Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17406


This item is only available as the following downloads:


Full Text
* ^
ANNO LXV NUMERO 21
PARA A CAPITAL E LUGARES OIDB NA E PAGA PORTE
Por tre mezes adantados. ............. 60000
Por sois ditos idem................ 120000
Por-nm auno idem................ 230000
Cada numero avulso, do mesmo dia......... 0100
8ABBAD0 26 DE JANEIRO E 1889
PARA DEXTRO E PORA I> i PROVINCIA
Por seis mezes adiantados.............. 130500
Por nove ditos idem- .....'........ 200000
Por um anno idem............... 270000
Cada numero avulso, de dias anteriores ..... 0100
DIARIO DE PERNAMBUCO

Trcpriedade de Manoel 9%gueirca de Varice # ffitycs
TELEGRAMAS
1
8 -
*5-

I



t
r
>
sest;;: partculas so siabiq
RIO DE JANEffiO, 24 de Janeiro, as
8 horas e 45 minutos da noite.
Foram promovidos :
Carpo de engenheiros:
A' major, o capitao Manoel Goncalves
Campello Franca;
Arma de artilharia :
A' tenentes-coroneis effectivos, os ma-
jores Bento Jos Fernandes Jnior, Jos
Maria dos Anjos Espozel Jnior e JoSo
Vicente Leite de Castro.
A' tenente-coronel graduado, o major
graduado Francisco Raymundo Ewerton
Quadros.
A' majores effectivos, os capitSes Nor-
berto de Amorim Bezerra, Antonio Olym-
pio da Silveira, e Antonio Fernandes
Barbosa;
A' major graduado, o capitao Luiz Go-
mes Caldeira de Andrade.
Arma de cavaUaria :
A' coronel graduado, o tenente-coronel
Francisco Xavier de Godoy.
A' majores effectivos, os capitSes Ja-
cintbo Ferreira da Silva, Jos Joaquim
de Aguiar Correia, e Carlos Luiz de An-
drade Neves;
A' major graduado, o capitSo Benja-
mn Pereira Monteiro.
Anua de nfantaria :
^u. A' coronis, os tenentes-coroneis Manoel
de Azevedo do Nascimento, Joao Baptis-
ta do Reg Barros Cavalcante de Albu-
querque, Carlos Frederico da Rocha, e
Tude Soaree Neiva. .
A' tenentes-coroneis effectivos, os ma-
jores SebastiSo Raymuudo Ewerton, Joao
Pedro Xavier da Cmara, Frankliu do Re-
' go Barros ''avalcante de Albuquerque, Es-
tevSo Jos Ferraz, Manoel Rodrigues Bra-
ganca, Luiz Antonio Ferraz, Francisco
Carlos Bueno Deschampa, Luiz Antonio
do Couto e Joaquim Jos de Pinho.
A' majores effectivos, os capitSos: Oho-
fre Jos Antonio dos Santos, Joao Domin-
gues Ramos, Jos Geraldo Gomes, Joao
Nunes Sarment, Jesuino Deocleciano de
Souza Bruno, Tiburcio Valeriano de Ar-
roda, Jos Joaquim Alves, Aureliano Au-
gusto de Aeevedo Pedra, Joao Severiano
Mael da Costa, JuliSo Augusto de-Senna
Martins, Manoel Eufrazio dos Santo 3 Dias,
Pedro Nones BaptisU Ferreira Tamarindo,
"Jtm Salustiano Fernandes dos Res, Joao
Barrete Picaneo da Costa, Zeferino Jos
Teixeira Campos, Claudio do Amaral Sa-
vaget, Joao de Souza Castello, Arthur Os-
ear de Andrade GuimarSes, Wenceslao
Freir de Carvalho, Francisco Agostinho
de Mello Souza Menezea, e Joaquim Fer-
nandes de Andrade e Silva.
sbbvijo ba a&zkia savas
MADRID, 25 de Janeiro.
O general Concha acha-se gravemente
enfermo.
O seu estado inspira serias inquieta-
ces.
BERLIM, 25 de Janeiro.
O Conselho Federal do Imperio da Al-
leraanha adoptou um projecto de lei rela-
tivo a administrado das colonias allemSs.
O mesmo projecto acaba de ser apre-
sentado ao Reichstag.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
25 de Janeiro, de 1889.
AS GRANDES \\VEXOtS
ANTIGS K MODERNAS
AS
Sciencias. industrias e artes
POR
n
A iratura
(ContinuacSo)
Feito sto, se se quizer tracar um desenlio, a
copia d'uma pintura, etc., asseota-se sobre a cha-
pa de cobre urna folna de papel na qual se tracou
a copla do desenbo que se qeer exeoMar. Bati
por meio d'uma agtMa de copiar, raais ou menos
delgada, seguem-se os traeos da copia, de modo
que se tire o veroiz e o metal fique descoberto
nos sitios que hao de oceupar os traeos do de-
senbo que se quer reproduzir.
Feito o desenbo com a agulha sobre o cobre
envernisado, resta atacar a chapa com a agua
forte, isto e, com o acido azotico diluido Para
este effeito rodeia-se a chapa com urna borda
saliente de cera, e na pequea bacia assim for-
mada lanca-se o acido azotico, o qual se deixa
reagir sobre o metal durante meia hora ou urna,
conforme a forca do acido e a profundidade que
se quizer dar aos tragos da gravura. Em certas
parles a chapa devt ser mais profundamente
atacada do que eui entras; retira-se enlao a
agua-forte que cobna a chapa, lava-sc esta e
pe-se a seccar : de pois passa-se urna carnada
de verniz sobre os sitios mais brandos da gravu-
ra, como sao os cos e longes, airn dos preser-
var do acido, e suboietten-se os outros a aeco
mais prolongada da agua-forte.
Entre os artistas que mais se distmguiram na
gravura agua-forte mencionaremos : Alberto
Durer, Francis Maizuoli, chamado o Parmesao,
Berghem, Paulo Poter, Swanevelt, Everdingen,
Hennque Roos, Rembrandt, Annibal Carrache,
Guido Reni, Salvator Rosa, Castiglione, Cladio
Lorrain, Bourdon, Coypel, etc.
(Contina)
PARTE OFFICIAL
Governo da provincia
UELATORIO com que o lm. Sr. desembargidor Joaquim Jos
de Ollveira Andrade estregn a admiaistraeSo da
provincia ao Exa. Sr. Dr. innoeenelo Marques de
Araojo CJes a 3 de Janeiro de 1NN9.
(C A Assembla legislativa Provincial de Pernambuco, resulve :
Art. 1. E' concedida a Frderico Ramos a pnalo annual de um cont e
nzentos rail ris, durante tres annos, para proseguir na Europa os seus estudos de
pintura; devendo os respectivos pagamento*, ser feitos em prestacSes trimestraes, a
contar do primeiro mez do exercicio de 1889
Art 2. Fica concedida a subvencSo de um cont e duzentos mil res, paga
por urna s vez, para Chryspim do Amaral ir Italia aperfeicoar-se em pintura.
Art. 3. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 4 de Dezembro
j 1RRR
arto de Itapissuma, presidente. Jote Maria de Albuquerque Mello, 1. secre-
tario.Dr. Joao Augusto do Reg Barro, 2." secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
A circunstancias actuaes da provincias nao permitiera liberalidades da natu-
reea das que se contm n'esta resolucSo, nao obstante a utilidade da concesaSo, que
teria muito louvavel em condioBes diversa
Neg, pois, sanecto a presente resolucSo.
Pakcio da presidencia de Pernambuco, em 15 de Dezembro de 1888.
Joaquim Jos Olivara Andrade.
A Assembla Legislativa Provincial, resolve:
Art. Io Fica restaurada a cadeira de Tabocas no Ex sendo n ella reintegrado
o profeator que exercia.
Art. I-0 Ficam revogadas as disposicoes em contrario. .
Pa9o da AmMiUa Legishitiva Provincial de Pernambuco, 14 de -iembro
1888.
Rarao de hapi$uma, presidente.Jote Maria de Albuquerque MeUo, l.\ m*
rio.Dr. Joao Augusto do Reg Barre, 2." secretario.
Volte Aatembla Legislativa Provincial. ,
Neg aanccSo por aer inconatitucioaoJ a reaolncSo aue invade s attribuisoes
o poder executivo, ao qnal amento cabe a nonaeaflo ou designac^o de profesBorres
J *__
Palacio da preeidencia de Pernambuco, 19 de De*>mbro de 1888.
Joaquim -los OUoeira Andrade.
A Aaaembl Lefklativa Ptoviaca de liaanAn :o, resolve :
(ixi. \.a O iiiMlanlT de previncia fica aotoriaado a conceder um asno de
llMOi Jaqtt do Reg Bitoi, empregado no Tbewmrc
Frovmcii_____, _. .
icSea OBB coatrario.
Pa^o da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 26 de Dezembro
de 1888.
BarSo de Caiar, vice-presidente.Jos Maria de Albuquerque Mello, se-
cretario.Juvencio Taciano Mariz, 2.* secretario interino.
Volte Assembla Legisiativa Provincial.
Neg sanccSo, porque o empregado ao qual se refere esta resolucSo, tem
usado de licenjas frequentes, soccorrendo-se mesmo a justificacio de faltas, quando
j nao as pode conseguir.
Taes concessSes prejudicam o servifo, que Roncas vezea feito com vantagem
por empregados interinos.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 29 de Dezembro de 1888.
Joaquim Sot d'Oliveiaa Andrade.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, resolve:
Art. 1." Fica derrogada a tabella que regula os vencimentos dos actuaes en-
genheiros da Repartic.ao das Obras Publicas na parte em que prejudica aos meamos
engenheiros e em seu inteiro vigor a lei provincial n. 1.790, desde a data da ultima
reforma da respectiva Reparticllo.
Art. 2. O engenheiro secretario perceberi os mesmos vencimentos que per-
cebia o engenheiro ajudante.
Art. 3. Os actuaes engenheiros externos ficarilo contemplados no quad da
alludida Repartilo.
Art. 4. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Paco da Assembja Legislativa Provincial de Pernambuco, 22 de Dezembro
de 1888.
Bardo de Caiar. vice-presidente.Jos Maria de Albuquerque Mello, i." so
cretario.Juvencio laciano Mariz, servmdo de 2. secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
as condijSes actuaes da provincia nao *e deve poupar sacrificios no intuito
de restabelecer o equilibrio entre a sua receita e a respectiva despeza. Foi obede-
cendo a essa palpitante necessidade que resolveu a administraco fazer baixar a
tabella hoje em vigor, e que aeprocura cassar.
Subsistindo as mesmae razies, pese embora a mim e aos interessados, nlo
devo acceitar diversa resolucSo, pelo que a esta neg sanecao,
Palacio da presidencia de Pernanbuco, em 29 de Dezembro de 1888.
Joaquim Jos d'Otiveira Andrade. V
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, resolve:
Art. 1. Fica o presidente da provineia automado a conceder um anno de
licenja com ordenado a Cleomenes Lopes de Siqueira, major do corpo de polica, D.
Amelia de Mello Pires Galvao, professora publica da B8a-Vista, D. Amelia Rosa
Brasil, professora de Flores ; D. Francisca Scraphica de Assis Carvalho, professora
publica de Agua-Fra em Beberibe, a professora publica D. Anna Senhorinha Mon-
teiro Pessa, ao professor publico de S. JoSo dos Pombos, Cosme Augusto Pereira
da Luz e a D. Domingas Paulina Ayres, professora publica de Pedra Molle.
Art. 2." Ficam revogadas as disposic<5es em contrario.
Paco* da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 26 de Dezembro
lde 888.
Baro de Caiar, vice-presidente.Jos Mara de Albuquerque Mello, 1. se-
cretario.Juvencio Taciano Mariz, 2," secretario interino. -
Volte Assembla Legislativa Provincial.
Alguns dos empregados abrangidos na presente resolucSo nSo necessitam de
licencas t&o longas; outros godem, sem inconveniente, continuar no exereko dos seus
cargos, segundo tudo consta a administraco; taes concessoes sao prejudiaes a boa
execucao do servido e s devem ser permittidas- om vista de condijBes especiaes,
mediante prova e satisfeitas prescripc3es acauteladoms de abusos ; e pois convencido
de que a illustrada Assembla Provincial nao teve tempo ou meios de melhor infor-
mar-se e que sobre tudo se interessa pelo bem pubhVo,^nego sancf ao
Palncitfd presidencia de Pernambuco, 23 "de mzembro de 1888.
Joaquim Jos d'Oliveira Andrade.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, resolve ;
Art. 1. Na pensao com que foi jubilada a professora de instruefo primaria.
D. Cosma Joaquina de Lima Nunes comprehender-se-ha a gratifica$ao de mrito, em
cujo goao se achava, quando lhe foi concedida a jubilacto, estendendo-se esta mesma
disposi$So a todos os professores que se acharem em idnticas circumstancias.
Art. 2. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Pa$o da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 17 de Dezembro
de 1888.
Barda de Caiar. vice-presidente.Jo Maria de Albuquerque Mello, 1. se-
cretario.Juvencio Taciano Mariz, senvindo de 2. secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial. v
As gratificacSes concedidas aos prefessores estSo sujeitas a preceitos e provas
cuidadosamente determinados na legislacao que rege quanto interessa instruccSo
publica. A concesso de vantagens taes sem dependencia de provas e, consequen-
temente, sem base ou medida do merecimento de cada um, constitue verdadeira merc
pecuniaria que nao deve ser permittida e que escapa competencia da Assembla
Provincial. Ao poder executivo compete conhecer da justica do pedido e proceden-
cia da prova em taes casos.
Alm d'isso, a presente resolujao dar lugar a consderavel augmento de
despeza, facilitando muitos vencimentos nunca antes reconhecidos; neg, portante,
sanceo e reputo-a inconstitucional.
Palacio da presidencia de Pernambuco, 31 de Dezembro de 1888.
Joaquim Jos d'Oliveira Andrade.
A Assembla Lelislativa Provincial de Pernambuco, resolve :
Art. 1. As professores que deixaram de acceitar remoyUo
eutrancia superior para inferior fica salvo o direito aos respectivos
contar da data da remocSo at que lhes seja designada cadeira de
a que lhes pertencia.
Art. 2. Ficam revogadas as disposicoes controrio.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 17 de Dezembro
de 1888. i
Bavao de Caiar, vice-presidente.Joe Maria de Albuquerqne Mello, 1. sei
cretario.Juv9ncio Taciano Mariz, servindo, de 2." secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
As remocSes determinadas por occasiSo da reforma da nstrucao publica nao
podiam ser recusadas, ex-vi do disposto n. 2." da art. 9. da lei n. 1884 de 30 de
Abril do anno findo; os professores, portante, que deixaram de exercer as suas tunc-
53e8 as cadeiraa que lhes foram destinadas, as perderam e nao tem direito a venci-
mentos. A presente resolucSo, dispondo exactamente o contrario c ordenando o
pagamento do que lhes nao devido, importa verdadeira merc pecuniaria; para o
que carece de competencia a Assembla Provincial e pelo que neg sanccSo a este
acto que considero inconstitucional.
Palaoio da presidencia de Pernambuco, 31 de Dezembro de 1888.
Joaquim Jos d'Oliveira Andrade.
A Assembla Degislatva Provincial de-Poroambuco, reaolve :
Art.0 1. Ficam reintegrados em suas cadeiras todos os professores de instruc-
cSo primaria demittidos por acto da presidencia da provincia de 27 de Maio de 1887,
exceptuando-se apenas os que foram reintegrados as suas respectivas ftncces.
Art. 2. Figam revogadas as disposcOes em contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 17 de Dezembre
de 1888.Bario de Caiar, vice-presidente- -Jos TAaria de Aibuquorque Mello, Xo
secretario. Juvencio Taciano 'Mariz, servindo de 2" secretario.
Volte a Aaaembla Legislativa Provincial. ?
O acto de 27 de maio do passado anno a que se refere esta resoluclo fw devida
e precisamente fundamentado, em face da legislado vigente; na retonna autorisada
polo 2o do art. 9o da lei n. 1884 do mesmo-anno foram respeitados oa legtimos di-
reitos de todos os professores, aendo tambem respeitada a legitimidade desse acto j
e poia carecem de fundamento as reintegracSes decretadas pela referida resolucSo.
Alm diaao, a reintegracao importa urna nomeaco ou reparaba, da exclusiva compe-
de cadeira de
vencimentos,
entrancia igual
tencia do poder executivo. Considerando-a, poia, inconat tucional, deixo de sanecio-
nar a presente reaoluclo.
Palacio da Preaidencia de Pernambuco, 31 de Dezembro de 1888. Joaquim
J< de Oliveira Andrade
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, reaolve :
Art. 1.a O tempo de regencia de escolas nocturnas, anterior ao regulamento
de 6 de Fevereiro de 1885, ser contado na razao da quarta parte n*o s para a ju-
bicaclo como tombem para a obterialo de qualquer das gratificacoes peculiares ao
magisterio publico.
Art. 2. Ficam revogadas as disposicfea em contrario.
Paco da Aaaembla Legielativa Provincial de Pernambuco, 17 de Dezembro
de 1888.Borao da Caitw, vic-preaidente.Js Maria de Albuquerque Moo. 1
cretori. Jmtmcw Tacismo Mona, aervindo de 2 eecreUrio.
Vohe Awembla LegiaUtiva Provincial.
Nea urna raaftf o foeonhecida utilidade ou vantagem publica Ratifica
direito creado pela presente resolucSo. O tempo de regencia de escolas nocturnas j
computado 11 as jubilares, mas com relacSo as gratificares censtitue apenas pre-
8>impc3o de mrito, como parece da maior conveniencia.
AmodificacXo que agora se pretende, abrir, sim, margem larga a considera,
vel augmento de despeza e inutilisar urna condieSo de estimulo, que poder dar
bons fructos, se for devidamente attendida e apurada.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 31 de Dezembro de 1888.Joaquim
Jos de Oliveira Andrade.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, resolve :
Art. 1. Os membros da Assembla Legislativa Provincial vencerSo na via-
doura legislatura o subsidio de 20Q00 diarios durante o tempo das sess3es ordina-
rias, extraordinarias e prorogajSes.
Art. 2." A indemnisacilo das despezas de ida e volta dos ditos membros, que
morarem fora do lugar da reuniao da Assembla, ser de 400 rs. por kilmetro.
Art. 3. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 11 de Dezembro de
1888.BarSo de Ciar,vice presidente.Jos Maria de Albuquerque Mello, 1.a se-
cretario.Dr. Joao Augusto do Reg Barros, 2a secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
E' de certo incontestavel a nsufEciencia do subsidio actualmente concedido
aos membros da Assembla Legislativa Provincial, mas certo tambem que, as co-
nhecidas condicSea financeiras desta provincia, todo o esforco dos seus Ilustres re-
presentantes deve ter por objectivo a reduccao da despeza. E tanto assim que a
patritica Assemba nao teria certamente cogitado do augmento do subsidio, se po-
desse esta resolucSo aproveitar aos seus actuaes membros, cujo desinteresse nao pode
ser posto em duvida. Mas, se influenciada, como creio, somente pela nobreza dos
seus sentimentos c assi confiada em lisongeiro futuro, pode cogitar desse melhora-
mento, autorisar a concessSo de notaveis vantagens a muitos serventuarios, augmen-
tando mesmo consideravelmente o numero destes ; nSo deve a administracSo, mais
receiosa ou menos confiada, faltando aos principios de justifa e equidade, conceder
sanccSo presente resolucSo, tendo-a negado quasi totalidade das que cogitavam
de despezas adiaveis, mesmo no interesse dos pobres empregados pblicos, em ver-
dade dignos de melhor sorte.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 31 de Dezembro de 1888.Joaquim
Jos de Oliveira Andrade.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, resolve.
Art.0 1." Os limites da comarca de Bom Conselho com as de Aguas Bellas e
(Jaranhuns serSo os seguintes: com a comarca de Aguas Bellas pelo lado do poente e
comprehenderSo todo o P090 do Cosme, onde morou o finado Luiz Tenorio e dahi ao
Umbuseiro do Balanco, seguindo em linha recta at a baixa do Joazeiro (riacho) Qx
dahi a Serrinha onde mora Antonio Alves, e dahi em rumo direito at ao Pao Bonito
e com Garanhuns e tomando a direccSo do norte at a Lagoinha do Poco, seguindo
pela estrada abaixo na direccSo do nascente at Umbuzeiro na fazenda do finado
Pinto, e dahi as Porteiras, (povoado) dirigindo-so ao Catembo, dahi a Jussaara, se-
guindo at o RiachSo, ficando as aguas pendentes pertencendo ao P090 do Cosme.
Art. 2. Os terrenos do engenho Jaguaibe que actualmente pertencem aos mu-
nicipios de Iguarass e Olinda ficarSo pertencendo a este, sendo a sua divisSo do
porto de Jatob em segumento pela linha de ferro do engenho Timb at encontrar-
se com os antigos limites.
Art. 3. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 12 de Dezembro
de 1888.- -Burdo de Caiar, presidente.Jos Maria de A1buq\terque Mello, Io secre-
tario.Dr. Joao Augusto do Reg Barros, 2o secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
A presente resolucSo, alterando limites de divesos municipios e parochias, m-
dependeatemeate de reclamajdea dos mais interessadosos habitantes dessas locali-
dades desmembradas e de novo annexadas a ciracmscripcoes differentes crea diffi-
culdades a administraco da justica e accio policial, pede dar lugar a questSe aem-
pre frequentes em circumstancias idnticas e obriga modificacSes inconvenientes em
servicos como o eleitoral, antes regulados tomando-se por base a populacao, exten-
sSo e commodidades dessas circumscripeo'es e dos seus moradores. Neg, pois, sanc-
cSo a esta resolucSo.
Palacio da Presidencia de Pernambuco, 31 de-Dezembro de 1888.Joaquim
Jos de Oliveira Aadrade.
A Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, resolve :
Art. 1. Ficam consideradas de 2.a entrancia todas as cadeiras de instruccSo
primaria existentes na freguezia de Afogados n'esta cidade, sem prejuizo das
professoras.
Art. 2. Ficam revogadas as disposicoes em contrario.
Paco da Assembla Legislativa Provincial de Pernambuco, 17 de Dezembro
de 1888.
Bar.0 de Itapissuma, presidente.Jos Maria de Albuquerque MeUo, 1.* se-
cretario.Juvencio Taciano Mariz, servindo de 2. secretario.
Volte Assembla Legislativa Provincial.
NSo conta ainda um anno de execucSo a ultima reforma, autorisada pelo 2."
do art. 9. da lei provincial n. 1884 do passado anno. Por essa occasiSo foram
attendidas as condicSes especiaes de diversas cidades, -villas e povoados, no atti-
nente as vantagens que podiam e deviam ser concedidas aos respectivos professo-
res de instruccSo primaria.
Entretanto, altera consideravelmente a resolucSo essas cocsideracSes em toda
urna parochia que conta crescido numero de cadeiras, rebaixando urnas de 3.1 para
- entrancia e elevando outras de 1.a para 2.a, sem prejuizo somente dos professores;
deaigualdade esta que nSo parece justificada por forma alguma. Neg, pois, sanccSo
e mando que seja devolvido.
Palacio da prisidencia de Pernambuco, 31 de Dezembro de 1888.
Joaquim Jos d'Oliveira Andrade.
(Continuar-se-ha)
IUEDIKNTE 00 DA 13 0 IANBIR0 DE 1889
Actos :
0 presidente da provincia, attendendo ao que
requereu o capitao da 3. companhia do 26." ba-
tallAo do servico activo da guarda nacional da
comarca de Punellas Sebaatio Tavares d'Olivei-
ra Brando, resolve designar o 1S. batalhao do
uno servico da coinarca,da Escada para a elle
q supplicante aggregado c permittir-Ihe que
. ra em diente assigne-se Sebastiao Brandao,
fazendo-se este sentido as neces*rus dectera-
coea na apostilla que boever de ser escripia na
respectiva paU'.pto^-Commanicou-se ao comman-
0 i residente da provincia, attendendo qae
a Aaaembla Legislativa Provincial tem de reu
nir-ae em sessao wdiparia no dia 1 de Margo
prximo, e considerando que nassa occasiao po-
derto ser votadas as*is de meios para o exer
cicio crtente -que deixaram de sel-o urante a
sasao que tindou a*3 d Dezembro do anno
passado, resulve considerar, sem eCfeito o acto de
31 do rofendo mez de Dezembro- que convoca
extraordinariamente, por 15 dias, a mesma As-
sembla para o dia 1.- de Fevereiro.Communi-
cou-se a,o i.' secretario da Assembla.
(Ppresidente.da provincia, attendendo ao
que refuereu o 1. sargento walido de marinlia
Leopoldo Maciel da Cruz, e ido emvista a n-
formatao prestada pelo inspoftor da Tbesouraria
lie Faienda, em ofticio n. S de hontem datado,
resolve de accordo com o decreto n. 2,88* de 1.
de Fevereiro de 1862, abrir um crdito na impor-
tancia total de 346*666, sendo 167*466 a verba
do 8 U^Hospitaes-^e 17M200 a verba do 23-
Municoes de Boceado Ministerio da Marinha,
exercicio em liquidacoo atim de occorrer ao pa-
gamento das folhas dos invlidos de marinha,
relativas aos sidos e rac&es do mez de Dezem-
bro prximo passado. Lommunicou-se a The-
souraria de Fazenda.
0 presidente da provincia resolve, de confor-
midade com a proposta do Dr. chefe de polica em
offido de honiem datado n. 196 nomear o baclia-
rel Julio Cesar Furtado de Mendonca para, o lo-
Sir de i. 8upplente do delegado do 2. districto
esta capital.
dem idem nomear Francisco Mauricio da
Malta' Hbeiro para o logar de 1.' supplente do
delegado do termo de Bom Jardim.
dem em exonerar Jos Gomes Barbosa
4o lokar de 3 supplente do delegado do termo
"m ; e nomear para substiuiil-o, Ge-
t
0 presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o tabelliSo do publico, judicial e
notas, escrivo de orphaos e annexos do termo
de Petrolina, Baymundo Nonato da Silva Braga,
resolve conceder-lhe um mez de licenca para
tratar de sua sade, devendo o peticionario en-
trar no goao da referida licenca no praxo de 60
dias.
O "presidente da provincia resolve aomaar
os LWasfcii los Salazar da Veiga Pessa, Beli-
sario Alves de Brito e Jos Antpaio da Sirva
Mello para os logares de t". t e 3spplente5 do
5o juiz substituto da comarca destattpital.
Aos nomeados fica designado o prazo de lo
dias para prestarem o juramento do estylo.
t;ommunicou-se ao juiz de direito dos feito da
fazenda.
Oflicios:
Ao conselheiro presidente do Tribunal da Re-
laco do Recife.Reitero a requisigao feita em
officio desia presidencia de 26 de Marco ultimo,
para que V. Exe. rdigne-se de providenciar, no
sentido de ser ministrada a certido do processo
do reo Manoel l'ezerra de Moura, que 'interpos
recurso de graca da pna de gales perpetuas, im-
posta pelo jury do termo da Imperatnz, provincia
de Alagoas, em sessSo de 15) de Outubro de
1838.
Ao inspector da Tliesouraria de Fazenda.
Remetto a Y. S., para os do vi dos elTeitos, copia
do aviso n. 6 de 3 do corrate, expedido pelo
Ministerio da Marinha, approvando o crdito de
2:391*430 aberto a verba Eventuaes do exer-
cicio de 1888. para ter logar o pagamento de qae
trata o mencionado aviso.
Ao inspector do Thesouro Provincial.De-
claro a Ymc. para os devidos eftVitos $ae nesta
data profer o seguinte despacho na peticao de
Francisco Pacilico do Amaral, sobre a mal esse
Thesouro prestou as informaces constantes de
seu officio de U do corrente n. 22 : etendu de
accordo com as informaces do iasaecter e do
procurador riscal do Thesouro ProvinSaL
Ao mesmo.De accordo com sua injbrmt-
jao n. 24 de 11 do corrente. mande Vmc. mdem-
nisir o administrador da asa de Detencao *
quanta de 46*000, despendida com a construc-
clo de 3 padiolas desuadas a guarda cia,
conforme a conta junta. Commumcou-se ao W.
chefe de polica. ^
Ao mesmo.Mande lavrar termo de coa-
trac'o com o negociante Candido Sobral parao
fornecimento de 3,000 metros de algum mei
do nacional destinados ao vestuano dos presos

I







Diario de PernambucoSabbado 26 de Janeiro de J H9

f
\t

I-

pobre
proposta do mesmo negocian!., deeU* asaro,, a^daarde femiAeogenrm tfatraes, frrc. car-
senuAgr a junta d'esse Thesouro S mais "Vantajo ni, prolotlean; mpanlfra Tfentambilfratra
*a aottteresses da fazenda provincial. Assim de bombeiros e Beberibe engenheiro
i rlfp<
rlfpondio o sen officio n 20 de 10 do cor- -gado das
rente mes.
[>r. juiz **kreito dsi eoraarca.dc Pao
d'Alhe.* Reitero Vmc. requisico fetta etn olh-
eios desta presidencia de 23 de Dezembro de
1887 e 3 de Agosto de 1888, no sentido de ser Tor-
neada a PTtidao.da^a^essq.4aaaais Mar,
quim da Siiva aaMwaa*e m
interpozeram raanrso *
encarre-
conservafo des
ida
perpetuas iinpeaaatpcg^isiiido *"ff (l *"'"
de Pao d All
luilwo 1863; devendaeaiaefe
infoMBfofcjuiz da enaernaatao
7 di
JcertldSo i
nhada de
ou d'aquelle quMUiveraabatitiiido'na-carga.
Deveudo ter aaMadeMamaiBios H^adipe-
lo escrivao do nruailimHo aaaaaa aof-'J
cio de Vine. passado, de es|KM> inie cm
obra- da
portos.
-r Aq fiscal da Companhia Recife Drainage.
Conforme o accordo constante do oflicio de
hontem, realisadb por Vmc. cora o gerente dessa
companhia nutoriso a collocaro de apparelhos
nape uo.qua'tel da-SoludaUe. que servante
tlmpttomL. r-endo <*i ewaseart moa na vaMnara dai
a'g>aLu da 3:MMWO, j'iasluKla
pea .coraw canamente do goto
acflBpa-*faiios >Hi romper la.
Quantaa coawuieacta don logare- apremia'
dos para a construirte dos aMCtotaos c colloca<
anpateiho nao.;iaraaa*s-aa planea, gei
olt, dewao sondWErsmBdas juuo bre** teouhecinWHte.
re T9fc VR^QrtunTO de 1886 sob na. tfr e i Ao Dr. Pedro de Athayde Lobo Hoscoso
*? .. .. JMpeetoa.de saudedo porto. De oadera de.K;
Ao presidente da provincia do Maranbio Exco aft presidente da provincia remello a V
Ro.io a V. Exc. quftse digne de providenciar, ao .8. para seu conhecimento e devidos fins, copia
irtro de serme presentada a certidtod8,'pro- do aviso do ministerio do imperio, n. 4 058 de
eew.do reo.Candido Antonio de Veraayi seli- 31 deDeaembro liado, concedendo-Ihe urna gra-
vitada por. oftici do aano passado, wsto ter elle nterposlo^Bemv a ocasionado pelas medidas preventivas do
so de grasa da pena de gales perpetuas, impoeOT Mera morbus.
pelo jury do termo de Caxias, nesta provincia
em data dnjfcdfl Fevexaia*da.l8ifi.
si ata <-0MArm|lB'diaB dawndeaaacapio
ou aa;iala*v-gc e*&caaaa3tiH r ,:,!'HmnirMuanaMiaaipi doMiMlena da u
v.aioMi jmic^iymamku,},,, ammv a-
Ab :Bi\.M(oSSrdlMbgMranlKaboia,
chele aarpoliam daaaMpraBri%*tFfcHe*ntc,
Barros.Indeferido, em
Ao Sr. porteiro
lten.il
asaaaiida
dade me sejam transmittidos os dous menciona-
dos documentos.
dem aojuiz de direito da comarca de
Iguarass pedindo a certidao do processo do reo
Manoel Francisco das Chagas, condemnado a ga-
lr j^patua om 1^ d Oiiliihrn de 1874, DOT Ue-
cisao do jury da mesma comarca.
Portaras: -"
Kecoxumendo Cmara Monicipai do He-
cKe que preste com urgencia a informacao exi-
gida por despaco de 11 do correte sobre o
leeurso iuterposto pordiwfrsoa aegoeiaotes de
, carnes verdes do acto pelo qual a mesma Cma-
ra prorogou o contracto effectuado com Oliveir
.Castro 4 C.
Autoriso a Cmara do municipio de Banrae
a effecluar a compra da mobilia necessaria pa-
ra o predio offerecido graluitaaaBnie pelo com-
. juendalor Antonio Ferreira Cavalcante Badega.
ani Ue servir de pago municipal, de vendo a
despeza-correr por eonta^otiredito consignado
no art. 28 n. 10 da lei n. 1897 de 24 de Maio
de W87, Aflim fta respondido o omcio que-a
mesma .Cmara dirigio-aw em 8 do corrate
mez.
Os Srs.. agentes da Companhia BrasHeira
vule*laveg?io a vapor facam transportar & corte
'.fKjr contad* Miaisterio da Guerra,.ioaquiaa Ma-
ra da Conceico, mnlber do soldado Vicente
Vieira da Silva, de que trata a portara de hon-
tem datada.Communicou-se ao brigadeirc com-
<.-mandante das aunas.
.0 Sr. gerente da Corapaobia .Peruambuca-
ja aiaiule dar passagem de proa, at Penelo, ao
vapor que segu amanb para o sul, ex-praca,
; d-wxercito, Jos Theotonio daiSflva, easna
vaulher. por eonta das gratuitas uque ogovamo
tem direito.
.dem idem a r, de Mossor a esta capital,
ao bacharel Manoel-Moreira Dias.
EXrHMtNTT DO DB. SECSITARIO
Oflici. s :
AiT 1' secretario da Asombia Legislativa
. Proytacial. De ordeai dxm. Sr. presidente
da pjMvincia remedo a V. S. para os fins conve-
"ineBtes, o balanpo da reentre despezarlo exer-
ifio'de 1887 a 88 e o orcamento de 4889 a 90
da Cmara Municipal do Buique.
Ao I)r. chefe de polica. S. Exc. o Sr.
{residente da provincia para poder resolver so-
re o assumpto do olcio n. 55, de hontein da-
tado, recommendoa V. S. que preste a respeito
normaeOes minuciosas.
Ao Or. juiz de direito da comarca de
Goyaunu. De ordem da Exm. Sr. presidente da
provincia reeomnrerrdo a V. S. que informe se o
sentenciado Manoel Joaqun de Sant'Anpa, co-
. uhecklo por Gollete, anda se aoba na cadeia des-
vaa, cidade cumprindo a pena que Ihe foi impos-
ta en virtude de decisao do jury do termo de
ttamb em W deFevereiro de 1880, ouseja
aunara referida pena em que data' foi posto
em itberdade.
KXl'sDlK.Vrs DO DA 16 DB 1ABIB0 DE 1889
. ActOS :
O presidente da provincia, atteudendo ao
jpie reqnereu o Dr. Jos Joaquim Seabra, resol-
ve dispensa!-o de fazer pane da commissao jul-
gadora do concurso de pbilosopiuaa que se tem.
de, proceder amanb, na Faculdade de Direito
d4lerfe, e nomear paro snbsrituil-o o DY. Joa-
-BBfltde Aibuqueroae Barros Guiartes.Hze-
ratn-se as uecessarias communicafoes.
O presidente da provincia, atteudendo ao
aue requereu Christiano Frederico Martins Ri-
*eir<,'e tenda etn visia a informagSo daThesou-
ria de Paseada, de i deste mez. a. 31, resol ve
aaomear. omesnio Martins Ribeiro para.*xereer
intername ule o lugar du oDici.il de descarga da
Alfandega vago pelo fellecimento de Bento de
Souzn Mtra. Communieau-s ao inspector da
/Th eso i ira ra de Fazenda.
O presiilente da provincia, alteadtndo ao
que requereu Lourenco Goncalves Aleixo, pro-
fessor da cadeira de ensino primario da Glora
'de Goyta. teodom vista a informacao n. 15. de
12 do corrente mez, do inspector gcral da Ins-
truccao Publica eoatteslado medico exhibido,
resolvu conceder ao peticionario dous mezas de
iicenca, rom ordenedo, para tratar de sua saude
onde he convier.
Officios:
Ao brigadeiro conimaiidante das armas.
Em aaiditamuiio ao olcio desta. presiduncia de
24deNovembro do auno prximo passado de-
claro a V. Exc. para os lns convenientes que
pela, presiden ca da pravmcia do Maranhao, se-
gundo consta de oflicio de.0 do correte, foram
expedidas as precisas ordens no sentido de ser
transportado, na primeira opportunidade o ca-
xka contendo objectos de montara destinado ao
. capillo do .i' batalaao de inl'antaria. Antonio
Josge Moreira, e que foi ullimamente encontrado
no armazem da agencia da companbia de vapo-
res existente naqnella provincio.
Incluso remetto o conhecimento e ola do al-
ludido caixo aln de que sejam satisfeilas pelo
referido official as respectivas despezas;Com-
municou-se ao inspector da Thesouraria de Fa-
zenda
Ao mesmo.Declaro a V. Exc.
ulro sim, acbando-se_ dito quartel fra do
-arpe, a ^awn^lor eMWjeio
wsppfiWr da TTItisui'si la
permetro estabeiecido no respectivo contractOf autoridades .polieiaes da parochia de-Nossa Se-
,.; para seu
conhecimento e devidos lins, que, a vista de sua
informaguo n. % de bonteiu. coacedi por despa-
cho desta data dois meces de lieenea ao 2 cade-,
te 2 sargento da l batalnao d; Infantaria, addi-
do ao 14 batiUiio da memu arma, Arcbimcdes
Frederico Kiappe da- Costa Rubim para tratar de
sua'SMMle.
Ao gov(;rnadoT do bispado.Estando a or-
Uem pwbhca aBerada en Laiitiotinho, por msi-
'nnacOesdo nfspectivo vigunorBovn Manoel Ca-
i vatcaote de Assis Bezerra de Menezes, sejrundo
coman do oflicio do Dr. chefe de polica n. 61. de
honleni datado, e mais papis juntos, por copia,
solicito de V. S. Revdma. providencias no senti-
do docoBter as desasas e exoesjos do ailudido
vigario.
Ao inspiictor da(/rhesonraria de Fazenda.
Para a devida exeeuto, xeuietto a V. S. copia
do aviso circular do Mwislerio da Agricultura,
Commercio e Obras-PoMicas, de 31 de Dezem-
bro Jindo, n. 80, e bea assim da demonstracao
- a que elle se refere, relativa distribuifo de
crditos para occorrer as despezas durante o
presente excrcicio com os diflerenles servicos
qp. devem ser rcalisados por conta do referido
Mniaterio.
Ao eage'ilmro encarregado das obras mili-
tares.Restituindo a inclnsas propostas que
.acompanliarain o oflicio de V. S. n. 268 de 4
'dtsteuiez. di^laro-llie qatt tica approvtdo, para
m (Brhroa eleitos, ocontraclo celebrado com
lifanoel da Silva Paria, para o fbrneciraento de
todoB-os.ruateriaez necesoanos as obras milita-
res, durante o corrente anno, visto ter sido este
nnopanente o que niaiores vantagens oflereceu a
fazenda nactoialri^oaiaunicou-se ao inspector
da Taeaouraria de Paaenda.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Ap-
provo a acreuiatafao da saleta qe serve de bo-
?muado Iheatro de Sania Izobal, realisado por
Martina Viegas & C, pela nuantia de 5024000
wiuaw, pelo espaoo de 2 annos, como consta
woflMp de Vate., de 14 do corrente, sob n. 27.
Aoionesnio. A vista do que Vmc. expe em
Ario da 10 de Dezembro llimo, sob n. 581 e
tas inoraMo'H^s juntas por copia prestadas pela
repaaajBJO das obras.publicas e pelo juiz de di-
rertois .cprnarca de. Salgueiro em 14 e 30 do
mesmo Jjez, autoriao-o a roandar vender em
-baatai pomar todo o material do propric provin-
cial que saecna era ramas e que servia de ca-
.deia nafoBnrra comarca.Finran-ae as necea-
tlar and i de obra* pobcos;At.
v^lia. Firvereiro reiaetta Vmc secretaria:
desta presidencia, os apontamentos relativos ao
aaaoxtuaia perra orgahisae&o do rotatorio que
dan dftaar'apiauBfao a AsannMa Legislativa
Pitmncioldna ossao de i* de Marco prximo.
ideai o admimstrador des crrelos, do
nao devem taes apparelhos figurar as cantas a*
companhia para pagamento de annuidades; obser-
vando-se entretanto quanto aos reparos superve-
ni'-nles, o 'i1'" se arlta Pilalf'^cakii lospailn ili'i
umramo de sernjo.Remetteu-se copia ao in-
pafitor do-Thasotieo Proviacial ao director geraf
de obras publicas e communicou'sc ao comman-
da ntc do corpo.
Circular as Cmaras Mumicipaes :
Ten do o Ministerio da Agricultura, Com-
meraoe Obras.ftibbcas rsselvulo fazer cultivar
no Jardim Botaniix>.e na Floresta da Tijuca as.
arvores do. paiz que melhor madeira de construc-
cSo fornecam, bem como mitras plantas de que
a industria possautilisar-se com vaniagem,-sob-
citou, por aviso de 3 do correla, que esta pre-
sidencia providencie para que com a possivel
brevidade sejam remettidas scraentes de : Joa
seiro, Umbuseiro. Joca, Pao Martim, Jurema
Branca, Jurema Vennelha, Violeta, Ameixnra
Silvestre, Oity da.Praia, Bitrcica, Aagico Preto.
Pareiro, Umary e Piqui.
Os respectivos voluntes devero ser numera-
dos, com a dedai-acio da especie que conle-
nham, aaencioaando-se n*uma relusao as espe-
cies correspondentes ios nmeros dessea volu
mes. E' ndispensavel indicar na relacaoaoua-
lidade do terreno cm que melhor se desenvol-
vem as plantas : si as vareeas, si as encostas
das colliuaa e sen as. etc.
A esta i-ompanha um exemplar inrpress das
iostrueces formuladas-pelo presidente do Inme-
nal instituto Fluminense ^lo Agricultura panto
acondicionamento das mudas e sementes.
Todas as despezas correrto por conta do dito
Ministerio.
Dirigindo-me a Cmara Municipal de espe-
ro de seu patriotismo que envidar todos os
meios afrm de ser salisfeito esse emprebendi-
OMHtO.
xpaonart oo di liiniio
OITicios :
Ao brigadeiro commandante das armas.
O Exm. Sr. presidenteda provincia manda com-
aumicar a V. Exr. em rosposta ao sen oflicio
n. 3743 de 24 deDtzembro lindo, que nesta da-
ta e encaminhad ao ministerio da Fazenda e
acha-se no correiorafim de ser pago o respectivo-
porte, o requerimento -do 2* cadete sargento
do 2" batalnao de infantaria, Baltaasar de Albu-
querque Martins fereira, sobre o qual informen
esse commando- no citado offieio-
Aos agenle3 da Companbia Brasileira de
NavegacoDe ordem- do Exm. 9r.~ presidente
da provincia, acenso o recebimento do oflicio de
bontem, uo qual Vv, Ss. participaran ha ver che-
gado dos portos do Norte 12 horas e 1/2 da
do termo de I tarde o vapor Ma-aiUiao, que seguir para os do
Sul boje as 4 horas da tarde.Communiceu-ee
secretaria da agricultura.
Ao fiscal do canal de Gayanna,De ordem
do Exm. Sr. presidente da provincia, aecuso o
recebimento do oScio de 8 do corrente, com o
qual V. S. ennou informacOes relativas ao tm>
vimunto do canal da Goyanna dorante o trimes-
tre findo em Dezembro ultimo.
vi'EDiK.vr* do da. 17.m JAsanto be 1889
'Actos : i.
O prestenle da provincia resol re conside-
rar sen efleito. a portara de 34 de Dezembro
n Jo,:pela qual foi nemeado o bacharel Finmiao
Correia.de Mello para o lugar de promotor pu-
blico da comarca du Villa Bella; e nomear para
o referido careo -o bacharel Ascendrno Lios de
Albuqueraue.Communicou-ae ao juiz de direito
da comarca.
0 presidente da provincia leudo cm vista
a informacao da commissao nomeada cm 12 do
correte, para dar parecer sobre o plano de to-
das as obras projectadas do engenho central do
typo maior no municipio de Senubaein, contra-
tado com Gaspar de Menezes Drummond, dse
nhos dos apparelhos, descripeo do processo do
fabrico do assucar e a planta do local-do mesmo
engenho na forma da clausula 4* da portara de
12 de Novembro de 1887, resol ve approvar as
plantas dolocal da Usina, a descriptiva dos appa-
relhos, o da zona servida pela dita Usina, a da
fabriea e bem assim a descripeo do- processo
do fabrico do assucar e a lista dos apparelhos,
tudo apresen lado pelocoHtractante.
O presidente da provincia lendo em vista
os officios ns. 12 e ti de 11 e 16 do corrente mez
de inspector geral da Instrucyo Publica, resol-
ve crear um distBcto luterano no povoado Pe
nao, em Floresta, cajos limites serio os do dis-
triclo policial.Communicou-se ao inspector ge-
ral da IastruccSo Pabca.
O presidente da provincia resobre nomear
o niajor Antonio Voigueiro dos Santos Barros
para servir o lugar de delegado do dislrictolit-
terario da Penna, em Floresta.Remetteu-se o
titulo ao inspector peral da Instrucgao PuMica.
O presidente da, provincia attendeodo ao
que requereu Fhilcmeuo Ravmundu Nunes de
Lima, professor da cadena de ensino primario
de Alagoiaba, tendo em vista a informacao sob
n. 13 de 11 do corrente, do inspector geral da
mstrncco PuWica c o attestado medico exhibi-
do, resol ve conceder ao supplicante, a contar do
da 16 do mesmo mez, tres mezes de Iicenca
com ordenado para tractar de sua saude onde
Ihe eonvier.
O presidente da provincia attendendo ao
que requereu Mana Juba Monteiro Lopes, pro-
fessora da cadeira de ensiao primario da-Colo-
nia Izabel, tendo em vista a informacao n. 14)
de 11 do corrente mez do inspector geral da
Instrueco Publica e o attestado nedieo exhibi-
do, resolve conceder peticionaria-flearentadias
de Iicenca com ordenado para tractar de soa
saude onde Ihe eonvier.
OPresidente da nrovincia, attidendo-aoque
rennereu o tenenteiaeformado doexercitoy Luiz
Jeionymo Ignacio dos Santos, encarregade dos
Fortes de Nazareth e. Gaibb, e tendo em sla ss
informacOes prestadas pelo brigadeiro comman-
dante das armas e pelo inspector da Thesoura
ria de Fazenda em Oficios de 12 e D> do corren-
rente n. 79 e 39, reto!ve de accordocom o de-
creto n. 2884 do d-}J>evereiro de 1862, abrir
um crdito da inrporaneia de 92* verbaam-
misssoes militaresde Ministerio da Bueraa, ex
ercicio de 1888,'alim deeecevter ao pagamento
da etape a que tem direito.- dito lente refor-
mado, relativa aos niezes.de Outubro a Dezem-
bro do anno passadoRemetteu-se copia ao
inspector da Thesouraria de Fazenda
Offieios: f
Ao 1" vw-preiideote da previHera da Pa-i
raliyba.Pelo ollicio, a que respondo, de 14 da
corrente mez, leo iente de-hver V.J3xc. na
mesma data, na qoalidade de 1" vice-presidente<
assumido a admrotsti'acao'dessa provincial
Retribuo a V.'Exc. o protestos-deestie o
con8iderajo. ^
Ao presidente ea provincia das Ahgeas'--
Pelo officio a que respondo, n. 8, de 7 do corren-;
te mez, fico sciente de haverV. Bxe, nodia ah-
tecedente prestado juramento e tomado posse do
cargo de presidente dessa provincia, para o qual
foi nomeado por carta imperial de 15 d Dezem-
bro lindo. -
Aprsente a V. Exc. roeus protestos de estima
e considerajao.
Ao presidente da provincia do Oeara.
Rogo a V. Exc. que se digne de providenciar no
sentido de ser-me trensmiuida a certidao do pro-
tiesso de Joaquim Martins de Moura, j solicitada
em officios desta presidencia, datados de 5 dc_
Maio de 1887 e 20 de Julho de 1888, visto ter
aquelle sentenciado internos recurso de graea
ila pena de gales perpetuas, imposta por decisao
do jury da capital dessa provincia, em42 de*
Maio de 1875.
Para ser o recurs) encaminhadaconven qw:
entra.
Ao mesmo. Convm que V. S. declare s
nhoreda ConecSo de Serinhem, queno pode
ser feito enterramenlo algum nos cemiterios alli
existentes sem a competente certidao de regis-
tro do esccivo do juiz dv pazdo Io ditnicto;
devenda ao-mesmo tempo chamar a attenjao. das
meaeis aotoridades para es artigas 74,78 e 76
do regulamento do registro civil.
MfcrB mutandu Cmara Municipal de Se-
rinhem.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda
Commumco a V. S., para os lins convenientes,
que o juiz de direito da vara da.provodoriade
capellas e residuos da comarca desta capital, ba-
charel Francisco Domingues Ribeiro Vianna,
reassumio hontem o exercicio de seu cargo, dei-
vandeodecbefe de policio' interino. ->
Ao mesmo. Commuuico a V. s. que o 5o
juiz substituto da comarca desta capital, hacha-
re I Lindolpbo Hisbello Correia de Araujo inter-
rompeu hontem o exercicio da seu cargo para
entrar no goso da Iicenca qaetiltiHiamenre obte-
ve deata presideoeia-poratratar de.sua saude.
Ao mesmo;Gem.iainioKmaco junta |ior
copia, n. 270, de"9 do corrente, docngenhero
encarregado das obras militares, transmiti a V.
S. para os fins convenientes as inclusas notas do
iraz consumido com a illantinaco do Arsenal de
Guerra durante o mez de Dezembro findo.Com-
i unicou-se ao director da Arsenal de Guerra.
Ao mesmo. Cemmuuico a V S. para os
lins convenientes que o bacharel Luiz Zacharias
de Lima deixou no da 1 do corrente o ejerci-
cio do cargo de promotor publico da comarca do
Brejo.
Ao mesmo -Remetto a V. S. para os doli-
dos fine; copia dovaviso do Ministerio da Mari-
nha de 8 do corrente, n. 43, relativo ao crdito
aberto por esta presidencia em 13 de Dezembro
lindo, a verba Hosnitacs, do exereieia-de. 1888
na importancia de 2604989, para o fim declara-
do no oflicio dessa inspectora de 15 (Paquelle
mez n. 613.
Ao director do Arsenal de Guerra;De con-
fonnidade com o aviso circular do Ministerio da
Guerra de 13 de Abril de 1881, mande V S. sa
tisfazer os inclusos pedido de rardamerrto que
fazem o eapitio Jos-Lucas Placido Bione oal-
feres Manoel SebastD da Rocha Lins Filtao;am-
bos do 2" lulalliao da infantaria.Fizeram-se as
.necessarias communicaedes.
A commisso nomeada para dar parecer
sobre o contracto celebrado pek> concessionario
detengeaho central de SerinhecB comagricul
tores- tornecedores de canas.-rRemetto a V. S.
o contracto celebrado polo concessionario do en-
genho central do municipio de Serinbacm com
agrieultores fornecedores de cunas ao dito mu-
nicipio, alim de qne se sirvam de emittir o seu
parecer, nos termos da portara de. 2 do correte.
Ao inspector do Thesouro, xrovtricial. -De
accordo coma irrformaco.'junta por copia, pres-
tada pelo inspector geral da Instrucgao Publica,
aiitonso Vine, a mandar adiantar a quantia de
3001 a Guilhermiha Mara da Conceifo radilha.
professora contractada para a cadeira mixta de
Granito.
Ao juiz de direito da comarca da Victoria -
.Reitero a requistoo i bita i por esta pesidencia
em ofiicios de i de Alarco de 1886, 20 de Julho
e 20 de Setembro de 1888, no sentido de Vmc
mtnistnar a certidao do processo do reo Joaqnim
Cavalcante do Reg Barros, queinterjiez recr-
eo de -greca.da pena de 14 annos-de priste sim-
ples, imposta pelo jurv do termo dcSaqto Auio
em sessao de 14 de Julho de 1881.
Em cumprrmento dos avisos do Minisfario dos
Negocios da Justica de 28 de Jmho de l*i.'i e
a de Outubro de 1886, sob ns. 287 e 63. a refe-
rida certidao deveser acompanhada de informa-
cao do juiz da condemnaco, ou d'aquelle que o
ti ver substituido no cargo.
o ceaninandonte do corpo de polica Ex-
pera as ordens necessarias paia ^ue, sendemo-
ra, recolha-se ao corpo o.tenente Deocleciano
Peixoto de Alencar, que se acha destacado no
termo de-Po-d^Alho.
Ao inspector de hygiene publica. Recora-
mendo a Vmc. que at dia 15 de Fevereiro vin-
douro remeta a secretaria desta presidencia as
informacoes sobre saude publica, destinadas ao
relatorio que o Exm. ministro dos negocios do
imperio tem de apresontar Assemblea Geral
Lttislaliva. em sua prxima sessao.
Ao director geral de obras publicas.De-
feriado o requerimeato de Joaquim Firmo de
Oliveira, ao qual se refere a informacto de Vmw.
de 9 de-enrrente, sob n..o, doclaro-Uie, que de-
ve ser elle .admrttido anssignar o termo da ar-
rematacte da obra de reparos da ponte de Duas
Barras sobre o rio Amaragy, por ser raais vao-
tajosasua propota, conforme o outroseu oflicio
de 17 de Dezembro -ultimo, sobn. 248. (15 /. de
abate no orcamento de 5:576.4420) urna vez que
nada consta em seu desabono -en se pro va que
tivesse elle incorrido cm multas",-.faltando aessa
reparticao competencia para conoenmar a ido-
neidade dos concurrentes, alias provadirpetes
contractos, com relaco ao dito arrematante an
teriormente feitos-
Ao encarregado da empreza tetephonica
nesta oda*'.Providencie Vmc. para que eeja
reparado o apparelho collocado na Casa de De-
tengo Communicou-se ao Dr. .chele de polica.
Portaras:
Declaro a cmara-municipal de Gravata em
resposta ao sen oflicio de 7 deste mez que deve-
n ser dado a registro todo o nascimejilo que oc-
correr do dia 1 de Janeiro do corrente anno, em
visia do dec. n. 10,044 de a de Setembro do an:
no passado.
Assim tica respondido o seu oflicio de 7 do
mismo aiez. .
-Determino acamara municipal de Palma-
res que expeca.communicacao aosjuizes de paz
e de as providencias do estyio, afrm de que se
proceda aesse municipio no dia 97 de Feverei -
ro viudouro a eieico de.doua veredDrs,jem
suJjstituicao do Dr. Manoel Falcao que mudoude
residencia, e do capitao Joao Barbosa de Carva-
Iho Drummond, que falleceu, segundo participou
a mesma cmara a 4 de Setembro do anno pas-
sado e consta de informacao prestada a respeito
em 3 do corrente mez pelo juiz de direilo nte-
ritio da comarca Communicou-se ao respecti-
ve jM-dewreito.
O Sr. agente de companbia brasileira e
navegac4o fa transportar a provipcia'. do Pata,
por conta do ministerio da marinha o pratico^la"
armada Philoxcnes Amancio de Lima conforme
solicita o inspector do arsenal de marinha em'
oflicio n. 13, de hoatem datado.Commuicou-
se ao inspector do arsenal de marinha.
O Sr. agente da companhia brasileira d
aavegacao de passagens ate a Parabyba, a bor-"
do do vapor frard,- per eonta do ministerio dea
negocios da justica. ao cabo de eequadra do car-
po de poiicia lUaiiePa provincia e ao criaunoso
de quem trata o Dr. chefe de polica no oflicio
por copia n. 69, de hoje datado,
aXPKDIENTB DO DB: fflOWTABIO
Oflioios:
Ao brigadeiro comaiaadante das armas.
De ordem do Exm. Sr. presidente da provincia
communico a V. Exc. para os fios convanientes
quepor despacho de hoje foi lndeferida a peti-
gao do capitao do 14 batalho de infantaria Da-
miSo da Costa Leitao. sobre que versa a infor-
macao de V.Exc., n, 43, de 8 do corrente, 4 vis-
ta do dispoato no,aviso circular do ministerio da
guerra, da31 detlaio de4880.
Ao iospecior da Wwsouraria de Fazenda.
S. Exc o Sr. presidente da provincia manda re-
meiter a V. S. duas ordens dp Thesoura .NacicH
nal, ns. i c 2 de 3 e 5 do corrente, e bem assim
una portara do ministerio da.fazenda, de z^d
Daembrafiedo, prorogando por dous meaes,
uli
Ao Dr. juiz de direito da comarca de Igua-
'--S. Exc. o SrAipBMMaate 11 puaiaii i
inda a V. S., aywaaafgeea, raHi
nominal, enuaTupliaMa, dae^reaaB'-r.--
cadeia desa vflla^Aa quajajaetaateii'-
15 de Dezembro- liaaat.
tm juiz municipal >ioeaaaa Iniflaj \ttmm
B. sandeaecebido o seuarfbeio,:* 1M cmate
niez0ijnacoiiimeiuia-llwwKme,.'iaani aiBBBncBaae-
Tgiial aos juizes raunicipaes dos termos de
Aguas-Bellas, Barreiros, Bezerros e Gravat,
Boa-Vista, Bom Jardim, Bonito. Brejo. Bukpie,
lpojuca.1 Garuara', S. Beato, Cimbres e Alago*'de-
Baixo, Cabrob, Escada, Flores, Floresta, Goyan:
na, Itamb, Ingazeira e S Jos do Egypto, Ouri-
cury, iiaaaaiaB)iOnaiiits u Bm!, Pod'AWto, Pe-
trolmar Palmares eiAgua-Preta, Paaella e Qui-,
pap, Rfo*ormo30. Serinhem, Salgaeiro. Tacn-
ratu', Santo Anto, Vil la-Bella e Triumpno.
Aos agentes da companhia brasileira de
neregajao a vapor.-HDe ordem de S. Exc. o Sr.
presidente da provincia acenso o recebimento do
oflicio, em que Vv. Ss. participam que o vapor
Para, chegou dos portos do sul hoje s 6 horas
da manb e seguir para os do norte ate Mi-
naos amanh s 5 da tarde.Communicou-se
secretaria da agricultura.
Francisco Pereira de
vstanlas ialorinaees.
Augusio Gomes da Silva,
para entregar ao inieressado.
Joaquim Duarte Simes & C.Ao Sr. porteiro
para entregar ao inferessado.
Manoel Clementino Correia de Mello.Informe
o Sr. Dr. contador.
DE8PACHOS DA PEK8HJE1TCU DO DtA 24 DE
JANEESO DE 1889
Companhia Great Western of Brasil
Raihvay Ximited.Deferido com oflicio
de hoje .Tbesouraria de Pazenda.
A mesma. rdem.
A mesma.Deferido com oflicio de lio-'
je ao Thesouro. Provincial.
A mesma. informe o Sr. inspector do
Thesouro Provincial.
A mesmaInforme o Sr. inspector da
Thesouraria de Fazenda.
Fausta Pergentina de Lima Barros.
Concedo dous mezes.
JoSo Antonio de Mello.D-so certidao,
querendo.
Bacharel Luiz da Silva Grusmao. En-
caminhe-se, dovendo ser pago na reparti-
cBo dos corrcias o respectivo porte.
Maria Amalia Forja de Lacerda.In-
forme o Sr. inspector do Thesouro Pro-
vincial.
Silva 'A.CInforme Cmara Muni-
cipal do Recife.
Bacharel Zdzimo Zenaides da Cmara
Lima.Informe o Sr. inspector do The-
souro Provincial.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 25 de Janeiro de 1889.
O porteiro,
F. Vacon.
llccefcedorla "- iaintal
de8pa0wjs do dia 24 de jatfehto
de 1889
Maria Eufrozina de Freitas. Franaiaeo de
Paula Prnaat .rdame- Ferreira Alves, AfTonso
Ferreira Bailar, Maria Enfrozina de Freilas,
Manoel Moreira Campos- e ua ulna Morra Ce-
menlina Canos, .cenias e Annaa Caatpas, Ma-
noel BentoWahciavFenBndes rVrinMBVfienta
Gomes de acaaMoi aa i*cccao.
Lopes Alhal-C.-..netaeaUe naavae de-:
vidos lins.
Joaqun Ferreira de Carvallio.-Certilique-se
e que constar.
Jos Soares Fernandes de Oliveira.Junte co-
nhecimento de decima relativo ao ultimo se-
mestre.
fJnrmarSes A. Boza.Junte conhecimento d
quitaciO'dos im pos tos.
25
GuilherminaFrancisca Claudinada Conceico,
Josephina Leopoldina. de Aibuquerque, Lisboa
Esleves & C, Luiz da Cruz Mezquita. Informe
a seefo.
Repartir* da rllela
2.a seccSo.^N. 90 Secretaria da Po-
lica de Pernambuco,. 25 de Janeiro de
1889. ITlm. e Exm. Sr. Participo a
V. Exc. que foram hontem reeolhidos
Casa de Detenclo os seguintes indivi-
duos :
A' minha ordem, Maria da AnnunciacSo,
por infracooo do regulamento interno do
estabeleci ruento.
A' ordem do subdelegado da freguezia
do Recife, Vicente Ferreira Honorato, por
nao de armas i defesa, o Fraacisco Rodri-
gues da SU va, por crime de ferimentos.
demnacSo,' ou daquelle
no cargo, conforme!
msierio dos Negocios
que o tiver edbatUuiao
imam os HaoMi Mi^
ne> iireceituam o
J
Retrospecto poltico do anno
de 1988
POLTICA geral
(Cmdiuaos
E' o caso que o general encarregado do com-
ando em chefe das forcas italianas em Mas-
sauah, a pretexto de que precisava de diuheiro
para conservaco das ras e iUumiuacJo da ci-
dade, decretou um imposto sobre a propriedade
imtnovel e o commercio, sem distinego de abo
rigenes e estrangeiros. Essa contribuico, crea-
da nos flus de'Maio, tornou-se logo no principio
do mez segninte mais extensiva, em virtude de
novo decreto da mesma procedencia.
Diversos comraerciantes recusaram-se ao pa-
gamento do! tributo. Havia entre ellos muitos
individuo i de nacional dade grega. Estes, na
falta de representaite do seu paiz, recorreram
proteceo do vice-consulado francez, declaranilo
que o imposto era-illogal, pois que violava as
capituIasOes em vigor em todo o territorio tur-
co. O agente consular acliou-lhes a argumenta-
cSo procedente, e sustentou-a. O seu governo
deu-lhe, por sua vez, razo ; e o caso assumio
asapaoiaaija dei urna auaEtiaignMe deflitica
internacional. Comecaram as discusses entre!
os gabinetes de Pariz c Boma, prolongando-se
por muitosdiaBem o minimo resultado benfi-
co. Nenhura dos dous governos quera cur-
var-ae s .ponderafes do outro, o a interreneo
da imprensa cis a transalpina tornava cada vez
mais difficil a solugo da pendencia.
O Sr. Crisp lembrou-se ento de tomar a Eu-
ropa como juiz do pleito, o que fez mediante as
celebre* notas -.& que j nos. referimos. Entre
outras cousis, allegava nellas que, ainda quando
as falladas capitulacOes se estendessera a Mas-
sauah, como consequencia da pretendida sobe-
rana da Porta e da administradlo egypcia
n'aquella regiao, nb era isso motivo para se
Ihe negar o direito do mandar estabelecer alli os-
impostos municipaes que eniendesse Mas ene
A'ordem do da freguezia' de Santo ln*> se dava a bypothese figurada, urna vez que
seja acompanhado de informar,So dfl juiz dacou- ,com vencimentona forma da ki, a Iicenca lti-
mamente concedida ao 3" escripturario dessa,
souraria, Antonio Jos da i oata Guimaj-aas,
ii tratar de sua smide ondeHie conrer.
Antonio, Francisco Antonio Duarte, Jos
Gomes do Naseimento, por .embriaguez.
A' ordem do do Io diatricto da fregue-
zia de S. Jos, Manoel Francisco da Ro-
cha, por disturbios.
A' ordem do do Io districto da fregue-
zia. da 1300-Vista, Mara Iaabel dos Pra-
eerea e Antonio de Lima Verissimo, por
disturbios.
Cammunica-me o delegado do termo
de Garanhuns, ter no dia 20 do corrente,
capturado o individuo de nome Jos Ba>-
hia de Mello, alli condemnado as penas
do art, 2Q5 do cdigo criminal e pronun-
ciado as penas do art. 193 do referido
cdigo.
O delegado do termo de Tacarat, par-
ticipou-me aue no dia 10 deste mez ea-
pturou o individno Ignacio Pereira Nunes,
pronunciado por crime de morte na pes-
soa de Guilherme de tal.
Prooedeu-se a respeito nos termos da
lei.
No dia 14 do corrente, pelas 4 horas
da tarde, no povoado Serra do Vento, do
termo do Brejo os individuos de no
mes Carolino Jos Rodrigues, Joao Pau-
lino Carolino e Sebastilo Jos Rodrigues,
aggrediram a David Hemeterio dos San-
tosy resultando d'isto sahirem ftidos ^rrat
.vemente Carolino Jos Rodrigues, que
veio a fallecer 3 dias depois, e levemen-
te SebastiSo Jos Rodrigues e David He-
meterio dos Santos, os qnaes foram prer
sos em flagrante^ logrando evadircm-so
em seguida.
O subdelegado do districto tomou. co-
nhecimento do facto, e procedeu a respei-
to nos termos.da lei.
Participou-me o delegado do termo do
Tacara t, que no dia 30 do .mez de De-
zembro prximo Ando, o individuo de no-
me Francisco Nunes da Costa, conhecido
por Chico Grande, ateoubgo na casa d
residencia e na roca de Manoel Goncal-
ves do Naseimento, morador no lugar Tra-
hiras daquelle termo, sendo preso em ser
guida.
. Acerca do facto, procedeu-se nos termo*
da lei.
Deus guarde a. V. Exc.-r-Illm. e Exm,
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Gees, muito digno presidente da provin,
cia. O chefe de polica, Antowfo Fmo
Figueira de Saboia.
Tkesouro Provioolal
despachos do dia 24 de janedio
de 1889
Conta da cadeia da villa de Nossa S^nhora 4q
O' de Ipojuct.A' cordedoTia para os devidos
[fnv.
Rodrigo Carvalho C.,-Laia Epipltanio Um-
rica^JoQ Joaquim.da CostaLeite, oficio da sel
cretaria de polica de Hernambuco, conta di
Casa de Detengao.Informe o Sr. Dr. conta-
dor.
Ernesto & Leopoldo, Joamiimi Elias de Albu^
Suergue Reg Barros, Amaro Joaquim do Espi-
to Santo.-rHaja vista o Dr. procurador fiscal;
Tnente Thomaz'Jos de Mrtto.^rmVrme q
Sr. Dr. contador.
CollectoriProviiiiaj:d Hamb.-Ao Dr. con-
Wdor para mandar fornecer.
Francisca Thoma'aa da Costa,T-ectique-ae^
Gabriel SorgonhaCom urgencia
- administrador da RecelMaerty
ulmiano
in forme o Dr.
Provincial.
Jo Nogueira de, Sojua.Entregue.^ Sr. tbe-
soureiro.
a Terquia nao exerora nanea n'aquelle lugm-
urna autoridade incontestada. E que mesmo
admittindo que essa autoridade Jtives.se sido
exc reda, desde que as forcas italianas haviam
tomado conta da cidade, sajeitande-a a ama ad-
mmistragaa regular, as capitulagOes teriam dei-
xado de existir, porque de direito europcu
que ellas desappareeam em qualquer territorio
musutmano que passe a ser administrado por
urna nacao christ. Seosgregos se recusavaui
apagar-as taxas locaes, 6 porque eram levados a
isso por iastigagoes que se abstiaha de stig-
matisar. Accrescentava em seguida que a
Italia oecupava effectiva. e legalmente Massauah,
com approvai;o tacita da .Turqua, e tal vez com
satisfacau dos Estados-Unidos, que tinbam visto
no alarganento da autoridade italiana as ces-
tas do. Mar Vermelho a garanta ala ordem da
civilisaco nessas paragens. A Franca, dizia
mais o Sr. Crisp, que vio sempre com eiu-
mes a extenso da nossa influencia naquellos
regioes, eque tem empregado incessantes es-
forcos para enfraquecer alli a nossa autoridade,
a propria Franja, por deliberago espontanea do
nosso ministro em Pariz, recebeu a noticia da
occupaeio de Massauah, quando esta se cllec-
tuouem 5 de Fevereiro de 188o. A mesma
noticio .argumeatavaaiada -chegou a todas i as
grandes potencias em dous telegrammas dirigi-
dos aos representantes da Italia no estrangeiro.
em 9 e t3 do mesmo mez e armo.
O Sr. Goblet responden ranta>oaamente ao
m int ra iiaano, sem inda va imtalo na acri-
monia da hngnagem fouquissno compadecida
aom as .conveniencias diplomticas. Dtsse que
o erro do gabinete de Boma, na queslio .deba-
tida, consistia em considerar elle Massauah co-
mo res null'us. opiniao insustentavel a respeito
de urna cidade. que, em vista da sua importante
situaco geograpnica, nao poda, cm relagao aos
interes8es das potencias, ser equiparada a
quer outros territorios da costa oriental
Afriea, distantes do estreto de Ba-el-Mandeb;
que o governo da repblica sempre onsiderou
Massauah como pertencente ao Egypto e Su-
blime Para, tanto assim-que desta recebra o
competente exequtur o nico vice-consul que
alli existia, e que era o francez ; que as capi-
tularles vigoravam, portanto, n'aquelle territo-
rio, como em qualquer outro sujeito a sobera-
na doisultao ese era verdadeque nao tinham
mais razao de ser, desde qne a administragao
do paiz passra a urna potencia christl, tambem
nao podiam ter cessado ipso facto, sem audien-
cia dos governos interessados; aue o accordo
destes foi necessario em Chypre, na Bosnia e
Herzegovina, no Egypto e em Tunis, pois esse
principie de intervenyo, emboja por forma di-
versas, tem sido sempre respailado ; que o art.
34 da convenci de Berlim, em. 1886, nao abaieu
esea rega,-e antes Ihe deu nova forca, obri-
gando aspotencias que *se ap03sassem de qual-
guer pontOid continente africano, a noticarem
esse facto s demais, arlm de que estas podes-
sem fazer as reclamacOes cabiveis que .enten-
dessen; que taes reclamagOes podiam referirse
salyagjiara de direitos preexistentes, ou
validade dos ttulos da potencia oceupante, que
era'obBgada a, exhibir parante as oujtras um
tractado anterior, directamente celebrado com
o governo protegido, ou com o governo sobera-
no ; que a Italia nao tinha. realizado, contracto
algum cam a Sublime Porta, cpmo khediva,
bem com o Negus, contra quem mover guerra ;
que ella se limitava a invocar a,,
e. simples, e, accrescentando que j
exiga o alkandoao previo-da aatoridade primi-
tiva, para" que a oceupafo conferisse direitos
de propriedade.eoofeasava, em [seguida, que
quando oceupeu Massauah essa rtgio nSo es-
tava ainda abandonada ; que de taes premissas
tirava, comtudo, o governo Habano a conclusao
de que a soberana do seu paiz se achava de
direito estabelecida em Massauah : que a certeza
da Italia a esse respeito ta, porquanto-afirmara- dorante muito tempo o
carcter precario da sua oceupafio, como se de-
dnzia deste trecho pedido s proprias olas do
chefe-do gabinete de Roma :
0 Sr. Maneiui, qnenessa epocha (a da lo-
ada da cidade africana) diriga a poltica ex-
terna do. reino de. Italia,, nao Jarata va cm decla-
rar que a nossa intenco nao era suscitar, em
taes circumstancias, urna questao territorial.
Com efleito, accrescentava o Sr. Goblet, du-
rante cerca de um anno a bandeira kdedival con-
liiiuou a tremuiai- ao lado da italiana.
Mas reconhecer quea questo da soberana de
Massouah nao fra diseutida ao tempo da oceu-
pac.o dessa cidade, nao era implicitameate af-
firmar que ella o devia ser algum dia ?
E comtudo, no momento em que essa questo
pela primeira vez se agitava, declarou-se que es-
tava completamente resol vida 1
O ministro francez analysou calma, porm,
implacavelmente a lgica do seu adversario, e
concluio :
Nao sabemos que juizo far a Europa acer-
ca das theoras e praticas do governo italiano.
Se a conducta deste, no negocio deque fallamos,
fr sanecionada pela suppresso peremptoria
das indicadas capitulaces, s nos restar tomar
nota dessa nova jurisprudencia e da doutrraa
que as considera extinctas de pleno direito. sem
accordo das naf/Ses, no paiz em que umaadmi-
nistrago europea se estabeleee. J advertimos
o gabinete de Roma de que estamos dispostos a
tirar as consequencia. aesse principio, e pelo
modo mais conforme com es nossos interes6es
nos territorios que regularmente oceupamos.
A advertencia era de todo o ponto necessaria.
Os grandes estades europeas, na sua maioria, a
Allemanha, a Inglaterra e a Austria, que nao
morrem de amores pela repblica franceza, de-
cidiram-se pera Italia. S a Russia e a Grecia
reconneceram haver justica na causa defendida
pelo gabinete de Pars. 0 sultaofez mais : pro-
teslou tambem, pelo seu lado, contra a innovac/ao
que o governo italiano levara ao direito pubtfeo
da Europa. Mas a Odysaos protestos e. quei-
xas do pobre turco tao longa, conJiecida e tri-
vial, como a historia das suas tristes disiltu-
sOes.
Antes de provocar o julgado das grandes po-
tencias, prctendeu o primeiro ministro do rei
Humberto grangear para a sua causa a adhetao
do gabinete de Alhenas. Foi urna lemhFanca
famosa e seria effeiuivamente urea cariada de
mestre, ]4 que em nome de cidados hellenos ti-
nha a repblica franceza entrado na questo que
se agitava. Nao quiz, porm, aquelle gabinete
prestar-sc a to hbil jogo diplomtico.
Como diz o conde Carlos de Mouy no livroA
Grecia moderna, publicado em 1887, os gregos
manifestam, em geral, sincera amisade pela
Franca, o que prova que nunca lhes fugio al-
ma o reeonhecimento dos servijos presteu na guerra da independencia. Nao en-
gendran! sophismas para Iivrarem-se da grati-
tid5o qne os factos lhes impamt nenr precuram
alliancas hoslis nacioaalidade francesa.
Ha nessas palavras urna alhiso clarissiosi.
Certo e, todava, que a Italia official lev.- mais
urna occasio de saber que ellas exprimem real-
mente a verdade a respeito dos sentimentos da
Grecia por aqueMa nago que, ha j muito*an-
nos, Ihe responda ao patritico appclto com a
generosidade traduzida nos seguintes versos de
Ampere:
Me voici, me voici, glorense victime;
Partout oh l'on cumia/, partout oii l'on opprime,
Mes betiqueux enfants sont presset d'aamrir.
Pour toule cause magnantme
Mes enfants aiment tnourir.
Voltando, porm, s notas do Sr. Crisp, deve-
nios memorar que o Dirttto, folha de Roma, Iftes
acbeu a forma um tanto dura, ponderando mais
que a deixar transparecer urna tal ou qual agi-
taco de espirito, sena preferivel que o ministro
mant ivesse at ao I im a calma que convm aos que
eslao seguros do sou direito. O Standard, por
sua re, Iposto qne se nao distinga por tenden-
cias gallophilas, ceusurou, com a rude franqueza
de rerdadeiro John Bull, o tom provocador do
ministro italiano, aconselhando-o a que medi-
tasse no que diz Schakespeare : Tomai uulafi
com as vossas palacras para que ellas.vos nao jea-
judiquem a fortuna. Recommendava-lliej on#f
8imv/ue se o .principe de Bismarck o qeB*
levar deniasiado Ion ge na. sua irritante polmica
com ji JFranca, nao esquacesse que o chanceller
tem particular talento para desfazer-se dos ami-
gos ncommodos, quando a isso levado pele
/ConH.mi4.
A
ffiTERIOR
Correspondencia do -Mario de
Pernambuco
rAJlANHNS, 23 de Janeiro de 1889.
.Anda bem que podemos principiar boje esta
carta tecendo merecidos elogios possa edilida-
de pelas medidas de alto interesse publico que
vio sendo tomadas* nmovcnd embaraces que
ordinariamente se oppuoham administraco
municipal.
No da 7 do corrente, presentes oito sereajft
res, procedeu-se eleicao para presidente e vice-
presidente, sendo reeieUo o Dr. Antonio Salus-
tiauo. de Abreu' Rege, e eleuo.< \ice-prcsidente o
r. Naziaeeao Tobas de Souza.
Para o cargo de fiscal da cidade fot nomeado
o eidado Francisco da Silva Queiroz, sendo ex-
onerado'Leandro da Cruz, que o exercia sem o
mnimo criterio, dando lugar a continuas quas-
tes, que auasi semorc importavam no despres-
tigio da eeniMade.
ni, pois, urna medida de muito bom efleito a
deaissao do Sr. Leandro da Cruz.
SeasiveiBvsap os melhoraaaentos por que est
pasaondo.o (grande reservatorio que serve para
abastecer-nos de excellente agua potavej.
As obras, que foram cdntractadas por 50>*
esta em bom andameato e podero estar
luidas, por todo mea vindouro.
Consta-nos que de outros melhoramenios e
oceupa actualmente a municipalidade o mau
estado das nas, muitaa das quaes s*o depsitos
de hxo, a alta dos nmeros na maioria das ca-
eos, a imprestabilidade do .acude, ahi^estie
rechupando gromptas proNidecias, q,ae, Cunta-
mos, n8o tardarao ramto que a nossa distin
ediHdede as romena dvida consideacao.
S Q*em com ferro j*re com ftm ser ferto, diz
o psewrbio, eassinl-acaba de succeder a Jos
Francisco de Vasconcellos, condemnado a 1 i an-
nos de priso, por crime de homicidio.
ste criminoso,, que fogio lia ten;,
Fernando e Norouha. e notamente preso cum-
pria sentenca aH cadeia detto cidade, deoade
consegmo, com outros, evadir-se em Julho^fo
liava-se \gresle, no'da
guando bi victima do propno
i
}

--

r-H

\


MMMflpMMVMBBMMHBBBnBlH
Diario de PcaraaMbu^)--Sbbada 2ft db Jaiieim ManMnilHHMMHNaaMMMMMH
I
!

*


y


bacamnrtc, com o qual razia as suas correras.
Quz a fatahdade que a anua que fra carre-
gada. dizem, rom a fina de assassinar Fausto
Correia, iuitr.igo le Jos Francisco, batease em
urna pedra gao existe na-casa de Francisco Soa-
res. e disparndose malasse instantneamente
ao seu desgricano i>ossuidQr
Jos Francisco era o terror dos moradores do
sitio Kgado onde se homisiavu.
A semana linda nao foi propicia aos crimino-
sos da comarca, que, perseguilos pela polica,
foram tranrafiados na oadeia.
No districto de Brrjo havia dous celebres
criminosos condecidos por" Da tras, e qne cram o
flagello d'aquelle districto : atara vani nos estra-
das, ron bando descaradamente; ninguem d-
quellas paragens ousava deseobril os. tenindo-
se da represalia pie elles cortamente lomariain
pelo direite da-forrea, pela Torca do hacamari o.
Mas curno rao h bem que sempre duro, o de-
legado de polica no dia 14 deste. ceroou os ir-
maos Dntras o engaiolou-os para m lis tarde ajus-
laremsnas con tas com a jusiica.
Anda no da 19 foi preso Jos Baha de Mello,
ja condemaado no mximo do art. 205. alrn de
outros processos que Ihe vo ser instaurados
Jos Baha foi um dos evadidos oa ultima tuga
de presos que se deu cm Jullio da cadnia desta
'eidado.
Vm facto de entristecer:
No dia (8 do cerreute fallecern! qua.s repen-
tinamente duas interessantes meninas fllias do
Sr. Antonio Pcixoto.
Sendo completamente identieos os symptomas
d i molestia, cansn o tacto geral i'mpresao,
chegando a propalar-sc pela cidade que as cri-
a-icas haviara sido atacadas do cholera-morbus
Constando no dia seguinte ao Sr. Dr. Otiveira
Jardim, digno womotor publico da comarca, que
apezar desea impressao publica os cadveres
das imlitosas enancas tinbain sido scpultacos
sera os exames legaes, deu S. S. as necesarias
providencias para que immediatamentc fosse
feita a cxhuniago dos cadveres.
Cfiainado en to o distincto medico o Sr. Dr.
Miguel Villa-Nova, eompareceu S. S. e proceden i
;t autopsia, verificando ter sido a causa dos obi- J
tos irn er.venenamento prodozido por qualqucr
Substancia vegetal, que as desgranados meninas
iugeriram e que anda foi encontrada nos intes-
(in us das victimas, completamente endurecida,
.leudo urna cor amarellada.
O Sr. Dr. Villa-Nova, apezar dos exames que
t>>m feito, nfi i conseguio atada descobrir a na-
tarea da substancia que deu lugar ao enven-
nameos
As crinneas contava: ."i e 3 annos de idade.
A exe.-ui'ao do decretou '..*86 de 7 de Marco
d? 1888, nenhumn alteraco produzio no animo
popular, como se esperava.
O registro civil teiu sido feito com toda regu-
luridado, e, dis|>ondo o actual encarregado deste
s.-rvico de intelligencia e tonga pratica, de es-
perar que nao apparceam mais tarde reclama-
es, que posean) resultar deomisses qae pre-
judiquem alheios direitos.
Anda beai.
O Si- Severmo de Souza Monteiro. proprieta-
rio do hotel C.iismpiolita, outr'ora Dmos .W<>.
acaba tic fazer passar a sua casa por importan-
te- molliciramenios.
O novo estabeleeimento completamente refor
inado olTerecc actualmente as commodidades de-
sejaveis, os confortes iodisnensaveis a todos que
tiverem necessidade de ultilisar-.se de un esta-
beieciuieuto de tal uatureza,
r.orroi ltimamente o boato de que seria
a igurada a estacao d'esta cidade no da 31 do
correte mcz.
Si bem que conllevamos de longa data as qua-
lidades administrativas de que dispOe o Sr. I)r.
Lab da Rocha Das, actual director do prolon-
gamiento, nao podemos dar crdito a to espe-
perancosa noticia, nao obstante correr ella apa-
drinbada com o prestigio do nome de S. S.
Quera, como nos, tora observado dr risa a mo-
rosidade com que vo sendo cxeculadas as nova?
obras da 3a secgo, a falta de methodo e pessoal
que all se notara, nao poda crer, por mais opti-
mista que Ibsse. em urna inauguraeo to pro-
jrtffla.
O povo nega se a trabalhar na reconslruccao
das Obras darte, por ser os procos degeneras
vendidos nos barracos do sub eraprciteiros ex-
eessivamente caros, o se nao vejamos : 10 litros
de fariuha 18200 (na feira 4'N) rcis) i kilo de
\nrqii'' 13000 na feira 480 risi, urna rapadura
100 ris (oa feira 30 ris).
E, assim, as poucas pessoas que, ignorando
os pn-gos dos peeras, procurara trabalhq as
obra; do pralongamento, poaco 'tempo ah per
manecem, pois o salario que Ihe pagara nao di
militas vozes pan as sua- despezas. aai'VM !
Po^RlJise outros iraocia dn proxnm iaau-
garactedotrafego aqu nao poda ser acreli-
tada. bera que actualmente todos sinlara-secheios
de esperanca e esperem era breve espaco de
lempo a realizayao do importonte melhoramento
d'> qual estamos privados ha longos 7 mozos
i n subido muito ltimamente o prejo dos
ge teros do priraeira rtecessiflade
J se \io onfi-aqueceitdo as espoMB{;as que to-
dos nutriam dcCnuvns no moz de Janeiro. O
tetase teni-se conservado de mo agouro araea
cando ser secco. o que a realizarse ser ama
calamidade. anda de peiores consequencias que
a de 1877.
O povo completamente desanimado e sem re-
cursos, o que tari a bracos com urna secca ter-
rivel, cujas consequencias serao incalculaveis ?
A agricultura e o commercio luctam. cora urna
oh se tremenda.
A safra do algodo nao ser um terco do que
60 esperava.
B' para desanimar.
Fechamos esta com un registro doloroso.
Causou profunda impresso a^ui o prematuro
lecinicnto do Sr. Autonio I.uiz Rodrigues de
Ainioida. chefe da importante casa d'essa praca
lmeida. Duarte & C.
u illustrc morto contava dedicados amigos
fta eulade, e por suas bellissimas qualidades
eterna a sua memoria no corajaodaquelles
sr desranecian com a sua araisade.
os que de perto rahecemos a grandeza de
seu. coraco, eme tivemos occasiao de, noseio
ialimo da familia apreciar a pureza de su'alma
heroica, vimos n estas linhas pagar-Uie o ultimo
tributo da amisade, vettendo urna lagrima sobre
su lorisn.
ARANUKS23 de
de 1889
PAt MEIRA DE
Janeiro
tir to triste sceno. em lagrimas dar o ultimo
sculo em sua tillm '
No domingo aqu comparecen perante o
subdelegado, a utbi da infeliz Magdalena. -
E' urna inuocente menina de 13 anuos de ida
de. qne ainda em lacrimas narrava o occorrido.
A autoridade prosefiue nos termos da le.
Para as bandas do lugar Brojo, ainda deste
termo, o criminoso ie norte conuecido por Jos
Francisco de Vasconcellos encainnlia.a-se para
a casa do subdelegado do'lugar, allm de por termo
aos dias do referido subdelegado, quando. cm
camiulio. no momento em que pedia agua em
una casa, dispamu se a arma que'conduzia.
asnalmente, indo toda a carga Jempregar-se era
si. matando o
imoce*le niorreu, o que uao sabemos i -e
torta tempo de arreaonder-se ou Ao dosjftcn^
fuioi que fez
Acha-se no exercicio da subdelegacia deste
districto. o eidadSo "i supplente da mesma, Joa-
quina Nunes Pereira
Foi demittdo do cargo de escrivo da sobde-
legacia d'este districta, Manoel Ferreira de Lyra
e nomeado para dte fugar, o agente do correro
d'esta tocalidade, o cidado Bemvenuto Ildefonso
(le fMoraes
Foi acertada a escoMia, porque inconlestaTel-
mente o nomeado, alm das haliilitacOos que o re-
commendam, aqu geralmenle estimado e con-
ceituado, o portanto na altura de correspondec 4
eonlianca que Ihe tributara
Abriram-se as escolas publicas desta po-
voaco no dia 16 do corrate como manda, o rc-
gulamento, e animador o comeco de amlias no
correte anno.
A do sexo femenino, regida pela professora
D. Maria do Patrocinio Cavalcante L'cboa, conta
28 matriculadas, e 20 de frequencia ; e a do
sexo masculino regida pelo professer Porto Car-
reiro, conta 39 de matricula, e 33 de freqnen-
cia.
Contiva igualmente aberta a aula nocturna
gratuita para alumnos pobres c descalcas, regida
pelo mesrao professor, e nVlla j se matrioularara
20 alumnos no correnle anuo, sendo qne. o auno
passado chegoua matrcula 40.
A traoquillidade publica contina inallera-
vel: as virachos athniosphericas regulares ; e os
geii'Tus ior preejos auiraadores.
Nada mais ha digno de nata.
ECONOMA
Principiar a presente sem dar a essa illustrc o
di'iia redacco os parubens pelo novo anno
derejaiido-Ih propicios dias de venturas, serie
esquivar me ao m-iis sagrado dos humanos de-
veres -a gratidao. .
Segundo Ihe havia cotnrminicado em miuba.
ultima, realisou-se aqu a fusta do anno bom:
quo esteve esplendida-. Na vespera. altn da
novena tiveraos um lindo logo de artificio, e
depos d'este un leilo de prendas. Foi extra-
ordinaria a concurrencia ,
Ao murmurio contiilio e gracioso dos que am
e vifiham ao encantos iodescriptiveia da noite
serena, que raatisada de lindas estrelliulias. da-
va todo urna Iiarraonia subtioM.ya tudo isto, ca
aava-se o doce wm da guitarra, que tangida
ros dedos do mmponez tem sua graca natural,
(lepois, o risos as chulas e o mais que cons-
titu ain*cencia e poesa da vida campestre.
4 ra eslava Iluminada a giorno. e que dava
aliene um especto deslumbrante.
Ao romper do da 1, a som dos sinos da ca-
pelnha, e ao estrepito de.fogos e msica, ioi
iobumiado o novo anno de w. cm todos os cora-
c6e? pal [lava o contentaraenlo: porque ha dias
que traduzera tanto, qc senlu-se. mas nao de-
fine-se
O sol, parece que na%utIY da surgir mais
Tndo c'em cada raio qOT desenrolara pelo alcati-
ilo verde das collinas. pareca mostrar um sym-
bolo de esperanca, e as flores o eaudavam, an-
do-the em troca do seu novo beijo matinal, o
doce perfotre de seos catites
So diadeaniio alemna aissa tivi-mos cava-
lbadas, e etc.
No dia 19 do andante, no sito Jac d'este
termo, deu-se um Rnnentavei caso :
Ihias irmes brincavam cora urna pistola
airrc^ala, com a qual faziaajolvo de algumas
gaiolas que geadiavnra nafrarele. at qne, urna
Sellas, Anna Mara Magdana, armou a mencio-
nada pistola, o nao poude mais desrmala, e no
momento em quo entregava a arma a sua irm
ara ver se aquella a poderia. desarmar, foi m-
feliz: a pistola tlisparoucasoalmentee toda carga
MUo certeira nente e;npiegaree na fronte es-
la^ierda da mencionada M;ffdawna, mtando-a
instantneamente
A outra^coitada, cwreu como tooca, e^n pro-
curar- a Hrti, qae qltftdc cbogotUBTe' 4l w-
1 Ierro-va Transroaidaea-
titl Sul-.tnericana
(Do Diario Qfficial)
(ConclusSo)
IV
Vai entrar de ora avante como base de discus-
sSo a recta que entre o Becife e Valparaizo se
desprovea para termo de coinparacao das varian-
tes provaveis a que possa o tracado ser subniot-
tido.
Por vezes se disse que a parte da provincia
de Minas, comprehendida entre o rio Paracat e
o Grande do Paran abrangendo o territorio de
Govaz, onde seacham as catrceyaa mais orien-
taos do PariKihrba, era zona obligada para pas-
sagem da estrada que nos oceupa, toda a vez
que so proceda ao estado o e.scolha da sua di-
rectriz cora animo iscnto de prevonQes alheias
ao grandioso fim a quo se prope a empreza.
E" fcil verilicar-se a exaotido do asserto.
No ponto do divortium fwmm da vertenle do
Paracat que seacoaa mais a sudoeste com a do
Paranabjba c considerse lixada a recta que primitivamente
se figurn orientada de nordeste a sudoeste, c
em torno desse ponto, como centro, faca-se ella
girar na drccco nornordeste susudoeste. im-
rai (liataraeute\erlicar-sc-ha que quando a recta
polo norte coincidir cora a cidade da Barra do
S. Francisco, pelo sul coincidir com de l'ru-
euayana, o roconhecer se-ha ao raesiuo tempo
lela forca BVtncivel da lgica dos tactos, me o
tracado qu. na estensio de mais de 3,000 kilg-
OKtros poe debaixo da mesma recta o maior fla-
mero de pontos obrigados de passage.u. tem
por si a conspiraco de todos os elementos es-
senciacs de preferencia Esta corapara(,o der-
xa patente que Uruiuayaua ser o ponto mais
desviado da recta primitiva, porquantoa normal
baixada aquella recta aecusar um desvio de
i70 kilmetros, o a villa do Remansoseromais
affstado pelo lado do norte por achar-se a 360
kilmetro para o norte deHa.
Proseanindo na confrontacSo dos desvos dos
outros pontos do tracado e partindo do norte
para oeul. verilicar-se ha que Cabrob e Joa-
zeiro ficarao desviados 260 kilmetros para o
norte : a cidade da Barra (Villa da Barra) 33e
outros lugares da Bahia, ribeirinlios de S. Fran-
cisco, apenas a distancia que decresce. medi-
da que a directriz se approxima da iutersecco
das duas recias : Paneilt, (.'atalio c Prala, si
nao eslo na recta de comparado est.'io desvia-
dos distancia insignicante. -rara o lado do sul
encontra-se Bagagem desviada 60 kilmetros
para sueste e l'beraba cera, no mesrao rumo
J se to quo Uruguayana da,tracjido a cidade
que est mais desviada da direccSo natural ; mas
por innmeras razes de ordem poltica c cora
mercial incontestavelinente ponto obrigado de
passagetn. Por lim a cidade argentina de La
Paz ticar desviada.400 kilmetros e todas as
ii ai" da recia priaiisa uieJida que appro-
ximar de Valparaso seu ponto final.
Diuicil. sinito irapossivel obler tracado que
rena condifocs de preferencia to numerosas e
decisivas como esse : o territorio de oito pro
uncas do imperio com a superficie de 2.099.892
kilmetros quadrados exom mais de 8,5 >0,000
habitantes, ser cortado por elle, desde o extre-
mo sul at quasi o norte. E" a espinha dorsal
da viaco do Brazil. Pequeos trechos de linhas
frreas de cen kilmetros ou de pouco mais
cada um e pela maior parte de construego j
autorisada porao em eontacto com aquellas mais
oito provincias que lormam- a superficie de
1,106,693 kilmetros qaadrados com perto de
4,001,000 de habitantes.
To esplendido resultado pora, pois em com-
municacao por meto de viaco frrea 12,500,000
habitantes dos 14,000.000 que conta o Brazil.
Somonte o Amazonas, o Para e MattoGrosso np
podero usufruir os beneficios que proporciona
a communicacao interna com suaa irraes por
meio de vas-terrea, em futuro prximo ; porque
tambem so ellas tres, contendo superficie maior
que a do resto do Brazil, apresentara realisa-
cSo d'csse desidertum obstculo por ora inven-
civel, qual o que provra de ser tamanha vasti-'
do de territorio oceupada apenas por pouco'
mais de 550,000 habitantes ; era comperaco
perm, a Providencia Divina dotou-as da vanta
gem de possuirem o mais esplemSdty'sysloma
hydrographico de quantos se conhecem, c o
minguado numero de seus habitantes, anda de-
cuplicado, nao exigir razoaveluiente, to cedo,
outros melos de communicacao alera dos que
cora tamanha prodigalidade Ibes fooiecc o seu
incomparavel systema lluvial. E quanto a Mallo
Grosso especialmente releva notar que o tranco
descripto nao passar a distancia maior de cera
kilmetros de suas fronteira ; podendp* Mara-
nho e'Piauhv por sua vez ligarem-se-llie pelas
estradas de ferro j autorizadas de Petrolina
Amarante e de Cajazeiras a Cavias.
Pelo lado do occidente nao ha prosentemenle
indicio de que a espinha dorsal brazileira con-
teuha costellas era formaso, salvo se forera
avante o protongumento-tia estrada de ferro Mo-
gyana al capital de Govaz o a quo foi apenas
autorisada de Petrolina a Amarante, no Piauliy ;
polo Hado do. Atlntico, norera, estao algumas
em-vta de com|iletS formaco. E' a dous ou tres anuos, roguayaua estar ligada ao
Rio-Qrande e a Porto Alegre : a eradid* fer-
ro de Paran, por-ora em Cunt ha. vaiter pro-
longada pelo vajle de Iguass, provavelmente.
eesse prolongamento ha de por forra constituir
urna dquellas costellai ; a Sorocabaaaeui pou
eos annos, segundo recento contracto, ira ter ao
Paranapanema, na confluencia do Tibagy. ponto
igualmente oiirigado do giaade tram;o : a Rio
Claro, ja obteve coocessao at llagara, o que a
habilita a entrar em Matto Grosso ; a ogyana
esta atlingindo L'beraba e com boas diaposicoes
de ir ter a Goyaz : a Pedro II j-uo valle o Rio
das Velhas, alcancar o seu dcsiinoproseguindo
por csse ville at deparar, no uigariBaaw conve-
niente aTiauscontinental, ou.eU*or onwitada
ir de Lafayette ao encontr eeta etn liberaba
ou em Bagagena : a du Bahia ao Joaaeiro vai che-
gar ao seu termo dentro de dous anual por
ouaUracto j em cornejo de exeengo- AIem
deesas Central da Baha e a CaraveHas tem
pretencoes, qe talvet sejam prematuras, mas
ue sao de corto louvaveis, de chegarem ao- S.
rancisco cm poca mais ou menos remota. E
a Leopoldina que insinuando-se como um polvo
t'a tem em trafego extenso ranito superior de
'edro II ? Quera tao vidente que possa pres-
crutar os seus designios ? Restringir-se-haella
aos val.es do Rio Doce c do Gequitinhonua ou
ir ao S. Francisco antes da iLesraa Caravel as ?
Do exposto evidencia-se que tudo quanto boje
possuiraos era relayo viaco frrea, o que nao
isa satisfazer restrictamente a interesses pura-
mente locaes, est sendo encaminhado mnito na-
turalmente no sentido de serem contemplados ao
mesmo tompo outros que pairam cm esphera
mais elevada e mais vasta, porque sao o lame
dos da cominunbo brazileira com os dos outros
povos civilisados, lame que exprime urna aspi-
rai;&o universal concretisada na formulafaeili-
dle das commuuicaces. Assim aue, as vas
frreas em construegao, que acabara de ser men-
cionadas, abi vo insnctivaniente aggregar-se
sem a menor premeditayo Transcontinental
comoxostellas columna vertebral. daHdo desta
sorle previo e eloquente testeraunho do acert
da oscolba do tracado que esta de ve prefer".
O receio de fatigar em demazia a quera teiiha
a loBganmidade de 1er este enfesado trabulho
j vai invadindo o animo de quera se fez rauito
esp>onlaneamente cargo de nroduzilo na espe-
ranca de i oncorrer com esse puntado de cimen-
to para a realsaco de to auspiciosa quanto
monumental construego; mas nao possivel
pr-lhe termo sera adduzir os reparos que a vi-
talidade.de empreza to arrojada suscita, porque
outra cousa nao sao siuo reparos, as co.isidera-
QOes feitas na mais absoluta falta de dados es-
tatisticos cm que se oppein conecitos criterio
sos e critica .mparcial.
Nao sendo conliecidas precisamente as dilli-
culdades que o terreno em to dilatada oxtenso
oppora oxecuco das obras, nem a bitola da
estrada, embora quanto osla pareca a estrella
inc impativel para a velocidade indispensavel
celeridade prescripla, fallecem os elementos es-
senciacs para se orear o custo de construeco
to grandiosa, sem a lixaco do qual nao ha prc
visito possivel quo compute, com vislumbre de
approxiraago, a retida liquida que deve garan-
tir o futuro da empieza.
A falta de estudios completos nao ha meio de
ser suprida ; a esculla da bitola, porra, pode
assentar era consideraces extranhas ao conhe-
cimeuto peculiar do lerreuo, mo grado a in-
fluencia que a esle nao pode deixar de caber
para tal oscolba na generalidade dos casos. E'
assin que a lico que nos tem dado a pratica de
construccOes dessa natureza, em que a engenha-
ria brazileira j vai repartindo com a naci o
renome que sua competencia tem feito eclioar
no estrangeiro fornece- s elementos que addi-
cionados a condico indispensavel de celerida-
de, sao tastanles para aconselharein, acertada
escolha de bitola, como acontece no caso ver-
tente.
No comeco deste escriplo se disse que os 10
dias e os 2,WW kilmetros poupados ao lempo e
distancia, dariam margeai suffciente para a
Transcontinental oflerecerao trafego lanas capa-
zos, porsuaraodicidade, de attrahirem todoocom-
mercio da costa americana do sul do Pacifico, sera
que todava fosse sacrificada a remuneraco de-
vida aos capitaes que "se empenhassem em to
custusa empreza. Pois bem, para consecuco
dquellas duas condies, qne sao a garanta da
modicidade da tarifa, cumprc que nao sejam
poupados esforcos-por mais hercleos que pare-
gam : si a bitola de l,ra00, geralmente adoptada
entr nos, ne se presta velocidade exigida,
contrua-se estrada de i/44, ou de l."60 de bi-
tola, para uniformisal-a Argentina que j est
enfrentando com os Andes; nao se eleve o cus
to kilomtrico a mais de 50.000 com apparato-
sas conitrocrOes, as quaes, nao raro, a estheli-
ca to requestada que esterilisa lhes a utilida-
de. coniproraettendo alm disso o futuro econ-
mico da estrada; nao' se preoecupe a empreza
cora a vanedade de bitola das linhas convergen-
tes, porque a adopcao de leitos ambulantes para
os carros de carga" offerece conveniente soluco
ao problema de baldoago das cargas : ponha-se,
emfiui, em contribuicJo tudo quanto o progres-
so da arle de construeco tem engendrado para
tornar fcil e soguro o percurso de treni de ve-
locidade de 80 10 kilmetros por hora e o
Iriumpho ser colossal.
Cora a observancia dos preceitos que abi fo
rain indicado*, a exteoso da estrada em terri-
torio brazileira provaveLque nao soja superior
a 4,300 kilmetros, os qnaes, a 50:0 OS por ki-
lmetro, incluidos o material fixo e redante, os
td 11 icios de estar li.1 e todos os accessorios ao
secvico da estrada sobeni ao compute de......
225,0o:<>00<; somniando se a essa quantia o
cusi dos 2,100 kilmetros da parte da estrada
que cabe ao territorio argentino e chileno, ele-
va se a importancia total da mesma estrada
somma de 330.000:OOW. Ora, o elevado ca-
pital exige para o servigo^dos jaros e amortisa-
cao. nao escedendo ambos de 8 'o annualnrnte,
a soniraa de 10,500:1)00*. Como sabido, as
despezas de custeio diminuem na rasfto directa
do augmento da distancia percorrida pelos
U-eus: si com o percurso limitado qu tm as
estradas de ferro subvencionadas e as de expe-
raro directa do Estado, a media annual do cus-
teio superior a 3:000 por kilmetro, nao as-
piraco infundada contar-se que no vasto per-
curso dos trens da ferro-va transcontinental
essa despeza baixe a 2:000A, sem se fazer valer
para este resultado razOes que nao escapam a
perspicacia dos competentes e que preponde-
ran ueste caso, lia purian tu va accresccntar-sc
a snmraadi lo,5 0" ft) a quantia de..........
13,200:000. attribuida as despezas de custeio,
perfazendo ambas a importancia de 30,000:000,
diga-se. Tal .a despeza annual a que a renda
tem de fazer face.
A media da renda bruta annual das duas ca-
thegorias de estrada, sobre as quaes existem
dados positivos nos rehUorios oSiciaes, isto .
as estradas subvencionadas e as de propriedade
do Estado, sobe a 5:5004 por kilmetro; appli-
cada a mesma renda kilomtrica estrada de
Sur se trata, achar-se-bia urna receita total de
6.00 >:000, renda que annunciaria um suecos-
so esplendoroso para a empresa.
Faz-se mis ter de altendor a circu instancia de
que a renda kilomtrica de 55004 obtida com
tarifas que permittem que o custo da tonelada
kilomtrica, era media, soja de 115 ris e de
passageiro-kilmetro 'de 30 rs; imagines-
agora que actividade naciraprimr ao trafego
da estrada Continental urna tarifa que permita
a media de 20 ou 10 rs., por exeraplo, para cus-
to da toneladakilmetro e de 20 rs. pera o de
passageiro kilmetro; por que aiinal de contas
j vo fugindo espavoridas as vetustas doutri-
BM do conseguirse augmento de rendas de es-
tradas de ferro por meio de etevacaode tarifas e
outras quejaodas.
Houve terapofoi isso verJade no- inicio do
sorvigo da viaco frrea na Europaem que a
renda bruta kilomtrica era, na Inglaterra, de
i0:000000; ueste tempo os passageiros con
corriiun com 60 e 78 0,'o para a formaco d'a-
quellas rendas : facto que revela bem o grao de
elevaefio das tarifas com relago s nieroadorias.
porquanlo a enorme produego da actividade
industrial daquelles povos recorra a outros
meio- de transporte pela mpossiblidadedesup
portv o preco elevado das tarifas da viaco fer
rea-
Knire nospovos aqueuidos pelo sol da libr-
rima Americasol que nao matu nem cresta os
germens da liberdadeoutros sao os intuitos
que prevatecem i a faciiidade das transaeces
mergindo da barateza dos transportes derrama
sobre a produccao fecundante- protecgo: fo-
menta a riqueza publica e provoca dest'arte a
naethoria das condicoes moraes da uacao entre
ios para aquella diminuta receita kilomtrica
de 5:*90* 00 os passageiros 8 conoorreram com
2 os 80 % sao em sua totalidodc o producto
do transporte de cargus.
Objectar-se-ha do certo, alias com alguraa pro-
cedencia, que esse iisongeiro resultado colhe-se
as zonas mais povoadas, onde a cultura dos
productos coloniaes mais estimado' e melhor
reputados as pracas est rao oirs tm graude
desonvolvimen'o, nao se dando ideiitieas co-
dicoos na zona vastissima que a va forrea tem
de sulcar. Contra some hanlc objecgo occor-
rem outras que Ihe nao cedora em procedencia.
Era priineiro lugar preciso que se comprebeu la
que aao propriamente cora o m de activar o
commercio do Chile com Brasil que surgi a
idea da construegio da estrada Transcontinen-
tal ; coraquanto muito se deva esperar d'esse
coramersio que outr'ora floresceu em escala
mu.o dessemelhante da raqutica que a custo
hoje se vislumbra, princiramente entre os mer-
cados de Valparaizo e Becife. quando aqualle
aba^tecia-se de assucar exclusivamente deste,
raandaudo-lhe em extorno farinha de trigo que
concoma com a de Trieste e dos pactos norte
ricanos; oomquanto. msista-se em dizel-o, sq
possa esperar com muito bons fundamentos que
esse commercio coui a acgo benfica da locoiao>
tiva assuma proporcoes. inusitadas, evidente
qne nao foi visando-o que despontou o projecto
da Transcontinental; Jai para attrabir principal-
mente o commercio de transito que se eflectua
entre os portas da costa sul auierica do Paclico
e a Europa com o auxilio nico de sapidez iKira-
teza de traosporte, que ello nasceu.
Era seg'indo lugar, pormittara os incrdulos
das maravilhas do futuro forraular-lhes urna in
terrogaco. que vera a serquaes eram as con-
diges das zonas percoaridas pelas vas forreas
aetuaes quando ahiauvie-io pula primeira vez a
slyo do dragio nligero na plirase de Miguel Clie-
valior f E' ocioso dcscrovel-o porque suppre
bera qualquer descrpffio os dados que a historia
de nossas estradas de ferro coasigna. Na do
Recite a taimaros em 16 anuos o movimeoto do
trafegoi quasi quadnzplicou, apezar da elevnoio
das tarifas primitivas que deu causa a cscoaf-se
grande- quantidade de productos parallelamente
a estrada era costas de animaos: a ratina afron -
lava o proiu-esso,. gratas iufelizmente s err-
neas doulrinas que dorainaram na confeoco das
tarifas de nossa vucao forrea. A Pedro II em
20 annos decuplicou a renda, tendo, certa, o
seu desenvolvimento cresci-Jo de cera a 7f5 kil-
metros no mestna tompo. A de Santbs a Jun-
ilialiv. 15 airaos depois de inaugurada sua-ultima
estaeao, vio a ronda subir a penco menos do.
quadruplo, o coiacidir esse resultado cora o c!es-
pontar das energas do paulista, de, ha lempos
adormecida, para transforma! o cm aanAw do
sul I
Anda urna considerago que *(*r a ultima
produzida em resposia -objec?;io provista.
Quando a guerra de secesso irrompeu ua re-
pblica Norte-americana, envolvendo-a de -um
extremo aoulro e nnllillcando o sea edmraercib,
a exportajo do algodo em Pernambuoo, que .
agora, de perto de'400,000 saccas, ou fardos, foi
apenas de 23,000 arrobas; pois bera, na safra
qt'e seguio-s de to oiinguada exportugo
ascendeuesta a i.050.000 arrobas. Donde sur-
dirara os bragos que produziram inopinada-
meuteeste excesso de produego ? Nao foram
distrahidos da produegao do assucar, que con
servou sua escala, aseen leutr estimulada tam
bera pelo excepcional preco do genero: nao
provienun da iraaligraco, porque aquellas pla-
gas nao se dsvanecem de ter merecido o con-
tingente de immgrante algum : surdiram, po-
rra, dos milhares de habitantes que produzem
o estrictani''nte indispensavel vida serai-sel-
vagera do hoiuera. segregado do contacto c con-
forto da civihsagao, sem incentivo para o tra-
balho pela distancia que o separa do mercado,
os quaes foram nessfl occasiao estimulados pelo
alto prego do algodo que elevou-se de 4000
por arroba a 30*100. ollerecendo assim correc-
tivo ao frve arrophiador do dsenvolviraeuto do
seu trabulho. Pdese, pois, assegurar que a
falla de eemmunicaces facis aue entorpeee
o desenvolvimento do trabulho, alimentando a
ociosidade no interior do Brazil. onde a produe-
gao, com certeza, pude decuplicar nicamente
pela accfio civilisadora que u locomotiva sabe
despeii; r no animo abatido de honvns entregues
indolencia pelo torca mgica da granena na-
tural que os rodeia e os assoberba e que elles,
coitadns, nao podem dominar nem utilsar.
E', portanto, coroltario deduzido das proppsi-
gOes derooostradas no decurso deste resumido
estudo. que- todos os esforgos, que convergirem
para levar esse poderoso elemento de progresso
ao seio de nossas povoaces at s mais longin-
cua-, si rao ttulos de benemerencia perante a
civilisaco. e do encoadrado patriotismo para
cora o Imperio. Taes titulos. porra, avultaro
si entretecides em corda de gloria ornarem a
fronte dos Lessep brazileiros que levarem a
termo a coastrueco do collossal monumento de
progresso humanitario, synllietisa lo na Frrea--
va Trttuicontinent'il Sul-Ame ruana.
Barros Bttrretii, senador.
Autoridade policial -l'..r portara da
presidencia de 23 e proosta do Dr chefe de po-
lica de 22 do corrente foi nomeado subdelegado
do 2. districto do termo de Bora-ConselUo fPra
ta) o cidado Lourengo Pinto Teixeira, em sub
stituicao de Thoobaido Pinjo Teixeira que solici-
tou a sua e.\oner.e;ao.
vr*Mi*m*t- gunda reir comoga a matricula para as aulas
do curso preparatorio anuexo Faculdade de
Direito, elrectoando se at 8 de Fevereiro inde
penilcatemente de despacho do respectivo di-
rector,* d'ahi em diaute at o 1* do Abril justi-
ficando perante o mesmo director os motivos
que dorara lugar ao relardamenlo.
As aulas abrir-se-ho no dia 4 de Fevereiro
prximo, sendo esto o respectivo horario :
Philosoplita das 8 as 9 horas, na 6 sala.
Portuguez das 9 s 10, id era.
lihetoiica das 10 s U, dem.
lindes-das II's 12, dem.
Arithmetua e geometra das 12 1 hora, dem.
Geographia e historia de i s 2, dem.
Francez das 2 s 3, dem.
Latini de 1 s 3, ha 3a sala
HoMpttal Portngari BciieUrra-
clEra assembla geral devem reunir-se ama-
nh os socios do Hospital Portugus de Beneli
cenrttt, as 1wras do dia, psra toroBreni oepte-
cimento Jo relalorio do anuo findp, e assistirem
a posse da nova junta administrativa.
(.< mnaio Pernanabncaao Abrera-
so no dia 4 de Fevereiro prximo as aulas dp
Gvmnasto Pernambucano, continuando aberta
as" matriculas para os alumnos que quizerem cur-
sar essaa aulas.
Brazil MedicoEste importante e apre-
ciado jornal qae se publica na corto, sob a di-
recgo do Dr. Ase vedo Sodr, entrou no seu 3
anno de pablicago e proraelie vida prospera e
longa, gragas aos esforgos empregndos para ele
val-o altura dos melhores jomaos mdicos da
Europa.
Sao seus aetuaes redactores os abalisados len-
tes da Faculdade de Medicina Drs. Martins Costa,
Boniclo de Abreu, Osear Bulhes e distintissirao
medico da Santa Casa Dr. Julio de Moura, to
vantaiosamente conhecido do mundo medico por
seus bellissimos' trabalhos
Publicado semanalmente cera a maior regula-
rdade, os mdicos da provincia encontraro
n*elIetudo quanto lhes interessa e podemacom-
panhar melhor os progressos da medicina por
isso que a sua assignatar mdica.
E' representante da empreza. n'esta-provincia,
o Dr. Coelho I.eo, a quem devero ser dirigidos
todos os pedidos de asignaturas e dirigidas
qaaesquer reclamajOes.
Felicitando o Brazil Mtdm, agradecemos o
mimo dos exemplares que nos remetteu
arta pastoral Fumo hont era obsequia-
dos cora um exeraplar da carta pastoral, de 12
deste mcz, (lo JJxm. o Bevrad. Sr. Mrquez do
Monte Paschoal^arcebi8po metropolitano e pri-
maz do Braail oiiienande um triduo de preces
publicas pela reivindicagSo da liberdade e so-
bcrania do Vigario de Jess Christo, triduo que
se effectuar pos das 31 deste mes, le de
Fevereiro.
Acompanha a esta pastoral o proiesto do epis-
copado brazileiro centra a invaro de Boma,
apresentado a S. M. o Imperador e datado da
Bahia era 2 de Fevereiro de 1870.
Embarque No paquete alagos seguio
hontem para a Bahia,*>ara cujas estradas de fer-
ro do Estado foi ltimamente comeado enge
nheiro chefe, o Sr. Dr. Antonio Sampaio Pires
Ferreira, que nao ha amitos dia.- deixou o exer-
cicio de igual cargo n'esta -provincia.
S. S. tevou sua Ilustre familia, e foi acompa-
nhado at o caes do embarque por muitos ami-
gos, que assim Ihe deram mais urna prova de
aprego.
Agradecendo-lhe a visita com que nos obse-
quiou, dcsejamos-lhe prospera viagem.
AfgreMao e marte-Pelas 4 horas da
tarde de 14 do corrento, no povoado Serra do
Vento do brejo, Carono Jos Rodrigues, Joao
Paulino Caroino e Sebaetio Jos Rodrigues ag-
grediram a Dawd Hemeteno dos Santos. 1) isto
resultou sahiretn levemente feridos Sebastian- e
David e gravemente Joao Paulino, que 3 das de-
pois falleceu. Os criminosos foram- presos em
tiagrante deiieto, mas em seguida evadrram-se.
incendiarlo -Em Tacurat no da 30 do
mez passado, Francisco Nunes da Costa, conhe-
cido por Chico Grande, atirou fogo na roca e na
casa de residencia de Manoel Gongalves do Nss-
cimento, moradorntingat Trahiras. Foi preso o
criminoso.
Capturas No dia 20 da correnle, era Gara
nhuns foi capturado Jos Bahia de Mello, alli con-
demnado as penas do art. 203 e pronunciado
as do art. 193 do cdigo criminal.
Era Taoarat, a lOd'esvc mez, foi capturado
Ignacio Pereira Nunes, pronunciado alli por cri-
me de raorle na pessoa de Guilherme de tal.
AiMociarao do Empreado* no
jomanerefto de PeraamraeoA direc-
tora d'essa associago, era sessao de anlc-hoo-
tera, resolveu designar o dia 10 de Fevereiro
prximo, s 5 horas da tarde, para ter lugar a
sessao luterana, em solemBisago ao 3 ;annt-
versario da installago da mesma associago,
prevalecendo todos os convites feitos anterior-
uieute.
A Tenapewtade -E' o titulo de urna linda
valsa que para piano compez o Sr. Mizael Do-
mingues e foi impressa pela casa Prale \ C, 4
ra do Imperadora 35.
Hervir militar -Esto designados hoje
para superior do dia o Sr. capito Maaoel Ansel-
mo, e para ronda menor o Sr. tenante Maciel da
Silva.
A guarnigao da cidade e dada hoje pela
ti" batalho de iufantaria com o uniforme n. K.
A gualda da i'hesouraria commaudada
hoje pel Sr. alferes Itedro de Barros Falco.
Existem na enfermara militar em tracla-
niento 43 pragas dos corpos da guarnigao.
Vae ser hoje kispecionado do saude o i*
cadete 2 sargento do 2o batalho de infantara
Bartholoraeu Eugenio Muniz Wanderley.
No dia 27 do correnle s 12 horas da ma-
nfla dever achar-se postada era frente do Insti-
tuto Arebeologico urna guarda de honra dada pelo
14" batalho-a* infantaria, devendo a msica do
2u da mesma arma apreseutar-sc naquclle edifi-
cio as mesmas horas, a respectiva commisso.
'orarao l.ir<- Popular Ilo'ltem.
23 do corrate, esta sociedade celebrou o seu
19 anniversario com urna sessao reservada, a
qual esteve muito animada e a concurrencia dos
[notos cm grande numero, terminando os tra-
balhos as 10 1(2 horas da noite.
Instituto benoflrente do* oflHciaeM
da guarda nacionalReuni se no da -'<
lo corrente a directora d'essa sociedad?. ora
sossa ordtuaTia. sob a preiiaVacia da ^r.-oryor
Jo-piifnJ)emingaes na Goeta-
Depois de lina e approvada a acta da sessao
antenor, p&sou se ao expediente,!que cons-
tou de diversas propostas, bera como das con
tas do Sr. thesonreiro. reletivas aos meses de
Outubro Dezembro. as quaes foram appro-
radas.
Foram tambem approvados para socios os Srs.
capitaes Francisco de Albuquerquo Lins, Joao
Augusto de Mello e Joao Sesino do* Santos Be-
zerra.
Foi deliberado que o instituto mandasse rezar
urna raissa no trigsimo dia do trespassodo]
socio capito J")3 Francisco Pereira da -"uva, no
da 30 do crreme s 7 horas da manh na raa-
Iriz doCorpo Santo.
O Sr. pifesidenie nomeou una commisso,
composta dos Srs. capilo Nuno Alvos, tenente
Azeredo Coutinho o alferes Gerf Cavalcante para
assislir aesaa missa, pedindoalmd'isto que to-
dos os SrA offieipes que podessem, compareces-
^'ao-acto. arttUrs,qioirtraiavirsed! umJw-
cio.
Levantou-se n. sessao, sendr^ieeignado o dia
31 para nova runiao.
Elelrao de oonfrarlaA irmandade
de Noss Senbora da Conceigo dos Montes da
cidade de Palmares em mesa geral do dia 20 do
corrente, elegeu a mesa regedora do correnle
anno, que compese dos seguintes irmos :
Juiz Joo Flix Pereira, reeleito.
SecretarioJos P. de Oliveira Firmo, dem.
Procurador geral Bayraundo Fiallio, idem.
Thsoureiro -Joo Antonio" Al ves, idem.
. ProcuradoresFumino M. S. Netto e Jos Joa-
q'ilm Rn-nflo Mirmda idem.
Mesarios -Fur MaiyiL Lopes de Stqueira,
idem. Izacio "Malheirs de rlinetda^ idem. Anto-
nio Flix Pereira, Antonio Joaqaira N. Barros,
Sizenando Hilario Ramos e Antonio Jos Bar-
reiros.
A posse ser amaaii s 10 horas do dia.
BireeSoria dan obra de ronserva-
-o dos Porto* de PernambueoReci-
h, 2i de Jaaeiro de 1889.
Boletim meteorolgico
fl ;;
flora? || ||S Barmetro a - Teusio do vapoc 1 7: 9 -3 .m
6 m. 2o-9 76f35 18,38 74
9 2-1 763-34 19,4 64
12 29-4 763-10 18,79 62
3 t. 28-9 761-91 19,09 64
6 28-6 762-74 17,93 66
Temperatura mxima29,75.
Dita mnima -25.50.-
bra?$$**" ^ ^ !*)ra3 "a 1 : W ; ^ W
Chavaaulla.
Direcco do vento : SE de meia noite s 8 ho-
ras c 15 minutos da tarde S8E at 8 horas e 55
SE at meia noite.
Velocidade media do veuto: 3-41 por se-
gundo.
Ncbulosidade media: 0,38
Boletim do porto
ih
P. M.
B M
P. M.
B. M.
Dia
2i de Janeiro
25 de Janeiro
Horas
939 da manb
4- 2 da tarde
10-17 .
446 da manila
Altura
2-.15
0-87
2-,17
U-,83

liOlloeEITectuar-se-ho os seguintes :
- Hoje:
Pelo agente Britto, s 10 1/2 horas, ra vis-
conde de Inhauma n. 48, de predios.
Pelo agente Gusrao, s 11 horas, no arma-
zem do Sr. Aunes, de caixas com ceblas.
Segunda-feira:
Pelo agente Stepple, s H horas, ra do
Imperador n. 39, de um predio.
Pelo agente Pestaa, s 11 oras, roa do
Imperador n. 49t de piano, movis e louga.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra de
Santa Cruz, do resto dos gateros ahi existentes.
Mi*na fnebresSero celebradas:
As 6 horas, na igreja doPenha, pela alma de
Jos Francisco de Camino ; s 8 horas, na ma-
tr da Boa-Vista, pela alma de mbelina Maria
Nunes de Souza.
A's7.bora8, na igreja da tenha, pela alma
dcD. Emilia da Fonseca Alcoforado ; s 8 1(2
horas, na igreja do Tergo, pela alma de Luiz
Antonio da Silveira Tavora Filho: s 8 lloras,
na igreja da Torre, pela alma de D. Severinai
Maria Ramos; s 7 horas, na matriz da Boa-Vis-
ta, pela alma de D. Amelia Brazilina Rabello da
Saludos para o snl no-va-
M:
jarnoiro da Silva, Joo Pinto
,, Joo Gregorio Pessoa Guerra
JoSC L*uria e sua stnhora, Francisco Nunes J-
nior, Eugenio de. Souza Nunes, Dr. Antonio de
Sampaio Pires Ferreira, sua senhora, 1 filho, 1
sobmho e 4 criados. Francisco Mendes da Fon-
seca, Alfredo Ayrc3 Falco, Ozono Alvim, I-
darico F. de Oliveira, Gratulmo P. de Moura Ca-
z E. de Araujo, Joo de Hollanda Cunha Jnior.
Dr Eduardo Silveira, sua senhora e 1 criada,
H. H. Swffitb. Bernardina G. Moreira. Jos Tei-
xeira. Manoel F. de Oliveira Cavaquinho, H. de
Caraargo, Manoel Eduardo, Samuel Vas, Emyg-
dio Medeircs. padre Pedro Cavalcante da Rocha
Dr. Ignacio Bulco, Joaquim da Costa Jnior,
Dr. Jo3 Joaquim Seabra, Libanio J. G. da Silva,
Francisco A. Borgei dos Santos. Manoel Thomaz
da Silva, Manoel Antonio M. Bandeira, Manoel
D. da Silva, Joaquim Pereira da Silva, Joao Pe-
reira da Silva. Manoel P. de Almeida, Carlos F.
do Nascimento, Manoel J. dos Santos Borba, Jo-
s Alves de Souza. C. Antonio Pedro de Azere-
do, 2 pragas de polica, cadete Jos G. de Lima,
Dr. Liberato de Mattos, sua senhora. 1 filho e 1
criada, Cezario Salinas y Pernandes, Agnpina
Fiaiho e 1 criada, Florencio Jos Alves, Fernan-
do P. da Silva, Francisco A. Costa Reg.
Cata de DeteneaoMovimento dos pre-
sos da Cusa de Detejigao do dia ii de Janeiro
de 1889.
PasiiKoln
por brazileiro .41
Antonio Pinto
de Jigueitedo,
Existan! 433 ; entraran) 8; saldrm 6/ ds>
tem 433.
A saber:
Nacionae3 397 ; mulheres 16 ; estrangeiros 29
-Total 433. ^ j
Arragoados 377. ^fc
Bons 332. '^
Louco 1.
Doenles 24.--Total 377.
Movimento da enfermara
Teve baixa :
Marliniano Ferreira Matheus.
Tiveram alta :
Goncalo Jos riaptlsta.
Manoel Tavares dos Sanios.
Salustiano Ferrer aBaslos.
Vicente de Assis Tavares r. \
Jusliulano Flix de Jess.
Antonio Ferreira da Silva.
Jos Maasinbo do Nascimento.
i^oram hontem visitados os preso* deste/eab*
beleoimeuto por 188 pessoas, sendo i lioioeaa
73 c mullieres 113.
Hospital Pedro II O moviraejrto inVste
estabeleeimento de-daridade. no dia 23'dof
reate, foi o seguinte ;
Entraram lf, .",,
Sahiram 13 '
Falleceram 3
Existem 573
Foram visitadas as respeclivas enferatarias
pelos Drs.:
Moscoso s 8 Ii4. Cysneiro s 9 1[2. Barros Sa-
brinho ? 7 1|4. Malaquias s -10: Porrina! B*
9 Ii2, Estevo Cavalcante s 8 l|2horas.
Nao compareceram os Drs.:
?imes Barbosa.
Berardo.
O cirurgio dentista Numa Pompilio nao com'
pai-ecen.
0 pharmaceulico entrou s 81| da rnaaba
sahio s 4 da tarde.
O ajudante do pharmaecutiro entrou s Tl|4
da manh e sahio s 4 horas da tarde.
Lotera do rao Para Eis os prem
da 5.* serie da 28. lotera do Gro-1'ar, ex-
trahida em 23 do Janeiro de 1889 :
2130 60:000*000.
2793 6:000*000
6873 3:0001000
. 277 1:2008001
6544 1:2008000 -
APPaQXlMAQoES
2179 000*000
2181 600*000
2792 300W0O
2794 300*000
6872 180*000
6874 180*000

COHHDNICADOS
i:hivo geral
O Jornal do Recife pnblicou hontem, na eo-
lumua que se inscreve Partido Liberal, a circular
que os directores d'essa poltica na provincia
julgaram dever dirigir ao eleitorad/) do 10.a di*
tricto, apresentaudo o Sr. Dr. Lourengo A. dS
Albuquerque como candidato deputaoSo geral,
na vaga aberta pela chamada doExm. Sr: ebn-
selheiro Francisco de Assis Rosa e Silva aos aao-
selhos da cor*.
Nada teriamos que ver cora essa circular, flor
diz respeito econmica interna d'aquelle pa*
tido, se na imprensa nao fosse ella precedida *
um artigo em quo sao externados conceitos in-
justos e patimaad wutna os norns ministra,
e mais particularmente eontra o digno pernam-
bucano que oceupa n'este momento a pasta da
justiga.
A columna liberal, oceupando se, por exempl.
dy-reorganisago ministerial, avangou as propo-
sigOes de que nao teve essa recomposigo-o lim
de procurar aptides o elementos parlamen-
tares, urna vez que os notos ministros nunca reve-
laran qualidades superiores no parlamento e sao
para o paiz rerdadeiros desconhecios e revelou
apenas o desejo do Sr. presidente do conselb
de guindar ao conselhos da cora amigos subse
vientes, anda que nu'lidades reconheciias na cm
mora das diputados. -
Taes proposigOes. que pera era evidencia ti
baixa poltica do orgo liberal na uialsinaco dos
caracteres, no solapamenlo dos lioraens por me-
lhor fundados que sejam-os seus crditos de inW-
ligencia e lustrago ; taes proposigOes que. em
si mesmas, trazem o cunti da origom de onde
partirara, da obsecago partidaria e do iafreuo
odio em que se ce vara o espirito de invtja e Of
sentimentos degenerados dos que forniutam se-
molhantes conceitos; taes proposig6L,dizeai03.
esto cm diametral oposigo com a verdade do*
{actos, accordemenle reconhecida pela. opinSc
publica, no3 grandes orgos de publjciddde do
Imperio, e em geral por todos quanto, acempa-
nbaodo o laovuuento poltico do paiz, "conhecem
os homens que n'elle tomam parte.
Diser- que os novos ministros nunca-reveUaram
qaaliiaies $uperi$res, too tertadeins exmkeam*.


EstOo premiados com 600*000 os seguintes
num-Ts:
937 1138 6296 6928
Estfio premiados com 300*000 os seguitdw
nmeros :
160 3009 3011 3885 6843
Esto premiados com 120*000 os segaintes
nmeros:
2171 2172 2173 2174 2173 2176
2177 2178 2179
Eslo premiados com 60*000 os seguintes
nmeros:
2791 2792 2794 2793 2796 2797
2798 2799 2800
Es'tfio premiados com 308000 os seguintes
nmeros :
6871 68F2 6874 6873 6876 6887"
6878 .6879 6880
Todos o nmeros terminados em 80 eslo pre-
miados com 60*000, excepto o da sorte grande.
Todos os nmeros terminados era 93 eslo pre-
miados cora 60*0 0, excepto o da sorte immr-
diata.
Todos os nmeros terminados em 73 esto pre-
miados com 30*00(.
Todos os nmeros terminados cm 0 esta*
premiados com 30*000. excepto os terminado
em80.
Todos os nmeros terminados em 3 esto
premiados com 3"*00O, excepto ntlnrifiriloi
em 93.
A seguinte lotera corre no dia 30 de Janeiro
com o plano de 60:010 000.
Luirrla do ram-Pnr -A 6' parte da
25" lotera, desea provincia, cujo premio grande
60:000*000, ser, o xt rbida, qnarta-feira, 30 do
corrente.
Cemlterio PublicoObituario do dia 24
de Jaaeiro de 1889 :
Rafito Coelho do Reg Barros, Pernambuca.
24 annos, solteiro, Boa-Vista: tubrculos puJaWr
nares.
Marcelina Rita da Fonseca, |Pernambuco, 31
annos, solteira, Santo Antonio ; tubrculos r*>
mona res.
Antonia Maria da Conceigo, Pornambuco, 33
annos, casada, Boa-Vista: tubrculos pulmo-
nares.
Antonio Pinto Ponna, Portugal. 50 anno, sol-
teiro. Boa-Vista; anazarca.
Quinliliano Gongalves Pereira, Portugal^an-
nos, casado, Boa-Vista : insufficieiicia mitral.
Marcelino Jos de Carvatho frica. 84 anuos,
solteiro, Graca; insuficiencia mitral.
Lucas da Costa, frica, 73 annos, S. Jos; he-
patite chronica.
Antonio Pereira Bananeira, Parahyba, 40 am
nos, casado, Graga; encephalite chronica.
Candido Francisco Simos. Pornambuco, 60
annos. casado, Recife : hemorrhagia cerebral, i
Jos, Pernambuco, 3 mezes, Santo Antonio;
convulsoes.
H-iUamtdoNinminnnto ten, PeiflamlHicof 31
annos. casada. Boa-Vista; cancrojiterino.
Manoel, Pornambuco, Saato Autouio; asphy-
xia *
Jesuino Piulo de Miranda, Pernambuce, 98 an-
nos, solteiro, Boa-Vista: pneumsnia.
aaaa^fg

-^

i
I
' '-..
.-1
r
-




Diario de PernambucoSabbado 26 de Janeiro de 1889
f
H
te
e nao passam ntdlidadet reconMecidas a cmara dos deputados,
, com elfcitu, alem de urna atroz injustica, um
graade dislate, um enorme disparate, que so re-
4H ou urna inconscieucia monumental, ou una
purversidae sem limites.
Tanto o baro de Guahy, como o Dr. Rosa e
Silva sao bomens geralmente conhecidos, e tm
nos annaes do parlamento as provas provadas do
sea merecimento intellectual, em discursos pro-
feridos sobre assumptos diversos, em questes
momentosas levadas ao dbale na cmara dos de-
putados.
Ambos primara pela nobreza e altivez de ca-
rcter ; ambos sempre se distinguiram pelos seos
elevados sentimentos patriticos ; ambos silo bo-
mens de honradez immaculada, de alevantado
espirito, de intelligencia cultivada.
Que outras qualidades superiores podem ser
exigidas dos horaens para que sejam chamados
as posicoes eminentes da poltica ? Que outros
dotes podem ser reclamados dos membros do
parlamento para serem elevados aos couselhos da
corda?
D, entretanto, o orgo liberal que abrindo
a r^organisacao ministerial a vaga no 10.* dis
tricto elcitoral, o partido liberal teni o de ver de
empenhar os necessarios esforgos para nao s
derrotar o ministerio na pessoa de um de seus
membros, como para castigar a pretensao filau
ciosa de quem, nao tendo aptidoes, Uve o desem-
barago de aceitar um elevado posto nos conselhos da
coro.
Eis ahi : o conselbeiro Rosa e Silva, nao tendo
aptidSet, tete o desembarazo de aceitar um elevado
posto nos conselhos da corea I
Como, porm, faz o orgao liberal a prova da
falta de aptidoes do conselbeiro Rosa e Silva para
o elevado posto de ministro i Somonte pela sua
afirmativa, pela sua apaixonada palavra, pelo
seu biso juizo dos homens e das cousas, pelo
transviado criterio com que julga dos factos.
O conselbeiro Rosa e Silva, como estudante,
deu as melhorcs copias de si, do seu talento,
conquistando renome na Faculdade de Direito,
cajos ttulos scientiflcos obteve todos, sem favor,
com estricta justica Como jornalista, o Tempo e
o Diario de Pernambuco, cujas columnas frequen-
emente honrava, do te.-temunho dos seus meri-
os de escriptor distincto, de batalhador infatiga-
vel em pro da boa doutrina, de pugnador eme-
rito pelas liberdades e garantas constitucionaes.
Eleito em varias legislaturas membro da As-
sembla Provincial, all deu os maiores exem-
plos de patriotismo, collaborando em todas as
leis de reconbecida utilidade publica, e pondo
sempre a sua palavra, fcil e eloquente, ao servi-
(0 de sua provincia natal e do seu paiz
Levado ao parlamento, ahi confirmou plena-
mente as esperancas que em torno de seu nonie
se agruparam, despertadas pelos honrosos ante-
cedentes na imprensa e na Assembla Provin-
cial- Orador fecundo, que sabe dominar o
seu auditorio, sua voz foi sempre ouvida com
respeitosas deferencias por parte dos seus colle-
gas, em cada um dos quaes tein um amigo-
Tal a indi vid ualidade em quem o orgao li-
beral tem a estulta pretencao de castigar o filau-
cuno desembarazo de ter entrado para o ministe-
rio' !
Santa siplicidade, onde te fostes aninhar ?!
E o partido liberal de Pernambuco, que j
teve rcrdadeiras nullidades no ministerio, que
conta verdadtiras nullidades no Senado a esprei ta
de Berem ministros; e o partido liberal, deri-
gido por um chefe ao qual faltam todas as apti-
does, que ousa malsinar um pernambucano lllus-
tre, digno todos os respeilos da estima publi-
ca, pretendendo castigar a sua /Honda por faeer
parte dos conselhos da corda I
E no, entanto, quem aprsenla o partido libe-
ral para competir com o illustrc cooselheiro Rosa
e Silva ? O Dr. Lourenco de S, de quem apenas
ge sabe que um homem atrabiliario e violento,
que leva o seu partidarismo aos ltimos exage-
ras, que por amor de seu partido capaz de todas
as emprezas, trucidando o direito, e violentando
a justica.
Quaes sao os mritos apregoados pelo orgao
liberal em relaco ao Sr. Dr. Lourenco de Sa ?
Conhecidonns luctas polticas da provincia e
nos debates, da nossa Assembla Provincial, onde
tem revellado altos dotes intelectuaes, e dedicado
ao partido liberal disse acoiumna do Jornal do
Recife.
Disse-o, porera nao o provou- Mas, ao envez
dessa afirmativa, os odios do paco da Assem-
bla e os annaes do parlamento local nao for-
necem senao provas negativas, e a imprensa nada
revela que ponha em 'elevo os decantados m-
ritos .
S3o assim, porm, as praticas liberaes. Aos
adversarios aegam pao e agua, luz e calor; de-
turpam-lhes os caracteres, malsinam-lhes as vir-
tudes, deprimem-lhes dos merocimentos intellec-
tuaes, emfim, julgam-a'os uns monstros. Aos
amigos, aos correligionarios tudo dao, o possi-
vel e t o impossivel; exalcam-lhes os caracte-
res, sublimam-lhes as virtudes, soergem-lhes os
mritos do intelecto, emfim julgam-n'os uns
anjos.
E, crentes de que o publico, que os ouve e os
l, se compoe de triste* beocios, pensam que sao
applaudidos nos seus conceitos, auxiliados as
suas praticas, vencedores nos seus pleitos.
Santa simplicidade!
-Nao, nao crea em tanto a columna liberal. A
opiniao est feit respeito dessas praticas; e
no 10* districto eleitoral, como em geral em toda
a provincia de Pernambuco, sao bem conhecidas
as manchas, os defeitos, os vicios do partido li-
beral.
O conselheiro Rosa c Silva, perfeilamente co-
nhecido n'aquelle districto. como em todo o
paiz, ha-de triumphar no pleito que se vai alli
ferir no dia 4 de Margo prximo; e ser essa a
raelhor resposta a laueiosa pretcnc&o, ao louco
dislate do orgao liberal querendo castigar aquel -
le Ilustre pernambucano.
Xas quoque geni sumas......
Salisbory
25 de Janeiro de 1889.
polica
Nao ficaram impunes 03 guardas civicos so-
bre os quaes fallou A Provincia de hontem. O
Sr. capitao Reg Lima no dia seguinte ao do
commettimento do crime, fez recoUier os delin-
quentes ao xadrez da i1 estacao de onde sahi-
ram para serem eliminados.
Nao pode ser increpado de mo serventuano,
aquelle que, como o Sr. capitao Reg Lima, tem
sido incansavel e o nico que tal vez tenha procu-
rado collocar a guarda cvica no verdadeiro p
rm que se deve maater para a garanta da socie-
dade.
A administrac&o do Sr. capitao Reg Luna,
tem sido a mais recta e mais sujeita ao rgimen
da ordem e da disciplina.
orno do Cam-
po Grande
O Sr. Manhonca mandou preparar oi-
tenta quadros de bonitas caricaturas e di-
tos chistosos para ornar as columnas do
Hippodromo do Campo Grande, para os
tres bailes carnavalescos que elle vai dar
nos das 3, 4 e 5 de Marco prximo.
Hippodromo do Cam-
po Grande
Consta-nos que se preparam algumas
sociedades carnavalescos de gente da nos-
sa primeira aociedade, para se apresenta-
rem nos bailes carnavalescas que o Sr.
Manhonca est preparando no Hippodro-
mo do Campo Grande. Deve ser urna das
primeiras festas deste genero.
Parabens ao Sr. Manhonca.
Baadeira e nuveaas de .\'ssa
eohora do Livranalo na po-
voaco da Vanea.
A's 7 horas da noite do dia 3i de Janeiro, ser
hasteadaa baadeira da Excelsa Virgeui do Livra-
inenio da Varzea, com toda a pompa e brilhan
tisnio, tocando n'essa occasio a phiiarmonica 17
de Jullio. As novenas da festacomecarao no dia
de Fevereiro.
Em tempo ser annunciado o programma da
festa.
COIIERCIO
Revista do Mercado
Recife, 25 de Jaxeibo de 1889.
O moviinento foi pequeo, limitando se a pou-
cas transaccOes no mercado de cambios e ven-
da de um lote de algodao.
Cntela
Os bancos mantiveram ainda no balcao a taxa
de 27 i/3 d., offerecendo saccar a 37 9/16 e at
27 5/8, sem attrahirem dinheiro.
Huve transaeces em papel particular a 27
M/16e37 3/4.
O mercado fechou firmissimo
No Rio houve negocio a 27 3/8 bancario, sendo
a Uxa oficial 27 9/16.
As taxas dos Bancos de Inglaterra e de Franca
baixaram para 3 1/3 /
r
>
o
e
TABELLAS AFFIXADA8
3
5'
o

[
2

3?
i

3?
5
c
%
ITT
^ Ni
8
a

?
Go-
Hippodromo do Campo Grande
PARA A ELEICO DE 4 DE FEVEREIRO.
Presidente-Dr. Ricardo de Menezes.
Secretorio-Dr. Francisco de Paula Correia de
Araujo.
Tliesourciro-Capitao Joaquim Innocencio
mes.
Mvitos que querem.
mmmmm^mmmmmmmimmmmi^mmmmmamm
Bolsa
OTAfUES OFFICIAES DA JCMTA DOE COK-
RECTORES
Recife, 23 ds Janeiro de 1889
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 27 9/16 d. por
14, do banco.
I'ito sobre dito, a visto 27 3/16 d. por 14, do
banco.
Cambio sobre Lisboa, 90 d/v. 94 0/0 de premio,
do banco.
O presidente,
Candido G. Alcoforado.
O secretario,
, Eduardo Dubeux
Algodao
Foi cotodo o de 1* sorte do sertao a 04100
exportaco, feita pela alfandega neste mez
o da 23, subi a 2.138.333 kilos, sendo----
2.089.118 para o exterior e 49.419 para o inte-
rior.
A
t
Cpllegio diocesano
Este collegio abrir-se-ha no Io de Fevereiro
prximo, segundo o art. 3* do seu regulamento.
Olinda, 33 de Janeiro de 1889.
C Fabncio, director.
--------------?--------------
- *,
A mclhor e mais perfeita de todas as mheci-
das at agora a Emulso de Lanman & Kcmp :
e por conseguinte a mais segura e rpida nos
seus effeitos em todo ocaso de afleccao da gar-
ganta, tsica, e demais ncommodos pulmonares
ou poitorae?.
Sabidas e conhecidas sao em todas as parles
as virtudes de urna boa Emulso de Oleo deFi-
ado de Racalho, e no prsenle cas, s temos a
izer que, tonto a absoluta excellencia des ele-
mentos empregados, como o esmero e correcgo
scientifica de sua preparacAo, fazem da Emulso
de Oleo de Figado de fiacalho com Hypophos-
phitos de Cal, Soda e Potossa que leva o nome e
marca industrial de Lanman & Kemp. a mais
perfeita, eficaz e agradavel das que existem no
mercado.
Exigir aMarca Industrial como garanta
de legitimidade.
-------------?
Elixir depura-
tivo vegetal.
Formula de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
fiene Publica do Rio de Janeiro em 20
e Julho de 1887.
Este depurativo de grande eficacia as mo-
lestias syphiliticas e impureza do sangue ; assim
como em todas as molestias das sennoras.
Tem curado radicalmente umitas pessoas ac
comniettidas da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
Os adultos tomarao qu'itro colheres das de
sopa pela manha e quatro 4 noite. As criancas
de 1 a 5 annos tomaro urna colher pela manh
c outra i noite, e os de 3 a 11 annos tomaro
duas colheres pela manh e duas noite. De-
vero tomar banhos fro ou momo pela manh e
a noite. flesguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva 4 O, ra do Mrquez de
Olinda n. 33 e pharmacia Oriental ra Estra-
to do Rosario n. 3.
O autor deste preparado pode ser procurado
na ra do Baro da victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicaco
que for precisa.
Attencao
r.SIItm. Cumprindo um dever de gratido
venho por meio (Testo pedir a V. S. para que se
digne mandar publicar este raeu esenpto.
A alegra que experimento n'esta occasio
pelo feliz res-litado, que olilive com o afamado
Elixir Depurativo, preparado pelo Sr. Angelino
Jos dos Santos Andrade, immensa, e faz-me
erer que as virtudes d'este milagroso remedio
sem igual, e um verdadeiro restaurador da saude
humana, como vou relator:
Ha cerca de 8 mezes pouco mais ou menos,
proveniente de molestias recolhidas, fui seria-
mente accommettido de dous horriveis males
Principiei a sentir grandes dores rheumalicas
a^mpanhada de urna tosse secca, fri, febre e
dor de cabega, que bastante me incoinmoilava ;
recorr ento diversos mdicos, uns diziaro
isso nao nada, outros porm me diziam, a sua
molestia bastante grave, mas todos eram de
accowlo que eu uzasso do Xarope Gilwrt, eu
Ibes responda : muito obrigado Sis. doutores.
nao tomo, porque nao quero arrestar com as
suas consecuencias, uzei cntao da Salsa Caroba
e cabacinho, da qual tomei 30 frascos, mas re-
conheceudo cu ser impotente para vencer a or-
gem do mal, accrescendo mais, que estando En-
trevado no leito da dr entre a descrenca de me-
lboras e o soffrimeuto continuo, principiei a
sentir um corpo extranho no pulmap esquerdo
do qual me sahiam dores agmlissiott* qne. mal
podia respirar; quando eu calcava com amao
sobre a parte superior do coraeo sentia a es
pecie de um boleo ou tumor mover-se e roncar,
phenomeno este que nio sei como quallificar.
Nesse terrivel estado, sem esperanca de vida,
foi um amigo o Sr. Jos Luiz Goncalves bordo
do vapor Jaguaribe, aonde son dispenseiro, vi-
sitar-me, e vendo o meu estado lembrou-me o
seu preparado, incutio-me una pequea espe-
ranca, sem puna de lempo maudei-o buscar. 0
effeito benelico nao se fez esperar, provocan-
do-mc um grande abalo que estive para o aban-
donar, mas lembrei-me que cstava a bordo em
viagem para o norte e nao tinha outro recurso.
felizmente fui inspirado e continuei a uzar.
No terceiro dia a tarde estando um pouco ve-
xado no convez tossi c botei una golfada de puz
(materia), com alguna minutos botei outra, em
Ubi na terceira olfada veio puz misturado com
sangue com qne alliviei consideravelmeute.
Incontinente tomei a sexta dose e ao cahir den-
tro ardeu-me muito o lugar, mas foi a minha
salvaco porque cicatriiou a parte offendida.
Amaneo ao Sr. Andrade que este meu trata-
mento urna verdadeira maravilha, pois que em
menos de oitodiasliquei livre de todos os meus
soffrimentos.
Hoje que cont o lim da terceira garrafa acho-
ine forte e apto para tudo.
Aproveito pois a occasio para por a disposi-
efio de V. S. os meus diminutos prestimos.
De V. S. amigo e obrigado.
Recife, 16 de Agosto de 1887.Manoel J. Aran-
tes.
N. 33
Illm. Sr Angelino Jos dos Santos Andrade.
Tendo soffrido porespaco de dous annos de in-
flummaco nos intestinos depois de ter usado de
diversos remedios sem resultado algum, me
aconselharain que usasse do seu E/rir Purifi-
cador do Sangue com tanta felicidade que com
duas garrafas me julgo salvo de to horrivel
soffrimen to
A' vista do prodigio que obtive com o seu pre-
parado fui ao Recife comprar mais duas garra-
as para applicar d urna senhora que o seu es-
tado era bastante grave, porque soffria de urna
horrivel erupeo na pelle e tendo esgotodo a
medicina sem resultado. Usando do seu Elixir
em pouco tempo obtive grande resultado que foi
para mim um verdadeiro assombro, mas acaban
do-se e precisando de continuar com seu trata-
niento, nao podendo ir ao Recife, mandei um
portador buscar mais outra garrafa, mas o que
aconteceu ao portador em lugar de ir buscar a
dita garrafa na sua casa, engaado, foi em ou-
tra e venderam-lhe o remedio falso, pois a docnte
engaada foi usar d'lle, transtornou-lhe todo o
tratameno a ponto de icar indiada ; de lasti-
mar que baja homens de rn ndole, que por
meio da fraude prejudi mem assim a saude do seu
prximo.
l'oiler fazer o uso que convier d'este meu
escripto que s conten a pura verdade.
tfEnuenho Matapiruma, 37 de Novembro de
1883.Jovimano Cordeiro Lint.
Como testeinunlia, Jos Franciseo Xavier da
Silva.
N'~36
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Audrade.
Faltara a um sagrado devr se deixasse de
llie commuuicar una grande e millagrosa cura
operada em mim, abaixo de Deus, pelo seu po-
deroso Elixir Purificador do Sangue, como vou
relatar.
Ha nove mezes, mais ou menos, appareceu-
mc urna berruga sobre a face direila que bas-
tante me iucommodava desejando linar bom de
meu soffriiuento sujeitei-me a ser operado pelos
Ilustres e princlpaes mdicos d'esta cidadu
dos quaes tive a infelicidade de ouvir que nao
me garantiam a vida e declararam ser um
kisto supurento ; dia para dia me lavrava o rosto
e tomndome o olho, sujeitei-mc a outros trata-
ii ir utos sem obler d'elles o menor lenitivo, aos
meus soffrimentos; um amigo, em boa hora.
lembrou-ine q seu preparado; sem perda de
lempo principiei a salo, o effeito benelico nao
se fez esperar, porque cora sete garrafas julgo-
me salvo de too horrivel e perigoso soffrimento:
para que a humnnidade possa osar de to be-
nfico remedio, faro a presente declaracq e au-
toriso-o a fazer d'esta o uso que llie convier.
De Vmc. criado e obrigado.
Recife, 13 de Dezembro de 1888. -Joao Au-
gusto Costa.
Estovara seladus ereconhecidas as lirmas.
Contina.
--------------ig'oeseig--------------- ,
Collegio de Santa Lucia
Continuara afunccionar as aulas deste concei-
tuado collegio, sito ra Viscondc de Inhauma
(antiga do Raugel) n. 25, 2 andar, j to van-
taiosaraente condecido, onde se i esmerada
educaco, propria ilo sexo feminino.
Pulo seu programma silo admitidas alumnas
pensionistas, raeio-pcncionistas c externas, pelo
que tem um corpo docente bastante habilitado e
o predio adiase em boas condicoes tanto du by.
gienc, como de acommodaces.
As munsalidades sao razoaveis e pagas adian-
tailas.
Lyco Triadelphico
34-RA DO HOSPICIO-54
A directora d'este estabelecimento de educafo
communica aos paes de suas alumnas que as au-
tos comecaram a funecionar desde o da 15 do
andante.
Continua a receber alumnas internas, semi-iu-
ternas e externas, garantindo que empregar os
me8mo? esforcos pelo aproveitamento e bem es-
tar de suas alumnas.
Redfe, 20 de Janeiro de 1889.
A directora,
Francisca Teixeira de Mello.
EDITAES
AVISO
O Dr. Rawlinson, cirur-
giao dentista, avisa aos seus
clientes que mudou o seu con-
sultorio para a ra do Barao
da Victoria n. 18, 1* andar.
-------------_*_------------
Cura importante
Ao Exm. Sr. Dr. Curio* Bettencourt
O abaixo assignado sorrendo de um
estreitamento da urethra ha mais de seis
annos, foi operado pelo Sr. Dr. Betten-
court pela electrolyse, sem dr, e, gracas
sua habilidade e manejos delicados,
conseguio ficar bom e radicalmente cura-
do em poucos das, andando sempre a
tratar de sens negocios, pois que o Sr.
Dr. Bettencourt opera sem levar o docnte
cama.
Pede desculpa ao Sr. Dr. Bettencourt
se com esta sua publcaoslo oliendo a sua
modestia.
Gonzalo leixeira GitiiiiarSes.
Oculista
' Dr. J. Correia de Bittencourt, oculista
resiliente na corte, ex-chefe de clnica
ophthalmologica dos Drs. Wecher e Pa-
nas em Pars e do professor Hirschberg
em Berlim, tendo regressado de sua ex-
curso s provincias do norte, demora-se
alguna mezes nesta capital no exercicio de
sua especialidade.
Consistorio e residencia ma dp Barao
da Victoria n. 23 Io andar. Entrada pela
Camboa do Carmo.
Consultas das 12 s 3 da tarde. Gratis
aos pobres.
---------------------------^---------------------------
Advogado
O bacliarel Jaronvmo Materno Pcrcira de Car-
valbo mudou seu escriptorio do n. 3o para o n.
85 a ra Duque de Caxias entrada pelo becco d
Congrcgaco.
--------------.*.-------------
Inglez e francez
Cursos das 7 s 8 horas da manha e das
s 6 la tarde: ra da Aurora n. 37,
2. andar.
Antonio Flix Pereira, colletor das rendas ge-
raes de Palmares, em virtude da le, etc.
Faco saber aos que o presente edilsl virem e
delle noticia tiverem, que segundo o disposto
no art. 29 do regulameoto a que se refere o de-
creto o. 9870 de 22 de Fevereiro de 1888, a co-
branza do imposto de industrias e prolissoes
ser reallsada no mez de Fevereiro de cada
anno, se o imposto nao exceder de 30^000, e em
duas prestaijocs iguaes nos meara de Fevereiro
e Agosto, se exceder aquella quantia.
Que os contribuintes que nao pagarem o im-
posto nos prazos cima, ncorrero na multa de
10 0/0, a qual ser elevada a 13 0/0, se o deve-
dor nJo realisar o pagamento atf 20 de Junho
do semestre addirional do respectivo exercicio.
E para que chegue ao conhecimento de todos
mandei lavrar o presente, que ser aflixado nos
lugares mais pblicos, e vai por mim assignado.
Collecioria de Palmares, 20 de Janeiro de 1889.
O collector,
Antonio Flix Pereira.
3* seccao.Secretaria da i residencia
de Pernambuco, em 7 de Janeiro de 1889.
Fao publico, de ordem do Exm. Sr.
Dr. presidente da provincia, que se acha
aberta a concurrencia para ot emprestimo
extemo de 8,6OO:0O0(> (oitd mil e *eis-
centos contos de ris), autorisado pela lei
provincial n. 1,927 de 15 de Novcmbro
tindo, com o praso de quarenta e cinco
das, a contar da data da primeira publi-
ca^-ao do presente, para o recebnento
das respectivas propostas, que serao apre-
sentadas nesta secretaria, cm cartas fecha-
das.
Estas serao abortas pelo mesmo Exm.
Sr s 12 horas do dia, em que expirar o
praso fixado, com os proponentes presentes
Nos termos da referida lei, o emprestimo
sera de quantia que produsa apredita impor-
tancia de 8,600:0000 (oito mil e seiscen-
tos contos de ris) liquida, a ser applicada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apolices de juros annuaes de 7 oj0
(sete por cento), com excepcSo daquellas
que tcuham sido emittidas por empresti-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agrcola ou industrial, bem como
para liqnidacae dos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888.
A taxa da eniissao nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de commisso
e o juro n3o exceder de 5 r0 (cinco por
cento) alm da quota de amortisacSo, que
nao ser superior a 1 0i (um por cento),
sendo esta e aquelle safisfeitos semestral-
mente.
O secretario interino, Manoel Joaquim
Sveira.
Amor Divino
Collegio
Ma da Imperalrii n. 3*
As aulas deste estabelecimento dedicado a
insiiucgo das criancas do sexo masculino abrir-
se-bao no dia 7 do ebrrente.
A directora,
Olympui Afi-a de Mendonga.
Vapores.....
Ammaes.....
Via-ferrea de Cmaro.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
10.690
12.904
80.940
30.036
223.138 Saceos
As entradas verificadas at a dato de hoje so
nem a 19.451 saccas, sendo por:
Barccas.....
Vapores ..
4mmaes m
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via frrea de Limoeiro
I.436 Saccas
1.277
3898 '
589 .
777 .
9.478

f5
S5

S a
i
1
8 S S

i I i i -3
85
8.
t f r? V
-* so K Jr
i
Somma.
19.431 Saccas
O brigue portuguez C^icilda, carregado por
Lo\o & Filho, levou Assucar
Os precos pagos ao agrie -.Itor, por 13 kilos, se-
cundo a Associaco Commercial Agrcola, (orara
os segumtes:
Broncos .
Someno
Mascavado purgado
bruto.
Rtame .
5*
5
-.
Colonia Isabel:
Bronco 1*
. 2" .
3*
Someno
Mascavado
Usina Pinto:
Branco 1"
. .
Someno .
Mascavado .
2^200 a 24800
1700 a 14800
14300 a 14400
14140 a 14240
4900 a 14000
24700
24400
24000
14800
14400
Pelo vapor ingles Thales, foram remettidos
3.925 saceos com assucar mascavado paro Li
verpool.
O lugar portuguez Temerario,le vou para
o Rio Grande do Sul, 1500 barricas e 2.883 sac-
eos com assucar branco e 50 barricas e 363 sac-
eos com dito mascavado.
O brigue portuguez Calcida, carregado
por Loyo 4 Filho, levou para o Porto 2.523 ditos
com assucar branco e 300 ditos com dito masca-
vado.
Pelo vapor nacional Jacuhype,, foram re-
mettidos 190 saceos com assucar branco para o
Cear.
Foram remettidos para Porto-Alegre, por
intermedio do lugar nacional Giurany, carre-
gado por Amorim Irmos 4 C, 1.523 saceos e
225 barricas com assucar branco e 593 saceos e
75 barricas com dito mascavado.
Collegio de Nossa Seohora da
Tenha
Ra da Aurora n. 39
As aulas deste collegio se abrirao a 7
de Janeiro e sao do : primeiras lettras,
portuguez, francez, inglez,geographia, mu-
sica, piano,1* desenho, bordados de varias
especies, flores, etc.
A directora,
Augusta Carneiro.
24400
24300
14700
13U
A exportacao, feita pea alfandega, neste mez
i da 23, attingio a II.261.184 kilos, sendo
8.436.554 para o exterior e 5.824.630 para o
interior.
As entradas verificadas at a data de hoje so-
bem a 225.138 saccas, suido por :
Bareacas, .... 9.^ Saceos
Cauros
Ultimas vendas dos salgados a 283 reis.
O lugar portuguez Cacilda, levou para o
Porto 69 couros salgados.
Agurdente
Cota-se a 704000, nominal, por pipa de 480
litros.
Pelo lugar portuguez Temerario, foram re-
mettidas 120 pipas paro o Rio Grande do Sul.
Aleool
Mantem-se a cotaco de 1254000 por pipa de
480 litros.
i
Colase a 504000 por pipa de 480 litros.
Pauta da alfandega
semana i 21 a 26 de jAinuo Da 1889
Vide o Diario de 20 di Janeiro
.Vavlos earga
Lugar americano Arthur C. Wade, para Estallos-
Luidos.
Patacho ingle Peggie, para Mentevido.
Vapor iuglez Carene, para Liverpool.
Xavios descarga
Barca portuguesa Novo Siieuo, varios gneros
Barca norueguenie Frida, carvo.
Barca norueguense Frilhyof, carvao.
Barea noruaguense Professor, madeira e breu.
Barca ingleza Helen Izabel, bacalho
Barca americana J. F. Rottman, carvao.
Barca inglesa Sabrma, farello.
Barca portugueza Tentadora, kerosene.
Barca norueguense CHer, carvio.
Brigue diuamarquez Cathanna, vacos gneros.
Brigue sueco Pepita, carvao.
Brigue norueguense Bertha, carvao.
Lugar nacional Marinlto Vil, carvao.
Patacho sueco Amor, varios gneros.
lavportaeSo
Patacho nacional Andaluza, entrado da Babia
em 24 do corrente e consignado a Amorim Ir-
mos 4 C, inaiiift'stou :
Azeite de palma 10 barris.
Barricas vasias 1 ,:160.
Barris vazios 306.
Per em salmoura 186 barris.
Pipas vazias 10.
Sebo 200 barricas ordem.
Collegio de S. Miguel
Ra do vi.so onde de Camaragi-
be u. &3
Aos respeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de nstruccab para o sexo feminino,
nue abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
A inesma promette aos paes que lhe
confiarem suas fjlhas esforcar-se por lhes
dar nina edncaeao primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do 1 de Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde s 7 da
noite.
A directora,
Emilia A. de Mendonqa
-----------u.-------------
Curso primario e preparato-
rio
ttuu I.nric *o Rosario u. 11, Io an
dar
Esto abertas as aulas deste curso desde o dia 8
do corrente mes.
0 director,
Camerino Sobrinho,
DECLARACOES
Bxportaco
RBCIKI, 24 Di JAIMRO DE 1889
Para o exterior
No vapor inglez hayswater, carregou
Para Liverpool, J. H. Boxwell 7,225 soceos
com 541,875 kilos de assucar mascavado.
No vapor inglez Curene, carregaram :
P?ra Liverpool, P. Carneiro k C. 900 saceos
com 67,500 kilos de assuear mascavado; A. Cas-
do & C. 400 suecos com 28,000 kilos de assucar
mascavado ; R. Lima & C. 273 saccas com 23,533
kilos de algodao.
Para New-York, F. Cascao A Filho 107 saceos
cora 7,490 kilos de assucar mascavado.
Para o mtehor
No patacho dinamarqus Thor, carregou :
Para Uruguayana, A. Guimaraes 10 pipas com
4,800 litros de agurdente.
No patacho sueco Amor, earregaram :
Para Pelotas, Amorim Irmaos C. 375 volu-
ntes cora 36,003 kilos de assucar branco e 25
barricas com 2,8">8 ditos de dito mascavado ;
Maia & Rezende 300 barricas com 28,000 kilos
de assucar branco e 50 ditas com 5,250 ditos de
dito mascavado.
No vapor austraco Szecheny, earregaram :
Para Bio de Janeiro, H. Burle & C. 700 saccas
com 33,981 kilos de algodao.
No vapor nacional Alagos, carregaram :
Para Rio de Janeiro, P. Carneiro & C. 930
saceos com 57,600 kilos de assucar branco e 500
ditos com 30,00;) ditos de dito mascavado ; J.
Borges 400 saceos com 24,(KK> kilos de assucar
branco e 600 ditos com 36,000 ditos de dito mas
cavado ; amorim Irmos & C. 2 500 saceos com
158,400 kilos de assucar branco.
Para Victoria, P. Carneiro &C. 100 saceos cora
7,300 kilos de assucar branco.
Para Rio de Janeiro, ', L. de Barros 6,C00
cocos, fructa.
No vapor nacional P. do Grao Par, carre-
garam :
Para Bahia, F. Cascao d Filho 28 barns com
4,480 litros de mel; F. M. Moura 180 barri3 com
7,200 litros de mel > F. Duarte de zevedo 36
saceos com 2 283 kilos de cera de carnauba.
No hiate nacional Deus te Guie, carrega-
ram :
Pira CamosSHH, Fernandes & Irmao 2,600
saceos com farfnha de mandioca.
No vapor nacional Jacahype, earregaram :
Para Cear, Maia & Rezende 150 saceos com
11,250 kilos de assucar branco.
No hiate nacional Xeptuno, carregaram : '
Para Aracaty. J. L. dos Reis Ferreira 340
saceos com farfulla de mandioca e 22 ditos com
1,320 kilos de feijao; P. Pinto & C. 8 barris com
700 litros de mel.
Dinheiro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Alagoas, para :
Macei 61.5004 00
Rio de Janeiro 11.1074690
RendJmeutos pblicos
MEZ DB JJlfCIBO
Alfandega
Renda geral:
Do dia 2 a 24 785:4304389
dem de 25 27:4724750
Sociedade Uniao e Lettras
A convite do Sr. presidente desta sociedade
convda-se aos Srs. socios a reunirera-se hoje
as II horas do dia praga do Conde d'Eu n.
10, aflni de tratarse de assumptos da maior im-
portancia.
O secretario interino,
Francisco de Albuquerque.
Sociedade Italiana de Bene-
ficencia
Assembla geral extraordinaria
Sao convidados todos os socios a se reunirn
domingo,"527 do torrente, na sua sede.
O secretario,
Francisco Petrocelli
Derby Club
Estrada de ferro do Caxang
Trens extraordinarios no dia 27
Ida-10.30, 11.5, 11.30, 12.5.
Volta4.0, 4.45, 5.10, 3.45, 6.20.
II. Fletcher, gerente interino.
Instituto Beueliceote dos Ofllciaes
da Guarda \acional
De ordem do Illm. Sr. presidente da assembla
geral, convido aos senhores socios a comparece-
rem no dia 27 do corrente, s 10 horas do dia,
em nossa sede, paro trotar-se de assumptos re-
ferentes i, sociedade.
Secretariado Instituto, 24 de Janeiro de 1889.
O i secretario,
Gaspar Antonio dos Reis.
18 ditos de suinos a 700 ris
9 ditos de fressuras a 600 ris
7 tullios a 24
A Oliveira Castro & C.:
54 talbos a 14
Rcndiento do da 1 a 23 do cor-
rente
12J600
54400
144000
544000
1774980
4:4814620
Renda provincial : >
Do dia 2 a 24 124:5864943
dem de 25 4:2414043
Homnia total
seccjt da Alfandega,
812:9034339
128:8274988
941:7314327
25 ne Janeiro
Segunda
de 1889.
O thesoureiro' lerendo Domingues.
O chefe da secciaCicere B. de Mello.
Ilecebedorla (eral
Do dia 2 a 24 23:1664752
dem de 25 9424945
IH
Poi arrecadado liquido at hoje 4:6594600
Precos de dia:
Carne verde de 280 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis idem.
Suinos de 500 a 640 reis idem.
Farinha de 400 a 480 reis a cuia.
Milho de 320 a 400 reis idem.
W^Se de 900 a 1420idem.
Xatadonro publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 56 rezes.
Sendo : 40 pertencentes a Olivoira Castro**
C, e 16 pertencentes a diversos marchantes.
24:1094697
Reeebedorla proviaelal
Oo dia 2 a 24 85:2824936
dem de 25 6614929
83:9444865
Reeie Dralaage
Do dia 2 a 24 6:4644804
dem de 25 6904605
Vapores a entrar
MEZ DE JANEIRO
Sul........... Mandos...........
Europa...... Vale de S.Nicolao..
Sul........... Cotopaxt.........
Europa....... Curyka..........
Europa........Uroto............
Sul........... Finante...........
27
27
28
30
30
31
7:1554409
Mercada Municipal de ". Jote
O movimento deste mercado no dia 23 de Ja-
neiro foi o seguinte:
Entraram :
24 bois pesando 5,049 kilos sendo de Ob-
ra Castro 4 C, 20 e 8 de particu-
lares :
329 kilos de peixe a 20 ris 64380
40 cargas de farinha a 200 ris 84000
2 ditas ae fructas diversas a 300
ris 4600
10 laboleiros a 200 ris 24000
16 suinos a 200 ris :s00
13 matulos cora legumes a 200 ris 24600
Foram oceupados:
261/2 columnas a 600 ris 134900
1 escriptorio a 300 ris 300
M compartimentos de farinha a 500
ris 124500
23 ditos de comidas a 500 ris 114500
72 ditos de legumes a 400 ris 284800
Vapores a sabir
HEZ DE JAXKIRO
Bahia e esc .. P. do Grao Par... 27 as 2 h.
Liverpool Cotopaxi.......... 28 as 12 h.
Santos e esc Ville de S. Nicolao.. 28 as 4 b.
Norte... .v.... Mandos........... 28 as 5 h.
Buenos-Ayres. Atrato............ 30 as 3 h.
tIovIuicuo do porto
Navios entrados no dia 2o
Port Eiizabeth 34 dias, barca norueguense Bi-
land. de 488 toneladas, capitao P. A. Carlsen,
equipagem 12, em lastro ; a H. Lundgren
& C.
Tamandar e Rio Foraiozot horas, vapor na-
cional Jaguaribe, de 429 toneladas, comman-
danle Alfredo Monteiro, equipagem 30, em las-
tro ; a Companhia Pernarabucana
Santos e escafa8 dias, vapor austraco Orion,
de 1833 toneladas, commandante B. Vidos,
equipagem 62, carga vario* gneros; a Henry
Forster & C.
Babia14 (lias, Jugar nacional Marinho 7.', de
235 toneladas, apittto Augusto Francisco da
Cui.ha, equipagem 10, carga carvao de pet'ra; a
Loyo & Filhos.
Sonidos no mesmo dia
Macei Vapor inglez fayswater, commandante
D. Taylor; carga assucar.
Rio de Janeiro o escalaVapor brazileiro Ala-
gos, commandante Joao Mara Pessa; carga
varios gneros.
Trieste e escalaVapor austraco Orion, com-
mandante B. Vidos; carga varios gneros.
,
'
i


Diario de Pernambuco---Sabbado 26 de Janeiro de 1889
Moite de Soccorro de Pernam-
buco
Silo convidados 03 possuidores das cau-
tellas dos nmeros ubaixo, a vir reegatal-as
at o dia 5 de Fevereiro prximo, avisan-
do-lhes de que lindo este prazo serao ellas
impreterivelmente levadas a loilao pu-
blico.
14997 16775 1G915 17049 17190 17304
15818 16777 16917 17051 17201 17306
15661 16791 16918 17057 17207 17308
3 5817 16797 16922 17058 17212 17309
15924 16801 16931 17060 17215 17310
15926 16804 17939 17061 17216 17311
15923 16808 16940 17062 17221 17313
15961 16810 16945 17066 17228 17317
16027 16812 16947 17068 17232 17318
16302 16821 17952 17070 17233 17319
16444 16838 16953 17(82 17239 17321
16453 16841 16954 17090 17240 17320
16458 16842 16972 17091 17254 17322
16691 16845 16979 17092 17255 17323
16699 16850 16982 17099 17264 17324
16700 16855 16984 17102 17269 17325
16703 16857 16985 17112 17270 17327
16706 16858 16987 17113 17271 17328
16708 16862 16992 17114 17272 17331
16713 16865 17008 17117 17279 17332
16715 16873 17018 17131 17280 17336
16717 16875 17026 17139 17283 17338
16720 16878 17031 17141 17284 17342
16728 16882 17032 17156 17287 17343
16744 16883 17033 17161 17299 17344
16745 16888 16036 17164 17280 17346
16747 16893 17037 17166 17292 17350
16749 16895 17040 17167 17293 17352
16750 16898 17041 17168 17294 17353
16753 16899 17042 17169 17295 17354
16758 16907 17043 17180 17296 17355
16763 16909 17045 17185 17297 17363
16764 16911 17047 17188 17303 17368
Recife, 19 de Janeiro de 1889.
Felino l'. Ferreira Coelho,
Gerente.
Administra^o dos Correios
de Pernambuco, 15 de Ja-
neiro de 1889
Por esta administracio, e em cumprimento a
circular da directora geral dos Correios n. 10
de 15 de Dezembro lindo, se faz publico para
conhecimento dos interessados, o edital daquella
directora, abaixo transcripto.
O administrador,
Alfonso do Reg Barres.
Directora geral da* Carreta
Edital
De ordetn do Exm. Sr. director geral, c cm
observancia ao disposto no art. 9." do recula-
mente de 26 de Marco de 888, faz-se publico
que, do dia 1. de Abril do anno prximo futuro
em diante, n&o poderao mais ser utilisadas as
seguintes formulas de rdkiquia :
Bheles postaes simples de 20 as.
duplos de 20 rs.
simples de 50 rs.
duplos de 50 rs.
Cartos-bilhetc de 50 rs.
de ICO rs.
Estas formulas, quando encontradas as cai-
xas postaes depois de expirado aquelle prazo,
serao consideradas aullas e como tal tratadas.
Divisao Central da Directoria Geral dos Cor-
reios, em 12 de Dezembro de 1888.
*^ O subdirector,
Jos Francisco Soares.__
Thcsoararla de Paseada
De ordam do Illm. Sr. inspector con-
vido os abaixo mencionados a virem re-
mprcT o pagamento das dividas de exer-
cieios finaos, de que sao credores e man-
dadas satisfazer pelo Thesouro Nacional.
Estrada de ferro do Recife a
; Limoeiro 9010
Pedro Herminio Jos Bezerra 50400
Clodoaldo Fernandes Vianna 90000
Jos Leandro de Barros 320850
Manoel do Bomfim 150420
D. rsula Candida de Carvalho
Paes de Andrade 900891
D. Fredovinda de Oliveira Cur-
xatruz 6210628
Jos Cesar da Silva 240400
Antonio Raymundo da Silva 40200
Jos Emygdio 640000
Honorio Francisco 820500
Balbino de S 690000
Romeu Raposo 740000
Americo dos Santos 730000
Antonio Alves 630000
Luiz Alves 610400
Padre Americo Soares de No-
vaes Mello Avelins 500000
Beltrao & Costa 9420910
Carvalho Jnior & Leite 38<000
Manoel Antonio Ribeiro 1460000
Felippe Holmes 1450000
Em 23 de Janeiro de 1889.
J. Hermogenes de Oliveira Amoral.
Faculdade de Direito
De ordem do Exm. Sr. conselheiro director
interino, declaro que no dia 28 do corrente (por
ser o antecedente domingo) tomecar a matri-
cula para as aulas preparatorias, e poder eftec-
tuar-se at o dia 8 de Fevereiro, ndependente
de despacho do mesmo Exm. Sr. conselheiro di-
rector interino.
Deeta ultima data em diante, ate o I de Abril,
o alumno que quizer matricular-se devera jusii-
tlcar perante a directoria os motivos que o retar-
daran! naquelle acto.
Os alumnos poderao frequentar, se o quize-
rem, mais de urna aula, com tanto que os que
pretenderen! matricular-se as aulas de Rheto-
rica e Philosopuia. mo^trem ter aprendido La-
tim e Francez, e as aulas de Geographia e His-
toria, mostrem saber o Francez, devendo a pro-
va nestes casos ser dada por attestado passado
por professor publico ou particular, autorisado
pelo goveruo para leccionar.
A matricula as aulas de linguas ser permt-
ala at o tim do me de Juina, e as de setn-
elas at o 1 de Abril, e todas as aulas serao
abertas no da 4 de Fevereiro prximo vuidouro
(por ser o dia 3 domingo), de conformidade rom
o art. 16 do regulamento das aulas preparato-
rias, sendo o respectivo horario o seguinte :
Philoaopbia das 8 as 9 horas, na 6." sala.
Portuguez das 9 s 10, idem.
Rhetorica das 10 s 11, idem.
fariez das 11 s 12, idem.
Aritbmetica e Geometra das 12 1 hora, dem.
eographia e Historia de 1 s 2, idem.
Francez das 2 s 3, idem.
Latim de 1 s 3, na 3.' sala.
Da petico para matricula deve constar o ne-
me, fiaco, naturalid?de e idade do alumno, e
de ter sido satisfeita a taxa da matricula.
Pela inscripgo em urna aula 6*000
dem idem em duas .ivR\
dem idem idem em tres 42*uu>
Seeretaria da Faruldade de l ireito do Recue,
ti de Jsneiro de 1889.
0 official {servindo de secretario,
Manoel A. dos Passos e Silva.
Santa Casa da Misericordia
do Recife
Por esta secretaria sao chamadas as amas
que criam os expostos a virem receber asmen-
saudades vencidas, relativas ao semestre de Ju-
Iho a Dezembro do anno prximo lindo, no sa-
li do respectivo estonelecimento, pelas 8 horas
da manha do dia 28 do corrente.
Secretaria da Santa Cusa da Misericordia do
Recife. 21 de Janeiro de 1889.-0 escrivao,
Peora Rodrigues de Soma.
acnaKaaaflHM
HIPPODROMO
DO
CAMPO GRANOS
noxx
PIRA A12.
A fe
Que dever ter lugar no dia 2 de Fevereiro.de 1889
1. pareEK'SAIO800 metros. Animaes da provincia que ainda nlo tenham
ganlio premios, premios : 2000000 ao primeiro, 500000 ao segundo, e
200000 ao terceiro.
. pareDESTREZA900 metros. Animaes da provincia. PEEMOS: 2000000
ao primeiro, 500000 ao segundo e 200000 ao terceiro.
8. pareo-HIPPODROMO DO CAMPO GRANDEGRANDE PREMIO.
'1.609 metros. Animaes nacionaes at raeio sangue. pbemios : 8000000,
ao primeiro, 2000000 ao segundo, 1000000 ao terceiro e 800000 ao
quarto.
4." pareoPK0GRESS01-200 metros. Animaes da provincia que ainda
nao ganharam n'esta distancia, premios : 2500000 ao primeiro, 600000
ao segundo, e 250000 ao terceiro.
*. parcoDERBY CLUB1.800 metros. Animaes de qualquer paiz. premios:
5000000 ao primeiro, 1250000 ao segundo e 600000. ao terceiro.
. pareoVELOCIDADE1.000 metros. Animaes de menos de meio salgue
que nSo sejam da provincia, premios : 3000000 ao primeiro, 750000
ao segundo, e 300000 ao terceiro.
1. pareoCOMMERCIO1.800metros. Animaes da provincia- premios: 3000
ao prmeiro, 750000 ao segundo e 300000 ao terceiro.
ObservaQoes
Nenhum pareo se realisar sem serem inscriptos pelo menos tres animaes de
proprietarios differeates.
A inscripcSo encerrar-se-ha no dia 28 do corrente s 6 horas da tarde na se-
cretaria do Hippodromo.
O cdigo de corridas prescreve o modo da inscripcSo.
Recife, 23 de Janeiro de 1889.
O secretarlo,
Ferreira Jacobina.
OSRBV CLUB
>2E
PERNAMBUCO
PROJECTO DE INSCRIPCAO
a a 5.a corrida
Em 3 de Fevereiro de 1889
1. "&%*!, CONSOLACO 800 metros. Animaes da provincia que ain-
da nlo tenham ganho. Premios 2000000 ao primeiro, 500000 ao se-
gundo e 200000 ao terceiro.
%.* flk%^QOMNIUMl.tOO metros. Animaes de meaos de molo soagate.
Premio: 3000000 ao primeiro, 750000 ao segundo e 300000 ao
terceiro.
J. VfcMt PROSPERIDADE SAO metros. Animaes da orovineia que
ainda nao tenham ganho em maior distancia. Premios : 2000000 ao pre-
meiro 500000 ao segundo e 200000 ao terceiro.
4. HU-VELOCIDADE 1.450 metros. Animaes de qualqner paiz.
Premios: 5000000 ao primeiro, 1250000 ao segundo e 500000 ao
terceiro.
*.' **%*, PROVINCIA DE PERNAMBUCO- 1.400 metros. Animaes
da provincia. Premios : 2500000 ao primeiro, 600000 ao segundo e
250000 ao terceiro.
U. *\4^S IMPRENSA PERNAMBUCANA l.VOl metros. Animaes na-
cionaes at meio sangue. Premios: 3500000 ao primeiro, 800000 ao
segundo e 350000 ao terceiro.
. \%%% EMULUCAO SO metros. Eguas da provincia. Premios:
2000000 a primeiro, 500000 a segunda e 200000 a terceiro.
Observares
Serao somento aceitas paro cada parco as quinze propostas que primeiro
forem abertas.
A' Directoria, reserva-se o direito de alterar na organisac2o dos programmas
a collocacio dos pareos se assim Ihe convier. f
A inscripcSo incerrar-se-ha egunda-feira 29 do corrente.
Recife, 23 de Janeiro de 1889.
_____ O GERENTE,
_____ HEMR1HUE NCHITEL _________
Recebedoria Provincial
O administrador da Recebedoria Provincial taz
publico para conhecimento dos interessados, que
o praso do art. 7o do regulamento de 7 de utu-
bro de 1883 relativo concesso do abate de 30
0/0 de que tracto o art. 4o da lei n. 180, termi-
nara improrogavelmente no ultimo de Marco
prximo, pelo farto de coincidir o anno inancei-
ro com o civil, ex-vi do art. 4o da lei n. 1884.
Recebedoria Provincial de Pernambuco, i9 de
Janeiro de 1889.
Francisco Amynthas de Carvalho Moura.
Imperial toeitssse de ArtiiUM Me-
rbanico* e Eilberaem
De ordem do Illm. Sr. director, e por nao se
ter reunido numero legal no dia 20 do corrente,
convido a todos os senhores socios effectivos a
se reunirem na sede social sexta-feira 13, s 6
horas da tarde, para proceder-se a eleicao dos
funecionarios para o corrente anno, devendo as
socios estarcm as condices prescriptas no art.
51 dos estatutos. A presente convocado se
eflectuar com o numero que comparecer.
Secretaria da Imperial Sociedade dos Artistas
Mchameos e Liberaes, 21 de Janeiro de 1889
Francisco da Costa Ramos,
! secretario.
Segunda praca
Pula inspectora desto Alfandega se faz pu-
blico, que, s 11 horas do dia 28 do corrente
mez, na guardamoria desta repartico serio ar-
rematadas era praca as seguintes mercadorias:
Seis depsitos velhos, de cobre, pesando 101
m mastro de pind, de mais de 20 at 40 cen-
tmetros de grossura, medindo 11 metros de
comprimento.
Um dito dito, de mais de 10 at 20 centmetros
de grossuru, medindo 8 metroj de comprimento.
Lana bomba velha com seus pertences.
Vinte e cinco folhas de cobre, velbas, pesando
76 kilos.
Seis moitoes velhos.
Urna escada chapeada de ferro.
Um sinete.
Um eandiciro velbo.
Cinco salva-vidas.
Seis pedacos de pao.
Tres pedacos de taboas velha s.
lina ancora velha com um pedago de cor-
rente.
Duas pecas de ferro.
Um balde de ferro.
Tres varOes de ferro.
Urna ancora pequea de ferro.
Duas chapas de ferro.
Um virador velho.
Urna corrente velha de ferro.
Dous gonetes.
Dous pharoes.
Duas rodas de ferro.
Tres rolos de papel.
Tres bitaculas.
Um tanto de pedacos de folhu? de zinco, ve-
lhas.
3 seecaoTTa Alfandega de Pernambuco, 23 de
Janeiro de 1889.
0 chefe.
.'Jomineo Jo da Funt-
Gl.\ do Gr.\ Ar.\ do Di.\
(9.*. R.*. Csvallelros da Cruz
De ordem do Resp- Ir. Ven. convido a
todos os 00b -. desta Aug.. Off. -. a compare-
cerem cm suo sede na prxima segunda-feira,
28 do corrente. s 7 horas da noite, afim de as-
sistirem sesso mg. de iniciacao, devendo
todos se apresentorem munidos de suas respec-
tivas insignias e distinctivos.
Recife, 24 de Janeiro de 1889 E. V..
Eduardo Goncalves 18. .
Secret. '.
Coipanhia Alagoana de
Fia^ao e Tecidos
Convidamos aos senhores subscriptores desta
companhia para, de accordo com os arts. 9 e 10
dos estatutos, at o dia 12 de Fevereiro prximo
futuro realisarem sua terceira entrada, na razio
de 10 por cento do valor de suas aeces no Ban-
co Internacional em l'ernambuco. Macei, 12
de Janeiro de 1889.
Os directores,
Jos Teixeira Machado.
Jos Januario P. de Carvalho.
Propicio edroso Barreto.

Hippodromo do Campo Grande
Assembla geral extraordinaria
Em face do disposto no 1 do art. 13 dos
estatutos, esnvoco os senhores accionistas para
urna reuniSo que dever ter lugar uo dia 4 de
Gevereiro futuro, para ser eleita nova directo-
ria. cm consequencia de terem os actoaes di-
eec'ores pedido suas demissOes. A reunio ser
feita na secretaria do Hippodromo, ra do Im-
Serador n. 85, s 8 horas da tarde do referido
a. Recife, 19 de Janeiro de 1889.
#J*elo presidente,
Jos_Eustaqu!' Jacobina,
m
DERBY CLUB OS FBRNAMBUCO
m a s
QUE SE REALISAR' NO
Dia 27 de Janeiro de 1889
\om-*
Idudcs
Pello*
\nlurnli de
Peso
Cor da reatimenta
ProprietarloM
1 l"aivolonMlaro 800 metrosAnimaes da provincia que ainda nao tenham ganho.
e20* ao 3.
Premios : 200 ao !, bO ao 2*
i
2
3
4
5
6
7
8
9
40
11
12
Bornave.......
Cupim........
Girofl........
Jatob........
Bilontra.......
Marat.........
Breas........
Jaguarab......
Pernamljuco...
i'orburema.
Bocacio
Aracahy ex-Ca-
brito........
4 annos.
5
3
3 .
3
5 .
3
5 >
4
5
4
Castanho-----
Baio........
ardo.......
Alazo.....
Baio ........
Rodado .....
Alazo.......
Baio.........
Russo pedrez.
Rodado ......
Russo.
Pernambuco.
83 kilos. Vermelho e branco..
53

50
53
50
55
53
55
53
33
Azul e ouro
'Azule grenat............
Grenat..................
Branco e encarnado.....
Aazul e ama relio........
Azul e grenat...........
Azul e ouro..........
Preto e grenat..........
Branco e rosa..........
Encarnado c branco.....
Amarello e encarnado----
S. N.
K. H. I.
Coudelaria Sinceridade.
F. P.
R. G L.
Coudelaria Demcrata.
Coudelaria Desgraca.
Coudelaria Isabel.
A. T.
S. P.
M. G. C.
L. B. F.
2* PareoCasa*Hla Ferro Carril1,000 metrosAnimaes de menos de meio sangue. Premios: 3004 ao 1, 75* ao 2.
e 30* ao 3*
Aymor......
Recife. ......
Alfa..........
Cometo ex-Mi-
randola.....
Favorito......
Galatha.....
I
5
I
5
6
6
a unos.
Castanho .....S. Paulo........
!Rio de Janeiro...
Alazo........,S. Paulo........
Zaino..
Rosilho
33 kilos.iPreto c grenat.........
35
51
53
54
54
Verde e amarello........
Branco c encarnado.
(Violeta e ouro.
lAzul e ouro. -.
A. M.
.ja. p.
. Coudelaria 2 de Fevereiro.
Coudelaria Luso Brasileira.
Maia 4 Cbrysostomo.
. Coudelaria Allianca.
Rio Grande do Sul
3 Pareoateraarloaal-1,809 metros Animaes de qualquer piz. Premios : 500* ao 1", 125* ao 2<>, e30* ao 3.
Aspasia.....
Pnce........
Ruy-BIaz... .
Gala.......
Castiglione. .
Derby.......
3 annos.
3
7
5.
5
3 -
Alazio....... Inglaterra.
Zaino......
Alazio.....
Zaino..
Alazo.
S. Paulo..
Inglaterra.
Franca
Inglaterra.
52 kilos.
54
54 >
58
60
84
Azul e ouro............
Rosa e preto............
Ouro enranco .........
Azul encarnado e branc:
Escarate e ouro........
G. C.
A. M.
Arthur Silva.
Coudelaria Emulaco.
Coudelaria Cruseiro.
G. E.

4 Pareo -Ciraaae Premio Bestauraeao de rernambuoo 1,609 metrosAnimaes da provincia. Premios ; 300*.
ao 1, 150* ao 2" 80* ao 3 e 50* ao 4.
Sendo........
Tupy.........
Alheu.........
Arumary......
Monitor.......
Almirante___
Beberibe(*)....
Mouro.......
Templar......
5 annos.
7
5 >
5
5
6 >
10
7
5
Castanho.
Baio .
Castanho
Alazo ..
Russo
Alazio...
Russo. ..
Alazo...
Rodado ..
Pernambuco.
134
154
,5i
;54
54
la
kilos
i
Branco e azul.........
Rosa..................
Preto e encarnado.......
Branco e ouro.........
Encarnado e branco. ..,
Encarnado e branco. ...
Preto encarnado e ouro.
Violeta e ouro..........
Azul e encarnado.......
Coudelaria Ipiranga.
F. C. Resende.
A. F. C
N. D.
Coudelaria Pernambucana.
Coudelaria -Integridade.
Coudelaria Beberibe.
J. Andrade.
J.M.

5*. Pareo-Trllhoi Urbano* do Recife a Ca:
tenham ganho nesto distancia no Prado
xaaga 1.450 metrosCavallos nacionaes at meio sangue, que"ainda oo
o da Estancia. Premios : 330* ao 1*, 801, ao 2 e 33* ao 3.
forcovado...
Douro......
Maestro.....
Cometa ex-Mi-
randola ...
Incgnito .
4 annos
7
A
5
8
Castanho.
Alazio....
Tordilho. .
Alazio. ..
Vermelho.
Rio de Janeiro.

S. Paulo.....
51 kilos.
54
84
54 .
54
Encarnado e preto ..
Verde e amarello. ..
Encarnado e branco.
Violeta e ouro.
Azul e branco..
Coudelaria Pavsand.
P. P.
C I. M.
Coudelaria Luso-brasileira.
J. W.
tT. Pareol"roviarl de Pera*
Paran......
nc*-4,000metros Animaes da provincia. Premios: 250* ao Io, 60 ao 2 e 25* ao 3o.

1
2
3
4

6
7
8
9
!?
12
Mylord"........
Incitat us......
Caim (*).......
Florete ......
Foguete.......
Good-morning..
Monitor.......
Cariry ex Rio
Douro......
Etna ........
Pirraca .......
Lucifer........
General........
6 annos
8
8 '
8
6 *
8 .
5
8 >
|
S >
8
5 *
Baio.........
Alazio ......
Russo-pedrez.
Castanho......
Rodado.
Russo. .
Cas'anho.

Rodado..
Rosilho. -
Pernambuco
55 kilos.
35 .
55
55 >
55 .
55 .
55 .
55
55 .
55 .
88 .
Azul e ouro...............
Encarnado...............
Encarnado e preto.........
e branco.......
e azul..........
e branco........
Grenat e rosa............
Encarnado e bonet azul...
Grenat....................
Preto encarnado e branco .
Encarnado e preto.........
A. F R. Leal.
Coudelaria 1 de Julho.
A. F. C.
C D. M.
Coudelaria Pyrotechnica.
Integridade
o lernambucana.
F. Teixeira.
I. Oliveira.
F. L.
A. U.
J. D. C B.

Pareo Iaapreana rernamburan.it1,200 metrosAnimaes at meio sangue. Premios 300* ao 1, 75* ao 2 e 30* ao 3.
Vanda ex Pancy
Ruy-Blas......
Minerva ......
Olga.........
o annos
7
4
4 >
Zaino........
Alazo........
Douradilho....
Castanho.....
Rio da Prata.
S. Paulo.....
58 kilos
54
49
49
Verde e amarello..........
Rosa e preto ..........
Azul, encarnado e branco .
Branco e encarnado........
A. F.
Arthur Silva.
Coudelaria Cruzeiro.
Coudelaria 2- de Fevereiro.
8 PareoIndustria Pawterli800 metros Animaes da provincia at segunda muda feita. Premios : 200* ao 1, 501 ao 2
e 30* ao 3o.
1
2
3
4
o
I
7
8
9
10
Phelgon.....
Breas.......
Dublin......
ero.......
Bismarck.....
Bilontra-.....
Pelotiqueiro-.
Borbuleto.....
Planeta........
Petit-Ruy-Blas.
2 annos
3
3
4
3
3
2
Alazo.
Cardao
Rodado.
Baio..........
CardS.......
Melado Doura
dilho-........
Russo.......
Alaz&o........
Pernambuco.
43 kilos.
50 .
50
50
83
80 >
50 .
18
50 .
50 .
Encarnado e branco.....
Azul e grenat.............
Preto encarnado e azul
Encarnado preto e branco-
Rosa e facha azul.........
Branco e encarnado.......
Rosa e preto.............
Azul e branco
Amarello.....
R.P.
Coudelaria Desgraca. .
Henrique Gibson.
Henrique G. L. Guimaraes.
F.
R. G. L.
Coudelaria Jockey Club.
B.
Jos Joaquim do Reg Barros.
Coudelaria I." de Junho.
(#) Montado por amador.


Os animaos inscriptos para o Io pareo devem achar-se no ensilhamento s 9 Ii2 horas da manhS*
Os animaes inscriptos para os outroa pareos, deverao estar urna hora antes da determinada para o pareo em
que tiver de corre*.
Os forfait serio reeebidos at sabbado, 36 do corrente, s 3 horas da tarde, hora do encerramento do ex-
pediente para esta corrida. # .
O animal hscriptos em mais de um pareo nao correndo no primeiro nlo contra no segundo.
A Directoria no intuito de satisfazer ao publico resolveu adoptar o seguinte:
Cartees para um cavalheiro e cinco senhoras..... 5f>000
Bilhetes de archibancada com direito a ensilhamento..... 30000
Archibancada............ 20000
Geral.........*..... 10000
Ensilhamento............ 30000
A venda de poules encerrar-se-ha 20 minutos antes da corrida
HORARIO
11
12
1
2
2
6. pareo..... 3
4
5
horas e 30 minutos
> e 02
e 10
e >
> e 50 >
e 40
> e 30
> e 20 s
Henrique Schittel,

Gerente.
Administrac,ao dos Correios
de Pernambuco
Por esto administraco se faz publico que no
dia Io de Fevereiro prximo futuro comecarao
a vigorar s novas toxa^ de franqua da corres-
Sraaencta, fixadas no regulamento de 26 de
arco de 1888.
Estas toxas sao as seni""
Cartas.-100 ris por 15 grammas ou fracgSo
desse peso, qualquer que seja a distancia que
tenham de percorrer por mar ou por trra.
Cartas-bilhete.-80ris, cada urna.
Bilhetes-postaes.-40 ris os simples e 80 ris
os com resposta paga ;
Manuscriptos.'-50 ris por 30 grammas ou
fraccaerde 50 grammas;
Impressos.20 ris por SO grammas ou frac
jao es
j Amo; tras.100 ris por 50 grammas ou frac-
I gao de 30 grammas;
Enccnmendas.100 ris por 50 grammas ou
fraccao. sendo obligatorio o registro.
Os aotuaes bilhetes postees de 20 ris e as
cartas-rilhete de 50 ris podero ser utilisados
at ao oa 31 de Marco, desde que, por meio de
sellos adhesivos, sejuin completadas a> taxas
rsped
Os actuaes hilhetes postees de 50 ris e as






I
4;
I
1
I
I
I
I


I
I


~m

Diario de Pei*nambueo---Siftfaado-2fi de Janeiro de 1889
carta*Mii*Mte-iO<> rt^odea ser trocaaa
no CaWrto pelas correspondentes formulas no-
vas, stai(to.ai em ellos a differenca.
OuhiiMHIlH fcjHiiPlun iHlii entrara em ri-
gor 9 art T do regutamearto, que assim dw-
poe: ..
Art. 18. Os jornaes e outros peridicos un-
pressos no Brazil que, em maco ou sacco, com
endereco a cada estaco postal, forem expedidos
pelos respectivos editores, conhecidos como taes.
ou pessoas por elles devidamente autonsadas,
para que sejam entregues .a agentes seus ou di-
rectamente aos assignantes, pagaro previamen-
te, em sellos, que. para esse fim, serao especial-
mente eraittidos, 10 res por 100 grammas ou
fracefies de 100 grammas. Quando a distribui-
cao tiver de fazer-se pelo Cojreio, cada saccp ou
maco ser acompanhado por urna lista de assi-
gnantes .
Na execu^ao d'estc artigo observarse-So as
seguintes disposicoes :
fenhum maco ou sacco ser recebido sem que
esteja amarrado ou cmtado, de modo a nao dis-
siniular a natureza do conteudo.
Os saceos ou magos devem ter endereco exte-
rior, indicando com clareza o destino, podendo
tambem cada jornal incluso ter o seu endereco
Os saceos, macos ou jornaes avulsos, fran
3ueados com sellos ordinarios, sero considera-
os impressos e taxados na razo de W rci por
50 grammas ou fraeco d'csse pc30;
Nao sero. expedjdos. os saceos ou magos cuja
laxa nao eWJ. fertegralmeiita papa.
Recifo. t de Janeiro de 1*89. '
Affnmo i! Reg Bm-rof.
A aaacriaat es A aJterO para Uan as pes-
aras qae desejwem toma*' parte n-asta uapor-
tante insiituic*), nc escrtatOBo rmSta. Arao-
rim Irmao* A A. on no mano Mamatuml, a
ottar do da 7 di; Janeiro incluir
MARTIMOS
Baha, Eio de
Gymaasio Pernambucajio
Em' I. le Janeiro ale 1889
Pela secretaria do Gymnasio fernambucano
se declara aos Srs. paes de familia, e a quem
mais inreressar possa, que a abertura solemne
do curso scientiheo e litterario ter lugar no da
4 de Fevereiro prximo vindouro, e desde ]a se
acha aberta a inscripeo da matricula para
aquelles que pretenderem estudar as segmntes
disciplinas:
Lingua nacional.
Dita latina.
Dita franceza.
Dita ingleza.
Dita aliem e itattana.
Geographia antiga e moderna.
Historia sagrada antiga e moderna.
Geometra e trigonometra.
Arithmetica e algebra.
Pbilosophia.
Rhetoriea e potica.
Historia e chorograpbia do Brasil.
Sciencias naturaes.
O corpo docente do instituto composto de 19
professores, oceupando-se cada um delles se-
ment com a materia ensinaaa em sua respecti-
va cadeira. ....
Sero admittidos no Gymnasio alumnos inter-
nos, meiapensionistas e externos.
Os pensionistas residirSo no instituto, tendo
direito de estudar a serie de disciplinas deque
se compe o estadio scienlifico e litterario do
Gymnasio, de conformidade com o programma
estabelecido : a ser alimentados sadia e abun-
eantemente e a ser tratados em snas pequeas
nfermidades. O instituto foraecer ainda me-
dico, medicamentos, cama, mesa, cadeira, luz,
corte de cabello, guaedanapo, lavatorio, banho
msica.
Os meio-pensionistas se apresentarao no es-
tabelecimento nos dias lectivos, s horas em
que as aulas se abrirem, e desde entao at se-
rem encerradas tarde ; sao equiparados aos
pensionistas, quanto aos estudos, ahmentacao e
e recreio.
Os alumnos externos so teem direito as licOes
e explicaccs dos respectivos professores.
A pensad annual de 300J000. que pagam os
alumnos internos do Gymnasio, se cobrar pelo
anno lectivo somente, dividida em prestages de
100*000 cada urna; comocando a primeira em
Fevereiro, a segunda era Maioea terceira em
Agosto e terminar no fim de Novembro.
Paraos alumnos de iustruegao primaria que
devem se acbr no estabeieciiuento no dia 16 de
Janeiro, a primeira prestaco ser antecipada
sem augmento de pensao.
A pensao annual dos meio-pensionistas. ser
de 180*000 em tres prestantes de 60*000 cada
urna, effectuada a cobranga do mesmo modo que
para os internos.
Os alumnos internos de qualquer cathegona
pasaro na entrada e por urna s vez, urna joia
de 20*080 ; dous irmSes 30*000, sendo 15*000
por cada um e nao haver mais augmento de
joia crescendo o numero destes.
O instituto enoarregar-sc ha da. lavagem da
roupa dos alumnos internos que nao tiverem.
quem o faga por fra. e isto mediante 15*000
em cada prestagao. Este pagamento se far de
modo idntico ao da pensao e conjunctamente
com elle, dando direito aos concertos das pegas
arruinadas do enxoval.
As despezas com livros e mais objectos indis-
pensaveis para a escripturaco, correm por coa^
Ja dos alumnos internos ; devendo seus paes ou
quem os representar Ornar quanlia sufliclente
para e3sc fornecimento.
Os externos s iem direito s liges e expu-
cacoes das materias eusinadas no curso, quaes-
quer que ellas sejam, pagando apenas no acto
da matricula a taxa iguafa que pagam os alum-
nos no collegio das artes.
Alm das aulas" mencionadas, ha mais ama de
escripturaco mercantil- creada de conformidade
com o regulamento de 12 de Maigo do anno
filado.
O secretario,
Celso Tertuliano F. Quintelia
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Congo
Commandante Lecointre
E'esperado da Europa no
dia 4 de Fevereiro e segui-
r depois da demora ne-
cessaria para
Janeiro, Buenos-Ayres e
Montevideo
Lembra*Sfc aos Sis. jktssageiree de todas as
classes que ira lugve* reservaaos para-eala
agencia que podem tomar em quatquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de inercado-
riasqueso teateoiea a reclamagO* for fal-
tas, nos voraraes". que forem reconhecidas na
occasio da descarga, assim como deverao den-
tro de V lioras a contar do a da descarga -das
ahareunaa, i'azerauitpjaaajuer reclamacte coo-
cementes a Totumes que porventura tenbam se-
rtfido paraos portas ao sul, aflm de poder-se
dar.a tempa as providencias necessariag .
Este paquete illuminado luz elerlca.
Pari carga, passagens, encoramendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o .iGENTE.
O paquete Niger
Commandante Friaschi
E' esperado dos portos do
sol no dia 1 de Fevereiro,
seguindo depois da demo
ra do coslume para bor-
eaux, tocando era
Daktire lJ*boa
Lembra-seaos Srs. passageiresde todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Faz-se abnnmento de 15 0(0 em favor das fa-
milias compestas de 4 pessoas ao menos e que
pagarem 4 passagens inteiras.
Por excepf9o, os criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozam tambem deste
abatimento.
Os vales postaes s se dao at o da 30 pagos
de contado.
Para carga, passagens, enconunendas e di-
nheiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
9 Ra do Camnmroio -
DE
Vavejjaco cteira p*r Vapor
PORTOS DO SUL
iicei, Peoo e Aracajn"
O vapor Jaguaribe
Comouknt14onteiro
eHABOBK?llENIS
Hospital Portngutz
de Ben$fio0ncia
Sao convidados todos os
Srs socios para a assembla
^eraT quedevern ter lugar
na sede do mesmo Hospital
no domingo 27 do corrente,
s 11 horas da manha, afim
de assistirem a ieitura dofe-
latorio do anno findo e a pos-
se da nova junta administra-
tiva.
, Recife, 19 de Janeiro de
1889.
Francisco R. P. G-nimaraes,
Provedor.
m
i
8,OOO;O005QOO
2005000
4,000:0005000
CAPITAL
Em accoes de
Estando tomado
Este estabelecimento destinado a auxiliar e
desenvolver o crdito industrial e conectivo
desta provincia ; suas operagOes abrangero to-
dos os ramos da actividade commercial e indus-
trial que oftrecerem solida gflraffUa.
A directora corapor-se-ha dos scnhqi
Luiz Antonio de Siqtfirti.
Jos Adolpho df Oliveira tima.
Antonio Fernandes Ribeiro.
Marioel Joao de Amcirim.
Thomaz Gomber
di quaes com o Bxbl Sr. Visconde de Figuei-
rejo sao-os incorporadores.
itradiis s rao de oj. no acto da sobs-
)-, 5 I miando fr annunciada a assig-
dos estatutos,
jubeequentes entradas nao podero ser
_jrs' d 15 ] com o intrvatl nunca mettos
de 60 dias.
y
lt'lK
Segu no dia 29 do corrente s
horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 28.
Encommendaj, passagens e dinheiro frete,
at s 3 horas da tarde4o dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Co.npanhia Pernambucana
12
DE
'"IW J*etf*o n vapr
Linlia quinzenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos.
O VAPOR
VilledeSan Nicols
Commaadautc Henry
E' esperado da Europa at o dia 27
do corrente. seguindo depois da rn-
dispensavel demora para a
Babia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualquer reclamago concernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
sul afim de se poder dar a tempo as provi-
dencia flecessarias.
Expraio o referido prazo a companhia nao se
responsabilisa por evtravios.
Para carga, passagens, enconunendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Augusto Labille
9 RA DO COMMERCIO-9
PactTC Steam Navigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN LINE
O paquete Cotopaxi
Espera-se do sul at odia
28 do corrente e seguir,
depois da demora do coslu-
me para Liverpool por
l.t)tn. Bordeaiiv e Hlymoulh
Para carga, passageiros, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sons & L United
14RUADO COMALERCIO14
Pata -Porto
Segu com brevidade a barca portugueza JVord
Silencio. Para carga trata-se com oe consigna-
tarios Baltar Oliveira & C, ra do Vigrio n. 1,
1 andar.
LE1L0ES
Sreegs-1'eira 29 devalter higar o leilo da co-
eir do caes de rapioaribe.
Quarta-feira|30. de movis, louga, vidros,
cryslaes c mais objectos existentes no z andar
da na do Bom Jess u. 62.___________
Agente Brto
Leilo
De
tinas
1 casa terrean. 7, ra de Lomas Valen-
c 1 dita ra do Tambi n. 20, 1 terreno
n.
United States .and Brazil -
M. S. S. C. J.
O vapor Finance
E' esperado dos portos do
sul at o tia 2 de Feverei-
ro o qual depois da demo-
ra necessana seguir*
para o
narauho. Par*, Barbado, .
Thoioaz e Mew-'lT^rk
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a free: trata-se*com os
O vapor Allianca
E' esperado dos portos do
norte at o dia 7 de Fbve-
reiro o qual depois da de-
mora necessaria seguir
r peras
Rahia. M* de Janeiro e Saot
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-* com os /> GBNTES.
Henpy Forster & G.
8lfua do Otmmercio8
1* andar
Companhia Brasileira de
Navegac&o Vapor
POftTOB'DO NORTE
O vapor Manos
OommaBdarJtc o 1" tenente Guilherme
WaddBagton
W efeperadd aps portos do sul at o
dia d Janeiro e seguindo depois
'Srr-moTa ndispensavel para os
prirtiw do bne at Manos.
As eocdmmenUas s.1o recebidas na agencia
at 1 hoja da tarde o dia da sabida,. ,
Para carga, encomrwndas, passagens e valo-
res trata-se com os _
AGENTES
Perea Carneira &t C.
1 dar
Roya l Mffii "Steam Paccet
Companhia
O vapor Atrato
De 5,300 tmeiaUkre de forg de 5,900 ca-
-W/o
Comm&dttite L. R. Dibkinson
Este novo e explendido vapor ten
do saniqo Je Lisboa no dia 21 s 5
.horas da tarde, 6 esperado at o dia
'30" do urrente, seguindo depois da
demora nePJsarifHpa*
Haeel, Baha. RJpde Janeiro
*ano. #e**tJBiieno<*
Ayres.
Para passageag, .r#ios"e encommendas trata-
se com os AOEIS'
O vapor Tagiis
(JominaiiiaDte ; P. RoweH
E' espcrlido dovml no dia de Fe-
vereiro e s"gmMo depois da demora
neceji^ria para
Lisboa, vigo,' Southampton e
Antuerpia
A' Lisboa I
A' Southarr
Camarot
Pernambuco.
Para passagen
com os
BeducQoo de passagens
Ida Ida e voka
20 30
r 28 42
para os passageiros de
i otumenda?, trata-se
AGENTES
Amorim li mos & C.
N. 3Ra do Bom JetosN. 3
*r-_j^ daPraia do Forte, com^ quartos. 2 salas,
propno com oOOpataios de frente e2S de fundo,. ^ de enaoainado : a tratar
tendo tilias frentes, una para a travessa do Agr
e uutru para a estrada de ferro de Beberibe. por-
to da estaao da Curva, na Estrada Nova.
Urna vacca com eria bonita e gorda.
Safcbado do corrente
A's 10 12 horas
48-Ruu do Rangel-48
De
Agente Pestaa
Leilo
dous pianos, movis, lou$a o vidros
Ao eorrer do naartello
Sabbado26 do corrente
A's l~ horas em ponto
No armaiem ruaiolmp'raiior
Leilo
de caiKas com ceblas, 30 barricas com calj
de-Lisboa e S saceos com-erva-doce.
iSeMado, 26 do corrente
Na porta do armazn do Anaes
Por Intervencao do agente
(IISD10
Leilo
Da casa teirea n. 52, em solo propno,
rea do Rosario, fregeaia da BoaArista
*egnnda-feira, 9H eorrente
A's 11 horas
Ba do Imperador n. 39\
O agente- Mtypl,por mandado e assistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito privativo de or-
phos e ausentes a requerimento do tutor Alfonso
da Kocha Leal por ii e como procurador de seus
irmos levar lell* a casa terrean. 32 ra
do Rosario, freguefia fla Boa-Vista, em solo pro-
prio, Conl' urna porta e duas janeJtas, com bas-
tantes conimodos, Quintal iiinrado, tendo sahida
paFa rtldo Pire, cacimba prOpria
Desdeja os 6rs. pretendent**: rJoderfib exami-
nar a am casa, e-para quak^wr inftwmaco. o
mesmo agente dar.
....... ...... .........____
Leilo
Em< contifuacao
Dos restos* do3 gneros, raoveis, manteiga in-
gleza. barris com vinho de Pasto e mais obj-
tete* da taverna da ra da Santa Cruz n. 5.
sgunda-felra, 8 do eorrente
A's 11 horas
Por intervengo do agente
A** correr ido inarteTlo
'l'erea-felra. 99 do corrente
A's 11 horas
No 2' andar do sabrad da roa EsYeta
do'Boeario a. 10
O agate MARTJJB, compatentemente autari-
sado por urna familia que s reiirou d'esta ci-
dai. fart'-IMIo tos importantes movis exis-
tentes em dito sobrado que sero vendidos sem
reserva de prego.
LEILO
de movis, lou$a, vidros, eryatac, qua.
dros, jarros, 1 espelho gtande donrado
e objectos do electro-pUte
A saber
Vm piano forte de Pleyel, 1 mobilia de jaca-
randa, con tampos d pedra, cadeiras de balan-
eo, 1 rico espetho dourado grande, 2 quadros
paysagens, jarros para flores e tapete.
Orna cama franceza, 1 toilette, 1 lavatorio, 1
guarda-roupa, 1 cama de ferro, 1 cabide tornea-
do, 1 berco e espelhos.
Urna mesa elstica, 1 guarda-louca envidraba-
do, 1 apparador torneailo, 1 relogio de parede,
cadeiras d junco, 1 sof, 2 consolos com pedra,
2 cadeiras de bracos e 12 de guarnico de mog-
no, apparelhos para jantar e cha, copos, clices,
compoteiras. fallieres, colheres, objectos do
electro pate, bandejas e muitos objectos de ca-
sa de familia.
Urna bomba, 1 grade de ferro, 1 cofre prova
de fogo, 1 carteira e 1 repartimento de escrip-
lorio.
Quarta-feira ^ftO do corrente
Agente Pinto
No 2" andar do sobrado de azulejo da ra
do Bom Jess n. (52, entrada pelo lado
dedotraz.
O leilo prinripiar as 10 1/2 hora?.
Leilo
de 1 relogio de algibeira, 1 mala com rou-
ia de uso, 1 lote de ferramenta para se-
eiro, 1 einbrulho de rame, 1 cahe
com pennas de ac e outros objectos
pertencentes ao espolio do subdito por-
tuguez Manoel Teixeira Peixoto Gui-
marSes
Quarta-feira SO- do eorrente
A'S 11 HORAS
Alente Pinto
No 2'andar do ilibato de azuleo da ra do
Bom Jess n. 62, gDT'oceasfr'j de oultO leilo
de movis, lou(,-a eijidr'. .
0 Run da Tnriperatriz n. 36
Contina feroeeer->e comedorias rasas de
utnillias, com promptido e asseio, por prego
mdico : a tratar na mesa cima.
AVISOS DIVERSOS
_i.
Aluga-se a casa darua do general Luiz do
Rrgo n. o, -urc exceltcftte paaTete cora janTlas
em todos o^uartos, giz, igua e de^M)o, muito
fresca, con tiacetltiTo nuintal, gafliBheiro e-
quartos para criadCs ; trata-se no Louvre ra
do Crespo n. 20 A.
Aluga se casas a 8000 no becco dos Coe-
Ihos, junto de S. Goncall^ a tratar na ra da
Imperatriz n. 56.
Por 2:14000 atusa-so a sotea n. 6 travessa
oosi-
na ra
larga do Rosario n. 16.
Precisase de uan ama para cosinhar : na
ra do Livramento 9.
Precisase de um Homem para criado n'um
sitio : a tratar na estaco da Jaqueira.
~ Precisase de urna crfda para copeira e
de mais alfarn strvico de familia ; a tratar na
ra uaaolcKicn. 82^
Pfcii*se le um copeiro, de na criada
para servipo interno, e de um cosinheirp para
dormir em casa; na Pont; de Uclia em frente
estacSo.
Urna serihora de familia, nabilaua, pra
uoe-se a leooionar primeiras leltras, etc., em
ta*as particulares, ou mesmo em algum enge-
ho distante do Jtecife, mas qiip saja-perto de
agrama das estarces das vlas-ferreas : tratar na
ra Imperial a, 144.
dabaixo assignado faz sciente aos ses ami-
dos e fieguees que em 21 do correno disohen
de commum accordo. a sociedade que tinha com
.Sr. Antonio Augusto da Silva Reis na loja de
joas ra do Cabug n S A e.que gyrava sob aj
firma Reta & Couceiro, retirando-seomesrao'Sr.
Reis pago e satisfeito do seu capital e lucros, e
passando a posse do estabelecimento e de todo
o activo ao abaixo-assignado,que o respousa-
\"el pelo passh'0 da relcTida firma.
Outro-im. que continuar a ter um completo
e escollado sortimento de joias c que se incum-
be-de ejecutar em Hia ofBcina de.ourivea mial-
quer Urabalho que Ihe Cor confiado.
Recife, 25 de Janeiro de 1889.
Alfredo Candido Couceiro.
Fumo do Para
J chegon para a fabrica Vendme o especial
fumo do Para- bastante conhecido do respeitave/
publico ; ra Barao da Victoria n. 39.
Arma$o
Comprase urna armagao envidarcada, proprta
para taverna : a tratar na ra da Florentina nu-
mero 34.
Cozmneiro
Precisa>se de uih o\>staheim : a tratar na ra
do Favsand n. 19.
-
h____1
i--------.
Leilo
t eaeollefltea carros", baa cavallos, ar-
reioa e mas-ptertences da cocheira do
cea do Oapfbaribe.
Terea-felra. 99 do eorrente
' A't 11 horas
0 ageste Pinto, fcgalmente autorisado levara
a leilo eiB'uoi oH'mals lotes; os carros, cavallos
e pertences da" cocheira do caes do Capibaribe,
a qual est bem montada e afreguezada.
Os pretendentes podero desde j apresentar
suas proposta-
Leilo
De bens movis, 1 piano, louca, vidros e
1 bonito lustre de vidro para kerosene
Constando de
Um piano forte, 1 mobilia de amarello com 12
cadeiras de guarnico, 2 ditas de braco. 2 ditas
de balanco, 2 consolos e 1 sof, i bonito lustre
defvidro de 3 bicos para kerosene, espelhos im
portantes quadros, ricos jarros, lanternas com
pingentes. eiagers, pannos de crochet para ca-
deiras e sota, e um dito grande para piano, 1
rica cama de pao setim com enfeites de jaca-
randa, 1 guarda-vestidos envdracado, gostu da
Babia, 1 importante foilet de Jacaranda, 1 rico
prtf-jblaB1, f rtc para toilet, 1 bonita caixa para tovas c 1 rica
colcha de nena para rtrnw
Urna meza elstica, 1 euarda-louca de aow-
reo, t apparadores de commna. 1 anparelho de
porcelatia para jantar. 1 appardho de porcelatta
naraahuoio. copos, calires. garrafas, comto-
teiras. talheres.' cadtras de junco,- 1 lavatorio,'
1 meza de cosiuha, 3 transparentes para porta?.
2 bahs de folha, treWtfe cosinha e tiwnti-
tos novis que sero Teadidos
A o con^neTcio
O abaixo assignado, nnico representante da
flrtia dejffironidMata A C. declara- que;desde o
dia 31 d DCTertibro Ando, Vender o sea depr?i-
to'dt cigarro* e charetos, to roa do Ranpel
n. S, os Srs. Hamos ft C., Meando os mesmos
resiionsavels peto activo e passivo do mesmo es-
tabelecimento.
Rerife. 23 de Janeiro de 1889.
Antonio Prancisco Silva Maja.
t

i"
Aofonmerci
Jtfonio Horeira Pinto Antonio Dias de Al-
meida Costa leclaram a quem interessar, que
n'esta data dissolveram de accordo amigavl a
sociedade que. gira va sob a firma Almeida m Pin-
to na padaria sita na redro Alfonso n. 49,-rc-
tirrido seo socio Antonio Moreir Pinto.pago e
satlsfefto a dinheiro d seu capital t lucros, e
tincando o activo e-passivo a Cargo e nica res-
ponsaWliflade do-Sr. Afltwilo Dias de Almeida
Costa.
flewte. 17 de Janeiro de|1889.
Ao commerek)
Os abaixo'atsignados, tendo comprado aos
Srs. J. Alvt-s & C. Successores de ^a*ntos A Al-
ves, o estabeleciaiento de seceos c moln'adc.-.
sKo na Maniuer. do Hervaln. 73, fivre de-
sernbaracado de todo e qualquer onun ; por
prenem a que'm ao mesmo direlfo tiVer. apre-
sentar-se no mesmo estabelcimerito dentro de
tres dias, a contar da data deste. Recife. 2j fe
Janeiro de 1889.
Silva Azevedo A C. __
gGosinheira
Precisa-se de urna cosinheira ; ra Sete de
Senmkron.6.
Tarerna
Vndese a taverna d praca do Conde d'Eu
n 18 ; a tratar na mesma ____
CanHo a 400 r. a barrica
Vndese earvio de boa quaHdade : na ra
larga do' Rosario n. 40, padaria
Caixeiro
PreCisa-se de um caitceirorprefre se portu-
guei; tractar a pateo da Peana n. 8.
O Vigor
Cabello
do
Dr. Ayer.
J Preparado Sob
Bases Scientiflcas
E Physiologicaa.
para o
Toucador

0 Vigor do Cabello
Do Dr. Ayer.
Devo've. com o brilho e frescura la fliventud. ao
iHhpllo irrlsnlho ou braoro nma rica cor ntn-
ni, casli.n'io o preto, como ae deseja. Peio sen
uso, ao cuco claro ou Ato po,!e dar-se nma di:
es-.ura. c grosiura ao cabello flno. emquanlo que
f rniueiitemente cura a c.-ilvicio. |K>rem ero seropre.
Impeilc a eufenno a crescr rigorosamente. Keprime o pro-
Sresso e cura a tlnha e caspa, curando quasi todas as
oencas peculiares do peremneo. Como Cosmti-
co para Bformoaear o cabello (las Senhoras o
Vigor nao tem rival; nao contem axeite ou tinta al
goma, loma o cabello suave, brilhante e sedoso na
npparancia, c commur.ica-lhc um perfume delicado,
agradv.-el e permaneLtc.
PICI-ABADO PELO
DR. J. C. AYER e O A.,
I.urvell, Mass., E. A.
A.' venda nos principaes pbarma.;ias e .fjui
O OLEO PURO
-DE-
FIGADO de BAALHA
-DE
p.roduz efioitos anlogos a es da
Embaa com pptepliites
'2 dus mesmos sonhorns, ro caso o
8='r preferido o ti-actaruento ne3t&
forma para o curativa ces ineom-
niodos
d? Peito, a Gaigaaia a es Puinds.
- ^ Ama
Pr*i:isa-se de urna ama para cosinhar, prefe-
re-se dosa : a tratar na ra do Livramento n.
19, 1 andar.
msaiwmmmmMmm^mmmBaaammmm
A abaixo assignada previne ao publico e ao
commercio desta cidade, que nao facam traasac-
ead'de especie alguma com a parte do sobrade
n. 11 sito ra estreita do Rosario, pertencente
a Manoel Sodr da l'.unha Motta, e neni outro
qualquer negocio, sob pena de ser nuil a toda
transacijo feila pelo dito senior. Recife. II
de Janeiro de 1889.
Laurinda Martin? Rio.
Precisase de urna
numero 137.
Cosinheira
cosinheira;
na ra Velha
Criada
. Na ra da (folio n. 7, precisa se de oma
criada pata cuidar de duas enancas, de 5 e 3
annos de idade e que saibaengommar, prefere-st
idosa.
P CLERV V'.rU-se ei WaanarU
Peitoral de Cambar
Jos
DE
Alvares de Souza Soares
De Pelotas
Approvado pela Exma. Junta Central
de Hygiene Publica, autorisado pelo Go-
verno Imperial e premiado com duas rae-
dalhas de ouro de 1.a classe.
O peitoral de cambar cura perfeita-
jneate a bronchite aguda ou chronica ;
O PITORAL DE' cambar aira asthma
por mafe antiga -que saja; -
O peitoral de cambar cura de urna
forma- admrravel qualquer rouquidSo ou
perda de voz ;
O peitoral de cambar cura incontes-
tav.elment6 o tysica pulmonar;
O PECTORAL DE CAMBAR ClU-a as 0SS*>.
simples, at defluxSes tab fcil c rpidamen-
te que ao proprio doentc causa admira-
do.


Efite importante medicamento vende-se
a 25500 o frasco, 130000 \2 duzia, e
24^000 a duzia, em casa dos agentes e
depositarios geraes.
Francisco Manoel da Silva & C.
23 Kua, Mrquez de Olinda23
PASTA
A Pasta Mack (eml
carioca eMaantia|H
I nos de 8 tabeinhas) \
I um novo e mar-,
Vjlhftso preparado J
proporcionando nm :
atsW dsllelso
aja-lcalco e urna I
ice lente agaa de
toarador.
Esta Pasta Mack
g6S de fama nn-
vcrsal. afbrnosa e
saailsa a citls, e,
como refresesiiTe,
apera todo qnant
[ ce foaaece att hoje.
Vende se em toda
I as pbarmacias, dro-
I garlas eprfBmaria
mte-Inveutor: H. MACK, Ulu s D.
MACK
.?v_pc*ttart n Pirnmbucv: Hia Mrullfc C*.
Gratitica-se <
No treuiqu parti para o Casanga na quarta-
feira 23 do corrente pelas quntro e dezoito mi-
nutos, ficoa em um carro de 1* classe urna cai-
la contendo fitas e Ia^os, alguns pares de meia
e um pequeo vestido ja usado para enanca :
rpjem o tiver achado querendo restituir dirija-sc
a ra do Cabug n. lo. loja, que ser gratificado
Ao commercio
Urna uessoa com babilitaces de commercio
em qualquer genero de negocio, entendendo de
esenptono, onerece seus servicos, nao s para
a eidade como para fra, deixando carta nessa
redaejo co asiaiciaes1 A, F.
TSstnrcirae modista fraitcm
Madame Fannr .Silva, tem o seu atelier
de modas e cdstur&s a ra do BarSo da
Victoria n. 15, 1. andar, e confecciona
toda c qualquer toilette, com apurado gOs-
to 6 elegancia, para casamontoe, bailes, vi-
sitas, passeios, etc., faz tambem mantele-
tes e capas sobre medidas.
Contina-a tor um lindo sortimento de
novidndes de Prtris, vestidos de seda fei-
tos, em cortes, de seda, gaze, Telludo
broch e crep de chine, foalnrds, surahs,
sedas e ottomanas pretas.
Escolhido sortimento em vidrilho* pe-
tos.
Chapeos, capotas- e visitas
Luto em 14 homi
Tolephone n. 93
BCA BARAO DA VICTORIA K. 15,1. ANDAR
t
I. Kooh
da Cu n ha Freia* C a*al-
raaale
Jofn: Francisco Teixeira Marques e sua molber
convii^aui a seus prenles e pessoas de sua mi
zade ara assistirem a urna missa que por alma
de su. nunca esquecida sogra e mi, t. Rosa da
Cunba Freitas Cavalcante, mandam rezar no
convento de S. Franeisco desta cidade, s 8 ho-
ras du manh do dia 29 do corrente mez, deven-
do em seguida dita missa, ter lugar o deposito
dos restos mortaes da mesma fallecida, no jazigo
perpetuo que os mesmos annunciantes adquiri-
ram uraesse fin, da iruiandadc da Santissima
TrinaVde. erecta no mesmo convento. Por este
acto c.i carklade, ficaro os animnciantes ter-
t
liarla HoMalina da Fondera
Joaquim Thiago da Fonseca, dolorosamente
ferido pelo passamento de sua boa irm e ami-
ga, Mara Rosalina da Fonseca, agradece since-
ramente queflcs prentes e amigos que trveram
a benevolenci \ de acompanhal-o na sua dr, e
ao mesmo tempo pede aos que nao trreram com-
municaco, desculpas por urna falta commettida
em virtudc do tresvano causado por urna pro-
funda amargura. OutrosimJ convida aos seus
amigos e prentes pnra assistirem as missas que
teem lie ser celebradas na igreja da Soledaue,
terca-ieira 29, s 7 horas da manha.
t
KlUillM
da Koaaeca ticiiroruilu
Leo[ioldo Guedes Voforado, Joo Augusto da
Fonseoa, Joo Minervirda Fonseca, Alexandri-
na Cavalcante da Fonseca. rfarniato irniSos emSi.
agradecem do intimo d'alma a talas, as pessoa?
que lijiram o obsequio de acompanhbr'ate-ao
cemiterio os restos mortaes de Emilia da Fon-
seca Alcoforadoe de nove as con vida ai r assistir
a ruis.- i que se manda resar pelo eterno repouso
de sua alma, segunila-feira 28 do corrente, as 7
horas ila manh, na igreja da Pcnha.
t

Joo Feruandes de Palva
Antonio Fernandes de Figueiredo Paiva, Fran-
celioa Ferreira dos Santos Paiva, tendo recebido
a infausta noticiada mortede seu extremoso pai
e sogre, Joo Fernandes de Paiva, em Portugal,
no da 28 do prximo passado, pelo que pedein
a seus amigos e prentes do finado para assisti-
rem as missas que por sua alma mandam cele-
brar na igreja matriz do Corpo Santo, no dia
terca-fura, 39 do corrente, pelas 7 horas da aa
nli, trigsimo dia d seu passamento, e desde
j^e^jnfessan^eternaineme^a
t
'
IikallE Antonio da Silveira Tavora
Flalo
Luiz Antonio da Siiveira Tavora agradece cor
dialmentc a todas as pessoas que se dignaran!
acomnanhar ao eemiterio o corpo do seu finado
fllho Luiz Antonio da Siiveira Tavora Fimo, e'dt
novo a- convida para assistirem a missa que
manda celebrar no dia 28 do corrente, pelas 8
i/2 oras da manh, na igreja de ossa Seniora
* .
t
Jo- FraariaM-o de < a r val no
Joaquim de Almeida Gomes, amigo e primein
testamenteiro t* tinado Jote Francisco dfc Car-
valho, e os prenles deste, gratos s pessoas
que acompannaram o enterro, pedem aos p-
rentes e amigos me Ihe facm a effridade dt
ouvirem as missas que por alma (faqueite flnadt
mandan: celebrar na igreja de N. S. da enhr
?alibado 26 do corrente mez. s-S.hoi.

t
Mara oallna da Fauwra
Jos Mathias Lopes da Fonseca, sea mulher,
cunhada e filhos agradecem do fUnrto- d'ahua a
todos os prenles e amigos que" teraajo bene-
volencia de acompanhar at o cemiterio o cad-
ver de sua-prezada e joven tMha Mara R salina
da Fonseca, e coandam a todos pm assistirem
as missas que mandam rezar por sua alma no
stimo dia de seu fallecimanto, na igreja tfa'S-
ledade (Boa-Vista), na terca-feira 2, s 7 horas
da manh.__________
Severina aria Ramot
Francelmo Francisco Duarte e suw-iraSs.
agradecem do intimo d'alma s pessoas que fi-
zeram o obsequio de acompanhar os restos mo<-
taes de sua prezadissima mi ao cemiierio pu-
blico ; -e de novo as cofividam para assistirem a
missa que mandam rezar por sua alma no sti-
mo dia de seu fallecimento, na igreja da TotYi'.
na segunda-feira 28 do correnre, s 8 horas da
mantos.
t
'--
I, \melia Rrazllina (tabello da
B
Albino Jos dos Santos e sua familia convi-
dam aos seus prentes e amigos para assistireai
a una missa que por alma de sua estremecida
tilha. sobrinha e irm, D. Aaielia Urasilina Ra
bello da -Silva, mandam rezar na matriz da Boa-
Vista, s 7 boris-da manh do da 28 do corren
te, pelo que desde j Ihe; anticipam os seus sin-
'taaaaaaaaiaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaVaaaai
InMilio BeneAceiMe dao Olllelae
da tiatard nacional
Tendo j-Instituto de-maadar resar urna misa
no dia ai da corrate;, trigsimo do pasaamenUi
do nosse iodoso socio,'Cito. Jos Francisco
Pereira da Stiva, convida aos sniores socios e
familia do fallecido para assistirem a esse ecta\
que ter lugar na matriz do Corpo Santo, s
horas da tuanba.
Secretaria do-Instituto, 8 de Juaeiro.de 188h
O 1 secretario,
Gaspar A. dos Reis.
T
'i-
\

i
t

\
Antonio Aunes Vieira de Souza. Joo Ramw-
e suas familias agradecem o seus prentes (
amigos que acampanharam ao cemiterio publi-
co o cadver de sua sempre lembrada mai, so-
cra e av, Umblina Maria Annes de Souca : i
de novo os convidan para assistirem as missas
que ser&Drezadas na matriz da Ba-Vista, sob-
bado 26 do corrente, s 8 horas, stimo diarde
seu pas?amento, e desde j se eonessam ter-


tt
Diario de Per^ambcoSabkdo 26 de Janeiro de 1889
COM
tlttcicti
CHLOROSIS 0RIS
AccoBMeiktiocornal. ^iiymiMfrMM o adotts^pdVs/mfasaoeapoTjwcixan.to le aune. Toma**
asada ds 0ts idu, nUas 4 cada jvA/cio. tfomarreu imitaea. Usirir i, firma E, BBAVAIS.
ImyrtBida TwmUL Deposito na mor parte das Pharro acias.
DE
HERMES DE SOUZA PEREIRA & C.
STJCCSSSORES
Acaba de reabrir-se esta importante pharmacia sita ra do Mrquez de aliada n. &7, depois de ter
passado por urna transformacao completa. Bst em condi^oes de satisfazer todo e qualquer pedido, nao s concer-
nente manipula^b do receituario, como a venda de preparados nacionaes e estrangeiros, dos quaes a casa se acha
rigorosamente so-rtida.
Esta casa sendo por demais connecidapeJa sua seriedade, os sens proprietarios esperam do distincto corpo
medico e da populado em geral, a continua^ao da protecc,ao que sempre Ihe6 dispensaram, para o que empenham
* reconhecida lealdade com que costumam tratar os negocios de sua profissao.
X3C33FU5XS XJ& SOTCTZuA 3PE^3SrFUL & C SUCCESSORES
y 5&I?& Mk&WW>%> 11 O Lili A- 2 7
RECIFE
Architectura
Andr Ronipcke prepara, guarnecidos de to-
das as cores, garantindo a coaservacSo das mes-
mas, lanto para o exterior como interior de edi-
Jcios : os pretendcntes podero deixar suas or-
ens nu mercearia ra da Impcratriz n. 2.
Cautellas do Monte de Soccorro
Compra-se cantellas do Monte de Soccorro de
qualquer joia, brilbantes e relogios; paga-se
bem na Pracr
relojoeiro.
brilbantes e
a da Independencia a. 22,'loja de
Caixeiro
PRECO SEM COMPETENCIA
A' ruaPrimeiro de Marco n. 20
AtoalhacVbordado a 102OG o metro.
Alpacas indianas a 320 rs. o corado.
Ditas mescladas a 600 rs. o covado.
Ditas lav radas a 500 re. o covado.
Batieras fias a 140, 200 e 240 re. o dito.
Brim pardo a 280 e 320 rs. o dito.
Baleias pret&s a 260 e cohertas a 500 re,
a duzia.
Bicos de urna s cor a 2o a peca.
Bramante trancado n 808 re. o metro.
Brins de cores para crianca a 260 re. o1
covado.
Bicos matisados a 2t)500 c 3a peca.
Cumbraias bordadas t4ja paca. '
Cachemiras 'Corte* de sida para, colote afidOOO.
Ditos de linn em carOo a 7(5000.
Colchas de damasco a 6(f000 urna.
Crotones de alsace a 360 rs. o covado.
Cambraia arrendada a 460 re. o dito.
Cachemira da India a 220 re. o dito.
Chales adamascados a 2500 un.
Cortinados bordados a 6000 o par.
Colchas de cures a 2 e 26500 urna.
Cortes de cae netas a lfJOO um.
Chambres a 46500, 5 e 66000 um.
Cortes de setmota a 6*G um.
Cambraia Victoria a 26900 a peca.
Camisas aUemes a 366000 a duzia.
Cachemira de diias larguras a 800 rs. c
covado.
Crotones claros a 260 e 320 re. o dito.
Colchas de foatao a 36560 uma.
Camisas de meia a 16000 urna.
Ceroulas de bramante a 156 a duzia.
Esguilo pardo a 660 e 400 re. o covado.
Espartilhos couraca a 56000 um.
Errtreraeios bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimento de casemira e brins, eoUarinhos,
coi, bolsas, fichs, lencos, laquee e muitos outros artigos.
o tAmvre
Fichs de malha a 26000 um.
Fostao Branco a 360-e 400 rs. o covado.
Dito de cor para roupa a 600 re. o dito.
Guarnilo de crochet com matizes.
Gases de cores a 500 rs. o corado.
Guarda-p para homens a 66000.
Grinalda para noiva a 84000.
Guarda p pare senhoras a 86000.
Lencos eom'barra a 26000 a duzia.
Leque a grS-duqueza a 26000 um.
Lencos breos a 16200 e 26000 a duzia.
Luvas de seda a 26 e 26500 o par.
Linhos de quadros a 80 re. o-covado-.
Uto escoseeaasa 100 re. o dito.
Linn de cores a 500 rs. o fdito.
Merino do edres, duas larguras, a 800 re.
o dito.
Meias com pintas, para senhoras, a 860 rs.
Madapolao americano a 6000 a peca.
Meias para homens a 36600 a duzia.
Extracto Porte-Veine a 16460.
Popelina branca, de seda, a 800rs. o co-
vado.
Paletots de seda palha a 76500.
Ditos de alpaca preta a 46500.
Panno da costa adamascado.
Pacotas de pie de arroz a 500 re.
Percales fi aa a 200 e 220 re. o covads.
Roupas -para baaos salgados.
Regatas de odres a 16000 urna.
Sahidas de baile a 26000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargefcm de cores a 200 rs. o cavado.
Setim de coree a 800 e 900 rs o dito.
Dito do Japao a 240 re. o dito.
Toalhas para rosto a 36600 a duzia.
Ditas para banho a 16400 urna.
(Aviso aos (Freguezes
Ob PRODUCTOS da
PERFUMARA OHA1. LEU
307, ruX de St-Honor, JPvLRUS
TaesMo ORJZA-OIL,ESS.0H17A,-ORKA-LACT, CRME-OR IZA
0RI2A-VTLCUT, GRIZA-TOJCA, SIZALrlE, SAIO-ORIZA
DEVEM 0 SEU SfiANOE XITO BEM GOMO 0 FAVOR -00 PUBLICO :
1* Ao cuidado parfeito com que estaaigoircto fabricados;
2* A' sua qualidade inalteravel e & savidade do seu perfume.
AS, OSMO SE FAZ CtMITMFfigCES DISTES PRO&UCTOS ORIZA
com inturto ds i'iier aatm a cusa ta snut Je que gozan,
pomos de sobreaviso os fregueses no fim que ae nao
deixem engaar.
ti VERDWEIIBS MOOUCTBS se wndem em todas as. Mis tazas da Perfumarii e Drogara.
MANDA-SE DE PARS'O CATALOGO-nxOS'nUDO FRASCO DB I
Precisa-se de um cmxeiro de 10 ii anuos,
com pratica de molbados e que d fiador a sua
conducta : a tratar na ra Conde da Boa-Vista
n. 87, prefere-se brasiliro.
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
gfnefces em geral que recebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por preces mais resumidos em vista
da continuacSo do cambio favoravel.
Convem que experimentem.
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
Aluga-se barato
Rt i do Rosario n. 39.
Ri.i do Galabouco n. 4 Io andar.
Baixa Verde n. i C. (Capunga).
Ba Visconde de Itapanca n. 43, armazea.
A ra do do Calabozo n. 4 leja.
Largo do Corpo Santo n. 13 i- andar.
Ra Santo Amaro 14 1 andar.
Ra Vidal de Negreiros n. 45.
Traa-se na ra doCommercio n. 5, !. aoaor,
escriptorio de Silva Guunares & C.
AJuga-se
PORTE
Molestias Nervosas
Capsulas do Doutor
.tunado da Futildtdt d Ujdieina d Pari. Pramlo Kont/on
As Capsulas do Doutor CLIN ao Bromureto de Camaphora empregSo-se
as Molestias, as de Cerebro e contra as affeccoes seguintes:
Asthma, Insomnia, Palpitages do Cdregao, Epilepsia, HallucinacSo,
Tonteiras. Hemicrania, Afleeeees das viao urinarias et para calmar toda
especie de excitacSo. -^-^
na Una txpUtati atWfta* smaiomAs mtt* fVato.
punhos, leos, teni-
AMARAL & C.
Emgir as Verdadeiras Capsulas ao Bromureto d Canapbsra da CLIN CS
de PARS, que se encontr i* eaasVdoa Droguistas tt Pharmaemtt*.
Tvpogapliia e UihograpMa
FABRICA DE LIVRQSDE ESCRIPT-
RAQAO
Premiada as expoiees de
Manoel J. de Miranda
EncadernacSo c especialidades em cartees de
futas.
39~Ria Duque de Caxias59
Telephonen. 194.
urna -ala grande, clara e fresca, de mn !-.*
dar rua.Marquez de Olinda, pan escriptorw
de coimissdes ou para algum medico.
Met de de um armazem na mesma rua,l pro-
prio pira deposito de gneros, faandas ou alet-
mo pa -a escr ptorio.
m terreno grande combafca de capim,'tiav
Toredog quartos para moradia, cocheira e^ei-
tribariu para cavallos, bois ou vaccas.
Os pretendentes poderSo obter qaalquel' 'in-
formagio no armazem da bola amarella, oaei
22 de Jovembro n. 36.
Alug-a-se
as casas n. 59 ra Vidal de Negreiros n.ttfOi
ra Coronel Suassuna, e um sobradinbo em Afo-
fados, eom bastantes arvores frtctiferas, no
ecco do Quiabo n. 64; a tratar na* ra Marcilio
Dias n. 106.
AMA
Pao centeio
Mk 4 Biset, avisam ao respeitavel pubbco,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
leroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Carolos de alg-odo
Compra-se carocos de algodSo ensaccados, en-
tregues nos armazens, ra do Barao do Trium-
pho ns. 10, 12 e H ; ao pfeco de 380 rie por 18
kilos.
Professora
Urna senbora competentemente habilitada, pro-
poe-se a leccionar em eoegio8 e casas particu-
lares as seguintes materias : Portuguez, Fran-
cez, Msica e Piano; a tratar na ra Visconde
de Albuquerque n. 20.
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Em decimos e caixa de duzia, tem para ven-
der Joaquim da bHva Carneir. largo do Corpo
Santo n. 13, 1- andar.
Precisa-se de'-urna boa en-
gommadeira, na ra Duque
de Caxias i>. 42, por eima-tfa
typographia do Diario.
Precisa- se d urna ama ; a tratar na ruade
Santo Amaro n. 6, 1 andar.
Ama
__
Pfecisa-se de urna amr para com
nhar para casa de pouca familia
nha n. 21, 2o andar.
rar e cos-
dn "Pe-
Afila
Na rila Formosa n. 8, precisa-se de urna boa
cosinheira e engommadeira, e que durma em
sasa.

& c
ALLAN PATERSON
N. 44Ra do BrunaNu 44
JUNTO A ESTACO DOS BOFDS
Tem para vender, por procos mdicos, ae seguintee ramsjasjs :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro eom sena circular.
Gradeamento para jardun.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalha.
Vapores de forca de 3, 5, e 6 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de paadora.
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e asientamcnto de machinismo e ezecutam qual
quer trahalho com perfeicSo e presteza.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, eom
pratica de 11 annos de profissao, apresentando
diversos attestados de bom methodo e comporta-
ment, offerece-se para leccionar em casas par-
ticulares, na cldade du em seus arrabaldes as se-
gumtes materias: ortuguez, Pranci, Italiano.
Geograpbia, Piano, trabalnos de agulha, etc.; a
tratar a ra 'Visconde de Goyaana n. 69 ou etn
casa doRegulador da Marinhara Taiga de
Rosario n. 9. -**
Inglez
Em virtude de ter sido muito procurado e nao
podide sarisSizer aos pedidos de todos, mandei
ar um collega da Inglaterra (Mr. Dick) que
j se acha no caso de receber discpulos de n-
glez pratico.
/. Fanstone, roa do Progresso n. 2.
Mr. J. Fanstone, tendo de modificar a lista de
seus discpulos para o novo anno, pede as
Exmas. familias e senhores que tm-o honrado
no paseado que communiquem-lhe os seos dse-
jos para que elle nao falte na attenclo devida
I aos Illms. Srs. seus discpulos.
Os Srs. doutores desta praca que tenham co-
nhecimento de inglez e que queiram se aperfei-
coar pratica, dirijam-se ai. Fanstone, n. 2
ra do ftogresso, ou na casa Evanglica n. 4,
ra estreita d Rosario.
Tambem para maior eotnmodidade das pes-
soas empregadas no commercio tenho resolvido
abrir um corso nocturno de ingles pratico, o
qual funccionar no 1 andar da casa n. 4, roa
estreita do Rosario.
sur, teorsr nflastl. nico professorame*
ricano da lingua inglesa, pode ser procurado
nos sabbados ra Conde da Boa-Vista n. 28,
sobrado defronte da estacSo da Sbledade.'
Tratmento Reconstituirte
Precisa-se de urna ama para cozinhar para can
de familia; a tratar na ra dos Guararapes n.86. ,
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinbar,
casa de familia de tres pessoas; na roa '
numero 69.
Ama
Precisa-se de uma ama para engommar em
casa de pouca familia ; a tratar na ra Bbtfae
de Caxias n. 48, loja.
_----------------------___------------------------------1-------------------------------i .. i ,
Ama
Precisarse de; ma ama para cosnhar e cosv
prar, para uma s pessoa; a tratar na na e
Vigario (Recife) n. 19, 2- andar.
sai-------------*
Ama
Na ruc. Mrquez do Herva! n. 61, sobrado,
precisa-se de urna ama que'ooginhe.
PEREIRA & MAGALHAES
tooas
Recebedores directos dos mercados da Europa
1 iquidam os seguintes artigos com descont de 14
veudas* em grosso
Bramantes de algodao superiores, a 800 rs. o metro, 4 larguras,
dem de puro liaho fazenda de 26200 para acabar a 14600, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 e 15200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para lencoes a 50500 a peca.
Madapolao americano, a 39600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Mari pozas de cores a220rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes;, a 200 rs. o dito.
Batistes idem a 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de nma largara a 200 rs. o dito.
dem de quadros. modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichs de renda chics a 10000.
- Colchas francezas de cores a 20000 e 40000 nma.
Lenge, de bramante a. 10800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupa de crianca a 10000 e 10800, diagonal, duas
larguras.
Camisas inglesas e francezas a 260000 e 300000 a duzia.
Tapetes araiudadoa, grandes, a 140000 um.
Cortinados ricamente b arenis a 50500 a 60000-
Pannos de crea para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 3000 o dito.
Brins pardos e de ores a 280 rs. o dito.
Vefndilhos de odres e pretoa a 900 rs. o dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
Setins de todas as eres a 900 rs. o dito.
Setinetas lavrada 200 e 240 rs. o dito.
Alpaca, modernas, kvradas, a 940 rs. o dito. "
Meias croas ingtozas para hemna a 20500 e 30000 a dnaia.
Cenlas bordadas, de bramante, a 120000 160000 a dito
Oartes da casemiras para caloa a 40000 e 60000.
dem (le mesa casemira a 20000.
"Basabas iidni para rosto a 40000 a dosis.
dem fesyudas para banho a 120000 a dito.
E muitos artigos que serao Jesuseados com apresenca 59Kua Duque de Caxias69
LOJA DE
PEREIRA k HAGALHES
Appro vado pala
Apprtrrodo pala Jonota
da Vadtasaa da Parte.
ds Hyjrisna publloa de
O Professor Hrard snearrefsdo do atototorte t Aaademto deMOnstron que
fmeUmente acceito fetos oentes, bem tolerado pelo estomago, restaura as
Toroat e cura a ehloro^memia; que o que Ostingue parHcMlarmtnie este
nemo salde ferro, queno oausa pristo de ventre a qual combate;* simn-
dose adose, obtm-se defeopdes nttmerosas.
O PERRO OR ARO ora aa sansa, odres paludas, oaimbraa da estomago,
empobreoimamto do sangos; forutea os tempertanentoe traooa. sxotts o
isa, ragularlaa sa ragi-is ooasbaite a estarllldsds.
Dapoarto tm Parla, roa Vrrtonne i no jrhicipaj >^ifm t fsnsiou
Ama
Precise se de uma ama pura' o servido desdes-
tico de casa de familia; a tratar no escriptio
deste Diavio.
Ama
Precisa-se de uma ama para eosinhar : a-tra-
tar na ra dos Guararapes a. 88.
Elixir X>ochamp
de
COM EXTRACTO
Figade, de litiaslhu
Quiten e Ceiem
....-.^.........
MOLESTIAS oo COR ACA(
sdtotsoTEuiCsiiiim
LlWnX.UMtimuimsiilttli
SirUIIa%K*nAao,PAWITiC0ESitinDB6PI8IAii
imuimA.%MtLm*n
Depotitartoa em
.MaU.PBa
IAPJ-M.
DA ACADEUfA HACKINAL
r^
..ACTO 0^1
PADO-Ot '
~ALHAO_
Ds sabor mal aaradavel, o VIrfHO do Doutor VTVIEN re-l
IcerUdo por todos oimedlci para 0 Raehitumo, Etcrophula, AntmU, J
\MsUsHm de Peito, Catarrho pulmonar, Dtbilidtde, sto.
Vinho Maduro
Pojas Mendes & C, com grande estabelecl-
mentOrde-iseccos e molhasos, sito casa n 9 4
ra et:eita do Rosario, esntiguo aigreia, aca-
bam de receber uma grande remessa do acre-
d'tado e especiat \1m^dlBairarO, o uncotrue sem
a minina (JOfeo;ae*torportQdo MaaWrcado,
e s se vende no referido estabele^MfW "
commercio
Cautet!
Coiistando aos asao assigMdos que nlajiysi
se oceulta dizer ser uosso caixeiro e ter compra-
Tuerer
do em nosso nome
ne m twipo que

OU fmaao i-mU) Tim lobr o elio i!i
i ELIXIR conttm o ? fifo d bioatlAu van-
fprincipiot dpur*ivo > Mgm "da IwMlarar u
Itoniooaaaumlitpodaelao / tunoqom do rtomaje
[da fijad da bacalhau a ? am KifW'daa'partura,
^umlKfcdevirhodeQuira. < aMMArtaro apflSSa.
a a.a'iaaaJa.
Este Medicamento, de sabor gosto
muito agradaveis, obteve o metast* soc-
cesso em Franca para combater :
ANEMIA, CHLORSB,
AFFEC^ES dos BRONCHIO
e PULMBS,
e a FRAQUEZA da CRIANCAS
anaa Depsito geral em PARS :
, DUOHAHP, 15, rus d Poitou
Em Ptniainlmce :
Precisa-se
servidos
Ama
para
Vil

de uma ama
na fu B3r9o 8a
_ cosinha e nttis
Wtdrfcii.tt.loJi.
Ama
Precisa-se de uma
Florentina n. 34.
ama : a tratar na ra ds
Ama
[.Na ra velha de Santa Rita n.
e uma ama para cosinha.
se
Ama
Precisa-se de ama boa ctfsmheira, paga-se
bem : loja de azendas, ra Duque de Caxias
n. 44.
Ama
Na ra Velha de Santa Rita n. 101, precisa-a*
de uma para cosinbar: pefere-se idosa.
Precisa-se de uma ama para eosinhar ; na ra
a Madre de Deus n. 5, 2 andar.
Amas
Na casa de familia rua]do Vigario n. 25, se-
gundo andar, precisa-se de uma cosinheira e de
urna ama secca para crianca.
Amas
Precisa-se de uma cosinheira e de uma criada
para tratar de enancas e que aaiba ehgotomar :
na ra da flio n. j{7, ,
ALmas
_a_
FABRICA
DE VIDROS
US Ruad Aurora 193
Expoe venda em grosso
e a retlho os productos d,
seu fabrico: sendo
Copos com e sem p, ditos
com aza para cerveja, cli-
ces, globos, chamins, frascos
para botica etc. etc.
Preccjs sem competencia
Precisa-se de uma criada
para o servicp de uma fami-
Jia a tratar na ra da Sole-
dade n. 82.
Precisa-je de duas amas pasa casa de peque-
a familia, sendo uma para cosiriha e ourrss
servigos dsmesticos, e de outra para lavar 'es-
gommar : na ra do Imperador n. 40.
VICHY
^tfiWa'afraHo r MM/, 8, BeiHttsrd'Stntmirtrh:
aRANI)RILLE.- Affeccoe lymahatiqas, Db-1
ra as uaHesliTa\,l)bstnitt8est!.! tljaift < do law,
ObrtraetSca ritceraes, Concrees alculosas da bA
HOl>rf AL. Affect*s das ras rti^slvaS Ipcoa
do do tsnaio, Bt)iarto difcft hia
Gaslralg?, Dispepsia.
CLESTlkSl- AITotfSca dos rins, da
ConfrfSes dMonrnai.Oola, Dialwi'?, \lh'W
HAUtiiuvt- Afleefoesdoscia',di betaji A
Concreo5esdaonrinas,Gota,Dal>,>' M
EHJi-SE 0 OIE 1 F01TE M Ci:
Em Ptrmbueo, u Aguas du Fon1s cima nomeadas. achic-se a raut l*
8UL2ERSEKOECBUN.35.ra daC.u^-Auj LAI 7j
Daa~
ei
* O ^,si
SVO fUart U.^






8

Diario de PernambucoSabbado 26 de Janeiro de
1889
triada
Preci>a-sc de urna pessoa para o servico in-
terao de urna casa de pequea familia ; a tratar
a roai- de Marco n. 17, i andar
Cozinheira
Precisa se de urna boa cozinheira que durrau
em casa dos pairos, p-ra casa de pequea la
b ::a, ua ra do Conde da Ba-Visla u. 2i F.
portfio de ferro.______
Kercearia Equidade
Ra de Borlas u. 15
Grande v.iriedade de vinhos engarrafados, por
aKBHdo prego, o superior qualinade, recebid?
flrectameule, como sejam : vinho de Pasto, Col
lares, Fiibeira. Verde, Palhete, Moscatel, Malva
aia. e outro sein igual, especial para senioras
Vende- superior carne ateca de porco, vinda
o sertao, vinho tino do Porto a retalho.
Tfp"3 Attendite
Jos Samuel Botelho avisa ao respeitavel pu
Mico que aioda continua a fabricar Bouquets do
mais afamado gosto, para casamento ou outro
qualquer acto, assim como capellas mortuarias
de perpetua ; a tratar na ra Nova n. 80, loja de
nr.udezas, ou na ra da Cadeia do Recite n. 43,
loja de selleiro. _
Criado
Precisa de um no 3. andar da typo-
graphia do Diario de J'crnambuco, ra
Duque de Casias n. 42.
t MAIS DE 10:000 CIRAS
ni i III Hl\i\v
'::::: :: mutunsiio
DORES DE DENTES
PREPARADO NICAMENTE
POB CALA8AN8 & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma-
tismos, inchacSes, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia, etc., emprega do-se em
fomentacSes sobre os lugares affectados.
Cura o beri-beri, as paralysias e as dores
de dentes.
Todos os frascos levam direcsSes para
uso d'este medicamento admiravel.
Preco 1)5200. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
-y ( Francisco Manoel da Silva & C. ra
Mrquez de Olinda n. 23
VENDAS

_ Vende so urna armacao com seus utensi-
lios de um deposito de seceos da casa n. 8 na
Baixa Verde, freguezia da Grata, proprio para
'*um principiante ; a tratar na mesma._____
Vende-se um estabelecimento de molbados
com proporces para grande negocio ; na praca
Conde d"Eu n. 18.________.
Vende-se o antigo e bejn afreguezado es-
tabelecimento de calcados nacionaes da ra do
Livramento o. 11, o qual se torna recommenda-
do pela boa localidade em que est ; a tratar
o mesmo. i /
Vinho de
pasto JJ
O que na de melhor vende-se pelo mdico
peco de 35*000 o barril de 5 e 8*u00 o garra-
filo* de 3 caadas voltando o garrafSo 7*500
(precos lquidos) : ra do Amorim n. 60.
Libras sterlinas
, Vende o London & Brazi-
%lan Bank Limited, a 9#000
cada urna, ra do Commer-
cio n. 32.
Bom empreo de capital
Vende-se duas casas na ra do Mangue n.s 24
e W; tractar na mesma n. 26 ou ra do Ara-
go n. 17.
o Je? JL)L JJwinJLJL3~A*
Ta pasa tm
Ra Duque de Caxias n. 108
Venderse bordados de cambraia tapada
de 2 1(2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 8CO e 10, muito fino, de
qualquer largura a 1(5400, e de fustao, de
700 a 15800 a peca.
Enxovaes para baptieados a 8(5, 100 e
12d000.
Lindos enfeites para penteados a 100,
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 2iJ500 o covado.
Pulseiras americ;inas para 30, 40, 50,
60 e 80000 o par.
GuarnicSes americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 e 60000.
Porta dedes de vidro, objecto para pre-
sente a 10000.
Broches de fantasa de 500 a 10000.
dem americanos de 20 a 30000.
Lencos de seda de 500 rs. a 10500.
Lublaque a 200 rs. o par.
GuarnicSes de crochet, sendo um para
sof e 4 para cade iras por 6$000.
Finas capellas de pellica, panno e cor,
com finos veos.
Flores artificaes a 10000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 20 20500 o par.
Bicos brancos de linho e de cores a 20,
20500 e 30000 a peca.
Contas de cor para enfeitar vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
80000.
Talheres para enanca a 800 rs.
Luvas de pellica a 20500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 20000 e
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhos com fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 40000 e cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missan-
gas.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta e de cores, sem e com vdri-
lhos.
Timaoainhos enfeitados de bico e renda.
Grande sortimento de fitas modernas a
13 dcMaio. Imperial Regente, a Nabu-
o e a Joao Alfredo.
Lindas fitas para facha a 20, 20500 e
30500 o metro.
Carteiras de chagrin para algibeira.
Finas gravatas plastrones e regatas a 10,
10200, 10500 e 20000.
Lindos porta-ps de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfei-
tar consolos e sanctuarios.
Completo sortimento de perfumaras.
Finos sabonetes de todos os fabricantes.
Grande sortimento de alfinetes dourados
para enfeitar o penteiado e tambem gran-
pos muito lindos.
N. B.Dase amostras de bicos e bor-
dados.
FOLHETIM
POR

JULIO MARY
TKHt'GIH.l PARTE
HOMA-POR HONRA
(Continuaco do n. 20)
VI
Nao procuraste provar cousa algnma
para tua defeza... Se nao amas esse ho-
mem, que eu odeio sem poder explicar os
motivos do meu odio por que venho en-
contrar-te novamente aqui, em casa delle,
rivendo com elle como urna amasia vive
com seu amante ?
E' porque quero a perda delle, Gau-
thier...
Mas por que ?
Elle ama-me ardentemente.
Elle ama-te e queres pedel-o? O
aue te fez elle ?... o que meditas ? que
prejecto?
Ah! Gauthier, se soubesses!.
*tlo terrivel o que tenho a dizer-te?...
Falla, falla, supplico-te !
Esse homem, Gauthier, esse Mont-
mayeur maldito... que en odeio e que
faz-me horror. .. e na presenca do qual
represento a medonha comedia de um amor
cujo nico pensamento me faz corar.. .
esse homem..
Deteve-se para escutar.
Pareceu-lhe ouvir ao longe um ruido de
JM8S08.
Tranquillisou-se.
Esse homem, Gauthier,
ella em voz baixa e trmula,.
ten pai. ..
O mancebo soltou ama exclaraaclo de
horror.
Elle! eUe!. .
Agarrara as maos de Luciana
lava-as com forca.
Nao te engaas ?... Foi mesmo Mont-
mayeur que disseste ?
Nlo mjfengano.
Ah o mfseravel! o miseravei!
acabo do vel-o^iisar ha pouco, por junto
WHISKI
Royal Bleod marca VIADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de mol hados.
Pede Royal Blet>4 marca Viado,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
Barato
S na loja^das Estrellas
5S-IIIA DEQUE DE CAXIAS-56
Telephone n. lo
0 proprietario deste mui acreditado estabeleci-
mento previne a todas as Exmas. familias
e freguezes era geral, (rae as muitas pe-
chinchas que costuma azer, nao sao mais
divididas com a sua ex-casa das LISTRAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos que em outra qualquer parte dirja-
se a LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trar um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas quese venden por pre-
cos que nao Ihe podem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 10800 a 10000.
Dito de cores a 10 e 10300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a 10600.
Briin de cores para ronpa de enancas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 100 por 50000.
Cortinados bordados a 50 e 60000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 40 e 40500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 70000.
Cretones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou VicT
toria, a 20800 a peca.
Camisas inglezas para homens a 280000
a duzia.
Collarinho8, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completo, por 20500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 100, 150e 200000.
Casacos Jersey a 20500, 30, 40 e 50.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 10200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 10100 a jarda.
EsguiSo de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 50600.
Espartilhos couraca a 30 e 30500.
Fichus a 500, 10 e 10200.
Fustao branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos veos de Blond
a 70000.
GuarnicSes de crochet para sof, a 50500.
Gorgorao preto de seda a 10800.
Guardanapos de linho de 30500 por 20
a duzia.
[ Leques de fantasa a 400 re.
Lencos para meninos, a 320 re. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 10000,
10500, 20 e 20500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
Madapolao pelle de ovo, muito fino, a
60000 e americano, com um metro de lar-
guro, de pre^o de 120 por 70000.
Dito de 80 por 50000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 re.
Dito de todas as cores a 500 re.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
ReBdas hespanholas a 10600, 10800,
20500 e 30000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 re.
Dito de quadros, ultima novidade, a 10.
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 re.
Toallias alcochoados e felpudas a 20500
e 30000 a duzia.
Dras para banho a 800 e 10200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs. ,/
Zefiros de toda* aa cores a 80 re.
Asaim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos 20 *\g do que em qualquer eutra
parte.
Grande liquidado
mes srasaaaaaa
16 Rua do Bario d Victoria 16
AZEVEDO 1RMA0 & C.
Rejolveram vender mais barato para di-
minuir o seu grande deposit, para assim
poder da balance
A saber :
Rendas de edres, comprimento de saia
a 10000 e 10500.
Sargelim de todas as cores a 200 rs. o
covado.
Baleias com forro a 400 rs. a duzia.
dem sem forro a 240 re. a dita.
Bramante de linho. com 10 palmos, a'
10400 e 10500.
Extracto Rita Sangal a 20200.
Fichs de la e seda a 10 e 10500.
Capellas com veo bordado a 60000 e
70000.
Merinos de cr%s a 400 rs.
Zefiros, largos, a 160 e 200 re.
Crotones com ferraduras a 240 rs.
Madapolao (o verdadeiro Boa-Vista) a
60000, com 20 varas.
Toalhas para banho a 10 e 10500.
Colchas de crochet, finas, a 50000.
dem com flores a 80000.
Toalhas felpudas para rosto a 30000 a
duzia.
Bramante trancado, 4 larguras, a 800 e
Madapolao com 1 metro de largura a
70000.
Madapolao Globo a 70000.
Dito camisero legitimo a 70000
Fustao branco a 360 e 400 re.
Setim branco e de todas as cores a 800
900 re.
Tapetes grandes para sof, a 130000.
Espartilhos couraca a 40 e 40500.
Cortes de cambraia com carocinhos a
40000.
Brins de linho de cores fixas a 600 rs.
Crinoliae branca e preta a 400 re. o
metro.
Rico sortimento de leques de penna de
80000 e 100000.
Guardanapos de linho a 20 e 20500.
Panno de crochet para cadeiras a > 800
reis.
Ditos grandes para sof a 20500.
Cambraia Victoria e transparente a
30000.
Merino preto, fino, a 800 e 10000
Camisas francezas, finas, a 330000 a
duzia.
Nanzuc de cores finas a 240
vado.
Capas de cachemira preta.
Renda hespanhola a 10000
Cretone com duas larguras
Batistes finas a 140 re.
La de quadros a 280 re.
Cortinados bordados a 50500.
Ditos de crochet a 100000.
Camisas de flanella com collarinhos
sem elles.
Palitots de palha de seda, todas
A'
Ah! como
eguio
ssinou
aper-
de mim... sem desconfiar
tinha razSo de odial-o !
E com os punhos crispados pareca que-
rer precipitar-se na direccSo de Garches,
onde havia desapparecido Montmayeur.
Toma cautela, Gauthier, toma cau-
tela !... Lembra-te do que me promettes-
te... E' preciso que guardes este segre-
do no fundo do teu coracSo, como eu e
Claudina o conservamos... jura mais urna
vez... jura...
Ah! "pedes-mc o impossivel... Nao
poderei nunca.
Nao queres entilo que eu salve Do-
riat, o pobre aomam condemnado injusta-
mente ?...
NSo poderei, repito-te... Ah! o mi-
seravei !
NSo queres entlo vingar teu pai ?
esqueceste por ventura o cadver ensan-
guentado, estendido no quarto envolto em
trevas, e junto do qual oramos juntos ?
NSo, oh nSo o esqueci! Pobre pai!
Como queres que eu poesa esquecer semer
lhante espectculo ? Mas urna vez que o
assassino conhecidp, que razSo ha para
retardar? Porque nao se ha de accusal o
publicamente ? Por que nSo se ha de cas-
tigal-o?
Porque isso que queres impossi-
vel!
Impossivel ?
NSo existem pro va a !
Conta-me tudo.
Luciana fez-lhe o histrico de todos os
acontecimento8 que os nossos leitores co-
nhecem. Horrorisado, Gauthier escuta-
va-a sem intorrompel-a.
A moca falla va rpidamente, por phra-
ses entrecortadas.
Quando terminou, Gauthier beijou-lhe
as mSos.
Oh! Luciana,queridacrianca! mur-
murou elle. Como poderei algum dia re-
conhecer o teu devotamente, o teu sublime
sacrificio ? Mas tcm paciencia... Perdeste
tua honra de donzella para a sociedade...
Julgam-te culpada... Breve a sociedade
reconhecer a tua abnegaefio, e quando te
virem pelo meu braco, orgulhosa e feliz,
hSo de todo saudar em ti o amor filial no
que elle tem de mais nobre e de nwis ge-
neroso
E depois de um curto silencio :
Mas j>arece-me que urna protana-
cSo deixar-te em casa de semelbnte ho-
mem ... Por que nao vais para casa de
Mara Doria* ?
NSo irei para l sent depois que
Montmayeur for punido.
Ah 1 osee da chegar ?
Mais cedo talflps do que julgas...
Tanto melhor. E Deua consrve-
me a vida at l...
Pinho resina
Cimento
Parall elipipedes.
Vendem Fonseca Irmaos & C.
rs. o co-
e 10500.
a400rs.
as co-
res.
Mas nSo podes ficar mais Umpo
comigo Gouthier. Montmayeur, se vol-
tar, nos encontrar juntos.. Estaremos
perdidos... E depois, meu amigo, o teu
dever nao est aqui...
E mostrando com um gesto a noite pro-
funda, no meio da qual o Monee Valeria-
no protega a concentracSo do exercito
francez :
Visto que amanhS tm que bater-se,
o seu lugar l...
L irei ter dase simplesmente o
mancebo.
E afastou se com precaucSo, parando
quasi a cada passo, emquanto Luciana v-
tava para a fabrica
E mal haviam ambos deixado o grupo
de arvores, um homem sahia de junto
delle, oambaleando, dominado por terrivel
emocSo e precipitava-se no encalco de Lu-
ciana.
Era Montmayeur.
Alcancou-a antes que ella entraase na
fabrica.
Ah! exclamou ella, nao traz o me
dico alIemSo?
NSo, disse elle com voz alterada.
Porque?
NSo o encontrei. Est, ao que pa-
rece, as ambulancias de Versalles, per
ordem do quartel-general. S peder es-
tar de volta amanhS ao correr do dia.
Maa at amanhS ininha irmS pode
morrer!
E Luciana precipitou-se na casa.
A' sua ultima palavra, Montmayeur te-
Ye um mo sorriso.
Murmurara;
Assim o espero I
Luciana nao suspeitava anda da pro-
fndese daquella auna criminosa.
Montmayeur, vendo Claudina peior e
delirante, esperava um desenlace fatal,
que lhe pouparia um novo assassinato, ao
qual estava resignado, mas que repugna-
va-lhe, apezar de tado.
NSo se dera seqaer ao trabalho de ir
at Garches. Parara em caminho e nSo
procurara o medico allemSo.
Ao voltar, ouvira tallar, julgara aeco-
nhecer a voz de Luciana, e approxiara-
se, occultando-se.
Ella engava-me. NSo me ama..
Luvas de seda*
Fazendas de phantasia e abertas.
Cachemiras eom listras e quadros a
500 re.
Cortes de casimira a 40000.
Etamine preto.
Cortes de cambraia aberta a 50000 a
peca.
Cortes bordados brancos e de cores.
Seda palha crua com flores a 800 re.
N. B.As fazendas compradas na nos-
sa casa nao sendo do gosto do freguez, se
trocam por outras de mais gosto.
Telephone n. 200
Taverna
A Loja das Listras Azues
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Telephone n 0 proprietario desta conuecida casa previne as
Exmas. familias e todos os seus fre-
guezes, que as pechinchas que costuma
dar, nao sao r.em nunca foram divididas
de outra casa como alguom annuncia
para engaar, vendendo fazendas ordi-
narias por boas, caslume que a Laja
da* i.i*iru Azues nao tem.
As fazendas vendidas nesta casa sao de boaqua-
lidade, e nao levam | medida escassa;
aceita-se a fazenda vendida se, por
Suaiquer motivo nSo for de muito agra-
o da pessoa para quem for comprada.
Dase descont a quem comprar de 20
para cima.
ESPECIALIDADES
Hrlnt de listras azues pecas com
20 varas a 60000.
Hadapolo com um metro de largu-
ra a 60800 a peca.
Cortes de vestidos bordados em
cartao a 100000.
Velludilho bordado a contas a 10600
o covado.
Cachemiras pretas, de quadros e
azuladas a 20 e 20500.
Tecidos fantazia arrendado a 400
500 re.
Cortes de cachemira com guarni$o'es
bordadas, lindas cores, a 200 e 250000.
Setim Maco de todas as cores a 750,
e 800 re.
Listo a bordado, tecido de urna s cor,
qualquer que se deseje, a 200_rs.
Zefiros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 re.
Las de quadrinhos a 200, 240 e 360
o covado.
Unhos lisos a 60 e de quadrinhos a
100 re.
Guardanapos melhor qualidade a
10800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores a 10.
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 40000.
Cortinados de crochet, comsanefas,
ultima novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados a 900 re. o
metro.
Colchas de fustao, brancas e de ecO-
res, a 20000.
Chitas finas precales a 200
Chitas escuras a 160, 240
Batistes de cores seguras
Vanzue de lindas cores a 280 re.
Ilrim pardo esguiSo a 240, 280 e320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 re.
Hantllhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 80000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos enfeites e com vibrilhos a
200, 250 e 300000.
Leques de penaao e transparentes,
ultima novidade, todo prego.
Luvas de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 20.
Espartilhos inglezes a 40500 e 50,
tem desde o n. 40 at 80 de grossmra.
Bico branco creme e de todas as
cores desde 700 re. at 20500 a peca.
Rendas hespanholas, de seda e de
algodSo, preta, branca e de qualquer cor.
Babados e ntremelos bordados ta-
pados e transparentes por todo preep.
Grampos e pentinhos fantazia para
cabello a 400 e 500 re.
Baleias para vestidos a 260 re. a
duzia.
Reloglos despertadores com fi-
guras em movimento a 80 e 90000.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas na loja das
LISTRAS AZUES de _____
Telegramma familiar
Vejam e admirem!
55 -Rua Buque de Caxias-ft&
Pedimoj ao respeitavel publico attenco para
os precoi reduzidos dos seguintes obiectos:
Zeflros de 80, 160, 200, 240, 400"e 800 ris o
covado. rande sortimento.
Capas para senhora, o que ha de mais mo-
derno e barato.
Espartilhos de couraca a 4, 54 e 6*000 um.
Fustes brancos c de cores a 360 e 400 ris o
covado.
Lasinhas de quadros e listas de 240, 280, 320,
400 e 500 ris o covado.
Grande sortimento em fichus.
Cortes de linn bordados para vestidos, com
todos os enfeites a 14000.
Colcha i brancas e de cores a 24000.
Luvas de seda fina a 24000.
Cortes de cachemire com \idrilhos o que ha
de mais aovo.
Cambraia com salpicos de cor, novidade em
gosto e barato.
Grande sortimento em punhos e collarinhos
para homem.
Bramantes de algodSo e linho e por presos sem
competencia
Cretones para vestidos, um sortimento esplen-
dido em padrOes e precos.
Cambraia branca com salpicos a 44000.
Brins de cores para roupas a 320 ris.
Atoaados de diversos gostos e barato.
Madapolao para familia, muito largo e por um
prego riaosvu a 640O> a pepa.
Merinas de cores a 500 reta o covado.
Completo sortimento de sargelins a 24000 o
covado.
Benda hespanhola a 24 e metro.
Setins de todas as cores a 800 e 14 o covado.
Tecid js arrendados de diversas corea a 400
ris.
Vaneiade immensa em toalhas felpudas, bran-
cas e de cores.
Cortinados de crochet e bordados por precos
sem competencia.
Baptutas de cores a 120 ris o covado.
Cambraia Victoria e transparente a 34 a pega.
Completo sortimento em casemiras de cores e
pretas liara roupas.
Crin (linas branca e preta a 400 reis o metro.
Benda oriental, novidade, 500 ris o covado.
Camisas brancas com collarinhos para homem,
cousa chic a 24000.
Tapetes, grande sortimento e barato.
Amor da China, fazenda de fantazia de listras
e quad -os a 200 ris o covado.
Cortes de meias casemira a 24, um.
Linn bordado de quadros, o que ha de mai3
novo a 800 ris o covado.
AJn. do que acabamos de annunciar tem urna
variedide de mercadorias que s vendse.
Dao-se amostras sem penhor. .
55 RUA DUQUE DE CAXIAS 55
RMJUIMS DE AZEVEDO i C,
e 240 rs.
e 280 rs.
a 120 re.
Vende-se urna taverna rua da Conceigo n
11 ; a tratar na mesma.
que recuasse diante de urna tentativa que
Ih'a entregasse. Chegara ao ponto de
desvario de paix&o de encarar a sua pro-
pria morte como possivel e ate prxima, e
affrontal-a, comtanto que essa morte fosse
paga pela posse de Luciana.
Deixara a moca entrar na fabrica.
Elle ficara fra.
De repente p6"e-se a correr na direccjlo
que Gauthier tomara... O mancebo nao
pode estar longe. Passam-se alguna se-
gundos. Alcanca-o.
Gauthier, julgando-se perseguido, qui-
zera oceultar-se. Montmayeur nao lhe de-
ra tempo para isso.
As nuvens occultavam novamente a;
trelias e era intensa a-obscuridade.
Quera?... O que quer de mim?
pergunta Gauthier.
Desejava fallar-lhe...
Anda urna vez, quem ?
Olhe-me de mais perto. Ha de re-
conhecer-me.
Joao de Montmayeur 11 Ah !...
Retem na garganta os epithetos de la-
tos e assassino. Recorda-se do que Lu-
ciana lhe havia feito jurar.
Claudina, sua rmX adoptiva, est
morrendo. Luciana disse-me que acaba
va de estar com o seahor. Ella quera
abracal-o antes de morrer. Luciana e
Claudina chamam-n'o.. .Precrpitei-me no
seu encalco.
Gauthier hesita um segundo. Tem o va-
go present ment* de que um laco que
lhe armara. Mas reflecte que Luciana,
havia pouco, annunciara-lhe que Claudina
estava em perigo de vida. Montmayeur
nao estava portanto mentindo. E depois,
achava-se tSo prximo da fabrica, alguna
minutos sement, o tempo de abracar
Claudina e retirar-se.. Ter tempo suf-
ficiente para voltar as linhas francezas.
A noite nlo est prxima do seu fim.
Vamos, diz elle a Montmayeur com
voz breve, eu acompanho-o l...
Montmayeur caminha na frente a passo
rpido. Os seus olhos brilham. Um sor-
riso cahia-lhe nos labios. Chegam,
Montmayeur abre a porta.
Acompanhe-me...
A escuda acha-se escura. Sobem. Mont-
Nunca me amou... Nao procura sen5a* mayeur nlo para no primeiro andar. En-
vinganca... No seu coracto nlo existo
por mim tealo o odio !
E urna tortura sem nome o martyrisava.
E' que, apezar de ser assassino e ladrifc,
apezar de meditar n'um aovo crime, ape-
zar de nlo ter nem f nem'consciencia,
elle amava Luciana, amava-a loucamente,
e seeMyriBMr. pieorio amor, tornado
imp-m H^Horiminoso. Qaelle
ue W tencewe e nlo era hoi
f
tretanto no" primeiro andar que se acha
o quarto de Claudina. Sobe ao segundo,
Gauthier contina a acompanhal-o. Mont-
mayeur abre urna porta.
Entre!
Gauthier d dous passos e acha-se n'um
quarto escuro. Para. Asalta-o de novo o
present ment que ti vera pouco antes
Claudina?
Claoln?
pergunta elle, oade est
Jos Augusto Dias
Ouve atrs de si urna porta que fe-
chada chave.
Montmayeur accende urna vela.
Gauthier lanca em torno de si um olhar
admirado. Acha-se no gabinete em que
Montmayeur faz experiencias de chimica.
Por que o conduairia o miseravei alli?...
A vaga luz espalhada no aposento illu-
mina com vacillantes claros o rosto do
Montmayeur.
Por que me traz aqui ? Onde est
Claudina? pergunta Gauthier.
Montmayeur sorri silenciosamente.
Na escuridao, nlo vendo aquelle rosto
repulsivo, Gauthier tivera forca suficiente
para conter-se. Mas agora que via o mi-
seravei, parece-lhe 1er naquelles olhos os
peasamentos que precederam e seguiram
o assassinato de Bourreille.
Esquece os juramentos feitos a Luciana.
O seu horror e o seu desejo de vinganca
arrebatam-n'o.
E precipita-se sobre Montmayeur, lan-
ca-lhe as maos em torno do peseoco, gi>
tando:
Miseravei! assassino o ladrSo !!
A pressao dos dedos tao violenta e
t&o brusca, que um momento Moatmayeiir
cambaleia.
Mas robusto.
Depois de urna curta luta, desenvenci-
lha-se, recua e recobra o sangue fri.
Gauthier, fra de s, tica desesperado.
E entlo, o que quer o senhor? diz
Jlo com calma.
Gauthier perdeu toda a prudencia.
Negu que nlo o assassino de meu
pai I
Montmayeur tica por muito tempo si-
lencioso.
O que vai elle dizer? Cruza os bracos.
Est singularmente paludo.
Vamos, responde! Bem vea que sei
tudo... Ah! monstro... como has de
ser castigado !...
Acalme-se, Sr. Bourreille
zi-o minha casa, nsb para ver
na...
Paca que entlo ?
Para discutir 1
Discutir, miseravei!... A tua pre-
senca ennoja-me. Leio o teu crime no
teu rosto 1 E por mais destemido que eu
seja, julgo a. tua alma tSo baixa, to
criminosa, to disposta a todos os atten-
tados, qu sinto-me, mo grado meu, as-
sustado...
PSe a mo sobre os olhos.
E este homem, murmura elle, este
homem teve a coragem, a dona pasaos do
cadver da sua victima, de acormpanhar,
urna a urna, todas as peripecias da devassa
judicial!! Horrivel !... Porque moecdo-
me perfeitamente do teu tete-1
condu-
Claudi-
aa aera
mmfmdo
Bom terreno
Veule-se um terreno de 180 palmos de frente
e 150 de fundo na rua do Conselheiro- Portalla,
nos Af Bictos ; o terreno est cercado e tem 'al-
guna urvoredos novos plantados : quera preten-
der dirija-se ao esenptorio deste Diario, que
achara quem indique o vendedor.
Para oDerby
Carlos Sinden receben grande sortimen
to de gravatas e camisas de cores prbprias
para os amadores do Prado e est venden-
do por precos sem competencia.
Recebeu tamben collarinhos e punhos
de borracha de formatos novos.
48boa babIo da victoria-48
Vende-se ou aluga-se
um sitio com casa, na frente todo murado, com
diversos ps de fructeiras, duas cacimbas com
excellente agua e banheiro, rua de S. Miguel
n. 84 (Afogados) : a tratar no mesmo ou rua
Marcilio Das n. 106.
Cimento Portland
Vendem Soares de Amaral Irmaos, rua da
Madre de Deus n. 22.
Bom para principiar
Vende-se o deposito de cigarros e casa de bar-
beiro sito rua Mrquez do Hervai n. 96, deno-
minado Fabrica Venus, muito bem localisado
por ficar com o oitao para a rua do Paco da Pa-
tria. 0 motivo da venda o dono acbar-se em
condicOes de nao poder continuar com tal nego-
cio por molestia: tratase na mesma casas
qualquer ora.
pai !
Sei agora por que, desde esse dia, instinc-
tivamente, te odeio... Ah! miseravei!
mif.3ravel!
! de repente, estorcendo-se recorda-
clo daquella noite:
Meu pobre pai! Meu pobre
Ah nlo ti veste difficuldade em matal-o :
"elle nao se defendeu... Estava to fra-
co !... Urna crianja subjngal-o-hia!...
Os punhos fecharam-se-he.
No dia em que subires ao cadafalso,
lvido e suando a tua angustia, estarei
perto de ti, Montmayeur. Nao te deixa-
rei. E levars o meu sorriso e* o meu
ol: ir de vinganca para a eternidade...
Montmayeur deixava passar este fluxo
de palavras.
Conservava-se impassivel. Nlo havia
desencruzado os bracos.
A noite comecava a branquear ao lon-
at com os primeiros clariJes da aurora.
l^Gauthier estremecen.
Era-lhe preciso partir. Approxima-se de
Montmayeur.
Vou-me embora, diz elle, porque
assim preciso, porque o dever chma-
me. Mas terminada a guerra, e isso ser
breve, se alguma bala prussiana nao rae
matar na jornada que vai comecar, has de
tornar a verme. Segurei os teus passos
ato o dia do castigo.
Dirige-se para porta, procura abril-a.
Ella estava fechada. A chave nlo se
acliava na fechadura.
Olha para Montmayeur, indeciso, nao
conprehendendo, e voltando porta, na
qual applica com vigor o hombro. Ella
era solida e massica. NSo a abalou se-
quer.
O que quer dizer isto ? pergunta-
ele afinal.
Montmayeur sorria, e designando a
porta :
Vinte homens robustos de que o se-
nl-.or nao a arrombariam, disse elle; nao
grate, portento, as suas forcas, seria in-
til.
Abre-a entlo... Ordeno-te... E'
p-eciso que eu volte para as linhas france-
ais... L vem despontando o dia Da-
qui a pouco nao o poderia mais!... En-
centrara soldados allemles a cada passo...
El daqui a pouco tambem, no meu bata-
lliao, onde deixei minhas armas e o meu
s.'cco, hlo de dar pele meu desappareci-
v: euto.
(Contiimmr-te^ta)
Tjfi. do Dimio rua Duque e
M.
<
\
/'l
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ER1XF358K_3G7S9Q INGEST_TIME 2014-05-22T21:39:28Z PACKAGE AA00011611_17406
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES