Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17443


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO LXV ~ B.MBJRO 31
PARA A CAPITAL E LIGARE! 0\l>i: XlO SE PACA PORTE
Por tres mezes adiantados ............... 61JOOO
Por seis ditos dem *............. 12|>000
Por um anno idem................" 23(JO0O
Cada numero avulso, do me sino da.......i 0100
ArlEBA 8 DE FBVERBIKO M 1889
'^
PARA DENTRO E PORA BA PROVINCIA
Por seis meros adiantados ..'..."......... 130500
Por nove ditos idem........."....... 200000
Porum anuo idem. *................ 270000
Cada numero avulso, de dias anteriores.......... 0100

DIARIO DE PERNAMBUGO
"Prcvriedade de fM/mod SnnuraJnR fFarin. & Tfilhm
Trcpriedade de Manoel Svgueircmie Varice # dnfys
>

1
i*


Os Srs. Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex
elusivos de annancois
epubiieacoes naFran-
eae Inglaterra.
TELEGRAMMAS
ssr.r::: mbtzcuub so ::::::
NATAL, 7 de Fevereiro, s 12 horas e
10 minutos da tarde.
Hontem te ve lugar a elei^So para preen-
chimento de duas vagas de vereadores da
Cmara Municipal do Natal.
Correu pacificamente o pleito, sendo
eleitos dous conservadores.
INSTRCJiO POPULAR
sss:::::::::::::: um
LISBOA, 6 de Fevereiro.
Acaba de fallecer o Exm. Srn. Pardo
ministro da Repblica Argentina junto
corte de Portugal.
BERLIM, 6 de Fevereiro.
Esto bem eucaminhadas as negociares
diplomticas entre a Allemanha e os Es-
todos-Unidos a respeito dos acontecimentos
da Ilha de Sama.
1
PARS, G de Fevereiro.
O almirante brasileo Bario de Teff
fbi eleito membro estrangeiro da Acade-
mia das Sciencias de Paris contra grande
numero de concurrentes.
PORTO, G de Fevereiro.
A parede (grve) dos operarios do Por-
to acha-se completamente terminada em
consequencia de um aecrdo entre o pre-
sidente do conselho de ministros e um
grande numero de negociantes de vinhos.
VIENNA, G de Fevereiro.
Confirma-se a noticia relativa aos sui-
cidios do principe Rodolpho e da Baro-
neza Verscera.
Os dous cadveres forain encontrados
no mesroo quarto.
Agencia Havas,
7 de Fevereiro, de
filial em Pernambuco,
1889.
AS GRANDES I\YE\0ES
ANTIGS E MODERNAS
AS
Sciencias.. industrias e artes
POR
IV
O papel
(Continuajao)
KABRICQOMKCBANIC\ DO PAPEL OU PAPEL CONTINUO
O papel 6 hoje fabricado por dous processos
distinclos ; o fabrico mo e a fabricagiio por
machina. A fabrici^ao do papel por apparelhos
mchameos tem hoje quasi completamente sub-
stituido o fabrico a mao. Limitado a um peque-
no numero de papis especiaes e de qualidade
geralmente superior, este ultimo methodo j nao
serve hoje seno para satisfazer as exigencias
de certos ramos de commcrcio. A fabricacSo
mechanica, pelo contrario, fornece a immensa
generalidade dos difl'erentes papis produzidos
pela industria e destinados escripta ou im-
pressao. '
Vamos descrever successiva e separadamente
estes dous processos de fabricacSo.
Os trapos chegam fabrica anda nao escomi-
dos. All classiucara-se em trapos de linho, de
algodSo, de seda e da la. excluindo-se os dous
ltimos como improprios da fabricagaodo papel,
porque a la e a seda sao de origem animal e nao
vegetal. Para chegar a este resultado preciso
descozel-os d'ante-mao, cortal-os, o que se exe-
cuta com urna thesoura mechanica, separal-os,
tirando-lhe as costuras, botes, colchetes, etc.
Convem tambem regularisar as dismenses dos
trapos, cortando os que passam d'um tamanho
determinado. Este trabalho preparatorio do
apartar e corlar occii|)a muitos operarios e exi-
ge grande esmero. Feita a escoma dos trapos,
submettem-se a urna dissolucao de soda causti-
ca, metlendo-os dentro de um cylindroouesphe-
ra de cobre apropriaio a esse tira. All urna
forte corrento de vapor aquece o liquido a mais
de 130, resultando urna presso enorme, occa-
sionada pela elevaco do vapor a tao alta tempe-
ratura.
Debaixottas duas influencias, do calor e da soda
decompOem-se as materias estantas a eelutose,
isto a substancia pura do trapo, sem que esta
se altere.
Logo que os trapo tenham passado pela accao
da lexivia fervendo, liram-se parafra do cyhn-
dro, por urna abertura disposta convenienmente
e \ o raliir em um grande deposito cheio d'agua
situado debaixo do appareUio : ah se lava em
seguida a pasta negi-a.
Depois de limpos o? trapos dp-todas as part d'agua
culas estranhas procede-se transformagao em
urna pasta, operario que]se executa em urna ma-
china chamada pia ditfiaaora. Esta machina con-
siste em um ampio cvlindro dentro do qual se
acha um eixo giratorio, composto de regoas de
metal. Fronteira a e3tas regoas giratorias exis-
te urna platina tambem metallica c composta
igualmente de laminas ou facas. Entre a super-
licie desta plantica e as facas ou dentes (Fago
do cylindro, elTectua sea divisao dos trapos.
Movida pelo motor da fabrica (seja hidrulico
01 a vapor; os trapos repassam continuamente
entre a platina e as liras do cylindro. mator-
neira ouche o deposito, da agua necessaria para
a formacao da pasta.
A pa desfiadora divide, esmaga e corta os tra-
pos misturados na agua e acaba por transfrmal-
os n'um espeefe de polpa, que i a pastado papel.
Branqueio da pasta.Depois desta operario, a
pasta consena, nao obstante, urna cea cor que
depende da que lindara os trapos, e preciso
branqueal-a. Para isto colloca-se dentro d'um
deposito jierfeitaraente fechado e faz-se com que
aiTlua all dentro urna corfente de cloro em es-
tado gazozo.
Este gaz, cujas propriedades descorantes sao
muito notaveis, obtem-se aquecendo-se urna por-
tjio do acido sulfrico misturado com sal mari-
nho e um preparado muito contiendo nos labo-
ratorios chmeos, o peroxydo de manganesio.
(Contina)
ao
que
u-
meio de grandes
na#proximidades
PARTE OFFICIAL
de thesoureiro dessa re-
8 de Agosto do
Governo da provincia
Ri:i.lTOHlO rom que o Exm. Sr. desembargador Joaquina Jos
de Oliveira Andrade en fregn a admlnlstraco da
provincia ao Em. Sr. Dr. Innocenelo Marque de
Araujo Cides a 3 de Janeiro de H889.
(Continuac.tlo)
REPARTIR'O DOS CORREIOS
No dia 8 de Novembro assuraio o exercicio do cargo
darticao o cidadao Manool Martins Pires, noraeado por decreto de
I corrente anno.
_ Naquella mesma data foi exonerada de agente do corre io da villa de S. Jos
do Egypto Cecila Ferreira Leite, e em l> Borneadas Amelia de Almeida Nobre e Ma-
ra 1 erpotua ne Souza Teixeira para exercerem os lugares de agentes das estafes
da Boa Viagem e Mayaral, por terem mudado de residencia os respectivos funecio-
nario8.
ENGENHOS CENTRAES GERAES
KKGENHO DE S. LOl'RENgO DA MATTA
Persistindo as reclambaos dos moradores margem do rio Capibaribe obre o
facto de continuarem a ser lan9ados no mesmo rio os residups e aguos servidas do
. engenho Tiuraa, e tendo sido fetas a e6ta presidencia diversas representagoes, dirig
em 12 de Novembro ultimo, ao Exmc. Sr. ministro da agricultura o officio abaixo
transcripto, relativamente ao assumpto, que foi respondido pelo Aviso igualmente
transcripto, de 6fte Dezembro.
< > engenheiro fiscal dos engenhos eentraes do Io districto trouxe ao meu co-
nhecimento baver, em 6 do referido mez de Novembro, imposto Companhia North
Brailian Sugar a multa de 3:000)5000 pelas irregularidades que encontrou n.'S servi-
eos do mesmo engenho, entre os quaes sobresahe o emprego do acido sulfuroso no
fabrico do assucar.
Sobre essa multa foram-me exigidas informacoes pelo ministerio da agricul-
tura em Aviso de 27, ao qual respond em 4 de Pezcmbro, referindo-me ao precita-
do officio de 12 de Novembro :
N. 150.5a Scelo. Palacio do Presidencia de Pernambuco, em 12 de
Novembro de 1888.
lllm. e Exra.*Sr.A esta presidencia foram feitaii diversas representa
ces, nonacadameate pela Cmara Municipal doRecife, sobre o facto de serem depo-
sitaos no rio Capibaribe, pela fabrica do engenho central de S. Loureaeo da Matta,
os residuos e agua* servidas durante a moagera, causando com a inleceSo das aguas
do rio a insalubridade, nao so dos habitantes das suas m irge.is, como do pessoal
enipregado. Sob pareceres do engenheiro fiscal dos engenhos
res
.ntraes e inspector de
>erei, em 7 de Maio deste anno, que pela conpanhia concessionaria fos
sumidouros abobadados e subterrneos em d.t> engenho, qdfe ds-
coamoiito, por meid de canalisacao techada, s aguas de tevagens e outros re-
;2to, ficndo esses sumidouros m disUncja nunca inferior a cem me-
i|fem do rio para abrigal-o das infeccSes.
^^pdo a companhia reclamado contra esta minha resolucSo, ouvindo ainda o
director das obras publicas e o inpector de hj-gienq, que opinou pela
sua manutencSo, abracei, ,porcm, o alvitre dos dona primeiros funecionarios, conci-
liando os interesses pblicos e os da empreza, o ordenei, em 16 de Agosto pretrito,
que fossem substituidos os sumidouros e subterrneos por pocos construidos, em ter-
reno arenoso, que filtrem as aguas srdidas, cobertos gajramente durante a moa-
gem e aterrados depois dusta; devendo, entretanto, gj. esso trabalho inspeccionado
pelo inspector de hygiene e por este cstudados os seui effeitos para, verificada a sua
insuficiencia ou perigo dessa medida, obrigar-se a companhia a fazer as obras neces-
sarias de accordo com o parecer do mesmo inspector, conforme minha ulterior reso-
lucjlo.
* Antes, porem, de ser colindo o resultado das experiencias determinadas, a
administracSo daquella fabrica continuou, como d'antes, a fazer o despejo das lava-
ge ns no rio, resultando disso o mal que sobrevm dos productos mephyticos e txicos
de taes residuos em decwnposic;ilo, e a irritacao dos nimos dos habitantes ribeiri-
nhos, dando assim lugar a novas representaecte dos moradores directos e da impren-
sa e do fiscaf do governo em officio n. 114, de 23^de Ontubro ultimo, por copia junto,
t Finalmente, em officio de 6 do corrente sob n. 123, tambem por copia, par-
ticipou-me o engenheiro fiscal que, alm das medidas pressivas que acaba de alli
empregar, para direccSo das aguas servidas dos fallado pocos, impoz ainda a multa
de tres contos de ris, pelo abuso do emprego que ha feito a empreza do acido sul-
furoso, nSo autorisado e por elle prohibido, fazendo demolir, em sua presenta, o res-
pectivo forno : pelo que, acabo de recommendar-lhe a mais escrupulosa vigilancia no
emprego de meios legaes, multas e outros a seu alcance.
Ao exposto nos preditos officios do engenheiro fiscal sobre a damnificacao das
aguas do rio e a medida acertada de demolir o forno para ebuIiao de acido sulfuroso
accresce qne a imprudencia da administracSo da fabrica tem excitado o animo dos
habitantes daquelle povoado e circumvisinhanca, de modoa a meacarem-na, collocando-
nie na imprescindivel necessidade de ter alli um forte destacamento para combatel-os ;
o que talvez nao bastar para evitar-se serios conflictos.
Na falta de meios eficientes para chamar a empreza ao cumprimento de
certos deveres, solicito-os de V. Exc, a quem Deus guarde.
lllm. e Exm. Sr. conselheiro Antonio da Silva Prado, ministro c secretario
de Estado dos negocios da agricultura commcrcio e obras publicas.O presidente,
Joaquim Jos de Oliveira Andrade. >
t Ministerio dos negocios da agricultura, commercio e obras publicas. Directo-
ra da agricultura.Ia Secgao.Rio de Janeiro, 6 de Dezembro de 1888.
t lllm. e Exm. Sr. Nao competindo ao ministerio a meu cargo providenciar
sobre os factos allegados por V. Exc. no seu officio n. 150 de 12 do mez prximo
passado, visto que o regufamento de 24 de Dezembro de 1881, nenhuma disposigao
contm, pela qual se possa exigir das companhias concessionarias de engenhos cen-
taes a adopclo de medidas para cuja promocSo existem autoridades especiaes, lem-
bro-lhe a conveniencia de recommendar Cmara Municipal ou inspectora geral
de hygiene publica dessa capital que, pelos meios a seu alcance, obriguem a compa-
nhia North Brasilian Sugar Faetones a construir sumidouros ou pocos para escoa-
mento dos residuos e aguas servidas da fabrica de S. Lourenco da Matta.
Deus guarde a V. Exc.Antonio Prado.Sr. presidente da provincia de
Pernambuco.
ENGENHO DE PAO DALHO
Por Decr. de 22 de Dezembro findo foi concedida {garanta de juros de 6 [,
anno, durante o prazo de 15 annos sobre o capital de 750:000(5000 companhia
Justino Epaminondas da Assumpjao Neves e Manoel do Naseimento Vieira da
nha Sobrinho organisarem para o estabeleeimento desse engenho.
COMPANHIA DE SANTA TJIEREZA
Pretendendo essa companhia melhorar as obras existentes, autorisei em 15 de
Outubro, de accordo com o parecer da Reparticao dat Obras Publicas, o fornecimento
d'agua> cidade de Olinda, durante o prazo de sea mezep, por
depsitos, transportados-pela liima-ferrea, e que serSo conservados
dos chafarizes do Carmo e do Varadouro.
Os melhoramentos projectados nao teem, entretanto, sido levados a effeito, por
falta de meios, entre os quaes avulta a divida da provincia para a companhia. #
Em 30 de Novembro, defer, o requerimento em que o gerente d'essa companhia
pedio que o pagamento do debito por ella contrahido em virtude da innovacSo do
contracto de 29 de Agosto de 1877, seja realisado nos termos da lei n. 1.804 de 10
de Outubro ultimo.
THESOURARIA DE FAZENDA
Por portara de 26 e 27 de Setembro conced tres mezes.de licena com venci-
mentos na forma da lei para tratarem-se de beriberi fra da provincia, aos 2,os escrip-
turaros, Antonio Celestino Franco de S e Elias da Cruz Hibeiro.
Tendo em vista o resultado do concurso a que se procedeu n'essa repartijao
por ordem do Ministerio da Fazenda resolv, de conformidade com o disposto no 3.
do art. 1. do decreto n. 4.644 de 24 de Dezembro de 1870, nomear provisoriamente^
por portara de 31 de Dezembro, Alfredo de Assis Garrido para exercer o lugar de
praticante.
ALFANDEGA
Em 10 de Outubro e 15 de Novembro concedi licenea, por tres mezes, com
vencimentos, na forma da lei, ao praticante Ovidio Ferreira da Silva Filho para tra-
ctar-se n'esta provincia e ao guarda-mr Jos Joaquim da Gamma Malcher, para
tratar-se de beriberi, fra da provincia.
Tendo em vista o resultado do concurso a que se procedeu na Thesouraria
de Fazenda por ordem do Ministerio da Fazenda resolv, de conformidade com o
disposto no 3. do art. 1. do decreto n. 4.644 de 24 de Dezembro de 1870, no-
mear provisoriamente, por portara de 31 de Dezembro, Christov3o de Barros Reg,
para exercer o lugar de oficial de descarga.
THESOURO PROVINCIAL
Por acto de 8 de Outubro findo aposentei, de conformidade com o art. 1." da
lei n.j82 de 4 de Maio de 1840, o bacharel Antonio Witruvio Pinto Bandeira e Accioly de
Va8concelloB, no cargo de inspector d'esta repartiyao com a pensio a que tiver direito
nomeando, por acto de 12 tanbem de Outubro, para substituil-o o bacharel Eduardo
Augusto de Oliveira, que ja se acha em exercicio.
Em 18 de Dezembro autorisei o inspector a arrendar novamente o predio em
que funociona a reparticSo a seu cargo, pelo aluguel annual de 3:200#000 devendo os
respectivos proprietarios ficar sujeitos aos reparos e aceio de que precisar o mesmo
predio durante o templo do contracto, sob pena de serem as despezas feitas a conta
d'eUes.
Por portara de 31 do mesmo mez exonerei Adolpho Targino Accioly do cargo
3. escripturario interino e nomeei para substituil-o >. andido Affonso Silveira.
COLLECTORIAS
Por portara de 15 de Setembro exonerei, a pedido, do cargo de ajudante do
procurador dos Feitos da Fazenda Provincial no municipio de Limoeiro, o bacharel
Eduardo Correia da Silva.
Em 2 de Outubro remov, precedendo proposta do Thesouro o bacharel Ma-
noel Henriques Wanderley, ajudante do procurador dos feitos da Fazenda Provincial
do municipio de Barreiros, para exercer igual cargo no de Palmares, onde pro-
curador.
Na mesma data exonerei o bacharel Manoel de Alencar Guimaraes do cargo
de ajudante do procurador dos feitos da Fazenda Provincial no municipio de Palma-
res, visto ter acceitado o cargo de juiz municipal e e orphSos do termo de Corytiba.
Por portara do 10 do dito mez, 9 de Novembro e 12 de Dezembro, nomeei,
precedendo proposta do Thesouro o bacharel Elpidio de Abren Lima Figueiredo,
Antonio Martins Cavalcaote e J0S0 Galdino : ardeal de Azevedo, o primeiro aju-
dante do procorador dos feitos da Fazenda Provincial do municipio do Limoeiro; o
segundo, collector do de Jatob e o terceiro, escrivao da collectoria de Garanhuns.
Em 26 de Dezembro nomeei, vista de proposta do Thesouro Provincial,
Dinamerico de Oliveira Guimaraes para exercer o cargo de escrivao da collectoria de
Panellas, ficando assim exonerado Capitulino Pereira dm Costa, nomeado para o dito
cargo em 10 de Fevereiro de 1887, por n5o haver tirado o respectivo titulo.
REOEBEDORIA PROVINCIAL
Em 20 de Dezembro concedi dous mezes de licenea, com ordenado, na forma
da lei, ao 3. escripturario Jos Torres Campos de Medeiros, para tratarse onde lhe
convier. x
FINANCAS
O estado financeiro da provincia acha-se descripto no Relatorio que li As-
sembla Legislativa IrovTncial a 15 de Setembro prximo passado.
Para liquidaco dos exercicios financeiro de 18861887 e 1887 1888 a As-
sembla antorisou esta presidencia a contrahir um emprestimo conform a lei que
passo a transcrever, onde se consignam medidas inherentes ao resgate das apolices
de 7 [0, exceptuando as que tenham sido emittidas por emprestimo companhias ou
particulares, como auxilie agrcola ou industrial.
NEIN.. 1.927
*0 desembargador Joaquim Jos de Oliveira Andrade, presidente d provin-
cia de Pernambuco. '
f Faco saber a todos os seus habitantes que a Assembla Legislativa Provin-
cial decretou e eu sanecionei a relosucSo seguinte :
Art, 1. Fica o presidente da provincia autorisado a contractar com qnem
melhores vantagens offerecer um emprestimo externo qne produza a quantia de
8.000:000^000, para o resgate da divida fundada em apoiiees de 7 [0, exceptuando
as que tenham sido emittidas por emprestimo a companhias ou a particulares como
auxilio agrcola ou industrial, bem como para liquidaco dos exercicios de 18861887
e 18871888.
\ 1. A taxa da emisso nao ser inferior a 92 livre de commissSo.
O juro nao exceder de 5 \ alm da quota da amortisacSo que no
a 1 [0. O pagamento do juro e da amortisaso ser fcito semestral-
I 2.
ser superior
mente
a Art.
2.
No caso de nao se realisar o emprestimo externo, o presidente da
provincia fica autorisado a contrahir um emprestimo interno, cujo mximo nao exce-
der a 1.000:000^000, exclusivamente destinado liquidaco dos exercicios de
18861887 e 18871888.
O.typo dos juros das apolices nao exceder de 6
e
nico.
[0 ao anno.
de
1 Art. 3. Fica igualmente o presidente da provincia autorisado a fazer a
operacSo de crdito necessaria para pagar, com urgencia, o debito da provincia
Companhia do Gaz.
Art. 4. Ficam revogadas as dsposigSes em contrario.
Mando, portanto, a todas as aatoridades, a quem o conheciinento e execu-
ao da presente resolugSo pertencer, que a cumpram e facam cumprir tao inteiramen-
te como n'clla se contm.
O secretario interino da presidencia d'esta provincia a faca imprimir, pu-
blicar e correr.
i Palacio da Presideucia de Pernambuco, em 15 de Novembro de 1888} 67.*
da indepencencia e do Imperio.L. S.Joaquim Jos d'Oliveira Andrade.
Sellada e publicada a presente resoluco n'esta secretaria da presidencia de
Pernambuco, aos 15 de Novembro de 1888.O secretario interino, Manoel Joaquim
Silveira.
Cumprindo-me dar execugao a esta lei, acceitei e provoquei mesmo a interven-
gao de cavalheiros que me pareceram as condc5es de effectuar ou promover o
emprestimo autorisado ; foram-me apresentados quatro propostas e annunciada outra
as condi5es constantes dos papis que ficaram sobre a meza de V. Exc.; s quaes
nao me refiro aqu detalhadamente, porque me parece nao ser anda conveniente
essa publicidade : n'esta cidade se acham os Srs. Visconde de Figueiredo e Dr. Ar
thur de Souza Carvalho, dous dos alludidos cavalheiros e aos quaes V. Exc. de certo
ter occasiSo de ouvir.
SANTA CASA
Approvei os orgainentos dos estabetecimentos de caridade, a cargo da Santa
Casa para o exercicio de 1889 e o contracto celebrado com o Revd. monsenhor Joa
quii Arcoverde Cavalcante de Albuquerque para exercer o cargo de capellao da
igreja da Misericordia de Olinda, em substituico do Revd. Julio Mara do Reg
Barros^ que pedio exonerarlo por ter de mudar de residencia.
(Continuar-se-ha)

EXPEDIENTE DO DIA 39 DE JANEIRO DE
Actos :
0 presidente da provincia,
que o Dr. provedor de capellas.e n
capital Manoel da Silva Reg, deixon1
ci do cargo de auditor de guerra, e
quenciajde ter sido nomeado desembargador da
Relacao desta provincia, resotve nomear para
exercer interinamente o mesmo carg o Dr.
Francisco Domingues Ribeiro Vianna, que actual-
mente exerce o referido cargo de provedor de
capellas e residuos. Fizeram-se as necessarias
communicatoes.
0 presidente da provincia resol ve, de con-
formidade com a proposta do Dr. chefe de poli-
ca em oflicio n. 100. de hontem datado, nomear
PossfBonio de Araujo Montenegro para o lugar
de Io supplente do subdelegado do 1 districto
(N'ossa Senhora dos Prazeres) de Maranguape
do termo de Olinda, em snbstituico de Luiz de
Franja Guedes, que nao aeeitou a nomeaco.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o bacharel Luiz da Silva Gusmo,
juiz de direito removido da comarca do Brejo da
Madre de Deus para a do Baixo Mearim, no Ma-
ranhao, e tendo em vista o telegrarama expe-
dido pelo Ministerio da Justica em 25 do corren-
te, resolve, de accordo com o decreto n. 2,881
do Io de Fevereiro de 1862, abrir um crdito da
importancia de I:600i000 verba -Ajudas de
cusi do mesmo ministerio, exercicio vigente,
ai i ni de ter lugar o pagamento da ajuda de custo
devida ao supplicante. Rumetteu-se copia ao
inspector da Thezouraria de Fazenda.
0 presidente da provincia resolve remover
a pedido, Marianna Teixeira da Costa Coelho da
cadeira Camutanga para a de ensino mixto de
Mocosinho. em Timbaba, creada pela le n.
1,963 de 31 de Dezembro de 1888. Commnni-
cou-se ao inspector geral da Instruccao Publica.
O presidente da provincia resolve remover
a pedido, a professoraPrescillaSenhorinhaMen-
des de Albuquerque da cadeira mixta de Ca-
poeiras para a do sexo femenino da vilfa do
Bonito. Communicouse ao inspector geral da
Instrucgo Publica.
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o bacharel Joo Zeferiuo Pires de
Lyra, contractante de um engenho central do
typo maior no municipio de Palmares e tendo
em vista o parecer da coramisso noineada para
examinar a planta do local do dito engenho, de
conformidade com a clausula 4 da portara de
20 de Janeiro do anno passado, resolve approvar
a nova planta apresentada pelo concessionario
com a petigo de 21 do corrente.
Ofliicios :
Ao presidente da provincia da Parahyba.
Communico a V. Exc. que em satisfaco tao
que solicita em seu officio de 7 do corrente sob
n. 14 nesta data mandei publicar os editaes que
cnamam concurrentes ao contracto de abasteci-
mento d'agua a essa capital.
Ao presidente da provincia do CearDe
posse do oficio de V. Exc. de 22 do corrente
mez. sob n. 315, rogo lhe qne se cf'giie de con-
tinuar no emprego das providencias, j encela-
das afim de transmittir-me a certido do pro-
cesso do reo Joaquim Martins de Moura, e bem
assim a informao do juiz da^onderanacao, ou
daquelle que tiver substituido n cargo, con-
forme preceituam os avisos do Ministerio dos
Negocios da Justica de 28 de Junho de 1865 e 22
de Outubro de 1886, sob ns. 287 a 63.
Ao Dr. chefe de polica. Expeca ordem ao
delegado do termo de Iguarass para que, com
o destacamento sua disposico, providencie
sobre o que representa o subdelegado do dis -
trirto Tres Ladeiras no officio junto por co-
pia que V. S. dirigime hontem, sob n. 99 que
assim fica respondido.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Mande V. S. supprir, nos termos de suainfarma-
co n. 55 de hontem datada, o almoxarifado do
presidio de Fernando de_ Noronha com a quantia
de 3:696700 constante' do incluso orcamento,
afim de occorrer ao pagamento das despezas
cora a guarnido daquelle presidio, no mez de
Marco prximo futuro.Cuuimunicou-se ao di-
rector do presidio.
Ao mesmo. Declaro a V. S., para os lns
convenientes, que o Exm. Sr. ministro e secre-
tario de estado dos negocios do imperio, segun-
do coinmunicou-ine MB aviso n. 216 de 2l do
Crtente mez. conceden pela veiba Obras do
exercicio de 1889, o endito de 5(1:000*000 que a
el n. 3397 de 24 de Novembro ultimo votou para
ai obras do edificio da faculdade de direito des-
ta provincia.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
fins convenientes, que no dia 23 do conente fal
ieceu o 2o ortico da associac;o da praticagem
da barra do porto desta cidade, Candido Fran-
cisco Siraes, conforme participou-me o inspe
ctor do Arsenal de Maiinha, em officio de 26
deste mez sob n 18.
Ao inspector do Arsenal de Marinha. Sir-
ya-se V. S. de indicar as medidas necessarias
para levur-se a effeito a distruico do casco do
vapor Baha naufragado na^costa desta provincia-
Ao director do Arsenal de Guerra.Mande
V. S. satisfazer o incluso pedido de diversos li-
vros necssarios ao servico do rancho do 2^ ba-
talhaode infantaria.-Communicou-se Thesou
rana de Fazenda e ao general commandante das
armas.
Ao mesmo. Autoriso V. S. a mandar con-
certar, cora urgencia, o armamento e correantes
pertencentes escola de aprendizes marinheiros
e bem assim a fornecer mesma escola 16 bai-
nhas de refls e 12 correames completos, devendo
o Ministerio da Guerra ser indemnisado pelo da
marinha da respectiva despeza.Cfcmunicou-se
Thesouraria de Fazenda e ao Arsenal de Ma-
rinha.
Ao mesmo.Faca V. S. excluir da compa-
nhia de aprendizes artfices desse Arsenal, de
conformidade com o aviso do Ministerio da Sueiv'
ra de 14 do corrente os menores Carlos Antonio
Piuheiro e Carlos Maria Bruno Vilella, que em
inspeccao de saude foram julgados incapazes do
servico por soffrerem molestias incuraveis
Ao engenheiro encarregado das obras ge-
raes.Declaro a Vine, em solucoao seu officio
de 11 do corrente sob n. 4. que deve ser aceita
a proposta de Manoel Thomaz de Albuquerque
Maranhao para o fornecimento da iticica tran-
cada, preferida por Vmc. pira o lastro da ponte
Buarque de Macedo. por ser a mais vantajosa
I em preco; cumprindo notar qne a preferencia,
aue em seu conceito merecem outras proposlas
e pre0 relativamente mais elevado, nllificariu
os benficos effeitos da concurrencia, causando
serio prejuizo fazenda nacional.
Quanto consulta do final do dito oflicio e ao
mais que nelle se contm relativamente quelie
concurrente, cabe-me dizer-lhe que revelam da
parte de Vmc. prevengao que nao justificada
por factos anteriores, que nao sao apontados,
nem inspirados pelas exigencias do servico pu-
blico.
Ao inspector do Thesouro Provincial.-Re:
mettendo a Vmc. copia do oflicio da presidencia
da Babia datado de 23 do corrente, n. 91, acora-
panhada s bilhetcs da lotera de que trata o
inesmo officio, recommendo-lhe que mande pro-
ceder urna conferencia a respeito, para ser-me
enviado o resultado, dizendo-me Vmc. o que pul-
gar conveniente.
Ao commandante do corpo de polica.-Re-
meta com a pqssivel brevidade, secretaria
desta presidencia, um mappa da forca sob seu
commando, discriminando a eflectiva da desta-
cada, a de promptido na capital da que estiver
destacada, com declararlo dos lugares e do nu-
mero de pragas de cada um dos destacamentos.
Ao director do presidio de Noronha. Com
a inclusa copia do officio do brigadeiro com-
mandante das armas, de 24 do corrente, sob n ,
152, respondo o de Vmc, n. 2, de 8 deste mez.
relativo remessa da guia do sentenciado mili-
tar, Jos Flix da Hora.
Ao presidente da Imperiol Sociedade dos
Artistas Mechanicos e Liberaes.Para os fins
convenientes transmiti a Vmc. por copia o
aviso circular n. 18 de 16 do corrente mez do
Ministerio dos Negocios do Imperio, relativo
entrega da quantia votada para subvencSo dessa
Sociedade.
Igual a Thesouraria de Fazenda.
Portaras :
Determino '"amara Municipal da Escada
que expeca comraunicacOes aos juizes de pazes
e d as demais providencias do estylo, afiui de
que se proceda nesse municipio no dia 11 de
Margo vindouro a cleigao de 2 veseadores em
substituigao do capitao Joao do Reg Lima e Dr
Sebasti&o do Reg Barros, que niudaram de re-
sidencia, segundo participou-me o presidente
dessa Cmara em officio de 21 do corrente mez.
Communicou-te ao juiz de direiio da comarca.
Transm|ttiudo o officio do juiz de direito.
da comarca do Cabo, datado de 17 do correte.
junto por copia, recoramende Cmara Muni-
cipal de Ipojuca, que expeca as conveniemos or-
dens, no sentido de prepararse o edificio, em
que tem de funcricnar o jury n'aquelle termo.
Remctteu-se copia ao juiz m direito da comarca
do Cabo.
O Se gerente da Companhia Pernambu-
cana faca transportar para o presidio de 1
nando de Xarouha por conia de Jo> Joaq
Al ves & C. os gneros de que trata a
aqu jiiiita^assigna.-la pelo secretario do s;
desta provincia.
EXl'ElilEXTB 00 D' SECRKTAWO
Officios:
Ao t." >ecretario da A-'-emul
Provincial. De ord"iu do Ex
da provincia transmuto a V. S
venientes, o bal aneo da
exercicio de 1887 a 1888 e o
de 1889 a 1890 da Can
reiros.
Ao mesmo. De oro
dente da provincia rem
convenientes copia do vi
\
w
n



mm
D
iati dos Negocios do lmTpfe**toa*r A' oftta-rda- M^Tfefe^ito'ikr a-^fcw'rtWB-Mrarta

I
i


:
/
qual foi approvado o procedimcnto FFOr
eona da-Provincia suspndendo o acto desaa
saembta que aposeniou-OHipregados de sua
secretaria.
e ordem do E xa* 8ti presidenta da pro-,
rincia se faz publico, cuitarme solicitou a pre-
stdasda da provincia da Parahyba. para conhe-
daynto de quem interessar possa, que sao cha-
^^coocurreates paraagaactracUiiaaoha ste-ioH^peafgas igr
BE
S-
cnenlo d'agua ditadppo-ooaa, m nilMwiii-i -afu orate
daderfom os ediUe'tnMniTlranfiptw-<) Mlj njoact
secretario interino Matumk Jautmn ateWfartt*
Por sta secretariatak.fazpafcliMride mima
SS. Exc. o Sr. presidaoa rta-provincia, o para
eonheciraento de au teatro do praso de 60-ofaat coi aceitara se nesta repart**) ampos** par**tr
conectado, com quen*Haolha**awvau*ge[iMOP-
recet, o servico do abutoa mUo ifgtm4ffmtn
capifu na conformidade MtaMr'pro' i"ii.io" 827
de 6 de Outubro de 1886 visto nao terem sido
aceitas, por deficientes, as propostas apresen-
nadas no praso flxado no edita! de 8 de Junho do
anno passado, servindo Je base para o contracto
e preterencias as condiges segumtes :
.' .
Aprsentela o- oontractrate, a contar-*! data
da asuauatura do contracto e em praso estipu-
lado pea >residencia da Provincia, as plantas e
nivelaraento dos- terreno cotn preen didos pela
odadcVale os manunciaes por onde tem de pas
sar av rede de encuiiaineiHos. v, llera asstm, o
prosptyrt .das, obras darte-neceisariaa ao fune-
cionainento da empreza, trabalhos que devem
ser examinados.por um on, mais profissionaesij
nomeados pela mean presidencia.
Forneceri alariamente ;na razan de;i60 troB
d'agua de superior qualidade para cada habi-
tante, nu 2.4 ..00 litros era 24 horas para a
popularlo da capital^caloulada oa 15,000 atmae.
3.
A agua farneoid* dever, attingir ao ponto
mais elevado da cidade e rom presso sufi-
ciente.
4."
Assaatar des ehaarizus pelo menos e nos
lugare designados peta Preadencie da provia-
cia.
5.
Empregar na construcgo das obras mate-
riaes da< primeira quaiidade, devendo tor os Ca-
nos dimetro :e espossura da forma a resistirem
a presso do liquido e a permittirenruma des-
carga que esteja na coafarmidade -do disposto
oa conaino 2*.
6.'
Far-paisar & encanameato gera.1 peto entro
das ras, obrigando*se a repr no. seu estado
primitivo toda rea por opde elle passar e bem
aseim sqasramilicacOeB ederivacoes.
iffcnsaK a"inoral publica. '
A' ordem do subdelegado da freguezia do Re-
cite, li&ria Ludgera da Silva e Joaquina Rodri-
gues da Pecha; por offensii a moral publica e
disturbios..
Hontem s 10 1|2 horas da noita; manife.tou-
se incendio em um armazem de madeiras sito
ra de Santa Rita.
gm* iocaidio,
feexta-Celrii 8 de Fevereiro de> J/*88 i<
ucio de
e foswwa uaa loajto
au Ctupenliaaie Bwftei'wnw ipare-
otoosendo-aforam pncMorso* saos ser-*j
dowj-^aurarteiSMMie HtntflaOfMaoiaaunicK 3o a ti, **
ScaiitBnidornadiHyKi dnoni-Jo*- PeJix
a
icoataMouiMr d.'serta- ***' fcttalh
ia. *a*a.
use a respeito nos termes-da lei. '
No dia 21 do mez passado, assumio o exerci-
cio do cargo de delegado do termo de Leopoldi-
na o cidado Antonio Carlos da Silva Peixoto.
O delegado do termo de Gravata, commumca
ter capturado os seguintes individuos : Manoel
Soarmk.Ntte udoaquuu AJ\es: de Lima* preso
em flagrante por crime de ferimentos graves ;
Jos do Jarrao-Silva, pplo do ferinieutos leres ;
Manoelr.Rodri8Bes de Lhm. peJo de furto a Pe-i
,dro>.decAicantara de Lima, cinhecfle tjot i/wL-or
Burgo, como-ciiminoso de morie -uo termo da
Victoria. -.
> Procedar-se a respeito nos termos- da lek
Deus guarde a V. Exc.Illra. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Aranjo
Ges, muito digno preuidenta da proTin-
ia.-rriO chefe de polica interino^ Dario
Cavalcante do Reg Albitquerque.
itd presWente o ver
itas, moco intelligentae
illllM ','eseios, epara vice-presidwite o-ve-
feadpri Manoel Aureliano Dias.
pruaideatotjtii'sa coBta'-atgum meIty>rameaMV<
menos aos consMndorer.^soeir-iiieldo- e.jiHlu*isdo, *c bronco bruta ex-
dos, s podeal ter wnfaMkwM imktMM ista^o ^aiduPtiMtlo-ntesffiaMMiiiii
W8tt^awtal9*pois estao inteiramente fra pela osmose. de ruelaeo da fabrica, de papel de
'das no estrangeiro beterraba qbttda peja diffusSo, etc.
k do commercio eslranfero e collecgfio de Dunkerque, a que pertence
tos internos, os engeftbJiFen- Catnbrai, dtTerce idenScos typs da raaior per-
acaba eltole.noer oampeas dos matiaes paM BQeeW1 ptiindo pela mais cruel pywaeao. feiro, e assucaj candi de crystallisarrio uie\ce-
*, cofthwao. te mewadD pablico desti villa, que MtttWMaTitaom louvavel zelo, ap ha fcinco annos teve nrmcipto, cuja obra depois crysBKJBBjao e nitidez dos seus productos, pro- As amostras da Blgica ri&p so excedidas na
de linda ser urna das melhorea do centr da curaram mesmo fornecel-os ao consumo directa- cxposicao; sao 24 amostras modelos, centre ellas
inca mente,.<*|-iirfataes mi piiliinaidt.*a>as *< .- dia lMBH*>Has,'1' #- JtWtlII. *m.A*mMmtm* xito. A i-ciJOPfnfirjW-at#' wntrr ..Mido pela 4mpiWMio. '<* .r-MicM^wi
mandaairoaatWtnnjtfW fintea i dtereex m pwdfcca**) antio syslear.i cfcMTiinMM
no, repaai|ilitpl^eWj| pabMca.iat it- r*va|uiiHamk>s linas, e o ircnniaiiMr tatra
Sanlitiaai aaatiniiipggeqireHtadap ha\|psMa* natural, como-esloiani*.- \inutt-
as aa*!gaiiidwailiaJoaMOMa) tudo d iiroMPJtemJWntentava-.se coinnwiiili'.6et;
refinadores. 1CI* i1endwti
vidovlkua
itk Jai p
.oiat-tiiaaff.
pren)otiaftO'nniidaaleHlBi
um OMMH) aMguadpaie diversoBvae*
anloa ago^ri^/fU-.ipriHIriawi C '
destaMio,3ar.uj*fMli;a^ fe-ertciadasfelras cresta vilhrlodlusual
para os de quarta-feiras de cada semana, c sen-
de.peh) presidente da Cmara coovouiVda urna
eessiwextraordinaria para o dia M do roforldoi|
mez, nesse dht bavendo numero legal, foi defe-
rido o requenmento, ficando dessa forma desi^-
iBid-f*-dia.. Empregar canos de ferro no cncanamento
geral e ramificacOes, e de chumbo oas derivasoes
para as^ennase chafarizes tudo comovem geral
se pratica em idnticas emprezas.' .
8.'
NSo oobrar ais de 20 litros -d'agua.
9.'
Forneeera agua s repartieres, provinciaes pe-
la metade da tana estabetecida para os particu-
larcs e gratuitamente aos estaDelecimentos de
caridade publica, na razo de 100 litros para
cada habitante e por dia.
10"
Forneiera tambera gratnrtamente;no caso, de
incendioaa agua necessaria a apagal-o, abrindo
as torneiras ximos do\-sinistro.
11.'
Collocar obrigatonamento ^ennas d'ajua em
todos os-predk>9. cujo alufruel mensal fr calcu-
lado enolUiOOO on mais. correndo a.despeja do
consuma d'agua por conta dos proprietarios on-
ie se\is procuradores, e nao excedendo cada pen-
n a 45000 por mez, a.yaliiula a sua descarga pa
razao der6 habitantes em 2i horas.
12-.
Ser prohibida.a venda d'agua das caoimbas.e
pocos particulares, sob pena de multa e pnso e
ter direitoo cootractanteaapropriar-se das fon-
tes pubheas e.aoutros favores que dopenderem
da dministraco da provincia.
13."
Ficario contraotante (dispensado das diraitos
provinciaes de todos ,os maeriaes precisos para
as obras, at a sua inatallaci).
14*
SerSo comecadas as obras dentro de um anno
a contard data do contracto, e estarfio termina-
das dentro do prazo que se ajustar, sob pena de
caducidaile.1e em ambos.os oasos. salvo forca
maior, era que os ditos praeos podero ser proro
gadas pela presidencia da provincia, sob as con-
dices que ee convencionarom.'
13.*
O contrastante prestar Sanca idnea no The-
s'buro Provincial para execuao do contracto,
lanformirse convenciortar ou firuJ deposito de
tO.OOOsOtW como garanta do cumprimento de
suas clausulas.
16.*
A falla do cumprimento de qualquer das clau-
sulas qim forera estipuladas determiiiara multa
de 10 ",*sobre o valor do deposito* a perda do
mesmo eui beoelicio da provincia no. caso de re-
ciso da ctotracto par igual motivo, i .
17*.
So acto de larrar-se o contracto a presidencia-
da proviac aceordar com o contractante em
outras oaudicoes/iue forem convenientes.
18*.
A presidencia da provincia tora um engenliei-
ro junto empresa que ser por esta re:aaaera-
do. ou pela provincia no caso de ser subvencio-
nado pela ^empresa.
19.
Para oiuaccionamcnto da empresa ser expe-
dido regulamento pela presiden <-a de accotdo
com as >.ondices dacoatractoi
.
O contractono poder ser kransferidol ou-
trem, individuo ou comparada, sem permiaso da
presidencia da provincia.
Secretaria- do Gof/erno. da Parahyba,iem 29 de
fciverabro de 1888.O secretario, tiouorio Hora-
Thesouro PrOTtnelai
DESPACHOS DO DIA 6 DE FKVEKHIBO
DE 1889
Oflicio n. 166 do quartd do cemraaido-do
Corpo de Polica, ottjcios ns. 17 e 18 da directo-
ra geral das obras puldicas.officio da Collecto-
ria Provincial de Jatob. Banco de Crdito Real-
de Periiambuco.--Informe a contadoria. !
Manoel Figueirdade Faria A Filhosulirbrme
a contadura para mandar escripturar.
n Maria Amalia Forjaz de Lcenla. Austriclinia-
no Coulinho Ponce de Leoa e Antonio Luiz Bap-
tista.Raja a vista o Br. procurador Bacal
Reeebedoria Provincial
DE8PAGHOS DO DU i 6 DE FEVEREIKO
DE 1889
Victo&Neesea.dc C, Vctor
Cnbral 4 C.-Infonne a 1- secgo.
Maria Jzidora do Espirito Sanio.Deferido,
em vista daainforuiaces.
Vctor Prxedes de MulloEra vista dasiu-
frinaces nada ha que deferir.
Antonio de Souza Oliveira Paes c Hollanda.
Informe a )* 6ecco.
Alfredo Gomes & CA' l secce para os de-
vidos fins.
Libania Maria das Dores. <:ertilique-se o que
constar.
Antonio Tiburcio de Meho, Antonio Moreira
Filho.Informe a seceo.
Jos Cordeiro dos Santos..-1' 1* seceo para
os devidos fin.
Julia Carolina Maciel. Curapra-se.
Laurentino Pires de Carvalho, Henriirueta
Francisca de Ramos, Joo Soares da Rocha,
Francisca. Adelaide Gomes. Luiz de Franca
Anuncio de Barros, .'hartes Pluvi & C, Isabel
Mana Hapsta Fragoso, Asna Ameba-da Costa, f*J rel.rar-ee de iasa depois de preparar o ca-
Neesen e \J"onez va" *s '' noras ll amiinna Ja eslava o delinquen-
meia feira. Do .resultado daremos"noticias.
Agora sem menor durida serVeonstruido o
remiterio'defrta,villa, ^ae ha loagoa anaowuolia
se abandnala serindu de imstageiar^para os
animaos, os Obrcossarrancando os restowaos ca-
dveres que all jazem, sendo o iniciadoeule to
grauflir melioramentii o digno eolleetor desta
yiltet cidadfio' Ltnrrindo Arceliuo de Veras, que
de abeordo -com o viga rio de -ta ficegneoB toem
procurado deseus'habitnntes obulos para cujo
fim J se acham os materiaes comprados1 e a
|-obra;empreitada, com o hbil pedreiro Joaquim
Jos de Oliveira.
As autoridadd teem lutado com ulgunia dilli-
culdade na enecuco do> regulamento do regisr
tro civil do nasciaientos,- casaincittos enibitos,
o poto oppondo m a vir ao cartorio fajeras der
claracoes deaccordo com o urt. 37 < do uesmo
regulamento; <3ao interessaiias- as culuotias;}outras le 03ractei<
que alguus vo forjando e em*f eral dizamrque.
nao Se sujeitam aa registro
ficaro todos captivos T
Acba-sc em exeroicio ilo.cargo dejoiz munici-
Sal d'este termo o." supplenti; tcuente Antonio
legario do Barros Qtiilula, e no de delegado,
deboiicia ocapRao Martoel Marques de Oliveira.'
Foi'convocada *!. sesso do jury d'este ter-
so para o dia 13 do corrente.
Fallecen no-dia 13 de Janeiro a Exma. Sra. D.
Maria1 de Torres Mello.
No dia 30 do mesmo mezrem trras do*cnge-
nho Si. Baventura, d'este termo, Francisco Anto-
nio da Silva, sem motivo plausivo!desfechou um
tiro de espingarda em. seu proprioigunro e com-
padre-Candido Jos da Silva, causanao-llie a mor-
ie instantneamente. Consta nos que a razo que
levou aquella fra a commetterto brbaro as-
sassinaio fra Candido ter declarado que nfvo con ^
tinuavaa viver com sna laulhen, tUha d'aquelle.
secun
i%ta fabricar-ptoductos linoMliM ar*wpirta(*
"o podianMiliar o deseowffli^iiWforiateta
to dasU*iLs. antes as eogiiu*dys[-ef-:n*
lidaile dos ipvoduclos.
" por isso, tal vez, que. depois de cngenhO
notareis como Quissam, Lorena, Rio Negro, Pu-
reza'-'Btc., terem apresantado crystaes^ branco*
loalraveis, asdeolevudocusir, maisJtorda,
ensaios de amostras de assucar pulverisado de
superior qualidade, estao vendo-se na obrigaco
Inspectora eral da Inslriicro
Publica
DESPArjHOS DO DIA 6.'DB i'EVKREIRO
DE 1889 .'
Marianna Teixeira da Costa Coelho. Cum-
pra-se.e registre-se a apostilla de 6 do corrente.
Maria do Rosario Pinheiro. -' A supplicante
tendo requerido em 1887 a gratillcago de qae
trata o.regulamento de 6 de Fevereiro de 488a1,
art. 113, toi a peticao submettida'ao coasclh
litteraiio que emitlio parecer favoravel fnesma
em 16 de Marco itaquelle anno. Em 30 de >-
tembro do mesmo anuo, com oflicio n. 238, foi
encaminhada a presidencia da provincia e-d'alii
nu mais voltou.
Amelia Rosa do Brazil.-Justifico.
te de emboscada na frente da casa onde mora va
seu infeliz .guaro qiw recebeu o fatal tiro.
O sicario persertUtdo-. pelo clamor publico foi
preso i era flagrante e acha-se detido na cadaa
d'esla villa Atoulra vez.
nunu )* a.-i
5o< privawaraenttt.destinadosJaos. reliaadoros
rracionae8 eestrangeiros.'
Da confrontayao das antostras" nacionaes coa*
as estrangeiraig resolta, pois, /que ser preciso
urna reforma da fabricaefio e dos gostosde toh-
sumo internos, para o Brazil se' identiticar*com
as c0adict5es do commercio de aasuear interna*
cionai'
Emauanto o ta*/rador-confeccionarassuiyirnMl
purgado, on typos duvidosos, que servem nr.tl a
refinago e o consumo, e os refinadores se lirai-
tarem s qualidades admitlidas em nosso uso
domestico, e Brazil nOo poder oretender- ver-
dadeira ooncunrencia com os povus ivaes.
Sao verdwles asperasoei-dnrasvilBus.qun pre-
tBBgmmsm*
INTERIOR
C'orrepondcnt*ia*i do Diario- de
Pcrnaoabnro
, PANELLAS28 de Janeiro de 1889
ci de Figueiredob
Edital:
Por esta secretaria se faz publico de ordem
de S. l-'xc. o Sr. presidente da provincia, t; para
eonhecimento de quem interessar possa,. qne
fica prorogado por sessenta <6tk) das o-.-prazo
aiarcado.no edital de 26 de Novembro da anuo
proxiu;o passado, uo qual se declara .que accei-
lam-se nesta repartico propostas para ser con-j
lractadorf)afas!ecimen'o d'agua esta capital,
na i-onformidade da le provincial n. 827 de 6
de Outubro de.1886, visto nao terem sido aeceir
tas. por deficiente* as a presentadas-no pra.o fi-
jado no edital de 8 de Junho df 1887.
Secretaria do Goveino da Parauybavotn 4 de
Jtffleiro de 1889 O secretario, Hrnorin Horacio
r Fig eiredo.
BESPACHOS DA PBEWDESOA. DO BIA t DE
FEYEEErftO> DB 1889
Barau de Serinhem.4)eferdo com eflie-io de
teije a Thesouraria -de Fazenda.
Alferes Daniio Lope Pereira liunares.
Bncamiuhe-se, devendo ser. pago nu repartico
dos correios o respectiva porte.
Jos Hermillo Cavalcante Lms e Antonio San-
iag o Pereira Costo Jnior. EucamiiUie-se,
pagando-os snpplicantes o porte no correio.
Juvino. Ildefonso.Requeira a quem compete.
JoSo Pinheiro CatleSin, passando recibo
Luiz.Pelippe de Carvalho Concedo, visto
das infunnajoes.
Ribeiro Duurte C. -Nao tem lugar.
Rosalina Olymnia B< /.erra de Mello.- Deferido.
Rodrk'" Carvalho C. Informe o Sr. inspec-
r da Tliesou ana de Fazenda
Secretaria da Presidencia de fernam-
auco, 7 de Fevereiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
da Polica
Secretaria da Po-
-unbuco, 7 de Fevereiro de
^^Ht- ILin. e Eim. Sr. Participo a
l'ie foram hontem recolhidos
tenyao os seguintes individuos :
iit ordem. (iemioiana Francisca Mon-
ienada, am de ter o conveniente
?$&
1110.
Teve lugar a eleico para presidente vice-
presidente da Edilidade, sendo o mais volado
para o 1 o capito Jos S. da Silva Lyra, e para
o 2 -o alferes Venceslao F. dos Santos que ja oo-
cnpara este lugar o anno passado, ambos ctda-
dos muito considerados as I ileiras conservado1-
ras.
Agora, pprm, que mnfaramrsc ot paptii, man-
da u Justina que oigamos ter sido o Sr. coronel
Herraonenes B. Ferreira da Cunha um ,dos pre
Bidentes ique tem tido a nossa Cmara, que
mais "procurou prestar serviros a seus munici-
pes, como se v da monumentosa obra do cemi-
teno com a sua respectiva capellinha, e nraza a
Deus que o capitao Lyra, cidado que da raes-
ina tempera do coronel Hermogenes, tenha, pelo
.nenos, igual procedimcnto.
Alinal de conlas l'echou-sc a nossa Assembd'a
e lulos licaram a ver navios, ai riro t sembet-
ra esem ramo 4e ignara, como vulgarmente
di/, se. sendo- esta villa talvez urna das maiores
victimas, porquanto para aqu nada se fez : neni
rodaoera, nemagna.potaval e nem ao menos es
additivos da Caraaraique tantonosinterewavam!
Embora, porm. oi^umiqneira ter anonade
ser a causa inmediata da nao concessao da ro
dtgem, :nam por isso estamos desanimados, por-
que vemos que a nessa Assembla nao corn
posta de nescios que derxam-se levar peto que
aeriamente diz-se. sem prova seria, mas de lio-
raens illustraitos cujo pairiotismo est;t ai-ima de
qualquer sentimenlo poltico pouco confessavel.
Cora eil'eito, onde eslava o inters* poltico
de urna estrada de rodagem, enms mpreijados
seriam o empreiteiro e homens descalcos traba-
Riadores t
Po leriamos ir mais muito adiante, mas nao
esse otim da presente nafesiva e tocamos n'isso
tnadentemente. w
Corre por aqu que esta comarca vai t ,-r um
ensenh centrat: nao exacto ?
Ser a providencia qne ja nos olha e ve as
nossas necessidades 1
Segundo consta-nos, o logar escolhido S.
Benedicto, aoiide est e Dr. eiigeaheiro liscal
dos en_enlios ceotraes em obervaco, c eremos
que nao podia ser melhor a localidade. nao so
,p'la fertilidade do terreno, com pela abundan-
cia d'agua e I.Tilia, alm da esta^o du ferro-
via do prolongamento.
. Deus se amereie de nos aue Diurnamente, mal
podemos viver, develo falta de meios que nos
auxiliem para plantar e colhor o que nos d o
nosso solo.
Estarao> certos de que o Sr. Dr. Francisco do
Reg Barros engenheiro perito e cuja Ulustra-
co todos Ihe reconhecem, niio deii^ar de an-
nuirao que l>unos expo.-to relativamente leca-
lidade escolhida, restando qut o goveroo impe-
rial nao deixe em abandono a agricultura de
i'anellas.
Est o nosso foro parausado, esperando anco-
samente os comedores em l lie fevereiro.
Felizmente temos tido algnrtMI chinas %-
z'-ndo quasi ilesapj rawloBtk
I uattite a nossa tranquil
muito regularmente < pea qn-na que ssiin
ella continu.
---------- -------------
VILLA DE COK -.EN!'ES3 de Fe-
vereiro.
Srs. reductores. Varaos por meto da preseute
pedir a Vv. Ss. para qu lew abrir um es-
ixi o nesse conceituado Diurii, alim de dar luz
ublicidade alguii f occorrem n'es-
ulidade, dignos de menr
No dia 7, reunise a Cmara Municipal em
S. VIGENTE/4 de de Fcvereirod 1889.
Srs. Redactores.
No dia 10 do passado s 9 horas da noite, na
ra 13 de Maio Testa lavoago, foi Candida Ma-
ria ferida gravemente no pescoco a golpe de na-
valha por Vicencia Maria." Adelinquentofoi-presa^
em flagrante. A autoridade respectiva tomou eo-
nhecimento do faci.
Fomhs sorprehendidOs com a noticia que
transmittio nos o Diario de 29 do mez lindo, de
ter falk'cido no Poco da Panella, onde morara, o"
distincto professof Antonio Candido Furreira.
Ouaudo era 1871 exercicia as funcgOes de seu"
inagL-terio1 n"e*ta pftvoaso, aoubeo Ilustre pro
fessor captar granoVs syrapathias. A' sna Exma.
farailiil nossos sinceros psames. ;
Estivoram entre nos o mez passado os Rerms.
\igarid da Barra de Natuba na Parahyba, padre
Marclno Kogterio Freir e o eoadjutor da fre-
gneziaide Limoeiro padre Francisco de Assis
Los'a Gondira.'i
No dia 20rio mez. Nido, nesta matra cole'
brou-sc com alguma pompa a festa de S. Sebas
tiao. a qual foi muito concorrida.
Esta povoacSo, depois que foi apresentada
na Asserablxl'roncial nm projecto elevando-a
a villa, tem tido -um adiamntenlo admiraveL.
Muitasicasas sr csto edificando, e agora iracas
aos esfbrcos de alguns dos seus habitantes, bre
veniente comecar aconstrueco de urna ponte
sobre a rio Capibaribe-mirim, ligando o bairro
do Bosario ao da Matriz. E' uin grande melhora-
niento, pois quando o rio d eachenl'-s. tornu-se
quasi irapossivel ;. sua passagm. A obra est
oreada em 400S. Rst designado o dia 10 do cor-
enle para a collocago da primeira pedra da
mesma ponte.
Acha-se projectaua a construeco de urna
casa de commereio. '
Ser Me muita ulilidade. pois no tempo de
chuvas. lorna-se in teo onde reune-se a feira.
O sol foi por alguns dias abrasador; porm no
dia 26 a athmosphera aniiuuciava muita chuva e
realmente-s 10 horas desabou sobre esta povaa-
Co urna-grande-chuva acompanhada dctrovOes
e relarapuos. Felizmente nao fez estragos. To-
das as noutes a athmosphera tem se conservado
carregada, os relmpagos fuzilam no espaco e o
trovo reboa nos montes.
riso enuncia! as, para que- os capitaes nao se
percam e os sacrHlcioa da Etau nao ?sejam
desbaratados^ Com estta lltc0e'jomulica(n se-
!tii- nW atea' grave. Tal u
falta de renovaco "alimentaran syslcmatica
porque mai3 tarde d;s caanas; quando a AUemarlha levou esse cs-
tudo n beterraba u ponto ite conseguir 1* por
cento de materia^saccarraa* ao passo que ou-
trfora apenas obtinlia 8 a '9. por cento. Entre
nos, ao lado de canoas rom 18,19 e al 21 por
cento de riqreza .saccharina, encontram-se.ou-
tras de magreza rachitica, denos immenses, de
gominos reduzidos, que- apenas do indica^es
para 7 oa 8 porccnto'de substancia' aproveita-
vel. Resulta : destns condices aue, na poca
actual, v-se fabricas pagaretn aimla 10 lonetads de materia prima, para 'auxiliar os n-
cleos de plantadores, ao passo qne o geral das
usinas apenas p-igam ta, 3* e 4, sendo este
ultimo prego o que est prevulecefld' nos enge-
nhos de Campos. Quanto-aos processos de fa-
brico, lemoscorrid urna SfcTie de experincias
arruinadora, tanto na extraeco, como no pre-
paro dos cuidos-. E' preciso vw as memorias
de AlUiuianhu, Franca Blgica Austria, reraet-
tidas a esta exposico, quantos esses pontos
csto l llxados e concludentcmente conheeidos
emqnanto ns oscillamo*, em luta com a raais
deses|)i"radora ratina. A dilfns'oqne.-applicada
beterraba, de resultaiton decisivos ele apro-
veitamento-absoluto, talvez entre nos tenha de
alliar-se ao processo previo de esmagamento.
para as cortadeiras pode re m aprovottar para a
diffusao um egundocald, entocempleto eque
extraa a totalwade dos crvste natnraes encer-
rad )3 as ceHulas das comas.
A" priori pode asseverarse, que no dia em
qu as nossas plantas de cannas sejam restau-
radas em urna nutricao completa, em que um
processo absoluto ou mixto extrahir a media de
12 ou 13 por cento de sua riqueza saccharina. e
a confeegao dos productos seja idntica dos
assucares grossos, purgados ou de relinacQo que
os prineipaes'typos estrangeiros da exportaco
nos outrccem, a cultura da canna ser a mais
vasta e rica deste imperio e-nao ter rival pos-
sivel no estrangeiro.
i Desejariamo, pois, qwra parte estrargeina da
exposicao fosse bem visitada e examinada pelos
nossos homens priocipaes. E' de precioso apro-
veitamento. ConSla-nos que, acerludamente, al-
matlros. em frariaeaaisi.*tr.c.v*0M*. *.. ]h-
JOUer i-ousideraiWoaniir'pleim*fDa n^ii-hf
*iwum 30 amostrlMt. >ilt-aifc.-siieH-d*-
MMaco. Na cottaetix-.wa IbdiiMrnrapaaar -
proluctos preparoaco*iniite**ia*pnnw.neioa! '
anoklras de assnwwl nolve>is;ido.-fraaulto"*5
nmr-disc is quadradhou (M a-ivaiw-ito li suoin geral baixo^wwwi*^reiaaMaonaeriiaa"
de torga saccharina.
A llespanha offerece bellos-assucares de can-
oa, preparados era Malaga, Granada e Madftd,
dlglifis productos de beterraba. Entre estes
notamos as amostras da fabrica de Creus & Ru-
bio, e que se compe de crystaes brancos, de
pe*dteapar4a^afs,rjeM' par!v*ri**(v;-'Wagnih'o-'rMlnadrjs, etc.
etc. Era4iad*aiiaduvlria gaitadi8a"*V inferior
da Allemanlia e Frftnrai. 'J'ortugal, reprc
'sentada por amostras -do Peni/ Java, Egypto c
Alleaianha, sendo estas ultimas de beterraba
reflrr.ido e em fragmentos.
He Dinamarca foram remettidas 24 amostras
de assucar, na maior parte das colonias, sendo
algum preparad? em Copenhague.
A Repblica Argentina 6 representada por
duas colleces, sendo urna de 1G vidros, dos
typos locaes e estrangeiros, usado no consumo,
e devida legaco imperial em Buenos-Ayres.
O principal atractivo porm, o da collecco
de assucar de Tucuman, i-emettda pelo respec-
tivo governador. E, prova do louvaval esforco
daqutilla provincia para vencer as difliculdades
de um produeyo que apenas dispe de dous
mezas propicios safra. Os assucares masca-
vos e brancos baixos de Tucuman ainda nao
conseguirn! equiparar-se a productos similares
do nosso continente,-uo que diz respeito for-
ba sacchariiiu e resistencia humidade, mas em
cbinpensago as qualidades finas, retinadas e
granuladas sao j de..adiantado8 processosi Ve-
mos queo ass car pulverisado, em crystafis, tor-
res e fragmenlosj alli fez concurrencia ao du
Europa. Notaremos os productos dos Srs. Guz-
rnan C, Julio-Dubourg. Padilha Hermanos,
Tomquist etc. etc. Do Ghile ha urna collecco
notavel de typos estrangpiros alli consumidos,
em que brilha urna amostra dos Estados Unidos
cora magnficos crystaes de i" jacto. A fabrica
del Parral, de productos de beterraba, dislin-
gne-se por urna amostra do 2 jacto branco, bem
si-cca e solt, e outra de torres. Venezuella
enviou nm grande pao deausucar branco, bem
claro, mas pouco resistente:
Do Per notam-se bons assucares mascaros e
exeellentes crystaes araareo de 2" jacto. O
Urngaaj offerece 4' amostras, remetridas pilu
legacfio'e consulado eeral de diversas-procedeu
cas, em que predominara os retinados e pulveri-
sadoS) os qnuilrados fragmentos e< em segundo
'lucrar, os Aossos mascavo*. Muito *eine!liantes
san as amostras viudas do Pnrairnny.
Aotodo', a exposicao estran^eira" encerra 4oO
artiis de assucar, "que diltctlmerrte se encon-
traro reunidos entre nos com a vuriedade e ri-
queza-dos actuaes.
K' nograndolugur da cidade wae Nilakauta,
peMio'eprtre mulndao. proctrff"Gemido, ao
qual jurou matar
Tendo sutowrmado algunsi indos, que se re-
bollaram rcpentinaaiuntey'e'asshV'tolhdm a Ge-
raldo o fugir ving Nilalanta-apunhala heraldo. ^
Era tSo Latra flzera advertir djjjeu idolatra-
do amor do perigo a que andava ftxposto ; em
vo a doiixwla, par.4azer, iffrentoraa colera
jrrrivel d**st.'u pai.
.\lak*owfl>xnlta dgora. -
DuvianoOoma IhrWsta d^qO'- m- seu inimi-
o, o vMaoW* do sea lr. o ittubnta*-do coracao
e sua ttwf.afnaila tWiaf saceatnM*a>ao golpe
ue ooonhmoe ihe >itorou..i"' '
Engaara-a porm:,-,0 amor'- ainda o nume
NWHau-triaca, egypoa m d- Javai'lia MHvt* %|va*Wo10en rflilintr, no aotc-terceiro,
' aassatoKAo (Mis proniotlo de-n;l-lwacce.ssivei
lorr-atav miostiosttMidiwde qt'Dakm, gracas
?'cert''R'rvwr-de mra*ilho38'*e^)eirico, cftn-
BELLAS ARTES
i:\po"i-i de a (Do Jornal do Commercio da corte)
III
TYPOS KSTRANGEIROS
A expsito actual tem a vantagem, para os
avcriiuadores e estudiosos, de colocar a nossa
produeco antiga e moderna em frente n produc-
tos similares de canna e beterraba provindos do
estrangeiro, e assini. couhecermos os pontos em
3iir estamos distanciados e aquelles em que no-
eraos apiiroximar das nafOes mais nperfcconuas1
no fabrica e cultivo. Em geral, veriheamos que
as nagOes de maior fornecimento de assucar-aos
lrincipaes mercados de consumo e de relinacSo
procurara produzirem grande quantidade typos
medios e baixos hem preparados, que '-estejam
r.;< condices raais favorecidas da escaaKsttav
gradava. ?
Ao lado desta tendencia, que a da materia
prima, preparada da America e do extrema
Oriente, j seguida pela da Allemanha, apparece
a inlenco nos grandes productores europeos de
foruecer quuliJadi-s de assucar refinados e crys--
tallisados que enirem immeiatamente nao no
consumo s de Londres e Nova-York, como das
eapitae c pragas europeas e dos entrepstos" sul-
aniL'ricanos, da ordem de Montevideo, Buenos-
Ayres, Valpaniso. laHtni etc./ que fornecem a
vastas e populosas- regii
Por este lado, ha urna completa revoluco no
commercio de assucar, que nos lanya fra do for-
neciracnto directo das populaces estrangeiras, e
que pode ser estudada, na actual exposicao, pelo
lado dps productores; nos grupos da Allemanha.-
Franca, Austria e llespanha, e pelo dos consu-
midores as- colleccOes inglezas, monte-, ideana.
chilena e outras.
Ao assucar deforma antiga e at ao de turbina,
succede o assucar crystallisado, desde as mais
bellas cores amarcllas at o branco ntido eirans
prente, ou o crystallisado comprimido e rea nado
em pes, em grandes placas, fragmentado e que-
brado, oo reduzido pila serragem das placu e
pequeos discos quadrados: A Allemanha O Bl-
gica qne ueava do trafego commercial de pes.
vendidos rateiros ou m fragmentos, celeram ao
o intro luzido jiela Franca e lioje fabricam
pequeos quadrs. que sao sem duvida da raaior
pureza de confeccao, sem aroma esiranboe que
se issolvera -apidaraentenos lquidos alimen-
N'este ponto estamos atrasit.ls vinte annos,
taoto nos usos do fabrico como nos gostos rudi-
ineutares de nossa popiilaclio. D'aln um grande
emburaco ao nosso commercio externo. Nem
preparanui.- a -- i que igu de os typos
javaneses, bavanos ou das Guyeuas, oeai l
assucar de consumo directo que posea satisfacer
adiautados das capitaee europeas e
americanas.
Em geral, a'nossa lavoura lnita-se a produzir
ucares de forma, ifue anda sa
mclhores para rerinacao, ou os de turbina, mal
cryslaUitados, que pouco convm aos retinadores
guiisprofesaresaa Escola Polvfc-chnica pedi-
rn* ao*Ccnfrh dO'Asscar'que 'lhes fornetesse
urna coiRceo dos, tyjio* estrangeirosv Por ouJ
tro lado a illustradainspectoria de trras e co1
lonisacao,- tambera fK-aio duas collecces de
nossos producWtr,' para ex por nos esorrptorios
a>informacoet te Genova e MilSo. E' de sentir
que as' | nao possain figurar na sala principal de nosso
pavilho ha exposicao de Pariz. Dariam- urna
justa e sisuda ida de nossos adiantamentes itf-
dustrtaes:
A exposicao de productos estrangeiros' est
disseminada pela 2" e 3J sula, c comprehende os
seguintes grupos: Franca; Dunkerque. Portugal
e DuiamaTCa, Italia, EgyptOj Auslria e Hespanha,
Blgica, (ihile, Purr," Veneruera'e 'Paraguay.
Uruguay r Tcuraun-, Allemanlia. lngtatort-a "
alguns vidros col locados era diversas cnfttonei-
raa. Das exposiyes sul-amiTicairas producto1
ras ai mais notaveis s5o a de Tucuman; Chile,
Per, Chba c Porto Rico^ sendo estas oltinras
comprehendidas no grupo de amostras de In-
glaterra. O Per se approxiraa muito de dos
na confeccao-dos productos c naapparencia dos
typos.
O-grupo de Inglaterra, o mais cosmopolita di
todos, e que est na tercera sala, offerece o
maior'interesse'a nossos lavradores e exporta-
dores. As cinco partes do globo prstaram o
sen tributo aos mercados britaifnicos, immenso
ntrenoste, e que gastam perto d l,20,(W0 to-
neladas do massa saccharina. Sedtimos que os
Estados Unidos que, talvez, estivessem dispos-
Jos a representar-se omciamente na exposicao
e com o seu magnifico 'museo desta industria.'
nao o podessera fazer, pelo carcter particular
da exposicao.
Depois de Inglaterra, aquella grande naco,
urna consumidora quasi igual destes" gneros. O
grupo de Inglaterra recebeu 24 amostras do con-
sulado de LJndres, 30 do de Liverpool e outras
cqlleceOes inclusive a do coesulado de Mandies-
ter. Ha urna linda collecco de assucar de can-
na, da casa Ireland; Frazer' C. aa ilha Maurl-
cia, c outra de. beterraba .de Louis Rother. Urna
importante casa de Londres, que negocia na
Harona e Estados-Unidos, enviou seis bellos ty-
pos de assucar oas condices de-tserem admitti
dos no consumo britannico. V-se Dello assu-
car inglez em grandes crystaes, outro- granula-
do, urna amostra de crystaes amarellos, assucar
alfetno crystallisado etc., etc. De grande pro-
veito eria os engenhos centraes estudar -m estas
seis amostras, pois o importante exportador pro-
pe-se-a dar consumo at 1.000.000 de tonela-
das nestas conditjes.
Neste grupo podem-se csludar os seguintes
assucures, era gr'io ou crystaes, proprios para as
relraaees inglezas : West. Indias, Egypto, Ma-
nilha, Jartiaica, Per, Trindade, Java-, Demerara,
Cuba, Natal (frica), Antigoa, Barbadas etc.,
etc. Ahi se vero as cores, graos, toreas sac-'
charinas; orysiailisac6es, ete., etc., que sao prt-
feriveis e j'estad aceitas. Ao lado dos assuca-
res coloniaes est o da Hollanda, de beterraba
crystallisado ; o da Russia, em bellos crystaes
amareMo ; o da Allemanha, proprio para"a re-
finaco, e o da Franca, para o mesmo tm. No-
temos os magnficos crystaes brancos de John
Lilly, de procedencia ingleza.
A Allemanha urna das nacOcs productoras
que melhores modelos ofTerece." A sua exposi-
cao cowprehende 51 amostras, fornecidas pela
legaco de Berlim e consulados de Hamburgo e
Francfort. E' encimada por um grande pao em
forma de agulha, de um assucar da mais ntida
alvura. excedente grSoe pureza. Ha alli peque-
as quadrados de assucar para consumo, assu-
car crystallisado e pulverisado, refinado em p,
ca i dou-ad i, mascavos, medios, brancos, etc.
E' urna collecco das diversas,sortes mais apu-
das de assu'-ar. / "
A exlnbic.o fran'-eza, enllocada na 2* sala, est
dividida em duas collecces. urna reinettida pela
legaco bra-ileira em Paris. outra pelo rice-
consulado em Dnnkerque. A primeira tem 51
amostras, e a segunda lj. estando estas em um
lindo armario da nogueira ex|ir'--uniente feito
e reiiictlido.
Na cnlleico da lesragao imperial nota-se um
magnilko pao, de forma cylmlrica, pr-inriopara
dellese serrarera plicas. Dimesraa qualidade
ha discos pequeos em forma de quadrados; que
correspundem a 40, 50, 6'', 70, 80, W), e too ixir
por um kilogramma, e sao hoje univervaluiente
adraittid is com i reliuidu; de primeira qualida
Al:n li-stes pequeos di-cos, vernos pla-
serrailas em sentido vertical
Ha amostras de tres jacios differentes, de
l.akac
, OPERA EM 3 ACTOS DE tEO DELIBES'
Poema de E. Goudinet e F. G-ille
(Do Commercio de Portugal) '<
Estando prestes a darse esta opera em o nos-
so theatro lyrico, parece-nos que as amaveis
leitords n*o desapprovario de todo qu Ihe de-
mos ubi resumo do tibrcHo; e assim tambero al-
gumas noticias mais, concernenies a este bello
spartito, no qual a gentrl cantora Mlle. Marie
Van Zandt tem urna das suas mais bellas crea-
$es.
A natavel prima-don'debutara na Opera C-
mica Parisiense em comeos de 1881, apresert-
tando-seao pnblico da grande capital na Manon
de Ainbroise Thomas.
Cantara depois, em Monte Cario a Dinorah.
onde, apezar da Patti, a nossa cantora1 sobe
deixar vivissimas recordages.
Interpretando ah tambem a Mignon m italia-
no, o xito que alcancou valeu-lhe um verdadei-
ro triumpho.
Voltando de novo Opera-comica de Paris, la
vignone rittuose continuara a ostentar, mais des-
envolvidos todava, os mesmos perigrinos_ dotes
que a haviara j distinguido; docura suaviSsima
na voz, flexibidade maravilhosa, igualdade per-
feitissima. excepcional, mesmo.
Depois, o seu esryto Iwvia adquirido, alm da
summa elegancia que j o distinguir, urna am-
nlido tal no phrasear e urna expressSo to pro-
funda e intensa, que sena crime delesa-artc dei-
xar desaproveitades te excepcionaes recursos,
coujuncto de perfeices to raro e to acabado
tambem.
Leo Delibes, o applaudido antor de Conpelia, e
Sylvia, o j consagrado distincto maestro pela
sua opera Joao de Niveiles, comprehendeu isto :
raelhor ainda : Delibes teve a suprema ven-
tura de saber, merc" do seu talento deveras no
tavel, aproveilar a occasio que to de molde se
Ihe olTerecia para dar arte moderna franceza
mais urna joia de subido quilate.
Hara tempo que elle comecara um novo tra
balho.
O maestro desojara obter para herona da sua
nova opera urna cantora que a um sentimento
delicado e profundo alliasse um vigor pouco
commum.
Lakm, tal como Delibes a idealisera na sua
creadora imaginago de artista, devia ser um
mixto de fascinaco e de ardor,'como multier, e
um prodigio de agilidade vocal como artista.
A notavel cantora, rcalisava as suas aspira-
j6es.
- Mkm foi, pois. acabada, cali de Abril d
1883 Maria Van Zandt e Talazac davam vida, na
Opera-Coraica de Paria, no mais bello dos mo-
mentos que a Fortuna escolhe para sorrir aos
seus eleitos, a urna das mais bellas creaces
tambem do genio lyrico francez.
Leo Delibes alcaeava um triumpho verdadei-
ro, um dos raais estrondeantes tnumphos que
teem aureolado o talento nesse areopago das ar-
tes que se chama Paris !
seguir, ajudada pelo seu fiel Hadji. salvar a vi-
da do seu dilecto Gemido, transportando-o ao
luiar em que ambos se guarecem das iras do
ve I no fantico, e se comprazem no doce premio
a que ambos por igual aspirara.
Esqaatd de tudo-ede todos, Lakm'-e Ge-
.raldo protestam-se eterno amor. E' claro que
Miss Ellen, n1 des|sda dO-Geraldo, ^sacrifica-
da as asas desta paixo, to profundamente
violenta oaanto raais caro pagou o poder expan-
dir se.
Lakm vollando, jiorm, da fonte onde fra
busclir a nffka wa/t-ilo indissoluvel laco, vi1 com
terror que Gemido n3o est s.
Frederio. o conipanheiro d'armas ,!e Geraldo,
conseguir, cem efeito, sorprehender o segredo
do asylo que oceultava o seu amigo. Levado
dos mais tabres sentimentos, penetrara na fron-
dosa selva, e, conjuranilo Geraldo a nao esque-*
cer os seus deveres de militar brioso, que se
deve patria, procurava reaccender os extinctos
brios do seu amigo companhoiro d'armas.
Lakm comprehende pois que a hora decisiva
do su destino vai soar, e para logo toma a sua
resoluco. Se Geraldo obedece ao dever, e n-
terdiz ao coracao o doce premio do amor, Lakm
matar se-ha.
Ento ouve-se ao londfe o nitor dos tambores
e o som dos clarins. E'o regiment de Geral-
do, que se abala para urna nova expedigo con-
tra os indios. Geraldo parte. Para a abandona-
da donzella' tttdo se acaDO#,"pois. Ento, co-
Ihendo um ramo da arvore que d o eterno sera-
no, suicida-se, murmurando ainda em seu ulti-
mo suspiro o nome do seu to mal logrado.
Este libre'to, no qual as reminiscencias de ou-
tros sao, como se ve, bem patentes, deu mar-
geni e isso, era o essencial delicada ima-
ginadlo do maestro para se expandir em muitaa
e variadas bellezas, quetornam inti-ri-ssantissima
a partitura, e fazem esquecer o vutoar do en-
trecho.
A critica julgou j a obra, i^ assentou sobre
ella o raais lisonjeiro de quantos juizos podi;m
ufauar um artista *de talento espontaneo e deli-
cado goslo. A critica resumi o seu juizo ueste
cdhceito, que a platea competenlissiraa do nosso
theatro lyrico ha de sanccionar de certo :
Na obra de Delibes reinara em abundancia
o frescor, a espontanea poesia, a suavidade e a
varedade das concepeos. Por cumulo de m-
rito em parte alguma das suas primorosas pagi-
nas s<" pode notar u:na s frouxido. emquanto
que todas se apresentam lirapas de alheias re-
miniscencias.
\
S
PERMMBCO
Caixa Econmica c Monte de Soc-
corro de Pernambuco
RiiliiiKcf<-s <-m :t i do Janeiro
de isvt
CAIXA ECONMICA
rtico
Thesouraria de Fazenda I,l44:694770
Monte de soccorro l:jO:I96080
Caixa 6:3223000
Pasro
Depsitos em contas correnles
l,281:212-$8o0
l.81:2I2*830
?
MONTE DE SOCCORRO.
Activo
Emprestimo sobre penhores 141:1835316
Movis 6:12(>i627
Apolkes da divida publica provn
cial 1:0000()0
Despezas geraes l:r)4o3302
Caixa :4W-5620
Pattico
Capital
Caixa econmica conta de passa-
;ens
dos de penhores vendidos em
leilo
Juros
Lucros e perdas
Gastos' com leiles
152:307*865
17:1925284
130:196 080
4:1534341
6195300
143S860
35086'
' '
132:3073865
S. E.& 0.
Recife, 7 de Fevereiro de 1889.
O gerente,
Felino D. Ferreira Coelho.
Digamos agora o que t^akm, no seu enlre-
cho.
Lakm filha de um brahmne, chamado Ni-
lakant, ao qual os inglezes que Vo avassallando
a India perseguem e hostilisam.
0 vellio servidor de Brahma oto v mas re-
medio do que refugiarse com sua filha em uto
sitio escuso e bravio, que. por tal facto se tor-
nou asylo inviotav!, alvo do respeito e davene-
rafiodosinds.
Os devotos de Bfahama veera na lillia do sa-
cerdote o seu idolo, e Lakm, educada entre a
perspicaz desconfianja de seu pai e a supersti-
co dos seus naturaes, julga-se de Origem celes-
te, tal qual como o creem tambem quantos a cir
cumdam.
Um dia, porm, chegam aquelles apartados si-
tios uns excursionistas, iins'offciaes inglezes
que acompanham duas meninas com sua gover-
nante.
Nilakanta eslava ausente, e Lakm fra co-
lher Sores perto de um regato um tanto afastado.
A casa do sacerdote indio estova, portando, de-
serta, e a curiosidade dos recemchegados teve
tempo de fartar-se.
Frederico, nm dos dois jovens. ofliciaes, fi o
primeiro a propor a abalada, mas Geraldo, o seu
marcial companheiro, talvez porque livesse j
noticia de Lakm, e a desejasse conhecer, longe
de assentir partida, persiste em licar, at que
volteti os dono- da violada habilaco..
Sobrevem Lakm Ao ver o temerario ofi-
cial, a joven seotefBe sbito presa dos mais en-
contrados sentimentos.
A colera, a ira, que nella irrompem vendo as-
sim pr ifanado o sacro tecto que Ihe asylo e
ninho. prestes da tugar ao cnterneciraento, c a
apaixonada linguagem do galhardo ofGcial de
tal modo a seduz e a fascina qu Nilakanta. vol
vendo ao lar, decobra que com a inviolabilida-
,de do seu tecto voou por igual o coi-agito de sua
filha
O fero sacerdote jura, pois> vingar-se, e esto
situacao fecha primeiro das tres actos da ope-
ra'.
i.ou'lMi A Ki /ili ui Bank
mifed
Capital do Banco
< < Pago
Fundo de reserva
BALANDO DA CAIXA FILIAL E.M
nuco, em 31 de Janeiro de 1889
Activo
Letras descoritadas '
Letras a recebe
Emprestimos, contas correntes e
outras
Garantas por contas correntes e
diversos valores
'aba em tnoeda corrente
1,250:000
625:000
325:000
l'ERNAM-
216:81313
1,238:645*720
2,179:8255850
778:1405700
346:2515260
Dep^titcs :
Em conta corrente
Pixo por aviso
Passivo
500:2563150
1,073:1075930
4,939:676^660
1,573:3644080.
Garantas por contas correntes e
diversos valores
Diversas contas
Letras a pagar
2,000:843^670
l,380:30UO3O
5:167488
i;959:676366*

I
8. E. & O.
Pernambuco, 7 de Fevereiro de 1889.
W. H. Bton, manager.
Robt G Ktng. acting aceputaot.
i:a-ll-.httonkolKi<> de Jaucire
(UH*i)
Capital do Banco ero 50,000
accoes de 20 cada ama 1.000,000
Japital realisado...... 500,000
Fundo de reserva...... 140,000
BALANDO DA CAIXA FILIAL EM PERNAMBUCO.
EM 31 DE JANEIRO DE 1889
Aefro ,
Letras descontadas........ 363:138*401
Emprestimos e contas can dona-
das................
Ledras a receber.........
Garantas c valores depositados.
Mobilia, etc., do banco......
Diversas'contas..........
~9 '
I
Caixa.
Contas correntes
simples
ftepositos a praso
flxo com aviso e
977:467*37(1
552:6
707:752^670
3:i49380
603:544IOSI
641:574474i>
Pasoo
3,8*9:251 Hift
38S::5#OIO

i WBPK1 1
*HW%r*&i


diario ddJ?rnamimo--(itfeisl
J dfW89
M 68t:4iM4tO
por lettras. .
Lettras a pagar........
Titulo m cfeucfto* deposito.
Diversas* oontas........
S
w
707 :MMS7ft
1.0*k90a*6
3,849:251*310
S. E. & O.
. Pemambuco, 7 de Feverciro de W89.
. *xzMeniyK.-GrtQory, mana ser.
WaY. Eddowes. accoantaut.
RK VISTA DIARIA

Acta da a*rid-iiria A Prolat-ia
Por actos de 80 de Janeiro lindo :
Fot determinado que seja computada a jubi-
laco do professor Francisco da Silva Miranda a
gfntiliaaco desmerito.
Faraui concedidos 90 diaa de liceoca oo 'di-
rector do presidio de-.Fernando de Noruuha ca-
pito Joaquim Agripino Furtado de Mendonca.
Fea concedida a grattticarao. da 3* parte dos
venciuientos ao enfenntito da Casa de Detencte
Joo Pinheim Catle.
Poroflicjoda .mesan data, mandou-s* pagar
Companhia da Estrada du Ferro do, Recite ao
- Limocirea quantia de 1 800 de passageus coa-
cedidas ern Noivinbro ultimo.
Irada dse ferra de Canwra'-A'.
proposito do que uontem dissemos sob esta epi-
graphe escrefeu-nosoSr. capito A. G. de Gus-
mao. Lobo, secretario da conimisso directora
dessa e da estrada do S. Francisco, dizendo-
nos que desde aate-hontem o Sr. Dr. Rocha
Dias, engenheiro chefe das mesmas linbas, de-
liberara que fossem expedidos dous trens extra-
ordinarios, un oo sabbado e outro no domingo,
partindo ambos as 11 horas da noite de Jaboa-
lft com destino ao Recife ; e que dera causa a
nao ter sido iiontem publicada essu resolueo o
haver sido a ordejn expedida ultima horado
expediente.
Accrescentou o Se. secretario que o Sr. enge-
. nheiro ebef nao pode acquiescer ao pedido da
commissao que o procurou para conseguir un
trem especial para cada urna das ooites do se-
ptenario de Santo Amara de Jaboato, porque
com ista muito prcjudicaria os interesses do
. Estado.
Que reflectindo, porm, o Sr. director sobre a
conveniencia dos dousaludidos trens. resolveu,
coma ilca dito. expedir as necessarias ordens
para que o publico teuha. no sabbado e domin-
i go, esse meio fcil de transporte de Jaboato ao
Recite ficando assim harmonisados os interes-
ses do publico com os do Estado.
Emhora a cominumcaco do Sr. capitn Gus-
mao l.obo nossa prestar-se c ominen taos no
tocante A ssrem perjudicados o interesses do Es-
tado coi a expedico de trens extraordinarios
nos' di do septenario questionado. todava nos
abstembs de fazel-os, porque nao trariam resul-
. fado pratico, visto como boje o penltimo dia
do septenario, c obre o de amanh e o dia da
jesta de Jaboato est providenciado.
> Aceitamos, pois, a explicarlo beneficio de
inventario, e damos por terminado o incidente,
pois que, se bem que em parte, o Sr. engenhei-
ro ebefe attentleu ao pedido da commissao da
festa. pedido justo que harmonisava os interesses
da popularan com es do Estado.
." lan-n'din- A' H* (1 horas da noite de an-
te-hontem datara as igrejas signaes de incendio,
que se munifesteu na parte posterior do predio
n. 31 da ra de Santa Rita, onde ba um atina-
sem de madeiras.
Tevecomecooincendio n'um monte de cata-
eos, mas foi logo extinelo, de serte qne quando
ebegou a companhia de borabeiros nao te\e
i mais necessidade de trabalhar.
Comparectram all, entretanto o Dr. cnefe de
polica e diversas outras autoridades.
Mi*a cantadaConforme a ultima von-
tade, expressa em testamento, de Manoel da Sil-
va Lopes, sera cantada amanh, as 8 horas do
dia, moa missa na cabella do Arco da Concei-
cad.
Teaho andadeaE' o nofiie de una
musa para piano, composta por D. Hermilina de
S Brrelo, e impressa pelo 3r. A. J. d'Azevedo,
oornilejade mosteas -a rea doHarto da-Victoria
n. 43. B'< bonita.
. (ummlMiio rarMvalrwra Consla-
tios qai- Ik-ou assim constituida a commissao
encarregada de adornar o. praea do t onde d'Eu
uos tres dias de carpa val do correnie anno :
CapitSo Horacio GaIv2o, Domingos Beiri/..
Francisco He i ni. Antonio Mastins. Joaquim A.
Damazio, Manoel Castro. JoSo de Paula e Zebe-
deu.
Maula Altara. Jakoalo -Depois
de amanh, 10 do comente, ter lugar, na ma-
triz de JaboalSo, a festa do seu orago Santo
Amaro, constando de missa solembe s 11 'If
horas com sermo pelo Revra. commendador
Moreiraiki^ma/prociso Urde e Tr-Deum
noite.
A' noite havex logo de artificio.
Alananacli Iliterario e de Indita-
cae A Liv aria Econmica tetn exposto a
venda o Atmanack Literario e de indican** da Ba-
ha. 3' nno de su publicaco, para 1889, orga-
nisad i pelo Sr. Prudencio de Carvalho.
Abre o volume, que tem cerca de 300 paginas
urna hiographia do Dr. Tobias Barreto, escripta
pelo Sr. Virgilio de Lemos. e precedida deum
retrato do Ilustre lente da Faculdade de Direito
do Recife. Segue-se-lhe o kalendano, urna se-
rie de indicares uteis vida pratica, e depois,
sob o titulo de Recreio Luterano, urna escomida
collecso de contos, historietas, versos, cnygmas
-charadas, logogriphos. etc., etc.
E' um bom livro no seu genero.
Ao editor agradecemos o tnitio que nos fez de
, um exemplar.
Ceneerta muoai-No salo do theatrq
de'Sama Isabel pretende o Sr. Giovanni Esoalari
ms&o especia cow i Assumptos yitnficoa^itesia. ptaam$aJa.m^sa% d*iaM**mzdo,
Como, pormv cilio* adalnarthur Orlando ain
da-rtoe digaouile i:trar.nB questo, eosten
tandecada vernalfl eintii(;*rcontHina empres-
tar-me opiniOeaucom que nem sequer sonheie a
4raMlCnaar>a>eu geita as- que lernai e iro-
metteu refutar, ado pedido de publicaeao em
seceso especial para ando, principiar a disuus-
ao scientiica e pero hceoca-parsrraponder aqu
mesmb no meu disUaeto adversario.
lOartig' poblicorio.no Jonwi-eompOe-te, de
.duas part.. >'a i>-ti draedad Pasilivista pro-
cura puovar,- que san perfeitamente lgicas as
cenciosoes por ello tii-idas dastheses formuladas
na minha carta de l de Janeiro; na2.%empret
tando-me, nao sei com ain*,dundamente, urna
sonhada confusa eo re-ifciatawsawmo e Dartvi-
mismo, admira-se le en ter cabido em semelhante
erro, tanto mais censitravel, diz elle, quando i
certo que a distinenio entre Evolucionismo e Dar-
aWaao est mueiStra.nenti feitn as Questoe* 11 -,
pnUr+a'pag. 4*>v parle d'ab para .reproduair fi
linlias de Tobas Barreto e Huxley e citar o .alie*
ni&o Hceckel. o russo. Witouboff, etc.
A esta 1* parto > "censura -n'ella externa-
da, a pesposta -sitiiWes>ecaljegorica; e- o meu
illustradg contendor ha de reoonliecer,' que I fez
mal em. nao tomar o conselho qu lhe. dei; na
minha ultima arta de 88 do paesado, de tomar
a ler a de 41,pois de-semdhuBte esqueaimonto
resulta poder alguein crej-qneS.*:, de caso pau-
sado, attribuu aseus advcrsrio6..opuiies err-
neas para proflgalas, procedimento pouco leal.
que deve ser absolutitmente banido das discus-1
s6es scientiHtas e atiandonado aos condottieris
da imprensa poltica.
Nao ha com oneito,. na. Iludida carta no
d urna pahivra sequer que possa autorisar o distincto
Dr. Arthor Orlando a aecusar-me de confundir o
Evolucionismo e o Darvinismo.. Nao empreguei
urna so vez o vocabulo Darvinismo < se. fallei
em Darwin, foi para dizer, que muito antes da pu-
blicar o da 1* obra do sabio notar alista males eu
hacia aceitado o Trantformitmo o Er-ohcumitmo
com todas as suas eonaequencias. Si ja era evolu-
cionista antes de Darwin, como poderia confun-
dir Evolucionismo e Darvinismo ?
Isto posto, visto parecer-me, que toda a cau-
tela penca diante de um adversario do quilate
tk Ilustrado Dr Artlrar Orlando, apresso-meem
declarar, que o linal de minha carta de 48 pao
deve ser entendido ao sentido de eu attribuir
A. Comte, Noire. Hceckel, Von Ihering, etc.,
opinies diametralmente oppostas as minhas
acerca dos dous pontos em discussao, (pois sei,
por exemplo, que Von Uiering n5o so limita a
enxergar como eu na evolufo do Cosmos um
uin plano linalistico, ms vai mais loo ge e re-
puta dito plano preconcebido e divino) ms sim no
de ea declinar a sua aotoridade no caso de elles
professarem taes opinies.
Devo tambem dizer, que s nada tenho que
objectar s opinies externadas nos reproduzi-
dos fragmentos de Tobias Barreto, nem s atri-
buidas a Hceckel e a Wirouboff pelo autor do ar-
tigo, nao posso aceitar a definico da Darwi-
nstuo dada por elle, n'um trecho de propria la-
vn, que segu immediatamente ao fragmento de
Huxley. 0 Darvinismo, diz elle : n hypothese
biolgica, em virtud*' da qaal todas as especies vi
ras. regetaes oa ananaes, descendem por mei de
transformaees succetsiras de um tunco tupo pn-
mit ro.
Peco, 1 cenca para contestar semel liante fle-
fin cao," pois muito antes de Darwin Lamarck
foimulava nos mesmos termos, cora pouca diffe-
tvnca. a doutrina traiioformista. O que pevteftce
a Darwin e constitue verdadeiramente o Darvi-
nismo, ter mostrado aue essa evolucSo eftec-
tua-se por meio da selecco natural resultante
da luUa pela vida.
Passo agora 1.1 parte do artigo-, a m que
o meu Ilustrado contendor suppe ter provado
svllogisticamente, que leve raza em tirar das
dias theses formuladas na minha carta de 41 de
Janeiro a concluso de que, w existe um principio
eterno e inmuta vel do justo, a base do direito
um plano- preconcebido ummeehanismo tcleologko.
O distincto Positivista labora em erro. A exis-
tencia do principio do justo, e do do verdadeiro,
dos principios dVctusalidade e de contradiego,
considerados cathegorias da razo humana, e por
isso bases essenciaes de todos os nossos racio-
cinios, nada tem cora a concepeo teleologica ou
disteologica do Cosmos; em to i>onco com a
auesto theologica da Providencia." Nao as pre-
suppoe nem as contradiz mais que as proprie-
dades do Eilipse ou ila Parabole que tambera sao
eternas c immutaveis.
O meu Mustiado adversario teria razo se
eu houvesse dito, que o principio do Justo 6 urna j
das leis primordiaes que presidem a evoluc-io
do Cosmos. Mas isto nem disse nem pens.
Formulei, as mullas-cartas de 31 e 28 do pas-
sado duas these, que nJo tem entre-si ligages
mais estreitas de que a gnesis dos aunis: de
Saturno com a evolugo do svstema nervoso nos
molluscos cephalopodas. De'ixe S.-8. de qoerer
fundil-as n'uma se. Encare-as de frentepara
refutal-as, cada urna de per si, nos propnos ter-
mos em que as formulei. Kstoo certo que so-
bram-lhe forca e illustraco para este como para
maiores coramettiinenlos.
Nisto fleo, Srs. Redactores e sou com estima
e consideracio de Vv. Ss. amigo e venerador,
obligado. -H. A. Milet.
Tribunal do Jury de Rcclfe Func-
cionott hontem este -tribnnai-com a presenca de
juizes de facto em numero legal.
A"s 11 horas da manhJ, acbando-se presentes
os Srs. Drs. Antonio Domingos* Pinto,-juiz de
direito ) 5.* districto e presidente do tribuna' e
JoSo Joaquim de Frenas Henriques, 1* promotor
publico da comarca escrivao privativo do jury,
capito Florencio Rodrigues de Miranda Franco,
lez-se a chamada geral dos jurados sorteados.
Verificada a presenca de 37 juizes de facto o
Dr. juiz de direi'o declarou aberta a Lsesso
ordinaria do jury, no corrente anno e m
dar Um concert musical na noite d 10 docofr -5041100 os jeradee qneaeixaraiB Foram apresentiuos pelo escrivo devidamente
preparados para julgamenfo 32 processos d
rente. ,
* O pr>>gramma do concert est bem lormaao
e de modo a satisfazer aos que de^ejarem ouvir
boa msica vocal e instrumental, executada pelo
concertista e por riistinctas aenhoras de nossa
sociedade e eximios artistas e amadores, que
por obsequio ao Sr. Escolan prestam-se a auxi-
Soj conlmcidos do. publico os dotes arilsti-
cos do concertista e or isso julgamo-nos ds-
pensados-de encareoel-os.
Brevemente ser publicado o programma do
concert, que. esperamos, lia de attrahir grande
concurrencia ao sulao do theatro.
Compaicenuiical-0 professor Ro-
que M. da Silva, mestre da banda de msi-
ca da sociedade Recreativa Juventude acaba de
publicar ra booito dobrado para piano com e
titulo ''rodo Pemambncano, e qual j foi execu-
.tado pelas bandas de wpica da mesma socie-
dade e pela to 3 batulhte de inlantaria.
Vende-se no pateo de S. Pedro n. 2 a 2*000
cada exemplar.
\o presidente da' Juvantud agradecemos o
mimo que nos fez, enviando-nos um exemplar.
r K.pao*ra..pr*ncialEntre as usinas
que oBto-era'm pa*mlk* pelos productos que na
xposiyao"niresntr.ini deve <
Santa Filoiiilla, cujoaome fot
sapateiro 0 analphabeto;
Que sabia o-metivo porque es acensado, <\ae
nao eooheoia ao lestemunbas que jararam 1 aft
procesao e nao-attribuiat ^aAcmeaco >a.moti-
vo particular ;
Que nao praticara o crime queHe ra atlribot-
do, so. leudo delle conhecimenro depois de reco-
Ihido a Casa de DOtencio. 1
Conclmdo o interrogatoiio fe, o escrivao a Jet-
tura do prsaesso.
Consta dos autos que s 6 horas da manuu de
12 e Junho 1879 no caes de Capibaribe, o reo
assaltara o italiano engrasador rranciaeo^CUsa-
to roubando-lhe a quantia de-1:600* que n'uin
embrulho e dentro do caxao de seu tMbalho
conduziaaquelle italiano. ,
O reo respoadeu ao jury em 14 % XMRde
1887 e foi condtmnado a 8 anno*- degaM ap-
pellanilo dona deciso, para o Superior Tribunal,
que saandou-aa novo julgaraento.
Em seguida a leitura do processo o Dr. pro
motor publico desenvolveu a accusacilo, e pedi%
a enndemnaco^o reo as penas do grao mximo
do art. 209 visto estar pro vado dos autos a autora
dodt5licto1com as circumstancias. agravantes da
surpresa eajujte^ previstas nos JS15 c 17 oq
Lart. 16
0 patrono da acensado pedio n absolwvo do
seu constituinte allegando naobaver -pravas de
sua criminal idade.
Houve replica e treplica.
Terminados os debates o juiz de direito con-
sultou ao jury de sentcnca se estava esclarecido
para julgar a causa"e lendo resposta aBirmativa
leaas.queslasde.nicto,'arepistaO' ao mesmo
jurye recolhendo-so oste a sala das.conferencias
voltou meia hora depois a sala publica com suae
decises, negando por 8 votos aautoria do crime,
pelo que o juiz de direito publicou sua sentenca
absolvendo o acensado e coademnando as cus-
las a Cmara Municipal.
Foi levantada a sesso s -3 horas da tarde e
adiada para boje s 10 horas.
Mcrvlce milliarEstu designados luje
para superior ik) diaoiSr. eapitao S Brrelo,*
para ronda menor a^P-aleres ajudaote del *, -mt.
balalbo de infentaria. todos
- A guarnico da (idade dada hoje pelo 2
batalho deinfantaria
A guarda do Thesouro e do palacio 6o
commandadas tioje pelos Srs. alferos Vicente Per
reir Lima e Pedro Nolasto de Sousa.
Existe em tratamento na enfermara mili
tar5t pravas dos corpos daguarniefio.
Funccionou hontem no .quartel general o
consclho de guerra do soldado da companhia
de cr.vallaria Manoel Ferreira da Silva, sob a pre-
sidencia do Sr. tenente coronel Luiz Antonio
ferraz : a funeciona hoje o.consclno do solda-
do da mesraa companhia Hermenegildo Gomes
Pereira, sob a presidencia do Sr. coronel. Frede-
rico Christano Buys.
No requerimento do soldado particular, do
2o. batalho Francisco Marinbo Falco, pedindo a
S.Exc para tratar-se fora da enfermara militar
era casa de.sua familia o mesmo Exin. Sr. deu
o.seguinte despacho : Como pede comparacen-
o a revista medica 2 vezes por semana.
*- Foi entregue ao 2* batalho e rubricado
por S. Exc. o titulo da alistamento do ex-forfiel
JooJJaptista -Goncalves Ferreira.
.Acontar de hontem ser substituido o des-
tacamento do Fortcdo Buraco, de mez em njez,
por pragas dos dous batalhes deinfantaria.
^-Foram.nomeados os Srs. capito Joao Justinia-
no da Rocha, e tenente Jos Joaquim de Aguiar
Joaquim Jorge de Mello Filho, para presidente
e.vogaes do conseibo de investigacao a que v5o
responderos soldados do 2 batalho.Manoel Pe-
reira de Araujo e Daniel Baptista de Oiiveira.
Director* daw obra* de connerra
cao do* Persea de PersutnabareReci-
fe, 6 de Fevereiro'd* 1889.
lirf4inMfl!kae
QO cirargi*i,d
horas.
O pbarmaeeutkjD eotrOu
soiaac datarle.
O ajudant dopharmaceutieo..Mateais 7| 1|4
da marina esabio as a boras da tarde.
.tMbaoeainma tiwmnm^ar*A. h parte da
provincia, cujo pteralo grande
it oratida, saganria-ieira,' U
Publico-Obituario do dia 6
1889.
Dr. llenrique,jJTooao Miranda 1 Leal. iPeraam-
bucui 40 minos, tsan. Poco.|- tubrculos pul-
monaj-es.
Dr. redee-Aiensii de Mello* ,,Parnambuoo.i 'M
anuos, viuvo, Bbn>Vista,: bepatite. -
.;.Manoeil!.iJerajiiDbwo, l/4.dehora, Boa-^Vilta;
atrepsia.
.Jonniia l'.M',4Unaidlelo. l'ernambut-Oi- 8fi an-
,no. viuta. .alvina; ,caohexia.
QMaiia-'olathde dbsPrazeeos, i*eiarabieb. ''
1, viuva. S.Jos ; tubrculos pulmonares.
italeai l'emambuco, 3 anuos. Santo Anto-
nio : cacliaaia.
Maria; l%nnii)buco, :; mezes, Boa-Viste icon-
vulsoos.
(!Piniaflibuco,-.S. Jse-;' asphvxia.
Iternambuoe, VeannoB, oarViita;
Em
Petroni
febre p
Luiz JjB^eii Vista; loeumouia.
PeilrwOoncahws'dui Sant'Anna, Pernambuco.
i anuos, Boa-Vista ;. nephrite.
Um fe, Pernambuco, Boa-.Vista.
Um pouco de tmdo
l'emi-de taimoSiauwm'lv que. leudo alguns
conhecimentos litterarios, ignore q que Jeja
pena de taliao.
Todos os jurisconsultos sabem perfeitamente
em que consiste esta pena, da qual .na. lei das
doze.-tabeas se fai mcnrio, segundo refere
Verrio.
Simembrum ruperit, ni cum co pacit, talio
Bolcthn meteorolgico
1 Ia s s
Horas gil Barmetro a o* Tenso do vapor Hmida 1
6 m. -9 ' 761-55 '. ^80,6! .**
9 - 27-5 761-88 21JW 78
12 29*-l 761-82 51,59 ' 72
3 t. 28-2 760-47 22,21 78
6 27*-6 761 -m 21,35 77
Temperatura maxima-*-29,7o.
Dito mnima -24-.50.
. Evaporasio em 24 boro- sol 15^2 ; som-
bra : 3-,0.
Chuva 4,*o.
Direcco do vento : SSE, SeSSW alternados
de meia noite s 2 horas e 10 minutos da manh;
SE, ESE eE alternados at meia-noite.
Velocidade media do vento: 1-.99 por se-
gundo.
Nebulosldademedia: 0.80.
Botetim deporto
2.2
= SO
m
Mr
M
M
M
Dia
6 de Feverciro
7 de Feverciro
Horas
9 0 da manh
2-S8 da tarde
9- 1
320 da manh
Altura
2-,03
0-,88
2M)6
0-.87
omit ido na noti-
ci que ucra nos .fwneeeuoeandicaces respectivas.
HAM.*.- ecbaaicoa e UMme-
,Em assembla geral-neunem-se ho^e pelas 6 ho-
ras da tade, os membros da Imperial bo.nedade
dos Artista* Meclunieos e Uberaes
sociedade Urrarla osrulie.
Dia Reunise hontem, |em assemblea geral
extraonaaaria, esta- soaiedade, deixando de pro
ceder ebuco da-nova directoria por falta de
numero legal.
Fov.ftfteada orna outea assesmblea geral ex-
traordjnafcaam qniflta-ira, 44 do Brrente,
afim de proceder-se -leico e. tonwrem-se
certas providencias.
dTraniMrerailtnie-M' proposito de transj'or-
mismo, e em resposta ao Sr. Dr. Arthur Orlando,
o nosso- ilrastre rolabira! Bagenheiro H. A.
Milet dingio-nos a carta mfra.
m Kecife. 6 de Fevereirode 889. Redac-
f~>4. tm9TS
- Sob rubricaSciencias e Lettras-o Jornal
do Rvctfti, em seo numero da 2 do cnente, piii
... jjjjHJUtttatulo diresposta asarte que Ibes na-
4Srftrido em S (!< Janeio, um artigo contendo
ggMtces que n posttoderxan-pasear em jul-
gaj|s aestes da exisUincia. ou ausencia, na
evotacaoMO noiverso.'O'e um alano ihiekigeate ou
inteawivel (o que para -mini a mcsuiisfima
eoSTe do papel representedo.pelo praunpio.do
Justo naeyoltodaocienoa chamada Dueito,
oSerecem aosapwcttAcres do trnelos- phitospr
poicos bastante ibteresse para aerem tratad? s em
seguintes reos presos .
Manoel Menelio do Nascimcnto, Casemiro de
Mello Costa, Antonio Pedro da Silva. Laurentino
Jos de Oiiveira, Jos Alvos de Frailas, Manoel
da Costa*Bandeira, Jos Antonio dos Anjos, An-
tonio Jos de Lina, Salustiano Ferreira Bastos,
Manoel de Sant'Arma Oiiveira, Antonio Francisco
de Souza, Francisco Raymudd de MeHo, Gut
lherme, liberto t Joto Perigo, pronunciada no
art. 269 do cdigo criminal;
Zefrino Candido da Silva, pronunciado no'
art. 264 4 combinado-com o art. 34 ;
Flix. Gomes rtirreinr pronunciado no art. 864
gl.o;
Manoel Jos da Silva e Leonardo Jos de Souza
pronunciados no art. 257 ;
Joao FranceliriO dos Santos Ipronunciado ne
art: da lei n. 3311 de lo de Outubro de 1886;
Vicente de Astsis Tavares, Antonio Gomes de
Souza, Alfredo Eugenio Crespo, Jos Venancio
da Silva, Jos Antonio da Silva, Antonio Mathias
do Nascimcnto e Jos Francisco-de Mello pro-
nunciados na art.. 192 do c. digo criminal;
Mario Francisra d'Annunciacao,'Antonio Pedro
dos Santos, Joo Aefooio Krancisoo dttLima, An-
tonio Francisco ile Araajo, Joo Augusto Romauo
de S, Francisco JosTeixeira, Antonio Leandro
Ramos, Lucio l asemiro Justiniano. Bento Jos
Gabriel do Nas:imeto e Joao Galdino Moretra,
pronunciados nc- art. 193 ;
Januario Nuns de Oiiveira pronunciado' no
art. 193 combinado com o art .34;
Jos Vieira. I'tancisco Manoel Solano e fian-
didoiBezerra da Silva, pronunciados no art. 201;
jaaquim Jos de -Souza Beltro, pronunciado
no art. 204 ; ....
Julio Jacob veia, Antonio Purrela da Silva e Manoel Joa-
quim da Silva, pronunciados no art. 203;
Joao Francisco Bastos de Oiiveira Filho, pro-
nunciado no art. 219.
Foi julgado o reo Manoel Menelio do Nasa-
jaeoto. -pronuoado no art. 69 do cdigo cri-
minal, por despacho do Dr. juiz de direito do
4- districto, oceupando a cadeira da defeeap
Dr Jeronymo Materno Pereira de Carvalhp.
jury de seotenra compoz-se dos -eguiotes
juizes d facto
Ulvses Botelho de Andrade.
e'nto Manoel da Castro Amara!.
Manoel Gomes le Silva.
Antonio Martin i \ianna
Joao Cesario degello.
Manoel Coelho intra Ramalho.
Benjamn Conslaot da tunha.Salles.
Antonio Jos Euarte. .
Thomaz de Aciano edeiros.
Jas Fernandei tft Mello. #
Manoel Lvra. .,
Miguel Ator*. da Coste 8 Suva.
Interrogado o reo respondeu que era
LlieeEffectuar-se-ho os seguintes :
Hoje:
Pelo agente Britto, s 10-1/*- borasv a ra V s-
conde de Inhama. de movis e loucas, e de um
predio em Olinda.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, no caes da
Companhia Pernambucana, de trez escaleras c
mato pwtences de-navios.
Pelo agente Burlamaqui, s 11 boras, a. ra
Augusta n. 187,^0 movis.
Amanh:
Pelo agente Silveira, s 11 horas ra do Im-
perador n. tj'do predios.
m**a funebrrwSerio celebradas:
Amanli :
A's 7 horas na malriz da Boa Viste, pela al-
ma de O. Joania de Jess Souza; sBhorasJ na
mesma igreja, pela alma de Hermenegildo'Mar-
celino de Miranda.
raaabjgi nn fihf.-tTlrt do norteo vapor
brasileiro Jacuhype :
Major Honorio C- Martin, capito Francisco
Joi da Silva, 1 capito Damin da Coste/ Lo,
Ventura Jos da Fonseca, Francisca Maa da
Concalcttr Antomode.a#ialborManoel Flix e
Antonio Jos Gomes
UperareVirariira -Poram platica-
das no Hospital-Pedro II'no dia 1> do comente,
as segunites:
Pelo Dr. Malaquias:
I'rethro-plastia .reclamada por cicatrizes vicio-
sas ora desvio da brethra. complicado de fs-
tulas.
Pelo Dr. Berardo:
- ^upilla'arttficial radicado'por mancha da tor-
nea e-svnechias.
Exciso sutura *T mucosa- palpebralem
ectromo dapalpebra inferior
Casa oe sete**.'' Mgvirftento dO pre-
sos da C;.?a de DetencSo <1* da 6 &> FiH*riro'
de 1889.
Exisliam 431 : entraram i; sahrram 7; etis-
tem 434.
A' saber:
Nacionaes 394: aatbers 17 : era3a:if0# 120.
-Toial^l.
tTacoados :184.
Bon362
Loucos 4.
. Doenres,-19.Tot 38'i
Mor*ntolda'-#ifc'rcsaria
verombaiM
Jos de Seflna Oliv.eira.
Severiano FrartCseo do'EspiriWSanto.
Tevealta:
Ignario Ferreira oes'Santos.
. ebiatiffdro 11 -O morimeato
estubelecimento de dari:tad*-.
neirrJ, foi o segrate ;
fc Sntraram
Sabiram
Fallecerara
Existem
Foram visitadas as
coabecern o que a pena e ta-
liao, poucos se tajjkdado uo trabalho de investi-
gar a origem da plavrataliao.
A um distincto advogado ovimos por occasio
de tazer urna prelecci-no jurdica, fallar por
diversas vem na pena de-dalt&o, e de tal modo,
e lao'claramente se exprjmiaaeete'respeito, que
todo o auditorio se convenceu de que taliao era
o legislador dessa pena, ou a pessoa que primei-
ro a applicou, ou o individuo a quem foi infli-
gida.
Despertando-uos este, facto a. curioaidade de
examinara origem do termo, consultamos o vasto
repertorio jurdico de alloz, que apenas, di* o
seguinte sobre o assurapto :
A pena do taliao consiste em fazer soffrer
a um culpados mesmo mal, que elle, causou a
outro : olhn por olho. dente por dente. ,
Pouco mais ou menos- a mesraa cousa -diz Pe-
reira e Souza no seu Diccionario Jurdico.
Convin, entretanto, notar que cm Pereira e
Souza, bem como em outros autores jurdicos, a
palavra Taliao (tanto em portuguez como em
francez so acha escripta^om a primeira lettra
maiuscula, signal de nome propno.
Nao aqu lugar opportono, era de nossa
competencia, fazer a critica da pena de taliao,
abolida nos povos modernos.
Roma e Grecia a adoptaram, e na lei mosaica
a cada passo encontrada tal pena, a respeito
da qual dizia o grande Aristteles :
Nao ser absnnto'justiflcar c imitar aqujllo
que-se condemna em outro como urna acgo
ra ?...
Deixando, porm, de parte estes apreciaoes
histricas, investiguemos a origem da palavra
taliao, que, escripta com a primeira letra maius-
cula, est indicando julgarem taes autores | ter
existido alguemconi o nome de Taliao.
Que tal persouagem nao existi, temos como
certo : porque nao encontramos jamis nos mui -
tos vros que consultamos a este respeito, men-
C-o alguma.
Iodos esses jurisconsultos, francezes, poptu-
gueaes, e d'estes os que cscreveram em latimipa-
(recem hafer taberado-nesse' engao -r poin; que
eserenaiao vooabalo, como se fosse nome pro-
prio de horaem.
Os gregos para exprimirem a ,P"*f taimo
dizem/antipoinos; os latinos talio, onis.
Evidentementefaboovem do ablativo la-
tina tatone; como se se dissessetalis atipa,
talis pa-nn -(tal culpa, 'al pena /
O Calepino diz que talio, onis, vem de talts
mas nao desenvorve a ety-mologia; Constancio,
Morses e ere que todos os outros- lexicoera-
plios do a-mesma origera^e nad* -nMis adian-
Scm discordar d"este opiniao e dando-lhl
maior amplilicago. nao s apresentmos o exem|
plo-/i/i culpa, talis posna, mas accrescenta-
reino-que este vocabulo foi pelos latinos for-
mado do mesmo modo que o-termo jurdico usu-
capida, (usucapi, onis) feito com o- substantivo
usus 4usoJ e o- verbo capto *u> tomo) que signi-
ticava a -posse adquirida pelo uso.
E' mu provavel que para os juriseonsoltos se-
jam superfluas estes consideraedes, as-qaaes, en-
tretanto, podem aos indoutos talvea aproveitar.
Dr. Castro; Lopes.
*

Nota um correspondente de Londres para a
Mota Revista de Paris que na Inglaterra nSo
raro prestarem-seionratexageradas aosiockeys
que fallecem.
Diz que a mocte do jockey Archer tova alb ap-
parenaas de calamidade publica : nao se de-
dignando omrincipe de Galles de mandar con-
dolencias Aamirto'ckHocherqual se se tratase
de antigo e bom servidor do Estado, de grande
hornera da pontica ou de artista que houvesse
contribuido' para augmentar o patrimonio da glo-
ria nacional.
Tambem recentemente (diz o mesmo eorres-
pondenteT oenterro dcJame-Selb*7'-cocheiro
que fazia quotidianamente, era .vebiculo tirado
per quatro cavallos, viagem de idae volta entre
Londres e Brihglon, foi acorapanhado por pares
da Inglaterra, entre os quaes o Duque de Beau-
fort, Mrquez de Ailesbury, lord Clifford lord
Guy de Welton. etc.
O cocheiro Selby bavia feito em Junho ultimo
a proeza de effectuar aquella viagem redonda
em pouede- oras,' gannando com isso 25,000
francos.
*%
A.eompisicSo do meteorito de Fayettarfordece
argument contra a hypothese da ideutiSeacao
d'estes corpos com as estrellas cadentes.
.*
Como fosse escripto recentemente qne u ibais
antigo observatorio do mundo tinha sido 0' de
Pekn, fondado em 1279, acudi o Journal do Ciel
a reivindicar a prioridade para o de Loyanc,
tambem da China, o qual existia, apparelhhdo'
com instrumeatos l^a anno*. antes da, nossa
era. Babvlonia e o F+'ypte-ttvWam observatorios
pelo menos lo antigo? qnanto o Loyaog.v Os
rabes ti vanan os oosercotorioS de Bagdad s de
Damasco, que precederam 0= mais "atiti gas 1 da
Europa. ,
Na Europa o rrrimeiro observatorio foi q de
Cassel, fundado em 1361. onde foi calculada a
posicio de 900 estrellas. 0 d Tvcho-Brahe^em
L'ramburgo.- M eWabeteetdo em 1576. Funda-
aeste
uo dt 5 do Fe-
14
15
0
568
re?pjctas^ entennarlas
rani-se depoii o '<** Lerede em 1632, a'de Cqpe-: ^^ ^a 0 Mrquez de Olinda n. 41.
nhatue em 1667 e o de Greenv,ich era 1675.

Na noite de 13 para 14 de Novembro, o astr-
nomo Denmngfohservo" deBristol o ensarne Has-
Lenidas ou estrellas cadentes que todos-Olan-
nos naquella nona-penetram na athrrospherai da
Terra, parecendorradiar de um ponto determi-
nado na oonstrllaoaodo,Leaa (ponto radiante).
Foram vistos 29 aquenes meteoros, tic brtlho
natural,- deixando apos si rastilho phosphorecente
eum*iaid mosphera.
Determimmdo aposi?o do pomo radiante; ti-
xou .'Denning em-Hr? de ascenso recta e 22,
de derliuacao boreal, algarismos que. coincidin-
do com os determinado? em annos anterores,
provam achara* bem detini lo o mesmo panto
0 exame dasfceonidas (e eis oqoe torna inte
re^santisstma^'Ws'Obserraoes de Derming} aoha-
se em coottexo com cr cometa de I80O; n. 1, abo-
nando a bypothese. muito geralmente admittida
de serenriwestreHas cadentes fragmentos des-
prendidos dos- cometa?.
natural
pelos Dr3.:
evsEeiros91i2.Barfr>iS*bmnoa5 TSpV Be-
rano^s r4,.Malaquias s 10, Boatual as 9 lt2,
Estevo Cavakante s 8 If* -ifosoaso s 8 I i|4
10 horas.
O Dr. 9mio*art)0tn*o'Wmparecei
alargar cotnerteza a aiphera dos tnbalhos po
derosoe e atis d ante,-* eagenheiro.
As pecas efal09mtwgt\tutuw He ao tdoi
se conur#:0,aebegai'tt pfctemepte
acabadas: sat offidnaif-quo nenhum rateque .e-j-se achara enllocadas .
EilTel calculou, por logarithaoi todas 4s dimen-
ses das 12.000 pejas dostinadaa-apjstarem-se
urnas s outra. semloleraaciu^fc!erras maiqrejl
de 1/20 de jmhmetro.
Falleceu eoiiapoles o
decano do msicos
italianos, Fraacisoo'Ptorimc, >qnefoi^umigoi de
Bellini, Donizettie outros. 1,
Nasceu n Calabria a 1 de Janeiro Jdc 18po-
Havia quasi. meio secuto aivia el te no archivo
aiuftcal decNaoolM. de queot-dlrector nosjul-
timos amos.' Publicou urna* historia doscon-
servatorios te aples > com noticiai.acerca da
msica na Itaha, uvro que refundi iuteiramnnte
em urna nova-dicfto.'i Esenevea' ua-talbumi da-
msica, jmi-metliodotlB anta adous/ livros cu-,
riosos : lBelluit,:xeoafdaOese.carteSie Wa-
gner e os wagUerianos '., Foi eMc quera inidiou
o transferimento das xinzas de BeriuM, de|Piris
para a-Catun-ia, e quem premoveu a sabscripo
para se erguer a estatua de Bellini. que hoje em
dia figura]! entrada.do.coHegio muaieal de ap-
les. Mor re u quasi nonagenario, e nao.deixou um
s inimigo. K'> este o seu maor titulo de gloria.
Diz La Natura que por decreto da ^legislatura
de Nova-York1, osupplieio da corda seria oili
substituido desdn do corrente, pelamorte por
meio d elctricidade. tendo sido lixado em 3.000
volts o valor da tensao dispensavel para que a
ruortt seja segura; eiostentenea.
Acresceatoaqoella reviste que-proposta idn-
tica foi a presentada por E. ,C hartn ao se nudo
francez, tendo o autor do projecto, porm, deli-
berado aguardar o resultado das execucies, que
iHeliamentift, nao terdarao
Estados-Unidas o-novo syatema. 1 ,
/#* I
Nao looge.de Dinan,'e jmargem do Arguenon,
pequeo rio 'qoe se. (anca ao mar as costas! da
Bretanha, deparam-sepedras conhecidas na.lo-
calidade pelo signtcativadenominaco de peoras
sonoras de Gvildo,is quaes se ligan?, .como jia-
tural, varias lendas da regio que fcrtillissitna
neste genero de-productos da iraagiuaco.
Sao tres-as principaes pedias sonoras que o
Sr. H. Foriier cana de examinar, tendo a raaior
o comprimento de 6*.50 peso approxiraado | de
70.000 kilogrammas. E' tambem esta a que of-
ferece o pbeaomeno com intensidade .maior.
A qualquer pancada corresponde a pedra com
som argentino e muito claro. -as duas pe Iras
menores o som. velado. Todas as outras dare-
dondeza produzem sons variados te conforme a
sua coraposicao. mais ou menos puros.
O phenomeno destes rochas musicaes. pouco
conhecido fora da Bretanha, acaba de ser ass>g-
na'ado pela" revista La.Notare, ila quaLcolhenjos
esta noticia.
existe na imaginco da.1,
to, foi reconhecido como re
m iBnetrado Um nn gadofwidmaa ]
sa. aquillo quanatuexiste I f
r Paiai^eo** d'estet asseeto, abaixot vfi .publica-
da urna -CmanBa oimiriadat'SohkB o caeailbem
eomo 8B'pa7eaei-esidet*sbto* adnigBdplifrue,
em numero de 21 responderam -NiohHattaa at-
TtNJADO!
A'efcspeito, porm das provas don: aun so-
bre asmiaw.fol-affl dados Os allUdidaarpafece-
res, a Relaco, por dous dos seuS dbsemottiga-
doresv afir mi o tcontrarit); isto- e;:^ existe II...
hirEvpois^eaDoordao'quevai ser lavrettadjioje,
dse ser mil onumeate er. sabedor .* juris-
prudencia 11
o jj-ftiwitei qaa-contnoem,.a ;centiat'.Aia jus-,
tica imkfeitiiei dos triwnaes I
Mas, no assim queqirocedem ps jutrtrs de
Be'rllm?!'!
I.-, Reoifd, 8deFeACDeirqde,1889.
Luiz dP. Lopes.
SPORT

llippodronM d> Campo Craode
Reunidos hontem os'dous directores deste
hippodromo. Sr*. Dr.- Jos Eastequio Ferreira
Jacobina e Luiz de Paula Lopes, com os mem-
bros da commissao fiscal, Srs. majot" Marcqlino
de Souza Trarasso e Sebastiao uopes Guima-
res escolberamao Sr. Dr. Francisco de Paula
Correia de Araujo para exercer>o lugar de dire-
ctor, que se acha va vago.
Segundo nos informara, a directora vai com
urgencia mandar>ifazer um.segundo porto
para o ensilhamento, de sorte que nm servir
smente para entrada e ootro para sahida. E'
um melhoramento de ha muito reclamado.
A enfermara vai ser montada no.eusilhamenr
to, e a sala que- divide oora o toucador vai tor-
narse urna dependencia do mesmo toucador.
*>
INDICAQES UTEIS
Medico
Dr. Cerqueira Leite, tem o -seu escripto-
rio aberto rua Duque de' Casias' n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e de*ta hora em dian-
te em sua residencia ra da Santa Cruz
n. 10. Especialidades molestias de ae-
nhoras e enancas. Telephane l 326.
Dr. Joaquim Louieiro m&dico'e partei-
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 as2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Barretto Sampato d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1.* andar da casa
a ra do BarSo da Victoria, 51. Resi-
dencia -,rua Sete de Setembro n. 54, en-
trada pela ra. da &2 M Dr. Castro Jess medeb o operador.
Pratica'a lavagem do tero ^aaudo' *'co:
mo aconselhada. Consultas das J!l s
3 da tarde em sua risidencia ra, do
Bom Jess (antiga; da Cruz) n. 23, 1.a
andar.
Dr. Joao Paulo, especialista em partos,
molestias de Benhoras e de criangaa, com
pratica^noa hospitaes de Paris e de Vienna
d'Austria, d consaltas de 1 s 3 horas da
tarde em sua residencia ra do BarSo da
Victoria n. 59, 1.a andar. Chamados a
qualquer hora.
Advocados
' O bochar Wruvio Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1.- andar.
O Dr. H. Wtet mudou o seu escripto-
torio de advocacia, para a rus do Impera
dor 46, 1- andar, sala da frente. (
Oeeollata
1 Dp Ferreira. com 1 pratica nos princi-
paes hospitaes e clinica de Paris -e Ijm<
dres, d consulta todos os dias das 9
horas ao meio*dia. I Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario n. 20.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officina de carapina
de Franci co dos Santos Macedo, caes'do
Capibaribe n. 23, Este 4?rande stabeU-
cimento, o primeiro da provincia neste
geero, -coinpr e vatnde madeiras de to-
das as quaiidadesj'serra madeira de con-
ta alheia; assim como prepara obras da
carapina por machinas e por presos sfem*
competenciaPernambuco.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por dta-
Drogarla
Francisco Manoel da Silva & C.,_ deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, ^roduetos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, rua,do<
Mrquez de Olinda n. 23.
Hadan e aovidade*
Mme Koblet de volU de suftivMg^m
previne as Exmas. familias e as-aua fre-
gaezas que trouxe tudo o que diz respeilo
a modas e novidades. Ra do Imperador
n. 44.
PUBLICARES i PEDIDO
Jimspudeiicia
^.BMUJaVrA
D. Clara Argemira de Castro Reg, jnlgando-
ae pnejudicadu com nma obra uovp.iqoOl meus
constituintes, Luiz de Pabla LoptwWsnatmHher,
faziam em -parede commum : e .confinante no
ponto A com o seu predio n. 60, e oft ponto B
com outro de n. 58, pertencente a Sania Casa,
veio a iuizo e obteve mandado de embargo, pre-
textando ser obra nova a, ponto B de sen pio-
priedade e que lhe era preidicial: n'estai^ cir-
cumstancias, tizeram os omciaes d deligeacia
o embargo, sera descreverem minuciosamente 9
verdadeiro estado da obra, fazendotse depois um
additamento.ao auto'de .embargo; .'em psevio
despacho do juiz.
Dias depois vem I). Clan, deaonr'.vljuiM de-
clarar, que baria pedido o embargo no w*sup-
posto de ser o ponto B;um*denendencia.*D.pon-
to. A* qundo-s n'este'dewa necantr-e .setrem-
bargo, que pedia fosse RArirrcADO'vistotiao es-
tar a lide contestada : o que lhe foi deferido :
havendo-ae antes disto realisado a competente
conciaco, nos termos ou de accordo'eflm seu
primeiro pedido.
Daua semelhante ratiticaco, isto veedadei-
ra rectifleac^toi pergunta-se :
Concluiudo meus constituintes aobra>aova no
ponto B, commetteram altentado e desObeuen-
cia ordem do juizo, sendo claros seuTdominio
e posse ?
Accusado o- embargo -na primefra do"juizo,
podia a nunciante deixar de offerecer. desde lo-
go, os seus arrigos nunciativos',' sob" Bte ou
aquelle pretexto ?
Pediudo-se ratiticaco do embargo fcito. em
termos de verdadeira rectiflcego, 4e,,c0atedida
ella, devia dar^se novo mandado de embarco e
lavrar-se outro auto, ou basta va o anteriormente
lavrado pelos otliciacs da deligencia^ ftzendo
estes um simples additamento,sen> pacbo do juiz que decretou o embargo ?
Havendo, pms, urna verdadeira rectflfaco, e
nao batificacao do embargo realisado irregnlar-
tuetite. para este passar do ponto B parao pon-
to A, corametteu-se algom attentadvpor tse ha-
ver collocado o madeiramentoeeobertailSpres-
Cmdiveis ao'ponto B ?

No caso^allirunrtno, ao aecusar^e o attantadb,
devia-se deixar'de offerecer 'os tWpectWts ar-
tigos, sem seren acorapanhados1 rdoa nateiati-
vos, embora a marcha d'estes devessa fiear jus-
tada at discussao e deciso final d'aquefles ?
Podia-se validamente proceder outra'conci-
liaco, nos termos de rectiiicao.-da> atttarior-
mente procedida, sem dar;se nullidadele todo
o processado anterior 1
Constitue tudo isto nm caso virgem'eSm
truoso nosanaaes forenses ?
Recife, 14 de Jnlho Oe de Olivaira.
Feito o embargo no ponto B, o'embawaote re-
clamou dizendo haver ngano pojs querr^em-
cargar a obra que estava sendo reita' o" ponto
A.Perraittio-se a rectificaro do.''nargo,
quando a lide no-tava contestada, deixando-
se de expedir mandado para esse tim additando
os omciaes o -termo qne baviam lavrado no pri-
meiro mandado.
*Em visto disto respondo:
Ao l.'qucsito:
k- rectiocacao do embargo- impotta-oievanta-
tamento do que havia 'sidf>'leto"aT}teriilnnente
e assim a concluso da obra nao -importa at-
tentado.
Ao 2." Os artigos nnnciativostieyiam ter sido
aiiresentados na primeira. audiencia.
Ao 3.* Begularmente tev(a-se".ipedir um
mandado pata o^mbargo. DO -peoto-*-Ae nao
rectiicar-se o enganoi pot additameato ao ter-
mo lavrado no .mandado..com o qual fez-se o
embargo d> ponld-R$o coMsldro porm
essa irreglUrdade de ortieA tlfl'^ttacarrete a
nullidade do preceseado.
Ao4. Prejtidicado pela resposta o 1* que-
sito. ,
0 5." T-tobem' lita prejndkade, tota pens
que nao houve autntado e conslderov-levantado
o embargo desde que aparte vet a? Iuizo e diz
que elle foi feito por engao, qu elle procura
rectificar,
Ao 6. f eFmittidaa rectihcaco, devia-se per-
mittir a nov.conciliaco.
Nao conheco caso dentco ao de qae se trata,
e, se bem entend a-consulta, .extraordinario
que depois de deiUarar o embargante que por
engao embargou a obra que eslava sendo feta
no pontoB-viessedepois altegal'attentado
por ter o reo proseguido nessa obra
Salvo melhor Juizo. ,
Recife. 14 de Agosto V 1888..- *-*---" Cor-
reia de Araujo.
Coneordo com o parccer3Ppra em quasi toda
a sua plenitode^Tieujem'P mi-I' pon-
to, que so-pretcadia -embargar, diversoUaquelle
que foi effflotirjttenwaa

ersou a co^tffiiftacar, eraJin1ster ovo mandado.
e nova conciliaco,-eessa falta flfe)-tpo(tedeixar
de induzir a naUdode de* processado. Npnb cen
sura. >.
Recife. 24 de Agosto de^4888.- Dr,0l?Y-a
oraes Silva.
*\
O eaiwaiheiwHWgntiottty. u> Mrtte^dan-abltCTgtom-
pleta raonograpllfei-acerta da obra .3raoMina-
ria aostniS4mMOiatMii<. wntradu do Campo
de Marte.
Deve ser assignado, hoje, em sesso do Egre-
gio Tribunal da Relajo, o accordo que des-
prezou os embargos oppostos um outro nos
autos de appelkicao ; sendo o abaixo assignado
o appellante e appellada aExma. Sra. D. Claia
I f)tccoi'dO!Com'olr:Meraes:Silva.
iR8cfc,ide "Agosto oAMx-AHcBfbrado.
Reliro-meao parecer do illustrado Sr. Dr. Mo-
raes e Silva.
Recife, 3 de Setembro de !888.Wo5o' Ttixeka.
Subscrevo o parecer do Dr. Moraes e Silva.
Recife, 2 de Setembro de 1888 Jos Hygino.
Subscrevo o parecer do Dr.JoataiiaV-.Cor-
reia de Araujo, notando tambem Trae-i segunda
concibaco effectuada importa o reconbecisaento
de que o era regular o procedjraeato havido
at a primeira,
Recife, 2 de Setembro e 1888. Jos Jaaquim
de Oltoeira Fonseca.
Nos termos da consulta parece-me que D.
Clara .quiz rectificar e nao ratificar, porque isso
importara a conlirmacao do que procedeu-se
erradamente e cujo vicio procurou-se debalde
sanar. O meio suggorido no'podia prevalecer.
Confessada, pelo pedido de rectificago, a falta
de idntidade entre o mandado de embargo e a
obra que julgava-se embargada, a consequen-
ciaera que o~embargo'noestara objeerrrado.
nS traba realidade, e nao reciifica-se que nao
existe.
. Gabia^caso conviesse, requerer-se nova nun-
ciagitoWrobTaque realmente prejudicava ttun
ciartte. Nao conheco autor algum aue aconselhe
rectllicfcco de embargo, em bypouiese idntica
ouanaWgaBontMiuar a obra cm taes conies
Ha 6 attentado, porque este impossfvel sem
embargo realmente feito, no ponto em questao-
Emendo tambem que os artigos nnociativos
sao um com|lemento necessario e mprescindi-
vel da nunciago e devem ser apresentados na
primeira do juizo. depois uy etfo o embargo,
embora a discussso delles fique suspens; pela
dieussto do atteutado ; sendo que, antes ite dis-
cussao d cUentado, pode a parte -flunada-azei
levantar o embargo, provaodo. por meio e vis-
loria, que foi requerido dito eiabargbijdremu-
latto.
hnpossivel a rectificaco do mandado, impos-
sivel tambem era,, na especie, a recrScacio da
inconcilia^o, rectificaco, que, como disse o Dr
liveie* Fonseca,. importav configso da i
gularldade do processado,

^
V.
\
0
!



r
i



A iiiiiInuaLQi iln obra nao importara altee la -
do porque nfo existia embargo.
Ao 'i." Devia a nimciante apresentar seus ar-
tigos na uudieucia em que accusou-se o embar-
go; u nao para outra musa que cita-se o
Qaociido
Ao 3. Si foese possivel rectificaco, o qae
ao admitto, devia ser feila por meio de novo
mandado, lavrando-se novos temos sobre u con-
digoes da obra.
Ao 4." Prejudicado coni a resposto do i.'.
Ap 5.* Deviam os artigos de nuuciac&o ser
presentados, na pritneira audiencia depois do
embargo, .embora juntamente com os de al ten-
tado
Ao 6.' Sendo inadmissivel a rectiflcaco do
embargo, nao era tambem admissivel a rectifica-
cao da inconciliaco.
Ao 7. Nao couheco outro caso d recHcacao :
parece-me que a especie urna singufaridade
forense. *
Sub venia.
Rcife 12 de Setembro de 1888.Dr. Ferrer.
Estou de accordo com o parecer do Ilustrado
Sr. Dr. Moraes e Silva.
Recife 13 de Setembro de 1888.Telesphoro
Fragoso.
Subiere vo o parecer do Dr. Moraes e Silva.
Recife 1 de Setembro de 1888.-7. LopesP. da
Costa. ,
Pens que o embargo, a que se refere a pro-
posta, estando essencialmente nullo, nao deve
produzir effeitos jurdicos; porque como se
nao tivesse existido: nSe pode ser rectificado
nem ratificado.
Assim estou de accordo com o parecer do
muito digno Sr. Dr. Moraes e Silva.
Recife 20 de Setembro de 1888. Justino de
SoHza.
Subscrevo o parecer do Dr. Ferrer.
Recife 26 de Setembro de 1888. -Baiideira.
Subscrevo o parecer do Dr. Moraes e Silva.
Recife 1 de Outubro de 1888. Barros Gui
maraei
Subscrevo o parecer do Dr. Jos Joaquim de
Oliveira Fonseca.
Recife 2 de Outubro de 1888.-tojo Baptista.
Subscrevo.o parecer do Dr. Correia de Araujo.
Recife 5 de Outubro de 1888. Gomes P-
rente.
Subscrevo o parecer do Dr. forreia de Areujo.
Recife 5 de Outubro de 1888-Dr. /. /. Sea-
bra.
Subscrevo o parecer do Dr. Jos Joaquim de
Oliveira Fonseca.
Recife, 6 de Outubro de 1888.Dr. Henrique
Met.
Subscrevo o parecer do Ilustrado Sr. Dr. Mo-
raes e Silva.
Recife 8 de Outubro de 1888- Altino de
Arau)
Subscrevo o parecer do Ilustrado Sr. Dr. Mo-
raes e Silva.
Recife 10 de Outubro de 1888.-/. A. de Mga-
Dies Bastos.
Estou de accordo com a opinio do Dr. Moraes
e Silva.
Recife 15 e Outubro de 1888.-A na Freir.
Concordo
Silva.
Recife 16 de
lando.
com o parecer do Dr. Moraes e
Outubro de 1888.Arthur Or-
Subscrevo o
Silva.
Recife 16 de
Jnior.
parecer do Sr. Dr Moraes e
Outubro de 1888.-/. /. Martins

Epicedio
MEMORIA DO TEHEHTK-CORONEL FRASCO
VIERA DE MELLO, ESPECIALMENTE OF-
FRBEC1DO AO SEL' DILECTO E EXTREMA-
DO AMIGO, TSENTE PEDRO ALEXANDRI-
NO CORREIA DE MELLO.
Tombou o corpo, e eedeu
A'a prescripefes na Natura,
Nos deixando a presumpcZo
De que alma, grande, pura,
Ao Empyrio foi chamada,
Para, por Deus, premiada
Ser, pelas nobres acc5e6,
Que bem soube praticar.
Sendo fcil em dispensar
Sempre a todos proteccSes.
Quem conheceu o cidado
Que tinba, deFranco, o nome
E que n'acco sendtf franco
Conquista, fez do renome
D'Homem de Bem, verdade,
Se curva, com Beriedade,
P'ra respeitar/ memoria
Deste distintto varSo,
Cujos actos, tambem slo,
Honroso^ p'ra nossa Historia .
COMMERCIO
7^
fro
de 27 1/2, acbaram
Os bancos, com a taxa
ainda poucos tomadores.
Papel particular foi passado de manha a 27 5 B
e ao fechar do dia 27 11/16, mostrando- os ban-
cos pouca vontade de tomar a esta ultima taxa.
No Rio saccaram os bancos a 27 1,2, sem acha-
rem dinbeiro.
Papel particular foi passado a 27 U/16.
Mercado muito firme.
Nao soi o ente as latas
Luteranas, ou guerreiras,
Que conquista-se renome
E homenagens altaneiras ;
Tambem no manso do lar, -
N'aOcSo de praticar '
Beneficio voluntarios,
Bello renjme se alcanca,
'Amizade e a confianca
De ricos e proletarios.
Foi assim que acontecen
Com o varo respeitavel
Franco Vlelra de Mello
Que tornou-se bem notavel,
Pelo muito que fazia...
E, como vero protegia
A aquelie que o procurara
Em qualquer occasiSo,
Em que pe la precisSo...
D'esse homem se lembrava.
Tivemos aflicidade
De, relacoes, entreter
Com esse bom cidadSo,
Que bem se soube manter,
Com civismo e honradez,
Assim, por mais d'uma vez
Tivemos conhecimento,
Que, Franco p'ra fazer bem,
E para ser til a alguem
Nao escolhia momento.
Fraseo Vlelra de Helio
Era, certo, o cidadao,
Talhado pela Natura,
P'ra ser... e foi, um florao
D'essa nobreza real...
Cujo forte pedestal
E' formado d'argamassa
Mu limpa da hombridade,
Que assen :e na seriedade
Tem valor de fina massa.
Era modesto e sincero,
Tac- affavel como honrado,
E mui firme no carcter
De politice extremado ;
Em lavor de seu partido,
Ao qual sempre esteve unido,
Elle nunca arrefecia....
E com o riso nos labios,
Disfar<;ava os resabios...
D'algum pleito que perda.
Nao commungava na mesa
Dos ganhadores vulgares,
Em poltica, se abstinha
De oceupar falsos lugares ;
Como firme adversario,
Nao perseguia o contrario
Com insensata fereza,
Sabia, porm, com geito,
Trabalhar em todo pleito,
Procedendo com nobreza.
Se-a familia perdeu
Um chefe njuito zeloso,
Apoltica... lamenta
A perda de um cuidadoso
Batalhador vigilante,
TLo forte, como constante ;
E assim o coracao
De seus amigos sinceros
Com saudade sent os fros
Espinhos da consolacao.
No plaino partemar...
Certamente amigos choram
Essa perda irreparavel
Que todos tristes deploram
Com reconhecida razao:
Mas emfim... eonsolayao,
De chorar cesse o martyrio,
Que agrande alma de Franco i
Bemdicta por preto e branco '
Frue as glorias do Empyrio.
21 de Novembro de 1889.
lidiar mi'u F. da C. Almeida.
Diario de EeAim.rae---Sexta-feil,a 8 de Ferereiro de 1889
Triiimpho. 18 de Janeiro de
18*1
Hontem seguio com destino cidade da Pa
ratiyb <* Sr. Dr. Francisco Jos Muir Sobrinbo,
ax-juiz municipal e de orpoaos deste termo.
Diversos amigos seos acompanharam-n'o at o
logar Jardim onde aquelie doutor agradeeeu-
Ities mais esta prova de amisade.
O Dr. Mein Sobrinbo exerceu os seus cargos
n'este termo a contento e salisfaco dos homens
honestos, notaveis e seosatos, os quaes fazem
sinceros votos pela sua recondueco, acto de
Iustica de que merecedor o dito Dr. Meira So-
iriuho que soube pelas suas maneiras e modo
de proceder grangear e conquistar sympathias,
estima e considerado; desejamos-lbe, portanto,
boa viagem e feliz regresso.
Diverso* triumphenses.
2"
2
If 3 3
* i r>
s 3 o
es
w
n
Cl
1
TABELLAS AFFIXADAS
m
3.
o
-
I
s J i-:
* s -Si
X

I


x_
s g
'
s s.s

>
Revista do Mercado
Recite, 7 de fevereiro de 1889.
Foi insignificante o movimento.
No mercado de cambios constou algumas tran-
sacOe8 e no de algodo, cuja posicao melliorou.
foram vendidos alguns lotes do de 1' sorte do
sertSo.
Bolsa
OeTACOES OFFICIAE8 DA JMTA DOE COR-
RLTORE8
Recife, 7 de Ferereiro de J889
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 27 1/2 d. por U,
do banco-
O presidente,
Candido G. Icoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
tlsodo
Foi cotado o de 1" sorte do serto a 64300 por
13 kilos.
A exportaco, feit pela alfandega neste mez
at o dia 8 subi a 64.924 kilos, sendo 40,764
para o exterior e 24.160 para o interior.
As entradas verificadas at a data de hoje, s-
bem a 2.214 saccas, sendo por:
Barcacas..... 400 Saccas
Vapores..... ...
Animaes..... 40 *
Via-ferrea de Caruar. 429
Via-ferrea de S. Frainsco. *20
Via-ferrea de Limoeiro 1.223
Somnia.
2.214 Saccas
lgttwcar
Os precos pagos ac agricultor, por 13 kilos, se-
undoa Associaco Ommercial Agrcola, foram
Brusco?.16*''. 2*200 a 2*800
lomeno..... 11700 a 1*800
Mascavado purgado 1*300. a 1*400
bruto. 1*100 a 1*200
aetame..... I a l*000
. jfTograinra
Dtt ffila da vres laart.vr Nanla
ApolaniM u li->|a de S. dase de
Iba-Mur
Sexta-feira 7 docorrente ao meio dia urna sal-
va e diversas girndolas de foguetes annunciar&o
aos fiis que chogada a vespera de nossa divi-
na padroei-a, as 5 oras da larde do mesmo dia
sera conduzida da casa de nossa digna jtiza D
Guilhermina da Silva Oliveira, a bandeira da
mesma Padroeira aos sons da digna banda mu-
sical do 2o batalhao de infautaria de linlia alim
de sercollocada no mastro, acompanhada por
crescido numero de anjos e virgens, as 4 1'2
oras da manha havei missa rezada em tenyo
de todos os devotos que concorreram com os seus
obulos, Anda a qual urna salva e diversas ginn-
dolas de foguetes annunciarao aos fiis que
chegado o dia da festivade de nossa divina
podroeira, as II horas entrar a missa solemne
linda a qual subir um lindo balan iVito a capri-
cho pelo nosso irmo Constantino Gomes!da Si'"
va, as 3 horas da tarde tirar-se ha a baodeira e
sera conduzida para casa da nossa digna irma.]
D. Mara da Conceicao Leite, as 7 horas da no'te
entrar o TeDeym subindo a tribuna sagrada o
bem conbecido plegador da capella imperial frei
Augusto da Immaculada ConceicSo Alves, linda a
qual queimar-se-ha um pequeo fogo de artificio
offerecido pelo digno escrivae Frttcisco Jos
Baptista.
A mesma devogSo desde j pede ios morado-
res da mesma ra e travessas que iHuminem as
testadas de seus dohiicilios.
Tocar em todos actos a banda marcial ja
cima mencionada.
A mesma devoco convida as Exmas. Familias
de nossos dignos directores fundadoras o Rvdm.
padre Verissimo dos Anjos Pereira e Jos Bento
da Cruz para assistirem a missa que manda cele-
brar pelo repouso eterno de sua alma as 7 horas
da manlii do dia H do correte.
Consistorio, em 7 de Fevereiro de 1889.
O secretario
Julio Constancio Ferreira da Silva.
I ma saudade
DESKOLHADA SOBRE A CAMPA DAINXOCEN-
TE HARA EMILIA CY8XEIRO PONTUAL,
NO 30 DIA DE SEU PASSAMENTO-
Inda hontem, Pichita, eras a vida
O amor, o mimo, a gloria de teus paes ;
Hoje, paluda sombra, aos cos subiste,
Como aos ps do Senior sobe o incens
Em tenues espiraea.
Meus olhos se alongando em vao te buscaiu,
Porque tua doce imagem nao encontraui;
Meu coraco, porm, triste e saudoso,
Por amiga illusao quasi duvida
Dos males que o affrontam.
Perdoai-me, meu Deus, tanta ousadia!
Mas eu compreheuder nao pude anda
Como que a flor fenece ao desbrochar
E entre galas e risos perde a vida
Unta enanca linda!
Perdi, Senlior, perd&o I A dor desvaira-me!
Eu sinto que a razao se me escurece
E enlutado m bate o corago !
Nao morre a flor transforma-sc em perfumes
as azas de urna prece.
Tu nao morresle, anglica Pichita !
P'ra ti rompeu-sc da materia o veo
E entre os anjos, feliz, tua alma vive
Nao perde a vida urna crianca meiga,
Que va para o co!
Recife. 8 de Fevereiro de 1889.
J. V.M. V._____
Programa da testa de Xossa
ttenhora do Livraaeato ua
povoaeo da Varzea.
Ao alvorecer do dia 10 do crrante, urna salva
de 21 tiros, acoiiipauliada de grande numero de
girndolas de foguetes, aununciara aosjieis que
chegado o dia da testa da Excelsa Senhora do
Livrainento.
A festa principiar is II horas, tocando an-
tes as philannonicas 13 de Mao e 17 dj; Julho,
oceupar a tribuna sagrada o eloquente ptvgador
frei Pedro da Purificajo hies e Paiva. a orebes-
tra ser regida pelo distincto professor Antonio
Martius, e os solos sero cantados por afamados
professores.
Ao terminar a lesta subirao ao ar diversos
aerstatos acorapauuados de urna salva real e
inuias girndolas.
A' tarde as phiiarmonicas tocarao no adro da
igreja as mais imporlaules pecas de seus reper-
torios, que estar todo embandeirado e garbo-
samente adornado.
A'8 3 1,2 horas ser arreada a bandeira.
A's 6 horas subir um aeros alo de forma in-
teirainent nova, acompanhado de urna salva c
diversas girndolas.
A' ooite o adro da capella estar explendida-
mente aluminado a giorno.
A's 7 1/2 ser cantada urna ladainlia, e ao ter-
miuar subirao alguns aerstatos e finalmente
sera queimado um lindo fogo artificial.
Advocado
O bacliarel Jaronymo Materoo Pereira de Car-
valho niLuiou seu escriptorio do n. 55 para o n.
85 a ra Duque de Caxias entrada pelo becco d
Congregaco.
BrilhsnteK operaeoes deoptbal
Biologa
O Dr. Correa de Bittencourt pratcou
23 do corrente duas importantissima ope-
rajSes de catarata complicada na Santa
Casa de Misericordia.
A mais importante oi pratcada no Sr.
Jacntho de Lima Chaves que estava
completamente cgo do olho direito de
urna catarata secundara complicada de
numerossimas adherencias (occluso to-
tal da pupilla). O Dr. Bittencourt p'rati-
cou urna ericapsulotomia ou irtomia, a
mais melindrosa de todas as opera5es de
oculstica.
O resultado foi excellente. O doente
vio perfeitamente logo depois da opera-
52o.
A outra foi pratcada no olho esquerdo
do Sr. Raymundo Frocopio de Faria, que
estava inteiramente cgo deste olho ha
treze annos (catarata senil).
Auxiliaran! estas operaedes os Srs. Drs.
Jonathas Pedrosa, Moreira de Magalhaes
Machado de Aguiar.
(Do Jornal do Amazonas.)
I na operaeo importante
Foi operada hontem, pelo Dr. Correa
Bittencourt, nesta capital, a Exma. Sra.
D. Adelia Bentes de Moura. negociante
desta ]iraca.
A paciente estava quasi cega ha tres
annos de umsgrande tumor que oceupava
quasi a totaldade da cornea, produzindo
urna grande deformacao do olho.
O Dr. Correa Bittencourt fez a ablacto
do tumor, consegindo o mais brilhante
resultado.
A paciente nSo smente readquiro a
vista incontinenti, conhecendo perfeita-
mente todos que a cercavam, como anda
vo-se lvre daquella deformidade, obten-
do um effeito esthetco excellente e nao
sentio a menor dor.
(D'.l Provincia do Para.)
----------------?-----------------
Veris sino B. de ftouza ao pu-
blleo
Desejando levar prxima exposigio univer-
sal o navio que stou construimlo pelo systema
de minlia invenco icompressao do arj e vendo
que nao bastara para isso os esforcos dos 300 ar-
tistas qneconta a Emprcza Minerva da qual sou
gerente, venho pedir pela imprensa o auxilio de
todos os pernambucanos que se interessara pelo
engrandecimento de sua provincia e em geral o
de todos aquellcs que desejam veraclasse arts-
tica sabir do abatimento em que jaz.
< proveto o ensejo para testemunhar o meu
reconheciinenlo aos seguintes portuguezes : An-
tonio Jos de Faria?, Kcnto Correia de Miranda,
Francisco Gomes do Val Quaresma, Maximieno
Gomes do Val Quaresma, Antonio Martius de Cas-
tro, Joaquim Pereira da Silva. Agostinho Mos-
queiro e Antonio Pereira da Silva, os quaes se
dignaram fornecer-me no Rio-Grande do Sulo?
meios de que prerisava para realisar as minhas
primeiras experiencias. A estes senhores que
empenharam os maiores esforgos com o liin de
dissipar as grandes dilticuldades que sik'in tesis-
tir s experiencias que prec dem s grandes n-
vences, confesso-me eternamente gralo.
Recite. 5 de Fevereiro de 1889.
Verksimo Barbosa de Suuzh.
Programma
DA FESTA DE SAXTO AMARO EM JABOATAO
Ao amanhecer do dia 10 do corrente urna salva
de unrtenos despertara a populacho c a msica
saudar com a execuco de bellissiiuos irechos
do seu repertorio ao alvorecer do dia da festa do
Glorioso Padroeiro Santo Amaro.
As 11 i 2, aps innmeras girndolas, ser
cantada a missa solemne, seguida de urna das
mais bellas insniraces do apreciado orador sa-
cro cotnifteudauor Manuel Moreira da Gama.
A's 3 horas da tarde saldr a procisso que
com toda pompa percorrera a raaior parte da
cidade.
A' noite quemar se-ho dous lindos fogos de
artificio, haveudo sido mu delles ouerccid por
um honrado negociante da capital, que o man-
dou vir da Europa, expressamenie para esse fin.
Jaboato, 5 de Fevereiro de 1889.
Santal Clerlan
Perolas de Esseaela pura de
Sautal
A essenca pura de Santal tem sido
experimentada cota o raaior successo pelas
celebridades da Europa e da America.
E' inoffensva, nesme dse elevada, e
nSo occasona nem diarrlieas, nem dores
de estomago, nem arrotos como produzem
frequentemente as preparacSes d copah.
A essenca pura de Santal nao exala
cheiro revelador.
As perolas de Santal do Dr. Clertan,
preparadas com a approvac2o da Aca-
demia de Medecna de Pars, contm
essencia pura, o sua efhcaca certa nos
corrimentos contagiosos, esquentamentos e
todas as inammacSes ou catarrhos dos
orgaos genito-urnarios.
Podem ser tomadas a todos os periodos
da blemorrhagia. Tomando as perolas de
Santal do Dr. Clertan, os doentes sao as-
segurados de ter um producto que mere-
ca toda confianca.Exigir a firma.
Vende-se na maior parte das pharma-
cias.
O Sedlitz Chanteaud, cuja fama uni-
versal, um purgante salino, refrescante,
de sabor muito doce e cfficaca segura
para debellar a constipacao (dureza do
ventre); o seu einprego diario utlissi-
mo para as pessoas gotosas, atacadas de
rheumatismo, de consttuicao sangunea,
biliosas, promptas s congestoes do cere-
bro, s vertigens, enxaquecasj dispostas
s hemorroidas ou embaracos gstricos.
E' elle tambem o purgante por excellen-
cia das mulheres e das enanras.
Para evitar os perigos das contrafac^oes
do Sedlitz e dos medicamentos dosimetri-
cos cujos o nico preparador o Sr. Ch.
Chanteaud, exija-se nos rtulos o nome
do autor.
Burggrave-Chanteaud
---------------?---------------
TU.
Chea est a nalureza, e especialmente as nos-
sas florestas americanas, de plantas, l'olhas, ar-
vores. e lauto e tanto agente benfico com que a
Providencia inteutou ailiviar e ainda suppriinir
as dores e molestias corporaes da humatiidade ;
porm o homem tem olhos e nao v gmente
algum sabios, de lempo em tempo, oceupa-se em
descobrir os segredos da nalureza em beneficio
dos que padecem, como tem acontecido com a
Aveleira Mgica da qual o sabio Dr. C C Rris-
tol tirou ecombinou o seu celebre Extracto Du-
plo de Aveleira Mgica, admiravel combinacao
curativa, bascada as maravilhosas virtudes do
Hamamelis Virginica, para oallivio e cura radi-
cal de toda a molestia de carcter indaiiimatorio,
lano interna como externa, taes ionio : conlu-
ses, ferelas, tumores, leers, queimadura?, in-
sokigo, carbnculos, erupges, panaricio, mal
da garganta, de olhos e deouvidos, dor de den-
tes e de cabega, lieinorrha^ias, |iuxos, mal dos
rins, leucorrhn, diarrliea, mensfruago penosa,
coqueluche, clica, constipacao e aslhnia.
iulllivel assombrosa em seus effeitos e es-
pecialmente eflicu em casos de aluiorreimas e
rheumatismo.
Acha-sc renda em todas as boticas e tojas de
perfumaras.
C ura importante
Ao K\ m. Sr. Dr. Curio ll<( f.-n< ..url
O abuixo assgna/lo. soffrendo de um
estreitamento da urctlira ha mais de seis
annos, foi operado pelo Sr. Dr. Betten-
court pela electrolysc, sem dr, e, gracas
sua habilidade e manejos delicados,
conseguo licar bom e radicalmente cura-
do em poucos das, andando sempre a
tratar de seus negocios, pos que o Sr.
Dr. Bettencourt opera sem levar o doente
cama.
Pede desculpa ao Sr. Dr. Bettencourt
se cora esta sua publicaeao offende a sua
modestia.
Gonzalo leixeira Guiniaraes.
e residencia ra Larga do Ro-
Clioica Medico-ri. indica
DO
Dr. Fcrrclra
OCULISTA
Pratco nos principaes hosptaes de Parz
e Londres.
Consultas todos os das (excepto domin-
gos) das 9 horas ao meio dia.
Pratica embalsamamentos.
Consultorio
ario n. 20
Telephone n. 233
[ Leonor Porto
Ba Larga do Ro*aria n. *<
2 andar
Continua a executar os mais df*
ficis figurinos recebidos de Lon
dre, Pars, Lisboa e Rio de Janeiro
Prima em perfecio de costuras,
em brevidude, modicidade em pre- <
90S e fino gosto.
::
Usina Pinto:
Branco 1* s
*
Someno .
Mascavado
2*400
2*300
U700
140
Aexportaco, feita pela alfandega neste mez at
o da 3, attingio a 1. X36.068 kilos, sendo 836Mt
para o exterior e 719.126 para o interior.
__
As entradas verificadas at a data de boje se-
bera a 25.379 saccas, sendo por:
Barcacas
Vapores.....
Amniacs.....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
13.992 Saceos
2.381
2.502
4.920
1581
23.379 Saceos
Colonia Isabel:
Branco 1*
. *
3" .
Someno
Mascavado
2*800
O brigue dinamarquez Catharine, carregado
por Amorim Jrmios & C.levou para Montevideo,
2.025 barricas, 300/2 e 300/4 com assucar branco
e 75 barricas com dito mascavado.
t'ouros
Nio constou vendas.
Agaardeate
Cota-se a 80*000; nominal, por pipa de 480
litros.
Cota-se
Ikros. .
Ak-ool
nominal, a 14541000 por pipa de 180
2*600 Barca portuguesa Tentadora, kerosene.
2*000
IJ860
l#iou
Mel
Cota-se a 30*000 por pipi de 480 litros.
Pauta da alfandega
SBUAXA ll9l FBVEBKIRO DE 1889
Vide o Diario de i de Fevereiro
Xarlos carga
Barca portugueza Novo Silencio, para o Pcrlo.
Barca americana Olice, para Liverpool.
Patacho inglez Peggie, para Mentevido.
Patacho nacional Hival, para Pelotas.
\avios descarga
Barca norueguense Frida, carvo.
Barca ncrueguense Frilhyof, carvo.
Barca americana /. F. Rottman, carvo.
Barca ing!za Sabnna, farello.
Barca norueD'nense Celer, carvio.
Barca ueca Augusta, carvar.
Brigue sueco Pepita, carvo.
Brigue norueguense Bertba, carvo.
Lugar nacional Marinlto VII, carvo.
Lugar norueguense Varum, farello.
linporlaco
Pata> lio inglez Emulator, entrado de Terra No-
va em 7 do corrente, e consignado a J. Pater A
C, manifestou
Bacalho 2,212 barricas e 780 meios or-
dem.
Vapor nacional Jacuhype, entrado dos portos
do norte em 7 do corrente. e consignado a Com-
panhia Pernarabucana, manifestou :
Algodo em rama 110 saccas a Moura Borges
C.
Cera de Carnauba 10 saceos a Souza Noguei-
ra & C. Cordas 1 fardo a Abe Stein & C. Cou-
ros salgados seceos 18 a Moura Borges & C, 10
a Jos Fei de Albuq uerque.
Pelles de cabra 65 fardos a Adolpho Hirscb.
Exportaeo
RlClF. 6 DB krvEhkiro DE 1889
Para o exterior
>"a barca americana Olive, earregaram:
Para Estados-Unidos, A. Casco & C. 341
saceos com 25,575 kilos de assucar mascavado.
No vapor inglez Manner, earregaram :
Para Liverpool, J. Pater 4 C. 770 saceos com
57,750 kilos de assucar mascavado.
Para mterior
' No vapor americano AUianca ". earrega-
ram :
Para Bio de Janeiro, F. de Moraes 23 pipas
com 12,000 litros de agurdente ; P. Crrneiro &
C. 330 saccas com 15,270 kilos de algodo.
No vapor nacional Maranho, earregaram :
Para Manos, J. Borges 80 volumes com 5,720
kilos de assucar branco: N. F. Martins 70barri-
cas com 4,078 kilos de assucar branco ; J. S. da
Costa Moreira 10 barricas com 600 kilos de as-
sucar branco ; H. Burle & C. 25 barris cora 2,400
litros de agurdente ; Amorim Irmos & C. 70
barris corn.6,720 litros de agurdente.
t'ara Para, M. J. Alves 100 barricas com 6,"86"
kilos de assucar branco ; P. A. de Azevedo 400
barricas com 27.810 kilos de assucar branco ;
Viuva de M. F. Marques Filho* 300 barricas
com 17,852 kilos de assucar branco ; l. S. da
Cosa Moreira 70 barricas cem 4,911 kilos de
assucar branco ; Amorim Irmos & C. 95 barr
cas com 6 966 kilos de assucar branco b 50 bar-
ris com 4,800 litros de agurdente ; A. tiuina
raes 30 barris com 4,800 litros 'le agurdenle.
Para Maranho, H. Oliveira 10 saceos com 600
kilos de feijo ; J. M. Das l caixio com 50 \*t
kilos de rap : J. F pinas om 960 li-
tros d M. da Silva "0 barricas
com 7,560 kilos de assucar branco c 80 ditas
com 8,960 ditos de dito mascavado.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLNSON, for-
mado pela Uuiversidade de Marytand nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Barao do Victoria 19, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
No hiate nacional Deus te Salce, carie-
gou :
Para Aracaty, F. M. de Moura 11 barris com
484 litros de mel.
Ilendimeutos pblicos
MEZ DB KEVKIU1KO
Alfandega
Benda geral:
Do dia 1 a 6 133:026*990
dem de 7 39:131*966
Benda provincial
Do dia 1 a 6
dem de 7
15:049827
9:212*427
194:1584956
24:262254
Elixir depura-
tivo vegetal.
Formula de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande efficacia as mo?
lestias syphilticas e impureza dosangue ; assim
como em todas as molestias das senhoras.
Tem curado radicalmente umitas pessoas ac-
coramettidas da lerrivel molestia beriben
MODO DE U8AR
Os adultos lomaro qu-jtro colheres das de
sopa pela manh e quatro noite. As mangas
de 1 a 5 annos tomaro urna colher pela manha
e outra noite, e os de 5 a 11 annos tomarao
duas colheres pela manh e duas noite. De-
vento tomar banhos fro ou momo pela manh e
noite. Resguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Sil va & C., ra do Mrquez de
Olinda n. 23 e pharraacia Oriental ra Estil-
la do Rosario n. 3.
O autor deste preparado poae ser procurado
na ra do Haro da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicaco
que for precisa.
K. 40-
Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.Ami-
go e senliorTendo urna pessoa em minha casa
que ha muito lempo, ou por outra, cerca de
seis annos soffria de ataques histricos, pela fal-
ta de mensiruacio : soffria de (loras brancas, e
aepois de ter sido recalada por diversos mdi-
cos, um dos quaes me disse que ella acabara
assim, pelo grande fastio, que tinha mas em vis-
la das grandes curas que seu Elixir Depurativo
tem feito m que eu duvidava) resolvi-me lau-
car mao delle e com tanta feicidade de que o
resultado nao se fez esperar muito.
Na primeira garrafa que principiou e tomar,
na primeira dose que lhe appliquei lhe deu um
ataque no qual fiquei assustado, porm, nao des-
anime! e coiiliuuei, e no dia seguinle deu-lhe ou-
tro com o (pie tiquei descrente, mas fallando cora
urna pessoa que j conhecia a ellicacia do reme-
dio me disse ser a react;3o do mesmnremedio, o
que assim se verilicou : nao obstante a doente
fazer toda a qualidade de extravagancias em co-
midas, como seja, carnario, carne de porco e
todas as comidas que levara coco; no enllanto
hoje ja se acha com forcas para o trabadlo e li-
vre dos ataques e com disposirao para a comida.
Esta a pura verdade que lhe posso affirmar
e por isso ]>odcra fazer o uzo desta qe'bemlhe
aprouver.
Recife, 4 de Agosto de 1885.
Antonio Ferreira Diniz.
N. 41
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Amigo e senliorTendo soflrido a 6 mezes da
lerrivel molestia escro|ihulas a qual meatormen-
lava com dores agudissimas na cabeca, depois de
ler esgotado lodos os recursos receitados por 3
mdicos, sem ao menos obter o menor lenitivo
aos meus suffrimenlos. a conselho de um amigo
recorr ao seu Elixir purilicador dosangue, com
lana feicidade que smente urna garrafa me
.rcsiabeleceu, do que dou muilos louvores a Deus;
destas poucas linhas queso dizem a verdadefar
V. S. o uso que lhe aprouver.
De V. S. respeitador e limito obligada
Recife, 13 de Marco de 1888.
Antonio Pacheco da Motta.
N. 42
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Sollreiido por espaco de 8 mezes de um rheu-
matismo agudo, proveniente de molestias reco-
lliidas, e nao sendo possivel encontrar remedio
algum para abrigo de minha saude, recorr ao
seu Elixir depurativo vegetal, que immediata-
mente ootive urna melhora espantosa resultan-
do muito ajti'ir. corno forte, finalmente hoie
acho-meresabi'lecido intotum; assim pois, poae
V. S. fazer uso deste atttstado como lhe con-
vier. I
Seu criado e obrigado
Recife, 29 de Dezenbro de 1887.
Antonio Aquilino Campos.
(Estavam selladas e reconnecidas as firmas.)
(Contina).
Colico de S. Ipel
lina do %'Isconde de C'amaragl-
be m *3
Aos respeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instriK-rau para o sexo feminino,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
A mesma proiuette aos paes que lhe
fonriarciii suas flhas esforcar-se por lhes
dar urna educacuo primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do Io de Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde s 7 da
noite.
A directora,
Emilia A. de Mondonga
19 ditos de suinos a 700 res
9 ditos, de fressuras a 600 ris
46 tullios a i
Rendimenlo do da 1 a 4 do cor-
rente
13*300
5*400
92*000
221*040
841*240
1:002*280
Somma total 218:421*210
Segunda seceo da Alfandega, 7 de Fevereiro
de 1889.
8thesoureiroFlerencio Domingues.
chefe daseccJo -Cicero B. de Mello.
Ileccbcdorla eral
Do dia 1 a 6 9:040*284
dem de 7 1:125*691
10:165975
Reeebedorla provincial
Dodala6 1:923*575
dem de 7 214*116
2:137*691
Reeife Dralnage
Do dia 1 a 6 1:583*835
dem de 7 932*982
2r316*817
Mercado Municipal de s. Juxc-
O movimento desle mercado no dia 3 de Fe-
fereiro foi o seguinte :
' Entraram :
i 24 bois pesando 3,587 kilos.
227 kilos de peixe a 20 ris 1*540
123 cargas de farinha a 200 res 24*600
7 ditas de fructas diversas a 300
nis 2*100
10 taboleiros a 200ris 00 I
15 suinos a 200 ris 35000
13 matulos com legunres a 200 ris 2460o
Fraut oceupados :
26 columnas a600 ris' 15*600
1 escriptorio a 300 ris 300
26 compartimentos .% farinha a 500
ris, 134000
26 ditos de comidas a 500 ris 13*000
74 ditos de legumes a 400 ris 29*600
Foi arrecadado liquido at hoje
Precos de dia :
Carne verde de 240 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis dem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 360 a 480 reis a cuia.
Milho de 320 a 400 reis idem.
F^j5ode900a 1*20 idem.
Watadouro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 52 rezes pertenceotes a diver-
sos marchantes. \
Vapores a entrar
HEZ DE FEVEREIRO
Norte......... AUianca.......... 8
Europa...... VOle de Pernambuco 8
Sul........... VUle de Cear..... 10
Europa....... Potos......,...... 10
Norte......... Para........'.___ 13
Europa....... Argentina......... 14
Europa....... Afewi 1............ 15
Sul........... Elbe.............. 17
>ul........... lagoas........ 17
Norte......... Manos........ 24
Sul........... Pernambuco....... 27
Vapores a sabir
MEZ DE FEVEREIRO
Norte........ Maranho......... 7 as
Santos e esc AUianca........... g 33
Santos e esc VUle de Pmia)nbuco 9 a3 84 h.
Valparaso ... Potos............. 10 as 11 h.
.-autos e esc.. Argentina......... 15 as 4 h.
5h.
10 h.
.Movimento do porto
Nucios entrados no dia 7
Cear e escala7 'das, vapor nacional Jaculiype,
de 382 toneladas, commundante Joaquim os
Esteves Jnior, equpagem 30, earga varios
gneros; Corapanhia Pernambucana.
Terra-Nova27 das, escuna uigleza EmuUUor,
de 155 toneladas, capito John Kendrick,
equipagem 8, carga bacalho ; a Johnston Pa-
ter C.
Navios sahidos no mesmo dia
Manos e escala Vapor brasileiro Maranhio.
commandaate Pedro Hyppolito Duarte, carga
varios gneros.
PelotasPatacho nacional Rival capito Fran-
cisco Jo Fernandes, carga varios gneros.
\ ;
4




Dfeirio de PernambcSe
\lo*lc
P"
-
Aviso ao publico
Enguanto durar niversa! de
IJ89, os toros que s i em Pars
e Ique desejarem receber quaesquer noticias da
ti "ra podeio 1er os nmeros mais recentes do
ooss jornal no escriptorio dos nossos corres-
pondentes, os Srs. Amtle Prince & C, 3b, ra
Lafavette, em Paris
Os'nosso? patricios poderao receber a sua cor-
respondencia, peridicos, ele. etc., em casa dos
Srs. Amde Prince & C. ,
Outrosim. os mesmos srs. Amedee Prince a C,
gociantes-coinuiissiirios pOeir. a sua casa de
compras as ordens de qualquer pessoa que dse-
jar ter linas infonuiicOes. ou utilisar sen inter-
medio.
EDITAES
T
j Medico operador parleiro
] > t* -Boa Izaren do Rosario -ti
t) (Por cima do Aimel de Ouro)
Onde tem con*mlioro e real-
I ( drnrla i podendo ser encontrado e
H recebendo chamados a qualquer hora
i do dia e da noite.
Especialidades: Partos, febres, moles- H
lias de senhoras e dos pulmOes, syphilis i \
em geral, cura rpida e completa e ope- } '
races de estreitamentos e mais solTri- |
mritos da uretra. I
Acode de prora oto a chamados
fra de qualquer distancia-
Telen-hoiie a. S4
11
para
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 as 10 da manha.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. 226
II
I

Vias urinarias, molestias do tero,
operactes elctricas
::,.:::::::::::::::::
ESPECIALISTA
coc pratica de pabjz f. Londres
Estreitamentcs.da urethra curados ra-
dicalmente pela' electrolyse, sem dr
hydroceles sem iniece. (cura radical);
feridas e ulceras chrouicas. com garan -
tia de cftra rpida; pedras da bxiga,
fstulas u hemorrhoidas ; syphilis, g
norrhas, pelo methodo das nstillacOe
molestias da garganta e do peito pe
athmospheras medicamentosas. Con
sultas e oprateos das 12 as 3 horas
da tarde.
RA DO MRQUEZ DE 0L1.NDA N. 34
*>. ANDAR
H<-sid(-nc ia na Torre
II
II
I
8, gO" j (
agOes; t/
i pelas i 1
Cnn- I l
!l
)

21
Bacharel Antonio Witru-
vio Pinto Bandeira
Pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, Io andar
Dr. Manoel do bastimento Ma-
chado Portella Jnior
Escriptorio ra do Imperador
1 ANDAR
65
!
Frederieo Chaves Jnior
Homoepatha
W RA RARO DA VICTORIA 39 ]
sir andar
Lyco Triadelphico
34-RA DO HOSPIC10-54
A directora d'este estabelecimento de educago
commnnica aos paes de suas alumnas que as au-
las comecaram a funecionar desde o da 15 do
andante.
Contina a receber alumnas internas, semi-in-
ternas e externas, garantindo que empregar os
roesmos esforcos pelo aproveitamento e bem es-
tar de suas alumnas.
Recife, 40 de Janeiro de 1889.
A directora,
Francisca Teixeira de Mello.
DEDICO HOMEPATA j
Dr. Balthazar da Silveirajj
Especialidadefebres, molestias i
das enancas, dos orgos respirato- {
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Oculista
Dr. J. Correia de Bittencourt, oculista
residente na corte, ex-chefe de clnica
ophthalraologica dos Drs. Wecher e Pa-
is em Paris e do professor Hirschberg
em Berlim, tendo regressado de sua ex-
cwrsao s provincias do norte, demora-se
alguns mezes nesta capital no exercicio de
sua especialidade.
Consistorio e residencia ra do BarSo
da Victoria n. 23 1 andar. Entrada pela
Camboa de Carmo.
Consultas das 12 s 3 da tarde. Gratis
aos, pobres.
Oculista
Dr. Bar.-eto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe, de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio dia as 3 horas da tarde, no
' Io andar da casa n. 51 ra do
Bario, da Victoria, excepto nos
domingos e das santificado*.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ru da
lade n. 2
Inspectora especf al da* erras e co-
lonlsaclio de Pernambnro. em 99
de Janeiro de 1 *.
Faz publico para conhecimeirto dos interessa-
dos, o edital ubaixo transcripto, pelo qual se v
achar-se esfci inspectora autorisada a receber os
pedidos para introdueco de immigrantes n'esta
provincia.
Inspectora geral das trras e colonisago :
O inspecto c geral faz publico para conheci-
mento dos interessados, que d'ora.em diante de-
vem ser dirigidos a esta inspectora geral ou s
inspectoras especiaes as provincias os pedidos
de immigrantes paraoserviro da lavoura, os
quaes compele lhe satisfaier a" proporcao que fo-
rem chegando os immigrantes, conforme as pro-
videncias toir.idas por S. Exct o Sr. ministro da
agricultura.
Em seus pedidos devem os Srs. propietarios
declarar, alen do numero, a nacionalidade dos
immigrantes rae preferem, as vantagens que
Ibes offerececi, a denominucao e o nome da lo-
calidade mais prxima para onde devem ser en-
viados.
P. de D. Accioli de Vasconceltos.
3a seccSo.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em7 de Janeiro de 1889.
Fago pubco, de orden? do Exm. Sr.
Dr. presidente da provincia, que se acha
aborta a concurrencia para o emprestimo
externo de 8,000:0005 (oito mil e seis-
centos cont de ris), utotoradn pela lei
provincial n. 1,927 de 15 de Xovcmbro
rindo, com o pras^ de qunrenta e cinco
das, a contur da data da primeira publi-
cacSo do presente, para o recebimento
das respectivas propostas, que serSo apre-
sentadas nesta secretaria, em cartas fecha-
das.
Estas serio abertas pelo mesmo Exm
Sr. s 12 horas do dia, em que expirar o
praso fixado, com os proponentes presentes
Nos termo da referida lei, o emprestimo
ser de quantia que produsa a predita impor-
tancia de 8,6O0:O0O|> (oito mil e seiscen-
tos contos, de ris) liquida, a ser applicada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apolices de juros annuaes de 7 [0
(sete por cento), com excepcSo daquellas
que tenham sido emittidas por empresti-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agrcola ou industrial, bem como
para liquidacl dos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888.
A taxa da emissao nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de commissao
e o juro nao exceder de 5 '[ (cinco por
cento) alm da quota de anvrtisacao, que
aSo ser superior a 1 i0 (um por cento),
sendo esta e aquelle safisfeitos semestral-
mente.
O secretario interino, Manad Joaqum
Sveira.
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial, na
forma das instruccoes de 17 de Julno de istw,
convida as agsociace& que nesta cidade tem
existencia legal a se tncarregarem da distnbm-
cao do imposto de repartjo constante da ta-
bella annexa a lei n. 1884 ; sendo esse trabalho
reraettido a esta repartico no prazo improroga-
vel de 30 dias teis, contados da data do pre-
sente ; lindo o qual sem a respectiva apresenta-
co se proceder nos termos do art. 7 das refe-
ridas instruccoes.
Recebedoria Provincial de Pernambuco,
Fevereire de 1889. 1L
Francisco Amynthaa de Carvaluo M^ura.
6 de
Imperial sociedade dos Ar-
tistas Mechanicos eLi-
beraes
Asscuiiiiea eral
De ordem do lllm. Sr. director, convido a to-
dos os senhores socios effectivos a reunirem-se
sexta-tetra 8 do corrente. s 6 horas da tarde,
na sede social, aiim de ter lugar a assemblea
geral. a qual se cll'ectuar com o numero que
comparecer.
Recife, 5 de Feven-iro de 1889.
O 1- secretario,
Francisco da Cosa Ramos.
Thesouraria de Fazenda
De ordem do lllm. Sr. inspector e para conhe-
cimento dos interessadss, taco publico que de
ordem do thesouro n. 10 de 21 de Janeiro, re-
centemente Iludo, concedeu o necessario credi-
lo para pagamento dos seguintes credores de
dividas de exercicios findos :
Mcdeiros & C. fiWi/O
CompanhiaPernambucana tHtiO
Viuva Azevedo 4 C Jfi'SSi
Joaquim Alves da Silva Santos i 6*5SS!
Eustorgio de Macedo & C. 40*0f
Augnsto Cesar, ex-2" sargento da
Companhia de Cavallari 13#500
Manoel de Souza Rrandao, ex-praca
do exercito 7 22S
Francisco Antonio de Brito, idem '8J00
Domingos Jos Ferreira 1:069*600
Anselmo Francisco Santiago tiHK)
Antonio de Souza Oliveira 41#5o0
Dr. Antonio Domingos Piulo 79*664
Jos Erancisco do Reg Barros :J9*840
Luiz Machado Hotelho 394840
Jos Durao Goncalves Orem tioW)
Joaquim Tavares Arcoverde to00
Thomaz Antonio Ramos Zany 248:f8(i
Dr. Luiz Affonso de Oliveira Jardim 125*O0<
Jacintho Leopoldino da Silva rl6I
Secretaria da Thesouraria de Fazenda de Per-
nambuco, 6 de Fevereiro de 1889,
0 secretario,
Dr. Antonio Jos de Sant'Anna.
DECLARARES
Prazo de 30 dias
Aceeaao
De ordem do Sr. Dr. inspector geral da ins-
t rucean publica, (ac saber a quem interessar
possa e se julgar com direito a accesso, que se
achando vaga desde o dia 28 de Janeiro Ando a
cadeira de 2.a e itrancia do sexo masculino da
freguezia do Poco da Panelia, fica-Ihes marcado
o prazo de 30 das, para na forma dos artigos
164 e 16 do regulamento vigente, apresentarem
nesta repartico os seus requermentos.
Secretaria da instrueco publica de Pernam-
buco, 5 de Fevereiro de 1889. O secretario,
Pergentino S. de Araujo GalvO.
Recebedoria de Rendas In-
ternas Ceraes
impoolo de lnduolria e pro*<'
O administrador da Recebedoria de Rendas
Internas Geraes, faz publico que lindase no dia
28 do corrente mez o pagamento livre de multa
do imposto de industrias e protisses relativo ao
i.* semestre do exercicio eorrente de 1889, de-
pois do que ser cobrado com a multa de dez
por cento.
Recebedoria, o de Fevereiro de 1889.
Alexandre le S. Pereira do Carmo.
Derby Club de Pernambuco
Sendo provavel que as aeces ns. 47 e 48 te-
nham sido entregues a algum dos senhores ac-
cionistas em lut-'ar das que Ihes compete, peco
a quem s tiver que venha trocal-as nesta secre
tana. Recife, 5 de Fevereiro de 1889.
O secretario,
J. de Oliveira Castro.
S. R. C
KiMledade Rrrreatlia Coaaaaerclal
Soire trimestral em 24 de Fevereiro
IIrunido familiar
Scientieo aos senhores socios que podem dar
suas notas de convites para este soirce, nesta
se retara ou ao 1 secretario.
Secretaria da Sociedade Recreativa Commer-
cial.'R de Fevereiro de 1889.
O 1 secretario
Ernesto Guimares.
Hippodromo do Campo
Grande
Na corrida de 2 do corrente foi multado em
20*000 pelo digno starter o jockey Manoel Ta-
bica, que no 1- pareo (2.* turma de Ensaio)
montava o cavailo Man.
Secretaria do Hippodromo do Campo Graade,
7 de Fevereiro de 1889.
0 secretario,
Ferreira Jacobina.
Thesouraria de Fazenda
De ordem do lllm. Sr. inspector, faco publico
que Dea marcado o prazo de cinco dias para os
..liai.\o a.ssigiiados virem assigoar na seceo do
contencioso desta repartico os respectivos ter-
mos dos contractos, que fzeram, a saber: os dous
primeiros para o fornecimento de medicamentos
e o 3- ara o de cobertores de l para o presidio
de Ferrando de Noronha, e os dous ltimos para
o de artigos para o Arsenal de Guerra no semes
tre de Janeiro a Junbo deste anno.
Bartholomeu 4 C.
Jos de Azevedo Maia e Silva Jnior.
Rodrigo Carvalho da Cunha. ,
Joao Walfrcdo de Medeiros.
Maia e Silva & C.
Recife, 1 de Fevereiro de 1889. .
O secretario,
Dr. Antonio Jos de Sani'Anna.
Prolongan rnta estrada de
ferro de lPcrnamhiH-o e estra-
da de ferro de Reelfe a Ca-
ntar*
De ordem do lllm. Sr. director fos-M publico
que no sabbado, 9, e no domingo, 10 do corren-
te, havera trem especial de passageiros. partin-
do de Jaboatao s ti horas da noite, de Tigipio
s 11 e 28' com deslino a esta cidade.
Secretaria do prolongomento da estrada de
ferro de Palmares a Garaahuns e estrada de fer-
ro do Recife a Cmaro, 7 de Fe>ereiro de 1889.
O secretario,
A. G. de Gusmao Lobo.
Companliia Alagoana de
Fiacao e Tecidos
Convidamos aos senhores subscriptores desta
companhia para, de accordo com os arts. 9 e 10
dos estatutos, at o dia 12 de Fevereiro prximo
futuro realisarem sua terceira entrada na rnzo
de 10 por cento do valor de suas accOes no Ban-
co internacional em l ernambuco. Macei, 12
de Janeiro de 1889.
Os directores,
Jos Teixeira Machado.
Jos Januario P. de Carvalho.
Propicio Fedroso Barreto.
S R M.
sociedade Recreativa Mov dade
Sarao carnavalesco era 2 de Marco
Convida -*e aos enbore.- >ocios ara aprese
tarem suas. notas para convites. Inireos em
mSo do Sr. thesouieiro.
N. B. Nao se admitte aggregados.
Recife, 3 de Fevereiro de 1889.
O 1 -. serreta:.
(.Hiparme pinto Meirelles.
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial
em cumplimento da ordem do Blm. Sr. Dr. ins-
pector do Thesouro, constante da portara sob
n. 108 de 28 do corrente, faz publico para co-
nhecimento dos respectivos contribuintes que,
de accordo com a relaco abaixo, dar-se-ha prin-
cipio nesta repartico, no espaco de 30 dias uleis,
contados de 4 de Fevereiro prximo a cobranca,
livre de multa, das annuidades e mais serviros
da Recife Drainage Company, relativa ao 2* se-
mestre do exercicio lindo de 1888.
Recebedoria Provincial de Pernambuco, 30 de
Janeiro de 18*9.
Francisco Amynthas de Carvalho Moura.
Helarao a que se refere o edital supra
Freguezia do Recife
Ras :Mrquez de Olinda, Bom Jess, Alva-
ra&Cabral, Commercio, Bispo Sardinlia, Torres,
Thom de Souza, D. Mara de Souza, Vigario Te-
norio, Barreto de Menezes, Mriz e Barros, Bur-
gos, Amorim, Moeda, Tuyuty, Companhia Per-
nambucana, Madre de Deus, Domingos Jos Mar-
tins, Mscate. Restauraco, D. Mara Cesar, Vis-
conde de Itaparica, Pharol, Arcal, S. Torge, Vi-
tal ue Oliveira, Guararapes e Baro do Trium-
pho.
Pracas :Assemblea, Chaco e Pedro I.
Travessas :Vigario Madre de Deus, Cam-
pello, Domingos Jos Martins, Corpo Santo, An-
tigo Porto, Bom Jess, Apollo, Arcal, Para a
Fundico, Occidente, Guarara|ies e Praga Pe-
dro I.
Largos :Alfandega, Corpo Santo e Assem-
blea.
Beccos : Abreu, Noronha, Largo, Pindoba,
Tapado e Paschoal.
Caes : Companhia, Brum e Apollo.
Freguezia de Santo Antonio
Ras :Imperador, Primeiro de Margo, Duque
de Caxias, Cabug, Baro da Victoria, Trinchei-
ras, Larangeiras, Larga do Rosario, Estreita do
Rosario, Francisco Jacintho, Joo do Reg, Ilha
do Carvalho, Conselheiro Piretti. Netto de Men-
donca, Major Agostinho Bezerra, Vinte e Oito de
Setembro, Santo Amaro, Pedro Ivo, Mathias de
Albuquerque, Paz, Paulino Cmara, Fogo, Livra-
mento, Penha, Viscoade de Inbaoma, Pedro Af-
fonso, Nova da Praia, Marcilio Dias, Henrique
Dias, Lomas Valentinas, Coronel Suassuna, San-
ta Thereza, Vinte e Qimtro de Maio, Palma, Mr-
quez do Herval, Caeia Nova e Baro de Villa
Bella
Largos: Paraso, Carmo, Penha, S. Pedroe
Praceta.
Travessas : -Queimado, Crozes, Mrquez do
Recife, Bella, Calabougo, Matriz. Flores, Carmo,
Bomba, Livramento, Arsenal, 1* e 2* da Praia,
Carcereiro, S. Pedro, Virago, Lobato, Falco,
Pocinho e Concordia.
Beccos :Bella, Calabouco, Matriz, 1, e 3*
da Gamboa. Falcio, 1 e 2 da Cadeia Nova.
Praca :Pedro II.
Caes :Vinte e Dous de Novembro.
Campo :Princeza
Freguezia de P. Jos
Ras :Marciho lias, Lqmas Valentinas, Co-
ronel Suassuna, S. Joo, Felippe Camaro, Mr-
quez do Herval, Vinte e Quatro de Maio, Dias
1 ardoso, Passo da Patria, Padre Nob'rega, Victo-
ria, Cadeia Nova, Vidal de Negreiros, Frei Hen-
rique. Dique. AssumpcOj.Domingos Theotonio,
Iadre Floriano, Christovfio Colombo, Jardim,
Forte, Antonio Henrique, Nogueira, Santa Ceci-
lia, Santa Rita, Padre Muniz, Praia de Santa Ri-
ta, S. Jos, Pescadores, Praia do Forte, Ypiran-
ga, Imperial e Luiz de Mondonga.
Travessas :Martyrios, Ramos, Pocinho, Cal-
deireiro, Gaz, Matriz, Forte, Prata, Serigado, Co-
{lares Nova de Santa Rita, Praia do Forte, S.
os, Peixoto e Lima.
Beccos : Palma. Caldeireiro, Gaz, Assump-
eo, Nova de Santa Rita e Matriz.
Largos : Forte e Mercado.
Freguezia da Boa-Vista
Ras :Imperatriz, Conceigo, Visconde de
Pelotas, Tambi, Visconde de Albuquerque, Au-
rora, Capibaribe, Ponte Velha, Conde da Boa-
Vista, Riachuello, Unio, Sauuade, Sete de Se-
tembro, Visconde de Camaragibe, Carnario, Ro-
>ario, Gervasio Pires, Dr. Villas-Boas, .Socego,
Principe. Sania Cruz, S. Goncalo, Coelhos, Hos-
pital Pedro I!, General Sean, Coronel Lamenha,
onselheiro guiar. Lefio Coroado, Baro de v
B' rja. Manes Machad, Visconde de Goyanua e
Altracgo
Travessas :Gervasio Piros. Atalho, Coelbos,
Barreiras, V.ms. Quiabo, Joo Fraucisco, Man-
tlucirt. Cutnpina c Palacio do Bispo. *
Largo : Campia.
Prag .de d'Eu e Santa Cruz.
FRADI FEBNMBDClNI
Pro^raxnxxia da 21a corrida


QUE SE REALIZARA'
Domingo 10 de Fevereiro de \ 889
mi
bornes
ag
Idades
Pellos
\Hluralida-
det
Peso* Cor da vestimenta
Pmp rielarlo*
parco-conwoiaeoI turma830 metrosAnimaes da provincia que ainda nao tenham ganho. Premios : 2001
ao 2 e 20 ao 3"
1 Patife.....
i Tupa.
9
9
10
II
l
13
11
a
Ida
Breas........
Guie........
Coquelicot___
Palito..-.......
Orion.........
Jonkopings-----
Vlete ex-Ra-
Ec!
ero .
Jahota...
Fanfar...
Lindness.
o annos.
5
3
3 .
6 .
3 -
5
4
3
3
4
3
7
5 *
4
Castanho.
Pedrez ..
Rodado
Alazo...
Pedrez ..
Russo -..
Castanho
Pedrez-.-
Alazo...
Castanho.....
Pedre .....
Rodado .....
Rusilho .....
Rodado ......
Baio.........
Pernambuco.

56 kilos.
56
55
52
56
36
56
54
52
56
54
52
56 .
56
54
Azul e branco.............
Braneo e encarnado.......
Encarnado e branco........
Preto, encarnado e ouro
Verde....................
Verde e rosa.............
Amarello e verde.........
Azul e ouro.............
Azul c encamado..........
Violeta e ouro............
Encarnado, preto e branco.
Cor de rosa e azul.........
Azul e grenat.............
Azul e branco............
Coudelaria 1 de Janeiro.
J. M.
R. P.
Coudelaria Desgraca.
C. A.
Coudelaria Esperanga.
Coudelaria Olindense.
M. A.
J. A.
B. D. C. P.
G.
Henrique G. L. GuimarSes.
J. C.
R.C.
M. A.
2o pareol
Aymor
Cometa
Alpha ..
Recife -
Favorita
de Juibo 1,100 metrosAnimaes de menos de meio sangue
Branco e verde............
Premios : 300# ao 1". 60/ ao V e 30* ao 3o
annos.
B
i
B
B
Castanho
Alazo...
Castanho
Zaina-----
Rio de Janeiro.
S. Paulo......
Ro de Janeiro.
54 kilos.
54
52 .
56
52
Branco e encarnado.....
Verde e amarello..........
Violeta e ouro.............
A. M.
Coudelaria Brazileira.
Coudelaria 2 de Fevereiro.
S. P.
Maia Chrysostomo.
3." pareo. .Derby Club de Pernambuco. l,000jnetros Animaes da provincia que nao tenham ganho premio este auno
nesta ou maior distancia. Premios : 250 ao 1., 605 ao 2. e 25# ao 3.
Patife........
Rei deOuros..
General ......
Lucifer.......
Good-morning.
Ecla.........
7[Cabrion ......
8lMylord.......
9 Oseau......
10
li
l
ublin..
Pirraga .
Blizzard
3 annos.
6
5
5
5
4
5
6
5
4
5
6
Castanho
Rusilho .
Rodado .
Pedrez
Foveiro ..
Baio.......
Russo
Cardo ...
Castanho ..
Pernambuco.
kilos.:Azul ebranco.............
Grenat e azul ............
Encarnado e preto.........
Branco e encamado.......
Encarnado e branco......
Violeta e ouro............
Branco e encarnado........
Azul e ouro.. ............
Ouro..................
Azul, encarnado e preto
Encarnado e branco
Coudelaria Io de Junlio.
Coudelaria Olindense.
J. D. C. B.
A. U.
Condelana Integridade.
G.
J. M.
a. F. do R. Leal.
Coudelaria 1 de Janeiro.
Henrique G.
F. F.
M. M.

4o patw-Conaolaea2* turma850 metros -Animaes da provincia ainda que nao tenham ganho. Premios: 2004 ao Io, oOf
ao 2* e 20* ao 3o
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
Ginge ......
Arreda.....
Vassalo -----
Fjdalgo, ex Ca-
boclo.....
Marat.......
Caim.......
Bismarck ...
Bonaparte, ex-
Vagabundo--
Etna..........
Guaracy......
Ormond.....
Aracahy.....
3 annos
4
3
B
'i
i
B
i
8
3
Castanho
Rodado,
Russo .
Rodado
Castanho
Russo ...
Alazo...
Russo ...
Pernambuco
56 kilos.
54
54
52
56
56
54
56 -
56
54
56
56 .
Azul e branco-
Encamado
Branco e azul
Amarello e azul
Xadrez............
Branco e encamado.
Violeta e ouro.............
Branco e encarnado........
c
Azul e ouro...............
Amarello e encarnado......
Coudelaria Garguella.
Argemiro A. d'Albuquerque.
Coudelaria Unio.
Coudelaria Capibaribe.
Coudelaria Demcrata
A. F. C.
F.
N. S.
F. A.
F. R.
B. P. S.
L. B. F.
o.'
\llApoll
Wnc
Pareo.Prada Pernambucano.1,700 metros.Animaes de qualquer paiz. Premios : 600* ao 1., 125* ao 2.
alio..
frioana
3|Eriflni .
4 annos.
5
5
Alazo.
Zaino .
Rio da Prata.....|52.klos.
54
Inglaterra.-.....154
Branco e encamado........
Encarnado e branco........
Rosa e preto..............
Coudelaria 2 de Fevereiro.
oudelaria Riachuello.
P. C.
Serid. -
Monitor.
Templar
Florete .
Mouro..
annos.
trPareo.Deaeaa^,209ffle^a^^Anini3as OA^UXjrincia. Premios : 250* ao 1., 60* afl.2^<25< ao 3.
34 kilol
54
58
54
56
Castanho.
Russo. ..
Rodado -
Castanho.
Alazo- ..
Pernambuco
Azul e branco.............
Encamado e branco........
Preto e ouro...............
Encamado e branco.......
Violeta e ouro.............
Coudelaria Pyranga..
Coudelaria Pernambucana.
J. M.
C.D.M.
A. E.
7. PareoDeeife. 1,200 metros. Eguas at puro sangue. Premios : 350* ao 1., 70* ao 2., e 35* ao 3.*
Gallia ...
Cintra
Olga. ...
Africana.
Vanda ...
5 annos
4 -
4
5
5
Alaz.
Castanha
Zaina____
Inglaterra.
S. Paulo
Rio da Prata.
?61 kilos.
59
52
SI
61 .
Ouro e branco.............
Azul, branco e encamado..
Branco e encamado........
Encamado e branco.......
Verde e amarello..........
Coudelaria Emulago.
P. J.
Coudelaria 2 de Fevereiro.
Coudelaria Riachuello
A. F.

8 Pareo.Animara*800 metros.Pequiras da provincia at 1 metro e 30 centmetros de altura.. Premios
2. e 15* ao 3."
150*aol.,35*ao
i
2
1
V
I
t
7
8
9
10
II
ia
;
Parsita ....
Pilheria.. ..
Capeta-...
Borracha..
Beware. ..
Teiu.osf ..
Cassula ..
Meduza....
Sudan.. ..
Borboleta.
Petit Buy Blas.
Sombrinha ....
Bijou ........
4 annos.
4 -
2
5
4
3
3
5 .
5
S
3
4
4
Russo......
Castanho cachi-
to .......
Castanho
Pedrez......
Russo......
Alazo......
Castanho...
Rusilho....
Mellado doura-
dilho.....
lazfio......
Russo.....
Castanho
Pernambuco

kilos
Amarello

Grenat e azul......
Manijo...................
Verde e amarello..........
Preto, encamado e branco..
Encarnado e branco......
Branco...................
Azul e ouro..............
Azul e amarello...........
Azul e branco..............
Ouro....................
Verde e amarello.........
Grenat e ouro...............
J. B.
Rodolpho S. A.
F. M
J. M. A.
F. M.
C. I. M.
Francisco L. de Frettas.
Jaymes avis.
C.A.
M. B.
Coudelaria 1 de Janeiro.
F. B.
Coudelaria Modelo.
(*) Montado por amador.
OBSERVARES
Os unimaes inscriptos para o primeiro pareo devem achar-se no ensilhamento s 10 horas da manha.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-se no ensilhamento urna hora antes da determi-
nada para o pareo em que tem de correr.
Os forfaitt serio recebidos at sabbado, 9 do corrente, as 3 horas, a tarde em que ser encerrado
o expediente da secretaria para esta corrida.
O animal inscripto em mais de um pareo que deixar de correr no primeiro, nao correr no segundo.
A directora tendo em vista grandes despezas que tem sido obrigada a fazer para bem satisfazer o publico,
resolveu nao distribuir o numero de convites como de costume. Para tornar menos dispendioso, aos seus frequenta-
dores o divertimento tem adoptado o seguinte :
CartSes com direito archibancada e ensilhamento
Carteles paca um cavalheiro e quatro senhoras
Archibancada........
Geral..........
HORARIO
Encerramento da venda de poules
1.a pareo.11.50-
2. i 12.30
3. i 1.10.
4. i
5." i
6. . 3.10.
7. i i 3.50.
8.o , 4.30.
30000
5*000
2#000
1*000
Corridas
12
12.40
1.20
20
2.40
3.20
4.
4.40
Convido aos Srs. proprietarios de animaes inscriptos no 8. pareo para
a corrida a realisar no prximo domingo 10 do corrente, a comparecerem no
sabbado 9 as 8 horas da manha no Prado Pernambucano com os referidos ani-
maes afim de se proceder o exame para verificar se os mesmos animaes tem a
altura exigida no programma.
Recife, 6 de Fevereiro de 1889.
0 SECRETARIO,
Francisco de Souza Reis*
Recebedoria Provincial
RelacSo das differencas para mais en-
contradas no valor locativo dos predios
urbanos da freguezia de Santo Antonio,
que estSo sujeitos ao imposto de decima,
relativo ao exercicio de 1889, pelo lan-
codor Joaquim Tranquillino de Lemos
Duarte.
Ra Larga do Rosario
N. 12. Antonio Goncalves de
Azevedo 1:1794000
N. 9. Antonio "Jos da Costa
Araujo' i.-j000
N. 11. Jeronymo Salgado de
Castro Guimares 26J
Ra Estreita do Rosario
N. 14. Manoel Cardoso Jnior
N. 26. Henrique Bernar
de Oliveira
N. 35. Dr. Jos Ma;
Barros Wanderlev 7034001
0
t
[


1:2#IX
V
>,&43J000
9390000
4534000
S734OO0

3080000
249*000
Ra da Paz
U*-(Hptio Aa*miir4Ves
Kfteira aa^ooo
fcflfc A*w" Jifftair Mono
fc 34. Dft *ilvina Cgraican-
t* de ifcaajuarque 3fiOOO
N. 40. Angela Baptisti Gon-
. salves Lima |393000
N. 1. Joaqfhn Lopes Macha-
ndo 8783000
Disuria, faJkmmhui ^tofoiKi 8 de, Feweiro> dei 1889
B^WW"<.XLU-----UiIII I I HBBWW
Secretaria da InstruccjioPu-
.-felfea, 26 de Janeiro- de
4889.
Fa$0fasiera que inte-waar possa, de oadem
do H: Dra-inspector^erai dain-ttraoco publica,
que.yodem ser.procuradas esta repartico a9
cademetas da Caixa Econmica Escolar da 3*
eadeira do sexo masculino da freguezia de Sau-
7086000
702*000
|

asco
N. &. Ajnesma
N. 10. A mesma
N. $2. cManoah Antonio de
Azevedo 333)5000
N. 1. Thomaz Teixeira Bas-
tos 16*000
N. 11. Paulino de Olireira
Maia 189*000
N. 19. Portino uiano Gayo
de Miranda 273*000
Roa de Joao do Reg
N. 16. Augusto Ferreira Pinto 200*000
Ra Ilha, do Carvalho
N. 2. Qrdem 3 de-, S. Fran-
cisco 333*000
N. 30. Vieira Silva 333*000
N. 34. Jos Soares do Ama
ral | 303*000
Ra do Conselheiro Peretti
N. 8. Irmandade do SS. Sa-
cramento* de- Santo Anto-
nio 273*000
N. 14. Jos Joaquim dos San-
tos. 297*000
N. 36. Antonio de Paiva Fer-
reira I 429*000
N. 56. Jos da Silva. .Moraes .630*000
N. 62. Igreja Evangellica 7640000
N. 29. Bernardino de Senna
Fienriquc 333*000
N. 33. Mara Piedad'e da Sil-
va Pereira 249*000
Travessa da Ra Bella
N. 2, Mahoel Soares de Figuei-
redo 381*000
N. 8. Jlo de Souza Lima 657*000
Rua.Nett de_.Meadonoa
N. 2: Manoel Jos Fernandes 120*000
Ra do Majar Agostinho Bezerra
N. 30.. Eustaquio Manoel Car
minondas 273*000
N. 41. Irmandade das Almas
do Recife 4(i2*000
Ra 28 de Seterabro
N. 14. Jos Soares Neves 237i*O0O
N. 15. Jos de Azevedo An-
tunes Guimaraes 438*000
N. 23. Paulino de Oliveira
Maia 153*000
N. 29. Antonio Liz Baptista 144*000
Becco do Calabouco
N. 1. Basilio Alves.ck Miran-
da 108*000
Ra doflaraf> de Villa Bella
Auna Umbelina Gayo
de A^roSffit ~->^ J0>V0(X)
Ra de SantoromfO----------------
N. 8. Mara Jos, de Assump-
cio Airea. Costa .1:092*000
Ra de Pedro Ivo
N. 2. Antonio Augusto de
Vasconcelos 333*000
N. 16. Jos Theotonio Do- <
mingues 639*000
Becco da Matriz
N. 1. Dr. Rubro Pessoa de
Mello 189*000
Travessa da Matriz
N. 10..-.Carlota- Burlamaqui
Magalhaes 397*000
. EiwfoJ>eBmlicano
Lfrop da. Paraiao
>s*tnsteflaitd*
cisco
N. 16. Angela Mara do Espi-
rito-Santo
,N. 18. Joaq^Wriguaa Ta-
rares de Mello
N. 22. Antonio Corroa de
Vasconceflos
N. 7- Manoel do Nascimento
Santos
N. 11. genriciro de:uaodio
Jos anua eouros
N. 17." Rufino Susano' Gayo
de Miranda
N. 6. Ordeni 3*. de c .rran- ____^ ciscp da.Silva Miranoa, -leaitotet da relajo .
Relacao das cademetas da Caixa Econmica Es
colar da 3 eadeira do nexo masculino da fre-
guezia de Santo Antonin,. ainda nao reclama-
da!
1879 N. i. 021 Joo Gomes Pe-
reira da Si Ira, folaa 38
N. 3-77 Manoel Pedro
Alexaidrino de Lima,
dita 68
1880 N. 1-011 Jo&o Baptsta
Lopes de Castro, dita 48
N. .OH. Alfredo- Proco-
pio Lopes de Castro, dita
1881 N. S.084 Theotonio Agri-
. pino dos Santos, dita 10
N. -1 316 Gustayode Sou-
za Lopes, dita 17
N. 3-517 Joo de Souza
Lopes, dita 8
N. S.-MO Martiniano Joa-
quim de .Mello, dita 21
*i. 8-805 Joao Srerioda
Costa Oliveira, dita 30
' N.4.638, Manoel Soares
Monteicot dita 45
{i. 4 640 Lupicisio Fer-
nando da Silva, dita 47
1882 N. 5.021 Victorino Duar-
te, Pereira Lima, dita 8
N. 2-388 Capitalino Tho-
m Baptista, dita 16
. 5.4.641 Manoel Candido
Ferretea da Siia,dita 19
N. 4.6*7 AI e x a n d rio
Tu vares,, dita 20
N. 5-029 Arthur Ferreira
Soares,.diU 34
N. 5.311 Raymnndt> Al-
ves de Souza. dita 42
1883 N. 3.312 Luiz e.Franca
Soares (ou Souza-) dita
31
N. 6-183 Alvaro de Oli-
veira Golas, dita 37
N. 4,642 Juao dos Santos
Pereira Braga, dita 57
1884 N. 6.371 Joaquim de Sou-
za Pinto, dia 12
N. 5.616 Manoel -Sil veno
de Miranda, dita 20
K. 714*|Amaro loao de
AJencar. 'dita 37
ri. 8-196 Rosa de> Lima
dos Passes BarDosa.J dita
42
1883 N. 5.618 arlos Henrique
Soares, dita 41
K. 5 97J, Affonso Dantas
Teixeira,i dita 36
Fiac^des
OOO
100
14000
31000
160
600
600
520
400
100
140
500
740
560
840
309
630
500.
400
800
700
3*000
10*600
5*000
,5*000
10*000
16*000
,2*000
1*000
9*000
17*000
11*000
7*00
1*000
3*000
de animaes
_ corrida a rfa-
;o 40 do corrente, a
9 im$ horas da roa-
os referidos
anaame para vei
flear se os mesmos animaes teem a altara exi,
no progranuna.
6ecietario,
Frtmciico de Souza Rets.
latis noproxiao
mnpancmen
iJiSSo
aeta!
RQjaiJtail 8teani. Packet
i Companbia
O yapor Neva
Coipraaadaate Ql M. Hi^ks
MARTIMOS
Companhia Brasileira de
; Navegc, PORf OS DO NORTE
O vapor Alagoas
Oowmandanto JoSo- Maris Pessoa
rado dos portos do sol at o
11*008
2*000
1*000
4*000
4*000
6*000
1*000
3*000
4*000
',^fLjSSv dl tde Fevereirb e segumdo iepois
4M Bjlda demora indispensavel para os
^^^^^portos do norte at Manos.
As eocommeadas sao recebidas na agencia
at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
rea traia-se com os
AGENTES
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Comraandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do norte at
o dia 13 de Ferereiro e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul -
Recebe tambem carga para Santoa, Santa- Ca-
thariaa, Pelotas, Porto Alegre Rl brande do
Sul, frote mdico
As encommendas so serao recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
Pereira Carneiro 8i C.
6=Rum do Qommtrcio=S
1 andar

Ilspera-sa da Europa ata* dia 16 de
Jewram* sagoido depoie da derao-
ra docostanepara
la. Mo de Janeiro. Monle-
Jim Buenos-Ayres
Para passagens, fretes e encommendas trata-
se com 03 AGENTES.
OTapoilElbe
Commandante Armstrong
E' esperado do sul no dia 17 de Fe-
vereiro e segnindo depois da demora
'neeessaria para
S. Vieente^ Lisboa, A^go,\8eutiuunpton e
Antuerpia
Reducgdo de pauagens
lia Ida e volta
A'Lisboa 1* classe 20 t 30
A' Southampton Ia classe 28 t 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Peraamboco.
Kmquanto vigorar a quarentena imposta na
ubi
8*700
Recife, 21 de Janeiro da 1889.
. Francnc< da Silva. Mjrande.
Qs petndDtes dcTeai apresentar-se dtvida-
aerHe'balMlit*s.
, O secretario;
_ -__ Pertmim fifa Jaitraaji. finfcr '
De ordem do Sr. Dr, inspector eral 4a msi
trueco publioa, faco sab-r s professoras remo-
vidas, por portaiia de 23 do corrente, Prsenla
Seriliornih*Mrjide'j uquerque, da eadeira
mixta de Capoeiras, para a do st-xo-femiaino da
villa do Bomte, & tananna Tejxeira da Costa
Coeio, dafflixta (fe Catnutanga para a de Mo-
cosialw, que |ln'' 'marcado oprazode 30
das para assumirau p ejercicio de suas novas
cadeiras.
Secretaria da instruccio publica de Penam-
bco, 31 de Jaeir|? fio 1889.O^secreterio,
Pejgento ,6. de Araujo Galvo.
Pacific Steam Navigation
Companj
STRAITS OF MAGELLAN jLINE
O paquete Potos
Espera-se da Europa at o dia
10 do corrente eiflflgair depois
da demora do coattune para Val-
Saraisopor
e Janeiro Montevideo
. Para carpa, passageiros, eaconwwndas e di-
nheiro a frete: tfata-se com os
AGENTES
Wilson, Sons H., Limited
14RA DO COMMERCIO14
nted States and Brazil
M.S.&C.J.
O vapor Allianca
E' esperado do portos do
norte at o diat de Feve-
reiro o qual depois da de-
mora neeessaria seguir
para a
Baha. Ro de Janeiro e Aantos
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os ^GENTES.
f'Henr^'Fowter & C.
< &**Rua do Commercio,%
. if andar
Bepublica Argentina, aos navios procedentes do
Brasil, os vapores desta companqia nao aceitam
passageiros nem carga para Buenos-Ayres.
Para passagens, fretes, encommendas, trata-se
com os
AGENTES
Amorim Iruios & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
-
LEILOES
Lelo
Agente Brito
Be um sobrado de um andar B soto com gran-,
des accommodag6es> em bom'estado e com
quintal grande e-em terreno proprio, sito ra
do Amparo n. 33 em Olinda.
i **e\(a-felra. H do corrate
A'.s ti horas
Rua-do Rangel n 48
Leilo
de. (3 exwUentei escaleres e^'seus pertences. 3
outr-riggere, chestinas, 2 cavalhetes, 1 corrente,
pannos de toldo, 7 cintas, 4 ancoras pequeas
6 turcos.
eiia-feir do corrate
A'* t- horas i
. Agente Ptnio
No ces da Companhia Pernambutana, am
frente, ao armazem dos -rs.-Viscondo da Silva
Loyo & Fiio, junto a guarda-mora da Alfan-
dega.
Leilo
W PMMWBUm* AOIC AL
no cnmtivw4isaafeAtF9&es bniichiocs:
Mal tle rarganta>v*9ou0 -es maica
o
PEITORAL
De ANAGAHTJITA
Remedia .Vegetalcla,/NJaire74.pra Via":-
yo e cura de lodos as molestias
Do Peito o dos Palmoes.
0ig"or
do
' Cabello
do,
Dr. Ayer.
Preparado Sob
Bases Scientificaa
B Physioloerioas.
,-'-para o
Toucador-
As maes de familias
QUERIS VOSSOS FILH08 SKMPRF. SADI08 ?
Administrae-lhes o xarope ou as
Pilnlas Yernipurgativas
DO DR. GALASANS
ptimas prepar^des de mastruz
e rhuibarbo, para a expulsSo completa, sem
dores nem ineommodo, dos vermes
: intestinos ou lombrgas
- (das crkanca* e dos auultos i
SEIS ANNOS DE SUGCESSO
t Estas excellentes preparagoes nao qe-
cessitam de purgativo* oomo auxiliares,
visto serem pui-gativas por si mesmas.
Aa pessoas que tm Termes sentem c-
licas, tem constantemente diarrhas, indis-
posicaoi, sensaclo de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
: s vezes, vmitos. Kangem os dentes, quan-
do dormem, algumas e pessoas .ezpellem
vermes com as fezes ou com as materias
dos vmitos. As enancas apresentam as
papillas dilatadas e inapetencia.
As pi lulas ievam impresso o nome da
DR. GALASANS e sao cor de fosa.
1 caixa de pilulas \ 1*200
1 vidro de varope > 1(5200
AS PRINCIPABA DROGARAS ,
PHARMACLAS
tENIS
rea
*. wmpmr _
o, Havre, Lisboa,
Rio de. Janeiro e
PE
RNAM.BUCO
PROJECTO DE irVSCRlf CAO



ic
OwaaaMa
DE
f,iJTegefio
T^pi uinzenal entre
Pernambuco, Bahia,
Santos.
M O vapor
Ville do Cear
Comoiaadante. Lainey
^A^i^ 8spera:sedWi portos do sul no
^ oa 10 do rorri-nti'. seguindp
depois da indispensavel demora
#,>', tocando em
boa.
Fot rara porto
.;, Cenduz medico, a bordo, de marcha rapiaa
e ofierece excellentes commodos e qptimo pas-
sadio.
As passagens podero ser, tomada? de ante-
mo.
Recebe, carga,.encommeiflas ft passageiros
para os uaes tem nxwllentoa'iweommodages.
Para carga,, passagens, encoaimendas e di-
nheiro a frete: traa-se com u fVGEXTE.
O VAPOR
Ville de Pernambuco
Commandante Sebi re
E'esperado da Europa at odia 8
de Feverero. s^guindo depois da iq-
dispeasavel demora para a
geele Burtauaqui
*e\ta-feir 8 de Fevereiro
A's 11 horas
No 2o andar do sobrado a ra Augusta
n. 187
uiDEMOYIS
O agente cima por coata-.e ordem de urna fa-
milia que sa retita para fra da provincia
vender ao correr do marteilo o seguint: meia
mobilia de Jacaranda, guarda louga, toilet, ca-
deiras de ftuarnieo, e^ie^ruiyadeiras. marque-
sas e inurqueset, lavatorio-, berco, um forro.de
esteica quasi. nowo para-sata,.tapete, jarros,
louca. vidros r niuitos eutror artigas que esta-
ro a vista dos Srs.- licitantes.

hffmSMn
Leilo
11
DEftfREDIOS
Sahhado 9 lo corrate
A'a 11,horas
. Na- anpaem. j-ua do imperador n. 4>
f) agente Silveira por mandado e comassis-
tencia do Exm, Sr-, Bt, ^xj. de-orphos e auzen-
tes e a requeraento do Dr.. carador, fiera! de
auzentea, levar a-leilao a^abrado de i anda-
res sito ^% na. .omas Jalentinas-n. 66; espolio
deManael Antonio-Rereira.
Os Srs. pretendentes podem examinar
...........igojmomw
BpasniM* .^g". tmnr i87t
Miailli Of^CroiioCaifilier
ACUTlVINA]
E COUDRAY*i
^.TaMuaattMM
Mii*at fin* tmnm. e^a ......ili
< 5011111*o *< mntltt
piiirr iw* dt paite A* ciitera Biitii.
ARTIfCS RCOMMtDADOS
PERFUMARAIS LACTEN
toras CONCEHTBABAS ft*
0LE0C0ME pu-i belleza a-telte.
. EITE8 MTIBOS ACHAM-r. M FAim
nm' 13. m i'twm, 13 um

"Caixeiro
j^i
Bahia, Rio de Janeiro e Santos

;'
Da 6/ corrida
Que se efectuar nodialTd^gorirefite

oga-ge aos Srs- importadores de earga pelos
vapores desta linha, qwtinua apresentar dentro
de6 das aconta*.dd.4eaciflgaiO>fli,varengag
alau^rrfc^ap^weaneote a volumesqufe
porvectura .teqham seguido para os portos dp
su) wibde se poder dar a tempo ae provi-
dencias nec^ssarias. 14>#
K.\pirado-o referidopraz(j# companbia nao se
responsamlisa. poj: etra vios.
.Para farga, passagens. ea*ommeadas e di-
aneir a frete: trata-se com o i
AGENTE
Wfet- CONS^Jf^AO JO
da nao tenham ganho no
tetros. Animaos da provincia que ain-
Derby. Premie*) OOiJOOO ao primeiro,
505000 ao segundo e 20(5000 ao tercejro.
l^lkfAftPRADO PERNAMBUCANO-e4-|0wr Animaes de menos
de meio sagat./j Premios : 300)5000 ao prjuuti-o;. ^76|jOOO. ao-aeigun
do e 30(5000 aft terceiro. .
. Vk%^ DERBYiOiUB DE Pl^NA^UCO iM>* metros. Animaes
de qualquej^pBiz. Premios: 5P0d000 ao, primfiro, J25)JO0O ao se-
gundo e 5W000 ao terqeiro.
4.* flk%M PROVINCIA DE PERNAMBUCO i,, metros. Animaos
da provincia, que nSo tenham ganho n'.esta oji xnaipr distancia no Derby,
Premios : 2500000 ao primeiro, 600000 ,ao sqg-jndq e 250OOO ao
'terceiro.
* JrW^S^-JlD?PORi0M0rDpCAMPO,, GRANDE-4.A<0 neiros. Ca-
. valiosa ncionaes at meio sangue. freimos': O0OOO ao -.prinieiro,
. 800000, ao .aegundo e .8tf000-ao terceiro. -
.VAIH CONCORDIA 1.400 Medros, E(ub ,t jro sangue Pre-
mios "i AXO00 a primeira, 10W00 artwguada a W0OOO a terceira.
- >\%t*^r*RpPERIDADE -r SAO fSetro.-., Animaes da prp,vineia;que
anda n2o tenham ganho premios no Derby, em jnaior distancia. Premios :
2000000 ao premeiro 500 ao segundo e 200000 ao terceiro.
ObseryaQoes
S sirSo aceitas para cada pareo aa quinze prdposias abenas.
A' Directoria,.. reserva-se o direito de sltsrar a .prjjaJiWtfrlP. do nrogrammas
^OP(UocacSo dos pareo e asaim lh^ convier.
N^nhqm nareq.se, j^alisar sem que se inscrevam tres aoimaes de proprieta-.
Hb. dijeren f
^iBmwkiE****!!*6^* seguada-fcira. 11' dr, corxonta a 6 .hora*, da-tarde,
ari^H >Hv 01 ib praoa,do-jaldaaba -Mar-nho a. 2, :'.. andar.
OftErNIE,'
HEriRI4|l E NCHI TEL.
mste Labille
&^RIJA J0 COMMERCIO-,9
co
A\HIA PliUVAHBKtVA
DE
\avegacio eostelra por vapor
Para Fernando de \oronha
O vapor Jaguaribe
Counniandante Monteiro
Sqgue no dia 12 de Janeiro s 11 ho-
ras da manhS. Recebe carga at o
Passagens aj s 10 horas do di da sahida
ESCRIPTORIO
Ao Caes dm ,. Companhia Pernambucana
. n.12
Agente Silveira
Leilo
D


e p re di o
SEQ1I5JM FE(RA,41 DQ C0RRE.NTE
As 11 horas
No armazem ra da Imperador n. l.'i
0 agente Silveira per mandado e com assis-
tct'cia do Exm. Sr. Dr. juiz de direito de onhos
requeriraento do inventariante de Manoel Jos
Monteiro da>ranea, levar a leilo a asa ter-
rea ra dos Paseadores n. 24, ten do porta e
janella de frente, 3 salas, 3 quartos, cosinha es-
ternal, pequeo qniatal, tendo am soto com tuna
sala,:!qoartoie janella na frente,' medindo de
largura 3 metros e de compriaeuto 14metros ,e
o altmetros.
mV6 4rsr. pretendenks,.-po*em desde ,j ea-
oanar.
m
AVISOS DIVERSOS
Precisa se de um caixeiro que tenba pratica
demoHiad3 de 14 a W anuos de idade. e que
d tiador Asna conducta ; o largo do Pilar nu-
mero 21.
ATK1HSBN
"'PERFUMARA INGLEZA
I alBl> Iiumii 4- Mm mciId ; o c$He te lu
0,yigortdo: ,Dq Db. Ayer.
nwtr* enm o ferUbo ti-tnvmr t\~ jiivatud*. o
nfcbello grvho ou bmiK-o uina rla eor nata-
nal, vPtanlHv-ati'prMu, eaino.v rteseju. Pelo o
mo, ao choo claro ou rfixo po.le dar-M uioa cor
escuro, o. lernMun o csb?I!.> Ano. rino/janto quo
lrMineiitomcntciiraa-:ilvUic.>i'n)ii><-mB>pre.
Itnpede a 4qeda lio fKbello. e.-lninlittiilo o dbil e
enfermo rfsocr rigoroKuimiitt-. Keprime o pro-
renso Menrax i-onl,trcs ilo perioraneo. rrt pan aformoM'Hr <* cabello das Senhoraa o
Viy- nao teto tiral: ri" coutem aa*itc ott tinta al-
euma, tonia o cabello suate. brlllcinla o*e app.treticia. c.co:nnKjnioa-llic oa perfinao delicado,
agr.ad.wale pennaneLtr.
l.t.'i-ABAllO rr.LO
DR. J. C. AYER k CA.,
. l.ow-ll, Mass., K. Y. A.
4' venda oaa principaes pharmariaa e 4rog*riae
RELOJOARIA -
A antiga lem acreditada ofiicina de relojoei-
ru. sita ra Primeiro de Marco n. 4, acaba de
ser transferida para a ra Larga do osa-
rio ii. 49.
O sea propietario, tendo um completo e multo
bom sortimento de aviamentos tendentes 4. sua
arte e com urna Jonga pratica da mesma, ofterece- .
se ao publico: em geral para encarregar-se de
todos concertos de relogios, caixas de msica,
etc., etc.
Espera continuar a merecer a conanca de
seus Ireguezes assegura-lBes que ser sempre
solieito no cufflprimenK) de suas oraens.
4^rfiua Larga> do .Rosario 42
Gustavo Vollichard
Para>6erby
Carlos jinden receben grande sortimen-
to de grava tas e camisas de cores proprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por procos sem competencia.
Recebeu tambem oollarinhos c punhos
de borracha de formatos novos.
48:^RBA..BARAO. DA. VICTORIA 48
Vende-se
aJiote do tebwake coa todos seos pcrlenees :
a tratar nu mesmo.

Vinho1 (I e |>asl o
O que ha di* melhor, vende-se pelo mdico
ptesq ,4e,36#< Oft.o barril de quinto- e 3*100 o
sarralao de tresncanadas, voltando o garrafao
/500 (precos lquidos) : ra do Amorim nu-
mero 60.
Bom negocio
Vende se tres-ca\allos bons e por precos com-
modos, por terea ido lomados em dividas
quem pretender dija-se a; roa:Vidal de Negrei-
ros n. 146, cocheira.
.' .'TBF. MvatAI.HA K OfIRO
. caCciti
"alidada.
'r-ro&fis i ,:>"\.$a 5g'
. ^UaliJadi- t o.*; >!

.wo^varArr-l^l.i -.(..-. w
mtfnmf ao* Kola. >.:: ^ ...j-0o
bwln-itM|ua'.U|s .'nri-uta
,a e TKii{isoi
*, OKI Bond atraet^tendres..
, .Marea daf Utche- U^ua. 'Haea bcavcn*
>^. tabea aaa Ljra da Onro."
Oostureira e modista
feanceza
Madame Fanny Silva tem.o seu alelier de mo-
das e costuras ra Baro da Victoria n. 1S, 1 -
andar, ,e confecciona lodo e qualquar toilette
com apurado- -aosto-f elegancia, aara .samen-
tos, bailes, visitas, .ojiasseioa, etc., faz tambem
manteletes.-, e capas .sobro medida:< .Gontina a
ter um lindo, sortimento de noyidades de faris,
vestidos-- de seda feito' e enrertes deseda.
gaze, veJIuHo, hroche e cct'pe de chine, foolards,
surahs, sedas e ottomanas pretas. Escolhido
sortimento emividrilhes- pretos, chapeos, 'cipo-
tas e visitas ; luto em 24 horas. Telupbone n.
95V Ra Baro da Victoria n. 1^,1-andar.
Feitor
a H'
!!..
S*M
Tvpogapfai^ e Lithd^rapliia
FABRICA DE1VBOS DE ESCWPT-
RACAO
Premiada a* exposl?oes de
H*elS
Manoel. J. dh Miranda
Encadernasio e .especialidades em cartees de!
especialidades
visitas.
SWWi. ftaqitcide Caxias-
Te 1 e phone H/&04.
Caixeiro
-3!)
Ainda, precisase de um-feitor,
conta de um sitio t z tratar ra Pedro Affonso
numero o.
para tomar
edi
mlm
* I
Mara l'bilomrim Mureii-a Boxluo
? annivecsario
Joaquim Orrto Bastos, seus fiUios, mi, if^
maas e-sobrismo^dosi^oaqirim-^iioreira, sua-
eoHsorte e lillia-% pedem aos seus. parentes e
pmigos sara asoatu-em as misas que maaaa
celebrar seeunda-feira i 1 do Brrente, s 8 ho-
ra* a mana, a matcis.daBda-flista,.plo etet -
no repoBia'd'ala de*ma idotatrada e ofiniosa
i esposa, mai. (ilha, irrua e tia, Mara Philomena
i UMoreirarf.BastQ6,Jh.HrUWrea1^.8auinl*ls
i rassamento ; e desde j secoBfessam agrade-
^ c;dos.
r l
tt. Alaga-fe casas- a,.*QtM)ie hecqo do&Goe-
lbos, junto de. ^.,-Gonjallo ; a tratar na.raa da
larperatriza.. 36.
pavimenta terreo do soferado1^..
a, estando o mesmo caiado, pi)
Aluga-se
46 & ra da Ko
lado e todo iadrilkado de novo, -contando i'sala,
i quartos e cosinha ; a tratar na roa do-Cabug
n. 16, loja.
lOaP4\BI* PMOtUBK .>*.
DE'
^avegafo oateir por Vapor
PORTOS JX) SL
acet, Penede e Aracaju*
Q vapor Jacuhype
Commandante Esteves
Segpe no dia ti dp corrente s
"> horas da tarde. Becebe car-
at o dia 9.
*- Aluga-wiuraa boa. sai para escriptorio,
na praca do-Coj-pa, Santo ; ,a tratar no escripto-
rio de Julio A JrmSo. ____
- AJ......
rador
uga
; cha
a-se o % andar u. 39 a ra do impe
aves no armasem a. 41.
-Jbjra-se, o 1; "addar:"dt)i sobrado'"n. :J ""ra
das Flores ; a tratar na ra da Uniao u. 3.
Precisase de um menino;
ana n. 34.
na ra daJFloren-
Urna seabora habilitada, nao s pelo sen ep-J
tudo, comiianibe peia.prajica.. fferece^je a
ensinar piano,por.precos aasdics, quer em ca-
sas particalarea.queri.em collegjos. podendo ser
procurada para ^> exwceio de-sua prons?5o na
ra do Jasmim n. 39.
Ama
i
t
J<,<- 4oaj|iulj.vieira VlUas
1- auniversario
Maooei iomes Maabonra -e Bosa de Melle Ma-
niiOTrga con>-idaraiSes.amipa e Miagas a as-
sistirem a ama 'tnissaj. qaaipelo-iepausc eterno
d alma U..sen amigo. e.aUitH ttaatam rezar
no convento de -.S:.Francisco, segunda-feita II
do corrente, 48 oras b mati, i anaiver
sario do seu pagsaaanto. ___________
Precisa-p de unja ama. que saina enouimar
para tornera : a tratar na ra Mrquez detOlin-
dau. 44. armazem.
Oa auaixp afsignados 4eclaram ao corpo coai-
mercial- que vtnderam ao Sr. Fraacisco Genuino
GorroiaostabeleciiDento de cenaarja-sto- ra
larga do Bosaxio u..3, que ayia jsoh a,Jirmade
Antpuio. Alves Ferreira ; dedaram maia,. que
dito fcatabekc.iuei.to se ai-na iivre e desembara-
cado de todo, u quaiquen &am, tanto,.fmmer-
cial como de impostas fasenda :, quem se ju'.-
gar credox, .anrjeseiue suas contas no prasu de
tres dias, a contar desta dala., JJecife. 7 de Fe
vereiro de 1889.
Gomfsjp.Ferreira
Encommendas, nasagens e dinheiro frtite,
at as 3 horas da-tarde do diada partida.
, j^CSIW-IO
Ao C Cpftpvnhia va
n. 12
0 abaixo,, assignado, declara ao,. publico e
aocooKnercio, que fiomprou ao Sr,( Guilherme
Gomes Pinto o e jua larga do Rosano n. 3, que gvrava:oba
tirma de Antanio -Alvs Ferreira, em viltudedo
qm avisa ao. respejtavel .publico e ao commer-
cio p ra, no caso.de que alguca. se julgae Cj^m,
direito a oppOr-se dita transarro. o.'faca
prazo de tres das, acontar desla data., lerife,
7 de Fevereiro de 1889.
. Francisco, ,Q,epuino,Co.rreia.
Biigi6mfl9^dira.
Na ra da Saudade, n. 27, porto, pn
de una ecgommadeUai que durma em casa.
vArVSO
JosGwdiro dos Santos tem a honra de par-
ticipar a.seuj .amigos e reguezes que mu^ou n
sua iojadoatandasda casan. 85 ra Duque
de Caxias pra a casa i\- 89. da mesma ra
' Preferencia
O PEIIOBAi, L>E QAlfiBAK hcje 0 fe-
medio mai reeitadp peioa medico. para
a9 molestias do peito.
Fr.*ndsc,iiano4l da Silva & C.
ti
t
cni-iHd* Marct-iiao de 3
Mira mdtt
Jos Xieacio,da Silva suamullier Mara Pon-
ciaaa da Silva mandom dizer urna mrasa-po;
alma de san amiga e padrinho. iHermeBenide
Maxcene,. de Miranda, flo dia 9 do corrente as
8 horas da manda, najnatrH da Boa- Vista
Superioridade
cima u .quaJquec- outro remedio para
as doroas do peito, -:es4. collocad pela
sua eflicacia o Peitaral da Cambar que
se vende ein easa da agentes Francisco p
Manoel ,dft,Silva & C. ra Mrquez de
Olinda n. 23.
Oslirs/tijernaMa^.Afbnao ds Mello Octavia
Affonso de Mello e Jos Ladreo Pea-eira^taTs
va. DD. Acna Oianaiia Esmenia de Mello.-e An-
ua Victonna de Se lo,-e Jos Fernandes Pereira
rf wa n 2' in?S?s' cunhatos e sobrmbo
do finado Dr. Pedro Aftbnso de Mello, vm do
fundo ..dahmtrjigiadecer iquelles que se digna-
ram assistir nao so asgoniae deste,levanao-o
tambem 4 sua ultiaa aerada^ Pedem clies anda
canu8^iUeqiMi.ijuairanto~a3sislir>-as mkaas
que ^Kindam.dize* par. sua alma, aa matria *a
ta-\jsta. as 8 horas da nfigitut ao dia 11 do
corrqntewMaia- defeu fawwacato.
A ultima palavjra
Da medjftina. para aa-aaoleetias do paito)
O PEITORAL,;S>E.,CA|M*B.
tfranoip M. da tiiva & C.
Alvesdaa.eonida os seus pai
Jos Alveada v a convida os seus prenles
e amigos a ou viren: as nussas que por alma de
sua min U,.Joann-a brar Biadabao: Si do eoneie*- setime da de
seu alif cnento, n;,.m
ndade e'na capella do povosdo d# l'reguica*, as
^JjJJi^^gah*^^^^^^^^^^^^^^^

m



1
i
)
i

l
t
e -Persambuco---Sexta-fM

M^^5^%M.^
dftistastsiatam
Pa'centeio
21-RUA DOCRESPIM1
_.Jp^(^^0. tendo de receta* bre-
vemente um sortimento de-artigosnovos dealtanovidade^esorveram
fazer urna graade reducco nos precos-dos artigos ab'ai&o mnkma-
dos, para os quaes chamam a attemjodas suas E^mas. freguesas*.
Linios para vestido padrftes moderaos & 160 rs. o covftdV Manta heupariholas, de seda1 preta JWOOnia. '*
ndf'IVonrpclt
Arehtecttifa'
acSe
nterk
tes poderlo deixar Slias or-
deo-
mes-
ia.nmto paraH^feribr'como interior de edi-
ctoe y', o nretenaototes podeHto deixar slias
caBlk WertteaVik' S'rtia^fl mpMit"l.
Cautete de Monte de Seccorro
Compra-se cautellas do Monte1 de Soccorro de
qualquer; joia, aniantes relogios; naga-se
bem fia Pra^
nelojoeiro
aja da Independencia n. z, loja de

Pre
do Pay*
Cozinheiro
de um cosinheiro ; a tratar na roa
Prtsf#ev
para vestiao padree:
Crotones franceses, ores claras, a 260 rs. o dito.
Merinos de crea, duas larguras, a 600 rs. o dito.
Ditos de cores, lavrados, de 2(5000 a 1#000 o dito. -
LSs de cores, desenhos de cacheniira, Merino de quadro de 320 rs. o dito.
Fustao branco de 400 e 500 w. dito.
Mursolina branca^ar easacos & 600 rs. o dito
Zephfr de cor, listas quadros a 500 rs. o dito.
Ditos arrendados, lindos gosts, a 600 rs. o dito. -
Ditos de hstas arrendados^ altanovidade-, a 800 rs. 0 dito.
Etaraines arrendados, de cdres, de 800 a 500 rs. o dito.
Flor de Italia em quadrinhos,- a 500 rs. de 900 rs.
Mursolinas- de c6r, de Hstasy a 400 rs. o dito.
Cortea de cambraia bordados transparente e tapado, de 15|>000
e 20)5000 por 90000 e 120000 cada um.
Lina'i. padrees em quadros, a- 440 rs. o covado.
Naasuke padrees mimosas, de 280 rs. o dito.
Percales miudinha se pannos finos, a 200 rs. o dito.
Merino preto fino, de 2*000 a 1.5000 o covado.
Setim Maeo de todas ores, a 900 rs. o dito.
Brim fino pardo para vestido, a 400 rs. o covado.
Cambraia Victoria transparente, fina, a 3)5000 a peca.
Espartanos/ o que ha de mehor, de 4(5000, b#J0; ,5000
7*000 um.
Fichfit de cr arrendados, de 10000 um.
Capinhas hespanholas de cor 20000 urna.
Fichs de ed*j milito lindos, a 30000 um.
Sarelfm diagonal, todB as cdres, a 240 rs. 'o covado.
Oasacos de cambraia branca bordados, a 80000'e 4000 um.
Luvs;d* seda, todos os tamaflbos, de 20000 a 30000 o paf.
Lences d hnho'do Porto, 40000 in.
Dito grandes, para cama francesa, a 60000 um.
Colchas de cor, de 80000 a 50000 urna.
Fichs, sortimento completo, de 20000 a 60000 um.
Lencos de linho com barrinha a 20000 urna dnzia.
Camisas-fhmcezas, de 240000 o 360000 a duzia.
Meiae rts para horne, de 40000, 50000 e 60000 duzl*.
Dita* brahtas cruas c de cores para senhoVa.':?''
Ditas brancas efuas e de cores para enancas.
Chambres de cretone, de 50000 e 60000 um.
Cortee de casemh-a de cor, de 60000 a 80000 um.
fortes de fristao para olletey de 10000^ 10500* 20000 um.
Camisas inglesas de franella,*15 pura, a 50000 urna.
Alm d outros artigos que dcixamos de mencionar.

de um menino para serv co de hotel ; a tratar
na ra da Madre d Dcus n. 3, qua d conheci-
m ento de sua conducta.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira ; na ra Velha
numero 137.
Cosinhia
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; a tra-
tar, na ra do Livramento u. 1.
Criado
Na roa da Saudade n. 27, pOrtao, precisa-se
de tm criado.
21Rua do Crespo-21
NAO SE DAO AMOSTRAS
Carolos de algdo
Compra-se carocos de algodao nsaccados, en-
tregues nos armazens, roa do Baro do Trium-
pho ns. 10, l e 14 ; ao preco de 380 ris por 17
los.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, com
pratica de 11 annos de profissao, apresentando
diversos attestados de bom methodo e comporta-
ment, offerece-se para leccionar em casas par-
ticulares, na cklade ou em seus arrabaldes as se-
guintes materias r Portuguez, Franez, Italiano
Geographfti, Piano, trabafnos d agulha, etc.; a
tratar a roa Visconde de GoyaHna n. 69 ou em
casa doRegulaaor da Mannharoa larga do
Rosario n. 9.
PHECO SEM
A' ra Primeiro de Maree n. 20
Junl
Atoalnado bordado a 10200 o metro.
Alpacas indianas a 320 rs. o covado.
Ditas mescladas a 600 rs. 0 covado.
Ditas lavradas a 500 rs. o covado.
Batistas finas a 140, 200 e 240 rs. o dito.
Brim' pardo 280 e 320 rs. o dito;
Balaias pretas a 260 e cobertas a 500 rs,
a duzia.
Bicos de urna s cor a 20 a peca-
Bramante trancado a 800 rs. o metro.
Brins de eflres para enanca t a 260 rs. o
covado.
Bico8"matisados a 20500 30 a peca.
Cumbraias bordadas a 40 a peca.
Cachemiras de quadros a 260 o covado.
Cortes de seda para colete a 50000.
Ditos de linn em cartSo a 70000.
Colchas de damasco a 60000 um.
Cretonas de alsace a 360 rs. o covado.
Cambraia arrendada a 460 rs. o dito.
Cachemira da India a 220 rs. o dito.
Chals adamascados a 20500 um.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Colchas de cores a 20 e_205OO urna.
Cortes de casinetas a 10500 um.
Chambres a 40500, 50 e 60000 um.
Cortes de setineta a-60000-um.
Cambraia Victoria a^POO'a peca.
. Camisas-rflemRes a 360000 a duzia.
Cachemira de dixaS larguras", a 800 rs. o
covado.
Crotones claros-a 280 e 320 rs. o dito.
Colchas de fustao a 30500 urna.
Camisas de meia a 10000 urna.
Ceroulas de bramante & 150 a duzia.
Esguifo pardo 360*400 rs. o covado.
E8partilhos courca a 50000 um.
do Loavre
Fichs de malha a 20000 um.
Fustao Branco a 360 e 400 rs. o covado.
Dito de cor para roupa a 800 re. o dito.
GuarnicSo de crochet com matizes.
Gazes de cores a 500 rs. o covado.
Guarda-p para homena a 60000.
Grinalda para noiva a 80000.
Guarda p para senioras a 80000.'
Lencos com barra a 20000 a duzia.
Leque a gra-duqueza a 20000 um.
Lencos brancos a 102CO e 20000 a duzia.
Luvas de aeda a 20 e 2500 o par.
Linhos de quadros a 80 rs. o covado.
Lis escossezas a 100 rs. 0 dito. *
Linn de cores a 500 rs. 0 dito.
Merino do cores, duas larguras, a 800 rs.
o dito.
Meias com pintas, para senhoras, a 800 rs.
Madapolao americano a 6000 a peca.
Meias para horneas a 30600 a'duzia.
Extracto Porte-VeiK,a 10400.
Popelina branca, de seda, a 800 rs. o co-
vado.
Paletots de seda palha a' 70500.
Ditos de alpaca preta a 40500.
Panno da costa adamascado. ;
Pacotes de p de arroi a 500 rs.
Percales fias 200 e 220 rs. o covado.
Roupas para bachos 'Salgados.
Regatas d cores a 10000 urna.
Sabidas de baile a 20000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargelim de cOres a 200 rs. o covado.
Setim de cores a 800 6 900 o dito.
Dito do Japao a 240 rs. o dito.
Toalhas para rosto a 30600 a duzia.
Ditas para banho a 10400 urna.

ntremelos bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimento de casemira c brins, coarinhos,
eos J bolsas,*fichus; lencos, leques e muitos outros artigos.
punhos, leos, toni-
AMAEAL & C.
:JA*^
GRAGEAS
EOMTO
INJECCAO
4t CtpihtbB. Cubeta
tUixahl* Ffre, tltmerao
mmtlto, Jertbenttxna, *
A> OHAOCU FORTN, torio a* prineir -.un obtlranai m ppr ' de fcrin (1890) que adopnrM-M no Hoptu-. Cnrmrj aa moWalJ*
I Biala r*b14M aem fattgr m MtotoagM mala 4iw A INJKOOAO FOBTIIt i non resomJiendKl cobo
l j_l finilillU I T1ITT ~ tt -
BB
ALLAN PATERSON & C
N. 44Ra do BrumN. 44
JUNTO A ESTACO DOS B0ND8.
Tem para vender, por precos mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas tundidas, batidas e caldeadas.
Crivaeos de diversos tamanhe*.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradcamento para jardim.
Varanda8 de ferro balido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalha.
Yapo-es de forca de 3, 5, e 6 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, systema Leandro.
EncaiTegam-se de concertos, e assentamento de machinisino e executam qual
ii com perfeicAo e presteza.
118^
i^OyQ THEftMOMET
MEDICO de LEN BLOC
I. H. KOBLBT
44- Roa do> ImperadorI.* andar
Tem a honra de participar as suas Exmas. freguezas e as Exmas. familias
desta capital que de volta da sua viagem trouse um magnfico sortimento de tudo que
diz respeito ao completo toilette de urna senhora em MODAS E XOVIDADEi
acha-se a sua disposieao-das 8 horas-da mant aa 6 da tarde na
44RA DO IMPEKDOR44
1
. _---
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidar osseguintes^rti^os com descont de 14 \
veBaa em
as
grosso
Bramantes de algodao superiores, a 800 rs. o metro, 4 largura*.
dem de puro linho faenua -de 20200 para acabar a 10500, metro.
Atoalhdo alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 e 10200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para tenedes a 50500 a peca.
Madapolao americano, a 30600, 40000 3 60000, com 24 jardas.
Maripozas de c6res a220rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idema 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.-
Merinos lisos de urna largufa 200 rs. o dito.
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichs de renda chics a 10000.
Colchas trancezas de cdres a 20000 e 40000, mna.
Lences de bramante a 10800, para cima de casal.
Casimiras de cdres para roupa da -criu^a a 10000 e 10800, diagonal, duas
larguras.
Camisas inglezas e francesas a 260OOO e 300000 a duzia.
TapeteMtveludado, grandes, a140000 u*.'"
Cortinados ricamente bordados' a 50500 e 60000-
Pannos de core para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 30OOOo dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veludilhos de cores o pretos a 900 r. odito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
Setins de todas as edres a 900 rs. o dite.
Setinetas lavradas 2Q0 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito. ^^
Meias cruas inglezas para hornera a 20500 e 30009 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito
Cortes de casemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de meia caBemira a'20000.
Toalhas grandes para rosto a 40000 a duzia.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
E muitos artigos que serlo lembrados com apresenca de nossos leitores.
59_^RHa Duque de Caxias59
< LOJA DE
PEREIRA A HAGALHAES
<
roa
SEN8IVEL DE TODOS OS SYSTEMAS
__lMtrumento
pari; S. r
no nunapu,
iad< VEntrept. 3, PARS
m todas *s rninciPAF.' nsn.l
t,^_
(
DEB1LIDADE
RACHITISMO
)
OLEO de FIGADO de BACALHAO
)-BERTH
Unta* approvado pela Academia da medicina da Paste.
Os relatorios presentados Academia de medicin pelo proles-
sores Trousseau, Bnssy, Boucbardat, etc demostram a superioridad*
do leo Je flcddo de bacaltiao de Bertfc.
Este oleo nativaliafio submitido a trt&mento chmico algua.
m exigir m aitignatura
na jp, Paria.
VKHOA A IIT4LRO KA MAIO>> PART DA* PBAUMACIAa)
a-
Gotta, Rhumatismo, Dores
Solugo do Doutor Clin
.surtido da Faeuldad da Uedicina de Parit. Premio Montyon.
A Verdadeira Solu?ao CLIN ao Salicylato de Soaa empregn-sc para curar:
As AifecgSes Rheumatismaes ogud- s c clironidxs, o Rheumatismo gottoeo,
as Dores articular* iauscuhire, e toas as .vezes que necessario calmar os
soiTrimentos occasiona',s por estas molestias.
A Verdadeira Solugao CLIN o melbor remedio contra o Rheumatismo,
a Ootta <: as Dores.
UH Uai explitaao dwtalhada acompanba oarfj fraseo.'
Exigir a Verdadeira Soluco de CLIN & Gie, de PARS, que m tmaonir
^ tota dos Droguista* a Pharmaceutieoa.
{.
T
TelgliaBma
Vejam e ^dniiisnl'
S o 55 f jiurBuquv-de Caxia fode
Tender pelos preso+^wr abato meaoie-
namds.
Amor 'da China,' novklad em padroes', a
200 rs. 6 cowdo.
Fustoes brancos a 360 e 500 rs. o co-
rado.
Velbutinas de todas-aw cores a-800 rs. o
covado. E' barato I
Casacos e capas para senhoras,- que
ha demais uero e barato. l
Cortes de seda, padroes lindos e preces
razoareis.
Madapolao com 1 metro de largura a
Ka l ifeoi *
Zefiros a 80, 170, 20O;^4O e 400 rs.
o covado.
Ditos bordados' a 800 rs. o1 Ovado.
TecidosmaaWKtmr a 400'e 500 rs. o
covado."
Brins de cores a*-380 rs. o covado.
Cortinadosf do crochet, cous chic e
preco barato.
Cambraia Victoria a -20800 a peca-
Dita batista a 120 rs. o covado.
Sargelins dVtodwas ores a 200 rf. o
co-vado."
Guardanapos bons a 10800 a duzia.
Las modernas a 240, 280 e 320 rs. o
covado.
Rendas hespanholas-'a 20 d metro
Luvas de seda a 20 e 30 o par.
Espartnos couraca a 40, 50 e 60 um.
Merinos pretos e de c6res> urna varie-
dade immensa em precos e qoalidades.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Toalhas felpudas, grande reduocao em
precos em vista da grande quantidade.
Enxovaes parabaptisadoB o que ha de
mais moderno e por pouco preco, 100000.
Colchas de crochet muito chic.
Camisas inglezas com e sem eollarinho.
toalhado para mesa a 10 e 10800,
muito fino.
Collarinhos e punhos de linho e algo dio
e pop preco barato.
Babados e entremeios, grande- sorti-
mento.
Madapolao pelle de ovo por 60 a peca.
Esguia pardo e chumbado a 400 rs. o
covado.
Urna grando variedade em lencos.
Grava tas e meias para horneas.
Cretones para coberta o que ha de mais
barato e bom.
Mantilhas de renda a 50 urna.
Leques de setim muito chic.
Linn bordado com quadros a 800 rs. o
covado, muito bonito.
Chitas 38curas e ciars a 240, 280 e
320 rs. o covado.
Cretones trancados, finos, a 320 rs. o
covado, para acabar.
Casemiras de cores e pretas uta grande
sortimento em qualidades e precOs.
Casinetas, o que hade mate bonito, a
400 e500 rs. o covado. m
Tapetes grandes e peqaeno por precos
razoaveis.
Crinoline preta e branca a-40600 *J rae-
tro.
Brins pardos 320,- 400 e 500 rs. o
covado1.*
Cortes de vestido-de cachemira com vi-
drilho o que ha de gesto.
. Ditos de linn para vestidos bordados.
E' barato.
Cambraia branca; bordada? o que ha de
mais gestor por preco razoavel a 80OOO*a
peca.
Dita com salpicos a 40 e 50000 a -peca.
Colchas argentinas a 60000 urna.
, Ditas de 20, 30, 40 e 50000.
Bramantes de algodao e linho de todos
os presos.
Grande sortimento em fich de cores
e pretos.
Grinaldas para uoivas.
Luvas e leques para noivas.
^Bicos de cures muito chic.
Alm do que acabamos de annunciar,
temos urna quantidade de artigos que s
vendo-se, se acredita, pelo qHe pedem jU'e
comparecam.
Dao-se amostras sem penhor.
55RA DUQUE DE CAXIAS 55
FERYiMIES DE AZEVEDO iC,
a. casa da rB&'QKonl SuassuQa n. foO; a'tratai"'
na rBarMafatl|o! Pisar n;|05..
Ama
i urna ama para
willa'; a tratar o scriptori
.im-
precisa-se de urna ama para*o servlco donMS-
ticode casa de
deste Diario.
Na ra da Uniao n. 31-A, precfBa-se de urna
ama para cosinhar mai servicos de casa.
Ama
I Precisa-se de. tima para casa de famil ; naJ
fu Fedro Affonso n. 08, ,
Ama
Precisa-se de ama ama boa cosinireirr e qqe
seja matriculada ; na roa da Aurora 67, ai-
dar tei?T^.,,___^____________^__ -
Amaa
Na ra velha de Santa Rita n. 89, precisa-s*
de urna ama' para comprar, cosinhar e fazer os
demais'servicos de una casa de pequea fa-
milia.
Precisa-se de duas amas
Victoria n. 35.
Amas
na ra Baro dte

Precisa-se de moa ama que saiba oosinhar;
para penca familia ; na roa do LivrameBton. S>,'
segundo andar:
AiAte
fia ra da Conquista *. 21', 'precisa;-e4 um1
cosinheira e de outra para serrico interno.
Do Dr. Caries Beftencourt
APPEOYAD08 PELA JOHTa'cEIITKAL BBI
HYGIENE 1>A CORTE
Salsaparrilha e Caroba
GRADB DEPURATIVO DO BANGUI*
. Elixir anti-rheumatico; anti-syphilitico, empr-
tado em todas as molestias de pee, erjsipela/'
arthros ou impiDgens, beriberi, anthraaes- do ?
carbnculos, cancros venreos, feridas caBce-'1-'
rosas, ulceras, gonorrhas chronicas, boubas,
bubOes, escrfulas e todas as doeneas que e-
pendem da impureza do sangoe.
Este remedio superior a lodo* 'OS ontfos *'
3eu genero, o que est provado pela preferencia'
e acceitacao que lhe d o publico. m ^^^^
Um vidro
35000
Elixir de Jurbeba, Quina &
Pecapinto
TNICO febrfugo e desobstruente 1
Empregado ria debilidade geral, doeneas de
estomago, convalescencasdepois do* parto, febre
palustres, molestias do figaao e baco, falta ee
apate, anemia, chloroae, cdres pallidsw wo Um
de sangue, doeneas nervosas.
E' um reconstitumte- de energa, romaico e
agradavcl ao paladar.
Um vidro 3WtKT *
Xarope de Jaramacan com-
^)C*tO
GRANDE PEITORAL
Tratamehto curativo dq todas as molestias t> *
peito e da garganta, defluxos, tosses* simple e
convulsa, coqueluche, coustipacoe, athto, on-
chite, catan-no chronico e tysica pulmonar 4
rimeiro peitorai que se conhece at befe
larynge.
E'op:
na medicina.
Um vidro- 2300
A' venda na ra Bariio' da Victori 'ir. 51
Virih Maduro
*ocas Mendes' 4 C, com grande estabeleai- f
ment de seceos e molhados, sito casa n. 9
ra est: eita do Rosario, contiguo a igreia, aca-
bam de receber urna grande remessa do afe>
ditadd e especial vinhoMaduro; o'imicofoe'ife
e mnima confeccao importadoHestemeiti,
s se vend e no referido estafcelectoeiito*
_^....._........._________...... ,_____^___. i '.
Cha preto superior
Carlos Sinderi avisa seus amigos e fre--'
gnezes em geral que receben pelo ultima *
vapor cb preto novo e superior que ven-
de por precos mais resumidos em vista
da continuadlo do cambio favoravel.
Convem que experimentem.
48 RUADO BARAO DA VICTORLi 48
Criado
Precisa-se de um criado : na ra da Aurora
. 119.
flf!
A LA. REINE DES FEETJRS
Rmallietes Hoyos
L.T.PIVERemPAMS
Mascotle
PERFUMF PORTE-BONHEDR"
Eitmeto de Corjiopsis do Japo j
fST^rf^^
PERFUMES EXQUISITOS :
Boiriuet Zamora Anona du Bengale
Cvdonia de Chine
Stephania d'Australie
Heltotrppe blanc Gardenia
l^suquat de l'Amiti 'White Rose o Kczanlik Polylor oriental 1
Brise de Kice Bouquet e Reine des Prs, etc.
ESSENCIAS CONCENTRADAS
i?) QALIDADE EXTRA
3et
i pnucipaes Perfumara, Paaiuiacias e Calieeiuros w
58-Rua Duque de Caxias-58
GBANDE LQUIDAllO
Principia na segunda-feira, de todos os artigos
ficurara de saldo do balancp do anuo prximo pa#]
v eixlendo-se por metade do seu valoT.j
Grande quantidade de retalhos tle iilgodaosii
majlapolao chitas, seda, setim, etc., etc.
56 e 58-Rua Duque de Caxias$g <


m

*.
I




8
Diario de Peritmb
H^"P
0 pro'essor Joaquim Elias 4e Alhuquerque
Reg Barios, ra aa. ConceicSo n. 27, eusina.
quer ou .ifio. pelas casas, as seguintes materias,
depois das 3 horas da tarde : portugus, latim,
anthmetica, geographia, historia e geometra.
ProfesVoni
Urna enhora competentemente habilitada,
Jropoe-se a leccionar em coIIptos e casas par-
ticulares as seguintes materias : portuguez,
francaz, msica e piano : a tratar na ra Vis-
conde de Albuquerque n, 20.
'Urgente
Precisa-se de perfeitas costu-
reiras: na na do Bario da
Victoria n. I*. i. andar,ateller
de madame Fannv._________
k AVISO
aluga-se a casa da ra do Paysandu n. I, cdm
kons commodosrgaz, agua e jardim ; as chaves
e a tratar na ra do Bispo n. 6
SABHETES MtDCAMEHiOSOS
i GRilHAULT E C
SABONETE SULFUROSO *-
auihat, a mancho e as Jvenm* trup-
fet quo se munifesta-) na pelle.
SAIONETE SULFURO-ALCAUllO te-
mado saboneU de HAmeric\, con! a
tama, a linha, malkas etcamota* a
trityrimse do coaro cabelludo.
SABONETE oc ALCAtRO da NORUEQA
empregado nos meamos caaos que o pre-
cedente.
SAtONETE DE ACIDO PHENICO P">
servatTO e autiepidemico.
SASMETE de ALCATRO com BRAX
contra as affecces cutneas, chronicas ou
ligeiras, croatas de leite, dartroa, ecxerr a.
Deposite em PARS. 8, na Virienne.
I
Cosinheira
Precisa-se de urna ama que cosinhe bem ; no
terceiro andar do predio n. 42 da ra Duque de
Caxias, por cima da typograpbia do Diario.
Aeces entre amigos
A de urna caleca fechada, com dous cavados
e um bom par de arfeios. que devia correr com
a ultima lotera do Grao Para no mez de Janeiro,
fica transferida para a ultima de Fevereiro.
ummentTsT
*ara o C4VLIOP
S0r?RSSH Ju^ "i1" sustitu
Ido roso > rn o FOGO
e aa */U ll'^S^S ea
QUELA X AiSpL Mu u nu
1 o PELL04M,^J^_\ -. IFPlKAfK
**;
1 A cura fai-se com c mip em 3 itaufos,
sen dor e sem corlar, nc..i raspar o pello. i
Pharm'GNEAD, 175. Roa SiHonrt.PARIS |
KM TODAS -A WM*CI*I
FABRICA
DE VIDROS
193 Riia d Aurora 193
Expoe venda em grosso
e a retal fo os productos d
seif fabrico: sendo
Copos com e sem p, ditos
com aza para cerveja, cli-
ces, globos, chamins, frascos
para botica etc. etc.
Precos sem competencia
VENDAS
Vende- se cal nova de Lisboa ; na ra Pe-
iro Alfonso ns. 39 e 41.____________________
. Livros de medicina
Vndese alguns livros de medicina ja servi-
dos ; na ra da Rangel, armazem n. 48.
Doce secco de caj su-
perior
Tem para vender em latas de 2 e 4 libras, por
proco commodo : na ra do Bom Jess n. 35,
armazem.
FOLHETIM
AB93SI8ABA
POR
JLO MARI
TEBCKIR.t PARTE
yONRA POR HONRA
(Continua^So do n. 30)
IX
Desses dous homens, um era-lhe dcs-
conhecido.
Quanto ao outro, parecia-lhe que j o
tinha visto.
E lembrou-se de repente do alde&o que,
alguraas semanas antes, tinha levado a Lu-
ciana urna carta de Claudina.
Esse homem sorria-lhe e cumprimenta-
va-o pcdamente.
Era o nosso amigo Courlande.
Em frente delle, todos milito pallidos e
uito commovidos, ma& no entanto, gra-
ves, de urna gravidade que fez correr um
calafrio de terror pelo dorso do miseravel,
estava o Sr. de Moraines, o juiz de ins-
truecXo, tendo junto a si um homem do
cabellos brancos *e rosto nnrugado, que le-
vava un debaixo do bracto: o ee-
teog |iassado8 em
Claudina, semi-deita-
nSo
a irni
Jva, pareca entrada de
er protefrel-a.
a juntar-
REVOLQCAO DO 48
A' ra Duque de Callas n. 418
Nesta loja denominada A" RevolucSo,
tendo sempre um grande e variado depo-
sito de fazeidas, resolveu-se vendel-aspor
menos 300j do que em outra qualquer
casa. Como sejaic :
Toalhas felpudas e acolchoadas, brancas
e de cores, taminho regular a 120, 20U,
500, urna.
Merinos de cuadros, lindos padrSes
200, 240 e 280 o esovado.
Seda Alcaciana (fazenda de fantasa),
240. o covado.
Cachemiras de quadros com combina-
cao a 320 o coviido.
Mimosa cambraia das mocas para cami-
sas a 3200 a peca.
Lindos cortes para vestidos em cartfio
com todos os aviamentos a 7)5 90 10)5 e
14$ um.
Saias bordadas para senhora (recebidas
ltimamente de nris) a3fJ000 urna.
(,retones inglezes, francezes e allemaes
a 240, 280 e 320 o covado.
Zefiros de qulros, mito largos a 160
200 e 240 o coviulo.
Lindas colchas com palmas de cures
para noivos a 105<)00 urna.
C Si tas claras e oscura", muitos padrSes
a 200 e 240 o co^no.
Batistas com palmas e pintas, cores
xas a 120 o covado.
Redes francezas a 50 e 6(5000 urna.
Fecbs de la, inuito grandes, todas as
cores de 20000 por 10500.
Camisas francezas de linho (pechinca) de
60 a duzia por 480.
Merinos finos com duas larguras, todas
as c5res de 800 a 500 o covado.
dem idem idem dem preto a 800 e
10000 o covado.
Cortes de fustlo branco e de cores para
colete de 40-por 20000 um.
Madapol3es finos a 40, 50 e 60000 a
peca.
Atoalhado de linho, lindo desenho a
10700 o metro.
Cortes de casemira para calca, finos e
modernos a 40, 50, 60 e 70000 um.
dem idem idem idem eos turnes moder-
nos a 200000.
Cambraia de s lpicos muito fina com
10 jardas a 40000 a pera.
E muitas outras fazendas que s com a
presenca das Exraas familias, poderao ser
vereficadas, como sejam: mantilhas brasi-
lheiras, leques transparentes, bicos de co-
res, entremeies, bordado-, leos, extratos,
luvas etc.
48 DUQUE DE CAXIAS 48
Vinho de Pasto em barris
de quinto
De especial quadade e a preco baratissimo ;
vende-sc no trapiche da Corapanhia, largo do
Corno Santo n. 19.
8SOOO a duzia
OLEO AMERICANO
O ni ai. econmico, hyglenlco e
perfumado oleo para o
G .A. 3B DS X, X, O
VENDEM
( 25~rua Mrquez deOlinda -2o
Vestidos proprios para
bailes e fazendas para os
mesmos, aigrettes, plumas,
flores, fitas, Jeques, luvas,
meias e filos com salpicos
de todas as cores.
W-Wm do Imperador. 1. andar
mo um aecusado que comparece diante dos
juizes.
E entre os juizes havia ainda: Sarlat,
o chinico, e Gautliier Bourreille, com o
bra90 descansado n'um lenco preso ao pes-
clo.
Paseado o primeiro momento de angus-
tia, Montmayeur tentava recuperar um
pouco de sangue fri.
Lancou sobre Jorge um Ihar de odio e
de desprezo.
Mas o febril nSo olhava para elle.
Toda esta gente disse elle em tom
desenvolto.. .'Claudina de p... Estou
satisfeito !... O Sr. Gauthier Bourreille,
que sorpreza !... Sabia que o senhor tinha
sido ferido na ultima batalha... Morai-
nes, tu tambem foste ferido... E' urna
amabilidade teres te lembrado de mim e
vires fazer-me esta visita..
E voltando-se para Sarlat e para o es-
crivao, aos quaes nao conhecia:
Senhores...
Depois, estendendo c mi ao.Sr. de
Moraines:
Caro amigo, que prazer tenho em
tornar-te a ver l
O Sr. de Moraines ficou mpassivel n
nao estendeu a sua mao.
Montmayeur insisti :
EntSo, Moraines, em que ests pen-
sando?
-t Montmayeur, dis3e o juiz, eu nao
son teu amigo. Nao sou aqui senSo um
magistrado incumbido de fazer justica.
E em que piide isso interessar-me ?
pergttnto eu.
Vou dizer-li'o. Escrivao, installe-
se nesta mesa. Montmayeur, em nome da
le, prendo-o.
A mim ?. Tu me prendes ? que
brincadeira cssa ? E por que, se me faz
favor ?... De que me aecusam?
De nm assasisinato, de um roubo e
de urna tentativa Ij assassinato...
Oh.' oh! exelamou Joao, tentando
nr-se.. quanta souss !... Nao estamos
ajnda no carnaval tendem pregar-me aguma peca, eu quize-
i
-r. de Moraines interrompeu-o com
imptv.icacfd. :
nayon, aecusado de ter as-
sassinado B o de haver-lhe rou-
bado cinooenta mi francos.
feira 8 de Fevereiro de l
c
ov
fforato
S na loja das Estrellas
56 REA DQIE DE CAXIAS -56
Telephone a. lo
0 proprietario deste mu acreditado estabel
ment previne a todas as Exmas. fa
e freguezes'em geral, que as muitas r
chinchasque costuma fazer, nae sao mais
divididas com a sua ex-casa das USTRAS
AZES; portanto, quem quixer comprar por
menos que em outra qualquer parte dirja-
se a LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trar um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
cos que nao lhe poaem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber
Atoalhado para mesa, de 1|>S00 a 1)5000.
Dito de cores alie 10300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho coa 10 pal-
mos de largura a 10600.
Brim de cores para ronpa de embeas a
280 e 320 rs. \
Colchas de crochet de 100 por 50000.
Cortinados bordados a 50 e 60000,
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 40 e 40500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 70000.
Cretone, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 20800 a peca.
Camisas inglezA para nomens a 280000
a duzia.
Collarinhos, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completopor 20500.
- Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 100, 150 e 200000.
Casacos Jersey a 20500, 30, 40 e 50.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 10200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 10100 a jarda.
Esguiao de linho, pardo, a 240 c 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 50600.
Espartilhos couraja a 30 e 30500.
Fichus a 500, 10 e 10200.
FustRo branco a 240 rs.
Grinaldas com nissimos veos de Blond
a 70000.
Guarni5e8 de crochet para sof, a 50500.
Gorgorito preto de seda a 10800.
Guardanapos de linho de 30500 por 20
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lencos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 10000,
10500, 20 e 20500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
Madapolao pelle de ovo, muito fino, a
60000 e americano, com um metro de lar-
guro, de pre^o de 120 por 70000.
Dito de 80 por 50000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas coi
240 rs.
Rendas hespanholas a 10600, 10800,
20500 e 30000.
Setim Maco, preto e de cores a i50 e
800 rs.
Dito de quadros, ultima noviciado, a 10.
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpudas a 20500
e 30000 a duzia.
Ditas para banho a 800 e 10200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
. Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos 20 [0 do que em qualquer outra
parte.
Vende-se
o deposito de caf, assucar refinado e farinha
da, milho, da ra das Trincheiras n. 16, bea
afreguezado e proprio para outros gneros. A*
pretendente se dir o motivo da venda.
Vinho puro de Pasto
Em barris de quinto ; vendem Carlos Rabello
: C, ra do Vigario n. 31, 1- andar.
Vende-se
aac
iCr
em
Se
Santa Cruz n. 5 : a tratar na ra do Rosario da
Boa-Vista n. 53, fabrica de cigarros. A casa tem
commodos e agua encanada.
Entao serio ?
Responda.
E o que quer que responda a seme-
lhante pergunta ?
A verdade.
A verdade que eu ignoro de que
o senhor falla e que acho a sua accusacSo
absolutamente ridicula... Por que havia
eu de assassinar Bourreille ?... NSo o co-
nhecia. .. Para o roubar... NSo sou ri-
co, mas a fabrica basta-me para as minhas
necessidades... Ella dava lucro antes da
guerra, e daqui a alguns das recomecarao
os trabalhos.
E' tudo quanto tem a dizer ?
Quem me aecusa, em summa ?
Diversas pessoas.
Tinha desejo de conhecel^as.
Nao seja essa a duvida. Ha
primeiro lugar a propria victima..
ella n2o estivesse morta...
Sim, mais Bourreille nSo existe
mais redarguio Montmayeur cynicamen-
te, encomend os hombros.
Antes de morrer, elle escreveu...
Ah! extremamente curioso o que
est me contando !.. .
A sua mo enflaquecida tracou com
o proprio sangue, na parede do quarto em
que commetteu-se o assassinato, urna phra-
se aecusadora, na qual appareceu o seu
nome com todas as letras.
Mostre-rae essa phrase...
O aecusado apagou-a... para* que
nao restassem provas do seu crime...
E' bem romanesca a invencSo. Se
apaguci a tal phrase, como que o senhor
a conhece?
Claudina levantou-se, cambaleando:
Eu vi-a, li-a! sse ella.
Quem o pro va ? Quem dir que nSo
ha, em tudo isto, urna historia adrede pre-
parada ?
Desta vez foi Luciana quem interveio :
Eu... a quem minha irmS, assusta-
da, foi dar parte da sua descoberta, na
mesma noite.
Isso nao s8o provas. Se a phrase
foi apagada, deve-se ver... devem ter fi-
cado vestigios da raspagem...
' Oh! exclamou Sarlat com bonhomia,
para um chiinico, por menos experiente
Jue seja, a cousa mais fcil apagar no- [
oas de sangue de urna parede...
Nega ? perguntou o Sr. de Moraines.
a rato
A'
A Leja das Listras Azues
RA DUQUE DE .CAXIAS N. 61
Telephone n. II
O proprietario desta conhecida casa previne as
Exmas. familias e todos os seus fre-
auezes, que as pechinc-hus que costuma
dar, nao sao nem usca foram divididas
\^,4 de outra casa como alguem annuncia
para engaar, vendendo fazendas ordi-
narias por boas, caslume que a Loja
cIin LiMiruN Aiuei nao tem.
As fazendas vendidas nesta casa so de boa qua-
dade, e nao levara | medida escassa;
aceitase a fazenda vendida se, por
qualquer motivo nao fr de muito agra-
do da pessoa para quem for comprada.
Dase descont a quem comprar de 20*
para cima.
ESPECIALIDADES
Mrim de listras azaes pecas com
20 varas a 60000.
Madapolao com um metro de largu-
ra a 60800 a peca.
Cortes de vestidos bordados em
cartao a 100000.
Velludllho bordado a contas a 10600
o covado.
Cachemiras pretas, de quadros e
arrendadas 20 e 20500.
Tecidos fantazia arrendado proprio
para baile e theatro a 400 500 rs.
Cortes de cachemira com guarnicftes
bordadas, lindas cores, a 200 e 250000.
Setim Maco de todas as cores a 750,
e800rs.
Linn bordado, tecido* de urna s cor,
qualquer que se deseje, a 200"rs.
Zefiros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 rs.
IS de quadrinhos a 200, 240 e 360
o covado.
Linhos lisos a 60 e de quadrinhos a
00 rs. .
Guardanapos melhor qualidade. a
10800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores a 10.
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 40000.
Cortinados de crochet, com sanefas,
ultima novidade, para jane Has e portas.
Crochet para cortinados a 900 rs. o
metro.
Colchas de fustao, brancas e de eco-
res, a 20000.
Chitas finas precales a 200
Chitas escuras a 160, 240
e 240 rs.
e 280 rs.
a 120 rs.
Batistes de cores seguras
.\anzue de lindas cores a 280 rs.
Brim pardo esguiao a 240, 280 e 320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de honrem ou menino a 400 e 500 rs.
Mantilhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 80000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos enfeites e com vibrilhos a
200, 250 e 300000.
Leques de pennao e transparentes,
ultima novidade, todo preco.
Luvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 20.
Espartilhos inglezes a 40500 e 50,
tem desde o n. 40 at 80 de grossnra.
Bieo branco creme e de todas as
cores desde 700 rs. at 20500 a peca.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodo, preta, branca e de qualquer cor.
Babados e entremeios bordados ta-
pados e transparentes por todo preyo.
Cirampos e pentinhos fantazia para
cabello a 400 e 500 rs.
Baleias para vestidos a 260 rs. a
duzia.
Relogios despertadores com fi-
guras em movimento a 80 e 90000.
Aspas de ac para vestidos a 120 rs.
o metro.
Sargelim francez fino, diagonal, a
200 rs. de qualquer cor.
Crinolina de cordo preta, branca,
chumbo e c6r de caf a 400 rs. o metro.
Redes americanas para menino
ormir a 30500 e para homem a 60000 e
70000.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas na loja das
LISTRAS AZES de
Jos Augusto Dias
De certo! responden Montmayeur
com altivez... Demais, ha aqui quem
possa responder pela minha honorabilidade
e que lhe dir, com mais autoridade do
que eii poderia fazel-o, que ridiculo
aecusar-me do assassinato de Bourreille.
Quem ?
O Sr. Gauthier Bourreille, o filho
da propria victima.
Montmayeur sacou um papel da algi-
beira e apresentou-o ao juiz.
Aqui est urna carta que o Sr. Gan-
thieur Bourreille escreveu-me nao ha mui-
to tempo. Leia e julgue.
O Sr. de Moraines repellio-a.
E' intil! O Sr. Gauthier Bourreille
contou-nos em que circunstancias e de-
baixo de que odiosa pressao foi obrigado a
escrever isso.
Elle tambem me acensa ?
Nao, disse Gauthier com calma
Nao o acenso. Outros que nao eu qui-
zeram curapnr esse dever. Eu calo-me e
escuto.
O assassinato de Bourreille teve por
movel o roubo, disse o juiz. O senhor
roubou-lhe cincoenta mil francos de um
bah de carvalho que achava-se n'um quar-
to junto quelle em que dorma a victima.
Esses cincoenta mil francos, nos quaes a
guerra impedio-lhe de tocar encontramo-los
intactos.
Montmayeur fez im movimento brusco
e voltou-se para Jorge.
Mas o seu olhar procurou debalde o do
irmao.
Jorge estava de cabeca baixa.
Estou perdido, pensou o miseravel.
Jorge fallou.
A isso nao tem nada a replicar, sem
duvida? interrogou o juiz.
InvencSo !
O senhor metteu os cincoenta mil
francos n'um cofre e escondeu esse cofre
n'um poco seeco do pateo da fabrica. Foi
l que o encontramos.
E quem Ihes prova que fui eu que
occnltei-o l?
Rusponderei daqui a pouco sua
objecyao. Aocomecar este interrogatario,
disse-lhc que era aecusado de um roubo,
de um assassinato e de urna tentativa de
homicidio. Nao pode rebater o primeiro e
o segundo motivos de aecusacao. Resta o
terceiro.
Novdades
Beceberam modas de Parts
AZEVEDO, IRMAO & t'.
16 Ra do B. da Victoria 16
(Atuiga Nova) -i *
Lindas capas de surah, cachemira, me-
rino e ronda o que ha de mais novo. Renda
comprimento de saia a 10000 e 10500.
Sargelim fino todas as cores a 200 o co-
vado.
t- Baleias com forro a 240 a duzia.
dem com forro a 400 a duzia.
Bramante de linho com 10 palmos a
10500.
D to de algodSo com 4 larguras a 800.
Cortinados bordados a 50000 e 60000.
Ditos de crochet finos a 80000 e 100000
Estracto Rita Sangal a 20000.
Fichus de 15 e seda 10000, 10500.
Capellas com veo bordado a 60000 e
70000.
Madapolao globo a 70000.
Dito camiseiro a 70000.
Tapetes grandes para sof a 130000.
Espartilhos couraca a 40000 e 50000.
Brins de linho coies fixes a 600.
Panos de crochet para caderas a 800.
Ditos de crochet para sof a 20000 e
30000.
Guardanapos de linho a 20500 a duzia.
Merinos de cores a 400 o covado.
Zefires largos a 160 e 200.
Setim maco a 800 e 900.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
Madapolao com um metro de largura
a 60500.
Cachemira arrendada e de quadros
10500.
Crochet para cortinados a 700.
Toalhas felpudas a 30000 a duzia.
Camisas finas para homem a 330000.
Colxas de crochet com flores a 50000 e
90000.
Lindas velbutinas de quadros lisos e com
listas propinas para veo.
Nanzuc finos a 240 covado.
Ditas finas a 200, covado.
Cretones finos a 400 o covado.
Caixas proprias para presente.
Palitos de palha seda cores a 90000.
Pao verde para bilhar.
Leques de pennas.
Ditos transparentes.
Crinoline preta a 300.
Guarnieres pretas e de cores.
Camisas de flanella de cores.
Seda crua de quadros a 800.
Crep inglcz.
Meias brancas de seda a 40000.
Cachemiras de quadros a 280.
Fustao branco a360 o covado.
. Esguiao fino a 10500 a vara.
Casemiras para roupa.
Roupa feita por medida.
TELEPHONE 200
O desengao Ir ver
Fabadas baratas
Loja do Triumpho
Ra Duque de Caxias n. 49
Las flns com froco, a 320 rs. o covado
Ditas de quadros, bonitas a 300 rs.
Merinos lisos, 2 larguras a 360 rs.
Ditos lavrados, 2 larguras a 700 rs.
Zefiros largos de quadros a 240 rs.
Ditos largos de quadros linos a 280 rs.
Ditos bordados tinos a 700 rs.
Etaraine arrendada a 440 rs.
Dita de listas abertas a 400 rs. .
Setins de listrinhas a 660 rs.
Ditos da China (fantazia) a 240 rs.
Saias bordadas finas a 300o
Camisas bordadas finas para senhora a 4000
Cambraia branca bordada, a 4*0600 a peca.
Dita bordada de cor a 5500 a peca.
Chitas escuras muito boas, a 200 rs. o covado
Algodao largo ( 10 metros), a 2300 a pefa.
Dito dito de 20 jardas a 4OOO
Toalhas acolchoadas grandes, a 4500 a duzia.
Redes inglezas grandes a 5*000.
Guardanapos de linho, a 1*800 a duzia.
Camisas de linho sem punhos e sem colarinho
a 3*000.
Bramante de algodo 4 larguras, a 700rs. a vara.
Tapetes grandes para sof a 14*000
Cortes de seda para rollete a 4*000,
Cortes de casimira ingleza a 4*500
E outras muitas fazendas que se vendem mui-
to baratas para liquidar.
A' ra Duque de Caxias n. 49
Bastos efe G.
Montmayeur perdia o sangue fro. E o
que o perturbava era sobretodo ver os que
all se achavam terrivelmente calmos.
De onde parta o golpe que o feria?
Seria Jorge que o havia trahido? Seria
Luciana ?
O senhor aecusado, dizia o juiz, de
ter, por diversas vezes, tentado envenenar
Claudina...
Eu!... Ora essa !...
Nao negu... As provas sao aca-
brunhadoras,' apresso-me a dizer-lhe...
S tem a esperar indulgencia dos seus jul-
gadores; nSo pode pretender transvial-os
com as suas negativas, nem perturbal-os
com a sua attitude.
Montmayeur estava desesperado. Mor-
da os labios raivosamente, e de repente
exminava com olhos vermelhos de colera
e de terror as pessoas que se achavam
diante delle.
Se tivesse urna arma, servir-se-hia della
creamente contra essas pessoas. Sinis-
tros e" selvagens pensamentos de massa-
cre atrave8savam-lhe o cerebro. Quizera
matar e suicidar-se em seguida. E a sua
raiva proceda do facto ce nao estar ar-
mado.
7EB ?ASA W
Ra Duque de Caxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 lj2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 800 e-10, muito fino, de
qualquer largura a 10400, e de fagtao, de
700 a 10800 a peca.
Enxovaes para baptisados a 80, 100 e
12-5000.
Lindos enfeites para penteados a 100,
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 20500 o covado.
Pulseiras americanas para 30, 40, 5A,
60 e 80000 o par.
Guarnieres americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 60000.
Porta dedaes de vidro, obiecto para pre-
sente a t0OOO.
Broches de fantasa de 500 a 10000. (
dem americanos de 20 a 30000.
Lencos de seda de 500 rs. a 10500.
Lublaque a 200 rs. o par.
Guarnieres de crochet, sendo um pan
sof e 4 para caderas por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno e cSr,
com finos veos.
Flores artificiaes a 10000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisses de 400 a 10OOOo metro.
Luvas de seda arrendadas e bordJo
a 20 20500 o par.
Bicos brancos de linho e de cores a 2Jf,
20500 e 30000 a pe5a.
Contas de cor para enfeitar vestidos s
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso. .
Missangas de todas as cee.
Liados leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
80000.
Talheres para crianca a 800 rs.
Luvas de pellica a 20500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 20000 e
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhos com fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 40000 e cara dora
a 500 rs.
Finos binculos.
Agalhas para bordados a ouro e misaaa-
gaS.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos.
Tmaosinhos enfeitados de bico e renda.
Grande sortimento de fitas modernas a
13 de Maio, Imperial Regente, a Nabo-
eo e a Jo2o Alfredo.
Lindas fitas para facha a 20, 20500 e
30500 o metro.
Carteiras de chagrn para algibeira.
Finas gravatas plastr3es e regatas a 1#.
10200, 10500 e 20000.
Lindos porta-ps de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfei-
tar consolos e 8anctuaros.
Completo sortimento de perfumaras.
Finos sabonetas de todos os fabricantes.
Grande sortimento de altinetes douraot
para enfeitar o penteiado e tambem gran-
pos muito lindos.
N. B. D-so,amostras de bicos e bor-
dados.
Vinho de Collares especi
da Madeira
Em decimos e caixa de duzia, tem para ven-
der Joaquim da filva Carneiro. largo do Corpo
Santo n. 13, 1 andar.
/'


Cimento Portland
Vendem Soares de Amaral Traaos, roa da
Madre de Deus n. 22.
Roya! Blond marca VI IDO
Este excellenfe Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Royal Blend marca Vladn,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.

Courlande
, que exammava-o, murmu-
rou
- Ah! ah! o tigre corneja a deitar as
garras de fra!...
O Sr. de Moraines dirigio-se ao escri-
vao :
Tem tomado nota de tudo quanto se
tem dito aqui ?...
Tenho, Sr. juiz.
Tem escripto todas as minhas per-
guntas e todas as respostas ?
Sim, Sr. jutz.
Montmayeur, o senhor tentn enve-
nenar Claudina, administrando-lhe anseni-
co...
Quem me aecusa ? perguntou o mi-
seravel com voz rouca.
Courlande approximou-se.
Ao mesmo tempo Luciana, Claudina e
fofpai Sarftt levantavam-se, c todos juntos
soltaram o mesmo grito :
Nos... nos todos o aecusamos !
E Jorge, levantando-se por seu turno :
Eu tambem te acenso.
Eu, disse Claudina, estava dormin-
do todas as vezes que o senhor deitou ve-
neno no meu remedio ; mas de cada vez
que acordava, o senhor insista de modo
singular para que eu e bebesse.
Quanto a mim, disse Luciana, o-se-
nhor julgava-me adormecida. la entre"-
abrir a minha porta afim de certificar-se
se nao tinha nada a temer. Mas eu Ie-
vantava-me quando o senhor afastava-se ,e
vi-o quatro vezes deitar arsnico no copo
de minha irm.
O que tem a responder ? perguntou
o juiz.
Montmayeur calou-se.
Logo que o senhor retirava-se. pro-
seguio Luciana, eu apressava-me a levar
o veneno ao Sr. Courlande...
E eu, disse Courlande, ia a Pariz
mandal-o analysar.
E fui eu o encarregado desse traba-
Iho, acudi Sarlat.
Mentiras! mentiras gaguejou o mi-
seravel.
Mentiras, muito fcil de dizer,
redarguio o chimico. O que euposso cer-
tificar que a bebida que o Sr. Courlan-
de levou-me achava-se fortemente misto-
rada com arsnico ; pde-se, em summa,
consultar os meus relatorios. Elles'sio
claros.
Este homem tem sem duvida inte-
resse em perder-me !...
E Montmayeur desgnava o nosso amigo
o Caipora.
Courlande limitou-se a responder:
Se este momento nao fosse tao gra-
ve, o que acaba de dizer far-me-hia rir.
Jorge fez um gesto .para indicar que
queria fallar.
Todos voltaram-se para elle.
Fazia d olhar para o pobre rapaz.
A morte pintava-se-lhe visvelmente i
rosto.
A sua ultima hora havia soado.
Estabeleceu-se em torno delle um si-
lencio solemne, religioso.
Joo, disse elle com voz fraca como
um sopro, Jocio, intil negar... Ai
pende-te, arrepende-te!...
Jorge, lvido,, enxugou um suor d
gustia que escorria-Ihe dos cal.
a testa e para, o rosto.
(Continuar-se-ha,'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENE6J4KE1_0B5NB7 INGEST_TIME 2014-05-22T23:58:43Z PACKAGE AA00011611_17443
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES