento
de um lugar de pratleante de
9a elasse
Fajo publico para conhecimento dos
interessados, que acha-se aberta nesta ad-
ministrado durante o prazo de 30 dias,
a contar desta data, a inscripcSo para o
concurso que deve realisar-sc para preen-
chiirior.to de um lugar de, praticante de 5a
elasse.
Os candidatos deverao
requerimentos, provando
18 e menos de 25 annos
rem boa saude, estarem
rem bom procedimento.
A idade exigida para a nscripcSo deve
ser provada com certidao de baptismo
extrahida do assento feito no livro de pa-
rochia no devido tempo, ou justificacao
prestada perante autoridade ecclesiastica
e por esta julgada por sentcnca. Este do-
cumento nao pode ser supprido por publi-
ca foros; e muito menos, por attestados
passados por vigario, no ausencia dos li-
vros da t'rcguezia.
0 exame versar sobre as lingusa por-
tugueza, franceza, geographia geral, com
desenvolvimento quanto ao Brasil, e arith-
metica at a theoria das proporc3es inclu-
sive, sendo motivo de preferencia o co-
nhecimento das linguas ingleza e allema.
AdministracZo dos Correios de Pernam-
buco, 12 de Fevereiro de 18>9.
O administrador,
Affont* do Reg Barros.
(2.a praca)
Pela inspectora desta Alfandega se faz publi-
co, que, as U hcas do dia 19 do corrente mez
sero arrematadas em praca ;i porta desta repar-
ticao as seguinles mercadorias :
Armazem n. 7
Marca ': PN. 10.132. Urna caixa, contendo
8 kilos de folinhas de desfolhar, 1 kilo de carta-
zos, annuncios, ambos de mais de duas cores,
vinda de Bordeaux no vapor francez Nigei; en-
trado em 4 de Janeiro do corrente anno aban-
donada aos direitos por Charles Pluyn & C.
dem
Marca ApolloN. 6. Urna cauta contendo 47
kilos de cigarros em bom estado e 0 e meio kilos
de cigarros avadados.
A mi'sma marcaN. 8. Urna caixa, contendo
1,750 charutos furados.
A mesma marca-Um livro em branco
A mesma mascaMeio kilo de conhecimentos e
facturas lithograpbadas de urna so cor vlndos do
Rio Grande do Norte no cter nacional Jaguan,
era 24 de Dezembro de 1888, abandonados aos
direitos pela viuva de Antonio Pereira da Cu-
nha.
3." secgo da Alfandega de Pernambuco, 13 de
Fevereiro de 1889.
O chefe,
___ Domingos Joaquim da Fonseca.____
Recebedoria de Rendas In-
ternas Ceraes
Imposto de industrias e prolissoes
0 administrador da Recebedoria de Rendas
Internas Geraes faz publico que linda-se no dia
28 do corrente mez o prazo para o pagamento,
livro de multa, do imposta de industrias e pro-
lissoes relativo ao 1 semestre do exercicio cor-
rente de 1889, depois do que ser cobrado com
a multa de 10 0/0.
Recebedoria, 13 de Fevereiro de 1889.
Alexandre Je S. Pereira do Carmo.
Imperial Sociedade dos Ar-
tistas Mchameos eLi-
beraes
Assembla geral extraordinaria
De erdem do Ilrn. Sr. director, eonvido a
todos os senhores socios effectivos a se reunirem
qniota-feira 14 do corrente, alim de em assem-
bla geral extraordinaria ter lugar a apresenta-
c.'io de contas e posse da nova directora.
Recife, i i de Fevereiro de 1889.
O 1 secretario,
Francisco da Costa Ramos.
S. R. M.
Kociedade Hecreatlva Moriilade
Sarao carnavalesco em 2 de Marco
Convida-se aos senhores socios para apresen-
larem suas notas para convites. iDgressos om
mao do Sr. ihesoureiro.
N. B. NSo se admitte aggrcgados.
Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
O i- sceretario.
Guilhcrme Pinto Meirelles.
Concurso
Por esta secretaria se faz publieo em vista do
despacho da presidencia da provincia de 9 do
corrente mez, e de ordem do Sr. Dr. inspector
geral da instruccdo publica, que se acba aberta
a iascripco para o concurso a que se vai proce-
der a requerimento do alumno mestre titulado
Eela Escola Normal, Arthur Octaviano da Silva
amos, para provimento da cadeira de ensino
primario do sexo masculino do Poco da Panella
(de 2.* en'.rancia), sendo sommte admittidos a
essa inseripeo os professores pblicos de qual-
quer cathegoria, e os individuos titulados pela
Escola Normal, devendo estes no prazo de 40
dias apresentar os seguintes documentos : folha
corrida ou attestado de procedimento civil e mo-
ral pelas autoridades judiciaras, policiaes ou
cmaras municipaes das localidades em que ti-
verem residido nos dous ltimos annos, diploma
conferido pela Escola Normal. Picando sem
effeito o edital n. 52, que annuneiou o acosso
da mesma cadeira.
Secretaria da inslrucgo publica de Pernam-
buco, 11 de Fevereiro de 1889.0 secretario,
Pereentino S. de Araujo Galvo.
Gompanhia de fia^aoeteci-
dos de Pernambuco
por deliberaco da directora so convidados
os senhores associados desta companhia a se
reunirem no salo do edificio da Associacao
Commercial Beneliccnte, a 1 hora'da tarde, no
dia 7 do prximo mez de Marco, para approva-
rem as contas do anno findo em 31 de Dezembro
de 188S, e nomearem a commisso fiscal do cor-
rente anno.
Kecife, 7 de Fevereiro de 1889.
Jos JoSo de Amorim,
Secretario. ____
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial, na
forma das tnstrocces de 27 de Julho de 1883,
convida as assocgdes que nesta cidade tem
existencia legal a se encarreganim da distribui-
co do imposto de reparticSo constante da ta-
bella unnexa a lei n. 1884 ; sendo esse trabalho
remettido a esta repartico no prazo improroga-
vel de 30 dias uteis, contados da data do pre-
sente ; lindo o qual sem a respectiva apresenta-
co se proceder no termos do art. 27 das refe-
ridas instrueces.
Recebedoria Provincial de Pernambuco, 6 de
Fevereiro de 1889.
Francisco Amynthaa de Carvalho Moura.
SANTA CAS A
PARA
CASA*
Ra da Moeda n. 49, armazom
dem do Vigario Tenorio n. 27, loja
dem idem n. 22, 3." andar
dem idem n. 25, l." andar
dem do Bispo Sardinha n. 3, 1 e 2.
andares e sotao
dem do Bom Jesus n. 13, 3. anfer
dem do Mrquez de Olinda, sobrado
n.44
dem do Bom Jesus n. 13. 1. andar
IMAH
2i0000
2403000
'80*000
360*000
400*000
200*000
2:131*005
240*000
480*000
240*000
480*000
HIPPODROMO
DO
CAMPO GRANOS
Que dever ter lugar domingo 24 de Fevereiro de 1889
1. pareoENSAIO800 metros. Animaes da provincia que ainda n5o tenham
ganho premios no Hippodromo, Prado o Derby. premios : primeiro
200*000, segundo 503000 e terceiro 200000.
t." pareoIMPRENSA PERNAMBUCANA900 metros. Animaes da provincia.
que nSo tenham ganho premio n'esta ou maior distancia em' nenhum dos
prados d'esta capital, premios: primeiro 250^000, segundo 600000,
e terceiro 250000.
3." pareoHIPPODROMO DO CAMPO GRANDE1.609 metros. Animaes de
qualquer paiz. premios : primeiro 6000000, segundo 1500000 e terceiro
600000.
4. pareoPRADO PERNAMBUCANO1.500 metros. Animaes nacionaes at
meio sangue. premios : primeiro 4000000, segund 1000000, e terceiro
400000.
5. pareo-DERBY CLUB DE PERNAMBUCO1.700 metros. Animaes da
provincia, premios: prmeiro 3000000, segundo 750000 e terceiro
300000.
. pareoPROQRESSO 1-400 metros. Eguas at puro sangue. premios:
primeiro 3500000, segundo 800000 e terceiro 350000.
%." pareoVELOCIDADE800 metros. Pequiras da provincia com 1 metro e
30 no mximo, premios: 'primeiro 1500000, segundo 350000 e terceiro
150000.
Observacoes
Nenhum pareo se realisar sem que se inscrevam tres animaes de proprieta-
rio8 differentes.
A inscripcSo encerrar-se-ha no dia 18 do corrente s 6 horas da tarde no es-
criptoro do Hippodromo.
O cdigo de corridas prescreve o modo da inscripjSo.
O 6. pareo naV) se realisar sem que se inscrevam 5 animaes.
Recife, 12 de Fevereiro de 1889.
O secretario,
Ferreira Jacobina.
I
Recebedoria Provincial
0 ad"ministrador da Recebedoria Provincial
em cumprimento da ordem do Olm. Sr. Dr. ins-
pector do Thesouro, constante da portara sob
n. 108 de 28 do corrente, faz publico para co-
nhecimento dos respectivos contribuintes que,
de accordo com a relaco abaixo, dar-se-ha prin-
cipio nesta reparticao, no espaco de 30 dias uteis,
contados de 4 de Fevereiro prximo a cobranca,
livre de multa, das annuidades e mais servigos
da Recile Drainage Company, relativa ao 2 se-
mestre do exercicio (Indo de" 1888.
Recebedoria Provincial de Pernambuco, 30 de
Janeiro de 18r9.
Francisco Araynthas do Carvalho Moura.
Relacao a que le refere o edital supra
Frpguezia do Recife
Ras :Mrquez de Olinda, Bom Jesus, Alva-
res Cabra!, Commercio, Bispo Sardinha, Torres,
Thom de Souza, D. Mara de Souza, Vigario Te-
norio, Barreto de Menezes, Mariz e Barros, Bur-
gos, Amorim, Moeda, Tuyuty, Companhia Per-
nambucana, Madre de Deus, Domingos Jos Mar-
tins, Mscate. Restauracao, D. Maria Cesar, Vis-
conde de Itaparica, Pharol, Areal, S, Jorge, Vi-
tal ae Oliveira, Guararapes o Baro do Trium-
pho.
Praeas :Assembla, Chaco e Pedro I.
Travessas":Vigario Madre de Deus, Cam-
pello, Domingos Jos Martins, Corpo Santo, An-
tigo Porto, Bom Jess, Apollo, Areal, Para a
Fundicao, Occidente, Guararapes e Praca Pe-
dro I.
Largos :Alfandega, Corpo Santo e Assem-
bla. .
Beccos:breu, N'oronha, Largo, Pindoba,
Tapado e Paschoal.
Caes : Companhia, Brum e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Ras : Imperador, Primeiro de Margo, Duque
de Caxias, Cabug, Barao da Victoria, Trinchei-
ras, Larangeiras, Larga do Rosario, Estreita do
Rosario, Francisco Jacintho, JoSo do Reg, Ilha
do Carvalho, Conselheiro Piretti, Netto de Men-
donca, Major Agostinho Bezerra, Vinte e Oito de
Setembro, Santo Amaro, Pedro Ivo, Mathias de
Albuquerque, Paz, Paulino Cmara. Fogo, Livra-
mento, Penha, Visconde de Inhauma, Pedro Af-
fonso. Nova da Praia, Marciho Dias, Henrique
Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, San-
ta Toereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mar-
5uez do Henal, Cadeia Nova e Bario de Villa
ella
Largos:Paraso, Carmo, Penha, S. Pedro e
Praceta.
Travessas : -Queimado, Cruzes, Mrquez do
Recife, Bella, Calabouco, Matriz, Flores, Carmo,
Bomba, Livramento, Arsenal, 1* e 2* da Praia,
Carcereiro, S. Pedro, Viraco, Lobato, Falcao,
Pocinho e Concordia.
Beccos .Bella, Calabouco, Matriz, !, e 3o
da Camboa. Falcao, Io e 2o da Cadeia Nova.
Praca : Pedro II.
Caes :Vinte e Dous de Novembro.
Campo :Princeza.
Freguezia de S. Jos
Ras :-Marcilio las. Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S. Joao, Feppe Camaro, Mr-
quez do Hit val. Vinte e Quatro de Maio, Dias
ardoso, Passo da Patria, Padre Nobrega, Victo-
ria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros, Frei Hen-
rique, Dique, Assumpcao, Domingos Theotonio,
Padre Floriano, Christovao Colombo, Jardim,
Forte, Antonio Henrique, Nogueira, Santa Ceci-
lia, Santa Rita, Padre Muniz, Praia de Santa Ri-
ta, S. Jos, Pescadores, Praia do Forte, Ypiran-
ga, Imperial e Luiz de Mendonca.
Travessas :Martyrios, Ramos, Pocinho, Cal-
deireiro, Gaz, Matriz, Forte, Prata, Serigado, Co-
{lares. Nova de Santa Rita, Praia do Forte, S.
os, Peixoto e Luna.
Beccos : Palma. Caldeireiro, Gaz, Assutnp-
gao, Nova de Santa Rita e Matriz.
Largos : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Ras : Imperatriz, Conceico, Visconde de
Pelotas, Tambi, Visconde de Albuquerque, Au-
rora, Capibaribe, Ponte Velha, Conde da Boa-
Vista, Riachuello, Uniao, Sauuade, Sete de Se-
tembrb, Visconde de Camaragibe, Camaro, Ro-
sario, Gervasio Pires, Dr. Villas-Boas, Socego,
Principe, Sania Cruz, S. Goncalo, Coelnos, Hos-
pital Pedro II, General Sera, Coronel Lamenba,
Conselheiro Aguiar, Leao Coroado, Baro de .
Borja, Mues Machado, Visconde de Goyanna e
Attracco
* Travessas :Gervasio Pires, Atalho, Coelhos,
Barreiras, Veras, Quiabo, Joo Francisco, Man-
gueira, Campia e Palacio do Bispo.
Largo .-Campia. *
Beccos :S. Goncalo e Coelhos.
Pfacas : -Conde d'Eu e Santa Cruz.
Irmandade ao Divino Espi-
rito Santo do Recife
Conwelho lis< al
De conformidade com a segunda parte do art.
38 do nosso compromtsso, rogo o comparecimen-
to de todos os irmos, exjuizes e bemfe.itores,
em o nosso consistorio, pelas 6 1/2 horas da tar-
de de quinta-fetra 14 do corrente, aflm de tra-
tarse de diversos assuniptos de dito importan-
Consistorio, 12 de Fevereiro de 1889.
O procurador geral,,
Jos Ignacio a villa.
SEGURO (OMISA FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL 1.000:000
AGESTES
R. DEDRUSINA&C;
13Ra Mrquez de Olinda13
SEGUROS "
CONTRA FOGO
The Liverpool & Leudon k Globe
mSURAITCE CDMPA1TT
SLACsunzr, sssssav &
Ra do Commercio n. 3
Companhia
C.
DE
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercadorias
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizot.
CAPITAL
H*. I O.000:000000
AGENTE
RKO\W* <& C.
N. 5RA DO COMMERCIO--N
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n. 75. Na
Porto, rua'dos Jnglezes. ^
ca.
Irmandade de H. lose d Agona
do ron vento do Carato
O abaixo assignado, thesoureiro desta irman-
i.-de aos irmaos que tem no cemiterio pes-
iltadas as. catacumbas da dita irraan-
dade istejam cem o tempo snmcienie
uertas, que o facam afm de serem
eram que attenderao ao pe-
o fim justoquealle^
Francisco los de Sampaio.
Campaitljta te Seguros
COSTSA ?0&0
NORTHESN
de Londres e Aberdaen
Posifo financoira fezembro K> 1885)
Capital subscripto
Fundos accumulados
Recelta annna! :
De premios contra fog
De premios obre Vida.
De juros
3.0CH
Grande festa ?
Domingo, 17 do corrente
i>o largo do Carmo em Oiinda
Um diacheio!
Msica
Divertimehtos populares
Fogos de artificio.
Fogo de artificio especialmente preparado pelo
eximio pyrotbecbnico LEONCIO, vantajosamente
conhecido pelos grandes fogos astronmico e
mythologico.
AudifSo gratuita
VisSo gratuita.
Domingo l do eorrente
NO LARGO DO CARMO EM OLINDA
0 programma ser publicado amanb.
Companhia de Seguros
i&tlifa&t &Z *i%M*
AGEKTE
Miguel Jos Alves
IV. 1-Rna do Bom Senos W. 9
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companhia
nesta praca.que concede aos Srs. segurados semp-
&> de pagamento de premio em cada stimo
anno, o que equivale ao descont annual de cer-
ca de ISjpor cento em favor dos segurados.
SEGMT
MARTIMOS comra foco
Companhia PhenlxPer-
nambneana
RA DO COMMERCIO N. 26 i." ANDAR
I




I
i

6
Diario de PernambuooQuinta-feira .14 de Fevereiro de
TITOTEMltlSADORA
Cmpauhia de Seguros
RITIMOS E TERRESTRES
EstabelcddaeM iwsr
94PITAL l,00O:000|000
SLMSTROS PAGOS
At 31 de Dezembro de 1884
Iferitimos 1.110:000^000
Terrestres. 316:000^000
44Ra do Coramercio44
MARTIMOS
United States and Brazil
M. S. S. C. J.
Ovapor Advanee
B' esperado dos portos Jo
norte at o.dia de Mar-
go o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
Baha. Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encouiraendas e di-
aneiro a frete : trata-se com os aGE.YTES.
O vapor Allianca
E' esperado dos portos do
sul]at o dia 28 de Feverei-
ro o qual depois da demo-
ra necessaria seguir
I para o
aranho. Para, Barbado, S.
Thomaz e Xew-Vork
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiroa frete : trata-se com os
AGEOTES
Henry Forster & C.
, 8Rua do Commercio8
1* andar
LEILOES
Qumta feira 14, de ve ler lugar o leilo das
duas casas Ja ra do-Conde da Boa-Vista ns. 68
e 70, bem como as duas raeia-aguas do Caes de Da casa
Capinaribe ns 5 e 7.
Terceiro e ultimo leilo
das duas casas da ra do Coode da Boa-Vista
ns. 68 e 70, outr*ora Caminho Novo, edificadas
i'iu chaos proprios e rendem 500*000 cada urna
servindo de base a offerta de 3:600* por cada
urna.
tuinta-feira 11 do corrate
A's 11 horas
Agente Pinto
Rita Mrquez de Olinda n. 52
Agente Silveira
Secundo leilo
No
O agente Silveira,
CHARGEURS REUNS
Com panilla Francema
DE
NavegacSo a Tapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos.
O VAPOR
Villede Bahia
Commandante Houx
E'esperado da Europa at o dia 18
de Fevereiro. seguindo depois da in-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se-aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualquer reclamacSo concernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
sul afim de se poder dar a tempo as provi-
dencias necessanas.
Expirado o referido prazo a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o
te Liilrl:'
RA DO COMMERCIO
I e i inobiiias de Jacaranda, com tampo de
pedra, 1 espelho deurado, quadros, langas para
cortinados, escarradeiras, serpentinas, jarros,
relogio de parede, tapetes para sof e porta, ca-
mas,'marquezOes, guarda vestido, guarda roupa,
commoda. cabides, guarda louca, mesa clstica,
cadeiras de junco, ditas de balauco, mesa para
escripiorio, bancas para jogo, thear, apparelhos
para almoco e jantar, copos, clices garrafas,
compoteiras, talheres, banheiro e muitos outros
objectos que foram transportados para o 2 andar
do sobrado ra Mrquez de Olinda n. 51. \
Quinta-feira, 14 do corrente, as 11 horas
Seni reserva de preco
POR INTERVENgAO DO AGENTE
f^usmo
9
Augystc
9
Vapores nacionaes
EMPREZA NORTEE SUL
Santos, Rio Grande do Sul, Pelotas e
Porto Alegre
O vapor Arlindo
E" esperado dos portos do sul.
no dki'16 do corrente e seguir
garr os portos cima indicados
depois de pequea demora.
Recebe carga, encommendas c pssageiros a
tratar com os
CONSIGNATARIOS
Pereira Carneiro &C.
6RA DO COMMERCIO6
1- andar
Leilo
das duas u.ei'aguas do caes do Capibaribe ns. '>
e 7, ,i- quaes re'nlem 12CW900 cada urna.
Qiiiuta-fclra 1-1 d correte
A's 11 horas
Agente Pinto
Ra Mrquez de Olinda n. 6
Leilo
Da arelo goacroe do estabelecimenlo de
mol hados a* Praca do Conde d'Eu n. 18.
agente Britio, autorisado pelo dono que s
vende por se achar doente, e ter de retirar-so,
far leilo 4o seguinte : urna armaco e utencia
los, 1 iiteiro de amarello en vid meado, 1 cofre
de Milners pro va de fogo, 1 carteira, 1 balanya
decimal, 1 repartimento para escriptorio e gran-
de sortimento de gneros de moldados En) se-
guida vender mais alguns movis.
Quinta-feira, 14 do^corrente
As 10 e 1,2 horas
Leilo
terrea a ra dos Pescadores n.
24, em terreno foreiro
*abbado Ittdo correte
A's 11 horas
rmairiu u ra do Imperador
n. l."i
a, por mandado e com
Sr. Dr. ti
phos e a requerimiento do inventariarte d Ka-
noel Jos Monteiro da Franca, levar a leilo a
referida casa.
Grande leilo
Pe importantes movis austracos e dourados,
piano, linos erystaes, porcelanas, electro-
pate, forros de tapetes, alcatifas e esteiras,
plantas, tivm de cozinha e ferraaientas para
jardim.
Tcrca-feira, 19 do corrente
. A's 10 e 1/2 horas
No Io e 2o andares do sobrado sito ao largo da
Santa Cruz n...
Constando :
De 1 rica mobilia austraca, com 12 cadeiras
de guarnico, 6 ditas de bracos. 1 sof e 2 dun
querques, 1 importante piano, novo de Pleyer,
cadeiras para dito, capa para dito, estante para
msica, etageres com jarros, 8 jarros grandes,
jardineiras cora jarros e flores artificiaos, mesa
para centro de sala, almofadas para sof, tapetes
pura forro de sala, 1 rica mobilia dourda, im-
portantes guarda louca e aparador com espelhos
le pedra.aparadores con; pedra, mesa elstica,
'cadeiras austracas de espaldar, ditas de ditas
com meio bracos, apparelhos de porcelana para
almoco e janta-, dito de.electro-pate paraaluio-
co, importante fuqueiro de electro-plate e mat-
ura completo, para 36 talheres. copos, clices,
garrafas, compoteiras, ludo de finos crystaes,
treiis de cosiiiha, plantas e muitos outros objec-
tos que sero descriptos em catlogos.
O agente Gusmo, autorisado pela Exma. Sra.
Viscondessa de Raqui do Norte, far leilo dos
ricos movis que ornam a sua residencia sita ao
largo da Santa Cruz n...
AVISOS DIVERSOS
Leilo
Aluga se casas a 8*000 no becco dos Coe-
Irjos, junto de S. Goncallo; a tratar na ra da
Impcratriz n. 36.
la Sde Fevereiro e depois da de
ra mdispensavel seguir para os
Companhia Brasil eir de
Navegacao Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Alago as
Commandante Joao Mara Pessoa
E' esperado dos portos do sul at o
dia 17 de Fevereiro e seguindo depois
'da demora indispensavel para os
'iwrtos do norte, ate Manos.
As iiicoinmendas sao receidas na agencia
at-1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens c valo-
res tratase com os
f
PORTOS DO SUL
, O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperadodos portos do norte at
odia
Imora
'portos do sul
Recebe tambera car^a para Santos, Santa r...-
tharina, Pelotas, Porto Alegre e Rio (raudo do
Sul, frete mdico
As encommendas s sero recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com 03 AGENTES.
Pereira Carneiro & C.
6^=Rua do Commei-cio=6
1* andar
Rojal Mai I Steam Packet
Companhia
O vapor Neva
Comn/iandante G. M. Hicks
Espera-se da Europa at o dia 16 de
ii-.i. stLuindo depois da demo-
rru do costme para
Baha. Kio de Janeiro. Monle-
' video v Bnenos-Ayres
Para ^{retese encommendas trata-
im os A.ENTES.
De 6 classes. 6 carteiras, 6 ca*nas de ferro, 2
guarda toncas e movis proprios para collegio e
urna cama antiga.
lu nta-felra. 14 do correte
A's 11 horas
Agente Pinto
A'o armazem rita Mrquez de Olinda
n. 52
Por occasio do leilo de predios.
Agente Pestaa
Leilo
De movis, loucas e vidros
fcrxlft-feira 1S do corrente
A's 11 hiras em ponto
No 1.* aartar rua da Petiha n. 2."i
O agente Pestaa autorisado pela Illm. Sra. D.
Leodovina da Silva Campello fara leilo dos mo-
vis ahaixo declarados:
Urna mobilia da excellepte raadeira loiticica.
composta de 12 cadeiras de guarnico, i cora bra-
cos, i com balaucos,4 sof e 2 consolos cora pe-
dra, 1 espelho donrado grande, 4 jarros, 2 escar-
radeiras. I eandieiro a gaz. 4 quadros. 4 lanter-
nas, 1 relogio de-cima de mesa, 1 cama de ama
relio, raeia commoda de dito, 1 marquezo es
Ireito. 1 cama pan tn mino. 1 betr), 1 bidet, 1
cadeira com balanco. 1 mesa elstica cora4ta-
boas. 12 cadeiras de amarello, 1 sola, t aparado
res, 1 quarlinheira, 2 cadeiras de abrir, 1 ean-
dieiro a gaz e um registro. 1 aparelho de almoco,
um dito de janlar, 12 copos, 12 clices, garrafas,
talheres, aaprteiras e outros muitos objectos
que .estn presente a vista dos Srs. compradores.
Agente Stepple
.EILAO
De um iniport.inte terrena para
M'Odio
^c\a-felra 5 de rever!ro
As 11 horas
\o ama/en ra do impera
dor n. :tt
O agunte Stepple competentemenie autorisa-
do, levar a leilo um importante terreno com
frente para a ra 7 de Setembro, freguezia da
Boa-Vista com portao de Ierro na frente, com
14 metros e 20 centmetros, e de comprimento
at onde chega o muro do quintal da casa n.
50 da ra do Hospicio, -tendo 40 metro* e 60
centiuietros.
Os -rs. pn-tentlentes poilem desde j examinar
o terreno, e alguma informaco o mesro agen-
te dar.
- luga-se o pavimento terreo do sobrado n.
46 run ua Roda, estando o mesmo raiado, pin-
tado e todo ladrilhado de novo, contendo 1 sala.
2 quartos c cosiuha ; a tratar na ra do Cabug
n. 16, loja. ___
Aluga-se urna boa sala para escriptorio,
na praca do Corpo Santo ; a tratar no escripto-
rio de Julio Irmo. ________
Prcsa m de nm mogo babi, com pra-
tica de meivearia, que d fiador $ua conducta,
para case commercial a retalh nesta cidade ; a
trata i- na ra larga do Rosario n. 14.
- Precisa-se de urna ama para cosiihar; na
praca da ssembla armazem n. 13.
frecisa-ee d'umaama para comprar e codnkf
no2andar do Largo doCarmo n. 16.
Ao commercio
O ahaixo assignado participa ao corpo com-
mercial que deixou de ser interessado no seu
estabelecimenlo de raolhados que gyrava sob a
firma de Goncalves Dias & Motta, sito ra
Mrquez do Herval n.29, o Sr. Fortunato Pinto
da Motta. o qual nao tera gerencia alguma desde
28 de Janeiro prximo passado ; quem se julgar
credor da dita firma aprsente suas coritas ra
Coronel >uassuna n. lo. Recifc, 14 de Feverei-
ro de 1889.
Jos Gonc. Ivs Dias,
amburgo
Nova
Bailes Phantazia
Pelo Carnaval
Approximando-se a epocha do carnaval
Nova Hamburgo aviza ao respeitavel publico
que no presente anno como nos precedentes,
terSo lugar com o niaior brilhantisino os bai-
les fantaziados que este grande c bem mon-
tado es tabelec i ment industrial custnma fa-
cultar ao generoso povo pernambucano para
o que desde j se trata da ornamentagan
do garrido theatro de Variedades existen-
te no recinto da fabrica bem corno dos
arranjos dos magniticos terracos pavilh3es
e gardins. Collocada a Nova Hamburgo
no centro desta cidade pudendo sera es-
forco as grandes camnhadas ser vizi-
tada a cada instante pelos amantes da fo-
lia e pelos que buscam narcotizar o tedio
implantado no espirito pelas oceupagoes
pesadas ; tendo em seu favor a agrada-
bilidade de structura e proporcocs que a
torna preferida as quatro noites consa-
gradas muza alegre dos devenidos de
esperar, mesmo admissivel contar com
a frequencia que se ha notado as epo-
chas anteriores em que a boa ordem do
servico interno ha perfeitamente correspon-
dido ao espirito ordeiro espansivo e so-
ciavel da nobre populacao desta teneza.
Peitor
Precisa-se de um feitor para tomar coate de
um sitio : a tratar na ru-- uoVigario n. i;t.
Apolice provincial
Havendo-se desencaminhado do poder do
abaixo assignado una apolice provincial n. 279
da 2. sene, do valor ue 500*000 e juros de 7
0/0, pertencente ao menor Mario, filbo do Sr.
Dr. Jvndr Cavalcante de Albuquerqoe, faz se
pubfio o facto, para rins coovenieiites.
Recife. 7 de Fevereiro rf 1889.
Joaquim Duarle Campos.
Pao centeio
Mille 4 Biset. avisam ao respeitavel publico
que todas as tercas e sextas-feiras, tera este s;>-
boroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Criado
Precisa-se de um criado de 14 a 16 airaos : na
ru Imperial n, 17.
Gosinhera
Precisa-se de urna
Conde d'Eu n. 32. 2
boa cosinheira
andar.
ua praca
Aluga-se
um boin
Leilo
O
Elbe
vapor
C a m i dan te A rmstr ong
s. Vi

L
lerado do Mil nO dia 17 di- Fe-
do depois da demora
.
na, Vigo, Southampton e
Antuerpia
'le pnssayisns
Mu
yti i -y
De movis, loucas, 1 piano de Pieyel, 1 boni-
ta iiiohilia de junco cora encost de palba, com
12 cadenas de guarmeio, 2 litas de bracos, 2
dita.-' de halanco, 2 consol os com pedra, 1 sof
e jardiuena, 1 piano de Pieyel, 1 cadeira para o
mesmo, 1 espelho, jarros, 1 guarda vestidos de
amarello, 1 Cama franceza, 1 lavatorio.! bidet
com pedra, 1 machina de costura, 1 relegiode
parede, caudieiros, quadros e passariahos, 1
mesa elstica de 3 taboas, 1 guarda louca. 1
aparador, 12 cadeiras de junco, 1 cama para
manca, 1 banquinha, louca de jantar, dita de al-
moco. copos, garrafas, colheres e muitos outros
movis que sero vendidos.
Ao correr do martello
Nexta>feira 1A do correle
A's 11 horas
Ni (asa de Azulejo n. 48"da ra do Padre Flo-
riano
0agento Martin.- Gara leilo |nr ordem de una
familia que se retimu para fra da eidade dos
movei- v raais atojei tos a dita casa
I
Leilo
lv diverou (hiriaa de Relies debezerro mixto,
chou e carueii.is. grasas de brinco, peores
para /aspa, espeto s p:'((neiKis. tezourae linas,
e-'i>va-- para ravillo, redora de papel pautado,
. i...itTiniios. toi'lbaa para ro^io.deeperUlUores,
movis, louca vidros j pan floros.es-
neihos. fazendas 1 diversas qualidadea de be
Indag;.
lo DO CORRENTE
A's Jl h.rus
\ armazem deOliiMla n. 49
Por int ;:te
Gusi^o
,0 sobrado na ra Baro de S. Borj n. 26, com
commodos para numerosa familia ; a tratar na
ra da Aurora n. .>5.
Accoes entre irmos
De brilhante, mobilia, guarda-vestido,' guar-
da louca e mesa elstica, corre impretcrivclmen-
te com" a ultima lotera de 60:000*000 do Gro-
i'ar. que seextrahir ste mea, confrmesele
as mesmas accoes; outrosim. pede-se aos ca-
vaileiros que se dignarain acceital as o obsequio
de mandar satisfazel as.
Roe. #. *
A <*<': ;:'. CIO
Jos- de Almeida C. fazern sciente ao publico
3ue nesta data tem comprado o estabelecimenlo
e raolhados a ra Conde da Boa-Vista n 79.
livre e desembaracado, aos Srs. Joaquim Ferrei-
ra & C. Recife. 4 de Fevereiro de 1889.
Jos de Almeida 4 C.
Precisa se de urna excellente cosinheira que
queira ir para o Para ; a tratar na ra larga do
Rosario n. 26.
Atteiico
Do enjenho S. Bento fre-
guezia da Luz comarca de
Pao d'Alho urtaram no dia
16 de Janeiro u m ca vallo rus-
gocom urna rotura na barriga
e em cima da anca o nome S.
Bento. Paga-se bem a quem
o levar ao referido eo^enho
e todos os animaes que tive-
rem este nome de er. gento
na anca podem lomar que o
dono nem vende ftem I roca.
Peiloral tic Cambar
Amorim frmaos & C,
scientificam ao corpo com-
mercial, que o Sr. Antonio
Augusto Bezerra de Mene-
zes deixou de ser seu em-
pregado.
Professora
Urna senhora compHtenteiuente habilitada,
prope-sea leccionar era collegios e casas par-
ticulares as seguintes materias : portuguez,
francez. musici f piano : a tratar na ra Vis-
conde de Albuquerque n, 20.
Velocidade
Quem deve venha pagar at o fim deste mez,
para poder correr antes do dia j annunciado no
Diario de ante-honlem ; pois os que nao o fi-
zerem nao recebeio os premios, cujos nmeros
esto em poder do dono da rifa.
Ao commercio e ao publico
Rodrigues 4 C, julgam nada dever, mas no
caso de alguem se julgar seu credor queira
apresentar suas contas no prazo improrogavel
de 3 dias a contar da presente, na ra do Vis-
conde de Goyanna n. 45.
Recife, 11 de Fevereiro de 1889.
A.Uenc,o
Precisa-se alugar um sitio que tenha comnio-
dos para ter vaccas de leite, baixa de capim. e
que seja enllocado as iiroximidades das linhas
de ferro e bonds ; a tratar na raa da Aurora n.
81, 2- andar.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 16 annos,
que tenba pratica de (averna e d liador de sua
conducta ; na ra do Motocolomb n. 65, Afo-
gados.
Precisa-ve
de urna menina de 12 airaos para entreter
urna crianya de dous anuos; a tratar a ra do
Cotovello n. 34.
Precisa-se
De um menino de 12 a 14 annos de idade.
para distribuir uns folbetos : a tratar ra do
Cotovello n. 34.
Cosinheira
Precisa se de urna ama que cosinhe bem ; noJl
terceiro andar do predio n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da typograpbia do Diario.
Typogaphia e Lithographia
FABRICA DE LIVROS DE ESCRIPTU
RAgO
Premiada as exposices dr
1889 e 1885
Manuel J. de Miranda
Encadernaco e especialidades era cartes #
visitas.
3!I-Kua Duque de Caxias7.!
Telephonen. 194.
laulellas do Jenle de Sdccorr<
VENDAS
Wnde-se leite de vaccas da trra, puro, 3
320 rs. a garrafa, garantindo se a boaquididade
aos freguezs que o comprar nesta casa. Os
fregnezes encontraro o leite das 5 s 7 horas
da manha, e tambera nos encarregamos de man-
dar levar em casa de qualquer fregnez : na rtia
do Rangel n. 53. '
Vende-se cal nova de Lisboa
dro Alfonso ns. 39 e 41.
na ra Pe
__
Vende-se urna taverna bem afreguezada
no bairro da Boa-Vista : a tratar na ra da Im-
peratriz n. 85.
yende-se urna machina".'"de forca de 10"ca-
vaiio : a tratar na ra nova de Santa Rita nu-
mero 71.
Telegramma
Vejam e admirem!
S o 55 ra Duque de Caxias pode
vender pelos presos que abaixo mencio-
namos.
Amor da China, novidade em padroes, a
200 rs. o covado.
Fu8tf!es branco8 a 3G0 e 500 rs. o co-
iilo.
Vclltiitinas de todas as cores a 800 rs. O
invado. E* barato!
Cpf... os (; capas para senhoras, o que
na de mais novo e barato.
Cortes de seda, padroes lindos e prejos
iTtzoave. .
MadapolSo cora 1 metro de largura a
ii-s a peca.
Zafiros h 80, 170, 200, 24V e 100 rs.
o covado.
Ditos bordados a 800 rs. o covado.
Teeolos arrendados a 400 e 500 rs. o
covado.
Hrins d cores n 32t' rs. covado.
(''rlilliolos ile crochet, e, n-;i eo:c
Compra-se cautellas do Monte de Soccorro o .)rcC(, !>arato.
Cambraia Victoria i 2rSXi!>ii peen.
Dita batista i 12U r.-. o covado.
qualqner joia, brilhantes e relogios; paga-
bem na Praca da Independencia n. 22, loja rti
relojoeiro.
Carolos de algodo
Compra-se carosos de algodo ensaccados, e
treges nos armazens, ra do Baro do Trium-
pho ns. 10, 12 e 14 ; ao preco de 380 ris po? t"
Kilos.
Criado
Precisa-se de um de 13 a 15 annos, a tra-
tar na typographia do Diario de ternum-
buco, 3. andar, ra Duque de Caxias
n. 42.
Ensino particular
O professor Joaquim Elias de Albuquerque
Reg Banos, ra da Conceico n. 27, ensina,
quer ou nao, pelas casas, .as seguintes materias,
depois das 3 horas da tarde : portuguez, latim,
arithmetica, geographia, historia e geometra.
t
V
t'ABlUCA
DE VIDROS
11 Ra d Aurora 13*
Expoe venda em gxopso
e a retalho os productos d
seu fabrico: sendo
Copos com e sem p*, diti >-
com aza para cerveja, cli-
ces, globos, chamins. frasco-
para botica etc. etc.
Presos sem competencia
I liomasia I niliilinii dt* l.imn
< S
Jos Antonio da Costa e S, padre Jos Affonso
de Lima e S, Esequiel de Lima e Neomisia
de S GuimarSes, Dr. Jos Anaslacio da Silva
Guimares, Maria Neomisia da Silva Guimares
Jos Paulino da Silva Guimares, Francisca Apo-
loma da Sil va Guimares, Argentina Rosala da
Silva Guimares, Emygdio Affonso da Silva Gui-
mares, marido, lilhos, genro e netos, pungidos
da mais acerba dr pelo fallecimenlo de sua
mulher, mi, sogra eav, Thomasia Umbeliua de
Lima e S, agradecem cordialmente a todas as
pessoas que se dignaram acompanhar os restos
mortaes da tinada ao cemiteiio publico, e im-
ploram a caridade de irem assistir as missas de
stimo dia que pelo repouso eterno de sua alma
sero celebrad*8 s 8 horas da raanh de lo do
corrente. na igreja de N. S. da Conceico da
Coigrenaguo.
t
.'anciM-a Candida dow Sanios
Ricardo Pantaleao da Cmara Santiago, Can-
dida Ra ia dos Pnizeres, Justino Manoel dos San
tos, Jos Francisco da Cmara Santiago. Phila-
delplia i hilon.ena da Cmara Santiago e. Maria
Francisca da Cmara Carneiro. peuhoradissimos
agradecem do intimo d alia a lodos os amigos e
prenles que se dignaram de acompanhar ao ce-
milerio publico os restos moilaes de sua preza-
da tilha, mi e irrai, Francisca Candna dos
Santos ; e de novo os convidan) para assistirera
a missa do stimo da. que ter lugar na igreja
matriz de Atogados, no sabbado 16 do corrente,
s 8 horas da manh.
i ii :T:-'*mx^2*j^^s-azsc2a
Caixeiro
as:i Emilia da l'oiinet'a Oliveira
Ameba de Oliveira. Antonia de Oliveira, Fran-
cisca de Oliveira. Emilia de Oliveira, Maria de
Oliveira. Octaviano Wanderley Lins, sua mulher
e filhos Francisco das hagas Oliveira e lilhos
convidan! as pessoas de.sua amizade para no
Precisase de mu (aixeiru de 12 a 14 anuos com jia 14 do correte, s 8 horas da manh, assis-
pratica de taverna. a ra Augusta n. 3oS.
Tralameiiio radical em o dias
DAS
Jos
o:
.-se
ReB
com
arente na imposta na
irocede./tvs do
'itaiii
icoiniuendas, trata-se
Aiaorim Irmos & C.
iRua do Bom JessN. i
Leilo
d? uma terca parte ombai
sabbado 1 do corrente
; ORAS
Agenl:^ Pinto
Kufl Marque? .le Olinda a. 52
Em coiitinuaeao
i 11
De differeutesobjecto: ua por lega
Alvabes de SorzA. Soases
De Patttl
Approvado pela Exma. Junta Centra'
de Hygiene Publica, autorisado pelo Go
verno Imperial e preiiado c-^in duas me-
dalhas do ouro de I.'classe.
O PEITORAL e cambar cura perfeita-
mente a bronchite aguda ou chnmica ;
0 peitobal. DE TAMBAR cura avistiim'a
por mais antiga que Be
O PEITOBAL DF. CAM1IAB eura de Ulna
forma admiravel qualquer rouqaill
perda de voz ;
O peitobal de cambaba cura incontes
tavelment6 o tysic.
O PEITOBAL DE CA MISAR Cura a- tos,
simples, as defluxoes t".ofaci! e rap! lamer-
te que ao proprio doente cansa attnJrs
i;to.
Este iupi>rtante* medicamento vend.
a 2iJ500 o frasco, 130000 1/2 duzia e
244000 a duzia, um casa dos agentes e
depositarios ge raes.
Francisco- Mano
23 Rua Mac
BLENOHRHAilA? AGUDAS
GHRONI^AS
(VULGO PURGAgO)
DO HOHEH OU DA MI I.III II
E da leucorrhn ou Jloreji brancas
Huas Resino -Balsmicas
E
InjeiTo Aiili-l)l('iiorrliaj;icii
PREPARADOS POR CALASANS & C.
VVA.'DK 1. 8 APJPBOVADOS l'ELA
INSPECTORtA EBAL DE HYGIENE
Lima serie de l>rlliante.s e inniiineras ex-
periencir.s. coreadas sempre de bom xito
durante dez annos, assignala a estes dous
medicamentos, usados com a dieta e dosa-
gens proscriptas, o primeiro lugar entre os
medicamentos* estndados e preconisados
ji- i-a curar estas terrivi'is molestia-.
As pilulas sao supportadas pelo estoma-
go o mais delicado, pois que ellas nto im-
pedem nem difficultam as funches deste
orgBd.
A inj'. '.;a" auti-bleii' i'rlwgica nao i ab
solotamente irritante e por isso n&o tem o
;i .miente das actualmente empregadas
i j. "luz estreitamen:
Nao publicamos o grande numero de
sartae, altestados e agradecioMatos que te-
mos rebebido para u9 ofoadet tum oosso*
clientes, muitos"dos quaes sao pessoas limi-
to coneoidas e altamente epil**eai
Eni;^ 0 Brtigo de tuilot part-
calar excellante pirervativn .
tas.
.Moiiiti'-a e fez desappareeer 'in eiieiio
is
Preparados pijr Galasans & C, Phar-
Imperial, Babia.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C, nyi
Mrquez de Olinda n. "?3.
tirem a uiissa que por alma de sua prezada mi,
sogra e av mandara celebrar na matriz de San-
to Antonio, stimo dia de seu falleeimento.
t
Howu Kniilia da i ons jt Olii elra
O bacharel Francisco Augusto da Fonsi;ca e
Silva, sua mulhor B filhos convidan, as pessoas
de sua amizade para assistirera a missa que por
alma de sua prezada irin, (unhada e ta, Rosa
Emilia da Fonseca Oliveira mandam celebrar na
matriz de Santo Antonio, no dia 14 do corrente,
s 8 horas da manh, stimo dia de seu falleei-
mento. ______
i
Teiieiuc Pedro Rjsnanl
A directora do IustUuto > itteraro Olindense
por si e por todos os a.-.-orados manda celebrar
urna missa, sabbado 16 do corrente. s 7 horas
da manha, na igreja d*> Bom-Fim em Olinda.
pela alma do inditoso lente Pedro Rygaari, 1
Vecietario da socieddde: para ;ssispra
acto de religiSo ecarida-ie convida fcm>i
aos a un os do mesmo Tinado. '
Amelia d* Azeiedu tevea
i." anniversario
Antonio d.i Silva N me lilhos
aos seos prenles jsistiram as
missas qu i c: i idaiu >-"l brar h-rea feira IV 'io
eorrenie. as 8 hon.s da manh, mvigreja o
convento de S. Fraucisco. pelo eU-rno repouso
d'alina de fila carissiina esposa e mi. i !
versara de seu infausto passnmec
se coufeisam asradec lo-.
wmmmmmmmmmmmimmMsaisma
l'raiicioin C'aiixiidu las -.itiilo-.
Antonio J -1: -1 o Marques. Justino M,
Santos. Krancis.-a Tberea dos San:.
Manoel dos Sitcs Araujo, sob a dol.
So do passamenlo de sua sobriiih :
emulada, Francisca andida dosSanto.-. con vi-1
dara a de sua araiade para assi-tireai
as missas que mandam reza' pela s. a alma na
matriz de Afogados. no dia 16 do cnente.
las 7 1.2 horas da stimo d
falleciinen;
^uumm ni ii i HfmfmfjSKtmmmmm
Sargelins de todas as cores a 200 rs. o
covado.
Guardanapos bons a 1>800 a duzia.
Las modernas a 240, 280 c 320 rs. o
covado.
Rendas hespanbolas a 25 o metro.
Luvas de seda a 2$ e 3 o par.
Espartilhos couraga a 4, 5$ e 6(5 nm.
Merinos pretos e de cores, urna varie-
dade immensa em precos e qualidades.
Setns de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Toalhas felpudas, grande reducco em
preeos em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisados o que lia de
mais moderno e por pouco precio, 10)5000.
Colchas de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem collarinho.
Atoalhado para mesa a 1;> e 1&800
muito fino.
Collarinhos e ptmhos de linho e algpdSo
e por preo barato.
Babados e entremeios, grande sorti-
mento.
Madapolao pelle de ovo por 6;) a pe9a.
Esgiiio pardo e chumbado a 400 rs. o
covado.
Urna gran do variedade ern lencos.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para cubera o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a ">) urna.
Loques de setim muito chic.
Linn bordado com quadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas scuras e claras a 240, 280 e
320 rs. o covado.
Cretones trancados, finos, a 320 rs. o
covado, para acabar.
Casemiras de cores e pretas um grande
sortimento em qualidades e precos.
Casinetas, o que ha de mais bonito, a
400 e 500 rs. o covado.
Tapetes grandes e pequeos por prejos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a 1(5600 o me-
tro.
Brins pardos a 32o, 400 e 500 rs. o
covado.
Cortes de vestido de cachemira com vi-
drilho o que ha de gosto.
Ditos de linn para vestidos bordados.
E barato.
Cambraia branca, bordada, que ha de
mais gosto e por preco razcavel a 3(5000 a
pea.
Dita com salpicos a4e 50)() a peca.
Colchas argentinas a 6$;500 urna.
Ditas de 2(5, 3d, 4 e 50000.
Bramantes de algodSo e linho
OS procos.
Grande, sortimento em fich.-
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas e leques para noivas.
Bicos de cores muito chic.
Alm do que acabamos de annunciar,
temos urna quantidade de artigos que s
vtndo-se, se acredita, pelo que pedem. que
comparecam.
DSo-se amostras sem penhor.
Setinetas lisas de todas as cores a 400
es. o covado. Sao muito largas.
Roupa feita e por medida. .
55-RUA DUQUE DE CAXIAS 55
FER.\AM)ES1)EAZEVED0AC,
de' todos
de cores
Doce sece de-caj su-
perior
Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
proco couimcJ : na rua do Bom Jesus n.iib,
armazem.
Taverna1
Ven i. -.-c urna taverna na rua di
lo it. 11. propria ara principiante, o motn i
da venda se dir ao compri dir.
Assucar ri inado
Os reliiiadores desi ao publico
So ia Ti.! rt di.uil
s refinados > rao
Quintes :
Pri-|..-ir:i 1^ /
!
FAZ EN 11A8 JPKATJKABAS
?nnn ?Ea?2CS ISoXInfiZADOS
'Aos tiles?, do ciinuxiil
>o. t'hihs internacional. Cario*
iome.t 'mue
VEN I.
L^ja Mis sto 4aii
Da-scanioslras.

'
E -"-
T



Diario de Pernambuco-*-Quinta-fetra 14 de Ferereiro de 1889
- ..- ______

REPUCCO DE PRECOS
2HlUK)CKiiSPIl-2l
OLVEIKA CAMPOS & 0. tendo de reoeber bre-
veniente um sortimento de artigosnovos de atanovidade, resolveram
fazer urna grande reduc$o nos presos dos artig-os abaixo menciona-
t
r
dosj para os quaes chamam a attenc,o das suas Exmas. freguezas.
Mantas hespanholas, de seda preta 3#000 urna.
Espartilhos, o que ha de melhor, de 40000, 5^00, 6,5000
70000 mn.
Fichs de cor arrendados, de lOOO um.
Linhos para vestido padrees modernos a 160 rs. o covado.
Cre.tones francezes. cores claras, a 260 rs. o dito.
/ Merinos de cores, duas larguras, a 500 rs. o dito.
Ditos de cores, lavrados, de 2|J000 a 10000 o dito.
Las de cores, desenhoa de cachemira, de 900 a 600 re. o dito.
Merino de quadros de 320 rs. o dito.
Fustao branco de 400 e 500 rs. o dito.
Mwsolinu branca para casacos u 500 re. o dito
Zephir de cor, listas e quadros a 500 re. o dito.
Ditos arrendados, lindos gostos, a 600 re. o dito.
Ditos de listas arrendados, alta novidade, a 800 rs. o dito.
Etomines arrendados, de cores, de 800 a 500 re. o dito.
Flor de Italia em quadrinhos, a 500 re. de 900 rs.
Mnrsolmas de cor, de listas, a 400 re. o dito.
Cortes de cambraia bordados transparente e tapado, de 150000
e 20^000 por 90000 e 120000 cada um.
Linio. padr3es em quadros, a 440 rs. o covado.
Nanzukes padroes mimoses, de 280 rs. o dito.
Percales miudinha se pannos finos, a 200 rs. o dito.
Merino preto fino, de 20000 a 10000 o covado.
Setim Maco de todas cores, a 900 re. o dito.
Brins fino pardo para vestido, a 400 re. o covado.
Cambraia Victoria transparente, fina, a 30000 a peca.
Capinhas hespanholas de cor a 20000 urna.
Fichs de seda, muito lindos, a 30000 um.
Sargelim diagonal, todas as cores, a 240 re. o covado.
Casacos de cambraia branca bordados, a 30000 c 4000 um.
Luvas de seda, todos os tamanhoa, de 20000 a 30000 o par.
Lences de linho do Porto, a 40000 um.
Ditos grandes para cama francezaj a 60000 um.
Colchas de c6r, de 20000 a 50000 urna.
Fichs, sortimento completo, de 20000 a 60000 um.
Lencos de linho com barrinha a 20000 urna duzia.
Camisas francezas, de 240000 e 360000 a duzia.
Meias cras para homen, de 40000, 50000 e 60000 a duzia.
Ditas brancas cras e de cores para senhoras.
Ditas brancas cras e de cores para enancas.
Chambres de cretone, de 50000 e 60000 um.
Cortes de casemira de. cor, de 60000 a 80000 um.
Cortes de fustlo para collete, de 10000, 10500 e 20000 um.
Camisas inglesas de franella, la pura, a 50000 urna.
Alm de outros artigos que deixamos de mencionar.
REI/)J()ARA
-A autiga e bem acreditada oflicina derelojoei-
ro, sita ra Primeiro de Marco n. 4, acalia de
ser transferida para a rito Larga do Roba-
rlo ii. 17 .
0 seu proprletario, tendoum completo e muito
bom sortimento de aviamentos tendentes a sua
arte e com urna longa pratica da inesma, offerece-
se ao publico em geral pa"ra cncarregar-se de
todos concertos de relogios, caixas de msica,
etc., etc.
Espera continuar a merecer a conlanca de
seus freguezes e assegura-lhes que ser setnpre
solicito no cumplimento de suas oraens.
42Ra Larga do Rosario 42
Gustavo Vollichard
Para oDerby
Carlos 8mden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de- cores proprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por precos sem competencia.
Recebeu tambem collarinhos e poakot
de borracha de formatos novos.
48RA KA KA ( DA VICTORIA -48
Architectura
Andr Rouipckc prepara, guarnecidos de io-
das as cores, garantindo a conservacio das mes-
mas, tanto para o exterior romo interior de edi-
ficios ; os pretendentes podero deixar suas or
dens na mercearia a ra da Imperatriz n. 2.
.---*
O Vigor
do'
Cabello
do
Dr. Ayer.
Preparado Sob
Bases Scientiftcas
'f Physiolotricas.
parto o
Toucador
^jSico ORIEj^
21Ra do Crespo21
NAO SE DAO AMOSTRAS
Professora de piano
lima senhora habilitada, nao so pelo sen es-
tudo, como tambem pela pratica, offerece-se a
ensinar piano por precos modic quer em ca-
sas particulares quer em collegios, podendo ser
procurada para o exercicio de sua profisso na
ra do Jasmim n. 39.
Cosinheira
Precisa-se de urna ama para cosinhar
tar na ra do Livramento u. 1.
a tra-
Precisa-se de urna
numero 137.
Cosinheira
cosinheira : n ra Velha
Cozinheiro
Precisa-se de um cosinheiro
do laysand n. 19.
a tratar na na
58 Ra Duque de Caxias-58
GRANDE LlQUIDAr
5
Principia na segunda-feira, de todos os artigos que
ficaram de saldo do balanco do anno prximo passado,
vendendo-se por metade do seu valor.
Grande quantidade de retalhos de algodaosinho,,
madapolao, chitas, seda, setim, etc., etc.
56 e 58Ra Duque de Caxias -56 e 58
|Xa:03Nr3S sxo
PHEGl SEM COMPETENCIA
A' ra Primeiro de Maree n. 20
Junio do Lonvre
Atoalnado bordado a 1(5200 o metro. Fichs de mallia a 2(5000 um.
0 Vigor do Caballo
Do Dr. Ayer.
' eon Uflln c frosema da jnver.m-!. ac
i .. lo ffrfaallio <>u brau< o urna rica cor natu-
-.tanho o preto, como hv dsela. IV lo seu
.- i c\ ou rovo i**]*, d.ir-w: ama cor
gtoman ao cab-llo ii::o. cinquanto qu*
*i-m''iite cura a calvicie, porem nem sempre.
'< cabello, estimulando o dbil t>
'nao a cr6Cfr 7poro?amcutc. Reprime o pro-
if-fo < cur% a tlrib:t *: tU9tk\ eomokt (juaM todas as
(rolflum do pericraneo. Como Coiiieti-
-ti i :u- o caly.llu las Senhoras o
lo i.:m rival! n> totntm azeite ou tinta:J
pima, torna o cabello gua\ e. brilhanU; e sotioto na
RSOareneka, < ''ommuniea-lhe um perfume delicado,
sjpomtd c ponnanet.te.
PftEVABADO PELO
OR. J. C. AYER e CA.,
Lowell, Mass., E. U. A.
4" vonda tas principa pharmMUa e dregari
Alu
ara-se
a casa terrea da ra da Palma n. 9, com gran-
de quintal arborisado. com agua p gaz encana-
dos ; a tratar na ra Duau de Caxias n. 47.
PARA O CABELLO.
Augmenta, Aformosea
E FAZ CBESCER O CABELLO
com assombrosa rapidez.
Precisa-se
n. 119.
Criado
de um criado ; na ra da Aurora
Aluga-se
a casa da ra Coronel Suassuna n. 130; a tratar
na ra Marcilio Dias n. 106.
Aos amadores do carnaval
A bem conhecida loja de raiudezasBAZAR
DO RECIFE a ra Mrquez de Olinda n. 11
antiga da Cadeia) recebeu grande sortimento de
mascaras calicatas para homens, senhoras e
crianzas, e grandes colleccOes para clubs e so-
ciedades carnavalescas, vende-se por pregos sem
competencia, quer pequeas ou grandes porcOes.
Val'> n yv^n viit:ir n loja do miuriezasBAZAI
DO HE iPE ::-! -"r ":- ^-mmf9 de
orasenras que tcm vindo ao mprcado. Tambem re-
ceben i ii'lf-iolimenlo c!i- 'i nnsns rl-im
e ou:: .-... 1.,-u.s pruJiioa para o curii-t, iudo
a pri'cosinodico? f ]r. de m'ir!"::ns
do Recifs
X^asar
Ama
Precisa-se de nma ama para o servico domes
tico de casa de familia; a tratar no escriptorio
deste Diarto.
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar e
durma em casa de seu patro, e d fiador sua
conducta : na ra daConcnco n. 4, 1- andar.
LiMiaM pela iufMUru fe Iygiw fe lapri fe iriiii.
f^5]QUINA E FERRO[4S
rIr\ Chlorose, Anemia^Debilidade [o.^
Ciara das Febres
VSUHSST,TUoLDSS0SSIAH HENRY
godo iaAuimimiliihitcimilQvU.&iUcaaiiintictm&Mlt* ^hin-cta.
A (OH* remido, Ifnfej rreparao rto? dous lonirospor excellecia. a Q*
e o i^Er ">.( iie um precioso mollramunto roulra a VlHarame. C*r
i rl'lii !nc;iijn, Flore biinruH. Von*titul?* frncm-, ele.
FA8I&, aaW& FCURWIR, 43, ra d"Aitersra.
Drios.'ar.o- an t>er-nui'-tim : FSAH- M. ''> SILVA k Ca.
1
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidam osseguintes artigos com descont de 14 \ as
vendas em grosso
Bramantes de algodlo superiores, a 800 rs. o metro, 4 largura,
dem de poro linho fazenda de 25200 para acabar a 15500. metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 e 10200 o dito.
Algodlo alvo, nacional, para lences a 50500 a peca.
Madapolao americano, a 30600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Msripozas de cores a 220 rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idem a 120 re. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 re. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 re. o dito,
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dit.
Fichs de renda chics a 10000.
Colchas francesas de corea a 20000 e 40000, rana.
Lences de bramante a 15800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupa de crianca a 10000 e 15800, diagonal, duas
larguras.
Camisas inglezws e francesas a 260000 e 300000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandes, a 140000 um. *
Cortinados ricamente bordados a 50500 e 60000-
Pannos de cores para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 re. o dito. -*
Veludhos de cores o pretos a 900 re. o dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 re. o dito.
Setins de todas as eres a 900 re. o dite. :
Setinetas lavradaa 200 e 240 re. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 re. o dito.
Meias cruas inglezas para homem a 20500 e 30000 a duisia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito
Cortes de easemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de meia casemira a 20000.
Toalhas grandes pare rosto a 40000 a duna.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
E muitos artigos que serio lembrados com apresenca de nossos leitores.
59Ra Duque de Caxiasi<9
LOJA DE
PEREIRA A HAfiALH LES
Alpacas indianas a 320 re. o covado.
Ditas mescladas a 600 re. o covado.
Ditas lavradas a 500 re. o covado.
Batistas finas a 140, 200 e 240 re. o dito.
Brim pardo a 280 e 320 rs. o dito.
Baleias pretas a 260 e cobertas a 500 rs,
a duzia.
Bicos de urna s cor a 20 a peca.
Bramante trancado a 800 re. o metro.
Brins de cores para crianca a 260 re. o
covado.
Bicos matisados a 25500 e 35 a pe9a.
Cumbraias bordadas a 45 a peca.
Cachemiras de quadros a 260 o covado.
Cortes de seda para coleto a 50000.
Ditos de linn em cartao a 70000.
Colchas de damasco a 65000 urna.
Cretones de alsace a 360 fs. o covado.
Cambraia arrendada a 460 rs. o dito.
Cachemira da India a 220 rs. o dito.
Chales adamascados a 25500 um.
Cortinados bordados a 65000 o par.
Colchas de cores a 25 e 25500 urna.
Cortes de casinetas a 15500 um.
Chambres a 45500, 50 e 60000 um.
Cortes de setineta a 60000 um.
Cambraia Victoria a 25900 a peca.
Camisas allemaes a 365000 a duzia.
Cachemira de duas larguras a 800 rs. o
covado. #
Cretones claros a 280 e 320 re. o dito.
Colchas de fustao a 30500 urna.
Camisas do meia a 15000 urna.
Ceroulas de bramante a 155 a duzia.
EsguiSo pardo a 360 e 400 re. o covado.
Esparfilhos couraca a 50000 um.
o covado.
re. o dito.
r.
GRAGEAS
IN.JIECCO!
>C*paMM. Cvttaa I > V 11^**!* n*$m*tn
Mira*, ttfttmtthim. Ir i aanMusO
AiOH4(MAS FORTN, forU m primeir. Tfm obtiTBtsj a aspOTiciofe"
i m*m U>) que apiuiu* Has?teas. Coran oatosUaa f
*l rali tlfeM wmm taUgsur m MUMgot mala aaltM
n wiumiuhi mmm >fifen
Fustlo Branco a 360 e 400 re.
Dito de cor para roupa a 800
Guarnicao de crochet com matizes.
Gazes de cores a 500 rs. o covado.
Guarda-p para homens a 60000.
Grinalda para noiva a 80000.
Guarda p para senhoras a 80000.
Lencos com barra a 20000 a duzia.
Leque a grS-duqueza a 20000 um.
Lencos braacos a 10200 e 20000 a duzia.
Luvas de seda a 20 e 2^500 o par.
Linhos de quadros a 80 rs. o covado.
Las escossezas a 100 rs. o dito.
Linoo de c6res a 500 rs. o dito.
Merino do cores, duas larguras, a 800 re.
o dito.
Meias com pintas, para senhoras, a 800 rs.
Madapolao americano a 6f000 a peca.
Meias para horneas a 30600 a duzia.
Extracto Porte-Veine a 10400.
Popelina branca, de seda, a 800 re. o co-
vado.
Paletots de seda palha a 70500.
Ditos de alpaca preta a 45500.
Panno da costa adamascado.
Pacotes de p de arroz a 500 re.
Percales fi as a 200 e 220 re. o covado.
Koupas para banhos salgados.
Regatas de cores a 15000 urna.
Sabidas de baile a 20000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargelim de cores a 200 re. o covado.
Setim de cores a 800 e 900 re o dito.
Dito do Japao a 240 re. o dito.
Toalhas para rosto a 30600 a duzia.
Ditas para banho a 10400 urna.
Entremeios bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimento de casemira e brins, collarinhos, punbos, leos, toni-
co8,fj bolsas, fichs, lencos, loques e muitos outros artigos.
AMARAL & C
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar em casa
de pouca familia a tratar na ra do Livramento
n.23, 2- andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar para
pequea familia : a tratar na ra Direita n. 64.
segundo andar.
Amas
Na ra do Vigario n. 23, 2- andar, precisa-se
de urna eosinheira e de urna ama secca para
crianca.
Purgativo Julen
CONFEITC VEGETAL, LAXATIVO E REFRIGERANTE
contra PRISO DE VENTRfc
APPROVADO ?ELl T*INTA CENTRAL DE HVGIEI E PUBLICA !>*> BHAZiL
ksist purgativo exclwneamente veqtloX se apresc>iu sob a K.ma 'e um onfe:to ara-
davel, que purs c-. >! stzaviriade sem o miior incommodo. E' adniirave*. contra ao affecfoe*
o ntomwjo e do A'ju io, a ictericia, bilis, pituita, nausea* e gazes. O seu effeilo rpido
benfico na .nxaqueca, quano a oabeca est pese di, > ooium umuiyo, lingHa suja.
falta 6 appetite e a comida rrpugna, as inchages de ventse causadas psr infiatrrmago
intestinal, pois nSo rula os oreaos abdominaes. Zmliru, nas mriestias de pelle. vso "OHvuls-'iet da infancia. O Purgativo Julen resoh-eii o diff'.cil problema de purgar as
oraancus que nao aoceitam purgativo algn, pni o pcrir*n como se fosse vm>t 'astilha
de chocolate sahna 4e confeitaria.
Depo'"o ata Pari. 8. Roa ViTienno, no*, v inoipaes Vr
PRODICTOS ESPECIIS
io IIi-. Cario Hvt encoiirl
APPROVADOS PELA JLTJTA CENTRAL DE
HYGIENE DA CORTE
Sateaparrilha c Caroba
GRANDE DEPURATIVO DO SANGUE
Elixir anti-rbeumatico. anti-syphilitico,empre-
Sado em todas as molestias de* pelle, erysipela.
arthros ou impingeos, bcriberi, anthrazes ou
carbnculos cancros venreos, feridas cance-
rosas, ulceras, gonorrhvas chronicas, boubas.
buboes, escrfulas e todas as* doencas que de
pendem da impun-za io sangue.
Este remedio superior a todos os outros do
3eu genero, o que est provado pela preferencia
e accpitacSo que the d o publico.
Um vidro 31000
Elixir de Junibeba. Quina e
Pegapinto
TNICO febrfugo e desobstruente
Erapregado na debilidade geral, doen^as do
estomago, convalescencas depois do parto, febres
palustres, molestias do flgado e baco, falta de
apetite, anemia, chlorose, cores pallidas oo falta
de sjngw, doencas nervosas.
E* un reconstiluinte de energa, aromtico e
agradavel ao paladar.
Um vidro 3*000
Xarope de Jaramacar com-
posto
GRANDE PEITORAL
Tratamento curativo de todas as molestias do
peito e da garganta, defluxos, tosses simples e
convulsa, coqueluche, constipacCes.asthma, bron-
chite, caturrno chronico e fysica pulmonar e do
larynge.
E' o primeiro peitoral que se conhece at hoje
na medicina.
Um vidro 2*800
A' venda na ra Barao da Victoria n. b\
PhftriHacia Pinta
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, con,
pratica de U annos de proflss3o, apresentande
diversos attestados de bom methodo c comporta
ment, offerece-se para leccionar em rasas par
ticulares, na cidade ou em seus arrabaldes as se-
Untes materias : Portuguez, Francez, Italiano
ieographia, l'iano, trabalhos de agulha, etc.; a
tratar a ra Visconde de Goyanna n. 69 ou em
casa do Regulador da Mannhara larga-do
Rosario n. 9.
A' ra Mrquez de Olitidn n. 11
De Domingos M. Martin
Ao commercio
O abaixo assignado declara ao commercio comprou aos Srs. Dias &' o'seu estabelecimento
demolhados sito ra Larga do Rosario n i.
livre c desembar.icado de qualquer nnns.
Rccife, H de Fcvereiro de 1889. ,
Joaquim Coelho.
Gavallo roubado
(Escada)
Foi hontcm roubado da estribara do Sr. Apo-
lonio Tobas Vieira de Souza, um cavallo rodado,
grande e gordo, bom andador de baixo, meio e
esquipado, faltando-lhe dous denles no queixe
de baixo, de primeira muda.
Juntamente roubaram urna sella, ingleza, na
par de estribos de nickel, freio e rabicho.
Pede-se a quem der noticias d'elle, que se di-
rija a ra Duque de Caxias n. 84, ou na cidae
da Escada cm casa do dono que ser recom-
pensado._____________________
Boa cozinheira
So trabalha nos dias uteis, dorme fra do es-
tabelecimento e entra as 7 horas da manha e
sahe as o da tarde.
Precisa-se na ra Nova n. 13.
Alimento Criangas
Para remediar a fraqueza das criancas, desenvolver
as suas Torcas e presrvalos das doencas da idade
tenra. os princlpaes Mdicos de Pars, membros
da Academia de Medicina de Pars, receitao com
ptimo xito o verdadelro
Kacahont Este agradavel a! imen to.compsto com substancias
vegetaus nutritivasefortalecedorasdivide-sena eco-
noma luda. c. pelas suas propriedades analpticas,
ai. l i j i ;i,i a cumposicao do lei te das senhoras que ama-
meiiuii i. c acorda as torcas lnguidas doestoiaag.
SI, ru Tiiieua, Piris. DtpHitK gas Plwaafiu do luid wttiN.
Professora
Na ra da Imperatriz n. H, 1- andar,* contra-
tase urna professora para leccionar de duas at
seis meninas, essencialmente em francez, msi-
ca e piano, n'um engenho mnito perto de Santo*'
Amaro de Jaboatao, tendo para sso nma boa
casa separada e bem commoda correndetoda*
as mais despezas por sua conta e dando eonhe-
cimento de sua conducta ; a quem convier ani
dirija se para ajustar o prego. ______
G
asa
aluga-se urna boa casa para grande familias
com agua, gaz e est limpa, defronte da estacto
do Caminho Novo : a tratar na ra da Cadeia m.'
47, i- andar, ou Auroran. 81. '
En^rmisdes Secretas
- :t- ssh -t a
OriHIMfcMY
tes uu auuyus sau carados em [*
.cq rliaa prn seTr^^. tm\ V>'-f- '

3!X-
='iv,,s. pe
i>
f2
:i
no nonTOR FpvmflEII
-; ..,.m e/il retado < SvtMurtj
f pilula. 5 m. ijubccXo. 4 ni.
[ f> A 77IS, US. Plnce da la atrtdel-in-
3 CUBO. Pju SB
isiSbtf",

j^ Gotta, Rheumatismo. Dores 'i
Solgo do Doutor Clin |
Ldjmo r)z Facilidad d Mediana de Pars. Premio **}*.
------. ...------ t
A Verdadsira SolucSo GLlN ao Palicylato de Soua emprega-se par;. enr*r: *
As Aifeccoee Rheumatismaes agudos, e ehronioae, o Rheujnaci=mo t,
as Dorer^ rrticularet e 'musculares, e todas as vezes que necessario efe
soffrimentos occasionad'.s por estas molestias.
A Verdadeira Solucao CLIN o melhor remedio contra o Hheumatr
a Gotta e as Dores.
IB Urna oxpiiouQO dettlhed acompanha cada tratoo.
Exigir a Verdadeira Solucao de CLIN & C'8, de PARS, que e enoontra c-.r
L^"________ etua do$ Droguistas P harmaeeutieot. '
SColdMtias tXt p*lle
ELIXIR DEPURATIVO
oo Or CAZENAVE
fMtnilCO OBft DB BOWITal, M SiO LOB (DOKNCA* B* PBU)
M nixir represeoU as ultima conquistas da scienciu moderna e OTMllllM)
e mato poderoso depurativo e renovador do aangue que ee oonheoe.
Bmprega-M aempre com tuccesso nas eguintes molestias :
i sssa. i ssar i ssssr-
"*" *ocid>nt** ftante du afisoofiei venenes.
I Pars, 8, Ru Vivienne, i m prinetp. Farmacias de Brasil.
mim launioni d Htfnt ao lan'] *> Brull.
yim de sa? mi mm
Frt|U9M ulaoiaa Bala ftJna oonBi ax
.^OLSSTZAS SEORBTA8
na li*etm<>,*>*+ (^trnplftaMi |sara o tratssrr v' yrtn p-'-retmnata Afutro im ru anTiii
F.f X*, wo>- Se C, em UVFRPOOL. MVAXn, l.t*fklim Se irKstS, ara LOimatCB.
*a***a*^mmmmmkwmamkmmmmmm*mmmmwmmmkwmmm






Diario de PernambucoQuinta-feira 14 de Feverero de 1889
j
i
i


Faiwubs karatas
Loja do Triumpho
Roa Duque de Caxlas a. 411
fina com Troco, a 320 rs. o covado
Dita; de quadros, bonitas a 300 re.
Merinos lisos, 2 larguras a 560 rs.
Ditos lavrados, 2 largaras a 700 rs.
Zefiros largos de quadros a 2't0 rs.
Ditos largos de quadros finos \ 2b0 rs.
bordados linos a 700 rs
Etamine arrendada a 440 rs.
Dita de listas abenas a 400 rs.
Setih8 de listrinhas a 660 rs.
Ditos da China (antazia) a 2'0 rs.
Saias bordadas linas a :iS00u
Camisas bordadas linas para senhora a 4W0>
Cambraia branca bordada, a WSOO a peca.
Dita bordada de cor a 3*500 a peca.
Chitas escuras muito boas, a 200 re. o covado
Algodo largo ( 10 metros), a 2500 a peca.
Dito dito de 20 jardas a 4<000
Toalhas acolchoadas grandes, a 4*500 a duna.
Redes inglesas grandes a 5*000.
Guardanapos de linho, a 1*800 aduzia.
Camisas de linho scm punhos e sem colarinho
a 3*000.
Bramaute de algodo 4 larguras, a 700rs. a vara.
Tapetes grandes para sof a 14*000
Cortes de seda para collete a 4*000,
Cortes de casimira inglcza a 4*500
E outras muitas fazendas que se vendem mui-
to barato? para liquidar.
A* ra Duque de Caifas n. -I
Bastos efe; G.
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
Exceda todas as outras pelo sen
perfume exquisito.
EA DE TOILETTE DE LONDRES
DE ATKINSON
iccomparavol para refrescar e suavizar a>
' tvlle e pela inexccivcl cscalli* da
Ptruiuea para o len^o. Artigos noTos
preparados pilos IiiveLtcrea exclusiV
VBMttte.
Cnconfrjt-e am Cus c/anM e faOr/ca/fe
I. A E. ATKIASOH
34, Od Bond Street, Londres
BUrmde Fnbrie Ua "BnafcMMa'*
obro ub> Lyr c ooro "
ceen cadeneo na to -Jli*dc.
8SOOO a duzia
OLEO AMERICANO
O ni ais econmico, hygienlc e
perfumado oleo para o
C .A. DB OS 3C X, O
VENDEM
GOMES DE H VI I OS IIIW IOS
25-riia Mrquez deOlioda 11
-t
--
P'.r.is, 6. \ a, ',, p sis
C i'. 7QSUBS *. HUfSMCIU
- 'S'
^ .-....--.. A* VJ5AK3'
Arma(;o
Vende-se urna arniaco de amarello em per-
eito estado, propria para miudezas ou tabaca-
ria : a tratar na ra do Cabuga n. li-A.
Vinho de Collares especial e
. da Madeira
Em decimos e caixa de duzia, tem para ven
der Joaquim da hilva Carneiro. largo do Corpo
Santo n. 13, 1 andar.
' FOLHETIM
SEM MI
POR
paulo vutmm
DURANTE A TEMPESTAD
capitulo n
O Invento d Pedro ^
(Continua^ao do n. 34)
Nao tinha mais nem pai nem mai. Urna
vellia tia que o adorava morava no Au-
vergne.
Jorge, so no mundo, trabalhador como
Pedro, fugindo tambeiu s teutacoes de
Pars, sentio-be profundamente reconheci-
do pela flua adroisbiio n'aqucHc lar to sua-
ve, tao tranquillo, tao honesto.
Na escola, Jorge havia sido o confidente
de Pedro, cuja imaginado ardente, anda
nao acalmada pelas prvaCjCes, impel a-u
ncessanteraente para alm do presente, fia-,
zia-o sonliar com coasas grandiosas, com-
mettimontos considerareis, descobertas in-
u^triaes capaa.es de revolucionar o mundo
scientifico.
Chaniers voltara agora ao seu antigo pa-
pel, mas nao eiam mais as suas alegras e
as auaa esperancas que Pedro lhe centava;
erara oa seus revez> ias dores, os
desaniuos.
E Jergc, cuja alma ora de ouro paro,
robusteca as forjas do seu amigo, chorava
com elle, ou, para distrahil-o dos seus pe-
. contava-lhe os proprios.
E Jorge Chaniers, aquelle alegre cama-
rada, louro, rosado, bochechudo com< um
menino de coro, de rito fcil, de epansao
raunicativa, de olharbom e sympatbico
tinlia desgostos tambem.
Adquiridos um pouco por suaculj.
o, de aci; i
iam.
jateara um da em casa de ca
as mundana! > de
erigosas tambem:
A REVOLUCO DO 48
A' ra Duque de Caxlas n. 48
Nesta loja denominada A' Rev duelo,
tendo sempre um grande e variado depo-
sito de fazeada, resolveu-se vende)-as por
menos 300{ do qne em outra qualquer
casa. Como sejam :
Toalhas felpudas e acolchoadas, brancas
e de cores, taraanho regular a 120, 200,
500, urna.
Merinos de quadros, lindos padrSes
200, 240 e 280 c covado.
Seda Alcaciana (fazenda de fantasa),
240 o covado.
Cachemiras de quadros com cembina-
co a -320 o covado.
Mimosa cambraia das mocas para cami-
sas a 3)5200 a peca.
Lindos cortes para vestidos em cartao
com todos os aviamentos a 70 90 100 e
14'fj um.
Saias bordadas para senhora (recebidas
ltimamente de aris) a 3)J000 urna.
Cretones ingleses, francezes e allemaes
a 240, 280 e 320 o covado.
Zefiros de quadros, muito largos a 160
200 e 240 o covado.
Lindas colchas com palmas de cores
para noives a 10)5000 urna.
Chitas claras a escuras, muitos padr3es
a 200 e 240 o covado.
Batistas com. palmas e pintas, efires fi-
xas a 120 o covado.
Redes francezas a 5)5 e 6i50OO urna.
Fechs de lit, muito grandes, todas as
cores de 2,5000 por 10500.
Camisas francezas de linho (pechinca) -ie
60 a duzia por 48)5.
Merinos fines com duas larguras, todas
as cores de 800 a 500 o covado.
dem idem idem idem preto a 800 e
1)5000 o covado.
Cortes de fustao branco e de cores para
colete de 4(5 p?r 2(5000 um.
MadapolSes finos a 45, 56 e 60000 a
peca.
Atoalhado de linho, lindo desenho i
1^700 o metre..
Cortes de casemira para calca, finos e
modernos a 4, 5)5, 60 e 7(5000 um.
dem idem idem idem costumes moder-
nos a 200000.
Cambraia ele: salpicos muito fina com
10 jardas a 4,5 E muitas outras fazendas que s com a
presenca das E:cmas familias, poderao eer
vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
lheiras, leques transparentes, bicos de co-
res, entremeios; bordados, leos, extratos,
luvas etc.
48 DUQUE DE CAXIAS 48
mu ii.iiuuO
Vestidos proprios para
bailes o fazendas para os
mesmos, aigrettes, plumas,
flores, fitas, leques, luvas,
meias e filos com salpicos
de todas as cores.
MM
H-Rii do Imperador, 1." andar
Vrende-se
a armacao e uterif dios da taverua sita ra da
Santa Gmz n. 5 a tratar na ra do Rosario da
Boa-Vista n. 53, fbrica de cigarros. A casa tem
commodos e agua encanada.
Ta\
erna
Vende-se a tave-rna da ra de Luiz do'Rego n
47, em Santo Amaro das Salinas : a tratar na
niesma ou no Caniinlio Novo n. 87.
Joana Deseo urs, qual os seus grandes
olhos felinos, on seus movimentos desenvol-
tos, os seus cabellos louros, haviam feito
dar o alcunha de Tigre.
Com o seu espirito jovial, os seus bons
ditos, asua amavel franqueza, Jorge produ
zira profunda impressao sobre a peccadora.
Agradara-lhe; ella lh'o dissera.
Mas Joanna era muito bonita, para que
o joven engenheiro pensasse em dizer a si
mesmo que semelhante ligacSo poderia, se-
nao comprometter o seu futuro, pelo menos
ser um grande embarajo ao comeco de urna
existencia laboriosa, que devia esperar tildo
do trabalho e ca vontade.
Essa fanta.-i. durou seis meze6; depois
ao cabo desse te mpo, as exigencias de Joan-
na, os seus ciumes, o seu despotismo nao
conheceram limites.
A vida tornou-se tao intoleravel, que
Jorge teve animo de romper; mas o que elle
nao pode nunest evitar foi que de tempos a
tempos, quanelo a miseria, que espreita sem-
pre sua passagem as mais brilhantes dessas
infelizes, apossou-se de Joanna, ella vol-
tasse sua cass., o esperasse na ra, o agar-
rasse, emfim, ou para que lhe desse alguns
sidos, ou me.srao para tentar fazel-o voltar
para a sua companhia.
E Jorge, que entao nSo ignorara mais
qual era a vids de Joanna, mesmo qnan-
do ella fazia-lhe os mais calorosos protes-
tos*, Jorge tomara-lhe horror, sabendo que
em nemelham.e ligacao sacrificarla a sua
forca, a sua c(insidera9ao, e talvez a sua
honra.
zar diiio, n3o sabia como desem-
baracar-se de Joaiina. Tinlia niedo da sua
clera, do escndalo, que ella era capaz de
tazer, das suas. ameacas.
E tendo-lho honor, diz. ndo-lh'o, sup-
portava as. duas visitas quando peccado-
ra aprasta fa;f 1-aa."
Era essa a situa^o que Chaniers con-
tara a seu am'go.
Era contra as ameacas de Joanna que
elle pedia-lhe conselhos, urna norma de
conducta, a e le, Pedro, a calma, a pre-
visao, a sensatez personificadas.
E Pedro, que fora extremamente ami-
go de Jorge, utr'ora, tornou-se novamen-
te seu amigo, porque sentia-o muito infe-
liz ; mas, ateta victima de um desgosto
pesado, acabrunhador. desagradavel para
urna natureza franca e aberta como a de
Chani'
Foi entao que para distrahil-o Pedro de.
Sauves levou o amigo sua ca
Esperava iortiiical-o, restituir lhe a ale-
gra, a cora^em, a despreoccupac&o feliz
de 5utr'ora: mas longe de cons-iguir esse
resultado, Piero apercebeu-se com cona-
! ternario, ao eabo de alguna meses, que
Novidades
Receberam moda* de Par
AZEVEDO, IKMaO & ( .
16 Ra do B. da Victoria 16
(Antiga Nova)
Lindas capas de surah, cachemira, me-
rino e renda o que ha de mais novo. Renda
comprimento de saia a ]000 e 1)5500.
Sargelim fino todas as cores a 200 o co-
vado. m
Baleias com forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a duzia.
Bramante de linho com 10 palmos
1,5500.
D to de algodao com 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 5)5000 e 6)5000.
Ditos de crochet finos a 80000 e 10(5000
Estracto Rita Sangal a 2)5000.
Fichus de 12 e seda 10000, 10500.
Capellas com veo bordado a 60000 e
70000.
Madapolao globo a 70000.
" Dito camiseiro a 70000.
Tapetes grandes para sof apI30OOO.
EspartilhoB. couraga a 40000 e 50000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Panos de crochet para cadeiras a 800.
Ditos de crochet para sof a 20000 e
30000.
Guardanapos de linho a 20500 a duzia.
Merinos de cores a 400 o covado.
Zefires largos a 160 e 200.
Setim maco a 800 e 900.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
Madapolao com um metro de largura
a605OO.
Cachemira arrendada e de quadros
10500.
Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 30000 a duzia.
Camisas finas para homem a 330000.
Colxas de crochet com flores a 50000 e
90000.
Lindas velbutinas de quadros lisos e com
listas proprias para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 400 o covado.
Caixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 90000.
i-ano verde para buhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
frinoline preta a 300.
Guarn55es pretas e de cores.
Camisas de flanella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglez.
Meias brancas de seda a 40000.
Cachemiras de quadros a 280.
Fustao branco a360 o covado.
Esguiao fino a 10500 a vara.
Casemiras para roupa.
Roupa feita por medida.
TELEPHONE200
O desengao Ir ver
Vinho Maduro
iftejas Mendes & C, com grande estabeleoi-
mento de seceos e molbados, sito casa n. 9
ra estreita do Rosario, contiguo a igreja, aca-
bara de receber urna grande remessa do acre-
ditado e especial jrinho Maduro, o nico que sem
e mnima conlecgao importado neste mercado,
s se vende no referido estabeleciuiento.
Cimento Portland
Vendem Soares de Amaral Irmaos, a ra da
Madre de Deus n. 22.
Vende-se
o hotel do Beberibe com todos seus pertenees :
a tratar no mesmo ^^
Oa preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
gnezes em geral que recebeu pelo ultimo
vapor cha pret novo e superior que ven-
de por pregos mais resumidos em vista
da continuado do cambio favoravel.
Convem que experimentem.
48 RA DO BARAO DA VICTORIA 48
Jorge emmagrecia, tornava-se mil yezes
mais triste e mais preoecupado de que
antes.
O que tens t? perguntou-ihe elle
um dia.
Nada, respondeu lacnicamente Jorge.
Pedro, nesse dia, nao insisti.
Joanna tem volado? perguntou-lhe
em outra occasiao o mancebo.
Jorge pareceu despertar de um sonho.
Ali! meu Deus, nao !... exclamou
elle. Essa mulher acha-se agora bem dis-
tante da minha vida.
Devoras V
Sim. Disse-lhe que me deixasse
tranquillo em termos taes, que ella nao
voltar mais, com certeza.
Tanto melhor. Por que nao me fal-
laste n'isso ?
Jorge corou como urna dfnzella.
. fao ousei.
Como! Tens segredos para mim, o
teu melhor amigo, para mim, que tenho
tantas vezes chorado na tua presenca ?
E' cousa tao delicada desta vez,
murmurou Jorge muito confuso; tao de-
licada e tao grave !
Os olhos de Pedro brilharam como es-
trellas.
- Mas o que entao? perguntou elle
ao amigo, com a garganta cerrada por vi-
vissima angustia, tanto medo tinha de nao
adivinhar, de haver^se engaado.
A verdade, disse Chaniers, e que
nao est no meu carcter nem no meu co-
racSo ter um nico pensamento oceulto
para um amigo como tu; prefiro, portan-
te, dizer-te tudo.
Tudo ? dlsse Pedro com um terns
sorriso. Vamos, anda, eu te escuto, nao
tenhas reeeio.
Ests com ares de quem sabe o meu
segreelo...
E' possivel; mas dize sempre. Que-
ro que elle me seja transmitido, pela tua
confianea, pelo t#u affecto.
Amo Adelia !
Um in8tinetivo moviiaento. mais forte
de> que a sua vontade, abri os brajos de
Pedro.
Jorge atiru-st n elies.
Ah.' a boa nova que faz de ti meu
. 'exclamou Pedro de Sauves, e como
ella torn i-nie feliz !
Abracarain-se com effusao.
Entao, disse Chan.ers tremolo e
ainda tmido, nao me recusars a nj'ao de
Adelia ?. .
Ah! nao, de certo! Ao contrario.
Ella v boa. sincera e erajo|'
seus
Barato
S na loja das Estrellas
56--RA DUQUE DE CAXIAS -56
Telephooe n. Sflo
0 proprietario deste mui acreditado estabeleci-
mento previne a todas as Ex mas. familias
e freguezes em geral, que as muitas pe-
chinchas que costuma razer, n5d s3o mais
divididas com a sua ex-casa das LISTRAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos que em outra qualquer parte dirja-
se LOJA DAj3 ESTRELLAS, onde encon-
trara um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
cos que nao lhe podera razer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 10800 a 10000.
Dito de cores a 10 e 10300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a 10600.
Brim de cores para ronpa de enancas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 100 por 50000.
Cortinados bordados a 50 e 60000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 40 e 40500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 70000.
Cretones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 20800 a pe5a.
Camisas inglezas para hpmens a 280000
a duzia.
Collarinhos, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completo, por 20500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 1O0> 150 e 200000.
Casacos Jersey a 20500, 30, 40 e 50.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 10200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 10100 a arda.
Esguiao de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 50600.
Espartilhos couraca a 30 e 30500.
Fichus a 500, 10 e 10200.
Fustao branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos veos de Blond
a 70000.
GuarnicSes de crochet para sof, a 50500.
Gorgorao preto de seda a 10800.
Guardanapos de linho de 30500 por 20
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lencos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 10000,
10500, 20 e 20500.
Las e.cachemiras de quadros a 160 rs.
Madapolao pelle de ovo, muito fino, a
60000 e americano, com um metro de lar-
guro, de pre$o de 120 por 70000.
Dito de 80 por 50000.
ferino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Rendas hespanholas a 10600, 10800,
20500 e 30000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs.
Dito de quadros, ultima novidade, a 10.
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpudas a 20500
e 30000 aduzia.
Ditas para banho a 800 e 10200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs. ,
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, # que vendemos por
menos 20 [0 do que em qualquer outra
parta.
Vinho de pasto
0 que ha de melhor, vende-se pelo mdico
prego de 35*'00 o barril de quinto e9i!00o
ganafao de tres caadas, rollando o garrafao
/5500 (precos lquidos): ra do Amoriin nu-
mero 60.
nha o meu Roberto, o pobre orphaozinho
encontrou n'ella !...
Pedro, de ordinario tao senhor de s,
enternecia-se.
u sei, disse Jorge, e por isso que
adoro-a.
E tu, de teu lado proseguio Pedro,
nao s honrado, intelligente e trabalha-
dor tambem ?... Entao o que posso eu
desejar mais, eu que amo Adelia, mais
como um pai do que como irmao, e que te
estimo tao profunilamente ?...
Porm ella, Pedro, ella me amar?
Vamos pcrguntar-lhe esta noite mes-
mo, e cm presenca de nossa mai, queres ?
< Certamente. Mas...
Hesitou.
O que? perguntou Pedro.
Tenho medo.
- Ora essa Estranharia muito que
minha irma nao tivesse por ti os mesmos
sent mentes que nasceram no teu coracSo
por ella.
Jorge empallideceu.
Cruel! disse elle, sabes de alguina
ebusa e oceultas-me. ,
Pedro sorrio.
Como bello o amor mu
elle.
Ella disse-te alguma cousa? Sup-
plico-te repete-m'o.
Nao, Adelia nao coufiou me cousa
alguma. Mas 6 preciso ser namorado,
isto ter olhos e nao ver, para nao no-
tar as suas raudancas de cor, a sua per-
turbacao e a sua alegra quando ests para
vir.
Ah Pedro Pedro !... trazes-me
a alegria ao coracao. Es bom como Deus
e eu te adoro.
Adoras a todos entao? perguntou
ledro com o seu bom olhar enternecido.
Sim, a todos, hoje. Sou tao feliz!
Foi mais feliz ainda, quando, com 05
grandes olhos baixos, Adelia, om pre-
senja da Sra. de Sauves, deixou cahr a
sua nio na delle.
Pedro repetio a sua phrasc quando
acalmou-se um pouco o ^)rimero momento
de alegra.
Meus nlhos, disse elle com a sua
expvessao paternal, muito beljo o amor.
Mas antes di ;ireiu devem pensar
um p.)co no futuro.
"Elre est garantido, replicou Jorge
inmediatamente.
Ah exclamou Pedro, como assini ?
Em primeiro lugar, tenho o meu
emprego de engenheiro.
Fallemos n'elle, disse Pedro com in-
dulgencia. eento e cinconta francos por
Hei de ter augmento.
vUB TASA CSZE
Ra Duque de Caxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 12 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 800 e 10, muito fino, de
qualquer largura a 10400, e de fustao, de
700 a 10800 a pesa.
Enxovaes para baptisados a 80, 100 e
120000.
Lindos enfeites para penteados a 100,
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 20500 o covado.
Pulseiras americanas para 30, 40, 50,
60 e 80000 o par.
GuarnicSes americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 e 60000.
Porta dedaes de vidro, objecto para pre-
sente a 10000.
Broches de fantasa de 500 a 10000.
dem americanos de 20 a 30000.
Lencos de seda de 500 rs. a 10500.
Lublaque a 200 rs. o par.
Guarnieres de crochet, sendo um para
sof e 4 para cadeiras por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno e cor,
com finos veos.
Flores artificaes a 10000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Lavas de seda arrendadas e bordados
a 20 20500 o par. T
Bicos brancos de linho e de cores a 20,
20500 e 30000 a peca.
Contas de cor para enfeitar vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
80000.
Talheres para crianza a 800 rs.
Luvas de pellica a 20500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 20000 e
cor de reme a 10500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhos com fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 40000 e cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missan-
gas.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos.
Tmaosinhos enfeitados de bico e renda.
Grande sortimento de fitas modernas a
13 deMaio, Imperial Regente, a Nabu-
go e a JoSo Alfredo.
Lindas fitas para facha a 20, 20500 e
30500 o metro.
Carteiras de chagrn para algibeira.
Finas grava tas plastrSese regatas a 10,
10200, 10500 c 20000.
Lindos porta-ps de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfei
tar consolos e sanctuarios.
Completo sortimento de perfumaras.
Finos sabonetes de todos os fabricantes.
Grande sortimento de alfinetes dourados
para enfeitar o penteiado e tambem gran-
pos muito lindos.
N. B.D-se amostras de bicos e bor-
dados. *
Boval Blend marca YUDO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores anna-
zens de molhados.
Pede Roral Blend marca liado,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
Estou persuadido disso, mas pre-
ciso tempo.
Tenho as minhas licoes, observou
Adelia timidamente.
Que comegam a dar-te suffrivel re-
sultado, bem sei. Mas quando a gente se
casa, deve prever o fim do casamento: os
filhos. Ora, quondo estveres em vespe-
ras de ser mai, minha querida Adelia, nao
poders mais ir ao convento, onde das as
tuas li3es, e que representa hoje a maior
parte dos teus rendimentos. As tuas ou-
tras lie;Ses mesmo tornar-se-hao urna gran-
de fadiga, e has de ser obrgada a aban-
donabas.
A minha ti;i Duelos, que gosta tanto
de mim, deixa-mc tudo quanto tem, disse
Jorge.
Isso o futuro: mas o presente ?
Acreditem-me: facam economas, sejam
pacientes e esperem...
O que ?
Pedro corou.
Tenho urna idea, disse elle.
Jorge sctltou urna exclamacSo de ale-
outr'ora!
ser sera-
Alguma invencao como
disse elle. Ah! Pedro, has de
pre a nossa Providencia.
Sim, disse o mancebo gravemente,
tenho effectivamente urna idea, mas antes
d6 regosijar-te como urna crianc^ que s,
e se, sendo
espero saber se ella pratica,
pratica, poderemos encontrar os fundos
necessarios para exploral-a.
: des dizer em que consiste ella ?
De muito boa vontade. Observo
que desde alguns annos a esculptura sobre
madeira toma proporoes extraordinarias.
Mas a mSo de obra muito cara, porque
precisase para esse trabalho de operarios
especiaes. O meu invento substituira
esses artistas, por nm meio mecnico, e
por'ia assim a esculptura ao alconce de
todos.
Poderlas esculpir mecnicamente a
madeira, que dura?
Sim, decompondo-a, ou, para me-
lhor dizer, fazendo della urna composicio
molle, que cria mettida cm moldes e que
endurecera por meio da pressao,
a processos especiaes.
Explicou quaes eram esses processos.
Jorge 8ukou urna exclamacap de ven-
tura. ^
E' cousa tao simples qnanto enge-
nhosa, disse elle, E' a fortuna. Quando
tiras privilegio?
Devagar, atalhou Pedro; preciso
encontrar primeiro os fundos. E bso ha
de ser difficil.
Mas entre os antigos amigos d
pai nao arranjars o que desejas ?
Mais Barato
ALojadas Listras iznes
A' RA DUQUE DE CAXLtS SLmi
Telephone n. til
O proprietario desta conhecida casa .iretiac 3
Exmas. familias e todos os seus Sr>-
gue.'.es, qne as pechinchas que eu&umi
dar. nao sao nem usca foram daBSas
de outra casa como alguem acama
pan engaar, vendendo fazen4a? **b-
narias por boas.SJastume que a
da* ].ii 1-es zoes nao tea.
As fazendas vendidas nesta casa sao del
lidade, e nao levam medida escaso;
aceita-se a fazenda vendica &f jptr
Jua quer motivo nao fr de muitegat-
0 ca pessoa para quem for coa
Da se descont a quem comprar <
pan cima.
ESPECIALIDADES
II i-lni de listras azuespecas-:
20 varas a 60000. ^^
Hadacolito com um metro de 1
ra a 60800 a peca.
Cortes de vestidos bord*ks-
cartao a 100000.
Velludilho bordado a contra a '3SW5
o covado.
Cachemiras pretas, de eraad? *a
arrendadas a 20 e 20500.
Tecidos fantazia arrendado pnjpso
para baile e theatro a 400 500 rs.
Cortes de cachemira com r^iTrjrirllir
bordadas, lindas cores, a 200 e 25#)SB.
Setin Maco de todas as cores 36,
e800rs.
Linn bordado, tecido de umaee^Sfir,
qualquer eme se deseje, a 200_rs-
Zefiros lisos e bordados, tecid*; ~mts
novidade a 500 rs.
UH de quadrinhos a 200, 240 jS*
o covado.
Linhos lisos a 60 e de quadrinitf* 1
00 rs.
Guardanapos melhor qualkbic a.
10800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores i i*.
Oleados para mesa redonda e-m-
drada a 40000.
Cortinados de crochet, comsa8s5av
ultima novidade, para janellas e portar-
Crochet para cortinados a 906 ek_*o
metro.
Colchas de fustao, brancas e 3bB-
res, a 20000.
Chitas finas precales a 200 e SSSsss.
Chitas escuras a 160, 240 e 29a*t
Batistes de cores seguras a lz&flc
.Xanzue de lindas cores a 280 es_
Brim pardo esguiao a 240, 280 3
Casinetas de cores escuras par*!
pa de homem ou menino a 400 e 509
Mantilhas de renda hespanhok, B>--
ta, de seda a 80000.
Capas e visitas, de cachemira, eaae-
da, com lindos enfeites e com n'brfflirrT
200, 250 e 300000.
Leques de pennao e transparentar
ultima novidade, todo preco.
Luvas de seda, lizas, bordadas
rendadas, pretas e de qualquer c6r*
Espartilhos inglezes a 40500 el
tem desde o n. 40 at 80 de grossarz..
Bico branco crome e de todac a
cores desde 700 rs. at 20500 a pe$&.
Rendas hespanholas, de seda e fe
a!ge>dao, preta, branca e de qualquer ac
Buhados e entremeios bordadas as-
pados e transparentes por todo pre^e-
Grampos e pentinhos fantazia vaos.
cabello a 400 e 500 rs.
Baleias para vestidos a 260 ja. i
duzia.
Reloglos despertadores cs-
guras em movimento a 80 e 90000.
Aspas de ac para vestidos a Oftas
o metro.
E muitas fazendas que se vende
barato para liquidar facturas na loja
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto Das

Outr'ora, sim. Hoje muito
rente.
Porque ?
Os pobres nao tm amigos.
Dste entretanto provas de carador,
de intelligencia e de bba conducta,
nao conheciam em ti outr'ora.
Nao razSo. Ninguem tem
interesse em ser-me agradavel. Nem mt-
quer me escutarao.
E' bom, em tedo caso, experoMH
tar, Pedro, interveio a Sra. de Saiares.
Estou velha, as minhas forcas esgotaxa-ae,
quzera ver Adelia feliz antes de mins.
Fecharam-lh todos a bocea com os sean
beijos, tentando afastar do espirito da j-
bre mai as deas de morte de que ella sao
fallava de ordinario, sendo, comer se,
forte e corajosa.
Pedro poz-se em campo e procuroa :*-
solutamente. Mas os seus reeeio do
eram vaos.
Girava afinal n'um circulo vicioso.
Para incutir confianca, seria precise im-
plicar o seu processo detalladamente.'
Se o explicasse, correra o risco de veto
roubado.
Pasearam-se quatro annos. Os diasA;
Sra. de Sauves deelinavam vinivelmeate^
Adelia, sempre valorosa, d.va as sm
eoes e era estimada por todos; quanbos*
conheciam.
orge conseguio b augmento de mia
nado tao arden tem ente desejado.
Podia-se viver agora, mesmo sem in-
vento, acanhadaniente, mesquinhamecte-
mas emfim, com os trabalhos de Pedio
nao se ficava mais merc de; urna
lestia.
Roberto crescia adorado por Adet
por Suzana, que ficara sendo cada vez
dedicada tmilia de que agora fktj.
parte.
Todos conservavam-se calmos naqvsfa.
vida honrada, muito modesta, txla delahK
c de deveres.
Jorge que, cada vez mais apaixooai,
continua mal a sua impaciencia, e suppKa-
va a Pedro que consentisse n. sua fei-
^lade.
Este, sempre calmo,
si, deu finalmente o seu consetimento,
com a condiySo de que o joven ca
mudasse de casa o nao deapemi
economas para entrar na vida *
Foi forcoso escutar esta voz da si
razao; porque Adelia ani;
irmao.


!?
i t
I
l


I
1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EXQNGBRT6_ZUBLBW INGEST_TIME 2014-05-22T22:26:02Z PACKAGE AA00011611_17448
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES