Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17386


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r ABA A CAPITAL
Por. tres mezes adiantadcs.
Pot seis ditos idem.....
Por um auno idem
Cada numero avulso, do mcsmo dja*
6(5000
12*000
230000
#100
QINTA-FEP1A 3 BE JANE
js^
1880
PARA Di:\TBO E FORA DA lrft> VIXC I %
.....% M t
Por seis mezes adiantados ....
Por nove ditos idem".....4
Por um anno idem.......
Cada numero avulso, de dias anteriores
13*500
204000
27*000
0100
*"

Os Si s. Amede Prin-
te & C, de Pars, sao
os nossos agentes ex
elusivos de annunci.os
jepubiieapoes na Frail-
ea e Inglaterra.
.
Trcpricdmk de IfaweL.ffi^ra de
i
H{0 S TSBCU SA7AS
29 de Dezembro.
istro dasFinancas e do ThBonro e o
de/ Commercio, Industria e Obras Publicas
Jediram a sua demissSo.
Foram nomeados para sub-tituil-os os
Srs. Miceli e Peruzzi.
LEGRAIIAS
sssTiD rAansua so diab;:o
RIO DE JANEIRO, 31 de D<*embro,
s 12 horas e 40 minutos da tarde.
Foi restituida LegacSo do Brazil no
Chile a sua antiga eathegoria.
Ao Dr. Pedro Francisco Correia de
Araujo, encarregado de negocios aili. foi
conferido o posto de ministro residente.
Passaram servir como juizes subs-
titutos os juizes municipaes e de orpbld*
dos termos de Maranguape, Pacatuba
Baturite, no Cear, cujas comarcas foram
declaradas especiaes.
Foram transferidos seu pedido o
ROMA, 29 de Dezembro.
Sua Santidade o Papa LeSo XIII aca-
ba de publicar urna eneyeliea na qual de-
plora os progressos do materialismo fl* so-
ciedade.
Sua Santidade recommenda as povoa;
ambos no
a
voltar a urna vida verdadeiramente christS.
0 r
PijS, 31 de Dezembro.
.
O general Boulanger apr*entou-se. can-
didato a deputacao no departamento -do
Sena.
Ainda sao indecisas as outras candida-
tura* republicanas. -x

i
juizes municipaes e de orphaos :
Bacharel Antonio Elysio de Hollanda
Cavalcante, dos termos de Lavras e
gem Alegre, para o de Trahiry
3ear;
Bacharel Jaeome da Cunha Freir, do
termo de Trahiry para o de Lavra
Targem Alegre, na mesma provincia.
Foi a seu pedido exonerado do cargo
cb juiz municipal e de orphSos do termo
de Barcellos, no Amazonas, o bacharel
Jss Anselmo de Figueiredo Santiago.
__\dleceu o conhecido corretor Wright.
Hontem, quando o Dr. Silva Jrdim
ftzia urna conferencia sobre a Repblica
jo sali daSociedade Gymnastica Fran-
eeza, reuniram-se muitas pessoas as visi-
nhancas do edificio da referida sociedade.
- iModwi am a. que do auditorio dfi Dr-
Silva Jardim partissem provocac5es, que
deram em resultado um grave conflicto
entre as peasas que se achavam dentro e
fon do referido edificio.
Do grupo dos conferencionistas foram
disparados muitos tiros de rewolver, e do
grtpo contrario foram jogados muitos pro-
ieais, dando-se diversos ferimentos entre
os juaes alguns de carcter grave.
D conSicto passou do edificio para as
ruis, reproduzindo-se em varios pontos
a, immediaoSc;-.
V polica, intervindo com acert e ener-
gij,,conseguio dispersar os grupos, resta-
beecendo a ordem.
Os nimos, que estiveram por momen-
t inquietos, serenaram completamente.
Toda a imprensa applaudio hoje a att-
tade da autoridade publica e as opportunas
providencias que foram tomadas.
Abrio-se iuqueto respeito das factos.
NATAL, 31 de Deeombro, as 4 hora*
e 50 minutos da tarde.
PARS, 31 de Dezembro.
O orcamento para o exercicie de
i. 1889 foi definitivamente votado
duas Cmaras.
Por decreto do presidente da repblica
a sessao ordinaria do Parlamento foi de-
clarada encerrada.
1888
pelas
foi <
m
Hei por bem, de conformidade' cifra a
lei n. 2,033d4. 20" de Setemb.ro de 187-1,
decretar o segninte :
Art. 1." Sao declaradas especiaes, na*
condicSes do art, Io da "referida lei, as
comarcas da'Victoria, Na/jireth, Limoei-
ro, Timbaba e Palmares, na provincia de
Pernambuco.
Art. 2.9 Haver em cadi urna das ditas
comarcas um juiz de dii eito e um joiz
sdbstituto.
Art. 3. Ficant .revogadas a d>pos-
c8es em contrario.
O Dr. Antonio Frrej;-a Vianna, do
meu conselho, ministro e secretario de
Estado dos- negocios da justica, assim o
tenha entendido e 615a executar. Pala-
cio do Rio de Janeiro em 24 de Novem-
bro de 1888, 67 da independencia e do
imperio!
Com a rubrica de Sua Magestade o
Imperador.", ..
A. Ferrara Vianna..
da Rscada, da provincia de Pernambuco,
um corpo de cavallaria com tres esqua-
dr5es a a designacSo de 11, e que ser
organisado cem os guardas naeionaes
alistados no municipio da Escada; revo-
gadas as dispostcSes em contrario.
O Dr. Antonio Ferreira Vianna, do
mea conselho, ministro e secretario de
Estado dos negocios da justica, assim o
teuhe. entendido e faga executar. Palacio
do nio de Janeiro em 22 de Dezembro
de 1885, 67' da independencia e do im-
a rubrica de Sua Magostado o Im-
Antonio Ferreira Vianna.
LONDRES, 2 de Jaairo.
as recepcoes do anno hom as cortes
de Berlim Vienna e Roma todos os dis-
cursos pronunciados n'esta occasilo foram
de carcter rauito pacifico.
Cada soberano asaeverou que a paz na
Europa nao sera perturbada.
Agencia Havas, filial em PereambucQ,
2 de Janeiro de 1889.
DECRETO tf. 10,088de- 24 nove*bbo
de 1888"
Declara especiaes as comarcas de Maran-
guape, Pacatuba, Aquiraz e Baturite,
na provincia do Cear.
Hei por bem, de conformidade com a
lei n. 2,083 de 24 de. Setembro de 1871,
decretar o seguinte:
Art. 1. Sao declaradas ospeciaes, as
condico'es dq art. 1* da referida lei, as co-
marcas de Maranguape, Pacatuba, Aqui^
xaz e Baturite, na provineia do Cear.
Art. 2. Haver em cada urna das di
comarcas um juiz de direito e um j
substituto.
Ffeam revogadas as disposicSes em'co:
trario.
O Dr. Antonio Ferreira Vianna, j
meu conselho, ministro e secretario 1
Estado dos negocios da justiea, assin o de Azevedo Ferreira; e do de Bario de
IHSTRCCiO FOWfttt
Esta^oes Agronmicas ^
KFEBENC1A FEITA BfA SOCIEDADE DE QEO-
QBAPHIA DO RIO DE JANEIBO
PELO
Dr. Tarquinio de SouzaFho
As estoces agronmicas concorrerao forco-
samente para fazel-a eetrar, cheja de forca e vi-
gor, na larga estrada qne lhc est tracada pelos
sorprend eotes progressos da agronoma moderna.
0 que nio possivel 6 manter o ttaU quo ou
pretender debellar a crise por 'umaterie de ex-
pedientes que por mais bem combinados que stjam,
nao podem constituir urna verdadera sotucao.
E' preciso tratar da organisaco do ensioo
agrcola 00 Brazil, crear estacoes agronmicas
laboratorios de analyses agrcolas, seguir, em
urna palavra, a expenencia dos paizes cultos.
Exemplos e modelos nao faltan e o essencial
saber toptal-os s nossas caadices.
A Allemannajossue, enlritalra. as escolas
de Hobenhcira,Tena, Schleiheiaw escola agro-
nmica'supVior de Berlim, os-roltilps agron-
micos de Breslau, Kajnisberg e Gottirfgen. Alero
destas escolas superiores-tem diveriasarademius
reae8. florestaes, veterinarias*, 46 escalas agro-
nomicis secundarias, 36 herddes ouTazenda-
escolas e um grande numero de escolas espe-
ciaes de horticultura, apicultura, disiillacao, etc
So a Batiera possue cerca de 25 escolas regio-
naes agrcolas.
Na Austria embora em menor escala, o ensinu
agricola organisado semelhanca do da*Allc-
manha.
' Na Blgica o ensino agricola regido pela lei
de 18"0e Julhe d^860. Comprebende uro, corpo
de agrnomos do Estado,'* InstfWta Agricola de
Gembloi
tenha entendiSo e o faca executar. Pala-
cio do Rio de Janeiro, em"24 de Novan-
bro de lj$8, 67 da independencia eide
imperio. *
Com"*a rubrica de Sua Magertade o im-
perador. '>
Antonio Ferreira Vianna.
commadante do 191 batalhSo de cavalla-
SUva.
foram
ria, Hnrique Gomes de Barros
e
data
rlluitcrio do Imperio
Por decreto de 15 do Dezembro prxi-
mo fiado foi nomeado o bacharel Aristides
Augtreto Mil ton para o cargo de presiden-
te d provincia de Alfas.
decretos de 22 forarri nomeadps:
04acharel Joaquim de Oliveira Macha-
do, para o cargo de presidente da provin-
cia do Amazonas;
bacharel Fabio Ramos para o de se-
io da provincia de Minas-Geraes;
Dr. Anisio Cercundes d Carvalbo,
s o lugar de lente da cadeira de patho-
roria medica da Faculdade de Medicina da
O Dr. Manoel Clementino de Oliveira
Escorel, para o de lente substituto da Fa-
culdade de Dir.eito do Recife;
. O bacharel Jos Bandeira de Mello, para
o de professor de geographia e historia do
curso de preparatorios, annexo mesma
faculdade;
Foi elevado a visconde o Barao de S.
Jos do Norte;
Fez-se merc do titulo de Barao de San-
ta Eulalia ao bacharel Antonio Rodrigues
Foi encerrada a sessSo da Assembla
Provincial, sem se votar a lei de orca-
mento da provincia.
O presidente, Dr. Jo*s Marcelino da
Rosa e Silva devolveu a lei de forca poli-"[
cipl por inconveniente aos interesses da
provincia, bem como devolveu outros pro-
ectos concedendo fivores funecionarios
pblicos.
NATAL, 1. de Janeiro, s 7 loras e
20 minutos da manhS.
O presente da provincia- tendo tido,
eommunicacU da Assembla Provincial
de que s faltav% ao orcamento provincial
a respectiva redatto, convocou a mesma
Aasembla em essa* extraordinaria para-
7 do corrente mez.
loux, urna escola veterinaria e um grande
numero de escolas de horticultura, senio a de
Gand a mais importante!
DECRETO N. 10,129db 22 de de-
ZBMBKO DE 1888
Regula a dispo*ic*to do rfioposto no art.
! da lei n. f,033 de 20 de Setembro
de 1871.
Usando da attribuicSo que me confere
o art 102, 12 da Constiluicao do Im-
perio, Hei por bem, para execucSo do dis-
posto no art. Io da le n. 2,033 de 20
de Setembro de 1871, decrerar o se-
guinte:
Art. 1. Pela posse do juiz substituto
em comarca declarada especial eeasa a
jurisdieclo do juiz muaipal ou de or-
pSos e de todos os seus supplentes.
Art. 2." O municipio on' munieipos
annexos a o termo constituido em comar-
ca especial, nao serio por este 'Acto pri-
vados de ter cona.elho de jnraos e dele-
gado de polica, as condico'es da lgisla-
cao em vigor. )
Art. 3." Logo que tiver cpnhecimento
oflicial, do decreto jue declaii a comarca
especial, e da nomeado do juf substituto',
o presidente fla provineia toomear
tres suppleuies. //
Art. 4." O j*z muBJcip oa ble
phSos, que nao for nomeado |:ui substitu-
to da comarc* em que strvia, podar
completar o quatiiennio ,si o rqurer,
uo termo que lhe for dsiiado pelo go-.
verno. /
Art. 5. Ficam revogadad as dispo-
ojBes era-contrario.
O Dr. Antonio Ferreira Vianna, de
meu cOn#elho, ministro e jecretario de
Estado dos negocios da jusfica, aaaim 04
tenha entendido e'o faca exjcutar. Pala-
cio do Rio de .Janeiro em de Dezem-
bro de 1888, 67 da independencia e do
imperio. I,
Com, a rubrica de Sua' Magestade o
Imperador.
Antonio FerreiraVianna..
Acegu ao brigadeiro Astrogildo^Bereira
da Costa;
Foram agraciados:
Com a commenda da ordem de Nosso
Senhor Jess Christo, o conego Antonio
Pereir Nunes;
Com a commenda da ordem da Rosa,
Bernardo Jos de Castro, Adolpho Klin-
?;lhoefer, Bento* Severiano da Fonseca
itta e Urias Goncalvcs Santos;
Com o grao do official da mesma or-
dem Thomaz" Paulo do Bomsuccesso Oa^
Mrd> e~-imotarel-Heitor Barto Gar-\
deiro.
J-Foi nomeado membro da Inspectora
de Hygiene do Pernambuco, o Dr. Au-
guito Lopes de Assumpcao Pessoa.
fPor portara de 22 foi exonerado o
tentnte reformado Uo exercito JoS* Ar-
noso, do cargo de ajudante de ordens da
predencia da provincia do Maranhao.
os
or-
PARTE OFFICIAL
Arfo" do podrr lecdtlvj
BECRETO N. 10,086de 2l de so-
vembbo de' 1888
Declara especial a comarca de Alcntara
na provincia
do Maratthlo
Mara-
direito e
Hei por bem, de conformidade com a
lei n 2,033 de 20 de Setembro de 1871,
decretar o seguinte :
Art. 1. ET declarad^, especial as con-
dicSes do art. Io da'referida lei, a feontar-
ca d6 ATcantara- na provin nhaoj nodo haver um juiz d
um jui ajabstituto.
Art.'2.a.Ficam revo.
r5e em ttrario.
O Dr. Antlik) Ferreira Vianna, do
men conselho, ministro seejrelario de
Estado dos negocios da**justica, aseim o
tenha entendida e o fec*,executar. Pala-
cio do Rio le Janeiro, em i Novem-
n.lepetdoi
imperio.
gadas as dlspo'si-
abrica de 6ua Magestade o Im-
perador.
Antonio Ferreira Vianna.
. RIO DE JANEIRO, 2 de Jane-.0,slO
horas e 57 minutos da manha,
Appareceu hontm o l. numero de rV^RnRET<> voVElf-
ovo peridico, quesee intitula O Mumci- ^ bbi>
io Neutro. BW^-specia P: da Vieto-
f^.^. ria, KgLeth, I. Tirabauba e
O Pot declarou-se en^opposico. B^iares. fta.*rovinia-de Pemambuc.
Por decretos de igual
reformados:
Provineia do Para
Comarca de CametJ0S0 Emiliano
Lopes Correia, tenente-coronel comma-
dante do 18' bataraao de infantaria.
Comarca de Braganca e CintraJos
Caetano Ribeiro, coronel cmmandante
superior.
Comarca de Igarap-mirim Diogo
Hendreson, tenente-coronel commadante
lio 5o batalhao de infantaria.
Comarca da capitalAntonio Carlos de
Paiya, tenente-coronel commadante do
4o batalhao de infantaria, no posto de co-
ronel.
Provineia f Pernambuco
Comarca do CaboJos Henriques de
Salles Abre, tenente-coronel commandan-,
te dp 28 batalhao. deuinlantaria.
" Comaifca de* Naza'reth'-^^nKngos Ra-
moS*de 'Aiirde Lrm, majar ajudante d*
ordens secretario geral; Diogo Bina <5r-"
doso de Albuquerque, capito quartel-mes-
tre.
Comarca do Rio FormosoAntonio Pe-
reir da Rocha, eapitSo da Ia companhia
do 7 o batalhao da reserva, no peato de
major.
Comarca do Bonito e Bezerros Tho
maz Jos de Aqno Pereira, tenente-co-
ronel commadante do 6 batalhao da re-
serva. "*
Comarca de GaranhmnsCandido Jos
de Barros, tenenje^coronel commadante
do 59 batalhSo de infantaria.
Comarca de NazarethNo posto de
major, o capitao do antigo 19* batalhao
de infantaria, Joaquim Franciseo Belm.
Foi expedido -o ^eguinte bvso : ^
Circular abs pV'esidenta das provincias.
Ministerio dos'nefoeis da justica.^2'
sejUo:Rio de Janeiro, 21 de Dezembro
de 1888.
Illm. e Exm Sr.Subsistindo o ajuste
que se fez com Portugal para ser substi-
tuida pelo decreto _n. 855 de 8 de No-
vembro de 1851, a convencSo consular
promulgada por decreto n. 6236, de 21
de Junho de 1876 entre o Brasil e aquel-
la nacao, conforme se deckrou em aviso
circular n. 29 de 29 de Maio de.1884, re-
commende V. Exc. de novo s atorida-
dadea i'.oinpetentes dessa provincia, a fiel
observancia do referido ajaste.
Deus guarde a V. ExcA. Ferreira
Vianna.Sr. presidente da provincia de...
Ministerio la Agricultura
Por decrete de 22 de Dfczembro findo
Ministerio da Justica
; Por portari ade 19 de Dezembroproxi-
mo findo foi declarado sem erato o
dccrjto de 22 de Fevereiro ultimo que
nomiju o bacharel Raymundo
da Silva para o- lugar de juiz munici-
pal 9 de orphaos do termo da Imperatiz,
na jrovincia do MaranhSo, visto nao ter
entrado em exrcSo no prazo legal.
Por decret de 22 do mesmo mez
foi nmeado o bacharel Joaquim Augusto
Gomde para o lugar de diz municipal e
de o'phSos do termo de S. Carlos do
Pinhafem S. Paulo.
N( foi agraciado o reo Jos L'uz Vi ai-
ra d Silva, ex-agnte das rendas provin-
ciaei na villa de Palmeira dos Indios, na
provincia das Alagoas, condemnado por
acoiiao da RelacSo do districto pena de
4 nog e 8 mezes de prisao simples
mulTde 20 [0 do damnO causadoi1 por cri-
y me Je prevaricacao, *
Por actos de 22 do dito mez foram
noraeadoB para a guarda nacional.
Provineia do Para
-+ Comarca de Camet tenente-coronel
conmandan te do 4.* batalhao de infanta-
ria, jo capitao Jaeintho Moreira.
I aCamarca de Braganca coronel com-
manlante superior,' o tenente-corone!%n-
toni OaetanO Ribeiro.
.. Otanarca de Cintra coronel commadan-
te stperior, o tenente-coronel Anigio An-
toniDiaB; tenente-coronel commandanle
do lV batalhao de inmutara, o capitao
oaqvp Roberto Pimentel.
Comarca da capital tenente-eotqnel
comnartlante do 4.- batalhao de infauta-
ria, Antonio Carlos de Paiva Sobririho.
Provincia de Pernambuco
i tomarca do Cabo Antonio ^uiz de
Mello, tenente-coronel commadante do
28;btalha de infantaria. f'
Comarca de Nazareth Manoel Estel-
lita di Oliveira Mello, major ajudante de]
ordem; 'eeeretarie geral Jos Luiz, Mas-
que! acalhao, capitao" quartel-mestre.
Comarca de'Olinda Dr. "Eduardo A-
gusWda Silveira, capitto cirurgi3o-mr.
^Oamarca de Bonito e Bezerros Jos
Corndio de. VascOncellos, tenente-coronel
comnsflante do 6..- batalhEo da rfes'rva.
CoSarca de Agus BellasJos Fausti-
no Fausto, major ajuda' rdens, se-
cretaro geral: Manuel Soree de Albu-
querfie P#ieco, capitao quartel-m.
Coparca. de GaranbunsCapitao. Anto-
nio Plato Correia, promov -.ente
coronll commadante do 59 1
infantario.
Comarca do Bom ConselhoMajor aju*
1- daote,de ordens, Candido dao.U V.lle-
prripti de la ; .capitao quartel-mestre, Joaqu.m \ ,e-
DECRETO Ne 10,132 -de 22 de dezsh-
BRO DE 1888
k'ra um corpo d^ cavallaria de-guardas
naeionaes na comarca de Palmares, na,
provincia de I ernambuco;
. ttendendo ao que representou o pre-
sidente da provincia de Pernatribucof Hei
fpor bem desretar o seguinte :
Art. 1." E creado na comarca de Pafc
urare da provincia de t ernambmjo, uto
corpo de cavallaria, com dou8esquaar3e
e a designacio de 10*, que ser organisa*
do i* "municipio de Palmares.
Art. 2. Ficam revogada as disposi-
c5es Un contrario. k'
O Dr. Antonio Ferreira. Vianna, do
meu conselho, ministro .e secretario d
Estado .dos negocios da justica, aesun o
tenha entendido e o Jaca executar. Pala-
cio do Rio de Janeiro, em 22 de pezem-
bro de 1888, 67 da independencia e do
imperio.
- om a rubrica de J3ua Magostad*.o Im;
peradw.
Antonio Fer eir Vianna.-
DE' 'RETO T 10,13-ir-DB 22 de dezem-
bro DE 18^
Crea unveerpo de cavallaria
nacin;..- na comarca da
pr>v nci.i de Pernaiul
de jjfuardas
Escda, ni
|)>r bvfltdecretar o eguint
rtigo nico. E' creado |fc.c
ra de Sonas:
Comarca da
Escada Tenente-coronel
. capital
Justino Epaminonda8 de Assumpcao Ne-
v* e Manoel do Nascimento Vieira da
Cnsilia Sobrinho organisarem para o esta-
belecimento de um engenho central desti-
nado ao fabrico de assucar e alcoor de'
Honorio cannna, no valle do rio Cursahy, munici-
pio de Pao d'Alho, da provincia de Per-
nambuco. ^^
Igual garanta sobr identlbo capital,
ao que o coronol Antonio Luiz de Araujo,
Maciel,, ou a companhia que organisar, e
estabelecer no valle do rio Japaranduba,
no municipio do mesmo nome da provin-
cia de Sergipe.
Igual garanta-sobre idntico capital, ao
que a companhia Progreso Agricola es-
tabelecer no valle do no Pindar, muir
cipio de Moncao, da provincia do Max*-
nhao.
Idntica garantia sobre .0 capital de...
400:0000," ab que o Barao de Mahiz de
Aragao estabeleceu com a denominacao
de Engenho Central Maracangalha,
provincia da Baha.
Idntica garantia sobre o capital de
750:000(J que a companhia Agricola de
Campos empregar no estabelecimento de
um engenho central, pelo processo de dif-
fusSo, no lugar denominado Ayrizes, fre-
grzia^e S. rjalvadftr de Campos, no mu-
nicipio de Campos, da^a>vincia H# Rio
de Janeiro,; e sobre capital de $50:0005,
am de transformar para o processo de
diffusao, os Sctuaes apparelhos de usina
Barcellos, de sua propriedade, ficando
obrigada a estabelecer, sem garantia de
juros, 3o engenho central n$ margem es-
querda do rio Parahyba, nos limites divi-
sorios dafreguezia de Santo Antonio de
Guarulhos, do municipio de Campos, com
a freguezia de S. Francisco de Panla, do.
muniipio de "S. Joao da Barra, ambas na
provincia de Rio deManeiro.
- Ao director da estrada de ferro de
Baturite foi expedido, a 12 de Dezembro
o aviso aeguinte:
A' vista da exposicio constante do seu
officio de 26 de Setembro ultimo, relativo
ao aviso-circular de 23 de Julho do cor-
rente anno, autoriso Vc. a /eduzir o
frete dos gneros de importajlo nessa es--
Irada, de modo que nao seja superior a
35500, para cada "0 kilogrammas, o
transporte a paga*do armazem nessa
capital casa do-commerciante na serra.
Deu*gude a VmcAntonio Prado.
- Foi exonerado, a seu pedido, do lugar
do escripterario da fiscalisacao da estrada
de ferro de Carangola, Jos Gonsalves
Jaym. ,eado para o referido lugar
Antonio Teixeira Mendes, pfercebendo os
veacimentoa que lhe competirem.
A's prudencias de provincia expedio
hontemio ministerio da agricultura o se-
guinte avi circular:
Illm: e Exm Sr.Conhece V. Exc-
o penaamento manifeitado pele poder le-
gislativo quanto ao servico da immigra-
cSo, que tanto importa prosperidade na*
cional, nao.j -considerada somente pelo
aspecto da immediata expanaao. da rk)ue-
za, .mas ao mesmo tempo com referencia
obrado povoamento, que deve constituir
para a nossa patria vivo empenho e aspi-
racao ardente. As leis m. 3,396 e 3^97
de 24 de Novembro ultimo nao se limita
ram a conceder avultado crdito pan oc-
correr. s grandes necessidades deste ramo
da administracao, por tal modo providen-
ciando com previsao sabia para que posea
augmentar^ correate> jmmjgratoria. que
j no corrente ao supprio cbin 129,000
bracos estrangeiros as torcas protectoras -
do imperio. Pela segunda das menciona-
das leis foi estatuido que a verba decre-
tada salvo a paite destinada a despezas
goraes, baja de ;r applicada s provin-
cias nos servidor de trras, immigraco e
colon8aco" nacional. e estrangeira.
.0 governo imperial deseja executar
fazer executar o penaamento do poder le-
gislativo "com a maior diligencia, covenci-
do de qne a immigraco, podendo ser util-
mente desenvolvida em algumas provin-
cias e desde j iniciada em outras, nio
tardar a achar condicSes de bem-estar
em todo o Brasil, posto que para algumas
circumscripc'es se tornem necessarios por
algum tempo trabamos preparatorios que
devem convergir para a viaclo como para
elemento essencial da actividade do orga-
nismo econmico.
Attendendo s circumstancias dessa
provincia, e ao crdito que lhe foi desti-
nado, propor.V. Exc. qual o meio de o
applicar mais eficazmente nos servicos
correspondentes. Dado que taes circums-
tancias nilo aconselhem desde j a intro-
dcelo de immigrantes, indicar V. Exc.
s providencias preliminares da realisscio
deste desidertum, entre as quaes parece
que nenhuma dever disputar primazia
.construccSo de estradas que, servindo zo-
nas ferteis, incitem a povoal-as.
A' maior parte das provincias convir
a introduccao immediata de immigrantes,
e o governo imperial, como era de se
dever,- tem disposto as cousas de ma-
neira que no correr do exercicio e desde
a sua entrada estar habilitado para ea-
caminhar immigrantes com deptis a aquel-
Jas que desejarem introduzil-os, respeita-
da em todo o caso a liberdade, sempre
garantida ao immigrante pelo governo do
Brasil, de escolher a localidade e o modo
da sua collocacZo. Ter V. Exc, estudado
esta questao e cont que nio se demorar
a suggerir o meio apropriado a resolvel-a,
quanto a esta provincia, pelo modo que
melhor quadrar s suas necessidades e
condico'es.
as provincias de S. Paulo, Rio de Ja-
neiro, Espirito Santo e Minas Genes, so-
bretodo na primeira, lavoura organisada
rfos estabelecimentos particulares tea
achado na immigraco estrangeira suppri-
mento inestimavel de forcas, mediante
ajuste de trabalho por alario, e per em-
preitada. A prov a exuberante da utilida-
de xequibilidade deste systema contra o
qual nXo ha queixas que facam receiar pela
harmona das relacSes e dos mutuos interes-
ses dos locadores e locatarios de servicos,
resulta da constante exigencia de bracos
estrangeiros por parte da lavoura e da
promptidJo e boa vontade afta que os- in-
migrantes procuram e aceitam este modo
de collocacd.
Chamo para este ponto toda a atteneto
de V. ExCi J2onvocaudo Iavradores que
pela pratica da sua nobfe profissao, ex-
tensao das suas culturas e espirito escla-
recido, ftossam influir pelo exemplo, con
vdal-os-ha V. Exc. a iniciar nos seus es-
tabelecimentos o trabalho do braco estran-
geiro, assegurando que o governo imperial
lh'os fbrnecer na escala necessaria, &-
zendo-os transportar custa do Estado at
os me8mos estabelecimentos. Para recepclo
e provisorio agasalho destes immigrantes,
no que deve haver todo o cuidado, lembra-
r y. Exc. o gue convier,jnediante*rca-
mento da desjjeza. >
Convindo doscnTolvcr ncleos existen-
tes ou fundal-os, far V. Exc. escolher
terrenos aptos e organisar plano de viaclo
interna e externa, indicando opportuna-
mente qual o numero de lotes dispQnyeis
para familias naeionaes n estrangeira*, e
propondo a organisaco das commissoes
technicas que forem necessarias. Acere
destes ncleos ter V. Exc. na mais par-
ticular consideracao a necessidade de
os collocar em territorios, prximos dos
centros de permuta, de manaira que dis- r
ponham de vas de communicaclo facis
e econmicas,
ABsociajSes destinadas a divulgar as
vantagens da immigraco e colonisacao,
zelar os interesses dos immigrantes, a
suggerir providencias ueis e a propaga?
ideas sanB acerca deste ramo de activida-
de, poderiam constituir-se emeazea auxi-
liares da administracao, e eBtou certo de
que os bns cidadaos dessa provincia n*o
recusarao.este prestante concurso ^V^H
Exc. lhes solicitar.
Oque tudo tenho como myi m-endado ao zelo e ao patrio^BOie de V.
Exc. -Jf
Deus guarde a E^ Atonio i'rar
^ 1 j 4-
Por aviso de^ff R concedido o crdi-
to de 12.00lpff p&ra conclusSo das obras
da rotundajpe, para uso da estrada de
Affonso, est sendo cons-
uida & Jatob.
de 27 deliberen o ministe-


. .



I


q
1\
1
HIIRMI i

4
4
H
4
a



Diario de Pemambuco---Quinta4eira 3 de Janeiro de 1
\

1:1320446, a construccao de
. para cargas annexo a sta-
I da estrada, de ferro de Ba-
ovincia do Cear.
pmcia da provincia de W ma-
VToi a 1 dirigido pelo ministerio
rricultura o aviso segrate:
lim. e Exm. Sr. Declare V-
Exc. a
ncipal da aidade daQeapanie
sontiaieBlos WMiiiea-
1 do aeminta
Sr_ inspector
Cepita
, penhorado do
.dos pelo seu ofBoJe d*
pero que a ranrileaya*. da estrada de
Jarro Minas e o- para acaguas mineraea
teCaxarab, deLambary e de Cambu-
tera, corresponder patee sene reaultados
no intuito coin que foi deoretedo palo po-
*r legislativo e s MtnaHrio pelo gavernoja
imperial como providencias de grande al-
eaoce, nao s para aquellas regios e para
as zonas intermedias, mas tainbem para a
gande publica.
A cidaoe da Campanha, ponto term-
de um dos ramaes decretados, ter
ta aawInr f*<- o
'm Thesouro Provincial,
__pt&o Manoel Boaerra do Santos Ju-
Bior.Autoriso a compra predio para
Servir de ^fcdela publica 6a eidade de Be.
zorros, porofilcio'desta flata a'inspector
o Thdeouo Provincial, pela quantia de
*:OeOt?000, tican* oimpplicaiite obrigado
a fazer as medificacoes oreadas em.....
l:ttPOO sefliilni pela diraotana geral:
daasobras publicas na informaciO de 23 de
Abril deste anno sob n 84, sendo pago
matade dowalor da compra qaando coaT
cluida a obra no praae mximo de seis
meaos e recebida por easa repartilo.
Nao concluido, porem, ou nao saudo ella
feita as ceadicoes devidas e mencionadas
oontraeto e orcamento reapectieeav
sorao feitas, ou concluidas pela mesma
repartivao de obras publicas por conta da.
quantia restante no Thesouro Provincial.
Bacharel Joao Zeferino Peres de Lyra.
h
xa ao mea coiihnaionto os seguintes fa-
dos.
No dia 23 do raez prximo lindo, pelas
7 horas da noute no lugar Ribeiro do
Mel, d'aquolle termo, e por questSes de
rocas, o individao de norae Genuino Bar-
bosa de Senna, ferio levemente com urna
taca a Alexandre Baptista de Oliveira.
Proceceu-8e a respeito nos termos da
le i.
No dia 24 tansaem. d!aquellc mea, pelas
11 horas da naate, no lugar Bom Successo
do 1.- distrioto do meamo termo, o indi-
viduo FranciatfT Telles de Aiencar, feaio
mi
Manoel Pereira de Mendonoa, que veio a
tal leer no dia seguinte.
O delnquenes foi preso. am> Sagran te. i
Pelas 6 horas da manha de 2(5 d'aquolle
mee, no lugar Cumbe do mesmo termo^
Manoel Maria dos Santos e seu irmo. J-a^
cas Jos Pereira ferjram gravemente coin
Inspectora eral da Insl riirce
Publica
DESPACHOS DO DIA 28 DE.DEZEMBftO
de 1888
Francisco Mancel Bezerra de Vasconcellos.-*
Cumpra-se registre-se.
29
Ignez Baaaalho Ucha tovalcBaav^kn.
31
Dmboliua Lourenga Ribeiro do* Btis.8im.
Malino leidio da Costa Vieira. N'io ha que
talmente com 3 facadas a en so'brmho lM,'rir fm *>8'a dadetennBacm,d8.pridncia-


nal
por aquelle modo commumeacao prompta,
eoinmoda e econmica para vario merca
dos e asaim poder desenvolver se na pro-
poryao dos elementos de prosperidado que
sobejam vasta regio onde est assun-
taia.
ihsus guarde a V. Exc Antonio Pra~
3o.
Mi ni a te H o da Berra
Por decreto de 15 de Deeembro foi no-
eado oominandante das armas da provin-
cia, de Matto-Qroaso o marechal do campo
Maaeal Deoduro da Fonseca.
Rh- decretos de 22 tambem do mesmo
me f>>i nomeados:
Pibarmaeeutieo-alferes do corpo de sade
de.eaereito, o pharmoceutico civil Arist-
teles S.iuto de Bivar.
(Joacedeii-ae transferencia para a-ara
ie artimaa, nos termos do art. t8 da
lei n. 1J43 de 11 de Setembro de 1861,
ao alfenee do 4." batalhlo de infantera
Joto de Soma Martina.
Foi transferido para a 2. cJasse do
exeaeito, .de conformidade com o diaposto
xa inmediata e imperial resolucao de 1 d
Abril de 1871, o 2.' tenente do 4. bata-
U, de artilharia a pe Felinto Aleiao
Braga Cavalcante, ficando aggregido
jnna .a .qae pertenca, visto ter sido jlga
ao ioeapaa do servtoo.
Canee de u-se ao 2.a cimrgiio do corpo
le sade Dr. Jlo da Gama Castro a de-
ssao que pedio do servijo do exercito.
O estado-maior do coronel de arti-
iharia Candido Jos da Costa, nomeado
ara cammandar urna das brigadas em
Matto-GroBBO, comp4*Hae doa- Sr.: aasia-
lento do ajadante general, o eapi.tao de
aavailaria Carlos Augusto Piaito Pacea;
assistaote d quartel-mestre general, o t-
sente de infantera Augurto Frederico
Galdwel do Couto; ajudante de orden,
lente Eduardo da Silva.
Foram designados: para a 4." cora-
yanhia do 1. batalhao de infantera o ca-
sita* Alfredo Tavora, em subatiticao ao
tapitao Flaminio de Vasconcellos Machado,
ane cara.adido a 22. ; para m4.* do 7."
a caplo Geraldo Jos de Lemos, em
subtuieao do capitao Veritaimo Mximo
fime* da.Silva, que ser incluido, como
affecJve no 22." de ifantaria, na vaga
d'aquae; e anda para a 7.a o ale-
les Antonio Beato da Costa Real Jnior
em aubstituicfio ao alferes Jofio Alfreda
Sarboaa Lima, que ficar adido ao 23..
. Foram transferidos, por traca, os
meatos .loao Barbeza Espinla e Joao
Alexandrmo Villa Forte, este do 23.
aquelle do 1." batalhao de infantera.
i Incluidos comoaggregados sol." de
afanteria os tenentes Alberto Gaviao Pe-
reir Pinto e Joaquim Justiniano da Silva
Carvaho. I
Foi, mandado desligar de addido ao 10.
a alfares Alcibiades Cardoao de Menezes
a Souza, que dever apresentar-se re-
farticat) de ajudante general.
Forie mandados addir: ao 1." ba-
fcdhao de nfantaria o tcente Jeronymo
Teixaira Franca; ao 10.a o capitao Adol-
pbo de Alencastro Graca; ao 22. os ca-
pitaea Joaquim Fernandes de Andrade
Silva a.Antonio Bemardino de Arauo; ao
23.* es capitaes Wenceslao Firmo de Car-
vaho Manoel Prisciliano de Oliveira Val
ladao. o tenente Antonio Sebastifio Basilio
fyrrho.
Foram tambem transferidos' para o
Si.0 29 pracas e para o 3. 34, anm de
aerem substituida por igual numero das
d'aqulles batalhoes, s quafs falta mais
de um anno para concluso de tempo.
Fci noajeado auxiliar da parte gco-
jraphiea da.commissao de engenharia mi-
litar em Matto-Groseo o capitao-tenente
Wuriano Jos Martins Posea.
Ministerio da Marlnha
Foram, em 12 de Ueaemhro lindo no-
meados praticantcs do corpo de machinis
la* da armada: Joao Teixelra Cardozo,
Jas Pinto, da Gama, Arthur Eeopoldino
Arantes, Liz Moreira ta berra Pinto,
JLrthur Alves PortilhoJJaatos. Alfredo I >u-
avngues Lopes, Geraldo Alves de Moura.
Tancredo Joaquim Alves, Joao Candido
Sodrigues, Joao Goncalvea de Sant'Anna,
Joio Cecilio de Oliveira, Simplicio Anto-
io J)miz, Sebastio da Costa Oliveira e
Francisco de Paula Silva Lousada.
overao d* Provincia
JBSPACB03 DA JTW 81DENCU UO DIA 29 D
D ZEUliEL' DE 1888
Adolpho-^irrao de Oliveira.Indefen-
sa. O contrete foi* 1" e 2" vez considera-
ao rescindido, pelo que nao tem nizao o
eapplicante, como ficou demonstrado na
portara de 11 de Maio ultimo.
Franco Gavalcante de Albuquerque.
Sim, a contar do prximo futuro semes-
tre.
Bacharel los Cornelio LeitSo Rangel.
Insarainhe-se, devendo ser pago o porte
fea reparticao dos correios.
Jo6 Lins Marques Bacalho e Manoel
Thomaz d" Albuquerque Maranho.-^-In-
fcferido. Paa < municipio de Pao d*AIho
acaba de ser ceaaedido pelo governo im-
Cial um engnht central, nao ha, por-
to, necessidade dfr^jejtar a provincia
a encargos da mesma nakqreza e para me-
Jhoramento j attendido.
Bacharel Lindolpho Hisbeno ^orreia dt
Aran jo.Concedo, podendo cuitar no
aazo da licenca dentro de 15 dias.
Bacharel Miguel dos Anjea Barros.
Certfique-se. :
Eatregue-se ao .supphcante a r^j^^J^A^Si^Ji'T"^
preatayao d auxilio em apolices no valor
de cem contos de ris de que tratam as
clausaa 8* e 9* da portara de 20 de Ja-
neiro do corrente anno : a segunda presta-
cao, porem, s lhe ser concedida depois
de postas no lugar destinado fabrica to-
dos os raateriaea a que se refere a citada
clausula 9 dos quaes faro parte inte-
grante as pecas reconhecidas necessanas.
Romao Pereira Filgueira Sampaio.-Ao
Sr. inspector da Thesouraria do Faze'nda
para os fins convenientes.
Secretaria da Presidencia de Pernam-
buco, 31 de Deaembro de 1888.
O porteiro,
A; Chac.
cisco de Alcntara conhecido poi Caqel-
lo, e este por sua vez ferio levemente
com urna faca a Manoel Maria que foi
preso em flagrante e "bem assim Lncas
Jos Pereira, evfldindo-se po m Alean-
tara.
Abrio-se o competente inquerito que j
teve o destino legal.
Ainda no dia 24 tambem do referido
mez, no lugar Mungbado 1," districto do
mesmo termo, Aquilino Barboza de Fort"-
tes, tentou assassinar com um tiro e gol-
pes de facao a seu primo de noine JoJo
Jos de Fontes, evadindo-se em seguida.
Abrio-se o competente inquerito. *_
No dia 21 do mez passado no engetSo
Humavt do districto de Bonito, Anto-
liepartieo de Polica
2.a sceloN. I<3t2. Secretaria de
Felicia de Pemarabueo, 31 de Dezembro
de 1888.Illm. Exm. Sr.Participo
V. Exc. que foram recolhidos Casa de
DeteacAo os oeguintea indrvdws:
No da 29:
A' minh* rdem, Vicente Miguel dos
Aojos, como desordeiro; Jos Francisco
de Souza e Benicio Antonio da Silva, como
alienado at que tenha conveniente des-
tino.
A' ordem do Dr. delegado do 1. dis-
tricto da capital, Antonio Francisco Cor-
reia, por embriagues e offensaa moral
publica.
A' ordem do do 2. districto, Alexandre
Antonio Pereira de Jess, por uso de ar-
mas defeza.
A' ordem do subdelegado do 1. distri-
cto da freguezia de* S. Jos, Ignez Maria
da Conceico e Maria Magdalena, por dis-
turbios.
No dia 30, nenham individuo foi reco-
Ihido aquelle" estabclecimento.
O delegado do termo da Gloria de
Goit, communica que no dia 20 do cor-
rente acompanhado do_ Dr. promotor pu-
blico, do esc'rivao o do respectivo caree-
reiro, fez a visita na cadeia, onde encon-
trou diversos de temos que nenhuma re-
clamacao fizeram.
Na noute de 23 tambem do corrente,
em trras do engenho Curuz do 1. dis-
tricto do termo de Gamelleira, o individuo
de nome Jos de tal, conhecido por Cabo-
clo, ferio levemente com urna faca ao seu
conhado Antonio Roque.
Procedeu-se a respeito nos termo da
lei.
Communica o delegado do termo de
Santo Antao, que no dia 25 d'este mez
pelas 9 horas da manha, o individuo Jos
Paulo, solteiro, de 30 annos de idade, em
estado de embriaguez, atrrou-se dentro de
um,acude do engenho Triumpho d'aquelle
termo, resultando morrr asphixiado.
Acerca do tacto procedeu-se nos termos
da lei.
No dia'26 do corrente pelas 4 horas da
tarde, em texras do engenho Conceicao
do mesmo termo, incendiou.se casualmen-
te a casa de palha pertencente a Maria
Francisca, vindo a fallecer as chammas,
os menores Severino de 18 mezes de ida-
de e Euzebio, de 3 mezes, tlhos da mes-
ma Maria Francisca.
Procedeu-se acerca do facto, nos termos
da lei. ?
O subdelegado do districto.de Beberihe
participoa-me, haver capturado o individuo
Liberato Bezerra de Carvalhp, indiciado
como autor dos fermentos graves na pes-
8a de um dos criados do, major Lapa
facto este que se dera*o lugar Peixinhos
d'aquelle districto.
Ante-hontem s 8 horas da noute, no
lugar Atcrrinho do Giqui do 1. district,o
de Afogados, travarrfm-ae de razdes os, iri-
dmduos de nomes, Antonio Joaquim de
Sant'Anna e JoSo Coelho de Mello, resul-
tando d'eila sahirem ambos feridos.
Foram presos em flagrante.
O subdelegado respectivo tomando CQr
nhecimento do facto os fez recolher ao
Hospital Pedro II onde foram vistoriados
pelos mdicos da polica.
Abrio-se o competente inquerito.
Deus guarde a V. Exc.illra. e Exm.
Sr. desemaargadoT Joaquim Jos de Oli-
veira Adorado,- muito digno presidente da
provincia.C'chefe de policia interino,
Francisco D9,ningwe$ Ribeiro Vianna.
2.' seceso.N. 1.Secretaria de Po-
licia de Peruaiubflco, 2 de Janeiro de
1889. Illm. e Exm. Sr. Participo a
V. Exc. que oram recomidos Gasa de
DetencSo os seguintes individuos :
No dia 31:
A' ordem do Dr. delegado do 2." dis-
tricto da capital, Antonio Jos Ferreira,
por disturbios; Antonio Francisco de As-
sis, Sabino Raymunao das Chagas, Vero-
nica Maria da Conoeicao, Mria da llora
Tavares, Maria da Hora da Annunciacao,
Severina Antonia do Sacramento e Rita
Maria da Conceicao, por disturbios e of-
fensaa. moral publica.
A' ordem do subdelegado da fregnezia
do Recife, Antonia Gomes da Conceicao,
por crime de furto.
A' erdem do do 1* districto da fregue-
zia de S. Jos, Joaquim" Ceaario dys San-
tos, Ildefonso Goncalves de Siqueira, por
disturbios minha dlsposicao C Antonia Vi-
ceacia do Espirito Santo, por crime de
furto.
A' ordem do do 2.* districto da Ba-
Vista, Candido Paacboal Leal e Joanna
Maria da Conceicao, por embriaguez e
disturbios.
No dia 1, do corrente, nerihum indivf-
duo foi recomido aquelle estabclecimento.
O delegado do termo de Liooeiro, trou-
nio Epaminondas de Mello, estando com rdativamente aos Bxms. Srs. desembargador Joa-
\i_____:_a_l* .. >?^ ni. urna pistola na mao aeonteceu disparar-se
esta, empregando-se toda a carga no me-
nor Leovigildo de 3 annos de idade, tilho
rde Antonio Jos Soares.
O assassino entregou-se a prislo, e con-
tra elle procedeu-se nos termos da lei.
O delegado do termo de Garanhun,
communica que no dia 23 daquelle mez p
no acude do engenho Quilonga. pertenceij-
te a Jos Flix Monteiro, foi cncontradop
da provinela de 2 de ^ovambr^ ftndo, que tiao-
dou por a auicurso a cadeira requerida.
,i' -
DIARIO DE PEBHAMBCC
^ECIFE, 3 DE DEZfciMBRO de Woff*
\lminiNiraro da provincia
Cbegou bontem no vapor Nerthf e toma posse
hoje da administraco d,i provincia o Exm. Sr.
Dr. Inocencio Marques d'Araujp Ges.
Temo, pois, diant da no=.sa critica e aprecia-
cao os actos da admiuistraco que fida e as pro-
messas e csperacas da que vui iniciar-se.
Felizmente para nos, uo desempenlio desse
dever, imposto por nossa misso, nao experimen-
tamos o constrangimento nem fazemos a violen-
cia a que umitas vezes Toreado o jornal isla inr
pondo silencio s suas relagOes pessoaes, para
dizer a vc'rdade inteira e fazer inteira justica.
Felizmente para nos, o juizo que tazemos da ad-
miuistracao que linda e as esperanzas que temos
na nova udministracao eatao perfeitameate con-
soantes com os nossos sentimeulos imlividuacs
cadver de um homem que reconheceu-se
ser Jos Ribeiro Ribas, alli morador.
Das deligeacias procedidas, verificou-se
ser o autor de crime Manoel Monteiro da
Silva que foi preso.
Acerca do facto abriu-se o competente
inquerito queja teve o destino legal.
Communica o delegado de Bonito, que
no dia 22 do mez passado derarn-se alli os
seguintes factos:
Yendo elle recebido urna precatona con-
tra Francisco Carpina, pronunciado no ter-
mo de Caruar as penas do artigo 257
do cdigo criminal e que se achava homi-
siado em trras do engenho Capivara do
6.- districto policial daquelle termo para
alli se dirigi acompanhado do respectivo
2.- supplente do subdelegado, e de mais 5
pracas atiin de capturar o mencionado cri-
minoso.
Ab chegarem a casa de Francisco Car-
pina, que se achava na porta da mesma e
de.espingarda na mao, foram recebidos
por um. tiro, cuja carga empregou-se no
re erido 2.* supplente Manoel Joaquim de
Amorim, traVando-se entilo renhido luta
do qual resultou a morte do mesmo cri-
minoso e ferimentoa leves, em xluas pra-
cas.
Amorim veio a falleoor 48 horas depois.
Procedeu-se a respeito BM termos da
lei.
O delegado de Canhotinho, participouj
moque no dia 15 daquelle mez, o.indivi-
duo de nome Jos Alexandre de Souza*
em estado de embriaguez ferio levemente^
com urna faca a sua propria mae, Joaqui
na Maria do O'.
O criminoso foi preso e contra elleabri-
ae o competente inquerito, que j teve o
-destino conveniente.
No da: 23 do mez passado no districto
policial de Palmeira do termo de Garl-
nhuns, e no sitio Hiacao, os individuos An-
tonio Francisco de Souza e Manoel Fnu*
cisco de Souza, assassnaran com 11 I
cadas a Valdevino Antonio de Lima, ev-
dindo-se em seguida.
Pelo delegado do termo de Limoeirt,
foi remettido. ao Dr. juiz municipal daque- do governo geral
le termo, o inquerito policial procedieS Feiicilando o.des mbarfadarOuveira Andrade
contra Joao Francisco da Silva como a|- p^ administraco que fez, e o superior Tribur
tordo defloramento praticado na menr ua| B,elacao, quavai receber eme^useio um
Marcolina Maria da ConceicaO. magistrado doa mai honrosos crditos, resumi-
O ofittial externo desta repart9ao, par* pos todo o elogio i* qOe S. Bxc. digno, repe-
ticipou-me que chegaram ^ hoje ^ ao port# tindo-o no seguinte xmceo de um juiz da maior
quim Jos' de Oliveira Andrade e i r. Innocencio
Marques d'Araujo Ges.
Ainda mais :acreditamos, que as aDreciaces
que passamos a fazer rpidamente traduzirSo, se-
uo o sentimeato jjeral da provincia, por virern
quebrar a uaanimidade, o espirito de,partido e a
iutransigencia poltica, ao menos a opiniao uni-
forme do partido a que se achara (liados os dois
distinctos e lloarados administradores.'
Com effeito, quanto a administraco que hoje
pe termo sua misso .honrosamente, seria fal-
tar justica e a verdade, negar ao Exm. Sr. de-
lembargador Oliveira Andrade os elogios que
ir.eiece e, as felicitaces a que, pjr iaso, tem in-
contestavel direito.
i. Exc soube trazer para essa administraco
a rktido, a justica e a iraparcialidade a que se
halituou como distincto magistrado que e ex-
hib) repetidas pravas da cultura de seu espirito,
de seu incoutestavel senso pratico, de sua louva-
vel licitudc pela provincia que foi-lhe berce e
de sta lealdade para com os amigos, sem toda-
va, nitorisar justas rccbuaaces dos adversa-
rios.
E' esta a synthese de $ua aihninistracao, e
n'ella vai o mais completo elogio.
Alen de louvavel actividade no expedieute dia-
rio de seu gabinete; da audiencia constante das
partes, porque S. Exc. era para todos accesssivel,
sem das certas, sem horas marcadas: licam nos
diversas ramos do servico publico, coofiado sua
crileriosa direeco, hauroaos traeos, que ho de
salicntar seu nome na lista dos administradores
qu tem tido esta provincia.
Com effejto, alm de outros servicos, o Exm.
Sr. desembargador Oliveira Andrade desenyol-
vcu louvavel solicitude e pxestou particular alten -
(o salubridade desta cidade, que alii est re-
clamando serios cuidados da parte dos poderes
pblicos; coloaisaco eiuiaiigraeo, assumpto de
vital interesse para o futuro de nossa industria e,
particularmente, de nossa agricultura; e s con-
di{6cs precarias e difliejii/nas de nossas tinao-
cas, logrando obter, em favtr destas, medidas de
couiiauca da Assembla Provincial, sem transigir
com os adversarios, alli, em inaioria, do que
prava cloquate a iseajo de animo cota que S.
Gxa negou sauccao a quantas resoluces lhe pa-
receram contrarias s leis e aos interesses daj
provincia.
Si algunas qveixai se levantaram porventura
contra essa administraco, alm de que seria ex-
cepcional o faci centrario, foram to raras, que
desapparecem dimite das adheses que ella sou-
be crear, e que mulo mais augmentanam, si as
circumstancias na tivessem inspirado as honra-
do administrador < deseju de rerar-se do hon-
roso posto em que y havia collocado a coniianca
Pos amigos.
desta cidad, 2 botes cenduzindo 20 pea
soaB inclusive a mulher do eapitao da ga-
lera ngleza. Stepken D. Hoilen que tora
incendiada no dia 27 do mez passado no
alto mar. Relativamente lova administraco nao sao
Deus guarde a V. Exc. Illm. e Exm. menos agraaveis a) nossas impressea
competencia:6 tu nefti de niorrer pelo dever e
pelo amigo.^

Sr. desembargador Joaquim Jos de Oli-
veira Andrade, muito digno presidente da
provincia.O chefe de policia interino,
Francisco Dommjne Rifteru Vianna.
Commando Superior
qoakteijwcommanu. sup Uvu da GUi*^peteucia; sua indiudualidade ptica.
DA KACI. NAL DO MUNICIPIO D KEC1FE,
^ PE Jane eo "E 1889.
Ordem do dia n. 87
0 Exm. Sr. Dr. lQioceucio Marques d'Araujo
es nao nonhumidesconbecido, nenhuma in-
vencSo de occasio, kue veni surgir de sorpreza
aa cadeira da presidencia desta provincia, rodea-,
do de pontos de mtorrogaco relativos sua pro-
cedencia, aos seus" tiulos e servicos, sua com-
iendo o Exm. Sr. Dr. lnaocencio Marques da
Araujo-Goes Jeaiert de tomar posse do cargo de inenjlar.lllu^. ^ traz para a administra-
presidente desta provincia, em nome de S. iBxc
o Sr. desembargador presiden e da provincia
convido os oiciacs da guarda nacional sob mei
commando, para assistuema esse acto <|ne ler,
lugar amaulia, i hora da tarde, no paco da C
mar Municipal. ; '
. Manoel Itert ns Fiusa.
Commandantc superior interine
Thesouro Provincial
DESPACHOS D DIA 2 Dt DKZKJtUBO
-DE J888
OlScies do Dr. procurador dos feitos, sob
as allegajoes d Rayinmido A'. Almeida Sampab
e da Geintiaahia de Edidcaeao.J-Volte ao Si.
Dr rcontador.
Ollk-io do Dr. procurador dos feitos, sobre
que allega Maiia Jo.iu'ia do Carinoe oficio >
diivclopia J/eral das Obras Publicas.Haja visi
u Or. procurador liscal. *
fliciu do Dr. administrador da RecJieiorii
Provincial.A' secgio do contencioso para o,
devidosJius, devendo ser archivado.
Amo- de Tavora.indeferido em vista dasinf
formacoes.
lucios do ir procurador dos feitos, sobre
oque aliagaBonto de Freitas Guimar.ies.-^Volt
a seceo do contencioso para declarar quera deii,
xou de azer abonos a que se refere sua ultima
intormagao.
Oflicio do Dr. ctiefe de policiaInforme o
Ou eontador.
Oicio^o colleeloi de PalmaresAo Dr. con-
Ltador para nuiular lornecer.
' (Juicio do Dr, procurador dos feitos, sobre al
ieUCOesde Ipaqniu '.etulio de Azevedo Souza.
informe o escriplurario Caetano Mara de r a
ria Heves.
Ao contraro, individualidad!1 poli tica accentua-
da, homem publico vontajosamente feito, advo-
gado iutellujenle, festejado jorualisia e parla
cao desta provincia os mais valiosos ttulos e para
as esjieraiiciique desperta sua administraco os
melhores fundamentos
Habituado a estremecer pelos interesses vitaes
de sua provincia natal, da qual tem sido incau-
-avel- paladino na imprensa e na tribuna, parla-
mentar; amestradq por isso nos diversos servi-
dos que coustituem a adminUtrace de urna gran-
de provincia, S. Exc. d seguras garantas de que
ser um administrador na altura de scus crditos
da honrosa misso que llie foi conliada.
tem outras poiant ser as nossas impresses e
as previses de quantos aopmpaiilKim com inte-
resse o movimento politico do paiz Monhecem os
nomes que n'elle liguram.
Partidario aonesto, porem decidido da idea
conservadora ; delegado de um governo, do qual
amigo,dedicado e valioso apoio; de posse de
bem fundada reputagao de homem di talento, de
estudo'eda trabaio; vulto da maior proeminen-
cia na poltica da importante provincia-da Babia,
que na ultima eleico senatorial a que alli se
procedeu, deu-lhe disso as mais eloqentes pro-
ras e, solemnes. demOnsJracaas,,o Exm. Sr. Dr.
Araujo Geos tem uo grande e precioso patrimo-
nio a zelar.
Esta nica consideraco-justifica as nossas-es-
perancas e segura garunlia de que Ollas ale
memiro.
A administraco vai reganar, e os batos, es-
tamos certa*, virao coaUrauc a nossa propueci*.
KcIrospcTo poltica do anno
> #8
'I A GERAL
A aoblico la yaeravattfra no razil oi o
acdTitedinefito politmou social mais importante
do^nno decorrido. / *
orno se\er mais ftalHadarhenf no prosT'-
guimento deste trabalhet a vida intima e e>iema
dajnaioriado^ estados owropeus e amercanoV
continuou, na generalidad de suas. manifesta
jcoes, incoherente, agitada f anacchica como os
espiritos que a-dominam. \
Em rclacao patria brazilefa, podemos ven-
turosa, ou deszracailamenie (seVatlendennos ao
longo lempo gasto na resolugao fio mais urgente
ios nossos piobleuiassociaes), nnemorar hoje um
wccesso de excefMMnl magnhydev -emfugir,
sob muitos aspectos, sorte comMium dos deinais
povos do grupo oc-dental, snjeitos ao mesmo
tempo accao de todas a- doutrnas dissolven-
'te-, das concepces mais arbitrarias e do doy-
raautuio mais-ratrogm'de, pMe^davin, onos-
so paiz aluraiar-se n'um farto de:suprema justica
e elevadi^48imo abnee nacional e hundjn
Os benecos resulta los, a aeco mo^aljU
da grande obra realisada em l.'l de Maio,
dero, com etfeito, os li uites do nusso territo'
liara tornare n--e n'uma brilhante conquista
mundo contemporneo
Aexistenca da escfravidio no j adiantado
meio sodl em ijue vivemos, alem de envenenar-
nos, una por urna, tola- as fontes da vida na-
cional, diminua inmjnsa nente prestigio das
ideas e sentimentos, cajo conjuncto forma a par-
te mais bella e solida da civilisagao do Occi-
dente.
A Europa entrega-se neste momento alta
empreza de extinguir o trafico dos escravos na
costa oriental do continente africano. Quaes
quer que possam ser os movis, que a conduzam
a esse proveitosissiino. e civilisador commetii-
nii'nto, con nueaucioridale se erapenharia el-
le, se o ^razil, com que. vive as mais frequen-
tes e e^tri'ilas relagOes. continuasse a mantel em
criminoso sei|ue>tr victimas desse nefando comraercio 1
Foi a Europa cega por chica to feroz de
grandezas, que a fez commetter actos de incrivel
selvageria a responsavel do renascimento es-
pantosamente contradictorio da escravidio na
propria phase inicial do grande desenvolvimen
to industrial moderno. Foi ellapor urna abei-
rac.io monstruosa dos sentimentos progressivo
uue liauaui transformado o escravo da antigui
dade no servo da idade media que levou essa
lepra maldirtaao seio das mesmas populacoes a
quem ia iniciar nos segredOsda sua ri vil i sacio.
Sem que desapparecessem. portanto, os ltimos
vestigios dessa iniquidade iufaraissima, com que
f, para nao dizennos com que diro, ira ella
lamer aos barbaros e selvagens de hoje o res-
peito pela liberdade e dignidade humana ?
Creinos que a Junta.de Emancipago da Franja
pensava no valor pratico, na torca moral, ao me-
nos, que a extineco da escravatura entre nos
dara sua generosa propaganda em outros pon-
tos do globo quando ha mais de vate annos,
era i 867, diriga ao Sr! D. Pedro II um fervoroso
appcllo em prol da liberdade do proletariado do
imperio.
Esse celebre documento era firmado por La
boulaye. Gizot, Henri Martin, Rroglie, Monta-
lembert e oniros homens notaveis da grande e
evangeusadora nacao, a que nos brazileiros,
como a maior parte dos poyos actuaos, devemos
o desenvolvimento da nossa sociabilidade e a
principal orientaco no sentido das transforma-
coes polticas. Welle se aliudia con franqueza
fluencia directa epersistente de imperador no
governo nacional, deduzindo-se d'ahi a possibi-
lidade em que eslava o soberano de obter a liber-
dade de dous milhoes de homens, pelo nico
effeito de sua respeitada vontadei
Nesse extenso poder da corda acreditou tam-
bera o nosso clero, desde que ltimamente, como
que arrependido da sua longa condescendencia
cora urna iustitu cao profundamente anli-christ.
instigava os sentimentos catbocos da princeza
regente em nome da justica devida aos escravos,
cuja libertaeao immediata julgava necessaria,
erabora por um acto de sabia dictadura.
Nuda, porem, iguala a clareza com que em
semelbante assumpto se exprimi .sempre o Sr-
Joaquim Nabuco. 0 distincto braaileiro, de
quem o brilhante talento e a purissima integri
ilade de carcter lizeram a maior fdrea da pro-
pagan ia abol.cionista^ nao oceultoununca o seu
modo ile apreciar e julgar o valor da autqrida/le
imperial, uo tocante 6 so uco do problema mai
urgente da nossa sociedade.
Nao queremos reeorcTar agora a severidade do
Juizo emittido a tal respeito por esse illustre par
lam-ntar no discurso que proferio na amara
dos Deputados, quindoalli se apresentou o prl-
nii'iro ministerio da actual situacao poltica. Bas-
ta-nos, como raz o da nossa aflirmativa, trasladar
para aqui as segpintes palavras pedidas ao seu
nolablissiino e admiravel livro 0 abolicionis-
mo, obra esL'rpia-co.n a eelrgia de um espirito
dignamente patritico e altamente Ilustrado :
Autnomo, sO ha ura poder entrenes, o po-
der irresponsavel; s css tem a certeza do dra
seguinte ; so esse reaeseuta a permanencia da
tradico naciooal.
E depois de reconstituir a gnesis do que en-
tre nsse-teto^baTAlo o governo pessoal, -
clue Q.habjje-jncisrve escrinter :
Vas,por isso tnsnib, D. edro lisera julga
do pela Tiistoria como o principal fi-spOBsavel
pelo sen loti-'o reinado ; lendo sido o seu pro-
prio valido durante quarenta e tn-s annos, elle
nuncaalmittio presidentes de ronselbo Superio-
res sua inlluencia, e de laclo, nunca deixou
o leme ( ora relago a cortos horneas gue occu
param aquella posito. foi lalvez melhor para el-
les e-para o paiz o serem objectos desse liberum
vet\. Niip a*si n nal que o futuro ha de considerar o imperador,
nas comrf'esjadista elle um Luiz l hilippe,
i' nao urna rainlia Victoria e ao estadista ho
ne ser tomadas eatreitas cuntas da existencia da
fiscrayidao, i legaj e criminosa, depois de um
reinado de meio seculo..
Nao discutiremos a justeza dessas proposices.
eixamol-as consignadas n slas columnas como
simples subsidio para a couiprhensao futura de
um fado que, ao lado do da independencia na-
cional, oci upar sempre o primeiro lugar nos
annaes da historia patria, a verdde porem, e
a oosso ver incoatesta>eli que o edilicio de
egosmo e Iniquidade cuja-soiabra se projectou
funestamenie, e por to largo prazo, era tooas
as nossas instif^oes nvis e puli'irag, podi
diixadode e(iarque as inanifcstates
cieotese irru-iativeis da epimio. puaft'
minasstiD o aeeflampMo. e taii atealwmtn
'ssim vesse ba aais^empo essemdo a diree-
co supramadogov.rnb d paiz um estadista
que, como o actual e illustre Sr. presidente do
conselho, cjiegasse, em Um, a comprehender o
que havia perfeitamenle comprehendido, no pri-
meiro quarlo deste sei-ulo, o preclaro Jos Boni-
facio, isto : que a mais imperiosa necessidade
da nossa stluaco social consiso sempre a
emancipaco deliniva dos productores nacio-
rtaes I,
juera medita no que j em 18i3 eserevia rela-
tivanente cscravidio o nobre promotor da in-
dependencia brazileira, sentir talvez diminuida
a iiiiporiancia do que politicamente lizeram En-
sebio de Quina e Rio Branco pela -orle da des-
diiosa e raartfi isada rara ; poder mesmo sor-
rir IHsteraenie, era vyia do lameaiavel rochi-
tismo de alguns proji-ctos posteriores prornul-
ra;ao da lei de 1871; mas com certeza ser to-
millo do mais dolorosa pas.no ante a enorme re-
trogradagao moral manifesta no acto lii.wstli""
de 2d de Setiiubro de 1H83.
Dizia o alludido escripto do Jos Boniho :
a sociedade civil tem por' base prinvir a
justica: e por principal li.u a felicidad dos ho-
mens ; mas que jus iga lera um hmiein para
rouliar a liberdade ao ouoo,homem e. o que |or
, dos lilhos deste lio ue.n e dos lilh is derto* fi-
llios 1 Mus diro lalvez que se ra\ orecede* a li-
. erdaae dos escravos sera atacar a | opiledade
NiRO^vosillulae-!, senhores, a propriedade (o
sanccibViada para bem de todo-, e qual o befll
que umo/oXjcravo de perder to los os seos direi-
tos natpaes e^4? se tornar de pesso a cousa,
na phdise dos juri'cxon-dltos Nio, po's'
direi^ de proprieiiade i|uV querem deWndej,
o dinsito iia forya, pois queO hoTnem naofioden-
do s*r cousa, nao pode ser objuclo de iiropneda-
de. / -e a lei deve defender a propriedade, iiiui-l
to nais deve defeuder a liberdade pessoal dos]
hnius, que nao pode ser propriedade de uin-
gum, s.ni atacar os direitos da Providencia,
qias fez os homens Uvre>, e nao escravos ; sera
acar a ordeai moral das sociedades, que a
execug strieta >le todjs os deveres prescrip os
pela nutiireza, pela reiigio e pela s poltica :
ora, a execug u de todas estas ohrigages o que
COUStitue a virtude ; e toda aJegislago, e todo O
governo (qualquer que seja a sua forma) que
nao a tiver por liase, como a estatua de Nabu-
i-odonosor, que urna pedia desprendida da nwn-_
taiiha a derriliou pelos ps ; um edilicio fun-
dado era areia solta, que a mais pequea borras-
ca abate e le-.uorju.i.
Estas palavras, que deviam ter inspirado mm-
tos annos depois- os cjunecidoi e elogiados con-
ceitos di- alguns dos nossos priucipaes politice*
sobre a fallada propriedade do hornera sob.v. o
hornera estas gra idiomas palavras so tmham
antes deltas, em lin^ua porlugueza, um digno
equivalente nos enrgicos e famosos consideran-
dos e no sentido geral do al vara de 16 de Janeiro
de 1773.
E' que entre Joi Bonifacio p Pombal havia a
parentesco do genio esta lisiico. O defensor do
nosso primeiro projecto de emancipago e o egre-
gio libertador dos ncolas brazilehos foiaui tam-
bera iguaes na de-dita de nao podereiu transmit-
tiraossuccessore- ira.nediatos a largueza de suas
vistas polticas, bem como o grande amor que
um o nutro consagraram liberdade e justica.
Os sentimentos bumanitarios do segundo des-
ses grandes bomens sao tanto mais admiraveis,
quanto, ainda por occasio do tratado de trecht
entre a Inglaterra e a Hespanba, os estadistas bri-
tnicos -nose.envergonhavamde estipular em
favor do seu paia o direito e.vUasiro da ntrodu
zirem, durante certo numer de annos, alguns
milhares de negros as colonias hespanbolas -
(BluntschiliDir. Intern.).
Para honra dos nossos antepassados e nossa,
a bandeira da aboligo do trafico esteve as
mos do vencedor dos jesutas, antes de passar
para a nacioaalidade ingleaa, que a devia con-
verter n'um arrecife inevitavel em todos os ma-
tes." *^ r-------------
A lei de 2s >. sefembro de 1883, esquecendo
esses nabres precedentes, encontrou na simples
existencia de escravos e seuhores a legimiuade
do immoralissimo dominio mar o qual o illustre
ello Freir debalde procurara o titulo jur-
dico :
Sen, nigriin hrasia el qtuesiis alus domma-
tionibns tolerantur : ied quo jure t, titulo m pe
nitus ignorare fateor.
Aos auctoresda relorma de que fallamos, nemj
ao menos commoveu a cousiderago de que era)
positiva illegalidade e criiup o captiveiro dosj
ifescendenta3 de trezentos mil africauos impor-
tados posteriormente a 1831. Voltaram ao pro-
cesso juridico dos romanos para explicar a per-
manencia da escravidao, pido facto brutal da
exisiencia della, nao em todo o mundo, como
tempo d'aquelles, mas, por urna odiosa ex
no Occidente, no mesmo paiz em que
nascido os pernambucanos de 1817!
Mas a propria brutalidad!; da anachroica lea
que nos referimos, foi um auxiliar r ariaae.
com quanto inconsciente, nara o regenerador mo-
vimentoque s&ttvera em vi.ta prevenir. 0 tem-
po deoorrido entre a iua promul^aco e os pri-
meiros mezes do anno lindo, vio nascer em todo
o paiz, e principalmente no sul do imperio, urna
resistencia foriuidavtd, invencivel, e por ultimo
ameagadora, coi)ira a persistencia de um estado
de cousas, que s urna usiunilicante minora de
polticos mais tini'dos do que sainos, mais inte-
resseiros que patriotas, procurava manter a todo
o Irause.
TaO significativos e ardentes eram, nos fins de
1887, osVI|tos da nago em favor da aboligoim-
uicdjata, que nS podamos escrever no anterior
Hi-tro^pecto : ^^^fiw
<* Esto, porm, consunimados os lempos dos
longos e demorados estudos (nao o julgava as-
sim o Baro d" otegipe). A completa emancipa-
go do trahalho nacional assamioentre nos as pre-
porgfies de umanecessidade imperiosa, de urna
providencia inadiavel. e a autoridade da gran.
deOiaioria dos bispos brazileiros nao esi>es3e
protestando eti nome da igreja contra os senti-
mentos auti cliristaos nos actuaes po-suidore.
de escravos ^ se ttlguns desses veneraafis mv
teres nao aconjelhasmn a exiincco accelorada
do elemento si -nil, emboca por um aato^'sabia
e patritica dictadura ; -la estava o giundemo-
vinienio lilM-rtador da provincia de S Paulo, os
actos magnnimos do coaseUieiro Antonio Pra-
do e a admiravel converso do ,jt. Moreira da
Barros, poradizerem-nis quaaeropagandaabo-_
licionista ver dentro cni br^re coreados os seus"
nobilissimo8 esforios ; ffjK" inevitavel, e que^
est evidentemente prxima a hora do completo
acabamento da mstiaico da escravatura no Bra-
zii.
0 ^jticjm *8o denttnda^aesneoJia^4l'^8P'c
cia, apej|K' das imprudentes promesgas com que
muitarmmbros. da cmara bavia iisopgeae-
a ^W preoccupacSo de mal entendidos interee-
V* dos seus cleitoKS ruraes.
# magno acontocimento d*o-se to pactaav
ite, no meio deeuiiiaiiano3 tOBcraes e lia
ceros, que-fwte-a-eterar honra aanadoBe-


JL



..' ....




rade (pjvnPpropTi
parte, fio M meiu imina gaerra civil teaicrosa
covardemente sacrificada a vida de um grande
homem ao impacavel odio do escravismo ven-
jado.
-Diflerencas ethnicas e de antecedentes hist-
ricos, a extrema brandura de carcter da popula-
cao brasileira, explicam, etn nosso favor, a des.:
simultanea das peripecias qu no Brasil en
Estados-Unidos acompanharam asolugo do mes-
mo problema social. Nao se manifcslou nunca
entre us o irracional despreso que prfa gente
de cor experimentaram sempre os anglo-ameri-
canos.
Mas, passada a violenta crre que a emancipa-
cao dos negros alli provocon. a grande repbli-
ca elevou inmensamente o seu poder material.
A sua prosperidade Brranceira um facto nico
entre todos os estados da actnalidade. Emquan-
Xo ella se est preoecupando com o excesso da
receita publica, o dficit crescente dos orcamen-
tos aterra lodos os governos do velbo e novo
mundo. As vantagens dessa situago s em parte
podem ser atribuidas permanencia do antigo
gystema protector da industria indgena, to ama-
do dos lankecs, quanto por. elles constante e te-
nazmente defendido.
A explicago do phenomeno encontrase so?
Jbre tudo no extraordinario augmento da produc-
co nacional, resultante da liberdade conferida
a perto de quatro uitthoes de escravos, que tal
era o numero dos existentes em 1060, nos di-
versos astados anti-abolicionistas da Unido. Bas-
at-nos citar um tacto que, devidamente genera-
lieado, deixar patentes mais urna vez os
bens econmicos que por toda a parte acompa-
nham o regjmen da liberdade trabalho.
A cultura do algodo comegou a surgir nos Es-
tados-Unidos no ultimo quarto do seculo passa-
do. Antes da guerra da scisao, a maior colhei-
ta desse producto nao excedeu de tres milhoes
de saccas. Os contrarios extioeco do traba-
lho servil aflirmavam que essa cifra teria de bai-
xar consideravelmente, por falta dos bracos es-
cravos. Pois verificou-se exactamente o contra:
rio. A produegao do algodo de 860 acha-
r mais que duplicado: a colheita total nesse
ultimo anno foi superior a seis milhoes de sac-
Cas.
Tambem teve mos agouros a libertago dos
trabalhadores brasileiros. Houve quera dissesse
que os libertos se toruariam um elemento de
desordem publica, e que deixariam de traba-
Ihar sob o novo rgimen, prejudicando grave-
mente a nossa producco.
Os que sinceramente adduziam taes argumen-
tos esqueciam-se da natureza aflectiva da raga
escravisada, cuja admiravel paciencia e resigna-
cao a levou a supportar durante seculos o mais
atroz dos martyrios; esqueciam-se tambem de
que a sustentagao da vida material, para s en-
cararmos por este aspecto as multplices neces-
sidades do hornera, exigem emprego de activi
dade, ainda em regides bein fadadas como sao as
que habitamos; e que todos quantos, sera invali-
dez, se entregam a completa ociosidade, ficam
absolutamente seni direito a viver custa do es-
forc alheio.
Mais que tudo sso faziam, porm, os argumen-
tadores a que alludimos, principalmente os que
at a ultima hora manliveram, impenitentes, to
absurdos raciocinios: elles fechavam os olhos
viva luz da evidencia, luz que a todos deslum-
brou no magnifico exemplo oferecido pelo Cea-
ra, essa generosa provincia, de quem o intenso
ardor aboliciouista fez o glorioso pbanal da pa-
tria no caminno da liberdade e da justica.
Os beneficios da aboligo j se manifestara
largamente na existencia do paiz. Estamos na
hora presente assistindo como que ao acordar
de todas as forcas nacionaes. Emquanto, por
un lado, a vida econmica augmenta de intensi-
dad^, uraeas a um maior desenvolvimento da
iniciativa particular, pelo outro, a opinio nacio-
nal se dilata, o espirito publico, despert dY
sua longa fndifferenca, comer a laleressar'se
vivamente pelos destinos governativos da nago.
Essas expanses da.industria, essa activida-
de politica,de6de qne sejam sabiamente dirigidas
convenientemente regradas, desde que se nao
transformen! n'uma saturnal de ambigoes pes-
soas de toda a especie, daro com certeza resul-
tados para recommendar dignamente a actual,
gerago ao reconhecimento das que lhe succeda-
rem na posse deste maravilhoso conjuncto de
grandezas uaturaes denominadoo Brasil.
Nessa salutar effervescencia procurou certo
partidarismo acanbado argumentos" ad terrurem
com que preteudia perturbar a satisfagan levada
a alma nacional pela medida eminentemente
touvavel e patritica que o actual raiuis erio
realisou, para honra riossa, coin a ooHanoragSo
quasi uuaminjlo**n^rnbrbs do parlamento. A'
grosseria de taes sophisinas respoudeu trium-
phauteineute o Exm. Sr. conselhero Joo Al-
fredo no seu interessantissimo discurso de 9 de
..Juiho, no senado:
* c Alguem tem culpa desta reforma, que
urna origem de males, como se tem dito ? Quem
a tem?
A nago em massa. Todas as classes. pro-
nunciaram-se ; tudo revelava a venate Yiacio-l,
nal~e e mo lo [ri Crime seria ; resistencia
crime seria se essa influencia a que se aUrihue
o projeetoque hoje lei d joaii. (alludia-se
influencia da corda) quizessey con ra a vonta-
de nacin il, manter umi oraenr'de cojsas in
teiramente nisustentavel,qae ia, pouqo a p meo
se esburojndj e caiiinJoa E uui. adianto"
Digo rae, no sv**eraa doygberu yre te-
mos, nunca um mil qjando e oeootaaTon-'
tade da naca'). Ksta a-tei 411pre.ua, a que lo-
dos justamos sujeitos, ou ento este rgimen de-
ve desapparecer.
' Com eJeitq, o< verso do grande poeta se ap-.
plica:u por igual ao.s reis e a toJos que govtr-i
nara :
ftia
ro de PferiiambiicO"-Qiiinta-feira 3 de Janeiro de 1889

de certo que >
importante con.
bu Joto Alfredo, sabe
reforma a> ordem social
da aboHpO da escravaturs/deve necessanarrren-
te refteetir-aj em todas apianifestagoes da exia-
tenci do paiz- Se os /ceios que exarimiam
ni/ fossem s.mulados,/seriam ao ultimo ponto
jntradietorios, prqu/no se comprehende que
Jtenham medo de quasquer designios da nago
os que se proclama/ representantes deba.
Tambem nao de/conheciam esses nudosos do
regimed escravislh por lelicidade pouquissi-
mosque injurjvam os sentimentos da grande
maioria dos nossos proprietarios ruraes, quaudo
se lizeram os advogados tristemente celebres
nao sabemos de que indemnisajao absurda e
degradante no seu sentido moral, alera de eojn-
pletamenre illusoria na'pratica.
E' saHido qne um governo nunca d o que
seu. Quando u^a de liberalidades, paga-as a
massa dos cidados onaclasse que pode pagal-as.
Ora, poraasim dizer, s ba, por em quanto, ues-
te paiz urna classe veidadeiramente productora
agricultura. P que portanlo, que a tal
iademnisasat vria a ser, senSo pura phantas-
magoria, urna greca feka pelos indemsados a si
mesmos, urna estrila dada pela mo direita
mo esquerda de cada um ? E se nao fosse isto.
seria contrasenso maior. J em 837, Sismride
de Sismondi, inventariando os males que a es-
cravidao fazia principalmente aos senhora,
achava estranho que estes se julgasiem com di-
reito. a ser recompensados dos Jroprios favores
que com a aboliclo directamente recebessem.
(Contina)
Soytz dr tgtrf tentpi, icm ez ce qu'o.i dil,
PA ffukfz d'trr ijrundsl cor le pruplc grand t.
Continua, porm. o dise-urso :
_'o? Mo, pobores, repito que, se5
as u^v uices i-pendiaja da contiuuaco jior
mais alfiuis ^wnos do trabalho escravo, estariam
fatalraeife' Jas.
i lli pirlgot l||o 9ei; a tontade nacional
decidir.
U Sr. F. BelWm
obal.a,na
O Sr. Joo Alfredo (["Wjfcte 'SPisellio)
Est claro ; quem pode op^fr^f ,,
nacional? Qu^u o nosso direilB paK
de el craniada / ^^
coiierent a este proiip-
Nune.j se i clara, nam mais dt^na
mente, a lin.'uagem do estadista u i eslud
perto a opinio iiuhlica, e sj listas a que responda o ixm, Sr. oa-
~i:E deteuios acompa-
Votlc-ias do Paeiflco. Rio da
rala e SmI do Inperio
Os paquetes Galicia e Nertke, entrados do sul,
trouxeram as seguiutes noticias :
Pcifleo
Datas de jornaes at 7 e tele^raphicas at 27
de Dezembro.
Os diarios chilenos nada de importante adian-
tam s noticias que tullamos das repblicas do
Facilico.
Na corte foram publicados estes telegrammas :
Valparaito, J d Dezembro.
Consta que a Bolivia vai coutrahirnm empres
timo de dous milhoes de libras para con verter
a sua divida externa e pagar os juros da in-
terna.
Valparaso, 26 de Dezembro.
0 ministro boliviano Tezena foi nomeado mi-
nistro da corte suprema.
As aguas da regio andina continuara a cres-
cer por causa da grande quantidade de nev
derretida.
O congresso chileno dissolver-se-ha no dia 18
de Janeiro prximo depois de votar o orcamento
e o projeeto das estradas transandinas entre Cal-
deira e Catamarea.
Brevemente eocerrar-se-ha a exposico nacio-
nal chilena..
Vulparaieo, 27 de Dezembro.
Proiecla-se lluminar i baha luz elctrica.
O Congresso Peruano foi couvocado em sesso
extraordinaria para tratar das dividas interna e
externa.
Rio da HrU
Datas de Buenos-Ayres at 22e de Montevideo
al 23 de Dezembro, e telegraphicas at 27 :
La Sacian, La Prensa e outras folhas cencei-
tuadas de Bueuos-Ayres desmetiliram as enor-
memente liyperbolicas noticias telegraphicas do
Rio de Janeiro, publicadas por outros diarios
prtennos, acerca de movimeutos de tropas bra-
sileira8.
Segundo as informaoes de um dos taes dia-
rios, o governo imperial tinha decretado o mo-
\ miento de nada menos de 10,0UU homens de
caviillaria, 20.000 de infantaria e 4,000 de arti-
Iharia I
O diario Sud Amrica desmeitio os boatos de
renuncia do ministro da fazeea, Dr. Wenceslao
Pacheco.
' oram pprovados os estatutos do Banco Com-
mercialcom o captol de 20,000, 00 de pesos na-
cionaes.
Ficou constituida con o capt de 10,000,000
de pesos nacionaes a Compmu de Navegaclo
Transatlntica e Fluvial.
La Ra o, de Montevideo, de.-mentio a noticia
que tinham dado curso alguna diarios argenti-
nos, de desavengas no congressf internacional e
da attitude do delegado brasikiro, couselbeiro
Andrade Figueira.
Na mesma capital continua van os preparuiAo
pura a recepcSo do Dr. Jtrarez Celman, presi-
dente da repblica Argentina.
fegundo conimunicou ap diario El Siglo, de
Montevideo, o seu corresboniViite especial em
Buenos-Ayres, ogoverno boliviano projecta con-
traliir um emprestimo de 2,000,000 de libras
esterlinas, destinado converso da sua divida
externa.
Ao mesmo diario foi dirigida a segunde com-
munica(o :
Por causa das graves traestes pendentes
entre D Paraguay e a Bolivia sobre dominios no
Chaco Boreal, foi commissioaido o Dr. D. Matas
Alonso Criudo. que reside actualmente na Eu-
ropa, para eolher nos amigos archivos de Hes-
panha todos os documentos e antece-entcs rela-
cionados ora a jurisdiccao que sempre exerteu
o Paraguay sbreos ditos territorios.
o governo argentino oceupa-se em regular, de
accordo com o representanle -do Chile, tudo
maulo concorre coWBaco ltimamente e utada pitra a drMircaSu diilnites, entre, am-
bas as repblicas, em^umprimento do tratado
de 881. >^..
egundo notieiarmu de Meudonza, a famosa
petateado Inca foi levada pelas aguas.
f)"svaaecer,im-sc cfnpletamente os temores
acercado caso suspeitoeo Babia Blanca. O en-
fermo que den assumptb para a hlela j estava
restabelecido.
Estava preso no quartel de cavallaria, o com-'
mandante Vallejos,por ter desobedecido suma
ordem do estado-maior
oram publicarlos na corte estes tele-
grammas :
BnAwt-Aip-es, 29 de Dezempra.
Noticias recebidas de SarrJnad aiinunciain que
o rio que por alli passa sahio do. seu leitojai
inuudou parte da cidade e de seus arrabaldes,
soffreudo grandes prejuizos ce rea. (le 1,0-0
ii-se grandes
U>1 '- o^ rio- que cor-
Ta'rrrbem em
M
a el
lesastiW com
tam a cd.ide^_3
MuHteridro. O d
A u ilicki oren lj
nave por se terem
D
Na segunda quni proyar o projeeto do-cabo, lelegrapiici argn
tino jiretto para Buenos-Ayres e t-
_re$, H de i ezembro,
muud.ico em San Juan tem duninuido.
l'i'sineiiU-se o boato da retirada do Dr.
cheer/Wo miuisterie da fazeuda.
ll.iterain-seem dullo. o-
QunOgafo teiido' licado furido uenlium dos
eombatentes.
Koi reduidaa S'horas a quarentena para os.
navios proced- ut>
Maiufestoii-se g>mde*i|ldio(Tn| um arma-
zem na Bocea do Riacnuelo. <4
Chegaram aqu^anteolieiros Moutinlio C Car-
jHfi&eulo, 21 de Dezembro. -
Diz-st que o gerente do Banco Nacional re-
iuiii ^rf
[yie*. ti de Dewmbro.
las deOii;iinalein, perto de Men-
doza, ffnuun o rw que corta aquella C\-
ultuna, befh
Chegou o cruzador francez Arthuse, trazendo
i pavilho do almirante Brown de Colstoun.
.Montevideo, 23 de Dezembro.
Coutinuam a baixar as aceoes da companhia
nacional de crdito.
Os hespanhes vao offerecer um banquete
oflicialidade do cruzador Infante Isabel.
Buenos-Ayres, 24 de Dezembro.
A ponte do caminho de ferro andino foi demo-
lida pela endiente.
Em Cordova raandou-se construir urna hospe
dara para iminigrante.
Acha-se gravemente enferma a'esposa do Sr.
Bai-thotome Mitre Filho a qual soffreu umaope-
raco d tracheotomia.
Voltaram a esta capital os exploradores Mn-
dez e lenendez.
Montevideo, 2 de Dezembro.
Houve una reunio, no palacio do^pres i den te
da repubhca,' e con>ta que nella se tratou do
augmento do capital do Banco Nacional.
Os negociantes por atacado reclamara contra
o augmento de suas patales.
Buenos-Atfrts, 26 de Dezembro.
O Sr. BrizueUi,.ministro do Paraguay em Mon-
tevideo, parti para Assumpco.
" nivel das aguas em San Juan contina a
crescer, causando ainda mudos estragos. Foi
organizada urna commisso de soccorros.
Receia se um conflicto entre o chefe de polica.
e o quartel-mestre general, motivado por una
desordem, na qual dous teneutes mataram um
rondante.
Nessa desordem interveio tambem o capito
Tatone.
O general Lavalle entregou priso quelles
dous orliciaes e recusou a entrega do capito.
Pela linguagem das fo has officiaes tulga se
que o governo sustentar o chefe de polica
Montevideo, 2t> de Dezembro.
Tem havido baixa no mercado >as las.
O general Tajes, presidente da repblica, com
ferenclou hontem cora diversos senadores e d-
pu'ados, ignorando se o resultado dessa-coofe-
rencia.
26 d- Dezembro.
Foi levanta la a quarentena imposta aos na-
vios procedentes das Canarias.
Os filhos do chefe poltico de Concordia mata-
ram duas |iessoas.
Buenos-Ayi es, 27 de Dezembro.
A municipalidade de Rosario prohibi com-
pletamente a venda das fructas como medid sa-
nitaria.
O presid-nte Jurez Celman deve partir em
breve para Crdoba
Um violento fu relo cau-ou grandes estragos
na provincia d Santiayq del Estero.
Foi suspensa a quarentena imposla aos navios
procedentes das Canarias.
Telegrammas ue Assumpclo annunciam que
as eletces a que se deve em breve proceder
des|iertaram em todo o Paraguay rdeme agtta-
'io, motivada pelo numero dos candidatos o pe-
is dissensoes que se apresentaram sobre a po
Utica a seguir no extei ior.
Montevideo, 27 de Dezembro.
Os assassiiatos na Colonia causaram na cida-
de grande pnico. Muitas lojas fecliaram as
portas e varios negociantes retiraratn se da ci-
dade.
E' provavel que o chefe poltico seia demit-
tido.
Buenos-Ayres, 27 de Dezembro.
Informales de origem italiana annunciam que
em Assumpclo, no Paraguay, por occasio da-
eli-ices para senador e depuiados, deram se se-
rias desordens, iniervindo a polica a cavallo.
Hou.e muitos ferimentos.
Abrio-se aqu tuna subscripcSo em favor dos
inundados le Sari Juan. 0 governo j mandou
tambera soccorros para all.
Alguns engenheiros encarregaram se de le-
vantar to fundo do rio o casco do vapor Casino-,
que naufragou na entrada da Bocea do Ria-
chuelo.
Montevideo. 27 de Dezembro.
O ovenio encarregou o coronel Tezanos de
nrir iiiquerito sobre os assassinatos commetti-
dos na Concordia e que indigna rara o coramer-
cio. ,
Mo-Cirande do Sul
Datas al 2. de Deeerabro, e telegraphicas
at 24:
Refere a Polha da Tarde, de Porto Alegre:
Na e.veolouta Alfredo Chaves a situaco
dos habitantes a mais critica e dolorosa possi-
vel.
evido s grandes e continuas chuvas ficou
coiuple.a.nente inutrlisada a colheita do triso,
d modo a prejudicar enormemente os pequeos
agricultores, que hoje se vru a bracos comaper
uuria.
lin disso a localidade est sem direceo,
sera eiuenheirus. sem agnmenspres. sem nes
soul ollicial tiaaliawuiiC-WW'llhi unda paraly-
ga todos ds n ocios.
' batnanios a especial attcnco do Sr. presi-
(lenie da provincia |ara es.-e estado de cousas,
pois. a nao seren tomadas promptas providen-
cias, ser grande em ^rfiredo Chaves % desercao
de colonos.
Na Assembla rovincial do Rio-Grande o Dr.
Francisco da Silva Tavares apresentou o segra-
te projeeto de le, qu foi reuiettido eraisso do
orcainenio e fazenda, a pedido do autor:
Art. 1. Fica prologad o orcamento vigente
para o futuro exercicio de 889, cora as segra-
les alteracOes:
; / Supprioia-se as despezas concernentes 1
instruefu primaria, forca indicia! e illumina<;ao
publica, que passam a ser feitas pelas cmaras
municipaes.
(a Har atender a esss servidos 8cam as c-
maras utuiiicipaes auiofisdai a cobrar o irapos-
!d le deciiiia urbana nos respectivos municipio
e o territorial na raz.o de 4 por legua quadra-
da de trras.
' (b As cmaras das villas, alm desses tmpos
los, eobraro mais o de abatimento de gado para
o consumo.
g 2.- Para o effeito da disposigo anterior, ul-
tima parte do primeiro peiiodotis cmaras mu
meipaes arrolaro as propriuBdes territoriaea
de seus respectivos municipios; de accordo com
os'proprietarios.
Art. 2.v Fica. reduaido a 2 o imposto sobre
todos os gneros de ex portaco da provincia.
Art. i. O presidente da provincia reduzira o
numero des empregados da repartieSo de fazen-
da na razao da sopores sao dos serviros de que,
erara a- Tepartices encarregailas.
Art. 4.' Alm da t..\.i de herancas e legados,
eslabelecida as lei anteriores, tica creada a de
2 /o sobre a successao legitima na linha aseen
dente e descendente.
Art. 5." Fica creado o imposto de 3 sobre o
pes->f valor das passa^ens as e-tradas de ferro e na-1
yiosa vapor dentrbda provincia, providenciando
o presidente sobre o modo daarrccadaeao/
Art. t. A forca |>olieal, organisnda pelas mu
niciparidades, continuara i disposifio^ sob a
direceo das autoudaile- policiaes, qu podero
iiiolidisal-a |K>r conMji.ieneiadoserviyO; regres-
sando todava, ao* seus respectivos municipios
terminado o servico que occasionar a uiohilisa
t,o.
Art. 7. Fica o presidente da provincia autori-
zado a contralilr um em prstamo de-<$:iu o
ara ser a pp I toado ao la divida nuctuao-
te, ao servil o da eobnisco e viaco, dando
preferenci ao resgate da estrada de ferro de S
Leopoldo, -'consiruo;o das vias-ferras j de-
retadas e a decsradas deafodageni para as zo
ia- golouiaesque aindi nao liverem Mdo atten-
estradas e pontes j.i
con-fruidas pof leis anteriores mediante concur
re na.
do emprestin o nSfl sersi maior de o "
amortisaca4 Esta servico se-
r attend lo p4 saldos do orea ne
Art. 8a Fica concedida a ^ratitieaco de
3:6004 ap" secretario da pre-ideacia.
Na eao de 14 o Sr. Cari is Ko-erilz jusli-
cou um requerimenio para que a assembla,
fida sua mesa repte;errtasse ao govern
-cutid < onteuiilado o elemento ftnfa
a tonside-
i le-, 11- -' '
Montevideo, 2: nbrn.
iU (|U(|
CongrS-so JurkJ
"

pagauea-
o de bonds.
23 de D
.dor Castillo
'umtting de italianos, que peo
ftjripiice alliauca.
tuco na piaporciio de 5
Cdl"
I
o de
i rio
eixor a
..... ndo a reci
da praca de Baa;
a das-ge
onces.io de
Infelizmente par o 'oinmerrin o restobele-
:imenlo das .uia- nho- urna realidde.
*" exacto qu e con aquella praca
E
druio reclaiuates presidencia da prwviuciae
ido tambem que cbtovu esta. afiMn mais
menos : ente o>n o aduui*traJor
da mesa de rendas gciaes.
f
frocurando os inttressados aquelle funecio-
nario, foi-lhes mo-tra4a telegramma do-Sr. Cas
tilho Maia, inspector da Thesouraria Provineial,
nos segiantes termos:
A suppresso das guias foi ordenada pelo
Soverno.-.-6 o goftrno pode revogar a or-
em".
E' ev dente, pois, que o eommercio de Bag,
como os de Ja^uarao e Alecrete, coutinuam' pri-
vados da sua liberdade e dos seus direitos, en-
tregues a um regiraw de excep^o e sujeitos as
setas deploraveis coBSequencias.
Em taes circranstencias, o que cumpre a es-
se cointnercio victimado pelas exigencias e de-
ficiencias do fisco, dirigir-se aos representan-
tes da provincia no parlamento nacional e por
intermedio delles conseguir do governo o re.-ta-
b'-lecimento das guias no interior,- como succe-
deem Sant'Anna doLivramento.
E' urna questode direito e de justica.
- Em data de 18, nfere o Crrelo Mercantil
de Pelotas :
Ha tres das vivemos sob o peso de um ca-
lor verdadeiramente canicular.
O sol tem-se nos mostrado de urna carranca
afro* e durdeja raios intenaaim nte abrazadores.
Apezar de terem sido abundantes as cliuvas
no tnez passadd-e principios do corrente, as ena-
ltaras e os terreaoa da cidade estao seceos e a
plantas eomecam a experimentar os elfeitos do.
phenomeno ijtmospheiico.
Grande numero de familias da localidade
tem-se retirado para os suburbios ou para o cam
po, de maneira que, dentro em pouco, a ver-
iBM sensivelinente despovoada.
llontem tarde cahirain algumas gottas
da.ua, que tornaram ainda mais nsupportavel
a situaco.
E a tudo isso o calor con intia a cozinhar
nos sem clemencia...
At quando ?
Cominunicaram da flha dos Marinheirus ao
Echo do Sul que quasi todos os vinhedos esto
azougados, em virtude das excessivas chuvas
que alli tem cabido.
fla parreiras completamente despidas de fo
Ibas, o que faz coro que o sol creste e inutilise a
uvas.
O' informante acerescentava que a futura co-
lheta de vinhos est irremediavelmeute perdida,
a-cendendo os prejuizos geraes a mais de.....
60! O".
- l'eram se os seguint*s erimes:
Em Ui uguayana, o tnente honorario do exer-
iito Manuel Riiii'i de Camargo, empregado da
mesa de renda-.de Itaquy. ten lo nina altercado
o>m cilio Vi'iue. deu-llie urna facada que O ma
Un. Na mesma cidade foi gravemente ferido
com dous tiros de pistola Alfredo Couto, sendo
preso Manoel Leite da SUva, a quem se attribue
o crime.
Na villa do Rosario foi assassinado Jos Celes-
tino, pelo italiano ntonio l'ieiro
Desappareceu da villa d lgrete o relo-
jociro Joio Beroasconi, que estava" muito alcan-
zado para com a praca.
renda do correio de Pelotas, na priueira
quinzena d i correntemez foi dcol.JiH).
Faltrcram: na capital, Julieta Rist; em
| elotas, o c.ipito Luiz Matrrell; em Bag, Ma
noel do Nascimento, com l'<5 annos, e no Rosa-
rio, i'. Amia ias.
Na corteforam publicados estes telegram-
mas:
Porto-Alegre, 20 de Dezembro.
A assembla provincial votou hoje os orca-
mentos e a lei de forca policial, terminando as-
sim os trabalhos desta. sasso.
Rio-Grande, V de Dezembro.
Publicou-se a chapa liberal 'para membros
assembla provincial pelo 5* districto. Sao can-
didatos os Drs. Jos Francisco DiannaeSeverino
Prestes, capitaes Pedro Pereira Maciel e Pedro
Baptista Correia da Cmara.
Liber.ies e conservadores trabalham com o
maior empenho.
Rio G ande, 24 de Dezembro.
A assembla votou o projeeto aurtorisando a
cmara muuicipal u emtir 2o:000 era apolices
de 7 % P'r;l s gastos da expsito provincial
nesta cid ule. no auno de 1890.
Falleceu o advogado Alexandre Bernardino de
Moura.
Os partidos esto enipnhadissimos na eleico
do dia 31.
San* < (harina
Datas at 2-' de Dezembro:
L-se no Trabalho, da Laguna, em data de
13:
. o Relata-nos pessoa lidedigna que nos primei-
ros dias do mez corrente deu-se urna horrivel
mitanga de bugres em um aldeamento prximo
i, colonia Grao Para.
Ti mi d o sido mono pelos bugres um dos co-
lonos italianos, estes armaram-se e dirigidos por
um agrinii-iir-oi' da mesma colonia, mataram ao
primeiro dia dous BUgres : no da aegujnte de
novo dirigiram-se a um aldealmento e n! forarfi
autores da mais horripilante selvageria.
Foram morios a tiros, machado e lacea para
cima de 12 indios, sendo quasi a maior parte
mulheres, Entre estas exista urna, perfejtamente
branca, parecendo mesmo estrangeira, a qual ar
rebutarara um lilhinlio irae trazia ao eolio e ma-
taram faca; um dos assassdos, querendo sa-
tisfazer no cadver da inditosa india os seus de-
sejos bestiaes, foi impedido pelos companheiros
e ento. tomando de urna facca golpeou o cada-
ver do seio ao ventre. t*
Haixou enfermara militar do Desterro o
2 lente da armada Alfredo Peixoto.
Sob a epigraphe Mortes e ferimentos refere
0 Trabalho da Laguna :
Em Timbopevl;"2c distriofo policial de Ara-
rangu, em dias de Novembro ultimo, houve tre-
menda-Iota-sanguinolenta emtre urna escolta di-
rigida pelo inspector doquartelro Thom Perei-
ra Martins e tres individuos.
O facto nos f>i referido do segu nte modo ;
Luiz Nuucs da Silveira, residente naquelle lugar
e dous serranos conduziram d Serra,' contra a
voraade de seu doud, alguns cavaos; sendo re-
clamada providencia pelo proprietano ab ^dito
inspector, este acompanhado de alguns paisanos
foi a casa de Gallafa, onde se achavam os ladrd
conj o lira de aprehender os animaes : travou-se
entlo o luta, tirando gravemente ferido um ir-
m do inspector e raortos os dous serranos.
gues Luiz.assassinou a Francisco
valho.
j brio-se inquerito para puniefio dadeiinquen-
te, que dizem ser culpad j de mais tres homici-
dios.
do de recuar porque pela jan
direcejiojao porto foi apordad.
pelo medico Dr. Freir, irmo
Ento o grupo, excitado pe
. A's7horas da noite de3do corrente, no 5vWra^\SfSl,t
lugar denominado Pedras de Seie Lagoas, Joa- ^Im\^LZT,T
quim Daniel da Fonsera desfechoudous tiros
contra Jos Remunelly. que cabio morto.
Paran
publicados na corte
estes Jelegram-
Foram
mas:
Cuntyba, 21 de Dezembro.
Nao terdo querido a estrada de ferro reduzir
a tatifa para o transporte da herva mate, nao
obsiante as reclamaces do commerco e indica-
cej do governo, consta que os fabricantes or-
giinlsaram urna associaco para reraettersseus
proluctos em carrosas pela estrada da Graciosa.
LPtr este rneode tranapbttt ba man economa a 9 p;lra o anuos de idade^
15 */o sobre a tarifa actual.
1-4 21 de ezembro.
llmsta que o presidente da provincia vai mau-
dfiriexectar a lei que sapprime 132 egpol
api*ar das reclamai,es que tem apparecido con -
tra tal medida.
Curityba, to Dezembro.
Aj-abam de ser inauguradas na cadeia desta
cidade urna capella, oflicinas de sapateiro, de
alfakite e de trancado!' e a nova salla para e-
la. ii qual sao professores trez sentencia
Aesfola, que assembla provincial extingui
por causa de crise linanceira (Ja provincia, fr1
reabtu-ta sem que esta fizesse a menor despeza.
Aibencjao da capella. a raissa e a inaugurjQo
daslllicina- foranj aelocomraoventes. a que as-
ara muitas pessoas iradas. 'A pena de pri-
ie tom trabalho ser, deora era diante, urna
realMade nesta provincia.
Opystenta irlandez ser accommodado. quanto
fir nossivel, a/iijacadeia pelo novo regulai.
logo1 que fr approvado pelo poder cumpemMl
Minai-rap
I'(las at 24-di o:
Junto
do offendido, na propria casa do assassino. esta
vam dous filhos deste, sendo urna menina de no-
rae Etelvina, de 9 annos de idade, e outro de 20,
os quaes foram tambem feriaos, morreado
aquella, e sendo gravissimo o estado deste. M
autoridades policial e judiciaria deram logo as
necessarias providencias para a punico do cri-
minoso, que anda nao foi preso, e consta ter-se
ausentado do termo.
A tres kilmetros mais ou menos da cidade
de Barbacena, o Sr. Joaquim Theodoro mandou
rogar e queimar urna capoeira prosna ao sitio
em que mora, o fogo consumi a totalmente
mas com grande sorpresa sua comegou a torra
a incendiar-se e a arder desde o principio do
tnez de Agosto at principio de Outubro.
O incendio pareca internar-se pelo solo, onde
era alimentado por combustivel ignorado, e deste
modo prolongou se at qne as grandes chuvas
de Outubro, humedecendo a trra, o apaga-
ram.
. Refere o dono do sitio, que em alguns pontos
fendeu-se a carnada superficial do slo, esharra-
cou-se e em outros, a trra fofa, como que es-
ponjosa, deixava emmergir-se urna vara que, ao
arrancarse sabia carbonisa la.
Accrescenla o Pharol:
Que significa este phenomeno ? ,
- Ser alguma turfeita ? E quem sabe se cora
esta especie de hua, bajera alli verdadeira bu-
lla?
eria conveniente que os gelogos da escola
de Minas do Ouro-Preto lizessem urna excurso
scientifica com o Um de exploraren) o lugar.
- Emrelaco ao ncleo colonial de S. Joo
de El Rei, ha as seguiutes inforiuagOes :
A cominissai) levantou a planta de todas as fa
zendas adquiridas pelo Estado, inclusive gran-
des e pequeos cursos de agua, estradas, cam i
nhos e outros pormenores topographic >s ne -es-
sa i ios ao e-tudo do projeeto do ncleo e a exac-
tidio dos trabalhos.
Por nao haver ponto de triangulago aos quaes
se podessem referir aos trabalhos, tornou-se ne-
cessaria urna serie de rectiticagoes e de linhas de
oiieragio.
Estes" trabalhos sao realmente difficeis, cres-
cendo a difficuldade pela natureza do terreno
muito carr gado de mineraes. actiando-se ein di-
versas variaefies d'agulha de 8o.
O permetro extenso tem cerca de 40 kilme-
tros.
Esto medidos e demarcados mais de 100 lo-
tes, que tem nos ngulos marcos, cravados e nu-
merados e se achara promptes para receberem
immigrantes.
- Neste trabalho a natureza do terreno tambera
exige rectilicacoe amiudadas e um cuidado in
cessante do operador.
A commi-sio tem nm chefe, um ajudante, um
auxiliar e um agrimensor.
E-tudou tambem a viaglo do ncleo, organison
projeeto e em breve o orcamento das estradas e
obras d'artes ser'remettido ao governo.
Quanto ao gal pao foram enviados tres projec-
tos : um de cerca de 14:0004 e outro de :00o,
tendo a commisso opinado pela execuco do ul-
timo.
Quanto as de-pezas ainda nao foram gasto
pela commisso 33:000, a terceira parte mais
ou menos do prego das trras.
Em virtude de uutorisago conferida
admihistrago pela assembla provincial, em sua
ultima reunio. <*elebrou-se contracto com a
companhia Estrada de Ferro Oeste de Minas, me-
diante garanta de juros de 7 i<,ao anno sobre o
lapial de cinco mil equinhento contos e pri-
vilegio da zona de 30 kilmetros para cada lado,
o prolongamento de sua linha, coid a mesma bi
tola, de Olive a at o Alto Francisco, na barra
ou i u une dia cues de Jacar, e a construrco de
um ramal que partindo do (Moto mais conve-
niente, v terminar na cidade de Itapecerica
iDcluindo-se no mesmo contracto a construc-
go, sem garantas de juros, de um ramal para
o PiUraguy, o qual de ver ser entregue a trafe-
go ao m 'Sino lempo, ou antes, que a linha prin
ci'pal.
.No Carino da Bagagem, s 8 horas da noi
te do dia 4 de Dezembro, estava Joo Vicente
Ivnna imn.seu negocio com outras pesaoas, Altan-
do alli chegaram Jooe Pedro Alfonso, filhos do
celebre indio Alfonso, morio h mais de anno
por una escolta, que. por ydera do ex-juiz mu-
nicipal, lora prende-o, compraram cbumpo.e
be be ram cerveja, que lhes ofiereceu o nego-
ciante.
Momentos depois de se retirarem recefoeu o in -
feliz neproeiartttt um 'i-r H.nfuch ido r fra para
dentro du negocio, que causou-llie a morte ins-
tantnea.
As pessoas que se achavam no negocio, saliin-
do, nao puderam ver pessoa alguma, por estar
a noite muito escura mas ouviram estaspalavras
morreu diabo f
A autoridade policial estava proefidendoa ri-
goroso inquerito, mas nao havia ainda desco-
Perto os culpados, que dizem ser quelles infeli-
zes, os quaes, como seu pai, o dito indio Alfon-
so, vivera na pratka con-tanle do crime.
Attribue-se o atientado ao desapparecimento
de certa quantia em raoedas de ouro, por occa-
sio do falleciinento do vigario Munoel Luiz
Mendes, a quem pertencia, e em cuja casa esta
vam somente o negociante assassinado e mais
duas pessoas.
Era Mar de Hespanha, na noite de <4, eni
lugar prximo do arraial da Soledade, o subdito
portugus Jos de Souza Martins e os liberto1*
Ada i, Kraiicisco e Agostinho foram casa de
Aniancio, pelo, maior de 5" anno, que era dito
como feilieeiro, e alli, inculcando-se Martins sub
deleg (do de polica o prenderam, aiuanaram e
conduziram para a casa onde residiam. No ter-
reiio em frente casa ataram o infeliz quin
quagenario a um poste de brna, e o agoitaram
durante 2 horas, terminando es'e supplicto atroz
com o corte dos lbulos das orelhas da victima,
que suecumbio.
0 delegado de polica do termo, auxiliado pelo
subdelegado do districto deu logo providencias
e to aceitadas que conseguio prendere entre-
gar os delmquentes ju>tiga com os autos do
rigoro-o inquerito, em que licou bem provado
este barbare alternado.
.Paato
Datas at 27 de Dezembro :
No dia '5 do corrente atirou-sc da ponte da
estrada de roikig do sajto de VJiL ao
Fnnit ddTlb ieiiglIidhqiBiii (iiWB) que tduyh
irisando o servico con-
ntido de :
ante-, trata de e
rcajo de nuc/ce
compra de;
lente imra'ifl
e utorMl
as
lim.
ios fe
caima e ci
Na noite de 12, Mathius Jos
\imA do esqn'a irode eavfflaria, entrou a
emii-a ie Mariade Jess Bliering, fia ra
a allj insul
Adi^t^ lilamente, foi preso e re-
colhf
Presume-se que o dfeliz mogo foi levado a
por termo existencia por Ihe ter sido subtra-
hida certa quantia, fructo do seu trabalhc de al-
guns anuos.
\ lia-se prompta a estrada da linha do Para-
nabyb, flongamento do Jagura a beraba,
estaao do engenheiro Lisboa, perteucente
es'trada Mi
J esta funecionanuo a linha telegraphica at
aquella" estago.
0 assentarataito de trilhos j chegou ao kil-
metro
- Era Campias. Amonio Elias 1'oYtes, etn-
pregad ira do Barraco. perteucente ao
r. FranciscoB. de Paula ouza.dirit-
dia 'pela > hora da larde, a urna casa Erbxim.1
darpiella chcara, al encontrou sua piulher em
flagrante adulterio co.n o jockey Manoel Fer-
reira.
O marido ultrajado, ceg de furor, arrancou
vando-a as costas do jockey.
Tentou tambtMii 'erir a mulher com a mesma ar-
ma, i diatamiMite fngio.
Antonio I- i o succedido ao delega-
do de policia, i|ue o mandou recollier cadeia.
O Confio de Sanios, da esta noticia relativa
ao conflicto alli havido no dia 9 :
Hontem, (i_9) s o li iras la larde, comeca-
j quartel. A ol
a santa Casa
leuii dadiligeii
Em dias do mez nassa.ln.
nado RiaoMo, do termo di^H
enomi
Joo Rodn

O
teme
pallir
a g
dinariaraente n
rbalhadbres proxi-
'ituicao, esquina da de
engenheiro Ameri-
- exigiam o
\ cocidos.
ou tres
,para
dida pelos trabalha-
uraeroapreseiltavam
seus irmos e
, ouvenien-
fogo para re-
seguida muitas detonaPIH
fogo de dentro da casa, cujos prona!
mente, H(b alcancarara a pessoa alguma\.
sim connuon o tiroteio at que chegou um
forca muoiciadir*restabelecendo-se a ordem
Ao chegar a forca no lugar do conflicto ainda
ouvto-se um tiro dado no interior da casa
Continuando arada o grwo de trabalhadorw
no sen proposite, veio a elleVo Dr. juiz de di-
reito e pedio que se dispersassa* or ser ille^
gal a aggresso que fizeram.
A forga licou garanti do a casa do enoenhein
Dr. Americano Freir, at que, s 11 j/FVjras-
foi rendida por nma forca de 23 imperiaes ma^
rinheiros, vindos de bordo da canhoneraMaruja.
comraandada por nm 2 tenente e ah Hcou am
as 4 horas da madrugada de boje, sendo a esst"
hora rendida por urna forca policial, que aiuam
l se conserva. >
O Jornal do Commercio da corte pubbcoa
este telegrarama : a
S. Paulo, 27 de Dezembro.
A congregago da faculdade de direito oou-
demnou o estudante Mancos into de Andrade i
excluso dos estudos em qualquer faculdade,
pelo attentado praticado contra o lente Dr. tra-
zilio Machado.
Hoje a mesma congregago tomou conheci
ment do facto da falsificago imputada ao estu-
dante Antonio Dias ardoso Jnior, que, estando
matriculado no 3o anno na faculdade do Recife,
apresentou-se com guia falsificada de matricula
no ", fazendo acto e recebendo grao. A con-
gregago resolveu mandar os documentos ao go-
verno para proceder-se criminalmente contra
ardoso e instanrar-liie processo disciplinar.
Segu amanh para a corte o Dr. Lima Drunv
mond.
Falleceu hontem o soldado do 17 Jos Bene-
dicto ampos, ferido nos barulhos da noite de
27 de Novembro.
Est restabelecido o commendadorDuarte Ro-
drigues.
Rio de Janeiro
Datas at-28 de Dezembro :
Lemos no Jornal do Commercio de 21:
Ao parecer da seceo dos negocios do im-
perio do conselho de Estado, servindo como re-
lator o conseiheiro Manoel Francisco > orreia,
foram submettidos os papis referentes 1 recla-
maco do bacliarel Bento Jos da Costa que ane-
ga o direito de ser indemoisado do valor dos es-
tudos e privilegio da ferro-via do Recife a Ca-
ruar, que lne havia sido concedida, e, sendo de-
clarada de inreresse geral, esi sendo consiruii
por admiais-aco directa do Estado.
Lemos na mesma follia de 22 :
< < onsta-nos que por decreto de 15 deste mea
obteve autorizaco o teen te-coronel Joaqra
Verissimo do Reg Barros para enectuar o es-
tudo preliminar de urna estrada de ferro inte
ligue o porto de Tama miar, pelo valle do Jaca-
hype, ao ponto pue for julgado convenienteno
tragado da via-ferrea do Recife a S. Fraacisco.
Lemos na mesma folha de 24 :
Hontem, cerca de 3 horas da tarde, depois
de realizada urna conferencia em um edil icio da
ra do Club Gymnastico, um grupo de desordei-
ros, que acompaiiliava as pessoas que tinham
assistido conferencia, provocou desordens em
alguns pontos do trajelo.
- Na ra do Theatro foram apedreadas as
casas ns. 21 e 23, onde sao estabelecidos : na
primeira, Augusto Miguel Bastos, com loja de al-
ta i a lana ; e na segunda, > aulino Netto de Frei-
tas, com hotel. Arabos os predios ficaram coa
alguns estragos. Nesse occasio ticou ferido
Severiauo Jos de aut'Airaa raujo, decrpre-
ta, e contundido no lado esquerdo do peilo Sera-
lira Daniel dos Anjos.
Momentos depois, no largo de S. rancisoa
de Paula, Justino Alves dos Santos, Antonio" Mar-
ques dos Santos e David Gomes Dias traman
luta a cacetadas, por questoes de partido e feri-
ram-se inutu .mente, l-'oraiii presos e conduzi-
dos 1* eslaco policial, onde lavrou-se contra
elles o auto re prisa o era flagrante delicio. Mais
tarde foram recolhidos casa de detenga em
um carro, por se acharem feridos.
O subdelegado do 1 districto do Sacramen-
to officiou ao Dr. delegado de semana requsilan
do o necessario corpo de delicio nos tres feri-
dos.
finalmente, na ra do Ouvidor, houve no-
va desordem, na qual ficou ferido Domingos Jo
s Pinto, tambera por motivos de partido.
Or turbulentos, durante as suas correras
deram vaas polica.
Sob o titulo Emb'irque de forca, diz o se-
grale a mesma folha de 28:
- -r-fMiiim, dufuLi-das 4 horas da madrugada,
formou no pateo do seu quartel o tatalho-de
infantaria; chegando passado 20 minutos o7*
da mesma arma, e juntamente com o contingo-
te do batalhao de engenheiros e o piquete del'
regiment de cavallaria, puzeram-se em marcha
sob o commando do coronel de artilhana Gandi-
do Jos da Costa.
-U'oinpaiiliados pelos rs. ajndante-iamftt
seu estado maior, commandante da 1' brigada
e seu siado-maior e commandante interino i
23 batalhao de infantaria, seguiram pelas mas-
Larga de S. Joaquim, da Imperatriz. -ande, Prai-
nha, -. nenio, Conseiheiro Saraiva e Primeira
de Margo, entrando no arsenal de mantilla, onde
aguardaram o embaique no pateo da iasaecl-
ria.
0 trans|iorte para bordo, dirigido pelo co-
ronel do estado-maior da \* lasse PimenteL
foi feito na melhor ordem. embarcan lo 0 lsp-
talhao de inrantaria e o piquete de cavallaria ao
paquete nacional Ro laida, e o7 e o contin-
gente do batalhao de engenheiros no Rio de Ja
miro, que sabio lora da barra s 9 1 2.
Durante o trajelo e no arsenal era grande
o numero de pessoas do novo que acudi a ver
as forcas militares.
- A's 10 horas e 26 minutos chegou ao ane-
nal de guerra o Sr. Marechal Deodoro com sua
familia e grande aconraanhamento de familias.
amigos e camaradas. Na ponte do embarque
era esperado pelos Srs. presidente do c.nselho.
minist o ia guerra, quartel-mestre general, <-
rector geral da secretaria da guerra, director da
repartig io fiscal, commandante da escote dat-
ro do Corapo grande, commandante da Ia briga-
da, cirurgio-mr do exercito. director interias
do laboratorio pyrotechnico do Carapinho, chefe
do Laboratorio hiraicq Pliarmai-euiico^jhl
de gabinetee auuliar*-do luiofaterto1 dJ" ReP- -
nr, ptnMaea, offi-far-s -upPfiores i- s bulleruoa,
muitas familias, magistrados, representantes irapreusa, e muitas outras pessoas de diversa
classes Botines.
A'8 10 .1/4 erhbarcou o marechal Deodoro
com ^ua familia e cu estado-raaior em urna
landia especial do arsenal de gera, sendo
aeomnanhado pelo ministro d guerra e mmUi
outras pessoas que enchiam tres lanchas a Va-
por. "
('.llegados ao paquete Ri Pardo ahi foram re-
cebidos iM'lo commandante deste, pelo comman-
diintado Io bat.dhio de infantaria e sua oflicia-
lidade e pelo do 10, tocando a bauda de masa
daqi.elle nina alegre peca.
A bordo estava a commissJto do Club M tar. com .osla no Io Icuente- GpreaZ Palha, pre-
sidente interino ; o inajor Hetrique Valladares,
tliesoureiit) eqapit-0 Srzedell,'Arador;
rigndo este ao marechal beodoio" una saudafao
a q'ial resppnd o omesno marechal, e por ul-
timo ein nonie dos socios fallou o presidente
interno.
As 11 l foram feitas as ultimas despediias
ao general em ebefe e aos seus coraniandados, re
tirando-se para trra as pessoas que os acomp*
tihai am a bordo.
O paquete Rio-Pardo levantou ferro ao mete
dia.
ommissSo encarregai
contas do recebimento de
la relaco da corte e.
por moiTilica O -
pen-avtis -mj*rre9eboa
<
Uro da justica o
examinar as
do secretario
do system de
retara para pro
enieudesse indis-
onlem, en treguo
resuaoiw

/
\r

K


1


arde j era extraer-1
ado o jardim, tea-1
houteinao
relator
A cowmHw compe-se dos Srs. Antonio Jaa-
quim Coeiro, 1 escripturario do thesouronacio-
nal, e de Jos Carlos de Souza Bordina, I" ofi-
cial da secretaria d negocias da jas
o ex-taclivgrapho, antigo lypogra-
eio. Jos Aasmatifa
pho do Jo
j wmm \


Diario de Pernambuco---Qttpto-fera^^de.JaaMro de 188>
\


)ezembro.
arto de Noticias, ele
luioeidade de un afllgo pet-
antes esclarecimentos sobre o
ato que vai fundar- se nesta
va dos importantes capital m-
PFde Figueiredo e Barao de GW-
ffital ser de 8,000:OM"MO(>, p moeda
arfen calculada a 27 por milru -
F. Asaccoesserte.dc 2O)*0W ^fSssao ser feitajAre base metlicade
coatomidade com ag bancana etewr-
capital do no*ft*de .' 00-?)*1.lW(ll
. VMad- dKcamtal do banco, ou 4,< U.OUU,
i se ach*^Eado pelo Sr. Vusconde de Figuei-
Sd0 ht.si. seus amigos e o Banco Internacio-
nal cujadireccao presidente.
^TOs dividendos serte pagos em moeda met-
lica, calculada ao mesmo cambio de 27
Consta-nos que a primeira directora sera
ajmposta dos Srs. Jote Soares ChaTW, Horacio
Augusto Lopes, commendador Manoel Francisco
de Almeida Brando, Manoel Jos do Conde J-
nior, commendador Antonio Loureiro Vianna
. Acreacao^sle banco depende de um outro banco incumbido do resgate do ac-
tual papel incorvertivel, que constoc o nosso
meio circulante. E'cousaque se pode conside-
rar como facto consumado dentro de mmto pou-
co tempo.
. E 'milito de suppor que um banco assim or-
ganisado chame ao paiz, pelas vautagens que Ihe
offerece, muitos dos capitaes que delle se nao
ausentado ltimamente, nao confiando naesta-
bilidade do cambio, impossivel com a existencia
do panel inconvcrtivel. ,
Escreveram de Santo Amaro, a mesma fo-
Iha
V A cidade de Santo Amaro, outr'ora to pa-
cifica, ten, ha algum tempo, se tornado teatro
de scnas borrosas, despertando a alinete dos
pblicos poderes que i a consideram um centro
de disturbios e desordeus. .
Na noite de 9 de Dezembro, porera, foi tal
a agitaco da populaco e o susto de que se cer-
cou, que ainda boje repercutem com urna nota
deseracada e tristes os aetos lamentaveis que
se deran largamente nessa noite, motivados pelo
grupo assaltante do celebre Leopoldo, assassino
de umitas portes, temido pelas proezas que com-
mette dianamente, hoje augmentadas n um des-
regramento incalculavel pela infpunidade de que
se ufana gosar, e realmente gosa, "das autonda-
des policiaes de Sauto Amaro. .___
. iiem motivo de ordem alguma nicamente
por perverso e malvadez, Leopoldo ajuntou-se
a outros, que capitaneava, armados de facas, gar-
ruchas e revolvere, e iniciou as suas sanguina-
rias tropelas s 10 horas da noite do da 19 des-
te mez, insultando a quantos encontrava e te-
rindo-os, at que na ra Direita comecou a
Sroromper em altas e ameacadoras vozes os mais
esbragados c violentos insultos, atacando a
muitos que acudiamaos seus gritos disparando
tiros para as casas de familia, trovando entqren-
hida futa entre os assassinos e aquelles que ines-
peradamente viam perigada a sua.vida e to in-
solentemente ameacada.a tranquillidade de suas
familias, em cujas casas se iam cravar spalas
dos sicarios e malfeitores.
No dia seguinte soube-se que tmham sido
Liborio, Jos Cearense (cachoeirano), Pedro
Felippe (est grave), Jos Cosme (se nao morrer,
Acara tonco, dizem o mdicos), Theodosio La-
noeiro (alm das facadas, est salpicado de
chumbo do peito ao estomago), Jos de bant,An-
na Theodosio pedreiro e Benigno, alm de ou-
tros ferimentos mais leves e cujos nomes nos
p s **i n h rn.ni
. Nao bastando, no sabbado immediato com-
metteu novas desordens, indo esperar os passa-
geiros no Conde, armado com as suas vanadas
armas, n'uma cynica ostentaste de sua unpum-
. At onde chegaro os desmandos deste sal-
teador, que, garantido, nada receia por parte da
polica ?

. *
Metidas do Norte
O paquete nacional Mandos, entrado hontem,
fbi portador das seguintes noticias :
Amazona
Datas at 22 de Dezembro.
0 piloto do vapor Manaos, prendeu a
bordo desse vapor um individuo de nome Belar-
mino que. durante a viagem, entrettoha-se em
arrombar malas e bahs dos passageiros de
proa. .. ,
Sorprendido em urna dessas occacies, confes-
sou o delicto pelo que foi. lavrado o compe-
tente auto 2 priso a bordo.
Na busca procedida na bagagem do gatuno,
entre muitos objectos de ouro e prata wontrou-
se urna corda de Nossa Senhora, a qual se des-
confa ter sido roubada ha pouco tempo na
igreia do Rosario, no I"*r.
O gatuno foi no dia 21 entregue a
o recolheu cadia.
Fallecen a 20 na capita o habd typograpno^
Manoel Jos Zuany de Azevedo, official aposen-
tado da secretaria da Assembla.
Pfi
Datas ati66 de Dezembro.
__Acha-se acamado e bastante enfermo o in-
dustrial Sr. Antonio Coelho Moreira, propneta-
rio da senaria a vapor estabelecida na da
Industria. ___________^
polica que
0 digno industrial cudjodo
se manfestoo no armazeni dos Srs. Emilio Mar-
tins & C, acpnteceu cahir sobre a bordadura do
passeio f friturar urna perna, motivo este que o
proBtrou-/ .
Fallecer o capito Leandro de Mattos
Guerreiro.
Exerceu por muitos annos o cargo de fiel de
thesoureiro da Recebedoria c actualmente era o
thesoureiro do Correio Geral da provincia.
*arannao
Datas at 28 de Dezembro. .
Falleceram: em S. Bento o capito Odonco
Justino da Silva Brito; em Cururup o alferes
Raymundo Nonato dos.Reis e em Caxias a espo-
sa do Dr. Joaquim Lopes Lobao.
Ceara
Datas at 29 de Dezembro.
. Sob o titulo Servaos da Secca, lemos n(
Libertador da ultima data a seguinte noticia:
Os trabalhos da estrada de Rodagem de Sou-
re a S. Francisco e o ramal do Riacho da Sella
ao Arraial, determinados pelo Exm. Sr. presi-
dente da provincia e inaugurados a -0 de Se
tembro do correte anno, j se acham bastante
adiautados, medindo urna extenso supenor a
SO kilmetros a parte i concluida.
Estes trabamos imciados com cento e tantos
operarios, sob a zelosa direccao do Sr. capito
Manoel Nogueira Borges, oceupa hoje para mais
de 950, proporcionando assim os meios de sub-
sistencia acerca de cinco mil pessoas, segundo
calculo estatistico ltimamente Teito.
O ramal do Arraial j se acha quasi conclui-
do, faltando apenas alguns trabalhos de obra
d'arte, como seja a conclusao de urna pequea
ponte, trez pontilhocs c os reparos de duas pon-
tes prximas ao Arraial. ..
0 transito entre as duas localidades ja se taz
exclusivamente pela estrada nova, dexido as
condiges de viabidade, alm do que, licou a
disUncia entre as mesmas reduzda a 19 aw
metros em vei de 27.770 que eram.
. Este amal de largura media de 10 metros par-
te do Riacho da Sella em direccao prximamente
de oeste para desviar a bacia do acude ailieni
concert; declinando-se para o norte logo de-
pois de uns kilmetros e segu com esta direc-
cao atea ponte sul do serrote Jaguanbe-onde
toma urna direegao prximamente de noroeste
at chegar ao Arraial.
. Devido s condiegoes do terreno deste ra-
mal, fez-se necessaria a construeco de grandes
aterres e outros tantos cortes, medindo ao todo
para mais de dois kilmetros; encontrando alem
Sisso serias difficuldades na reinoco deencT-
mes pedregulhos que gmente a fogapuBeram
ser retirados -o leito da estrada, ficando assim
limpo de pedras. bem destocada e aplainada,
permittindo perfeitamente o transito de carros.
A estrada que parte do Riacho da Sella a S
Francisco, construida as mesmas condicoes que
a primeira, tem a mesma largura e segu a di-
reccao prximamente de sudoeste com pequeas
dediagOes. devido natureza do terreno, pas-
sando entre os dois morros conhecidos por Ta-
pagy e Taquara e vai ter pona do sul do mor-
ro S Thom, tendo atravessado o sacco do mes-
mo nome e ahi declinndose um pouco para o
norte afirn de passar pelo boqueiro, entrando
pela ra dos Ferros; reduzindo-se por esta for-
ma a extenso da antiga estrada de 10 a 12 ki-
lmetros, o que incontestaxelmente traz grandes
vantacens ao transito publico.
. Esta estrada se bem que tivesse atravessado
terreno mais acidentado que a primeira, j se
acha promptifteada at S. Thom, cuja extenso
mede cerca de 22 kilmetros; faltando anda
brocar pequea parte do resto da estrada e des-
locar e aplainar todo elle.
Em todo o seu percurso encontrou-se mais
pedras que na outra e portanto superiores diffi
culdades foram vencidas afim de trnala perfei-
tamente viavel. ,
O transito publico j goza das vantagens desta
nova estrada, preferindo o trecho j concluido,
que alem de superior as condicOes de yiabili-
dade, ficou reduzida em relaco a antiga de mais
de cinco kilmetros.
Os trabalhos da estrada que parte do Riacho
da Sella em direccao a Soure, foram igulraeute
inaugurados na mesma epocha que as outras;
esta estrada j conta hoje quarcnta e tantos kil-
metros destocados e qunize limpos de pedras e
aplainados as mesmas condicOes que asdeniais.
. Esta estrada parte do Riacho da Sella em di-
reccao prximamente E 1,4 N E. .
De toda a estrada foi este o trecho mais difh-
cil por causa dos grandes cortes e aterres
que se fizeram, alem da espessa carnada de seixos
rolados encontrada em diversos pontos.
Sob a direcfo do auxiliar Joo Pompeu de
Souza Magalhes foram inaugurados a 12 de Se-
lembro osltrabalhos da aguadas de Santo Antonio
duas leguas alm de S. Francisco, a da Cacimba
do Meio, tres leguas depois dessa e finalmente a
de Ferrao, tres leguas distante da ultima.
Estes trabalhos foram rcahsados pelo mesmo
auxiliar, qu ultima aguada por causa de terreno pedregoso
que tem de perrurar. encontranao agua nos tres
pontos, a fundidades variareis de tres a quatro
metros e tanto.
Nfto menos difficuldade encontrad elle na
acquisico das madeiras precisas para os tres
barracoes que ficaram armados prximos s tres
aguadas que devem servir de pouzo aos tran-
sentes. *'
Foram igualmente inaugurados a U de !>e-
tembro, os trabalhos da aguada do Cravat sob
a direccao do auxiliar Balduino R. de Medeiros,
que nao obstante o reconhecido interesse qae
sempre tomou pelos trabalhos a seu cargo
ao incendio que conseguio fazc'r a aguada por ter encontrado na i
perfuraco, de um metro em diante, um subsolo
rochof o de natureza grantica, em que se nota o!
predominio do quartezo e portanto mais difueil
de ser trabalhada i e nao obstante, emprogou-se
o fogo e posteriormente a plvora lvando-se a
escavacao a quatro metros c tanto.
> Tendo-se reconhecido por meio de sondagens
que o subsolo da laga era todo constituido da
mesma rocha, abaudonou-se este trabalho para
tentar no Riacho da Cachoeira, a dous kilmetros
a oeste da mesma laga e prximo a estrada.
Os trabalhos d'esta aguada tem sido bastante
difficil por causa da natureza do terreno, at me-
tro e meio de profundidade encontra-se areia,
argila e passava em carnadas de espessura varia-
ve, segimido-se d'ahi em diante terreno pedre-
goso porem, de fcil trabalho; a escavacao ahi
i mede perto de U metros havendo toda a pro-
babilidaae de se encontrar agua e por este mo-
tivo nontinua-se a insistir neste trabalho atten-
dendo se tambem a absoluta necessidade d'agua
neste ponto da estrada.
No intuito de aproveitar os trabalhos feitos
na dita laga, elevou-se. com torra retirada da
escavacao, aparede de um pequeo acnde man-
dado fizer ahi prlo governo em 1878, de 1 metro
alongndose a dita parede que mede para mais
de duzentos metros, ficando a parede com 3 a 4
metros de altura.
Com o fim exclusivamente de amparar as
raulheres desvalidas, que viviam nftudipndo a
caridade publica napovoaco do Riacho da Sella,
o engeidieiro chefe dos tranalhos, pedio e obteve
do Exm. Sr. presidente da provincia, autorisaijo
para empregal-as no concert da parede de um
liequeno acude mandado fazer pelo governo em
1877 naquella localidade.
. Este trabalho inaugurado em 1 de Novembro
prximo passado com cento e tantas niuiliores.
i se acha em via de conclusao medindo a pare-
de para mais de 240 metros de extenso e mais
4 de altura; este trabalho oceupa hoje para mais
de 230 mulheres, servindo de verdadeiro arrimo
a estas infeliz creaturas, que com seus lilhinhos
vivm da pequea remuneraco de 300 res dia-
rios que lhc offerece o governo em troca do sea
trabalho. .
Gracas a estas outras medidas adoptadas pelo
Exm. -r. presidente da provincia, os servicos a
cargo da commisso de estrada, e aguadas alcan-
cam a todas as classe.s c individualidades1 onde
M encontra indistmetamente a necessidade cx-
. Os gneros alimenticios vendem-selalli nejo
preco rasoavel na relaco as difficuldades da
epocha. l.
0 estado sanitario da populacao e satistt-
torio.
Foi exonerado a pedido, do cargo de pro-
motor publico da comarca de Baturit o bacharal
Alvaro Teixeira de Souza Mendes, e nomeado
para substituii-o, o bacharel Francisco Joaquim
da RocliU. M
A supraoitada folna noticia em 2o os se-
guintes fallecimentos:
Falleceu hontem nesta cidade o guarda-mor
da Alfundega, capito Joaquim Domingues da
Silva natural de Sobral, de 42 annos de idade.
. Succumbio ao cabo de prolongados padec-
mentos que o traziam preso ao leito ha muitos
mezes.
Era casado em segundas nupcias com a
Exma. Sra. D. Mara Raposo Domingues da Silva
.: deixa 6 I los do primeiro e segundo raatnmo-
Homem aclivo e intelligente, era o finado
extensamente relacionado no commercio e em
to.los oV circuios sociaes. -
Tendo comecado a vida publica como des-
pachante geral da Ifandcga, foi alguus annos
guarda livros da caixa econmica e em lb80 no-
meado guarda-mr da Aldndega, cargo que
exerceu com muita vantagera para a fazenda pu-
Morreu ante-hontem o Dr. lementino Ho
da Silva, engenheiro do prolongamento, da es-
trada de ferro de Batunt, victima de urna pneu-
' Alm da secca. esto flagello.
Desde o invern do anuo passado desenvol-
veu-se no centro da provincia este perigoso mal
nos caes; glandes prejuizos j tem causado.
Anda ha poneos das falleceu no Pianc o
alferes Estanislao da Costa, victima de molestia
tao ingrata, que llie tora tradsmittida pela mor-
dedura de um cao bydrophbico.
Affirma o uosso correspondente iiue ha ahi
outras pessoas mordidas.
Approxima-se o invern e deve-se recejar
do leite das vaccas. pois nao possivel distin-
guir fcilmente a que tenha sido mordida.
J ha queiu tenha escrpulos de comer
carne, da que se vende nos acougues.
Parece-nos que as camaias municipaes, a
quem compete a polica e hygiene das roas, do-
vein tratar, quantorantes, do' assumpto.
Quem tiver caes de estima conserve-os pre-
sos ; em caso contrario, facam as cmaras mu-
nicipaes com que desapparecam. >
produzdos por cadaum de nos; sf a xantho-
creatinina, a crusoertatiuina etc. 0 quedaos im-
porta principalmente sWt, que estas 'substan
cias sao o resultado d\ vida intima da celkila
muscular.
Pois se a vidaintima destaparte das cellulas
animaos agrupadas em ^cidos e vivendo sem
olvgeno lomado do ar, se\ethutUe pela man eir
porque ella assimila e desxssimila a materia or>
ganica na vida dos feriHfntox'fytcteiiaiinoii.ni de-
venios em nossos productos excregao obser-
var estas substancias mesmas we se cncontraml tonXo presta juramento do cargo de presideute da
provincia o Exm. Sr. Dr. Innodencio Marques de
Araujo.Goes.
Em seguida tora lugar no palacio da presiden-
cia o acto da posse.
Para um e oulro acto sao convidados os func-
cionnrios pblicos de todas as cathegorias e os
1113 ue- b *,, .,, ,
ober- "'nigus noliticos do alustre pri'Sidentc.
CLNICA medica
Hospital \oker
O SR. PROFESSORPETER
Microbios e alcaloides
(Continuaco)
Fados tacs absolutamente inespheaveis na dou-
trina do microbio factor do mal e que os mi-
crobiaunos passariam de boa vontade em silen-
cio Pactos taes sao dos mais simples na dou-
trina que eu Ibes opponho e a expficaco das
mais lacios ; digo que faltou tempo cousa, o
doeiile morreu muito depressa para que os micro-
bios podessem apparecer; ora, quando nao os
ha, nao se pode dizer que elles sao os autores do
mal, e quando ha muito poucos para um mal to
grande, nao se pode decentemente os aecusar
mais.
I'orm em urna molestia inteiramente differente,
a tsica, em que lia ainda o bculo de Koch, po-
nera rectilneo d'esta vez, na tsica aguda,
acham-se immeusas quantidades de granulacOes
sem bacillo, emquanto que na tsica chronica os
bculos sao em muito grande abundancia, princi-
palmente as paredes aas cavernas. E' porque
certaraente o bacillo tem depois : elle all est
como testemuuha e nao como cumplice, ainda me-
nos cerno nialfeilor.
Citar-vos-hei ainda o facto to interessantc da
tuberculose zoogleica em que o bacillo nao appa-
rece seno na segunda ou terceira geragao ?
go emira a ratva, ella certamente
urna
entrentanto ella trans-

COIHERCIO
Revista do Mercado
Recife, 2 DE
Janeiro de 1889.

,'

Movimento quasi nullo, Umitando-se apenas a
pequeas transaejes no mercado de cambios.
Canibio
Os bancos mantiveram ainda a taxa de 27 1/4
d., offerecendo alguns 27 5/16 para o primeiro
vapor, sem acharem tomadores.
O papel particular foi passado a 27 7/16.
Mercado firme.
fio Rio os bancos saccaram em geral a 27 1/4
n- jnyfr'tcB notaaoig spbre a caixa matnz.
Papel particular, 27 3/e-
o

TABELLAR
AFFIXADA8
a. 'S 2.
3.
D
2
5'
b a

O.
9
5
S
S 1 i i t
I &
a
o
i
I
3
5


ex

!
\ -
se 5 F -s -
nao
Era natural do Rio Grande do Sul, falli do
conheci lo medico d'aquella provincia, Ur. Po
Angelo da Silva e- moso muito estimado por todos
que'conheciam suas excellentesquahdades, como
cavalheiro e prolissional.
Contava apenas 25 annos de idade.
A amara Munici|al da captol, em sessio
de 24 votou unnimemente urna inoeo de fe-
felicitaco ao Ilustre Sr. couselheiro Antonio de
Souza Mendes, por sua elevaco ao cargo de mi
nistro do Supremo Tnbunal de Justica e pelos
ivlevan'es servicos prestados por S. Exc a causa
da justica no longo perodo em que exerceu na
provincia o importante lugar de membro da Re
laco do districto.
Rio raade do SorUt
^atas ate 31 de Dezembro : .
Funccionav. Assembla Provincial.
Os serioes da provincia, segundo lemos na
Liberdade de 30, continuam a soflrer os ngores
da secca, que j tem causado grandes prejuizos.
iMriiiiybu
Dalas at4 i. de Janeiro : ,__,
Na tazeta do Sertao, folha de Campia Grande
encontramos a seguinte noticia, sob o titulo Hi-
ropliobia : .
. J itor mais de urna vez temos relatado tac-
tos dessa natureza, no intuito de recoramendar
ao publico a maior cautella e de chamar a atten-
crf das autoridades para a grande quantidade de
caes que audain vagando pelas ras da cidade.
. Do serto ebegam-nos agora enrgicas recla-
maces sobre o assumpto.______________
Bolsa
COTAgOES OFFICIAES DA JCMTA DOE XX)R-
RECTOBE8
Recife', 31 di Dezemboo de 1888
Ne houve.
O presidente,
Augusto Pinto de Lemos.
O secretario,
Pedro Jos Pinto.
2 de Janeiro de 1889
Cambio sobre o-Rio Grande do Sul, 90 d/v. 2 3,8
0^) de desecnto.
Cambio sobre Londres, 90 d/v. 27 3/8 d. por 15,
particular.
0 presidente,
Candido G. Alcoforado.
0 secretorio,
Edusrdo Dubeux.
AlgodSo
Ngaonstou vendas. f_________
A exportacio, feita pela alfandega no mez de
Dezembro fmdo, atingi a 820.670 kilos, sendo
635.500 para o extenor e 185.170 para -o inte-
rior.
Saccas
As.entradas verificadas no referido mes deque
ha sciencia, at a data de hoje, sobem a
saccas, sendo por :
Barcacas.....
Vapores.....
Animaes.....
Via-ferrea de Caruaru. ,.
Via-ferrea de S.Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro
2.826
3 622
9.598
1.239
921
12.669
vapor Lrancez
para lisboa.
Sommi..
Serthe
30.875 Saccas
levou 500 saccas
Assurar
Os precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
gundo a Associaco Commercial Agrcola, foram
osseguintes: ,____
Brancos *000 a 21400
Someuo..... 1*600 a U700
Masca vado purgado- 1300
Wo. 1*200 a :
Rtame ... *900 a 1*000
Colonia Isabel
Branco 1'
2*
3'
Someno .
Mascavado
Usina Pinto:
Branco 1*
2-' .
I Someti
l Mascavado .

2400
24200
2i000
IJfBOO
14300
2*400
2:ikj
113
Che.,
molestia sem microbios;
missivcl I
Ha por tanto molestias virulentas sem micro-
bios outras com pucos microbios e algumas
com muitos microbios I
E' que com effeilo sao os alcaloides que actual-
mente fazein tudo.
Peyraud (de Libourne) teve a idea muito en-
genhosa de procurar se havia as vegetaee*
ubstanciarnocivas cuja aeco se approxiiuasse
da dos alcaloides de origem animal. Elle tomou
om pouco de essencia de atanasia, e tenflo-a ino-
culado observou que ella desenvolva symptomas
anlogos aos da raiva. Este observou alm disso
que o coloral impedia o apparecimento d'esses
accidentes e um mogo mordido por um cao dain-
nado e tractado pelo chloral, ficou ao abrigo da
raiva.
echando-se enveredado n'esse caminho elle le-
vou mais longe suas indagagOes, e eis aqui os cu-
riosos resultados que elle obteve: injectou pro-
gressivamente em animaes essencia de aianasia
e assim obteve a tolerancia. Apossado d'essa
similiraiva como o era ganner de urna si-
mili varila elle quiz ver se ella nao se opporia
ao desenvolvimento da verdadeira raiva, e para
isso inoculou virus rbico nos animaes em que
havia com antecedencia injectado essencia de ata-
nasia. O virus rbico de que elle servio-se era
dos mais authenticos por que tinha sido extrahido
de Bergcr, que morreu era Bordeaux seis mezes
depois de ter sido sujeito em Pariz s inocula-
cOes pastoriannas. O que verdade que os ani-
maes assim inoculados nao sucuumbirara.
Alias M. Peyraud em outras experiencias, ob-
servou que as inoculaces intensivas de sua
essencia de atanasia, em vez de preservarem da
raiva acceleravam sua expIosSo I Hoje elle variou
seu processo e depois de ter inoculado a raiva.
elle injecta a essencia de atanasia ao redor do
ponto inoculado afim de neutralisar localmente o
virus rbico.
Tenlw obrigaco de o dedarar, M. Peyraud foi
o primeiro que achou a vaccina chimica
Pronunciei jmuitas vezes em vossa presensa
as palavras alcaloides resta-me fauar mais
expticitBtneiitr t'aiiaa. E.' ao Sr. professor Gan-
tier que nos devemo a descoberta de alguus
d'estes alcaloides anirafces, verdadeiros Teneuos
txicos, fabricados pelas funejcs mesmas da
vida; ellelhes deho nome de leucomainas .
Pelos actos ntimos da vida, disse eu desde 1869,
nos fazemos o que eu chamei a autyphisaco,
toda vez que nosachamos na impossbilidade de
eliminar certos productos txicos, fabricados por
nos: autotvpli'aacac- que se traduz geralmeiite
por perturb'agOes do systma nervoso, licmorrha-
gias e alguhs outros symptomas variaveis, con-
forme se tradavade tifhus uremico ou (uremio)
cholemko (ou intericia grave), atheromico
(ou endocardite ulcerosa) puerperal ou (febre
puerperal). Porm foi Mr. Gantier que emsua
bellas indagaces a respeito das leucomainas, de-
onstrou a existencia d'esses alcaloides txicos.
na fermeutaco anaerobia dos albuiiiiiioides, isto
nas fermentacOes putrefactiviK. Nos adiamos,
com effeito, em nossas excrectics normaes, e
nuasi exclusivamente, no cemple.xodos productos
da putivfaccao propi'iamente dita... Taes sao
as proprias palavras do Sr. Gantier.
A uresenca d'estes alcaloides revelada at
no acto respiratorio. Mr. Brovv Sequard d'Arson-
val os tem adiado no ar expirado. Como a pe le,
como os rins, w pulmoes deixam escapar pro-
ductos excrementicios cuja toxidade est Hoje
perfeitamente determinada Ha muito tempo por
fim M. Recbamp descomi o que elle chama urna
lymase. MM. Hrown-Seguard e d'Arsonval
tem tambem demonstrado que o ar expirado to-
xico, e o caso que tem microbio.
Asaliva mesma toxica e tudo parece pro-
var que nos caes ella adquire, sob a ioflueucia de
urna excitaejio gensica intensa e cdntranada,-
qualidades virulentas da saliva rbica.
Ser que nao se saiba que nos paizes tempera-
dos mao comer peixe no tempo do ci"?
Ora. ha na india, clima muito excessivo, peixes
cujo consumo dos mais perigosos nos momen-
tos de excitaco gensica e que por essa razao
tem sido qualillcados de toxico cophoros, n'esse
periodo de sua vida physiologica. .
Do que tica dito, nao tenho o direito de concluir
que em consequencia dos actos physiologicos da
vida produzem-se substancias euiinentemuute
toxicas ?
E' portanto moeda corrente scientifica que o
arest povoado de germens e que estes
germens sao os agentes do contagio. E depois,
eis que o professor Strauss pode confirmar por
experiencias de una grande preciso, que cada
um de nos absorvia em una sala de hospital,
em cada inspiraco, 609 bacterias ou sporos, e
que a cada expirac&o sabia, queris saber quantos
microbios ? um, nao mais que m. Nos admilti
remos que o pulmo absorve urna media de 600
numeres redondos. Em 20 inspirares por minu-
to isto fas em vinle quatro horas o lindo total de
dbsesbte Mii.iioF.s dnzentos e oitenta mil bacteri-is
ou sporos que nos engulimos. Assim pde-se di-
zer que nos nos alimentamos d'elles. O pulmao,
segundo Mr. Strauss, fazia o papel de filtro e
tomara o ar bacteriolicamente puro, e eu acros-
cento alcamhdicame.nte impuro; o que nao sem
importancia pois que, como o sabis, o ar expi-
rado toxico e isto por elTeito de um alcaloide.
'.qui ainda apparece a toda poderosa esponta-
neidade vital! Passo todas as maahs muias ho-
ras em uma sala de hospital cuja atlnnospliera
est cheia dos germens da pneumona, da tuber-
culose, da febre typhoide e entretanto eu pao
apanho nem uma nem outra d'tssas molestias!
Segue-se portanto que meu organismo nao
quer cahir doente, que elle refractario: e
negamos assim em presenca mesmo das expe-
s tara da .prudencia da provincia foi convocada
uma sesso extraordinaria da Assembla Provin-
cial para o dia v de Fevereiro prximo, para
tratar da promulgarlo das leis de meios.
,* seccao. i'alar.io da presidencia de Per-
namzuco em 31 de Dezenjr0 Q88. O presi-
dente da provincia, usandt> da faculdade que Ihe
confere o art. 2i 2 da lei fr> 12 de Agosto de
1834, convoca extraordinariamente per 45 das,
a Assembla Legislativa Provincial para o dia
1 de Fevereiro vindouro al'un de tr&tar da pro-
mulgaco das leis de meios que dcixaram de
ser votadas durante a sesso que, em vista do
aviso de 29 de Novembro de 1837, (Inda hoje.
(Assignado)Joaquim Jos de Olivera Andrade.
\iitoriiiixK- policial Por portara da
pre*idencia da provincia de 29 de Dezembro fin-
do e proposta do Ur. chefe de polica de igual
data foi nomeado para o lugar vago d delegado
de Ouricury o atteres do 2 batalho de infama-
ra Manoel Beleroplioute de Lima
iiiotruceo piihiii-w p0r actos da pre-
sidencia da provincia de 31 de Dezembro prxi-
mo lindo :
Foi jubilado, seu pedido, no cargo de pro-
fessor da cadeira do sexo masculino da parochia
'da Roa-Vjta, desta cidade, Simplicio da Cruz
Ribeiro.
Foram removidos :
Da cadeira do 5exo masculino de Pao d'Alho
para a da Ba-Vista, do Recife, o professor Joa-
quim Elias d'Albuqueniue Reg Barros:
Da cadeira do sexo masculino do Rosarinho
da comarca de Pao d'Alho para a da cidade do
divino Espirito Santo de Pao d'Alho, o professor
Deocleciano Ferreira dos Santos.- ,
Foi supprimida a cadeira do sexo masculino
do povoado Rosarinho, sendo declarada mixta a
do sexo feminino alli cita, nos termos do regula-
inento da iustruci;o publica de Fevereiro de
1888.
*s*<'mI>l-H Provincial Eacerrou-se
no da 31 do passado a sessSo de 1881 desta as-
sembla.
A reunio foi presidida pelo Exm. Sr. Baro
de Caiar, tendo comparecido 15 Srs. deputados.
O Sr. Io secretario procedeu leitura do se-
guinte expediente:
Um oflicio do secretario do governo mandan-
do as iuformages pedidas sobre o espancamen-
to de Manoel de Jess Nascimento Borges.A
quem fez a requisicao.
Outro do mesmo, transmittindo uma copia da
portara mandando continuar em vigor a lei n.
1884 Inteirada.
Oulro do mesmo, declarando que em vista do
^^""3 ~Z7l zT:.,\ZZAiJZZ*k mrhiil-i I Ulro Oo mesmo, aeciaranuo que em vista uo
nencias dos microbios a P>d]spoclo molida, v Novembro de 1837*, o Exm. Sr. de-
ijto a zimo ci> n:ii\ lien (lucillo seno oortU*' la 3 _.?.. ,i__. _
isto eque se nao lica doente seno porque ja se
o estova antes.
Depois do pulmfio,que recebe impunemente
tantos germens, eis a ferida cirurgica expota sa
sua aeco, nao menos impunemente.
O que D. Strauss fez para demonstrar a resisten-
cia do pulmo aos microbios do ar. o Sr. proles-
sor Le Fort acab de o fazer para provar a resis-
tencia das feridas a estes microorganismos.
(Contina).
A exportaco, feita pela alfanaega, no mez de
Dezembro lindo, subi a 21.176.529 kilos, sendo
16219.062 para o exterior e 4.957.467 para o
interior.
, As entradas verificadas at a dala de hoje, no
referido mez, deque hascienfia, sobem a.. ..
346.455 saceos, sendo por:
143.226 8accos
16.032 .
16216 .
110565 .
60.416 -
346.455 Saceos
Barcacas.....
Vapores.....
Animaes.....
Via-ferrea de Caruarii.
Via-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea do Lnoeiro .
Somma.
(uros
Nao houve vendas.
Agurdente
Cota-sc nominal a 70*000 por pipa de 480
tros.
pipa de 480
Alool
li-
Ultimas vendas, 1251000 por
tros. -----
' Hel
Ultimas vendas, 50*000 por pipa de 488 li-
tros.
Pauta da alfandega
SiUU im SI DB DESEMUBO A 5 Di JAMURO
db 1889
Vide o Diario de 30 de dezembro de 1888
Xavio carga
Barca norueguense Hermod, para New-York.
Barca nacional Martannnta, para Uruguayanna.
Barca norueguense Atidne,
Barca norueguense Pnncessen, para Estados-Uai-
Brigue portugus Calcida, para Lisoa e Porto-
Brigue nacional S Manoel, para Rio Grande do
Brigue portuguez Armando, para o Porto.
Lugar americano Walter ScamU, para New-
Patacho ingtez Peggie, para Mcntevido. 4
Patacho norueguense Victoria, paranontevidfo-
Vapor mgluz MelUmden,-para Liverpool.
Navio descarga
Barca norueguense Mispak, carvSo.
parca americana Agole carvao.
arca norueguense Suez, carvao.
Barca portuguez .4/riVi, carvao.
Barca ingleza Beltrees bacalhe.
Lugar nacienal Tiyre, xarque.
Lugar norueguense Victoria, fenno.

REVISTA DIARIA
PreadeMle de PernambucoXo pa-
que francet Nerthe, chegou hontem da Babia o
Exm. Sr. Dr. Innocencio Marques de Araujo
Ges presidente nomeado para Pernambuco por
carta imperial de 5 de Dezembro prximo lin-
do, acompanhando a S. Exc. sua digna consor-
te, distinctissima senhora que faz honra pro-
vincia que Ihe foi bergo.
Muitos amigos fram receber Ss. Excs. no
Arsenal de Marinha, onde desembarcaram s 8
horas do dia e alli zeram as continencias do
estylo uma guarda do 14 batalho de infanta-
ra e outra dos menores do mesmo Arsenal, to-
candp tambem ti bernia de, msica lo 2" bata-
lhaoA fortaleza do Brum deu a salvsda prag-
mtica.
Ss. Excs. foram de carro at o palacio presi-
dencial, acompanhados de grande squito. Alli
tocaw a banda de msica do eorpe de polica, e
alli os aguardavam muitos outros amigos.
A's 11 horas a todos foi servido um delicado
almogo, depois do qual Ss. Excs. receberam nu-
merosas visitas.
Juramento e po*e Pernote a Cmara
Municipal do Becife, hoje, 1 hora da tarde,
Para Liverpool, J. H. Boxwel 3,000 'saceos com
223,000 kilos de assucar mascavado ; Mr J. da
Rocha 113 saceos com 8,623 kilos de assucar
mascavado.
Para ointerior
No vapor inglez Ahens, carregaramj
Para Santos, morim Iriuas 4 C Jo pipas
com 12,000 litros de agurdente, 250 saceos com
13000 kilos de assucar branco e 250 ditos com
130K) ditos de dito mascavado ; A. V. de Bar-
ros 50 saceos com 3,000 kilos de assucar branco
e 1.494 ditos com 89,640 ditos de dito masca-
vado, ..
Para Rio de Janeiro, Maia A Rezende 6o pipas
com 31JJ0O- litros de agurdente ; P. Pinto A C.
50 pipas com 24,000 litros de agurdente ; A. de
Qliveira A C. 10,000 cocos, fructa ; Casta & Fer-
nandes 23 caixaa com mangas no valor de 40*
= No vapor nacional P, do Grao Para, caree-
Para Penedo, J. f.ordeiro 20 caixas com 160
litros de genebra.
Na barcaca Lindo Paquete, carregou :
Para Parahyba, A. A. Gomes 1 barril cam 96
litros de alcool.
= 31
Para oexlerwr
No vapor inglez Bepton, carregaram :
Para Liverpool, J. H. BoxweU. 430 saccas com
33,730 kilos de assucar mascavado.
Para Estados-Unidos, *. Casco A 500 sac-
eos cam 37,500 kilos de assucar mascavado.
- Ma barca norueguense Ariadne, carrega-
Para Estados-Unidos, F. Casco A Filho 1 000
saceos com 75,000 kilos de assucar mascavado.
No lugar iuglez Menitt, carregaram :
Para NeVf-York, J. 8. Loyo A Filho 760 saceos
com 57,000 kilos de assucar mascavado.
No vapor americano Aivanct carregaram :
Para New-Yerk, Keen A Coats 4,183 pelles de
cabra.
Barca norueguense Jofnhar, para New-York. 1 _l~jjo vapor francez Nerthe, carregaram :
para Estadas-Uni' j)ara Lisboa, F. da osta A C. 480, saccas com
o Silencio, carre-
2 barricas com
Exportaco
29 DK DEZBMBBO DB 1888
Para o exteritf
- No vapor inglez Benpton corregaram
BICIFB,
35,739 kilos de algod
Na barca portu^eza No\
gPara Lisboa A. J. F. Monteiro
172 kilos de Sssucar brapco.
So brigue portuguez Armando, carregou :
Para o Porto, L. Lima 176 fardos com 23,640
kilos de algodo e 20 ditos com 3,795 kos de
residuos de algod8o.
Por > o interior
No potadlo allemo Bnlhante, carrega-
rTara Uruguayana. B. Oliveira A C. 2,000 sac-
eos com 130,000 kilo^ ir brac o.
No vapor nacional Manos, carreganam:
Para Rio de Janeiro P. aineiro A 300 sac
ca com 32,490 kilos de algodo.
No vapor ingtoz Atkfa0mgrmv
Para Rio (le JaS&o. H. J. dY 0 -;.;-
os com 31.200 kilos de assuCB' mascavado ; r.
dTnoraes 30 pipas un 24.000 litros de agur-
dente e 20 ditas com 9.400 ditos de alcool.
No cilter / a>uir '!/ carregaram :
Para Natal, P. Al W barucas com
2,220 kilos de assucar refinado,
Na barcaca Floii Slar.a carregaram
Para Mamauguape, P. Alves A C. 17 barricas
com 1,170 kos de assucar refinado ; J P. Lapa
10 caixas com 80 litros de genebra ; Fernandes
A Irmo 24 caixas com 192 litros de genebra.
Na barcaca Mar a Angehna, carregaram :
Para P. de lagoas, Martiiw Vegas A C. 20
caixas com 140 litros de genebra.
Dinhciro
RECEBIDO
Pelo vapor nacional Manos, do norte, para:
Francisco Hibeiro Pinto Guimar&es lO.OOOlOOOO
London A Brasilian Bank *'S*lJ
Amoriip Irmos A C. 3.0001000
H. Foreter A C. 2.7534730
HcndinientoN pblicos
Renda geral *
Do dia 2
Renda provincial
Do dia 2
MEZ DI J1NEIIO
Alfandrgu
Somma total
54:169*342
9:483*727
63:653*069
Segunda scete da Alfandega, 2 ne Janeire de
1889.
O thesoureiroFlorencio Domingues.
O chefe da scete Cicere B de helio.
Recebedoria eral
Do dia 2
178270
Do dia 2
Do dia 2
Recebedoria provincial
Recife Dralnage
3:680*228
197*596
Movlmcntodo porto
Navios entrados no dia 30 de Dezembro de
1888
Rio de Janeiro -7 das, vapor inglez Setembrta,
de 1,981 toneladas, cmmandante Samuel Fow-
lar, equipagem56,Hrga carne gelada; a Wil-
f Hsons C.
Santos ,8 dias. vapor allemo Cta^Kpe 1,398
toneladas, cmmandante G. WelRHBg, equi-
1 ifcera 32, carga a caf ; a Borsfermnn at L.
Rio Grande do Norte 4 das, hiate nacional
Correio do Natal, de 40 toneladas, mestre Jo(T
Guedcs de Moum, tquipagem 4, carga vanos
gneros; a Fraga Rocha C. r
aos entrados fto dia 31 de Dezembro de
1888
Porto-Alegre e escala 12 diaBjapor brazileiro
,Jo, de 631 toneladas,* Francisco de Oliveira, equipahem 32, carga
varios gneros ; a Pereift Carneiro u
Bahia 7 das, lugar sueco Dockon, de 197 o.
ladas, capito N. Sjogrens, equipageit|**
lastro : a H. LUndgren C. Jfc\. A ,
Montevideo 13 dias, vapor inglez TefiMale. de
1017 toneladas, cmmandante RjM



M
*
sembargador presideie da provincia deixa de
prorogar por mais lempo a actual sesso desta
assembla.Inteirada.
Outro do mesmo, transmittindo copia da por-
tara convocando uma sesso extraordinaria des-
ta assembla por 13 dias, para 1 de Fevereiro
vindouro.Inteirada.
Tem de ser enviada saueco uma resoluco
marcando o dia 1 de Junlio de cada auno para
abertura das sesses ordinarias uesta assembla
e publicarn o orcamento municipal.
Em seguida dissolveu-se a reunio.
' Delegado IliterarioPor acto da presi-
dencia da provincia de 10 de Dezembro (indo foi
nomeado o teneute-coronel Geminiano do Reg
Maciel para exercer o cargo de delegado do dis-
tricto liiierario do Brejo da Madre de eus em
substituicao do-Bevm. edro Mario lio FalcSo que
falleceu."
Patente devolvidaAcha se 'na secre-
taria da presidencia a patente do tenente-coro-
uel Jos Tavares Uornellas de raujo para'ser a
este entregue, sea solicitar no prazo legal, visto
ter sido devolvida pelo Ministerio da Justica,
que indeferio o requeriraenlo em que o mesmo
tenente-coronel pedio melhora de sua reforma.
Instituto ArcheologicoHoje, ao meio
dia, rcune-se em sesso ordinaria o Instituto
Archeologico e Geographico Pernambucano..
eglMtro civil O decreto que mandou vi-
gorar a lei do registro civil esta em execuc,ao
desde o dia 1 do corrente mez.
Cumpre que os interessados o nte esquecam
aiim de evitar duvidas futuras nos direitos de
successto- e outro* mereiitm* m fiiiaias
Nascimentos, casamentas e bitos" devem ser
toncados nos livros do registro civil, a cargo dos
esefivesde paz.
Este oflicial, na parochia de Santo Antonio
desta cidade, tem o seu cartorio no 1 andar do
predio n. 42 da roa do Imperador.
Hervir* militar Estao designados hoje
para supenor do dia o Sr. capito Manoel .An-
selmo e para ronda menor o Sr. alferes ajudante
do 2 batalho.
E' o 2 batalho de infamara que faz a
guarnirte da cidade.
Aguarda da Thesouraria e commandada
-


-.

-


ce, equipagem 29, carga carne fresca de
neiro; a Wilson Sons C.
Buenos-Avres por Montevideo 13 dias, vapor
inglez Palmas, de 1,560 toneladas, cmman-
dante J. Evans, equipagem 25, carga xarque:
a Blackburn, Needham C.
Navios sahidos no mesmo dia
Santos eecala Vapor inglez Athens, cmman-
dante Robert Barker, carga varios gneros.
Aracaju' eescala -Vapor nacional Mamdakm, cm-
mandante Atoides Moraes de Albuquerque.
carga varios gneros.
Barbados Brigue allemo Lina, capito J. W-
te, em lastro.
ObservacSo
Nao houve sabidas no dia 30.
Navios entrados no dia 1" de Janeiro
Buenos-Ayres e escala9 dias, vapor allwneo
Puranagu, de 1,291 toneladas, cmmandante
v I." Kiiger, equipagem 36, carga varios gene-
ros; a Borstelmann C.
Valparaizo e eseta23 1/2 dias, vapor ingle
Galicia, de 2,318 toneladas, cmmandante
Charls Adev, equipagem 93, carga vanos g-
neros ; a wtlson Sons C.
Navios sahidos no mesmo dia
Liverpool e escalaVapor inglez Galicia, cm-
mandante C. A'dey: carga vanos gneros.
HamburgoVapor allemo Corona, cmman-
dante Wittenberg; caixa urios gneros.
Estados-UnidosBarca ingleza Carpmmmn, capi-
pitSo W. Laune; carga assucar.
Navios entrados no dia 2
Buenos-Ayres e escala10 dias, vapor francez
Nerthe, de 2,369 toneladas, cmmandante Ge-
zegabel, equipagem 123, carga varios gene-
rss; a Angosto Labille.
Santos e escala-9 dias, vapor allemo Valpa-
raize, de 1,565 toneladas, cmmandante Bo-
klfs, equipagem 37, carga varios geaeros; a-
Borstefmann *t C.
Ricjde Janeiro -7 dias, vapor inglez TrtssUm,
de 1,243 toneladas, cmmandante J. B. Gor
don, equipagem 31, carga caf ; a Lidstone
Rosario de Santo F-34 dias, barca, ingl
Manx Qeen de 303 toneladac. capito Ja
Kee, equigem 9; ordem. _> _
Porto Natal 34 dias, lugar sw*a Rstert. de
311 toneladas, copito C Ipg'' eqmpa-
gem 9, em lastro ; a H LunAgreniL.
Maco 7 dias, hiate nacioi^ n r*. ? w
toneladas, mestre An**nio Alter .tfa SU
equipagem 6. carguos generw; a Manoel *
Joaquhn Pessoa. f ,.
Sahid* no mesmo da
Bordeaux e eadfe-Vaporfraneex Nerthe, coa
mandante^ezegabel, carga vanos gneros.
HamburS? cscafa Vapor allemo nprat
comu*Ianle Rohlft, carga va.losgeneros
MacTfVapor iigld" Bempton cmmandante D.
.fatton carga assucar.
oGrandedo Norte Lugar sueco Vaau. capi-
J. Lidstftnes; em lastro. rnm,n
Icow Vapor inglez TtxmtdaU, commai
mandante Robert Lavrrence, carga carne g
lada.
r

i
(





Diario de Pernambuc)Quinta-feira 3 de Janeiro de
' T "__________I___________ f

hoje polo Sr. tncnte .Manoel Mauricio Lopes
liiaia.
Na enfermarla militar existan era trata-
menlo 28 pragas dos cornos da ruamicip.
Fi dispensado por 10 dias do servieo o Sr. al
feres Celos Augusto de Almeida Soares.
__fgaua Horneados os Srs. eapiUo Antonio
Jorge Moreira. e lente Aureliano Xavier do
Valle, para interrogante e vogal do conselho de
guerra do 2o cadete 2" sargento Joao da Costa
Sedeiros cobrinho, eni substituigao aos Srs. ma-
jor Honorio dementino Martina e capitao DaniiJo
da Costa Leitio.
Entregou-se ao 14 batalho de infamara a
certidao de assentaueuto do forriel .Vicente
Marques dos Santos.
Tendo sidosubmctlido a inspecgaOde sau-
de o cabo do 14" batalhio Manoel Candido Bap
lista foj julgado incapaz do servieo do exereito.
Pelo 14 batlbio de ufautana dada hoje
uma guarda de honra a 1 fcori da tarde no largo
da Cmara Municipal alim de fazer as continen-
cias or occasio da posse do Exm, Sr. presi-
dente da provincia.
odlmenu* publico As segHintes
estajees arrecadaram em Dezembro:
Alfandega
AJtandr-ga dr Pernambaco- Damos em seguida oniappa l(imon.itrati\o do .rendimento
da Alfandega" de Pernambuco, no mez de Dezembro de t888 comparado com o de-igual mez do
anno de i887. -
DBNOMINAg.iO DAS RINDAS
De'm 1887 997:290*794 1.047:220*744
1886 881:976*541
1883 . 7M:S88*087
. 1884 3:684*496
Recebedora Geral:
De 1888 32:914*333
- 1887 :HH074
1886 r2 :.'. 4128
1883 r 63*on
1884 4::tt9*722
Renda provncial:
De 1888 277:084*174
1887 390:328*936
1886 243: 3*303
'885 269:669*350
'884 221:0"4*219
Importarao
Direilos de consumo
Augmento de 50%-
Addicionaes de 10%-
Expediente de 5 /
Armazenagem .
Capataz ia......
Imposto de fumo, 40 / .
Despacho martimo
Imposto de pharoes. .
Ditos dedcas .
Direilos de 9
Ditos de 7
Ditos de 5
Exportando
interior
Patacho CuararapeChegOU boje pela
manh este raso de guerra, que em viagem de
instrneco havia sahido ba mezes do nosso porto.
Faaaanaenta--No dia 31 do passado falie-
ceu em Jaboato, para onde tora procurar melho-
ra de seus soffrimentos chronicos o capitao Jos
Francisco Pereira da Silva, empreado na repar-
tigao das obras publicas. Deixa filhos c mulher
na maior pobreza.
Prala irante do rara Coube a esta
provincia os bons anuos, por ter sido aqu vendi-
do o bilhete que foi premiado com elle.
KMiatiwlira naortuarta No cemiterio
maro foram sepultados nos se
publico de Santo
guiles annos:
Anuos .
182-
188:$
1884
1883
1886
1887
1868
Total Media diaria
3.955 10,83
3. 15 8,81
3.555 9,W
3.389 9,28
3.023 8,28
3.256 8,92
3 790 10,35
Neste ultimo anno foram, por mezes, os en-
terran! en tos e as medias
Mezas
Janeiro
Fevereiro
Marco
Abril
Maio
Junliu
JoJbo.
Agosto
Selembro
Outubro
Novcmbro
Dezembro
Anno
.
Total
303
i
357
325
363
308
301
278
263
261
T790

Medias
9,77
10,76
12,35
11,13
11,51
10,83
1177
9,93
10,03
8,97
8,76
8,24
Sello por verbas. .
"ito adhesivo .
Transmissao de 3 y .
E.ctraordinar ia
Multa- ....
Fundo de cmancipacSo.
Depsitos
"epositos de diversas origens
ContribtcSo de caridade. .
Sommas
IH88
1887
893:929*349
421*600
844320
r.mw
13:655*2
2:988*49
43T
1:6014579
*
21:1734821
60*000
*
7*500
1:428*943
46:181*588
744*290-
3:930*903
997:290*794
'.126:2495013
647*080
1194420
5:2654284
14:422*537
2:347*119
63*800
6:840*800
863*260j
2:7604344
&
33: 1*577
D1FKERBNQAS
Paro mais
26 800,
*
704000
907*509
47:9004114
1:271*520
4:336*507
1.047:220*744
*
*
*
*
6414380
*
1:137*380
Premenos
5
*
33*200
*
4
321*436
*
%
4
32:319*464
225*480
33410'
2:666*204
767*337
*
205520
4001000
. 4
1:158*765
8*860
11:9475756
2:333*306
4
4
624300
*
1:718*526
327*230
403*604
52:263*346
RECAPITLACAO
"ngerow-Chegados do sul no.vapor
brazileir Arlmdo:
Dr. Manoel Joaquim de Andrade Luna, Dr
Simplicio Mavignier, Ermelina Pedresa Mavig
nir, Mara do Carmo Mavignier, Elvira Mavig-
nier, Eamelina Pedresa, Galdino Viera de Mello
Filho, Jos Francisco Miluares, Antonio Francis-
co dos Santos. Manoel Joaquim de Mello, Jos
Francisco Carvalho Balcone e Jo&o Ribeiro.
Chegados dos portos do norte no vapor
brasileiro Mandos:
Frederico Almeida, Joo J. R. Martins, Manoel
R. de Oliveira, Br. Joo Francisco de Viveiros.
sua senhora e 1 Criado, padre Repique Rigal,
Gustavo Clmndrow e sua senhora, Alfredo Gar-
ca, Joao Sabino Antunes, Ravinundo Correia de
Almeida, Antonio Penna, David Moreira de Bar-
io.-, sua senhora e I filho, Francisco Arantes de
Mondonga, Tlminaz Ferreira da Cunlia, iHenrv
Sulzer e 11 retirantes.
Chegados dos portos portos do sul no va-
por francez Nerthe:
Arthur Cottard, Jean C. Leonet, Dr. Innoceo-
cio Marques de Araujo Goes (presidente), sua
senhora e 1 criado, Dj\ Antonio Calmon Du Pin
e Almeida, Dr. Francisco C. de Araujo Goes,
Christian Mara, Guilhermina Maria, Vital Ma-
noel, Joo Agapito e Andr Miranda Carmon.
Sabidos para a Europa no mesmo vapor :
Francisco Antonio e D. Elia.
Chegado dos portos do sul no vapor alle-
niao Valparaizo :
Automo Mareira Jnior.
Jos Marianno, Perafffi&co, 4# nhdsfsolteiro,
Boa-Vista; tabes dorsalis. i%
Laurentino Jos de Lima. Pernantfcpb, 24 an-
nos, 6olteiro, Boa-Vista; esmagamentor '
Manoel Joaquim da Silva, Pernambuco^*. it-
nos, solteiro, Graca ; epilepsia.
1 de Janeiro de 1889 -
Isbella, Peraambuco, 7 mezes, Recife; con-
vulsoes.
Jos Ribeiro de Vasconcellos, Pernambaco, 19
annos. solteiro, Graca : tubrculos pulmonares.
Antouio da Cruz Pereira, Portugal, 38 annos,
solteiro, Boa-Vista; beriberi.
Venancia Paulina da Silva, Peraambuco, 25
annos, casada, Boa-Vista ; cachexia.
CHRONICA JDICIARIA
Tribunal da Relaco
SESSO EXTRAORDINARIA EM 2 DE JANEI-
RO DE 1889
Sabidos para a Europa no vapor inglez Ga-
licia :
*. J. de Andrade Pinto, A. O. Ramslaud, T.
Tobiassen, Jos Francisco Milbases c Heluik An-
dersea.
Diceetorla da obra* ale Mnaerva-
rio loa Porto de Pernanbco-Rcc-J
fe, 1 de Janeiro de 1889,
______ Boletim meteorolgico
----------" ni !-~-gai=
DEHOJlINAgAO DAS RINDAS
Importac&o......
Despacho maritimo. .
Exportado......
Interior.......
Extraordinaria.....
Depsitos. a .
Total
913:721*528
8:44"*640
22:775*4001
67*500
47:61**533
4:675*193
997:290*794
949:114*253 * 35:392*723
7:7034260 737*380 *
35:890*781 * 13:115*381
96*80(1 * 2943 0
48:807*623 * 1:197*090
5:608*027 * 932*834
1.047:220*744 737*380 50:667*330
2* seccao da Alfandega de Peraambuco, 2 de Janeiro de 1889.O chefe de secgSo, Cicero B. de
Mello6escripturario, OitUm Coelkoda Silba.
liona
6 ra.
9
12 .
3 t.
6
II!
5 p te
Barmetro a
0
23t-9
2p4'
30-3
fc-6
27-71
Tenso
do vapor]
760-11
761-04
760-60
758-86
759-*24)

19,04
20,5
19.81
19,90
20,02
a
-3
76
69
62
.69
73
Temperatura mxima31,00.
Dita mnima ifi'.SO
Evaporagaoem 24horasao sol; 7-8; som-
bra : 3-,5.
Churanulla.
DireccSo do vento: ESE com pequeas inter-
rupgOes de SE de meia noite at aos 25 minutos
da tarde; -E at 10 horas e 45 minutos; ESE
at meio noite.
Valocidade media do vento: 2. 13 por se-
gundo.
Nebulosidade media: 0,25
Boletim do porto
10,35
Pertmento leveDm 23 do mez findo de
Dezembro, em trras do engenho Curuz, dis-
tricto do termo de Gamelleira. Jos de tal, conhe-
cido por Caboclo. ferio levementi- com uma faca-
da ii um seu cunhado de nome Antonio Roque.
Mor.- por apki*ia Em 25 do citado-
mez, pelas 9 horas da manh. o individuo Jos
Paulo, em estado de embriaguez, atirou-se no
agude do engenho Triumpho, do termo de Santo
Antonio, morrendo asphixiado.
incendio e anorte*Em trras do enge-
nho Couceigao, do referido termo de Santo An-
tao, eno dia 26 do aliudido mez de Dezembro,
incendiou-se a casa de palhas de Maria Francis-
ca, all moradora, perecendo dnas enancas. Uius
de Maria. uma de 3 e ootra de 18 anuos de
idade.
Kerinim-e miilaami-nlc No dia 29
do referido mez, as 8 horas da noite, rio lugar
Aterrinho do Giqui, 1* districto de Afogaaos,
Antonio Joaquim de Sanl'Anna e Joao i m-llio de
Mello tra varan i lucta, da qual sal i rain ambos fe-
ridoa. '""*^BC2
Foram presos em flagrante, sendo ambos re-
colbido ao hospital Pedro U.
I.araploMandaram dfcer-nos da Russi-
nha, em27 do mez ftiido, que os ladres pene-
i rara m na casa de residencia de Pedro do Monte,
de onde roubaram diversos objectos, e na de Os-
raund Cox, da qual tambem roubaram varios
objectos.
A polica local fez diversas diligencias no in-
tuito de descubrir os objectos roubados e os seus
roubadores, e nada conseguio.
Seaapre o aaeaaoEm artigo edictorial
escreveu o seguinte o Jornal do Commercio da
corte de 27 do mez prximo Qndo:
Tantas tem sido as pravas de desinteresse e
de modestia dadas pelo Sr. D. Pedro U, que com
a maior confianga acolitemos a noticia de mais um
acto de nobreza d'alma praticado pelo monarcha
brazileir. emboranao chegasse essa noticia ao
nosso conhecimento com carcter ofBcial.
E' sabido que, terminada a lula armada entre
o Chile, a Bofivia e o Per, organmraa-se em
Santiago tribunaes arbitrare incumbidos de de-
cidir sobre as rertlna^'es dos cidados de_na-
goes neutras que haviam soffrido prejnizos no
periodo da luta.
Escolbido por consenso unnime para arbi-
tro, o Imperador do Brazil dignou-se de aceitar
o convite que para esse lim Ihe havia sido diri-
gido e foi representado na presidencia dos tribu-
naes arbitraes pelos Srs. Barao de Lopes Netto,
senador Lafayette Rodrigues Pereira e BarSo de
Aguiar Andrada.
Se certo que os representantes do Brazil
procederam sempre com inteira liberdade, inapr-'
rando-se nicamente em *m con^cTeucia, tanj-,
bem incontestavel que houve da parte do goverao
brazileir o mais atiento zelo para que o jufga-
mento das questoes sujeitas aos tribunaes arbi-
traes nao sonresse demora por falta do concurso
do arbitro brazileir.
Tivemos a satisfacao de ver aceitas e acata
das por todas as nagoes interessadas as decisoes
dadas pelos nossos compatriotas que representa-
Tam, nos tribunaes de Santiago, o Imperador do
Brazil. Essas decisOes foram (looMeTSuas cor-
rectas e dictadas pela mais escrupulosa impar-
cialidde. .
A nago chilena, grata promptido com que
fra aceito o convite por ella dirigido a S. M. o
Imperador, grata tambem rectidao dos julga-
mentos e ao desvelo com que o Brazil desempe-
nhara amissao que Ihe fra dada, tinha resovi-
do.dizem-nos. otTerecer ao monarcha brazileir
um mimo de avultado valor, brindo de uma na-
go amiga a um principe estimado e. venerado.
Informado, nao sabemos como, de t emelhan-
te resoTucao, S. M. o Imperador, seguido nos
consta, duclarou que nenliumao'erta lli poderia
ser inais agradavel do que ama collecgo das.
obras dos poetas e prosadores chilenos.
Assn se moslra o Imperador sempre o mes-
mo na simalicidade de seu proceder e na elavacao
de seo espirito.
m sao ociosos comraentarios a umack que por
a so falla com et^pubcia..
Temos tanto desvnamento em i-egistrar
esta noticia quanlo. eafemos certos, s ?r o da
nagao brazileira ao ter*yj corBeciment.
Conflicto, morte e Ceinaenlt.Ha-
agndo o Sr. Belegado do Booo recebi lo
"c3rta precatona contra Francialk) Carp al
nuiciado no termo de Caruar naa>pna i _
257 do cdigo criminal, e que se acia^ homi-
aiadoem trras do engenho Capivaradt & d8.
tricto policial, para alii se dirigi com c rc,
tivo suppleate do subdelegado, Man *1 ioa-
quini de Amorim. e mais 3 pracas, ah'm da o
prend'
Recebeu-os Francisco Carpina, que ?stava
porta de casa quando chegaram, com um tiro de
ngarda, que se empregou em Amorim e tra-
Taadnie efttao lucta renbida foram feridts
mente duas pragas, ficandomortoo enminoso
Amorim suecumbio48 horas depois.
Brbaro awaninatoEm 23 do mez
ultimo, no districto policial de Palmeira do termo
de Garanbuns, e no sitio RiachSo, Antonio Fran-
cisco de Souza e Manoel Francisco de Souza, as-
sassinaram com 11 facadas a Valdenro Antonio
de Lima, evadiudo-se em seguida.
A polica tomou conhecimento do facto.
AccidenteNo dia 21 do mez prximo fin-
do, no engenho Humayt de Bonito, Antonio Epa-
minondas de Mello, estando com uma pistola
carregada na mao, aconteceu disparar-se a arma,
indo empregar-se toda a carga no menor Leovi-
ede3 annos de idade, filho de Antonio Jos
8.
O criminoso entregou-se priso.
AaiaiatoNo dia 23 do mez de Dezem-
bro ultimo encontrou-se no acude do engenho
Quilonga, de Garanbuns, pclenceote a Jos Fe
lix Moute.ro, o cadver de um bomem, que a res
pectiva autoridade policial reconheceu ser Jos
Ribeiro Ribas. Descoberto ser o autor do crale
Manoel Mooteiro da Silva, foi este preso.
Perimeato leveNo dia 15 do passado,
em Cauhotinho, Jos Alexandre de Souza em es-
tado de embriaguez, ferio levemente com uma
facada a sua propria mai, Joaquina Maria do O'.
Foi preso o mao filho.
Crimea em Maaoeiro -Segundo reza a
parte da polica, deram-se uo mex prximo findo
no termo de Liiuoelro OS seguinte* Cactos:
No dia 23, as 7 horas da noite, no logar Ribeiro
do Mel, por questoes de rocas, Genuino Barbosa
de Souza, ferio levemente com uma faca a Ale-
xandre Baptista de Oliveira.
No dia seguinte s 11 horas da noite, no lugar
Bom Successo, Francisco Telles de Alencar ferio
iD.ortalm.ente com 3 lacadas a seu sobrtntia Ma-
noel Ptireira de Mendonca, que faileceu a 25.
Pelas 6 horas da manha de 26, no lugar Cumbe,
os irmaos Manoel Maria dos Santos e Lucas Jos
Pereira' feriram gravemente com um tiro e quatro
facadas a Joaquim Francisco de Alcntara, co
nhecido por CabelISo, o qual ferio levemente com
uma faca ao primeiro. Os dous irmaos foram
presos em flagrante.
No dia 24. no lugar Munguba. Aquilino Bar-
bosa de Fontes tentou assassinar com um tiro e
golpes de faco a seu primo Joo Jos de Fontes.
Wociedade Caalmlro de Abren -Esta
associago litterararia, composta de mocos estu-
cantes de preparatorios realisou, na noite de 31
do mez passado, em um dos saloes do pago mu-
nicipal de Olinda, uma sessJomagia commerao-
rauva de seu primeiro anniversario, sob a pre-
sidencia do Dr. Jos Austregesilo R xlrigues Li-
ma, presidente honorario da mesmii associago.
Foram proferidos diversos discursos pelos
seus membros e representantes de jutras socie-
dades luteranas, faaemlo-se tamben ouvir oSr.
AHhunioVieira por parte da redacciio do Bino-
culo e recitando o academieo do 3- anno e Sr.
Cicero de Vasconcellos Cesar urna linda poesia.
Durante, os intervallos toco variadas pegas a
banda musical do 2 bataihao.
'0 acto esteve bonito, quer pela oraamentagao
do vasto edificio, quer pelo crescido numero de
amilias da melhor sociedade," nnc; com suas pre-
sencaa quizeram animar os louvaveis intuitos
dessas criangas estudiosas.
Terminou a festa com |um sari dansante que
se prolongou at 2 horas da mimhi, reinando
sempre a melhor ordem e alegra.
Todos os convidados se retiraram com as me-
Ihores impresses e peiibaradoa pala amabilida-
de e maneiras attenciosas dos jovens proinotrJfes
da festa.
Wociedade Iliteraria 1 de Malo-
Funccionpu no domingo ultimo esta asaociaoo,
sob a presidencia do' Sr. Salvador Ribeiro e nra-
ticou a eleicao para a direegao que ha de diri-
gil-ade Janeiro a Julho de 1869, a qual licou as-
aira composta :
PresidenteSalvador Ribeiro deAlbuquerque
rreeleito). .
1* vicepresidente JUz Mximo eereira de
Araujo.
2- dito Jos da Silva Neves Manta.
I secretarioJoao de Barros C. de Araujo tr
eleito).
2a ditoBenjamn Jos de Moraes .-erpa.
Fiscal JosMarcolinoda Fonseca Manguinho
Jnior.
Thesoureiro-Joo Clementino Montarroyos.
OradorAntonio Correia de Oliveira.
Vice-dRa-Libano Jos Busto'rff.
Biblithecario -Ildefonso C. Pessoa Monteiro.
ProcuradorAlvaro Cuthinio da Silva Pessoa.
naajtamento l'elo trem que no domin-
go ultimo desceu do Monteiro pela linha do Ar-
raial perto das iO horas da manh, foi esmagado,
erto da estago. dos Affliclos, o pardo Laurindo
os de LiaaVd 30 annos de idade, que sobre
os trilhos cahira achando-se embriagado.
. Conduzido para o hospital Pedro II, alli tuor-
reu no dia pouco depois de Ihe ampu-
tarem a perna jAgrda.
.\avio incendiadoNo dia 27 dg passa-
do na lat. 7 3UVIbng. 28 22" foi incsndiada a
galera ingleza de nome Stepher* D. Jia
1626 tonela
York com carregjaSento de
sob o commandodo capito Joseph Lev.-
21 pessoas de tripula
Havendo partido a 2' de Outubro- do anHO pas-
'sado mnifeslou- mbro uia en-
roso incendio uo
icivo capitao a
abandonar o seu 'i.
Sumaaae no diA 29, dous dias depois. foram
iilagio pelo c
'quevinha de Liverpool e'qul
ate do nosso porto,
Lantcrna Ha sica O escriptorio desta
redaego mudou-se da ra do Rango! n. 16, para
o Pateo do Terco n. 4, onde desde i podera ser
procurada a redaego e para onde de ver ser di-
rigida toda a correspondencia d'aquelle peri-
dico.
i nio MedicaRecebemos da corte o n.
12, de Dezembro lind, desta revista, que traz
por8ummario :
Boletim.
Clnica medicaObservagSo de um easo de
euvenenamento ophidico, tratado. pelo perman-
ganato de pbtassio em alta dos, pelo Sr. Dr. Ze-
ferino Meirelles.
Sociedades ScientificasAcademia de Medici-
na.O alcool e 6eu poder toxico.Causas que
deterrainim a reago dos sexos.
Sociedade de Medicina dos Hospitaes.Pleu-
risia hemorrhagica privativa.As follicucites e
rerifolliculites descalvantes. Tratamento dos
ystos hydatiaos do ligado pela punccSo e lava-
gens antispticas.Tratamento da liuiiase biliar
pelo oleo de olivas em alta dse.
Sociedade de Therapeutica.Propriedades e
indicagoes da phenacetina.Vantageus do leite
de Jumenta. ,
Sociedade de Medicina de Berlim.l'iu caso
de leontiasis ossea.Chorioretinite syphilitica e
syi'lniis das arterias cerebraes.
Sociedade de Medicina Interna.Sarcoma pri-
mitivo do pncreas.Nevrite ptico syphilitico.
Clnica peditricaA proposito do tratamento
do sarampo pelo salicylato de sodio, peloDr.
Clemente Ferreira. ____ ""
Revista do CoDffressos.Gongresso de dyne-
*ologia.Sobro o adenoma db tero.Sarcoma
da vagina em uma crianga.Etiologa da vulvo
vagiuate uas criangas.Sobre a abertura em
dous tempos dos kystos abdominaes.Sobre o
relaxamento do peritoneo.Intervengo opera-
toria nos casos de carcinoma do cnllo.
Cougressp ItalianoTratamento da tuberculo-
se pulmonar.Etiologa e tratamento da pneu-
monia.Tratamento das cardiopathias.A febre
e a antipvreseEtiologa e tratamento do dia-
bete.
Therapeutica Estraugeira.Publicaces fran-
cezasTratamento do pyo-pneumothorax.
Revista da Imprensa Medica.Jornaes Italia-
nos. -Diagnostico da embolia cerebral.Para-
lysias iialudicas.Tratamento do eczema impe-
tiginoso pelo acido picrico.A pilocarpina as
affecg* s oculares.
Jornaes Russs.Tratamento ta tsica pulmo-
nar pelo calomelanos.O calomelanos na cir-
rhose hypertrophicaLocalisaco cerebral da
chorea.
Boletim BibliograpTflro.
Indicagoes Otis. %
Exame Primario* No dia 1* de De-
zembro prximo findo, na escola publica do sexo
feminino da cidade de Itamb, regida pela pro-
fessora Tude Guedes de Mello, presente a com-
misso examinadora, composta do delegado lu-
terano o Sr. Luiz da Veiga Pessoa Cezar, do
examinador nomeado o professor publico Anto
nio Euthimio Vianna, e da professora da cadei-
ra foram examinadas as seguintes alumnas ;
! grao
Marcionilla do Co Nunes Machado, Cecillia da
Silva Vidal e Olindina Cordeiro de Mello, consi-
deradas muito adiantadas.
. Francelina Ottonia da Silva Vidal, Francisca
Gandida Guedes, mbelna Laurentina da Costa
e Joanna Bernardina ds Santos, adiantadas.
Olegaria Ama vel Rodrigues Cavalcante, muito
adiantada. _
Assntiram ao acto muitas alumnas da escola,
e grande numero de pessoas distinctas do lugar.
No dia 6 do passado, s 10 horas da ma-
nh, tiveram lugar os ex.mes da escola mixta
de Bengalas, regida pela professora Amelia Jose-
phina Nery de Fonseca.
A elles assistiram, alem da commisso exami-
nadora, composta do delegado Iliterario, lente
Jos Rufino de Miranda, do professor Antonio
Nobre de Almeida e Cast-o e da professora da
cadeira, muitos cavatheiros e seuhoras.
O resultaile foi o seguinte :
2 grao
Pastora Arcina (le Mcdbiros, muito adianta-
Antonia Raen de **leiros, Joanna Maria
da Conceigo, Severino Lindolpho de Medeiros,
e Jos Francelino da Cruz, adiantados.
3 grao
lie riqueta Maria deSotwa, approvada plena-

eiMeEffectuar-se-bao os seguintes :
Hoje:
Pelo agente Burlamaqui, as 10 1/2 horas, a
a do Apollo n. 32, de ass icar.
""elo agente Gusmo, s 1 horas, no Larga do
Santo n. 13; de movis e louga.
filo agente Gusmo, s 19 1 2 horas, ra do
arador n. 9, de movis e mais objectos de

oS
-
B.
P.
B.
P.
M.
M.
M.
M.
Dia
1 de Janeiro
2 de Janeiro
Horas
Altura
1031 da manh
| 418 da tarde
H 1
1 4-48 da manh
0-,33
2-,73
0-,19
2-,6o
Caaa de Oetenco Movimento dos pre-
sos da.Casa de Dctengao do dia t de Janeiro-
de <889.
Existiam 434 ; saniram 2; existem 432.
A saber:
Nacionaes 394 ; mulheres 19; estrangeiros 19.
Total 432.
Arraigoados 393. '
Boas 364.
Doentes 15
Loucos : bomens 13 ; mulher 1.39.
Foram em 31 visitados os presos deste esta
belecimento por 156 pessoas, sendo: homens
53 e mulheres 105.
Lotera do lirao Para -Eis os premios
da 1." serie da 25." lotera do Grlo-Par, ex-
trahida em 31 de Dezembro de 1888:
2993 60:9004000
4035 6:0004000
887* 3:0004680
2835 1:2004000
5367 1:2004000
APPBOXIMAgOES
6004000
6004000
300antt .-^..
300W00
1804000 '
1801000
6001000 os seguintes
589 6927 7211
com 3004000 os
seguintes
3905 5636
com 1204000
7654
os seguintes
2997
seguintes
4037
Amnnh
Pelo agente Sicpple,KJ|*0aB, ra do Im-
perad assinetas.
Pelo to. s H hHFk na do Mar-
I (juez de Olinda n 52. de [^eflii* '"hales avaria-
noveis, burra cofre
rud do
is, vidros,-^)iano e pas-
Pelo agente Brillo, s%10 1 2 horas, ra da
iSaniaC ruz n. 6, de arraago e uiensilio nella
ienistei
Mia ruliebreSer celebrada :
ni iiil -
2994
2996
4034
4036
3873
3875
Esto premiados com
nmeros:
30
Esto premiados
nmeros :
- 1109 1235
Esto premiados
nmeros:
2991 2992 2993 2994 2996
2998 2999 3000
EstSo premiados com 60^000 os
nmeros:
4031 4032 4033 4034 4036
4038 4039 4040
Esto prensados com 30000 os seguintes
nmeros:
871 3872 3873 3875 3876 3877
3878 3879 3880
Todos os nmeros terminados em 95 esto pre-
miados cora 10*000, excepto o da sorte grande.
Todos os nmeros terminados em 35 esto pre-
miados! com 604000, excepto o da sorte inme-
diata.
Todoi os nmeros terminados em 74 esto pre-
miados com 30400'.
Todoi os nmeros terminados em 5 esto
premalos com 304000, excepto os terminados
em 94.-
Todot os numeras terminados em 6 esto
premiados com 304000, excepto os terminados
em 35.
a seguinte lotera corre no dia 7 de Janeiro
com o plano de 60:000*000.
Ceatiterlo PublicoObituario do dia 29
de Dezembro de 1888 :
Beraardino Austricliano Pereira de Brito. Per-
nambuoo, 42 annos, casado, Boa-Vista ; eso
cardiac*.
Manotl Ferreira da PaixSo, Peraambuco, 45
annos, jolteiro, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Ludo ina Maria da Conceigo, Pernambuco, 48
annos, fiuva, Graga msuflipiencia mttral.
Jos, Pernambuco! 3 mezes, Boa-Vista ; bn
chite.
Jos, Pernambuco, 6 mezes, Santo-Antonio
athrepsia.
Joo Patricio de Souia. Pernambuco^ 38 annos,
solteiro, Boa-Vista ; anemia.
Pedro de Alcntara Bispo, Peraambuco, 50 an-
nos, viuvo, Boa-Vista ; anemia.
Conslantina Mara da Conceigo, 40 annos, sol-
teira, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Mara ila Conceigo, Pernambuco, 15 annos,
Recife; congestab cerebral.
Guillermina, Pernambuco, 2 lannos, Recife;
diarrhfci. .
Antonio Augusto Teixeira dos Santos, Portu-
gal, 32 annos, solteiro, Santo^Antonio ; pstula
maligna-
Joseplia Maria da Conceigo, Pernambuco, 16
anjios, solteira, 8. Jo; paralysia.
Francco Jos Antonio, Pernambuco, 50 annos,
casado. Bba-Vista ; congesto cerebral.
Um fcto, Pernambuco, Santo-Antonio.
Maria, Pernambuco, 11 horas, Boa-Vista : fra-
que/.a ccngenila.
ol, Pernambuco, 2 mezes, S. Jos; tnber-
l'EESIUENCIA DO EXM. SE. CONSELHEIEO
QUINTINO DE MIRANDA
Secretario, Dr. Virgilio (. oelho.
As horas do costume presentes os Srs. des-
embargadores em numero legal foi aberta a
sesso depois de lida e approvada a acta da an-
tecedente.
Deram-sc os seguintes
JULGAMENTOS
Habeas corpus
Pacientes: ,
Valentim Aleixo da Costa.Indeferido.
Manoel Bezerra do Nascimento.Negou-se por
uo estar cumprida a pena, tmanimemente.
Antonio Jos de Souza. Em diligencia.
Jos da.Costa Monteiro. Prejudicado por ter
sido solt.
Recursos elcitoraes
De AnadiaRecurrente Francisco das Chagas
Rolamberges, recorrido Silvestre Domingues da
Silva. Relator o Sr. desembargador Toscano
Barrete.Deu-se provimento, unnimemente.
Do PilarRecorrente Antonio Ferreira da Sil-
va Torres, recorrida' ojuizo. Relator o Sr. des-
embargador Toscano Barrete. Deu-se provi-
mento, unnimemente.
De Ped-as, de FogoRecorrente Antonio Fer-
nandos da Silva Torres, recorrido Francisco
Ezequiel Goncalves-Guerra. Relatero Sr. des-
embarcador Toscant* Barreto. -*- Deu-se provi-
mento, unnimemente.
De IguarassRecorrente o promotor publi-
co, recorriuo Quirino Candido de Vasconcellos.
Relator o Sr. desembargador Toscano Barreto.
Negou-se provimento, unnimemente.
DePanellas-Recorrentes Wenceslao Floren-
tino dos Santos e outros, recorrido o juizo. Re-
lator o Sr. desembargador Toscano Barreto.
Deu-se provimento, unnimemente.
De Pedras de FogoRecorrente Antonio Fran-
cisco da Silva Torres, recorrido Jos Anaclcto
Pereira. Relator o Sr. desembargador Delfino
CavalcanteDeu-se provimento, unnimemente.
Do Limoeiro Recorrente Luiz Jos da Silva,
recorrido Jos Mara Ferreira da Costa. Rela-
tor o Sr. desembargador Delfino Cavalcante. -
Deu-se provimento, unnimemente.
De Pedras de Fogo Recorrente Antonio
Francisco da Silva Torres, recorrido Jos Anto-
nio Fernandes de Carvalho. Relator o Sr.' des-
sembargador Delfino Cavalcante. Deu-se pro-
vimento, unnimemente.
De Aguas Bellas Recorrente Abilio Ferreira
de Araujo, recorrido o juizo. Relator o Sr. des-
embargador Delfino Cavalcante. Negou-se pro-
vimento, unnimemente.
De IguarassRecorrente o promotor pubh-
blico, recorrido Abilio da Silva Guiraares. Re-
lator o Sr. desembargador Delfino Cavalcante.
Negou-se provimento, contra o voto do Sr. des-"
embargador Tavares de Vasconcellos.
De AnadiaRecorrente Francisco das Chagas
Rolamberges, recorrido Manoel Martins de Oli-
veira. Relator o Sr. desembargador Delfino Ca-
valcante.' eu-se provimento, unnimemente.
De Pedras de Fogo^-Recorrente Antonio Fran-
cisco da Silva Torres, recorrido Cezario Rique
Ferreira. Relator o Sr. desembargador Pires
Ferreira. eu-se provimento, unnimemente.
De Pedras de Fogo Recorrente Antonio Fran-
cisco da Silva Torres, recorrido Francisco Fer-
nandes de Carvalho. Relator o Sr. desembar-
gador lonteiro de Andrade. Deu-se provimen-
to, unnimemente.-
De Borburema Recorrente Francisco Sym-
phronio de Aquino, recorrido Joaquim Fran
cisco dos Santos. Relator o Sr. desembargador
Monteiro de Andrade. Deu-se provimento, un-
nimemente.
De Pedras de Fogo Recorrente Antonio Fran-
cisco da Silva Torres, nrmn-irtir Joc Antonio
da Silva. Relator o Sr. desembargador Pires
Goncalves. Deu-se provimento, unnimemente.
De Pedras de Fogo Recorrente Antonio Fran-
cisco da Silva Torres, recorrido Jos Francisco
da Cunha Lim*. Relator o Sr. desembargador
Tavares deTasconcellos.Deu-se provimento,
unnimemente.
De Panellas Recorrente Florentino Bezerra
Leite, recorrido Manoel Franzino de Barros. Re-
lator o Sr. dtaembargador Tavares de Vascon-
cellos.Deu-se provimento, unnimemente.
De PanellasRecorrente Jos Joaquim Rodri-
Sues Jnior, recorrido o juizo. Relator o Sr
esembargador Silva Reg. Deu-se provimen-
to,' unanimemedte.
De Panellas Recorrente Florentino Bezerra
Leite, recorrido Ignacio de Siqueira Passos. Re-
lator o Sr. desemliaruaior Silva Reg.6eu-se
provimento, unnimemente.
Encerrou-se a sesso s 2 horas da tarde.
ment, qj constando-lnes
los de Amida C. fra
o Tribunal da Itelacao. O^M
o registro da marca dos cigar
tes vm reclamar contra a prel
cados.-Juntos os autos, sejam i
Abqs de aggravo interposto para 1
districfcsnpr Cari* de Amida ; <
profendo>M esta junta a 13 do eorrente,
na.ndo oTeglfcn da marca apresentada por
reir Penna 4 Qk>gistrada sob n. 14*. Lida a
minuta do aggravo>W,rmagao da Secretaria.
petigo dos aggravado^narecer fiscal n'esta
Sreferido, a Junta Comraerc! reconsiderando se*
espacho, deu provimento aol
Petigao de Pereira Penna w
gravo para o Tribunal da Belaco iRB a> m
pra.O Sr. presidente profeno o desfl
guinte : Tome-se por termo o aggravo. "a,
Tendo de proceder-se ao exame dos livros ]
agentes de leilSes desta praca, conforme Mri
liberado em sesso de 28 de Junbo do L
anno, o Sr. presidente nomcou os Srs. de;
Beltrio Jumor e Figueiredo para procedemn ao
indicado exame. < ompareccram e apresentaraui
seus livros todos osjeiloeiros, com excepcSo do
agente Alfredo da Silva Gulmares. Com reb-
go a este ordenou a Junta que certificando a Se-
cretaria sua falta, Ihe fosse presente na primeira
sesso. Procedido o exame nos livros exhibidos
verificou-se acharem-se elles escripturados regu-
larmente e em dia.
Nada mais havendo a tratar encerrou-se a
sao s 114 horas da tarde.
ses
SPORT
'tardi-
a i
A'8 8 lloras, no oratorio de eagenlio Pirauhira,
pela alma de Q. Dyonisia- Maria dos Prazeres.
Portu-
cife ; fiieuHionia- aguda.
Suzana, frica, 70 anaos, viva, Boa-Vista ;
diai riia.
-31 -
Joaquim dos Santos da Natividade,
gal, 40 annos, casado, Boa-Vista; leso
rag io.
il >sa Maria de Lima, Pernambuco,. 35 annos,
soltara, Boa-Vista; alcoolismo.
Migurl dos Anjos Valentim, Pernambuco, 35
annos, S. J is ; t"tae.
Peraambuco, 10 mezes, Boa-Vista ;
liaumbelical.
fusta Comnerelal da cidade do
Reelfe
ACTA DA SESSO DE 27 DE DEZEMBRO
DE 1888
PasmBNCIA DO ILLM. SR. DEPUTADO JOAQUIM
OUHTO BASTOS
Secretario Dr Julio Guimares
A's 10 horas da manha, estando reunidos os
Srs. deputados Lopes Machado, Beltro Jnior e
Figueiredo, faltando com causa participada, des-
de 22 do correte, o Sr. presidente, assumio a
presidencia o Sr. deputado ulinio Bastos, que de-
clarou aberta a sesso.
Lida, foi approvada a acta da precedente sesso
e fez-se a leitura do seguinte:
EXPBDIBNTE
Oflicio de 22 do eorrente da Junta dos Corce-
tores desta pTSglt, reineiieud o bolttini de cota-
efies officiaes de 17 22 do presente mez.Para
o archivo.
Diarios officiaes n. 341 349Arcbive-se.-
Distribuiram-se rubrica os seguintes livros:
Diario de Jos Antonio dos Santos, da Compa-
a Santa Tfiereza, de A. Martins ez.Ce da
panbia Pernanibucana denaiSgaco costeira
por vapor.
O Sr. deputado Olinto Bastos communicou.a
Junta, que o Sr. presidente, a 21 do eorrente, par-
ticipoudhe que se ausentava desta cidade por
poneos dias.
Que a 22 do corrale, cm virtude do telegram-
ma do Sr. Baro de Abiahy, inspector commercial
da Parahyba, rgiBtrado no livro comptente, de-
ferio o juratucnto.c :;ssignou o titulo de agente
de leilot da Paraayba, Edviuo Ferreira Neves:
Inteirada.
DESPACHOS
Petigoes r
De Virgilio Augusto Lopes e um commandita-
rio, tendo cuuprid o despacito, de 20 do corren-
te,,pede que se ordene o registro, com o segredo
'recommendado na lei, do contracto de sociedade
Derby Club de Pernanhi
Realizou-se no domingo ultimo a 2* corrida,
sendo regular a concurrencia.
O movimento geral das poules subi a......
37.8504000.
O divertimento correu em boa ordem.
Eis o resultado das corridas:

Io pareoConsolaba? (i* turma)800 metros
Animaes da provincia que nao tivessem gambo
no Hippodromo no Prado.Premios: 2004.
504000 e entrada liyre.
Ao signal de partida Sneca se encarregou de
puxar a corrida, sendo pouco depois oceupada a
iMHta por Borburema. que a suatentou at quasi
o vencedor, onde Caim, montado por Amaragv,
tonsegue batel-o e ganha a corrida por peacoco
emW: -~T .
Borburema foi bom 2 e Inctalos 3*.
toule de Caim em 1*, 144300; em 2, 104400
Poule de Borburema em 2, 29*200.
Movimento geral, 5.0354000.

2o pareoPrado PemamtmcanoSSO metros
Animaes de menos de meio sangue.Premios
300*000, 754000 e entrada livre.
Galatha, montada por Nicolao, seguida nica-
mente por Favorita, oceupou a pona e chegou ao
vencedor em 55".
Recife empacn na sabida.
Paule de Galatha, 204800, tendo sido o movi-
mento geral de 6.185*000.

3o pareoConsolacao (2* turma800 metros
Animaes da provincia que nao tivessem ganho
no Hippodromo & no rado.Premios : 2004000.
oOOO e entrada livre.
Ao signal de partida, Pirraga, montado por
Martins Ferreira, tomou a po ta. cedendo-a 200
metros depois a Othelo, que j se considerara
como tendo ganho a corrida, quando prximo ao
vencedor o Pirraga. que nao baria perdido o 2*
lugar, faz-lhe a pirraga de retomar a pona, ga
nhando o premio em 65".
Othelo foi 2o e General 3*.
Poule de Pirrara em 1* 1814100; em *
44*700.
ffule de Othelo em 2, 1"4600.
Movimento geral, 6.13--*009.

4o pareoHippodromo do Campo Grande1.450
metrosAnimaes nacionaes at meio sangue.
Premios: 35"* 00, 80*0 0 e entrada livre.
Hn\-lilas montado por Antonio Freitas. tomou
a pon i logo na sahida e chegou folgado ao ven-
cedor em 1"7 1/2".
Maestro foi 2" c
lanciada.
Nao correu^pojuca
Poule de Ruy-Blas, 6*600, tendo sido o movi
mente geral de 5.475*0 0.

5o parloPt<.pincia de Pernambuco1 200 me
trosAnimaes da provincia.Premios: 2504000,
aO"OOe entradaJvre.
Good-morning sahio na vanguarda e n'essa
posigo se conserva valentemente at o distan-
ciado, onde Tupy, que sempre o perseguio de
perto, toma-lhe a"frente e chega ao vencedor em
Goad-moraing foi bom 2 e Etna 3.
Poule de Tupy, montado por Luiz Pereira. em
1", 84100; em *, 5*5 0.
Potife de Good-moraing em 2o, 5*500.
Movimento geral, 7.95- 4000.

6o pareoVelocidade1.450 metrosAnimaes
de qualquer pas.Premios: 400*000, 1004000
e entrada livre.
Os animaes inscriptos eram Duc, Africana,
Price, Derby c Cynira.
0 publico escolbeu para favoritos a Duc e a
Africana, que pareciam ser os melbores do lote-
Poucos ior



eMorgadinha, ex-Catana, dis-

'oram os que se lembraraTn de Price e
Derbv, dous importantes potros de 2 annos ape-
nas, de produego ingleza, vindos directameale
da Europa para, o nosso turf, mas cujas forras
ainda nao eram bem conhecidas do publico.
Quinto a Cynira, nenhum receto inspirara;
couhecida j como excellente bagageira, para
ganhara corrida seria preciso que os quatro com
panheiros quebrassem as peraas na carreira
coincidencia difficil de se realizar e que nao
Eide ser calculada por aquelles que procuran?
zer jogo seguro, apostando rnente nos me-
lhores auiraaes.
Entretanto os dous favoritos nao promettiam
fazer boa carreira: Duc havia entrado mancando
Sra o ensilhamento e Africana j nao a mesan
ricana de dous mezes passados, acha-se hoje
em condigoes muito inferiores c parece at que
j entrou no periodo'da decadencia, tal a dif
ferenga que de dia a dia va i apresentando para
peior.
Dado o igual de partida, em boas condigoes.
sabio Africana na vauguarda, seguida de Duc,
Erice. Cynira e Derby. Cerca de 50 metros de-
pois Duc tomou a ponto, que s couservou at a
distancia de 1.000 metros, quando affrouxou
passando ento para a vanguarda Price, montado
por Nicoloque conseguio ganbar a corrida em
102".
Derbv, que havia sahido por ultimo, oBteV
bom 2.'
Africana chegou em3 lugar um pouco distan
ciada. jM
Cvnira. a ba Cynira, teve a grande honra d*.
tena Duc como companheiro na bogogem.
Poule de Price em I, 1684700; em 2*, 434000
Pwle de Derby em 2o, 134400.
Movimento geral, 7.0754000
m commandita da firma Virgilio Augusto Lopes
v C, com o capital e fundo em commandita de
5:0004000 para o commercio de pharmacia ra
da mperatriz desta cidade n stre-se
com o segredo recommendado na lei.
De Emilia Moreira Lopes apresentando regis-
tro o primciro^HlB da escriptura publica de
ao para cmmerciar em seu jproprio
Celestino, Pernambuco, 20 annos, solteiro, Re- nome, coaferida por seu marido Vctor Moreita
Lop-
Do gerente da Companhia Pernambucana, re-
lo a carta de registro do vapor Conde d'Eu
itar, incapaz de navegar desde 31 de De-
zembro do-anuo passado.-Satisfaga o parecer
Informacao- da Secretaria sobre o motivo que
deu lugar ao registro da marca -IndiananJ4f
irai Penna C.,com confrontaco
gistro n. 224, pertencente a Garlos de Amida
iob a denominagoDiana. Junta aos au-
tos, sejam conclusos.
Petigo de Pereira Penna 4 C, com um d

NSo se realizou o 7 pareo.
Prado PernanbueaM
Realizou-se antehontein a 19a corrida.
A concurrencia foi extraordinaria, superior *
5.000 pessoas.
O jogo das poules esteve animadissimo, attin
gindo o movimento geral a 69.0904000.
0 icontecimento do dia era o 8 pareo, con
sagrado ao grande premio piwaijc*o, do
qual tinhamde se exhibir os melhoies pareDjei-
ros de nosso turf.
A auciedade era geral, todos desejavam ver o
desenlace da corrida, que promettia ser de sen
sags.
Qundo os animaes, "em nunerq de oilo, ay
apresentaram na rota, um como qu fluido ele
trico se transmiuio a toda a multido, reinando
ento um scilencio profundo.
E^o scilencio.succedeu um enthasiasmo i a
descriptivel, que tocou ao delirio, quando Vespey
chegou ao poste do vencedor, dexando atrs de
s demais competidor
A interessante egua foi alvo de ovaces deli
s jior parte do publico e nao
,ado foi o jockey que hbilmente ad~
(le Souza, que recebeu um par de |
s
%



. "*"


,





Diario de PernambucoQuinta-feira 3 <}e Janeiro de 1889
[distingui a directora do Prado
gravata em forma d ferradu
rimantes, offrtado por aiguns
roprietarlos de animaes. foi o
^scretario da directeria. presen
importante ehouosrapho de ouro
^Ppr.
Br. Sou:
eado cL
Os MBpregaftos da empresa, tambem por uu
HlfierecerJB .directora umprand* quadru
os retratos dos mesmos, tend*ntes, prece-
. da bande marcial, feito.J*na marcha na
em frente as archibanp'tas.
Odive tmenlo corr^mpre ein boa ordem,
tendo se dado apenas/do ratervailo do 5 para o
# pareo, um incid>me. provocado por pessoas
imprudentes, hufentendem dever fazer pracade
valenta tya-twla parte, e que fcilmente foi do-
~MHh consequencias fataes.
5 resultado das corridas :

rimeiro pareo/.'' de Janeiro9"0 metros
Animaes da provinciaPremios: 200*, 60* e
entrada livre. w
Dado o signal em pesaimas condigoes, Monitor
montado por Alfredo Freitas, pulou na pona e
ebnsegiiio chegar ao wraontor em 66".
Florete oi i." c Macarto 3..
Poule de Monitor em i.", 11 400; em 2.,.. -
BEB
IV de Florete em 2., 6J000.
"oriniento geral, 7.370JOOO.

Segundo pareoMarcotinoCosta I.400 metros
Animaes de menos meio sanguePremios:
300*, 70#, e entrada livre.
Ao grito do starter, Favorita, montada por Luiz
Pereira. puxou corrida, seguida de TteciTe, Mi-
rndola e atan, cheganao ao vemxdor em UH".
Recife foi 2." e Mirndola 3..
Nao correram Aymor e Moncorvo.
Pon de Favorita, 8*200, tendo sido o roov-
mento geral de <5.300*)Ob.
Tercpiro pareoArroda Beltrol.KO metro
nimaes da provincia Premios : 280*, 60**
entrada livre.
Ao signal de partida, coube a Templar, mon-
tado iKir Jos Mendes, occupar a ma, qoe con-
serveu at o vencedor, ganbando a corrida em
** */>"
1 .rete foi bom 2." e Foguete .
Nao correuTupy.
Poule de Templar, 6*0, tendo sido o mov-
mento geral de 7.690*000.

Osarlo pareo Gmcal en Pintoi .480 metros
Animaes de qualquer paiz nao inscriptos no
grande premioPremios: 48U*, 10 e entrada
Orre. _. .
Huy Blas, montado por Antonio de Frenas,
tomou a pon logo na sahida, seguido de Cynira,
Africana e Hexe e nao mais perdeo, gastando a
corrida em 100".
Africana foi 2. e Cynira, qne desta vez causn
urna sorpreza, chegou em 3. lugar, contra Hexe,
que parece tr peiorado com o descanco que
tem tido ltimamente.
Nao correu Mascotte ...
Poule de Huy Blas, 6*800, tendo sido o mon-
meoto geral de 8.600*000.
Qoii
linto pareogbamb ramio MBumaiCAKo
etros-Ananaes de qualquer paizPre-
mios 3.000*, I.OOO, 800* e entrada livre.
Ao signal de partida, sahiramos animaes em bolo,
appareceudo pouco depois na vanguarda Coupon,
montado _por Luiz Pereira, que se sustentou
nessa poslcao ate crea de 500 metros, quando
batido por Galia, montada ir loao Gongalves,
que pouco depois foi por sua vez batida por Jo-
sephas. dirigido pele jockey Fredenco. O impor-
tante animal, porm, s se conservou na van-
guarda at a distancia de i.400 metros. hi.
Vesper, a invencivel Vesper,hbilmente guiada
por Pedro de ouza e que havia sabido por ulti-
mo, tendo ja passado um por um todos os com-
petidores, offerece lucia a Josephus, coUoca-se
na frente e cueca ao veneedorem 139".
Josepbus foi 2o.
Venus, qe se achava mal montada por James
Davis, o jockey mais p.-sado de nosso turi, ob-
teve o 3o lugar.
stin, utontado por i rancisco Monteiro, ob-
leve o 4" lufiar.
Castiglioui, Galia e Condessa chegaram nessa
ordem.
Coupon. 1.400 metros depois da sabida teve a
infelicidade de-mancar e nao prose^uio na" via-
gem.
Tanto teve de esplendida a victoria de Vesper,
quanto de desanimadora a derrota d tal Con-
dessa. Nao obstante ler sido ca"stifada desapie-
dadamente nao passou ella da bagagem, o que
faz crer n-lo ser a afama, la Cecy, que se tomou
notavel no turf Ilumnense.
Nao correram Ernani e Fai-otin.
Povle de Vesper em 1, 8*00 ; em 2. 6*6fl0 lang'
Poule de Josephus em 2, 8**.
Movimenlo geral, 4.436*00.
* i
6* pareoOlumpio Loupi.60J>'metro81-Ani-
maes nacionaes at meio sangue.ireuiios;
400*000, lOOfiOOOe entrada livre.
Corcovado oraon zponti ao signal d- parti-
da, cedendo-a 1 000 metros depois a Roy-Blas,
montado por Antonio freitas, que chegou ao
vencedor em 114".
Corcovado foi 2o e Douro 3*.
Nao correu Ipojuea.
Pone de Huy-Blas em i-, 5*900;. em 2,
8*600. '
Poule de Corcovado em 2". 5*800.
Movimenlo geral, 9.935*000.
*
7o pareoOreles Mnteiroi.400 metros
Animaes da provincia. i reinios: 300*000, 75*
e entrada livre.
Templar, montado por Jos Mendes, jxcupou
apona na sahida e chegou ao venador em
103 1,2".
Mburo foi 2o e Monitor 3.
Nao correram Etna e Tupy.
Poule de Templar em 1,8**300: em 2,6*1*0.
Pe le de Mouro em 2, 6*400.
Movimento geral, 7.730*000.
moa comparar; a pereepgo das diffei eneas &
principal operago da vida mental. Eso una
oimes iodos os viajantes qoe pereorrein as ras
de urna cidade tragada sob tal plano em dizer
que o effeito esthetico plenamente.destruido
pela uniformidade das linhas; langando-se o es-
pirito da monotona ao tedio e ao abatimento
moral.
Escomo este exemplo, porque elle perfeitamen-
te confirma o perigo das innovagoes incompeten-
tes e impensadas, exclusivamente firmadas em
falsos intuitos e superflciaes conbecimentos.
as ras d antiga Roma, como muito bem
lembra Radau a respeitodos paizes quemes
sombra nao s tornava o ar mais fresco, como
tambem conserva va-o mais agitado em virjude da
dillerenca de densidades oriunda do aqueimen
to desigual das carnadas -.mnenles.*
E .a agite(ao do ar, est reconhecidoaue .
urna condicao especial para a salubridade do
clima.
Ora, a noesa cidade do Recife est inegavel
mente bem situada. Ella se assenta quasi toda
sobre um terreno de alluvio, ptrmeavelna me-
dida desejada, e por onde mais ou menos fcil-
mente se escoam tedas as aguas que cahem-lhe
no solo e sao attrahidas pela draiuagem natural
dos rius qne bellamente a circulam. E nem sei,
nem vejo, que hajaui entre nos ras quentes, a
nao ser sob a acgo directa dos raios solares.
lurificadoras do nosso ambiente, correntea at-
mosphericas constantes e poderosas, nos soprum
do mar de Janeiro a Dezembro.
Onde essas endemias, entre nos, quereconhe-
cidaiuente medram nos lugares oude o ar calmo
e estagnado ?l...
Certas epidemias mesmo grassam entre nos de
datas recentes. .
Nao, ser, pois, de ontra orieniagao das ras,
embora (appanntemente) mais bella que devere-
pios exclusivamente cuidar. E rerigusiseiuio
ser, a- no ser para que niclhor e mais garan
tida fique a sombra em certas horas do dia, in-
troduzir relagOes menos positivas entre a altura
dos predios e a largura das viasi
SSo as habitgoes.os domicilios, e ao as mas,
qoe por via de regra apontam-s na nossa cidade
como quentes, abaladas e insalubres.
Percorrei osaprasiveis ar abalds que nos cir-
camdam e veris, salto o caso raro em que venba
a irradiagao do calor de urna momanha contrariar
o benfico banlio da brisa ocenica,... e veris,
que a talla est sempre na casa que no venti-
lada, ou antes que nao an-jada porque o pro-
prielario, obossul constructor, se gcrsuadio si-ra-
pre que para ventilar era bstanle abrir janellas
a portas. _
No entanto e>se system dearejar, que alias
poder ser sustentado por algum dos nossos pro-
nssionaes polytechntcoe, batido em todos os tem-
os pelos homens de sciencia, s aclia um fun-
dament serio na resolucao tradicional que toma-
rain na antiguidade, antes de Vtruvio Polio, os
liabitantds de Milylene, capital dailha de Lesbos,
abrindo as ras aa cidade na d reccao dos ventos,-
que o que llie de rain foi a fama justificada de
sua insafubridade I
Estudac o systema de vida de nossa cidade e
veris que dos hbitos de sua populago e do
relaxamento proverbial de suas reiiartigoes pu-
blicas, e nfto da orfentagao das mas, que nascem
principalmente as necessidades de retormas ur-
gentes.
Nao quero daer com isio, ja se v, que a cir-
eulago nos bairros commercmes e mesmoo seu
saneamento nao estejam a exigir aiguns mellie-
ramentos na direceo ealargamentodesnas vie-
jas e arterias principies. Nem tao pouco que sa
deixe de cuidar em crear, em pontos determina-
do*, vastos loe .es, pracas cn^ardins, onde a po-
pulago se rena para respirar o"ar livre, recu-
perando a saude do corpo e do espirito. S c-
firo.
Mas, coHocando-me dentro domeu programma,
direi que dos promettidos melhoramentos nada
de positivo se dever esperar, sendo esqecido o
essencial.
A lavagem constante dos esgotos da cidade re
construidos segundo o imaginoso plano do Sr.
engenheiro Foumi ou outri to bom ; oaper-
f. igoam.-nto do servigo le escoamentodas mate
ri.is fecaes; o abandono completo dos prejndi
ciaes aterres feitos cura lixo e detritus orgnicos,
sobre ns quts vo, muilas vetes, os nossos no-
vos balrro- conquistando os terrenos outr'ora lao
purilicudos pela exuberante vegetago dos min-
gues ; e o dessecamen'e de um ou outro pantano
qw t-xisla as immediacoes da cidade; entre ou-
tr is trabalhos immediatamente idnticos; eis o
que de preferencia dever im*ncer a attengo dos
nossos bem intencionados legisladores, que teem
a reiricta obriguco de attender s nossas De-
cessidades reaet.
Esta iberio em nossa frente o vasto horisonte
da iramig agio industriil. O governo se pro|>e
at a espalhar pelo norte inieiro Ihoesjde es-
tranfeiros, irocados pelo nosso esca9so capiul.
os antecedentes nos fazem crer qae t>ase
colonos ou re deixaro morrer sob a acgio asne-
ra e dinrtn do nosso clima equatorial, ou conv ir-
giro para a cidade abandonando os trabadlos
agrcolas para os quaes se achara physiolofica-
iiiente in.om|iatbilsados.,E'indispenSijjre(, pois,
que a nossa cidade lenha casas, on le ajudados
pejos processos arlilciaes, possamos concorrer
para que a acclimago nSo continu a ser urna
molestia int'uravel.
Est provado que se nos climas fros preciso
aquecer o domicilio empreganilo o proessos
artificies de longa data cbnhecidos e seguidos
na Europa inteira, nos climas quentes, odo
inverso o problema, tem o constructor ao
seu dispor progessos igualmente artlficiaes de
refaeramento que bastar serem applicados
para que s/' crie um ambient%aproprado para os
e.-iratigeirosque nos visilam.
E como esta outras niHiessidades surg rao dian-
\e daquelles que minuciosamente estudarem as
nossas condiCC.es especialissimas visando o fu-
turo que se nos antolha.
Nao escrevo um romance com o ftm de entre-
ler ou disiiahr quem qnr que srja. E nao ten lio
como urna r.oufu impossivel esse desidertum a
tjue m refer no periodo anterior. A constme-
queoamrcadopor e,ssa le, e .que pliteou a
eleii;ao do popular e distincto abolici onista Jos
Man auno, por oremele um governo anti-aboli-
cumtta. Quem conlestar isso? Ninguem.
Disse mais que o Dr. Pedro da Cunta Beltro,
distincto representante do 5' districto desta pro-
vincia, n'um oslobre congresso realisado em Julho
de 884 (repare bem na data S. S.: pois as re-
formas sociaes, principalmente, as opiniOes mais
modernas teem mus valor que as antigs) pela
Sociedad* Auxiliador da Agricultura com o ni-
co tira de fozer desapparecer o movimento abo-
licionista ja existente nesta provincia, fallou con-
tra esse movimento. Quem contestar isso?
Ninguem. Onde pois a offensa e o motivo pata
eu ser tratado como fui ? N5o sei: em todo o
caso vou pedir a S. S. a devida licenga para, em
bem da propria dignidade, S. S. esquecer-se do
que escreveu, para eu, por minha vez, esquecer-
me do que I i, pois, presando-me e muito.nao pos-
so abaixar-me para levantar os insultos e as ex-
presses pouco delicadas comidas nesse artigo.
Nao enlro tambem na apreciago que possa ter
tido esse meu artigo a ponto de merecer a hon-
ra (que agrudego) de ser archivado ua gaveta de
S. como um magnifico specimen das discutses
de campanario : artigo em que, com toda a cer-
teza so se encontram palavras que nSo podero
lkaej corar quem as escreveu e muito menos
.quem as possa ler : sentindo, porm, nao poder
cwwspondera esse acto de delicadeza (nico) de
S. S. para comigo, porque eu s costumoarcWcr
pupeis uteis e nao aquelles que, nao podendo ser
cdnsiderddos nem como speetmens magnficos das
dixassoes de campnnario, podem, uo obstante
faer corar nao so quem os escreveu como tam-
bera quem ti ver a infelicidade de lel-os.
Despedindo-me de S. S. Sr. Dr. Oliveira Lima,
resta-me um grande pezar, que o de ter eu
concorrio, embora involuntariamente, para S.
S. perdir e tal vez por urna vez, os foros de cava-
ibeiro e nem educado, em que era tido pelos
r-tnbavc-feHctdaoy de ler to bem elabora-
correspondeucias como as de S. S., porque a
Uo ter esse artigo, queoffende a tantas pessoas
indistinctameute, sido motivado por um mo-
mento de mao humor, com certeza S. S.n en-
contrar, fcilmente, defeza honesta que justifi-
que a aggreffb bem pouco generosa feita a
quem nao tendo a honra de conheccr e nunca
tendo offendido S. Si., e estandft habituado a res-
peitar-se procura, sempre, respeitar aos outros.
2 de Janeiro de .'89.
r. Barros Sobrmho.
tudo do que as*de oulras escolas; e dizer-se que
um alumno de direito nao pode completar o seu
Sreparo de um auno jufidico de Novembro a
argo, admittindo que no mesmo periodo o pos-
sam completar os-estudantes de m.dicjna ou de
engenhana, um absurdo de tal ordem, que dis-
pensa qualquer observago, tanto mais: quando
se permitle exame vago de qu Iquer auno, o que
iiuer dizer que se suppe possivela babilitagao
de um alumno, durante aquelle espago de lem-
po, em maierias que sao nteiramente novas ao
seu espirito at a poca em que presta o exame
do anno anterior.
Accresce que nas.oijtras facultades ha pravas
praticas, que nao exislem nos examds de direi-
to. Ora, nao tendo os alumnos dessas faeu da-
des onde estudar prartcamente, por BsUrem fe-
chadas as escolas durante as ferias, adniitle-se,
anda assim, que elles repitam os exames prati-
cos em Marco, nao se dando ssa perinsso aos
estudantes ue direito, que durante as ferias nao
te seno que avigorar seus estados no com-
pendios e as apostillas, o que podem fazer em
casa e perfeitaraente.
E' pois muito justa a reclamago que fazem es-
ses estudantes, e que confiadamente upresenta-
mos solicitude do Sr. mintsJro do imperio. A
providencia que S. Exc. naturalmente tomar,
aproveita a' grande numero de alumnos.
Brejo da Madre Deus, O de
Dezembro
Aqu chegou, no dia 18 Caruar, aluri de tomar posse do cargo de juiz
de direito desta comarca, o Ilustrado e distinc-
to magistrado Dr. Antonio Pedro da Silva Mar-
ques. Este syupathico e talentoso mogo, que,
na estrada tortuosa da vida, tem sabido ser sin-
cero e leal j como amigo, j como potitico e
j como magistrado, receben om viva e esplen-
dida manifeslago, por parte dos brejenses, odr,
em numero superior a w cavalleiros, de ambos
os credos polticos, foram speral-o a mais de
de nina legua de distancia desta cidade.
. A pos a chegada, sefvio-se um. profuso almo-
oo, oiferecido por seu Ilustre amigo Dr. Luiz
Zucharias de Lima, promotor publico da comar-
ca, ja ent&o nomcado juiz municipal, do termo
de Caruar, segundo, noticias telegrapbicas re-
cebidas.
Depois do Dr. Antonio Pedro ter agradecido,
bastante cominovido em phrases elegantes, a
demoiistraco de aprego qoe Ihe fra dada, tro-
caram-se diversos Windes, que foram calorosa-
mente appLiudidos, distiuguindo-.se, cutre outros
os segumte8:
Do r. Luiz Zacharias ao Dr. Antonio Pedro
da Silva Marques-, que, no cao vithcio, con-
firmar certamente as bellas Iradiges do juiz
municipal de Caruar, oude soube manter-se,
como sempre, com toda i m parcial i dade e justiga,
de modo a grangear toda estima e respeilo ; uo
Dr. Antonio euro ao Exm. Sr. Dr. Rosa e -Sil-
va, pelo seu ardente amor causa publica; do
mesmo doutor ao Exm. r. Baro de Buique, o
homcm legendario, que com o seu proceder ca-
valbeiresco, poderou-se da imaginago dopo
vo; do Dr. Luiz Zacharias ao povo do Bn-jo, de
quem recebeu o melhor acolliuneuto e especial-
mente aos seus amigos tente coronel Gerai-
niano do Reg Maciel e capito Liberato Jos a
Silva; dour. Antonio Pedro ao r. Luiz Zacha-
rias, que, pelo "seu criterio, alto talento! vivo
amor pela htteratura e pela sciencia, tem cante
'de si um brilhante futuro, e, filialmente o brinde
,de honra que foi levantado pelo mesmo Dr. Pe-
dro \ntomo ao benemrito cavaleiro Joao Al-
fredo, libertador dos escravos.
iiniiluto 19 de Abril
RA DO tflSCONDE DE CAMAEAGIBE, OUTE'
ORADO HOSPICIO 10
Reabrir-se-ha no dia 7 de Janeiro este estabe-
leciinenio de educaco e ensino.
0 desvello, o carinho, o zelo e dedicago do
director e de seus auxiliares, siio fortes garan-
tas para os que desejarem educar e instruir seus
filhos ou tutelados.
A familia do director mora no estabe ecimen-
to, realisando por esse modo, o ideal dos que
buscara para seus lilaos um collegio que seja a
continuago do lar.
A pitica de seis annos de magisterio, quer
primario, quer secundario, eos resultados lison-
geiros obtidos j>elos alumnos nos exanies das
diversas materias de que se compe o curso,
upontam este estabelecimento como um dos ine-
Ihoies desta cidade.
Recebe alumnos externos, semi-internos e in-
ternos, mediante as mensalidades geralmente es-
tipuladas.
Lo-o que se Hndem os exaraes geraes de pre-
paratorios, a que ora se procede ni} curso anne-
xo, sero publicados os resultados dos exames
prestados pelos alamnos deste collegio.
1 directora pede encan-cidamente aos Srs.
paes e interessados que procurem inspeccionar
or seos proprios olhos as condcoes do estabe-
cimeuto.
A Aula Infantil, em sua parte mais delicada,
a qne se Tefere aos rudimentos do ensino, adia-
se confiada a duas senhoras, urna das quaes a
propria mi do director.
Recife, l- de Janeiro de 1889.
O director,
Luiz Porto Garreiro.
Ao publico
Orrhy Club de Peroumbaeo
Encenou-se no dia 31 de Dezi'inbro ultimo a
inscripgao para a terceira corrida que se reali-
sar no dia 6 de Janeiro do comite arillo:
1. pareo Consohicao Fainfar, Moreno, Gari-
baldi, Marat, Guerniro, B-eas, Borburema,
Lindne>s, Gibante, Othelo e Ec'a.
2. pareo Prado Pemambuccuio Recife, Fa-
vorita e MinTndola.
3.* M*tn P.v.^yiWj, fe PeriHimlnco Gond-
mornuig, Cndor, inciUCaV, PTBpnn i gn<
4." pareo Internacional Mastn, Condessa,
Ruy-Blas e Africana.
>." pareo Prospedade Lezeira, Almirante,
Pirraga, Rei de Ouro, Caim, Munitor, Lacar,
Oru, Aquid-iban e Florete. ,
6." pareollippodromo do Campo GrandeFa-
vorita, Maestro, Minetva, Corcovado e IoivgflSO
ex-Cba|)eco. ,
7. pareo Prado aa EtancoAthen. Monitor^
Serid e Pegaso, P
8..preo Consotagao (. turma) Bilontra,
Palito, Etna, R >io, Carangueiio, ero, Campinei-
10, Oiiiouui-, Bomav., Cabido e Jpiter.
desses domicilio- a que me refer, quando
se torne para nos urna conquista, sera pelo
PUBLICARES A PEDIDO
f-i, *- ** ~ "-^
A moiu ciduUt- doBecire
III
Ha na lii loria das construcgfies mais de um
excrapln ih' reedili.ag.'io, rajo resultad., lia -
longe do noj ctado, peiorar as condigOi*aiite-
riOn-s da cidade.
E mais d um caso se enconrra de planos theo^
ricos(>iinliroprieda'ie e sera razio fcilmente
se pode hoj^.r em evidencia, gra.asa esstfas-
periencia bem *efiniila,e inspirada n'wiw iaVa ge-
ral a que me refer no ameiior artigo.
Neiiiiu.n e\em iiw, ponmi, peder ser maia a
proposito rilado aqu. ye o da reconstmego de
Roma, s Wero.
lmsiniiioa 5 tyiaie-o or^r mais bella e natt
agrail'irrl a -ua cnl.de. E i aivum tal Km foram
derrubador- .(uarteiies in'eiros a antigs mas
angulosa- ailas. pam ergu*iin>>e novodl
bairros c. farpas a enidas dWigidas em
grandes linlias, ainplaroente baliilas p*jjj sol e
visitadas l*la calmara,' Mas, secando
se, 0 que cxclusivameiife consegii:
romano, lora tornar a cidade mai-
cao
1HO j*, iui 11*^ |i <* nwo huid lun.jui.-wi, <^ a | '''
recnos um i tentativa que muito nos honrar.e
tpie Lia o grande mrito d por em relevo os
bons intuitos da projeciada companhia.
Para ponto de part la nesse sentido, estoj
no dominio dos conhecim.-niss technicos os pre-
ciosos i raba I los do hbil Sr H. Dessoliers.
Proseyuini.
Ab lllm. Hr. Dr. Oliveira Lima,
il i sii o correspondente (em
tAnhmm) *m .*orl do Reci-
fe. >
lomado como estou a respeitar a todas e
principalmente aquelles, que nao tenho a honra
de couhecer, liquei. por dmais surprehendido
copa a linguagemujada por 9. contra mim
(princpalmeate^e os demaisabolicionistas des-
ta proviucia no artigo assigaado por S. s. e pu-
blicado no Joma du Recif/ (fe 29 do prximo
passado.
Referindo-se ao artigo publicado por mira no
[harode Penumbaca, de 5 de Outubro ultimo,
diz-me ser obrigado a respoiider-me' por ter eu j
contruriudo (nao sei em qii.i 0 artigo que S. S,
publicou no Reprter da 4 de Junbo do anuo pr-
ximo passado.
por torca equivoco nessa enntniriedade
pue eu nada mais liz do que tradazir um ar-
as extenso, do South Amrica* Joumilc
traguzir, por conseguiote, tambem esse artigo
j^P. [M)is eslava inserido no que eu tr.clu'zi
ipemis de passagVtn cilei o nome deste
eamo seu autor.
iiserva Oes que fiz nessa occasio.
loa repeiir boje e'at amaoJi
ur.pois eu seno vejarnos.
Disse que a familia Beltro uip linlia 'il*
un i ca libertar i
o jqbileu do apa Lean XIII para libertap
liinas q pie minia gen'
Nos abaixo assignados, propretarios, nego-
cianies, chefes de familia residentes no lugar
Cuinbe, districto de Beberilie, sobremodo peuho-
rados pelos relevantes s rvigos que, no exercicio
de sua So alia quao espiuhosa misso. nos pres-
tou a Exma. Sra. D. Maria 11 alia de (Albunuer>
qae, professora publica da ca-leira mixta deste
districto, ltimamente rem ivida para a do eres,
viraos, do alt i da imprensa, testemunhar Ihe a
nossa gratido.
. A maneja-brilhante com que a illustre profes-
sora sai* desempanliar a ardua misso de edu-
car a infancia, as habiliiages de que deu prova,
a paciencLi e carillos solicitude que costiiii.i
prvdigalisar aos seus alumnos, o iratainento Iha-
iio e amavel que dispensa a todos, e sobretud* a
sua conducta exemplar. fazem Ihe jus aos majo-
ras encomios.
Resentidos pela ausencia de td illustre pro-
re^-sora, fc-liciamas aos chefes de familia doPe-
i< pela feliz acquisico que acabam de fazof a
Exma. Sra. O. Mara hialina pedimos queiios
desculpe si por vuutura offeudemos a sua etfes-
.-iva modestia.
Terminando devemos declarar que n4o nasso
intuito elogiar a distincta professora, a qual est
que
lattcou. rlssen-
ooservador, mando pede-
|uem trabalfiasse Eisj
vor dos escravos, teve, tinbem.quem trafulhas-
secont' 'nes
,,ilhis noBraz:
ir. Araujo Bel'raViniMcouomu
vayelacto de i aeinnlio de 1869, foi em p
provocado pelo prograiiiraa poltico apresenlado
pelo Centro Liberal dil-Oesse propro
artigo deS. S. acuna ci a
uem contestar f*sb? Ninguem. Disse
mais queo consellieiro Tlieodoro Machado, de*
pois'que referendoua/WAti (/que coneeiflu II-
lerflau q le traballiassem 7 anuos,
com^se-vf emuadosirfi lei.creioo
iprou umafazenilae conservou no capli-
muito cima de qualquer elogio ; e sitn inani-
fe.-iar-lhe o quanto Ihe tiramos gratos pelos be-
neficios qne fez ads nossos lhos, j inims^aa-
do-lhes, c,m ama habildade iuexi-edivel, i)co-
idiecimentos que possue em alia a-cala; jidis-
pcnsajido-lhes os altelos e carnbos q.ie cstQ-
ma prodig.ilzar aquelles cuja ducagao lie
confiada.
Bebcribe, 18 de Dezembro de i>-88.
Joao Antonio da Cunha Canda.
Jos Joaquim Aniones.
Luciano Eugenio de Mello.
Alfredo P. L. Pessoa.
Amonio n. Vaz de Carvalho.
"r nm i Mj-llimi i* AUrif^rpi" Lula. i
Antonio de Alleino Cysneiro.
Amaro Francisco de Paula.
JaciniboCiriei.i Lob&o.
de Barros Corr. ia:
no Fi aneisco Belem Cavalcante.
. T. d Moraes Lima.
Joio Augusto de Mello.
L obaldo Augustq de Moraes,
Cae.anoJo- Bornes da Fonte.
Joiq. Eba- de Moura.
AuieoiirG ngalves Netto.
Fr dciic i Cliaves Jnior.
Man I F.auciSO do- IV'i.
Jos S LeiUo. I
Olymino de HoHanda Chacn.
Jos AuU-iiio de Aunada Cunha.
'4 -. '' >*?j&r-j' j-----------------
Faeuldade de Direito
Apparece de novo una reclamar"w relativa a
assun pt be instmega publica em qae
os -ovemos que so auccedm, pareceui em rajar-
se, mais ou mepos, a urna especie de |ogu uilan-
til. de construir e destruir, sobrepondo u
ouli ;is as pegas do edificio, jiara log.) depois; *s-
ligai -
iui'. lizmente, a falta Je estabilidade de umv-
gulamentu elfoctivo. qne alias
3 euibaragorfdp
Tr ra apora de exames nasda?!
faeulda.l s de direito, reclaman) ::
alumos- matriculados ni
aviso ii ( I", que prohibi ij^]
rest.isseui exanies em Margos alumnos nao
apptovados en, Novembro.
Nao faltanam por ceno boas raies aos me1
3uizis-em sustentar a convejiicncia
a, appeaila na /eneralidade ao
rior; mas nao ha ueuhma razio
que ella recaa excepcionalmcnte a
CSnerra dos Prados
Engana-se o accionista do Prado Per-
nambucano teeeodo elogios ao Sr. Dr.
Sonza Reis, qoe estamos cortos os nSo
aceitar. As apparencias enganam. No
aocordo do Prado entrou o contra-goste.
E porque ?!... Elogios merece o Derby
Club, exclusivamente esse.
Procure quem tiver interesse o general
que commandou a batalha, e ah achal-os-
ha. Senao vejam. Qual que tiuha
mais drfficuldade em garantir o capital ?..
Apenas o Sr. Dr. Souza Reis teve ,o
bom sonso de aceitar o que Ihe deram,
porque assim tudo que lbe viesse seria
lucro; e, conciliando os interesaos da
Ferro-Carril, aproveitara urna occasio
para demonstrar que a gratido nao ara
sen ti ment refractario no sen grande cora-
g3o de verdadeiro liberal.
A directora, o gerente do Derby, me-
recen maiaque'S. S. as honras da vi-
ctoria Tanto quanto merece a do Hip-
podromo do ampo Grande, isoladamente,
a vergonha da aeirst; porque nem ao
menos, lembrado que tainWn oca .accio-
nista, sonbe garantir os interesses sociaes,
3ue se nao estad compromettidos como os
o Derby nao estad garantidos como os
do Prado.
Ouvi a conversa.
Elixir depurativo vegetal
Formula de ngelino Jos
dos Santos Andrade
Becebedoria de Pernambuco, i-de Novembro
de l8Ki.Ulysses F. d'AUmauerque.
Beconhego a firma tro. tecife, 96 de No-
vembro de 1881. Em teslemunho. de verdade.'
(signal).Otabelliao publico interino, Jos tar-
tos de S.
N.*3
-.fecife, 2 de Junho de fti.
Illm. Sr. Angi'lino Jost1 dos Santos >ndrade.
Boa saude lne desejo e a todos os seus. Parti-
cipo-lhe que com duas garrafas do seu Elxi
reslauradoi do sangue. toi suiBciente para ficar
perfeitamente resiabelecid, a Exma. Sra. O.
Maria Janqaria de Barros Lima, moradora do en-
genlio Serra, que por intermedio meu, e pela
grande nonieadado bom elleito produzido pelo
remedio cima escripto, de que o seubor inspi
rado pela Providencia pode penetrar a este
gran i* segredo da medicina. Enviando eu duas
(arrafas, tomo cima disse, cou ella curada do
ahtigo rlieumatismo.'que, ha muito Ihe persegua,
acciesce mais que ella comegaudo em tratamen-
to, appareceu-lhe Uma grande inllamac&o nos
cilios ponto de carem comiilelamente fecha-
dos, que no decurso do tratamento ficou perfei-
tamente reatabelecida de ambas as molestias,
tao somente com as duas garrafas do seu mara-
n ilboso remedio.
S posso Ihe agradecer pela sua feliz idea, e
desde ja pego-lhe" que considreme como um seu
respeitador e humilde criado e obrigadissisno.
Hostiniano Caneiro de Moraes.
S.. odera o senbor fazer o uso que Ihe
convier do que cima disse.
Eslava sellada com uma estampilha de rs.
e inutilisada da maneira segrate
Becebedoria de Pernambuco, 4 de Dezembro
de 1882. Fortunato de ndrade.
Reconhego a firma supra. Becife, l i de De-
zembro d 1884. Em testemunbo de verdade.
(sinal).O tabellio pui.lico, Apollinario Flo-
rentino de Albueuerque Maianhgo .,
N. .4.
Illm Sr. Anxelmo Jos dos- Santos ndrade
Soffrendo eu de um corrimento (bleflorrhagia)
toinei muilos remedios durante seis me/.es e nao
havia possibilidade de parar u mesmo corrimen-
to. Dizendo isto a um amiyo elle me acon-
selhou que tomasse urnas parrafadas que tinham
o titulo Elixir depuiativo que era seu prepa-
rado.
Mas en sem f nenhuma mamtei comprar uma
garrafa. Principiei a tomar conforme a recen a
3ue vinha no emolucro da mesma garrafa. De
ia para da me achava mellior; acabou-se a
^arafa. man.lei comprar outra e .piando eslava
acabando a segunda j tinbadesapparecido com-
pletamente o corrimento.
Ora nao podia deixar. de vir por meio- deste
dar-lhe um v.ito de louvor e de reconhecime to
pelo seu Especifico, de tanta efficacia e qne um
maiavilhoso remedio.
Aproveto-me da opportunidade para reiterar
Vmc os meus protestos de alta estima e con-
sideracao.
Recife, 16 de Margo de 1883.Francisco Jos
Dios Sobrinho.
Estar sellada com uma estampilha de 2u0 rs.
e inutilisada da sejuinte maneira :
Recebedoria le Pernambuco, i" de Maio de
l&*i.Silva Carvalho,
Reconliego a lirnia supra. Recife, I
"e 1883. Em lestemunho de verdade. (signal).
O tabellio pub ico interino, Jos Garfoide S.
N. 23
Illm. Sr. Angelino Jos dos -antos Andrade.
Ha muito que devia endereear-rtoe a p esente
para^ue fzesse companhia aos muitos attesta-
dos que V. S. possue, po em muitos trabalhos e
at e9i|necimento, coufesso me tem privado de o
fazer, agora porm que o tempo me sobra, aqu
vai.
Soffri por muito tempo rheumatismo articular
agudo, e nepois de fazer uso de muitos medica-
mentos apropriados sem resultado, lancei mSo
do uma garrafa de sen preparado, sem rotulo
que o recoramende e prhcipiei a usal-o : peo-
rei solemnemente e quasi que o abandonava
porm un amigo aconselhoii-mequeproseguisse
e assim Oz. Tomei 4 garrafas e liquei comple-
tamente curado.
O anno passado lu para a Eurepa e com o fro
appareceu-me de novo a molestia e alli privado
do sen medicamento, passei todo o tempo que
alli estive, prostrado no leito da dr, mas che?
gando aqui continuei a usal-o e em pouco tempo
restaurei as forgas e a molestia desappareceu.
Assim acho que o seu medicamento um pre-
parado por excelleoeia coijio depurativo, e todos
aquelles que soTrem desyphilis enconiraro um
lenitivo aos seos soffrimentos.
Aqui fica escripto e bem patente o que encon-
.Irei em sen preparado, podendo V. S. fazer o
uso que Ihe convier.
Estou usando d'elle para outra molestia e se
tiver resulta lo ih'o pariiciparei.
San mais sou com L-o.mideracSo de V. S. at-
tent" venerador e criado.Alfonso Taborrta.
Recife, 13 de Dezembro de 1H86.
Eslava sellada co n u ua estampilha de 200 rs.
e inutilisada da maneira seguinte :
Recebedoria, 8 de Junho de 1887.AffonsoM,
Beda
'Reconhego a firma supra pela semelhanga. Em
testemunbo de verdade. (sigua!). O tabellio
nulilico, Apollinario Florentino de Albuquerque
Maranhao.
Festa de Nossa Senhora do
Monte |
'No dia 13 de Janeiro prximo, pretende
Dom bbade do Mosleiro de Beato 4e 01 rada
celebrar a festa de Nossa Senhora do Modie ea
sua ermida e desde j poderao os devotos se ea
tender com os encarregados da mesma fcstn tm
sao os i -apilaos Fortunara de Sampaio e um
Perer de Parias.
Oliud*, 2 i de D'zerabro de "888.
Frei Jos de Santa Julia BoteWo,
Dora Abbadc.
E' para todos
E' para todos o prazer de verem a aa-
rora dourada do anuo de 1889, e o eas-
tello funerario do Arara, a esta hora dar
de suas niuralhas uma salva de morteros
em regosijo deste dia.
E' para todos saberem qne Jlo Arar
xa se acha collocado em seu castello fune-
rario a praca do armo n. 13, dcilmente
esperando seus freguezes.
E' para todos cunhecerem qne elle Joio
Arara, das muralhas de seu castello fune-
rario sada e d os bons annos a todos en
habitantes da capital de Pernambuco e
eus arraWldes.
E' para todos comprehenderem qne ai
o Joao Arara, tem em seu castello fue
rari grande numero de atades de todas
as classes, e hbitos de todas ordene.
E' para todos scientifcarem-se qne no
castello funerario, o Joao Aran ule d
preeos em seus atades e simo compnn-
dor.
E' para todos orgulharem-se, porque ne
castello funerario do Arara contracta en
com presteza, agrado e promptidao pasen
gens desta vida, para vida eterna, onde
l todos os mortos; prostrados aos pea do
reador, rogarao pela existencia do Jle
Arara c na trra pelos bons servicoa pree-
tados na passagem de ama vida pera on-
tra.
Bons Res
DECLARARES

I. -eci'.io. .>!( retara da presidencia t
Pernambuco, 2 de Janeiro de 188. Por es*
seTetaria se faz pub ico qne tendo sido in lefe
rido |ielo Ministerio da Justiga o requerimrnei
do tenente coronel Jos Tavares Domeas m
Araujo, em que pedia melhora de reforma, se
gundo consta de coramunicagao da respectiva
',_"_,'? secretaria de estado, de 21 de Dezembro Ande,
ro devolvida a p.lente de reforma do mesen*
lenenie-coronel a esta repartigo, afim de ser
en i regu ao interessado se a solicitar no praaa
leBal- .
O secretario interine,
^^ ________Manoel Joaquim ilveira.
Faeuldade de Direito
De ordem do xm. Sr. conseUieiro diredor
interino, fago publico q ie comegarao amanh 3
do crreme os exams oraes de Geomeiria des
estudantes que j Gzerara a prova escripia,
far-se lia tambem os exames oraes de oroera-
pliia e Historia do R asil dos que fizeram neje
es.riplo, e principiar a segnda e ultima cna-
mada para prova escripia da mesma maierin ;
far-se-ha na sexia-feira a ultima chamada r
Hheiorica ; e no mesmo da comegarao os na-
mes de i ilosoplna s 10 horas da manb...
~eeretara da Faculda.le de ireiio do Recife.
2 de Janeiro de 1889.
0 oflici d servindo de secretario,
Manoel A. dos Pasaos e Silva.

Imperial sociedade do Ar-
tistas Mchameos eLi-
beraes
Assembli-a geral ordmaria
De ordem do lllm. Sr. dir- tor, convino a In-
dos os enbores socios effectivos que eatiiuuB
no goso de seus direitos a se reunirem na sene
social sexta-feira 4 do .orrenle, alim de ter ht-
fmi a asamblea geral ordinaria, a qaal se .
tuar com o numero qoe com a regar.
Recife, 2 de Janeiro 'de 18M9.
1 secrelario,
Francisco da Costa Ramos.
Correio Geral
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene Publica do Kio de Janeiro m 20
de Julho de 1887.
Este depurativo 6 de grande efficacia as mo-
lestias syphiliticas e impureza d sangue ; assim
como em todas as molestias das senhoras.
MODO DE USAR
Os adultos tomarao qu'itro colheres das de
sopa pela manila e quatro 4 noite. As enancas
del a anuos tomarSo uma cplher pela manh
e outra noite, e os de S a 11 anuos tomarao
duas colheres pela manha e duas noite. e-
vemo tomar baahos fri ou mono pela manh e
no'e. aguardo regular.
Encontrase venda na drogara dos Srs.
Francisco Manoel da Silva A C, ra Mrquez de
Olinda n. 23 e pharmacia Oriental ra tstrei-
ta do Rosario n. 3.
O autor deste preparado pode ser procurado
na ra do arao da Victoria n. 37, ondaser en-
contrado para dar toda e qualquer explicaguo
que for precisa.
N.S1
Illm. r. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Tenho a satislagao de Un1 communicar mais
um caso que se deu cominigo ; estando soffren-
do, la um anno pouco mais ol manos de Brisa
leito.su e quasi ussucaradti, tendo escolado os re
cursoa mdicos, sem resultado almi.ii, laucei mao
m iis urna ve/, do seu Elixir purificad r do san-
i uso de tres garrafas restabeleci-me
HHB\ameiile.
ais u.m vez o felicito por to maravilhosa
il -- oli.-.t.i. D.'-tas l'mliis |ue s coutm a ver-
dade V. S. f.ur o uso que Ihe cao vi r.
De V. S. atiento veneradjr e crudo. Recife,
II de Maio de 18"S6. Miguel Xavier de Souza
Fon-seca.
Eslava sellado com urna estampilha de 2 U rs.
devid.iraente inutilisada.
Reconliego a Urina supra. Recife, 1" di M
de 18-sii. Em tesiemunno de vsrla
O tabellio publico. Apollnari, Fhrntin de
Albuquerque Maianluio.
N 2
Pernambuco, 19 de N Aembro de 188:).
lllm. -r. ngelin Jos dos Santos Ar. Ira.le
Tendo soffrido .le svpbilis por espago a\' nui
.,ii ios. tomando sempre ilepunilN
netis reciiad is por diversos .Bedirds fies-
ta capital, nunca u\i teclner delle/ o menor r -
sul a.lo, pore n aronsellian lo-me um amigo para
pie en tom isse o sen pr -parado Elixir aepura-
i'nnm .o qniz logo Imnal o poi
A* dimitirlo hnmanltario faculta-
tivo Dr, < vri 11 ino l*. de A. -Castro
NSo podendo calar por mais tempo o sniti-
m -nto de gratido que me anima para com o
IllmSr. Dr. yrillino Pinto le Almeida Castro,
habiiissno facultativo aqui residente, venho do
alto da imprensa dar disso um publico teste-
munho.
Sun, os servicos mdicos por S- \ perita e
delicadamente prestados no seio de minha fami-
lia, j n" recent, l-Borioso e omplicade parto
de minha esposa, em que S. S. revdou-se uro
verdadeiro sacerdote da scieucia e j no curativo
de uma ophtalmia purulenta do mesmo recem-
nascido, lud < isto, digo, d-va-lbe jus a uma van-
tajo sa reiribuigo pecuniaria, se por ventura fos-
se eu um d'essus a quem a fortuna accessivii.
Pobre porm, com sabe >. .'' que sou, pego-lhe
q ie acceite a pres>nle manifeslago como o ni-
co meio de que posso dispr para signilicar.lhe
todo o meu recoiihecimeuto, que ser eterno, por
io assigualsdoa servicos, sem qoe com isto pre-
tenda ferir sua reconhecida modestia.
Villa de Rarreros, 17 de Dezembro de 1'88.
Sima Cavalcante d'Albuqaerqae Souza.
Hala a e*p*Uir--
Pelo paquete brasileiro Mundos, esta adminis-
trago exnede malas |>ara os oortos do'sul. re-
cebendo impressos e objeetos a regisirar al I
hora da tarde e cartas ordinarias at i horas
ou 3 1/2 com porte duplo.
Administraco dos Correios de Pernarabnr,
3 d Janeiro de 1889.
O administrador.
Affon-o do Kego Barros.
Fi6 convidados os socios desta associa^o-
nara reunirem-se em asscmbla geral na sean
.deste Club, no dia 3 de Jan-ir > pioximo vin-
A redaegao deste interessanle peridico livre' ,iouro 6^ meia horas ((il iarje? .^^ de ^
Laaterna Marica
e humorisiico mudm-se da roa do R.iugel n. 16
para o Pateo d T.-rgo n. K, onde est estable-
cida a ai-reditada/inl.'iila litliographica da SK
Antonio Carlos Borroiften, na qual passa a ser
imprssu aqelle peridico.
Dr. Braiic^at^
E' do theor siguinte., o attestado que este
respeitaveJ. medico, membro titular da Im-
perial Aeadmia de Medicina, d Kio de
Janeire, passou a favor do I'eitoral de
Cambar:
Attesto que o preparado do Sr. J.
Alvares de S. Sores, denominado r'eito-
torul a\ Cmara, xe-refeaccao bcuelica so-
bre a mucosa das ?ias respiratorias,
que teuBo* obserulo em minha clmica,
sendo'mmha opiniao que pode 'ser elle ap-
ido com prebabilidade de* bom xito
para alliviar as toases e mesmo cural-as.
Dr. Manoel Alves da Costa Brincante. \
LOipletaniente desengaa lo que nao hayeri^
Agente Stepple
a minha
ino amigo
i-meaexp rimentar
i piim i
m i- man
as fa. uldades de direito.
apenas
' lo albura
saude. por
depois de algum
cora 'anta IVIicid
nlia n desapparecido
nao Ihe a_ri
11,e tambem
que lenlia a ni".
nal que j pa poder
r d-st.' ; u
loOe I signando de Vmc. criado obrigadissimo. oato
arrufa ti-
qu tnha
-rni'.oin-
ma fila
lijen lo-
caigj ou
i tecer do
: Alves.
Sem uvi.ki alguma, as1 dJhehiHnas qne con-1 E-tava sellado comum
ir'd stituem e curso d
estampilha de StWrs,!
inutilisada da maneira sCgamte :
Previnimos ao publico i|ue, lia j aUum tem-
po, se vende, com X-irope de liaban > o.
de Grima ilt <, t o conhecido para eonb'.itr
o Iyittpiutis.no, ozigre, eru,.yoes di pelle as
criaugis pil rara imped'r
penfarte i is glndulas do p'ecocb, dissolvel-aj
e o-xcitar o appeiite, um > icad.) B'ie,
neofe no rotulo, se om o de Gi i-
mault.
Exija pois o comprador'que o papel imarc lo.
3 -niveo fusco. ira;M estampado nome
e Grimauli i li, em relev-
corno do |pel prospecta I
por serem irascos
WBn proxi no passalu, ie line
cetico 'uma factura- coafirma** a H^H
dade
Sociedade Liberal Pernam-
bucana
Fi^a adiada para o dia 0 d ton.HO vlndon-
ro, pelas 6 horas da tarde e no Ingar desiai
a reouio dos rs. que coucornaram na re
rago da Sociedade Lioeral eniambueana.
O secrelario interino,
O. O. A.
Club Internacional de
Regatas
i
tar-se da reforma dos estatuto:-
Recife, 3o de r>-zembm de 18 8.
Artkur de Souza Carvalho,
i.' secrelario.
I" suego. Secretarla da Presidencia .1* i'er-
nambuco, era l de ez mbm ile fa secretaria se. Taz rrablr a quem rde-essar
possa que se acha nesta repartigkr,- utim enlrepue depois de pa.'us os devi.los V-
reil-.s. a patente de major comman.lanle do y
esqnadro de ravallana da guarda na< ional da
comarca -le Rom i^nseiho Murad Alv.-s aval-
can'e. reformlo no meatno posto por decreto t
.1 .le Oiiunro ulliuio; e tiera assim a do tenee-
te-coron I emninandante do 64 batalho de in-
l'antaria-la conraica de -mas Mas. Victorino
Jo.- da R .clnl e Sojza, reformado no p-wti> de
coronel p .r decreto de i < do mesmo mea e
.lo 0 secrelario nterin >.
Jonqurm Silveira.
--^-*i
i
MAB1TIM0S
Companhia B$*sleira de
Nave^acSo Vapor
PORWSDOSL
O vapor Maranhao
"(:' esperado dos portos do jiorie %
odi.. 14 de Jan ira e depon da de-
inora uidispensavet seguir aura 01
portos do sul.
Wbe lamiMin cana para Sames, Santa Ca-
(harin i, Pelous, Vorto Alegre e Biu fifamte en
Sul, freie mdico
lineadas ssjerftoi
da Si
res trala-so co.u os G!


1


___________. .::..

_

i
Biario de PernambucoQuinta-feira 3 de Janeiro de T889
PORTOS DG NORTE
O vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco de
Almeida
E* esporado tos portps do sul al o
dia 7 de Janeiro e scjiuindo depois
'da demora ndispensave para os
porros do norte at Manos.
As encommendas sao recebida* na agenci^
'at 1 horada tarde do da du sahida
Para ejirga, encoauaendas, passageos e valo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
L. 6Roa do Cknmerdo6
Io andar_______________
"chargersreunTs
(ompanhia FrMWeu
DE
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
LEILOIS
jLeilo
De moris, espelbee, jarros, loncsa, nr
dTOB 6 amitos otaros objectos de casa
de familia.
QUINTA-FEIRA 3 DE JANEIRO
. A" 11 korai
No segundo andar do sobrado do largo do > or-
po SaDlo n. 13
Por iatervencao do agente
Gusmao
Navegaro
Linha quinzenal entre
Pernambuco, Babia,
Santos.
O VAPOR
Ville de Santos
Agente Burlamaqui
Leilo
De 1} sacros com assucar snrtidos
No armaxem da ra du Apollo n 32, boje, as
10 horas.
O agente cima por mandado do Bxm. Sr.
r.juiz de direito do civel, a reqnerimeuto de
r..ncisco Morotheu Rudrifrnes da Silva, vender
em leilo 124 saccusi-om assn todos a I>. Mtfm Joaquina da Conceic&o. os
quaes se achara dep isiiad >s no annazeiu cima
X'
Leilo
dia 7{:
da in-
Grande leilo
Commandante Tauquery
E'esperado da Europa at odia 7jl)e mobilia de faiae vime, eepelaos ovaea.
do correnle. seguindo depois J
dispensavel damura paraa
De urna caixa matea AD&C e R em baixo n.
2861 com 45 pecas de cassineta de algod>'io des-
embarcadas do vapor alleraao Campia vindo
de Uamburgo no dia 4 de Dezembro, avadadas
d'agua saleada as quaes serao vendidas por con-
ta e risco de quem perten> er,
Sexta-felra -4 de Janeiro
A's 11 hora
Ra do Imperrdor n. 39
Leilo
das duas canas dn na do onde da Ba-Vista,
outr'ora Caminho Novo ns. 68 e 70, edificada etu
chaos proiirios.
*exfa-felra 4 do frrente
A's 11 horas %
Agente Pinto
Ra Mrquez de Olinda n. 52
Em continuaoo
m terreno em Bou-Viagi-m, 1 bumlja e 400
tijolinhos.
Pestaa
Baha, Rio de Janeiro e Santos
Ropa-se aos Srs. importadores de Carga pelos
vapores desta liona, queiram apresenlar dentro
de 6 dias a contar do da descarga dasalvarengas
quahjuer reclamaco concernente a volumes (|ue
porventura lenham seguido para os portos do
sul afta de se poderem dar a *
delicias necessaras.
Expirado o referido puazo a companhia nao se
respansaiiilsa por evtravior.
Para carga, passageos, encommendas e di
nheirb a frete : trata-se com o
AGENTE
npsCe Labille
9 RMA D< COMMtRCIO
piano forte do fabricante Tranchant.
quadros, atoniana estufada e forrada
seda, cortinados e reposteiros de damas-
co de seda, movis de sala de jantar e
quartos, pojcellanas, ciystaes, loucas,
vidros, trem de cozinha e diversas
plantas.
exta-feira 4 de Janeiro de
1889
A'S 10 E MEIA HORAS
No segando andar e sotao do sobrado
ra da Imperatriz n. 11/
ft agente Gusmao, airtorwado pelo Ulna-, e
Exm. Sr. Dr. Tt.omnz Garcez Paranhos Mooieoe
que foi Baha com sua Exilia, familia,
9
Royal Mail Steam Packet
v^ Companhia
O paquete Tagus
Commandante P. Rowsell
Espera-se da Europa at o 9ia 4 de
ndo depois
da demora
'Janeiro, segojido
'do costme para
Macelo. Balda, Rio de. Janeiro.
Kan I os. Montevideo e JJuenos-
Ayres.
O paquete Trent
Commandante W. Cbopmam
E' esperado do sul no dia 6 de Ja
neiro e seguindo depois da demora
na para
Usboa. Vo. Mouthampton e
Antuerpia
Reducqao de passagent
Ida lia e mita
ii Lisboa 1* classe t 20 30
A' Soutliampton i classe i -i 42
'Camarotes reservados para os paasageiros de
Pernambuco.
Para passageos, fretes, enconunendas, trata-se
dom os
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Ra do Ron JessN. 3
pro,
Gira
casa
y-:......
leilo de todos os objectos existentes em
de sua residencia.
Ultimo leilo
do predio n. 7 da ra do Ana!, servindo dbase
a oftVrta -obtida, e do sobrado da na Coronel
Suassuna n. 12, em que tem os herdeiros de Jos
Maa Ferreira da Cunha seis sextas partes; isto
por mandado e eui presenea rio IIun. Sr. Dr. ju z
substituto los feitos da fazenda.
Nexla-felra t do corrate
A's 11 horas
Agente Pinto
Rita Mrquez de Olinda n. 52
Leilo
United States and Brazil
M. S. S. C. J.
O vapor Finance
E' esperado dos portos do
norte at o dia 10 de Ja-
neiro o quaJ depois da de-
mora atcessaru seguir
para a
Rahla: Rio e Mantos
Para caiga, passagens, encommendas e di-
nbeiro a frete : trata-se com os GENTES.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos do
sul at o dia 1" de Janei-
ro o qual depois da demo-
ra necessana seguir
1 para o
Para, Bar Hados. Themaz e
New-Yrk
' Para carpa, passapens. encommendas e di-
nheiro a Irete: trata-ce com <>s
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Comrnero8
1* andar
Companhie de Messageries
Maritimes
O paquete Niger
Commandaite Fiaschi
E'esperado da Enropa io
dia 4 de Janeiro e seguir
: depois da demora neces-
saria para
Babia, Rio de Janeiro t Bumot-Ayres e
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passapeiros de todas as
classes que ha lugares reservados para esta
agencia, que podem tomar em uaiquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedoiea de mepado-
ras que se attender a reclamacoes por fal-
tos, V volumes, que forem reconbecidas na
ccasio da descarpa, assim como deverao den-
jro de 4* horaa contar do da da descarga w
alvarenpas. fazerem qualquer reclamajo con-
eemrntesa volumes que- pwvennjra tenham se-
snido para os portos do sul, ahm de poder-se
dar a tempo as providencias necessanas.
Para carga, passapens, encommendas e i-
ihero a frete: tratase com o
AGENTE
Augste Labille
9 __ Ruu do Commerdo 9
Porto e Lisboa
Segne para os portos cima a barca portupue-
W. Noro Sunco, recebe car. a tratar com Bal
tor, QlrveirB A C. Ra doVJ|irio n. 1, Io andar.
? Part o Porta
Brigifce portuguez Armando
j| todo engajado qnasi todo sen carrepametto
pan itr bruvemente, ainda reoeae algna ta*.
la a frete; a tratar seai Amorim Irmos A C.
Do cincoenta duaias de chales ava'riadoe
Sexta-felra, 5 de Janeiro
A's 11 horas
O agente Pinto, levar a eilSo por conta e
risco de quem perteno-r a caixa marca T. P.. n.
2435, comend 50 duzias de chales de aigodo
descarregada de bord.i do va,-.or ailemo Lampo
*ez comavaria d'agna domar.
O leHSo ter lugar no armazem da ra do
Mrquez de Olinda n. 52.
Leilo
de una borra prava de tbgo, 1 earteira, 1 repar-
timento de esenptorio, 1 burra de ferro, t secre-
taria grande 1 rengio, 1 baianca.
Um batco, 1 arnacSo, 1 flteiro envidraeado,
2 ditas para parede e outros movis de escri-
torio.
Aexta-felra 4 do corrente
A's 11 horas
Asente Pinto
Rita Mrquez de Olinda n. 52
Agente
Leilo
De movis, loucas, vidros pianoe, e passaros
Sextn-feira,ji do corrente
A's 11 horas em ponto
Xa armazem A ra do Impera-
dor n. 4
O agente Pestaa, ten do de entregar a chave
do uiesmo armazem, vender no dia e hora
cima men iona'tos, por coma e risco de quem
p> rtencer o& movis .eguinies:
Una mobilia de pao carga, t dita de oiticica,
1 piano de cauda, 1 dito de armario, 1 dito de
mesa, I guarda-louva, t piarda vestido, mezas
elsticas, cadeiras de junco, camas francezas,
jarros, larftcrnas. quadros, carteiras, camas de
ferro, mezas rodondas, commodas, metas elas-
th-as, passaros, e muHos object'isquese acharo
patentes ao acto daleDo e sera vendidos sem
reserva de preco_______________
Agente Brito
Leilo
De larmagao. pipa-1 anim adas, baianca. pesos
medidas, aaeite ue carrapato, logeas e diversas
oulras mercaduras; tude uO correr do martello
e existentes na casa a roa ta Santa Cnn n. o.
Garante-sea casa.
Sexta-felra, 4 do corre-te
A's 10 1|2 horas
Leilo
PEHE1IU MAGALHAES
Recebedores d.rectos dos mercados da Europa
liqudam os seguintes artigos com descont de 14 \ as
vendas em grosso
Bramantes de algodSo superiores, a 800 rs. o metro, 4 larguras.
dem de puro linho fazenda de 20200 para acabar a 10500, metro.
Atoalhado alvo, duas larguras, a 700 rs., 10100 e 10200 o dito.
Aigodo alvo, nacional, para lences a 50500 a peca.
Madapoiao americano, a 30600, 40000 e 60000, com 24 jardas.
Maripozas de cores a 220 rs. o covado.
Chitas claras e escuras, cores firmes, a 200 rs. o dito.
Batistes dem a 120 rs. o dito.
Zefiros de quadrinhos, a 80, KJO e 200 rs. o dito.
Iferinos lisos de urna largura a 200 rs. o dito.
dem de quadros modernos 280 e 300 rs. o dito.
Fichas de renda chics a 10000.
oJeha8 trancezas de cores a 20000 e 40000, urna. *
Lences de bramante a l-?800, para, cama de casal.
Casimiras de eres para roupa de crianc^ a 10000 e 10800, diagonal, duas
larguras.
Camisas inglezas e francezas a 260000 e 300000 a duza.
Tapetes aveludados. grandes, a 14|000 um.
Cortinados ricamente bordados a 50500 e 60000-
Pannos de cores para mesa a 10100 e 10300 o covado.
Cheviot preto e acul, a 30000 o dito.
Brins pardos e de cores a 280 rs. o dito.
Veludilhos de-cores e pretos a 900 rs. o dito.
Rendas austracas para vestidoa a 500 e 560 rs. o dito.
Setins de todas^as cores a 900 rs. o dte.
Setinetas lavradas 200 e 240 rs. o dito.
Alpacas modernas, lavradas, a 240 rs. o dito.
Meias cruas inglezas para horaenr a 20500 c 30 00 a duza.
Cerwulas bordadas, de bramante, a 120000 e 160000 a dito.
Cortes de easemiras para calca a 40000 e 60000.
dem de moia casemira a 20000.
Toalhas grandes para rosto a 40000 a duza.
E mu tos artigos que sero hombrados com apresenga de nossos leitores.
59Ra Duque de Caxias59
LOJA
De mesas, mochos, bancos, cabides. cadeiras,
loucas para almoco e jantar,coi>os, clices, eo-
lheres, talheres e trem de cosinba.
Wabbado & do eorrente
A's 11 hora
No betel sito a do Amorim n. 44
POR INTERVENCAO DO AGENTE
Gusmao
AVISOS DIVERSOS
Registro civil
Leilo
de 2| mobilas, 1 piano, cascaes e mangas, jar-
ros, quadros, candieiros i. gaz, redomas e ta-
petes,
Mesa clstica, guarda-louca, apparadores, ca-
deiras, guarda-coaaida; Iooom vidro*.
Camas francezas, msrquexoes, guarda-vestido,
guarda-roupa, commodas, lavatorios, berco e
muitos outros movis de easa de familia.
Sexa-feira 4 do corrente
A's 11 horas
Agente Pinto
Ra Mrquez de Olinda n. 52
O eartorio do registro da paroehia de Santo-
Antonio roa do Imperador n. 42, V andar.
0 oflicial.
Coriolanode Abren.
| J J-l J. T I I .1 *
Amas
Preeisa-se na ra da llmo n. 13, da miu ama
para cosiaha e de ouira jiaia o ser>%o interno
de casa de lamiita.
t
Jos Francisco de Amida Faicao e sua mulher
O. Auna Umbelina de Arrua Falcoo Ufcou, Ma-
nqel Das de Amula Faicao e sua mulher, O.
Trinua Ue Barros Faicao, Joo Custodio de tarrus
Costa, D. Mana llieodoliiia de barros Costa, Bai-
tbazar Cavaicaate de Albuquerque e sua muUier,
. Felisniina de Barros Cavalcante, convidam a
todos os seu prenles e amigos para assistirem
amissauodia sexta-b-a 4 j0 eerrreBte, que
mandam celebrar no oratorio do eugeobo Piraa-
bira, as 8 horas, pela akua de sua sempre lem-
dnada tia Dionisia Mana dos Prazeres, sptimo
dia do seu passamento c desde ja se conlessum
agradecidos a todos que couiprecexem a este
acto de regto e caridade.______
KANANGAdoJAPAO
RIGAUD yt C, Perfumistas
- 8, Rh Vl-tena. 8. FaJUS
>. "~l ^~hOOA^*'^"~^-^-^
4 &gM 4* 0OLB&Xlg, tocto a mau refrige-,
a que nwU vigor di 4 pello, e que mais branque*
cutis, perfumando-a dalicauunente.
$XtCtO di t&nng, saariMteo amuwmk,
perfume para o lenvo.
80 di (Knngi, Ueacora do eabellaa *m abrll-
baata, taz cresom lpade de oeir.
S&bcaHi di $&nn&, i. egndmi
ceoaea i cutis sua nacarada transparencia.
S di Cn&ng, branques a tes
cor mu e a preeerveo de
Vapinto na principas Pti fimmUl

De sabor mu aaradavel, o VINHO do Doator TTVTEN 6 re-
ceitedo por todos ot medico prt o aehitimo. Eicrophulat.Antmia,
UeietiM de P*ito, Cmtarrho pulmonar, DeiiMmdt\ ele.
, O**. SO, Ftovlfrmrd S^UDE PARA TODOS.
PILULAS HOLLOWAY
As Pltulas pu. Iflcao o Saflgua; eavlgem toiat as imrdems de Eitomago 9
os Im ^tl008.
le du wtihxjot* delicadas, e sao d'nm valor inerivel r"twfat m enferiidadei
:lo feminino em lodu u erlailes. Paa'i meninos isnm como umtiem para a*
peuoa* de idade avanzada a sua < ffioicU incoateuavel.
Em tatioMM So *V carada* tmente o F^taMecnemo do Profesur
11, VSW 0X70Rn STBXET (antea 5 1. Oxf jrd S r.t).

** HUao.
E >adenHa es uiu u ohirmacia do iialaM
mt&a uninar o> ncolos da i
Oinc&Q. 533. O"* Street, Uo ulsicaOlMfc,
m Holuiwa,
Loaaaic,
i poto*
mta minar o. mulos da cada caixa Rjte te lo MrSa
PEREIRA HAfiALHAES
Capsulas
Mathey-Caylus
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas Mathey.Caylus com Envolucro deloao ae Gluten nlo fatigSo nunca
e estomago e sao recoinmendadas pelos Professores das Fuculdades de Medecina e
os Mdicos dos Hosnitaes de Paris, Londres e New-York, para a cura rpida dos :
Cerrimentos amigos ou recentes, a Gonorrhea, a Blennorrhagia, a Cystlte
du Collo, O Catarrho e as Molestia da Rengas e dos org&ot genito urinario.
iUs Urna rp/ieaeJo dittlhadi teompamtm' cade Fritco.
EaifOi* *u Verdaderas Capsulas Mathey-Caylus de CLIN A O, de PAUS, 1
_^ que se achao em casa dos DroguitUu Phmrmaeeutioo, ^#7
rNDICAO GERAL
ALLAN PATERSON & C.
N. 44Ra do Bram-N. 44
JUNTO A E8TJ0 DOS BONDS
Tem para vender, por preces mdicos, as sgnintM ferragens :
Tachas fundidas, batidas e caldeadas.
Criva5os de diversos tamaitos.
Rodas de espora, idem, dem.
Ditas angulares, dem, idem.
Bancos de forro com serra circular.
Oradeamento para jardim.
Vanadas de ferro balido.
' Ditas de dito fundido, de lindos modelos.
Portas de fornalka.
Vapores de forca de 3, 5, e 6 csvallos.
Mocndas de lO a 40 pollegadas de pasadura.
Rodas d'agua, systema Leandro.
Encarregam-se de concertos, e asaentamento de machinismo e execatam qual-
qner trabalho com perfeic2o e presteza.
INJECTION CADET
Cura certa em 3 dias sem outro medicamento
PAItJS 7, Boulevttrd Itenain, 7 PAR18
Depsitos em todas as principies Fnarmaelas e Drogaras.
VERDADEInGS CRAOSdeSAUDE do DFR'ANCK-
e UCBNCIADOS PCI.A IIMUSfOIIU GBRAL DB HTOIBNS DO IMPERIO DO BBttSK.
AHWttltt, Catomachlcoa, Pepgettvoa. Oepurativoa V
*Xintra a FaMa de appetlte. a Obatmcee. a Xnavenaca, as Vertaoe,
as OoDreateea, etc. Dou ordinaria : i, i d S oran
tj Desconfiar as ralslflcar;ncs Kxlglr o roalo liiDto imprimido em francet
" c^ u^JSae^^diiSSt. e 0 Siilt di Onii<> .n Fikrieaito.
Carvo de coke, alcalrto
ignade amoioiia
Os propretarios es-
to preparados para
upprirem coke, (car-
vo), entreg-ando-se o
mesmo as casas da
pessas que compra
rem de dez saceos pa-
ra cima.
Para combustivel
quente e de pouca fu-
maca, nenhuma outra
substancia solida pode
ser comparada com o
coke em economa, ef-
ficiencia e limpeza.
Este carvo, coke,
especial para qualquer
fo^o, forno, caldeira
a vapor, quetenha cha-
min.
Tambem o alcatrao
(Tar) em latas ou bar-
ris, que de muito va-
lor, especialmente nos
climas quelites, para
preservaeo do ferro,
da pedra, tijolos, ladri-
lhos, asphaltos, ou pa-
ra effeitos antispticos.
Para destrui^o das
savas, formig'as, nao
ha preparaco ig-ual a
a gil a de ammonio, a
qual perfeitamentc
benfica e grandemen-
te estimulante a yeg'e-
taco, o ammonio sup*
pre um dos elementos.
mais fertilisantes.
Ser suprido em la-
tas ou barris por pre-
sos redusidos.
Qualquer informa-
cularidades sero ob-
tidas na fabrica do ga&
ou no escriptorio a rui
do Imperador n. 29, ou
poderao tambem ser
dadas pelos nmeros
telephonieos 39 e 40.
*.%.


N.






FORMULA
5~i~a^~^l
20
Approvada pela Inspectora
Geralida Hygiene Publica do Rio de Janeiro em
de Julho < IW7
.Ip deporalivo dft grande rffii acia as moleslias syphilt#as e pa-
reza do sr.ngne. Para maior g.irai.iia da i ffi. acia dt-sle medicamcnln, pablicoii-
se gramle- numero de alistados de algims Sis. mdicos fesiderHw nesta
provincia e de muims cavalluiroa "que loem feilo uso deste depurativo, em nn-
mrro uprrior a 300^ j notando se 50 pessoas que se curaram da terrhrel beri-
beri com 'Si'po:li roso d.-pnralivo.
uso desle EJixir muito recommend .du no tratamento gerai das mo-
lestias senhoras e a pr va .est no bom re>ukado que lem oblido aquellas
fias E*mM Senhoras que d He tem usa.In.
XWXDOQO K XJS-AJa
Oe adulto?, ti.inaieo quairo coUteus las ile sopa pela m.uih e qnatro
noUe. k ctiancas de I a anuos tm .rao urna colher pela marilia e oMtra a
noile, e os1 de 5 a 11 anuos (ia'o duas colneres pela manila e duas Ioip
Devirio jotoar bandos, fri ou momo pela manhie noile. Resguardo regular.
plonlra-se venda na drogara los Srs. Francisco Manovl da Si ka &
C, ra do Mrquez de Olioa a. 2J e pharmaoia Oriental ra Estreita de
Rosario n 3
0'anctor deste preparado pode ser procurado na rna do Bar&o da Victo-
ria n. .37, onde sei encontrado para dar toda e qualquer explicaco que
for precisa.


*





SABOimS KL.DICAMEIIOSOS
* OR'MAULT C
SABONETE SULFUROSO^r. a. bor-
Otuhas. m manchal e a ii r ertsp-
cim eo ao nrraifeMaVi ni "pella.
SXtOlfFTE SLFRO-ALCALIHO eha-
inaOo jabonete e Helmenck. contra a
ama. a linha, malhat escamota" a
BUyriiu docouro cabelludo.
SAIONETE oe ALCATRAO na N0RUE8A
eropregado nos meamos caaos que o pre-
cedente.
SABONETE BE ACIDO PHENICOpre-
serviilivn e aiitiepiouiniro.
SABONETE d; ALCATRAO com BRAX
contra as aftV< c^a cutneas, chronicasoa
ligeiraa, crostas de leite, dartroa. eexen a.
Deposito era PARS 8 rm Virienne.
f
i
Y -
\
Jfe
fminittrt(o : PAklZ Boalerardonrmirtra.
| GRANDE-OMLLE. AH.'ecr* Ivmnhatirai, Pom-I
S,<.iat.! s JHtMtin .Olxtrurm ,l (lindo dolfo,f
intO'd t linraet. Coocrecde c 1, ..los da til-.
IHOPITAI.. AO-oVs'dtejas li.- lo do tarugo O.gestao d fcil, 1 n..| uateocia, j
Has ralgLU. Dr pepiw.
| CLESTIN8.- AaVroVa rto rin. da beriit,*n
Coa.-r.-fA. ia> ..nnnas.fioia, D ..i*t s. Alo tiaar
|H. .TEK VE ABeeffe9di>.rin J.i bn> COocrocoos uod.q-s.GuU, Diabe e-, *"----11 rh f
extja-se o mz a Jim m ursou
fea. Parnam/eo, u Agw m PonUB *> Viofcy,
ar.mi ooMteatt. uo-a. mi cw de
I SUTJSEB KOEcmjM.ii.ra -iC-ai:Ang I
hssVL-nssVsssss-sVH -
H:B0 BRAVflIS
combar*
COM
ilHcicla
ANEMIA CLOROSIS CORES PALLIDA8
jceesse/Ase'eeosic.t. > jn Aa pusM frs adatatedes ree,;aeeereee>eMes>eeleflto do saagme. Tam-se
sasM t mU e"ea jpertai ot rtJtte. XTtmtroiM latltasM. Xxlfdr a Arma &. B&-.7AZX
tajrlmll raati-w Deposito aa ssxtW peu-ts dmm PAuumlkcias.
______,_____
KT- .-.
<*
e
i



Diario de PernambucoQuinta-feira 3 de Janeiro de 1889
*s
oDerby

-.
*


m

recebeu grande sortimen-
e camisas de tures propras
ores do Prado e est venden-
io-flr precos sem competencia.
^ Recebeu tambem collarinhos e punhos
/ de borracha de formatos novos.
48bita bakXojOA victoria-48
"IrtSSre Lilhographia
FABRICA DE LIVROS DE ESCRLPTU-
-BACAO
premiada as exposl? es de
188* fINM
Manoel J. de Miranda
EncadernacSo e especialidades em cartes de
visitas.
3^-KBa Duque de Caxias-59
Telephone n. 19*:__
Urgencia!!!
Segunda chanada
j Na ra Duque de Casias n. 87 ha
diversas cartas para seren entregues pes-
soalmcnte aos Srs. abaixo.
Luiz Jos da Silva Cajazeira (Olinda).
Francisco Pacifico do maral. .
JoSo Jos de Araujo.
Joao Rodrigues Damaceno.
Custodio Gomes Ferreira (Rio Formoso).
Jos Fernandes Ramos.
D. Olindina Mariz.
Manoel Antonio Xavier de Brito.
Augusto Cmara._______^^_____
Ao commercio
"Jos Adolpho de Oliveira Lima, socio da hnna
commercial desta praca. Rodrigues Lima & L.,
fm sciente a quem interessar que, a contar de z
do corrente mez passou a assignar-se
Jos Adolpho Rodrigues lAtna.
O Vigpr
do
Cabello
do
Dr. Ayer.
Preparado Sob
Bases Scientiflcaa
B Physiologioas.
para o
Toucaox
0 Vigor do Cabello
Do Dr. Ayer.
Derolva. cora o brilho e frescura da jnTentodw o
cmbrllo gTtaalho uu brame urna rio cor lio-
ral, castanho ou preto, coma se desoja. .Palo as.
uao, ao casco claro oa rozo fiode dar-*a una cor
escora, e groasora ao cabello fino, emquanto que
freqoen temen te cura a calricie, porem ero sempre.
Iropede a queda do cabello, estimulando o de fl
enfermo a eresoer rigorosamente. Reprime o pro-
rresso e cara a tinha e caspa, curando quasl todas a*
doencas peculiares do perlcraneo. Como Coarc eti-
co para aibnnoeeatr o cabello das Senhonw o
Vigor nio tem riTal; 0*0 conten aaelte on tjnti al-
guna, torna o cabello suave, brilbante e sedoso na
apparencia, e commnnica-lhe um perfume tlicfcio,
agradtrel c permanecte.
PltlFAllADO PILO
DR. J. C. AYER k CA-,
Ixmell, Mass., T.. V. A.
A' venda as prlncipaes pharrnacias mrofarii
TJM
REMEDIO
HFALLIYEL
em todo o caso de
RHEUMATISMO
Impurezas do Sangue, Ernpes, Esch
fulas, ulceras, Siprife
e toda affeccao de natuneza
eruptiva ou venrea
SLSPARRILHA
DE BRISTOL
0 Remedio de Familia por excellencia!
Offerece-se
um menino portugus, de conducta afianzada,
com pequea pratica, para caixeiro de armazem
de molhados; quera pretender dirija-se ra
larga do Rosario n. 34.
Cautellas do Monte de Socco.ro
Compra-se rautellas do Monte de Soccorro de
qualquer joia, brilhantes e relogios; paga-se
bem na Praga da Independencia n. yioja de
relojoeiro.
Carolos de alg^odo
Compra-se carocos de algodjSo ensaccados, en-
tregues nos armazens, ra do Barao do Trium-
pho a. 10, l e 14 ; ao preco de 380 ris por 15
Criado
Precisase de um rapaz at
vessa do.Corpo Santo n>*7.
15 annos ; tra
Attemjo
Vende-se a armacao envidracada da casa n. 4
do becco da Lingoeta, garante-se a chave: a tra-
tar na ra das Larangeiras n. 2.___________
I

Caixeiro
Ptecisa-se de um caixeiro com idade de 11 on
14 annos; a tratar no pateo do Terco n. 19.
Pao centeio
tulle (t Biset, avisam ao respeitavel publico,
me todas as tercas e sextas feiras, tem este sa-
leroso pao; ra larga do Rosario n. 40.
Mais La Descoberla!
E' prodigioso
O maravUIosd sabio russo, em poucos
nonos tem firmado o seu crdito, por toda
arte onde apparece confirma os seus pro-
digiosos effeitos. Alm de muitas outras
molestias, serve com seguranca para as
seg tintes: reumatismo, dores de cabeca e
euvdo, inflamacoes de olhos, contusBes,
queimadura, ulceras, mordeduras de in-
soblos venenosos, empigens, dartros ery-
Mpela; para o toucador de inteira neces-
nude, para amaciar a pelle. fazer barba,
tirar caspas, e para obanho.
Nao ha igual
A venda naconbecida casa de porfuma-
rias e modas.
Pedro A-.une* k C J
RA DUQUE DE CAXIAS
Cha preto superior
Carlos Sinden avisa seus amigos e fre-
jnezes em geral que recebeu pelo ultimo
rapor cha prto novo e superior que ven-
de por precos mais resumidos em vista
da continuadlo do cambi avoravel.
Convem que experimentem.
48 RUADO BARAO DA VICTORIA 4a
Advogado
Aviso aos agricultores
Emilio Billion, engenheiro mecnico
nico represantarite da illustre casa Bidu
Frres, de Ham (Franca) bem conhecida
pelas suas machinas e apparelhos os mais
aperfeicoados para a fabncacSo de assucar,
como pde-se verificar j>ela Usina Bam-
burral e tambem urna parte montada da
Usina Bosque, onde forneceu os appare-
lhos ; encarrega-se de montar novos appa-
relhos mais aperfeicoados. O assucar se-
r fabricado pelo mesmo systema que o
da Usina Bamburral, um dos mais acre-
ditados da praca. Garante-se no mnimo
9 li2 [0 de assucar cristalisado de todos
os jactos e 10 1|5 \0 com moenda o re-
pressSo.
As condicoes as mais vantajosas serlo
feitas aos Srs. agricultores. Para as in-
formac3es na Usina Bamburral.
Alugam-se barato
as segrales casas : Caes do Apollo n. 78 (1 e
. :uidares), ra do Brura n. 84 (2. e 3.- an-
dares), ra da Concordia n. 60.; a tratar ra
larga do Rosario n, 34, pharraacia.
Alugam-se
o grande sobrado n. 30 da ra do Capitao Lima,
em Santo Amaro e as casas terreas ns. 18 e 20
da mesma ra, com bastantes commodos: a tra-
tar na lithographia de J. E. Purcell, na Mr-
quez de Olrada n. 8. ^
' Aluga-se
e 2.* andar da casa a ra da Aurora n. 81 (junto
estacito da estrada de ferro de Olinda), com
grandes commodos para familia; a tratar no es-
criptorio de Sebastio de Barros Brrelo, a wa
do Bom Jess n. 16, l. andar.____________
Aluffa-se barato
Ra do Rosario n. 39.
Visconde de Goyanna ns. 163 e 159.
Baixa Verde n: 1 C. (Capunga).
Ba Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ra das Crioulas, Capunga n. 15 B.
Ra Vidal de Negreiros n. 45.
Trata-se na ra do Commercio n. 5,1.* andar,
escriptoro de Silva GuimarSes 4 C.________
na ra de
0 bacliarel Jaronymo Waterno Pereira de Car-
aUto mudou seu escrlptorio do u. 55 para o n.
5 a ra Duque de Caxias entrada pelo becco da
8ngregacao. ____________ .
m
FOLHETII
| J I POR
JULIO MAR Y
T-
Ao commercio
Conrad Wachemann (antiga casa Otto
Bohres) partecipa que mudou seu arma-
zem de miudezac e ferragens para a ra
Bispo Sardinha n. 1, em frente do Viga-
rio Tenorio*.
Cozinheira
Precisa se de urna boa cozinheira que durma
em casa dos patroes, para casa de pequea fa-
milia, na ra do Conde da Ba-Visla n. 24 F.,
porto de ferro.
Cozinheiro
Precisa-se de um cozinheiro, na ra do Bario
do Triumphon. 80, armazem.
Criada
Na ra da Uniao n. 27, precisa se de urna
criada para cuidar de duas criangas, de 5 e 3
annos de idade e que saiba engommar, prefere-se
idosa.
Feitor
Precisa-se de um feitor que preste todo servi-
co de um sitio: a tratar na ra de Pedro Affonso
n.58.
Precisa-se de urna para cozinhar
edro Affonso n. 58.
Ama
Na ra velha de Santa Rita n. 89, precisa-se de
urna para comprar, cozinhar e mais servico do-
mestico.
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinbar, na ra
do Rangel n. 9, padaria. _____^^^^^
Ama
Precisa-se de urna ama para andar com meni
as e fazer algum servico de casa de familia :
na ra da Penna n. 21, primeiro andar.
Ama
Precisa-se de urna para cozinhar
Pedro onso n.2.
na ra de

Precisa-se de una' que saiba engommar bem,
por cima da typographia do Diarto de Pernont-
buco n. tL____________________________
Ama de leite e ama
secca
No Espinheiro, ra de S. Elias n. 10, precisa-
se de urna ama de leite e urna para cuidar de
enanca; pagase bern.____________________
O grande premio
Na ra Formosa n. 33 ha sempre grande
quantidad de cravos brancos e encarnados para
vender.
VENDAS
Vendem-se os utensilios da casa de pasto da
ra Mariz e Barros n. 44; a tratar na mesma.
Terreno barato
Vende-se barato, ou permuta-sc por
na freguezia da Boa-Vista ou da Gra
urna casa
raca, de va-
lor correspondente, um grande terreno na roa
Imperial, de fronte da casa n. 320 (centro), com
335 palmos de frente fe fundo vara a estrada de
Imperial, defronte da casa n. 320 (centro), com
' i frente fe fundo para a estrada de
ferro de S. Francisco, cujos limites atravessa;
proprio para edificac&o e com capacidade para
bons viveiros.
No Caf Ruy, roa do Barao da Victoria n. 56,
se indicar aos pretenden tes apessoa com quem
se trata.
Registro
Vende-se um registro de gaz em perfeko es
tado, na Praca da Independencia n. 35,
Cofres prova de fogo
Carlos Sinden, recebeu ltimamente, e vende
sem competencia: elles antes queseacabem.
Doce novo de caj secco
Tem para vender em latas de 4 kilos, na ra
do Bom Jesns n. 35, armazem.
Botina .ternillosa .
Albino Cruz & C, avisam ao respeita-
vel publico c especialmente aos seu fre-
guezes e amigos, que mudaram o sen es-
tabclecimento de calcados estrangeiros, da
ra 1. de Marco n. 19 para a Praca da
Independencia ns. 1, 3 e 5, onde osperam
continuar a merecer a mesma confianca
que sempre lhes dispensaram todos aquel-
es que mantinham relacSes commerciaes
com sua casa*
_____a___a----M|Mi
El IWWJk PAITE
GONDEMNADA
(Continoajlo do n. 297)
VI
**>.
Nio o salve, de acecido... nao d-lhe
nicamente urna probabilidade de salva-
cao... Abra-lhe urna das portas., Se elle
nao conseguir fugir, que Deus o con-
demnou!
Nao posso! A disciplina !
- Supplico-lhe, reflicta.
A disciplina!
Luciana comprehendeu que nao obteria
mais nada. '
Tornou a deseer banhada em pranto.
O sargento levou muito tempo a scismar.
Quiz tirar algumas fumacas, mas o seu ca-
chimbo tinha-se apagado.
E' a primeira vez na minha vida,
disse elle tornando a accendel-o.
Frantz Schuller fumou at no i te, nilo
se interrompendo senSo a intervallos re-
gulares para ir rondar e rondar as sen-
tinellas. Nao estava de servico naquelle
di-
A' noite quiz dormir, mas estava in-
sjuiutu
A visita de Luciana havia perttrrtjadrro- meO^-nuff Canios, resonavam
Pois bem, Sr. sargento, o senhor
'eontar-lhes-ha mais tarde que urna moca
veio supplicar-lhe para salvar um prlsio-
eiro...
Nao posso 1
E que recusou... e que o prisionei-
remorreu... e que a sua noiva d'ahi por
liante, quando orar por elle, incluir o
seu dome as suas oracSes, mas para amal-
dicoal-o, para pedir a Deus que o puna
Er seu turno na pessoa de sua mulher e
seus filhos.
Nao posso, repito-lhe, nio posso!
E que o impede?
O dever.
Fuzilar esse hornero seria umacruel-
dade intil. O seu dever nao mostrar-
te crueL
A disciplina!
-X O senhor dir entlo mais tarde a
sua nnuher que o respeito disciplina fel-o
commettet urna accio horrivel. Jlga que
sua mulher t> approvar ficar amando-o
mais?
V fallar col* 0S offictes.
Elles nao tem Qtraiihas. No cora-
clo delles s ha odio.^a *
Ohf S.
Nao tm coracSo, repito^b f nao fo-
nal elles que erdenaram a execueSo ?
E eu devo obedecer...
Sr. sargento, supplico-lhe, ser-lbe-
lo aci!...
-A Fcil! Fcil!
pensou elle ainda, pedio-me nicamente
que lhe proporcionasse urna probabilidade
de recuperar a liberdade. E se elle nao
aprbveitar-se della, ou se for mal gucce-
dido, que est escripto que deve mor-
rer... Entlo, se eu fizesse isso, a francezi-
nha nao poderia exprobrar-me cous algu-
rna, nem mesmo a morte ds rapaglo...
Remoeu esta idea muito tempa na ca-
beca.
Sim, pos8vel isso. Pde-le sem-
pre tentar... Contarei a causa mas tardo
a m de que ella me abracar com mai fora.
Levantou-se. Deseen devagarinlo a es-
cada que do seu cubculo cpnduzaao pri-
meiro andar da fabrica. Todos o) com-
partimentos desse pavimento achivam-se
occapados por soldados. Ouvia-ss a sua
ruidosa respiraclo.
Em baixo, a grande sala da fabrica
achava-se atulhada de colchoes dej palha,
de travesseiros e por toda a. pipe,, no
allenlles.
seu socego.
E mesmo verdade_, diz elle coma
go, eu podia dar urna probabilidade
salvacSo quelle rapaz... A franceza era
muito gentil quando fallava-me nelle !...
Nao mostrara mais interesse se se tra-
tasse do proprio noivo della... Certamen-
te Cathanna pensara como ella... Nao fi-
caria de certo contente se soubesse do que
se vai passar... As mulheres nao compre
hendem estas questoes de disciplina*.. Mas
nao son eu o responsavel, nao fui eu que
condemnei morte o rapaz !
Mas depois disto, dizia logo comsigo :
Sim, mas por minha culpa que elle
st prieioneiro... E se Catharina nao ficar
satisfeita, que eu aco mal... Sim, faco
mal, mas a disciplina !...
Reflectio por muito tempo.
E' bem bonitinha a francesa* repe-
ta elle. Se \ minha boa mulher -Catha-
rina a conhecesse, ficaria sua amiga.
Revolvia-ae na cama de palha.
Nao apparecia o somno. A noiie adan-
tava-se.
" Ouvio dar rieia noite na igreja de Gar-
ches, que os o^uzes anda nao hainam to-
cado naquella poca.
Meia no te 1' disse elle. O pobre ra-
paz tem apena seis honre de vida... Se eu
estivewe no lugar delle,como nao havia de
ficar triste a in'nha boa Catharina quando
minha morte!
o dormir, aecendeu o ca-
chiri
EHa nao me disse que o alvasse,
Na extremidade
envidracada dava para
saia, una porta
o pequeo pateo
de Abra para este urna outra pona, a do
quarto em que se achava Gauthiar encer-
rado.
Para fugir pela outra -porta dae dava
para o campo, seria necessario Iludir a
vigilancia das duas sentinellas.
Era'impossivel. i
Para fugir pela porta do patoi, sena
forcoso atravessar a sala atulhada/de prus-

sem
0 BAZAR DO RECIPE
Esta bem conhecida loja de miudezas e
artigos de modas recebeu da Europa bo-
nito sortimento de artigos para a festa,
saber:
Bonecas vestidas moda de Pars.
Diversos brinquedos para criancas.
Lindos leques de phantasia.
Costureiras com msica.
Caixinhas de setim com perfumes.
Elegantes estojos para toiUtte.
Primorosos cartSes de felicita^Ucs.
Porta-relogios para toilette*
Caixinhas para joias. .
Estojos para escripturacao de senhoras.
Perfumaras dos melhores fabricantes.
Um variado sortimento de miudezas.
O BAZAR DO. RECIFE
11BA DO MRQUEZ DE OJJNDA-11
Domingos M. Martin*
Barato
S na loja das Estrellas
56-- RA DIQ11E DE CAVIAS-fi
Telephone n. 91o
O proprietario deste mui acreditado estabeleci-
mento prerine a todas as Exmas. familia?
e freguezes em geraJ, que as maltas pe-
chinchasque costuma aer, nao sao mais
divididas com a sua. ex-casa das LISTRAS
AZUES; portanto, quem quizer comprar por
menos que em outra qualquer parte dirja-
se I.OJA DAS ESTRELLAS, onde encon-
trar um completo e variadissimo sorti-
mento de fazendas que se vendem por pre-
co* que nao lhe podem fazer competencia
como passamos a demonstrar, a saber :
Atoalbado para mesa, de 15800 a 10000.
Dito de cores a 1$ e 15300.
Bramante de quatro larguras a 660 e
759 rs. o metro e de hnho com 10 pal-
mos de largura a 15600.
Brim de" cores para ronpa de crian gas a
280 e 320 rs.
Colchas de crochet de 100 por 54000.
Cortinados bordados a 55 e 65000.
Cortes de cambraia, bordados, brancos
e de cores a 45 e 45500.
Cortes de vestidos, em cartao, a 75000.
Cretones, cores claras e escuras, a 160,
200 e 240 rs. o covado.
Cambraia branca, transparente ou Vic-
toria, a 25800 a peca.
Camisas inglesas para homens a 285000
a rluzia.
Collarinhos, punhos e aberturas de cel-
luloid, um completo, por 25500.
Capas de vidrilhos e tecdos arrendados
a 105, 155 e 205000.
Casacos Jersey a 25500, 35, 45 e 55.
Damass de seda com lindas cores cla-
ras a 15200.
Esteiras brancas e de cores para forro
de sala a 15100 a jarda.
Esguiao de linho, pardo, a 240 e 320 rs.
Enxovaes para baptisado a 55600.
Espartilhos couraca a 35 o 35500.
Fichus a 500, 15 e 15200.
Fustao branco a 240 rs.
Orinal das com finissimos veos de-Blond
a 75000.
GuarnicSes de crochet para sof, a 55500.
Gorgorito preto de seda a 15800.
Guardanapos de linho de 35500 por 25
a duzia.
Leques de fantasa a 400 rs.
Lencos para meninos, a 320'rs. a duzia.
Luvas de seda para senhoras a 15000,
15500, 25 e 25500.
Las e cachemiras de quadros a 160 rs.
Madapolao pelle de ovo, muito fino, a
65000 e americano, com um metro de lar-
guro, de prego de 125 por 75000.
Dito de 85 F>>r 55000.
Merino pset"> com duas larguras a 560
e 700 rs.
Di+o de todas as cores a 500 rs.
Ditos de quadros, lindissimas cores a
240 rs.
Rendas hespanholas a 15600, 15800,
25500 e35000.
Setim Maco, preto e de cores a 750 e
800 rs. *
Dito de quadros, ultima novidade, a 15*
Sargelim de todas as cores de 160 a
200 rs.
Toalhas alcochoados e felpudas a 25500
e 35000 a duzia.
Ditas para banho a 800 e 15200.
Tecidos arrendados, ultima novidacle, a
200 e 240 rs.
Zefiros de todas as cores a 80 rs.
Assim como muitas fazendas que seria
enfadonho mencionar, e que vendemos por
menos 20 \ do que em qualquer outra
parte.


siano8, sem ser visto, sem serouido
ser reconhecido.
Era igualmente impoflsivel.
Exista entretanto -urna probabilidade
de salvacSo, embora muito frafril. Era
essa que o sargento quera offeecer-lhe.
E nada terei a exprobrar-ifc. E Ca-
tharina ficar contente. Mas a |isaplina
a disciplina I
Entrn na sala e lancou
olbos em torno de si. Nao ha1
mente.'a luz, penetrando pelai *jtiella.s,
alluusiaw frouxatnente todos aquelles cor
pos estendidos.
Dirigio-se para o fundo com procaugao.
- O que l ? ouvio elle d'aqu
d'alli, pronunciado por alguna soldados quA
tocara com o pe.
Urna palavra tranquillisava os allemes
que tornavam a dormir.
Na extremidade da sala parou por mui-
to tempo. At deitou-se tambem, fingin-
do dormir, mas' espiando aquelles que po-
-eceio de ser sorpren-T
dido.
Os soldados mais visinhos dormiam] e
resonavam.
Os que estavam mais distantes nao po-
diam vel-o.
Abri a porta com cautella, depois de
haver tirado de um pregoelle quem a
tinha dependurado alla chave do.quarto
do cqntra-mestre.
Esgueirou-se no pateo, de ccaras, in-
troduzio a chave na fechadura e deu volta.
A fechadura, muito secca, soltou um
som plangente.
A porta ficou entreaberta.
O sargento esquivou-se, tornou a deitar-
se ao p dos outros, que nao haviam des-
pertado, e esperou.
Proporcionei-lhe a probabilidade.
Agora elle que a aproveite. Nao posso fa-
zer mais do que isso.
Gauthier, nessa noite, acaSou por ador-
mecer. "
Luzia-lhe ama esperanca no espirito.
Urna vez que me fazem esperar tan-
to tempo, que nao querem executar-me.
Mas entao o que querero de mim ?-..
Supponlio que no terao vontade de en-
gordar-me aqui sem fazer nada...
Alta noite acordou sobresaltado.
Olhou em torno de si, recuperando logo
o curso das* suas ideas, porque tinha o
somno muito ieve.
Que barulho este? murmurouelle.
Parece-me que quizeram entrar aqui no
quarto...
Olhou, applicou q ouvido. Mais nada.
Levantsu-se. Reinava o silencio em tor-
no delle. Smente fora resoava o passo
regular e-montono das sentinellas.
Foi em sonho que ouvi aquello ba-
il ho !
' E tornou a deitar-se, mas o somno, fies-
ta vez, nao lhe appareceu.
. Levantou-se entao e poz-se a passei^
na prisao.
De repente, quando o seu passeio eon-
dul-o para'junto da porUfcdo pateo, para,
estupefacto, e inclina a cabefa.
Nao, de mais murmura elle.
Pareee-lhe que a porta acha-se eutre-
aberU.
Apouco de luz da la passa pela
no -o sorprenden,
hio-lhe a
^^Br a son! i
M.l- i verdade
empurra
abre m
qne
attra-
iulirand" con-
bem
Casa no Cabo
Vende-se urna casa na cidadedo Cabo, muito
grande e fresca, perto do rio e da levada de Ga-
rap, atraz da matriz; a tratar com o Dr. Affonso
de Albuquerque Mello.
coman
M0MMISm______________
P CLERY idM.HW.inrt>
AO TORRADOR
Lima Coutinho & C.
43RA DUQUE DE GAXIAS-^i3
Defronte da Praelnha da In-
dependencia*
EsV; novo estabelecimento intitulado
AO TogRADOR vende sem competen-
cia, coma as Exmas. familias poderao
analysar pelo seus precos.
Lanzinhas>| Ditas de.ditb, a 200, 240 e 280 rs.
Merino de qui4r08, bonitos padro'es a
300 rs.
Ditos lisos enfestadtsa, a 480 ys.
Baptista e nanzuch fin^ a 140 e 240 ra.
Mariposa branca e de cures a 240 r3.
Chitas finas cores fixas a 200 a 240 rs.
Ditas forlaidine a 240 rs.
Cambraia branca bordada a "45500 e
45800 a peca.
Dita Victoria, fina, a 25800 e 35500 a
peca.
Seda de Japao, lindissimos padrocs a
200 rs. o covado.
Dita da Persia, lindos padroes, a 180
rs. o covado.
Sargelins de todos as cores a 160, 200
e 240 rs.
Setinetas lisas, largas, a 860 e 400 rs.
Merinos pretos finos a 800, 15000,15200
e 15500.
Colchas para cama a 15800, 25000 e
35000.
Cortes de casemira de cSr a 25500 e
35000.
Casemira preta, duas larguras, a 15800
25 e 25200.
Madapolao superior com 20 varas a 45,
55OOO e 55500 a peca.
Dito americano, suoerior, a 75200 a
pesa-
Bramante de algodSo para lences a
700 e I5OOO o metro.
Dito de linho superior, com 10 palmos
de lagura a 15600, o metro.
Guardanapos de linho e algodSo a 25 a
duzia.
Toalhas felpudas a 35 e 45500 a duzia.
Atoalhados para mesa, lindissimos pa-
dres, I52OO e 15800 o metro.
Dito trancado, alvo, a 15000 o metro.
Len$ou branoos com barra de cor a 15200
a duzia. *
Ditos superiores, de linho e algodXo, a
252OO a duzia.
Enxovaes para baptisados, completos, por
todos os precos.
Entremeios e babades bordados por todo
"preco.
Bicos de todas as cores para enfeite -de
vestidos.
Baleias cobertas e descobertas.
Arcos cobertos para anquinha.
Camisas brancas para homens e meni-
nos.
Ditas de meia para homens e senhoras..
Tapetes de todos os tamanhos.
Manda-se fazer roupa por medida e da-
se amostras de todas as fazendas.
Lini^ Coutinbx) & C.
Wlltlf
Roval Ble-d marea VI.4D0
Este excellente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retamo nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Koyai Blead marca Vladft,
cujo nome e emblema bSo registrados para
todo Brazil. ^^
bROWNS & C, agentes.
< '

.


'


.

.
1
'.-

Diz comsigo que provavehnente vai en-
trar algum soldado..que se resolvem fi-
nalmente a ir buscal-6, que o vao execu-
tar. E espera. Maso coracao bate-lhe
com violencia. Diante das espingardas
ameacando-lhe o peito, mostrar-se-hia cal-
mo. Diante daquella esperanca de sal-
vacio, tremia como urna cHanga.
Depois de esperar por muito tempo, a
esperanca converteu-se em certeza.
Vamos, disse elle, a porta est aber-
ta, devo portanto aproveitar-me disso.
Mas chegara a hora de render as sen-
tinellas postadas do lado de fra. Elle
espera ainda alguns minutos e finge at
passeiar em frente da janella gradeada,
afim de mostrar-se s sentinellas, para
prevenir o caso em que ellas tivessem a
phantasia de examinar se l estava o pri-
sionero. wJr.
Esgueira-se em seguida para o pateo.
A chave est na porta... elle fecha-a...
guarda chave... abre com infinitas pre-
cauoes a porta envidracada que d para
grande sala da fabrica... Acha-se no
meio dos soldados allemes que dormem e
resonam... Um cheia enjoativo despre-
de-se de todos aquelles corpos estendi-
dos.. nao ousa mais avancar... Espera que
os seus oraos se liabitaem meialscuri-
dlde qne reina em torno de s. Tudo
confuso. Enxrga muitps corpos enterra-
dos na palha., e.receia que o seu primeiro
passo faa-o esbarrar em .algum hra$o ou
alguma perna.
Entretanto ao pode ficar ajli... de pe-
dante daquella porta. Avanca. Mal ti-
nha dado dous pasos, esbarra pesadamen-
te nos pes de um homem.
O soldado nao grita. Remexe-se um
pouco e endireite as pernas.
Gauthier embrenha-se rio meio de to-
dos aquelles corp M
Chega sera, obstculos porta de sa-
bida.
Ella acha-sc abertafechada smente
com o trinco
Quando o prisionero d-lhe volta, ouve-
ae um som plangento e prolongado. Dous
ou tres allemes erguem a cabeca. A
la esate-st) em cheio no corpo de Gau-
O que l isso ?
Gauthier nem se lembra de responder.
Atir-se pan -orre com todas as
suas foreas atravez dos campos, muito
curvado, afim de offefecer o menor alvo
vol s balas, que nao tardarifp. a si-
en tomo delle.
A's armas!

Vapor para engenho
Vend se urna machina a vapor de torca de 4
cavatios e em perfeito estado ; a tratar na ra do
Apollo n. 30, { andar, das II horas s 3 da
tarde.


E' Frantz Schuller que grita.
Arrepende-se de ter tido um momento
de hamanidade. O odio do allemo tor
na a dominar todos os demais sentimentos.
-A's armas!...
O posto fica de p em alguns segundos.
Na occasio em que Gauthier dobrou o
canto da fabrica, as duas sentinellas avis-
taram-no e atiram sobre elle.
As balas zuniram-lhe aos ottvidos sem
attingi i ._
, Foi aito de mais murmura elle cor-
rendo pelos campos como urna lebre.
Os soldados do posto faziam fogo ao
acaso.
Luciana, do seu quarto, onde naquella
noite vekva, ouvia todo aquelle rebolico.
Mas nao comprehendia. Seria urna nova
escaramuza ? O que se passava? Todas as
Jnoites eram agora assim perturbadas pela
Muito lantes de romper o dia estava
sua janefl, espreitando o vai-vem dos sol-
dados alie mas. No tava-se no posto mais
animacao do que nos das ordinarios. Offi-
ciaes, que pareciam furiosos, interroga-
vam rudemente Frantz Schuller, que es-
cutava, um pouco paludo, coej as mos nos
cs da "'ca. o nariz erguido, calcanhares '
juntos. -r-ainii '
Um commandante, mais animado do que
os outros, e que gritava com toda a forca
dos pulmSes, encaminhou-se para elle de
sbito e, sem forma alguma de processo,
applicou-lhe as faces duas vigorosas bo-
fetadas.
Schujlcr cambaleou. O seu rosto em-
maranhado tingio-se de vcrmelho muito
vivo. Depois voltou sua attitude apru-
mada e nao murmurou palavra. O com-
mandante afastou-se. Semillar ficou por
muito tempo na mesma postura, como se .
estivesee espera de outro ofHcial que o
fiaesse alvo de sua. brutalidade; depois,
de repente, muito aprumadb, como as pa-
radas, den meia volta, e como passo alto'^
e brusco, particular *o soldado allemao,
voltou para a fabrica.. ^^^
Meu Deiwt o que quer isto dizer-r '
murmurou L/iana... Dar-se-ha caso qi
o sargento nha esentado as mi
plicas?... que se tenha deixado enten
pelos meus rogos?... Oh! que.'o sa
quro sabel-o... E' inverosmL..
Entretanto comprehendeu que
promettor Schuller inutilmi itenx
gal-o nessa manhS. jB^H
caso a fizesse encontr-o.
(Co

U
V
\
MUTUADO
-


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ERTTTDQ8V_06F0D4 INGEST_TIME 2014-05-21T22:24:08Z PACKAGE AA00011611_17386
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES