Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17387


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Por tresmezes adiant
Por seis ditos idcni
Por um anuo idem
Cada numero avulso, do mesmo dia.

i

DIARIO DE PERNAMBUCO
Trcprkdade de VLantcl ffit/ueirca de 3bria # ^'iU)vs
Os Srs. Amede Prin-
ce & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex-
clusivos de amrancios
e publicares na Fran-
ca e Inglaterra.
TELEGRAMAS
s:r,::;: mmm do siabxo
RIO DE' JANEIRO, 3 de Janeiro,
a 3 horas e 40 minutos da tarde.
Deu-se a annunciada reconiposcilo mi-
nisterial.
Sahirain do gabinete os conselheiros
Jos Fernandes da Costa Pereira Luiz
Antonio Vieira da Silva.
O conselheiro Antonio Ferreira Vianna
passon da pasta da Justica para a do Im-
perio.
Forara nomeados ministros :
Da Marinha, o BarSo de Guhr;
Da Justica, o Dr. Francisco de Assis
Rosa e Silva.
Foram reconduzidos:
No cargo de juiz municipal e de or-
phios dos termos de Coroat o S. Luiz
Gonzaga, no MaranhAo o bacbarel Hugo
Raposo Barradas.
No cargo de juiz substituto da capital
do MaranhSo, o bacbarel Firmino Soares
da Silva.
Foi nomeado capitSo do porto da
provincia do Rio Grande do Norte o 1.
tenente Leoncio Rosa.
SSSVICCIL AUICI& SMS
PARS, 2 de Janeiro.
Um syndicato norte-americano offerece
para continuar os trabalhos do Canal de
Panam.
S. PETERSBRGO, ^de Janeiro.
E' provAvel um importante movimento
no corpo diplomtico russo.
Agencia Havas, filial em Pereambuco,
3 de Janeiro de 1889.
USTRDCglO POPDR
Esta^oes Agronmicas
CONFEREHCIA FEITA NA SOCIEDADE DE GEO-
GKAPniA DO RIO DE JANEIRO '
PILO
Dr. Tanjuinio de ScrazaFilho
iConrliiso)
Na Dinamarca o ensino agrcola foi organizado
desde 1801 pela creago de urna cadeira de agri-
cultura na Universidade de Copenhague. A es-
cola superior agrcola e veterinaria de Copenha-
gue foi fundada em!858 e existan 15 escolas
secundarias e mais de 60 escolas primarias su-
periores de agricultura.
Na Italia encontramos a escola superior de
agricultura de Milo, a escola de Porfici, urna
escola especial de zootechnia, urna escola flores-
tal, cinco escolas especiaos de viticultura, eno-
loga, etc., 24 escolas praticas e 18 colonias hor-
tcolas. .
A Franca possue o Instituto Agronmico de
Pariz. fundado em 1876 ; as escolas nanoiiaes de
agricultura de Grignon, Grandiouan e Montpel-
lier; 20 escolas praticas, creadas em 873 ; 30
fermesecotes, e as escolas primarias de agricultu-
ra. Alm disso, 3 escolas veterinarias, era Alfort,
Lvon e Toulouse, a escola horticultura de Ver-
stiles, e urna escola livie, o instituto agrcola
de Beauvai8 (*). _^_ ,
Ni" podo, poK,aef mais triste o parallelo entre
o encino agrcola ^trangeiro c o nacional. E9ta
mesma disparidade de condiges encerra una
grande tcSo. Saibamos aproveital-a, porque tra-
ta-se de urna questo vital para o nosso paiz.
Na sua solocio esto empenhados os nossos mais
caros interesse, o proprio futuro desta patria que
estremecemos.
(*) Alb LarbaltrierL'Agriculture1888
** Que ferons nos gargonsParir1887.
PARTE 0FF1C1AL
CAvera* da Provlaeia
XVKB1MTB DO DU 10 DE DRZ1IBBO DI 1888
Actos:
O presidente da provincia, usando da fa-
culdade conferida pelo art. 7o da lei de 12 de
Agosto de 183, resolve prorogar at o dia 18 do
corrente me, a actual sessao da Assembla Le-
gislativa Provincial. Fizeram-se as necessai-ias
communicages.
0 presidente da provincia resolve nomear
o tenente-coronel Geminiano do Reg Maciel para
exercer o cargo de delegado do districto littera-
rio do Re*m. Pedro Mariho Falco, nue falleceu.
Communicou-se ao inspector gerarda instruego
publica. .
O presidente da provincia resolve, de con-
forn; a proposta do Dr. chefe de poli-
ca n. 1284 de 7docorrente mez. exo-
nerar o ateres do corpo de polica Jos Nicolao
Ferreira Comes do cargo de subdelegado do Io
districto do termo de Gravt.1Fzeram se as
uecessarias communicaces.
O presidente da provincia resolve, de con-
formidude com a propost i do r. chefe de poli-
ca em oficio n. 1281, de 7 do corrente mez, no-
mear Antonio Carlos da S ilva Peixoto para o car-
go de delegado do termo de" Leopoldina.
Oficios : -
Ao conselheiro presidente do Tribunal da
RelacAo do Recife.Fico sciente, pelo oficio de
V. Exc, datado de 7 do jrrente, n. 3156, de ter
o desembargador nomeado nara essa Refaci,
Manoel da Silva Reg aisumido o exercicio de
seu cargo no dia 4 do referido mez.
Ao governador do Jiispado. Sirva-se V. S.
Revraa. de informar-mc o que lhe constar acerca
da inclusa representagao, em original, do juiz
municipal supplente, em exercicio, do termo de
Alaga de Baixo.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Remetto a V. S., para O: devidos Ikis copia do
aviso de 30 de Novembro ultimo, sob n. 148, em
que o Exm. Sr. Ministro da Agricultura Commer-
cio e Obras Publicas declara haver dado provi-
mento ao recurso interposto pelo agente da es
tucao de Cinco Pontas, Francisco Tranquilino de
Almeida Bastos atim de ser indemnisado pelo
ex-thesoureiro da estrada de ferro Namenano
Barboza da Silva da quantia de 1:263*070.
Ao mesmoCommunico a V. S. para os
lins convenientes que o hachare! Braz Florentino
Henriques de Souza, quo se achava no goso de 3
mezes de licenca, reassumio no dia 7 do corrente
o exercicio do cargo de adjunto do auditor de
guerra segundo consta de oficio do brigadeiro
commandante das armas da mesma data sob n.
3636.
Ao mesmo.Communico a V. S., paraos
fins convenientes, que o juiz municipal do termo
do Brejo, bacharei Eutropio Gongalves de Albu-
querque -ilva, em 29 de Novembro findo reassu-
mio o exercicio de seu cargo.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o promotor publico da co-
marca de Timbauba, bacbarel Pedro da Cunha
Pedrosa, interrompeu, por motivo de molestia,
em 2 do corrente, o exercicio de seu cargo, reas-
sumindo-o no dia 6 do referido mez. Durante o
seu impedimento foi substituido pelo bacbarel
Joao Ferreira Domingues Carneiro nomeado pelo
juiz de direito da mesma comarca.
Ao mesmo.Transmuto a V. S., para os
fins convenientes copia do oficio do Io do cor-
rete mez relativo a interrupcSo de exercicio do
juiz municipal do termo de S. Bento.
Ao mesmo.Remetto a V. S., para os devi-
dos fins, copia do aviso expedido pelo Ministerio
da Marinha em 3 do corrale, n. 1810, appro
vando a resolucao que tomei de abrir crdito
para satisfazer a importancia das avarias oca-
sionadas pelo abalroameoto de que trata o dito
AVS0.
^^- Ao mesmo. Declaro a V. S. que falleceu em
29 de Novembro ndo, na freguezia do Brejo da
Madre de Deus o respectivo vigario collado Revm.
conego Pedro Marmho Falda, segundo partici-
pou me o Revm. governador do bispado em
oficio de 7 do corrente mez.
Ao presidente da junta commercial do Re-
cife.Para dar cumprimsnto ao que exige o
Exm. Sr. consefieiro ministro e secretario de es-
tado dos negocios da justica no aviso por copia
de 30 de Novembro nodo, recommendo a V. S.
que transmuta a secretaria desta presidencia a
lista dos navios mercantes matriculados a que se
refere a circular de 10 de Tezembro de 1884.
Ao8l..e..iVpromotores pblicos da capi-
tal Trtmsmittindo a Vine copia do avwxarcu-,
lar do ministerio dos negocios da justica de 24 de,
Novembro findo recommendo-lhe que requeira
a convocagUo de tantas sessoes extraordinarias
do jury quantas se tornem precisas para serem
juigados os reos que se acharem as condiges
deque trata o.citado aviso e proniova coma m-
xima brevidade o andamento do summario dos
reos presos de conlbrmidade com o art. 319 do
cdigo do processo criminal, art. 343 do regula-
mento n. ISO de 31 de Janeiro de 1842 e art. 4 do
decreto n. 4861 de 2 de Janeiro de 1872.Com
municou-se ao respectivo juiz de direito.
Ao juiz municipal e de ornhaos do termo de
Goyanna. Sirva-se Vine, de informar sobre o in-
cluso aviso do ministerio dos negocios estran-
geiros de 28 de Novembro findo sob n. 24, que
me ser devolvido com os demais papis a elle
annexos referentes ao subdito belga Victor Ha-
ebez.
Ao director do presidio de Fernando de No-
ronha. Convm que Vmc. preste informaces
acerca db comportamehto do reo Jo5o Baptista
da Rosa, Trae ahi se acha cumprindo a pena de 7
annos de prisao simples, imposta em 30 de No-
vembro de 1884, em virtude de deciso do jury
d'esla capital.
Porta ...,.
Recommendo cmara municipal de Pal-
mares que devolva a petico de Leocadio Antonio
de Leo com a informacao exigida por despacho
d'esta presidencia, de 28 de Sctembro ultimo,
afim de que possa resolver sobre o assurapto do
oficio do presidente d'essa cmara de 26 de No-
vembro lindo.
EXPEDIENTE DO DR. SBCBETAEIO
Oficios .
Ao brigadeiro commandante das armas. O
Exm Sr. desembargador presidente da provin-
cia manda declarar a V. Exc. para seu conheci-
mento e devidos fins que no requeriraento do
major dd 14. batalhao de infanlana Estevo Jos
Ferraz, sobre que versa a informago d'esse com-
mando de 30 de Novembro findo, sob n. 3577 pro-
ferio boje o seguinte despacho : Em vista da
informacao do brigadeiro commandante das ar-
mas nao tem lugar.
Ao mesmo.-O Exm. Sr. desembargadqr-
presidente da provincia maada aecusar o reeebi-
mento do oficio de V. Exc. de 7 do corrente, sob
n. 3636. de cujo assumpto lica inieirado.
Ao director do Arsenal de-Guerra;,He or-
deno do Exm. Sr. desembargador presidente da
provincia ransraitto a V. S. os inclusos, termos
de inspeccio de sade a que foram submettidos
os aprendies artfices d'esse arsenal, Carlos vn-
tonio Pinheiro e Carlos Maria Bruno Vilella. de
conformidade com o qne solicitou V. S. em oficio
n. 221 de 1." do corrente.
Ao commandante do corpo de polica.De
ordem do Exm. Sr. desembargador presidenU'
da provincia, communico a V. S. para os fins
convenientes, que o commandante das armas em
oficio de 7 do correte mez. participou-me terem
sido dadas todas asprovidencas afim de impe-
dir-se o alistamento do soldado desertor d'esse
corpo Franklin Eustaquio Gomes.
Ao mesmo.-De ordem do Exm. Sr. des-
embargador presidente da provincia, communico
a V. S. que-no seu oficio n. 5 de 7 do corrente
mez, proferio-se hoje o despacho seguinte:
Ao Dr. chefe de polica.
Ao juiz de paz do 1. districto da paroclna
de S. Jos d'Agonia d'Agua Preta. O Exm Sr.
desembargador presiTente da |rovincia. manda
declarara V. S.,em resposta ao seo ffici i
do corrent'' mez, que em isla 'lo decreto n.
10044 de 22 de Setembro ultimo 'leve comecar a
ter exeengo o re-ulamento do regii*trn civil nu
dia 1." de Janeiro de 1S89, con foro ie lhe co nniu-
nicou em circular de 4 d'este me.
DESPACHO DA PR SIDENC1A UO DIA il I>1
D-2EMHBO DE 18^8
Armand Podro Luz M.t~sy. -Entrege-
se o documento mediann recibo.
Gnilhermina Lin Vieira. Remettdo
ao Sr. director da colonia Izabcl |
tender a supplicante logo qne houver vi
Joaquim Nicolao Ferreira. Informe a
Cmara Municipal do Recifo.
Maria Amelia Forjaz de Lacerda.
Deferido por officio de hoje ao inspector
geral da Instruc^ao Publica.
Maria Magdalena da Silva Mendes.
Nesta data expee.0 as uecessarias ordene
para a reinoculo requerida.
Pedro Paulo dos Santos. NSo ha lugar.
Rufina Demetrio de Souza.= Informe
o Sr. inspector geral da instrucc3o Pu-
blica.
Simplicio da Cruz Ribeiro. Passe por-
tara jubilando o peticionario nos termos
das informacSes do inspector geral da
InstruccSo Publica e conselho litterario.
2
Amelia Rosa do Brazil. Como requer.
Abaiso assignado de mercadores do
Mercado de S. Jos.Attendidos por des-
pacho desta data.
Os mesmo. Artendendo a quecos re-
correntes oceupam varios compartimentos
do mercado de S. Jos de accordo cm o ar-
tigo 8.- da lei n. 1355 de 6 de Marco de
1879, pagando as taxas diarias, marcadas
pela lei n. 1393, de 2 de Maio do mesmo
anuo, e a vista dos attestados exhibidos,
dou provimentp ao presente recurso, afim
de que continuem a exercer alli sua pe-
quena mercanca.
Dario Jos Peixoto. Sim..
Francisco Pacifico do Auiaral. Infor-
me o Sr. inspector do Thesouro Provin-
cial.
Izabel Francisca .Quintal. Passe por-
tara concedendo a gratificacSo alludida
pelo artigo 125 do rcgulamento de 18 de
Janeiro ultimo.
Izidoro de Freitas Gamboa. Sim, me-
diante recibo.
Ignez Barbalho Ucha Cavalcantc.^
Informe o Sr. inspector geral da Instruc1
cito Publica.
Jos Vieira de Siqueira Ferraz. Pas-
ae carta de natural i sacao.
Jos Ferreira dos Santos. Sim, de
proa por conta das gratuitas a que o go-
verno tem direito pagando o supplicante
as comedorias.
Tenente Leobaldo Augusto de Moraes.
Informe o Sr. inspector da Thesouraria de
Fazenda.
Bacbarel Miguel dos Anjos Barros.
Requeira a Thesouraria de Fazenda.
. Maria Joanna do Espirito-Santo. Nes-
ta data, expeco as uecessarias ordens no
sentido em que requer a supplicante.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
de Janeiro de 1889.

O porteiro,
llepartlvo de Polica
2.a secsSo.N. 8.Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 3 de Janeiro de
1889. Iujh. e Exm. Sr. Participo a
V. Exc. que foram hontem recomidos
Casa de DetencSo os seguintes indivi-
duos : -0:
A' ordem do subdelegado do 1. distric-
to da freguezia de S. Jos, Augusto Jos
de Sant'Anna e Jos Bezer do Nasci-
mento, por embriaguez e disturbios.
O delegado do termo de Pesqueira com-
uunica. ter capturado o individuo de no-
me Emygdio Lopes, alli pronunciado as
penas do art. 257- do Cod. Crim..
A mesma autoridade communica tam-
bem ter no dia 30 de Novembro ultimo,
fallecido na cadeia d'aquelle termo, o cri-
minoso Antonio Soares da Suva.
Procedeu-se a respeito nos termo8 da
lei.
Communica o subdelegado do districto
de Magdalena, que por incommodo de
sade, passou o exercicio ao tenente Ber-
nardo DamiSo Cavalcante Pessoa na qua-
Iidade de 1. supplente.
No dia 24 do mez prximo findo, no lu-
gar Guaribas do termo de Bom-Conselho,
o individuo de nome Jos Soares de Brito,
ferio gravemente com um tiro a Antonio
Francisco dos Santos.
O delinquente foi preso e contra elle
abrio-se o competente inquerito.
Durante o mez de Dezembro ultimo,
foram remettidos por esta reparticao, para
o hospital Pedro I e 18 desvabdos, para o
Asylo de Mendicidade 5, e com destino a
Escola de Aprendizes Marinheiros 6 me-
ninos abandonados.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm.
Sr. Dr. Ihnocencio Marqnes de. Araujo
Gees Jnior, muito digno presidente da
provincia. O chefe de polica interino,
Francisco Domingues Ribeiro Vianna.
Thesouro Provincial
DESPACHOS DO DIA 31 DE DEZEMBBO
DE 1
Companhia Great Western of Brasil
Railway. Volte a secs&o do contencioso
para oficiar ao Dr. procurador dos feitos,.
afim de por-se termo a execuclo que se
prouiove contra a supplicante.
Domingos Teixeira Bastos.Ao Sr
Dr. Contador para juntar copia das in-
formacSes.
Joanna Prxedes de Albuquerque
Ao Sr Dr. contador para mandar juntar
as infonna8es.
2 DE JANEIRO
Officio da S.mta Casa de Misericordia,
Um be lino' Lotirenco Ribeiro dos Reis,
I io Joaqun) da Costa Leite, Manoel
I taqun! de vellar, JoXo do Reg Ama-
Informe o Sr. Ur contador.
Francisco Peroira do Barros.Infor-
me o .Sr. eollector de Serinhiem.
JoSo Liborio Carneiro de Barros.
Haja vista b Sr. Dr. procurador fiscal.
Jos Goncalves Pereira SiUra.
Haja vista o Sr. Dr. procurador fiscal.
Joao da Silva Villa-Nova.Infonne o
Sr. Dr.: administrador da Recebedoria
Provincial^
Anna Joaquina Ramos. Informe a sec-
CJlo.do contencioso.
I|0ecederla Provincial
DESPACU66 DO DIA 2 DE JANEIRO DE 1889
Antonio Jos Ferreira Montero, Ma-
noel Mjrtins Lopes da Cruz, Albino Cruz
& -. Informe a Ia seccao.
E. A. Btrje, Carlos Alyes Barboza,
Jos & Jlo do Livramento.Deferido de
accordo comas informac3es.
Jos da Suva Pereira Lisboa. Certi-
fique-se.
DIARIO BE PERHAHBDCO
RECIT., 4 DE JANEIRO DE 1889
4dialntrro a provinria
Emposjou-sfehontem no arduo e honroso car-
go de presidente desta provincia, de que fra
investido/por carta imperial de 15 do mez lindo
S. Exc, o Dr. fnnocencio Marques de Araujo
Gocs, aincio representante da provincia da
Bahia nav-<"s6embla Geral.
A' 1 har da tarde (rigio-se S. Exc. do pala-
cio da pwidencia para o Pago da Cmara Muni-
cipal, onle s acharam reunidos vereadores.em
numero irgal e.abi prestou o juramento d es-
tvlo., ]? .
do bco Municipal ao palacio verifi-
e, sendo lavrado no respectivo li-
competente, que foi assignado por
las pessoas gradas que se achavam
De yol
cou-se a
vre o te
S. Exc.
presente
Num
Dr. Ara
ment e
neral
e escolhido squito acompanhou o
3 aps actos da prestacSo do jura-
poese, notando-se a presenca do ge-
dante das armas, Dr. chefe de po-
ticia, deptados geraes e provinciaes, o Io vice-
presidenW da provincia, magistrados, officiaes
do exerojb, da armada e da guar da nacional,
tuncciolrios pblicos e commerciantes.
Depois ;dc passar a administrado ao seu il-
lustre 8iHces8or o honrado desembargador Oli-
veira Anbrade foi acompanhado at casa de
sua resiaeBcia por S. Exc. Jo presidente da pro-
vincia Jor quasi todos os cavalheiros presen-
tes, que *sim quizeram demonstrar-lbe a justa
e elevada consideraco, que soubc conquistar
durante a sua administragio.
Efl| *b. casajS^Exc. o desembargador Olivei-
i;i \uilrai'agradeceu eofeBtqulon a seu ami-
gos cam um profoso lunch e por ooeasiao de
servirse o cJuimpapie foram feitos muitos brin-
des, sqido saudades o Dr. Araujo Goes,- o des-
embargador Oveira Andrade, os representantes
da imprensa, da representaco nacional e provin-
cial, d magistratura, do exercito e armada, do
commercio, etc.
O brinde de honra foi levantado por S. Exc. o
Dr. Araujo Goes ao inclyto e estimado pernam-
bucan, conselheiro Joo Alfredo, presidente do
consebo de ministros.
A fortaleza do Brum salvou na occasi^o em
que se realisava o acto da posse e o 14 bata-
lhao cipal s continencias militares.
0 Mario de Pernavibuco, conliando no patrio-
tismo, habilitacOes e talentos do novo chefe da
ailiniiistracao provincial e no seu zelo pela cau-
sa pibca, foz ardentes votos para que a admi-
n8tr prosperidades para esta provincia.

INTERIOR
prepa-
Etposleio brazllelra
ralorla
VI
o Jornal do Commercio da corte)
Qlasl no fim d'este breve retrospecto da indus-
tria nacional, a que deu occasifto a exposigao
pnpiratoria, foi-nos muito a.radavel verificar
quets manufacturas paulistas comegaram a en-
viarps seus productos. Em questoes industriaes
a ab/tencao ainda mais prejudicial do que as
polacas. Retirar-se de um concurso renunciar
i competencia e igualmente a rornecer o con-
sunp. ,.
E)tre nos, se a aclividade nacional multipl
cari pela descentralisaco administrativa, a vida
econnmca carece de livre circulado em todo o
imiNrio.
Aatroca8 entre as provincias produsirao a ver-
da dra riqueza naci< nal. S. I aulo com suasboas
fabreas de macliinismos de lavoura. com as fun-
divs de alto valor mctallurgioo, com os cortu-
ms c Santos, que ora supprem a corte, com a
soa fcbnca de chitas ilo (loado Diogo de i-arros,
suasli manufacturas de tecidos, seus quatro en-
genhos eentraes de assucar e muitos outros esta-
Itelecknentos fabris, considerada na corte como
om .los elementos Tabris >lo commei'cio interno e
tem ludo aganhar no comparecimentoem Pariz,
segunlo o nosso ponto de vista.
At aqui, os spccimens que S. Paulo enviou a
exposicao nao desdouram a provincia. *s meias
de seda e as de algodaoda fabrica dos Srs. Mar-
tina A C, de Jacarehy, offerecem algumas amos
irus de bastante ment. As fabricas de tecidos de
alo :o de Tatuhv, d Anhaia & C, da capnal, e
iler leuiente H. Wihnot, de Carioba, apresenlam
alod0e3 trancados e lizos, riscados e m-sclas de
uso comtnum, perfeitainente confeccionados. A
l'ntrica a vapor de chocolate Bolidar, nos seus
preparad.ts de cacao, na hollandina e Initer, inos-
tra liabiiitacOe-' tec.l micas e Imns resultados;
n>N'iio diremos do Feniet Brazil, exposto pelos
m Treissuiidt Irmios. Annuncia-se a prxima
po-iic .o dos ferros de Ypanema. das chitas
pulis'as. dos phosplioros amorptios e de outros
-tfoductos da provincia, que daro muior -ealce
a exposic.io. .
IE' justo fazer mencSo especial dos vinhos exhi-
bios pelo Sr. F. Albuquerque. Sao das novi.la-
'887 e 188-(, branco e tinto doce, e estao
ioiiados em lrgaates meias garraBis.
fetaSneira vez, reconliecem )S em nossos vi
hoa fe typo especial e aceitavl, que nao o
chileno nem o am Ticano e ainda menos o eu-
ropio. As duas qualidades expostas dislinguem-
se pela suavidaue e appetitoso sabor do tinto, e
pela brandut a natural e pureza do branco. S3o
vinhos ^erfeitaniente apropriados ao consumo
das boas ra-zas, e aos quaes nao se pode notar a
macula do alcool de canna o desinfectado, que
otropego de alguns de nossos productos, c a
aciddlez extrema que caracterisa outros."Ja te-
conheciams o Sr. t. Albuquerque como escrip-
tor especialistas propagador das nossas videiras,
e agora como vinilicador, sem duvida, um dos
prmeipaesdo Brazil. Consta-nos que a suaadega
t-l yasia, tendo vendido toda a safra.
Ainda na sala Reuniao dos Expositores, leremos
a mencionar os productos de cermica. Esta in-
dustria das mais antigs no Brazil, e constitue
emprego de muitos bracos na provincia da Baha,
na do Rio de Janeiro e municipio neutro. Passa
de 2.000: 00 o movimento annual (lestes pro-
ductos na zona da corte. Na exposicao achara-se
os productos das fabricas de cermica, vidros e
crystal de^. Esberard, e de cermica de Hancox,
e i.s coloniaes de Kramer e Giuseppe Baptista,
que flzeram parte das colleccOes catnarinenses.
A fabrica do Sr. F. A. M. Esberard sita ra
do General Bruce, nesta corte, conseguio vencer
as difliculdades qne a concurrencia de productos
estrangeiros, o clima c a insutticincia do pessoal
tm opposto sempre ao exito da fabricago de vi-
dros as regics tropicaes do Brazil.
Com um capital de 200:0004 empregando 180
operarios, dos quaes 140 sao nacionaes, e um mo-
tor da forja de 8 cavados, esta fabrica vai conse-
guindo o fornecimento commercial de alguns ar-
tigos em vidros. J pode calcular em 230 contos
a venda annual. 0 vidro dos productos expostos
attingio a alvura e nitidez desejaveis ; e quanto
cermica exposta, distingese por bules, talhas
e urnas de bastante gosto e porosidade.
Os artefactos de Santa Catharina sao menos
adiantados. O Sr. Baptista expOe moringas e
amphoras de barro, branco corado, e a fabrica
de Nova Trento alguns objectos em vidro de cor.
que apezar de bem acabados, nao sao de difficil
confeegao. E' natural que esta industria favo-
recida pelo clima alli, possa progredir. A fa-
brica do Sr. Joseph Hancox, que fornece cida-
de algutnas emprezas desta zona, apresenta ex-
cellentes tubos para encanamento, tijollos e ou-
tras pecas confeccionadas para essa especiali-
dade.
Notamos a pobreza de amostras de trigo,
quando este cultivo est to adiantado as pro-
vincias do sul c eiiste ha muito em Minas. Ape-
nas vimos trigo em gr3o e farinha de Lages, em
Santa Catharina, expostos por Constant Leclair.
No principio deste seculo, a provincia do Ro-
Grande supria o norte do Imperio, o Rio da Pra-
ta e a Havana, e ainda em 1816 exportou 226,981
alqueires. Desde 1822, a falta de mudanca de
plantas e o rude systema de cultura fez appare-
cer doencas as plantagoe e estas foram subs-
tituidas por campos de criacSo. Assim mesmo,
sempre subsisti a cultura em Conguss e Pira-
tinim. Ha novas culturas as ex-colonias de
Nova Petropolis, Conde d'Eu, Caxias e outras.
E' tambem antiga a cultura do municipio de
Lages, em Santa Catharina, e a farinha de trigo
indgena de uso entre os colonos dessa
provincia. E' preciso notar, porem, que das 7
especies e 116 variedades de trigo apontadas por
Gustavo Henz, apenas cinco ou_seis das ultimas
sao conhecidas as antigs e novas culturas dp
Brasil. No Paran usual o planto do trigo
branco de Hungra ftritkvm intiman) e do trigo
duro barbado (tritkum durum), que do em
.grande vautagem das sementeiras. Na mesma
provincia colne-sc eentefo evada, ava e outres
cereaes, em abundancia.' O pao negro o ali-
mento usual dos camponezes da Cuntyba, e ta-
brica-se com centeio nacional. De mimo conhe-
cem-se 38 variedades as plantacoes paranaenses,
as quaes lia tambem sorgho de Angola (Holcrn
Sorgum alpiste milho, paingo, feno, luzerna.
etc. Em definitivo, as provincias do sul e cen-
traes e as do norte, a 500 metros de altude,
do bem todos os cereaes egramineaes da zona
temperada e j no paiz existem as sementes e
germens: a questdo de expanso.
Entretanto, apezar do Brasil consumir 20:000
por auno em farinhas, ainda o trigo nacional
nao entrou no commercio. Xemos duas fabricas
bem montadas na corte e outra em Pelotas, mas,
f-embora se espainassem sementes pelo interior,
at agora os trigos de moagem sao, na quasi
iota 1 i dad e. estrangeiros.
Na sala Reuniao dos expositores, faz bello eflei-
to a casa em que estao expostas as farinhas da
The Re Flora Miles and Granaries Limited. As
qualidades sao seis : Nacional, Imperial, Prince-
za, Guaranez, Carioca c Saude, e distinguem-se
pela alvura e pureza. A companhia, montada
pelo Sr. Hcnrique Morgan Sneu, dispoe hoje na
Gamboa de dous edificios de cinco andares, de
320 machinismos e dous motores com a forga de
800 cavallos' Est habilitada a moer diariamen-
te 216 toneladas de trigo, com urna produego
de 3,500 saceos de fres arrobas cada um.
O capital 6 de 250,000 e a empreza poderia
dar que fazer s plantagoes de duasou tres pro-
vincias, se adoptassem a cultura do trigo. E'
ile esperar que urna boa propaganda em Minas,
S. Paulo, Paran, Santa Camarina e Rio Grande,
e annuncio de compra de grao a preco fixo, con-
sigam, na actualldade dos pregos, chamar com
proveito os agricultores nacionaes.
O arroz, que artigo de grande consumo na-
cional, est representado por amostras de Join-
ville, entre as quaes notamos as de H. A. Lepper,
outras de S. Luiz Gonzaga, e algumas de supe-
rior qualidade do engenho Central Victoria. No-
tamos polvilho de aipim do engenheiro Paula
Ramos, de mandioca de J. J. Custodio, de H. A.
Lepper e de outros de Santa Catharina. Ha
urna amostra de nozes de Joinville, outra de cha
verde de Lages, fub de milho, farinha de man-
dioca, tapioca, etc., etc. O Sr. Christovao Nunes
Pires hbil industrial do Desterro, expoe cal de
Arataca, o Sr. George Boettger, ocre ureo, e ha
ha outras pequeas amostras. Notamos um cha-
peo feito com timb, e amostras do mesmo si-
po ( aulmia Pimata) no estado florestal e em
fibras preparadas de confecgo do Sr. Antonio
Lucio Carvalbo. Urna amostra de salsaparrilha,
de Joinvdle, parecen-nos aproveitavel, assim co-
mo outra de palha de panicura.
Entre as bellas collecces de madeira da Bra-
zil, avultam as do Musco Nacional, Imperial In-
stituto Agronmico, Visconde de avalcante, J.
A. Lapage e outras. Destaca-se urna linda amos-
tra do Arib, exposta pelo Sr. Joo Bauer. Da
Laguna, em Santa atharina, o Sr. F. Brand
apresenta boas amostras de madeira.
A serrara a va|r do Rudolph Frauser, no
Tubaro, expoe pedagos de excedentes essen-
cias de nossas florestas. A casa de correccao
apresenta bellos mosaicos de diversas qualida-
des e urna ponte em granito fluminense, de que
j nos occ.upmos
A parte phitologica da exposigo 6 abundan-
te, mas faltam-lh algumas collecces importan-
tes. E' verdade q\ie a do Musi Nacional, coin-
prchende 6> das mais ticas essencias llorestacs
do imperio mas a idea se completara com a col-
ecgao geon de 1 2 amostras do Sr. Joaquim Can-
udo de Oliveira, a de 31 do Para, que nossuia
o commendador M. A. Pimenta Bueno, e algumas
que lia 'lo Espirito Samo. A provincia do ara-
n possue 17o madeiras differentes aproprida-
a-coustrueges, marcenara e torneiro, A rai-
nlia das arvores do sul o pinheiro, 'Araucaria
Braziensis, <\ n espontneamente as
provincia! de S. aulo. aran, Santa Catharina e
Rio-Grand<- do Sul. A altura deste conifero at-
tinge a 33 metros e o seu dimetro a 1,76. A
sua produego em resina superior ao Piius e
Abietus, das regies do norte.
E' de sentir que Mina3, Bahia, Pernambuco,
Para, MaranhSo e Amazonas, que exportam bor-
racha, no nos mandassem amostras desta mate-
ria prima e das arvores que a produzca;. A ex-
portago da seringa est subindo de 12.0' 0,000
de kilogrammas a 20.000,000, a que em breve
attingira, e d actualmente ao imperio o valor
commercial de 30.000:0001. Este ramo de ex-
portacao era apenas de 417.862 kilo^rammas era
1839-18W, e de 6.840,210 em 1881-1882. as
inmensas proporgoes que a borracha est to-
mando para a industria moderna, convir saber
que o Brazil possue os segumtes vegetaes que a
podem produzir: Euphorbiaceas, a que per-
tence a siphonia elstica, 10; das Apocynas, de
que faz parte a mangabeira, *4; das Artocar
peas, 15; das Clusiacas, 4; das Sapotaceas, 8;
ao todo 51 essencias florestaes de que se podem
extrahir preparados de gommas elsticas appli-
caveis mechanica, aos tecidos, construccao
naval, aos cabos telegraphicos, locomogao, ec.,
etc. Estes vegetaes esto espalbadns desde 5
graos de latitude N. a 25 graos *>ul, e compre-
Kendem todo o centro do paiz, at Matto-Grosso,
onde j existe activa exploragao. E urna rique-
za nacional superior das minas de prata do
Mxico.
O caf, outra riqueza colossal do imperio, est
representado na exposigo por algumas amos-
tras de boa qualidade, tanto de terreiro como
lavado. As mais numerosas sao devidas aos Sr.
Tobas L. Figneira de Mello e Araujo Perras
C. Notam-se productos de engenhos centraes
e de colonias. Estamos longe das 1,000 amos-
tras da exposigo russa, em que a provincia do
Rio fomeceu a maior parte, e em que brilharam
S. Paulo, Minas, Espirito Santo e Ceara. O nos-
so caf veio originariamente de Surnam, dahi
passou a Cayenna e foi introduzido no Para em
1727. Ahi e no Maranho prosperou a cultura,
que s passou ao Rio de Janeiro em 1770 ou 1774,
Desde 808 foi tornando-se o nosso maior artigo
de exportago, e hoje em S. Paulo, Minas, Rio
de Janeiro, provincia do Rio e Espirito Santo
cultura predominante, mas prospera tambem
em Santa Catharina, Bahia, Pernambuco e anti-
gs culturas do norte. A media da* produeco
nacional pode cacular-se em 300,000 toneladas,
excedendo o valor de 150,000:000,1.
as amostras de assucar da exposigo sao li
mitadas. mas a qualidade.est cima do consu-
mo. Os engenhos de Quissam e Lorena contri-
buiram com productos regulares e bem crystali-
sados. e a The Bahia Sugar Faetones, fabrica de
IguapeiRio Fundo) com quatro sortes, que me-
recem algum estudo. Sao crystaes de Demora-
ra, ditos broncos, branco pulverisado e-masca-
vado. Parecem visar exportago. A media
de produego annual de assucar do Brazil de
500,000 toneladas, de que sabem 300,000 para a
exportago.
Na mesma sala ha amostras de fibras, caf e
algodes do Imperial Instituto Agronmico e de
mincrios do Museo Nacional e da empreza do
Arroio dos Ratos.
VILLA DE SAO BENTO24 de Dezembro de
1888.
O espancamento do vigario de Canhotumo ha
de produzir urna hecatombe; e se esta nao se
deu no dia 21 do carrente foi devido a pruden-
cia do actual delegado de polica, Paulino Ayres.
O vigario, depois de completamente restabe-
lecido. dirig u-se povoago de Palmeia de
Garannuns. em companhia de peritos, e alli im-
pz ao juiz de paz para proceder exame em
urna pequea eScoraco do dedo ndex da mo
direita, e os peritos classificaram essa escori-
ceo, como que tendo produzido no paciente in-
nabilitacjio do servigo por mais de trinta das,
e no entanto opinaram que. essa excoriago nao
produziria grave incommodo de saude !
Nao sabemos como urna leso, que priva o pa-
ciente do servigo por mais de um mez, deixe de
produzir grave incommodo de saude I
A' volta do vigario requereram exame de sa-
nidade, e os peritos consideraran! o paciente,
vigario, perfeitamente sao ; e asstm devia ser
porquanto, se o mesmo logo no dia seguinte,
affronta que sofTreu, escrevia e viajava para o
Recife; montava a cavallo e a desempenhar os
deveres de seu ministerio, fra da povoacSo, e
ltimamente se dirigir a povoago de Palmeiras:
de primeira intuigaoque as oflensas physi-
cas que recebeu, nada seriam. nao se tratar
de um personagem titulado pe'as Faculd des de Di-
reito ede Theologia.
Apopulagao de Canhotinho se acha dividida
em dous grupos : um que apoia o vigario e ou-
tro que apoia o ebefe da estaco. Aquelle em
um abaixo assignado de cento e vinte e urna as-
signaturas, elogia o vinario, e maltrata deshu-
manamente o delegado d polica: este poude
descobrir que o abaixo assignado apocrypho;
que a mor parte das assignaturas sao falsas ,
que muitos signatarios do mesmo .nao pediram
a alguetn para assignar rogo, sabendo ellas es-
crever; e, finalmente, que foram perfeitamente
illudidos :dizendo-se, que o mesmo abaixo
assignado tinha por fim pedir ao governador do
bispado a conservago do vigario, o qual preten-
da retirar-se, ficando o pove sem a missa do
natal I
Importando para o delegado de polica grande
conveniencia, officiou ao juiz de paz em exer-
cicio para mandar notificar alguns dos signata-
rios do tal abaixo assignado, afim de declararem
debaixo de juramento :se as suas assignaturas
eram ou nao verdadeiras.
Comparecern! muitos e retrataram-se : mas
Salustiano Felismjao de Almeida, encorajado
por Victaiino Raphael avalcante Maciel, em cu-
ja casa se acolhera, n5o obdeceu a intimago,
ida de baixo de vara e prisao decretada pelo
juiz de paz. sendo atrozmente injuriado o dele-
gado de polica, que compureceu e esforgou-se,
com a prudencia que lhe peculiar, afim de Sa-
lustiano obedecer ao mandado do juiz de paz!
A questo tornou-se poltica.
O vigario e seus asseclas attribuem o espan-
camento ao agente da estagao de Canhotinho,
aos conductores do trem do prolongamento Ely-
siario de Paira e Magalhaes, quando a autora
do facto confessada por este ultimo, e foi ori-
ginada por milindres de pundonor.
O agente da estagao de Canhotinho Francisco
Ignacio de Paira e o conductor Elysiario de
Paiva s muito conhecidos e incapazes de pla-
ticar qualquer desacato : o resultado do proces-
so, cuja queixa est iniciada, mostrar com to-
da evidencia que o nico responsavel foi e o
conductor Magalhaes, que se julga injuriado pe-
lo vigario Assis.
Constituindo este um procurador, requeren ao
juiz municipal liceng para dar a queixa, por
procurador; mas o juiz, por seu despacho, orae-
nou. na forma do art. 80 do cdigo do processo
criminal, a presenca do ofTendido para ser per-
guntado; e nao duvidaria conceder a licenca,
fie conformidade com a lei de 3 Dezembro de
1841, contanto que o queixoso pjpvasse o impe-
dimento que tinha para nao poder estar em pa-
zo, coirorme determina o art. 92 da citada leL
Este despacho, todo legal, porque oart..W
do codito e imperativo, exacerbou o procurador
bastante do queixoso, o qual dirimu-se -ao juiz
de ilireii" da comarca, panada infernal e esie
tomando em considerado i pe.spa donripario
hachare' Assis e a ^o** da offenMi por ete
recebida, ordanou que o juiz.municipal atten-
com toda brevidade o pedido do queixoso,
porque o art. 92 da lei de 3 de Dezembro de
.1
\
--
\
i


r
L
]
%


Diario de Pernambuco -Sexta- feira 4 de Janeiro de J8S9
^ ^ at niiNWai

i .
1841 esta." raadoao;
do pro-
jt despacho, nok termos em que se acna
iidofaz rir a qualquer hornera sensato,
linda mesmo aos lei- em direito criminal, e.
o maislii5!c*u (qa*ente jurdico despacho der-
roga fcct. 80 do cdigo do proceaso, e umitas
deciaoerntos tribunaes superiores, importando
at nunS&dc*; do summano, desde que o juiz
formado? culpa nao cumpre a lettra do mes-
mo artigo, eSfoi proferido seui ser mado o jui*
da culpa, eMm seraormrio dtwon!
amito pode a pi-epotcnciade ui|0uz#*ttidarMfc
como se disse #o recinio da AatemblBrovifl.
cial, em sessaod|do passado mez-dtf
uriBor
bro! E o procurSMidoiVMxoso achoaJao des-
bragado o despadw (lojJw'Amorimf.pie ajun
tou um attesiailo dotmou-slia, passudo por am
pharmaceutico di/-tanhotuilio, e replicou, pen-
saudo que esia-Ni'provado o irapediinento; roas
o juiz da culpa marab subsistir e-aeu pnmeiro
despacha pedindo outra prova, porque os phar-
eos officiaes manipuladores de medica-
,, nao teem competencia para passar attes-
de molestia, seja para qualquer fim que
Vamos ver a deciso do iuiz de direito, e esta
tabea*eia concedcndo, elle mesmo, cenga para
o Rvd. oendido dar a queixa por procurador,
baataudo sement a sua honrada palavra de pa-
dre-vigario e bacharel !
Gatn toda certeza, dizcm os sertaueios. te-
remos grande secca no prusimo atujo de 1889.
As experiencias que os povos deste sertao cos-
tamam fazer nos doze dias que medea.n do da
18 at J5 do co'rente, experiencias denominadas
do Meuino-Deus, correspondendo cada dia aos
men's do auno, deram resultado negativo, e.
para cumulo, a folbinha do Dr. >yer, quean-
aualmeute se distribu- gratuitame ite, veio con-
tinuar o mo proguostico do anno de 1889, dando
aptuas 15 dias de chutan nos m'zes de Feve-
rciro. Marco. Abril, Agosto e Novcinbro I
O calor e por deinais abrazador: o thermoiue-
iro tem marcado, sombra, 31 certigrados : As
aguadas vo desapparecendo com espantosa ra-
pidez, e brevemente presenciaremos om irtii inio
des gados, ja sendo grande o numero da criayo
miuda que (em inorrido!
0 asercado (em sido abundautiss mo em gene-
ros te priiueira necessidade, e a procos mo lieos,
e*eepeao da carne secca, chamada de sol, a
fual tem regulado de 640 a 800 rL- o .kilo.
Continuam com grande aciivi. ade as obras
do hiHpodromo da Bella-Vista e do pr.ido Sio
Ueatisia.
jiHaJwalidades entre as duas assouaces ; e na
noite do dia t8 para 19 uo correrte mez, mo
perversa e criminosa destrato cerc de 200 me-
teos da estacada da raia de fora do hyppodromo
da Bella-Vista!
-Alarais membros desta associacao requereram
oorpo de- delicio no damno causado; e por mais
diligencias e pesquizas a que se tenha procedido,
buje nao te poude descubrir o uiaffazejo que
pozara pratica toreprovada aeco.
. Aguarda-se no tem|K), o aelhor descubridor
deeaes factos, praticados as trovas.
Segundo tudas as probabilidades enrjerra-
ttm-se,ratem,5 trabamos da Assembla Pro-
vincial, e anda desta vez fkou no otado este
omaicipio t
a tmara Municipal, em seu relatono, dirigido
mesilla assembla. apontou as mais palpitantes
aecnssidades do municipio, mas pelos trabamos
publicad^, se ve que nenhuma das necessiilacles
apoutadaffbram atlendidas, i excepcao da crea-
eo de urna escola primaria para a pqvoago de
Cacboeirinha. e apresentando-se oprojecto ja no
fim da sessao!
E no emtanto, este municipio, essenoalmenle
ciiador, como concurre com grande somnia
para os cofres proviuciaes, vista do grande nu-
mero de imposices a que est sujeito o gado vac-
eum I
No dia 16 do correte, pelas 7 horas da
***Bite, o infeliz Jos Alesandre tentou matar sua
propria mi, na povoaco de Caubotiabo, aiiran-
do'fie tres punhaladas e ferindo-a levemente.
1 teso em flagrau'.e delicto, procedeu-se s di-
ligencias legaes.
Na mesma semana, o infeliz Icntou, auterior-
ente, oeotra a existencia daquell que lhe deu
mser, arremessando na pobre velha urna fouce,
a-qual (ezuieiite nao attingio-a.
Rapaz inoffensivo, em seu estado normal, bora
artista, entregou-se ao vicio da embriaguez, e
neste estado deploravel, lentoucoutra a existen-
cia-da pessoa mais chara que pode ter neste
mundo qualquer individua
-Na raesma noute em que foi preso, confessou
que o nico senlimento que lhe acompanliava
ijpalavras textnaes). era nao ter dado cabo d'a-
ouella desgracada! e passou a uoute a cntaro
A prohibicao absoluta de advocar nos au-
ditorios desta comarca, imposta pelo juiz de di
mto ^igoel Ainorim ao advogada Ola> Crespo,
ceusoa fiera! desgosto tiesta villa; principalmen-
teHevando aqnelle juiz o seu odio a tal ponto,
re at etssou as proenraces, que os clientes
mesmo sdvigado' haviam feito, quando esfc-
poder restricto ao constituinte, revocando o
mand do expresso on tcitamente, passando no
va procun;ao ou revogando os poderes outor-
gados!
Aindamis: estendeu o seu acto at aosjui-
n, ameagando os >om responsabilidad? e deso-
bediencia c nullidade dos feitos, se porventora
cpnced-ssem licenca ao mesmo advoga ptrocionar feitos especiaes e mandando inti-
mar a partes para constituirem novo procurador
evtdvogalo. .. e tudo t-to de coniormidade com
oxmso de 12 de Janeiro de 1"38 e um etc., qne
ae sei se ser aviso, lei, decreto ou resolu
cao
E' inacr. ditavel, para qiiem nao tiver visto os
etHtaes afR>;ados nos auditorios da comarca, co
mo eu vi na casa da cmara desta villa; e ao ler
e-reler essa pera de nova especie, curvei-me e
disse cora migo : este juiz ou parece beodo ou se
aena cora o cerebro enfermo i ..
POis bem. ao<-hegar o advogado Cresjio nesta
viHa, no dia 41 do corrente com a nova provi-
se que lhe concedeu o Exm. Sr. conselheiro
presidente da lielayo. varios amigos precedidos
da banda de msica desta villa o fbrain cuinpri
alentar ; proferiram-se alguns discursee, nos
quaes se patenteava a grave e hororosa injosti-
ca que se aiinlia no coraeso do primeara mayis-
trane desta coman-a e a vinganca exercida pelo
mesmo, corfesjiondendo o advogado fazendo
ufe* breve allocuco. na qual atrnileceu a prora
da;confianca que os seus amigos em si deposi
tavam, ergneudo vivas ao Exm. Sr. conselheiro
presidente da Relaco, venlade e justjca e a
S.'M. o Imperador, osquaes foram freneticamen
te corres pendidos.
Consta que o advogado Crespo levara urna de-
nuncia peranle a Rcfucao do districto, contra o
iuiz de direito Amorim.
;-r- A'presontc jA* tow^a, t-umma *iaa ul
rri do corrente anno. nao posso deixar factos oc-
corndoa no presente para narral os no prximo
anpo de IW9.
Como disse na penltima que escrevi, nenhum
dos oitenta e tantos cidailos que requeieram
ser incluidos no alistaUeflto eleitoral da comar-
ca-, conseguio este drxiderakun, porque o juiz de
direito Amorim, ex-cntkedra, julgou aullo o alis-
tamento a que procedeu o Dr. juiz municipal
dtsie termo, Josi- -aurii-io Borges, no exercicio
lienodo cargo dejuiz de direito.
Os preteridos recorreram em numero de Ireze.
para o superior Tribunal da Relaco pedmdo a
responsafilidade do juiz que preter os seos di-
reitus, |ior se julgarem, como eslavam. e o foram
m bwafale. -mandados alistar pelo Dr. juiz de
uiTcite imcnso.
A sente-tta que julgou nullo o alistamento, nao
uullidades das ecrlidoesdas collec-
.breduitaco do imposto de industria e
pr8#fto : no recurso, porm, consta que a juiz
a^-direito iulgou falsas as crtidoes, porque o
escrivao (fas collectorias, procurador basta i li-
os recorreutes, nao podia passar certido de
quitarfio donnjiosto dos dous annos aoieceden-
tes, porque no li.u do exercicio os livros res-
pectivos sao recolhidos ao Thesouro e Tnesou
raria' de Faznida!
J quatro reca-sos foram desaltendidos, tan-
tos- quantos proceros bem de Calrirsobre as
costas do escrrvio da colli'Ctoriaaeral e provin
eialdesta tilla -- e anua!, c> mo o juiz de di-
reito de Camela lefn de reWmndera l( pn
sos de responsabilidade. talvi-i uuiucro superior
se mande instaurar da corr.arclr ^ Caruar. j
ueiO rewonsabilisada, se o actual j*z dt. direi-
to nao fivar o w-u partidarismo att^raode.
tarnbem nao chamar .i contas o viganoHoe < a-
ahotmtio, o qual tomando posse da mairt ha
pouces meses, atteslou sob juramento de sm
argo, que os alistandos de sua fn-guezia mora-
vm na mesma ha mais de anuo, sendo a vez pri-
u trras de Canhotinbo,
\o luawu poue dv.mutriz
Tilvez ; porque o vigarip
de Canhotinho comiunngaa- mesmas ideas pol-
ticas d Di> Amorim e na comarca somonte poc-
ca quem nocoiiununga na mesma mesa do Dr.
juiz de direito.
Os bens deixados pelo capito Pedro Flo-
rentino de Andrade e ja partilhados pelos her-
deiros. temlem anniquilar-se como os do viga-
"'> Ifaj-"" Freijre du Car valu.
uiz muuictpel deste termo, expetlio carta
pBBBUoria para o termo do Brujo da vadre de
Dtn, alimue ser appreliendidas mais de qua-
renta rezes, arrebatuilas de um dos herdeteos,
sem formaliade alguina, pelo Dr. priiotor pu-
blico da comarca, segundo a o.mosiao herdeiro
age requereu a precatoria, a qual foi cumprida,
queixando-se o mesmo herdeiro do Dr. promotor
publico, procurador bastante doauccessor de e-
dro Florenao, o.qtwl pija segunda vez. acoin-
:paahado por urna |>ruea do desiac-,nBeatoda vil-
la do Altinho. sem mandado ou precatoria, ou
ontra qualquer formalidade, mandou apauhar
gados legitimamente |iartjlhados, para entrgal-
os ao seu constituinte (
O missivista deste termo para o Jornal do
Jiecfe, fez estampar cum a data de. 10 do coi-ren-
te mez. urna verdadeira enxurrada de inexncti
dBea, a qual veio a luz da publicidade em 10 do
mesmo mez.
dmirei que o Jornal do Reeife publicasse tio
feio e degradante pasquim sob a responsabili-
dade do partido que representa, quando a missao
da qual se acha incumbido outra muito dilfc-
rente I.
O missivista do Jornal, segundo me informam,
rcter nobre e que tem pautado seus actos com
independencia e criterio desejaveis. e sobre ou-
tros cidadaos importantes da comarca, para te-
cer encomios ao juii de direito, cuja boa f tem
sido Maqueada, e a tal peso, que o mesmo mis-
sivista explorando os incrdulos, promettendo-
mesdecises fa^oraveis nos feitos que sobein a
julganvnto perante o mesmo juiz de direito !
Tire o missivista do Jornal a carga que pesa
sabr o seu dolo em urna correspondencia pu-
blicada neste Diario no dia SO do corrente. e no
discurso proferido na Assembla Provincial, em
29 de Novembro ultimo, pelo deputado do 10
distncto eleitoral e morador em Caruaru, e venha
depois deprimir de cidadaos honestos e que so
mente se lembram que ele existe quando o vein
passar pelas ras desta villa.
Se o juiz municipal deste termo preterio os li-
beraes que requereram ser alistados eleitores na
ultima reviso ; se para o cargo de jurados fo-
ram escomidos assassinos, sicarios, pronunciados
e vagabundos, ha o remedio na lei; ha o recurso
para o Superior Tribunal da Relaco e para o
Exm. >r. presidente da provincia.
As declamaces acobertadas com a capa do an-
nonymo ; a mentira e a calumnia nao sao, e ja-
mis serao recursos.
O a89assino do portuguez brbaramente truci-
dado no prolongamento da estrada de ferro do
Reeife Francisco aiuda existe, e no lin
gua preta como os Ftnmgas e Bicos da outra Ban
da.
No dia 11 do corrente mez, e era sua fa-
zenda Riacho d'Eguas, fallecen de parto, D.
Theodora jlaria do Rosario, virtuosa esposa do
capitSo Joo Barbosa v aciel.
As bellas qnahdades e corasao bondoso da -
lustre finada nos iaipOe o dever de dirigir os nos-
sos sentidos psames sua inconsolavel familia,
especialmente ao capitio Manuel Antonio de An-
drade Ded e ao tenente Americo Vespucio de
d'Andrade, pai e irmo da mesma finada.
A trra lhe seja leve !
^ presente a ultima do corrente anno, e por
isto occasio opportuna de desojarmos aos il-
lustres redactores e proprietarios do Diario boas
festas e venturosas entradas do novo anno de
1889.
At outra vez.
qu
di
CLNICA medica
Hospital Neker
O SR. PROFESSOR PETTER
MICROBIOS E ALCALOIDES
(CondutUo)
Em algom tempo pensava-se que se as
feridas sopuravam era porque ellas esta-
vam em contacto com o ar exterior sobre-
carregado dos microbios da supuracao;
d'ahi nasoeu o curativo de Lister cujo
fim era oppr urna barreira infrauqueavel
introdiecSo desses germens.
fcE' incontestavel que o curativo de Lis-
ter tem prestado. importante servigos;
um curativo raro porque elle obrigou jb
c-irurgioes a lavarem suas maos com mais
cuidado e a limpar seus instrumentos; o
receio do mierobio foi o principio do as-
seio.
M. Le Fort nao admite a tncoria dos
fermentos do ar; pensa elle que as com-
plicaydes habituaos das feridas sao devidas
ao contagio feito. pelos dedos do cirnr-
gi3o, as esponja e instrumentos cirurgi-
cos.
E' por meio do germen contagio que se
faz a transmiss&o da infeccao purulenta,
da erysipela, etc. o microbio nSo serve se
nao de^vehiculo; elle por si s nada pode
fazer; necessario o germen, mais alyuma
cousa.
Para demonstrar a inocuidade do ar,
alie este anno n3o applicou, a seus opera-
dos de Neker, curativo algum que preser-
vasse a ferida, ficando esta livremente ex-
posta ao ar. (J bavia elle feito essas
experiencias no hospital Beaujon em 1876
e no Hotel-Dicu em 1880.)
Para impedir o attrito das roupas sobre
a ferida elle nao fazia mais do que res-
guardaba com urna coberta de rame; (*)
o ar podia livremente circular em roda
della. E em tres amputados de txa, ti-es
amputados de pema, urna resecfSo do co-
tovello, todos curavam-se sem supuracao
e por prime-a intenyao. Nao houve nem
morte, nem erysipela, nem accidente, qunl-
qu*ir.
Nao tudo : elle tirou com um fio de
platina que havia sido com antecedencia
envermelnecido, um pouco de liquido qne
humedeca as feridas ; com esse liquido,
essa lynipha plstica elle fez culturas e
tmt 4'das achoxi o* st.iphyhioccus albas ou
aureus e ewi alij-mas o streptocoecus consi-
derado como ESPECIFICO da infecgSo puru-
lenta ou da erysipela e entretanto os ope-
rados nSo tiveram em infecgUo purulenta
nem erysipih:.
Eu vos fallava ha pouco da resistencia do
aqu cm pleno sodisrao; mas deixemoa
hi taa ructas homeritas de urna nova
batrachoraioinachia, em qu a iuiaginacao
gosa de um papel-tfto oriental, e que estao
longe de ser apoiadas em um numere de
factos experimentaos para sorem admiti-
dos com o titulo de verdade demonstrada.
Ha alguns dias que Robin dizia que um
microorganismo *o malfico swo com
a con^k) ili Jjiii iriiiin m jniiinnin 1
te. Urna bacaridia oarbuoculoaa nao
lorbifioa por si mesma mas somente por
ue sao de un rganiamo infectado ; o que
izia lieohamp, ha muito rwnpo aenapre
verdade, n8o se apanha a molestia no ar;
apanha-se em um liquido.
Mr. Bouchasd e Gharrux.acabam.-de fa-
zer experiencias que parecein dar a esta
maneira de pensa; um apoio serio; elles
demonatraram^quti jtyp sao os microbios,
mas aim os lquidos das culturas que sSo
virulentos. Elles tomam culturas pyocya-
nicas as fiitram sobre a porcelana, as
despojan de todon os corpsculos orgni-
cos, e inoculando em pequeas doses o
liquido assim filtrado em coelhos, os tor-
nara refractarios. Mr. Botichard obteve
os meamos resultados servindo-se da ouri-
na eliminada pelos animaos infeccionados,
tendo o rim servido de filtro.
Esta doutrina das vaccinas cimicas te-
ca um grande futuro ? Desejava poder
acredital-o, porm os resultado obtidos
ate hoje nao sao muito animadores.
A immensidade principalmente valiosa
por sua duracao; limitada alguns dias,
ella nSo tem senao ura interesse de labo-
ratorio (e o que Lcewenthal demonstrou
a respeito da famosa vaccinaao anticho-
lerica que dura dous das e nao chega at
quinze) ; estendida a um anno, dous an-
nos, elle permitte aos animaes de acou-
gue vi ver bastante para chegarera la.
Mas pelo que respeita a applicacSe es-
pecie humana quantas incertezas ainda
existem ?
A cifra da nortalidade flala nra, por-
ventura,- ter diminuido depois das Taeci-
najSes chamadas anti-rabicas ? N0> Be"
nhor, pelo contrario teria augnentado.
Berger morreu seis mezes depois de sua
supposta. vaecinacSo, de raiva paialytica ;
e Sinardot suecumbio raiva convulsiva
vinte sete mezes, dous annos e um quario
depois do tractamento da ra d'Ulm.
1 de-se saber, vista de taes fketos o
que acontecer aos outros inoculados em
1886, 1887 e 1888 ?
Creio que estas experiencias de labora-
torio estas vaccinacSes praticadas por sa-
bios de grande valor sSo muito inferessan-
tes, mas nSo levarSo ellas algum da a re-
sultados praticos applicaveis ao lomem?
E' d'isso que se deve duvdar.
No curso de minha carreira medica,
que comoja a ser longa, presendei o en-
grandecimento e a decadencia do umitas
doutrinas. Fui testemunha da afbnia da
theoria de Broussais associando t archa
gstrica de von Helmont s sympathias
raionaptes de Willis e de Rega; vi os
bellos dias da theoria numrica; depois
vieram as embolias de Virchow, que nos
enderecavam aos erros de lugar He Baer-
have ; mas tudo tarde se attribiia ac-
cSo reflexa. Tudo isto me tornm philo-
aopho '.
Boje, chegamos apenas a assistir ao
nascimento das theorias niicrobiarits, e os
microbios cedem j o lugar aos alcaloi-
des, ievando-os assim do solidismo ao
humorismo.
Em realidade, porm, tudo isi o
progresso! Porque cada nma deste theo-
rias contm urna parte de verdade. A
desgraea querer generalisar muito, e ge-
neralisar com muito presa 5 da todas es-
sas theorias nos rerta urna verdade par-
cial. -
De Brousenis resta-nos a irritacSd; do
methodo numrico, urna precisao maior ;
de Virchow as embolias ; de Claude Ber-
nard as acfBes reflexas e das doutrinas
microbiannas urna hygiene mais rigorosa
Gracas a essas theorias muita gente ter
aprendido que decididamente muito
bom ser asseiado, beber agua pura e to-
mar alimentos sao.
E' a sornma destas verdades paniaes
que faz a verdade total, a verdade verda-
deira, que me esforco por procurar tom-
vosco.
ftteO qUe deve
H^^^HfcOOO e nao como foi appro\
o sr. Dr. SiniOes rectifica' o modo porque o
Dr. Jacobina entendeu ser sua proposta.
o Dr. Jos Diuiz depois de a fundamentar apre -
simia a segninie proposta :
Pro e no caso de nao escolher a
ai-tual direiioria o gerente de quo trata o art. 12
.*'fSn itutoa ede continuar a ser
1 1 to lugar exercido pelo presidente da me
diieitorn a este fique marcadadesde a a meu-
salidadede2j()S. aotliesoswiw-a.de 100,
eUirio, a de o'i, eemeoaudoaser pagas do
1 ile Janeiro vindouro, em diante ; sendo que
os 4 deque trata o art.-14- dos inesmos
tutos sertosdivididos da mesnuBdala ir diante
da segBint forma:
Aojiruyenie 1 2%.
Ao seoMario 1 .
AoUhtureirof 1.'2^.
Qinwl Brrelo, Luir Antou CaralcaBfi,
assigtrSTOS).
Posta em disenssao oraiam os Srs. Eugenio
Lascao, contra e Dr. l'ereira Simes, a favor,
appi-ova.la com urna restrieco do l)r. Pe-
reira Sinioes. de que liquem marrados os ordena-
dos somonte para os artuaes meinbros da direc-
tora, absleudo-se estes da votaeao.
Nada mais havendoo tratar-.-e o Sr. Dr, presi-
aenle levanta a sessSc-jis 81|2 horas da noite, la-
vrando-se a presente acta.
Eu Luiz Antonio Cavaloante, secretario adlwr
a escrevi.
REVISTA DIARIA
PERHAHBDCO
.------------1
HIPPODRQMO DO CAMPO GRANJEE
ACTA DA SESSAO KXI HAOllUIXABIA DA ASSI MILLA
GERAL DOS ACC10MSTAS DA C0UHU1IA 10 HlPPt-
DROMO DO CAMPO GR A > E
Presidencia, do Sr. Dr. J. >. de lmeuia < tnka
Aos seis flias do mez de Dezembro de 1884 as
6 1 2 ho as da tarde, presentes 31 accionistaare-
org.ini-mo s bacterias; ora um sabio
MetschnikorTpara demonstrar essa resisten-
cia, den urna explicacao original. Quan-
to a elle sao as cellulas que cohem os
microbios : cada organismo est prvido de
phagocytos ou comedores de micrc-
jjaphos de differentes especies; uns
formados pelas cellulas fixas, os micro-
phagoe; os outros ou micro>hagos sSo os
glbulos brancos do sangue. Cahimos
(*) Apeaar da opiniao tao valiosa dt;
Mr. Petter ainda nao deixmos de abafar
ph feridas com urna tnjha de enceradas e
panno de diverjas qualidades e que, como
dizia urna senhora que supportava esse tra-
ctamento ou tormento estava ella em um
forno era* brazas !!! O que em ostros
paizes j passou para o ro das cousas ve-
Ibas em outros novidade I! I Santa sim-
plicidade I
depois de preenchidas as formalidades do
tylo.
Nao tendo comparecido o secretario Sr. f)r
Joo de Oliveira, foi esse lugar oceupado a c>n
vite do Sr. Dr. presidente pelo accionista Luiz
Antonio Cavalcante
Obteve a palavra o Dr. Joao de Sa, presidette
da directora da companhia, explicando quaesbs
motivos que o levaram a eonvocar a preseite
sesaSo, depois do que leu um relatorio circunjs-
tanciado de todos os factos occorridos duranti a
sua administraco, indicando quaes as obias
construidas e poe congluir e declarando ser |e-
cessario um emprestimo no valor de 30:000*WO
para a concluso das referidas obras concluildo
por um pedido collectivo de demissao por pa-te
da directora.
9 Sr. Dr. presidente pondo em discusso riise
relatorio pedio e obteve a palavra o Dr. JosDi-
niz, que explicou as razes de sua retirada da
directora da companhia e apresentou urna rro-
posta para rcatisaraO do emprestimo a qaal de-
pois de Mentida pelos Srs. Drs. EstevSo Caval-
cante e ereira Siinoes foi substituida por ima
outra do Dr. Pereira Simes em que licou a di-
rectora d.i companhia autorsada a contrahirum
einprestino no valor de 30:"i i. lirondo ad-libi-
lum da mesiua directora a distribuicao ou nao
dos 8:000 i, de lueros das 7 corridas, como divi-
dendo.
0 Sr. Eugenio Cascflo diz que o emprestimo
-_mm) e i|ue os 8:00.' > Bejam e
pregados as obras, e-escripiurai! >s em sepa-
gado.
Po duas propostas foi approvaa
a dusr. Dr. Pereira Sim.
O Sr. i r. Albino-ieira enva meza aseguiti
te proposta, depois de justificada :
Proponbo que esta assembla mande con^iu-J
nar na acta um voto de louvor dinxtoria, abran-
Lieudo tan o os directores actuaes como os que
della se Pdiraram. e que esse voto abranja o Dr.
l'ereira Si nes; e finalmente delibere que con-
tinu no exercicio essa mesma directora.
Posta a votos esta proposta foi unnimemente
appruvada, declarando nao terein tomado parte
na votaco os Drs. Jato de S, Jacobina, os Diuiz
e Pereira Simoes e os >rs. aula Lopes e Bastos
Mello.
O it. Jacobina obtendo a palavra agradeceu o
voto que acabava de ser approvado, e falla lar-
2
presentando 167 accos on o capital de 33:4tl).
o Sr. Dr. presidente declarou aberta a segfio, Para os lugares de 2. e 3. supplentes, os ci-
i'i-- policial Em virtude da seguinte
portara da presidencia da provincia foi prolo-
gada durante o exercicio corrente a lei que
fixou a forca policial da provincia no exercicio
(indo :
2." seceso. Palacio da Pre-idencia de Per-
nambuco, em 31 de Dezembro de 1888.0 pre-
sidente da provincia resolve prorogar, afim de
ter execuyio no futuro exercicio de 1**9, a le
n. 1900 de 4 de Junho de 1887, que fixa a forca
policial da provincia, visto nao ter sanecionado o
projecto que sobre o mesmo assumplo votou a
Assembla- Legislativa Provincial; dando-se des-
te acto conhecunento. a mesma Assembla, Or.
chefe de polica, Thesouro Provincial e comman-
dante do corpo de polica, a quem se remetiera
'pia da presente portara para os devidos fins-
(Assignado.)-Joaquim Jos de Oliveira Andra-
de.
R-toiuc-o tifio pnbiicadaDa secre-
taria da presidencia recebemos para publicar o
seguinte acto da*presidencia :
4.' seocao. -Palacio da presideacia de er-
nambuco en 2 de Janeiro de 1083. O presidente
da provincia a quem loi presente o decreto da
Assembla Legislativa desta provincia, appro
vando. sob proposla da Cmara Municipal do
Reeife, a prorogacao por seis anuos, a contar
do i" de Dezembro de 1888, concedida pela
mesma Cmara; ao contracto celeb-ado com tld-
veiraCas'ro verdes no municipio :
onsideraudo que a liberdade da industria
nSo pode ser restringida por leis proviuciaes e
menos ainda p..r contractos ou posturas das c-
maras municipaes, em face dos Iti 22 e 24
do art. 179 da ioustituicao poltica : que a le do
i de Outubro de 182-t nao facultou a estas a
attribuicao de conceder privilegios ou de qual-
quer modo tolhr a livre accao dos seus inuni-
cipes no exercicio das in lustrias licitas : que,
com relaco ao commercio de carnes verdes o
que se encentra na citada lei tem antes por fim
garantir o pleno gozo d'esse direito impondo
mesmo s cmaras o dever de piotegerem os
mercadores e marchantes contra quaesquer op-
pressOes, e os privilegios aumentes a essa in-
dustria tem sido sempre reputados oppressivo-;
que, se o contracto que se refere o decreto da
Assembla Provincial, nao tem o carcter ma-
nifcBto de privilegio, nao deixa por isso de sel-o.
em consequencia dos favores especiaes concedi-
dos aos-contractanles, que ficaro por isso ha-
bilitados a excuiirem completamente, se quiaer
rem, os-qtte pretenderem usar da mesma mer-
canca : que, devendo ser e sendo effeetivamen-
tc objecto desta ogado creado em diversos ou
tros municipios e provincias, ere o contracto
lioteresses de ordem muito superior e que esca-
para competpncia da referida Asse.mbla, o
que tem dado lugar a constantes protestos e re-
cia macOes j aa imprensa e j na propria As
sembla :
Considerando, finalmente, inconstitucional
o referido decreto, manda que nao seja publica-
do, para o Um de nao ser dado execuco, de
xmformidade com o 3o do art. 24 do acio ad-
dicioua!, art. V da le de 12 de Maio de 1840 e
aviso n. 453 de 14 de Dezembro de 1837. em
quanto .o gorerap imperial melbor i*polver;
sendo tudo subm*ttidr) a sua sabdoria.'
D-se conhocimento 'do acto Assembla
Legislativa Provincial (Asignado) -Joaquim
os de Olioeira Andrade.
AutorHUtde* policlacmPor portara da
presideucia da provincia de 31 e proposta do
Dr. chefe de polica de 29 de Dezembro ultimo,
foram nomeados:
ara o lugar vago de i. supplente do delegado
do termo da Boa-Vista, o cidado Jos Goelho da
Silva.
Para os lugares de 2. e 3 supplentes do
mesmo delegado, o capito Pastor Manoel Rodri-
gues Coelho e Jos Martins Rodrigues Coelho, na
ordem em que vo collocados ; em subsiituigo
de M inoel Marques dos Santos e ypriano Jos
de Brito, que pediram suas exoneraces.
Para o lugar vago de subdelegado do i. dis-
tricto do referido .termo, o cidado Antonio i'oe-
Iho de Aquino.
Para os lugares de 1., 2 c 3. supplentes da
mesma subdelegada, os cidailos Manoel Fer-
nanacs- de Freitas,. Clementino R'reica Brando
e Hermano Jos Ribeiro na ordem em que vo
collocados, em substi uico de Manoel Rodrigues
da Silva. Francisco Antonio Ferreira Gomes e
Jos oelbo de Aquino que foram exon-rados.
Para o lugar de subdelegado do districto de
i aratybas do precitado termo. Martiniano An-
tonio da Conceicac, cm substituido de Jo- Flo-
rencio de Ca'das. que soficiteu sua exoneraco.
Para o lugar vago de 1. supplente da mesma
subdelegada o cidado Jos Antouij da Silva.

- do partid. Conservador
aoquii! .icos.
Deixa na orphandade no-e (Id
A' sua ramuja damos os possos pi-saines..
liuiieiiumriH camal Ante-hon-
tem, cm trras do eageoho'Cavalleiro, do pvoa-
do de Ti(,'ipi,-foi accomettida de vmitos, dores
no ventre e muita febre, una familia composta
de cinco | paj, mfii e tres filhos'. Sua
alunentaco dessa ni inha loi apenas o que se
chama vulgarmente muqueqm, tendo sido os pe
pescados petos fllhos do casal, e logo-horas
depois dessa refeico se scritiram todos em es-
tado de grande pi ostraco. A' noite gninde nu-
mero de circumstantcs foram casa da residen-
cia desses iutelizes, que anda ao a nanhecer de
hontem se conservava n em estado muito grave.
A autoridad* local foi vel-os e conununicou ao
r. Dr. chefe da polica essa occurrencia.
Impotlos Re i l'rovini-ial arre-
Cada at o da 8 de-oorrent(!, sem multa, o >
senestre do exercicio de 1888 prximo lindo, de
dcima urbana e corporacOes de mto murta.
Do da 9 por diante os coutribunites pagarao
com multa, visto ser aquelle prazo improroga-
VQ.
iIco militar Esto designados hoje
para superior do da o Sr. eapito edro Velho.
eile ronda menor o Sr. alteres andante do 14
batalbo de ifantaria.
guarnco da cidade dada hoje pelo 14
batalho de infantaria.
A guarda da Tbesouiaria coramandada
hoje pelo Sr. alferes Pedro Nolascode ouza.
Existem em trataiento na enfennaria mili-
tar 3 pravas dos corposda guarnico.
t-onccionain hoje, no Quartel-General, o
conselho de guerra do soldado do 14 batallio
de infantaria, Manoel Joo Ferreira do Nasri
ment, sob a presidencia do Sr. coronel Joao
Evangelista Ncry d.i Fon-eca. e no dia 5 do cor-
i ente o do 2" cadete 2 sargento do 2o hatalho
da mesma arma, Joo da Costa Medeiros 'obri-
nho, sob a presidencia do Sr. ienent"-coronel
Feliciano Caliope Montero de Mello.
Baiiw Mai-Hvii>ioH-tOs proprietarios
do bem sortido e conhecido estabelecimento de
calcado sob o itulo de Boti a arutithosa, niu-
daram-noda ra 1 de Margo para a piar da
independ -ocia ns. 1,3 e 5.
Est montado com elegancia.
Club HaibinK LimaInformam-nos que,
no do uingo 6 do corrente, a banda do club *i
Uas Lima far um pisseio Oiinda, indo para
all no irem das 4 1 'i horas da tarde e regres-
sando no das 7 1|2 lloras da noite, depois de
percorrer diversas roas da velha cidade.
Monte-Pio Porluaiacs A's 7 horas da
noite de boje, na sede desta associacao, ter lu-
gar a sesso de posse da directora ltimamente
eleita.
Club Bi-umitilt-o Ftumtliar Esta so-
ciedad e elegeu ante-hmitem a directora que deve
'lirigil-a no 1" seincstru no corrente anno, a qual
fico a-sim compo-ta :
Director omingos Joaquim da Fonseca.
Vice-direitor g-siinho Joaquin da Silva.
1. secretario Jos andido Fonseca de Me-
deiros (reele to).
2." ditoJos Piulo da osla.
Thesonreiio irlonio de Moraes.
OradorFrcucisr da Silva Miranda.
AdjuntoJulio Futeo.
Commisso d# tontasAdolpho Cavalcante;
Jos dos Santos Aguiar e Augusto Wanderley.
Corpo scenico
DirectorRodolpho Lima.
SecretarioTheodomiru de Azevedo.
IiiMonaeiro JalaoA Encruzilhada do
Rio Grande do Sul, escreveu o seguinte em 2 do
mez passado sobre o nosso comprovinciano, Dr.
ugusto ">cto de Mendonca :
Para o termo de Caciinctra, foi removido o
nosso rtiencto amigo, o Sr. Dr. Auirusto Neto de
Mendonca, juiz muniripal e de orphaos dos ter-
mos de Taquary e anto maro.
0< caclioeirenses devi-iu, por esse facto, re-
gosijar se, pois o Sr. Dr. Nelto de Mendonca
um magistrado distiuct > um moco dotado dos
mais nobres sentimentos.
i Para prova do que diz"mos, bastante co-
nhecer os seus actos dorante os quatro annos
que servio em Taquary.
Inspirado nos principios da s justica, elle
collocava sempre, cima de tudo,a lei; e as-
sim, quando tinha de proferir qualquer despa-
cho, nao inqueria se aparte era seu correligio
nario ou adversario poltico, ou algum mandao.
O Taquary, pois, muito deve ao Sr. ir.
Netto e a retirada de S. S. ha de ser bastante
sentida pelos taes taquaryenses.
Felicitamos a popular de Caehoeira. _
ioncennos centra*Lemos no Jornal
do Commercio da corte :
Noticiamos ha dous dias, terein sido [citas
varias concessOcs de garanta de juros de 6
ao anuo para construeco, uso e goso de enge-
nhos centraos destinados ao fabrico de assucar
d carina as provincias do Maranhao, Pernam
buco, Sergipe, Baha e Rio de Janeiro, referin-
do-se as mesmas coucessoes a sete fabricas d'a-
quella natureza. Sera til tornar conhecido o
numero total das concessoes em vigor e o capi-
tal coi-respondeute. segundo a distribuicao pelas
provincias productoras de assucar.
A lei de 6 de Novembro de 1875 autorisou o
goveroo para garantir juros at 7 /. ao capital
mximo de 30,000:000*000, que viesse a ser
elTeclivamente empregado na constru-co de co-
geuhos contraes. Aps numerosas concessoes,
era grande parte rescindidas, acham-se agora
em vigor as que consta n da tabella segrale:
' apitaes
750:000*000
700:000 iOOO
3.350:0305000
1.250:0005000
1.150:000*000
4.600:000*000
500:000*01X1
300:000*000
^BSfWBI II 11.. -J
Imperador n. 49, de mov.-is, vidroe, piano e pas-
i.
Pelo agente Brillo, s 10 1 2 horas, ra da
SantaC ru* n. 6, de armacSo e utensilios nella
existentes.
Amanha ;
Pelo agente Gusmo, as '1 horas, ra do
Amorim n. 44, de movis,.raucas,etc.
Miwsa ranebreaScro celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, no oratorio do engenho Pirauhira,
peta alma de D. Dyonisia Mara dos Prazeres ;
as 7 horas, na capella de Nossa Senhora da
Looceico de lpntinga pela afana de Luiz F.-a-
gozo de Miranda.
- nianhi:
A's 9 hor.is. no convento de S. Francisco, pe-
la alma do capitao .lose Francisco Pereira da.
Sdya; aso-horas, na greja da Conceico dos
Militares, Ma uUm de Antonio Ferreira Baltr
-Sobrmlio ; s 7 1[2 htras. na ordem" terceira- de
S. Francisco, pela alma de Antonio Augusto
Teixeira dos Santos.
Directora da obra de concrva-
cao do Porto de Pcrnambeo-Reci-
fe 2 de Janeiro de 1889.
Bolclim meteorolgico
rorinaias Fabricas
aranho 1
Parahyba 1
Pernambuco 5
Sergipe 2
Sabia i
rio de Janeiro 6
S. Paule 1
Minas-Geraes 1
Totaes
19
12.600:000*000
dadaos Antonio Maturino dos Santos e Cyrllo An-
tonio de Oliveira, na ordem em que vo colloca-
dos, em substiluicao de Manoel Cablas da Silva
1 utonio Maturino Mondes, qucjalieitaro suas
exoneracoes.
Revista llluNlrada- Rgfebemos o n.
528 desta mteivssante revista, que se publica.na
corte sob a intelligente e hbil direegao do Sr.
Angelo Agosfini.
i" gradecemos.
Cidade de Oiinda No prximo domingo,
dia de Reis, hatera tarde no largo do"Carino
dessa cilade um grande concert ao ar livre e
constanos estar projectada para o mesmo dia um
divertimento, conhecido pelo nome de cavalhada
em que toraaro parte amestrados amadores
desse genero de divertimento.
No dia 13 sera do corrente realisada a tradicio-
nal festa do Monte com todo brilhantismo.
Nova mmicaos Sis. Prale & C, ra
do Imperador n. 55, edfrtaram urna walsa para
piano de nopie Maria Laiza, composta pelo Sr.
Marcelino (Jeto.
j E' bonita, p atti se eurontra venda.
Propasadora da inwtrurcaoHoje as
Shoras da tarde renflem se para negocio urgen-
te os membros do conselho superior e director
M-dade propagadora da instrueco publica
di paroi hia da Boa-visfa no lugar do costume e
ca -essao extraordinaria.
HegiMtro civil Para os negocios concer-
uentes ao registro civil da freguezia da Ha-Vis-
Sdevem s interessados procurar o respecUvo'
Bcial, Alfredo Francisco de Souza em seu par-
ii io a rea Velha u. 87 1" andar e paraos do Re-
t fe na ra da Madre'de Deus n. 7. onde reside
9 ofticial da freguezia de S. Frei Pedro Gon-
jalvea.
i'erimenlo graveEm 24 de Dezembro
ultimo, no lugar Guarba, do termo de Bom Con-
selho, Jos Soares de Brito ferio gravemente com
iim tiro a Antonio Francisco dos Santos, sendo
preso em flagrante, e contra elle abri--
querio.
rauamento- Fallecen o dia 17 de De-
zembro lindo, na comarca de Villa Bella, o te-
nente Joo Luiz de Magalhes
Moco ainda, pois coujava apenas 42 annos de
idade, o tinado era um homem honrado e dotado
de qualidades que o tornavam estimado por1
quantos o conheeiam.
Com referencia ao typo do juro subdivide-se
o mesmo capital:
Juro de 7-o 1.000:000 000
Juro de 6 /. 11.600:000000
0 governo est, pois, autorisado para ga-
rantir o capital de 17 400:000*000, pudendo al-
terar segundo as exigencias da produeco a ta-
bella que acompanhou o decreto de 1 do cor-
rente, quanto a distribuicao do capital pelas
provincias.
* A total despeza realizada com engenhos cen-
traos foi de 2.011:908*000, inclusive differenca
de cambios e gastos de fiscalisaco. at o fim do
exercicio de 1886 -1887.
Na forma do novo regulamento as conces-
soes nao poderao ser transferidas, seno depois
que as fabricas se actnrem em construeco, e as
companhias cessionarias deverao ter a sua sede
no Brazil. Smente a agricultores ou compa-
nhias nacionaes podero sor fcitas as conces-
soes, e a garanta nao se tomar effetiva antes
que as obras da fabrica estejara concluidas e
aceitas.
O capital flxado pela lei de 6 de Novembro
de 1875 e evidentemente escasso para attemler
em todas as zonas assucareiras necessidade de
melhorar os methodos de fabricaco pelo em
prego de apnarelhos aperfeicoados e de obstar
por este modo o desperdicio de riqueza que os
inachiui-onos rudimentarios motivam anuo por
anno. Pelo padrfio adoptado o capital de ....
30.000:000*000 corresponder a 13,000 tonela-
da^ de as.-mcar. o que apenas pequea parte
da nossa total produeco assucareira. O befe-
licio, portanto, alm de s aproveiiar a algumas
zonas da inmensa extenso cultivada, nao bas-
tar de nenliuiii m ido para facilitar a utilisacSo
de nevos terriiorios pelos propriWaros de totS.
. A experiencia doseogenhos centraos, porm,
nao deu ainda no Brazil resultados que per-
mutara aos poderes pblicos augmentar por este
cto a ni responsabilljjade alm do limite
da lei de 1875. Sejam quaes forera as ca
(e lgumas sao notorias), taes esiabelecimentos
nao poderam at agra conmensar pelos seus
lcitos os sacrificios do Estado nem mesmo os
das emprezas que os tem fundado e mantido. A
aceito do tempo naturatmenle corrigir as causas
deste quasi mtd logro e os engenhos cent raes
terao sem duvida panel consideravel na rege-
neraco da nossa grande industria assucareira.
lCiioe Effectuar-se-ho os seguintes :
Hoje:
Pelo agente Stepple, s 11 horas, ra do Im-
perador n. 39, de urna caixa com cassinetas.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, na ra do Mar-
fouez de Oiinda n. 52, de predios, chales avara-
dos, movis, burra cofre) etc.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, ra do
Horas
o
'= =
1*1
6 m-,
9 !
12
3 t-1
6
Barmetro a T^'
q up. vjpor
s
X
26-
28
29"
28"
27"
760-75
761-73
761-26
76855
760-30
20,00
19,93i
19,90
19.25
80
6
63
66
73
Tempe aiuramaxima-30,2,').
Dita mnima 25,75.
i vapora^o em 24horas -ao sol; 6",#; som-
bra : 3-2.
Chuvanulla.
ireceo du vento: ESE de meia noite at s
6 horas e 55 minutos da manlia ; SE, E>E e E
alternados at 11 horas e 50 minutos; .-E al
mia .noite.
Velocidade media do vento: 2-60 por se-
gn lo. ^_
Nebulosidad!- media : 0.52 -
Boletim do porto
11 til Dia lloras Altura
B M P M B. M. P. M. 2 de Janeiro A 3 de Janeiro It da manh 5 8 da tarde 11-39 3 39 da manh -.fe' 0-,32 2-,75 u-19 -,68
P:taeeiro Sabidos para o sul no va-
por biazileiro "andes : -." .
Dr. Antonio de Oiinda A Cavalcante, Fran- -
cisco Font.in, Guilherme P. do Carmo e sua se-
nhora, Aurelinode Magulhtes. sua senhora e 1
lilho < 1 criada, Braz Juni e-sua senhora, Home-
ro de F. Mondes, Paulino da Silva Torres, Luiz
Manoel Amai.cio, Jos, de Oliveira Basto*, Ma-
rianna Gertrudes Pereira. Dr. Lycurgo Jos de
Mello, Minoel Jos Tavares, Fernando da Costa*
e sua senhora; raerioBapozo e 1 lilho. 2 im-
pt-riaes mariuheiros e 2 soldados. Antonio Pe-
reira acacho, Nicolao Pereira, Maria Umbeli-
n da C >sta. Antonio Joaquim de vraraes, An-
jonio M Bastos. Domingos dams, Edmundo
Cascaux, Maria M dos Santos e 1 filha, Jos Ma-
ria Gongali-cS Pereira. Francisco Pereira da Sil-
va e Luiz Diuiz da Costa Maia.
Avi de MendieidadcDurante o mez
d Dezembro lindo o movimento desse estabde-
cimento de caridade foi o seguinte :
Homens Mulheres
Existiam 74 117
Entraram 10 *>
-^-
Sahiram
Existem
Na enfermaras:
Existiam
Entraram
-
.. ..-,
Tiveram alta
Falleceram
Existem:
as enfermaras
Nos dormitorios
84
10
64
15
7
19
3
16
58
74
v<
122
6
116
28
4
:e
i
31
3
96
90
116
Barros Sobri-
Total 190-
Hospital Pedro Hti movimento deste
estabelecimento de caridade uo da 1- do cor-
rente foi o seguinte:
Entraram 1
Sahiram 9
Falleceram 5
Existem 435
Foram visitadas as respectivas enfermaras
pelos Drs.: i n
Moscoso 8 1 2, Cvsneiro.10 1(4,
nho s 7. Poatuais9 horas.
N eomparecefam os ra.:
Malaquias.
Be raido.
Estevo Cavalcante.
- imes Baroosa.
0 rrurgio dentista Numa Pompilio nao com-
parecen.
0pharmaceutico entronas 71[4 da manh e
sahio s 3 da tarde.
O ajudante do pnarmaceutico entrou as 1|4
da manh e sahio s 111]2.
Lotera do UramPar-A 2 parte da
25* lotera, dessa provine a, cujo premio grande
6(1:000 000; ser extrahida, hoje, sexta feira.fcdo
corrente.
Cenriterio PublicoObituario do dia 1
de Janeiro de 1889 :
Joo Alves Marinha. Pernambuco, 65 airaos,
solteiro, Boa-Vista ; nsufficieneia mitral
Mara Francisca do Carmo Pernambuco, 28
annos, soltcira, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
i edro Celestino de >toara, Pernambuco, 30
annos, solteiro, Boa-Vista; pneumona.
Mana.Thereza de Jess, i'ernambuco, 24 au-
nos, solteira, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Maria Bosa das Dores, Pernambuco, 33 anno?
casada, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Manoel Domingues do Monte Silveira, Para-
hyua, 28 annos, solteirot Boa-Vista; anazarea.
, Francisco Jos Venancio, Pernambuco, 30 an-
nos, solteiro, Boa-Vista ; entente.
- Ut MECO DE. TON
Foi publicado recentemente em Pars am livro
curiosissimo que se oceupa das industrias que
teem por fim aproveiUrr ss cousas que todr a
toda a gente despreza.
Cheio de interessantes notas, ha nesse Hvro as
seguintes novidades para muita gente.
Em Paria, um soldado velho leve a idefa de
aproveiiar os pedagos de pao que se deitam ao
lixo e com esta estranha materia prima fundou
urna fabrica que foi um dos maiores xitos in-
dustriacs de Franca, tornando millonario tio
-Chapel/ier, alcunha porque era eonaecalo o velho
militar.
Os rcsiduos'das fabrfeas degaz erm tambem
tidos como um eetorvo grande, at que apparu-
ceu o chimico inglez Perkins, que descobno a
anilina, fazendo experiencias com e
Hoje valem tanto, que di em resultado fazer o
gaz s para extrahir a anilina dos residuos
Houve tempo era que os residuos da l nao
tinhara valor algum.
Os fabricantes nao se atreviam a aproveitai-a -
em cousa alguma, pela grande dicul lade que
havia em os fiar, lira dia presentou-se em un
das principaes fabricas de Liverpool um liomera
que se chamava Titus-alt, oire.rcceudo-es para
comprar periodicaincnie os residuos da l. Toda
a gente se rio d'eUe, imagiaando-o doudo.
Pois esse batnem morreu cliamaudo-se sir
Titus Salt, e deisando urna das maiores fortunas
do Reino- Unido.
Foi elle quem fundou a industria das alpacas.
Quando se principiaram a fabricar velas da
azeite de palmeira, a presenea da Rlycerma nesse
oleodavaraauoueiroao payio e o* fabrcantei
tiveram de adoptar um processo de relinaca
para extrahir a glyceriaa.
t
T
l
>
t"

p.>
r
]


Diario de Pernambuco--Sexta-feira 4 de. Janeiro, de. 1889
\
afnal alaiwn dote -jpriedml.
anua q w. um m> faknivnte, uin tal
tinba d.->"-uiki aunuahni
ruia que \ alia n 000*000.
tem o seu preco.
O
elhas e at
rto.
rtid* tornan pi
trapo vio car a-
D
ven
i
fab:
A |-Iic; ti.-rato approvada i>ara luvaa
etc.
Mr. Tort, um dos primeiros
mili'diario- da iulutcrra, e fez a sua fortuna com
usa que se venda a
10 ris a libra.
- i orern, de coasegnir fiar esses rodilhos
de seda, i-inmanuiliados ainlios cheiosiie ionnun-
dlC lias de amonita, tiuha
garito em exj' n mecliaiiiainu urna
semina .omita aproxiuiada a meio milho de
libras slerlinas.
Por aqui se prava que. para eolbOr, necessa-
rio .linear.
A
A r.iiuha Natalia quandu a das deixou
Bucharest em direecQo a Jas-y. para seguir para
lez urna deelaraco importante.
asi hora da partida disse pessoa, que
est iiieirauente ao crrente do que se teui pas-
sado entre ella e o mi Miln, que, para corres-
ponder ao pro vi Inmuto que tmha tido para com
ella de que se iinliam servido, Hiera
prevenir o iv de que loe tencionava publicar a
correspond -nciu.
E-la correspondencia coinprehende cincoenta
t tre- e.irlas, destinadas a lanzar nova luz sobre
desaccordo qu deu origcm ao divorcio.
Inqui jtado com a ameaca d*esta divul-
gado, o re Milau responden logo raiuha dizen-
So-Ilie que a conbecia muito bem para que a jul-
gasse capaz de realisar esso intento.
Mas a rainha Natalia, deixou Bucharest deci-
dida a exeeuter o seu projecto e antes de partir
para assv depositen as cartas em lugar seguro,
cm casa d'um baoqueiro, depois de ter d ellas
tirado ditas copias
A rainha Natalia levou nina dessas copias,
depois deierdeixado outra a amadas suas ami-
gas mais sinceras e dedicada
-Esta ficou esperando a ordem da rainha para
facer publicar logo a coiTespondenoia, e julga-se.
com fundamento, que essa publicacaono tardara
muilo que saia, tafvez dentro d uns quinze a vinte
dias.
Asseguru-se tambem que a rainha Natalia ten-
ciona voltar a fix.ar residencia eui Budiarest. e
j se eutrou em mgo* iaces para a compra d um
mapiilieo palacio que custara talvez um milhao
de francos.
*#
Um medico italiano acaba de fazor curiosa
experie-icias sobre o Iralainento dos dolidos pela
cores.
Collocou um doente afectado de doenca ne-
tra e que nao quera comer, n"um quartu pinta-
o de cor vermelho muito claro. No fin de trez
horas, o alienado tornou .-e d'uaia alegra oxees
STa e coniia com avidez.
Una outra vez, o mesmo-medico fechou u'um
quarto pintado .ie cor azul, um doudo furioso
que, depois de algumas horas de estada neste
quarto, tornou se de repeine calmo, o passo
que todos os outros meios einpregados para soc-
cegal-o nham naufragado.
INDICAqES DTEIS
0 uso moderado do cognac, o melhor de todos
os licores, muito til ; mas devein os leitores
saber que tamiiem uelle K aurnham mentiras e
l'alsidades sem Om.
Muito's creem -|ue. comprando cognac Marlel
com trez ou mais estrellas, e pagando o a duus.
trez e cinco mil ris a-uarrafa, nodetn estar se
guros de beber a verdadeia agurdente, que se
obti'-m da dislillacao do vniliO.
labres Iludidos Ho teui|K> em que Berlha
viva em Cognafc, ahi se diauNava vinho verda-
dero e lambem vinho excellentc e delle se obli-
nha um licor doiicdo e salubre que trazia di
mmente o neme de pequea cida le "de Franca.
Hoje. porm, que a nbfloxera lem invadido a
trra dos Gallos, hoje que convm despenderoi-
to ou tlcz francos para beber urna garrafa de
verdadeiro Bortlc-iux mesmo em Panz, pode-se
avahar quantos francos deve Costar una garrafa
de verdadeiro cognac, que exige umitas e mui-
tas garrafas de viutio pura preparal-Q.
Hojeo coguac autigo, anteriora invasao dal.
phyfSxera e ao erescido proco dos vinhos, raro
como urna ediecd do Al lo ou um (wpynis e de-
ve ser pago de o a 30 francos cada garrht
Apezar de tudo isto, coutinua-se a fazer co-
tnac taiubem em Cognac, mas all elle fabrica-
0 quasi todo com agurdente de batatas ou de
fromento que vem da Germania.
E verdade que esta agurdenle se purifica com
{Atrito cuidado, que se aromaiisa com muissi
. ma arte e ?e prepara a-siin um licor que nSo
nocivo, c saude mas illude-se muilo quetn acre-
dita beber o producto da distillar,ao dos vinhos
mea!
Osindustriaes honestos compram cognac feito
em Cognac. Quanto aos outros couientavam-se
em dirigir cartas desta ci.la tos correspondentes e tambem muitos compla
ceii'
Deste modo, vcndcdo na Germania cognac
feito ni Germania. faziarn crer tel-ft rec-'hido de
le onde mostravaao sello do correio.
f)r. Mouin calcul *u em 133 o numero de ca-
sas esirangeiras, que sem ter'nam casa iicmcor-
respondentes em Cognac, d'ahi fazim dirigir as
suas cartas, que o correio traesmiUia depois pa-
ra Hamburgo, Colonia e Berlim.
K Herv-Mangn ;ar o seguinte aViso :
Os estraiigeiros, que diri. esnonden-
cta ,,\ernl(i- de que ellas
nao ser i mais trans.iiittihn ,: > s"u do nicilio
real, mas serio pH'emrat et smplement mines mi
Vi bu!
Noseeulo pa-sado em Franca a melhor aguar-
d nteera liraxla da.disul is vinhos bran-
cos d'Anjoa Hojee puro, oom e verdadeiro co-
'gna<- e e\!ra!u lo dos vinhos de Charcnt (gran-
fms bois). Em or erito
i depois os cognacs il'Aigrefeuille
e da liocln'ili-. depois Armagaac, Marmande,
Mon eziers.
D".-t" olympn dos verdadeiro? cognacs se (le-
ce aocogui que se vende 2 trancos a^ar-
I imbe/n porni
Mdicos
Dr. Ceripieira Leie, tem o aeuescrijito-
rio.abertoma Duque de Caxias n. 74, das
a tarde, e desta hora em dian-
to em sua residencia ruada Santa Cruz
n. 10. Especialidades molestias de se-
nhoras e criancas. Telephono n. 326.
O Dr. Alvares Guimaraes, chegado da.
corte, dedica-se medicina em geral, e
com especialidade a molestias docoracfto,
pulmoes, fgado, estomago e intestinos, e
tambem s convuls&es e outras molestiae
das criancas. Reside praya Conde d'Eu,
n. 28, 1. andar, e tem consultorio ra
do Boru-Jesus, n. 45, onde diariamente d
consultas do nieio-dia s 3 hora da tar aceitando chamado em quulqner desees lu-
gares. Telephime n. 381. ,
Dr. Joaquim Loureiro medico e partei-
ro, consultorio ra doCabugn. 14, 1.
andar, de 12 as 2 da tarde ; residencia no
Mohteiro.
Dr. Barreta Satnpaio da consultas de
meio-dia as 3 horas no 1." andar da casa
a roa do BarSo da Victoria, n. 51. Resi-
dencia ra Sate de Seteiubro n. 34, en-
trada pela ra da Saudade n. 25.
Dr. t nstro Jestt- medico e operador.
Pratica a lavagem do tero quando e como
aconselhada. Consultas das 11 s 3 da
tarde -em sua residencia ra do Bom
Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.a andar.
O Dr. otta Gomes, de volta de sua via-
gem ao Rio da Prata, contina em seu con-
sultorio e residencia na ra do Mrquez de
Olinda n. 34, 1. andar. Chamados a
fOalquer hora. Consultas de 12 horas s
da tard.
Dr. Joo Paulo, especialista em parios,
molestias de senhoros e de criancas, com
pratica nos hospitaes de Paris e de Vienna
d' Austria,- d consultas de 1 s 3 horas da
tarde em sua residencia ra do Barao da
Victoria n. 59, 1." andar. Chamados a
qualquer hora.
Advogado*
O Dr. H. Met mudou o seu escriptorio
de advocada, para a ra do -Imperador n.
30, 1." andar, esquerda.
O bochard Witruvio Pinto Bandtira, i
pode ser procurado ra do Imperador
n. 71, 1. andar.
Occullata
Dr. Ferreira, com pf tica nos principaes
hospitaes e clnicas de Paria c Londres,
d consultas todos os dias das 9 horas ao
meio-dia. Consultorio e residencia a ra
Larga do Rosario n. 20.
Serrarla a vapor
Serrara a vapor e officinas de carapina
de Francisco dos Santos Macedo, caes do
Capibaribe n. 23. Este grande estabeleci-
mento, o primeir da provincia neste ge-
nero, compra e vende madeiras de todas
as qualidades, serra madeira de conta
alhein, assim como prepara obras de cara-
pina por machinas e por precos sem com-
petenciaPernambuco.
Drogara
Francisco Manod da Silva & C-, deposi-
tarios de todas i especialidades pharma-
ceuticas, tintas, drogas, productos china-
cas e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Drogara
Faria Subrinho & ., droguist p+*r ata-
cado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Em virtude do que ii do regula-
mentoque baiiou como decreto n. 9554 de 3 de
Fevereiro de 1886. a Inspectora Geral de Hy-
giene faz publico, pelo prazo de oito dias, que o
cidadao Alfredo Jansen Goncalves Ferreira, Ule
dirigiu a seguinte petico com documentos que
satisfazem as exigencias do art; 65 do citado re-
gulamento.
Alfredo Jansen Goncalves Ferreira, achando-
ae habiliUwlo para bem exercer as funccOes de
pharmaceutico na cidade e municipio do Espid-
i anto, comarca de Pau d'Alho, provincia de
Pernambuco, visto como nao ha na referida ci-
dade pharmacia alguma dirigida por pliarmaceu-
t icos formados pelas nossas Facutdaaes eprovar
o supplicante com os documentos juntos, o que
determina o art. 65 e parugraphos do regula-
menloque baixou com o decreto n. 9.554 de 6 de
Fevereiro de 1886.
-ira o supplicante, condado uajustica que
sempre preside aos actos dessa Inspectoria e na
de sua causa, espera e pede a V. Exc. defer-
ment. E. R. Mee. Pau d'Alho, 29deJulhde
1887. Alfredo Jansm Goncitlves Ferreira.Sobre
duas esiampillias de 20 ris cada urna.
E declara qi( e prazo nenhum pharma-
ceutico ll.e cornmunicar ou a Inspectora de Hy-
giene dii provincia de Pcrnambuco a resoluco
de estabelecer pharmacia na citada localidade
conceder ao pratico a licenca requerida.
Insuectoria Geral deHygiene,9 de Agosto de
1888.Dr. Pedro Affotuo ie Carvalho, secretario.
3
Agua Florida de
lurray e I.autnan
mmm
PUBLICAgOES A PEDIDO
i da plaola rit rinifera, da-
qual existem ho|u mais dt 1,400 especies.
Os i'n i plaa variara na quanlidade
re..' componente-, todava resulta
qi" em
qu i:' irte repre
msome
fre- |
i ac i de cjrni las tlo-
ahinonioiTi eipi-
ten uu'rilivo la no-
;ucar, tornaado se de Ca-
as especies que as
que nao podem ser di-
i p*4*n inalteradas no intestino, o ir-
,'ite tornam-se causa de catarros
ci
0a*.
te.,.
giri
na
int
ale-
da n
ordi.
A
en
cuidado de nao
i-ir que
'iii ai ir nutritivo
i (^ruo meio curali
'na um re: onslituiote,
algumas doen-
la uva, qne, se-
, OU
' duva consiste "ocon
a fruc
rica de assucar, que
ie ecosem nscascase sem as
o, o traa
JJ5 0Q em un dado
ihcmt, sao circuiu
tim pelo medico, o
io a iudividua-
HHQi
ao raovimen-
Prado Pernambucano
Para nao ser de todo regular as corrridas ha-
vidas no Io do corrente, entendeu o jockey Jos
Mendes de obrigarao juiz de partida a dar re-
petidas partidas falsas com o lim de ser elle o
primevo a partir o que con^eguio com escnda-
lo -no Corcovado e no Templar, e no entretanto
nada soffreu nem mesmo reprehenso! I Se
fosse outro qualqaer jockey que assim proce-
desse seria logo multado ou suspenso, mais Jo-
s Mendes, boniliubo. fluminense, jockev de
BOsa Marques tmWpode fazer. Mais justica Srs.
juizes de prados.
Um espectudor
Na verdade 6 cousa mais que agradavel o p-
dennos contribuir, ou ac.ar um novo e deleta-
vel prazer para o gentil e bello sexo.
Lanman e Kemp, sem duvida alguma, conse-
guirain esse enejado tim, introduzmdo a Agua
de Florida de Murray e Lanman, cujo artigo ha
mais de 20 annos tem sido o constante favorito
para o toucador em toda America Hespanhola) ao
conhcciinento das senhors deste paiz.
Nao sao, pois, s as senhors que se sen tem
reconhecidas e obrigadas para com aquella firma
emprehendedora, pois que se o artigo em ques-
liio outurga e d ao tengo de lina cambraia urna
fragrancia deliciosa e summamente refrgi rante
e s faces urna alvura juvenil, ella igualmente
possue a rara eficacia e virtude de fazer remo
ver a ardencia causada depois do fazer dabarba,
assim como dissipa o mao gosto depois de se ha-
ver gosado as bellas furaacas de um charuto.
Hissolvula em agua, serve ella de grande pro-
veito para a conservaco dos dentes e gengivas,
dando ao paladar um gosto suave e agradavel.
Afim, pois, de se poder consegtir- o desfructe de
todas essas vantagens, indispensavel se torna o
possuir se a real e preciosa Agua de Florida de
Murray e Lanman. e nenliuma outra mais.
Gomo garanda contra as falsilicaces obsrve-
se bem que os nom'es de Lanman & Kemp ve-
nham estampados em letras transparentes no
papel do vidrinho que serve de envoltorio cada
garrafa.
Acha-se a venda um todas asbocas e Iojas de
perfuniarias
COllegio de Santa Ln
PARA O SEXWFEMINWQ
Este esiabelecimeatode educacaoeitwtruecao
primaria e secundaria abrir saas aulas no da 7
neirodo corrente anoo, esporando continuar'
recer dos paes de suas aluranas e do publi-
co em geral a eonliaaca ue at hoje Ihe tem sido
'lisoensad:
Continua a cuidar da edcaco de meninas e
meninos, recebe internas.que sao tratadas com
carinno, asseio e dtUveli; me sionistas e
externas, bem como meni-ios de tenra idade
para o que dispe de um carpo docente liabili-
Outro sim, sc.ientiffca qne no mesmo estabele-
(miento ensiuam-ge as seguintos materias: Pri-
meiras letiras, portugucr, francez (escrever e
Inllar), geograplna, historia, arithmetica, dese-
nho, msica, piano, trabadlos de agulha de todas
!>< i-- bordados a matiz, Troco, ouro. mis-
sanga e brancos, flores de panno, pennas, cabel-
lo e papel, cestas de pedra-hume do todas as
qualidades.
llecebe-se tambem como internas e meio-pen-
siomstas mocas d 14 aunos de idade para cima,
nao so para diversas aulas do collegio, como
para os traBalhos de agulha.
As mensalidades sb pagas adiantadas, pelo
pre^o mais razoaael.
Ra Duque de Caxiaa, antiga do Queimado
n. 70, 2." andar.
A directora,
Amia do Reno Baireto de Almeida.
-------------"-y*!a-------------
Aula particular
Festa de Nossa Senhora do
, Monte
No dia 13 de Janeiro proxmo, pretende o
Dom bbade do Mosteiro de Bento de Olinda
celebrar a festa de Nossa Senhora do Monte em
sua ermida e desde j podero os devotos se en-
tender com os encarregados da mesma festa que
sao os eapites- Fortuuato de Sampaio e Luiz
Pereira de Parias.
Olinda, 2-> de D-zembro de 1888.
Frei Jos de Sania Min Botelho,
Dom Abbade.
Anna Theo lora SimOes participa ao publico
em geral e era particular aos pais de'suasalum-
nas que a sua aula abrir-se-ha no da 7 do cor-
rente.
-
Collegio Amor Divino
RA DA IMPERATR1Z N. 32
As aa'as deste estabelecimcnto, dedicado
instrueco das creancas do sexo masculino abrir-
se-ho no dia 7 do corrente.
A directora,
Otympia^ fra fe Mendonca,
CoHogio de \oss Senhora da
Paz
No dia 8 do corrente, reabrir-sc-ho as aulas
deste coleg, ra do Bario da Victoria n. 46,
Recife, 2 de Janeiro de 1889.
A directora,
Mana da Paz e Freitas.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiaJi-
dade do molestias de senhors e creancas.
Consultorio c residencia ra da impe-
ratriz n 18, 1* andar.
Consultas de 8 s 10 da manhl.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TBLEPgoNE N. 226
Cellegie de \ossa Senhora da
tata
Kua da Aurora n. 39
As aulas deste collegio se abrirao a 7
de Janeiro e sao de : primeiras lettras,
portugue, francez', inglez,geographia, mu-
piano, desenlio, bordados de varias
sica
Institution frangaise de
Demoiselle
Ra Bario de S. Rorjn n. 60
As aul.is de-te collegio abrir-se-hao no da
de Janeiro de 1889.
Instituto Pnilomalco
33 % Iseonde l'Albuqurrqne 33
As aulas deste estabelecimentu de instrueco
estarlo abenas do dia 7 do corrente em diante.
O director,
OUt-lo Vctor.
?
invetipo
Logo que um objecto ou urna
merece a sanc^ao do publico, aurgemnn
mediatamente numerosas imitacSes c falsi-
ficacoes ; assim succedeu, no Brasil, com o
xarope de quina ferruginoso, de Grimault
& C, receitado com xito sempre cres-
cente contra a anemia, Iymphatismo,
peda de forcas, empobrecimento do san-
gu era to perfeitr. combinacao saes de ferro
e ([uina, isto o primero recoflstituinte
e o pnmeiro tnico da materia medica.
Previnimos, pois ao publico que exija,
nos prospectos, como garanta de origein
o noine de Grimault & C, impresso, em
filigrana, no corpo do papel.
O sedlitz Chanteaud, cuja fama uni-
versal, um purgante salino, refrescante,
doeabor muito docee efficacia segura para
debellar a constipa^ao (dureza de ventre);
o seu emprego diario utilissimo para as
pessoas gotosas, atacadas de rheumatismo,
de constitnieS'/ sangunea, biliosas, promp-
tas s congestoes no cerebro, gens,
enxaquecas, dispostas s hemorroidas ni
embarajos gstricos. E,' elle tambem o
purgante por excelknci das mulheres e
daa criancas.
Para evitar os perigos dae contrafacc3es
do sedlitz e dos medicamentos dosime-
tri'X)s cujos o nico preparador o Sr
tiiteaud, exija-se nos rofnlos o
nome dos autores.
Burggraeve-Chanteaud
-----------w**"-------------
Collegio de Santa Lii/ia
Do dia 14 em diante contina a fuhecionar, es-
forcaudo se a sua directora, para bem coi
ponder asesperaiir.
alumnos que li: ;*ts, por me i
una
M proteago.
% .rrf WurOTwPima fe'
.3 PODE SEH PftCU RaDO^J
btu do imperador u 71 'k
Curso primario e secundario
Jos de Sousa Cordeiro Simes, participa ao
respeitavel publico o especialmente aos pas de
seus alumnos que as aulas do ,seu curso abrir-
se-ho 80 dia 7 do corrente.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RA-VVLDSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tm aberto o sen consul-
torio, na ra Io de Marco n. 20, Io andar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
Ao* s-of i redores de- rhcuin.iiis
no que tazrm uno do elixir de
Cabeea de negro.
Con turnando em todos os jornaes desta cidade
um annoncio doelixir de Gabeca de Negro do
diarmac.Milico Herme's de Souza Pereira pelo
Sreco de 1 a garrafa e declarando-se que ven-
dido em todas as pharniacias, apezar de j ter
sido prohibida a venda pelo Dr. inspector da
Hygiene Publica. 'falsa esta indicaso pois
este decantado el xir nao se encontra em quasi
todas as pharmacias.
O publico avalie se esse medicamento fosse
verdadeiro o seu autor nao se recusara a dizer
onde fabricado e vendido. Os doentes devem
acautelai- se com wte elixir e exijain que s que-
rem do formulado p lo Dr. S nta Rosa que o
nico analysado e approvado pela inspectoria ge-
ral de hygiene. Dtfio ao autor do relfrido eli-
xir para pro va r o CQntrario.
Recire, 2 de Janeiro de 1889.
Antonio Augusto HollanJa Cdsta.
-Collegio leira
Ra da Itnporalriz n. 63
Este collegio de instrueco primaria e
secundara, cujas aulas se reabrirao no
da 7 de Janeiro corrente, offerece aos
pais de familias que o quizerem honrar,
confiando-lhe seus filhos, todas as garan?
tias de moralidade, aproveitamento e bom
trataniento para os mesmos seus filhos.
O resultado dos exa^ies obtido, pelos
alumnos deste eollegio, ser opport'
mente publicado, e em#vista d*lle_si
urna prova da interese
xo assignado pe
alumnos.
Acenc'"
Oculista
Dr. Barreto Sampaio-, medico,
oculista, ex-chefe de elinica do
Dr. de Wecker, d consultas de
meio d:a s 3 horas da tarde, no
Io andar da casa n. 51 ra do
.'.o da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
h \ ra Sete de Setera-
14. Entrada pela roa da
fe
especies, flores, ete.
A "flirectora,
Augusta Cameiro.
G. LAPDMTE
Ra 1'de .Marco n. 231*
AGENTE DA
coops:.i::a mmm
E HEPBESENTANTE
a* uiul* afamadas fabricas
francezas
Recebe eneommendas de qualquer arti-
go ; condicoes vantajosaa.
Dr. Pereira de Wouza
Apezar de j se achar o Peitoral de
Cambar approvado em todo o Imperio
por grande numero de attestados cient-
ficos, resolvemos tambem registrar o va-
lioso parecer deste Ilustre, e distmeto fa-
cultativo, com residencia na cidade do Ba-
nana!, em S. Paulo, onde gosa da mais
alta reputa$8o.
Eil-o:_ 17
En. abaixo asignndo, doutor en me-
dicina pela- Faculdade do Rio de Janeiro,
ex-profeasdr adjunto da clnica de moles-
tias de creancas da meaua Faculdade, etc.
Attesto e jure, aob a f de meu grao.
que tenho empregado em minna elinica,
sempre com mnito bom resultado as mo-
lestias dos orgaos respiratorios, o Peitoral
de Cmbara, do Sr. Jv Alvares de S. Soa-
res. O xarope Peitoral de Cambar tem
a propriedade de ser um medicamento de
sabor agradavel, e bem tolerado pelas
crianzas, em cujas molestias de grande
efficacia.
Dr. Jos Joaquim Pereira de Souza.
Instituto 19 de Abril
BA EfO VJSC01TOE DE CAMABAGIBE, OCTb'
OBA DO HOSPICIO N. 10
Reabrir-se-ha no dia 7 de Janeiro este estabe-
lucuiieiiio decducaeo e ensino.
0 desvello, o carnho, o zelo e a dedicago do
director e de sous auxiliares, s,'io fortes garan-
tas para os que desejarein educar e instruir seus
uIno*u tutelados.
A familia do director mora no estabeieuimeD*
o, reabsando por esse modo, o ideal dos que
Msomm para seus filhos um collegio que seja a
continuactto do lar.
A pratica de seis annos de magisterio, quer
primario, quer secundario, e os resultados lison-
aeiros obtidos pelos alumnos nos exames das
diversas materias de que se compoe o curso,
apontam este estabelecimenlo como um dos tne-
Ihores desta cidade.
Recebe alumnos externos, sean-internos e in-
ternos, mediante as mensalidades gcralmente es-
tipuladas.
Loto que se findem os exames geraes de pre-
paiatonos, a qne ora se procede no curso anne-
xo, serSo publicados os resultados dos exames
prestados pelo9aIamnosdeste collegio.
A directora pede encarecidamente aos Srs.
paes e interessados que procurem inspeccionar
por seus proprios ollios as conicoes do estabe-
cimento.
A Anla Infantil, em sua parte mais delicada,
a que se refere aos rudimentos do ensino, acha-
se confiada a duas senhors, urna das quaes a
propna mai do director.
Recife, 1" de Janeiro de 1889.
0 director,
Luiz Porto Carreiro.
Elxir Sffttfor an^.iiiHHBOe-
Grande depurativo
Sem mercurio
RMttla oo Br. M 6m
J r^p.-mj ai.l:o Hrw|
e iSooBt. Per ir.
A"|y,,'fi -'' pl intrttlotm gera
i t.Tgiei* e nnly.-' im mi.
0 ru Cciij 'hPoiio:bior, r .-n.| ;.(.'..3 TbmUmf'i
i.u ngndo ch n.(0 (iii,:;)i-i., >.rro, tmao-
j todna > u.o'. ='..: ,'e rt siortia cfc:'i'
r,lCB.
Preco f A:-. vo garrafa
DEPhITU
&u do hk J n. 19. mtjif<4 Oh.
[1 Frederco t'frsm Jnior M
HliMEOI'ATH* J
sRua Jo Burilo Ja Viet->ria=-39}
PFtlMBtW) ANDAR
Lanterna Mgica
A redaccSo desle interessante peridico livre
e humorstico mudou-se da 'ra do Rangel n. 16
para o Pateo do Terco n. 4, onde est estabele-
cida a acreditada ofBrina lithogiaiihica do Sr.
Antonio Carlo9 Borromeu, na qual passa a ser
impiesso aquelle peridico.


Advogado
0 bacharel Jaronymo Materno Pereira de Car-
valho mudou seu escrfptoro do n. 33 para o n.
83 a ra Duque de Casias entrada pelo becco da
Congregaco.

Leonor Porto j(
Bn Larga do Howario n. SA
2o andar
Contina a executar os mais dif-
ficeis fignrinos recebidos de Lon-
dres, Paria, Lisboa e Rio de Janeiro.
Prima em perfeicSo de costuras,
em brevidade, modicidade em pre-
cos e fino gosto.

Dr. Eduardo Silveira
De volta de sua viagem Corte, contina
no exercicio de sua profissao
Consultoriora do Imperador
u. 49
Residenciara da Aurora n. 47
TolephoDe n. 260
Pernambneo
AOS SRS. MDICOS E A DIGNA CLASSE
rn.UMACETICA
As velas Bertkaud, contra as molestia
do apparelho ge.nito-urinurio, tero, nta*.
fi*'"lm, hemoi-rho'des, etc., sSo o medien-
nento mais adoptado^ actualmente e por
ind8pensaveis as phariaacias, hospi-
-ta 's e casas de saude. IJSo sao de for-
Imulas secretas, ao contrario, pelas sub-
anciaa empregadas e dosagem certa, o
{facultativo fica desde logo habilitado ajui-
cio seu valor. Os depositarios Bartho-
Jomeu & C., em Pernambuco, ou o abaixo
asignado, remettem quadros e prospectos
com explicac/Jes.
K. Paulo de Freitas.
Deposito geral no Rio de Janeiro.
MEDICO HOMEPATA
Dr. Bllhazar da Sheira
Espccialidadefebres, molestias i
das criancas, dos orgaos respirato- <
rios e das senhors.
Presta-se a qualquer chamado para
( fora da capital.
AVIMO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
a ruaf do Bario da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
A opioiao publiea
L-se nos a pedidos d' O Paiz:
Ha muitos preparados que se annunciam
Jara curar tudo quanto enfermidade!
sto nlo acontece com os preparados phar-
maceuticos de Luiz Carlos, porque cada
um urna especialidade e nao panacea;
jxir exemplo: o Licor antipsorico com os
pos depurativos ou com as pi lulas depura-
tivas de Mendes s curam empingens, ulce-
ras e tudo quanto syphiles; o Anti-rhen-
matieo Paulistano, que j tao procura-
do, s cura os rheumaticos de qualquer
especie; o enorme consumo dos Pos anti-
hemorrhoidarios devido a milhares de
curas que tm feito das hemorrhoidas e
dos encommodos provenientes dellas; afl
l'ilulas sudorficas contra defluxos, consti-
pares e bronchites sao o verdadeiro espe-
cifico para evitar os grandes ineommodos,
pulmonares qne alo gerados das constipa
c8es emperradas.
O oleo _calmante de L. Carlos o ver-
dadeiro prompto alivio para as dores de
ouvido e dores de barriga das criancas.
Depositarios na corte, Silva Gomes &
C, e no Recife, na drogara de Francisco
Manoel da Silva & C. .
r. Pires de Almeida
- Do Formulario Internacional deste acrc-
ditadissimo medico,'residente no Rio de
Janeiro, extrahimos os seguintes tpicos a
favor do Peitoral de Cambar :
... Sem nos referirmos ao Cambar-
tinga, Lantana VeUosiana, ao Cha de pe-
destre, I. reconhecidos effeitos na medicina domes-
tica, apontaremos o Cambar verdadeiro,
Vernonia polyanthes. Linn., o qualpor
sua aceito s qualidades emolientes e
balsmicas daquells "outras, rene a de
acr ao mesmo tempo expectorante deven-
do por sjo ser aproveitado no tratamento
das bronchites, e nomeadamente da tsica
trpida...
Bem avisado andn o Sr. J. A. de
Souza Soares, de Pelotas, preparando com
essa especie o seu Peitoral de Cambar,
que tive oceasiao de examinar ecom ple-
no conhecimentoaconselho o seu uso com
a maior confianja.
FORMULA BO PHAHMCEUTiCr
Hermes de &mu Pereira
Vende-se em todas
pharmacias a 1$000
abarran? e !000
dnzia.
Vi* Bruari*>. nolrmlM mm
Hca
?
re* -Irel<-
l)r. liarla Bdieucour!
ESPECIALISTA
COM PRATICA DE PARS B
LONDRES
Entr-itair.ent. d~ of. ilir car^iu r.d
calllente pela ee.tr lyaa, aeip dar ; oy-
dr( cclt-ii t ni lojw ridiia e al r*a cfar mm. c garaaOa
dacum ripid~ ; prdra d b t-g-, fialal
a ixia~rrlK.ids ; ypbili*. goaurrkaa,
pela axtbodrtaas .u.rm, odr* ; m K-.Iraa
da giri>utuj Ju pe... prU. ala, iftti
.1 -.(( -n)fca lut*.
ConralUt e upcricoe*, da* 12 3 a -
re da tardn.
KfA UABQCEZ DE OLINDA V. 34, 2*
i mm^ m m ?> UA d.,
Residencia na lorrts
'.^
Collegio de S. )i[iiol
Rua do Viscoude de Canaragi-
be n. .
Aos respeitaveis paes de familias parti-
cipa a directora deste novo estabelecitnen-
to de instrueco para o sexo feminino,
que abrir as aulas no dia 14 de Janeiro
de 1889.
4 A mesma prouiette aos paes que Ihe
("iifiarefli suas filhas esforcar-se por lhes
dar iima educacao primorosa, solida, reli-
giosa e domestica.
A tratar, do Io d Janeiro no proprio
estabelecimento, das 2 da tarde s 7 da
noite.
A directora,
Emilia A. de Mendonca.
O Dr. Cysnairo de Aibncraerque avisa a
seus clientes e amigos qne mudou sua resi- mente copiei do proprio oriinal
delicia para a rua do Gervasio Pires n. 83 A
onde .pode ser procurado para o exerci-
cio de sua profissao.
TEbKVUONK K. 6
* Clintea mediea-einirgea
DO
Dr. Ferreira
Prat>.co nos paflSaat hospitaes de Pariz
e Lon'ii-,
-TisultaK eepto domin-
gos) das ) horas ao meio dia.
'Pratica embasamamentos.
Consultorio e residencia rua Larga do Ro-
sario n. 20
Telephone n. 233
CH 1WM
iiir seJnt:f a aite-rluiiiitin
SEM MERCURIO
FORMULA QPH4mMACEUTICQ
II nii^s deSijzi Pereira
Analysart e approvado
PBL%
lm*. ,|nn!; Lcttod de Hvg.eM
Jste Elixir ja bem
conhecido nesa e as
-'lemais proviiieas co-
mo o:melhor aire-sj-
ph iteo e ante-rheu-
inatico at hoje eo-
uhecido; vndense e*a
todas as pharmaeiasa
U a jirafa e 01000
duzia.
a
EDIT1ES
0 Dr. Eutropio Goncalves de Albuqui rqne c
Silva, juiz municipal de orplios e ausentesdo
termo e comarca ao Brejo da Uadre de Detw,
provincia de Pernambuco, por Saa Magestade
lmperial-.fi Couslimcional que Deus guarde
etc., etc.
Faco saber pelo presente (|ue o invr-ntariante
dos ben's deisados pelo fallecido conego vi-
gario Pedro Marinho Falcio, Joo Marnho Fal-
co requeren perante este juizo para jusliiicar
a ausencia dos lierdeiros Se\ eriano, BellarniiiM,
Jos Valentim, Pedro e francisco, filhos do M-
do Simeao Correia Berenguer, visto que se achara
ausentes em lugar nao sabido e tendo protta-
zido a justilicaco requerida, foi devidamente
jiilgada por w-ltenla t procedente, mandando-ae
i os necea^HpMnaes para a cilaco ne
(licia, para comparecerem os mesmos herdeiros
ausentes no dia 3 de Fevereiro vindouro, s 10
liora~ da manhl, em casa de residencia qoe foi
!ik> conego e vgario afim de assistrem
ao inventario que se vai proceder, sob as penas
de revena, o qual ser affhado no lugar mais
publico nsta cidade e publicado pela imprema.
Dado e passado n'esta cidade do Brejo da Ma-
dre de Deu?. aos 20 dias do mez de Dez-ribro
de 1888.
Fu. Joaquim O>rdeiro Falcao, escrivao de or-
phaos e ausentes, escrevi Etttrnpio Goncol
ce de Albuqueriiuee Silva.
ara aettada com urna estampilha de ttb
ris devidamente inutilisada.
Nada mais se continha em dito edital que el-
F.u, Joaquim Cordeiro Falcao. escrivao de
phios c ausentes, o escrevi.

DECLAEACOES
Prazo de sessenta dias
De ordwn do Sr. Dr. inspecor geral 4* ta-
strueco Publica. Ikco saber a Antonia da A-
snniiico Pires, Mara Petrenilto da Silva rta*
e GuiUiermina Maria da-Conceicao Padilba, fK
ica marcado o nraic de O dias, a <*"*
de i2 do corrente, para assigu ri os amtnr
ctos das cadeirasdeSalgueiro, Qaaiaa*3n-
nilo e assumirem o exerekio das Btsttm.
Secretaria da Instrueco Publica, tt ie Oe-
neaibro de 1888.
A
PerQ-iMni '*)t> (iiKta..
[
1



'




A.
I







Jb
;rnambuco---He\ta-feira 4 de Janeiro de
mm
Administra^ao dos Correios
*de Pernambuco
Pii ,-m cumprimento a
liar da ral dos Correios, n. 106,
de 10 de Dezembro finilo, se faz publico
conbecimento dos inleressados o edital da mes-
ma directoria abaixo transcripto.
Correio de Pernambuco, 3 de Janeiro de 1889-
0 administrador,
Affotuo do Reg Barros.
Directora * Edital
De ordem do Exm. Sr. director geral, e em
cumprimento do disposto no art. 8 do regula-
mento de 26 de Marco findo, faa-se publico que,
no dia 1 de Fevereiro de 889, vao ser postas cm
rirculac_o as seguintes formulas de Tranquia :
Sobre cartas selladas
O sello fixo representado por urna moldura
formada por duas ellipses concntricas, tendo no
plano da menor a effigie de sua Magestade o Im-
perador em relevo branco; no da maior, tambem
em relevo branco, as palavras Brasil no alto,
e o valor expresso em ris por extenso na parte
inferior, e finalmente as extremidades do eixo
menor dous pequeos polygonos com o dito valor
indicado por afgarismos.
O fundo da moldura as de 100 ris verde,
as de 200 ris preto, e vermelho as de 300
ris.
Cartasbilliete
O sello fixo do valor de 80 ris, impresso no
ngulo superior direita e representado por tim
rectngulo formado de arabescos vermelhos, ten-
do em urna ellipse ceutral a effigie de Sua Ma-
gestade o Imperador, encimada pela palavra
Brasil em lettras brancas, e tendo em baixo as
palavras oitenta ris e sobre estas, em sentido
obliquo, o numero 80 de cada lado.
A' direita do sello v-se urna fita com as pa-
lavrasCartas-bUbcte,tendo no alto urna serie
de 20 estrellas brancas em fundo vermelho, e
em baixo o distico: Neste lado s se etereve oen-
dereco. No ngulo inferior 4 direita 10-se a pa-
lavra Bras em lettras vermelbas.
Bilbetes postaes
O sello fixo do valor de 40 ris. O desenho
igual ao da carta-bilhete, com a differenca ape-
nas de ser azul, e ter na fita 4 direita do sello
as palavras Bhete portal, em vez d'aquellas
outras.
Cintas estampilhadas
O sello fixo estampado e deseDhado como os
das sobrecartas, com a differenca apenas na in-
dicacao dos valores. E' roxo o fundo do sello
das de 20 ris, azul da3 de 40 ris e cor de ha-
vana das de 60 ris.
Sellos para jornaes
Estes sellos sao maiores que os ordinarios, de
forma rectangular e cor de laranja.
No alto tem, em lettras brancas, a palavra
Correio e em baixo a Bras. Em lita diagonal
l-se de baixo para cima a palavra jornaes, ten-
do de cada lado o valor em algarismo e a pala-
vra ris.
Divisao central da Directora Geral dos Cor-
reios em 15 de Dezembro de 1888.O sub-di-
rector, Jos Francisco Soares.__________________
(2. PRAGA)
Pela inspectora desta Alfandega, se faz publi-
co que, as 11 horas do dia 5 do corrente mez se-
rio arrematadas em praca porta do Trapiche
Alfandcgado Largo da Asseinbla, as seguintes
mercadoriaa:
Marca B S. Nove molhos de aduelias, pesando
490 kilos, viudos de Liverpool no vapor Inglez
Sculptor, entrado em 2 de Novembro de 1886.
A mesma marca. Quatro molhos, 430 arcos de
madeira para barril, idem, idem, dem
ismorilhada, pesando brujo 6,250 s de
llamburgo no patacho allemao Anlelope, entrado
rm 2 de Novembro de 1886.
Marca T P.Urna cuixa contendo vidros para
vidraca, quebrados, sem valor, vindadoHavreno
vapor francs Ville de ernambuco. entrado em 22
de Dezembro de 886.
Marca S G Ce contra marcaLL Trintabar-
l 5". contendo vinho seccocommum, 2,520 li-
i indos de Lisboa no vapor inglez Merchante,
miado ein 27 de Maio de 1887.
A mesma marca -Cinco pipas, contendo vinho
neceo commuin, 2,293 litros, viudos de Lisboa no
vapor inglez Orator, entrado em 23 de Junho de
1887.
Marca A I S.Cem barris de 3o, contendo vi-
nho secco commum, capacidade 8,300 litros, vin-
dos de Lisboa no vapor fraucez Ville de Mara-
nhao, entrado em 6 de Agosto de 1887.
Marca J M CTrinta e cinco barris de 5o, con-
tendo vinho secco commum, capacidade 2,975
litros, vindos de Lisboa no vapor inglez Merchan-
te, entrado em 11 de Agosto de 1867.
Marca J S 1$. -Tres pipas, contendo viuho
co commum, 1,423 litros, vindos de Lisboa no va-
por inglez Orator, em 27 de Agosto de 1887.
A mesma marca Viute e tres barris de 5o,
contendo vinho secco commum, 3,423 litros, idem,
idem, idem..
Marca J G G. Quatorze pipas, contendo vinho
secco commum, capacidade 6,720 litros, idem,
idem, idem.
A mesma marca. Vinte barris de 5", viulio sec-
co commum, capacidade 1,660 litros, idem, idem,
idem.
Marca D P Quatro caixas, contendo sabao bran-
co, pesando bruto 173 kilos, viudo do Havre no
vapor francez Ville de Ctar, em 28 de Outubro
de 1887.
3.* Seceso da Alfandega de Pernambuco. 3 de
Janeiro de 1889.
O chefe,
Domingos Joaqulm da Fonseca.
COMERCIO
Revista do Mercado
Recife, 3 de Janeiro de 1889.
Pouco movimento se observou na praca.
O mercado de cambio manteve a taxa official
de 17 !/4 d.
Foi negociada urna partida de agurdente sen-
do os demais artigos colados nominalmente:
Conpanhia Santa Thereza
Agua em OUoda
Segunflo o 6 do artigo 9 do Regula-
niento da companhia, o pagamento da im-
portancia da penna d'agua fornecida em
cada mez, se far na primeira quizena do
mea seguinte, e na falta de pagamento pe-
der a companhia tnterromper o suppri-
mento d'agua.
A gerencia far cumprir restrictamente
este artigo, nao admittindo excepcao.
Escriptorio da companhia, 5 de Outu-
bro de 1888.
A. Pereira Simiks.
Imperial sociedade dos Ar-
tistas Mchameos eLi-
beraes
Assembla geral ordinaria
De ordem do lllm. Sr. director, convido a to-
dos os enhores socios effectivos que estjverem
no goso de seus direitos a se reunir m na sede
social sexta-feira 4 do corrente, afim de ter lu-
gar a assembla geral ordinaria, a qual se effec
tuar com o numero que comparecer.
Recife, 2 de Janeiro de 1889.
O 1 secretario,
Francisco da Costa Ramos.
Bol
sa
COTACOE8 OFFIC1AES DA JMTA DOE COB-
BECTOEE8
Recife. 3 ds Janeiro de 1889
Cambio sobre Lisboa, avista 98 0/0 de premio.
do banco, hontam e hoja.
O presidente,
Candido G. Alcoforado.
O secretario,
Edusrdo Dubeux.
Cambio
O Internacional continuu a saccar a 27 5/16,
dando os outros bancos somente a 27 1/4.
Papel particular foi passado a 27 7/16 e 27 3,8,
em pequea e ;ala
No Rio o Internacional saccou a 27 1/4 e os
demais bancos a 27 5,16.
O papel particular foi passado a 27 5/16.
TABELLAS AFFIXADA8
Brancos .
Someno .
Mascavado purgado
bruto.
Rtame
Colonia Isabel:
Branco i*
. 2* .
3* .
Someno .
Mascavado .
Usina Pint:
Branco 1*
-.
Someno .
Mascavado
24000 a 24400
14600 a 1*700
14300
14200 a 14:100
4900 a 14000
24400
24z00
24000
14800
14300
24400
24300
14340
?
3 i-
^
i
9
=- m. E 8
A exportaco. feita pela alfandega, neste mez
at o da 2, attingio a 1.184.323 kilos, sendo
797.120 para o exterior e387.2U3 nara o inte-
rior.
As entradas verificadas no mez de Dezembro
findo, at boje conhecidis sobem a 331-222 sac-
eos, sendo por:
Barcacas..... 1*3.226 Saceos
Vapores..... ......
Animaes..... 16.032
Via-ferrea de Caruar. 6.6C5
Via-frrea de S. Francisco. 114.943
Via-ferrea do Limoeiro 60-416 <
. *erao. '-retarla da Pre*ll'ii-
lro de IHHH.
De ordem do Exm Sr. desembargador presi-
dente da provincia faco publico, para os devids
effeitos o edital abaixo transcripto, vindo do ter-
mode Palmares.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Si/viro.
0 cidadao Jos Miguel de Lyra 2. suppicnte do
iuiz mun>cip_l (leste termo de Palman
Pernambuco em xercicio pleno, etc.
Faz saber aos que o prsenle edital virem 011
d'elle noticia tiverem que em virtude da portara
e oflicio de S. Exc. o T. desembargador presi-
dente da provincia, datado de 4 do corrente.
acha-se em concurso como praso de90das,
contados d'esta data, os cilicios de justica do 2
tabelliao do publico, judicial e notas, escrivo
do crime e execugoes civeis d'este, termo, por
haver pedido successor o respectivo serventuario
augusto Berenguer de Almeida Alcoforado que foi
consi Jerado inhbil, pela junta medica provincial
na inspecco de saudca que foi submeldo.
Assim, pois, os pretendentes a successo, de-
vero no referido praso de 30 das apresentar sua
petigao devidamcnle instruida de couformidade
com o Regulameuto a que se refere o Decreto n
9.420 de 28 de Abril de 1885. F. para que ch
ao conhecimento de todos, mandou o juiz pasear
o presente que ser afiixado na porta do edificio
que serve de cmara municipal, lugar do costu-
me, onde tem tugaras audiencias do iuizo e reu-
nies-publicas desta ddade e termo de Palmares,
freguezia de Nossa Scnhora da Couceicao dos
Montes.
Dado c passado u'cstactdadp de Palmares aos
28 das do mez de Dezembro de 188*
Eu Ursino Teixeira de Barros, oecrivfto o cs-
creviJos Miguel de Lyra.
Esl conforme ao original e dOu f. Palmares
28 d Dezembro de 1888. O Mcrrrto Ursino Tei-
xeira de Barros.
Eu abaixo aseignado oftieial de justiija e porteiro
interino dos auditorios d'este termo de Palma-
res, etc.
Certifico que boje affixei na porta da sala das
audiencias do juizo e autoridades lugar do cos-
tume de se afhxar editaes, o edital dado o pas-
sado n'esta cidad e assignado peJ cidadao Jos
Miguel de Lyra, 2.- suppleute do juiz municipal
em xercicio pleno n'este termo, pondo em con-
curso por success&o os oflicios de t." tabelliao.
escrivo do crime e execuepes civeis d'este ter-
mo ao que dou a miuha re e passo a presente
certido. Palmares 28 de Dezembro de 1888.
O ofhcial de justica, servindo de porteiro dos
auditorios. salviano Vieira FalcAo.
Est conforme com o original, dou f. Palma-
res era supra. O escrivo, Ursino Teixeira de
Barros.
Commando das armas
Por esta secretaria se faz saber a Joo de
Lima, ex cabo de esquadra do 14.* batalhao de
infantara, que leudo sido excluido com baixa
do servico o seu substituto o soldado -ntonio
Valenca de Souza, por se ter verificado ter elle
cumprido a pena de 7 anuos de prhao simples,
como foi publico em ordem do dia da repartigo
do ajudante-gencral 2,223, de 26 do mez (indo,
e conforme o termo de responsabilidade que
assignou nesta secretaria, por forca do art. 6
do regulameuto de 28 de Setembro de 1859 cha-
mado pelo presente edital ao servico do exer-
cito.
Secretaria do commando das armas em Per-
nambuco, 29 de Dezembro de 1888. Olegario
Herculano da Silreira Pinto, tenente secretario.
Obras publicas
Oe ordem do lllm. Sr.' engenbeiro di-
rector geral e em vista d autorisacilo de
S. Exc. o Sr. desembargador presid
da provineia de 12 do corrente, faco pu-
blico que n" dia 8 de Janeiro prximo
vindouro, ao meio dia, nesta directora, re-
cebe-se probostas un cartas fechadas, com-
petentemente selladas, para a execacto
dos reparos das pontea da ra do Rio. na
cidade de Goyanna, da rarzea de Urua-
h e do ultimo pontilhao de Pao Amarcllo,
na estrada do norte, oreados em..............
1:481,5660.
0 orgamento e mais condifoes do con-
tracto acham-se nesta secretaria para se-
rem examinados pelos Srs. pretendentes.
Para coneorrer praca cima deverao
os licitantes depositar no Thesouro Pro-
vincial a quantia equivalente a 5 ci. do
valor do orcamento.
Secretaria da Directora Geral das Obras
Publicas, cm 15 de Dezembro de 1888.
O engenheiro secretario,
Luiz Antonio Cavalcante de AUmquerque.
Ttiesouraria do Correio de Per-
iiaiiiiiiico, i de Janeiro de
1889
Cartas com valor
No prazo de :w dias sero devolvidas s suas
procedencias as cartas registradas abaixo men-
cionadas, cujos de tinatanos nao as tem recla-
mado :
D. Marcionilla Vieira de Mello Pereira.
D. Flora Goucalves Lima.
D. Francisca Thereza de Oliveira.
Dr. Joo Dias de Oliva Jnior.
D. Luiza Auacleta da Soledadc.
D. Amelia do Reg Barros.
Joo Evangelista Escorcl.
Polydoro Burlamaque Pereira Teixeira.
O thesoureiro,
Manoel Martins Pires.
Iniporfaeo
Vapor inglez Athens, entrado do Havre e Lis-
boa, em 29 de Dezembro de 1888, e consignado
a Auguste Labille, manifestou :
Carga do Havre
Amostras 4 volumes a diversos. Ardozias 1
caixa a Ramiro M. da Costa & C. Armas 2 caixas
ordem, 20 a Monhard & O., 4 a Antonio Duarte
Carneiro Via 11 na. Amoniaco 2 caixas a H. Fou-
queaux. Agua mineral 1 caixa a Leo Hess, 16 ao
consignatario.
Batatas 200 1|2 caixas ao mesmo, .50 a Paiva
Valente A C, 50 a Silva Marques A C, 25 e 50
gigos a Soares & Fernandes.
Cachimbos 1 caixa a Manoel V- Neves. Couros
8caixoes a Frederico A C, 2 ordem. Calca-
i i-^-0 dus c** a Thomua de ^arvallw A C.. t a n-
Somma.
351.222 Saceos
carregada por
os Estados-Uni-
3?
- 3.
e

M U U J!
; i u w -
r 9" s, 7?
A barca ingleza Carpasian*
Johnsion Pater A C, levou para
dos 6.535 saceos com assucar mascavado.
Pelo vapor inglez Bempton, fora remet-
tidos^or diversos para os Estados-Unidos, ...
16.240 saceos com assucar mascavado.
0 vapor inglez Athens, levou, de diver-
sos, 2.270 saceos com assucar branco ei.Oii
ditos com dito mascavado.
Pelo vapor nacional Manos, forain re-
mettidos 3.338 saceos com assucar branco e
1.362 ditos com dito mascavado para o Rio de
Janeiro; 250 barricas e 50 saceos com assurar
branco e 150 barricas com dito mascavado para
a Babia,
Coaros
Cota-se nominal os salgados seceos a 390 ris
e os verdes a 225.
Agurdente
Effectuaram-se vendas nos precos de 68*000
e 70*000 por pipa de 480 litros.
Pelo vapor Athens, foram remedidas 14 pi-
pas para o Bio de Janeiro e 25 para Santos.
O vapor u-cional Manos, levou 2.0 pi-
pas para o Rio de Janeiro.
Aleool
Foi cotado a 125*000 a pipa de 480 lilros.
Mel
Manlem-se a cotacao nominal de 50*000 por
pipa de 480 litros.
Cot-se o de 1" sorte do sertao a 6*050 por 15
kilos, nominal.
A exporlaeao, feita pela alfandega neste mez
at o da 2, subi 551.080 kilos, para o exterior.
As entradas verificadas no mez de Dezembro
lindo, at hoje coiihecidas, soberna 30.887 sac-
cas, sendo por
Barcacas..... 2.826 Saccas
Vapores ...... 3 622
Auimae8 ..... 9.598
Via-ferrea de Caruar. 1.251
Via-ferrea de S. Francisco. 921
Via-ferrea de Limoeiro 12.699
Somma.
40.887 Saccas
Pelo vapor allemao Corona, foram remeltidas
por Borstclmann A C 1.719 saccas para Ham-
burgo.
Assucar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
gundo a .Sqsociacao Commercial Agrcola, toram
os seguintes:
Pauta da alfandega
SIMAN i Uk 91 DB D-SBMBBO 5 DE JANEIRO
Vide o Diario de 30 de dezembro de 1888
Aavios a earga
Barca norueguense Hermod, para Xew-York.
Barca nacional Mariannmha, para Uruguayanna.
Barca norueguense Jofnhar, para New-York.
Barca norueguense Ariadne, para Estadas-Uni-
dos.
Barca norueguense Pnncetten, para Estados-Uni-
dos.
Brigue portuguez Calcida, para Lisboa e Porto.
Brigue nacional S. Manoel, para Rio Grande do
Sul.
Brigue portuguez Armando, para o Porto.
Lugar americano Walter Scamell, para N
York.
Lugar inglez Merrit, para New-York
Patacho ingU i Peggie, para Mentevldeo.
Patacho norueguense Victoria, para Montevideo.
Vapor inglez Bellnden, para Liverpool.
Kavlos descarga
Barca norueguense Mispa*?, carrito.
Barca norueguense Stuz, carvo.
Barca portugueza frica, carvao.
Barca mgleza Brttree
Lugar nacienal Tiyrt, xarque.
Lugar norueguense Vktornt, fenno.
Lugar americano H, <- i. Blendtmiman, faiinba
de trigo.
Vapor inglez Therralta,
Vapor m^lez Palmas, xarque.
tonio Duarte Carneiro Viadna, 4 a Albino ruz
4 C. 1 a Manoel de Barros Cavalcante, 1 aNetto
Camjios A C. Chapeos 1 caixo a Raphael Dias
A C, 1 a Maia A Irmao, 1 a Chriaiiam& C
Drogas3 volumes a A. M. Veras* C, 3aPa-
ria Soriulio^i C-, 1% a Rouquayrol Freres,22a
Francisco Manoel da Silva A C.
Espelhos e porcelanas 2 caixas a S. Silva A C
Ferragens 3 caixas a Oliveira Basto & <"., 3 a
Jos dos S. Oliveira, 1 a Jos Ferreira A C., 3
ordem.
instrumentos de nusica t caixa ordem.
Joias 1 caixa ja Neis A Couceiro, 1 a Joseph
Krause & C.
Lunetas 1 caixa a ordem. Lavas 1 caixa a
Salazar C.
Manteiga 155 barris e 245 racios ditos ordem,
60 e 60 a Fernandes Irmaos, 15 e 20 a Joaquim
Ferreira de Carvalho C, 30 c 60 a Joaquim
Duarte Simes a C, 20 e 30 a Fernandes da Cos-
ta C, 30 e 40 a Paiva Valente O, 80 e 80 a
Souza Basto Amonm C, 15 e 10 a J. Ferreira.
30 e40 a : omingos Cruz C, 12 caixas ordem,
6 a Paiva Valente C, 25 a Jos Joaquim Alves
* C. Mercadorias^diversas 9 volumes a Nunes
Fonseca C, 1 a Mendes C, 2 a Joo W. de
Medeiros, 2 a F. de Azevedo C, 5 a Engenio
Gongalves Casco, 7 a Francisco Lauria C, 2
a Manoel Joaquim Ribeiro C, S a Vianna as-
tro > C, 4a Manoel Colaco ,2a Salazar *
C, 1 a Francisco Petrocelli Irmao, 2 a Braga
S, 11 ordem, 5 a(>umaraes Cardozo C, 3
a Guimaraes Irmao, 1 a Miguel izabella .. 3 a
Angelo Raphael ,\ C, 2 a Duarte C. 1 a Fer-
reira arbosa C, la Ramiro M. da osta
C, 6 a i onrad Wachsmann, 1 a Oliveira Basto
> C 1 a R. de Uruzina (_ t... Mantilbas 1 caixa
a Nunes Fonseca C.
Objectos para escriptorio 1 caixa a Monhard
Huber C., 1 aos Herdeiros de Manoel Lardoso
Ayres.
Porcellanas e vidros 4 caixas a Manoel Joaquim
Pereira. Papel 4 caixas a Ramiro M. da Costa
& C Perfumaras 2 caixas a Manoel Colaco
*<:., la Manoel Joaquim Ribeiro. Pentes 1
caixa ordem.
Queijos 25 caixas a Joaquim Felippe^* Aguiar,
3 a Carv-Uio & C, i-" ordem, (0 a .-'ouza Basto
Amorim i ., 1 a Paiva Valente 4 C.
Tecidos diversos 4 volumes a D. P. Wild *
C, la Biiito C-, Ha Luiz Antonio Sequeira, 2
a Agostinho Santos ('...la Francisco Gurgel
v Irmao, i aos Herdeiros de A. C. de Vascon-
celos, 3 ordem.
Santa Casa
Casas para alugar
Ra do Amorim n. 64 armazem 300*000
dem da Mocda n. 49 idem 240*000
Ra das Calcadas n. 30, casa terrea 200*000
Ra Mrquez de Olinda n. 44 sabrado
de 2 an (I a re s e arma zeiu 2:131 *000
dem do Vigarto Tenorio n. 27, loja 240*000
dem idem n. 22, 3. andar < 80*000
dem idem n. 25, 3. andar 180*000
dem do Bispo Sardinha n. 9,1 andar 216*000
dem idem n. 3 1 .* andar, 2. e sotao 400*000
dem do Bom Jess n. 13, 3. andar 200*000
dem Domingos Jos Martins n. 18,
casa terrea 180*000
Becco das Boias n. 14, loja 1." e 2. an-
dares 480*000
Ra de Thom de Souza n. 14 loja 200*000
dem Mrquez do Herval (quadro da De-
tencao) n. 1 20*000
dem, idem, idem n. 2 120*000
dem, idem, idem n. 5 72*000
ra Carneiro C, 99 ordem, 5 a Narciso Maia
AC.
Xarque 53 fardos a Amorim I nnos C, 391
a Bailar Oliveira C, 320 a Joaquim da Silva
Carneiro, 645 a Maia Rezende, 100 a ordem,
616 a Pereira Carneiro C.
Barca ingleza Bellres, entrada de Terra-Nova,
em 29 de Dezembro Ondo e consignada a J. Pa-
ter & C, manifestou:
Bacalho 4,600 barricas e 2,543 meias ditas
ordem.
Hiate nacional Deus te Guie, entrado do Cear
na mesma data e consignado a B. Lourenco, ma-
nifestou :
Barricas vazias ll a Pinto Ferreira A C, 48 a
Guimaraes & Valente.
Sal tii,000 litros ordem.
Paquete francez Nerthe, entrado de Buenos-Ay-
res e escalas em 2 do corrente e consignado a
Auguste Labille, manifestou :
Xarque 1,000 fardos a Maia Rezende, 1,000
a Baltar, Oliveira 4 C.
Paquete nacional ManSos, entrado dos portps
do norte na mesma data e consignado a Pereira
Carneiro C., manifestou :
Gomma 15 paneiros a Costa Lima C.
Pipas vazias 22 aos consignatarios, 30 a Perei-
ra Pinto C. '
Hiate nacional Bom Jess, entrado de Maco
em 29 de Dezembro findo e consignado a Ma-
noel Joaquim Pessoa, manifestou:
Assucar 400 saceos.
Sal 12,800 litros ordem.
Vapor inglez Palmas, entrado de Bue-
nos-Ayres em 31 de Dezembro e consigna-
do a Blackburn Needham dt C, manifes-
tou :
Xarque 1,581 fardos a Maia & Rezen-
de, 1,000 a Baltar Oliveira di C, 853 a
Amorim Irmaos C 577 a Pereira Car-
neiro C.
Obras publicas gentes
FortMM'imcnto dan madeirai para o
la .do ila ponte Riittrquo de Ha-
edo.
De ordem do Lllm. Sr. engenheiro di-
rector das- obras publicas geraes de Per-
nambuco, de contormidade com a autori-
sueao de S. Exc. o Sr. desembargador
presidente da provincia de 20 de Novem-
bro prximo pas ua forma do art.
Io do Dec. n. 2,926 de U de Maio de
I86 e 18 do Dec. n. 2.U22 de 10 da mes-
ma data do regulamento do ministerio da
agricultura, eominereio e obras publicas,
faco sciente a quem interessar possa, que
no dia 5 de Janeiro do anno prximo vin-
douro, ao meio dia, nesta rparticilo, rece-
be-se. propostas para o fornecimento das
madeiras necessariaa construccSo da pon-
te Buarque de Macedo.
Art. Io As madeiras cnsistem em 700
costados de amarello vinbatico ou de oici-
tica tranjada, de cumprimento nao infe-
rior a 5,80 metros (sejam 20 palmos) de
espeasunr minima e aproveitavel de 0,2,
de bu-gura minima e. aproveitavel de 0,m40.
Art. 2o Os proponentes deverao apre
mentar as suas propostas em carta fechada
e competentemente selladas, at o dia e
hora cima mencionada, sendo que depois
nao serXo aceitas.
Art 3o As propostas serao feitas para
o fornecimento de toda a madeira que fr
necessaria, ou entilo de partidas de 100
costados pelo menos, designando a quali-
dade da madeira que se propSein fornecer
e o preco de cada costado.
Art. 4* Os contractantes se obrigarSo
a depositar a madeira no caes da serrara
desta cidade, que lhe for designado pela
directoria.
Art 5* As madeiras sero cortadas em
tempo apropriado e nao apresentarao bran-
co nem defeito algum.
Art. 6o Os contractantes se obrigarSo a
fazer o fornecimento no prazo que se con-
vencionar, sob pena de pagaren. 10 % de
multa sobre o valor do fornecimento, e de
20 [0 se effectivamente nao o fizer.
Art. 7o Na escolha das propostas apre-
sentadas a directoria attender nao somen-
te ao preyo como tambem a idoneidade do
proponente e i conveniencia do 8ervi$o.
Rparticilo das Obras Publicas Geraes
de Pernambuco, em 18 de Dezembro de
1888.
O escripturario,
Joaquim de Medeiros Raposo.
Banco de Crdito Real de
Pernambuco
No sorteio a que se procedeu neste Banco em
data de hontcm (26) para o resgatede 31! letras
hypothecarias dasqueexisiememcirculagao (!',
2* e 3' series) designou a sorte as dos nmeros
seguintes, as quacs sero pagas pelo Banco, a
contar do primeiro di otil do mes de Jineiro
prximo futuro, e, qnr sejam ou nao -presenta-
das, n_o vencer,1o mais juros depois
corrente.
Kstas letras- sraopags ao portador pelo sea
-valor nominal de 100/. cada urna, bem coa os
juros, e com os premios as abaixo mencionada.
Tambem sero pagos a contar do da i dla-
neiro prximo futuro, os jaros da* letras i-mil ti-
llas nos annos de 1886, 1887 e I* semestre
anuo.
Becife, 27 de Dezembro de 1888.
Joao
O gerente,
Fernaudes Lapes.
1* serie
Nmeros
37 52
500 542
747 753
1102 1112
1571 1576
2017 2141
2378 2383
2576 2725
2934 2999
3150 3151
3389 3556
3827 3834
4o92 4153
4432 4481
4683 47.4
5032 5036
5312 5333
5655 5661
578. 5793
6179 6254
6508 6510
7000 7007
7201 7237
7850 7883
8095 8124
8341 8353
63
650
821
1151
1687
2157
2392
2746
3023
3162
3591
3884
4172
44'JO
4813
5069
5372
5664
5815
6352
t.653
7022
7305
7980
M36
8370
163 240
670 673
836 860
1218 1136
1770 1805
2188 2-_4
2506 2btl
2777 780
3-98 3100
;206 3218
3625 3655
::938 96I
4216 4335
4554 4566
4836 4847
5131 5182
,'467 547*
5704 57/0
.918 5957
'1387 K413
15768 6921
7132 7168
7344 7447
8027 8034
8167 8172
158
662
828
1182
1700
2172
2423
2751
3062
3164
3,93
3908
4178
4310
4814
5071
549
5696
5916
6363
6734
7o82
7326
7984
8140
8384
2 serie
Nmeros
34S 398
694 7'4
9ii ion
1496 155
1938 19
2312 -339
2S23 2BK
.896 2909*
3115 3143
3259 333*
3659-1768
4065 4"89
4369 1381
4605 V6-.2
4927 4979
5196 5237
5525 5628
5727 5737
6036 6117
6419 6493
r,:m 6989
7181 7199
7991 7616
8036 8067
8257 8333
8556
9579
10061
11412
13017"
142*0
14956
15597
16346
16674
8951
9602
10254
11823
13192
14416
15046
15690
16426
16868
9018
9709
10713
11881
13462
14766
15063
15724
1648;;
16943
9208
9740
10925
12:168
13755
14820
15180
15743
16517
93*0
9807
10989
12720
14 82
14916
5.68
15779
16525
9419
rTMo
11694
12764
14125
14930
15411
16094
N
3a serie
umeros
16978 17194 17273
18573 18716 19163
19623 19763 20334
20557 0559 20645
21231 21686 21697
22589 23101 23188
17829 18276 18347
19272 19407 19419
2'370 20404 20434
20823 20871 21099
2024 22045 22S25
23212 23253
Destas foram premiadas as seguintes:
i serie.
IIJOOS
11398
II
14
14991
15578
1618
165*>
18543
21169
22563
No patacho hullandez
earam :
Margaretlia, carre -
Hiate brasileiro Joao Valle, entrado de
Maco em 2 de Janeiro e consignado a
Manoel Joaquim Pessoa, manifestou:
Algedo em rama 337 saceos a Gomes
de Mattos Irmaos.
Borracha 13 barricas aos meemos.
Cera de carnauba 52 saceos a Cimba
Irmaos & C, 31 a Comes- de Mattas Ir-
maos,
Couros salgados seceos 40 as meamos,
30 a Cunha Irmaos d C.
Sal 10,240 litros ordem.
Vinho 1 barril a H. Burle C, 4 a Pereira
Carneiro & C. Vidros 5 barricas e 1 caixa a R.
de Uruzina & C.
Carga de Lisboa
Altte 20 caixas a Fernandes & Irmaos. Alhos
50 canastros a Paiva Valente C.
Bagasi 4 caixas a Joaquim da Silva Salguei-
ral.
CeMas 50 caixas a Silva Guimaraes & C, 90
a J. E.. de Carvalho, 10 a Lopes MagalhSes & C,
50 a Ferreira Rodrigues C. onservas 6 cai-
xas a J. B. de Carvalho. Castanhas 1 caixa a
G. T. de Azevedo. Cal 5J barricas a Ferreira
Casco s- Filho.
Drogas 6 volumes a G. Martins 4 C.
Familia 1 barrica a Baltar, Oliveira 4 C. Fer-
ragens 1 caixa a fiis Santos, 1 a Miranda i
Souza, 25 a Almeida Machado *t C.
Imjiresfl >- i caixa a G. Laporte ft C.
Pregos 6 barricas a Beis Santos, 2 a Miranda
fit Souza.
Viho 4 harri a Alves de Brito ftC, 10 a
Pauli io de Oliveira Maia, 2 a B. Pereira Ramos.
ir nacional Arlindo, entrado dos portos do
sul, cm 31 de Dezembro findo e consignado a
Pereira Carneiro *C, manifestou :
Bar! a C85 a V. M. F. Marques Fi-
toe, 1,100 a Pinto Ferreira v C, 1,900 a Augus-
to da Silva 4 C.
Col a 12 barricas a Maia v Rezende. Ceblas
500 rtsteas a Joo Ferreira da Costa. Cafe 25
saccan a Domingos Cruz 4 C.
, Fio de algodSo 40 saceos a A. Lopes 4 C, 110
Macdado Pereira. Fumo 44 volumes a H.
Burle, 12 a ordem.
Panno de algodao 20 fardos a Goncalves Co-
nia o. C, 900 a Machado 4 Pereira, 70 a Perei-
Lugar americano H. & J. Blendenm,
entrado de Baltimore em 2 do ce frente, e
consignado a Machado Lopes & C,
nifestou:
Farinha de trigo 5,800 barricas
consignatarios.
ina-
aos
Exportado
RECIFE, 2 DE JAkHO DS
Para o exterior
1^9
No vapor inglez Palmas, carregaram :
Para Liverpool, M. J. da Bocha 260 saceos
com 19,500 kilos de assucar mascavado ; P. i.'ar-
neiro G. 1,500 saccas com 105,925 kilos de
algodao e 2,000 saceos com 125,400 ditos de ca-
rosos de algodao ; C. P. de LemosJO.000 saceos
com 450,000 kilos de caragos de algodo.
No vapor mglez Thesealy, carregou :
i ara Liverpool, J. H. Boxwell 1,607 saceos
com 120,525 kilos de assucar mascavado.
o vapor inglez Selembria, carregaram :
Para Londres, P. Carneiro & C. 2.63o saceos
com 205,423 kilos de assucar mascavado.
*_ barca americana Daesy carregaram :
Para Liverpool, J. Fernandes 769 saceos' com
57,675 kilos de assucar mascavado.
No vapor inglez Arch-tect, carregaram :
Para Estado & Flho 1,000
saceos com 75.000 !. r mascavado.
i vapor allemao Paranagu, carr garam :
Para llamburgo, Leo Hess 330 couros salga-
dos com 3,960 kilos ; V. Xeesen 676 fardos com
144,689 kilos de algodao ; Borstelman & C.
11,230 fardos com 400,466 kilos de algodSo ;
Tlieod: Jus com 5.066 kilos de caf :
Borstelman 4 C. 733 couros salgados com ,796
kilos.
Na baeca americana Mohi ega-
ram :
ira New-York, H. Porsler A C. 3.100 saceos
com 132,975 kilos de assucar maseavat'
Para Bio da Prata, P. Carneiro 4 C. 1,900 bar-
ricas com 186,''20 kilos de assucar Sranco.
Para o nter or
No potadlo allemao Bnlhante, carrega-
ram :
Para ruguayana, B. Oliveira 4 C. 2,000 sac-
eos com 150,000 kilos de assucar brando.
- No brigue portuguez S. Manoel, carregou :
Para Porto-Alegre, A. da Costa Moreira 2,000
cocos, fructa.
No vapor nacional Manos. carregaram :
Para Bio de Janeiro, Burle 4 400 sacco3
com 24,000 kilos de assucar mascavado ; J. Bor
ges 600 saceos com 36,00 kilos de assucar bran-
co ; Amorim Irmaos 4 C. 60 saceos com 36,000
kilos de assucar branco c 30 pipas com 14,400
litros de agurdente ; J. Fernandes 400 aaecos
com 24,000 kilos de milho e 20,000 cocos, frucla;
Beuto Vieira 4,500 cocos, fructa; SL J. Ramos
e Silva 20 pipas com 9,691 litros de agurdente;
P. Pinto 4 C. 75 pipas com 36,000 litros de
agurdente ; P. Carvalho 4 C. 80 caixas com
1,800 kilos de oleo de ricino ; J. Fernandes 3
pipas com 14,400 litros de ageardente.
'ara Babia, Amorim Irmaos 4 C. 200 volumes
com 22,350 kilos de assucar branco ; R. J. Tei-
xeira 100 barricas com 11,771 kilos de assucar
mascavado e 100 citas com 11 159 ditos de dito
brauco ; M. J. Hamos e Sur 5 caixotes com 240
kilos de doce ; A. Guimaraes 20 barricas com
2,360 kilos de assucar branco e 30 ditas com
3,565 ditos de dito mascavado ; A. P. dos San-
tos 7 caixas com medicamentos.
Na barca noruegueuse Mizpali, carrega-
ram :
i-ara Cear. H. Lundgrin 4C. 2.000 saceos
com farinha de mandioca.
No vapor nacional Arlindo, cavregaram :
Para Rio Grando do ul, T. de Azevedo Souza
250 sacco com 18.750 kilos de assucar branco o
50 ditos com 3,750 ditos de dito mascavado; E.
Barbosa 375 saceos com 28,125 kilos di- assucar
branco c 25 ditos com 1,875 ditos de dito mas-
eavado ; F. A. de azevedo 500 ditos cora 37.500
ditos de dito branco ; Maia 4 Rezende 35 pipas
e ICO barris com 26,400 litros de agurdente.
= No hiate nacional B. 'esas, carregaram :
Para Aracaty, H. Lundgrin 4 C. 80 > saceos
com farinha de mandioca ; F. Mascaren has 500
saceos com farinha de mandioca.
No cter Joguor.iry, carregou :
Para Macahyba, A. da Silva Carvalho 2 caixas
com 30 kilos de elixir cabeca de negro.
Dlnkelro
RECEBIDO
Pelo vapor fraucez Nerthe, do sul para :
English Rank 20.00 -ihhi
Martins Fiuza 4 C. 500000
Pelo vapor inglez Galicia, do sul, para .
English Bank 40.0004000
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional -Mandos, para :
Rio de Janeiro 8.263870
Babia 223*950
50 6 com
4754 com
2511 com
3961 com
5472 com
5661 com
5710 com
6982 com
1618 com
16560 com
Nmeros
100*000
2 serie
Nmeros
99
K
ic
10.099
999991
10,000
de
8*999
14*189
Morcado Municipal a> U. Ss*
O movimento des'e mercado no dia 2
Janeiro foi o seguinte:
Eutraram :
20 bois pesando 4,679 kilos sendo de Ob-
ra Castro C, 15 e 5 de particula-
res :
404 kilos de peixe a 20 ris
72 cargas de farinha a 200 ris
2 (utas de fructas diversas a 300
ris
6 taboleiros a 200 ris
9 suinos a 20 ris
10 matulos com legumes a 200 ris
Foram oceupados:
27 columnas a 600 ris
1 escriptorio a 300 ris
23 compartimentos de farinha a 50)
ris
27 ditos de comidas a 500 ria
86 ditos de legumes a 400 ris
18 ditos de sumos a 700 ris
10 ditos de fressuras a 600 ris
10 tainos a 2*
i dito a I*
A Oliveira Castro 4 C. :
Sitamos a 1*
U
1*899
2.M0
16*209
399
1.4509
13.599
34*499
13*699
6*009
20*000
1M69
54*0.0
197 89
171
369*389
Bendimento do dia 1 do cor-
rente
Foi arrecad/ido liquido at hoje
Precos de dia :
Carne verde de 240 a 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800 reis idem.
Suinos de 560 a 640 reis idem.
arinha de 400 a 560 reis a cuia.
Milho de 320 a 400 reis idem.
leijao de640a 1*00- iiein.
Hafndouro publico
Neste estabclecimento miara abatidas
consumo de hontem 82 rezes.
Sendo : 59 pertencentes e Olivoira Cas' t 4
C, e 23 pertencentes a diversos marchantes.
para 9
No mesmo estabelecimento foram .batidi
para o consumo de boje 63 rezes.
Sendo : 43 pertencentes a Oliveira Castro _
C, e 20 pertencentes a diversos marchantes.
.-rudimento* pblicos
MEZ DB J-N-IBt
Alfandega
Vapore a entrar
MEZ DE JAXEIRO
Europa....... Tagus............
Europa....... Ififr,............
Norte........ Paraense.........
>ul........... Trent............
Europa....... Ville de Santos-----
sul........... Pernambuco......
Norte.
i
4
5
9
6
7
Fin-nce .. v....... 10
Sul........... Meante........... 18
Sul........... Vede Marankao. 10
Norte......... Marankao......... 14
Sul........... Para............. 17
Europa....... Elbe.............. 18
Sul.......... La Plata ......... 20
Norte......... Alagos........... 24
Sul.
Manos ......... J7
Renda geral:
Do dia 2
dem de 3
Renda provincial
Do dia 2
dem de 3
54 169*342
33:949*205
9:483*727
9:486*281
88:118^347
18:970*0|8
Vapores a
MEZ DE JAXE1RO
Buenos-Ayres. Niger............. 4 as
Buenos-Ayres. Tagus............. 4 as
.-'outliampton. Trent............. 6 as
Sul.......... Vtlle de Santos..... 7 as
Norte
Havre
Norte
Sul...
e esc;
Pernambuco....... 8 as
Ville de Maranhao.. lias
Mvance.......... 11 as
Finante ......... ti as
12 h.
t b.
12 b.
11 h.
5h.
2 b.
5 b.
4 b.
Somma total 107;088*555
Segunda seccSa da Alfandega, 3 ne Janeiro de
1889.
0 thesoureiroFlorencio Domingues.
O chefe da secea Cicere B. de Mello.
Reeebedorla Geral
Do dia 2 178*270
dem de 3 03*922
Hovloiento do porto
Navio entrado no dia 3
Baltimore56 dias, lugar americano
H.
472 toneladas,
equipagem 9,
a Machado Lo-
782*192
Reeebedorla provincial
Do dia 2 3:689*228
dem de 3 8:006*553
11:686*781
Recife Drainagc
Do dia 2 197*596
dem de 3 89*466
287*062
& J. Blenderman de
capitao J. R C_file_*r,
carga farinha de trigo ;
pes & G.
Sonidos uo mesmo dia
Bio de Janeiro e escala Vapor braileiro '
< Manos coiamand-uite GuiDierrae
Waddington, carga varios gneros.
MaranhaoBarca portuguesa t frica ,
capitao Manoel de Amorim Cardia, car-
ga varios gneros.
BarbadosBarca norueguense
capitao C. Larsen, em lastro.
Porto AlegreBrigue brasileiro S. Ma-
noel capitao Jos Pires Vieira J-
nior, carga assucar.
LondresVapor inglez Silembra ,
commandante S. Flower, carga /nme
gelada.

__. 4
i
-

/


i
i
I
i
Diario de Perriambuco---Sexta-feira 4 de Janeiro de
DBBBY CLUB BB PBRNMBUCB
_. s
t< A
fin I
\k 91
QUE SE REALISAR NO
6 de Janeiro de
>ome*
ldd<<-
PelloM
\uturnli de ,
I* 'SO*.
Cor da vcHtimenia
Proprlei^rloM
Io PareoConMlacsM 800 metrosAnimaes da provincia que ainda nao lonham ganJio nesta distancia. Premios : 2004 ao
o 3* livra a entrada.
i
2
3
4
5
6
7
8
9
lo
11
Fainfar.....
Moreno.....
Guribaldi.- -
Mural......
Guerreiro..
Breas.....
Borburema..
Lindness- ..
Gigante.....
Othelo......
Ecla........
1111)0.-.
Baio claro..
Andrino.....
Russo.......
Sodado........
Alazo......
Rodado .......
Baio.........
Castanho......
Russo pedrez..
Pedrez........
ms ao e
Peraambuco
56 kilos.
55
55
53
53

50
53
53
Grenat e azul............
Great e ouro.............
Encarnado e branco.......
Amarello e azul...........
Grenat....................
Ouro e prata..............
Encarnado e branco........
Azul e branco.............
Preto branco e encarnado.
Branco e encarnado........
Ouro e violeta.............
Gabriel Cardoxo
R. P.
C.
Coudelaria Demcrata.
A. M.
Coudelaria Dcsgraca.
F. A. B. C.
Coudelaria Vencedora.
LA.
A. J. Moraes.
J.
2* Pareo-lPm*n Pernambacaa*-1,000 metrosAnimaes de menos demeio sangue.
3* livra a entrada
Premios : 300* ao 1-, 754 ao 2o. e o
lIRecife.......
2 Favorita.....
31 Mirndola ..
annos.
Castanho......IRio de Janeiro... 153 kilos.(Verde e amarello...........|S. P.
Zaino. .......|S. Paulo.........|S4 Violeta e ouro.......... |L. A.
Alazao......I |53 IPreto, branco e encarnado. Coudelaria Luso Brasileira.
3 Pareo -Provincia de Pernamfcuc -1,200
metrosAnimaes da provincia.
livra a entrada
Premios ; 250*, ao I, 60J ao 2 e o 3*
1 Good-mormng..
Cndor........
Incitatus......
Pimpao.......
Foguete.......
5 annos
5
4
4
6
Rodado .
Baio-----
Alazao...
Castanho
Peraambuco.
51 kilos.
54
51
M
54 >
Encarnado e branco.......
Grenat e azul. .,........
Ouro e branco.............
Azul listrado..............
Encarnado e azul..........
Coudelaria Integridade.
Coudelaria Integridade.
Coudelaria 1 de Junlio.
F. Siqueira Coudelaria Pyrotechnica.
1
2
3
4
5
6
7
*
9
10
4* PareoInternacin!-l.POO metros
Castanho......
Mastn ...
Condessa
Ruy-Blas .
Africana..
5 anuos.
3
4 *
Alazao.
Zaino .
4. PareoProsperidad* 850 metros Animaes da provincia.
Peraambuco..
Animaes de qualquer paiz. Premios : 500* ao !, 125* ao 2, e o 3 livra a entrada
60 kilos. Encarnado e branco........I Coudelaria Pernambii'-ana.
46 Grenat e ouro.............I Coudelaria Brazileira.
54 Rosa e preto...............JArthur Silva.
55 Branco e preto............iCoudelaria Riachuelo.
Premios : 200* ao l; 50* ao 2o e o 3o livra a entrada.
Franca........
Rio de Janeiro
S. Paulo......
Rio da Prata...
Lezeira.....
Almirante...
Pirraca.....
Rei de Ouro
Caim........_
Monitor.....
Lucifer......
Uro.........
Aquidaban ..
Florele .....
4 annos
5 >
4 >
4
4
4 *
4 >
4 *
5
4
Russo.. .
Alazio. .
Castanho

Russo. ..
Rodado..
Russo. ..
Cardao ..
Castanho
54 kilos.
55 >
53
83
53
53 >
53
53 >
55 *
53
Branco e azul............
Grenat e azul.............
Grenat....................
Violeta, grenat e ouro......
Ouro e azul......'.......
Encarnado e branco.....
Preto encarnado e branco
Azul listrado.............
A manijo................
Encamado e branco.......
L. G.
Coudelaria
F L.
Coudelaria
A F. C,
Antonio P.
A. N.
I. B.
S Fradique.
J. Tasso J
integridade.
Olindense.
S.
unior,
43. Pareolaaodroato do Campo fcraade 1.000 metros Animaes at mcio sangue que ainda nao tenham ganho nesta
e o terceiro livra a entrada.
Favorita......
Maestro.......
Minerva......
Corcovado ....
Incgnito ex-
Chapec....
5 annos
4
3
3
distancia. Premios : 350* ao Io, 80* ao 2"
S. Paulo.....
Zaino.........
Tordilho.....
Douradilho....
Castanho ...
Vermelho.....
Rio de Janeiro...
Paran.........
54 kilos
53 .
49
50 .
55 >
Violeta e ouro...........
Encarnado e branco......
Azul, branco e encarnado
Encarnado e preto.......
Azul e branco.
L. A.
C. I. M.
Coudelaria Cruzeiro.
Coudelaria Paysand.
J. Waldenckock.
7*. Pareo-Prado da Batnela 1.130 metrosAnimaes da provincia. Premios 300* ao l", 75* ao 2o e 3o livra a entrada.
liAtbeu ..
Monitor
Serid.
Pegaso..
4 annos
4
5
4 >
Castanho......iPernambuco.
Russo.....
Castanho ..
Rodado......
51 kilos
51 >
54 >
51
Ouro e azul........
Encamado e branco.
Azul e branco.......
Grenat e rosa......
A. F. Cabral.
A- P S.
Coudelaria Piranga.
Coudelaria Bemftca.
g-
ParooConoolaeao (2* turma)850 metros Animaes da provincia que nao tentam ganho nesta distancia. Premios : 200*
ao Io, 50* ao 2* e o 3* livra a entrada.
1 Bilontra ...
2 Palito.......
3 Etna .....
4 Raio ......
5 Carangueijo .
6 Neto.....
7 Cainpineiro.
8 Ormonde....
Bornave. ...
Caboclo.....
Jpiter......
9
10
11
annos
Baio.....
Castanho.
Baio...... ...
Rodado.......
Castanho claro
Alazio .......
Castanho......
Rodado........
Alazio.......
Peraambuco.
45 kilos.
53
53 .
53
53 >
50 .
50 .
53 >
53 >
50 .
55
Rosa e preto -..........
Violeta, grenat e ouro.....
Encornado e bonet azul...
Grenat e ouro............
Verde e branco...........
Encarnado, branco e preto.
Encarnado e branco......
Azul e branco............
Encarnado e branco......
Branco e azul...........
Verde e rosa............
R G. L.
Coudelaria Qlindense.
I. Oliveira.
P. P. C.
A. O.
Henrique G* L. Guimaraes.
W. BT. C.
Francisco Manoe' Monteiro
S. N.
Coudelaria Capibaribe.
Coudelaria Independente.
OBSERVARES
Os animaes inscriptos para o Io pareo devem achar-se no ensilhamento s 9 Ij2 horas da manbl*
Os animaes inscriptos para os ontros pareos, deverSo estar urna hora antes da determinada para o pareo em
que tiver de correr.
Os forfaita serfto reeebidos at sabbado, 5 do corrente, s 3 horas da tarde, hora do encerramento do ex-
pediente para esta corrida.
A venda de poules encerrar-se-ha 20 minutos antes da corrida
HORARIO
11 horas 30 minutos
12 e 20 >
1 e 10
2 e
5.' pareo...... 2 e 60
3 e 40
7. pareo...... 4 e 30 >
8." pareo...... 5 e 20
* Henrique Se
GERENTE.
da filia^&o, idade,
4o anterior do requerente
o punho deste, sendo
a lettra e firma reconhecidas por official
publico.
O contracto s poder ser assignado por
procurador, se fr provada a impossibili-
dade do comparcimento pessoal do con-
tactante.
Secretaria da Instrucc&o Publica 24 de
Dezembro de 1888.
O Secretario
entino Sur.iva de A. GalvSo
la mspe.'diria de-la aifudega se faz publi-
co que, nlo tejido sido acceitas asjjpropostas que
foram apresentdas pai fornecimentos de gene-
ros precisos a guarda moria, durante o exercicio
de 1889, em virtude dos exccssos presos nellas
mencionados, pelo presente novamente posto
em concurrencia esse fornecimento devenuo os
firetendentes apresentar suas propostas em cartas
echadas, at o dia 8 de Janeiro vindouro.
3* seceo da Alfandega de Peraambuco. 31 de
szembro de 1888
O chele,
Domingos Joaquim da Fonstca.
meo zniBicidiair
DO
'COSTIU FQ50
Tle Lirapl & London & Glose
IXTSURANCS 2DMPAIJY
(laettirn,
Ra i -nur:.
!te*
Ci
Capital
JzDifc>jcA>oXJL_
0.000:0004
IXBMNISADORA
0tapawhia t Sfttpm
MARTIMOS E TvRR stres
MslabeLetic.s m i SSS
CAPITAL 1,000:000a
SINI-TROS PAGOS
At SI de (sezrnthrn de 14
M ritimos..... 1,110:0009000
Terrestres..... 516:000J000
*4Rus doCon^uarcio44
va|M>r
o Havre, Lisboa,'
Rio de Janeiro e
dem re alisad o 1 ?.000:000#
A caixa filial deste Banco funciona
>ua do Commercio n. 40, sacca, vista ou
aP*zo, contra os sguintes corresponden-
tes no esti-togfijro,
rr^rr^, ( ** Internacional
LONDOxJ doBr*.,].
i London office.
( Loudon A C ouuty
( Banking -mtpany L."
PARS......(Banqne de Parta des
(
Pays-Bas
Deutsche Bank.
Bank d'Anvers.
Banca Genrale e suas
agencias.
Banco Hypotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
Hamburgo..}
Berlim.......
Bremen.....
Frankfurt
sur Main.. J
Antuerpia..
Roma........
Genova......
aples.....
Milito e mais
340 cida-
desde Ita-
lia...........
Madrid......\
Barcelona..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona .
Valencia e
outras ci-
da des d a
Hes pa nha
e ilhas Ca-
narias......
Lisboa...
Porto e mais
cidades de
Portugal e
ilhas.......
Buenos Ay-
res.........,
Mon tevido
Nova York. G. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta corrente de
movimento com juros na razSo de 2 /0 ao
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente,
HUtiam M. Westber.
.Boyal Insurance Company de
Liverpool
CAPUAL .000:000
AOENTB8
R. DE DBUS1NA & C.
13Bu Marqueg de Oliudt 13
"SEGUROS-
Coi
Pr-
ipanh irn
n.i. ^ ibucana
RUADO ooMMERClO N. K, ANDAB
Coiwird
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e merendaras
7'aixas baixas
Prompto pagamento, de prajuixos
CAPITAL
R*. l(f,0OO0000tt#
N. 5RA DO COMMEKCIO-N. 5
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London & River
Plata, Limited.
Secretarla da Instraecao Publi-
ca 9 i de Dezembro de 1988
Edital n. 44
PRAZO 60 DAS
Contractos de cadeiras.
De ordem do Sr. Dr. Inspector Geral
de Inatrucsao publica, e em cumprimento
e detenninacSo de S. Exc. o Sr. Desem-
bargador Presidente da Provincia de 21
do corrente, se faz publico, que fica mar-
cado o praso de 60 dias aquem interessar
possa para contractar as cadeiras mixtas,
Marayal e Gammelleira de Buique e a do
soxo feminino de'Agua Preta, devendo os
pretendentes apresentarem suas petifSefl
instruidas na forma das instruccBes de 2-t
de Maio do amu> pasaado como abaixo se
declara.
I. Os titulados pe* Escola Normal Offi-
cial e pela da Socidade Propagadora da
InstniccJo Publica.
H. Os que, mediante exame de capaci-
gentes, tiverem obtido diploma de habi-
litado.
LI. Os que provarem haver exercido
o magisterio publico com reconhecida ha-
bitacSo.
IV. Os que provarem exercer ou ttr
exercido o magisterio particular as mes-
mas coudiyoes.
V. Os que, nao se achndo as condi-
53es mencionadas nos ns. I. a IV, tiverem,
todava, notoria aptido para o magisterio.
Art. 4". Os individuos mencionados no
art. antecedente torio preferencia, na or-
dem em que se acham enumerados para
as cadeiras que requererem, por modo que
somente se admittirao os da segunda classe
quando nao houver pretendentes da pri-
meira e assim por diante.
g Io Em igualdade de cond9oes quanto
ao titulo ou diploma, preferir o candidato
que j tiver exercido o magisterio.
2o. Em igualdade de cond^es quan-
to ao exercieio do magisterio, preferir o
que tiver antes hervido por outro meio
que nao seja o contracto ou por interinidade.
| 3 Em igualdade de condicSes quanto
ao meio anterior de provimento, prefirir
o candidato, que tiver mais tempo de
servijo.
Art. 5o. Quanto aos que foram contrac-
tados em virtude da lei de 8 de Jnnho de
i e do regulamento de 7 de Abril de
dade eito nos termos das dispoc/Jcs vi- 1879, fica-lhes mantida a preferencia es-
tatuida pela lei n. 1766, art. 9, segunda
parte.
Art. 6 Os que pretenderen! o provi-
mento por contracto, deverSo, dentro do
praso de que trata o art. 2, requer
ao inspector geral da instruccSo publica,
exhibindo certdlo de idade, folha corrida
e attestados de moralidade.
Sao dispensados de apresentar folha
corrida os que exhibirem attestados de
procedimiento civil e moral, passados pelas
Cmaras Municipaes, autoridades judicia-
rias e policiaes das localidades em que
houverem residido nos dous ltimos annos ;
os que, se achando no exercicio de em-
prego publico, exhibirem attestados dos
respectivos che fes ; e as educandas do col-
legio de orphSs e casa de expostos.
| Io Os que requererem as condicoes
do art. 3o n. III, se tiverem exercido o
magisterio a titulo interino, dever&o pro-
var haverem assim, ensinado por mais de
tres annos com proveito para os alumnos.'
O meto desta" prova consiste na exhi-
biSo do titulo de nomeajSo confirmada
ou feita pelo inspetor geral ; de certido
de exercicio, extrahida dos assentamentos
da secretaria da instruccSo publica e de
attestado do delegado litterario quanto ao
aproveitamento-dos alumnos.
| 2o. Quando os pretendentes forem ou
tiverem sido professores de ensino parti-
cular (art. 3o n. IV) deverSo fazer prova
por meio de certidao extrahida dos assen-
tamentos e' mappas constantes da secreta-
ria da instrucjSo publica, de terem ensi-
nado as materias de instruccSo primaria
cinco annos, e attestado do
erario e dos pas dos alumnos,
quanto ao aproveitamento do ensino.
Art. 7o. A peti8o para o contracto
Pede-se aos Senho-
res consummidores
que queiram fazer
qualquer communica-
$o ou reclamago, se-
ja esta feita no escrip-
torio desta empreza
ra do Imperador n.
29, onde tambem se re-
ceber qualquer conta
que queiram pagar.
Os nicos cobrado-
res externos sao os Se-
nhores Hermillo Fran-
cisco Rodrigues Frei-
r e Manoel Antonio
da Silva Oliveira, e
quando for preciso o
Sr. Antonio Martins
Carvalho.
Todos os recibos
desta empreza de vero
ser passado em tales
carimbados e firmados
pelo gerente, sem o que
nao terao valor algum.
George Windsor,
Gerente
loropanhia de Segaros
AOKNTB
Miguel Jos Alves
IV. I-ROI do Bom Jeioi->l. V
SEQUBOS MARTIMOS E TEBBESTRE8
Vestes ltimos segaros auica companhia nreU
prayn que ocacedo aos Srs. segnrads iavmpv
paganaenW de premio en cad* stimo mono, o qui
equivale ao descont aonual de cerca de 15 por
ecnto m favor dos segwrados.
Companljia ^ Seguran
cmrrRA yaua
HORTHERN
tle Loudres e Aherdeea
Posigo fifldoceira (Dezembro de 1885)
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aecnmulados 3.134,348
Recelta itnnnal:
" premios cotitru fogo 577,330
De premios sobre vidas 191,000
De paros 32,000
O AGENTE,
John H. BoxweU.
London k Brasilia Bank
Limited
Ra do Comtnerow n. 32
Sacca por todos os vapores sobre es ci
zas ao mesmo oanco eul rortugal, a.<...
aa Lisboa, iui> dos Oapellistas n. 75. N
Porto, rus dos Inglesas-
CHARGEURS REUNS
< ompHHhU Franeesa
DE
NavegaeSo
Linha quinzenal entre
Pernambuco, Bahia,
Santos.
O VAPOR
Ville de Santos
Commandante Tauquery
E' esperado da Europa at o dia 7
do corrente. seguindo depois da in-
Qi9pensavel damora para a
Bahia, Rio de Janeiro e Santos
Rogase aos Srs. importadores d<- carga pelos
vapores desta linha, queiram apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das al va rengas
qualquer reclamagao concernente a voluntes nue
porventura tenham seguido para os portas do
sul aflm de se poderem dar a tempo as provi-
dencias necessaria8.
Expirado o referido pjazo a companhia nao se
respansabilsa por evtravior.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
9 RMA DO COMMERCIO-9
United States and Brazil
M.S.S.C.J.
O vapor Finance
E' esperado dos portos do
norte at o dia O de Ja-
neiro o qual depois da de-
mora necessana seguir
para a
BahJa; Rio e Santos
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com os AGENTES.
Ovapor Advanee
E' esperado dos portos do
sul at o dia lu. de Janei-
ro o qual depois da demo-
ra necessana seguir
. para o
Para, Ba^. xhomaz e
Para carga, passagens, encomt
nheiro a rete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commercio8
1* andar
MARTIMOS
Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Maranho
Commandante o eapitSo de fragata Pedro
Hyppolyto Duarte
E' esperado dos portos do norte at
0 dia 14 de Janeiro e depois da de-
mora indispensavel seguir para os
portos do sul.
Recebe tambem carga para Santos, Santa Ca
tharina, Pelotas, Porto Alegre e Rio Grande do
Sul, frete mdico
As encommendas s serSo receidas na agen-
cia al 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco de
Almeida
E' esperado dos portos do sul at o
dia / de Janeiro e seguindo depois
da demora indispensavel para os
portos do norte at Mandos.
As encommendas sao recebidas na agencia
at 1 hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e valo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rua do Commercio=6
lo andar
COnTPAXHIA PEBNADLCANA
DE
Xavegaeo costeira por vapor
Para Fernando de \oronha
E ROCCAS
O vapor Jaguaribe
Commandante Monteirc
segu no dia 8 de Janeiro s 12 ho-
ras da manh. Recebe carga ateo
dia 8.
Passagens at s 10 horas do di da sabida.
ESCRIPTORIO '
Ao Baes da Companhia Pernambucama
n. 12
C'O
ICA.V*
vapor
(Mili PHHVll
DE
Vavegaco costeira por
PORTOS DO NORTE
Parahyba, Natal, Maco, Mostoso, Araca-
ty e Cear
O vapor Pirapama
Commandante Carvalho
Segu no dia 12 do corrente s 5
horas da tarde. Recebe carga al o
dia 11.
Encommenua, p^^,.,,; (. dinheiros afrete,
at as 3 horas da tarde do da aa uaruo*.
ESCRIPTORIO
Ao Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Royal Mail Steam Packet
Companhia
O paquete Tagus
Commandante P. Rowsell
Espera-se da Europa at o dia
Janeiro, segu.ndo depois
4 de
da demora
do costnmepra
ncelo, Baha, Rio de Janeiro.
autos, Montevideo e Buenos-
Ayres.
O paquete Trent
Commandante W. Chopmam
E' esperado do sul no dia 6 de Ja-
neiro e seguindo depois da demora
necessana para
Lisboa, viso. Southampton e
Antuerpia
Reducco de passagens
Ida lia e taita
Ai Lisboa i* classe 20 30
A' Southampton classe t 28 42
Camarotes r> para os passageiros de
Peraambuco.
Parapa- retes, encommendas, trata-se
dom V
AGENTES
Amorim Irmos & C
N. 3Ra do Bom JessN. 3
Companhie de Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Niger
Commandaate Fiaschi
E" esperado da Europa no
dia 4 de Janeiro e seguir
depois da demora neces-
sana para
Bahia, Rio de Janeiro, Bumos-Ayre
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em qualquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercade-
ras que s se attender a reclamac6es por fal-
tas, nos voluntes, que forem reconhecidas na
occasio da descarga, assim como deverto den-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
alvarengas, fazerem qualquer reclamacSo c
cementes a volumes que porventura tenham se-
guido para os portos do sul, afim de poder-se
dar a tempo as providencias necessanas.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
Commercio 9
Porto
isboa
Segu para os portos cima a barca
za Novo Silencio, recebe carga; a tratar com _.
lar. Oliveira & C. Ra do Vigario n. 1, 1 andar.
Para o Porto
Brigue portuguez Armando
J tendo engajado quasi todo seu carregamento
para sahir brevemente, ainda recebe alguma car-
Sa a frete; a tratar com Amorim Irnios & C.
LEILOES
Grande leilo
De mobilia de faia e vime, espelbos oraos,
piano forte do fabricante Tranchant,
quadros, atomana estufada e forrada
seda, cortinados e reposteiros de damas-
co de seda, movis de sal de putar e
quartos, porcellanas, crystaes, loucas,
vidros, trem de cozinha e diversa
plantas.
Sexta-feira 4 de Janeiro de
1889
AS 10 E MEIA HORAS
No segundo andar e sotao do sobrado
ra da Imperatriz n. 11
O agente GusmSo, autorisado pelo nbn. e
Exm. ir. Dr. Thomaz Garcez Parar
gro, que foi Bahia com sua Exoia. familia,
fer leilo de todos os objectos existentes em
de sua residencia.
'^

-
1
)


5
*3
r
l


6
irio de PernambucoSexta^feira 4 de Janeiro de 1889

Ultimo leilo
do r> 4a ra do Areal, ervindo dbase
a oft'erta 8btida, e do sobrado da ra Coronel
Suassuna n it,em que tem os herdeiros de Joe
HwittPira'ira da Cannsaeis sextas parles
ttor nga do Ilim. Sr. Dr. ai
lub- i-itos da f.iZ'-nd.i.
Sexta-felra d corrate
A* 11 horas
Agente Pinto
Ra Mrquez de Ofinda n. 52
Leilo
De cincoeiita duzias de chales avariados
Sexta-feira, 4 de Jaaclro
A's 11 horas
0 aeente Pinto, levar a leilo por contac
risco de quera pertenc- r a caixa marca T. P.. n.
1485, coHtendo 50 duzias de chales de algodao
Vserregarla de bordo do rapar allem.lo Campa
%ez com av i a d'agua do uiar.'
O ImIo tera lugar no arfnazem da roa do
Mrquez de Olinda u. 32.
Leilo
de urna burra prova de fogo, A carteira, i repar-
timento de escnptorio, 1 burra de ferro, 1 secre-
taria grande i relogio, 1 balanca.
Um balco, 1 artnucao, 1 liteiro envidracado,
2 ditas para parede e outros movis de egcrip-
torio.
Sexta-felra 4d corrate
A's 11 horas
Agente Pinto
Ba Mrquez de Olinda n. 52
Leilo
1 piano, ea.-Hicaes e maagas. jar-
can dieiros a gaz, redomas e ta-
de 2 mobilas.
ros, quadros,
petes.
Mesa elasiica, guarda-louca, apparadores, ca-
deira>, guarda-couda, louca e vidros.
Camas franeezas, mrrquezoes, guarda-vestido,
(jnarda-roupa, commodas, lavatorios, berco e
muitos outros movis de t-a-ade. familia.
ftexta-felra -l do conrate
A's 11 hora*
Leilo
l)e 1 importante cavallo denominado Petropo-
iuito bom de sella,
a dito ideni denotnraado Faisca, muito cor-
l.'m dito idem denominado Timb, muito cor-
redor.
Terea-feira, 8 do correte
A's 11 horas
No armazem ra Mrquez de Olinda
n.. 48
Por intervenco do agente
Gusmo
AVISOSDIVERSOS
- ALUGA-SE a casn da ra Mrquez do Her-
val n. tSO: a tratar com o thesoureiro da Rece-
bedoria Provincial.
Aluga se casas a 84000 no beccb dos Coe-
lho8, jimio de S. Goncallo ; a tratar na ra da
luperatriz n. 56.
Aluga-se a casa com sotio. a ra do Capi-
tn Lima d. 18, com excelleotes commodos para
familia, est toda limpa e caiada; a tratar na
ra Mrquez de Ulinda n. 8, litliocrapbJa.
- luga se o sobrado da traressa do Livra"
ment n. 10 e a casa do largo do Paraizo n. 3,>
ra do Bruai n. 62, 2.' andar.
Precisa-se de um criado de 12 a 14 airaos
para casa de familia: tratar ra do Barao da
Vii torta n. 39, loja.
Precisase de urna senhora de mediana
idade e boa presenca, para interessal-a em um
negocio lucrativo; pode deixar carta no cscrip-
tono do Diario, cora as lettras A. P.
Precisa se de umo criada ; A tratar na ra
Malinas de Albuquerque (antigamente ra das
Flores), n. 21.
-VMA precisa se
da Aurora n. 119.
de urna para cozinhar, r"-
Francisca de Almeida Mendos, alumna-mes-
tra da Escola Normal, offieroce se aos directores
de collegio e aos pais de famil'* i'ar,a leccionar
priraeiras letras, poden1- iara esse fim ser pro-
curado em ca- -*- sfla residencia, ra de Santa
Cecilia:" ,r
Asento &ilt0
Run *"HfMz de Olinda n.
52
Leilo
De urna caixa marca AD&C e R em baixo n.
2861 com 45 pecas de cassineta de algodao des-
embarcadas do vapor allemo Ompinas vindo
de Hamburgo no dia 4 de Dezembro, avadadas
d'agua salgada as quaes serao vendidas por aon-
ta e risco de quem pertem er,
exta-felra 4 de Janeiro
A's 11 horas
Ra do Imperrdor n. 39
-*_
""" Vende se um estabelecimento de moiSados
com proporcoes para grande negocio, na praca
Ama
Precisarse de urna boa cosinheira
Priraeiro de Marco n. M.
na ra
Ama
Agente
Leilo
De movis, loucas, vidros -pianos, epassaros
Sexta-feim4 do crvente
A's 11 horas em ponto
Ko arinazem ra do impera-
dor a. 4
0 agente Pestaa, tendo de entregar a chave
do mesmo armazem, vender no dia e hora
cima mencionados, por conta e risco de quem
perteneer os movis seguintes:
Una mobi lia de pao carga, 1 dfta de oiticica,
I piano de cauda, 1 dito de armario, 1 dito de
DJwa, 1 guarda-lou- a, l guarda vestido, meza*
elsticas, cadeiras de junco, camas franeezas,
jarros, lanterna, quadros, carteiras, camas de
ferro, mezas redondas, commodas, mezas els-
ticas, passaros. e muitos objectos que se acharo
patentes ao acto do leHo c ser vend-ids sem
reserva de prego
Leilo
das dua casas da ra do Conde da JKW- Vista,
outr'ora Caminho Novo ns. 68 c 70, educida em
chaos proprios.
%e\i*.toii- ao corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
Ra Mrquez de Olinda n. 52
i continuaeo
L'm terreno em Ba-Viagero, 1 bomba c 400
tijolinhos.
Precisa-se de urna ama para casa de pequea
familia ; narua de Peysanou n 19.
Ama
l'recisa-se de urna ama para cosinlmr e en-
gommar ; na ra da Imperairiz n. 44, primeiro
andar.
Ama

Precisa-se de urna ama para cosmar tova-
prar; na roa Sova n. 20, foja.
Professor
O profesor J. R Peln contina- a leceinnar
em sua casa, en\casas de familia e enrcotlemos.
rancez Latim, Aritlimetica, Algebra Geemetria
e Trigonometra ; ra Velha n. 46, 1- andar. .
Cosinheira
Precisa-se de urna cosiaheira para familia de
duas pessoas : na ra do Vigario n. 25, eegundp
andar, poder dormir onde quizer.
Bons anuos
As aeces entre amigos, rujo premio c o ca-
vallo mellado de crinas pretas, deixa de corre:
com esta primeira loteria do Grao ara por mo-
tivos justos, e correr impreterivelmente com a
ultima deste me-. Recite, 3 de Janeiro de 1889.
0 amigo dono das mesmas aeces.
t
AO TORRADOR
Lima Coutinho & C.
43RA DUQUE DE CAXIAS43
Delronte da Praelnha da In-
dependencia
Esto novo estabelecimento intitulado-
AO TORRADOR vend sem competen-
cia, como as Exmas. familias
analysar pelo seus pre908.
Lanzinhas de quadros a 60 rs. o covado.
Ditati de ditos a 200, 240 e 280 rs.
Merino de quadros, bonitos padrSes a
300 rs.
Di ton lisos enfestados a 480 rs.
Baptista e nanzuch finos a 140 e 240 rs.
Mariposa branca e de cores a 240 rs.
Chifcis finas cores fixas a 200 a 240 re.
Ditan brlaidino a 240 rs.
Oambraia branea bordada a 44600 e
45800 a peca.
Dita Victoria, fina, a 2J800 e 30500 a
pe?*.
Suda da Japao, lindiasimoe padrSes a
200 rs. o covado.
Dita da Persia, lindos padrees, a 180
rs. o covado.
Sargelins de todos ae cores a 160, 200
e 240 rs.
Setinetas lisas, largas, a 360 e 400 rs.
Merinos pretos finoB a 800, 1)5000, &2Q0
e 10500.
Colchas para cama a 10800, 20000
30000.
Cortos de casemira *-'or a 2/KWO e
Case"''* preta/duas largur*, a 10800
oa e 20200.
MadapolSo snper" c 20 varas a 40,
50000 o 50500 a peca.
Dito diericano, superior, a 70200 a
pe$*-
Bramante de algodao para lences a
700 e 10000 o metro.
Dito de linho superior, com 10 palmos
de lagura a 10600, o metro.
Guardanapos de linho e algodao a 20 a
duzia.
Toalhas felpudas a 30 e 40500 a duzia.
Atoalhados para mesa, lindissimos pa-
drees, a 10200 e 10800 o metro.
Dito trancado, alvo, a 10000 o metro.
Lenos brancos com barra da! cor a 10200
a duzia.
Ditos superiores, de linho e algodao, a
20200 a duzi*
Enxovaes para baptisados, completos, por
todos os precos. .....
Entremeioa e babwos bordados por todo
preoo.
Bicos de todas as cores para enfeite de
Vestidos.
Baleias cobertas e descobertes.
Arcos cobertos para anquinha.
Camisas brancas para homens e meni-
nos.
Ditas de meia para homens e senhoras
Tapetes de todos os tamaitos.
Manda-s fezer roupa por medida e da-
se amostras de todas as fazendas.
Lima Coutinho & C.
G
A Germn Lad
ment as Betiient
- Flueot Germn, Frenen and E
High testmonials.
Addres.-, mins H. ra Vrsconde
(ancient do Hospicio) n. 53.
jage-
'iano,
jmaragibe
Criado
Precisa-se de um criado ; na ra de Paysandu
numero 19.
tten$o
Vende-se um carneiro de estimaco para sella
por ser um lindo animal e muito manso ; a tra-
tar na travessa da Madre de Deus n. 21.
I
REMEDIO
LE ROY
Popur> tm FRANCA, na AMERICA,
HESF-'HHA.no BRAZIl,
onda lio tuloritdot ne'a Junta d Hytlent
Medievo Depuratlrtt e Ee-
conatftiitot* dancfo toda a fcill*a
pra s trelar s. por precii-*^lat0. e
so rurar nu poneo leu.
i medica o exp>rf'a '"Pidamente
mores, blls, i -"i-ores viscosos vi-
lado-, uno (y":0IU"" c ''s.-rvam as
j, ,arlfloa o sainjne e mped
4 ilUos, dxodcisteBundo aldade. con-
vOm c8i>ecjtlin<'utc as Molestias
Cbraicas.
extracto concentrado dos Reme-
dios liquido* podcnilu suljst tul-os
para as pessas que tlvcrem lerm-
fcTiaiicia para os purgantes li'iulos.
SSo lnfdlllvi-ls contra AatHma,
i atttrrlio, iititii, ti lint imit hiho.
Tumor**. 1'loerUH, i'era i^. at>rtltv,FebreH, 1'atiy*titCc*,SU.
T lerttiam ti" Fiyti'lo, impigenn,
W VeriHolhi'ftien, Jt>nog>iiawft ele.
qualqucr p liver o en-ii-rcfu da
Ph'i'tOTTlN, geiro dosfi.Le Boy
S Roa do Seino, 51, V KIS,
? DEPoerro su todas j. phabmactas
O miCRBIG
DA
lilennorrluujia
6 radicalmente INJECCAO CADET
deposito geral:
VAltra, noolevard Senaln, 7. VA&Xff
Vtt i No.icte que flrre de embru'.bo 4 zuda
nro da Injcefo C'iulmt.
BtBMltM : Mus u principa! Pkarnud]] oTmO.
* *j&&&M>&&&&&&&&&j&
Agente Brito
Leilo
De 1 armacfio. pipas arqueadas, balanga. pesos
medidas, awite de carrapato, lougas c diversas
outras mercatlorias; tudo uo correr do murtello
e'existentes na casa a ra da Santa Cruz n. 6.
Garante-se a casa.
Sexta-feira, 4 do correte
A's 10 1(2 horas
Leilo
De mesas, mochos, bancos, cabides. cadeiras,
loujas para almoco e jantar. copos, clices, co-
Ureres, talheres e trem de cusinha.
Safebado do corrate
A's 11 horas
No hotel sito a ra do Amorim'n. 44
POR INTERVENgO DO AGENTE
Gusmo
Leilo
lilil
Jos Francisco de Arruda Falco e sua mullier
D- Anna Umbelina de ArruilaFnlcaoe lilhos, Ma-
noel Dias de Arruda Falco e sua muVr, D.
Tniina de Barros Falco. Joao Custodile IkuTOa
0>t,!, D Mari.T Thoudolina teDnrro tos'ta, Dal-
tuzar Cavalcante de Aibuqueri|uu e sua mullier,
D. Felismina dUarroe Ca\alcaute, convidam a
todwossens parentes e amigos para assistirem
a missa ne dia sexu-feira 4 do corrrente, que
mamlam celebrar no oratorio do engenho Pirau-
hira. as 8 hora, pela-alma de sua serapre lem-
drada lia Dionisia Mana dos Prazeres. sptimo
dia do seu passamento e desde j se coufessam
agradecidos a todos, que comparecorem j cate
arto rfe-relimaos-riaaide. '^
naarn
mtm
Pereiro
Cnpilo Jm Franri-,.,
da Nllv
Os engenbeiros c mais empregados da repar-
tirlo das obras publicas mandam rezar urna
missa s 11 horas da manh de $ do corrente,
no convento de S. 'ramisco, por alma de seu
conipanheiro capitSo Jos francisco i ereira da
Silva, e para assistir este acto de religio e ca-
ridade, convidam aos parentes e amigos do fal-
lecido.
^WicwSftnauHnQ, -<3, a?-ua. Jacob, t?GTss
CiOBON CVMT-Rorve termita- V OAf:? ;. OUV3' t c
uawpiiA. do alc.-.tra a V;:s ngra - ajout; o?: csi'rT t -m si *;*i7.-.>:- u Mn'llf^S AsOflPOV.sj C."JY. :-V i-unimei
na Franca a tto> uii"> naaenfornufl .ilSsflds \ so d:
.i-.Ktdwer':i
nica-
il'iaa
QhMh
jnuue&dSa-
T0
- -s
. H
'11%
rts CitTAiHMjj Ef-XGA J, TiSiBAS, BROMCHITAS, ASTNMA
La i .
RECFHIAMIHTOS
' C.elOt*>;0irfjrT'mstihie m As CAPS LAS GUYOT io brancaa
epoTli,-. rTOT eafot B afll i nipos de epida&4 \ e cada uuia leva iuiprcasa em preto .1 Arma ;
a be).ida 1 ui.iis livgieuica. rj ..
'Casi L. PRERE, 19, raa Jacob, PARIZ
3ibsolu+.manto indienanaavcl
WSCRIPTA Eld TRIES CORES
Fawica
"JpP
t
Agente
bi-
De movis, piano, espolho.s, etc.
De K piano, f mobQta 4e jnnaa, -1 eapelho, _
eoute. i guarda-vestido, i gaarda-ropa, I mesa
elstica di; 5 taboas, 2 apparadores, guarda-
longa. i boMtfcr amiin'llo. 1 gnara^comida, me-
sas, marqi.iezi"'>. caAM, turco, esteiras para
forro de sala, tapetes, i bomba e encaameoto,
Ss d crotn, batanea de 3 kilos, nova, .
e almoeo e juntar, vidros, iimleijas, cand,.
para kerot>ene, trena de cosioha e outros obiec-
to-
agente cima autorisade por urna familia
quo se retira para o sul, far.i letlo dos objectos
aeimu ao correr do martello.
R)i.i do Corredor do Bispo n. 29
, A's fOff* horas
8tg\ ira, 7 de Janeiro
3.- leilo definitivo
Da grande asi terrea com fwute de azulejo da
ra Vidal de Negreiros n. 33 amigo pateo do
Tercov com todas as bemfeitorias inclusive os
1'-' le ga.
Esp- h de Jos Antonio 1 ereira da Silva
Terca-fcira, do rorrea te
.4* 11 h.ras
N armasen a ra
ii. 16
O r a leiluo, por antorisa-
C*" los da faz
luetiinento da inven
^L^LW* '" 4ntonio l'i-r.-ira da
2*"- : ,1''m';' :"',niil ,!' deazule-
MO, tend i b qnartos,
lte, cacimba e (juiulal. no fundo do nua
ma meia agua rom n
pan i port e i jaoella partimento
do qe a casa tera g?./ da frenu
' drilliada a n
rida casa, e o
macab.
Os amigos do finado Luiz Fragozo de Miranda,
convidam aos parentes e amigos, para assisti-
rem uina missa que pelo repens eterno de sua
alma mandam celebrar no dia 3 do corrente na
capella de Nossa Senhora da < onceicao da Ifu-
tinga, s 7 horas da manba, 3 dia do seu pas-
samento e desde j se eonfessam eternamente
agradecidos por esle aclo de religio e caridade.
alBflaMMHBBHWH9MMaaaMana
t
Deoeleelauo Augusto Lobo
O bacharel Caeano Har de Paria Neres; toa
muHiere .-.cus. iil adecem do intimo
(j'alina a todo- parentes que 6e
digoiiram acompaoliar ao cemiterio os restos
njori.es do seu presadosobriuho e primo Deo-
rleri;,no Augusto Lobo, e de novo os eonvidiiin a
irem a missa do stimo
brad; ti.i Igreja matriz de S. IV-iro Martyr na
seguuda-feira 7 do crreme, pelas 7 horas da
manlia.
lia Impernilor
f
j 6&*&&&&&&&t&J&
Alcatro G-uyot
Fhavrm.a.oeTaticxD, .Q, rus Jacob, FsiM
UORON GUYOT ierre para pre-
' apn* A ak-*trr<) a mala agradavel.
O O.QUD ON GUYOT ten aido expe-
*aeot;iilo com grando oxito nos Hoipitae
le r rau^fc e Hespftnha na anfermidades doa
PUL^ES e GARIANTA
osCATARRHOS da BEXI8A
0!Sf>P8IA
O QOUORON GUYOT eonetitoe ni
'^eeha doi calores e om tompoe de epidemial
Miada a v*i hyg-ienica.
As CA-PSU1 AS OUYOT -nte alea
trli de -Norueea puro. A* dosel aSo de dual
a {ostro cupMiius no momento dea rjftji^Saa.
AsOAF SU LAS GUYOT nnnaMiimiln
naa enfermidadee aeguimea :
TOSSAS TENAZES
TSICAS, BROMCHITAS ASTHIMA
RESFRIAMEHTQS
Aa OAP LAS OUYOT lo brai**
eada ua-* lar morena en: preto firma
mbsolutmrjaeZ* indiapmammral
exigir m Firma
mmcnJFTA bm trf. vonvm
Fabrica : Casa L, PRERE. 19,
ra
Jacob, PAR2
Hallar Nobrinbn
(llios, Bernardina
Aiiliiiio Ferri'ira
Julia Tasso Baltar
Buhar, David Porto Bailare suas iriiius. muiliei''
lillius mi e maos de Antonio Ferreira Bailar
iuho, fallecido em Lisboa em 6 do mez lin-
de sua amizade e as do
,iri'"!' ites, para auvii
tfissirt que mandam rezar por sua alma na igre-
Ja da Mulares s 8 horas da ma-
nha Trente, tricsimo dia de seu pas-
Sero r ; rofundain'.
^liiJiis^jjcs>oi_r jim- comj'areferein.
f
nlanio iiiuhIo 1>ixi-ira aa
Santaa
primos ai
: '' un
MARO/ DE FABMCA.
VINHO
DO
Dr Gabanes
KINA-CABANES
.


'
NOTA. Para e/ltar ai con&ataeftaa, 5 > den
ateettar aa garrafas qui Vnmp mcruslat ti) tldn.
t> palarrai : Tinbo do D' Csbanes, Parla,
tobre os rolwoa, tiras de papel que envuirem
gargala e a marca do 'afinca,
a asllgnr.tura
baes e o eei
da UnlAo ao f*arie**e:
rl-'WJ, >.| I, t-^ r^fj^. lfl(V VHIuri.lll 1.1
larca de 'afinca, /^ /
^Zr^a^McUkj*
^Ve-M.tf.
O Vlnbn do XV Caban, submettldo 4
approva.o aa Acade-. la de Medicina de
Pars, fol r-coniiecldo como nm tjam&maa-
energ-lco (por encerrar os principios coaatt-
tntlvos do Snniu: c da Carnc\ que di ao
saogiic torca ujo, < energa.
Os Snr* IV* ftoi'mm, dnrmrd ?
pean, professor. ia i aciilUade de Medicina
do Parts, o re. eiUini todos os dias com O
uieilior xito s rnuUicres enrraquecimt par
excessos de toda especie, IrabaiAo, prmstm,
menstruacao, edude critica e ""amfntafikm
prolongada. E' extremamente nica* contra
o Fastio, Ms di jestoet, Dytptvtim, ueutnt,
Tonturate Terligia*.
D resultados mafavUkowa nos casos de Anemia, CUorose, Paurr.-umo do tangut, MsUri-
Uidde das h uWeres, Flores brancas. Partas seminaes. Impotencia prematura, Bmmagreamtnto
geral. Tsica pulmonar. Pebres tercas, Zntermlttontes, Palosa-ea, UliailHi
pldemicas.
O vinfco do CabanetjjMla energa de sua acc5o cordial, desenvolv as torea*, activa si
circviacSo do sangue e ej:a>nTtccomiiienda.vel para'as i iiiniiiiuig.n.
Faz cessar o forotto lab frfquentes durante a eravIdez.-augTBenU a secreco do leae nos
nutrizes e da eitraortHBarJo vigor as crianc&ihas de mama-, grecas a InliBencla ion seas prin-
cipios tnicos, soberano nos casos de Inubetes, AffecrOo da medalla, Hvttera Emlepsia.
RacAilismo e em geral. em todos os casos em qt precise recorrer um (orneo poderoso ni
d ngor e restaure as furias dos doente*. '
Como aperitivo aubstltue com grande vautagem os liquides pemu-iosm eorio aratntna '4
vermouth, etc. E" um preservativo preciado pelos viajantes e marinhclros, como amteDUa-
mlco e antidoto da fcbre amarella. Vomita e outras acolestlaa ltupir
Deposito geral: TROETTE-PEBBET, 264, boileT.r. Yolire, PiJUS
DeposlU)* cm Pernansbueo : FRAK II. da SILVA e O o as prmdpae pbAnnadaaj
BON MARCHE
Casa Arittide Boucicaut
A Casa do BOM
MARCH tero por
principio da nao por
na venda, ata para oa
presos os mala red azi-
doaaenao mercadortas
de ptima qoalidade.
" Sras. que acaba de ser publicado o noeso
mandaremol-o franco de porto a todas as
O systema de vender
todo com lucro pew
[ESSZE ARMAZEIS DE nu
BON MARCH S* A R I S
Temos a honfa de participar s Es'
catalogo das Novldades da Estaco .-
pessoas que o pedirem.
Em rato do constante accrescimo dos" nos'.os negocios, todos os nossos sort-
nicutos de todas as Noiidades sao mais considcravels que jamis, el podemos las
verar que sao lncontestaveis as vantageus que olTorecemos ao ponto de vista da
luulidade e barateza de todas as nossas mercaderas.
Mandamos francas de porte a quem as pedir as amoatms de todas as fasendas novas
em : Tecidoi de Seda, Fettucias, Veludos, Las, Pannos, Fazendas novas, Tenidos
impresaos, Rendas, Fitas, Tapetes e Eelofos para ilobilias, n-m como os albons,
deeeripcSes o reprodcese* dos nossas modelos em : Toilettes nova, Mantos, Ves-
tidos e Traj-.s para senhorasemeninas, Roupa feita Pjsra homens e rapases, *frifrr
e Toucado, Soiaj Anagoas, RoupSes, Enxovaes, Roupa branca, Roupa branca
feita, Lingos, Camisas para homens. Artigas de ponto de rusia, Ohtmlinn de sel,
Guardachuvas, Lupas, Grvalas, Flores e Pluma*, Calcados para homens, senho-
ra* enanca, Cama*, Colches, Lences, Cobertores, etc- Cortinados, Cortinas
brancas, Artigas para eiagens, ercearia, A .tigbs de Paris,Tapecariae e Mobia, de.
Os Armazens do BON MARCH sao oa matares, os mais bem
arranjados e organisados; por lsso fazem parte das curiosidades
de Paris. En consetruencia de varios engrandecimentos succtrssivos
o BON MARCH tem se tornado um Armazen NICO NO MUNDO.
Nao obstante os engrandecimentos ltimamente inaugurados, n
Casa j n5o basta para a enorme afiuencia da Clientela, e novas e '
consideraveis construccSes j estao se edificando. >
As -expcdleOcs para os palzes de alm-mar nao podendo ser fcitas senao com a
condlfao de seretn pagas as mercadorias na ocoasiio mesma da encommenda. roga
mos a nossa cMenlela quv nos dirija, juntamente com qualquer encommenda, r>
Importo das artigas cometlidos e das despuas de porte e cnardameiito. A partir de
i francos mananos as encoinmendas francas de porte at o ponto de embarque,
com excepcao das mobillas. leitos, e certos artlgos pesaios on embarazosos.
Os Armazem do BON MARCH nao tetm Succursaei ou Representantes *m
Franca nem no Estrangelro, e rogam as Ex~" que se acaaZe.'am contra os
negociantes que osara do titulo AU BOU mARCH para cstabelecer ama esa-
fusaTo, e especlwmente para por na trema Luas BOUCICAUT, cuja marea
umversalmente conhecida e que se acham nicamente nos Armazens **>
BOU MARCH, em Pars.
Interpretes para todos os Idiomas

ron o DO Btraseo ooe
^JkP EIlmr,P6ePrtadeatirioioe
RR. PP. BENEDICTINOS
dr. Abbadia de SOTJLAC (Giroaarj
DOM MAGUELONNE. Prior
2 MEDALHAS 3DE OTJiO
lru:eli*I ttT*-' \WHi 11tt
Aa mata ele rada recomperiams.
INTENTADOIAuim Pelo PMor
>o mo 110 # aSffcmBOTnwAC
< O uso quotldiano do elixir
Xentlfrtclo dos BJUIP, Be-
nedictinos, com dose de alga-
mas gottas rom agua, p.ovcm
e cura a carie do.- enti-s, cu:-,
brannueceoe, forutlecendoe tor-1
nando as gengtvas perfeita-l
Uiente sadlas.
Prestamos um verdadelro'
servt^o.as'.ignalanoao* nossos
lcltr%s esteantigo e utllissimo
preparado, o nsrlttar cura-
tivo e o nico areaerratira contra M
Affserlfen itYattaria. i
Agente mm fa. m m Ny }. |R HNIHE, I
Geral : ^9SaVI%ew I la BORDEAUX
Acha-se em toditas bou Perfumarlas, Pnarmasis*
l Drogara.
rv\
,\
OleodeFigadOdeBacalbau
do I>r X>XJCOXJ2S:
Iodo-Ferruginoso de Quina e Casca de Laranja amargv
Este medicamento fcil de tomar, nao prJvoca nruseas,
e de cheiro agradavel. Pela sua composicao, possue tots as
quahuades quj lhe perniittem combater :
a ANEMIA, a CHLOROSE, ss AFFEC^ES do PE1TO
a BRONCHITE, os CATARRHOS", a TY3ICA
a DIATHESE ESTRUMOSA, ESCROPHULOSA, etc.
Em vista do seu emprego fcil, da sua acc3o multplice e
segua, da economa para os doentes, os mdicos reco;tam-n'o
de preferencia qualquer outro medicamento similar.
DEPOSITO OEJO,
PARS, 209, ra Saint- Oems, 209, PARS
VENDKM-SB EM TODIS AS tT.INCIP\ PHtMACUS B0 UKIVKK-0
CONFIAR DAS FALSIFICACES C IMITAOOKS
Brise de Nlce Bo
Bs pnacir'ti Pertunian

[ HUILM
" '"ll ^HBaaaBmamaa^!
tas>>^sss>>B


la.aaAaBa*a*assl
;
: ,- ,

Diario de PernambucoSxta-feir 4 de Janeiro de 1889

PHOSPHATINA FALIERES
0 melhor Alimento
Para as ORIANQAS
FABIB, O. AVENO VIOTOH1A, e, fAJUS
Bastiiiai ea tias i prisms rkiraatiu.
'&TQTS9 ai SttSaTt
abisal
7 LACTO-PHQSPHAT0 Q AL
Approvixdos pela Junta d Hygiena do Rt^-^sJafleit.
O Laeto-Fhoaphato w cal, que entra t,* cor^pcsivao ci VINHO e do XAROPE
de DU3ART, o moiJcarr.ente mala potteraar nue ae conbece hoje pura restaurar
as forcas de certo doente-.
[ ''.onsolida e endireiti os o96ob da- croan-.as Hachttcor toma activos e vigorosos
id .cente* Dolas o lymprulico6 e os |U "3 achi-j fatigados era consequeucia
de-rapido rrant iiaonlo Facilita a uiestciracao das cavernas do pulmSo nos Tiricot.
Sendo administrado s* lheres durante a gnmidc: ellas atravessao lodo o periodo
da gestac&o sem meo fadiga, sem pamaai, sooi vonii os, e ana e las a, ereancas
fortes e rigorosa'
0 Lacto-Phoipmato torna o leite nais rico, mais ntwr.livo.e | serva as crcancas da d;arrlia de nitra*
molestias, que se declarSo dtr inte o cresoimento. A eniieio oprt- se sern fovrgt r a
creanca, sem que apparecV jonvulsSes.
O viHMO o o XAHOM de Lado- l'k ,s,,hah dt cal do OUSART despern o
appete levanta as forcas dos convalescentet -leven ser e t.j regados eu todos
51 oasos en que o corpo hua-ano se achar fnti/j u<.. ju e:thaurid re fcf t.
Deposito em Pa\/ a, ra Vivienna
MA NOTICIA AGRADAVEL
PARA S DOENTES DO PEITO
Vende-se, n'esta capitalina drogara dos Srs.
FAZEMAS BARATAS

FUNDIGAO GERAL
ALLAIS PATERSON & C.
Jf
N. 44Ra do BrumN. 44
JUNTO A ESTACAO DOS BONS
Tem para vender, por precos mdicos, as segintes ferragens :
Tacnas fundidas, batidas e caldeadas.
Crivacos de diversos tamanhos.
Rodas de espora, idem, idem.
Ditas angulares, idem, idem.
Bancos de ferro com serra circular.
Gradeamento para jardim.
Varandas de ferro batido.
Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalha.
Vapores de forca de 3, 5, e 6 cavallos.
Moendas de 10 a 40 pollegadas de panadura.
Rodas d agua, systema Leandro.
Encarregam-ee de concertos, e assentamento de machinismo e executam qual-
Cjuer trabalho com perfeicSo e presteza.
DA SILVA i i
al' IllimQIll 01 8ILIMD1 m. as
O aim poderoso *sp*iifico eontr% a tosi<, rouq-iid^u, ?a*Wfl da v.>,
tiroides. *a arros *e snr-goe, dor e fraqu s> do poito, tisioa pulinuu-i-,
Mtpifatafaa.
iiritkyo ou i'.fl'ui.ujyo astil m, coquelu.-iio e tudas aa cnfersudadfc* das va
PE1T0KAL DE CAMBARA
DESCOnERTA PREPARAQAO DE
Jos Alvares de Souza Soares
AOKiC(i>iNDD8TUiiL do P RQIJE PELOTENSE, eapr-ssament
Fundado'' pr- pfi-fsrio rfo gr-n-.e B8Tabklecimkto
rcado para 1V%%%% %9 l^M^KV %* %%W%lh!^
na liii.d- rf P Ir,: (Ki Orznl-- do Hu),
O fr I toral de SJaMbara, fjp'-ovade pnla Exma. Junta G-ntr>.l -s Hygi'ni* Pablica do Rio de Janeiro, sotoraado
pr Hrereto ImpRiial d* 3<> d Jan'io do L884, preqdvd) oom duns oedalUi <\<; oura d 1," classe p'la Academia Nacional ri-
p-.:-9, n jury da EspoMcio Brusil ira-AII" uinaiiim.rtB soff" Fst piwioso m^ai .: ment ie effeitns admira veis : allivia prompt-mente os to brandas despeitrHO'r s t oural- ; .
Fs diminuir at dH8>.pi>reurt-a> oh acre*i-s aalha^tlcoa ru-'i laiff *( ;
C<>n>bate "neri oi< nt>- a tll<-fi pnlmaar, <>i> escarros de aao(ae, ussiui como a broaehle, a coque
luche, rauqnldo, defluao, -u., <> u > t'o- m. rpida e mti-al.
O doeute, am uso no Pmtoral d Cambar, notu logo o appHrei'imento do app-tite s das forca perdidas.
Este imporUnte loedioaiDeoto, q por sua grande nffioa e insumo progressivo em todo i
Imperio preparado e.n am grande o eapeci! f. mais it portH.ies Htteatdns de distinotos me o<>s e de nuameras p-wna curada de gravissimas enfer oidades, uomo ae ve -
tolheto que aoumpunba ea<1a frasco
Vf-n iendu se nVata cicada um medinsn de tal i-iportaoi-t, cumprimos uo dever de bamanilado, indicando o ao
tente do peito e riat respiratorias, n uorteaa de lhs cn^lhrm.i o m -is .1- guro meio de readqairirem a saide perdida.
3P3B.3SCOS
8*500 o tmartu iSW \\' duaia 2iZ{)^, a dusia.
NBIAN
LA" N .. !^. \1*B i A
GPAXA
IMPEMEAVeL\
i
1
)
LIQUIDA
BMraauA-as scu EeqovAa
O niHjnico LUSTRO if j'aj
coomitm doranta tima aamaoa.
ej'a flua/ tr o tampo.
BAlmORAL GLOSS C-<** i< mlmi tU.{iu pata ai BcIIihu i* Stnbcras.
ATVLIOA.4K aCW ITCOTAa
\PASTA UHCUOSA, ca/,i da ibihn da a*adr*>m, t* qua/\
atr*gu mo Mxrctto Ingle*.
Tm Nvaao mmuh oohm u. a a) aat.tr Uat, toNainaai a. o.
Afantaa guau aai PeRNAMBUOO
Qulmaraaa a barman
[U MAGALHAES
Rccebedort's
liquidam osseguintesa
dos morcados da Europa
com descont de 14 [0 as
iiTOSSO

etro, 4 larguras.
1*5500, metro,
o dito.






-

vendas
Bramantes de algodao superiores, a 800 rs?
dem de puro linho fazenda de 2AirO0 para
Atoalhado alvo, duaa larguras, a 700 r., lillOO e
Algixlao alvo, nacional, para knces a 54500 a peca.
Madapnlle americano, aBWfin, 44000 e 04000, con 24
Mariposas de odres a 220 n. o oovado.
Chitas ciaras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batiste* idem a 120 rs. o dito.
Zenro* do quadrinhos, a 80, 160 e 200 rs. o dito.
Marinee laat la urna largura a 200 rs. o dito.
ld Fich de ronda chics a 14000.
Colchas francesas de cores a 24000 c 44000, tuna.
Lcnces de bramante a 14800, para cama de casal.
Casimira* de cures para ronpa de enanca a 4U00 e WO, diagonal, dnas
laifuraa.
Pamiiias ingieras c francesas u 2G4000 o 304000 a duaia.
Tapates avehtdudos, grandes a 14500") um.
Cortinados ricamente bordados a 54600 c 64000-
Panno do coro para mesa a 14100 o 14300 o covado.
Cheviot preto e asul, a 34000 o dito.
Brins pardos e de cAres a 280 rs. o dito.
Vcludilhoa de crt-s pretos a>K) r^. o dito.
Rendas austraca para vestido a 500 e 560 rs. o dito.
Setin de todas as coros a 900 rs. o dte.
Setinetas lavradaa 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradaa, a 240 rs. o dito.
Mcias cruas inglesa par homem a 24">00 c 34''00 a duaia.
Ceroulas bordadas, do bramante, a 124000 e 164000 a dito.
Cortes do caaemiras para calca a 44000 c 64000.
dem de mein caaemira a 24000.
Toalbuh grandea para meto a 44000 a dusia.
(dem felpudas para banlio a 124000 a dita.
E muitos artigo* nt st-rao Icmbrado com a presenca de noasos leitnrei.
59flna Dikjih de Caxias59
LO JA DE tt
PEREIKA & MAGALHAES
^ko ** mAI DORES D* *N**9,
fk^ Elixir, JP o Pastn. entiirioioa /
zaoai
RR. PP. BENEDICTINOS
da ABBADIA de SOULAC 'Gironde)
DO MAOUELONNE, Prior
It Hcrlnlhn* de Ouro: Bixttlu 1880 Londm 1884 j
AS MAIS ELEVADAS recompensas
1373
-aSVa *-a
FORMULA
qpaa
iia m m mm pmii .
Approvada pela Inspectora
Geral da Hygiene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887
Este depurativo de grande eficacia as molestias syphiliticas e impu-
reza do sanguo. Para tnaior garanta da eficacia desle medicamento, publicuu-
se grande numero de alleslados do algnns Srs. mdicos residentes ocsla
provincia e de muios cavalheiros que teem feilo uso deste depurativo, em nu-
mero superior a 300 ; notando se oO pessow tjue se ctrriram da terrive! beri-
beri com este podt roso depurativo.
0 uso desle Elixir muito recommendado no tratamenlo ^eral das mo-
lestias das senhorns e a prora est no bom resultado que tem obtido aquellas
as Exm". Senhoras que delle tem usado.
Tem curado radicalmente muitas pessoas lacadas da terrivel molestia
beribcl^ ^r-oWOl DOOS XTSaAJB.
'?wiao tjnslro coAliercs das de sopa pela manh c qualro
Os .nliiliiT?^> anuo lom.rto ufo a colher pela manh e outra a
noite. As criantas dc^^^b^vi^rao dnas colheres pela manh o duas iioite
noite, e os de 5 a i 1 anao^^ta^ }x-!.i m.iob e noile Itcsguardo reguhr.
Devero tomar banlios, fri ou mo^s^^^mi Srs. Francisco Manol da Silva ^\
Encontra-se venda na drogaras^^-ieia Oriental ra Eslreite do
C, ra do Mrquez de Olinda n 23 e p
Rosario n 3. "^^^^n do Bario da Victo-
0 aticlor tiesto preparado pode ser procurado nWs\^^'-xplicacao que
ra b. 37, onde sei encontrado para dar toda e qualq
for precisa.
VINHO DEFRESNE
10HI-NUTRI1IV0
Celebres ReaedioiLe Roy
PILULAS LEW
opufj/wam MAHCI r HCStHH>, t UtUlCt,
a ItiL t'di to
ajaj iUh f*Im Jtrt O rfn.
raaaua .........~ i/ raaavoa
Bnaj Pftolaf 41a toda a CaHlliladV Ir m tnttar por
fraaotaarausff UMCBmrnapoucetaaipoJBlaacKrulfaai
rapidaaianta huaama, MU*, humara Tlanoxa rlrtaaal
a^a auuaarvam lanM^Oaa; a'h pcrlAraai o aafiia
i ..npailviu ai r#... ..aV*.
-t Sopn.am-H *.
eootr* a frtsU ilr rrntrr, i^ilhlirrht,
Uim, krNmiifl.mi. fnltit ala
*p**Ute. 1 Hinurn, f'frrrnu./'aftrai,
i HTnfraf tna dm Vtgad fmjiljrm.
{ U-r^nlhn.. frrmrthUtf-t,
JSaifjataaa, ata.
E PRFCISORl'USAR
\u!*pt tittm f id Miaana *
Pb Oettla
** <0 leW
KVI TOIJA.N AS
OOM
PEPTONA
M
Itthm
. saaf> pana o mala ptectoao Obra muaculax, o forro houauoo a o poospbalo "a cal da tarue McoMtttulDte iiatnraj e e< npleto.
if>UtHm !<*, que desparta o appsfn, rlitue as rrcas ao eato-
maa<> a melbora a JlRaalin. cont recon**"Ui)'e liicoaiparael. uuA o. por lino t*f*m o uamsuto piaaUoo oo urjaouios ana '.usa a conumi>cm>. colore o
saomM dvacr*a1a<1n Dla anemia, orsvioa asanor ua columna vert-.-tral.
Ouado Defreane reaoUeo o graodr oroeania ie digerir, tora do canto bumano,
a carne aUmenUclo. a entena, oa proteaaorea da Sacuu. oo alaaicina e os mdicos da
Marlnha e do* Hoapitaea di Pana. r.e aproaaaiam em expertreenur eau ore-
owaec i
etoao nutritivo noa doeota* e oonvaleaeen
da Pepton. rx-fruu<. au. todo* oa HoMdUaa Cl'if c Militara*.
OTtak* ata ivpaanaai fwraana impAe em ioooh
da va* .tlg'MtiTa* e de cufurmidadea Jo frm oainnionuj.
resultado fot a aoopoao
--.
*alo Prior
rterr* I
O neo qiM.tMiAM do Elixir Dantllrlclo
dos Rft. PP. Bcn-dlctinoa auca d<*j da
i -------- -.^. ,;,;,. ,,.;.T.t.rsv.'.r. o c;rctii
' > oa aaui, mb/anqneeao, tortaieceooo a or- F
Lando a* %amrivaa perfaitamanto aadias.
a Prostiaos um vardadeiro sorri^o, asaifroa-
lando aoa nosnos Uit< res eato aotiarn a utilis-'
simo |*parado,o melhor curativo o tnico
Cservativo contra as AifeccSe* den-
las. >
Agente geral: SEGUIN, BORDEAUX
Fr^nr. e d?

loos oa caaos de aff' rfl*e*
Mtuuaf du CbruLlcaa,
como as lVsi>eDsia*. ulcerw do aatotnas. ote- a no marasm i, enjoruae. d'*"te,
cachaxla. ti loa poUnonar. etc. Iievcm n*l-o oguaiioenta as pessoa de ouatilinco
dbil, aa crlaucas cui<> Tlaor eoniptomctiido pelo traballio io biallamnnto.
Eiiinin o i inH *r rrairaa Drf^mattr ci.nvem ent todos os caaos cas auo
* lmpr*Hcindivcl re*t*bel (lenles, convalcacenuis ou ana. _' .. --
DURIlit e o uriuiOry preparador do ****** Je PoMatM*. Cuidado es u lmllacMa
a Vaaaro: am wdu aa nuU r-HiaSa
aaanaaciaaoa fraaaft
*-~-
Vanda am
ASTMA :% *i
C'jrtUs peins CIGARROS ESPIG
OppremtKie* Tame Je/Nw Aerratpioo
Aspni-se a iuinca que penetra no pello acalma o systen;\nervoso
' i-aio rit.-a
w

'. -.'<.
e>JLiei
C31E.. &*Ar%Tt Perfi
mu
\ *vs:
Wjfe



PA S TA
MACK
A Paata Mack (*ta
carides elegantisai-1
una deSaaboInhaa),
* um nov* a mar-.
^Ilhftao preparado.
EposaaSaaaao um
ko ScUeldso a
hlflpale*, nmal
ricrtleata agua ;
loaradnr.
SaU Pasta Mack
gusa de tama nni-
vorsal, stnna a
a arlas a ratla, a,
oomo aaSraaraata,
apara so"o qaanto
se conasee ate huje.
Vndese em todas
as vhsniaeias, dro-i
arV^-
(JUNTO AO L0TJVRE)
Zephires de quadros, a 80 re., o carasJa.
Las escocezas, a 100re., o dito.
Cambraia bordada, a 40000, a pega.
Sargelim diagonal, a 200 rs., o corado.
Baplistae finas, a 160 re., o lito.
Percales claras, a 200 r*., o dito.
Setineta do JapSo, 240 re., o dito.
Brim de cores a 320 rs., o dito.
Cachemiras de quadros, a 260 re., o d
Fnstao branco, a 360 c 400 re., o d-'to.
Brim pardo, a 280 rs., o dito.
Meias para senhora, a 4i5500, a duaia.
Baldas para vestido, a 280 rs., a dnas.
Lencos brancos, a 1^200 a dnzia.
Collarinhos de linho, a 3i$00, a dita.
Ganga para cobertas, a 260 re., o codaaV
Sabonetes de glycerine, a 200 rs., ra.
Regatas de edres, a 1 200, urna.
Ceroulas de bramante, a l Colchas de cores, a 2 Cortes de Linn, a 7 Cortes de seda para collete.
Leqaes transparentes, a '2jfiO, um.
Sahidas de baile, a2 Tapetes para sof, a 139000, am.
Espartilhos americanos a 54000, am.
Camisas inglezas, a 36j)000, a dnzia.
Las de quadroa, m 300 re., o corado.
Agua Florida, a 10000, a garrafa.
EsguiSo pardo, a 360 e 400 re., o covae.
Cortinados bordados, a 60t>, o par.
Luvas de seda, a 20000 e 20OO, o par.
Ouarnicoes de crochet, a 70000,
Bramante de algodao, a 800 re.,
Merinos de cores, a 800 rs.,
Madapollo americano, a 60000, a
Toalhas para banho, a 10OO. aoaa.
Cambraia arrendada, a 400 re., o carnada
Lencos de barras, a 20000, a dars.
Alpacas indianas, a 320 re., o corado-.
Cortes de setinetas, a 60000, um.
Setins de cores, a 800 e 900 eafada.
Colchas de damasco, a 70OUO, ama.
Panno da Costa, a 10000 e 10200, e ca-
vado.
Cachemira de dnas larguras, a 800 rs.,
dito.
Chambres, a 40500 e 50000, asa.
Paletots de seda palha a 70500, asa.
Renda heanantinla %***~,r*l 5Cty^.
Gaao* da eAras, a' &U re., irntU
P#r-a rl *n rl^ ali^rw^S. a 14WV*
' t astio de oftr, a HOO re., o carsa .
('..bertas a gaaga, a .">?*' unja
Hnin )>urdo, a 3W. r-., o uovaaV.
Liuho de tuadroa, a 200 940 r*., a *a>-
vado.
l'tdetot- de alpaca, a lo""0 sVi.
Cambraia Vn-i-.na, a N9U0. a
('me de casimira |>ara t-oa4aSBa-
L>n:i >ara ral.
Alg'xla de duaa largura*.
Ouarda-p* parakowe**, a b0k\%i
para aealtorM, a M0ftTf>
I'.I lina oraaoa de sada, a 4
o corad"
Linn de cora*, a 600 a*., o
IH. Oriaa, i l) n
Lntremeio* a sordadm.
Sulx-nete de alcasft, a 100 r
Toalhas para ronto, 301
Bico* de uiaa t-or, a ti""0, *
Bi'<>smati*ado*, a **'*- it*"." a
te*da po* aV arroa, .Vsi
S.-tim branco, a *i r*., .. ..d.
Lequra de aeti>n braao-, a MQQ0.
Tnico oriental, a 900 re.
iSutpensnrioa ataerire, a MMO.
Creione. finos, a .1/ re., o wrasV
Fecba fraader. a .I**"** r>ffa|rsin aa
Mctiru dz ItalSK a, lKir*., o carada.
Brim de Hak 0*1 I8 re dUr-
< i "imes para Ijanhoa avispad***
Boleas p*ra o mcamo fin
Rtia I."de MaiYni. v20
casa Di
AMARA L r C,
toE
JO *

____________ I ganas eperftmarias..
jjcofobrlcante^nTentoT: H. MACK, Dha sD. ,
'VjBsttanos n Pern.mOi-oo : SaU MruM*P*.
Pao centeio
Mili* & Blset, arisam ao respeitavel publico,
que lodas as tercas e sextas felras, tem este sa-
boroso pSo; roa larga do Rosario n. 40.
Tvpo^phia r Liliio^rapliia
FABRICA DE LIVROSDE ESt RI1TU-
BACAO
PavsMta4ai ^***ie* tle
I **a e !.
Manoei J. de Miraoda
Encadcrnacao e especialidades em cartoes de
visitas.
59-Rua Duque de Caxias39
Telephonen. 194.
DAY&lHJi?.T!N
r-'offfKJDrforw de Sua Hsjtttd* a Raintta da inglatorr, f
Co xrci*o t da Mannfia bntannlcs.
GRAIXA BRILHANTE LIQUIDA
GRAIXA.mpflSTUNCTUOSA i
OLEO para AEEEIOS
E todo gis stserurit aira a mi'oitsn^s do cauro
js* todas is frmis.
DEPOSITO ORBAL KM LONDRES:
7, JHsrh Rblbaras, T
Prnm6i rAN~ M-da SILVA s O'

fniji Desfoberli!
prnltoa
-uliA" riisii, em (toacas
t) niaravillBlBsfc^' 'rdito, por toda
annoa ten, rin.iul^s|^** os satas pt-
parta oads ipparoce
digioBO* effeitos. Aitn
luoleitiaa, eervo et>tn aegii
eguintcs : rtumatisuio, dores o
"lvido, inflauia^'5e.i de olboa, uonf
.[iieiimdara, ulceras, im-ideduraa da Sa*
aecto* rencno*<8, etnpigcaa, dnrro* ary-
Rijwla; parao'.iiieadxr de inteira DMWV
Btoade, para smactar a pede, lser bsa,
tirar caspas e para <> bauho.
Nfio lia i'iial
A i'uiua ua cUll'-.cuii uua UB (JOITUrfla-
4;.ig o rnodns.
iFctiro Lia unes. t. ii
RUABUQcEDE CAXIAS





0 meiticr anWnclo
m

i
i eiM

uipraffada com
Odontalina
"iVt ftfi.a- iCtOtOM Cas** Fl
iltf a .
fa. 24. na tfti
Feilor
Precisase do um feitor que preste todo servi-
co de um sitio; a tratar na ra de Pedro Aflbrttt
n. 58.


H
Diario de Peraambuco-Sexta-feira 4 do Janeiro de 1889





I
i
V:-*
v.




Para oDerby
Carlos Sinden recebeu grande sortimen-
to de gravatas e camisas de cores proprias
paia os amadores do Prado c est venden-
do por precos sem competencia.
Recebeu tambem collarnhos epunhos
rracha de formatos n<>-
43 RLA BAR
Ao commercio
rail \Vacbcii-;ii)i .intima casa Otto
Bohres) partecipa que mudou seu arma-
eero de jftiudeza e ferragens para a ra
Bispo Sardinha n. 1, em frente do Viga-
ric Tenorio.
O grande premio
Na ra Formosa n. 33 lia sempre grande
quauiidade de cravos brancos e encarnados para
vender.
Urgencia!!!
egMUda chanada
Na na Duque de Caxias n. 87 ha
diversas cenia para serem entregues pes-
soalmene aos Srs. abaixo.
Luiz Jos da Silva Cajazeira (Olinda).
Francisco Pacifico do Amaral.
Joao Jos de Araujo.
Joao Rodrigues Damaceno.
Custodio Gomes Ferreira (Rio Formoso).
Jos Fernandos Ramos.
D. 01 imlina Mariz.
Manoel Antonio Xavier de Brito.
Augusto Cmara.
Ao commercio
Jos Adolpho de Oliveira Lima, socio da lirma
commercial desta praca, Rodrigues Lima A C,
Cuiscienle a quem interessar que, a contar de 2
do corfente mez passou a assignar-se
Jos Adolpho Rodrigues Lima.
Cha prelo spfrior
Carlos SindeW avisa sens amigos e fre-
gnezes em geral que receben pelo ultimo
vapor cha preto novo e superior que ven-
de por pregos mais resumidos em vista
da continuacao do cambio avoravel.
Convem que experimentem.
48 RUADO BARO DA VICTORIA 48
Botina Maravillosa
Albino Cruz AC, avsm ao respeita-
vel publico e especialmente aos seus fre-
guezes e amigos, que mudaram o seu es-
tabelecimento de calcados estrangeiros, da
ra 1." de Marco n.~19 para a Praca da
Independencia ns. 1, 3 e 6, onde esperam
continuar a merecer a mesma confianca
que semprc lhes dispensaram todos aquel-
tes que mantinham relacOes commerciaes
com sua casa* ____
Vina de leite e ama
secc
No Espinhebo, ra de S. Elias n. 10, precisa-
se de urna ama- de leite e urna para cuidar de
crianca ; paga-se bem.______ ____
Amas
Precisa-se na ra da Uniao n. 13, do urna ama
para cosinha e de outra para o servico interno
de casa de familia.
Regislro civil
O cartorio do registro da parochia de Santo-
Antonio e ra do Imperador n. 42, Io andar.
O official,
Coriolanode Abreu.
Ama
Precisa-se de urna amr para comprar e cosi-
uhar para casa de pouca familia : a ra da Pe-
nha n. 21, 2 andar.
Armaco
Vende-se urna armacao envidracada e dous fi-
teiros para amostras, um candieiro e registro de
gaz ; a tratar na praca da Independencia nume-
ro 35.
F0LHET1M
POR
JULIO MARI
NECKDA PARTE
CONDEMNADA
s Plalas Cathatic
Do Dr. Ayer.
Acjcpcrier.
lr. A
ioni MmeB
'
veranl, > uuti.i
AS PlUTLAS I>0 IIt. A'i
rfnt* o vontre com suari'i
: im eompl',ta-
I c lor-
rivo*.
As Pilulaa do Dr. Ayer
"unu lD'lgetlo e ritan mutis
;,s, motlva.lM
por aquellas dasov
i'au a* doeoen di Eatninago, Flgiulo e Ii:n;.
cajos jymptoniaa sao as Eo.'tnuidadM da Pellr,
Ardor e Peto lio Estomago. Nauae, JalvH,
uws dsCabeca, HaUto Ftido, Febre BUlos.i
f Clica. I>6t<-ii do estomago costas espwluas,
l!ichac6e Ifydroplea<. ele., D* alllrta
curi s^gnranc.1 e promptMfio como ns Pilcla vo
,oe e'.) dj r.mde atilidaue no
<:u:ntTodas H-morrholdas.
Corno remedio dnssestloo n&o tero goal.
PBEP*aaD*a PELO
DPt. J. C. AYER =3 CA.,
Tjowell, Mass., 3. U. A.
A' venda uas principies pUajxiwi*** 3rOpiH*a.
Avise aos agricultores
Emilio Billion, engenheiro mecnico,
nico represantante da Ilustre casa Bidu
Frres, de Ham (Franca) bem conhecida
pelas suas machinas e apparelhos os mais
aperfeigoados para a fabricacSo de assucar,
como pde-se verificar pela Usina Bam-
burral e tambem urna parte montada da
Usina Bosque, onde forneceu os appare-
lhos ; encarrega-se de montar novos appa-
relhos mais aperfeic los. O assucar se-
r fabricado pelo jiso systema qtie o
da Usina Bambun um dos mais acre-
ditados da praca. Garante-se no minime
9 1]2 % de assucar cistalisado de todos
os jacios e 10 1[5 0 com moenda o re-
pressSo.
As condigSes as mais vantajosas serao
feitas aos Srs. agricultores, rara as in-
formacSes na Usina Bamburral.
Oferece-se
um menino portuguez, de conducta afiancada,
com pequea pratica, para caixeiro de annazera
de molhados; quem pretender dirija-sc ra
Larga do Rosario n. A
O OLEO PURO
-DE
FIGADO de BCALHU
-DE-
LABIAL & KEMP
prodtus efleitos anlogos a os da
Eniiso com Hypophosphites
dos meemos sonhores, no caso de
ser preferido o tractamento nesta
forma para o curativo dos incom-
modos
do Peito, a Garganta e os Pnhnfles,
Alugam-se barato
as seguinles casas : Caes do Apollo n. 75 ('!" ''
2. andares), ra do Brum n. 84 (2. e 3.' an-
dares), ra da Concordia n. 60,; a tratar ra
larga do Rosario n. 34, pharmacia:_________
Alug
am-se
Caulellas do Monte de Soeeorro
Compra-se cauteilas do Monte de Soeeorro de
qualquer joia, brilhanles e relogioe; paga-e
bem na Praca da Independencia n. t, toja de
relojoeiro._____________________________
Carolos de algodo
Compra-se carocos de algodlo ensaccados, en-
tregues nos armazens, ra do Barto do Trium-
pho ns. 10,12 e 14 ; ao preco de 380 ri por 15
kilos.
Criada
Na ra da UniJo n. 27, precisa se de urna
criada para cuidar de duas criancas, de 5 e 3
annos de idade e que saiba engommar, prefere-se
idosa.
Piano
Vend-s um piano nglez, perfeito, de duas
cordas, propro para principiante, por 200 ; a
ver e tratar na ra do Lamarao n. 4. prximo a
Povoaclo do Monteiro, m freguezia do Poco da
Panella.
Cozinheira
Precisa se de urna boa cozinheira que durma
em casa dos patres, para casa de pequea fa-
milia, na roa do Conde da Boa-Vista-n. 24 F.,
portio de ferro.
o "grande sobrado n. 30 da ra do Capitao Lima,
em Santo Amaro e as casas terreas ns. 18 e 20
da mesma ra, com bastantes commodos; a tra-
tar na lithographia de J. E. Prcell, & ra Mr-
quez de Olinda n. 8.
Terreno barato
Vende-se barato, ou permuta-s por urna casa
na freguezia da Boa-Vki3 ou da Graca, de va-
lor correspondente, um grande terreno na ra
Imperial, defronte da casa n. 320 (centro), com
333palmos de frente v finido para a estrada de
ferro de S. Pra imites aii
Eroprio para cidade para
\ iveiros.
af Ruy. na do Barao da Victoria n. 36.
.se indicar aos prelendenti- i com quem
Cofres pro va Se fogo
Carlos Sinden, recebeu ltimamente, e vende
5551.competencia : ellos anti eaeabem.
Barat
Attengo
Aluja-
se
Vende-se a armagao envidragada da casa n. 4
do becco da Lingoeta, garante-se a chave: a tra-
tar na ra das Larangeiras n. 2.
OBZRDORCIFE
Esta bem conhecida loja de miudezas e
artigos de modas recebeu da Europa bo-
nito sfirtimento de artigos para a festa, a
saber :
Bonecas vestidas moda de Pars.
Diversos brinquedos para criancas,
Lindos leques de phantasia.
Costureiras com msica.
Caixinhas de setim com perfumes.
Elegantes, estjos para toilette.
Primorosos cartSes de felicitacSes.
Porta-relogios para toilette.
Caixinhas para joias.
EstSjos para oscriptnragao de senhoras.
Perfumaras dos melhores fabricante-.
Um variado sortimento de miudezas.
O BAZAR DO RECD7E
11EUA DO MRQUEZ DE OLINDA11
Domingos H. Marlins
o 2. andar da casa ra da Aurora n. 81 (junto
estaclo da estrada de ferro de Olinda), com
grandes commodos para familia ; a tratar no es-
criptorio de Sebastio de Barros Barrero, ra
do Boro Jess n. 16, 1." andar._______ _
Aluga-se barato
Ra do Rosario n. 39.
Visconde de Goyanna ns. 163 e 159.
Baixa Verde n. 1 C. (Capungai.
Ba Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ra das Crioulas, Capunga n. 15 B.
Ra Viaal de Negreiros n. 45.
Tratase na ra do Commercio n. 5, 1.* andar,
escriptorio de Silva GuimarSes & C. ^^^^^
AiiT
Precisa-se de urna para cozinbar ; na ra de
Pedro Alfonso n. 58.________
Ama
Na na velha de Santa Rita n. 89, precisase de
urna para comprar, cozinhar c mais servico do-
mestico.
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar, na ra
do Raugel n. 9, padaria.__________________
Ama
Precisase de urna ama para andar com meni-
nas e fazer algum servico de casa de familia :
na ra da Penha n. 21, prime i ro andar.
Ama
Precisa-se de urna para cozinhar : na ra de
Pedro ffonso n. .
Criado
Pnscisa se de um rapaz at 15 annos; a tra-
vessa do Corpo Santo n. 27.

VENDAS
Yi;ndem-se os utensilios da casa de pasto da
ra Mariz e Barros n. 44; a tratar na mesma.
(Continuacao do n. 1)
... VI
Frantz Scrroiler ac*bva de entrar no
sea aposento.
Tomara do seu canhenho e accrescenta-
. va-lhe algumas linhas :
t Aci>bo de recebe r duas tremendas bo-
fetadas do commandante Von der Grau-
bach. PaVefc que o prkioneiro francez
encontrou meios de evadir-se. Como ar-
ranjou-se elle, o que todos perguntam e
-O aue eu nao e encarrego de explicar
. tninha boa mulher Catharina. Farei a ex-
plicacSo daqui at ao fim da guerra, que
parece nao se acabar mais, entilo, quar-
do estiver de volta junto de minha boa
Catharina, terei grande prazer em contar-
lhe a cousa. Mas voltando ao comman-
dante Von der Graubach, olha que elle
tem a mSo devras pesada. OU90 desde
pela manliS todos os sinos1 da cathedral de
Colognc a zoaram-^ie nos ouvidos. Con
certeza, se elle batese assim com tanta
forge ijjk cabega do Turco, por occasiao da
festa*prona da nossa aldeia, tirara o
numero cem.
V-se que Schuller n3o detestava o gra-
cejo. E' depois das suas victorias sbre-
lo que o auemao odeia a Franca.
A' tarde Montnuyeur dirigio-se a La-
-^P^utnier evadi--
Ah! murmura ella wm o *ora^.ao
to cheio de triumphante alegra, que i;to
curo sequer diesimular
Sobre elle que oram disparado os ti-
ros que deve ter ouvido esta noit
E feriram-no, mataram-no talvt&i ?
diese ella com angustia.
Tranquilli8e-se, elle deve estar b2 j e
salvo, porque nao se lhe encontrou o cor-
po... Como parece estar satisfeita 1
E' verdade. Nao pretendo occultar-
lhe a minha alegra... Se elle fosse fuzila-
do, pezar-mc-hia toda a minha vida a sua
morte na coosciencia como um crime...
Pois nao fui eu quem o entregou ?...
Todas-as suspeitas de Montmayenr vol-
'cavam.
Como se interessa por elle...
E acha que elle pode ser-me indiffe-
rente?... Nao elle fho de um homem
que servia de pai a minha irma?... E vo-
c, Joao, pode ainda duvidar de mim de-
pois do que acaba de passar-se ? Exigi
do meu... aflectonao podia nunca pro-
nunciar a palavra amorurna prova ter-
rivel. lve que hesitar entre duas vidas.
Sacrfiquei a de Ganthier para salvar a
sua... a sua era-me portanto mais preciosa.
Que prova melhor deseja ainda ?
Elle conservava as sobrancelhas franzi-
das.
Sim, a vida delle era talvez mais pre-
ciosa para Luciana do que a de Ganthier.
Mas por que ? Nao seria essa razSo de
que collocava o castigo, a vinganca, a sal-
vagao de Doriat cima do seu amor por
Gauthier?... Quem lhe dira a verdade?...
Desgracada della se me illude !...
A' bocea da noite, Luciana, que pro-
curava tal occasiao havia muito tempo, en-
controu Frantz Schuller a passhur ssi-
nho, fumando no seu cachimbo de por-
celana.
Acercou-se delle, depois de examinar
em torno de si se algum soldado a via.
Obrigada, Sr. sargento, disse ella
com as lagrimas nos olhos; obrigada pelo
que fez...
Mas Schuller, rudo mente, no seu pro-
nunciado sotaque allemao :
Nao fiz nada. N80 sei o que quer
dizer, vi-se erabora.
Ella quiz insistir. Elle arregalou os
olhos, mostrando o bigode erigado.
V-s embora, v-se embora repe-
tio elle. -
E voltou-lhe as costas.
VI
Todas as aldeias dos arredores de Pa-
riz, durante o; longo e doloroso cerco com
o qual se acna tao intimamente relaciona-
da a nossa aegao, assemelhavam-se a acam-
pamentos, todas as casas pareciam quar-
teis. Os allemSes estavam alli em sua ca-
sa. Em todas as estradas, pelotoes de re-
JMbb faziam exercicio, como no campo
nanobras, na Allemanha. Porque to-
dos os (lias chegavam reforgds da Allema-
nha ao exercito sitiante, soldados ainda nao
instruidos, que eram immediatamente equi-
Yapor para engenho
Vende se urna machina a vapor de forca de 4
cavallos e em perfeito estado ; a tratar na ra do
Apollo n. 30. 1 andar, das 11 horas as 3 da
tarde.
-
pados e aos quaes ensinava-se a toda pres-
sa o manejo des armas antes de incorpo-
ral-os s tropas velhas e aguerridas. To-
dos os pontos da Allemanha mandavam
jovens e velhos conscriptos, protessores,
operarios, commerciantes, estudantes, pa-
ra preencher os claros abortos as filei-
ras pela guarnigao de Pariz em sanguino-
lentos encontros. Em todas as estradas,
igualmente, numerosos comboios, destaca-
mentos de artilharia, batalhoes que iam
render as guardas nos postos avangados,
carretas cheias de feridos ou de doentes
que eram retirados das linhas de combate
para serem internados. Por toda a parte
o execrado uniforme allemao. Em todas
as janellas fardas. De todos os lados o
o ruido da espada dos officiaes allemaes
arrastande-se pelas ras, insolentes e ven-
cedorse.
Como gente pratica que os allemaes
haviam utilisado tudo quanto encontraram
em Pariz.
Tinham depsitos de cerveja. Fazia
pao com a farinha encontrada as granjas :
contruiam pontos por toda a parte, orle
as necessidades da concentragao o exiga.
Concertavam as linhas de estrada de
ferro, que as tropas volantes de franoos
atiradores haviam cortado no comego do
cerco, quando a chegada do exercito ini-
migo era assignalada como imminente.
Essas linhas de estrada de ferro davam
occasiao a muitas incursoes dos francos-
atiradores durante os dous primeiros mc-
zes da nvasao; os francezes procuravsvm
destruir o que os allemaes reedificavam.
No dia seguinte ao da escaramuca no
posto da fabrica, a que acabamos de rete-
rir-nos, e que quasi custara a vida de
Gauthier, forain cortados os trilhos da li-
nha de Meudon a Versales. Urna deze-
na de francos atiradores haviam logrado
atravessar as linhas inimigas. Arranja-
ram picaretas e alavancas em casa dos ha-
bitantes, o, aproveitando-se de urna noite
muito escura, haviam levantado os trilhos
n'uma extensao de cerca de vinte metros.
Um trem de mantimentos descarrilhara.
Infelizmente os atrevidos francos-atira-
dores demoraram-se e foram envolvidos
por um esquadrao de dragSes, que fazia
urna ronda nocturna.
Tres foram mortos. Cinco escaparam.
Dous foram aprisionados. Destes uro es-
tava gravemente ferido e morreu antes de
chegar a Saint-Cloud.
O outro foi executado acto continuo.
O inimigo nao devia limitar-se a
quando estavam em veja de ci-ueldade, os
compatriotas de Frantz Schuller nao para-'
vam em caminho.
Aps tactos como esse que dei>
narrado,, os prussianos enfureciam-se c se-
21
RA DO CRESPO
Oliveira Campos & C.
WOTirA.DES
Cortes de vestido em cartao com muita
fazenda todos enfeitados a tiras bordadas,
cachemira, jour, zephiro, ninon c cam-
braia branca de 8J000 a 35d000, um.
Romeiras, pellernas, voltas e peitinhos,
de vidrilhos, ultima novidade, de 6(5000 a
12|J000 urna, sao lindas.
Zephiros de cores padrSes alta novida-
de a 500 rs.
Merinos de cSres todos em quadro a
320 rs. o covado.
- Cortinados bordados de crochet para
cama.
Colchas de seda para noivos.
Veos e capellae o que ha de mais novi-
dade.
Capea pretas, merinn, cachemira e gor-
goreo, tudas ricamente- enfeitadas.
Espartilhos para senhora, de 4)JO00 a
6(5000 um.
FustKo braneo, de 400 e 500 rs. o co-
vado.
Musselina branca para casaco de senho-
ra a 500 re. o covado.
Manteletas "de cor, arrendados, a 1(5 um.
Merinos Usos, todas as cores, de 1S pura,
a 500 e 800 rs. o covado.
Esguiao de linho pardo para vestido,
muito largo, a 400 rs. o covadoT"
Batiste de cores a 160 rs. o covado.
Zephiros de cores, padrSes mimosos, a
200 rs. o covado.
Meias cruaa, brancas e de c6res para
senhoras e criancas.
Ditas para homem.
Colarinhos, punhos e camisas para ho-
mem. ^t..
Atoalhado lavrado, linho e algodao, pre-
go barato.
Sortimento completo de diversos tecidos
que liquidamos sem reserva de prego.
OLIVEIRA CAMPOS & O.
S na loja das Estrellas
DIIP DE f.HIAS-38
Telephon;' a. 9fO
0 proprietario reditado estabeloci-
me. as Exma. familias
e fi que as muitas pe-
chin, tunta fazer, nao sao mais
dn n a sua cx-casii das LISTRAS
AZI ES; portanto, quem quizer comprar por
minos que m outra quahpier parte dirja-
se a LOJA DAS KSTHELLAS. onde encon-
trar um completo e veriadissin
ment de fazendnsquese vendem por pre-
gos que nao tlie podem fazer compete
como passamos a demonMrar, a saber :
Atoalhado para mesa, de 1)5800 a 1*5000.
Dito de cores a 1(5 e 1)5300. '
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de linho com 10 pal-
mos de largura a J,06OO.
Brim de c6res para ronpa de criancas a
280 e 320 .0.
Colchas de crochet de 100 por f3i5000.
Cortinados bordados a 5/5 e 6#000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
c do cores a 4)5 e 45500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 7)5000.
Crotones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 2)5800 apega.
Camisas inglezas para homens a 28)5000
a duzia.
Collarnhos, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completo, por 2^500.
Capas de vidrilhos e tecidos arrendados
a 100, 150 e 20,5000.
Casacos Jersey a 20500, 30, 40 e 50.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 10200.
Esteiras brancas e de -cores para forro
de sala a 10100 a arda.
Esguiao de linho, pardo, a240e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 50600.
Espartilhos couraga a 30 e 30500.
Fichus a 500, 10 e 10200.
Fus tilo branco a 240 rs.
Grinaldas com finissimos veos de- Blond
a 70000.
Guarnigoes de crochet para sof, a 50500.
Gorgorao preto de seda a 10800.
Guardanapos de linho de 30500 por 20
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lengos para meninos, a 320 rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 10000,
10500, 20 e 20500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
Madapolao pelle de ovo, muito fino, a
60000 e americano, com um metro de lar-
guro, de prego de 120 por 70000.
Dito de 80 por 50000.
Merino preto com duas larguras a 560
e 700 rs.
Dito de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Rendas hespanholas a 10600, 10800,
20500 e 30000.
Setim Maceo, preto e de cores a 750 e
800 're.
Dito de quadros, ultima novidade, a 10.
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpudas a 20500
e 30000 a duzia.
Ditas para banho a 800 e 10200.
Tecidos arrendados, ultima novidade, a
200 e 240 rs.
Zeuros de todas as copeta 80 rs.
Assim como muitas fazendas que sera
enfadonhe mencionar, e que vendemos por
menos 20 \0 do que em qualquer outra
parte.
Gasa no Cabo
Vende-se urna casa na cidade do Cabo, muito
grande e fresca, perto do rio e da levada de Ga-
rap, atraz da matriz; a tratar com o Dr. Aflnso
de Albuquerque Mello.
^i
meavam o pnico por toda a parte. Come-
gavam entito as ameagas de incendio, os
vexames, a indemnisacao de guerra, pri-
s3es, accusag'es que, muitas vezes, nem
por serem ridiculas, deixavam de ser se-
guidas do supremo desenlace : a morte.
. Pascal Doriat fazia parto do pequeo
destacamento que arrancara os trilhos per-
to de Meudon.
Nao f6ra ferido e pudera fugir a tempo.
Mas acompanhado de perto pelos dra-
g5es, havia abandonado a margem do Se-
na, atirara-se, favorecido pela noite, aos
jardins, e acabara por desapparecer.
Ainda nao se havia dissipado a noite
quando galgava o muro que estendia-se
por detrs da casa dos Doriat e, atravez
das plantagoes devastadas, approximava-
se de casa.
Encontrara por toda a parte diffieulda-
des para passar, esbarrando em caminhos
guardados, em barricadas, em postos, em
guardas avangadas, em sentinellas perd
das.
Vinte vezes julgara encontrar a morte.
Duas vezes as sentinellas atiraram so-
bre elle queima-roupa.
Era por um milagre que esta va ainda
vivo.
Ainda nao boje, murmurou elle.
Se dirigira-se a Garches, nao era se-
ment pelo desojo de abracar sua mai.
Era tambem porque os acasos da faga o
haviam levado aos bosques visinhoa. Era
bem porque sabia que naquella noite jus-
tamente seu irmao Henrique obtivera au-
torisacSo do commandante para desempe-
nhar urna audaciosa commissSo em Gar-
ches, que consista em saber de Mara Do-
riat qual a sorte que tivera Gauthier Bour-
reille
Uns prctendam que elle tinha sido mor-
to na marcha offensiva dos allemaes con-
tra a fabrica Muntmayeur ; outros julga-
vam que tinha8do aprisionado e os ir-
maos Doriat eram desta opiniao, visto que
o haviam deixado no ultimo momento.
Mas Gauthier" prisioneiro era Gauthier
morto. Henrique Doriat quera certifi-
car-se. 0
Nesse dia s estavam em casa de Ma-
ra Doriat dous officiaes.
Nenhum soldado. Nos lugares que eram
alojados os officiaes nao se admittiam sol-
dados:
Henrique havia chegado pelo mesmo
caminho por que Pascal devia chegar mais
tarde.
Ao approximer-e da casa, vira os offi-
s corriendo na sala de jantur, sen-'
or um prussano de capnc
As mesas estavam en
to da sala.
Esperou que m mL C2ss
Ra Duque de CaXas n. 103
Vende-se bordados de cambraia tapada
de 2 1|2 4 metros e urna chave de-lar-
gura .a 500, 600, 800 e 10, muito fino, .de
luulquer" largura a 10400, c de fustao, de
>SO0 a pega,
aes para baptisados a 80, -100 e
ndos enfeiteo para penteados a 100,
200, 300 e 500 rs. um.
Lindos graupos para segurar chapeos.
Renda hespanhola a 20500 o covado.
Pulseras americanas para 30, 40, 50,
60 e 80000 o par.
GuarnigSes americanas a 30000.
Lindos espartilhos a 40, 50 e 60000.
Porta dedaes de vidro, objecto para pre-
sente a 10000.
Broches de fantasa de 500 a 10000.
dem americanos de 20 a 30000.
Lengos de seda de 500 rs. a 10500.
Lublaque a 200 rs. o par.
Guarnigoes de crochet, sendo um para
sof e 4 para cadeiras por p$000.
Finas capellas de pellica, panno e cY,
comimos veos.
Flores artificiaes a 10000 o ramo.
Anneis americanos a 20000.
Plisss de 400 a 10000 o metro.
Luvas de seda arrendadas e bordados
a 20 20500 o par.
Bicos brancos de linho e de cores a 20,
20500 e 30000 a pega.
Contas de cor para enfeitar vestidos a
700 rs., e pretas a 600 rs. o masso.
Missangas de todas as cores.
Lindos leques brancos para noiva.
Collarnhos e punhos de borracha.
Colchas de crochet para casamento urna
80000.
Talheres para crianca a 800 rs.
Luvas de pellica a 20500 rs. o par.
Linhas_de cores para crochet a 20000 e
cor de creme a 10500.
Lindos leques de papel de 500 rs. a
10000.
Espelhoscom fina moldura, com dous pal-.
mos de comprimento, a 40000 e cara dura
a 500 rs.
Finos binculos.
Agulhas para bordados a curo e missan-
gas.
Lindas franjas douradas para facha, de
seda preta e de cores, sem e com vidri-
lhos.
Timaosiuhos enfeitados de bico e renda.
Grande sortimento de fitas modernas a
13 deMaio, Imperial Regente, a Nebu-
ao e a Joao Alfredo.
Lindas fitas para facha a 20, 20500 e
30500 o metro.
Carteiras de chagrn para algibeira.
Finas gravatas plastroes e regatas a 10,
10200, 10500 e 20000.
Lindos porta-pos de arroz.
Grande sortimento de jarros para enfei-
tar consolos e sanctuarios.
Completo sortimento de perfumaras.
( Finos abonetes do todos os fabricantes.
Grande sortimento de alfinetes dourados
para enfeitar o penteiado e tambem gran-
pos muito lindos.
N. B. D-se amostras de bicos e bor-
dados.
jantar, escondido atrs de urnas pipas ar-
rumadas a um canto do jardim, n'um te-
lheiro em que Doriat, n invern, guar-
dava certas flores.
Terminada a refeigao, os officiaes sahi-
ram, accenderam charutos, e Henrique ou-
vio depois na ra o ruido das suas espa-
das.
Restava a ordenanga.
Felizmente esta nao tardn a subir ao
paiol, onde dorma.
Estabeleceu-se o silencio em volta da
casa.
Nessa noite, para os lados de Pariz ri-
borabavam os canho*es dos fortes e das
bateras prussanas.
Entrar assim na casa, disse comsi-
go Henrique... perigoso, posa* esbarrar
com um prussano. Ah! se eu podesse
dar signal a minha mai de que estou
aqui.'...
Havia luz no quarto de Mara Doriat.
E de quando em quando lie avistava,
atravez das cortinas das janellas, o seu
sombro vulto, enrgicamente delineado.
Como prevenil-a? Como hei de fa-
zer para attrahlr-lhe a attengao ?
Por mais que sahisse, que se mostrasse
a descoberto, que fizesse estalar a areia
das ras do jardim, Mara Doriat nao se
diriga janella.
Pegou n'um punhado de grave tos e.ati-
rou-os nos caixilhos.
Mara approximou-se da janella, mas
nao a abri.
Henrique repetio o signal.
Mara poz-se a olhar para o jardim.
Henrique movia muito os bragos para
tornar-se visto.
Ella acabou por vel-o sem reconhecel-o.
Sahio, desceu ao jardim e dirigio-se pa-
ra o lado do mancebo.
S quando chegou muito perto delle
que exclamou:
Henrique meu filho! Imprudente !
- Esconde-me, minha mai.
E' impossivol.
Por que ?
Ha uous officiaes em casa.
A abo de vel-os sabir.
Podem voltar de um momento para
o outro e sorprender-te.
- Ora, que importa!... Elles nao hao
de ir procurar-me no teu quarto, afinal de
contas.... Pois bem, esconde-me no teu
quarto.
h meu filho, que temeridade!
Nao est ninguem em casa, o que te-
mes tu ?
Temo urna catastrophe.
Ora, minha mai, s mais
Sabes como sou sujeita
montos. Teu pai outr'ora tnha _
ge era mim quando eu fallava-lhe como te
WHSIf
Boyal Bleml marca \I\D0
Este excellente Whisky Escoces pre-
fervel ao cognac ou agurdente de cae,
para fortificar o corpo.
Vende-ae a retalho nos melhores arma-
zens de molhados. _j|_
Pede Royal Blead marca Viado.
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
estou fallando agora. Attendc-me. Nao
entres !
Oh minha mai, disse elle com bon-
dade.
Teimas em entrar ?
Supplico-te.
Entilo vem.
Entraram.
Mara dava demonstragSes da mais pro-
funda angustia, embora fosse no seu quar-
to que reobesse o filho.
Como se eu tivesse a temer alguma
cousa aqui, rsse elle a rir. Parece-me
que os malditos allemaes nunca metteram
o nariz em teu quarto ?.. .
Abragou-a ento apaixonadamente, e
deu-lhe em primeiro lugar noticias de Pas-
cal.
Interrogou-a depois sobre Gauthier.
Que fim levou elle ? Morreu ? Est
prisioneiro ?
Evadio-se.
Mara contou cntSo o que sabia a tal
respeito. i
Os prussianos, por mais discretos que
fossem a proposito de tudo, haviam con-
versado sobre a fuga de Gauthier da casa
dos habitantes que os alojavam. A verde,
de tornou-se finalmente conhecida e ha-
viain-n'a contado a Mara.
Sem duvida, diese Henrique, Gau-
thier nao pode anda transpr as fileiras
inimigas, porque nao apparoceu at agora,
mas nao estou inquieto. Elle conhece, co-
mo meu irmao e eu, todos os atalhos, to-
dos os caminhos oceultos. Como Pascal e
eu, elle nada como um peixe ; atravessa-
r o Sena, se preciso for, para escapar
aos soldados. Havemos de vel-o breve no
batalhao.
Calou-se.
Ouvia-se entrar os officiaes, que subiam
a escada e iam deitar-se.
Passou-se cerca de meia hora. O sol-
dado dorma do seu lado.
A casa ficou mergulhada em profundo
silencio.
Henrique tinha urna pergunta nos la-
bios mas nao ousava dirigil-a a sua mSi.
Afinal decido-se.
E Luciana ? perguntou ello tmida-
mente.
Comprehendes quaes devem ter sido
os remreos, "endo aprisionar perto della
Gauthier,. a quem abandonou tilo eovarde-
mente.
A miseravel! disse Henrique com
pezar.
Deus se- incumbir de punil-a.
Elle contou a sua mSi a escaramuca da
fabrica.
(Continuar-se-haJ
r
l

(
I
lo iatio fu Duque de Ca


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZYY5L8W4_EEUG5Y INGEST_TIME 2014-05-21T23:10:33Z PACKAGE AA00011611_17387
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES