Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17393


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO IXV -NUMERO 8
Y"(V 11 NEl E 1889
PARA A CAPITAJL E M(ARE 0\DE XA SE PACA
Por tres mezes adiantados.
Por seis ditos ideru .
Por um auno idein
Cada numero avulso, do niesmo
dia.
PORTE
6,5'
12^000
230000
#100
PARA ni:vmo e pora ba provincia

Por seis mezes
Por nove di&ri
Por um anuo i<
Cada numero
de di as al
27*000
100
DIARIO DE PERNAMBUGO
Trcprfflade de Manocl ffigmra- de Varice dnlfios
TELEGRAMAS
>
\

mw Sa m:iL satas
PARS, 3 de Janeiro.
O candidato revolucionario para a elei-
cJlo do dia 2G da corrente e o Sr. Boule (?)
LONDRES, 10 de Janeiro.
A Gazette de Clogne, de accordo com o
governo alleroao necusou o ernbaixador da
Gran-Bretanha em S. Petersburgo de ter.
sendo ministro em Darmstadt no anuo de
1870forneeido nformacoes ao marechalBa-
zaine sobre os movimentos do exarcito al-
lemao. Sir R. D. Morier repellio enrgica-
mente semelhante calumnia.
Por este facto as relac/Jes diplomticas
acbam-se bastante estremecidas entre a
Inglaterra e a AUemanha.
LISBOA, 10 de Janeiro, s t lloras e
20 minutos da tarde.
fc
Os mdicos sao de opinio que S. M.
El-rei D. Luiz est atacado de rheuma-
tismo.
Acha-se fimecionando em Lisboa o con-
gresso agrcola nacional.
Agencia Hayas, filial em Pernambuoo,
10 de Janeiro de 1889.
Francisco Pacifico do Amaral. Haja
vista o Dr. procurador fiscal.
Bacharel Aristarcho Xavier Lopes.
Informe o Sr. Dr. administrador da Re-
cebedoria Provincial.
Candido Jos Gancalves da Fonte.
Informe o Sr. collec :or de Serintem.
H. E. Lance, Fielden Brothers.
Collectoria Provincial do mimicipio de Ca-
brob, director geral das Obras Publi-
cas, Antonio Olymp o de Azevedo e Sou-
za, Temoleao Peres de Albuquerque Ma-
ranho. Informe o Sr. Dr. contador.
PARTE 0FFIC1H
Governo da Provincia
DESPACHOS DA ppSSIDEXCIA DO DIA 9"D<
JAN3HO DE 188
fapito Antonio francisco Cprdeiro de Mello-
S,^Str^tAAvestCarva.bo.-Dispeuso
Braut Mirada da Costa. Francisco Agal e ou-
tros^luforme o Sr. inspector da Thesourana do
FaCmnuanla Great Westerri of Brazil Raitoay
LimUed- Paraser effectuado o pagamente pela
Tesuraria de Prenda e pelo Ttiesouro Provin-
cial necesario que o supphcante aprsente
contas descriminadas da despesa.
EUsa Candida deJFigueircdo Mello.,.- Sim.
Ildefonso Marinho de -Vramo -Imorme o bp.
b'pector geral da Inetruccao Publica.
Jonuina Mara da Conceigo. Informe a Ca-
Munffi de Cabres; ^pendeado-se qualquer
procedimento contra a molleante.
SSSSuB'iSB; Soares.-Indefericto,
3a"tnbo1os Torres Rolim.-heTer.du com ofli-
co de hoje ao Thesoufo Provincial.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco.10 vde Janeiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartido da Poliela
2.- bCcc.o.N....Secretaria da Po-
lica de rernambuco, 10 de Janeiro de
1889 Illm. e Exm. Sr. Participo a
V Exc. queiofam liontm recolh
Casa de Dl^o os seguintes indivi-
duos : .
A' ininha ordem, Antonio lose Pcreira, vindo
do termo do Cabo, aguardando commumeagao
OAlordem do subdelegado da freguezia do Re-
' caV, JosVonio dos .Sanios e Pedro Lucas dos
ir crn- de turto. ,
AorWoodo 2- districto da fregueziade S.
Jos Cipriano Severino da Silva Bezerra Mano-
el Carneiro da Silva, e Joo Carneiro da Silva
por disturbios.
A'ordmdodo I .....-
FraVisco toacio de Souza por disturbios.
* olvido do termo de Nazaretb parteci-
nu-me ter sido capturado, pelo delegado de
Kbaf o individuo Jos Cosme Mart.ns pro-
ISdo?como cumplice no assass.nato prati-
DIARIO DE PERNAMBDCO
RECIFE, 11 DE JANEIRO do 1889
i:mpr<>stlino exterior
O Jornal do Recife, apreciou hontem em esti-
rado artigo, o que se ten passado relativamente
ao emprestimo externo aulorisado pela lei pro-
vincial n. 1,927 de 15 de Novembro ultimo.
Foi geral a decepgc. O orgao liberal havia
promettido repelaron sobre o assumpto: o termo
escolhido era proprio para imaginar mysterios,
fazer at suppor escndalos, e, por isso mesmo,
aguijar acuriosidade publica. 0 artigo de bontem
foi urna verdadeira de.-illus.io. porque, para os
que nada sabiam sobre o caso, as revelaedes nao
corresponderam espectativa, e, para 03 que
d'elle estavam informados, essas revelacoes se
oppem verdade eonbecida. Si algum flm con
seguio o previo aqnuncio, foi, talvez, a maior
venda da edigo de hontem.
Ao menos, assim, o or^o liberal nao perdeu
tudo.
A|)reciemo3 rpidamente as revelacoes em seus
pon os mais capitacs.
A interveogo do Exm. Sr. Dr. Araujo Ges,
burlou urna operago que ja estava ajustada en-
tre o Exm. Sr. desembargador Oliveira Andrade
o Exm. Sr. Visconde di Figueiredo,afrma o
Jornal do Recife.
N.io exacto; nenhuma operago Ucou assen-
tada, nem ajustada entre os dous cavalheiros.
Quando o Exm. Sr. Dr. Araujo Ges, tomou posse
da administraco, tinba o Sr. desembargador Oli-
veira Andrade em seu poder os papis -relativos
aoaiprestimo para estudar e declih, riepois de
conferencias havidas ccim o Exm. Sr. Viscouu^
de Figueiredo, e deveudo ainda realisar-seoutra,
que se effectuou, sem nada flear decidido. Esses
papis licaram sobre a mesa da presidencia para
serrm tomados em considerarlo pelo administra-
dor actual.
Alm de que estamos autorisados para tal de-
clararo pelo Exm. Sr. desembargador Oliveira
Andrade e por urna testi munha da melbor quali-
ficaeao, que refere essa aiesma declaracao feita
pelo Exm. Sr. Visconcc de Figueiredo, aqui
jtranscrevemos um trecbo do relatorio com que
foi passada a administraco para o Exm. Sr. Dr.
Araujo Ges, do que se evidencia o facto.
Diz o relatorio na rubricaFinancat :
Cumprindo-me dar execuco a essa lei, acei-
t i provoquei mesmo a intervenco de cava
lheiros que me pareceram as condicoes de ef-
fecluar ou promover o emprestimo autorisado ;
forcim-me apresentadas quatro propostas e an
nunciada outra as condices constantfs dos pa-
pei- que Qcaram sobre a mesa de V. Exc, as
quaes nao me refiro aqui detalhamente, porqu
me parece nao ser ainda conveniente essa publi-
cidi'de: n'esta cidade se acham os Srs. Vis-
conde de Figueiredo c Dr. Antonio de Souza Car-
vallio, dous dos alludido:- cavalbeiros c aos quaes
V. \'.\c. de certo tera oecasio de ouvir.
O que. sabemos, e acreditamos estar bem infor-
mados, que S. Exc. o Sr. Dr. Araujo G6es nao
qptfz aprestar una operaco, a respeito da qual
tinha lempo para tomar todas as cautelas em fa-
vor da responsabilidade futura da provincia,
evitando um compromisjo maior do que o auto-
risado pela lei, urna vez que o Exm. Sr. Viscon-
de de Figueiredo, aceitando para a ensso o tyi
Retrospeeto commereia! do an*
no de 1888
la de
SKTSe soa de Mnoel Ignacio Flix no dia
9 de nno do anno prximo lindo, en
engenho Macaca
cea

po de 92, designado por esta, exigi ainda com-
misso pelo pagamento da amortisaco e dos ju-
ros o que elevava o encargo annual do Thesou-
districto de Afogados. > | rQ a quantia 9Uperior prevista pela mesma lei,
em virtuJc da qual era autorisado apenas o juro
de S /.
Em taes condices, o Exm. Sr. Dr. Araujo
Ges nao recusou diante de suspeitas que se po-
derscm levantar de pat-ocinar banqueiros, nem
se acobardou diante da imprensa, com as lucias
da qual j est habituado c que, no caso, nao
teria razo para aggredl-o. S. Exc. advogou os
interesses legtimos da provincia, confiada sua
experiencia c illustraco, e buscou na concur-
rencia urna garanta que nao pode deixar d ser
applaudida, c que uunc de mais.
^provincialismo bou e no procedimento de S.
Exc, foi um provifljjalismo louvavel, o de bon-
rai a sua trra conflm acto que o revela admi-
nistradorenterioso e p; usado.
i:ivado de provincialismo seria at, com tal re-
gri dejulgar, o Exm. Sr Dr. Araujo Ges, seti-
vesse rcalisado ou podesse realisar um empres-
limo ao par
Nem faca o orgo ILieral grande cabedal da
deaora que a concurre icia,acarreta, nem da res-
pe tabihdade dos nomes,a)ws e syndicatos por
emita dos quaes fez proposta o Exm. Sr. Viscon-
4c de Figueiredo, porque a procurago por este
xliibidano lhe conferia poderes absolutos. Bffi
^ i. j_ii. nnnac i,nn nfin iwiilia ai>p n-ali-
9 de Jnho do anno prximo indo, em toras
engenho Macaca do districto de Alagoa be
d'aiUf~autoridade communica ainda que
no dia 4 do corrente, nos lugares Poco Compndo
e sape do d.stricto de Anglicas foram capluira-
do* ra flagrante os individos de nomes Chns-
tovio Jos do .Nascimeuto e Joo Thomaz da sil-
n. pelos crraes de aftombamento de casas e
furto de cvanos.
\brio-se o cempetenlc mquento. ___
- 0 referido delegado .communica que foram
cuPUirados em llagrante pelo .subdelegado do
districto de S. JOae Bapt isla do mesmo termo os
wlriduos Joao Alexandre de t-ma e Francisco
edeLyra, autorW^s fenii!entasgra\c- feto.-
ni Antonio LourOT|dRP'<'-ira. -^ .
.;I>rocedeu-so a reSjHfcoos termor-da. le.
ya!*, petes 4 horas da tarde
j, do districto policial di' Vi-
uTu.JtejBito. Jos Vicente Gomes da
|H tiro a Jcs Cirino, sea^o
BHfeo procedeu a respitu
Deus gu. -Illm. e Exm.
Wm. Dr- Innocenc;o Arques de Araujo
Hes Jnior, muito digno presidente da
Kovincia.O ftlyrfe Je polica intermo,
Francisco Domi
Jtibeiro Vianna.
Thctanro Provincial
DE8PAC1109J>ODIA 9 DE JANEIRO DE 1889.
Inspector geral da InstruccSo Publica.
Ao Sr. Dr. pagador para os devidos

Joao Pmheiro Catle. Certifiqese.
Vlrtude dola o empres iino nao po lia ser reali
sado deliuitivamentc, mis apenas autorisava ajus-
te J( referendum, dependente- de approvaco
diiqueHesnomes, firmEs e syndicatos.
Dado o caso de nao approvago, quem respon-
dera pelo retrabimento de outras propostas,
vinlajosas talvez. e pelo prejuizo que daquelle
fa::to poda provir pai-a o Credito da provincia 1
Ao menos em assunptos'que dizem respeito
ao bem geral da provincia, ao interesse da com-
munho. dispa-se o orgao Uberal do espirito de
pa iido.
O anno que vem de passar aos dominios da
historia, considerado sob o aspecto das relaces
variadas que constitucm o commercio geral, nao
pode ser tido na conta de anno de mos resul-
tados para a provincia de Pernambuco. nemjwral
a zona brasilcira que tem por principal industria
a agrcola, e cultiva de preferencia a canna de
assucar e o algodoeiro.
Posto que os precos dos dous gneros colo-
maesassucar e algodonao hajam attingido
aos extremos limites que haviam chegado em
periodos anteriores, que diflicilmente voltaro,
salvo o caso de comcomitantcs circunstancias
excepcionaes ; e nao obstante terem sido infe-
riores s de 1887 as entradas desses dous arti-
gos no mercado do Recife, o futuro dessa indus-
tria, na qual se apoia principalmente o commer-
cio, parece seno de todo ponto assegurado, ao
menos em condicoes de acalentar as mais so-
lidas e sadias esperancas.
Efectivamente, a producto do assucar e do
algodo em 1*888, -julgando-a pelas entradas na
pracabem que inferior de 1887, foi todava
vultuosa, pois que attingio 2.236:426 saceos
para o assucar e 269:614 fardos para o algo-
do ; e estes algarismos, comparados aos repre-
sentativos das medias dos trez ltimos quinque-
nios, deixam fra de contestago o incremento
dessas industrias.
A produeco media do assucar foi no quinque-
nio de 187478 de 1.222:057 saceos, no de----
1879-83 de 1.794:272 saceos, e no de 1884-88
de 1882:229 saceos; oque comparado coma
produeco de 1888 no algarismo citado de
2.236:420 saceos, pe em relevo o facto citado
do incremento dessa industria, despeito dos
entrares que lhe tem advindo j da produeco
similar dos paizes estrangeiros, j do baixo valor
do genero nos morcados consummidores.
Facto da mesma natureza se observa em rela-
co ao algodo. Tendo sido a produeco no quin-
quenio Jde 187478 de 98 829 fardos, no de
1879 83 de 110:574 fardos, e no de 1884 -88 de
217:236 fardos, ressalta d'ahi tambem o augmento
progressjvo dessa industria, o que aliaz com-
comprovado pelo algarismo de 1888 no valor de
269:614 fardos.
E releva ponderar que nao sao isolados estes
factos. Em quasi idnticas condices se acham a
agurdente, o alcool, o mel, os courtis diversos
e ouv... irtjgos de exportaco da provincia, quet
todos, tem augmtu.*.. nq, auantida,ies expor-
tadas, em annos successivos, ueu,:n(|0 3S0
que despeito de todos os males de que real-
mente se ressente a lavoura do norte, tem ella
abundancia de sciva, que lhe promette dias ven-
turosos no Tutui-o, urna vez melhoradas as suas
condices actuaes.
Tendo por base de operaces essa progressiva
produeco, o commercio, se por vezes experimen-
ta dcsfallecimentos, sempre naturacs nos anuos
em que os elementos conspiram para reduzir as
safras, outras vezes senle-se fortalecido nos an-
nos de abundancia e riqueza, e tem como conse-
quencia medias tambem denunciadoras de pro-
gresso as suas mltiplas tranzaeces.
O estudo comparativo da exportagao e impor-
taco, sempre cresceote, desde um periodo de
mais de 20 annos, firma a crenca de que o fu-
turo se apresenta menos ensombrado do que o
passado para o commercio internacional do norte
do Brazil, os algarismos que >So compendiados
neste trabalbo sao poderosos documentos em
apoio deslc conceito.
Demais, em relaco ao anno de 1888, se por
um lado o valor exportado e o valor importado
foram superiores aos de 1888, por outro lado os
demais factores do moviraento mercantil corro-
boram o asserto de que longe Je ser mo, foi
mesmo um anuo'muito regularmente bom o que
vem de lindar, quer comparado ao seu anteces-
sor immediato, quer confrontado com as medias
dos trez quinquenios nltimos.
De facto : todas as estages publicas eTectua-
ram melhor arrecadacSo de impostos, fructo re-
sultante da melhor exportado e importaco; o
balanco do moviment de entradas e sabidas de
numerario foi favoravel; os descontos de lettras
foram mais facis e precos razoaveis ; os ttu-
los pblicos e privados foram em geral negocia-
dos em condices mais favoraeis ; as passagens
de dinheiro para o eslrangeiro fizeram-se por
laxas mais mdicas, e, o que mais foram me-
nos avultadas, signal de maior produeco nacio-
nal e de redueco nos fretes e u'outras despe-
zas feitas e pagas no extrangeiro; os saques
para as pracas do Imperio que negociam com a
do Recife foram tomados em condices mais van-
tajosas; e em fn o proprio moviment do porto
foifregular.
N'estas condicoes, como contestar que progre-
dimos ?
Longe das agourentas pragas das Cassandras,
que io trepidam em presagiar desgracas, era-
mos convencidos de que, assim como ao futuro
agrcola-industrial da zona assucareira e algodei-
Ta parecem reservados largos destinos, assim
tambem acontece em relaco ao commercio, que
tira seus elementos capitaes da produeco agr-
cola.
Nao quer isto dizer, entretanto, que deixemos
correr revetlia o processo em que flguram a la-
voura e o commercio, processo que toi instaura-
do pela faustosa lei de 13 de Maio de 1888.
Abalando seriamente o trabalho nacional, crean-
do urna nova situaco, eivada de dUliculdades
pela transformagao precipite das condices de
vida da lavoura, a diamantina lei que extingui
a cscravido carece, como consequitario de gran-
de aQuxo de medidas que amparem a produeco
nacional, dando meios a lavoura para firmar-se
e desenvolverse, assim fomentando o com-
mercio.
O plano seguir para esses fomentos est fran-
camente delineado na lei de orcamento decretada
para o corrente anno de 1889, sob n. 3.397.
Abi feram votados quantiosos crditos para es-
trad^pfe ferro e melhoramentos de portes e de
rips, uncios seguros de auxiliar o transporte, o
que importa fazer evoluir a produego; all es-
to tambem autorizados grandes despendios com
a mmigragao, outro factor de produeco e de ri
queza; all esto finalmente lancados os linea-
mentos do que deve ser o nosso ensino prr--
sional.
De butra parle, o decreto legislativo n. 3.403
de 24 .de Novembro findo, permittindo emittir bi-
lhetei ao portador e.a vista, convertiveis em
moed- !';jarmfas anonymas que se pr^.po-
zere,. ..t operaces bancarias, e o decreto do
Poder*Executivo regulando a concesso de enge-
nhos centra c*, e mais os contractos celebrados
pela governo com diversos bancos para empres-
taos hypoth^carios lavoura, sao tambem va-
liosos incentivos ao desenvolvimento das torcas
latentes do paiz.
Sao estes oscaminhos que nos bao de condu-
zir ao ponto apetescido. O que cumpre seguir
desassombrados e de fz em fra por essa tonga
via de melhopmetilos; e venceremos as diflicul-
dade3 de momento, geradas pela urea lei de 13
de Maio, o maior acto legislativo dos lempos mo-
dernos.
Sabemos que ha impaciencias, que so nao po-
dem conter, e que bracejam n'uin. lagamar de
torturas. E' preciso, pon'in. ter confianca nos
homens que dirigem os destinos do paiz, e saber
esperar quejas leis votadas produzam todos os
seus fructo#
E este respeito sao credoras de apreco as
seguintes palavras de um illustre contempo-
rneo :
Anago nova, que surgi uo dia 13 de Maio,
sentindo-se livre do grilho que lhe pava os
movimentos-, atira-se soffrega ao futuro, como se
quizesse recuperar longos annos perdidos em
descuidosa jndifferenca; agita-se impaciente e
quer ver revividas j, hoje mesmo, todas as ques-
tes que entre outros povos tm exigido longos
annos de meditago, de preparo e de experien-
cias raras vezes felizes.
N3d dev<; causar admirago esta etfervcs-
cencia dos espirilos, consequencia fatal dos
grandes ablos sociaes; a seiva exhubcrante,
mal contida, rompe em maujfeslages ruidosas,
mas esgol a torca excessifa em pouco tempo.
O que cuaftre aproveitar essa torga, essa vi-
talidade qn elemento do progresso e prospe-
ridade (uaudo bem encaminhada, ou causa de
atrazo e de ruina, sendo mal dirigida. Toda a
difculdade consiste, pois, em imprimir ten-
dencia espontanea, natural e invencivel do es-
pirito publico a direceo conveniente e mantel-a
com li;iivtjidicur_qual seja essa orientago
""" """ pt *" J ranrensa, simples e
modestos atalaias que s podemos"avisar os-ods-
tuculos prximos e muitas vezes nos deixamos
arrestar pela impresso do momento. Parece-
nos todava que, embora diflicil, a]arefa de go-
vernar se simplifica singularmente quando os
que a tomara a si fazem comeleta abstengo dos
interesses individuaes e se dedicam inteiramen-
te causa publica.
O governo actual encela o anno > 18S9, dis-
pondo de ampios meios para a gerencia dos in-
teresses nacionaes, e quaesquer que sejam as
difliculdades do caminho que vai percorrer po-
der vncelas, inspirndose sempre no patrio-
tismo, na juslica e na moralidade
*
Pela parte que nos toca temos a maior con-
fianga no actual governo, e esperamos delle to-
dos os possiveis bens.
Em relago Pernambuco, elle j se tem ma-
niiestado repetidas vezes animado dos melhores
desejos; e no anno fiudo, alm do benfico au-
xilio directo prestado lavoura por intermedio
do banca do Brasil, gragas ao geu patrocinio fo-
ram consignadas na lei n 3,397, entre outros os
seguintes auxilios : mil contos de ris para in-
trodcelo d immigrantes ; garanta de juros
s estradas de ferro do Ribeiro ao Bonito, do
porto de Tamandar pelo valle do Jacuhype
entroncar na /erro-via S. Francisco, e de um
ramal a do Limoeiro at Bom Jardim ; e mais
os estudos do prolongamento da linha de Carua-
r at Pesquira e do ramal da Victoria para a
Gloria do Goit.
Estes melhoramentos que j comecaram a ter
reefisaco pratica peto contracto para os estu-
dos da linha de Tamandar pelo valle do Jacu-
hype e pelos trabalhos eucetados com relago
immigraco; e mais as recentes concesses
de engenhos centraes para diversos municipios
ds provincia, e por ultimo o contracto para o
melhoramento do porto do Recife, obra recla-
mada ha mais de meio secuto e que s agora vai
realizar-se; sao seguros garantes de que no
actual governo sobrm estmulos em pro de ter
nambuco, e de que esta, bem como as demais
provincias do norte, todas coutempladas com va-
liosos auxilios no orgamento geral da despeza,
encontraram einfim mo ppderosa para Ibes
guiar os passos na senda do progresso que as-
piram trilhar.
A zona assucareira o aigodoeira, a parte cen-
trar do Brasil oriental, tem pois justos motivos
para acalentar as esperangas de que cima fal-
lamos, c,de certo ellas nao sero llusorias.
Tenbamos t e conanga no futuro que nos
aguarda, e firmemos as nossas esperangas no
que tica historiado em largos tragos e nos elo-
quentes algarismos que vamos desenrolar.
II
A persistencia no incremento das rendas pu-
blicas, o saldo do balango no moviment de nu-
merario, as melhores laxas cambiaes para o
estrangeiro, o maior acervo das transaces por
descontos de lettras, a baixa nos fretes dos trans-
portes e at o proprio moviment do porto do
Recife, tudo denuncia que, no auno lindo de
1888, o commercio teve certas facilidades que
ie tornaram mais fcil do que em annos ante
riores a sua misso civilisadora.
O commercio, posto que sentindo ainda os es-
totros resultantes da falta de bancos, e a lavou-
ra, ainda que agorentada pela mesma e por ou-
tras causas que todos mais ou menos conhe-
cem, ainda assim tiveram, no anno de 1888, me-
lhores proventos do que em passados periodos :
o que confirma as esperangas que deixamos for-
muladas no nosso anterior retrospeeto.
Essas esperancas, agora robustecidas- pelo
acontecimento notavel que assignalou o dia 13
de Maio prximo findo, cumpre sejam mantidas
com melhor veras, urna vez que de justiga
confiar em que a nova ra-que se abri ao paiz
ser de proveitosos resultados para o seu futuro,
gragas s mejjVas votadas pelo parlamento, e
gragas tambem aos ensinamentos Os seguines aigarismos prenunciam esses re-
sultados. Elfas dizem mais e melhor do que
pomposas pbrases.
#
As rendas das stages publicas, dosenvolvi-
das nos quadros ns. 1 c 2, adiante publicados
dito estas relagos,:
Renda da Alfandega
Io semestre de 1888 5.577:990*678
1887 4;66S:418o32
Mais em 1888
2a semestre de 1888
c 1887
Menos em 1888
909:5723146
6.103:0093013
6.252:253*858
149:2845
O balanco das differengas mostra um excesso
de 760:327*301 era pro do anno de 1888.
O quadro n 2, deixa patente quaes as verbas
da receita aduaneira que produziram augmento
ou diminuigo em relago ao anno findo e para
caurum mez.
0 seguinte resumo, porm, primeira vista
satisfaz esse intuito no concernente aos lotaes,
excluso feita dos depsitos :
Differengas
o
-
o sr
3
i#a

.
K3 K O -
i ii I;
r. o o i
f'
o
fe
I
00
9
80
~7~
90 :

^1 w
:. -: -i
5? c i
fJ-JCSI
i i -- 1 i i i i i
=:?: =
. r; M
i: = c: S5
* C te i;
I*

g !
S; i*
-j --i be i
t 3c :
c: i* ^i;
3: 5 '
--- -
S
i* c: u
ii ^j -_; t. '
00
s

m
-a
Os
MI
et8|
i* ir.

=
O
f
O
i
Nos tres ltimos quinquenios as medias an-
nuaes da renda aduaneira foram estas :
187478 8.750:719*649
187983 10 639:8993353
188488 10 299:906*510
O que mostra que a renda da alfandega tem
caminbado progressivamente ; do.que nao destoe
a do anno prximo findo no total de........
11.680:9993691.
#
Renda da Recebedoria Geral
l semestre de 1888 346:199097
. 1887 331:649*375
Mais em 88
2" semestre de 1888
1887
Mais em 88
14:549*522
319:307590
300:729*976
18:5773614
um
A somma das differengas d para 1888
excesso de renda de 33:127*136.
Nos tres ulhmos*quinquenios foi esta a renda
media annual:
187478 607:397*290
187983 749:2993600
1884- 88 683:624*145
D'onde resulta que tambem teem tido regular
incremento as rendas arrecadadas pela Recebe-
doria ; o que confirmado pela do anno lindo
na importancia de 665:506*687. .
Renda do Correio
Io semestre de 1888
. 1887
Mais em 88 '
2" semestre de 1888
t 1887
Menos em 88
89:9493837
75:0493027
14:900*810
80:036*361
88:1.95*798
8:039*437
O, balango das differengas d um excesso em
pro de 1888 de 6:8413373.
Nos tres ltimos quinquenios, a renda media
annual foi esta :
187478 93:773*344
187983 128:836*326
188488 155:3243370
O que aluda moslra augmento progressivo na
renda do Correio, facto alias comprovado pela
renda do anno findo, na importancia de
169:986*198.
*
Renda da provincia
1 semestre de 1888 i.304:544*910
1887 1.131:794*786
rendas provinciaes, em relago 1888, de
102:997*409.'
Nos tres ltimos quinquenios foi esta a renda
media annual da provincia :
187478 1.721:411*600
1879-83 2-293:940*474
1884-88 2.056:863/911
A diflei-enga contra a media da renda no ulti-
mo quinquenio tem sua natural explicago no
facto anmalo da suspenso dos impostos de con-
sumo, que reduzo a rerula nos annos de 1884 e"
1885.
Esse facto, porem, nao pode prejudicar a con-
cluso de que as rendas provinciaes teeai tido
tambem [augmento progressivo, e isto mesmo
anda se ver irica em relago ao anno Ando, cuja
renda foi de 2:475:681*474

No quadro n. 3 eslo detallados os movimen-
tos de numerario sob a responsabilidade das
companhias de vapores, que servem a praga do
Recife.
D'essc quadro se deduz o seguinte resumo :
Dinlieiro entrado
! semestre de 1888 7.684:099*574
1887 4.603:766i65
Mais em 88 3.080:332*909
2o semestre de 1888 4.176:0313495
- J887 9.390:0523690
Menos em88 5.214:001*195
Balanceadas as differengas, tcm-se contra o
anno de 1888 um descenso de 2.133.668*286 so-
bre 1887.
Dinheiro saltido
1 semestre de 1888 5.134:8563494
1887 4.145:956*880
Mais em 1888
2 semestre de 1888
. 1887
Menos en 88
988:899614
3.121:4683690
5.690:4013919
2.368:933*2*
Mais em 88
2 semestre de 1888
1887
172:750*124
1.171:1363564
1.240:889*279
Menos em 88 69:7323715
0 balaugo das differengas d um excesso na?
Balanceadas as differengas, tem-se que en
1888 sabio da provincia menos 1 580:033*615 do
que em 1887.
E feito o balango geral das sabidas e entra-
das, tem-se que ficou a mais na provincia em
1888 a somma de 3.603:825*885.
Nos tres ltimos quiuquennios foram estas as
medias annuaes
Entradas
1874-78 9.413:606*202
1879-83 10.537:869*582
1884-88 9 430:390*781
Sahidas
1874-78 7.728:730*370
1879 -83 7 653:68332:15
1884-88 8121:178*836
O 'que pe em relevo que o balango de todos
os annos abraofjdas nos tres quinquenios^c em
mlU; foi i.uipre I'.imh ,nrl a pnrrinca qaUtO
ao moviment de numerario.
Pelas cotages officiaes da Bolsa, os descontos
de letras na praga regularam nos dous t-nnos
comparados aos segnintes pregos .-
Io semestre de 1888 de 8 a 12 /,
de 1887 de8a!2%
2" semestre de 1888 de 8 a 12 L
de 1887 de 7 a >.
Pelo confronto v-se que. ao passo que nos
primeiros semestres dos dous annos os descontos
foram feitos dentro dos mesmos limites, no V
semestre de 88 foram elles um pouco mais one-
rosos do que no seu homologo de 1887.
Em ttulos da divida"publica fundada, geral e
provincial, e em ttulos de empresas particulares,
houve o seguinte moviment nos dous annos
comparados:
Apoliccs gerae: venderam-sc em 1888 : 240 de
1:0003, 2 de 600*, 14 de 300*, 1 de 400* c 7 de-
200*, com o descont que variou de 3 1,2a 7 %;
em 1887 tinham sido vendidas 460 de 1:000*, 1
de 8003, 1 de 600*, 93 de 300*. 1 de 400* e 69
de 200*. cora o descont de 1 a 5 1,2 Ve-se, pois, que era 1888 nao s foi menor o
acervo das transaeges, mas tambem foram as
taxas dos descontos mais onerosas.
Apolices provinciaes : venderam-se em 1888 :
294 de 1:000*, 27 de 500*^64 de 200*, 153 de
100* e 20 de 50*, desde o par at com o premio
de 3 1,2 %; em 87 tinham sido vendidas 306 de
1:00.*, 14 de 500*, 32 de 2003, 61 de 1003 cJO
de 50*. esde o par at com o premio de 3 %.
D'esfarte, em 1888, se o acervo das transae-
ges foi maior, tambem foi um pouco mais favo-
ravel o premio.
Acroes e ttulos de bancos: do Banco do Brazil
venderam-se em 1888 293, com o premio de 20
35 /0, ao passo que em 1887 foram vendidas ape-
nas 2 com o premio de 20 ; o que pe em re-
levo o maior acervo das transaeges e melhor
prego desses ttulos.
Do Banco de Crdito Real foram vendidas em
1888 150 aeges, de 110* a 140*, isto com o
premio de 10 a 40 %; quando em 1887 ;l:!ham
sido vendidos 225 com o premio de 2 1/2 a -'11/1
% O que mostra melhor premio, e d'ahi re-
trahimento as vendas em 1888.
De lettras hypothecarias desse bauce foram ne-
gociadas em 1888: 3-841 contando-se os juros
ao prego de 94* a 99*500, ou com descont que
variaram de 1/2 a 6 e sem os jure- *35,
ao prego de 91* a 100* ou desde o par at com
o descont de 9 %. Em 1887 tinham sido nego-
ciadas ao todo 3.288 lettras com descontos que
variaram de 4 1/2 a 9 1/2 / O que ilustra
maior acervo de transaeges e melhor n ^ocio
para os tomadores desses ututos.
Acetes de comptmkias de seguros : da Piemx
Prrnmbucana, nao houve vendas em 1888 ?tu
1887 tinham sido vendidas apenas 35com o pre-
mio de 60 %
Da Ampbitrite tambera nao houve tre
em 1888; e em 1887 foram vendida
de 10 a 25 7-
!iidemui8adora foram em 188e
com premios de 521/2 e 65 /.; qud
tinham sido vendidas 25 coi
1,2
de outras empreMS da fcnv-T



inda, ParecomS
i/j emio. Tinham 8do*diMaeHf
1887, 78 com premio desde 1 at 5
Da Ferro-Carril apenas em 888 fortn vendi-
das SO dH Da ferio-via de RibeiraO ao Bonito venderam-
se 20 aegoes a 50*000.
Ba de fiagaoe tecidos da Magdalena, em 1888,
venderam-se 2 ao?er,-contra 3 aoam em>1887.
Da Edificadora, enif*B8,*Kn com o descont de 6 70 /., 25*m
1887 com o desee* de 38a 70 /,.
Da do Beberibe, de agnsMo Recite, venderam-
ie em *888, 4*3 C0IB P>**ub de 85 e 60 /,
asmdo em 1887 tinhan do vendidas 1.976 oom
9 premio de 50 e 85 o-
Da Usina Pinio.em 4898, vwideram se 281 o
par contra 185 ao par em 1887.
Da Companhia Peraambucana de Navcgagao 4
Vapor, venderam-8e, em 1888, 83 com o descon-
eonto < e 77 1/2, ao passo que em 1887 nenhuma
Uansacgao foi eflectuada sobre taes titulos.
De quadro n. 4, que compendia as transaogoes
cambiaes para o exterior, extracta-se estes dados
Saques tobre Londres
f semestre 88 s, 2.030:000 de 22 1/2 a 2o 1/8 d.
87 t 2:219:000 de 21 1/4 a 22 7/8 d.
tretem rtM||MlMl0reoin 1 ^Wl,M|
Je pouco vulto o vdor das transaegoe, nao
obstante a melhpria dos premios.
' O quadro n. 4 da is" premias (tos saques
cada me/do annd. A seguinte tabella mostra
as medias de taes pernios no? dous anuos lti-
mos :
Rio Grande do #ul
S, tenlo
Rio de Janeiro
Babia
Maranhso
Para
caos em 88* 189:000
t semestre 88 f 2.840:000 de 25 a 27 1/4 d.
87 *3 356:000 de 22 V1* a 25 5/8 d.
Jfenos em 88* 816:000
Sommadas as differencas tem-se que que em
1688 foram sacadas menos 1.008:000 do que
m4887.
Nos dous ltimos quinqennios as quantias sa-
cadas forain em media annual, bera como as ta-
sas medias :
I878--82 5.344:000 a SI 2 5 d.
1883-87 4.135:000 a 20 3/4 d.
Comparadas essas medias com o valor sacado
e a laxa media dos saques em 1888, na impor-
tancia de 4.570:000 a 24 7/8 d. por 1*000, v-
se fue se a taxa melborou, os saques eectuados
foram por somma menor do que no Io e maior do
tjoe no 2* quinquennio.
Saques sobre Pars
* semestre 88 Fr. 1.936,000 de 380 421 ris
. 87 2.030:o00 de 416 4449
llenos em 88 Fr.
T semestre 88 Fr.
87
anos em 88
94.000
i.790.000 de 347 421 rit
1.825,000 de 400 431
35.000
Sommando-ae as differencas v-se queem
1888 foram sacados sobre Pars menos francos
129.000 do que em 1887.
As medias dos saques e das taxas cambiaes
sos dous ltimos quinquenios foram :
48781882 francos 2.098:(>00 446,2 ris.
83 -1887 3.789:000 a 467,6
E comparadas essas medias com os saques e
taxa inedia do anuo findo, que foram : os saques
no valor de francos 3,726,000 e a taxa media de
382 ris por franco, v-se que nao obstante a
aaelbona da taxa, foram feitos saques em maior
valor do que no 1" e em menor valor do que no
f quinquenio.
Saques sebre Hamburgo
V semestre 88-Reisch 303.000 de 472 a 522 ris
87 349.000 de 515 4 556
em
44.000
>semestre 88 Reisch 320.000 de 332 a 472 ris
87 335.000de500*533 *
ajenos em 88 13.000
Somnuilae as dilTei eut^s lem-so que em 1888
foram sacados menos reichsmarks 39:000 do qn
eml887.
No ultimo quinquenio foram sacados 704:800
reich, em media, taxa media de 584 ris ; o
fue mostra, confrontado com os saques de 1888
o valor de reiscb 625:000 e 4 taxa media do
%74,7 ris, que houve diminuicao dos saques
teste ultimo anno.

Saques sobre Portugal
* semestre 88-Rs. frt. 867:000* de 112 a 140 /
87 233:000* de 133 160 .
Maisem 88
34:0004
semestre 88-Rs. fort 256:000* de 96 4112,.
87 185:000* de 124 4142/.
Maisera 88
71:0006
A somma das differencas mostra que em 1888
foram sacados mais ris fortes 105:000*000 do
foe em 1887.
Nos dous ltimos quinquenios as medias dos
jaques sobre Portugal e os premios medios fo-
ram estrs:
1878-82-Ris fortes 418:700*000 4 144,2 /.
1883-89 602:600*000 4 160,2/.
O que, comparado ao valor em 1888 na som-
ata de ris fortes 523:000*000 e 4 taxa media
desse auno, que foi de 115 ;>, mostra que bou-
ve excedente, alias natural em face do melhor
cambio.
Os valores sacados nos dous ltimos anno-.,
calculados pelas respectivas taxas medias do
cambio, importaram :
Sin 1888 *r
Em 1887
46.817:282*000
62.72!) :536*000
llenos em 88
15.912:2644000
Se, porm, calcularmos os valores sacados
pelas taxas medias de 1887, ter-se-ha:
Em 1888 52.043:34940(0
Em 1887 62.729;536*000
Henos em 88
10.686:187*000
O que mostra que em 1888 o commercio ga-
anou esta dille renca, grecas as melbores taxas
cambiaos.
Anda assim, porm, o commercio teve pie-
juizo nesce particular, visto como se a taxa ne-
is dos saques fosse par, a differenca seria
maior.
Effectivamente, calculadas as sommas sacadas
em 1888 pelo cambio par, e comparado o sen
toul com o resultado do calculo feito pelas ta-
las mulias do anno, tem-se :
Talor sacado ao par 43-256:508*000
Valor sacado sefas taxas me-
dias 46.817:282*000
Brfferenga contra o commer-
cio
3.580:774*1/00
Se 4 esse prejuizo se oppuzerem as vantaguns
resulterites do maior acervo de transaccfjes mer-
cantis sob varios pontos de vista, ter-se-ha roe
incremento do commercio, importador ou ex-
portador, foi marto regular em 1888.
Em saqaeS para as pregas do imperio -fue so;
1888
10/4
14/4
*/2
!/2
. 1/3
1 1 8
1887
1 134*
1 134
158
1/4
1/2
1 7/16
Do quadro n. 8 que desenvolve o moviraento
do porto do Recife, tiramos estes dados :
Embarcares entradas
1 emestre 88-593 lotando 449.468 lonahdas
87528 385.445 '
08:588 kog.
valor da exportago nos dous ltimos annos
<;e:
M88 6 676:920*944
1887 8.020:707*740
Heno i em 88
1.343:786*826
Mais em
88-55
64.023
2 semestre 88554 lotando 464.850 toneladas
87643 473.771
Menos em 88 9 8.921
De onde resulta qac em 1888 entraram menos
34 embarcacOes dK ersas, lotando mais 55102
toneladas, do que em 1887.
E tendo sido, no quinquenio de 188387, a
media das entradas de 1.153 embarcacOes lo-
tando 822.815 toneladas, v-se que em 1888 as
entradas desceram dessa media em 6 embarca-
c6es, augmentando porem a tonelagem com
91-503 toneladas.
Embarcaqoes sahtdas
1* semestre de 1888
1 de 1887
611
538
Mais em
1888
2' semestre de 1888
2' 1887
Menos em
1888
73
531
397
~66
O que pOe em evidencia que em 1888 sahiram
do porto do Recife mais 7 embarcagoes do que
em 1887.
E, tendo sido a nediadas sabidas no quin-
queuario de 1883-87, de 1.102 embarcacOes,
v-se que em 1888 as sahidas excederam em 40
4 essa media.
III
O commercio de exportacao foi multo regular
em 1888, nao so pelo facto de terem memorado
algum tanto os pircos do assucar e outros deri-
vados da caima, mas tambem em consequencia
da abundancia dos productos a exportar.
A media geral dos precos do assucar elevou-
se, com effeito, em 1888 a 2*177 por i5kilos,
maior do que a media de 1887 em 354 res, o
que d4 um excesso de 23,6 ris em kilo sobre
os prejos de 1887.
Isto confirma a nossa previsSo do anno findo,
e deixa germinar dgumas esperancas para o fu-
turo, que, a nosso ver, se apresenta com melhor
feiso do que teve o recente passado, at por-
que os demais productos da canna, como tica
dito, foram melhor cotados.
E' assim que : ;l agurdente que, em 1887,
vendera-se por pita, em media, a 51*333, deu
em 1888 o preco ce 64*041 ou mais 12*707 ; o
alcool, que, em 1887, fora vendido pela media
de 102*300 cada p-.pa, deu em 1888 o prego me-
dio de 114*374, ou mais 12*074: e o mel, que
em 1887 Tora vendido pela media de 42*062 a
pipa, deu em 1888 o preco de 45*208, ou mais
3146.
Infelizmente, o neuno nao succedeu ao algo-
do e couros, os c uaes foram vendidos em me-
dia por precos inftiriores aos de 887. A baixa
do algodao attingio apenas a *315 em 15 kilos;
a dos couros, por.n, roi mais notavel. pois que
attingio em cada l.ilogrammo : aos espichados
89,8 ris, dos seceos 106 ris e dos verdes 72,7
ris.
Accresce que, na mor parte de taes productos,
a exportacao foi ir ferior a de 1887; e, conse-
guintemente, se nito fra o incremento da ex-
por(c4o de outro.'i artigos, que vo sendo ob-
jecto de commercio internacional, o resultado
econmico do anno sena diverso do que real-
mente foi. ,
Esse rpunitaHn, >o-miuos nos, nao foi mao,
antes foi bom, tendo-se em consideracao as cir-
cumstancias em que se acuam a lavoura e o
commercio.
Demais, tudo iniuz a crer que, para o futuro,
caminhar a provincia mais desassombradamente
na senda do progiesso pelo trabalbo livre e m-
telligente, sempre mais productivo do que o que
deixou de existir ii 13 de Maio de 1888.
Pelo menos, sao-estas as nossas esperancas,
fillias do estuao omsparativo dos dados que se
vSo 1er :
Algodao
O mercado d'esle genero que, no comeco do
anno, esteve um tinto animado, grecas aos pre-
cos razoaveis do producto e 4 grandeza da safra
de 187778, diirinuio na ultima metade do
anno, nao so por 3ausa dos prejos, que decabi
ram em consequencia da alca do cambio, mas
tambem por caus da menor safra iniciada.
Terra-marique entraram para o mercado nos
dous ltimos annos comparados:
! semestre de 88 157:418 saccas
87 165:048
Todava esse valor excedeu em 733:698*304 4
iuedi:i do-ultimo quinqueaio que foi:
1883-87.- S.m-JMWO
Jmmar
DevU puii.za das safras, passada e cor-
rente, e 4 nm pMto medro um -pouco melbor, o
mercado do^asiucar manteva-se em geral mais
animado do que no anno de 1887.
As entradas para o mercadoj'por trra c mar,
forai i estas nos dous anuos comparados :
nestn d88 *208il8 saceos
Pimestre de" 87 984:121
Mais em 88 225:717
mot ann<
Agurdente
Em 1888
Em 1887
Mais em 1888
Alcool :
Em 1888
Em 1887
Mais em 1888
foram nos dous ulti-
053:011*530
596:568*618
56:4724912
59:6821100
26:773*240
32:908*860
Menos em 88
2 semestre de 88
87
Menos em 88
7:630
112:196 saccas
44:661
32:465
de
A somma das iifferencas d4 um decesso
2i-835 saceos em 1888.
Entretanto o t< tal das entradas n'esse anno,
na somma de 269 614 saceos, exceden del84*934
a media do quinquennio de 1878-82. que foi de
84:680 saceos, e ijm 68:909 a media do quin-
quennio de 1883--87, que foi de 200:705 saceos.
#
Os precos, em media, foram inferiores aos de
1887, como se v do seguinte confronto:
1 semestre
1888Cambio medio
Preso medio de 15 kilos
1887Cambio medio
Preco medio de 15 kilos
semestre
1888Cambio nutio
Preso md o de. 15 kilos
1887Cambio medio
Preco medio de 18 kilos
As medias dos dous annos foram:
1888Cambio
Preso de i 5 kilos
1887Cambio
Prego de 15 kilos
23 13/16 d.
5*490
22 1/18 d
51704
26 1/8
5*137
23 3 32 d.
5*538
24 31/32 d.
5S314
22 37/64 d.
5*629
0 que pe em relevo a baixa do prego, baixa
que se accenta 3m relagSo ao ultimo decenio.
Com effeito, foram as medias do cambio e do
preco de 15 kilos de alrodao nos dous ltimos
quinqennios as seguintes:
187983 21 7,16 d. 7*178
188488 21 1/3 d. 7*081

A exportacao do algodao foi menor em 1888
do que a realizada em 1887.
Eis essa expetas&o comparada;
1 semestre--Ext. 9.835:606 kilos
Int. 1.722:303
2 semestre--Ext. 8.623:026
Int. 1.540:202 .
Total em 88
Total em 87
Menos em 88
18:721:229
21.426:788
2.708:559
Anida assim ssa exportacao de 1888 foi su-
perior em 5.112 641 kilogrammas 4 meda das
efectuadas no ultimo quinquenio, pois que foi
2. semestre de 88 1:026:588 saceos
2. semestre de 87 1:300:743
Menos em 88 "ilh}^L "
6 balanso dw differensas mostra que em 1888
entraram menos 48:338 saceos com assucar do
que em 1887.
Efsa differensa, entretanto, nao inquina de vi-
ciosa ou deprimente a prodcelo, antes nina
de fados communs, como s4o as irregularidades
das estagocs, ali4s aggradas pelas dficuldades
com que luta essa lavoura.
A prova dao-n'o os seguintes algansmos, que
sao as medias da produegao nos dous ltimos
quirquennios: .... "..
187(1-82 1:635:444 saceos
18K 87 1:805:757
E comparados esses algarismosTom 'e 1888
que foi: 2:236:426 saceos. *
Tem-se que elle assegura o progressivo aug
ment da producsSo assucareira.
0.j pregos medios do assucar foram, em 1888,
um pouco melbores do que os de 1887, nao
obstante a alga do cambio; o que sem duvida
resultou de menor producg&o estrangeira e da
existencia de menor stok nos mercados consu-
midores.
Foram esses pregos em media:
1. semestre
1888Cambio medio 23 / d.
Prego por 15 kil. 2*055
1887-Cambio medio 22 '/d.
Prego por 15 kil. 1*789
2. semestre
1888Cambio medio 26 '/ d.
Prego por 15 kil. 2*300
1887Cambio medio 23 /d.
Prego por 15 k. 1*857
As medias dos dous annos foram :
1881-Cambio medio 24 "/ o-
Prego por 15til. 2*177
1887 -Cambio medio 22 "/ d.
Prego por 15 kil. 1*823
em media, de 354
188H foi inferior
0 que mostra. um excesso,
ris em cada peso de 15 kil.
Todava, o prego medio de
aos precos medios dos dous ltimos quinqen-
nios, como se v pelos seguintes dados :
1879-83 217id. 3 222
188-88 21 Va d. 2*268
^
A exportago do assucar em 1888 pouca diffe-
renga fex da de 1887.
Foi essa nesses dous annos :
1. semestre-Ext. 65:055.498 kilos
Int. 27:614:523
2. semestre-Ext. 51:890:828 -
Int. 16:688:677
Total em 88
Total em 87
Mais cm 88
161:243:526
159:463:483
1:780:043
Anda assim essa exportago foi superior 4
media* da eflectuada no ultimo quinquennio em
30:340:630 kilogrammas, visto como foi o do
quinquennio de : __t .
o ^.^ au, aiguma cousa de nom em pro do
commercio de assucar.
*
Calculado pelos precos medios respectivos, o
valor dessa exportago foi:
Em 1888 81.965:545*111
Em 1887 19.870:361 498
Mais em 1888
2.095:183*613
O valor do assucar exportado em 1888, foi
maior de 1.226:467*143 ao medio do exportado
no ultimo quinquennio, que foi:
1883-87 20.739:077*968
*
Agurdente e Alcool
tralas aos melbores precos desses productos,
consequencia da menor produegao, esteve ani-
mado o mercado respectivo.
As entradas foram estas nos dous annos com-
parados :
Agurdente Alcool
5:167 pipas 240 pipa3
4:021 158 .
l. semestre de 88
1. semestre de 87
M.is em 88
semestre de 88
semestre de 86
1:146
1:369 pipas
3:403
Menos em 88
2:034
82
145 pipas
183
38
O balango das diflerencas mostra que entra-
ram para o mercado em 1888 menos 88 pipas
de agurdente e mais 44 pipas de alcool do que
em 1887.
No ultimo quinquennio as entradas dos dous
productos englobadamente dao a media de:
1883-87 6:480 pipas
o que mostra que as entradas de 1888 deram
um excesso de 441 pipas sobre essa media.
Os precos medios de ambos os productos fo-
ram mais favoraveis em 1888 do que em 1887.
Foram elles por pipa :
Agurdente Alcool
1888 64*230 1144583
1887 51*333 1024300
Mais em 1888
12*897
urna
Em relasao, porm, aos pregos medios do
quinquennio de 18831887, que foram para a
agurdente 62*383 e para o alcool de 127*460,
v-se que, ao passo que o da agurdente em 1888
foi superior de 1*847 em pipa, o do alcool foi
inferior de 12*877 em pipa.
A exportacao da agurdente foi inferior 4 de
1887. como se v pelo seguinte confronto, mas a
do alcool foi superior :
Agurdente :
1." semestreExt.
Int.
2 semestre-Ext.
Int.
Total em 1888
Total em 1887
Menos em 1888
Alcool:
1. semestreInt.
2. semestreExt.
Int.
Total em 1888
Total em 1887
Mais em 1888
249:263 litros
2:589:913
19:90
2:063:231
4:922:347
5:575:215 >
652:868
170:937 litros
180
89:718
E seminados os dous valores, fcra-se :
Em 1888 7i723*630
Em 1887 643:341*858
160:835
133:374
"l7~46f
No ultimo quinquenio foi a exportago media
le ambos os productos englobadamente :
188387 4:854:864 litros
E tendo sido a de:
1888.....de 5:183:182
V-so que excede aquella media em 888:318
litros.
*
Mais em '1888
Compayado o valor em 1888 cora
ultimo qfttiquennio, tem-se:
1884-87
1888
Mais em 1888
89:381*772
a media do
602:608*733
712:7234630
110:114:4897
MEL
O melhor preso obtidojior esle producto no
anno Ando deu alguma animacSo ao mercado
respectivo, que tambem foi melhor supprido do
que em 1887, como se pode avahar pela expor-
tago.
t-oi esta com effeito:
1 semestreExt. 39:960 litros
!nt. 24:405 .
2o semestreExt. 31:400
fot. 161:352 >
Total em 1888 237:117
Total em 1887 53:615
Total em 1888
203:502
Em lodo caso a exportago de 1888 fcou abai-
xo da media do ultimo quinquennio que foi:
188387 281:763 litros
Os pregos medios
Em 1887
do mel
foram em media,
45*208
42*062
Mais em 1888 3*146
Cumprindo observar que o de 1888 ainda
hcou inferior, em 604 ris por pipa, 4 media do
ultimo quinquennio que foi:
1883-1887

O valor exportado em mel, foi:
Eml888
Em 1887
454812
23:027*094
4:197*360
Mais em 1888
Ficando todava inferior aquelle valor 4 media
dos valores exportados no ultimo quinquennio
que foi:
1883-87 27:7094790
#\
COUBOS
O mercado destes productos esteve frouxo
durante o anno. Nao 8 as entradas, mas tam-
bem os pregos e a quantidade exportada foram
inferiores aos de 1887.
Com effeito entraram : .
1 semestre 14:594
2 semeetre 20:983
Total em 1888
Total em 1887
Menos em 1888
Os precos das vendas por kilos foram em m;
dias :
Espichados
1888 537,5
1887 617,3
Seceos
424,0
530,0
Menos em 1888 89,8
106,0
Cumpre observar que os precos de 1888 foram
todos inulto inferiores aos do ultimo quinquen-
nio, como se v pela seguinte comparagao :
Espichados Seceos Vefjf
1883-87 693,6 *
1888 837.5
Charutos -Para >r 1:200, contra 3:6"
anno ant>
Cigarros-Para o exterior 5 milheires, contra 10
no anno anterior.
CocosPara o exterior 110:000, contra 89:320
no anno anterior.
Para o interior 833:550, contra 539:500
no anno anterior.
Colla-Para o interior 30 kilos, contra 918 no
anno anterior.
Courinhos e pellesPara o exterior 1.380:480
contra 1.225:610 no anno anterior.
Para o interior 30, contra 2:900 no anno
anterior.
DocesPara o exterior 937 kilos, contra 613 no
anno anterior.
Para o interior 19:606 kilos, coutra
18:457 no auno anterior.
EspanadoresPara o interior 134, contra 393 no
anno anterior.
Farinha de mandiocaPara o exterior 1.755 vo-j
lumes, contra 2:503 no anno anterior.
Para o interior 139:317 volumes, contra
17.230 no anno anterior.
FeijoPara o interior 7:577 saceos, contra 50
no anno anterior.
Ferro velhoPara o exterior 70 toneladas, con-
tra 102 no anno anterior.
Fio de algodaoPara o interior 233 saceos, con-
tra 126 no anno anterior.
Fructas diversasPara o interior 56 volumes e
mais 8:000 avulsas, conlra 4 volumes e
19:000 avulsas no anno anterior,
Genebra-Para o interior 30:365 litros.
GraixaPara o interior 18:528 kilos, contra...
63:496 no anno anterior.
Madeiras-Para o exterior 132 pranchOes, e 1:200
pedagos diversos, contra 310 prancbes e
208 pedags diversos no anno anterior.
Para o interior 4 pranchoes, 38 taboas,
e 6 travs, contra 23 pranchOes, 41 taboas,
e 22 pedagos diversos no anno anterior.
Medicamentos e drogasPara o exterior 25 vo-
lumes, conlra 264 no anno anterior.
Para o interior 1:674 volumes contra -..
4:034 no anno anterior.
Metaes diversosPara o exterior 14:453 kilos,
contra 13.404 no aano anterior.
MilhoPara o interior 13:843 saceos contra ..
47:129 no anno anterior.
Oleo de mocotO -Para o interior 1:530 kilos.
Ouro velhoPara o exterior 4-128,8 oitavas, con-
tra 8:828,5 no anno anterior.
OssosPara o exterior 140:000 kilos contra....
348:770 no anno anterior.
PainaPara o interior 108 kilas.
Palha de CarnaubaPara o interior 250 molhos,
contra 300 no anno anterior.
Palha de OuricuryPara o interior 210 kilos.
P4o BrazilPara o exterior 162:790 kilos.
Passaros seceosPara o extenor 11:240 contra
11:200 no anno anterior.
Pennas d'avesPara o exterior 211 kilos, contra
202 no anno anterior.
PiassavaPara o interior 427 volumes contra
128 no anno anterior.
Plaas vivasPara o exterior 4 volumes.
PolvilhoPara o exterior 3:600 kilos, contra-..
7:640 no anno anterior.
Pontas de boiPara o exterior 65:000 contra.
12:400 no anno anterior.
Prata velhaPara o exterior 5:046,4 oitavas,
contra 61:178 no anno anterior.
RapPara o interior 4:045 kilos, contra 4:099,.j
no anno anterior.
Resinas--Para o interior 1:230 kilos contra l
caixa no anno anterior.
SalPara o interior 1.020:120 litros, contra....
232:200 no anno anterior.
SeboPara o interior 38:314 kilos, contra.....
35:379 324:105 no anno anterior. -
36:850 SodaPara o interior 853 meios, contra 10:690
meios e 85 rolos no anno anterior.
TapiocaPara o exterior 30 kilos.
TecumPara o exterior 400 kdos.
Tenas de barroPara o interior 2:000, contra
3:000 no anno anterior.
TraposPara o exterior 102:400 kilos, contra
57-900 no anno anterior.
Unhas de boiPara o exterior 104:000. contra
25:000 no anno anterior.
72,7 vassourasPara o interior 320 duzas, contra
186 no anno anterior.
W
Calculada pelos pregos medios mensae? de
Srf* Jroducto, e computado o total do anno,
n-se o seguinte resultado para o vaor expor-
tado:
wisky.
E nos demais artigos importados deram tam-
bem excesso as entradas de 1888 em agaaraa,
alfafa. alpiste, breo, calcados, carrapato, cheos,
charutos, chumbo sob varias formas, cobre, col-
la, drogas e medicamentos, estopa farellos, fer-
ro em bruto e em obras diversas, flos de linho e
algodao, garrafas, frascos e botijas, kerosene e
petrleo, imhaga, lona, lougas diversas, marmo-
res e pedras, mercadoiias diversas, ocre, oleoa
diversos, papel, perfumaras, pnosphoros, pi
vasias, plvora, sabao.-wbo, soda, sola, tec
diversos, tintas, typos, vellas, viraes, zinco e
zarcSo.
Por essa enumerago rpida v-se que poneos
so os gneros e artefactos estrangeiros que fo-
ram mtroduzidos na provincia em quantidades
inferiores 4s de 1887; e, pois, denunciando esse
facto notavel actividade no consumo, razio na
para cree- quo ?ommercio importador auferio
lucros rasoaveis ho anno que vem de Andar.
A seguinte exposigo comparativa das entra-
das nos dous ltimos annos, torna mais patente
o nosso asserto.
GNEROS ALIMENTICIOS, BEBIDAS ALCOOL1-
CAS E FERMENTADAS E COKDDXENTOS
A importagao comparada destes artigos, nos
annos de 1888 e 1887, foi esta :
Albos3:722 canastros e 2:640 res teas contra
2:636 ou mais 1:086 canastros e 2:640 res-
teas. Venden se no decurso do anno de
70 4 120 ris cada maunga, contra de 110
4 200 ris no anno de 1887.
Ameixas337 caixas, contra 263 no anno ante-
rior, ou mais 74.
Amendoas- 67 volumes, contra 34 no anno an-
terior ou mais 13.
Arroz14:926 contra 11:677 no anno anterior ou
mais3:249. As vendas do pillado effect-ia-
ram-se de 2050 4 2*300 por 15 kog.,
contra de 24 a 24900 no anno anterior.
' zeite de oliveiraForam estas as entradas nos
dous annos comparados:
barris caixas
20:3293734
1:471
Verdes
233,8
306,5
Em 1888
Em 1887
68
49
19
3:438
3:28)
175
latas
- 3
14
11
galio
de 2*450 4
Differenga mais
menos
Os pregos das vendas por
de 24-80 4 3*200, contra
3*60 no anno de 1887.
Azeitonas183 caixas e 21 barris, contra 84 cai-
xas e 5 barris no anno anterior, on mais
101 caixas e 16 barris.
BacalhoAs entradas comparadas foram t-sus
em88 156,1
179,4
233,8
120,6
A exportago comparada nos dous ltimos an-
nos, foi esta em kilog. :
semestre.
semestre.
00
'2.
1.701
11.648
Total em 1888
Total em 1887
13.3491
132 487!
>
802.003 340.922 179.550 385.349
1 142 925 1.030264 564.899 415.693
148.204
E comparada a exportago de 1888 com a me-
dia do ultimo quinquennio,,tem-se :
1883=
=1887
1888

mais.
menos
o
"S
a
o
I
48.829
13 349
33.480

992750
1.142 925
150.175
>
446.721
564.899
118.178
0 valor da exportasSo de couros em 1888 com-
parado com o da de 1887, d o seguinte:
1888-Espichados 7:186*140
Seceos 487:0454175
Verdes 128:631*075
Total
Eml887
Menos em 1888
622:862*390
755:849*345
132:9864955
O valer exportado ec 1888,, confrontado com
a media do exportado no ultimo quinquennio d4
este resultado:
1883 87 793.110*021
1888 622:862*300
Menos em 1888
170:2474631
Os demais productos exportados ou reexpor-
tados foram estes nos dous annos comparados :
AbacaxisPara o exterior 3:940, contra 1:239 no
anno anterior.
Araruta Para o interior 60 kilos.
Borracha Para o exterior 16:594 kilos, contra
256:765 no anno anterior.
Caf-=l'ara o exterior 2:781 kilos, contra 1:463
no anno- anterior.
Carosos de algodaoPara o exterior 3.237:180
kilos, contra 4.003:6W no auno anterior
Para o interior 39:040 kitos contra...
. 30:000 no anno anterior.
CarranatoPara o exterior 1:059:894, contra
761:182 no anno anterior.
Para o interior 4:300 kilos contra 49:900
no anno anterior.
CarvSo animal-Para o interior 1:830 kilos, con
Ira 8:040 no anno anterior.
Cascos de tartaruga-Para o Exterior 18 kilos,
contra 32 no anno aiterior.
Cera de carnauba-Para o exterior 18.24S kilos,
contra 120:874 no anno anterior.
Pareo interior 13:767 kilos, contra 6:655
no anno anterior.
Assucar
Algodao
Agurdente
Alcool
Mel
i ouros
Abacaxis
Araruta
Borracha
Caf
Carogos de algodSo
Carrapato
CarvSo animal
i ascos de tartaruga
Cera de carnauba
Charutos
Cigarros
Cocos
Colla
Courinhos e pelles
Doce
Espanadores
Farinha de Mandioca
Feijo
Ferro velho
Fio
Fructas
Genebra
Graixa
Madeiras
Medicamentos e drogas
Metaes diversos
Milho
Oleo de Mocot
Ouro velho
Ossos
Paina
Palha de carnauba
Palha de Ouricurj
P4o Brazil
Passaros seceos
Pennas d'aves
Piassava
Plantas vivas
Polvilho
Pontas de boi
Prata velha
Rap
Resinas
Sal
Sebo
Sola
Tapioca
Tecum
Tellias de barro
Trapos
Unhas de boi
Vassouras
Total approximado
Em 1887
Mais em 88
21:965:5454111
6:676:920*914
653.04145:10
59:682*100
25:027*094
622 8624390
2:132*500
12i*000
13:035*033
1:4524712
58:472*565
63:7024578
732*008
364000
16:697*170
724000
30*000
75:4764000
24*240
1:032:7764965
20:543*000
308*000
418:494*400
65:003*000
700*000
3:825*000
915*000
25:468*500
4:552*780
3:665*333
4:210*000
2:891*000
61:515*944
1:530*000
11:786*490
2:400*000
108*000
2504000
210*000
16:2794000
5:620*000
786*000
1:046*000
20*000
526*000
32:500*000
1:116*614
8:090*000
1:230 000
8:0454380
13:612*950
3:1264300
60*000
320*000
765000
5:1204000
2:080*000
320*000
BARRICAS CAIXAS TDUS
------------------ ------------- ------------
Em 1888 Em 1887 203 157 240.165 582 2.534 15981 22712
Menos em 1888 37.008 1.952 6731
31:998:209*393
31:268:879*086
729:3304507
Em consequencia das melbores taxas cam-
biaes e devido tambem s boas stiras dos prin-
epaet productos, chamados coloniaes, o com-
mercio de importagao esteve sempre animado em
1881, conservando-se bem sortido o mercado dos
gneros e artefactos mtroduzidos do estran;;eiro.
No geral foram superiores mS entradas de taes
gneros e artefactos as de 1887, como se vai ver
pelos algansmos adiante expostos, pacientemen-
te colleccionados no decurso do anno de 1888 e
comparados com oao anno anterior.
Demais, a renda aduaneira confirma esse tac-
to, pois que, como se pode ver do quadro n. 2,
a rubrica Importocdo, que orgou em 1888 por
10:738:240*163, deu um excesso de.........
1:033:233142 sobre a de 1887, em que foi ape-
nas de 9:685:005*021.
Effectivamente, nos gneros alimenticios, be-
bidas alcoohcas efermen tedas e condimentos de-
ram excesso, sobre 1887, as entradas de albos,
ameixas, amendoas, arroz, azeite de oliveira,
aseitnas. batatas, biscoutos, bitter, caf, cama
roes, canella, carnes conservadas, ceblas, cer-
veja, cevada, champagne, chouricas, cidra, co
minlios, conservas, cravo, errilhas, farinha de
mandioca, farinha de trigo, feiio, figos, fiMhas
de louro, fructas, herva doce, legumes, licores,
maizena. manteiga, massas alimentares, punen-
ta da India, preniot, provisdes, qoeijos, sardi-
-,-
O mercado, como se v, foi menos abun-
dantemente supprido.
Os pregos por barrica que, em 1887, va-
riaram de 174 4 21*, em !888oscaram
entre 8* e 204300.
Bagres seceos12:190 e 44 volumes contra
17:941 no anno anterior, on mais 5:731 e
44 volumes.
Banha de porco9:379 barris e 39 caixas, cas-
tra 10:616 barris e 285 caixas no anno an-
terior, ou menos 1:237 barris e 248
caixas
As vendas effectuaram-se por kilo 4 precos
pouco mais on menos iguaes aos de 1887,
isto de 806 4 937 ris.
Batatas18:172 caixas e 876 gigas. contra 17:625
caixa e 4:445 gigas do anno a o tenor, on
mrus 547 caixas menos 3:568 gigas.
EUectuaram-se as vendas, por caixa, de. -.
34200 410*. contra de 34 4 8* em 1887, e
por giga de 1*800 4 3*, contra 4e 2*200
34 em 1887.
Biscoutos695 caixas, contra 410 no anno an-
terior, ou mais 285.
Bitter323 caixas, contra 131 no anno anterior,
ou mais 192.
Caf-57:453 saceos, contra 39:576 en 1887, on
mais 17:867.
Os precos regularan em 1888. de 8* i
i 24500 por 15 kilos, ao paseo que tzaaB
regulado em 887 de 8* 4 17'50O.
CamarOes39 volumes, contra 32 no anno ante-
rior, ou mais 7.
Canella279 volnmes, contra 248 no auno an-
terior, ou mais 30.
Regularam as vendas por kilo, de 1*3804
4 1*500, e tinham variado em 1887 de
14400 414600.
Carne de conserva130 volumes, contra 87 no
anno anterior, ou mais 43.
Castanhas281 volumes, contra 354 no auno an-
terior, ou menos 73.
Ceblas7:412 caixas, 2:333 avataas 5MB
restas,, contra 8:840 caixas,38scete e
4:040 restas, estando o mercado jctapi1
regularmente supprido.
As vendas, por caixa, das de Lisboa, re-
gularam de 9*420*, contra de i*
em 1887.
Cerveja9:468 caixas, e 4:565 barricas, contra
8:282 caixas e 1883 barricas no anno an-
terior.
As vendas por duzia de garrafas e botijas,
conforme a qualidade, effectuaram-se de
64 4 10*500, contra de 8* 4 10*380 ne
anno de 1887
Cevada413 barricas, contra 358 no anno ante-
rior ou mais 58.
Cevadinha- -229 garrafoes, contra 276 no mWt
anterior, ou menos 47. -
Cha1.079 volumes, contra 1.886 no anno ante-
rior.
Regularam as vendas de 34 4 8* par
kilo, conforme a qualidade, em ambos m
annos.
Champagne -228 caixas, contra 223 no aooo an-
terior, ou mais 5.
Chocolate33caixas, contra40nos
on menos 5.
Chourigas22 caixas, contra 8 no aano anterior,
ou mais 14.
Cidra3.277 caixas, contra 1.385 no aano ante-
rior, ou mais 1.912.
Cocos42.200, contra 183300 no ana Jim
ou menos 121.100.
Cognac1.992 caixas e 3 barris, contra 1172
caixas c 9 barris, no anno anterior, on ta-
nos 180 caixas e 6 barris.
Cominhos358 saceos, contra 301 no anno ante'
rior, ou mais 57.
As vendas por 15 kilos, foram
de 12*500 4 20*, quando tinham
1887 de 17* 4 20*.
Conservas2.426 caixas, contra f .843 no
anterior, ou mais 483.
Cravo da India107 volumes, contra 81 na
anterior, ou mais 46.
Doces--123 caixas, contra 167 no anno
ou menos 44.
Ervimas- 201 volumes, contra 140 no
te rior, ou mais 81.
Farinha de mandioca61.478 saceos,
16.444 no anno anterior, o atis 45.894
Os precos, por sacco. Tarlafaaa de 24 a
3*500, contra de 2* 43* em 1887.
Farinha de trigo148.483 barricas r 7.578 sar-
cos, contra 136.740 barricas e lf15 ^ffft
em 1887, on mais 11.743 barricas e^H
saceos.
Effectuaram-se as vendas por sariicat -
De Trieste e Hungra: em 1888 de 17*
4 83*, contra de 20* 4 25* em J887.
Da Americana, em 1888.de 154 i 174
contra de 164 4 19* em 1887
Feijo874, soceos, contra 679 no s
ou mais 195.
Variaram os preco para ico de 7*4
124, contra de 44 4 12* en I8A
Figos139 caixas, contra 4431
ou menos 4.
Folhas de louro78 v-ossstes.
anterior, ou mafif 23.
Fructas1.390 volumes. contra 711 no i
lerior, ou mata 7.
Genebra -2934 caixas, contra 3383 caixas, |
pipas. 2 barricas e 2881,
Gerimuns250, contra 8234 no 1
ou menos 8804.
fingarle16 caixas, contra 7 caixas e 2 1
no anuo anterior, os mais 91
nosSInrris.

>
.'i
i
m


I
i
I
Diario de PemambucoSexta-feira 11 de Janeiro de W89
lira 2 no anno ante-
rior, ou mais 1.
Herva-dce -213 volumes, contra 79 uo anno an-
terior, ou mais 134.
por 15 kilos, de 104 20*,
ao passo qu em 1887 tinham sido os pre-
ces de 164 204-
Legumes232 volumes, contra lo3 no anno an-
terior, ou mais 79.
Leite condensado -81 caixas, contra 101 no anno
anterior, ou menos 20.
Licores437 caixas, contra 302 no anno anterior,
ou mais '
Lingoas- 90 volumes, contra 95 volumes no anno
anterior, ou menos 5.
Maiiena4.281 caixas, contra 3.907 no anno an-
terior, ou mais 374
Manfeiga -Entraram 17.023,3 barris e 4.370 eai-
xas, contra 14.693,5 barris e 3.019 caixas
no anno anterior, ou mais 2.330 barris de
1.341 caixas.
Regularara as vendas por kilo : da fran-
ceza, em barril, 14375 14914, contra de
14500 14864 no anno de 1887
De diversas em latas, conforme a mar-
ca : de 14526 a 24616. contra de 24200
24943 no anno de 1887.
Massas alimenticias5.858 caixas, contra 4.545
no anno anterior, ou mais 1.313.
Vendeu-se. por caita, de 74 94500,
contra de 5 94 de 1887.
Massa de tomate- 258 caixas e 1 barril, contra
50 caixas no anno anterior, ou mais 208
caixas e 1 barril.
Matte -4 volumes, contra 3 no anno anterior, ou
mais 1. ,,
Milho- 25.811 saceos, contra 35.498 ou menos
9.687.
Regularam as vendas de 50 80 ris por
kilo, guando tinnam variado em 1887 de
45 a 70 ris.
Mortadellas---8 volunrs, contra 8 no anno ante-
rior.
Moslarda9 volumes, contra 18 no anno ante-
rior, ou menos 9.
Nozes 38 volumes, contra 15 no anno anterior,
ou mais 23.
Ovas de peixe1 volume, contra 13 no anno
anterior, ou menos 12.
Passas804 Tolumes, contra 127 no anno ante-
rior, ou monos 323.
As vendas por caixa effectuaram-se : em
1888 de 74 114. e em 1887 de 74 124.
Peixe em conservas- -224 volumes, contra 272
no anno anterior ou menos 48.
Pimenta da India888 yolumes, contra 913 no
anno anterior, ou menos 25.
Regularam as vendas por kilo : em (888
de 14 14400, e em 1887 de 14350
1*500.
Presuntos 303 volumes. contra 209 no anno an-
terior, ou mais 94.
Provisoes673 volumes, contra 383 no anno an-
terior, oo mais 290.
Queiios-- 8.158 caixas, 16 tinas e 11 volumes.
contra 6.837 caixas, 56 tinas e 61 volumes
no anno anterior.
Vendeu-se cada um dos flamencos : em
1888, de 24500 a 34600, em 1887 de 34300
W.
Rhum21 volumes, contra 10 no anno anterior,
ou mais l.
Sag195 garrafes, contra 205 no anno ante-
rior, ou menos 10.
Sal--2.851:420 litros, 27.055 alqueires, e 35 vo-
lumes, contra 2.632:630 litros, 39.863 al-
queires e 26 yolumes no anno anterior, ou
mais 218.790 e 9 volumes, e menos 12.808
alqneires.
Vendeu-se o nacional, por 100 litros :
em 1888, de 700 14800, e em 1887, de 600
14300.
Salame4 caixas, contra 13 no anno anterior,
ou menos 9.
Salpicoes52 caixas. contra 51 no anno anterior,
ou mais 1.
Sardinbas1.431 caixas, e 2.46 barris, contra
674 caixas e 1.235 barris no anno anterior,
ou mais 757 caixas e 1.227 barris.
Effectuaram-se as vendas das latas de
quarto : em 1888, de 270 a 320 rs., e em
188'. de 270 360 rs.
Tapioca335 volumes, contra 472 no anno an-
terior, ou menos 137.
Toucinho2,627 barris e lo caixas, contra 2,242
barris e 13 caixas no anno anterior, ou
mais 385 barris e 2 caixas.
As vendas por 15 kilos regularam : em
1888, de 404000 a 134000. e em 1887, de
94 a 134.
VinagTe129 pipas, 856 barris, 10 caixas e 35
Sarrafoes, contra 406 pipas, 4 quintos, 984
arns e 5 caixas, no anno anterior.
Vendea-se a pipa : _____
Ds de Lisboa : em 1888 de 12o4000 a
1654000, e era 1887, de 1504 a 190*.
Do nacional: em 1888, de 504000a
100*000, e em 1887, de 804 a 1004.
VinlioForam estas as entradas comparadas :
Em 1888.
Em 1887.
S
l Mais.
Menos
PIPAS
4.614
5096
482

BARRIS CAIXAS
14.488 7149 11.631 10.941
7.339 690

Os presos de venda por pipa, regula-
Do de Lisboa: em 1888. de 1804000 a
2404000, e em 1887, de 2154 a 2504.
Do da Figueira : em 1888, de 2004000 a
2404000, e em 1887, de 2254 a 2604.
Do nacional : em 1888, de 1004000 a
1604000, o em 1887, de 1104 a 1804.
XarqueForam as entradas nos dous annos
comparadas:
kilogr. fardos
Eml888 5:921:786 198:944
Em 1887 3:832;385 116:293
Mais em 88
2:089:401
72:651
uu initis
lo asno
menos
nes desmanchados.
Biirrilha1:414 tambores, contra 1,(345
no anno anterior, ou menos 231.
Breu7:621 barrais, contra 3:015 no an-
no anterior, ou mais 4:606.
Regularam as vendas por barri-
ca: em 188*: de 12(5000 140000,
e em 1887, de 80500 150000.
Borracha151 volimes, contra 649 no
anno anterior, ou menos. 498.
Vendeu-se em m^dia de 0733
10133 o kilogramma, quando em
1887 tinha .egulado de 10 10100.
Cubos758 volume}, contra 796 no anno
anterior, ou menos 38.
Cal--3:751 "barrica*, contra 4:558 no anno
anterior, ou menos 807.
Clisados971 caixis, contra 388 no anno
anterior, tt mais 583.
Ciirocos de algodSc 225 saceos, contra
145 no anno anterior, ou mais 80.
Ciirrapato2:136 suecos, contra 1:052 no
anno anterior, ou mais 1:084.
CurvSo animal45 yolumes, contra 55 no
anno anterior, ou menos 10.
GiirvSo de pedra -33:150 toneladas
quintaes, centra 36:358 no
Regularam as vendas por 15 kilos :
Do nacional : em 1888, de 24000 a
64000, e em 1887, de 24 a 84200, con-
forme a qualidade
Do estrangeiro : em 1888, de 24000 a
64400, e em 1887, de 44500 a 74.
Xaropes110 caixas, contra 78 no anno ante-
rior, ou mais 32.
Wermouth -720 caixas, contra 272 no auno an-
terior, on mais 448.
Wiskey240 caixas, contra 288 caixas e 13 bar-
ris no anno anterior, ou menos 48 caixas
e 13 barris.
OL'TBOS ART1GOS
Entraram mais para o mercado nos dous
annos comparados :
Agua-raz432 caixas, contra 183 no an-
no anterior, ou menos 249.
Alcatrao257 barris, contra 332 no anno
anterior, ou-menos 76.
AKafe1:738 fardos, contra 400 no anno
anterior, ou mais 1:338.
Alfazemar82 volumes, contra 37 no anno
anterior, ou mais 45.
Alpiste1:336 volumes, contra 1:272 no
anno anterior, ou mais 64.
Regularam as vendas por 15 ki-
los em 1888, de 30600 50000, e
em 1887, de 40600 50300.
Alvaiade160 barricas, contra 415 no
anno anterior, ou menos 265.
Areia de moldar15 barricas, contra 3
no* asno anterior, ou mais 12.
Azeite de palma23 volamos, contra 170
no anno anterior, ou menos 147.
Azeite de peixe165 volumes, contra 172
oo anno anterior, ou menos 7.
Barricas e barris vaaios35:122 e 9:808
volumes, dasmancbadas, contra.
e32
anno
anno anterio:-, ou menos 208 tone-
ladas.
Variaram os precos da tonelada:
em 1888, de 120000 180000. e
em 1887, de 120000 220000.
Cavallos- -43, contra 5, no anno anterior,
ou mais 38.
Curas diversas966 volumes, contra 1:593
no anno anterior, ou menos 627.
Variaram os precos das de car-
nauba, por 15 kilogrammas ; em
1888, de 20300 60000, e em
1887, de 30000 60500.
Chapeos624 caixa*, e 98 fardos ; contra
454 caixas e 249 fardos no anno
anterior, ou mais 170 caixas e me-
nos 151 fardos.
Charutos300 caix'es, contra 206 no an-
no anterior, ou mais 94.
ChumboDe mnnicSo 2.279 barris, con-
tra 2:330 no anno anterior, ou me-
nos 51.
Em barras 21, contra 220 no an-
no anterior, ou menos 207.. Em
lences 55 volumes, contra 20 no
anno anterior, ou mais 35. Em
canos, 844 barricas, contra 210
no anno anterior, ou mais 634.
Em folhas, 31 volumes, contra 26
no anno anterior, ou mais 5.
Cigarros12 volumes, contra 12 no anno
anterior.
Cemento20:786 barricas, contra 31:006
no anno anterior, ou menos 10:220.
Vendeu-se cada barrica: em
1888, de 60000 80000, em 1887,
de 50000 80500.
Cubre495 volume s, contra 482 no anno
anterior, ou mais 13.
Cuke88 toneladas, contra 91 no anno
anterior, ou menos 30.
Colla82 volumes, contra 43 no anno an-
terior, ou niiis 39.
Cordas3 fardos, 1:000 pecas e 600 avul-
sas, contra um fardo, 300 pecas e
1:080 avulsas no anno anterior.
Courinhos c pellos4:548 volumes, contra
4:956 no anno anterior, ou menos
, 408.
Couros de boi35:374, contra 36:850 no
anno anterior ou menos 1:476.
Drogas e medicamentos3:867 volumes,
contra 3:480 no anuo anterior, ou
mais 387.
Dynamite51 volumes, contra 714 no
anno anterior, ou menos 663.
Enxofre571 volumes contra 666 barri-
cas-no anno interior, ou menos 95.
Entanho285 volumes, contra 354 no
anno anterior, ou menos 69.
Esteiras399 volumes e 326 avulsas,
contra 733 e 50 avulsas no anno
anterior, ou menos 334 volumes e
mais 276 avulsas.
Estopa2:294 fardos, contra 1:942 no an-
no anterior, ou mais 352
Farellos e semeas58:722 fardos, contra
48:312 no anno anterior, oumais
10:410.
Regularam os prejos do sacco ;
em 1888, de 30000 40000, e em
1887, de 40000 40500.
Fenno333 fardos, contra 1:897 no anne
anterior, ou menos 1:564.
Ferro---Em ac: 399 caixas, 276 ennhe-
tes, e 98 feixes contra 4 caixas,
879 cunhete, 18 barras, 294 feixes
e 4:502 dormentes; ou mais 395
caixas e menos 603 cunhetes, 18
barras, 196 feixes e 4:502 dormen-
tes.
Em ancoras: 57, contra 43 no
anno anterior, ou mais 14.
Em arcos: 6:839 feixes, contra
4:916 no auno anterior, ou mais
1:923.
Em rame : 1 volume, contra 53
no anno anterior, ou menos<52.
Em barran : 41:191 pepas e 7:684
feixes, contra 26:793 pepas e 6:887
feixes no anno anterior, ou mais
14:498 pecas e 797 feixes.
Em canno* : 3:301 avulsos e 827
volumes, contra 1:588 avulsos e
438 volumes, no anno anterior, ou
mais 1:713 avulsos e 389 volumes.
Em correntes: 40 barricas, con-
tra 54 no armo anterior, ou menos
14.
Em enxiidas: 1:693 barricas,
contra 1:631 no anno anterior, ou
mais 62.
Em ferragens diversas: 10:814
volumes contra 7:501 no anno an-
terior, ou mais 3:313.
Em fogSe*, fogareiros e chapas
par elles: 9:394 volumes e pepas,
contra 4:725, no anno anterir, ou
mais 4:669.
Em fouu : 654 e 503 volumes,
contra 1:253 e 66 volumes no anno
anterior, ou menos 599 folhas e
mais 437 volumes.
Em folh.s de Flandres: 3:079
cunhetes, contra 2:804 no anno an-
terior, ou mais 276.
Galvanizado : 562 volumes, con-
tra 530 no anno anterior, oa mais
32-
G-uza; 90 toneladas, contra 60
no anno antorior, ou mais 30. .
Em formas para assucar: 150
volumes, (contra 62 no anno ante-
rior, oa mas 88.
Em ps: 1:613 feixes, contra
762 no amo interior, oa mais 851.
Em peso: 200 contra 140 uo
anno anterior, ou mais 6
Em pregos : 3:433 volumes, con-
trr 2:576 no anno anterior, ou
mais 857.
Em panellas: 283, contra 220
no anno anterior, ou mais 63.
Em rodas: 162 pares, contra
143 no anno anterior, ou mais 19.
Em taxas : 351, contra 388 no
anno anterior .ou menos 37.
Em trilhos: 19:696, contra....
11:432 e 145 volumes no anno an-
terior, ou mais 8:264 e menos 145
volumes.
Em machinas, apparelhos euten-
sis diversos: 34:942 volumes c pe-
cas, contra 46:062 no anno ante-
rior, ou menos 11:120
Fio de linho e algodao3:888 volumes,
contra 2:560 no anno anterior, ou
mais 1:328.
Fumo~8:979 volumes, contra 10394 vo-
lumes no anno anterior, ou menos
1:115.
Regularam as vendas por 15
kilos, conforme a qualidade: em
1888, de de 60000 280000, e em
1887, de 60000 360000.
Garrafas, botijas e garraioes8:487 volu-
mes e 18:138 avulsos, contra 7:849
avulsos no nno anterior, ou mais
5:567 volumes e 10:289 avulsos.
Graxa610 pipas, 39 barris 66 caixas e
147:525 kilos em bexigas, contra
1:720 pipas, 64 barris, 67 caixas e
37:440 kilos em bexigas, ou mais
110:085 kilos em bexigas, e menos
1:110 pipas, 25 barris e 1 caixa.
Regularara as vendas por 16 ki-
los : em 1888, de 30500 40000,
e em 1887, de 30600 50000.
Joias---37 volumes.
Kerozene107:203 caixas, contra 90:923
caixas e 9 barris no anno anterior)
- ou mais 16:280 caixas e menos 9
barris.
Vendeu-se cada lata: en 1888,
de 20250 30900, e em 1887, de
30200 40500.
LS barriguda56 volumes, contra 32 no
anno anterior, ou mais 24.
Linhae 1:618 caixes, contra 1:833 no
anno anterior, ou menos 215.
Linhapa68 barricas, contra 4 no anno
anterior, ou masi 64.
Lona171 fardos, contra 166 no anno
anterior, ou mais 5.
Louca 6:355 volumes, contra 5:923 vo-
lumes e 400 pepas no anno ante-
rior, ou mais 432 volumes e me-
nos 400 pepas.
Vendeu-se por gigo da ordinaria-
cm 1888, de 800000 1250000, e
em 1887, de 800 1400.
Madeiras 1:323 pranoh8es, 155 travs,
542 taboas, 258 emchameis, 100
caibros, 122 remos, 7:000 achas de
lenha, 259 grades de toros de man-
gue, 239:800ps, 100 feixe de arcos,
e4754pecas diversas; contra 8,470
pranchoes, 1:053 travs, 403 ta-
boas, 1:903 enchamis, 903 cai-
bros, 498 remos, 97:900 achas de
lenha, 20;000 toros de mangue,
352:467 ps, 348 feixes de arcos,
e 9:824 pepas diversas no anno
anterior.
Marmores e pedras 947 volu-
mes, 957 taboas, 65 lages, 4:395
pedras de amolar, 19 barricas de
pedras de fogo, contra 416 volumes,
1 taboa, 1:408 lages, 2:467 pedras
de amolar, 49 barricas de pedras
de fogo, e 68 pedras de moinho no
anno anterior.
Mercadorias diversas 29:870 vo
lumes contra 18:696 no anno ante-
rior, ou mais 11:183.
Movis577 volumes, contra 626
no anno anterior, ou menos 49.
Ocre 120 barricas, contra 91 no anno
anterior, ou mais 29.
leos diversos 1:669 volumes, contra
1:528 no anno anterior, ou mais
141.
Palha de carnauba 1:568 molhos, contra
2:706 no anno anterior, ou menos
1:138-
Papel4:226 caixas e 19:610 fardos con-
tra 968 caixas e 24:203 fardos no
anno anterior, ou mais 3:258 cai-
xas emenos 4:598 fardos.
Regularam as vendas de cada
resma do de embrulho : em 1888,
de 460 a 10500, e em 1887, de
500 a 10500.
Perfumaras746 volumes, contra 584 no
anno anterior, ou mais 162.
Pennas de aves38 volumes, contra 19
no anno anterior, ou mais 14*
Phosphoros4;194 caixoes, contra .4:015
no nno anterior ou mais 179. *
Pianos=58 volumes, contra 76 no anno
anterior, ou mais 18.
Piassava2J297 molhos, contra 5:405 no
anno anterior, ou menos 3:108.
Piche2 barris, contra 14 no anno ante-
rior, ou menos 12.
Pipas vasias 7:386 contra 3:797 no anno
anterior, ou mais 3:589.
Plantas vivas 3 volumen, contra 1 no
anno anterior.
Plvora4:395 barris e 90 caixas, contra
3:539 barris e 600 caixas no anno
anterior, om mais 856 barris e
menos 510 caixas.
Resinas1 volume.
SabSo1:633 caixas, contra 38 no anno
anterior, ou mais 1:995.
Saceos vasios721 fardos, contra 2:310
no anno anterior, ou menos 1:589
Salitre 2:360 barricas, contra 2:810 no
anno anterior, ou menos 450.
Sementes 7 volumes, contra 3 no anno
anterior, ou mais 4.
Sebo3:259 barris e 94:472 kilos, contra
6:824 barris e 60 kilos no anno
anterior, ou menos 3:565 barris e
mais 95:428 kilos.
Regularam as vendas por 15
kilos em 1888 de 40500 a 50000,
e em 1887, de 30200 a 60000.
Soda1:784 toneladas, contra 292 no
anno anterior, ou mais 1:492.
Sola 32:234 meios e 1:155 volumes, con-
tra 21:337 meios e 426 volumes bc
- anno anterior, ou mais 10:897
meios e 729 volumes.
Regularam as vendas de cada
meio : em 1888, de 30000 a 40500,
e em 1387, de 30500 a 60009.
Taniancos137 farde*, contra 118 a
anno anterior, on mais 19.
Tecidos diversos20:054 volume, contra
20:563 no anno anterior, oa meses
509;e mais 13:804 fardos dos de algo-
dSo do paiz, contra 12:046 no ana*'
anterior, ou mais 1:758 fardos
deste ultimo producto.
Tenas -644 contra 17:000 e 252 vohnne
no anno anterior.
Tijolosde alvenaria : 81:539 e 120 va
lumes, contra 25:023 e 563 vola*
mes no anno anterior, ou mais
56:516 e menos 463 volumes. Para
limpar facas : 397 caixas,
586 no anno anterior, ou
189.
Tintas- -3:533 volumes, contra 2:533
anno anterior, ou mais 1:000.
Typos 23 caixo'es, contra 21 no anno
tenor, ou mais 2.
Trapos83 fardos, contra 82 no anno
terior, ou mais 1.
Vassouras de piassava18 voliuoes,
tra 4 no anno anterior, oumais 14.
Velas4:993 volumes contra 3:640 a*
anno anterior, ou mais ):353.
Regularam as vendas de cada pe-
cte : das nacionaes, em 1188, de
240 a 300 rs., e em 1887 de 26*
a 320 rs.; e das estrangeiraa, ca
1888, de 50Qa 900 ra., eem 1882
de 540 a 10000.
Vidros4:391 volumes, contra 5:053 na
anno anterior, ou menos 062.
Vimesem obras : 40 volumes, contra_18
no anno anterior, ou mais 22.
liapas: 3:021, contra 500 no
anterior, ou mais 2:521.
Zarcao208 barricas, contra 96 no
anterior, ou mais 112.
Zinco98 volumes, contra 54 no
anterior, ou mais 44.
N. 11.Quadro das rendas das estacoes publicas em 1888
Janeiro .
Fevereiro
Marco. .
Abril. .
Maio .
Junho. .
Julho. .
Agosto .
Setembro
Outubro .
Novembro
Dezembro
Em 1888.
Em 1887.
I Mais
Menos
Alfandega Recebedoria Geral
1.023:6934289
938:7024291
888:2784431
971:4124386
823:88041*6
935:02441a")
981:6224589
894.0994797
907:533*586
1.157:761*602
1.164:7004645
997:2904794
11.680:999*691
10.920:6724390
760:327*301
42:700*569
99:6404921
74:537*386
46:0494 06
38:6974343
45:573*872
39:863*834
87:367*838
31.3964664
84:700*794
43:064*128
32:914*332
665:5064687
633:3794451
33:1274136
Correio
12:6934393
11:9264920
15:7844640
12:697*874
22:192*410
14:6544600
13:4404254
15:4494640
13:6224409
12:3244722
13:4414097
11:7584239
169:9864198
163:1414825
6:8414373
Recebedona Prorm-
ciai
298:6194562
267:9574650
177:2694932
150:1094711
141:600*647
268:996*408
223:4274834
144:7824844
114:1854263
171:4134046
340:2434403
277:0844174
2.475:6814474
2.372:6844065
102:9974409
Differencas em 1888 P3 B M B
t^
B 1 -4
5 P
g 8- '
en
M
flF!-*i!l
3 2 3 o
M M
fe O
ce -a
s S
1
ce tr
fe
KKUUUttKUX. lili
> >*- *
-i ^i ^i ce i* -o -c e jc ce ge
8SSS?gS: 88
Ti i Ti I i '' | I
i i i: ^ ^ lc ^ ^ ji
t*. e. e &. a. te &. te *r i- tg g
g88S8c5 5c88S8
XMUUUXMKM^ItK
^J^-JQC"*'3C3C0tceLCCCp5C
88S88S8S3H
e. .*.... te
I I I I > t I I I I I
i* tt* te *** *B ?
.te.;*.*!;;^?
SS28888SS88
i
i
I i I i I
i .... te tetef
WMWM1CMMMMWICW
**S88SBSill
1 k
te
os 00
f f
1* m
te
*^
S 8
te te Sil!*
I I i i i "I I L I II
l**l*<*l.H*l* *
&!S?5oc"2:
1I88S8SS888
gssssssss
1111 i i r
*~> i ^i QP ge:
88;
<< te fe *< f> 1
l-MOlO'.^aSW
fefefefefefet
i i iiT TiTi i i i
fefefefefefefe*fefefe
5? 88 888111111.
5 fc
f f
fefefefei

^11188
fefe tete? ;**.
..fe n
?
2
8SS<
3 00 O O
DifTerencas
cm!888
?^
5 o u pe te i
I fe
i g>
*^ t
?c5*-';iceccc^i^'^'i*
t: i* xe*-o es
i i ei'w -^i j ej; --j
: i: I* O !- l 3C ce OC
: t. v. ; i* ce i: ~i t tx *-
, feSvfefefefefefefefe
; i i. x -eve ce ^i ic ce v. ce
: -i ce se 3d 59 9> ce ce
: ce ex v ^j 1 ** ce ce qd
s
s
tcce*.<.ie*'*-.i-jac
t"cejcebstJcbb''io;
0-IOCC-CT.C-WHI
** fefefefefefefe
ec ^i ce ce o je ce o eve -i3- *i
cc*scS2cc5cc
O
S
&> OC
ffi l
4 C55
fe fe
ex 3
OS m
i*- >i. ;e it -- i ce
-jcie:"4--JOaH.. c-J"-
^i c;: i4 oe oe c. ce c-c cts oc ce
ct ce ei oe oe ce --. oc ce i*
fefefefefefefefefefefefe
>-c7;ii.0CCe*jce*"'O3Ce-.ii*
8-^i*>GCfc4>C;c^JOcceceoc >"(hlStt! ce je t* Sil*
l* t*> t* P ?
. ce v i- ce s: x
^i ^i ce -- ^i ^- z: t--- ix -r- cr.
fefefefefefefefefefefefe
SSC-rSiijc;; i* ce g
88*888888888
i*** t! w ^j*- #- e- ** >"
-a*"Cei*c^ceOC!5*-ce.
fefefefefefefefefefefefe
CKCiOice'^i.*t*O*"*cceT
woc^ittjr- p^-Ci'-a-ceceos
ceocii^-czojce-a vii>t
?^ .-
o r*
X O
H *4
ex "
ce S
ce t.
fe fe
W *J
CC
*4 ce
x ce ce x x ce o
ce ~j ce ce 3c ce
-op x-jcecesr;
C:te^ll4"-'XX^ocec"->
- -oitt c:i*e*"
s <,. te te te t. \> & e-
-nic-i-re-xcic
i*Ccei!
^^ce:
fefefefefefefefefefefe
vici.-N ce ^j ce ce ce m.
C *- --I I* I* OC ^J- ic .-- c
jiKSvicc;-aec;ci
t. t
^1 CT CC I-I
c: *- >* c ^i ft o
^i i: i* ce i: x
fefefefefe- fe.fe
Niaccce ce ce
a-eitcs ce j
CTWir-CC*' CO
cccici. .
ce oo crece
-J iP-^l x
fefefefe
-o
os<
!W-
Difteren9as
em 1888
a o sT ? 5 &l s-s r? f* s
l '. 2
: : : : 3 :
Hgo-3
i-1-3 f
OS
esecto ^5^5coQoooeooo-J
ytOKICl5WI-00*MMW*.
ENTRADA
EM
PIPAS
co
l\S
"fL" o>
i CO

te t-1
K 9
So ea
osee
X 4-
.
&
te a
te te
te- * s*

co- w 3
O. C -' cr. *
c?
el Cy.CWU'OCrfi.Wterf'.W
C3COh--JCD>tecoccoco
cj'cotef^-teteoiooo'oooe)

-JO1'CCl*^CO-JC50iC'
iti.coteteco-Jcj.Q'wo
cji o o ce ce te o >-'i>-cc
OJi
tr te
en -a s te
S c 4
'Oi
osen
i -4 CC
i ,_ OS
)'*.
: ente
cr. >* 4. to *> ce
t te Q -^ co te
te o. o coco te
) ce t 4. Q5 it*
SHMC5QH
tccewOO)
TOTAL BXPOETA
DO EX LTEOS
i
CO
O*
c
Cfi
c
s


Diario de Pernambuco exta-feira 11 de Janeiro de 1889
I
*4
-

1


Diario de PernambucoSexta-feira 11 de Janeiro de 1889
Differencas
F
w ffl
S
,0 *
9 B
^J 5
. t! ~ r 2. o
o
I
2


cas
!*"" f* 0
S tS -5 ": ac 3 2-i S S o?
!T. ** fr !"? 5? S* f? **"
>4 it o x ;i ii: M
xS^ift "S-aMaBB
^i"-*-Xi*
(**.%.. <
--r.-j-uso^-* ^*-*
Knlrado
prarn
na
l
I
i I
i!

I* -
5
S?
14
9
s rl
-J
n
a
i.
^ i s: a-,
5uoe:i'5
t, e t % % t> a o.

:55
1 I
3 '.

* o
s? 3
a H
p O
**
* B
S 8
it**

5
.. -
I
88

X
8
MI
X
1.
so
M
8
te
i

8
14
14-
8
e-.
s

-JSS
32.
88.
8S.
-j.tt.
18
C: 3 a c
a
ce-i
fe ..
-J- I
s
o
es
t *
i 4
9< ^4
I*" O
ex ^1
1 O
14 kS ~
ce-ai?- a ** c; te
ilililllpl
fe
iiisll
*. M
> *j
te os
te
14
lia
te ce
-*i
M a
- s-.o:
OS
i:
14 S CN ?
14 14 7- 4J
M^wfrgcw os
.... *
Seer.sa- *
5 -. i* >*
2a
s
-
=
X *
14 Ce
O te
i K
& -S
>fc QH i > ll X <
X-------I
wfigij
. 88?
09
4<
c

8 8
X
ct te

->.
*-l
as 8
2Sx8g8Ssi888
titiiti"vi-^>X5J
- s> *. t- o *. e.. e. &. a- e. &.
.-> _^ ^>1> (". ^~ ^*i -a- ^~ f*^ ^^ ix,
a?
|1
B a.
ce
&.
o
1e
Mi
1
14
ce
O
:-: 14 ^
-i-i-i-in te-eoteej
^i'c;t"*" ^ii^ob*^-
4 i; X *- ^-CJf-^lffl
*.!... & .. B. O. 1h
U>ICXI4' C' ; t* -
C i
C 5 =
a
e
s
5

e
n
e

I
1
e
CO

S
-1
O
5
r.
3
3

a (d
*j
1
*
s 5

. -
se-
as
S
14 ~-------4 W X
*- X C3 |i"-C55e*^4
iixc3-.e-*si;
,i>e>t.5;;,fcxS'rSli;
sgssSssgSggg
te X
9 S
8 8
M w
IX.
i>:
*
^j
te 8
..-rsili'i'i: 6ic
i i* 4 t X i f- tj
^~^l-"^ =
P3
s
3
4
e
3
3
9
a.
o
9
%
S5
B-
%
g-
p
*
o
O"
p-
X
o
I
g
3
3"
x

3
o
ce

oo
00
oo
>
REVISTA DIARIA
8a plente* e Jo mnnleipnlPor
acto do Exm. Sr. presidente da provincia, data-
do de hontem, foi nomeado 3* supplente do
juiz monicipal do termo de Villa-Bella, Andreli-
no de Souza Martins. passando para i' o te-
nente Galdino Goncalves Lima. ^^^^
COMERCIO
Revista do Mercado
Kecife, 10 de Jaseieo de 1889.
0 mercado de cambio fechou firme, tendo sido
leitas regulares transaeces.
Foram registradas vendas de algodao e de cou-
ros.
Entretanto as condicOes da praca nao sao as
melhores ; nota-se falta de numerario, o que
lornom escassas as transacc,e8.
CMttbio
Os bancos abriram boje a 27 3 8, realisait*
se algumas transactOes a 27 1,2 para a mala o
O papel particular foi passado a 27 11/16.
No Rio foi cotado papel bancario a 27 3.8 e o
particular a 27 9/16.
TABELLAS AFFIXADAS
Crrelo de los do EgyptoPor
acto da mesma data, de conformidade com a
proi>osta do administrador dos correios, nomeou
a Paulino Baptista de Siqueira para o lugar de
agente da villa de S. Jos doEgypto.
\ov diMiricio poUclalPor acto de 7
e sob proposta do Dr. ebefe de polica de 5 do
corrente foi creado un (listricto de.subdelesacia
no termo de Buique com a denominaco do
Bolsa
COTA55E8 OFFICIAES DA JUUTA OE COB-
BECTOBES
Recife, 10 ds Janeiro de J889
Cambio sobre Londres 90 d/v- 27 '/* d. por
i >, do banco.
0 presidente,
Candido 0. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
Algctdao
Foi cotado o de 1* sorle do serto a 64200 por
15 kilos.
A exportacao, feita pela alfaodega neste mez
at o da 8, subi 1.335.817 kilos, sendo.......
1.324.008 para o exterior e 11.809 para o inte-
1.163 Saccas
Ai entradas vericadas at a data de hoje so-
sem a 4.924 saccas, sendo por :
Baroacas.....
Vapores.....
Anitnaes.....
Via frrea de Caruar.
Via-frrea de S.Francisi.
Via-frrea deLimoeiro
1.130
190
37
2.102
Somraa.
4.924 Saccas
O vapor inglez Palmas", conduz 4.500 saccas
para Liverpool.
Assucar
0; procos pagos ao agricultor,
uunloa Associaco Comnercial
os s>.:guintes:
Brancos .....
Somono.....
Hu avado purgado
- bruto .
Rtame .
Colonia Isabel:
Branco 1"
. 2
*.' '
Somtmo
Mascavado ....
Usina Pinto:
Bran:o 1*
'. i' .
Som>.tno.....
Mascavado
por 15 kilos, se-
Agricola, foram
24000 a 24400
U600 a 14700
i &:m
14200 a 14300
4900 a 14000
24400
24200
24000
14800
14300
24400
24300
14700
14340
A exportacao. feita pela alfandega, neste mez
at o da 8, attingio a 5.136.024 1/2 kilos, sendo
3.920.865 para o exterior e 1.215.159 1/2 para o
interior-
Ai entradas verificadas at a data de hoje so-
bem a 56.947 saccas, sendo por :
Barracas..... 24802 Saceos
Vapores..... ......
Ananaes 4254
Via-l.jrrea de Caruar 4-871
DifTerencas |
em 1888 t
S
E.
rr:
S
8
33 3 3
si
I S5gS5fSx38MM
z
A

8 I 53S3SS8^SSSrS g
SMiMiwtei^ciP'X&.cu^ix cb
I S"Cjemc-=,^' -*!i^
I

3
a s s s x stsssssaii
2!
%
8
8
*5*g*SSg52S
r*> **> i* *w i
w oc -^ i.t <** i
5
U-xiS^ri^wwc
3*.^iij>-t
t! OS
SU
8
$
g
2
2
8
S s.-c ix tete*- w?

14- >
!3CCl!C5S~JlfWpt^*-XX
-A '
te 3

8
SggSgggtf&itSg
z
8
S

8
* 3 S S-t-j s s --j g
!
i
i
-.1
5
85
ex
i:
-i -- ^ "- oso: -j
S
$
14
^ I
S I
8
5-1j*JOSX*^
-i --C ^i -t X *
--ei-icf.-iOa
te ^> x 5-1e-oc'i'
H
o
8
8 I
ce Si i* j xteopxxi
Z
s
ce
8

8
S=SS388^88S=8
Z: i: ~ -- ?- 14____________
|
a
I
-i

g
m o m- oa ^s *j ^a 9-90 ip- *4 n *j ^ s c^ * >*>
8
s
14
OS
ce
X
S8S83S8SaSS 1
14 i! tO 4 14 C.1 ti > I
S*-wmSS i-a 5 II
S K
^ se
14
OS
te

s<
*"Sxc.ix^ix
tf
8
X
: 14 14 14 14 14 14 14 14 14 ^

?s
te
i I
Si4 e ** *
-s OS ^1X ^CHOCOS .
I
1
Xii"*S.-! <--J
V.


-j occ x ce Si os x

8
S3g8S88S5Sa
i
?4
ilSs^^S5^3

1
f
;g
I

o?
i s
OO S9
r
1
3

e.
o
&
I o
1 < 9
M
8 g-
3 O ce
ce O.
C
es 9 I
3 3
ce B
s 3
1 a. o
o 0B ce
ce 0
m ES i-
s
p. o
o
en
14 14 14 '-i
-c 3 a
lii
-, O CD D
"> cd r* r-
"S s..
25o
c-ce ce
"cw
c ^ es
S n -i
** CD CP
2 SE
g||
o o
ia,
t* .
ES
-S
o p
en
ce; es
es eo en
-
p O O
S33
e:T
8
<
et. es
TsT
en eo
O.S.
CB CB
35 00
II
S.-3
es c
a.
CB
1
3 i
-
o
_
8
c
- I
91
3
3
r
3
<
3'
3
O
O
>-t
O
&-
O
w
o
en
0
00
00
00
Escada o alferes los Nicolao Ferreira Gomes em
substituicao do capito Zefermo Aureliano di' Fi-
guelredo Meli, que falleceu.
Para o lugar de 1." supplente do delegado de
Canhotinho o alferes Domingos de Oliveira Ca-
valcante, em substituicao do tenente Eduardo
Jos Alves de Mello, que foi exonerado.
Para o lugar vago de subdelegado do 1. dis-
tricto do mesmo termo de Canhotinho o tenente
Joao Auspicio Chaves.
Para o lugar de 1." supplente da mesma sub-
delegada Vespasiano Jos de Mello em substitu
Cflo de Jos Ignacio de Lima, que foi exonerado.
Para o lugar do 1." supplente do subdelegado
do 1. districto do termo de Gravata (Sant'Anna)
o actual 2. supplente Joao Tcixeira de Araujo,
em substituicao de Jcronymo Gomes da Silva, que
mudou-se do districto.
lara o lugar vago de 2. supplente o actual
3. supplente Antonio Cavalcante de Albuquer-
que que foi substituido n'estc ultimo cargo pelo
cidadSo Manoel do armo e Silva.
Ario* da previdencia Por actos da pre-
sidencia, de 17 de Dezembro findo:
Foi transferido para o servico da reserva, -
cando aggregado ao 1- batalhao. o capitao da 8*
companma do 3* batalhao da guarda nacional
Francelino Rodrigues de Moura, e nomeado para
substituil-o o alferes Aleixo Rodrigues de
Moura.
Foram reformados nos meamos postos os se-
guintes officiaes da guarda nacional :
fi7 batalhao de mfantaria
1' companbia
Capitn. Euproprio Rosalino do Espirito Santo.
2* companhia
Capito. Vicente Ferrer de Mello.
13* teccao de reterva
3* companhia
Capito, Antonio Rodrigues Carapeller de Mello.
Foram nomeados os seguintes officiaes para
a guarda nacional:
67' batalhao de mfantaria
1* companhia
Capito, Jos Goncalves de Fraga.
2* companhia
Capitao, Herculano Bandeira de Fraga.
5* companhia
Capito, Fructuoso Cordeiro Cavalcante Lins.
/S' secfo de reserva
3* companhia
Capito, Temoleo de Albuquerque Nascimento.
Foram nomeados. sob proposta do Dr. che-
fe de polica, Joo Florentino da Cunha Azevedo
e Jos Epaminondas da Cunha Azevedo, para os
lugares de subdelegado e Io supplente do 3o dis-
tricto (Serra Verde) do termo de Bom Jardim.
Foi determinado que nos vencimentos da pro-
fessora jubilada, Senhorinha Mara de Oliveira
Mello, seja computada a gratificago de mrito.
Por actos de 18 do mesmo mez:
Foi designado o 4 batalhao da guarda nacio-
nal do Recife para nelle ser aggregado o tenente
do 66 batalhao de Olinda, Theodomiro de Aze-
vedo.
Foi designado o 9 batalhao da guarda nacio-
nal para nelle ser aggregado o capito Henrique
de Barros Cavalcante.
Foi removida para a cadeira do povoado de
Areias a professora de Tigipi, Anna Francelina
do Reg Barros.
Foi determinada a cadeira de Tigipi para
nella ter exercicio a professora Julia Ayres de
Almeida Freitas, Meando sem effeito a portara
que a removeu para a cadeira de Marayal.
Foi relevada a multa imposta a Antonio Her-
minio de Senna, arrematante dos repares da
ponte sobre o rio Pirapama.
Foi autorisado o director das obras publicas a
rescindir o contracto celebrado com Antonio
Herminio de Senna, para os reparos da ponte
sobre o rio Pirapama.
Por actos de 19:
Fe i nomeado Adolpho Thiago de Farias para
o posto de capito da 1* companhia do 2* bata-
lhao de infantaria do Recife, em substituigao de
Antonio Machado Pereira Vianna, que foi refor-
mado.
Foi promovido ao posto de tenente do corno
de polica o alferes da companhia Deoclecia-
no Peixoto de Alencar.
Foi nomeado alferes da I* companhia do cor-
no de polica Ildefonso Carneiro da Cunha Albu-
querque.
Foi reformado o tenente da 2
Amaro e que limitar com o sitio Limoeiro pela
estrada que vai para Garanhuns at encontrar a
freguezia da Peora, d'alli seguir para o sul
limitando com a mesma freguezia da Pedra at
encontrar a fraguezia de Aguas Bellas, d'ahi
Sara o poente limitando com Aguas Bellas, at
achooeirinha, d'ahi para o norte at encontrar
a barra do Biacho Queimadas, e seguindo pelo
riacho cima at o sitio Limoeiro, ponto de par-
tida. _______________.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
16.205
6.815
56.947 Saceos
0 vapor inglez Palmas, leva 3965 saceos com
assucar mascavado para Liverpool.
Coaros
Houve vendas dos seceos salgados a 390 res e
dos verdes foi negociado um pequeo lote a
210 res.
Agurdente
Cota-se a 704000 por pipa de 480 litros nomi-
nal.
Alcool
Cota-se a 1254000, por pipa de 480 litros, no-
minal.
Mel
Ultimas vendas, 504000 por pipa de 480 litros.
Pauta da alfandega
SIMAN A i< 7 A 12 DB JANBHO D* 1889
Vide o Diario de 6 de Janeiro de 1889
Navios a carga
Barca norueguense Pnncessen, para Estados-Uni-
dos.
Barca americaua Mohican, para New-York.
Barca norueguense Mispak, para Cear.
Brigue portuguez Calada, para Lisboa e Porto.
Brigue portuguez Armando, para o Porto.
Lugar americano Walter Scamell, para New-
York.
Lugar nacienal Tiyre, para Uruguayanna.
Lugar americano Arthur C. Wade, para Estdos-
L nidos.
Patacho inglez Peggie, para Mentevido.
Patacho norueguense victoria, para Montevideo-
Vapor inglez Bellenden, para Liverpool.
Vapor inglez Architect, para Liverpool.
Xavlos a descarga
Barca portugueza frica, carvo.
Barca mgleza Beltrees bacalbe.
Barca portugueza Novo Silencio, varios gneros.
Barca norueguense Frida, carv2o.
Brigue allemo Astrea, varios gneros.
Lugar americano tf, & I. Btenderniman, farinha
de trigo.
Lugar portuguez Temerario, varios gneros.
Autor i iiade poliriae*Na mesma data
foram nomeados para os lugares de subdele-
gado e seus suppfentes, deste dovo districto, os
cidados Candido de Miranda Torres Galindo,
Francisco Tbom.de Oleira, Thomaz Pereira
da Costa e Flix Bezerra da Silva, na ordem em
que vo collocados.
Foram mais nomeados na mesma data :
Para 1. supplente do delegado do termo da
No lugar inglez Merritt, carregaram :
Para New-York, J. 8. Loyo A Filho 3,629 sac-
eos com 272.175 kilos de assucar mascavado.
Para o interior
No vapor inglez Estrella, carregaram :
Para Pelotas, J. J. Fernandes 100 barricas com
10,200 kilos de aesucar branco ; A. Guima-
res 300 barricas com 31,408 kilos de assucar
branco.
No vapor francez Ville d Santos, carrega-
ram :
Para Santos, H. Burle & C. 800 saceos com
48,000 kilos de assucar mascavado, 1,200 ditos
com 72,100 ditos de dito branco e 5,000 cocos,
fructa.
No vapor americano Finanve, carregaram :
Para Baha, C. M. da Silva 103 barricas com
10,800 kilos de assucar branco ; A. Guimares
barricas com 2,802 kilos de assucar mascavado.
No vapor amerieano Advance. carregou :
Para Para, T. de A. Souza 200 barricas com
12,250 kilos de assucar branco.
No vapor nacional Pirapama, carregaram:
Para Maco, E. C. Beltiao & Irmo 10 barri-
cas com 1 003 kilos de assucar branco.
No hiate nacional Dcus te Guarde, carre-
garam :
Para Cear, P. Carneiro & C. 200 saceos com
12,000 kilo de milho e 50 ditos com 3,000 ditos
de feiiio.
No hiate nacional Joao Valle, carregaram:
Para Cear, A. P. da Silva 150 saceos com
9 000 kilos de milho; Seixas Irmos 200 saceos
com farinha de mandioca.
No hiare nacional B. Jess, carregaram :
Para Aracaty, A. Pessoa 300 saceos com fari-
nha de mandioca ; P. Alzes & C. 10 barricas
com 753 kilos de assucar branco.
Na barcaca Flor de Mana, carregaram :
Para Mamanguape, P. Alves & C. 12 barricas
com 720 kilos de assucar refinado.
Rendimentos pblicos
MEZ DB JANBIH
Exportacao
1&9
KECIFE, !) DB JAIER0 DB
Para o exterior
No patacho hpllandez Margaretlta, carrega-
ram :
Para Rio da Praia. P. Carneiro & f. 250 bar-
ricas com 24,570 kilos de assucar branco.
= No brigue portuguez Cacilda, carrega
rara :
Para o Porto, P. Carneiro & C. 69 couros sal-
gados com 828 kilos.
No brigue wrtuguez Armando, carregou :
Para o Porto, L Lima 336 saccas com 26,157
kilos de algodao.
Renda geral:
Do da 2 a 9
dem de 10
Alfandega
320:1934246
38:1704896
Renda provincial :
Do (lia 2 a 9 48:0924228
dem de 10 6.3484129
Somma total
338:3644142
54:14043o7
412:8044499
Segunda scelo da Alfandega, 10 ne Janeiro
de 1889.
O thesoureiro -Flrencio Domingues.
O chefe da seccaa Cicere B. de Mello.
Recebedorla I-eral
Do da i 9 6:7454552
Idem.de 10 2:3594262
1 9:0044814
companhia
corpo de polica Joaquim Servulo Vieira
Paz.
Foram concedidos 2 raezes de licenca ao juiz
municipal de Tacara t, bacharel Joo Paes Bar-
reto Lins.
Por actos de 20 de Dezembro findo:
Foi exonerado, pedido, Elias da Cruz Ribei-
ro. do cargo de supplente do subdelegado do
Ia districto da freguezia da Boa-Vfsta.
Foram concedidos 2 mezes de licenca ao 3o
escripturario da Recebedoria Provincial, Jos
Torres Campos de Medeiros.
Foi permittido que entre si permutem as res-
pectivas cadeiras os professores de Bem-te-vi e
Surubim, Alfonso Monteiro Pessoa e Francisco
Marques da Trindade.
Foi mandado computar nos vencimentos do
professor jubilado Francisco Manoel Bezerra de
Va8concellos, a gratificaco de mrito.
Foi mandado rescindir o contracto celebrado
com Sebastio Cavalcante Lacerda de Almeida,
para exercer o cargo de monitor do Gymnasio
Pernambucano, e designado Alfonso Arthur de
Oliveira para servir as mesmas condices o re-
ferido cargo.
Recebedorla provincial
Do da 2 a 9 70:1914146
dem de 10 3:7434514
73:9344660
Reelfe Drainage
Do da 2 a 9 1:5534861
dem de 10 4314465
1.9854326
errado Municipal de s. don
O movimento deste mercado no dia 9 de Ja-
neiro foi o seguinte :
Entraram : -
24 bois pesando 4,877 kilos sendo de Ob-
ra Castro C, 13 1/2 e 10 1 2 de parti-
culares :
519 kilos de peixe a 20 res 104380
56 cargas de farinha a 200 ris 114200
13 ditas de fructas diversas a 300
ris 34900
12 taboleiros a 200 ris 2 400
- 16 suinos a 200 ris 34*)0
14 matulos com legumes a 200 ris 2480J
Foram oceupados :
27 columnas a 600 ris 16*200
1 escriptorio a 300 ris 300
25 compartimentos de farinha a 500
ris 124500
26 ditos de comidas a 500 rea 1340'JO
87 ditos de legumes a 400 ris 344800
18 ditos de suinos a 700 ris 124000
10 ditos de fressuras a 600 ris 640.10
10 tullios a 24 204000
1 dito a 14 14000
A Oliveira Castro & C. :
54 talhos a 14 544000
2044280
Rendimento do da 1 a 8 do cor-
rente 1:5644000
Foi arrecadado liquido at hoje 1:7684280
Precos de dia:
Carne verde de 320 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis dem.
Suinos de 560 a 640 reis dem.
arinha de 400 a 560 reis a cuia.
Milho de 320 a 400 reis dem.
Feijao de 800 a I420j idem.
Matadouro publico
Neste estabelocimentofoiam abatidas para o
consumo de hoje 63 rezes.
Sendo : 41 pertencentes a Olivoira Castre V
C. e 22 pertencenti'.- a diversos marchantes.
Destas foi urna para a caldeira pelo mo es-
tado da carne.
Vapores a entrar
MEZ DE JANEIBO
Norte......... Fin me........... H
Sul........... Advance........... 11
bul........... Alba ............. 11
Bul........... Ville de Maranhao.. 11
Europa....... Soraa............ 13
Norte......... Maranhao .. 14
Europa....... Ville de Cear 16
Por actos de 21:
Foi mandada suspender a execuro e labnwf
tida deliberaco do governo imperial, a resolo-
cao da Assemhla Provincial, de II do nwrnm
mez, aposentando os empreados da Secretaria
da mesma Assembla, Francisco Pacifico do
Amaral, Arcelino de Hollanda Chacn e Pedro
Bezerra Cavalcante Maciel
Foi exonerado, pedido, Joaquim;
Cavalcante Galvo do cargo de 1* sopfmi
subdelegado do districto de Nova Cruz do I
de Iguarasso, e nomeado para saltitnil-o o te-
nente Alfredo Floripe Teixeira do Amaral.
Seminarlo episcopal llrrihiTH e
agradecemos um exemplar impres
que foi publicado, contendo o resoltado dos i
mes dos alumnos do seminario Jim opal
Olinda e do coilegio diocesano, no fun do a
de 1888.
Fentividade rellgiona- A
administradora da capella de NossaSeabora i
Afflictos pretende solemnisar com pompa, n
domingo 10 de Fevereiro vindouro, a finta *
Nossa Senhora dos Aflictos, padroeira da res-
pectiva capella.
Faeuldn.de de ntretto Hoje se tari a
ultima chamada na banca de geometra.
Santa Casa de MloerleordiaEm o
pessoal soccorrido nos diversos estabdeeimes-
tos cargo da Santa Casa de Misericordia so
mez de Dezembro ultimo :
Uospital Pedro Q 4tf
Dito de Santa gueda (variolosos)
Dito dos Lazaros 40
Hospicio de Alienados
Asvlo de Mendicidad'' tJO
Coilegio de Orphas 199
Case dos Expostos :
A saber:
No estabelecimento (211
Em creaco
(123
333
Total
TS
Serviro mil llar -Esto designados baje
para superior do da o Sr. capitao Jorge Mora-
ra, e para ronda menor o Sr. tenente Leobdo
Augusto de Moraes.
A guarnico da cidade dada hoje pelo i*
batalhao de infantaria.
Commanda hoje a guarda da Thesouraria o
Sr. tenente Sebastio Goncalves da Costa.
Existem em tratamento na enfermara Ba-
litar 33 pragas dos cornos da guarnico.
Sua Exc. o Sr. presidente da provincia, en
data de 9 do corrente autorisou ao Exm Sr. ge-
neral commandante das armas a dar baixa do
servico do exercito ao reernta Cyrillo Vieira da
Silva.
O Exm. Sr. general commandante das ar-
mas, concedeu transferencia, conforme pedio,
ao soldado da companhia de cavailaria Maaoel
Joaquim Vieira, para o 14* batalhao de infaota-
ria.
Foram entregues companhia de cavaila-
ria, rubricados por S. Exc. o Sr. general com-
mandante das armas, os prets especiaes por du-
plcala, tirando a terceira prestagao de eugujado
do cabo de esquadra Bellarmino Cypriano de
Freitas, que nesta data escaso do servico do
exercilo.
Funcciona hoje no quartel-general o coaae-
lho de guerra a que est sujeito o 2* cadete Joto
da Costa Medeiros Sobrino, sob a presidencia
do Sr. tenente-coronel Feliciano Caliope Montei-
ro de Mello.
Club Internacional do medreAma-
nha dar este club urna reunio familiar, ha-
vendo depois d'eUa trem para Apipucos e bonds
para Magdalena.
Lanlerna Magiea Distribuio-se bootem
o n. 244 deste peridico livre e humorstico.
E' o primeiro do corrente anno.
TiroJos Vicente da Silva, tendo-se en-
contrado, no lugar Pao Secco, districto policial
da Vicencia, com Jos Cirino, desfecboa oeste
um tiro ferindo-o bastante.
Sendo o offensor preso pelo subdelegado res-
pectivo, proceden se a respeito na forma da le;
neceo do FariMio -Dizem-nos que no
becco do Evaristo, 2 districto policial da paro-
cha de S. Jos, contina reunir-se nm grupo de
vadlos, que, alm de offenderem a moral com
palavras que proferem e actos que praticam,
provocam desordens, das qnaes as Tezes resol-
tam contuses e ferimentos.
Chamamos para o faci a atteroo da compe-
tente autoridade policial.
Eamola Trouxcram-nos hontem 14000 pa-
ra a familia pobre do becco do Bernardo.
Mandamos cesa esmola ao seu destino.
Exameft primario* Na povoarao do
Caboclo, de Petrolina, em virtude da cirmar
expedida pela instrueco publica, em dala de
28 de Jullio. procederam-se os exames as es-
colas publicas no dia 26 do mez prximo pas-
sado.
Na aula do sexo masculino regida pelo pro-
fessor publico Genesio Libanio de Albuquerque
Monteiro, foram submettidos a exames tres
alumnos, dous dos guaes foram considerados
muito achantados no v grao eo outro adiantado
no !.
A commisso examinadora foi compoeta dos
Srs. Jos Luiz Gomes, delegado litterario. padre
Francisco Alvares Teixeira Lima, examinador
nomeado c o professor da cadeira.
Na escola do sexo feminino foi submettida a
exame urna flfhinha do professor Libanio. a qoal
foi considerada muito adiantada~no 2* grao.
Sul........... Par----
Europa....... Elbe.....
Europa....... Hamburg.
Sul........... La Plata.
Norte......... Alagos ..
Sul........... Manos..
17
It
I
Vapores a sabir
JCEZ DE JANEIBO
Sul.......... Ville de Santos..... 12 as 11 b.
Norte........ Adcanee.......... 12 as 5 h.
Sul.......... Finance .......... 12 as 4 b.
Havre e esc.. Vle de Maranhao.. 12 as 2 h.
Cear e esc... Pu-apama ,........ Itas 5 h.
Valparaso ,.. Sorata............ 13 as 11 b.
Sul.......... Maranhao......... 14 as 5 h.
>antos e esc- Ville dd Cearr..... 17 as 8h.
Norte........ Para............. 18 as S h.
Buenos-Ayrcs. La Plata.......... 20 as II b-
.-antos e e;c Hamtmrg.......... 3' as 5 h.
Sul.......... logos........... 24 as 5 h.
Norte........ Momos........... 28 as 5 h
noviiaento do porto
Navios entrados no dia 10
Havre e eescala23 das, vapor francez Vilk V
Santos, de 1,008 tonelodas, commandante k,
Tanquerey, equipagem 35, carga varios gene-
ros ; a Auguste Labille
Apia (no Pacifico) 90 dias, brigue allemo .-t'-
I ea, de 290 toneladas, capito A. Held. eqm-
pagem 8, carga cocos e algodao; ordem
Cardiff-31 dias, barca, norueguense /Inte, de
381 toneladas, capito K. Rasmussem. eqsi-
Fgem lo, carga carvo de pedra: a Johnston
ater & C.
Maco 10 dias, hiate nacional D. Julia de 80 lo-,
neladas, mostr Laurentino F. da Costa, equi-
pagem 5, carga sal ; a Bartholomcu Lomt-
co.
Santos20 dias, escuna americana Mmcy Smitk,
de 419 toneladas, capito (i. S. HodgkMoa,
equipagem 9, em lastro; a Heir Peralrr
&C. M__
Buenos-Ayres33 dias, barca mgleza Jfcr Ho-
garlh, de 587 toneladas, capitto R Han
equipagem 12, em lastro; a Johnston Palor
&C.
Rosario de Santa F- 31 das, patacho inades
Sunshine, de 359 toneladas, capito WiOmm
Simpson, equipagem 8, em lastro ; a Boxwei.
& C.
Sahidot no mesmo dia
LiverpoolVapor inglez Palmas, commaodc
John Evans, carga varios gneros.
LiverpoolBngue allemo Astrea,
Held, carga cocos e algodao.
AracatyHiate nacional Bom Jess, _
rentino Jos de Macedo, carga varios foser
Cear Hiate nacional Deus te G-art, mesare
Joo Antonio de Moura, carga varios gen
Observa$ao
O brigue allemo Astrea, aniboc a este f^^
para tomar man ti rae i
Liverpool.
mesare Lsc
q,,,, damamanal


Diario de PernambucoSexta-feira 11 de Janeiro de 1889



i
I
I

Directora claa obnu
rae mi fwm de re
fe, 9 de Janeiro de 1889.
*Boletim meteorolgico
Reci-
toras || Barmetro a 0 Tensao do vapor |
a
6 tu. 6-a 761-76 19,69 77
0 8-6 76M7 80,39 I!
11 30-- 76-351 J0>7 66
3 t. 9"-3 761-43 20,92 69
J7-8 760-68 20,36 73
Temperatura mxima30,75.
Dita mioima 25.75.
Evaporado em 24 horas-ao sol; 8-,6 ; a som-
bra : 4-,l.
Chuvanulla. ,.
Direccao do vento: ESE de meia notte at 1 ora
e 25 minutos da manha ; ESE e E alternados at
5 horas e 25 minutos ; E at-9 horas e 43 minu-
tos ; ESE at 5horas e 13 minutos da tarde; SE
at meia noite.
VeJocidaue. media do vento: 2-.58 por se-
gundo. V
Nebulosidade media: 0,47
Boletim do porto____ ______
11 i=l Dia Horas 11 8 da manha 4 35 da tarde 11-10 5-21 da manha
P. M B. M P. M. B. M- 9 de Janeiro 10 de Janeiro
Altura
1-.99
i-,07
-,00
l-.Ol
A VBRDADB DMLIIA
Por mais que facam os crticos graciosos, cuja tarefa rezume-se simplesmente
a destruir aqaillo que nSo sabem nem podem construir, em cortos casos impotente
a maledicencia d'essas demolidores perversos.
O seu traball.o, louge de prejudicar, mais um incentivo para quo a verdade
brilhe radiante, ofluscando-os com a intensidade da sua luz.
De todas as classes sociaes, desde o opulento at o proletario, desde o maior
talento ate intelligencia menos culta, todos, porfa, encarregam se de vir dar um
solemne desmentido a essas crticas graciosas.
O documento que se vae 1er um attestado que falla mais alto do que tudo
quanto podamos ass jverar.
Eil-o:
< Illm. Sr. Jis Alvares de Souza Soares.Devo tima resposta a seu favor.
Fal-o-hei em poucas palavras, mesmo porque verdade nao mister coloridas ima-
gens, para impor-se soberana, escudada as manifestares da opiniao universal.
Eraanay&o da conscicncia, d'esse foro intimo de cada individuo, onde se azyla, ella
surge pura e inmaculada.
A sua preparac&o Peitoral de Cambar um poderoso remedio contra as
enfiermidades do pe o.
c Attesto-o pelos resultados que tenho collado em pessoas de minha casa,
esse pequeo scenario, onde, como pai de familia, posso com certeza rcconhecer
quaes os medicamentos uteis e pro ve it osos.
c Minhas fillias usaram por algum tempo do Peitoral de Cambar, de sua
invenc&o, e fcaram complentamente curadas de ua tosse pertinaz e perigosa.
c Faca destai linbas o uso que quizer.Sompre as suas ordena encontrar
Joaquim Napoleao Epaminondas de Amida. (Ex-director de collegio, em Pelotas, e
hoi'e advogado em Big, Rio Grande do Sul.)
lieileEffectuar-se-ho os segnintes:
Hoie: ,-
Pelo genle Britto, as 10 12 horas, a ra do
Yisconde de lnhauma,de movis, perfumara, ter
jenos, alagados, etc.
Pelo agente; Burlamaqui, as 11 oras, a ra
da Aurora n. 109, de movis.
Pelo agente Pinto, as 11 horas, na ra do Mr-
quez deOIinda n. 52, de um cofre e objectos de
eacriptorio.
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, no arma-
' lem do Sr. Annes, de barris com.carnc de porco
salpresada.
AmanhS :
Pelo agente Pestaa, as 11 horas, amado
Imperador n. 49, de movis pianos, espelhos,
tile
Pelo gete Brito, s 10 t(2 horas, ra da
Santr Cruz n. 16 da armacao e gneros ah exis-
tentes, .* i u a
Hiwmm fanefercSerao celebradas :
Hoie: ,
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista pela alma
deD. Luiza F. P. ( avalcante de Albuqusrque La-
cerda.
Amanliii :
A's 7 horas, na Ordem 3 do Panno, pela alma
do teoente Bento de-Soua Mira ; s 8 horas na
igreja do Corpo Santo, pela alma de D. Adelaide
Theodolina de Brito Mesquita.
Prkmki in>-Sabido para o sul no vapor
alemo i ara nagua :
Auguste Krohn.
Chegado da Europa no vapor francez Ville de
Santos:
Camonis Eugene.
Cana de DetencoMovimento dos pre-
sos da Casa de Detenco do dia 9 de Janeiro
de 1889.
Existiam 439 ; entraram 7; sahiram 12 ; exis-
tem434.
A saber:
Nacionaes 401; mulheres 12 ; estrangeuos 21.
Total 434.
Arracoados 384.
Bons 362.
Doentes 22.Total 384.
Movimento da enfermara.
Tive alta:
Manoel Luiz de Franca.
pical Pedro n0 movimento deste
estabelecimento de caridad e no da 8 do cor-
rente foi o seguinte:
Entraram 18
Sahiram
Falleceram 3
Existem &2
Forara visitadas as respectivas enfermaras
pelos Drs.: _. _
Moscoso s 8 lj2. Barros Sobrmho as 6 3|4, Be-
rardo s >0 12 horas.
Nao compareceram os Drs.:
Estevao Caval -cante.
M alaquias.
Cvsneiro. ^_
Simoes Barbosa.
O cirurgio dentista NumaPompili nao com-
O pbarmaceutico entrou s 81(4 da manh e
sahio s 4 da tarde. M
0 ajudante do pharmaceutico entrou s 7 i|
da manh e sahio s 4 horas da tarde.
Lotera do raa-Para-A 2" parte da
24" lotera, dessa provincia, cujo premio grande
120 OQOOOO, ser extrahida, terca-feira, 15 do
corrente.
SSo agentes ileste preparado os Srs. Franeisco Manoel da Silva & C. ra
Mrquez de Olinda n. 23, que o vendem a 2(5500 o frasco.
n
PDBLICAvOES i PEDIDO
Commisso pernamhucana para
representar da provincia na
exposleo universal de Pars.
PEOGRAMMA DA ABEBTOBA DA EXPOSI5XO
PBVIA
No dia 13 do corrente, ao meio-dia, no salo
da Imperial Sociedade dos Artistas Mchameos
e Liberaes, presentes os Extns. Srs. presidente
da provincia, commandante de armas, governa-
dor do bispado, chefe de polica, ser inaugu-
rada a exposigo, sendo oradores officiaes por
parte da commisso "o Dr. Jos Eustaquio Fer-
reira Jacobina/e por parte da Imperial Socie-
dade Jos Castor de Araujo Souza.
Em seguida dar-se-ha a palavra aos oradores
das difTerentes associacOes e a qualquer que se
inscrever at a vespera noite na secretaria da
commisso.
Fi ma a inauguracao e depois que a exposico
fr aberta pelas autoridades e convidados, ser
franqueada ao publico.
A exposico continuar aberta nos dias 15, 17
e 20 do corrente, das 6 horas s 9 da noite.
As commisses e todos os mais membros da
commisso de exposico devem reunir-se no
edificio da sociedade, s 10 horas da manha.
Foram nomeadas as seguintes commisses:
De convite
Os Illms. Srs.:
Barao de Casa-Forte.
Dr. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Dr. Vicente Ferrer de B. W. Araujo.
Commisso para preparar o edificio
Os Illms. Srs.:
Comraendador Joo Fernaodes Lopes.
Comraendador Anlonio Gomes de Miranda Leal.
Coronel F. P. Bolilreau.
Andr Mara Pinheiro.
Alfredo Ducasble.
Jorge Bott.
Telles Jnior.
Francisco Augusto Perreira da Costa.
Commisso de recepeo
Os Dlms. Srs. :
Commendador Joseph Krause.
Fraucisco Gurgel do Amaral.
Coronel F'raza de Oliveira.
Julii) Fuerstemberg.
Flix de Valois i orreia.
Francisco da Costa Ramos.
Flix Venancio de Cantalice.
Anselmo Avres de Azcredo.
A commisso de recepeo flea encarregada da
fiscaliiaco dos objectos expostos.
Recie, 9 de Janeiro de 1889.
Visamde da Silva Layo,
Presidente da commisso.
Manoel Genfolves Agr,
Presidente da Imperial Sociedade.
O Grande Premio
Na roa Formoza a. 33, ha emprc grao-
de qtitioado doraT0 faranoo a
nado'pan ftiater.
Transcripto do Jornal Offi-
cial de 11 de Setembro de
1888.
Inspectora eral de Hygtene
Em virtude do quo dispSe o art. 66 do
regulamento que baii.ou com o decreto n.
9,554 de 3 d Fevereiro de 1886, a Ins-
pectora 6eral.de Hygiene faz publico pelo
praso de oito dias, que o cidadao Alfredo
de Barros lhe dirigi, a seguinte petigSo
com documentos que satisfazem as exigen-
cias do art. 65 do citado regulamento :
Alfredo 'de Barros residente na villa de
Floresta da provincia de Pernambuco,
vein de conformidade com o art. 65 do de-
creto n. 9,554 de 3 de Fevereiro de
1886, requerer a V. Exc. que lhe conceda
Ucenca para abrir una pharmacia. na mes-
ma villa, apresentando como prova de
suas habilitares os documentos juntos.
Nestes termos. P. deferimento. E.. R.
M.-Florosta, 17 de Abril de 1888.-
Alfredo de Barros.Sobre urna estampi-
lha de duzentos ris.
E declaro que se :iesse prazo nenhum
pharmaceutico formado lhe communicar
ou a inspectora de Hygiene da provincia
de Pernambuco a re-.olucao de estabelecer
pharmacia na citada localdade, conceder
ao pratico a licenca requerida.
Inspectora Geral de Hygiene, 6 de
Setembro de 1888.
Dr. Pedro Affonso de Carvalho,
Secretario.
'JStUgJOC-'---------------
>. O I
Aarna Florida de Jlurray e Lniiman
Os perfomes compOem a parte potica, a ver-
dadeira -poesia do toilei. e as senhoras de ele-
gancia e refinados gostos sao de ordinario mais
ou menos fastidiosas e dificultosas de contentar,
relativamente aescolha (lestes artigos.
As bellas habitantes da America do Sul, as
quaes sao perfeitas conhecedoras de taes objectos,
teem dado pora mais de 20 annos esta parte,
urna decisiva preferencia esta refrigerante e
odorfera agua para o toucador.
Ella tem sido fabricada quasi que exclusiva-
mente para o consumo da America Central e do
Sul: porm bem pouco tempo ha que nestepaiz
se fez a descoberta da sua avantajada supenori-
dade sobre os perfumes de urna qualidade imper-
feita e demasiadamente oppressivos importados
da Europa ; em consequencia. pois, deste novo
augmento em seu consumo, os proprietarios es-
to erapregando todos os seus esforgos aiim de
satisfactoriamente suppnrem to vasto pedido.
Alera de suas muitas viitudes, em qualidade de
um delicioso e vivificante perfume ella torna-se,
quando misturada n'uma pouca d'agua, urna ex-
cellente preparaco para a pelle; assim como
pode servir como urna admiravel lavagem para
os denles e gengivas, deixando um agradavel e
aromtico chairo na bocea.
Como garanta contra as falsicacSes obsrve-
se bem que os nomes de Lanman & Kemp ve-
nharn estampados em .etras transparentes no
papel do vidrinho que serve de envoltorio cada
garrafa.
Acha-se venda em loiias as boticas e lojas de
perfumaras.
Aula particular mixta
Rita N'eves, participa ao pubco em geral e
em particular, aos pais de suasjalumnas que a
sua aula acha-se aberta desde o dia 7 do corrente.
Recebe alumnas inte -as. As mentalidades
sao pagas adiantadas, pelo prego mais razoavel.
Hua da Saata Cru a. **
----------*-soee>e^----------
Era, ha muito, conbecido o oleo de fi-
gado de bacalho, mas at hoje se ignoro-
rava a caus da sua accSo, attribuida por
uns ao oleo branco, e por outros ao tri-
guciro. Os rececentes trabalhos do emi-
nente professor Gautier, communicados
Academia das Sciencias e a Academia de
Medicina, em 16 e 17 de Julho de 1888,
demonstram que a actividade do oleo pro-
vm dos principios activos alcaloides ex-
istentes no oleo trigueiro, e nao no' bran-
co Estes principios fictivos foram desco-
bertos 'e extrahidos pelo Sr. Chapoteou
com o nome de Morrohuol e residem em
pequeas capsulas redondas, as quaes sup-
primem todo o cheiro, representando 25
veezs o seu peso do oleo. O Morrhuol
abre o appetite, restitue aos tsicos as c3-
res perdidas, debella a tosse, os suores
nocturnos, e d ao paciente a sensacSo
d'um augmento de forjas e bem estar;
tambem modifica rpidamente a constftui-
cSo das criancas lymphaticas e rachiticas,
sem provocar nauseas, nem accidentes,de
diarrhea.
Louvado seja Deus
Nasceste? em toda parte menos no Rio
Formse
Assimquer o nossso diocesano;' anno
passado tivemos missa de natal porque os
habitantes deram cem mil res ao sacerdo-
te que a mandado de S. Exc Rvma. veio
reger estp freguezia, este anno nlo tive-
mos missa taita de um sacerdote me-
nos irascivel que o actual regente padre
Francisco Verissimo Bandeira.
O)llegio Atheneu Brasileiro
do oilclo< aatlfa
Aeadeamla
0 director deste collerio commumea aos paia
de as airamos e ao ptibUco, que os trabalhos
do anno lectivo vio comscar.qmata-feira 10 (do
corrente.
J. H AcaaS Ribeiro.
Instituto i 9 de Abril
Roa do Hsxpi lo n. IO
As aulas deste estabelecimento de educaco a
de instruego primaria e secundaria, acham-s
abertas desde o dia 7 do corrente.
Recifc, 9 de Janeiro de 1889.
O director,
Bacharel Luiz Porto Carreiro.
DECLARAQOES
Instituto dos Profsseores de
Pernambuco
De ordem do Sr. presidente deste Instituto con-
vido a todos os socios a se reunirem no lugar
iln costume s 10 horas do dia 12 do corrente,
afim de eleger-se o conselho administrativo que
tem de dirigir o Instituto no corrente anno, e to-
mar-se outras medidas de interesse social.
Recife, 10 de Janeiro de 1889.
O Io secretario,
LranquUino da Cruz Ribeiro.
Imperial Sociedade
DOS
Artistas Mchameos e
Liberaes
Iiiiioi -< i<> Paen Mendonca
A directora desta sociedade convida a todos
os senhores socios, parentes e amigos do seu
nunca esquecido consocio Innoceucio Paes Men-
donga, assistirem a missa que por alma do
mesmo manda celebrar sexta-feira 11 do cor-
rente, s 7 horas da manh, no convento de S.
Francisco-; confessando-se desde j grata pelo
comparecimento de todos a este acto de religio
e caridade. Recife, 9 de Janeiro de 1889.
Francisco da Costa Ramos,
1- secretario.
11 ir I ;
5?&0W112MIM!
Para
a
20.a corrida que deve realisar-se
Domingo 20 do corrente
1." PAREOConsolarlo 850 metros. Animaea. da provincia que anda nSo
tenham ganho premios. Premios : 200)J0O0 ao primeiro, 50fJ000 ao se-
gundo e 200000 ao terteiro.
2. PAREOCentro Telegraphieo1.500 metros. Animaes nacionaes de
meio sangue que n5o tenham ganho premio n'esta distancia. Premios:
300)5000 ao primeiro, 750000 ao segundo e 300000 ao terceiro.
3. PAREOAnlmaco1.000 metros. Anmaos da provincia. Premios : 2000
ao primeiro, 500000 ao segundo e 200000 ao terceiro.
4." PAREOFerro Carril1.400 metros. Animaes nacionaes at meio sangue.
Premios: 3500000 ao primeiro, 800000 ao segundo e 350000 ao
terceiro.
5." PAREOPrado Pernaaabucano1.600 metros. Animaes de qualquer
paiz. Premios 5000000 ao primeiro, 1250000 ao segundo e 500000
ao terceiro.
6. PAREO -Iniprensa Pernaubneana1.200 metros. Animaes da provin-
cia. Premios: 250$000 ao primeiro, 600000 ao segundo e 250000 ao
terceiro.
7." PAREO. de Julho1.200 metros. Animaes de menos de meio sangue.
Premios : 3000000 ao primeiro, 750000 ao segundo e 300000 ao terceiro.
Observac,oes
Nenhum pareo se realisar sem que se inscrevam animaes de tres proprieta-
rios differentcs.
Para o 1." pareo s ser3o acceitas s 16 primeiras propostas abertas.
A inscripcao encerrar-se-ha na secretaria do Prado ts 6 horas da tarde do dia
15 do corrente.
Recife, 10 de Janeiro de 1889.
O secretarlo,
Francisco de Souza Res.
Great Western of Brasil Rai-
Iwaj Company Limited
Aviso
Durante as novenas de S. Severino, que se
venera na capella do engenho Ramos, em Pao
d'Alho, os trens ordinarios pararo em frente a
mesma capella. Recife, 10 de Janeiro de 1889.
Jason Rigbey,
Superintendente.
S. R. J.
Sociedade Rorrea! I va Juveiilude
Sarao em 12 de. Janeiro de 1889
Por iniciativa de alguns socios ejiara solem-
nisaro2- anniversario da fundacao da banda
musical, realisar-se-ha no prximo sabbado um
sarao dancante, para o qual anda recebem-se
notas de convites nesta secretaria. A' pessoa
alguma ser perraittida a entrada sem ingresso,
devendo os senhores socios pagar antecedente-
mente a respectiva quota para poderem obtel-o.
Previne-sc que absolutamente nao se admitem
Secretaria da Sociedade Recreativa Juventude,
7 de Janeiro de 1889.
A. Monleiro,
1 secretario.
Irmandade de Santo Amaro
das Salinas
De ordem do irmao juiz, convido a todos os
nossos carissimos irmios a comparecerem em
nosso consistorio no domingo 13 do corrente,
pelas 9 1/2 horas da manha, afim de em numero
legal, procedermos a eleico dos novos funecio-
narios que teem de reger esta irmandade duran-
te o anno comproraissal de 1889 1890.
Secretaria da irmandade do Glorioso Santo
Amaro das Salinas, 9 de Janeiro de 1889.
0 escrivio,
Heleodoro Jos da Silva.
Companhia Alagoana deFia-
Convidamos aos Srs. accionistas desta
companhia para de accordo com os arta.
9 e 10 dos estatutos, at o dia 10 de Ja-
neiro do anno vindouro, realisarem sua
2a entrada na razao de 10 0\ do valor das
a95e8 subscriptas no Banco Internado
nal do Brasil em Pernambuco.
. Macei 10 de Dezembro de 1888.
Os directores,
Jos Tnixeira Machado.
Jos Januario P. de Carvalho.
Propicio Pedrosa Barretto.
De ordem do Illm. Sr. Dr. inspector
fafo publico que no dia 14 do corrente "ir
de novo |A praca, conforme resolveu o
Exm. Sr. Dr. presidente do provincia o
arrendamento da saleta que serve de bo-
tequim no theatro Santa Izabel, servindo
de base o alnguel annual de 5010000.
Secretaria do Thesouro Proyincial 10 de
Janeiro de 1889.
O oficial,
Lindolpho Compeli.
Imperial sociedade dos Ar-
tistas Mchameos e Li-
beraes
De ordem do nlm. Sr. director, comido a to-
dos os senhores socio effectivos, honorarios e
' bemfeitores a se reunirem na sede social do
mingo 13 do corrente, s 10 horas da iranhl,
ara assistireo a abertura oienaie da expsico
previa exposico univera. de PtrU.
i Recife, 10 de Janeiro de 1890.
O secretario,
Francisco da Costa Rami
r
Sociedade Liberal Uniao
Beneficente
De ordem do Sr. presidente sO convidados os
senhores socios quites para reunio de nova as-
sembla ceral, pela quinta vez, para erapossa-
mento da nova administraco, domingo 13 do
corrente ; se porm, no caso de nao comparecer
o presidente eleito, far-se-ha nova eleico para
Sresidente, empossado m acto continuo, segun-
o accordo da assembla de 6 de Janeiro. Outro-
sira, no caso de nao comparecer numero legal
para assembla, o presidente far seguir os tur-
nos competentes.
Secretaria da Sociedade Liberal Unio Bene-
ficente, 10 de Janeiro de 1889.
Manoel da Costa Pialho,
1 secretario
Hippodromo do Cam-
po Grande
O thesoureiro desta sociedade declara aos se-
nhores que se propozerem empregar-se na casa
das apostas, que desta data em diante, de ac-
cordo com o uisposto no 4 do art. 12 do cdigo
de corridas, s admitte empregados que prestem
em dinheiro a anga arbitrada pela directora.
Recife, 7 de Janeiro de 1889.
Luiz de P. Lopes. ,
Companhia de trilhos
urbanos do Recife a
Olinda e Beberibe
Domingo 13 do corrente
Estando annunciado para domingo a
festa do Monte e ao mesmo tempo corri-
das no Hippodromo do Campo Grande,
vigorar nesse dia a presente tabella :
Trens ordinarios
ManhaDa8 5[4 s 10I[2 e aomeio dia.
Tarde-Das 2 1[2 s 9 lj2 da noite.
Trens extraordinarios
ManhaDo Recife ao Hippodromo s
10, 11 e 11 li2 horas.
TardeDo Recife ao Varadouro e do
Varadouro ao Recife, s 3, 4, 5, 6, 7 e
8 horas.
Do Recife ao Hippodromo s 12 li2, 1,
1 Ii2, 2, e do Hippodromo ao Recife s
12 3i4, 1^4, 13t4, 21(4, 51j4, 6 lj4,
71i4.
Do Recife a Olinda Beberibe ,, e vicc
versa, percorrer toda linha um trem fa-
zendo paradas em todas as estacSes s
10 1[2 da noite.
AttencSo
Ostrens ordinarios de 21j2s 8 li2 da
tarde entre Olinda e Recife, chegarSo ap-
ate a estacao do Varadouro.
Os trens extraordinaaios entre o Recife
e o Hippodromo, pela manhS, serao expres-
sos na ida, de JoSo de Barros em diante e
na volt a, at o Recife.
A' tarde serao expresaos at o Recife
na vinda, e at o Hippodromo na ida.
Os trens extraordinarios do Varadouro
ao Recife e do Recife ao Varadouro se-
rio expresaos at o Hippodromo s 3,
4 e 5 horas, e at a Encrurzilhada s 6,
7 e 8 horas, sendo entSo o servco do Hip-
podromo, s 5 Ij4, 6 14 e 7 Ij4; feito por
um trem especial.
Os trens ordinarios tocarSo em todas as
estacSes do costume, parando em Belm
em frente da nova estacSo.
. O gerente da companhia se esforjar
para conseguir que este horario aejaperfei-
tamente cumprido. Pede por isto aos Srs.
passageiros do Hippodromo que, munidos
desta tabella, tomem o trem com a devida
firesteza, pois a partida nSo poder abso-
utamente ser demorada.
A grande afluencia de romeiros que,
cada anno vSo ao Monte, poder em todo
caso introduzir alteracito, por forca maior;
se isso, porem, se der, fica certo o geren-
te que seh-c-ha com plena desculpa dos
mesmos passageiros.
Escriptorio do gerente, 10 de Janeiro
de 1889.
A. Pereira Simdes.
Hipofane do Campo tolde
A directora do Hippodromo do Campo Grande,
no intuito de facilitar a concurrencia pan o dia
13 do correte, raaolveu fuer urna redueco nos
precos dos bilhetes, pela forma segrate : urna
archibancada com entrada no ensilhawBtoSM.
Um bilbete de archibancada para cavalkiro com
4 para seanoras 5*000.
0e*retano,
Ftrreira /autpm-
< omiiiissiii pernambotana para re
preaentaco da provincia na Ex-
liosico de IHS!
A pedido de muitos expositores foi transferi-
da a abertura da Exposico previa para 13 do
corrente, ao meio dia. Recife, 4 de Janeiro de
1889.
Visconde da Silva Loyo,
Presidente da commisso.
*~fc-3kr
Companhia dos Trilhos Ur-
banos do Recife a Olinda
e Beberibe.
Paga-se o 28 dividendo da companhia,
em seu escriptorio da ra da Aurora, de
segunda-feira 14 do corrente at sabbado
19, das 10 horas do dia ao meio dia.
O dividendo de 8 0 como nos semes-
tres anteriores. Igualmente se pagarSo os
juroB das acjBes preferenciaes e das ac-
eites obligatorias, que deverSo ser apre-
sentadas.
Depois do dia 19 serao taes pagamentos
feitos as tercas-feiras e sabbados que fo-
rem dias uteis, e as mesmas horas.
Escriptorio do gerente 10 de Janeiro
de 1889.
Antonio Pereira Simdcs.

MARTIMOS
Royal Mail Steam Packet
Companhia
O vapor Elbe
Commandante Armstrong
Espera-se da Europa at o dia 18 de
Janeiro, segu,ndo depois da demora
do costnme para
Baha. Rio de lanelro, Monte-
vdeo e Bueno*-Aj res
Para passagens, fretes e encommendas trata-
se com os AGENTES.
O vapor La Plata
- Commandante A. H. Dyke
E' esperado do sul no da 20 de Ja-
neiro e segurado depois da demora
necessaria para
S. Vicente, Lisboa, Southampton e An-
tuerpia
ReduccSo'de passagens
lia Ida e volta
Ai Lisboa 1* classe t 20 30
A' Southampton f classe 28 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pernambuco.
Para passagens, fretes, encommendas, trata-se
domos
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
COMPA.\HIA l'KWMBMWI
DE
Navegaeo eostelra por vapor
Para Fernando de Noronha
E ROCCAS
O vapor Jaguaribe
Commandante Monteirc
Segu no dia 12 de Janeiro s 12 ho-
ras da manha. Recebe carga at o
dia 8.
Passagens at s 10 horas do di da sahida.
ESCRLPTORIO
Ao Baes da Companhia Pernambucama
n. 12
COMPANHIA PKB1VAMBUCA1VA
DE
XaTegaeo eostelra por Vapor
PORTOS DO SUL
e Aracaju
O vapor Mandahu
Commandante Alcides
l
Segu no dia 16 do corrente as
.* horas da tarde. Reuebe car-
at o dia 15.
CHARGEURS REUNS
Companhia Prtfa
DE
Navegaran a vapor
Linha quinzenal entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro e
Santos.
0 VAPOR
Ville de Maranho
Commandante Breant
Espora-se dos portos do
da 11 do corrente, se
depois da indispensavel i
para o Havre tocando em
Manoa*
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellente3 cominodog e ptimo pas-
sadio.
As passagens podero ser tomadas de ante-
mfo.
Offerecendo-se mais aos viajantes paraPark
bilhetes de caminbo de ferro do Havre a Pars.
Recebe carga, encommendas e paseageirot
para os quaes tem excellentes accoinmodacoes.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se o AGENTE.
O VAPOR
Ville do Cear
Commandante Lainev
E' esperado da Europa al o dia M
do corrente, seguinuo depoig da i
dispensavel damora para a
Babia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelo*
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvareagat
qualquer reclamacao concernente a volumes qoe
porventura tenham seguido para os portos da
sul afim de se poderem dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o referido pjazo a companhia nao se
respansabilsa por evtravior.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Angoste Labille
9 RMA DO COMMEBCIO 9
EneoBiawadas, paisageas dinheiro i frete,
at is 3 horas da larde do dia da partida.
EiCRIPTORIO
Ao: Cae da. Companhia' Pernrmbueaaa
n. 12
coNPi\uit PmWBiAWM DE
IVaregaeo eostelra por n
PORTOS DO NORTE
Parhyba, Natal, Maco, Mostoso, Araea-
ty e Cear
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 12 do corrente as I
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 11.
Encommenda?, passa?ens c dinheiro? afrete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambueana
n. 12 .
Pacific Steam Navigation
Company
STRA1TSOFMAGELLAN UNE
Paquete Sorata
Espera-se da Europa al o dia
14 do corrente c seguir depois
jda demora do rostum<' para Val-
'paraiso por
Bahia, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Wilson, Sons k C, Limited
14 RA DO COMMEBCIO 14
I Iff'tW K
Companhia Brasileira de
Navega^ao Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E esperado dos portos do sol at o
dia 17 de Janeiro e segurado depoi?
,da demora indispensavel para os
'portos do norte at Manos.
As encommendas sao recebidas na agencia
at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
PORTOS DO SUL
O vapor Maranho
Commandante o eapitSo de fragata Pedro
Hyppolyto Duarte
E' esperado dos portos do norte at
o dia 14 de Janeiro e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul.
Recebe tambem carga para Santos. Santa Ca-
marina, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande *
Sul, frete mdico
As encommendas s serio recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, passagens. encommendas e valo
res trata-se com os AGENTES.
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=*6
1 andar
Porto e Lisboa
Segu para os portos cima a barca porta
za Novo Sttencio.recbe carga; a tratar cornial
ter, Oliveira 4 C. Ruado Vigario n. 1, andar
M Mossor e Maco
ws
^Segue com brevidade para os portos cana t>
hiate nacional Victoria; pata o resto da carga
trata-se com o mestre bordo, caes do Loro, oo
ra da Moeda n. 14.
LEILOES
Sexta-feira 11 deve ter lugar o leilao de a
veis de casa de familia bem como 1 cofre, car
teira, armacao e mais objectos de escriptorw.
Agente Brito
Leilao
de commodas, solas, cadeiras de amareUo, coa
solos, secretarias, camas francesas,
cao, carteiras, marquezas, grande _
miudezas, perfumaras, jarros, copos, _
para kerosene e carbnico e ontros artgoe
se venderao ao correr do martella
Em continuacao vende-sc ama canea l
reir.
Um terreno alagado com cento e tantos
de frente e mil e tantos de fundo, n-
rial, entre os terrenos do* Srs. Candida
Um dito, ra Imperial, com 43
frente e 1 de fondo, cercado, com u_
4aipa dentro do meamo, no concr dobeceo
%Uarenfo.
essa-felra i Ido
ras
L' tim Vimme Jk Htmma*. 4$
dr
do
f

J


Diario de PernambucoSexta-feira 11 de Janeiro de 1889
Agente Burlawapi
LeHao
exta-felra. 11 da car rente
As 11 horas da manha
Na ra da Aurora n. 109 G., residencia do
engealieiro Pedro Leopoldo da Silveira, de
bons, no vos e modernos movis.
O agente cima por conta e ordem do Dr. Pe-
dro Leopoldo da Silveira, que se retira para a
provincia da Bahia, vender em leilo, os movis
seguintes:
Urna mobilia de junco nova n. 2. 1 espelno
acurado grande, toilet, cama franceza, bidet, lava-
torio com tampo de pedra, guarda roupa, cabi-
des, cadeiras de balanco, relogio de parede, mesa
elstica, aparadores, banca para escriptorio, t-
peles, candieiros e muitos oulros artigos novoe
que estaro a vista dos Srs. licitantes. Vender
mais duas vaccas de leile com crias e de boa
qualidadc.__________________________
Leilo
De um cofre, I armaco, i carteira, fiteiros,
balcao, repartime3to de escriptorio.
Sexta-feira 11 da corrate
Agente Pinto
No annazem da ra Mrquez de Olinda
n. 52
Em eonnuaco
Leilo
De pianos, mobilias, quadros, iarros, loucas,
vidros, 2 guardu-loucas, 2 mezas elsticas, appa-
radores, l guarda-vestido e muitos outros mo-
vis de casa de familia.
PKOSPHATINA FALIERES
Omellior Alimento
3?avra. m CRIANCAS
rAW, e. avbiti viotoma,,pj
hfMUititWaai
Leilo
De cerca de 40 barris com carne de porco
na salmora
EM LOTE8 A VONTADE DOS COMPRADORES
HaJe, 11 da correte
A's 11 horas
No armazem do Sr. Atines, defronte da
Alfandega
POR INTERVENCAO DO AGENTE
Gusmo
Arente Pestaa
Leilo para liquidacao
De 1 mobihade oiticica, 1 piano de Jacaranda,
mesas elsticas, carteiras de amarello, cadeiras
de junco, commodas de amarello, espelbos dou-
rados e muitos outros objectos que estarao pa-
tentes ao acto do leilo.
Sabbada 1* da carrate
A'811 horas
Na amazeM a ra da Impera-
dor a. i
AO CORRER DO MARTBLLO
Agente Brito
Leilo
De urna armacao e seus uteacilios, pipas ar-
queadas, azeite de carrapato e outros artigos
existentes na casa ra da Santa Cruz n. 6;
garante-se a casa, tendo a mesma bons commo-
dos para familia e o local excellente para ne-
gocio.
Sabbada 19 do carrate
A's 10 lj2 horas
Leilo
De excellentes carros, bons cavallos, ar-
reios e mais pertences da cocheb-a do
caes do Capibaribe.
Tercn-fe'ira. 1A da carrate
A's 11 horas
O agente Pinto, legalmente autorisado levar
a leilo em um on mais lotes, os carros, cavallos
e pertences da cocheira do caee do Capibaribe,
a qual est bem montada e afreguezada.
Os pretendentes poderao desde ja apresenlar
aias propostas.
AVISOS DIVERSOS
Aluga se casas a 8#000 no becco dos Coe-
hos, junto de S. Goncallo; a tratar na ra da
niperatriz n. 56._________________"_______
Precisa-se de um menino para praticar em
taverna, preferindo-se do mato; no becco das
Carvalhas n. 1. _
Precisa-se de um criado de 12 a 14 annos,
para casa de familia; a tratar ra do Barao da
Victoria n. 39, loja.
Precisa-se de um criado para sitio ; a tra-
tar na estacSo da Jaqueira. __ ____
"" Precisa-se de urna boa engemmadeira;
tratar na ra da Matriz da Boa-Vista n. 9.
AMA Prectsa-se de urna, para cosinha1"
em casa de familia ; a tratar na ra do Cabug
numero 26. ________
" MMeavi T. A. S. quTyenha aca-
bar com o seu negocio, negocio serio, isto ha
. um auno e tanto, sem que se publicar todo este
enygma. ,
I
Adelaide TUeodoltnda de Brito
Meetiuia
Antonio Botelho Pinto de Mesquita, Maria Cor-
deiro de Mesquita Lima. Theodolina Amelia de
Brito Mesquita, "Elvira Eielvina de Mesquita Bn-
to, Veriato Xavier da Silva Brito Dr. Cactano
Xavier Pereira de Brito, Antonio Agripino Xa-
vier de Brito (ausente), coronel Candido Xavier
Pereira de Brito (ausente), Arminda Brito de S
Pereira (ausente), Maria Carolina de Brito Car-
valho, esposo, ihas, genro, irmios, tiose sobri-
ahos de Adelaide Tbeodolinda de Brito Mesqui-
ta, agradecem do intimo d'alma aos parentes e
amigos que acompanharam ultima morada o
corpo de sua idolatrada esposa, mi. sogra e r-
ma, e convidara de novo assistirem as missas
Jue por alma da mesma fozem celebrar na igreja
d Corpo Santo, s 8 horas da manh de sabba-
do 12 ao crtente, stimo dia de seu passamen-
to, expressando-Ihes desde j sen eterno re
conbecimcnto por ease acto de religio e cari-
dade^^^^^^^___________________
t
m. lau.za F. Cavaleaale de Al-
liuqarnpir Iacrda
Luiz F. P. Cavalrante de Albuquerque Lacer-
da e sua irma D. Maria Anna F. P. Cavaicante de
Albuquirque Lacerda, Dr. Francisco de P. Ro-
drigue? de Almeida, sua mulher e lilhos, agra-
decem s pesseas que se dignaram acorapanbar
ao cemiterio publico os restos mortaes de sua
mi, sogra e av ; *e novamente as convidara
assistirem as missas que serao tebradas no dia
11, pelas 8 horas da manha, na matriz da Boa-
Vista.
MA NOTICIA AGRADAVEL
PARA OS DOENTES DO PEITO
Vndese, n'esta capital,na drogara dos Srs.
FLMM111M SILVA K
1 lll IAIQIII SI DLIIB1 as
O maii poderoso especiado contra a toase, rouquid3o,*perda da vos, irritacao ou inflammacSo da laringe, broncbta aguda cu
brocica, es arros de singue, dor a fraqaesa do peito, tisica pulmonar, asinina, coqueluche e todas as eniormidades daa vise
respiratorias. 7
PEITORAL DE CAMBA
DESCOBEETA E PEEPABACAO DE
Jos Alvares de Souza Soares
Fundador e proprietario do grande estabklecimbnto aqhico-indstrial o PARQUE PELOTENSE, exprcssamente
reado para *\*V.%\ 9 I^VIS**^ fcfc %*.%%.%*. e WfcSl.^ST.aa %Ma%t*lWl%M %%9 %%tm%%.
aa cidade de Pelotas (Rio Grande do Sul).
HcItor.il de Cambar, approvado pela Exma. Junta Central de Hjgiane Publica do Rio de Janeiro, autorisado
por decreto Imperial de 30 de Junbo de 1884, premiado com duas medalhaa de ouro de 1.* olasae p-la Academia Nacional dt
Pars, e jury da Expofiicao Brasil-ira-AUeml de 1881, est reconbecido como urna deacoberta do magna importancia para
' umanidade soffredora.
Este precioso medicamento de effeitos admiraveis: alvia promptamente as fosaos doforotas, tornanden-as
brandas deapeitorauteB at cural- s ;
Fu diminuir at deaappareoerem os aceessos aathmatlcoa mai terrveis ;
Combate enrgicamente a tialca pulaanaar, os esearres de aangaM, assim como a bronchife, a coque
laehe, rouajld;io, deflaxo, etc., de urna forma rpida e radical.
O doente, em aso do Peitoral de Cambar, nota logo o apparecimento do appetite e dan forcas perdidas.
Este importante medicamento, que tanto se tein oelebriaado por sua grande eficacia e consumo progressivo em todo o
Imperio preparado em urna grande e especial fabrica, que tem sido repetidamente elogiada pela imprensa e Hcha se rodeado- d<.*
nais importautea attestadoa de distinctoa medios e de innmeras peasoas caradas de graviasimas entermidades, como ae 6 do
tolheto que acompanba cada frasco.
/ Vendendo ae n'esta cidade um medicamento de tal importancia, cumplimos um dever de humanade, indioando-o aos
loentcB do peito e vias respiratorias, na corteza de Ibes aoonaelbarmos o mais seguro meio de readquirirem a sade perdida.
2500 o frasco, 131000 112 duzia e 24*000 a duzia.
Mais lima Descoberta!
E' prodigiosa
O maravilhoso sabao russo, em poneos
annos tem firmado o seu crdito, por toda
parte onde apparece confirma os seus pro-
digiosos effeitos. Alm de nuitae outras
molestias, serve com seguranca para as
seguintes : reumatismo, dores de cabeca e
ouyido, inflamacoes de olhos, contus8es,
queimadura, ulceras, mordeduras de in-
sectos venenosos, empigens, dartros ery-
sipela; para o toucador de inteira neces-
sidade, para amaciar a pelle, fazer barba,
tirar caspas, e para o banho.
Nao ha igual
A venda naconbecida casa de porfuma-
rias e modas.
Pedro Intime* de C 8
RA DUQUE DE CAXLA.S
Pao centeio
Mille & Bisel, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
boroso pao ; ra larga do Bosario n. 40.
T ypogaphia e Lilhograpbia
FABRICA DE UVROS DE ESCRIPTU-
RACAO
Premiada mis exposices de
188* c 1885
Manoel J. de Miranda
Encadernacao e especialidades em- cartoes de
risitas.
39-Rua Duque de Caxias-39
Telephonen. 194.
Criado
Precisa-se de um criado ; na ra de Paysandn
numero 19.
Camellas do Monte de Soccorro
Compra-se cautellas do Monte de Soccorro de
qualquer joia, brilbantes e relogios; paga-se
bem na Praga da Independencia n. 82, loja de
relojoeiro.
Cozinheira
Precisa se de urna boa cozinheira que durma
em casa dos patrOes, para casa de pequea fa-
milia, na roa do Conde da Boa-Vista n. 24 F.,
porto de ferro.
Vino e Xar opo de Dusart
AO LACTO-PHOSPHATO DE CAL
Approvados pela Junta d Hygiene do Rio-ds-Jaiieirti.
O Laeto-Photphato t cal, que entra nr compcsic3o do VINHO e do XAROPE
de DUSART, o medicamento mais poderoso que se conhece he]e pur* restaurar
as forcas de cortos doentee.
Consolida e endireita os ossos das crean-.as Rachtticat,, torna activos e vigorosos
os Adolescentes mollea e lymphaticos e os .ju> a achij fatigados em consequencia
de rpido cressimento. Facilita a cicatrisagao das cavernas do pulmSo nos Tuteo*.
Sendo administrado s saulheres durante a gravidez ellas atravessao todo o periodo
da gestacao sem a menor fadiga, sem nauseas, eein vomi-'os, e dao a la a etvancas
fortes e vigorosa*
O Laeto-Phosphato di sal administrado s orno a s maes qv.e crio os (Ufaos,
torna o leite mais rioo, mais nutctvo, e preserva as creancas da diarrha e de outras
molestias, que ae declarao dui inte o desciment. A dentico opera-se sem tagt r a
creanca, sem que apparecae convulsoet.
O VINHO e o XAROK de Laeto-Phosphato de cal da OUSART despendo o
appetite e levantao aa forcas dos convalescentet o leven) ser e-npregados esa todos
W otaos eos que o corpo humano se acnar fiUig.W', ou erihaurid.- c fcf""*.
Deposito em Pan/. FUNDIGAO 6ERAL
ALLAN PATERSON & C.
N. 44Ra do BrumN. 44
JUNTO A ESTACO DOS BONDS
Tem para vender, por precos mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
' Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para iardim.
Varandas de ferro batido. j.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalha.
Vapores de f'orca de 3, 5, e 6 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e assentamento de machiniamo e executam qual-
trabalho com perfeicSo e prestesa.
quer
"~7^|jASDOE8 de Oejyrfc.^
. gk K J POR MEIO OO KPUMO D03 W ^ SS
fi^ Elixir, 1*6 e Pasta dentifrioios ^"^1
DO
RR. PP. BENEDICTINOS
Falo Prior
Plerre aomUAUS
da ABBADIA de SOULAC (Gironde)
DOM MAGUELOPTNE, Prior
* Mertalha* ele Ouro: Bruxelles 1880Londm 1884
AS MAI8 ELEVADAS RECOMPENSAS
""^r0 1373
O uso quotidiano do Elixir Dentilricio
dos RR. PP. Benedictinos, com dose da
Iguraas gottas com agua, prevem e cura a carie
dos dantos, embranqueceos, fortalocendo e tor-
nando as gengiras psrfeitamento sadiaa.
Prestamos um verdadeiro servico, assigna-
lando aos nosso leitoree este antigo e ntilis-
simo preparado, o melfaor curativo o o nico
preservatiTO contra as AfieccSes den-
tarias. >
Agente geral: SEGUIN, BOROEAUX
tcha-te m todas sou Perfumirim, Phtrmtcltt Drofirlti.
5ociedade Beneficente Luso
Brasileira
t
VeaMBite'BeBito fe 8ooa Bfrrav
A sociedade Beueflcente Laso Brasileira ten-
do de mandar celebrar urna missa por alma do
leu consocio Bento de Souza Myra, no dia lid
corrente, na ordem terceira do Carmo, as 7 ho-
ras da manha, convida aos seus cnsonos, p-
renles e amigos da finado ; confessando se des-
de j grate i todos aqnelles que assistirem a
ate actO;___
PEREIRA & MAGALHAES
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidam os seguintes artigos com descont de 14 [0 as
vendas em grosso
Bramantes de algodao superiores,^ 800 rs. o metro, 4 larguras,
dem de puro linho fazenda de 25200 para acabar a 1(5500, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 e 10200 o dito.
AlgodSo alvo, nacional, para lences a 50500 a peca.
MadapolSo americano, a 30600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Marpozas de cores a220rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idem a 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito.
Idem.de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichus de renda chics a 10000.
Colchas francezas de cores a 20000 e 40000, runa.
Lences de bramante a 10800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupa de crianca a 10000 e 10800, diagonal, duaa
larguras.
Camisas inglezas e francezas a 260000 e 300000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandes, a 140000 um.
Cortinados ricamente bordados a 50500 e 60000-
Fannos de cores para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veludilhos de cores e pretos a 900 rs. o dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 e 560 rs. o dito.
Setins de todas as cores a 900 rs. o dite.
Setinetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglezas para homem a 20500 e 30000 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito.
Cortes de caaemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de meia casemira a 20000.
Toalhas grandes para rosto a 40000 a duzia.
dem felpudas para banho v 120000 a dita.
muitos artigos que serlo lembrados com a presenca de nossos leitores.
59Ra Duque de Caxias^59
LOJA DE
PEREIRA HA6ALHAES
vi IT-B-I A-N N U B -I A'N N U-B I A
NBIAN
ttSTHi & CfefRMO
Curados pelos CIGARROS ESPIC
OpprettsOejt Toaste Defluacos Aevralgiom
UCKKCIADOn PBLA IMSPECTOUA Di HY0IENE DO IMPERIO DO DKAZ1L
Asplra-se a fumaca que penetra no peito, acalma o systema nerToeo,
facilita a expectoradlo e favorlsa as funeces dos orgos respiratorios.
taotHJO. J- EEPIC, CO, ra fc.l-Uozar, m Parta. Bxija-t* uta autgiuUura,
kmftmtmami : FRAMO M. . de todor. ob Peiiumiatas o Gabelleireiroa
rtc Franca e do Bstnuigciro
N U. B. I. A N
GRAXA LIQUIDA IMPERMEAVEL\
EUPREOA'-aE SEM B6OOVA0
O m&gniOco LUSTRO d'esta araxa,
conservase durante tuna semana,
aeja qual fr o tampo.
BA L AfOfA L 8L OSS Gamma lustrosa elstica para as Bol tinas das Stnboru. I
APPUOA-BE OEM ESOOVA* I
PASTA UHCTUOSA, em oaizas da folha do aandroo, tai qu*J\
o entregue ao Bxercito Ingle*.
THE MUBMAM HANUH COMW L, 0, HOUtf Lttf, kONDHEE O.
AflenM frraca m PERNAMBUCO :
QuImarnE \ Pariran.
N U B I A-N
m.
VINHO DEFRESNE
TOHI-NUTiriVO
COK
,PERTONA
Ho te PrpUnaa Oefnoue- 6 o mala precioso us louicos couteic a
Obra muscular, o terro aematloo e o pUoepalo Qe cal da carne de vacca, e o uiuco
raconsUtulnte natural e completo.
jci tveHe* finito, que desparta o appeMte. restltoe aa forcas ao esto-
rnaao e meinora a dlgest*". como recoiM'atote lucomparael. ao por Isso que
aruS-rra o cemento plasUco aos msculos que suau a consumpcao. colore o
aaauae dyscraslado oeU anemia, prense os desTios da columna vertebral.
Guando Defresne rcsoleo o jrande probtema ae digerir, tora do carpo humano,
a carne de Tacca e de a transformar, com o auxilio da Pancreatina, em um liquido
alimenticio, a Heplcna. os proiesaores da Escola de Medicina e ob mdicos da
iurinna e doa Hospltaes de Para; se apresaaram em experimentar este pre-
cioso nutritivo no doentos e conTalescentes e o resultado fol 4 aopoto ojyioutt
da Peoton* Defresne eoi todos os Hoapltes C|rla e Militares. _^-
O rtnho fe fopUntn Defroone lmflheee em todos os casos de affeccoes
das rtaa dlgOstiTas e de enfermidades de frma deprUnente, agudas ou eh^la,
como as dispepsias, ulceras do estomago, etc., e no marasmo, chlorose, aispete,
cachala tsica pulmonar, etc. Derem usal-o egoalmente as peseoas d' conaUtulclo
dblTaacrlanoascija saude e poU em risco pelo creecimento rpido, aa maens
rulo Tluor comprometlldo pelo trabaliio do aleltamento. __
C^ Emum o Vtnhm *o JVptoay /><->Vene conem emtodoi os cauce ea rae
lmpresclndlel restabelecer, toaeter e augmentar as forcas, cuer estejamos
OUU&To ISuSTreParadoV do Vtnho*, Pop tono, cuidado m. u imlt.coea.
AVkXitf.KmtotMumtltteniUu*
fbtmteittatPMO
^v
Criada
gfis di glrii no*tsptcial
MUtPaHa.00 COM BISHUTHO
CZEEo TF'A.'V, Perfumista
lataa tus la a>i-sr, ^=A^2iS
Na ra da mao n. ti, precisa se de nma
criada para cuidar de duas enancas, de 5 e 3
annos de idade e que saiba engommar, prefrre-se
idas*.
Sitio
SAWA^ASA DE MIZEMCORDIA
Alnga-se por 35*000 mensaes un bom sitio
paitante arborisado, com excallente casa de mo
rada, em bom estado de conser*acao, no- apra-
siTfi arrsiwite Pannunelrim, junto a (lo.
Vinho de Collares especial e
da Madeira
Fm decimos e caixa de dazia, tem para Ten-
der Joaquim da ^ilva Carneiro. largo do Corpo
Santo n. 13, 1- andar.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, pro-
poe-se a leccionar em eoilegios e easas particu-
lares as seguintes materias: Portugnesv Ffan-
cei, Masica e Piano; a tratar na roa Visconde
de Albwpierque n. 10.
0 PEITORAL dzCEREJA
Do Dr. Ayer.
Ai i uferml* I m.ii > moa r faStai g. lila o i!os |.'iij..vc, inl i limaiifaj
s, teodc por principio bates p*qi
recitados nao to ilimei i* le corar M
.-nenia se trilito com o remedio ooareatanti
o progruso poda ser d^adoio a irinon tata!.
' U'KeErlodoE o be Toase* rectproeaaaemCe
.-.snitajlo de Larinaill*. AMlsina, ltrnitata,
Affeccso Pnlmonar e a Tlalna.
Todas as iamillaa %a* V 1.1 txiaafaa dr.-n te
0 Peitoral ^e Ceicja do Dr. Aya
em coa* para o usar m cato C*. bcccssttea. A
pertla de um jl, pode m mnitOB casM asean
l*r Krion cdifCiiiiiicia. I'r lanu. rub> m 4n
rler terhpo j>r&-\o9ot r.pcraMtJn>j
eficacia darldosa, tmqmunlo que *
tiade so apoden* do systjtu. e ae arragav p
mente, t entAo qnesc neccita tomar neaaw JaaaaaMgy
o remedio muU certo e acti?> ein sea c4Mto, a*a>
rrmedo srm dardA aljama o P: itobai. Cav
CtMM-fk DO i>IU AVFR.
rBKP4BAPO PtLO
JDB. J. C. AYER ;e CA,
IiOwell, >Iass., E. U. A.
V renda na* aEtaalf ce paaarmm 'm i
Chapeo de sol de seda
preta
Perdeu-se no trem de domingo ultimo, de II
e 43, em Apipucos : restituicSo roa da Ste-
dade n. 50.
Merceara Equidade
Riia de Borlas i. .
Grande vari da de de vinhos engarrafados, pm
commodo preco, e superior qualidade. rtcrJrnt
directamente, como sejam: vioho de Pasto, Col-
lares, Figueira, Verde, Palhete, Moscatel, Malrar
sia. e outro sem igual, especial para senbora.
Vende-se superior carne secca de porco,
do sertao, vinho fino do Porto a retal no.
Fabrica de Vidros
193 Raa d Aurora 193
Expoe venda em grosso
e a retalho os productos de
seu fabrico: sendo
Copos com e sem pe, ditos
com aza para cerveja, cau-
ces, globos, chamins, frascos
para botica etc. etc.
Precos sem competencia
Ingl
ez
Em virtude de ter sido mnito proenrado e na*
podido satisfazer aos pedidos de todos, naasM
chamar um collega da Inglaterra (Mr. Diek} M
j se acha no caso de receber discipulos m av
glez pratico.
/. Fanstone, ra do Procralo n. t.
Mb, J. FairsToan, tendo de modincar a bata de
seus discpulos para o poto anno, pede i
Exmas. familias e senhores que tm-o honrado
no passado que commoniquem-lbe os sena deso-
jos para que elle nao falte na attencSo derid
aos Illms. Srs. seus discpulos.
Os Srs. dontores desta praca que teobata ea-
nhecimento de ingtez e que queiram se oymtLi
goar na pratica, dirijam-se a J. Fanstone, n. S i
ra do Progresso, ou na casa Evanglica n. 4, 4
ra estreita do Rosario.
Tambem para maior commodidade daa i
soas empregadas no commercio tenho i
abrir um curso nocturno de ingkez pratica. %
qual fnnccionar no 1 andar da casa n. i, a ra
estreita do Bosario.
Ms, Giorgs K Naro, nico professor america-
no da lingua ingleza, pode ser procurado nos
sabbados ra Conde da BoVista n. sobra-
do defronte da estacao da ?oledade.
A -
Precisa-se de urna ama que cosinbe besa. \
casa de familia ; a tratar na ra Duque de
xias n. 93.
Dnqoe de Ca-
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro que lenba pratica
de molbados e que d fiador sua conducav; a
tratar na ra de Santo Amaro n. 6, Uverna.
Caixeiro
Precisase de um menino de Iz i IV
com pratica de molhados ; na roa dos
pes n. 49-A
Para oDerby
Carlos Sinden receben grande
to de gravatas e camisas de corea
para os amadores do Prado e est
do por precos sem competencia.
Receben tambem collarmboa
de borracha de formatos novoa.
48BA BARAO DA VICTORIA -48
Cosinheira ectiado
Precisa-se ; na ra Vetba u. 137. sendo o cria-
do menino ou rapas.
Professora
Urna senhora competentemente habilitada,coa
pratica.de ti annos de profissao, apr
diversos attestados de bom metnodo e i
meato, offerece se para leccionar em
ticulares, na cidade ou em seus arrabataVa
guintes materias: Portufmes, Fraoeea, L
Geographia, fiano, trabalhos de agulba, ete.; a
tratar a ra Visconde de Goyanna n.
casa do -Regulador da Mannharaa
Rosario n. 9.
Criado
Precisa-se de nm criado que d ftadnr!
conducta : na ra Duque de Caxias a 7*.
meiro andar._______________________
O cavallo Pisa Flores'
Fica transfenda para correr com a
teria de 60:000 do corrente ~
Caixeiro
Precisa-se de nm raixeiro de 11 i Mana
que tenha alguma pralici de molhaanB; a
na ra de S. Jorge n. 89.
rm.
Aluga-se a casa n. 16-C rea _
antiga do Desuno, na Boa-Vista
travesea do Freitas, antiga do
Jos, por 16/000, com S salas, 3
dor separado, cosinha tora,
chave asta junto, e
mero. 61






Diario.de Pernambuc*o---Sexta-feira 11 de Janeiro de 1889
I
Aluga-se
.' andar da casa ra da Aurora n. 81 (junto
i estaciio da estrada de ferro de Olinda), com
grandes comraodos para familia ; a tratar no es-
c-lpiorio de Sebastlo de Barros Barreto, ra
do Boro l i andar
Alug-se barato
Ra do Rosario n. 39.
Viscondc de Goyanna us. 16J c i
Baixa Verde n. 1 C. (Capunga).
Ba Visconde de Itaparica n. 43, arma
A ra do do Calaboeo n. i luja.
Largo do Corpo Santo n. 13 andar.
Ra Santo Amaro 14 1 andar.
Ra Viaal d Negrciros n. 45.
Trata-se na ra do Comniercio n. 5, 1.* andar,
escriptorio de Silva Guimares & C.
Carolos de algodo
Compra-sc careaos de algodSo ensaccados, en-
tregues nos armazens, ra do Baro do Trium-
pho ns. 10,12 e 14; ao prego de 380 reis por 18
Kilos.
Caixeiro
Precisa-.^ de um menino de 12 14 anosn de
idade, com alguma pratica demolhados e que d
conhecimento de sua conducta ; na ra de S.
loao n. 12.
Anaa
Precisa-se de uroa oosinheira : na ra Duuue
ixiaa n. 44, loja de fizendas.
Ama
ftrecisa-se de urna ;una para cosinhar em casa
de pouca familia ; na ra do Culdeireiro n. 1,
obrado.


Li


mm
Precisase de urna ama para casa de pequea
familia ; na ra de Peysanu n 19.
Ama
rrecisa-se de urna amr para comprar e cosi-
nhar para casa de peuca familia : a ra da Pe-
ona n. 21, 2 andar.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 10 12 anuos,
com pratica de molhados e que de fiador sua
conducta : a tratar na ra (onde da Boa-Vista
n 87. prefere-se hrasileiro -
Aviso
Aos Exms. Srs. paes**de fa-
milias
~ O professor titulado Joo Fcixeira Bastos, con-
tinua a leccionar nao s emeasa de sua residen-
cia, como cm casas particulares as materias, que
constituem a instruccao primaria das 3 s 6
horas da tarde.
Curso especial: portuguez, francs, gcogra-
pliia e historia das 4 s 6 da tarde.
Aula nocturna das 7 s 9 da noitc.
Meusadade adiantada feita no acto da matri-
cula.
N. 7 ARuado Caldercro>.
Na ra Formosa n. 8, precisa-se de urna boa
cosinheira
sasa.
e engominadeira, e que durma em
Ama
iadi
Ama
Precisa-se de urna una para cozinhar para casa
de familia; a tratar na ra dos Guararapes n. 88.
Ama
Precisa-se de urna ama para engommar em
casa de pouca familia ; a tratar na ra Duque
de Caxias n. 48, loja.
Vapor para eogenho
Vende se urna machina a vapor de forca de 4
ca val los e era perfeito estado ; a tratar na ra do
Apollo n. 30,
tarde.
1 andar, das 11 horas s 3 da
Ama
Precisa-se para comprar e cosinhar para casa
de familia de tres possoas : a tratar na ra Uu-
que de Caxias n. 43 loja.
Ama
Precisa-se de ums ama; na Camboa do Carmo
n. 3, i- andar.
7 A
triado
Precisase de um rapaz at lo airaos
na Travessa do Corpo Santo n. 27.
a tratar
Abertura daula
O actual professor publico primario da 1' ca-
deira da Boa Vista desta .cidade scientilica a
quem interessar possa. que, no dia 17 do vigente
mez, iniciara seus trabamos lectivos na Praca do
Conde d'Eu, n. 28, pavimento terreo.
51 s*
Clia prelo superior
Carlos Sinden avisa seus amigos c fre-
gnezes em geral que recebeu pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por pregos mais resumidos em vista
da contnuagAo do cambio favoravel.
Convem que experimenten!.
48 RA DO BARAOp VICTORIA 48
Caixeiro
Precisase de um menino de 10 12 annos de
idade, que tenha pratica de taverna e que soja
fiel na ra Imperial n. 158. ____
Pulseira perdida
Gratificase bem a pessoa que teudo acaado
urna pulseira de cabello com atacador de ouro,
for leval-a a ra da Alegra n. 13.
FOLHETIM
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar : na ra Nova n. 20, loja.
Ama
Precisa-se de urna ama para todo servico de
casa de pequea familia ; na ra Direita n. 93,
2- andar.
Terreno barato
Vndese barato, ou permuta-se por urna casa
na freguezia da Boa-Vista ou da Grapa, de va-
lor correspondente, um grande terreno na ra
Imperial, defronte da casa n. 320 (centro), com
335 palmos de frente e fundo para a estrada de
ferro de S. Francisco, cujos limites atravessa;
Eroprio para edifleacao e com capacidade para
ons viveiros.
No Caf Ruy, ra .do Barao da Victoria n. 56,
se indicar as pretendentes a pessoa com quem
ita.
0 BAZAR DO RCIFE
Esta bem conhecida loja de miudezas e
artigos de modas recebeu da Europa bo-
nito sortimento de artigos para a festa,
saber:
Bonecas vestidas moda do Pars.
Diversos brinquedos para enancas,
Lindos leques de phantasia.
Costureiras com msica.
Caixinhas de setim com perfumee.
Elegantes estjos para toilette.
Primorosos cartSes de felicitacSes.
Porta-relogios para toilette.
Caixinhas para joias.
Estjos para escripturacSo de senhoras.
Perfumaras dos melhores fabricantes.
Um variado sortimento de miudezas.
O BAZAR DO RECD7E
11RA DO MRQUEZ DE OLINDA 11
Domingos n. Martlns
{P CLEFSV tne-ss en. tad a crt*
Taverna

Precisa se de una ama :
Santo Amaro n. 6, 1 andar.
a tratar na ra de
Amas
Na ra da Palma n. 40, precisase de duas
amas, urna para cojinha e outra para amamen-
tar urna crianca.
Vmas
i
Precisa-se de duas amas pasa casa de peque-
a familia, sendo urna para cosinha 8 outros
serviros domestico!., e de outra para lavar e en-
gommar : na ra do Imperador n. 40.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 12 14 aunoS de
idade, com praitca de taverna e que de fiador
de sua conducta ; na ra das Trinchciras nu-
mero 23.
YENDAS
Vende-se una mesa com duas gaveta.-.
torneada, uns livros de reza, romances e estu-
dos, tambem vende-se um tnico para segurar,
nascer o cabello, e evitar dr de caneca ; na ra
Mrquez do Hcrval. loja n. 23, se dir quem
vende. Assim como urna senhora habilitada se
offerece para ensinar em casas particulares,
Portuguez, Francez, Italiano e trabamos de
flores.
Vende-se um cavallo de sella, de baixo a
meio. vindo ha pouco do sertao, e urna burra
para todo servido : a tratar na Nova Descoberta,
cocheira de Manoel Joaquim, ou no Paco da 1 a-
tria n. 5.
Vende-se um estabelccimento de molhados
com proporces para grande negocio ; na praca
Conde dTEu n. 18. _____
Vende-se urna parte no engeuho Destrro,
freguezia de Iguanissi'i, faz-se todo negocio, e a
renda de muitos annos ; a tratar na ra da San-
ta Cruz n. 8. __ ______
Vende se um i taverna no bairro da Boa-
Vista : a tratar na ra da Irapcratriz n. 55.
Vende-se a biin localisada taverna da ra
Visconde de Goyarna n. 62 : a tratar na mesma.
a
POB
JULIO MARY
TERCEIjRl PARTE
HONRA POR HONRA
Vende-se a taverna sita ra da Santa Cruz
n. 36. pelo dono precisar de rctirar-se para fra
a tratar de sua sade a tratar na mesma.
, MMfMlllll m lili i l i X^. Jt.1i 1 ,1"
21
-rneodcns t fea Uafrtttto z Btnkt da fflffeb
ao Exerciio e ta Mirinht briti.nr.lca.
ftRAIXA mmm LW!Ij
ORAIX^pastaUNCTUOSA
OLEO para ABBBX08
EUntocq-Jir.ecesurio parnir.j.;iilonfaij cour i
sos toda: as formas.
DKPCSITO OBAI. BU LONOHIC :
07, Hlgh Bolborn, 97
KSperna:bi:O- r?..".l: K.(ia STLVA 6 CJ>
Vende-se
urna parle da propriedade Caraba Torta, na
comarca de Nazerett;*os senhores pretendentes
podem dirigir-se ra Barao da Victoria n. 38,
nde achara com quem tratar.
6.
0 mellwr enfric/o
a
lili de
0
9
nipreada coa
Odontalina
nut kitmm. mattHn cammi d bocc
Cimento
Vendem Fonseca Irmos, no largo da Alfan-
dega.
RA DO CRESPO
Oliveira Campos & C.
WOTCDABBS
Cortes de vestido em cartUo com mnita
fazenda todos enfeitados a tiras bordadas,
cachemira, jour, zephiro, ninon e cam-
braia branca de 8(5000 a 350000, um.
Romeiras, pellerinas, voltas e peitinhos,
-de vidrilhos, ultima novidade, de 6)5000 a
120000 urna, sSo lindas.
Zephiros de cores padr3es alta novida-
de a 500 rs.
Merinos de c6res todos em quadro a
320 rs. o covado.
Cortinados bordados de crochet para
cama.
Colchas de aeda para noivos.
Veos e capellas o que ha de mais novi-
dade.
Capas pretas, mcrinn, cachemira e gor-
gorSo, todas ricamente enfeitadas.
Espartilhos para senhora, de 40000 a
6)5000 um.
Fustlo branco, de 400 e 500 rs. o co-
vado.-
Musselina branca para casaco de senho-
ra a 500 rs. o covado.
Manteletas de cor, arrendados, a 1$ um.
Merinos lisos, todas as cores, de lilpura,
a 500 e 800 rs. o covado.
Esguiao de linho pardo para vestido,
muito largo, a 400 rs. o covado.
Batistes de cores a 160 rs. o covado.
Zephiros de c6res, padrSes mimosos, a
200 rs. o covado.
Meias cruas, brancas e de cores para
senhoras e criancas.
Ditas para homeni.
Colarinhos, punhos e camisas para ho-
rnera.
Atoalhado lavrado, linho e algodo, pre-
go barato.
Sortimento completo de diversos tecidos
que liquidamos sem reserva de preco.
OLIVEIRA CAMPOS & C.
Vende-se
urna casa terrea no bairro da Boa Vista, em bom
local; a tratar no Pateo do Carmo n. 3, botica.
(Continuac,2o do n. 7)
Mas cm vez de ir para os seu3 aposen-
tos, como fazia todos os dias, deseen, atra-
vessou o jardim fechado por muros e in-
ternou-se no bosque...
A noite adiantou-se...
Estava tudo calmo... as batera tinham
emmudecido.
Claudina adormeceu perto de Luciana,
mas a sua preoccupacJlo acordava-a a cur-
tos LntcrvaDo3. Inclinava-se sobre a ir-
m<"i, e se esta achava-se acordada, interro-
gava-a :
Queres beber ? NAo precisas de na-
da ?
N'uma occasiAo em que estava assim
acordada, ouvio de repente, e nSo muito
longe, mas entretanto em pleno bosque,
so.
um s.
ao
um tiro de espingarda... um
qual respondeu um outro tiro..
igualmente.
laso nAo era raro durante aquelle terri-
vel invero, e no entanto os dous tiros
repercutiram no corajA0 de Claudina.
Por que ? perguntou ella a si pro-
pria.
Paseou-6e luna hora. Ella nAo conci-
llara iiovamente o somno. Applicou o
ouvido. De repente pareceu-lhe sentir
ruido na porta da casa que abra para o
campo.
Depois, passos na escada, lentos, pe3a-
uucbem gemidos...
Mas quem estar ahi ? perguntou a
moya a si mesma.
Continuou a escutar.. Os gemidos ces-
saram. mais coutinuavam os passos na
escada... E de repente cahe pesadamen-
te um corpo do encontr porta do seu
quarto...
Luciana acrela sobresaltada.
Mas quem ? disse ella... O que
se passa?
Claudina levanton-se, entreabri a porta.
. A velha Montinayeur estava atravesaada
no corredor.. NSo se mexia. Pareca
morta. .
Senhora! Senhora!...
. Ella n*> ouvia.
Claudina abaixa-sc.
A vela que trazia illumina aquelle cor-
po immovel, e a moca nAo pode reter um
grito de terror.
Meu Deus! o que tem ella ?
A velha est coberta de lama 3 de san-
gue. Este escorre-lhe lentamente do pei-
to....
Os vestidos achani-se encharcados...
as mAos e o ronto estilo arranhados, sem
duvida pelos espinhos... as roupas rasga-
das. ..
Claudina, robusta como era, levanta-a
do chAo...
Deita-a na sua cama, entreabre o corpi-
nho... O sangue escapa-se com mais abun-
dancia.
NSo est morta...
Effectivamcnle a velha reabre osolhos...
Reconhecc Claudina, que se acha junto
della, e un pouco mais distante Luciana,
que, da sua cama, contempla-a. ..
Elles mataram-me !... diz ella...
Elles mataram-me !
E torna a fechar os olhos.
Claudina vai bater porta do quarto de
JoAo de Montmiiyeur... Vai acordar Jor-
ge tambem...
Venhain... Venham depressa....
Sua mAi est morrendo!
Elles acodera
Colloca-se de cada lado do leito^f Ella
est com os olhos fechados, a sua respira-
cAo curta, j quasi semelhante a um es-
tertor.
Mas recupera algumas forgas :
Elles matf.ram-me, os patifes. Quei-
maram a minha casa em Bazeillec... ma-
tara-me em seguida, nada mais natural...
Mas ao menos vinguei-me antes, antes...
Do mez de Outubro para c matei nada me-
nos de quatro... eu... sim, matei quatro,
nos bosques, com a espingarda e os cartu-
chos que roubai-lhes, um dia... Desgra-
cadamente, estd noite fui presentida por
urna das suas sentinellas perdidas... o
soldado tirou p rimeiro.. ferio-me. .. ti-
ve tempo de atirar tambem, e matei-o, sim,
matei-o...
Deteve-se e reuni as suas ultimas fr-
Barato
S na loja das Estrellas
SS-ll'A DIOI DE C4XUS-36
T^lephoHC n. t lo
O proprietario deste mni acreditado estabejeci-
mento previne a todas as Exmas. familias
c freguezeo em geral, que as muitas pe-
rliincliasque costuraa fazer, nao sao mais
divididas cora a sua ex-casa das LISTBAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos que era outra qualquer parte dirja-
se LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trar um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
cos que nao lhc podem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 10800 a 10000.
Dito de cores a 10 e 10300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com KTpal-
mos de largura a 10600.
Brim de c6res para ronpa de crianfas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 100 por 50000.
Cortinados bordados a 50 e 60000.
Cortes de cambraia, bordados, broncos
e de cores a 40 e 40500.
Cortes de vestidos, em cartAo, a 7(500<'.
Cretones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 20800 a peca.
Camisas inglezas para homens a 280000
a duzia.
Collarinhos, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completo, por 20500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 100, 150 e 200000.
Casacos Jersey a 20500, 30, 40 e 50.
Daraass de seda com lindas cores cla-
ras a 10200.
Esteiras brancas e de cores para lorro
de sala a 10100 a arda.
EsguiAo de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
Enxovacs para baptisado a 50600.
Espartilhos couraga a 30 e 30500.
Fichus a 500, 10 e 10200.
FustAo branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos veos de Blond
a 70000.
Guarnieres de crochet para sof, a 50500.
Gorgor Ao preto de seda a 10800.
Guardanapos de linho de 30500 por 20
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lenfos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 10000,
10500, 20 e 20500.
LAs e cachemiras de quadros a 160 rs.
Madapolao pelle de ovo, muito fino, a
60000 c americano, com um metro de lar-
guro, de prejo de 120 por 70000.
Dito de 80 por 50000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Rendas hespanholas a 10600, 10800,
"20500 o 30000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs.
Dito de quadros, ultima novidade, a 10.
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalha alcochoados" e felpudas a 20500
o 30000 a duzia.
Ditas para banho a 800 e 10200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, o que vendemos por
menos 20 {0 do que em qualquer outra
parte.
Vinguei-ine, morro satisfeita.
A respiracAo tornou-se-lhe mais curta,
mais fraca ; urna golphada de sangue su-
bio-lhe garganta e suffocou-a.
NAo se mexeu mais.
Foi enterrada no dia seguinte.
Ninguem suspeitou sequer daquelle dra-
ma. NAo se soube que ella tinha sido fe-
rida. Um nico hornera entre os prus-
Banos tivera tempo do vel-a... e esse
dorma, no bosque, o ultimo somno, sobre
as folhas amarellecidas pelo invern e so-
bre os galhos seceos.
II
Em Bourges, o pai Doriat lamentava-ae
na sua clula.
Soubera vagamente, por algumas pala-
vras escapadas aos guardas, primeiro da
guerra, e depois, de quando em quande,
da noticia de alguma derrota.
Escrevera a sua familia, mas nAo ha-
via recebido resposta. Pariz estava blo-
queado. Haviam-lhe dito isso. Deixou de
escrever.
As angustias da sua existencia eram
aggravadas por todas as trisstezas que lhe
inspirava o amor paternal.
Se os allemaes cercavam Pariz, deviara
estar em Garches. O que seria feito de
sua familia ?!... sua mulher, que elle
amava tanto ?... sua filha que elle adora
va ?... seus dous filhos, sobretudo ?.
NAo eram soldados, mas Doriat sabia que
ellu3 nao deixariam de engajar-se, cuni-
prindo assim o sen dever.
O que lhes succederia?...
NAo os tornarei a ver... dizia elle
coinsigo, porque nAo cont com a minha
libertacao... mas o que seria de minha
mulher se os perdesse ? Felizmente posso
estar tranquillo... Ha urna justica na mun-
do... Eu sou sacrificado, mas os meus
dous filhos nAo morrerAo.
Passavam-se assim os dias, as semanas,
os mezes, e nenhuma mudanca se operava
na sua posicAo.
Lu dos dous agentes de polica que ha-
viom-no conduzido a Bourges depois da
dt laracAo da guerra, tinha estado, com elle
varias vezes na sua clula.
Vejamos, pai Doriat, entAo obstina-
se em negar?...
E subirei ao cadafalso negando sein-
pre, redarguio o bom homem.
A energa com que o condeinnado se
defenda acabara por impressiouar o agente.
Este, de nome Courlande, era um ve-
lho empregado da prefeitura, qualper-
tencia, navia vinte e cinco annos.
Era simples agente, nAo tinha gradua-
SAo alguma.
Por que ? Era ebrio ? Tinha alguiu de-
feito que o fizesse detestado pelos chefes ?
Tinha commettido, em sua vida alguma
m rm csis
Ra Duque de Caxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1[2 e 4 metros e ama chave de lar-
gura a 50Q, 600, 800 e 10, muito fino, de
qualquer largura a 14400, e de fallo, de
700a 10800 a pe^a.
Enxovaes para baptisados a 80,-100 e
120000.
Lindos enfetes para penteados m 100,
200, 300c500rs. um.
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 20500 o corado.
Pulseiras americanas para 30 40 5JL
60 e 80000 o par.
Guarnios americanas a 30000.
Lindoe espartilhos a 40, 50 e 60000.
Porta dedacs de vidro, objecto para pre-
sente a 10000.
Broches de fantasa de 500 a 14000.
dem americanos de 20 a 30000.
Lengos de seda de 500 rs. a 10500.
Lublaque a 200 rs. o par.
Guarnieres de crochet, sendo ora pera
sof- c 4 para cadeiras por 63000.
Finas capellas de pellica, panno e eflr,
com finos veos.
Flores artificiaos a 10000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 20 20500 o par.
Bicos broncos de linho e de c8res a 20,
20500 e 30000 a peca.
Contas de cor para enfetar vestidos a
700 rs., c pretas a 600 rs. o intuir
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos paro noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento ama
80000.
Talheres para crianca a 800 rs.
Luvas de pellica a 20500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 20000 e
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhoscom fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 40000 c cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missan-
Vaecas de leite
Vende-se duas vaccas de leite : a tratar na
Tamarineira, sitio defronte do zylo de Alie-
ados.
grave infracao disciplina administrati-
va, tAo rigorosa, da prefeitura de polica ?
Ou por ventura a sua intelligencia, que
permittia-lhe prisoes vulgares de vagabun-
dos, nao era sufficientemente esclarecida
para negocios mais delicados ?
Nada disto.
Courlande nlo era feliz e eis tudo.
Era um typo verdadeiramente curioso
e sympathico quanto possivel aquellfijve-
lho calvo, de rosto devastado pelas eexi-
gas, olhos brilhantes e incisivos, sem um
fio de barba, baixo, magro, irriquieto, fe-
bril e nervoso.
Os seus camaradas da prefeitura ha-
viam-lhe dado a alcunha de Caipora! E
ninguem mais do que elle mereca tal no-
me...
Comecara por ser soldado, como quasi
todos os agentes ; deixara o servieo quan-
do devia ser proposto para o grao de aju-
dante, o ultimo posto antes do de tenente
e casara-se.
Dotado de admiravel imaginacAo, Cour-
lande tinha horror s consas convenciona-
das. S o seu dever, durante os se te an-
nos do seu servico, haviam-no retido sob
as bandeiras. A sua imaginacAo achava-
se constrangida debaixo do capacete. Se
houvessc recebido nstruocAo, faria certa-
mente carreira na industria ou as artes.
O instincto, a necessidade de perigo,
de novidade^de romantismo, impelliram-
no para a policia.
Mas esse prurido de novidade havia-o
primeiro feito desposar urna mulher de ra-
ga differente, urna mulata que conhecera
no Senegal quando era soldado de mari-
nha.
Sara era urna bella e terna creatura que
afteigoara-se a seu marido com a amizade
do cao para com seu dono.
NAo foi Michelet quem, fallando da mu-
lher de edr, com a poesa habitual e o en-
canto penetrante do seu estylo, disse o que
se segu. ?
Inquieta pelo seu rosto, ella nAo se
tranquillisa absolutamente vista das suas
formas roligas, de morbidez tocante e de
frescura elstica. Prostra aos ps do ho-
mem aquillo que elle ia adorar. Treme e
pede misericordia. E" tAo reconhecida pe-
las voluptuosidades que proporciona! Ama
e nos seus vivos transportes p3e a alma
inteira.
Sara dera-lhe quatro vgoroa rapazes,
bellos e intelligentes. Ella amava-o de-
pois de vinte annos como no primeiro dia.
Courlande era, portanto, o mais feliz
dos pas e tinha sido o mais feliz dos ma-
ridos.
Pois bem; Courlande nunca se julgara
feliz.
Arma^ao
Vende-se urna armacao envidracada e dous fi-
teiros para amostras, um candieiro e registro de
gaz ; a tratar na praca da Independencia nume-
ro 3o.
vintem de dividas, contentava-se com o
mesquinho ordenado da prefeitura e com
as raras gratificagoes que lhe davam.
NAo era portanto ambicioso, nem de lu-
xo, nem de dinheiro.
Assim, pois, qual era o seu sonho ?
O campo!...
Era urna loucura nclle a paixAo pelo
campo.
Nascera em Batignolles. Sahindo da
escola aos doze annos, ficara at os dezoi-
to.ein uma officina de serralheiro. Sahi-
aa dahi para engajar-se.
Conhecia as colonias c o mar.
NAo conhecia, por assim dizer, o campo
senao de nome.
Os domingos, durante a infancia labo-
riosa, ello passava-os nos suburbios de
Pariz quando tinha dinheiro, o que era ra-
ro ; e as fortificag5es quando achava-se
na penuria.
As fortificagSes substituiam o campo
nesses dias.
NAo havia arvores, mas havia herva.
Ficava horas inteiras estendido ao sol,
olhando ao longe os morros cobertos de
verdura, em cuja base corre o Sena, e
atravez dos quaes avistavam-se as chaca-
ras elegantes, frescas e sombras.
Como se deve estar be:a alli! dizia
elle comsigo.
Quando tinha dinheiro, ia o mais longe
possivel, embrenhando-se nos bosques, iso-
lando-se, fugindo aos encontros, gostando
do campo pelo campo, procurando os can-
tos solitarios, onde deitava-s sombra
das arvores, nAo ambicionando cousa me-
lhor do que passar alli a vida inteira ; en-
trevia nos sonhos da" sua imognagAo, im-
pressionada por leitnros descriptivas, uma
casinha engrinaldada de hera e de trepa-
deiros, com um jardim terminando n'um
regato, e arvores, grandes arvores serias,
muito copadas em redor.
Onde collocou elle nos seus sonhos essa
casinha ?
Ali r nAo sabia, c era-lhe indiferente
afinal de contas.
Contanto qne houvesse arvores, prados,
o regato e a solidAo, nao importava que
fosse ao norte ou ao sul.
Quando o crneo fervia-lhe sob o sol
trrido do Senegal, elle pensava na casa
do reu sonho, no murmurio da briza que
ciciava na folhagera ; no marulhar refres-
cante do regato onde todas as manhas, ao
romper da aurora, ia Iangar as suas redes
de pesca.
Porque, com o correr dos annos, o seu
sonho havia crescido, tomando maior im-
portancia.
O que lhe custaram os seus proiectosde
felicidude calma, perto de seus filhos, per-
Vivendo com

omico, sem um (o da sua terna Sara, de dentesalvos?
Lindas franjas domadas para facia, de
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos.
TimAosinhos enfeitados de bico e renda.
Grande sortimento de fitas modernas a
13 dcMaio, Imperial Regente, a Nabu-
go e a JoAo Alfredo.
, Lindas fitas para facha a 20, 20500 e
3#500 o metro.
Cartciras de chagrn para algibera.
Finas grava tas p lastros e regatas a 10,
10200, 10500 e 2-WOO.
Lindos porta-ps de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfe-
tar consolos e sanctuarics.
Completo sortimento de perfumaras.
Finos sabonetes de todos os fabricantes.
Grande sortimento de alfinetcs dourado*
para enfeitar o penteiado c tambem gran-
pos muito lindos.
N. B.D-se amostras de bicos e bor-
dados.
ilf
Roy.il Blend marca YUDO
Este excellent Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de
para fortificar o corpo.
Vende-se a retamo nos melhores
zens de molhados.
Pede Roy al Blend marca littm,
cujo nome e emblema so registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
^i
O son sonho sendo mais ambicioso.
Courlande fantasiava no espirito ser pri-
meiro pescador.
Em sonho, via-se mais tarde apanhando
peixes enormes e mostrando tal firmeza
de mAo, tal habilidade, que pedera sus-
tentar a casa com o producto da sua pesca.
Mas isso nao lhc basta agora. Grostava
muito do campo. Desejava todos os seus
prazeres. A' pesca elle addicionou a caga.
Viva, pois, uma vida em partidas do-
bladas, sobre o asphalto pariziense, entre-
gue appanentemeute ao seu sorvigo, regu-
lar c cserplihado, e na realidade a cem
leguas da prefeitura.
O sonho de Courlande quasi o de to-
dos os parizienses, mas no Caipora elle
assumia as proporgoes de monomana.
Quando voltava da prefeitura, nao tinha
com Sara outro assumpto de conversaglo.-
Essa preoccpagAo era a alegra e o mo-
vimento da sua vida.
O seu projecto- tornava-se ntido no seu
espirito forga de pensar nelle, e Conr-
lande accrescentava-lhe todos os dias al-
guns novos detalhes.
NAo era raro ouvir o agente comecar
assim uma conversagAo com Sara, ao sen-
tar-se mesa para jantar, sem que cousa
alguma fizesse prever o assumpto e sem
que fosse preparada a transigAo.
E alm disso, tu sabes, Sara, com
um bom cAo par.", a caga da lebre, quan-
to basta...
Oh de certo, dizia a mulher com
ar convencido.
Os proprios filhos, ingenuamente, part-
cipavam da dupla vida do i*v E trava-
vam-se uiuiUt vezes dMesses intermi-
naveis aobre a gravb^pP***'0 de saber se
Courlande so contjSaria de viver das
suas rendas no^paBpo ou se comprara
algumas trras mandal-as-hia lavrar.
Os filhos tmhain^nclinagft Dla agricul-
tnra. Courlande, poi"in,a| coraprehen-
dia o trobalho no canipo. Desejava re-
pousar ao s^ol, procuramb fazer nicamen-
te o quanto bastasse pafauAo aborrecor-se.
Elles abordavam assim o lado pratico
da questAo: as rendas.
Porque, para realisar tal sonho, era pre-
ciso dinheiro.
Era essa a pedia de toque. Toda a na,
vida Courlande* havia esperado a maro de
felicidade, que lhe permittisse par
Vira, em torno do si, agentes enrque-
ceremajuntar o seu bolocomo elles di-
ziam, e que, no entanto, nao eram mais
habis nem mais intelligentes do que elle.
(Continu Typ. do Diario ra Duque
*T
i.

M




Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2ATAFP7Y_YOSF6N INGEST_TIME 2014-05-21T22:23:02Z PACKAGE AA00011611_17393
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES