Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17446


This item is only available as the following downloads:


Full Text
mam


TERCA-FEERA 12 M FEVERERO DE 1889
\iO SE nOGA PORTE
?or tr^ mezes adiantados.........'...... 60000
Por aeis ditos idem................ liJOOO
Por um anno idem................ 230000
Cada nmero avulso, do mesmo dia....... 0100
PARA OE.\TRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes adihtados........... 130500
Por nove ditos idem................ 200000
Por um anno idem. ....'....... 270000
Cada numero avulao, de dias anteriores.......... 0100
DIARIO DE PERNAMBUGO
Troprkdade de Manoel Siguana de diaria S dHfycs
TELEGRAMAS


I
K
*.?.

sesvico ?abt2s:ls i: ::",::
RIO DE JANEIRO, 10 de Fevereiro,
s G horas da tarde.
"celronse pela imprensa nKo ter fun-
damento o boato que foi espalhado de ter
S. M. o Imperador necessidade de empre-
hender viagem para fra do Imperio.
ml Nenhum fundamento tem tambera os
.boatos de conflictos em Minas Geraes.
Foi nomeado procurador da corada
Relacab do Cear, o desembargador Ame-
rico MilitSo de Freitas GuimarSes.
Foi elevada Viscondessa de Santa
Justa a Baroneza do mesmo titulo.
Foi agraciado com o officialato da
Ordeni da Rosa, Braz Joaquim da Sil-
veira.
Foi nomeado adido de 1.a classe,
gandido Rodrigues Torres.
jf\ Foram removidos?
Da comarca de Braganca para a 1." vara
crime da capital de S. Paulo, ajuiz de di-
reito Joaquim Augusto Ferreira Alves;
Da comarca de brante s para a de San-
to Amaro, ambas na Bahia, o juiz substi-
tuto Francisco Vicente Bulc&o Vianna.
Foram nomeados :
4. juiz substituto da capital da provin-
%da Bahia, o bacharel Cyridilo Durval;
uiz substituto do termo de Abrantes, na
mesma provincia, o bacharel Jo8o Jos de
Obveira Junqueira.
__ Foi reformado o coronel Vctor da
Fonsecu "outinho da Cmara : eomman-
dante superior da guarda nacional do mu-
nicipio de Itacoatiara, no Ainasonas.
-H Foram nomeados:
CapitSo secretario geral do commando
superior da capital do Amazonas, Francis-
co Xavier de Castro;
Coronel eommandante superior da guar-
da nacional do municipio de Itaccatiara,
Joaquim Theodoro Bentes;
Tenente-coronel eommandante do 18. ba-
talhao da mesma provincia, Joao Antonio
Netto:
Tenente-coronel eommandante do 48.*
batalhao, da provincia do Cear, Joaquim
Ferreira (Jarvalho :
Coronel eommandante superior da guarda
nacional da comarca do Cear-Mirim, no Ri"
Grande do Norte, Miguel Ribeiro Dantas;
Major ajudante de ordena do mesmo
commando superior Joaquim Varella Bu-
rity ;
CapitSo quartel-mestre do mesmo com-
bando superior Joaquim Antones d'Oli-
rveira.
RIO DE JANEIRO, 11 de Fevereiro,
1 hora e 50 minutos da tarde.
Ki aborto um crdito extraordinario na
importancia de 5:000 contos de ris para
auxilio s provincias flagelladas pela secca
e melb. rament do estado sanitario c sa-
eamento da ( rte.
'oi reconduzido no cargo de juiz
ial c de orphus do temo de Pao
ar, da provincia das Alagas, o.
Jj^Wel Luiz Gonzaga de Almeida e
Aranjc.
Foi eleito deputado geral pelo 4."
districto de S. Paulo, em segundo escruti-
nio, o candidato liberal, Theophilo Ferreira
para o norte no paqnete
coronel Joaquim Verissimo,
yo, e o .Dr. Joao Antuaes Cor-
Wnderley, juiz de di'.vito o-
ra ; eonutra de Burreir*, em
Em seguida a Cmara fixou porj 509
votos contra 9, a discussao do mesmo pro-
jecto para segunda-feira e a discussao da
proposta de revisao da Constituidlo para
quinta-feira prxima.
N'essa occasiao o ministerio fez questab
de gabinete sobx e a prioridade do restabe-
lecimento 'if MJfllife por cwimsci'ipgl^
ROMA. 10 de Fevereiro.
Hontem na Cmara dos Dcputados Mr.
Bonghi interpellou o governo a respeito das
graves desordens que acabam de dar-se em
Roma.
A discussao da interpellacab ter lugar
quinta-feira prxima.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
11 de Fevereiro, de 1889.
AS GRANDES IME\0ES
ANTIGS E MODERNAS
Sencias,
AS
industrias e artes
POR
IV
papel
i_ tJ un t in uaeo)
Papel de palha, de madeira e de esparto.Hoje
nao so o trapo a nica materia de que se fa-
brica o papel. A palha, a madeira e o esparto,
especie de graminia mui densa, que se encontra
na HespaDba e na Argelia, substuem-o tambem
com frequencia, ou misluram-se com elle.
Os apparelhos que se empregam hoje. para ta-
zer o papel com a pasta de trapo, servera tam-
bem quando as menciadas substancias consti-
tucm total ou parcialmente a pasta, porm para
formar esta, sao necessarios alguns outros appa-
relhos que dilTerem alguma cousa dos anterior-
meate descrilos, anda que nio d'uma maneira
essencial. Portento liiuitamo-nos a dar a conlie-
cer aqui o emprego na fabricaco do papel tes-
tas tres materias vegetaes que serio chamadas
alguin dia, em razio da sua barateza a substituir
quasi completamente o trapo.
O caitoO carto fabricase de papis reinos
que se convertem em pasta por meio da mace-
racao na agua; Esta pasta esmaga-se com uns
cylindros de pedra. e dispe se em seguida em
grossas foi has por meio de formas, como se ve-
rifica na fabricaco do papel a mito.
Os papis Dinlados A fabricaco de papis
resistentes e baratos, que servem para forrar as
paredes ae nossas habitacocs, originana da
China e do Japo. Em 1535 os bespanoes e hol-
landezes intrduziram o seu uso na Europa.
O papel chamado de velado ou felpado foi o
primeiro que se couheceu, e veio substituir as
tapecarias de ervas ou juncos que se fabricavam
em Franca e Inglaterra, e essas outras pinturas
em couro dourado, to ricamente estampadas,
com que na idade media se douravam os salocs
e forravam as paredes dos palacios.
Comtudo eneontram-se dissiminados aqui e
all magnificos restos d'ellas nos bazares de an-
tiguidades ou no museu de Cluny em Pariz.
At 1770 nao se tinha inventado papel pint-ido
propnamente dito ; por outra at essa epocha
nao se tinha descoberto a maneira de applicar
aos papis em questo urna cor solida, que com
veaw um verniz apropriado a evitar a adheren-
cia do pt.
(Contina)
V. Exc. que foram recomidos Casa de
DetencSo os seguintes individuos :
No dia 9 i
A' minha orsem, Maria Igaez Rodrigues, Maria
da Couceicao do Espirito Santo, como alienadas,
at que tenham o conveniente destino.
Jos Claudino, como dosordeiro; Pedro Fran-
cisco dos Santos, Joaquim Octavio da Silva, Li-
banio de tal, Joao Jos Ribeiro e Antonio Justi-
no, como vagabundos.
A' ordem do Dr. delegado do Io-districto da
canitul, Manoel Joaquim de Suut'Anflft#or 'lis
MMH ; Rita Maria da Conceidio
guez e i!'-turbios ; e Jos Goncafveda Silva,
como vagabundos.
A' ordem do subdelegado da freguezia do Re-
cife, Lauriano da Costa Miranda, Joao Vieira dos
Santos e Antonio de tal, como desordeiros.
No dia 10:
A' minha ordem, Benedicto Gomes da Silva e
Joao Francisco dos Santos, vindos do termo de
Pesqueira como sentenciados.
A' ordem do subdelegado da freguezia do Re-
cife. Jos Paulino de Onveira, Sebastiao Carlos
da Silva e Antonio Cardoso da Trindade, como
vagabundos. ,
A" ordem do da freguezia de: Santo Antonio,
Manoel Jos do Nasctmento, Francisco Felippe
Santiago Ramos, Emygdio Jos Ferreira Lima.
Antonio Joaqmm de Sant'Anna e Eloy Alves da
Silva, por disturbios ; e Maria Josepha do Nasci-
mento, por oflfensas a moral publica.
A' ordem do do 2" districto da freguezia de S.
Jos, Amaro Jos de Magtlhies, por distur-
bios
A' ordem do do 1" districto da freguezia da
Boa-Vista, Francisca Maria da Conceico, como
vagabunda.
A' ordem do do 2o districto, Nicolao Faustino
Wanderley e Severiauo Ramos da Silva, como
desordeiros. ., ,
A1 ordem do da Magdalena, Jo.> Candido de
tal, preso em flagrante por mine de ferimenlos
graves.
Communiea o subdelegado do districto da
freguezia de S. Jos que, na noite de ante-hon-
tem, os ladres penetraran! no mercado publico
de S. Jos, e roubaram do compartimento n. 121,
pertencente a Candido Jos Tavares de Souza,
10 calcas de casineta, 4 seroulas de brim, 8 col-
chas de algodio 3 chapeos de brim, diversos
retalhos de chita, avaliando-se tudo era 70000
e em seguida foram ao de n. 119 e leyaram
tambem alguiuas miudezas avahadas em 3*000
e mais 5*000 em dioheiro.
*quella auloridade tomou conhecimento do
fado, fez proceder a competente vistoria e dih-
gencia descobrir o auto: ou autores do crime
Participou-me o subdelegado da Torre, que
pela madrugada de hontem, no lugar Zumby,
daquelle districto, alguns desordeiros armados
de faca de ponta e ccete, c capitaneado pelo
cejebre Manoel de Jacintho, promoveram um
conflicto de que sahiram feriaos Joao Tavares
Coutinho, ebefe ''a estadio do Zumby, da va-
frrea do Caxaug. e Antou) Cosme, que fazia Nt
parte 'lo grup deordeira^dr Jk< ^A-
Coutnili) (oi^recollndo ssua residen-
cia onde fot interrogado pelo subdelegado, a
quem dedarou ter sido Manoel de Jacintho o
autor do seu ferimento que foi considerado gra-
ve pelos Drs. Dantas Bastos e Beraldo.
Anttuio osine foi transportado para o hospi-
talPPro II onde deve ser hoje vistonado.
I'roredeu-se a respeito nos termos da le.
O delegado do termo de Caruar participou-
e ter no dia 27 do mez passado, acompanhado
ruino ueste districto, sen !o que n'esta occasiao
em gue foi preso, achava-se cora urna navallia e
o fiz recolher a prisSo do quartel em quanlo se
podoise tirara touca, ikio teudo solTrido nenhum
esnlpeameiiio.
Diz o mesmo Iggjtal que Serafim estivera preso
no tronco eai-regado de Cerros, admira a abilidade
do Jornal, iusindw taes instrumentos que aqu
noejfrtem ; pois o quartel d'este destacamento
tao.pe^ueno que qualquer pessoa que tenha en-
trabo nelle viria logo os instrumentos alludidos|;
apowiMMsmo para os correligionarios do mes
I w,i' morador^ aqui qne vnham decla-
rar taes instrumentos nao condecidos e:n lempo
Btrnra n'este lugar; o que a respeito tenlio a
informar a V. S. todo acervo mentiroso que 3
mesma folha tem dito.
eus guarde a V. S. Illm. Sr. Dr. Daro Ca-
valcante do Resro Albuquerque, mui digno chufe
de polida inlerino da provincia. 0 subdetafado
Antonio Ferreira da Costa Pinto.
Secretaria de Polica de Pernambuco, II de Fe-
vereiro de 1889. Conforme0 secretario Joa-
quim Francisco de Arruda.
SSMft u khi s?:
^H^^HP ^e Fe ver i
4sta do governo,
Bf^Hoo.s adoptoi
liv,i--. '' tD do resi:t-
,.-Jo or escrutinio de
.mar
^^H| con-
PARTE OFFICIAL
overno da Provincia
DESPACHOS DA PRtSIDENCIA DO DIA 9 DE
FEVEREIRO DE 1889
Abaixo assignados, mercadores dt fazendas,
miudezas e outros artigos no Mercado Publico
de S. JosNeg provimento ao recurso, por1
quanto, fra de duvida o direito que assiste
amara Municipal de arrendar os comparti-
mentos do Mercado de S Jos, em leilo publico,
art. 44 da le do 1. de Outubro de 1828 e art. 11
da le provincial n. 1335 de 6 de Marco de 1879.
mas attendendo que o anno nanceiro milhieipal
comeca no dia l." de Outubro e termina a 30
de Setembro, achando-se, portento decorridos
at agora cinco nezes do actual exerekio, deter-
mino que os futuros arrendamentos comecem
correr do 1." de Outubro vindouro, sendo nesta
parte prvido o recurso dos supplicantes.
Alejandrina de Albuquerque Araujo.' on
cedo. .,
Arthur Octaviano da Silva Ramos.Deferido
por officio de hoje ao inspector geral da Instruc-
cao Publica.
Antonio Joaquim Rodrigues Pinto Jnior
N'esta data suhraetto o pedido do supplicante
deliberacao do Ministerio da Fazenda.
Antonia Maria do Espinto santo.Nao lia
Fielden Brothers. Informe o Sr inspector da
Thcsouraria de Fazenda. 1 #>
O mesmo.dem. 'J
O mesmo. dem
O mesmo.Ao Thesouro Provincial.
Geroncio Dias de Arruda Falcao. -Concedo.
Capitiio Ignacio Jos da Silva -Como requer.
Joo aptista Rosa. Encamintie-se.
Luiz Jos Antonio.Iudtf'rido a vista das in-
fonnacoes.
LaurinJo Teixeira Palha.Nesta dala expeto
uMeos ao director da Colonia Isabel par,,
ser apreeutado'o nienjr. atiiu de ser cuiti
ao supplicante.
tarea de Albcjaria Conrorra oppor-
tunaiuentc. .
i Alexandrim de. It.irros.Sim, mediante
I
.Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 11 de Fevereiro de 188
O port'
]'. Chacn.
Repartlco da Polica
2.a seceSo.N. 143 Secretaria da Po-
lica de Pernambuco, 11 de Fevereiro de
1389. Illm. e Exm. Sr. P
me ....-----------------------
do escrivao e do respectivo carcereiro, feto a vis
toria na cadeia, onde encontrou 21 presos, sendo
12 sentenciados, 7 pronunciados u 2 mdiciados
em diversos crimes.
Communiea o subdelegado da freguezia de
Santo Antonio, que no dia 9 do corrente, pelas
10 1/2 horas da noite, na occasiSo em que Pedro
Regaard esperava um bond ra do Imperador,
fora aggredido por Manoel Ramos da Paixao, que
se acompanhava de Laurentina Maria de Jess
Deu motivo a aggresso o fado de ter Pedro
Regaard, pedido a Paixao o charuto que fuma va
para accender o seu. ,
Da alludida aggressio resultou sahir Regaard
mortalmente ferido, conseguindo evadir-se o of-
fensor que foi preso hoje e recolhido. Casa de
Detcnco.
Aquella autoridade tomou conhecimento do
fado, fez transportar o offendido para o hospital
IVdro II onde teve lugar a vistoria pelo Dr. Gama
Lobo.
Sobre o tacto iniciou-se o competente inque-
rilo.
Conimunicou-me o cidadao Francisco Jos Gue-
des de Lacerda ter hoje assumido o exercieio do
cargo de subdelegado do districto do rraial.
Com referencia ao que foi publicado na Pro-
rinda de 8do corrente sob a epigraphe -Desati-
nos da polica, -transmuto por copia a V Exc a
inrormacio que a tal respeito prestou o subde-
legado de Belm.
Deus guarde a V. Exc.Ulm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges, muito digno presidente da provin-
cia. O chefe de polica interino, Daro
Cavalcante do Reg Albuquerque:
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 9 DE FEVEREIRO
DE 1889
Luobaltr Augusto de Voraes, Manoel do Carmo
Rodriguf-fisteves. -Informe o Sr. Dr. conta-
dor.
Candido Olympio Siraes. -Volte ao Sr. Dr.
contador para declarar emquanto monta o debi-
to e por onde deve correr o pagamento.
Francisco Manoel Bezerra de Vasconcellos.
A' contadoria para seu conhecimento e fins de-
vidos.
Felisbina Constanca de AzevedoA' contado-
ria para os fins devidos.
Joaquim Galeno CoclhoA" contadoria para
mandar escripturar o debito.
Joaquim Duarte Simes & C. -Ao contencioso
para dar cumprimento ao despacho supra.
Manoel Uomentino Correia de Mello.-A se-
ccao do Contencioso para seu conhecimento e
lins devidos. ....
Joaquim Barbosa de Oliveira.Indefendo. em
vista das inforinaces.
Dr. Prxedes Gomes de Souza Pi tangaEu-
lrcfrUG"St.
*rtnur Carneiro de AlmeidaAo Sr. porteiro
para entregar ao interessado.
Copia. Subdelegacia de Belm, 9 de Feverei-
ro de 1889. Em officio de hontem datado, sob n.
661, manda V. S. que informe a respeito do que
sob a epigrapheDesatinos da polica na Pro-
imau de 8 do corrente mez, cora referencia a
parte que diz respeito esta subdelegada.
Informando a respeito curapre me Jizer que
com relacaoao espancamento que diz ter solTrido
o individuo de nome Serafina por pracas deate
destacamento, o fcicto deu-se da se-juinle forma :
No da 1 do crreme mez, fenlo sido encontrado
por urna das pracas daqui o mesmo Serafim at-
inado de urna faca de ponta, procurou a dita
praga tmala intimaiido-o a entregar; aim
nao succedendo teve a mesma pra^a de empre^ai
os meios precisos afim de conseguir a entrega da
dita arma, resultando disto tentar o dito Seratim
ferir a mesma praca.
Depois de apparecer uiua outra foi que couse-
guiram desarma! o liavendo antes una lula de
onde shio urna das pracas feri la p co;n a farda
estragada.
' Cumpre-mc fazer conhecer a V. S. quem e o
iidividuo de que se trata.
|Esc tioraem i respondeu um pro.-e.so por
fuVjo dccaviulo, feito neste districto, e nestan-
durcia co.itiiiua. tanto assim que tcodo ultHni-
mentt roubado aest* districto um cavall) fu le-
gado iud'- Beberibe cora o mesmo animal e n
(lliidoaovjuartel re^pedivopelo-gubdelegadoSs
bastio do RV'K.' Barros, haveodo lo da
dita prisao srrx;ue -e podessejarnais c iptaral-0.
Com retacaba tenVai;va de orle pe i
lema-,
no cidado"Joio Luiaeretra de arvalho, lenfto
Bdec n?0 fictoo jne se di/., por
qoaoi t". Diff*luta no lugar C
Grande, entre raesmo indy-io 10: um seu i
ex-pivea de prjiicia,de ti m\'I-!n'l .
Dr. Maximiarro L,*, I Aio, de-
Olinda, que veio procurar ml.qu ;-' do
mesmo Joo Luiz por ter espfci
i rito.empre-
U'lO IV|!
; i '.!'., \'t :i i cari i que
,olla 6 do
i um pob
i, taubem u
individuo um vagabundo que
co da embriaguez, procura co
RECIPE, 12 DE FEVEREIRO DE 1889
'noticias da Europa
O paiete ingle/. Putosi. que no domingo pas-
sou parnb sul trouxe datas da Europa, que de
LisbOialcnncam 3'*,de Janei^t, adiautando seis
' traeidas nelo Congo.
-ui das dt? Portugal, publicadas na rubrica
Exterior em carta do nosso correspondente de
Lisboa, eis as demais noticias trazidas pelo refe-
redo paquete :
Henpanba
Sobre este paiz escreve-nos o nosso correspon-
dente de Lisboa, etn 30 de Janeiro :
Continua no congresso a discussao pacifica das
refonnas militares. O governo dedarou que
lastima que estes debates se prolonguem- mpe-
dindo a discussao do orcamento.
A junta da exposicao universal de Barcelona
resolveu mandar cunhar tres medalhas de ouro
para offerecer a rainha regente de Hespanha e
ao res de Portugal e da Suecia.
0 indulto para a imprensa e amnista por de-
udos polticos aos soldados de Albuera e Carel-
iano e a outros que se achavam no estrangeiro
decretados pela rainha regente, aconselhada pelo
ministerio a que preside o Sr. Sagasta, foram
na verdade o melhor modo de solemnisar e santo
rei menino. .
A recepeo que houve ha das no palacio em
consequencia dcste fausto acontecimento, foi
urna das mais concorridas, podendo-se calcular
em mais de 1.3000 pessoas, senhoras, generaes,
altos funecionarios, toda a magistratura, a c-
mara municipal, as sociedades e corporacoes, e a
frente de todos as commissOes do congresso e
do senado. ,.,.,. >
O Sr. Marios que presidia dos deputa Jos, di-
rigi a sua magestade um discurso notavel.
Os deputados conservadores nao quizeram ir
com o Sr. Marios, para nao ouvirem outro discur-
so poltico, como ua outra vez, e foram a parte.
Aggravaram-sc os padecimentos, da mai
do marquez de Hdal, e do general Concha.
Tambera teve urna recahida da sua doenca o
Sr. Abascal, alcaide de Madrid.
Verificou-se a reabertura da grande baslica
de S. Francisco, novamente decorada pelo pincel
dos nossos mais eminentes artistas.
Os oreaos e parte dos crvstaes de cores vieram
da llemanba e destes ltimos alguns de Hes-
O conjunto de tantas bellezas admira e sur-
prehende.
Carecen de fnndamento os boatos de contlicto
entre o nuncio e o governo por causa d'uma
questo de etiqueta levantada a proposito da
inauguraco da igreja de S. Fraucisco.
Parece que o governo resolveu nao assistir
ceremonia, que n&o ter carcter ofcial, e que
a rainba faltar tambem por.motivo d'um ligeiro
incomnodo de saude.
A raaioria republicana do congresso reuni se
e parece resol vida a escrever um manifest, com
o tim de exporo seu programma,e procurar ga-
nhar as -ympalhias, c se fr possivel a represen-
ticao das outras fra"ces republicanas, que nao
esto representadas no congresso.
VSo muito adianto los os trabalnos,do submari-
no Peral, e a demora as provas consiste apenas
na minuciosa e pesada operaco de fechar her-
mticamente as juntas da pranchas, para obter
a abs duta impermeabilidliae.
(is e-tudanles de Madrid, reunidos para ouvi-
rem urna carta do Sr. Peral,' cominaram enviar-
me um tefegrammde felicitacao.
O Sr. Sagasta vilitou uln nnent^o presidente
da commi.-sao encarregada de dar* seu parecer
gobre o projeclo do aunragio universal. Parece
ime ao chefe do governo nto agrada a idade de
vii anuos, marca la pela commisso para serelei-
tor e elegivel, que a mesma indicada pelo co
digo civil para a maioridade, e desejana que a
couiraisso apontosse a de 29. Por este motivo,
-'ura se que o Sr. Sagasta convocar os se.us
collegas para um consellio extraordinario, afim
dj resolver este ponto, que poda dar lugar a
grave desaccordo entre a commisso e o go-
verno. .. ,
No projecto estabelece-se a incapacidade dos
militares para eelegifuis eaincompa-
Ubidade entre o lugar de deputado e ndos os
jos pblicos, menos os de ministros e ps
dando a
antemeute ba-
je sub-secretarioB de estado.
O cci; ministres de 7 oceupou se prin-
cipalmente do conflicto dos vnoos e da manifes-
tacftO de Valencia e decidi que os ministros dos
negocios estrangeiros e da justiga tieam u:n re-
Kbre os estud do ministro da marmita
,...| itjv ib le abordagem bascando
w noo ultimo congresso internadonal
de ministros maritunos. O conselho niio uccei-
loU relatorio acerca dttsuCfragio universal.
ocoullictodosalcools.
n-mazens, e annunciava-se
para o dia 28 urna grande mauifestacSo de-tra-
balhadores. Estavam tomadas todas as precau-
ces para evitar desordens.
Em Ruh, na provincia de arcelona, re-
bentou um petardo a porta da casa do guarda
rural, causando estragos insignilicantes. Igno-
ra-se quem seja o autor do delicio.
Foi preso no momento era que depositava urna
bomba explosiva junto do ministerio da justica
um individuo chamado Jos Martnez, carpinteiro
Espera se que o processo relativo a estes atten-
tados acabe com os mysterios em que teern an-
dado emolvidyj*.^^^ ,
Foi u 25 noilti pena um individuo
va acohoear ufflpetarno, com rastilho v
na janella d'mjj.casa contigua univer
central,
felizmente'o petardo nao rebenlou
O enterro da seorita D. Concentiou Castelar
y Rinoll iim do Sr. Emilio Castelar que falleceu
ha poucos dias em Madrid, foi urna verdadeira
manifestacao nacional. Estavam representadas
todas as classes sociaes. Dirigiam o sahimento
os ministros e os presidentes das duas cmaras,
Deram-se vivas demonstrarles de syrapathia.
Concorreram muitas commissOes. As carrua-
gens'eram mais de 500.
Tambem se encorporou no cortejo fnebre o
conde Morphi, secretario particular da rainha.
Este acto da soberana tem sido muito applaudi-
do, como urna nova prova dos scus generosos
sentnentos e do seu alto tacto poltico.
Amontoavamse sobre o fretro innmera veis
coras de lloras naturaes com dedicatorias de
amigos da familia Castelar, de homens pblicos
dos diversos partidos e'centros republicanos ,e
de redaejoes de jornaes. No cortejo tomaram
parte as primeiras notabilidades da poltica, do
professorado, da sciencia, da litteratura e do
exercito.
Representava a rainha regente o marquez de
Sierra Bullones.
Todos deram por raorto em 26 d'uma apople-
xia o celebre general Ibanez, presidente da com
missao de geodesia.
Voltou a si da grave syncope ; mas a sua vida
est em perigo.
Conta o Fgaro que D. Branca lha de D. Car-
los de Bourbon, estando ha pouco tempo ein
Pan, fez secretamente urna excurso a Hcspanlra;
visitn San Sebastian, e foi at ao convento de
Loyola.
Est doente o Sr. D. Nicolao Salmern.
0 mareohal Concha e o general Morelo achara-
se mui gravemente enferm.
O ministro da fizenda desmentio redondamen
te na scsso do senado que o cnsul fraucez em
Valencia se tenha negado a legalisar os certifi-
cados aos exportadores de viuhos, accrcsceotan-
do constar-lhe que nem o gabinete de Pariz tinha
enviado instrueces ao seu agente para fazer tal;
e afrmoufque, embora o governo estaja decidido
a defender os interesses da produeco nacional,
effectuar esta defeza respeitando e fazeudo res-
peitar os tratados de commercio.
O Sr. Albareda embaixador de He-pauha na
corte britonnica, chegob a 22 a Pariz, onde se de-
morara at ao tim da semana antes de partir
para Londres.
O duque de Cambridge, to da rainha Victo-
ria e geueralissiino do exercito inglez, devia par-
tir a 30 do corrente de Londres para Gibraftar.
Atravessai toda a Hespanha, viajando incgni-
to, sob o titode conde de Cullodeu.
Franca
Acerca da victoria elcitoral do general Bou-
langer porParis, trazem-nos abundantes prome-
nores as folhas que acabamos de receber.
A eleico foi renhida, inverosimilmente dis-
putada. Mais de 30 ',000 francos se tinbam gas
to nos ltimos dias em cartazes, de um lado e
outro, uns por Jacques, candidato ministerial,
outros por Boulanger, cobrindo sucesivamen-
te as esquinas das ras. A distribuico das
listas de boulanger e urna circular deste candi-
dato aos cleitores de Paris, ultima hora, ra-
portava em 50,000 francos approximadainente.
Os doestos. as diatribes mais descabelladas
as folhas adversas ao candidato do governo, o
grande destillador Jacques, e as dos amigos des-
te contra o general Boulanger, tinbam attingido
o paroxismo da insolencia, da grosseria e da
violencia brutal. Muflieres e homens de equi-
voca procedencia e catadura ignobil cantavam co-
plas quasi obscenas, insultantes, repletas de ia-
jurias deprimindo e calumniando Boulanger, ou
cobrindo de Improperios o Sr. Floquet, com sa-
casraos apimentados e nao menos calumniosos,
uas pracas, as encruzilhadas, nos boulevards,
as villas mais pftvoadas da rel da populaco,
que as applaudia ou assobiava. Se a policta in-
tervinha, querendo dispersar os ajuntamentos, a
plebe qu- acompanba esses auditorios de occa-
siao. tomava logo ruidosamente o partido dos
pinos trovadores das mas. e resista aos agen
tes da polica do que resultoram algumas deze-
nas de pequeos conflictos.
A tropa estova toda em armas nos quarteis ;
alguns regimentos suspeitos foram transferidos
para longe da capital. O tempo era magnifico.
A phasa eleitoral tomara aspectos tumultuosos,
e alarmantes, que davam a medida do alcance
que o desenlace eleitoral devia ter sobre a si-
tuadlo da politica interna e porventura tambem
da situago externa da Franca.
Era urna luda pela vida. O governo e os re-
publicanos por urna parte, e por outra os bou-
langistos, codjuvados pelos raonarcbcos, de-
gladiaram-se com todas as armas, exceptuando
felizmente as da desordem. Cada um dos gru-
pos representava a victoria do outro como a des-
graca da patria c a ruina das instituic&es : cada
u'ii aecusava o outro de projectos liberticidas e
subversiuos para Ihe alienar as sympathias dos
eleitores. Assim, o Tempj, jornal Circunspecto,
dizia no s >u numero de 2o de Janeiro :
. A eleico do Sr. Boulanger ha de lancar a
Franca n'uraa serie de conflictos, cujo resultado
nao se pode prever. Os poderes pblicos pos-
tos cm cheque, as instituices discutidas e aba-
ladas a paz interna e externa merco de urna
cabecada ou de um golpe de mo. os partidos
disputando uns aos outros, nao somente o poder,
mas a nagao : eis o que nos espera e o que os
proprios vencedores nos annunciam. Prensa-
rain primeramente, para conseguir os seus na,
deserabaracar-se do presidente di Repblica e
do Senado. Se estas duas cidadellas cedem,
o golpe de estado ; se resistem, a guerra.civil.
A reviso ? Se a reviso ge laz, a Repblica
merc te um lanco de da los ; se nao se faz,
Paris de hoje insurgindo-se. pelo menos moral-
mente, contra Paris de hontem. e arraslaido tal-
-* a F.anca de amanl. a constituiule ? E' o
exercito inimigo dentro da [iraca, prica mal de-
fendida nos .- js.ui'unos en rinclifirameiitos,
por moa guarnicaoaisimada, desmoraltsada, e,
anda p r cima, desunida.
... Q-ianto inais se pensa. mais se adqut-
re esta convieco ; o tria ap&n do Sr. Bouktn
que -cria a dissoli: >.. nao seria i B0B-
ij.o de :oisa nenbama.
lira assim que o Temps apr
acto eleitoral, a situar> que 0 r
acocreouja. .
Por outra parte porn. a f tmet, e com e.ia
toda a imprensa b .r.langi.-ta. attlftuia effi
n&o tneooj desastresos victoria ao candidato
pplautosse o g
Boolanae, a sitoaco lotiuca aggravar se-hiu.
ou o qoe l'i|>r. ,: t:'i
qusl boje at as clei. qu-.; quer
Jizer que aos tres anuos decorad
ca lia una tregua mal
formada de seis mezes. durante a qual, a nica
orientacSo da maioria seram as'suas preoecupa-
ces eleitoraes.
Comccaria cntb urna serie desastrosa e
propostas de le contra a liberdade da imprensa,
contra a integridade do sull'ragio eleitoral, coa-
tra a seguranza pesseal de cortos individuos ; e
ao mesmo que o presidente da Repblica assifj-
naria a reentrada do duque de Aumale, o gabi-
nete poria em exccucSo todas as medidas veja-
torias que boje se preparam.
O-iituro seria apenas una coutinuidade de ra-
il'-a lias contra os eleitores boulangistas, de de-
urieijtf coutra etles, das negociajcs da justip
outras iniquidades que a razo de estado jos-1
tfica".
Nao se illudam os ^litores ; seria isto e na-
da mais do que isto -
Para dar apparencias de verosimillianca a es-
tes vaticinios, a Franc denunciava coiispiracOer
|ia*rosas do poder. Iam marchar sobre Paris
diversos regimentos e a guarda republicana
tinha recelado ordem de ferrar os cavailos com
caoutehoac, para facilidade das cargas sobre o
asphalto.
No saDbado (26) organisar-se-hia, sob a pro-
teceo da polica, urna manitestaco anti-botuaE-
gista, e, se desse bom resultado, o general e os
seus amigos seriam presos a pretexto de terem
provocado tumultos.
l'ara invenco, tudo isto, como os aconteci-
mentos mostraram A linguagem dos dous jor-
naes cima citados d p rfeita idea da de toda a
imprensa de cada um dos grupos, que disputa-
vam a victoria eleitoral.
Apezar da ordem material subsistir, nos
ltimos momentos antes da eleico, a agitacao
dos espirites era extraordinaria, e os traba-
Ihos eleitoraes tinham redoblado de aniraacab.
Eis como dao idea deste estado de coisas dous
telegrammas recebids em Mrdrid pelo Impar-
aal e pelo Liberal daquella cidade ;
Paris : Poucas vezes se tem visto, como
hoje, una tal rauilido na cmara dos deputa-
dos. Os corredores estavam perfeitamente m-
transitaveis, e era enorme a agitacao.
Os boulangistas andavam de grupo em gru-
po, excitando os nimos com o annuncio da pr-
xima victoria do general, e propalando noticias
de sensaco, que eram rpidamente desmen-
tidas.
Avulta edtre ellas a de terem os fraiicezes
solTrido graves derrotas no Tonkim e a de Bave-
rem desertado 71 soldados, iuternando-se no
territorio belga. Urna e outra chegaram a circu-
lar em Paris durante algumas horas como verda-
deras.
Ha muitas e diversas conjecturas sobre o re-
sultado da lucta. Receia se que se abstenlmm
de votar grande numero de republicanos ; ha,
porm, iguaes receios pelo que toca aos mona-
chicos.
Commentova-se o fado de Boulanger nao se
haver demittido desrepresentante do Norte co-
mo um symptoma de que o allu .ido candidato
nSo contava com o triurapho de Paris. Sobre os
resultados que podero advir da victoria do bo*-
langismo formulavam-se muitas versO-s, entre
ellas a da formaco de um ministerio radical
presidido pelo Sr. Clmenceau.
Continua a propaganda phrenetica, espa-
Ihando se*muitos milhares de retratos do gene-
ral, bem cemo folhetes Ilustrados com chroni-
cas etc.
Nos boulevards, grupos de camelots cantam
a canco Qnel malheur de s'appeler Jacques I
m 0 goveono adoptou urna infnidaae de pre-
cauces para manter a ordem amanb. Foram
prohibidos os transparentes as janellas das re-
dacces destinados a indicar o resultado gra-
dual da votaco. Esto medida tem por fim evi-
tar a agglomeragSo de povo era frente das re-
dacces boulangistas, que se acham situadas
quasi todas as ras mais ceotraes da ridade.
Outro telegrarama de sabbado (26) para Ma-
drid era concebido nestes termos :
Faltom poucas horas para a grande batalha
eleitoral e a actividade dos boulangistas augmen-
ta sem cessar. Todas as classes, proGssoes e
i nleresses sao alvo dos seus manejos.
Aos accionistas do Panam promette se a
proteceo do general mediante o apoio nancei-
ro do Estado aos toverneiros a abolico de to- -
dos os obstculos iilierdade do seu commer-
cio ; aos pequeos empregados, gratificaces e
diminuico de horas de trabalho ; aos licencia-
dos do exercito e aos membros do exercito ter-
ritorial, fallase das glorias militares que vio
ser resuscitadas pdo ex-ministro; emfira, aos
pequeos commerciant s arruinados pelos gran-
des armazens, promette-se adopc&ode medidas
rontra a competencia que os anniquila.
NSo se es eram Ilegalidades eleitoraes. To-
das as mesas estoro cuidadosamente vigiadas, e
julga-se impossivel o falseamonto da votaco.
O numero dos votantes foi extraordinario prin-
cipalmente at ao meio dia. Nao houve desor-
dens nem irregularidades no acto eleitoral. as
389 secces apuraram-se ao todo 433.708 votos,
sendo os eleitores inscriptos cerca de 558:000:
a maioria absoluta era pois de 216:854 votos, o
resultado completo do escrutinio fui osegpijje:
Boulanger
Jacques, republicano
Boule, socialista
Diverso
-
i prime
2U.070
162.520
16.760
10.348
Bonlanger ficou pois eleito, no pnmeij
crutinio, contra o que se esperava, lendo 27.216
votos a mais do que a maioria absoluta <*< JPt-
cendo o seu principal adversario Jacques por
81550.
E' urna victoria assombrosa.
Boulanger. ainda ha dois annos obasurn, ac-
corda em todos os povos sympailiias e receios,
ou pelo menos urna curiosidade intensa, sobres-
salta muitos governns, agita os exerciras, e est
a estas horas sendo discutido, de envoltom
problemas o futuro, (tanto nos boutevards de
i'aris como em S. Petersburgo ecm,Berlim.
Se hoje em dia Berliru dirige os go'vernos, Pa-
rs ainda influe as naces e ninguem cbnsegui-: '
r privar o espirito francez da prodigiosa facul-
darie de expauso que lhe tem assegurado em
todas as phases da histona contempornea, o
terrivcl poder de abalar todo o solo europeu com
os seus terremotos e o inexplicavel privilegio
de guiar as evolucoes sociaes.
Esta victoria eleitoral prestase a comincata-
rios d, admiracn extraordinaria. Contra os
esforcos deseserados do governo e de todo o
partido republicano, no centro da acc. o ^over-
nativa. em pleno coracao da Franca, um lioinem .
so. rodeado por meia duzia de sectarios auda-
cosos, e s; rvin.lo de syioboio e de encaruacao
- ontemtainentos e a todas as u
teucias. obtefe nraavictori. to estron losa como
Icaiiva, que nao ha de tdu-,
gil- em aconteca], ojos importantes e deej-
0 partido re>
venc I
I

-,
r
i

i

mar os seu
corrente, que ameac
M sea sfloai
o estado de opimo p bli
de 188'J, estalar ;
vei ntn- d'aor.
Boul
lo pen,i
brayiiral, votam
qoei-
-'ir
E
rr~
1
r


Diario Je- Pbi-tambnco---Tergaeira 12 de Fe
-
\ ere

:


ontra o atado tte'eral
mentarismo bastardo tem dtsgostado o espirita
publico.
O sentimento, que se traduziu nesta puntosa
victoria cleitoral foi mais negativo do que affir-
malivo. E por iaaawnasnio a situaco. que se
isenha, sitivamente indefinida.}
A u>o denles acorttceimentos tem de resa-
ir-s por oran'um ponto de interrogaco, ob
serva um jornal que temos vista. Os elemen-
tos qu1 se juntainnaojoapa
ferigam e desnanse ;wMatirt<<|*iittdoe caMar
de edificar algn ctuJMme anbstilot qau^e
trata de deitar abaixo. i
Para muitos. Boutau.'ur.capenas uiMwatagMia
destinada a ab a* fortaleza .jepuUMlB-
para ontroi, Boulaaw *wna MMtN-ciaMle
duapOt'ajaWWtosi i un diu ^t- fKr^Ktirarw pwr^t O w+ebfeBtadi8ta Oladtone esperado eso+Adolplio-dc Nassau, chamado suecessao do
tira geral do gabiu
Segundo consta ao 5fot**,o gewral'HuTrtangor
declarou que tenciouava ir no dia .11 cmara,
parapropor novamcnte a dissolucao do parla1-'
ment.
Urna grande roanifestacao de mais de 600 os-
tudantes queimou a 28 a nouto a elligie de Bou-
langer na praca da Sorbonna; hus transen-
tes protestaram e travou-se conflicto.
Na praca Moubert hnuvc tarabea- desorden-;
junTauLaaojoapora deaaatiro quema*, woatudaoie untaran! 'ifMMBapootes par
Irum faaa-rmaafcstas*e'' doNwwwda redaos** guio sattr rfu-ata e fag ira a ra
Roma : teneiona conferenciar com Lefio XII re xoftafcaargoipoi' uiorle do Rei da Holbtla."
o dlefu do partido liberal aue a conferena>ailK>awl>aljsfe,e#Srcio hoave quatro lilhos : o princi-
sera motil causa da Irlanda.
Indati-rra
O cettihrotteoutad e agitador irlands Wif
aaiO'Bwou cmnpareceua 24 de Janeiro no tri-
bunal de Carrick, no condado de Wati i
para ser jolgado por delictos punidos nn Ici
represso.
Era*ileiU-*>08ndi'[iiuaya*>4j reu
rem, nnws do-triba nal-dictar* senMOfaj, coas
.'t* Gustavo, Duque de Vermeland, "casado
c'eat-jBfpwaeeza Victoria, filha do Groo-Duque ile
Bttto-te'iietaydo Imperador Guilherme I; o prin-
po>t>sss> que renunciou os seus' diretos ao
ilirasdesposando recenlemente ardilha do car-
de TM^Munk. de Fulkila; o principe Carlos e o
principe Eugenio.
BoMtt
A iuMMj russa do cosaco'AWarinol' avenates*-
na; para <
Monck. destinadeeMropsw.aasa) asaaa*renn)>
d'ura hlso republicano., a restau*uea. chia; para alguna^! i naliDtniei--<' ntO"0 mai
grave,Boulanger* p*fsonattoa$*w*i nerum-
dueo seu advento au poder sera o prenuncio
d'uina guerra prxima.
Ma< todos estes interesses, toaos estes clculos,
todas estas paixes, ligndose no mesmo intuito,
e accessos ua mesma febre, produziram a mais
intensa, a mais assombrosa popularidade, de que
bm vueinoria em FrariC/ivonde as srmpathras^HMB>
horneas pblicos, costimain sor tao- enieplieras.i
Ora a correte boulangista, por Uso inesmoque
toda negativa, toda feita de descoulentamentos
e de despeaos, nao tem feito ha am auno seno
Hgrossar.
E boje, o que era o brav'gneral, ridieulari-sad
palas c lledelas de Paulas e pela carirjunnu, le-
vanta -si- 'diante dos. poderes coustituidos como
ama amoasja, que ha de seramanhaauw domina-
Co.
No ilpsvairamcnto da su critica, escrevia, pou-
cos das antes da .eleicao, uo jornalista pari-
sieuse, hostil -a Bouiaoger).qua se elle veocesse
na urna, era preciso uutal-o. Oqueellesuau po-
diiaui matar, porm a ideia. o descontenta.-
entu,-o mal estar deque o uome do general e
apenas o svmobolo ameagador.
O iMiiellio de ministros. reimii-*o no do-
miaho'27 pelas M horas da noile no Btjfseg. <
Sr.'Fioquet, iiresidentc do>conselho'iec;laroi|ui'
estavii piomptoadarademissose'O -t. Carnot
Igasse que a deinisslo {acilittiria a soluco tas
diflculdades eventaaes. Atguns ministros foram
de-opiniaoque conviriaformar um novo sabinete,
composte de imibrosinnuentcdetodas.asfrt(:-
r"iublicanas; mas o Sr. Carnot isse-que
cumpria esperar.o resultado da gessaode-se-
gumla fcira-18* na cmara dos depaudos antes
de tomar urna resolugao.
. QpresideBto da repblica, teve no da 28 a
tarde n ua (nfereacia.com: os Srs.: Ferry, Ti-
rard, Waldeck, Roosseau e outros personageas
poUtico*. -
A noite- da elei,ao pasMu-a o general itou-
tanger no caf Durand, na prafa da Magdalena,
reeebendo alli noticias do resultado das eKices,
qua os ses amigas- Ihe iaon levar.
Ooutro proaienor apezar de se ter escxjlhido o
candidato Jacques, por se supptjr que seria nitrito
votado*nos suburbios de IMrta, as secces d'es-
ses suburbios deram a Boulanger maiorias amda
jiais iomidi-raveis dotpies das centro.* d Pa
r..
Durante a noite de 8 liftram-se algutnas
arisOes. que foram mantidas. Os joruaes. porem.
ao dfto uoliaa de nenhoma desordem gravr.
apean da viva agitacao. que continuou ate s 2
floras da madrugada, ttn*oaios boulevords, como
Obairro Latino "i
Segundo o Fgaro, 'de 28, o Sr. Paulo de Jou
rencil. membro da esquadra radical, assim que
se abrisse a sessio d cmara dos deputados, a-
terpellaria o ministerio,' porguntando o que ten-
ciouava o governo fazer para por peias ao bou-
angisnia: e corra, tambem qteoSr Carlos Fb-
Juet pronunciara Tim grande discurso; inten-ia-
o o Sr. Flix Pea, au discu*o, a favor do so-
'ialUmo.
Os joruK republicanos iv.oiitiei^m qin- a
repubiiea soffren na elinco de* 27 um grave re-
ez: mas acrescentaai que nao basta isso pan
se desanimar, e que preciso conservar saqpK
fri, e preparar annifiode- tcHlos.osirtpuhticanos
contra o cesariMTio ameaiidor.
Os jornaes moBjarchicosJ dia-ai que. a v ir.loria
do.geii'ra! BouIangectS a conderonarao da repo-
blicu [larlaoieuiar-o pfOMtgn da sua queda pra-
xkna.
Os jornaes bouiajsta's wsprwsam opmiaO
anloga, e fazem uotairque a votaftio dos eleto-
res do Sena tena, sobre1 tad,Ogoverno
Na eleiritodegstatiwr da Ctrd'Or bwave
a seguinle vtago a 27':
Bargv, republicano----- 5:5i
Prost, radxeal.'....... 22:783
Boulan (la poitautti empate-. '
O Sr. Fioquet planeara unw rcuniad plena-
-iadas i-si|uerdas para ooinbinar eui eHasa- pro-
videncias a tomar; mas como'Ws presidentei das
mems das equerdas nao approvaram este pro-
cesse, resolved apreseatar a cmara o projecto
relativo ao escrutinio de arredondamento e opro-
ject coucernentie repressfo dos tramas plebis-
citarios, o qual cousts^teiu deferir ao julgumcn-
lodo senado certas tramoiasano a* deB ge, e cuja penalidada'iwderia chegar at de-
porun.-an.'
O que se tratava agoradeBaber se esu* dous
prejectos sermm. apresentados oo dia 29 or no
diaiao. As mesas das -esquerdas queriam a apre-
seatacao a 29 aura de seprevinir a Interpettacao
do 6r. Jouvencel.'
0 eonselhD de ministros deleberariaaesse r peito a 99 de manhft.
Sob a presinJi-ncia do Sr. Fioquet, realisou
se a 28 segunda ena de manda o novo conse-
ttia-de ministros, que se occupau-priucipalmenle
das Medidas a toman dada o caso de qualquer
tentativa de desorden), o que at entaouo pare-
sia provavel. O aspeCo de Pariz era de completo
aoeage.
O Sr. Caruot esta resol rido a fazer oseu div r
com tianquiliiilade e presenea de espirito, e a
assuQur todas as responsobiliailes. que a situa-
jio-lh peder impor, nao abandonando o poder
ante do prazo marcado pela Constituieo.
Corra em Pariz que o gabinete dfi*r. Fioquet
esta inclinado a pedir a dissolucio, e a marcar
s eleici's geraes para Abril, depois de modifi-
car ;. o elertoral,.de forma.a reprimir to-
dos os manejos plebiscitarios
Alguns deputados pe lem enrgicas ni.'lilas
ojrtoi uulanger. e para iss^j aconseiharain qm
fosseenoajiegadoogendral Campeuonda fornia-
'jiotli um gabinete.
A fflfcainara dos deputados entrou na or-
dem do dia*m incidente, discutindo-se us me
BOtaoirntos dos porU > militares. os deputados,
Borm, nao prestavam grande' attenc;1o ao as-
sumpto.
Alinal foi approvadu o projecto, in luindo o
crdito de 42 niilhes de francos para as obras
levaniando-se a sess io sem inci-
odoSr. JouveiH-i', mbre as nro-
governo conta adoptar para Ruar
eres pblicos, a qual estavt, ha-
insenpta na ordem do dia, foi
o dia Si), a pedido do proprio inter-
pellinlc. apolMo por todo* os repblica;
Na- ;)iX!iiid-ides das cmaras, poneos eram
os cuno-os. Nao tware. oceurrencias dianas de
oencao.
O Jurnnl dos Debate* annuncta que n'uma reu-
tio, celebrad a 27- a noite varios d.-puiados
radica-^ sustentaram o a vitre de se foi mar um
jabn te de accio, o qual' pedirla imm.-diata-
neulc aatorisacao para fazer proeessar i general
Boulanger e os 9 tioulangistas. por tra-
ua o itra a lado, mas esta pro
comba la e nao se toma re-
Lauta D
i de se lomaren) midi-
ere que Bo ilanger cons-
one o idade diseo : la
iria a cau a d'elle.
i lo contri
: doe -
.
proceder
iiiiuistrur
i do paiz.
laiigistf d
ando a ac-
..
tia-seqoe oSr. Fio-
D projecto di le pa-
las, ou
da. aprc-
iteo projecto d
ara lelecida a eleijao de depata-
^HHaV
posu solu<
0
1 da
pin
f r
anca
f"i
l
i

al
da i'resm* Hiia^foiaiaMTeaaltaoi^la polen
Toias oa'oa)tros'-bairn*de UawquilhiH*
i O Tmem^tmkm do sen corrpondeaa*
Pariz iy eguia*ntele3rarw;
i Um daa> amigas do
imiul 1-8H lirt-^in-inie aatri.dw iniavvllepamsen
do-aV insiani'ia Ue. aijraa-f raawgaw inatioas.
reoosava-voltar patrtltyswfftw -nnrmlladirii-iei
de exilio que Ihe diz respeilo, recebeu a seguin-
te resposta:
Nao se trata aqui de um favor que se solli-
cita, que se aceita ou que se recusa : trata-se de
um acto de equidade; e com* podia em aceitar
de outro modo que nao fosse o sentimwito da
rratidao, e ramprnTieirto detnn wto qne me t sr
nava io nommi nwri do-me o que elle tem de mai# caro1 a patria .
Uiaa. eommunkaeoi publicada pelos jornaes
desmentio que fosse adudufa asamblea gt-ral
extraordinnria dos-accionistas do Pana mico que
eslava convocada pa a o din 26.
A reunio effectuar-se-hia ainda mesmo que
fosse insullioiente o numero da* aceOes defwsi-
tadas.;
A" assemblea peral da compiullia' do Panam
celebrada a1 26 estiveram prtfaeftM cerca de
8,000 portadores de ttulos.
Ora-como o numero daact;oes deptoitadii lo,
iaerior a :tiiO.H), mct-.ifl>> das emilHdir. a as-
seaolili'ni iiao pode validamente deliberar; mas a
pedido do Sr. Fernando de Lesseps emittio m
voto unnime paraudissolQfKii e liqaidaifutla
oeiMade antiga e formaeito #e urna nova soeie-
ilailK'pelo r. Brunet. ati|(o ntinislro.
A assembla, que este ve muito agitada sepa1'
ruu-se aos'gritos de rita Lesseps.1
6 rei Leopoldo resnio no palacio real urna
quanlidade de pssoas eminentes pela sua posi-
(,-fto siM-iaf a su philantropia e os seas interes-
ses as emprezas geographfcas. e constrtuio una
sociuilade intitulada assoeiacao Africana da Cruz
VeniiH'lha, cujoobjecto pitstar auxilila todas
asi victimas das expleracoes, das guerras e das
epidemias em frica.
Os presidentes da assooiafad s8o oprincipede
Ligue e o>general-bario de Jolly. i
Constituida a sociedade, o reVamwnciou que
Ihe.faza pessoaknetite o donativo de um exten-
so territorio, que ttnha mandado explorar con '
vi'iiienteniente e adquirir na costa noroeste de
frica.
O lerritorio uaoo pelcrei destinar-sehajao
estabelecimento de urna grande estacSo sanita-
ria e de refugio das empresas africanas. Nao tica
muito longe das ilhas Canarias,
i Acaba de ser condenntait em BruxelraB-3 6
meses de pfisSo e 300 francos de multa o uar-'
chista Gille que, ao verua rual rainha, grit./n :
morra i a austraca !
Italia
Atirise a 28 de Janeino 0 parlamento italia-
no o discurso da corda expoe os projectas de
lei que.serao apreaentatos s cmaras} trata de
justificar as despezas'militares, dizendo que nf.o
Be guarda pelas armas, um |iaiz engaada, e o
governo trahiria o paz se nao continuasse a
consagrar os 9eus cuidados ao exeretto e i ma-
Hnha; consigna a inrHndade-do*-lacos que h-
gatn a Aileinanha e a Italia, demonstrados pela
visita do imperador Guilherme; accrescenta qnej
s^cs lacos sao o* penhor desta pas de que nao
s' a Italia mas todos os estados, tee* vivo dese-
jo, iwrque aecessari* ao bem tetar das rracSes
e aopogrosso. da nvilisaeo : e conclue aftlr-
i mando que a paz sera mantida pela Italia.
I No domingo, 20, reuniram^se em aples, na
! sala TarCia, -doas mil ^studamos, operarios e
mcinbros de diverjas associacdes, com rerca de
irinta estudantes. Tratava-se-d'um- Meeting em
favorda paz.
No estrado da presidencia, -coja cadeira era
oceupada pelo Sr. Zuppetta, viam se rauitas sei
nlioras.
S/l sesso foi muito interessnte'animada';
comeeou por a assembla pediro bjmRO de Ga
ribaliii r a Marcelleza, queJ=adou-nthusiastr-
camente, e acabouse O Sr. Zuppetta coinjoa por anmjnciar que j
quinsentas assoriaces tinham enfhtdo a sua
adbeso ao meetmg; ex_
manifestr-e contra, guerra, etmeoialmente- a
guerra contra R Franra, que seria nina guerra
de soivageas!
E acorescerrtou:
A queda da Franca- trazia eomsigo ajilestrui-
go da liberdade. Existiart entre o Italia e a
Franca, germens de descunteritaimmt que te-
riam.sido prolnpamente entructo fie alguiM In-
teressados nao os tivessem animd c excitado,
seria victoriosa altada ou a Allemanha. n- ii-til-
ladoe bao de ser setnpre mulos'irreparaveis para
a primeira. Infelizmente os tratados de alliancn
de pdueo servem.
A Allemanha que favorece os privilegios,
combate u Franca que representa a Ubentade.
K' a luetada-idade media e contra a poca actual.
Mas a viotoria hadepertencer igualdade e a li
berdade. e entao o mundo lera a paz.
0 orador 6 muito applaudido. e segue-se-lhe
o uso da palavra o Sr. Demarinis, presidente
do comit.) promotor do meetmg o'qual declarou
que- as altas regiet se trabalha para pro-
vocar a lucta fratrinda, e accrescenlou :
Queremos erapregar a forca nieamente
para obter a realisafao d'um grao de ideal, mas
nao para desenvolver odios accesos por indivi-
duos mal intencionados.
Em seguida recordou o servidos prestatlos
Iblw-e a liberdade |M'la Franca,e evocou asom-
bra dos soldados morios em Magenta e em Sol-
ferino.
As palavras do Sr. Demarinis foram eoberlas
de i;m> husos frenticos, e elle eoncloio dizendo\
qfce si os dissentimentes existiam entre os f-
vos h.ivii.m de desapparecer quando aquelles
fosseui osamos-.'1
Faliaram ainda' muitos1 oradores, todos no
mesmo sentido e muito applamdMos,' prineipal-
'merrte quando proferiampnrases con esta
Nao qneremos que o pan se lance em aven-
tur?.s. Se o ovarao. httpelMn pe* urna eeguei
ra fatal; no* dnidu^ri guerra; ser esse dia em
que nos declaramos guerra i guerra.
0 Sr. Hubert fallou de fraternidade dqs dous
povos. que tem interesses' e sentimentos com-
rauns e terminou sos gritos de Viva a Italia .'
Vira a Franca t
Grito que foi repetido com verdadeiro enllm
siasmo por todos cireumslantes.
O operario S irti deplora asdesgracas produci-
das pelas ultimas guerras, (aseada solrresalilr
o* prejuisoe que a suerra causa a todas ns cla3-
ses da sociediidp.
O Sr. Magliano. membro do comit, diz que
os males estendidos entre a Franca e a Italia'
foram provocados petos jornaes.
O operario Fasolisquea-se da situagao dos
operarios que n toma socialistas.
O Sr. Iraniano, deputa,lo, diz que os delegados
da democracia iranceza viudos o Milo o em a.
un detrau-r as suas saudaces den eracia
de aples, e SCCleatCUtlCf:
Queremos ; paz o todo o custo.
Nao combato a poltica do governo, com-
bato apenas os armamentos.
O Sr. Stauziali procura irovur que as naces
armadas lem em todos os lempos vencido os
exercMos do despotismo, e apresenta na mesa a
iie ordem do dia :
,iit de aples, coufonnando-8e com a-
iHies formuladas pelos romits. fg -
. lo u'oul'a- ci'.ules da li.iha. toma i
o r u ideal d a
| i :.. v al ,: I
i,' d albanca, o- ilin-itos
nadonai, que tito quer ser mantida
propnos
Es a ordem d i dia foi oa la por a
io di.....ila)si. piausos.
N iiiti raimados dis< ni.-.- tocou-see by
de G iiilaldi e. a Marsellie/a.
ansa *>
De Boma participan) coiu urna nova pro
acbVa entre a Inglaterra e a
Sania Si. Ao paia o hispo de Malta de
uuj conego amigo da Inglaterra, contra
jo il da cah,'dial, que propunliam
am uimigo do ingleses.
reunir-'pana- defender1 O'Bren.
imeaf''refori.'a.lo canVFatul-
iribunal e que. qnai exelu-
dttued'Autnile, nn-r- shaai,'f'fttwu)ptta i4dirWUos A* liga-agra-
riu, fe*-eaacaniinuttlMWma-'deputado autoao-
genle, -quatte
i*< asie ^rafiofoi rapid
lida.i. quaaMai-h83
Os rgcfftes de'polielsfntacaTanT os-grupo, qne
sustentaran) o ataque com bastante energa.
A noticia do successo circulou por toda a ci-
dade. e.logo em seguida o deputado O'Hrien foi
rodeadopor urna enorme rauliidao, que a todo
o transe quera impedir o sua prisao.
. A lHa4a^prolaB>waa)ian-por--mui'-
caiidii a nolicia repetidas vezes a
sem outrvj resultado aWm do de canisr moltos'
l'eridt>s. i
TcR-rimos anda nao foi encontrado, apezaaT'das
instantes buscas da nolicia.
SupnOe-^e qne O'Bfinr est escondido em casa
de algum dos seus< partidarios? <
O tribunal, quCjulgou a sua causa; condem-
nou-o a 4 m-zes de prisio:
Comeeou i 2i em hkibbereen (Corkt 0 julga-
mentri .lo processo do padre Mac artbv.
A cidad* estava cheia de- partidaiws eu-s.
que j' na vespera noite promovern) Mesrteos
cm a policia, na^'quaes licaraai feriaos 6 abys-
caH e 5'agentes pociaes.
No mesmo da houve em GloniiRtlIy- (Irlanda)
outro combate assaz renhidoentre o povo -e a
policia, sendo aquelle o aggrftsSor; fui -ti prisao
do pa*0Bho, nm agitador' muiit eotmaeM* no
paizT"
ll.i digquinze homeils flidos, da policia, e
uns virite'popnlares.
0 Smdorrt advoga a reconciarae da Ingla-
terra com a Bussia no sentido puciflco'e cOilser'
vador: a Inglaterra s deseja a menutenco do
equilibria europ-u, e. se alguma provincia ten-
ta.-sc pn-turbal-a-, a Inglaterra^salwriafrustrar
esse plano, como no lempo- de Napoleaa I; o
Standard porm confia- na cordura e lealdade
dos soberanos, e particularmente do czar.
Os accionistas" da comnanli do tuitm-l sob o
mar da Mifncha realisaram em Londres' a sua
assembla geral.
Fic'ou decididoque na proxhonsessSo do par-
lamento seria" apresenlado uti) projecto de lei
autosisatra-a ootthiuac^d dosestadbis'coraeea-
dos eurLOndrs'.
V tlleinaiili
! Foram expulsos- de Berhm os coriespondn-
do National e do Fgaro, ambos cidaduos franee1 \
zes.
i De Berlim parferipass 'qne Bisniarck falln
particaraifiieute cornos chefes dos'pamdos li-
beral o nltramntano, corba da nova pdlitica
colonial da Allemanha c projectos apresentados
ao parlamentb, fazendolhe viJr os inctnvrtiien-
les de suscitar a este respeilo debates puWfcos,'
que obrigartam o governo a fazer declaracf s
inconvenientes, revelando o segredb 'dos1 seus
planos coloniaes.-
, Esperava-se que o chanceller conseguisse
morieoer a opposicao do centro catlielico dos
proitic.os coleniaes.
Na sesso de 26 de Janeiro do parlamenlo fe-
oral e entrou em diseussfto o projecto de lei
toncernente frica oriental. O conde Heroer-
to de'Bferaark eoitslgda qifea~sitoa?at)-se ag-
eraVd eom a insurrei^tw- dos 'mdlgehas 'e os ncV
vos morticinios: mas entende Ijue o'parlamen-
to federal 'nao |Wde desdizer-se. e portante ap-
provar o projtclo de l^i confbrme'US suas de-
Cises de Dezembro ultimo.
0 capitJri Wismarih; coramissario imperial,
xpoz a situado' dos allems- na Afrilf^a, 'hM'
esperar que "a ricaproduec da frica 'ha Vfe
compensar todos os sacrrticios, asBegur||i *e-
rem encllenle? as condicOes Sanitaria Wra'fri-
ca.
i
ca ete'tioite na bahia deTadjwati, n'um asa
A polisiavasaHWla pBmaputo'O. Antos dowil 'da costaapertencente aos- pretoarmas -onde o -pra-
........i umusati t'i i com um oumero*ogHHio'dei| ajolBa)franci'z se exerec dettm uiodanioNtnL
A miaato compe-se de oaMe f>0 pessoa.
entrS quaes "e contam innBs' pailr'e,--' itMaNaav-
res e*eri(sncas.
Os sequazes do cosa li.re Al -litn -i',' !fa
apenao|tnas parasua-seguratira nuiin pfaaweo,
pado#'Bio apoio morat/-materiaI que/ eo*-.
co AtchftiolV leva Abyssinia.
0 Gro-Duaue de Hess,; parti ha poneos
das de Darmstaut, acompauhado por sua filha
Ulix, om din-eefo-a S. l'etorsbiir;
Como se sabe, a princeza Alix 6 noiva do princi-
pe herdeiro da Russia.
muito- tempes ta- MHtiai*
multidarj^as Os Srs. Latarigi o Blarenberg deram a sua di>-
nisso de presidente e vice-presidevite da Cama-i
ra dos Denotados em consequencia da vtnacSb do'
dia 2o de Janeiro contraria ao estabelecimento I
de portos francos em Brala o.Galaf'
Marraran
izcm despachos de Tnger que o sultao de!
Marrocos se prepara para marchar para Habar.
Zanzbar
Foi assassmado pelos indgenas t-m Mkanze.
quando eslava prximo a chegar costa, o mis-
sionirio'angUcano Arlitur Ilrofrks que \nllava do
centro dertlrita.'
SegtfndlPBS''Tiltlmas 'noticias de ZantIBa
missuiia'ricin'gtez Brooft'st- os IB bonums fIa%oa
comitiva foram trucidados |H'Ptode Sandm'por
habitantes rfa'ro.st'.vepor-arabfs deZ.lnzibar/- 0
Timen Aii qoe'o missionftrio---Brook<- foi Inorto
simplesmere por ser e como' des'fbrrdos'actos
pralicados pelos allenies. O sulto Setfd Ktali-
fa chatbou1 a Zanzbar todos'os rabes de IV-mbai
em consequerrttia do boato de que eltes t'mham
convidado Sevd Abkil-iis'a virde M;scate. ?'
cartas*
O Daiif > cao oflicial acerca da grande calamidade que
devasta reste momento o vasto territorio da
Chin*'
Em 1878 a grande tome- fez mais de treae mi-
Ihoesde victimas r-'pois o numero de pessoa qae
teem morrillo agora*"muito suparioY.
Tein-se aberto grandes subscripOes; os s6u3"
resultados so'porcm'. rerdadelras gottas d'agaa
cnidas no ocano.
Em razode ser iinntenso o numero de mor-
'tos e de nem todos seren enterrados, de crer
iqde's* tfeSehvOha a pes'te, um horror 'ainda
uiaior.
EwladoN-lnido*
Um despacho dePliillelnhia para"o Punir*,
consigna qtfe Os Estados-lmtilos snuberam rom
salisfacfio que a Inglaterra comprtillinrJ modo
de ver'dis EstadOs-Ufiidosrelativ-anieiita qus-
to HaS ilhas d Samoa.'
0 Sr Sherman, relator da commissao sena"R)-
rial tos negoefos estrangciros1, propoz o abono
d'fara crdito d 60O.000 d'Olahs para proteger os
interesses'atncrieartos em SanWa..
i Prestime^se qnea cmara'dos teprese'ntnrires
liad a|iprdvrft d projecto "de le das pautas adua-
nrfras"vtda pelo senado? '
i O Sr. Se-wJl.'consufuriSei'iCano'eih 'Sarria'de
lardo eommiasb do' Senado estar convencido
de qae'ha um" iccdrdt) entre U Atlt-inanUtrc a'In-
glaterra para anne'xarem-.Suas posses.-Oes: a
Allemanha o archipelagd dejSanuN, ealnglate'i'ra
as ilhas de Toufea o rein de Hwau.
Notias''cbidaS de'AVashlrrgtitn; Philadel-
phia e Nw'-Yrfc aecusatn gravea- diflieuldades
Sas'telatoes entre1 a Allemanha e os Estados-
L"nidos diegndo'a receihr-se um conflicto1.'
No'ha nenlWm fundamento para a noticia q*c
ae espalfii: de' mcano'procediatode accrdd na quesltl d S-
ipa': dt ora b governo inglez anda nao na
Sifestou" opihid algdmafao govei'no de 'Waii-
ingtonf rrfilvmenl" tos nltimds: scceWrs
d aqueHe archipatoe.
a Siandartf p'iimlca"bin' de NKW-rk.^;set'biidoqnl os' Estad-Wni-1
(os (*stao sp'ostis' a apolar o resnibelecimento
c o re Matietoa Vm'tlH'ohn:
Este rei lora Ue*pbfado do poder e cotaduzi'd
pelos allraaes-'s'iinasMarcrii.'
Telegramrtis da mesma' procedencia accen-
am me :\ noinMii nnk RTlHilns-PnidnS I5 lllia-
i'as declarou nao susten-
tniu<>pposra rnvstp^Os v prorwssos? que nao
possa defender no gaverno.
Eptende que, no momento actual a-sella^em
impo.-sivel. Que o proprio ministro da fazend
(vera a procisSo das diflieuldades a vencer, e
demonstrava-o o fado d'elle ter elaborado m
regulamento provisorio. Nao tinha pois que es-
tranhar a resistencia, que se levantava.
a sua opinio, deve ser retirada esta medida.
guando as van Majan, d ella" fdrem idfettoreotos
in ,i:iv,'iiienies qua'ipresesftaw
Tratando da qudsWO viniunaa. deca o que
da uiaxi na convertlwfcia -redzir-^ nossos vi-
nho.i a typos-fljjqsfaterganrto ennsmno no es-
trangeiro, e danda "crdito- as ir-odurfo, < qu.-.
debaixo d'este poMMfMdc vista, n;ir> contrario
em principiOl-a-creneto ite'compfinhias snico
las. Julga-aa-eoiivementes para o sl e para o'
norte do |iaiz. e at mesmo na ra a rcgjo do-f
l)iu:-o. nao Bie-pasrcendo ne-e*satias'pafToS
vinlios licorosos d'esta regio, porque estes tem
um tvpo definido, assim como os da Madeira.
Elogiou calorosamente os altos servios pre
siados pelo Porto, essa trra nespitaleira ou le o
um to do orador acharai
fra
Id'N-UrieaajBs 0 coade
os ndalf.'08 ainrianos
FnlleetftM HhsaHj
procurar allivio aos seas
da Prain-d*.Vtetona,-um
de raaior merecimento'e sympathas.
Xo Commercio de Portugal de hontea vinha
urna larga biographta do ilustre finado* a coin-
memora'so ja fallec io lia bstanles anuos, prestou caus
da liberdade, qual sacrilicon o melbor dos aeus
haven.-.
0 conde drt*ra*t da-'V-.ori*'' era o! chTe do
tswslsia rmdiStriNode Angra do Herosmo,
do qua* foi governndorMHvil ate" ha poucos uie-
Tem da-tomaito que t'alar,,o caso do rou-
bo d alfaias da S* pardmrcllal k- Lisboa.
Pantoque esraWam'ttmpeiihados pelo proprio
tlies'iureiro. um padre de quea reportugedas
t'olliis dianas c no'a .elmente^das Novidades tem
ilesa i elT>--. mais-nh-inl^os casos da manceba,
expulsad da criada de que bouvera urna lilba,
rapto da menor na villa da Alhandra, relaces
actuaos do reverendo com urna judia fonriosa,
declaraces verbaes teitas por esta na redaeco
das Noridud.s.1. negando que fosse ou tivesse sido
{
m! lM **^rJ?!2mtt asyl0t "u',rida I amante do padre como "se Ihe leu, atribuido
40. Possue all grande numero de amigos
O Sr BinbrgCr, prOgrCssStA, 'critlcou dspe-
ramente a poltica colonial do chanceller,' ahbou
plerluosa a interventio'do imperio, declarou in-
sufiiiientes as exp'ficaceS dada%, e disse que
a Franca no Tonklih e a Italia em Massuah lize
rain experiencias doloro-as. c qte a Allemanha
o Heve correr a aventuras. 0 Sr. Windtlrorst.
tes nniiam ennaao a sua nao deve correr i
xpono que o- Ifm-deste ota1 diVfe'da frcgo catholica, dfclarou que est re-'
' stlviilo a concedet1 amplmenfe ao governo e. ao
cUpitao Wissmaoa umvoto de-confranca, porque
liga urna grande importancia i abdln;ilo da es-
cravatara.
Em seguida fallou o principe de Bismark,e
3iz que- o que elle pede, corresponde s necessi-
ades urgentes do paiz ;nfto teme nenhm* op-
j)osi(3o da Inglaterra, com a qual' tem xecHon-'
tes rlacoes tanto em Zanzbar como em Samoa ;
sp o parlamento federal pozeSse bbices & sua
apead, elle chaceller ver-se-hia' obrigado' a de-
sistir dos seus projectos coloniaes.
O Sr. Bennigsen refuten o discurso do Sr!
Bambei-ger. e disse que- preciso ter completa
contianca ao principe de Bismarcfc.
Por ultimo o chanceller repellida prpOosta de
ser enviado o projecto commissSo. disse que
grabar lempo e gunhar dinheiro e ponto de san-
j;pe, declarou que nao homem de poltica co-
lonial pois gente ainda graves escrpulos de
lncar-sx- ueste caminho, mas nao pode resisiv
corrente da vontade nacional: a Alleminlid
ji&o pode abandonar a carta de Zanzbar cedida
Sociedade Colonial, e por isso pedia ao parla-
mento que votasse qunnto antes o projecto. Ap-
plausos
Depois de fallarem ainda outros oradores, a
cmara envin o projecto'a urna commissao de
21 menibros. A prxima sessao seria a 88.
Conta o jornal eWassMM que; n'uma audiencia
recentemenle concedida pr Guirhenne II ao
reitor e aos decanos dalmiversidadede Berlim,
o imperador manifestara a sua indignticO pelo
espirito irreligioso que predomina entre os cs-
tudaul s e que'se nanileta principalmenta pe*-'
lo duelos que frequenteinenle se estaO reali-
zando.
As iialatras textunes'proferidas ultimaim.li:
te peio principe de Bismarefe nd reichstag sobre'
as em prezas'Coloniaes do imperio, foram as sw
guiles;:
A Inglaterra est perfeitamentc de accordo
com a Allemanhanaacco que nos propozeinos
axercer em frica. Este facto tem dsriufer-
prctado como* urna prova de que a nossa accaoc
civilisadora eenssencial defeza dos interesses
europeos e christos naquetlas regiOcs.
Devo porem accrescentar urna coisa e con-
vidamos a que sobre ella nos ponhmos de, ac-
-flordo : que. se a Allemanha deseja possuie co-
lonias as regiOes tropicaes, e-lhe indispensavel
coiirKTvaf A todo o custo os seus territorios na
Ajriea OrieuUl;
ConstitOo-me um canapeo da poltica colo-
nial activa e enrgica, porque vejo ser ella apnro-
vada pela grande tnainria da nacao. 'Neo fago
mais do qne seguir o impulso'que me do as
aspiraces, os desejos e lambem as necessidades
da1 patria.
O eliancelier conchio pela urgencia de urna ac-
SM enrgica por parte da Allemanha, na frica
riental.
No dia 24 de Janeiro, pelas 11 horas da manh,
em Berlim, quando o Imperador andava em pas-
i, las rua da cidade, um houieiii ain.la novo
c i (ruado precipitou se sobre a carruagem
em que i-lle ia arremessou-lhe violeulainente
nm requermenio e alguns papis rohj
\ "il c a corre i imnwniata n'nte em ni
. ui i, mas nao consegnio apanhato*
0 Im i-.-uo san.-ue fro' e licou :i'ii-
.
Bism i
.aravel. O inl 'i' [0
10 do principe. t
A i gra
que todo ipes alie u
o reunidos ein Berli ,. no lia 27. para -
-ano do Imperador.
H necia
Cide.brou se u 21 d em Stokolmo o 60
rio natalici II, que na
a 21 d. Janeiro de 1H29.
1872 que o U leu a seu
"iite una lilba
ii o principe real da Dinaniar
Osear II esposara em 1857 urna inu
it^iam que ii'Opinito nos Estdos-lmidos dna1
qim em pKHiuA'cir-s contra'lis" pretcncoe d
Allemanbv-
Chegam i
Washington
tando" as relac6._
Allemanha em condices taes qde e para'retelar
que de um momeuto.para o otr estdle um rotn;
Ijinientode gravisVimas eonseipincias entre os
valldsWf c tem n, niivlmo apreco a dedicacao
pelo trabalHu v. o alnetpelali.erdade, qusSo
o timbre glorioso d'aquelle infaHgavel novo.
Quando as" rCSisteclaa a urna medida partem
de um centro^o importauto.' devem ser madu-
ramente apreciadas e para ellas deve dirigir se
a atteiirio Ho governo.
Em questOes de ordem puWica 'e da digiiida
de dos poderes constituidos, estara sempre ao
lado da autpridade Mas esta perdu o seu nome
quand. nao apresenta a instica
Os negociantes 'do Porto JMbtestarah ni?a t?r
feito intimacOe ao govvnu; jpas. mesmo nd
lipotlicse- deife as tivesse havfdo, se as recla-
maces eram justas, deviam ser Hendidas. Se
a forma das rei-lamare!f-era iiiconecta.'a nao
tratasse O governo com os reclamantes; mas, elle
fizera justamente o contrario, tratara e diseafira
com een. negi-a'-p^timeilo a todas as recla-
macoes !
O governo disse ao Parto que nao revqgava a
seltage:ii,' e declrot Associat;;1b'CO:amrelo
de Lisboa que se esta acaeitiisse o principio da
sellagem. revogaria o regulamento !
o iverne nesta' quesffio est pessimmNite
cotlocodo. porque devia altender a todas as re-
clamaces que Ihe parecessX'ih' justas, sem Curar
de onde ellas viuham.
Lembrava, finalmente, ao governo que aau-
(orrdade deve' baser-se nd jo.iliya ; que Ihecum
pre defender os nieressrs do Ihesouro. mas qu
essa defeza importa vexames. Pela sua parte,
fazia votos porque a poltica do governo pudes-
se liarmonisur-se com os al!.)i interesses fi;lCir)-
naes.
E assim fiMu irnli.i.r la ou pouc'o'stisfeia
a e\pi-cl,liTa ros qie c.^ieriVatftUecraracOf-!. bx
cepcionalmt'Qte,importantes por parte do chele da
esquerda dyiasiica. tuntas vi zes adiadas, porque
a palavta'Vpenr'iJr. Barjona'ptfira nUiica ih
'cheuava.
Escurado accreccntr, diz proposit
d'e-le dicul'tf/'ifm'dos 'Orgrfs' minisibriae;.
que o rhele da esqucnla dynustica fallou. como
sempre, com urna grande correceo de phrases
e de raancirsV
Respondeu-lbe o Sr. Mariano de Carvalbo mi-
histro da fazerWa.
, Na camltra:*)s iepirtftaoS' tem' havio'discus-
ses bysantinas, pequeos incidentes impediti
tos. e um discurso de monumental exccntnci-
dade proferido por um dos rapazes de mais
audacioso tlenlo da grafaO nova, o joven me-
dico Eduardo de Abreu.
. Nao me 0 possivcl resumir Ibes tudo quinto
Jh'essa ora'eAO ihsubbrdinad qua'esfjur cOn'v-
nieeras tirtidaiiaVot p^rlameman-s, ag_ucn
por'n guhs"qul,f'6 de hora"'a curi'sidade dos
omilitei.
; 0 Dr.'f:diitf"r'ddfl( iras nao'se sujiti a disciplina crtnvncioial'os
interess"es'deTacco. Discnrsflft sobr 'o Porte
com Urna rene mordaz e caustica,'meftendo a
rnlft-nto is peripecias dos procssos qUed altos
,4 baixo's negociantes d'aqueHa praca adoptaran)
Sara protestar conlra o decreto regulamento
aeilageme contra' os privilegios concedidos
pelo gOvernOs corantiftas vinicols. '
As nilhens,' Orias o cutre 'finas' memo vi-
i)hutp-me a flux, nao poupafldo os amigos pol-
ticos' e adversarios.'por modo que gdverno tir
tanto cothpTmfttidb cOmaqnn peca de fchi-
rU.>ctura. e de mais a mais', por ter sido tal ais-
curs aquelle que'com dbate sobre' sella-
gem foi ericetado, hao teVe omh>. ririelid sna,
por bocea dos 'sus joriiafes da nite, poucas
horas depois de tal regabib para as galeras
membro^ d c'amW 'ren^'gar a'solidariedif'as
opinies dos nririistros com s que os seus mi;
gbs'nb parlamento hodssem emittir, arrasfados
pela facundia alias brilhahte de um flento x-
cepciomn, ms iiidomaVel, etc. etc.
E assim prd o Sr'. W. Eduardo di; Abrm o
Lseu tempo desagradando a uns a outros, mas,
segundo suppnno,meando muito satisfit coni:
com' a lealdada do sea carcter
p,riiiCiDde Bisniarck ri5oredera um pass"? mas.
lel' 'seu 'lado' o gvero 'dos Estados-l"nidos
mantera' resolco de obstar o desenvOlvi-

.

'
Junto da accao alterna n'aquehc ponto daOcea-
.
Os telegram:nas sao conformes em allirmar
qji'e'' grande repblica americana dppella'r para
a,forca,.afim de reprimir quaesquer tentativas
da Allemnna f-m tal senluo.
0 miiistd da AHmanha em Washington tem
diarianinite humerosas5conferencias conf o secr:
I tarto d'Estado (ministro dos estrangeiros) da re-
pblica c quasi tem feito monopolio no cabo te-
legraphicOj'expedindo e recebendo telegrammS
eiitre BerliliejWshington.
Nos circuios polticos dosEs'tdos-Unidos dis-
cate-e acaloradamente as consequencias de um
prximo ro.npimento de hostilidades.
Tendd-se posto em dvida se as tercas navaes -
mericanas actualmente em Samda sao suflicientes
'para' manter lio primeiro momento os direfos
'dos Estados-Unidos, em frente da esqdra al-
leim all estacionada, diversos ofliciaes superio-
res da marinh americana declararan) positiva-
mente qne os navios de guerra da repblica tun-
deados as aguas de'Sama bastara para fazer
frente cora vantageni decisiva esquadra al-
enla.
Em Now-Yrk* forain presos os. banqueros
Ivs e Staynor, muito connecidos nos Estados-
Unidos e em Inglaterra sao acusados'do desvio'
de 2-353:00 fdollars, dos'fundos de" carahilros
de ferro de Cincinati a Hamilton e a Dowton.
1 Acaba de chegar Europa um telegramma
de New-York commracando urna nova derrota
sofTrida pelos llprnaes em -oma, em circums-
tancias crueis nara os vencidos.
No ponto denominado Lailele, no littoral os
mannheiros aliemaus oceupavam urna collina,
eStabelecendo n'ella fortes poslfoVs.
Sbitamente, ao romper'da manh de' 23 de
Janeiro, achavam se completamente cerca do
pclos^indiginas, isto mettidos n'utn circute
de fogo de fuzilania.
Os allemes"desorientados pretenderam rom-
par o circulo, mas intilmente.
Tent.ram resistir mas o innnig atacou fu-
riosamete i arma branca. Alguns allemftes
cahidos por Ierra, pediam misericordia n lingua
do paiz.
Ti wfa aaostn.' Foram implacavelmente de-
golados.
Nao honve quartel. Dos allemes desembarca
dos iio cscapou um s !
Ve dando bons resultados a poltica colonial
do chanceller!
Nao se desfaca !

I
cbnhle' hvpocrisis polticas m
convencionalismos' partidarios, d
aue elle nSo quer saber quando me apraz crivar
de epigramiuus qukldu'er 'acto' menos correcto,
ou que se prest a ser alvo de seu incomparaVet
humourismo.'
No Porto ficaram furosp's os protestantes, as
cbmoiisOes de vigilancia, os membros das com-
raisses ambulantes, os comm'erciantes de gros-
so trato, os locistas que fechiram mera porta e
vendim'pelas fisgas, os directores da bolsa me
raandarafn por a bandeira a meio' pao, bandeir
njue lgur'Ou d mh modo notavcl n'uma das aps-
troplies mais empliaticas do illustre rador, al-
Ipdindo a essa nutra que ainda fluctuava chamus-
cada por sobre a hecatombe do incendio do Ba-
qu9t ha pouco menos de um anuo!
. Parece que s numerosos burguezcs inelin-
drados pela satyr frisantssima do pr. E. de
Abreu combitarahi, se elle for o Porto, como se
diz, fazer Ihe urna demonstrago que Ihe fique
,lembrando.
Afinal; tout passe, tout casse, tout lasse, como
diz o proloquio francez.
O I)r. Abreu hade ir ao Porto,'e as pessoas
cordatas bao de perdoa Ihe a verrina em atten-
ejo ao se originalissimo trenlo e s suas bjas'
nienecs, que pinguem as pode contestar, pois,
como ell< disse, o Porto, o verdadeiro Porto, nao.
,aquiHb qufc elle se referi com; to singula-
res como liilariantes apreciaedes".
Qui'ro episodio huve nessasessSo da cmara
que ticar registrado pos annaes do disparate.
Foi os ferados 'clamorosos com que alguna de-
a
EXTERIOR
7"
orf4>spot!id!>n!-!a d,6 Dlarli de
i'.-rn.tmtoipo
i'JlTUOAL Lisiy,?, JO de Janeiro de
iir~o do Sr. Hartona
.esquerladyn;
dos pai-,--. ua
'Uassilicam-oo
moderada. Os regen
Sr. Antonio de Serpa nao
I
P8pe
lias, illtatrec
. na
de 28 o i
-islas de Op
|UB preside
ram.
Pdese i
toda a exte
i assumpto e
companluas vini
tratado o aosso
foi "m ditcwso ministro em
-to das
|ue, por ora, do que tem
rito.
putados regeneradoras (daquells a quem os
mrcenir de S. Bento devem o mel9or em-
prego'das suas ptides technicas) invectivando
o Sr. conelheiro Vega Beiro, ministro dajus-
tica e deputado pelo Porto, porque nao tomava
a palavra para defender, logo all, os sens cons-
tituinfes, que Sr.'Dr. Eduardo de Abre esti-
va crucificando ho ergastlo do ridiculo !
Essa boa!
Um deputado, disse o Sr. Beiro muito depois,
creio que ha sessao seguinle, nao aceita manda-
tos imperativos nao falla quaud > alguem se
leinbra de o mandar faltar; como ministro res
ponde quando interpelia'do, ou convidado em
termos a fazel-o, porque essa a sua misso ;
mas como deputado nao pode ser a marionette a
que se pucjiam os cordeis.
Se o n^o disse assim, por estas palavras, o
facto, -qde'protesiou e dignamente .com essas
aces grrulas de membros mais impacien-
da minora, fazendo alias toda a justica ao
rto, ao carcter leal e actividade exe.npla-
issima dos seus habitantes, tudo muito corree-
segundo o seu costume.
- N'uma dessas ses Oes accidentadas e ba-
rulliosas por umqiii pro quo, mal entendido, ou
o qne quer qne fosse de recados mal trnsmil
ti ios or continuos ao coramandante da gal da
de hoira que val lo los os dias para o edificio
das cortes, racceden que o subafterno seapre-
sentou nos c ri e lores da ca nara dos deputados
com umajlbi'ca de :0 soldados.
K.e.; ,i i sean talo le q te result rs
dhlSiViii.il, ,i :
ca, que real ente nao traba lido culpa daquel-
Ko s prerogatfvas parlameutares.
Depois de grandes palestras, asseniou-se em
que u'ora vanle a gui rda so possa subir para
os corredores da cmara medisnte urna ordem
por e.-cripto e assiguada p*'lo presidente.
E' claro que a discossaoda respisia falla lo
throiio, interrompida por loJos estes variadissi-
iiios casos, occurreocias, incidennhos ou incin-
dentelkos. como agora Ihe chamam uo clao de
lo, ainda nao proseguio e a-sin,
passand.: o praso constiluc-ional da ultima
da acta; leajaiatura
gastara. '"-*
f *uK
masque sendo o seu negocio a venda de bric
brac, adquirido aqui. nos" mercados' de Paris,
oude vai multas vezes.- as suas relaces como
padre thesoureiro da S de Lisboa, silo de mero
negocio, c tanto que possue letlras do padre,
sendo urna dolas 1:800^000 (fortes) a vencer em
Mareo proxi o.
Nao sei ondcln de "ir paral' esta I'elire de re-
poitage, que se substiiue policia. quasi sempre
retardara. U exemplo vem de fra.
As fbBufe mais' bem servidas de Pariz e de
Madrid fazem o mesmo. Ora o instru-cao dos
procssos judiciaes. segundo o nosso cdigo pe-
nal nao deve ser do dominio publico, at pro-
nuncia, c principalmi'ii'e, pirra nao embarafai a
acco da juslica. Estes > aperfeitamentos de
repolfdgt, se s vezes petn a policia na pista
dos criminosos, nao poucas afugentan a caga.
Alm d'isso lem o grave inconveniente de pre-
;ar no pci'.',uviiihb as pessoas que-sfio alvo dad
suas pesquizas, vindo muitas vezes, nos decur-
sos de novn 'nvestigacoes e pesquizas. ft encon*
trar-se atteriuantes, que fazem" mudar a face
questo e culpabflidadi que se Ibes attribuia.
D'onde se colh, que o verdadeiro castigo, que
a dinamaco publica, preceda o ceredictum dos
tribunaes. por isso que certas redaeces, para'
coiteslar a, curiosidade dos seus leitores, ou aug-
mentar o numero d'esles pelo aperitivo de es-
cndalo e\ploram-n'o com urna pertinacia inex-
cdivel.
Devia ja tcr-lhes dito que as dernonstra-
<-Ch'< resistentes do commercio do Porto vao sere-
nando.
As tojas realiriram as suas portas : s ba urna
grande qiiantiilade de operarios d. soecupados,
ein consequencia de estarem despedidos pelos-
doiios dos annazens de Villa Nova de Gaia.
A' rere dos (fonOS das IVattatas 'de dsi^irga
no Douro, em frente do Porto, que estava cau-
sando grandes traiHlorns. Oppoz'-s priuieira-
menie introdueco de barcacas mandadas ir
para all de Aveiro e de outros portos; reconheV
cendo-se.-porm que nao preStavam para esse
servico de descarga d mercadorfas, o governo
mamiou marehar'pa'ra o Porto urna companhi"-
de pontoneii-os, do batalho de engenlieiros, afim
de eslab'etei:erem pontos provisorios d descarga'
entre os navios e os caes.
Houv 'ha 'das' eleices' na sociedade de
Gcographia de Lisboa, licmdo eleita a mesa, a
que preside o Sr. conselheiro Franci^co Mara
da Cnnba'. coronel do exerCit, ex-govern'ador
geral de Macau e Timor, e posterioemente da
provincia de Mocambiqui par do reino, director
lo Keal Collegio Militar etc. etc.
1 Sao viee- presidentes os Srs. Frederico Augusto,
Ooia. J. V. MinTcs fiuerreiro. Joaquini Jos Ma-
chado e Fernando Maria de Almeida Pedroso.
i Secretario rinuaiJ. F. Plermo de Faria.
Secretario perpetuoLuciano Cordeiro.
i Sacretaris adjunctds Ernesto de Vasi-cel-
los e Domingos Tasso de Figueircdo.
ThesoureiroFrancisco dos Santos.
: VogacsRodrigo Alfonso' Pequito, Jos liento.
Ferrera de Almeida.. Joo Pedro Diogo Patroi
Jnior, 'Josa Esttv'o d Moraes Sarment lo:
Henriqu Ulrich.
Para a commissao de cotilas -Luiz Diogo
Silva. Luiz" Egerirf Leito e Manon! JoS *
tbiro.
i S. M. el-Rei o protector da Sociedadede
uepgraphia ; sao presidentes honorarios os srg '
Viscoiide de S. Jauuario e Jos Vicente Barbosa
lu Bocage amb,os ministros de estado honora-
rios e que feem, ambos, xercido, por vezes.
argo de presidentes da direco'.
i Sao presidentes da diversas commisses: ,
Commissao africana
Presidentc-"Visconde de s. Januario.
Commissao'asitica
PresidenteG. de Vasconcellos Abreu.
De camiiihos de Ierro
. Presidente1F. d SoUza Brahdao.
Cdmniisso internacional de direito martimo e
commercial
. PresidenteHenrique Midosi.
De illuminaco e balisagem martima
Presidente' rancisco Mana Pereira da SilV.
De piscicultura e pescaras martimas
PresidenteEduardo Pinto Basto.
De portos e navegacSo interior
PresidenteManuel Alfonso de Espergueir.
Secj;o agrcola
presidente -Francisco Simes Magiarch'i.
Seccao autropologica
Presidente -Manoel Bento de Souza.
Secco botnica'
Presidente Conde de Ficalho.
Secgo de cartographia
PresidenteLuiz de Moraas o Souza.
Secgao commercial e industrial
PresidenteJoaquini Moreira Marques.
SecQo corographica
PresidenteJ. A. Neves Cabral.
Secgao de eiisuiogeographico
PresidenteLuiz Felippe Leile.
Secgao de estatistica
PresidenteLeonardo L. da Costa Torres.
Secco de elhinolo-ia e lingistica
Presidente Adolpho Coelh.
>ecco geodsica
Presidente -Antonio Jos d'Avila.
De geographia histrica
PresidenteA C. Borges de Figueiredo!
. Secgao de geographia matnematica
PresidenteAntonio Jos Teixeira.
De geographia medica
PresidenteJos Tbpniaz de Souza Martius.
De geographia militar
PresidenteLuiz Travassos Yaldez.
De geographia physica '
Presidente J. C. de Brito Capello.
De geographia poltica ,
PresidenteConde de Thomar.
Secgao geolgica
PresidenteJ. F. Nery Delgado
Dj nutica epydrograpbia
PresidenteJos Maria da Silva Ba
Secco zoolgica
. PresidenteJ. V. Barbosa du Bocage.
Estiveram muito concorridas as exequ'ia
pelo fallecido Dr. Paulo Midosi, jque a 24 se ce-
lebra ram na igreja de S. Boque. Assistio o Sr.
ministro da justica, governador civil, presidente
da cmara, a mesa da Misericordia, vereadores
Rosa Arnujo c Pereira Alves. Dr. Lopes da Vciga,
muitos amig do finado, todos os bpmbeiros
municipales tambem se lizeram representar. j
Olliciou u Rvd. thesoureiro, e executaafj^H|
raissa de libera-n de Jumelse com instmtB?nt*s
de corda.
A Associaco Coiiiin.-rea! de Santaren^^BI
veu ripresentar uo governo contra o proj^HH
fazer passar pela*actual ponte sobre o Tej^HE
miilio de ferro de Vendas Novas a SandBtiS
Islo sii4iiilicaria aapplicaco da ponte a um^^B
I destino, e a interrupce do transito.
Os povos e corporagoes ilo sul
igual lente repr a tal
estudos laquell caminho de lenco
parte propria e .-., .-ial.
Espe irte d govi
tudada esl t
onsta que
para una nova
,cOc- de i
10 dos tlU
dos de." ai circulas
gaces ser&o colloc ia ma
mercado altomo.
Suas Altez
Lisboa a io,
ia, acompanhados da p
lena de rlenos, que vem passar alga
sua irai.
H augustos viajantes


t
.
(

t
Bastos.
\
t


i
ario de, ReBoambuco--TcrgaKfiaiya il ule Keroereiro de i r1$89
wmm i mm^mmmmmwmmmmma~~mmm^mmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmmm
liTos SKfgovernador civil, commn-
utaicipacs. ele.
Suas Altesas partiram a 28-para Villa-Vieosa.
i Confirma se aqui a noticia de ter sido no-
tando*!) ni si ro plemfoteneiario da Austria Hun-
fla Ro Rio de Janeiro oSr. Conde do Weteer-
secretario da legaco .da Austria em
seguem activamente o.s trabalhos preli-
miriares para se fundar era Lisboa urna as*>-
Epac&o do olnciaes da marinha mercante.
F a-as no- estabeleeimento de um novo
jsatabo i'.L-:o entro Buenos-Ayres e a Europa, que
toeeria a eaas en S. Vicente de Cabo Verde e
amarrara em Lisboa.
i 0 governo argentino .'Mrantir omoresa um
juro de ."> durante 2i> anuos e obre o'capital
de 11 milliOYs de piastras, ouro.
Falleceu aSra. Visrondcssa do Rosario.
. oosta aqui que o Sr. Luiz Guimares. di-
Sissimo secretario da legaco do razil em Lis-
i, sera promovido a ministro para a llellanda.
L.
/
* *

M VISTA DIARIA
t(-t<> da rcMM do triaentc mez :
Foi nomeado Amador de Barros Cavalcante
Lilis para o | do to." batalho da guarda nacional de Olinda,
, emmbsiituuo do capitao Benjamn Coustant da
Cuaba Salles, que obtuvo finia de pajugem.
- Koi.nomeado Jos Vctor de CaiMlho para
u (Kisto de leme da V companhia da 5> sec-
Co# de reserva da guarda nacional de Itarab,
era'substituieo do lente Joaquim Jos Pac lie
ca de Albuquerque Maranho que mudou de re-
sidencia.
Por oflicioa da mesma data:
Maodou-se u.-JIcsouraria de Fazenda entregar
uo capitao de fragata Manoel deAraujo-Cortez, a
quantia necessaria para acquisijo de pasgagens
at a Corte, para elle e sua familia.
Mouduii-se que a in*sraa Thesouraria pagasse
a llouipanliia da Estrada de Ferro do .Recite ao
Limoeiro a quantia de 6290 de passagens con-
.cedidas na mesma estrada.
Autorisou se a Thesouraria de Fazenda a en-
. (regar a FicIJen Brothers a importancia da sub-
veeo para luzes do palacio da presidencia.
Diotrirto c autorldaden policlacs
Por iwr.taria da presidencia de 9 e proposta do
Dr. ehete de polica de8 foi restaurado o exiineto
distrado do Arraial da freguesia do Poco da Pa
pella.
Para o refeiido dislricto foram nomeados sub-
delegado, 1.', 3. e 3 suppleuteo, Francisco Jos
Guedes de Lacerda. Gamillo de Leus Peixto,
Bernardo Ferreira Loureiro e Pedro Francisco
dos Sanios Costa, na ordem em que vo colloca-
dos.
, KoLbvtiau Envetamos boje a transcripcfio.
eua llietins. de um magnifico romance do me-
talo iauce/ Paulo d'Aigremont, vertido para
portUi;ue/. pela rcdacco do Poiz, da corte, que
u i-st publicando n'esse jornal. .
Cbeio de suenas c lances commovedores, de
enredo intrincado, capaz de captivar a uit.'nyao.
, .lando persoua.-'cns bein desenliados e escripto em
estylo apelo, o romance em questo, que se
intitula Sem Mae, merece ser apreciado nejos
nossos leitores, aos quacs o recoiumend.nios.
ft"aUe feriuicutos que rccebcu na imite de sai timo, na ra do Imperador dea'a ndade, falle-
ceu aolehontem ta.-de, no hospital Pedro II,
Eara onde fra levado, o brazileiro uaturalisado
Bdro Regaard, de origem dinumarqueza, inora-
, dor que era em OlinJa, onde linba fabrica de
pao.
Era o linail i maior de 40 annos de idade, de
jalle excedente, honesto, non-erado e traba-
Ibalor. Extensamente relacionado em Olinda,
e gozando de geraea symualbias pela 1 baen
de seus modos e jovialidad.' do suii carcter, era
urna providencia para os pobres d'alli, ai- quaes
soccorria na medida de suas torgas.
Era lenle \i 66 batalho da guarda naci
nal e so-o do Club dosoffimaes dessa guarda.
onde tinha .-loceras atleices.
A sua /norte, e por effeito de um crime b- u-
tal, chis tu v'io em Olinda.
1) cadver foi hontein tarde transportado
tfrhalli. s.-:id.i acomp.inliado por r.ivsci.lo nu-
Ut-> de aiu:_ .-. e por um contingente da guar-
nirlo desla chlade, u.ue foi prestar-llie as honras
. militan1-. Foi sepultado no cemiterio la ord-m
Bira franciscana de Ojiada, sendo anillado o
aannnuiento que Ine \\&ram .amigos.
HHa desolada familia aprasentamos sincero^
^^^mes.
^Kxai-.'iu enOU*di -Escrcve.u-nos
iziu-se no sabbado. como liavta sido
proCjctado. nos sales da mitiga academia de
T)!. !a. (i sarao dancante promovido por al-
gu is avaltiei'.-os passadores de p'Sa n'aquella
! '. .
,- O edilicio. que se ada novam a''- catado
jSXterna e inler lument apre-ei lava um as|
'ujeganif. para o que muito concoma grande
brilno produzido pelas luz- -
A'hirala, lugo depois o nrlm'ii
tico, D itavaae um pequeo bosque lrammaflo a
giorno e de um efleito potico.
t Cerca '< mienta sentioras, muiasdas qoaes
trajavaai ricas t feft, ''"' "'- aa ius
sal ;s que eslavam '-.p: i sani"nte decorados
cora bauduin-, galbardetes, espetbos,
flores e qnadros, destacan I -- dnas ricas :las
de primoro.- i oslo aitistieo.
itjLA jtanca cmecoas.101 rjlongoa-
se al aso '',.ii moita anima-
cao, ao Bou i la aran orches'ra organisada
pelo prol"-'- Gnnilido PUho, dcixando gratas
recrdagot-s a imlos que I estiveram.
' A coinaii--aii dispensou aus .-.i-a-1 ouvidados
senipre a : O pou-
pando estire s ; orbe:n sef-fira tod
A' rep?iK;o las cou
polica.
Os cavalheir.x qia- ;e. mover.
ida ve 1 fe-tr v-m estar satiffeit:
resuado que h'.iver-m.
.%'.au;!<> Iftarttarni'..-n i de
noite do sabbado illiinu, a nu do Imperad >r ;
tbealro de um drama -'Ue.
A'qne la hora, estando o teneote Pedro Re
gaard i espera de um toirf da Ikilia de
Amaro que devia conduzil-o a meio eaminho de
Olinda! mide morara approximou-so l'elle Ha
noel da l'ai.x r> B o d| moafoni
Laureuti:-i Mana de Je-.T
dlgnilanos o uoJmais profondajente, como por tor ando, o que fcil conseguir oom instru-
mentos nflados mergnUia eirdos molas,^
Dilatada a menor d'ewar feridss ebaervaram
o pnimaoiferido em>l:irgai exteaeio ndoia-ca-
vidade Uioraxica sede da geunde .derramamentei
sanguneo.
Alm d'isso observaram mais urna solucao de
[ntinuidade linea na palma da -mio-ilireita e
urna outra no alto da -abeta m negiatk-jparietal
esquerda, pido que re^pomfem.ao tvqueiitoaim.
houve com effeito a morte : ao 2 os ferimentos
pulmonares e a heraonmagia inlra-thoraxica con
secutiva a ellas ; ao :i instrumento- corto-per-
furante.como seja fea de ponta t -ao V" e\ pre-
judicados ; ao 6", sira, era mortal o mal can-
sado ; ao 7, prejudicado.
O perverso assassii o, como lica dito cima,
evadise. O sen chapeo do eabeca e o guarda
chuva furaui recolbid-s como provas materiaes
do crime, e fcram laes objectos reconli->i:idos
como perteucenti's Manoel .da Paixao Ramos
pelo caixeiro do seu esiabeiedmento de molho-
dos, sito na Larga ik> Rosario n. 18 sob u lir-
ma Caseo C. mhmw de noin*Jos Ferreira
Callado.
Tambera foi encontrado no lugar do crime um
pedaco de charuto meio queimado. que, confron
lado com outros comprados ao referido estabe-
leeimento, denuncia b criminoso.
t'aixo. ao que parece., oce^iltou-se na Varzea,
Sira onde consta qur bra tambera Laurentioa
aria de Jess, que raora na ra Buque de Ga-
xias n. 35. Mas, no domingo #\-elmu d'alli, e
destarrado andou.pela ciilade.do Ruui'c pascan-
do a noite de dmain^o pam houtem na citada
casa de.Laureniina.
Ii'anf sabio elle hontein as 5 horas da maoh.
estuvo em sen refer la estaoelecimento, e, se-
gundo corre, d'alli saiundo. sumatre d--laceado,
pretondia e/nbarca: .ii'uma,d)arcaca. que tatara
tretada para isso, guando, sendo encontrado no
larao do araiso, f- i preso pelo tenente Antonio
Pedro Dionisio, collega do assassmado. e pelo
tenente-coronel Hercalano Gavalcaulu i Albu-
querque, commandan te do 66 batalho da guar
da nacional de Olinda, ao .qual pertencia o te-
nente Pedro Regaard.
O preso foi recolhilo Casa de Dotencio or-
iem e disp\>sico do Sr. Dr. chefe de polica.
Anda nao foi interrogado at a hora um que
escruvemos ; ha de tel-o porem, e proyavelmen-
te negar o crime com o mesmo cinismo com
que o praticou
A polica, |iorem, compete, e nos liamos que
o tara esmerilhar esse negocio e levar a evi-
dencia a crirainalidade do preso para que seja
severa a punig2o do sen negro attentado, matan-
do um pai de familia honesto, trabalhador, rao-
ri ge nido e dig.io de estima.
Semelnante crime n3o tem i mais leve justi-
ficativa. Paixao um perverso. Inquira a po-
lica sobre sua vida anterior esse crime, e
ver que se trata de um homem turbulento, ca-
paz de limita perversidade.
Estamos informados de que os Srs. Drs. Jos
Mara de Albuquerque Mello c Demetrio Simes,
e os Srs Antonio Francisco das Chagas, Jos Lo-
pes e Manoel Goncalves de Queiroz Goutinho,
que assistirain parte las oceurrencias posterio-
res ao crime, e teem auxiliado ao subdelegado
de Sardo Antonio na- pesquisas por elle feilas.
sao testeinunbas informantes. Todos elles po-
dera dar uteis informace-
Eis o auto de jperguntns feitas Laureutina
Hara de Jess :
Auno do nascimento de Nosso Seuhor Jess
Cbsto de 1889. aos das do mez de Fevereiro
nesta c.dade do Recife na 1" estaeao da guarda
cvica onde se achara o subdelegado da frcgue-
zia de Santo Antonio, alferes Antonio Luiz de
Serra Cav.dcante, coiuigo escrivo ad hor, oeste
acto nomeado e juramentado, prsenle Luiren-
tiua Mara de Jess, o mesmo subdelegado Ihe
fez as seguinles perguntas :
Perguntado qual o seu uome, idade, estado,
liaco. natural idade, residencia, profisso. e se
sabia ler e eacrever.
Responden chamar se Laureutina atara de
Jess, cuja idade declara nao poder pr ;cisar,
solteira, natural da Parahyba da .Norte, morado
ra neslcidade a ra Duque de Cadas n. 39, l*
amlar, deoccupaeo doaie.itiua. > anaiphaoeta.
Perguntada o que abe-cooi relafo ao laclo
de ter sido ferido a ra do Imperador o estran-
geiro couhecido por Pedro Allemo ?
- Respondeu. que hoje por volta das 10horas
la noite, estafa em sua casa no 1* andar do pre-
dio n. 35 da roa Duque de Caxias, quando ou-
vio um assobio igual ao que costumava dar Ma-
l el da Paixao Ramos seu couhecido. e que eos
tumavn frequental-a ; que a vista dissu cbegoua
varanda e verificou que era e%otTaawta JaVi-
xao Ramos quera dara aquello'signal. desjecodo
a convite do mesmo que a levara para o restau-
rara Globo, sito a mesma ra. que ah chegando
c aram juntos depois do que saniram a passeio
,in dlrecco a ra 1" de Marco, que ao chega-
rem a e-quina onde sao estab-leci los SeviTino
v [nnfos, um estrangeiro d.- abura regular e
corpulento dirigio-se a Paixftu Ramos e pedio-
Ihe o fogo do charuto que este na ocoasio
fuinava que Paixao Ramos nao ul!"iideu a
esse pedido o que O estranjjeiro es:ranhou,
dando isto motivo a una troca de palavras, e im-
raediatai nte a urna lula, cujas coodiyjes ella
respondeote nao podebem ratrir pdaescaridau
que bavia no lugar, as disse qm o estrangeiro e
Ramos pegarun-se de coi i -:.. diao,
k'rfindo-se depois, que ralos de p- PaixTio'Imn-
COU mao de urna fa;a de ponta, e UStU conti
uou a luta.
Que tendn cabido o chapeo de sol e o da ca-
ber, ilc Paixa, ella respoudente pro-urou apa-
uliar. mi- uo po-le realizar este intento porque
no rao nenio o estrangeiro caliio sobre os ditos
chapeos, ao mesmo lempo que P/aix3o fuaia,
,-,rrendo em direceo a ra 1. de Marco; que
Ma disto c la pir sua vez tratou de sabir do
;_ ir seguodo pela na do Imperador, becco do
tur o rea Duque de Caxias entrado no res-
i;.:,i.int Globo, por ,er sido perseguida por um
ido da guarda cvica e outras pesabas que
ooviu lo anitos de a lamia, chegaram na occasi lo
en que ella respoudente -.oira : que o dito sol-
a i-negou a querer preiidel-a duendo, que
lia contra de junto do ferido e eslava era com-
p.inliia do ofTensor, raas nao elTectuo:i-se a pri-
por terem logo appareciilo lessoas, dizendo
que eila re-poud vite nada tinha cora o fado,
pelo que retirou-' o soldado, e eila
wmmm
cwmit)tixmr>TkmmmUm Na,, madrugu
da de >Q do Borrante, por occasio da/umknar
um presepio na, Bstrada. lugar Zuraby, dktrictoipolicial da-Tow, travoup
se conflicto entre diversos de ordeiros
nalaiui iaf ituaiaio pelo, oakbrsWI
Jacinllio, sendo entre outros feridos JoSo Tava-
'wliabQs chelida>icatac0uiiiffarro-via de
Caxiu^uofluraby e Antonio,Cosme Jos de
Lima.
Antonio Cosme, que, foi i-ecolhido ao hospital
Pedro II, fallecini horas depoissem ter sido pos-
sivel iuterrogal-o.
Joo Tavares foi hontem vistoriado pelos Drs.
Dantos Ra-ios e Beruldo, que dedararam grave
o snu fcrimento.
Interrogado, pela autoridade ..policial compe-
tente, declarou ello que o ferinicnto ,que tem na
mao direita,fora feito ccete pelo .referido Ma-
rnoei de Jacintho, e o ferimeuto de faca por Eu-
rico de tal,-que evadio-se.
A autoridade policial couliaa'as diligencies
que iacetou afim de descobrir o&outros'feridos'
e olTensores, tendo aberto o competente, jnqpe-
rito.
%*mti CanaO pessoal de enfermos, e
educandos existentes nos diversos >estaueleci-
raentos a cargo .da Santa Gasa de Misericordia
do Recife no mez de Janeiro lindo foi o se-
guinte :
Hospital Pedro II 588
dos Lazaros 40
de Sant'Agueda
Asvlo de Mendicidade
'!
JoioO. Valanca tdhesoiireiroi.iAntooioF.Xavie
procurador, Olioto de Otoveira.
Ao Andar a eleicio pedio a palavra o socio
Fnancieoo'Arves.-que lw.iia8aiim'bcnelabona-
que all, 4oid>eauBOvaadi*ataodo,aswau*ageus -atAaso-
liaoao. u despertando nn-anisoidos socios um
ardente seutimento de jubilo,,.sondo o orador
mmto applaudido.'
Seguir m-se-1 he comapalavaossocuxiJa
d 01iveiri'eOuBtiiH>iVali-ii"a, que aJfummram a
attencSo de todos os associados ao l iub Littera-
rio de quaesquercathegorias. para que concor-
-rani.ao lim que elle se destina: diffuudir a
jiistrucgao e'froariuntti bibliotheca'^auajBrnlan-
do e melhorando,a mais de quatrocentos volumes.
Ao terminarera estes aradores lizma-.ii sen-
tir as vantagens que advii ao aos sambeiitenses
desla Associaco, a qual com -ceatea Ibes ad-
miaistrar una nova luz|elevando-iftes o, nivel
iutolleclual.
Pedo-se, pois, a.|odoj,uqueHes, que. sao inte-
rassadoB pela.sorte do Glub, o s redacees das
folhas da provincia, e de todo imperio, onde
chegar a nossa.voz, uesiivam-6e de-eouoorrer,
para o augmetoida bibliotheca,,querom obras
Hospicio de Alienados
Gollegio das Orphs
Casa dos Expostos :
Em creaco
Em educaco
foi oomo^TsaflundoiasaistioopBlOiOrgao da jus-
tica publica.
- Lerabro, aojuiz qn que incorreu ,na+r's
seguitfes' fitKas: pFinieira-deixcnrde ordenar
a-'expidicSo:da-carta preratoriapata qtwos de-
nunciadas tDunas Braga e< Aatonio de Macedq.
fossem presos na lazenda Gravatasinho do termo
'le Leopoldipa, oonforrae requereu o promotor
pnblici) eu>*ua denuncia; eguoda oeixou de
mandar Janear os nomesdos mesMOS-denuucia-
doa lio rol dos culpados, quandoos|pionunuiou;
lereeir:, nao /tpfdarrui noctn A^nncif\miai* n^i ino-
-fora dt^ prazo legal.
.Oiuricury, ll de Janeiro de>4889tJoaqun
AkitiMiilfx Turarvs. de Hallanda.
in i loi-ia lat uferai ile contervn
cao don Portn de PernambucoReci-
te, 10 de Fevereiro de 1889.
Boletim'TOeteorelogico
iUerariase scientilicas, quer con unsijiuineros
dafe respeotivasiedieOes.
Ourteurj Dessa localidade .go:iioa pede a
puMicacao da sentemja infra, o que fazemos sem
commontaros. ,cbaiuindn simplesmenie a.atton-
.caofdas autoridadessupenores para o modo por-
que all se disiribue a justica para .vrvir.aos in-
.208
14
Total 1556
Arnenal de MarianaDepois de ama-
nli ser laucado ao mar, s 3 1(2 horas da lar-
de, o crusador Meduza. <
Reparado convenientemente no estaleiro do
Arsenal acha-se. hoje, em estado de prestaros
seivjcoi a que destinado.
. Caa dp refelcde* Os Srs. Francisco
Gomes A G, abn-m ioje, ra larga do Rosario
u. 22, sob o titulo de Cata derefe'ufia, uta esta-
beleeimento no genero dos cafs europeus, onde
serio fornecidos cun aceio comidas c bebidas.
O estabeleeimento es bem montado,.e pro-
mette serum centro attractivo.
185 'teresses partidarios
209 Eis a aaatenca :
201 Vistos estes autos eta etc. Sustcnli o des-
pacho de pronuncia de.fls. 78 na parte relativa
aos reos Dimas Erancisco da Silva Rraga u Anto-
nio Rodrigues de Macedo por estar-d>aee*rdo
3;{2 coiftas-Brovas^oiistantes dos autos: e dando pro-
vimento ao reaurso intenposte-a Os. 79,o,80, re-
formo lo mesmo despacho no que respeita ao de-
nunciado Manoel Raynero de Burros porquanto
est cxhuberaiMemeiite provado que concorrera
directamente para a praticados cimes classili- nados a meia noite.
Jtstao,'premia,:
nuBieros':
'7381
os. sopuntes
73SC
terceira nao declaro nestaaiccasio quaes os rao-
7382 7383 7381 7383
7387 7388 7389
Todos os nmeros terminados em 31 esto pre-
miadoBe0Hl>MM9|.^eKcepto'O>da sorte grande.
Todos os iiumerositorminados em 73-eslo,pre-
Uuiados.iGom 600 O excepto o da sorte imme-
diata.
Todos os numeres bmimados em 90 asto pre-
^ miados omtOOaOOO.
Todos oosurnumurosf teMniaados era I astao
tTOB que os levara a dar o despacho de fls. 78. premiados com -30*000, e*cepto osi tetminados
**-_^ W------- i -
- s
Horas 3-= o 3-6- 3 < Banruetrrt a ,4'snso do vapor "3 ^ i T3 Z3
&-
6 ni. 25-6 760-81 19,19 78
9 23'-6 ,' 76-26 . 20,78 86
12 28--1 761-81 . 21,5i 79
3 t. 27' 760-73 20,70 7i
6 27-7 1760-86 20.52 75
a banda de
to aara.
pelo b KD
Ole-i:.,,i'
individuo, nedio-lbe que Ihe nesse logo par.i
acender o charuto que levara; ao que elle re-
cusou-se dirigindo-lhe urna phrase, grosseira,
que foi repeUida pelo tenente Regaard.
D'ahi seguio-ee entre os bus urna lucta de-
' pal. porque o tenente Regaard nenhuma arma
e o seu eatara armado de faca,
qual ferio-. dando-Ute cinco tacadas, sen
nasmdrtaes.
' 0 ferido cahio, e o seu aogressor. o perverso
o. dei.\ando-o chapeo decabeca uoguarda-
chnva, que lite aihiram ;. a a correr
ppareceu. .
Maria Laurentioa, teatemonba presencial do
tacto, apanbando ; bje toe, procura\a
ejaflSadir-se, quando foi vista e chamada a
Jfcuarda nico i. 13. que. mquerindo-a,
orrido, e lesou-a para a estacan
B onde foi la\ m o auto de per.
iaote in'.blicido.
da parochia de Sanio Antonio
nao no lagar do crime. e fez trans-
are- 11, onda,
dorara ministra-
Pedro I!. 3 li-
le domingo, 10 do con
Flix e Gama iJlbo, que
.ontraraiii :"
!oda parte
ove rica bem
iquidos ftidos jxda
real.
t eoeoo-
uma i con
de exleuso.
-':
(teoao na ra, ira
a d, -
dos
a d'agua -
no mst
duas, nao s por
. ser todos tres
lade thoraxica,
unta do aspecto
apte, explicando
oul -as
o soldado, e ella resp indente
diio logo do reauranl, em direccio ra
(osario mde fra com o lim de ver se
o ti iba do para o seu Ubutoeimttito que
nesta ra. jiorm ao chegar obsen tu que es-
teva o mesmo estabeleeimento feicado e voilau
pela travessa das Cruzes para recolher-se a sua
casa: que j prxima desta encontrn um grupo
de nessoas, que impediram-ibe a entrada, di-
zendo algumas d.-ssas pessoas que ella res-
pqpdente, era a mulher que correr do lu-
gar do delicio, mas apezar disto conseguio
entrar em casa. Disse maiaM|ue o encontr com
itrangeira tendo-se dado junto ao estab
ment de Severino 4 Irmos. a lucta se proloti-
gou de modo que veio terminar ai lado do es-
tabeleeimento de K rause.
Perguntado as iacouhece como pertencenlus a
Manoel da Paixao Ramos o chapeo de eabeca. o
suarda sol e um .charuto que foram encontrados
no lugar da lucta. e que Beata a ato Ihessao
apresentados J
< Respondeu que o chapeo elleulivaitiunte de
Paixao Ramos, que o charuto o que elle lomara
na occasio. mas que nao aHirraa que o guarda
.-.ol seja di de me mo porque o estrangeiro, ti-
iiJki outro chapeo lie sol. .
Perguutada o uie Paixfio Ramos cosluva a
dormir?
Respondeu que dorma algantM vi zes em
casa da respondenle e outras no proprio esta-
beleeimento.
. Perguntado se Paixao atamos desde a occa-
i ai 11u, d ; rou uepoisda lucta at
vir a respon enti a esta procurou
ou encontrou-a ?
que nao.
Perguntada je confirma debaixo de jurai
lo tudo quanto acaba de referir ?
Respondeu cue jura que a rerda
se pu-
Epor nada anos responder per-
"uutado. mandn o subdelegado encerrar o pre-
auto que depois de lido vai por elle as
iado, por estar ixmforme, sendo a rogo da res-
pondente. Ghristovo I^ulino Vieira da Cunha.
com as teslemunhus presentes, capitao Francisco
Solano Molina, e tenente Jos Julio da 8ouza
Martins. do que tudo dou f e eu Artbur Espiuca
escrivo ad-hoc o pserevi .-lai> Lmze Serra
CstakanU.Chrtovao Paulino Vtewada Cunha.
ii-tw Muhna.JoH- Julw de Souaa
Mmtiki. m
*.!; para a intencia denalida -
Recebemos do Sr. Julio Soares de Azevedo um
folheto contendo a conferencia por S. S. feita na
Escola Normal em beneficio do Asylopara a in-
fancia desvalida.
Agradecemos.
l*a*amento Na idade de 69 airaos e vic-
tima de eyrrhose do ligado, falleceu no sabbado
ultimo D.'Thomazia Umbelina de Lima e S.
Era a finada urna sen hora respeitavel por lodos
os ttulos cheia de virtudes e digna de estima.
A' seu esposo, filos e netos apreseotaraos
nossas condolencias.
, UvuUu ao eiTao-.No sabbado a iwiite
os ladrees penetrarain no Mercado de S. Jos
e roubarara do compartimento n. 121, perten-
cente a Candido Jos Tavares de Souza diversas
pecas de roupa. fazeudas e chapeos na importan-
cia de 70000 e do compartimento n. 119 leva-
rain algumas iniud zas.
.iTiit! militar-Estiio designados hoje
para su|ierior do dia o Sr. apito Silva, e para
ronda menor o Sr. teuente Leobaldo de Moraes
a guarnico da cidade dada hoje pelo 2"
batalho de allantara.
As guardas da Thesouraria. e Palacio sao
commaudadas boje por dous olliciaes do 2 ba-
talho de infanlaria.
Existem na enfermara em tralamento 30
pracas dos corpos da guarnico.
Sob a presidencia do Sr. coronel Frederico
ChrisiianoBuys. funeciona boje o consellio de
uuerra a que responde o soldado da companhia
Rermenegddo Gomes Pereira.
Deixaram de f.izer ser vico c da praca
os Srs. eapiles Ernesto Alves Pacheco e Antonio
Jorge Moreira. por se terem apresentado os Srs-
maj'or Honorio Cleraentino Martins e capitao
Francisco Josi da Silva, que lUara ueste ser-
vico.
ilont.-m. s 2 i i luir is da tarde, o 2- ba-
lalJiodeu uma.guarda de bonra aliui de fazer
as honras fnebres, ao cadver do tenente da
guarda nacional Pedro Rygaard.
lllanlii \ Livraria Maintas, ra 1" de
M r cu obsequiou-nos hontem com a offerta do,
n. 331 leste peridico, preparado especialmente
p.:ra a mericae Oceama.
Agradecidos.
Tribunal do Jury d Becife -Func-
cionou hontem esire tribunal com a presenca de
3Gjuizes de facto.
As 11 lloras da manh presentes ni sala das
isoes os Srs. Drs. Antonio Domingos Pinto,
juiz de direito presidente do jury e Joo Joaquim
de Preitac llenriques, primeiro promotor putili-
co. fez o escrivo Florencio Rodrigues de Miran-
da Franco a chamada (piral dos nradns.
Aborta a sesso foi, julgado o reo Jo&o Auto-
ai i Francisco de Lima, couhecido por Muss.
pronunciado no art. 193 do cdigo criminal por
le.-pac'io doDr. jui/.deiraitodo '" districto. e
ac. usado de haver no da i de Fu-vereiro de 1S87
no bec do Espjnheiro. freguezia da llraia. fe
rido o individuo de nome Loaren ;o Prancisco
tas Cliagas que falleceu 2 inezes e 7 das depois
em coiuequencia do l'erimenlo
Occupoua caileira-dileezao alferes talan 10
'.'i'iiaudes da SUreira Can-albo, contpomlo-se o
con-ellio de si nlenea dos seilintes jnizes de
facto:
Antonio Jos,' Dtnrtc.
Joo Cliinaco los Sant >s Rernardes.
Jos Fernandes de Mello.
J.io Ferreira Loureiro.
Jos liorna de Abreu B Luna.
Jos Francisco dos Santos Miranda.
Francisco Canuto da Boa-Viagem.
Agostinho fos dos Santos.
Joaquim Fruneise i de Medeiros.
Trujano Alipio de Ganalho Mendonga-
Joo Mauricio de Abreu.
Joo Cosario oe M< lio-
Deferid-'ao co ---'llio o.iuc;:tieulo lagl em-
terrogado o reo n-sp deu que >ra natural des
taprorincia, de St anuos di idade, solteir,, ca
i .
Que uo Mbia como se den o fado deMctOO-
BQade que o aecusavam. nada tinha a oppi'ir
contr ostuainnlia- que inracnra no prooesso
e i aiui.bnia a a.'-cusacau a motivo particular.
I'indo o interrogatorio e feita a leitura do pro-
cesso pedio a palavra o Dr. promotor c men-
cionando as provas, factos e circumstancias
que sustentaran] a crirainalidade do reo, disse
que era de Justica a sua enndemnayo as penas
do grao mximo do art. 193 em vista da cir-
cunstancia aggiavanle. prevista no 1 art. 16,
de ler sido o crime p-raticado em lugar ermo.
(.' defensor obfendo a palavra combateu os ar
gftniftntos do Dr. promotor, e negando a auto-
ra pedio a absotvigo do reo.
Houve replica e'treplica.
Terminados os debates e ptopostos es quesitos
recollieu-se o conselho a sala secreta e \oltando
cora suas respostas escripias o Dr. juiz de direi
to publicou a sentenca que proferio coudem-
nandoo reo a 7 annos de prisao grao medio do
art. 194 combinado cpmo art. 49 do cdigo cri-
minal.
0 jury recoaheceu Dor 10 votos a autora do
crime, por 9 votos ter fallecido o paciente nio
porque o nal causado fbsse mortal, mas poique
nao se empregou a necessaria diligencia para
removel-o e por 8 wtqs a a^gravante articulada
no libello e a attenuante do 10 do art. 18.
0 defensor do reo appellou da decisao do ju-
ry para o superior Tribunal da Relacao.
ao nenio Coniinunicam-nos:
asmo dos socios e
applausos dos samoentenses, sera disfineco de
cor poltica, houve no dia :! de Fevereiro do cor-
rerite anno, com grande afflaencia de especiado-
res, urna -sao solemne no Club Littererio, que
sem duvida inaugura- nova epocha de prosperi-
- esia utilissima insliluicao.
Aberta a sessio, que foi presidida pelo profes-
sor Francisco Alexandrino de Paula Rocha, e ex-
postos os motivos da reunio, terminando por
um appullo ao civismo dos socios, para que re Jo-
sforcos no sentido de promov
a prosperidade da Associaco, declarou o presi-
dente que se h proceder a eleicJo da mesa-e dos
empregados da casa., cujo resultado foi este :
Presidente, Francisco A. P. R'
presidente, Filippe M. de Santiago; i" secretario,
(juintino A. S. Valenca; dito, Pedro P. Puglis;
orador, Francisco A- dos Santos; bibotliecario,
cados na denuncia de fls. 2.
E considerando que eua ritiud'eid-*-M-tin
estarn' pela prupositnl [riqueza oKXaffulada
pusUunimidade ostentada ,pelo me.tmo tU^tttaudn
durante o horroroso coaflk'o de que se trata, por-
quanto estando rodeado de pracas do destaca-
mento armadas de punhal e sabres, nao obstou a
que Antonio Rodrigues de Macedo combinado
esrn-seu.irmfto Dimas I ranaiao da Silva: braga
tentasse eontra a vida de Franoisco de Rauda
Vieira de Castro, desCeichanoVIhe tres tiros de
revolver, e matasse Jnvenal Antonio de Castro e
Silva, desfeichando-lhe un quarto, minutos de-
pois dos primeiros;
Considerando que essa cumplicidadr juunifes
t i-se pelo faci de nao ler o mexino denunciado Ma-
noel Raynero de Bairot tomado efectiva a quinao
de Antonio de Macedo, quer antes, ou pelo rae-
nos, depois do segundo crime, e ao contrario
deixou-o evadir-sc pelas prinoipaes ras desta
villa, sem que fosse perseguido pela terca pi>
blic;
Considerando que essa cumptUidaile manifes-
tase anda pelo facto de ter o nusmo tlemineiadr)
ayasaJhad em sua casa ocrunuwso Hiaias Fian
cisco da Silva fruya, poralguns dios sob oprele.rtu
de Oftar.preso deixando-o depois evadir-se para
a fazenda Gravatasinho, como se v da denuncia
de fls. 2;
* Considerando que essa cumplieidado raani-
festara-se. anda pelo cynismo e perversidade do
mesmo denunciado Manoel Raynero de Barros,
em querer atirar a rcsponsabilidade dos factos
sobre tereeiros, c nio se comprehunde do seu
interrogatorio a lis. 66, da sua coatestacao a fls.
62 e do depoimento da 2* testemunha do sum-
mario:
Considerando que ata cumplicidudc tomuira-se
anda mais patente, pelas respostas dadas a este
juizo pelo mesmo denunciado e contantes dos of-
ficios de fls. 32 e fls. 34, pelos quaes se mt el tr-
mente a proteceo dispensada aos criminosos, i
considerando um damos na pleno exercicio de
seu cargo,orno inuoceuie, ja mandando o ou-
tro recolher-se acomp'inJiado de urna s praca, tra-
jo nome ainda hoje se ignora; nando ass'im lu-
gar a que se evadsse;
Considerando que acumplicidade do mesmo
denunciado Manoel Raynero de Barros torna Se
ainda mais evidente pelo modo infiel porque se
houve era suas coramunicacOes para a capital,
por quanto oorao se v do Otario md< emambuco
de 23 do mez passado procurou incutir no animo
das autoridades superiores que a questo se
Jera entre 'Juvenaf de Castro e Francisco de
Paula de urna parte, Dimas Braga e Antonio de
Macedo de outra, e que se dera provocacaa reci-
proca, quando sabido que da parte das victi-
mas uo houvera provocado al^uioa ou insulto
que oeeastonasle o conflicto ;
Considerando finalmente que o denunciado
Manoel Raynero de Barros era desafecto de Juve
ual Antonio de Castro e Silva e do Dr. Asterio
Mininas Pereira da Costa : do primeiro por mo-
tivos taes que deram lugar ao ridiculo e insul-
tuoso despacho de lis. 27 ; e do segundo pelas
razOes constantes do depoimento da pfimeira
testemunha de fls ;
.. Cousideranuo ludo islo e o mais que coosla
do presente processo julgo procedente a denun-
cia de fls. 2 para pronunciar como pronuncio
ao denunciado Manoel RaYnero de Barros, como
incurso tas penas do art 193 do cdigo crimi-
nal combinado oom o art. 3o primeira parle e
segunda do mesmo codico, e o sujeito a priso e
livraraento. O escrivo lance os nomes dos reos
no rol dos culpados e passe mandado de priso
contra o reo Manoel Raynero de Barros ; pagas
tambem pelo mesmo as cusas. Sejam os autos
remettidos para o cartorio do jury de cujo func-
cionario se cobrar recibo. Noestou de accor-
do (talvez por isso cora a jurisprudencia expen-
dida no despacho de lis. 78 a 80, o qual se na-
rece mais com razo de defeza do que cora um
despacho de pronuncia.
Qualquer feito em que funecionar autorida-
de incompetente, ou que liver por base diligen-
cias procedidas por autoridade incompetente,
nullo de pleno direito lelo principioqued mi-
lum est, non pivducH effectum.
Sendo assi.n, devia o juiz a qu decretar a
miltidadn do presente summario, urna vez que
leve razo para isto. N*o o fazendo deixou de
Temperatura uuaRima 28",50.
Bita mnima 25?,00.
Evaporaco om 24 horasao sol: 4,4 ; som
rfira: -.2:
Chuva0-,3.
Direceo r do vento.;-SE, ESE e E alternalos
de uieia noite s 7 hojas e.3 minutos da maoh;
SE at,9 horas e 30minutos; SSE at aos 33
minutos da tarde : SE *com mterropces de ESE
at G-boras e ^raioutos : E E, E. e ENE alter-
Velocida-le >media do vento: 1-96 por se-
gundo. ,
Nebulosidade- media: 0.82
I Bolelim do porto
Dia Horas Altura
P M-B. M-P. M. B. M. 10 de Fe ver. a 11 de Fever. 1^12 da tarde 7-36 -147 da manh 8-16 ii-,84 "-5 1-.82 0-84
. ItaAMeav EITectuar-se-ho os seguinles :
Hoje:
Pelo agente-Pinto*- s Ui horas, ra Princesa
Isabel n, 12. de movis, louca a ndros.
Pelo agente Martins, s 11 horas, ra do
Bom Jess n. 13, de movis, loucas e vidros.
Pelo agente -GusinSo, as** horas, ra Mr-
quez de Olinda n. 48,, de lOOduzias de ehami-
ns, canarios e. gneros
Pelo agente Brito, s 11 horas, .ra Vis-
conde de Iniiauma n. 48, de movis, raiudezas.
loucas etc.
Amanha :
Pelo agente Britto, s 11, horas, ra Viscondc
de de Inttauma, de predios.
Hiwwai* fnebres-Sero celebradas :
Hoie :
A's 8 horas,no-convento de S. Fnancisco, pela
alma do Dr. Henrique Aflbnso de Miranda Leal;
s 7 horas, na matriz da Boa-Vista, pela alma de
D.-Joamia Rosa Pereira^JuiMares.
Amanha :
A's 8 horas, na jigrejn do, Monteiro e matriz
de Santo Antonio, pela alma do tenente-coronel
Henrique Jos Alves Ferreira; s 7 1/2 horas,
na matriz de Santo Antonio, pela alma de D.
Joaquina Ferreira Santos; as 7 horas, na igreja
da Penha, pela alma deD.. Mar.a Isabel de Me-'
deiros Botelho; s 8 horas, na matriz da Boa-
Vista, pela alma/de D. Amelia Vaz de Oliveira
Perras.
PasKiiceiro -Ghegados da Europa no va-
por inglez Potos:
l.ouise Wepper. Antonia Maria, Manoel Gon-
galves de Panas, Manoel dos Santos. Margarida
de Souza, Domingos Alves de Carvalho, Custo-
dia Rosa d Carvalho e M. Araujo Goimar-es.
p ira o sul no mesmo vapor :
' oes Moreira e Ednarao Lenails.
o norte no vapor nacional Una :
afilo Giraldes e Frederico Sam-
cumpiir cora o seu .dever e inostrou que nao ti-
nha conlianca na doutrina que expender.
O art. 14 do regulaniento n. 4,824 de 22 de
Noverabro de 1871 foi citailo de rntwa, porque
trata de materia mullo .iversa : d e n2o tira at
tribuires ao juiz de direito, como se poder
verificar, Em quanto as irregularidades nao foi
tambem feliz o juiz a quo. A falta de rubrica
no auto de corpo de delicio de lis. 11 a fls. 12
nao urna irregularidade, nein prora contra o
juiz que o procedeu; antes o resultado de um
esquecimento de momento que nao pode trazer
a nullidade do processo. Sanei a falta rubri-
cando o referido auto. O officio de fls. 4 a fls. 6
nao urna pega desconhecida no foro criminal:
pode nao ser conhecida pelo juiz o qu, cuja
pia'*ica nio Ihe d direito a avancar semelhante
proposigo.
A remessa que fiz ao promotor publico das
diligencias, que proce li, devia ter lugar por meio
de oflicio ou por despacho nos proprios autos em
forma dc_ recapitulado.
Segu o primeiro eaminho c julgo que nao
errei, saha a opinio dos mais autonsados.
As portaras de lis. 8 e fls. 37 equivalem ao
mandado de intimaco de fls. 43 escripto pelo
escrivo c simiente assignado pelo juiz) e por
onsenti que fossem lavrados pelo escrivo
que sera duvida um secretario do juiz.
Quanto finalmente a contradiego que resul-
la do comparaco dos depoimentos da testemu-
nha Joaquim Pipheiro da Silva expkca-se fcil
mente.
Tendo o reo Manoel Raynero de Barros com
sua exaltacao habitual declarado na vespera da
fonviaco da culpa, e as proximidades da casa
do juiz queque aquellas testeuiunhas que fal-
lassem em seu come levaran) facfto, algumas in-
clusive Joaquim Pinheiro ruceiosas d que as-
siai acontecesse, procuraram nao envolver em
seu depoimento o nome do referido denunciado,
i por calculo, eslava pr.>euie ; e sendo
anastadas aease terreno procuravam manifestar
se da forma menos ofl'ensiva e uie.-rao mais fa-
I, erabora fossem argidas de falsas ou de
contradictorias
Aftirmo o que acabo di expor porquamo
menos de tres testeuiunhas vieram a mira pe ln-
providencias, declarando que s iam depor se cu
as acoinpanhasse.
Porlanto o juiz si nao poda sem grane offensa ao aieu carcter e
a rainna autoridade attribmr m f de minha
prteos tornar-me responsavel pela contradiego
que se nota nos depoimentos do referido Joaquim
ralaWkai- Silva, tanto mais quauto o primeiro
Sahii
Manoel
Che,
Mano
paio.
Soguera para o Rio de Janeiro 429 retiran-
tes que "vieran do Cear.
Chegados da Europa no vapor francez 17/-
le de Peinambuco :
Antonio Jos de Almeida e Varia Augusta.
Operarse rirorgira* -Foram pralica-
das no Hospital Pedro U no dia 10 do corrente.
as segunites:
elo Dr. Malaquias :
Duas tainas perineaes pelo processo de Nela-
ton, indicada por clculos vesicaes tendo urna
o peso de 140 graniraas.
Pelo Dr. Pontual:
Cheiloolastia' extirpaco de epitelio-a do la-
bio inferior.
Ca*a de DetencoMovimento dos pre-
sos da C;.sa de Detencao do dia 10 lie Fevereiro
de 1889.
Existiam 446 ; entraram 16; sahiram 20: exis-
tem 442.
A saber:
Xacionaes 404 ; mulheres 17 ; estrangeiros 20.
-Total 442.
Arracoados379.
Bons 354.
Loucos 4.
Doentes 21Total 379.
Movimento da enfermara
Tiveram alta :
Jos Antonio Carneiro.
Bernardo Vieira da Silva,
Jos Emilio Soares.
' Antonio Flix do Nascimento.
*is de Sant'A una do Nascimcnto.
anoel Dellinodo Nasctmenlo.
Jos Vieira.
l-oram visitados os presos deste estabeleeimen-
to por 249 pessoas. sendo: homens 109 e mu-
lheres 14o.
Hoitpital Pedro II 0 movimento de-te
estabeleeimento de dariJade, no dia 6 de Ja-
neiro, foi O segninle :
Entraram 10
Sahiram 17
Falleceram 4
Existem 579
Foram visitadas as respectivas enfermaras
pelos Drs.:
Moseosos 8 l|4, Barros Sobrinho s 7, Mala-
quias s 9 3|4, Poutual s 9 3|4, Estevo Caval-
cante s 8 1|4. SimOes Barbosa s 10 1|4, ho-
ras.
Nao comparecern! os Drs.:
Berardo.
Cysneiro.
0 cirurgio dentista Jfuma Pompilio s 8 li4
horas.
O pharmaceutico entrou s 8 Ij4 da manh e
sahio s 4 da tarde.
0 ajudante do pharmaceutico entrou s 7 i4
da manh e sahio s 4 horas da tarde.
Lotera do Grao Para Eis os premios
da I.* serie da 26." lotera do Gro-Par, ex-
trabida em 11 de Fevereiro de 1889 :
2231 60:0001000
873 v 6:000*000
7390 3:000*000
7013 1:200*000
7914 1:200*000
VPPROX1MACOES
000*000
60'*000
300*000
300*000 .
480*000
180*000
600*000 os seguin'e-
em 31.
Todos i osi nmeros terminados em 3 estad
J pttmiados com 3*000, excepto os,terminados
em 73.
.-* seguinte Ipteria corre no. dia 16 de Fevereiro
com o plano d 60:0t0*000.
, l,(erla do tam-rar A 2 parte da
26* toteria,-de3saT)roYncia, cujo premio gaonde
6S:O0OiO0O, era lontrahida,* sabbado, 16'de
Pevereiro.
0eauterio Pablioo Obuario do da- 9
de Fevereiro de 1889.
Mara-,'Pernambuco, 14 inezes. airara -gastro
enterite.
*ho/azia.iBibelinaide Lima-e Silva. Pemam-
buco, 69 annos, casada. Boa-Vista; scyrrhose
hepatite.
Joviniana Francisca Dnarte Coelho, Pernam-
buco, >l airaos. solteira,'l*05 : -febre typhica.
Amelia Pernambuco, 71 'iranos; S. Jos; con-
gesto das meninges.
Una crianca Pernambuco, mezes ; Bo:KVista.
Urna enanca, Pernambuco,-mezesrfraea ; cra-
niatomia.
Urna crianca, Pernambuco, 8 mezes, Recife;
morte insiaiitanea.
Maria Francisca de Barros Wanderley, Per-
nambuco. 47annos, solteira, Boa-Vista ; epilep-
sia.
Venancio Jos de Moraes,.i*ernambnco. 36cu-
nos, casado, Boa Vis'a > leso- vaciliaca.
Um feto. Pernambuco. Santo Antonio; asphi-
xiado
Maria, Peinamliuco,, 60 annos, Boa-Vi-t;
lymphatile.
Francisco.da.Motta Ribeiro, Pernambuco, 39
annos, solteiro, Graga : cachexia.
Josepha Senhoriiiba-da Conceiijo Pessoa, Per-
nambuco. 76 annos. viuva, i Boa-Vista ; ^astrite.
-10-
Dr. Jos Ladislao Pereira da Suva, Pornambu-
co. 46 annos, casado, Jaboalo; leso cardiaca.
Francisca Gandida das aSantos", i ernambuco,
27 annos. viuva; Aforados ; tsica galopante.
Jos, Pernambuco, 7 inezes. Boa-Vista ; eclam-
psia.
Raymundo, Pernambuco, 1-anno, Recife ; gas-
Irite.J
Manoel, Cear. 8meses,'Recife: 'trepsia.
.. Blandina Periiiimbuco, 8 mezes, S.'Jos;
athrepsia
Manoel Benedicto. Pej'iiambnco 20.annos, sol-
teiro, Boa-Vista; febre lidiosa.
Ezequiel Francisco' das Ghagas, Pernambuco,
60 annos, scIteiro.iDoa'Viste; enterite.
Maria de Pinho,-Pernambuco, i solteira, 35 an-
uo-, solteira, S.Jos: tuberculose.
Rutina Rosa da onceico,. Pernambuco. 48
anuos.'Graca; inllaramaco dofigado.
Sorerina Maria, Pernambuco, mezes, aato
^ntonio: .fraquoza.congeaita.
Um pouco de.tudo
Acaba de ser commettido
me em East-End.
A policlitde Londres ^rendeu no dia
12 de Dezerabro um tal Jobn Henry Gu-
Hce, natural de Delhij que exeroe a pro-
bssJU de rmaitre d'kot a bordo dos navios,
e que acousado de tentativa-de assassinio
na. pes*oa e, Isabel Fayne.
O preso diz que teve. urna violenta ques-
to com a victima, em .casa desta, e que
ella Ibe dirigir os maiores insultos; e
que m entilo que elle, ..puxando de rama
navalha de barba, lhc deu um golpe na
garganta. Affirina que nao premeditar o
eriiue, que naot entrara em casa de Isabe
Payne com o intuito de assassinar.
Urna visinha, do depoimento que fez, as-
segurou tel-os ornado questionar vivamen-
te, e que Gulice Ibe batera com um ferro
de aticar- o lume.
A victima, babel Payne, foi rcolhida
ao hospital de Poplor; o seu estado era ,
desesperado.
2810
2233
872
7:589
7391
lo premiados com
nmeros:
2471 2816 3837 7334
Esto premiados com 3OWQP0
nUmCrfz790 3170 4240 5364 7176
Esto-premiados com 120*000 os segantes
'1UmejZ32 2233 2234 M33 2236 2237
2238 2239 2240
Esto premiados com 60<>00 os seguinles
nmeros:
2871 2872 2874 2875 2876 2877
2878 2879 2880
os seguintes
Foi ordem de soltura a favor do indi-
viduo que tinlin aido preso como autor
supposto do crime commettido em em Brad-
ford na pessoa do pequeo John Gil.
Entre outras circumstancias, que con-
correra para estabeleccr a sua innocen-
cia deu-se a dos mdicos peritos declara-
rem que o autor das mutilajoes pratica-
das na pobre victima nao poderia ser se-
nao pessoa que tivesse perfeitb conheci-
mento de anatoma.
'..
E um nunca acabar de crimes de toda
a ordem em Inglaterra.
A epidomla de assassrnios e roubo con-
tina em urna proporcSo aasustadora.
Alm dos dous* a que cima nos refer -
mos, temos de registrar os de que in-
forma o correspondente em Londres d'um
dos primeiros jornaes de Pars.
Trata-se em primeiro1 lugar d'um roubo
audacioso n'uma casa e de ataque mo
armada.
N'um dos'primeiros dias do mez^ pelas
oito horas da noite, sahiam de sua casa,
nos arredores de Londres, mister Walkht
e seu lilho, quando viram urna das janel-
las do 1 andar aberjaj, contra o que ti-
n!iao ordenado aos criados.
oino fossem a entrar novaajsjnte, para
perguntar qual a causa disso, Waui saltar
dous homens dessa janella e correram en
sua perseguiao.
Os ladroes, vendo-se seguido fizeram
fogo sobre os donos da casa.
Ao barnlho dos tiros um fill
de M. Walkin, e que estava
reu tambem aojardim.
Por aqui se pode, calcular
criminosos e bandidos de Londres, en-
trando as casas s oito horaat da noite.
As execucoes nSo parecem produzir gran-
de effeito nos criminosos.
Em sete dias houve quatro execueSes, e
logo aps una outra em Walwirck.
O outro eriine de que o correspondente
d noticia, revestido de circumstanciae
romanescas.
O criminoso entregou-se de mytu pro-
prio, cyjue o nao preservar, no entanto,
da terrivel sorte que o espera.
Um pintor de 21 annos, chamado Jen-
kiis, estrangulou no seu atelier, em Go-
dalning, perto de Londres, a sua noi
Emilia,, de 19 annos. E' inexplacavel
movel deste acto, visto que Jcnkins devia
casar coa Emilia Joy no prximo mez do
Maio.
Durante tres dias Jenkins andou por to-
das as tavernas doa arredores. Tinha dei-
xado o cadver da victima fechado no ate-
iier.
No quarto dia confessou o crime ao j
prietaro de urna taverna, que o levou e
tSo a um K>sto de polica, onde r
sua confissiio.
A pocia julgou que estava
d um doudo : mas eio br.

um novo cn-
I




Diario de PernambucoTer^a-feira 12 de Fevereiro de 1889
Jenkins era realmente um assassino, po-
dendo ser, talvez, ao mesmo tempo um
doudo.
Jenkins declarou que a pobre Emilia
Jey se defender desesperadamente, que
lhe morder as mftos ; e que logo que
tudo /< i terminado, elle se ajoelhara e re-
cara junto do sea cadver.
O exame a que se procedeu uo theatro
do criine, mostra que o assassinio foi pre-
cedido da violacao da victima. A confusSo
em que estavam os movis, prova que
houve grande luta. Mas nao se explica
realmente um crme, que nao era neces-
sario para satisfazer a paixSo do assassino.
V
Quanto aos outros crimes j conhecidos
e de que foram victimas, em Whitethapel,
Rose Millet, e em Jeovil, a pequea Jane
Davy pouco mais se teni averiguado.
Relativamente ao primeiro des es cri-
mes, o jury, contra o parecer da policia
declarou que Rose Millet fora estrangulada
por urna ou mais pessoas.
A policia sustentava que a desgranada,
estando embriagada, cahira e fSra estran-
gulada pelo proprio collarinho. Isto fez
rir, e com razao.
Pelo que diz respeito ao criine de Jeo-
vil nada de novo se sabe.
A cura moral do nervosismo da classe
media muito difficil porque deve ser
confiada escola, mas a urna escola que
boje nao existe.
No diccionario nao ba um s djcetivo
3ue sirva para anathematisar a escola vno-
erna, que contm enfermo e indigesto
paite de tudo que de rancoso conserva o
pensamento passado e remoto, e de tudo
quanto de galvanisante apresenta o pruri-
do de um presente aindo muito acerbo.
Houve quem tivesse a extravagante
idea de baptisar a soita dos carbonarios
com esta lnnga palavra : CapribarbisfUi-
phera e infame seita liberalesca lugliatlca.
Imitando este espirituoso sanfedista p
de-se chamar a escola moderna : Grecolati-
narcadicometaphisica e malvad:. etcola
quidrupedante nevrosica.
Se o baptismo pode parecer grotesco,
todava fiel; e se cmica, sincera
expressao da verdade.
A escola moderna que deve dar homens
alos interna exteramente, deve sei po
sitiva e ideal, deve Corajosamente ex-
pellir do propsio seio as palavras vas, as
empolaclas definicoes, deve eliminar tudo
que esta morto, afim de que a putrefac-
clo daquillo que nao existe mais nao ata-
que e nem infecte o que aiada resta de
novo e sao, para que nos d homens mo-
ralmeute felizes n'uma sociedade si e fe-
liz.
Feita a diagnose, e proposta a cura,
resta a prognose, e a prognose fcil e
segura.
O nevrosisino do nosso seculo curar-
ae-ha espontaneamente e pela obra accor-
de do educadores e dos escriptores.
Ob cerebros humanos educados* para as
kdigb aovas para os novos trabalhos, se
frao cada dia mais robustas. A calma
tomar o posto da convulsao e o pao quo-
tidiano feito com trigo sao com fermento
bom, banhado no vinho de urna idealidade
si e verdadeira temperar os nossos or
gaamos coro urna nova forca.
Primeiro o pao e depois o vinho; pri-
meiro o dia de hoje e depois o de araa-
nbl; primeiro a physica e depois a meta-
phisica: primeiro a trra depois o co.
E coa" Bacon escrevamos sobre a nossa
bandeira, tanto a poltica como a da es-
cola :
Post physicam inventam metaphysica
nuUa erit.
#*.
Extrahido das peregrinayoes indianas,
por De Gubernatis:
E eis-me aqui novamente em trem na
estrada que de Pondichery desee a Tnger,
no meio de urna esplendida vegetacao de
palmeiras, e de verdes tapetes de arro-
aaes florescentes, sobre o* quaes vejo, ao
eacureeer, daucas em myrades de pyri
lampos cujo explendor o paludo ciarlo da
hia nao dissipa, e vejo tambem saltare
lebres e coelhos que as suas appa-
COMERCIO
Resista do Mercado
Recito, 11 de fevereieo de 1889.
O dia foi de pequeo movimento.
Fwram registradas apenas algumas transac-
&5es no mercado de cambios e a veada de un
lote de algodSo.
Cambio
Os bancos mantiveinm ainda no baleao a taxa
27 1,2, pedindo entretanto os tomadores 27
Em papel particular loram effectuadae peque-
aas transa ces a 27 11/16. .
0 mercado continua irme.
No Rio foi colado papel particular a 27 /16-
TABELLAS AFFIXADA8
I
s =
I -S
r- B ~
L
3
2. a
o. .
3
e
05
2 3
O ry
i*

2
& .
ricoes phontast cas, me fezem lembrar"
que um dos norias sanskritos da la
caicin ou cicadf.cra, ou o astio que traz
a lebre, pois quo as manchas lunares o
povo indiano v urna lebre saltando.
Em cada establo vejo amontoar-se e
mudar-se um povo inteiro de perigrinos,
que vio de um ,io outre pagode das sa-
gradas aldeas das quaes todo o caminho
apparece emeado. Frequentadissimas slo
especialmente a estacSes de Cidambaran
e de Kumbakonun, d'onde surgem pago-
des raonumentacs, e o povo que os visita
parece correr muito mais festa de que
penitencia.
NIo vi nunca mulheres to pouco ves-
tidas nem mais elegancia e mais rica-
mente ornadas. O ouro e a prata ou ao
menos os ornamentos dourados e pratea-
dos sao verdadeiramente profusos as ore-
lhas, na fonte, as trancas, no nariz, no
pescoco, no antebraco, as pernas e nos
ps.
Multas dellas alo brahminas, evidente-
ineftte muito ricas, contentes e gracejado-
ras ; deitam para traz os seus cabellos, j
por si mesmos jtretos, mas que untam
ainda de preto para trnalos mais luzen-
tes. Teem um s vestuario ; o sarri com-
pridissimo, com o qual n'um instante po-
dem cobnr-se elegantemente ou descobrir
todo o corpo. O sarri da mais rica de
seda com franjas de uro.
Observo entro ellas especialmente duas
mais bellas e senborilmente vestidas, mas
noto tambem qio ellas caminham com
muito embarazo, quasi cambaleando, como
ebriaB, ou cdtap meninos que nao teem
ainda bera aprendido a firmar.se e mo-
verse.
Habituadas a licarem sempre fechadas
em casa, e nlo s fechadas, como tambem
estiradas, as suas esteiras ou seus tape-
tas, todo o pnss't que tentara frade casa,
em publico, deve pol as n'uma certa ap-
prehenslo : faltas de exercicio, as suas
pernas como os seus bracos, sao, geral-
racnte, muito delgadas, e por isso ellas
sentem umitas vezes o susto de cahir e
fcilmente se prostram; o que acontece
raramente s mulliercs do povo. condem-
nadas na India a trabalhos muito duros, e
que por isso sao muito mais robustas fl
que se pode imaginar na Europa.
A cor da pelle dos habitantes daquella
regio raeridin al geralmente de caf,
tirando muito ao preto. Sobre ellas bri
lha o ouro e a prata das mulhercs, cas
coroas de rudralciha, de semen tes doura
das que trazem os Sivaiti; o apparelho
de que usam como collar em torno do
pescoQO os adoradores do infame Linga,
sobre aquella pelle escura produz um ef-
feito deslumbrante.
SPORT
Prado PernaniJui-ano .
Realizou se antebontem a 21 corrida.
A concurrencia foi re>rular.
Na casa da* apostas foram arrecadados...
45:125*000.
Eis o resultado das corridas :
t" pareo -Coatolaco (1* turma). -850 OMJtro*.
Ammaes da prov.ncia que ainda nao tivessem
ganbo. -Premios : 2005, 50i e 20^000.
Arreada a bandeira, saliiraui os animaes era
bolo, sendo almins metro? depon oceupada a
pona por Liiiune--.
Na entrada da recta de clieiruda,. procurando
Lindness ceder a pon: i Breas, deu isso lufiar
a que os animaes se iuntasseru de novo e scguis-
semem bolo at alai do distanciado, quando
Orion, montado por Joao Maria, adianta-se 8 >
nba a corrida em 66."
Breas, que ainda desta vez nologrou teu-er,
foi classificado em 2 lugar e Paiife em 3."
Poule de Orion em i, 1:597*500; em 2."
279*700. _
PouU de Breas en 2-, li*/00.
Moviraento gem, 6:M0*OJ0.

2o pareo. -# ie Julho 1.100 metros. Ani
maes de menos de meio sangue -Premios : 300*.
60* e 30*000.
Favorita, montada por Luir. Pereira, puxon a
corrida, cedeado a jiotOa, 600 metros depois, a
Aymor. ... _
Na entrada da recta de chegada Favorita reto
mou a ponta, que nao mais cedeu. ganliando a
corrida em 78."
Aymor foi 2o e Alpha 3*.
Poule de Favorita em 1, 9*300 ; em 2, 6*800
Poule de Aymor em 2, 10*t00
Movimento geral, 3:923*000.

3 pareo. -Derby Club de Pernambuco 1 000
metros.Animaes dajprovracia que nao tivessem
ganho premios este anuo nesta ou maior distan-
cia. Premios: 250*. 30*. eVil
Dado o sigiwl. Pirraba, montado por Manoel
ircranjo. uhi'j na vanguarda e par pirraca se
conserva auu jo?i.So at ao vnceJw, ganlwn-
do a ccarida em 78."
Lucifer foi Jp e fiood niornnu 3.
poule a Pirran em 1". 77*700 ; em 2", 38*300.
Poule de l.urifer esa 2o, 45*70:).
Movimento geral, 7:713*00'.
*
4o pareo.- Couso'tcn (2' turma)890 metros
Animaes que ainda nSo tivessem ganbaPre-
mio! 200*. 50* e20*.
Os animaes sahiram em bolo e assim se cou-i
servaram at a entrada da recta de chegada,
onde Bonaparte, montado poi tirispim, cofioca-.
se na vanguarda, uouseguaido ganhar a corrida
em 67."
Bismarck foi 2o e Vassallo 3.
Poule de Bonaparte em 1". 46400U : em i.'.
24*300.
Poule de Bismarck em 2 35*300.
Movimento geral, 6:145*000.

5o pareo. Prado [Pevnambiiatno. 1,700 me-
tros. Animaes de qualquer pais. Premios :
600* e 120*.
Ao grito do starter, Ernani, montado por An-
tonio Freitas, sabio escapado na ponta, seguido
de Apollo e Africana.
Cerca de 800 metros depois. Apollo coasegue
emparelhar a Ernani: mas uprriaJo por este c
por Africana, que. lambem se ha\ia coilocado ao
lado de Apollo, teve o slente animal de apilar
e tomar o lado opposto pista.
Com essa manobra, ganhou Ernani terreno e
sempre protegido por Africana, couipanbeira de
Coudelaria. cnegOQ ao vencedor em i23".
Africana foi 2., enejando Apollo em 3. lu-
,rar.
" Uepois da corrida liouw no ensilhamenlo urna
peuuena alieracao n i ordeni, que pouco durou.
PaUe de Ernani, I9*3(K>.
Movimento geral, 3:373*001).
#
6 pareo Butraa -1200 metrosAnimaes
da provincia Premios : 250, 60* e 23i.
Templar, mooiado por Pedro Alexandrino,
sabio na vanguarda e nessa poico se cons vou at ao ceniedor. ganhando a corrida em 89".
Monitor foi bom 2. e Mjuto, que j nao o
mesmo lieregs de outr'ora, foi ino 3..
Poule d>- Templar em i,"., 9*l0t); em 2.,
6*600.
Poule de Mo.iitor em 6*300.
Moviim-nto geral. 8:663*000.
*
7.' pareo-flw/e1-200 mstros-Eguas at
puro sanguePremios : 330$, 704 e VSm-
A" signal de partida coube a Oalia tomar ;
ponta, que conservou at i distancia de 600 me
iros, quando foi balita por Cynira.
Na entrada da recta de chegada, Olga, mon
tada por Olympio e que havia sahido pessima
mente, tendo ja consegu 10 bater um por um
tolos os competi.lores colloca-se na vanguarda
e ganba a corrida em 82".
Africana e T-vnira nasaram juntas pelo poste
do vencedor B "dividindo-se as opinies sobre a
que devia su r classitieada em 2." lugar, resolveu
a digna directora considralas como tendo em-
patado.
Foi urna decisao sensata, nica admissivel no
Caso e que % lodos salisfez.
Poule A* Olga e:n 1., 85800: em 2.. 5*200.
- Poules em 2. de Cvnira, 3.800 ; de Africana.
SlOTj.
Movimento gera!, 6 89<)*000.
0 oita,vo pureo BO fe r^ilizou.
Bolsa
Pena im;>ola U. jM-krya
A directora do Prado Pernambucano, consi-
derando irregular o procedimento dos jockeys
Cbrupim e Antonio Freitas qoe dirigiam. na
corrida do 3." pareo, os animaes .Africana e Er
nnni, resolveu SUipeodct-OJ por 60 dias
Derby Ciuh ds Peroambueo
Enrerrou-s" bonfcn a incripeo para a cor
nda de doaiiago prosi.no, dando 0 seguiute re-
sultado :
i. pareo-COBsolacao. 800 metros: ongo,
Cognac, Pilt, Berainl. Kcla, Onnond, Fidalgo.
Guerreiro, Bonapart-, Almirante, Good-morning,
Orange, Bolaxinha, Vlete. Mercurio.
2." pareoPrado Pernambucano900 metros:
Alfa, Cometa, GaM i. *ync?t\ Recife, Favorita.
3. pareoDerby Club 1 609 metros : Apollo,
Castialiooe, Salvara-, Price, Ernani, Africana,
' ou^on.
4." pareoProvioria de Pmiambuco1 20
metros : Cognac. Good-inoiintig, Caraugaeijo,
Si'ridd.iEiiia, Coblain. Florete.
5." pareoHipooilnwno do Campo Grande-
1.100 metros : Corcovad-j. fiuj Blas. Douro, C-
mela, Figaro.
6. parcoConcordia.1 400 metros: Olga.
Minerva, Aspasia, Vanda, Cinira, Africaun, Gal
lia, Mascte.
OTAgES OFF1CIAE8 DA JUNTA DOS COH-
BKTOSBS
Recife, 11 de Fevereiro de 8S9
Cnmbio sobre Rio Grande do Sal, 60 d'v. com
1 3/4 0/0 de descont.
O presidente,
Candido G. Icoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
llgodo
Foi celado o de 1' sorte do serto a 6*J00 por
15 kilos.
A exportacao, feita pela alfandega neste mes
at o da 8 subi a 267.107 kilos, sendo 192.40
para o exterior e 74.967 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje, so-
bem a 7.328 saccas, sendo por:
Barcacas..... Saccas
Vapores..... lo|
Animaes..... *o
Via-ferrea de Caruar. 604
Via-ferrea de S. Francisco. 419
Via-ferrea de Limoeiro 323i
Somma.
7-328 Saccas
Pelo vapor americano Allianc-,foram remet-
idas 730 sa.cas para o Rio de Janeiro.
.sacar
Os precos pago? ac agricultor, por 15 kilos, se-
rrando a As80ciai;ao Gommercial Agncoia, foram
Bl^fot681. 2*200 a 3*000
Soraeno..... 1*800 a 1*900
Mascavado purgado 1*300 a 1*400
bruto.' 14100 a 1*160
Rtame..... *800 a 1*000
Colonia Isabel!
Branco i*
. 2' .
. 3" .
.jomen o
Mascavado .
U Piato:
Branco 1*
2*
Somene
Mascavado .
31000
2*800
1*5')0
13800
1*0
SttOff
2*300
1*700
1*340
Aexportac'iO, feifci pela alfandega neste mez at
0 I.080.%9 para o exerior e 1.702.266 12 para o
interior.
As entradas verificadas at a duia
bera a 53.318 saccas. endo por ; ,
Baroacas .... BvW9 .-acco
"ps ..... ~-:i "
Ammaes..... o. a
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro .
Somma.
4.173
17.616
5.SB
33.348 Saceos
O vapor ings Mariner. carregado por Joh-
nston Pater & C, levou para Liverpool 1.400 sac-
eos cora assucar mascavado.
Pelo vapor americano Allumca," foram
remettidos para o Rio de Janeiro 830 saceos coa
assucar branco e 40o ditos com dito mascavado:
e para Santos 2.830 saceos com assucar branco
e 180 ditos com Jilo mascava'do.
Conros
Cota-se a 385 ris. nominal os salgados.
Aguardeutc
Ultimas vendas, K'i-JOOO, por pipa de 480 li-
tros.
Foram remettidas, poflsmteriBedio do vapor
americanno Allianea, 150 pipas para o Rio de
Janeiro e 30 pipas e 100,3 para Santos.
Alcool
Ultimas ven'.a,. 150*000 por pipa de 480 li-
tros.
Me I
Cota-sc nominal, a 50*000 p^w pipi de 80 li-
Iros.
Paula da alfandega
skvatu II 16 ruVERuiBO 6%I8"9
Video Mario \jv?os earg;a
Barca portugueza Naco Silencio, para o Torio.
Barca americana Olicc, para Liverpool.
Patacho inglez Pegyic, para Mentevido
. Vavos a descarga
Barca norueguense Frida, carvJo.
Barca noruegueuse FriUtyof, carvo.
Burea americana /. F. Rottirnin, carvao.
Barca inglese SoensA, arello.
Barca portuguezi Tentmlora, kerosene.
Bai-ca norueguense Celer, carrio.
Barca sueca Angustu, car-
Brigue sueco Pepita, carvo.
Brigue noruegiu use BerUm, carvao.
Bseua ragleza KmuUrtur. bacuUiao.
nacion.il MaiinJw Vil, Carvao.
Liar ornesuense Varlina, fail!o.
Lugar ingles Muy Cory, bacanao.
ligar ingles Stetla,
Vapor ingles Chilian, carvao. f
Exporai'o
sea t* 'Ms'
nr
No vapor i
Para Liverpool, J i.*00sj|
No vapor inglez U. Cilu,
7.' pareo-Prosperidade-850 metros: Bona-
parte, Almirante, Pirraca. Serid. Lindness, Lu-
cifer, Orange, Dublin, Mylord, Etna, General,
Vida Alegre (ex Leseira), Flor
INDICARES TEIS
.Mdicos
Dr. Ccripicira Leite, tem o seu escript
rio aberto ra Duque de Casias n. 74, das
12 s 2 horas da tardo, e desta hora era lian-
te em sua residencia roa da Santa Cruz
n. 10. Especialidadesmoh-stiasde so-
nhorag e criancas. Telephone n. 326.
Dr. Joaipti.m Loutciro medico e partei-
r#, consultorio ra do Cabug u. 1-4,
W? andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Barretto Sampuio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.a andar da casa
a ra do BarSo da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Seterabro n. 54, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Castro Jess medico e ,operador.
Pratica a lavagem do tero quando e co-
mo aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde cm sua risidencia ra do
Bom Jess (antig.i da Cruz) u. 23, 1.a
andar.
I r. Joao Paulo, especialista em partos,
molestias de senhoras e de criancas, com
pratica nop hospitacs de Paris e de Vienna
d'Austria, d consultas de 1 s 3 horas da
tarde em son residencia ra do Barlo da
Victoria a. 5'.', 1.a andar. ,, Chamados a
qualquer hora.
Advogados
U bachartl Wifruvio Pinto Bindcira,
pode sor procurado ra do Imperador
n. 71, 1." andar.
O Dr. H. Mi'/if mudou o seu escripto-
torio de advocada, para a ra do Impera
dor n. 40, 1* andar, s ila da frente.
Oceutfsfa
Dr. Fcrreira. com pratica nos princi-
paes hospitaes e clnica de Paris e Lon
dres, consultas todos os dias das 0
horas dao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larjja do Rosario n. 20.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor a offirina de campia
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe u. 23. Este grande estabele-
cimento, o primeiro da provincia neste
genero, compra e vende raadeiras de todas
as qualidades, serra madeiras de conta
alheia, assim como pre.para obras de cam-
pia por machinas e por precos sera doni-
petenciaPernambuco.
Drogara
Paria Sobrinho & '.'., droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Oliala n. 41.
Francisco Manoel da SSt/adbC., deposi-
tarios de todas as especialidades pbftrma-
ceuticas, tintas, drogas, productos ehimi-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 2.J.
Modas e novidadent
?'na*. Koldet de volta de sua viagem
previne as Exmas. familias e as suas fre-
guezas que trouxc tudo o que diz respeito
a modas e novidades. Ra do Imperador
n. 44.
PUBLICAGES A PEDIDO
O Invento do artista pernam-
bncano Veri*Imo flachosa de
tsouza
A convite de alguns amigos fomos ver
o grande invento do distinctp constructor
naval, o Sr. Veriseimo Bax-bosa de Souza,
e com quanto nao estejamos habilitados
paraemittir um juizo magistral sobre osen
arrojado emjTehendimcnto, todavia pelo
que Timos," observamos o examinamos,
acompanhado da ue 'casaras oxplicacoee,
que de muito boa voutado nos linncceu o
mesmo senhor, licaraos admirados da mag-
nitude do seu invento, concebido to g-
mente por um genio superior, convictos
da possibilidade de sua sxecueao, c dos
louros immarceseiveis, que raai.s tarde cin-
girao a fronte do distincto artista pr-
nambucano.
I'ara Liverpool, Borseluian & C. 704 saccas
com 53,624 kilos de algodo. ^.
*'o vapor inglez hMtueute, carregaram :
Para Liverpool, J. Pater & C 3,00) saceos coai
ilO.OOO kilos de earocos de algod'io.
-- >a barca americana Olive, earregaram :
Para Estados-Unidos Ju io & lrmo 308 sac-
eos com 15,60' kilos de carocas de algodao.
No vapor franeez Ville de Cear, carrega-
ram :
Para Lisboa, B Amuriin i C. 6-jJ saccas
com.47,959 kilos de algodao.
Para o Havre, A. Xonut b4rri com 180 litros
de agurdente, 1 caisa ota 19 kilos de folhas
mediciuaes e-Ppacote com 36 kilos d cascas
medicinaos.
rara o mter.'or
No patache bolhradec BrordesL-ou, cirrega-
ram : *
Para Pelotas, Maia 4 Retende 93') vjlumes
com 79,650 kilos de assucar branco e 160 ditos
com 14,400 ditos de dito mascavado.
No vapor franeez ViUv de Pemimbuco. car-
regaram :
Para ^alltos, P. Carneiro 4 C. 350 saceos com
91,000 kilos de assucar branco e650 ditos com
39,000 ditos de dito mascavado.
Para Bio de Jaueiro, M. M. de liveira 30 pi-
pas com 14,400 litros de agurdente
Para Babia, H. Lunlgrin & '". 300saceos com
farinha de mandioca ; Abe, Stein & C. 236 kilos
de coritas de carnauba.
No vapor nacional Jucuhype. carregaram :
Para Villa Nova, i. de Leilao 150 saceos
com sement de algodao no valor de 3"05 ; M.
Rufiuo 30 saceos com farinha de maiidi
Para Babia. K Pinto A C. 200 liarris com
18,000 litros de niel ; M. Lopes de S t < 3
barris com 4,800 litros de rael.
No hiate nacional Deus le Salve, carre
garam :
Para Aracaty, P. Al ves* C. 1 barrica com /.>
kilos de carvo animal.
Na barcaca Pnenix, cairegou :
Para Mamauguape, A. Barbosa 3 barricas cem
300 kilos de assucar refinado.
Rendimentos pblicos
MEZ DK FBV?n' 18
Alfandeya
Renda geral:
Do dia 1 a 9 297:031*596
dem de II :3!It88
----------------- 3 6:391 384
Honda provincial :
0o dia 1 a 9 34:68i
dem de 11 8:
43:661*562
na total 331-.71M997
Segunda seccSo da reiro
com de 1889.
O tliesoureiro -lerendo Lv
O chele da seccSo -Cicero B. de Mello.

Nao nos parece portanto urna utopia,
um sonho irrealisavel, o arrojado commet-
timento do Ilustrado artista, e sim o re-
sultado do estudo d'uma robusta intelligen-
cia, daconcep9ao d'uma grande idea, inspi-
rada sob as immensas bateras da famosa
lluinait, e que depois de longos annos de
um estudo apurado, profundo, constante,
sempre animado pela f ardente e viva
das grandes ideas, elle trata de por em
I ti tica.
Que o grande coinmettimento de que
rallamos, nao urna utopia, provam as ex-
periencias feitas na provincia do Bte-
Grande do Sul, com feliz resultado ; que
elle exequivcl e digno de apreco e de
animaco, ninguem mais competente do
que o Ilustrado profissional, coramandante
do nosso encouracado Barroso, quando se
dignou fazer urna visita, ao distinto artista,
examinando o seu trabalho, acompanhado de
S. A. o principe D. Augusto, retirando-se
satisfeitissimo e fazendo votos pela realisa-
cSo do seu prodigioso invento.
Cremos, portanto, que hoje, s um obs-
tculo immeuso poderd encontrar o distinc-
to artista para terVo prazer md-se. iptivel
e indefinivef de ver o seu sublime invento
tigurar na grande exposioao de Pariz, do
corrente auno, e a sua patria, o Iuiperi >
do Cruzeiro, e o seu torro natal, este he-
roico Pernambuco cobrirem-se altivos de
gloria; este obstculo immenso a po-
sicio tinanceira do Ilustrado inventor,
e da classe artstica que ello tanto honra,
lo qninze cantos,. que sao preeisos ainda
para eonclusao de sua grande obra !
Mas este osbtaeulo se inmenso paca 0
grande inventor e para a classe artistica,
ridiculo, insignificante, resivel momo, se
o povo pernambucano. se a corpo de coin-
mcreio de nossa prac;i, se os gran Jes ca-
pitalistas de nossa trra, qui/.essem vir em
auxilio do pobre artista, estendondo-lhe a
inao protectora, offerceendo-lhe os recursos
necessarios para a onelusZo do eu subli-
me invento.
E j oigamos, que nao Ber baldado o aji-
pelio que fazemos, por que temos visto
umitas vezes se appellar para a classe
de nossa praca ; e para o povo petyuunbu-
can por occasio de calamidades oceor
ridas era longinipios paizes, e este povo
generoso correr pressuTOSO para auxiliar e
minorar os soffrimen tos das victimas; bo-
je portanto se fazendo um appello, em au-
xilio de um genio art'sta, que. luca com
grandes difficuldades iiuaucciras, para .le-
var avante una hla siibiime, um conimet-
timento assombroso, q4ie ii causar urna
rev.tiucao no mundt) scientilics, cobrir de
immorredora gloria o nosso paiz, provan-
do assim que os genios nao silo privile-
gios de um povo; nao cremos, que o nos
so povo e o nosso commercio, e os nsssos
capitalistas dinheir .-sos cruzem os bracos,
deixando desusar pelos labios os sorrisos
do scepticismo, do inJeferentienio, e da
descrenca !
Nao, corceos patriticos, onde pwpi-
taui com ardor o sagrado fogo do amor
da patria, almas grandes e ge.nero-
aan, que saber.ao dar o valor devjdo ao
mrito; onde quer irae elle apparaca, nao
tardarlo em se apresentar a frente do po-
vo e do commercio, pedindo-lhes um auxi-
lio, um obulo qualquer em favor de um
genio que se debate falta de recursos
finane.eiros para completar a realisaeo de
urna grande idea.
Felizmente d nos, dous caracteres distinctos toda pro-
va, entre muitos outros quepossuimos, o
grande tribuno o Dr. Jos Mariano, e o
eminente advogado o conselheiro Dr.
Joaqun Corrcia de Araujo, ambos muito
besa quistos pelos seus partidos, teem a
forea necessaria. para despertar os senti-
mentos patrioticoo desta povo generoso;
felizmente dous outros peinambucanos,
nao menos Ilustres, dous titulares dinhei-
rosos se achara na direceo dns duas asso-
ciacoes que representam o nosso commer-
cio os Exms. liaran de Nazareth e Baro
de Casa Forte, ^om o prestigio de que
gozara, com as immensas relacoV.- entre
os commerciantes de nossa praca, pondo-
se a frente da directora daquellas asso
ciasoes, cremos que multo conseguii#fc
facultando ao distincto artista os recursos
que lhe sito necessarios.
Sim, necessario $que o povo pernam-
bucauo, e o commercio de nossa praca
dispertara, ama vez que o nosso govnrq
ant; patritico, j esbanjou cemos filhotesos
trezentos contos destinados para a exposicao,
nao destinando um ceitil para a realisacJlo
do grande invento, que se fr avante, ser
sem duvida o maior monumento de glora
para nossa chara patria Sim, necessa-
rio nao consentirms, que ura outro
Auierico Vespucio venha nsufruir os lon-
gos annos de labor ncessante, das insom-
nias, das vigilias do grande genio per-
nambucanoVerissmo Barbosa de Sou-
za.
Temos fe que o nosso appello nao ser
baldado. .
Recife, 11 de Fevereiro de 1889.
Um piniambucano.
Recehedorla Geral
Do dia 1 a 9 12:368*113
dem de 11 3:4095-u
15:777667
Recebedoria provincia!
DodialaS) 2:77j567
Idean de H 3:4*1*683
6:1691280
Recife Drainaac
Do dia 1 a 9 ::93.i877
dem de 11 2J99I333
6:0i5i210
Mercado Sluniclpal de U. Joie
0 movimento desie mercado nos das'.) e 10 de
Fefcreiro foi o seguate :
Entraram :
48 bois pesando 7,552 kilos.
544 kilos de peixe a 20 reis 10*880
44 cargas de farinha a 200 ris 8800
9 ditas de fructas diversas a 3W
ris 4700
20 laboleiros a 200 ris 45001
50 sumos a 260 reis 10000
40 matulos com leguraes a 200 ris 8&0iO
Foram oceupados:
53 columnas a60t ris 31 800
2 escriptorio a 300 ris 600
50 compartimentos de fariuba a 501
ris 2-jOOO
47 ditos de comidas a 500 ris 2350J
171 ditos de legums a 400 ris 6S400
34 ditos de sumos a 700 ris 23800
18 ditos de fressuras a 600 ris 108 K)
73 tullios a 24 146*000
Missao em Quebrangulo
O amor a causada, verdade e dajusticanos
leva a escrever as lindas que abaixo seguem.
Quem acompanda a leilura da imprensa pu-
blica conhece sem duvida. que actos dcbaixa
selvageria foram praticados aqui nesta villa e
como os clamores das victima? alarmramos
Eovo, toruuiam odioso e medonho o povo qne-
rangulense e como emfim para medida ije eC-
casiao iaterveio a forra publica, despenderam-
se dinheiros dos cofres, moveram-se tropas de
duas provinciasenem a accao judiciaria nema
aecjto policial alc.mcaram o alvo.
Tui certo pnico se aioderou de alguns espi-
rilos aprehensivos, de modb que nem mesmo os
curiosos se animavam a visitar o theatro dos
desalios.
Eis que fallou-seda viuda de um missiona
capucinho; idea que muitos reprovavam te
inendo que a agglomeracio de povo podesse
dispertar os odios e occasiouar novas desor-
deus.
Mas o ministro de Christo. intrpido pela co-
gem que lhe di a t no crucilicado. responde :
Sigo. Deus 6 conimigo ;
Com elTeito. no dia II do prximo 'mez de Ja-
neiro, o benemrito e mui condecido missiona-
rio apostlico fre Caetano de Messina, dignissi-
mo pn-feito dos niissiouarios capuchinhos, cujo
nome relembra os relevantes servicos por elle
lanas vezes prestado em prol da ausa publi-
ca, civil c religiosa e mesmo da humanidade
desvalida, e o elevara cathegoria de um dos
oais vaientes apostlos do bem : sim, no dia 11
de Janeiro, este intrpido batalhador. chega no
solo quebrangulense e de sbito urna voz ora co-
ro unisono proclamava : o anjo da paz que de
nos se approxima, partamos ao seu encontr ;.jf
poisftue permanecan! na memoria de todos os ha
olanles desta freguezia as felizes mpresses
ijue receberam da palavra evanglica ouvida
dos labios desse eximio missionario, j em suas
fructuosas miss&es na l'almeira dos Indios, j no
Riacho do Sertao.
Evctivameate o Rivm. prefeito e. seu dignis-
sflHi irmo e companheiro de missSo, frei Cle-
nieiite de Leonessa, fizeram sua solemne entra-
da em Qnebrangulo, e foram recebidos enthn-
siasiicanieuie por ura nuraerosissimo povo, es-
roliiidos cavalleiros, entre os estalos das girn-
dolas e os effl ivios do prszer geral.
A' porta de sua igreja parochial os aguardava
o Rvm. parodio Francisco Antonio da Costa Pal-
meira.
' negado o Kvm. prefeito aos degros da por-
ta e junto ao parocho apreseutou ao povo aima-
gem de Jess Crucilicado. declarando-Ibes, que
iiili chegara para abeocoal os, para reconcilial-o?
e nal-Ibes as possiveis consolaci's.
Palavras tocantes e coniraovedoras, que ao
acouipanhal-as de sua benco penetrava'm no in-
timo das conscieocias. moviam os coragoes e
arrancavam commoces e lagrimas !
Aberta a sania misso comecam a correr as
familias mais affastadas para perto dacadeira
J verdade. Frei Caetano distribua com o seu
auditorio sempre mais numeroso a divina pala-
vra nela manda e a noute. Oh I palavra per-
suasiva, tocante, amorosa, que docemente dispu-
uha os nimos a reconhecerem, a lei de Deus, o
Evaneelho de Jess Christo, a necessidade da
constricejio e da reconcihacao da creatura com
Deus. seu creador, redemptor e juiz.
lVIer de Deus Rpidamente viram-se os
peccadores humilhados os conflssionarios ap-
aliados de penitentes; e somente que eram,pon-
eos os operarios da vinha.
Assiduos eram os missionarios no irroallio.
desdi- a madrugada at as 11 horas da noite.
Exhorta va o apostlico missionario o povo f*
concilacao ; todos nromptos o obedeciara.
berava o torpe meio do concubinato:
culpados pressurosos a se receberem em
monio curisto. Falla sobre o per lao das|
rias, v recoucliarem-se os inimigos, reunir
se os esposos desavindos, cobrarem a piedade
filial aquelles tilhos ingratos e rebeldes. Grande
Deus!
Poucos dias antes, quanto odio, quanta viu-
ganca, quantas ameacas!
Cousa sempre notavel.
A presenca de um missionario costuina traze
3743280
Rendnentps dos da* 1 a 8 do cor-
rente l:6il.'i!J0
Foi arrecadado liquido at hoje 2:0653940
Precos de dia:
Carne verde, de 480 a 400 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis dem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
* arinba de 360 a 400 reit' a cu:
Milho de 320 a 400 reis dem.
f>;:ode900a i*0 ideni.
Maladouro publico
Ncste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 75 rezes nerte hver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
HEZ DE FEVEREIEO
Sul........... Vle de Cear...
Norte......... Para......
Europa...... Argentina........
Europa .. va............
Sul........... Elbe.............
Sul........... luj
Nort. Manos..........
13
14
17
24
?Intento do porto
Navios entrados no dia 10
Liverpool e escala18 dias, vapor
Potos, de 2515 toneladas, coinmaM
te .1. B. Parck, equipagem 98, eafea
varios gneros ; a Wilson Sons & "rl
New-York e escala30 dias, vapor inglH
Portueme, de 939 todeladas, com:
dante Fred Hews, equipagem 30,
varios gneros; a Johnston Pater
Cear2 dias, vapor brasileiro Una,
268 toneladas, coramandante Scram da
Silva, equipagem 28, em lastro; a
Companhia Pernambunana.
Terra Nova28 dias, barca ingleza Pare-
gero, de 345 toneladas, capitao Daniel
Thomaz, equipagem 14, carga bacalho }l
a Blacklurn Needham & C.
Rio de Janeire25 dias, patacho dina-
marquez Jugor, de 153 toneladas, ca-
pitao H. Jensen, equipagem 6, em las
tro, a H. Lundgren & G.
Sahidos no mesmo dia
MontevideoPatacho dinamarquez Nor-
ma, capitao A. Sivortsen, carga assu-
car.
Valparaso e escalaVapor inglez Potos.
commandante J. B. Parck, carga va-
rios gneros.
Parahyba Vapor inglez Mzriner, jjcom-
mandante John Clack, carga assucar.
AracatyHiate nacionai Deus te Salve,
mestre Antonio Jos do Nascimento.
carga varios gneros.
MacoHiato nacional D. Antonia, mes-
tre Vietaliano da Rocha Picado, carga
varios gneros.
, Navios entrados no dia 11
Havre e escala22 dias, vantflUrancez
Ville de Ptrnimbuco, do lvH .cia-
das, commandante L. Sebire,' cqupa-
pagem 33, carga varios gen^HBp^""
gusto Labille.
Macei1 dia, vapor belga L
toneladas, commandante Jafc
equipagem 23, carga assu
wel &^C.
Navio sahidos no
Ba,kia atach naci;
tito Joao Jos dos Santos,
car.
de Jan iro
coinmaadant "\


i

*
(
J

{
*
!
t
iiigraa
nuan-





)

-'

Diario de PernambucoTer^a-fera 12 de Fevereiro de 1889
o
H
011
nao s a reforma d do o
6em moral, senao tuiubem m-lu ma
O mundo intoiro conhere e-a vwda
Ettf Quebrugul, por exemplo. os cadveres
de nossos irruos <#am sepultados em campo
raso e aborto, sern existir nem siquer na regiao
dos finados o sagrado symbolo dos que rnorrom
na f e amor de Jess Cnristo.
O virtuoso roissionario deixou assigualad
sua breve demora entre nos dotando usa filia
fcedm bem edificado cemiterio, todo murado
!e paredes dobradas de tijolo e cal, basteado
um veneravel cruzeiro. portao fechado, cuja cha-
Te foi por eile entregue ao digno vigiirio na
hora de na partida
Suas diinensks sao de cont e oitenta palmo?
quadrados.
Sem dispendio 8005, Irahalho entretanto que
deve ser oreado em *i:0000W>!
No dia 3 de Fevereiro. a* 5 li ira da madru-
gada relebrou FrciCaetano una missa naquelle
cemiterio perante um auditorio de 7 a 8 mu
pessoas. Em seguida benzeu o mesmo cemite-
rio e o cruzeiro .
A" tarde, depois de urna solemne procissao,
subi pela ultima vez ao pulpito, Wlpu sobre a
persoveranca no bem ; depois deu a bencao Pa-
pal e agradecen as mam-iras delicadas por que
tiuam'sjdo tratados elle e o seu dignissimo r-
mao Fre Tlemente, igualmente ineansavel no
irdooitrabalho do conssionano e nos demais
trabalhos das misses.
Nao esquera o leilor que nos 17 das da nns-
so conf.-ssanm-se -JUBO pessoaa, chrismaram-
se 5,093, baptizaram se 40 enancas e tizeram-se
504 casamento*, sendo 484 de concubinarios e
90 de nao coecubin arios.
Eis alii o |que fazem os capuchmhos entre
DOS*
Xo reeeiamos desdar, que raaior seja o nu-
mero desses zelosos obreiros do Evangelho, que
tanto traballiam em bem-tlcio das almas e do
novo; o qual por sua vez n'elles deposita-a ais
fundada confianca. .
No dia. 4, as 5 horas da u.anh, Fr:-i aciano
celebrou a di-rradeira missa entre nos, e tendo
na mao o seu Crucilicado deixou-nos romo per-
petua memoria as sentimonU.es recommendagoes
que ao seu Jlilho dora o santo voltio, Tobas
quando prestes a morrer lauto recommendou que
servisse-a Deus em terror e tremor.
Abencooo a multidan satisfeita e que tamben
Ihe rogara mil bens. .
Neme mesmo dia rei-ressou para o Collegio de
Bom Conselho, onde Frei Clemente o digno
capellao importante casa de educaco que sus-
tenta 80 orpns desvalidas, cuja direccSo est a
cargo decs zelosos missionarios.
Feliz prole do inspirado patriarcha de Assis,
ao te salido, eu te admiro.________
N. S
K- sobre toda en casos de almorreimas que o
Ungento de Aveleira Mgica doDr. C C Bris-
tol, faz ver .-rus maravilhosos effei'.os, pola ab-
sorp9o cutnea, que ao mesmo lempo desin-
flamla, resol ve e eicatnsa ; o mesmo acontece
no tratameuio de toda a classe de tumores ex-
ternos ou aheesaoa, i'eridas suppurautes, chagas
e outras afleccoes lcaos externas de igual na-
tnreza, nas quaes o linimento di-.Aveleira M-
gica do Dr. C. C. Bristol obra romo por encanta-
mento.
?viso ao publico
Emquanto durar a Exposico Universal de
1889, os 'iossos leitores queso acharem em rans
e qiie desejarem receber quaesquer noticias da
trra podero ler os nmeros mais recentes do
nosso jornal no escriptorio dos nossos corres-
K miente.-, os Srs. Ame lee Prince 4 G., 36, ra
fayette, em Paris.
Os nossos patricios podero receber a sua cor-
respondencia, peridicos etc. etc., em casa dos
Srs. Ainede Prince & C .
Outrosim. os mesmos Srs. Amdee Prince & U,
aegociautos-commissarios poerr. a sua casa de
compras s ordens de qualquer pessoa que dese-
car ter imas informares. ou utilisar seu inter-
medio
---------cmj"''
Hippodromodo Campo
Grande
Para os tres grandes o esplendidos bailes de
mascaras une se hao de realisar nos dias 3, 4 e o
de Marco prximo vindouro, acha-se aborta urna
assiguatnra para os tres dias com nasse de ida
e vlta no trem, pela bagatella de H; as pes-
soas que queiram assignar podem dingir-se ao
abaixo assignado .m us lugares abaixo mencio-
nados.
Ra do Hangel n. 58. .
Ra Larga do Rosario n. 8.
Ra do Cabug n. 2 D.
j>raca da Independencia n. SO.
"Buque de axias n. 39.
fijeadernacao de J. *. de Miranda,
laver trem de meiaom meia hora ou mais se
forem precisos, a condueco ser fcil e satis
H tambem um grande sortimento de roupas
de toda* as epochas e por todos os procos.
A assignatura fecha-se no dia 16 do corrente.
Rerifo, 8 de Fevereiro de 1889.
Manhonr .
Elixir depura-
tivo vegetal.
Formula de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Factos e mais factos
Os factos fallara mais alto do que as
patarras ,- ,' ss a razao do proloquio
\ati5K Re* non turba(contra factos nao
haiajguirientus).
flB a prova :
Bm. Sr. J. Alvares de Sonza Soares.
OVnvencldo por una brilharite cura ope-
rada em minha mulher, que havia onze
mezes estava soffrendo de urna bronchite
tjMoertinente e do peior carcter, de que
Hptoral de Cambar, composicllo de V.
W^e pode considerar o iuellior e o mais
seguro especifico at hoje conhecido para
combater as molestias dos orgaos respira-
torios, apressn-me, a bem da humanidade
ioffredora, a attestar-lhe o facto occorrido
em minha casa, afim de tornar mais co-
nhecido, se isso poBsivel, o seu excedien-
te Peitoral de Cambar, que considero
ma descoberta de magna importancia
para a cura de taes molestias.
' Minha mulher acha-se perfeitamente
restabelecida de sua grave enfermidade,
eom uso de quatro vidros de Peitoral de
Catobar, tendo antes experimentado, sem-
Jre inultimente, talvez cinecenta remedios
versos.Son, etc.
tjoaqnim Soares Gomes.
(Vice-consul de Portugal, Franca
glaterra, em Paranagu.)
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene l*ublica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de iei87.
Este depurativo 4 de grande eOcacia us mo
lestias syphiliticas o impureza dosauguo ; assim
como em todas as molestias das sennoras.
Tem curado radicalmente .imitas pessoas ac
oiinmettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os adultos temarao quatro colhen'.- d.is de
sopa pela manh e quatr noite. As enanca?
de 1 a 5 annos tomaro nina collier pola manila
e outra noite, e os de 5 a 11 annos tomaran
duas oolheres pela manh e daos noite. De-
vern tomar hnhof fri ou morno pela manila e
noile. Resguarde regular.
Encontra-se a venda na drogara dos Srs
Francisco Ifaooel da Silva 4 C, ra do Mrquez de
Olinda u. 53 o puarinacia Oriental i na E~U-
!a do Rosario o. 3.
O autor dosle frt parado pooe ser procurado
na ru:i do "ario d.i victoria u. 37. onde ser en
coutrado pura dar )da e qualquer explicaran
que for precisa.
Attenqao
-N. 43
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Amigo e senhorTeudo minlia senhora soffrido
por espajo de 30 atinos mais ou meuos, da ter-
rivel molestia eriziplta, da qual ha 2 annos a
esta parte, accoramettia a miudo a ponto de re-
pelir-lhe duas vezes ao dia, e tendo esgotado
todos os recursos aiedicos sem delles obter o
menor lenitivo aos seus soffrimentos a 6 mezes
mais ou menos ; um amigo me aconselhou o seu
Elixir purilicador t!o sangue, sem f fui com-
prar urna garrafa, e apphquei, a qual operou
urna raaravilha, porgue at a data presente nao
appareceu mais o nfal.
Destas poucas linlias que s contm a venta-
da, far o uzo que Ihe aprouver.
Recife, i de Marco de 1888.
Jos Percira de Alcntara Brando.
N. W
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Recifo, 20 de Marco de 1883.
Amigo Sr. Fallara ao meu dever, se por
meio desta deixasse de manifestar-lhe quanto
acho prodigioso o Elixii depurativo do sangue,
por Vme. preparado, pois soffrenlo en, ha mais
de 2 annos de dores por todo corpo, e com es-
pecialidade no peito assim como de urna ulce-
ra syphilitica na garganta, e tendo eu j perdi
do a f, aos medicamentos que cousecutivamen
te me receitavam os mdicos, quando fui acon-
selhado por um amigo para que lizesse uso do
seu Elixir Depurativo, o que fiz uso de tres gar-
rafas. Hoje, (grabas a Deus) e ao seu remedio
acho me completamente restabelecido.
Poder Vmc. fazeruso desta minha mam Testa;
gao, o que llre aprouver por ser cora subida es-
tima e consideraco.
De Vmc. amigo, venerador, criado multo obli-
gado.
Manoel lavares da Costa Martins.
N. 4o -
Illm. Sr. Angelino Jos dos Sanios Andrade.
Sendo accommettido ha 2 annos mais ou monos
de urna infiamraacSo na orellia esquerda que
progredindo em demasa, causou-me serios re-
ceios ; uzei a conselho de um amigo, do seu
Elixir purifiader do sangue ; e de facto, urna s
garrafa, foi quanio hnstou para sentir-me perfei-
tamente bom ; nao obstante ainda repito una
outra garrafa, do qu. alias nao precisava ; e a
evidencia rapidez e pontualidade na cura, nio
se fez esperar.
Faga o uzo qne Ihe aprouver desta caria.
De V. S. attento e obligado.
Recife, 18 de Janeiro de 1888.
Pedro Alexandrino Machado.
(Estavam selladas e reoonhecidas as firmas.)
(Contina).
--------------?-------------
Collegio de S. Miguel
Ra do viseando de Camaragf-
be a. 3
Aos respeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instrueyao para o sexo feminino,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
A mesma promette aos paes que Ihe
confiarem suas filhas esforcar-se por lhes
dar urna educa^ao primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do 1* de Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde s 7 da
noite.
A directora,
Emilia A. de Mendonqa
Brllhante operaces de opthal-
niologla
O Dr. Correa de Bittencourt praticou
32 do corrente duas importantissima ope-
rares de catarata complicada na Santa
Casa de Misericordia.
A mais importante foi praticada no Sr.
.lacintho de Lima Chaves que estava
completamente cgo do olho direito de
urna catarata secundaria complicada de
numerosissimas adherencias (occlusao to-
tal da pupilla). 0 Dr. Bittencourt prati-
cou urna ericapsulotomia ou iritomia, a
mais melindrosa de todas as operac/es de
ocidistica.
O resultado foi expeliente. O
vio perfeitamente logo depois da o
A outra fui praticada no olho esquerdo
do Sr. Ray mundo Procopio de Faria, que
estava inteiramente cgo deste olho ha
treze annos (catarata senil).
Auxiliaram estas operaefies os Srs. Drs.
Jonathas Pedrosa, Moreira de Magalhaes
e Machado de Agui.ar.
(Du -Jornal do Amazonas.)
---------- --------------
Urna operaco iiuporianle
Foi operada hontcm, pelo Dr. Correa
Bittencourt, nesta capital, a Exma. Sra.
D. Adclia Bentes de Moura. negociante
desta jirafa.
A paciente estava quasi cega ha tres
anuos de um grande- tumor que oceupava
quasi a totalidade da cornea, produzindo
urna grande defonnaeao do olho.
O Dr. Correa Bittencourt fez a ablacao
do tumor, conseguindo o mais brilhante
resultado.
A paciente nao smente readquirio a
vista incontinenti, conhecendo perfeita-
mente todos que a cercavam, como ainda
vio-sej livre daquella defomidade, obten-
dojum effeito esthetico excellente e nao
sentio a menor dor.
(D'A Provincia do Para.)
Dr. J. Correa BiUenconrl
No vapor esperado depois d'amanha do
norte segu para a capital do Cear o hbil
oculista, Dr. orreia Bittencourt.
O illostre clnico, infelizmente, nao pre-
tende voltar a esta provincia, onde aca-
ba de firmar a reputacao do distincto oph-
talmologista, como o prova a grande quan-
fidade de operafSes aqui praticadas, com
excellentes resultados.
E' lamentavel que o illuBtrado especia-
lista retire se tao extemporneamente, dei-
xando a muitos na expectativa de recorrer
a sua consumada pericia na difficil materia
de sua especialidade.
A sua ausencia ainda mais lamentada
pela pobreza, que sempre encontrou no
Dr. Bittencourt o apostlo desinteressado
da sciencia, que leva a philantrophia at
manter s suas expensas os pobres submet-
tidos aos seus cuidados.
Ao sympathico medico desejamos urna
excellente^ viagem.
(Do Paiz do Maranhao.)
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manhS.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. Sti
Leonor Porto
Ba JLurga do Roarlo n. ';;
2o andar
Contina a executar os mais. dif"
ficis figurinos recebidos de Lon-
dres, Paris, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeiyao de costuras,
em brcvidiide, modicidade em pre-
os
e fino gosto.
Dr. Manoel do \ascimenlo Ma-
chado Porte Ha Jnior
Escriptorio ra do Imperador n. 6:r*
Io ANDAR
jj Bacharel Antonio Wilru-
vio Pinto Bandeira
; < Pode ser procurado ra do Imperador
| ( n. 71, Io andar i r

EDITES
Cura importante
Ao Exm. Hr. Dr. Curio Bil(<-iiuurl
O abaixo assignado soffrendo de um
estreitamento da urethra ha mais de seis
annos, foi operado pelo Sr. Dr. Betten-
court pela electrolyse, sem dr, e, gracas
i, sua hbil i dado e manejos delicados,
conseguio ficar bom e radicalmente cura-
do em pouc8 dias, andando sempre a
tratar de seus negocios, pois que o Sr.
Dr. Bettencourt opera sem levar o doente
cama.
Pede desculpa ao Sr. Dr. Bettencourt
se com esta sua publica cao offende a sua
modestia.
Ooncalo leixeira Ouimaraes.
Institution Frar.caise de
Demoiselles
RA BARAO DE S. BORJA N: 50
As aulas deste collegio acham-se aber-
tas desde o da 7 de Janeiro de 1889.
A directora,
G. Adour.
-----------------gjgOI3C-- ---------------
3a sccjilo.Secretaria da rresidencia
de Pernambuco, em7 de Janeiro de 1889.
Fao publico, de orden-' do Exm. Sr.
Dr. presidente da provincia, que se acha
aberta a concurrencia para o emprestimo
externo de 8,600:000(5 (oito mil e seis-
centos contos de res), autorisado pela lei
provincial n. 1,927 de 15 de Novembro
lindo, com o praso de quarenta e cinco
dias, a eontar da data da primeira publi-
ca9ao do presente, para o recebimento
das respectivas propostas, que sero apre-
sentadas nesta secretaria, em cartas fecha-
das.
Estas serao abertas pelo mesmo Exm.
Sr. s 12 horas do dia, em que expirar o
praso fixado, com os proponentes presentes
Nos termos da referida lei, o emprestimo
ser de quantia que produsa apredita impor-
tancia de 8,600:0000 (oito rail e seiscen-
tos contos de ris) liquida, a ser applicada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apolices de juros annuaes de 7 [0
(ate por cento), eom excepclo daquellas
que tenham 3do emittidas por empresti-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agrcola ou industrial, bem como
para liquidacao dos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888.
A taxa da emissao nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de commissao
e o juro nao exceder de 5 i (cinco por
cento) alm da quota de aniortisacjto, que
nao ser superior a 1 i (um por cento),
sendo esta e aquelle safisfetos Bemestral-
mente.
O secretario interino, Manoel Joaquim
Silveira.
Reeebedoria Provincial
0 administrador da Reeebedoria Provincial
em cumprimento da ordem do Illm. Sr. Dr. ins-
pector do Thesouro, constante da portara sob
n. 108 de 28 do corrente, faz publico para co-
nhecimento dos respectivos contribuintes que,
de accordo com a reagao abaixo, dar-se-ha prin-
cipio nesta reparticb, no esparo de 30 dias uteis,
eoutados de 4 de Fevereiro prximo a cobranca,
livre de multa, das annuidades e mais serviecs
da Recite Drainage Company, relativa ao 2 se-
mesiiv do exercicio Ando de 1888.
Hecebedoria Piovinctal de Pernambuco, 30 de
Janeiro de 18 9.
Francisco Amyntlias de Carvalbo Moura-
IMaro a que se refere o ediial myia
Pregaesia do Recife
Ras : -Mrquez de Olinda. Bom Jess. Alva-
res Cubra!, Commercio. Bispo Sardinha, Torres,
Tbom de Souzu, 1). M^ria de Souza. VigarioTe-
norio, Rarreto de Menezes, Manz e Rarros, Hur-
go, Amorim, Moeda, Tuyuty, Companhia Per-
nambucana, Madre de Deus, Domingos Jos Mar-
tins, Mscate. Restauragao, D. Maria Cesar, Vis-
conde de Itaparica, Pbarol, Areal, S. Jorge, Vi-
Ud de Oliveira, Guararapes t Raro do Trium-
pho.
Pracas :Assembla. Cbaco e Pedro I.
Travessas :Vigario Madre de Deus, Cam-
pello, omingos Jos Martins, Corpo Santo. An-
tigo Porto, Rom Jess, Apollo, Areal, Para a
Fundic&o, Occidente, Guararapes e Praga Pe-
dro 1.
Largos :Alfandega. Corpo Santo e Assem-
bla. 4
Rceos: Abreu, Noronha, Largo, Pindoba.
Tapado e Paschoal.
Caes : Companlna^Brum e Apollo.
Freguezia d Santo Antonio
Ras :Imperador, Primeiro dt Marco. Duque
de Casias, Cabug, Rarao da Victoria, Ti inclui-
rs, Larangeiras, Larga do Rosario, Kstreita do
Rosario, Francisco Jacintho, Joto do R go, Una
do Carvalho, Conselheiro Piretti, Nelto de Men-
done.i, Major Agostinbo Rezerra, Vinte e Oito de
Setembro, Santo Amaro, tedro Ivo, Mathias de
Albuquerque, Paz, I^ulino Cmara, Fogo, Livra-
mento, Penha, Visconde de Inhauma, Pedro Af-
fonso. Nova da Praia, Marciho Dias, Henrique
Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, San-
ta Tbereza, Vinte e Quatro de Maio, Palma, Mr-
quez do Henal Cadeia No\a e Rarao ae Villa
Relia
Largos : Paraso, Carino, Penha, S. Pedro e
PraceU.
Travessas : -Queimado, Cruzes, Mrquez do
Recife, Relia, Calabouco, Matriz, Flores, Carmo.
Bomba, Livraraento, Arsenal. I* e 2* da Praia,
Carcereiro, S. Pedro, Virayao. Lobato, Falco,
Pocinho e Concordia.
Beccos :Bella, Calabougo. Matriz, 1", ? e :t"
da Camba. Falcao, Io e da Cadeia Nova.
Praca :Pedro II.
Caes :Vinte e Dous de Novembro.
Campo :Princeza.
Freguezia de '. Jos
Ras : Marciho iias. Lomas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S. Joao, Felippe Camaro, Mr-
quez do Herval, Vinte e Quatro de Maio, Dias
i ardoso, Passo da Patria, Padre Nobrega, Victo-
ria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros, Fre Hen-
rique, Dique, Assumpcao, Domingos Theotonio,
Padre Floriano, Christovao Colombo, Jardim,
Forte, Antonio Henrique, Nogueira, Santa Ceci-
lia, Santa Rita, Padre MuniZj Praia de Santa Ri-
ta, S. Jos, Pescadores, Praia do Forte, Ypiran-
ga, Imperial e Luiz de Mendonca.
Travessas:Martvrios, Ramos, Pocinbo, Cal-
deireiro, Gaz, Matnz, Forte Prata, Serigado, Co-
piares. Nova de Santa Rita, Praia do Forte, S.
Jos, Peixoto e Lima.
Rceos : Palma, Caldeireiro, Gaz, Assutnp-
eSo, Nova de Santa Rita e Matriz.
Largos : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa Vista
Ras :Imperatriz, Conceico, Visconde de
Pelotas, Tambi, Visconde de Ibuquerque, Au-
rora, Capibaribe, Ponte Velha, Conde da Roa-
Vista, Riachuello, Uniao, Saudade, Sete de Pe-
tembro, Visconde de Camaragibe, Camarao, Ro-
sario, Gervasio Pires, Dr. Villas-Roas. Socego,
Principe, Santa Cruz, S. Goncalo, Coelhos, Hos-
pital Pedro II, General Sera, Coronel Lamenha,
ilonselheiro Aguiar, Leao Coroado, Rarao de -.
Rorja, Mues Macbado, Visconde de Goyanna e
Attracgao *
* Travessas Gervasio Pires, Atalho, Coelhos,
Barreiras, Veras, Quiabo, Joao Francisco, Man-
gueira. Campia e Palacio, do Bispo.
Largo : Campia.
Beccos :S. Goncalo e Coelhos.
Pracas : -Conde d"Eu e Santa Cruz. ____
Alagoaiia
4
Companhia
Fiacao e Tecidos
onvjdamos aos scnliores subscrip
companhia para, de accordo rom" os artaH
dos estatutos, at o dia 12 de Fevereiro pr
futuro realisarem sua terceira entrada, i
de 10 por cento do valor de suas aeces1
eo internacional em Pernambuco. Mace
de Janeiro de 1889.
Os directores,
Jos Teixeira Machado.
Jos Januario P. de Carvalho.
Propicio Pedroso Barreto._____
Derbj Club de l'cniamflWo
Sendo provavcl qne as acc6es ns. i" e Snb-
nham sido entregues a algum dos senhore
cionistas em lugar das que lhes compete,
a quem as tiver que venha trocal-as nest
tana. Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
0 secretario,
J. de Oliveira Castro..
Ir
Empreza da estrada de ferro-
de Ribeirao ao Bonito
Assembla geral
De ordem da directora sao convocados os -
nhores accionistas a comparecerem em asaca-
bla geral ordinaria no dia 28 do corrente mez,
a 1 hora da Urde, no cscr ptorio desta empreza,
n. 73 pra^a de Pedro 2.", afim de darem dmi-
primento ao que preceita o art. 27 dos esta-
tutos.
Recite, 8 de Fevereiro de 1889.
Jos Rellarmino Pcretra de Mello,
Director, secretario.
^. IX. J.
-
MMicilade Becrea(ia Jiuent
Sarao carnavalesco em 2 de Margo
Desde j recebem-se notas de convites nesta
secretaria.
Somente at ao meio dia de 2 de Marco aS-
tam-se assignaturas dos senhores socios na lista
dos que quizerem assistir ao sarao.
Os ingressos dos subscriptores do sarao serao
distribmdos por pessoa competente para receber
a importancia da quota respectiva.
Secretaria da Sociedade Recreativa Juventud*,
10 de Fevereiro de 1889 -0 1- secretario.
A. Monteiro.
Thesouro Provincial
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector desta re-
partiSo, fago publico que no da 12 do corrente
mez paga se aos prol'essores de 3. entrancia..e
no dia 13 aos de 2.*, com relaco ao mez de Ja-
neiro ultimo.
Pagadoria do Thesouro Provincial. II de Fe-
vereiro de 1889.0 escrivo,
Silvino Antonio Rodrigues.
Companhia de fiaeaoe teci-
dos de Pernambuco
por deliberacao da din-clona sao convidados
os senhores associados desta companhia a ae
reunirem no salo do edificio da Associacto
Commercial Reneficente, a l hora da tarde, m>
dia 7 do prximo mez de Margo, para approva-
rem as contas do anno findo em 31 de Dezem.br
de 188S, e nomearem a commissao fiscal do cor-
rente anno.
Recife, 7 de Fevereiro de 1889.
Jos Joao de Amorim,
Secretario.
Oculista
In-
Este importante preparado vende-se nao
, em casa dos agentes Francisco Manoel
da Silva v ('., na Mrquez de Olinda
n. 23, como tambem, em muitas' outras
pharmacias e drogara ao prego de 2df>00
frasco.
0 lico operador parteiro

ti Sua Lnrfado Rvwrio -84
'i Annd de Ouro)
ultui-io e rei-
caaoiados a qua
- Partos
lilis \{
lentos e na
para
D. 394
Curso primario e prepara-
torio
Ra Larga do Rosarlo n. 1 'i
t andar
Estaran abertas as aulas deste curso no
dia 8"do cerrente mez.
O director,
Camerino Sobrinho.
(j Frederico Chaves Jnior jj
Homoepatha
39 RA BARAO DA VICTORIA--39 U
i | Primeiro andar "* ) )
Clinica medico-cirir^ica
DO
Dr. Ferrclra
OCULISTA
Pratico nos principaes hospitacs de Pariz
e Londres.
Consultas todos os dias (excepto domin-
gos) das 9 horas ao meio dia,
Pratica embalsaraamentos.
Consultorio e residencia ra Larga do Ro-
sario n. 20
Telcphone n. 233
Vias urinarias, molestias o tero,
operares elctricas
n. cam ss:isjg;:st
ESPECIALISTA
com pratica z paeiz b londrfs
F.streitamentcs da un-thra curados ra-
dicalmente pela eJcctrolyse.sem dr;
liydroclessem DJecc> 'cura radical);
feridase ulcera
curawnpi>li; podras da bexiga,
tistuhi !ori*oidas: syp'-.ilis,
norrhas, pelo m"tluido da? infitfllacfeB;
molestias '!|J P"10 P1'35
Lon-
as 3 horas
t. A^DAR
U. itU-nrin na Torre
Dr. J. Correia de Bittencourt, oculista
residente na corte, ex-chefe de clinica
ophthalmologica dos Drs. Wecher e Pa-
nas em Paris e do professor Hirschberg
em Berlina, tendo regressado de sua ex-
cursao s provincias do norte, demora-se
alguns mezes nesta capital no exeraicio de
sua especialidade.
Consistorio e residencia ra do BarSo
da Victoria n. 23 1 andar. Entrada pela
Camboa do Carmo.
Consultas das 12 s 3 da tarde. Gratis
aos pobres.
t \~~~-~-,-< rp"--^^s
Oculista
Dr. Barreto Sampao; medico,
oculista, ex-chefe de clinica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 53 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Cirurgo Dentista
DR. ROBERT 1. RAWLD80N, for-
mado pela Universidade de Maiyland nos
Estados-Uniuos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Barao do Victoria 19, Io an-
dar. ?
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
f \ da ta

2>. Seccao.Secretaria da Presidencia de Per-
nambuco, em 8 de Fevereiro de 1889.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia,
e de conformidade com o art. 157 do regularaen
to annexo ao decreto n. 9420 de 28 de Abril de
1883, fago publico o ediial abaixo transcripto
pondo em concurso, com o prazo de 30 dias, os
officios do 2. tabelliao e annexos do termo de
S. Jos do Egypto.
O secretario interino,
Manoel Joaquim SUteira
0 Dr. Pedro Jorge de Souza, juiz municipal e
de orphaos, dos termos reunidos, Afogadqs e S.
Jos do Egypto, d'esta comarca de Ingazeira, da
provincia de Pernambuco, por S. Alteza a prin-
ceza Imperial Regente, a quem Deus guarde,
etc.
Fago saber aos que o presente edita! virem ou
d'elle noticia tiverem.que est aberto o concurso
durante 30 dias. a contar de iSd'este mez (Ja-
neiro) a 26 de Fevereiro prximo para quem pre-
tender o proviraento dos officios do 2. tabelliao
e annexos do termo de S. Jos do Egypto.
Assim, pois quem pretender apresente-se no
prazo instruindo se nos termos do art. 14 g 1.a do
decreto n. 810 do decreto n. 817 de 30 de Agosto
de 18M, de accordo cora o art. 3 do decreto n.
4 668 dea de Janeiro de 1871,regulamento a que
se refere o decreto n. 9.420 de 28 de Abril de
183, e mais leis concernentes ao provimento.
E paraisto mandei passar o presente edital.
Dado e passado n'e.-ta villa de Afogados aos 22
deaneirojde 1889.
Eu Miguel de Queiroz maral, escrivao o subs-
crevi.Pedro Jorge de Souza.
Eu official de justica e porteiro deste audito-
rio abaixo nomeado certifico que affixei hoje na
porta da igreja matriz d'esta villa de S. Jos do
Egvpto, lugar do cestume de se aflixar editae3, e
mais. publico o edital datado de 22 de Janeiro
corrente assignado pelo Dr. Pedro Jorge de Sou-
za, juiz municipal e de orphaos d'este termo, pelo
qual poe em concurso o 2." tabellionato e officios
annexos d'este mesmo termo de S. Jos do Egyp-
to e por ser verdade dou f, e passo a presente
cerlidao. _
S.Jos do Egvpto, 28 de Janeiro de 1889.O
official de justica e porteiro do auditorio, Agosti-
nbo Alves Feitosa.
Reeebedoria Provincial
O administrador da Reeebedoria Provincial, na
forma das instrueces de 27 de Julho de 1883,
convida as associagOes que nesta cidade tem
existencia legal a se encarregarem da distribui-
cao do imposto de renartieo constante da ta-
bella annexa a lei n. 1884 ; sendo esse trabalbo
remettido a esta reparticSo no prazo improroga-
vel de 30 dias uteis, contados da data do pre-
sente ; findo o qual sem a respectiva apresenta-
go se proceder nos tetraos do art. 27 das refe-
ridas instrueges.
Reeebedoria Provincial de Pernambuco, 6 de
Fevereiro de 1889.
Francisco Amynthas de Carvalho Moura:
Thesouraria do Correio de
Pernambuco, 1. de Feve-
. reirode 1889
Cartas com valor
No prazo de 30 dias sero devolvidas s suas
procedencias as cartas abaixo mencionadas, cu-
jos destinatarios nao as tem procurado.
Augusto Leonardo Salgado Quarita (t).
Carlos Alvares Pereira da C. TOrgo
Edmundo Casco.
Francisco de Assis Cavalcante.
Joanna Francisca de Seabra.
Simphoroso de Lara Fernandes.
O thesoureiro,
Manoel Martiis Hres.
|)Dr. Balhazar da Silveira
iccialidadefebres, molestias
^ das criancas, dos orgilos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos a pharmacia do Dr. Sabino,
ra do Barao da Vi
DECLARAC8ES
Imperial Sociedade dos Ar-
tistas Mchameos eLi-
beraes
Assembla geral extraordinaria
De crdem do Illm. Sr. director, eonvido a
todos os senhores sor ios cffectivos a se reunirem
Siinta-feira 14 do corrente, atim deemassem-
a geral extraordinaria ter lugar a apresenta-
go de contas e posse da nova directora.
Becife, li ile Fe\ereiro de 1889.
0 1 secriUirio,
Franciscd da Cosa Hamos.
IntimaQo de sentenca
Pelo presente faz-'se saber ao professor publi-
co Luiz Eustaquio da Conceicnq Pessoa que, no
processo que ihe foi instaurado em virtude de
repre^entaciio de diversos moradores de Capoei-
ras, foi pelo Exm. Sr. presidente da provincia,
em data de 7 do corrente, confirmada a senten-
c_a do conselho iliterario que condemnou a pena
dos art?. combinados 19z i el7i do Regrdc
18 de
dar por ir-.:.
...Sn ;
Pl>
BASCO IS!SSrC!33L
DO
jBjF\*vc^.ZXJ_>
Capital
0,000:0004
dem realisado 15f.ooo.ooo*
A caixa filial deste Banco funeciona
ra do Commercio n. 40, saces, vista on
a prazo, contar os seguiates corresponden-
tes no estrangeiro.
LONDON..(Baneo Inlernacional
( do Brasil,
i> ( London office.
( London A Couniy
( Banking Company L."4
PARS......(Banquede Par & des
(
Pays-Bas
Deuteche Bank.
Bank d'Anvera|^
Banca Genrale e suaa
agencias.
S. R. M.
Banco Hypotecario de
Espaa e suas ages.-
cias.
< i<-.l;ul<- n>rr*a(iv Horldaile
Sarao carnavalesco em 2 de Marco
Cf-nvida-se aos senhores socios para apresen-
tarem sas notas para convites. Ingressos em
uio do Sr. ihesoureiro.
N. B. Nao se admitte a^gregado*.
Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
O I- seeretario,
Guilherme tinto Meirlles.
iraujo Qalvo.
.Idnainistraeo dos Crrelos de
Pernambuco, I de Fevereiro
delSSO.
Helagao da corresponaencia registrada (sem va-
lor; que existe nesta reparco, por nao te-
rem sido encontrados seus destinatarios.
Aatomo Jacintho Chaves.
Ana Rosa Vierra.
Aiexandrina Leite dos Santos.
jamin Duarte de Andrade Lina.
Ralhasar Gongalves Machado.
Glolientino Pinto Teixeira.
Chnstiano Hedmann.
Daimao Aderito Fe reir Lima.
Erotmes ibeiro Vianna.
EngrVia Olympia Ramos.
FrancisSo Leite de Maraes.
Goncalo Ladislao de Aguiar Menezes (2).
Guiibennina Nunes.
Heronides Olinda da Cosa Correia.
Hardlau (m nistro evanglico).
Izidro Arve.
Joanna Francisca de Seabra.
Joaquim Larangeira Ribeiro Antune?.
loaquim Ribeiro & C.
Jos Francisco i'arneiro.
Jos" Fiustino da Silva Jacques (2).
Tul (lilho de Maria do O- da Conceico).
Joao Alves de GaWas.
Joao Pereira Damuceno.
Joo Gongalves Piros.
viceliuo de A. Soledade,
Maria Theodora da Conceico Babia.
Mareolino Borges da Pftnseea.
Manoel Antonio 'lo Nasiimento.
Manoel Jo da Silva.
el Joaquim de Castro Madeira. v
ifanoc ro-
Pedro da Silva Gomes.
Porfirio Popi Gyr.io
iuel Florencio Correia de Mmeida.
1 Floreuci Sitia.
O 2o oflical,
AjUoko Dut
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
Elamburgo..
Berlim.......
Bremen.....
Fr an k fur t
sur Main...
Antuerpia..
Roma........
Genora......
aples.....
Milao e mais
340 cda-
desde Ita-
lia...........
Madrid......
Barcelona..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona .
Valen cia e
outras ci-
da des d a
Hes pa nha
e ilhas Ca-
narias......
Lisboa......
Porto e mais
cidades de
Portugal e
ilhas.......
Buenos Ay-
res .........,
Mon tevido
NovaYork. G. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimiento com juros na razSo de 2 /o a0
anno e por letras a prazo a juros convn-
cionados.
O gerente, mUiam M. Westber.
Club Carlos Gomes
Programma
Da parte concertante do sarao
* Fevereiro de 1889
1. Marco Spada, pela orchestra
do Club
21 Jone, pbantasia para flauta
elo Sr. Gervasio de Castro
alata do Guarany, canto pelo
Exma. Sra. D. Celicina Rolini
i* Jerusalem, phanlasia para vio-
lino pelo Sr. Dr. Paulino de
Mello
51 Delirio del cuvre. Romanza,
l>ela Exma. Sra. D. Celicina
Rolin
6-' Gama Ladra, ouvertura pea
banda do Club
Os a
Principia
I



<

MeyA^H


fcMl*<
I


-'
1
. U crnmy ernto do Carato
# anaixo assignado, thesoureiro esta rtnan-
dadc, pede, aos iwaas o^e. tem no camiterio pes-
soas sepultadas as'catacumbas da dita irman-
"e que j estejam cera o lempo saflcienid
i<. serena afcertas, que o fagam afitn de serem
sitados, e eeperain que asendereo ao pe-
!>> lo que allega.
Francisco Jos de Sampaio
------------------- H
|'
^Seguros
ilaie U Jisb0.
AOKNTH
M*?m*l Jos Al ve?
Nelu l. u..^fp4H"i .ui-'ca cuiupanhia D.nnl
pr5flOH^rce4. a". 8r, He^oi-nd i- ... tripe* o..
equivale ao descont gummi d cctvh de 15 por
ecnto eai lvor dos seguntiibo.
9
o

TT
V
HauhHcaua
lio*alilwttrawe".jttpany de
R.
13
<':RNTS
1>K DKUS1NA A O.
Ru* M*rq<"*J de Oliiid.. 13
* ISOBfMNiSiDftRA
ftmfviA it gtyms
martimos E tehr*st:;;:>
EHtftheU-rUi at 1 **?
CAPITAL 1,000:000^
^M.vruus pagos'
Al SI de It* nmtUf Icritims..... i.t:06rt80ii
44 Raa d'r Counwrcioi^

Couipanhia Brasileira de
Navegagao -Yapor
< FQBSoSWO NORTE
O mpor. Alagoas
Ccuunandante Joo Hara Pessoa
E' esperado dos portos do sul at o
dia 17 deFevereiro e seguindo depois
da demora i .dispensavel para os
portos do norte at Manos.
As encommendas sao recetadas ua agencia
at i hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-s rom os
2^
i
DK
Seguros outra Fo^o
ET: 1803
Edificios e mercad'n-1*
Jirhytr hatxax
Prompto pagamento He ^";-
CAPITAL
O.H. |,00:MH4tt
pu
N. oRIJA DOCOMMERCIO-N. h
-A-
london A Brasilian
Llohted
Bank
Rua do-.Commerew n. H'
:AO:IOMDO :>CO bOi Pi-Itughi, >'
*n Lisboa,-rui, iPorto, -rua-oo. Ingleses-


y ai s i s
~*-**Tr"3 TV?0"^1 "">"- ..
- ^.ta..-.~-i-.j _..- ...
>Kua lUriainin"""'
Companljia te .Seguros
SORTHESif
Posico fioitnrninj (Dezcaibro iW 1H86)
C4|HV1. subs'ripto S.00t),0 Fundtes aerar, 'i: dos f 3 134.34"
Resella nonal:
^ pretrios contr.. fogo 577,8'K'
D'- prpmios w'bre vi '*); )Ur08
O AKSTh.
John H. Bmr>rr}>
':>/"
PORTOS. DO SUL
O vapor Para
Cammandante, Antonio Ferreira da Silva
E' esperaiio.flos porto*.do norte at
o da i:t de K(-vereiro e dtpois da de-
iHiora iodispftasawl eguir pa os
"portu* do-sul
Retobe tambem carga |iara Santos,. Santa Ca-
tliarina, Pelotas. Porto A|egrc e Rio Grande do
Sul. frete mdico
te encanmenda* s serao recobidas nacen-
cia a 1 hora, da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-so coin oa AGENTES.
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=6
1 andar
Roya! Mari Steam Packet
Companhia
O vapor Neva
Cummandante G. M. Ilicks
^^^^^Espera-se da Europa at o dia. 16 de
j K|Feveroiro, seguindo depois^la demo-
^^^^^^"ra do costme para
Baha, ni o do Janeiro, rMmmte-
Tido < Bnwi-Ayres
Para passagens, fretes e encommendas trata-
se com os AbEISTES.
O vapor Elbe
C o ni man d an t e Armstrong
E' esperado do sal no dia 17 de Fe-
vereiro e seguindo iepois da demora
rnecassara -para
S. Vicente, Lisboa, Vigo, Southampton e
Antuerpia
Reduccao de passagens
Ida Ida e mita
.V Lisboa 1> classe SO 30
A'Southampton l-classe -23 42
^uiiiartes resenvaaos para os passagei/os de
Pernambuco.
Einguanto vigorar a quarentena imposta na
Repblica Argentina, aos navios procedentes do
Brail, os vapores deeta oompaHqia nao aceitam
passugeiros uem carga para yuenos-Ayres.
Para passagens, fretes, encommendas, truta-se
com os |
Amorim Irmos & C.
N. 3Rua do Bom JessN. 3
LEILOES
Terrw-feffa, 44 deve ter lugar o leilo de
movis, lauca, vidros. candieiros a gaz. bnneadas
e objectos de eollgio existente na casa da na
de Santa Isabel n. 12.
Qtiinta-feira li, deve ter lugar o leilao da
dnas cajas .la rua do Conde, da'Roa Vista ns. W
e 70, bera comoas duas .meia-a^uas do Caes de
Capiharibe ns. S e 7.
MARTIMOS
CHARGEURS REUNS
Companhia Frnaceza
DE
^Tavegaco a vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lisboa.
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos.
O vapor
Ville do ear
Coiuandante Lainey
Espera-se dos portos do sul no
dia 13 do corrente, seguindo
depnis da indispensavel demora
pai-a o natre tocando em
l.iboa.
HnSrar no porto
Conmiz medico a bard, t de mar. ha rpida
e oflem-e : e ptimo pas-
udio.
issagens poil rao er lomadas de ante-
nao.
lii'rclie i- rp-i. encommendas e pa>sa^eiros
para ns qiiai- elk'ntes accommixlaces.
s, enrommend;^ e di-
in o AGENTE.
Augusta Labie
JI HERCIO
Leilao
De movis, loiija, vidros, candieiros .gaz,
bancos de jnrdiui, objectos < electro-
pate, bancadas, classea e objectos para
collegic.s.#
A' SAfiE:
ma. seraphia francea, l.mobiha de Jacaran-
da com 1 sof. 2 coqslos, 2 cadiras de dragos
e 12 do guamico, eostigaes e mangas. 2 figuras,
2 quadros com paysagns, 2 lustres gaz cora
tapetes.
2 camas de ferro, 1- guarda-vestido. 1 suarda-
ropa, 1 lavatorio, 1 tnfet, 6 cadiras de junco, i
cania franceza.
1 mesa elstica, 1 guarda louca. i apparado-
resj 12 cadiras ile grnico, 1 felogiodp pare-
d<\ loura e vidros. 1 .barideija oval, cestas de
electro-piale, salvas bodmas,
12 bancos de cla-se. Baejsinau para collegios,
12 caBlM de .ferro, 2 bancos cora es de ferro e
bancos de jardini.
Terea-feira''f do i-orrenle
A^errte Pinto
A'u casai da iyia 4Ptineeza Isabel n. 12
O leilSo c miccar as 10 Ij2 horas
0 mesmo agente telheiro cobeno de.tenas de zioco, um dito co-
berto de teihas.de barro, com aasoalho sobre
trilitos de ferro, um tanque grande de ferro de-
posito para agua, e urna esteira pa-a forro de sala
grande.
Leilao
De 100 duzias de.chamins anglicas de 5 a
10 linlias, 24 canarios do imperio c muito bons,
di ve. sas mantas de toucinho inglez, queijos in-
glezes, presuntos de fiambre, cognac, vinhos fi-
nos "do Porto, Bordeaax, licores, champagne,
liri<.i> mobiliai novas de juncode diversos mo-
delos, camas, maiqueees, cotnmodas, santuario,
guaiila-it'stjdos, ^aai(L-iouca. pianos, mezas;
cadeirai aejniv^CQm. bal-meo. espriguicadeira
de dito, ca eiras de braco de dito, loufas, vidros,
fazendus, miudezas e 1 rico lustre de cristal cora
8 bicos*
T'rra-fcira 1 di- Fererelro
A't.l horas
Ao armarent rua Mrquez de Olinda
n. 48
Ero continuaban
Urna linda garrota touriaa.
POR lNTi;i!VK>' .I.NTE
Grnsraao
.'
XA^U
D e ,p,r e4 1
Urna casa terrea n. -62 rua Velha de Santa
Rita.
lima.asa terrea*.:120jfua -Imperial.
Um sobrado de.3.anjees, n. 13, .rUaNova
de Santa Rila.
Urna casa terrea n. 7, 4 rua de Lomas Valen-
tinas.
m sobrado deivun, andar e. soto, rua do
Amparo, em Olinda.
Todos serao vendidos pela maior olferla.
Quarta-feira, 13 de Fevereiro
A's 11 horas
Kua iln Rnniiil n. is
Tcreeiro e ultimo leilao
das duas casas da rua do Conde da Boa-Vista
ns. 68 e 70. ontr'ora Gaminho Novo, edificadas
em chaos proprios e rendem 5004000 cada urna,
iserviado de base a ofCerla d* 3;60O* por ^da
urna.
' fctilnta-felra. 14-do rorrele
A's 11 horas
Agente Pinto
Rua Mrquez de Olinda n. 52
Leilao
. a
das duas mei'aguas do caes do Capibaribe ns
e 7, as quaes rendem 1204001) cada urna.
luiula-feira 14 do eorrenle
A's 11 horas
'Agente Pinto
Tilia Mrquez de Olinda n. 52
Leilao
Da urmacao e gneros do estabelecimento de
molbados i Prara do Conde d'Eu n. 18.
O geme Britto, auiorisado pelo dono que s
vende por st achar .doeiUe, e ter de retirar-se,
ai'.i leilSo do seguinte : urna armaco e utencia
los, 1 tileiro de amarello envidracado, 1 cofre
de Mil ners pro va de fogo, 1 carteira, 1 balanga
decimal. 1 reparluento paraescriptorio e gran-
de sortimento de gneros de moHiados. Em se:
guida vender mais alguns movis.
Quinta-feira, 14 do^corrente
As 10 e 1,2 horas __ ______
Leilao
Pe 2 mobilias de Jacaranda, com tampo de
pedra, 1 espelho dourado. quadros, langas para
cortinados, escarradeiras, serpentioas, jarros,
relogio de parede.,apote* para sola e.porta, ca-
mas, marquezoes, guarda vestido, guarda roupa,
commoda, cabidos, guarda louca, mesa elstica,
cadiras de junco, ditas de bataneo, mesa para
escriptorio, bancas para jogo, thear, apparelbos
para compoleJKisiiilIieres, banheiro e muitos outros
objectos que foram transportai.os para o 2 andar
lo'sobrado i ra Mrquez de* Olinda n. 51.
Quinta-feira 14 do corrente, s l horas
Sem reserva de preco
POR NTERVENCO DO AGENTE
^u-mo
AVISOS DIVERSOS
Aluga se casa* ai 8*000 no becco dos Coc
lbo," junto de S. Goocallo ; a tratar na rua da
Imperatriz n. 56.____
Aluga-se o. pavimento terreo do sobrado n.
46 a rua da Roda, estando o mesmo caiado, pin-
tado e todo ladrilhado de novo, contondo 1 sala,
2 quartos e cosinha : a tratar na rua do Cabug
n. 16, loja. _
Aluga se a grande casa de sota rua D
Vital n -32,'esquina: da do Principe, junto a es-
taco do Pires e perto da liona de bonds, cora
ptima* jccojnmodaces .para collegio : a tratar
ao estabelecimento do Sr. Julio, contiguo a es-
taco.
"' Aluga-.se urna boa sala para escriptorio,
na praca d' Corpo Santo ; a tratar no escripto-
rio de Julio i Irmao.
- Prens-so de urna ama para cosinhar : na
praca da ssembla armazem n. 15.
Vende-se urna ;u. china de forgade 10 ca"
rallos : a tratar na rua nova de Santa Rita nu-
mero 71.
m Vende-se urna taverna bem alroguezada
no bairro da Boa-Vista ; a tratar na rua da Im-
peratriz n. 55.
4 reeisa-se d'uniaama para comprar e cosinhar
no a.'andar do Lnrso do ('.armo n. 16.
Proft
essora
Urna senhora competentemente hi!riliti.da.
prope seali-ccionar em coilegios e casas ]iar-
ticulares as seguintes materias : portuguez,
francs, msica e piano : a tratar na rua Vis
conde de Albuquorque n, 20.
X /fiado
Precisase de nu> rutde ; na rua da Aurora
ii. 119.
Aos amadores do,carnaval
A bem cotillee id a Iqjm de mMiduzasf BAZAR
DO. REIFE,--a ruai Marque/, de liadu a. 11
antiga da t'adeia) recebeu grande sortimento de
mascaras caricatas pane liomens. senhoras e
eriancas, e grandes olleeses para clubs e so-
cieddes oriiavalosaasi. vende-se por pregos sem
competencia, quer- pequeas ou grandes porgues.
Vale a,pena visitar a loja.de miudezasBAZAR
1)0 HEt'FFK para ver o molhor sortimento de
mascaras que tem vindo ao meroado. Tambera re-
cebeu grande seiimcuto de bisuug;^ de ebeiro
eoutros artigos proprios para o carnaval, tudo
a pregosoiodicos loja de miudezas
Bazar do Recife
A' rua Mrquez de Olinda n. 11
Do Domingos M. Martin
Par:; <. Londres.
s)
.lei'i iiiUms)6umnovoe naravilhso pf-
ioaaiulo um bantro iltlift'>n e
*;.; -i-.-.r.i. ama ^Xelloutoft9widot0ra4lur.
' -'; :-f;n;k :6iideainaiiiiiv.i-Hl,
,.,< >-i;.>i>a a citii, e, con.
p : !.>qtiiatai*cn*1iereatliuje.
, n.i t.,...^ r.s pHft.'niHria.s Jroca-
tinfl. ? ; ni i i.'v ''.' n:n|.,l.'...
Ui::,ci :
0,p. :.>*aiij(t-
A o eommereio
0 abaixo assiguado declara ao cpmmercio que
comprou aos Srs. Dias '". o;seu.e8tabelocimento
de molhados sito a rua Larga do Rosario n
livre o desembaracado de qualquer onus.
Reiife, 11 de Fevereiroide 4889. *
. uuquim Coelhii.
Precis.a-se
De um menino de 12 a 14 annos de idad
rara distribuir uns folhetos: a tratar rua do
Cotovello n. 34.
Ppe-cisa'-ve
de um:| menina de 12 annos para entreter
urna enanca de dous annos ; a tratar rua do
Cotovello n. 34.
Cavallo roubado
(Escada)
Foi hontem roubado da estribara do Sr. Apo-
lonio Tobias Vicira de Souza, um cavallo rodado,
grande e gordo; bom andador de baixo, meio c
esquinado, falfando-lhe. dous. denles no queivo
de baixo, de primeira rauda.
Juntamente roubaram urna sella, ingleza, ura
par de estribos de nickel, freio e rabicho.
Pede se a quem der noticias d'elhvque se-di-
rija-,.rua Duque de Caxias u. 8i, ou na cidade
da Escada em casa do dono que sera recom-
pensado.
DOEN DO LARYNGE-^-D* )S JIONCHICOS
DOS PL'LJlCESBKliKCHITES CHROKI-
C'ASCATARROS COSSLMPyAO
Metiicaraentos recommen-
daveis
riioUkUo < om>I Oe tleslan
Capsulo" de *er*lm ,
OIe de li.-> de baeallio inro de
Uerllio
. Ollio UU' uatlo de Imralho
tV oso i a ci o de.Beribe
APPROVA.AO DA ACADEMIA DE MEDICINA
DE PAi'IS
Urna instruccao acoinpanha cada frasco
Vendem-se as pharmacias de
todos os paizes
Fabricado e atacado: casa L. Frere
19, re Jacob, Pars
-3

Aviso
Amoiiiii Irmaos 4 C. scieutilicain ao corpo com-
mercial, que o Sr. Antonio Auausto Hezerra de
Menezes dixou de ser sen icaipregado. ,
\; ente Brio
jeilao
Di morete, n ihtil tas eW b ludas,
(:!H- O nill -
ra-f ?ira. i do corrate
A's I i >.'!.''.- *
4K -'! 1.1 .48 /
Leilao
Vlo cidade
Quem deve venha pagar at o tim desle mpz.
para poder correr antes do dia j annuneiad no
Diario de ante-hontem ; pois os que no 0-8-
zerem nao receber&o os premo, cujos nnineros
esto em poder do dono da rifa.
Ao eommereio e ao publico
Rodrigues & C.,julgan, nada dever, mas no
casodealguem se julgar seu credor queira
apreseutar suas contas no prazo improrogavel
de 3 dias a contar da presente, na rua do Via-
conde de Goyanna n. 45.
Recife, 11 de Fevereiro de 1889.
Ama
Procisa-se do um;i ama para co>iidi. r: na
travpssa do Pire* n. '> (G riquiti).
(asa
rtluga-se urna boa casa para grande familia.
comegua, gaz e est limpa, defronte .1;
do Caminho Xovo trata ;>a \v.-\ da Cadoia n.
47. 1 andar, ou Aj ura n. 81.
Centra
krtunSsSe' m oipiutfl
5"inESM'?TiHC!AS '-mili
e todos os incn .njoiofOQnsKleros con-;.
- irarfiU das
/. RtaUCSTIA OtOl OSflO-C
. 0 IT^icc* um;ii/ii a tmgnio aoi
O iZWH hfifO CJ.IOSTO DE >
Sai lirilba
co Dr. Aper7
li1 um ;i : ':- 'Klii-|i iu<-ute i," v w i h*Tut'>'+ rfdlUria,e o.
<-...i.,V,..-.. ~ c ,,s i., j .liimi Bono. ..
.- ilWt <),|pu.:.i?.a?t wifg-\" *> n
i:e i;;i;,>!'- UIIK lu-.'^q.-- : M :pi.i^ll-o r
rcJuvL-i.--i:i.iio c y,iw "4< !* W" : '....
* Cil-.:. '> ... i :>lWI4n;.lir, .le
Homliirnr.il-.' 1 rrn.fi. ,..;..-<.: vtrtiwc^
,'..-::::, :.-. --. I WP*.
A fonuii h i ..- ..^ii.-iiv | iii-lie:an 'j.i '.-rrl-.^sao
ni..!i.-;t........... rn*fltf*i -- Sausa
I -. ..-.li: awm um
enisa Absoluto
, ifcri .;:ij.j tcmttfXMfUi i*lo cstadr ,
i., -..i);!!.'. ,
\ -, .,,., : -:'- -nais ''''" lr-'-i.-.-ivel.
..-; ,.,: i que T' ili '-''r' ; r'T ''' '-'''-
,ireMa I.- \iv-.-n.'-'i:r.- iflua ITiitos.e
- -- ;.':,--. ;, i:..-.:,..-::, rrnlS UQII'il, i--.:;l -'on... 1
.''....-:. il
rj .::\- : :
DK. -T- C. A.Y. '' CA-
. I.owell. "M- >-.. I'- A.
Boa eozinheira
S trabalha nos dias uteis, -dorme tora do e--
tabelecmentoo entra s 7 horas da manhfi e
sabe as -i da.tarde.
Precisare na rua No\a n. 13.
./.Mi/'
'
- Pur,gaate q o Remedio
nais ira os ditos .reales.
;- i; .'.^^--wVliA BILIS
e .r'.:i n::.,-...:::;;;:i'e.
A DISPEPSIA.
i
Irritacae do Poito e ,a Gergaptr.
Contra cssas alTe.ces. a ^ASTAflEixns.M-a (.
.XAROPEdeN>? le DZ\.' BOBSBIER. "' PA?IC,
po3suem urna eficacia injaMipoJTcrilicaUapoK-
Membros da Acadotniade edicna de.r'ranca. ...
contendo opio neja .lao (xnico macs. ue oiho te
como UQrphnia ou. riifeim, o ;es productos ce
nlstrSo-so com ptimo exito e scuranc; t'
crlancas solTrendo de ee ou Coaiu.l~zc.ic,
Oopositot as Pharmitjjt da '.'.untio Mero.
Jos dos Santos Teixeira
tendo por sua livre vontade deixado de ser em-
ireirado da camisaria americana do Sr. Alvaro
os Pereira, resolveu abrir o estabelecimenlo
denominado o.Conqaistador, sob a firma de Jos
Teixeira & C. rua Visconde delnhaman.
24, antiga do Rangel, onde os seus amigos e an-
tigos freguezes encontrarao om completo sorti-
mento de fazendas a retalbo, camisas, rpupas
feitas e artigos de modas, e offerece.. portanto
alU os seus servjgos.
Teleg'ramma
Vejam e admirem
So o rua Duque de Caxias pode
vender pelos procos rjue abaixo mencio-
IlUlUO.
Amor lia Chin, novidade em padroes, a
2ii rs. o covado.
'listos brancos a 360 e 500 rs. o co-
:: lo. .
\'elbotinas de torlas as cores a 800 rs. o
cpvado. E barato
(.'hso-os c capas par sonlmras, o que'
jia de nus aovo e bwtato.
Cortos de soda, p:id-oes j.i..i < precoa
r. /navois.
.'.I.'Kl::>oli'n' cion 1 .motril '' Ini-ura ai
.ci-.-i.
7om 80. !T<), 2'*\ i-: ; "400 rs.
n i-i .'.lili.
iPitos bordadla a SOtJ rs. o evado.
; c.'. :";.:..... ..._.; !'j.
covado.
Brins de cores a 320 rs. o covado.
Cortinados do crochet, cousa chic
preco barato. +
Cambraia Victoria a 2800 a pega.
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargelins de todas as cores a 200 rs. o
covado.
Guardanapo.s bons a 1800 a duzia.
Las modernas a 240. 280 e320 rs. O
covado.
Rendas bespanholas a2j o metro.
Luvas de seda a -> e 3$ o par.
Espartilhos couraca n 45, 5$ e 65 um.
Merinos*.pretos e de cores, urna varie-
dade immensa em precos e qualidades.
Setns-do-todas^is cores a 800 rs. o co-
vado.
t
Thoma.oia I mbelina de Lima
. Mi
Jos Antonio da Costa e S, padre Jos Affonso
de Lima e S, Esequiel de Lima e -, Neomisia
de SGunnaraes. Dr. Jos Anastacio da Silva
Guunares, Mara Neomisia.da Silva Guiraares.
Jos Paulino da Silva Guimaraes, Francisca Apo-
lonia da Silva Guiraares, Argentina Rosala da
Silva Guimaraes, Emygdio Afonso da Silva Gui-
maraes, marido, lilhos.geDro e netos,,,pungidos
da mais acerba dr pelo faUecjmento de sua
niulhor. mi, sogra e av, Thomasla Umbelina de
Lima e S, agradecen) cordialmente a.todas as
pessoas que se dignaram acumpanhar os restos
mortaes da finada ao cemiterio publico, e im-
plorara a caridade de irtm assistir as missas de
stimo dia que pelo repouso eterno de sua alma
sero celebradas s 8 horas da manh de 15 do
corrente. na igreja de N. S. da Conceieo da
ConarpaaoSo.____________________
t
[8T,aBBteS'*HtffltIBt8S
*^ ."i/I.-,.* f'.r-tva i .i......^rtii .lf^rf^-:r.. '
I I
- (jfcwiirir i'twii'.;,. -u^qospepacc
As mfiian de familias
QUERIS VOSSOS FILHOS SEMPEE SADIOS V
Administrae-lliKS o xarope- ou as
riliilas Vermpur^aYs
DO R. CALASAWS
'I'ame.criiel la*-ir|u<- Jos*-
ti\is Ferreira
Alexandrina Maria Raposo Ferreira, Galdino
A.itotiio Alves Ferreira e Anna Eduarda Alvos
Fenia agradecem cordialmente a todos os pa-
reiilis a amigos que se dignaram acoinpanhar
ao cemitorio ^publico os restos mortaes de seu
prezado marido e irniao. Henrique Jos Alves
Ferreira, o aiuda pedem Ibes o obsequio de as-
sislireiy as tuissas que niaudam eelebr. r por sua
alma na matriz de Santo Antonio e na igreja do
Monteiro, quarta Cebra 13 do corrente. s 8 horas
da inaohil ; pelo que protestan* sen reconheci-
mento.
o
e
Toalhas felpudas, grande reducad
em
I*
Juai|iuna Ferreira KantOM
Antonio F. de Albuquorque Santos e seus ti-
Ihos ausentes), D. Constantina de Mendonca
Fprr- ira e #eus Mlhns. q Dr.. Joo Ferreira da
Suva, Manuel A. Ferreira da Silva, Constantina
Ferreira da Silva, J, auna Ferreira Chance e Gui-
Ihermc Chance convidam a seus prenles c ami-
gos 4>ara assistwem as missas que no da t do
corrente mandam rezar na matriz de Santo An-
ionio. s 7 I 2 .horas da manh. por.lima de sua
esposa. Bill, lilha. inu v ominada. Joaquina
Ferreira Santos.
Taverna
:'hs
Xm
i
iia PEi.timict'a
1
I
O vapor 'iaribe,
..-*?
Ao Caes
A iio-
c da Balud.
Deraovtis. lou^a o vidros
Cons n lo de i 11 om' bon-
-i ln- rie I u. i -
I 'li-1 -I ra k?
rrgfine, *ido de
are'ln L ;a : le de
c un
Bi'ia. I con

t
i M '' '
A i-orr.-; lo marK-Jl
A' i i
J>o .2 andar do sobado r
io
didos j^m reserva d
Vende-se a taverna da itia.^ Luiz do Rogo n.
Santo \inaro dan Satinas : a tratar na
mesma ni' E huboo Sove u. 87.
PMHCf
de vamos
1S3 K;a <1 *sarora j: -
Expoe a v'! *: em (fusso
e retal lio OS ; :<>< luotus o.
seu fnhrii- Ke!
topos COtl
com aza par
ees, globos, cbirjiu<.>. i
para botica etdietc.
n>>
Pre*jos sean competencia
Cai\ci|o
pratica de taverna, rua Augu.ta n. .>o
ptimas preparajSes de aiastruz
c rhuibarbo, para a expulsan c*m ;iieta, sem
dores nem incommodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(DAS CRANLAS E DOS AD-XTOg)
SEIS ANNOS DE SUCCESSO
Estas excellentes preparaofes nSo ne-
cessitam de purgativos como anjliares,
visto serem purgativas por si mesmas.
As pessoas que tm vermes sentem eo-
lio::-, bem e.iii.-.tantoiucnte diarrhas. indis
posioau, sensacilo do curpos que se movem
iois'iiito^tinos, endurecinionto (j/> vetitrc, e
,-'- vozes, vomit'is. Rangem Os lentes, (pian-
do dorinom. algiimas e peesoaa --x;- -llem
vermes cora as fuzos ou com u material
dos vmitos. As i-i-ianoas apresentam as
papillas dilatadas e inapetencia.
As pHolat levara impresa*) o ne..- do
L)R. CALASAN.s e sSo or de
1 caca r'e pi 16-i"

as prh I'Iai;^\cias
i
aW
Tosses
,aV Perras
Henueliiida de Souza Vaz de Oiiveira. Carlos
Auau>to Vaidelivoira (ausentoj. Augusto Car
los Voz deOveira Matbeus Vaz de Olivcira,
Convidam aos seus par utes e amigos para assis-
lirem a misan, que pela alma de sua lilha e irm
l). Amelia Vaz do Oliu-ira torras, mandara re-
zar na matriz ca Boa l/ista, m> dia i: do corre-
le, s 8 Horas da maulla.
Maria Inabel le Medeiro* 3lellii>
Jo- aulo Boulli i, Anieiio l'aulu Bototh i e.
Han -i I .-iiiln BoteUra coundam a seas itarebies
e amigos a assislirein a mi.-sa que ; or alia de
'i! .n.-'. Isabel d N H itelho njan*
ilebnu quarta-feira i
sim (-i de sea fatleunenfo na igreja
una, H :i "7 hora-, e na capella de |i
eos aa 7 i z lloras na
precos em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisados o que ha de
mais moderno e por pouco preco, -100000.
Colchas de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem collarinho.
Ato:! hado para mesa a 1-) e 13800,
muito rio.
Collarinhos e punhos de linho e algodlo
e por preco barato.
Babados e entremeios, grande sorti-
mento.
Madapolao pello de ovo por 6-S a pega.
Esguiao pardo e chumbado a 400 rs. o I
covado.
Urna grando \ariedade em lencos.
Gravatas e meias para homens.
Cretones para coberta o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a 5 urna.
.Leques de setim muito chic.
Linn bordado com quadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas scuras e claras a 240, 280 e
320 rs. o covado.
Cretones tran5ados, finos, a 320 rs. o
covado, para acabar.
Casemirs de cores e pretas um grande
Bortimento em qualidades e precos.
Casinetas, o que ha de mais bonito, a
400 e 600 rs. o covado.
Tapetes grandes o pequeos por pregos
razoaveis.
C*rinoline. prota e branca a 15600 o me-
trq.
Brins pardos a 320, 400 c 500 rs. o
covado.
Cortes de vestido de caeher.ra com vi-
drilho q que ha de gosto.
Ditos do. linn pa E' barato.
Cambraia branca, bordada, <> .que ba de
mais gusto e por preco razoavo! -\ iJOOO a
peca.
Dita com salpicos a 4.5 o 5(H)0 n oeca.
Colchas argentinas a 6j>$00 if.na.
Ditas de 2-5, 35, 40 e 55000.
Bramantes de algodao c linho de lodos-
os pregos.
Grando, sortiiuonto em iicluis de cores
o, pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas c leques para noivas.
Bicos de cores muito chicv
Alm do que acabamos de annunciar,
temos urna quantidade de artigos que so-
vendo-se, se acredita, pelo que jdem que
comparecam. .
DSo-se amostras sera penhor.
Sotneas l!.-as do todas a 400
rs. o covado. Sao muito larg"SP.
Roupn feita e p da. -
55 KUA DUQUE DE CAX.'AS--55
FEB\\.\?ES'DE-4KVSD0i;
_____________
T
o Pr'Sttra! de Cambar
camente as, tornan-
do-as br.in iral-as.
'< )s
'' Bi & (.'. '.
iais
dos
-
d --
Dts Roer
UAZ. O NATURAL
QaJ n razio da grande fan
gosa o Prllorai da ILamhwix't
E pi
k'BAKClSCO M. DA SI UVA & C.
Ir. Henrique A/fMwo te Miran-
da Leal
Os e: da icrefaria do rno des-

ne affonso le ..! t
.
-; ii da manb
S. F i
*>r. "leis
da Vial
\ t
:ii|lle>-
so de seu : sua fci ni # -
" r* ennbo dTeTegi
Jd0 mm wtaeiit.i de sor;
manh de terca-fer l do c. rrente. agraderen- ten. sido honrad*
do a lodos queacomp- ttrbad*aqs I
u10 Doaic&o universal d.
ajenjo. j ujbs e s
parY- -n,.
Todas as vezas que o medico receita granulo^
tem nm grande interesse para o do e ir
ao seu ])harmaceuticogrjui-!us L. !
Jacob, Pariz). Estes granulos apresenta var
vantagens sobro os granulos medica .i to?o
ordinarios: sfio mathematioamente dosados
sobre cada um d'elles, o nome e o ;*> da -ubv
tancia activa achao-se muito djptinctamente in>
pressos. Esta inserpcao tem poreffeito pr v mir
os erros t&o facis no manejo dos granulas ordi-
narios, erros que podem ter ,oa consequeui
mais eraves. A iaseripe.5o r*oporciona toda
gur inca ao doente c ao mlico. Todas aSj^^H
cies de pilulas de uso corrente sao pr i
pela casa L. Frere segundo 09 mesni
os. \'i-tas pilulas ou granulos, o A^^H
achas-e revest.;., i'tia envoli
nat-.irc.za permit&e.,a con:
cas as mais a! como o i
ferro por exemp. -o de todj^^H
1
liqui los Jo eston
bilidade, bastarla tomar
lul8 purgativas imp
.lulas e grnalos apre
-.

I

i
(
( '
I




to de PeHftaaabuesTer$ifot*t> 12- de F^veetro^ckW l^Sft-
jla 'paaaAnr afneme aat-
rraqaV jifa:, par un UMm-
cirn*_ ci Mfra. fe medico aeonselha o empragtt
do trra, eufiporiaXo sera <-
preferencia a qnajaaQyyt* os-
tro* pr Bpferfedo termo motom.
Moho aofef atoa^o.taaa^ j-oaa, aojo oooipfeotf> JTfefe
taro saibor e.lgum, aem okmirot,
o ooatnfekJca* obairo na-
' hn*i a quFtimufr lquido oom -QUe
Sdo mor1 to-tondo. IV UItCJL
TtNKOHBCM.i DKNTMB.
JkM CtYrmm imUiUU, eTeoSo
o*-. nirlHW aSaarobferatta-
ooaa a. nnuur elBcacfa paia
mmprego regalar do FCRftO
~ IVAltV
WKIXOIM IMITADO
Exigir a-on
a. BBAVAia
Imprimida ?ermelha
fewn u o* pirtt iu Pi-
da Junta je Higiene
de Bio de Janeiro
Itecor.tpenaa d l-*9ifiO0^flsinc9* ao Laroche
MledLalha. OURO,
APPOV.^SO
.da Junta u Ky eviene
de Bio de Janeiro
Madamas OURO,
to.

Aperiente Torileo Febrfugo, este producto de
um sabor agradavel superior aos vinhos- de quinquina f
contra as- ffeicoes do Estomago, Fe.ores antigs, etc.
O mcsmo JP^rfTfi(7ioo muito recommenddo-contra
a Dcdertrci do Sangae, Chloro-anemia, as Ccnse-
quencias do Parto, etc. pars, ao aa. n orauot >!ti
Eng-ommadieira
Na ra da Saudade n. 27; portSo, precisa-se
de una engommadeiru que durr>a em casa.
Caixeiro
Precisa-so de um caixeiro, dando algumco-
nhecimento sobre sua conducta : no pateo do
Terco n. 40.
Cosinheira
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; a tra-
tar na ra do Livramenlo u. 1

vv
&
ifi
Uar"sk> ^8&> <*ffl^
i
i


Bolos, doces e t'ructas do lempo
Vinhos finos:
Porto
Mdeiru
Collares
Figueira
Bucellas
Carcavellos .-
Moscatel
Martasia e verde
Shepry
Bordeairx
San terne
Nourgogne e outras
muitas'quamiate.s.
casa :::::::::::
22Ra Larga do Rosario 22
Francisco Gome* & C
Ci n~n T 1\
i iiinI.i ii li' mi-nl t- :
Fianibre. salame; mnrta'deHaroails-
beefs beefsteak etc. peixe prepa-
rado de diversas formas, mpidos,
tortas, iscas, consenas de carne e
legumes, e todos os preparados e
acepipes estrangciros.
Jllm. Sr.
Champagne
Ceneja de todas as marcas
Licores diversos
Cognac
Cidra
Whisky
Rhurh
Kumnnl
Abslntho
Bitter e todos os appe-
ritivDs at Tiojecoiie-
eidos.
. Superior caf, cha e chocolate.
telo e refrescos a qalcnier hora.
As especialidades serio annui-
dadas em grande taboleta nfrente'
do estabelecimeoto.
VENDAS A D1NHEIR0
Convencido* dagrandc nefieesiduded'umacana essencialmente preparada
para MJNCHS de qnt resentia'-seestn-importante capital, onde quahquer pessoa
decente e as Exmas. familias encontrassein reunida mais delicada e sadia
refeicao, ao mais perfeito asnio, a elegancia e mesmo a um certo CHIOa r-
banidade a mais toxalheb^sta-resoltemos fundar tan cstabelecimento instas
condi/fies ra LARGA DO HOSARro X. 22, sob o modesto titulo de -Casa de
Refeifes.
Firmados no bom gosto da sociedade pernamburana que nunca rega-
teia o sen valioso apoio aos boftS comtnettimi-ntos, nao nos poupomos aos maioren
sacrificios.
O nosso estabelecimento, em qrte procuramos associar toda os rommodi-
dadet) temo o justo destyam cimento de consideral-o o prinuiro, alias o umeo
no si'u genero que pnssn a jiossmr esta cidade, e que offtrece oindu um confor-
tavel recreio a sua distincta sotidade. A mais delicada atteneao > ameno
trato; o nuot agrado e sinceridade, ie.ceedivfJ" presteza e superioridade, na
execucda de todos b Seus preparados culinarios, ; sobre tudo a pureza de sua
bebidas; conStituem o seu inquebrantavel ritouRAMWA.
Certas de que TtSo exageramos-e que o nosso estabeteeimento exceder a
espet'itivn, temos a subida hotlra'de solicitar de V. S. e de sito Exma. fami-
lia a deferencia "uhi visita Casa de RefelcflkflaV
Com a maior consideraoSo, respeito e estima, asslgnamo-hos:
PEREIRA MAGALHAES
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidam ossegaintes aitigos com descont de 14 [o as
vendas
Alug^a-se
a Casa terrea da ra da Palma n.'29, com graa-
de quintal arborisado, com agua e gaz encana-
dos : a tratar na ra Duou de Caxias n. 47.
Aluga-se
a casa da ra Coronel Suassuna n. 150; a tratar
na ra Marcilio Dias n. 106.
Ama

Precisa-se de urna ama para o servigo domes-
tico de casa de familia; a traiar no escriptork
deste Diario.
*
em
gro
De V. S.
Atiento* Criados iibrlitdo%.
cJ^ktvteeeJeo ^^-tf Jf ^:0tf^

1

i i
58 Ra Duque de (>axias-58
GFANE LIOIIDACO
o
Principra na se2;nnda-feira, de1 todos os artigos qnt
ftcaram de saldo vendondo-se por metade do sen valor. .
Grande (juantitrade de relallios Ir algodaosiidio.
matlapolao,chitas, seda, setim, etc., ele.
c 56 e 58Rua Duque de Caxias56 e 58
IToex^oeDpfeiTacaasrK sxo
Bramantes de aigoao superiores, a 800 rs. o metro, 4 larguras,
dem de puro linho fazenda de 25200 para acabar a 10500, metro
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 10200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para leucdes a 50500 a peca.
Madapolao americano, a 30600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Maripozas de cores a 220 rs. o covado.
Chitas' claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idem a 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito,
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichsde renda chics a 10000.
Colchas Irancezas de cores a 20OOO e 40000, lima.
Lences de bramante a 10800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupade crianca a 10000 e 10800, diagonal, duas
larguras.
Camisas inglezaa e francezas a 260000 e 300000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandesj a 140000 um.
Cortinados ricamente bordados a 50500 e 60000-
Pannos de cores para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280" rs. o dito.
Veludilhos de cores i pretos a 900 rs. o dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.:
Setins de todas a efiresa 900 rs. o dite.
Setinetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglezas para humera a 20500 e 30000 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito
Cortes de casemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de nieia casemira a 20060.
Toalhas grandes para rosto a 40000 a duzia.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
E muitos artigos que serio lembrados com a presenca de nossos.leitores.
59Ra Duque de Caxias-59
LOJA DE
PEEEIRA MAGALHAES
Ama
Na roa velha de Santa Ria n. 89, precisa-se
de urna ama para comprar, cosinhar e faaer es
demais servicos di-urna casa de pequea fa-
milia.
Amas -r^n
Na roa do Vigario n. 2S, 2- andar, precisa-se
de una cosinheira e de urna ama secca para
crianca.
PRODUCTOS ESPECIAES
Do Dr. Carlos Bettcnconri
APPROVADOS PELA J'JXTA CENTRAL DE
HYODEHE DA COBTK
Salsaparrilha e Caroba
GRANDE DEPURATIVO DO SANGUE
Elixir anti-rheumatico, anti-syphiliti,co, empre-
?ado em todas-as molestias de pelle, erisipela,
arthros ou impiogens, beriberi, anthrazes on
carbnculos cancros venreos, feridas cance-
rosas, ulceras, gonorrhas chroaicas, boubas,
bubes, escrfulas e todas as doencas que de
pendem da impureza do sangue.
Este remedio superior a todos os outros d
seu 'enero, o que est provado pela preferencia
e acceitaco que llie d o publico..
Um vidro 3*000
Elixir de Jnrubeba, Quina e
Pegapinto
TNICO FEBRFUGO E DESOBSTKENTE
Empregado na debilidade geral, doen^as do
estomago, convalegcencas depois do parto, febles
palustres, molestias do ligado e baco, falta de
apetite, p.nemia, chlorose, cores palidaa ou fota
de saoguf, doencas nervosas.
E' um recon3tituinte de energa, aromtico e
agradavel ao paladar
Um viilro 3*000
....#,,-....

TNICO FEBRFUGO REGENERADOR
VINHOoounJOHANNO
DO
'ooirmRi
Quina, Qeta, Extracto detame e Hrp*nbo8phto
SecoDuneodo-a? no-- casos queneccseltao tntcoapara reconstituir r -.n,
o oxgarsmu arruinado por molcsUat, excissos, natereza 6o din, naanil, cnJoroa.
amanarloofe. Oacbula, rinio br&aco, que tanto arruln&o a uda du mulhfrfaa,
Pobre* de Bangrue, fraqaea germl, X>eblUda.de, etc.
S.TZVIBtT, Drosruista, 90, Boalevard do Straabonrar, om PAR"
- f ?'-ti*
PREC0 SEM COMPETENCIA
A na Prmeini de Maree n. 20
'/
ELIXIR ANTINERVOSO P0LYBR0MORAD0
de BAUDRY, Pharmaceutico de < Mas se.
Este Elixir, que contm em sua composicSo os bromuretos de polasslo, de sodio
e de ammonia, perfeitaroente coffibinados, deun sabor agradavel ?mpre
tomado com prazer, mesmo pelas pessas, que tenhao um estomago delicado.
Numerosas experiencias vierao confirmar a sua immensa efecacia contra a
Insomnia, as Enxaqneea. a Agitacao durante a noite, e as Palpitacdes,
calmando immediatamente a excitabilidade nervosa. Admiaitra;se tambera com
grande vantagem as oonvolaoM das) crearlas je as senhoras que soflrem de
espasmos, desmaios e attaqaee de ervos. Empregado convenientemente,
este Elixir um auxiliar poderoso da medicina contra o histerismo, a epilepsia
e a dansa de S4o Guido. A dose de 2 at 4 colheres por du, pela manha e tarde.
Depo.ito : Km JPAR/S. Rn. Vrviinne, nma pracipmem Pharmmeim:
RELOJOARr A
A antiga e bem acreditada oflicina de reljoei-
ro, sita ra I'rimeiro de Marro n. 4. acaba de
ser transferida para a ra l.maa lo Rosa-
rio ii. K.
seu proprlettrio, teodoum completo e muito
bom sortiniento de aviameuios tendentes sua
arle e com ama longa pratioa da mesma, ollereco-
se ao publico em geral para enearregar-se de
todos concertos de reiogos, caixas de msica,
I etc., etc.
Espera continuar a merecer a conliamja de
sen- frejiiezes* assegura-lhes que ser sempre
solicito do cuiupBimeolo de uu&oraena.
42Ra Larga do Rosario 42
Gustavo Volilchard
Para o Derby
Carlos Sindtn recebou grande aortimen
to de gntvatas e camisas de cores proprias
para os amadores do. Prado e est venden-
do por preeos sem coiipHtfrncia.
Recebeu U>iiibol!i ooilarinhos e punhos
de borracha de fennutos'novos.
48BA BARAi )>A VKTimi 48
Ainda prM.'isa-se de um feltor para lomar
conta de um sitio : a tratar a ra l'edro aV****
numero 38.


oo
^Itis^rELarjeii-tioo. 0, ra Jaccb, Pars


As CAP3U* A 6UY "5T contem *!ca-
iro La Noroep* p"i Ai la Jum
MOC.

,H
:'ft
TSICA!

T co.

#..
3 ttbtolaHiaonte taditptmi
exigir t, Ftrum f.
JSCR/PTA EM TRES CORES ^^"'
Fabrica : Casa. L. FRERE, 19, rua Jacob,"PARI2
Aicliilteinra
Andj-.'- K inpcke prepara, guarnecidos de ju-
das ancores, ytnntindi acensen aaeS"
... -. anto ;iara i le edi-
licios : oe 11 -" f i pod lar SUaT-
dens na men-earia i rua da lm|ieratr2 a. 2.
Pao eenleio
Millc Bi i. avisara ao ul publico,
que toda? u ik este sa
boroso | I 41).
Justo
Atoalnadp bordado a 1(5200 o metro. i
Alpacas indianas a 320 rs. o covado.
Ditas mescladas a 600 rs. o covado.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Batistas finas a 140, 200 e 240 rs. o dito.
Brito pardo a 280 e 320 rs. o dito.
Baleias pretas a 260 e cobertas a 500 rs,
a duzia.
Bicos de urna s cor a 20 a peca.
Bramante trancado a 800 rs. o metro.
Brins de cores para crianca a 260 rs. o
covado.
Bicos matisados a 2>500 e 30 a pega-
Cumbraias bordadas a 45 a peca.
Cachemiras de quadros a 260 o covado.
Cortes de seda para colete a 50000.
Ditos de linn era cartao a 70000.
Colchas de damasco a 60000 urna.
Cretones de alsace a 360 rs. o covado.
Cambraia arrendada a 460 rs. o dite.
Cachemira da India a 220 rs, o dito.
Chales adamascados a 2#500 um.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Colchas de cores a 20 e 20500 urna.
Cortes de casinetas a 10500 um.
Chambres a 40500, 50 e 60000 um.
Cortes de setineta a 60000 um.
Cambraia Victoria a 2)5900 a pega.
Camisas allemaes a 360000 a duzia.
Cachemira de duas larguras a 800 rs. o
covado.
Cretones claros a 280 e 320 rs. o dito.
Colchas de fustao a 30500 urna.
Camisas de meia a 10000 urna.
Ceroulas de bramante a 150 a duzja.
do I.ouvre
Fichas de malha a 20000 um.
Fustao Branco a 360 e 400 rs. o covado.
Pito de cqr para roupa a 800 rs. o dito.
Guarni^o de crochet com matizes*.
Gazes de ores a 500 rs. o covado.
Guarda-p para homens a 60000.
Grinalda para noiva a 80000;
Guarda p. para senhoras a 80000.
Lenfos com barra a 20000 a duzia.
Leque a grS-duqueza a 20000 um.
lencos brancos a 10200 e 20000 a duzia.
Luvas de seda a 20 e 2*>500 o par-
annos de quadros a 80 rs. o covado.
LSs escossezas a 100 rs. o dito.
Linn de cores a.500 rs. o dito.
Merino do cores, duas larguras, a 800 n?.
o dito.
M eias com pintas, para senhoras, a 800 re
Madapolao americano a 65000 a pega.
Meias para homens a 30600 a duzia.
Extracto Porte-Veine a 10400.
Popelina branca, de seda, a 800 rs. o ep
vado.
Paletots de seda palha a 70500.
Ditos de alpaca preta a 40500.
Panno da, costa adamascado.
Pacotes de po de arroz a 500 rs.
Percales fi as a 200 e 220 rs. o covado
Roupas para banhos salgados.
Regatas de cores a 10000 urna.
Sahidas de baile a 20000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargelim de cores a 200 rs. o covado.
Setim de cores a 800 e 900 rs o dito.
Dito do JapSo a 240 rs. o dito.
Toalhas para rosto a 30600 a duzia-
Ditas para banho a 10400 urna.
Xarope de Jaramaear com-
posto
GRANDE PEITORAL
Tratamento curativo de todas as mplestias-do
peito e da garganta, deflaxos, tosses simples e
convulsa, coqueluche, con si i pac. Oes, asthm, bron-
chite, catarrno chronico e fysica pulmonar; e, do
larynge.
E' o nrirueiro peitoral que se ronhece ate" heje
na medicina.
Um vidro 2300 .
A' venda na rua Bario da Victoria n. 51
PliH'iiirin Pirilw
i
A viso
Jos Cordeiro dos Santos teui a honra de par-
ticipar a seus amigos e freguezes qu mudou a
sua toja de fazendas da casa n. 8o rua Duque
de Caxias para a casa n. 89 da mesma rua.
Voloeidade
\ rifa, cuio maior premio, p ensaco veloci-
dade. pqr falta de recebimento. correr infafti
velincnte com a ultima lotera1 de f:000Q0'uo
Para que se extraliir no mez de Marco.
Pr^feesora'
l na pratiea de H annos de profissab, apresehtafldo
diversos altestados de bom me'tbndo cmpoHa-,
m'i!io, ofierece-se para leccionar em casas par-'
tici: ;yvs. na cidade ou ern seus arrabalds as *e-
giiinWi* maaras : Portu^uez, France*, Italiufio
I rutar a rua Viscuude. ile Qoyaaua n. 6> ou ti;
casa do lt(gulaoor da Manulia-rua larga dt
Rosario n. 9.


y-
i
bS'-
Ssguiao pardo a 360 e 400 rs. o covado.
Hspartilhos couraga a 50000 um.
Entremeios bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimento de casemira e brins, collarinhos,
DMJ bolsas, fichs, lenfos, leques e muitos outros artigos.
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e rre-
gnezes em geral que receben pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por precos mais resumidos em vista
da continuac2o do cambio tavoraveL
Convera que experimentem.
4* RUA DO BAKO DA VICTORIA 48
SNDALO
Aiyi. mi* Jtt fHrths** *+**)*
Supprtme a Copeihlba, as *X-
bebM e u InjeocSee. Cura m
48 horas todo e qualquer corr ment,
r da maior ef&oacia as affeccBes da
bexiga, torna as urinas claras por
ais torvas que tejao. Cada >*v
capsula leva Impresso em [MD|J
negro o nome.............. V^/
Deposito em Pars, 8, Rae Vivienne.

.

punfaos, leos, toni-
AMAR AL & C.
Professora dp piano
lima "i habilitada 'tosopeloteo es-
tado, como ; .' pe) ., (mV-i-'-ci- <: a
ensinar pian nudir roer em ca-
sas partic 'i I '- rodemlo st*r
procorada para o sao na
rua do Jasiinm n. 39.
ADMINISTRAgO :
r'AKIZ, 8, Bonlevard MonUnartre, PARIZ |
~t.
Xarope e Pasta
eSEIVAo PINHEIRO MARTIMO
di LAQA5SE, Phumicenuco im Sordeanz
timtini pela Jimia U Bmint 4a Bit Jtamrt.
Popular ha 30 annos, o nico
preparado com a verdadeira
Seiva de Pinheiro, extrahida
pelo vapor d'agua, logo depois
de cortada a arvore. Cura os
defluxos rebeldes, a tosse,
as grlppes, catarrhos, bron-
chites, molestias da gar-
ganta e rouquidoes.
Em PAJUB, a, qa Vi-rlaaao^
a aat prtnrtam PhMWelai.
paetilhas digestivas fabricadas em s
Vlohy co as Sae: ecraio'tosias Pon tes. Sao
de goslo agradavel o a sua acco e certa con-
ga Ir.: a Azia c 03 DigestSes difficei.
SAES DE VIGHY PARA BANHOS. L'm rolo para um banbo, para aa pessoas ijuc au poUcm Ir a Vicby-
Pura evitar a imU("'*>> exii/tr em todos os productos a
MARCA ISA. COXMTP. DE VICHV
Ca PernamlwCO, t Pro urtos tim srkie cm ciss .io SULZCB & KOECHLIN,
Si, nu da Craa; Auo. L.AL!II-L.e.

rr
AAMMMBa
VINO M^RtANI
O-VTsr.-sa StAMAfeTX jTJrt .-:. sxjKrtiaadtiao nc uoapiaMaf* *. i
a.- onre! fm^T^ -
im%a~m m>. Sk-iMtlfea *a at* laanurnaarta* *-!'" ;
. !
o. aHiM ra i
r. s-r.'nr -. r.-umrM
I
Ba> r a|a> rraj^- a-a 3S. a Xb^aV .
Cosinheipa
Precisa se de una ama que cosinhe bem ae
terceiro andar do predio n. 42 da rua Dun de
Caxias, por cima da typograpbia do Diario.____
vpogaphii e Litlt^rapli
FARCA DE LD7R0S DE ESCRIPTU-
RAQ0
l>''-iuiula as exposH'cs le
**elSS
Manuel J. <] Ene leroago e especialidades em cartftes. de#
visitas.
i-Ritt bye de (raxiasT-39
Telephoneji. 1^4^
ClKHilS l MjR ^ %<*fri
Compr-se cautella.- do Monte <
qualqui-r joia. brilhantes e relogi >-;
bem na rVaca da Indei n. J2. I i ''-
piro.
Pnsipi : i ir. Hypoli
.' ni i de I' n" que ;
ubi ndi na io e r;u>
me ino e
!
na carvo
\\m orphaoi i
('aromos de a!.
pho -. o l-e U .- prcr
kllO:.
i


*
'J
i
*
v'-


Enaiiio particular
p Jeaquim Elias de Albuquerque
Reg Bar1 os, ra da Conccicio n. 97, cnsina,
K-'uintes materias,
pois chis 3 horas da tarde : portuguez, latim.
arithoietica, geogn. unetria.
Bom. negocio
Vende se tres cavallos bous e por presos com-
modM, por terem sido tomados em dividas :
quen pretender dirija-se ra Vidal de Negrei-'
146, cocheira.
Cosinheira
cosinheira ; na ra Verha
Precisa-se di' uir.a
numero 137.
Cozinieiro
Pfecisa-se de uin coshraeiro
do Paysand n. 19.
a tratar na ra
VENDAS
Vende-se cal nova de Lisboa ; na ra re-
dro Aflbnsons. 39 e 41.
Livros de medicina
Vende-se alguns livros de medicina i servi-
dos ; na ra da Rangel, armazem n. 48.
Vinho puro de Pasto
Em barris de quinto ; vendera Carlos Rabello
t|C. ra do Vigario n. 31, 1- andar.
Vende-se
a arinacao e utensilios da taverua sita ra da
Santa Cruz n. o a tratar na ra do Rosario da
Boa-Vista n. 53, fabrica de cigarros. A casa tera
coinmodos e agua encanada.__________
Faldas baratas
Loia do Triumpho
Ra Duque de (avias u. 49
Las Bus com Troco, a 320 rs. o covado
Dita de quadros, bonitas a 300 rs.
Merinos lisos. 2 larguras a 560 rs.
Dos lavrados, 2 larguras a 700 rs.
"Boros largos de quadros a 240 rs.
Ditos largos de quadros finos a 280 rs.
Ditos bordados tinos a 700 rs.
Etamine arrendada a WO rs.
Dita de listas abertas a 400 rs.
Setins de listrinhas a 660 rs.
Ditos da China i fantazia) a 240 rs.
Saias bordadas linas a 3*000
Camisas bordadas finas para senhora a 4*000
Cambraia branca bordada, a 4*500 a peca.
Dita bordada de cor a 5*500 a peca.
Chitas escuras muito boas, a 200 rs. o covado
Algodao largo ( 10 metros), a 2*500 a peca.
Dito dito de 20 jardas a 44000
Toalhas acolchoadas grandes, a 4*500 a duzia.
Redes inglezas grandes a 5*000.
Guardanapos daHicho, a 1*800 a duzia.
Camisas de linho sem punlios e sem colarinho
a 3*000.
Bramante de algodo 4 larguras, a 700 rs. a vara.
Tapetes grandes para sof a 14*000
gprtes de seda para collete a 4*000.
ortes de casimira ingleza a i*500
E outras muitas fazendas que se vendem mui-
to baratas para liquidar.
V ra Duque de Cavias n. 4
Bastos efe G.
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Fm decimos e caix de duzia, tem para ven-
der Joaquim da filva Carneiro. largo do Corpo
Santo n. 13, 1--andar.
Taverna
Vende-se urna 'averna na estrada d- Peres, a
stmo e com mrada independente, com bom si-
tio ; informaces na ra de Santa Thereza n. 30,
tavrna. O motivo da venda se dir ao com-
prador. _______________
Vinho Maduro
rtkcas Hendes 4C, com grande estabeli*ei-
meuto de seceos e molhados, sito casa n. 9 4
ra estrella do Rosario, contiguo a igreja, aea-
bam de receber urna grande remessa do acre-
ditado e especial vinho Maduro, o nico que sem
e mnima coufecc&o importado neste mercado,
so se vende no referido estabelecimento
FOLHETIM
EM M AI
POR
paulo :-::::*:::
ATKMPKSTADE
CAPITULO I
Barato
S na laja das Estrellas
56- RUA LUiQlE DE (1AXIAS-S
Telcphone n. IO
O proprietario deste mui acreditado estabeleci-
mento previne a todas as Exmas. familias
e fregueses em geral, que as muitas pev
chinchas que costuma lazer, nao sao mais
divididas com a sua ex-casa das LISTRAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos queenioulra qualquer parte dirja-
se LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trar um completo e variadissimo sorti-
mento de azendas que se vendem por pre-
sos que n.io Ihe podem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 13800 a 13000.
Dito de ci'js a 13 e 13300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a n56O0.
Brim de cores para ronpa de criancas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 103 por 53000.
Cortinados bordados a 53 e 63000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 43 e 43500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 73000.
Cretones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 23800 a peca.
Camisas ingiezas para homens a 283000
a duzia.
Collarinhos, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completo, por 23500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 103, 153 e 203000.
Casacos Jersey a 23500, 33, 43 e 53.
Damass do Beda com lindas cores cla-
ras a 13200.
Esteiras bnmeas e de cores para forro
de sala a 13100 a arda.
Esguiao de linho, pardo, a240e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 53600.
Espartilhos couraca a 33 e 33500.
Fichus a 500, 13 e 13200.
Fustao branco a 240 rs.
Grinaldas com finissmos veos de Blond
a 73000.
GuarnicSes ele crochet para sof, a 53500.
Gorgorito preto de seda a 13800.
Guardanapos de linho de 33500 por 23
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lencps para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 13000,
J3500, 2^ e 23500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
Madapolo pelle de ovo, muito fino, a
63000 e americano, com um metro de lar-
gura, de pre^o de 123 por 73000.
Dito de 83 por 53000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Rendas hespanholas a 13600, 13800,
23500 e 33000.
Setim Maco. preto e de cores a 750 e
800 rs.
Dito de quadros, ultima novidade, a 13-
Sargelim de toda as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoado e felpudas a 2&*00
e 33000 a duzia.
Ditas para b*ho 800 e 13200.
Tcctao8 arreidadfts, ultima novidade, a
iUW e 240 'rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos 20 [0 do que em qualquer nutra
parte.
Irma*
i
e irm
Eram cerca de quatro horas da tarde.
Urna Victoria da companhia de carrua-
gens sqbia a encosta do bairro do Tem-
plo.
Reinava a inaior animacao nesse bairro,
pois era um sabbado, da de pagamento e
vesperade Pentecosts.
Carrocinhas carregadas de flores, de le-
gomes, de fructas, de peixe, de vveres de
todas as especies atravancavam a rua> pos-
tadas em fila ao longo dos passeios, onde
as operarias, pobres mulheres oceupsdas
fra ou no interior das casas, compram a
* ceia da familia naoccasiao de preparal-a.
E gritos alegres, conversacoes, garga-
lhadas estridentes atravessavam a niulti-
dab ruidosa, viva, movedca, no meio da
qual andavam as pequeas lavadeiras, car-
regando as saias muito alvas e engomma-
das, os frescos vestidos de linho, as rou-
pas azucs, cor de rosa e brancas, na pon tu
das suas longas varas, emquanto as ven-
dedoras de peixe diziam com os rythmos
doces que Ihes sSo peculiares:
l'eseadinhas frescas p'ra fr..:
E u m pouco mais aloro outra cantava :
Olhem o bel agriSo, a vintem o
m mprriao para os "seos passa-
e toda voltavam o rosto ^>ara
escoberta urna j
$U, e que algumas ope-
-jx^ndia aos
uit)
Vinho de pasto
O que ha de iiielhor, vende-se pelo mdico
preo de 3:>i 00 o barril de quinto e 9*000 o
garafao de tres caadas, voltando o garrafo
7*300 (presos lquidos) : ra do Amorim nu-
mero 60.
Devia ter cerca de vinte e doas annos.
De urna pequea mantilha de rendas
pie tas escapa va-se a mais opulenta cabel-
leira loara que dado imaginar-se.
Muito levantados na nuca alva e gorda,
os admiraveis cabellos cahiam em anneis
at s sobrancelhas negras, finas c ousa-
das, e faziam urna sombra encantadora a
dous olhos azul-escuro, que urna dupla
franja de cilios escaros, muito longos e
muito espessos, tornavam ainda mil vezes
mais bellos do que realmente eram, o que
entretanto pare3a cousa irapossivel.
O nariz direito e de traeos puros tinha
urnas narinas roseas muito movis ; quan-
do os labios vermelhos como sangue sor-
riam, os dentes deslumbrantes, de alvura
canina, destaca vam-se no meio da sua pur-
pura hmida.
Os hombros, adoravelmente inclinados,
eram de rara distincejio; quanto as for-
mas, era difficil jalgar o que poda ser,
porque urna prxima .maternidade torna-
vam-nas pesadas.
A bolea da victoria, o banco sobre o
qual a joven senhora se achava sentada,
tudo esteva atruvancado de embridaos, de
caixinhas brancas, de caixas maiores, coin-
pridas e chata;, amarradas com cadarco
cor de rosa, ,e contendo evidentemente
roupa branca ou objectos de toilette.
Provavelmente o enxoval do anjo es-
perado.
Ao chegar a entrada da grande ra de
Belleville, a panseiantc avistou sbitamen-
te urna mulher nova, operarla, de cabeca
na, caminhando a custo com um cest-
nho enfiado. no braco, porque ella achava-
se igualmente cm adiantado estado de gra-
videz.
Mas a pobre mulher era to magra, tao
amarella, tao adoentada quanto a nutra era
bella, alva, rosada, resplandecente de saft-
de, de alegra e de felicidade.
Cocheiro! dissede repente adaear-
ruagem, prc um instante.
A ordem nao foi difficil de cxecutd.r,
indo a victorias, passo e muito lentamente.
Hra. Gagos! disse a passeiante er-
guendo um pouco a voz.
A operarla vcli;ou-t>c vivamente, e pde-
se Ver ento um rosto paludo, triste, do-
loroso, maf Iluminado pelo brilho de dous
olhos magnifico;, de olhar enrgico, leal e
firme.
Oh! exea non ella com a3 sympa-
"tinca imadas por urna expressao
de profunda ale^ria, a ara. Chaniers !
Approxlmou-te da carruagem, que o co-
cheiro hava paiado beira da caljada.
Como va i querida Pau-
lina? pergunto". sin-
era tolici
mL CB2B
Ra Duque de Caxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1[2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 800 e 13, muito fino, de
qualquer largura a 13400, e de fstSo, de
700 a 13800 a peca.
Enxovaes para baptisados a 83, 103 e
123000.
Lindos enfetes para pinteados a 100.
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 23500 o covado.
Pulseiras americanas para 33, 43, 53,
63 e 83000 o par.
Guarnic8es americanas a 33000.
Lindos espartilhos a 43, 53 e 63000.
Porta dedaes de vidro, objeoto para pre
sent a 13000.
Broches de fantasa de 500 a 13000.
dem americanos de 23 a 33000.
Lencos de seda de 500 rs. a 13500.
Lublaque a 200 rs. o par.
Guarn55es de crochet, sendo um para
sof e 4 para cadeiras por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno e c6r,
com finos veos.
Flores artificiaes a 13000 o ramo.
Anneis americanos a 23000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 23 23500 o par. .
Bicos brancos de linho e de cores a 23,
23500 e 33000 a peca.
Con tas de cor para enfeitar vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para nova.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
83000.
Talheres para crianca a 800 rs. l
Luvas de pellica a 23500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 23000 e
cor de creme a 13500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
13000.
Espelhoscom fina moldara, com dous pal
mos de comprimento, a 43000 e cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missan-
gas.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos.
Timaosinhos enfeitadoa de bico e renda.
Grande sortimento de fitas modernas a
13 deMaio, Imperial Regente, a Nabu-
eo e a Joao Alfredo.
Lindas fitas para facha a 23, 23500 e
33500 o metro.
Carteiras de chagrn para algibeira.
Finas gravatas plastrSes e regatas a 13,
13200, 13500 e 23000.
Lindos porta-ps de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfei
tar consolos e sanctuarios.
Completo sortimento de perfumaras.
Finos sabonetes de todos os fabricantes.
Grande sortimento de alfinotes dourado*
para enfeitar o pentei*A towbem gran-
. ,., muito lindos.
N. B.D-se amostras de bicos e bor-
dados.
A'
Hayal Blend marca YUDO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retamo nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Ito.val Blend marca Yiado,
cajo nome e emblema sSo registrados para
todo Brazl.
BROWNS & C, agentes.
Mais Barato
A Loja das Lisiras Azues
RUA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Telephoae n til
O proprietario desta conhecida casa previne as
Exmas. familias e todos os seus fre-
guezes, que as pechinchas que costuma
dar, nao sao nem nu^a foram divididas
de outra casa como Tilguem annuncia
para engaar, vendendo fazendas ordi-
narias por boas, castume que a E.oJa
la Litttrna Azuea nao tem.
As fazendas vendidas nestn casa Bao de boaqua-
lidade, e nao levara medida escassa;
aceita-se a fazeml vendida se, por
emaiquer molivo nao for de muito agra-
do da pessoa para quem for comprada.
D-se descont a quem comprar de 20
para cima.
ESPECIALD3ADES
Nrim de listras azues pecas com
20 varas a 63000.
Vladapolo com um metro de largu-
ra a 63800 a peca.
Cortes de vestidos bordados em
cartao a 103000.
Velludilho bordado a contas a 13600
o covado.
Cachemiras pretas, do quadros e
arrendadas a 23 e 23500.
Tecidos fantazia arrendado proprio
para baile e theatro a 400 500 rs.
Cortes de .cachemira com guarnicSes
bordadas, linda cores, a 203 e 253000.
Me ti ni Maco de todas as cores a 750,
\i 800 rs.
I.i non bordado, tecido de urna s cor,
qualquer que se deseje, a 200 rs.
Zefiros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 rs.
tas de quadrinhos a 200, 240 e 360
' covado.
Unhos lisos a 60 e de quadrinhos a
00 rs.
Guardanapos melhor qualidade a
13800 a duzia.
Atalbado bronco e de cores a 13-
Oleados para mesa redonda ou qaa-
drada a 43000.
Cortinados de crochet, com*sanefas,
ultima novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados a 900 rs. o
metro.
Colchas de fustao, brancas e de eco-
res, a 23000.
Chitas finas precales a 200 e 240 rs.
Chitas escuras a 160, 240 e 280 rs.
Batlstes de cores seguras a 120 rs.
\anzur de lindas cores a 280 rs.
Brim pardo esguiao a 240, 280 e320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.
Mantilhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 83000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da com lindos enfeites e com vibrilhos a
203, 253 e 303000.
Leques de pennao, e transparentes,
ultima novidade, todo preco.
Luvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 23.
Espartilhos inglezes a 43500 e 53,
tem desde o n. 40 at 80 de grossara.
Blco branco creme e de todas as
cores desde 700 rs. at 23500 a peca.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodao, preta, branca e de qualquer cor.
Babados e ntremelos bordados ta-
pados c transparente por todo pre50.
CSrampos c pentinhos fantazia para
cabello a 400 e 500 rs.
Balelas para vestidos a 260 rs. a
duzia.
Relogios despertadores com fi-
guras em movimento a 83 e 93000.
Aspas de ajo para vestidos a 120 rs.
o metro.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas na loja das
LISTRAS AZUES de
Jos Augusto Dias
Obrigada, rainha senhora, respondeu
a operara. Estou extremamente fatiga-
da. Creio que approxlma-se o meu tem-
po.
E tem tudo quanto precisa para o
seu pequeo?
Paulina Gages empallideceu visivcl-
mente.
Quasi, respondeu ella afinal.
Nao faz mal, disse a Sra. ^haniers,
logo irei sua casa e levar-lhe-hci algu-
mas coasas.
E mostrando as caixas que atravanca-
vam o carro :
Olhe, disse ella, venho oBan Mar-
ch, onde justamente havia urna exposi-
9I0 de roupa branca. Comprei um lote
de camisinhas, de touaas, de babadores, de
que nao tinha necessidade, mas que me
pareceram tio bonitos e tao baratos, que
nao pude resistir tenta^ao. Repartire-
mos, e isso trar-me-ha felicidade. Porque
o meu tam-
sc o seu bebe approxima-sc,
bem nao est longe.
Oh! rainha senhora minha senho-
ra disse a operara com os olhos rasos
de lagrimas, como 6 boa e como poderei
algum dia agradecer-lhe!
Nao se atormentando e tendo bastan-
te coragem. Desse modo atravessatper-
fetamente a crise da maternidade, que
nao insupportavel, visto que todas por
ella passamos; e epois far de seu filho
urna creatura leal e boa como voc. At
logo, minha boa Paulina, at logo !
- Adeus, minha senhora, e obrigada
pelas suas boas palavras; cada vez que a
vejo, a senhora restitue-me as forcas
Urna hesitacao passou pelo rosto expres-
svo da operara.
la afastar-se, depois de repente parou
indecisa diante da carruagem, com os olhos
baixos, os pes pregados ao chao.,
0 que XJ ? nterrogou AdB I que
vio que um pedido retido por nrfwral ve-
xame nao poda sabir dos labiosua Sra.
Gages.
Minha senhora.. eu desejava muito
pedir-lhe nma cousa, disse ella finalmente.
Falle, ande, nao tenha receio; eu
nao sou tao terrivel assim, e estimo-a
muito.
Se encontrar meu marido na officina,
queira dizer-lhe que volte logo que aca-
bar o brabalho, porque nao estou me sen-
tindo boa.
;s isso ?
Paulina corou de novo.
E bastante, responden ella com
voz mais embarazada.
iJuaiprehendo, pobre mulher, i
1 haniers com grande expressao de
hendo: Eugenio Gages nem sempre volta
para casa depois do pagamento, nao ver-
dade?
A outra atalhou vivamente :
De algum tempo a esta parte, elle
tem-se portado melhor, muito melhor ines-
mo; espero que com a vinda do pequeo,
todas estas tristezas desapparecerSo com-
pletamente. Mas bem sabe, minha boa
senhora, elle pode faltar hoje, e eu nSo
desejo ficar s !
Est combinado, desempenharei a
commissao de que me incumbe.
E se a senhora nao quizesse ir
nossa casa senao amanha de manhi, eu
estimara mais. Eugenio to exquisi-
to !... Se elle visse-a levar-me os presen-
tes de que me fallou, havia de dizer que
eu queixe'-nie.
O que falso, porque voc a crea-
tura mais discreta, mais reservada, mais
generosa mesmo que existe ; guarda sem-
pre os seus soffrimentos comsigo, afim de
nao desconsiderar o homem a quem ama...
At amanha, entSo, minha querida Pau-
lina : irei sua casa quando -sahir da
missa.
Emquanto a operara afastava-se com
^erdadeira e sincera expresso de reconhe-
cimento no rosto paludo, a carruagem su-
ba a ra de Belleville.
Chegou dentro em pouco em frente a
porta defama grande usina, no alto da qual,
sobre a cinta de pedra que reunia os doas
immensos pilares, viam-se estas palavras :
Trabalhos em madeira

Querque entre, minha senhora? per-
guntou o cocheiro, voltando-se para a pes-
soa que conduzia.
Entre, sim, respondeu a Sra. Cha-
niers. V at aquella escadinha que o se-
nlior est vendo l no fundo do pateo.
O cocheiro obedecen.
A carruagem rod : sobre a areia fina
que cercava um immenso faboleiro verde,
cortado em largos canteiros floridos, o pas-
sou diante de urna grande fabrica de inn-
meras janeilas sem persianas, de ridracas
re as qnaes os ltimos raios do
ol desenhavam grandes placas vfrmelhas,
emquanto a sua looga cliamiu negra, co-
roada por espesso pennacho de .fumo, er-
guia-M milito alia no azul profundo de
lagnifieo co de M
Dianto da escada da casa de
habitado, situada ;i direifa, elegante e
teWsc.i .i' ida como se achava no
de grai
.i paroa.
porta abno-se prnedlatamente e urna
A KEVOLUCAO DO 48
A' ra Duque de Caxias n. 49
Nesta loja denominada A' Revolucao,
tendo sempre um grande e variado depo-
sito de fazeidas, rsolveu-s vendel-aspor
menos 300| do que em outra qualquer
casa. Como sejam :
Toalhas felpudas c acolchoadas, brancas
e de cores, timanho regular a 120, 20t>,
500, urna.
Merinos d; quadros, lindos padries
200, 240 e 280 o covado.
Seda Anciana (fazenda de fantasa),
240 o "covado.
Cachemiras de quadros com coinbina-
c2o a 320 o covado.
Mimosa cambraia das mocas para cami-
sas a 33200 a pega.
Lindos cortes para vestidos em carto
com todos os aviamentos a 73 93 103 e
14$ um.
Saias bordadas para senhora (recebidas
ltimamente de Maris) a 33000 urna.
(retoes inglezes, francezes eallemaes
a 240, 280 e 320 o covado.
Zefiros de quadros, muito largos a 160
200 e 240 o covado.
Lindas colchas com pahuas de cores
para noivos a 103000 urna. .
Chitas claras e escura", muitos padrSes
a 200 e 240 o covado.
Batistas com palmas e pintas, cores fi-
xaS a 120 o covado.
Redes francezas a 53 e 63000 ".ma.
Fechas de 13, muito grandes, todas as
cores de 23000 por 13500.
Camisas francezas de linho (pechinca) de
60 a duzia por 483.
Merinos finos com duas larguras, todas
as cores de 800 a 500 o covado.
dem dem idem idem preto a 800 e
13000 o covado.
Cortes de fustSo branco e de c3res para
colete de 43 por 23000 um.
MadapolSes finos a 43, 53 e 63000 a
peca.
Atoalhado de linho, lindo desenho a
13700 o metro.
Cortes de casemira para caiga, finos e
modernos a 43, 53, ^ e 73000 um.
dem idem idem dem costumes moder-
nos a 203000.
Cambraia de salpicos muito fina com
10 jardas a 43000 a pega.
E muitas outras fazendas que s com a
presencadas Exmas familias, poderao ser
vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
lheiras, leques transparentes, bicos de co-
res, entremeios, bordados, leos, extratos,
luvas etc.
48 DUQUE DE CAXIAS 48
Vinho de Pasto em barris
de quinto
De especial qualidade e a preco baratissimo
vende-se no trapiche da Companhia, largo do
Corpo Santo n. 19.
bail
Vestidos proprios para
es e fazendas para os
meemos, nigrettes, plumas,
flores, fitas, Jeques, luvas,
meias filos com salpicos
de, todas as cores.
44-Rua do Imperador, 1. andar
Cimento Portland
Vendem Soares de Amaral Irmaos, ra da
Madre de Deus n. 22.
adoravel criadinha de quarto, da mesma
idade que a ama, appareceu no patamar.
Era morena, muito viva, com bellos
movimentos de cotovia prestes a levantar
o vo.
O sea pequeo queixo assignalado por
urna encantadora covinha, fazia parecer
mais irrequieta e mais risonha a sua boc-
ea rosada, e mais petulantes os seus olhos
muito negros e ligeramente inclinados co-
mo os das chinezas.
As fitas de urna pequea touca de cas-
sa, faceiramente collocada sobre cabellos
ligeiramente desgrenhados, cahiam para
tras com ar muito catita.
Ella precipitou-se carruagem.
Veja l, veja l! disse ella muito s-
bitamente, tome sentido! nao desea muito
depressa. Meu Deus, se lhc acontecesse
alguma cousa!...
Nao tenho medo, minha Suzana, res-
pondeu a Sra. Chaniers commovida por
aquella solicitude, soji muito robusta, e
nao ha perigo algum.
E l no Bon March nao Ihe acon-
tece u nada ?
O que queras tu que me aconte-
cesse ?
Ora! com esta balburdia toda....
Como se fosse prudente andar no meio da
multidao no seu estado !
Mas o medico ordena-me muito exer-
cicio... E, alm disso, quera ver todas
as bonitas cousas de que me fallou a Sra.
Chalandon. Se visses, Suzana, como
deslumbrante tudo quanto eu trago !...
A criadinha esvasiara a carruagem, e,
pago o cocheiro, entraram ambas em casa.
O interior daquelle ninho era encanta-
dor; a ante-camara achava-se cheia de
flores; um espesso tapete da India esten-
da-se at ao alto de urna escada que avis-
tava-se ao fundo, um pouco esquerda ;
por toda parte viam-se alvuras de mar-
more, brilhos de cobre poldo, vivos cla-
rocs vermelhos e azues que coavam-se de
vidraea> muito finas.
As duas jovens cuegaran. ao quarto de
Adelia, e, depois de collocar todos os em-
brulhos e caixas sobre a coramoda, Suza-
na foi despir sua ama.
Deixa estar, disse a Sra. Chaniers.
Di-me somonte o penteador do surahama-
rollo; en cbspo-me sownha. Mas va di-
zer a Jorge que eu voltei, e que se elle
pud;r vir ter aqu por alguns instantes,
tcaf-lhe-hei reconhecida.
Suzana desapparec^u.
Menos de um quarto de 4iora depois,
resoou um passo rpido na escada, e iuas
pain ts foram vibradas na
porta
ovidades
Receberan modas d<; Paria
AZEVEDO, IRMaO fc O.
16 Ra do B. da Victoria 16
(Antiga Nova)
Linda.s capas de surah, cachemira, me-
rino e renda o que ha de mais novo. Renda
comprimento de saia a 13000 e 13500.
Sargelim fino todas as cores a 200 o co-
vado.
Baleas com forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a dusa.
Bramante de linho com 10 palmos
13500.
D to de algdito com 4 largaras a 800.
Cortinados bordados a 53O()0 e 65000-
Ditos .de crochet finos a 83000 e 103000
Estracto Rita Sangal a 23000.
Fichus de la e seda 13000, 13500-
Capellas com veo bordado a 63000
73000.
Madapolo globo a 73000.
Dito camisero a 73000.
Tapetes grandes para sof a 1330O0J
Espartilhos couraga a 43000 e h{
Brns de linho cies fixes a 600.
Panos de crochet para cadeiras a 8
Ditos de crochet para sof a 2
33000.
Guardanapos de linho a 23500 a d
Merinos de cores a 400 o covado.
Zefires largos a 160 e 200.
Sctm maco a 800 e 900.
Toalhas para banho a 14000 e 13500.
Madapolo com um meito" de largara
a 63500.
facbemira arrendada e de quadros
13500.
Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 33000 a duzia.
Camisas finas para homem a 333000.
Colxas de crochet com flores a 53000 a
93000.
Lindas velbutinasde quadros lisos
listas proprias para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 400 o covado.
Caixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 9
Pao verde para bilhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
Crinoline preta a 300.
Guarnicoes pretas e' de cores.
Camisas de flanella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglez.
Meias brancas de seda a 43000.
Cachemiras de quadros a 280.
Fustao branco a360 o covado.
Esguiao fino a 3500 a vara.
Casemiras para roupa. *
Roupa feita por medida.
TELEPHONE200
O desengao Ir ve
Doce secco de caj su-
perior
Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
prec;o commodo : na ra do Rom Jess n.33,
armazem. ia.i
? i
I !
V
,v

(
Vende-se
o hotel do Beberibe coni todos seus pe
a tratar no mesmo.
8SOOO a duzi
OLEO AMERICIO
O mais econmico, hyglcnlen <
perfumado oleo para o
c j^ :b k x, x, on
VENDEM
GOMES DE X.4TTON IRJfJMS
2.v-rii;i Warqiioz (IH'Hinda-23
__________auBcrac m
Ah! murmurou Adelia, n3o
ge, porque elle nao bate.
Mas como estivesse vestida, volteu-se,
e com a sua bella voz musical proauncioa
esta nica palavra :
Entre.
I inmediatamente depois, um mancebo
de cerca de trinta annos, entrou no apo-
sento.
Era moreno, de rosto um pouco com-
prido, grave e melanclico, mas quepri-
meira vista inspirava extraordinaria e ir
resistivel sympathia.
Olhos brilhantes, muito rinnes, lumjna-
vam urna physionomia ardente. < >s ca-
bellos muito negros, corlados rente na
nuca e as fontes, erguiam-se em anneis
rebeldes sobre urna testa muito largaj!
to desenvolvida, urna verdadeira testa 1|
pensador e de sabio.
Urna barba castanha, talhada em frH
de ponta, alongava-lhe ainda mais o ifl
rosto paludo e embaciado.
Pedro! exclamoa a moja volt;
do-se.
E tao depressa quanto Ihe p^nj
querido fardo, foi cahir nos brajos'
mem que chegava.
O mancebo recebeu-a cora urna csji
de receio respeitoso, um pouco assns
e cobrindo de beijos os cabellos doura
da moja :
Minha querida irma, murmiu^d
como vais tu?
Muito bem, muito bem. 1
Devras ? n?.o me ests l
Nao. i
Ests um pouco paluda.
Nao nada. Fui de carra^|
Maich e sent um pouco de dO/'nai
tas. Mas estou com urna fome detesj
dora, e depois de jantar, essa dor
parecer mais. Jantas comnosco?
Nao, retirar-me-hei cedo,
berto espera-me pora conduzil-o est
mesmo ao Havre casa da av.
Ah! E levars muito tempo.
sent ?
No estado em que te aclu
perigo. Quero estar aqu para
acontecimento. Vou "simplesra
com que meu filho passe es
de ferias ao ar livre, b
seguida conceder um pouco de
Sra. de Lavarande, que depois
da minha pebre Bertha acha-se
bem. infeliz.
Adelia verteu urna lag
cimento.
1
t

mu


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E6TMJJLBK_DNJUP0 INGEST_TIME 2014-05-22T23:59:38Z PACKAGE AA00011611_17446
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES