Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17258


This item is only available as the following downloads:


Full Text
**S
ANNO LXV NUMERO 117

PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO E PAA POHTE
Por tres mezes adiantados...............* JWOOO
Por seis ditos idem.......v.........' ?rl29OO0
Por am anuo idem................. 23jJ000
Cada numero avulso, do mesmo dia. ... #100
DIARIO DE
SAJ8BAD0 25 DE MAJO DE 1889
PARA DENTRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis meses adiantados ...-........... 13500
Por nove ditos idem................ 200000
Por um anno idem................ 26(J000
Cada numero avulso, de das anteriores.......... 4100
PERNAMDUGO
Troprkdade de Manoel Sfyueirca de S^aria # ffityos
^^
X
o|*moii o bowo signante
jue ae ach am em ninuo o obsequio
e mandaren* abonar aua aaalgaa-
luraa ale o fin do rorrenle mea
ara evitar a aaapeuK&o da reme a
no principio do mea aeguinte.
"
TELEGRAHHAS
)
x 32::::: pabticulas so suaio
FORTALEZA (Cear), 24 de Maio, s
-6 horas e 40 minutos da noite.
O resultado da eleicao senatorial, at
hoje conhecido, o seguinte :
Bario de Ibiapaba 3.039
Bario de Aquiraz 2.805
Conselheiro Araripe 2.777
Dr. Accioli 2.741
Conselheiro Rodrigues Jnior 2.442
Dr. Leandro Bezerra 1.923
szs:::::: a&encia sms
BERLIM, 23 de Maio.
S. M. o Re da Italia deixar a Allema-
nha para voltar Italia no dia 26 de
** VIENNA, 23 de Maio.
" Innundag'es causaros por urna cheia
eral de todos os cursos d'agua devastam
n'este momento a Bohemia.
MADRID. 23 de Maio.
D. C. Martos, presidente da Cmara
do* Deputados deixou a cadeira presiden-
cial nara intorvir n'uma diseusslo
econ-
mica.
A faina ra tendo ameacado censurar o
procediinento do seu presidente, este pedio
demit-**.'! dn suas funeoJes.
V
relativa a de-
preeidenia da
% MADRID, 24 de Maio.
E prematura a noticia
..njissao de D. Martos, dlf
Cmara dos Deputados.
BERLIM, 24 de Maio.
Magnificas festas esto se dando aqui e
PARTE 0FF1C1AL
Governo da Provincia
DESPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 23 DK
MAIO DE 1889
Capitao Andr de S Albuquerque.
Passe-se.
Capitao Belisario Pernambuco. Sim.
Joanna do .'oragSo de Jess. Informe
o Sr. director da Colonia Izabel.
Romlo Igrejas Regura. Informe o
Sr. inspector do Arsenal de Marinha.
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, 24 de Maio de 1889.
O porteiro,
F. Chacn.
Repartiro da Polica
2.a scelo.N. 522Secretoria de Po-
lica de Pernambuco, 24 de Maio de 1889.
Illm. e Exm. Sr.Participo a V. Exc.
que fo rain hontem recomidos Casa de
Detencao os seguintes individuos :
A' ordem do subdelegado da freguezia do Re-
cife. Hermino Jos Francisco, por crime de furto.
A' ordem do da freguezia de Santo Antonio,
Fibroma Isabel da Conceico, por otfensas a mo-
ral publica. Vicente Ferreira da Silva, por crime
de furto.
A' ordem do do 1." districto da freguezia de
S. Jos, Hara Lucia de Brito, por embriaguez e
disturbios. Antonio Justino de Moura, como va-
gabundo turbulento. Manoel Hilario de San-
t'Anna, como vagabundo.
Commuuica o subdelegado da fregwzia do Re-
cife, que na madrugado de hontem para hoje, os
ladravaeweiraram por meio de arrombamento
feito em um degrao da escada no predio sito a
ra da Moda d'aquella freguezia, onde sao esta-
blecidos Oliveira &.C. e subtrahiram 4 relogios
de prata, 2 ditos de nikel, 1 revolver, 3 pares de
tamancos e 3 camisas de l, calculando-**- o
roubo em 615500.
Aquella autoridade tomando conhecimento do
facto, procedeu a competente vistoria e contina
nos demais termos do inquerito policial para
descobrimento e persecuicao dos ladres.
Deus guarde a V. Exc.Illm. e Exm
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Lelo,
muito digno vice-presidente da provin-
cia. O chefe de polica, Adolpho de
Siqueira Cavalcante.
DE
em Potsdam.
Humberto.
cm honra de S. M. o Re
I
l!
I
S. PETEBSBBGO, 24 de Maio.
Acaba de clietrar P. M. > Shah da
Per.
sia.
Agencia avus, filial
24 de Maio de 1889.
em Pernambuco.

\
"I/

INSTRCCO POPULAR
AS GRANDES
ANTIGS K HODKRNAS
AS
Sciencias. industrias e artes
POR
XV
.4 elcc-lrtrldade
(Continua cao)
A electridade positiva, desenvolvida no prato
de vidro pela friccionaco decompoe porinfluen
cii o fluido natural dos conductores. A extre-
midade destes conductores est armada de pon-
tas, pela acgo das quaes o fluido natural destes
conductores decom posto : o fluido negativo
passa pelo ar para o prato de vidio, para redu-
cir ao estado natural a electriedade positiva der-
ramada por es,te prato, em quanto que o fluido
positivo fica accumulado naquelles mesmos con-
ductores.
Os corpos electrizados, expostos livremente ao
ar. perdem rpidamente a sua electricidad e. Um
phvsico de Leyde, chamado Musschenbroek, es-
lava um da elctnsando agua dentro de um fras-
co de vidro, esperando que. em razo da ma con-
ductllidade do vidro, a agua recebesse maior
massa de electricidade e a conservasse mais tem-
pe. Como a experiencia nao apresentasse nada
de particular, Musschenbroek quiz retirar o fras-
co. tomou o com urna das mos e collocon a
outra no conductor metallico que conduzia para
a agua a electricidade da machina. Mas qual
foi a surprpza e terror quando sentio um choque
violento nos bracos e no peito Musschenbroek
julgou se morto, e deelarou que nao se exporia
a outra descarga semelhanle anda que Ihe offe-
recessem a cora de Franca.
Urna memoria publicada pelo padr Nollet as
Memorias da academia das sciencias de Paris.
mostra muito claramente como foi executada a
experiencia, e como o physico de Lcyde sentio
a comraoco quando pez o interior do vaso de
vidro idee risauo em ommunicago, atravez lo
seu corpo, com o conductor metallico electri
sado.
Km Paris, o padre Nolle repetio sobre si mes-
mo esta experiencia, e a commogao foi tao forte
que Ihe fez cahir das mos o vaso cheio de agua.
Repetio a mesma experiencia em Versailles. em
presenca do ni e de toda a corte. Deu a com-
mogao elctrica a urna companbia inteira de
guardas trancez, composta de 2401 horneas rjur
estavam de mos dadas, formando o que desde
entio se fieos chamando cadeia elctrica. A
commogao fot sentida 3 o mesmo instante por
todos og soldados.
(Qmtna)
Thesoaro Provincial
DESPACH08 DO DIA 23 DE MAIO
1889
Officio do Dr. administrador da Rece-
bedoria Provincial. Designo os Srs.
fes de scelo Dr. Antonio J
liftpj**"" **>; Mnoel
pos Barboza ^ra compor "TT junta, nos
termos do art. 37 combinado com o art.
35 das Instrucc5es de 27 de Julho de
1883.
lenente-coronel Francisco Goncalves
Torres. -Volte ao Sr. Dr. contador*
Francisco Canuto da Boa Viagem e Al-
meida & Cunha. Informe a secSo do
contencioso.
D. Josephina Burle Du^eux e D. Joaqui-
na Farias Toixeira. Informe o Sr. Dr.
administrador da Recebedoria Provincial.
Fielden Brothers.Ao Sr. Dr. conta-
dor para juntar copia das informajSes.
JoAo Hermenegildo Borges Diniz. Ao
Sr. Dr. contador para fazer as devidas
notas.
Torquato Laurentino Ferreira de Mel-
lo. Raja vista o Sr. Dr procurador fis-
cal.
Padre Manoel Elodio Ferreira. Regis-
tre-se e faeam-se as devidas notas.
I sendo brilhantiigimo o seu resultado. A soire
lenninou com o esbrazenmento da torre EifM
por miii) de fogos de bengala, o que causou ad-
mirado geral.
Remou completa ordem, nao havendo nenhum
incidente desagradavel digno de notar-se.
O tempo conserva se bom.
Avalia se em 200,000 o numero das pCssoas
que entraran! hontem na exposigao.
A festa da inaugurago sortio admiravel xito
desde o primeiro at ao ultimo dosipormenores.
Foram presos tres individuos pbr tentativas
de manifestagao boulangista.
Puru, 7 de Maio, tarde.
O presidente Carnot recebeu esta manba os
operarios da torre Eiffel, que Ihe entregaran! um
excellente modelo da torre com um hvro enca-
dernado onde todos elles tinham assunado os
seus nomes. O Sr. Carnot agradeceu-uW *U-
to a offerta. '_-
Effectuou se hoje o funeral do lilao mais ve-
Iho do Sr. de Rochefort, assislindo grande af-
fluencia de povo e muitas delegagOes das juntas
revisionistas e socialistas.
Na occasiao de se por a caminho o saimento
armou se ligeiro conflicto entre alguns assisten-
tes e a polica, sendo presos \varios dscolos.
Nao occorreu mais nonhum incidente. Nao se
pronunciou discurso algum no cemiterio
O autor' do atteotado contra o presidenre Car-
not, como nao est doido nao ser submettido a
exame medico. As-egnra-seque escolheu para
seu advogado e Sr. Lagucrre, mais oarece que
este recusar. Foi encarregado um espingar-
deiro de examinar se o tiro de revolver foi dis-
parado com bala ou nao.
Londres, 7 de Maio, de manh.
O correspondente do Standard em Rerlim er
saber que a Allemanba nao pretende de forma
algum ter preponderancia as ilhas de Saraa;
portanto esperase urna snlueu satisfatoria da
questo, e provavel que ,i confereoeii diplo-
mtica termine dentro de lii .lias.
Diz um despacho de Zanzbar para o Tima
que o corpo expedicionario do capitao Wissmann
comprehende cerca de 600 indgenas" do SoldSo,
100 somalis e 100 zulus, com um estado maior
curopeu de 100 homens Todo este corpo est
agora em Bagamoyo. e inminente o -ecomeco
das hostilidades. O capilo Wissmann impedi-
r que o Dr. Peters emprehendn qualquer expe-
digo no interior da frica.
Cmara dos deputados :
Sir James Fergusson, secretario poltico dos
negocios estrangeiros. respoBdendo^ ap >r. Ca-
meron, disse que o governo ainda jigo recebeu
contirmago do discurso proferido no sabbado
pelo ministro dos negocios estrangeiros de Por-
tugal a respeito da navegago do Zambeze :
prefere, pois, nao expressar opiniSo sobre a
supposta declaracao, que pode ter sido inexac-
tamente reproducida.
Respondendo a outra pegunta do Sr, Came-
ron, sir James Fergusson deVnentio que o cn-
sul inglez em Quelmane tenha estado preso ; a
verdade nicamente que o Sr Ross, vice cn-
sul sem ordenado, no trafego dos seus negocios
particulares pedio a admissao de alguns loge-
les enviados pela Sociedade dos Lagos Africa-
nos ; por ordem das autoridades esses foguetes
foram depositados n'um armazem do governo, e
alguns dias depois o Sr IJoss foi preso sob a
afusago de introdttzir exp^sivos perjeosos,
utas Joi mmediatamente posro om iingiiafte,
itOKjaJaiaWwajfTnvlifdas
tagoes ao governo portuguez acerca deiie suc-
cesso e da recusa de permittir a entrada de
material para defeza dos colonos ingleses no
lago Nyassa.
fieme, 7 de Maio, tarde.
O conselno lederal decidi expulsar uns doze
individuos compromettidos no caso das bombas
explosivas de Zunch
O conde erberto de Risraarck dirigi ao con-
selho federal suisso urna nota declarando a pri
sao do commissario de polica allemo Wohlge-
muth contraria ao direito das gentes e illegal ;
mas o conselho federal, convencido de que as
aecusages da Allenjinha sao infundadas, deci
dio manter o bom direito da tuissa.
REVISTA ESTRANGEIRA
EXTERIOR
mente, diz no seu magnifico livro que nao h lo
emUade ero estogao doentias,-c que os mdicos
americanos recominendam as ilhasaos seus doen-
tes, aos tysicos e, s pessoas gastas pelos negocios
ou pela brutalidade do clima americano, como o-
seus eonfrade8 da Europa recommendam a Ma-
deira.
Pelo lado da 3ituagao em que se encontram os
portugijezes, e do que ha a esperar de um paiz
onde novemos de influir naturalmente, porque
ha de vir a ser portuguez mas onde o espirito
americano fecundar, aperfeigoando, as bellas
tendencias da nossa raga, merece-nos o juveni'
estado ocenico, a nossa mais entranhada sym-
pttliia, omelhor dos nossos affectos.
Depois do Brazil que creamos, que civilsimos
e a que demos autonoma, surge, no extremo
norte do Pacifico, a meio caminho da Asia e da
America, na esteira das futuras linhas entre o
conrf neftje descoberto por Colombo e as trras do
Oriente, lima nova ngo, em condigftes excep-
cionaeale vida e de futuro, e que nao deixar
de sorjprtugueza por Isso que a nossa colonia
inuilftiHmo superior s demais de raga branca,
que Dio ciiegam metade d'aquella.
Porfcto, vem de molde perguntar se ser
eonvafJenle'que Portugal, cm um paiz onde de-
ve tifVpr em manter alto o s>'u prestigio e
Ixvn Wne, para tornar considerados os seus
concioadaos deva ecntinnar a ser representado
por uru sH^ples cnsul de segunda elasse.
Cremosmie nao.
Um coofSladq na i basta e urge e3tabelecer-
eategoria superior : por cxemplo um
aesidente
/me ttem m llawu menores inters-
Portugal sSo representadas por funcio-
narios de categora mais elevada que o nosso
consui *0s Estados-Unidos teem um ministro
residente e um cnsul geral; a Inglaterra e a
Franca um cnsul de priraeir elasse e ao mes
mo tempo commissario; o Japo um cnsul ge-
ral, encarregado de negocios. Por esta forma o
representante portuguez, que devera ser o pri
meiro entre os membros do corpo diplomtico,
brHba pela sua ausencia, entre os cnsules 6 o
ultimo.
Esta situaeo intoleravel e, alm deintole-
ravel, absurda, a mantermos, eomo de facto
maulemos, legagesfem paizes onde a sua neces-
s.idade mais que problemtica. Temol-as na
Sui-sa. Russla, Suena. Hollanda, Mxico. Uru-
guay. Paraguay e Argentina : j as tivemos cm
Constaflnopla e no Per ; o Sr. Visconde de S.
Januaria j foi acreditado como ministro pleni-
poieadMo em todas as repblicas snl e centro
americaas : ha um ministro portuguez em Tn-
ger ; cwre o boato de crear-se urna IegacSo no
TransMt: e por certo os interesses d nosso
paiz no sao to considera veis, e de tanta pon-
derag as diff rentes nages que indicamos,
como no reitio de-flawaii. E' necesiario que se
nao perca de vista o otmero elevado de conter-
rneos nossos que ah existem, e smente esta
circumstancia ba9taria. a nao haver, como de
certo ha, motivos para justiliar o pequeo -|Bg-
mento de despeza com um ministro. Spri-
mindo-se o consulado, com o qual se dispeude
4:500, e passando o servige d'elle para a chan-
cellara da legago, em pouco tm[iortana a nova
ordem de cousas que vimos de apresentar.
i A soeiedade.de Geegraphir le I.isboa, sempre
solida por ludo quanto respeile :i prosperidade
c bom nogie de flartugal, acabii de aeoioiar,
-sfiStrae'nRi'
irsaw-sfcSTn? To corratela" ftrhpbaF'd
socio Sr. nbmmendador A. Marques de noaolu-
lu, para se representar ao governo pedindo a
leaco, e approvou-a unnime e plenamente,
sem discqssao, o que prova ter a benemrita
sociedade
pto em
Resta"
esperar,
for.Ta sati
tica
e syi
O projecto para a creago de burgos agrcolas,
que o parlamento adoptou na ultima sesso, n&o
visa oulro escopo, bem como o recente projecto,
apresentado assembla provincial pelo Sr. Dr.
Delphino Cintra e queja foi approvado em 3a
Todos os immigranles que tragam um dim
noto peculio ou que tenham conseguido jntalo
pela sua economa, fcilmente se constituirSo pe
qu> nos proprietrios, adquirindo lates de trra
em vantajosas coodigOes e melhorando de sorte.
E' necessario esse derivativo aos pequeos
capitaes, para que elles nao se afastem do paiz
e tambem para que o augmento constante dos
operarios agrcolas nao venha, sbitamente,
mediante circurastancias imprevistas, trazer per-
turbagOcs graves, que o descontentamente ori-
gine.
Com a pequea propnedade sero gradual-
mente fortalecidos de mais em mais os elemen
tos de ordem e de eslabilidade, afastando-se fu
turas complicagoes, ao mesmo tempo que a trra
ir ganhando maior valor e a prosperidade ma-
nifestando-se cada vez mais pujantemente.
A prodticgo dos gneros mas necessarios
vida, raulliplicandc se successivamente, ha de
em breve abastecer os nossos mercados com
abundancia, obstar importaijfiode muitos des-
ses gneros que todos os anns faz sahir para o
estrangeiro muitos milhares de cootos, e fazer
mesmo com que outros paizes venuam no Brazil
prover-se de quanto Ihes necessario, enviando-
nos assim avultados capitaes.
Nao ha muito que um intelligente lavrador do
municipio de Taubate tomou a iniciativa de di
vidir em lotes alternados as trras incultas que
possuia. para, imitago do systema adoptado
por muitos proprietarios de torras nos Estados
Unidos, entregal-os a immigrantes por mdico
prego, pago em diminutas prestages annuaes.
Com esse systema foram rpidamente povoa
dasuos Estados Unidos grandes zonas, realisan
do os proprietarios lucros avultadissimos em
Temos dalas de Lisboa, que alcangam a 8 do
corrente, e do Jornal do Commercw colhemos a
seguintes noticias de lelelegrammas:
Poi'i, 7 de Maio. s 9 horas e 40 minutos da
tarde.
Continua a mesma attitude do commercio de
vinhos.
Hoje. apresentaram-se no goterao civil 135
operarios reclamando trabalho. Desde que fe-
iharam os armazens teem alli ido 955.
Acaba de resolverse superiormente que na al-
fandega entrera alguns trabalhadores, apezar de
nao serem precisos, em consequencia do mo
effeito que produzia no publico rem os trabalha-
dores para casa com vencimento de 400 ris.
Por motivo dessa resolucao j hoje estiveram
cem de bracos cruzados.
Era Gaya"-foram .fixados cartazes annuncian-
do comicios dos operarios sen trabalho em San-
to Ovidio Bandeira, Rarrota e Villar Paraizo.
Foi armadilha para oslentacSo de forcas. Effe-
clivamente marchou para alli cavallaria da guar-
da municioal, que nada descobrio
Para anianna e que parece haver comicio nos
Carvalhos, concelho de Gaya.
Em Cantanhede e Bairrada. segundo noticias
d all, reina bastante agitaijo entre pequeo. e
grandM proprietarios. em consequencia de fal-
tar o mercado do Porto para os seus vinhos. Ha
alli milhares de pipas, receiando os lavradores
que com os calores da estacan calmosa os vinhos
se deterioren!. N
Prim. 6 de Maio, noite
O Sr. Carnot recebeu nasecgo inglesa da Ex-
posigao u:a acolhimento particularmente caloro-
so, sendo saudado pelos expositores inglezes
com hurrahs enthusiasticos. Deu urna volta es
pedal para visitar as secgOes dos Estados da
America do Sul, que lomam parte officialmente
na Expos gao,
Depois le um lunch que Ihe foi offerecido no
palacio das Bellas Artes, foi visitar a exposigao
agrcola e hortcola no caes de 0 say, e em se-
guida exposigao da9 colonias francezas na es
planada dos luvalidos. demorando-se muito tem-
po na Becgo argentina.
Tanto no caes de Orsay como na praca da (.in-
cordia, a mmensa raultidao saudou a sabida o
Sr Carnot com inthuslasmo tndlMripttVL
Sr. Carnot recolheu-sc ao Elyseu pelas 6
horas da tarde, tendo sido acelamado pelo povo
em todas as mas do transito.
Urna multldo enorme passeou toda a noite na
praca da Concordia e a beira dos caes desde a
liba S. Louis at Grenelle para presenciar a fes
ta venexiana e as magoifleas illuminagoes no Se-
na. Foram queimados tres fogos de artificio
o "
sJt
Os portnguezcs no PacIQeo
A NOSSA COLONIA AS ILIIAS SANDWICH
(Do Jornal do Commmio de Lisboa)
Quando todas as nagOes tralam de Margar a
sua esnhera de aegio, influencia e dominio, nao
se poder estranhar a exposigao que vamos fa-
zer, no sentido do nosso paiz aproveitar as cir
cumstancias que se apreenlam para nos sob um
aspecto to favoravil e auspicioso na Oceania.
Sabe-se que importante, numricamente, a
colonia portuguezanu reino de Hawaii mais co
nhecido pela denominago de Ilhas Sandwich,
mas desconhece-se que aquelles nossos conler
aneos sero iiidubilavelmeote os continuadores
a nacionalidade hawaiiana. O seu numero
calculado era 13:000, augmentando em um rai-
Ihar por cada anno, isto nascem 1:000 por
anno.
Se continuar a emigrago de Portugal as pro-
porgOes considerareis que j attingio, dentro de
pouco tempo aquellas ilhas sero completamente
portuguezas.
A raga indgena, os kanakas, desapparece r-
pidamente : no principio d'este seclo contavam-
sc 400:000 e hoje sf;o apenas42:000. Daqui a 15
annos nao existir um s representante d'estes
famosos polynesios.
Ora os nos'sos compatriotas vencem salarios
relativamente consideraveis, e sao tidos na conta
dos melhores operarios agrcolas que resolvem
para o joven remo o duplo problema da coloni-
sago e do tr.ibalho.
Os salarios regulam desde 46 a 28 dollars por
mez, com comida casa para habitar, carvo ou
lenha para os usos domsticos, medico e medi-
camentos gratis, quando esteiam doentes, perce-
bendo ento s metade do salario.
As mulheres e as crianras tambera se empre-
gam na agricultura, sendo remuneradas na pro-
porgao do trabalho que prestam.
Est averiguado que, no lim de tres annos,
urna familia de trabalhadores agrcolas tem
ajuntado um peculio nao inferior a 1:500 dol-
lars.
Ora as ierras sao baratissimas em algumas
ilhas, e esta familia pode adquirir vastas porgoes
de terreno, que devidamente cultivado sem que
todava exija grande trabalho, d a ahasjanca a
'quera pouco lempo antes, por miseravel, tinha de
abontlooar o torro natal.
tlomprehende se a baraleza do terreno em um
paiz cuja populagao peuco passa de 100000 al-
mas, que poda alimeniar dous milhoesde pes-
soas, e onde esto ao abandono, por falta de bra-
gos milhares de acres de trra.
A facili iade de ob'er trabalho bem remunerado
e trras por baixissimo prego tem animado as
nossas populages insulares, que ainda conser
vam o espirito aventureiro da velha alma nacio-
nal, a procurar em to linginquo paiz as vanta-
gens t commodidades que na patria Ihes faltam.
Da lha de S. Miguel foram para Hawaii perto
de 3:000 pessoas, que depois de alli chegarera,
dentro do curto espoco de 4 annos, enviaram as
suas familias auantias no valor de 34:0O0.
As ilhas Sandwich sao de um clima benigno, e
a temperatura sempre uniforme, nao se conhe-
ceudo o verio nem o invern. Marcel Mounier,
Ilustre viajante francez, qu nlli estove ul'ima
a comprehenso ntida do assum-
Bem haja.
ue o governo acolha, como de
u da sociedade, -'ando por esta
ao a orna exigencia justa, patrio-
hica, que tem o apoio ue todos
quantos se preoecupam com os negocios pbli-
cos e em especial com a representaclo diplo
matica do paiz, represebtacSo onde e como de-
ve ser, isto a tstrictamente necessaria e in-
di spensavel.
Mas se urna legago urna necessidade. a pre-
senca de um navio de guerra portuguez, no an
coradouro de Honolul parece ter algum alcance
e importancia, porque signiflearia que o gover-
no se oceupa cora a sorte dos nossos compatrio-
tas. E' tambem o desejo destes, como bastan-
tes vezes tem sido escripto e repetido no seu
orgo jorna'istico 0 Luso lawaiiano.
Pode mesmo dizer-se que o sonho dourado
d'aquelles agorianos e mandeirenses que hoje
constituem, como fica dito, a maior parte da co-
lonia de raga branca as Sandwich.
Urna outra medida, tendente a radicar o sen-
tiraento da nacionalidade, j noticiou ura colle-
ga, tecendo por isso ao seu iniciador os mais
rasgados elogios Refer mo-nos a estabalecer-
se em Honolul urna bibliotheca exclusivamen-
te portugueza, como tenciona o Sr. commenda-
dor A Marques, a quem j nos referimos.
Os cavalneiros a quem o Sr. Marques expoz o
seu projecto acolheram-n'o da melnor vontade,
e curapre registrar entre elles o nome do *r
Luciano Cordeiro, que accedeu com o maior en-
thusiasmo a incumbir-se de obter para a projec-
lada bibliotheca as publicac5e3 officiaes e in-
fluir coro os editores para que offerecam um
exemplar das obras que teem publicado.
Parcie-nosque, realisados os tres alvitres qu
cima mencionamos, Portugal exerceria verda-
deiro predominio e influencia as ilhas San-
dwich, substituindo-se assim as pretenges por
certo renos justificadas de outras potencias.
INTERIOR
Pequea propriedade
(Do Diario de ampinas)
Satisfeitas as exigencias momentneas da la-
voura, no periodo dilBcil que teve de alravessar
com a transforraago do trabalho, imposta pela
necessidade de extinguirse o elemento servil,
Srovida a provincia de grande numero de tra-
alhadorcs estraogeiros e implantado o novo r-
gimen de trabalho nos estabelecimentos rurees,
os immigrantes que procurara localisar-se entre
nos nao devem'ser menos benvolamente recebi-
dos nem se Ihe deve deixar de proporcionar todo
o auxilio, afim de que elles se lixera na provin-
cia e esta aproveite todos esses elementos de ac-
tividade e de progresso.
Paiz novo, com inmensas zonas de Ierras in-
cultas, depende o Brazil absolutamente, para
desenvolver-se e prosperar, de urna boa corrente
inmigratoria que ine trar enormes beneficios.
A imraigrago que buscamos attrahir em
vasta escala urgidos pela falta de bragos, in-
dispensavel que a conservemos agora e que nao
descansemos um instante em promover o po-
voamenlo do solo, para que sigamos na trilha da
prosperidade que antes de nos seguiram outros
paizes americanos, necessilados igualmente do
iramigranle para se poderem constituir em gran
des e pjuMsas nages, de tracas e pequeas;
que antes erra.
> multiplicando os ncleos coloniae3 e facili-
tando por todos os meios a pequea propriedade
rural, obleremos a fixago no paiz dos immi-
grantes que a elle se eocaminharero. Assim pro
cedeu a Repblica dos Estados Uaidos e assim
procede a Repblica Argentina, cujo exeraplo
devemos seguir sem hcsiWces e sem diminuir-
mos de zelo Mear bi ntdo
poucos annos, porque cada lote cultivado fez de
adjaceote.
cuplicar o valor do loe inculto que Ihe eslava
O mesmo resultado alcangar, por certo, entre
nos, o lavrador de Taubat a que j nos referi-
mos e quantos Ihe seguirem o exeraplo : cutn-
prindo notar que tal procedimento, atm de lu-
crativo, sumraaraeute oenefico e patritico.
Nos, que tao de perto conhecemos as
suas bellissimas qualidades, seu coracao
summamente beafazejo, sentimos ao tra-,
ar estas linhas o pesar profundo que dei-
xou-aos no coru'.So a separadlo de tao bom
amigo.
Ce bons ventos o conduza ao seu des- *
tino, e que em sua nova comarca seja tao
feliz quanto o foi aqui, nao s na destri-
buicao da justica, como fazendo grande
numero de novos amigos tao sinceros como
os que aqui ficaram, sao os nossos sinceros
votos.
Contina o espirito publico apprehensivo
com a perspectiva da secsa.
As chuvas n'este mez teem sido dimi-
nutas, e a lavoura vai-se resentindo da
falta regular do invern.
Em todo caso ainda nao ha razSes para
desesperar.
Aurecoir.
22 de Maio de 1889.

F\l\<:\S E COMERCIO
O commercio e o publico, em geral, escreveu
um collega da corte, sentem os effeitos da ex-
cessiva demora no transperte de mercadorias
pelas nossas estradas de ferro. Temos, por mais
de urna vez, sido eco de fundadas reclaraacoes.
Ou por falla de material rodante, -u por demo-
ra na expedigo, essa irrecularidade exiga me-
didas coercitivas.
Vigilantes na defesa de taes interesses, nao
podemos deixar de acora panhar, com grande
apreco, o acto do governo traduzido o decreto
que,'nos consta, foi assignado, contendo as ba-
ses que adiante vo enume.adas.
Louvamos sinceramente a iuiriativa do Sr.
conselheiro Rodrigo Silva, ministro da agricul-
tura, supprindo urna lacuna do regulamento ge-
ral das vas frreas, e prestando servigo impor-
tante ao commercio e lavoura.
Aos prazos marcados para o transporte e ex-
pedigo de mercadorias, animaes, bagagem e
cncommendas, assim como ao dever de indem-
nisago. nao escapam as estradas do governo.
00 per elle subvencionadas.
As admiuisi aeOes das estradas de ferro men-
ciooaram m-' suas tarifas os prazos a que sao.
obrigadas para o transporte de bagagens, en*
loramendas, animaes e mercadorias.
Os prazos sern para expedigo e"para o
transporte.
Para o tran.-.>orte, grande velocidade, nao
excederte s ilispasicGes seguintes:
Io Prazo de expedigo, um dia.
2" Prazo do transport por trecho de 300 ki-
lmetros ou 'rcete destu distancia, umdia.
Transporte pequea velocidade :
Io Prazo de expedigo. dois das.
2 Prazo de transporte para os primeiros 100
kilmetros um dia.
Para o percurso superior a 100 kilmetros,
por 200 kilmetros ou fraegao desta distancia,
uidiar--*
Quanto a expedigol circular de urna para ou-
tra estrada de ferro, ri prazo de transporte ser
calculado pela distancia lotal entre as estagoes '
de panida e destino.
O prazo da expedigo ser contado urna s
vez, qualquer que seja o numero das differentes
linhas percorridas.
Mediante approvago do governo, as adminis-
trages das estradas podero estabelecer prazos
addiciooaes para os casos de forg maior.
Fica excluido o prazo de transporte o tempo
indispcnsavel s formalidades exigidas pela co-
brangudodireitos.
8c a incrcadoria nao estiver a dispesigo do
destinatario ua eslago de chegada, lindo o pra-
zo do transporte, as estradas de ferro sero
obngadas s seguintes indemnisages : 25 % no
preg do transporte, se o atrazo exceder de 12
a 24 horas; 33 u por atrazo at tres dias; 50
/. quando o atrazo exceder de oito, tratando-se
de grande velocidade.
Tratando se de pequea velocidade, a indem-
nisagao de 25 ''. se tara quando o atrazo exce-
Correspondencia do Diaeio de
Pernambuco
GARANHNS
O primeiro anniversario da lei qne ab<>-
lio a escravidao no Brazil foi iiqui nolc-m-
nisado com pompa ta', que nao ha momo-
rifc que outra manifestaban igual j se te-
nha feito nesta cidade para festejarse ou-
tra qualquer data, outro qualquer facto
que por ventura o merecesse.
Ao raiar do grandioso da 13 de Maio,
urna salva de 21 tiros de bombas reaes,
innmeras gyrandolas de oguetes que
estournvam no ar, os son festivos de duas
bandas de umska. ^Qujiciavam nue o
graae da, a a5?fa aiwea"1 qufJ mpra o
fasto mais grandioso, da historia patria,
era chegada.'
Era grandioso o aspecto da cidade ao
amanhecer: todas as ras vestiam-se de
folhagens e flores; notando alegra geral.
risos e flores por toda parte.
As 4 horas da tarde sahia um enorme
prestito cvico do Hotel Cosmopolita, que
cstava lindamente decorado quer interior,
quer exterormente, precedido por urna
banda de msica, fallando nesta occasiao
o distincto acadmico Fausto de Barros,
que n'um brilhante improviso fez lembrar
os brilhantes resultados obtidos em tao
curto espaco de tempo pela lei de 13 de
Maio, que veio lavar a mancha negra e
vergonhosa que enlutava as paginas bri-
lhantes da historia do Brazil.
Terminando ergueu vivas S. lL^\^rJ^TS^SSS
perador, Pnnceza Imperial, ao gabinete
10 de Margo, aos Drs. Joaquim Nabuco e
Jos Marianno.
Percorrendo o prestito todas as ras da
/
cidade fizeram-se
coes os Srs. Drs.
ouvir em bonitas allocu-
Joaquim intra, Nilo
de Miranda, Severiano Peixoto, vigario
Pedro Pacifico, Dr Peixoto Jnior, Faus-
to de Barros e o Sr. Bellarmino Dourdo
que recitou urna poesa.
A' noite era imponente o aspecto da ci-
dade.
Todas as mas, especialmente as do
commercio, D. Jos e do Recite, ostenta-
vaui lindissimas illuminagoes, sendo nota
vel a concurrencia de familias que per-
corriam a cidade visitando os lugares que
se 8alientavam pelo brilhantismo de 8 decorac5es.
Ao recolher-se a passeiata ainda falla-
ram muitos d'aquelles oradores, que, em
rpidos discursos, frenticamente applau-
didos, felicitaran! o paiz pela nova feigao
que cm sen raovimento econmico tinha
imprimido a humanitaria lei redemptora de
urna ra;a infeliz !
Kinrim, o dia 13 de Maio foi de veda-
dera fpsta para esta cidade, que jamis
tao unnimes o espontaneas presenciou.
Votava-sc urna alegra geral, um prazer
intimo e communicativo, um sentimento
prodigioso de patriotismo, pois que, final-
mente fora restituida a liberdade tantos
desgracados, que por urna lei barbara e
deshumana foram por mais de tres seculos
conservados nos grilhSes do captiveir.
Garanhuns fez ao 1. anniversario da
lei de 13 de Maio urna das mais bonitas
manifestagSes qu aqui se tem visto.
Acaba de seguir para a capital com sua
Exm. senhora e tilhos o Ilustre magistra-
do Dr. Joaquim 'ordeiro Coelho Cintra,
ex-juiz de direito desta comarca.
O distincto magistrado foi acompanhado
por grande numero de capdleiros, sem
distiiiecao de credo poltico, notndose no
semblante de todos qnanto assistiram a sua
partida o sentimento de pesar que Ihes ia
n'alma pela separagao do conspiro juiz que
excrcendo aqui por espago do 15 annos
sua importante e espinhosa missito de jul-
gar, mo deixou, entretanto, um inimigo si-
qner! !
ceder desse prazo.
Segundo publicago do Diario do Governo. a
divida Quctuante portugueza representiva-se ia
pouco:
Em conta de diverso.- eredu-
res no paiz l.489:J7i5038
i2A89:372fl&
M


~
Saldos credores Saldos devedore
Contas correntes:
Caixa geral de de-
psitos eecono-
mica^portugue-
za ". *
Banco de Potugal 4 950:040*787
Baring Brothers 527.129420
Coraptoir de Es- ,
compte 67:277*035
-.
3 579:
-5
, '>
5.545:047*242 3.579:8805946
Crdito do the-
souro 1.965:1665296
Companhia real dos caminhos
de ferro portuguezes; conta
de deposito-lei de 26 de
Maio de 188-4
I.
2.200:1795 540
Companhia nacional de cami-
nhos de ferro, conta de de-
positolei de 30deJuiho
de 1885
Operages cuja importancia
" bolsada, ao thesouro
Conta corrente cora a ultra-
mar-lei de 22 de Margo de
1-86
Operages com diversos ban
eos do Portodespacho
10 de Novembro de 1885
136:ts-.B*
tem d? ser reed-
de
V
401:527lCfiS
' '
135:000*001
ASSOCIAgOES
Instituto Areheologico e Ceo-
graphlco Pernambueano
SESSXO ORDINARIA DE 9 DE ABK
DE 1889
Presidencia di Exm. Sr. de*
Manoel Clementino, continuadi
Dr. Cict.ro Peregrino, 2 vice-presid
A' 1 hora da tarde, presentes os Srs.
cero Peregrino, conseuieiro Pinto Jnior. Bap-
tista Regueira, 1 secretario. Esmeraldino Ban-
deira e Portella Jnior, e o Sr. major Codeceira,
2o seci etario, abrio-se a sesste.
Lida a acta da sesso antecedente foi appro-
vada.
h
1 WTHMI \
I---------Trt----:----------^*
r*i
4C


.:*.-
2
Diario de Pernambuco--flribba(lo 25 de Maio de 1 M)
O Sr Dr. l secretario mencionou o seguiote
expediente :
Ura <>fR'-io do Exm. Sr. Dr. Ignacio Joaquim de
Souza Leo, de 24 de Abril, coraniunicundo ter
naqaella data assumido a administrago da pro-
vincia na qualidade de Io vice-presidente.
Para agradecer essa comraunicago e felicitar
S. Bxr. foi nomeada uina coinmisso composta
dosSrs Drs. Cicero Peregrino, Baptista Regueira
e Porlelta Jnior.
Ura dito,kr*-nncretaiso itaRsoriintain abo*?
cionista daaoHiiiwarjfc ilwtepi en*; de ftdo
corrent-, pudindo"sn ame dtilre I la-oc !("****
para reiirarpor a*)?wi3 ritas do fn-diiuto os ee
tandartes e sviubotas das sociedadeawabolioio
nistas, alitn de" aproaental-os nos festejas prepa-
rados para sotemnisar o anniver?ario da extinc-
cao'da escravjilo no Urasil. devendo ser retira-
dos os meamos estandartes daiinsiituto no da
12 do corrente.
Outrosim, convida o mesawlnstituto para-as
sistir aos referidos festejos e previne que no dia
H, em hora que ser determinada, vira aquella
sociedade offertar ao Instituto urn exemplar da
medalha que mandou cunhar para distribuir por
seus socios e auxiliares.
Resolveu o Instituto ceder os estandartes pe-
didos Horneando o Sr. presidente uina^XBiiiriiisfto
coraposla dos Srs. Drs. Bautista Regueira Esme-
raldino Bandeira e major Codeccira, para entre-
gal os no domingo, 12, s 10 horas da manh;
bem corno convocar urna sesso extraordinaria
para, s 4 horas da tarde do dia 14, recebercom
solemnidadea referida seciedade quando vier
offertar a medalha.
Ura dito da commissao encarregada da solem-
nidade com que dever ser inauaurado, na ei-
dade de linda, o monumento coramemorativo
da extinego da escravrdSo no Brasil, couvidando
o Instituto para se fazer representar naquella so-
lemnidade.
Resolvendo o Instituto corresponder ao con-
vite, noraeou o Sr. presidente urna commissao
composta dos Srs. major Codeccit a e Drs. Al-
bino Meira e Caetano Neves.
Offertas :
Pelo consocio Dr. Jos Osorio, um votume
Immigrago A provincia de Pernanibuco, no
Brasil.
Pela sociedade de Geographia de Tours um
numero de sua revista do mez de Abril.
Pelo Sr gerente da Companhia de Editicacao
d'esta cidade, um exemplar do seu relatono hdo
uo dia 8 de Abril ultimo.
Pelo Sr. Rapilly. livreiro em Pars, um cata-
logo de sua livraria.
Pelo Club de Engcnhana do Rio de Janeiro,
ura numero de soa rerista mensal.
Pola secretaria da Cmara do.i Seahores e-
putarius..um volutne-Rotatorio e synopse dos
trabalhos da Cmara na sesso do auno de 1888-
Pelas respectivas redaeges diversos jornues
d'esta e de outras provincias, bem como um nu
mero do jornal Le Brtil, impresso em Pars.
As otTertas foram recebidas com agrado e roan-
dou.-se agradecer.
Nada mais havendo a tratarse foi levantada a
sesso, sendo designado o dia 23 do correnta
para ter lugar a primeira rcunio ordinaria.
se8sao extraordinaria de 14 de maio
dk 1889
Presidencia do Sr. Dr. Cicero Peregrino,
2. vice-presidente
A*s 4 horas da tarde, presentes os Srs. Drs.
Baptista Regueira, l" secretario, Jos Hjgino,
Esmeraldino Bandeira, cooselheiro ioto Jnior,
Alves de Albuquerque, e os Srs. Augusto. Cesar
e ma^or Codeceira, 2 secretario, abrio-se a
mate.
O Sr. presidente communreu ao Instituto que a
presente sesso Tora-convocada por ter a socie-
dade abolicionista denominadaClub do Cupim,
mandado participar un ofticio de 0 do corrente,
3ue, reunida s dermis sociedades abolicionistas
"esta capital, pretenda vir hoje em grande pro-
eissao civica. ofTertai ao Instituto ura das me-
dalhasmie mandara cunhar para comniemorar
a extincco.d esennido no Brasil.
Em Cui.ta nometa urna commmisso cora-
posta dos Sri. conselheiro Pinto Jnoior, Dr. Es
meraldino Bandeiri e Augusto Cesar, para rece-
ber,-a referida sociedade. sendo depois disto
suspensa-a sesso at a ebegada da mes na. que
logo depois fot annnnciada e rccebida no salo
com todas as formalidades, depositante nos seus
respectivos lugares os estandartes e mais syinbo-
los que liara retirado no dia 12.
Obtendo a palavra o Dr. Fernando de Castro,
orador do Club do Cupim; saudou otJnstituto,
discorrendo sobre-o grande aconUTtmeiito qnc
ora festejara o Brasil inteiroa atiolico da es-
er&vidoe depz sobre a meza a medalha que
nota offerecer-lhe, couraiemoraliva da le de 1.'!
de Maio.
Em nome do Instituto o orador Dr. Josv Ity-
gino agradecen a preciosa ollera, testemunha
o futuro dos grandes entornos d'aquclla asso-
ciaco era fa\or da santa causa da-liberdadu. ter-
minando por uina saudarao ao Club do Cupim,
ao povo pernarubucano e a Brasil livre.
Depois de levantado peto Exm. Dr. Jos Ma
rianuo Carneiro da flonba um viva ao Instituto,
oSr. presidente dirigi tumbeen algumas pala-
vras de agrteairnento conviden a commiss3o a
icompanlmra tnesma sociedade e declarou en-
cerrada a sesso.
RKVlSTA-DIARIA
tii:iinraiiidu \sst-iulli-a lr<\ in
cialTeiido-se encerrado a sesso d'essa As-
.sembla ante-hoiilem. sem ter ido dado o orea
"mento para o futuro anuo iinanceiro de 1890, foi
convocada a mesma pa.-a esse tira conforme o
acto presidencial que damos em seguida :
4.* scego.Palacio da Presidencia de Per-
nambuco' t-m 23 de Maio di- IH89. -O vice-pre-
sidente da provincia, usando da fuculdi.de con-
ferida pelo art. 24 S 2. da le de 12 de Agosto
de 1814. convoca extraordinariamente, por 30
das, a Assembla Legislativa Provincial pata o
dia t. do Agosto vindouro. am de ratar do
projecto de otvamenlo provincial para o auno de
1890, que dcixou de ser volado na actual sesso
da mesma Assembla. i. Asaigaado).Ignacio
Joaquim ile Soma Leo.
Arlos da Presidencia da Pro lucia
Por actos de 6 do corrente :
Foi nomeado Candido Jos Uonculvesi Fontes
para o posto le (apito da 2." companhia ds 46
hatalho de infanlaria da guarda nacional da
comarca de Rio Formoso. em substituirte de
Manuel de lanos Accioli I.ins, que obteve guia
de passa^em para a coman-a do Cabo.
Foi jubilado com a penso correspondente aos
vencimentos ue que trata o art. 180 3* do re-
gulamcnlo de 1 de Janeiro de 1888, o professor
da 2.a cadeira de ensino primario da fregm'zia
do Recife, TorquatoLaurentinoFerreira de Mello,
sendo nomeado para substituil o a proft-ssora
Francisca Serapluca de Assis Carvalho, que foi
removida da cadeira mixta da estrada nova de
Beberibe para a qual foi nomeada a- professora
da cadeira de Calende, Antonia Peregrina Ca-
valcantn de Albuquerque.
Foi removida a professora Maria Francisca de
Barros, da cadeira de S. Jos do Egypto para a
de eusino mixto de Cuyambuca.
Eleiro do 11.* dinlriclo Continua-
mos a nao poder dar noticia definitiva sobre o
resultado desta eleico, pois ainda nao conhe-
cida a volacio do collegio de Aguas Bellas.
Serondo informaces que colhemos, sabemos
que at s 6 horas da tarde de quinta-feira nio
Un lia chegado a Garanliuns carta ou qnalquer
pessoa noticiando a volaco de Aguas-Bellas.
Colonia nslesa Completou honte.i. 70
annos de idade a rainlia Victoria, impera'riedas
Indias.
Por to faustoso aconteciraento estiveram em-
bandeirados todos os consulados c navios surtos
no porto. '
A colonia ingiera desta capital manifcstou
noutem o seu regusijo pelo anu versarlo natali-
cio da egregia imperante que to prudente e
sabiaraeii na o- seus deslinos ha mais de
meio gciilo.
God sote the Qneen i
Hipportromo do Campo tirande
A din-clona teste Hippodronio tem sido incan-
savel em ilotal-o com os necesarios melhora-
metos. altendendo aspira aos instantes pedidos
que ltimamente ho feiio os seus frequentado-
res e a prepria imprensa.
Sabemos que foi mudada ja a casa das apos-
tas do pavilhao central para aextremidr.de da
arebib incida, que d para-o ensilh;: ment. vIs-
lo constitue um grande melhoramenio, pois que
nao so mais expeditamente os aposiadores po-
derSo fazer o seu jogo, aguardaudo-se, como
costumam fazer, para a compra de poules eche
quet. logo que se annuncie o eucerramentu das
vendas; como tambem telhor poder cumpri.-
U com o horario dos pareos.
Toda a raia est barreda e acha-se eiu ex-
cellee*>ondicOes.
tastolwiBtato l'alleeeo bontentBtaaita ci-
dade. netas 4 horas da Urde, victima de-toribe-
ri,*i Maria C.irolina.daCosUje Silva^itapasa do
ciflto Jos Ralteo liraaco da Silva
Era urna esposa exemplar e centava apenas
..'annos de idade.
'i\.i na orpliandde S litbinlios, aos quaes
estremeca.
' sen oorpo sera conuzido para jeeraiterio
de^aaioamaraiioje, ae/idnra^ dartude,*endo
lugar o sahimento da ra da Imperatriz n. 84.
Ootrollontem as 11 horas da manh fal-
lecer de antigos paiecimentos, na cidade de
Goyanna, o acreditado negociante dalli, Ivo An-
tonio de Andrade Luna.
Era o filate natural desta provincia e conta-
m WB-atrcTO-annos rrcidade.
Dotado rlnura excel tente -caraoter, era um ho-
nem esfimado por todono.iianUs o conlieciam.
Am proprietario e capitalista de Goyanna,
a soa boisji nunca se feehou aos oecessiiados e
desvalidos, sendo, i sua opinio res|>eitada por
todos.
() governo imperial o havia condecorado com
a coffliiienda da Rosa. *
A su i morte foi all muito smitida, seuiindo
noticia telegniphias dalli chegadas.
da nuite, na ra de Santo Amaro, umindividuo
de cor pardas vendo porta da tavexna do Sr.
Manod Gomes ata Cucifia, nina boa sacca de la
rite de mandioca, tratou de agadanhal-a o
que eonseguiu anal, osbofeteando um caixeiro,
qu Ib* pozeroiembaruos ii compra tem dinhelro.
(arregando com ella a cabera, foi perseguido
pelo olamor publico, e vendo que nao poda le-
vaJ*a-pa*a casa..!argou-aperto(ta igreja da Con-
ceico dos Militares, havendo antes ferido com
tuna faiada. no brajo e-inicrdo, ao Sr. Joo
Francisco de Alenla, que o persegua, pondo-
so em fuga i pela ra de autiBO Gomara.
Aqu, inte pegal-o Jeronymo Xaviir Gnncal-
ves foi este ferido por elle com urna outrafacada,
uo b*:aco direito.
\<> pateo do Carmo ainda ferio oulro indivi-
duo.e lomando pm os lados da fr!guezia de S.
Jos evaporou-se
Nao foi conbeci lo este au lactoso ladro.
Kiitvubm fMtna-Goncluindo hoje a
publiraco das propostas que foram apresenta-
dus ao Exm. Sr. presidente <:a provincia para a
ruadaco de onze engentes ccatraes nesta pro-
vincia, aproveitainos a occasio para dizer qu
na clausula li.- iui iiuitameule incluida a 15"
na proposla do Sr. Joaquim Dnarte Custodio
de Azevedo. (cando ass.m rcctilicarlo o engao
que se deu na publiraco do edital de hontem.
OeipnimiM-.iaS"l> o titulo de despro-
nuncia do arcedlago i)r. Luiz F. de Araujo rece-
bemos hortera, um folheto de 93 paginas, no
qual vea rjno s transcripta a senteoca do
Exm. Sr. fiwpo dioocsane,. como os artigas que
foram publicados em defeza do mestoo arce-
diago.
Agradecemos o presente.
Irib nial do aun? do Hocife -Funccio
nou hanlem este.tribunal.em sesso preparato-
ria.
A's 11 horas da manha, presentes os Srs. Dr
Oliveira Andrade, presidente do tribunal, Dr.
Freitas Henriqoes, 1* promotor publico, e capi-
to Miranda Franco, escrivo privativo do jury,
t'tz.-se. a.chamada gerai tes jerados sorteados.
Comparocerani. 23juradof, sendo multados era
ii -i(m i os que deixaram de comparecer, constan-
tes das rclacOes ja publicadas, e mais os seguin-
tes:
Antonio Leoncio de Carvalho.
Antonio Jos Frlippe Santiago.
Dr. Alberto d'livoira Coelh
Ant mo Luiz de Souza.
Augnto Carlos de Miranda Ilenriques.
Eduardo da Costa Oliveira.
Dr. Eduardo Augusto rPOIiveira.
Francisco Joaquim Antunes.
Firum Caetano de Araujo.
Jos Martina Saldanha.
Dr. Joaquim Ferreira Chaves.
Joaquim Getulio Azevedo Souza.
Jos OdilonJacome Pires.
Maooet da Costa Albuquerque.
Manoel. Joaqnim de Miran Ja Souza.
Manoel Cesar Alves.
Pedro Jorge da Si I va-Ramos.
Rodrigo Jacome Martins Pereira.
Foram sorteados os seguintes upplentes :
Fiegiuzid de S. Fre Pedro Gonnilves
Frederico Filgueirade Saboia.
Serafini Boga.
Jos Ferreira da Silva.
Joo Januario Pinto de Azevedo.
Frcgnezia de Santo Antonio
Vicente Bezerra Cavalcante.
Jos Krancisco'Moreira.
Jos FernundoS'de Mello.
Frcguezia de S. Jos
Joo Jos Barbosa da Silva Jnior.
JoSo Henriqoe da Siha.
Manoel do Nasoimento Viemida Cunta.
Manoel Hygino de tLarvullio Cuuto.
Antonio Cota te Amaral a Mello.
Antonio do Carino Ferreira.
Fregu:a da Boa- Viila
I>r. Manoel Gomes te Mattos.
Jos Alfonso dos Santos Barros.
Joo Francisco Borgos Ferreira.
Jos Miguel Correia do N'aseiraento.
Miuucl PereiraCiraldes.
Euciides de Aqu'iio Fonseca.
JooBibeiro Montiirioyos.
Fregueziada Grara
Manoel Antonio Ferreira Gomes.
Fregar: ia de Afogados
Francisco Zachaiias de Maraes.
Airluas Liudolpho da Silva Mafra.
Francisco de Pinho Borges.
Antonio Menclio Cordeiro de Gusmo.
A sesso foi adiada para hoje. s l horas.
Club liiLmiiCHiiKil do llei-llV Na
prxima quarla-feira, 29 do corrate, haver re-
uaio familiar.
Becrealiui HaadaleapnoeEsta so-
ciedade realiza hoje, em sua sede entrada dos
Remedios, o primeiro sarao dausante, o qual, a
jul^ar pelos esfo.gos que teem crapregado os
seus dignos socios, ha de estar muito concorri-
do e animado
. Moda Para primeira communho usa se
vestido de mousseline. O corpo justo, abrindo
sobre urna camisioha plissada de moire branco.
Mangas largas com punlios plissados. Cinto
russo, de seda branca Ao lado, anmoniere de
moire, suspensa de um cordo de seda. Sia
redonda, guarnecida em Daixo com litas de
moire. Pequeo chapeo de mousseline, preso
no alto por um ri de moire e grande veo de
mousseline.
Esta a descrip^o do primeiro ligurino, sen-
do a do segundo a seguiote :
Vestido de-mousseline. Corpete aberto sobre
um plastrn de suraa. Collariulnj- setaelhaiite,
cora um enfeite de setim ao lado. Cinto re-
dando, de setim, e saia redonda-, guarnecida em
baixo cora rauitas orlas de fita e preguead
atraa. Auihuire de setim, suspensa de um cor-
do de seda enfeilado com um ton do raesrao
setim. Chapeo de tulle com ruche em volta c
guarnecido de mollios de fita.
Crrelo da Europa Recebemos o n.
10. Agradecidos.
Boubo Na madrugada de ante hontem para
hontem os ladres, por meio de anotnbamenlo
feito em um degro da escada, penetraram no
predio sito ra da Moda da Yeguezia do Re-
rifo, onde sao estabelccidos Oliveira & C. c d'alii
subtrohiram diversos objectos no valor de......
61 500.
O subdelegado respectivo tomando conheci-
mento da fado procedeu a competente vistor-a
e diligencia descobrir os ladres.
Embarque-No vapor L'trapama que se
d'stina ta| porlos do norte hoje,embarca o
Sr. I. tlHnte Aphrodisio Fernaudes de Burros.
ulti .mente nomeado comraandante do patacho
de guerra Paqutqver, que acha se presentemente
e^acionado no Cear.
Durante o tempo em que S. S. esteve no pa-
tuchofirapnma, soube conquistar a estima, j
de mus collegas e subordinado, bem como de
todos aqutllcs quejtiveram a felicidade de en-
treter relcOes com tao rfistincto cavalieiro.
Fazemos votos para que S. S. no Cear en-
contr o mesmo acolhimenlo que teve entre nos.
Prolongamento da estrada de fer
ro de Francisco e eMrada de CaruarEm outra scccho vai pun tonto
o edital chamando concurrencia, que ter lugar
no dia 15 de Junho prximo vindouro, para o
fornecimento de matenaes necessaiios a essas
estradas de ferro, no seraestn^ de Julho De-
zembro deste anno.
Reassumio anlc-hontem o exercicio do cargo
de almoxarife o Sr. Jos Francisco do Reg a-
estar impunemente dous ou tres annos seguidos
iiag'fegiOes do baixo Congo, como depois de
tuna fluva residencia por alguon-mezes na Euro-
pa, toltar s suas occupac6es por um outro es-
paco de tempo, mesmo mais longo.
No que diz respeito regiao- das Cascatas e
especialmente zona central, panece hoje mais
que nunca firmado que ellas s aguardam o ar-
roteamento e a eultura, para tornarem-se per-
fritamente habilaveis pela raca branca, tanto
aseante, '.visto tnramsoiraduo prazo de 30 dia*uunto relativaentoi<^assiveln'uiB: paiz tro
da Irseaen senr-w icwn'ntos; que Ihe fra oon-
opdidniHnnsa dtasntoriai o que ileu lugar a>qne
tasn*nn1n dito-carnni pelo Abnqnerque. .v
Meleno -Xo dia 2*>-fIo enrrenle com assis-
leneia do r. jwx-ide direito de Olimla c res-
pectivo escrivo.1 proeedeu-seta eloiean da mesa
regieilorauta. irmaintlade de Nossa Senliora do
nwlalopr da nesma cidade. cojo -resultado
consignamos em seguida :
Liberato risco Ribeiro. juiz ; Ambrozio Fran-
cisco de Barros Leite, escrivo; Tobias Carme-
litano Barcellos, thesoureiro; Prxedes da Sil-
va Siraes. procurador; Francisco de Olinda
Barcellos. Tbeodoro da ilva Siraes, Jos Pedro
de .cantara,- SeverinoGomes da Silva. Joaquim
Romn do Sacramenio. Feliciano da Silva Si-
lines, Joaquim Jos da Ro da, Joo Baptista de
Mello, Antonio Estevo da Porciuncula, Jos
Ignaeio Pereira, Jo-i Joaqui.nSant'AnnadaHora
e Joo Gonealves Pereira, mesarios; Manoel
Ulysses do Nascimenlo e Luiz de Franca Gus-
mo, zeladoreo.
Foram igualmente cleitas juiza a Exma. Sra.
D. Elisia Candida de Sani'Anna e esenv a
Ehnnfi Sra. D. Candida AutaN'unes Vianna.
i ninectnrla Ion obran xlods* l'orl.wilr l>rraambuo-l'.ec
n. 23 de Maio de 1889
Boletim meteorolgico
Horas ^ 5 III t- w t. Barmetro a lenso do vapor o 3 es "O S s
6 m. 24"-1 762-74 20 27 91
9 26"- 1 76.1-71 21.78 88
12 28 :t 76.1-14 2293 79
3 t. 27 2 7 6 ti" i Mt-t3 20,32 80
Temperatura maxunu 28",75.
Dita mnima 23*.75.
Evonoracao cm 24 horasao sol: 3".i ; som-
bra: 1-.6.
Chuva-10",l.
:Direccodo vento: SE de meia noite at aos
40 minutos da manh; SSW at 10horase >
minutos 5 ESE com ioterrupoes de E e SE at;
meia noite.
Calmara durante 6 horas pela manh e; i horas
noite.
VeJoeidade media do vento: 8*88 por se-
gurdo.
i Neb ni os idade media: 0.76.
Boletim.do porto
73
2 x
= '
Sel
M.
M
M.
M
Dia
23 de Maio
24 de Maio
lloras
0 r &> tarde
6 40.
109 da manh
7-02
Alturi
2-05
0-.65
i 2-,00
0-73
a Heje;
Pelo agente Pinto, s 11 horas,i ra da San
(a Cruz n. 42, de movis de diversas quadades.
i Peto agente Gusmo. s i'l horas, nu de
Pedro Alfonso a. 31, de movis diversos.
Pelo agente Modo;tu'Baplisia, s K lloras, no
heneo da Bomba. 2. do movis, louca e qua-
dros. '"' '"~
auasn fnaebre-t-Ser celebrada:
Segunda feira :
A's 7 1|2 horas, na igreja do Livamento, pela
alma de D. Luiza Maria do Espirito-Santo Villa
Nova.
MUMk de OclcnruaMoviiiiento nos pae-
sos da Cx.sa de Detenco do dia 23 de Maio de
1889.
Existiara 440; entraram 7 ; subiram 8 'exi-
tem 439. i
A,8aber: / -'
Nacionaes :4 ; laulheres 22Citrangeiros 23
-Total 439.
Arracoados 389.
Bous 372.
Doentes 14.
Loucas 3.Total 389.
MovimentodaienBonaria
Tiveram baixa :
Silvano Marques-la Costa.
Jos andido de-Olheira..
Foram- visitados oa presos dcsle estabeleci-
raento por 17o pessoas, sendo 6d Itoraens e 109
inulheree.
Hoanal Pedro II O movimento deste
estabelecimento de daridade, no die 2 de Maio
foi o seguinte:
19
4
4
. 640
respectivas enfermarlas
Entraram
\ Sahiram
Falleeerara
\ Eastem
Foratii visitadas as
pelos Drs.:
Moscdso s 8 I4, Cysneiros9 1(4, Barros So-
brinlio ar7 1|4, Malaquiaa s 8 3|i, Pontual as
9 li4,Siinees Barnosa as 9 1(2 horaB.
Nao compareceram 03 Drs.:
EstevaoCa valcante.
Berardo.
0 cirurgio dentista Numa Pompilio nao com-
pareceu.
O pharmaceutico enirou s 8 1(4 da manh e
-aliio s 4 da tarde.
O ajudante do pharinaceutioo nMtato s 7
la manh e sabio s 4 horas da tarde.
Wranne locri de> *. -Pan U -1 "or te-
legrauma recebidoj.lioiituiii sabe-seque tsta lo-
tera corre imprelerivelmente hoje s 3 horas da
tarde.
Lotera do Gram-Par-A 3' parte da
i8' lotena, dessa provincia, cujo premio grande
6u:(XiOO, era exlrahida no dia 27 do cor-
rente i segn da-feira).
Cemltcrio PunUen-Obituario do da 23
de Maio de 1889:
Thereza Maria de Jess. 71 annos, viuva, Afo-
sados ; caehexia cancerosa.
Petronilla, Pernarabuco, 18 Diezes, Poyo;
queimaduras.
Alexandr,c Salgado d'Araujo, Pernarabuco. 42
anuos, casado, S. Antonio; tubrculos pulmo-
nares.
Gervasio Caetano Demetrio, Pemainbuco, 46
annos, viuvo, Boa-Vista ; tubrculos pulmona-
res.
Ignacia de Jess. Pernambuco, 70 annos, sol-
teira, Boa-Vista ; pneumona.
Fortunato da Costa Porto, Pernarabuco, 28 an-
nos, sol le ro. Boa-Vista ; anemia.
Maria Francisca da Soledade, Pernambuco, 70
annos, Boa-Vista ; caehexia senil.
UM POLCO DE TDO
Para um paiz como o Congo, sobre o qual Ba-
ti Gxadas todas as vistas as esperanzas e as
cobigas de tantas partes do mundo civilisado;
para um paiz a que talvez esteja tambem desti-
nada cm poca mais ou menos remota a emigra-
cao europea, a questo do clima tem urna im-
portancia verdadeiramentc capital.
O clima do Congo goza de urna fama secular
de insalubndade. E depois do desastre da ex-
pedido Tucjiny, foi elle especialmente conside-
rado na consciencia universal o Minotauro da
legenda, prompto a engulir todo aquelle que ti
vesse o atrevimento de aventurar se as suas
plagas. Os factos c as experiencias dcstes lti-
mos annos, porin km demonstrado a exagera-
eo desse asserto. I ^_
As margens do baixo rio.taerdade, esto in-
feccionadas terrivelmenlc da febre paludosa, as-
sim como o sao as do Gange e do Iodo do cho-
lera e as do Mississipc da febre amarella : mas
as grandes precauces hygienicas tomadas em
prHcipio, os saneamentos e as cultivacOes fetas
depois, teem p.-rmitlido raca branca o estabele-
cer-sen'aquellas longiquas regios da Asia e da
America, estando hoje verificado que os agentes
europeus do estado e das feitorias podem nao s
'pical.
A1iualme11tetamhe111.se o clima dn planalto
an-se manifestado nianntfrstnwuiKtafllguma
wi pernicioso, deve-se-oantes-qnea outra qual-
ser causa s couseojnennins nnfnttas das difTe-
rentes privaces-qneeajsntoalii devia e deve
ainda em algumaipartonoorereque canam por
enfraquecer Ihe anforcammiin* ^nVcaractei-istiuntpri'deatawMnto do otirna con
pntoz,alm da tewluliMdade consequertte .das
emanages ptridas dos rise dos pantanos.'que
os franqueiara, o calor diurno que sombra
se conserva quasi sempre aos trinta graos e em
alguns lugares e em certas pocas d > anno che-
ga at aos cincoenia, ao passo que durante a
noite a temperatura refresca uiuitissiuio, a ponto
to de obrigar em a'guiirtargar os brancos a co-
*irirem-se com dous 00*Ites cobertores de l,
como succede na regio do Kass <\.
Outro grande caracteristico dos paizes tropi-
caes, islo o alternar peridico de urna estnco
secca com outra chuvosa, nfio se maoifesta cm
intensidudeseno ne baixa Congo, onde o auno
se divide em tata esiaees bem distinctas ; a
qtiente e a chuvosa, sendo esta de 15 de De-
zembro a l.'i do Maio, eaquella no resto do
anno.
as ontras regies do paiz esta distioccio ni
to accentuada. posto que nos lili un que vo
de Outubro a Junho chova mais qnc n'a.juelles
de Junho a Outubro ; todava uestes, ainda que
raramente, tambem ha chovas e de modo que
d'elrasnfiolia intennisso iiiaio- de seis das.
A regio mais fria do Congo o Ka tango, que
a vezes ge a segundo dijera os indgenas.
NSo ser fora i proposito observar'que o
meio melhor para que um europea possa con-
S"Tvar-se sao na regio no Cooso, -aadopgo
de urna Cepira prudenttssima de vida, com a ab
slang'j completa de bebidas espirituosas, me
nos um copo de vinho com agua noitinha ; o
uso de comidas mui subtanciaes misturadas
com legumes e berw.; a habitago era lugares
saos, resguardando o corpo, mediante meios or-
dinarios,' contra as mudangas da temperatura e
os raios do sol, como entretendo o espirito pelo
'trbalo contra o tedio ea pro-traeo de torcas.
**
A.raulher sempre a mesma, quer ande co-,
berta de-rendas de Bruxellas. quer envolvida em
simples saragoga.
Os arretaques e o lux nao supplantam a sip-
geleza e a modestia.
0 luxoeeorroinpe, e quando exagerado habita
ao impudor.
Se nao. contemplemos alravz do tempo e do
espago a Franca de Luiz XV, odiemos para a
Franga do segundo imperio ; ahi tereinos 1 pro-
va .
Hoje em dia a gragada formosura, a poesa
juvenil da mocidade, a elegancia do porte todo
o eterno feminmo, einlim, tem mais encan'os sob
a simpheidade natural de ama toilette despre-
tenciosa. _____
** 9WSK
0 Tinus apreciando a actualidade de Fringa,
os seus rainislros e escola poltica, diz cora umi-
ta ingenua e despretenciosa naturalidade :
Os nossoshomeii sao uraa e muflas < vezes
ministros; mesmo na idade bem adiantada, de
maneira que os mogos, membros salientes do
parlamento, sabem que pouca probabilidade ha
contra to vigoroso veterano e de to exhuberan
te vitalidado.
Em-Pranga d-se o contrario.
1 As pastas teem sido espaldudas tao larga-
mente que OMguam pode considerar-se 1.0 abri-
go de urna ofterta. Isto mautm vivaz e alerta a
aulbiro pessnal .
Pois ueste caso, nos estaraos j mais adi
antados do que a Franca !
Temos senadores velhos c depurados cbcni-
cos que nonca libaram o goslioho de Ihe aer of-
ferecida uuw pasta.
Desejos t
lsso porc hamiuitos. ^ .
**
t
Pois vosso, liberal exaltadissimo. vota cora
os conservadores ?
Enlo f..
Nao tera ideas...
Tenho- p- cinco lilhos tambem !
Dizia o pbilosopho Theophrasio que o tempo
era a-couaa mais preciosa da vida, e dclimo-o da
seguinte forma :
Com o tempo o prado seoco reverdece :
Com o torapo caho a, folha uo bosque um-
broso :
Com o tempo para i>-no caudaloso :
Com o lempo o campo pobre seenriquecc :
Com o tempo um louro morre c outro flo-
resce:
Com o tempo um sereno, outro invernoso :
Com o tempo foge o mal duro e penoso:
Cora o lempo torna o bem j quando esquece:
Com o tempo faz mudanga a sorte avara :
Com o tempo tudo corre e ludo para.
#*#
Que qovas d, Sr. Padre ?
Certa moga nerguntou
Ao capelln da lzi'llda
Depois que a missa acabou.
Muttas, responde, importantes,
Entre as quaes causa mais pena
A lei que obriga a casar-se
Mulber de docm pequea.
Tal ouvinuo a, enorme bocea
Ella poz-se a contrabir, /
- Dizendo :Vane tem eousas
' Que fazem- a gente rir.
Nao isso que admira,
Lhe volve o padre, iss nada :
Obriga a ter dez maridos
As que teem bocea rasgada t
Oh deveras, Sr. Padre ?
Diz ella, dou-lhe os amens !
E abri a bocea onde entrava
Um pao de quatro vintens t...
SPORT
Prado Pernuunbncano
1 Ficou assim organisada a ioscripQllo para o
3 e 7o pareos, conforme foi aimunciada :
Suppkmentar:
Diana, Aspasia. Fagolin. Ernoni e Mastn.
hnpr-ensa Pemambucana:
Barnare, General, Pirraca, Cognac, <~adete, Bi-
lontra, J-parte, Be i de Oros, Boyal. Flautista,
Florete, Fausto, Roldo, Rov e Marat.
CHRONICA JDICIARIA
Tribunal da Btclaeo
SESSAO ORDLNARIA EM 24 DE MAIO
DE 1889
PRESIDEXCIA DO EXM. 8E. COKSELUEIRO
QUINTINO DE MIBANDA
Secretario, Dr. Virgilio Coelho.
A's horas do costume presentes os Srs. des-
embargadores em numero legal foi aberta a
sesso depois dn lida c approvada a acta da an-
tecedente.
Distribuidos e passados os* feitos deram-sc
os seguintes
JLOAMEKT08
Babeas corpus
Pacientes:
Manoel Viceute de Arruda.-Negou-se a sol-
tura, contra os votos dos Srs. desembargadores
Monteiro de Andrade, Pires Ferreira e Alves
Ribeiro. que exigiam novos esclarecimentos,
votando o Sr. conselheiro presidente pela sol-
tura.
FelippeTorreao. --Mandea.ee ouvir o Dr. che-
fe de polica.
Angela Maria da onceigao. Mandou-se on-
vir o juiz de direito das execuges.
Izidoro Baptista de Lima. Prejudicado.
J0J0 Ppdro de, Araujo. Maodou-sc ouvir o
juiz de direito da comarca de Goyanna.
Recurso crime
Do Recife -Recorrente o juizo do eommen-io,
recorrido Felippe Jiery Guinaaes. Meiator o
?r. decnanhnrtiudor lavares de Vaeconcellos.
Adjuntos os Srs. 'leanabargaderes-Buiirqne Li-
ma e Pires Ferreira.Bcu-se provimenlo ao re-
curso- naca sirproiiuneMr o recorrido nos arts.
800 4o e 8 1 1 donedigo coramercial contra
O voto do Sr.- dombartfador Buirque Lima que
sustentara o ilespaclio recerrido.
Agiiavos de peligro
Do RecifeAguraviiHle lr.iicaiiuim Josffer-
reica da Rocha, aairravado o juizo. Ilelator o
Sr. desembarga lor rmren de VaseoueeHoss.
Adjuntos os Srs. desembargadores Monteiro de
Andrade e Buarque Lima. Negou-se provimen-
to, ontra o voto do Sr. desembargador Buarque
Lima.
Do Recif'-Aggravanbs Fontes & C, ag;,ra-
,vada Joseplia. Mara da Silva. Relator o Sr.
lesiiiibargador Silva.Reg. Adjuntos os Srs.
desembargadoreS'ToseiBO-sBafrcto e ellino Cu
valcante. -S'egou-se^provtmento, contra o voto
iio Sr. d^sembargaiiorTavares de Vasconcellos,
em parte.
Prorogacao de inventario
Inventariunte Marcolino Pereira Lima.Con-
cedeu-se o praso pedido.
Appellaces crimes
De PalmaresAppelante Martiniano Jos Ro-
drigues, uppellada a justiga. Relator o Sr. des-
embargador Buarque Lima.Mandou se a novo
juey, unnimemente.
Do Recife -Appelante Antonio da Gunlia Gui-
maces, appellada ajustica. Relator o Sr. des-
embargador Buarque Lima. Conlirmou-se a
senlenga, unnimemente.
De Pao d'AlhoAppeilantes Manoel Hibeiro
de Sant'Anna e outro, appellada a justiga. Re-
lator .0 Sr. desembargador Buarque Lima.
Mandou-se a novo jury, unnimemente.
Da ImperatrizAnpellante Pedro Anselmo de
Lima, appellada a justiga. Relator o Sr. des-
embargador Silva Reg. Mandn se a novo ju-
ry, unnimemente, decretando-se a responsabi-
Iidade do promotor hachare! Manoel Antonio
Supardo.
Appellaces commerciaes
De Barreiros Appeilantes Caetano Cvriaco
da Costa Moreira, appellado Silverio Ferreira
da i.'osta Draga. Relator o Sr. desembargado]-
Buarque Lima. Revisores os Srs. desembar-
gadores Tosca 10 Brrelo e Dellino Cavalcante.
-Deu-se proviinentc, contra obrlo do-r. des-
embargado* Tosca no Brrelo.
Do Recife Appelante a companhia de Fiaco
e Teoidos, appellaCo Antonio Geraldo do llego
Barroca. Relator o Sr. desembargador Dellino
* avalcaute. Revisores os Srs. desembargado-
respires Ferreira a PiresGoiicalve* Cunlii-
inou-se a senteuga, unaoiiaemente.
l'ABSAGENS
Do Sf; desembargador Pires Ferreira ao Sr.
desembargador Monteiro de Andrade :
AppelluceS' orimes
De Bom Conselho Appelante o juizo, ap-
pellado Mimoel-Luia de Saut'Aiina.
De Palmares -A|i|iellante Jos-' Francisco da
Sil va. appellada a justiga.
De Aiagado Mouteiro Appelante Joo Au-
gusto de Montes, appellada a justiga.
De Alagoa do MonteiroAppelante o juizo,
appellado Luiz Jos da Silva.
Embargos mfringentes
Do RecifeEmbargantes Sulzer Kauffman Si
'.. i'uiiiarga lo Jos Joaquim da Costa Maia.
Do Sr. desembargador Monleiro. do Andrade
ao Sr. desembargador Alves, Ribeiro :
Appellago crime
De Alaga do Monteiro Appellan'u Vicente
Ferreira Paz.'.appelUnla a justiga.
Appellaro ccanmercial
De ltanih -Appelante''Rt;liciaiio (lomes Pe-
reira Correia de Oliveira, appellado Matiiias
Pinto de Abreu. .
O Sr. desembargador Pires Gonealves como
promotor da justiga deu parecer nos seguintes
feitos :
Appellages crimes
De Muricy Appelante o juizotfapptllado
Francisco Jos de Vasconcellos.
De ora ConseiboAppelante o juizo, ap-
pellado Manoel Ignacio da Silva.
. De Porto de- Peoras Appelante o juizo. ap-
pellado Jos Joaquim de Sant'Anna.
Contlicto dvjurisdiego
Entre os juzes de direito de orpbos e da l'a-
zenda da cidade do Recife.
Do Sr. desembargador Toscano Brrelo ao Sr.
desembargador Dellino Cavalcaute :
Appellago commercial
Do Recife -Appeliante Dr. Jos Vicente Meira
de Vaseoncellos, como tnlor dos orpbdos lilhos
do r. Paula Penna e Jorge Tasso, appellados
os mesmos.
DILIGENCIAS
Com vista ao Sr. desembargador promolor da
justiga :
Appellaco crime
Da ImperatrizAppelante o juizo, appellado
Antonio Gonealves da Silva.
Appellago civel
Do Recite Appelante Joo Gualberto de An-
drade Lima, appellado Joo Gongalves de Souza
Beiro.
Em diligencia 110 juizo a qu
Appellago crime
De Goyanna.vppeilan'.e o juizo, appellado
Firmino Ignacio Ferreira da Silva.
distribicOes
Recursos crimes
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
Da Palmeira dos IndiosRecorrente o juizo,
recorridos Luiz Pereira da Silva e Manoel Leo
dn Silva.
Da Palmeira dos Indioslt<$orrentc o juizo,
recorrido Vicente -Accioli da Silva.
Appellago civel
Ao Sr. desembargador Pires Ferreira :
e S. Miguel -Appeilantes D. Rosa de Moma
Castro e nutras, appellados Francisco Ignacio
de Aranjo Jatoba e oulros.
Appellages coramerciaes
Ao Sr. desembargador Monteiro de Andrade :
De Macei-Appelante Joo Francisco Fer-
reira da Silva Braga, appellada a caixa com-
mercial.
Ao Sr. desembargador Pires Gonealves :
Do Recife Appeilantes ramer Frey & C. e
outros, appellado Manoel da Costa Guimares.
Encerrou-se a sesso s horas da tarde.
de grande necessidade delinearse o planoque
se pretende seguir.
O modo irregular e tumultuario com que de
ordinario se procede na leva de trabalhadores
europeus s servio, na rainha opiniao e creio
'que na de todo o hornera observador, a laucar
o descrdito sobre o nosso paiz, o a-impedir a
fiada ulterior de immigrantes.
Os vicios demonstrados no servigo de aluciar
.europeus deacangam ou originara se especial-
mente na inlervengo de pessoal improprio cuja
nreoccupago tem sido sempre locupletar-se,
ea por quaesquer recursos e ards inconfessa-
veis.
Devido a esse grande inconveniente, vimos
bandos de individuos alijados em nossas praias,
toldos de conlu-eimenlos e de aplides acerca
da^qualquei- ramo de trahalho, verdadeira re-
preseniagao do vascullio das populosas capitaes
da Europa, e que, der>ois de vagaren alguns
das pelas ras implorando esmolas. no estado
mais abjecto, reembarcaram para suas patrias.
To doloroso espectculo e to errado urocedi-
mento deve nos servir de ligio, a nos. timos do
norte, am de que, quando houverraos de ron-
tentar trabalhadores: saibamos escolhel-ose pos-
samos ao mesmo tempo corresponder s pro-
.uiessas que. Ibes lizermos e s soneMucas que
conceberem. v
A apgo do curopeu por esta zona do paiz nao
ouerecc a menor divida, desde que. baseado
em dados e infocmnVes ILdedjgnas e severa-
mente exactas, chegar"a conhecer a- regalas, fa-
cilidades e circum.-ta.icias a nao poder ser mais
excedentes com que aqui depara.
Perguntar-me-ho: Como fazee paca encelar
tamanho emprehendimento ? Pela propaganda,
respondo.
Emboca diminiita a quautia decretada pelo
governo, hasta para sullragar as despezas emer-
gentes. A boa voutade e o concurso dos homens
serios e patriticos Carao o cesto.
Em prxima pubcago explicar-me-hei.
Dr. J. .1. de Albuquerque Paes.
COMMUNICADOS
- A iniHii^i'aeao
Logo que o governo geral tiver feito distribu-
gao das quaniius voladas pelas cmaras em be-
neficio da lavoura do norte do Brazil, tornar-
se-ha urgente prover e executar as medidas que
possam de prompto salvar a populago rural do
naufragio que Ihe est .inminente.
ninguem discute hoje se ou nao conve-
niente altrahir para a nossa patria emigrantes
europeus ; a sua falta sentida por todos; os
mais emperrados exclusivistas desejam-a, ao
contemplarem o abandono, a ruina, a verdadeira
disperso de urna classe que deve ser consi-
derada entre nos a pedra angular do nosso edi-
ficio social e de nossa propropriedadeos lavra-
dores.
Exiguo por demais, insignificante o auxilio
concedido pelo governo, se attendemos sobre-
tudo a que estas provincias do norte, merc de
circumstancias excepcionaes e funestas, mere-
can} raaior quinho e particular considerago.
As do sul do imperio, tanto por sua proximi
dade da corte como pelo verdadeiro preconceito
que adrede se faz circular a respeito ue henigni-
dade de clima e uberdade de solo, alcancarain
at o presente larga piesse de beneficios, e nao
exagero em aflirmar que emquanto nos aqui nos
deludamos na impotencia e cercados de obst-
culos, os habitantes d'aquellas provincias privi-
legiadas haurem nova vida e reconfoftain-se na
mais invejavel das posiges.
Se, porm, at hoje as noticias hbilmente es-
palhadas poderam encaminhar a corrente emi-
gratoria para aquellas bandas, cmprenos apo-
sentar nos resolutos no grande scenario do velho
mundo e disputarmos urna preferencia que. se
traduzir em incaleulaveis vantagens para o
nosso fuluro e bem estar.
Como medida preliminar e indispensavel, acho
Engenhos renraos
.4 Provincia de 23 do raez corrent-, em artigo
edictorial, faz graves censuras ao Exm. Sr. vice-
presidente da provincia, apreciando o concurso
aberto para a fuodago de engenbos eenkraes.
t Provincia, porm. esi mal informada dos
lacios e, com ella, a imprensa opposicienista.
a celuma levantada injustilicavel.
A seugfio d'nnimo, com que tem procedido o
Exm. Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leoem
todo esse negocio est saperior qualquer in-
vectiva.
Assuraindo administrago em 25 de Abril,
quando corra o edital marcando o praso de 90
das para a apresentaco das propostas, foi-lhe
presente umi petig da Kxma. Baroneza de
Amaragy, reclamando contra aquelle praso e so-
licitaudo sua eduego para :t0 dias.
O Exm. Sr. vicepresidente da provincia, at-
tendendo a proceJeucia das razes adduzidas
por aquella respeitavel peticionaria, reduzio o
prazo, desde que se Iratava de negocio bastante
conhecido pelos interes.-ados, lodos residentes
na provincia e agricultores, que desejavaiBiadian-
tar as en^ommendas de machioismos e preparar
as obras necessarias. no intuito de nproveitar a
safra do anno vindouro : nao havia motivo para
reparo.
Foi isso annunciado no jornal official; c, posto
que se dsse a falta de nao acorapanhar sempre
o 2o edital uo 1", foram apresentadas 20 propos-
tas par contractos de H engenhos.
Nao ser, cortamente, suspeita para a opposi-
go a Exma. Baroneza de Amaragy e a circum-
stancia de ser esla a promotora da reduego do
prazo bastaute para enllocar o administrador
da provincia fra do alcance das pretendidas
censuras.
O mais, que se tem tido, deixa bem aferir da
justiga das incriminages.
iz-se: que as propostas nao foram Jidas e
apfcnas rubricadas por S. Exc.
Conhecidos pelos proponentes presentnos no-
mes de lodos os signatarios da propostas e
o numero d les tas, se certo ler escapado ao
Exm. Sr. Dr. Ignacio Joaquim convidaUos para
rubrical-ascomsigo. tambera certo que deu-lues
toda a margen reclamacOe que porrenlura ti-
vessera a fazer, nao apparecendo urna s e reti-
rando-se todos satisfeitos.
Entretanto, setaelhante omisso, se, como
tal, pode ser considerada, jamis intluiria para
o caso sujeito, desde que, julgando se cima de
suspeitas, no queconvm o articulista d'A Pro-
viwia. pelo seu reconhecido carcter, e nao lhe
oceorrendo que entre o*-proponentes houvesse
quem duvidasse de sua'probidade, devia seguir-
se, como seguio-se. no jornal oflicial a publica-
co de todas as prapostas, faaendo-se assim co-
nhecida. pela nielhor forma, dos proponenles
presentes e ausentes]a integra das mesmas.
E jamis se poderdenxergar interesse poltico
no proerdimento de jv Exc.
Attenda-se para os* noines dos signalarios das
propostas; estes, em sua quasi lotaldade, nao
sao amigos da administrago.
Como estas, sejam todas as censuras levanta-
das contra os acios do Kxm. Sr. Dr. Ignacio Joa-
quim, mormeiite.qnando consta que nada.resol-
ver sobre engenhos centraes. por depender esse
negocio de aecurado estudo e exams que nao
estarao cerlamenle concluidos, antes de passar
S. Exc. a administraro ao seu successor.
Pl'BLICPES A i'Eiliilt)
Loteras da provine!as
l'BOJKCTO N". 46
I
Confiados em sentmenlos do mais justo pa-
triotismo, que devia inspirar a illuslie Assem-
bla Provincial, nos ha vamos determinado, como
norma de boa conduca, nao combater e discutir
pela imprensa o projecto sob n.^s*6,-aguardando
a discusso, que se ferbse entros Ilustres de-
putados, que bem deviam pesai- a medida, que
atinal foi votada, e em breves dias subir
sanecao presidencial !
E foi o nosso procedimento a resultante ne-
cessaria da simples leitura do texto do projecto,
dcixando ver, sem fatigante trabalno, o meio
pou.o licito, e incapaz de ser acceito entre a
gente honesta, mxime por aquelles, que, agin-
do sob as leis rigorosas do mandato, carregamo
restricto dever de curar pelos interesses da pro-
vincia, que representara.
Euganaiiios-nos, porcra ; e soinente do erro
de ossa criteriosa apreciaco tivenios o triste
convenciraento, quando lemos que havia passa-
do em terceira e ultima discusso o projecto
o. 46.
E' mais urna dolorosa lico, por va da. qual o
poder legislativo provincirl ceded ao interesse
puramente individual, erabora se manifest o
mais criminoso sacrificio para os cofres pbli-
cos, para a populago desta e de ontras provin-
cias, que se illude no jogo lotrico ante a ta-
guetra esperanza,que lhe acea a probabilidade
de lucrar muito, como favor da sorle, sob o
risco do emprego de pequeo capital.
Engaarnos-nos, sira : porquanto era bem Ion-
ge de suppor, que homens intelligeptes, eque per-
lencera aos dous partidos polticos, se agrupas-
sem, e conslituissem maioria para a passagem
de um projecto infeliz, como o 46 !
E o que mais doloroso, diea v-'''
que o projecto nao foi sujeito ao serio exame do
estudo. desde que o suffragava urna demasiada
soffreguidao. alias necessaria para nao cahtr no
dominio publico um acto reurovado pelas leis da
moialidadc social, porem que infelizmente fot
votado por membros de urna Assembla, que'de-
viam sentir bem de perto o fogo do patriotismo,
e as iraposiges do decoro publico !
Tudo, porm, nao est perdido.
Me membros da Ilustre Assembla desviaram-
se de zelar pelo bem publico ao honrado presi-
dente da provincia cabera, redmente, a nobre
misso de repellir-lhes o acto, negando sanelo
um projecto, que, pondo em jogo dinheiros p-
blicos, ilinheiros do povo, e beneficios pias
instituiges, est, entretanto, confiado pura e ar-
bitrariamente no supremo poder do thesoureiro
das loteras.
E' o mais feliz dos fnnecio arios publi
Para isso conhecer-se, e nao se nos lngaro
titulo de exagerad 1, b isla "a leitura de algumas
dlsposicocs do projecto u pelas quaes o thesou-
reiro,
i


^1
\+*



'
\ WTHAsf 1


Diario de Pejnatnibuco Sabbado 25 de Mala > de 1889
3


i-
i
,"

'o tem a fiscalisacao do poder putii
"de por si s odiar "t seis meses a sjotrac-
d annualmente ao Ttesonro Provincial
loU'rias, que fizera correr : nio pres-
^^^^HMancesscs. e que nao so as unirs,
iMsise revela o fado indecoroso o pro-
^^^Ettaniipara af> idea do acto da
Assenibla, sem linda encontrarmos ao
o'tcacc a que elle abi cspaco.
io,-um acio impensado, no preparo
-* levou o caniinlio do atropello, notaa-
gaacia dispensa de iuterslicio, e tudo
3^^mto uecessario a marcha recular e serena
e momentosos projectos, como, nao lia neeal-o.
'o46.
Mas tudo era neeessario para vulgar antes de
boa reflexaoa pasaagem do semro de loteras,
no qual se annullou at a intervengao do presi-
dente da provincia, eogitand.-.-se nicamente do
bem particular de um feliz tlu-soureiro, que oc-
cultauto a sua Ilustre personalidad*a>.deixa ap-
parecer a de um testa de ferro, que 9e rotula
conservador!
Porventura dif-o nao teriam conhecimento os
Alustres depulados, que sellaram com seus votos
um escndalo no ramo de um servigo publico e
importante I _
Nao acreditamos, porquanlo seria urna con-
demnavel ingenuidade, que jamis pode ser ac-
ceita nos ditames'da i>a f.
E quaiido por ventura existise a ignorancia
do que avaneamos, o que dillicil acreditar pelo
interesse enorme responsabilidade na i-oncesso de um
favor purnmeuu pessoal com detrimento da fa-
xenda publica, cujo dinteiro perteticeodo pro-
vincia nao Heve ser desbaratado pelos seus di-
gnos representantes.
Nao ha para onde fugir o ppocedimento d'a-
quelles que tomaram a tarefa de levar a eireilo
um projecto, que apenas pela Assembla foi nu-
merado com os ilgarismos 46, e emendado ni-
camente no valor da (anca, que se reduzindo a
40:0005000 fot elevada a :0OiO001
O mais, que se li* no projecto a interra do
que pelo proprio punho do thesoureiro foi es-
cripto !
E', com effeito, o mximo da condescendencia
de representaules da provincial que se distin
guem eru pequeninas questes polticas, e nao
reparaiii par os escndalos, que se levantaro,era
bora cusi um assalto aos cofres da provincia.
Poupe senos a dureza da linguagem, pois nos
cabe aqui dizer, como o celebre Juvcaal, idi-
qnacio ferit versas.
A iiiili'iiacao nos sobe diante do Patudo do
projecto o. 40, que infelizmente quasi !ei, e no
qual, alm do muito, se tira das minguadas
rendas da provincia, e para o thesoureiro das
loteras, os premios de bilhetes, que prescre-
veral
E no tudo : incurta-se, para maior favor, o
prazo da prescripgo para seis mezes, quando
para a fazenda provincial era de um anno, o du-
plo do lempo!
Qual, porm, o motivo desse favor, que nuoca
se deu a faz mia !
Niiigucunos responder seriamente, porquan-
lo no projecto n. 46 sent se em cada artigo e
era cada paragrapho a ausencia do interesse pu-
blico, e se encontra o interesse particular unica-
JMtfle.
Base interesse a resposta a nossa interroga-
gSo, pois que elle ludo avassa'.la e domina, nun-
ca se caneando de exigir o que escapa aos do-
minios da s moral, da severa honestdade, e da
lei positiva.
B foi com o sacrificio de principios tao sagra-
dos que se ergueu o projecto n. 46. ferindo cla-
ra e aberiamenle a nossa lei poltica fundamen-
tal.
rente urna cal uranios* accusac&o contra o
digno Dr. juiz de orphaos desta villa,
qual, Bem duvida, S. S. nao descera a
respoader, pois que, na sombra do anony-
ato reconhecer occnlto um miserav(4,'
que esqnecendo se da commiseracjlo, que
inspira seus adversarios, que suppor-
tam-no exercendo um lugar, alias de re-
presentaban, trata de espezinhar'a repu-
tago de quera, como o Dr. juiz de or-
Nem para isso attenderam os Ilustres depu-
tados, quando consonaran] que no projecto ela-
borado pelo thesoureiro das loteras, se proh-
bisse a veodagem de bilhetes de loteras de ou-
tras provincias e de loteras estrangeiras .'
Priva se o coramercio licito, e por urna lei pro-
vincial, quando a eoistituigo poltica garante e
consagra o principio da liberdade do coramer-
cio, e na qual se comprehende a vendagera de
ftilh-les, que sao urna mercadoria, como outra
qualquer, MJMta venda e revenda, que con-
stitue o carador de actos de commercio, desde
_ue se aufure lucros.
O projecto, porm. despreja todo os bons
principios, e smente permute a vendagem livre
de billieles que forem expostos venda pelo
thesoureiro, sob plano cxrl ticamente seu. debairo
de sua unmi responsabilidade, e sem a appruvarrm
do presidente da provincia, que ludo pode admi-
nistrar e liscalisar em qnalquer ramo do servir.)
publico geral e provincial, menos, porm, quaii-
to ao servico de loteras !
Melhor lora, e raesmo seria mais supportavel,
que o projecto se referase rifas, e nao cogi-
tarse de loteras que smenle nflamam a acgo
do presidente da provincia para a nomeago do
thesoureiro, negando-se-lhe, porm, o direito de
liscalisar os actos desse funecionario.
A' esse verdadeiro lisparate que nao pode
ser comido em cerebro pouco ajuizado, couduz
o projecto n. 46.
E a consequencias superiores nao attingiria o
acto da llostre assembla. que nao consultou o
bem publico, guiando-se pelo supposto benelicio,
que se allega para a Santa i asa. e pela necessi-
dade.de reorgoisar-se o servico. que final pro-
duzio as mais escandalosas franquezas nica-
mente para o Hiesoureiro das loieriiTS!
Nao contestamos a necessidade inculcada,
apezar de smenle redanal-a actual thesou-
reiro : mas ella devia primeiramente ser estuda
da em moldes garantidores do seivico e do in-
teresse publico.
Contestamos, porm. os beneficies Santa Ca-
sa, que nada lucrou e ncm lucrar !
A esse respeito podemos assevenar que a pia
instilnico melhores beneficios conseguira, se
fosac levado a effeiio o sacrificio, que a pedido,
baa lomado um illustre cavalheiro e geralmcn
te conliecido de fazer correr as loteras que se
achavaii] sus|icnsas
Eniao a SaqijCa^a lucrara, o publico servi-
co e-i ii a gar(ltdo, e nao se faria o cortejo de
favores a una thesoureiro que nao se contenta
com n'Tjfciiiito* que outros obiiveram e. clie-
garam a accumular haveres.
Aqui.'lles lucros foram pelo projecto n. 46 con-
sidera velmentc augmentados, com prejuizo para
as ii-iiiurcos cbenetrcadas, e para a fazeitda
provincial, que, pordendo os premios pr"scri-
ptos, abre mao de suas rendas, e que figurara
nos orcamentos, em proveito do interesse do
thesoureiro das loteras I
A*esse funecionario tudo concede aquelle pro-
jecto, que talvez, a esta hora j se ache em po-
der de lixm. Sr. Bario de Sowa Leo pedindo
a sa^raco, por via de sanejao, onsttuir-se
una lei" na qual o presidente da provincia sen-
te annullar-se a sua autoridade perante um
funecionario que elle nooieou I
A' esse papel reduz o projecto a 46 a primei-
ra autoridade da provincia, a qnal se limitar
simplesmi nte a ver um seu fenccionario exer-
citar actos da maior relevancia, interessando
aos dinheiroipublicos e particulares sem a me-
nor li.-ialisaco, sem o menor correctivo um
desvio que porventura se d.
E' incnvel tanta condescendencia aos Ilustres
oiembrns da Assembla, porem a verdade,
que S. Exc. lera, quando der ligeiro golpe de
\ista no texio do projecto n 46.
EataoS. Exc. sentir tambera a dor da justa
indignagao, que nos experimentamos ante a
existencia de um acto, que merecer todo equal-
qner qua!ifioativo,Mienoa porem, o de serio-
O projeeio n. 46 rwo um acto seno, e nem
exprime a nobreaa de sentimentos em favor do
bem publico.
^tudu'eaie projee*o, com a hombri-
daJe do carcter ue-um nomem e imaiaculada.
probidade salve a fazenda provincial, salve os
dinaeiros pblicos, salve os dinheiros dos par-
ticufares, c salve.. a honra da maioria de
una Assomblea, que experimentou urna honi
de louiura !
S. Exc. nao sanecione interesses inconfeisa-
veis, como lillio desta provincia, digna de melbor
sorte.
E basta por no|e.
i de Maio de
Epaminundas.
pliaos, procora olevar-se, honrando o seu
cargo e nao nivela-se aos que abjectando-
se intima esphera social, como o repro-
bo autor da raissiva, rasteja a baixa a
execranda carnada.
O trullo, autor da verrina atirada con-
tra o bacharei Benevides representou de-
veras um bonito papel: mandando que
una pobre mSi desnudarse suafilha, maior
de 12 annos e percorresse as mas desta
villa, mostrando suas formas, pretexto
de ter sido brbaramente castigada por
este juiz, quando o foi moderadamente e
como correctivo de urna falta por esta
commettida.
O vesnico, porem, procura va nisto um
motivo para ferir o Dr. juiz i de orphaos,
de quem adversario poltico e de quem
recebe o despreso, que sua asqueroza pes-
soa inspira, em paga de seu odio.
E' pona que a compaixao quo levou o
covarde a publicar o facto, que servio de
assumpto a sua verrina nSo Ihe tivesse
irrompido, ha tempos, quando sua propria
muiher, por motivos que a moralidadome
faz calar, espancou Mara Roza, pobre
mo^a, filha de um miseravel aleijado, a
qual banhada em sangue percorreu em via
dolorosn as ras desta villa, indo refugi-
ar-Be em casa do Sr. inajor Vicente, onde
caridosamente foi medicada.
Oh pandorga! porque nao reagiste des-
ta vez contra os sentimentos humanitari-
os, que te sao innatos e nSo vieste m-
prensa prestar tambera esse relevante-ser-
vico tua cara metade ?!
Tartufo !!
E' o caso de dizer-se que quem se-
nhor da vida alheia despreza a sua.
Relaxado no cumprimento de seus de-
veres, desmoralisado para com os seus
concidadaos, corrupto, desprestigiado, ap-
pareca esse ebrio de profissao, que o go-
vern- do estadista do cresca e appareea
do confrade Fre Antonio (como elle lhes
chama) tem deixado impune e isento
das penas do artigo 166 do cdigo crimi-
nal ; que sua toga ser apresentada ao pu-
blico suja e manchada das mais infames e
negras nodoas.
Felizmente, nao esta a primeira vez.
que o miseravel, quem silo dirigidas es-
tas linhas ouve semelhante verdade.
J lh'as decantou tim liberal quando
em Cabrob pertencia elle ao partido con-
servador.
Tenha o pusilnime a coragem de subir
tribuna do povo com o rosto a descober-
to; venha ferir de Ojote seu inimigo ;
atirepara longe a capa e o sombreiro do
lazaroni que, firmle c;>nscio da victoria
espera-o o Dr. juiz de orphSos, quem
traicoeiramente quiz o infame molestar,
trazendo lume um historia deturpada e
calumniosamente transformada.
Si j te nao lerabras da chronica do fi-
lho do bedel de Olinda, que o tenente-co-
ronel Antonio de Amorim em lettras mai-
usculas publicou, provoca teu collega, que
te publicar a 2a ediySo mais correcta e
augmentada e em typos garrafaes.
Ponha q tartamudo sua calva a mostra
que nRo ftcar por certo c/ efl c/< orajSo
lavado.
Boa-Vista 29 de Abril de 1889.
X. P. T. O.
1%. 9
A muiher randa ura dos seBS-prinoipaworgu-
Ihos na suave rottmtHdade-das suas formaSj e
quando a naturez; qoe nao sempre favorece a
medula dos humanos desejos, nega esta Totun-
didade, ou o que anda peior, a troca por urna
superabundancia de ngulos eossos impertinea-
tes. ento s a modista pode acalmare' deses-
pero da lilha de Eva.
Mas boje n-io ha porque desesperar: com o
uso constante de algnns vidrosda legitima Emul-
so de'Oleo de i-'igado de Bacalho dcLanman&
Kem, segundo as instrueces que acompanham
a cada vidro, as carnes r'eapparecem, os tecidos
ceHulares augmf-ntam, a demacracao cesja, e a
desejada rotundiddde natural das formas obti-
da ao mesmo lempo que o systema geral pa-
rificado de todo elemento ou mo humor malsSo.
e os pulmes fortalecem se e adquirem urna ro-
bustez excepcional
Alm disto a Emulsao de Lanman & Kemp,
que sera dunda, a melhor de todas, cura-
radicalmente 'todas as molestias do peito e da
garganta e constitue o agente digestivo mais ef-
oai em casos de dyspepsia ou enfraquecimento
do estomago ou da digesto.
o-
isaaso-
O promotor de Cimbres ao
publico
O Sr. Dr. los Julio Regueira Pinto de Sou-
za, impulsionado pelo ardenle desejo de fazer
mal a todos aquelies quo teem a izfelicidade do
desgostal-o ou contrarial-o em seus caprichos,
pretendeu prevenir contra mim a opinio pu-
bln a, fazendo inserir as columnas da Provin-
cia de 5 do correte o despacho em que, na
qualidade de juiz de direito desta comarca, de
cretou a minha resporwubilidade como incurso
no a.-t. 129 6o do cod. crira.
Nao venho agora analysar nem contestar os
fundaBientos da aceusoc. que me dirige o re-
ferido juiz, e que bao de servir de base a um
proe.esso. que elle niesrao coaessa ter de cahir,
visto que so foi instaurado para incoraniodar-
me!!!
Basta por boje que o publico saiba que tor-
nei-me criminoso pelo simples facto de nSo ter
querido sujeitar-me a declinar de minhas aitri-
buiges, substituindo, s por vootade do juiz de
direito, duas tcstemunbaffarrotarias em denun-
cia, e que urna s vez nao haviam sido notifica-
das para depor no respectivo processo; sendo
digno de nota que ambas sao aqui eluitcres e
jnzes de faeto. unM.deto^wto luterano do Po-
gao e outra vereador da Cmara Municipal des-
ta cidade.
Aguardando, portanto, o resultado do pro-
c isso, apenas pe^o a (odas as aessoas que nao
me conaecem a bondade de suspenderem qual-
quer jaizo a meu respeito. at que eu possa
exhibir urna defeza cabal e satisfactoria.
Pesqueira, 16 de Maio de 1889.
Joaqun Mauricio Wanierley.

?:

-? ss
ri-
Bua^ista
;rapae Partida ijhesai
sabio publicada.em um da
do Jornal do Stffm 9 do cor
M S5 V'

f So
^ S w
=355
3 .
"= 3 _
"S
m a
a a.
s*
vz
Ssl
=--"2.-
ase-
-- o.
Ssi
>os._
3
ELBtpO
PiowilWa em me*arcxe-4mede
10 do corrale dos juizes c
juizas que teem de festejar a
gloriosa Sinhora Sal Auua.
erecta na igreja da *;int: Cruz,
desta cidade, no da 18 de
Agosto deste anno. como de-
teraBina o respectivo co
misso.
^ Juizes por eleico
Os IIFms. .re.:
Commendader Manoel Antonio Cardse
Lonselbeiro Quintino Jos de Miranda
Governador do Bispado Dr. Jeronymo Thom da
Silva.
Tenente-coronel Dr. Antonio Florencio Pereira
do Lago.
Dr. Manoel Barbosa de Araujo
Dr. Manoel da Triudade Peretti.
i lente da armada Ignacio Luiz de Azevedo
tosa.
Commendador Jos Candido de Moraes.
Dr. Alvaro Uchoa Cavalcanle.
Commendador Luiz Jos da Silva Guimarfies.
JoSo Moreira de Araujo Lurarncnto.
Dr. Pedro Gaudiano de Ratis e Silva.
V igario Americo Soares de Novaes Mello Avel-
lins.
M-ijor Jos Elias de Oliveira.
Commendador Joaquim Felippe da Costa.
Dr. Joao Feliciano da Malta e Albuquerque
Francisco Pinto de Mag;-lhcs.
Dr. Joao Vieira da Cunta.
orameedador Joao Vicente de Torres Bandeira-
Dr. Joaquira da Cosa Ribeiro.
Coronel Sebastiao Alves da Silva.
Commendador Miguel Jos Alves.
Dr. Luiz Rodrigues Villares.
Dr. ntonio Jos da Bosta Ribeiro.
Teuente-coronel Jos de Oliveira Castro.
Jos Domingues Maia.
Dr. Manoel Gomes de Mattos.
Juizas por eleicao
As Exmas. Sras. :
D. Olindina Carneiro da <~unha.
Baronesa da Soledade.
Baronesa de Aniaragy.
D. Mara Anglica da Silva Tamborim
. Rila Mara Marrocos Pereira.
D. Mana Isabel Pinto.
D. Candida Rosa de Carvalho Bessone.
I). Guilbermma Maria da Lonceicao Galvao.
Baronesa de Catuama.
D. Jacintha Avelina da Cruz.
1). Brasilia Amelia de Carvalho.
D. Helena Laura Cavalcante.
D Rita Maria de Mendonfa Figueiredo.
D. Maria Claudiua dos Santos
D. Amelia Augusta de Moraes Quental.
D. Maria do Carino Nogueira Vilella.
D. Amelia Rampkc. >
D- Luiza Leopoldina de Sant'Anna.
D. Bernardina de Si Araujo Ferreira
D. Luiza Maria de Carvalho.
D. Manoela Olvmpia de Oliveira Rios.
D. Maria Emilia Alves Vilella.
D. i onstanca Maria daConceisao.
D. Zulmira Cavalcante de Albuquerque
treau.
Matbeus RamostfctCraz.
lactrvo do Pessos Bastos.
Joaquim Francisco < ollares.
Domingos Antonio da Silva Beiriz.
Antonio Jos Lisboa de Oliveira.
Juizas protectoras
As Exmas. Sras.:
D. Anna Rita, esposa do Ulna. Sr. Dr. Joaquim
Loureiro.
D. Anna Thimes.
D. Anna Valenca do llego Medeiros.
D. Anua Ignes da Silva Hamos.
D. Anna Laurinda Varejao Barbosa.
D. Anna de Souza Ribeiro.
D. Anna ItrigidH da Cunha Paiva.
D. Auna Isabel da Cosa Carvalho.
D. Anna Jo3cphinn de Oliveira Quintelle.
D. Anna de Souza Rios.
D. Auna dos Anjos Correia de Araujo.
D. Anna Rosa de Lima.
D. Anna Lima Ponlual.
D. Anna Martins- de Castro.
D. Auna Amelia Uchfla- Cavalcante.
D. Ann, esposa do Ilrm. Sr. Fronciseo-JeronyaK)
Pereira.
D. Anna Pinto Alves.
Consistorio da irmandade da Gloriosa Senhora-
Sant'Anna, erecta na igreja da Santa Cruz do
Recife, 10 de Miio de 1889:
O secretario,
Antonio Alves Vilella.
Vigario, Augusto Frankkn Moreira da Suca.
A'o publico
io.
A provincia ternas obras um engenbemvts-
Manoel Pereira"de Figueinclo. londeUa* 9a1 ^ no?^ *> "^01" a P1^1'3
com a gratihcacao de :230#.que correrTior
declara que do dia 15 do corrente em d-
an e pasaou a assignar-se.
Manoel Pereira do Amarl londella.
Dr. Firmo Xavier
Medico e operador
D consultas das 11 as 2 horas era seu con-
sultorio ra da Imperatriz n 30 1 aname
tem sua residencia na cidade do Cabo, onde po-
de ser procurado'das 6 da tarde as 9 da uianh-i
conta do proponente.
U.
Corretor
Necessita-se de umapessoa que 6e quei-
ra encarregar da venda de um artigo pro-
. vilegiado.para o allivio da surdez. um
encargo de grande vantagem e de muito
pouco trabalho. Quem pretender pode d-
rigir-se por meio de carta a caixa de cor-
reio n. 123S em Buenos-Ayres.
Estreitamento da urethra
Ao Ulni. Mr. Dr. Carlos Beten-
court
O abaixo assignado vem pelo presente agra-
decer ao distincto especialista Dr. Bettencourt a
importante operagao que Ihe praticou n'um es-
treitamento da urethra que o acabrunhava ba
mais de dous annos. Vendo as inmensas curas
feitas por este Ilustre doutor re-olvi-me a pro-
curado no seu consultorio, onde fui lia dias ope-
rado pelo electrolise, aps cujo tratamento acho-
me perfeitamente curado.
Recife, Maio de 1889.
Joaquim Antonio da Fonseca Galvao.
Aviso aos nossos leitores
Os nossos leitores que visilarem Taris
durante a ExposicSo j sabem que pode-
ro 1er os ltimos nmeros recem-chega-
dos do nosso jornal que em casa dos Srs.
Amde Prince & C, 36, r a Lafayette,
quer da sala de lei tura pelos nossos cor-
respondentes estabelecida na exposico
no Pavilhao da Repblica de Guatemala
cujo commissario geral dignou-se de por
graciosamente urna sala com varanda
disposicao dos mesmos senhores.
Para se evitar qualquer confusao, os
nossos' amigos que quizerem receber a
sua correspondencia em casa dos Srs.
Amd rince & '., devem mandar diri-
gil-a ra Lafayette, n. 36, por ser a
sede do servijo especialmente organisado
oara isso.
IVicaala
A CELEBRE
Rainia do Sdba
Brevemente
Boli-
Viscondessa de Tabatinga.
D. Antonia Dias Guimares.
= 3-0
90 2
r-e-

3
te
S-K. :=.<. rr 2
= =

5-av*
SI

= r a
-o 2:2
b'c'S
. ". -1
= c 2 ~
Vt le s*M
II'
3
3
y- *
0-2.2.0
lJ
p
(

9
1
te.
* <
1
D
Despedida
Jos lavares de Medeiros rr-tirando-se teni|io-
rariamente para a corte do imperio, pede des
culpa aos seus amibos e collegas por nao despe-
dir se peaaoetaente de todos aqm-lles que o hon-
raran! com suasaniisades, e o faz por esti
tiiuo-lhes os seus Jimilados presltmos
all, su aonde o destino Ihe cooauzir.
O mesrao julga nada dever nti cidade ou
1 fra d'ella. porem aquelle que se julgar seu (re-
dor poder desde j apreseatar eaa conta afira
e ser satisfeita
Juizes por devocao
Os Illms. srs. : ^
Dr. Virginio Marques Carneiro Leo-
Dr. Manoel Florentino de Albuquerque Monte.
negro.
Dr. Alexandre de Souza Pereira do Carmo.
Antonio Gomes de Mattos.
Jos Antonio Ferreira Porto.
Julio Augusto Secades.
Jos i.astor de Araujo Souza.
Florencib Jos de Azevedo Santos.
Dr. EloyJjandim.
Ilenrique Pinto de Lemos.
Antonio Francisco Arelas.
ernardo Jos da Rocha.
Martinho Jos Esleves Guimares.
Joao Antonio da Cunha Cartella.
Teen te mani Pedro de Asevedo.
Antonio Joaquira de Sant'Anna.
Ayres de Souza Biplista.
Basilio Lopes Pereira.
Manoel Lopes de Carvalho Chaves.
Ludgero Lopes Liraa.
Joviniano da Rocha Pereira.
Theodoro da Silva Campos.
Silvestre Baptista de Santa Rosa.
Manoel Cardoso Jnior.
Francisco Antonio da Silva Beiriz.
Andr Maria Pinheiro.
Manoel Goncalves Agr.
Juizas por devogo
As Exmas. Sras. :
Esposa do Illm. Sr. tenente-coronel Manoel
Mariins Fiuza
Esposado nosso irmao Joao MendesMartins.
Esposa do.Illm. Sr. Dr. Joaquim Jos. Ferreira
da Rocha.
As Exmas. Sras. :
Esposa do Illm. Sr. Manoel Martins da Silveira
Barros.
Esposa do Illm. Sr. Julio Augusto Torres J-
nior.
Esposa do Illm. Sr. Vicente Ferreira Nunes.
Esposa do Illm. Sr. Julio Jos da Costa.
Esposa do Illm. Sr. Joaquim da Silva Salgueiral.
Esposa do Illm. &r. Ao too i o Soares Pinto.
Esposa do Illm. 8r. Victorino Silva.
Esposa do Illm. Sr. Jos Mariins de Almeida.
Esposa do Illm Sr. Antonio ce Miranda Caslello
B raneo.
Esposado Illm. Sr. Antonio Alfonso Smes.
Esposa do Illm. Sr. capitao Benjamn Amos Jos
da Fonseca.
Ksposa do Illm. Sr. Graeiliano Octavio da Cruz
Martins.
Esposa do Illm. Sr. Pedro Goncalves Torres.
E-posa do Illm. Sr. capitao Joo Bento Montciro
da Franca
Esposa do Illm. Sr. lente Godofredo de Abreu
Lima.
Esposa do Illn?. Sr. Dr. Vicente Ferrer de Barros
Wanderley Araujo.
Esposa doUlm. Sr. Felippe de Araujo Sampaio.
Esposa do Illm. Sr. Clemente Lima.
Esposa do Illm. r. Aurelio dos Santos Coim-
bra.
Juizes protectores
Os Illms Srs. :
Tenenie- oroni I Francisco J"anstino de Brittcfl
Dr. Jos 'Ivs Cavalcanle.
Padre Albino de Carvalho Lessa.
Ari.-tcu Pinheiro de Mendonca.
Majo: iletiiL'Ierio Maciel da Silvn
Capitao Theolindn Augusto do Reg.
JoaoFranciscc Dures.
Alfredo de Lemos Leal Reis. 1
l'nfcs-or Flix de Vlois Correia.
Tenente Leobaldo Augusto de Moraes.
Manoel Moreira Campos Jnior.
Joaqu'm Ramos da Costa.
Joaquim da Cosa Maia e Silva.
Felino Dostano Ferreira Coelho.
Joao Teixeira Ba
Joo Ansberto Le
Joo Alfredo Martins "ibeiro.
Antonio Pereira de Magatnes.
Joaquim de Gouveia Cordeiro.
fio Olavo Antonio Ferreii.
Henrique Goncalves Dias.
H
AVISO A NUESTROS LECTORES
Los de nuestros lectores que_ vayan a
Paris mientras la Exposicin, saben ya que
podran leer los ltimos nmeros de nues-
tro peridico recibidos sea en casa de los
ttrs. Amde Prince y C. sea en
el gabinete de lectura instalado por dichos
corresponsales, en el Pabelln de la Repbli-
ca de Guatemala, en donde e' comisario
general de Guatemala ha puesto graciosa-
mente a la disposicin de dichos Srs.
Amde Prince y C, una sala con
terrado.
Para evitar toda confusin, los amigos
nuestros que se hagan dirigir la corres-
pondencia a la casa de los citados Srs.
Amde Prince y C- debern hacerlo
36 ru Lafayette, en donde estar espe-
cialmente organizado ese servio. (2)
Aguas alcalinas mineraes de Ilion-
dariz em Pontevedra, na llos-
panha
. ESPECIALIDADES
para molestias-de estomago,.taes como: dispep
sia gastralgia, catharro chrouico do estomago,
ulceras simples,
Molestias dos intestinos, taes como: enfarta-
aiento do ligado, ictericia, calculosbilia.-es, diar-
fha chronica, etc., etc.
Molestias das vias urinarias, taes como: dias-
teses-uricas, catbaTO vesical, diabetes sacarina,
albuminuria e gotta.
as anemias, chlorosis, psoriasis, prunigos,
dores artrticas e inutras mui'.as molestias.
As aguas alcalinas de Mondaria nascem de ro-
chas granticas na temperatura de 180 centgra-
dos, sao claras, incolores de cheiro parecido um
pouco aos de ovos cosidos, sabor alcalino, pro-
duzindo um ligeiro sabor picante na occasio de
toraar-se. Ellas sao classiricadas no numero
das alcalinas e bi-carbonaladas de soda.
Estas aguas acbani-se venda no estabeleci-
mento do Sr. Antonio Alfonso Smes, sito ra
Viscoode de Goyauoa n. 1 (quatro cantos), em
Boa-Vista, e no escriptorio do Sr. Joo Ramos,
na Praga da Independeeia n. li.
Cirurgio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for-
mado pela Universidade de Maryhind nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra Barao do Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da mauha.
Chamados (por escripto) qualquer hora.
TELEPHONE N. 226
{ Frederieo Chaves Jnior ||
Homoepatha
W 39 RA BARO DA VICTORIA 39 H
} ( Primciru andar ( \
A eoquelnche e o Peitoral de
(ambara
Dois netinhos da respeitavel matrona, a
Exma. Sra. D. Maria Jos Rodrigues Bar-
cellos, moradora em Pelotas Rio Grande
do Sul, cstaviu atormentadus.pola coque-
luche, sem obtterem ailivio com o trata-
mento do seu Ilustre medico. Um dia a
dedicada av deu-lhes o Peitoral de Cam-
bar e ficou surprehendia com o esplendi-
do resultado do medicamento.
Chamamos a attenco do leitor para o
seguinte attestado firmado por aquella dis-
tincta senhora:
< A abaixo assignada attesUi, a bem da
humanidade, que tendo sido, em Dezembro
paseado, atacados-de coqueluche seus ne-
tinhos, Antonio e Dejanira, e sem terem
podido obter. allivio com o tratamento de
seu Ilustre medico, deu-lhes o conhecido
Peitoral de 1 'ambara do Sr. Jos Alvares
de S. Soares c, com quatro vidros deste
eficaz remedio, ticaram completamente
restabelecido8 do terrivel sofrimento.
Maria Jos, tiodrigves BarceUos.
Precos : frasco 2f)i>00: 1[2 duzia 13;
duzia '24fr.
Vende-se era casa dos agentes Francis-
co Manoel da Silva & C, ra Mrquez de
Olinda n. 23, e em todas as boas pliarma-
cias e drogaras desta capital.
sr-
Herm. Petersen & C.
Reichenstr 29/31
HAHBIRU)
Participam aos seus numerosos amigos que
para facilitar aos compradores de ultramar tem
completado em Sua casa, um rico sorlimeuto de
amostras de todos os artigos alternaos, o que re-
coramendam aos seus amigos que acabara de
visitar a Europa.
A amortisacao das apolices auxiliares de que
traa o n. 5 do art. 16 da lei 1860 de 1885, sera
feta de accordo com o, 3 do artigo nico da
lei n. 1972 do corrente "anno.
12.'
O contracto realisado pelo proponeute, s po-
der ser transferido a agricultores, precedenao
approvaco do presidente da p'ovincia, com.re-
laco ;i todas as clausulas da cesso ou trans-
ferencia.
Poder, porm, o proponente incorporar esm-
panliia que leve b effeito a fundacao e explora-
gao do engenho central e depos que ellaesti-
ver legalmente constituida transferir Ihe todos
os direios e obrigaces do alludido contracto,
precedendo igualmente apprevago da presi- i
dencia.
13.'
O proponeute prestar perante o Thesouro
Provincial Manca que garanta a imporianoia dos
juros que tiver de payara provincia pela emis-
sao de suas apblices; podemlo' diminuir a refe-
rida licenca a medula quo roalisar.-se a amor-
tisacao.
14.
Nenhura dividendo ser pago antes de serem
satisfeitos os juros das apolices emittidas pela
provincia ea quota da respectiva amortisacao.
15.'
Quaesqncr duvidas que se suscitarem entre o
grestdeate de provincia e o proponeote aerao
delinilivamente decididas por dous arbilros no-,
meados, um pelo presidente da provincia e ou-
fro pe o propenente. >^
No caso de desaccordo entre os arbitros, cada
um delles apresentar para desmpatador urna
pessoa e, a sorteo decidir.
16."
Pela infracco de quafquei- das clausulas pre-
sentes, verilicada sobre represeotaco e inlor
mafo dos interessados, o proponeute ser obri-
gado a pagar a multa de StO, que" o presidente
da provincia poder impor, sendo smente ad-
mittido recurso para o juizo arbitral quando o
valor da mulla o\ceder de 1:000.
17.
O proponente obriga-se assignar o respec-
tivo contracto dentro do praso de 30 dias a con-
tar da dala do despacho presidencial.
18.
O valor do contracto ser fixado para os elTei-
tos legaes na importancia de 300:000.$.
19."
O proponente, alm de sujeitar,-se todos Os
onus e condices e prestar as garantas de que
tratam as leis n. 1,860 de 1885, art. 16 e 1,972
do corrente anno, ofTerece mis as seguintes
vantageus para preferir a qualquer oulro pro
ponente :
1. Emprestara sob sua responsabilidade,
prasos couvencionaes, a uro nao excedente de 8
O/O ao auno, capitaes aos plantadores e fornece-
dores de canoa, como adianlamento para auxi-
lio dos gastos da produeco. no excedendo o
emprestimo de dous tercos do valor presumivel
da safra e drve.ido realsar-se a lempo de poder
ser uiisado desde a primeira colheita (art. 4 do
decreto n. 10,100 de 1 de Dezembro de 1888).
2.- Compromette-se nos contractos celebrados
para o forneiiineoto de canna a pagar nos pri-
meiros 4 annos, por 100 kilqgramnias de canna
4 de assucar mascavado bompelo prago corren-
te do mercado mais prximo ; o do mesmo as-
sucar nos 10 annos posteriores, e 6 de ento em
dianle. comanlo que a canqa encerr pelo me-
nos 12 0/0 le saccharese (art. 12 n. 3 do cado
decreto).
Estava com quatro estampihSas no valor, de
800 res devidameute inutilisadas
Recife, 18 de Maio de 1889. Antonio Pereira
da Cmara Lima.
EDITAES
O Sr. Dr. Lniz de Araujo
Tenho empregado em minha clnica
o Peitoral de ambara, do Sr. J. Alvares
de SouzaSoares nos casos .de molestias
broncno-pulmonares, colhendo sempre re-
sultados muito satisfatorio^.
Posso mesmo, em virtude desses bons
resultados, garantir a efficacin deste me-
dicamento, prncipalaientc quando estas
affec^oes tiverem tomado o carcter de
chronicidade.
Isto verdade e o juro soba f do meu
grao.
Anta (provino do Rio de Janeiro). 18
de Agosto de 1888.
Dr. Luiz Jos de Araujo Filho
5" Secgo. Secretaria da Presidencia de Per-
nambuco em 23 de Maio de 1889.
De ordem do Exm. Sr. vice-presidente da pro-
vincia (ayo publico para conhecimento dos in-
teressados a integra das 20 propostas, apresen-
tadas ao mesmo Exm Sr., e por elle rubricadas
em 18 do corrente, para a fundacao de U enge-
nhos centraes em difieren tes municipios, de
conformidade cora a lei n. 1971 de 22 d? Marco
ultimo.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
fConclusao)
PROPOSTA
O abaixo assignado, pronrietario agrcola -e
agricultor no municipio de Jaboatao, associado
e dispondo de capitaes precisos, obriga-se a
fundar e explorar no municipio de Jaboatao ura
engenbo central de typo menor coma capseida-
de para trabalhar em 160 dias do moagem 12
milhes i- '00 mil lo milhoes de kilogramma
de canna, sob a clausulas seguimos :
1.
Os raacbinismos e apparellios seroos mais
aperfeicoados e modernos de modo a poder ob-
ter-se das canoas a maior porceotagem de as-
sucar juizo da commisso noraeada pelo presi-
dente da provincia.
2."
Sao submettidos approvaco do presidente
da provincia at o dia 30 de Setembro do cor-
rente anno, o plano de todas as obras projccla-
das. os desenhos e relagao dos apparelhos, des-
cripeo do processo da fabrica de assucar aplas-
ta do local e os contractos feitos cora os fornc-
cedores de canna.
3.
As obras de contruci) io engenho comer-
rao depos de feitos e pprovadog os exames "de
que trata a clausula 2* e flearo concluidas em
Setembro de 1890, salvo caso de forja maior.
4.'
O proponente suieita-se,a mulla de 3:0003
1.* Se as obras do engenho nao forera conclui-
das dentro do praso estipulado, cabendo aos for-
necedores de cannas urna indemnisaco pelas
suas safras salvo caso de forpa maior.
2.' Se deixar de funecionaro engenho por es-
pago de um anuo, salvo caso de forca maior.
Os casos de forja maior sero justificados e
julgadospela presidencia.
6.
Os direilos e obrigagoes entre o proponente e
fornecedores de canna, serio regulados pelos
contractos entre elles celebrados e escriptu-
radoe.
7.*
A provincia concorrer a titulo de empre.-iirao
com quantia de 100:0004 era apolices de juro
de 7 % ao auno, sendo os respectivos juros re-
colhidos pelo proponeute ao Thesouro Provin-
cial no um. de cada semestre.
8.-
O pagamento da quautia de lOOjOOttf ser lei-
ta pela pwincia em duas presta(ttBuaes de
accordo com o art. t6 da lei n. laMe 1885 e
artigo nico aa lei n. 1972 do corrente anno.
9.
A provincia ter hypotheca sobre o engenho
central e dependencias do mesmo para garanta
de suas apolices, concedendoisenyoi s dequues-
quer irapostos provinciaes e municipaes elcep-
tuadas nicamente os de exportadlo cmquanto
nao forera eliminados da reeeita provincial nos
termos do* 4 do artigo nico da lei n. 1972 do
corrente anao.
PROPOSTA
O abaixo assignado, agricultor, proprietario e
residente tro engenho Pindoba, municipio de.Ipo-
juca, prope se, com capitaes seus a fundare-
explorar por si, ou por companhia que incorpo-
rar, um engenho central, de typo maior, docus-
to de 6O0:O0O0O, cora capacidade para safre-
jar em 100 dias: de 23 a 30 milhes de kilo-
grammas de cannas. ou de duas usinas de typo
menor, do custo de 300:000300o, cada urna, com
capacidade para safrejar cada urna deltas, no
mesmo cspaco de lempo, de 12 milhoes e 300
mil a 13 milhes de kilogrammas de cannas, de
conformidade cora as leis provinciaes ns. 1,971.
e 1.972 de 1889 e arts. 16 a 18 da lei n. 1,860 de
1883, sob as seguintes tases :
1. 0.< apparelhos e machinismos serio dos
mais modernos e aperfeicoados no intuito de se
extrahir das cannas a maior porcenlagemde as-
sucar, a juizo da commissSo nomeada pela ad-
minislraco da provincia.
2.' Denlro de 90 dias, depois da assignatura
do contracto, sero submettidos approvaco do
presidente da provincia, o desenlio dos appare-
lhos, a planta do local, o plano de todas asbras
projectadas, e finalmente os contractos.. com os
propnetarios fornecedores de cannas a usina.
3 Feilos e approvados os exames de qua-fra-
ta a clausula anterior, 3 mezes depois comega-
ro as obras da construeco da ujar ou enge-
nho central e lcaro concluidaPm Seiembro
de 1890, salvo caso de forga maior.
4.1 Pelo proponente sero aceitas as modifi
ges que forem feitas pelo presidente da .
vincia nos trabalhos preliminares a que se refere
a clausula anterior, depois de ouvida a commis-
so de engenheiros de que Irata a condicao 7.
do art. 16 da lei n. 1,860.
5.' O proponente e seus associados sujetom-
se a multa de 5 conlos de ris : 1. se as obras
do engenho central nao forem concluidas dentro
do praso estipulado, cabendo. aos fornecedores
de cannas urna indmnisacao pelas suas safras,
salvo o caso de forca maior.; f. se deixar de
funecionar o engenho central por espaco de um
anno, salvo o caso de forca maior.
Os casos de forgajnaior, serao justiGcadi pelo -.
presidente da provincia.
6.' Os direitos.e obrigacesenlreo propaneni,
te, os plantadores e fornecedores de caunas^e-
ro regulados pelos contractos entre elles cele-
brados e escripturados.
' 7. A provincia conrorrer, a titulo de em-
prestimo, com a quantia de 200:000*000 em apo-
lices de juro de 7 0/0 ao anno.
8. O pagamento a que se refere a clausula an-
terior ser feito de conformidade com o artigo
uuico da lei n. 1,972 de 1889, isto era duas
prestages: a L'. quando fr aprasentado ao
Thesouro Provincial o contracto de compra e
venda dos materiaes devidameatelegalisados;
a 2.- depois que se achare m os mesmos mate-
riaes no local em que fr estabelecida a fabrica.
9. O contracto de que falla a clausula ante-
rior ser por escriptura publica, em que o ven-
dedor dos materiaes garanta aoproponente com
hypotheca convencional deben a entrega dos
apparelhos na poca ajustada ou com llanca,
equivalente a primeira prestago paga pela pro
vincia.
10. Pirar a provincia subrogada as garan-
tas do proponeute, que a ss ignara pera nte-o
Thesouro Provincial termo de responsabilidade, .
licando lambem como abonador d'aquelle.
11." O proponente c seus associados obrigam-
se a recolher no Thesouro Provincial, no lira de
cada semestre, os juros das referidas apolices.
12. O proponente obriga-se a prestar peran-
te o Thesouro Provincial nanga que garanta i
importancia dos juros que tiver de pagar a pro-
vincia pela emissao de suasdipolices, podende
diminuir a referida fianga a medida que a divi
da diminuir.
13.* A provincia ter hypotheaa sobre os ma
chinismos, edificio aa fabrica, dependencias
desta ou outras quaesquer garantas que a ad-
ministrago da provincia-julgar necessarias no
intuito de aliangar as apolices emittidas. fican-
do, porem, ,\ usina seota de quaesquer impos-
tos provinciaes e municipaes, exceptuando o dt
exportag do assucar, cmquanlo vigorar e.-
imposto no orgamento provincial.
14.- A amortisacao das apolices fornecida
pela provincia a Ululo .le emprestimo ser I
annualmenie e por sorti-io a razo de
principiara duas safras depois d'aquella*m que
a fabrica central houver principiad Ihar.
licando livre ao p-op .nenie fazer mifer untorti-
sago se assim Ihe convier.
13" O .on'.raclo re-ulunte da presente pro
posta s poder ser irun-ferujo a agnculto
rstenle no municipio de Ipojuca, preced i
entretanto, approvaco do presidnite da.pra^H
cia com relagao a lodas as clausulas..da cesso-
ou transferencia.
m
5
I

I
/

'


Diario de Periiaiubuco-Sabbado 25 de Maio de 1889

I
i
16* Nenhum dividendo ser pago antes de se-
ren satisieitos os juro das apolices emittidas
C Thesouro, e bem assim a quota da reapec-
amorlisacao de que folla a clausula 14.
17. Quaesquer duvidas que se suscitarem en-
tre o presidente da provincia e o proponente
serao definitivamente deciili Jus p>r rious arbi-
tros, nomeados, um pelo mesmo presidente, e
o outro pelo proponente. Na casle desaccordo,
cada um dos arbitros apresentar uma pessoa e
a sorte decidir,
18' Pela infracco de qualquer das clausulas
presentes, verificada sobre apresentacao ou in-
foruiacao do engenheiro fiscal, o proponente
ser obrigado a pagar a multa 3005 00 a
3:0jOO00O que o presidente da provincia \i
impor, sendo soniente admitlido rucarse para o
juizo arbitral quando o valor du multa exceder
de 1:000*000.
19" O engenho cen'ral ter as obras um en-
genheiro fiscal, de nomeaco do presidente da
provincia, com a gratificagSo de 2:400 ?000; -a
ilesneza correr por conta do propor.cute.
SO- Q proponente obriga se a assiggar
pectivo contracto, dentro do prazo de 31) d
contar da data da accitaco da presente propai-
ta, sob pena de ser considerado caduco.
21 O valor do contracto ser lixado para os
effeitcs legaes em 600:000*000
O proponente estabeleceu as bases e condi
goes cima referidas de ar.cor.io com as leis pro-
vinciaes, ns. 1860 de 1885 u 1J71 n 1972 do cor-
rente auno, agora passar a mencionar as van-
tagens que olfercce em favor dos cofres provin-
ciaes h d. lavoura, ficando assim. sem valor as
clausulas us 7 e li, no intuito de firmar a pre-
ferencia da presente proposta.
1." O proponente se obriga a fazer a araorti-
gacSo a laxa de 512% annualmente, renun-
ii do deste modo a vantagem concedida na !
paite do 3o do art. Io da le n. 1972.
' O propouente se comprometle a desistir
t: favor dos cofres provinciaes da importan-
cia de. 2/. sobre o capital de 20:>:UO0000
fernecidos pela provincia. subistindo, porem,
a obrir.igo de amortisar a quantia total de
2i)0 uoOiOOO e Je pagar os juros corresponden -
tes a mesma.
3" Logo que a usina realisar lucros que per-
mittain dividendo de 10% annualmente, a quan-
tia excedente ser distribuida proporcionalmen-
te com os foruecedores da can na.
Estavam nutilisadas Iras estampillas de 2'X)
ris cada urna da seguinle form i : Itecife, 18
ile Maio de 1889. Felippe de S t Albuquerque
E em seguida : Reccnneo verdadeira a assig-
natura supra, e dou f. Recife, 18 de Maio de
1889. O lubelliao publico.Jos I onifacio d->t
Sanios Meryulluio. Eslava o sigu.al competente
I!lm. e Exm. Sr. pn-sitente daprovinc'a. O
barhaiel Beuto los da Costa, agricultor, pro
priet..no do engenho Salgado e consenhor do
engenho Mercez, ambos situados no municipio
de Ipojuca, requer a V. Esc. que se digne man-
dar contrallar com o supplicane um dos enge-
nhos centraos de que trata a lei o. 1971 de 22
de Marco uit.mo. destinado a aquelle munici-
pio.
O supplican'e aceitando todas as eoudiyes
do art. 16 da lei provincial n. 1860 de i8*5 com
as alieracoes feilas pela lei n. 1972 de Marco do
correute anno, pude permissio para dizer a V.
Ese. que a zona a que destina o engenho
uma das melhores da provincia que mais se
presta a um estabeleciniento dessa ordem. nao
su pela fertilidade do termo como pela facilda-
de da conduco das canna*, transporte dos pro-
ductos e abundancia d'agua edcleuha
O rio Ipojuca margeni do qaal se adi i ti-
tuado o engenho Salgado 6 fram-amonle nave--
gavel de modo que os productos scra\> transpor-
tados por aguas.
Occorre anda que o supplicane conta moer
as cannas dos engenhes Salgado, Merces, S.
Framisco, Trapiche e Agua Fra, com os pro-
prietarios dos quaes i se enteudeu a esso res-
peito.
O supplicane propOe-se a construir o enge-
nho do typo maior ou mencr, conforme V. Exc.
entender conveniente, porquanto as proprieda
des cima mencionadas e mais" a denomina la
Penderama sao suficientes para assegurar um
.fornecimento superior a 25:000,000 de kilo-
grammas de canoa por safra.
Nestes termo-* pe.ie ileferimenlo E 11. Me.
Estava com uma estampilha de 200 rs. devi-
pamente inutilisada. Recife, 12 de Maio de 1889.
Bento Jos da Cosa.
PROPOSTA
O abaixo assignado, associade a agricatU res
residentes no municipio de Ipojuca. por si e
disDondo de rapitaes precisos, ohroa-sc a fun-
dar e explorar no municipio de Ipojilca, um en-
genho central de typo maior com capaeidade
para trabathar em cen dias de moagein Tinte
cinco a trinta inilhes de kilograuunn- de can-
nas, sob as clausulas gegointes :
I"
Os macuinis nos e apparrdhrs sera os mais
modernos e ap-rfeicoados, iL moJoa poder oh
ter-se das caimas a maior pO'viitagcnj d>- asan
car a jnizn da commisso nom<-'da pelo pre i
dente da provincia.
2'
Sero submetlid'is approvaia > d.i presiden
tt da provincia at nfcl de S -icuuVu do coi-
rente anno o piano detodas as obras projecta-
das, os deseiilios e relaro 'lu< a;ipan'i!ios, des-
cripeo do processo dufabria de nsssqpar. a
planta do local e os cootraclos relio- i: i u* for
necedores de caima
3
As obras de construefo do engeobo codjeca-
ro depois de feitos e approvsxlos os exames de
aue trata a clausula 21 e Rcarao concluidas em
^etembro de 1890, -alvo caso de forca maior.
4.'
O nropoueute sujeita se multa de cinco con-
tos de ris:
1.* Se as ole-as do engenho uo Forera Conclu
das dentro do praso estipulado, eabendo aos 6>r-
neccJores das cannas ua.a in K-naisaco pelas
suas safras, salvo caso de (rc maior.
2. Se. deixar de funceiouar o engenho por es-
paso de um auno, salvo ocaso de forca maior.
5.'
*
Revista (I Mercado
RlCIFE. 24 l>fc MAIO DE 1889.
No mercado de cambios ponco foi feito.
Em algodo constou a viida de alguns lotes
do de sorte do serUo.
Bolsa
oOTAg5E8 OFF1UIAES DA JUNTA DOS COR
RETOKES
fe, 24 at Maio de 889
Cambio sobre Londres, vista'26 9/16 d. por
1M00. do banco,
i lambo wbre Taris, vista 359 rs. o franco, do
banco
u .residente,
Candido G. (colorado,
secretario,
Eduardo ubeux
Algodo
Foi eotado o te do serto a (4800 por
IB kilos.
Aexporiai-. U-v icla alfande^a neste mea
.; a 991.029 kilos, sendo...
x27.;;ii para > exterior e 163.318 para o i
rior. '
a dala de boje,
por:
i 323 S

1.796
;i;
1 898 .
- casos de forca maior serao justificados e
jnlgados pela presidencia.
6."
Os direitos e obrigagoes entre o proponente e
fornecedores de canna sero regulados pelos
contractos entre elles celebrados e esenplora-
dos.
7.>
A provincia con^orrer titulo de emprestimo
com a qutntia de duzento- contos de nHs em
apolices de juro de 7*/o a" ano o, sendo os res
pectivos juros rerolhidos pelos proponentes ao
Tiisour.) I'i no firn de cada semestre.
8."
ii oagamenlo da quantia de duzeutos contos
era feito pela provincia em duas preslagoes
iguaes, de accordo com o art. 16 da lei n. 1,860
de 1885 e artigo nico da lei n. 1,972 do corren-
te amo.
9.
A provincia ter hypotheca sobre o engenho
central e dependencias do mesmo para garanta
de suas apolices, concedendo, porem, ueoeoes
de quaesquer impostos provinciaes e municipaes,
exceptuados nicamente os de exporiacao ein
quanto nao forem eliminados da receila provin-
cial, (nos termos do fe 4. do artigo nico da le
q. 1.972, do correntc anno
10-
A provincia ter as obras um engenheiro fis-
cal de nomeaco do presidente da provincia, com
a gratificado de dous contos e quinhenios mil
ris, que correr por conta do proponente.
11.
A amortisago das apolices auxiliares de que
trata o n. 5 do art. i 6 da lei o. 1,860. de 1883, ser
feita de accordo com o 3." do artigo nico da
lei o. 1,972, do correte anno.
12.'
O contracto realisadu pelo proponente s po-
der ser transferido a agricultores, preeedendo
approvag.'o do presidente da provincia, com re
laco todas as clausulas da cesso ou transfe-
rencia.
Poder. porm. o proponeute incorporar rom-
panliia que leve effeilo a fundago e explora-
cao do engenho central, e depois que ella estiver
legalmente constituida, transferir Ihe todos os
direitos e obrigacoes do alludido contracto, pre-
eedendo igualmente approvaco da presiden-
cia.
13.'
O proponente prestar perante o Thesouro Pro-
vincial banca que garanta a importancia dos ju-
ros que ti ver de pagar a provincia pela emisso
de suas apolices, podendo diminuir a referida
lianca medida que realisar-se a a:norti-ac5o.
14." *
Nenhum dividendo ser pago antes de serem
satisreitos os juros das opnlices' emittidas pela
provincia e a quota da respectiva amortisaco.
3.' .
Quaesquer duvidas que se su-citarem entre o
presidente da provincia c'o proponente, ecro
definitivameute decididas por dois arbitros no
meados, um pelo presidente da provincia eoutro
pelo proponente.
. No caso de deraccordo entre os arbitros, caria
um delles apresentar para desempataior, una
pessa, e a sorte o decidir
16.
Pela infrac^o de qualquer das clausulas pre-
sentes, verificada sobre representacao e infor-
maco dos iuteressados, o proponente ser"obri-
gado pagar a multa do quinlientos mil ris,
que o presidente da provincia poder impdr.
sendo somonte admiltido recurso pwaouitzo ar-
bitral, quando o valor da mulla exceder de um
cont de ris.
17.-
O proponente poder, em tez de um engenho
de typo maior, fundar dous de typo numor, ae
por 'ventura, depois dos estudos precisos, roeo
nhecer a presidencia da provincia esta conve-
niencia.
18.'
O proponente obriya se assignar o respecti-
vo contracto dentro do ptaso de trila dias
contar da data do despacho presidencial.
19.
O valor do contracto ser lixado para os i-f
feitos legaes, na importancia de ^ei.scentos contos
de r3.
20..
O proponente, falm de sujeitar-se t dos os
onus e cond:ges. e prestar us garantas, de que
tralam as leis n 1 800 de 1885, it 16. e 1,872
do corrent" anno, offenM-e oais as seguimos
vantagens para prcfvir a ealquer outro propo-
nente :
i Emprestar sob sua responsabitidade,
prasos convencionaes. a juro nao excedente de
S|0 ao anuo, capitaes aos planta -lores e fornece-
dores de canna. como ndintan-rnto para auxilio
dos gastos da produeco nao excedendo o em-
prestimo de dois tercos do valor presuuiivel ill
safra, e devendo realisar-se a lempo de poder s>-r
utilisado desde a uritneira colheila (art i.* .!<>
decreto n. 10,100 d<- 1." de f) fsaibfo d l.'-s- .
'.' Coinpromelte-.se nos contractos eeleltrados
p.ni fornecimenlo de canna. pagar nos pri
ui'iros [qualro annos, por con kilogramaias de
raima, qnatro de assuc.ir mascavado bom pelo
pret;o correte do mercado mais prximo; ctueo
do mesmo assuca' nos dez annos- posteriores i
gris de ento em diante, comanlo que a eauua
incerre pelo menos 12"|9de sar.charese (art. 1 -'
n. 3 do citado decreto).
21.'
eduzidas as despesas do custeio do eiigeuho
oeatrat, e depois de sti^fenos o*juros das apo-
lices e respejCtiva quota da amortisaco do di-
videndo annua.1 deshilado aos interessados ou
a.ci-mistas, se deduzia vinle e cinco por Celtio,
que sero repartidos entre os fornecedores de
canna, cada um em proporr^u au loriiecimenti>
que hajivqr feito durante u anno. Kstavam Ins
estampillias de dnsentos reis ada uma, inu'ili
sadas pela forna seguinle: Rui fe, 18 de Maio
de 1889.Joaqun* t. I'. Siqu-u -i.
PROPOSTA
A Baroneza de Amaragj proprilar-n do en-
genho do mesme nomo, agneallora u- munici-
pio da Escada pretende fundar no innoieipio da
Escada, vae do Amaragy um engenlra cen ral
No Rio conservou se o mercado BrAie. sacf u-
do o Internacional a 27 d. e os demais bae
26 7/8.
Papel particular foi passado a 27 I f. en- -
easso, ao fechar do dia.
TAUELLAS AFFIXADAS
do typo menor com eapacidade pava trabalhar
em '00 dias de mongem, 12 niilli
grammas a quiMe, de canna. sob as aeguintes
clausulas :
v Os macbinisnios i apparelhas sero dos mais
modern s e aBerfeicoailos de modo a poder obter-
se das caanas maior porceiUagcm possivel
Sero >ulniietlidos a approvaco do presiden
te da provincia o plano ie todas as ob-as pro-
jectanas os dse,dios e relaco dos apparellios,
descripeo do processo lia labrca de as.-u ar e
a planta do local em que dev- ser fundado a dita
turica.
As obras de coostruec do engenho co.neca-
ro ilepois do feitos e approvados os examen di-
que trata a clausula 2.' e licarau onclui.l.>-. eui
Selembro de 1890 salvo caso de forya maior.
A provincia concorrer titulo de empresti-
mo com a quantia de 100:OUOUO em apolices
de juros de 7 0 ao anno sendo os juros respec-
tivos recoHiidos pelo proponente ao Thesouro
Provincial no flm de cada semestre.
O pagamento da quantia de 10 contos ser
feito pela provincia em duas |.restacoes iguaes
de accordo com o art. 16 da lei n. 186C de 1883
e art. nico da lei n. 1972 do crrente anno.
A provincia ter hypotheca sobre o engenho
central para garanta de suas apolices, conce
dendo iscncfies de quaesquer impostes provin-
ciaes e municipaes, exceptuados nicamente M
de exporlaco emquanto nao fore;u eliminados
da receita provincial nos teneos do % 4" Jo art.
nico da lei u. 1972 do crrente annu.
a amOrtisaCSo das apolices auxiliares de que
itu o n. 3 do art. l da lei de 1860 de 1883.
uiiic
V m > ""-= -^r- -3
1 i a. a 3 o U3 s o, 5' E a> s v. 8* 'i c B 2 o C3 3_ - :
c s o i _ a 1
3
. P . . , .


6 : BjSL' i -
"* I -'
L> ^ -i
-: y-
J ^ I* I
--
\c 3

g 8
o
w a
___ce i*
-T7.!t
- I
9

trat
art.
ser leita de accotdo ran n | ') no
da lei de 1972 do ccrtMite anuo.
0 proponente obriga-se assiuear n r.'specti-
vo contracto dentro* do pra.*o de 30 dias a contar
da data da despesa provincial.
O pro 'onen'.e sujeita-se a lodos 08 onus e en-
ditos e prestar as garantas de iMW tralam as
leis n. 1860 de :88o art. 16 de 1OTJ do correntc
anno. ,,
Estava com urna estampilha de 200 reTs den-
dameiitu inutilisada
Recife, 18 de Maio de 1889.
Baroneza de HMragg.
PROI'OSTA
0 abaixo assigna.lo jnoprielario agrcola e
agricultor no municipio de Bcm-Jardim, asso
ciado e dispondo de capilaes obliga se a fundm-
e explorar no municipio de. Bom-Jardiin um en-
genho cutral de typo menor com capacidad"
para trabalhar em 100 dias de uioagem 12 mi-
llies e 500 mil a 13 milhe.s de kilogrammas de
canna sob as seguintes clausulas.:
i.
Os machinismos e apparelhos sero os mais
modernos e aperfc.icoados de mo ler-se das caimas ;; maior porceiilagem de as
mear a juizo da commiss.o nomeada pela pre-
sidencia da provincia.
2.
Sero submettidos approvaco do presdeme
da provincia, at o dia 30 de Selembro do cor-
rente anno. o plano de todas as obras projecta-
das, us d"scnhos e relac/'o das apparelhos, de*-
crip^o do processo da fabrica de assurar, a
plaa do local e os contractos feitos com os. f ir
n-.-cedores de cannas.
3.
As obras de construeyo do engenho ccineca-
ro depois de feitos e approvados os exadiesde
que traeta a clausula 2.', e licarfio conclu.las em
pelembro'dc 1890, salvo caso de forja maior.
4/
O proponente snjeita->e a multa de 5:000$ 00.
1." Se as obras do cng"nho nao forem c n
cluidas dentro do praso estipulado, eabendo auS
fornecedores de cannas uma indcuinisaefto polas
suas safras, salvo caso de fjrca maior.
2." Se. deixar de funecionar o engenho or es
pago-dt- um anuo, salvo caso de forca maior.
3
Os casos de. Torea maior sero justificados c
julgados pela presidencia da provincia.
6.
Os direitos o oliigaces entre o prop unmie e
foriieccdor'S de canna, sol'o regulado.- |k-Io>
Contractos entre ellos 6eleurad< e e-.-npiu
rados.
7.*
A provincia concorrer, a.litlo de ecnri'sti-
m com a quantia 'de IO:OOI*OO em aool-es
de juro de 7 /0 ao anuo. endu us ri-sp^ivoc
juros i-ecolliidos pcio pi poneiit ao TfliWnro
Provincial no Um de cada semestre.
8.'
O pagamento da quantia de Ui:tRW30-.)8 ser
feito pela provincia em dua- prcsiacoes iguaes.
de aeco-do com o art. 16 da le II. 1860 iM 1883
e art nico da lei u. 1972 do crrente auna.
A provincia b-r hypoilieca sobre o"engenho
central e depeodencias do mesrao para garanta
ile su;-..- apolices, concedendo isenei's quer imposto.- provinciaes o. municipafa evep-
luailos Uiiii:ameiile os de iX|i<>1ac^' ''' I" ,r
i-.-in eliininaitis da ri c-i'a pi-'\ inecii -ik!
leruios do 5 4" do art. Wlieo da le u. iK'Sci.,
corrente anno.
10
Provincial lianca que garanta a importancia dos
juros que tiver a provincia de pagar pea emis-
sc de suas apolice, podendo diminuir a refe-
rida (anca a medida que realisar-se a amorti-
saco.
IL'
Nenhum dividendo ser pago antes de serem
s.ilisfeitos os juros das apolices untlidas pela
presidencia e a quota da respectiva amortisaco.
15.
Quaesquer duvidas que se suscitaren! ejire o
presidcie da provincia e ( proponeule sero
definitivamente decidida! por dous arbitros no-
meados. um, pelo presidente da provincia e
outro pelo proponente.
Em caso de. desaecordo entre os arbitros,
cada um delles apresentar para dcseinpatador
urna pessoa ea sorte o desdir.
16.'
Pela mfracco de qualquer das clausulas pre
seules, verificada sobre representaco e inlor-
maco dos interessados, o proponente ser obri-
gado a paga1- a mulla de 5003000, que o presi-
dente da provincia poder impor, sendo somente
admitlido recurso para o juizo arbitral, quando
o valor da multa exceder de 1:000*000.
17.'
O proponente obriga-se a assignar o respectivo
contracto dentro do praso de 30 dias, a contar
da data do despacho presidencial.
18.'
0 valor do contracto ser fixado, para os effei-
tos legaes, na importancia de 300:000*000.
19.'
O proponente, alem de sujeitar-se a todos os
n..;,.'e eoiidices e prestar as garantas de que
lr.ib.in as leis n. 1860 de 1885, art. 16 e 1972
do i- rrent anno oflerecc as seguintes vantagens
,i,v preferir a qualquer outro propouente :
i. Emprestar sub sua responsabitidade, a
p-.-sos coiivoncionae o a juro nao excedente de
8 ao anno, capitaes aos plantadores e forne-
cedori's de canna, comoadiantamento para auxi
lio dos gastos da produeco, nao excedendo o
emprestimo de dous tercos do valor' presumivel
da safra e devendo realisar-se atempo de pod-r
ser utilisado desde a primeira colheta (art. i
d decreto n. P'.IOO de 1 de Lezembro de 1889)
2.* eduzir as desposas de custeio do cugerilio
central, sasfcilos os juros das apo'.ices da pro
viuciu o respectiva quot.> de amortisaco do di-
videndo annual que non ver de se distribuir entre
os.interessados e accionistas se deduzr 25
que -ser repart lojpe-os.fornecedores de canna,
teiii.o cada um una quota em proporeo aquan
lidade de Canoa fornocida durante a safra.
Eslava sellada com qualro estampilha de 200
reis cada uma e inutilisadas da seguinle forma :
RerifeT 18 d'- de \889.Mauoel Tertuliana
TnuiisKOs de Amula.
Illin. Ex n. Sr. presidente da provincia.Joo
Demetrio de Honra Acciblv agricultor da cob a
ca de Itamb, estabeleci(i6,no engolillo Cua:
propue se a Tundar un: engenho de typo menor
dos aatorisadoa pela lei n. 18i7de22de Margo de
couformidade com o edilal publicado no Uta
no de l'nnambwo, e con.lces do art. 10 da lei
provincial n. 1860.
Obriga-se a' apresentar as garantes neces-
sarias.
Estava dma estampilha de 200 reis einanfi
sadiipela forma seguinle :
. Kec4feri7 de Maio 1889.-0 procurador Jos
.\itvlao Toientmo de Ctrtalho.
5." sCeeiio.- Secretaria da Pres-ideocia
de Pernambuco, em 20 de Abril de 188'J.
Por esta secretaria se faz publico, de
ordem do xin. Sr. Dr. vicepresidente-
o.- provincia e nos termos do | 2" d-> art.
1" da lei 0 1,'JOl de 4 de Junbo de 1887,
'jiic, tendo-se concluido por meio de. lando
J arbitro desempatador, a questao de ava-
\\\(-'\ii do material da empresm de iurui-
tacaj gaz desta cidade, fica aborta
h c*ncHrreno2| com o prazo de seis i:ie-
zes, contados da data do p.-escntccdit.il,
itura contracto da dita illuminac/io, me-
dia..te as seguintes clausulas da citada le:
^ 3." Ncnbuma proposta ser recebida
oui que o proponente com ella aprsente
uocumento de h;ive.r feito no Taefeourn
Prov.ncial deposito da quantia de 35:000^
em dinheiro ou apolices da divida publi-
ca, para garantir a aceitacao do contracto,
no caso de ser preferida a sua proposta.
| -i." O deposito, a que se refere o pa-
r:igr|ilio sntecedentc, nao ser retirado
pelo contractante senao lido o contracto e
ervir de caugao para os pagamentos de
mola c riel comprimento das clausulas,
|Ue f"i-ciii estipulndas no mesmo.
j 5.a O contracto s,poder ser
com uuem incurres
Ir '.a.r\r
feito
'l-
*.-;nt:igens o'ereeer
na concurrencia.
G. A uo ser no caso do paragraphi
A provincia ter n..s oirs um engenheir-1 uutecerlcntc, b acta! empresa nao ter
n.-l .1,. ll IrtIIIMIlgll .1,, ,,,.,,.1,1... I., .1.. |-,f:.V''l,..?'. I ? F
lisca! de nonieajo do presidenta da proviH
rom a gra lili cacao de 1:250000 qi: correr
uor coate do proponeule.
11-
A amorlisaeii il is apolices auxiliares de qoe
trata o n. 3 ito ari. 10 da lei 1860 de 1885. ser
feita dea cordo ouui u i :i" do artigo nico da
le n. 1972 do correte anuo.
12
O contracto roalisado pelo proponente, s po-
der, ser transiendo agrtculto-es*preceden.O
approvaeBo do presidente da proviueia em rola
cao a todas as clausulas da cese ou liausi'e-
reneia.
I'oder porem o iropoiienle uii-orporar com-
panhia que leve a elVeilo a Fundayad e explora
So doengenlio central, e.d-pii- que ella estiver
tegalmenle consumida t.; n.-ieii: lie lodo o-
direaos e obrigages do alludido i-nilraelo, pre
cedeiido igualmenie approvacSo da pre-ideii' i
O propnente prestar perante o Thesouro
preferencia a qaaiqter outro proponente
| 7.' aovo euntractaate sera
iu ni ieinnisaeao. a que a provincia e
I stijeiil vic torc* da clausula decima ter-
I ccira do contracto em vigor, devendo dita
i indeiuiiisiteto ter lugar de accordo com
-s.i roesina clausula, e ficando o material
[u obras da empresa liypothecados pro-
viiH'ta at que esteja realisada a indemni-
ieo ou pelo menos depositada o respecti-
ipiotaneia
nitraeto nao poder
Mascavado

.tamo .
purgado
bruto .
1*800 a 2400:1
1A700 a U8-*
1*800 a 1*80(1
8 ?
\ expoi-iacao, leiiapela alfanilegp neste me/
i ii da 22 subioa 2.442.89:1 kilo, sendo.....
'.'4'.'..jo2 para o exterior o 1.493 161 pura o inte-
rior.
As Pilludas venlicadas atea dala de boje, 30
bem a 2^-227 saceos, sendo por:
Haroneas .... 13-727 oaecs
'. apeles..... Aniinnes .... Vi&-[errea de Caraaro. Via-ferrea de S. Francisco, via-ferrea do Limoeiro, . t..,. KS 2.3;i!l 11 781 I-752

2:..22: *uu
Asii-irileuttc
COta-se a MIOOO, p r ppa de 48i> litros.
Aicoo!
f'.ola-se a I7050UI por pipa de 80 litros.
lel
Oila-e a 70*000 |M>T pipa de
.80 litros.
laxa da lab<
{arecendo
Em papel
3/4, ap-
J
w I
l
lurir
Os precos pagos a or, por 15
gundoa Associajo Ccamercial Agrcola, fo
-< seauinte8:
3*300 a 4*00"
Ko..... Hi<
Cpuros
Acotaeio ilus salgados regula 385 iis e dos
verdes 205 ris.
Paula da alfandegn
iUIAII r.B 20 i 25 DE MAIO l'K 18
Vide o Diario de 19 de laio
\arlos carga
LuLar ppi lugu i. Temerario,fjara o Porls.
navios descarga
nacional Mara Angelina, xarque.
Barca nacional Mirinnninha, xarque.
Barea noruegnease Fortuna, carvao.
Barca non
Barca arvo.
Patacho hollandi xurque.
I'aiacli (, carvp.
Patacho a graxa.
Patacho nacioi. .ue.
l'atacho hollandez Margaretha, xarque.
Patacho hollandez Aflene, xarque.
saeao ou peto ni
ra impi'rtane.ia.
."" O prnzo (ie
tX. eder a annos.
^ U." <)[ire.;o Ja l!;niinacao, quer publi-
e-i. -i:--i- pjirticular. nao poder exceder de
i'-.i'i ie.s o metro culco de gaz, fazendo-
'C iiiiia redopelo de mais de 30 |, para
uipor.K'ao
'alacho hollandez Alfl-ne, entrado do l'orlo
Alegre em 21 do correiite e consignado a Pe-
i Caroeiro & C. nianil'estou :
Pariulia de mandioca 1,500 saecos.
Xarque 105.025 kilos aos consignatarios.
rjxportaco
RECIFS 23 DE MAIO DE 1889
Para o exterior
.o vapor QKtel Victoria, carregaram '.
['ara Bltico. Borstelman & C. 320 saccas com
2:,i>:) kilos de algpdo.
Par" o interior
No vapor aust.iaco Medina, carregaram :
Para Rio de Janeiro, !'. Valenle & C. 100 sac-
ias com 9,019 kilos de algodo.
No vaoor nacional Pira^ama, carregaram :
Para 'loar, P. Carneiro C. 20 barricas com
2,210 kilos de assucar mascavado.
'_ Jo cter Cotombo, carregaram :
l'ati Natal Pinto A. C. 55 barricas com
3,300 kilos de assucar refinado; Fernandos &
Inno 4 saceos com IfiO kilos de feijao.
Na Barcaca D. Constancia, carregon :
Pora Cear, J. J. da Silva Campos 5 barricas
com 300 kilos de assucar refinado.
Rendiuentos publico
MEZ DE MAIO
Alfandega
Hen'.A g'eral
lia I a 2:i
Id tu de Si
3o9:75.i*202
26:340509
lienda urovinetal
n |a 2! 51 453*631
|4 24
3:387*294
386.093*71!
37.840*925
SQinia toUl 643;!)3i*tj36
-ecjo da Alfandega, 24 de Maio de
q iesoureiroMerencio Domingues.
0 chefe da scelo Cicero B. de .Mello.
Recebedorla Cierai
a 1 a 23 33
67
34:287*962
os estabelecimentos de earidade e benefi-
cencia, e repart93es publicas.
10. O systema mtrico, si fr mais
conveniente, ser adoptado para a medi-
<;So do gaz.
t 11." A luz ser clara, brilhante e isenta
de substancias estranbas, que pqssara pre-
judicar a illuiBna(;ao e a hygiene publjca.
| 12. A intewidada media da luz ser
equivalente a de dez velas de espermacetc-
das que queimam sete grainmas por hora,
eorrespondontes a 120 graos inglezes-
13. As horas de illuminacao publica
soro fixadas pelo presidente da provincia
no principio de cada anno, nao podendo
ser em numere menor de seis, nem maior
de dez, devendo neste caso haver una
reducc&o no prejn do gaz correspondente
ao acrescimo de horas.
14." O contractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos o Ilimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as quest5es que
se suscitarem, quer com o governo,
quer com os particulares, ficando sujeitos
todos os seus actos s leis e regulamen-
tos e jurisdicgo dos trbunaes judicia-
rios ou administrativos dopaiz.
| 15." O contractante ser obrigado a
enllocar e construir BOA, custa um ou
mais gazometros, se houver necessidade,
nos lugares que o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os mcllio-
ramentoa que durante o prazo do contrac-
to se forem doseobrindo, urna, vez adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
16." O pagamento da illumiiiaouo pu-
blica e particular ser feito em mocas do
paiz, sem attencao oscillacao do cambio.
17. O contractante poder organisar
companhia, a qual ti cara subrogada em
todos os direitos e obrigacoes (! con
tracto.
18." Para as despezas con a fiscali
sajao do servion de illiiniinayao o contrac-
tante coiiKOrrr aunoaluvente com a quan
tia de i.-OOOiOOO, ijue serSo recolludos ao
Thesouro Provincia^
% l'J." O presidente da provincia e.sta-
belecer as luulias u uoiis eoodicSes, no
intuito de garantir a boa execeao do con-
tracto, quer eou ro'acJlu a illuminyao pu-
blica, quer coiu a particular.
Faz-se publico, finalmente, que o novo
contractante ter de p:igir actual em
pr<-za, conf'orn.o > j 7o cima citado, ^
quantia de 94:17^o2d, de accordo com
a avaliacao feita peio arbitro desempata
dor em 1S de Marco ultimo, visto deducir-
So da de 998:777^628, total da avaliaea.
a importancia d? 3:86O|50O0 paga ein
presa ein SGO, preveniente de 202 canos
de ferro. 6 colunmap e :") brayos com lam-
peoes, colloeados foi a do permetro do
contracto.
O secretario interino,
Manuel Joaqun Sihcira.
DECLARARES "
Obras Publicas
De ordem do Illm. Sr. engenheiro director ge-
ral e era virtude de ordem da presidencia da
provincia, de 15 do corren te fago publico que.
uo dia 31 desie mez ao meio dia, nesia directo-
ra, recbese proposlas em canas fechadas,
competentemente selladas, para execocSo das
seguinles obras :
Keparos da coboria do edificio da Eseola B-
delo, oreados em 1:4025170.
dem da ponte sobren rio l'irapama, no Enge
nho Novo do Cabo, oreados em 'K)'.)5920.
dem da ponte de S. Jofio, na estrada de Pao
J'Alho, orgadosora 1:664 I3e0.
O licitante devera depositar no thesouro Pro-
vincial quantia, eqiiivalenle a 5 d valor de
cada um dos orgameotos. *-
Secretaria da 'Directora Oral delibras Publi-
cas, 16 do Maio de l-89._
0 engenheiro secretario,
Luiz Antonio Cainlcnnle d'Albuque*que
Obras publicas
De ordem do lllm. Sr. engenheiro director ge-
ral, fago publico que no dia 28 do crrenle, ao
meio dia, nesla repartigo, recebe-se propostas
em cartas fechadas, compelenlrnienle selladas,
pata oxecugo dos reparos de que necessitam o
bonito sobre o riacho Joss e a curva do Caxito.
na estrada da Victoria, oreados em 649000.
ti licitante devora, para poder coueorrer
praga cima, depositar no Thesouro Provincial
a quantia de 32.1450.
Secretaria da direCorageral das Obras Publi-
cas de Pernambuco. em 14 de Maio de 1889.
0 engenheiro secretario
Lui- Antonio C. de Albuquerque.
l. t'ccio.Secretaria da preftidfcii-
cia de Pernambuco, 31 de Hato
de I se
Faco publico que acham-se nesta secretaria
as patentes imneriaes reformando nos mesmos
poalos os seguintes offietaes da guarda nacional:
Ponto Jos Fornira Rnbello. Candido Xavier
Pereira de Brito e Paulino Velloso Freir, coro-
neis commantlantos .uperiores das comarcas de
Gwyanna, Cimbres e Itamb : Jos loaquim Ar-
mando Agr, Brasiliano de Barros Corroa, loa
quii Bezerra da Silva. Francisco Cavalcante de
Aiuuuerque o Joao Guiiberme d''A7.evedo Lyra.
biientes Coronis commaodantca dos batalhes
us. 18.23. 24. 31 4." de reserva Jas comarcas
de Cibrob, Caruar e Cimbrea ; Joo Salvador
dos Sanios e Lnciauo Jos Nosueira de Mello,
majorefl ajodaii'e de ordena secretario geral do
colicuando superior da comarca do Caruar o
eommaudanto da 2.* seecao do batalh,: da mes-
ma comarca e Diogo Lilis Carneiro de Albuquer-
que cai>iio quartel aesire do commando supe-
rior d Comarca de Xazareth.
0 secretario interino,
Mauoel Joaouim Silveira.
S. R.
mpreza do Gaz
Aviso
A empreza de illuminagao a gaz desta
cidade por seo gerente, tendo visto no
Diario ilc Pernambuco de boje a publica-
ran do eita! c:n que a presidencia da pro-
vincia eli.-fin i concurrentes para o novo
Contracto la Iluminadlo mediante as clau-
sulas no iii'-sio enunciadas e servindo de
base para a ndemnisacao da empreza
actual a quantia de 998:777;4j28, por
quanto foramavaliadas pelo arbitro deseiu
pat'dor as obra da mesma empreza,
quantia.essa que devora ser paga pelo
novo con traeta uto, vem pelo presente
aviso, e para evitar duvidas futuras, de-
clarar que dita avaliacao nao pode servir
de base para tal iudemnisaeao, por ter
sido illega! e irrcgularminte feita, bem
como que contra ella j protes ou, quer
perante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo dos feitos da
fazenda, tendo ,: '-> intimado do mesmO
protesto o Dr curador dos feitos da
Fazenda ProrDoUl, como representante
da provincia.
E como quer que deva em tempo op ,
portuno fazer valer seus direitos contra
quera de dreito for, deliberou fazer a
preseute publicarlo para scieneia dos iu-
teressados.
Reefe, 1 de Maio de 1889.
George Windsor,
Gerente.
Rercbrdoria >roTnc!al
Do dia 1 a 23
dem de 24
17:6304051
46fi293
18:0s)8246
llceifc Draloage
Uo dia la 23
Idein de 21
5:6874779
123*953
3 811*734
Mercado Municipal de S. Jos
O movimenlo deslc mercado no dia 23 de
Maio foi o seguinte :
Entrarara :
26 bois pesando 4,030 kilos.
181 kos de peixe i 20 ris 320
20 cargas cop farinha a 200 ris iOOO
3 ditas com feijao a 200 ris 100
i ditas com railho a 00 ris 400
3 ditas de fructas diversas a 300
ris 900
32 tabolciros a 200 ris i400
19 suinos a 200 ris :i800
24 matutes com leguines a 200 ris 48O0
Poram oceupados:
29 1,2 camamas a '.i*, ris 17*700
1 escriptorio a 300 ris 300
24 compartimentos de Iarinliaa30>
res, 12*000
24 ditos de comidas a 300 ris 12*000
79 ditos de legumese fazendas a 400
31600
11*2>*!
800
(WiOOO
res
16 ditos de suinos a 700 ris
8 ditos de fresauraa a 000 ris
30 tal I os ai;
1731920
4:271*360
Rendimento ios das 1 22 do cor-
rente
Foi arrecadado liquido at hoje i: 445*480,
Pregos do dia :
Carne verde de 240 a 480 res o kilo.
Carneiro de 720 a 800reis dem.
Suinos de 360 a 640 reis dem,
i- arinha de 30o a 7! uia.
Milhode 800 a.900 reis dem.
Fe?i8ode800a lOJ idem.
Nociedade Recreativa Mocidade
De ordem do lllm. Sr. presidente, convidos
scnliores socios a ci mparecereni em nossa sede
domingo 26 do crreme., s 4 horas da tarde,
aflu de reunilos em assembla geral, iratar-so
de negorios urgen'e- da mesma sociedade.
Secretaria da Sociedade Recrcitiva Mocidade,
2rde Maio de 1889. i) 1- secretario
Policiano Pereira Loite.
Companhi > Santa Thereza
Abaslfcedora d'agua c gaz a
cidade de Miada
Sao condvidados os Srs. accionislas a se reu-
nitem em assembla geral ordinaria no dia 8 do
mez seguinle. aliiu de julgarem sobre as con-
tas do annojindo, ouvirem a loitura do relat9-
rio, o resolveren) sobre a proposta da directora
no sentido de ser levantado um empreslimo.
para a conslrucgo de obras novas. A reuniao .
se effectuara ao meio dia no escriptorio da Com-
panliia de Trilitos Urbanos, na ra da Aurora
Recife, 24 de Maio de 1889.
Josc Ferretea Bollar.
Estrada de ferro de Pernambuco
do Recife ao S. Francisco
JUatadouru jubileo
Neste eslabelecimento fotatn abatidas para o
consumo de hoje 75 rezos pertencentes a diver-
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE MAIO
Sul..... 23
Europa ... La Hala......... 25
Norte...... ... Para........... 26
sul........ . Ville de Cear... . .26
Sul........
.-mi........ ... Hamburg........ . 27
-ul........ ... Espirito Santo ... 27
Europa----- ... Lissubon....... . 28
Europa Ville de Baha ... . 28
Sul.. ..... ... Adcance....... so
Europa . ^. Campias....... 30
Norte...... ... Finmce......... 30
Vapores a sahir
MEZ DE MAIO
Montevideo
Cear e esc
Ro e esc
Antuerpia
Havre e esc
Norte.......
Ilaniburgo
.>antos o esc.
Sanios e esc.
New-York...
Sul.........
-aillos e r><-.
La Plata......
Pirapama ,------
Para......
.Vera..........
Ville de Cear...
Esph lo Santo .
Hamburg.......
f.issabon......
Vle de f'ilti't .
Adoauce .....
Campin* ......
l-'inawe ----->.
26
2o
26
26
27
28
28
29
29
30
30
30
4 h.
3 b.
5h.
4"h.
tlovimeuo do porto
Navio entrados no dia 24
Antuerpia e escala32 dias, vapor inglez Com-
monwealth, de 579 toneladas commandante
Edward Paulkower, cquipagem 17, carga va-
rios gneros : a Wilson SonS & C.
Liverpool o escala -20 dias, vaporjinglez Editor,
de4080 toneladas, commandante Thomaz'Cnan-
dler, equipagem icros ; a
John s te
:-
*
AVXSO
Pelo prsenlo sao convi-
dados os Srs. accionistas des-
ta companhi a a \im rece-
ber naestacJH) de Cinco Pon-
tas o 51.a dividendo, relati-
vo ao semestre findo em 31
de Dezembro ultimo.
Escriptorio da superinten-
dencia, Cabo 24 de Maio de
1889.
Veils Hood,
SUPERISTENDENTE.
I





i
.!
\
I
Diario de PemaiiibueoSabbado 25 de Malo de 1889
Thesouraria de Fazenda
Forncciiieuto ao presidio de
Versando
De ordem do Illui. Sr. inspector, faco publico
que no da 6 de Juuho prximo vindouro, pe-
rante a sessao da junta comecara as 11 horas da manha, sero abertas
as proponas que at1 o da anterior (3) forero
reeebidas. afim de ser contrariado, cotn quero
memores vanlagcns offerecer, o forneci ment de
gneros r arligos para o presidio de Fernando
de Noronha, durante o semestre de Julho a De
zemirn deste anuo.
Essas proponas iteum vir devidamcnle sel-
ladas c lechadas; e <>s proponentes requerero
previamente a eslu Thesouraria provan-lo que
sao negociaotes matriculados e se aeham qui-
tes relativamente ao imposto de industrias e
profisses do ultimo semestre, e declarando que
se obrigam a entregar os referidos geaeros e
rticos no mencionado presidio.
Outrosim. nao sero aceitas as propostas que
conlivenm rticos nao mencionados neste edi-
tal; nein laiiiiem aquellas cujos pregos estive
rem sujeitos a batimento ou de-contos por isto
que os mesmos preces devem ser iuvariaveis.
Os predi los gen-ros e artigos sae :
Assucar mascavinho, kilo.
Arroz pilado, idem.
A.-sui ar branco relinado l* sorle, idem.
Aletria, Idem.
Ararut.i. kilo.
Alcool >ie 30 a 40 graos, litro.
rame, kilo
Agua ras, litro.
Algodao trancado azul e dMSCla, metro.
Ac quadrado ou niilo, kilo.
Azeile doce, iitru.
Algodaosinlto, metro.
Algodao trancado de listras. idem.
Agulhai para costuras, papel.
Aries de ferro sonidos, fexe.
Arafnc de lato, kilo.
Arillimelica i!e Castro N'unes. urna.
BotOes de osso com dous furos, caixa.
Barbante, kilo.
Boi vivo, od. .
Bacalhu. kilo.
Banha de porco, idem.
Brim pardo de algodao. metro.
Cha bysson, kilo.
Caf en grao, dem.
Copo de virlro, um.
Camisolas de brim, idem.
Ditas de algodao, dem.
Ditas de forca, idem.
Carvo de pdra para forreiio, kilo.
Carlas de ABC, urna.
CoUecco de traslados, idem.
Cordas de croa, pega.
Cobertores de l encarnadas, um.
Ditos de d>;a escures, idem.
Cabos de Manilha, kilo
Cabo para entalla, um.
Chapeos de Daeta. um.
Cabos de Cairo, kilo.
Colla da Babia, den>.
Cobre em ralba, idem.
Caivete lino, urh.
Cera branca em vellas, kili).
Ditas em brand Oes, idem
Canelas de pao, duzia.
Chamius patent, um
Cabo de linhode todas as dimensOes,'kilo.
Doutrina Cnrisl. urna.
Doce de guiaba, kilo.
Enxameis, um.
Envelopes in folio, um
Ditos para ofeio, idem.
Enxadas de 3 1|2 c 4 libras, urna.
Esleirs de pal na, idem.
Estanto ein verga, kilo.
Esteiras de pa!i.i pa,-a cangallia, uma.
Feijo sacca.
Familia de mandioca, litro
Dita de lugo SSSP, barrica.
Dita de tapioca, kilo
Flele de cores, metro.
Fumo eni latas, kilo.
Folha de Fiandres, uma.
Facas de ferro, duzia.
Ferro inglez sueco sorlidj, kilo.
Fios de vela, idem.
Grammntira portuguesa de C. Nunes. urna,
ila de Abilio, idem.
ijeometria, idem.
ileographia, idem.
liomuia laca, kilo.
Gomma arbica em po, idem.
Dia em carogo, idem.
iliz idem.
Hostias, urna.
Historia do Brazi!. idem.
Incens, idem.
Kerosene, lata. .
Lenres d algodao, um.
Lacre.-, pao
Lixa esmeril, folha.
Limas sorlidas. duzia.
Ditas de desbastar, urna.
Limatc? sonidos, idem.
Lapis de borracha, duzia
Ditos de Faber prelos. idem
Ditos de cara pina idem, duzia.
Linha braica n. 20. carritel.
Lences de linho, um.
Limates e limas sortnlas. caixa.
Lapis de cores, duzia.
Livro 1. de leitura. um
Wem 2." de leitura. idem.
dem 3o de leitura. dem.
Manteiga ingleza kilo.
Manteiga francesa, idem.
Marmelada, idem.
Manuscriptos, idem.
Mangaes de ierro para carroga, um.
Macairo. kilo.
Madapolao, pega.
Milito, sacco.
oleo de linhaga. litro.
Marmitas de lolba, ama.
Ocre ainan'llo. kilo,
l'apel almasso pautado hume, resma.
Dito carlao mala-borrao, folha.
l'edias para escrever, urna,
Paos .ie jangada pa-a balsa, idem.
Ditos ur --..s. idem.
Parios ,.-ira candieiros palent a gaz, dem,
'alba d i ..ruaba para chapeos uma.
1'regi le ierro sortidos, kilo.
Peonas O ac Perry, caixa.
Prego- franceses, kilo,
i'iclie. barril.
Sab&o Jinarello, kilo.
gfsteuia mtrico, um.
Sola, nieio.
Sal de r taha, litro.
Tinta azul da l'ru.-sia, kilo.
Tinta pida, litro.
Toalhas de algodo, uma.
Tabeadas, idem.
Telhus delinco, 'dem.
Vidros para vidraga, um.
Verde enromo, kilo.
Vinagre de Lisboa, litro.
Vinbo branco. idem.
Vinho do Porto, idem.
Vasscuras de piassava una.
Velas stearinas. kilo.
Marque, idem.
Zarco, dem.
ThesOoraria de Fazenda de l'ernambuoo, 20
le Maio de 1880
(i secretario da junta.
Dr. Antonio hue de Santa Anuo.
Corcpanla de Edificarlo
Asseiubl'ja gcral extraordinaria
De ovdem da directora e cm vista da resolu-
tonuda em assetnbla eral extraordinaria,
aoje effectuada, na qual foi resolvida a conve-
niencia da liquidadlo da comp nhia, convi i
-enhores accionis'as reunirem se em -
aeral extraordinaria, no dia 10 de .luoho
ouro, ao :neio dia, i o-eriptorio da compa-
nhia, n. 77, 1 andar, afm de
tratar c0:" o n. 5 do art. 5 da lei
n 3150 de i de Novcmbro de 1882, dos meios
de liquidal-a e indicarem o que deve ser adop-
tado, r ,
Previno aos senhores "accionistas que coi face
-lo pelo i- do art. 15 da le citada,
necevida1" Jo compareciaienlo de numero
i- tercos do ca-
\Iaio de 1889.
Mroeaes
LARGO DO ARSENAL DE GUERRA
EMPRESA E DIRECCAO DE
HONORIO PALACIOS
1 O Jl E
25 de Maio as Se 1[2 hor;is da noite
Cirande e variado rspce-iilo em lienc-io da Irmandade do
ni mi mmm
Haver n'este espectculo grande e variado programma onde levar novos e
diriceia trabalhos nunca vistos n'esta cidad".
Finalisarii o espectculo ooai uma grande e chistosa pantomima.
A commiss^o da irmandade aproveita o ensojo para agradecer ao Ilustro Se.
director a sua benevolencia e interesse qne tomou na concessao do dito beneficio,
ios seus irniSos e ao reapettnvel publico que se dignaram em acceitar os bilhetes.
O resto dos bhetcs se achara ojt bilbetaria do Circo.
=^=
Gavera duas grandes fanc9des s h e 12 da
tarde e s % e I|2 ca noite.
PREgOS DO
OSTCME
PERNAMBUCO


t*
s.
PARA A CORRIDA
A realisar-se no dia 2 de Junhode 1889
l\'?s';% CONSOLAQAO SO metros. Animaes da provincia que nao
tenham ganho no Derby. Premios: 2505000 ao primeiro, 505000 ao
segundo e 25J000 ao terceiro.
WMA 25 DE MAIO OOO Jieros. Animaes de menos de meio san-
gue que nito tenham ganbo no Derby n'esta distancia. Premios:
3005000 ao primeiro, 6O0OOO ao segundo e 30000 ao terceiro.
^Iklk.S PROVINCIA DE PERNAMBUCO l.09 metros. Animaes
da provincia. Premios: 2505000 ao primeiro, lO^QOO ao segundo e
25)5000 ao terceiro.
4." *V^j% PROGRESSO I.BO metros. Animaes at meio sangue.
Premios : 4006000 ao primeiro, 805000 ao segundo e 4o5000 ao terceiro.
*" ^"^^1,% IMPRENSA PERNAMBUCANA 1.90 metros. Animaes da
provincia que nao tenham ganho no Derby, nesta dst;uicia. Premios:
3005000 ao primeiro, 605000 ao segundo e 305001' ao terceiro.
"SV&l^ RADO DA ESTANCIA l'OO metros. Animaes nacionaes
at meio sangue que nao tenham ganho em Maio de 1SW nesta distancia.
no Derby Premios : 3505000 ao primeiro, 7U5000 ao segundo e 355 ao
terceiro.
9." V\l1.0 PROSPEKIDADE; metros. Animaes da provincia que
nao tenham ganho no Derby, em maior distancia em 1889. Premios:
2505X)0 ao primeiro 505 Observacoes
Os pareos 25 DE .MAM, I'ROGRESSO e PRADO DA ESTANCIA nao se
realisarao seui que se nscrevarn o corram pelo menos 5 animaes
A'directoiia reserva -se odireitode alterar a ordem dos parcos na organisacao
do programma.
A inscripcTio encerrar-sc-ha segunda-feira, 27 do correute, s 6 horas da tar-
de, na secretara d> Derby Club, praca de Saldanha Marinho n. 2, 1. andar.
O GERENTE.
Henrique Schu/el.
0 procurador .los fcilus da fazenda provin-
cial, tendo recebido do thesouro a relacao abai-
xo transcripta los duvodores do inptBta da d-
cima da fremiczi.i da Boa-Vala, do exercicio de
1886 a 1887 oclusivo o :!" semestre que deixa-
ram de pai'.ir no lempo couipettote declara aos
mesmos aevedores qiw lli .- lica niarcadoo praso
de 30 dias, a cootar da pablicaco do presente
edital, para dentro ('elle pn^arem a onpnrtancia
de seu'dbitos, com gok da siccau do conten-
cioso, certos de que lindo aqueilc praso serti feita
a cobrauca "xecntivamente.
Recite, 17 de Maio de 188'J
Munoel Xicoau Rtgueim Pinto de Sansa
Rela^o dos devedores das decimas da l're^uezia
da Boa-Vista do exercicio de 1880 a 1887 e 3o
semestre, que deixaram de pagar no lempo
competente.
lmperatriz n. 30. Dr. Bento Jos da
Costa
Conde da Boa-Vista n. 17. O mesmo
Dita n. 19. O mesmo
Dita o. 19 A. 0 mesmo
Camarapibc n. 13. O mesmo
Paysand n. a. Beato Manuel de Cas-
tro Amaral
Santa Cruz n. 72. Rernardina F. de
Carvalho
Estrada de Joode Barros n..21. Bcr-
iliolina Corris de Amoritu
l'onle Velha n. 37. Caelano Cyriaco da
Costa Moreira
Aurora n. 47. 0 mesmo
Riachuelo n. 63. Caetan i Jos da Cos-
ta e Silva
Atalho n. 19. 0 mesmo
Travessa do Jaamin n. 1. Caetano
Theodoro Antuncs Villaca
Soledade n. 62. Candida Severina da
Conceicao
Rosario n 57. Candido Alberto odre
da Molta
S. Borja n. 6?. Candido Jos aa Sil-
va GuimarSes (parte)
Ponte Velha n. 6. Candido Jloreira
da Costa
Largo da Igreja n. o A. Capella de
gante Amaro das Salinas
Travessa do berma n. 3> Carlos Le-
Inipenuriz n "I. Carlos Martios de
Almeida
JeSaiilo Amaro n. V l.arlota
Joaquina d Carvalho
Vi-conde do Goyanna n. 37. Caota
Sieira Ribeiro ,
General Seara n. 3. Carolina Mana de
Almeida Nogueira
Dita n. o. A mesma
Travessa de Joo Francisco n. 10. A
,-ma
Riachuelo ii. M. A mesma
Riachuelo n. .". A mesma
Ponte Velha n. 104. Carolina M:
Campos
23M1M
30*999
733I3
744399
315613
925998
921998
1085198
7*486
191496
22*318
147*248
126*478
40*918
15*597
5*245
46*499
14*S79
9*982
108*498
15*597
42*313
11*074
10*398
um
9*982
11*13
Becco da Cacimba (Prazeres) n. 5.
DiCarolina Maria da Conceicao 11<39
to n. 7. A mesma 11*159
Visconde de Camarrtgibe n. 29. Caro-
lina da Silva Ferreira 385008
lmperatriz n. 57. A mesma 10300
Largo da Santa Cruz n. 16. A mesma 24*838
Capibarib- n. 42. A mesma 10*349
lmperatriz n.38. CvirvalhoA C., (par-
te) \ 12*484
Orvasio Pires n. 69. Camarina Ma-
ria da Silva Malta 124478
Dita n. 71. A mesma 125478
Corouel Lamenhan. 26. Cecilia Ame-
lia da Cunha Muniz 37*199
Visconde de Camarugibc n. '27. Clara
Carolioa da Fonseca 65*199
Dita n. 31. A mesma 126*012
Travessa do Maduro n. 9. Clcmentina
Gomes da Silv.. 14*879
fravessa de Joao Fernandos Vieira.
n. 7. leuicntino de Parias lavares
e outro 335479
S. Borja n. 18. CU mesmos 51*613
Da n. 20 Os mesmo? 36*446
'talho n. o. Os mesmos 28*076
Cor.de da Boa-Vista n. 111 "i mes-
mos 27*899
Conceicao n. 29. Us mesmos 33*013
Unio n. 69. Clotildes Ignez da Silva
Bastos 77*499
DTora n. 69. Conde da Roa-Vista 154*998
Coronel Lamcuha n. 5o. Constancia
Carneiro da Cunha (parte) 13*581
Visconde de Albuquerque ti. 39. Con.--
unca Ferreira Lima 37*499
Kstrada do Luiz do Reto n. Q. Coas-
lancia Zeferina de Oliveira 145879
Largo da fgreja u. 7 A mesma (par-
te) .1*687
Ponte Velha n. 99. Convenio do Car-
me do Recite 401673
Visconde de Ubaquerqoe n. W>. 0
n-sino 2*044
Aleara n. 30. 0 mesmo ifj 83
3 becco das Nymphasn. 3. Custodia
Maria da Annunciaco I 5589
Dito n. 1. A mesma \ 1366
Dito n o. A mesma l (246
Dito h. 7. A mesma 11850
Largo de Santo Amaro n. ti A. Damio
Lopes Ferreira Guimarac- 134018
Unio n. 65 Delphina da Silva lt,;.
te 41*178
Vizconde de Albuquerque i, 178. A
mesma 13*723
Visconde de Goyanna n. 12. A ine^-
ma 115193
Dita n. 23. A mesma 12*478
Travessa de Joao de Barros n. 10.
Desiderio Bazilio das Chagas 14*879
Riachuelo n. 2. Domingos Dias Mo-
reira 22*014

Programma da
QUE SE REALIZAR
Dmiiwo, 26 de Maio
corrida
<

.\oaic
EllC'C'.N
Pello
natural ida-
den
Peso
Car da vestimenta
Proprietarlov
Io PareoEnaalo(I* turma)800 metros. Animaes da provincia que nao tenham gauho premios uos prados do Recife.
Premios : 2005000 ao Io, 505000 ao 2 e OiOO ao 3
1
2
3
4
3
6
7
8
9
10
11
12
13
14
5
16
Aracahy.....
Bismarck... ,
i'ognac......
Stuarl.......
R .....
Zambo......
Vinlio Branco.
Iloa-.Visla.. .
Thisbe.......
Pierrot ......
Pedreira -----
Bilontra.....
Bostock......
Arreda.....
Royal........
Pitt..........
5 aun
4
os..
Russo.
Rodado
5 0 llusso.....
5 t
6 ( Rodado ......
4 Caslanho.....
4 Rasao.......
5 3 a Pedrez.......
5 o Baio........
5 - RUSSO pedrez
a n Baio.. -.
1 0 O.istanho.....
1 *
4 ilusso........
3 Zaino........
Pernambuco
55 kilos
33
33 '
55
33. .
53
53 .
53 '"
50 .
33
53
33 .
33
53 i
33
35
Amarello e branco.....
Branco e azul marinho
Encarnado e ouro ...
Branco e encarnado
Grenai e branco........
Azul e branco.........
Branco e encarnado ...
n a
Verde >. amarello......
(renate ouro.....
Grcnal..........
Azul e encarnado .
I'relo:..............
encarnado e branco- .
J. F.
F. C.
Bosiock.
J. C.
Jos Luiz de Souza Filho.
F. R. R.
M. M.
F. C. F.
A G S.
Coudelaria Progresso.
Coudelaria Progresso.
P. H.
D. P.
Codelaria Musical.
S. t!.
2o Pareo-Impreniia Pernambucaaa1000 meros.Animaes de menos de meio-sangue que ao sejam da provincia.
Premios : 300*000 ao 1, 70*000 ao 2 e 30*000 ao 3"
Cometa......
Favorita.
Moncorvo...
Ay inor......
Recife......
Alpha......
5 anos..
6
4
5 .
5 *
6 .
Alazo........ S.Paulo......
Zaina........ Rio de Janeiro
Tordilho..... S. Paulo..-
Casta alio...... c
Rio de Janeiro
Alaz....... S Paulo.....
55 kilos
58
53
57
57
54 .
Rosa e preto.........
Encarnado e branco...
Coudelaria Luzo-Braztleira.
Maia & Chrysostomo.
Casemiro Fernandes.
S.M.
S P.
Djalma Moreira.
3o Pareo Veloeldade------1000 metrosAnimaes da provincia que ainda nao tenham ganho em maior distancia nos prados do
Recife. Premios : 2505000 ao 1, 605"00 ao 2" e 25*000 ao 3
1
I
3
I
5
6
7
8
9
10
11
12
Azamdr......
'anfar.......
Polosi .. .
Dublin.....
Bonaparle-.
Barnave
General.....
Rocambole ..
Pirraca.....
Rei de Ouro
Cyclone.....
Sneca .....
o anuos.
5
5 ,
4
5
4
5
4
5
4
4- .
6 .
Raio..........
Rodado..... ..
Castanho......
Cardao .......
Rodado .......
Castanho .....
Rosilho........
Cardao........
Castanho......
Rodado .......
Russo-pedrez..
Pernambuco
55 kilos
55 .
55
33
35
53 .
55
53 .
55
S
53
55 ;
Azul e branco...........
Encarnado e ouro ........
Azul, encarnado e branco..
Azul e ouro...........
Ouro e branco ...........
Branco e preto............
Encarnado e preto.........
Azul e ouro-----
Azul e amarello
Jos Luiz de Souza Filho.
R. C.
Bostock.
M. L.
R. G. L.
Coudelaria Emulaco.
J. B
C. P.
J. O. R.
F. G
S. B.
M. N.
t "Pareoleatrea
-1300 metrosAnimaes da provincia que nao tenham ganho n'esta distancia no Blppodtomo. Premios
300* ao Io, 705 ao 2 30* ao 3'
Traviata......
Good-morning.
Mouro........
Monitor.......
Advance ex-Pi-
rapama......
Florete......
Templar......
6 anuos..
8
7
3
6
8
5
Rodado
Alazn.
Russo .
Castanho
t
Rodado...
Pernambuco-----
54 kilos
54
55
5V
54
Vi
Encarnado e branco
Amarello e branco--
Encarnado e branco.
Encarnado e branco.
Escarate c ouro.
5." PareoTriln l'rnanoM1.609 metros-Animaos Ocionaes at meio sangue.
805000 ao 2:' Wuu) ao 3."
S. -, *.
R Cantoso.
A. Taques.
Coudelaria Pernanibucana.
M. P. S
II. L. J.
J. F. F.
Premie-: 350*000 ao Io.
I
i
3
4
8
0
7
8
9

1?
13

13
16
Riselte...
Douro ..
Cometa...
Minerva..
Mimosa -
Mandarim.
Olga .....
Favorita ..
anuos.
ZaiHa .......
Alazao .....
a
Douradilha. ..
A laza .......
Rosilho.......
Caslanha.....
Zaina......
Rio de Janeiro

S. Paulo......

Rio de Janeiro.
52 kilos
54
54
49
46
54
51
54
Azul e ouro...............
Azul branco e encarnado.
Violeta e ouro...........
Azul e grenat.........
Encarnado e branco.......
Coudelaria Brazileira.
F. P.
oudelaria Luso Brazileira.
Ce 'dclaria Cruzeiro.
Coudelaria Parnamerim.
J. Bastos.
M Y Pontes.
Maia & Chrisosthomo.
*
'-
6, PareoProcrroxo- 900 metros -Animaes da provincia que aiuda nao tenham ganho Des!
1889 ueste prado. Premios : 25O50DO ao l-jTOOOO ao 2 e 25.5')00 ao 3
maior distancia em
Cndor......
Vinho Branco.
Tupiniquim...
Roldio.......
Tupy........
Li mines......
6 annos.
4 -
4
6
7
5
Baio .
Russo .,
Rodado
Baio ..
Pernambuco.
55 kilos. Encarnado ebranco.-
'53
33
!l
55
i renate ouro
IBosa........,...
tilosa e branco
r.c
M. M.
L. J.
D.'F.
F; C. Resende.
Coudelaria Vencedora.
Pareo Ennaio -2-1 turnia 800 metros.Animaes da provincia que nao tenham ganho premios nos prados do Recife.
Premios : 200*000 ao 1, 30*000 ao 2" e 20000 ao 3
Horisonle .
Fcrrabraz 2".
Moc.....
Bonjour
Pleiade......
Marai.....
Traviata...
Barro.....
Fausto ...
Tupa........
Biscoutinhc
Jasmim......
Estranbolico.
Mignon. ------
Bourgnlez.....
Rio do P_ei_xer _
(*) Montado d
3 anuos. Alazo........
3 Baio........
8
8 - Zaino.........
4 Cardao .......
5 Rodado.. .
6 - Russo.........
Alazao.. .....
6 -
5 Pedrez........
8 Baio........
4
5 Rodado-pedrez.
3 Zaino........
8 Rodado........
0 * Melado........
Pernambuco
35 kilos. encarnado c preto.......
SU
33 Civnat................
35
53
33
35
35
53
55
55
53
55
5'
35
53
Preto e branco......
Encarnado e branco.
Encarnado e pPBtO .
Azul e branco........
Encarnado e branco .
Azul e prelo......
Encarnado e preto.
Azul e ouro-..........
Branco o encamado
Rosa e branco.......
J. r. :.
P.J.
J. B.
A.
A. S. P.
Coudelaria Demcrata.
S. *.
F. L.
J. B. W.
1. M.
J. B. Cavalcanle.
S. A.
F. L.
P. S.
E. A.
C. D.

da manha no ensilhamento,
por amaaor.
OBSERVARES.
Pede-se aos rs. proprietarios o obsequio de torem sen- animaes s 9 horas
visto como impreterivelmente ser cumprido o horario. .
Os animaes inscriptos para os outros parcos devem achar-se no ensilhamento 1 hora antes da determinada
para o pareo em que tm de correr. .
Os joekeys que n2o estiverem matriculados na seeaetan* do Hippodromo nao pode-"o correr, cninpnndo-lhes
aprosontar as respectivas cadernetas na occasiSo da pesagem.
Os forfaits serjo recebidos na forma do artigo 62_doCodigo de Corridas.
HORARIO
Corridas
1. pareo .
2."
3.
i.
5.
6."
7.
8.
11 horas
11 . e 50 ni i mu
12 e 40
1 e 30
2 e 20
3 e 10
4 <
4 e 50
Recife, 24 de Maio de 1889.
O secretario, Jos Eustaquio Ferreira Jacobina.
T-----


IrmaiuJade do Divino Espi-
rito Santo do Recife
Assembla geral de eleico
CoiniA a todos os nossos carissimos irmaos
a se reunirem em nosso consistorio domingo 26
do correte, pelas 11 horas da manha, afim de
elegermos os funecionarios da n'va mesa rege-
dora, qoc tem de administrar a nossa irmanda-
de durante o auno compromissal de 1889 11890.
Coi o de 1889.
O secretario do conselho,
maraes.
SANT CASA W
CASAS PARA AIAtiAR
Jlua da Moeda n. 49, armazem 200*000
dem do Vigario Tenorio n. 27, laja 200*000
dem idemn. 22, 2 andar 80*000
dem idem idem, 3. andar 180*000
dem idem n. 23, l." andar 360*000
dem do Encantamento (Bispo Sardi-
nha) n. 11.1 andar 300*000
idem do Mrquez de Olinda, sobrado
n.44 2:131*000
dem idem u. 33. idem l:50Oi JOO
dem do Bom Jess n. 29,1. andar '000
dem de Domingo'; Jos Martins n. 136,
ioja e 1" ai
dem idem
dem de Ti... : de Souza h. 14, Io andar
dem do I- n. 81, loja. 1." e
2. anda i \
Jllm da Viraco n. 19. casa terrea
i de S. Therezu n. 7, idem
Parnan
S. LourciH.u ia Malta rasa terrea
Ra do Padre Fioriano a. 43, casa
W-.'.z do Htrqoei de Onda n. 33.
'iUT6
Floriar
400*000
200*000
200*000
.300*000
240*000
216*000
460*000
60*000
180*000
1:200*000
200*000


6
Diario de PernmbueoSabbado 25 de Mio de 1889-
MMMMM
Sr

I



)vincial
0 administrado' da Recebedoria Provincial,
na forma do regula; 28 de Maio de 1887,
faz publico para conheritneuto dos interessados,
que dentro de ^> udos do 1 deVudbo prximo, dar-se-ha prin
Cipio por est repartigao a eobranca, livre de
mita, dos impostos abaixo declarados, de que
trate a lei n. 1884, relativos ao 1- semestre do
exercicio corrente de 1889.
Recebedoria Provincial de Pernarabuco, 23 de
Mao de 1889.
Francisco Amynthas de Carvalho-llotra-
3 0/0 multiplicados" por 10 sobre esMMwi-
Hientos a retalho.
20 0/0 sobre o valor locativo entos industriaes dcsta cidade.
10 0/0 ideui dem idem fra da cidade.
1004000 por pessoa que eroproflWoapitaes'em
descont, de letras.
1:000* por casa de f;irJBa ifeMfllBetes de'
loteras
12 0/0 sobr^escriptor.*, carto*tes-e consul-
torios.
JJ50 por tonelada de alva*?H!^i-ttCna.
Decima urbana.
25 0/0 sobre a renda dos bei de'raBVperten-
centes a corporaees Ue mo morta.
80 rs. por litro de agurdente ou alcool.
Companbia de bombelros.
Innandad ds-Almasda
matriz do Corpo Santo
De ordem da mesa regadora, convido a todos
06 irmos desta veneravil irmandade para cora-
parecerem em nosso consistorio no domingo 26
5o corrente, pelas 11 horas da manb, aflm de
reunidos em mesa seral, tratar-se da fundacao
do hospital da irmandade e de outros assumptos
importantes Scientificando que sendo esta a
Juarta convocagao. funccionar com o numero
e irmos aue tWTtrrrefr-r, em vista do despa-
cho proferido pelo Exm Sr. Dr. juiz de capefias
em 14 do corrente raer
Consistorio da irmandade das Almas, em 23
de Maio de 1889.
O escrivo
F. Costa.
Veneravel irmandade
DE
Sania Cecilia na matriz de *. Jos-
eleh;ao
De ordem da mesa regedora e por despacho
do Exm. Sr Dr. juiz de direito da provedoria,
convido a todos os irmos professores para se
reunirera em nosso consistorio no dia 27 do cor-
rente, as 4 horas da tarde, alim de em assembla
geral eleger os novos funccionarios para o cor-
rente exercicio de 1889.
Consistorio da veneravel irmandade de SaRta
Cecilia, 23 de Maio de 1889.
O secretario
Amaro Joaquun do Espirito Santo
Capital <>.OO0:O4M#
S. R. C
Sociedad* Rereatita Commerrlal
Sarao extraordinario em honra a nova di-
rectora em 26 do corrente
Scientificamos a todos os senhores socios que
os convites e ingressos acham se em poder do
Sr. thesoureiro da sociedade, e assim como so-
cio algum peder ter ingresso sem assignar a
respectiva cota. .Aggregados nao sao admissi-
veis.
Sala das sessOe da commisso promotora, 20
de Maio de 1889.A commisso
Manoel Ferreira.
Manoel J. Ribeiro Jnior.
Manoel Euzel>io Simes
London & Brasilian Bank
Limited
Rita do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai
xas do mesmo banco em Portugal, sendo
em Lisboa, ra dos Capellistas n. 75. No
Porto, ra dos Inglezes.
(iompauliia
Imperial
DE
Seguros contra Fogo
EST: 1803
Edificios e mercaderas
Taxas baixas
Prompto pagamento de prejuizos.
CAPITAL
. Rs. 1 .000:000^000
tSMB
BROWiM A C.
N. 5RUADOCOMMERCION. 5
CONTRA FOGO
The Liverpool & London & Globe
HTSUHAITC3 CDLIPAITY
BLACssra, mim & c.
Ra do Commercio n. 3
Companljia te Seguro
comba ::::
NORTHERN
de Londres e Afoerdaen
Posicao Gnanceira fDezembro de 1885J
Capital subscripto 3.000,000
Fundos accnmulados
Reeelta animal :
De premios contra fogo
De premios sobre vidas
De juros
O AGESTE,
John H. Boxine.
3.134,348
577,330
191,000
32,000
SEGUROS
MARTIMOS coma M
CoHpanhJa PhenJx Per-
nambucana
RA DO OOMMERCI N. 38
DO
idca walisado I .000:000*
A cara' filial deste Banco funeciona
ra do- Oommercio n. 40, sacea, vista ou
a prasof ontar os segtrintes corresponden-
tes no estrangwiro.
LOig)QN-.(lia- Wtloiial
< doBluil,
> ( London* office.
( London fc County
( Banking Company L.w
PARS......(Banquete larft de*
(
Pays-Bas
Deutsche Bank.
Bank d'Anvcrs.
Banca' Oenende',e suas
agencias.
Banco Hypotecario de
Espaa e suas agen-
cias.
Hamburgo..
Berlim.......
Bremen.....
Fr an k fur t
sur Main...)
Antuerpia..
Roma........
Genova......
aples.....I
Millo ornis
340 cida-
desde Ita-
lia...........
Madrid......
Barcelona ..
Cdiz........
Malaga......
Tarragona .
Valen cia e ;
nutras ci-i
da des dal
Hes pa nba I
e ilhas Ca- j
narias......
Lisboa......
Porto e mais
cidades de
Portugal e
ilhas........
Buenos Ay-
res .........,
Mon tevido
NovaYork. G. Amsink & C.
Compra saques sobre qualquer praca do
imperio e do estrangeiro.
Recebe dinheiro em conta correte de
movimento com juros na raz2o de 2 /0 ao
anno e por letras a prazo a juros conven-
cionados.
O gerente, T ittiam M Westber.
Banco de Portugal e
suas agencias.
The London< & Rivr
Plata, Limited.
MUTUOS
United States and Brazil
M. S. S. C.
O vapor Finance
i E' esperado dos portes do
norte at o dia 3deJunho
o qual depois da de-
iaora necessaria seguir
para a
Babia. de Janeiro e lanos
Para carga, passagens, encommendas e di-
heiroa frete trata-se com os
AGENTES
O vapor Ad vanee
E' esperado dos portos no
sul at odia 6 de Junho
o qual depois da demo-
ra necessana seguir
para o
Nnranho. Para, Barbados.
Thomaz e \cw- Vork
Para possagens carga, encommendas e
nbetro a frete, ira!a-se-: com os r GENTES.
Henry Forster &'C.
8Ra do <3ornmerda8
1* andar
*.
di-
SEGIRO COSTRA FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL 9.000:000
AGESTES
R.DEDRUSDA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
mbEMNISADORA
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TERRESTRES
Eftialtelecida em 1955
CAPITAL 1,000:000^000
SIMSTROS PAGOS
At 31 de Dezembro d e I H 1
Martimos.. 1,110:000$000
Terrestres. 316:000$000
44Ra do Commercio44
Companhia de Segaros
Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO SUL
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do norte at
o dia 26 de Maio e depois da de-
cora indispensavel seguir para os
portos do sul.
As encommendas sero recebidas no trapiche
Jarbosa at^ i hora da tarde do dia da sahida.
Para car^'a, passagens, encommendas e valo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandante < arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do sol at o
dia 27 de Maio e seguindo depois
da-demora indispensavel para H
portos do norte al Manos.
As encommendas so serao recebidas na agen-
cia at 1 hora da larde de da da sahida.
Para carga, enuoinmemlas. pa^sagens >e Tilo-
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Cariteiro & C.
6=Rua do Gommercio=6
1 andar
Pacific Ste m Navigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN LDE
O paquete Potos*
Espera-se da Europa at o dia
2 de Junho e seguir depois
da demora do costurae para Val-
paraiso por
Babia, Rio ae Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommendas e di-
aheiro a frete: trata-se, cora os
AGENTES
Wiison,'Smis-A C, Limited
14UA DO COIBERCIO14
CHARGEiatS REUNS
(umpnitkt* Francesa
DE
N'avegaeSo a vapor
.jinha regular entre o Havre, Lisboa,
Pernmbueo, Baha, Rio de Janeiro e
Santos.
O vapor
Vil le do Cear
Commandante Lainey
Espera-se dos portos do sul no
dia 26 do corrente, seguindo
depois da indispensavel demora
para o Havre.
Conduz medico a bordo, de marcha rpida
e olferece excellentes commodos e ptimo pas-
sadio.
As passagens podero ser tomadas de ante-
mao.
Offerecendo-se mais ao> viajantes para Paris
bilhetes de caminho de ferro do Havre a Paris.
Recebe carga, encommendas e passageiros
para os quacs tem excellentes accommodacOes.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o A.GENTE.
O VAPOR
Ville de Baha
Commandante Houx
E'esperado da Europa- at "0 dia 28
de Maio, seguindo depois da in-
dispensavel demora para a
Babia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores desta linha, queiram presentar dentro
de 6 das a contef do da descarga das aivarengas
qualquer reclamaco concernente a volumes que
porvcntHra'tenhamsefuido'pm-a os" portos do
sul alim de.se podei dar a tempo as provi-
iencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao se
-esponsariilisa por extravos.
rara carga, passagens, encommendas e di-
aheiro a fete : trata-se com o
AGENTE
Augiiste Labiiie
9 RA DO COMMERCIO 9
Companhie de Messageries
Markimes
LINHA MENSAL
O paquete Equateur
Commandante Monean
E' esperado dos portos do
sul na dia 2 de Jnnho.
seguindo depois da demo-
ra do eos une para bor-
(Ifeaux, tocando em
Dakar c Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lugares reservados" para esta
agencia, quepodem tomar em qualquer' tempo.
Faz-se abatimento de 15 0|0 em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e que
pagarem 4 passagens inteiras.
Por oxcepgao, os criados de familias que to
maretn bilhetes de proa, goam tambero deste
abatimente.
Os vale.-; postaos s se do at o dia 31 pagos
de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
oheiro a frete tra'a-setom o .-iGENTE.'
O paquete Nerthe
Commandante Jczegabel
E'espirado da Europa no
dia 4 de Junho e segui-
r depos-da demora ne-
cessaria para
Janeiro, Buenos-Ayres
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de toda* as
classes que ha lugares reservados para esa
agencia, que podem tomar em iquatquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedotes de mercado-
rias que s se attender a reclamacOes por fal-
tas,! nos volumes, que forcm reconhecidas na
occasio da descarga, assim como deverSo den-
tro de 4 horas a contar do dia da descarga das
alviarengas, fazerem qualquer reclamagao con-
cernentes a volumes que porventura tenham se-
guido ivir os portos do sul, afim de poder-se
dar a tempo as providencias ^necessarias.
EHleM iiaquiKs si lliiniimuto* a
i n a eleetrica.
Para carga, passagens, enoommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Augu.ste Labille
9 Ra do Commercio 9
COPHIAM
PKnviHBKAVA
DE
Xavegaeo eotetra par Tpr
P0RT0WB0* NORTE
Parahyba, Natal, WfMdWMovem/, Araoar
ty e Cean
O vapor Pira.panin
Commandante Carvalho
Segu no dia 25 do corrente as 5
horas da tarde. Recebe carga at o
dia 24
Encommendas, passagens e dinheiro frete,
at s 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRJTTORIO
Ao Caes da Companhia Pemambucamt
n. 12
LEUDES
Leil
ao
$abbado| S5 do corrente
No Becco da Bomba n. 2
De i|- mobilia de amarello, 1 cama de casal.
i marquezo 1 marqueza, i berro, i mesa qua-
drada, i machina de costura, de p, candieiros
avulsos, 1 mesa 1 aparador, 1 espelho, louca,
vidros quadros, jarros, candi' iros, etagers, ta-
petes, 2 almofadas e outros arhgos.
1). Maria das Dores retirando-se para fora da
provincia, fara leilao por intervencio do agente
Modesto Baptista do que cima se declara, ao
correr do marlello.
Leilo
De i mobilia de junco, preta, composta de
i sof, 12 cadeiras de guarnico, 4 ditas de bra-
cos, 2 consolos com pedra, 1 piano, 1 espelho
dourado. 4jarros de lofl^aOqutlros, 1 espre-
guigadeira, 1 commoda He ainareflo, 2 etagers,
1 toitete com pedra. 1 mesa para jantar, O ca-
deiras, 1 relcgio de cima da mesa.
Sabbado 25 do corrente
\"s f 1 horas
No 2- andar do sobrado ra de Pedro
Affonso n. 31, antiga da Praia
O agente Gusmo, autorisado por mandadD
do Exm, Sr. Dr. juiz de direito do commercio e
a requerimpnto do Dr. Curador fiscal da masa
fallida de Salvador Goncalves Brapa' & C. fara
leilo com ssistencia b mesmo juiz, dos ob-
jcclos cima mencionados, pertcoOeates a mes-
ma massa.
GRANDE L:Q!J1DACA(J
Na Lojdas EstreHas
o-Ru llBifif -de Cxs-S8
r Esto-^em-'conhecido stbeleeimento de passar por urna grande reforma,
sendo ligado interiormente com a
casa contigua do n. 58 no intuito
de serem despachados todos os seut
freguezes com mxima brevidade
possivel, resofreu fazer grande 11-600 800rs.;ape9a.
Galoes, palmas e rosas re vfdrlho.
Bicoa de seda e de algodSo cora
vidrilho.
Mantilhas de seda e do algodao.
Contas lapidadas para vestido.
Franja de seda com e sem vidrilho.
Renda liespanhola.
Collarinhos para homem a 3^000 e 4|8BR
a duzia.
Bordados de camb aia tapada a 400 93/BF
Leilo
De 1 sof, 2 cousolos, duas cadeiras de bra
4os, 6 de guarnigo, urna mesa redonda, 1 espe-
lho oval dourado. duas cadeiras de balaco, 4
jarros e 2 candieiros gaz.
Urna mobilia de amarello com lampo de pe
dra, urna tama l'ranceza, guarda-vestido, 2 lava-
torio, 2 cabidos e l mesa com gaveta, urna mesa
de jantar. 1 aparador, I guarda comida, 6 ca-
deiras de guaruieo, duas ditas para meninas
louca, vidros, copos, garrafas e outros objectos
existentes da casa da
Ra da Santa Cruz n. 42
Agente Pinto
Sabbado, 25 do eorrente
As 11 horas
Leilo
De engenhos, partes e de matta em Tab
comarca de Pitimb
A' 1 hoia em ponto
Xo edificio da Cmara Municipal de Olinda
O agente Stepple por mandado e ssistencia
do Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orphos e
ausentes, a requerimento do I ir. Jos Vicente de
Mi-ira Vasconcellos. inventarmote dos bens do
finado coronel Joo de S Cavalcante de Albu-
querque, levar a leilio
Tres partes do engenho Itapirema.
Trras e engenho S. Miguel.
As trras em que est constituido o engenho
Souza.
As mattas denominadas1 Pitanga.
Urna parte do engenho Tabatiea.
Leilo
Bahia, Rio de
AGENTE
Miguel Jos Alves
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companhia
nesta praga cJo de pagamento de premio em cada stimo
anno. o que, equivale ao descont annual de cer-
ca de (5 por rento em favor dos segurados
Roya! Mail Steam Packet
Compart) v
O vapor Neva
Commandante G. M. Hicks
E' esperado do sul no dia 26 de
Maio, seguindo depois da demora
nocessana para
Lisboa, Vlgo. ftonthampton e
Antuerpia
ReduccSo de passagens
Ida da e volto
;'Lisboa i- el;: O t 30
A' SouthauptOB % classe < 42
i 'amarof resinados para os passageiros de
Pernmbueo.
Emquanto vigorar a quarentena imposta na
Repblica Argentina,'aos vapores e naios pro
cotes'do Brasil, s vapores desta companhia nao
aceitarlo pawqgciros n-m carga para Buenos-
Ayres. N
Parapaengcn?, fretes, encommendas, trata-se
com os
AGENTES
Linorim irmos & C.
N. 3Roa do Bom JessN. 3
Companhia Baniana de Na-
vegagao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estaera e Babia
O vapor 8erg,ipe
Commandante Rebello
Segu para os porto cima
no dia 28 do corrente s 4
horas da tarde.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei
ro a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario 17
COMP.\UI.A rK!l\AHBIH\A
DE
\avcsefto eosteira por Vapor
PORTOS DO SUL
Mcet. Penedo e Aracaju'
O vapor Mandahu
Das dividas da massa fallida de Alberto
Rodrigues Branco, na importancia de
67:1885335
QuarM-feira 2.'' do corrente
AS 11 HORAS EM PONTO
No armazem travesea do Corpo Santo
n. 27
O agente Pestaa far IpIo por mandado e
ssistencia do Exm. Sr. Dr. juiz do commercio
das dividas cima menh^Budas.
_ ATHC-DPEEflS
AMA Precisase de urna : na ra Barao
da Victoria n. 35.
Aluga-se o tercoiro andar do sobrado ra
do Imperador u. 26 ; a tratar na lithographia
ra Mrquez de Olinda n. 8.
Iga-*eo 3- andar dVcasa a ra lar^i do
Rosario u. 37; esquina defronte da Igreja; atra
tar no pavimento terreo.
aga-se o 3- andar do predio n. '9 ra
da Imperatriz, contendo 2 satas 4 quartos. um
grande^otio com diversos quartos e agua : a
tratar taloja do mesmo predio.
Precisa-se de um caixeiro de 12 a 14 annos
de idade ; na ra dasPernambucanas n. 2o.
ProdsHse
Unio fitt.
de urna cosinlieira : na ru da
~ Urna senhora habilitada propfle-se a leccio
nar emcollegios e casas Darticulares as seguin
tes materias.: primeiras letras, geographia, pia-
no e liorthidos : quem precisar podexlirigir-sea
ra vehade Santa Rita n. 89. ______^^
Pde^eao Sr.-Dr.^ATgHtiro Alves A^ta
que appareca no Paco da 'atria n. 5, alm. H
concluir aquella trassaccito.
Afrnda-9e ou vndese o engenho S. Bar
tholomeo, sito na freguezia de MuribfCa'; a tra
tar na ra Sete de Setembro n. 15. u no enge-
nho Sadt:Anna na freguezia de Jaboato.
i ede-se ao Sr. Angelo Tarares que venha
buscar as ovas duas cautelas da Caca Econ-
mica.
Ferdinaudo i ierrcck, pintor pela academia
de Vienna d'Auslria, a pedido de diversos pais
de familias previne ao respeituvol publico que
d licOes de desenho, pintora, paisagens, lisu-
ras, etc.. a aquarella e a oleo ; a tratar na pho
tographta allem ou na toja de joias de Jweph' Dito* braneo de linho n. 6 a 15200 a vara
qiidtaeo dj lodos os saldos que
ticaram de balanyo, por menos
50 [. co seu 'valor, cujos artigos
passamos a demonstrar :
Artigo de-le*
EsguiSo, peca, a 35500.
Madapolao com um metro de largura de
145 por 75000
dem idem americano de 85 por 55000.
Algodao marca T, especial, muito largo,
de 75 por 55000.
Bramantes, pecas, por 75000.
Atoalhados, lindos desenhos, duas largu
ras, a 15 e 15200 o metro.
Guardanapos de 45 por 25000 a duzia.
Estopa de linho para bordar a 500 o me-
Jgtro.
Bramantes de linho com 11 palmos de
largura a 15500 o dito.
Lencos brancos e com barras de cor a 15,
e 15*200 a duzia.
Toalhas de fustao, qualidade superio r,a
35 e 45000 a duzia.
Cretones para coberta a 240 rs.
Colchas acolchoadaj>'brancias"e de cores &
25000.
Lences de bramantes a 25000.
Chales escoeeees a' 15000.
E outros muitos artigos que deixam de
8er-"meffcionados e que se vendem com
igual abatimento
TecMos de alta novidade
PAEA VESTIDOS DE SESHOBAS
Linhos pardos para .'vestidos a 300 e 320
Sedas com cuadros o listras de 15800 por
800 rs.
Setins de seda, todas as cores, de....
15200 por 500 e 320 rs.
Merinos lisos, todas cores, de 500 por
240 rs.
Tuaile de Vichy, de 240 por 160 e 80 rs
Nonsuks, desenhos novos de 240 por
120 rs.
Cretones claros e escuros com lindissimoe
desenhos de 440 por 240 rs. 1.800
PECAS!
Merinos de quadros, grande variedade de
padroes, de 500 por 240 rs.
Mimos dos Alpes, de 640 por 240 rs.
pechincha !
Fustoes de cor, de quadros e outros dse
nhps muito ndos, de 500 por 160 rs
Sedas1 Felippinas, de 500 por 200 rs.
E milite; outros tecidos para vestido,
em algodao, linho, la e sedas que se ven-
dem coma o mesmo abatimento de 50 it
fonfeeeo
Vestidos feitos de Casemira ricamente
bordados de 805 por : 55 e 305.
Ditos para armar de 65, 85 e 105.
Ditos brancos bordados em cartSo, alta no-
vidade a 85 e 105-
Guarnieres de colariuhos e punhos pare.
senhora por 15 e 15200.
Capotas (preparadas na corte) de 205 poi
95 e 105
Goilinhas e punhes para menino de 3 a
8 annos.
Vestuarios eroupinhas-para criabas, poi
55, 6^, 85 e 105, 'e Jersey, casemira e
de brim.
Saias bordadas a 25 e 35.
Enxovaes para baptisado com collares ele
trieos por 55-
Luvas de seda meio b-aco e qualquer ta
manho a 15500 o par.
dem idem de Escocia a 15 e 15500.
Sobretudos impermeaveis de borracha de
705 e 805, por 305 e 405.
Capas e pellerinas de cachemiras ottoma-
na ricamente enfeitada8 de vidnlhos a
255 e 305.
dem idem de renda, seda, damasco e
gurgurao, tanto para phantasia como
para commodidade a 385" 405-
Velludos de seda e algodao de muitas co-
res.
Gazes de seda.
Ricas rendas hespanholas de seda, algo
dao e linho, com um metro de largura,
tetina-Maco de todas as cores a 750 e
800 rs.
E muitos ontros 1 artigos de cosfeccoes
como* sejam mantilletss de blonds, sahidas
de bailes, legues transparentes e de phan-
tasia,' e outros muitud mais, que se ven-
dem com o mesmo abatimento de 50 j0.
Para horneas
Casimiras inglezas com dnas larguras, de
35500 por' 15200.
Ditas efir de caf e azul, de 2552 por
800 rs.
Cortesde seda prr.tcollete, de 125000 por
35000 'e 35500.
Ditos de velludo e fustao a 15 e 15200.
Mcias inglezas com fio de seda, de 125
I por 65000 a duzia.
Paietots de 75 por 45000.
Camisas com um pequeo toque de mofo
a 15600 urna.
Collarinhos, modelo moderno, a 55000 a
duzia.
Camisas inglezas com "colwrihos e p*
nhos, em -collarinhos1 e sem pannos a
365000 a duzia.
Brins pardos de linho a 240, 280, 32U,
360 e 400 rs.
1|2 metros, de q
caixinhas a 3508&
dem com 3 e
argura a 15200.
Lencas de linho em
dita.
Meias para homem, duzia a 45000.
dem para senhora, duzia a 45000.
Lindos leques transparentes de gass
35OOO um.
Grande sortimento de porta-retractas flfc
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 45-. ^Sf"*
85000 o par.
Ditas do phantasia, gosto moderno, ^s
25500 a 35000 o par.
Cortinados todos de crochet para casa* "*
125000, 175000 e 195000 o par, alga
de cores.
Ditos para janellas a 75000.
Pannos de crochet para cadeiras a 93rr
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de compr3SBfc
a 45000.
Capellas com veo para noiva a 609ttfo
85000.
Lindos enxovaes baptisados a 85 I$f
125000.
Toucas de setim para baptisado a oj.:, |hs
55000.
Grmaldas e ramos de seda, ~ que isa %z
melhor.
Renda hespanhola de diversas cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 s. pw^w
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.
Grande sortimento de fitas modernas
Baleias a 280 rs. a dazia.
Extractos e leos de diversos fabricas*
Linha de machina, claque, a 40 re. 6 caer
ritel.
Pastas a 15000 e 25000.
Porta-lettras e porta-sedulas a 250OC.
Arquetes para chapeos e chapeEB;
15500.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 2$93&
par.
Ditas de seda para crcanca a 15006.
Dita para moca a 15500 o par.
Grande sortimento de jarros para tosSBs
sanctuario e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto modero*.
Grampos dourados para segurar cai>*ae
Ditos ditos para enfeitar cbeca e sc^td*
chapeo.
Espartilhos para creanca a 45 e 455W.
Ditos para senhora a 45, 45500, 5#0M 65000. I
Grande sortimento de sabonetes de 338Ki
15500 um. I
Estojo com faca, gario e colherj pr$B;
para creanca.
Bengallas com flauta a 15500.
Meias de la para homens e senhorar,
Li.ohaa dourada par% aaer croch**-
Lindas fitas para tacha a 5, 5 4#MBt
o metro.
Lindos leques de setim para easamasae.
Grande sortimento de leques de seises %
de papel de todas as cores.
Suspensorios americanos a 25000.
Lindos desenhos para talagarca,
Finas carteiras para algibeira de
3 e 355OO urna.
Krause k C.
Anu
Precisa1-* de una ama para engommar e mais
servicos de 'asa de pequea ftimita ; na prara
da Roa Vista n. :z.
Ama
Na ra da Matriz da Boa-Vista n. 2C. orimeiro
andar, precisa se de urna ama que eoflnne bem,
para casa de pequena familia.
V ende-se
Commandante AlcideB
v'i v
Segu no dia do 2o corrente
5 horas da tarde. Recebe car
a at o dia 24.
ir||
um estabelecimento de molhados ra do Bao*
gel n. 53, e garante sea Chave ao comprador: a
tratar no paieo do mercado, talho do commercio
n. 2, com o dono
Ra Duque de Caxiasn. 6S
CosiohetTa
Precisa-se de urna cosinheira para ca *.
pouca familia c que clurma em casa : a traSam
ra Duque de Gaxias n. 48. loja.
Aluga-se
um sitio na estrada de Joo de Barra?., a
grandes commodos para familia e mais fcpe-
dencias, junto a estagao do Principe e lioife
Fernandes Vieira ; para nformajo. i nife
Roda n. 11.
M. T. A. S.
Pede-se a este senhor ao menos venha
uir o cordao de ouro.
Tribofe
Pergunta-se ao Sr. Luiz Ferreira da CrtK,&ag:
Manoel F. da Cruz & C. se pagou a sua letra v*
nao.
Encouimendas, passagense dinheiros -frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRrPTORIO
Ao Caes da Comptm/tia PernambuciMBk
n.12
\o publico
Constando que o Sr. Bernardino tiomes de
1 amibo quer negociar o engenho Aiavuagy,
prennoem lempo aos mtt-res-ados qu as obras,
rnac.ni'ias e utensilios do referido engeoho esto
hypothecados a mim.
fiecife, 23 de Maio de 18R9.
Joo Carneiro Rodrigues Campello.
Lindos cortds de casimira ingleza, de 6
: 85, 10* e 125 a 45, G^, 85 e 105000.
Sobretados impermeasreisde boncha,-para
homens, de 705 e 805 por 305 e 40*
tJcroults francezas," de 385 por 24500 1
a dueia.
Paletots de seda, completos "dei folte d
casemira. malas para viogem, e boleas- e
tapeto um completo e vanadisoimo sor-
t i ment de cheviots, casimires francezas,
inglezas. pretas e de ewes de padrSeS' in-
teiramente novos e que se vendem com e
mesmo 'abatimento de 50 |0 de seu valor
RetaNios
Aproveitem a grande quantidade e
pelos precos, em sedas pretas e de core6,
goTgordes, setins, las, merinos, zephvros.
linhos, chitas, madapoloes e algodSoei
nhos.
E muitas outra ptedhinchas que s ss
.encontram na
Leja das EstreBas
5b", 58Raa-do Duque de Canas56, 58
BoaznoFada
Alugam-se tres-casas com commiidw >ruv
familia, no Arraial ; a tratar a roa1 da Habw-
nia, com .Morena da Silva & C-
l.ui/.a Maria do KMpirlto Majtfv
Villa N*v
Vicente Ferreira Pessoa Villa Xova e seas i-
ihos, Francisca Maria da Annunciaco e suaSI*.
Anna Maria de Medeiros Lima, padre Sewaaar
Jos Villa Nova e suas irmas, agradecen! do S-
timo d'alma a todas as pessoas que prestan
Ihes serviros e obsequios durante a terrivot At-
enga de sua sempre chorada esposa, mii, S&
1 niii e cunhada, Luiza Maria do EspiritoSaatte
Villa Xova, e que se dignaran; assistir e aosc-
panhar o seu enterro ; e de novo as convida*
assistirem a missa do stimo da, que por atas
da mesma finada ser celebrada uo dia 37*
corrente mez, na igreja de N. S do Li\Tanxa*
desta cidade, s 7 1.2 horas da manila, egraie-
ceudo a todos desde j.
Aproveit.m;lo a opportunidude, agraihscwa
tambern sociedade Philarmonica Pao d'AkBSf
i> M-n foir'pnrrrinienlo no rnterro.
CapaU->io !.; HiMleiiailM
A viuva e ;(ios ilo e^itlo aofio Leite
ralbo convidan! os seus patentes e amfgaf
tnvn as mi ras q/tanodia 29 do-coinaafc
mea, munduui celebrar tf igreja do Carmo, *
7 horas da rwnili.- no^aima de aeu s.-mpre ka-
orado e? n= 1 e pai, folleeWo no lia 30 de A*afe
ul iii;. Pon o obsequio coaessa-.
se gralos di'sde-.j. '
'HKnMHHnHMi
Joaquim Pavai't'.s tioilovallio pelo preseaic
pede i sens parentes e pessoas d ae
amizade'o.obsequio'de as-iistirem a-misso
mandutiH'^r na matriz de N. S. da Escada.
uUna-dcpen i ulo-irmo oamigo:*Joo Leite-
dovallio, 110 da 9 do corrente mez. as 9
horas da manha. trigsimo dia de seu patswa
aaionte-grato por este Jfc
decaridade. _____________





Iforiaiwdtt^Bematnhiieo-- Snfebado 25 ih? Maio de t8H8

- -.^- -''------y- -^
"*"*
BOUS ML (MOS
2.000:000$000
Esta lotera esta a cargo da eofnmisso e concessionarios
dbaixoassignados,)queg'araiitem a extracco da primeira serie NO
MA 25 DO' COKHENl E, impreterivelmente as 2 horas da
Esta lotera torna-se a mais importante do Imperio por so
jo-srarem vinte e cinto mil .nmeros.
gOMMISSAO
rao de Bocaina.
Jiauacisco A. de SouzaQueiroz.
Cfaoe^o Manoel Vicente da Silva.
Wmto Jos Alves Pereira-
GONGESSIONAftIOS
Visconde de Fimeiredo.
Fonseca & Cunha.
Jos Mendes de Oliveira Castral.
Sebastiao Pinho.
Eng-ommadeira
Precisa se de urna cngommadeira ; na ra do
Imperador n. 4:!. 2- andar.
Eng$aho
Os restos dos bilhetes achanirse venda.
Arrenda-se o engenho Riacho d'Antas, distan-
le legua e meia da estacao de Timboass, bom
d'agua e de trras e tem i astantes lavradores .
a entenderse com o proprietario no eugenho
Bemfica. visinho no nii'-mo._______________
Cosinheira
Precisa-se de urna, que cosinhe com perfei-
c&o : na ra Duque de i.axias n. 91, loja.
Cha verde fino
Alheiro, Fernandes & C, especialistas neste
artigo, vendern em seu estabelecimento da me-
llior qualidade que vem ao mercado, era pacotes
e a relaiho. e por preco mdico :
Vinhos de Pasto e Figueira, prop ios para re-
feicio e de superior qualidade, veuae-se nc
mesme-estabelecimcHto, e por preco resumidis-
simo.
ssim como, tatnbcm ,uo mesoio estabeleci
ment se encontra superior caf moido em pa
cotes du 500 grammas, a 600 rs. o pacote.
J*-Ba da Imperatriz l
TELEPHONE N. 475______
Hotel Primavera
IH Rna da Roda 18
O proprietario desse estabelecimento, Jos
Bernardo da Silva, chama a attencao do respei-
tavel publico para incumbil-o de encommendas
de jantares.
Forntee-se comeriorias para casas particula-
res a precos comoiodos :
Feijoada 240
Caro1! de qualquer forma 320
Peixe 400
n n i^i wmm
O OLEO PURO
DE
FIGADO k BACALH
&l
NDICA0 DE SINOS E BROME
di:
LUIZ DA CRUZ MESQJTA
66ma do< Baro lo Triumpho66
Tem para vender o seguinte i
-achina* de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
tJaaibiqies de cobre do antigo e novo systenia com osquenta garapa.
fterpenflnas de cobre e de cstanho.
L'arapmpas d.- cobre.
Valsas, taixos e caleiras de cobre.
Basabas de todas as. qualjdades de repucho.-, aspirantes e continuas.
faro el ras de broaae e qiadeira de todos os tamanhos.
Caaes de cobre \ de|chrumbo e de ferro.
Kefarlideira,s. poasadejras e escumadciras de cobre e de ferro estanhado.
flhre em lenool e arruelas.
ala ingleza e do Rio.
. {'adlnbo* patento e de lapis.
A>iaos de 1 libra at 110 arroba-.
E nuftitoc outros obyectos
ENCARREGAM-SE de qualquer concert eobra* de eneommenda, garas
Jasa .presteza, perfei^ao e precos m l'KWfi a praso ou dinheiro com descont.
Os PKlODTJCTOS da.
PERFOMM
>
SOr, ra- de St-Mcmor, PARS
mtm QRiZA-OIL,LSS.QHiZA, GR!ZA'.ACT,CRME-ORIZA
0RIM-VEL0UT, l.RIZA-TOiCA, ORiZAUME, SAB0-0RIZA
0EEM 0 Sel GBANOEEJiTO BEIS/COMO 0 FAVOR DO PUBLICO :
! Ao cuidado perfeitacoip que.-estSo sendo Jelfficados;
2* A' sua quaiidade inaltravel e suavidade do seu perfume.
MfciCoaQse ttiiqmFcoK oestes productos obiia
cqm intuito de r/rer assim a c-jsta da faina ti qoc ozam,
pomos de sobreaviso os freguezes no m que se nao
deixem engaar.
ts ERDAOEIROS WWOUCTOS- se i'.r,m em todr is Mas cazas t Ptrtumarii e Orotarl*.
Mi.NDA SE DK. >ABIS O CAfAlOOO lUJJStaAUO fBAKCO- OS POBTE
' i
'
59Ra Duque de Caxias59
ADMIREM
Ctories de cretones em -cartap com figurino e enfeitos, a 8)J000.
Un de oachimiras bordadas, a 25D0, sao de 400000.
Setim preto, a 1)5000, 1)5200 e 1)5800 o covado, verdadeiro Maco.
Grosdenaples pretos, verdadeiro Len, a 2)5200 o dito.
Merinos pretos, duas larguras, a 500, 800, 1)5000 e 1)5500.
3antilhas protas, a 10200, 30000 e 50000.
Casacos de cacbimira pretos, a 305000.
?il bordado, a 800 rs. o covado, para veos e enfeitos.
Velludilhos de todas as cores, a 800 rs. o dito.
Sefiros de cores, a 80, 100 e 160 rs. o dito.
Zdnons de cores, a 200 rs. o dito.
Tecidos diversos em cores, a 240 e 300 rs.^o dito.
Fastoes brancos bordados, a< 360, 400 e 460 rs. o dita.
Lindas setinetas, a 200 rs. o dito, aproveitem.
Cretones magnficos, um metro de largura, a 280 rs. o dito.
Caitas, bom sortimento em cores firmes, a 200 rs. o ditc.
pendas austracas para^vestidos a 500 rs. o dito.
Cambraias bordadas, a 40500, com 10 jardas.
dem Victoria, a 20500 e 30000, com 10 ditas.
Madapolao iniperior, a 60000, com 24 ditas
Ugodoes nacionaes, a 30000 e 30500 com 20 ditas.
Ricas guara55es de crochet, a 70000 e 80OOt>.
Toalhas de labyrintho para, baptisados a 250000 e 300000.
."idem grandes para rosto a 40000 a duzia.
Ceroulas de bramante, a 120XX) a dita.
Meias inglezas superiores a 3j5OO0 e 50000.
Camisas inglezas e francezas a 300000 e 360000.
Cortinados bordados a 60000 e 80000 o par.pE
Lences de bramante a 10800.
Ooberta* de ganga, dou pannos a 20800.
Xedes superiores, a 100000, sao de 150000.
Pannos para mesa a 10100 e 10400 o covado.l
Atoalhados bordados, a 10200 o metro.
Bramantes de algodao, a 700, 900 e 10000 o dito.
dem de puro hnho, a 10600 o dito.
Casimiras em cortes, a 20000, 30000 e 50000.
Sargelins diagonal, a 200 e 220 rs. o covado.
As vendas em grosso tem o descont de 14
PEREIRA & HAfiALHAES

PEITORAL de CEREJA
Do.Dr. Ayer.
As <*nfprmidud<>A mnU dolurosas da garganta
e io- jiliiioV.-. ordin:iriiiiDentc deseavolvem-ne,
lindo por principio ba^i'S pequeas, cu jos resulta-
do nao sao difficis de curar sv promptameiite se
tratSo com o remedio conveniente. Os Reafrl-
adoe a a.sTofiaea dSo reciprocamente o resultado
de K:iriiiii.i-. \.~; li n i.i, r.ioiMiili-, Affec-
*,;io i'u i iiioimr e i Tlaica.
Todas as /amitias que tem cr.i nc-.\ devem ter o
Peitoral d Cereja do Dr. Ayer
em casa para o usar em caso de neceiMdade.
A perda de um h da, pode em moitos casos
;iccarretar suras consequeacia-s. Por tanto nao
se deve perder leuijM. prciioso, experimentando
n-medio* de efficacf:! dtivjdosa, tinquanto riue
a enfermldade se :i|HKl.-r:i do -v-r'tnai- -.-arr:iL'a
profndame ate, entilo que se necessit* tomar
nesse instante, o remedio mais certo e activo em
ceu oflrito, e esto remedio sem dm*ida alguma
o Pkitokal oe Cekeja ik) Dk. Ayer.
PREPARADO PKIX
DR. J. C. AYER & CA,
l,(\vHl, Mass., Bstw-Unidos.
WIU'OSITO GKKAL
-DE
LA1TMA2T &. KEMP
produz offeitos anlogos ^ os da
Emulsao cooi Hypophcspbftes
dos mesmos ssnhores, no caso de
ser preferido o trasiiamento nesta
forma para o curativo dos incom-
modos
do Peito, a Garganta e os Paiinfles.
Cauteilas do Monte k Seccorr*
Cumpra-se cantelha do Monte deSoecorro de
qualquer joia, brilhantes e relogios;, paga-ee
Ix-m na Praca da iQfippondPnria n. 21, loja de
retojoeiro
Ahiga-se
o i- andar da ra da Roda n. 17. com grandes
commodos e em bom estaao de conservacao,
sendo a sala da frenle forrada a papel ; u tratar
na ra do Rangel n. 63.
Aluga-se
o sobradinho no becco do Quiabo n. 64 (Afoga-
dos), catado e pintado de novo, com quintal
grande, cacimba e diversos ps de fructeiras : a
tratar na ra de Harcilio Das n. 106.
Aluga-
se
a casa terrea travessa dos Guararapos n. 2
tratar na ra Mrquez de Onda n. 54.
EAftEALIMDE!
SO SE YENDO
(JUNTO AO LOUVRE)
Cachemiras lisas a 14200 o covado.
Cachemira de listraa a 14200 o dito.
Cachemira mesclada a 800 rs. o dito.
Esquiao de algod3o a 35200 a peca.
Gazes arrendada a 000 rs. o coyado.
Las Amazonas a 440 rs. o dito.
Merinos lisos a 440 rs o. dito.
Cortes de vestidos em cartSes.
Capellas para noivas a 7)5500 urna.
Sahidas de ha le (tecidos em la i.
Zephvre d* (jvadro a. 20Oe 240 rs.
Colchas de fnsSo a 20000 nm.
Setim .Maco (todas as cores).
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Setim do JapSo a 240 rs. o covado.
Colchas de damasco a 8#500 um
j Colchas de croehet a 7|J000 um.
i Guara i (;u> de crechet con maliaes.
Colchas de cores a 1800 urna.
Panno da Costa a 10000 e 10200:
Guardanapos de linho a 20200- a duzia.
Toalha felpudas a, 3024 0 a dita.
Cobertoses de UkM 10800 um.
Camisat -ioglezas a -300 a duzia.
Algodao braoco u^iitOO e.30500.
Madapolao americano d 605OO.
Baptista.de t-rea a 160 e 200 rs o covado. Brini pardo a 2S0 e -300 ra- ccovado.
Cortinados bordados a 605('O o par.
Rendas hespanholaa a 30000 o metro.
Cretones a Derby Club a 240 rs. o covado.
Gimrniuio de- crochet a 70000 urna.
Carahraia bordada a 40000 a peya.
Dita Victoria a 20800 a.dita.
Sargelim de cures a 200 e 220 rs o covado.
Camisas de anella a ,40500 urna.
EsguiSq pardo para roupa a 360 rs.
Bramante do algodao a jOO o metro.
Atoalhado bordada a 10200 i o dito.
Cachemiras de quadro a 280 rs. o covado.
Percale de coree fixas a 200 rs. o covado.
Espartilhos curaca a-50000 m.
Orepe preto (inglez) a 20000 o covado.
Lavas de seda a 20000 e 20500.
Seroulas derramante ai 160000 a duaia,
Gitardap para homem a 60000.
Batiste finas a 260 rs. o covado.
Bicos preto de seda.
Toalhas para banho a 10600.
Grande variedade em Extractos,
Fichs de retroz a 10000.
Lences de bramante a 20000 um.
Cobertas de ganga a 30000 urna.
Paletots de seda palha a 70500 nm.
Lequos de setim branoo a 60000.
Popelina brane a 800 e .10000.
Etamine bordado a 500 rs. o covado.
Lencos brancos a l->200e 10800 a duzia.
Paletots de alpaca prcta a 40500.
Leques tranaparente a 20500 um.
Paletots. de brim pardo a 40500.
Fustao branco lavrado a 360 ra. o cpvado.
Setineta branca lavrada a 500 rs.
I Regatas, de eres a 10000 e 10500.
I Paletots de alpaca de cores 40000.
I Bieos de cores a 20000 e 20500.
Paletots de gorgurina a 40500.
G.aarda-p pnraacahora 100000.
Brarnaate de linhu a 10800 o metro.
Velbntina de coree a 800 rs. o covado.
Merino preto de todos os precos.
tnicos, entremeios, bordados, roupa para
casemiras, brins brancos e boleas.
banho salgado, sobretudos-, duble-capas,
Koupa por medida
20 Ra Primeiro de Mar^o20
A4A DK < OM-I %\< %
AMABAL & C.
FERRO GIRARD
Approvado pela Academia de Medicina de Pars.
Awwda pela ila ggjgMg Bfgjm pablitid* BtmO.
O Professor Hrard encarregado do Relatorio Academia demonstrou que
fcilmente acceito pelos doentes, bem tolerado pelo estomago, restaura
as torcas e cura a cnlora-anemia; que oque distingue particularmente
este novo sal de ferro, i que nao causa prisjo de ventre, a, combate, $
elevndose a dase, obtm-se dejecedes numerosas.
O FERRO GIRARD cura anemia, corea paludas, caimbras de esto-
mago, empobrecimento do sangne; fortifica os temperamentos traeos,
excita o appetlte, regnlarlza as regras e combate a esterilidad.
Deposito Pars, 8, Raa Vvmbh t su praoipaea Oroparias et Pbansaaiu.
.. JSLESTBAS do CORACAI
iiftrrikiTsiai-Cirinai LEBBOK.UBiujaiiuisApcrtearili
!3BmUIDAlE8liCOR^aO.PAIJ,!TACflES8aiSyPH0fI3USiaaiIBs11
Depontanos em
. rirta. tmmn. r Omobjuv*. 41. ras La
THASt" U. ds SZZ.TA C.
Aluguel barato
Ra de S. Amaro n. 14.
Baixa verde n. 3.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Baixa Verde ns. 1-C.
Ba Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ra do Coronel Suassuna, quarto n. A.
Ra dos Guararapes n. 94.
Largo do Mercado n. 17, loja.
A tratar ra do Gommercio n. 5, 1- andar,
esenptorie-de Silva Goimaraes & C.
Ama
Preci.-a-se de urna ama que saiba eosinbar : na
ra Imperial n. 17.______________^_^_
Aos amadores da boa
pinga
0 armazem central de gneros alimenticios
ra do Cabgga n. II. avisa que chegou a segun-
da remessadopuro Santarem ; a elle, antes qae
sejacabe! f
E' tempo bastante
O Sr. Jfivino Tavares far o especial favor de
alisfazer acuelle compromisso que uo ignora,
pois se asaim nao o lizer declaramos tnionciosa-
mente por esta folha.
Pjaca.fi Concordia n. 1
En^enbos
Arrondam-se os engenhos Cachoeira c Bocea
da Matta da comarca da vtctoriai a tratar na ra
Agostinho Kk Irmos
Collar de SKiro
-A. Baa. ti*. MMM *--*
Gomo nzcsseuios una prasde reforma eu: o
nosso estabelecimento, lizemos tamem reduc-
co nos precos de nossas joias de curo, praUt e
briihantcs. Pcdcm a seus amigos.e freguezes a
virem comprar lindos objectos com, pouco di-
nheiro. i ompra-se ouro. posta e nrlhantes em
obras servidas e paga-se bem. Confortara se re-
logios, obras de ouro e prata commodamente
::::::*: tzusass
M
i
\ WOLiSmS DUSCBtAWS
XAR0PEd.RABfl0I0OAD0
de GRiMAULTiC
XSPOSIIO
48RA- BARO DA VICPTORIA48
* enbam Tr para crer
Cozinheira
Precisa-se de urna ama que cosido*;-bem. t -ra
casa de pequea familia, que durma em casa
dos patres ; na ra Conde da Boa-Viste o. 24-P,
portao de ferro.
Sobraiflo
Aluga-se o 2 andar do sobrado a ra de Do-
mingos Jos Marti ns n. 138, com maitos, commo-
dos para grande familia e por- preco cqmmodo, r
em bom estado de assei qual Sea qonfronte
ao fundo do armazem de Carneiro Vinona: a
tratar na ra Marques de-Oiinda n. 34.
Mais activo que o xarope antiscor-
butico, axcita o appetite, resolve
o engorgitamento aa# glndulas,
combate a pallidez. torna firmes
as carnes, cura os mos humores
e as crostas de le te .das creancas,
e as diversas erupces da pe lie.
Esta combina^\o vegetal,- essencial-
mente depurativa, melhor tolerada
que osioduretos de potassie.e de ferro.
Em F'A.RIS, 8. Roa Vivtonne.
a 5
ata

:
II
Da saber mui agradavel, o VINHJ> do Doator V1VIUN re-
| ceitado por todo oe mdicos para o RaehiHamo, Eserophulaa, Anemia,
jjfltarMU do Peito, CmUtrh pulmonar, Dtbidade, etc.



.VrVIEN SC'. SO. Bonlirtrd ds St.-abODifl.iiz PaRIS
FUNSIGIO BERAL

m
fe
DESGOBERTA E PREPARACAO
DE
J. ALVABES DK SOCZA SO A RES
Moto e poderoso medicamento eontra as molestias do appare-
relho respiratorio:
Tosse, coryza, laryngite, aphonia, coqueluche,
grippe, bronchite, asthma, pneumona, homoptysia, phthi-
sica pulmonar, etc., etc.
Approvado pela Exnia Junta entral de Hygiene Publica, autorisado por de-
creto imperial de 30 de Junho de 1884) rodeado de valiosos attestados mdicos e
muitos outros de pessoas curadas, elogiado unnimemente pela imprensa e premiado
com duas medalhas de ouro de primeira o|asse peja Academia Nacional de Paris e
jury da ExposisSo Brasileira-AllemS de 188)-
Com fabrica especial no estabelecimento Agrico-Industrial de PARQUE
PELOTENSE, expressamente creado parawse eflVito em Pelotas.
Fbricco por mez 20.000 Ihiscos
Vende-ee em casa dos agentes Francisco Manoel da Silva i C. ra do
Mrquez de Olinda n. 23, e em diversas pbarmacias e drogaras.
y.4lJ\B4M0OTIUlM0"44
Machinas a vapor
Moendas.
Rodas d'agua.
Taixas fundidas- e batidas.
Taixas batidas sem cravacao
Arados.

- ##3O*9#0;
1 injecQo Cadet
A MAIS (MECIDA
NO
Mundo enteiro
PARA CURAR
lEsiao: rsrx&EaS das
nmtn nenhutn outro medicamento e eem temer aectdentes.
PARS 7, Boulevard Denain, 7 PARS
Depoeltos em Pernatn5teo : FRAN M. da SILVA C, e naa principae Ftaarmaolas.
SkWsWi
/


Diario de Pernambuco-Sabbado 25 de Maio de 1889
HOPITAL.
dos 'I mi.
GasralfiM|
CLESTINS
Cou^.pJ^Hl
HAUTERTVE
i Coner.'Ces ti

Instrumentos Je msica
para banda e orcnestru, re xinhas com
, 2e6pecas. pira enanca*; na livraria Con-
tempornea.
~--fl.
C&i im ou
T o m: ja rime .a capsula

vi
L


\

fe 10:000 CIRAS
b mu
ioste bc sssmnsxo
DORE:- E DeDENTES
..PREPARADO NICAMENTE
POR CALASAXS & C.NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheuma-
tisinos, inchacoes, dores aciaticas, nevral-
eias, dormencia, etc., empregaido-se em
fomentacoes sobre os lugares affectados
Cura o beri-beri, as paralysias e as dores
de dentes.
Todos os frascos levam direccSes para
uso d'este medicamento admiravel.
Preco 10200. Descont de urna duzia
em diante.
DEPOSITO NO RECIFE
Francisco Manoel da Silva & C. ra
Mrquez de Olinda n.23
Tratamento Reconstituinte
PBLO
EUHK DfiHAMP
COM EXTRACTO 1
de Fu'"!" de limniltu
Quina e Cac.u
Malas deviagem
para roupa do senhora e de hometn, propria de
camarote e euuiinho de ferro, bobas, chapelei-1
as binculos, etc. etc. artigos muito bon3e
baratos na livraria Contempornea.
Papel de forro
de sala, gabinete e corredor, esplendido fru-
mento na livraria Contempornea.
nSEDFRERES
Conslrictores a flan!, Franca
Representado por Emilio Bu-
lln, eageahelro mechan" ,
(PERNAMBDCO)
Assentamento completo para engenhos cen-
traes e Uemas pelos processos os mais aperfei-
coados.
Moendas e repressao mltipla.
Corte cannas vertical, systema Bedu.
DifTusao, circular e rectlinha. dito Bedu.
DifTusao continua de bagaco dito Perret.
Fornos para queimar o bagado da diffuso,
dito Bedu.
Filtros mchameos a filtracao mltipla.
Turbinas centrifugas (economa, limpeza e
(rabUio rpido).
Em geral todos os apparelhos os mais moder-
nos e os mais aperfeicoados para o fabrico de
assucar.
N. B. 0 Sr. Emilio Billion fazendo urna via-
gem de 3 mezea na Europa, durante a sna au-
sencia dirigi as cartas e pedidos a casa Bedn
Frres a Ham, que fornecer plantas, orcamen-
tos etc., e por qualquer negocio urgente infor-
mar-se ao Sr. Eugene Chahne ; 24 roa do Com-
mercio, Becife. __.______
Araruta ingleza
Acaba de ebetrar para o armuzem da Estrella,
no largo do Paraizo n. 14. ___
Cada frasee d'este
:i_IXIR conten os
[ principios depurativos
i tnicos doum litro de oleo
[ de fgado de bacalhu e
Tem sobre o oleo de ]
1 fijado de bacalhu a van-J
1 tfcgeti de ooelerar ae j
1 funeces do eetomagoA
em lugar de as perturbar,
un litro de vinho de Quina. ( e de despertar o sppetite. i
Este Medicamento, de sabor e gdsto
fmuito agradaveis, obteve o melhor suc-
^cesso em Franca pera combater :
ANEMIA, CHLORSE,
A AFFEC^ES dos BRONCHIOS
e PULMES,
e a FRAQUEZA das CRIANCAS
Depsito geral em PARS :
ST70SAKF, 16, ra de Poiton
Em Pemambuco
F-PAMcn M. da SILVA a C*.
Quadros
com bellissimas oleographias, obiectos para
adorno de sala e para presentes, ludo encontra-
se na livraria Contempornea, ra i de Marco
numero 2.
PASTA
ABBICA.
MACK
A Pasta Maak (em
ctrtocs elegantisu-1
?o de 8 tBoinha) \
uiq novo e mar-1
vilh^so preparado'.
proporcionando un>,
Ii-.bIio delicilo e
lirflrnleo, e ama i
eio ltate acua de;
toarador.
Esta Pasta Mack
frota de tama ani-
versal. aiormoea e
roatlsa a ralis, e,
como refresca!*
apera teda -uanto
ce coaheee stfi hoje.l
Ver.de Be em toda!
9 phannacias, dro-i
____ I gar:..eierfumarias.'
nico fabricante-Inventor: T. MACK, VI:J f D.
~~Vyniuriae em Pernumtoix-: Mala soiruao JtD*-
rOLPTIl
SEM MI
POR
PAULO S'AI&SEMT
CUARTA P&R.1TIE
A FALHA DA COURACA
(ContinuacSo do n. 116)
CAPITULO IY
O ileier
~ urna costureira da casa Anatolc 9
Sim, ou paia melhor dizer, urna pro-
tegida minha, que encontrei um dia muito
doente, e, como parece-mc maito iatelli-
gente e ainda mais honesta, tratei de va-
ler-lhe c fil-a entrar na casa de costuras
de que son fregueza. Ahi ella sahio-sc
tio bem, gra9a8 sua forca de vontade e
sua conducta, que hoje a oielhor con-
tra-mestra da officina. Consagro-lhe muito
vivo interesse. Achando-a fatigada, fiz
com que ella ticasse tranquilla no meu
quarto, sob guarda de Suzana ; logo
tarde, quando ficar completamente resta-
belecida, um carro reconduzil a-ha a casa.
Mas isso n3o a impedir, assim o es-
pero, minha senhora, de ir s corridas
coninoseo? perguntou sir Jonathan, at
all tao fri e impassivel como urna corda
de poro.
f H2o sei ainda. Em todo'c caso meu
irmao os acompanhar, se ou for obrigada
a ficar; por que lembro-ine agora que pro-
metti Sra. de Lurc ir hoje casa della,
afim de organisarnv o noso leilao de ca-
ridade.
E isso nao pode ser transferido ?
Nao, ti em beneficio das victimas das
ultimas inundagSes. Ha muitas desgracas
a alliviar, e escasseia o dinheiro.
Mas eu, mamai, perguntou Georgi-
na^ nio serei obrigada a acompanhar-te
casa da,Sra. de Lure? que prefiro as
corridas, e sobretudo as toilettes, quelle
grande ?il"io tao fro e to escuro.
MAIS BARATO
\'a Loja das Listras Aznes
A' RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Vndese fazeudas finas mais barato e
dase descont a quem comprar de 2Qi5000
para cima, troca-se as fazendas vendidas,
se por qualquer motivo nao for de muito
agrado para quem for comprada e vende
pelos segu ntes precos :
Cachemiras lisas e com listas de
seda de lindas cores, a 1*400.
HerlaOs de duas larguras, a 440 e
800 ra., qualidade superior.
Tecidos arrendados cor de creme com
matiz com duas larguras, a 600 rs.
Fazendas de phantasia e lindas cores
a 40U e 500 rs.
Teeldos de linho, lindos padroes
grados, a 200 e 240 rs.
Zeflros lisos e de quadro, a 80 e
100 rs.
Metas de Maco branco, preto e de
todas as c6re a 750 e 800 rs.
Setlns de quadrinhos, a 900 rs.
Sedas lavr.das brancas e de cores cla-
a 1*400.
Enffenho a arrendar
0 Cananduba, prximo a estacto de Jaboat,
muito bom d agua e a pouco reconstruido, com
extensas trras e matas, para sfrejar al 2,000
pies de assucar; a tratar na ra larga do Rosa-
rio ii. 37._____________
Fardo-de carolo de
podo
alg-
Ja conhecido como o melhor e mais nutritivo
alimento para animaes : vndese na ra do
Bom Jess n. 38, 1 andar.
c
asa terrea
Aluga-se urna magnifica casa terrea.com boas
cemmodos, a ra da Ventura (Hanunga) n. 24 :
a tratar na mesma ra. no sitio junto ponte
da fallecida I). Candida Lasserre.
VENDAS
Vende-fe duas casas dp tijolo, sitas em
S.mt'Anna vel que ha em no?so> arrabaldes.tendo a t-stagao
- Saut'Anna mui perto da via frrea : a tratar
ha ra Paulino Cmara n. 19, 2- andar.
Vinho particular
No armazem da ra do Amorim n. 60. vnde-
se o que pode haver de melhor pelo mdico farr-
eo de 7t000 o garrafao de tres ranadas, roan-
do o casco.
B
reu marca
F
Veude-se em barricas a 30 rs. a libra
mazem da ra do Amorim n. 60.
no ar-
Vndese um bonito
na Direita n. 22.
Burrinho
burrinbo ;
.i tratar na
Vende-sf
unta rica mobilia de Jacaranda, muito elegante
e propria pura noivo= preco com modo : para ver
e tratar na ollicina do tennte Pionisio, no pateo
do Paraizo.
Linguas seccasdoRio Gran-
de do Snl
Vendem Costa 4 Fernandes roa do Commer-
cio n. 28, Reoife.
Tranqulisa te, minh: ''!ha, ir- eosn
sir Jonathan.
Ah que alegria Mando* vir um
landau, sir Pierce ?
Sim, o que pode have de melhor.
E tu, Roberto, vens?
N3o, respondeu cath mancebo ; tenho horror ao barulho, bem o
sabes.
Ora e eu que tinb feito uuia toi-
lette tai bonita para te st:t agradavel...
Agradars a outros, sempre umjre-
sultado.
Os olhos de sir Jonathan faiscaram e ca-
vou-se-lhe profunda ruga entre as sobran-
celhas.
Georgina procura agradar nicamen-
te a voc, Roberto, disse elle ao seu an-
tigo discpulo.
Este encolheu ligeiramente os hombros;
e depois, contendo-se, como se a discusso
entrevista sobre aquelle delicado assumpto
o contrariasse :
Alm dis80, accrescentou elle, nao
quero sahir, porque estou com muita dr
de cabeca, e o sol e a poeira aggraval-a-
hiam.
Trabalbtts de mais! declajrou Pedro
inquieto.
Nao, nao te atormentes, meu pai.
Aiiianh. depois de um dia de calma e de
repouso, passado debaixo cas grandes ar-
vores do parque, essa dor nSo apparecer
BUS.
I Sr. de Sauve-, comquanto detestasse
o ruido das multidSea ao menos tanto quan-
t<< HL'ii fiiho, no podia recusar a Adelia o
sacrificio de substituil-a no passeio de Geor-
gina.
Assim pois esta ombarcou na carrua-
gem logo depois do almoco com seu tio e
sir Pierce.
.0 americano obrigou o seu amigo a oc-
cupar o fundo do'landau, sentado ao lado
de Georgina, emquanto abaneava-se mo
desfmente no assento da frente.
Nao podia haver nada tao bonito como
aquella moca com o seu elegante costume
simples, completado por um grande cha-
peo de aba ousadamente erguida ; e rodea-
da, mergulhada quasi n'uma profusSo des
ordenada de lilazes brancos e rosas bran-
cas, de que sir Jonathan havia enchido o
carro, desde a tolda abaixada at o assen-
to da frente, onde as ptalas desfolhadas
embalsamavam-n'a e cercavam-n'a. fazen-
do aobresahir singularmente a sua belleza
de morena.
Logo que a Sra. Chaniers vio o landau
desapparecer pelo grande portao, aberto
de par em par, subi para o quarto, onde
se achava Clotilde.
Esta fiaba consentido em comer um pou-
ras,
GAzes de seda com fios prateados a
1*000.
Cortinados de crochet^ em peca, a
900 rs.
Cambralas bordadas brancas e de
cores, a 4(JUU< a peca.
Cortes de vestido bordados, brancos,
para noivas, a 160000, 18*000 e 20*000.
Veos para chapeo preto, branco e de
qualquer cor, a 10500.
Crep inglez para enfeitos de vestid- s
a 10200 e 20000.
TECIDOS MAIS BARATOS
Pereales e chitas claras, finas, a
180, 200 e 240 rs.
Cassas de cores finas e seguras, a
120 e 240 rs.
noriui de listras aznes muito lar-
gos com 20 varas, a 60000, a peca.
Nargcllns liaos, a 160, 180 e
200 rs.
Crinolina, qualquer cor, a 400 rs.,
o metro.
Guardanapos superiores a 10800 e
20000, a duzia.
Aioalhado lavrado, lindos dezenhos,
a 10000.
Bramante de 4 larguras a 640, 800
e 10000, o metro.
Toalhas acolchnelas c felpuda com
listas de cores, a 40000 e 60000, a duzt.
Blcos braneos francezes, a 60
e 800 rs., a peca.
Blcos linos, brancos, cremes e ma-
tisados, a 20000, a peca.
Slelas a 240 rs. a duzia, cobertas a
400 rs.
E.UT3S de seda, bordadas, brancas,
pretas e de cores, a 20000.
Leqnes de papel, a 500 rs. c trans-
parentes, finos, a 20000.
Leques de pennas o que ha de me-
lhor, a 50000 e 60000.
Jabonete grande de perfume agra-
davel, a 500 rs.
Kitractos finos francezes e inglezes
a l*/>o e 2*A)0.
Despertadores americanos, a 70.
Wos|lllteiros americanos com ar
macao a lUOOO e 120000.
Espartllhos americanos e inglezes,
a%OUO, 5#000 o n-)000.
Capas de vidrilho e rendas, a 250000
e 300000.
E muitas fazendas cinc- se d por todo o
preco na.
Loja das Listras \zuos _
Hodie niihi eras tbi
0 Sr. Francisco Ruposo Falcao, 3- ofucial do
correio, nao quer restituir os movis nem pasar
o valo/ dos mesmos, nao se lembrando que esta
transaccao 6 desde que foi demettido, talvez n5o
esteja muito longe para ficar no estado que j
esteve.

co com Suzana, e conversava na occasiSo
com a joven governante.
Aindi sob a cmocSo terrivel que acaba-
va de agital a tito profundamente, contava
a Suzana os seus primeiros annos, com um
sentimento.de tristeza Uto in enso, de me-
lancola tio dolorosa que a joven criada de
confianca sentia-se commovida at o fundo
d'alma e escutava-a com os olhos rasos de
lagrimas e o coracao extraord'iiariimente
enternecido.
- Pobre, pobre pequea'... murmu
rava ella. Sonbe ser cruel para comsigo
a sorte !
A Sra. Chaniers entrn.
Estou contente, disse ella, aps um
rpido exame ; parece-me que voces en-
tendem-se perfeitamente.
Maravilhosamente, replicou Suzana,
com voz tao commovida que Adelia estre-
meceu e olhou sbitamente para ella.
A governante tinha os olhos fixos em
' lotilde e pareca consideral-a com singu-
lar attenc&o.
A Sra. Chaniers j havia notado aquella
exquisitice em sua amiga.
E' singular, disse ella comsigo. Acha-
ra ella tambem que Clotilde se parece com
o ineu pobre Jorge ?...
O Sr. Pedro j foi para as corridas ?
perguntou Suzana de sbito.
J com sir Jonathan e Georgina.
E Roberto?...
Adelia hesitou; depois, sbitamente,
disse, fallando um pouco depressa :
Elle vai sabir, mas spsinho.
- Ah'! E a senhora?
Eu tenho que ir casa da Sra. de
Lure.
Hoje? julgava que isso tinha trans-
ferido.
N5o, hoje s tres horas.
Suzana olhou para o relogio.
Mas entSo apenas resta-ihe o tempo
de preparar-se.
E' o que vou fazer.
A Sra. Chaniers approximou-se de Clo-
tilde.
Est melhor, nao verdade, minha
filha? perguntou-lhe ella.
Sim, senhora, muito melhor. Pegq-
lhe, portanto, licenfa para retirar-me.
Nao a dou.
Alas eu vou incommodar D. Suzana.
Nao vai incommodar ninguem abso-
lutamente. Quando eu sahir, voc desce-
ra ao jardim, c descansarn'um dos ban-
cos, sombra dos massicos, at a minha
volta, que tardar tres horas no mximo.
Durante ease tempo, Suzana deixal-a-ha
para tratar da casa. Qnero encontral-a
aqui quando voltar. Est combinado ?
Uma vez que assim o quer, minha
AO 55
Convite ns familias
Pede se attencao para os precos abnixo
mencionados:
Cambraia com salpicos a 40000 a peca.
Rendas hespanholas a 10 o covado.
Madapoln americano a K0, 70 o 80( K i
Renda da China, novidade, a 240 rs.
Amor da China a 200 rs. o covado.
Zefiros a 160 e 200 rs., cousa chic.
Espartilhos, grande sortimento.
Guardanapos a 10600 a duzia.
Capas para senhoras, novidade.
Fusto"e8 brancos a 400 e 500 rs. o c
vado.
Linn bordado a 800 rs. covado.
Toalhado para mesa a 10 o metro.
Esguiao pardo a 400 rs. covado.
Babados e rntremeios, grande sort
ment.
Colchas muito bonitas a 20000.
Enxovaes para baptisados, finos.
Merinos preto s e de cores a 500 rs o
covado.
Cortinados para cama a 60000.
Las a 240, 320 e 500 o covado.
Luvas df seda a 20000.
Crinolines a 400 rs c metro.
Cambraia branca a 20800 a peca.
Grinaldas para noivas.
Setns de todas as cores a 800 rs- o ce
vado.
Cortes d cachemira, cusa chic.
Sargelins de todas as cores a 200
covado.
Collarinhos e punhos grande sortiment
Cretones para vestidos a 320 rs.
covado.
Toalhas felpudas, grande reduccSo
preces.
Camisas inglczas com e sem collarinho
Mantilhas pro tas.
Brins para roupa de criangas.
Setins de quadro, em cortes, gostos no-
vos e precos com modos.
Batistas a 120 rs. o covado.
Cretones para coberta a 500 rs. o co-
vado.
Tecidos arrendados para vestidos, cou-
sa chic, a 400 rs. covado.
Tapetes grandes e pequeos.
Bramantes 1 sos e trancados a ROO, 10
e 10200 o metro.
Alm do que tica mencionado, temos
mais outras pechinchas que s vista se
pode acreditar.
Dase amostras sem penhor.
55RA DUQUE DE CAXIAS i*
FIRMES DE AZEVEDOC
rs. e
en
Vende-se
um estabelecimento de molhados, dos melhores
em retalho ra do Ranscl n. 53, e uma cochei-
ra d* vaccas tourinas especiaes, sendo duas com
duas bezerras, e uma com seis mezes de barri-
ga, e um cavalb andador; prantese a chave
da casa a quem comprar e d-sea freguezia pa-
ra o leite : a tratar na ra do Rangel n. 53. A
causa destas vendas o proprietario ter de reti-
rar-se para Europa.
A Revolutjao de 48*-
A' roa Buque de CaxJas n. 48
NAO CREIO QUE HAJA COMPE-
TENCIA DE PRECOS
Neste muito acreditado estabelecimen-
to de fazendas finas e modas, como j
fi-ciii pmvado ana seus freguezes, queven-
ilom per menos 3d '0 do que em outra
qualquer casa. c<>-ninuam a offerecer as
mesnias vaotagens.
Merirtos de quadros e lisos a 200, 240 e
280 rs. o evado.
Seda alsac-iana (fantasa) padiRes escolhi-
dos a -^O rs. o covado.
Zefiros de quadros modernos a 120, 140,
200 e 240 rs. covado.
Cachemiras lisas e de quadro (combina-
gao) a 320 rs.
Organdis (fazenda de fantasa) a 400 rs, o
covado.
Nanzuks muito finos de 120 a 240 rs. o
covado.
Algodaosinho muito largo e bom, a 40000
e 50 a pessa.
b'ichs de 13 de todas as cores de 10,
10500 e 20 um.
Cretones claros e escuros a 160, 200 e
240 rs. o e o va da.
Leques transparentes a 20, e de papel a
500 rs., para acabar.
Lindos cortes em caftfJes com aviamentos
a 60, 80 e 100 um.
Camisas de meia (pechincha) a 10 10200
uma.
Toalhas de cores para mesa elstica 50
uma.
Camisas francezas de linho puro de 40
por 50, uma.
Brira branco n. 6 a 10600 a vara.
Madapolao americano com um metro de
largura a 60 a pessa.
Brins de linhos de cores finas e garantidos
a 600 rs. o covado.
Bramante trancado duas larguras a 400
rs. o metro.
Atoalhado de linho a 10500 o metro.
Cortes de fusto para colete a 10 e 10500
um.
Toiletts para baptisados, muito finos a 100
e 120 um.
Espartilhos de couraca a 40 e 50 um.
Cachemiras de 11 pura, claras e escuras a
20 o Covado.
Setins de todas os cores a 800 re. o co-
vado.
Cortes de cachemiras finos a 40, 50, 60,
70 e 80 um.
Lencos de cores, irnitacao de seda, a
10800 a duzia.
Esguiao de algodao, duas larguras, a
30200 a pe-sa.
Colchas de crochet com palmas de cores,
para noivos a 100 uma.
Capellas com veis a 80 uma.
S na Revoluto de 48
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA

Movis austracos
A* ra Mrquez de Olinda n. .Vi
Vende-se movis austracos, tanto em grosso
como em partes, do mais rico modelo que tem
vindo a esta provincia, e por precos muito re-
duzdos, para liquidarlo de "facturas ; e bem as-
sim
Cofres de ferro
dos melhores fabricantes, que tem vindo a esta
provincia, como sejam : iiillners e outros fa
bricantes. Todos garantidos e de verdadeira
seguranga (prova de fogo). No armazem im-
portador de Carneiro Vianna.
Cofres de ferro
Carlos Sinden tem para vender cofres de su-
perior qualidade, mais barato que em outra
qualquer parte ; na ra Baro da Victoria nume-
ro 48.
Boyal Bldid marca YUDO
Este excellente Whisky Escocez pre
fcrivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Rornl Blend marca Viado
cujo nome e emblema sao registrados par
todo Brazil.
BROWNS & C, agentes.
Vende-se
duas vaccas com crias novas, qnalidades boas,
e uma garrota tourina, sendo as duas uma tra-
bada e a outra da trra ; na estrada de Joao de
Barros, averna n. 20-A, junto acapella. Scom
a vista.
A LOJA MAJS BARATKIRA
PARIZ FAMEfelCA
AZEVEDO, IRMaO&
16 -Ra do B. da Victoria16
200 Telepkone -200
Tendo recebido directamente da Europa
grande .sortimento de f*zendas e modas o
que ha de mais novo e precos sem com-
petencia.
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de la e 12 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 10000 e 10200.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 206 rs.
Bramante de linho a 10500, com 10
palmos. v ,
Toalhas para banhov a 10000 e 10500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de l e seda 2 larguras a 10000.
Madapolao trancado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 70000.
Dito Boa-Vista, verdardero, a 60000.
Fchs de 13 e seda 10000.
Brins de linho coi es fixes a 600.
Espartilhos couraca a 40000 e 50000.
Colchas de fustao a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado a
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 10500.
Renda de 1S, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 10000.
.Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama a
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cCres a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
Guarnieres, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40060.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite*
Grande sortimento de chapeos
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustao de ores.
' Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
Criado
Quem precisar de um criado para todo servico
de casa de familia, queira procurar na ra Pedro
Alfonso n. 82, i andar.
querida protectora .'... Pois nao senhora julgava estar ouvindo e vendo Pedro
absoluta ?...
Ao pronunciar estas palavras umacham-
ma azul c pura illuminou o olhar meigo
da orpha, de modo tao particular, que
Adelia cambaleou de emojao.
Meu Deus !... nao pode ella impe-
dir-se de balbuciar.
Conbe a Suzana a vez de olhar para a
Sra. Chaniers com uma especie de estu-
pe faccSo.
Mas Adelia nao deu-lhe tempo de fal-
lar.
Vem ajudar-me, disse-lhe ella.
Dcsappareceram ambas no gabinete de
toilette, depois de haverem dirigido um
sorriso affectuoso orphS.
Adelia fechou cuidadosamente a porta e
desccu o pesado reposteiro acolchoado.
E' singular, na verdade murmurou
eutao Suzana. Mas onde foi a senhora
encontrar esta moca.
J te disse, no hospital de Lariboi-
sire.
E de quem ella filha V
N3o sei. Provavelmente de algum
pobre caraponez normando que morreu
quando ella era pequenina, visto que foi
criada n'um convento da Normandia.
Estou louca !...
A Sra. Chaniers sentio constringir-se-
Ilia- a garganta.
Por que ests louca, Suzana? per-
guntou-lhc elia meigamente.
Porque acho que essa moca parece
se com alguem.
Meu Deus !... e eu tambem tive
essa idea!...
A senhora ?...
Sim, e isso que fez-me consagrar-
lhc affeicitp tao singular, mas ao mesmo
tempo to profunda, que nao sei especificar
qua a especie de affeeto que me inspira...
essa estranha.
E' bem extraordinaria, na verdade. .
Sorque Pedro nunca commetteu uma infi-
alidade para com sua inulber, mesmo
morta, estou convencida disto.
Mas Adelia, a estas palavras, ficou mu-
da, com olhos arredondados e ar despei-
tado.
Suzana notou isso.
E' mesmo com seu irmao que a se-
nhora acha que ella se parece, no ver-
dade ?
Com meu irmao!... repeli a Sra.
Chaniers estupefacta.
E entao Pois nao tem ella a testa
tao bella c to intelligente, a bocea seria
E ella tem tambem o busto, o andar, os
hombros, o porte da cabera da senhora!...
Oh mas tudo isso tao evidente!...
O busto,' nao sei, a gente nao se ve
a si mesma. Mas, por outro lado, de
Jorge que ella parece o retrato vivo !...
Oh sim!... Tem o olhar, os olhos, o na-
riz, tudo delle... Tudo!... E quando as
suas papillas azues fitam me, estremeco
at o fundo d'alma, tanto parece-me tor-
nar a vel-o, elle, o meu caro marido tao
amargamente chorado !...
Suzana havia remontado no pensamento
s suas mais longinquas recorda5es.
E' verdade! murmurou ella muito
paluda e como que fallando comsigo mes
ma, ella tem os olhos de Jorge !...
Adelia interrompeu-a.
Mas ha ainda outra cousa, disse ella,
talvez mais grave e com certeza mais se-
ria que essa semelhanca que nao pedemos
explicar-nos e que nos impressona.
O que ?
Clotilde e Roberto conhecem-se.
Oh!...
Sim, e amam-se !...
Ser possivel ?
Receio que sim.
E como sabe disso?
Quando Roberto, ha pouco, ergueu-a
do chao e carregou-a do quarto de Geor-
gina para o meu, eu estava ssinha atrs
delles; tu tinhas ido buscar o ether. Eu
andava tao devagarinho, que Roberto po-
dia julgar-me ainda no corredor.
0 que passou-se entao ?
No momento em que elle depunha a
sobre a espreguigadeira, apoiou os labios
na testa de Clotilde, mas com que expres-
so de amor e de desespero!.... E' preciso
tel-o visto para avahar!...
Est bem certa disso ?
Absolutamente. E estou certa tam-
bem de que nao de hoje que elle a co-
nhece, mas de longa data, e que grande
a sua paixo por ella.
E Georgina ?
Elle nao ama-a, estima-a simples-
mente.
Ah! E a senhora o que vai fazer ?
Nao sei. E, cousa exquisita, a ti,
para quem nao tenho um pensamento oc
culto, quero dizer isto: Amo Georgina,
tu bem o sabes; sabes tambem a que pon-
to desejei e quiz fazer de Roberto marido
della... Pois bem, a idea de que ineu filho
#teu o sen coracao a i lotilde nao me affli-


de sol.
-
Leite puro

Na estrada de Joo Fernaudes Vieira, sitio lo-
go depois das casas novas da direita, vende-se
todos os das leite puro de vaccas tourinas e da
trra, garante-?":- a qualidade do leite.
Pao centeio
Mello & liiset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas f sextas-feiras, tem este sa-
boroso pao ; ra larga do Rosario n. 40.
Para jornaes
Papel formato Diario, oOO folhas
Dito dito Jornal, 400 folhas
Dito dito Provincia, 400 folhas
Vende-se na fabrica Caxias.
7 300
5*000
U500
e grave, e'am de tudo isso os movimen-
tos physionomcos extraordinariamente so-
melhantes aos delle? Olhe, ainda ha pou-
co, quando ella contava-me a sua vida, cu
ge, nao me offende..
parecem me talhadrs
no meu intimo sinto-me
Ao contrario, elles
um pari o outro, e
satisfeita com o
seu aioor
i
E deteve-se, como que para desear me
Superior queijo do Serid a
1$50Q o kilo
S no largo do Mercado n. 12. Gomes FerrejJj
4 C. Successores. -
-13
lhor ainda ao coracao, e ao cabo de alguns
segundos continuou muito grave :
Nao son entretanto uma mai m, B
at aqui Georgina tem sido a nica preo-
cupacao da minha vida... Que quer isto
dizer?...
Suzana nSo lhe respondeu.
Com as sobrancelhas carregadas e os
olhos fixos, a joven governante pareca
acommettida de profunda angustia.
Sim, que quera dizer aquillo, todas
aquellas cousas reunidas, aquellas seme-
lhancas materiaes Je aquellas impressdes
moraes ?
Guardou, porm, para si as suas re-
flex'es, emquanto Adelia prosegua :
Tive uma idea, mas antes de pol-a
em execucSo quero que me digas com
toda a sinceridade se a achas boa.
Suzaua ergueu o rosto ancioso.
Vejamos a idea, disse ella.
Quero saber, mas a todo transe,
ests ouvindo? e isto para fixar a
minha norma de conducta para com minha
filhaqual o gener da aflicSo que une
Roberto a Clotilde.
Deve-se perguntai-o ao proprio Ro-
berto.
Nao, se elle nao abri se com migo
a respeito, que a Jconfissao -lh dolo-
rosa. Imaginei outrai cousa.
0 que ?
Roberto nao sajhir hoje, comquanto
eu haja declarado o contrario, ha pouco,
na presenca de Clotilde. Elle disse at a
Pedro, ao almoco, que desejava passar o
dia aqu ssinho debaixo das arvores do
parque. Conduze de teu lado a minha
protegida ao jardim, e depois deixa-a.
Elles dous encontrar-se-hao com certeza,
e nos, durante esse tempo, oceultas detrs
de algum massico, ouviremos a sua con-
versacSo.
Uma sombra passou pelo rosto de Su-
zana.
Pensas que escutar assim nao bo-
nito ?.- perguntou Adelia.
Oh replicn h outra, nao parece l
muito delicado.
Engaas-te. Todos os meios sao
bons para as mis que qutrem saber o
que os pas8a no fundo do coracSo de seus
filhos, sobretodo quando trata-se de bem
encaminhar a sua vida e de .evitar-lhes o \
sofirimento. Ora, Roberto meu filho, o
mais adorado dos filhos at. E, se quera
a felicidade de Georgina, quero a delle
ambeni!.. .
( Contttatar-te-ha
I

\)

'

ti?' Duque de Cotias u. U


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7YJQ8XRR_9C6ROZ INGEST_TIME 2014-05-21T23:20:17Z PACKAGE AA00011611_17258
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES