Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17392


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A u ii u mj /y i
MERO 7
WAWUk A CAPlTiL E LWAHE XBE Xit E PAOA
Por tre awaee anuitados...............
Por seia ditos dem..............
Por am anno idem.................
Cada numero avulso, do memo dia. t......... 01W
QINTA-FEBRA 10 DE JANEIRO DE 1889
PARA DK\TRO E PMI A PRtWDTCIA
Por. seis mezes achantados............ t .
Por nore ditos idem. ........
Por nm anno idem...............
Cada numero avulso, de das anteriores ..........
131600
20J000
27^000
#100
DIARIO DE PERNAMBUGO
TrcpriedacU de 3\banctl 5%gue'ca de $aria # ffitfjcs
TELEGRAMAS
i
I
sss:ic: oa A&sr:: um
PARS, 9 de Janeiro.
Acaba de ter lagar a reabertura das
cmara.
A Cmara dos Deputados reelegeu o
seu antigo presidente Mr. Meline.
Agencia Havas, filial em Pernambueo,
9 de Janeiro de 1889.
Efl

Coverno da Provincia
EXPEDIENTE DO DIA 15 DE DIZEMBR0 DE 1888
Actos: ,
O presidente da provincia resolve, de con-
formidade com u proposta do Dr. chefe de poli-
cia em otlicio n. 1805, de hoatem datado, exo-
nerar, a pedido, o major Jos Correia de Oliveira
Andrade Jnior do cargo de !. supplente do
delegado do termo de Goyanna e nomear para
uhstituiL-o o capito Antonio Ribeiro Campss.
O presidente da provincia, de conformi-
dade com a proposla do Dr. enere de polica cm
oflicio n. 1308, de hoje datado, resolve exonerar
Auslriclino Paes Barreto do cargo de sup-
plente do subdelegado do 3. districto do termo
de Ipojuca [S. Jos) e nomear para substituil o
Vicente da Cunha Souto Maior-
O presidente da provincia resolve, de con-
formidaue com o art. 306 do regulamento an-
nexo do decreto n. 9420 de 28 de Abril de 18&'>,
aceitar a desistencia que faz o alteres Adolpho
Bessone de Almeida da serventa vitalicia dos
oficios de contador e partidor do termo de Na-
aaretb e determina que se expecam as ordens
necessarias para o provimento dos referidos ofli-
Cios. -Communicou-sc ao Dr. juiz de direito da
comarca.
, o presidente da provincia resolve nomear
Adolpho Bessone de Almeida para exercer o
careo de 3; ofcial da seceo do archivo da Se-
cretaria da Presidencia.
O presidente da provincia determioa que
os eleitores do 1 districto de paz da paroenia
de Santa gueda de Pcsqueira se reunam para
actos cleitoraes no novo edificio que actualmente
serve do matriz, e os do 2." districto de Nossa
Senhora da Conceico de Alagoa de Baixo na ca
polla de Fazendinha: ficando assim sem effeito
a portara de 26 de Abril do corrente anno na
parte em que designa as capel la? de Nossa Se-
nhora Mi dos Homens e de Santa Rita, no po-
voado Quintirab, para rcunio dos referidos
eleitores.-Remetteu-se copia ao miz de direito
da comarca de Cimbres e communicou-se as c-
maras municipaes de Cimbres e de Alagoa de
Baixo.
Ao Dr. chefe de polica. Expeca as neces-
' aarias ordens no sentido de seguirem boje para
0 presidio de Fernando de Noronha os senten-
ciados militan'; vindos da corte e que se acham
recolhidos Casa de Detengo.
Ao inspector da Tliesouraria de Fazenda
Esta Presidencia, anprovando em II de Sovem-
bro lindo, de accordo com a inclusa informado
d'essa Thesouraria de 12 do mesmo mez, sob
n 583 as propostas aceitas pelo conselno de
compras do Arsenal de Guerra para o forncci-
niento de artigos destinados a differentes corpos
do excrcito e fortalezas autorisou o respectivo
contracto, conforme comraunicou a essa reparti-
cao em efBcio d'aquella data.
Em oflicio de 27 do mesmo mez, sob n. 2U5,
declarou o director do Arsenal de Guerra ter
havido engao na proposta para o foniecimento
de 20 bandoleiras para carabinas de infantana
quando era para carabinas Spencer para a com-
panhia de cavallaria. .
Ouvida a respeito essa Thesouraria informou
V S em officio de 12 do corrente, sob n. 614,
parecer-lhe nao poder ser autorisado o contracto
de taes artigos por falta de crdito.
Notando-se, pois, inteira divergencia entre
DE8PACH08 DA PRESIDENCIA DO DIA 8 DK
JANEIRO DE 1889
Abaiso assignados, propriotarios, ne-
gociantes Moradores na cidade do Jaboa-
tio. Informe a Cmara Municipal a
JaboatSn
Antonio CMympiq ^e Aaevedo e Souza.
Informe o Sr. inspector do Tbesouro Pro-
vincial. .
Capitlo Antonio Francisco Cordeiro
de Mello. -Informe o Sr. inspector do
Tbesouro Provincial.
Barbara Lins da Rocba e Silva. In-
forme o Sr. fiscal da companhia Recite
Drainage.
Bernardino de Oliveira Botelho de Al-
meida. Informe o Sr. inspector da The-
souraria de Fazenda.
Confraria de Nossa Senhora da Soleda
de da freguezia da Boa-Vista. Informe
o Sr. inspector da Thesouraria de Fa-
zenda.
Francelina Vieira de Araujo. Indefe-
rido, cm vista da infrmatelo.
Gaspar de Menezes Drumond. Sim
Conego Idalino Fernandes de Souza.
Indeferido vista da informacao da The-
Notando-se, pois, mieira uivergeiitia cutre *" .~ ____a_
e^a iorormacao e armella de 12 de Novembro, sourana de fazenda. .
na qual V. S. declarou nada haver que podesse | Joanna Carolina de Araujo t igueireao.
embaracar a approvago das referidas propostas informe 0 Sr. rogedor do Gymnasio Per-
e consecuentemente o respectivo contracto, cura- j^jj,,^,^
Joaquim da Silva Carvalho. Indeferi-
do, vista da informacao.
Jos Canuto de Araujo. Iudeferido,
por ser maior de 12 annos o menor de
que trata a petiyao do supplicante.
Joaquim Firmo de Oliveira. Informe
Sr. director geral das Obras Pablicas.
Luiza Mara Vieira da Silva.Deferi-
do, expedindo-se as necessarias ordens
para a baixa requerida.
Mara Francisca de Barros. Indeferi-
do.
Manoel Jos Francisco de Mello. In-
deferido.
Manoel Jos do Nascimento Primeiro.
Aprsente o supplicante a sua petico de
graca.
Sergio Evergisto Ferreira Magalhaes
- Requeira por intermedio do comman-
dante.
TemoleSo Peres de Albuquerque Mara-
nha. Informe o Sr. inspector do The-
souro Provincial.
Vicente Ferreira Nobre Pelinca. In-
deferido.
Secretaria da Presidencia de^Pernam-
bueo, 9 de Janeiro de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
pre que v" S. preste a respeito as necessarias
explicages.' .
- Ao director do Arsenal de Guerra. Dele-
rindo o requerimento de Marganda Ira Bruno
Viieila, autoriso V. S., .vista do que expe em
oflicio n 245 de 13 do corrente a permittir que
o aprendiz artfice CadOs Mara Bruno Vella
aguarde a deciso soWfe a sua baixa em compa-
nhia de sua mai a peoMouaria.
Ao presidenta- da cmara municipal de
Nazareth. Deelaro a Vmc, em resposta ao seu
oflicio de 7 do corrente mez, que a arrecadacao
dos impostos deve ser feita administrativamente
at que seja publicada a le de orcamento muni-
cipal para o exercicio de 1888 a 1889.
Ao 1* juiz de paz do 1 districto da paro-
rhia de Nossa Senhora da Conceigao do Bonito.
Declaro a Vmc. em resposta ao seu officio de
4 do corrente mez. que a direcc5o e inspeccSo
do servico dos a santos, notas e averbagOes do
reristro civil competem ao juiz de paz ^m exer-
cicio, vista do que dispc o art. 2 do regula-
mento annexo ao decreto n. 9.886 de 7 de Margo
ullimo. *
Circular: ..
\os juizes municipaes e de orpliaos. e-
motta,"com ursencia. secretaria destapresiden-
cia a relagao nominal dos detidqs as caderas
(do termo ou lermos) sob sua junsdicgao com as
declarares de que trata a circular do ministerio
dos negocios da justiga de 24 de Novembro rindo
constante do impresso aqu junto.
A relaco devera vir em duplicata e esenpta
no nuadro. com os dizeres ja impressos. de que
llie envi os excmpiares necessanos sendo orga-
nizada pela forma ahi indicada, o que tenbo por
muito recommentado a Vmc.
O Sr agente da Companhia Brazileira de
Na\cgaco a Vapor, faga transportar corte, por
roata'do ministerio da guerra um inferior c 12
Bracas do 1 batalhSo de artilharia a p que vie
rain a r*ta proviita escoltando onze sentencia-
do- militares. Communicou-sc ao bngadeiro
roiumandaiile das armas.
._ o Sr. gerente da Companhia Pemambucana
de Navegaco faga transportar ao presidio de
Bando de Noronha por conta do ministerio da
ra os seiitenciados constante^ da inclusa re-
-. nominal, por copia, c bem assim a escolla
:onipanha composta de um inferi'
Convnunicou-se ao bngadeiro comman-
* arma-, '
..... 11 Sr. gerente da Lompanbia Pernambucana
manda conceder passagem de re
- gratuitas a que o governo tena di
^^) presidio de Fernando de Noronha ao
o Manoe! Theopliilo da S-lvn Guim
idD de igual forma sobre a voita do
opportuii Communuu-se ao
io.
i chefe da estrada
Hccife a Caruar maMJg conceder
I
liecife a Victoria, t
da Silva, por disturbios^ minha disposi-
980.
Communica o al fe res Luiz Jos Antu-
s, ter hontem assumido o exeicio do
cargo de subdelegado do Io districto da
freguezia de Nossa Senhora da Graca, na
qualidade de 1 supplente.
O delegado do termo da Gloria de Goi-
t, participou-me que na noite de 4 do
corrente, no lugar Canuavieira de Cima
daquelle termo foi traicoeiramente espan-
cado, o individuo de nome Jos Cavalean-
te de Albuquerque all morador.
O delegado tomando conhecimento do fa-
cto, fez proceder a competente vistoria, e
enterrogou o offendido que declarou nao
conhecer o seu offensor.
Procedeu-se a respeito nos termos da
nisterio da Agricultura Commercio e Obras Pu-
blicas de couformidade com o art. 6 das ins-
Irucgfiesde 31 de Margo de 1884 ao engenheiro
Francisco do Reg Barros, fiscal dos engenhos
centraes do Io aistricto.Fez-se a necessaria nes, ter hontem assumido
communicaga.
EXI'EDIXTE DO DR. SCBBTARIO
Officio:
Ao Sr. Dr. chefe de polica. S. Exc o Sr.
desembargador presidente da provincia manda
declarar a V. S em soluco de seu officio de 29
de Novembro findo n. 1244, que o cidado Joa-
quim Abres de Oliveira Ges, proprietario da
casa que serve de cadeia e quartel no povoado
de Vicencia, deve aguardar sobre sua reclama-
go deberagao da Assembla Legislativa Pro-
vincial.Remetta-se copia ao inspector do Tbe-
souro Provincial.
Ao mesmo. De ordem do Exm. Sr. desem-
bargador presidente da provincia e em aditamen-
to ao officio do mesmo Exm. Sr., desta data,
transmuto a V. S. a relagao nominal por copia
dos sentenciados militares que seguem para o
Presidio de Fernando de Noronha.
Ao Dr. juiz de direito do 2 distro crimi-
nal da comarca do Recife. H. Exc. o Sr. desem-
bargador presidente da provincia manda com-
municar a V. 8. que, nos seus officios, ns. 511
e 513, de hoje datados, poferio o despacho se-
Suinte : Ao director do Presidio de Fernando
e Noronha para satisfazer a requisigo.
Ao 1 secretario da Assembla Legjalativa
Provincial.Em additamento ao meu officio de
hontem datado sob n. 208, devolvo a V. S.
um cxemplar do original da resolug5o dessa
Assembla, enviado com o officio de 5 do cor-
rente, o qual deixa de ser sanecionada pelo Exm.
Sr. presidente da provincia, pelo motivo expos-
to na mesma resolugao.
Ao Sr. Agente da Companhia Rrasileira de
Navegago a vapor.O Exm. Sr. desembarga-
dor presidente da provincia manda aecusar o
recebimento do officio de hoje em que Vv. Ss.
partecipam que o vapor Pernambueo chegar dos
portos do norte amanha, c seguir para os do
sul no mesmo dia s 5 horas da tarde.Com-
municou-se a secretaria da agricultura.
Ao gerente da Companhia Pernambucana.
O Exm. Sr. desembargador presidente da pro-
vincia manda aecusar o recebimento do officio
de hontem cm que V. S. communinica haver
essa Companhia sabido por telegramma, que o
vapor Mandah, que regrssava 4o sul, baleu ao
transpor a barrado Penedo, resnltaudo avarias
que motivarafn arribar ao porto de Aracaj sem
outros damnos alm dos soffrido6 pelo vapor.
O mesmo Exm. Sr. flea inteirado dessa geren-
cia expedir boje s 5 horas da tarde diretamen-
te para Aracaj o vapor Jacuipe atim de condu-
zir os passageiros, malas, valores e carga que
se achara a nordo, do Mandah.
lei.
No dia 22 do mez de Dezembro prxi-
mo findo, o delegado do termo de Ouricu-
ry acompanhado do Dr. promotor publico,
do escrivao e do respectivo 'carcereiro fez
a visita na cadeia publica onde encontrou
4 presos todos sentenciados.
Nenhuma reclamafgo fizeram.
Hontem s 8 horas da manha o indivi-
duo de nome J0S0 Franco de Mello, mo-
rador na estrada do Maduro, do 2o distri-
cto da Boa-Vista, tentou suicidar-se inge-
rindo um pouco de verde Pars.
O respectivo subdelegado tendo scien-
cia do facto, para all se dirigi e inter-
rogou o offendido que declarou haver ten-
tado contra sua existencia por desgosto de
familia.
Jlo Francisco de Mello, foi .medicado
pelo Dr. Ignacio Alcebiades Velloso.
Procedeu-se a respeito nos termos da
lei.
Reti ficando a minha parte diaria de 7
do corrente no ponto relativo ao enyene-
namento de Eduardo Rodrigues Sette, de-
vo dizer que o facto segundo estou infor-
mado, nSo se deu por desgostos de fami-
lia, e sim por questocs amorosas.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges Jnior, muito digno presidente da
provincia. chefe de policia interino,
Francisco Domingues Ribeiro Vianna.
Thesonro Provincial
DESPACHOS DO DIA 8 DE JANEDJO DE 1889.
iw..ii~ n._ Indeferido si referem-
se a Ia hypothese do ment de 27 de Maio de 1887, visto nao
se realisar a condi^ao alli estabelecida; si,
porm, trata-se da 2* hypothese dirijam-
se os supplicantes a Recebedoria Provin-
cial.
Mara da Porciuncula Neves Chaves, te-
nente Manoel Jos Pereira Caldas, Fiel-
den Brothers, conta de gaz consumido na
Bibbotheca Provincial. Informe o Sr.
Dr. contador.
Manoel Jos Alfonso. Entregue-se,
ficando copia por certidao.
Manoel Joaquim de Avellar. Haja vis-
ta o Dr. procurador fiscal.
Trajano Osias Gomes dos Santos. De-
vidamente instruida, volte querendo.
JoSo Luiz de Paula. Observe o dispos-
to no art. 282 do regulamento deste The-
eouro.
Inspectora eral da Instrucrao
Publica
despachos do dia 28 de janeiro
de 1888
Mara Francisca de Barros.Encaminhe-s. .
Felisbclla Amelia de Miranda.Informe o de-
legado Iliterario, ouyindo a proposta,
Maria Albina de Oliveira.Costa.Cumpra-se
c registre-se a apostilla de 19 de Outubro do an-
no passado.
Jacinto Jos da Costa Braga.Deferido,
EXTERIOR
Repartlco 4a Polica
2.a scelo.N. 35Secretaria de Po-
lica de Pernambueo, 9 de Janeiro de
1889. Hlra. e Exm. Sr. Participo a
V. Exc. que foram hontem recolhidos
Casa de DetencSo os seguintes individuos :
A' ordem do Dr delegado do Io distric-
to da capital, Maurino Francisco de Sou-
za Magalhaes, como gatuno.
A' ordem do do 2 districto, Maria Joa-
quina da ConeeisSo, por ommw moral
publica.
A' ordem do subdelegado da freguza
do Recife, Alberto de tal, por disturbios.
A' ordem do do Io districto da fre
le S. Jos, Victoriano Barbosa dSil-
Illuminata Maria da Conceigao e Cae-
hano Jos Francisco, por embriaguez e
disturbios.
A' ordem do do 2o districto, Alfonso
Desiderio dos Santp e Arcelino Franci
Resano do dlseurso do Sr.
ZanardelU, ministro da Justl-
ca da Italia, sobre o cdigo
penal
O Sr. Zanardelli coineca agradecendo com pro-
fundo reconhecimento a commissao do senado a
presteza com que deu parecer sobre o cdigo
que ha de dar Italia a umdade da lei penal.
A' essa commissao, diz elle, se devora tam-
bera o resultado da forja moral que lera o cdi-
go pela autoridade que lho vem da approvagao
de homens to esclarecidos na sciencia e na pra-
tica. Espera que este cdigo, de accordo com
aopinio do honrado Pessma assignalar um
progresso no campo da legislacao. que echoar
no paiz.
Cr poder fallar livremente dos bons resulta-
dos que adviro deste cdigo, j que para isso
tirou grande proveito dos trabamos de todos os
ministros da justija que o precederam, a come
car do senador Vigliani, presidente da commis-
sao senatorial, e do illustre Macioi.
L o iuizo favoravel que sobre o novo cdigo
exprimi a commissao das prises em Franca
pela voz d'um illustre jurista.
Ennumera as invases que sao emanadas do
mesmo cdigo sobre a legislacao penal.
Primeiramenle menciona a abolico da pena
de morte, e confia que o dia, que espera sera
sabbado, (17 do corrate) em que o senado com
o seu voto sanecionar a abolic&o da nena de
morie; ser urna data memora ve! nava a historia
da legislacao.
Em segundo lugar passaro a ser limitadas,de
quatro a duas as penas detentivas, abolindo-se
a relegaco, que nio existia em realidade e oa
trabamos frcados, que erara procurados pelos
forgados Foi tixada urna passagem rosoavet
as penas, estabelecendo as expern-ncias nter,
medias at a soltura condicional. .' -
Foi abandonado o systema da Irinartigao dos
aceitando se o da'biparti'
Adoptou-se o sistema de applicac4o do-
preestabelecidos.
Estabelecer-se-lio com bases raci"
mentos .la imputabilidade, procurando si' leJner
06 abusos da torga irresistivel
Tornar-.-c-liao'inai severas as penas inteu-
vas c ilra os reincidunti-
de refreiar o mais que fr possivel estes entre osj
mais perigosos delinquentes.
Foran estabelecidus opportunas disposigoes
pela espionagem e pelo vilipendio das cmaras
representativas.
Nos ci-mes polticos procurou-se pplicar
maior determinago, tolhendo a gravidade da
multa
Nos carnes contra a liberdade dos cultos tirou
se a dialincgo da religiao do Estado.
Obteve-se dar melhores garantas nos delictos
contra a liberdade individual c contra liberda
de de trabalho.
Nos abusos dos ministros do culto se quiz,
sem lesar a liberdade, que a sede do culto nao
seja convertida em tribuna contra a patria.
Na calumnia toi eliminado o veto principio de
Talio.
Quanto ao adulterio deu-se ao menos um pe-
queo passo para a igualdade do tratamento do
hornera e da mulher, que a tendencia das mo-
dernas legislacoes.
Noscnmes contra a pessoa elevou-se ao cume
da pena, nao so o parricidio, mas o homicidio
comraettido pelo pae sobre o blho.
Menciona os melhoramentos trazidos as dis-
posigoes sobre os enmes, relativos as lesGes dos
menor*, titulo que se estende as outras pessoas
im^apaies de se detrenderem.
Finalmente falla do justo aggravo levado ao
despresivcl crime vulgar da diframago e da in-
juria.
Pasas i in revista as varias observares fetas
pela commissao. Demonstra que mais do que
nunca t ndispensavel a separago, anda as
penas de breve durago.'E espccialuiente nes
tas, porque est provado que a reincidencia
causada geralmente pela oromiscuidade de car-
cere.
Justamente porque as penas mais severas se
expiara separadamente em cellula, se explica e
se justifica o nivcllamento do terco.
Nao pode aceitar que se tire a faculdade de
fazer expiar as penas mais breves nos carceres
judiciarios porque tambera estes devem ser con-
struido* sob o systema de cellula e porque se-
riam muito custosos os trabalhos de deudos.
Nao Bode aceitar a proposta da commissao, de
estabeficer para a reclusao e detengo o mmi
mum de 12 dias.
E' duvidoso quanto s opposiges fetas s for-
mulas no cdigo, propostas pela nao imputabi'i-
dade ou pela diminuida imputabilidade.
Demonstra as graves consequeociaa que pode
trazer a adopeo da formula do constrangimenlo
extemo, cuja latitude pode justilicar at os cri-
raes commettidos sobre a fascinago da belleza
d'unia mulher e do esplendor dos brilhantes.
Relativamente reincidencia, aceita a propos-
ta da commissao, de nao limitar a severiaade s
reincidencias especificas, mas de estendel-a s
reincidencias genricas, bem que com menos ri-
gor.
Faz notar que o projecto do Cdigo tem pro-
curado evitar a casustica, e sobretudo eliminar
aquellas defiBigoes arithmeticas e as determina-
g6es de tarifa que mal se prestam a nivellarem-
se as aceOes humanas.
Abandona a insolencia dolosa e todos os outros
pontos Os quaes especialmente se manifestaram
i.rt,__-,%,. _.___..- a a wuiuuosun pui-
lamentares. Far o maior esludo e discutir
iara que o Cdigo venha a ser a obra mais per-
eita possivel.
Passa a responder s varias observarles fetas
durante a discuss&o do Senado.
Comega respondendo ao senador Pierantoni
acerca do systema seguido na discusso do C-
digo.
Demonstra que para ter um Cdigo ser lm
possivel proceder diversamente, e se fosse feito
diversamente, tena sido funesto.
A' duvida, movida pelo senador Massarani, de
3ue a formula relativa excluso ou diminuigo
a imputabilidade pode fazer recahir nos abusos
da forga irresistivel, observa que quando muito
esta forga irresistivel poder ser applicada nos
casos de furor morboso.
Tranquillisa o senador Massarani quanto re-
troactividade da nova lei e das duvidas que elle
apresentou sobre o isolamento c sobre o silencio.
Por ultimo, sobre a deportago observa que em
quasi todos os estados foi supprimida. Accres-
centa que entre todas as penas a mais cus tosa.
As estatisticas demonstram que com a deporta-
gao os crimes crescem, eraqanto que diminui-
ro quando as suppriinirem.
A du\ ida do senador Massarani de que despro-
porcionada a pena para quera tenta contra a uni-
dade da patria, equiparando-a de quemquer en-
tregaba ao estrangeiro. disse que o crime de
tentar contra intangibilidade da patria de tal
sorte grave para poder merecer a nena mxima.
Quanlo ao dneilo. segu o conselho do senador
Pierantoni de nao explicar a propna opinio para
deixar nao prejudicada a questao ao exame da
commissao.
Declara, porm, desde ja, que nao pode aceitar
a proposta do senador Deodati de nao fallar in-
teirameote do duello no Cdigo.
Contesta que o Cdigo da Austria, Germania,
Blgica, da Hollada e de muitos outros estados
tenhara penas muito mais graves de que as cora-
minadas no Cdigo em discusso.
Falla da seduego que o senador Massarani
quer elevar a crime.
Trata da promessa nao reasada do matrimo-
nio e demonstra tambera com o apoio da expe-
riencia feita pela legialago napolitana a oppor-
tunidade de nfto contemplar no Cdigo tal ques-
tao.
Acerca do adulterio, que nfio se quer punido
no caso em que nao exista convivencia enl>e os
conjuge3, observa que os inconvenientes citados
a proposito, nao provam seno contra o facto da
separago legal e da indissolubiliiade matrimo-
nial. ,..
Ao senador Miraga, que quer estendido o
crime de incesto larabem aos aparentados res
ponde que, dadas as divergencias existentes na
actual legislacao as varias regi5es da Italia, con-
vm cm tal materia proceder com cautela e par-
ciraonia. .
Acerca dos artigos sobre os abusos do clero,
repelle a aecusago de jacobinismo.
Reclama pela solemne votaco que elles obti-
veram na cmara electiva c aflirma que taes dis-
posicSes se encoutramem todos os cdigos das
nacOeseivilisadas. Lembra que faziam parte ate
dos cdigos dos governos despticos, que procla-
mavam a allianca do throno e do altar.
Confuta particularmente as argumentagoes des-
envolvidas pelo honrado Fusco e observa que os
artigos em questao se resolvema mitigar as mes-
mas dlposigOes legislativas anteriores.
Os protestos do episcopado sao urna razao de
mais para mantel-os. .
Ao nobre Corte disse que elle 6 admirador ao
sacer lote que exeree santamente o ministerio, e
esl certo que esta parte do clero applaudc as
disposiges que tendem a impedir que o sacer-
docio ee converta era um conventculo de con-
spirates contra a patria. .
Ao illustre Lampertico demonstra que as teis
prussiauas de Kaltarcamp no teem nada que fa-
zer comas disposigOes propostas no novo Lod-eo.
Nao devemos confmul-as com o recurso nOu-
- :nle tambera entre nos .antes da le das
garantas, e cora o qual se podiam annullar as
providencias das autoridades ecclesiasticas.
A nossa bjgislaeao pelo contrario respi
crupulosanfcnte a liberdade do clero no seu mis-
tar csniritual, mas positivamente a tanta liber-
dade deve corresponder urna qualquer respon-
siitnlidade
Mas esta liberdade nao deve impellir a exci-
tar ao desprezo das leis e da patria, que o bem
mais sagrado de todos os cidadios.
Conclue que, se quizerem, precirem melhor a
fOrma destes artigos; nao consentir jamis
}ue sejara cancellados. (Applausos. O presi-
ente reclama a ordem das galeras.)
Disse ao nobre Vitelleschi que se sent tran-
quillo por ter proposto a aboligo da pena de
morte. Nega a maior eicacia desta pena sobre
as outras. O delinquentc nio detido pela gra-
vidade da pena, mas animado pela esperanga
da impunidade.
Lembra muitos exemplos de erros judicia-
rios que poem a descoberto as terriveis coase-
quencias da irreparabilidade da pena.
Observa como junto de nos j de facto a pena
de morte est abolida, o que altern toda a gra-
duagao da escala penal.
Reserva-sc para examinar a parte relativa
diffamagAo, para ver se se pode excluir a facul-
dade da prova dos factos imputados.
Nao se oceupou das disposiges relativas ao
director responsavel. porque o reserva para a
reforma da lei sobre a imprensa.
Responde por ultimo aos apontamentos do se-
nador Miraglia a cerca da faculdade de testar
no condemnado ao ergastolo ; e sobre o per-
jurio.
Agiadece aos senadores Majorana e Ferraris
pelas suas observagOes.
Ao senador Merracapo disse que partilha a sua
opinio sobre a necessidade de coordenar os
dous cdigos penal e militar.
Conclue, declarando, que espera com trepida-
go o voto do senado, nao porque duvide do
xito: mas porque er que se o voto do senado
for concorde e pouco mais ou menos unnime
poder dizer que a obra completa foi verdadei-
ramente urna obra de justica social. (Vivas ap-
provagoes.)
CLNICA MEDICA
\atureza palustre da febre
antarella
PELOSB. DE. HEHMANN M. BIGGS 0
(De Nova-York)
(Da Uniao Medica)
0 trabalho cuja traducg5o apresentamos em
seguida mais urna prova de que a doutrina
que sustento, relativamente naturesa palustre
da febre amarella, nSo urna utopia, como a
Srincipio se quiz fazer crr, mas assumpto digno
a attenco de observadores criteriosos e insus-
peitos
Dentro de pouco tempo este o segundo que
apparece sobre o assumpto nos Estados Unidos,
sendo para notar-se que o presente foi motivado
pela intensidade por que a febre amarella alli
desenvolveu-se ltimamente e pela publicacae
do parecer do Sr. Dr. Paul Gibier, a respeito da
localisacao intestinal da febre amarella, j co-
nhecido dos nossos leitores.
O Dr. Biggs, como se ver da leitura do seu
artigo, opina que a febre amarella "tem sua ori-
^uTn ermeu paiusire, opinio que e a nossa,
e sustenta, como nos j o temos feito, fe a fe-
bre amarella nao contagiosa, a palavra conta-
gio tomada em sua lata accepgao.
Folgamos de ver suscitadas no estrangeiro as
nossas ideias, e muito confiamos que o estudo
dirigido neste rumo por experimentadores com-
petentes venha prestar humanidade e scien-
cia servigos de inestimavcl valor.V. de Mello.
Eis o que diz o Sr Dr. Biggs :
Parece rae que o Dr. Gibier segu caminho er-
rado. Tudo faz crer que a febre amarella se acha
mais intimamente ligada s febres palustres de
que a qualquer outra vanedade mrbida, inclu-
sive as proprias molestias infecciosas.
Nenhuma base anatmica existe para suppiV-
se que as leses assestem-se nos intestinos por
isso que o vomito, nico symptoma que tem re-
lagao com o tubo digestivo, simplesmente de-
terminado pela hemrrluihia no estomago, sendo
assim apenas urna das pravas da tendencia que
existe na febre amarella para as hemorrna-
gias.
E' provavel que o germen do paludismo seja
um micro-organismo essencialmeote differente
da bacteria encontrada as molestias infeccio-
sas, differenca esta que explica o insuccesso das
pesquisas feitas no sentido de encontrar um mi-
crobio na febre amarella, por isso que nada ou
muito pouco se tem estudado com relagao ao
micro-organismo palustre como causa da febre
amarella.
Ainda nao foi demonstrado claramente que a
febre amarella se transmita de individuo para
individuo : duvido at da possibilidade do facto,
acreditando que a infeegao s se effectua no pro-
prio foco ou em suas circumvisinhangas.
A Iheoria aceita sobre a febre palustre, que
esta determinada pelo germen que se despren-
de dos terrenos pantanosos. Um individuo affec-
tado de febre palustre nao transmute a molestia
a outro ; mas-, se este for ao local onde o pri
meiro contranio-a, possivel que a contraa
tambem. O agente infectuoso permanece in sita
sendo muito provavel que o mesmo se d com o
da febre amarella ao meuos essa a hypothese
que melhor explica o desenvolvimento da mo-
lestia.
Todava, na carencia de pravas, devemos con-
tinuar a proceder como se a febre amarella fos-
se contagiosa. Por mais remoto ou mais insi-
gnificante que seja qualquer perigo, nenhuma
justiticago ha para que a elle nos exponhamos.
Estou convencido que o germen da febre ama-
rella um micro-organismo autnomo, dotado
de vida propria ; e isso baseado no proprio ca-
rcter geral da molestia. De outro modo nao se
pode explicar o seu carcter epidmico E'
resxa estabelecida e acceita que toda a molestia
epidmica produzida por um agente suscepti-
vel de reproduzir-se.
Quanto s inoculages prophylaticas da febre
amareil. seu defeito capital est em que anda
nao se conhece convenientemente a causa pri-
mordial da molestia.
As experiencias feitas pelo Dr. Freir do Rio
de Janeiro e pelo Dr. Carmoua do Mxico, foram
inteiramente negadas pelo Dr. Sternberg. repre-
sentante do governo dos Estados-Unidos, neste
assumpto ; e os bacteriologistas so accordes
em admittir que as asserces d'esses dous pes-
quisadores eem sido totalmente refutadas e des-
truidas.
Pelo microscopio e pelas culturad experhnen-
taes, a sciencia quasi que se tem assenliore.ulo
das molestias infecciosas. Assim que no cho-
lera, na febre typhoidc, as pneumonas c- em
outras molestias infecciosas, taes como a tuber-
culose, o adero-organismo pathogeno perfeiti-
mente conhecido.
entretanto, no typlio, na escarlatina, na varo-
la e na febre amarella. os nossos cohecimentos
ainda sao muito incompletos, facto que nao deve
causar cstranheza, por isso que a bacteorioloL'
data apenas de um deceoio.
Pens, pois. que devemos trabalhar, sobre-
ludo no sentido de prevenir, por isso que todas
as molest as infecciosas poden, ter sua propiy-
axia
0BS8RTAC0 DE UM CA.S0 DE F.NV.\EN.UME.\TO 0PHI01-
C0 TRATAIO PELO PEBMASUANATO DE TOTASSIO EM
Al.TA DO*
Pelo Sr. Di: Zeferino Mei> elles
A presente ob- linca demonstra de
um modo cathegorco que nao basta o medie
saber que o permanganato de potwcio na
agente medicamentoso heroico em certo* csea ,
de mordeduras de cobra, mas que i preeiM,
muito especialmente, saber manejal-o com mal-
ta sciencia e arte; n'esta questao, a dte tao,
pois tenho absoluta certeza que nio tera coase-
guido triumphar no caso actual, se nao liiUM
tido a inaudita coragem de saturar, por assin
dizer, o meu doente de permanganato de pc-
tassio.
Com effeito. o doente que constitue o
desta observa^ao e que cnegou a um esta |
vissmo, quasi desesperador, c cujos sjt
tumultuosos bem deixavam ver o grao I
lita energa com que actuava o veneno optuko,
restabeleceu-se completamente, sem qe ea B-
vesse langado m3o, em to dimcil e arriscada
conjunctura, de outra qualquer medicacao, caer
diaphoretica, quer estimulante, qualnodesae
attribuir a mnima parte da cura.
Neutralizar todo o veneno ophidico contido ac
organismo humano, tal deve ser o desideraian
do clnico em casos taes; mas para isso toma
se preciso que elle conheca a legendaFm a
que dois, aarienne que pourra, que nao tenba re-
ceio de carregar a dse do medicamento de ac-
cordo pleno com a tolerancia do organismo en-
fermo, e principalmente que dispooba de certa
habilidade e tino para conhecer, pela intensida-
de e successao dos symptomas dyaamicos o
quantum de permanganato de potassio necessa-
rio para neutralizar todo o veneno absonid
e promover a cura completa do doente.
Para mim. est fra de toda a duvida que os
insuccessos desse tratamento sao ex> lusamente
devidos deficiencia de dse do permanganato e
nao ineflicacia do proprio medicamento ; dse,
que deve variar com a energa da acgo do ve-
neno ophidico inoculado, com a resistencia do
organisno humano offendido, e, muito especial-
mente, com o tempo qnc decorre do acto da
mordedura at o momento em que o pratieo en-
ceta o tratamento pelas injeegoes hypodermicas
de permanganato de potassio.
Essa ultima circumstancia me parece capital,
emquanto o venen se consena, por assim diier,
localisado na parte ou membro em que foi ino-
culado, urna ou duas injeegoes sero sufficieatH
para neutralzalo, mas desde que se tenha ea-
palhado por todos os orgaos, levado pelas oodas
sanguneas, claro que a dse de permanganato
deve ser massiga, para que nos pontos mais ex-
tremos do organismo possa chegar urna quanri-
dade suefficiente para agir e portante neutrali
zal-o.
A cobra tinha 2 palmos de comprimento.
Sentindo-se mordido, traten, acto continao,
de atar forteraente um cipo no trro inferior da
nema esquerda, de modo a interceptar a circav
lago do pe offendido com a perna, e, depois de
matar a cobra, veio procurar-me.
Examinando-o, observei que o p esquerdo
sede da mordedura, estava levemente edeanc-
do, e que toda sua rede venosa apreseotava-se
trgida, naturalmenlcpor causa da ligadwa de
cipo, applicada no terco inferior da pena; a
temperatura, ainda peto mesmo motivo, era mais
haiv.fah do que no p direito; na regiao mo-
lecular externa do membro abdominal esquerdo.
onde o doente aecusava alguma sensibilidade i
p res sao. notei quatro pequeas feridas incisas,
sangrentas e equidistantes urnas das outras.
Prescripcao:
Agua distillada 100 graman
Permanganato de potassio i
M. m. para injeccoes hypodermicas.
A's 4 horas da tarde, isto ecrca de l lioras
depois da mordedura, fiz urna injecgo de todo
o con feudo do urna seringa de Prava* na sede
da mordedura, e sobre as feridas applique fio
embebidos da mesma soluco. apezar da opinio
de Nothnagel et Rossbach, que dizem : I
faudra I'appliquer (le permanganate de potasse)
sans aucun intermdiaire, car la charpie eHe-
mme le dcomposerait (I).
Mandei que o doente voltasse para sua resi-
dencia e me avisasse de qualquer novidade que
apparecesse.
A's 9 horas da noite, portante, 7 horas depois
da mordedura, mandou-me o doente chamar roa
toda urgencia, dizendo que estava orinando e
cuspindo muito sangue, que eslava muito aflic-
to e sentindo grandes dores no estomago e in-
testinos.
Quando cheguei, notei que o meo doente es-
tava realmente muito agitado, movendo-se in-
cessanteraente no leito. em todas as direejes,
sem achar allivio; gema muito. em conseqoen-
cia de dores, que lorulisava as regies do esto-
mago e do umbigo ; tinha forte ptyalwno e a
saliva tinha a cor de sangoe, bem assim a uri-
na, que vi guardada em um vaso de cor branca
De urnas escoriages. que o doente tinha no
dorso da mo direita gofejava sangoe.
Os olhos estavam muito injectados. bem coma
todo o rev estmente mucoso das cavidades boc-
cal e pharyngeana: as gengivas sangravam
principalmente quando sobre ellas se exeren
alguma presso. .
O doente aecusava grandes zumbidos nos oa-
vidos e a cabeca oca; muita sede e sensatao de
calor no esophago e no estomago.
O corago batia acceleradamente8" pulsa-
gOese a respirago era poeril e anciosa.
as regies epigstrica e abdominal nada ea-
contrei digno de mengo, apezar das djwacra-
ciantes que o deente aecusava e que viabam por
accessos francamente intermitientes, com nter-
vallo de 5 a 10 minutos com duraro de um
miarlo de hora at 20 minutos.
A' vista desse estado, incontestavelmente ra-
ve. arrapandi-me de, ter t.rado a ligadura de
ci| antes de ter feifo"Segunda injeerao e, por
isso. sem perder mais tempo. fiz. s 9 horase
20 minutos, isto 5 horas e 20 minutos depon
da primeira. outra injecgo hypodermica de
todo o coneudo da seringa de Pravaz, nm poo-
co cima do ponto onde havia feito a primeira.
A's 10 horas o estado do doente era o mesmo,
pelo que fiz outra injecgo hypodermica de todo
o conteudo da seringa.
A's 10 horas e meia continuava o mesmo esta-
do, se nao mais grave, pois comecou a aecusar
vises extravagantes, como fitas de logo^gara-
tujas, etc., e muita dor na regiao supra-orbifra
ria. grandes tonteiras, ebegando mesmo a tr
vertigens ; alm de tudo, teve um vomito aqao-
so com a cor de sangue escuro. A sede tonca-
se mais intensa ; pedia e beba agua de instan-
te a instante c os accessos doiorosos. dina elle,
eram muito mais intensos e duladouro, o q^X
verifiquei pelos gritos dolorosos do doente
A' vista deste quadro doloroso, z ootra ia-
jecgo hypodermica do cjnteudo daseriafa
Pravaz, arada na face externa da perna eaOBer-
Ai
's 11 horase 40 minutos o estado aindao
mesnto; queixou-se entao de fraude traquea
nos membro* e de tremor, queujw-se "aisqi
a vista estava rallando, pelo que lu outra u^ec-
eao de todo o conteudo da seringa. naUrein-
ternada mesma perua eaqperJa.
Meia hora depois de meia de noite, coan!
da nao notasse diminuir wm
bidos, fiz outra meegao, na lace "* V*^
ObJervH^ J B .annos de dade, ca-
do.Javrador, consttuigSc rofcarta,
lofidu por urna jar 'ft-
de de 20 de Setembro, na regiao maleolar ter-
un, do membro abdomwal e-querdo.
(li Mll ner.tf&f*,
146,18.


(Diario PtfttainbucoQuin
na esquer
e esperei.
A' urna hora cemecei a notar aID_
nis; os accessosdolorosoieram mais espagadas
menosintensos; a W#Pta desappanscid*
bem assim a agitacaofrHnomenos,encppn-
oos, posto que o doeale inte tivesse a sairva e
a urina de cor de sangue, O pe, sede damo.-
dedura, estava muito augmentado de volume,
quente e muito doloroso, bem assim a perua.
A'8 2 horas flz, por
ieccSo do- conteudo i
doenteaccusasse
meia da madruga
godamente.
No dia segrate
goes muito isong
ta sensibilidade no
querdo, que estavanj uto
na e a saliva contin*-
to que ura pouco m
dias comecou elle a
natural.
No fim de oito dias estava completamente res-
tabclecido
as maiores dimculdades-.
Termhtm a 2* parte-do concert -cota a prece de
GuUermii Tej cantada pelas, Exmas. Sras. Ba-
ronesa de. SoTedade, DD. Julieta Vieira, Alber-
tina *e adclaid Leal, Maria Annunciada,,
Antonieta e Arcelina Lucena, Raehel Has*
tos, Mari e Luiza Galvo, Lucila Fiuza e
miM IKTTIIVi
CiMtndc ronco rio inwlriinn'iilal e o-
rcnf pelas discipnla do r. Bw-
fty-de* t"iaer.
Como se esperava a dias teve lugar na noite
Je aabbado 5 do corrente e em casa do Sr. Eu-
clides Fonseca, ra Mrquez de Herval n ..
o coacerto, instrumental e vocal por elle organi-
zado entre algumasde suas immensas discipuias
que se sabara em osudo de adiantamento sul-
aentepata fazerem sua apresentafio em pu-
blfco.
Grande foi a sorpreza que expenmentou o nu-<
meresp audictorio queenchia a casa pela execu-
cao ntida, brilhante, inexcedivelmeate correcta
TUBiiodas as senhoras deram as suas partes, no
havendo urna so frita que reparar, visto como
todas as pecas foram distribuidas conforme as
Jorcas de cada urna, nao so d'aquellas que se po-
den exibir em publico como concertistas, como
tambera das outras que se achara adiantadas o
capazes de executarem quaesquer trechos em
conjuucto, nao tendo havido em todas as pecas
desde a primeira at a ultima a menor discrepan-
cia-em andamentos, compasso ou cadencia.
Entre os ouvintes havia msicos, ou de-pro-
Sssao ou amadores e todos ficaram muito satis-
feit?9 por verem o resultado do bom methodo,
do capricho,e dos desvelos que emprega o Sr.
CuoUdtts Fonseca, aura de que possainis suas
discipuias aprender sem adquirir defeftos que
3ao tao facis de se arraigar nos principiantes e
^ilifBeeis de perder depois que a elles se tem acos-
tumado. .
Foi muito apreciada a posigao do corpo e prin-
cipalmente a das Ahos, de modo que aexecuco
daaoeeas se faziacom bastante deserabaraco sem
aaver necessidade de constrangimento do corpo
e muito menos dos bracos, e amadles que tem
cosame de observar logo a primeira causa que
impressiona a vista, porque esse deleito quasi
sempre adquirido por imitaco dos mestres que
procuram por esse geito lornarem-sc notaveis.
Nao sendo possivel fazer menco minuciosa de
todas as partes do concert liraitar-nos-hemos a
deserever o que de mais importante pareceu-nos
Sedido desculpa aquellas senhoras cujosnomes
caram olvidados, o qu 6 bem contra nossa von-
tade.
Em i."lugar Irataremos da baccanal de Maria
Tuilorde Carlos Gomes, c que foi executada em
lom pianos pelas Exmas. Sras. DD. Eugenia Mos-
eoso iiandeira, Maria Annunciada, Antonieta e
Arclina de Lucena.
Este trecho de msica que tanto tem de bri-
ihaie como de bello foi desempeado por estas
juatro meninas com toda galhardia e applaudido
frenticamente pelo auditorio.
O Rondo das Bohemias dos Huguenotes pelas
Exmas. Sras. DD. Julieta Vieira, Rachel Bastos,
Adelanle e Albertina LeaLMaria e Luiza P. Gal-
ro, Lucida Fiuza, Maria Annunciada, Antonieta
e AreeJina Lucena e Auna Sales produsio muito
boa irapressao pela perfeita execuco que teve.
Bem merecidos foram os frenticos applausos
di que sHiidaram aa executantes.
A Exma. Sra. D. Julieta Vieira cantou o roman-
ce jai pbub de LAiMBR-com acompanhamcnto de
flauta e piano. A urna voz melodiosa, anglica
rene a Exma. Sra. D. Julieta Vieira o gosto e
aentimouto para fazer de urna canconcta simples,
uma msica de effeito, como essa de que se falla
e que muito impressionou os assistentes que ap-
plaudiram a dilettantecomo maior enthusiasmo.
A Exma. Sra. Maria Amado Soares Raposo,
acompanbada do rabera pelo Sr. Dr. Paulino de
MeJio e Euclides Fonseca, cantou o romance il
ubbsanto com verdadeira maestra, gostoe sen-
limeato. receb-n lo frenticos c bem merecidos
applausos que o auditorio prolongou por bas-
taute tempo. ,
A primeira parle do concert foi encerrada
com uina grandiosa phantasia sobre motivos da
Norma de Belliui, composico do immortal Thal-
berr*exocuta.la em dous piauos pela Exma. -n.
Bairoeza de Solcdadd e maestro Euclides ron-
seca. A execugo foi magistral.
A Exma. Sra. baronesa ainda uma vez oslen-
tou todo o vigor do sen grande talento e consum-
mados esludos, dando m novo realce s senti-
meiilacs parases de BeHini; e.quando a msica
o exiga empregava uma torga masada, o que
hbilmente' othbtaado (leu uma expressao carac-
terstica monumental composigo de Thal-
ber. ...
A segunda pnrle doconcerto pnncipiou por ara
potpourn Bdbn; motivos daTruviata composigo
de M. Fesnlielli.
l>ir.ar.m parte n'esse trecho a Exma. Sra. Ba-
roneza de Soledade. DD. Maria Celecina Rodri-
gues em dous pianos, o Sr. Dr. Esmeraldino
Bandeirajo clarincto. oSr. Dr. l'aulino de Mello,
na rabeca Sr. Francisco Costa na flauta, o Sr.
Elia*; Pompiiio no orgao. o Sr. Candido Filfao no
flautlm. eo >r. Barcellos no violoncello. A exe-
eucoo desse bello e escollndo trecho de msica
agralou extraordinariamenle aos ouvintes,nao
sopor serum brilhante conjuncto de mimosas
melodas, como pela execugo artstica que Ihe
deram todos os que n'elle tomaram parte. Pro-
longadas e repetidas palmas o festejaraui e muito
Merecidas que foram ellas.
Eia seguida foi executada a Tarantclla de Gol-
ichall tra.i-i ipta por dous pianos e pela Exma.
Sn DD. Varia C. Pires da Silva, Rachel Bastos,
aria Celecma e Euclides Fonseca.
Ta \ /. pelas cuas difculdadcs nSo fosse bem
criiireHtaidida e apreciada essa importante pe-
ga de msica : entretanto nao deixou de ser
apre<:iaiia pelos entendidos na materia.
Poi cantado pela > xma. Sra. Baronesa^ So-
ledade o importante romance de Boito, da opera
Ifcphisloplieles L'attra riotle in fondoal more que
entitisiasmou a todo o auditorio.
;:xma. Sra. Baronesa rene bellissima voz
ao cw,eciniento profundo da msica, ao gosto
aparado e a grande pratica do canto.
ft\\ uma perfeita xecugo musical e um ver-
dadero sui-wsso. E" excusado dizer que nao
Wtaram applausos muito prolongados.
A.nia tiremos tora do ijosto da msica classi-
ea uma muito bem organisada t ranscripcao da
Aida pelas Exmas. Sras. DD. lbertina e Adelai-
deLnal. Foi bem apreciada.
Tivemos lambem a estra do Jllm. Sr. Dr. Eu-
genia Moscoso. que at essa data nunca quiz
presentar a sua vigorosa e fresca voz de baryto
J,
ntuMMaa* ana parte da OBcei'to e
S luirte ipreci a meloioaa v../. .taff
ente da Exma. Sm Bar
esa de fBMade e da Exma. Sra. D. .1 ..e-tai
Vii-ira qm fiseram as pnioejrasBar
lates de terminar o anlo ja o salo re-nava1
e uma valeote batera de palmas qw se repe-^
u par veats.
I'arece qu* os aaalstentas, que gu.Tdaram um
relBh^MrtAax
IH'galNHHKirVallMft pPaJpHI ilt
sasse a noute em apreciar novas melodas. Era
porm necessario divertir a attengo dos circu in-
stantes com difterente distraego que se fazia
necessana para o espirito repousar.
Devemos confessar que no esperavamos as
eapreciar tan
ivpns que exhlbiram nprido^- H enn
listas' e muito habilitadas para se apresentarein
peante o publico mais exigente e coniocedor,
corno tivemos occasiSo de ser surprendidos pe-
las discipulaa do Sr. Euclides Fonseca.
-No fallando na Exma. Sra. Baronesa de So-
ledade que foi discipula mestra do pranteado In-
nocenso Smoltz e que ainda nada perdeu do seu
antigo vigor e pericia, temos a Exma. ra. D.
Maria Celicina Rodrigues que geralmente apre-
ciada por seu grande talento e estudo o desem-
barago ; a Exma. Sra. D. Maria Annunciada Lu-
cena, Herraina Coutinho, Julieta Vieira. Florinda
Maia, Albertina Leal e Adelaide Leal, cada uma
das quaes pode exhibir-se em qualquer concer-
t e sahn-se muito bem da tarefu de que se in-
cumbir por mais difncil que seja.
Damos sinceros parabens nao so ao Sr. Eiu-li
des Fonseca que sabe communicar os seus eo-
nhecimentos musicaes s suas discipuias, assim
como a estas que recebem as liegoes e as guar-
dara para darem prova de sua applicago e boa
vontade de aprender.
Nao menos dignas de elogio sao as outras me-
ninas que, com quanto nao se ardiera Uio adian
tadas, todava sao dignas de serem apreciadas
pela sua posigo correcta nao s do corpo como
das mos o que j nao pequea virtude.
Peco-Ibes, que, para nao tornar muito fastidio-
sa esta mal almhada narragao, desculpem de nao
fazer especial mengo de cada uma de per si c>-
mo desejava.
Picar para outra occasiSo, talvez prxima,
em que Ss. Exas. possam mostrar que a torga de
vontade e do estudo venceram era pouco tempo
aqueile espago que para outras muito longo.
Labor improbas omnia vinal.
Terminado o concert perto de meia noute,
houve um pequeo espago destinado a raover-se
as cadeiras que enebiam a sala, e deu-se come-
go a dansa, pela qual j ambos os sexos suspira
vara para darem movim-nto aos merabros can-
sados de estarera assentados.
Stioediaai-$c .a polko, as walsas c s fasVi-
diosa.< quadriUias, que felizmente em reuniSes
taradiat-es, como est^a que* assistimo?, Ja vio
per.fendo aquella monotona o semsaboria que as
caracterisavam em tempos idos.
Damos os nossoe emboras ao Sr. Euoiiiies Fon-
seca pelo inexcedivel briUiautmo da sua festa,
c cumpnracotamos as suas discipuias que se
mostraram to dignas de seu mestre. desejando
que nao deixem passar muito tempo sem nos
prodigalisarem outra nonte de tanto prazer e fe-
licidade.
Recife, 8 de Janeiro de IC89
W.
familia o
imetter aqueTle facto.
naedicado pefo Sr. Dr. Ignacio Alcej
VellQzo.
tara Cumpre-noS fazer uma coi
loual que publicamos antehontem sob es!
graph : e vem a ser qt>e o Sr. Eduardo
gues Settc nao tentn Contra os seus dia. ,
desgostos c?e familia, porm sim por desgosti
amorosos.
A rectiflcaccivfiByia partej^mLicj,
t^B dl^H^HT
ehont^BF IMbWs loj H.
r. i.la> uul m-i-i tmri -O d.-!incts>
xa profuqBjsn^sW Sr^Bovanai s-otaii, que
ozc flflUi>reriado Ai-lu paMco
daata eapital, hfiveodo witlW no tfl^B
Saata Nabel, acha-se iiqui de-Ja domingo ulsl-
tno ten 11 vindo itnanl no paquete iin:ional Pir-
nambU'-n.
kA 'ucos iliaspara a
m. itnaanslesSnineVnVusw^m im nr'er-
to, cujo programma opportunamente publica-
remos.
Agradecemos-lhe a visita que nos fea.
Honroso -Lemos no Iguapeme de 13 t De-
zembro:
10 de Janeiro de 1889
; mulheres 19; estrangeiros 21.
Alexa
ceno e J
(
jbeleci:
fil i- m
n!"??ioTM??imiinto d?8 P^' fez a apost w era capaz de engo-
MengSo do da &.-feitaMro. W^-Jf arftf CmMWidtfitytt-
traram 8; sahiraja8 ; exis- ga^o n'um, ngolip-o sem grande difficul-
tiade e-ganhou a apota. ...
Cinco dias depois com'e50 a sentirse
incommodado com violentas dores n esto-
mago, dores que foram Augmentando at
aos treze dias.
"i Finalmente, o doente aaando
lm medico e este eon.ieliou- iasse um vofto
O medieameato nlo tardou cnij
ir resultado e o oto sabio luz.
Ao cair no chao quebrou,-se, sahindo de
ntro delle om Lorracliinho chefo de vi-
. a incubajj tinha-se feito favorecida
Pilo calor do
Total 384.
a enfermari
xa:
mancio Fer
de Arauj
rao Alves de 01
io ae i.d,
as dal'ai-
Stpomo-
ilesse-eota-
homena
REVISTA DIARIA
i em attengo antiga amisade que; dedi-
cado Sr. Euclides Fonseca prestoii-se a cantar
trecho da opera D Carlos Ella tiammai ni am ,
eoomo cousa inesperada causou verdadeira sur-
prefa aos espectaoores que nao pensaram que
por tanto tempo estivesse descontiecida to ro-
bu-a voz, to natural e t.o segura.
Cara todj razo ret-ebeu o Sr. Dr. Eugenio
Hoscoso os mais estrepitusos applausos e fctici-
lacties de todos os presentes.
Em segu da a Exma. Sra. D. Florinda Leal
executoo a brilhante composigo de Raff deuo-
Biinadi ftlniwqas produzio excellenle impres-
sio, no s pelas dilftcudiades que ella exprime
como pelo acert e prectso que presidio ao seu
iesempenho.
AExma. Sra. D. Hermma Coutinho desempe-
Bboue cabalmente da exeruco do capricho
-vafoa de Saint Saans denomraaUa v\ eding Cake
a foi applaudida com frenes
O mesino aconieceu a Exma. Sra. o.^sTaria
ieticina Rodriguss na grande valsa de eeSrerto
ae Hoscohy-lty t-m^ue ostentou a sua muita ap-
SdJo, seguranja e gosto, nao se embaracainio
com as verdadeiras dliculdades da msica que
AetM d |ir-ilenii Pin actos de lo
de Dezembro undo:
Foi exonerado, a pedido, o major Jos Correia
de liveira Andrade Jnior, do cargo de 1 sup-
plente do delegado do termo de Goyanna, o no-
meado para sunstituil-o o capito Amonio Ri-
beiro Campos.
Foi exonerado Austriclioio Paes Brrelo do
cargo ae i- suppieuie uo subdcigoao ao a lio
tricto do termo de Ijioiuca (S. Josi e nomea-
do para substituil-o Vicente da Cuaba Souto-
Maior.
Foi aceita a, desistencia que fez o alferes
Adolpho Bessone de Alraeida da serventa vita-
licia dos officios de contador e partidor do termo
de Xazarcth.
Foi noraeado Adolpho Bessone de Alraeida
para o cargo do 3 ollicial de archivo da Secre-
taria da Presidencia.
Foi determinado que os eleitores do 1 dis-
tricto de paz da parochia de Santa gueda de
Pesqueira se reuuam para actos eleitoraes no
novo edificio que actualmente serve de matriz, e
os do 2o districto de ^03sa Senhora da Concei-
go de Alaga de Baixq na capella da Fazendi-
nlia. ficando sem effeito a portara de i6 de
Abril do corrente anno na parle em que desig-
nen as capellas de Nossa Senhora Mae dos Ho-
mei3 e de Sania Rita, no povoado de Quitimb,
para reunio dos referidos eleiiores.
Aatoridado policial Por portara da
presidencia da provincia de 7 do corrente e pro-
posta do Dr. chefe de polica de igual data foi
nomeado para o Jlugar vago de subdelegado do
districto de Capoeiras do termo do Bonito, o al-
feres Hdefonso Carneiro da Cunha e Albuquer-
que.
Banco do Bra7.il Este banco est pa-
gando o 70" dividendo de suas acgOes razo de
8*0K) ou8 /o ao anno, ra do Commercio n.
6, 1' andar.
Cmara Municipal de Ol inda Em
scssSo de hontem, a cmara municipal de Olin-
da elegeu para seu presidente, no corrente an-
no, o Sr. Francisco de Pinho Borges, e para seu
vice-presidente o Sr. Jos Nunes de Oliveira.
>ulineie i'ui-iukik'x de i.isiura.
No iiroxirao domingo, 13 do corrente, s 11 ho-
ras do dia, devem reunirse em assembla ge-
ral os socios do Gabinete Portuguez de Leitura
para o flm de apreciarem o relatorio da actual
gerencia e elegerem a nova administrago.
Encola "Vormal.Na segunda-feira vin-
doura, io do correte mez, abrir-se-h.io as ma-
tricalas da Escola Normal, sero encerradas
3 de Fevcrciro seguinte.
< aa de Deicncu.-lloje, ao raeio dia,
vae a praca, peranle o "Thesouro Provincial, o
foruecimento de 3,000 metros de algodao ms-
ela o nacional para vestuario dos presos pobres
da <"asa de Deteugao.
1. xnoaleo preparatoria.No domin-
go, 13 do corrente, deve ser inaugurada, no pa-
Eicete do Lyceu de Artes Oflicios, a exposico
pernarahucana preparatoria da Universal de Pa-
rs, do anno corrente.
ftovos weiion.No Io de Fevereiro prxi-
mo seiio poslos em circulagao novos sellos para
cartas ejoruaos, secundo as formulas descrip-
tas no edita! publicado na respectiva secgao des-
te Di rio, pela administrago dos correios.
andamento. Ante-hontera, noite, o
Sr. Dr. Constancio Poutual, distincto clnico des-
ta cidade, passou pelo cruel golpe de perder
sua Hlha Maria Emilia, victima de um accesso
pernincioso, que zotnbou de todos os esforgos
em pregados para debellal-o e da desvellada so-
licitude de seus paes e amigos.
Associando-nos justa dor do nosso Ilustre
amigo, enviamos-Ihe os nossos pezames.
IJxameN preparatorio* Hoje haver
Bmente exames oraes de geometra, sendo cha-
ma los do preferencia os que esto inscriptos em
geographia ou pliilosophia.
Amanha s 11 horas haver uma banca de
inylez nicamente para os esludantes que por
motivo justificado ato a Bseran no tempo com-
plante, e eontinuarao as demais bancas que esto
fui cidonando, excepgo de geographia que
continuar na se^unda-feira ii do corrente.
Rpancamento -No dia 4 do corrente,
no lugar > anavieira de una do termo da Glo-
ria de Goit, foi traigoeiramente espanendo por
um desconhecido, Jos Cavalcante de Albuqu;r-
que, alli morador.
A respectiva antoridade policial tomn co-
nh -cimento do facto.
Tentativa de anicldio A*s 8 horas da
inaiih de antehontem Joo Franco de Mello.
morador na estrada do Vaduro, tentou suicidar-
se ingerindo um pouo de verde paria.
O subdelegado do 3* districto da oa-Vista,
saliendo do occorrido, para alli se dirigi e sou-
para a cidade de Lorena, o juiz municipal d'este
termo, Dr. Vicente de Moraes Mello Jnior, que
ha poucos mezes assumira a jurisdiego d'esse
cargo.
O Dr. Mello Jnior, dotado de excellentes
qualidades e cavalheiro de fino trato, no pouco
espago do tempo que n'esta cidade reside, tem
captado as syrapathias e amizades de seus juris-
diccionados. porque como magistrado tem sido
incxcedivel na distribuigo da justiga, e como
particular, despido de ostentages, a todos trata
com delicadeza e urbanidade como um verda-
deiro bomem popular.
Os iguapenses tm demonstrado o seu pezar
por esse remogo, e, com justa razo, sentem a
mita desse justiceiro magistrado, que, com sua
retirada, abre uma lacuna bem dlflicil de preen-
cher.
Nos, sa bem que tocados dos meamos serl-
timeutos de nossos concidados, felicitamos o
povo lorenense pela brilhante acquisigo que
acaba de fazer, tendo como juiz municipal de
seu termo um cidado, como o Dr. Mello J-
nior, que se torna recommendavel pelos elevados
predicados que exornam sua pessoa.
O Commercio de Itfuape tambera publicou o
seguinte:
A 6 deste mez tomos sorprehendidos por
uma noticia que encontramos em um jornal, de
que deste termo para o de Lorena, nesta provin-
cia, ia ser removido o juiz municipal o Sr. Dr.
Vicente de Moraes vello Jnior.
Aps d'isso, ainda deparamos no Jornal io
Commercio, de 28 do passado, o seguinte: O
presidente da provincia^de S. Paulo julga ur-
gente a nomeago de juiz municipal para Lbrena
e recommenda para esse cargo o actual juiz em
Iguape, dizia hontem ura senador ministro.
E, por ultimo, vimos realisado essa ines-
perada remogo por decreto de 1. do mez cor-
rente.
Ora, se por um lado esse acto do governo
imperial digno d; applausos, porque o Sr. Dr.
Mello Jnior era digno de um termo melhor que
ste ; por ontro lado a remogo nao deixa de
imprimir nos iguapenses um incentivo de
pezar.
E com effeito, quando do seio de uma socie-
dade como a nossa, amante da justiga tem de
retirar-se um magistrado como o Sr. Dr Mello
Jnior, que pela sua rectido de animo, pelo es-
tudo das leis e pelo estimulo das tradigoes que
nobilitam a magistratura, pautava seus actos pe-
la norma do direito, esse pezar se torna ipais
sensivel e p'ofundo.
Mas. hoje nada mais resta do que, em nome
da popularan deste extenso municipio, felicitar-
ihos o honrado magistrado, que muito breve vai-
nos deixar cheio de saudades e gratido, pela
deferencia que mereceu do governo imperial;
enriando ao mesrao tempo, ao feliz povo de Lo-
rena, os devidos parabens, pela fausta acquisi-
go que conseguiram, de um magistrado que,
como o Sr. Dr. Mello Jnior, rcumodo um ca
recter honesto e excmplar aliados nobreza de
seus sentimentos, torna-se digno da estima e da
considerago de seus jurisdiccionados.
Sao, pois, os nossos votos que o honrado
juiz municipal e seus respeitaveis paes ao dei-
xarem as plagas iguapenses. sejam acompanha-
da veis at o lugar de sua nova residencia.
Um nutro voto dirigimos ao Allissiruo : que
o governo imperial seja bem inspirado na esco-
lha do magistrado que ver de succeder o remo-
vido.
Examet primarlo*Na escola publica
do sexo femenino de Tamandar, regida pela
professera Maria Augusta da Silveira. perante
um brilhante concurso de senhoras e cavalheiros
e de mais de 15 alumnas, prestaram no dia 5 do
corrente exame das materias que constituem os
tres graos do ensino publico primario 4 alumnas
da mencionada escola c 1 alumno da do sexo
masculino da mesma povoago.
Julgadas as pro vas segundo o processo estabe-
lecido no regiment das escolas publica?, pela
commissao examinadora composta do digno Dr.
delegado lilterario do districto Dr. Thomaz Caldas
Lins, do professor publico Casimiro Lucio dos
Santos e da professora da cadeira, foi pelo mesmo
Dr. delegado lilterario proclamado o seguinte (.
resultado :
1 graoAnglica Engracia Accioly e Luiza
Amanda de Medeiros Accioly, muito adiantadas
2 grao Zeferino los de Oliveira, muito allan-
tado ; Eufrosina Mara de Jess, adiantada.
3* graoAlice Engracia de Mello, vdistincgo.
Directora da* obra* de ronu-ria-
cao do* Porto* de PernamJacoReci-
fe, 8 de Janeiro de 1889.
Boletim meteorolgico
Barros e Sil
aquim do Ni
em visitado;
or 187 pe
126.
Hoapitai Pedro IIO movimento deste
estabelecimento de caridade no da 7 do cor-
rente foi o Seguinte *
Entraram 30
Sahiram 9
fMItxeraai
XI
produ-
as respectivas
493
enfermaras
xistem
Foram visitadas
pelos Drs.:
Moscoso s 8 lii, Barros Sobrinho s 7, Berar-
do s i0 1|4, Maaquias s8 3i4, EstevSo Caval-
cante s 9 lp horas.
Nao compareceram os Drs.:
Cvsueiro.
simOes Barbosa.
Pontnal.
O cirurgiao dentista Numa Pompilh nao com-
parecen. *
O pharmaceutico entrou s 8 1[2 da manh e
sabio s ;t 1 | da tarde.
0 ajndante do pharmaceutico entrou s 7 1|4
da manh e sahio i hora da tarde.
Lotera to rao ParaEis os premios
da 3." serie da 53." lotera do Gro-Par. ex
trabida em 9 de Janeiro de 1889 :
1230 60:000*000
6421 6:000*000
6643 3:000*000
1700 1:2003000
5514 1:200*000
APPBOX1MACOES
1229 600*000
1231 60>>*000
6423 300*000
6425 300*000
6644 180*000
6646 180*000
EstSo premiados com 600*000 os seguintes
nmeros:
1377 1908 3215 7006
Esto premiados com 300*000 os seguintes
nmeros :
20 1680 6326 7280 7643
Esto premiados com 120*000 os seguintes
nmeros:
1221 1222 1223 1224 1225 1226
1227 1228 1229
Estao premiados com 60*0U0 os seguintes
nmeros:
6421 6422 6423 6425 626 6427
6428 6429 6430
Esto premiados cora 30*000 os seguintes
nmeros:
6641 6642 6643 6644 6646 6647
"6648 6649 6630
Todos os nmeros terminados em 30 esto pre-
miados cora 60*000, excepto o da sorte grande.
Todos os nmeros terminados em 24 eslo pre-
miados cora 60*0/0, excepto o da sorte imme-
diata.
Todos os nmeros terminados em 43 esto pre-
miados com 30*00 .
Todos os nmeros terminados em 0 esto
premiados com 30*000, excepto os terminados
em30.
Todos 03 nmeros terminados em 4 esto
premiados com 30*000, excepto os terminados
em 24.
* seguinte lotera corre no dia 15.de Janeiro
com o plano de 120:0o0 000.
Lotera do trau-Par A 2* parte da
24" lotera, dessa-provincias cujo premio grande
120:000*000, sera extrah ida, torga-feira, lodo
corrente.
C'emitevio PuUliooOhiio
euit.uujgenes do Amaral Gusmo, Pernambuco,
64 annos, viuvo, Santo Antonio; dilatago da
aorta.
Jos,Pernambuco, 87 dias, S. Jos; convul-
soes.
Maria, Pernambuco, 14 mezes. Boa-Vista; con-
vulsOes.
Feliciano Gongalves Pinto, Pernambuco, 66 an-
nos, viuvo, Boa-Visia ; hernia crural estrangu-
lada
Joo Pereira da Silva, Pernarabuco, 40 annos,
casado, Boa-Vista; hemoptisis.
Manoel, Pernambuco, 78 annos, solteiro, Boa-
Vista ; bronchite.
Augusto, Pernambuco, 8 annos, Santo Antonio;
febre renitente biliosa.
Raymundo Pereira de Siqueira, Maranho, 32
annos, casado, Santo Antonio; febre typhoide.
Jacome Antonio Tentalara, Grecia, 28 annss,
solteiro, Afogados; tubrculos pulmonares.
O iabrico das garrafas de papel, prnci-
piado em Chicago, eatende-se gradualmen-
te o com notavel xito, nos Estados-Uni-
- - &
Horas ' as g Barmetro a 0 Tenso do vapor 3 a a a s
H X
6 ni. 26--0 761-75 19,81 78
9 28-9 762-12 19,09 6i
12 30"-2 762-19 20,30 63
3 t. 30-l 760-23 20.46 63
6 28- 1 7r.t-19 (0,71 70
Temperatura raaxiraa3O,30.
Dita mnima 25i0.
Evaporago em 24 horas ao sol; 7-,3 ; som-
bra : 3-,8.
Chuvanulla.
ireceo do vento : SE de meia noite at 6 horas
e 20 minutos da manh ; E al 7 horas ; Ese at
8 horas -, 8 e ESE alternados at 2 hora.- e 30
minutos da tarde; ESE at 9 horas e 5 minutos;
E at 10 horas e 30 minutos; ESE at 11 horas e
38 minutos; .--E at meia noite.
Velocidade media do vento: 2- 33 por se-
gundo.
Nebulosidade media: 0,39
Boletim do porto
2 H
a i
P.
B.
P.
B.
Dia
8 de Janeiro
') de Janeiro
Horas
958 da manh
3 32 da tarde
9-58.
4 -15 da manh
Altura
2-.06
0-98
t-,07
0-.92
LelloeaEffectuar-se-hao 03 seguintes
Hoje:
Pelo agente Stepple, s 11 horas, trayessa
do Marisco n. 20, ca armago, gneros da ta-
verna ahi existente
Pelo agente Gusmo, s 11 horas, ra do
Mrquez de Olinda n. 48, de um cofre, movis,
piano, etc.
. Amanhi ;
Pelo agente Britto, s 10 1/2 horas, ra do
Viscondi delnhauma,de movis, perfumara etc
Pelo agente Burlamaqui, s 11 horas, 4 ra
da Aurora n. 109, de movis.
Pelo agente Ilnto, s 11 horas, na ra do Mr-
quez de Olinda n. 52, de um cofre e objectos de
escriptorio.
ni*a* runekre*Sero celebradas :
- Hoje:
A's 9 horas, na capella do engenho floit, pe-
la alma de Joo Cavalcante Mauricio Wanderley.
s 8 horis, na Madre de Deus, pela alma de
Augusto da Ponte.Amaral.
UM POUCO DE TUMI
A Agencia Havas comiuunicou ha dias
o fallecimento da duqueza de Galliera,
uma das mais nobres e distinctas senhoras
de Paria, notavel pelo lustre do seu nasci
mento, pela sua enorme fortuna e pelos
excellentes dotes de seu eoracao.
Morreu com 73 anuos de idade, depois
de ter distribuido, durante uma vida cheia
de cledicaeao e de amarguras, mais de
cem niilhoos de francos aos estabelecimen-
tos de caridade e aos indigentes.
A fortuna colossal da duqueza de Gal-
liera fra herdada de seu marido, o duque
de Galliera, um dos principaes constructo-
res dos caminos de ferro da Alta Italia e
um dos promotores da linha de Paris-Lyon-
Meditersaneo. O doque fra associado
era quasi todas as grandes, emprezas in-
dustriaos dos ltimos 50 annos e deixou
uma fortuna de 220 militos.
A duqueza de Galliera deixou testa-
mento, dispondo de trinta e oito milh3es
em beneficio de estabelecimentos de cari-
dade de Genova, sua trra natal, e de
cerca de cincoenta milhoos, em favor de
estabelecimentos pos da Franca, sua pa-
tria adoptiva.
A duqueza de Galliera era muito dedi-
cada familia Orreans, tendo uma espe-
cial predileccao por sua alteza real a prin-
ceza D. Amelia. No seu palacio offereceu
sumptuosas festas ao principe real, quando
esteve em Pars para ajustar o seu casa-
mento.
Mas, apezar da sua enorme riqueza, a
duqueza foi sempre accidentada de soflfri-
mentos e desillusoes, que a amarguraram
profundamente.
Seu nico filho, atacado ha tempos da
inania da perseguicao, sahio de casa, re-
nunciando ao titulo e fortuna.
Tendo recobido uma educagao primoro-
sa; valeu-se dos seus conhecimentos e foi
para Allemanha e em seguida para a
America ser leccionista de historia.
Nos ltimos tempos aquietou-se o seu
espirito, e, recuperando a serenidade das
suas faculdades, voltou para a companhia
de sua mai, prodigalisando-lhc nos ltimos
dias da sua existencia todos os carinhos e
desvllos de um filho extremoso.
Uma aposta, que a ser verdadeira a no-
ticia que encontramos n'um jornal estran-
geiro, teve um resultado muito curioso :
Ha das Mr. Rob G. convidou para um
passeio ao campo numerosos amigos e ahi
* *
primeira' das sas
quebrarem nunca.
vantagens nao
18
A segunda ser o seu preco muitiasimo
inferior ao das garrafas de vidro, lata ou
mesmo de barro.
Accresce mais uma grande economa
no peso.
As novas garrafas, que interiormente
sao barradas com uma composigo chimica
que, seccando, as torna vidradas, resistero,
accSo de qualquer acido.
#
A rainha Nathalia receber a visita de
seu filho, o principe real da. Servia, no
>iia 15 do corrente.
Esta entrevista o resultado das recen-
tes negociagfies entre o rei Miln c a rai-
nha O rei estipulou que esta entrevista
se realisasse em Bucharest, o que o prin
cipe all se demorara apenas dous dias,
residi do na legagao servia.
A rainha desejava que a entrevista ti-
vesse lu. ar no territorio russo e que o
prineipe 1 gtivesse em sua casa por alguns
dias, mas resignou-se diante das terminan-
tes orden* do rei.
Accresconta-se que o principe ir aconi-
panhado do ministro da guerra e dos offi-
ciaes que devem presenciar as entrevistas.
Diz-se porera bue 1 rainha se recusou
a acceder a esta condicSo, obtendo por
fim que fosse retirada.

O assassino de Ma l Aquctaut, con-
condemnado morte pe 'o tribunaes fran-
cezes, e de quem nos te os oceupado lar-
gamente, recebeu ultimem ente a visita do
seu advogado Mr. Comby.
Este annunciou a Prado qu o seu re-
curso fra indeferido.
O sentenciado morte recebtu esta no-
ticia cora a maior frieza.
)i sabia, disse-lhe elle, e nao me
surprehendeu.
Depois declarou que nSo-estava dispos-
to a firmar nova peticao do indulto, ac
crescentando :
= J que a sorte assim o qner, jirefiro
acabar quanto antes. S lhe pego para fa-
zer todo o possivel para activar o assump-
to, afim de que me marem antes de dia 1
de Janeiro.

*
* #
um dra-
Um nosso collega americano publica a
seguinte noticia:
jn um destes dias passou-se
ma sangrento as margens do ro
ron, ao norte de Kamns.
Mr. William Beatric, partindo pela ma-
nh para os campos, deixou sos em sua
casa a seus filhos ; uma menina de cinco
annos e uma outra de poucos mezes.
Quando voltou casa encontrou sua fi-
lha mais velha chorando, e que Ihe disse :
trouxe para a porta niinlia irmazinha, e
deixei-a s um minuto, ouvindo a gritar;
corr e ainda a vi ir pelos ares.
O infeliz pai, comprehendendo que sua
filha fra levada por uma aguia, reuni os
seus vizinhos e, todos, principiaram a b-
ter as margens do Rio.
Uma hora depois ouvia-se nm tiro. Um
dos vizinhos de Mr. Beatric encontrara a
aguia e ferira-a n'uma aza.
Attrahido pela detonacSo, o pai da rou-
bada ainda pode ver perdendo-se no espa-
go a'ave de rapia que deixara cahir das
garras o cadver j meio devorado-da in-
feliz enanca-
de advocacia, para a ma do Imperador n.
30,1. airiar, esquerda.
Oeeiilista
Dr. Ferreira, com pratica nos principaes
hospitaes e clnicas ac Pars e Londres,
d consultas todos os dias das 9 horas ao
meioa. Consultorio e Nsisncia a ra
LargiigV) Rosario n. 20.
tterraria a va^ar
Swraria a vapor e offieinti'de c.ara,.i
il-Francisco dos Santos Macado, caes do
C'apibaribe n. 23. Esta s^aaSestabeleci-
meato, o^nmeiro da provincia neste ge-
aero, eompra e vende madrjgsr de todas
^^kWnWs^^a dHMFde conU
alheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por pregos sem com-
petenciaPernambuco.
O rosarla
Francisco Manoel da Sva& C, deposi-
tarios de todas as especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas," productos chimi-
cas e medicamentos homeopticos, ma do
Mrquez de Olinda n. 23.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
INDICACOES OTIS
Mdicos
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio aberto ra Duque de Caxias n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e des ta hora em dian-
te em sua residencia ra da Santa Cruz
n. 10. Especialidades molestias de se-
nhoras e criancas. Telephone n. 326.
O .Dr. Alvares Guimaraes, chegado da
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade s molestias do coraco,
pulmes, figado, estomago e intestinos, e
tambem s convulses e outras molestias
das criancast Reside praca Conde d'Eu,
n. 28, 1. andar, e tem consultorio ra
do Bom-Jesus, n. 45, onde diariamente d
consultas do meio-dia s 3 horas da tarde,
aceitando chamado em qualquer desses lu-
gares. Telephone n. 381.
Dr. Joaquim Loureiro medico e partei-
ro, consultorio ra do Cabugn. 14,1.
andar, de 12 s 2 da tarde ; residencia no
Monteiro.
Dr. Barreta Sampaio d consultas de
meio-dia s 3 horas no 1. andar da casa
a ra do BarSo da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sete de Setembro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratica a laragem do tero quando e como
aconselhada. Consultas das 11 s 3 da
tarde em sua residencia ra do Bom
Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1. andar.
O Dr. Costa Cromes, de voltade suavia-
gem ao Rio da Prata, contina em seu con-
sultorio e residencia na ra do Mrquez ac
Olinda n. 34, 1. andar. Chamados a
qualquer hora. Consultas de 12 horas s
3 da tarde.
Dr. Jofto Paulo, especialista em partos,
molestias de sejihoros e de criancas, com
pratica nos hospitaes*e Pars e de Vienna
d'Austria, d consultas de 1 s 3 horas da
tarde em sua residencia ra do Barao da
Victoria n. 59, 1. andar. Chamados a
qualqror hora.
Advogados
O baeharel Witruvio Pinto Batidora,
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1. andar.
PUBLICARES A PEDIDO
oihuHns.i pernaaabncaoa para
representado da provincia aa
exposico universal de Pars.
rnoasAMMa da abertura da expoxicao
PREVIA
No dia do correte, ao meio-dia, no salo
da Imperial Sociedade dos Artistas Mchameos
e Libantes, prsenles os Exras. Srs. presidente
da provincia, commandante de armas, goverua-
dor do bispado, chefe de polica, ser inaogn-
rada a exposigo, sendo oradores ofliciaes por
parte da commissao o Dr. Jos Eustaquio Fer-
reira Jacobina.'e por parte da Imperial Soeie-
dade .los Castor de Araujo Souza.
Em seguida dar-se-ha a palavra aos oradores
das diflerentcs associarScs e a qualquer que ae
iuscrever at a vespera noite na secretara da
commissao.
Finda a inaugurarlo c depois que a exposico
'or aberta pelas autoridades e convidados, ser
tranqueada ao publico.
A exposigao continuara aberla nos dias 15, 17
c 20 do corrente, das 6 horas s 9 da noite.
As commissoes e lodos os mais membros da
commisso de exposico devem reunir-se no
cdicio da sociedade, as 10 horas da manh.
Foram uomeadas as seguintes commissoes:
De convite
Os Illms. Srs.:
Baro de Casa-Forte,
r. Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
Dr. Vicenle Ferrer de B. W. Araujo.
Commissao para preparar o edificio
Os Illms. Srs.:
Commendador Joo Fernandes Lopes.
Commeudador Antonio Gomes de Miranda Leal
Coronel F. P. Bolitreau.
Andr Maria Pinheiro.
Alfredo Ducasble.
Jorge Bott.
Tefles Jnior.
Francisco Augusto Perreira da Costa.
Commissao de recepeo
Os Dlms. Srs.:
Commendador Joscph Krauso.
Francisco Gurgel do Amaral-.
Coronel Fiuza de Oliveira.
Julio Fucrstemberg.
Flix de Valois orreia..
Francisco da Costa Ramos.
Flix Venancio de CantaHce.
Anselmo Ayres de Azeredo.
A commissao de recepeo fica encarregada da
fiscalisago dos ubjeeios exposios.
Recife, 9 de Janeiro de 1889.
Visconde da Silva Loyo,
Presidente da commissao.
Manoel Goncakes Agr,
rresidente da Imperial Sociedade.
Pernambuco, 9 de Janeiro de 1889
Illms. Srs. Redactores do Diario,Communico
a Vs. Ss. que com relaco a noticia que digna-
ram-se dar pelo seu muito conceituado Diario
de 6 do corrate sob epigraphc Que fim levara T
Cbeme o dever de agradecer a Vs. Ss. pela
dita,publicao e por este meio pedir-lhes nova-
mente o obsequio de declararla revista diaria
estas linbas.
Logo que minha esposa teve "o conhecimenlo
da falta da mesma menina immediatamente o
raandou communicar ao digno subdelegado da
Torre o Sr. inajor Borges Leal e tanto zelo e
ii-iividade empregou o mesmo Senhor, mandan-
do logo o seu filho com alguraas" pragas procurar
por aquellas circuravisinhancas e em seguida
pelo seu inspector o Sr. Augusto Cesar, no dia
seguinte appareceu ella era uma casa na- Torre.
Pela presente agradeco muto-ao* Sr. major
Borges Lecl e seu filho e ao Sr. Augusto Cesar,
particularmente ao Sr. Manoel Jacmlha pela de-
dicaco com que me ajudou a procrala."
De Vs. Ss. Amigo, obligado e criado.Josi
Ferrara.
X. 3O0
sua Florida le Surrui e W nillSM
As senhoras que eslo acosturaadas.^usar pos
de arroz, que s fazem en 'utiecer o rosto, fechan-
do os poros da pelle, pnvmdo a evaporaco da
superficie; obrariam com juizo era por inteira-
mentc de parte semelhante ingrediente, substi-
tuiudo em seu lugar este puro cosmtico Doral;
o qual nao s perfuma a pelle com uma fragran-
cia to fresca e deleitavel como o respiro e cneiro
das llores meio abertas, mas sim tambera faz re-
mover todas as maculas que desfeiam a formosu-
ra das feices, dando aos vasos superficiaes um
aspecto saudavel e vigoroso, restituindo s fei-
ces a primitiva edr rubicunda e macia, dando-
lhes uma pura e linda transparencia e elastici-
dade.
Todas essas aguas adstringenles, pos e Dom-
inadas, etc., do da, nao fazem mais do que ar-
ruinar a pelle e estragar a formosura contami-
nando mais tarde ou mais cedo a propria saude ;
emquanto que a tendencia desla agua saudavel e
aromtica.--inteiramente opposta.
Quando misturada n'um pouco d'agua, torna-
se um excellente e exquisito meio de lavagem,
para os denles e gengivas, dando bocea e ao
paladar um delicioso gosto aromtico. v
Como garanta contra as falsilicages obsrve-
se bem que. os nomes de Lanman & Kemp ve-
nham estampados em letras transparentes no
papel do vidrinho que serve de envoltorio cada
garrafa.
Acha-se venda em todas as boticas e lojas de
perfumaras.
ColJegio Atheneu Brasileiro
Ra do Honpiclo, ulica
Academia
O director deste collegio communica aos pai
de sens alumnos c ao publico que os trabamos
do anno lectivo vo comegar quinta-feira 10 do
corrente.
J. M. Acaua Ribeu-o. .
G. LAPOHTE
Ra Ia de Marco o. 23---1- andar
AGENTE DA
coorsaum uhivsssal
S REPRESENTANTE
Das mal afanadas fabricas
francezaM
Recebe encomraendas de qualquer arti-
go ; condiydet vaabyosas.
I

3
-1
-


i
* ii




I
i
I
\
i
I
(JWpp^'de Pemaiabiitt|>- ,,Qflirrtft4a l%4miJkw&riA*i4ti&)
a
tivo vegetal
A
Apprvd'f ifwCrorr'a'e Hv-
gieno Publica do Rio de Janeiro om 20
de Jftfto do 1887.
Este depurtttil de gran* mesela na mo-
lestias syphiliticas eimpmw*u-(-M comoi' todas as molestias das senhora.
Teiu curado radicbale nte umitas pessoas ac-
commettidas da terveTmolesti bcriberi.
MODO DE SAR:
Os adultos 4flr8o qintro coltieres das de
sopa pela manha e quatro & noite. As mangas
de J a 5 annos tomarao urna colher pela manha
e outra a note.* 9*A+% ^Y^rW108 tomar5
duas colheimfte auna ediris noite. De-
veraotoinarJBaJajTrip ou morao pula manha e
noite. Tuffijgiftr rekuBv
Encpnlra-pe Tenp no^nj^aha- dos Srs.
Fraatiaco Manota da Silva & C, ra Mrquez de
Olinda n. *! e puarnuciirOiipatal roa listm-
ta do. Rosario u. 3.
O autor (leste preparado pode ser procurado
Da ra do Kaio da Victoria a. 37, onde ser en-
contrado para dar toda c cnialpief exrricaco
que for precisa.
S. 21
Illm. Sr. Angelino Jase dos Santos Andradn.
Tenho a satisfacao^^lhe comrauuicar mais
um ca o qui- se deu coniniigo : estando soffren-
do ha um .un) [iouco .mais uii menos de urina
kota equati ambarada, tend<> espitado os re-
cursos mdicos, 'aeni resultado algvin. taacei
mSo mais una vr* do seu Ktexir purificador do
sangue, e com o usoaoTrcs garrafas restabele-
ci-me perfeitamente.
Mais tuaa vez o telirilo por tu iuaravuhoaa
dcjceberti Distas mdwsratrro'conten a ver
dade V. S. far o uso fue loe. convier.
De V. S. atiento venerador e criado. Recife,
13 de Maio'de 1886. Signa Ximrr de Souza
Fonseca.
N. 22
Pernambuco, 19 da Novcmbro de 1883.
Illm. Sr. Angdiuo Jos dos Sanios Andrade.
Tendo sbfTridn do svphitis pnr ep.-iro de quatro
annos. tomando seniprc depurativos e mais me-
dicamentos rcceitacWpOr diversos mdicos des-
ta capital, nunca pnde eolher defka o menor re-
sultado, porm aconselliando-me um amigo-para
que eu tomapo o Seu preparado Elixir depura-
tivo nao qnra logo toml-o pois que j5 estava
completamente desengaado une niio baveria
remedio alga qae ^lestabtfueesse a inhiba
saude.porem a instancias deste mesmo amigo,
depois de algum teurpo resolvi-me a experimen-
tar wmiilii'iibli' que na priuieira garrafa
tinham desaprecelo abromas frranehas que ti-
nha pelo corpo e continuando a tomar acho-me
completamente restablecido ; seria pois urna fol-
la de conscieucia o uio Uie agradeces* u e di
zeiulo-le tambem que aeonseliiarei a alguin ami-
go ou conbecido que te aba a infelicidad!; de pa-
decer do mesmo mal que ja padec. Assiin eomo
poder Vmc. fazer desta o uso que loe convier.
me assiguando de Vmc. criado obrigadissimo.
Paulo Luis Alies.
y.
Recife, 2 de Junho de 188i.
Illm. Sr. Angelino Jos dos Sanios Andrade---
Boa saude lhe desojo ctodos os seus. Parti-
cipo-lbe que com duas garrafas do seu Elixir
restaurador do sangue, foi sufficiente para ficar
perfeitamente resnibcieridn n Exmn Sra.
Maria Januaria de Barros Lima, moradora no en-
genbo Sorra, que por intermedio meu, e pela
grande nomeada do bom efl'eito produzido pelo
remedio cima escripto, de -qne o seultor, iu3])i-
rado pela Providencia,-!pode penetrar a este
grande segredo da medicina. Enviando eu duas
garrafas, como cima dis^e, ficou ella curada do
antigo reumathismo, que, h muito lbe persegua,
accresce mais que ella comecando cm tratamen-
to. appareceu-lhe urna grande intlaminaco nos
olios a poato de ficarcm completamente fecha-
dos, que no decurso do tratamento licou perfei-
tamente restabelecida de ambas as molestias.
tac somente com as duas garrafa? do seu mara-
vilhoso remedio. ....
So posso Bie agradecer por fus feliz idea, e
desde j peco-lhe que considere-me como um seu
respeitador e humilde criado e obrigadisso.-
Bostiniano, Qarneiio de Moraes.
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
SoiTreudo eudeum corrimento (blenorrhagia)
tomei muitos remedios durante seis Buces o'nio
havia possibilidade de parar o mesmo corrimen-
to. Bizendo isto a um amigo ello me aconsc-
lliou que tomasse urnas garratas que tinham o
tituloEXvtir depurativo que era seu preparado.
Mas eu sem fe alguma maudei comprar urna
garrafa. 1 rincipiei a tomar conforme a receita
que vinha no envolucro da mesma garrafa. De
di;, para dk me achava mellior; acabou-se a
garrafa, mldci comprar outra, c quando estava
acabando asegunda j ttaha dosapparecido com-
iiletamenteo corrimento.
Ora ni>. podia deixar de vir por meio deste
dar-lhc uDivl de Iouvqi' c de reconUecimento
pelo seuE^Sa/feo de tanta clocada e que um
maravilhoso remidi.
Aproveito-me da opportunidade para reiterar
a Vmoa os meus protestos de alta estima e con-
Recife, 16 de Marco de 1883.Francisco lote
Dias Sbrinho.
K. 25 fc
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos AnJrade^-
Ha muito que devia enderecar-lhc a presente
Sara que Iki'sse coinpanhia aos muitos atista-
os que V, S-. possue, porm muiros trabaluos e
atOesqaecimento. corfesso me tem privado de o
fazer, agora porm que o lempo me sobra, aqui
vai.
Soffri por muito tempo rheumatismo articular
agudo, c depois de fazer uso de muitos medica-
mentos apropriados sem resultado, lancei inao de
urna garrafa de seu preparado, sem rotulo que o
recommende e pnncipiei a usal-o peiora so-
lemnemente e quasi que o abandonava, porm,
um amigo aconselhou-meque proseguissee as-
Bim fiz. Tomei 4 garrafas e fiquei completamen-
te curado.
O anno pausado fui para a Europa e com o
fro appareceu-me de novo a molestia e all pri-
vado do sou medicamento, passei todo o tempo
que alli estivo, prostrado no leito da dor, mas
negando aqui continuei a usal o e em pouco
tempo restaurei as forgas e a molestia desappa-
receu.
Assim aciio que o seu medicamento um pre-
parado por cxcellcncia como depurativo, e todos
aquelles que soffrem desyphis encontrarao um
lenitivo aos seus solTriuietos.
Aqui Rea escripto bem patente o que encontrej
eid seu preparado, podeudo V. S. fazer o uso qne
lhe convier.
Estou usando d'elle para outra molestia e se
tiver resultado lh'o participaren
Sem mais sou com conaideragao de V. S. at-
iento, venerador e criado.Affonso Toborda.
Recife. 13 de Dezembro de 1886.
Estavam selladas e reronhecidas as firmas dos
attestados cima.
(Contina).
ra tranqu
pula^ao d'esta cidade preve-
nimos a todos de que naote-
nliam receio de comprar car-
ne por mais de USO ris O
kilogramma, porquanto
j tomamos todas as medi-
das para que isso nao succe-
da, e assim temos combina-
do com varios marchantes e
tambem com a digna socie-
dade dos Talhadojfes, a q*aJ
por unanimidadede votos to-
mou o compromisso solemne
de nao cortar rez alguma por
preco superior a aquello, seja
de quem quer que fr.
Essa deliberac,ao que, hon-
ra a digna associacao, orna s
seguro penhor que garante
os direitos einteressesdopo-
vo d'esta cidade, que tanto
se procurava allegar em fa-
vor do contracto.

MlM
MM'
que offerece urna sociedad artistica aos Srs* assignantes
Amm. mm. v -USift^ae Pernambuco
DE
DUAS BELLAS OLEOGRAPHIAS
^-BftlBTO DTELA
BfiMJtfffkiiiimiii oitograpliias medem 88 cenlioietros de alto por fl de largo, e sft0
&lpfx exacta dos orrctaael; das obras dos grande* ipintores hespanboes Velazquez e Murillo.
nto se tendo esta sociedad poupndo gastos nem sacincios para apreseatar duas copias dignas,
d'aquellas graades celebridades artsticas.
Nem maB urna palavra oiremos em seu elogio, pois que o publico ja soube julgar do m-
rito denles quadros cujos magnitlcos PENDA.MS temos exposto na livraria F. P. Boulitreau, na
ra do Imperador n. 46.
Apezar da importancia destas obras, llzemos urna combinagao cm obsequio aos Srs. as-
signantes ueste Diario para que possam obtor ao preco reduiidissimo de 4Maa cada urna, ou
soja una quarta parte, aproximadamente, do seu valor-, sendo indispensavel para sua acquisico
a apresentago do cupn junto, que se deve cortar e levar-se, at ao dia 21 Enero, en la dita li-
vraria P. P. Boulitreau, 46Imperador.
CUPOM
Apresentar-se em la
livraria F. P. Bouli-
treau, successor de G.
Lapor: & C. ra do
Imperador n. 46.
Diario de Pernambuco
VALIDO ATE' 21 ENERO PXM0.
val ido par*.
iicmpI.-O Cbriato
A Vlrgcm
Apresentar-se em la
livraria F. P. Bouli-
treau, successor de G.
Laport & C, roa do
Imperador u. 40.
Inglez e francez
Cursos das 7 s 8
') ? G da tarde
2" andar.
'
horas
da manh3 e das
ra' da Aurora n. J^T,
Colegwiiw de Janeiro
^ol> a dircci'o debacharel Ber-
nardo los da Gama Llns
Ra do Dvwnbarqador Ntmes Machado
n. 92 A
O director deste estabeleciinento de ins-
treyao primaria e secundaria offerece aos
Sis. paos urna casa em que ha dadeiro interesse na educa^So de seus fi-
llioe.
As aulas comecaro no dia 0 do corren-
to, achaodo-se a frente da aula primaria
o director* secundado por muito bons au-
xiliare.
Oo curso secundario que comprehende
as seguimos materias portuguez, francez,
inglez, alleraSo, lalim, rethorica, geogra-
ghia, historia, inuthematicas, philosophia e
seiencias physicas e riaturaessao profes
sores osbaeliarejsAyres de Albuqucrciue
Gama, Tertuliano Feitosa,' Augusto La-
menha, Eqlic#nodeKego c Bernardo Lins,
o 1.- tenento Sidney Schieflere o Dr. Cu-
lia Menozes.
O servifo interno c entregue a censores
e o domestico a familia do director.
O collegio ainda proporciona conforme
a;uste separado, o ensino de piano e canto.
O director,
Bernardo Jos da Gama Lin.
Freir de Andrade & C. 178 ra dos
Capellistas, Lisboa, vendem cal cm pedra
superior qtialidade, preco 180 res fortes
cada 15 kilos, postos abordo com vasilha.
Festa de Nossa Senhora do
Monte
No dia 13 de Janeiro prximo, pretende o
Dom Abbade do Mosteiro de Bento de Olinda
celebrar a festa de Nossa Senhora do Monte em
sua ermida e desdo j poderao os devotos se en-
tender com os encarregados da mesma festa que
sao os capitSes Fortunato de Sampaio e Luiz
Pereira de Farias. _______
Olinda, S de Drrembro de"!888.
Frei Jos de Santa Julia Botelho,
Dom Abbade.
------------cicoec------------
A o coiDiiiercio
A directora da Sociedad Uniao Commercial
BeneQceate dos Mercieiros, a quem estao conia-
dos os poderes para tratar dos interesses dos
seus associados, e bem assim do commercio a
retamo, em geral; surprehendida pelo despacho
de S. Exc. o Sr. ex-presidente da provincia de 2
do correte, pelo qual concede que se eslabele-
cam negocios de fazendas, miudezas, calcados,
ferragens e motilados, nos compartimentos do
M rcado Publico de S. Jos, sem que fiquem sn-
jeitos aos impostos geraes e provinciaes, e de
ciijo favor importa e colloca a desigualdade de
commercio.
Convida a todos os Srs. negociantes de re-
tamo de qualquer classe a comparecerem & ra
estreita do Rosario n. 3, 1. andar, sexta-feira 11
do corren te, s 11 horas da manha, atim de re-
solverem o melhor meio de anteporem perante
quem competir os seus direitos prejudicados.
Recife, 6 de Janeiro de 1889.
Lanterna Mgica
A redaccSo deste interessante peridico livre
e humorstico mudou-se da ra do Rangel n. 16
para o Pateo do Terco n. 4, onde est estabele-
c.da a acreditada officina litliographica do Sr.
Antonio Carlos Borrqmeu, na qual passa a ser
impresso aquelle peridico.
Professor
O professor J. B. Feln continua a leccionar
em sua casa, cm casas de familia e em collegios,
l'rancez Latim, Arithmetica, Algebra Geemetria
e Trigonometra ; ra Velha n. 46, 1 andar.
CORTE-SE ESTE CUPN
NotaA oleographia sem apresentacao deste cupn vale 15*000.
OutraPrevme-se aos Sis. assignantes que, paseado o dia ti Enero neo terfo direito a
ncnliuma reclamaco, por ser este prazo improrogave
Em virtude do que dispoe o art. 66 do regula-
mento (me baixou com o decreto n. 9554 de 3 de
Fevereiro de 1886, a Inspectora Geral de Hy-
giene faz publico, pelo prazo de ito dias, que o
cidado Alfredo Jansen Goncalves Ferreira, lhe
dirigiu a seguinte petigo com documentos que
satisfaem as exigencias do art. 66 do citado re-
gulamento.
Alfredo Jansen Goncalves Ferreira, acando-
sc habilitado para bem exercer as funccOes de
pharmaceutico na cidade e municipio do Espiri-
to Santo, comarca de Pau d'Alho, provincia de
Pernambuco, visto como n5o ha na referida ci-
dade plianuacia alguma dirigida por pharmaceu-
ticos formados pelas nossas Faculdades e provar
o supplicante com os documentos juntos, o que
determina o art. 65 e paragraphos do regula-
mento (rae baixou com o decreto n. 9.554 de 6 de
Fevereiro de 1886.
Assim o supplicante, confiado najustica que
sempre preside aos actos dessa Inspectora e na
de sua causa, espera e pede a V. Exc. deferi-
mento. E. R. Mee. Pau d'Alho, 9 de Julho de
1887 Alfredo Jansen Gongalves Ferreira.'Sobre
duas estampilhas de 30 > ris cada urna.
E declara que, si nesse prazenenhum pharma-
ceutico lhe communicar ou Inspectora de Hy-
fiene da provincia de Pernambuco. a resolucao
e estabelecer pharmacia na citada localidade,
conceder ao pratico a licenca requerida.
Inspectora Geral de Hygiene, 9 de Agosto de
1888.Dr. Pedro Alfonso de Carvalho, secretario.
--------------^
Collegio Amor Divino
EA DA IMPEEATE1Z N. 32
As aulas deste estabelecimento, dedicado
iustruegao das creaucas do sexo masculino abrir-
se-ho no did 7 do corrente.
A directora,
Otympia Afra de Mendonca,
Aula mixta particular
2F.ancisca Martiniana Luzia Caraeiro, alum"
festra titulada pela Propagara de Instrocv^
rublica, scientifica aos pas de familia e espe-
cialmente aos de seus alumnos que sua aula
.cntinuar a funecionar no dia 14 do corrente
ra de (?. Gonjoio w
Recua, 7 de Janeiro de loy.
Instituto Philomatico
33 Vlsconde d'Albnquerqae 33
As aulas deste estabelecimento de mstrncco
estarao abertas do dia 7 do corrente em diante.
0 director,
OlMo Viclur.
Curso primario e secundario
Jos de Souza Cordeiro Simes, participa ao
respeitavel pubco e especialmante aos pas de
seus alumnos que as aulas do seu curso abrir-
se-ho no dia 7 do corrente.
? ---------
Curso primario e prcpara to-
rio -*--
Ra I.a mu do osario n. IS, Io an-
tlar
Esto abertas as aulas deste curso desde o dia 8
do corrente mez
O director,
Camerino Sbrinho,
lo Meira
Ra da Imperatriz n. 63
Este collegio de instruoc^o primaria e
secundaria, cuja aulas se reabrirSo- no
dia 7 de Janeiro corrento, offerece aos
pais de familias que o quizrem honrar,
confiando-lhe sena filhos, todas aa garan-
tas de moralidade, aproveitamento e bom
tratamento para os meamos seus fimos.
O resultado dos exames obtido, pelos
alumnos deste eollegio, ser opportuna-
mente publicado, e em vista delle se ter
urna prova do interease tomado pelo abai-
xo assignado pela applicajap dos seus
alumnos.
Recife, 3 de Janeiro de 1889.
O director,
Ascencio Minervino Meira de VdsconceUos.
MEDICO HOMEPATA
-
Dr. Balthazar da Silveira
Especialidadefehres, molestias
das criancas, dos orgaos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
fora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-'
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
I'
\ussji Senhora
IVnlia
da
aa aa turora u.
As aulas deste collegio se
. 1 -
abrir3o a 7
de Janeiro e sao de : primeiras lettras,
portuguez, francez, inglez,geographia, m-
sica, piano, desenho, bordados de varias
especies, flores, etc.
A directora,
Augusta Carneiro.
Aula
Collegio de S. Miguel
Ra do Viseon.de de Camaragi-
be a. &
Aos respeitaveis paca de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecimen-
to de instruejao para o sexo feminino,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
A mesma promette aos paes que lhe
confiarem suas filhas esforcar-se por lhes
dar urna educacao primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do Io de Janeiro no propriol
ostabelecimento, das 2 d* tefde s 7 A
noite.
jfcrecfora,
A. de Mndoncfl
O ESQUELETO
Lenda Phanlastica de Olinda
DM VOLCME DE 200 PAGINAS
Ultima jrroduegao do
Dr. Carneiro Vilella
Vende-se as prineipaes livrariaa d'esta
cidade e no pateo do Serco n. 4 escripto-
rio da Lanterna Mgica.
--------------?
Collegio de Santa Luzia
Do dia 14 em diante continua a funecionar, es-
forcando se a sua directora, para bem corres-
ponder as esperanzas dos paes ou tutores dos
alumnos que lhe forem condados, por meio de
urna educacao scientilica, moral e religiosa. Es-
pera pois dos mesmos benvola, protecQao.
Advocado
i
Viaa urinarias, molestias do tero,
operacoes elctricas
IS. CASL3S SZTTSffCDTOT
ESPECIALISTA
com pratica de p*aa k londbbs
Estreitamentcs da uretra curados ra-
dicalmente pela electrolyse, sem dor;
hydroceles sem iniecc (cura radical);
feridas e ulceras cMnicas#com garan-
ta de cura rpida; pedras da bexiga,
fstulas e hemorrhoidas : sypoilis, go-
norrhas, pelo methodo das insllacoes;
molesr-as da garganta, o do peito pelas
athmospheras medicamentosas. Coa-
floHas eoperacoos da s a horas,
roa do
MARQCEZ DE OLCDA N. 3t, 9 ANDAR
fanela a Torre
0 bacharel Jaronymo Materno Pereira de Car
valho mudou seu escriptorio do n. 55 para o n.
85 a ra Duque de Caxias, entrada pelo becco d
Congregaco.
Escola particular de nslriice&o
primaria para o sexo masculino
. Ra do C'olovcilo n. 34L
O professor abaixo assignado, participa aos
seus amigos, e ao respeitavel publico, que abri
a sua escola roa do Cotovello n. 34, onde edu-
ca e instrue a infancia pelo mais aperfeicoado
systema do Imperial Lyco do Rio de Janeiro.
Alumno interno 304000 mensaes
Meio pensionistas 154000
Primeiras lettras 8*000
Msica e piano 44000
Por cada um preparatorio 34000
Ra do Cotovello n. 34
Julio Soaret de Azevedo.
particular
Anna Theorlora Simoes participa ao publico
em geral c em particular aos pais de suas alum-
nas que a sua aula abrir-se-ha uo dia 7 do cor-
rente.
---------------^---------------
Dr. Alfredo Gaspar
MEPIOO "''
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n, 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manha.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. 226
Collegio Parthenon
3 Ra do Hospicio 3
O director deste collegio declara aos
pais de seus alumnos e ao publico em ge-
ral que as aulas comecarSo a funecionar
a 7 do corrente mez.
Recife, 3 de Janeiro de 1989.
O director,
Ovidio Alves Manaya.
Leonor Porto
Ra Carga do Bomuio n. le
2o andar
Contina a executar os mais dif-
ficeis figurinos recebidos de Lon-
dres, Paris, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeico de costuras,
em brevidade, modieidade em pre-
cos e fino gosto.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLTNSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Io de Marco n. 20, Io andar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
Nao fazemos commentrios, sobre o que ae-vae lar, porque a verdade nao ca-
rece de apanagios de palvras, para que brilhe radiante. Limitamo-nos a transcreve
o seguinte attstado que, por si, fa mais alto do qne.tudo quando podetiamos der
sobre os predicados efficazes que possue o PeHoral d? Cambar
Eis o attstado:
< IUm. Sr. J. Alvares de Souza Soares.Pelotas.
t Tendo em 1878 meu filh'o adoptivo, Thomaz Lencina, sentado praca, e
estando em Porto-Alegre servindo no quartal-general', adquiri que nunca p5de ser combatida pelo medico da enferiaria; em vista disso foi enviado
para o Rio Pardo onde estove em tratamento com o Ilustre medico .'militar, Dr. Me-
diros, e alli foi reconhecido achar-se effectado de- \sxaa,;twrbeoime aito achantada.
minha casa em 1882.
Empreguei todos os recursos para salval-o da morte.
Mdicos de Sant'Anna do Livramento, a quem consultei, dcclararam *et
caso perdido o intil qualquer tratamento, visto o estado adiantado da doenca; o Dr.
Fialh, porm, aconselnou-me o Peoral de Cambar de V. S., talvez xvnicameSpte
para satisfazer-mc, e foi com este preparado que o meu filho se curou! ,
tratamento nSo foi longo, as melhoras foram gradualmente augmentaad!?
mas, medida que ellas progrediam, os meus cuidados redobraram, pois todos sabem
como lguns doentes n'estas cond93es tornam-se mais iflsoffridos e desetridado*5lio see
estado, com o apparecimento das primeiras mejhora*.
Por isso, propositalmente, obriguei-o a continuar, por algum tuupo, -na as*
do seu preparado, guardando um rgimen conveniente, e dentro em pouco, mu'Sftt
tornou-se forte, vigoroso, completamente restabelecido !
Eijtendendo que este facto nao deve ficArigiii'lo pelos que Bolremwje ti*
terrivel enfermidade, peco-me para pubUcal-o, tendo em).\7st%rexfi; umajCtperanc^, ao
cora9Jlo de -tantos enfermos desanimados.
t Acceite os protestos da maior gratdSDe V. etc.fcente SimZee pi&
(Dons Serritos em Sarandy, Rio Orande do Sul.)
A 2)5500 o frasco, 6 vendido este remedio em casa dos agenten Francisce
Manoei da Silva & O. e em umitas outras pharmacias e drogaras dista capital.
Dr. Eduardo Silveira
De volta do. sua viagem -Corte, contina
no exeyeicio de suaprofisslo
Consultorio raa do Imperador
n. 48
Residenciaru da Aurora n. 47
Telephoae 11.266

<
Frederie Chaves Jnior I
HOMOOPATHA
'Rita do Bardo da Vieioria*
PRIMErftO ANDAR
"II
Clnica medico-cirurgica
DO
Dr. Ferreira
OCLIISTA
Pratico nos prineipaes hospitaes de Pariz
e Londres.
Consultas todos os dias (excepto domin-
gos) das 9 horas ao meio dia.
Pratica embalsamamentos.
Consultorio e residencia ra Larga do Ro-
sario n. 20
Telephone n. 233
DECLARARES
Adiulnlsraeo dos Crrelos de
Pernambuco. 1 de Janeiro
de 1899.
RelacSo da correspondencia registrada (sem va-
lor) que existe n'esta repartifio, por nao te-
rem sido encontrados seus destinatarios.
Antonio TeixeiraCarvalho Lisboa.
Antonio Jaciutlio. hajtea.
Amonio Josecle Araujo.
Antonio do Reg Borges.
Arthur Fenelon.
Camillo Correia de Andrade.
Corti Elila.
1 arlota i ordeiro Cruz.
Domingos Ribeiro.
Emil ?iilsen.
Flix Monteirode Castro. 2)
Feliciano Cezar Duarle Ribeiro.
Frd. Hedemaun.
Jos Ferreira.
Jos Carlos Mayrink Pires Nabuco.
Jos Bernardinb Ferreira.
Jos Joaquim Lopes da Suva.
Jos Luiz de Castro Accioly.
Padre Joao Seraniao.
JoSo Ferreira Lete.
Julio Lustosa do Amaral Nogueira.
Joanna Hara da Trindade.
Dr. Lenidas e S. (2)
Luiz Gracihano de Souza.
Dr. Leal.
Manoei Ferreira da Silya.
Nicolao Maria Prente. i3)
Paul Rocdel.
Pedro Paulo Lasolvia.
Pereira Faria C.
Simplicio Pereira da Paixao.
Victorina Augusta Falquet.
Antonio Dubeux,
2ouicial.
Coinpanhia Pernambucaiia de >a-
vepco C.sleira por Vapor
A8SEMILA GERAL EXTRAORDDARlk
Convindo resolver-se sobre o modo de meuw
rar c augmentar o material da companhia, con-
voca a direcgSo todos os Srs. accionistas para
urna reuniao"de Assembla Geral, que ter lugar
no di 23 do corrente, s 12 horas, na sede da
mesma companhia. e bem assim para tomar 9*
uln'i-'uueulo do acto de que tratao art-fl^dores-
pectivos estatutos.
Recife. 9 de Janeiro de 1889.
Manoei Joo Se Amorim.
Th. Comber
Arthur B. aHas,
Club Gafanhoto Carnava-
lesco
*, 5
Sao convidados os "socios deste club a com
recerem em sua sede a ra Joo do Reg n.
no dia 13 do corrente, pelas 7 horas da noite.
afim de se proceder a cleic3o para os novos
funecionarios. Previne-se que ter lugar a refe-
rida eleicjto com o numero que comparecer.
Absolutamente no se admitte bitontras.
Secretaria do Club Gafanlwto, 9 de Janeiro H
1889.O 1 secretario.
Araujo Guerra.
3a praa
Pela inspectora desta alfandega se fax
publico que no dia 10 do corrente as lf
horas do di*, ser3o arrematadas em lei-
iSo no Trapiche Alandcgado Largo d'As-
sembla as seguintes mercadorias.
Marca S Q & F, 5 pipas, vinte 5o e
10/10 contendo vinho secco communr, me-
dindo4,38 5 litros, consignados a Ferreira
Guimaraes & C-
Marca AIS, Cem barris de 5o conten-
do viho sece comntum vindos de Lisboa
no vapor francez Ville de, Macei entrado
em 6 de Agosto de 1887 consignados a
Francisco Ribeiro Pinto GuimarSes &C.
Terceira seccSo d'Alfandega de Pernan-
buco, 9 de Janeiro de 1889..
Era supra
O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca

Bacharel Anlonio Witru-
vio Pinto Baideira
I*ode ser procurado A ra do Imperador
n. 7i, Io andar

* <
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, medico,
oculista, ex-chefe de clinica do
Dr. de Wecker, d conrultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
douiiugcw o diaa ssntificados.
Residencia roa Seto de Setem-
bro n. 34. Entrada pela roa da
Saudade n. 25.

Imperial Sociedad
DOS
Artistas Mechanicos e
Liberaes
liiuorciu'io Paes Mendoncs
A directora desta sociedad convida a todos
os senbore3 socios, parentes e amigos do seu
nunca esquecido consocio Innocencio Paes Men-
donca, assistirem a missa que por alma do
mesmo manda celebrar sexta-feira 11 do cor-
rente, s 7 horas da manha, no convento de S.
Francisco, confessafldo-se desde j grata pelo
comparecimento de todos a este acto de religiao
e caridade. Recife, 9 de Janeiro de 1889.
Francisco da Costa Ramos,
! secretario.
De ordem do Illm.tSr. Dr. inspector,
publico'que-no di 1 docorreure ira de boro a
prac,;a, conforme as ordens da presidencia de i
e 19 de Deiembro ultimo, o fornecimento de
3,000 melros de algod&o mesclado nacional pan
vestuario dos presos pobres da Casa de Deten-
cao.
Secretaria do Thesouro Provincial de Pernam-
buco, em 5 de Janeiro de 1889.O official,
Lindolpho Campello.
Gabinete Portug-uea
de Leitura
De ordem do Exm. Sr. Visconde da Silva
Loy,-pridale da cominissao directora, cjob-
vido todos os seu Lores socios a rcunirem-se em
assembla geral ordinaria, nos salos de Gabi-
nete, domingo-13do corrente, pelas 11 horas da
manha, afim de apreciar o refatorio da actual
gerencia, e eleger nova administraeSo.
De acecido I com o prec'eituado no art. 40 do
estatuios, a assembla se consliluira com qual-
quer numero de senhoressocios presentes, e as
suas resolucOes produziro efleitos legaes.
Recife, 2 de Janeiro de 1889,
Dr. Jos de Albuquerqutv
Secretario.
Great Western of Brasil Rai-
lway Company Limited
Aviso
Durante as novenas de S. Severino, qne se
venera na capella do engenho Ramos, em Pao
d'Alho, os trens ordinarios paraso em trente a
mesma capella. Recife, 10 de Janeiro de 1889.
Jason Rigbey,
Superintendente.
S. R. J.
oeledade Recreativa Juveniude
Sarao em 12 de Janeiro de 1889
Por iniciativa de alguns socios e para solem-
nisar o 2 anniversano da fundaco da banda
musical, realisar-3e-ha no prximo sabbado um
sarao dangante, para o qual ainda recebem-se
notas de convites nesta secretaria. A' pessoa
alguma ser permittida a entrada sem ingresso,
devendo os senbores socios pagar antecedente-
mente a respectiva quota para poderem obtel-o.
Previne-se que absolutamente nSo se admitem
Secretaria da Sociedad Recreativa Juventude,
7 de Janeiro de 1889.
A. MoDtelro,
I 1 secretario.
Escola normal
Matriculas
Por ordem do Dr. director e de confor-
midade com as disposicSes dos artigos 26
a 30 do regulamento de 27 de Dezembro
de 1887, faz-se pubco a quem interesar
possa, que as matriculas deste eurso es^
rSo abertas desde o dia 15 do corrente
ate 3 do mez seguinte.
O rftquerimento para matricula no 1.-
anno dever ser instruido com os docu-
mentos seguintes :
1.' certidao de idade maior de 17 an-
nos para os alumnos do sexo masculino
de 15 para os do feminino.
2.- Folha corrida ou certidao de no ter
soffrido condemnacao por algum dos cri-
mes que motivam a perda da cadeira do
professor publico.
3.- Attstado de moralidade passado pele
parocho ou autoridade quer polioial quer
Iliteraria do districto, em que residir e
matriculando.
4.- Attstado medico de nSo soflrer mo-
lestia contagiosa nem ter defeito physico
que prive de bem exercer o magisterio. -
5.- Certificado ou titulo de approvac^o
em exame dos tres graos de ensino pri-
mario.
Os peticionarios que no poderem ex-
hibir titulo legal de exame do 3." grao da
instruccSo primaria deverao inscrever-se
para os exames de admisslo, que comeeja-
rSo no dia 28 do corrente de confonnida-
de com o art. 27 do citado regulamento.
Para as matriculas do 2-v 3.- ar f
anno, basta instruir as petiyoes com oa
certificos de approvajSo em tudas as -sa-
deira do anno anterior.
Secretaria, da Escola Normal 7 itr Ja-
neiro de 1869.
O secretario,
A. A. Gm0,

si


? S* i m Jrt<".
io de PemambucoQmBta-feira 10 de

1889




Em acetes de
Estando tomado
20OJ0CO
4,OQO:OOQ0OCO
Bste estabelecimento destinado a auxiliar e
desenvolver o crdito industrial e coHectivo
desta provincia, soas operacdes abrangerao t>
dos 08TWD03 da actividade cdmmercial e indus-
trial que oflerecerem sonda garanta.
A directora compor-se-h dos sniores
Luiz Antonio de Siqueira.
Jos Adolpho de Oliveira Lima.
Antonio remandes Ribeiro.
Manoel Joao de Amorim.
Thomaz Gomber
os (paes com o Exm. Sr. Visconde de Figuei-
redo sao os incorporadores.
' A* entradas Serio de S / no acto da subs-
cripcao; 3 \<, (piando fdr annuncada a assig-
natura dos estatutos.
As snbsequentes entradas nao poderlo ser
maiores de 15 f. com o .intervallo nunca menos
de 00 dias.
A subscripcao est aberta para todas as pea-
soas que desejarem tomar parte n'esta impor-
tante ms'itaicao, no escriptorio dos Srs. Amo-
rim Irmaos & C, ou no Banco Internacional, a
contar do da 7 de Janeiro inclusive.
Unpaibia Sala fkereza
Agua eaa Olinda
Segundo o 6 do artigo 9 do Regula
ment da companhia, o pagamento da iin
portancia da penna d'agua fornecida ein
Cada mez, se far na pnmeira quizena do
mez seguinte, e na falta de pagamento po
der a companhia tnterromper o suppri-
mento d'agua.
A gerencia tara cumprir restrictamente
este artigo, nlo admittindo excepcSo.
Escriptorio da companhia, 5 de Outu-
bro de 1888.
A. Pereira Simet.
3* scelo.Secretaria da Presidencia
de Pernambuco, em 7 de Janeiro de 1889.
Faco publico, de ordena do Exm. Sr.
Dr. presidente da provincia, que se acha
aberta a concurrencia para o emprstame
externo de 8,600:0000 (oito mil e seis-
centos contos de ris), autorisado pela lei
Smncial n. 1,927 de 15 de Novembro
do, com o praso de quarenta. e cinco
das, a contar da data da primeira publi-
cacSo do presente, para o recebimento
das respectivas propostas, que serSo apre
sentadas nesta secretaria, em cartas fecha-
das.
Estas serito abortas pelo mesmo Exm.
Sr. as 12 horas do da, em que expirar o
praso fizado, com os proponentes presen-
tes.
Nos termos da referida lei, o emprestimo
sera de quantia que produsa a predita impor-
tancia de 8,600:0005 (oito mil e seiscen-
tos contos de ris) liquida, a ser applicada
ao resgate da divida da provincia, funda-
da em apolices de juros annuaes de 7 0
(sete por cento), com excepcSo daquellas
que tenham sido emittidas por empresti-
mos a companhias ou a particulares, como
auxilio agrcola ou industrial, bem como
para liquidacSe dos exercicios de 1886 a
1887 e 1887 a 1888.
A taxa da emisso nao ser inferior a
92 (noventa e dous) livre de commissSo
e o juro nSo exceder de 5 'i (cinco por
cento) alm da quota de aniortisac&o, que
nlo ser superior a 1 i, (um por cento),
Sendo esta e aquelle saisfeitos semestral-
mente.
O secretario interino, Manoel Joaquim
Silveira.
SANTA CASA
CASAS PARA ALIGAR
Ra da Moeda n. 49, armazem 240*000
dem do Vigario Tenorio n. 27, toja 240*000
dem idem n. 22, 3. andar 1804000
dem idem n. 25,1. andar 360*000
dem do Bispo Sardinha n. 3, l. e 2."
andares e soto -400*000
dem do Bom Jess n. 13, 3. andar 200*000
dem do Mrquez de Olinda, sobrado
n.44 2:131*000
dem do Bom Jess n. 13, 1. andar 240*000
Becco das Boias n. 14, loja 1. e 2.* an-
dares 480*000
Pateo do Paraizo n. 29, 2. andar 240*000
Ra da Saudade n. 5 480*000
Ra de S. Goncalo n. 24 300*000
retarla 4a IustrueeSo Pnbll-
1 a A deMwmlnmde f s88
PRAZO 60 DAS
Contractos de cadeira.
De ordem do Sr. Dr. Inspector Geral
de InstruccSo publica, e em cumprimento
e determinacSo de S. Exc. o Sr. Desem-
bargador Presidente da Provincia de 21
do corrente, se faz publico, que fica mar-
cado o praso de 60 dias aquem iuteressar
possa para contractar as cadeiras mixtas,
Marayal e Gammelleira de Buiquc e a do
sexo feminino de Agua Preta, devendo os
pretendentes apresentarem suas petices
instruidas na forma das iastruccoes de 24
de Maio do armo passado como abaixo se
declara.
I. Os titulados pela Escola Normal Ofi-
cial e pela da Sociedade Propagadora da
InstruccSo Publica.
II. Os que, mediante exame de capaci-
dade feito nos termos das disposicoes vi-
gentes, tiverem obtido diploma de habi-
litacao.
III. Os que provarem haver exercido
o magisterio publico com reconhecida ha-
bifitagao.
IV. Os que provarem exercer ou ter
exercido o magisterio particular as mes-
mas condicSes.
V. Os que, nlo se achando as condi-
cSes mencionadas nos ns. I. a IV, tiverem,
todava, notoria aptidao para o magisterio.
Art. 4*. Os individuos mencionados no
art. antecedente terSo preferencia, na or-
dem em que se acham enumerados para
as cadeiras que requererem, por modo que
somonte se dmittir&o os da segunda classe
quando nao houver pretendentes da pri-
meira e assim por diante.
$ Io Em igualdade de condicSes quanto
ao titulo ou diploma, preferir o candidato
que j tiver exercido o magisterio.
2. Em igualdade de condicSes quan-
to ao exercicio do magisterio, preferir o
que tiver antes servido por outro meio
que nao seja o contracto ou por interinidade.
| 3o Em igualdade de condicSes quanto
ao meio anterior de provimento, prefirir
o candidato, que tiver mais tempo de
servico.
Art. 5o. Quanto aos que foram contrac-
tados em virtude da lei de 8 de Junho de
1874 e do regulamento de 7 de Abril de
1879, fica-lb.es mantida a preferencia es-
tatuida pela lei n. 1766, art. 9, segunda
parte.
Art. 6* Os que pretenderen o provi-
mento por contracto, deverao, dentro do
praso de que trata o art. 2o, requerel-o
ao inspector geral da instruccSo publica,
exhibindo certidSo de idade, folha corrida
e attestados de moralidade.
Sao dispensados de apresentar folha
corrida os que exhibirem attestados de
procedimento civil e moral, paseados pelas
Cmaras Municipaes, autoridades juaicia-
rias e policiaes das localidades em que
houverem residido nos dous ltimos anuos ;
os que, se achando no exercicio de em-
prego publico, exhibirem attestados dos
respectivos chefes ; e as educandas do col-
legio de orphas e casa de expostos.
| Io Os que requererem as condicSes
do art. 3o
magisterio
var haverem
a lettra e firma reconhecidas por oficial
publico.
O contracto s poder ser asignado por
procurador, se fSr provada a impossrbili-
dade do comparecimento pessoaf de con-
tractante.
Secretaria da InstruccSo Publica 24 do
Dezembro de 1888.
O Secretario
Pergentino Saraiva de A. Galvo
Banco de Crdito Real de
Pernambuco
No sorteio a que se proceden neste Banco em
data de hontcm (M) para o resgate de 311 letras
hypothecarias das que exislem em circnlacao (1*,
> e 3* series) designou a sorte as dos nmeros
segnintes, as quaes serio pagas pelo Banco, a
contar do primeiro da ut ao mez de Janeiro
prximo futuro, c, quer sejam ou nao apresenta-
oas, nao vencerao mais juros depois de 31 do
corrente.
Estas letras serio pagas ao portador pelo sen
valor nominal de 100*, cada urna, bem como os
juros, e com os premios as abaixo mencionadas.
Tambern serio pagos a contar do dia 2 de Ja-
neiro prximo futuro, os juros das letras emitti-
das nos anuos de 1886,1887 e 1 semestre deste
anno.
Recife, 27 de Dezembro de 1888.
O gerente,
Joao Fermndes Lopes.
1* terie
Nmeros
37 52 63 158 163 240 342 398
500 542 680 602 670 673 604 714
747 753 821 828 838 860 911 1052
1102 1112 1151 1182 1218 1336 1493 153C
1571 1576 1667 1700 1770 1805 1938 1940
2017 2141 2157 2172 2188 2224 2311 2338
2378 2383 2392 2423 2506 2511 2523 2568
2576 2725 2746 2751 2777 2780 2826 2902
2934 2999 3023 3062 3098 3100 3115 3143
3150 3151 3162 3164 3206 3218 3259 3334
3389 3556 3591 3593 3625 3655 3659 3768
3827 3834 3884 3908 3938 3961 406S4082
4092 4153 4172 4178 4216 4335 4360 4381
4432 4481 4490 4510 4554 4566 4605 4662
4683 4754 4813 4814 4836 4847 4927 4979
5032 5036 5069 5071 5131 5182 5226 5237
5312 5335 5372 5449 5467 5472 5527 5628
5655 BtV 5664 5696 5704 5710 5727 5737
5782 5793 5815 5916 5918 5957 6036 6117
6179 6254 6352 6365 6387 6413 6410 493
6508 6510 6653 6734 6768 6921 6982 6989
7000 7007 7022 7082 7132 7168 7181 7199
7201 7237 7305 7326 7344 7447 7552 7616
7850 7883 7980 7984 8027 8034 8036 8067
8095 8124 8136 8140 8167 8172 8257 8333
8341 8353 8370 8384
2* terie
Nmeros
8556 8951 9018 9208 9380 9419 9508
9579 9602 9709 9740 9807 9838 10005
10061 10254 10713 10926 10989 11034 11305
12368 12720 12764 12926
13755 14082 14125 14259
14820 14916 14930, 14932
15180 15268 15411 15578
15743 15779 16094 16181
16517 16525 16539 16560
BUCO KTEBlUCIOftL
DO
Capital ,;Pnn
dem reallsado
11,
A caixa filial deste Banco funeciona
ra do Coinmercio n. 40, sacca, vista ou
a prazo, contar os seguintcs corresponden-
tes no estrangeiro.
LONDON.. (Banco internacional
< do Brasil,
l London office.
( London A C oualy
( Banking Company L.M
(Basque de Parla fc dea
PARS.
Pays-Bas
Deutsche Bank.
Bank d'Anvers.
> Banca Genrale e suas
agencias.
Banco Hipotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
COMERCIO
n. III, se tiverem exercido o
a titulo interino, deverao pro-
assim, ensinado por mais de
tres annos com proveito para os alumnos.
O meio desta prova consiste na exhi-
bicSo do titulo de nomeacao confirmada
ou feita pelo inspetor geral ; de certidSo
de exercicio, cxtmhl.in dos assentamentos
da secretaria da instruccSo publica e de
attestado do delegado litterario quanto ao
aproveitamento dos alumnos.
| 2o. Quando os pretendentes forem ou
tiverem sido professores de ensino parti-
cular (art. 3o n. IV) deverao fazer prova
por meio de certidao extrahida dos assen-
tamentos e mappas constantes da secreta-
ria da instrueco publica, de terem ensi-
nado as materias de instruccSo primaria
por mais de cinco annos, e attestado do
delegado litterario e dos pais dos alumnos,
q uanto ao aproveitamento do ensino.
Art. 7o. A peticSo para o contracto
deve conter a declaracSo da filiacSo, idade,
estado e proffissSo anterior do requerente
e escripia pelo proprio punho deste, sendo
11412 11823 11881
13017 13192 13462
14280 14416 14766
14956 15046 15063
15597 15690 15724
16346 16426 16485
16674 16868 16943
3 serie
Nmeros
17194 17273 17829 18276
16978
18573 18716 19163
19623 19763 20334
20557 50559 20645
21231 21686 21697
22589 23101 23188
18347
19272 19407 19432
20370 20404 2043
20823 20871 21098
22024 22045 22225
23212 23253
Destas foram premiadas as seguintes:
1* terie
Nmeros
18543
19502
20436
21169
22563
5036 com
4754 com
2511 com
3961 com
5472 cora
5661 com
5710 com
6982 com
16181 com
16860 com
2 serie
Nmeros
=___ v'
100*000
30* 10*000
10*0 o
10*000
10*000
10*000
10*000
5000
lOiOO
Hamburgo..]
Berlim.......|
Bromen..,
Frankfurtj
sur Main...J
Antuerpia..
Roma.....i
Genova...,
aples..,
MilSo emais)
340 cida-l
desde Ita-
lia.........
Madrid......
Barcelona ..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona.
Valen cia e
outras ci-j
da des dal
Hes pa nha |
e ilhas Ca-
narias....
Lisboa......\
Porto c mais I
cidades le >
Portugal el
ilhas.......J
Buenos Ay-
res .........,
Mon tevido
Nova York. G. Anisink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimento com juros na razSo de 2 % ao
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente,
H Mam M. Wettber.
igual ao da carta-bilhet, com a diflerenra ape-
nas de ser azul, e ter na fita direita do sello
as palavrag Bkete postal, em vei d'aquellas
outras. .
Cintas estampilbadas
O sello fixo estampado e desenliado come os
das sobre-cartas, com a differenca apenas na in-
dicacao dos valores. E' roxo o fundo do sello
das de 20 ris, azul das de 40 ris e cor de ha-
vana das de 60 ris.
Sellos para jornaes
Estes sellos sao maiores que os ordinarios, de
forma rectangular e cor de laranja.
No alto tem, em lettras brancas, a palavra
Comi e em baixo a Brasil. Em fita diagonal
l-se de baixo para cima a palavra jornaes, ten-
do de cada lado o valor em algarsmo e a pala-
vra ris.
Divisao central da Directora Geral dos Cor-
reos em 15 de Dezembro de 1888.0 sub-di-
rector, Jos Francisco Soaret.
Banco do Brasil
Pagarse o 70 dividendo a razio de 8*000 por
accao, ra do Cominercio n. 6, 1 andar es-
criptorio de Pereira Carneim i C.
^hesouraria de Fazenda
riil* artigo* para Vvr-
Banco de Portugal c
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
Revista do Mercado
Recife, 9 de Janeiko de 1889?""
O movimento limitou-se a poucas transacefies
no mercado de cambios e a venda de um lote de
algodo.
Caaabio
A taxa oflicial foi ainda 27 l i bancario, rea-
lisando-se transacjOes a 27 3/8 e 27 1/2 em to-
dos os bancos.
O papel particular foi offerecido a 27 5/8, exi-
gindo os bancos 27 11,16.
0 mercado i'echou firme.
Bolsa
COTA90E8 OFFICIAE8 DA JUMTA DOE COR-
RECTORES
Recife, 9 di Janeiro de 1889
Ne houve.
O presidente,
Candido C. G. Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
Hippodromo do Cam-
po Grande
O ibesoureiro desta sociedade declara aos se-
nhores que se propozerem emprgar-se na casa
das apostas, que desta data em diante, de ac-
cordo com o aisposto no 4 do art. 12 do cdigo
de corridas, s admitte empregados que prestem
em dinheiro a flanea arbitrada pela directora.
Recife, 7 de Janeiro de 1889.
Luiz de P. Lopes.
(omaiMo pernantbuoana para re
rrmeiitaiilu da pro inda nn Ex-
powiro a'e aaa
A pedido de muitos expositores foi transferi-
da a abertura da Exposicao previa para 13 do
corrente, ao meio dia. Recife. 4 de Janeiro de
1889.
Visconde da Silva Loyo,
Presidente da coiamissao.
Animaes.....
Via-ferrea de Garuara.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Limoeiro
3.392 .
3.758
16203
6.815
43.722 Saceos
Foi cotado o
lo kilos.
Algodo
de 1* sorte do serto a 6*100 por
No. Rio as cutacoes
7 916 particular.
foram 2" 3. H bancario e
TABELLAS AFTXADA8
A exportacao, feita pela alfandega neste mez
at o da 7, subi 1.244013 kilos, para o exte-
rior.
As entradas verificadas at a data de hoje so-
s-an a 4.348 saccas, sendo por :
Barcagas..... 631 Saccas
Vapores.....' .....
mmaes..... 1.130
Via-ferrea de Caruar- 128
Via-ferrea de S. Francisco. 37
Via-ferrea de Limoeiro 2.402
Sonima.
*
Foram remettidos pelo patacho allemSo Bri-
lhante, carregado por Baltar Oliveira & C, 4.200
saceos com assucar branco para Montevideo.
Pela barca norueguense Ariadne, carre-
gada por Ferreira Cselo & Filho, foram remet-
tidos para ew-Yrrk 10.632 saceos com assucar
mascavado.
O lugar inglez Merrit, carregado por J.
H. Boxwell, levou tambern 10.353 saceos com
assucar mascavado para 5ew-Yoik.
AdministraQaa dos Correios
de Pernambuco
Por esta adniinistrac5o e em cumprimento a
circular da Directora Geral dos Correios, n. 106,
de 20 de Dezembro Ando, se faz publico para
conhecimento dos interessados o cdital da mes-
ma directora abaixo transcripto.
Correio de Pernambuco, 3 de Janeiro de 1889.
O administrador,
Affonso do Reg Barros.
Directora tic ral dos Crrelos
Edital
De ordem do Exm. Sr. director geral, c em
cumprimento do disposto no art. 8 do regula-
mento de 26 de Marco lindo, faz-se publico que,
no dia 1 de Fevcreiro de 1889, vo ser postas era
circulacao as seguintes formulas de franquia:
Sobre cartas selladas
O sello fixo representado por urna moldura
formada por duas ellipses concntricas, tendo no
plano da menor a effigie de mm Magestade o Im-
perador em relevo branco; no da maior, tambern
em relevo branco, as palavras Brasil- no alto,
e o valor expresso em ris por extenso na parte
inferior, e finalmente as extremidades do eixo
menor dous pequeos nolygonos com o dito valor
u.l... 1.. pui ulgiirlsuiOS.
O fundo da moldura as de 100 ris verde,
as de 200 ris preto, e vcrmclho as de 300
ris.
Cartasbilhete
O sello fixo do valor de 80 ris, impresso no
ngulo superior direita e representado por um
rectngulo formado de arabescos vermelhos, ten-
do em urna cllipse central a efligic de Sua Ma-
gestade o Imperador, encimada pela palavra
Brasil em lettras brancas, e tendo em baixo as
palavras oitentj ris e sobre estas, em sentido
obliquo, o numero 80 de cada lado.
A' direita do sello v-sc urna fita com as pa-
lavrasCartas-bilhcte,tendo no alto urna serie
de 20 estrellas brancas em fundo vermclho, e
m baixo o distico: Neste lado s se escrece o en-
dereco. No ngulo inferior direita l-se a pa-
lavra Brasil em lettras vermelhas.
Bilhetes postaos
0 sello fixo do valor de 40 ris. O desenlio
De ordem do fllm. Sr. inspector, fajo publico
que no dia 17 do corrente ser arrematado pe-
rante a junta d'esta Thesouraria que se reunir
s 11 horas da maoha. o forneciraento dos me-
dicamentos e artigos abaixo mencionados, para
a enfermara do Presidio de Fernando de Noro-
nha.
Murta em po, 300 grammas.
Licopodio, 1,000 idem.
> ipi, 1.000 idem.
Funis de cautehut sortidos, 6.
Papel para embmlho, 20.000 grammas.
Rolha8 sortidas, 10,000.
Oleo de Cajeput, 2.000 grammas.
Oleo de Oliveira. 10.000 idem.
leo de amendoas doces, 12,000 dem.
Oleo de ricino. 12,010 idem.
Alcool a 36., 23 litros.
Alcool a 90.', 15 idem.
Ponas de veado, calcinadas. 2,000 grammas
Em 7 de Janeiro de 1889.
Dr.
O secretario,
Antonio Jos de Sant'nna.
Pede-se aos Senho-
res consummidores
que queiram fazer
qualquer communiea-
qao ou reclamac,o, se-
ja esta feita no escrip-
torio desta empreza
ra do Imperador n.
29, onde tambern se re-
ceber qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrado-
res externos sao os Se-
nhores Hermillo Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r e Manoel Antonio
da Silva Oliveira, e
quando for preciso o
Sr. Antonio Martins
Carvalho.
Todos os recibos
desta empreza deverao
ser passado em tales
carimbados e firmados
pelo gerente, semo que
nao tero valor algum.
Greorge Windsor,
Gerente
Compaitijta re Seguro*
COXTTHA POBO
HORTHEBH
* Laadrea Afcerdeeat
Posifo financoira fDezembro do 1885)
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accumuLdw 1 3.134,348
eeetta annaal:
"'e premios coutra fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De juros .32,000
O AQSSTk,
Jok H. BoanoJl.
8E6R03
COHISA FOSO
T68 IurpQl & Loidiii & 6l0bi
INSHAIICE OMFUar
Kftedhau 4 C,
Ra uo (owcrj'.r-io n. >
Seguros contra
EST: 1803
Edificio* mercadonat
Taixat baxxat
Prompto pagamento de prejuitot
CAPITAL
Ra. 1,I00:00000
anas 0
N. 5BA DO COMMEKCIO-N. 5
Companhia de Segaros
AQENTE
Miguel Jos Alves
IV. I-Bas ao Bom Jemmm!. V
SEQUBOS MAK1T1.OS E TERBE8TBS8
Settee ultimoi tegurot bom* eonpahia aewtm
?r?a que concede so* 8rt. egaradoa Mtapoio da
pagamento de premio em i-ad etitoo aono, o que
oqoivale m deacohio 1 -ual de eres de 15 por
ecuto em favor dos w^uradoa.
INDEMNISADORA
WmfMm A$ Sftmtt
martimos e terrestres
Estabeleelda ca 188
CAPITAL 1,000:0001!
SINI8TBO8 PAGOS
\ SI de Deseaabv* m tSS4
riioios..... IJfOrOOdSMO
rerrestres__ 3{(:<
*-4 Ruft do Coinmercio44
Boval Insurance Company de
Liverpool
CAPITAL 56.OOO:OOO
AGENTES
R DE DRSINA C.
13Ra Mrquez de Olinda 13

Somma.
4.34 Saccas
O Tapor allemao Parauagu, levou de diver-
sos 4.300 lardos para Hamburgo.
Assucar
Os precos pagos ao agricullor, por 15 kilo9, se-
cundo a Associajao Commercial Agricola, foram
Ot; seguinteB:
Brancos .... mm a 21400
Scmeno ... 14600 a 1470C
Mascavado purgado bruto. 1 ROS
14200 a 1430(1
Reame .... 4900 a 14000
Colonia Isabel:
Branco i* 244O0
* 24'iOO
3' . 24O00
Someno . l#800
Mascavado . 14300
Usina Pinto:
Branco 1" 24400
1' . 2*:J00
Someno .... 14700
M.scavado 14340
A exportacao, feita pela alfandega, neste mei
ate o da 7, attingio a 4.644.884 1/2 kilos, sendo
3.1528.213 para o exterior e 1.016.669 1/2para o
inierior-
As entradas verificadas at a data de hoje so-
bem a 45.722 saccas, sendo por :
Barcacas..... 15.352 8accos
Vaporea..... ......
Coaros
Mantem-se a cotagao de 390 ris para os sec-
eos salgados e 213 para os verdes.
Pelo vapor allemo Paranagu, foram remet-
tidos, por diversos, 1.331 couros salgados para
Hamburgo e 300 ditos para Bremen.
Agurdente
Cota-se a 703000 por pipa de 480 litros nomi-
nal. '
Alcool
Cota-se a 1234000, por pipa de 480 litros, no-
minal.
ei
Ultimas vendas, 304000 por pipa de 480 litros.
Pauta da alfandega .
SEUAKA D* 7 A 12 DE JAXEIR0 DE 1889
Vide o Diario de 6 de Janeiro de 1880
Xavlos carga
Barca nnrueguense Pnncessen, para Estados-Uni-
dos.
Barca americaua Montea, para New-York.
Barca norueguense Mispak, para Ceara.
Brigue porrugnez Calcula, para Lisboa e Porto
Brigue portuguez Armando, para o Porto.
Lugar americano Watter Scamell, para flew-
York.
Lugar nacional Tiyre, para Uruguayanna
Lugar americano Arthur C. Wade, para Estados-
Unidos.
Patacho inglez Peggie, para Mentevido.
PataclHi nonietuense Victoria, para Montevideo.
Vapor inglez Bellenden, para Liverpool.
Vapor inglez Architect, para Liverpool.
Vapor inglez Pa'mas, para Liverpool.
.Ya vio descarga
Barca portugueza frica, carvo.
Barca ingleza Beltrees bcalbe.
Barpa portugm'za Novo Silencio, varios gneros.
Lugar americano H, A J. Blenderniman, farinha
de trigo.
Lugar porfuguez Temerario, varios gneros.
Exporaeo
BEC1F8, 8 DE JASEnO DE 1S69
Para o exterior
No vapor inglez Architect, carregaram :
Para Liverpool. J. Pater & C. 6<)8 saccas com
40,095 kilos tic algodo; Amorim ^rmos & C-
20 aecas com 1,502 kilos de algodo ; H. Burle
& C. 160 saccas com 13,232 kilos de algodo :
G. de Mallos Irmos 100 saccas com 7,310 kilos
de algodo, 42 barricas com 2,694 kilos de bor-
racha e 48 saceos com 3,980 kilos de cera ve-
getal.
No vapor inglez Palmas, carregou :
Para Liverpool, Felippc Hochmes 1,300 kilos
de cobre vellio.
No vapor americano Adtance, carrega-
ram :
Para New-Yerk, Abe, 8tein & C. 34,636 pelles
de cabra..
Na barca americana Daesy, carregaram :
Para New-York, A. Casc5o & C. 300 saceos
com 37,500 kilos de assucar mascavado.
No lugar inglez Merritt, carregaram :
Para New-York, J. s. Loyo & Filho 2,000 sac-
eos com 150.009 kilos de assucar mascavado.
Na baeca americana Mohican, carrega-
ram :
Fara New-York, H. Forster & C. 42 saceos com
3,150 kilos de assucar maseavado.
Na barca portugueza Novo Silencio, carre-
gou :
Para o Porto, L. Lima 103 saccas cora 7,862
kilos de algodo.
No brigue portuguez Armando, carregou :
Para o Porto, L. Lima 122 saccas com 9,192
kilos de algodo.
Na barca norueguense Eliezer, carregon :
Para Rio da Prata, C. M. da Silva 1,000 barri-
cas com 112,000 kilos de assucar branco.
Para o interior
No lugar norueguense Victoria, carrega-
ram*.
Para Uruguayana. J. S. Loyo & Filho 400 bar-
ricas com 41,793 kilos de assucar branco.
No vapor inglez Estrella, carregaram :
ParaPorto-Aicgre. P. Caruiro t C. 923 vo-
lumes com 79 510 kilos de aesucar branco e 673
ditos com 57,375 ditos de dito mascavado.
Para Pelotas, M. F. Martins 200 barricas com
19,384 kilos de assucar branco.
No vapor francez Ville rfe Santos, carrega-
lain :
Para Rio de Janeiro, A. Labillc 153 saccas com
11,809 kilos de algodo ; A. A. Hollando Costa
17 caixas com 84 duzias de elixir cabeca de
negro.
No hiale nacional Deus te Guarde, carre-
garam :
Para Cear, P. Carneiro & C. 2,365 saceos com
farinha de mandioca P. Pinto C. 30 barris
com 600 litros de mel.
No hiatc nacional Joao VaHe, carregou:
Para Ceara, M. J. Pessoa 50 barris com 4,800
litros de mel.
No hiate nacional Nepluno, carregaram :
Para Anicaly, P. Pinto & C. 13 barris col
1,440 litros de mel.
No biare nacional B. Jess, carregaram :
Para Aracaty, E. C. Beltro & Irmo 4 barricas
com 238 kilos de assucar retinado.
Na barcaca Sinh, carregaram :
Para Natal, Oliveira & C. 2 barricas com 18i
kilos de assucar branco.
Rendlmentos pblicos
MEZ DE MNRIBO
Alfandega
Renda geral:
Do dia 2 a 8 277:3334947
dem de 9 42:8578299
London
Brasilian Bank
Limited
Ra do Commereio n. 82
Sacca por todos os vaporea sobra as cai-
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
m Lisboa, ra dos CUpellistas n. 75. No
Porto, ra dos Ingleses*
Renda provincial :
Do dia 2 a 8 42:8164899
dem de 9 5:2755329
320:193i6
48:0924228
Somma total 368;2834474
Segunda seccSo da Alfandega, 9 ne Janeiro "de
1889.
0 thesoureiro Herencio Domingues.
O chefe da secea Cicere B. de Mello.
Recebedorla Cieral
Do dia 2 a 8 5:8774229
dem de 9 8684323
6:7i
Recebedorla provincial
Do dia 2 a 8 58:5584305
dem de 9 116324641
10 ditos de fressuras a 10 tullios -i 2 1 dito a 14 A Oliveira Castro & C.: 54 talhos ala dendimento do dia 1 a 7 do rente 000 ris cor- OiOOO 204000 14000 544000 1934740 J:37O4260
Foi arrecadado liquido at hoje 1:364000
Precos de dia :
Carne verde de 320 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis idem.
Suinos de 560 a 640 res idem.
Farinha de 400 a 560 reis a cuia.
Milho de 320 a 360 reis idem.
Feijfto de 800 a 1420J idem.
Halario 111-0 publico
Neste estabelecimento foram abatidas para o
consumo de hoje 76 rezes.
Sendo : 51 pertencentes a Olivoira Castre &
C. c 25 pertencentes a diversos marchantes.
Destas foi urna para a caldeira pelo mo es-
tado da carne.
70:1914146
Recife Drainagc
Do dia 2 a 8 1:336027
dem de 9 184834
I-863486J
Mercado Municipal de Al. Jos
O movimento deste mercado no dia 8 de Ja-
neiro foi o seguinte :
Entraram :
24 bois pesando 4.918 kilos sendo de li-
ra Castro C, 13 e 11 de particula-
res;
287 kilos de peixe a 20 ris 54740
60 cargas de rariaha a 200 ris 114080
:) ditas de fructa* diversas a 300
reis 4900
8 taboleiros a 200- reis 1 a-'OO
17 suinos a 200 ris 34400
13 matulos com legumes a 200 ris 34000
Foraai oceupados :
il columnas a &0O ris 104200
1 escriptorio a 300 ris )00
25 compartimentos de farinha a 300
ris
29 ditos de comidas a 300 ria
Vapores a entrar
MEZ DE JANEIRO
Europa....... Ville de Santos.....
Norte......... Finance...........
Sul........... Adtance...........
Sul........... Atba..............
Sul........... Ville de Maranhao..
Europa....... Sorata____.......
Norte......... Maranhao.........
Europa....... Ville de Cear......
Sul........... Para.............
Europa....... Elbe..............
Europa....... Hamburg..........
Sul........... La Plata...........
Norte......... Alagoas...........
Sul........... Mandos...........
75 ditos de legumes a 400 ris
18 ditos de sumos a 700 ris
124300
14300
:04000
124000
Sul..........
Norte........
Sul..........
Havre e esc..
Ocar e esc...
Valparaso...
Sul..........
Sanios c 1
Norte........
Bueno?-Ayrea
Santos e esc..
Sol..........
Norte......
apores a sabir
MEZ DE JANE1BO
Filie de Santos..... 11 as
Adcanee j......... 11 as
Fmance .......... 11 as
Ville de Maranhao. 12 as
Ptrapama ,........ 12 as
Sorata............ 13 as
Maranhao......... 14 as
Ville dd Cear..... 17 as
............ 18 as
La Plata.......... 20 as
ll-unburg........... 20 as
alagos........... 24 as
Manos........... 28 as
10
10
10
10
11
13
14
16
17
18
19
30
24
27
II h.
3 Q.
4 ii.
2 b.
5 b.
11 h.
5
5 h.
11 h.
5 h.
5 b.
3 n.
Moviasento do porto
Jfizvio sahido no dia 9
Hamburgo e escala -Vapor allemo Paranagu,
commandante Kuger, carga vanos gneros.
ObtervacSo
Nao boave entradas.

rMlfi 1



e
rnambucoQuinta-feira 10 de Janeiro de 1889
IlimMS
cwm roce
"nenia Per-
IDADOCOMMlRaO N. M, 1* ANDiR
IR1TI10S
a
o Havre, Lisboa,
Ro de Janeiro e
Companhia Brasileira de
Navegaeao Vapor
PORTOS DO NORTE
O vapor Para
Commandante Antonio
Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do sul al o
dia u de Janeiro e segurado depois
os
Sm Ifcua demora indispensavel para
SHHHport08 do norte al Manos.
As encommendas sao recebidas na agencia
at I hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
PORTOSDOSUL
O vapor Maranho
Commandante o eapit2o de fragata Pedro
Hyppolyto Duarte
)* K' esperado dos portos do norte at
,r\|B^ odia 14de Janeiro e depois da de-
HLmora indispensavel seguir para os
portos do sul.
Recebe tanibem carga para Santos, Santa Ca-
tharina, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande do
Sul, frote mdico.
As encommendas so serio recebidas na agen-
cia at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
na tratase com os AGENTES.
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=6
1 andar
Royal Mail Steam Packet
Companhia
O vapor Elbe
Commandante Armstrong
-T?BflS^ Espera-se da Europ
tf* Janeiro, segu.ndo d<
'do costnme para
Baha. Ro de Janeiro. Monte-
video e Buenos-Arres
Pira passagens, frotes e encommendas trata-
re com os AGENTES.
CHARGEURS RE
DE
*aTef*e4o
Linha quinaenal entre
Pemambuco, Babia,
Santos. *
O VAPOR
Ville de Maranho
Commandante Brant
Espora-se dos portos do sol no
dia 11 do corrente, seguindo
depois da iudispensavel demora
para o lavir tocando em
boa.
Candux medico a bordo, de marcha rpida
e offerece excellentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens poderao ser tomadas de ante-
mao.
Offerecendo-se mais aos viajantes para Pars
bilhetes de caminho d ferro do Havre a Pars.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para os quaes tem excellentes accommodaees.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se o AGENTE.
O VAPOR
Ville doCear
Commandante Lainey
E' esperado da Europa at o dia 16
do corrente. seguindo depois da in-
dispensavel damora para a
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 das a contar do da descarga das alvarengas
qualquer reclamncao concernenfe a volumes que
porventura tenhan seguido para os portos do
sul afim de se poderem dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o referido puazo a companhia nao se
rcspansabilsa por evtravior.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Angoste Labille
9 RMA DO COMMERClO 9
Apile hriaaipi
exta-eira, 11 do enrrente
A's 11 horas da manha
Na roa da Aurora n. 109 G., residencia do
engenheiro Pedro Leopoldo da- Silveira, de
bons, novos e modernos movis.
O agente cima oor cont e ordemdo Dr. Pe-
dro Leopoldo da Siireira, que se retira para a
provincia da Rabia, vender cm leilao, os movis
seguintes:
Urna mobilia de junco nova n. i, 1 caprino
dourado grande, toilet, cama franceza, bidet, lava-
torio com tampo de pedra, guarda roupa, cabi-
des, cadeiras de bataneo, relogio de parede, mesa
elstica, aparadores, banca para escriptorio, ta-
petes, candieiros e maitos outros artigos novos
que eslarao a vista dos Srs. licitantes. Vender
mais duas vacis de leile com iras e de boa
qualidade.
AO TORRADOR
Lima Coutinho &
AVISOS DIVERSOS
Aluga se casas a 84000 no beceo dos Coe-
lhos, junto de S. Goncallo; a tratar na ra da
linpcralriz n. 36. _____
Precisase de um menino para praticar em
taverna, preferindo-se do raato; no neceo das
Carvalhas n. 1.
Precisase alagar urna ama, para cozinhar
para pequea familia, na ra de Harcilio Das
n. 131,1. andar.
Prccisa-se de urna ama que cozinhe e en*
gomme, cm casa de homem solteiro roa da
Unio n .54.__ _______
Precisa-se de un criado de li a 14 annos,
para casa de familia; & tratar roa do Raro da
Victoria n. 39, loja.
Preclsa-se de um criado
tar na estaefio da Jaqueira.
para sitio; a tro-
Precisa-se de urna boa engommadeira a
tratar na roa da Matriz da Boa-Vista n. -9.
AMA Precisa-se de urna, para cosinhar
em casa de familia
numero 26.
a tratar na roa do Cabuga
(OMrtHHIt
tJCATVA
rapor
Espera-se da Europa at o dia 18 de
epois
da demora
La Plata
O vapor
Commandante A. H. Dyke
E' esperado do sul no da 90 de Ja-
neiro e seguindo depois da demora
ecessaria para
-S. Vicente,
Lisboa, Southampton
tuerpia
An-
Reducqo de passagens
Ida Ida e colta
Ai Lisboa Ia classe 20 30
A' Southampton 1* classe 28 42
Camarotes reservados para os passageiros de
Pemambuco.
Para passagens, frotes, encommendas, trata-se
dom os
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Bom JessN. 3
COMPANHIA PKRVtWBl<*\*
DE
\aregaco cesteira por rapor
Para Femando de Noronha
E ROCCAS
O vapor Jaguaribe
Commandante Monteirc
PBB1U
DE
\arrjcaeio eostelra por
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Mostoso, Araca-
ty e Cear
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 12 do corrente as 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 11.
^5
Encommendas, passagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Vende se urna taverna no'bairro da Boa-
Vista ; a tratar na roa da Imperatriz n. 5o.
- O abaixo assignado declara ao qublico e
com especialidade ao commercio, que desde a
dia 31 de Dezembro prximo passado, deixou
de ser seu empregado o Sr. Francisco Tavares
da Silva. Recife, 4 de Janeiro de 1889.
Antonio Cardoso da Silva.
>* o ftxl **>
ooBoaao
Precisa se de urna ama ; a tratar na roa de
Santo Amaro n. 6, 1 andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para todo servico de
casa de pequea familia ; na roa Direita n. 93,
2- andar.
Pacific Steam Navigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN LINE
Paquete Sorata
Espera-se da Europa at o dia
13 do corrente e seguir depois
da demora do costume para Val-
araiso por
e Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
WIsod, Sois ., Limited
14 RA DO COMMERClO 14
Porto e Lisboa
Segu para os portos cima a barca portugue-
. i za Aopo Silencio^ recebe carga; a tratar com Bal-
Sfda manha.1 rSTSI'o ", Oveira & Ra do figario n. 1,1- andar
da 8.
Passagens at as 10 horas do di da sabida.
ESCRIPTORIO
Ao Baes da Companhia Pernambucama
n. 12
(OMPIVHM
i>i:h>nbh(m
DE
\ae;aeo cesteira por Vapor
PORTOS DO SUL
Macei, Penedo e Aracaju'
O vapor Mandahu
Alcides
vapor
Commandante
Segu no dia 16 do corrente s
5 horas da tarde. Recebe car-
at o dia 15.
Encommendas, passagens e dinheiro frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pemrmbucana
n. 12
United States and Brazil
M.S.S.C.J.
O vapor Finance
E' esperado dos portos de
norte at o dia 10 de Ja-
neiro o qual depois da de
mora necessana seguir
para a
Baha: Rio e Santos
Para carga, passagens, encommendas e di-
iheiro a frete : trata-se com os AGENTES.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 10 de Janei-
ro o qual" depois da demo-
la necessana seguir
'para o
Para. Barbado,. Thomaz e
Xew-York
Para carga, passagen3, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commercio8
1* andar
Rio de Janeiro, Montevideo e
Bueos-Ayres
O vapor Alba
E' esperado do Rio de Janeiro
no dia 10 do correte e seguir
parr os portos cima indicados
depois de pequea demora.
Recebe carga e encommendas a tratar com >s
CONSIGNATARIOS
Pereira Carneiro &.C.
' 6RA DO COMMERCIO6
i" andar .
LE1L0ES
Sexta-fe ira il deve ter lugar o leilao de mo-
vis de casa de familia bem como I cofre, car-
teira, armaco e mais objectos de escriptorio.
Leilao
Da taverna, gneros e d'uma importante armaco
toda envernisada e envidracada, na travesea do
Marisco sob n. O, freguezia de S. Jos.
Quinta-feira, 10 do corrente
A's 11 horas
O AGENTE STEPPLE, levar a leilao em um
ou mais lotes, a importante armaco envidracada
e um grande sortimento de gneros todos no-
vos, cujo estabelecimento acha'-se desembaracado
de todos os impostos e garante-se a chave ao com
prador da armaco. o motivo da venda o dono
achar-se incommodado, e ter de fazer j e j
urna viagem ; o estabelecimento acha-se bem lo-
calisado c bem afreguezado.
Os Srs. pretendentes desde j podem ir exami-
nar o referido estabelecimento, a chave acha-se
em poder do mesmo agente.
LEILAO
De um importante cofre grande, prova de
fogo, com rodas, n ovis, pianos, espclhos, qua-
dros, loucas, vidro.*, latas com manteiga ingie-
ra, vinhos finos d3 Porto, cervejas, cognac e
mmtas outras menadarias.
Quintar fe ira 10 do corrente
A's 11 horas
No armazem ra Mrquez de Olinda
n. 48 '
POR INTERVENCAO DO AOENTE
Gusmo
Agente Brito
Leilao
de comraodas, solas, cadeiras de amarello, con-
solos, secretarias, camas francezas, fiteiros, bal-
co. carteiras, ffiarquezas. grande sortimento de
miudezas, perfumaras, jarros, copos, candieiros
para kerosene e carbnico e outros artigos que
w vendero ao correr do martello.
Em continuacSo vende-se urna canoa de car-
reira.
Hexta-felra i ido corrente
A'i; 10 Ii2 horas
A' ra Visande de Inhauma n. 48
Leilao
De um cofre, 1 armaco, 4 carteira, fiteiros,
balco, repartimento de escriptorio.
exta-feir 1 i do corrate
Agente Pinto
No armazem di i*ua Mrquez de
n. 52
En continuacao
Olinda
Leilao
De pianos, mol.iliai, uadros, iarros, loucas,
vidros. tgurda-louvas, i mezas elsticas, appa-
radorw^^
veis de
Ama
Precisa-se de urna ama; na Camboa do Carmo
n. 3, 1- andar.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar ; na ra Nova n. SO, loja.
Amas
Precisa-se de duas amas pasa casa de peque-
a familia, sendo urna para cosinha e outros
servicos domsticos, c de outra para lavar c en-
gommar : na ra do Imperador n. 40.
Cimento
Vendem Fonscca Irmos, no largo da Alfan-
dega.
Vende-se
urna parte da propriedade Caraba Torta, na
comarca de Nazereth ; os senhores pretendentes
podem dirigir-se ra Bario da Victoria n..38,
onde acharaa <; Caixeiro
Precisa-se de um menino de 10 12 annos de
idade, que tenba pratica de taverna e que seja
fiel; na ra Imperial n. 158.
A's maes de familias
QUEBEIS VOS80S FILHOS SEMPRE 8ADI08 ?
Administrae-lhes o xarope ou as
Pilulas Vermipurgalivas
DO DR. CALASAWS
ptimas preparacoes de mastruz
e rhuibarbo, para a expulsSo completa, sem
dores nem incommodo, dos vermes
intestinos ou lombrigas
(das cbeancas e dos adultos)
SEIS ANNOS DE SUCCESS!!
Estas excellentes preparacJeB nao ne-
cessitam de purgativos como auxiliares,
visto serem purgativas por si mesmas. >
As pessoas que tm vermes sentem c-
licas, tem constantemente diarrhaa, indis-
posicao, sensacSo de corpos que se movem
nos intestinos, endurecimento do ventre, e
avezes, vmitos. Rangem os dentes, quan-
do dormem, algumas e pessoas expellem
vermes com as fezes ou com aa materias
dos vmitos. As criancas apresentam as
pupillas dilatadas e inapetencia.
As pilulas levam impresso o nome do
DE. CALASANS e sao cor de rosa.
1 cal xa de pilulas 10200
1 vidro de varope 14900
AS PRINCIPAES DROGARAS E
PHARMACIAS
MRA DUQUE DE CAXIAS-43
BefroBte 4a Pradaha la lo
tftmemtii
Este novo estabelecimento intitulado
AO TORRADOR vende sem competen-
cia, como as Exmas. familias poderao
analysar pelo sena precos.
Lanzinhas de qnadros a 60 rs. o covado.
Ditas de ditos a 200, 240 e 280 rs.
Merino de quadros, bonitos padrees a
300 rs. -
Ditos lisos enfeHtados a 480 rs.
Baptista c nanzuch finos a 140 e 240 rs.
Mariposa branca e de cores a 240 rs.
Chitas finas cores fixas a 200 a 240 rs.
Ditas forlaidine a 240 rs.
Cambraia branca bordada a 4iJ500 e
44800 a peca.
Dita Victoria, fina, a 2*800 e 34500 a
poja.
Seda de Japao, lindissimos padrSes a
200 rs. o covado.
Dita da Persia, lindos padrJJes, a 180
rs. o covado.
Sargelins de todos as cores a 160, 200
e240rs.
Setinctas lisas, largas, a 360 e 400 rs.
Merinos pretos finos a 800, 14000,14200
e 14500.
Colchas para cama a 14800, 24000 e
tfgOOO.
Cortes de casemira de cor a 24500 e
34000.
Casemira preta, duas largaras, a 14800
24 e 24200.
Madapolao superior com 20 varas a 44,
54000 e 54500 a peca.
Dito americano,
peca.
Bramante de algodSo para lencdes a
700 e 14000 o metro.
Dito de linho superior, com 10 palmos
de lagura a 14600, o metro.
Guardanapos de linho e algodao a 24 a
duzia.
Toalhas felpudas a 34 e 44500 a duzia.
Atoalhados para mesa, lindissimos pa-
droes, a 14200 e 14800 o metro.
Dito trancado, alvo, a 14000 o metro.
Lencos brancos com barra de cor a 14200
a duzia.
Ditos superiores, de linho e algodao, a
24200 a duzia.
Enxovaes para baptisados, completos, por
todos os precos.
Entremeios e babados bordados por todo
preco.
Bicos de todas as cores para enfeite de
vestidos.
Baleias cobertas e descobertas.
Arcos cobertos para anquinha.
Camisas brancas para nomens c meni-
nos.
Ditas de meia para homens e senhoras
Tapetes de todos os tamanhos.
Manda-se fazer roupa por medida e da-
se amostras de todas as fazendas.
Lima Coutinho & C.
Precisa-sfe de utili
ama de conducta f+
flaneada para todo o
servido, rua Baro da
Victoria n. 15, 1. an-
dar. 'Jl 2 al
BLENORRHAGIAS AGUDAS
superior, a 74200 a
'licenciadope* Inspectora Geni*
4$ Hygine do Imperio do Bnuil.
Se seffres porque queras
USA E CONVENCER-TE-HAS
CURA RADICAL
SEM DIETA
DAS
Molestias de pelle
SIPHILTICAS.
Darthros, sarnas, ulceras antigs, im-
pingens, bobas, gommas, cancros, rheuma-
tismo e morpha.
Com os prodigiosos
XAROPE E UNGENTO
DE
Hydrocotile Calasans
ApphcacSo fcilUso sem perigoEf-
fe.tos proniptos, dieta razoavel.
CoHlra lacios uo ha argumentos
Estes remedios sao os mais commodos
do mundo. Envia-se gratuitamente, pelo
correio, direocoes para uso d'estes medi-
camentos admiraveis.
Prejo do ungento 14200. o frasco.
Pi-eco do xarope 34000 a garrafa.
Preparados por Calazans & C. Phar-
macia Imperial, Bahia.
Deposito no Refife
Francisco Manoel da Silva & Q.
Ra Mrquez de Ofnaa n. 29
Xarope Zed
(0 CODEINA TOLU)
O TaSOf MsjA emprega-se contr as
briafda do Ttito, Tone dos Tilicos, Tossk
eonuuha [Cofuelucb),'Br(mehites,Constipaba,
Cttarrhos $ Instmmas fersislenUs.
. M. ra Drooot. b mi >
f
Adelalde Ttaeodollnda de Brilo
Meequila
Antonio Bolelbo Pinto de Mesquita, Mara Cor-
deiro de Mesquita Lima. Tbeodolina Amelia de
Brilo Mesquita, Elvira Etelvina de Mesquita Bri-
to, Veriato Xavier da Silva Brito. Dr. Caetano
Xavier Pereira de Brito, Antonio Agripino Xa-
vier de Brito (ausente), coronel Candido Xavier
Pereira de Brito (ausente), Arminda Brito^de S
Pereira (ausente), Maria Carolina de BritojCar-
valho, esposo, filhas. genro, irniSos, tios e sobr-
nbos de Adelaide Tbeodolmda de Brito Mesqui-
ta, agradecem do intimo d'auna aos parentes e
amigos que acompanharam ultima morada o
corpo de sua idolatrada esposa, mi, sogra e ir-
mS, c convidam de novo assistirem as missas
3ue por alma da mesma fazem celebrar na igreja
o Corno Santo, s 8 horas da manha de sabba-
do 12 do corrente, stimo dia de seu passamen-
to, expressando-lhes desde j seu eterno re-
conhecimento por esse aclo de religiao e cari-
dade
VENDE
ALojadasListpasAzues
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Telephooe s. til
D descont a quem comprar de 20)5000
para cima e troca a fazenda vendida se
por qualquer motivo nao for de muito
agrado para quem for comprada e vende
pelos seguintes precos:
MlriBOS infestados, de todas as cores
a 460 rs.
Cortes ie vestidlos com gorno
em cartao a 60800
C aeheaalrss de quadros, padrees e
cores novas a 300 rs.
Lis de quadrinhos a 160, 200 e 240.
Zeflros de quadros a 100 rs. e muito
largos a 160, 180 e 200 rs.
Batiales de cores segaras a 130 rs.
Chitas escuras e claras a 160 e200rs.
eresJes miudinhas claras, cores fi-
xas e finas a 200 e 240 rs.
Esgvlio pardo para vestidos e rou-
pas de meninos a 240, 300 e 360 rs.
C'aaaoralas brancas a 2^800 a peca.
Cortes de cambraia branca bordada a
4*000 e 40400.
Tceldos arrreMlsdos fazenda de
urna 96 cor, rosa, azul, creme e grenat a
400 e 500 rs.
creme, rosa,
t
Ioho (avalcniif Mauricio Wn
derley
0 Baro de Tracunh2em e D. Auna da Silveira
Cavalcante. pai e viuva do finado capitao Joo
Cavalcante Mauricio wanderley, agradecem do
intimo d'alma a todos os seus parentes e amigos
que se dignaram acompanhar capella do enge-
obo Gi iit os restos mortaes do seu nunca asss
pranteado ilbo e marido capito Joao Mauricio
Cavalcante Wanderley ; e de novo os convidam
Sara assistirem no dia 10 do corrente s 9 horas
a manh, as missas do stimo dia, que man-
dam celebrar na sobredita capella e na do en-
genlio Rosario.
Auciiftto
t
da Ponte na ral
fc*e 8 horas
-Manoel Jos da filva Pimentel, mandando re-
zar missas por auna de seu finado sobrinho,
vem por meio do presente convidar aos primos
e amigos do finado, afim de assistirem a este
acto de relimo e caridade, as quaes serao reza-
das na igreja da Madre de Deus no dia 10 do
corrente. Aproveita o ensejo para agradecer
nao s aos que acompanharam-o sua ultima
morada, como para os que aquiescerem a este
convite. _________________
t
. Ivui/.n F. F- Cavalcante de Al-
l iiqucniue Lacerda
Luiz F. P Cavalcante de Albuquerque Lacer-
da e sua irm D. Maria Anna F. P. Cavalcante de
Albuquerque Lacerda, Dr. Francisco de P. Ro-
drigues de Almeida, sua mulher e filhos, agra-
decem s pesseas que se dignaram acompanhar
ao cemiteno publico 03 restos mortaes de sua
mi, sogra e av i e novamente as convidam
assistirem as missas que serao celebradas no dia
U; pelas 8 horas da manh, na matriz da Boa-
Vista. __________________^
Medas lavradas cor de
branca, e azul co a 1)5300.
Melisa Maco de todas cores a 750,
800 e 900 rs.
C'rlaollaa branca, chumbo, preta e
cor de caf a 400 rs.
alelas a 240 rs. a duzia e cobertas
a 440 rs.
Aspas de ac para vestidos a 100 rs.
o metro.
Bleo braaeo para enfeites de vesti-
dos a 700, 10200, 10500 e 2000 a peca.
Rendas hespanholas, de seda ou al-
go 4ao de todas as cores.
Rendas e Meos para enfeites, lizos
ou matizados a 10800, 20000 e 20500.
SargellM francez de todas as cores
a 160, 200 e 220 rs.
Cortinados bordados e de crochet,
vende-se por qualquer preco desejado.
Colehas de fustao de todas as cores a
20000, 40000 e 60000.
Bramante com 4 larguras para len-
ces a 800 e 10000.
Toalhas a 20400, 30 e 40000 a duzia.
Cuardanapos melhor qualidade a
10800 e 20000 a duzia.
Atoalhado infestado com lindos de-
senhos a 10000.
Oleados para mesa redonda on de
jantar a 40000 cada panno.
Panno da Costa francez para toa-
lhas de mesa a 10000
MadapolSo marcado Listras Azues,
tecidos americanos, sem gomma a 50000,
6000 e com um moteo de largura a 60500
e V05OO a peca.
Algodao largo, para lences a 40800
a peca e mais estreitos a 30000, 30500 e
40000.
lnehovaes conpletos para baptisados
a 50000, 90000, 120000 c 150000.
Cirlnaldas e veos de blond, ultima
moda, a 80000, 100000 e 150000.
Colchas de damasco com borlas de
seda, urna s cor a 280000.
Crochets para sof, cadeira e cama,
vende-se por todo o preco.
Lnvas de seda, de cores ou pretas,
lizas, bordadas, ou arrendadas a 10500,
20000 e 20500.
Lavas fio de escossia, pretas e de co-
res a 500, 800 e 10000.
Lencos brancos finos a 10500, 10800
e 20000 a duzia.
Lencos de seda muito grandes, cores
muito lindas a 10500.
Espartllhos de couraca a 30500,
40000 e 50000.
E umitas fazendas baratas que se d
por qualquer prego para liquidar.
ADVERTENCIA AOS N0880S FREGUEZES
Previnimos que as fazendas annuncia-
das sao de boa qualidade e nao sao divi-
didas de outra casa como alguem annun-
cia para engaar, vendendo fazendas or-
dinarias por boas, costume este, que esta
casa nao tem; as Exmas. familias que de-
sojaren) comprar suas fazendas mais bara-
tas devem dirigir-se primeiro a
LOJA DAS LISTSAS AZUES __
MAiSTF 10:000 (CURAS
wm so assiiniisiio
DORES DE DENTES
E
PREPARADO NICAMENTE
POR CALASANS & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma-
tismos, inchac3es, dores aciaticas, nevral-
gias, dormencia, etc., empregando-se em
fomentagSes sobre os lugayes affectados.
Cura o beri-beri, as paralysias e as dores
de dentes.
Todos os frascos levam direccSes para
uso d'este medicamento admiravel.
Prego 10200. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C. na
Mrquez de Olinda n. 23
MI!
(VULGO
EM> *!:
E da letfcom
Plalas Be
I^M#MriMsea
PREPARADOS POft ALA^lffe & C.
PRODUCTOS APPBOVADOS iWl
INSPECTORA QERAL DE a^Ht
Urna serie de brilhantes e innunatras ex-
periencias, coroadas uenipre de Bom xito
durante dez annos, assignala a estes dom)
medicamentos, osados com a dieta e dosa-
gens preseriptes, o primeiro logar entre os
medicamentos estucados e preconisados
para corar estas terriveis molestia.
As pillas alo supportadas pelo estoma-
go o mais delicado, poie qoe ellas nao m-
pedem nem difficultara as funcefles deste
orgSb.
A injeejao anti-blenorrhagica Ido ab-
solutamente irritante e por sso alo tem o
inconveniente das actualmente embregadas
e nao produz estreitamentos.
Nao publicamos o grande numero de
cartas, attestados e agradecimentas que te-
mos recebido para nao offender aos nossos
clientes, muitos dos quaes sao pessoas mui-
to conhecidas c altamente collocadas.
Empregada como artigo de toilet parti-
cular excellente preservativo contra as
molestias secretas.
Modifica e faz desapparecer o mo cheirS
das regras.
Preparados por Calasans & C- Phar-
macia Imperial, Bahia.
DEPOSITO NO RECD7E
Francisco Manoel da Silva & C, roa
Mrquez de Olinda n. 39.
~---------

Depsitos as principies Phvmacies.
Em Pemambuco .
FRAN M. 4a SILVA O.
DI ESTADO PERFEITO DE SADE
o malor beneficio da existencia
Par obtr esse dom inpimaTel empregie o SAL
PVRrriCO de LAKPLOUOH qe ieoBUMOa o Mal
mu sua raizas, melhonuido a Dlmt a Xa, aW-
baratando o Ktmag, a Fltmdn, o MUms
os Intestino* de qaalqner ohitruccao, e ao imn
Umpo renorandoo sangoe. tupprimindoos hnmarts iaaali-
bres e febris, rsfrestando- o e oygroaBdo-o.
E' ESTE O ORANDO PBESEBVADOR E O
RANDE REMEDIO eoatra a mor parle da* HUefrw
infecloosas e aialijnas dos climas trof.icaet e i etaCH
eonlra as Febres amarellas e outras febres. beiift. sarama^
sede, eniaqneea, enjdo, vmitos, bilis, dama 4 reatre,
iadifMtao, andames, cbolera-morbo, eropces maleatiaa
da pelle, alteraciodo sangne, etc.
O Dr W. STEVEN8 relata: Api* a adopeio Sal, as febres mortferas das Antilhas ja nt ttt
mais horrorosas.
O D' 3. W DOW8INO ralata: Tenho imyrtfii
esse Sal no tratamento de tt casos de febre amtsreiU,
c folgo testemunhar que nao Uve um s mst emito,
SAXVOTJ-ME A VXDA EM UMA TERRA
LONGINOOA, aaoreve O. ritsfferAld, fcqmire,
eatr'ora na Albania.
THOMAS C. COOPER, Esqoire, Eogeaheiro M
Rio-de-Janeiro, escrere:
Tenis* catada arante X anana no Rio-it-
laneiro,e tenho tornado duasoutresvezespors
e algumas vezes todos os dioso WtJtTIm s\tsttttssp,
miniftrano-o tambtm moa maualUmaa.atnmea tenho
precisado de medico para a febre amarella durante
aqueUetempo.Tenhoempregado muitos operarioaem
meus estaleiros aquis seis d'entre elles morrrso dentro
de urna semana da febre amarella- Xenhum porm
d'aquelles que tomdrso SAI flaHId II UorMBn
morrrao, nem sequer soffriraa da febre amartUm,
aa nao levemente.
O Sr. TODItO aama* :
Durante 45annos tomti esse Salregu'.armentetodaa
as manhis, e durante todo esse tempo nunca ttmti
eutro medicamento nem Uto poto consulta medica.
Mmislrei o sal aos mtua /ilhoa, e nunca prteiaat da
tnandar vir o mdico para elles, depois de nascerem.
Licenciado pela Inspectora da Myglsan
do Impario do Brasil.
lijsitazitf eWrViaiJIUCO :rraBf"M.lSn.VA*:C?i"
REMEDIOS
LE ROY
fepu/ares em FRtriCA, na iUEBXA,
HESPAHHA, no BRAZIL,
onde sSo sjtorisades neta Junta de Hyiane
Medicacao Depurativa Ht
121 conatltalnte dnmlo toda a facilidade i
para se tratar s, por prego barato, e!
80 curar cru ponco lempo.
Essa mckaco expulsa rpidamente
2 os humores, bilis, humorc-
"^ ciados quo occa.- ionam c conservam as j
molestias: purifica o sangue e aipsde j
as recaliids.
hurgantes Le Royr
fn lquidos
a S1103, d :>saiios segundo a dado
v8m cs,K>ci.iimeute as MslaatuM'
%f Onronlcaa.

T\

Extracto concentrsulo doa Sanie-
dtoa liqnldoa poden'
para as pe
imancia cara o-* mudantes liaulu
gjo cintra : Aathma,!
Cntmrrha. (Uta, RhfM.nntiam, i
Tummres, lleerata, Mvrfaa appetlte&ebrea. Oassmmmmea, ja-*
leatina ao fHajsistm, Mamptaftmm,\
VrrniflhiaOea. Jafes l#aia, etc. I
MflG SE DEv;
qaalqner pro I
ti"' COTTII, jaro i* U I
Ba. d Seine.Gi, PARS'
deposito su Tona aa mwf



de- P*witaiHu(V>l-
'etttl W'de Janeiro de l#3*
doDrA]5DISOW
8T1V0 DS RECONSTITUINTES
;or cuidadoso de seu bom estado de saude. Com um o
O AHSElf I ATO DE OUBO se imoos a tode aqudl qsWfor cuidadoso de seo bom estado de sade. Com um ou dous
\lfimltmp* \Se, VOtomO aMIt, as/orco* augmentao e unta *ndc fwr/Va suecede rpidamente d um ertarfo inquietador. Nenhum
I+'-imitr|nrfi rmr eon elle no tratamento das M( les lias chronicas do Peito e do Estomago, Aieocdee
,tnteo<< < so-enesa
AMONA, ESBOTA muro, MOUSTM' NE1V0SAS, MOLESTIAS DE SENHDRAS
______de Puro d.yili arlo dofEMtol* ABBtUytr, Insultando da combinacao de dous medicamento*
co*Ute rtorioeamente a-Tialea, Bronohites chronicas, Asma, Rheumatismo .ohronico e todas as
____as que YeeulUo do E agotamonto do systma ervos.
1 Jilo tem i-fralttos EiiUnmuecllUaJlloeqne resuttlo de 11.1.1 longa molestia. Suaspropritdades tnicas e reguladoras da
jt*M i seltsXas sjiilsii Sulna in Arsartiatn tt f-----
dado critica a coaaatunica ama aova jui entude. i tr JT
MOLESTIAS DO SAHGUE, APOPLEXIA, MOLESTIAS DA PELLE
Oraos* 4 tas propriedade do restabelecer o equijtije aufara />s cementos, coastitutivos do sangue, o Arseniato de
O uro dynamisado recommeodado is pessoas de idade como preservativo das differentes especies de Apoplexia c Con-
estOee. Tomado em fortes do, eur.'i rpidamente qualqror Molestias proveniente de impureza do sangue.
CmWasdo coa* oa% tratamento loca*, eur* ialiliveliBente as Molestias ais rebeldes da pelle, Lupus, Eczemas,
Pastor iliil, te.
Milhares de Doentes devera boje su* cura sos Granulos de Arssniato de O uro do Dr. ADDISON.
Icnumere attesUdos forfo dados, citaremos aqui alguno.

I
O FRASCO : F RA NCOS
toFrin?)
Deswsfic- das Cwtrtfages
eexlja-seaVEROADEIRAETlOEm
com a MARCA DE FABRICA assim
como a assignatura
a do Sur.
Wca Prenraor
BMW*WSlV
Deposito Geral :
Pharmacia Q-ELI1T
88, ra Rcchechouart, emParti
l AS PRINCIPIS PHAHMACIAS
Em Pcrnambuco:
* Franc~ M. da Suva & Cta.
ATTESTADOS DOS DOENTES
3ar. tan. raaiaHl mi t le clase., a Puta.
rendo late daros no peito. estomago e dorso.
indoprt&tm&pai. nao podmdo mat, comer.
tomUBMm IpS tomara, cmprcguei os Graaaloi
4* liiMlrtifl-l*' jbmuuAo ia Doaler A Mito.
Empomoo* dial ttoappartceram ai dore eolian-
CNlSa iiiiinr mi ato* wi /rateo distes gra-
tfaftee, tcnfio a honra, ds cumprlmental-o.
I aal sai JUloJ. Ouricet em Bresot'es (B.-et-L.)
Not. Autorito-o apmo'iear esta corla.
rielaelasse.eni Parta.
ml/eito com o emprego doi On
4 aro
aiSta i o
mrofi tireu pai* e tem ausment
fui dellm/acao mo.
Multo Hadou* tumo otee o Oruo
tato i ote le Dotar Art
4o Dotttor
D'os d Ane-
esmmnecou a Jlcar
e tem augmentado, poli oum
I enviar omats
eme airta! aoue /raeaae deeU medicamento,
leen eima o nico remedio eue tem acalmado min-
Kat teres neera Ig Ion :
DeVS.m- >* V-
F. AaannD. Adjuncto e\ Afairie.
MmCaoritrmaTAeignonp. riil*-i4orgue(Vaucl.)

cf* su. atn,"
dos OnanrM *. A
DouUv Ao. Um ai$> maratil,
iaio da oaro dras-
_ _JaW marariMiao/
JtSo oofte d* miAJVa turprtza. JVflo renAo
maii v**i/i^ tUtapparec**
Julgacn me dSetnoanido. a /'<^ ttaAa pediedo
deate producto a frulo rfff en*at?>. po? nflo arr-
dUaMM loa cjXcana O Tenha a bondade d$ enciar-mc mat cinco
/rasco destrs granulo*.
*V ciy detrastMinftttr-lhe meus protestos Ytefjratir**^
La Rocre, ra Scj'Mota. 1/. srn Ckerbourjo.
Sor. GnJM, Pn&rmaciit<-o 4e 1> 'las on Farfx. .
.oao que rtcet/i o fraaco comccci logod tomar i
ernpouLxtt dios me aehcwa curado.
Fui tratado sem resultado por muitas Medicas.
FtlizsnenU mu rsestrH oo AraemUo de oaro ajm
mis>*odoDofrtor AMitoo.
Tenha a bondade, Sn Gclin, de cnciar-mc um
/rasco de Grapolos do Aneniato de oaro dynamisadu do
Oouwr Aitto; s\fim ek yrtcswer-KW t**y urna
recaflda.
Muit '(he agradef Ur me enviado deste med*-
eamento. que 3 causa df miuho. cura.
, Vij.OT(Krue*.)T
A Queudei. jwr Sczanne (Mnrne).
Sur, QeLrM.-PBarvucf utico la 1* classe om Panz,
Tendomais ronj^mn^et em setts trxi b.ie Arte- ^
nial 4* re dvQuuaOito i>ttJif*aiyilhi^tiijtMa.Pfeo-4Vig cfs manrfor-
jn mail m frasco deste medicc.mcnto.
,$rm$M$fw me de ante-mOo.
BeoDRXT. negociante de etnhos.
A PerHQny-sur-&'rsin, par &oyer (Yonnt).
Sor. GELI5, PharnuccDlico de clwse en Prii.
Acabci com o/rateo de Granillos de Arsenita de
ouro dynio)i5adu do Doutor Addieoo que Ihc ped lti-
mamente. Prftduzlrao-me multo bom eWeUo; so
po$so aitnbuw minha cura ao efciio desU feliz
medicamento, s-isto que. todos os que tenh at
entao empreouei /icaram sem resultado,
D?V?i atFa*c'o&?r-mematS """"O-
Trout, Reloj. Ourites.
__________a ''aseara, provincc aTOran (Algeria).
Snr. Qslim, Phftnuceatico de 1 cl&'te em Puit.
Tcnho a nonra de incluso rcmctter-lhc leii
,/ranco importancia de um frasco de GihiIm te
Areeetso de onro dyDimiMdo do Deatcr Addison. que
lera a bondadi' de remetter-me.
Bmpreguci este medicamento que compre! em
caa do teu corrcsj*>ndenU d .Ule e Jlouei
mu eatufeUo com ei seue promptoi e excedente!
rjeito~ Flament, institutor.
Em Rebreuce. perto de lloudain (Pai-de-Calati).
9nr. Gcl.tR, Pbarmtceutieo em Parta.
Segundo os coiuelhos de un Medico emprtauel
os Granulos de Araeniato de ouro. drnamisado do
Doutor Addiioo.
Bm vista do mAraellhoio eJTcito que comecei a
experimente desde que principie' a usar dol
Granulos de Aneniato de ouro dyumisado do Doutor
Addison, rogo-lhe de cnoiar-me o inais breve pot-
sioel nuiis dous/ratcot.
De V. S. atf V Cr" 06o*.
JarJay, Jlo (PaeJ. propietario.
Bm l crcowan. por Le BuU (Dromr).
Hi^see!^^ffi
i i i i --
.***
jnw
W 91BI
a la, Hi
do D* ADDISO
O MAIS ENRGICO E O MAIS ACTiVol
EGONSTITUWTES
O ARBENIATO DE OURO se impoe a todo aquelle que for cuidadoso do seu bom estado de aaid. Com um ou dome
granulos por dia, volta appttite, as torcas augmentlo e urna sade per/eita suooede rpidamente 6 um esbsdoilhwtlador rTeflnn
medicamento pode competir com elle no tratamento dab Molestias chronicas do Peito e do Gstomam lewv-A
intestinaes e nervosas. ^' "W~
ANEMIA, ES60TAMEMT0, MOLESTIAS NERVOSAS, MOLESTIAS DE SENHORAS
**Oail ijaimizado do Doutor ADDISpN, resaltando da combinacao de don. medicamento*
, abata- atoawsamente a Tsica, Bronchites chronicas, Asma, Rheumatismo ohronico e todas ar
_f quo'foasntM Esgotamento do syatsma nervoso. mw
^^Tehftival nosTEntfaquecimentos que reenlUo de urna longa molestia. Suas propriedadts tnica e reouladora* da
innervaedo tornao-no superior ao Ferro contra a Anemia, as Flores brancas e as Nevraloias. __ Aa Fefara une
resistem ao sulfato de qninino cedem ao Arseniato de Ouro.

a poca to temida da
.VAAAAA'AaAAAAaaAAa a AAAAa A aaaaaaAAAAaaa

DE ARSENIATO DE OURO DINAAUZADO
DO D" ADDISON
O MAIS ENRGICO EO MAIS ACTIVO DOS RECON&TITIIINTFS
O ARSENIATO DE OURO e impoe todo aqnelle que (or cuidadoso do son bom estado de sade. Com dous granulos por
dia, colla o appetUs, ai forras augmenta* una tade per/tita sutcoae rpidamente un estado inqweUtdor.
ANEMIA, ESBOTAMENTO, MOLESTIAS NERVOSAS, MOLESTIAS DE SENHORAS
O Araeniato da Oaro dynamiado do Doutor ADDISiON, resultando da combinacao de dous medicamentos heroicos,
combata victoriosamente a Tsica, Bronchiteo chronicas, Asma, Rheumat ismos chronioos e todas as Molestias que
racoitao do Esgolamento do systema ervos.
Nlo tem rrral nos Enfrqnecimeto8 que restiltSo de langas molestias. .Suas ircprkdasim tnicas s reguladoras daitmer-
vacao torno-no superior ao Ferro contra a Anemia, as Floros brancas e as Nevralgias.
As Pebres que resistom ao olfato de <|ninin' cedem ao Arseniato de Ouro.
O Arseniato de Oure torna as multares
jorens nutridas. Auxilia poderosamente o
atravessar a poca to temida da idads critica
e commnnica urna nova juventude.
Desconfe-Be das Contrafacee
eexija-seaVERDADEIRA ETIQUETTA
[ARCA DE FABRICA assim
oomo a assignatura
e a do Snr.
NICO PREPARADOR
Milhares de Doentes devem hoje sua
cara .-.os Granulos de Arseniato de Ouro
do Dr ADDISON. Innmeros .estados fo-
rjo dados, citramos aqui alguui. ,
-------------oc
O FRASCO .' e franco*, em Franca.
EM VENDA NA
Pharmacia &ELIN
38. na Rocficlwiiart. tu Parir
Depositarlo geral que manda franco contra
um mandato-postal.
Dirosrro u Pcrnambuco t
i-avaarczaco m. da siiva a c,
s sai principsas Phirmitt do Brasil.
O Arseniato de Ouro torna as mulberes joveua o nutridae. Auziii poderoBamente o atravessar
dsde critica e commnnica urna nova juventude. f
MOLESTIAS DO SANSUE, APOPLEXIA, MOLESTIAS DA PELLE
Gracas i sua propriedade de rejtabelecer o equilibrio entro os elementos constitutivos r>. sangue, 0 Arseniato de
Ouro dynamisado recommendado a pessoas de idade como preservativo das differenfes ispele, de Apoplexia e Con-
gestoee. Tomado em fortes doses, cura rpidamente qualquer Molestias nr.oenientj de impureza do sangue.
Comssmado com um tratamento local, cura infallivelmcte as Molestias mais rebeldes da pelle Lupus Eczemas
CanoraMes, etc. '
Milhares de Doentes devem hoje sua cura aos Granulos de Arseniato de Ouro do Dr. ADDISON.
Innmeros attestados forao dado., citaremos aqui alguna.
O FRASCO : 6 FRANCOS
(ero. Franga)
MMMMAM
Desconie-se das Contraaces
e exija-se aVERDADEIRA ETIQUETTA
com a MARCA DE FABRICA assim
como a assignatura gp^^)
e a do Snr.
nico Preparador
Deposito Geral :
Pharmacia (JELIT
38, ra Rochecr.ouart, em Part
l AS PRINCIPIS PHARMACIAS
Em Pernambtico:
Franc= M. da Silva & Cta.
~>".....------~K..........~

------
ATTESTADOS DOS DOENTES
Sar. GsM&v PharnuMBtico do 1- cImsq, rm Prr/.
Tcndo tido Horpa rio peito, estomago e dorso,
indopetdcndofis/orcas. naopodendomaU comer,
spmtando quajtto tomaoet+emprcj/uei os Grnelos
de Araeniato de Ouro ycamisalo do Pouior Addisoa.
Ifmpouco* dios desappareccrojn as dores voitan-
me o appeUti.
Qusnra sjugr-mte rrtsus um /rasco dates gra-
nulo*!,
Xa espera, tcnho a honra, de cump*-imcntal-o.
Lacuejtt. Reloj, Ottrioes em Brezollcs (E.-et-J..)
Nota. Autoriso-o apub'icar esta carta.
Sor. Geli*. Phirmaceitico delacUase.em Par-i.
Bstou muito satis/eito com o emprego dos Gra~
nnloa de Arseaiato de oaro dynsmisado do Dout*.-
Addison. fa donS anuos que os Granlos de Arse-
niato de oaro do Doutor Addison commecou a Jlcar
em coga rieste paz c tem augmentado, pais cum
quantos dcites/acQouso.
Muito Ihc serei agradecido de me enviar o mais
breve possicel dous /rseos (teste medicamento,
tem sido o nico remedio que tem acalmado min~
has dores nevralgiots.
De V. S. muatr V-.
F. Armand, Adjuncto d Mairie.
Em Cabricres d'A oignon p. l'Iale-s-Sorgue ( Vauet)
Caro Snr. Gklin.
O effeito dos Granulos de Arseniato de oaro dyna-
miaaao do Dontor Addison. tem sido mararilhoso '
Ainda nao uottetde minha surprea. Nao tcnho
ma's as 'n.'ttj-portaccis dores de cabera c a / Ore
iw&aWt&%tpWm!
dttarn n* uta efftcttcia>. O que oujwa creio, bem
t nttftfpj cura.
* bondade de enviar-mc mais cinco
/riscos dettes gru ;.
Na expectativa de sua remessa trnho a honra
dr troit.-n-irtir-lke meus protestos degrattda'o.
La losciif:. run Momento, 11. em Cherbous-

--
m
Bt\ (hA.tn: Pha-**-4ti-o e la da-:* *m Ptr.-
Logo q">' rtoccbi o frasrn comecei fb'j'j a tomar;
r.i" pouoo (.e>. m r ita>'/ 'tirado.
^iu tratad rtnutlos Mdicos.
Fctizmente qie recorr ao Ars-niaio de onro fas^-,.
K.isdo do Doac. A-:
Tenha n bondad.-. Snr. Orlin, de cfiar-ms, umi
/rasco de Graulos dir AiM-niafc^-le fJUfo dynarasad4o
Dontor Addison; a/tm de prevaver-mc conWauma
recahida. ^^
Muito-lhe agj;ad*.?Q ter me enviado deste meds-
camento. que cauc" rft minha cura.
ViNorKmest),
A Qucudcs. par Sczanne (.\fa'-nc).
Snr. Gf.u, Piirm*.'o'U;Cv de 1 <:3e eai Pariz,
Tcndo mal*con/tanca ejn snts Grinn'-sd-? Arae-
niato de ouro dyaamisatio do Doutor Addiaon. desde a
cura radical de minha/t'ha.neco-ll-c demandar-
me mais um/rasco dcste medicamento.
Agradeoo-lhe de anfe-mao.
Bovdksy. negociante de txHhos.
A PerrfQng-sur-S'ren. par No'jer (Yonnc).
Snr. Ge Lis. PharmaeaUc de la flaca* em PaxaV.
Acabci com o fraseo de Gtaarar** de lUmiiin de
**uro dyrvm.'ado do Doutor Addiaoa quelheperi ut&-
mamente. froduci>-Oo-mc9iutio bom cffeo s
posto attnhuir mtntit cur a-i efetso de*,- bu*
medicamento, tido qtte tdd, z os 4ue tenha ate
entao cmprrguei /icaram sem resultado.
De"vai att^oSbgiy"""""0" m*""
Tkouv. Mot Onrita
_________A *' -icar. proemcreTOron A feria).
Sur. GtLI, Pbifaaceutico de la ela.M ea Puit.
Tenja honra de incluso rcmcuer-lhc seis
francos importancia d-: um frasco de liauulu i em
Arwniato de djaauH*. i OvMor Aiaaoa.aM
."., h'.minerf^r remrtter-me. *^
Bmpreguci i^i medieaiassto que tomprei em
casa i... r:. correirnnrlente de r.tllr e JtqUet
s*u''(j tu^tito com os teut prompiot eesxeUrntem
V'l'n' FLinarr. Institutor,
r n Rebreuce. perto de Howia*i tPns-de-Cataii',,
Snr. Gn S, PhnoE-ei:tico en ParU.
Segundo o cans (Me *te un: Medico emprtouci
'.< Gpnu'oa de Arse-riito de u^at, dmsmm* ao
Doutor AdiAa.
Rm citta do maj-axlihoeo excito que cjmecei a
experimentar i'.etde que prin.Hpiel a usar dol
Granulos de Ara.mite de ouro dfatjmttdo ia pntau
Addison. rogo-lhe de cneiar-tne o mate breee /*?-
*<.re mais dousJratcot.
De V. S. aa- K o* Oto*.
Jaiuay, Ia (pj. I proprietario.
Bm Vercoiran. po' Le BMi'Drome).
1
e^re^i^e^e^e^^AeAA,
;
6liB'tr>a?5 S*dllT).fe9
-
h
**
I
ssffiaaBffiat
Aananga
do JAPAO
HIQAUD y C, Perfumistas
PAUS 8, Rus Vlvienns. 8, PARS
A &gUQ de gCliang, a socio a mais remge-^!
mate, a que mais vigor di i pelle, e que mais branques al
cutis, perfomandj-a delicatamente. C
rExtrctO de (Knng, raavissiflio arMeaniko,
j/ atflaBarl^ perfume par* o lenvo.
// ____ $160 de fnngd, taesouro dos hanta, faz oreseei e impede de osir.
bCte de (Knng, o mais ugradsrti macio,
conserva i cutis sua nacarada trsn aareDcia.
(S de (Knngl, branqueSo a tez isndr>4he olearant*
cOr mu e s preservao de tai das.
JUpsito na* princip** Perfuma+i**
m CULO DE BOM HITO
48 Premios
a vi
#
XIIX
>4>4>4>
TTTTTTTTTXrXXXXXX:
%:)
DE ARSENIATO DE OURO D1HA1IZAD0
DO D ADDISON
O MAtS ENEROICO E O MAIS ACTIVO DOS RECONSTITUINTES
Licenciados pela Inspectora de Hygiene do Imperio do Brazil.
O ARSENIATO DE OURO se impo a todo aquello que for cuidadoso do sou bom estado de sade. Com. dous granules por
dta, votta o appttite, a* forjas augment&o e urna sade per/tila succedt rpidamente um estado inquietador.
ANEMIA, ESBOTAMENTO, MOLESTIAS NERVOSAS, MOLESTIAS DE SENHORAS
O Arseniato de Onro dynamizado do Doutor ADDISON, resultando da combinacao do dous modiesmentos heroicos
combate victoriosamente a Tisica, Bronchltes chronicas, Asmo. Rheumatismos chronicos o todas as Molestias que
resultSo do Esgotamento do systema ervos.
NBo tem rival nos Enfraquecimentos quo resultSo de longas molestias. -S'm vacSo torno-no superior ao Ferro contra a Anemia, as Flores brancas o as Nevralgias.
As Febres que resistem ao sulfato de quinino cedem no Arseniato de Ouro.
> O Arseniato de Ouro toras aa mnlheres
jovous e nutrida. Auxilia poderosamente o
atravessar a poca tao temida da idade critica
S communica urna nova juventude.
Dosconfio-se das Contrafases
e exija-so aVERDADEIRA ETIQUETTA
como a MARCA DE FABRICA ar-rim
como a assignatura
e a do Snr.
NICO PREPARADOR
Milhares de Doentes devem hoje sua
cura aos Granulos de Arseniato de Ouro
do D' ADDISON. Innomcrcs attestados A
rio dados, citaremos aqui alguna.
---------------------XX!--------------------
0 FRASCO i e francs, em Franca.
EM VENDA NA
Pharmacia CrELLQT
38, nu Rochechiiart, 38
PARS
Ditoitro; su Fernambuea i
nVAJTOZBCO M. da SZX.VA A C,
1 nu principies Phsrmtctti do ;
????????????????eeeeeeeeee
L

s-
^
MORRHUOL de CHAPOTEAUT
O Morrh'jol con t m todos os principios que en tro na com po sieso do oleo de
ligado de bscalho, excepto a materia gordurosa. O oleo, como sabem todos,
desagradavel pelo seu cheiro e sea sabor, muitas vezes rejeiUdc peV> estomago e
provoca a diarrha. O Morrhuol pelo contrario bem acceito pelos doentes, e
actualmente, nos hospitaes e em todos os estei>elecimentos de caridade, ena clnica
civil, os mdicos telicitao-se por ter encontrado no Morraeol om medicamento
quo despert o appetite, acaba com a toase e os suores aocturnos, restltu
aos tsicos as odres perdidas, augmenta-Ibes as forcas, melhoi-ando ooBsidera-
velmente o seu estado. O Morrhuol, que as creancas tomao sem a menor dlfaoul-
ctaae, modifica prompUmente a sua constli.nicao, quando ellu ale ti a* ais e
lymphnticas e sujeas a reafrlamentos.
* m^f**}' P6 > producto em tud* dlflerente doi chamados estraotos
de flgado de bacalho, emeontra-se nderra.o em cpenlas redonda, cada tuna
das quaes represenu 36 vaos sea peso de oleo esouro, trae s awdk>M
becem ser o mais rice de principios bouto.
^ARIS, 8, Ru VI'
aLCOOLHORTEL
DE RICQLBS
RBOOMMENDADO
pelas HlTistra?oes Medicas
contra
Indigestos, Dores As Estomago
de Corapie, de ffarvsc, de Caneca, etc.
Indispensarel DURANTE m CALORrS
OPTtVO TAMBEU PARA.
oTOUCAOOReosDENTESI
oanaeri
stlvo em lempo
Vinio. Jarope Dusart
AO LACTO-PHOSPHTO GE CAL
Approvados pela" Junta d'Hygieno do Rlr^s Janeiro.
O Laeto-Phosphato st cal, que entra r.f corpcsi(;ao do VINHO e do XA3IOPE
ie DUSART, o meccamento mais poderoso que se conhece hoje per, restaral-
as torgas de ceirtos doentee.
Consolida e endimiia os ossos das cranlas iiac/irico, torna activos e vigorosos
os AtjWicenea mollas e lymphatieos e os que> e acho fatigados em consequencia
de rpido crescimento. Facilita a f.icatrifaoao das cave.-nas do pulmoo nos risteos.
Sendo administrado s rr-ilheres durante a gravidez ellas atravessao todo o periodo
da gestacao sem a menor fadiga, sem nauseas, sem vomi'os, e dfio a luz a, creancas
fortes e vigoross;
O Lacto-Phogphato di eal atf ministrado s airso. e s maes que crtao oa lhcs
torna o leite mais rico, mais nutritivo, e preserva as creancas da diarrlia e de oitra?
molestias, que se decarao dut inte o crescimento. A denticao opera- ie sem tatgt r a
creanca, sem que apparec&e convuls3er.
O VINHO a o XAROPE de Laclo-Photphatt de eal fr OUSART despern o
appetite e levant&o as forcas dos convalescentei e -leven ser e t:j.ri^gados n todos
e casos era qne o oorpo humano se achar fat\rjp-, ou oiaurid e fof ..
Deposito em Pan/, A*Aft^^*A*^*^|
Tratamento Reconttituinte
PELO
Elixir Dcham?
COM EXTRACTO
de Figado de JBacnlhu
Quina e Cacan
e.e*e*e>e*e-e*e-
?
Fabrica em LTAO
O, Coore trserbouvlile
enne, Udae a Phmnusmat.
Casa em PARS,M, *** Richer ]
trigo-te o neme de -IWQLto
IB Por, usoo : rRAN- M. da SILVA O.
B tifas ii Mai farauefii Dnitnu.
LINIMENTO SNIa
ntre es oavallos
SOPPBESSAO J^ ,"rSa4 SISTimi
do fcxtO jB|^^_smv roooi
QUEDA k, Mj|L tiunitu
1 FELLQ4a|s^y^\^ iPriltiU
cura fat-u com a mdo em S Miamsse,
tem dor e mu cortar, nem raspar o psto.
|PharriONEAD,r75,F.QaSt-Hoiiori,PAWB
i ORIZA IflCTE CRrTME ORIZA ORIZA VELOUTE
aos Consummidores
perfumara oriza
PARS 207, Ra Salnt-Honor, 207 PARS
OS PRODUCTOS DA PERFUMARA ORIZA L.LEGRAN
sevem eu rMeeeaew e favor jmbliee /
, llt ciliado mctoiiIim cea > I a- l ni rullla hultwtvS l
tietarlotn. I i ntriiot. ut Mtitms.
MAS SE IMITA OS PRODUCTOS DA PERFUMAHIA RIZA
em tunglr ao sai) ario da deUcadra* paristeis.
f% A apparencia exterior ie$tat tmitacoet sendo idntica aos rerttm
Va WWoa J*relMeCea Oritsm, os consummidore* deverao te
49^ precaver contra este commercU iUxcito e considerar cot.u
Vi eantraraetto quaioutr producto te qualtdade inferior
'a vendido por catas pouco honrada*.
ORIZA VLLOU
i Uleatrmdeiaedldol
.
Cada frasco d'sst*.
ELIXIR contsm
principios depurativos
tnicos daum litro de ol
do fijado ds bacalhu (
um litro de vinho de Quina. <
\
Tem aobra 0 oiao _.
fgai4a.d bacalhao a van-
tijom de a-cslara- aa
tunecott do detomaraA
em lujar d* aa perturbar,?
da deapertar o apextita.
.............
Este Medicamento, de sabor e gsto
Tmuito agradaveis, obteve o melbor soc-
cesso em Franca para combater :
ANEMIA, CHLORSE.
AFFECQES dos BRONCHIOS
e PULMES.
e a PRAQUEZA das CRIANQAS
e-eeaveaje-e-
Deposito geral em PARS :
DTJOHAMP, 16, ra da Poltoa
Em PernamUteo .
FOANM "v. de silvas. m e.


ario de Pemanibuo, Quinta*feir.a 10 de Janeiro de 1889
r
[RADAVEL
PARA 01M^WMT0
Vndese, n'esta capital,na drogara dos Srs.



O sais poderoso espacelo onntea a tete, rouquidSo,"perdu da vos, irritadlo ou joflammaoSo da laringe, broncbte aguda ou
obronica, eaoarros de sango*, dor e fraquesa do peito, tisio pulmonar, asinina, coqueluche e todas aa enfermidadea das vp
respiratorias.
CAMBARA
DESCOBERTA E PREPARADO DE
Jos Alvares de Souza Soares
Fundador e proprietario do grande ESTABELBaMBNTD AQBICO-INDOSTBIAL do PARQUE PELOTENSE, expresamente
creado para %*%&% 3 1^91^ ^1> tVmfl.fc e W%e%**Sl>\9 *Mmi?trfc%t% %\% &%*%*%?,
aa cidade de P- ion (Kio Grande do 8ul).
O Pe toral lo t'aaabar, approvado pela Esma. Junta Central do Hygiene Publica do Rio de Janeiro, autorisado
?Br decreto Imperial de 30 de Junbo do 1884, premiado cota duas medalaas d ouro de 1.* olasae p la Ao idemia Nacioaal d
aris, e jury da Espoaicio Brasileira-AHem de llol, est roeonheoido como urna desooberta de magna importancia para <
kamanidade soffredora. W^"^
Este precioso medicamento de effeitos admiraveit : allivia promptamento as toases dolmr***lBH, tornandan-as
brandas desp iUiruntea at ooral-as ; V"*
Fk* diminuir ate dasapparecerem oa acceasos aailinaatlcos mais terriveis ;
Combate nnergioamenta a Malea pmlaannar, os osearros de sangue, assim como a frronelilte, a coque
lache, reu*jsaJdo, deflaxo, etc., de ama forma rpida e radical. '. j
O doeote, am uso do Pexteral de Cambar, nota logo o appareoimento do appetite e daa forcaa perdidas.
Este importante medicamento, que tanto se tein oelebrisado por sua grande effioacia e consumo progreseivo em lodo o
Imperio preparado em nmt. grande e especil fabrica, que teca sido repetidamente elogiada pe! i i.npransa e acba se rodeaao des
mais importantes attetUdas de diatinotos mdicos e de innmeras pesso&s caradas de gravissimas enferroidades, como se t de
foibeto que aoompanba-eada frasco.
Venlendo se n'esta cidade um medicamento de tal importancia, cumprimos um dever de bumunitado, indicando o ros
doantes do peito e vias respiratoria, na cortesa de Ibes aconselbarmos o mais seguro meio de readqairirem a sade perdida
3P3aEcas
2500 o frasco, 135000 112 duzia e 24000 a duzia.
MwGM'Msoitatal
B' prdigos*
O maravilboso sabSo meso, m poneos
*m9Mfift/>fm% parte onde ajppareea.ofnfijW6.OB seas pro-
digiosos. o^eftosVAB* de muitas outras
molestias, serr com seguranca para as
seguintes : reumatismo, dores de cabeca e
ouvido, inflamacoes de olbos, contnsSes,
queimadura, ulceras, mordeduras de in-
sectos venenosos, empigens, dartros ery-
sipela ; para o toucador de inteira neces-
sidade, para amaciar a pelle, fazer barba,
tirar caspas, e para o banho.
Nao ha igual
A venda na condecida casa de porfuma-
rias e modas.
Pedro Anteaes. A(3
RA DUQUE DE CAXIAS
...... ----------__.._-,_--------i .. .,,,,.......,.,.
Pao centeio
Mille & Biset, arisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas-feiras, tem este sa-
broso P5j rua -]arga <|0 R0sarjo n. 40.
Typogaphia e Lilhograpiia
FABRICA DELIVRQ8DE ESCRD7T-
RAQAO
Prendada atas exposlefies de
188 e 1995
Manoel J. de Miranda
Encadernacao e especialidades em cartoes de
visitas.
39-Rna Duque de Caxias-39
Telephonen. 194.
Precisa-se de um criado
numero 19.
Criado
na rua de Pavsandu
Caulollas do Monte de Soceorro
Compra-se cautellas do Monte de Soceorro de
qualquer joia, brilhantes e relogios; paga-Be
fiem na Praga da Independencia n. S, loja de
reloj oeiro.
Cozinheira
Precisa s de nma J>6n cozinbeira que durma
em casa dos.patres, para casa de pequea fa-
milia, na rua do Conde da Boa-Vista n. 24 F.,
portSo de ferro.
CAPSULAS
M ATHEY- C AYLUS
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
Ae Capsulas Mathey-Caylus com Envolucro delgado de Gluten nao fatigan nunca
estomago e sao recommendadas pelos Professores das Facilidades de Medetina
os Mdicos dos Hospitaes de Pars, Londres e New-York, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrbea, a Blennorrhagia, a Cystite
da Coito, o Catarreo e as Molestia da Bezigas e dos org&os genito urinarios.
IUt Um txplioago diUlhada acompanha eida Frasco.
Exigir se Vordaderaa Csupsulas Mathey-Caylus de CLIN & O, de PARS,
que ae mchao em cata dos Droguistas e Pharmaceutieot.
FUNDIPAO CERAL
ALLAN P^TERSON &
C.
.,- M "' ~*
N. 44Rua do BrumN. 44
. JBT0ABSTACA0"D08 BONDS
Tem para vender, por precos mdicos, as seguintes ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, dem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Varandas de ferro batido. *
Dita* de dito fundido, de lindos modelos.
Porta de fornalha.
Vapores de forca de 3, 5, e 6 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de pana dura.
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-sc de concertos, e assentamento de machinismo e executam qual-
quer trabalho cten perfeico e presteza.
Stt
a*
*kf\opEDEFOiJ.r
A^ Sirop de Chloral Pollet ^ '
t n mistante cor exoelanoxa qxxo supprinaa a d^r BStasura
E O oalanar*- por exceanoxa que supprima a w
o aomno tranquillo e aa'iurtl nos oaaos da
NEVUALG1A GOTTA. UMEVMA
TSICA PEBRES
jB:Klslr a, yiiaia:
Fabrica cata FRERE, 19, na Jacob, PARH
t
wmiiiiiiinin........'
MI
PEREIRA a MAGALHAES
Recebedores directos dos mercados da Europa
liquidam os seguintes artigos com descont de 14 [o as
vendas em grosso
Bramantes de algodo superiores, a 800 rs. o metro, 4 larguras,
dem de puro linho fazenda de 20200 para acabar a 1(5500, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 e 10200 o dito.
Algodao alvo, nacional, para lences a 50500 a peca.
MadapolSo americano, a 306OOr 40000 e 60000, com 24 jardas.
Mariposas de cores a 220 rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes idem a 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Merinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito,
dem de quadros modernos a 280 e 300 rs. o dito.
Fichs de renda chics a 10000.
Colchas ranceaas de cores a 20000 e 40000, runa.
Lences de bramante a 10800, para cama de casal.
Casimiras de cores para roupa de crianca a 10000 e 10800, diagonal, duas
larguras.
Camisas inglezas e francezas a 260000 c 300000 a duzia.
Tapetes aveludados, grandes, a*7!40000 um.
Cortinados ricamente bordados a 50500 e 60000-
Pannos de cores para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e azul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veludlhos Je cores e pretos a 900 rs. o dito.
Rendas austracas para vestidos a 500 c 560 rs. o dito.
Setins de todas as cores a 900 rs. o dite.
Setinetas lavradas 2Q0 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglezas para homem a 20500 e 30000 a duzia.
Ceroulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito.
Cortes de casemiras para calca a 40000 e 60000.
Ider de mea csemira a 2?j000.
Toalbas grandes para rosto a 40000 a duzia.
dem felpudas para banho a 120000 a dita.
mui tos artigos que serSo lembrados com a presenca de nossos leitore.
59Rua Duque de Caxias^59
LOJA DE
PEREIRA & HA6ALHAES
..--.._......--.,.,.
J nao ha Repugnancia
i'AHA TOMAJt O
I0DURET0 de POTASSIO
COM AS
Pastixhas L.FOiSSON com Chocolate
Estas Pastilhas, de sabor agrauwml, estilo rigorosamente aV
Cada Pastilla csnlea 25 tSDtigramaas de Sal (Dina col&enft)
DBOSiTO OKRAI, : .. POSSON, PHAKMACBCT'GO
98, Atenu de Vourbevoie, 26, em AtilIH.EH, trto d$>
Veadw-3 m todas a.a ipriiiolcaea Phanr.ao1i,
I I
inaintaiiiiiiiiimii
SADE PARA TODOS.
PILULAS H 0_L L O W A Y]
A Pilulas purlflcao o Sanue, oorrlgem todas aa desordems de Estomago 9
dos Intestinos.
FortaJecem a sonde das eonstitnfoes delicadas, e *&o d'um valor incrirel para todas as enfermidades
peculiares ao sexo feminino ero todas as edades. Para es meninos assim como tambera para as
pessoas de idade avanzada a sua efAcacia e incontestavel.
I mwliriiui to pteparadas simento ao Eitabcledmenio do Profenor Hollowat,
78, SEW 0XF0RO STEEET (antas 533, Oxford Strset), LOBOBE^
E vendavue em todas aa pbarmaciaa do anveno.
' Os eoaapradares al* ooaridadoa rapeitoaanente czaaiiiiar oa rotule de cada caixa e Pota) ee aSo tSCB
diracsao, 533, Oijord Streci, sAo laiaificaooca.
1BH7
comciDc RUSSO
3
NOS
DarUioni. CaHas satra os sales asa asa. sai.
CURA INF ALL VEL
e asador no onpaoo da i oas sato
CORICID RUSSO
paaiaee nato irnnaUt aa o ProspaohM ____
aaiSMi aarai: ntaSauau aarau. ai. tmim* aaaai
FRAM- M. a BU.*
Criada
Na rua da niSo n. 27, precisa se de urna
criada para cuidar de duas enancas, de 5 e 3
annos de idade e que saiba engommar, prefere-se
idosa.
Sitio
Aluga-se por 38*1000 mensaes um oom sitio
.bastante irborisado, com excellente casa de mo-
rada, em bom estado de eouservaco, no apra-
tivel arrabalde Parnameifiai, junio ealajao.
Governess
A Germn Lady (diplOme) seeks an Engage-
ment as esident or Uoilu Gove-ness.
F!uent Germn, Frencb and Englisb, Piano,
High testimoniis.
Address, mis H. rua Visconde de Camaragibe
(ancient do Hospicio) n S3.
Criado
Precisa-se de um criado que d fiador sua
conducta : na rua Duque de. Gaxias u. 70, pri-
meiro andar.
Asi Pilulas Catharticas
Do Dr. Ayer.
A experiencia do tempo. acpllcado as'PlIalas do
Or. Ayer, tora dado approvafSo com os resultados
obtidos coui as mesmas. Ha mais de qoarenta annos
que eataa Pllulaa obtlverasu tnia popularida versal, que nenhuma ou)rs soSdecina purgativa tein
podido rivalisar.
As Piula do Dn, Atxr, purgnm completa-
mente o Tentre corn suavidade. e eatimnlam o ot'
tlficam os orrfios digestivos e assinillarrro.
As. Pilulas do Dr. Ayer
enram indigesto e Rnpe'iment. e evitarn murtas
ecrias e a miado fataes, ciiermidades, movaJas
> a- aquellas deaordci^.
i'ara as doenfas do Estomago, Figado e Ria,
<*njos symptomas sao as urerruidavdes da Pelle,
Ardor o Peso no Estomago, Nausea, Mal<**
t.'orra do Cabeca. Hlito Ftido, Pebre Biliosa
Clica, Dores do estomaga costas e espadnas,
lnchac6ea UydroslcsuS, ese., nada as allivia
rom seguranca e promptldfto como as Pili't.a n do
lu. Avi:n; as quaes sio de grande utilidade ns
qnrativo Como remedio domestico nao tem egoal.
preparadas ri.o
DR. J. C. AYER as CA.
IiOwell, Mass., R. U. A-
A' venda as pr iucipaes pharmaclas e drogaras.
VM.
REMEDIO
imLum
em todo o
RHEUMAT!9MO
Impurezas do Singa*, Enpfiai, km-
lulas, Olean, Siftttb
e toda affeoofto de natnwaa
eruptira ou ronaraa
mSAFULIA
DE BEISTOL
0 Remedio de Familia por oicaDad.
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
gnezes em geral' que receben pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por precos mais resumidos em vista
da continuacSo do cambio avoravel.
Convem que experimentem.
48 RUADO BAIO DA VICTORIA 48
Urgencia!!!
cenada chanada
Na rua Duque de Casias n. 87 ha
diversas carta para serem entregues pes-
soalmente aos Srs. abaixo.
Luiz Jos da Silva Cajazeira (Olinda).
Francisco Pacifico do Amaral.
JoSo Jos de Araujo.
JoSo Rodrigues Damaceno.
Custodio Gomes Ferreira (Rio Formoso).
Jos Fernandes Ramos.
D. Olindina Jariz.
Manoel Antonio Xavier de Brito.
Augusto Cmara.
Aa eoauierqiag -
Conrad Wachemann (antiga oasa Otto
Bohres) partecipa que mudou seu arma-
zem de miudezas e ferragens para a rua
Bispo Sardinha n. 1, em frente do Viga-
rio Tenorio.
TCOELWr
Novo estabelecimento de fa-
zendas finas e modas
S6Rna da ImperatrizSO
Recebera directamente da Europa o que ha de
mais novidade em tecidos de fantasa e fino gos-
lo. Completo sortimento em fazendas de todas
as classes e precos sem competencia.
Telephone 489
Para o Derby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen-
to de gravataa e camisas de cores proprias
os amadorB do Prado e est venden-
mmm iaiatas
aro t. ao
(JUNTO AO L0UVW5)
Zephires de quadros, a 80 rs., o amala.
Las escocesas, a 100 rs., o dito.
Cambraia bordada, a 46000, a peca.
Stvrgelim diagonal, a 200 rs., o caiaaa,
Baptistas finas, a 160 rs., o dito.
Percales clama, a 200 rs., dito.
Setineta do JapSo, 240 rs., o dito.
Brim de cores a 920 rs., o dito.
Cachemiras de quadros, a 260 rs., *Sb
Fustio branco, a 360 e 400 rs., o data.
Brim pardo, a 280 rs., o Uto.
Meias para senhora, a 4d00,
Baleias para vestido, a 380 rs., a
Len;os brancos, a 1||200 a duzia.
Collarinhos de linho, a 31600, a dita-
Ganga para cobertas, a 260 rs., o
Sabonetes de glycerme, a 200 ra.,
Regatas de cores, a 1<|200, nma.
Ceroulas de bramante, a 14200,
Colchas de corea, a 24000, nma.
Cortes de Linn, a 74000, um
Cortes de seda para collete.
Leqaes transparentes, a 24500,
Sahidas de baile, a 24000, usa,
Tapetes para sof, a 134000, um.
Espartilhos americanos a 54000, a
Camisas inglezas, a 364000, a do
Las de quadros, a 300 rs., o covado.
Agua Florida, a 14000, a garrafa.
E8guiSo pardo, a 360 e 400 rs., o *
Cortinados bordados, a 64000, o por.
Luvas de seda, a 24000 e 24600, par
Guarnieres de crochet, a 74000, naaa.
Bramante de algodSo, a 800 rs.,
Merinos de cores, a 800 rs., o o
Madapolao americano, a 64000, aj_
Toalhas para banho, a 14500. nma.
Cambraia arrendada, a 400 rs., o
Lencos de barras, a 24000, a daa
Alpacas indianas, a 320 rs., o corado.
Cortes de setinetas, a 64000, um.
Setins de cores, a 800 e 900 o corada.
Colchas de damasco, a 74000, nma.
Panno da Costa, a 14000 e 14200, a ao-
vado.
Cachemira de duas Urgirs, a 800 rs.,
dito. -*
Chambres, a 44500 e 54000, um.
Paletots de seda palha a 74500, na.
Renda hespanhola, a 34500, O metra.
Gazes de crea, & 500 rs., o covado.
Pecas de esguiao de algodao, a 34500.
FustSo de or, a 800 rs., o covado.
Cobertas de ganga, a 34000 nma.
Brim pardo, a 300 rs., o covado.
Linho de quadros, a 200 e 240 rs., a ov
vado.
Paletots de alpaca, a 44000 um.
Cambraia Victoria, a 24900, a peca.
Cortes de casimira para costamos.
Lona para cama.
Algodao de duas larguras.
Guarda-pos para homem, a 54000 e6f000
Ditos para senhora, a 84000 e 104000.
Popelina Dranca de seda, a 800 e 14000,
o covado.
Linn de cores, a 500 as., o covado.
Oleo Oriza, a 900 rs.
Entremeios e bordados.
Sabonete de alcatrao, a 500 rs.
Toalhas para rosto, a 34500, a duna.
Bicos de urna s cor, a 24000, a poja.
Bicosmatisados, a 24500 e 3400, a pe?a
Pacotes de pos de arroz, a 500 rs.
Setim branca, a 800 rs., o corado.
Leques de setim branco, a 64000.
Tnico oriental, a 900 rs.
Suspensorios americanos, a 24500.
Crotones finos, a 320 rs., o covado.
Fechos grandes, a 34000 e 34500, ana.
Metins de listas, a 390rs., o covado.
Brim de linho (cor) a 800 rs"., o dito.
Costumes para banhos salgados.
Boleas para o mesmo fim.
3NT.A.
Rua 1. de Maimn. 20
CASA DE
AMARAL & C.

o por prejos sem competencia.
Recebeu tambem collarinhos e punhos
de borracha de formatos novos.
48BA BAEAO DA VICTOBIA 48

Cosinheira ectiado
Precsa-se ; na rua Vclha u. 137 sendo o ciia-
do menino ou rapaz. .
Professora
Urna senhora competentemente habilitada, com
pratica de 11 annos de profissao, apresenfando
diversos attestados de bom methodo e comporta-
ment, oflerece se pura leccionar em rasas par-
ticulaivs, na cidade ou em seus arrabaldes as se-
guintes mareros : Portujiuez, Francez, Italiano.
Geographia, < iano, irabalhos de agulha, etc.; a
tratar a rua Visconde de Goyanna n. 69 ou em
casa dd Rpgulauor da Mariuha-rua larga do
Rosario n. 9.
Professora
Urna senhora compelentemente habilitada, pro-
i5e-se a leceionar em collcgios e casas narlicu-
ares as seguintes materia: Portuguez, Fran-
cez, Msica e l'iano ; a tratar na rua Visconde
de Albuquerque n. 20.
O cavallo Pisa Flores
Fica transferida para correr com a ultima lo-
tera de 60:00# do corrente nie>.
Sitio do Rozarinho
Arrenda-se o silio n. ii, no Rozarinho, com
vasto terreno para plantacfio e para vaccas de
leite, com bas'an'e Iructeirus e cacimba d'agua
de beber. Hcando margem dos Trilhos Oiha-
nos do Recife a hn podromo do Campo Grande; a tratar em Olinda
&B) casa da Barouexa de Tacar una.
Celebra Beaedies Lo Roy
Msus < ss sisas alisas a aa aH$
PILULAS LE ROY
PopalamtmfRAMCA. na HES'iNm, KtiKtKJ,
o BRAZIL onda sao
tutorludat pela Juntm iM Hftma.
rBAaooa _^..^..^. iMTBaasar
Btsaa Palaa da a (acilidaila 4a ss tiatar s, a*X
pr^obarato,eila.ecuraremponrot.iBpo.Ell>sas*lSB^
mpfdaraantaoa hnmona, bi*, humorm Ttaraaaa vfasaSSS
que oonserram aa aoiaatiaa: Lu. pnriftcaa o sassjsa
Impartraa aa recahbH*
* Impream-it ,
ocmtra a fritAo dr rrutrr. I tl___
Utn, ::hrnuinti'H>-, f'nltm 4
sapettts,----------------- -, ., ,-
i Bortmlfoam, rermrlhUiem, i
Menmjtamsa. ato.
E-PRECISO BECU
(iilSKtfrsas sm ssstt>fn*iaya
PH- Oottln
btna>Sir.Ut**y
EU TOUAS AS I HAKMACIAJ
Vinho de Collares especia]
da Madeira
Fm decimos e raixa de duzia, tem
der Joaquim da ilva Carneiro. largo
SantsJB. 13, 1- andar.
Caixeiro
Precisa-se de um aixeiro de 1S a tianaai
que tenha al puma pratica Je momados; a trafca
na rua de S. iorge a. 89.








tao
*s*
Aluga-s
se
ra
i da Aurora d. 81 (junto
trada He ferro de Olinda), com
grandes commosos para familia; a tratar no es
ristorio de Sebastfto de Barros Barreta *
Xot ;.J6,JL andar
luga-se barato
Ra do Rosario n. 39.
Visconde de Govanna ns. i63 e iw.
Baixa Verde n. 1 C. (Gepunga).
Ba Viscoude de Itaparlca n. 43, armazeoi.
A ra do do Calaboco n. 4 loja.
Largo do Corpo Santo n. 13 f andar.
Ra Santo Amaro 14 Io andar.
Ra Viaai de Negreiros n. 45.
Trata-se na ra do Commercio n. 5, !. andar,
escriptorio de Silva Guimares & C.
Pp de Caxias n.
ca
Ama
MucoQmMB-feihi 18-de Janeiro de 1889
raude liquidacjfr)
assirs
titeada*
na na Diimfi
Prciaa-se fe unta ama para cosiuhar eni casa
de pnica familia ; na ra o Cal i. I,
sobrado.
Ama
Pi ecisa-se de urna amr para casa de pequea
familia ; na ra de Peysoau n 19.
Ama
Precisa-se de urna amr para comprar e cosi-
nhai para casa de pouca familia : a ra da Pe-
nha n. II, andar.
20:000 rs.
Aluga-se a casa n. 16-C a ra do Riacnuello,
antiga do Destino, na Boa-Vista ; a de n. 8 a
travessa do Freitas, antiga do Trindade, em S.
losf.por 161000, com 2 salas, 3 miarlos, corre-
dor separado, cosinha fra, quintal e cacimba ; a
chave esta junto, e trata-se na ra da Guia nu-
mera 61 _______
Carolos de algodcr
Compra-se carocos de algodio ensaccados, en-
tregues nos armazens, ra do Barao do Trium-
ho ns. 10, II e 14; ao prece de 380 ris por 15
il
JOS.
Caixeiro
Precisa-se de um menino de 12 14 anosn de
idade, com alguma pratica de molhados e que d
conhecimento de ana conducta ; na ra de S.
loao n. 12.
Ana
Precisa-se de urna amt de idade para casa de
Suca familia,para cosintiar : na ra Duquede
xias n. 50. 2- andar.
***
Ama
Na ra Formosa n. 8, precisa-se de urna boa
cosinheira e engommadnra, e que durma em
sasa.
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar para casa
de familia; a tratar na na dos Goararapes n. 88.
Ama
Precisa-se de tuna para andar com urna enan-
ca : a tratar na ra do Imperador n. 77, loja.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 10 12 anuos,
com pratica de molhados e que d fiador a sua
conducta : a tratar na ra Conde da Boa-Vista
n. 67, prefere-se brtsileiro.
Aviso
Aos Exms. Srs. paes de fa-
milias
0 profes&or titulado Joao Feixeira Bastos, con-
tinua a leccionar nao s emeasa de sua residen-
cia, como em casas particulares as materias, que
coostituem a instrucco primaria das o s 6
horas da tarde.
Curso especial : portuguez, francez, geogra-
Igiia e historia das 4 as 6 da tarde.
Aula nocturna das 7 as 9 da noite.
Hensalidade achantada feita no acto da niatri-
"lll'l
N. 7 ARuadoCaldereiroN. 7 A
Criado
a tratar
Precisa-se de um rapaz at 15 annos
na Travessa do Corpo Santo n. 27.
Abertura d'aula
O actual professor publico primario da 1* ca-
deira da Boa Vista desta cidade scientijica a
quera interesarpossa.que. no dia J" do vigente
mez, iniciar seus trabamos lectivos na Praga do
Conde d'Eu, n. 28, pavimento terreo.
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro de 12 14 annos de
idade, com praitca de taverna e que d fiador
de sua conducta ; na ra das Tnncheiras nu-
mero 13.
To
>sses
O leItorsJ de Caatbar combate
enrgicamente as tosses dolorosas, tornan-
do-as brandas e expectorantes at cural-as,
Os agentes
Francisco M. da Silva & C.
O PEITORAL DE CAMBAR
Vende-se a 20500 o frasco, 185000 1/2
duzia e 245000 a duzia em casas dos
agentes Roerigaes Silva & C. e as prin-
cipaes pharmacias e drogaras da capital.
RAZO NATURAL
Qual a razio da grande fama de que
gosa o Pe I oral de Cambar1*
E' pelos seus maravilhosos resultados.
FRANCISCO M. DA SILVA & C.
FOLHETIM
Ama
Precisa-se de ama ama para
casa de pouca familia ; a tratar
de Caxias n. 48, loja. OTES
cogommar em
na ra Duqne
Ama
Precisa-se para comprar e cosinliar para casa
de familia de tres pessoas a tratar na ra Du-
que de Caxias n. 43. loji. _____
Amas
Na ra da Palma n. 40, precisa-se de duas
amas, urna para cosinha e outra para amamen-
lar urna crianca.
Amas
Precisa-se de duas amas, urna perita cosinhei-
ra e outra para ongorcmar eensaboar roupa,
para casa de familia : s. tratar na ra Bario da
Vetolia Ln. 46, loja.
VENDAS
Vende-se urna mesa com duas gavetas,
lomeada, uns livros de reza, romances e estu-
ilo.-. tgfnhum vende-se um tnico para segurar,
nascer o cabello, c evits r dr de cabeca ; na ra
Marques do Henal, loja n. 13, se dir quem
vende. Asaba como urna senhora habilitada se
offerece para ensinar em casas particulares,
Portugnez, Francez, Italiano c trabamos de
flores.
Vende-se um cavallo de sella, de baixo a
meio, vindo ha pouco do sertio, c urna burra
para todo servico : a tratar na Nova Descoberta,
cocheira de Manoel Joaquim, ou no Pa^o da f a-
tria n. 5.
Vende-se um estabelecimento de molhados
com proporces para glande negocio ; na praca
Conde d'Eu n. 18.
Vende-se rana parte no engenho Destrro,
freguezia de Ignarass, faz-se tocio negocio, e a
renda de muitos annos a tratar na ra da San-
ta Cruz n. 8. ___ _____
Vapor para engenho
Vende se urna machi ia a vapor de forra de 4
carallos e em perfeito estado ; a tratar na ra do
Apollo n. 30, 1 andar, das 11 horas as 3 da
tarde.
Piano
Vende-se um piano nglez^ perfeito, de duas
cordas, proprio para principiante, por SOOj ; a
ver e tratar na ra do Lama rao n. 4, prximo a
Povoaco do Monteiro, na freguezia do Poco da
Panella.
Vaccas de leite
Veode-se duas vaccas de leite : a tratar na
Tamarineira, sitio de fronte do Azylo de Alie-
ados.
rio a Vlrt*raa
kimm 111A6 k c.
Resolveram vender mais barato para di-
minuir o seu grande deposito, para assim
poder dar balanco.
A saber :
Rendas de cores, comprimento de saia
a 1)5000 e 15500.
Sargelim de todas as cores a 200 rs. o
covado.
Baleias eom forro a 400 rs. a duzia.
dem sem forro a 240 rs. a dita.
Bramante de linho, com 10 palmos, a
15400 e 1*500.
Extracto Rita Sangal a 2*200.
Fichs de IX e seda a 1* e 15500.
Capellas com veo bardado a 65000 e
70000.
Merinos de cores a 400 rs.
Zefiros, largos, a 160 e 200 rs.
Crotones com ferraduras a 240 rs. '
MadapolSo (o verdadeiro Boa-Vista) a
6*000, com 20 varas.
Toalhas para banho a 1* e 1*500.
Colchas ac crochet, finas, a 5*000.
dem com flores a 8*000.
Toalhas felpudas para rosto a 3*000 a
duzia.
Bramante trancado, 4 larguras, a 800 e
1*000.
MadapolSo com 1 metro de largura a
7*000.
MadapolSo Globo a 7*000.
Dito camisero legitimo a 7*000
Fustao branco a 360 e 400 rs.
Setim branco e de todas as cores a 800
e 900 rs.
Tapetes grandes para sof, a 13*000.
Espartilhos couraga a 4* e 4*500.
Cortes de cambraia com carocinhos a
4*000.
Brins de linho de c6res fixas a 600 rs.
Crinoline branca e preta a 400 rs. o
metro.
Rico sorti ment de leqnes de penna de
8*000 e 10*000.
Guardanapos de linho a 2* e 2*500.
Panno de crochet para cadeiras a 800
res.
Ditos grandes para sof a 2*500.
Cambraia Victoria e transparente a
3*tXX).
Merino preto, fino, a 800 e 1*000.
Camisas francezas, finas, a 33*000 a
duzia.
Nanzuc de cSres finas a 240 rs. o co-
vado.
Capas de cachemira preta.
Renda hespanhola a 1*000 e 1*500.
Cretone com duas larguras a 400 rs.
Batistes finas a 140 rs.
L3 de quadros a 280 rs.
Cortinados bordados a 5*500.
Ditos de crochet a 10*000.
Camisas de flanella com collarinhos e
sem elles.
Palitots de palha de seda, todas as co-
res.
Larvas de seda*
Fazendas de phantasia e abortas.
Cachemiras eomlistras e quadros a
500 rs.
Cortes de casimira a 4*000.
Etamine preto.
Cortes de cambraia aberta a 5*000 a
peca.
Cortes bordados brancos e de cores.
Seda palha crua com flores a 800 rs.
N. B.As fazendas compradas na nos-
sa casa nSo sendo do gosto do freguez, se
trocam por outras de mais gosto.
Telephone n. 200
Tn*en barato
Vende-se barato, oupermuta-se por ama casa
aa freguen i-Vista ou da t sea. de va-
&correspo penal, defronte da casa n. 310 (centro), com
33 palmos de frente e fundo para a estrada de
ferro de S. Francisco, cujos limites atravessa;
Eroprio para edificaefio e com capacidade para
ons viveiros.
No Caf Ruy, ra do Barao da Victoria n. Sd,
se indicar aos pretendentes a pessoa com quem
se trata.
POR
JULIO MAll
ri: n < i: i ii % parte
HONRA POR HONRA
(Continuaclo do n. 6)
E dgumas horas depois repetiam-se as
mesinas perguntas e as mesmas respostas.
Jorge, entao, chamava-o de parte e di-
zia-lhe:
E' o castigo que comeca. Luciana
vai morrer.
E lvido, 4o5o de Montmayeur, agarr m-
do-o pela garganta:
NSo digas isso, cala-te, ave agou-
reira !...
E? o castigo, repito-te, o castigo...
E se ella nao morrer, toma sentido, por-
que entilo que ests destinado a urna pu-
nicjlo mais terrivel ainda !
A febre quo devorava Luciana n^o lhe
dava um momento de repouso. O seu de-
lirio povOa-se de visBes, o rosto decompu-
nha-se-lhe, eobria-se de medonha pallidcz.
Oh minha mii, minha m3i. dizia
ella, por que me expulsaste ? Por que me
auialdicoaste ? Isso vai attrahir uesgragas
Nobre mim... Amaldioada, cu, amaldi-
(, tauto desgranada j.. Nfio couiprehendes
ontSo o meu devotamento V. jacrifiquei
tudo... tudo... por meu pai... E amal-
dicoam-me !
Torca os bracas... ficavn p.lgum tempo
riilonciosa, depois prosegua :
Eu era feliz.. nSo nte falta"
di todo, para^r.". ft,\...
o amor do meu r o af-
ns iraSo :ainha mli
perdi a minha reputagao de
U que ganharei em troca de
eraprehendo ?... Quem sabe ? Quem o
dir?... Se for mullograda, nunca acre-
ditarSo no que tente i... Estou condemna-
da ao bom xito.. Felizmente meu pai
n?io sabe de nada... A ultima vez que o
vi na prsSo de S. Pedro, acabava de ar-
raneai-o guilhotini... Se elle pensa em
mim quando pensa om todos os seus, deve
haver reconhecimento na sua saudade...
Felizmente, meuDbus, elle nSo me julga
cidpada, como os outros.... Felizmente
elle nlo mcamaldiela, como os outros me
amaldicoaram.
Quando a doente fallava assime era,
com se v, n'uma especie de dehro luci-
do que delineava-lhe, durante a febre, as
mais secretas preoccupacces da sua vida
intimaClaudina ia encostar-se cama;
pegava as mXos ia irma. apertava-as,
dizia-lhe palavras ternas, tentando acal-
mar aquelle pobre espirito, tSo atormen-
tado.
Mas tudo quanto dizia nao poda chegar
intelligencia de Luciana.
Levava os dedos bocea da doente ;
esta esquivava-se e recomecava com volu-
bilidade as suas lamentacoes.
Por felicidade, si ella estar all para
ouvil-a.
Se Montmayeur se achasso presente,
ellas estariam perdidas.
Todos os cuidados de Claudina consis-
tan), portante, durante os primeiros das
da molestia, em afastar Montmayeur.
Apezar de tudo, por variasvezeb, quan-
do ella sahia para ir procurar o medico
allemao e pedir os medicamentos promet-
tidos, ella encontrou, ao voltar, Joao de
Montmayeur caboceira de Luciana.
Estava de p, com a cabeca inclinada,
o olhar ardentemeute fixo naquella a quem
amava.
Esta, como se S'intisse a attraccSp dosse
olhar, pareca ainca maie agitada que de
costme.
A ua fraqueza era extrema Nao co-
mer" cousa algum* desde muitos das, e
as dses de quinino, do mesmo modo que
as applitac3es de gelo, nao pareciam pro-
duzir o mnimo e'eito.
Quendo Claudina sorprendeu assim Mont-
mayeur, este perturbou-se. balbuciou al-
gumas palavras de desculpa.
Amo-a tanto, disse elle... o que
poderei fazer para cural-a.. Sou entilo
intil?.. E' honivel ver-se morrer assim
a pest'oa a quem te ama e ficar-sc com os
bragos cruzados por n2o poder-se fazer
consa alguma...
Claudina n3o raspondeu.
Examinava Montmayeur, tentando adi-
Vende-se
urna casa terrea no bairro da Boa Vista, em bom
local; a tratar no Pateo do Carmo n. 3, botica.
0 BAZAR DO RECIFE
Esta bem conhecida loja de miudezas e
artigos de moda recebeu da Europa bo-
nito sortimento de artigos para a festa,
saber:
Bonecas vestidas moda de Pars.
Diversos brnquedos para criancas,
Lindos loques de phantasia.
Costureras com msica.
Caixinhas de setim com perfumes.
Elegantes estjos para toilette.
Primorosos cartes de felicitacoes. .
Porta-relogios para toilette.
Caixinhas para joias.
EstOjos para escripturacBo de senhoras.
Perfumaras dos melhores fabricantes.
Um variado sortimento de miudezas.
O BAZAR DO RECDJE
11BCA DO MRQUEZ DE OLINDA11
DoMlago* M. Hariiag
CCuHMTl
P CLERV
Miie-M e. todi wr
21
ciana havia fallado, se se tinha trahido...
se Joao sabia dos seus projectos.
Ha muito tempo que est aqu ? per-
guntou ella finalmente.
Dede que a senhora sahio.
Na sua febre, Luciana tem militas
vezes delirio... falla de cousas... que
eu nao comprehendo... sao sonhos de lou-
cura, inspirados pelo seu cerebro doen-
te... Ella fallou?
Por que perguntou Montmayeur des-
confiado. Nao posso entSo ouvir o que
ella diz ?... Tem segredos assim tao gra-
ves ?...
Claudina temeu ter sido comprehen-
dida.
Segredos ? disse ella. Oh! que
segredos pedera ella ter? O senhor nSo
conheee a sua infancia, a sua mocidade ?...
Demais, nSo se afasto... Se Luciana fal-
lar, peder ouvil-a.
A calma de Claudina dissipou as sus-
peitas de Montmayeur.
Retirou-se.
E na verdade dir-se-hia que a sua pre-
fenca opprimia o coracao da doente, por-
que mal elle sahia, Luciana abra os olhos,
olhava para Claudina... mas ^lhava des-
ta vez com olhar intelligente.
Minha irma, minha irma disse Clau-
dina.
Luciana murmurou com voz traca :
Claudina!
Deide oito dias, era a prmeira vez que
Luciana reconhecia Claudina.
Esta soltou urna exclamaco de alegra.
Minha irral! minha irma !
E Luciana, com os olhos pesados e o
olhar anda incerto :
Mas onde estou eu?... O que se
passou?
Has de saber de tudo. Nao te fati-
gues .. NSo falles.
Apezar dsso, Luciana fazia vaos esfor-
cos para tentar encher, pela recordacSo, o
vacuo que ella sentia na sua vida. O seu
olhar conservava-se fixo.
Claudina supplicava-a, assustada com a
crise que produzir-se hia talvez, quando
ella se reerdasse.
E effectivamente pouco a pouco. des-
pertiva-se a memoria de Lnciana.
Estendeu os bracos para alguna cousa
que s ella via, n'uma visao sobrenatural,
c procurov. afastal-a.
Nao, nao, nSo verdade.. C'laudi-
na, nao me deixes. .. dize-me que n;
vareada... Protege-mc!...
Nao, nao verdade, Luciana, nao
a mvis nessas cousas... Trata de
repciusar, trata de dormir...
ra muito tarde. Ella lombrava-s
Serei ben ,1a no que vinhar n0 ,eu bc|l0 f0 T08t0f se *L: _. pag(.ai. Henrique, minha Mil
RA DO CRESPO
Oliveira Campos & C.
XTOTZDiaSES
Cortes de vestido em cartao com muita
fazenda todos enfeitados a tiras bordadas,
cachemira, jour, zephiro, ninon e cam-
braia branca de 8,5000 a 35)5000, um.
Romeiras, pellerinas, voltas e peitinhos,
de vidrilhos, ultima novidade, de 6jJ000 a
124000 urna, sao lindas.
Zephiros de c6res padr5es alta novida-
de a 500 rs.
Merinos de c6res todos em quadro a
320 rs. o covado.
Cortinados bordados de crochet para
cama.
Colchas de seda para noivos.
Veos e capellas o que ha de mais novi-
dade.
Capas preta*, merinn, cachemira e gor-
gorao, todas ricamente enfeitadas.
Espartilhos para senhora, de 4)JO00 a
6^000 um.
Fustao branco, de 400 e 500 rs. o co-
vado.
Musselina branca para casaco de senho-
ra a 500 rs. o covado.
Manteletas de cor, arrendados, a 15 um.
Merinos lisos, todas as cores, de la pura,
a 500 e 800 rs. o covado.
Esguiao de linho pardo para vestido,
muito largo, a 400 rs. o covado.
Batistes de cores a 160 rs. o covado.
Zephiros de cores, padr3es mimosos, a
200 rs. o covado.
Meias cruas, brancas e de cores para
senhoras e crianzas.
Ditas para homem.
Colarinhos, punhos e camisas para ho-
mem.
Atoalhado lavrado, linho e algodSo, pre-
90 barato.
Sortimento completo de diversos tecidos
que liquidamos sem reserva de preco.
OLIVEIRA CAMPOS d C.
Taverna
Vende-se urna taverna ra da Santa Cruz n.
5, muito barata e com poucos gneros, a casa
tem agua encanada e commodos para familia.
^^im
E recahio inerte no seu desvanecimen-
to. Quando voltou a si, Claudina aper-
tava-a nos bra9os. Luciana desatou em
80IU90. Era a crise que devia slvala.
Chorou durante muito, muito tempo.
E Claudina acariciava-a, dizendo :
Chora, n&o retenhas as lagrimas, cho-
ra, minha querida Luciana.
A partir desse dia, come90u a conva-
lescenca.
Luciana estava t&o fraca, que durante
os quinze das que se seguiram foi obriga-
da a guardar o leito.
Toda a famirta reunia-se no seu quarto
para fazer-lhe companhia.
, Jorge nSo era attrahido alli smente
pelo affecto que Luciana lhe inspirara,
mas tambem pelo amor que tinha a Clau-
dina.
Todos esses acontecimentos haviam s-
do acompanhados de perto pelo sargento
Frantz Shuller, que escrevia no seu ca-
nhenho :
A francezinha acaba de ter urna gra-
ve molestia em consequencia da execu9&o
dos dous irmios. Ella lassistio a ace-
a da sua janella. Agora est curada.
Notei que depois dessa execuc3o os dous
officiaes que a ordenaram parecem inquie-
tos. Desses dous oflciaes um o major
ron de Graubach, que depois da evasao
do franco -tirador, arrumou-me aquelle
enonue sopapo. A mai dos irm2os exe-
cutados predisse-lhes que elles morreriam
em Fran9a. Ser essa predic95o que os
inquieta? Talvez, porque eu tambem nao
ando tranquillo... Ella predisse-me, como
a elles, que eumerreria no campo da ba
talha... Entap nao tornara a ver a mi-
nha boa Catharina, nem Fritz, nem Wi-
ihelm, nem a Annmha!... Estes caes de
francezes nao acabarao mais com esta mal-
dita guerra ?... Na provincia, batem-se
de todos- os lados. .. nao se cansam de
ser vencidos. .. E este malfadado t erco
,amea5a eternisar-se!. Felizmente a nm-
llier que nos predisse isso, estava meio
louca. .. E depois 6 cousa que nao passa
de predic95es, e eu faco tolice pensando
nisso... Mas, apezar de tudo, nao posso
deixr ele pensar. .. Oh I minha boa Ca-
tharina, se eu n8o te tomasse a ver !
Quando Jorge de Montmayeur suba ao
qnarto.de Luciana e Claudina, sentava-se
n'uma cadeira ao fundo do aposento.
E alii, silencioso quasi todo o tempo,
passava longas horas a contemplar e ad-
mirar Claudina.
O seu amor augmentava de dia para
i$kt>
Amor singular, j o dissemos, no qual
e.ntrava o menor deaejo amor ze-
loso de donte attrahido para a belleza,
Barato
S na loja da6 Estrellas
56--MA DIOtE DE CAXIAS-58
Tclcphaae a. to
0 proprietario deste mui acreditado estabeleci-
mento previne a todas as Exmas. familias
e freguezes em geral, que as muitas pe-
chinchas que costuma fazer, nao sao mais
divididas com a sua ex-casa das LISTRAS
AZES; portanto, quem quizer comprar por
menos que em outra qualquer parte dirja-
se LOJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trar um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
sos que nSo lhe podem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 15800 a 1(5000.
Dito de c6res a l* e 1(5300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a 1)5600.
Brim de c6res para ronpa de criancas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 10<5 por 5J000.
Cortinados bordados a 55 e 65000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
de cores a 40 e 45500.
Cortes de vestidos, em cartSo, a 75000.
Crotones, cores chiras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 25800 a pe9a.
Camisas inglezas para homens a 285000
a duzia.
Collarinhos, punhos e aberturas le' cel-
luloid, um completo, por 25500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 105, 155 e 205OOO.
Casacos Jersey a 25500, 35, 45 e 55.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 15200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 15100 a jarda.
Esguiao de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 55600.
Espartilhos cornea a 35 e 3(5500.
Fichus a 500, 15 e 15200.
Fustao branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos Yos de Blond
a 75000.^
Guarnieres de crochet para sof, a 55500.
Gorgorito preto de seda a 15800.
Guardanapos de linho de 35500 por 25
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lencos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 15000,
15500, 25 e 25500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
MadapolSo pelle de ovo, muito fino, a
65000 e americano, com um metro de lar-
guro, de pre9o de 125 por 75000.
Dito de 85 por 55000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Rendas hespanholas a 15600, 15800,
25500 e 35000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs.
Dito de quadros, ultima novidade, a 15-
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpudas a 25500
e 35OOO a duzia.
Ditas para banho a 800 e 15200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
..Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos 20 j0 do que em qualquer outra
parte.
Arma^o
Vende-se urna armnco envidragada e dous i-
teiros para amostras, um candieiro e registro de
gaz ; a tratar na praca da Independencia mime
ro35.
ra pasa can
Rua Duque de Caxias n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1[2 e 4 metros e urna chave de lar-
gura a 500, 600, 800 e U, muito fino, de
qualquer largura a J5400, e de fuatfo, de
700 a 15800 a pe9a.
Enxovaes para bapttados a 85, 105 e
125000.
Lindos enfeites para penteados a 100,
200, 300 e 500 r. um. j
Lindos granpos para segurar chapeos.
Renda^espanhola a 2)5600 o corado.
Pulseira americanas para 35, 4fi, 5#,
65 e85000o par. ^ *,-,,*
Guarn98es .americanas a 35000.
Lindos eipirtilhos a 45, 55 e 6#000.
Porta dedaes de vidro, -biecto para pre-
sente a 15000. -
Broches de fantasa de 500 a 1#000.
dem americanos de 25 a 35000.
Len90s de seda de 500 rs. a 15500.
Lubaque a 200 rs. o par.
Guarni93es de crochet, sendo um para
sof e 4 para cadeiras por 6$000.
Finas capellas de peluca, panno e cor,
com finos veos.
Flores artificiaes a 15000 o ramo.
Armis americanos a 25000.
Plisss de 400 a 15000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 25 25500 o par.
Bicos brancos de linho e de cores a 25.
25500 e 35000 a peca.
Contas de cor para enfeitar vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarinhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
85000.
Talheres para crianca a 800 rs.
Luvas de pellioaa 25500 rs. o par.
Linhas de cores para crochet a 25000 e
cor de creme a 15500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
15000.
Espelhos com fina moldura, com dous pal-
mos de comprimento, a 45000 e cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a ouro e missan-
gas.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta c de cares, sem e com vidri-
lhos.
Timaosinhos enfeitados de bico e renda.'
Grande sortimento de fitas modernas a
13 de Maio, Imperial Regente, a Nabu
co e a JoSo Alfredo.
Lindas fitas para facha a 2^, 25500 e
35500 o metro.
Carteiras de chagrn para algibeira.
Finas gravatas plastroVss e regatas a 1#,
15200, ^15500 e 25000.
Lindos porta-ps de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfei-
tar consolos e sanctuarics.
Completo sortimento de perfumaras.
Finos sabonetes de todos os fabricante.
Grande sortimento de alfinetes docradoe
para enfeitar o penteiado e tambem gran-
pos muito lindos.
N. B.D-se amostras de bicos e bor-
dados.
wst
Rojal Blend marca YUDO
Este exceilente Whisky Escoces pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de caos,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retamo nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Royal Bieud marca ViW
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
as
para a mocidade para a forca, como
mariposas sao attrahidas pela luz.
Nunca sahia-lhe dos labios urna palavra
de amor; mas nos seus gestos e nos seus
olhares ; tudo gritava que o seu coracjlo
estava cheio daquella moca e prompto para
todos os sacrificios, como para todos os
devo tomentos.
Quando Joao dirgia-se ao quarto de
Luciana para saber noticias della, quando
l ficava algnns instantes, a doente soffria
mil torturas; nao poda mais supportar a
sua presera; quando ouva-o bater
porta, se estava s em tal occasiao com
Claudina, fazia um signal a esta, e Mont-
com os
adorme-
mayeur, ao entrar, encontrava-a
olhos
cida.
fechados, profundamente
Elle retirava-se entao quasi immediata-
mente.
E Luciana, alliviada, reabra os olhos.
Est acabado, dizia ella entao a
Claudina, j sofrri de mais, nao posso mais
ficar aqu... Contei demasiadamente com
as minhas for9as. Todas estas abomina-
95es excederam a soturna de ^nergia de
que sou capaz... Estou vencida, abati-
da... Se tivesse de viver mais tempo com
esse miseravel, me trahiria... Nao mi-
nha culpa... Fiz o impossivel... Tam-
bem nao podia contar com tantos aconte-
cimentos trgicos...
Entio teu pai est perdido ?
Perdido Elle, o innocente, o ho-
mem de bem !... Ser possivel ?. .. J o
salvamos urna vez, nao poderemos salval-o
mais outra ?... Ai de. jnim Sinto-nie
sem forgas, repito-te !. Foi eata guerra
terrivel, que arrebatou-Jfc mus dous ir-
mSos, e que amanha me arrebatar tal-
vez meu noivo?... Nao sei, mas tenho
vontade de chorar. .. quizera ter morrido,
para livrar-me de tudo quanto empre-
licndi...
Ohf Luciana !
De tudo quanto vejo, de tud^quan-
to se passa. Esta desanimada. Imagi-
ne! o impossivel. f^io conseguirei jamis
o que quera. Deshonjtei-me intilmente.
Chora-,
Aquelle homem mais forte do qfll
nos, rica certa, Claudina. G que pode"
nos contra elle V Nada. Todas as
preeauc?es esto tomadas. Luannos cor-
po a corpo com elle. seria loucura pen-
sar que tal cousa realizavel. .. E quan-
do fallo-lhc, quan< -o tao calmo, elle
a quem devia terrifiear a recordar
guinolenta de Bftri'eille, digo coinmigo
mesma que
para punil-o.
sei nisto.. Entretanto aquelle homem
BROWNSA C, agentes.
tem remoraos... Um da sorstendi-o so-
nhando em voz alta... O que fazer?
Esperar, Luciana, esperar...
Esperar... ah! so. a gente podes-
se!... Mas a vida de Doriat nao est em
jogo? O que farto delle quando esgotar-
se o prazo de adiamente?... Terso a hor-
rivel coragem de mandal-o segunda vez ao
cadafalso ?.... E dessa' vez ningem se
apresentar mais para salval-o!... E se o
cadafalso lhe for poupado, nlo slo os trs-
balhos for9ados perpetuos que o aguar
dam?... E isso breve, daqni a a%uma>
semanas... Meu Dcus naeu Deus ?...
Claudina nao tinha coiw de conso-
laba e de enxugar-lhe as
orswat d
: lagrimas:
exista
urna boa razao para isso: que ella cho-
rava tambem...
Acreditas, Claudina, que Baja no
mundo supplicio mais atroz do que esse ?...
Ver condemnar um homem de bem, ver
trumphar o cidpado. .. Conhccef a inno-
cencia de um, o crime do outro," e estar
com as maos atadas, com a bocea fechar
da... Ser obrigada a devorar a lagri-
mas, a nSo proferir todas as palatraslie
vinganca que sobem aos labros .*.. oer
cumplice de um crime pelo silencio....
Aceitar, por impotencia e cansagO) as mais
espantosas consequencia? tlisso... N2o
nao, nao exitste supplicio mais atroz...
NSo fizemos tudo quanto era possi-
vel, minha irmS ?... Dissemos a verdade
aos juizes, Je acreditaram as nossas pa-
lavras, visto que Doriat est vivo.
Mas hoje... hoje...
NSo te desoles.. Tens necessidade
de toda a tua coragem.
Ah! ao menos nao sahire desta casa
sem escarrarna cara daqusMe miseravel.o
meu horror e o meu despr
Nao facas isso !..
gum aconteermento nao nss viri
lio ? A nossa supamm^ade
est era que elle nao^paoe ojk^
cemos 6 sefredo do se
destruaaiesta stiperiofid^
ser punido, estou ccrtH
Tens esper:
W verdade.
nao.
('alaram-se.
Infonnou-se ^e La
alguma cousa, e dejl
to das mocas, ondT
tarde.
Era hora 'mu!'
quand
nsta^on-se no quai
I
A
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG34CA2MB_2OA450 INGEST_TIME 2014-05-21T23:02:23Z PACKAGE AA00011611_17392
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES