Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17394


This item is only available as the following downloads:


Full Text

-_
f
1.1
ir

PIRA A CAPITAL. K M(.\RR
H 0\I>K V* SE P
......
Por .
Por Qm Auno idem
Cada numero avulso, do mesruo dia.
AA PORTE
. 60000
. 12^000
. 230000
. ioo
PARA IMEVTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis mezes achantados.............. 130500
Por nove ditos idem................ 200000
Por ura anno dem................ 270000
Cada numero avulso, de dias anteriores.......... 0100
DIARIO DE PERNA1HBUG0
Trcpriedade de Mancel Svguetra de S^aria S tyitycs
Os Sis. Amede Prin-
oe & 0., de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de annuncioa
epublicapoes naFran-
pa Inglaterra.
TELEGRMMAS
siroco pasticlas so ::*:::
PARAHYBA, 11 de Janeiro, s 12 ho-
ras e 4 minutos da tarde.
Foram inaugurados hoje os trabalho de
desobstrucoo do rio Jaguaribe. melhora-
mento desde muito reclamado.
O acto do Exm. Sr. presidente da pro-
vincia que mandn fazer aquella obra foi
beui acceito pela populacho, merecendo
elogios" da imprensa sem distinccto de cor
poltica.
RIO DE JANEIRO, 11 de Janeiro,
s 11 horas e 10 minutos da nanita.
Foi elevado a Viscondc cous as honras
da grandeza, o Barao de Arinos.
Foi nomeado gra-Cruz honorario da
Ordcm da Rosa o Barao de Jaur.
Foi agraciado com a commenda da
Ordem da Rosa, o Dr. Pedro Francisco
Cerreia de Aranjo.
Foram agraciadas diversas oiitras pes-
NM.
Seguio para o norte nv paquete na-
cional, o Dr. Adolpho de Siqueira Caval-
cante.
Falleceu o deputado geral pelo 5.
districto do Rio Grande do Sul, Dr. Joao
de Miranda Ribeiro Sobrinho.
sss:::::::::::::- z:::
PARS, 10 de Janeiro.
O Biembros do partido orleanista deci-
diram nao apresentar nenhum candidato
pela oleicSo legislativa do dia 27 do cor-
rente.
Washington, 10 de Janeiro.
A Cmara dos Representantes adoptou
o projecto de constituirlo da Corapanhia
do Canal de Nicaragua.
PARS, 10 de Janeiro.
Os Donapartistas tomaram a reaoluej*
de sustentar a candidatura do general
Boulanger para a prxima eleicao no* de-
partamento da Sena.

BELGRADO, 10 de Jancift
O ministerio servio deu a sua demissSo
collectiva.
BERLIM, 1" de Janeiro.
O Conde de Geffeken em consequencia
da publicacao das memorias de Frederico
in acaba de ser posto em liberdade e
a accao judiciaria foi abandonada.
PARS, 11 de Janeiro.
O senado reclegeu o seu antigo presi-
dente o Sr. Leroyer.
No seu discurso de agradecimento pela
sua reeleicao cadeira presidencial da C-
mara dos Deputados o Sr. Meline disse
que esperava o triumpho do parlamenta-
rismo.
^LOXDRFS, 11 de Janeiro.
. A tasa do doscoflfe no banco da Ingla-
terra, a-sini como no bajeo do Franca foi
txada
Agencia flava/ filial em IY-mambueo,
] 1 de Janeiro d%J889.
PARTE OFFICIAL
Ministerio do Imperio
Por decretos de 3 do correntc foram
exonerados a pedido dos cargos de :
Ministro do imperio, o conselhdiro Joft
Fernandes da Costa Pereira.
Ministro da justica o conselheiro Dr.
Aatonio Ferreira Vianna.
Ministro da marinha, o conselheiro sena-
dor Luiz Antonio Vieira da Silva.
Per decretos da mesma data foram no-
meados :
Ministro do imperio, o conselheiro T)r.
Antonio Ferreira Vianna.
Ministro da justica, o deputado Dr. Fran-
cisco de Assis Rosa e Silva.
Ministro da Marinha, o deputado Bario
de Guahy.
Por decreto da mesma data foram no-
meados: conselheiro de estado ordinario o
conselheiro de estado extraordinario sena-
dor Luiz Antonio Vieira da Silva e con-
selheiros de estado extraordinarios os se-
nadores Visconde de Cavalcantc c Gaspar
da Silveira Martins c deputado Manocl
Antonio Duarte de Azevcdo.
Fez-se raerc do titulo de conselho ao
Dr. Jos da Silva Maia.
Foram cendecorados :
Com a commenda da Ordem da Rosa,
o Dr. Luiz Carlos Vandcrlcy; com o offi-
cialato, o Dr. Joseph Grancher e Charles
Chambcrland, e com o grao do cavalheiro
da mesma ordem, o Dr. Emile Roux, aju-
dante do instituto Pasteur, e o Sr. Alberto
Bos, vice-consul do Brazil en Mons; com
o grao de cavalleiro da Ordem de Christo,
o conego Jos Correia Dias de Moura e o
padre Augusto de Santa Eugenia e Silva.
Foi levado a visconde o Barao de Cu-
nha Bueno.
Foi aposentado, conforme pedio, no
lugar de secretario da inspectora geral da
instruccao primaria c secundaria no muni-
cipio da corte o bacharel Theophilo das
Neves Leo, c nomeado para o mesmo lu-
gar o bacharel Cypriano Jos de Carva-
Iho.
Foi exonerado o bacharel Joao Pe-
dro de Aquino do lugar de director da
Escola Normal, em virtude do disposto na
1.' parte do art. 17 do regula ment an-
nexo ao decreto n. 10.060 de 13 de Ou-
tubro ultimo.
Foram nonicados ajudautes de scien-
cias physicas c najuraes o bacharel Jos
de Souza Gayso e de pedagoga o ba-
charel Felisberto Rodriges de Carvalho.
Por decreto de foi agraciado com
o titulo de Visconde de Vieira da Silva,
com grandeza, o senador Luiz Antonio
Vieira da Silva.
Ministerio da Jnstlea
Foram reconduzidos o bacharel Bene-
dicto Pereira Leite no lugar de juiz muni-
cipal e de orphaos dos termos de Coroat
e S> Luiz Goaja**~ria provincia do Ma-
ranhfiu o bacharel Traino Sqjres da Sil-
va no lugar de fV.o juiz substituto da capi-
tal da provincia do MaranhaO.
Para a secretaria de Supremo Tribu-
nal de Justica foram nomeados:
Officiaes os amanuenses Joo Joaquin
da Silva e Joao Antonio Tavares c ama-
nuenses Eduardo Jubo Marques Braga,
Alfredo Goncalves Pereira Lima e Henri-
que Ferreira de Araujo.
Para a secretaria de Estado dos Ne-
gocios da Justica foram nomeados :
Director da 4.' scelo o 1. official Be-
nedicto Antonio Bueno; 1. official, o 2.
Alfredo Fernandes-4a Silva ; 2.a official,
o amanuense Henrique Anguato de Al-
meida e amanuenae Agenor de Mello Al-
vim.
Foram nomeadoa juizes municipaea
e de orphaos:
Do termo da capital da provincia do
Amazonas, o bacharel Jos Anselmo de
Figueiredo Santiago e do de Itajub, em
Minas-Geraes. o bacharel Antonio Montei-
ro Freir.
I'assaram a servir os antigos juizes mu-
nicipaes as comarcas de: Tatuhy, na
firovincia de S. Paulo, o bacharel Aure-
iano Nobrega de Vasconcellos e de Tau-
bat, na mesma provincia, o bacharel An-
tonio Augusto Moreira de Toledo.
Para o Tribunal da Relacao de For-
taleza foi nomeado secretario o bacharel
Pedro Gomes da Frota.
Foram exonerados :
' Do lugar de secretario da Relacao da
corte, o bacharel Joaquim Maria dos An-
jos Esposel; de cargo de 1. promotor pu-
blico da erte o bacharel JoO Baptista de
Sampaio Ferraz, e a pedido, o bacharel
Jos Tavares da Cunha Mello Sobrinho do
lugar de juiz municipal e de orphaos do
termo da capital da provincia do Ama-
zonas.
Foi declarado avulso, a pedido, o
juiz de direito ltimamente removido para
a comarca de* Miranda, na provincia de
Matto-Grosso, bacharel Jos Joaquim Ra-
mos Ferreira.
Foram apreaentados a pedido :
O bacharel Luiz Francisco da Fontoura
Lima, no lugar de director da 4.a seccao
da secretaria de Estado dos Negocios da
Justica, e o official da secretaria do Su-
premo Tribunal de Justica, Pedro de Oli-
veira Coelho.
--------------^--------------
Ministerio da Agricultura
Foi nomeado commissario geral de iin-
migracao, na Italia, o ajudante da inspec-
tora de trras e colonisacSo. engenheiro
Manoel Maria de Carvalho.
Para a secretaria da Agricultura fo-
ram nomeados, amanuenses Francisco. Jos
Savao de Calazans Rodrigues, bacharel
Jos Francisco Soares Filho e Joo Jos
Fernandes da Silva Sobnaho.
Foram nomeados agentes de iniini-
gracao em Milito e Genova o* Sr*. Arnal-
do Tortesi e Eugenio Sartori.
No dia 5 foi asignado o decreto con-
cedendo o prolonga nento da estrada de
ferro do Paran e ramal de Antonina.
Ministerio da Marinha
Foi nomeado capito do porto do Ru
Grande do Norte o capitao Leoncio Rosa,
Governo da Provincia
EXI'EDIENTR DO DIA 17 DE DEZEMBBO DB 1888
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o capitito da 5* companhia do 3
batulho do servico activo da guarna nacional da
comarca do Recife. Francolino Rodrigues de
Mura, i' que provou achar-se imposibilitado "de
continuar no referido servico, rcsolu* tranaferu o
fiara a reserva, ficando aggrcgado ao i batu-
liSo desjc servico. Cofionmoieon-Be ao com-
inanilante superior.
0 ptesiaeate da provincia em execucio da
le n. 23!)3 de 10 de Setcmbro de 1873 resoive
nomcar o alteres Aleixo Rodrigues de Moura
Eira o posto de capitito da o1 companhia do 3o
atalbo do servico activo da guarda nacional da
comarca do Recife, cm substituirse do capito
Francolino Rodrigues de Moura que passou para
a reserva. Gommunicou-se ao commandante
superior.
O presidente da provincia, de conformida-
dc com a primeira parte do art. 68 da lei n. 602
de 19 de Setcmbro de 1850, resoive reformar no
mesmo posto os seguintes ofliciaes, pertencentes
aos corpos da guarda nacional da comarca de
lguarass abaixo declarados :
GT> balalhao de infitntavki
1* companhia
Capito, Kuproprio Rosalino do Espirito Santo.
2- companhia
C.upito. Vicente Ferrer de Mello.
18" seccao de reterra
3 compaidna
Capitito, Antonio Rodrigues Canipello de Mello.
Communicou-se ao commandante superior.
0 presidente da provincia, em execucao
da lei n. 2395 de 10 de Setembro de 1873, resol-
ve nomear, para preenchimento das vagas exis-
tentes nos corpos da guarda nacional da comar-
ca de lguarass abaixo declarados os seguintes
ofliciaes :
61" batalho de n[ntiirui
Ia companhia
Capito, Jos Goncalves de Fraga.
21 companhia
Capilo. Herculano Randeira de Fraga.
$' companhia
("apito, Fructuoso Cordeiro Cavalcanie Lins.
lt* seccao de reterra
3a companhia
Capilo, Tamerlo de Albuquerquc Nasciuien-
to.Commumcou-sc ao commandante supe-
rior.
0 presidente da provincia resoive, de con-
formidade com a proposta do Dr. chefe de poli-
ca em oflicio n. 1313, desla data, nomear JoSo
Florentino da Cuuha Azcvedo e Jos Epaminon-
das da Cunha Azevedo para os lujares de subde-
legado e 1 supplcnte do 3* distncto (Serra Ver-
de) do termo de Rom Jardim.
0 presidente da provincia, attendendo ao
exposto pela professora jubilada, Senhorioha
Maria de Oliveira Mello na peticSo anoexa por
copia, de 3 de Agosto do corrate anno, resoive
determinar que nos vencimentos da mesma pro-
fessora seja computada a gratiHcacao de mrito,
de que trata a mencionada peticio.Remetleu-
se copia ao inspector do Thesouro Provincial e
ao da instrucr-o publica.
Olhcios :
Ao presidente da provincia de Alagoas.
Recebi, e agradt!$o, os exemplares da falla com
que V. Exc. abri a 1* sessSo da 27" legislatura
da Assembla dessa provincia, enviados com
oflicio, a que respondo, de 5 do corrente mez.
Ao Dr. chefe de policia. Com a inclusa
copia da informaco do inspector da Thesoura-
ria de Fazenda de 14 do correte, sobn. 618 res-
pondo o oflicio de V. S. n. 1185 de 13 de No
vembro lindo, referente ao administrador da Casa
de Detenco, relativamente a diaria a que tcm
direito os recrutas constantes do citado oflicio.
Ao inspector da Thesouroria de Fazenda.
Remeti a \. S para a devida execucao, copia
do aviso do Ministerio da guerra de 4 do or-
rente, relativo distribuigao de crditos s ver-
bas Instruirn militar e Despezas de Cor-
pos e Quarleis e a auBullacoo do de 6-6583536,
a que se refere o final do afludido aviso.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o juiz muaicipal e de
orphaos do termo de Panellas bacharel Jos Pau-
lino Cavalcante de Albuquerque em 30 de No-
vembro lindo e por incommodos de sade inter-
rompeu o exercicio de seu cargo.
Ao mesmo. Transmiti a V. S. para os
fins convenientes, copia do oflicio de 6 do cor-
rente mez relativo ao exercicio do juiz munici-
pal do termo de Panellas, reconduzido por de-
creto de 18 de Julho ultimo.
>o mesmo.Remetto a V. S., para os de-
vidos effeitos, copia do aviso de 6 do corrente,
no qual o Exm Sr. ministro da fazenda declara
que, de confonnidade edin o disposto no art 8,
n 10 da lei n. 3.348 de 20 de Outubro deste
anno, fteam dispensados dos direitos de expe-
diente as machinas e mais obiectos, a que allu
dem as informacOes dessa Tnesouraria de 25 e
30 de Julho prximo passado ns. 402 e 414 im
Sonados pela companhia de fiacao e tecidos
esta provincia, com destino primeira instal-
laco da respectiva fabrica, situada no lugar de-
nominado Torre.
Ao mesmo.Para os lins convenientes tran-
smiti a V. S. o incluso decreto de 1 deste mez
Selo qual foi nomeado o bacharel Manoel Fernan-
es de S Antunes para o lugar de professor de
arithmetica e geometra do curso preparatorio
annexo a Faculdade de Direito do Recife.
Ao mesmo.Para os devidos effeitos tran
smitto a V. S. a inclusa portara de 30 de Xo-
vembro ultimo pelo qual toi nomeado Jos Joa-
quim Fernandes da Silva para o lugar de conti-
nuo da Faculdade de Direito do Recife.
Ao commandante superior da guarda nacio-
nal da comarci de Cimbres.Sirva-se V. S. de
informarme se falleceu o tenente-coronel com-
mandante do 9o batalhao da reserva da guarda
nacional sob seu commando superior Pantaleao
de Siqueira Cavalcanie.
Ao inspector do Arsenal de Marinba.Ac-
enso o recebimento do oflicio de 14 do corrente
no qual V. S. de accordo com a infortnaco do
gerente da Companhia rtrnambucana, participa
que o vapor Madakii, de voltados portos do sul.
ao transpr a barra de Penedo, butera, soifrendo
avarias, que Kzeram-n'e regressar a Aracaj, e
que para completar a viagem a mesma compa-
nhia expedir naquella data o vapor Jacnkffpe
Communicou-se ao administrador dos crrelos.
Ao director do Arsenal de Guerra. De bor-
do do vapor Maranhao, procedente dos portos do
sul, mande V. S. desembarcar um volurae con-
lendo lolhctos da arte militar o general PavO,
remettidos pela repartioo uo (|uaitel-inestre ge-
neral coai destino ao commando das armas de-la
provincia, segundo consta de oflicio da intenden-
cia da guerra n. 1261 de 7 do corrente. -Com-
municou-se ao bflgadVi commandante das ar-
mas.
Ao inspector do Thesouro Provincial.De
accordo com o que expOc Vine, em seu oflicio
n. 582 de 10 do corrente mez. autOESO-0 a abrir
neva concurrencia para o fornecimento do 3 000
metros de algodfto mesclado nacional para ves-
tuario dos presos da I a,-a de DetencSe.
Ao inspector geral da instruccao publica.
Communico a Vmc. que nesta data indefcr"a p-
io de Amalia Prudencia Alvos Lima em que
reqneriaaccesso para a cadeira do -exo l'eininino
de Pesqueira pelo motivo exposto no final de
informacao n 297 de 7 do correte mez, o re-
commendo-lhe seja posta em concurso a referida
cadeira.
Ao commandante do eorpo de policaAo
-
Dr. chefe de polica mande Vmc. apresentar tres
pracas nfim de escQltarem um criminoso, que se
acha na Barra de Jangada, at esta capital.
ComiTiunicoa-se no Dr. cli ,'e de polica.
Ao director da Col nia Orphanologica Isa-
bel.Declaro a V. Rvd, que nSo pode ser at-
tendidn o pedido constante de seu oflicio de 10
do corrente me/,, porquanto nao ha necessidade
da reforma da i* parte do art. 12 do regularaen-
to dessa Colonia, visto depender a sabida do co-
lono das comidas no eitado artigo.
Ao mesmo. Declaro a V. Revma. que tica
approvado o contracto celebrado com o capito
Antonio I-Yrti seo Cordeiro de Mello, para ser-
vir o lugar de enfermeiro desse instituto, me-
diante a gratificaco mensal de oitenta mil reis.
Assim respondo o seu oflicio de 7 do corrente
mez.
Ao eu.enheiio fiscal da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.Communico aV. S. que
por a riso -do Ministerio da Agricultura, Com-
mercio c Obras Publicas, de 7 do corrente, sob
n. 25. foi approvado o acto desta presidencia de
20 de Xovembro, autorisando a prorogago por
2 raezes da licenca em cujo goso se achava o
chefe da cstaco de Olinda dessa estrada de
ferro.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro
do Itecife ao Limoeiro.Declaro a Vmc. que por
aviso do Ministerio da Agricultura, Comraercio
e Obras Publicas, de 7 do corrente, sob n. 24,
foi approvado o acto desta presidencia, de 20 de
Xovembro, autorisando a licenca de 3 mezes ao
empregad^ de ferro F. von Sohsteu para tratar
de sua saude, sob a-conaieo de no resultar
accrescimo dadespeza consignada ao pessoaida
mesma estrada.
Portaras:
Remeti Cmara Municipal do Recife pa-
ra os fins convenientes, copia do aviso que em
6 do corrente dirigime o Exm. Sr, ministro
da agricultura, couimcrcio e obras publicas re-
commendando medidas que obrignem a fabrica
central de S. Lourenco da Matta a construir su-
midouros ou pocos para evacuamento dos resi-
duos e aguas servidas da mesma fabrica.
Mutatis mutandis ao inspector de hygieuc.
Rcmetteii-se copia do aviso ao engenheiro fis-
cal dos engenhos centraes no ln districlo.
O Sr. gerente da Companhia Pernambuca-
na de Xavegaco a Vapor mande dar passagem
de re al a Fortaleza, na segunda viagem deste
mez, a Arthur Theodulo ios Santos Porto e
Amelia Carolina dog/Sanlos Porto, providencian-
do sobre a volta das gratuitas a que o govcra tem direito.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
OflirJbs.
Awspector da Thesoijraria de Fazenda.
De ortem do Exm. Sr. desembargador presi-
dente a provincia remetto a V. S. as inclusas
ordeus|do Thcsouco Nacional de ns. 218, 219 e
231 de 1 6 do corrente.
- Al commandante superior da guarda na-
cional da comarca do Recife. O Exm. Sr. des-
embargador presidente da provincia manda de-
clarar |V. S. para seu couliecimeoto o devidos
as, que no requerimento do capitn Antonia
Machado Pereira Vianna Jnior, sobre que ver-
s.i a.ijiorni"vjSft /loase commando superior, de
28 de^ovembro (indn.-?0B n. at. proreTto-tir^r
o .-euinte despacho :
Matenho o meu acto, aliento a improceden-
cia das raz.'s allegadas, quanto legalidade
da resol uco da presidencia.
Aos Srs. membros da juuta medica pro
vincial S. Exc. o Sr. desembargador presiden-
te da provincia manda recommendar a Vv. Ss.
que reraettam para esta secretaria o requeri-
mento, acompanhado do parecer dessa junta
em que o oflicial do corno de policia Joaquim
Scrvulo Vieira da Paz pede aposentadoria.
Aos agentes da Companhia Rrasileira de
Xavegaco. -De ordem de S. Exc. o Sr. desem
bargadr presidente da provincia acenso o rece-
bimeato do oflicio em que Vv. Ss. participam
que o vapor Maranhao t-hegou dos portos do sul
hoje s 6 horas da manh c seguir para os do
norte anianhS s 5 horas da tarde. Communi-
cou-se secretaria da agricultura.
Ao regedor do Gvmnasio Pernambucaoo.
0 Exm. Sr. desembargador presidente da pro-
vincia manda communicar a V. Revma. que tica
inteirado do assurapto de seu oflicio de 15 do
corrente mez, relativo a admisso n'esse institu-
to do menor Jos Carlos Lins Genn.
Ao juiz de direito da comarca de Pao d'A-
lho.O Exm. Sr. desembargador presidente da
provincia manda declarar a V. S. que tica intei-
rado do assumpto de seu oflicio de 12 do cor-
rente mez, relativamente ao facto de nao ter o
delegado do termo de Pao d'Alho, alferes Deo-
cleciano Peixoto de Alencar, remettido-lhe a
lista dos cidadaos aptos para exercerem as func-
ces de jurados, c bem assim a multa de 200*
por V. S. imposta ao referido delegado.
Ao Dr. juiz municipal e de orphaos do ter
mo de Panellas. S. Exc. o Sr. desembargador
presidente da provincia inteirado do assumpto
do oflicio de 6 do corrente, recommenda a V. S.
que transmita a certidSo de seu exercicio, em
observancia do disposto no art. 10 do decreto
n. 4302 de 23 de. Dezembro de 1868.
Ao engenheiro fiscal da estrada de ferro
do Recife Caxang. De ordem do Exm. Sr.
desembargador presidente da provincia remetto
a V. S. para os nns'convenientes 11 passes im-
presses, gratuitos, dos fornecidos pela compa-
nhia dessa estrada de ferro para indemnisagao
de igual numero de passagens requisitadas pelo
Dr. chefe de policia durante o mez de Xovembro
ultimo.
Ao mesmo. O Exm. Sr. desembargador
presidente da provincia indeferio hoje o reque-
rimento do gerente dessa estrada, ao qual se
refere a informco de V. S. de 13 de Xovembro
ultimo, sobn. 287. Communicou-se ao enge-
nheiro fiscal ila Companhia Ferro Carril de Per
nambuco. oao
EXPEDIENTE DO .DIA 18 DE DEZEMBRO DE 1 888
Actos: -
O presidente da provincia, usando da fa-
culdade conferida pelo art. 7" da lei de 12 "de
Agosto de 1831 resoive prorogar at o dia 22 do
corrente mez. a actual sessao da Assembla Le-
gislativa Provincial. Fizeram-se as necessanas
communicacoes.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu o tenente-quarlel-mestre do 66
batalhao do servico activo da guarda nacional da
comarca de Olinda, Theodomiro de Azevedo e
tendo em vista a informacao do commandante
superior da comarca do Recife de 7 do corrente,
sob n. 357, resoive, designar o 4" batalhao do
referido servico para o supplicanle ser a elle
aggregado. Fizeram-se os communicacoes.
O presidente da provincia, attendendo ao
que nuuereuo cupitiio da 3" companhia do ex-
tracto 5 batalhao do servico activo da guarda
nacional da comarca do Recite, Henrique de
arios Cavalcanie, e ten le em vista a informa
cao do respectivo commandanle superior, de 7
do corrente, sob n. 356. resolv, designar o 9
batalhao do mesmo servico para o suppHCante
ser a elle aggregado -Fizeram-se as communi-
cayes
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu a professora de ensino primario de
Tigipi, Auna Francelina do Reg Barros, re-n,-
ve reaiovel-a por atcesso para a cadeira mixta
de 2* entrancia de Areias, creada por portara
de 14 do corrente mez.
O presidente da proviaeja determina que a
professora Julia Avres de Almcida Freitas tenha
exercicio na cadeira mixta de Tigipio, vaga pelo
accesso que obteve hoje a respectiva professora
Anna Francelina do Reg Barros : ficando assim
sem ctteito a porlaria de 18 de Outubro ultimo
na parte em queremoveu a mesma Julia Ayres
para a cadeira de Marayal. Communicou-s ao
inspector geral da instruegao publica.
O presidente da provincia, attendendo ao
que requereu Antonio Herraino de Seuna contrac-
tante da obra de reparos da ponte sobre o rio
Piraparaa no engciiho do mesmo nomo, c tendo
em vista as razos allegadas pelo supplicante,
resoive relevar a multa que Ihe foi imposta pola
portara de 29 de Outubro do corrente anno.
Fizeram se as communicages.
O presidente da provincia, tendo em vista
o oflicio de 13 do corrente, sob n. 238 cm que o
director geral de obras publicas informa que
Antonio Hermino de Senna contractante da obra
de reparos da ponte sobre o rio Pirapama no en-
geuho do mesmo nome, declarou nao aceitar as
condigOes de que trata a portara de 26 de Xo-
vembro ultimo, resoive aulorisar o mesmo direc-
tor geral a rescindir o contracto de que se trata
e mandar chamar concurrentes a nova praca ex-
cluindo do numero dos licitantes o referido An-
tonio Hermino de Senna -Fizeram-se as commu-
nicacoes.
Oflicios: _
Ao brigadeiro commandante das armas.
Declaro a V. Exc. pura seu eonherimento e fins
convenientes, que ficam approvadas as propos-
tas, annexas ao seu oflicio de 11 do corrente
aireas pelo conselho para o fornecimenlo de
vveres c ferragens ao exercito, de que trata o
decreta n. 7685 de 6 de Margo de 1880. em sesso
de 24 de Xovembro lindo ; c bem assim a tabel-
la que acompanhou o citado oflicio. organisada
pelo dito conselho c que tem de vigorar no se-
mestre de Janeiro a Junho de 1889 para os cor-
pos da guarnicio desta provincia, de confonni-
dade com o disposlo no art. 35 do mencionado
decreto. Fizeram se as communicages.
Ao mesmo.Dcferindo o requerimento do
1 cadete 1 sargeuto do 14 batalhao de infanla-
ria Manoel Va relia de Souza Barca, autoriso V.
Exc, a vista de sua inforinagao n. 3705, de hon-
teui datada, referente ao oflicio n. 3676 de 13 do
correntc a conceder ao peticionario 3 mezes de
licenca, com vencimentos na forma da lei para
tratar de sua saude fra da enfermara militar
onde se acba.
Ao Sr. Henry C. Borstel. cnsul dos Esta-
dos-Unidos. Accuso recebido o oflicio n. 4 de
15 de corrate, em que o Sr. Henry f. Borstel,
cnsul dos Estados-Unidos, me participa ha ver o
Sr. \\ illiun Calnn Paler, por circumstancias im-
previstas, resignado o cargo de vicecnsul, para
o qual foi nomeado pelo >>r. cnsul, em virtude
ile autorisaro concedida pelo governo de seu
paiz.
Em resposta declaro ao fr. cnsul que fico in-
teirado de semelhaiile oceurrenria.
Renov ao Sr. cnsul os protestos de minha
perfeita estima e coiisidcracao.
Ao Dr. chefe de polica.Eri soluco do
que expoe V. S. em seu oflicio n. 1,309 de"15 do
corrente mez, relativamente ao ferimento prati-
cado pelo soldado do corno de polica Joo Luiz
na pessoa'do anspegada do 2 batalhao de infan-
taria Francisco Procopio Pereira, recommendd-
lhe que promova a captura do mesmo soldado,
11 1111 ii i i mnw"sainn naaswi ~
abra inquerito acerca do foeto bp
ver sido feito.
Ao inspector da Tnesouraria de Fazenda.
Para os fins convenientes remetto a V. S. as
inclusos notas do gaz consumido durante o mez
de Xovembro flndp com a Iluminaran da enfer-
mara e dos quarfeis da companhia de en valla-
ra e do 2 e U" batalhes de infantaria; e bem
assim a informago junta, por copia, de hontem,
sob n. 264, prestada pelo engenheiro das obras
militares.Communicou se ao commandante das
armas. '
Ao mesmo.Recommendo a V. S., para os
fins convenientes, c em solugo de seu oflicio n.
619, de 14 do corrente mez, que faga lavrar ter-
mos de contractos para suppnmento de gneros
alimenticios e diversos artigos ao almoxarifado
do presidio de Fernando de Xoronha, durante o
semestre de Janeiro a Junho do anno prximo,
com os negociantes, cujas propostas foram pre-
feridas pela junta de fazenda, exceptuada s-
mente a que se refere s marmitas de folha, vis-
to que Alfredo C, donos de urna fundara nes-
ta capital, se propoem fomecel-as pelo prego de
de 1#500 ris, ao passo que os concurrentes Maia.
Silva v C. exigeni por cada urna dellas 2*480.
, comquanto nao sejam os mesmos Alfredo
C. negociantes matriculados, deve, comtudo, ser
aceita sua proposta, em vista do motivo exposto,
estipulndose, porm, no termo do contracto
para garanta de sua fiel execugo e dos nte-
resses da fazenda nacional, as clausulas indica-
das por V. S., a quemdevolvo toda^as propos-
tas que submetteu nimba considerago.
Ao inspector do Arsenal de Marinha A'
vista do que exp5e V. S. em oflicio de hontem,
sob n. 134, autoriso-o a mandar entregar ao
commandante da fortaleza do Buraco a canda de
que trata o citado oflicio, mandada construir
para o servico do mesmo forte.Communicou-
se ao commandante das armas e ao inspector
da Tnesouraria de Fazenda
Ao director do Arsenal de Guerra. Resti-
tuindo as inclusas propostas, que ficam appro-
vas. aceitas pelo conselho semestral desse Arse-
nal em sesso de 26 de Xovembro lindo, para
acquisigo dos artigos necessarios ao provimen-
to do respectivo almoxarifado, durante o semes-
tre de Janeiro a Junho de 1889, segundo consta
de oflicio dessa directora, de 7 do corrrente, au-
toriso V. S. a mandar lavrar os competentes ter-
mos de contractos, nos termos do regulamento
de 19 de Outubro de 1872.Communicou-se
Tnesouraria de Fazenda.
Ao inspector do Thesouro Provincial.Ten-
do em vista o exposto por Vmc. em seus oflicios
de 25 de Outubro, 7 de Xovembro e 14 do cor-
rente, ns. 513, 327 e 587, autoriso-o a arrendar
novamente o predio em que funeciona esse The-
souro pelo aluguel annual de 3:200*00 >, deven-
do os respectivos proprietarios ficar sujeitos aos
reparos e aceio de que precisar o mesmo predio
durante o tempo do contracto, sob peana de se-
ren as despezas feitas custa delles.
Ao commandante da escola de aprendizes
mannheiros. Com referencia ao seu oflicio n.
24, de 6 de Agosto ultimo, declaro a Vmc. para
os fins convenientes, que, segundo consta do
aviso do Ministerio da Marinha, de 6 do corren
te. sob o. 2,277. foram expedidas as necessaria-
ordens ao quartel general de marinha, no sent
do de ser eflectuida a baixa-do aprendiz mari-
nheio dessa escola Guilherme Adolpho i'anclo
de Gusraao, co forme requereu seu irrao e tu-
tor Estevf.o Augusto Barroto de GnsinaO, si o
mesmo sapoteante indemnisar as despezas fei-
tas pelos cofres do Estado com o referido menor
Communicou su Tbesouraria de Fazenda.
__Ao director geral de Obras Publicas. Ap-
provaao o orgamento no valor dW3 5288 para
os reparos e limpeza do proprio provincial em
que funeciona a escola publica roa do Cdahou-
go nutoriso-o a mandar cxeculal-os por emprei-
tada conforme solicita cm seu oflicio a. 242 de
15 do corrente. Fizeram-se s communicages.
Ao inspector especial de trras e co onisa-
co Nesta dala levo ao conliecracnto do Exm.
lnstroda agricultura a materia do oflicio
de Vmc. de honteai dalado sobre agasalbo de
emigrante; desuados esta provincia.
Si Ao director da Colonia Orphanologico Iza
el Maode V. Rvma. admittir nessa Colonia o
menor Enielino, filho do finado Antonio Siqueira
Lins. Mandou-se dar passagem na estrada de
Ierro de Sao Francisco c prolongamento por
conta da provincia, sendo de ida o TW a
pessoa que acompanhou dito menor.
Ao escrivaodo juiz-de paz do l* districto
da freguezia de Santo Antonio de Reberibe.
Recommendo a Vmc que devolva secretaria
desta presidencia os livros destinados aos as-
sentos, notas e averbages de registro civi!. mi
servico incumbe ao escrivo do iuiz de paz ,1o
Io districto da parochia da Sede Olinda. visto
nao estar essa freguezia instituida cannicamen-
te, segundo decidi o Exm. Sr. ministro do im-
perio ; o que me foi communicado pela respe-
ctiva secretaria de estado em telegramma d" 15-
do corrente mez. Communicou-se ao juiz de
paz respectivo e iemetteu-se copia a Cmara
Municipal de Olinda. ao juiz e eserivo de paz
da respectiva parochia.
Circular :
As cmaras municipaes. Recommendo
cmara municipal de......que me informe, com
a possivel brandado, qual o numero dos casa-
mentos celebrados por pastores das religioes to-
leradas que se acham registrados nessa cmara
nos termos do decreto n. 3,069 de 17 de Abril de
1863, conforme exige o Exm. Sr. ministro e se-
cretar o de estado dos negocios do imperio em
aviso circular n. 3.833 de 30 de Xovembro lindo.
Portara :
OSr. gerente da Companhia Pernambncana
mande dar passagem de proa at Ai-acaj, no
vapor que seguir amanh para os portos do sul,
a Genesio Matto Grosso, por conta das gratuitas
a que o governo tem direito
EXPEDIENTE DO DB. ECItETAIO
Oflicios :
Ao brigadeiro commandante das anuas.
S. Exc. o Sr desembargador presidente da pro-
vincia, manda communicar a V. Exc. que nesta
data submetteu o assumpto de seu oflicio, a que
respondo, de 15 do corrente, n. 3.693 ao conne-
cimento e decisc do Exm. Sr. ministro da guerra.
Ao Dr. Jos Maria de Albuquerque Mello,
Io secretario da Assembla Legislativa Provin-
cial.De ordem do Exm. Sr. desembargador
presidente da provincia declaro a V. S., que
nesta secretaria nada consta relativamente ao as-
sumpto de seu oflicio n. 103 de hontem datado
Ao mesmo S. Exc. o Sr. desembarga-
dor presidente da provincia manda declarar a
V. S. cm solugo de seu oflicio de hontem da-
tado n. 102 :
1. Que falso que as autoridades da comarca
da Escada tentassem impedir por qualquer for-
ma que se rcalisasse urna conferencia de propa-
ganda republicana, que alli deveria eflectuar-se,
pacificamente em casa paaticnlar.
2. Que pura invencao dos que se viram re-
pellidos pelo povo a noticia de naverem aquel-
las autoridades, para impedir que tivesse lugar
dita conferencia, armado libertos insinuanao-
Ihes harer da parte dos conferentes trama de
reescravisal-os, assim como aos homens de cor,
nascidos livres e at aos broncos pobres.
3.' Que nao bou ve perturbarn da ordem ; as-
sistindo ao povo o direito, nao menos legitimo
de manifestar desapprovaro a ura acto qne lhe
repugnara e para o qnal lora convidado.
Ao inspector do Arsenal de Marinba De
ordem de S. Exc. o Sr. desembargador presi-
nte da provincia rausmitto a V. S. o incluso
Btirplar do regulamento do- conselho-* eom-
Pra da marrana, approvado pelo demto n.
10,066 de SO dn i iniuhro no correntc anuo.
Mutatis jiuitandu ao commandante da esco-
la de aprendizes marinheiros.
DESPACHOS DA PRESIDEN* IA DO DIA 10 DB
JANEIRO DE 1889
Bacharel Affonso Vicente de Medeiros.
Sim, pagando o porte na repartico do
correios.
Antonio Ferreira Baptista. Em vista
dos motivos expostos, dou provimento ao
recurso interposto do acto da Cmara Mu-
nicipal de Nazaretlf que aceeitou as arre-
matcoes de impostos feitas pelo cidadlo
Marcal Emiliano Camello Pessoa. e deter-
mino Cmara que sejam novamente le-
vados praca os referidos impostos.
Antonio Vicente de MagalhSes Filho.
Concedo mais dous mezes com ordenado.
Augusto Abel Peixoto de Miranda Hen-
riques. Concedo.
Antonio Elias de Souza. Declare
impedimento, cuja despensa solicita, fa-
zendo a prova da rcaioridade de ambos oa
contrahentes c do seita a que pertencem.
Daiuiiin da Costa Leitao. Informe o
Sr. inspector da Tbesouraria de Fazenda.
Domingas Paulina Ayres. Sim, ooa
ordenado.
Henrique Bernardes de Oliveira. A-
guarde a solucao, que nesta data solicito
do ministerio da agricultura.
Bacharel Joao Qaintiliano de Azevedo
e Silva. Concedo.
Leopoldo Maciel da Cruz. Informe
Sr. insqector da Tnesouraria de Fazenda.
Lourenco Justiniano Patriarcba de Mea-
sias. Sim, pagando as comedoria.
Maia e Silva & C.Informe o Sr. ma-
pector da Thesouraria de Fazenda.
Raymundo Nonato da Silva Biaga.
Concedo.
Severino de Souza Saraiva. Nesta
data approvei o contracto, nos termos do
oflicio expedido ao Dr. inspector do The-
souro Provincial.
Vicente Fernandes da Costa Lima.
Sim.
Secretaria da-Presidencia de Pernam-
buce, 11 de Janeiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartir* ** Mrl*
2.a seccao.N. 47.Secretara d* Po-
licia de Pernambuco, 11 de Janeir de
1889. IHm. c Exm. Sr. Partiepo a
V. Exc. que foram hontem mcOm i
Casa de Detenco os seguintes indivi-
dttOS :
A' minha ordem. Theodoro Pereira *'oa-
res, por disturbios.
A" ordem do Dr. delegado do dia-
trict) da capital, Anna Mara da '. icei-
cao, por embriaguez e offensas ^tt-irai
publica : Maria Beatriz de Albal '""i'e,
Marcelino Jos Comes, por om
Estanislao Lopes de Carvalho el Coio
Lourenco Nunes, como desordeil^^B
A' ordem do subdelegado da Ir*
do Recife, Manoel Ferreira d;
uso de armas defeza.
A' ordem do do 1 districto da
zia do S. Jos, Maria Franciaaa d
valho Monteiro, Balbina da I


'lie-
Car-


jMiano
PernambucoSabbj

i
?
_
Igne Mara da ConceicSo e Jlo Anto-
nio Neponmceno, por disturbio*.
A' ordem do do Io districto do Poco da
Panella, Sebastiao Pereira dos Santos,
por disturbios.
Participou-me o delegado do termo de
Buique, que no da 3 do corrente, o sub-
delegado do districto de Gamelleira, oa-
pturou o individae de nomo Jone do tal.
conhecido por Jos Bonreien, isjoarso na*
Senas do art. 193 do odigo cnsjsanal, no
o Barreiros.
O cidadSo Joaouiat'dc Souza Montn,
communica ter nesta data, aesumido o ex-
ercicio do cargo de subdelegado da fre-
guezia de Santo Antonio na qqalidade de
V supplente.
Deus guarde a V. Exc.Ulm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Goes Jnior, muito digno presidente da
provincia. O chefe de polica interino,
Francisco Domingues Ribeiro Vianna.
DIARIO DE PERHAMBCO

|^^
*
RECIFE, 12 DE JANEIRO de 1889
Retroapecto poltico do auno
de 1888
POLTICA GERAL"
(Continuacao)
Alexandre III nao podia recusar os sen icos
noe o principe de Bismarck, sein medo de offen-
der a susceptibilidade das suas alliadas e pro-
vocar os desagrados da Inglaterra, solemne-
mente lhe oferecera, em relaco s iosoluveis
(iifficuldades da Bulgaria. Como repellir auxilio
lo valioso, quando o ajuntamenlo de tropas rus-
ias na fronteira, por mais diversos que fossem
os modos de explical-e, pareca sobretudo tra-
anzir a firme resolugo em que eslava o czar de
restabelecer, emflm, a legalidade violada n'a-
ejnelle principado ? Deste modo pensava certa-
ante o governo de S. Petersburgo, quando al-
gunas semanas apos o celebre discurso do Bei-
cbstog, enviou um embaixador corte da Alle-
manha com poderes bastantes para chegar a um
accordo com o officioso chanceller acerca das
aovas propostas que no assumpto deviam ser fei-
tas s potencias signatarias do tractado de Ber-
ln. Seguio-se estada d conde Schouvalot ua
capital do impeno germnico, urna publicago
ao Mensageiro do Governo, por meio da qual o
imperador moscovita, sahindo da sua longa rc-
ierva, dava a conhecer claramente Europa o
atodo porque entenda dever resolver-se o eterno
problema blgaro. Nao discuta esse manifest,
rcdigido com a mxima moderacao, a thesc by.
ntina da nullidade dos actos da sobrani de
Sana, que elegera emJulho de 1887 ao duque de
iaxe-Coburgo. A esse respeito limitava-se a
declarar que a Russia acatara qualquer raani-
feslago verdadeira da vontade da Bulgaria,
desde que fosse expressa por iutermedio dos
representantes nacionaes. Estabelecia, porm,
ama condicao impreterivel para isso: quera que
t> principe Femando fosse desde logo coagido a
anacer do throno de que se apoderara por sor-
presa. O Coburgo, allegava o manifest, nao se
pede dizer um soberano ligitimo, porque um
usurpador ; a sua designaco para a magstra-
tara que exerce nao foi sanccionada pela Porta,
a suzerana na Bulgaria, nem pelas potencias in-
leressadas, como expreseamente exige o art. 3
lo tractado de Berlim ; a sua conducta illegal
a violenta, constitue positiva aronta s clausulas
de 1878.
E(h summa, czar, como disse um commeu-
lador da publicago a que nos referimos, pedia
tres cousas : aos blgaros o arrependimenk>, as
potencias o respeito iwlas oonvonccs que B8Sg.
naram, ao sullo, finalmente, urna declarago so-
leme de que o principe Fernando nSo passa de
um impertinente, de um intruso.
Eis, segundo o artigo do Mensageiro, que por
tal modo assumia certo carcter de ultimtum
o mclhor e mais seguro meio de se garantir a
paz jjeral.
A imprensa ollicial allem acolheu solitcia-
anote as declaragoes do governo de S. Petersbur-
go. Pensava ella que nao eTa licito Turqua
subtrahir-se obrigago de restabelecer a legali-
dade dos tratados, desde que a Russia para isso
a convidava, e com tac pleno dircito, que podia
ftzd-o por si s, sem necessidade do consentimento
le otaras potencias.
Comprehendia-se a importancia desta ultima
neBexo, urna vez que apparecia desde logo como
npossivel a bypothese de um accordo unnime
das nacoes acerca das cousas da Bulgaria. Alli,
nomo em todo o Oriente, os interesses e aspira-
jes dos grandes estados occidentaes sao pro
fundamente divergentes entre si. Foi esse inex
onguivel antagonismo que araparou por muito
lempo o principe Alexandre de Battenberg, que
jinda hoje oceuparia o seu lugar no principado,
m a Russia, atioal aborrecida dos pannos quen-
tes da diplomacia, nao tivesse erapregado pro-
oesso menos legitimo, porm incontestavclmente
{ais proficuo, para livrar-se por urna vez do im.
aortuno. A longa fortuna do actual soberano
dos blgaros explica-sc pelo mesmo facto des-
aas rivalidades implacaveis, que tal vez se desen-
eadeiein nimia lucia monstruosa, no da coi que
o imperio moscovita se juigue com o direito de
fcoer justica por suas proprias mos.
Be feito, a Austria, a Italia e a Inglaterra
astraram, desde o principio da ultima campa -
ata diplomtica do gabinete de S. Petersburgo,
jae nao acora panhariara o principe de Bismarck
a seu esforgiem prol da causa do imperador
Abrxandre. cima da boa amisade da Aliema-
aba pOe cada urna dessas potencias os seus in-
teresses particulares, o que julgam mais conve-
niente satisfago de seus respectivos designios.
Ora, os inglezes, e agora os italianos, querem pre-
dominar eada vez mais extensamente no Medi-
terrneo, onde a presenca da Franca os est vi-
vamente incommodando ; a Austria, impellida
sempre pelo desejo de indemnisar-se no Orien-
te do que perdeu na Allemanha o na Italia, pre-
tende proseguir desassombrada no caminbo de
3a tnica.
Seria, por cousequencia, urna fortuna para es-
ees tres estado.-; o verem totalmente abatida a
influencia moscovita no principado da Bulgaria,
anortas as tradicianaes e pertinazes esperangas
do gran le imp ;rio em relagao a Constantinopl 1.
aela completa ruina da sua "poltica nos Balkans.
Mal foram conde idas as pretences da Russia,
3 gabinete austro-hngaro eomecou a affirmar,
por intermedio dos eos jornaes, que algutnas
potencias >tu i.lavara da ellicacia dos esfor
gou que se esiavam erapregando para aniquilar
o gove no de facto que existia na Bulgaria ; que
otnquinto fosse yerdade que esse governo nao
Buha fundamentos legaes, o certo era que elle ia
aaoteiido a ordem interua do paiz e dirigindo-
Uk os neuocios de modo vantajoso para os na- J
faraes e mesmo para toda a Europa; que as na-
eO porque raudo seria mantida a ordem c a tran-
jfailidaue ao principado, aps a queda do pr in-
sudo; que era justificado o receto de
chia na Bulgaria en que seria peor, a estead es-
se a todas as possessoes europeas da Turqua.
O Times nSo so conlestou a legitimidade dos
argumentos da Russia, mas considerou de todo
inopportuno o momento para qualquer interven-
ida Europa ao negocios de Sulla. Osjor-
pae ofliciaende Londres apoiavam esta liugua-
gem. em quamo o; governos da loflaterra e da
Italia sem usarem oQicialuiente damesma fran-
queza, impunham como clausula da sua adhesao
ao programma moscovita a revelaeio previa que
o czardeveria fazer-lhesdas suas iutencoes fi
naes, se o principe Fernando nao quiessc em
easo nenhum demitr-se das suas rendosas
funccOes, nem os blgaros dessem ouvidos aos
conselbos das potencias.
Asseverou-se qne seriara estas as consequen-
cias do acto diplomtico entao promovido pela
Russia :
Declarada illegal a permanencia do Coburgo
na Bulgaria, o respectivo ministerio, notificado
dessa resoluco europea por intermedio da Tur-
qua, tratara de despedir immediatamente o
principe. Vago por tal modo o throno que elle
oceupa, as nacoes, inclusive o imperio russo,
entrariam em immediatas relacoescom o gover
no provisorio, afim de que regularmente fosse
convocada nova assemblea eleitoral. Logo que
esta se achasse constituida, enviara, como sa-
tisfago devida potencia libertadora, urna de-
putaco ao czar para communicar a Sua Mages-
tade que os novos representantes estavam en-
carregados de eleger o futuro prncipe. Median-
te esta ultima condicao, o governo de S. Peters-
burgo prescinda da presenca de um represen-
tante civil ou militar seu, junto ao governo que
tivesse de constituir-se no principado. Depois
disso, a assembla nomearia legalmente, e de
conformidade cora o tractado de Berlim, o priu-
cipeque lhe aprouvesse, que nao podia deixar
de ser acceito pelas potencias.
Estes esclareciraentos apenas prevemam a
raelbor das hypotheses, e as nacoes de que fal-
lamos queriam que elles as abrangessem todas.
Essas difliculdades, esses habilidosos recursos
da chicana diplomtica deixavam antever o abor-
to das tentativas moscovitas.
Nao obstante to mos prenuncios, o governo
de S Peter3burgo communicou ofliciahneute a
sua vontade ao sultao, exigi que este procla-
masse a fallada illegalidade, que fulminasse o
usurpador com mais um dos seus inoilencivos
anathenas. Esta exigencia, de que foi orgo o
diplmala Nelidof, recebeu imraediato apoio
dos embaixadores da Allemanha e da Franca em
Constantinopla. A Porta Ottomana acceitou a
communicacao, e, conforme a praxe, pedio tem-
po para resolver. A diplomacia turca nSo passa
por ser a mais expedita, e nao seria nossivel que
o fosse, metlida como est constantemente entre
as influencias contrarias das suas iguaes do Oc-
cidente. A Turqua positivamente urna naco
conquistada. O resto de independencia que lhe
deixaram, serve apenas para que ella conhega,
da a dia mais intima e dolorosamente, o enorme
abatimento a que chegou.
essa vez, nao foi, todava, demasiado longa
a demora do governo ottomano. Apezar da op-
posico da Austria, Italia e Gra-Bretanha, o sul-
tao, no intuito, tal vez. de livrar-se o mais de-
pressa possivel das torturas a qne as intrigas
doo embaixadores o sujeitavam, tez a solemne
declarac&o que a Bussia e as suas auxiliares
n'essa pendencia lhe impozeram. Disse-se pos-
teriormente que a presteza de tal deliberaco se
explica va pelo facto de llavero Sr. Nelidof amea-
cado a Turqua com a exigencia de pagamento
do que ella anda est restando ao imperio russo,
como indemnisacSo c'ia guerra de 1878. Real-
mente, a lgica de um credor tera muitas vezes
urna torga irrcsistivel. Tarabem se aflirmou
que o-embaixador do czar sraente fizerauso das
armas communs do raciocinio ; que apenas ti-
uha notado ao governo ottomano que o manifes-
t exigido contra o principe Fernando era ape-
nas repetigo de oulro que o sultao fuera no mes-
mo sentido em Agosto de 1887. Perdc-se de
todo a f na validade de aemelhaute argumento,
quando se imagina que a Turqua tinlia bastante
agudeza de espirito |)ara inutilisal-o com tnum
pliunte replica. Com effeito, repetir urna nota di-
plomtica, lembrou um jornalista, implcita-
mente confessar que a primeira nao leve raereci-
raento algum, o que punha desde logo em duvi-
da a proficuidade da segunda.
Esses commentarios nao tinham o poder de
auuullar o facto consumraado. Fosse qual fosse
a razo que o governo de Constantinopla tivesse
para obedecer s suggestOes moscovitas, o caso
que elle o fez, e cora certa apparencia de espou
taneidade, desde que o desaccordo das potencias
'he nao creava uenbuma obi igagao positiva.
A Russia poda, consequentemente, gabar-se
de que havia alcancado una victoria sobre as
suas decididas rivaes, e sem os dispendios e de
sastres de urna luda a raoarmada. Mas os re-
sultados praticos do triumpho, ao menos at aqu
no correspondern! absolutamente ao prazer
que elle, no primeiro momento, podia ter levado
ao coraco do czar.
Se j a sabedoria irnica do dictado balas de
popel nao fazem moss-t teve urna conlirmagao
verdadeira, deu-lh'a certamente a prolongada e
fatigante questo blgara. O Saxe Coburgo,
como por longo prazo aconteceu com seu ante-
cessor, tem sido paciente de diversas manifes-
tacoes contrarias continuago do seu poder.
Quando as nao recebe directamente as notas ar-
rancadas ao suzerano, ohegam-lbe nos artigos dos
jornaes inspirados pelos governos seus desaire-
los. Mas se o principe tem razo para nao acre-
ditar seriamente que o sultao lhe vote especial
antipaiia, pelo que respeita s gazetas que o
hostilisara parece professar certa opinio do
principe de Bismarck que nSo v as folhas rus-
sas e francezas mais que simples tinta (!e im-
primir, a que no liga a mnima importancia.
Nao pode ser de oulro modo, urna vez que o
duque vai continuando no exercicio do seu
emprego em trra estranha, sem se preoecupar
excessivamente com o que se posta passar fora
dos muros dj^sua rep;irt,gao. Dir se-ia at que a
ultima declarago da I'orta o deixoumais afoito
e desatusado para com a autordade do suzerano.
Prova-o a coragem com que o governo d 1 Soda
se apoderou do ramal da linha frrea Vakarel
Bellova, construido custa da Turqua em terri-
torio da Rumelia Oriental, onde se prende s
lianas frolgar; prov im-110 os factos que re
sultaram dessa apropnago, entre o rmpreiteiro
d'aquelle ramal e as autoridades do principada ;
crditos destinados manQteu\'o do cufio
iutoiano no paiz, se o sultao lhe nao satisfl,
certas e detenninadas pretences sobo ponto de
vista religioso. Desoja o governo do principado
que a Turqua d exucugSo a um antigo firman
que ordena a creaefto de um bispado blgaro na
Macedonia, dependente do exarque de sua nacao
e nao do patriarcha helleno de L'skub e Ochrida.
Fndametaado esta sua aspiracio, nao davidou
o g-mrao da Buiffaria invocar o tractado de Ber-
lim, o mesmo de que a sua poltica tem consti-
tuido a violceo mais hn/rante. Esse tractado
prescreve a projaulgaco de ragulamento org-
nicos conformes s necessidaes tocas das pro"
vincias da Turqua. A esta foi dirigida urna
peligo que no assumpto lhe subotetteu grande
numero de bulgaros de origenunacedonica resi-
dentes em Constantinopla. Pela primeira vez dei-
xou ura papel dessa ordem de ser apresenlado
a urna embaixada estrangeira antes de chegar ao
seu destino.
A Bulgaria continua, pois, a ser um pomo de
discordia entre as graudes potencias europeas a
perpetua araenca de grande e temerosa confla-
graco.
(Contina.)
\olleias do Pacleo. Rio da
Prata e 8ul do lanperio
O paquete americano Advance, hontem entrado
do sul, trouxe as seguintes noticias :
Pac- i II co
Foi publicado na corte este telegramma:
Valparaso, 3 de Janeiro.
Foi encerrada a exposico com toda a solera-
nidade, pronunciando o presidente da repblica
o discurso de encerramento.
Kio ria Praln
Foram publicados na corte estes telegram-
mas :
buenos-yres, 3 de Janeiro.
Foram reeleitos directores do Banco Nacional
Eraileano Fras e Ramn Blanoes.
O chefe da repartico de estatistica apresentou
um relatorio, no qual demonstra terem entrado
na repblica, nos 32 annos ltimos, 1,621,797 im-
migrantes.
Montevideo, 3 de Janeiro.
0 congresso concluio a discussao da proposta
reconhecendo a propriedade litteraria e arts-
tica.
Buenos-Aijres, 3 de Janeiro.
Rebentuu um motim de carcter poltico na
cidade de Ocarapo. em Santa F, sendo preciso
eai pregar os maiores esforeos para reprimil-o.
No motim foram moras 15 pessoas, ficando
muitas feridas.
Tornouse effectiva a reorganisago que divi-
di o exercito em tres corpos.
Rio tirande do NmI
Datas at 29 de Dezembro, e telegraphicas at
2 de Janeiro:
1 > coinmendador Castro Silva, chefe da commis-
so de fazenda encarregada de examinar as re-
Earticoes de Lenda da provincia, nSo s prohi-
io o despacho de navios com sai em Pelotas e
S. Jos do Norte, como os despachos de allivio de
gneros que forem com destino a Pelotas e Porto-
Alegre.
Refere o Onze de Junto, de Pelotas, que o in-
dustrial daquella nraca Jos Alvares de Souza
Soares est envidando todos os esforgos ne-
cessarios para estabelecer ahi urna fabrica de
vidros.
Na xarqueada do tcnente-coronel Brutus Al-
raeida, na mesma cidade, deu-se urna scena de
sangue, da qual resultou a raorte instantnea do
preto de nome Patricio d'Avila, erapregado na
mesma xarqueada.
Entre elle e seu companheiro de trabalho, Ar-
thur, deu-se urna acalorada discussso, por causa
de urna cuia de farinha.
No ardor da contenda, Arthur, tirando de urna
faca, ferio com ella a Patricio, as proximidades
do estomaio, offendendo gravemente os intesti-
nos e dando-lhe a morte inmediata.
Uma hora depois, Arthur foi apresentar-se ao
Sr. Christovo Jos dos Santos, subdelegado de
polica do 3." districto. declarando que havia
morto casualmente, um companheiro de quarto.
Explicou que, em discns*o m elle,por m<5ro
gracejo, aiirara-me com a faca, sendo to infeliz
3ue o instrumento cravra-se-lhe na regan j in-
icada.
O Cruzeiro do Sul de Bag d a seguinte no-
ticia :
No dia 11 do corrente falleceu nesta cidade,
ao que se diz, victima da mordedura de um mos-
quito, o menor Miguel, de 6 annos, fllho de Ma-
ximiano Rodrigues Nunes.
Apresentado por seu pae, na raanha desse
dia, no consultorio do Dr. Azevedo Penua, veri-
ficou S. S a existencia, na pessoa do menor, de
uma quasi imperceprivel solugo de continuida-
de com levantamento da epiderme do lado es-
querdo.
Feita a cautersag&o, deu-se, nao obstante, a
morte daquelle menor, duas horas depois.
Houve provavelmente inoculaco de algum
virus pelo mosquito transmittido infeliz enan-
ca, e que lhe produzio a morte.
Foi recebida com grandes demonstrares de
jubilo a noticia de haver passado na Assembla
Provincial o projecto elevando a villa de D. Pe-
drito cathegona de cidade.
Em S. Gabriel occorreram os seguintes
Cactos :
No Mudador foi assassinado Firmino Mar-
ques d'Avila, de 50 e tantos annos e antigo mo-
rador no lugar.
O assassino, seu neto Firmino Peres, foi reco-
mido cadeia civil, bem como o genro da victi-
ma, Antonio Peres, que se suppc ser cmplice
no crime.
prova-o, finalmente, a coragem cora que, em Ou-
tubro, o ministerio Stimboulof manifestouo de-
ujo de promover na sobrani a suppressao dos
No Caboat, estando Manoel Albino Teixei-
ra em reunido com diversas pessoas em um
rancho, prximo sua casa de negocio, para
alli, tambera se dirigi mais tarde, seu irmo
Jos.
Na occasiao, porm, em que este se approxi-
mava do rancho, sem ser visto e nem presenti-
do pelas pessoas que estavam se divertindo den-
tro do dito rancho, Manoei foi porta da frente
e disparou urna pistola que estava carregada com
bala. O projectil foi emprearse em Jos, que
sabreviveu alguns momentos ao mortal ferimento
recebido.
Do inquerito a que se proceden bem se evi-
denciou que o homicidio foi inteiramente ca-
sual.
Consta ao Diario do Rio Grande que um syndi-
cato do Bio de Janeiro propoe-se a effectuar a
compra da Companhia Rio-Grandense de Illumi-
nago a Gaz, tendo j apresentado proposta nes-
te sentido.
Na noite de 25 do mez passado, uma malta de
individuos a pedrejn o edificio da cadeia civil do
Rio Grande, arrojando contra elle enorme quan-
tidade de proiectis.
O comraandante da guarda mandou pracas no
encalco dos apedrejadores, que conseguiram fu-
gir, e foi expedida ordem para ser augmentada
a guarda para previnir, caso apparecain de novo
os vndalos.
Refere o Artista do Rio Grande :
A ra que passa pela frente da capella do
Roratim est repleta de ossos humanos, pisados
constantemente pelas patas dos animaes que
alli passam, montados ou tirando carros e car-
retas.
O Sr. Manoel P. de Mattos, procurador da ir-
raandaile do Senhor do Bomtira. tem feito reco-
Iher capella diversos ossos e caveiras; mas
com o transito de carrocas; todos os dias sao
postos a descoberto novos restos dos cadveres
que, em tempo do cholera, foram sepultados,
onde hoje a ra e naquelle tempo era cemi-
terio.
No dia 26 o vapor inglez Chatham, que se
diriga de Pelotas para Porto-Alegre, soffreu
de-arranjos no hlice, que embaragou-se no cabo
de espia de ura navio que estancorado em fren-
te xi rqueada dos Srs Braga a Campos, no rio
S. Gongalo.
Por esse motivo regressou ao ancoradouro c
s a 27 seguio viagem.
Em Pelotas occorreram os seguintes fac-
tos :
\ una hora da madrugada de 25 na Vanea,
duas pracas de linha, pertencentes a guarda di
mesa ce rendas geraes, atacaram, armados de
sabr, diversas pessoas. provavelmente com o
intento de exigir dellas a bolsa ou a vida.
llenteudo reagir, foi aggredido, i-ecebendo dous
ariaientos na cabega e um em uma perna.
Aes gritos da victima acudi a polica parti-
cular, que j no enconteoa os soldados aggres-
sores.
" O ferido foi cenduzido para o hospital da San-
ta Casa de Misericordia, onde recebeu os primei-
ros curativas.
No porto da cidade, Joaquim Antonio Viei-
ra e Joo Meirelles Brrelo, ambos martimos,
travaudo-se de razes, chegaram vias df'facto,
resuitando sahir o primeiro com dous ferimeu-
tos de faca, um na cxa e ontro na cabera
O ferido. cuio estadojjo aprosenta gravidade.
foi traasportado para a Santa Casa, onde se
ada em trataraento, e o delioquente recolhido
cadeia.
Sob a epigraphe Senao Pacheco, d o
Comkw-Vtrcantd da mesma cidade esta noticia :
Informara-1 ios que a 23 do correte as
proxitBHldcs da lluena, i0dialrioto deste termo,
o delepdo de polica de Canguss e o subdele-
gado de polica do Cerrito, acorapanhados de
escrives, ociaes de justiga e 14 pragas de po-
lica, ccrcram a casa onde habituatmente se
encontrava o individuo Seno Pacheco, malfei-
tor reconhecido e pronunciado por crime de ho-
micidio.
Aconteceu, porm, que as forgas se flzeratn
annuncwr pelo som de um clarim ao toque de
avancar, o que tanto bastou para prevenir Sen5o
Pacheco, que promptaracnte se pz em fuga,
disparando tiros sobre a torga e recebendo ou-
tros tantos que o n3o attingiram.
E assim se foi ao mallo ou a la cria, como
dizem os orentaes (
Depois dsta facanha, autoridades e torcas
retiraram-se como chegaram ao som do cla-
rim
A mesma folha refere em data de 27 :
O auno correu pessimo para os arboriculto-
res deste municipio.
Era cousequencia de ura invern sera fros,
a arrebentagao das arvores e com ella a flores-
cencia deu-se muito antes da primavera.
Succederam-se as cliuvas torrencines, ven-
toa e as geadas \p Agosto e Setembro. de modo
que os fructos ou cahiram ou learam completa-
mente damnificados.
Foram as parre ras as que mais soffreram.
As folhas crestaram, cahiram e as poucas uvas
que escaparam esto eomo que citumbeadas,
cheias de pinta3 pretas. As de qualidades pt-r-
deram-se totalmente e das americanas so se
sil varara aquellas que estavun. en Aivare* a -
xos e muito abrigadas.
Pde-se, pots, affirmar que nao teremos
ne3te anno colheita de vinho ou pue ser assaz
insignificante-
Em vista disso, o que se torna preciso
abrigar as parreiras e cultival-as de modo a di-
minuir o effeito dos temporaes .
Em S. Lourengo tfm cali ido muitai: ihufas,
nao s na povoagao ctrao na colonia, onde as
cadas estao transformadas em lodagaes, sendo
ifficil o transito das carretilhas dos colonos e
dos carros de transporte de lenha e de viveros.
O ex-collectorda Cachoeira, Jos Alfonso de
Carvalho Taborda, recolhcu integralmente ao co-
fre da directora da fazenda provincial o alcance
verificado de suas contas, bem como os juros
respectivos contados na dita liquidacao.
Por esse motivo mandou o presidente da pro-
vincia relaxal-o da priso administrativa era que
se achava naquella cidade.
- Foram publicados na Corte estes telegram-
mas :
Rio Grande, 31 de Dezembro.
Os libcraes venceram na cidade e em outros
pontos.
Por ora o menos votado leva sobre o conser-
vador mais votado a maioria de 38 votos.
Chegou o paquete Rio Pardo-
De8erabarcaram o general Deodoro e ofliciaes.
Consti que o general Deodoro nao parte em-
quanto nao chegar o paquete Rio de Janeiro, es-
perado aman lia.
Consta mais que o general espera de Montevi-
deo noticias sobre quarentenas.
de Janeiro.
O resultado conhecido das eieiges provin-
ciaes d nma maioria liberal de 64 votos, tendo
j sido eleitos 21 liberaes-
As forcas militares chegadas da Corte tiveram
ordem de demorarse por ter baixado o rio Pa-
ran'
O Io batalhao aquartelou em uns armazens
prximos da capitana do porto, e o 7o ir para
O quarto! do 12*.
O paquete Rio de Janeiro entrn, Hovendo tun-
dear amnh cedo 110 porto.
flio Grande do Sul, i de Jaueiro.
Como desceram consideravelmente as aguas
do ro Paran, (cando encalhados os paquetes da
companhia nacional Ripido e Diamantino,as tro-
pas I i carao aqu alguns dias, acliando-se j re-
gularmente aquartelladas.
Foram alujadas casas, para os ofliciaes, aos
quaes o general chefe mandou fazeradiantamea-
tos de dinheiro.
O 2 cirurgio do corpo de saude do exercito
Dr. Julio Adolpho da Fontoura Guedes, de ser-
vigo da guarnico desta cidade, partir com as
tropas para Mato-Grosso.
Porto-Alegre, 5 de Janeiro.
Consta que partido conservader unido est in-
disposto com o presidente da provincia Dr. Gal-
dino Pi mente!, por cansa da nomeac^o de libe-
raes para cefes das repartiges e da sanegao do
orgamento concedendo favores peennirios.
Estao eleitos para a assembla provincial 15
conservadores e 21 libcraes.
Paran
Foram publicados na corte os segoeintes te-
le ura mi as :
Cvrityba, 2 de Janeiro.
Hontem o palacio estove cheio de pessoas, que
em carcter official e particular foram compri-
mentar o presidente da provincia.
Orou o commandante da brigada.
De diversos pontos da provincia recebeu o
presidente telegrammas de felicitacao.
A designago de professores conforme a nova
lei, tem sido feita com tanto escrpulo que an-
da nao houve reclamagao.
Houve hontem no theatro conferencia republi-
cana.
O bardo do Serr Azul, subvenciona duas ea-
deiras supprimidas pela assembla.
Curityba, 4 de Janeiro.
Deixon o cargo de chefe de polica o Dr. Go-
mes Ribeiro. Foi nomeado interinamente o juiz
municipal Alencar Guimares, por nao quererem
aceitar aquelle cargo os iuizes de direito da ca-
pital e de S. Jos, convidados pela presidencia.
Parti para S Paulo o desembargador Erme-
lindo Leao.
4 de Janeiro.
Durante o anno passado sahiram para o exte-
rior desoito milhoes e meio de kiios de malte.
sendo a exportagio inferior ao anno de 1887 em
perto de dous railhes
Minas-Geraea
Datas at 3 de Janeiro.
Para o logar de Inspector geral da immigra-
cao, em substituigo do Dr. Diogo de Vasconcel-
los. que insista por sua exoneraco e alinal a
obteve, foi nomeado o commendador Jos Carlos
de Carvalho, inspector geral de trras e coloni-
sagio por nomeago do gdverno geral. Era re-
conhecida a conveniencia da reunido do servigo
geral ao provincial sob a mesma direegao.
- Tendo solicitado e obtido exoneragio do
cargo de inspector geral da nstrucco publica o
Dr. Malinas de Viihena Valladlo, foi nomeado
para substituir o Dr. Claudino Alaor Bernhauss
de Lima.
Reassumio o exercicio do seu cargo de se-
cretario da RelacSo o Dr. Ibrahim da Cruz Ma-
chado.
Est em exercicio do cargo de secretario
do governo o Dr. Fabio Ramos, nomeado por de-
creto de 22 do corrente.
Foram approvados os perfis e estudos te-
chnicos da estrada de ferro de Sapucahy a par-
tir da Soledade, estago de Minas and Rio, at
Pouso-Alegre; eis e tragado:
A linha parte da estacao da Soledade no kil.
90 da E. de F. Minas and Rio, a 80- cima d ,
nivel do mar; atravessa essa estrada de ferro e
logo era seguida o Rio-Verde para a margem
esquerda ; raarioia o Ribeiro do Carino, aflluen-
l do Rio-Verde e atravessando varias vezes este
ribeirSo por causa da sua tortuosidade, passa en)
frente freguezia do Carmo, no kil. 14 mais
750*. com a cota >92,40* cima do mar.
Sobe sempre o mesmo Ribeiro do Carmo at
as nascentes, na garganta do Pinheirinho; trans-
pe esta garganta no kil. 29 com a cota 1,080"
cima do mar, e desee as aguas de ura affluente
do Rio Lambary ; subindo este rio e atraves.san-
do-o no kil. 37 para a margem esquerda, passa
Continuando a subir o rio Lambary at as nas-
centes, n; a do Chico llampos, transpe
esta garganta, divisa das aguas do Rio Ve
com as aguas do rio Sapucahy. no kil. 31, com a
cota 1.30" cima do mar.
Dah em diante, desee, margeandoo rio S. Joo,
confluente do rio Lourengo Voltio, atravessa o rio
Lourenco Velho; no kil. 76 mais 540~, com a
cota 842 aciraa do mar; e, passando pela Gar-
ganta da Capetinga, chega cidade de Itajub.
no kil. 85 mais 740-e na cota 840m cima domar.
Dahi margeia, descendo sempre, o rio Sapu
cahy. e atravessa o para a margem esquerda. 110
kil. '98 mais 460m ; continua a descer e passa no
kil 137 mais 340", era frente villa de Santa
Rita, com a cota 818" cima do mar.
Descendo sempre at prximo foz do rio Sa
pucahy-inirim, affasta-sc ahi do ro Sapucahy o
sobe a margem direito do Sa|iinahy-mirim. atra-
vessando-o no kil. 162 mais 300 ; em seguida,
no kil. 163 mais 316,47". faz jun 'gao com a esta-
ca 0 da 2" diviso, as proximidades da ci-
dade de Pouso Alegre, na cota 814,87" cima do
mar.
As mais notaveis obras de arte sao as seguin-
tes : ponte sobre o rio Verde, l vo de 38 metros;
viaducto na estaca 1.465, 3 vaos de 16 metros;
ponte sobre o rio Lambary, 1 v8o de 10 metros;
viaducto na estaca 2.384, 1 vo de 30 metros,
ponto sobre o rio S. Joao, 1 v5o de 10 metros ;
ponte sobre o rio Lourenco Velho, 1 vo de 25
metras ; ponte sobre o rio Sapucahy, 2 vaos, um
de 25,"30 e outro de 38,"60 : ponte sobre o rio
Vargem Grande, 1 vo de 20 metros; ponte so-
bre o Sapucahy mirim, 3 vaos, um de 39 metros
e 2 de 20 metros.
Alm da estago da Soledade, no entroncamen-
to com a Minas and Rio, tem a va-forrea do Sa-
pucahy, as seguintes estages al Pouso Alegre :
Estacao do Carmo, de 2a elasse, no kil. 14 mais
700" ; cstagao da Christina, do 1* elasse, no kil.
38 mais 600"; estacao da Serra, de 2* elasse, no
kil. 57 mais 300-; estago de Itajub, de 1* cas
se, no kil. 85 mais 900"; estago da Vargem
Grande, de 2* elasse, no kil. 98 mais 000"; es-
tacao do Alegre, de 2* elasse, no kil. 117 mais
100" ; estago de Santa Rtta, de 2* elasse, no kil.
137 mais 300".
*. Paulo
Foram publicados 11 corto estes telegram-
mas :
S. Pauto. 2 de Janeiro :
Resultado da eleigo de depulado no 4." dis-
tricto :
Perreira Braga, liberal, 368 votos; commen-
dador Manool Al ves, conservador, 300; Adolpho
Gordo, republicano, 198.
Faltara muitos collegios e haver 2." escru-
tinio.
O Sr. Gaspar da Silva, redactor do Diario Mer-
cantil, foi hoje alvo de ruidosas manilestaces
de aprego peto son anniversario ; recebeu folici-
tages de grande numero de pessoas gradas,
muitos presentes, etc. A' noite duas bandas de
msica foram compriinental o na redaeco do
Diario. Muito povo, foguotos c vivas. 0 presi-
dente da provincia raatiilou ura carto de para-
bens em termos honrosissiraos. Os empreados
da remessa do jornal offertaram um rico pre-
sente.
S. Paulo, 5 de Janeiro ;
Haver 2." escruiinio no *." districto. A c-
mara municipal de Taubat deliberou fazer urna
manife8tago de aprego ao consetboiro Antonio
Prado, por ter patrocinado a ideia da estrada
frrea de Taubat a batuba.
O Diario Mercantil dar amanha uma gravura
representando o Gabinete I'ortuguez de Lcitura.
O Dr. Antonio Bonto deelarou pela imprensa
nao ter aconselhado qualquer maaifestago poli-
tica dos libertos.
Inaugurou-se hoje, no bairro de Braz, urna ira-
portante fabrica de movis, denominada S. Pe-
dro. O estabelociinento magnifico.
- Foi celebrada no dia 3 novo contracto com
a Companhia E. de F. de Sapucahy para cons
truego da sua linha priucipal da estago da So-
ledade na E. de F. Minas and Rio at o muni-
cipio da Penha de Mogymirim, divisa desta com
a provincia de S. Paulo, e do3 ramaes de S. Jos
do Paraizo e Aguas Virtuosas do Lambary, com
garanta de juros de 7 % durante 20 e privilegio
por 50annos. A companhia obteve tambem pri-
vilegio por 50 annos, sem garanta de juros,
para o cntroucamento de sua linha na estrada
de Jaculinga, no municipio de Ayuruoca ao Rio
Preto.
Na vistnha cidade de Mananna houve na
noite de 34 do mez findo um conflicto, do qual
d noticia A Provincia de Minas nos termos se-
guintes :
A' meia noite de 31 do mez prximo findo
soube-se nesta capital que tinba havido, horas
antes, grande conflicto na vizinha cidade de Ma-
ranna, do qual resultaram a morte de Jos Au-
SUBto de Fana, tabellio na cidade Visconde do
io-Branco, que alli estava de passeio, c feri-
mentos ara Manoel Jos dos Reis, praga do des-
tacamento.
O Exm. Sr. Dr. Levindo Ferreira Lopes,
digno chefe de polica, fez seguir incontinente
para o lugar um contingente de 20 pragas de
polica, sob o commando do capito Francisco de
Paula Xavier de Abreu, que alli chegando s 4
horas da manh, conseguio, auxiliado petos Srs.
Drs. juiz de direito e Joo Bawdan, restabelecer
a traoquillidade publica, dispersando s 7 horas
ura ajuntamento, que se formara na noite an-
terior.
o Para syndicar destas oceurrencias, seguio
horas depois para a mesma cidade o Exm. Sr.
Dr. chefe de polica, que all fez diversas dili-
gencias e regressou hontem noite. tendo ave-
riguado, segundo nos informara, o seguinte :
Ha dias Antonio Gaspar Ladeira, procurador
da cmara municipal, o qual foi ha annos ex-
pulso do corpo policial e curaprio pena na ca-
deia desta capital, promoveu uraa manifestago
dos italianos Felippe Granan e F. (radio, por
terem sido absolvieras das aecusages por crime
de quebra culposa, c realisando-a no dia 28
insultou a diversos cidados da parcialidade
liberal, da qual diz ter-se desligado ha poucos
mezes.
Irritados os nimos com este procedimento,
tratou-se de um desforgo contra Ladeira, resol-
vendo-se fazel-o retirar da cidade em curto
LuizMarti -Salvias Cafetal
Mello.
Foram desp.
res oa S^
neraes Enea
e Conrado Niemcyer, iBUfbJa mWhe gnaaitoi >
m I laliernl^^^^^B amigos.
Datas at 8 de Janeiro.
Efleetiiara-sc no domingo 6 do cania*! a
i' oarrida nQ^flppodromQ S. -SafraJor. Hoawe
6 parcos terminando o mertimeuto perto de 7
horas da noite c attingiodo < mnvimento geral
da casa das apostas n 24:9201.
Falleceu no dia 6 noite o commendador
Joo de Oliveira Guedes.
INTERIOR
5 V Ja-
CorrcApondeacJa da
IVrnaaahNr*
RIO DE JANEIRO com,
neiro de 1889
Summario : Ordem publica Propaganda re-
publicana Estado do* eapiri-
tos Providencias acertadas
Kecomposico ministerial Oa
novos ministros A poli tica de
gabinete O Paiz em oppaai-
cao Attitude do Sr. J. Mata-
co O Mmiripio -Vwtro La-
tas jornalistas l"m jnizo msos-
peito Jurisprudencia de* tri-
bunaes Exposico de asencar
Inaugurago do Musen Milar.
do da
pra/o.
Com este flm reuniram-se na noite de 31
muitas pessoas em numero approximado de 300,
e do largo da Independencia seguirn) para a
ra Direita, onde reside Ladeira, ouvindo-se, ao
appruxiinarem-se da casa deste, uma descarga,
e momento depois, outra.
Por ordem do i." supplente do delegado de
polica tinham-se pstalo, era frente casa de
Ladeira, o sargento commandante do destaca-
mento e 8 pracas, e foram elles que desfectiaram
os tiros, cahindu mortalmente fondo o dito Faua,
que suecumbio logo, e sendo ferido levemente o
soldado Reis com instrumento contundente.
Foram exonerados : o delegado de polica e o
2. supplente, e sendo nomeado para subsiluir
aquello o capito Francisco de Paula Xavier de
Abreu, a quera foram incumbidas as ultimas
diligencias do inquerito, que devem sor fetas
hoto.
Esto detidos o sargento e pragas culpadas,
londo sido substituido o soldado nico, que nao
teve parte no conflicto e Hcra guardando a ca-
deia.
4 de Janeiro.
Resultado condecido s ii horas da noite
Braga 494, Alves 404, Gordo 243. Haver 2- es-
crutinio.
Rio de Janeiro
Entre as pessoas atacadas, a mais infeliz foi o em frente cidade da Chnstina, no kil. 38 com
ub dito portuguez Joaquim Atgarvio poiB que, I a coto 990" cima do mar.
-
Datas at 6 de Janeiro.
Alm das noticias da carta do nosso corres-
pondente, publicada na rubrica Interior, encon-
tramos as seguintes nos jornaes da corte:
Na secretaria do imperio apresentou-se no dia
5 o Sr. conselheiro Antonio Ferreira Vianna,
ministro e secretario de estado dos negocios do
imperio.
Cout nua como olcial de gabinete o Dr. An-
tonio Felizardo Cupertiuo do Amara!.
Consta va ao Jornal do Commercio que o "on
selho do Estado pleno fra convocado para 12
do correjite, no pago da cidade.
As 10 horas da manh de 5, erabarcaram em
duas lanchas a vapor atracadas ponte du arse-
nal de guerra para bordo do paquete nacional
Rio Negro, o chefe da coramissao de engenharia
militar da provincia de Matto-Grosso, o tenente-
coronol do corpo de engenheiros e os seguintes
ineiiibros da mesma coraraisso : capitao-tenen-
te Lauriano Jos* Martn* Peuba, capito Julio
Fernandos de Almeida, detono Manoel do Fa-
ria Albuquerque, Francisco de Paula Ferreira
Go nes e Antonio Facundo de Casro Meuezes,
tenente Feliciano Meiides de Moraes, altores Jos;
Bonifacio de Andrade Vandelli e os Srs. Jos i
Depois dos lamentav 13 acontecin__
30 de Dezembro. que foram feralmente ai
dos por todos quantos se intin maai pela orden
publica, nenhuui incidente veto pertarbar a ida
regular de nossa sociedade. Aquellas I; tima-
veis oceurrencias, filhas do desvairamenlo popa-
lar, foram era grande parte devidas ao modo in-
conveniente e perigoso porque lera sido olriaaa-
mente dirigida a propaganda republicana. Cont
regra geral, que deriva da lgica dos facto*, po-
de se affirmar que todos os abasos, todas as vio-
lencias, todos os erros provocam outros tanteo
erras, abusos c violencias.
Nao portanto muito estranhavel qne aos des-
mandos da propaganda republicana, aos aaajaaa
e violencias de linguagem dos propagandista,
succedesse a reaegao provocada pelo descosto.
pela indignago da parto d"aqu. lies que ooeom-
mungam as mesmas aras, nao renaem culto w>
mesmo dolo.
Nostas condigOes impossivel medir as ronse-
quencas da reacro do mesmo modo que nena
sempre se podo proporcionar a defeca peta
ataque.
Naatei momentos de irreflexo todos os recar-
sos sao postos em jogo, todas as armas parecen
boas Isto de modo nenhum significa approta-
go das tristes scenas de que foi theatro esta
grande cidade e que to desairradavelnumle im-
pressionaram ana populacf-o, quer aper.as d'ner
que so outros fossem os antecedentes nao tea-
mos certamente o desprazer de registra!-*, de-
plorando-as sinceramente.
Uma propaganda contra a forma de soverao
legalmente constituido, como aquella que se es-
t dosenvofvendo entre nos, nao seria penatti-
da era paiz algum do mundo, por mais civiliza-
do, por mais irres que sejam as suas instubi-
cos. Esta a verdade. de que alias se achara
convencidos aquellos mesmos que se approveitooi
da demasiada tolerancia do poder publico, a eate
respeito.
0 que presenciamos, o que lomos, o que sabe-
mos nao resultado destas libenlades patucas
necessarias, que formara boje como qne o patri-
monio sagrado de lodos os povos cultos: o aae
se vai observando em nosso paiz, sob esta reto-
ca o, a 11 cenca, o abuso d aquellas grandes
prerogativas que sao o apaa no te todas as oa-
ges civilisadas.
Uma propaganda como a que se vai fazendo,
com todas as suas intemperancas de hnguagaan
fallada e escripta, nao seria de modo algara con-
sentida, j nao dizemos as repblicas platinas,
mas na propra Franca, o grande e i^i 111 ia
paiz que a nenhum ontro excede no sea anwr,
no seu enthusiasmo pela igualdade e pela liber-
dade.
Tentosse, alguem fazer na Franca a propagan-
da raonarchica, pelos mesmos processos postos
em pratica em nosso paiz em prol da forma re-
publicana, e com certeza nao se toa esperar a
aeco do poder publico, no intuito de reiri-
mil-a.
Factos bem recentes, da propria historia coo-
teraporanea, se encarregam de i I lustrar a verda-
de du nossa assergo.
Apezar da toleraucia das autoridades consti-
tuidas fazem mil recriminagos os agitadores propagandistas.
Nraguem de boa f Ihes poder arbar razo.
Nao somos idolatras da nossa forma pobtiea
nem temos fanatismo pelas instituicoes vajentes.
Estamos convencidos de que esto questo defor-
ma de governo nao tem o valor qne muitos. tt
boa ou m f, lhe querem attribuir.
Esto questo apaixonou outr'ora os escpto-
res, que se emponhavam principalmente no te-
tudo da constituico da soberana e de suas di-
versas formas, boje porm tomo os pubiicnaw
como os economistas consideram mais impor-
tante e discutera de preferencia o problema das
funepoes do Estado, esludando a sua aegao e li-
mites.
A forma uma questo secundaria, accidento!.
depende do tempo, das condicoes soctoes, dan
tradiges. Todas as formas polticas podeai ler
histricamente a sua razo de ser. a sua justifi-
cativa. Muitos vezes os males e os abusos mm
se pretende debcllar nao derivam das na
ges mas dos homens. O deleito nao da 1
china, do machinista. De boa t nao se pede
imputar os erros polticos ou administrativos a
monarchia ou a repblica, (ualqu r debas
muitas vezes victima e nao causa As liberdadef
publicas c todos os seus consectarios legtimos,
o principio da representocao e suas txmttmem-
cias, em uma palavra o selfgorermmenl. aae a
universal aspirago dos povos modernos, tonto
possivel com a monarchia como com a rep-
blica. Nao privilegio exclusivo desta.
Como quer que seja,porm, certo e nem ae-
remos nogal-o, que asuste a lodo cidadao o di-
reito de promover pelos meios legaes. a maan-
ea da instituigo raonarchica. Entre o rrrnaax
cimento e o exercicio deste direito, consaajaon
pela propria Constituico, e a propaganda aoar-
chica, a agitago perturbadora que o ideal de
muitos, vai um abysmo, que nao pode er trana-
posto, sob pena de se subverterem as mais de-
mentores nogoes de ordem e de justica so-
cial. ^
Nao porm agora occasiao de discutir esto
questo a respeito da qual fomos deixaaao a
hir no papel os ligeiros reparos qne nosi
ram ao bico da penna.
Attendeudo ao estado dos espitos e 1
evitar,'como era de sen rigoroso dever, ai
tigo dos tristes acontecimentos do da 30. o u
verno tomou varias prodencias de carcter ad-
ministrativo e entre outras prohibi que seede-
brassem conferencias e meeUng em roas e pan-
gas publicas, podendo smente ser eaWtanV
dos era edificios particulares. A estas moaaBn
dove-so termos passado em paz os primearos
dias deste anno e conservar-se inaltera dem publica.
Como dissemos na nossa ultima carta e o leic-
grapho a esto hora j devo ter annonciadb re
alisou-se a recomposigao ministeal, ronforai.
seesperava. Retiraram-se os Srs. Vtoira da Sil-
va, ministro da mariuha e Costa Pereira, asbao-
tro do imperio, passando o Sr. Ferreira 'Toaos
para a pasto do imperio e sendo nomeado m
rastro da justica o Sr. Rosa e Silva, alustre or-
putado pernambucano, e ministro Ii ilidn a
honrado Bario de Guahy depuU.to pea
Nao faltara aos novos ministros as anaA
predicados necessarios para o boni
da niisso que Ihes toi confiada. P
distim-tos, gozando 1I0 merecida srraaaaBade)
seto da cmara, patriotas, Ilustrados e tauteos
de carcter, elles aouberam le certo romprr
seu dever.
Cora esta alteragao de pessoal em nada ansdl
ficou a poltica do gabinete, cojo
permanece o mesmo. Os ex-ministro* 1
no mais perfeito a< cordo com os seas oossssj
parece que nenhuraa divergencia motivo* a aaa-
diticaco ministerial, qne teve por ia atteoorr a
cortos interesses polticos e dar cantara teas-
poraria maior numero do re presen tintes ao
do gabinete.
A
I
j
r


>iark> de Pernambuco---Sabbado 12 de Janeiro de 1889
H
~
avuva, tem
Parece ha-
1 lmenlo
^^Hldadr.
procedan
loridadfl^,"^ 8o!erane ao renino Deus.
pohciaes; no di ;ie oulro qualquer lacio
occo; ii oppasicao ao gabinete
" no Jia i i ublica um artigo vilenlo e irritante1
e
ntr lado Caitas na mesa. Esta rpida e bru
le orientago tem sido attribuida a
varios motivo-, que a nos nadftompete indagar.
Liintamo-nos a registrar o Meto com a estra-
nhez; que elle nos causa.
Esta instantnea mulacao de vista que se ope-
ren no Paiz, leve para elle urna deploravel con-
sequencia, fel-o perder um grande elemento de
forca e de prestigio com collaboraco do Sr Joaquim Nabuco. Depois da
perd.j bem sensivel de Joaqun Serra, opran-
teado jornalistae homem de ledras, perde agora
o Paiz, com a retirada do Sr. J. .Nabuco, um dos
8eus aminores auxiliares, um dos seus mais soli
dos sustentculos.
E' inuegavel que a aititude do Sr. J. Nabuco,
ta coujunctura. foi das mais correctas. Achan-
do-se em divergencia com a direceao poltica do
jornal deque era um dos mais asilnos redacto-
res, e Ilustre deputado nao duvidou sacrificar
seus proprios interesses, >ara raantvr llesa sua
coherencia e inteireza de cara-ter.
Sem sabir do mundo da imprensa temos a re-
fistrar mais urna novidade destes ltimos dias.
ncetou no dia 1- a sua publicajao nesta corte
tpio Neutro, diario poltico, litterario e
noticioso. E' seu redactor chele o Sr. Dr. J.
Ferreira Nobre. presidente da Cmara Municipal
ehomem poltico filiado ao partido conservador.
O programla do novo jornal est expresso
as seguales Hutas do seu editorial do I nu-
mero
. O novo orgo da opiniao O Municipio Neutro
vem dar sincero testemunho de adhesio s insti-
tu' "' jura las. quem a nacSo reconhecida de-
ve a ordem c a liberdade e a sua indissoluvel
uni.o: reclamar a restiluigo da autonoma legal
do maior municipio do imperio, assim a admi-
nistrativa como a poltica: e promover a des-
centralisaco que. en vez de enraquecer, forta-
lece a unidade poltica, como a que consagrou a
nossa constituigao creando o municipio e a pro
vincia
Ao Ministerio 10 de Marco, que nao hesitou
em restituir a boniem eseravi-udo a .-ua liber-
dade natural, sobrain forca e resolucao, apoiado
na opimo publica, como a neiilium outro, para
reslaljeleeer a liberdade local e provincial, dif-
fuudimlo concurrentemente o ensino primario e
a edueacao de que tanto lia misler. para 0 uso
legitimo e coartante ekfeaa dos dueitos politi-
c -. .
Eis em summa o ueSM modesto progrutuma. -
A Tribuna Liberal, orgao do partido, au
tou de formato no dia I" de Janeiro e continua
no desempenlio de sua misso poltica. Entre
os artigas ltimamente publicados por este jor-
nal sobresaliem pela importancia ua materia os
intitulados -.1 propaganda Republicana. No jor-
nal Nocidade*, un distincto escriptor que seen-
cairegou de fazer o retroepecto poltico do anno
pausado, com o titulo- -^ poltica no auno re
l- luaaieslou a respeito da Tribuna Liberal c
Beca intuitos jornalisticos, um juizo que a inul-
tos parecer severo, mas que uniros subscrevem
sern discrepancia. Em lodo raso nao pode ser
mais insuspeita a origem. Diz o escriptor:
* Aiii esl a Tribuna Liberal, escripia hbil-
mente, com todo o brilho do estylo, nao satisfaz !
Do seu programma o povo nao retn urna idea ;
esta mais atrazada do que os liberara de 1832 do
que os de 1842 e 1818 !
A 7Vrtnrt'no passa de um arra-oado para
asecnco ao poder: urna especie de reaueriraento
(bina corrida de, bons coslumes e de modera-
co, dirigida ao ebefe do Estado para para pro-
al-0 a seu favor. O que tara o no poder os
redactores da Tribuna ?
Urna medida de utilidade acaba de ser posta
em ortica pelo Sr. Ferreira Vianna. A comecar
do dia a" deste mez, aulorisou S. Exc. a Secre-
taria dos Negocios da Justiga a mandar publicar
no Diario Oftidil varias senteucas e accordos
importantes, que sero posteriormente eolleciono-
nados en volumes e publicados pela Imprenta
Hacional. Referindo-se a esta resolucao do illus-
tre ex -ministro da justica, actualmente ministro
do imperio, e&creveu o Jornal (lo Commercio :
A ideia parece-nos digna d i applanso, nao
s por que muito facilitar o estimo do Uiiviio,
pondo em relevo a doutrina em VOga nos tribu-
naes, mas tambem pelo estimulo que disso pro-
vira aos magistrados para que aperfeicoem a
hermenutica e bem fundamentem as suas de-
cides.
Ob archivos forenses estn cheios de the-
souros de sab-.'rque a pnblieidade circumscnpta
do foro csterilisa para o ptagresso da legislaco
e para a orientaco dos jui/.es e dos advocados
novis.
Ser tanto mais til tornar eonhecidos estes
productos do estudo quanto por este modo a ma-
gistratura melhor consolidar os seus crditos,
recom nendando-se ao respeito do publico por
mostras inequvocas de laboriosa applcavo.
Deve ter logar boje, s 11 horas da inanha.
us salas la Escola Polvtechnica, a inaugurarlo
da Exposigao Nacional de assucar. vinhos e in-
dustrias annexas. Estaexposicfto foi promovida
pelo Centro da Industria e Commercio do Assu-
cir. associago fundada oaimo passado e que
coiueea a prestar tao bons servicos a classe a
que prtence.
Esta exposigo que oceupa quatro salas, faz
honra aquella digna associagao e a quautos a
patroe.inaram. Sao dignos de menco os assu-
cares expostos por varios engenhos ceutraes,
como os de Pureza e do Rio Bonito, e Bracuhy.
assim como os de l'ernambuco, Baha Lampos e
S. Paulo. .
A collecco de vinhos naciouaes e das mais
completas." Tentativas como esta, sao se inore
digna.-, de animaco e applauso. Os resultados
que ellas produzem para o desenvolvimento eco-
nmico do paiz sao incontestaveis.
No dia i ro inaugurado o museu de armas,
instituido por ordem do Sr. ministro do Guerra e
annexo a Escola Militar. O museu conta urna
iolinidade de armas de systhcmas differentes
Armamentos amigos, armas que serviram na
guerra do Paraguay, espadas e langas que per-
tenceram aos nossos bravos e entre estes ao Ba-
ro de Triumpho, urna espada de grande unifor-
me que servio ao dictador F. Solano Lopi-z, a
noite, esta
de povo. Tudo
augmentava de
das as nacSes do mondo, vinha raiande no
horisoate.
As gyrandolas de logete e salvas fo-
ram repetidas as 9 horas da inanha, ao
meio dia, 3 e 6 da tarde. As 7 horas da
noite um lindo aerestato atravessava a
maesa athmosphorica.
As 8 koras comecou na matriz urna la-
0 tem-
Elo ostava repleto de fiis e bem assim o
a-go de S. Vicente, lideira da matria e
ras, da Inatrucco o Commercio. Termi-
nada a featividade, mi itos aerstatos viam-
se as rcgiSes ttherean ; seguindo um lin-
do fogo artificial preparado a. capricho
pelos habis artistas fos Mnniz Delgado
e Caetano Teixeira do Amara!.
Convin notar que ,i matriz acha-se or-
nada a capricho, e como ha muitos annos
nao vamos aqui.
A meia noito os sinos da matriz cha-
mavaiu os fiei? Missa do Gallo, como os
anjox convidaram os pastores para adora-
re m ao Ckristo nascido
Pouco depois ouviamos a voz eloquente
do dosso parocho fazeado o panegyrico do
Deus Menino. Em seguida deu comeen a
missa.
A concurrencia era grande e superior
a 6/)00 pessoas. Tudo passou em paz.
A s 6 horas da manhil era bello ver-se
umitas familias correiem pressurosas ao
riacho Fundo da Malla a saudarein as
suas aguas que mansinho corriain.
No dia 31 do mearao mez, vespera de
anno bom, s 7 horas da noite, esta po-
voaco achava-se repleta
era festa. A muitidao
minuto minuto. A meia noite e na ra
da Instruccao foi queimado um esplendido
fogo de artificio, feito pelos artistas cima,
que .tinda desta vez conquistaram a pal-
ma de seus trabalhos.
A essa hora ja estavain todas as ras,
beccos, largos e ladoiras intransitaveis.
9,00) pessoas mais o;, menos festejavam
a noite de anno bom.
Urna animada soir,., que proiongou-se
at 5 horas da manha, realisou-se em casa
do nosso amigo o Sr. professor Geudes.
A -I 1[2 horas da manhS o povo pressu-
roso dirigia-se para o largo de S. Vicente,
pois os sinos da matriz annunciavam que
o Revdm. parocho estf.va a principiar o
sacrificio da missa. Quando alli chega-
mos, apeuas podemos penetrar n'uma das
torres da matriz, atini pe bem notarmos a
ordem que reinava entre tanta gente reu-
nida no largo S. Vicente, que attenciosos
ouviam a voz de seu pastor, que em urna
eloquenle predica mostrou a todos o gran-
de poder de Deus, terminando por compri-
mentar a todos. As I) boros da manha
termiuou a missa.
A aflluencia de famiHas ao banho foi
superior a do natal.
Xada houve que peiturbasse a ordem.
Honra pois aos vicentiros.
Temos tido varia distraeoes, como beui:
bamba do corda, e at macaca dansante.
O dia de Res nao passou desapercebi-
do, pois a noite de mite-hontem houve
urna ladainha sollando-iie muitos foguetes.
Hontem por occasiao da missa conventual
a arfluencia de povo foi tal, que causn
admirafSo a todos, pois nunca houve nesse
dia tao grande concurrencia.
A execuco do registro civil, aqui tem
trazido um certo terror ao povo, e por
achamos o oficial de registro (que
nao sabemos onde mora) bem embaragado
para cumprir fielmente o Reguhunento.
O Revdm. vigario tem feito sentir ao
povo, a obrigacSo de cumprir dita lei.
Chumamos a attencao de quem competir
alim de ordenar ao Sr. official do regis-
tre que a sede do districto nesta locali-
dade, c nio em um engenho, e isto cen-
corre muito para enibaracar o cumprimen-
to da lei.
Est em exercicio do subcelegado o Io
supplente Elias Eliseu Alves Camello.
O commercio est animado. Na feira
da festa foram abatidas; 21 rezes, venden-
do-se o kilo de 440 a 500 ris.
Os cerones esto ubindo, pois se
vende a cuia de farinht. a 500 a 560 ris ;
o inilho de 400 a 480, dem ; o feijJo a
2'>0O), idem.
Toado dado alguns aguaceiros, e segun-
do a experiencia de Santa Luzia, este
mez ser bom de invrno. Esta j vai
Faco ponto.
uo pelo hxm. Barao ae ^
Lm seguida foi lido discutido e vai ser remet-
tido a respectiva (omiBssaodecontas, oseguin-
te balancete da receita e despeca do instituto,
relativo a 3 trimestre de Julbo a Setembro ul-
timo.
Receita
Reebido do Thesouro Provincial, sub-
venco de Janeiro a Marco
Joia de socio e revista
Recibo da Thesouraria Geral
Saldo a favor do thesoureiro
Somata
Despez
Saldo a favor do thesoureiro, confor-
me o ultimo balancete
Diversas desperas documentadas
.004000
45*000
2:r00*000
7841380
3:3294350
2:I68R350
1:161*01)0
Somma 3:329*150
O Sr. Dr. Baptista Regueira, apresentoua se-
guinte proposta a qual depois de discutida foi
remedida a urna commissao composta do mesmo
Dr. Baptista Regueira, conselheire Pinto Jnior e
Monseuhor Arcoverde avalcante, para dar pare-
cer a respeito :
Proponho que o instituto compre urna tvpo-
graphia para impressao de seus trabalhos.
Foram propostos pelos Srs. major Codeceira,
Drs. Thomaz Coelho e Baptista Regueira, e Au-
gusto Cesar e approvados para socios efectivos
os Srs. Drs. Fraucisco do Reg Barros de La-
cerda e Joo de Reg Barros de Lacerda.
Nada mais havenuo a tratar-se foi levantada a
sessSo e designado c dia 10 de Janeiro prximo
vindouro para ter lugar a I" reunio.
REVISTA DIAiUA
longe.
correntesque impediram a passagem de Humayt
e ontras muitas curiosidades eslo todos syme-
tricamente dispostas no Museu Militar.
1889.
fomos
6. Vi ENTE7 de Janeiro de
No dia 20 de Dezembro findo
sur-prendidos con a grata noticia de ter
sido apresentado na Assembla Provincial
um projecto elevando este povoado a ca-
thegoria de villa e creando um termo nes-
ta frogueza. O contentamente foi geral,
e logo muitas gyrandolas de foguete fen-
dera n os ares.
No dia 2;> do mesmo, o movimento aqui
foi admiravel, e por isto as 7 horas da
noite urna passeiata percorreu todas as
ras desta predestinada trra, as quaes
estaram api aliadas de povo, embandera-
das, adornadas com arcos de folhagem, e
urna linda illuminacSo a giorno grodu-
zia vina vista deslumbrante, Muitos ora-
dores se fizeram ouvir entre elles notamos
o Revdm. vigario Andr Cursino de A.
Pereira, pr.ofessor Francisco Guedes de
Barros, advogados Epaminondas da Costa
Travasso, estudante Josino d Araujo Pe-
reira, Jos Rodrigues Campos, J* Lean-
dro Marrnos e Joaquim Marroeoa.
toe vivas foram levantados. T sas conservaram-se illuminada.
Pi-asam os coa que o projecto seja vo-
n brevidade, e que o Exm. Sr.
presidente nao demore a sua sanecio.
N dia 24 do mesmo mes as 6 horas
d knlil ama ialva de bombM reaet e
una gyrandola de foguetes, annuncianun
Instituto Areheoioglco e iivo-
gmpklco Pernaibu-ano
SKSSAO OBWNABIV DE 13 DB DEZBUBBO DE 1888
Presidencia do Exm. Sr. drtembargador Manoel
Clemeihno
A' 1 hora da tarde, presentes os Srs. Drs. Ci-
cero Peregriuo, Baptista Regueira, i* secretario,
conselheiro Pinto Jnior, Toomas CoelhOj Mon-
senhor Arcoverde Cavalcante, Augusto Cesar e
major odeceira, 2" secret no, abrio-se a sessSo.
Lida a acta da antecedente, foi approvada.
O Sr. Dr. i" secretario mencionou o seguinte
expediente:
Oflertas:
Pelo Club de Engenharia um numero de sua
revista mensal.
Pelo Dr. Jos Maria Ramos Gurjo, um quadro
dos sacerdotes, residente:, nadioeese de Olinda
Pelo consocio Dr. Thomaz Coelho as seguintes
obra- :
Noticia para a Historia c Geographia das naces
ultramarinas, 8 volumes.
Collecco de opsculos reimpressos relativos
a Historia da N'avegaco, Viagcns e Conquista
dos Portugui'zi s. 2 volumes.
Pelo consocio Dr. Manoel Portella Filho :
Um mnelo Orcamento do Imperio
Discursos pronunciado; no senado, pelo con-
sclluiro Manoel do Nascimento Machado Portella,
ministro do imperio.
m folheto A repblica no Brazil, publicagao
feita pelos republicanos de Pernambuco. pelos
mesmos offertado.
Pelo consocio conselheiro Pinto Jnior:
m pedaco do cabo su amarino elctrico, que
o commendador Joaquim Lopes Machado, quando
presidente da AssociacSc Commercial, lhe offer-
tra emais vaivn* da.Cichoeira de Paulo Af-
fonso.
Treze fragmentos de inadeira de differentes
tamanhos que existem so&re as aguas da Cachoei-
ra de Paulo AHbnso e qu? sao considerados cu-
riosos-
Pelo consocio Thomaz Carneiro:
Vmabilha de barro representando urna mulher,
J**u" talalho de urna tribu dt indgenas do interior
** da provincia do I'ar.
Parte de urna corda portuguesa de pedra que
se ochava collocada. na |rta principal da igreja
da Misericordia de Igunrass, e um symbolo
egypcio actwdo em um amulo no Egypto-
Pelas respectivas redaccoes diversos jornaes
desta e de ontras provincia, be cerno ua nu-
merO i ioraal Le brt, publicado em Paris
0 8r Dr l* secretario .communica que j se
acta na MMietheca do imtttole o 0* Totume da
tit(ori(i da presidencia da provincia de 10 e proposta
do ur. obefe de polica de 9 do corrente, fcram
no meados :
Para o lugar de subdelegado do distrteto
do termo de Bdm Jardim o alferes do corpo de
policiif Joao Behto da Cnnha Valonea, em suBs-
tituicao de Joo Francisco Xavier da Fonseca
que foi exonerado.
Para o lugar de Io supplente do subdelegado
do districto de S. Benedicto do termo de Quipa-
p. Manoel Joaquim Ribeiro Campos em substi-
tuic3o de Jo.-^ de Siqueira l'assos, que foi exo
nerado.
Por norlaria da mesma presidencia da pro-
viiiuu de hontem c proposta do Dr. chefe de po-
lica tambem de hontem foram nomeados :
Para n cargo de subdelegado da freguezia do
Santo Antonio desta capital o alferes da guarda
cvica Autopio I.uiz de Serra avalcante em
sub -lituieo de Francisco de Paula Mondes, que
foi exonerado.
I'ar 1 supplente da mesma subdelegacia o
actual 3 supplente Joaquim de Souza Monteiro
em substituico de eodato Pinto dos Santos,
que foi exonerado.
Arlos da presidenciaPor actos de 22
de Dezembro lindo :
Foi transferido para a 2a companhia do 67
bataliio de infantaria da guarda nacional de
Iguarass o tenente da 2* companhia do 68" ba-
talbo Joo Antonio Cavaleante de Albuquer-
que- '
Foi nomeado para o posto de alferes da 2"
companhia do 67 batalho da guarda nacional
de Iguarass, Jos Avelino Rodrigues da Silva,
em -ubstituieo de Jerouymo Leito da Costa
Machado Jnior.
Foram concedidos dous mezes de liceuea
ao juiz de direito da vara do commercio do Re-
ctfe, bachure) Tlumaz Garcez Paranhos Monte-
negro.
Foi aberto um crdito supplementar s
seguintes verbas do urt. 2o do orcamento pro-
vincial :
1" 1:588*000
5 5." 3:233*171
g 7. 7:919*181
% 62." 1:043*700
% 69.- 37:077*162
Foram concedidos dous mezes de licenca
icrivao da collectoria de rendas geraes de
(Miada Sebastiao Antonio do Reg Barros, e
dous mezes professora de Alaga de Baixo,
Josepha de Godoy c Vasconcellos
Foi exonerado Dimas Francisco da Silva
liraga. do cargo de promotor publico de Ouri-
cury.
- Foi exonerado do cargo de delegado de
Ouricury, o tenente do corpo de polica Manoel
Raynero de Barros.
Foi exonerado Antonio Rodrigues de Ma-
cedo do cargo de subdelegado de polica de Ou-
ricury.
Por actos de 2i de Dezembro (indo :
Foi designado o 64 Imtathao da guarda
nacional de Aguas Helias, para nellc ser aggre-
gado o tenente do 9 batalho da guarda nacio-
nal de Alagues. Antonio Barbosa de Alves e
Silva.
Foi nomeado o bacharel Joo Ferreira Do-
mingues Carneiro para o cargo de promotor pu-
blico de Ouricury.
Foi nomeado, sob proposta do Dr. chefe de
olicia, Monoel Alves Pereira para o cargo de
' supplente do subdelegado do 2 districto
(Riacho do Navio) do termo de Floresta.
Expoairo Provincial.Amanh, ao
meio dia, ser inaugurada, no palacete do I.y-
ceu de Artes e officios, a Exposigao Artistico-
industrial de Pernambuco, preparatoria da Ex
posico Universal, que deve ser realizada bre-
vemente em Paris para commemorar o centena-
rio da revolucJo de 1789.
Os saloes do referido Lyceo esto decorados
para a circumstancia, e n'elles figuram muitos
productos agrcolas e artefactos da industria em
seus vanados assumptos, alm de obras de arte,
algumas muito apreciaveis.
Assistirao ao acto inaugural os Exm. Srs.
Dr. presidente da provincia, general comman-
dante das armas e governdor do bispado, o
ur. chefe de polica. commisse3 de varias so-
ciedades e as pessoas gradas que foram convi-
dadas pela commissao mixta que dirige a ex-
posio.
Sao oradores officiaes, por parte da commis-
sao nomeada pela administrarlo da provincia, o
Sr. Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina, c por
parte da Imperial Sociedade dos Artistas Mcham-
eos e Llbcracs o Sr. Jos Castor de Araujo Sou-
za. Falla rao tambem os oradores que se ins-
creverem.
Depois do aclo inaugural, ser a exposico
franqueada ao publico, continuando aberta nos
nos dias 15. 1/ e 20 do corrente mez, das 6 s
9 horas da noite.
iena de *i. fseverlao.Comecam
boje as novenas da festa de S. Severino, que
se venera na capella do engenho Ramos, em
Pao d" Al I io.
A ferrovia do Limoeiro far parar os seus trens
ordinarios em frente a mesma capella, nos dias
das referidas novenas.
wmmmBKmmmmmmmmmmmm
.JUUjCSUUUUrjUSBUHUUUUlUUUHUBItlUUUUUUUUI
Dr. Miranda Ribeiro O telegramma
3ue hontem recebemos da corte, e vai publica-
o na competente seccao, deu-nos a "olorosa
noticia do fallecimento do Dr. Joo de Miranda
Ribeiro Sobrinho, deputado geral pelo 5 dis-
tricto do Rio Grande do Sul.
Filho da provincia do Rio de Janeiro, o Dr.
Miranda Ribeiro formou-se em sciencias jurdi-
cas e sociaes pela Faculdade de Direito do Reci-
fe, em 1870. Pouco depois foi estabelecer-se no
Rio Grande do Sul, onde creou banca de advo-
gado c envolveu-se ua poltica, salientaudo-se
pela sua brilhante intelligencia e pelo seu ca-
rcter lhano e affavel.
Foi alli mais de urna vez eleito memoro da
assembla provincial, e em 1885 deputado as-
sembla geral legislativa. Tanto em urna, como
em outra assembla, deu inequvocas provea do
seu talento.
Kra orador fecundo, de palavra fcil e insi-
nuante, e sabia captar a ettenco do seu audi-
torio.
Enrgico c severo quando era de mister sel-o
o Dr. Miranda Ribeiro tinha entretanto um co-
rceo extremamente bondosoeum espirito aber-
to toda-- as grandes ideas, todas as felizes
coneepcCes. Sabia ser amigo, e era-o com fran-
queza e sinceridade.
Pelos seus dotes moraes insinuava-se no ani-
mo de tollos com quem eonvivia; e, por bso,
nva das geraes sjmpathias dos seus collegas
uara dos deputados.
E' muri sensitef a sua perda,/ porque e um
talent) de boa tempera que desapparece.
1 Sja-fte a terr feve.
Couaaakasawi.de enaeabaria militar
de Matto-cirao So dia R do corrente
na ter embarcado no arsenal de guerra
com destino a Corumba, esta commissao, que
se acha organisada do seguinte modo :
Chefe, tenente-coronel Alfredo Ernesto Jac-
ques Ourique.
Ajudantes : major Luiz Mendes de Moraes.
capitaes Jorge dos Santos Almeida,- Julio Fer-
nandes de Almeida, Caetano Manoel de Faria
Albuquarque e Francisco de Paula Ferreira Go-
mes e tenente Feliciano Mendes de Moraes.
Auxiliar da parte geographica : capito-te-
uente Launaoo Jos Martins Penha, professor
da escolafcde marinha.
Auxiliar da parte telegraphica: engenheiro
Francisco Xavier de Mallos, inspector de linhas
da repartico dos telegraphos.
Auxiliares dos servicos de campo: capitao
Antonio Facuudo de Castro Menezes e alteres
Jos Bonifacio de Andrade Vaudelli.
uliista : Jos Luiz Martins Penha.
Encarregado dos iustrumentos e material:
Sal vino Cabral da Costa e Mello.
Um dos nriucipaes encargos com que segu
a commissao ligar entre si e a Cuyab, por li-
nhas telegraphicas, os pontos mais importantes
da fronteira (como sejam a loz do Apa, Coimbra
e Corumb) e proceder aos estudos sobre a pos-
sibilidade de levar urna linha, por Miranda, a
Santa Rosalina, no intuito de Iigar-se este ponto
ao prolongamento da estrada de ferro Sorocaba-
na, na provincia de S. Paulo.
A julgar-st pelas informacOes e.xisteuies.
parece, diz a Jornal do < ommercio da corte, ser
vico de grandes difliculdades a construeco des-
ta rede telegraphica, principalmente na parle
em que ha imprescindivel necessidade de estu-
dos e explorayoes.
Entretanto, urge confessar que ser ella de
incontestavel vantagem por ser a distancia a
percorrer relativamente a mais curta para ligar
Cuayb corle, sobretudo se a linha de Matlo-
Grosso j encontrar o fio telegraphico da Soro-
cabana na foz do Paranapanema.
Alm desse servico cuja importancia clara
e indiscutivel, vai a commissao incumbida de
rectilicar e completar ja carta da fronteira de
Matto-Grosso, do fallecido coronel Pimenta Bue-
no, devendo organisar com os dados que coiher
a carta chorographica dessa provincia.
O systema de conliar a commisses de en-
genharia militar os trabalhos geographicos do
paiz, hoje geralmenle seguido em quasi toda a
Europa como o mais pratico, porque, sobre ser
o que apresenta maior economa na execufiao,
tem a grande vantagem j de instruir os offi-
ciaes em um ramo de servico de tanta impor-
tancia militar, j de fazel-os eouhecer minucio-
samente regies que podero ter em qualquer
emergencia necessidade de defender.
Quanto a nos, s por tal meio at agora in-
felizmente desprezado, ser-nos-na possivel che-
gara obter cartas mais ou menos exactas das
nossas provincias, em quanto nfio nos fr possi-
vel tl-as perfeilus e completas, o que ser, en
trelanlo. eonsequencia lgica da persistencia
administrativa nesse sentido.
Vai ainda a commissao encarregada dacons-
truego de quarteis e outras obras militares ale
maior urgencia em to longiqua provincia.
Organisada como se acla, com um chefe to
competente, officiaes na maioria i experimen-
tados em servico de campo e de reconhecida
aetividade, e com auxiliares civis muito idneos
as especialidades a que se vo dedicar, tudo
leva a esperar da commissao dirigida pelo le-
nente-eoronel Ourique, satisfactorio desempeulio.
Devendo ser feitos todos os servicos com
pessoal militar e com os vencimenlos que ha-
bituahnente tem sido dados s commisses des-
ta ordem, como a do Ito Uruguay. Saycan,
Iguass, etc., claro que os resultados serio
obtidos com mxima economa, alm da vanta-
gem de crearse um novo campo de aeco para
a aetividade dos nossos officiaes scientiucos, re-
duzida ao de,-equenas obras do reparos e raras
eonstrueyes de quarteis, desde que foram amis-
tados dos servicos de engenharia no ministerio
da agricultura.
Temos hoje no "exordio nao pequeo nu-
mero de officiaes aptos para taes servicos e que
devem sor aproveiados em benelicioao paiz e
da corporago a que pertencem. em vez de vi-
verem condemnados a atrophiadora inercia, que
to profundamente prejudica a instrueco mili-
tar.
A lliustraro Recebemos hontem o n.
22 deste excedente peridico Ilustrado, que
puldica em Pariz o Sr. Mariano Pina.
..ihiiu'ii' PorlufEaex de Leitura. -
A assembla geral dos socios do Gabinete Por-
luguex de Leitura, para leitura do relatorio do
anno lido e eleico da nova directoria, foi
transferida do dia 13 para o dia 20 do corrente
mez.
Dividendo.A companhia da estrada de
ferro do Recife Olinda e Beberibe. entre os
dias 14 e 19 do correnle mez, inclusives, pagar
no respectivo escriptorio o 28 devidendo de
suas aeces, razo de 8 / ao anno.
Depois do dia 19, os pagamentos tero lugar
smente s tercas-feiras e sbados, sehdo todos
effectuados entre 10 e 12 hora3 do dia.
Perro-via de linda. -Amanh dia da
tradicional festa de Nossa Senhora do Monte era
Olinda, e tambem dia de corridas no Hypodro-
mo do Campo Grande, a gerencia da ferro-via
de Olinda, alm dos trens ordinarios da tabella,
far expedir os seguintes trens extraordinarios :
Manh-Do Recife ao Hyppodromo s 10,11 e
11 12 hsras
TardeDo Recife ao Varadouro e do Varadou-
ro ao Recife, s 3, 4, 5. 6, 7 e 8 horas.
Do Recife ao Hyppodromo s 12 i/2, I, 1 1,2.
2, edo Hyppodromo ao Recife s 12 3,4, 111
13,4. 2 (\, 5 1/4,6 1/4 e 7 1,4.
Do Recife a Olinda e Beberibe e vice-versa,
em toda linha, um trem, fazendo paradas em to-
das as estaces s 10 1/3 da noite.
Os trens ordinarios de 2 1/2 s 8 1/2 da tarde
entre Olinda e Recre, chegaro apenas at a
esta<;a0 do Varadouro.
Os trens extraordinarios entre o Recife e o
Hyppodromo, pela tnanh, sero expressos na
ida, de Joo de Barros em diante, e na volta, at
o Recife.
A' tarde sero expressos at o Recife na vm-
da, e at o Hyppodromo na ida.
Os trens extraordinarios do Varadouro ao Re-
cife e do Recife ao Varadouro sero enpressos
at o Hyppodromo s 3, 4 e 5 horas, e at a En-
cruzilhada s 6, 7 e 8 horas, sendo entao o ser-
vico do Hyppodromo, s 5 1/4, 6 1/4 e 7 1/4,
feito por um trem especial.
Os trens ordinarios tocaro em todas as esta-
SBes do costume, parando em Belem em frente
a nova estacap.
aanto Amaro da Salina*.Amanh,
s 9 1,2 horas do dia, devem reunir-se em mesa
geral os membros da irmandade de Santo Ama-
ro das Salinas, para elegerem os novos fnnecio-
narios que tm de reger a mesma irmandade
no anno compromissal de 1889 1890.
IIvppo<.rom<> do Campo Grande:
Com o pensamento de facilitar a concurrencia
s corridas de amanh, a directora do Hyppo-
dromo do Campo Grande, resolveu fazer urna
reduego nos preces dos bilhetes de entrada.
sendo urna archibacada com entrada, no ensi-
Ihamento 3A00o : ura bilhete de archibancada
para cavalheiro acompanhado de 4 senhoras
5*0 0.
Instituto dOM l>rofeMores de Per
nambu^o.-Hoje, s 10 horas do da, devem
reunir-se na respectiva sede os socios do Insti-
tuto os Professores de Pernambuco para o fim
du elegerem o conselho administrativo que de-
ve dirigir a socidade no corrente anno.
tecreativa Juventude. Para solcm-
nisar o 2o anniversario da creago da sua banda
musical, a Sociedade Recreativa Juventude faz
hoje em seus salos um sarao dansante.
Tbeatro de Olinda.O Sr. Jos Bernar-
dina Corroa de Barro3, ponto da Sociedade dra-
mtica Melpomene Olindense realiza hoje a uoi-
te neste theatro, por concesso da resDect';.,^
directora uin espectculo em seu beDcio le-
vando a scena as interessantes con'tsdiaa O To
Paire, em 3 actos, e Um VlZrido victima das
modas, em um acto.
O Sr. Jos Bernardino digno da procteceo
pubica e o seu esoectaculo asss. attrahente.
Faculdade de Direito.Na segunda-
feira, 14 do corrente, alm das retesas examina-
doras, que ainda estao fnnecior^ando, haver urna
de francez, urna de rhetorica e outra de latim,
nicamente para os estadales que por motivo
justificado nao compare'jeram as mesmas no
lempo competente, e agora o requeWram; e
H^ tambem ha se ^f feira banca1 de l-
e os M% e geometra cometario s
Werviro militar -Esto designados hoje
para superior do dia o Sr. capitao Manoel Ansel-
mo, e para ronda menor o Sr. alferes Manoel Fe-
liciano Ladislao dos Santos.
A guarnico da cidade dada hoje pelo 14
batalho de infantaria.
A guarda da Thesouraria commandada
hoje pelo Sr. tenente Manoel Mauricio Lopes
Lima.
Existem em tratamento na enfermara mi-
litar 34 pracas dos corpos do guarnigo.
Sob a presidencia do Sr. tenente-coronel
Feliciano Caliope Monteiro de Mello, funecionou
hontem no quartel-gcneral o conselho de guerra
a que est sujeite o 2o cadete 2o sargento Joo
da Costa Medeiros obrinho.
Entregou-se ao 2o e 14 batalhOes de infan-
taria, companhia de cavallaria, delegacia do
corjio de saude, fortaleza uo Brum e secretaria
do commaudo das armas, o exempiar da ordem
de dia da repartico de ajudante general sob n.
2230, de 2 de Dezembro de 1888.
, Vai ser remettida com urgencia ao quartel-
general a certido de assentamentos do 2o cadete
Manoel Machado da Silva, aflm de ser enviada
repartigo do ajudante general.
S. Exc. o Sr. general commandante das
armas conceeu o uso do distinctivo de cadete de
2* classe por tres mezes ao soldado do 14" bata-
lho Joaquim Augusto Alvares, conforme reque-
re u.
Kxamea primarios.Foram eslas as
alumnas que prestaram exames, e que foram
upprovadas as materias do Io grao da escola
da villa do Buique, regida pela professora Jus-
tina Anna da Silva Santos :
1 grao Maria ilenriqueta da Penha, Thereza de
Jess Brando. Amelia Corsino de Carvalho,
Eduarda Maria Corsino, Maria Joanna Pereira de
Mendonca, Deolinda Duarte Figudra e Emilia
Firmo de Mello, adiantadas.
Adelaide tstellita de Oliveira Seixas e Maria
Joaquina da onceico, pouco adiantadas
Directora da obraa de eouserta-
cao do Por los de Pernarabro Reci-
te, 10 de Janeiro de 1889.
Boletim meteorolgico
FMUfiliua 8 1(1
81(2 da raanh a
Horas lll 18*1 Barmetro a 0* Tenso do vapor i -a i
&- ; S
6m. i 26-1 761-00 19,36 76
9 28-4 761*79 19,40 67
12 29" -4 761-75 20,77 67
3 t. 28-8 760-42 20,24 6S
6 27 8 7H0-81 19,54 71
Temperatura mxima29,75.
Dita mnima 25,75.
Evaporago era 24 horas -ao sol; 9-,3 ; som-
bra : 3,!>.
Chuvanulla.
i -irecgo ilo vento : SE de meia noite at aos 30
minutos ; ESE at 5 horas c 35 minutos da ma-
nha ; SE com pequeas interrupg.6es de EsE at
meia noite.
Velocidude media do vento: a-92 por se-
gundo.
Nebulosiilademedia: 0,33
Bolatim do porto
II
1.a Dia Horas 0 3 da larde 6- 9 0 9 da maulla 6-28 Altura
P. M-II. M P. M. B. M. 10 de Janeiro > i i de Janeiro w a 1-.98 1-.05 2-.00 0-.98
horas da
LeilOeEffeciuar-se-hao os seguintes:
Hoje :
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra do
Imperador n. 49, de movis pianos, espelhos,
etc.
Pelo gete Brito, s 10 I )2 horas, ra da
Santr Cruz n. 16 da armago e gneros ah exis-
tentes.
MHsaN fnebresSero celebradas :
Hoje :
As 7 furas, na Ordem 3' do farrao, pela alma
do tenente Bento de Souza Mira ; s 8 horas na
igreja do Corpo Santo, pela alma de D Adelaide
Theodolina de Brito Mesquita.
Scgunda-feira:
As 7 horas, na capella do Coraco Eucaristico
de Jess, pela alma de D. Maria Jos de Jess
Peretti.
PamoaxelroN -Cbegados do sul no vapor
sancez Y Ule de Maranhao :
M. Ferchanl Gastn e Joo do Couto Menezes.
Salados para a Europa no mesmo vapor :
Custodio Bento Rabello, Manoel Gongalves de
Oliveira. Alcxander Bell, Alexandre Mour,
Georges Lense Jos Nones Bonifacio.
Sabidos para o sul uo vapor francez Ville
de SantOl :
Dr. Aribur Costa, Manoel Jos Monteiro da Sil-
va Jnior. Nuno Pereira, Dr. Marcolino Silveira
de Araujo, Jj"s Alves de Oliveira Filho, Jos de
Vasconcellos Brillo e 1 menor, Daniel (criado),
Joo Ferreira dos Santos, Dr. Joo de Franja e
Pedro Francisco dos Santos e sua senhora.
Chegados do sul no vapor americano Ad-
vance:
L. da imlia J., D M. da Silva, Juo Hindr,
Chrispim Antonio, lympia da Silva, Th. Kell e
Armand Grunback.
Sabidos para o sul no vapor inglez Estrella:
Bernardo Augusto Soares Leite, sua senhora e
5 tilhos e Jos Vicente Ferreira Nunes.
Proelamas de casamento Foram
lidos nos dias 16 e 25 de Dezembro de 1888 e !
e 6 de Janeiro do corrente anno, na matriz da
Boa-Vista, os seguintes:
Luiz Antonio da Cunha com Porcma Etelvma
Alves da Soledade.
Jos Vieente Ferreira Lima com Francisca Ma-
ria da Conceito.
Jos Joaquim Alves com Carlota de Bastos
Mello. ..
Hermino Ferreira Chaves com Rosa de Castro
Marques.
Manoel Pinto Costa com Maria Caldas Lins.
Jos Pereira de Azevedo com Eliza de Pinho
Castro Delgado. .
Antonio Jos Monteiro com Luiza Augusta Pa-
vo de Carvalho.
Antonio Gongalves Costa com Mana Alber-
tina Sampaio.
Sebastiao Raymundo Nogueira de Mello com
Candida de Jess Baptista.
Virgilio Pereira de S com Francisca Lina das
Navas
Luiz Manoel do Nascimeuto com Maria Annun-
ciada da Conceigo. .
Sigismundo Romualdo Teixeira com Joanna
Flora da Silva.
Joo Fragoso da Silva com Mana do Carmo da
Annunciago.
Ze ferino Augusto da Suva Pinto com francisca
Ameba Sette.
Daciano Francisco de Barros com Camarina
Mana de Senna. .,
Joo dos Santos e Silva com Virginia Mana das
Cbagas.
Bacharel Manoel Joaquim Machado Jumor com
Maria Bemvinda Laura de Magalhes.
Bacharel Bento Emilio Machado com Leocadia
de Araujo e Silva.
Operaroes cirurfficas Foram platica-
das no hospital Pedro II, no dia 11 do corrente,
as seguinles:
Pelo Dr. Malaquias:
Oscheotomia anto-plastia o penis, indicada
por.elenhantiasis do escroto e penis.
telo Dr. Berardo;
Ablago de p*ferygio pelo processo de Arlt.
Casa e DetencaaMovimento dos pre-
sos aa Casa de Detengo do dia 10 de Janeiro
ue 1889. '
Existiam 434 ; entraram 13 -, sahiram 9 ; exis-
tem 438.
a aflhp.r ;
Nacionaes 401; raulheres 19; estrangeiros 21.
Total 438.
Arracoados 384.
Bons 363.
Doentes 21Total 384.
Movimento da enfermara.
Tivebaixa :
Vicente Fernandes Peixoto.
Hospital redro nO movimento deste
estabelecimento de caridae no d 9 do cor-
rente foi o seguinte:
Entraram 34
Sahiram
Palleemm
Existem 532
Foram visitadas as respectivas
petos Drs.:
Moscoso s 8, Barros Sobrinho s 6 3f4.
quias s 9 1|2, EstevoCavalcante a*f 114 -
ras.
Nao comparecern! os Drs. :
Cvsneiro.
i-imoes Barbosa.
Pontual.
Berardo.
O cirurgo dentista Nunu
horas.
0 pharmaceutico entrn s
sabio s 4 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrn as 7 lf*
da manhS e sabio s 4 horas da tarde.
Lotera da Orasa-Para-A parte a
24* lotera, dessa provincia, cujo premio grande
120:000*000, ser extrahida, quarta feira, M do
corrente.
Cemiterio PublicoObituario do da ff
de Janeiro de 1889.
Antonio Joaquim da Costa, Pernambuco, 0
annos, solteiro, Santo Antonio- febre perniciosa
Urna enanca. Pernambuco, Santo Antonio.
Isabel Maria das Dores, Pernambuco. 60 an
nos, solteira, Boa-Vista; diarrhea
Venancia Amelia da Silva. Baha, 56 nrms.
viuva, Boa-Vista; diarrhea.
Maa Jos do Nascimento, Ceara, 2 amoe
solteira, Boa-Vista : diarrhea.
Custodio Jos da Silva, Pernambuco, 54 an-
nos, viuvo, Boa-Vista ; ferida contusa.
Manoel Joaquim de Freitas, Pernambuco, 50
annos, casado, S. Jos; iienbrMe pmeadiyma-
tose.
Herculano Daniel da Silva Looreiro. Pernau-
buco, 45 annos. casado, S. Jos : aneurisma da
aorta.
Joaquim Teixeira dos Santos, Portugal. 44 sa-
nos, solteiro, Recife ; aneurisma da aorta.
Paulino de Araujo Lima, Pernambucc. 24 an-
nos, solteiro, Graca ; cachexia palustre.
(I POICO DE TIDO
O coronel Potto, e!onheiro militar da
Italia applicou o assucar para impedir as
incrustac&es as caldeiras das machinas.
As primeiras experiencias foram feitas
em urna caldeira de urna machina da forja
de vinte cavallos, c que tinha cento e vin-
te seis tubos, que era regularmente ras-
pada e lavada de quarenta em quarenta e
cinco dias, tirando se, termo medio, doze
kilogrammas de trtaro, apezar das subs-
tancias empregadas para evitar as incrua-
tafoes.
Na occasiao de se experimentar o effei-
to do assucar deixou-se de limpar quaren-
ta e dous tubos e deitou-sc dona kilog.
desta substancia nagua com que enchen a
caldeira e addicionon-sc em cada semana
mais um a dous kilogrammas.
! No fim de quarenta e cinco dias reco-
nteceu-se que a caldeira poda ser limpa
sm se fazer uso da raspadeira. O qua-
renta e dons tnbos, que nao tinham side
limpos antes da experiencia, e que deviara
conter muitas ncrust^des por terem fnne-
ejonado tlurantc noventa dia.", egtavaiu em
melhor estado do que tinham sido deixa-
dos, e os oitenta e quatro que tinham sido
limpos antes da experiencia naV> tinham
incnistacSo alguma. Cerca de eess kilo*,
de trtaro cm pedacos se achon no ftmd^
da caldeira.
Por esse meio urna caldeira pode traaa-
lhar mais de cera dias, e depois desse
tempo basta urna sinjples lavageni para fi-
ear perfeitamente limpa.
A porcao de assucar a empregar em
qualquer caldeira deve ser ponco mais oa
menos, de dez gi-ammas por dia e por ca-
vallo vapor. Essa qnantidade i- bastante
para impedir a mernstacao, c muito pe-
quena para podor occasio: ar qualquer ac-
cao corrosiva sobre o metal.
A proposito de emprego de assucar po-
demos accrescentar, que os criadores na
Inglaterra j o ministrara com os alinea-
tos para os animaes, e j se faz um bom
cimento com a mistura de partes iguaea
de cal extneta em p e assucar.
* *
Queremos que os nossos Ieitores vejara
at que ponto a erenca no sobrenatural se
impoe ao criterio scientifico da lgica.
As mesas giratorias e as anlogas expe-
riencias espiritistas que j entre nos tm
cahido em desuso, seguem seu ruino, ten-
do crentes c cultivadores na douta Alie
manha.
Um professor eminente da l'niversida-
de de Leipzig, o Sr. Zullner, publicou re-
centemente um livro no qual, nao s se
admitte a potencia real dos mdium, se-
an que se defende o celebre espiritista
inglez Henrique Slade.
Digamos quem c este thauniaturgo.
Elle cr-se em relacao com as ak
dos mortos e as p5e em comraunica^ao
com as viventes, mi'diante urna libra es-
terlina. Para Uto eraprega una pedra, na
qual apparecem pintadas por encanto as
perguntas o as respostas.
Em urna sessSo da AssociacSo Britommi-
ca, qual fora feita para demonstrar sena
maravilhosos poderes, os doutores Kester e
Donkin tomaram a pedra em um momento
de descuido, e descobriram ama resposta
j escripta.
Slade foi levado a m tribunal de poli-
ca, a titulo de especulador e falsario.
Condemnado como impostor, por nio ter
S' ovado a sua sabedoria, appellou allegan-
o um defeito de forma, e antes de che
gar a secunda instancia fugio.
Reappareceu na Allcmaha, porem -nao
j com a pedra famosa O objecto de que
se valen para captivar aos doutores aDe-
mes, e especialmente a Zumel foi um
barbante.
O professor da Universidade de Leipzig,
antes de assistir a sesso de Slade, sellou
juntas com o seu sello proprio, as duas
extremidades d'uraa corda Para na
perdel-a de vista antes de assentar-me
mesa a suspend no meu pescojo, tendo
sempre diante dos olhos o sello que unta
as duas extremidades.
t A corda nao atada, estavam fortemen-
te opprimida por nossos dous pollegares
contra a superficie da mesa, e o resto da
corda cahia sobre os meus joelhos. Por
mais que as raaos do Slade permaneciai
sempre visiveis, nao obstante, em minha
presenca, sem contacto perceptivel e em
urna habitacao plenamente Iluminada pelo
sol, appareceram na corda quatro n.
Nao s eu fiquei perfeitamente convenci-
do, mas tambem os meus sabios compa-
nheiros os Drs. Fechuer, Weber e Seher-
wer, se declararam igualmente safcisfaitos
da exactidao do phenomeno obsarasio. *
NSo cansa para referir aqui grande
Memoria em que o pjofossor ZaMaej
le aa suas hypotheseo em dosaa de Sla
so daremos um resumo. -*asV^a
n 'precipitado, nos que somos as* **"
dmiensionaes, nao podemos fisaer i
*swr esa n, eeaio ol^
un extremidade da.corda pr I





Diario de Pemambuo--
Janeiro de 1889


*.

plano inclinado com relacSo ao que con-
ten os duas partes dimensionaes do n.
Poreni, se entre nos houvesse seres capa-
ses de produzir por sua vontade quatro
o vi montos dimensionaes de substancias
materiaes, esses Beres poderiam realisar
& operacao d urna maneira muito acil. O
n de duas dimensSes a metade da ope-
peracSo que deve fazer-se experimentar a
corda. Pois bem, nenhum ser humano po-
deria desfaxel-o senfto levando urna extre-
midade da corda por cima do outro, e des-
creyendo assim o circulo completo de
360 graos. nicamente possivel reali-
gal-o com urna s torsao a um ser de mais
dimensies que as humanas.
Zullner, depois de estabelecer esta theo-
ria, da qual muito pouco o leitor ter com-
prehendido, faz urna calorosa defeza de
Slade, dizcndo que foi victima da ignoran-
oia de seus juizes.
O exposto basta parafazer comprehen-
4er at onde chega a sabedoria de certos
professores allemaes.
'L-se no Courrier des Etats-Unis: que
para ganhar algumas centenas de dol-
hrs c urna medalha de ouro promettida
pelo director d'um jornal Ilustrado, o cha-
mado Stovtt Brodie que, em Julho de
1886, tinha adquirido urna certa reputa-
dlo saltando do alto da ponte de Brook-
lyn, no rio do Este, acaba ainda de arris-
car a sua vida.
Acompanhado de alguns amigos, Brodie
apreseutou-se Ponghkccapie e, as 6 ho-
ras da uianha, lancou-se de cima da ponte
que se construe sobre o Hudson no rio;
Avalia-se que elle cahio d'uina altura de
212 ps. Posto que estivesse com calca-
do de solas de chumbo, o que as suas
meias fossem guarnecidas com pedacos de
ferro, nao pode contudo conservar sua ri-
gidez durante toda a duracSo da queda,
quando muito quatro segundos.
Seu corpo estavu metade dobrad* quan-
do bateu na agua, c assim que voio su-
perficie, s teve tempo de gritar : Eu
estou ferido, n c desfalleceu. Dous de
aeus amigos, que se achavam n'um barco
debaixo da ponte, o tiraram d'agua c lhe
deram <-s priineiros soccorros : Brodie per-
da sanguc em abundancia pela boca, pelo
nariz e pelas orelhas, e a roupa de borra-
cha com que se achava revestido para sal-
tar no rio ustava completamente despeda-
cada.
Seus amigos o eonduziram New-York
Eo prmeiro trem, e entrado na sua casa,
rodie recebeu a visita d'um medico que
vterificou que elle nao tinha nada partido e
que, salvo o caso de lesees internas, se
levantara no fim d'alguns dias.
*
*
Recentenicute, um sabio curioso, publi-
cou urna interessantissima noticia dedica-
da toda ella a ura assumpto bem extranho :
Acirurgia entre os passaros.
O autor da memoria teve occasi&o de
comprovar que urna ave ferida havia feito
com proprio bico por meio de suas pen-
nas compreseas muito perfeites; e que,
segundo o caso, sabia muito bem applicar
um emplastro sobre urna cbaga que san-
grava, ou operar urna solida ligadura ao
redor de seus membros fracturadas.
\
Este observa lor matou um da urna
Tiestas aves, a qual sobre urna antiga feri-
da no thorax, ti azia urna grande atadura
construida cora pennas mui finas, arran-
cadas de diferentes partes de seu corpo, e
slidamente fizada sobre a ferida por
meio do sangue coagulado, de outra vez
foi sobre urna ana ferida, que elle obser-
vou um emplasto ahalogoj fabricado da
mesma maneira.
Emduas occatiUes estudou passarosque
levarlo em umu de suas patas, ligaduras
de pennas ao redor da parte fracturada.
Em outros pausaros pode tarabem ob-
servar estas ligaduras, porm fabricadas
com urna herva secea as duas faces do
asso.
Se os tactos referidos slo exactos, pode
com elles formar-se um novo capitulo para
ajuutal-o ao da intelligencia dos animaes.
A excavaclo de um terreno em Roma,
a poucos kilmetros d'Alexandria, produ-
sio o deseobrime :ito denm sarcophago que
se supp8e ser, nem mais nem menos, que
o tmulo de Alt xandre que j desde cer-
to tempo, e ltimamente esperava encon-
trar o Dr. Schliemannno centro mesmo
d'Alexandria.
SPORT
Consta-nos que a directora do Hippodromo do
Campo Graude resolveu fazer com que, depois
de realisados os pareos de mais de cinco ani-
maes, e em que ha, como se sabe, venda de pau-
le* para i* e para S" lugar, venham a raa os ani-
maes vencedores, isto e, aquellos para cujas pou-
les liuja rateio
Esta innovacao que, sem duvida, agradar a
todosjquantos gostandosdivertimentos hippicos,
va i ser posta em pratica de amanbfi por diantc,
as corridas que illi se realisaro e cujo pro
g ramina publicamos em outro lugar desta folha.
*
A directora do Hi ppodromo do Campo Grande
resolveu aiik-lionteni marcaros seguintes precos
de bilhetes para a prxima corrida : bilhetes com
direito a entrar-se no enstlliamento para um ca-
valheiro e quatro senhoras por 51000; bilhetes
para archibancada com entrada para o cnsilha-
mento 3*000.
A entrada geral iWOO e a de archibancada
21000.

Chegaram honlem no vapor americano Advan-
ce os animaes Apollo, Sirias e Salpicla.
Os dous primeiros estao inscriptos para correr
amarilis no Hippodromo.
PUBLICARES i PEDIDO
mmendam a sua ;
cidodos.
0 Pac de "i do &
ou ao nosso conneeimenlo uina-inlerpre-
tacSo mais do que arbitraria, houvo quem en-
cheigasse nas referencias que zemosao entre-
Imhado oflicial, a iutencJo de attribuir esse es-
cripto ao nosso illustre amigo.
50 a estima e a considerado que nos merece
o amigo que, ate ha pouco, foi o nosso prezado
companheiro nas batalhas feridas em pro da
aboheo da eseravido, nos obliga a oecupar-
nos com a allusSo malvola, declarando anda
urna vez que so escrpulos poli'icos muilo res-
Seilaveis iufluiram para que Joaquim Nabuco
eixasse de continuar a honrar-nos com a sua
colla horario.
Aales como depois deste facta^ Joaquim Nabuco
foi qui e sera o que foi para nosurna gloria
int llectual de nossa patria e um cididao respeita-
vel pela integridade e lealdade do seu carcter.
Janeiro, 1189.
Dr. Barros Sobrinho.
ante.
Ao publico
Jos Ferreira de Paula, natural de Campia
Grande, provineia da Parahvlm, alteres da 7'
coinpanhia do 10' batalhSo da antiga guarda na-
cional d'aquella provincia, hoje residente na po-
voacto de Santa Cruz do Brejo da Madre de
Deus, e por ter morado em diversos lugares e
ser seu nome muito conhecido, pois j foi esta-
belecido nessa cidade do Recite c ltimamente
provisionado como solicitador de causas pelo
Tribunal da Relacao, encontrando no Diario de
27 de, Dezembro do aono prximo passado de
1888, na missiva de Boa Conselho de 21 do
mesmo mez, no numero dos reos que responde-
ram ao jury na quarla santo, rom um nome
igual ao sen, como pronunciado no art; 257 do
cdigo criminal, e para nao haver equivoco al-
!;um resolve-se o mesmo-acima a assignar-se de
lora em diante por
Jos Ferreira de Paula e Cunha.
Sania Cruz, 7 de Janeiro de 1889.
-------------*sssss
COMERCIO
Revista do Mercado
gjr Recife, 11 de Janeieo DE 1889.
O movimenlo na praca constou de pequeas
trausaccOes no mercado de cambios e da venda
de um lote de algodo.
Na Bolsa foram negociadas 30 acedes da Com-
panhia do Belieribe com o premio de 60 %
Bolsa
COTA9OE8 OTICIAES DA JUMTA DOE COR-
RECTORES
Recife, 11 d Janeiro de J889
Acedes da Companhia do Bebcribe, do valor de
1001, a 1604 cada urna.
Cambio sobre Londres, 90 d,v. 27 1/2 d. por
11, do banco, hontein.
'Cambio sobre Lisboa, avista 97 0,t) de premio,
do banco, hontem.
Na Bolsa Venderam-se
2o aegoes da Companhia do Bebcribe.
2o ditas.
O presidente,
Candido G. alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubcux.
Cambio
Os bancos conservaram ainda no balcSo a taxa
de 27 3 8 d.. saccando, porm, reservadamente
a 27 1,2.
Em papel particular houve transac<;6es a 27
11/16 c tambem a 27 5 8.
No Rio nao houve alterago nas tuxas.
Joaquim Nabuco
Offerecemos apreciaco do novo pernambu-
cano, os seguintes artigos extrahiaos d't Paizy.
O Paiz de 4 do corrente :
Temos o dever de confirmar a noticia honlem
divulgad! em um entrelinhado oftlcial. O nos-
so illustre collega e eminente parlamentar Dr.
Joaquim Nabuco i nao faz parte da redacclo
d'O Paiz.
E' intil accrescentar que, para esta separa
cSo, concorreram. ordem politica, os quaes, felizmente, em nada
altcram os sentimentos da profunda estima e
da elevada considenicSo que tributamos a esse
nosso illustre compatriota. O Dr. Joaquim Na-
buco sabe que, alm da tradico brante dos
artigos com que illuminou e honrou as paginas
d'O Paiz, deixa nocoraco de todos os seus com-
panheiros grata e saudosa recordaclo dos m-
ritos, |excepcianalmente, relevantes que reco-
As entradas \ erili -aiias at a data de hoje so-
sem a 5.988 saccas, sendo por
Barcaras..... 1.163 Saccas
Vapores ..... .....
nimaes..... 1.134
S'ia-ferrea de Carua- . 274
Via-ferrea de S. Francisco. 179 .
Via frrea de Limoeiro 3.236
Somnia. o.988 Saccas
Eleiclo dos juizes e juizas e mais empe-
gados da resta de Nossa Senhora do O'
de Maranguape, que tem de celebrar-se
no da 18 de Dezembro de 1889.
Juizes
O Ejm. Sr. Dr. Felippe Figuera de
Faria.
Major Joaquim de S Cavalcante de
Albuquerque.
Tenente-coronel Henrique Gnipson.
Major, Manoel Luciano de Mello.
Juizas
A' Exina. esposa do Illm. Sr. coronel
Jos Joaquim Antuncs.
D. Alexandrina esposa do Illm. Sr. Je-
ronymo Alves de Albuquerque.
D. Francisca Ananias da ConccieSo, es-
poza do lllm.Sr. Custodio dos Anjos Sonto.
D. Anna Clementina de Souza Barros,
espoza do Illm. Sr. professor Elentcrio
Roberto do Espirito-Santo.
Escrivlos
Os Illms. Srs. professor Manoel Flix do
Nascimeoto.
Tenente Anizio Manoel do Nascimento.
Manoel Jos de Albuquerque.
Murtinho Ferreira Dias.
Escrivles
' As Exmas. Sras. D. Helena Barrero Ran-
gel, esposa do Illm. Sr. Jlo Flix de
Albuquerque.
A Exma. Sra. D. Joanna Bandcira de
Mello, esposa do Illm. Sr. Mancol Fer-
reira Dias.
A' esposa do Illm. Sr. capitSo Laurindo
de Sena Leite.
Mordemos
Os Illms. Srs.:
lo Espirito-S
1 Vicente Ramos.
s Vicente Ferreira.
Jos Antonio Pereira.
Silvano Ferreira Colaco.
Francisco Querino de Oliveira.
Jos da Costa Merelles.
Moixloraa*
As Exmas. Sras. :
D. Mara Izidora do Souza, esposa
Illm. Sr. Luiz de Franca Guedes.
D. Mara, esposa do Illm. Sr. Manoel
Moura de Carvalho.
D. Izabel, esposa
Moreira de Carvalho.
D. Mara, esposa,
Guedes da Cruz.
D. Joanna, esposa do Illm.
Avelino de Souza.
D. Maria, esposa do Illm. Sr. Manoel
Ribeiro da PaixSo.
D. Felismina da Natvidade Saldanha.
D. Vicencia, esposa do Illm. Sr. Manoel
da Fonseca de Albuquerque.
Procuradores
Pedro Ivo Redevivo Cavalcante.
Manoel Joaquim dos Santos Christo.
Miguel Vicente Nunes Ramos.
.lo
lilm. Srs. Luiz
do Illm. Sr. Pedro
Sr. Pedro
o autor (1
N.~27
o Sr-
O
Elixir depura-
tivo vegetal.
Formula de Angelino Jost-
dos Santos jlndrade
Assnear
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
.'undoa Associeio Commercial Agrcola, foram
os seguintes:
Broncos .... Someno ... Mascavado purgado bruto. Rtame .... 2*00i) a 2400 14600 a 14700 14300 14200 a 14300 4900 a 14000
Colonia Isabel: Branco 1* 2* 3' Someno .... Mascavado . 24400 24-00 24000 14800 14:100
Usina Pinto: branco i* 2 Mascavado 24400 24300 14700 14340
A exportacao. feita pela alfaudcga, nusti
, o da 9, attingio a o.330.101 1 'i kilos, 1
ueste mez
al o da 9, "attingio a'5.330.101 1 'i kilos, sendo
4.217.610 para o exterior e 1.332.491 1,2para o
interior.
As entradas verificadas at a data de hoje so-
bem a 78.324 saccas, sendo por:
TAUELLAS
as K > 3
S 2 1
AiKIXADAS

_ i

o.
3
z
-

I
1
S
1
t
a
rff T-. -C. S
ti i
8
Snmi
s u
I X
-
Si
*
. =- C^
~1 Zit o x
li

Barcacas
Vapores.....
Animaes.....
\ria-ferrea de Caruar,.
Via-ferrea de S. Fian asco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somir..
30.039 Saceos
4.762
3.776
26.001
11.946
78.344 Saceos
Conros
Ultimas vendas 390 ris os saldados e 210 os
verdes.
Agu:irden Cota-se a 7000u per pipa de 480 litros nomi-
nal.
Aleool
Ultimas vendas, 1234000 por
tros,
pipa de WO i-
I
JL
1
oc'
Algodo
Foi cotatto o le 1* sorte do serto a 64200 por
3 kilos
l
Cota-se nominal a 3J4000 por pipa de 480 li-
tros.
Pauta da alfaudega
CSIUlU 'B 7 a 1:! de ja.nbibo db 18- 9
Yle ;' Diario de 6 He Janeiro de 1880
STftV&M i earga
Barca iorueguense Pnc2'e*i Para Estados-ni'
dos.
Barca americaua Mohkan, para .V^'-York.
Barca noreguense MLpak, para Ccara.
Biigue portuguez Calcida, para Lisboa e l'."10-
Brigue portupez Arminio, para o Porto.
Lugar americano Waltrr Scamell, para New-
York.
Ldgar nacienal Tiji'1'- para Uruguayanna.
Lugar americano Arthur.C. Wade, para Estados-
Ios.
Patacho inglez Peggie, para Mentevido.
lio noreguense Victoria, para Montevideo.
Vapor inglez Betlenden. para Liverpool.
Vapor inglez Architect, para Liverpool.
\avIos descarga
Barca portugueza Afrka, carvo.
Barca ingleza Bettrees bacalhe.
Barca portugueza Novo Sileucio, varios gneros.
Burea noruegnense Frita, caryo.
Barca noreguense Frilhyof, carvo.
Lugar americano H, db J. Bndtrniman, farinha
de trigo.
I Logar pertupie Temerario, varios gneros. Jrmaos & C
Baiportaco
Vapor francez Ville de Santos estrado do Ha-
vre c Lisboa em 10 do corrente c consignado a
Augusto Labillc, manifestou :
Agua mineral 10 caixas a Houquayrol Freres.
Amostras 4 volumes a diversos. Azeile 1 caixu
a J. Laguim. Armas 3 caixas ordem.
Batatas 100 l(i caixas a Paiva Valente & C,
50 a Gongalves Roza & Fernandes, 400 ao con-
signatario. Balaueas 1 caixa a Albino Silva &
companhia.
Champanha 0 caixas a J. Laguim. Cachimbos
1 caixao a Joaquim Bernardo dos Res. Clia-
KtoS 1 caixao a Adolpho & Perrito, 1 a ltaphvl
ias & C, l a Augusto Peraandes k V,.. 1 a An-
tonio Dias & C' Couros 1 caixao a Courad W-
chsmanu, 1 a Braga & S. Ditos c calcados 3
caixOes a Antonio Duarte Carneiro Vianua. (Jar-
tas, para jogos 1 caixa a Francisco Lauria & C.
Drogas ;7 volumes a Francisco Manoel da Sil-
va &. C, 3 a Faria Sobrinho & C.
Espedios 3 caixas a Guilherme Spieler.
Ferragens 1 cafan a Reis & Santos, 1 a Conrad
Wachsmanu, 2 a Vianna Castro & C, 1 a Fer-
reira Guimares & C, 4 a Albino Silva & C. Fi-
tas 1 caixa a Frederico 4 C.
Manteiga 83 barris e 100 meiost ditos a S.
Basto \mor 111 4 C, 25 e 25 a Joaquim Felippe
* Aguiar, 30 e 40 a aiva Valente i C, 45 e 90
ordem, 10 e :W a Joaquim Duarte Simos & ('..,
10 caixas ordem, 10 a Joaquim Felippe &
Aguiar. Mercaduras diversas 2 caixas a G. de
Mttos limaos, 2 a Nunes Fonseca & C, la Ma-
noel da Cunba Lobo, 1 a Prente Vianua 4 C., 9
a Francisco Lauria 4 C, i a Ferreira 4 Iniao, 4
a Manoel Collaco 4 C, i a Maia 4 lrmo,3 a R
de Drusina 4 C, 2 a Antonio Duarte Carneiro
Vianna. 2 a H. Fouqueaux, 1 a J. Bezeiva 4 C.
1 ao consignatario. 1 a Eugenio Goncalves Cas-
co, 1 a A. Raphael 4 C, 1 a Guimares Irmo
4 C, 3 a Maia e Silva 4 C 12 ordem, 2 a Ra-
mos Geppcrt 4 C. Macbiuas 2 caixas a R. de
Drusina 4 C. Materiaes para engenho 19 volu-
mes e pecas ao gerente da Uzina Pinto em Ri-
beiro.
Objectos liara chapeos de sol 1 caixa a Leite
Barios v C
Pama 1 caixa a Antonio Jos Maia 4C. Per-
fumara 1 caixa a dilon Duarte 4 Irmo. I'a-
pel 4 fardos ordem.
Pianos 1 caixao ordem.
Queiios 11 caixas a Carvalho & C, 2 a Gon-
calves Rosa 4 Fernandes,
Tintas 3 caixas a Ferreira Cumiantes 4 C.
Tinta 1 caixa a J. Gerard. Tecidos diversos 1
caixa a Andradc topes 4 C, 1 a Luiz Antonio
Siqueira. 3 a Machado v pereira. 3 a IJernet
C, 2 a ordem, 1 a A. Guimares C. 1 a II.
Burle 4 C, la A. Vieira 4 C, 11 a I). P Wild *
1'.. I 1 Frederico 4 C.
Vinho 1 barril a Bencoly, 4 a J. Laguim, 4 a
Ramos Geppcrt 4 C. Vidros 8 caixas a Bemar;
dio Duarte 1 ampos &'.., l a Conrad Wacli--
mann, 1 Josepb Bertin, a Francisco Manoel da
Silva 4 C.
Carga de Lisboa
Alpiste 13 saceos a E. Mai-tins de Barros.
s i barricas a Piulo 4 C, 1 a Joo F. da
Ceblas 30 caixas a Fraga Rocha & C 50 a
Silva Guimares 4 C. 1 ominaos Hi tac :os a E.
Jartins de Barros. Cantara 2 caixas a Joo Ig-
nacio Medeiros Repo.
Ervadoce 10 saceos a E. Martias de Barro*
Finetas 1 caixa a D. P. Wild 4 C.
Feijao 50 saceos a Fraga Rocha 4 C.
Mercaduras 1 caixa a Jos Antonio da Molla
Guimar
Rollus 2 saceos ordem, 2 a Soares d'\ma-
ral .'."mo.-.
Vinli.; '' Pipase "0 barris a Fernandes 4 Ir-
raaos, 1 e 5 a .'. F- da Costa, 5 barris a C. da
Silval\-ezado,aFra.\T'sco cornos de Souza. Dito
branco 33 barrisca Fernn,.".* & ffiBiofl,
Approvado pela Inspcctorio Geral de Hy-
geno Publica do Rio de Janeiro em 20
de Jtdho de 1887.
Este depurativo de grande eOicacia nas mo-
lestias syphiliticas e impureza do sanguc ; assim
como em todas as molestias das senhoras.
Tem curado radicalmente muilas pessoas ac-
commettidas da lerrivel molesti bcriberi.
MODO DE USAR
Os adultos tomaro qustro colheres das de
sopa pela manh e quatro uoitc. As criaocas
de 1 a 8 annos tomaro urna colher pela manh
e outra noite, e os de 3 a 11 annos tomaro
duas colheres pela manh e duas noite. Dc-
verao tomar bandos fri ou momo pela manh e
noile. Hesguardo regular.
Encontra-sc venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva 4 O, ra Mrquez de
Olinda 11. 23 e pharmacia Oriental ra stiei-
ta do Rosario n. 3.-
O autor deste preparado pode ser procurado
na ra do Haro da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicnco
que for precisa.
N. 26
Atteslo que soffrendo o meu'criado Paulino de
escrophulas, e nao tendo conseguido melhora
alguma com o tratamento qne lhe deram alguns
mdicos durante niuitos mezes por lembranca de
um amigo comecou elle a usar do Elixir Depu-
rativo e Restaurador. Havchdo tomado 6 garra-
fas appareccu a melhora e com mais quatro licon
restabelccido.
E por ser verdade [i>asso o presente e me
assigno.
Eslava sellado com una estampillia de 200
ris e inulilisada da maneira scgmrHe : Recife.
22 de Dezembro de 1886.Consellieiro Al'-xau-
dre Bernardmo dos Reis e Silva.
mmmmmmmmmmmmmmmmmtmmm*
Drogas 11 volumes a Francisco Manoel da
Silva 4 C-. 51 ordem.
Fumo 17 volumes ordem, 4 a Pereira de i-a-
ria 4C, 87 a Ferreira Rodrigues C, 5 a
Paiva Valente 4 C 70 a Joo V. Alves Matheus
4C..3 a Domingos J. Seve. 11 a Jos Amonio
dos sanios, 64 a Azcvedo 4 C.
Massas alimenticias 100 caixas a Paiva Va-
lente C. 100 a Domingos Cruz 4 C
Milho e aveia 23 saceos a Maia 4 Rezcnete.
Panno de Algodo a Machado 4 Pereira, 3
a Honra Uorges C, 10 a Rodrigues Lima *
C 50 a Cramer Frev 4 C.
Vinho 60 barris a ordem, 10 a Esoaly Rodri-
gues C, 26 a Lopes de Magalhes 4 C. 31 a
Dellino Lopes da Cro.
Xarque M)8 lardos a .Maia 4 Rezende. t>06 a
Ameriin Irniaos > C, 490 a Joaquim da Silva
Carneiro, 2883 a BlackburiiNecdhain Carga da Babia
Pellos de cabra 38 fardos a Abe Steiu 4 C.
Pipas vastos 124 a J. Rodrigues Macieira, 50 a
Pereira Carneiro 4 C.
Panno de algodo 300 fardos a diversos.
Barca noreguense Froto, entrada de Cardiff,
em 10 do correle c cousignada a J. I'ater 4 C,
manifestou :
Carvo de podra 330 toneladas ordem
liiate nacional Dona Jaita, entrado de Macu,
em igual data e consignado a B. Lourenco, ma-
nifestou :
Sal 51.200 litros ordem.
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Audrade.
Recife, 18 de Janeiro de 1883.
Nao psso fnrtar-me ao dever de patentear
V. S. mioha gratido pela cura de ininha, Maria
Francisca de VascoocellorSantos. como seu pro-
digioso preparado Elixir Depurativo e Restaura-
dor.
Soffrendo ella, como disse V. S. de suspen-
cao de menstruaco, ha quatro annos, e de um
cortejo de males consequont^s de to perigosa
enfermidade, como dispepsia, carocos, manchas,
fastios, etc., etc.; e aggravando-semais senullian
te situaco com as innmeras beberagens que to-
mn durante esse fto longo periodo, recorr,
aconselhado por muitas pessoas, ao remedio de
sua confecgo, cujos resultados excederam mi-
nha espectativa, jiois apenas com urna garrafa
acua-se ella completamente curada.
Testemunhando V. S. miiilia eterna gratido
pelo grande beneficio que acaba de prestar-mc,
ponho me a disposico de V. S. de quera son
criado, venerador, obrigadissimo Floriano Gomes
dos Sanios.
N. 28
Atiesto que soffrendo por algiim lempo de al-
guns tumores e recorrendo a*Siversos medica-
mentos, sem delles lirar resultado, fui aconse-
lhado por um amigo a usar do Elixir Restaurador
do Sangue do Sr Angelino Jos dos Santos An
drade o qual em menos de urna garrafa produ
zio um efteito prodigioso, dando em resultado
meu restabelecimento ; um licor de gosto agra-
davel e fortieador para todas as molestias de-
vidas impureza do sangue. Recife, 2 de Marco
de 1883. Antonio Jos Rodrigues de Sonsa Filho.
N. B. Pode o Sr. Andrade servir-sedo nieu
altesladoc fazer o uso que lhe convier.
.N. 29
Pemambuo, 12 de Marco de 1883.
Illm. Sr. Angelino.Eu abaixo assignado pela
prsenle declaro uue achando-me soiTrendo de
urna Iritis no olho direito que me poz ceg e nao
tendo tirado nenhum resultado com os irdicos a
quem submetti o curativo do mea olho ; dirigi:
me. a conselho de um amigo, rua-Nova e ahi
comprei urna garrafa do Klai por Vine. prr|ia
rado e tive o prazerde ver que ao lindar 1 dita
garrafa achava-me quasi bom ; 110 enilanlo com-
prei a segunda e boje que a tenho concluida,
acho-me completamente restabelccido.
O prazer que sinto ao verme assim restabele-
cido em viule e poneos dias de urna lerrivel mo-
lestia, que ha quatro mezes lauto rae fez soffrer.
tal quequerendo por meio de palavras dar ao
seu poderosissimo El'.cir. verdadeiro restaurador
do sangue, o valor que elle merece nao o nosso
conseguir; e apenas digo que aquelles que sof-
frerem moleslia idntica cxperiuieulem-o.
Concluiudo assigno-me grato c asss reconhe-
cido-
De Vmc. criado e obligado.- Augusto de Cas-
tro.
Estavain todos sellados e recoihecidas as fir-
mas.
("outinua.)
A ultima palavra
Da medicina para as molestias do feito
O PEITKAL DE CAMBAR.
Francisco M. da Silva & C.
Vapor americano Adcance, entrado dos por-
los do Sul, em 11 do corrente c consignado a
Henry, Forster 4 C, manifestou :
Carga do Rio de Jadeiro
Amostras 13 volumes a diversos.
Banha 100 barris a Doi.ningos Cruz 4 C.
Caf 210 saceos a Souza Basto, Amorim 4 C,
57 a Jos Joaquim da Costa iVinte, 30 a Joaquim
Duarte Simoes 4 C, 240 a Paiva Valente 4 C.
210 a Manoel dos Santos Araui>, 911 a Domin-
Sos Cruz 4 C, 300 a Joaquim Feyreira de Carva-
10 4 C, 230 a Costa 4 SWdeirol, %X a Fonseca
E:\j>orJ: tacnra 10 un .vbiio ue 18-9
Pura o Citerior
So vapor inglez Architect, carregaram :
Para Liverpool. Burstelnun 4 <' 433 saccas
com 30,890 kilos de algodo : J. Pater 4 G. 193
saccas com 12,927 lulos de algodo.
No vapor americano tornee, carrega-
rain :
Pan New-Verk, Martin- St C. 13,2DO peUes de
cabra ; F. M. da Silva &C. 462 saceos com 2->,l88
kilos de bages de mamona.
Na baeca americana Xokica, carraga-
ram :
1 ara New-York, II. Forsler A C. 4,0J' saceos
com 300,000 kilos de assucar maseavado.
.va barca americana Daesu, earr garam :
Para New-York, A. Casco 4 C. oOO saceos
com 37,500 kilos le assucar mascavada; M. J
da Rocha >M saceos com 14.2-'i'> kilos de. assacar
mascavado.
No vapor francez Ville de Maronhao, carre-
garam :
Para Havre, C. Marques 1 barril com 90 litros
do agurdente M. Iluber 4 C. 1 barril com 40
litros de uguardente.
No brigue nortuauoz Armonio, carregou :
Para o Porto, N. M do Eirado 24 saceos com
747 kilos de assucar brao
Petra o interior
No igar noTUegoeusc Victoria, carrega
rain :
Pai-a rnguayana, J. S, Loyo 4 Killio 1,000
barricas com 8*".'i6 kilos de assucar branco.
No vapor' francez Ville iU- Santo, carrega-
ram :
Para Babia, J. Foolelles 10 saceos com 600
kilos de cera de carnauba.
Para Santos, A. V de Barros 1.300 saceos com
90,000 kilos de assucar mascavado ; Amorim Ir-
mos 4 C, 3 '0 saceos com 30.0^0 kilos de assu-
car mascavado.
Para Rio de Janeiro, Costa 4 Fernandes 3,700
mangas, frucla ; A. Labillc 47 saccas com 3,340
kilos de algodo ; M. Luiz 00 saceos com 6,000
kilos de assucar branco ; i'. Pinto 4 C. 50 pipas
com 24,00 > litros de agurdenle ; Amorim Ir-
mos 4 C. 80 pipas com 14,400 litros de agur-
dente.
No vapor americano Finanw, carregaram :
Para Santos, H. Burlo 4 C. 6 0 saceos com
36,000 lulos de assucar branco, 600 ditos com
36,000 ditos de dito mascavado e 10 pipas com
4.800 litros de aleool
Para Rio de Janeiro, E. Barbosa 1,230 saceos
com 73 000 kilos de as.-ucar branco J. M da
Costa Carvalho 30 pipas com 14,400 litros de
agurdente.
Para Bahia, M. Cuaba 200 saceos com 13,000
kilos de assucar branco.
No vapor amerieauo Aicanoe, earroga-
raui
G. LAFOHTE
Riial'de Margo n. 25f- andar
AGENTE DA
C00PESATI7A UI7EESAL
E KEI'RESEXTANTE
Das mais fainadas fabricas
francesas
Recebe encommendas de qualquer arti-
go ; condicSes vantajosas.
cas com 11.1H1 kilos de assucar branco ; Viuva
de M. F. Marques 4 Filho 400 saceos com 30,683
kilos de assucar branco E. Barbosa 00 saceos
com 12.680 kilos de assucar branco: X. M. do
Eirado 500 saceos com 31,302 kilos de assucar
branco.
Na barca noreguense Jffipnfc, carrega-
ram :
laraCear, H. Luudgrin 4 C. 1,80'J saceos
com farinha de mandioca.
No hiate nacional Deas te Guarde, carre-
ga raai :
Para Cear, P. Carneiro 4 C. 30 saceos com
3,000 kilos de feijo.
No hiato naqional Joao Valle, carregaram:
Para Cear, Amorim Irmos 4 C. 10 saceos
com 600 kilo de feijo.
Para Pamahyba. P. Alves 4 C. 3 pipas com
2,400 litros de agurdenle e 30 barricas com
1,788 kilos de assucar branco.
No hiate nacional Crrelo de NJal, carre-
gou :
Para Natal, A. Cavalcante 50 saceos com fari-
nha de mandioca.
ciidiiueulos pblicos
MRX D3 liMii:
Alfandega
conmisso penaMbacaaa para
rcprcscntaco da provincia u
exposico universal de Pars.
PROGRAM.UA DA ABERTURA DA IXPOSI^lo
PREVIA
No dia 13 do corrente, ao mcio-dia, no salo
da Imperial Socidade dos Artistas Mechan
e Libcras, presentes os Exnis. Srs. presidente
da provincia, commandante de armas, governa-
dor do bispado, chefe de polica, ser inaugu-
rada a exposico, sendo oradores officiaes por
parte da commisso o Dr. Jos Eustaquio Fer-
reira Jacobina/e por parte da Imperial Soci-
dade Jos Castor de Araujo Souza.
Em seguida dar-se-ha a palavra aos oradores
das differentes associacOes e a qualquer que se
inscrever at a vespera noite na secretaria da
comniisso.
Finda a iuauguraco e depois que a exposicao
fr aberta pelas autoridades e convidados, ser
franqueada ao publico.
A exposico continuar abcrla nos dias 13, 17
e 20 do corrente, das 6 horas s 9 da noite.
As commissocs e todos os mais membros da
commisso de exposigo devem reunir-se no
edificio da socidade, s 10 horas da manha.
Foram nomeadas as seguintes cominisses:
De convite
Os Illms. Srs.:
Baro de Casa-Forte. %
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Dr. Vicente Ferrer de B. W. Araujo.
Commisso para preparar o edificio
^ Os Illms. Srs.:
Commendador Joo Fernandes Lopes.
Commendadoi- Antonio Gomes de Miranda Leal.
Coronel F. P. Bolitreau.
Andr Maria Pinheiro.
Alfredo Dueasblc.
Jorge Bott.
Tclles Jnior.
Francisco Augusto Ferreira da Costa.
Commisso de recepeo
Os Illms. Srs.:
f'oinmendador Josenh Krause.
Francisco Gur;el do Amaral.
Coronel Pieza de Oliveira.
Julio Fuerstemberg.
Flix de Valois orreia.
Francisco da Cosa Ramos.
Flix Venancio de Gantalice.
Anselmo Ayres de Az< redo.
A commisso de recepeo fica encarregada da
fiscalisa.jao dos objectos exposfos.
Recif"', 9 de Janeiro de 1X89.
lutconte da Sitru Loyo,
Presidente da commisso.
Muaiiel Goncalves Agr,
l'icsideiite da Imperial" Socidade.
Aula particular mixta
Rita Nevos, participa ao publico em geral e
em particular, aos pais de suas aluumas que a
sua aula acha se aberta desde o dia 7 do corrente.
Recebe alumnas internas. As mensalidades
sao pagas adiantadas, pelo preco mais razoavel.
R:ia Louvado seja Deus
Nasceste? em toda parte menos no Rio
Fonnoso.
Assim quer o nossso diocesano ; o anno
passado tivemos missa de natal porque os
habitantes deram cen .il reis ao sacerdo-
te que a mandado de S. Esc. Bvma. veio
reger esta treguezia, este anno nlo tive-
mos missa falta de um sacerdote me-
nos iiascivel que o actual regente padre
Francisco Veri .simo Bandcira.
Preferencia
O i'Kiioijal de cambar c hojo o re-
medio mais receitado pelos mdicos para
as molestias do peito.
Fr.ncisco Manuel da Silva & C.
Renda geral:
Do dia 2 a 10
dem de 11
338:3395102
17:8724387
----------------378:23**489
Renda provincial :
Po dia 2 a 10
dem de 11
84:440*357
3:835'Jll
Piceos de dia:
Carne verde de 160 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
> ariaba de 400 a 560 reis a cuia.
Milho de 320 a 400 reis idem.
Feijo de 800 a 1320 j idem.
Matadouro publico
Neste estabelecimento foiam abatidas
consumo de hoje 62 rezes.
Sendo : 37 pertcncentes a Olivoira Castro
C. c 23 perleneeiites a diversos marchantes.
para o
4
Vapores a entrar
MES DE JANEmO
...... Finnce..........
Alba ............
Sorata ...........
Maranhao ........
Ville de Cear.....
Para............
Somma total
seccao da Alfandega,
60:276*268
436:3075757
11 nc Janeiro
Segunda
de 1889.
O thesoureiro -1 lerendo Domingues.
O ebefe da seccao-Cicero B. de y.ello.
Rccebedoria Cieral
Do dia 2 a 10 9:0044814
Norte.........
i-ul...........
Europa.......
Norte.........
Europa......
^1...........
Europa....... Eltte
Europa....... Hamburg
Sul........... La Plata
Norte......... Aiagoas .
Sul........... Manos .
1'apores a sahir
MEZ DE JA NKIRO
Norte.........ideance.......... 12
Sul.......... Finante .......... 12
Cear e ese... Pirapama ,........ 12
Valparaso Sorata............ 13
Sul.......... Maranhao......... 14
12
12
13
14
16
17
18
19
20
24
27
as 5 h.
as 4 h.
as 5 b.
as 11 li-
as o b.
dem de 11
1:1166621
10.1214433
Rccebedoria provincial
Do dia 2 a 10
dem de 11
73:93i*666
1:207629
73:142-5289
Recife Braiuage
Do dia 2 a 10 1:985
dem de 11 2 i 3072
o-
2:009.3398
Meivatlo Municipal de S. omc
0 nioviinenlo deste mercado no dia 10 de Ja-
neiro foi o seguate :
Entraram :
28 I/J bois pesando ,'i, 116 kilos sendo de Ob-
ra Castro a C, 13 1/2 e 13 de parti-
culares :
334 kilos de peixe a 20 ris 7J080
23 cargas de farinha a 200 ris 33900
7 ditas de fructas diversas a 300
ris 2100
9 laboleiros a 200 ris 1MOO
13 suinos a 200 ris 33 00
14 matutos com legumes a 200 ris 280%)J
Foram oceupados:
27 columnas a 600 ris 1GJ200
i escriplorio a 300 ris 300
23 compartimentos de fariuha a 500
ris 12*500
iC ditos de comidas a 300 rla 13*000
'Jl ditos de legumes a 400 ris 36*400
18 ditos de sumos a 700 ris 12 600
10 ditos de fressuras a 600 ris 0:SOO0
10talhosa2. 201000
Iditoal 1*000
A Oliveira Castro 4 C. :
54 tainos a 14
3 i 3000
Rendimento do da 1 a 9 do cr-
rante
arrecadado liquido at haje
1934780
1:7684280
1:9624060
Movimento do porto
Navios entrados no dia 11
Santos e escala 5 1/2 dias, vapor fran-
cez Vilb le Maraado,.de 1.775 tone-
ladas, equipagem 41, commandante E.
Breant, carga varios gneros; a Au-
gusto Lablle.
Rio de Janeiro 26 dias, lugar americano
Josephine, de 568 toneladas, equipagem
' 10, capitao Charles Brwor, em lastro;
ordem.
Santos e escala9 dias, vapor americano
Advancc, de 1.902 toneladas, equipa-
gem 70, commandante D. E. Criffitb,
carga varios gneros; a Henry Forster
& C.
Cardiff69 dias, barca noreguense Tri-
Ihyof de 141 tonolada?, equipagem 10,
capitao S. L. Johnson, carga copvjto de
pedra; ordem.
Porto-Alegre '2$ dias, patacho nacional
Rival, capitao Francisco Jos Fernandes, car-
ga farinha ue mandioca ; a Amorim Ir-
niio & O.
Sahidos no mesmo dia
Havre e escalaVapor francez Vilh da
M'-rcnhao commandante E. Breanf. t
ga variqs gneros.
BarbadosBarca americana Agote, capi-
tSo H. Pawars, cm lastro.
Santos e escala Vapor francez Vle de
Santos, commandante A. Tauqucrey,
carga varios gneros.
LiverpoolVapor inglez Architvct, com-
mandante W. Bond, carga varios g-
neros.
Rio de Janeiro e escalaVapor inglez
Estrella, commandante David James,
carga varios gneros.
CearHiate nacional Joao Valle, mestre
Antonio Alvos da Silva, carga varios
gneros.
Rio Graudo do NorteHiate nacional
Correio do Natal, mostr Joao Guedes
de Aloura, carga varios gneros.
Barbados -Escuna americana Nanc/ niith,
capito G. S. Hodgkinson, em lastro.
i.


JLrletrUJ U.C JT CJTllctlllUUt
i alidru uc
1889
U
.^
W

dulhas
ti k Cambar
pelo Go-
e premiado com duas rae-
un> de 1.a ola
5 s 6 da tarde:
2." andar.
ra
rancez
e das
da Aurora n
O peitcjul de caubak cura perfeita-
mente a bronchite aguda on ehronka ;
O peitOBAL DE (AMH.vK cura a asthma
por uiais antiga que soja;
O peitobal DE CAMJAB. cura de urna
forma adiniravel qualquer rouquidao ou
perda de voz ;
O l'EITORAC DE CAMJ1AU CUia illCOntCS-
tavelmente o tysiea pulmonar;
O PEITOBAL DE CAMBABA CUra M tOSSes
simples, as defluxdVs to fcil e, rapidaaien-
te que ao proprio doento causa adinira-
980.
Este importante medicamento vende-se
a 2(5500 o frasco, 13;)000 1/2 duzia e
24^000 a duzia, em casa dos agentes e
depositarios geraes.
francisco Manoel da Silva &C.
23 Ba Mrquez de Oliiida 23
-------------.*.-------------
Superioridade
cima de qualqucr outro remedio para
as docnt-as do peito, est collocado pela
8a cfficacia o Peitoral de Cambar que
se vende em casa dos agentes Francisco
Manoel da Silva & C, ra Mrquez de
Olinda 11. 23.
Festa de NdSisa Senhora do
Monte
.No dia 13 de Janeiro prximo, pretende o
Dom Abbade do Moslero de Bento de Olinda
celebrar a festa de Notsa Scuora do Monte em
sua ermida e desde j jiodero os devotos ge en-
tender com os encangados da meema festa que
sao os capites Fortunato de Sampaio e Luiz
Pereira de Farias.
Olinda, 28 de Dezembro de 888.
Frei Jos de Santa Julia Soteno,
Doni Abbade.
------------------------------
Instituto i 9 de Abril
m do HoMplrio n. IO
As aulas deste estabelecimento de educacao e
de instruccao primaria e secundaria, acham-se
abertas desde o dia 7 do corrente.
Recife, 9 de Janeiro de 1889.
O director,
Bacliarel Luiz Porto Carreiro.
tltua Florida de Murray e .anian
A verdadeira prova ta genuidade e pureza de
qualquer um perfume extrahido das flores con-
siste na sua duradoura existencia quando exposto
influencia do ur.
O aroma derivado de leos cliimicos desvanece
en breve e deixa aps de si um ebeiro por certo
mui pouco agradavel, porem aquclle que obti-
do mediante a destillacao de frescas e odorferas
flores, se apura e aperfeicoa pelo contacto do ar,
e por conseguinte a sua duraco de maior es-
paco de tempo.
' jior isso que a Agua Florida de Murray e
Lanman. formando urna concentrada produeyao
das mais raras flores do sul, apanhadas durante
o zenitb da sua florescencia e maior fragrancia,
aio so possue a fresquido de um fresco rama-
Ihete, mas tambem indestructivel e inextingui-
vel, a nao ser a cxcepc&o de lavagem do lenco
anteriormente humedecido na mesma.
Como garantia contra as fulsicacoes obsrve-
se bem que os nomes de Lanman & Kemp ve-
nlia:i estampados em letras transparentes no
papel do vidrinho que serve de envoltorio cada
garrafa.
Ada-se a venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras
Collegio Parthenon
3 K11.-1 do Hosplelo 3
O director deste collegio declara
pais de seus alumnos e ao publico em ge-
ral que as aulas coinccarSo a funceionar
a 7 do corrente mez.
Recife, 3 de Janeiro de 1989.
O director,
Ovidio Aloe Manaya.
Collegio de S. .Miguel
Una do Vlsconre de C'amaragi-
brn.5
Aos respeitaveis paes de familias partir
cipa a director* dest3 novo estabeleeimen- \ Dita n. 5
to de instrucco para o sexo feminino,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
A mesma pro incite aos paes que lhc
confia om suas tilhas esforcar-se por Ibes
dar nina eruicneio primorosa, solida, reli-
giosa c domestica.
A tratar, di Io de Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde s 7 da
noite.
A directora,
En'Uin A. de Mendonca
Dita 11. lili
Dita n. 128
Becco Largo a. 1
Restaumcao n. 10
Diia 11. 52
Dita n. 56
Dita n. 7 "
Dita n. 29
D. Mara Cesar n. 42
Dita 11. 13
Dita n. 33
Vhconde de Itapariean. 18
Dita 11. 25
S. Jorge n. 28
itan. 110
Dila M
Dita 11. 109
Dila 11. 139
Guararapes n, 52
BarSo do Triunipho n. 90
Santo Antonio
Imperador 11. 16
Dita n. 12
Dita 11.34
Dita 11. 1
Dita n. 21
Dita i. 13
Dita 11. 81
DECLARARES
aos
Collegio d<' \ossa Senhora da
Penha
Ra da Aurora u. 33
As aulas deste collegio se abriro a 7
de Janeiro e sao de : primeiras lettras,
portuguez, francez, inglez,geographia, mu-
sica, piano, desenlio, bordados de varias
especies, flores, etc.
A directora,
Augusta Carneiro.
----------.+.----------
Collegio de Santa Liizia
Do dia 14 em diante continua a funceionar, es-
torcando se a sua directora, para bem corres-
ponder as esperancas dos paes ou tutores dos
alumnos qoe Ihe forem confiados, por meio de
urna educacao scienfica, moral e religiosa. Es-
pera pois dos mesmos beuevola proteceo.
-------------.-------------
Collegio Anior Di\ino
HA DA IMPEBATKIZ N. 32
As aulas deste estabelecimento, dedicado
instruccao das creaneas do sexo masculino abrir-
se-nao no dia 7 do corrente.
A directora,
Olympia Afra de Mendonca,
Aula mixta particular
^Francisca Martiniana Luzia Carneiro, alun>nn
mestra titulada pela Propagora de lustro.-.
Publica, scientiflea aos pois de familia e esji
talmente aos de seus alumnos que sua aula
continuar a funceionar no dia 14 do corrente
ra de s. Goncalc n. 22.
Recife, 7 de Janeiro de 1689.
--------------.*.--------------
Instituto Phiioinalico
33 v*eonde d'AlliufjiUcrque 33
As aulas deste estabelecimento de instruccao
.i -bertas do dia 7 do corrente em diante.
O director,
Ulinto Vctor.
Curso primario e preparato-
lu.t !,arsa
rio
lo Botarlo n.
cEii-
19, 1 an-
Esto abertas as aulas deste curso desde o dia 8
do corrente mez.
o director,
Collegio Meira
Ra da Imperatriz n. 63
Esto collegio de instruccao primaria e
cujas aulas se reabriro no
dia 7 de Janeiro corrente, offerece aos
pus de familia que o quizerem honrar,
cimfiando-lhe seus ilhos, todas as garan-
tas de moralidade, aproveitamento e bom
iratamento para os mesmos seus lbos.
O resultado dos exames obtido, pelos
alumnos deste eollegio, ser opportuna-
nientc publicado, e em vista delle se ter
ama prova do interesse tomado pelo abai-
zo assignadop pela applicaclo dos seus
alumnos.
Recife, 3 de Janeiro ,de 1889.
O director,
ctii-io Mimrviuo Meira de Vasconcellot.
3* seccSo.Secretaria da# Presidencia
de Pernambuco, em7 de Janeiro de 1889.
Faco publico, de ordem do Exm. Sr.
Dr. presidente da provincia, que se acha
aberta a concurrencia para o emprestimo
externo de 8,600:003$ (oito mil e seis-
centos contos de ris), autorisado pela lei
provincial .n. 1,927 de 15 de Novembro
rindo, com o praso de quarenta e cinco
dias, a contar da data da primeira publi-
cacao do presente, para o recebimento
das respectivas propostas, que sero apre-
sentadas nesta secretoria, em cartas fecha-
das.
Estas serao abertau pelo mesmo Exm
Sr. s 12 horas do c.ia, em que expirar o
praso fixado, com os proponentes presen-
tes.
Nos termos da referida lei, o emprestimo
sera de quantia que pr odusa a predita impor-
tancia de 8,6OO:O0O|{> (oito mil e seiscen-
tos contos de ris) liquida, a ser applicada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apoliecs de juros annuaes de 7 [0
(sete por cento), coia excepcSo daquellas
que tenham sido emittidas por empresti-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agricola ou industrial, bem como
para liquidacae dos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888.
* A taxa da emissao nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de commissao
e o juro nao exceder de 5 r|0 (cinco por
cento) alm da quota de amortisacao, que
nio ser superior a 1 r0 (um por cento),
sendo esta e aquelle saiisfeitos semestral-
mente.
O secretario interino, Manoel Joaquim
Sveira.
Escola normal
Matricula*
Por ordem do Dr. director e de confor-
midade com as disposic3es dos artigos 26
a 30 do regulamento de 27 de Dezembro
de 1887, faz-se pnbiico a quem interesar
possa, que as matriculas deste eurso esta-
rlo abertas desde o dia 15 do1 corrente
at 3 do mez seguinte.
O requerimento para matricula no 1.
anuo dever ser instruido com os docu-
mentos seguintes :
1.' certdlo de idade maior de 17 an-
nos para os alumnos do sexo masculino e
de 15 para os do feminino.
2.- Folha corrida ou certidaode nao ter
sofrido condemnacSo por algum dos cri-
mi'8 que motivam a perda da cadeira do
professor publico.
3.* At tentado de moralidade passado pelo
parocho ou autoridacle quer policial quer
itteraria do districto, em que residir o
matriculando.
4.- Attestado medico de nao soffrer mo-
lestia contagiosa nen ter defeito physico
que prive de bem exercer o magisterio.
5.- Certificado ou titulo de approvacab
em exame dos tres graos de ensino pri-
mario.
Os peticionarios que nao poderem ex-
hibir titulo legal de exame do 3.- grao da
instruccao primaria deverao inscrever-se
para os exames de admissao, que comeca-
..,> no dia 28 do corrente de conformida-
de com o art. 27 do citado regulamento.
Para as matriculas do 2.*, 3.- ou 4.-
auno, basta instruir as petic5es com os
certitcos de approvacao em todas as ca-
de iras do anno anterior.
Secretaria da Escola Normal 7 de Ja-
neiro de 1889.
O secretario,
A. A. Gama.
Recife Drainage
Relace dos eoncertos feitos nos appare-
lhos no mez de Dezembro prximo fin-
do, de conformidade com o art. 10 do
contracto e % 2- do art. 15 do regula-
mento de 12 d<5 Janeiro de 1872.
fe
larqucz de 01 inda n 12
Dita n. 30
Dita u. V>
Dita n. 83
Bom Jess n. 38
Dita n. 40
Dita ii. '*2
Ditan. 51
Dita n. 3
Dita n. i't
Dita n. 63
Bspo Sardinha n. 1
Torres n. i
Hitan. 18
Becco do Abreu n. I
Vigario Thenorio n. K>
Dita n. 18
Dita n. 13
Dito n. 21
Amorira n. i'
Dita n. 7
'ompauhia Pernambicana a.
Dita n. 22
Ditan. 30
Madre de Deus n. 32
Domingos Jos Martnsn. 28
Dita D. 52
Dita n. 68
20
21640
2i6W)
5#730
ViiOO
246W)
1*320
itm
:8i)
SAflO
ili
258i'>
4*620
24640
24640
740ti0
24640
44O40
24610
24640
64829
Dita n. 6o
Dila ii. 7 !
Dita n. 81
1" de Harn n. l-t
Duque de Daxias D.38
Dila D.
Dila n. "i!
Hitan. 91
Cabug n. 3
Baro da Victoria n. 2
Dila n. 30
Dila ii
Dita n. i
Trinchen as n. 1
Larangeiras n. 4
Dita n. IH
Dita n. 30
Dita n. "
Traie.ssa do Queimado n. 1
Travessa das Cruzes n. 2
Largo do Paraizo n. 14
Larga do Rosario n. 13
Dita n. 31
Estreitado Rosario n. 34
Ditan. %i '
Dita n. 31
S. Franeisco n. 68
Dita n. 7
JoSo do Reg n. 42
61 e mullieres 126.
Rodan. 12.
Dita n. 23.
Travessa dos Quarteis n- 29
Calabouco S'elho H- 19
Travessa da Matriz n. 18
Travessa das Flores n. 7
Paulino Cmara n. 30
Ditan. 21
Travessa do Carmo n 6
Livrament n. 14
Ditan. 26
Dita n. 36
Penha n. 2o
Viscondc de Iuhauma n. 43
Marcilio Diasn. 30
Ditan. 34
Dita ii. 25
Dita n. 27
Dita n. 79
Ditan. 91
Largo de S. Pedio n. 2
Diton. 3
Dito n. 9
Viracao n. 3
Lomas Valentinas n. 10
Dito n. 14.
Coronel Suas.-una n. 48
Dila n. 7
Santa Tliereza n. 6
Dita n. 19.
Dita n. 9.
Travessa do Pocinho n. 58
Vinic e Quatro de Maio n. 9
Palma n 65.
Mrquez do Henal n. 10
Dita n. 65.
Arsenal de Guerra n...
S. Jos
Marcilio Dias u- 124.
Ditan. 121
Dita n. 139
Lomas Valentinas n- 64
Coronel .Suassuua n 280
S Joaou. 10 A-
Palman 89.
Mrquez do Hcrval n. 96
Dita n. 223.
Vinte e Quatro de Maio n. 23.
Dias (lardoso n. 66.
Ditan. 9
Padre Sobrega n 20
Dita n. 36
Dita n. 71
Travessa do Caz n. 14
Vidal de N'egreiros n. 16
Dita n. 18
Dita n. 62
Dita n 128
Ditan. 172
Ditan. 137
Dique n 12
Travessi do Prata n 20
Assumpeao n. 26
Domingos Theotonio n. 22
Ditan. 28
Padre F,oriano n. 15
Christovo Colombo n. 3
Jardim n. 29
Dita n. 45
Forte n. 10
Dita n. .'10
Dita n, 'k8
Nogueiran.8
Santa Cecilia n. 8
Dita n. 33
Santa Rita n. 13
Ditan. 41
Nova de Santa Rita n. 28
Dita n. 30 .
S. Jos i. 27
Dita n. 29
Dita n. 47
Largo do Fort'.' n. 2
Ypiranga n. 1
Luiz de Mendonca n. 38
Fortaleza das Cinco Ponas
Ba-Visln
Imperatriz n. 18
Dita n. -'i
Dita n. 53
Praca do Conde d'Eu n. 2
Dita n. 6
Dita n. 24
Hita n 32
ConceicSon i\
Dita ii
Dita n. 5
YUcoade de Pelotas n. 9
Viscondc de Albuquerque n. 4o
Dita n. 98
Aurora n. 3
Dita n. 25
Dita n. 55
Dita n 57
Ponte Yelha n. 36
DlU n. 48
Dita n 25
Dita n. 31
Dita n. 107
Riai hurlo H. 6 A.
San lacle n. 10
Hospicio n. 31
Dita n. 69
Rosario n. 28
Gervasio Pires n. 7
Travessa de Gervasio Pires n. 19
Dita n. 31
Atalho n. 23
Socega n. 50
Sania Cruz n. 48
S. Goncalo n 34
Dilar.. 27
Hospial Pedro II n. 4
Genenl Sera n. I
Coronel Lamenha n. 20
Alear a n. 7
Le5o Coroado n. li
Barao de S. Borjan. 18
Dita '
Dita ii. 53
Recife. 10 de Janeiro de 1889
J. F. MackiiUo*.
24640
24O40
44320
24640
24640
54640
24640
34380
144010
34330
24640
34390
44160
2I6W
34640
124660
24640
44600
3820
164480
lo :x4t'
1-5320
44810
94420
44460
44620
24640
34040
64480
2-640
4 4620
14160
24640
54680
24640
45520
4840
24640
2 5640
124320
4 160
45160
44100
]640
24640
44360
74160
24640
24640
44320
74660
74940
24640
24640
44460
24JM0
24640
34320
4*460
124660
24640
24640
64220
24640
64820
44360
84740
24640
44620
24640
44360
24640
24640
44460
44460
2/640
24640
64160
24640
44460
24640
24640
84140
54410
44160
94570
24640
44860
24610
44310
314250
44760
44760
34240
6860
25610
104020
24840
24640
44160
424620
5i280
24640
84040
24640
44620
24640
214240
44690
24640
234440
24640
44160
34040
14720
24640
24640
184080
24640
24640
104020
224480
2464(1
64600
44660
104360
144440
25640
44620
74020
54160
124320
24640
45360
54840
154420
94360
24640
25640
24840
105020
254420
44560
55690
44160
45160
44160
44160
74800
104960
104000
3180
45160
44620
44160
25640
45360
45360
45360
45960
84840
24040
24180
235140
44160
44360
15100
75000
.14040
45160
45160
44160
800
44160
41?0
44160
214700
54980
949-40
44160
44160
104960
i.
11

- "=-..- T
Frogramma da 11." corrida
QUE SE REALIZAR
Domimo 17) de Janeiro
\oni<'
da Pello*
>H I u ral i In-
do*
Pi-xik. (dr da \-Mmenla
l'rop rielarlos
Io PareoKanato (l' turma) -800 metros.Animaos da provincia que ainda no tenham ganho premios.
ao 1", 504000 ao 2 e 205000 ao 3
Premios : 2004000
Rojal.........
Ecla..........
Jac..........
Caligula.......
Galgo.........
Rigolelo.......
General.....*
Traviata......*
Nazarelh......
Tijuca........
Jonkopinis-----
Fanfar.........
Roa-Idea (ex-
Albatroz
Pirapama.....
Siroco ........
ViolSo.....
4 annos.
| ..
Russo-pedrez..
Pedrez........
Raio..........
Alazao........
Rodado .......
Rosilho.......
Russo.........

Douradilho. <
Alaz3o........
Rodado .......
Alazo........
Castanlic .....
Cardao .......
Castanbo......
Pernambuco.
53 kilos.
53
55
Azul ebranco..............
Violeta e ouro.............
Rosa e azul................
Amarello.................
Ouro azul...............
Rranco...................
Encarnado e preto ........
Azul e branco..............
Encarnado e branco.........
Azul listrado..............
Encarnado e branco........
Grenat e azul..............
Grenat...................
Encarnado c amarello.......

Verde e amarello...........
Antonio Maitins Pereira.
J.
P.
F. L.
Sevola.
Coudelaria Esperanca.
J. D. C. B.
F. S.
S. I. M.
F. Siqueira & Bastos.
JA.
R. C.
JoSo Pinto da Costa Souto-
Maior.
J. G. F.
A.S.
F.A.
2. PareoBsalo (2/ turma) -800 metrosAmmaes da provincia que ainda nao tenham ganho premios.
1, 504000 ao 2. e 204000 ao 3.-
Premios: 2004000 ao
6
7
8
9
10
II
12
13
14
lo
16
Cabrito........
Soberano......
Ismar (ex-Ma-
rengo......
Campineiro....
Cacador.......
Horisontc.....
Mylord.......*
Aquidaban .
Bornave ......
Bruto (ex-Reta-
me) .......
Jaguaro......
Biontra......
Patife........*
Borburema ...
Guerreiro.....
Marat.........
4 annos.
3
Russo........
Cardao ......
Pedrez.......
Castanbo claro
Rodado .......
Alazao*.......
Baio.........
Cardao.......
''astanbo......
Baio.........
Castanbo.....
Rodado .......
AlaziH cacbito
Rodado .......
Pernambuco.
53 kilos.
53
Grenat e branco.....
Verde e ouro .......
Encarnado e branco. -
Grenat e preto.......
Encarnado e azul.....
Azul e ouro..........
Grenat..............
Encarnado e branco..
Preto e grenat........
Azul e amarello.......
Encarnado...........
Rosa e branco.......
Grenat...............
Encarnado c branco..
A.E. S.
W.R.
Desiderio B. S.
J. B. C.
A. F. da R. Leal.
Souza Predique.
S. M.
A.T.
Coudelaria Isabel,
R. G, L.
I Cavalcante.
A. S. .
A. M.
Coudelaria Demcrata.
3o PareoIrotnremo1.200 metros.Animaes da provincia Premios : 2504000 ao 1". 604000 ao 2" e 254000 ao 3o
I Mouro (ex-Ma-
risco........
Monitor.......
Good-morning.
Templar......'
6 annos..
4 "-
B
9
Alazao...
Russo
Rodado ..
Pernambuco.....
54 kilos.
55
58
54
Encarnado.........
Encarnado e branco
Azul e grenat.......
Grenat e ouro.......
J. Andrade.
Coudelaria Pernambucana.
Coudelaria Integridade.
J. M.
4 Pareo- Hlppodromo do Campo ttrande -1.400 metros. Animaos de qualquer paiz. Premios: 5004000ao 1, 1254000
ao 2 c 504000 ao 3
50 kilos. Escarate e azul...........|G. E.
51
ao -
51
Derby........i 2 annos.
Pnce.........I i
Alazao.
Zaino..
.Alazao.
Inglaterra..
Rio da Prata ...
Inglaterra. ...-,
por
Price
Vesper........| 3
5" Pareo-leslrcBa900 metros.Animaes da provincia Premios : 2004000 ao 1, 504000 ao 2 e 204000 ao 3o
Asuleouro..............U..M.
Ouro e branco.............iDr. L de M.
Coudelaria 2 de Fevereiro.
4
5
6
7
8
9
10
Monitor......
Etna.........
Alas tor(cx-Gla-
diador .....
Caim.........
Cndor........
Cacique.......
Dublin........
Templar......
Incitatus.......
Macaren.....
4 annos..
4
9
4
6
4
3
5
4 <
7
Russo .-
Castanho
Baio.........
Russo Pedrez -
Baio........
Alasao......
Cardao.......
Rodado.......
Alazo.......
Rosilho.......
Pernambuco
53 kilos.
33
55
53
55
53
50
55 .
53
55
Encarnado e branco........Coudelaria Pernambucana.
Encarnado e bonct azul .. I. Oliveira.
Azul e grenat..........
Encamado e preto......
Encarnado e branco.....
Grenat.................
Pardo azul e branco.....
Grenat e ouro..........
Ouro e branco..........
A. Coimbra.
A. F. C.
Coudelaria Integridade.
F. L.
H. Gibson.
J. M.
Coudelaria 1. de Junho.
A. S.

- 4
6. Pareo oerby-ci ub -1300 metros Ammaes nacionaes at meio sangue. Premios : 350.4 ao 1.", 805 2. e 354 ao 3."
Olga.......... 6 annos.. 3 -5 4
Incgnito (et-Cbapec Corcovado
Alazo...
Castanbo.
Vermellio
Castanho.
S.Paulo.
Paran..........
Rio de Janeiro....
58 kilos.
46 .
56 .
55 >
Rosa e Preto ..........
Azul e branco.....
Encarnado e preto.
Arthur Silva.
Coudelaria 2 de Fevereiro.
J. Waldenchock.
Coudelaria Paysand.

7. Pareo-Veloridade -850 metrosAnimaes de menos de meio sangue, que nao sejam da provincia. 'Premios : 3004 ao!.",
754 ao 2." e 304 ao 3.
Sirius......
Favorita. ..
Recife.....
GalauVa....
Aymor...
3 anuos.
5
4 -
5
6
Alazo
Zaina
Castanho
Rosilha...
Castanho
S. Paulo.......

Rio de Janeiro.
Rio Grande do Sul
Rio de Janeiro
50 kilos.
56
55 .
54
BB
Violeta e ouro............
Verde e amarello.........
Escarate e ouro..........
Preto e grenat.
Coudelaria 2 de Fevereiro.
Maia e Chrysostimo.
S. P.
Coudelaria Allianca.
S. .
8. Pareo-Coaamerelo -800 metros -Eguas da provincia. Premios : 1505 a 1.*, 355 a 2. e a 3.' 155
Fautiua........i 3 annos..
Stella.......... 4 -
Coruja .......! 3
Montanha......1 4
Castanha
Zaina
Carda ...
Castanha
Pernambuco.
50 kilos.
53 -
50
53 i
Azul e branco.............
Azul e grenat.............
Branco, azul e encarnado.. .
Branco....................
M. A.
Coudelaria Inteeridade.
H. Gibson.
S. C.
(*) Montado por amador.
OBSERVARES
Pede-se aos Sr. proprietarios o obsequio de terem seus animaes s 10 horas da manha no ensilhamento,
visto como impretorivelmentc ser cumprido o horario.
Os animaes inscriptos para o 1. pareo devem achar-se no ensilhamento s 10 horas da manhS.
Os animaes inscriptos para os outros pareos devem achar-se no ensilhamento 1 hora antes da determinada
para o pareo em que tm de correr.
Os jockeys que nSo estiverem matriculados na secretaria do Hippodromo nao podero correr, cumprindo-lhes
apresentar as respectivas cadernetas na occasio da pesagem.
Os forfaits serSo recebidos na forma do artigo 62 do Cdigo de Corridas.
A Directora do Hippodromo do Campo Grande, no intuito de facilitar a concurencia para o dia LS do
corrente, resolveu fazer urna reducco nos precos dos bilhetes, pela forma seguinte : urna archibancada com entrada no
ensilhamento 36000, um bilhete de archibancada para cavalheiro com quatro para senhora 5.4000.
De ordem da Directora previno aos seoliorcs accionistas que vendern suas accSes que hajam de recolhcfr
os bilhetes de accionistas que se achavam em poder, sob pena de seren efles recolhidos no portao.
Outrcsim, serSo tomados todos os bilhetes intransferiveis que por ventura forem aprentados por pessoas dif-
ferentes d'aquellas a quem foran concedidos.
HORARIO
lincerramento da venda das poules
l. pareo 11 horas e 20 ms.
2. 12
3. 12 e 40 ms.
4. 1 t c 20
5." 2 >
6. 2 e 40 ms.
-7. 3 > e 20
Corridas
11 h. eSO 11S
12 e 10 >
12 e50
1 e 30
2 e 10 a
2 e bO
3 f e 30 9
Recite 11 de Janeiro de 1889.
O secretario, Jot Eustaquio Ferreira Jacobina.


aanibuco-
Janeiro de 1889
__,
Ij
dos Profsseores d
Pernambuco
De oidem fe Sr. presidente deste Instituto co j
rido a iodos m socios '* s* reunirem no lugar
jo costme f*> horas do dia 11 do corrente,
iflm d< elegetse o cooselho administrativo que
em de dirigir o Instituto ao crreme anno, e to-
Biar-se outras medidas de interesse social.
Recife, 10 de Janeiro de 1889.
0 1 secretario,
tranquilino da Cruz Rtbetro......
Imperial Sociedade
DOS
Artistas Mechanicos e
Liberaes
litnorencio Paea Mendoncg
A directoria desta sociedade convida a todos
es senhores socios, parentcs e amigos do seu
nunca esquocido consocio Innocencio Paes Men-
donca, assistirem a missa que por alma do
mesmo manda celebrar sexta feira lt do cor-
rente, as 7 horas da manh, no convento de S.
Francisco, coofessando-se desde grata pelo
comparecimento de todosa e^eftvrt e caridade. Recite. i* Janeiro de .
Francisco da Costa Ramos,
1- secretario.
Great Western of Brasil Rai-
lway Cmpany Limited
fctift
Durante as novenas (te S. Severino, que se
venera na capella do engenho Ramos, em Pao
d'Alho os trens ordinarios parario em frente a
mesma capella. Recife, 10 de Janeiro de 1880.
Jason Rigbey,
Superintendente.
S. R. J.
*xiedd<- llore_i Ja%- Sarao em 12 de Janeiro de 1889
Por iniciativa de alguns socios e par 6olem-
nisaro- anniversano da fundaco da banda
musical, realisar-se-ha no prximo sabbado um
sarao danrante, para o qual aiada recebem-se
notas de convites nesia secretaria A' pessoa
alguma ser permittida a entrada sem ingresso.
devendo os senhores socios pagar antecedente-
mente a respectiva quota para poderem obtel-o.
Previne-se que absolutamente nio se admitem
aggregados.
Secretaria da -"ociedade Recreativa Juventude,
7 de Janeiro de 1889
A. Monteiro,
1 secretario.
Irmandade de Santo Amaro
das Salinas
De ordem do irmao juiz, convido a todos os
oossos carissimos irmios a comparecerem em
nosso consistorio no domingo 13 do corrente,
Gias 9 1/2 horas da manh, alim de em numero
jal. procedcrmos a eleicao dos novos funccio-
narios que teem de reger esta irmandade duran-
te o anno compromissal de 1889 1890.
Secretaria da irmandade do Glorioso Santo
Amaro das Salinas, 9 de Janeiro de 1889.
O escrivio,
Heleodoro Jos da Silva.
Devocao de N. S. das Mercs
em S. Jos de Riba-mar
De ordem do nosso irmo presidente, convido
a todos os nossos irmaos alim de reunidos em
mesa geral segunda feira 14 do cwrrcntei pelas
5 horas da tarde, procderinos a eleicao dos
cargos que se acham vagos.
Consistorio da Devocao, 11 de Janeiro de 1889.
O sacretario,
Jos A. Q. de Oliveira.
Companhia Pernambucana de Na-
vegacio Cosleira por Vapor
ASSEMBLA GERAL EXTRAORDINARIA
Convindo resolver-ae sobre o modo de melho-
rar e augmentar o material da compaiiliia, oon-
voca a direccao todos os Srs. accionistas para
orna reunio de Assembla Gerui, que ter lugar
no dia 25 do corrente, a* 12 horas, na sede da
mesma compaflhia, e bem assim para tomar co-
nhecimento do acto de qOc trata o art. 9 dos res-
pective* estatutos.-
Recife, 9 de Janeiro de 889.
Manoel oao de Amonm,
< Tk. Comberl
Arthnr B. DaUat.
Para a 20.a corrida que deve realisar-se
Domingo 20 do corrente
1." PAREO CoBSOllafSo 850 metros. Animaes da provincia que anda nSo
tenham ganho premios. Premio : 2000000 a primeiro, 50*000 ao se-
..gundo e 200000 ao terteiro.
2. PAREOCentro ?YelegraiiJe-~ 1.600 metros. Animaes nacionaes de
meio sangos -ru nao toah-m ganho premio n'eeta distancia. Premio :
3O0i5O00 ao primeiro, 750000 ao segundo e 300000 ao terceiro.
3. PAREOA-lma / ao primeiro, 500000 ao segundo e 200000 ao terceiro.
4. PAREOFerro Carril1.400 metros. Animaes nacionaes at meio sangue.
Premio$: ;35O0O6O ao primeiro, 800000 ao segundo e 350000 ao
teroeiro.
fX PA_EO-_Prt_ PeraaMbueaBO1.60U metros. Animaes de qualquer
paiz. Premio: 5000000 ao primeiro, 1250000 ao segundo e 500000
a teroeiro.
6. PAREO laipreiisa PernaMbucana1200 metros. Animaes da provin-
cia. Premio. 2500000 ao primeiro, 660000 ao segundo c 250000 ao
terceiro.
7. PAREO1. de #ulbo1.200 metros. Animaes de menos de meio sangue.
Premio : 3000000 ao primeiro, 750000 ao segundo e 300000 ao terceiro.
Observares
Nenlroni pareo m realisar sem que se inscrevam animaes de tres proprieta-
rios differentes.
Pam o 1. pareo s serito accoitas s 16 primeiras propostas abertas.
A inscripelo eneerrar-se-ha na secretaria do Prado s 6 horas da tarde do dia
15 do corrente.
Recife,. 10 de Janeiro de 1889.
O secretario,
Francisco de Souza Res.
Sociedade Liberal Uniao
Beneficente
De ordem do Sr. presidente sao convidados os
senhores socios quites part reuniao de uova as-
seroMea eral, pela quinta vez, para empossa-
mento da nova administre cito, domingo 13 do
corrente ; se porm, no caso de nao comparecer
o presidente eleito, far-se-ha nova eleicao para
Sresidente, empossado em acto continuo, segun-
o accordo da assembla de 6 de Janeiro. Outro-
sini, no oso de tfo comparecer numero legal
para assembla, o presidente far seguir os tur-
nos competentes.
Secretaria da Sociedade Liberal Unido Bene-
fleente, 10 de Janeiro de 1889
Manoel da Costa I'ialho,
! secretario.
CommlHe pernambucana para re
prewenlaro da provincia na Bx-
l,osi<.... de IHS'J
A pedido de muitos expositores foi transferi-
da a abertura da Exposicao previa para 13 do
corrente, ao meio dia. Recife, 4 de Janeiro de
1889.
Visconde da Silva Loyo,
Presidente da commisso.

% w
*' '>. ..
r 5_ H: '- '^W
Em virtude do que disp3e o art. 66 do
regulamento que baixou com o decreto n.
9,554 de 3 de Fevereiro do 1886, a ins-
pectora geral de hygiene Caz publico,
pelo prazo de 8 dias, que o cidadao Cris-
po Correia Crespo, lhe dirigi a seguinte
peticao com documentos que satisfezem as
exigencias do art. 65 do citado regula-
vento :
c Crispo Correia Crespo, cidadio brasi-
leiro, residente na cidade de Santo Agos-
tinho do Cabo, provincia de Pernambuco,'
provando com os documentos que junto
offerece a V. Exc. achar-so habilitado
para gerir.pbarmacia, de cujo servico tem
fonga pratica, e como nesta cidade s exis-
te urna dirigida por pratico, e a Illma.
cmara deste municipio julga de necessi-
dade a abertura de mais um estabeleci-
mentc deste genero, por esta razio e de
conformidade com o regulamunto que bai-
aou com o decreto n. 9554 de 3 de Fe-
vereiro de 1886, vem respeitosamente re-
querer a V. Exc. digne-se conceder ao
gupplicante a respectiva licenca para, de
accordo com o citado regulamento abrir e
dirigir nesta cidade, urna pharmacia.
Assim pede a V. Exc. deferimento. E
R. M. Cidade do Cabo, 7 de Dezembro
de 1838.Crispo Correia Crespo.So-
bre urna estanipilba de 200 rs.
E declara que, ae nesse prazo Denhum
pliarmaceutico formado lhe communicar,
ou a inspectora de hygiene da provincia
de Pernambuco a resolucao de estabelecer
phari!i;:cia na citada localidade, conceder
ao pratico a licenca requerida.
hupectoria Geral de Hygiene, em 2 de
Janeiro de 1888.- O official, Dr. Jos
Antonio Pereira da Suva.
Companhia de trilhos
urbanos do Recife a
Olinda e Beberibe
Domingo 1S do correte
Estando annunciado para domingo a
festa do Monte e ao inesmo tempo corri-
das no Hippodromo do Campo Grande,
vigorar nesse dia a presente tabella :
Trens ordinarios
ManhDas5[4 s 101[2 e aomeio dia.
Tarde -Das 2 1|2 s 9 Ij2 da noite.
Tren pertrnr3muaB
ManhlDo Recife io Hippodromo s
10, 11 e 111(2 horas.
TardeDo Recife ao Varadouro e do
Varadouro ao Recife, s 3, 4, 5, 6, 7 e
8 horas.
Do Recife ao Hippodromo s 121j2, 1,
1 li2, 2, e do Hippodromo ao Recife s
12 %4, 1 lt4, 13j4, 214,. 5^4, 61,4,
7 1j4.
Do Recife a Olinda Beberibe e vice-
versa, percorrer toda linha um trem fa-
zendo paradas em tod.is as estaeoes s
10 1[2 da noite.
Attenco
Ostreha ordinarios de 212 s 8 1[2 da
tarde entre Olinda e Rjcife, chegarao ap-
ate a estacio do Varadouro.
Os trenB extraordinaaios entre o Recife
e o Hippodromo, pela manhS, serSo expres-
sos na ida, de Jo2o de Barros em diante e
na volta, at o Recife.
A' tarde serSo expresaos at o Recife
na vinda, e at o Hippodromo na ida.
Os trens extraordinarios do Varadouro
ao Recife e do Recife ao Varadouro se-
rio expressos at o Hippodromo s 3,
4 e 5 horas, e at a Encrurzilhada s 6,
7 e 8 horas, sendo entilo o servijo do Hip-
podromo, s 5 lj4, 6 1|4 e 7 1{4; feito por
um trem especial.
Os trens ordinarios tocarao em todas as
estac3es do costnme, parando em Belm
em frente da nova esta'ao.
O gerente da companhia se esforjar
para conseguir que este horario seja perfei-
tamente cumpr''
Companhia dos Trilhos Ur-
banos do Recife a Olinda
e Beberibe.
Dividendo
Paga-se o 28 dividendo da companhia,
em seu escriptorio da ra da Aurora, de
segunda-feira 14 do corrente at sabbado
19, das 10 lioas do dia ao meio dia.
O dividendo- de 8 [0 como nos semes-
tres anteriores. Igualmente se pagarlo os
juros das acc3es "preferenciaes e daj ac-
{Ses obrigatorias, que deverSo ser apre-
sentadas.
Depois do dia 19 serSo taes pagamentos
feitos as tergas-feiras e sabbados que fo-
rem dias uteis, e as mesmas horas.
Escriptorio do gerente 10 de Janeiro
de 1889.
Antonio Pereira SimZa.
l\ai PER*AUBICABA
DE
VaveftfSo costelra por vapor
PORTOS D> NORTE
Parahybu, Natal, Maco Mosos, Araca-
ty e Cear
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 12 do corrente s 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 11.
^y^^
Encommendas, passagens e dinheiros -frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pernambucana
n. 12
(ONIVtMIl* PKKVtttBI < AVt.....
DE
!\'avegaeo eostelra por vapor
Para Fernando de Noronha
E ROCCAS
G vapor Jagoiaribe
Commandante Monteirc
Segu no dia 12 de Janeiro s 12 ho-
ras da manhS. Recebe carga at o
dia 8.
Passagens at as 10 horas do dia da saluda.
ESCRIPTORIO
Ao Baes da Companhia Pernambucama
n. 12
Royal Mail Steam Packet
Companhia
O vapor Elbe
Commandante Armstrong
Espera-se da Europa at o dia 18 de
Janeiro, segundo depois da demora
do costnme para
Baha, Rio de Janeiro, Monte-
video e Bucnos-Ayres
Para passagens, fretes e encommendas trata-
se com os AGENTES.
O vapor La Plata
Commandante A. H. Dyke
E' esperado do sul ao da 20 de Ja
neiro e seguindo depois da demora
necessaria para
S.,Vicente, Lisboa, Southampton e An-
tuerpia
iewcc3o de passagens
Ida Ida e volta
Ai Lisboa 1 classe 20 30
A'Soutliampton l'dasse 28 42
camarotes reservados para os passafeiros de
Pernambuco.
Para passagens, fretes, encommendas, trata-se
dom os
AGENTES
Amorim Irmaos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Agente Pestaa
Leilao para liquidacao
De 1 mobihade oiticica, 1 piano de Jacaranda,
mesas elsticas, carteiras de amarello, cadeiras
de junco, commodas de amarello, wpelos dou-
rados e muitos outros objectos que estarao pa-
'ents ao aclo do leilao.
ttahbado 1* 4o corrente
A' 11 horas
No armazen rna do Impera-
dor n. 49
AO CORRER DO MARTELLO
Leilao
De excellentes carros, bons cavallos, ar-
reios e mais pertences da cocheira do
caes do Capibaribe.
Terea-felra, 1. do corrente
A's 11 hora
0 agente Pinto, legalmeute autorisado levar
a leilao em um ou mais lotes, os carros, cavallos
e pertences da cocheira do caes do Capibaribe,
a qual est bem montada e afreguezada.
Os pretendentes podero desde ji,ftpresentar
suas propostas.
AVISOS DIVERSOS
Aluga se casas a 8000 no becco dos Coe-
lhos, junto de S. Gongallo; a tratar na ra da
Imperatriz n. 56. ______
Precisa-se de um criado de 12 a 14 annos,
para casa de familia; tratar ra do Barao d
Victoria n. 39, loja.
recisa-se de um criado para sitio; a tra-
tar na eslacao da Jaqueira.
Precisa-se de urna boa engommadeini;
tratar na roa da Matriz daBoa-vfsta-n. 9.
AMA Precisa-se de urna, para cosinlia
em casa de familia ; a tratar na ra do Cabug
numero 26.
Pede-se ao S. M. t. A. S. que venha aca-
bar com o seu negocio, negocio serio, isto ha
um anno e tanto, sem que se publicar todo este
enygma. _______ .___
Vende-se um terreno dentro da campia
da Casa Forte, com 24 palmos de frente e 208 de
fundo : quem pretender dirija-se no pateo do
Terco n. 76 : a tratar com a proprietaria, que
faz todo negocio.
OCOELHO
Novo estabelecimento de fa-
zendas finas e modas
56Rna da Imperatriz56
Recebem directamente da Europa o que ha de
mais novidade em tecidos de fantazia e fino gos-
to. Completo sortnento em fazendas de todas
as classes e precos sem competencia.
Telephone 489
ATKINSON
PERFUMARA INGLEZA
ifamada ha mais Je om scelo; etcede todas
as outraspoio ora perfame delicado e cjiqusilo.
THK2 MrOALHAS DR OORO
PAH1Z 1KS. CAI.CUTTA 18M
pe extra-fina etecilfmcia de ?* qaalidsd*.
Perfomes modernos FAORiU k CTHB1DIUM
io dBm rro e 1>ecoliarpeTara'^Iletidosid(s,
rcgislradoi %6 podem ser oblido* por niterroediot'
do*.Irn%otore on ^eusAgantw.
loca de innni n tkdisw
aem h ral para (ortalecar e embolez&r os cabellos] I
Garanlida inoffensivs.
1GA FLORIDA BE ATUI8W
perfame excepcional para o lenco; disiillado
da miii exquiiu escolba.
bssi(n>u es Cau de Um ItfsduUi Fabricaitoi
J. s\ E. ATKINSON
24. Od Bond Street. Londres.
L Marca de Pabrica Urna Rom branca A
sobre ama Lyra de Ouro. M
Imperial jociedade dos Ar-
tistas Mechanicos eLf-
beraes
De ordem do Ulm. Sr. director, convido a to-
dos os senhores socio effectivos, honorarios e
bemfeitores a se reunirem na sede social do
mingo 13 do corrente, as 10 horas da manh.
para assistirem a abertura solemne da exposicao
previa a exposicao universal de Par.
Recite, 10 de Janeiro de 1889.
O I* secretario,
Francisco da Costa Ramos.
Companhia Alagoana de Fia-
cao e Tecidos
Convidamos aos Srs. accionistas desta
companhia para de accordo com os arts.
9 e 10 dos estatutos, at o dia 10 de Ja-
neiro do anno vindouro, realisarem sua
2a entrada na razao de 10 0j do valor das
acc5es subscriptas no Banco Internado
nal do Brzil em Pernambuco.
Macei 10 de Dezembro de 1888.
Os directores,
Jos Teixeira Machado.
Jos Januario P. de Carvalho.
Propicio Pedresa Barretto.
8. R. J.
octedade Merreatlva Jnventnde
AVISO
Constando que alguns cavalieiros se prepuraw
para, como aggregados, ter iagresso sem cartio
no sarao que hoje se realisar nos saldes desta
sociedade. previne-se, para evitar duvidas, de
que AGGREGADOS NAO SAO ADMITT1DOS.
Pacific Steam Navigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN LINE
Paquete Sorata
Esperase da Europa at o dia
14 do corrente e seguir depois
jda demora do costum para Val-
'paraiso por
Babia, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas c di-
nheiro a free : trata-se com os
AGENTES,
Wilson, Sons iV C, Limited
14 RUADO COMMERCIO 14
rido. PeCle por isto aos Srs. ilSecretaria da Sociedade iRecreaiva Juventude
. vn~^A,nm nn<> ra;A,,, 1S de Janeiro del889. O 1 secretario
passageiros do Hippodromo que, munidos
desta tabella, tomem o trem com a devida
presteza, pois a partida nao poder'abso-
lutamente ser demorada.
A grande afluencia de romeiros que,
cada anno vao ao Monte, poder em todo
caso introduzir alteracjlo, por forca maior;
se isao, porem, se der. fica certo o geren-
te que sel-o-ha com plena desculpa dos
meamos passageiros.
Escriptorio do gerente, 10 de Janeiro
de 1889.
A. Pereira SimSe.
A. Monteiro.
Gabinete Portuguez
de Leitura
De ordem do Exm. Sr. Visconde da Silva
Loyo, presidente da commisso directora, con-
vido tados os senhores socios a reunirem-se em
inbla geral ordinaria, nos saloes do Gabi-
. domingo 20 do corrente, pelas 11 horas da
manh i, atim de apreciar o refatorio da actual
geren iia, e eleger nova administraco.
De accordo com o preceptuado no art. 40 dos
estatutos, a assembla se constituir com qual-
quer numero de senhores socios presentes, e as
soas resoluces produziro effeiios legae*.
Recife, 3 de Janeiro de 1880
Dr. Jos de a Ibuauerque,
Secretario.
Banco do Brasil
Paga-se o 70- dividendo a razao de 84000 por
oto, roa do Commercio n. 6, 1 andar, 8-
cripto -io de Pereira Carneiro C.
Hippodromo do Campo Grande
A directoria do Hippodiorao do Campo Grande,
no intuito de facilitar a concurrencia para o dia
13 do correnle. resolveu lazer urna reaueco nos
precos dos bilhetes, pela forma seguinte : urna
arrliibancada com entrada no ensilbmento 3.
Um bilhete de archibancada para cavalleiro com
4 para senboras 5*000.
' 0 secretario,
Ftrreira Jacobina
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector
faco publico que no dia 14 do corrente ir
de novo praca, conforme resolveu o
Exm. Sr. Dr. presidente do provinda o
arre adamen t o da sale;a que serve de bo-
tequim no theatro S&Jita Jzab#l, servindo
4*\*+ o liW> MiisiLdb 3M4M0.
Secretaria doThesouro Provincial 10 de
Janeiro de 1889.
O oficial,
Lind>lpho Compeli.
MARTIMOS
CHARGEURS REUNS
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
Companhia Franretn
DE
Javega$ao
Linha quinzenal entre
Pernambuco, Babia,
Santos.
O VAPOR
Ville do Cear
Commandante Lainey
E' esperado da Europa at o dia 16
do corrente. seguindo depois da in-
dispensavcl damora para a
Babia, Rio de Janeiro e Santos
Rogase aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiramapresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga dasalvarengas
qualquer reclamaco concernente a volumes que
porventura tenbam seguido para os portos do
sul afini de se poderem dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o referido piaso a companhia nao se
respansaoiJsa por eYtnmor.
Ptm oyga,p|aagns, encommendas e di-
ntoerro a flete r trab-se com o
AGENTE
kumk Ufcie
A DO O
9-RMADO COMMERCIO-9
Companhia Braseira de
Navega^ao a Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do sul at o
dia 17 de Janeiro e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte at Hanos.
As encommendas sao recebidas na agencia
ate 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
re? tratase com os
AGENTES
PORTOSDO SUL
O vapor Maranho
Commandante o eapitSo de fragata Pedro
Hyppolvto Duarte
E' esperado dos portos do norte at
o dia 14 de Janeiro e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
'portos do sul.
Recebe tambem carga para Santos, Santa Ca-
tharina, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande do
Sul. fretemdico
s encommendas so sero recebidas na agen-
cia al 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do' Commercio=6
1 andar
Urgencia!!!
'Segunda chamada
Na ra Duque de Caxias n. 87 ha
diversas cartas para serem entregues pes-
soalmente aos Srs. abaixo.
Luiz Jos da Silva Cajazeira (Olinda).
Francisco Pacifico do Amaral.
Joao Jos de Araujo.
Joao Rodrigues Damaceno.
Custodio* Gomes Ferreira (Rio Formoso).
Jos Fernandes Ramos.
D. Olindina Mariz.
Manoel Antonio Xavier de Brito.
Augusto Cmara.

co
DE
IVavexaco costelra por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo e Aracajif
O vapor Mandahu
Commandante Alcides
Segu no dia 16 do corrente s
5 horas da tarde. Recebe car-
a at o dia 1S.
Encommendas, passagens e dinheiro a frete,
at s 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernrmbucana
b. t2
Mossor e Maco
Segu com brevidade para os portos cima o
liiate n:ieional Victoria; para o resto da carga.
tratn-fe com o raestre bordo, cae9 do Loyo, ou
ra da Moeda n. 14.
LEILOES
Agente Brito
Leilao
De ama armaco e seus utencios, pipas ar-
queadas, azeite de carrapato e outros artigos
existentes na casa ra da Santa'Cruz n.;
garante-ae a casa, tendo a mesma bons comino-
dos para familia e o tonal exacllente para ne-
gocio. ,
H*hh* io corrate
A's l&li2horm
Adolaide Theodollnda de Biilo
Heeqnlla
Antonio Botelho Pinto de Mesquita, Mara Cor-
deiro de Mesquita Lima. Theodolina Amelia de
Brito Mesquita, Elvira Etelvina de Mesquita Rri-
to, Veriato Xavier da Silva Brito. Dr. Caetano
Xavier Pereira de Brito, Antonio Agri,)ino Xa-
vier de Brito (ausente), coronel Candido Xavier
Pereira de Brito (ausente), Arminda Brito de S
Pereira (ausente), Maria Carolina de Brito Car-
valho. esposo, filhas, genro. irmaos,-tiosesobri-
nhos de Adelaide Theodolinda de Brito Mesqui-
ta, agradecem do intimo d'alma aos parantes c
amigos que acompanharam ultima morada o
corpo de sua idolatrada esposa, mi, sogra e ir-
ma, e convidam de novo assistirem as missas
aue por alma da mesma fazem celebrar naigreja
o Corpo Santo, s 8 horas da manh de sabba-
do 12 do corrente, stimo dia de seu passamen-
to, expressando-lhes desde j seu eterno re-
couliecimento por esse acto de religio e cari-
dade.
Sociedade Beneficente Luso
Brasileira
t
Teaenle Bento de 8ouia M> ra
A sociedade Beneficente Luso Brasileira ten-
do de mandar celebrar urna missa por alma do
seu consocio Bento de Souza Myra. no dia 12 do
corrente, na ordem terceira do Carmo, as 7 ho-
ras da nianlia, convida aos seus consocios, p-
renles e amigos da finado ; confessando se des-
de j grata todos aquelles que assistirem a
este acto.
t
de
Hermenegildo Marrellno
Miranda
Catbarina Leopoldina de Miranda Lima, Odo-
rico Augusto Lumachy, desembargador Joaquim
Tavares da Costa Miranda, sua mulher D. jose-
pha de Miranda Tavares c seus filhos (ausentes)
agradecem a todos que acompanharam os restos
mortaes de seu prezado primo, Hermenegildo
Marcelino de Miranda; e de novo convidam a
todos os amigus do tinado, para assistirem as
missas que sero celebradas na igreja da Sole-
dade terca feira 15 do corrente, s 7 horas da
manb, stimo dia de seu fallccinienlo.
t
1.* pratico Manoel da Uva
Nevos
Trigsimo dia
A associaco dos praticos da barra e porto da
cidade do Recife manda rezar urna missa no dia
14 do corrente, s 7 horas da manh, na igreja
do Pilar, por alma do 1 pratico Manoel da Silva
Neves, trigsimo dia de seu passamento, e para
eujo tim convida a mesma associaco aos paren-
tes e amigos do mesmo tinado para assistirem a
dita missa. ________
t
D. Mara los de Jess Pfrettff
Sao convidadas todas as associadas da pia
uniao das Filhas de Saa e bem assim os pa-
reles e pessoas da amisaoe da finada D. Mara
Jos de Jess Pirette, para assistirem a missa
que por sua alma sera celebrada na secunda
feira. Urdo corrente, s 7 horas da maah&VjH
apella1 do ornhanato do coraco eucharisiico de
Jess, i ra do Hospicio n. 5o.
Uffiy
G
-
hAOO -
. .
. .. .... P "' '
AlimenbosCriangas
para remediar a fraqueza das criancas, desenvolver
as suas forras e preserval-os das doeneas da idade
tenra, os principaes Mdicos de Pars, memora
da Academia de Medicina ie Parts, receitao com
ptimo xito o verdadeiro
Racmhout dos Armbaa le Delaogrenier, li Parta.
Este agradavel allmento.compslo com substancias
vegetacsnuliitivsefortalccedorasdivlde-8e na eco-
noma luda, e, pelas suas propriedades aniitepticas,
mcUiora a composicao do lcite das senhoras aue ama-
mento. e acorda as torcas lnguidas do estomago.
51, ru Tliienie, Par. DeposilM uas Pba/aatias 4o Eoi4o eatein.
A's inaes de familias
QUERIS V088OS FILHOS SEMPRE 8ADIO8 ?
Administrae-lhe8 o xarope ou as
IMIulas Verniipurgalivas
DO DR. GALASANS
ptimas preparagSes de mastruz
e rhuibarbo, para aexpulsao completa, sem
dres nem neonimodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(DAS CREANgAS E DOS ADULTOS)
SEIS ANNOS DE &UCCESSO!!
< Estes excellentes preparacoes nao ne-
cessitam de purgativos como auxiliares,
visto serem purgativas por si mesmas.
As pessoas que tm vermes sentera c-
licas, tem constantemente diarrhas, indis-
posicSo, sensacSo de corpos que se movem
nos intestinos, eudurecimeto do ventre, e
s vezes, vmitos. Rangem os dentes, quan-
do dormem, alguonas e pessoas expellem
vermes coi as fezes ou com as materias
dos vmitos. As crianyas apresentam as
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o nome do
DR. CALASANS e s3o cor de rosa.
1 caixa de pilulas 10200
1 vidro de varopc 10200
AS PRINCIPAES DROGARAS E
PHARMACIAS
Se sofTres porque queros
USA E CONVENCER-TE-HAS
Engenho Penedo
0 abaixo assignado declara a quem intercssai
possa, que de hora em diantc s consentir gado
vaceum em seu cercado pagando se-lhe OOO
mensaes por cabeca.pelo que daro aquelles que
j tem o prazo de oito dias para ser retirado ; e
findo este, nao o fazendo, declarado est qu
fleart pagando, nao podendo retiral-os sem pre-
via indemuisagao. Engenho Penedo de Baixo.
10 de Janeiro de 18S9.
Antonio Xavier C. Campello.
Ao commercio
Os abaixo assignados participam ao corpo
cominercial que compraramaos Srs. Joaquim Al-
ves 4 C. o estabeleciments de molhados sito
ra Mrquez do Herval n. 73, vre e desembara-
cado de todo e qualquer onus que possa appa-
recer. Recife, 11 de Janeiro de 1889.
Silva Azevedo & C.
Ao commercio
Joaquim A Ivs & C. passaram o seu estabele-
cimento de molhados sito ra Mrquez do Her-
val n. 73 aos Srs. Silva Azevedo & C, livre de
toda a responsabilidade relativa ao mesmo c da
firma antecessora.
Recife, 11 de Janeiro de 1889.
1
A abaixo assignada previne ao publico e ao
commercio desta cidade, que nao facam traasac-
co de especie alguma com a parte do sobrado
n. 11 sito ra estreita do Rosario, pertencente
a Manoel Sodr da Cunha Mattos, e nem outro
qualquer negocio, sob pena de ser nulla toda
transaeco feita pelo dito senhor. Recife, 11
de Janeiro de 1889.
I.auriuda Martins Rio.
Colleeio Americano
Abrem se as aulas segunda-feira, 14 do cor-
rente.
Ama
Precisa-se de urna ama de meia idade para
cosinha e mais servico, para urna s pessoa :
na ra da Conceicao n. 38v ________
Ama
X
>y
i
. aecisa-se de ulna ama para cosinaar para
caiB'defWaflia: tratar na rna dos Guarurape
a. 88.


LO
de P<
Sab 12 de Janeiro de
MENTES DO PEITO
Vende-se, n'este capital, na drogara dos Srs.

A 1IJL SA19VKI Bl SLIMSA. M. 1S
aguda ou
das vint-
O mais pc.iorono 'gpeciiico contra a tos;'-, rouq>iid3o,^perda da vos, irritaoSo on inflararoacSo da laringe, broncnite
cbruuics, t arroa da anegue, dor fl fraques do peito, tis pulmonar, astaois, coqueluche e todat aa enormidades
respiratorias.
PEITORAL DE CAMBARA
DESCOBERTA E PREPARACAO DE
Jos Alvares de Souz Soares
Fundidor pr^prietario do grane bstabklkcibihTO agbico-indosteial do PARQUE PRLOTENSE, ijtprfsaaosenrt
creado p*ra 1 **, V.%* ^S Y*,^8^.Y>, f,\ %l.m^lrt.\ e- \>lk*8**WM8 %S*&%1.**t%% %1S HMsTOMl *
aa ciJi:ila de Pli>;a (lii Grande d8ul).
O **?IOiaal de aJaaBbar, Hpprovado pela Ezma. Junta Central --Ja Hygiene Publica do Rio de Janeiro, HUtaris'de
per i reto Imperial do 3U de Jucho da 1884, premiado con duaa medalhas de oaro da 1.a classe p la Academia Naci&nul dr
Pare,' e jury <1 Expooioao Brasil ira-Alie ua de ,1881, est reconbeoido como ama descebarla de magna importancia para
buennnidade soffe.ora.
Ea(a. pr-cioao medioaroento de effitoa admirareis: aivia promptamente aa to se doforosas, tornandan-a
braadaa .nt. a >-t curals ;
Fu minuir at desapparecerain os aceessos athlaiaticoi mais terriveis ;
Combat oer^icamoota a iislca paleM*nar, es esearros de saaf ae, assim como a broacsilte, a coque
lache, i iUajUld.', (lefluxo, etc., ee ama forma rpida e radical.
O doeiite, em uso do Pntoral de Cambar, nota logo e appareciment do appetite e as torcas perdidas.
Este importante uieicafneuto, que tanto sa tein oelebrisadS por sua grande effioaiia e oonsumo prugressivo em todo 0
Imperio prepsrsAo em uro* grande e especial fabrica, aun tem si lo repetidamente elogiada pela isprensa a acha se rodeado do
mais truportauies attestado* de tstiu.ton mcJ3oa e de innmeras psssoaa curadas de gravissiinas enierutidadea, como se do
olheto que ajoropanha cada frasco.
Venfendo s n' ata cHade ara rn iiaamento da tal importancia, cunjprimos um dever de bamaniiade, indicandoo aoa
(Uestes do p;>iuj e -; s rrspir toriaa, na ccriesa de Ibea auooaelbarmos o mais seguro meio de roadquirirem a srde perdida.
PH6COS
2*500 o frasco, 13*000 l l duzia e 24*000 a duzia.
Haislma Desceberta!
E" prodigioso
0 maravilhoso sabio russo, em.poucos
anuos tem firmado o seu crdito, por toda
parte onde apparece coafirma os seas pro-
digiosos effieitos. Alm de maitas ostras
molestias, serve com seguranca para as
seguintes : reumatismo, dores de cabeca e
uvido, inflaruacoes de olhos, contusfjes,
queimadura, ulceras, mordeduras de in-
seetos venenosos, empigens, dartros ery-
sipela; para o toucador de inteira neces-
sidade, para amaciar a pelle, fazer barba,
tirar caspas, e para o banho.
Nao ha igual
A venda na conhecida casa de porfuma-
rias e modas.
Pedro Audine & C 3
RA DUQUE DE CAXIAS
m
Pao centeio
Mille & Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas o sextasfeiras, tem este sa-
boroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
f ypogaphia e Lilhographia
FABRICA DE LIVROS DE ESCRDPTU-
RAgO
Premiada as exposlces de
188 e 1885
Manoel J. de Miranda
EDcaderaaco e especialidades em cartoes de
visitas.
39-Rua Duque de taxias-39
Telephonen. 194.
Precisa-se de um criado
numero 19.
Criado
na ra de Paysandu
Cantellas do Monte de Soccorro
Compra-se cautellas do Monte de Soccorro de
qualquer ioia, brilbantes e relogios; paga-se
bem na Praca da Independencia n. M, loja de
relojoeiro.
Cozinheira
Precisa se de urna boa cozinheira que durma
em casa dos patrocs, para casa de pequea fa-
milia, na ra do Conde da Boa-Vista n. 24 F.,
portao de ferro.
r
SAUCE PARA TODOS.
UENTO HOLLWAY
O TJr.gaento de Holloway ara reiied !o infallivd para os males de pernas e do peito; tambes pata >
a3 eridaf aatjgu chagw e ulceras. E famoso para a gota c o rbeumatUmo e para todas as entena ]
dades de peitc ato se reconhece egual
Pira os males de garanta, bronchites resfriamentos e tosses.
IVaores tt g.:ji -oatiahiilos a uncturas recis, obra como por encanta
~u msciius *o prep ~3S sime".l* M L.'.!abelecimana do Piofesior Houjjwat,
78. WEW 0TT311 SI Cantea 5!3, Oxford Streat), LOHDRKS,
F vcbSi 3S ca tedas as phanaacias do univereo.
9V KA cr iprdor ;?/> coavidac ^ reip a examinar os rotatot de cada caiaa e Pota, se 3O teeai
aueccao, s, xfctl Street, sao faUincaooes.
kkJddUt
O melltor
PUR6MTE
o
O
0 PODE ROG
P0UDRE ffOG
logitimo sellado
com um rotulo
impresa em
OUATRO CORES
NIo ha Porgante
algura que tenha
saber mais agradare!
rAanoA:
Casa L. FRERE
i, ni ja., mu
^IPPPPPPPPPPP
FUNDICAO CERAL,
ALLAN FATERSON & C.
.asaSJSstaSasaMsstK -* > ^- eaaak^-^*ass>isBSBBsa(a>
N. 44Ra do BrumN. 44
JUNTO A ESTACO DOS BONDS
Tem para vender, por precos mdicos, aa seguintes ferragens :
Tacnas rundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Oradeamento para jardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalha.
Vapores de fbrea de 3, 5, e 6 cavallos.
Moendari de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, systema Leandro.
kicarregam-se de concertos, e assentamento de machinismo e exeentam qual-
jner tyabalho com perfeiclo e presteza.
PEROLASae PEPSINA PURA DYLISAB
de CHAPOTEAUT, Pharmaceutico.
Fol o Sr Chapoteat o primeiro chimico que conseguio preparar e fomecer ao
nMico e ao doentes, em perolas redondas, urna pepsina pura, nao contendo, nem
amida.nem ittucur deieite,nem swiatMW.E' Cinco vez mais activaaueapepsmaque
figura na ultima edicoda Pbarmacopeafrancesa o dtgojre lOOvewsseu pexode carne.
8oa aocao da maior eOcacia; duas parolas tomadas depois da comida bastfio
ara favorecer e activar a digestao, e faj >m desapparecer no fim de um quarto de
hora as enxacraecas, as dores de oaoeca. os booejoa e a somnolencia, que
sSo a consequencla de uia ra digestao.
PARS, 8, Bne Vivienne. e em todat as Drogaras e marmtcias^
. i. a *.. *
EPILEPSIA

HYSTERIA
---------------------=------ilfri
CONVULSOES .nitfilnaitiiu
MOLESTIAS Laroyenne
NERVOSAS
Depesftsrioa em Periuimfme I
PERE1RA 8- MAGALHAES
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidan* os seguintes artigos com descont de 14 j as
vendas em grosso
Bramantes de algodao superiores, a 800 rs. o metro, 4 larguras,
dem de puro linho fazenda de 2f>200 para acabar a 1)5500, metro.
Atoalhado alvo, duas largura, a 700 rs., 1)100 e 1200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para lencoes a 5&5O0 a pega.
MadapolSo americano, a 30600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Maripozas de cSres a220rs. o covado.
Cuitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idem a 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinbos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito,
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichas de renda chics a 10000.
Colchas francesas de cores a 20000 e 40000, urna.
Lences de bramante a 10800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupa de crianca a 10000 e 10800, diagonal, duas
larguras.
Camisas inglezas e francezas a 260000 e 300000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandes, a 140000 um.
Cortinados ricamente bordados a 50500 e 60000-
Pannos de cores para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot prto e azul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veludilhos de cores e pretos a 900 rs. o dito.
Rendas austriacas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.'
Setins de todas as cores a 900 rs. o dite.
Setinetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias croas inglezas para homem a 20500 e 30000 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito.
Cortes de casemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de meia casemira a 20000.
Toalhas grandes para rosto a 40000 a duzia.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
E muitos artigos que serSo lembrados com a presenca de nossos leitores.
59Ra Duque de Caxias59
LOJA DE
PEBEIRA A MAGALHAES
grageas de Ferro Rabuteau
Latinado do Instituto da Franca. Premio da Therapautiea
O emprego em medicina de Ferro Rabuteau c baseado na Sciencia.
As Verdadeiras Grageas de Ferro Rabuteau sao recomrnetidadas nos casos de I
Chlorose, Anemia, Palidae Corea, Corrimentos, Debilidade, Eagotamento, Convulescencia, |
Fraqueza das criancas, Depauperamento e Alteragao do sangue em consequencia de
fatigas viglias e excessos t toda a natureza. Tomar 4 a 6 grageas dor dia.
JYent Constipafio nem Diarrhea, Astimilafo completa.
Elixir de Ferro Rabuteau recommendado as pessoas que nao podem engulir
engulir as grageas. Um calis de licor aos repastos.
Xarope de Ferro Rabuteau especialmente pare as criancas.
mi Urna aiolicacao detallada acomoanh cada truco.
Exigir o Verdadeiro Ferro Rabotean de CLIN & O, de PARS,
encontr, em cosa dos Droguiata* e Pharmaceuticoa.
qm
INJECTION GADET
Cura certa em 3 das san ostro medicamento
HAItlS 7, Bauierard Demaitu 7 BAMI8
Deposito* em todas as principaes Phurmaciai e Drogariac
Criada
Na ra da UniJo n. 27, precisa se de urna
criada para cuidar de duas criancas, de 5 e 3
annos de idade e que saibaengommar, prefere-se
idoea.
vwi
i(UUBt7lBNlNiBaiito,f,KN3
P1ABMACIA IIMi
rerttsesaSt
io -onceatee. ule. me o,-a%nunu u k'-- -_mjM_
ra^-are Exigir o rotulo Imito imprimido em ftanoez
Sitio
SANTA CASA DE MIZERICORDIA
Aluga-se por 35#000 ttiensees um bom sitio
bastante arborisado, com excellente casa de mo
rada, em bom estado de ronservacao, no apra-
sivel arrabalde Parnameirim, junto a estacao.
Caixeiro
Precisa se de um menino de 12 14 annos,
com pralica de molhados ; na ra dos Guarara-
pes n. 49-A.
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Fm decimos e caixa de duzia, tem para ven
der Joaquim da irva Carneiro. largo do Corpo
Santo n. 43, 1- andar. _________ '
Professora
Urna senbora competentemente habilitada, pro-
poe-se a leccionar em collegios e casas particu-
lares as seguintes materias : Portuguez, Fran-
cex, Msica e Piano ; a tratar na ra Visconde
de Albuquerque n. 20. ________
Para oDerby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen
to de gravatas e camisas de coree proprias
na os amadores do Prado e est venden-
Caixeiro
Precisa-se de um < aixeiro de 12 a 14 annos.
que tenha alguma pratica de molhados; a tratar
na ra de S. Jorge n. 89.
Caixeiro
Precisase de um eaineiro que tenha pratica
de molhados e que (10 dador sua conducta ; a
tratar na ra de Santo Amaro n. 6, laverna.
o por precos sem competencia.
Recebeu tambem collariuhos e punhos
de borracha de formatos novos.
48RA BAEAO DA VICTORIA -48
O EXTRACTO OOMPGSTO DE
SalSaparrilha
co Dr. Ayer,
E* um all'-ft^ivo tSo effleaz que extirpa completa-
mente Uu f jtu'J-.i.i m icro;*ulit Hereditaria, c aa
MfoeeflM que ori afflnMado con r>3 enfermidades
cuuUigiOba, e as 0uc*4caiulaA pelo mercurio. Ao
i rftnllsft enriquece o *ngn*> com-
nniHi?anao urna accio saet,al ao orgaiiiBtuo
rej ir.vuu5cei.de c sysicmii i'-*-o. Justa grande
Medeeiaa> Eegeceradora,
6 coinpoara com a aanladalra SnlaapAnikha de
Irin'.nra-, ilol I \i-slo e ds Ffrro, e
outros inffi pcHent.-i (I grauda ixnoiicia e virtudes
coraUroi, .:u '.adosa e sciciitifisamente preparados.
A fominla i ptralmi-nto cnnherlda "la proflaeo
medica, SALaa*
ruaaij:.\ txt I Urra nio a:n
Remedio Absoluto
para ;is rnfrrmfililali occasior.adas pelo estado
.
Eflta c>ice:it'lo ao grao r,:a8 alto practmavel
mnitr mairf que qunlqner outra preparacio da sua
. que pretcada proporcionar Igaaefl ell
Lbtoa m-'iocna tr-stln hwnto, aaslm como >
meJUor p;it:i :.j:-iicai o-angue.
l'KKl'AKXWO 1T.I.O
D. .7. C. AYEB = A.,
Lowell, 31as8., 12. U. A.
A" teada na. piiucij.acH pka&iasv&at o roM. .:i
Mercearia Equidade
Ra de Borlas 11. 1S
Grande variedade de vinbos engarrafados, por
commodo prego, e superior qualidade, recebidos
directamente, como sejam : vinho de Pasto, Col-
lares, Figueira, Verde, Palhete, Moscatel, Malva-
sia. e outro sem igual, especial para seuhoras.
Vende-se superior carne secca de porco, vinda
do serto, vinho fino do Porto a retalho.
TMHICA
DE VIDROS
193 Una d'Aurora 193
Expoe venda em grosso
e a retalho os productos de
seu fabrico: sendo
Copos com e sem p, ditos
com aza para cerveja, cli-
ces, globos, chamins, frascos
para botica etc. etc.
Presos sem competencia
Inglez
Em virtude de ter sido muito procurado e nao
podido satisfazer aos pedidos de todos, mandei
chamar um collega da Inglaterra (Mr. Dick) que
ja se acha no caso de receber digcipulos de in-
glez pratico.
/. Fanstme, ra do Progresso n. .
Ma, J. Fanstose. tendo de modilicar a lista de
seus discpulos para o novo anno, pede s
Exmas. familias e senhores sue tm-o honrado
no passado que communiquem-lhe os seus dese-
jos para que elle nao falte na altenco devida
aos Illms. Srs. seus discpulos.
Os Srs. doutores desta praca que tenham co-
nuecimento de inglez e que queiram se aperfei-
coar na pratica, dirijam-se a J. Fanstone, n. 2
roa do Progresso, ou na casa Evanglica n. 4,
ra estreita do Rosario.
Tambem para maior commodidade das pes-
soas empregadas no commercio tenho resolvido
abrir um curso nocturno de inglez pratico, o
qual funccionara no i andar da casa n. 4, ra
estreita do Rosario.
Ma, GaoBGa H. Nnro, nico professor america-
no da liugua ingleza, pode ser procurado nos
sabbados ra Conde da Boa-Vista n. 28, sobra-
do defronte da. estacao da Soledade.
Precisa-se de urna ama que cosinhe bem, para
casa de familia : a tratar na ra Duque de Ca-
xias n. 93.____________________________________
O cavallo Pisa Flores
Fica transferida para correr com a ultima lo-
tera de 60:000* do corrente mez.
sm*MMHHA**Jt
II
REMEDIOS
LE ROY
Populim era FRANCA, na AMteftlC,
HESP'MHA, no RAZIL,
onda sao autorisados pela Junta da Hygiena
M BCcdicn^o Depurativa e Se-
Z conatltnliito dando tola a facilidade
"* para se tratar s, \or proyo uaiato, e
se curar em pouco tempo.
i
i
E^sa medlcacao expulsa rpidamente
osliumorcs,bilis,bumores vi^eusos vi-
ciados quo oceasionam eODSorvam aa
IAI inolcali.ie; puriUca o sautiuu e liupde ^
I as recahldas. _________
Pur (jantes Le Royg
!l LQUIDOS K
a SRAOS,aosarios segundo aldade,con-
vSm especliiiuoiite as rnoicatiaa
Chroulcas.
n
Extracto concentrado doa atan
dios liquido podando subsUtull-os,
para as pesadas que Qverem rc;>u-1
Kgnanoia i>ara os nurj antes UiiuidUie.
SSo InCullveis cintra : Anthmn, j
CatarrHo, Gt.i, Hkeuuuitlauto, i
Tumorr*, VU-era, JVrrfrt do I
appetitr.Veor*-*, CamajeetOen, no- \
Irntia tt > lUgaito, Impioen*, -
Yeriitelltitle*. tfr'ioittz-im
'NAO SE ^EVE ACEITAD
qiulqoer pro.lnct quo uo tifer o eii-mreo da
Phci* COTTIN, geno do sfir. Le Roy
Ra do Seine, SI, PARS
DIPOHITO KM TOD-IS AS PHABMiCHa ?
20:000 rs.
Aluga-se a casa n. 16-i' ra do Riachuello,
antiea do Destino, na Roa-Vista ; a de n. 8
travesea do Freitas. aniiga do Trindade, em S.
Jos, por 16,000, com 2 salas, 3 quartos, corre-
dor separado, cosinha fra, quintal e cacimba; a
chave est junto, e trata-se na ra da Guia nu-
mero 62.
O OLEO PURO
-DE
FIGADO de BCALH
-DE-
LAMAN & KEMP
produz efieitos anlogos a Os da
Emuiso com HypGpbospbites
dos mosraos senhores, no caso de
ser preferido o traetamonto nesta
forma para o curativo dos incom-
modos
do Peito, a Garganta e os Poiines.
FAZE\DAS BARATAS
NO N. ao
(JUNTO AO LOUVRE)
Zephires de quadros, a 80 rs., o covado.
Las escocezas, a 100 rs., o dito.
Cambraia bordada, a 4(J000, a peca.
Sargelim diagonal, a 200 rs., o covado.
Baptistas finas, a 160 rs., o dito.
Percales claras, a 200 rs., o dito.
Setineta do Japao, 240 rs., o dito.
Brim de cores a 320 rs., o dito.
Cachemiras de quadros, a 260 rs. o dito
FustUo branco, a 360 e 400 rs., o dito.
Brim pardo, a 280 rs., o dito.
Meias para senhora, a 44500, a duzia.
Baleias para vestido, a 280 rs., a duzia.
Lencos brancos, a 1(9200 a duzia.
Collarinhos de linho, a 34500, a dita.
Ganga para cobertas, a 260 rs., o codado.
Sabonetas de glycerine, a 200 rs., um.
Regatas de cores, a 14200, urna.
Ceroulas de bramante, a 14200, nina.
Colchas de efires, a 24000, urna.
Cortes de Linn, a 74000, um
Cortes de seda para coete.
Leqaes transparentes, a 24500, um.
Sahidas de baile, a 24000, urna.
Tapetes para sof, a 134000, um.
Espartilhos americanos a 54000, um.
Camisas inglezas, a 364000, a duzia.
Las de quadros, a 300 rs., o covado.
Agua Florida, a 14000, a garrafa.
EsguiSo pardo, a 360 e 400 rs., o covad.
Cortinados bordados, a 64000, o par.
Luvas de seda, a 24000 e 24500, o par.
Guarnijoes de crochet, a 74000, urna.
Bramante de algodo, a 800 re., o metro
Merinos de core, a 800 rs., o cavado.
MadapolSo americano, a 64000, a peca.
Toalhas para banho, a 10500. urna.
Cambraia arrendada, a 400 rs., o covad..
Lencos de barras, a 24000, a duzia.
Alpacas indianas, a 320 rs., o covado.
Cortes de setinetas, a 64000, um.
Setins de cores, a 800 e 900 o covado.
Colchas do damasco, a 74000, nina.
Panno da Costa, a 14000 p 1*200, e co-
vado.
Cachemira de duas larguras, a 800 -ra^ c
dito.
Chambres, a 44500 e 54000, um.
Paletots de seda palha a 74500, um.
Renda hespanhola, a 34500, o metro.
Gazes de cores, a 500 re., o covado.
Pecas de esguiao de algodao, a 34500.
FustUo de c6r, a 800 rs., o covado. '
Cobertas de ganga, a 34008 urna.'
Brim pardo, a 300 rs., o covado."
Xinho de quaro, a 200 e 240 re., a c*
vado.
Paletots de alpaca, a 44000 um.
Cambraia Victoria, a 24900, a peca.
Cortes de casimira para costumes.
Lona para cama.
Algodao de duas larguras.
Guarda-ps para homem, a 54000 e 64000.
Ditos para senhoras, a 84000 e 104000..
Popelina Dranca de seda, a 800 e 14000,
o covado.
Linn de cores, a 500 as., o covado.
Oleo Oriza, a 900 rs.
Entremeios e bordados.
Sabonete de alcatrao, a 500 re.
Toalhas para rosto, a 34500, a duzia.
Bicos de urna so cor, a 24000, a peca.
Bicos matisados, a 24500 e 34000, a peaa.
Pacotes de pos de arroz, a 500 re.
Setira branco, a 800 rs., o covado.
Leques de setim branco, a 64000.
Tnico oriental, a 900 re.
Suspensorios americanos, a 24500.
Crotones finos, a 320 re., o covado.
Fechs grandes, a 34000 e 34500, um.
Metins de listas, a 390 re., o corado.
Brim de linho (cor) a 800 re., o lito.
Costumes para banhos salgados.;
Boleas para o mesmo fim.
r>r.A.
Ra 1. de Marco n. 20
CASA DE
AMARAL & C.
Pulseira perdida
Gratilica-se bem peasoa que tendo achado
;or de ouro.
fot* lvala A rea da Alegra n.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, com
pratica de 11 innos de proflsso, apreseniandc
diversos attestados de bom melhodo t comporta-
ment, oflerece se pura leccionar en casas par-
ticulares, na cidade ou em seus arrabaldes as se-
guintes materias : Portuuez, Francs, Italiano.
Geognipliia, iauo, trubalhos de agulha, etc.; a
tratar a ra Visconde de Goyann*!. 69 ou em
casa do Regulador da Maniiha ra larga do
Rosario n. 9.
I riado
Precisa-se de um rapaz at 15 anuos i a tratar
na Travesea do i orpo Santo n. 17.
A !*j -tn >l*u'!i ;t n; L^ii.,. s -.ecantssimos de 8
tulmiiiliaal um hoto e marnvilhso preparado
. .- uin baaae delicie*, e aigiealce,
na .!. (.Mirador.
i Cza de fama iuIvit!, afttr-
raosa i lis, e, iorjorirseate,uBia
todo ensato sp eoa#re'p:e hoja.
nacas, drogaras,
jo rr.undo.
Uni .. fancautf-ipwr: H. liACK. Vira s/P.
aVj
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 10 an
com pratica de molhados e que d fiador sus
conducta : a tratar na ra < onde da Roa-Vista
n. 87, prefere-
Carolos de algodao
Compra-se carocos de algodao ensaccados,
treges nos armazens, ra do Rarao do Trium-
n' o ns. 10, 12 e 14; ao prego de 380 rB pe
os.




de Pernarabu
tabbado 12
Janeiro de 1889
Aluga-se barato
Ru. do Rosario n. 39.
Visxmdo de Goyanna ns. 163 e l
Balea Verde n. 1 C. (Capunga).
Ba Viscoade de tapanca i). 43, armazem.
A roa do do Calaboco n. 4 loja.
Largo do Corpo Santo n. 13 r andar.
Rua Santo Amaro 14 1 andar.
Ra Viaal di' Ni^reros n. 45.
Trata-se na ra do Coramercio n. 3, l' andar,
ecriptorio do Silva Gira;.
Ahiga-se
o 2* andar da casa rua da Aurora n. 81 (junto
esUiro da estrada do ferro de Olinda), com
graneles commodos para familia ; a tratar no es-
criptorio de Sebasao de Barros Barreto, rua
do Bom Jess a. 16, 1. anda--.
Cosinheira e ctiado
Precisa-se ; na rua Velha u. 137 sendo o ctia
nio ou rapaz.
Aviso
Aos Exras. Srs. paes de fa-
milias
'_ prufessor titulado Joao Feixeira Bastos, con-
tinua a leccionar nao so eni casa tic sua residen-
cia, como em casas particulares as materias, que
conslifuem a instrucro primaria das 3 s 6
horas da tarde.
Curso especial : portuguei, francez, geojrra-
pcia e historia das 4 s 6 da tarde. '
Aula nocturna das 7 s 9 da noite.
Minsalidade adiantada feila no acto da .matri-
cula.
N. 7 ARuado CaldereroN. 7 A
Cha prelo superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
gnezes em geral que receben pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por pregos mais resumidos em vista
da continuagao do cambio favoravel.
Convem que experimentem.
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 48
Ama
Predsa-se de urna cosinhein
ti. 44, toja del'asend.
Ama
Frccisa-se de
familia ; na rua
ja Duuue
uena

Ama
Precisa-se de urna amr para comprar e i
nhar para casa de pouca familia : a rua-da Pe-
fiha ii. 21. 2o andar.
Ama
na Formosa n. 8, precisa-se de urna boa
cosinheira e engoramadeira, e que durma em
sasu.
Ama
Pn cisa-sedeunia ama ]ra cozinliar para casa
de familia ; a tratar na rua dos Guararapcs u. 88.
Ama
Precisa-se de urna ama para
casa de pouca familia ; a tratar
de C;ixias n. 48, loja.
engommar em
na na Duque
Ama
Precisa-se de urna ama ; na Camboa do Carmo
n. .1. 1 andar.
Ama
Trecisa-se de urna ama para, todo servico de
casa de pequea familia ; na rua Direita n. 93,
2- andar.
fl
CAPSULAS de GRIMAOLT k f
MATICO
ift-iuitt f\t .'uu Nitril i Jim*
pukliu a Bruil
CtmKnfdo M o Btlsamo i* Copkt*
Remedio lnfklllvel par can a
Oonorrbe, sem embaracar o
estomago, ncm provocar repu-
gnancia, effetto que sempre pro-
auzem todas as capsulas de co-
. pahlba Uqulda.
Dapouto n PARS :
Ph ORl AULT O, I, na TMmm
nat prlnolptu Phtrmolu Drogrin.
Registro
Gcijgra-se um registro n. 5
de Caxias n. 56, loja.
na rua l)uqu-
Amas
Precisa-se de duas amas pasa casa de peque-
a familia, sendo urna para cosinha e outros
sen icos domsticos, e de outra para lavar e en-
gommar : na rua do Imperador n. 40.
Fabrica Tabyra
F?reira Penoa & '".. participam ao respei-
Uvel corpo comuiercial desta praca que sao os
nicos recebedores de suas contas commerciaes
e em suas faltas o Sr. Francisco Walfredo Silva
como tem procuraro dada por nos
Recife, 11 de Janeiro de 1889.
Pereira rema C.
p-po Atftendite
Jos Samuel Botelho avisa ao respeilavel pu-
bheo que ainda continua a fabricar bonquels do
mais afamado gosto, para casamento ou outro
Jualquer acto, assira como capellas mortuarias
e perpetua : a tratar na roa Nova n. 20. loja de
mii.dezas, ou na rua da Cadeia do Recife n. 43,
loja de selleiro. ___________
Precisa se de urna ama ; a tratar na rua de
Sanio Amaro u. 0, 1 andar.
Amas
Na rua da Palma n. 40, precisa-se de duas
amas, urna para cosinha c outra para amamen-
tar urna enanca.
Caixeiro
Precisa-se de um menino de 10 12 anuos de
idade, que tenha pratica de taverna e que seja
Oel; na rua Imperial n. 158.
VENDAS
Vende-se urna mesa com duas gavetas,
torneada, uns livros de reza, romances e estu-
ltos, tambem vcnde-.ce mn tnico para segurar,
nascer o cabello, e evitar dr de cabeca ; na rua
Mrquez do Henal, loja n. 23, se dir quem
vende. Assim como urna senhora habilitada se
offerecc para ensinar em casas particulares.
Portuguez, Francez, Italiano e trabamos de
Dores.
Ao eonnero il<-|IVrnanil>iii'o
Declaro que nunca receb dinbeiro de pessoa
alguma do trato, para entregar no Recife e nem
to pouco conheco essas figuras. Acobertem-se
com outro nome e nao com o ajwiso assignado
que so conhece no Crato o seu empregado.
toD, 4 de Dezembro de 1888.
Jos Guedes da Silva Rola.
m
FOLHETIM
Vende m' um cavallo de sella, de baixo a
nieio, vindo na pouco do sertao, e urna burra
para todo servco : a tratar na Nova Descoberta,
cocueira de Manuel Joaquim, ou no Pago da t a-
tria n. 5.
Vende-se um eslabeecimento de mohados
com proporces para grande negocio ; na praca
Conde d En n. 18. _____ _
- Vende-se urna parte no engenbo bestrro,
freguezia de Iguarassu, faz-se todo negocio, e a
renda de muitos anuos a tratar na rua da San-
ta Cruz a. 8. ____ __ _
- Vende se urna taverna ne bairro da Boa-
Vista : a tratar na rua da Imperatriz n. Ni.
1m_ Vende-se a bem localisada taverna da rua
Vii-conde de Goyanna n. 6i : a tratar na mesma.
Taverna
Vende-se a taverna sita rua da Sauta Cruz
n. 36. pelo dono precisar de retirar-se para fura
a tratar de sua sade ; a tratar na mesma.
en
genho
Vapor para
Vende se urna macbiua a vapor de foica.de 4
cavaos e em perfeito estado : a tratar na rua do
Apollo n. 30, 1 andar, das 11 oras as 3 da
tarde.
Grande liquidaba
l Mum do Bar So da Virtorln Id
VZEVEDO 1RIA0 C.
Iveram vender mais barato para di-
minuir o seu grande deposito, para assim
poder dar balanco.
A saber :
Rendas de cores, comprimsnto de saia
a 14000 e 1*500.
Sargelim de todas as cores a 200 rs. o
covado.
Baleias com forro a 400 rs. a duzia.
dem sem forro a 240 rs. a dita.
Bramante de linho, com 10 palmos, a
1*400 e 1*500.
Extracto Rita Sangal a 2*200.
Fichs de 18 e seda a 1* e 1*500.
Capellas com veo bordado a 6#000 e
7*000.
Merinos de cores a 400 rs.
Zefiros, largos, a 160 e 200 rs.
Crotones com ferraduras a 240 rs.
MadapolSo (o verdadeiro Boa-Vista) a
6*000, coin 20 varas.
Toalbas para banbo a 1* e 1*500.
Colchas de crochet, finas, a 5*000.
dem com flores^ 8*000.
Toalbas felpudas para rosto a 3*000 a
duzia.
Bramante franjado, 4 larguras*, a 800 e
1^000.
MadapolSo com 1 metro de largara a
7*000. ^
MadapolSo Globo a 7*000.
Dito camisero legitimo a 7*000
Fustao branco a 360 e 400 rs.
Setim branco e de todaB as cores a 800
e 900 rs.
Tapetes grandes para sof, a 13*000.
Espartilhos couraja a 4* e 4*500.
Cortes de cambraia com carocinhos a
4*000.
Brins de linho de cores fixas a 600 rs.
Crinoline branca c preta a 400 rs. o
metro.
Rico sorti ment de leques de penna de
8*000 e 10*000.
Gruardanapos de linho a 2* e 2*500.
Panno de crochet para cadeiras a 800
res.
Ditos grandes para sof a 2*500.
Cambraia Victoria e transparente a
3*000.
Merino preto, fino, a 800 e 1*000
Camisas francezas, finas, a 33*000 a
duzia.
Nanzuc de cores finas a 240 rs. o co-
vado .
Capas de cachemira preta.
Renda hespanhola a 1*000 e 1*500.
Cretone com duas largaras a 400 rs.
Batistes finas a 140 rs.
La de quadros a 280 rs.
Cortinados bardados a 5*500.
Ditos de crochet a 10*000.
Camisas de flanella com collarinhos e
sera elles.
Palitots de palha de seda, todas as co-
res.
Luvas de seda-
Faz-eadas de phantasia e aberras.
Cachemiras eom listras e quadres a
500 rs.
Cortes de casimira a 4*000.
Etamine preto.
Cortes de cambraia aberta a 5*000 a
Terreno barato
Vende-se barato, ou permutase por urna casa
na freguezia da Boa-Vista ou da Graca, de va-
lor correspondente, um grande terreno na rua
Imperial, defrontc da casa n. 320 (centro), com
338 palmos de frente e fundo para a estrada de
ferro de S. Francisco, cujos limites atravessa;
prprio para edificarao e com capacidade para
bons viveiros.
No Cafc Hii\\ a rua do Bario da Victoria n. 56,
se indicara aos prelendentes a pessoa com quem
se trata.
0 BAZAR DO RECIFE
Esta bem conheeid* loja de miudezaa e
artigos de modas receben da Europa bo-
nito sortimento de artigos para a festa,
saber:
Bonecas vestidas moda do Pars.
Diversos brinquedos para crianas,
Lindos loques do phantasia.
Costureiras com msica.
Caixinhas de setim com perfumes.
Elegantes ostojos para toilette.
Primorosos carios de felicitacSes.
Porta-relogios para toilette.
Caixinhas para joias.
Estajos parveseripturacao do senhoras.
Perfumaras dos melhores fabricante?.
Um variado sortimento de miudezas.
O BAZAR DO RECIFE
11BA DO MABQUEZ DE OLINDA 11
Domingos H. "HarliHs
56


21
Vende-se
urna parte da propriedade Caraba Torta, na
comarca de Nazcrelh; os senhores prelendentes
podem dirigirse rua Baro da Victoria n. 38,
nde achara com quem tratar.
Vende-se
urna casa terrea no bairro da Boa Vista, em bom
local; a tratar no Pateo do Carmo n. 3, botica.
POR
JULIO MAM
TERCEIjRi PARTE
HONRA POR HONRA
{Continua?ao do n. 8)
peca.
Cortes bordados brancos e de c6res.
Seda palha crua com flores a 800 rs.
N. B.As fazendas compradas na nos-
sa casa n3o sendo do gosto do freguez, 6e
trocam por outras de mais gosto.
Telepbone n. 200
RUA DO CRESPO
Oliveira Campos & C.
MOTIDA.DSS
Cortes de vestido em cartao com muita
fazenda todos enfeitadbs a tiras bordadas,
cachemira, jour, zephiro, ninon e cam-
braia branca de 8*000 a 35*000, nm.
Romieiras, pellerinas, voltas e peitinhos,
de vidrilhos, ultima novidade, de 6*000 a
12*000 urna, sao lindas.
Zephiros de cores padres alta novida-
de a 500 rs.
Merinos de edres todos em quadro a
320 rs. o covado.
Cortinados bordados de crochet para
cama.
Colchas de seda para noivos.
Veos e capellas o que ha de mais novi-
dade.
Capas pretas, merinn, cachemira e gor-
gorito, todas ricamente enfeitadas.
Espartilhos para senhora, de 4*000 a
6*000 nm.
Fustao branco, de 400 e 500 rs. o co-
vado.
Musselioa branca para casaco de senho-
ra a 500 rs. o covado.
Manteletas de cor, arrendados, a 1* um.
Merinos bsos, todas as cores, de 13 pura,
a 500 e 800 rs. o covado.
EsguiSo de linho pardo para vestido,
inuito largo, a 400 rs. o covado.
Batistes de cores a 160 rs. o covado.
Zephiros de cores, padrSes mimosos, a
200 rs. o covado.
Meias cruas, brancas e de cores para
senhora8 e criancas.
Ditas para homem.
Colarinhos, pnnhos e camisas para ho-
mem.
Atoalhado lanado, linho e algodao, pre-
90 barato.
Sortimento completo de diversos tecidos
que liquidamos sem reserva de preco.
OLIVEIRA CAMPOS d C.
Barato
S na loja das Estrellas
36-RlA DIQIE DE 4XUS
Telephonc n. IO
O proprietario deste mui acreditado estaBeled-
mento previne a todas as Exmas. familias
e freguezes em geral, que as muitas pe-
chinchas que costuma fazer, nao sao mais
divididas coma sua ex-casa das BStl
AZl'ES; portanto, quem quizer compra r
menos que em outra qualquer parte dirja-
se LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trar um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
cos que nao lhe podem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 1*800 a 1*000.
Dito de edres a 1* e 1*300.
Bramante ae quatro larguras a 660 e
750 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a 1*600.
Brim de cores para ronpa de criancas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 10* por 5*000.
Cortinados bordados a 5* ^ 6*000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 4* e 4*500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 7*000.
Crotones, cores claras e escaras, a 160,
200 e 240 re. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 2*800 apca.
Camisas inglezas para homens a 28*000
a duzia.
Collarinhos, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completo, por 2*500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 10*, 15* c 20*000.
Casacos Jersey a 2*500. 3*, 4* e 5*.
Dainass de seda com lindas cores chi-
ras a 1*200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 1,-5100 a arda.
Esguiao de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
Enxovaes para baptisad a 5*600.
Espartilhos couraca a 3* e 3*500.
Fichus a 500, 1* e 1*200.
Fustao branco a 240 rs.
Grinaldas com fraissimos veos de Blond
a 7*000.
Guarniyoes de crochet para sof, a 5*500.
Gorgorito preto de seda a 1*800.
Guardnapos de linho de 3*500 por 2*
a duzia.
Leques de fantasia a 400 rs.
Len?os para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 1*000,
1*500, 2* e 2*500.
L8s e cachemiras de quadros a 160 rs.
MadapolSo pellc de ovo, muito fino, a
6*000 e americano, com um metro de lar-
guro, de preco de 12* por 7*000.
Dito de 8* por 5*000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Rendas hespaaholas a 1*600, 1*800,
2*500 e 3*000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs. ^
Dito de quadros, ultima novidade, a 1*.
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpudas a 2*500
e 3*000 a duzia.
Ditas para banbo a 800 e 1*200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
Assim como muitas fazendas que sera
enfadonho mencionar, e que vendemos por
Cimento
Vendem Fonseca Irmos, no largo da Alfan-
dega.
II
O Caipora passava ao lado de todas essas
felicidades e nao agarrava nenhuma. Bom
empregado, zeloso, habilissimo para as ta-
rofas sem grande importancia, nSo tinhao
iiistincto policial. As leiruras haviam-no
estragado. Em vez de tratar a prefeitu-
ra como ella rotineiraem vez de fa-
zer polica trivial como todos, o que pro-
poreionar-lhe-hia o bom xito que todos
alcancavam, a sua iniaginacSo desenfrea-
da arreb itava-o fura do banal e do eon-
vencionado. Creava a si proprio difficul-
dades insuperaveis, obstculos -romanes-
cos em todos os negocios mais simples de
que o incumbiam. Para elle, o crime
inai vulgar, o mais insiguificante roubo
oceultava urna fonte inesgotavel de intri-
. no ineio das quaes emmaranhn.va-se
iaato, que retiravam-Ihe o negocio.
uande ficava luuiiilba^t. compungi-
ras nao curado.
Nio carado, porque restava-lhe a espe-
laprema de :n Bocesso que
tir-Ui'3-hia tomar lesforra
a sua
de tHa
ka.
chegava esse negocio,
vr\ia
aquanto nao
a vr\i>. imagn;,
Morava 110 quinto andar de urna casa da
rua MontorgOeil. No asegundo e no ter-
0 andar dessa ca^,iiabitadM *px ca-
eozioheir
o quart, 1 da
lava Jwra pateo, lebres.
lhos, perdizes e faizoes.
Era urna das preoccupajJes do pobre
Caipora saber o que os visinhos traziam
na segunda-fe ira noitc, c que cacada ha-
vian feito. ,
A' terca-teira, o seu primeiro pensa-
nionto, desde a abertura ate ao encerra-
iiento da caca, era ir exaaminar as janeas
frontira8, logo que se levantava, e ia en-
tilo dizer sua terna Sara :
Ah! ah ellen fizeram boa cacada...
dous fiaiz3es, nma lebre... um veadinho...
Com mil raios!... que felizardos Ea me
contentara com menos do que isso!...
(icaria satisfeito cota urna lebre... E que
pratinho nos fariamos, hein, Sara, com o
peito, rerervando o *esto para assar ?...
Quando aconteciii nao apparecerem as
janeUas, dorante semanas seguidas, sen&o
coelhos, Courlande toma va um ar de des-
prezo:
Coelho Em plena estaclo Nem
sequer urna perdiz Ah! se fosse eu !
Mas afinal essa gente julga-se cacadora
l>orque paga mil e quinhentos francos para
cacar nos arrabald'js de Pariz!...
Encolhia os hombros e l ia para a pre-
feitura, mas em cuminho tinha o cuidado
de dar urna volta por Montmartre, onde
passava alguns bons momentos a admirar
o mostrador de um negociante de caga,
depois atravessava as Halles e lamba os
l>eicos ao contemplar os montes de perdi-
zes cinzentas e vermelhas, de faiz3es, de
lebres e'de coelhos que agradavam os com-
pradores.
Consolava-se da fecidade que lhe era
recusada lendo em certos jornaes os an-
nuncios de .casas de campo e florestas de
caga para alugar. Era a sua leitura pre-
dilecta, um passatmpo delicioso. Calen-
lava o numero de hectares, as probabili-
dades do maior numero de pecas a matar.
At havia escripto j- a diversos endere-
cos indirectos, para obter s detalhes. E
com essas detalhes vivia semanas intei-
ras.
-.: di/.l i-lhe suavemente :
Para nm to i Bellos gastos
intilmente, visto que nilo podemos. .
Nao faz mal... nao faz mal... antes
esta despeza do que gastar no cae. .
Depois fazia a sua escolha entre tudo
quauto eslava paia alugar, com a vaga es-
I peranga de que o negocioo grande ne-
0 gocio qu? sonhav,viesse tirl-o de diffi-
culikdes.
A' forca de cconomisar ninharias, con-
seguira'Vjimtar n'um auno algumas cente-
nas de (raneo-
- E' dusta voz. rainha mulher, disse
. pedirei nm mez de licenga e ire-
mos para um cantinho... e hei de fartar-
me, durante este mez, da pesca e da cana.
Na occasiSo dr partir, um do filhoi ca-
encerrado
Courlande
principaes
hio doente, e a molestia absorveu quasi te-
das as suas economias.
Com o que restava, alugou um pequeo
commodo em Asnires... A janella do
seu quarto dava para o pateo de urna ins-
tituicao, bem areiado, bem assciado, bem
tratado, onde nunca via-se urna fblha sec-
ca.
Este pateo era guarnecido de urna fi
leira de tilias, horrivelmente talhades em
forma de bereo.
Foi tudo quauto Courlande gosou do
campo naqnelle anno.
Foi essa, afinal, a sua nica tentativa
pratica; os seus outros projectos nao pas-
savam de pura theoria e imaginacSo.
Tal era o singular personagom que qui-
zemos apresentar detalhadamente aos nos-
sos leitores.
Na occasiao em que travamos conhec-
mento com elle, Courlande achava-se ins-
tallado em Bourges, com sua mulher e seu
filho mais novo; os oatros dous, com-
quanto nSo tivessem a idade exigida, ha-
viam querido engajar-se e cumprir o seu
de ver de francezes.
Desde que Doriat achava-se
n'uma das prisoes de Lourges,
reflectia muito em tal negocio.
Conhecia os seus elementos
pela leitura da Gazeta dos Tribunaes, que
publicara o processo, e pelo que ouvira
contar por companheiros na prefeitura.
A' primeira vista, acreditara, como os
outros, n'um vulgar assassinato, tendo por
movel o roubo ; mas a historia da execu-
c3o retardada no ultimo minuto dera-lhe
que pensar.
Ha ahi alguma cousa que o publico
nao conhece, dizia elle comsigo. Um ys-
terio, com certeza, um mysterio.
E a sua iinaginacaotao poderosa e
to singularmente activa remova isso e
nao lhe dava mais repouso.
Por que esse adiamento ?. .. Uns di-
zein que por causa da guerra... o im-
perador arrepeneleu-se de sua decisSo.
quiz usar de sua misericordia para qOB
isso lhe acaiTetasse felicidade.. outros
teudem que a justica nao sabe de tu-
Por que esse adiamento ? Cifra-se
tudo nisto. E'preciso que me informe-
Lembrou-se que o juiz tncarregado da
nstruccao era o Sr. de Moraines, do tri-
bunal de Verstiles.
Talvez o Sr. de Moraines lhe podesse
dar inforraac8es precisas. ..
Mas, naquellesitenipos de perturba
onde encontral-o?
Foi perguntar no tribunal de B01
Ninguem conhecia o Sr. de Moraines.
Ah e jf^tfgsse ir a Versailles,
diza coinsif o que
Vaccas de leite
Veade-sc duas vaccas de leite : a tratar na
Tamarineira, sitio defronte do zylo de Alie-
ado3.
menos
parte.
20 [0 do que era qualquer outra
Arma^o
ptetcii
Acabou por pedir liceenga para tentar
a viagem, obteve um passe do comman-
do, atravessou Orlans, que acabava de
cahir em poder do inimig, e foi at Ver-
sailles.
Ahi, depois de muito trabalho, soube
que a familia do Sr. de Moraines deixara
Versailles, alguns dias antes da chegada
dos prossianos e fra procurar refugio na
Blgica. Deram-lhe at o endereco em
Bruxellas.
N5o hesitou. Foi a esta ultima cidade,
onde chegou cinco dias depois, tendo en-
contrado bastantes obstculos em cami-
nho.
A familia do Sr. de Moraines esperava
o fim da guerra, mas o juiz havia ficado
em Franca.
Acabava de escrever de Beaugenejr, on-
de se achava com o 16 corpo, a compa-
nhia movel de que fazia parte.
Courlande voltou Franca munido de
todas as indicacSes necessarias para en-
contrar o magistrado.
Nos primeiros dias de Dezembro e de-
pois de muitas tentativas, muitos dias per-
didos em idas e vnolas, alcangou o exer-
cito de Chanzy, o segando exercito do
Loire, no momento em que elle acabava
de abandonar Beaugeney ao exercito in-
vasor e bata em retirada sobre Vendme
O exercito achava-se acampado na pla-
nicie, nos morros e nos vinhedos.
Cahia a noite ; os fogos estavam acce-
sos.
Os ofHciaes acabavam de 1er s tropas
extenuadas urna ordem do da de Chanzy,
prevendo as fadigas e 6s combates do dia
seguinte:
Para novos esforeos indispensavel
a ordem, a obediencia, a disciplina. O
raeu dever exigl-as de todos. Nao pos-
so deixar de cumprir esse dever. A Fran-
ca conta com o vosso patriotismo, e eu qne
tenho a insigne honra do commandar-vos,
cont com a vossa coragem, o vosso devo-
tamente e a vossa persistencia.
A refeicao estava ao fogo, em plena ne-
\< quando Courlande apresentou se nos
ns avancados. Estos mandarara-no
acompafihado presenca do offlcial, ao
quaf elle explico o objecto das suas pes-
quizas.
Apenas o que pedia era fallar com o
Sr. ae Moraines...
() official fez signal a nma ordenanga, _
e. designando um pequeo bosque, sobre o. seu rosto nSo se distingua, por causa des-
panalto. onde brilhavam os fogos accesos
junto das barracas
Moraines deve estar all, disse elle,
v2o leval-o l...
E no momento em que Courlande des-
apparecia :
Um conselho-... nao se demore mui-
Vende-se urna armafao envidracada e dous fl-
teiros para amostras, un candieiro e registro de
gas ; a tratar na praca da Independencia nume-
ro 35.
to no acampamento francez... pode dar-
se mal... e araanha esteja longe daqui,
se nao gosta da msica...
Courlande ergueu a cabega :
Conhego bem essa msica, meu te-
nente. Ouvi-a muitas vezes quando o
senhor anda estava nos cueiros. Se no
tivesse mulher e filhos, apezar da minha
barba grisalha, tomara de muito bom gra-
do parte na orchestra.
O tenente sorrio.
Courlande afastou-se, guiado pela orde-
nanga.
Cinco minutos depois chegava ao acam-
pamento designado.
O ordenanga deixou-o.
Eu n3o conhego o sea homem...
procure-o..
Fazia um fro agudo, quasi insupporta-
vel.
Havia muitos dias e muitas noites que
a nev cobria a trra com nma carnada
espessa, endurecida pelas geadas succes-
sivas.
Os soldados, mal vestidos, mal calgados,
mal alimentados, soffriam muito.
Alguns, atacados de febre, Brolavain-
se nos seus cobertores e procuravam dor-
mir, encolhidos diante das fogueiras, para
as quaes pareciam estender as roaos sup-
plices.
Outros, com os cobertores estendidos no
chao, de onde haviam previamente varri-
do a neve, estavam detados e pouco dor-
miam.
Todos tinham os lengos amarrados em
volta da testa e das orelhas, como um obs-
tculo s 1 ufadas de ar penetrante.
As espingardas achavam-se ensancha-
das.
Estavam muito amarellos, magros, quasi
esqualidos aquelles pobres e bravos rapa-
zes ; e apezar de tudo, apezar da febre,
da enorme fadiga, dos perigos e das fadi-
gas prximos, ouviam-se ainda, de quando
em quafido, ditos alegres, gracejos.
Um hornera, um simples soldado, coin
os hombros envolvidos no seu, cobertor,
vigava artentamente o ogo que atgava
no canto do pequeo bosque, e no qual
achava-se a cozer um pedago de carne.
O seu rosto achava-se quasi inteiramen-
te coberto por espessa barba muito mal-
tratadatinha-sc mais em que pensar de
que na garrdice naquelles terapose do
sa barba, senito o nariz bem tragado e es-
pirituoso, e dous olhos intellgentes c alti-
vos.
Perdao, meu bravo, disse Courlande
sorrindo... nSo eonhecer por acaso no
batalhab o soldado de Moraines .
De Moraines sou eu, respondeu o
:sb un cssb
RuaDuq Caxias 11. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
3e 2 lj2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 800 e 1*, muito fino, de
[uor largura a 1*400, e de fustao, de
i 1*800 a pega.
xovaes para baptsados a 8*. 10* e
Saos enfeites para ponteados a 100,
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 2*500 o covado.
Pulseiras americanas para 3*, 4*, 5*.
6* e 8*000 o par.
Guarnigoes americanas a 3*000.
Lindos espartilhos a 4*, 5* e 6*000.
Porta dedaeB de vidro, objecto para pre-
sente a 1*000.
Broches de fantasia de 500 a 1*000.
dem americanos do 2* a 3*000.
Lengos de seda de 500 rs. a 1 :>500.
Lublaque a 200 rs. o par.
Guarnieres de crochet, sendo um para
sof e 4 para cadeiras por 6&000.
Finas capellas de pellica, panno e cor,
com finos vs.
Flores artificaes a*l*000 o ramo.
Anneis americanos a 2*000.
JKsss de 400 a 1*000 o metro. '
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 2* 2*500 o par.
Bicos braucos de linho e de cores a 2*,
2*500 e 3*000 a pega.
Contas de cor para enfear vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs.' o masso.
Missangas de todas as dres.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento um*
8*000.
Talheres para crianza a 800 rs.
Luvas de pellica a 2*500 rs. o par.
Linhas de corc3 para crochet a 2*000 e
cor de creme a 1*500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
1*000.
Espelhos com fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 4*000 c cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missan-
gas.
Lindas franjas domadas para facha, de
seda preta c de cores, sem e com vidri-
lhos.
Timaoouhos enfeitados de bico e renda.
Grande sortimento de fitas modernas a
13 deMaio, Imperial Regente, a Nabu-
co e a Joao Alfredo.
Lindas fitas para facha a 2*, 2*500 e
3*500 o metro.
Carteiras de chagrn para algibeira.
Finas gravatas plastroes c regatas a 1#,
1*200, 1*500 e 2*000.
Lindos porta-ps de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfei-
tar consolos e sanctuarios.
Completo sortimento de perfumaras.
Finos sabonetes de todos os fabricantes.
Grande sortimento de alfinetes dourades
para enfeitar o penteiado e tambem gran-
pos muito lindos.
N. B.D-se amostras de bicos e bor-
dados.
wiif
Rojal Blend marea YI4M
Este excellente Whisky Escoces pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a rctalho nos melhores arma-
zens de mohados.
Pede Royal Ment marca Viao,
cujo nome e emblema slo registrados para
todo Brazil.
__________BROWNS & C, agentes.
soldado mperturbavel, sem deixar de cni-
darjdo precioso pedago de carne.
Courlande fez um gesto de sorpresa, e
muito confuso :
Oh! perdao, desculpe. Sr. de 3fa-
raines, eu nao sabia...
Como 6 que deixaram-no penetrar
at aqu, meu bravo homem, e o qno de-
seja de mim ?
Bastou-me mostrar o meu passe e
exhibir urna carta do procurador imperad,
nao do procurador da Repblica de Bour-
ges, emendou Courlande.
Ah o senhor da prefeitura de Pa-
riz ?
Sou, Sr. juiz, fui eu quem acompa-
iihou Miguel Doriai quando foi transferi-
do para Bourges, depois das derrotas do
Rheno...
Ah! Doriat ; elle escapou por aa
triz...
Sim, mas agora est recuando para
saltar melhor...
Pobre homem... e entretanto...
O juiz de instrucglo inclinou-se para o
fogo, virou com hbil mao o pedago de
carne que chiava, collocou cmbaixo algu-
mas brazas mais vivas, e tudo isso coa at-
tengo*es meticulosas ; e era um espectculo
verdaderamente singular o que offereciam
aquelles dous homens, um decentemente
vestido como chapeo na cabeca, tallando
respetosamente .quelle soldado de (arda
suja, capote rasgado, e tratando-o de ju
de instrnegao.
Depois de prestar ao seu assado as at-
tengies que elle reclamava, o Sr. de Mo-
raines levanten o'seu cobertor at ao pea-
cogo, tremendo e encolhendo-se.
Oh! disse elle, que noite !... a ca-
bega cscalda-me e o resto do corpo est
gelado...
Trago um frasco de agurdente na
algibeira, disse Courlande... E' nr.i ha-
bito ... de cacader.
Ah ah o senhor caga ?...
Quero dizer... nao cago... masea-
carei... e se o Sr. juiz de instruccSo qaer
dar-iue a honra de aceitar um golo deste
confortante----- isso ia-lhe com certeza
aquecer o estomago.
A guerra torna todos os homens ignaes.
NSo havia all um magistrado rallando
a nm agente de polica... nlo baria mais
do que ura soldado morrendo de tro, ex-
hausto pelas marchas dos dias pr
tes.
1)'
do..
( CoHfKU VI
1
)
p
Typ. o Biai


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW20UVIJ8_6OSYQV INGEST_TIME 2014-05-21T23:22:20Z PACKAGE AA00011611_17394
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES