Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17401


This item is only available as the following downloads:


Full Text


ANS
ATT" Y
- NUMERO 16
^^

PARA A CAPITAL B II C ARl'S OA'DE XA *E PACA PORTE
Por tres mezes fidintados. '. .
Por seis ditos dem.....
Por um anuo idem .
Cada numero avulso, do mesmo dia.
6&00Q
120000
23^000
*100
POPJTCOt 20 DE JANEIRO PE 1889
PARA DE\TRO E POR4 DA PRVI\CIA
.
Por seis raezes adiantadoS* .
Por nove ditos idem-
Cor u anno idem........
"Cada numero avulso, de das anteriores i
13*500
200000
27^000
0100
DIARIO DE PERNAMBUCO
Tropricdade de 3\tanvej?^Sygub'ca de icaria S'itycs
-
Os Srs. Amede Prin-
cte & 0.. de Pars, sao
os nossos agentes ex1
elusivos de annuncois
epublicacoes na Fran-
ca e Inglaterra.
^M^
TELEGRAMAS
sas::c: "a:,::::::: so szasiq
RIO DE JANEIRO, 19 de Janeiro,
s 3 horas e 50 minutos da tarde.
Consta que no despacho imperial de hoje
foi asignado o decreto nomeando o Dr.
Francisco Gomes Prente lente substituto
da Faculdade de Direito do Recife.
INSTRUCClO POPULAR
as mam bwbhHb
ANTIGS E MODERNAS
KAS
Sciencias, industrias e artes v
POR
.4 iinpronna
(Continuoslo)
Para reunir as letras destinadas a formar urna
nalavra, serve-se o compositor dejim pequeo
Instrumento de ferro, cu madeira, chamado com-
ponedor, cm o qual colloca successivamentc as
I etras que ra lendo no manusenpto. Estecoin-
nonedor consiste era urna regoa metallica sobre
a aual resvala urna specie de esquadro neos -
tado a um dos seos lados. Um porafuso de pres-
so permitto tixar o esquadro logo que o com-
positor tomou a medida ^Y;'rn'niTca-se^)" W
a primeira linliaestico^>* ^ entrella.
SR&wwSBaefcii-
s itfrtsr^PEsr^percorre
media de mil e ree"^l3'cS*fl-giu!0 tiram-scas
MH
car e a planta do local do referido engenho, na
forma da clausula 4* da portara de li de No-
vembro de 1887-Fizeram-seas comraunicages
neces^aria's.
O presidente da provincia, attendendo a
que requereu Gaspar de Menezes Drummond,
contractante de um engenho central do typo
maior no municipio de Serinhaem, resol ve "no-
mear urna commissao composta do BarSo de Se-
rinhaem, do bacharel Antonio Venancio Cival-
eante de Albuquerque e do coronel Kructuoso
ias da Silva, para dar pari>cf r sobre o contrac-
to feito com proprietarios fornecedores de can-
nas do dito engenho, na forma da clausula A*,
da portara de 18 de Noverabro de 1887.Pize-
ram-se as uecessarias communicages.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Gaspar de Meaezes Drummond,
contractante de um engenho central de typo
maior no municipio de erinhem, conforme as
portaras de 12 de Novembro de 1887 e 1* de
Outubro do 1888, resolve declarar que os prasos
de que tratam as clausulas 3* e 4* da pnraeira
dessas portaras ficam subordinados ao da por-
tara do 7 de Abril do dito anno de 1888, pelo
qual foi permittido concluirse o mencionado
engenho era Setembro do correute anno, sem
qu' para isso fique sujeito a quaesquer multas.
-Remette^-se copia ao inspector do Thesouro
Provincial.
0 presidente da provincia a quem foi pre-
sente o decreto da Assemblea Legislativa desta
provincia, approvando, sob proposta da Cmara
Municipal do Recife. a prorogago por seis an-
nos, a contar do Io de Dezembro de 1888, con-
cedida pela mesma Cmara ao contracto cele-
brado com Oliveira Castro fit C. para abasteci-
miento de carnes verdes ao municipio :
Considerando que a liberdade da industria
nao pode ser restringida por leis provinciaes e
menos ainda por contractos ou posturas das c-
maras municipaes.em face dos 55 16, 22 e f i do
art. 179 da constituicSo poltica ; que a lei do
1 de Outubro de 1828 nao facultou a estas a
attribuigo de conceder privilegios ou de qual-
quer modo tolher a livre accSo dos seus muni-
cipes no exercicio das industrias licitas ; que,
com relaco ao commercio de carnes verdes o
que se encontra na citada lei tem antes por fm
garantir o pleno gozo d'esse direito impondo
mesmo s cmaras o dover de protegerem os
mcrcadores e marchantes contra quaesquer op-
presses, e os privilegios attinentes a essa in-
dustria tem sido sempre reputados oppressivos;
que, se o contracto a que se refere o decreto da
Assemblea Provincial, nao lem o carcter rani-
festo de privilegio, nao deixa por isso de sel-o,
em consequencia dos favores especiaes conce-
didos aos contractantes, que Bcaram por isso ha-
bilitados a excluirem completamente, se quize-
rem, os que pretenderem usar da mesma mer-
canca ; que devendo ser e sendo effectivamente
objecto desta o gado [creado cm diversos ou-
tros municipios"e prouincias, fere o contracto
interesses de ordem muito superior c que esca-
pam competencia da referida Assemblea, o
que tem dado lugar a constantes protestos e re-
clamacOesja na imprensa e j na propria As-
semblea
referido
S&LSSS. \>eloJo._ Hoje,ph
mente por meio
effectuam-se
? J.W^reios mchameos
as impressoes por me
a vapor ou bracos.
io de
Alo7colo?adano^doprolo o ope-
fJS2LMS SA molhado,
rano

.
de receber mpressao, r. oau. ge
dros, assim reunmos, sobre a *
faz r 'svalar por n,eio do uma ^ Jnt0
Srmldade-com o f tt*S&% +
dicioml, art. 7 da lef de 12 de maio de 18W c
aviso n 453 de 14 de Dezembro de 18o7, em
quanto o govemo imperial ndhor resolver ; sen-
do tudo submettido a sua >bedpna
Do-se conhecimento do acto a Assemblea U-
ei'lava Provincial. Remettou-se copia ao 1-
fecretari da AssembU^a ^S^SSSSfik
_ 0 presidente da provincia aMende^,g,i^
nue expoz o tenente-coronel Francisco Faustino
Je Brito, resolve dispnsalo de fazer parte da
commissao incumbida da acquistcao deterrenos
nara o proiectado passeio publico desta capital.
^ Hieram-se as necessarias comnmmcag^
_ O presidente da provincia attendendo ao
que requeren o 5- juiz ****}*** tona*
3esta capital bacharel Lindolpho^ Hisbello tr-
rela do Araujo resolve conceder- \\he>doM mea*
de licenca. com os vencimentos i que tiver di
rrto para tratar de sua saude, devendo entrar
no sos o da mesma licenca ne praso de 15 das
O presidente da provincia resolve nomcar
HeraclioGitiranapara exorcer Pjgjjfj**
o cargo de fiel do almoxar.fe do presidio de Fer
nando de Xoronha em substitu^ao de SJanoel
Francisco dos Santos que pedio cxoneracAO.
c"mmunicou-se ao inspector da Thesourana de
Fazenda e ao director do presidio de Fernando
de N'oronha.
_ O presidente da provincia,.attondendci ao
me reauereu a professora de ensmp pnmario de
K?ffia Rosa do Brasil, resolve removed
paraacadeira mixta dopovoado detamosirn
L Rezerros, creada pela le n. 19o9 de ji at
DezeSSdoannopassado.-Communicou-se ao
inspector gcral da fnstrucelo Publica.
Silva N'eves, conferir carta de primeiro pratico
da mesma Associaclo ao segundo, Agostinho
Joaquim da Silva, visto ter sido pela cbnimissSo
examinadora approvado unnimemente no exa-
me procedido em 29 do mesmo msz. O que fa-
go constar a V. S. para seu conhecncnto e fins
convenientes.
Ao mesmo.-Tendo a inanoctoria do Arse-
nal de Marinba, conforme parfleipou-me em oflft-
cio de hoje, sob n. 3, contractado, de conformi-
tlade com o aviso do Ministerio da Marraba n.
1989 de 20 de Dezembro (indo, com a Compa-
nhia Pernaubucana pela quantia de 7305000. o
frete do vapor que tem de seguir para Fcrdando
de Xoronha para naquella viagem fazer escala
pelas Roccas, allm de serem remettidos as ven-
cimentos, combustivel e mantimentos destina-
dos aos guardas do pharol atli existente, relati-
vos a um trimestre; assim o declaro a V. S. pa-
ra seu conhecimento e devidos ns. Respon-
deu-se ao inspector do Arsenal de Marinha.
Ao mesmo.Mande V. S. fornecer, median-
te arremataco, os. medicamentos c diversos ar-
tigos pedidos para a enfermara do presidio de
Fernando de Xoronha, de que trata a relaco
aqui junta, asignada pelo secretario do gover-
no desta provincia.
Ao mesmo.Remello a V. S. Rara os devi-
dos effeitos copia do aviso do Ministerio do Im-
perio, n. 4042. de 24 de Dezembro findo, e da
tabella a que elle se refere, relativa adistribui-
qo de crditos paraasdespezas do alludido Mi-
nisterio no eorrenle ejercicio.
Ao director do Arsenal de Guerra.Para
que se possa resolver sobre o transporte do ma-
terial existente na fortaleza de Itamaraca e man-
dado recolher a esse Arsenal por a vi so do Minis-
terio da Guerra de 1. de Agosto do anno pr-
ximo passado convem que V. S., em cumpri-
raonto ao aviso de 18 de Dezembro findo, preste
os esclarecimentos pedidos pela reparlico fiscal
d'aquclle ministerio na ioformaco junta aos in-
clusos papis, que sero devolvidos.
Ao mesmo.Declaro a V. S. para seu co-
nhecimento c devida execugao que, de conformi-
dade com o aviso circular, junto por copia, do
Ministerio da Guerra de 18 de Dezembro findo,
os volumes contendo medicamentos e drogas,
destinados pbarmacia militar d'esta provincia
devem ser remettidos directamente d'esse Arse-
nal para dita enfermara, onde sero cntao abor-
tos e examinados.Ccmmunicou-se ao briga-
deiro commandante das armas.
Ao inspector do Thesouro Provincial.
Commvnico a Vnic. que a 31 de Dezembro ultimo
fallecen o continuo aa reparlico das Obras Pu-
blicas Jas Francisco Percira da Silva, e que na
mesma data nomeei para substituil-o Adolpho
Targino Accidly.Respoudou-sc ao director ge-
ral de Obras Publicas.
Ao mesmo.Attendendo ao exposto por
Vmc. em officio de 29 de Dezembro prximo
passado n. 611. autoriso-o a admittir mais um
servente ao servicn desse Thesouro, no presente
exercicio financeiro: nao excedendo a despeza
do crdito da verba Secretada.
Ao fiscal da Corapaohia Recife Drainage
Tendo era vista as idformacoes do Thesouro Pro-
&
desloeaoRo
{teCrftft, Anta** -iorx-Jtfiggmu.1 .o ffl?' sf mPV^'#$f#
o tim de nao ser dado a exwoeao, de fc & anno findo cona reiagao a aesteet
- de um apparelho Drainage pelo-proprietano.do
predio n 54 ra do Forte, Maximiano Silva
Scclaro-Ihe para os devidos fins que deye essa
ompanhia com sua assistencia e o Dr. mspec-
tor ^c hygiene, firmar a competencia qws d
Vmc pertubada sobre o apparelho duvidoso ou
substituil-o custa do propnctano caso sya eje
extranho ao da mesma companhia; sabstiluintfo
por este modo os dous apparelhos sujeitos 4 con-
tribuicao de annuidades. ,..... ^
Ao commandante do corpo de polica incumbo
de providenciar com o auxilio da forca se for
isso necessario.
Ao mesmo.De accordo com o que Vmc.
opina em officio de 3 de Dezembro ultimo so-
bre a representawo da Cmara Municipal do
Recife constante do de 21 de Xovembror quanto a
decisao d'esta presidencia, de 15 d'esse mese
cora o que informaram a mesma Cmara e o Dr.
inn-etor de hvaiene nos de 19 e 29 d'aquelle
i ai a \|\- i ,
forme julgar accrUilo.
Para oae V. Exc se digne de providenciar con-
R2lT^i remetto-lhe copia di
te rio da
Dezmbr^proximo passado,
demmsacao que _deve ser feta pelo TftgWW
oTxpidifo peo Miniserio da Guerra era 18 de
ZS nroximo passado, a respeito da m
inspector de hygiene
mez, sob na. U8 e 201, declaro-lhe que appa
reltios e mictorios dessa compauina devem ser
enllocados somentc as quatro casas dos anglos
da pr.ica da Independencia, pertencentes a mes-
ma Cmara : a quem incumbir a conveniente
conservaco e aceio ficando taes casas exclusi-
vamente 'destinadas a esse servico.Communi-
cou-so Cmara Municipal e ao inspector do
Thesouro Provincial. A
Ao promotor publico da comarca de uu-
ricury.-Uecommeudo a Vmc. que se transporte
sem demora ao lugar em que se deu o conicto
de 4 de Dezembro findo. afim de tomar conhe-
cimento dos fados criminosos 6 promover a res-
ponsabilidade de quautos teoham racorndo na
saneco penal, fazendo manter a ordem e res-
peito seguranca individual empregando para
rTso a maior prudencia e dando de tudo sciencia
a esta presidencia.
mutandis ao delegado de Ouri-
findo, os quaes para alli dvem ser remettidos
pela paarmacia-da enfermara militar.
-Ao D.-. chefe de polica.O Exm. Sr. dos-
embarjador presidente da provincia, manda de-
clarar a V. S. que se acria itciradd do assump-
to de =u officio n. 1,357, de 29 de Dezembro An-
do, cooj referencia a urna representacao do Ia
juiz de paz da villade Boa-\ista.
Ao inspec'.or da Tliesouraria de Fazenda. -
S. Exc%.o Sr*. desembargador presidente da pro-
vincia/tjanda remetter a V. 5. a inclusa ordem
do Thewuro Xacional n. 228, de 18 de Dezem-
bro Ando, e bem assim urna portara do Minis-
terio d Fazenda datada de 27 de Xovembro an-
terior prorogando por quatro mezes, com orde-
nado na forma da lei, a licenga ltimamente con-
cedida pela presidencia da provincia ao 31 es-
eripturario dessa Thesourana, Antonio Jos da
Costa Guimaraes, para tratar de sua saude onde
lhe convier.
Ao secretar^) da Assemblea Legislativa
Provincial.F.m additamento ao meu officio de
hoje datarlo, devolvo a V. S. de ordem do Exm.
Sr. desembaraador presidente da provincia, um
exemplar de cada urna das relacCes enviadas
com o seu officio n. 11, de 24 de Dezembro fin-
do, sancrionadas sob ns. 1,955. 1,958, 1,959 e
1,965 c das.que deixaram de sel-o pelos moti-
vos expo3tos as niesmas resoluces.
Ao inspector do Arsenal de Marinha. O
Exm. Sr desembargador presidente da provin-
cia, manda aecusar o recebimento do officio de
V. S., (te 31 de Dezembro findo, sob n. 140, de
cujo assumpto fica inteirado.
Ao procurador fiscal da Tliesouraria de Fa-
zenda.-De ordem do Exm. Sr. desembargador
presidente da provincia, devolvo a V. S. a plan-
ta e mai3 documentos de que trata o seu officio
a que respondo, n. 86, de 31 de Dezembro lindo.
n Aos agentes da Companhia Brasileira de
navegado De ordem do Exm. Sr. desembar-
gador presidente da provincia, aecuso o recebi-
mento do officio em que Vv. Ss. parlieipam que
o vapor;vfon< s 6 lloras da manh e regressar para os do sul
amanhais4 da tarde.-Communicou-se a secre-
taria da Agricultura.
Ao gerente da companhia Ferro Carril.
De ordem do Exm. Sr. desembargador presiden-
te da provincia, aecus o recebimento do officio
de 31 de Dezembro ultimo, com o qual V. S.
enviou os passes gratuitos a que 6 obnyada essa
companhia pelo accordo de 19 de Janeiro do anno
passado em numero de 1,700.
Remetteu-se 1,003 de3ses passes ao Dr. chefe
de polica e 500 ao provedor da Santa Casa de
Misericordia.
Ao cncarregado da estacao de Palmares.
De ordem ^o Exm. Sr. desembargador presi-
dente da provincia, declaro a V. S- para os fins
convenientes que a escolta e o> criminoso de
quem trata a portaria aqui junta de 31 do mez
lindo, tem direito a bagagem.
Ao adjuntlo promotor publieo da comar-
ca de Ouricury no termo do Ex.O Exm. Sr.
desembargador presidente da provincia, manda
declarar a V. S. que se acha mteirado do as-
sumpto do seu oflcio de 13 de Dezembro (indo,
com cefernciiLJio*,aft*te^iQft',i; Lricunr. Exm. Sr. desembargador presidente
da provincia, acnando-se inteirado do assumpto
do officio dessa promotoria datado de 1/ de >o-
vembro^iltimo, manda devolver a V. S. a copia
do inquerito que acompanhou o mesmo ollicio e
que foi aberto pelo respecvo delegado contra o
sargento do corpo de polica Jos Ponciano de
Macedo. ... ,
Ao 1" sipplenle do juiz municipal do ter
mo de Ouricury. O Exm. Sr. desembargador
presidente de provincia, manda declarar a \ 6>.
que se acha inteirado do assumpto do seu ofcio
de 9 de DezenbtD lindo, no qual participa aerar-
se no exercifio pleno ao cargo de juiz municipal
desse termo
EDITAL
Por esta secretaria se faz publico que tendo
sido indeferdo pelo Ministerio da Justiga o re-
querimento co tenente-coronel Jos Tavares uor-
nellas deAraijo, em que pedia meiuora de re-
forma, seundo consta de communuacao do res-
pectivo sretario de Estado de 21 de Dezembro
hiido, foi ievolvida a patente de reforma do mes-
mo tencub-coroncl a esU repartico afim de ser
entregue io interessado se a solicitar no prazo
legal.
vramento, Maria Joaquina do Espirito-
Santo, por disturbios.
Communica o subdelegado da freguezia
de Santo Antonio, que ante-hontera, s
7 1[2 boras da noito, na ra do Impera-
dor, na occa83o em que por alli passava urna
banda de msica que bavia tocado no
pateo de palacio, foi ferido com urna ca-
cet*da na cabeca o individuo de nome
JoSo Jeronyino, por um outro que logrou
evadif-se.
O otfendido foi vistoriado pelo Dr. Edu-
ardo Silveira, que conciderou leve o feri-
raento.
Proccdeu-se a respeito ns termos da
lei.
- No dia 28 do me? passado, assumio
o ejercicio do cargo de delegado do termo
do Ex, o cidadao Ladislao Jos Peixoto,
na qualidade de 1.- supplente.
Deus guarde a V. Exc.Ulm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges, rouitov digno presidente da provin.
cia. Q;:chcfe de policia, Antonio Firmo
Figiieira de Saboia.
?--------------
Thesouro Prorlnelal
DESPACHOS DO DIA 18 DE JANEIRO
DE 1889
Manoel Cyriaco dos Santos. A" secgo do
Contencioso" para cumprir o despacho da junta.
Martins Viegas & C. Ao Sr. porteiro para to-
mar nota e devolver.
Dellarmino dos Santos Bulco. Dirija-se o
supplicante ao juiz competente que s quem
lhe pode dar instruccao para o exercicio de seu
officio.
Teaente Joaquim Servulo Vieira da Paz, Sim-
plicio da Cruz Ribeiro.Ao Sr. Dr. contador
para cumprir o despacho da junta.
OitotpetigOos de Francisco Podro Bolitreau.
[Joaquim Pires da Silva, Joao Joaquim da Costa
Leite, Arlhur Carneiro de AUneida, Olympia
Augusta Rabello Botellio, Joaquim Elias de Al-
buquerque Rogo Barros, collectoria de rendas
provinciaes do municipio de S. Bento, collecto-
ria provincial de Palmares, collectorias provin-
ciaes de-wanito e Ex, Secretaria da Policia de
Pernambuco.Ao Sr. Dr. contador.
Antonio Fernandos Ribeiro, Ernesto & Leopol-
do. Volte ao Sr. Dr. contador.
Agostinho H. da Silva Cavalcante, Quartel do
commando do corpo de polica-Pagese.
Tenenle Manoel Jos Pereira Caldas.Informe
o Sr. collector de Cabrob, exigindo do suppli-
cante o conhecimento do imposto, que ser jun-
to a esses papis e remettido este Thesouro
com a sua inlormaco.
Tenente coronel Henrique Jos Alves Ferreira.
Ao Sr. porteiro para entregar ao interes-
sado. _. j
Maria da Porciuncnta y ---------s0
rido em vista das informacuK. Chave* i rf
presidencia em caso idntico. v "defe-
* Capito Luiz Pereira de Farias, Joaquim Gon-
calves dos SantosCertifiqese.
Jos Odilon Annes Jacome Pires, Joao do Reg
\iuaral__Uaja vista o Dr. procurador ItoaJ.
Conlas do director geral das Obras Publicas
-Ao Sr. Dr. contador para os devidos luis.
DESPACHAS
18 D'
da
rmesruma'o^ua^idaded
depois appQcada forma.
Provincial dessa provincia caixa
(Continua).
PARTE OFFICIAL
overoo d^i prorlnela
Di, Du 2 DE JAX8IB0 DB 1889
EXPEOI-NTE
A,tn nresidente d provincia, tendo em vista
owp^^briBadrojoimD^ntetoJHr-
mas e pelo inspector
batalhlo de inantaria .relativamente4 quan^
tia de 264*000 despendida pelo capitao 1
Velho de S Brrelo com a torca que
sob seu
commando seguio a 23 de Setembro para o ter-
mo "eQnebrangulo em auxilio s autoridades
POSeemo outrosim remetter a V. Exc. o officio
tambem^untopor copia, de 31 de Dezembro n.
W em que o brigadeiro commandante das ar-
n 'soUcita novamente providencias no sentido
fc elSu ?-se a referid!, indemnsacip. expon-
?T ?'. .T^= ., HpIp minaram a despeza de
mas
Tectuar-se a reierma mueiumM^,
^tTOS *e~ dele-minaram a te^.^
das armas.
Arau-
,;lda pela mesma thesourana ^-w.
da aiwrmcm de lo.*M*J,b^r8c^ de 1888
'^rfugnr0 od^fen^as despezas que
AnTem pelas medas verbas .
1 21. iorapanhias raihtares l.*So*U
15:5314915
-fc-^^^asr-assE
I
, ia de Fazenda e comm
aromante das armas. .
_ O presidente da provincia
hm requereu Gaspar
contractante de i
attendendo ao
de Menezes rommond,
engenho ^ea&al de typo
de -Serinhaem, resolve no-
Manoel Martins Fiuza Jnior, Gregorio Thauma^
turgo de Azevedo e Antonio do Reg Neto, para
dar parecer *obre o plano de todas as obras pro-
iectadas do dito engenho, desenhos dos aMiw-
Ihos desrripcio do processo da rarinca de ssu-
que se trata. Commumcou-se
commandante das armas
Ao brigadeiro commandante
Tendo o Eira. Dr. Innocencio Marques de
o Goes Jnior de prestar juramento perante a
expedir suas ^nt.negCM devidai por pccasiSo
rt-inuelles actos, provid mciando ofttrosim para
? a fortS do Brum di a salva do estylo.
^ _a;nSSo-1litendendo ao que requereu o
maior de engenhoiros Gregorio Thaumaturgo de
Azevedo remeti a V. Exc. urna ista assignada
pelo secretario desta presidencia, descriptiva
?s commissoes de que Incumbi o roesme.ma-
ior as quaes mostrou sempre a melhor 1
^to mSo'-Mlnt V. Exc. dar baixa e
no7em liffrdade o recruta Pedro Gomes de La-
cerda de que trata o cilicio desse comrnandoj n.
3790 de 31 de Dezembro findo. visto ter prova-
toiMSDrle& ^ Polica-Transmittindo o
telegrama moto por pia do juiz de paz do 1
diatric'o de Gamel eir. recomraendo f- ra o suDd.-egado daquella locahdade entregar
Svros de registro civil ao escriySo daquellc
uiz sob as penis da le, ou proponha as medida.
&fatati$
cury.
? Dedro a Cmara Municipal do Recife para
nrovidenciar convenientemente, que o Exm-
prndente, Dr. Innocencio Marques de Arau-
io (S)C.prestar 1 hora da tarde, juramento,
perante essa Cmara, afim de assunnr a adrai-
rdsTraSo da provincia.-Fizoram-se 9s convites
do estvlo s autoridades da provincia ahm de
asstem ao acto. ^ Companhia Brasileira de
Naveaacao a Vapor faga transportar trte por
"conta: o Ministerio da Marinha disposgo do
auartel ceneral da marinha o desertor da ca-
Seil! rime-ira de r^^^J% ^
e bem assim o imperial mannhe ro da 3
Joao Ribeiro da Silva, pertencente
do cruzador Nktheroy que se achava
de Marinha
llrSndV^Tv^Te Primeiro praco da
Asliciacao da praticugem das barras e porto
des^proVincia rrf* iStecimento de Manoel da
guarnicao
em trata-
ia enfen^ria: segundYconsta de officio
Kspoctor do Arsenal de Marinha de hoje da
tado, sob n. 1. Commumcou-se ao inspector do
Arsenal do JJ1""^ Conipanhia Pernambucana
de Navegaco providencie para que tenha pas-
saVem de proa deporto do Ararat y ao desta
capital, a Vamilia do emigrante Jos Ferreira dos
Santos composta de sua mulher, Joanna Fer-
r "ra da Silva, tilhos menores. Martiniano e Oliva,
'na me Francisca Maria da Conreino e um
rmo de nome Antonio Ferreira dos Santos, por
conta das gratuitas a que o governo tem di-
re!2' o Sr superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco mande dar transpor-
te em carro de classe, da estacao do Recife
a de Una e vice-versa, ao engenheiro da Re-
partico das Obras Publicas, Francelino Amen-
co de Albuquerque Mello, que vai examinar o
material destinado aos reparos da ponte de La-
mivqu, correado a despeza por conta da pro-
vincia.
EXPEDIBNTB DO DB. SECRETARIO
Officios :- __,
Ao prigadeiro comraandanle das armas.
De ordem do Exm. Sr. desembargador presi
dente da provincia, communico a V. Exc.qw
n'esta data foi autonsado o inspector da The-
souraria de Fazenda a mandar fornecer, medi-
camentos e diversos artigos Dedlf0Sjpa* a
Pharmacia do presidio de Fernando de Noro-
hha exceptuados os de que trata a relacao toe
acompanou o seu officio n. 3,M3, ae II do mezl
DA PRESIDENCIA DO DIA
JANEIRO DE 1889
Antonb Olympio de Azevedo e Souza.
Deferido com officio de boje ao Thesouro
Provincia.
Antonb Rodrigues de Souza & C-.
Nesta daa solicito do ministerio da guer-
ra o neetssario crdito.
Baraode.Frecheiras. Informe o Sr.
inspector da Tbesouraria de Fazenda.
Benedcto Marques Vieira e Felippe
Floripes de Faria Vieira.Informe o Sr.
inspector da Thesouraria Provincial.
Dign Sania Rosa. Codcedo dous me-
zes com ordeado.
Enedina Fltresta dos Santos Cordeiro.
Nao proceda replicada supplicante pelo
que mautenbo ) despacho anterior'.
Henrique Preira de Araujo.Iner-
me o Sr. director da colonia Isabel.
Jos Antoniode Pinho Borges. Infor-
me o Sr. inapedor do Thesouro Provmeal.
Manoel Cavaante de Albuquerque Lina.
Indeferido, a vfta das inr>rma93es.
Maria Francifca do Nascimento. In-
forme o Sr.dire.tor do Arsenal de Guerra.
Rita Franciscanos Aojos Chacn. Con-
cedo, com ordenado.
Thomac Jos te Mello. Informe o br.
director do Arseial de Guerra.
Temoleao Pere^ de Albuquerque Mara-
nliSo.Indeferidt vista da informa9ao
do inspector do Ihesouro Provincial com
0 qual me confornp. a \
Secretaria da tresidencia de Ternam-
buco, 19 de Janeib de 1
DIARIO DE PERNAMBUCO
RECIFE, 20 DE JANEHtO DE 1889
Rgimen illegal
De par com algumas velhas e sedicas insi-
nuacOcs contra o carcter poltico do honrado
chefe de gabinete de 10 de Margo, -insinuag6es
que nao levantaremos por que esto desde mui-
to julgadas e condemnadas pela opinio sensa-
ta,o Jornal do Recife de hontem, no artigo que
publicou sob a epigraphe de que nos servimos,
aventurou urnas tantas reflexes que, por falta
de base, cahem como os edificios construidos
em movedicas areias sera os fundamentos acon-
sejados pela arte.
Diz, porexemplo, o contemporneo que, de-
pois do acto da abocao dos peravos, do qifal
foi limpies referendario, desenrolou o llustre
chefe do gabinete de 10 de Marco ara extenso e
variado programraa de reformas polticas, figu-
rando entre ellas a descentralisago administra-
tiva, a autonoma das provincias; e accrescenta
que S. Exc. deixou encerrar-|e o parlamento
sem dar ao paiz conhecimento do esboco dessa
reforma, depois de lhe haver accenado com o
engodo de urna convocaco extraordinaria.
, O gabinete presidido pelo honrado Sr. conse-
lheiro JoSo Alfredo, organisado 10 de Marco
de 1888, isto 6 meno3 de dous mezes antes da
O porteiro,
F. Chacn.
Repart?.
secciio.N.'
de Pernam'
1889. Ulm. e
V. Exc. que fo
da
2.a
licia
Palela
Secretaria da Po-
19 de Janeiro de
Sr. Participo a
hontem recolhidos
Casa de lOetencT os seguintes indivi-
duos : .
A' ordem do suidelegado da freguezia
de Santo Antonio, Alexandre Manoel da
Rosa, Cypriao Fnncisco Antonio, como
vagabundas e Affoiso Flix do Amara!,
por disturbios/
A' ordetn *) do 1.- disttfctp da fregue-
zia da Bo-Msta, Francisca Maria do Li-
abertura do parlamento, nao podia, razoavel-
mente, em to curto lapso de tempo, traduzir
em projectos e realizar as reformas era que des-
de muito cogitava o seu llustre chefe.
O praso decorrido entre a organisaco minis-
terial ea abertura do corpo legislativo, alm de
ser estrictamente necessario para o confeccio-
namento dos relatorios dos ministros e o deli-
neamento dos respectivos ornamentos, foi apro-
veitado do melhor modo no exame e no estudo
dos elementos necessarios soluco da queslSo
servil, que, como imperiosa necessidade, era
soareposta pelo paiz a todas as reformas indica-
das.
Quando outra cousa nao Bouvesse feito o par-
lamento, essa reforma, que equiparou o Brasil
s nacfies mate civdisadas, e foi recebida pelos
poros de todo o universo com os maiores ap-
plausos, seria bastante para fazer a honra c a
gloriadas cmaras que a decretaram e a do go-
verno que a promoveu.
!So fosse a mascula energa do gabinete 10
de Margo, que se senta forte pela dupla confian-
za da naco e da coroa; nSo fosse o seu eleva-
do patriotismo e o seu grande criterio ; e ainda
hoje estara no rol dos possiveis, pouco prora-
veis, o grande acontecimento que encheu de
jnbios o paiz e despertou as sympathias de
todos os povos.
E'. pois, a maior das injusticas dizer-se que
o honrado chefe dog abinete 10 de Marco foi
pies referendario do acto da aboligo, quando a ver
dade, que a historia ha-de guardar em suas. mais
douradas paginas, que foi elle-e o era desde
muito -o grande promotor da reforma, o seu
principal esteio
O transito da reforma pelas cmaras, embora
rpido, as festas publicas que se lhe seguiram.
e logo depois os atritos que determinou a lei.
soerguendo os despeos dos refractarios civi-
tsadara idea, foram outros tantos motivos rae
actuaram para que Jse concentrassem e fossem
absorvdas as attencoes do governo na cxecuQo
da magna reforma.
E nao foi pequeo o labor desenvolvido em Ju-
nho e Julho para que a diamantina lei produzis-
sc os seus salutaros effeitos, e nao vinga3sem os
planos esbogados e poslos em pratica para pre-
judicar esses effeitos, desacreditando os que se .
bavianf digna e patriticamente posto Crate
da ida.
Absorvido um mez de sesso parlamentar, res-
tava apenas o tempo preciso para as leis annuas.
e eslas deviam preceder a tudo mais, nao so
porque se devia cumprir o preceito constitucio-
nal, mas tambem por que era, e de fado de boa
poltica, no rgimen parlamentar, governar le-
galmente, isto com as leis de meios e as de-
inais votadas annuahuente.
O governo cumprio, pois, o seu estricto dever.
dando precedencia taes leis para as discusses
do parlamento; mas paralelamente apresentou
ou fez discutir outros projectos de lei. taes co-
mo a reforma judicaria, entregue cmara dos
deputados, a reforma bancaria, hoje lei, a de
represso da vadiagem, muito adiantada, o pro-
jecto de auxilios lavoura, pendente do senado'
c outros que nao vem de molde mencionar.
O parlamento teve, pois, muito com que ge
oceupar, e de fado muito trabalhou -na onga
sesso do anno (indo ; e ninguem ignora que,
abrigado o governo ^acompanhar acuradamen-
te os trabalhos legislativos, repartindo com elles
os seus cuidados e ac'ividade, desenvolvidos em
dirigir a poltica, as finangas e em geral todos
os ramos dos negorios pblicos, nao podia si-
multneamente delinear reformas que demandam
serios estudos, pacientemente feitos no gabinete
de trabalho, c exigem a maior calma de espi-
rito e o maior criterio e circumspecco.
Conseguintemente, tambem da maior injus-
tiga criticar o honrado presidente do gallineto de
10 de Margo pelo facto de nao ter apresentado a
annunciada reforma politica no sentido da des-
centralisago, da autonoma das provincias.
Xo meio dos grand<-> 'aores que o absorve-
ram, e luland<- com a tremenda opposigo do
Senado iae nao 'lie dava treguas, e at tomava
o papel de obstruccionista, o gabinete nao teve
laz res para formular o promettido projecf aulofiohJa prorincial N5o far^ K*,aj
?iiCTKs^v;alcfse;.PojejUo-,-.O.JlmE0.3cPuao
as promoveram, e nem siquer as fprmularam.
Tenha. pois, paciencia o contemporneo. 0 |
gabinete de 10 de Margo ainda nao conta um
anno de vida. A sesso parlamentar est pr-
xima. Aguarde-a, para ento. na falta das pro-
raettidas reformas, assentar as suas censuras.
O governo actual deseja c quer a descentrali
sago, a autonoma provincial, e esta tem por
base nao ha negal-o a decretago annua pe-
los representantes locaes da receita e despeza
provinciaes. *Mas, assim como o Acto Addicio-
nal cogitou de assemblaslocaes inspirndose
nos mais elevados ^entimentos patriticos e so-
brepondo os interesses pblicos aos mesquinhos
interesses de corrilhos partidarios, assim tam-
bem a cogitada reforma hade assentar nesses
intuitos, sem as quaes nada pode ser til.
E, por ventura, as provincias em que o par- .
tido'liberal fez maioria as assemblas locaes,
dominaram aquelies sentimentos, aquclls in-
tuitos ?
Ao invez disso, o que geralmente fizeram essas
assemblas liberaes exemplo a de Pernambu-
co foi desorganisarem todos os serviros pbli-
cos, invadirem attribuiges administrativas, ela-
borarem projectos que visaram iuteresses.. par-
tidarios'ou individuaos, em summa.[commetterem
toda sorle de desmandos em detrimento daa res-
pectivas provincias.
Algumas, como a do Amazonas, "chegaram a
votarjeis annuas impossiveis de execugo, j
por conterem materia inconstitucional, j por
tomarera providencias damnosas ao andamento
dos negocios locaes. Outras, como a de Per-
nambuco, consurairam o tempo da sesso annua
e o das successivas prorogages, em discusses
acadmicas, com assumptos meramente partida-
rios ou de interesse privado.
Deviam os presidentes das primeiras dessa;
provincias sanecionar leis damnosas aos inte-
resses pblicos ? Deviam ou podian os das a>
gunds prorogar indefinidament as respectivas
sesses legislativas ?
Nem urna, nem outra cousa. Em ambos os
casos a consequencia era a prorogativa- das leis
arniuas ; e os presidentes assim praticando bem
nfereceram, pois saivaram as provincias de
maiores embaraces e difficuldades.
Nem se diga que, exemplo do que occorreu
na Baha, se taes presidentes estivessem na
altura de administrar provincias teriam obtido
das assemblas as leis necessarias sua vida
econmica.
Na Babia, posto que intransigentes, aspppos-
ges nao levamo seu afferro partidariO& ponto
de difficultarera na respectiva assemblea a pas-
sagem dos orgamentos, nem levam o seu des-
amor provincia ao ponto de desorganisarem os
seus servigos.
Em Pernambuco, e em geral as demais pro-
vincias do norte, os liberaes, as assemblas lo-
caes, na imprensa, nos comicios, por todos os
modos e meios, procurara fazer mal aos seus
adversarios, anda que sacrifiquen os mais ca-
ros interesses locaes.
Em taejcondigOes, s por excepgs de regra
concedem elles os meios de vida ao goyeroo de
seus adversarios. Poem cima de tudo o sea
partido. Scguen o mo exemplo do Senadi
obstruem, dificultara, levantara questoes de t
ordem consomem o tempo esterilmentente, ?,p<








#
2
Diario de PfernambucoDommyo 20 de Janeiro d l*ft9


ultimo, affastando-sc das praticas do senado, vo-
tan orcameutos impossiveis!
E o caso do que a assembla de Peroambuco,
sao poude concluir at, 3Lde Dezembro. A' jul-
pl-o pelo projecto o pelaa innumeraveis emen.
das que Ihe aforara feites, nao possive) exe-
ctalo. E demais, tendo por criterio o que se
j^esou em tres e meion-oss-de sfinlsugue tanto-4
durou a ultima, norioar*rtlle-.nelo e
mais alguns dias do^tsropsto.
Durdu tres meze3-e para 13 de Setembroeabartwiesse da. It'es.
sentiBMtos e o* ia
praso, se outros fossm os
turtos da assemblaprovincial, tPnm so vo-
ladas todas as leis ananas. EnoeaiaaW-dizo P
Jornal do Reate que o -primeiro respsorrel Pel
facto de vigorar ainda a lei de orcamento que
caducou era 31 do passado, o 1- vicepresiden-
te da provincia o Exm. Sr. Dr. Innacio Joaquim
de Souza Leao pelo facto de ter adiado de 3 de
Marco para 13 de Setembro a reuniao da m
asfembla!
eo preprtoJortwJreconhece que a aseemnUa
dfvitt ter twtao-a lei do. orcamento at 8i de De-
zembro, como acrescenta que o partido libe-
ral em maioria nao pode assumlr a inteira e ex-
, tusiva respoHsabilidade dessa oraissao ?
A'esse partido, ao invez do que diz o contem-
porneo, cabe inteiramente essa responsabilidad
Jada, segundo a sua propria doutrina, pregada
no parlamento e na impreusa. A minora, diz
elle, nao tem obrigacao. de fazer casa nos par-
lamentos ; e assim tem sempre praticado.
Nao procede, portento a critica feiuao adia-
nento da abertura da sessao legislativa. Era
tro*m meio mezes de trabalho podia ter sido vo-
tad* o ornamento. Se o nao foi, a culpa reverte
intaira maioria liberal da assembla. E o acto
doBxni. Sr. desembarijador Oliveira Asdrade.
deisando encerrar-se em 31 de Dezembro a ses-
scvfa naoslegal, mas|tambemprovidente, em
faee dos antecedentes conhecidos da assembla
actual-
Nomesiso caso est o acto do Exm. Sr. Dr..
Araujo Goes, 3uprimindo asesso extraordinaria
convocada para o dia 1 de Fevereiro.
Esse aoto fra praticado pelo ex-presideute
naicreuoa.do-.que tinha sido transferida para
Julho a abertura ofcial das sessoes da assembla
provincial, como se estabelecera n'um projecto
adoptado pela mesma assembla. Verificado,
porm que esse projecto.no fra remettido sane-
cao, e Acara detido na secretaria da referida as-
sembla; porque manter a eouvocago extraor-
dinaria, distanciada apenas de mn raez da ordi-
naria do corrente anno 1
Urna vez que o Jornal do Rccife afftrma que
- com mais alpns das de sessao estaria votado
o projecto de orcamento deve convir em que,
nos.primeiros dias de Margo, estar elle conclui-
do ; e, pois, cessa a razao de ser da convocao
extraordinaria, que gravara intilmente as ren-
das publicas -
Uto em nada prejudica as franquas provin-
ciaes, nem razo para dizer-se que ao delega-
do do ministerio que propugna^por essas franquas
todifferente a reuniao da assembla provin-
cial.
Ao delegado do gabinete de Iftde Marco im-
porta milito essa reuniao, mmt tambe m o deve
prcocaupara situacfto econmica o* provincia.
em boa hora confiada ao seu criterio e tino ..dmi-
oiBirativo.
Depois dirigise a Mr. Goron
Pop-m que Jrananitta os meus ltimos
cumprimeotos aoiiiz de instrueco, Mr. Guillot,
a quem devo o ir boje para a Morgue. Assegure
que stou innocente: nao assassia Mara Agu-
rant. Juro-o eobre a cabeca de meu Hlho. Quan-
to a si, Mr. Goron, desejo-lhc muitas felicidades
pa sua carreira.
Varaos corazem !respondeu-lhe oonao-
smente o chefe de sepranca.
famamregamvitmqm mijito
fccrocu bm aintgo. Diga, peco.-ine. a
Masrintts Couroooette que da mais infaias
caawcad-doqwa Foresthier, porque fu cahir no cesto
da guilhulina a clice a do pae de seu'fllho.
Ella para casar... pois inctua a rataba cabe-
ca na sua corbeilk de nupcias...
" E estregn ao abbade o retrato de seu fimo,
niindo -1 lie-para Canto o reverendo Ihe fallasseem Deas, Pfa
do replicou : _
Oh Sr. abbade, nao fallemos de Deus, nem
da religio: todos nos sabemos o que isso vale,
nao assim? Eu nao possocrr na existencia
de um Deus que me nao liberta.
O abbade perguutou-lhe entilo se elle nao con-
tenUna ao mesoa-am abracar o crueilixo. Prado
comprehendeu que o bom homem dissimulava
assim o desejo de o abracar elle proprio, e dis-
se-lhe: .,
Porque nao ? Se isso lheda praaer...
O sacerdote beijou-o as duas faces e uter-
rogou-o depois sobre se nao tinha algumas ul-
timas vontades a transmittir-lhe, asseprando-
lhe que seriam cumplidas.
Sim, respondeu Prado; desejo, em nrimei-
ro lugar, que o seobor nao v ao meu lado q an-
do eu caminhar para o cadafalso; alm d'isso,
pego com a mxima instancia que o meu corpo
seja enterrado immediatamente, e nao entregue
a faculdade de medicina para experiencia; re
commendo muito este meu pedido a si e a Mr.
Goron, .. .
Ser cumplido o seu desejo, disse o paure.
E, dito isto, o cortejo poz-se em mareba silen-
ciosamente. *
**#
O largo porto da Roquctte abrio-se de par em
par, apparecendo Prado rodeado pelos ajudan-
tes do carrasco e seguido do abbade.
A multido instinctivamente
callou se: .
Prado a custo podia mover-se por causa das al-
hemas e tiritava com fro. Estava paludo e bai-
xou a cabeca.
Chegou finalmente ao p do instrumento do
supplicio. Olhou para o ac rutilante que devia
cortar-lhe a cabeca, e em seguida para oencai-
xe onde teria que metter o pescoso. E o tnfeliz
teve muito tempo para contemplar aquelles hor-
riveis detaibes. M. Debles nao liomem de pres-
sas. Decorreram pelo menos quarenta segundos
de espera, que acabaram de esgotar as forcas do
Sacente ; o seu rosto assumira urna lividez n-
escriptivel.
Entao, no meio do silencio de morte que rei-
nava em torno d'elle, viram-no mexer os labios;
migaran que ira fallar: fez visiveis exforcos
para articular um som, mas a voz estrangulau-
se-lhe na garganta ; um estremecimento defcor-
ror percorreu a tnultidao, prestes a protestar
unnime contra aquella demora crudelissima.
O carrasco hornera sem bablidade.
O naciente foi, r niim. cotlocado sobre o estra-
do osclante. metteram-lhe o pescoco noencai-
xe : deseen bruscamente o cutello.
Eram sete horas e trinta e dous minutos.
Os ajudantes apoderaram-e logo do cadver
e metteram a cabei^ e o tronco em um enorme
cesto que puzeram sobre o carro, que parti em
direccao ao ccmrterk) de Ivy.
Cbegado o corpo de Prado ao cemiterio e quan-
do iam a depol-o n'nm caixao para oenterrarera,
um medico reclamo o cwpo, em nome da fa-
culdade. O abbade Faure disse entao que o sup-
pliciado pedir que o enterrassem logo em se-
guida a execucao. Mas o doutor insisti, e M.
Goron, chefe da seguranga, intervio, apoiondo
as palavras do esmoler. O doutor, suppondo que
o padre significara ter ordem de Prado para que
o seu eadwer nao fosee entregue faculdade,
retiroo/>ae dizendo:
Deferimos ao desejo do finado, mas nao
oliedecemos sna ordem.
Poram resadaa is ultimas oracoes e deu se a
l*^J3i O caixao.
descobrio-se a
KxeciM'o de Prade
A noticia de que o mysterioso assasslno seria
gilhotinado, espalhou-se em Pariz na vespera
do dia dostinado execucao. Apezar d'isto, as
tres oras da mann j era difficil o transito na
praga da Roquete. A multido acotovellava-se,
n'nm silencio completo. No recinto reservado
iam-se remondo lentain.-ate aquelles que esta-
vam munidos dos respectivos bilbetes de admis-
so.
Na maioria a multido era composta de mu-
Iheres de vida fcil, acompanhadas de seus afei-
coados.
A mash apresentou-se encorberta e frigidis-
dima.
A meio da noite chegavara praca os dois l-
gubres carros : um, trasendo o material da gui-
ihona. outro, destinado ao transportado corpo
do juppbciado.
O povoleo afastou-se horrorisado, e pouco tem-
p> depois o apparelho estar prompto a func-
cionar.
No espaco livTe entre o novo e a guilbotna
viam-se : Pcchard official de polica, Aiadoux,
inspector divisionario encarresado da inspeceo
do servico policial, Goron. chefe le seguranca,
Caubet, chefe de polica municipal, Martini, an-
egado de seguranca, Barn, comraissario de po-
lica cornos seus secretarios.
Os reporten tomavam logar junto da porta da
Roquette. apriso dos condemnados morte.
Ao amanbecer principiou a algazarra. O povo
impacieidou-se e discuta Era um barulbo infer-
nal, entrecortado por gracejos immoraes e ri-
zadas.
^"'n Acabon n bompui me deixan da sua
vda.baswSJout qnem tinha um filho.
Os ornaes parisienses aecusam o carrasco de
falta Je pericia
Duplamente carrasco aquello miseravei i
BOM
1889.
Ib
CON8ELHO13 de
w w
Eram cinco e meia quando entrou na priso o
abbade Faare, que dtvia acompannar o condem
nado or seus ntimos raonentos. Pouco depois
um troen de gendarmes a cavailo formava em li-
nha, diaate da gnilbotinba-do lado da Petite-Ro-
quette.
A impaciencia do publico era grande: uns ma-
tavara- o tempo narrando casos de occasiao, ou-
tros escutanuo essas narracoes: muitoa baara
desesperadamente com os ps, porque o fro aug-
mentara.
Mr. Beauquesne, o abbade Faure, Caubet, Es-
pierre, juz de instrueco, Barn, e o escrivao da
Roquette' depois de estarem por alguns instantes
reunidos no gabinete do director da priso, diri-
g ram-se para a ceula de Prado. Eram sete ho-
ras edezoMo minsto qnando all entraram. O
condonnado dorma profundamente e oe visitan-
tes chegaram junto d elle sem. que o acordassera.
Entao M. Beauquesne nclinou-se-lheso ouvido
e disse-lbe:
Prado, o tribunal d'appellaco negou-lbe o
recorsoe o presideate da repblica nao Ihe con-
cede o perdao; teaha animo.
A estas palavras, Prado senton-se e excla-
mon:
Bem.
E> saltando logo da cama, principiou a vestir-
se tranquillamente, recusando que o ajudassem.
Calln raeias vermemas, bous de polimento e
vestio calcas de edr de castanha, os mesmos ob-
jectos com que comparecer, peante o trinal.
Emquanto Prado proceda assim socegadamente
i sna toilette, o abbade Faure acercou-se d'elle e
disse liie car i nho samen te :
Entao Prado I E preciso resignar-se. Tome
alguma coisa e... tenna coragem.
Coragem! respondeu o condemnado. Hei
de a ter.. o senhor ainda est mais commovido
do que en.
E Prado dirigi-se para a mesa do carcere onde
estavam muitos papis, entre os quaes urna carta
que diriga a Mr. Comby pedind>lhe para o avi-
sar na vespera da sua execucao. Pegando n'estes
papis, rasgou-os e em seguida pedio para que
fossem qu imados na sua presenca.
Satisuzcram-lhe a vontade.
Em seguida Prado exclainou :
E agora, mena senbores, estou as suas or-
dens.
Levaram-no paca a sala destinada toilette dos
condemnados.
Estaan!* o ajutantes do carrasco o algema-
^an>, Prado pedolbo pira nao o magoarem
muito. ^
Termmadas as estas natalicias do Redemptor,
vamos eacetar o o.* anno do compromisso que
coQtrahiraos com essa empresa, saudando o ve-
nerando Diario de Pemamauco na pessoa dos seus
illustres redactores, a quem desejamos que te-
nham tido felizes testas e risonhas entradas de
novo anno.
O finado 88 deixa no geral, para o nosso he-
mispberio, tristes vestigios de sna passagem.
Para este termo, alm do sarampo, a coqueluche.
que fizeram muitas victimas, legou ainda a varila
que est fazendo progressos no riacho Secco e
Golaody, nao demorando a sua invaso nesta
villa, o que ser urna verdadeira calamidade, at-
tenta a pobresa da popuiaco, e a falta quasi ab-
soluta de preservativos
A Cmara Municipal, conscia dos males que
ameacam os seus municipes, acaba de represen-
tar presidencia sobre este momentoso as-
sumpto.
A irregularidade do invern passado ainda
trouxe como conseqoencia a alta no prego dos
gpnen>8 alimenticios e oxal que nao se demo-
rem as churas, porque entao, alm da fome te-
remo que lamentar serios prejnios na cria-
go.
N'uma uni;a couaa, porm, o 88 se avantajou,
neste termo, a muitos' des seus antecessores, e
foi deixal-o mergulhado na santa paz do Senhor,
expurgado da horda de criminosos e ladroes que
0 nfestavam.
Os celebres facinijras Manoel Amaro, Franceli-
no, Tcrto Bala, Joo Leite, Duzentos e Dez e tan-
tos outros, que por tantos annos Jrouxeram em
continuo sobresalto o espirito publico com a or-
tica de actos da mais requintada perversidade e
vandalismo, gragas actividade e energa iyj iioer^d
autoridades pliciaes, acham-se recolhidos ea-
deia, onde os aguarda a deciso do jury.
Vamos agora deecrever a serie de festejos ha-
vid os aqu por occ&ao do Natal.
No da fl basteada a bandeira* dos exeelsos
padroeiros da freguezia Jess, Mara e Jos,
ao som da msica e foguetes, aegniranitse 9
frias noites de novena, algumas das quaes cor
reram revelia dos respectivos noiteiros, func-
cionado por elles o popular e religioso Manoel do
Rozara, convindo notar que neste numero entrn
a noite dos empregados pblicos I
No dia de anno bom honve missa cantada, as-
gas concorrida, concorrencia attrahida por urnas
aonunciadas cavalhadas, que, aqu para nos,
apezar de nao terem analoga com a arte de Rol-
dio, todava, satislizeram o auditorio, que, vido
de distraccOes, preferio-as as demais pegas do
festivo repertorio.
Conbe as honras de barraqueiro ao cavalheiro
Joaquina Gongalves de Mello, o qnal, nao obstan-
te a pericia que exhibi, perdeu o logar em um
desafio na 3. langa, sendo vencido pelo jovem
Firraiano Soares vilella,
Em Taquary. no dia i3, com assistencia dos
Revms. vigario desta freguezia Joao Marques de
Souza e do eapellao do Recolhimento Fre Cle-
mente de Leonessa, e de grande concurso de
fiis, procedeu-se collocago da ernz no cimo
da capella d'aquelle povoado, cuja frent", que era
de taipa, foi ltimamente construida de tijolo, a
esforgos dos fiis d'aqnelle districto, coadjuvados
pelo respectivo vigario, que tudo tem fefto para
proporcionar quelle logar os melhoraniento3 de
que credor pela religisidade de sena habitan-
tes.
Um nico facto tembs a registrar, e ^ue des-
toou da paz que presidio a todo o blido fes-
tival.
Antonio Francisco dos Santos, ao posar .i, dia
34 pelo sitio Guarir.as, recebeu um tiro de em-
boscada, que ihe desfechou o sea desaffecto Jos
Soares de Britto, j tendo este espancado a mu-
lser-lhos do seu antagonista.
A carga attingio o hombro esquerdo de Anto-
nio Francisco, onde penetraram 6 bagos de chum-
bo, de cujos ferimentos ficar o infeliz edm o
braco iantilisado, -segundo opinaram os peritos
que o examinaram.
O criminoso foi asylai-se na propria casa do-
inspector do quarteiro, de quem esperava pa-
trocinio, porque um filho deste tambem inimigo
.-welc o que-rLu victimavvaiaoissiPiou-se'no eus catados,
por quertspMMHimsio-eootlefer, faBwn-
do d'elle ota pooSHMe dalestas ao alferes Cade-
a deloploakMMaBo, MOtdsboai grado o ac-
ceiiou, u'iaodJtaotawecoiwr. a caoaia, depoia de
preenchidas as familidados lapsa.
Eis um fae -digno de reHgispjatteucao nao
s6*s leitoreaconjo-das-aatormts plieiaese
{Maras .._...
A27 do pasando falleceno sitio Ronino, deste
termo, o mesor Franciseo/lIrM'aesissta Ai-
ves Machado,"em consequencia dcmtna opmgao
praticada por um charlato, que vagueia por
estes sertoes, com o pomposo nome de Dr. Pt-
tombo. ... .
O infelis- Francisco soffria de hydropesia, de
cuja doenca j estava desengaado pelos enran-
deiros do logar.
. Consultado o Dr. Pitombo, este, depois de um
ligeiro exame, declarou que a cura do enfermo
dependa de urna simples incido na regiao da
dsjM, pela qual elle expelliria toda a agua con-
tida no corpo.
Menjamin, que entende tanto de raima quanto
o Dr. Pitombo, consentio no caso, c o resultado
foi perder o filho em poucos dias. *
Informam-nos que este aventureiro filho de
um celebre medico do mesmo nome, que bou ve
no rio S. Francisco, e que por occasiao de falle-
cer deixou o Hlho em extrema pobreza. *.
Rapaz intelligente, com o mesmo nome nsado
por seu pae, e na posse dos utensilios da arte
deste, fcil tem sido ao novo Pitombo, inculcar-
se quelle que j.nQo existe, nos logares desco-
nhecidos, engazopando d'es'arte a qnantos en-
contra
Hoje, coube a sorte a Francisco, cujo bueno
arrombou em procura da vagina; amanh, cha-
mado para resolver as difTiculdades de um parto
em Roaarla, elle a assassinar, com outra, ex-
druxula opcracSo, e descartar-se-h com os pal-
pavos, dizendo, que a morte da parturiente foi
occasionada por atrophiamento de qualquer
cousa. J .
Esta trra um eterno vivaro d esses charla-
res. _
Um anno destes tivemos aqu um celebre ur.
Teixeira, curando todas as molestias com cham-
pes e immersoes da rama de urna fava aqui co-
nhecida por cabrucuco.
Quando j tinha logrado a centenas de pes-
soas, descobrio-se a ineflicacia das suas receitas,
e ento urna alma caridosa aconselhou-o a que.
se renrar-3e, conselho felizmente observada pelo
Dr... Cabniaifo.
Mui tarde soube-se que o cuio, era pura e sim-
plesmentc um ladro de cavallos, j sentenciado
no termo de S. Bcnto. .
Ainda temos por aqui um miracuioso st. Dr.
Rocha, que apezar de amlphabeto, tem a habili-
dae de conhecer os tolos pelo bater do pulso.
A' bem da hvgiene e moralidade publica, e
justo que taes charlatSes sejam compeUidoe a
renunciarem os officios que falsamente exereem
em affronu s leis e ao publico.
Nao se realisou no 1. do corrente, como es^
t*va aunubciado, a inaugaraco do Prado Papa-
caceiro ou por ontro o Hippodromo- de Bom Con-
selho (segundo o novo chrisma que recebeu da
directora), o que s leve lagar no dia de Res.
A's 3 horas da tarde, peante um concurso de
600 pessoas, approximadamente, ao som da ma-
viosa philharmnica local, e dos estalos dos fo-
guetes, oceupando os respectivos tugares os jui-
zes e directoria, comecou al.' corrida, na qual
tomaram parte
Urub-ping.
Velocipede venceu seus competidores cua-
cando ao posto vencedor, na distancia de tOOO
metros em 76 segundos. *.-.-ll
No segundo pareo tomaram parte: uciota,
Sertaneio. Tupy, Belia do Oura e Florete.
Cuube a palma a Tupy, quoSBBr n?Bto estorbo
percorreu w) metros em 4 seguado.
0 povo, em sua maioria, nao tem noces desta
(specie de jogo, e por isto nao admira que en-
tre um to numeroso auditorio s rosfcem ven-
didas 36 poules. ". L.',
em breve, o gerente da erpreza,-^^rsrT'feVraz^
tenha justos motivos para congratular-se com1
sigo mesmo pelo bom resultado da sua inicia
tiva.
No dia 7 reunio-se a Cmara Municipal em sua
1.a sessao ordinaria deste anno. procedendo
eleicao do presidente e vice-presidente que teem
de unccionar no corrente exercicio, sendo re-
elcitos o coronel Angosto Martinimo Soares
Villela. presidente, e o capirSo Franeisco de Al-
buquerque de Hollanda Cavalcante, vice-presi-
dente.
No dia 8, na igreja matnz desta villa, foi so-
lemnemente coramemorado com um nemento, o
3 anniversario do passamento de D. Mncela
Alexandrna Araujo das Chagas Goudin, virtuosa
mi do ex'vigario desta freguezia Minoel Can-
dido das Cturgas Gondim. que aqui veio neste
intuito. ,
Ao acto concorreram martas peesose das da
localidade.
No dia 9 chegou esta villa, onde vn firmar
sua nova residencia, o maior Antonio francisco
de Mendonja, influencia poltica e acreditado ne-
gociante da villa de Qaebrtngulo, onie se Ihe
tornam impossivel seno arriscada a sut perma-
nencia, em face dos actos de pura elvageria
all ltimamente platicados, e que tanto ustaram
aos cofres pblicos, dando lugar aquele grande
movimento de tropas desta e da visinla provin-
cia das Alagas.
Condoio a junta revisora de jurado os seus
trabalbos no da 11, cando apurados 08 juizes
de facto.
0 registro civil vai sendo pacificaoBirte exc-
oriado desde o dia I." do corrente, nao obstante
as serias apprehensoes qse a sua cretago
causou no animo popular.
Nada Ibes disse ainda acerca de una socie-
dade musical, aqu ltimamente organsada, por
que em materia de innooagoos) sepiaos rigo-
rosamente a praxe bocafiana: ver primeiro
em que pairara as modas.
E nao o scepticisM que nos pbrira a pen-
sar assim, senSo urna lOnga expernci 4os ne-
fpcios desta trra.
A asente sociedade pode ter bngos lias de
vida porque, foi o proprio viga'io o principal
motor da sua organisacio, auxiliaco por diversas
pessoas que, por difrerencia aonesmo vigario
ainda desta vsc concorreram con o seu contin-
gente para urna empreaa ja aou tantas veces
allograda.
Reunido o instrumental, e cottractado n'essa
capital o hbil professor Antn Sergio de Al-
buquerque. foi a aula inaagnada no dia 3 de
Setembro, affluindo logo grande niraero de alum -
mos, e seja dito em seu louvor,dmira, sorpre-
hende o adiantamento d'elles, en to corto lapso
de tempo. pois j toearam vartajosaitente du-
rante a festa cm todos os actos la igreja.
Longos e venturosos das de ida o pe dese-
A' bordo foram muito mal accommodados; os
atojamentos nio chegaram para todos os ol i
otees. Trinta e tantos cadetes tiveram de dor-
mir nos bancos das cmaras.
A alimentaclo foi pessima. Chegaram at a
recusar, urna vez, a carne para o rancho, por es-
tar completamente deteriorada.
Chamamos a attengo do governo para estes
hotos. Nao justo que sejam assim tratados
aquelles que com tanto civismo, e dando o mais
bello exempte de disciplina, abandonaram tudo,
e soplraatsoem hesitages para urna provincia
qasoi inhspita, pode-se assim diser.
Que ao menos se lhes d o conforto a oso tffl
(Hreito.
(Da Gazeta de Xotiema otate).
Knvenoi
MORTE DE DUAS .UEHIirAS
Cbe
vissime.
ssofiosso conhemoRto um facto gra-
, ptrra o quai clianramos a attenco do"
digno chefe de polica da provincia do Rio de
Janeiro^
FaHeeram Ha dias, em Nictheroyjuas me-
ninas, filha de um Sr. Nunes, empregado de
urna colchoaria do largo do Capim, naquella ci-
dade.
Estas meninas estavam sendo tratadas por um
medico, e suecumbiram, segundo se diz, anos
a ingesto de medicamentos cuja dosagem exa-
gerada ou mal combinada foi casa do envenena-
mento das duas infelizes.
Aflirmam-uos que as receitas, aviadas cm urna
pharmacia dquella cidade, foram destruidas
para que nao ffcasse prova de um erro to fata!
que ceifou assim ditas existencias.
Entretanto, [restar ainda autoridade poli-
cial, alm do necessario exame dos cadveres,
ceta prora:
Consta-nos que o Sr. Nunes, o attribulado pai
das duas infelizes, guardou os vidros que conti-
nliam os medicamentos, e que trazem os compe-
tentes rtulos.
Nao podemos affirraar que seja o facto abso-
lutamente exacto. Damol-o, portento, com as
necessarias reservas, aguardando as diligencias
a que naturalmente vai proceder o digno Sr. Dr.
Salvador Muniz para descobrimento da verdade.
(Da referida Gazeta de 9).
REVISTA DIARIA
El
ivcarnamrnto
DE DUAS CBIANCAS
Janeiro
recom-
MORTE
Como hontem noticiamos, falleceram ha dias,
em Nictberoy, duus meninas, que segundo se
diz, foram victimas de um envenenamento.
Orminda e Maria, chamavam-se as duas infe-
lizes criancinhas, eram gemeas, e apenas conta-
vam um mez e pouco de idade.
Sao estas as informaefles que colhemos a res
peito d'este facto gravissimo, para o qual anda
urna vez chamamos a attencao do Sr. Dr. chefe
de polica da provincia do Rio de Janeiro :
Liborio Jos Antones, pai das duas criangas,
residente praca de Santo Alexandre n. 10,
naquella cidade, e operario da colchoaria do Sr.
Joaquim Moreira Jnior, ra do Vlsconde de
Uruguay, na mesma capital, teve ha pouco mis
de um mez necesaidade de chamar um medico
para sua senhora, que estava entao muito doen-
te, por haver dado hiz duas criancas, Orminda
e MariH. ....
Em urna das visitas fetas pelo medico en-
ferma, foi-lhe apresentada urna das criangas, a
de nome Orminda, que, segundo elle diagnosti-
cou, tinha urna ligeira clica. Foi isso no da
4 ou 3 do correnter
Tendo receitado para essa crianga, recommen-
dou o medico que, porprevenco, dessem o mes-
mo medicamento ontra.
Immediataraente dirigi-se o Sr. Libn a
urna pharmacia d'aqueUa cidade e mandou pre-
Antes de Mi, consta-nos que fbi a receita
aviada por um menino, caixeiro da pharmacia.
Hora* depois de terem a enancas ingerido as
uncir dores^o medicamento, notou pessoa
da casa que haviam ellas caldo era profnndo
estado 4o-omaolencia, que as papaa.estavam
coutrahiaas, e qu eram as nfezes tapdidas
de instante a instante por convulsoes, siguaes
estes caraeteristicoa de euvenenamento pelo opio
Foi immedataiente chamado outro medico,
que, dapis-de examinar as enancas, pedio o
Ite^$'^3s1^18roT',eft que" 0Oa$8con$a8^0a
pessoa alguma.
Declarou o medico que a menina Orminda es-
tava perdida, e que talvez ainda foase possivel
salvar sua irm. Apezar desse terminante e fa-
talprognostico, receitou paca arabas.
Como peiorasse tambem a menina Maria, foi
chamado outro medico para urna conferencia, e
prognosticaram ambos a morte das duas crian-
cas.
Falleceram pouco depois as infelizes, com in-
tervallo de horas e foram sepultadas no cemite-
rio de Maruhy, na referida cidade.
Orminda foi inhumada no dia 5, na cova n.
873 da quadra B. 0 attestado de bito d o im-
paludmo como causa da morte.
Mario fos sepultada no dia 6. na cova n. 875
da quadra B. Pelo altestado de bito fallecen
eHa de urna athrepsia.
Como hontem disseraos, affirma-se que des-
appareceu a receita Deve ella, porm, constar
do registro da pharmacia.
I? esta a receita, segundo o rotulo do vidro do
medicamento em questo :
Hydrolato de camomilla..... 60,0
Tintura de nox-vmica....... 0,10
Dita de opio composto........ 0,30
Urna colher de cha de hora em hora
E' esta a receita destinada s criangas de mes
e pouco de idade. D ah talvez os symptomas
de envenenamento, e provavelmente a morte.
Nada queremos afnrmar por emquanto. A'
autoridade compete a averiguago minuciosa.
severa e immediata deste caso gravissimo, ou
para salvar a repataco comprometti da do me-
dico que receitou e do pharmaeeutieo pe aviou
a receita, ou para que seja ponido o criminoso,
se -erime honve.
jamos iovemr aaeociagio.
0 Sr. JoSo Baptista Xuaitanc residente nesta
Villa, emprehendeu ajmWicag; de urna foUunha
para o anno de 1890, contend a historia, topo-
grapbia, politica e estatisjica do 11." districto
eleitoral desta provincia, cuj estudos j esto
bastante adiantados.
Fszemos votos para que o Ir. Lusitano leve
vante a sua nenosa emprezj cora a qual pres-
tar um valioso servjco no/o ao 1V districto,
como a toda a pspvinoia.
Com esta noticia osgotamis por hoje a nossa
carteira.
0 Dr. David, mdico em Nictberoy. vetobon
tm ao nosso escriptorio dizer pe sao suas as
receitas de pe se trata.
Disse S. S. que servio de parteiro paran nas-
ci ment das referidas enancas ; que acompanbou
o seu tratamentoat a morte; afftrma pe nao
ha dosagem exagerada as receitas referidas; e
diz pe muito pequea pantidade de medica-
mento foi ingerido.
Jalgamo-nos no dever de publicar as explica-
goes do Sr. Dr. David, pe nos communicou
tambem, que vai requerer inquerito polica

(Da referida Consta de 10.)
At outra vez.
.
FronieirM de Itito Orosso
Pelo Victoria tivemos notia das tropas que
compem a divisSo incumbid- de guarnecer as
fronteira* da provincia de Mo Grosso.
ressima foi a viagem quefizeram de Santa
Camarina a t. Pedro do Si onde chegaram a
31 do mez prximo passadoi
Tendo recetado ordem de iesunbarpe, foi no
dia 1 do soliente para tom o 1 batalho. que
1 i coa aquart el lado na Masnipa Os ofteiaes abo-
Jciaram-se em casas per ellts alujadas.
vo dia 2 desembsrcou o "> baulho e alojon-
se .r. quartel do tfk
As tropas devaa leguir vjagemldo lia 15 em
diante, tempo m pe covAegara a irescer as
aguas, perrnittiBdo a subida pelo io iraguay. |
t
i
O governo vai fundar e custeur na provincia de
S. Pablo urna escola cientfica de viticultura, a
qual pela sua especialidade constituir estabe-
lecimento inteiramente distincto da Estaco
Agronmica de Campias.
Foi encarregado oSr. Joseph Watzel, (' orga-
nisar o competente projecto com todas as indi-
viduacoes convenientes, esoolbendo terrenos
apropriados, levantando plantas do edificio prin-
cipal e suas dependencias, oreando todas as
obras e acquisicoes necessarias de instrumentos
e apparelhos, de maneira que at o fim de Ju-
lho se ache o governo na posse do todos os da-
dos e nformagoes referentes a este objeeto, pas
que pos8am ser autorisadas as construegoes t
.racommendas que forem precisas.
0 Sr. Joseph Watzel fixar sua residencia e m
3. Paulo e esiudar o estado da industria vit-
cola na provincia, quer quanto fabricagao do
vi nho, per na parte relativa cultura da videi-
ra, indicando os melboramentos e tudo quanto
for conveniente ao progresso. dquella nascente
iaduslria.
Os particulares podero solicitar informagoes
praticas acerca das questes de agricultura e
viniticago.
Para coadjuvar o Sr. Watzel, foi designado o
engenheiro Francisco Dias Cardse
Foram designados para servir como official
de gabinete e auxiliar do gabinete do Sr. minis-
tro da justica os Srs. Benedicto Antonio Bueno
e Augusto de Almeida, distinctos funecionarios
daquelle ministerio. Para substituir o Sr. Be^
nedicto Hueno director da 4* secgao foi designa-
do o 1" official Jos Carlos de Souza Bordini.
Eleicao de deputatfo eral Por acto
da presidencia da provincia, de hontem datado,
foi designado o dia 4 de Margo prximo vindou-
ro para se proceder no 10 distncto desta pro-
vincia a eleigo de deputado gera', para preen-
chimento da vaga aberta pelo chamado do Exm.
Sr. conselheiro Francisco de Assis Rosa e Silva
ao cargo de ministro da justica.
A's Cmaras Munieipae? do referido districto
foram dirigidos officios do seguinte tlieor :
Palacio da Presidencia de Pernambuco.
4.*secgo.-EnrtOde Janeiro de 1889.Deter-
mino Cmara Municipal deLimoeiro pe expe-
ca comraunicaotoaosjaucs de paz e de asde-
ais providencias do estylo, arlm de que se pro-
teda no dia i de Marco*vinclouro a nova eleico
Sira precncliiment da va;;a que deixou na Ca-
ara dos Deputados o Exm. Sr. conserhetro*
Francisco de Assis Rosa e Silva por ter 3ido no-
meado ministro e secretario de estado dos nego-
cios da justica. (Assipado.)Innoceneio y ar-
ques de Araujo Goes.
Igual s Cmaras Municipaes de Altinho, Ca-
ntar e Brejo. *
Acto* ofllciaes-Por actos da presidencia
da provincia de 5 do corrente mez :
Foi nomeado sobrproposta do Dr. chefe de po-
lica o capito do corpo de polica Lucio de Si-
queira Campos para o cargo de delegado de Ato-
gados de Ingazeira, em substitnico do alteres
Jos Terencio de Barros Araujo, que lica exone-
rado.
Foi prorogada por 13 dias a licenca com que
se acha o engenheiro Theophilo Benedicto de
Vasconcellos.
Por officio da mesma data foi declarado aJTne-
souraria de Fazenda ficarem approvadas as pro-
postas aceitas pela junta de fazenda para o for-
necimento de diversos artigos ao Arsenal de
Guerra no Io semestre do corrente anno.
Por actos da mesma presidencia de 7 do
corrente :
Foram nomeados Manoel da Paixo Ramos e
Firmi.io Jos Guedes de Lacerda este para o pos-
to de alferes da 5* companhiado 11* batalho de
reserva da guarda nacional de O linda e quelle
para o de tenente da 2 companhia do mesmo
batalho.
Foi nomeado Jos Avelino Rodrigues da Suva,
para o posto de capito da 2 companhia do 66"
batalho da guarda nacional de Olinda em subs-
Utuicao de Manoel J. de Miranda, que obteve guia
de passagem. .
Foi creado por conveniencia do semeo publi-
co^ proposta do Dr. chefe de polica, no termo
de Buique, um districto de subdelegacia, sob a
denominaco de < Amaro.
Foram nomeados Candido de Miranda Torres
Gallindo, Francisco Thom de Oliveira, Thomaz
Pereira da Costa e Flix Bcaerra da Silva, para
os lugares de subdelegado, i\ 2 e 3- supplen-
tes do districto do Amaro, termo do Buique.
Foi nomeado o alferes do corpo de polica, Jos
Nicolao Ferreira Gomes, para o lugar de Io sup-
plente do delegado do termo da Escada, era
substiluigo do cidadio Zeferino Aureliano
de Figueiredo Mello, que falleceu.
Foi nomeado o alferes do corno de polica, Il-
defonso Correia da Cunha e Albuqueraue, para
o lugar de subdelegado do districto de Capoeiras
do termo do Bonito.
Por oflicio da mesma data :
Mandou-se a Thesouraria de Fazenda suppnr
o almoxarifado do Presidio de Fernando com a
quantia de 6:432*876. .
Mandou-se o Thesouro Provincial pagar a com-
panhia da estrada de ferro do Recife ao S Fran-
cisco a quantia de 4*640 de passagens dadas ao
engenheiro da repartigo das Obras Publicas,
Joo Jos Fernandes da Cunua.
Por actos da mesma presidencia de 8 do
corrente mez : .
Foram nomeados Joo Auspicio Chaves e Ves-
pasiano Jos de Mello, para os lugares de sub-
delegado e supplentc do i districto do termo
de Canhctinho. ..,_.,
Foi exonerado o tenente Eduardo Jos Al ves
de Mello do cargo de Io supplente do delegado
do termo de Canbotinho e nomeado para substi-
tuil-o o alferes Domingos de Oliveira Caval-
cante. i..
Foi nomeado para o lugar de Io supplente do
subdelegado do Io districto do termo de brava-
ta, o actual 2o supplente Joo Teixeira de Arau-
w, fo,-iiluui'sc"ud'UiStrlcTo.
Foi nomeado o commandante da 1* estacao da
guarda cvica alferes Francisco de Paula Mendes,
para o lugar de subdelegado da freguezia de
Santo Antonio, em spstituico do tenente aju-
dante do corpo de polica Severiano Vieira
da Paz, que fica dispensado do referido cargo, a
bem da economa do citado corpo.
Foi nomeado o alteres LuU Jos Antones, para
o lugar de 1 supplente do subdelegado do 1 dis-
tricto da frepezia da Graga em subs'ituigo do
bacharel Alexandre Bernardino de Figueiredo
Res e Silva, que nao aceitou a nomeaco.
Foram romoridos por conveniencia do servico
publico, o alferes commandante da 2* estaco da
guarda cvica, Luiz Jos Antones, para a S e o
desta Josu Materno Pereira dos Santos para
aquella.
Por ollicio da mesma data, autorsou-se o The
souro Provincial a pagar a companhia da estra-
da de ferro do Recife ao S. Francisco a quantia
de 15*700 de passagens concedidas por conta
da provincia a oito pragas do corpo de polica.
Expolie* provincial Deve encerrar-
se hoje a exposico que, como preparo para a
universal de Pars, realizou-se nesta provincia,
no palacete do Lyceu de Artes e Officios.
Desde domingo ultimo, dia de sua inaugura-
gao, a exposifiao tem sido visitada por avuttado
numero de pessoas, e de presumir pe hoje a
concurrencia de visitantes seja grande attenden-
do-se ao facto de ser o ultimo da.
E ha muito o pe ver all. Sem contar lin-
dissimos specimens em trabamos de agulha, taes
como bordados, labyrintbos, crochets e tecidos
diversos, ha a admirar, na industria manufactu-
rara, bellos movis, artefactos de bronze e ferro,
variadas colleccoes de fculas, fibras vegetaes
preparadas, vinnos, licores e cervejas, doces e
conteitos, e mais os productos da lavoura da
provincia, taes como, algodo, assucar, alcocJ,
caf, cacao, fumo, etc.
A parte referente a estes ltimos productos,
bem como a concernente s fculas, doces, be-
bidas atcoolicas e fermentadas, e no geral as fi-
bras vegetaes, muitissimo interessante e me-
rece especial attencao dos visitantes.
Tambem sao dignos de apreco alguus traba-
mos de bollas-artes, pe se acnam expostos, e
Srincipalmente as photographias e varios qua-
ros a ofendaGalera Ducasbie.
Em summa, as condicoes actuaes da provin-
cia, nao podia fazer mais nem mclfaor a com-
raisso directora da exposico, sem dnvida ere-
dora de encomios pelos esforgos empregados e
pelo resaltado conseguido, a despeito dos entra-
ves pe encontrn, tubos da naa vontade de al-
guns e do indifferentismo do maior numero.
Faculdade le DireicoNao poude ter
lugar hontem, sendo transferido para amanba, o
julgamento dos. concurrentes ao provimento da
cadeira de phllosopbia do curso annexo % Facul-
dade de Dlreito.
Na terca-feira 22 do corrente reunir-se-ba
a congregaca da Faculdade de Direito para en-
cerrar-se os respectivos trabalhos, visto nao se
ter podido encerral-os hontem.
Club EnterpeA banda deste chibe nsaia
amanh em sua sede, ra Duque de Caxias
n. 72.
o PtailartlstaPublicou se hontem.o n.
8 d'este peridico, que traz impressa a valsa
Doninha para piano, composigo do professor
Marcellino Cleto.
* InfernaeHE' o titulo de un: .lurne
de versos, edictado pela Livraria Quinta-. e es-
cripto por alguem que nao conhecemos e que
se occuita sob o pseudonyno de .Vario de Arta-
giio.
Quem quer pe seja, porm, esse escriptor,
sabe vereejar. tem estro e inspiraco, e feliz
as imagens de pe usa. 0 seu volume de ver-
sos merece leitura e estima.
Saudando o poeta, agradecemos o mimo que
nos fez o edictor de um exemplar do livro.
Papel perdidoTrouxeram ao nosso
escriptorio um rolo de papis diversos, que foi
encontrado na estagao da ra da Aurora, da fer-
ro-vi a de Olinda.
Quem se julgar cora direito taes papis, ve-
nha recebemos no nosso escriptorio,' onde Ihe
sero entregues dando as competentes indica
goes.
arte a aordaNo vapor austraco Medu-
za, hontem entrado da Europasjfalleceu de ma-
rasmo senil a immigrante italiana Maria Tonln.
Chegado o vapor, foi a polica bordo, e man-
dou proceder exame cadavrico na infeliz, o
que fez o Sr. Dr. J. J. de Souza. declarando ter
aquella mumer sucumbido referida molestia.
Pelo subdelegado da paroebia de S. Fre Pe-
dro Gongalves foram dadas as ordens para b. en-
terro de Maria Tonin no cemiterio de Santo
Amaro.
Ees do pavaReapparecea hontem esse
peridico, que, havia seis meses, tinha desappa-
recido.
uatema MgicaPublicou-se c deslri-
buio-se hontem o n. 243 da Tanterm Mgica, re-
vista Ilustrada e humorstica.
e*vlea militarEsto desipados hoje
para superior do dia o Sr. capito Manoel An-
selmo, e para ropa de visita o Sr. tenente de
cavallaria Maciel da Silv. e para o dia 21 o Sr.
capito Pedro Verbo-, e de ronda de visita o Sr.
atieres ajudantc Ltx Bezerra |dos Santos.
0 14 batalho de infantaria parnece ama-
nh a cidade com o uniforme n. 3, e no dia 21 o
2o da mesma arma com o uniforme n. 5.
Na enfermara militar acham-se em trata-
mentc>44 pragas dos corpos da parnigo.
A guarda da Thesouraria commandada
hoje pelo Sr. alferes Urcicino Augusto de Villas-
Boas, e amanh pelo Sr. tenente Sebastio Gon-
galves da Costa.
Em substituiglo ao Sr. major Esteva Jos
Ferraz, que se acha con licenga para tratamen-
to de sua saude, foi nomeado o Rr. major Luiz
Antonio Ferraz para presidir e rever o conselho
de guerra a que responderam os soldados (Vi-
cente Greprio de Oliveira, Francisco Jos d
Souza, Luiz Pereira da Cunha, Manoel Pedro da
Costa, Casemiro Jos Gongalves, Francisco Fer-
reira de Souza, praras do 2* e 14 batamOes de
infantaria.
Directora da obras de coacerva
cao do Porto de Pernambne-Reci-
fe, 18 de Janeiro de 1889.
u\

DUIl mu incieuiij Uf-'It >)

- i 9
Horas i'il as 2 v p 5 Barmetro a 0" Tenso do vapor i o 1 s
P a
6 m. W-2 758-97 18,89 85
9 27-6 759-32 19,71 70
12 28"-6 758-92 19,40 67
3 t. 27-9 758-00 21,69 77
6 26-3| "oS-Sll 21,29 84 i

Temperatura mxima9",00.
Dita mnima-24,O0.
Evaporagoem24horasao sol: 6-5; som-
bra : 2-,9.
Chuva23,-2.
Direcco do vento : SE de meia noite s 2 ho-
ras e 45 minutos da tarde; SSE at i horas e
10minutos; SE at 10 horas e 50 minutos; ENE
at meia noite.
Calmara duraate 3 hora* pela maulla.
Vetocidade media do vento: l-*7 por se-
gundo -----
Nebulosidade media: 0,57.
Boletim do porto
i
|5
B. M. P. M. B. M. P. M. 18 19
Dia
de Janeiro
de Janeiro
1125 dmanh
5 46 da tarde
1159
617 da manh
Altura
0-50
2-.50
0-.37
2-,42

LeilAenEffectuar-s-ho os seguinte- -.
Amanh :
Pelo agente Britto, s 10 1/2 horas, ra Vis-
conde de Inhauma, de movis, miudezas. vi-
aros, etc.
Terga-feira:
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas, ra
do Hospicio n. 51 C, de bons movis, cavailo e
outros objectos.
Misaa fnebreSero celebradas:
Amanh :
A's 8 horas, na matriz do Carpo Santo, pela
alma de D. Thereza Emilia de Souza Leal.
ci^aieira :
A's 8 horas na igreja da Santa Cruz, pela al-
ma de Samuel Halhday ; as e ia horae, na" igre-
ja do Corpo Santo, pela alma de wfiam Hart-
mann; s 8 horas, na matriz da,Boa-Vista, pela
alma de Firmino Theotonio da Cmara Santiago.
Paage*ra-Sabidos para o norte no va-
por brazileiro Pard:
Dr. Herculano Ramos, Francisco A. Machado
Simo Francisco de Amorim, Sebastio Lemos!
Josepha Benedicta, Pedro C. Lemos, Manoel Ra-
mos, Paulo J. Ignacio, Manoel dos Prazeres, Ru-
fino Machado, Vicente S. Lemos, Luiz Gonzaga
Luiz F. do Nascknento, Joaquim Rodolpho, \ri-
canio Correia, Antonio Augusto, Antonio Be-
zerra, Rozendo F. -p Nascimento, Manoel Ro-
zendo, Jos Rozendo, Antonio Rozendo, Firmino
B. da Silva, Seraphhn Oliveira, Antonio M. dos
Santos, Pedro Celestino da Meta, Marcelino do=
Santos e sua .seoJiora, Custodio Figueiredo J
J. Volcumveioler, Justino Nunes da Silva, Maria
da Conceico, Presriano Carneiro, Seraphim
Jos da Silva, Custodio Jos da Silva, Antonio
Francisco, Antonio Pinhal, Luiz Antonio, Manoel
Joaquim Fernandes, Florentina Gongalves da
Justa 2 fimos e 1 eriada.R. Felton, Manoel dos
Santos Garcia, pratico Trajano, Manoel Maria
Joo Carneiro, Manoel Jos de Oliveira Granja'
Jos Florentino de Araujo, Florentino F. Lopes.
Joo Pedro dos Santos, Jos Francisco da Rocha
Oliveira, Frei Jos de Santa Justa, Joaquim do
Couto Menezes; Juventino Marinho da Sts,
Francisco do Nascimento Campeo, Jos Arroda
de Vasconcellos, Ellas Barros, Jos Bernardi,
de Senna, Benedicto Carao, Bras Rozendo Car-
neiro de Albuquerque, Joo Lima, Jos de Faris
Machado, Charls Durand, Luiz Aselmode An-
drade Dantas (cabo de policial, seslenciado Jo
Gomes da Silva, Philoxenes Aas$io de Lima.
Jos Joaqaimda Silva, Marcelino Silva, e AntoT
pio.Lemos.
Sahid para o sol fno vapor h1- Elbe :
Octavio Antonio da Costa.
- Chepdos do norte no hiate nacional Deiis
te Guie:
Aqsino Pereira Lemos, Lindolpho Azevep
Fanas, Vicente Ferreira Lima e Bemiro Jos de
Parias.
Caa de DetencaoMovimento dos pro-
sos da Casa de Detencao do dia 18 de Janeiro
de 1889.
Existiam 451
tem 448.
A saber:
Naeionaes 408; mulberes 19; estraMeiros f 1
Total 448.
Arragoadpsflli
Boas 355.
Loucas-3.
Doentes 23.Total 381.
SSrlmentoda enfermara
Tiveram baixa:
Francisco Jos-Teixeira..
Jos Fraaeiops Silva.
Fehx Correia da Silva.
Tiveram alta:
Libanio Jos de Sant'Anoa.
Marianno Amancio Ferreira.
Jos Joaquim Nogueira.
aaptsal J*ra M-0 movimeato deste
estabelecimento da dandade, n> dia 17 do cor-
rete, foi o seguinte;
Entraranr 7
Sahiram 7
Falleceram 3
Existem 57*
Foram visitadas as respectivas enfermarias
pelos Drs.:
Moscoso s 8 11 i, Barros Sobrinho s 8, Berar-
do s 10 Ifl, Malaquias s 10 lr2, Pontual s 9
horas.
Nao rompareceram os Drs.:
simOes Barbosa.
E8teyo Cavalcante.
Cyseirp.
Ocirurgifio dentista Noma Pompilio nao com-
parecen.
0pharmacestico entrou s 812 da manh e
sahio s 4 da tarde.
O ajudane dop..,irmaceuli.-i entrou s 7 lii
da manh e sabio s 4 horas da tarde.
Lotera a tirata-Para- A 5. parte ^
28 lotera, dessa provincia, cujo premlb grande
i:O0Oj0TjO, ser extrahida.quarta-feira, 24T.
correrte.

i
entraram 5; sahiraS : exis-

1







I



J>rio de PerBiultticO"
20 de Janeiro de 1889
3
Lotera da Cira* sara-Eis 09 premios
4a *.* serie da M.' toteria do Grao-Par, ex-
trahida em 19 de Janeiro de 1889 :
3683 60:000*000
3906 6:000*000
431 3:080*000
1910 1:100*000
1*9 MOOWOO
APCTOXUIACOES
3684 600*000
3M6 600*000
3385 300*000
3967 300*000
VJO 180*000
431 180*000
Esto premiados com 600*000 os seguales
nmeros:
64 3250 7692 7701
Esto premiados com 300*000 os seguintes
nmeros:
931 1746 4319 5146 6053
Esto premiados com 110*000 os seguintes
nmeros :
3681 3682 3683 3684 3686 3687
3688 3689 3690
Estao premiados com 60*000 os seguintes
nmeros:
3561 3562 3563 3504 3565 3567
3568 3569 3570
Estao premiados eom 30*000 os seguintes
tanos
432 433 434 435 436 437
438 439 440
Todos os nmeros terminados em 85 estao pre-
miados "com 60*000, excepto o da sorte grande.
Todos os nmeros terminados em 66 estao pre-
miados com 60*000, excepto o da sorte imme-
diata.
Todos os nmeros terminados em 31 estao pre-
miados eom 30*00
Todos os nmeros terminados em 5 estas
premiados com 30*000, eicepto os terminados
em 85.
Todos os nmeros terminados em 6 esto
premiados com 30*000, excepto os terminados
em 66.
a seguinte lotera corre no dia 24 de Janeiro
oom o plano de 60:000*000.
Cemilerio PublicObituario do dia 18
de Janeiro de 1889 :
Candida Maria da Penha, Pemambuco, 70 an-
uos, nova. S- Jos; asthma.
Manoel, Pemambuco, 2 dias, Boa-Vista; t-
tano-
Joanna, Pemambuco, 18 mezes, S. Jos | eclam-
psia
Um fecto, Pemambuco, Santo Antonio; envia-
bilidade-
Maria Cameiro de Albuqnerque, Pemambuco,
26 anuos, solteira, Boa-Viste; diarrha.
Um fecto, Pemambuco, Santo Antonio-
Luiz Eduardo dos Sautos, Sergipe, 50 annos
Boa-Vista; gastro-enterite -
tuberculosos, cancerosos eailspUatm; wi
o aevrosisme eoaiisitucional, nactoaal, eu-
ropeo, o nevrosiamode todos os povos ci-
vihsados modernos filho daquella gran-
de revolucSo humana, cujos germen es-
tavao latentes por toda a parte, porm que
achavam no solo da Franca e mais ainda
em Paria o terreno melhor para nascer,
prosperar, floreseer e fructificar.
As tres paiavras mgicas escripias so-
bre a nova bandeira fbram as mies fecun-
das do nevrosismo.
A fraternidade ficou um po desojo, urna
forma arcadica que enxugou algumas la-
grimas, que interneceu alguna corajSes,
mas que permaneceu sempre fechada n'um
frasco esmerilhado, facetado e de bellissi-
mas cores, sem qae o liquido viesse fora
adocar os paladares humanos e muito me-
nos saciar e fecundar os campos cultivados
pela familia humana.
Christo j tinha dito, desoito seculos an-
tes, que todos somos irmlos; e quasi to'
dos os escriptores e moralistas nos desoito
seculos repetiram a meama canelo, qae
Alexandre Mauzoni eantou nestes Ver-
sos :
Siam fratelli, siam strelli ad un patto :
Maledetto coliu che 1'infrange,
Che s'innalra sul fiacco che piange,
Che contrista uno spirito immortale !
IM POICO DE TtBO
Um polica de Pars foi ha dita victima
da sua coragera as circumstancias que
vamos relatar.
Um empregado de um negociante de
vinhos, tondo ir de a recado a urna casa
da praca da Naco, deixou porta o carro
e dentro o filho menor do sen patrao.
O cocheiro de um trem, que passava,
arruiuoa urna chicotada no cavallo do car-
ro onde esta va a enanca.
O orvallo, espantado, parti a todo o
galope'por alli fra. Entao o polica, que
se achava no caminho, saltou cabeca do
cavallo e agarrn as redas.
Conseguio fzer-lhe tomar outra direc-
elo, mas as redeas rebentaram. Que faser?
Dentro do carro o rapasito, cheio de
ntedo, gritava desesperadamente. O po
licia qtfw salvar o peqneno a todo o tran-
se e agarrou-se langa do carro. O ca-
vallo, sempre em desfilada, tomou pelo
boulevard Diderot, vertiginosamente. O
polica nao largou a ranea at a roa Reuil-
ly, onde^aerdendo asforcas, cahio, pas-
asndo-lheD carro por cima.
O desventurado foi condusidu o k.or;_
tal. -
O seu estajo era desesperado.
O cavallo, que havia diminuido a car-
reira, pOde ser seguro um pouco
longe.
A crianca tinha desmaiado
* #.,
Chama-sc Numa Rada e
coberto de medalhas como
suas heroicas facanhas. A sua fonnosura
tem levado ao suicidio varios rapazes.
O marido da gentil domadora, Mr. Gre-
BJer, abandonara o seu elegante castello
das margens do Gironde para se deixar
domesticar por Numa. Tomaram por se-
cretorio um tal Blucher, de naturalidade
allemS.
Recentemente, porm, em Florenca on-
de estavam, o marido apresentou aos tn-
bunaes urna aecusaoao de adulterio contra
sua mulher e o seu secretario.
Os florentinos saborearan este escndalo
e comecaram a ffluir ao circo, que at all
estava s moscas, para verem as persona-
mau
tem o peto
premio das
tem
arma-
sen* d'ease drama.
O emprezario exultava e a domadora va
que os espectadores eram agora nnume-
f" Afinal um bello dia, domadora, marido
e secretario levantaram vOo, rindo-se do
tribunal que tomara a serio a aecusacao e
dopublieo que correu a admiral-os.
Pora um reclamo engenhoso para attrar
gente ao circo.
Os italianos acabara, de ser engaados
por Sua Magestade o re arriqapo Menelik,
um velhaco de marca Maior.
Este rei, soberano, de Choa, tribut
rio- do rei Joto, da Abvsainia, que
feito arreliar as tropas italianas.
Menelik precisava de comprar
ment, mas occorreu-lhe urna idea com a
oual nao gastara vntem. Envin Ito-
5Tum dos seus dplomatas dizendo que 1a
revoltar-se contra o soberano da Abyssraia
mas que, para isso, pMJpra de mumeoes
e armas. ,
A Italia regozijou-se,e lempo dejou
oebia Menelik nadajaenos do que
arwrellas carregadas do que precisara
Um sortiraento para muitos annos.
De posse do valioso presente, Metelik
torren dos seus territorios os italianos, de-
clarando-lhes que o negus da Abssuua toi e,
era o seu melhor amigo.
Este caso nao fae honra sagatffede dos
capitaes do rei Humberto.
O mftjor Gordon,#sobrinho do famoso ge-
neral do mesmo appellido e que tSo mys-
teriosamente deaappareceu, foi ltimamen-
te procuradlo* um desertou sudans que
Ihe offereceu a entrega dos prpeis, vestua-
rios e armameno da expedicao do general,
e que estao encerrados n'um sitio prximo
de Berber. /
O maior enviou o sndanez para o com-
mandante em chefe das tropas anglo-egyp-
cia8 no Suaktm, o general Grarfell.
f Sa verdade que o nervosismo um
fc2to moderno, uuando nasceur
Nasceu eom O 1889 e paia o
Houve em todos os tempos mdividuos ne-
vroeicos, como tambera tem hafido flempre
Ternuras suavissimas, pos e santos de-
sejos qae o homem tem sempre fechado
nos jardins d'Arcadia, nem o grande sa-
crificio de Golgotlia, nem o lago de san-
gue do 89 teem tornado mais seria a fra-
ternidade humana.
O commerciante continua a tirar a pclle
aos irm&os, e commerciaates somos todos)
no vender caro o qne noe costa pouco ; e
agilissimos somos todos no insinurme-
nos entre irmlo e irmlo para querermos
ser o primognito da familia.
A fraternidade nlo tem, pois, chamado
a humanidade novas e inslitas luctas, e
nem tem constrangido a sacrificios maiores
do que no paseado. Somos irmlos, esta-
mos unidos por um pacto; mas o pacto
sempre este, qne o eu pe$$oa pritneira,
e o TU segunda petsoa.
A liberdade, pelo contrario, escripta,
desceu logo s mas, s casas, s pracas,
toda a parte donde os homens Be chocao,
se medem e se devoram. Ella quebrou
muitas cadeias, mas tirou tambera muitos
Spoios; milhdes de homens, que nSo ti-
llo necessidade de pensar e agir por si
mesmos, depois de serem livres cicladlos,
deverSo pensar o fazer modo de vida e
trabalho com as proprias forcas. A liber-
dade deu a todos urna grande possibilida-
de de movimentos, mas augmentou ao in-
finito a rerponsabilidade humana. Quantas
novos direitos nos tem dado a revolucSo.!
Bastao apenas cinco ou seis cadeiras em
cada universidadc para ensinar a todos ;
mas que de novos deveres, quantos novos
trabamos, quantas febres novas de inda-
gacoes, e de contrastes; quantas fermen-
taccies profundas de todos os elementos
sociaes! !
O doutor Beard deteve-se bastante so-
bre a liberdade nes Estados-Unidos, como
causa do nevrosismo do sen paiz, e ficou
consternado diante da dissipacao collossal
de forjas nervosas que se faz na America
em cada eleicao do presidente e dos de-
puua- rJ.mntn
Conta a este proposto a tiistona de tua
seu doente, que dous anuos antes da ulti-
ma eleicao do presidente estava curado* fe-
lizmente das desordeus nervosas. Acn-
selhado a trabalhar materialmente, empre-
gou-se o estava bem ; mas eis que a febre
eleitoral o agarra, e elle se deixa arrastar
ao vrtice das luctas polticas.
O Dr. Beard abanou acabeca e disse ao
doente :
Meu amigo, os presidentes e os pol-
ticos nlo slo senlo fluctuantes e escama
sobre a superficie do mar ; mas ees nlo
alo o mar; slo levados pelo mar e atira-
dos sobre praia ; cruse ob bracos e mta-
se na cama. A menia parte dos males
deste mundo se corrigir por si mesmo,
e daquelles que ficam bem poucos pode-
rlo ser corrigidos pelo .que eu e o Sr.
pedemos fazer.
Naturalmente o cliente nlo oavio o seu
medico, e um ou dous dias antes da elei-
cao, foi Beard em um estado de pros-
traclo miaeravel, confessando que urna
conversa poltica apenas de cinco minutos
lhe zinha tirado toda a forca nervosa,
prostrando-o por muitos mezes sem poder
trabalhar.
Ainda mais, foi derrotado e o desenga-
o provado pelo insuccesso aggravou mais
os seus males nervosos.
Beard contina, commentondo
esta anedocta : t 'Tome-se
f cestas dosea pode chamar-se. um verdadei-
ro veneno. Em doses mnimas um len-
to veneno. Todos aquelles que bebem co-
pinhos de licores pelo preco de um e dono
tustdes, devem estar certos de qae intro-
duzem no sea estomago e no corpo doses
nlo pequeas de alcool amylico e outros
txicos.
O alcool, j veneuoso desde a sua ori-
gem, depois reforcado as suas virtudes
toxicas por ontros venenos menores ou
maiores ou por substancias repugnantes.
Basta dixer que so tem achado licores
carregados de cobre e de acetato de chum-
bo, e outros aos quaes se d um aroma mui-
to agradavel, accrescentando-se um pouco
de urina! '
O olphato e o gesto slo ainda os
Inores reactivos para descobrir mHitas
fraudes na fabricarlo dos eapritos e para
distinguir os licores honestos dos desho-
nestos. Ha paladares exquisitamente per-
feitos por natureza e que se ornam ainda
mais delicados por um longo exercicio, de
forma que, provando um licor, nao s re-
conheoem rpidamente a fraude, mas in-
dicara tambem as substancias, com as
quaes foi commettido o delicto.
Ha comtudo um meio muito simples
para nlo ser envenenado pelos txicos,
oom qne se fabricam os licores, e o de
nlo bebel-os jamis.
Fechamos esta breve narraclo sobre o
lis ah o grande berttro do teen te Cardn,
me no tendo ainda rscebido de mim b qaa lhe
tosaaper parte de mm ralher e ojinha conhiB,-
nm imprensa dizer o que nunca je pasjou.
Sos felnwente bstanle cosbecsio para qut o
publico me posta julgar, e desde j protesto fa-
zex valer o que (ka aqu dito se a tanto me obn-
gar o tal lente que s sabe alugar carrocas, nao
pot maz, mas mensalmente.
Rscrfe, 19 de Janeiro ds 1810.
Mhnoel Cktnenlino Sbral.
Cura importante
cognac e os seus irmlos menores, dando
a. analrse do cognac vordadeiro, feita pelo
immortal Pasteur.
Um hectolitro de congnac contera :
Aldeido 3,0
Ethcr actico 35,0
Acetono 35,0
Alcool jwopilieo normal 40,0
Alcool butilico normal 218,0
Alcool amlico 83,0
Alcool axilico 0,6
Alcool eptilico 1,5
Ether propionico, butirrico 3,0
Etlier enantico 4,0
Amina 4,0
O alcool bntico normal qae ferr entre
116 e 118* falto totalmente nos alcools
industriaes.
O aroma todo especial do cognac vor-
dadeiro parece ser devdo presenca de
um terpeno qne ferve a 173. Um kilo-
gramma de cognac nlo contm mais do
que 1,20 grama? deste terpeno.
1KD1CACES OTIS
Ao Eim. ir. mr. Cr( Srllniroun
O abaixo asaignado soffirando de um
estreitamento da urethra ha mais de seis
annos, foi operado polo fir..Dr. Belten-
court pela electroiyse, sem dSr, e, grecas
sua habilidade e manejos delicados,
conseguio ficar bom e radicalmente cura-
do em poucos dias, andando sempre a
tratar de seus negocios, pois que o Sr.
Dr. Bettenconrt opera sen levar o doente
cama.
Pede desculpa ao Sr. Dr^ Bettencourt,
se com esta sua publicarlo offende a ua
modestia.
Gonqalo Teixeira Gfuimaraes.
que offerece urna sociedade artstica aos Srs. as signantes
do Diario de Pernam&ueo
DE
BAS BELLAS OLKAGftAPHIAS
O CHRISTO IME rELAZQ^JZ
& wrai m wsmm 7
Estas preciosissiinas oleograpliias.medem 88 centmetros de alto por fil.iie iargs-ie sao
urna copia exacta dos originaes, das obras .dos grandes pintores aespanhpe Vetasouoa e MorMU
nao se tendo esta sociedade poupado gastos nem sacrificios para apreseotar.dMxcossia-dignas
d'aquellas grandes celebridades artsticas.
Nem mais urna patavra diremo em seu elogio,-pois qae o publico j soubejatear do m-
rito destes quadros cujos magnficos PE&ANTS temos exposto na livraria F. P. Bouutreau./na
ra do Imperador a. 46.
Anezar da importancia destas obras, fizemos urna combinacao em obsequio aos-rs. ai-
signantes deste Diario para que poisam obter ao preco redoziaissimo d.t* taso WH, ou
seja urna quai-ta parte, apnreximadamente, do seu valor, sendo indisaensavel para oh ac

a apresentaco do eupon junto, qne se (
vraria F. P. Boulitreau, 4oImperador.
deve cortar e levar se, at ao dia 21 Enero, en la dita

to mine
gram
>


i
>
*
CI PO\
Xedleos
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto
rio aberto ra Duque de Casias n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e deste hora em dian-
te em sua rssidencia ra da Santo Cruz
n. 10. Especialidades molestias de se-
nhoras e crancas. Telephone n. 326.
O Dr. Alvares GuitnarSee, chegado da
corte, dedica-se medicina em ge ral, e
com especialdade s molestias do coraclo,
pulmSes, ligado, estomago e intestinos, e
tambem s convulsoes e ontras molestias
das enancas. Reside praca Conde d'Eu,
n. 28, 1. andar, etem consultorio ra
do Bom-Jesu8, n. 45, onde diariamente d
consultos do meio-dia s 3 horas da tarde,
aceitando chamado em qualquer desses lu-
Telephone n. 381.
Porque me slnto eu
ravelt
To fraco e to lnguido ? Qual ser a
causa de tal asa e dores de estomago, de
tal acrimonia e de tal sabor desagradavel
na bocea ? Perqu ser que algumas ve-
zes einto umappetite devorador e depois.
um dissabor tal por todas as comidas ?
Porque que o meu animo to freqente-
mente irritavel,. desesperado, melanclico
e abatido ? Porque que s vezes nos per-
suadimos de algum perigo imaginario e
nos amedranto qualquer rumor inespera-
do, tornando-nos agitados como se urna
grande calaminade estivesse mminente?
O que signficam estos desagradareis me-
lanclicas dores de cabeca ; estas palpita-
res violentos do coraclo, este desacego
febril, estes suores nocturnos ; este inquie-
to s imaginativo somno que nlo nos d re-
pouso refrigerante, mas apenas lamento-
93es e paiavras inarticuladas e os horrores
do pesadelo ? A resposta : Estes slo
apenas os symptomas da indigestlo ou
dyspepsia, o comeco e prognostlco de quasi
todas as doencas humanas. Indigestlo a
fraqueza ou falta de poder dos fluidos di-
gestivos do estomago para converter, o
alimento em substancia saudavel para o
proprio alimento do corpo. E' cansada a
maior parte das vezes pela irregularida-
de de dieta ou alimento improprio, falta
de exercicio saudavel e ar livre puro.
Pode ser derivada por afflicclo mente!, o
choque de alguma grande calamidade.
Tambem pode ser, e muitas vezes a.-
rvada e intensificada, se nlo ongina-
por fraqueza consequente de applica-
clo mental intensa, demasiado trabalho
physico, apoqnentacoes domestieas, ancie-
dade em negocios, ou difficuldades .finsn-
ceiras. Se o estomago pudesse conservar-
se sempre em ordem, nlo seria a morte
jamis um assumpto de terrivel anciedade
tanto para os novos como para os adultos,
mas sim sera contemplada como visito de
um amigo que se espera va ao lindar urna
idade feliz e pacifica. Comtudo, o primei-
ro invasor hostil no dominio da sande e
felicidade a indigestlo.
=
Apresentac-se em la
livraria F. P. Bouli-
treau, successor de G.
Laport k C. rna do
Impemdor n, 46.
Diario de Pernambueo
VALIDO ATE' 21 ENERO PXMO.
vlldo para
exenipl. O Cbrlslo
A Virgein
mas
O Dr.
amargamente
este caso, que nlo urna excepclo,
um typo de outros casos semelhantes, mul-
tiplique-se por milhares de milhares, ac-
erescente-se ahi ao menos um milnlo de
cidadlos cute existencia depende directo-
mente on indirectamente da victoria ou da
derroto de um partido, e que devem tra-
balhar por toda a vida borda talladora
dos precipicios; accumule-se as infinites
disputes e controversias polticas e priva-
das de todos aquelles mezes que a naci
julga como urna rise da propna vida;
ponha-se ahi tambem a agona de metede
da populacjk) no dia" posterior eleiclo e
jananos dos annos successivos, e
depois dura-se se ha mysterio no nevrosis-
amencano,, para os que ignorara todas
1889.
as outeas causas '( ,
A experiencia foto-*a America de con-
verter todo homem, todo menino e toda a
ulher em um douto poltico e theologo,
uraa- das mais' perigosas que se pode
tentar as ere aturas' humanas, e exercer
urna cruel influencia sobre a energa na-
cional por mais de um seculo.
lato disse Beard da America, mas pode
se dizer outro tanto de nos, posto que en-
tre nos as luctas poiiticas se travam em
campo mais estreito, e muitos se abste-
nham nlo s de combater, mas. tambera
de pensar na lucta, provavelmonte por mo-
do do nevrosismo.
O cognac artificial ou agurdente (sem
vide) que se prepara, especialmente com
os cereaes, com av batatas, contm vanas
substancias nocivas saude e que slo co-
nhecidas na Oermania sob o nome de
fuielel.
No aVcool de batatas esta substancia
conste principalmente de alcool amylico,
que *uamno8ssimo saude, tanto que em
^L_C=- ^sr'k UfidkQ S oartei- Pr ventura algum almo, algum re-
r, Bsatono a ra dVim^LS.^9. --fa ^ padecente de dyspepsia.
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia no 4
Monteiro.
Dr. Brrelo Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1. andar da casa
a ra do Bario da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica alavagemdo tero quando e como
aconselhada. Consultes das 11 s 3 da
tarde em sua residencia ra do Bom
Jess (antiga da Crux) n. 23, 1." andar.
Dr. Joo Paulo, especialista em partos,
molestias de senhoros e de criancas, com
pratica nos hospitees de Pars e de Vienna
cFAustria, d consultes de 1 s 3 horas da
tarde em sua residencia ra do Bario da
Victoria n. 59, 1. andar. Chamados a
qualquer hora.
rogados
O hachar el Witruvio- Pinto Bandeira,
pode ser procurado ra do Imperador
Ua. 71, 1S andar.
O Dr. H. Milet mudou o seu escriptorio
de advocaca, para a ra do Imperador n.
30, 1. andar, esqnerda.
OeeullsU
Dr. Ferreira, com pratica nos prmcpaes
hospitees e clnicas de Pars e Londres,
d consultes todos os dias das 9 horas ao
meio-dia. Consultorio e residencia a ra
Larga do Rosario n. 20.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor 6 oficinas de carapvut
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estebeleci-
mento, o primeiro da provincia ueste ge-
nero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra raadeira de conte
alheia, assim como prepara obraB de oera-
pina por nmchinas e por precos sem com-
petenciaPemambuco.
Drogara
Faria Sobrinho cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Drogara
Francisco Manoel da Silva & C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharnia-
ceuticas, tintas, drogas, productos chimi-
cas e medicamento homeopticos, ra di
Mrquez de Olinda n. 23.
CORTH-SE ESTE CUPN
Notak oleograpma sem apresentaco deste cupn vale 15#M0.
CairoPrevme-se ao Srs. assigoantes que,
aeubuma redamacao, por ser este prazo bnprorogave
Apro8entar.se e&Ja
livraria i F. P.t.Bnalb
tri;au, successor de G.
Laport 4 C, roa: Ho
Imperador ?. W.

OwroPrevme-se ao Srs. assigoantes que, paisado o dia ai Enero nao toisndireito a
ef.
PuBLICACOES A PEDIDO
Affgresso
Sob o titulo que encima estas linhas, veio a
Gaztta da Tarde, de W do rarrente, noticiando
infundadamente, um facto a mim ""buido, n
casa do tenente Cardim, no Pateo do Terco, tacto
este que pelo Diario de 18 do corrente mes i
corroborado pelo mesmo tenente Cardim.
Pois bem : saibam todos que nunca me enten-
d com minha cunhada sobre o caso em dwcus-
sao. e sim com o tenente Cardim, que P0' 8Hd
vez, usando da boa edueaedo que teve, nao trepi-
dou em gritar que eu o fui provocar em sua pro-
nria casa. Eis o fecto : ...
Um prente nosso tendo habitado em um sitio
(nao de sua propriedade) levantounos fundos uo
mesmo, urna casa de raboas, isto em temposqu
vao longe e mais tarde querendo a propnewria
do sitio desentulhar aquelle raontao de teiMb e
taboas velhas e carcomidas pelaaccao do lempo,
pedio-me que flzesse retirar todo aquillo.o que
fa vendendo tudo pela quantia de trinta uut res
lquidos.
que se requer e urna medicina que re-
nove completamente o estomago, entra
nhas, figado e rins, e que preste assisten-
cia prompte e efficaz aos orglos digesti-
vos, e que restitua aos sistemas nervoso
e muscular a sua energa original.
Tal medicina felizmente pode obter-se.
Nunca na historia de descobertes medicas,
como o evidencia a prova de urna duzia
de annos, so encontreu remedio contra in-
digestlo tid rpido, to segura e to sur-
prehendente nos seus resultados como o
xarope curativo da Mli Seigel, porem hoje
um remedio modello para aquella amic-
cio quasi que universal em todos os pai-
civilisados da Europa, Asia, frica e Ame-
rica. Pblicos testemunhos e cartas parti-
culares de officiaes do exercito, banquei-
ros, negociantes, capities de [navios m-
chameos, lavradores e suas mulheres e fi-
lhaa, todos confirmam os seus poderes cu-
rativos.
4cha-se venda em todas as boticas,
lojas de medicina emtoda a parte do mun-
do e em casa dos proprietarios A. J. Whi-
te Limited 35, Farringdon Road, Londres
&C.
Depositarios na provincia de Bernambu-
co por atacado: Francisco M. da Silva &
C. na provincia de Pemambuco.
Vendedores a retolho, aa cidade, de
Pernambueo, Bartholomeu A C, J. C.
Levv O.; A, M. Veras A C, Rouquav-
rol Freres, Faria Sobrinho & C. e T. S.
Silva: emfafanares, A. C de Aguiar; e
em S. Jeio da Igreja Nova, J. A. da Cos-
ta e Silva. __________
N. tO*
iKua Florida de Marrar !*
Est com urna rapidez espantosa transmnundo
entregando ao negro esquecimento urna
chusma de essencias e aguas ebeirosas para o
toucador, as quaes e bem qae se diga, teem ser-
vido de urna miseravel deshonra ao gabinete de
toilet e de um desprezivel desgosto a todas as
pessoas de refinado gosto.
Alm de ser nsenos dispendiosa do que os ex-
iraetos e essencias europeas, ella e a mais pura e
JSicada essencia floral existente e til, ja como
um excellente nieio hygisaico possumdo snpe:
ores qualidades cosmticas; c finalmente ja
como delicaio e aprazivel adorno na boa socie-
E' um mimoso e delicado comsosto de tudo
quanto til ao que ha de mais til e agradavel.
Para os senhores que soffrem de rntacao c ar-
dencia da pelle causada peta manipulacio da na-
valha de barba, usand deste balsmico e refri-
gerante perfume, diluido era agua, encontrarao
nelle a virtude modificante, o antidotonecessano,
servindo ao mesure tempo, debaixo deste mesma
forma, como um meio excellente de dissinar o
gosto e cheiro que fica na bocea depois de se
Como'gaantia contra as falsificacoes obsrve-
se bem oue os nomes de Lanman a Kemp \e-
nham estampados em letras transparentes no
n.ni do vidnnho oue serve de envoltorio a cada
ATTENCl
LAM4H 4 UMP. \i'H-Vorl
Proprietarios e nicos fabri-
cantes das celebres prepa*
racoes:
Salsaparrilha de Bristol
Pilulas Vegetees. aasucaradas de Bristol
Extracto e Uguento de Aveleira Mgica- de
Bristol
Emulso de Oleo de Figado de Bacalbo da
Noruega,
com os Hypophospkitos de Cal, Soda e Peossa
Oleo puro de Figado de Bacalho, marca
LANMAN 4 KEMP
Peltoral de Anaeakuisa
Do original e "'legitimo perfume
Agua Florida de Murrav Lanman
e da exquisita preparaco
Tnico Or casal vara o Cabello
Tendo registrado suas marcas industriaes e re
solvido a faser prevalecer seus direitos. ante a
lei, chamara a attenco dos FALSIFICADOBES,
IMITADORES, e de todo* os ate ven
deas 1 mitace de ua prepara
coea para os seguintes paragraphos da nova
lei sobre marcas industriaes.
0 Decreto ImperiaLn. 3346, de 14 de Outubro
de 1887, estabelece o seguinte :
Art: 14.Ser punido com as penas de prisa
de mu a seis meses e multa em favor do Estado,
de 500# a 5:000*, aquelle que.
1.Reproduzir no todo ou em parte, por qual
Juer meio, [marca de industria ou de commercio
evidamente registrada e publicada, sem autori-
sacSo do respectivo dono on seu legitimo repre-
sentante ;
3.Vender ou exmuer a.venda objectos re-
vestidos de marca alueia ou talsificada no todo ou
em parte;
4."Imitar marca de industria ou de commer-
cio de modo que possa illudir o comprador;
udD -' tiwSjoc.r-fcau' j 4, A .imitacao
seja completa, bastando, w|B9wP damarca
dmerencas, a possibilidade de rfO wem as
fuso.....................:................:'
p. l-Repntar-se ha existente a nsurpaao
de nome ou nrma commercial, quer a reproduc
cao seia integral, quer-com accrescentamen
tos, omissOes ou alteraces, comtanto que baja
a mesma possibilidade de erro ou confttsao do
comprador. _. ,.
Art. 15.Ser punido com as penas de multa
de iOO's" 500* em favor do Estado o que:
3.Usar de marca de industria ou de com-
mercio que contiver indicaso de locahdade
ou estabelecimento que nao seja o da prove-
niencia da mercadoria-on producto, quer a esta
indicacao esteja junto um nome supposto ou
alheio, quer nao '
Art. 18.A reincidencia sera punida com o
dobro das penas estabelecidas
Art. 1.*.s referidas penas nao isentam os
delioquentes da satisfaco do damno causado,
que os prejudicados- podero pedir por accao
competente.
-----------------gOOOf----------------
desde
A' nuil dljrna omroUso da ex
poifSo universal rn Prrtun
buco.


rv--*-
Estava liado o Museu,
No Liceu Peruambucano :
Os versinhos do cacao
E os solfejos de pianno
As jangadinnas bom feitas,
As rendinbas e bordados,
Oa deseabos ,to bonitos,
0a.tapetes delicados.
Os vinhos finos... geleas...,
Ate.geauna de ararutas.. .,
Drogas e perfumarias,
Assucar, doces e finetas___
Canas vi de cinco varas,
Maodiocag de tres e meia,
Bas Tedes de pescar
EcosteUas de balei...
Labirintos e crochets,
De gosto bem apurado,
Entre outras cousas muitas
Que fiquei admirado f...
O recinto do Liceu
De familias preciosas
Estava cheio. e replete
De creancrabas nrimosas.. i
firaatiIto.auUto.keUo
Passeiar-se no. Muaeu. .,,
0 .'dilicio ornado
De anjes- eomo os do ceu.
S~doas faltas notei I
Um thear de seda e fitas..
E a linda photographia
De tantas moyas bonitas.
Se d'eHas um quadro ftottvess*
A Inspirar-nos de amor.
Dira todo auirenrii
Da expo*i<" a aor '
.....:-.. .i., a*.
Thomaz Car aleante dai Sveir'iiins.
^ ...

l Os agricultores de. caf e cacao,
j se ufilisarem dos favores concedidos |
A anemia, a chlorose, as dores de es-
tomago, o empobreermeate -4 sangue, as
pocas difficeis, as perdas brancas, necea-
sitam, para serem curadas rpidamente,
do ferro em estado soluvel e d pboepha-
tos reunidos se acham 'no^Phoapimto^de
forro soluvel de Leras, apreoiajlo palas
ereanjas e raparigas que se desenvolvis
com diflSculdade, estao cangadas
eresoimento, e privadas de appetite
pelo
I
provincial n. 1,951, com tanto que preencham os
ooezitos da mesma lei, tendo plantado em suas
trras seis mil ps de caf ou cacao, em estado
de fructilicarem, sendo o premio para o cacao de
5004000 e para o caf 1:000*000, segundo a le
abaixo transcripta.
Lei n..4,951
0 desembargador. Joaquim Jos de Ouveira
Andrade, presidente da. provincia de Pernam
Faco saber a todos os seus habitantes que a
t Bsembla Lrgisbtiva Provincial decretou e eu
sanecioneia reselao segnuaej Ko7da
Art 1." Ficam em vigor os arts. t, 3, a.e 7 a
lei n. 1,439 de 9 de Janho de 1879, com as se-
*?B llSSS de 30:000*000 destinada ac-
quisico d sementes de cacao, fumo, tngo, cha e
caf, tica elevada a 60:000*000 emquanto for n-
dispensaver para o planto c desenvolvimento das
referidas culturas. l- .1
8 2 Serfio concedidos os premtos de que trata
o art. 3 da dita le a cada cnltor.de caft ou ca-
cao que provar ter seis mil ps de caf ou de ca-
cao em estado de dar fructos. i
g 3 Os nretendentes.ao premio alm da prova
exigida pelo| nico docnsauart. 3. produiirao
Dmnte o jais de direito depoimentoa jurados de
tres agricultores visinhos. .
Art i.' Ficam revogsdas as hspoaioes em
^Sndo' portante, a todas as autoridades, a queco
o SK e execucao da presente resolu-
c5o pertencer que a cumpram e facam cumprir
tao inteirarneute como n'ella se eontm.
0 secretario interino da presidencia desta pro-
ncia a faca imprinuri puliicar e correr
Palacio da Presidencia de Pernambueo, 12 de
DeSro de 1888, 67. da independencia e do
mpe"' Joaquim Jos d-0livtira Andrade.
Sellada e puMieada aprsente resoluco nesta
Seeretana da Presidencia de Pernambueo, aos 12
5 Dezembr0de ^secretario interino.
Manoel Joaquim Stiveira.
Hippodromo. do Camj
Grande
O abaixo assignado declara a baja .ra-
pasiada, amante da folia e do bonrgoato,
que tem eontractado o Hippodromo^ do
Campo Grande para dar tres $) granees
bailes de mascaras nos dias .345 de
Marco prximo, dias de carnaval, senVo
edificio illuminado^a-toa elctrica, alm de
urna illuminacao a giorno.
Ontrosim, o edificio ehar-s
* rado ricamente, promettendo
tribuir um premio era eada da,
sob um sorteior que se fari no aaed:
gar c hora designada.
Aceitam-se assignaturasrpara cs^
das, com passe de ida e volta no
pela quantia de.4j000,
Aguardamos o pre-gi
que ha de bello e bom. _
Manoel G.MaaJu>nc,a.
Aos 5 annit|is
Convida-se aoa 5o annista'de nessa Fa-
caldade de Direito a se reunirem na casa
o. 2 da ra do ^ollo, segunda-feira 21
do corrente.
papel do vidnaho que
gTcha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumarias. _
Collegio Amor Divino
nada Eiha*rari n. *
As aulas -deste estabelecimento dedicado a
mstrucco das criancas do sexo masculino abnr-
se-hao no dia.7 -iW'reute-
W A directora,
Olympia Afra de Mendmca.
Advocado
Collegio de S. Miguel
Una lo Vlsconde de ramaragl-
be *
Aos respeitaveis paes de {amibas-parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instruccao para o sexojemmmo,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889. ,,
A mesma promette aos paes que mi
confiarem suas filhas esforcar-se por l
dar urna educacSo primorosa, solida,-rsl
eiosa e domestica.
A tratar, do Io de Janeiro no .proprio
- as 7 da
O bacharel Jaronyma Materno Pereira de Car-
valho mudou seu escriptorio do n. 55 para on.
85 a ra Duque de Caxias, entrada pelo becco d
Congregacao. _______ ^
Curso preparatorio
Esmeraldino O, T. Bandeira lecciona em col
legios e casas particulares, as matenas seguin-
te! portuguee.francez e inglez (pratiea e theo-
ricamente). arithmetica e geographia.
Pode ser procurado ra do Imperador a. 38,
i.s andar.
estabelecimento,
noite.
do Io de Janeiro no
das 2 da 4arde
A directora,
Emilia A. de Mendoncsi
Curso primario e preparato-
rio
9.
Ra Larga
i'aa
lo Rasarlo
dAf
E*tao abertas as aulas deste curso desde di 8
do corrente mez. 0 d^tor,
Camtrmo .Sobrinho,
'm
i


*r~T- ,
E*

listitMti nUrntic*
3S Vlscoded'Albn,ncr1ic SS
As aulas degte eilabelecimento du mstrcco
estarao abertas do dia? do corrente em diante.
O dirceor, *
Oiinto Vctor.
Diario de Peraftmbueo---Dominj8*b 20 de Janeiro de
i
Vias urinarias, molestias do tero,
operacSes elctrica*
u. casias BiriBuccrs:
ESPECIALISTA
com pratica Se pabiz londris
Estreitamentcs da uretra curados ra-.
dicalmente pela electrolyse, sem dor ;
hydroceles Sem iniecc* (cura radical);
feridas e ulceras chronicas. com garan-
ta de cura rpida; pedras da bexiga,
fstulas e bemorrhoidas: syptilis, go-
norrhas, pelo methodo das rastillaces;
molestias da garganta e do peito pelas
athmospheras medicamentosas. Con-
sultas e operac&os das 12 s 3 horas,
ra do
MRQUEZ DE OLLNDA N. 34, V ANDAR
enca aa Torre
i
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLDSON, for-
mado pela Uuiversidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o sen consul-
torio, na ra Io de Marco n. 20, Io "andar.
Consultas das 10 as 4 horas da tarde.
Festa de Nossa Senhora da
Escada
O abaixo assignado rogaaos seus dignos
parocbiano* a tineaa de enviarem as es-
molas que destinam para a festa da pa-
droeira ao Illm. Sr. Dr. Aquilino Gomes
Porto em' enjo poder scrSo depositadas
at que se preencha a lomma indispensa-
vel para fazer face s despezas da mesma
festa cujo progrmela ser opportunamen-
te publicado poijettii piarlo, ppupando as-
4sim o "grande trabafiad que peZar sobre a
commisaao se por ventura for obrgada a
percorrr a freguezia em busca dessas
mesmas esmolas. Manifsta-Ihes desdej
sincero agradecimento.
Cidade da Escada, 14 de Janeiro de
1889.
Vigario Francisco Raymundo da Ciinha
Pedroaa.
Collegio Parthenon
3 Ra do Hospicio S
O director deste collegio declara aos
pas de seus alumnos e ao publico em ge-
ral que as aulas comecarSo a funecionar
a 7 do corrente mez.
Recife, 3 de Janeiro de 1989.
O director,
Ovidio Altes Manaya.
Collegio de Nossa Senhora da
Feita
Ra 4a Aurora n. 3
As aulas deste collegio se abrirlo a 7
de Janeiro e sao de : primeiras lettras,
portuguez, francez, ingle,geographa, mu-
sica, piano, desenho, bordados de varias
especies, flores, etc.
A directora,
Augusta Carneiro.
vove
G. LAPORTE
lu' de Marcon.25-1- andar
AGENTE DA
COGrSBATZVA whessai
K REPRESENTANTE
Das atis afanadas fabricas
fraaeezas
Recebe encommendas de qualquer arti-
go; condic&es vantajosas.
O--------------
Superioridade
cima de qualquer outro remedio para
as doencas do peito, est collocado pela
8Ua efBcacia o Peitoral de Cambar que
se vende em casa dos agentes Francisco
Manoel da Silva & C, ra Mrquez de
Oliuda n. 23.
COMERCIO
TELECRAMMAS
Servic.0 da Agencia lavas
L^ERPOOL, 18 de Janeiro.
iaV! rV'"'-""*-1* *e.e-e
/ por n-'
AiAiUDAO:-----lrliio.
O FAIR ae Pernamburo eidf-nr
/IO d. por libra.
Vends a* ala 19iOOO fardo*.
NEW-YORK, 18 de Janeiro.
AS8UCAR .Calmo.
S o Polarizaro-4 3 1 e.
Transcripto-do Jornal Ofti-
cial de 11 de Setembro^de
1888.
aspcctoria eral de liygiene
Em virtude do que dispde o art. 66 do
regulamento que bixou com o decreto n.
9,554 de 3 de Feverejro de 1886, a Ins-
pectora Geral de Hygiene fai publico pelo
Sraso de oito dias, que o cidadSo Alfredo
e Barros lhe dirigi a seguinte peticSo
com documentos que satisfazem as exigen-
cias do art. 65 do citado regulamento :
Alfredo de Barros residente na villa de
Floresta da provincia de Pernambuco,
vem de conformidade com o art. 65 do de-
creto n. 9,554 de 3 de Fevereiro de
1886, requerer a V. Exc. que lhe conceda
Ucenca para abrir urna pharmacia na mes-
ma villa, apresentando como prova de
suas habilitares os documentos juntos.
Nestes termos. P. deferimento. E. R.
M.-Floresta, 17 de Abril de 1888.-
Alfredo de Barros. Sobre urna estampi-
lha de docentes ria.
E declaro que se nesse prazo nenhum
pharmaceutico formado lhe communicar
ou a inspectora de Higiene da provincia
de Pernambuco a resoluco de estabelecer
pharmacia na citada localidade, conceder
ao pratico a Ucenca requerida.
Inspectora Geral de Hygicna, 6 de
Setembro de 1888.
Dr. Pedro Affonso de Carvalho,
Secretario.
Cambio sobre Lisboa, 90 d v.
do banco.
94 0,0 de premio,
O presidente,
Candido C. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubcux
Algodo
Foi cotado o de 1* sorte do serlo a 6*200 por
t kilos. .
Formula de Angelino Jos
dos Santos Andrade
Approvao pela Inspectorio Geral de Hy-
fiene Pblica do Kio de Janeiro em 20
e Julho de 1887.
Este depurativo de grande eflicacia as mo-
lestias syphiliticas e impureza do sanguc ; assn
como em todas as molestias das senhoras.
em curado radicalmente limitas pessoas ac-
commettidas da tcrrivel molcsti beriberi.
MODO DE USAR
Os adultos tomarto quitro colheres das de
sopa pela manha e quatro 4 noite. As enancas
de 1 a 5 annos tomarao urna colher pela manha
e outra noite, e os de 5 II annos tomarao
dais comeres pela manha e duas noite. De-
vero lomar banhos fro ou momo pela manha c
noile. Resguardo regular.
Encontra-se venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva A C, ra Mrquez de
Olindan. 23 e pliarmacia Oriental a ra Estri-
la do Rosario n. 3.
0 autor deste preparado pode ser procurado
na ra do Uarflo da Victoria h.)37, onde sera en-
contrado para dar toda c qualquer explicacab
que for precisa.
NUMERO 30
Declaro que tendo feito uso do medicamen to
que se denomina Augelinoe que preparado
pelo Sr. Angelno dos Santos Andrade, tirei del-
Ic os melhorcs resultados. Soflra de gra\cs
incommodos de estomago, com resfriamento pe
riodico das extremidades e foi-me bastante lo-
mar duas oarrafas do referido medicamento pura
licar completamente restabelecido d'aquelle in-
commo'do. Eis o que devo asseverar por amor
verdade e gratidao para com o iricsmo Sr. An-
drade.
Recite, 2 de Deaembro de I88C.
Mauoel Joaquim Pereira.
NUMERO 31
Pernambuco, t de Janeiro de 1883. lllm. Sr.
AnccuBO Jos dos Santos Andrade.Tendo sof-
frido horrivelmente por esparo de 6 annos de
rlieumatismo agudo e diversos iuconmodos mo-
tivados por agglomcraco de sypliilis e espe
cialmeute pela impureza do sangue, pois que,
depois de ter esgotado os recursos da scieucia
medica, por quasi a totalidade dos facultativos
desta cidade, sem resultado algura e vendme
quasi completamente inutilisado resolv "a con-
selhos de alguns amigos fazee uso do Elixir
por V. S. preparado e quando acabei o uso da
segunda garrafa j liaviam desapparecido as m-
chares e dores cruciantes, que anteriormente
soTria, e sentmdo tao portentoso allivio, resolv
continuar o uso do raesmo Elixir at que
completei seis garrafas que deram um resulta-
do completo, hoje levanto-me gracas a Deus por
ha ver tao importante medicamento nico que me
poderia collocar, como me acho presentemente,
gozando a mais psrfeita saudc, robustez e ex-
cellentes disposicocs em todos os sentidos da
vida phvsica.
Pode V. S. fazer o uso que lhe convier d'csta
minha caria, e mais agradecido serei, querendo
V. S. dar conhecimento da importante cura em
mira obrada pelo seu prodigioso Elixir
aquelles infelizes que como eu existera entre-
XDortaco, feita pela alfandega
da i, -.A^.^.Ajiiv uw-uT"!
A c
it o di i.'iriirt.
neste mez
As entradas verificadas at a data de hoje so
oem a 15.491 saccas, seudo por:
Agencia Havas, filial
19 de Janeiro de 1889.
em Pernambuco,
Revista do Mercado
Recife, 19 de Janeibo de 1889.
0 movimento limitou-se a pequeas transac-
c^Ses no mercado de cambios e a venda de um
lote de algodao.
Barcacas.
Vapores.....
Animaes.....
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea delimoeiro
Somma.
1.295 Saccas
1017
3.808
475
490
6.406 .
Couros seceos salgados (kile) .
Couros seceos espichados (kilo)
oures verdes (kilo) ....
Cacj (kilo)......
Caf bom (kilo).....
Caf restolbo (kilo) ....
achaca (litro)......
Carnauba (kilo).....
(.arceos de algodao (kilo) .
Carvaa de pedra de Carditi i.ton.)
Farinlia de mandioca (litro) .
Follias de iaborandy (kilo? .
Geacbra (litro/ ......
Milho (kilo.......
Pao Brasil (kilo).....
Tabeades de amarello (duza) .
360
420
214
400
550
350
80
260
16
164000
40
300
200
80
33
100*000
gues o sorTrimentb, tendo como nico recurso
0 referido medicamento por V. S. preparado, e
por ludo quanto expuz juro pelo qu ha de mais
santo ser a pura verdade.
Sou com a maior estima De V. S. amigo,
criado obrigadis8imo
Ramiro Antonio da Costa.
NUMERO 32
Illm. Sr. Angelno Jos dos Santos Andrade. -
Tendo soffridomais de um anno de dardos na
perna direita e todo este tempo tratei-me com
tres mdicos, e dous pliarmaceuticos, Drs. Alce-
biades Vellozo, Ernesto Tavares e Villas lta,
pliarmaceuticos Bitteucourt e Joaquim Ribeiro.
todos cinco habalisados profissionaes, porm
com tal infelicidadeque nenhum destesmepode
ao menos melhorar do terrivel mal que soTria.
neste estado e como que desengaado de licar
restabelecido, deliberei tomar o seu Elixir
depurativo que no lim da segunda garrafa
senti melhora, tomci a terceira a melhora conli-
nuou, toniei quarta e quinta considerei-me bom,
tomei mais tres garralas (ao todo 8 garrafas)
Andas as quaes achei me restabelecido de tudo,
gozando perfeita saude.
Garanto-lhe, sob minha patarra que, o que
venho de dizer-lhe a pura verdade.
Faco votos para que o amigo continu a ter
resultados iguaes ao meu e pode fazer o uso
que lhe convier desta carta.
De V. S. amigo attento e obrigado
Raymuudo Lino dos Santos Gouveia.
Recife, de Junlio de 1882.
NUMERO 33
Illm. Sr. Angelno Jos dos Santos Andrade
1 ;--i iido eu soflrendo ha um anno pouco mais
ou menos de urna erupcao de pello o tendo to-
mado alguns medicamentos sem resultado al-
irum, a conselliodcum amigo meu lancei mao
do seu santo c maravilloso Elixir e cora
duas garrafas liquei completamente restabeleci-
do epara ser urna cura radical resolv conti-
nuar com este maravilloso Elixir < podendo
fazer uso que mclhor lhe aprouver.
Recife, 26 de Juuho de 1882.
Thomaz Fernandes daCunha Jnior.
Estavam todas selladas e reconhecidas as (ir-
mas.
Continua).
"^edIcoIoIISpata
Dr. Ilallliazar da Silveira
Especialidadefebres, molestias
das crianeas, dos orgaos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do Barao da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manha.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE S. 226
ConrrarlM de w. *o* ta no convento do Carato do
Beelfe.
BENCAO DO SEN'HOR BOM JESS DOS PASSOS
A confraria de S. Jos d'Agonia, erecta no
convento do Carmo, tendo de proceder a benco
do Senhor Bom Jess dos Passos da capella de
seu padroeiro, no domingo, 20 do corrente, s
5 horas da tarde, convida a todos os parauym-
phos abaixo inscriptos e a todos os irmos em
geral a assislirem a este acto o qual terminar
com urna ladaiuha solemne com sermito sendo
o orador sagrado o commendador padre Manoel
Moreira da Gama que to bondosameute se of-
ferecea quem a irmandade ser sempre grata.
Paran vmphos
Julio da Costa c Silva,
ommendador Manoel Goncalvcs Agr.
Major Jos Elias de Oliveira.
Capito Rodolpho Olympio Guedes de Laocrda.
Manoel Feneira.
Jos Simplicio de S Esteves.
Eoaminondas Mariano de Souza Gouveia.
Flix Nicas Muniz.
Ricardo Jos Gomes da Luz.
Joo Evangelista Machado.
Jos Soares Xeves.
Dr. Jos de Miranda Curio
Revd. Francisco de Assis Miranda Curio.
Manoel Soares de Rgueiredo.
Antonio Jos Mendes.
Salustiano Francisco Martins.
Tenente-coronel Francisco Faustino de Erito.
Manoel Joaquim Baptista.
Capito Jos da Silva Neves.
Capito Vicente Ferreira de Sant'Auna.
Joaquim Bernardo dos Reis.
Manoel Garca Pardal.
A confraria de S. Jos dAgona pede a todos
os paranymphos e mais irmos o especial favor
de abrilhantarem este acto com suas preseogas.
Consistorio da confraria de 8. Jos d'Agonia
erecta no convento do Carmo, 18 de Janeiro de
1889.
Jos Mauricio de Alencar.
Secretario.
15.491 Saccas
Assncar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
gundo a Associaco Commercial Agrcola, foram
os seguintes:
Brancos ... 2/100 a 2600
Someno..... U700 a 1*800
Masca vado purgado U300
bruto. UI40al240
Rtame..... J900 a 1*000
CmbMo
Os bancos mantiveram no balcio a laxa de 27
1/2," onerecendo alguns 27 9,16 para a mala de
20 (amanhJ), achando pouco dinheiro.
Em papel particular houve algumas transac-
ces a 27 II, 16, mostrando os bancos pouca
vontade de tomar abaixo de 27 3/4.
No Rio offereceram todos
sem acharem dinheiro.
os baancos 27 i/i
TABELLAS
9
AFFTXADA
Colonia Isabel:
Branco .
2- .
w 9 .' .
Someno .
Mascavado .
Usma Pinto:
Branco !
2
Someno .
Mascavado .
2*500
2*300
2*000
1*800
1*400
2*400
2*300
1*700
1*340
A exportacSo, feita peki alfandega, neste mez
at o da 17, attingio a 10.093.777 kilos, sendo
6.671.257 para o exterior e 3.422.520 para o
interior.
As entradas verificadas at a data de hoje so-
bem a 167.230 saccas, sendo por:
Barcacas
Vapores.....
Ammaes......
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
58.875 Saceos
8.534
10.598
65.117
24.106
Xarios a carga
Barca norueguense Eliez>.r, para Rio da Prata.
Brigue poriuguez Calcida, para Lisboa e Porto.
Brgue portuguez Armando, para o Porto.
Lugar americano Arlkur C. Wade, para Estados-
Unidos.
Patacho iuglez Peggie, para Meutevido.
Vapor inglez Explorer, para Liverpool.
.Yavios a descarga
Barca portugueza frica, carvo.
Barca mgleza Belitres bacalhe.
Barca portugueza .Voto Sileucio, varios gneros.
Barca norueguense Frida, carvo.
Barca norueguense Frkyof, carvo.
Barea noruaguense Profettor, madeira c breu.
Burea ingleza Heten Izabel, bacallo.
Brigue dmamarquez Catkarina, varios gneros.
Brigue sueco Pepita, carv5o.
Brigue norueguense Bertka, carvo.
Lugar inglez Nelly, bacalho.
Lugar americano II, & 1. Blendemiman, familia
de trigo.
Lugar inglez Fforence, bacalho.
Patacho sueco Amor, varios gneros.
importarn
Hiate nacional Deus te Salce, entrado de Ma-.
cao, em 18 do corrente e consignado a Bartho-
lomeu Lourenco, manifestou:
Sal 34.400 litros ordem.
Barca norueguense Bertha, entrada de Cardiff,
em 19 do corrente e consignada
nifestou:
Carvo de pedra 481 toneladas a Livramento
a c. v
a Domingos Ferreira da Silva & C, 31 a Medei-
ros 4 Iruio. 20 a Ferreira Rodrigues & C, 50a
Paiva Valentc & C, 20 ordem Cabos 36 ro-
los a J. A. S. Santos. Cidra 100 caixas a Paiva
Valeute, C. Couro 1 caixo a W. Halliday &
C. Chapeos 2 caixes ordem,* 1 Samarcos &
i., 1 a Rapbacl Dias 4 C 1 a VianuaCastro &
C, l a Afl'onso Oliveira C, 1 a Maia 4 Inno.
Calcados 1 caixo ordem, 1 a Manoel de Bur-
ros Cavalcante. Cartas para jogos 1 caixa a
Gomes de Mattos Irmos, 2 a Antonio Duartc
Carneiro Vianna. Canela 5 caixas ordem.
, Caixas razias 7 caixOes. J, J}rtBUluliJltteibg e
Carvo de pedra 151 toneladas empreza do
gaz.
Estanto 6 tambores a Ferreira Guimarics 4
C. Espirito 5 caixas a H. Carrol. Estopas 29
fardos ordem. Euxadas 29 barricas a A. Pin-
to da tilva, 50 a Ferreira Guimares & C
Folhas de ferro 20 a Wiliiam Halliday *
C. Fariuha de milho lO caixas ordem, 224 a
Fernandes 4 C. Feno l fardos a E. P. Cox.
Ferragens 234 volumes .a Caldoso A Iruio, 9 a
Ferreira Guimares 4 C-, 38 a Mirauia t Sou-
za, 1 a Manoel dos Santos Villaca. 7 a A. Silva
i C, 51-a Vianna Castro 4 C, 25 ordem, 1 a
Nunes Fonseca 4 C, 19 a A. P. da Silva A C 23
a Wiliiam Halliday 4 C, 9 a Antonio Duartc
Carneiro Vianna, i Reis & Santos, 1 a J. J. Mi-
randa. Fogareiros 200 a Ferreira Guimares A
C, 200 ordem. Folhas de Flandres 15 caixas
a Joo W. dcMcdeiros, 60 a Ferreira Guimares
C.
Genebra 20 caixas a Ramos Ueppert 4 C. Gr-
valas 1 caixa a Raphael Dias 4 C. Gaz globo 3
barris ordem. Giuger-ale 5 barricas ordem.
Louca 25 gigas a J. de Macedo C, 52 a Joa-
quim Duartc bimOcs & C, 10 a Domingos Cruz
& C, 08 e 20 barricas ordem, 1 a J. F. da
Costa.
O ESQUELETO
Lenda Phantastica de Oliuda
CM VOLUME DE 200 PAGINAS
Ultima produccao do
Dr. Carneiro Vilella
Vende-se as prineipaes lvrarias d'esta
cidade e no pateo do Serjo n. 4 escripto-
rio da Lanterno Mgica.
Collegio leira
Ra da Imperatriz n. 63
Este collegio de instruccSo primara c
secundaria, cujas aulas se reabrirao no
da 7 de Janeiro corrente, offerece aos
pas de familias que o quizerein honrar,
confiando-lhe seus filhos, todas as garan-
tas de moralidade, aproveitamento e bom
tratamento para os mesmos seus filhos.
O resultado dos exaines obtido, pelos
alumnos deste eollego, ser opportuna-
mente publicado, e em vista delle se ter
urna prova do interesse tomado pelo abai-
xo assignado pela applicajJlo dob seus
alumnos.
Recibe, 3 de Janeiro de 1889.
O director,
Ascencio Minervino Meira de VasconceUos.
167.230 Saceos
A barca norueguense Princessen, carregada
por Julio 4 Inno, levou para New-York 9.737
saceos com assucar mascavado.
Pelo vapor nacional Para, foram remet-
tidas 170 barricas com assucar branco e 10 ditas
com dito mascavado para o MaranmXo; 20 saceos,
385/2 barricas, 185,4 e 140 latas com assucar
hrancopara o Para; 20 barricas 552 e 90/4
com assucar branco para Manos.
Manteve-se
para os salgados seceos.
touras
a cotacio de 390
Hiate nacional Deus te Guu, entrado de Maco
em igual data e consignado a Bartholomeu Lou-
renco C, manifestou:
Esleirs 34 volumes a Costa Lima Si C.
Sal 64,000 litros ordem.
Vapor austraco Mtdtiza, entrado de Trieste e
escala, em 18 do corrente e consignado a Heury
Forster C, manifestou :
Agua mineral 2 caixas a T. Just, 2 a R. de
Druzina 4 C. *co 60 caixas ordem.
Cerveja 30 caixas a Sulzer Kauffman 4-C., 30
ordem.
Fannha de trigo 2,000 barricas ordem.
Mercaduras 7 volumes ordem.
Tecidos de algodo 3 volumes a Cramer Frev
*C. I
Vidros 1 caixa ao London Brazilian Bank.
Cota-se
litros.
Agurdente
nominal a 70*000 por pipa de
480
O vapor nacin! Par,, levou 30 pipas e 10/5
para o Para e 3 pipas 133y5 para Manos.
AlcoI
Ultimas vendas, 125*000 por pipa de 480 li-
tros.
Mel
Cota-se a 50*000, nominal
litros.
Bolsa
COTA9CE8 OFFICIAE8 DA JUMTA DOE COK-
BECTORE8
Recife, 19 ds Janeiro de J889
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 27 1/1 d por
1*. do banco.
Paula da alfandega
SEKAIU D* 21 A 26 DI 7ANSUO M 1889
Assucar refinada (kilo) Assucar branco (kilo) . . 180
149
Assucar mascavado (kilo) 80
Alcool (litro)...... 250
*rrez cam casca (kilo) . 50
Algodo (kilo)...... 347


Vapor inglez Actor, entrado de Liverpool e
res, nominal, Lisboa em 18 do corrente e consignado a Samuel
L. Johnston, manifestou:
Carga de Liverpool ^
Arroz 300 saceos ordem. 200 a Paiva Valen-
te A C, 50a Ferreira Rodrigues C, 100 a Fer-
nandes da Costa & C, 50 a Joaqnim Uuartc Si-
mes 4 C. Amostras 5 volumes a diversos. Ar-
mas 1 caixa a Guimares Cardoso C. Arma-
ces para sellins 1 caixa a A. Silva 4 C, 1 a Mi-
randa Souza Arcos de ferro 117 feixes a V.
Neesen, 151 a Vianna Castro & C. Agua mineral
5 barricas a H. Carrol, 20 a Medeiros Irmo,
40 ordem.
Barrilha5 tambores a J. F. da Cota. Barras
de ferro 200 e 2 feixes a J. A. da Silva Santos,
10 a Ferreira Guimares at C, 93 a V?. Halliday
4 C, 250 a Albino Silva C. Biscoutos 10 cai
xOes ordem. Batatas 50 caixas a Gongalves Ro-
sa & Fernandes, 60 a Paiva Valente C, 80 a
Blackburn Needhara & C, 40 a Torres 4 Irmo
Cha 1 grade a J. F. da Costa 1 e 26 caixas
crJam.
Cofre de ferro 2 caixoes a Antonio Duarte Car
neiro Vianna, 1 ordem. Canos de chumbo 3
barricas a Ferreira Guimares 4 C. Campeche
6 barricas a Antonio Jos Maia 4 f. Carne em
conservas 1 caixa a Ramo* 4 -C. Cerveja 15 i
por pipa de 480
Linha 2 caixas a F. Lauria 4 C, 1 a Mauoel
Joaquitu Ribeiro 4 C 1 a Manoel -Collaco 4 C,
28 a lareute Vianna A C, 30 ordem.
Materiaes para engenho 42 volumes aos her-
deiros do Bowuumn. Ditos para telegrapbo 1
caixa a The Brai iauSubmane Telegrapn i'oin-
pany. Ditos para esgoto 3 caixas a Recife Drai-
nage Ditos para estrada de ferro 46 volumes a
II. W. S. Bird, 8 a Great Western of Brazil. Ma-
chinamos 2 caixas a Cardoso 4 Irmo, 8 or-
_,dem, I a J. Halms. Ditos e ferragens 21 volu-
oraein, ma* me a London BauV. Mercadorias diversas 1
volume a Joo V. Alves Matheus, 1 a Guimares
Irmo, 17 ordem, 10 a Companhia do Bebe-,
ribe, 2 a Manoel Collaco 4 C, 1 a G. de Mattos
Irmos, 1 a A. D. C. Vianna, 1 a N. Fonseca
& C. 2 a W. Halliday 4 C, 2 a Manoel Joaquim
Ribeiro 4 C, 1 a A. Raphael 4 C, 2 a Manoel da
Cunha Lobo. 1 a Francisco Lauria 4 C, 1 a Fre-
derco 4 C. Mortadellas 1 caixa a Ramos 4 C.
Oleo de linhaca 4 barris a Maia e Silva.
Presunto 5 caixas a Carvalho & C ProvisOes
20 caixas aos mesmos. Pregos 10 barricis
ordem, 6 a Ferreira Guimares A C, 25 a A.
Duarte Carneiro Vianna Ps de ferro 6 feixes
a Miranda A Souza. Papel 1 caixa a G. de M.
Irmos, 1 ordem. Ditos do embrulho 90 far-
dos ordem. Pimenta da India 15 saceos a Fer-
nandes 4 Irmos, 10 a Ferreira Rodrigues 4 C,
10 a Paiva Valente & C.
Queijos 2 caixas a Ramos A C.
Sabonetes 1 caixa a Joo Ramos, 1 a II. Car-
rol. Saceos vazios 1 fardo a Julio Fuerstenberg.
Sapatos 1 caixo a Francisco Gurgel 4 Irmao.
Tintas 30 barricas ordem, 10 a Faria Sobri-
nho 4 C, 8 a Maia Silva C, Toucinho 1 caixa
a Carva'ho 4 C. Trapos 1 fardo a Ferreira Gui-
mares 4 C, 1 a Great Western Of Brazil. Te-
cidos diversos 70 volumes ordem, 23 a Luiz
Antonio Siqueira, 10 a A. Maia A C. 21 a N.
Maia 4 C, 4 a Oiinto Jardim 4 C, 10 a Alveg de
Britto A C, 17 a Machado A Pereira, 10 a A.
Vieira 4 G, 9 a Gongalves Cunha 4 C.,-1 a C.
Santos 4 C 4 a P. Petrocelli A Irmao, 3 a Joa-
quim Goncalves 4 C, 3 a Fernandes Silva 4 C.
1 a Joaquim Luiz Teixeira, 1 a J. A. Dias. 3 a B.
Maia A C, 1 a F. de Azevedo A C, 5 a F. Pereira
da Silva, 22 a A. Amorim A C, 4 a Agostinho
Santos id, la Andrade Lopes A C. Trilhos
de ferro 168 a Cardoso-A Irmo. Tijolos prova
de fogo 7>'4 a London Bank.
Vidro 20 barricas a Domingos Cruz 4 C, 10 a
Andrade Lopes A C.
Whiskey 1 caixa a J. J. Andrescn.
Para Hamburgo. Pohlman & C. 443 couros
salgados com 6,516 kilos.
Para Lisboa, S. B. Amorim A C. 500 saccas
com 36,325 kilos de algodo.
No lugar portuguez Temerario, carrega-
ram :
Para Artigas, Amorim Irmos A C. 10 pipas
com 4,800 lteos de agurdente.
Para o Ulterior
No vapor argentino -lito, carregaram :
Para Uruguayana, Amorim Irmos C. 1,850
volumes com 197,301 kilos de assucar branco
sJq^^lMWI'I,* f55S' com
72,000 kilos de assucar mascavado e 300 ditos
com 18,100 ditos de dito branco.
No vapor austraco Szecheny, H. Burle A
C. 805 saceos com 48,000 kilos de assucar mas-
cavado e 700 itos com 42.000 ditos de dito
branco.
No lugar portuguez Temerario, carrega-
ram :
Para Rio Grande do Sul, Maia A Rezende 45
{lipas com 21,6 0 litros de agurdente; Amorim
rmos 4 C. 60 pipas com 2S,800 litros de agur-
dente e 5 ditas com 2,400 ditos de alcool.
No vapor nacional Pata carregaram :
Fara Manos, J. Barreto 20 barricas com 1,752
1/2 kilos de assucar branco.
Para Para, J. Barreto 150 barricas com 10,825
kilos de assucar branco; P. Carneiro A C. 100
barricas com 3,410 kilos de assucar branco.
Para Maranho, S. Guimares A C- 30 barricas
cora 3,492 kilos de assucar branco e 10 ditas
com 1,168 1/2 ditos de dito mascavado.
No hiate nacional F. Jardim, carregaram :
Para Cear, P. Alves A C. 1,026 saceos com
fariuha de .mandioca.
No vapor nacional S. FrancUco, carrega
rain :
Para Cear. B. Oliveira A C. 1 pipa com 300
kilos de graxa.
No hiate nacional Victoria, carregaram:
Para Maco, A. da Silva Campos 12 barricas
cora 780 kilos de assucar branco e 2 ditas com
12ditos de dito mascavado ; R. Lima A C. 100
saceos com farinha de mandioca.
Para Mossoro, A. da Silva Campos 8 barricas
com 790 kilos de assucar branco.
No hiate nacional Ramha dos Anjos. carre-
gou :
Para Macahyba, J. P. Lapa 23 caixas e 30 gar-
rames com 560 litros de genebra.
Na.barcaca Divina Procidencia, carrega-
ram :
Para Macei, Fernandes A Irmo I barrica
com 100 kilos de asquear refinado.
Festa de S. Severino Martjr
Elias Baptista da Silva Ramos e Candido de
Rarros Wanderley tendo aberto um restaurant
e hospedara em um grande barraco no enge-
nho Ramos d'esta freguezia de Pao d'Alho, em
frente plataforma da estrada de ferro do Li-
moeiro, onde pram os trens ordinarios durante
as novenas e testa do milagroso martyr S. Seve-
rino ; e achando-se em companhia de suas fami-
lias, olTerecem ptima bospeaagera s Exmas.
familias, que quizerem honrar, comparecendo
ao sen pro-' -no estabeleciraento.
Garanten commodos para familias, asseio e
muito respelo e ordem, assini como declara ter
um pessoal ptimo para o bom desempenho da
importante e apreciavel arte culinaria, promet-
iendo preparar, com asseio e prompdo, e a
contento dos seus honrados freguezes: almocos,
jantares, ccias, lunebs, etc., fornecendo bons
vinbos, licores, cerveja e outras muitas bebidas,
que se encontraro expostas a venda; tudo por
precos bem rasoaveis.
Espera, pois, que durante as novenas e festa
do milagroso Santo Martyr, as Exmas. familias
nao deixaro de, ao desembarcaren! do trem, vi-
sitar logo o referido estabelccimcnto onde en-
contraro, ao transporem o Miniar da porta prin-
cipal, muito respeito, agrado c sineeridade.
Pao d'Alho, 11 de Janeiro de 1889.
Elias Baptista da Silva Ramos.
Candido de Barros Wanderley.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clnica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela roa da
Saudade n. 25.
Escola particular de iiislnicco
primaria para o sexo masculino
Roa do (otovello n. 34
O professor abaixo assignado, participa aos
seus amigos, c ao respeitavel publico, que abri
a sua escola ra do Cotovello n. 34, onde edu-
ca e instrue infancia pelo mais aperfeicoado
systcma do Imperial Lyceo do Rio de Janeiro.
30*000 mensaes
133000
2J000 *
i#000
3W00

Alumno interno
Meio pensionistas
Primeiras lettras
Msica e piano
Por cada um preparatorio
Ra do Cotovello n. 34
Julio Soares de Azevedo.
A ultima palavra
Da medicina para as molestias do peito
O VElTOOXk DE CAMBABA.
Francisco M. da Silva <& C.
^
Inglez e francez

Cursos das 7 s 8 horas da manha e das
5 s 6 da tarde: ra da Aurora n. 37,
2." andar.

Mercado Municipal de H. Jone
O movimento deste mercado no dia 18 de Ja-
neiro foi o seguinte:
Entraram :
191/2 bois pesando 3,795 kilos sendo de Oli-
ra Castro C, 11 1/2 e 8 de particu-
lares :
920 kilos de peixe a 20 ris
40 cargas de farinha a 200 res
15 ditas de fructas diversas a 300
ris
i tukoicii os a zoo ris
10 sumos a 200 ris
10 matulos com leguraes a too res
Foram oceupados:
27 columnas a 600 ris
*

18J400
8000
4X500
22O0
2000
2J000
1 escriptorio a 300 ris
25 compartimentos de farinha a
ris
24 ditos de comidas a 500 ris
84 ditos de leguraes a 400 ris
18 ditos de sumos a 700 ris
10 ditos de fressuras a 600 ris
8 talhos a 2
1 dito a 1/
A Oliveira Castro A C.:
54 talhos aU
503
16*200
300
12*500
12OO0
33*600
12*600
6*000
16*000
1*000
54*000
201*300
3:342*380
3:543*630

Rendimento do da 1 a 17 do cor-
rente
Foi arrecadado liquido at hoje
Procos de dia:
Carne verde de 240 a 480 reis o kilo
Carneiro de 720 a 800 reis idem.
Sumos de 560 a 640 reis idem.
Farinha de 400 a 560 reis a cuia.
Milho de 320 a 400 reis idem.
Feijo de 800 a l*20J idem.
Matadouro publico
Neste estabelecimento foian abatidas
consumo de hoje 68 retes.
Sendo : 51 pertencentes a Olivoira Castro
C, e 17 pertencentes a diversos marchantes.
V
para o
4
Dinheiro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional
Parahyba
Para
Para, para:
47.820*000
1&7.0004000
RendiMcuios pblicos
MEZ DE JANEIBO
Alfandega *
616:035*583
17:116*543
-------------------633:15*Ji26
Renda geral:
Do dia 2 a 18
dem de 19
Vapores a entrar
MEZ DE JANED20
Europa....... Hamburg.......... SO
Sul........... Buenos-Ayres...... 20
Sul........... La Plata.......... 20
Norte......... Alagos........... 24
Sul........... Manos........... 27
Europa...... VOlsde S.Nicolao.. 27
Sul........... Fjntince........... 3
Vapores a sabir
MEZ DE JANEIBO
Buenos-Ayres. La Plata.......... 20 as
dantos e esc.. Hamburg.......... 2o as
Hamburgo. .. Bueno-Ayres..,___ 20 as
Sul.......... layos........... 24 as
Norte........ Mandos........... 28 as
11 .
5h.
5h.
5h.
.h.
Renda provincial :
Do dia 2 a 18 94:613*040
dem de 19
6:021*603
100:627*615
Somma total 733:779*071
Segunda seccla da Alfandega, 19 ne Janeiro
O mesoureiroFlerencio Domingues'.
O chefe da secea Cicero B. de Mello.
Reeebedorla Geral
ExportacSo *
Ricb-s, 18 OS JA RO DE 1869
Para o exterior
No vapor inglez Explorer, carregou :
Para Liverpool, A. de Araujo 651 saceos com
48,405 kilos de assucar mascavado.
No vapor inglez Mytilene, carregon :
Para Liverpool, C. P. de Lemos 20,000 kilos
barricas a ranjo Castroaff, 40 a AUbns-1 decarocos de algodao.
veira A C, 20 a Joo Feroandes de Almeida, 401 No vapor allemao B. Ayres, carregaram :
Do dia 2 a 18
dem de 19
16:275*448
2:701*910
18:977*358
Reeebedorla provincial
Do dia 2 a 18 81:296*548
dem de 19 124*446
81:420*994
Reelfe Draluage
Do dia 2 a 18 4:787*473
dem de 19 181*120
i.968*593
Movimento do porto
Navios entrados no dia 19
TcrrarNova34 dias, barca ingleza Hekn Izabel
de 249 toneladas, capito J. F. Olssan, equipa-
gem 11, carga bacalho; a Blackburn, Nee-
Rio de Janeiro7 dias, vapor inglez Rayswater
'de 1,039 toneladas, commandante D. Taylor"
equipagem 23, em lastro; a Boxwell A C. '
Cardiff51 dias, brigue norueguense Bertha, de
345 toneladas, capito G. Jacobsen, equipagem
f 9, carga carvo de pedrf; ordem,
Aracaty 12 dias, hiate nacional Deus te Guie
de 100 toneladas, mestre Vicente Ferreira da
Costa, equipagam 5, carga varios gneros : a
Barthomeu Loureoco.
Fiume e escala-24 das, vapor austraco Sze-
chenzi, de 1, 149 toneladas, commandante G.
Gothardi, equipagem 27, carga varios gene-
ros : a Jolmston Pater A C.
Terra-Nava 54 dias, barca inglez Hebe, de 234
toneladas, capito Michael Konnedy, equipa-
gem 10, carga bacalho; a Blackburn, Nee-
dham A C.
Navios sahidos no mesmo dia
Maceio-Vapor inglez Explorer, commandante
E. A, Burn, carga vanos gneros.
Rio Grande do Sul Escuna norueguense Re-
form, capito J- Larsen, carga assucar.
Santos e escalaVapor austraco Medsua, com-
mandante Angelo Maluza, carga varios gene-
ros.
Macei -Lugar inglez Nelly, capito H. Oleen,
carga bacalho.


Diario de PecntnbucoDoraiogb 20 de Janeiro de 188&
i ."
OHei
DO
r. Ferrelra
OCULISTA
Pratieo no* principaes hospitaes tle Pafciz
e Londres.
Consultas todos os dias (excepto domin-
gos) das 9 horas ao meio din.
Pratica cmbalsamamentos.
Consultorio e residencia ra Larga do Ro-
sario n. 20
Tdephene n. 233
lachare. AuIoho Witru-
vio Pinto Bandeira
Pode ser procurado a ra do Imperador
n. 71, Io andar
l'prnya
vi^^S
Leonor Porto
Rna
it.
?
Larga do Rosarlo
2o andar
Contina a executar os mais dif"
ticis tigurinos recebidoa de Lon-
dres, Pars, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicSo de costuras,
cm brevidude, modicidade em pre-
ces e fino gosto
3^-^- vCC.^-
Preferencia
O peitoral de cambaba boje o re-
medio mais receitado pelos mdicos para
as molestias do peito.
Francisco Manoel da Silva & C.
m
EDITES
0 Dr. Jos Pudro de A'meida Peraambuco, juiz
substituto na jurisdioao plena da vara especial
do commercio da cidade do Recife e seu termo
capital da provincia de Peraambuco, em vir-
tuda dalei, etc.
Fago saber aos que o presente edital virem ou
d'elle noticia tiverera que por parte de Paiva
Vlente 4 C. me foi dirigida a petigo do theor
seguinte :
Illm. Sr. Dr. juiz substituto parcial do com
mercio.Paiva Valente & C tendo recebido em
combo que Uie fez Antonio Guedes Valeate, una
lettra de trra do valor de i. 6704000, acceita pelo
Dr. Thoniaz (ktelho de (Jusmo e vencida em 19
de Janeiro de 1884, quertm interroraper a pres-
cripgo da dita lettra e para isso vem requerer
a V- s. se digne mandar tomar por termo e
protesto dos supplicantes alim de intimado ao
acceitante Dr. Thomaz Coefho de Gnsmo. ficar
interrompida a prescripgo da fallada lettra;
sendo os suoplicantes admittidos a justificarem
a ausencia do supplicado, para rcalisar-se a ci-
taco por editos na forma da lei.
Pedem a V. S. deferimento. Esperam receber
merc. Recife 17 de Janeiro de 1889.-0 solici-
tador. Tranquilino Castello Branco.
Sellada com urna estampilha da taxa de 200
ris legalmente inutilisada : na qual profer o
despacho do theor seguinte :
Distribuida.Como requer. Recife, 17 de Ja-
neiro de 1889.-Jos Peraambuco.
Em virtude d'este meu dspacho o respectivo
distribuidor a quem foi a mesma pelicopresente
a ditribuio ao escrivfte do prhriro omeio que
fez lavrar_o termo de protesto do theor se-
guinte : i
Aos 17 dias do mez de Janeiro de 1889, nesta
cidade do Recife, em meu cartorio, comparece-
ram os supplicantes por seu bastante procurador
o solicitador Tranqudlino dos Santos Castello
Branco. que ante mim e as testemunlias infra
assignadas disse reduzia a termo de protesto
para interrupco de prescripcao o conteod de
sua peticao retro que Pica fazendo parte inte-
grante do presente atim de ser intimada ao sup-
plicado para os devidos efteitos. E de como
assim o disse e protestou lavro este termo em
que assigna com astestemunhas, depois deudo.
Eu Manoel Lopes de Carvalho Chaves, escrevente
juramentado, escrevi.
Eu Jos Franklin de Alencar Luna, esenvao o
liz lavrar e subscrevo Tranquilino dos Santos
Castello Bi-anco.BalUzar.Jos do* Jtois Fbo.-
Tito Pinto.
Segundo continha dito termo de protesto aqu
lielmente transcripto e tudo os supplicantes
produzido a justiheagao recommendada pela lei,
mandei que os autosfsubissem a conclusSo do Dr
juiz de dimito substituto reciproco que n'elles
proferio a sentenca do theor seguintej:
Hei por justificado o deduzido na peticao de
II. 2. Passe-se a carta de editos, com o praso
de 30 dias, para intimago ao justificado do pro-
testo de II. v. para interrupeo da prescripgo
do titulo a fl. 3. Cuntas^fx causa. Recife, 18 de
Janeiro de 1889 Antoiio Domingos Pinto.
Segundo continha dita sentenca em virtude da'
qual o respectivo escrivao fez passar o presente
edital por enjo theor chamo, cito e hei por inti-
mado o justificado Dr. Tbomaz Coelho deGusmao
para que no praso de 30 dias contados da data
da puDlicaco deste, compareca ante este juzd
alim de allegar o que fr a bem de scus di-
reitos. ...
E para que chegue ao conhecimento de todos
o presente ser publicado pela imprensa e outro
de igual theor affixado no fugar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife, aos 18
dias de Janeiro ao anno de Nosso Seuhor Jess
Christode 1889.
Eu Jos Franklin de Alencar Lima, subscrevi.
Jos Pedro de Almeida P'.rnambuco.
DECLARARES
Imperial sociedade dos Ar-
tistas Mechanicos eLi-
beraes
C onolrucfo dM oflrlm
De ordem do Illm. r. director e segundo a
resoluco temada em sessao da assemblea geral
de 4 de Novembro prximo pa6sado, fago publi-
co que na secretaria desta sociedade, recebem se
propostas em cartas fechadas at^I do corrente,
para execugo das obras das officinas que esta
sociedade tem de fazer para o ensino pratieo.
Na secretaria, das 9 oras da manha as 6 da
tarde, encontrarlo os proponentes a planta e
orcamento para seren examinados, servindo de
base o orcamento existente.
As condig&es para a arrematacao e execugo
da obra sao as mesmas consignadas a respeito
no regulamento vigente das obras publicas pro-
vineiaes, que sera tambem patente aos mesraos
concurrentes.
Recife, 16 de Janeiro de 1889.
O 1 secretario,
Francisco da Costa Ramos.
2.a praca
Pela inspectora desta Alfandega se faz publi-
co que as 11 horas do dia 24 do corrente roez,
sera arrematada em praca, porta desta repar-
tigo, a seguinte mercadoria :
Armazem n. 3
Marca diamante e B no centro n. 1/6, seis cai-
xas contendo folhinhas impressas em urna so
cor, peso bruto 438 kilo*, vindas de New-York
no vapor americano Adtance, entrado em 15 de
Outubro de 1888. abandonadas aos direitos por
Francisco Manoel da Silva & C.
3.* secgo da Alfandega de Peraambuco, 19
de Janeiro de 1889.O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Fevc-
e com-
Havre
em 6
Pela inspectora d'esta Alfandega, se faz pu-
blico, que, s 11 airas do dia 23 do corrente
mez, serao arrematadas em praca, a porta do
trapiche alfandegacoBarSo do Livramentoas
.eguintes mercadoiias :
Marca S D & C, quatro pipas, vinlio seceo
commum, capacidade 1900 litros, vindas de Lis-
boa no vapor ingle;: Mariner, entrado em 13 de
Abril de 1883.
Marca S, cinco bt rris de 5*. vinho seoco com-
mum, capacidade 475 litros, vindos de Lisboa no
vapor francez Ville di Mirankao, entrado em 10
de Abril de 18fc5.
Marca R F. quinzf calxa*, agua mineral peso
as garrafa* 1363 kilos, viudas do Havre no va-
por francez Ville de Pernambuco, entrado em 21
de Novembro de 1886.
Marca C A 1 e contra-marca S B A C, um bar-
ril de 3o, vasio, vind o de Lisboa no patacho por-
tuguez Faimy, entrado em 30 de Janeiro de
Marca V F A N, trinta e-duas caixas, azulejos,
peso bruto 1440 kilos, vindas do Havre no vapor
francez Yule de Cea-, entrado em 24 t!e
reiro de 1887.
Marca Hermes, onze barricas, tinta, verd
posto, peso bruto 690 kilos, vindas do
no vapor francez Ville de Santos, entrado
de Abril de 1887.
Marca I A C e cjitra-marca C O, de baris.
vinho seceo commuiu, capacidade 890 kilos, viu-
das de LitlxVi na iscuua poriusueza JwquiH't.
entrada em II de Abril de 1887:
Marca A R, olo pipas, utibo seceo commum,
capacidade3800 linos, viudas de Lisboa no va-
or iugluz Oraloi; 'Mirado em li do Juulio de
W.
dem, vinle c um banis de 3', vinho seceo
commum cap oidade 1764 litros, idem, idem,
idem.
dem, nove pipas, \inlio seceo commum, ca-
pacidade 4273 litn>: \ indas -de Lisboa no vapor
inglez Sculptor, entrado cm '10 d Julho de
dem, qninze bar is de 5o, vinho seceo com-
mum, capacidade 1S60 litros, idem, idem, idem.
Marca J G G. cinco pipas, vinho seceo commum,
canacidiide 2423 litros, idem, idem, idem,
dem, dez Larri i" de 5', vinho seceo com-
mum, capacidade 890 (Uros, vindos de Lisboa
no vapor iuglez Sculptor, entrado em 14 de Junho
de 1887.
Marca A I S, cen barris de 5o, vinho seceo
commum, capacidade 8100 litros, vindos de
Lisboa no vapor francez Ville de Pernambuco, en-
trado em 22 de Setembro de 1887.
Marca J R Antunes, Vinte e cinco barris de 5,
vinho seceo commum, capacidade 2130 kilos
idem, idem, dem.
Marca B J, quinze barris, frnctas verdes amen-
doas) peso bruto 750 kilos, vindos de Lisboa no
vapor francez Vitle ie Macei, entrado em 16 de
Fevereiro de 1888.
Marca J N, trinta e oito barris de 3o, vinho
seceo commum, capacidade 3116 litros, vindos
de Lisboa no vapor inglez Mariner, entrado em
29 de Fevereiro de 1888.
Marca A Y, um barril de 5*, vasio, vindo de
Lisboa no vapor francez Ville de Maranhao, en-
trado em 9 d Margo de 1888.
Marca J N, dez barris de 10, vinho seceo com-
mum, capacidade 430 litros, vindos de Lisboa
no vapor inglez Mariner, entrado em 29 de Fe-
vereiro de 1888.
3* Becco da Alfandega de Peraambuco, 18 de
Janeiro de 1889.
O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Administraeao dos Correios
de Pernambuco, 15 de Ja-
neiro de 1889
Por esta administragao, e em cumplimento a
circular da directora geral dos Correios n. 102
de 15 de Dezembro findo, se faz publico para
conhecimento dos interessados, o edital daquella
directora, abaixo transcripto.
0 administrador,
A Abuso do Reg Barros.
Directora geral dot Crrelos
Edital
De ordem do Exin. Sr. director geral, e em
observancia ao disposto no art. do regula-
mento de 26 de Margo de 1888, fas-se publico
que, do da 1 de Abril do anno prximo futuro
em diante, nao poderao mais ser utilisadas as
seguintes formulas de franqua :
Bifhetes postaes simples de 20 as.
duplos de 20 rs.
simples de 30 rs.
> duplos de 50 rs.
Cartas-bilhete de 50 rs.
de 100 rs.
Estas formulas, quando encontradas as cai-
xas postaes depois de expirado aquelle prazo,
serao consideradas nullas e como tal tratadas.
Diviso Central da Directora Geral dos Cor-
reios, em 12 de Dezembro de 1888.
O subdirector,
Jos Francisco Soares.
Hospital Portagwz
de B$n$ficeada
Sao convidados todos os
Srs socios para a assemblea
geral que de ver ter lugar
na sede do mesmo Hospital
no domingo 27 do corrente,
sil horas da manha, afim
de assistirem a leitura dore-
latorio do anno findo e a pos-
se da nova junta administra-
tiva.
Recife, 19 de Janeiro de
1889.
Francisco R. P. Guimaraes,
Provedor.
Commissao pernambucana
para a representacao da
provincia, na exposicao
universal de Pars
Os membros desta commissao de vem acbar-se
amanh, as 8 1/2 horas da noite, no edificio do
Lyceo de Artes e Ofcios.
No dia 21, s 7 horas da noite,.devera reunir-
se a commissao, em sessao extraordinaria, para
instituir o jury que deve conferir premios aos
expositores.
Arsenal de Guerra
De ordem do Illm. Sr. tenente-coronel direc-
tor, distribue-se costuras nos dias 21, 22 e 23
do corrente mez, com as costurelras possuido-
ras das guias de ns. 391 a 413.
Seccao de costuras do Arsenal de Guerra de
Pernambuco, 20 de Janeiro de 1889.
Flix Antonio de Alcntara,
Alferes adjunto.
Contraria de Nossa Senhora
do Livramento
De ordem do inno juiz, convido aos carissi-
mos irmos a compirecerem em nosso consisto-
rio no dia 23 do corrente, s 6 horas da tarde,
afim de proceder-se a eleiglo para o completo
da mesa regedora, de accordo com o art. 12 do
nosso compromisso.
Secretaria da confiara de N. S. do Livramen-
to, 19 de Janeiro de 1889.
O secretario,
Gaspar Antonio dos Reis.
Gabinete Portguez
de Leitura
De ordem do Exm. Sr. Visconde da Silva
Loyo, p*e#idenle da commiasio directora, con-
vid todos os senhores socios a rcunirem-se em
assemblea geral ordinaria, nos saloes dp Gabi-
nete, domingo 20 do corrente, pelas t kw da
manha, afim de apreciar o relatorio da actual
gerencia, e cleger nova administrado.
De accordo com o preceituado no art. 40 dos
estatutos, a assemblea se constituir Wn rpial
quer numero e senhores socios prsenle?, e as
suas resolugoes produziro elleitos legaes.
Recife, 2 de Janeiro de 1889.
Dr. Jos de lbuquorque,
cretario.
Gymnasio Pernnmbucano
i:m 15 de Janeiro de 1889
Pela secretaria do Gymnasio Teraambucano
se declara aos Sis. paca de familia, c a quem
mais interessar nossa, que a abertura solemne
da curso scicntiuco e litterario ter lugar no dia
4 de Fevereiro prximo vindouro, e desde j se
acha aberta fa. inscitygio Ja matricula para
aquelles qu pretendiera e.tudar as seguintes
disciplinas :
Lingua nacional.
Dita latina.
Dita franceza
Dita inglcza.
Dita allcma e italiana.
Geographia antiga e moderna.
Historia sagrada antiga e moderna.
Geometra e trigonometra.
.Aritlunetica e algebra.
Pbilosophia.
tthetorica e potica.
Historia c chorograpliia do Dra.-il.
Scicncias uaturacs
0 corpo docente do instituto 0 composlo de 19
professores, oceupando-se cada um delles s-
mente com a materia ensinada em sua respecti-
va cadeira.
Sero admittidos no Gyanaso alumnos inter-
nos, meio pensionistas e externos.
Os pensionistas residiro no instituto, tendo
direito de estudar a serie de disciplinas de que
se compoe o estadio scientilico e litterario do
Gymnasio, de conformidade com o programma
estabelecido ; a ser alimentados sadia e abun-
eantemente e a ser tratados em suas peauenas
nfermidades. 0 instituto foraecer anda me-
dico, medicamentos, cama, mesa, cadeira, luz,
corte de cabello, guardanapo, lavatorio, banho
msica.
Os meio-pensionistas se apresentarao no es-
tabelecimento nos dias lectivos, s horas em
que as aulas se abrirem, e desde ento at se-
ren encerradas tarde ; sao equiparados aos
pensionistas, quanto aos estudos, alimentario e
e recreio.
Os alumnos externos s teem direito s ligues
e explicaces dos respectivos profesores.
A penso annual de 300*000 que pagam os
alumnos internos do Gymnasio, se cobrara pelo
anno lectivo somente, dividida em prestagoes de
100*000 cada urna; comegando a primeira em
Fevereiro, a segunda em Maio e a terceira em
Agosto e terminar no fm de Novembro.
Para os alumnos de instrucgSo primaria que
de vem ae aebar no estae! ecimento no dia 16.de
Janeiro, a primeira prestadlo ser antecipada
sem augmento de penso.
A penso annual dos meio-pensionistas, ser
de 180*009 em tres prestantes de 601000 cada
urna, effectuada a con ranga do mesmo modo que
para os internos.
Os alumnos internos de qualquer cathegoria
pagaro na entrada e por urna s vez, urna joia
de 20*000 ; dous iraios 30*000, sendo 13*000
por cada um e alo havera mais augmento de
joia crescendo o numero destes.
O instituto encarregar-se-ba da lavagem da
roupa dos alumnos internos que nlo tiverem
quem o faga por tora, e isto mediante 16*000
em cada prestagao. Este pagamento se far de
modo idntico ao da penso conjunctamente
com elle, dando direito aos concertos das peras
arruinadas do enxoval.
As despezas com livros e mais objectos indis-
pensaveis para a escrpturaco, correm por con-
ta dos alumnos internos ; devendo seus paes ou
quem os representar deixar quantia sumetente
para esse fornecimento.
Os externos s teem direito s ces e expli
cagoes das materias eusinadas no curso, quaes
quer que ellas sejam, pagando apenas no acto
da matrcula a taxa iguala que pagam os alum-
nos no collegio das artes.
Alm das aulas mencionadas, ha mais urna de
escrpturaco mercantil, creada de conformidade
com o regulamento de 12 de Margo do anno
findo.
O secretario,
Celso Tertuliano F. Quintella.
SANTA CASA
CASAS PARA ALUCIAR
Ra da Moeda n. 49, armazem 240*000
dem do Vigario Tenorio n. 27, loja 240*000
dem idem n. 22, 3." andar 80*000
dem idem n. 25, 1. andar 300*000
dem do Bispo Sardinha n. 3, I. e 2.
andares e soto 400*000
dem do Rom Jess n. 13, 3. andar 200*000
dem do Mrquez de Olinda, sobrado
n. 44 2:131*000
dem do Rom Jess n. 13, l. andar 240*000
Becco das Roas n. 14, loja 1. e 2. an-
dares 480*000
Pateo do Parai2o 29', 2. andar 240*000
Ra da Saudade n. 3 480*000
Ruade S. Gongalo n. 24^_______ __300*000
Companhia Pernaiubncaiia de \a-
vejacoCosleirapor'Vapor
ASSEMBLEA GERAL EXTRAORDINARIA
Convindo resolverse sobre o modo de memo-
rar e augmentar o material da companhia, con-
voca a drecgo todos os Srs. accionistas pan
ama reunio de Assemblea Geral, que ter lugar
uo dia 25 do corrente. s 12 horas, na sede da
mesma companhia, e bem assim para tomar co-
nhecimento do acto de que trata o art. 9 dos res-
pectivos estatutos.
Recife, 9 de Janeiro de 1889.
Manoel Joo de Amorim,
Tk. Comber,
__________Arthur B. Dallas. ____________
Imperial Sociedad.- das Artl( W
chavkM e Librraeo
ELEJCAO
De conformidade com o art. 50 dos estatutos,
e de ordem do Illm. Sr. director, convido a todos
os socios que estiverem no goso de seus direiios
comparecerem na sede social domingo 20 do
corrente, s 10 horas da manh, afim de fazer-
se a eleigao dos inccionarios para o corrente
anno.
Secretarla da Imperial Sociedade dos Artistas
Mechanicos e Liberaes, 15 de Janeiro de 1889.
Francisco da Costa Ramos,
! secretario.
De ordem do Sr. Dr. inspector geral da In-
strucgSo Publica, fago saber aos interessados,
que no dia 24 do corrente, s 12 horas, nesta
repartigaOj ter comego o concurso annunciado
para provimento da cadeira de instruego pri-
maria do sexo masculino da cidade de Pes-
queira.
Secretaria da InstrucgSo Publica de Pernam-
17 de Janeiro de 1889.
buco,
O secretario,
Pergentino Saraita de Araujo Galvo.
Praso de 8 dias
De ordem do Exm. Sr. Dr. inspector
da Alfandega, e de conformidade com o
disposto nos arts. 646 e 647 da consolida-
cSo das leis 'das Alfandegas, sSo citados,
pelo presente edita!, os interessados no
bote e peca de lona apprehendidos na nou-
te de 9 do corrente, a apresentarem sua
defesa, testemunhas e documentos dentro
de 15 dias, a contar da terminacao do
praso do presente edital.
Terceira seccSo da Alfandega de Per-
nambuco 16 de Janeiro de 1889.
O chefe,
Domingos Joaquim da Fonteca.
PRADO PEKMMBICANO
e
*
'
Fro?ramma da 20' corrida
srS/ *"1^ w^ P *** P3? A*H t0^k ** f^F *
QtllE SE REALIZARA' ^ ^ *
Domiogo 20 de Janeiro de 1889
2>
>UIIIO*
lilaile*
Pello*i
\iiliiralicla- >
de
-n*i
Peoi Cor da veoliaienla
ProprielarloM
1 pareo Consolara- 1
turma-850 metrosAoimaes da provincia
e JO* ao 3o
que nao tenham ganho. Premios : 200-5 ao Io, 50* ao 2o
1 Krupp........
2 Thaouka ......
3 Pagio ........
4 Floresta......
5 Etna.........
OMarat.........
7 Aracahy ex-Ca-
brito .......
8 Janota........
9 Mylord......
10 Lindness......
11 Rigoleto......
12 Rorburema ~
13 Turco........
14 Gec..........
15 Raraave ......
16 Cacique ......
17 Patife.........
18 Incitaras .....
6 annos
4
4
4
5
4
5
7
6 >
4 "
4
5 '
4 -
4
4
4
5
3
Rodado,
Alazo...
Castanho.

Rodado -
Russo .
Rusilho
Raio....
Rodado
Cardo .......
Rodado ......
Castanho.....
Aiazio dourado
Castanho ...
Alazo......
Pernambuco
.; I
54 -
i .Vi
I* *

Encarnado e branco
Violeta, grenat e ouro
Grenat e rosa..........,
Encarnado e bonet azul .
Azul e amarello.........
Amarello e encarnado
Azul e rosa.............
Azul e ouro.............
Azol e branco..........
Rranco e ouro.........
Rosa e branco...........
Encarnado..............
Azul, branco e encarnado
Encarnado e branco ... .
Grenat.................
Rranco e grenat.........
Ouro e branco...........
F. 6. S.
Coudelaria 1 de Janeiro.
J. C.
Coudelaria Bemica.
I. Oliveira.
Coudelana Demcrata.
L B. F.
J. E.
/.F. do R.Leal.
Coudelaria Vencedora.
Coudelaria Esperanga.
Augusto Silva.
Alvaro de Oliveira.
M. J C. M.
S. N.
F. L.
Cal.
Coudelaria 1 de Junho.
fv
2" pareo-CiiM>iro2* turma 850 metros -Animaes da
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
II
lo
16
17
18
Roccacio ...
Bilontra
Palito.......
Ecla........
lsmar......
Fanfar .....
Royal.......
Siroco ......
Ormond ....
Tupiniquim .
floto .......
Caim.......
Bolaxinha..
General ...
Andorinha ...
Nao se espante
Arreda......
Campineiro ...
annos.
Rodado -----
Raio.......
Castanho...
Pedrez......
Pernambuco
Rodado *.
Cardao
Alazo.......
Rodado ......
Baio.........
Russo pedrez.
Russo......
Rusilho .....
Rodado .....
Castanho.....
Castanho ama-
rello .......
,
jrovincia
I* ao 3
154 kilos.
52
156 *
Kfc .
que nao tenham ganho. Premios : 2005 ao 1, 50* ao 2"

i
Rranco e encarnado...
*

Violeta e ouro.
Encamado e branco
Azul e grenat........
Rranco e azul........
Encarnado e amarello.
Azul e branco........
Granate azul..........
Verde ...............
Azul e ouro...........
Rranco e azul].........
Encarnado e preto.....
Azul e branco.........
Azul e amarello.......
Azul e branco.........
36 Encarnado e branco....
M.GS.
A. E. G. L.
Coudelaria Olmdense.
J.
A. E. S.
R. C.
A. M. P-
A. S.
F. M. M.
Coudelaria 7 de Setembro.
C. R.
A. F. C.
M. G. M.
J. D. C. B,
Antonio F d'Albuquerque.
D.P.
A. A. A.
W.R.
3" pareoCentro Teiearapaico1,500 metrosCavallos nacionaes at meio sangue que nao tenham ganho premio nesta dis-
tancia. Premios : 300* ao l. 75 ao 2o e 30* ao 3o
1
2
3
'*
I
7j
8
9
10
Saltarelli.....
Incgnito ....
Ipojuca .....
Corcovado ...
Douro.......
13 .annos.
6 *
5 <
4
6
Zaino.....
Verme Iho
Alazo...
Castanho .
Alazo.
Paran.......

S. Paulo......
c
Rio de'Janeiro.
54 kilos.
54
54
52 -
54
Grenat e amarello -
Azul e branco.....
Branco e ouro. ..
Encamado e preto.
Preto e grenat.....
J. W.
J. W.
Coudelaria Emulagio.
Coudelaria Pavsaca.
F.P.

4." Pareo.Anla>arao.
Oiseau......
Alastor es-Gla-
diador ......
Sultao 2......
Tupy.........
Monitor........
Pirraga.......
Cndor......
Florete.......
Focuete......
Atheu........
5 annos.
7 .
6
7
5 4
5
6
5
5 *
5
Russo
Raio..
1,000 metros.Animaes
......Peraambuco ...
Russo........
Castanho......
Baio..........
Castanho......
da provincia. Premios : 200* ao 1., 50* ao 2." e 20* ao 3.
. 56 kilos. Azul Iistrado...........


36
56
65
56
56
64
60
56
56
Verde............
Ouro e branco......
Rosa- ...........
Encarnado c branco
Grenat ...........
Azul e grenat......
Encamado, branco e
Encarnado e azul-
Azul e ouro.......
preto
Coudelaria 1 de Janeiro.
A. Coimbra.
Coudelaria K mular fio.
F. C. Rezende.
Coudelaria Pernambucana.
F. L.
Condelaria Integridade.
C. D. M.
Coudelaria Pyrotechnica.
A. F. C.
. i

5.* Pareo.
Carril. 1,400 metros. .Animaes nacionaes at meio sangue. Premios : 350* ao 1., 80* ao 2, e 35* ao 3.*
Saltarelli
Incgnito.....
Ruy Ras......
Olga.........
13 annos
6
7 .
4
Zaino.....
Vermelho
Alazo.. .
Castanho.
Paran.........

S. Paulo........
54 lulos.
54
58
50 >
Grenat e amarello..........
Azul e branco.............
Preto e rosa..............
Branco e encamado........
J.W.
Arthur S.
Coudelaria 2 de Fevereiro.
6." Pareo.Prado Permamnucano.1,600 metros.Animaes de qualquer paiz. Premios : 500* ao 1., 125* ao 2." e 50* ao3.(
Gallia........
Vesper........
Casglioni.
Josepbus......
Africana......
3 annos
4
5
6
8
Uazo.
Zaino -.
Castanho.
Zaina....
Inglaterra.-
t
Franca........
*
Rio da Prata....
52kiIos J
53
56
54
54
Ouro e branco.
Azul, branco e encarnado-.-
Escarate e azul...........
Rosa e preto..............
Coudelaria Emulaco.
c c
Coudelaria Cruzeiro.
M. G.
Coudelaria Riachueo.
7." Pareo.iaaprenaa PeraaaalMacaiia.-1,200 metros.Animaes da provincia Premios : 250* ao 1.", 60* ao 2. e 25* ao 3."
Etna.........
Monitor.......
Arumary........
Good-moraing.
Mouro........
Rolo..........
Templar......
5 annos
5
5
5 -
7
5
5 <
Castanho.
Russo .'
Alazo .
Rodado
Alazo..
Baio...
Hodado.
Pernambuco.
54 kilos
54
54
54 .
56
54
56
Encamado e bonet azul.
Encarnado e branco....
Azul Iistrado...........
Encarnado e branco.....
Encarnado.............
Verde.................
Azul e encarnado.......
J. Oliveira.
roudelaria Pernambucana.
N.D.
Coudelaria Integridade.
J. Andrade.
Jos Cysneiro Costa Reis.
J. M.
WBJ
Incitaras.
Pery 2." .
Foguete .

8 Pareo.eaado.1,000 metros.Animaes da provincia.
5 annos.
6
5
Alazo........Pernambuco.
Russo........I
Castanho......I
Ouro e branco. ..........I Coudelaria 1 de Junho.
Azul e ouro..............[Francisco Flix Gongalves.
Encamado e azul..........ICoudelaria Pyrotechnica.
(*) Montado por amador. ^
OBSERVACOES
Os animaes inscriptos para o primeiro pareo devem achar-se no enailhamento s 10 horas da manhS.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-se no enailhamento urna hora antes da determi-
nada para o pareo em que tem de correr.
Os forfaiU serio recebidos at sabbado, 19 do corrente, as 3 horas da tarde em que ser encerrada
o expediente da secretaria para esta corrida.
O animal inscripto em mais de um pareo que deixar de correr no primeiro, n2o correr no segundo.
A directora tendo em vista grandes despezas que tem sido obrigada a fazer para bem satisfazer o publico,
resolveu no distribuir o numero de convites como de costume. Para tornar menos dispendioso, aos seus frequenta-
dores o divertimeuto tem adoptado o seguinte :
Cartoes com.direito a archibancada e ensilhamento...... ""JK
Cartees para um cavalheiro e quatro senhoras...... SH5
Archibancada............ ?O00
Geral.......... 1*000
Pensa a directora satisfazer ao publie oque tanto a tem auxiliado no bom desempenho da tarefa que lhe foi
confiada.
HORARIO
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8."
Encerramento da venda de poules
pareo.llfc. 50'
12.30
1.10.
t 1.50 .
2.30. .
3.10.
c 3.50. .
4.30.
Corridas
12k
12.40
1.20
2 0
2.40
3.20
4.
4.40
Recife, 16 de Janeiro de 1889.
O SECRETARIO,
Francisco de Souza Reis*








I

r
r
*
PBS
Bao de fentoc^BwMay 2d de Jaacfoo de JffiSW
OSBBT CLUB
Administracao dos Correios
de Pernambuco
PERNAMBUCO--
PROJECO
Para a 4/ corrida
Que Itwrt ter lagar
Domingo, 33 de Janeiro, anniversario
R^TTAIACO ME FHRNAMBUe
grande premio
da
.Ananaes da Provincia
i UMIH CONSOLACO 8* Metros. Animaee da provincia que an-
da nao tenham ,ganho. Premios 200j$000 ao primeiro, 500000 ao se-
undoe2ft0Q,ae terceiro.
f. Vil. COMPANHIA FERRO CARRIL AO metro*. Animaes de
menos de meio aaqgne. Premios : 8W|P800.ao praeiro, 75(J0OO ao se-
gundo c 30(J0O0 ao terceiro.
t9 mi^-n^TERNACIONAL- 1.SM Metro. Animaes de qualqner
paiz. Premioe 5800000 ao primeiro, 1341000 ao segundo e 50*000
ao tetceiro.
4.%Mk?a&- IjBftl Metro. Animaes da provincia. Premios: 500)9000 ao
primeiro, 150*600 ao segundo. 80i000 ao terceiro e 500000 ao quarto.
* 1\% tros. Cavallos nacionaes at meio sangue que anda nao tenham ga-
nho n'esta distancia no Prado da Estancia. I Premios 350*000 ao pri-
meiro 80*000 ao segundo e 35*660 ao terceiro.
* %1%M PROVINCIA DE PERNAMBUCO fr.OOO Metro. Animaes
d* .provinwa. Pnanios : 250*000 ao. prneiro, 60*000 ao segundo e
25*000 ao terceiro.
f." *V*%9 IMPENSA PERNAMBUCANA 1.IOO Metro. Animaes at
meio sangue. Prearios r 368B90 ao primejro, 79*000 ao segundo e
30*000 ao tereeiro.
9. f\%l,% INDUSTRIA PASTORIL 800 Metros. Aflimaes da provincia
at segunda muda feita. Premios: 300*060 ao primeiro, 50*000 ao
segundo e 20*600 ao terceiro.
Observacoes
Neoaum pareo se realisar sem que se inscrevam tres animaes de proprietarios
diferentes.
O pareo do C. raBd> tTrrmU Restaaraeoo de rernambooo nao
e realisar sem que se inscrevam cinco animaes de proprietarios differentes.
Serao somonte aceitas para cada pareo as doze propositas que "primeiro
ferem abertas.
A inscripcao ineerrar'se'ha sogunda-feira 21 do corrente, s 6 horas da tarde
aa secretaria do Derby Club, a. traca de Saldanha Marinhe n. 2., 1." andar.
Recife, 17 de Janeiro de 1889.
O GEREKTE,
ITFVRfAriC CHlTBL.
Por esta aiuninistragao e em cumprimento a
circular da Directora Geral dos Correios, n. 106;
de JO de Dezembro nodo, se faz publico para
conhecimento dos interessados o edital da mes-
directoria abaixo transcripto.
de Pernambuco, 3 de Janeiro de 1889-
0 administrador,
t/fonso do Reg Barros.
ra flrpl do Crrele*
mmai
De ordem do Exm. Sr. director geral, e em
campriaento do aposte no art. 8 do regula-
mento de 16 de Marco fiado, faz-so publico que,
do da i de Fevereiro dt;lt9, vao ser postas em
cireulacao as seauintes.formulas de franqua :
Sobra cartas selladas
0 sello fixo representado por urna moldura
formada por duaaellipsas-concntricas, tendo no
plano da menor a effigie de Sua Magestade o Im-
perador em relevo* branco; no da maior, tambm
em relevo brauco, as palavras -Brat-ao alto,
e o valor expresso em ris por extenso na parte
inferior, e finalmente as extremidades do eixo
menor dous pequeos polygonoe com o dito valor
indioad: por afgafiemos.
O funda da moldura as de 400 ris verde,
as de 200 ris preto, e vermemo as de 300
ris.
Cartasbilhete
0 sello fixo do valor de 80 ris, npresso no
ngulo superior direita e/representado por um
rectngulo formado de areseos vermelbs, ten-
do em urna ellipse central a efligie de Sua Ma-
gestade o emperador, encimad pela palavra
Brasil em Itttrag brancas, e teado em baixo as
palarras sitada rus o sobre estas, em sentido
obliquo, o uero 80 de cada lado.
A' direita do sello v-se urna fita com as pa>
lavrasCartas-bilbete,teado ao alto urna serie
de 20 estrellas brancas em fundo vermelbo,
em baixo o dstico: Neste lado s se escreve o en-
dereco. No ngulo inferior direita l-se a pa-
lavra Brasil em lettras vermelha?
Bilhete postaes
O sello fixo "de rotor de W res. O desenlio
igual ao da carta-bilhete, com a diflerenga ape-
nas de ser azul, e ter na fita direita do sello
as palavras Bilhete postal, em vez d'aquellas
outras.
Cintas estampilbadas
0 sello fixo estampado e desenbado como os
das so re-cartas, com a differenca apenas na in-
dicacao dos valores. E' roxo o fundo. do sello
das de 20 ris, azul das de 40 ris e eor de ha-
vaoa das de 60 ris.
Sellos para jomaos
Estes sellos sao maioresque os ordinario?, de
forma rectangular o cor de- laranja.
No alto tem,. em -ledras branoas, a palavra
Corre e em baixo a Brasil. Bm fita diagonal
l-se de baixo par* cima a palavra>jonsaes, ten-
do de cada lado o vplor em algarismo e a pala-
vra r*.
Divisao entrai do Directora: fiera! dos Cor-
retos-era; de Deiembro de 1018; O-Bub-di-
recter, Jos Francisco S&ares. ____
Associaao dos Empreados
no Commereio de Per-
nambuco.
Communico a todos os Srs. socios ote esta di-
rectora, tendo recebido a noticia do fallecimen-
to de seu muito digno e prest noso collega o Sr.
Samuel Halliday, reuni se hoje em sesso ex-
traordinaria e resolveu por aaaiinidade, alm
de um voto de profundo posar, inserida na acta-
associar-se a justa dor da familia do illustre col-
lega, tomando hito rigoroso por sete dias e que
a celebraco da sessao litteraria *m solemnisa-
cio ao 3* anniv*sarto delta associaoo, marca-
da para o prximo domingo, 29 deste; mez, fica6-
se adiada.
Por todo o tempo do luto Mear usrenso o ex-
diente.
Secretaria da directora. 18 de Janeiro de
1889.
- Augusto a 'Silva,
i secretario.
Recebedoria Provincial
0 administrador da Recebedoria Provinciarfaz
publico para cofl&eeStneirto dos-Interessados. que
o praso do art. 7o do regulamento de 7 de Outu-
ro de 1883 relativo- concessao doabate de 30
6/0 de que tracta o art. 4o da lei n. W66, termi'
nara improrogavefmedte no nWfto de Marco
prximo, pelo facto de coincidir o anno financei-
ro coia&a*it?M Recebedoria Provincial de Pernambuco, 19 de
Janeiro de 1889. .
FraoWeo'Amvothas de Canalho Moura.
CAPITAL
Em accoes de
Estando fttaado
8,000^00*600
200*000
4,000:000*000
Este HflWkxiinento desrraado a atrxihar e
desenvolver o crdito industrial e collectivo
de^ta provincia; Bas operacSesabrangerao to-
do; os ramos da actividade commercial e indus-
trial que offerecerem solida garanta.
A directora compor-se-lja dos sonbores
Luiz Xtitonio de Siqueira.
Jos Adolpno de Oliveira -ima.
, Antonio Fernandes Ribeiro.
- Manoel JoSo de Amorim.
Thomaz Comber
s quaes como Exm. Sr. Visconde de Figuei-
redo jaawnotporadores.
As entradas Scro de 5 / no acto da subs-
cripeo; 5 "i quando fr annunciada a assig-
natura dos estatutos.
As subsequentes entradas nao poderSo ser
maiores de 15 ), com o intervallo nunca menos
de 60 dias.
A sflfccriftao esta aberta para todas as pes-
soas que desejarem tomar parte n'esta impor-
tante .'ns'ituicao, no escriptorio dos Srs. Amo-
rim IrmSos 4 C, ou no Banco Internacional, a
contar do dia 7 de Janeiro inclusive.
3a Boaojtoii 11 Sflcrnaria da Presidoncia
i PevaaadMoo, em 7'de Janeiro de 1889.
Paco publico, de ordem do Exm. Sr.
Dr. presidente'da provincia, que se acba
aberta a concurrencia para o empreatimo
aterno e 8,600:000* (oito mil e -sois-
centos contos de ris), autorisado pela lei
provincial n. 1,927 det 15 de Novembro
findo, com o/ ip raso de qu are ota e cinco
dias, a contar ,da dato da primerra publi-
ca^ao do presente, ; para o recebimento
das respectivas propcatas, que serao apre-
sentadas nesta secretaria, em cartas fecha-
das.
Estas serio abertas pelo mesmo Exm.
Sr. s 12 horas do dia, em que expirar'o
praso -finado, com os prponentes presen tea
Nos termos da referida lei, o empreatimo
ser de quantiaique produsa a predita impor-
tancia de 8,60:000*Yoito mil e eiscen-
tos eontos de ris) liquida, a ser applicada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apoKo's^ de juros annuaes de 1 j0
(sete por canto), com excepclo daquellas
que tenham sido emlttdas por empresti-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agrcola ou industrial, bem como
para liquidacSo dos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888. *
A taza da emissio nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de ommssao
e o jaro nlo exceder'e 5 i0 (cinco por
cento) alm da qnota de amortisac&o, que
oto ser superior a 1 V, (um por cento),
sendo esta e aquelle ansfeitos semestral-
mente.
O secretario interino, Maitd JbtpiM
Silveira.
Pacific Steam Nvigatk
Company
STRAIT8 0F MAGELLAN LINE
O paqBte Gotopaxi
Bspera-se do sul at o dia
28 do corrente e seguir,
depois da demora docostu-
me para Liverpool por
Uaooa, Bordesa x e
Para carga, passageiros, encommendas e
nheiro a frete: trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sods k C, Limited
14BA DO COMMERCIO14
di-
g^
Companhia Santa Thereza
Agua eaa Oltada
Segundo o 6 do artigo 9 do Regula
ment da companhia, o pagamento da im
portancia da penna d'agu rornecida em
cala mez, se far na prmeira quizena do
mez seguinte, e na falta de pagamento po
der a companhia tnterromper o suppri-
mento d'agua.
A gerencia far cumprir restrictamente
este artigo, nSo admittindo ecepclo.
Escriptorio da companhia, 5 de Outu-
bro de 1888.
A. Pereira Simk*.
Em' virtud*i do que dispoe o art. 661 do
regulamento que baixou com o decreto n.
9,554 de 3 de Tvereiro'do 18"86, a ins-
pectora geral de hygienc faz publico,
peto praao de>8 tiaj ^ue o ciddae Cris-
po Cdrteia' Grespo, 'lire MMgo' a "seguinte
peticXo com documentos que atisfazem as
exigencias do art. 65 do citado regula-
mento :
Crispo' orreia Crespo, cidadio brasi-
ieiro, residente na cidade de Santo Agos-
rinho do Cabo, provincia de Pernambuco,
provando com os documentos que junto
offerece a V. Exx. aohar-so habilitado
[tara gerir pharmacia, de enjo serv90 tem
onga pratica, e como nesta cidade s exis-
te urna dirigida por pratico, e a Illma.
cmara deste municipio julga de necessi-
dade a abertura de mais um estabekci-
mento deste genero, por esta razio e de
conformidade com o regulamOnto que bai-
xou com o decreto a. 9554 de 3 de Fe-
vereiro de 1868, vem respoi tesamente re-
querer a V. Exc. digne-se conceder ao
supplicante a respectiva licenca para, de
accordo com o citado regulamento abrir e
dirigir nesta cidade, urna pharmacia.
Assim pede a V. Exc. delermento. E
R. M. -Cidade do Cabo, 1 de Dezembro
de 1888.Crispo Correia Crespo.So-
bre urna estampilha de 200 rs.
E declara que, se nesse prazo nenhun
pharmaceutico formado lhe communicar,
ou a inspectora de hygiene da provincia
de Pernambuco a reeolucao de estabelecer
pharmacia na citada localidade, conceder
ao pratico a licenca requerida.
Inspectora Geral de Hygiene, em 2 de
Primerra praca
Pela impectoria desta repartico, se faz pu-
blico, que, as 11 horas do dia 23 do cor rente
mez, na guardamoria desta repartico serio ar-
rematadas em praca aa seguintes meccadorias:
Seis depsitos vthos, de cobre, peeando 101
kilos.
L'rn mailro de pinbo, de mais de 20 at 40 cen-
tmetros de grossura,. medindo 11 metros de
comprime uto.
Um dito dito, de otis de 10 at S) centmetros
de comprimeiito.
Urna bajaba velha com seus pertenees.
Vinte e cinco faltas de cobre, vettas.jcsando
76 kilos.
Seis moitoes velhos
lima eseada chapeada de ferro.
l'm sinete.
L'ai candieiro velbo.
Cinco saiva-ridas.
Seia.pedacos de pao.
Tres pedacos de taboas velhas.
Urna aococa .velba com um pedaco .de cor-
rente.
Duas pegas de ferro.
l'm balde de ferro.
Tres arfes de fero/
Un aara poqurnai de (erro.
Uuas chapas de ferro
l'm virador velho.
Urna corrente velha de ferro.
Dous gneles.
Dous pharoes.
Duas redas de ferro.
Tres rolos de papel.
Tres, bitaculas.
Um tanto de pedacoa de foihas de rinco, ve-
lhas.
3* seeeao da Alfandega de Pernambuco, 19 de
Janeiro de'1889.
. chele,
Domingos Jos-da Fnsecai

minios
Companhia Brasileira de
Naveaacao Vapor
PORTOS DO NORTE
O rapor Manos
Commandante o Io tenente Guilherme
WaddingtOn
Ml E' esperado dos portos do sul at o
J3|)fc di 2v de Janeiro e seguindo depos
Q^da demora indispensavel para os
aoa^aWportos do norte at Manaos.
As enceoimendas sao recebidas aa agencia
at i hora ta tarde do dia da sabida.
Para carga, encoamendas, passagens e valo-
res trata-se com os ......
AGENTES
PORTOS DO SUL
vapor Alagoas
O
Commandante Jo-So
Mafia Pessoa
E' espetado dos portos do-norte at
odia de1 Janeiro e' depWs da de-
indispensavel seguir para os
portos do sul.
Recebe tambera carga para Santos, Santa Ca-
tharina, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande do
Sul, frete mdico
As encommendas s serao recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e Valo-
res traU-se com os AGENTES.
Pereira Caraeiro & C.
Royal Mail Steam Packet
Companhia
O yapor La Plata
Commandante A. H. Dykc
E' esperado do sul no da 20 de Ja-
neiro e seguindo depois da demora
necessaria para
8. Vicente, Lisboa, Southampton e An-
tuerpia
ReduccSo de passagens
Ida liaevolta
Ai Lisboa 1* classe 110 30
A' Southampton 1* classe 18 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens, fretes, encommendas, trata-se
cornos ____
AGENTES
Ajmorim Irmaos & C
N. 3Ra do Bom JessN. 3
a>ait riKMaaiOAi*a
DB
Maresaeio cMtelra p*r
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Mostoso, Antea-
ty e Cear
Tapar
O vapor S. Francisco
o
mi a
Commandante Pereira
Segu no dia 24 do corrente s 3
horas da tarde. Recebe carga at o
iia 23,
Enconanendas, passagens e dinbeiros afrete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Ceses da Companhia Permrmbueana
n. 12
Agente Burlamaqui
LEIL&0
Quarta-feira, 23 do corcente
A's 11 horas
X IWIIia a rm* do Imperador
a. 4S
De urna famosa casa terrea a ra de Santo
Amaro n. 32
0 agente cima legalmente autorisado vender
em leuo urna casa terrea, com tres norias de
frente, porto, janella e porta no oitao, a ra de
Santo Amaro n. 32, esquina, freguezia de Santo
Antonio rende mensalmente SKI.
Leilo
Da grande fabrica de vinagre e lieores da
ra do Bario de Trumpho n. 75
Constando de :
Vinagres, vinhos, licores, genebras, xaropes,
cognacs, tnicos, papel, rolhas, rtulos, pipas,
barris, garrafas e botijas.
Um alambique, fiteiros, dornas, bombas, cane-
cos, torneiras garrafoes, parces e muitos outros
artigos.
Em um ou mais lotes vontade dos compra-
dores.
uarta-felra 18 de correte
A's 10 12 horas
O agente Pinto legalmente autorisado levar
a leilao os vinhos, vinagres, licores, alambique e
mais pertences da fabrica da ra do Brum n 75,
em muitos e differentes totes a vontade dos com-
pradores.
Principiar s 10 1 [2horas
Ag<
_ente Pinta
0 da cocheira do caes de Capibaribe annun-
ciado por intervencao do agente Pinto fica trans-
rido para.outro da que ser novamente annun-
ciado.
AVISOS DIVERSOS
AJaga-sc casas a 8*000 no becco dos Coe-
lhos, junto de S. Goncallo; a tratar na ra da
Imperatr n. 6.
ta Aluga-se o i- e 3 andares ra estreita
do Rosario n. 32, e o i andar e sotao ra do
Fogo n. 35 : a tratar na ra da Imperatriz n.
16, 1- andar.
Aluga-se o sotao do sobrado n. 31 ra de
Harcilio Dias, com bons commodos para fami-
lia ; a tratar no armazem do mesmo sobrado.
GHARGEURS REUNS
Companhia Fraareta
DE
Naveeac
f.jpha quinzenal entre
Pernambuco, Bahia,
Santos.
O VAPOR
VlledeSan Nicols
a rapar
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
.
m.
C.Qmmandaute Henry
E'esperado da Europa at o dia 27
do corrente. seguindo depois da in-
dispensavel demora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-so aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 dias acontar do da descargadas alvarengas
qualquer reclamaco concernente a volumes que
porventura tenham seguido para os portos do
ful aRm de se poder dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao se
responsaOilisa por evtravios.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Augysle Labille
9-RCA DO COMMERCIO-9
Umted'States and Brazil
M. S. S. C. J.
vapor
E' esperado dos portos do
sul at o cha 31 de Janei-
ro o qaal depois da demo-
ra necessaria seguir
para o
MaraabSo. Pava, Barbadas. M.
Thomaz e IWew-York
Para carga, passagens, encommendas e di
nheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
O vapor JalOanca
"E'esperado'dos portos do
norte at o dia T de Feve-
reiro o qaal depote da de-
mora necessaria seguir
para a
Babia. Ufa de faaelro e Manto
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os AGENTES.
Henry Torster & C.
8Ra do Commercio8
Pandar

Aluga-se o 1- andar ra de S.. Jorgen.
120, com.agua, eaiado e pialado de novo ; na
mesmaran. 131, taverna._______________
Precisarse de urna ama para coembar : na
ra do Livramento n. 9.
Precisa-se de urna ama que engomme com
perfeicao roupa de senhora e de meninas, e que
durma em casa dos patroes ; a tratar na ra
Matriz da Boa-Vista n. 9.___________________
Na raa Baro do Trumpho n. 35, taverna,
est urna pessoa, vinda ha pouco de Portugal,
cidade de Lamego, deseja fallar com o 8r. Jay-
me Celestino Feixoto a pedido de sua propna
mai.
Peoral de Cambar
DO
Jos Alvares de Soza Soases
De Pehtas
Approvado pela Exma. Junta Central
de Hygiene Publica, autorisado pelo Go-
verno Imperial e premiado com duas me-
dalhas de ouro de IV.* classe.
O peitoblal DB CAMBABA cura perfeita-
mente a bronchite aguda ou chronica ;
O rarroBAL de cambar cura a asthma
por mais antiga que seja;
O peitobal DB cxmbar cura de una
forma, admiravel qualquer roaquidao ou
perda de voz ;
O peitoral DE.CAMBABA cura incontes-
tavelmente o tysica pulmonar;
O PEITORAL DE CAMBAR CUTa as tOSSOx
simples, as defluxfies tao fcil e rpidamen-
te que ao proprio doente causa admira-
cSo.
Este importante medicamento vende-se
a 24500 o frasco, 130000 1/2 duzia e
240000 a duzia, em casa dos agentes e
depositarios geraes.
Francisco Manoel da Silva & C.
23 -Tfcua Mrquez de Olinda23
14IS BE I0:0#0 CHAS
XQBTZ SO SBEaATKn
DORES DE DENTES
PREPARADO NICAMENTE
POB C'ALASANS & C.HA BABIA
Medicamento heroico contra os rheuma-
tismos, inchacSes, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia, etc., empregando-se em
fomentacoes sobre os lugares affeetadoa.
Cura o beri-beri, as paralysias e as d&ree
de den tes.
Todos os frascos levam direccoes para
uso d'este medicamento admiravel.
Proco 10200. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECDTE
Francisco -Manoel da Silva & C. ra
Marques de Olinda n. 23
t
4orfe
Sorba Catal
Clemente Me
csate
Maria da ConceicSo de Borba Cavalcante, Au-
na Cavalcante de Borba Moreira, Olympia Jorge
de Borba Cavalcante, Joaquim da Costa Moreira,
Tertuliano Delgado de Borba Cavalcante, Anto-
nio Joaquim Cavalcante de Albuquerqua, Franco
Cavalcante de Albuquerque, viuva. ilbos, gen-
ro, irmo e cunhados do finado Jorge Clemente
de Borba Cavalcante, agradecen] as pessoas que
se dignaram acompanhar os restos mortaes do
mesmo at o cemiteno e pede a todos os paren-
tes e amigos a caridade de assistirem as missas
que pela alma do (mesmo mandam celebrar na
matriz da Boa-Vista, quarta feira 23 do corren
te, s 8 horas da manha, stimo dta de seu fal-
lecimento, pelo que se cojfessam eternamente
MaaaMaW
Os abaixo assignados tendo dissolvido em
31 de Dezembro de 1888 a sociedade que man-
tinham debaixo da firma social de Silva & San-
tiago no estabeiecimento de mowdos sito A ra
do Coronel Suassuna n. 1, declarara ao respeita-
vel publico e especialmente ao corpo do com-
mercio que o ex-socio Jos Xavier Estolano San-
tiago retira-se da sociedade pago e satisfeito de
seu capital e lucros, ficando pertencendo ao ex-
socio Jos Luiz da Silva todo o activo e a exclu-
siva responsabilidade de todo o passivo da so-
ciedade.
Becife, 18 de Janeiro de 1889.
Jos Luiz da Silva.
Jos Xamer Estolano Santiago.
taUfceraaiM Aalia Peesoa
Luiz Gomes Bezerra, seus filhos. genros e no-
ras agradecem a todas as pessoas que se digna-
ram acompanhar o cadver de sua idolatrada
esposa, mai e sogra, Guilhermina Amalia Pessoa
Bezerra, at a sua ultima morada, e muito es-
pecialmente a veneravel irmandade do SS. Sa-
cramento da matriz de Santo Antonio, j:
sea comparecnento-e j pelo auxilio que
prestou' em tao acerba oceasiao ; e de novo as
convidara para assistirem amissa que se ha de
celebrar na matriz de Santo Antonio, as 7 horas
do dia 23 do corrente, stimo de seu enterra-
mento, confessanao-se eternamente roconhe-
crdos. ^^
t
Flrmino

Costveira e nudista raneeza
Madame Fanny Silva, tem o- seu atelier
de modas e costuras a ra do BarSo da
Vtctoria-n. 15, 1." andar, e confecciona
toda e qualquer toilette, com apurado gos-
to e elegancia, para casamentes, bailes, vi-
sita, 'passeios, etc., faz tambm mantele-
tes e capas sobre medidas.
Continua a ter um lindo sor timen t o de
novidades de Pars, vestidos de seda fei-
tos, e em cortes, de seda, gaze, velludo
broch e crfipe de chine, foulards, surahs,
sedas o ottomaaaa pretas.
Escolhido sertimento em vidrilhos pre
toe.
Chapeos, capotas'e visitas
Luto em i 1 horas
Telephone n. 93
BOA BABlO DAtVlCnOBIA. V. 15, 1. AMDAB
6=Rua- do Qbfmnerzio**6
1* andar
Jl
A^IflA
CAMA
PBBMA
DE
\avegaf io eosteira por Vapor
Vlagew directa ao Cear
O vapor Jacuhype
Commandante fisteves
Segu no dia 21 do corrente as
4 horas da tarde. Becebe car-
at o dia
r Tsr k
Encommendas, passagens e dinheiro 1 frete,
at s 2 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Mbsgor e Maco
Segu com bferidade para os portos cima o
Miate nacional Victoria; para o resto da carga,
tratase com o mestre bordo, caes do Loyo, ou
ra da Lapa n. 14.
Para o Rio de Janeiro
Segu com brevidade a barca portuirueza JVo-
! w Sonro. Para carga trata se com os consi-
Janeiro de 1888.- ofncial, r. Jp gnatarios Bailar, Olivelra C, naiua do Viga-
Antonio Pereira da >9Uva.
I rio n. 1,1* andar.
LE1L0ES
- Quata-feira 23 deve ter lugar o leilao da
fabrica de vinagres e licor da ra do Brum n.
75 em um ou mais lotes-
AgMle Brillo
Leilao
De commodas, aparadores, Carteiras, 1 guarda
vestido, lavatorios, mesas, secretarias, ca-
deire*de junco e de balanco,malas novas, ca-
bides, 1 armacao inglesa, j*ros, grande r-
tknetrto de miWfeeas-, mactrisas de costura,
compoteiras. papel para forro de sala, copos
e outros arffgos que se vender ao correr do
martello.
SEGUW>A-reiRA, ti DO CORRENTE
A's 10.1/2 horas
Ra Visconde Inhauma n. 48
Agente Burlamaqui
Leilao
Terea-felra tt o corrate
A's 11 horas
A' ra do Hospicio n. 51 C, residencia do
Dr. Antonio de Sampaio Pires Ferreira
DE KO\* K MOVOS MOVIS
0 agente cima, por conta e ordem do Dr. An-
tonio de Sampaio Pires Ferreira, que retirase
para a Babia, vender os bons e novos movis
existentes na casa cima, mobilias novas, toi-
letes, lavatorios com tampo de pedra, guarda-yes-
tidos, guarda-louga, aparadores, mesa elstica,
cadeiras de junco, lougas, vidros, tapetes, appa
relho de metal fino, facas, garios e muitos outros
artigos de gosto que estarao a vista dos Srs.
licitantes, em frente do porto vender duas ex-
celentes vacas deleite e o cavauinho Pequira
com sella engleza e Jock muito boro para correr
nos prados.
Cari Pereira de Burgo* Filho
Carlos P. de Burgos, sua nuilher e filhos ten-
do de mandar celebrar urna missa de trigsimo
dia em teucao d'alma de seu presado filio e ir-
mo Carlos Pereira.de Burgos Filho, &lleeido
em Palmares, convidam seus prenles e amigos
a assistirem a este acto de religio e caridade,
ae ter lugar na igreja de Nossa Senhora do
eren, s 7 horas da manha, de terca-feira 22 do
correntr. Desde j antecipam seus agradeci-
mentos.
Documentos perdidos
Pede-se a pessoa que tenia acado owe pa-
pis documentaes, perdidos n'um dos bancos d
estaco de Olinda, o especial favor de entregar
na ra Direita ns. 19 e 21, ao Sr. Domingos Bra-
ga- ^___ _______
Professor
No engenho S: Manoel, estaje Olinda, preci-
sa-se de um que saiba betnportuguez, a tratar
na ra do Bom Jess n. 19, f*andar, ou no'refe-
rido engenho : prefeie-se casado e de-boa con-
ducta.
Theotonio da '
Santiago
Emilia Wanderlet da Cmara, seus filhos e
genros agradecem intimamente;! todas as pes-
soas que se dignaram de assistir b enterramento
de seu muito prezado e nunca esquecido mari-
do, pai e sogro, Flrmino Theotonio da Cmara
Santiago ; e convidam as mesmas pessoas para
que se dignem de assistir as raissas, que pelo
repouso eterno do finado mandam celebrar na
igreja do Poco da Panella. e na matriz da Boa-
Vista, s 8 horas da manfla de 22 do corrente,
stimo dia de seu passamento ; agradeeendo
desde j as que comparecerem a esse arta de
caridade.
t
fcnilhe
Pewoa
lita Amalia
eaerra
Jos Leonardo Grego, sua mulher e filhos,- ten-
do de mandar celebrar urna missa na matriz de
Santo Antonio, s 7 horas da manha do diaJS
do corrente, stimo doenterraraeuto.de sua sem-
pre lembrada sogra, mi e av, Guilhermn:
Amalia Pessoa Bezerra, convidam as pessoas di
sua amizade para assistirem a este acto de cu
ridade, confessando-se sempre agradecidos.
t
Ooaaea
Caixeitt)
Precisare' de um com algma pratica d ta-
verna; na entrada do hospital Portugnez.
Vinho de
0 que ha de melhor
>asto
e-se pelo mdico
prego" de 3M00O o barril de 5 e 8*000 o garra-
rao de 3 caadas voltando o garrafito 7*500
(preJOs lquidos) : ra do Amorim n. 80. _
Pechincha
Aluga-se urna boa loja com muito boa arma-
gao, nova, ra Duque de Caxias n. 87 ; a tra-
tar "
' junto.
Criada
Precisa-se de urna pessoa para o serngo in-
terno de orna ca >a de pequea familia a tratar
na ra 1 de Margo n. 17, l andar.
Continua a fazer milagres l!
Julio Augusto da Silva Neves, primeiro pratico
da barra de Pernambuco.
Atiesto que soffrendo de rheumatismo gotoso
ha mais de quatro anuos, tomei a liberdade de
fazer uso do elixir de cabega de negro, formula
do Dr. Santa Rosa, e com tres garrallnhas deste
santo remedio, flquei completamente restabereci-
do, o que affirmo e juro se preciso fr.
Recite, 19 de Janeiro dei889.
Julio Augusto da Silva Neves.
Manoel de Ionio*
L anniversario
Jos dos Santos Moreira e Antonio Goncalve-
dos Santos, gratos memoria de seu nunca es-
quecido primo e amigo, Manoel de Pontos Go
mes, mandam dizer urna missa por alma de
mesmo finado, quarta-feira 23 do corrente, 1"
anniversario de, seu passamento, na igreja de N.
8. do Tergo, pelas 4 horas da mana ; convi-
dam aos prenles e amigos para assistirem a
esse acto de caridade e rctgio, confessando-se
desde j eternamente gratos._______________
t
A Viuva e mais familia do fallecido Samuei
Halliday, convidara aos seus prenles e amigo?
para assistirem as missas que pelo eterno repou
so de sua alma mandam rezar na igreja da San
ta Cruz, pelas 8 horas da manha do dia 22 do
corrente, pelo que desde j se confessam gra-
tos.
t
tviiam Martata
Virginia William Hartmann e seus filhos con-
vidam aos seus prenles e amigos para assisti-
rem as missas que por alma'de seu prezado es-
poso e pai, William Hartnann, mandam cele
orar no dia 22 do corrente, na igreja do Corpo
Santo, s 6 1/2 horas da manha, stimo dia di
seu fallecimento, pelo que se eonfessam eterna-
mente, agradecidos. .^^^^^^^^^^^
de
c
Thereca Emilia de Honia Leal
Jos Jeronymo de Carvalho e Domicio Jerony-
mo de Carvalho agradecem a todos os amigos
que acompanharam sua ultima morada a sua
esposa e mi, Thereza Emilia de Souza Leal, e
convidara de novo aos mesmos e mais aos seu<
paren tes para assistirem a missa do stimo dia
que ter lugar na matriz de 8. Pedro Martyr de
Olinda, s 8 horas, do_dia 21 do corrente.









V
t
w
I

io de P^aiambucoDo
mio^p
20 de Janeiro de 1380
iniBlm
f roque idas per un
cmcOUj do HIMTO.
MMiLl
sdleo
eaepree/o
CONCENTR
BMvAIS S3b^=
fi
BRAVAIS
saKcsr-"
0 FERRO
MAYIS
"-ssr.sx.ir
lUMMOMt IMITSCOS*
Exisfraflrma
Xt. flBAVAM
Mstil* u aar aarls tas <.
IPPROVAQQ
da Junta u Hygiene
d Hio di Janeiro
Ao.
ELI2
Aperiente Tnico Febrfugo, este prod
um sabor agradavel superior aos vinhos de
contra as Affeigoes do Estomago, Febres antigs
RecoK*pe*t&n fe 16,600 franca* ac Zjiroche
ina-Laroche
APPROYAQO
da Junta a Hygiene
di Blo de Janeiro
ICa^aUhaaMOUltO,
to.
reducto de j
quinquina 4-
tigas, etc.
-viisroso
O mesmo Ferruginoso muito recommendado contra
a Decolorarlo do Sangue, Chloro-anemia, as Conse-
quencias do Parto, etc. asi*, ao aa.
rom Orauot narmacialk
Criada
Na -ra da Unio n. 27, precisa se de urna
criada para cuidar de duas enancas, de 5 e 3
annos de idade eque saibaeBgommar, prefere-se
idosa.
PRECO SEM COMPETENCIA
A' roa Primeiro de Marco n. 20
lwwt
Fichas de malha a 24000 um.
Fustao Branoo a 360 e 400 rs.
Atoalhado bordado a 1(5200 o metro.
Alpacas indianas a 320 rs. o covado.
Ditas mescladas a 600 rs. o covado.
Ditas lavradas a500 re. o covado.
Batistas finas a 140, 200 e 240 re. o dito.
Brim pardo a 280 e 320 re. o dito.
Baleias pretas a 260 e cobertas a 500 re,
a duzia.
Bicos de urna s c6r a 20 a peca.
Bramante trancado a 800 re. o metro.
Brins de cores para crianca a 260 re. o
covado.
Bicos matisados a 20500 e 30 a peca.
Cumbraias bordadas a 40 a peca.
Cachemiras de quadros a 260 o covado.
Cortes de seda para colete a 50000.
Ditos de linn era cartSo a 70000.
Colchas de damasco a 60000 urna.
Cretones de alsace a 360 re. o covado.
Cambraia arrendada a 460 re. o dito.
Cachemira da India a 220 re. o dito.
Chales adamascados a 20500 um.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Colchas de cares a 20 e 20500 urna.
Cortee de casinetas a 10500 tun.
Chambres a 40500, 50 e 60000 um.
Cortes de setineta a 60000 um.
Cambraia Victoria a 20900 a peca.
Camisas allemles a 380000 a duzia.
Cachemira de duas larguras a 800 rs. o
eovado.
Cretones claros a 280 e 320 rs. o dito.
Colchas de fustao a 30500 urna.
Camisas de meia a 10000 urna.
Ceroulas de bramante a 150 a duzia.
Esguiao pardo a 360e 400 re. o covado.
Espartilhos couraca a 50000 um.
Entremeios bordados a 700, 800 e 900.
Completo sortimeoto de casemira e brinB, coarinhos,
es, bolsas, richs, leos, leques e muitoe outros artigo.
o covado.
Dito de cor para roupa a 800 re. o dito.
Guarnilo de crochet com matizes.
Gazes de cores a 500 re. o covado.
Guarda-p para hornean a 60000.
Grinalda para noiva a 80000.
Guarda po para senhora a 80000.
Len908 com barra a 20000 a duzia.
Loque a gTS-duquexa a 20000 um.
Lencos bsancos a 10900 e 20000 a duzia.
Lava* de seda a 20 e 20500 o par.
Linhos de quadros a 80 rs. o covado.
Lis esooseezas a 100 re. o dito.
Linn de cores a 500 rs. o dito.
Merino do cores, duas larguras, a 800 rs.
o dito.
Meiaa com pintas, para senhoras, a 800 rs.
Madapolao americano a 6000 a peca.
Meias para horneas a 30600 a duzia.
Extracto Porte-Veine a 10400.
Popelina branca, de seda, a 800 rs. o co-
vado.
Paletots de seda palfaa a 70500.
Ditos de alpaca preta a 40500.
Panno da costa adamascado.
Pacotes de p de arroz a 500 rs.
Percales fi aa a 200 e 220 rs.
Roupae pasa banhoB salgados.
Regatas de cures a 10000 urna.
Sabidas de baile a 20000 urna.
Suspensorios americanos.
Sargelim de cores a 200 re. o eovado.
Setim de cores a 800 e 900 re o dito.
Dito do Japio a 240 re. o dito.
Toaihas para rosto a 30600 a duzia.
Ditas para banho a 10400 urna.
punhos, leos, toni-
O Vigor
do
Cabello
do
Dr. Ayer.
Preparado Sob
Bases Scientiflcaa
E Physiologicas,
para o
o covado.
AMARAL & C.
Toncado*
0 Vigor do Cabello
Do Dr. Ayer.
Devolve, com o brllho e frescura da jnvenl'iJe. ao
caballo ariaalho ou branco urna rica cor natu-
ral, CA&tanuo ou preto, como se deseja. Pek* seo
uso. ao casco claro ou rflxo pode dar-e urna cor
escura, c grossura ao cabello nao. emqaanto que
frequentcmente cura a calvicie, porem nem sempre.
Irapede a queda do cabello, estimulando o dbil
enfermo a crescer rigorosamente. Reprime o pro-
gresso e cura a tinha e caspa, curando quasi todas as
doeneas peculiares do parlcranao. Como CaSaaaH
ce para afortrsasear o cabello das Senhoras o
Vigor nio tcm rival; nao contera axelte ou tinta al*
fuma, loma o cabello suave, brhante e sedoso na
apparoicia, e oommunioa-lae um perfume delicado,
agradtvel e permanente.
1-IIEl- 1UDO PELO
DR. J. C. AYER h CA
LoweU, Mass., E. U. A.
A' vwitlj uas prinoipsaea jrsmrmMTin ^
1S Pltlt
DOENCAS
-DO-
ESTOMAGO
E DO
FIGADO.
DE BRfSTOL
FC.'MEHTE YEGETAES
silo o meihor Purgante e o Remedio
Siail efficaz contra os ditos males.
Reguiarizam a Digestao
PURIF1CAM A BILIS
e curam radicalmente
A DISPEPSIA.
0 COELHO
Novo estabelecimento defa-
zendas finas e modas
56-~Rna da Imperatriz--^
Recebem directamente da Europa o que ha de
mais novidade era tecidos defantazia e fino pos-
to. Completo sortimento em fazendas de todas
as classes e precos sem competencia.
Telephone 489
Pao centeio
Mille & Biset, avisam ao respeitavel publico,
e todas as tercas e sextai
Serosa pao;
que todas as tercas e sextas-reirs, tem este sa-
rna larga do Rosario n. 40.
Carolos de algodo
Compre-se earoeos de algodio ensaccados, en
treges nos armazens, ra do Bario do Trium
o ns. 10, 12 e 14; ao proco de 380 ris por 18
os.
Alcatro Guyot
Q.
to.
i i
aaraa da alcatrto a mais agradavral.
DRON OUYOT taro sido w .
com grande xito no Hospitaea
tlBfJMiln najonJermklaPasT do
ULMES e 8AR6ANTA
meATARRHOS da IEXI8A
DISPEPSIA
O OOUOHON OUYOT oonatitoa ni
taniht do calores e em tempo da pdsmjas
TWaiSa satis feTgtauea.
As OAPSULAS
tetada
BsjntlSM
As CAPSULAS _
m aaa anarmidadea aecauta* i
T0SSAS TEHAZEt
TSICAS, IRONSHITAS, ASTWMA
BESFn". AMENTOS
es O A MU LAS OUYOT sio
iB|reaaa ea prato a
mhmolatm
exigir
MmCrXIPTA. K
Firme.
: TFUT.M
TO.
Pahrica : Casa L. PRERE. 19, roa Jacob, PARIZ
PERE1RA ft MAGALHAES
iiquid
Recebedores directos dos mercados da Europa
t
as
lam ossgumtes artigos com descont de 14
vendas em grosso
Bramantes de algodo superiores,.a 800 rs. o metro, 4 larguras,
dem de puro linho faaenda de 20200 para acabar a 10500, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a.700 rs., 10100 e 10200 o dito.
Algodo alvo, nacional, para lenyes a. 50609 a psea.
Madapolao americano, a 30600, 40000 e 61000, cora 24 jardas.
Maripozaa de cores a.220 rs. o oovado.
Chitas clara e escuras, corea finaes, a 200 nv o dito.
Batistas idem a 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhoa, a 00, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito..
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o uto.
Fich* de renda chics a 10000.
Colcha francesas de coros a 20000 e 40000, runa.
Lenpoes de bramante a 10800, para cama d casal.
Casimira de odre para roupa- de chanca a 10000 e 10600, diagsasl, duas
arguras.
Camisas inglesas eafranceras a 260000 e 300000 a
Tapetes aveludados, grandes, a 140000 um.
Cortinados ricamente bardados a 50500 e 60000-
Pannas de cores para mesa a 10100 e 10300 o corada
Cheviot preto e azul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veintiunos de cores e pretos a 900 rs. o dito.
TWr^*1 austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
Setins de toda as eres a 900 rs. e dite.
Setinetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglesas para horneo a 20500 e 30000 a duxia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito.
Cortes de easemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de meia casemira a 20000.
Toaihas grandes para rosto a 40000 a dnsia.
Idem felpudas para banho a 120000 a dito.
E muitos artigos que serSo lembrados com a presenca de nessos leitores.
59Ra Duque de Caxias59 *
LO JA DE
PEREIRA A MASALHAES
4>
ESP-1
ADMBflSTRAgAO :
AKIZ, 8, BonlsTsrd Montsacrtra, PARIZ i
PA8TILHAS riOESTIVAB fl rlcadas ru
viohy com os S&texcrahuiof j Foiitet. Sao
de Boato agradav jl e a sua aocA e corta con-
tra a Azta e as VifttKft iifflc- $
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, pro-
p&e-se a leccionar em coUegios e casas particu-
lares as seguintes materias i Portognee, Fran-
cei, Msica e Piano; a tratar na ra Visconde
de Albuquerque n. 10. ________^_^__
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annos,
que tenfaa alenma pratica de molbades ; a tratar
na ra de S. torge n. 89. ____
VnJio de Collares especial e
da Madeira !

Em decimos e caixa de duzia, tem para Ten-
der Joaquira da ?*ilva Carneiro. largo do Coreo P> Janeiro ae i
Santn. 13, i- anear.
J^^ ttendite
Jos Samuel Botelho avisa ao respeitavel pu-
blico que anda continsa a fabricar Bouquets do
mais afamado gasto, para casamento ou outro
qualquer acto, assun como capellas mortuarias
ae perpetua; a tratar na ra Nova n. 40. loja de
miudezas ou na ra da Cadeia do Recite n. 43,
loja de selleiro.
Architeetura
Andr Rompcke prepara, guarnecidos de to-
das as cores, garantindo a conservacao das mes-
mas, tanto para o exterior como interior de edi-
ficios ; os pretendentes poderSo deixar suas or-
dens na merceara ra da Imperatriz n. 2.
Censor
Um moco titulado pela Escola Normal e o?l-
dante de direo, oftereee-se para ser censor em
qualquer collegio deatm cidade, mediante ali-
mentacao e qualquer pensao : qjuem quiser uti -
lisar-se de seas senicos, pode dirJgir-seao es-
criptorio deste Diario em cartas fechadas sob as
inieiaes S. G.
FABRICA
DE VIDROS
198 Ra d Aurora 193
Expoe. venda em grosso
e a Fetalho os productos de
seu fabrico: sendo
Copos com e sem pe, ditos
com aza para cerveja, cli-
ces, globos, chamins, frascos
para botica etc. etc.
Precos sem competencia
Ao commercio
Os abaixo assignados declaran que nesta data
diasolveram amigare!mente a sociedade que ti-
nbam no estabelecimento de molhados sitol
travessa Duque de Caxias n. 9, que gyratR
sob a firma de Antonio Marques a C, saninde
o socio Marques pago e satisfeto -de seu capi-
tal e lucros, ficando responsavel pelo activo a
passivo da extincta firma a socia D. Hara Eu-
Eenia Crrela. Desta data em diante o dito eeta-
elecimento gyrar sob a firma de viuva de Ber-
nardo Jos Correia A C.
. Recife, 16 de Janeiro de 1889.
Antonio Leite Marques.
Mara Eugenia Correia.
Contra
FUNTiCES SUPFOCACES
RROIBiOuES di \VMW
IITERMITTEMCIAS STlii
toaos os lncommodos considerados como
preludios das
MOLESTIAS DO OORAOlo
Os Htico ssoass/Aam o inerefe dos
Granulos Antimoniaes
Dn PAPILLAUD
Relatarlo fatormel da Acudemia de MemUetna
sxua-sa a asaiaaATuaA
tato gni: p. cicoi. 7, m caq-Bra, riB
la Pirotmbno : FBAN- M. da SILVA 4 O.
Frwisa-se
de urna criada : a tratar a ra Mathias de Albu-
querque (outr'ora ra das Flores) n. ti.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, com
.tica de 11 annos de profissao, a presentando
irersos atteetados de bom methodo e comporta-
ment, offerece-se para leccionar em casas par-
ticulares, na cidade ou em seus arrabaldes as se-
guintes materias: Portuguez, Francez, Italiano.
Geographia, Piano, trabalbos de agnlba, etc.; a
tratar a roa Visconde de (oyanna n. 69 on em
casa do Regulauor da Mannhara larga do
Rosarios. 9.
Cozinheira
Precisa se de urna boa cozinheira que durma
em casa dos patroes, para casa de pequea la-
milla, na ra do Conde da Boa-Vista n. 24 P.,
portao de ferro.
PASTA
MACK
_________________________ seperUiiM
ste-Isweutor:H.aUCS, Dlm 0.'V
A Paste Maca fea]
csrtoes elerantisaV
moa da 8 uboiBkal
6 na novo e mar*
vilhso Brapaiada
proporcionando OB
baako delicioso
fcTgilco, e nal
aaaaUsats agaa da
temfier.
Este Paste ataek
goza de fama uni-
versal, aformoit* S
saavlsa a eatia, s,
como nfraseaste,
sasera todo amaata
ss coaaees ate hoja.
Vende se em todas
I aa pharmaclas, dro-
Sites
Ing^ez
AVISO
A abaixo assignada previne ao publico e ao
commercio desta cidade, que nio facam traasac-
co de especie alguma com a parte do sobrado
n. 11 sito ra estreita do Rosario, pertencente
a Manoel Sodr da Cunha Motta, e nem outro
qualquer negoeio, sob pena de ser nulla toda
" i feita pelo dito senhor. Recife, ti
Laurinda Martina Rio.
transaeco
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seu amigos e fre-
gueses em gem que reoebeu pelo Urtizao
vapor de por precos mais resumidos em vista
da continuacSo do cambio favoravel.
Convem que experimenten!.
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
Para oDerby
Carlos Sinden receben grande sortmen
4o de gravatas e camisas de cores proprias
para os amadores do Prado e esta venden-
do por preeos sem competencia.
Receben tarnbem collarinhos e punhos
de borracha de formatos novos.
48BTU. BARAO DA VCTOBiA'-48

FUNDICO GDRAL
ALLAN PATERSON & C.
N. 44Ra do BrumN. 44
JUNTO^AgSTAAO 'Be8 B0NB8
Tem para vender, por presos mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Orvacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serr* circular.
Oradeamento para jardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de liados modelos.
Portas de fbrnalba.
Vaporea de forca de 3, 5, e 6 cavalloi.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de paadora.
Rodas d'agua, systeana Leandro.
Encarrogam-se de coscertos, e aasectamento de maenmisme e executam qual-
quer trabalho com perfeicao e presteza.
Em rirtude de ter sido muito procurado e nao
podido satistazer. asa pedidos de todos, mandei
chamar um collega da Inglaterra (Mr. Dick) que
j se acha no caso de receber discpulos de m-
glez pratico.
/. Fanstone, ra do Progresso n. 2.
Me, J. Fanstoib, tendo de moditicar a lista de
seus discpulos para o novo anno, pede as
Ewnas. familias e sensores que tm-o honrado
no passado que communiquem-lhe os seus dese-
jos para que elle nao falte na attenco devida
aos Illms. Srs. seus discpulos.
Os Srs. doutores desta praca que teflham co-
nbecimento de ingles e que queiram se aperfei-
coar na pratica, dirijam-se a J. Fanstone, n. i a
ra do Progresso, ou na asa Evanglica n. 4.
na estreita do Rosario.
Tambora para makuv commcylidade das pes-
soas empregadas nocommercio tenho resolvido
abrir um curso nocturno de inglez pratico, o
qual fuDccionar no 1 andar da casa n. 4, ra
estreita do Rosario.
nico professor ame-
ricano da lingua inglesa, pode ser procurado
nos sasbados ra Conde da Boa-Vista n. 28,
sobrado defronte da estaco da Soledade.
Caotelas do Monte de Seccorro
Compra-se cautellas do Monte de Soccorro de
qualquer Joia, brilhaotes e relogios; paga-se
bem na Praca da Independencia n. 22, loja de
relojoeiro.
Precisa-se de urna criada
)ara o servieo> de urna fami-
ia,a tratar na ruada Sole-
dad? n. 82.
Escola nocturna
Os professores Julio Soares de Azevedo eTho-
Caralcante da Sflveira Lias, declaram ao
ELEIR ANTINERVOSO P0LYBROMOHAD9
U IAUORY. PM*mc*ueo d i* CUmbb.
km centm est saaejcaTsppsicAo os bromuretoade potasslo, de sodio
ate eenrbiaados, de usa sabor saxadasaa a ssmsts
ase pasas pssoas, que ten bao um es,-' j mago delicado.
vierio oooorsiar a sua immensa etticacia contra a i
__, a AaitAC duraatej a noite, e as Pslj
.te a exttabilidade nervosa. Administra-* tatabras ceso
mi miis* das cnagnpa e aa senhoras que soaresads
__ attaquas ds ervos. Empregado coavenientemeaU, i
Elixir 6 um auxiliar podero30 da ssedicna contra o hyatsrlsao, a epOapsia i
da Sao Guido. A dcaa A de 2 at 4ct lheres por dia,seis aaatahi e tarde.
lm PA.RIB, B, Ru Vtremete, e jm
Ns
TONIOO
VINHO
Quina,
FEBfJfl/60 REGENERADOR
doutorOHANNO
Coca, Extracto de Carne e Hypophotphito
SaaaraanrUo-sia nos casos que necessitio tnicos pata
o organismo arruinado por molestias, excesaoe. naturen o elioos,.
amanoi-rneav, Caobexla., riuxo luasioa que lauto arruino a
Vobreaa de Banarue, rrmqaeza cersi, Xeblllda.Se, etc.
saude das nwJnsre*,
S. Vivan, DroBulsta, 60, Soulevava As atrasbeurtT, em PABX8
>ooooooooooo;
rxpssttariss em Pirntmbuoo ; Isla IstrUltiC.
(Sjsjam
mmus,
P CLERV Vende-M tu Mttmrt
Aluga-se barato
Ra do Rosario n. 39.
Ra do Calabouco n. 4 Io andar.
Baixa Verde n. i C. (Capunga).
Ba Visconde de Itapanca n. 43, armazem.
A ra do do Calaboco n. 4 loja.
Largo do Corpo Santo n. 13 i andar.
Ra Santo Amaro 14 Io andar.
Ra Vidal de Negreiros n. 43.
Trata-se na ra do Commercio n. S, !. aadas,
escriptorio de Silva Guunaraes & C.
Aluga-se
as casas n. 39 ra Vidal de Negreiros n. 130 i
ra Coronel Suassuna, e um sobradinho em Afs-
fados, com bastantes arvores fructferas, ae
eeco do Quiabo n. 64 : a tratar na ra MerctS
Das n. WK
AMA
Precisa-se de urna boa en-
goznmadeira, na na Duque
de Caxias n. 4 2, por cima da
typographia do c Diario.'*
Precisa-se de urna ama
Santo Amaro n. 6, 1 andar.
a tratar na ra,de
Ama
Precisa-se de urna ama para eosinhar, para
casa de pouca familia ; na ra do Livramento n.
22, 2- andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para casa de pequea
familia ; na ra de Peysandu n. *a__________
maz
respeitavel publico que aeham-se abertos os
trabalho de sua escola particular de instruccao
primaria (nocturnal, ra do Cotorello n 34
a qual funeciona das 6 as 9 horas. Os meamos t* n. 21, 2o asdar
estabeleceram o mdico prepo de H para os que
poderem pagar, leccionando gratuitamente aos
pobres. ___ ________
Ama
Precisa-se de urna amr para comprar e eosi-
nhar para casa de pouca familia : a ra da Pe-
Ama
Tvpogaphia e LiliaO^raphia
PABBICA DE LTVR$8 DE ESCMPT-
gjf>
Pressiada bm eipaalfts de
Manoel'J. de Miranda
Cncadernasao e especialidades em cartees de
visitas.
39--Roa Dn^ne de Caxks-39
Telephone n. -14.
Mercearia Equidade
Roa de Borlas n? f
Grande variedade de vinhos engarrafados, por
commodo prego, e superior qualidade, recebidos
directamente, como sejam: vinho de Pasto, Col-
lares, Figueira, Verde, Palhete, Moscatel, Malva-
sia. e outro se igual, especial para senhoras-
Vende-se superior carne, secca deporco, vmea
do sertfio, vinho fino do Porto a retal bo. -
Cosinheira eetiado
Precisa-se ; na ra Veha u. 137 sendo o cria-
do menino ou rapas.
SAES DE V1CHY PAM BAKH08, Cm roto para um Dando, para as pessoas que nio polcm ir
Mr evitar as iwUtafde exigir em todoe os prouccei a
, Vichy.
Esa Perttambuco, f Pnimetm acaaa seals-ss em casa Je auu.ia
A ras.da Crs. Aua lassiulc.
KOtCMLIN,
??? ?
VINHO MARIANI
OOOA do f>acnu
_ qas( eipar
com MUMn
Aviso
Aos Exms. Srs. paes de fa-
milias
0 professor titulado Joo Feixeira Bastes, con-
nua a leccionar nao s emeasa de sua residen-
cia, como em casas particulares as materias, que
constituem a instruccao primaria das 3 s 6
horas da tarde.
Curso especial: portuguez, francez, geogra-
phia e historia das 4 s 6 da tarde. <
Aula nocturna das 7 s 9 daynite-
Mensalidade adiantada feita no acto da matri-
cula.
ARuadoCaldereiroN. 7 A
Precisa-se de urna ama que saina lavar e en-
ommar, para casa de pequea famia ; ;ta ra
o Livramento n 24, 2- andar.
Aa
Na ra Formosa n. 8, precisa-se de orna boa
cosinheira e engommadeira, e que durma era
sasa.
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar
de familia; a tratar na roa dos Guarara]
ara
n.
Ama
Precisa-se de urna ama para eosinhar, pasa
casa de familia de tres pessoas ; na-fOa Verba
numero 69.
Ama
Precisa-se de urna aau para eeaabar. para
casa de familia ; ua ra Duque de Caxias n. 3A,
loja.__________ _
Ama
Precisa-se de orna ama pan aagenjauar em
casa de pouca familia ; a tratar na su Baque
de Caxias n. 48, loja. __ ___
Ana
Precisa-se de urna ama para eosinhar
da Madre de Oeus n. 5, 2- andar.-'
na ra
Ama
i para
na ra Nova n. 20, loja.
Ama
Precisa-se de urna ama
prar
eosinhar ecos
J:l
Criado
Precisa-se de um criado ; na ra de Paysando
numero 19.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 10 12 annos,
com pratica de molhados e que d fiador sua
conducta : a tratar na ra < onde da Boa-Vista
Sa| prefere-se brasileiro.
Precisa-se de urna cosinheira para_
Souca familia ; na estrada de Joao de
i, ourua do Vigario n. 4.___
^ma
Frecisa-se de urna ama para eosinhar. -pa-
casa de familia : a tratar na ra dos Gun rajan*.
numero % '^1
Aia
Na ra Mrquez do Herval n. 61, .-cbiado,
precisa-se de urna ama que cosinhe.
Amas
Precisa-se de duas amas pasa casa de peque-
a familia, sendo urna para cosinha e outros
services domsticos, e de outra para larar e en-
gommar : na ra do imperador n. 40.








r *


I





I

tario de Pernambuco -Doiningo 20 de Janeiro de 18$9
GRANDE ESTABELECIMENTO
_._i
PIANOS E MSICA
OTADO E\ 1851
43-RUA DOS OURIVES-43
J. BSVILACQUA
Participa ecs seus nuajoroaos fregu zes do interior que tem s mpre no eeu estabelecimento o maior e maia escomido
oitimento de piscos dos melbores autcrei.
do* Biac8 de
^yg.C^FVMf^tlaatiaal (primeiro fabricaule da Ajlemanba)
Conatrnirtoa cera chupa inteir* de motel, propria para c
Cordtts entizadas,-grande soaorllade, pe rfel cao, duracSo e solidez
G-JVJB.JL3NTXXID(OS
PUTEI. CTX', ^VS:, 2112, S0I3SSL0T E 0UIS02
Bj*. O. Catalogoa e preeos etrrentta borlo reicettitina gratuitamente a quem es pedir;
grande: .officina para concertar pianos
nosso clima
m U S I C A
D
todoa es editor's d'Europa pura piano, rento, iostrurcentos, orebeatra e banda militar.
MI.1IAT4Tt\ MC'SBCAiLRi c lbum > o riten do aete per, as de msica, araauach e estalogo de persa eacolbidaa
Quom nos rcmetter 520 ra. enviaremos a MINIATURA.
Aa enconirneudis qu nos forem dirigidas arrio despachadas com msi;r brevidade, desde que venham acompanbadas
de leu valor.
N. B. -O tbf-timectos aerao propeg-icoados ao vi.Lt' das encomiendas.
11 Grande officina para gravar e imprimir msica
Aa peasoaa que'qufzerem maoder cuitar tu s comp ei^Ses devoic remcUer-noa os manuscritos para aerem .formadas da
AO TOREADOR
Lima Coutinho &.C.
43RA DUQUE DE CAXIAS43
Defronte da Praelaha da In-
dependencia
Este novo e3tabelecimento intitulado
AO TOREADOR vende sem competen-
cia, como ,is Exmas. familias poderSo
analysar pelo seus preeos.
Lanzinhas de quadros a 60 rs. o covado.
Ditas de ditoa a 200, 240 e 280 rs.
Merino de quadros, bonitos padrees a
306 rs.
Ditos Usos enfestados a 480 *s.
Baptista e nanzuch finos a 140 e 240 rs.
Mariposa branca-e de cores a 240 rs.
Chitas finas cores fixas a 200 a 240 rs.
Ditas forlaidine a 240 rs.
Cambraia branca bordada a 40500 e
4-J800 a peca.
Dita Victoria, fina, a 20800 e 30500 a
pesa.
Seda de Japao, lindissimos padrSes a
200 rs. o covado.
Dita da Persia, lindos padrSes, a 180
rs. o covado.
Sargelins de todos ascGres a 160, 200
e 240 rs.
Setinetas lisas, largas, a 360 e 400 rs.
Merinos pretos finos a 800, 10000,10200
e 10500.
Colchas para cama a 10800, 20000 e
tfgOOO.
Cortes de casemira de cor a 20500 e
30000.
Casemira preta, duas larguras, a 10800
20 e 20200.
Madapolo superior com 20 varas a 40,
50000 e 50500 a peca.
aIS BABA*1'
ALojadasListrasAzues
i
espesa.
PRECOS LI
3DE
I
-
J. BEVILACQUA
43-RUA DOS 01MVES-43
Rio de Janeiro
Caixeiro
Precisase de um caixeiro que tenha pratica
de negocio de molhados ; a tratar no caes do
Raaios n. 28, armazem.
20OOO
Aluga-se a casa n. 16-C ra do Riachuello,
na Boa-Vista ; a de n. 16-D junio, por 185000 ;
as chaves acham-se no n. 16-B, a trata-se na ra
da Guia n. 62.
VENDAS
Vndese urna taveraa na ra Visconde de
Goyanna n, 62, bem atreguezada, com agua e
gaz encanados, e comraodo para familia, vende-
r pelo motivo do dono achar-se doente e querer
retirar-se para Europa : auem pretender dirija-
ae tratar na ine9ma._ _^______________
Vende-se um estreiecimento de moldados
com proporcoes para grande negocio ; na praca
Conde dEu n. 18. __________
Vende-se o antigo e bem afreguezado es-
t&oeleciaieto de calgados nacionaes da ra do
Livramento n. II, o qual se torna recomminda-
do pela boa localidade era que est ; a tratar
ao mesmo.
Vende-se urna taverna no bairro da
Vista ; a tratar na ra da Imperatriz n. 35.
Boa
Cimento Portland
' Vendem Soares de Amaral Irmaos, ra da
Madre de Deus n. 22.
QUBIJOS PlUYM
Cem caixas chegadas pelo
Ville do Lear
Dito
americano, sivoerior, a 70200 a
para
lenco
es a


I
JSahem hoje da alfandega estes preferidos queijos
que desta vez chegaram sem nenhum defeito: podem veri-
ficar os Srs. mereieiros as casas de
Domingos Cruz & C.
Fernandes da Costa & C.
Joaquina Duarte Simes & C.
Costa Lima & C, e
Charles Pluym.
peca.
Bramante de algodao
700 e 10000 o metro.
Dito de linho superior, com 10 palmos
de lagura a 10600, o metro. *
Guardanapos de linho c algodao a 20 a
duzia.
Toalhas felpudas a 30 e 40500 a duzia.
Atoalhados para mesa, lindissimos pa-
drees, a 10200 o 10800 o metro.
Dito trancado, alvo, a 10000 o metro.
Lencos brancos com barra de cor a 10200
a duzia.
Ditos superiores, de linho e algodao, a
20200 a duzia.
Enxovaes para baptisados, completos, por
todos os presos.
Entremeios \ babados bordados por todo
preco.
Bicos de todas as cores para enfeitc de
vestidos.
Baleias cobertas e descobertas.
Arcos cobertos para anquinha.
Camisas brancas para homens e meni-
nos.
Ditas de meia para homens e senhoras
Tapetes de todos os tamanhos.
Manda-se fazer roupa por medida e da-
se amostras de todas as fazendas.
Lima Coutinhd & C.





Vendem Fonseca Irmo
dega.
Cimento
no largo da Alfan-
FOLHETIM
assDi(iasDa
POR
JULIO MARI
TER c i:i II
1 PARTE
HONRA PGft HONRA
(Continuado* do n. 15)
IV
Sorprender Montmayeur lendo c relen-
do o enderezo, querendo adivinhar o que
conteria aquelle enveloppe. Sorprende-
ra-o tentando abril-o e precipitando-se de
aubito no9eu gabinete de trabalho.
Bem, muito bem; murmurou o agen-
te ; elle 'vai commetter urna indiscricao-
zinha. Eaperava por isso...
Tornoa a descer devagarmho, na ponta
dos pea, sem fazer o aenor ruido.
TSentou-e novamente no sen cante e
accendeu desta vez o cachimbo.
Como boa, dizia elle, como boa
a imaginaba!
E poz se a matutar quantas perdizes,
lebres e cotlhos poderia matar por anno
com urna caica bem arranjada.
Qnanto basta para viver, com a bre-
ca, qnanto basta para viver! dizia ello se-
guinao o seu sonho.
Em cima, Montmayeur tinha-sc sentado
sua secretaria.
Abrir o enveloppe fora raa brincadeira
de crinca.
E a carta destaeou-se diaute dellc.
Ao lel-a, nao pode reter urna oxcl.aniv-
<;io de raiva c de espanto.
A carta dizia smenti
Luciana, <:wQaa.nto a.
conservava.s ao ^^o d>- meit
pai para pordel-o o punil-o, a'lmiroi-t^ o
tei-te. Hoje qne, ap<^znr de niineape-
xar (Lis re > onlajScs, tu aman esse homcm
com um amor sem nmn un amor
horrivel, medonho, sint^ aea aftoc-
\o por ti vai transformar->. em od. E
tenho medo, Luciana, toaho medo. Volta
a ti, Luciana, supplico-te. Volta razo.
Lembra-te que esse ho.nem nao passa de
um infame, de um ascassino Lembra-te
da inscripjao a sangue deixada por Jour-
reillc moribundo! Lembra-te. AmanhS,
pela ultima vez, irei fabrica, porque
ainda nao perd completamente a espe-
ranza de chamar-tc razao. Espera-me
no teu quarto. Se^ nao queres esperar-me,
escreve-me. Entrega & toa carta ao por-
tador desta.
Montmayeur apoiou as mos a testa
banhada de suor. O seu robuste corpo,
era agitado por convlsoes, tanto elle tre-
ma. N'rim momelo os olhos ofiuscaram-
se-lhe. NSo via mais claro. Fechou os
olhos, recostou-se ta cadeira.
Ellas conhecem o meu segredo!...
Nao me enganeirtao outr ora !... Ellas
leram a accusaglo de Bourreille. Quize-
ram perder-me... Assim, quando Lucia-
na veio para aqui, sob a falsa apparencia
de seu amor, odiav ame ^Kao penaava se-
nilo no castigo E eis que 'ella agora quei-
ma-sc no amor, cerno a mariposa queima
as azas na toz ... Orna vea que me ama,
nao pode incutir-me recelo, nao me traui-
r nanea. E Claudina ? S ella para te-
mer. .. Oh! crga-sc diante de mim, que
esmagal-a-hoi dcbaixo dos ps!... Ella
conhece o meu crine. J de mais !...
E c*m o lenco cnsugava a testa mo-
lhada.
Um novo criioe 1... Mais sangue...
Um segundo assaiiainato para oceultar o
primeiro; serei mesmo obrigado a com-
mettel-o?... As minhas noites ainda nao
sao sufBcientemente perturbadas ?... NZo,
nao... Mas se ou nao fizer desapparecer
essa moga, se nlo a reduzir impotencia,
ella me perder... Sangue, n3o ha re-
medio ... O della ou o meu... E' preciso
que ella morra...
E com os olhos nflrjnmado por sbita
febre :
Sim, o amor do Luciana por um as-
no, Claudina tem razao, e um amor
horrivel... Mas qaantos momentos de em-
1 iriaguez nao vai elle dar!. .. Como os
bcijo^alesse jate, devem ser ardentes e
mortac3 !... Bt ama-me, sabendo o que
eu fiz, sabendo que eti sou... Ama-me...
E' minha cumplice.
De repente lemlirou-se qne o honrem
era baixo estava espera.
Toraou a dobra' a carta, collocou-a no-
vamente no enveloppe, fechou-o com o cui-
dado necessario pira que n3o ficasse ves-
tigio alguin e subiiie*LOU a gomma hmida
ao calor da vea.
Dcpois sabio de seu gabinete.
Nao teniin um :io entanto a su%>
Vende-ae duas vatxas de leite : a tratar na
Tamarineka, sitio defronte do Azylo de Alie-
ados.
abna achava-se tao perturbada, .que elle,dos. Isto faz-me ganhar alguns vntens.
desceu alguns degros da escada, devaga- E se !*e cahisse do co urna boa mo-
I rinho, para ver o portador.
Courlande fumava tranquillamente.
E tinha aspecto t3o bonanchSo,
Vaccas de leite
..............................----...........---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
Taverna
>
Vende-se a taverna sita ra da Santa Cruz
n. 5, cm razao do dono ter de retirar-se. A casa
tem commodos e agua encanada, e vende-se
aiuito barato. __ __
wiisit
Boyal Blend marea YIADO
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-so a retalno nos mclhores arma-
zens de molhados.
Pede Hoy al Bleaid marca Viado
cujo nome o emblema afio registrados para
(todo Brasil.
BROWNS & C, agentes.
A'i RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Telcphonen. 811 ^^m
O proprietario desta conliecida casa previne as
Exmas. familias e tollos os seus fre-
fuezes. que as pechinchas que costuma
cr, no sao nem nunca foraui divididas
de outra casa como alguem annuncia
para engaar, vendendo fazendas ordi-
narias por boas, caslumc que a Loja
dan I.ihs Axiien nao tem.
As fazendas vendidas nesta casa sao de boa qua-
lidade, e nao levam medida escassa;
aceita-se a (azenda vendida se, por y
Juaiquer motivo nao r de muito agra-
o da pessoa para quem for comprada.
Da se descont a quem comprar de 20
para cima.
ESPECIALIDADES
Hi*im de Ustras azuespegaa com
20 varas a 60000.
Madapolfio com um metro de largu-
ra a 60800 a pega.
Cor te* de vestidos bordados em
cartao a 100000.
Vciiildiaho bordado a contas a 10600
o covado.
Cachemiras pretas, de quadros e
azuladas a 20 e 20500.
Tecidos fantazia arrendado a 400
500 rs.
Cortes de cachemira com guarnigBes
bordadas, lindas cores, a 200 e 250000.
$etim Maco de todas as cores a 750,
e 800 rs.
Linn bordado, tecido do urna s cor,
qualquer que se deseje, a 200.rs.
Zeflros lisos e bordados, tecido fino,
novidade a 500 rs.
Las de quadrinhos a 200, 240 e 360
o covado.
Liuhos lisos a 60 e de quadrinhos a
100 rs.
Ciuardanapos melhor qualidade a
10800 a duzia.
Atoalhado branco e de cores a 10.
Oleados para mesa redonda ou qua-
drada a 40000.
Cortinados de crochet, com sanefas,
ultima* novidade, para janellas e portas.
Crochet para cortinados a 900 rs. o
metro.
Colchas de fustao, brancas e de ec-
res, a 20000.
Chitas finas precales a 200 o 240 rs.
Chitas escuras a 160, 240 e 280 rs.
Bats tes de cores seguras a 120 rs.
Aanzuc de lindas cores a 280 rs.
Brim pardo esguiao a 240, 280 e 320.
Casinetas de cores escuras para rou-
pa de homem ou menino a 400 e 500 rs.
Mantllhas de renda hespanhola, pre-
ta, de seda a 80000.
Capas e visitas, de cachemira, de ren-
da, com lindos enfeites e com vibrilhos a
200, 250 e 300000.
I.equcs de pennao e transparentes,
ultima novidade, todo preso.
Lnras de seda, lizas, bordadas ou ar-
rendadas, pretas e de qualquer cor a 20.
I'spartllhos inglezes a 40500 o 50,
tem desde o n. 40 at 80 de grossura.
Bien branco crome e de todas as
cores desde 700 rs. at 20*00 a peca.
Rendas hespanholas, de seda c de
algodao, preta, branca e de qualquer cor.
Babados e entremeios bordados ta-
pados e transparente^ por todo prego.
Crampos e pentnhos fantazia para
cabello a.400 e 500 rs.
Baldas para vestidos a 200 rs, a
duzia.
Retaarfos despertadores cota
guras em movimento a 80 e 90000.
E muitas fazendas que se vende muito
barato para liquidar facturas na loja das
LISTRAS AZUES de
Telegramma familiar
Vejam e admirem
55 -Ra Buque de Cavias-55
Pedimos ao respeitavel publico attencao para
os preeos reduzidos dos seguintes objectos:
Zeflros de 8, 160, 200, 2i0, 400 e 800 res 0
covado. emnde sortimento.
Capas para senliora, o que ha de raai^mo-
derno e barato.
Espartilbos de couraca a ', 5 e 6S000 um.
FustOes brancos e de cores a 360 e 400 ris o
covado.
Lasinhas de quadros e listas de 240, 280, i
400 e 500 ris o covado.
Grande sortimento em tichus.
Cortes de linn bordados para vestidos,]
lodos os enfeites a 144000.,
Colchas brancas e de cores a 24000.
Luvas de seda fina a 24000.
fortes de cacheaSre com \ idrilhos o que ha
de mais novo.
Cambraia com salpicos de cor, novidade em
gosto e barato.
Grande sortimento em punlios e collarinhos
para homem.
Bramantes de algodo e linho e por preeos sem
competencia.
Cretones para vestidos, um sortimento esplen-
dido em paares e preeos.
Cambraia branca cora salpicos a 45000.
Brins de cores para roupas a 320 rcis.
Atoalhados de diversos gostos e barato.
Madapolo para familia, muito largo e por um
prego rasoavel a 64000 a pec;i.
Merinos de cores a 500 ris o covado.
Completo sortimento de sargelins a 2OW o
covado.
Benda hespanhola a 23 e metro.
Setins de todas as cores a 800 e 14 o covado.
Tecidos arrendados de diversas cores a 400
ris.
Vanedade immensa em toalhas felpudas, bran-
cas e de cores.
Cortinados de crochet e bordados por preeos,
sem competencia.
Baptistas de cures a 120 ris o covado.
Cambraia Victoria e transparente a 34 a peca
Completo sortimento em casemiras de cores e
pretas para reupas.
Crinolinas branca e preta a 400 ris o metro.
Renda oriental, novidade, 500 ris o covado.
Camisas brancas com collarinhos para homem.
cousa chic a 25000.
Tapetes, grande sortimento e barato.
Amor da China, fzenda de fantazia de listras
e quadros a 200 res o covado.
Cortes de meias casemira a 24, nm.
Linn bordado de quadros, o que ha de mais
novo a 800 ris o covado.
Alm do que acabamos de annunciar tem urna
variedade de mercadorias que s vendo-se.
Do-se amostras sem penhor.
55-RA DUQUE DE CAXIAS 55
FEBMNDESDEAZEVEDO&C,

>\v
que
pela mini-
Ah! qual
E' abril-a
Montmayeur nao foi assaltado
ma inquietacao.
Foi bater porta do quartQ de Lu-
ciana.
A moja l estava.
Abri.
Montmayeur estava tilo paludo, tao das-
figurado, apezar da sua energia e do seu
sangue fri, que ella perguntou-lhe:
Meu Deus, o que tens, Joao ?...
Algum lissabor?
Nao, nada, disse elle.
E esforcou-se por sorrir, estendendo a
carta.
E accrescentou :
Aqui est urna carta de Claudina,
trezida por um portador que espera l em
bai*o a resposta. Se notou em mim algu-'
ma emocSo. porque receio que Claudina
lhe d algum dosgosto ou procure fazol-a
sahir da fabrica...
Ella nao responden. Elle entregou-lhe
a carta.
Tinha inmenso desejo de ficar para es-
crutar a physionomia da moca.
Mas ficar no -estado irregular de per-
turbacio em que se achava era trahir-se,
era quasi dizer que conhecia o contoAdo
da carta.
Nao ousou e retirou-se.
Desceu, e, firmando o passo quando ohe-
gou prximo de Courlande, e firmando
tambem a voz:
D. Luciana manda-o esperar.
Oh tenho tempe... nao ha nada
que fazer, por causa desses malditos allo-
maes, a quem diabos carreguem !...
Montmayoar sabio e foi passeiar no
campo, na direcglo que devia tomar o por-
tador para voltar a Bernadettes.
Ainda bem nao se havia passado um
quarto de hora, este ultimo appareceu.
JoSo foi ao seu encontr.
Leva a sua resposta ?
Com certeza; mas afinal a motila
nao estara l com grande pressa, respon-
deu Courland*.
Diga-me, meu bravo, rico?
Eu ? Ora essa!... L na trra, em
Vergy-Vergenay, nao digo que nao, sem-
pre se tinha um bocado de seu; mas os
prussianos, meu caro senhor, comeram-me
tudo... Nao me resta cousa alguma.
E o que faz para viver em Gar-
chea?
Pouca cousa. Tambem vivo mal.
Aqui entre nos, passo as vezes cartas do
lado de Reuil e mais longe para os solda-
lhadura ? aceital-a-hia.
Urna molhodura ? Isso conforme.
Em primeiro lugar, sou homem de bem.
Tambem nao quero entrar em luta
contra a sua consciencia.
Homem, afinal conforme, repito.
Vamos ver?
Duas moedas de vinte francos, por
exemplo.^
Sao raras as moedas de vinte fran-
cos nos tempos que correm.
Aqui estao ellas.
Bom, mas que me interessa nao
tanto embolsal-as como saber o que
preciso fazer para ganhal-as...
:Vou dizer-lhe francamente.
Ha de lucrar com isso, porque sou
um homem de bem, repito-lhe... Alm
de que, nao sou nenhum bruto...
Tenho interesse em conhecer o con-
tido da carta que leva a Claud^Tji
(Jourlaadc olhou para a caatacom',"eu-
riosidade, como se as palavras de. Mont-
mayeur lhe houvessem de repente dado
mais importancia. Pareca procurar o que
ella pqdia ter de particular.
Homem, disse elle, para saber o^ue
diz esse papel, preciso perguntal-o a D.
Claudina, nao verdatlB?.-.';
Ainda ha ourromio...
,':-...
e tornar
a fechal-a
em se-
Oh! oh! mas tem certeza de que
honesto o que me est pedindo ?.. .
Nao um furto...
Hun! hun as cartas sao sagradas...
Quando muito, urna curiosidade
ijiui pouco desmedida. Note que content-
me de 1er a carta e que voc entrega-a a
Claudina como se ea nao tivesse tomado
conheermento della. .
Bem sei, bem sci, mas a mesma
cousa... nao cousa nada regular... e,
com a breca, por duas moedas de vinte
francos!
L por isso, nao... tome cinco...
Cem francos com mil raios... faz
entao muito empeaho?...
Vou dizer-lhe porque, meu bravo,
que ha amor oceulto em tudo isto.
Oh! se nao se trata senao disso...
gbsto at de proteger Venus. Nos somos
atirados a essas cousas l na trra.
E passou a carta de Luciana a Mont-
mayeur.
ste tomou-a com avidez.
O que conteria ella ? O que iria elle sa-
ber?
Desta vez o enveloppe achava-se bem
fechado. Mas nao levava sobrescripto al-
Jos Augusto Dias
gum. Luciana limitera-se a dizer a Cour-
lande :
Entregue isto a niinha inna.
Montmayeur rasgou o enveloppe com
mao febril.
A'carta^ escripta com. um nico para-
grapbo de urna s pnnada, era muito
curta; mas qiianta eloqnencia e que dra-
ma Has poucas palavras que continua !...
Miha querida"ClaudinaEu o amo.
. horrivel, bem sci, mas esse amor mais
forte do que a minha vontande. Nao ra-
ciocino. Amo-o, nao me odeis, lamnta-
me antes. Amanha noite, se quizeres
vir, esperar-te-hei; mas olha que tudo
quanto pudores dizer-me, j ,eu disse a
mim propria ha muito tempo. Que ne-
cessidade ha de reconhecer entre nos sce-
nas que nos entristecem? Amo-o, estou
condemnada a amal-o. Nao passo de urna
m8eravel. Perda! i
Como pintar o espanto que invada a
alma de Montmayeur ? Achava-se sem
voz, sem saliva, e olhava para Courlande
com ares de um homem sbitamente ac-
commettido de loucura.
Havia urna hora afinal, desde que lera
a primeira -carta trazida pelo agente ; elle
nao saba bem se possuia a razao intacta.
A cousa parece contrarial-o,' interro-
gou Courlande.
Nao, ao contrario.
E' entao urna boa noticia para o se-
nhor?
E'.
Tanto melhor. D-me muito pra-
zer... J estive apaixonado tambera, fi-
que abendo, em outros tempos... Mas
dga-me, o senhor rasgou o enveloppe...
Como hei de fazer agora para entregar a
carta a pequea ?...
Pensei ni'sso !
E tirou um enveloppe do bolso, metteu
neile a carta de Luciana e fechou-a.
fe Aqui est, disse elle, nao trazia so-
brescripto. .. Claudina nao poder dosco-
brir que eu a li.
Courlaude.partio alegremente para Ber-
nadettes, emquanto Montmayeur voltava
vacillante para a fabrica.
Foi encerrar-se no seu habinete de, tra-
balho.
Ella sabe de tudo murmuravaelle...
Ella sabe de tudo!... Eis porque, ou-
tr'ora, ella reeuava aos meus beijos. Nao
me enganava. Os meus labios entao di-
ziam-me que ella amava-me. O seu olhar
trahia o horror que eu lhe inspirava. Te
rei algum da a coragam de reapparecer-
lhe?...
Evitou o seu encontr durante todo o
dia.
Nao sahio do seu gabinete. Meditara
que era-lhe preciso, custasse o quecustas-
Taverna
. Vende-se urna taverna com pouco capital, pro-
pria para principiante, tem commodos para fa-
milia : a tratar na ra da Coneeirao n. 11, 3
andar.
Bom terreno
Vende-se um terreno de 180 palmos de frente
cH|) de fundo na ra do Conselheiro Portalla.
nos Afllictos ; o terreno est cercado e tem al-
guns arvoredos novos plantados : quem preten-
der dirija-se ao esenptorio deste Diario, qte
achara quem indique o vendedor.

resina
C imento
Paral! elipi pedes.
Vendem Fonseca Irmaos & C.
>)
no
Irrita?ao do Feito e da Garganta
Contra essas afteices, a pasta peitohal e c
.XARde NAF d OEL^NGRENleB. de PARIC.
possuem urna efflcacia tniaUlvel veriacalaPOj?-"
Membros da Academia de Medicina de FtaMa...: ;
contendo opio nem tao pouco sacs deoplot^c-
cano l/orphina ou Coeina, esses proauetos m..-
, tMatrio-se com ptimo xito o segoraiKS ;.r
erlancas soltrendo de Tost ou Con/nclvohc,
Dopotito naj PAarmacfas do fJungo nteiro.
V%nde-se ou alug*a-se
um sitio com casa, na frente lodo murado, com
diversos ps de fructeiras, duas cacimbas com
excellente agua e banheiro, & ra de S. Miguel
n. 84 (Afogado3) : a tratar no mesmo on a ra
Marcilio Das n. 106.
se, assistir entrevista que Claudina pe
da a Luciana. Era preciso que ouvisse o
que ellas diriam.
Como fazer para isso ?
O quarto de Luciana era visinho da-
quelie que fora oecupado pela Sra. de
Montmayeur. NSo coramnicavara-s en-
tretanto, interiormente, porque as portas
de ambos davam para um corredor do pri-
meiro andar.
Outr'ora elles communicavam-se por
urna porta de dous batentes que dava
para um grande gabinete de toilette.
A phantasia do anterior proprietario da fa-
brica havia feito condemnar a porta que
abria para o quarto de Luciana. O gabi-
nete de toilette servir em tempo Sra.
de Montmayeur.
Levantando o papel que forrava a pa-
rede, descobria-se a antiga porta, e, ap-
plicando-se o ouvido, contra esta, devia
ser, se nao fcil, pelo menos pssivel ou-
vir a maior parte das palavras que se dis-
sessem do lado opposto. .
Montmayeur aproveitou urna occasiao
em que tinha certeza de que a moca aSo
estava no seu quarto para penetrar no de
sua mai e ahi fazer os preparativos que
julgava indispensaveis.
Bastaram algans golpes de faca para por
a parede a n.
Esprou a entrada de Luciana.
Percebia distnetamente o ruido dos
seus passos leves, o das cadeiras que ella
arrastava ; ella tossio duas ou tres vezes,
abri e depois fechou a janella, trancou o
ferrolho de sua porta e deitou-se. Elle
tomava nota de todos esses detalhes.
Com certeza ouvil-as-hei disse
comsigo.
E esqoivou-se sem fazer ruido,
dqrmio. Estava com urna febre que fa-
zia-o tiritar. Depois, a sua angustia era
grande.
O que iriain dizer as duas mojas? Pa-
reca lhe que a sorte estava ligada aquella
entrevista... Senta que corra um pe-
rigo... Qual?... O que poda Claudina
contra elle ?.... Nao o comprehendia
bem...
No dia seguinte de manha encontrou-se
com Luciana.
A moya nao pareceu-lhe mudada. Foi
ao seu encontr com o sorriso nos labios,
eatendeu-lhe as maos, que apertou entre
as suas, e apresentou-lhe a taeta, que elle
bejow.
Ella nem mesmo estremece mais
agora quando a beijo... pensava elle.
(Continuarse-ka)
elle
Nao
l! .
'


Typ. do Diario ruaDaque de Casias n. 12.



Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E4551C82S_GCWCR5 INGEST_TIME 2014-05-21T22:48:57Z PACKAGE AA00011611_17401
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES