Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17250


This item is only available as the following downloads:


Full Text
PAMA A C l PITA I, E LIC.iRE 0\DC SAO SE PACA PORTE
Por tres mezes aciiantados.
Por neis ditos dem
Por .un anno idem
Cada numero avuls >, do mesmo dia.
60000
12*000
235000
0100
l50tf
PARA Di:.TRO E PORA DA PROVINCIA
Por seis meces adiantados..............
Por nove ditos idem. .'........... 2000
Por um anno idem................ 260000
Cada numero avulso, de dias anteriores.......... 5100
DIARIO DE PERNAMBCO
Tropriedade de Manoel Svgueva de diaria S dnfyos

TELE6RAMHAS
*
w
\i
* *
5fi,7is: rAi.i:wLf, se :;
tUt
RIO DE JANEIRO, 15 de Maio. 8
horas da tarde.
Fo nomeadojuiz municipal c de orphaos
do termo d Cabrobo, o hachare 1 Helvecio
Ouimaraes.
O-Senado nao funecionou hoje.
Na Cmara o deputado Affonso Celso
requeren que fosse nomeada urna commis-
sao especial de cinco membros para esttf
dar e dar parecer sobre todos os contractos,
feitos coin Loyos quer pelo eoverno geral
quer pelas administracoes provi^piaes.
Sendo esse" requerimento approvado, o
.1"
s de direito da
reir. Informe o Sr.
comarca de Jabo.itac
Bacharel Jos da Cunha Teixeira.
SIru.
Joaquim Ferreira dos Santos.Sim.
Lourenca da Silva Neves e Francisca
da Silva Neves.Encaminhe se, devendo
ser pago na rcparticSo dos Correios o
competente porte.
Captulo Lino Evangelista dos Reis.r
Remettido ao Sr. commandante superior
da guarda nacional da comarca de Bom-
Conselho para mandar passar a guia de
3ue trata o art. 45 do decreto n. 1.130
e 12 de Marco de 1853.
Manoel Jos do Nascimento. Sim.
Sia Joaquina Accioly.Informe o Sr.
ktdante das armas,
la Victoria do Naseiinento.Sim.
Sebastiao Canguss. Sim.
Se veri na Mara da Conce,ic3o.-7->iin.
Silva & C.O contracto a que^nludem
os sijpplicantes foi consideado nullo por
acto de 8 de Maio de 1886 em virtude de
presidente da Cmara norneou para formarl/recurso de Manoel Xaxier de Souza Fon-
seca. A Assembla Provincial, appro-
a commissao o* depu Lados ^adrade Fl-
gueira, Joaquim Nabuco. Buarte d Aze-
vedo, Affonso Cchoe Samuel JEacffowell.
Apresentou-se hoje Cmara todo o mi-
nisterio.
O ccnselheiro Joao Alfredo, presidente
do conselho, deu as necessarias explicares
acerca da ultima recomposicao ministerial.
Em seguida pronunciou um discurso o
deputado Gomes ce Castro sobre a recom-
posicSo c agora e >t na tribuna o conse-
Iheiro Jojo Alfredo respondendo.
BELEM (Para), 15 de Maio, as 3 ho-
ras e 15 minutos da tarde.
Houve nontem um esplendido banquete,
oerecido pelo coronel Antonio Pmenta
Magalhites em- sua fazenda ao Dr. Miguel
Pernambuco. prssidente da provincia.
Compawceram grande numero de con-
vidados e muitas familias, seOdo
Pernambuco muito obseqaiado.
Dr.
IHSIHDCCIO POPULAR
t ludes \m\p&
industrias e artes
vando-o em 10 de Setembro do mesmo
anno, nao muncionou a data da sua cele-
brbalo e nem os nomes dos contractantes,
nao se podendo conhecer si este contracto
referia-se aos supplicantes (art. 14 da lei
n. 1.515). Ainda em 10 de Outubro do
mesmo anno, pretendendo a Cmara dar-
lhe execucao e obtendo ao mesmo tempo
os supplicafrtes do juiz do civel^ desta ci-
dade mandado de manutencSo, o pret-iden-
te de entao manteve a primitiva decis&o,
por considerar nullo esse contracto e or-
denou que cessasse todo o ulterior proce
di ment sobre esse negocio, suscitando-se
condicto de attribuicao entre o mesmo
presidente e o referido juiz do civel, con-
flicto que, sendo submettido ao conheci-
mento do Governo Imperial foi resolvido,
em vista do parecer da seccao de justica
do Conselho de Estado, reconhecendo le-
gal a intervenco do mesmo juiz. A de-
cisjio refere se smente ao conflicto c nao
questSo de nullidade; e por isto bem
procedeu a '"amara deixando de exeeutar
o contracto que foi julgado nullo pelo re-
ferido acto de 8 de Maio de 1886. Nada
ha portanto a deferir, visto a questSo es-
tar sujeitr. ao poder judiciario
Theodoro Braga de Freitas Barbosa.
Entregue-se mediante recibo. 4
Secretaria da Presidencia de Pernambu-
co, 15 de Maio de 188.
O porteirO;
F. Chacn.'
Sciencias.
POR
XIV
O vapor
* (ContinuacSo)
A velocidade das machina? mixtas de 35 a
K kilmetros cada hora ; e rebocam de 20 a 25
mgons carregados. As rodas tero lm,5 de di-
metro, e todas as mais disposices realisam urna
urna especie de media entre os typos extremos
que acabamos de descrever. Assim sao as ma-
chinas que M. Polonc?au mandn construir para
o caminho de ferro de Orleans.
0 peso total da mt :hina e tende: reunidos ,
K'uco mais ou menos de '*6 toneladas (1:000 Ri-
grammas) para o Craronton de 63 toneladas
para o Engerth. e de 35 para as machinas
mixtas.
A forca de ama locomotiva pode avaliar-seem
200 a 300 cavallos vapor. Comprehende-se que
um trabalho tao consideravel gastar cedo as
vas, se estas nao forern .v-trnidaa com um
ando particular
Agora daremos algumas explicacOes sobre o
molo de construir a via do um caminho de fer-
ro. Quando se trata de construir urna via nova
primeiramente estuda-se o terreno ; depois pro-
cede-se ao nivelamcnto e marcaco da linha, de
sorte que a curvatura e declive desta, nunca ex-
cedam certos limites. Entao fazem-se aterros,
vallas, desaterros ; abren-se tunis subterrneos
que attmgem algumas vezes muitos kilmetros
je extenso. como o do Monte Cenis, nos Alpes,
entre a Franja e a Italia, o qual tem 12 kilme-
tros.
O tnnel de Blaisy, na linha de Pars a Lyo, o
qual tem de comprido 4:100 metros, custou dez
milhoes de francos, e levou a fazer tres annos e
uatro mezes. A sua largura interior de 8
metros a altura da abobada de 7 metros e
meio 'A distancia media superficie do terreoo
perfurado de 200 metros.
Em outros pontos d) trajelo d'uma linha fer
rea necessano transpor valles e rios. Con-
sfruem-se entao viaductos e pontes. Por fira.
terminadas todas egsas construccoes, procede-se
ao issentamento da va.
(Contina)
PARTE OFFICIAL
iloverno da Provnola
BBSPACHOS DA PRESIDENCIA DO DIA 14 DK
MAIO DE 1889
Antonio Mathias do Nafcimento.Sim.
Antonio Witruvio de Medeiros.Con-
cedo-
Cicero Vieira de Torres Grangeiro.
Informe o Sr. engenheiro em chefe do
prolongara en to.
Calisto Lopes da Silva.Informe o Sr.
aspector da Thesouraria de Fazenda.
Companhia Brasileira.N'esta data sub-
etto o pedido da supplicante delibera-
rlo da Assembla Legislativa Provincial.
Bacharel Francisco Silverio de Farias.
Sim.
Francisco Deodsto Lms. Paase certi-
dlo.
Capitlo Joaquim Ramos da. Sjjpra Mo-
Repartlfio da Polica
2.* seccSo.N. 492Secretaria de Po-
lica de Pernambuco, 15 de Maio de 1889.
Illm. e Exm. Sr. Participo a V. Exc.
que foram hontem recolhidos Casa de
DetencSo os seguintes individuos :
A' minha ordem, Clemencia Rita da Gonceico,
como alienada at que tenha conveniente des-
tino.
A' ordem do Dr. delegado do Io districto da
capital, Manoel Joaquim por oflensas a moral
publica.
A' ordem do subdelegado da freguena do Re-
cife, Salustiano Jos de Sant'Anna e N. E.
Tenkam, por disturbios.
A' ordem do da vreguezia de Santo Antonio,
Aprtgio Francisco Leite, Jos Santiago da Rosa
Lima, Manoel Germano do Nascimento, Manoel
Francisco Cesariode Mello, e Ignacio de tal, por
disturbios.
A' ordem do do Io districto da de S. Jos, Ma-
ra Anglica da ConceicSo. por disturbios.
A' ordem do do Io districto de Afogados, Ma
noel Rodrigues, por oflensas moral publica.
A' ordem do do Io districto do da Boa-Vista.
Benedi'-io Antonio Goncalves de Oliveira, Anto-
nio at Souza Reis. Manoel da Santa Cruz, Manoel
Henrique Celestino da Costa pnr embriaguez e
disturbios. .
A' ordem do da Torre, Leocadia Mana da Con-
ceico, por embriaguez e disturbios.
0 delegado do termo de Jaboatao, communica
que pelas 9 horas da noite do da 12 do correte,
em trras do engenho ontra Acude daquelle
termo o individuo de nome Maneef Alexandre de
tal, ferio com tres facadas Antonio Jos dos
Amos, sendo preso em flagrante.
Aquella autoridade tomou conneciraento do
fado, fez proceder a vistoria, declarando os pe-
ritos serem gravaB os ferimentos.
Abrio-se o competente inquerito policial
Participou-me o delegado do termo de Naza-
reth. que no dia 11 do corrente, pelas 10 horas
da noite, foi encontrado em trras do engenho
Macaco d'aquelle termo o cadver de um homem
que reconheceu-se ser Francisco de tal, liberto
e alli morador.
0 subdelegado do districto tomou conhecimen-
to do facto e fez proceder a competente vistoria
declarando os peritos ter sido urna ulcera gran-
grenosa a causa da morte.
Procedeu se a respeito nos termos da lei.
0 delegado do termo de Pesqueira trouxe ao
nieu conheimento os seguintes tactos :
No dia 8 deste mez peas 8 horas da noite, o
individuo Antonio Baptista da Rocha, ferio com
duas facadas a Francisco das Chagas, conhecido
por Moc, logrando evadirse logo pos o crime.
O delegado^omando.conhecimeuto do facto, fez
proceder a vistoria e abri o competente inque-
rito que j leve o destino legal.
No dia 30 do mez prximo Ando, no lugar Isa-/
bel Dias, daquelle termo travarara-se de razes
Miguel Ferreira da Silva, sua amazia Thomasia
Rosa Mana da Conceicao e um fllho desta de
nome Leoncio, d'ella resultando sahirem feridos
gravemente Thomazia, e levemente Leoncio, os
quaes foram presos, logrando porm evadir-se
Miguel Ferreira da Silva.
A cerca do facto, abrio-se o competente inque-
rito, que ji foi remettido ao juiz criminal.
Nc dia 1 do corrente, o individuo de cor prela
e de nome Francisco conhecido por Francisco da
Sebastiana apoz urna allercacao que tivera com
Francisco de tal empregado da casa commir-
cial de Dedierw Fhos, ferio mortalmenteo mes-
mo empregado, confsrme^flrmaram os fa :ulia-
ivos que procederam a vHloria.
Abno-se o competente inquento que j teve o
conveniente destino.
Deus guarde a V. Exc.Ulm. e Exm.
Sr. Dr. Ignacio Joaquim de Souza Leao,
muito digno vice -presidente da provin-
cia.O chefe de polica, Adolpho de
Siqueira Cavahante.
Thesonro Provincial
DESPACHOS DO DIA j|15 DE MAIO DE
1889
Maria da Aanunciapao Soares, professor Ar-
ihunio Vieira e ^evenano de Siqueira Barbosa.
-Registre se e facam-se as devidas ootas.
Tenenle Antonio Jos de Souza e Silva.D-se.
Antonio Nunes da truzAo Sr. porteiro para
entregar ao iBteressado.
Jos Joaquim Samarcos. Informe a seccao do
contencioso
Antonio Idalino de Vasconcellos.Iuforme o
Sr. Dr. contodor.
Baro de Li.uoro.Volte ao Sr. Dr. contador.
Beuvinda de Soasa Castro Feitosa.Registre-
(e i'tkffi se as devidas notas.
Rece|>edorla Provincial
DKSFAWOi DO "BU. 14 O HAIO.DE
lail Olivieri. A' i> seccao par.^'o.s devidos
lint. .;. '*. -^
- 15
Vicente Ferreira de Albuquerque vai#imento,
Antonio Guilhermino d-f Satrtlil'Antonio flWB'.
cisco da Costa, Miguel de Azevnfo Andrtde, Al
fbnso Banks, Santos Jrmao, loao DaipTista Pi-
nhi'iro, Viuva Fraccisco Aulonid/ Al|>uquer
que Mello, Francisco Xavier dos Santos 4 C,
Carlos Pinto de Lemos, Francisco FerreirajiVi
tal, Albino Joaquim Coelho Pacheco, Almeida 4
Filhos, Joaquim Carvalho 4 C, Angelo Cesar.
Antonio Luiz 4 C, Moraes Filh, Houza Tra-
vassos C, Jos Antonio dos Saptos (.-ouceiro,
Victor Neesen, Joo Pereira de Lima, Antonio
de Souza Oliveira, Francisco Barrosa C
Sim.
Raymunda Joaquina Mana da Conceicao, Ma-
ria Libertina da Annunciago^Wella.Deferido
em vista da informacao.
Francisco Jos da Cunha Sampaio. Indeferi-
do em vista das informactes.
Pojas Mendes & C. Interponha o seu recur-
so para o Thesouro na forma do artigo 33 das
instiuces de 27 de Julho de 1883
II. Forster 4 C. -Nada ha que deferir em vis-
ta das informacoes.
Jos de Almeida 4 C. Preiudicado era vista
das informaces. *
Antonio Lasalvia.O supplicante nao pode
ser attendido por esta reparticao em face "ta 2"
parte do artigo 52 do regulamento de 28 de Mai
de 1887.
Isabel Maria dajlarmo. Certifique-se o que
constar.
?"
PAGINA 13 DE MMO
13 de Malo
(Olympio S. dos Santos Fakaoj

Ergue a cabeca ingente, oh Brazil, e deixa que
os povos cultos te impriman) na magestosa fron-
te, altiva, como altivos sao os Andes, um sculo
de amor, de respeito e veneracao. Sorri te, por-
que esse passado ignominioso que fazia*trazeres
a fronte inclinada sobre o peito, j vai desappa-
recendo sob espessas brumas que o'erapanam.
Um anno ha que cchoou pelos ngulos do Im-
perio Americano esta phrase sublime Aoo
mais eicravido 1 e foi repercutir alm-mar, dei-
xando pasmos os vetustos povps. da ujta Eu-
ropa p ". Qk: XJrjT^W'
Pasmo?,TTm, porque o que outros s poderam
conseguir pelo ferro, conseguio o Brazil com a
alavra ardente, com o verbo adamantino de
oaquim Nabuco e de outros guardas avancados
das liberdades e glorias patrias.
Aprouve a Divina Magestade que o Brazil con-
seguisse, depois de sua Independencia, o seu
mais ardenle anhelo, sem necessario ser derra-
marse uina gota de sangir sem que manchada
fosse aera,socrosanla,onde todos vamos hoje
collocar as nossas offrendas incruentas.
Hosannas, pois, ao Immenso, porque mais urna
vez cumprio-se o holocausto* non delectaberis\;
porque o Brazil nao passou pelo amargor de ver
regada de sangue a arca santa ; porque, entre
todas as nacoes que aboliram a escravidSo, foi
elle, esse gigante americano, o nico que conse-
guio o desidertum sem ver o seu solo ensopado
no sangue de irmos. Solus interpares.
Km 1S84 o espirito da libcrdude comecoa to-
mar mais incremento, a se pronunciar mais efi-
cazmente, araras ao genio emprehendedor. ao
valor hercleo, aa pujante talento, a palavm
adamantina de Joaquim Nabuco, que, como o
tufao que impelle ao ar a tropa das aguia
(4), ou comoo sopro ardente do Simn, ia var-
rendo, arrancando da mente Brazileira, essa fal-
sa idea, quic adrede espa I hada prespiritos per-
versos, de ftcessaria ser ainda a escravido no
Brazil: o seu verbo inspirado ia, como os ven-
tos do Sahara, que sepultam caravanas, destruin-
do, dilacerando, quebrando argola por argola,
a pesada cadei;* da escravido que ha 300 annos
prenda n'm mesmo 3upplicio o escravo e o
senhor. o oicrayo e a patria. (5)
Foi llejo esforcado paladino da campanlia
abolicionirtk, que. se dirigindo a Patria, excla-
man: -j^-
m, Ifberdade, sorri qu'o.Qrazil,
de povos qu'escravos nao sao,
-te as faces to bellas que tens, _,
nao tarda, teu nobre pendao. *". ijBjs
sorrio, a atria que lacricpsa es
flsfcrvava a fronte pendida sobre o
em 1888, esse momento to alme-
a 10 de Marco, chamado aos con-
ra ffconseiheiro Joo Alfredo Cor-
tra, apresentou s cmaras, logo que
o prugraB|magovernamental e n'elle
o projectoj-Jle que fazia questo o gabinete, de
abolica-in*jacdi:ita e incondicional.
A i: deHio foi decretada a urea lei n.3333.
lava,
peito.
Final
jado c
selhosj
rea de
>e abrir*
Saudeuos, saudemos lodos nos ao glorioso ga>
bineto4Q de Marco; saudemos ao Ilustre presi
dente do conselho. que nko obstante as trama%
as macjjiuacoes de psendos patriotas, venceu a
batalh3.;hbje engrmaldam-lhe a fronte os louros
da victjmi.'esc rocomrnenda aos posteros, como
um dos mais assipnalado* fUhos da Ierra da San
ta Cruz. *
E v6^al|excelsa Filha do grande Monarcha
Brazileiro$.Sugusta Princeza Imperial, duas ve-
es Redemptora d'ttses tristes entes que se cha-
mavamTjravo? o vosso augusto nome j se acha
gravado-te lettras de ouro na historia patria e
na dr todJf,os povos civilisados: quandoos pos-
teros, nosJSffu'os futuros, abrirem a Historia,
vero quistes vos que assignastesas duas u-
reas Ieis-^|o rentre lirre e da aholiqo no Bra-
zil. e enllovos entoarao hyfnnos de louvor, de
affecto e Veneracao.
Como poeta direi, 'a vos me dirigindo. senho-
nhoras-:-^
Deixareis monumentos gloriosos
A urna longa e feliz posteridad^
E fnhando obtereis com tanta Soria
Um nome eterno nos padrOes da historia. (1)
Hoje faz um anno qu o Brasil eotoava ho-
sanas; hoje faz um auno qu se ouvio essa phra-
se magestosanao mais escravido! echoas.
Desd'o Amazona? ao Prata,
Do Rio Grande ao Para.
Eum joven ergueu-se cantando
Mancebos e ancios,
K filhos damesma trra,
Alegres deram-se as rabs. )8

A eoferrujada cadeia" parto-se hoje, somos-
um pofofeteiramente livre.
Colssos. montes to grandes
Que delles flzmeu altar : .
Os arijos lanto invrjavam
Qae muito? entSo baixarnm.
as plagas indo pomar
Un a todos os astros,
Forraou-se lindo arrebol:
Juntei bem todas as luzes*
E nasceu mais bello Sol;
Doei-lhc as grandes victorias,
Legnei-lb'j todas as glorias
Do presente, e do porvir :
Gravei Ihe no firmamento
Seu nomo como um portento
Que nos devia surgir !
E n'esta lula divina.
Lula de auroras mil,
Quando eu escreviaAmerica,
' J va impressoBrasil.
A' esse joven gu rreiro
Eu disse :--Se'o herdeiru
Da liberdade e da luzl
Dei-lhe urna c roa de Iouitk.
Brilhante sceptro de ouro.
E o nome de -Santa Cruz.
Ao mundo assim qu'eu cria,u
Lancei o meu manto azul;
Mas vi enorme proceda
Formar-se l para o sul.
Entao brotei um'aurora
Que toda a trra colora
Em noute de cerracSo :
Das ouvens tizPernambuco.
E d'este-Joaquim Nabuco -,
A pomba da Redeinpco.
Foi hoje a vez terceira
Que l dos ceos eu desci.
Venho dizer-le : Meu liio
Eu*me orgulho de ti!
Brasil avanca, caminha,
Eu lauro te a bencao minha
Eu guardo a tua memoria:
Minha riso, meu tropho.
Dormc adeus l no co
Tcrs o trono da Gloria J!...


Se nos, abrindo a Historia, este cdigo da hu-
mamdade, pharol da verdade, rompendo as tre-
vas que sepultam es?as carnadas de seculos, el,
no seio da antiguidade, deparamos os povos agi-
tados ; os reinos, as cidades, os imperios em con-
vulses, porque a ambiguo, a sede de ouro, o
orgulho tentavam escravisar os povos, rouban-
do-lhes liberdade, patria e honra. '
E foi e sempre essa trindade maldita causa
lAital de todo desmoronamento social; e foi essa
Trindade maldita que instituio na Patria Brazi-
leira a hedionda escravido, facto contrario a
natureza e aos preceitos da Diviodade que dsse
ao homem : Ters direito sobre todas as aves do
Co, sobre todos os peixes do mar, sobre todos
animoes da Ierra; mas nao disse Ihe : Tel-o-as
sobre teu semelhante.
E isso mesmo reconheciam os propros Ro-
manos que tanto combateram pela sua liberdade;
isso mesmo reconhecia esse povo de hroes, cuja
monumental legislaco aceitava esse facto abo
minavel como direito:
Constituio juris gentium, quaquis dominio aVeno
contra naturem subjicitur. (1)
*
Foram 3 seculos de huinjlhaco de aviltamen-
to para a nossa patria : o aegue, as victimas, as
lagrimas, os gritos, os gemidos, os ais dos mise-
ros e iafelizes escravos se apresentaram, espec
tros hediondos, pbautasmas cruentos, ante os
olhos da patria qua. cheia de tristeza por tal esJ
pectaculo, penoeu afronte em signal de dof
A lei 7 de Novembro de 1831, qual se pren
de a que o parlamento promulgou em 4 de Se
tembro de 1850, devida aos esforcos, a energa
c ao patriotismo do que a referendou. o conse
IhPiro Euzebio de Queiroz Coutinho Mattoso C-
mara, foi o primeiro passo dado para a abftlico
da escravido no Brazil.
Honra e gloria ao nosso nclito monarcha que
muito concorreu para que to humanitaria lei
fosse posta em' pratica.
Promulgada a lei n. 581 de 4 de Setembro de
1850, mister era continuar na gloriosa tarefa da
redempeo: o Brazil nao tinha ainda o direito,
e nem podia tel-o, de ser tratado como naco
i ivilisada, pois que em seu seio ainda conser-
vava a escravido, essa instituico degradante,
atteotatoria das leis eternas da Moral, do prin-
cipio imprescriptivel do Direito. (2i
A lei n. 2040 de 28 de Setembro de 1871, para
cuja consecuco tanto trabalhou o preclaro Vis-
conde do Rio Branco, esse eminenlissimo csta-
dsla. cojo nome e memoia devem ser venera-
dos por todos os Brazileiros amantes das verda-
deras glorias patrias, veio confirmar este
principioninguemmiisnasce escravo no Brazil,
como a lei de 4 de Setembro de 1850 havia rea-
lisado, e tornado effectivo o principio da lei de 7
de Novembro de 1831, ninguem entra no Brazil
que nao teja Inre. (3)
(1) Inst. lib. I, tit. I, De jure personan, pag.
(2) Dr. Aprimo GuimarSes, Trabalho Livre e
Trabalho I scravo, pag. 6.
(3) Dr. Thomaz Alves, Direito
2- parte, pag. 846.
Criminal, t. 3'
rue*. lfdeMaio d~l*9. -
Olympio S. dos Santos Faicao.
Treze de Maio
(JOS ANTONIO DE VASJONCELLOS JONI'-B)
Ao Dr. Manoel Sebaitiao de Aran jo
Pedrosa
0 scalo brilha. E' de luz
O dia da RedempcoJ,
Resurgem povos gigantes
Da liberdade ao claro !
O vento solta seu grito
Resa um hymno bemdicto
Na trra da promisso ;
Echam gritos e orados
Aos grandes genios sagrados
Dos prantos da gerago !
Os povos todos se uijem
Ao som do ventoo clarim
E Deus se seota nos Andes
Com a turba de seraphins !
Depois que o vento varrera
Do mundo toda a poeira
Das faldas do Ararat,
De cima dos seus altares?
0 co. a Ierra e o? mares, <
Fallou assim Gehovah :
i
- Povo, fazem mil anuos
Que vim dos mundos alm :
Quera dar-te um Edem,
Pluntei a luz, a sciencia,
Do crime tiz innocencia,
Do pobre flz meu irmo :
Rasguei da morte o Sudario,
No cume l do Calvario
Preguei na Cruz -o Perdo.
Depois as nuveos azues
Eu fui ao co descangar .
J tinha o braco doido
De to intenso lutar.
Grava va nos coracoes
De todas as geracoes
O verbo da liberdade ;
Mas quando entao repousava,
Meu manto lo lo moldava
O pranto da humauidade.
Olhei... a noite era horrivel
No mundo, na rreacao :
Esta va a sciencia apagada
E a minha cruz pelo chao.
Olhei... o co nao brilhava
Nem urna luz sciutillava,
Debalde busquei o Sol :
A trra sem alegra,
Sem flores, sein meloda,
Sem aura, sem arrebol.
Eniaoafroute pendeu-me
Ao fugo s de urna idea ;
* Quera crear um mundo
Com o fogo de urna epopa ;
Quera ornal-o de flores,
Quera dar-1 lie os primores
Que neuhum outro j dei:
Respirei todos os ares,
Revistei todos os mares
E o que buscava encontrei.
Sacud logo as vagas
Das brancas ouvens o veo ;
om meu pmcel dei a trra
As bellas cores do cea.
Ergui-lhe os soberbos Andes
(4) Castro Alves, poesa Jesutas.
(5 Dr. Joaquim Nabuco, Carapanha Abolicio-
nista, pag. 2,1 conferencia a 12 de Outubro.
(6) Dr. J. V. de Castro Tavares. poesa -A Li-
berdade.
(7) Caramur, C.int. X; esl. 58.
(8) Casimiro de Ab-eu.
A data gloriosa que o paiz ioteiro rememorou
no dia 13 do corrente foi tambera com galhar-
dia festejada pela briosa oflicialidade do 14 ba-
talhao, que aproveitou esse dia de jubilo nacio-
nal para o benzimento solemne do seu estn
darte.
Esta solemnidade teve lugar s 8 horas da
manh na igreja da Conceicao dos Militares,
donde foi confuido pelo garboso batalho pa-
ra o quartel no Hospicio que se achava visto-
samente embanderado, salientando-se a sala
da msica, me ornada com todo gosto e capri-
cho, offerecia agradabilissimo aspecto.
Cneg^ndo a nova bandera ao quartel, ao ex-,
plodir de innmeros fognetes, servio-se um lunch
de variado men, dura..te o qual trocaram-so
diversos brindes entre o tenente-coronel l/alionl
Monteiro, honrado commandante do ba'aUrt,
os dignos raajor fiscal, oluciaes e inferiores ao
som da banda de msica e no meio do mais ex-
pansivo contentaicento que o dia do primeiro
anniversario da lei diamantina despertou com
justa razao no corceo dos bpavos militares, ho-
je ao servico da Patria Livre.
A noite era sorprendente o effeito nroduzdo
pela illumioaco^dc edificio aberto a franqua
publica e visitado^ela lite pernambocana.
A ordem do dia que foi lida pelo distineto te-
nente-coronel Caliope ao entregar a bandera
ao batalho em frente a raesma igfeja a se-
grate ~
omina nulo do 1-1 liatulhao de in-
famara, quartel no HospirU em
Pernaabaro 13 de Maio de IShu
Ordem do da n. 317 4
'amaradas. Acaba de receber a bengo da
igreja a bandera que deste grande dia am dian-
te deve tremuiar as nossas fileiras s auras
suaves d-i patria ou, se tanto exigirem a honra
e a dignidade nacional, ao vento impetuoso da
guerra no territorio estrangeiro.
H -rdeira de tradicoes glorio3issimas, esta
bandera. symbolo sagrado da nossa naciona-
dade. tem direito mesma dedicaco, aos mes-
mos sacrificios que tanto nobitaram o antigo
14 batalho na memoravel jornada de 6 de
Abril de 1866.
Cooliada nossa honra, nao seremos nos de
certo, que consentiremos na conspurcaeo de suas
galas, por que isso seria consentir no desrespei-
to|aos bros, dignidade, honra da Naco Bra-
sileira que nossos pas, nossos irmos e muitos
de vos no-smos. tanto souberam levantar, e a
morte mil vezes preferivel vileza de como
soldado, aobreviver vergonha da patria.
Juramos acompanhal a nos maiores perigos.
defendel-a at ultima gotla de nosso sangue
e havemos de cumprir o nosso dever. Assim o
espera a naco assim o exige a honra do excr
cito de que fazemos parte. Feliciano Caliope
Montt-rn de Mello, tenente coronel commandante.
Liberdade
(Jos Antonio Cesar de Vasc^^ncellos Jnior)
Aos alumnos do collegio Onze de Agosto
Fulgente idea lampeja
Na testa da geraco
Sublime como a epopeia
Clemente como o perdi
Decepa do mundo o pulso
Atira-o com gratulo impulso
Na luta pelo ideial
Correndo conquista d'almas
Aqu -arranco mil palmas
Almtriumpbo real!..
E' ella o raio I fuzila
Como o verbo de Moys
Que as ondas do mar Vermelho
Faz recuar a seus ps
0 sol -facho dourado
Que tem o norte apoutado
A povos e rac.is mil
ttuc n'este momento aquece
En rqbra fronte encandece
D'este colossoBrasil
0' povo bello arrojado
Herdeiro de mil hroes
Que trazes na face ardente
O sangue de teus avs I...
Ergue, levanta a fronte
Immensa como o horisonte
Risonha como o porvir
Vai adrnala de palmas
Das heneaos vindas das almas
Da gerago que ha de vir
Um brado convulso, enorme
Desprendeo, oh multido!
E' o phrenesi da victoria
Que estiura teo coraco !
E' a interjeico de Colombo
Que vira do mar no lombo
A ilha de Salvador !
E' o delirio dos bravos
As heneaos dos ex escravos
Que sobetn^aara o Se >hor!...
Agora dos horisontes
Um rebenta de luz
Varrendo enorme e mu lsto
A trra da Santa-Cruz 1
Estende o lencol das vagas
Percorru todas as plaga?
Ao sopro do furaco
E cresce e cresce to grande
Que banha o ci.Tio dos Andes
as aguas da Redempeo.
T mocidade arrojadp-
T s Irma de Jesue;
Quebraste o ferro s cadeias
Soltaste as almas luz I
Abriste p'ra o rndo inteiro
Neta de grandes guerreiros
A Biblia da Abolico !. -
Em troca desta victoria
Dos seculos tua memoria
Ser eterno brazo
Gscada
Nao fleoo em esquecimento entre nos a memo
ravel epocha da liberta^o dos nossos irnaos
al ha pouco tempo sob o pesado jugo do capti-
veiro; porquanto urna commissao coinposta dos
negociantes Jos Marques, Eduardo Vieira, Gon-
zalo Rocha, alferes Guilherme Muniz e outros
prestrnosos cidados promoveram Urna simples
u-as bonita festa em commerao aco do dia 13
de Maiode 1888.
Foi assim que ao amanhecer do dia de hoje
una grande salva de bombas reaes despertou
toda e?ta cidade ainuhciando haver chegado o
1" annitejs.rio da redempcio dos captivos.
A's II horas teve lugar|uma missa cantada em
nossa matriz, pregando ao Evangelho o Revd.
Kirmino Brant, Ilustre srgipano e insigne pre-
gador. o qual tomando por thema do seu discurso
o texto -Religio mundo et immaculata, desenvol-
veu o as.-umpto na aitura dos seus vastos canhe-
cimeotos, e, fazendo applicacao ao assumpto do
dia, deixou no auditorio a firme conviego de
que o glorioso aconteciraento do nioajoravel dia
13 de Maio, cujo primeiro anniversario se feste-
java, tinha a sua origem e fundamento nos planos
da Providencia Divina que tudo dirige com sabe-
doria infinita fazendo brilhar a seu tempo, a sua
immensa Bondadevindo em auxilio dos opprimi-
dos: e aps missa cantou-se em aeco de gra-
gas urna ladatnha Nosss Senhora do Rosario a
quera os mesmos libertados tomaram por sua
especial protectora. .
.1'noite, depois do exercicio tfoMe Mariano
que, seja dito de passagem, no presem>-anno
tem sido extraordinariamente c acorrido, gran-
de numero dos mesmos libertos acompanhados
da Philarmonica Escadense e do povo, percor-
reram as ras desta cidade formando urna gran-
de marche aux flambeaux e foram ento proferi-
dos diversos discursos d'entre os quaes se dis-
tinguirn! os do Dr. Aquilino Porto, vigario
Pedrosa e professor Eduardo Guimares, tendo
sido correspondidos com enthusiasmo pelo povo
os calorosos vivas que ento ergueram.
A' hora em que tracamos estas liabas (11 da
noite) ainda continuara os divertimentos pelas
ras correndo tudo em boa ordem, sem pertur-
baco alguma e na raaior haanonia poaufeL
. Eis aqui as palavras com que saudou aos li-
bertos, o Revd. Pedrosa.
m Cidados libertados! Eis chegado o grande
dia que commemora a urea le 13 de Maio de
1888, essa benfica, abencoada e humanitaria lei
que vos restituio a doce liberdade de cujo goso
estaveis privados, vos e Jvossos pais, havia ja
tantos annos I... Eis, sim, chegado o Io anni-
versario #e3se glorioso acontcoimento que tanto
vos exaltnu.auaato-ennobreceu a patria, a jjuem
desde chtSo pertencels como cidad3o9 brazilei-
ros, gosando dos masmss direitos, das mesmas
garantas que nos outros.
E'justo, pois, que todos nos nos regosijemos
comvosco, vos felicitemos ainda urna vez pelo
assigoalado triumpho de vossa causa e vos esti-
mulemos a que vos esforcis a conquistar com o
trabalho honesto e boa^ conducta o reneme de
cidados pacficos e laboriosos, uteis a si, fa-
milia e patria, esta patria, este paiz que tanto
vos aviltava.
Sois livres! Oh sim, sois livres, nao ha
mais duvidal o J vivis, merc de Deus,
sombra da liberdade sob a tutella das leis pa-
trias. "Pois bem : agora o que vos cumpre fa-
zer ? Eu vol o direi, syuthetisando tudo nessas
palavrastrabalhar, trabalhar e trabalbar sem
pre, afim de que possaes viver com independen-
cia, vossa propria cusa, educando os vossos
filhos nos saos principios da religio catholica e
da moral, entregando-vos, finalmente, protec-
c2o d'aquella Virgem Santa, Immaculada, a Ex-
celsa Senhora do Rosario, a quem deveis erigir
um templo e a quem hoje por este mesmo tri-
umpho rendestes aeces de gracas, rendestes
culto.
Cidados libertados bemdigamos aquelles
que concorreram para a vossa libertaco, oscu-
lar agradecidos e reverentes a mo d'aquella que
teve a dita, a gloria immorredoura de assignar o
patritico decreto de 13 de Maio de 1888, liber-
tando-vos, quebrando de urna vez para sempre
aquelle frreo jugo que vos arrochava os pul-
sos.
Eu vos acompanho com toda a effuso de
minha alma em vossa justa manifeslaco. Viva
a Religio Catholica Apostlica Romana. Viva
a Augusta Princeza Imperial. Vivam todos os
libertos do Brazil. Vivam iodos os que concorre-
ram para a grande obra da redempeo na trra
da Santa Cruz Viva o patritico povo pernam-
bucano. Vivam os briosos escadenses .
Escada, 13 de Maio de 1889.
Liberdade
(F. A. L,)
Salve tu I Oh I Liberdade
a tilha da Redempeo !
Vieste plantar a igualdade
Na trra da escravidlo I
E tuJooMiriauno,
O hroe peruambucano,
O iilio do seculo da luz,
Com Joo Alfredo abracado
Nabuco Dantas ao lado
Libertastes a >anta Cruz !
A tres seculos que existia
A terrivel escravido I
Este oome que fazia
"Envergonhar a naco I
E depois de tantos anHos,
Os hroes pernambucanos,
A Liberdade abracou;
E a Regente Princeza,
Com sua illustre nobreza
0 decreto saaocionou I
Sao glorias I sao bravos
Para o seculo da luz;
De nao haver mais eseravos
Na trra da Santa Cruz I
E hoje o Brasil altaneiro,
Grita para o estrangeiro
Dizendo : sou livre tambera !
E os grandes luctadores
Da causa de tantas dores
Mostram a coragem que tem!
0 illustre-Joaquim Nabuco,
O incansavel luctador;
Com um grupo de Pernambuco
Fez as escravosvencedor I
E o conselneiro Joo Alfredo,




Diario de PernambucoQflkita-feira 16 de Maio de J-fe9 ft
m
-

f
i
Na Cmara altivo sem medp,
Apresentou aaboligo!
Indo depois ao Senado
E o projeeto passado
Foi com:grande vola
Um brarotbi prorompido
Da inmensa multido:
Saudando ao destemido
Joo Alfredo e abolir-So !
AaMHraMte fiwsnfeHBo,
B m (tai-iMi scMti!
E Mario aanacta-taiiilado.
Ogantneartlureado
QwrnfceranWo Brasil!
>
a da
prin-
O Mercenario
A todas as [outras questoes se adianta
moralidade, diz o Sr. Hay Barbosa.
Pois que pela moralidade que se deve
cif>tac,..accci tamo* opotito-do partida.
A moralidade s se pode constituir em tribu-
nal, quando clara c provada em fodos os jui-
zes, ebem a.-.simUMH quem inicia o 'processo.
O Sr. Ruy- 'inrbora nomeou-st' org4o da jus-
tica publica encarregou-se doiibello. E" pre-
ciso, pois, examinar-lne a moralidade.
Salienta-se na bicigrapliia dosdimiens pbli-
cos da provincia >i.t- Btthia o principte-da carreira
de S. Exc.
Educado p>r seu tio, que o ncolhau orpho,
que o b-voo Matean t assembta provin-
cial, o Sr. Ruy Barbosa -dea mostras do seu ca-
rcter, abandonando a prcialidade liberal, em
que militava aquel ie Ilustre brazileiro, que do-
tou a imprensa nacional com o 'Montto4-, um dos
orgos mais brillantemente redimid >s de que ha
noticia.
O grupo do Sr. Danta? sra mais forte. A car-
reira sobre os hombros d; grande chefe popular
era mais tupida. O Sr. Ruy Barbosa nfio nesi-
tou ; eotre.gouse de .-tirpreza ao rival do seu
bemfeitor, e desde ento servio passivamertte a
todas as perseguida polticas de que foi elle
ictima.
N3o.havia em jogo nenhum principio ; n5o
SR por urna idea que os dous so batiam. Per-
lenciam ana >s M meismo partido e iiaviamsim-
plesmenie divergid >, quanto ao-modo de realisar
o programma.
A- bandeira liberal tremolava sobre os dous
ampos e n'um, ai ava*o pai adoptivo e no ou-
tro, u es peronea .poltica. Demudado estova o
ooracao e do ouiro o interesse. i > Sr. Ruy Bar
hosa prefera o segunda,
Bleito debutado, S. Exc wio para a cmara
coinccoi] a sua vida parlamentar.
Acouipanha desde logo o ministerio Sinimb.
anmririido a ana nanria, que foi qualilicada
por Silveira Martins cmara do* seivis.
STam dia o tribuno rio fradense rompe em
opposjgao ai gabinete de pie Rzera'parte. Que-
na, dfeiaelle a elegibilidadedosacatholieos eo
ministerio Deprava -a.
O Sr. Ruy Barbosa se exhibir na tribuna po-
pular fluaiihen-e. advogando a suppressao da
igreja de estado, a plena lilierdade de cultos.
Nao obstante, S. Exc. continua na maioria e faz
mais : elle qnem se incumbe de respo.tder a
Silveira Martiris, motivando cui-c.ioneia limpa
de Jos Bonifacio, o tribuno, um bello discurso,
que lembna a plirasc de Marmontel acerca dos'
applausos que castigara.
0>minist<>rio Sinimb, que era conhecido pela
Arma John Lins A C, 6 arrastado no desastre
do Banco Nacional pelo seu presidente do con
seibo.
Os in.'e.maes-iv l.uiiam M ministerio de Ja-
neiro o-co-reu de lima fallencia culposa : o mi-
nistro da jiistica. o Sr. I.afayette, precisa de
pratiear um attdatado constitucional,' focar
urna causa pendente pan salvar o anafe do ga-
binete : a ca ara ao ten meio de fcizer calar
i opposigo ; ncoosellia a luga aos ministros e
ella por sua vez Bao deserta ; a opinio publica
revota se. o goverao precisa de cercar de bala-
ItiOes a cmara das deputados. para que os mi-
nistros nao entrera coma aces Instigadas pea
indignacao popular.
O Sr.iBuy.Barbosa* se conserva nossa maioria;
'. polidario com olla pela patean e pelo voto e
lica-ao lado desse ministerio de seoca o-norte,
das traasaeges do caf, da -estrada de Leopol-
dina, do vintem. do Xingi, dos chuis, dos pan
taos da oidade. ministerio cuja vida ferviinava
scandatos coma em vasta apostbema myriades
de vermes. Dir se hia que S. Exc. eslava atar-
racado qnolla podridlo.
Por osse temoo, Joaquim Nahuco, lemnidade do ar^hanjoibiblico, j bw/ia empu
nhado^a trompa conclamatoria do povo para o
losaplut da ooesa historia, onde d,*via ser jul
gado o mundo da escranido c resurgir dos
mortes a alma nacional.
A oppesieo Unha a Hor da probidade parla-
mentarjaescollia-morul ta poltica L esia-
m Jos BBitacio, Nabnco, Qoata Azeredo e
Manoel Pedro.
A maioria era capitanead i por Sosza Carva-
Ihw; o minisleiio era presidido por um reu i de
faltencia culpasa. E o Sr. Ruy Barbosa ficou-se
la sobre aquella crnica da advocada adminis-
trativa.
Cabio o ministerio Sinimb, o minklerio 'da
Constitainte-Constituida.
OSr. Ruy Barbosa emigreu .laquelia algidez
'adaviTicuea'Mf'capa'.ouse ao ministerio Sa-
raiva, soslantando abi O Sr. Buatquc de Hace-
do. o mesmo homem que havia posto s claras
0 negocio dojniz, no depulado da maioria. leudo 112 cmara una nota,
que a- compunliia linlia pago pora ser publicada
nos a pedido* dos jorn. es.
1 Sabe todo o mundo qae o Sr. Ruy Barbosa foi
instmnanto dcil desse ministerio, e S. Exc.
mesmo oonfessou que foi elle autor da lei de 9
de Janeiro, essa* emboscada da escravtdfio e da
rtlygarcbia armada no.povo para despojal-o do
voto.
Do ministerio Saraiva passou no espolio 00
ministerio Martinho Campos, e apezar da sua
cabe$a de ano. coube na raooa, que itinha
popa e-presidente du conselho mai.s ignorante e
mais nnllo. que ja dirigi a nossa polica.
Em seguida o Sr. Ruy Barbosa fez parte dos
remonescentes da ter^a do Sr. Martinho au Sr.
Paranagu, como um anoayaio. nuinerado pdla
ambico
Cahiado o6r. Paranagu. odepntado perpetuo
da maioria passou ao Sr. Lafafette, a-quem sns-
tenlou, com dedicagao igual que at entao lia-
via dado aos seus antecessores.
Apoiar ao Sr. Dantas ere o seu dever e elle o
fez. sem entretanto arriscar cousa nenhuma da
sua pessoa e do mm.futuro.
Isto poslu, raciocinemos um momento. #. um
homem de caracTpr o que se acommoda von-
tade na canoa le Martinho Campos e as canas-
tras do Sr. Dantas I
O homem que oocxplicou, senao pido habito
da maioria, a..adhreao ao-programma do chefe
bahiano e que.o faaia,' confesando em particular
que nSo tinna elemeoto*' para redigir o parecer
de que foi Horneado relator :
O Sr. Ruy Barbosa quoixouse"ltimamente
dos seus isu'-cessos polticos e langou-os
conta do abolicionismo.
E mais urna calumnia, contra a propaganda
que o purificou em parte.
Nunca se contesraram o talento e a capacidade
do Sr. Ruy Barbosa. S. Exc. era bemquisto no
partido e no paco. Nao linha. pois, nenhuma
difliculdade para ser ministro. 0 Sr. Dantas o
empurrava para frente, mettia-o cara do par-
lamento.
A situaco liberal tinba tal carencia de gente
habilitada, que chegou a ter como seus minis
tros as maiores nullidades. O povo se lembra,
para nao fallar senao da Babia, dos Mouras, dos
Priscos, dos Sodrs, pobres nomens, que seriam
absolvidos n'um tribunal jtsto de qualquer cri-
uie. que denuuclasse intelligencia da parte do
reo.
Por preterir o Sr. Ruy Barbosa ? Quem o havia
de preterir ? O Sr. Dantas ?
Pica por essas interrogacOes bera claro que o
Sr. Ruy Barbosa nao foi mn;stro, porque se con-
tava previamente co n a sua derrota. Expli
tamhem o aeirredo da dedicaco de S. Exc. a
todos os ministerios. Era a premeditaco le
urna immoralidade a sua candidatura official, a
eleico por inti-rvencao do governo.
Nao foi o seu abolicionismo, que o impedio de
entrar, por ex implo, no ministerio dos caixeiros,
presidido pelo Sr. Lafayete. Nesse tempo o
Sr. Ruy Barbos poda exhibir ao eleitorado os
800 ris d'aquelle projecto ridiculo e o passa- Almeida Castro, entao fora da cidade, prodjgali-
porte dacaa4aartinho.
Nao ha coosciencia honesta, que, vista des-
tes facto, nao affirme coranosco qne o Sr. Ruy
Barbosa dava apoi mercenario aos gabinetes
liberaes; que fazia do seu voto na cmara o sa- serYhota'do Inditoso tenente Baptista.
applicagao ao collector de rendas geraes de Pao
sou a viuva todos os cuidados e bons cMabwMiosl'erros.
proprios de um magnanino coracto e ayiciawa- Qumto, porm, villa de Angicos, nao haven-
nhou sempre como boa e soliciayrmnuimtoRiw o aMf col lectora de rendas" geraes foi designa-
nte prova, a que o destino submette'*'Mfz do o'+hefe de secgo da secretaria do. gover-
oue eleitoral contra o governo do seu partido.
Ahi est a largos tragos a carreira publica do
Sr. Ruy Barbosa.
S Jjaaajjtega-'aaawi awntatenismo Mts lhe
rri'jpaataaar qavvaaje nMo*aa*a mais'aMleroso
qinm snawlysajpikis.
Mko rivogad S: K.". negocia/frei-
ras.-^aaaantegetK eomo'-aapando e se feK"pagar
conam'MB|tado.
Wo seajanpadece WMi Mora deteB'iK*in-
caNMT ser4r s'a naja mrtwMajhr'pbli
tio*a*r.iajajtegef*jiii Mnilho.
0"*nterro foi um dos mais concorridos que so
tero visto nesta cidade.
Compareceram pessoas de todas as hierarchlas
sociacs, exlreiiiamente consternadas pelo inespe-
-#nte jajantemento. _
vlap^i,ajaa]a4p^rrilPJfroiajnaronfW,nT|ajaW
*mimmm, c WintanJWPchdtuiictefg pofgiia
ajialli^ajabarM^dWHsicWda^-njIteaoill*
ajMBB*-sajb a
linjanra AWtet D'PienJPHb (Wtllvetre (JoPUm^, era
sanjgriivfreatHWP Afnwp IwaH^aj^)!!,!!-.'-.
a^a^n*JlteJ*eniaj^(Bj|i(aji,Mi!BiCiirapa
no.^dpSo Araerico Simonetti, para se transpor-
tar '-tquella villa e encarregar-se da liscalisarflo
^tragamento das despezas autorisadas e effectua-
das pela coramisso encarregada dos trabalhos
de que fra incumbida.
No louvavidfJJwjinnjnjJe socmmm>o(m-
desvahda d a Rita da Ca(*eira^opoT^;i*Jatraba-
mUf aos indigenW. iMajs dnjccnzeloso
Wg.dWHM do habilfajfessW^. JPJidente da prdvirnjain^xfnjr. Wtosa e
UPa, raandou conslHIMtm 9pjnle "tM Nova
gem tem desapparecido completamente, e tuilo
tros faz"c*rcr qtie tamhamos para urna seca,
talvez de peiores consequencias que a de 1877
O que 6 fcto que a populacao menos favo
recida j luta com difliculdades bem serias.
Acha-se convocada a 2' sessao do jury para o
dia 10 de Junho vindouro.
Aguas Bellas, 8 de Maio de 1889.
HWPaim : Ha aPJRal D. Lui*^#DiicalrpyJWft e promover 8^c#:PJ|a i|rWabras'*nani le
liquidafflt' 'da Caxa Depositara de Coruja A C. jo de Camela Manoel Honorato da Trindade.
All havia deposito do raingoado peculio de
de aeraros. Pois bem, S. Exc. nao levou em
cotila essa circumstancia e duvidamos que nos
diga quanto houvcram esses credoies e jual foi
a proteceo que lhe dispensou o advogado aboli-
aite miuuu wdwtwlwwpie
1 '! 'i'"
sent a lei de 28 de Sclembro de t71.
Agora est o Sr. Ruy-Barbosa continuando a
sua carreira poltica, interrompida pelo aboli-
cionismo, de que se diz- martyr.
O que faz f
Insulta o liberto ead da o ex-senhor.
Injuria os couirunheiros da vespera e carlonisa j
os inimigos communs de outr'ora.
Pede gales para o criminoso pe escravido
e o governo do astado para os autigos maulte*
dores da fon te do crime.
E eut nome dessa moralidade, que se esta-1
belece a preliminar p;ra ^is
terio com a cmara.
\ alfandeL'a da capital rendeu no mez ulti-
mo lindo ol0:07p >375.
O n'rtditbWibi desea' means V^rt^iln em
igual raez nos aunos de 1881 a 1888 foi :
1884 637:oOl79
* f9 ^wrfl^wsH. 1
!8- 633:WH763
1887 765:818761
1885 840:057 5000
Mm-anlsao
Datas at 9 de Maio.
AMWnin o cargo de promotor publico da ca-
pital oDr. Cnas Carrilhode Vasconcellos.
L<*mos no Puiz de 8 :
- Suiriuou se esta noite ingennilo forte dose
de fubstanciu toxica o joven estudante Joaquim
da Silva Sar'rdinha, liltto do Sr. capilo Jo= do
Silva Sonlinha.
Falleceram : na capital o major Antonio
Miranda, I). Marganda Valentina
relat-Oes do thinis-, Jystiniuno de
?Matates, Antonio Luiz da Coala e D. Aniancia
Abranclies e na villa do Col'.de irma a-^phyxia
Ser necessaro que analysemos o juizel-quepor sUbinero, D. Vieto'ia Vianna Guilhou de
tui de julgar o Sr. Joi Alfredo ? Aievedo. ,
Serao ellos solidarios com o liberaiista des-1 Piauliy
abusado? Uu reconhecem, como nos. qae o I Datas at 17 de Abril:
Sr. Ruy Barbosa nfio U m por fiin senao pesig i Lemos 110 Teleplume de 17 :
nar-se ao papel de gato morto pura ver se; AOba-se nesia capital o ill
ap mli 1
tado?
um disiriclo na futura partha di'Es- lavo -Do It, chefe
Bortedo imperio.
do
Nao sabemos e vamos esperar iioras para
julgar da atlitude do partido liberal.
Se elle esposar as ideas do Sr. Ruy Barbosa,
proseguiremos na analyse dos jaitas.
Se o partido liberal se permittir a- insolencia
de querer manchar parlame.TianneBtc a honra
de um hornera que tem o passado o mais puro,
que io present deu prorada inaior altivez 1110-
Dr.'Gus
districto jlegraphico do
Constamos que o disttncto eflgenheirn tem de
se dirigir brevemente larnahyba fazendo no
seu trajelo o esludo do tragado do ramal tele-
graphico que desta capital se tem de estender
quelhi cidade. com escala pelas-viHas da Unio,
B;rra e Pvrucuruca.
Vi'-so, pois, que nao tem fundamento a noticia
que corre, de que ol5xm. Sr. Bario de Capane-
ma, digno director geral dos telegraplios, havia
ral. -visfazendo int'erp.'llaco sobre-o empro \ ord<>nado que o ramal telpgrapWcoda'Parnahyba
timo de Minas: que abri de par em par a admi- partisse de Camoeim, privando d'est'arte os ini-
nistraco para que se visse que o'governo estava portantes municipios de que fallamos deste irr-
estreme de culpa na prefirencia' dada ao Sr. upreciavel nielhorainento.
Loyo, que nao recusou nom diente da devassa & Exc, patrila como nao quefer de cerlo
de "iodos os actos do the-ouro c da presidencia prejudicar os inlerc-ses desta tap desprotegidn
de Minas; ca-nos o dire.ito de editar tudo j provincia cib beneficio do Cear,'pico de favores
quanto anda na voz publica a respeito de todos j doeslado.
os chefes liberaes, que sao chamados a esnsti-! Assim o esforanros, conliandoque o Ilustre
tituir se em tribunal para julgar 0 grande reo chefe do dislricto por sua parte concorrer para
do maior dos eriales, imaginados nesle paiz :
O de nfio ter adiado um di.1 a tiberdade dos cap
tiros, c de no t
de M irtinho Cam
nossa patria.
(Da Cidade do I! o)
r deixaao, para os comparsas
-. a gloria da reJcmpgao de
'este resultado, alias consignado-a leiorgamen-
tana do imperio.
Gmnprirnentamos o illastre SI*. l>r Bodt.
Sob o ti mo Provtdenria* aeertad'u, lemba o
seguate na M - "O Exm. Sr. Vioira da Silva
^!*C'3oli l> nnrtv df rnlpcrto
O paquete nacional Penum>nir<, entteda hod-
tem, foi portad-jr das seguint noticias :
Datas ate i de Maio.
ataHsoa-se en aotas, no dia 7 do pas-
sada, o baile ouereci'io pelo col*po iiommereial ao
presidente da provincia, l>r.oqaim de Olivei-
ra Machado
Foi orna resta su nptuosa.
Assomio o cocnmaao das-apmns'da provin-
cia otenenie^wroBol Joaqnim L^oviwldeMe Son-
za Ueelno.
Corlando as cartidas, suiciflou-sewoliotel
Vizeu, onde acbava-sebosfiedado, Francisco de
Paula Tarares, natural do i.'ear.
O infeliz apresentava indicios de nlidGago
mental.
-^ Falleoeu t. Carotina Ifilw^ro, direel^ra do
collegio Brnzlleiro.
PMMI
IMtosal /4.- Maio
S. Exc. oSr. Dr. presidente da provincia
visitou o hospital da Gandadc, percbrmbdo' to-
rdos os seus comp irtimdnies e de !r>4* bagan-
do miiuiciosameite, moatpnwlo se aflnal muilo
satisfeito pelo acoio e ordrtn emqoe eneonlrou
o estabehsciini'nio onde nft'o era esperado.
Ai--impanharam a S. Blcij'ala do"eeuaju
dante Je ordens, os Srs. r. Santos Cumpos,
iHxnnienwudor Jos 'oimbr.i-, majer WmWra e
Dr; Riiymuadi* Siqnira.
Km cguid;mir-ign-se S. -Esc. rs>nal de
Guerra) onth* foi reiyBid a porta [icio seu digno
director e owtros offioiaesalli efflpi*8aadns.
Dcpots de percorrr todo o esi*lel>c9Kkntc.
vciincoa S. Exc. qae este nao se prestd a' seu
tiui por deficiencia de comniod06, os qufesj atie-
sar da bo$ Vwitade de seu director,1 'nao podern
zcr augmentadas por falta de reparo.
N capelld do colfegio Santa Rika, ad seren
ct lebrada* as Matas do tvt Mariano, a3, noi-
te, comeoo miocendi ; por espagodemeia
hora o fogo pehluroa o foi' extindlopeloxr. B.
Vctor Pereira, que ficou 'gravemmrte qnelibaHo.
Apezar de ter sido avisado a tempoio cbPpu
debombeiros nao compareceu, o qnb constitue
urna desidia gravissiuta, Calvez tornada pira
exeiwfdo de 'abusos futaros, se o poder rbmp]e-
tente tro tratar de reprehender com toda a se-
veridade o rcfeponsavel hela falta.
A PruefH-iQ'doPai' de 3(>. d ai jegurntes
noticia- :
Domingo 4 horas da tmlet'Aa'lortio de mi,
eoapregado na eompaabia do gae, invadi a ca-
sa-o m qu residoro tres tliuflieres. -4das-d
ne Krailoisca Mari i da f'ouretefid (ambasld;
lina *da Coitceieao n tercatra, tPavesa'Piiaei-
mde Marv-i. prximo rna ilofliahuelb.
Armado de um pu.ilnil. Mi;tin>ferH-as ;'asMn'u-
Hieres pediram soccrro; o povo aggloraerou se.
Vendse de peor- partlk, o aggressor saltu
para a ra por um.: das jan.das .la > isa po-
rm- fol'-o de modo falso, feritido-sc por iesO ba
cbega e fracturando-'um dos ps, visto serera
bastantes altas as memas jaaellas.
A policia compancea ao lugar; Amonio foi
preso, conduzido a Sal *nton> e d'uhi levado
para o hospital da "ardade
Na residencia do Sr.. Gdither.T.c Vargolino'
estrada de S. Jofio, ia-se dando tim ibc"ndio
que foi ab.ifado aMcmpo.
Indo o menor Alberte,irm5o d'aquelle. 10-
sinlia da casa mnni :o de* urna lamparlna de ke-
rosene, ao pousat-a sobre Broa-mesa rtfa cahio,
explodindo acto continuo. Conraunii ando-se a
um paneiro de ca.-vfio, o fogo consumio-f folhas
seccas que o rodcavaaie pOcde jtiirvgirUgumas
taboas de urna prattHetra,' quoTicam rarbom-
sadas.
Occorreu issd'cmaiiotU: baldes d agua exiingotram M rhaiDmas .
Lemos nj Commercio do rnn 1 ?eguinte
sobre o fallecimento do tenante Vicentdjjliaptis-
ta de Souza:
Falleceu na cidade do Macaca: do da lo de
Abril prximo passsdo, e^te distindo offlcial no-
uorano do exercit, que fora ltimamente no-
meado para commandar a fortaleza d'aqau lia ci-
dade, cujo cargo exercia.
Victima de urna ferrada de arrala, indo tomar
banho, foram improflcuo*todos osrsforeos para
salval o.
O seu estado e consequencias fataesque s-
brevieram a este, foi devido a ter o indiloso l-
ente procurado medicar-se por si mesmo, fa-
zendo urna forte injecgo de nitrato de prata na
ferida, no que seguio-se um insulto tetnico que
em poucas horas o langou ao tmulo.
0 finado servio com dstinegao o paiz na cam-
panha do Paraguay, sendo condecorado por isso,
alm de outras o h >nross.
Deixa viuva e dous lilflinhos era extrema po-
breza, como sde acontecer aos que se desvelam
no servigo da patria
A marte quasi .-ubila deste dislincto oflii iul
langou a consternacao era toda a cidade de Ma-
cap, pois todos estiaiavam o infeliz morto, que
em vida se tornara credor*desta estima pelas
suas boas qualidades.
Sua nobre e desolada esposa, depois do salii
ment do infortunado officiul? e a convite da
Exma. Sra. D. Margarid* Moreira de Castro, rc-
colneu-se casa desta virtuosa senhora, que, na
ausencia de sen digno esposo Illm. Sr. major
itegno presidente
da provincia, altendendo aos justos reclamos
que lia? temos fcito pela imprensae pessoaluien-
le, acaba de toman1 a respousabiiidade de abrir
'um crdito da" quantia' de *i:W0i que devero
1 ser appiicados compra de vveres para a popu-
lugio flagelhida p-la secca nosatunicipios onde
o mal mais se lepi manifestado.
0 illuslre administrador, que tem o maior es-
crpulo cornos dispendios dos d.trhrtros puhli
eos que ''n revefado-se de urna economa ri
noresK resoh-eu eortliar a commissoescouipostas
de cidadaos "tssportaatea de ambos os malizes
polticos a dist.ibuigao desses vveres, alim de
que o servige soja regularmente fei'o sem mo-
tivo de queixa.
Para bs obras das rampas e t lude que se vo
construir por conta do estado, rccommendou
terminanteiiiente S. Exc. aos ncarre'iados que
de preferencia fosen nellas einpregafflos os ira-
migrantes.
Diante das grandes restrieguen do governo S.
Exc. nao podia Rizer mais.
Louvando as medidas tontadas por R. Ec,
conliamos que as Ilustres commissftes corres
pondero s vistas do'itlu9trado adBtrnistrador
da provincia.
Falleceram : uo munioipie dt -Valenea o
capito Ignacio Jos' Dntts, no c -Itiarante o
major Ildefonso Jos Baptista. em Campo-maior
D. Joaquina Gayola, n na capital, no dia 7, D.
Lavfim Linda da Silva.
Cear
Datas t-liMe Main. #
L-se na Gnztta do Norte de 2 do eorrente:
> No palacio'do governo realizou-se hontem
um bahquete de Sf> bulleres olerecidd [>or S.
Exc. o hr. presidente da provincia ao corpo
docente e administrativo da escola militar.
Marticiparam do festim offieiaes do exercito,
altos funecionaris pblicos", representantes do
commercio e da iinpfes e dte diversas classes
de nossa sociedade.
Muitos brinoes'e'multa coMialidade.
A's9horas da flofte, ciroheram se os sales
do palacio denuntro considrcvel ^e"familias
convidadas para o baile em honra da estola mi-
litar. A festiva drtoragSo n'ds^alas, A concor-
curreucia de quasi toda a lite de tiossa socie-
dade, a profusfto e ristocratifca delicadeza do
servigo, e mais que tudo a amabilidade do Sr.
presidente da provftcia e de sua Exma Sra.
deran ao sarao incbnanrrel brilhtffismo.
Dancou se atainadrugada, e a lotdd licou a
impresso gnitissidn de ana testa inolvidavel.
Projectavam'-se na capital'grandes feste-
jos para o dia 13' d eorrente, [prmeirb anni-
versario da lei que aboli a cscratidao'^io Bra:
zil. ,
Foi nonroad bibliothecario da'biWiotheca
provincial o Sr. Juvnal t5leiid, ferti viftude de
ler sido exonerado pedido, do mesmo cargo,,
o bacharl Antonro Augasto de'Vascoflcellos.
E' do Libertador de' 7 do eorrente o se-
grate :
Depois de algaba das de Calor intsnsissi-
rao tivemos boje "un forte agubcero.
Por menos vuMf qoe^tnha tima cIiuvS assinj,
sporadica e parcial, ;senip're 6 caso0 para d.'.r
gragas aos Deuses.
O pluvimetro rcclheirW raillim'etro's at ao
meio dia.
Nao temos noticias de-ontro! pontos.
Da cidade de Cascarel scievem Constt-
tuifo o stguinle :
E' hornvel a pliaso pof qne passa-actual-
mente esta iuiportante'-'Foeatidade,
Dos 140 engenhos de* moer canea e 408 fabri-
cas de fazer farinlia, que'aMeslam'a frtilidade,
a uberdade deste rnaoicipio, achatn-se muitoa,
talvez a maior parte, "parados falla de materia
prima, porque as torras. rCseqUidses por um sol
canicular, que, sem tregoas, tem sugado sua
aeira durante! longos mezBS ; quasi nada pro
duziram, e o pouco qae de 9eu seio brotou, foi
arrazado pelas lrgalas.
Tinham l'alleerdo": na capital. Joaquim Rodri-
gues Bajma, na Idade de 32^annos ; D. Amanda
Dominges da Silva, na idade de 28 anaos ; D.
Thomazia de Meiivlles Machado, virtuosa con-
sorte do 1 r. Manuel Franeisco Machado : e em
Soure o commerciapte .ureliano into de Men-
donga.
Rio-Uranle do Xorte
Datas at 13 do Maio.
Pareca seguro o invern na provincia.
Mas as chuvas desappareceram e toda a lavoura
foi destruida pelas lagartas. Contina a crisc
aterradora. 0 clamor geral.
O digno c zeloso administrador da'provia-
cia, o Exm. Sr. Dr. Rosa e Silva, por actos de
Io e 2 do correnta, e vista de reckimacoes das
respectivas cmaras municipaes, mandou con-
struir dous acudes, um na villa de Angicos e ou-
tro na Je I o dos Fcrroj, proporcionando assim
trabalho aos infelize- indigentes, victimas daca-
lamidade da secca.
Foram Borneadas as necessarias commissOes
orros pblicos, cncarregadns das obras a
que allndimos, expedindo S. xc. as devidas iu-
strucres sobre a economa e liscalisagio das
despezas que vio eflvetuar-se com aquellas
obras.
Para occorrer s despezas da construego des-
tes dous agudes, S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia abri por conla da respectiva verba um
crdito de 5(K)OJflOO, dos quaes mandou entre-
gar a importancia de 4:000*000 para a devida
Bmegado era n# Wmda *JWIio8!rff: cxpe
a para isso J^rucnjpajisol)nj"| IfPCTBsago
e^anomia des yJWteaiWii^lilfPjnalBaaaBj ser
t*ana>ndi(los por an*JM!l,*Vrbi "^liPnjPWs p-
blicos,sendo noraeadas as res)ectivascoinmis-
tOes.
Para occorrer as despezas doquellas obras r..i
a^rtb'trm-credito dr5:(t0OSfW0 'nos leftiios do
decreto 11. 2,881 do 1 de Feverciro de 1862.
... ^...... Paranyna
^awtr*JlB#l'lle^r!i]o.
L-se-nrjArtmf da-t'Hrttkybti^t 5 do correi.te.
Por rommumcages'Vindas de Santa Luzia
do Sabugy, sabemos que, i;ifelizmente, estilo
desvanecas, de todo perdidas, as esperangas
do invern.
As plantarOes feitas em Margo foram comple-
tamente destruidas: as que rcsisliram aos abra-
zadores raios do sol nao" escapa ram voracida-
de das higarfas.
Acha-se, portante, em pleno rinlo-naquelle
importante municipio o flagcllo'da secca, com
todo o seu immenso e pavoroso cortejo d mi-
serias.
Ao benemrito e dislinciissiflio p'rohybano,
Exm.'Sr. Barao de Abiahy, que -eaclia'iiHerina
mente 'fretfte da a'dlmnisiracao'supre'ia da
provincia, pedintos tora eileare.nenio a prom-
pta expedigfio de*'oceorros paraserem upplica-
dosem Irtibnlhfts pnbHcfts 'po'puUlt.io ind.gente
do niesnio municipio, a.qual j vai sentindo em
,'rande escala as Torturas da fome.
' Trnhtfi fallecido: na capital D.'Mafia R. de
l'aiva e era Cajazeiras D. Anna Cofflo'fiba do
Couto Cartaxe e D. Anna Josepha de Jess.
de
Coi-reapotidcncla dio Mario
PrnarniIhKfo
"MARANHAO, 9 de Maio de 18S9.
Tratando da "f-uerra injusta que a opposigo
conservadora, ten declarado criteriosa admi-
nisirao do Sr. Moreira Atves, j tbes dias por
maisafle orna vez que a gente do Sr. Gomos de
Castro Utiiisa era tal intuito pretextos os mais
frivolostfrriorioy, emiiiudccendoaps tftovas
que cbstuiniim levar em taes leniamens; cbmo se
peixes fossem.
E' assim, por e\eni;i!o, qne tendo o Sr! Dr.
Moteira Alaes removido a seu pedido o'prOnSotor
publico da comarca de leantara para a de lea-
t, e o d'esla paia aquella comarca, e i*to a* pe-
dido ou cora a '-curdo dos respectivos funedna
ros, a troca do Paiz quereudo fazer um Barre-
tuda ao desenro'argirdor Barradas, pai do promo- J
tor de Alcntara, shio-se coto un artigo 'furi-,
bunio,atacando poresse laclo aoSr.Moreira de
modo a ter a gente p;na dos escrevinl.-adores de
tantas bernardices.
A lasposla foi a destituigo imnieiliala do pro-
motor que queriam inculcar estar sendo perse-
nido O promotor de Capivai, Alfredo .Barrit-
as, que irmo do demrtlido, e que, desde al-
gum tempo. nao sabemos por que. andava des-
confiado de seas merecrqjenlos. pedio toso sua
cxonerarSo, que tambem sem demora lhe foi
concedida. Mas o melhor de tudo que, quaiulo
ealavara lodos espera de cachopas de artigos-
na 1 ipi-"l!mamos aqu aquella pala-
vracada'qurfl mais apinentadoV nornographicu
na formaMo loovaver, os'homtMrs embeserrtram,
e ticarara as?im 1. modos de casmurros : n'id foi
possivel lirar-lhes lima fahivra. E' que o c.ise
cneirou Ibes a chamusco, tendo elles comurenen-
dido qu, d um momento" para o outr, dSr.:
Moreira Alves*poderla por de parte a'eorhplaccp-
cia e arredar da" porta'do er-ario"publicrt' gr
parte doa amigos do taf Paiz, qae ourrjs proven-
tos nao 1m a nao ser os qpe Ibes di o Estado.
Bm vfrtude'das dnas tnlfssSes de qn'acaba-
mos- de tratar; m rembvidd- para a comarca de
Capiyal o Dr. Eneas' Cwrrflio de Va^eoffcellos,
promotor do Codo'; para esta comarca pssou o
proraotbi" do Cordata, sendo p'bmfeados.'' dbtros
para a dita comarca de Coroaf de IcarW! que
ficaram vagas.
Sr. Borges ltmitou-se aTepetir o que eslava es-
cripto no additamento.
'Qaaolo aos contingentes dos prejuizos conti-
na a dizer que o da despezas geraes tambera o
que porlanto nao leve razo o parecer em
asseverarque o da olana foi o maior, tendo sido
menor que o d'aqueifas.
Dada a palavra ao Sr. Dr. Miguel Castro de-
clara este Sr. accionista que concorda com a ap-
rovagfiotrlWTontag e'djrparecer, ficando enten-
ido, pofm qne- rTityapprova a intengo, se
fcaso hoffWViessc parecer, de attribuir ao Sr.
=* grente qaatquer culpa as desgragas da com-
llrfnW'Wn BinariK Wll*tawteii-ifenhja, nertt'de magual-ode forma alguma, pois
s*t>e, eointfsabem todos, o quarto tem o mesmo
Sr. gerente trabalhado m prol da companhia,
ven sentido de lennital-a e admiriistrandO-a o
f= econttnica:i#n!e Jissivel, levando o seu
#m(*mqbE$
=K
I>l^>*JjeWHIoJr*Jftcioimtll>l Ua <-om-
l>;>IWfl%> MW*- <*ilHfa<*fi>i iftta H di
pREsrSlfcciA'%0 tttkt. "Uta rMs'.^MAUx^L't
U.#fT*\'S ffP>/A iff*til6fl
A- l|gfBlM^U'pois*W"m-y*ra. --> iffWito.'
pela chamada dos accionistas, estaren] presen-
tes 28 representando 724 arges, ou mais de l|i
do capital social, abri oSr. presidente a sess&O,
convidando ao Sr. Rodrigo Carralbo da i unha
para servir de 2o secretario, visto nao ter com-
parec Jo o effeclivo.
'tm a arta da si ?So d.'"23 de JUHio de 1888.
approvada.
Feta a hitara da arla da rcunio que houve
no dia 22 de Abril pri \:mo lindo na qual foi a
maioria dos,Sre. accionistas prsenles de pare-
cer que se nao podia u^fe dia reaiisar a sessao
ordinaria para elle Convocada, por nao haver
;iieda decirrido o prazo de nm Mtl defermltiado
pelo artigo 16 da lei n. 3,130 de i de Novembro
de 18d2, fi a mesmi acta approvada.
Dldo pelo Sr. secretario o parecer Ua comiuis-
sao fiscal c posto era disrasab pede pala\ra o
Sr. g-jrenle.
Pela ordem pede a paiavra o Sr. Joa'tiim de
Oliveira Borges o pondera que o parecer d que
se trata nao stijeito a discussfio e espera iuc o
Sr. presidente nfioa permilia.
Responde o Sr.'presidente que efectivamente
isto exacto, m is que podem-se discutir as coii-
las a que se refere o parecer o que importa o
ttBatno e assim resolve a reclhmaeo do Sr. l:or-
gaa, dando a palavra ao Sr. gerente sobre as
contas. M
Comega este por dizer que efttra insta diecus-
sao por causa 00 estado anarmal da companhia
e sobretodo porque fare'cCu-irie que a maioria da
comuiissfio fiscal nttvia-tbt aitribnido a culpa
dease rao estado e dos prejuizos da empresa.
posto no parecer nao est declarado o nome do
orador; que a mancira porque est esla pega re-
di^i la, presti-.-ca int >:pretages de diversas or-
de-is. ptdo que reutoo-se o orador OffnulSo,
sendo por isso levado laucar maioria di.
comniissc-liscal p repto publicado no huno de
.'i de Alirii e ac r.-seentar ao seu rclaforio con-
cluido ir.uu antes de recebr o parecer e reji-
Prtdo'rflm a calma e tfinquifiddde de quem hada
tem c 1 ;e tetiier o additaineiito que o arompa-
nha ; que nao pretenlia i.ub'tcar o relatorio
'para podpr despezas ''companhia e que a vista
do parecer publico 1-0 cnni 0 ail.li'aineirto em
qoe e.trou em mulla mimn-ia que aiignrod-se-
Ihe desm-ci ssaria no relatorio pois andava ua
Cianea de possnir a rnteira confianga de todos es
Si ae, innistas, mxime da raaioiaii da pomkiis-
so liseal; para que a rompanhia podsse'be.n e
mHriuramente julgar dar.iarteira jtorqn gerlo os
negocios so iaes e se ten culpa no mo estado
d-stes.
Afim de provar qu o mo estad 1 da compa-
nhia resallado Ha falta do Capital que ata-lhe
as niSos produzio div. rsas cdnsidrsiges e leu
alguns trechos do additamento ao relatorio.
Acc.rcicentou que ficou de veras maguado com
o parecer da maioria da cormissao liscal por
partir ddous arcin i-tas que melhor que nin-
gnem conhecian o mo estado da cornpsnhi...
sobretodo o Sr. Joo Rodrigues de Moura t
quem muitas vetes o orador expoz o p em que
aehavam'se 03 negocios sdriaes, as suas vinas,
s esperangas que pajina nos favores por cuja
obtencao trahalhara pr;>nte a Assenibl Pro-
Reina aqui grande alroiogo hlre os C>i. desde que otelegrapho comhiunicou ndrd mane-
jo das dus opposicoes combinadas -para irripe-
dir que o'governo podc-sse rcalisar a'eleigab da
mesa da Cmara dos Denotados, no dia' 'seguinte
ao daaberturados trabalhos pnrlamtitars. No
facto mencionado enxergam elles o prcijaHeid do
advento do Sr. Paulino.
1 Causa riso ouviras bravatas que sblramattiea-
gando eos-b terra" cora urna- ntsia graljao
mesmo passo-qte de apOtite agngarfo rahafni os
denles, simples perspectiva'do pao-d^l bo
verneraehlal. Menos cbmicas nao sao tmbete, s
novas tbeoriasi de diretto constitucional 'qaS ex-
bibem,' para 'demonstrar que a nhica soTego.
possivel, no p eni que ejtaobs pblicos'neg-
eios, a retirada do patritico ministerio' de 10
de|Mar'co. No seu modo depensdr, eaidam elles
qne a ConslituiCSo p assim* uma especie d bota
velha ao alcance do|primeiro remendo que ap-
parece.
Hoive j^ at qtiem ^ffirradsse aqui, w o I|n-
eerader, qaando chegon a Cort oHfc'Ubms de
astro; mandara o Condey'Eu'entehdr-s'fcom
elle e ver se o resolva aassumir'o maordo c On-
jurar ct grtrnde crisf d-que est ''ameacaib pdiz
se cmtinHarem as rtiusas como vS'\ que Si". Go-
mes de Castro responder que ia' pefliar no
caso t!!
Esta a razio,-explica se eom dr dffmys'iBJo,
porque a opposigo aihda nao decidio*se da? b
grande combate: est a esperar que o Sr. Go-
mes de Oast'rd decida srqoer'oaTtb salraf $U
tuag I
Pela nossa parle, estamos d'aqtri cota os blhjos
titos no grande *otBenj( pedindo ao Deas 'dos ex;
ercitos e do palavreado que o'inspire h'este'sb-
iemne mooaento de mbarcacAo gal dealte d:
sua apbuCada- figura.
Sorv-a S. 'Exc. -couviotfcinenb?* piUda 'da ;rus-
piraco ; aisdo'se ruidteidmenld, 'esmoncanib
cuidadosamente o nariz;" detxe por 'momatos
em paz e seu virtuoso1 iwvagntic, e decida se,
quanto antes, porque a palrte espera.
No caso de S. Exc. ceder sua reconhecida
modestia, estamos cerMis de qae ro deixer de
ceder um de seus uois edferc-s, coja facondia'
assaz eoobecda"*para e.as eotasde arM-tTabs-
cendenoia.
No vapor' aqui esperada do sal ao Mia f8 -n
mais- faustosa data qne lentos-, depois ta de- 7 de
Selembro-dve chegar a esta capital a Exmti.
Sra. D. Luiza Moreira AKes, gwa "e efctlmada
cobsorte do Dr. Moreira Al ves.
Presada e acatada como tem sido1 palas pesse-s*
que cool"a tero tido-a vedlurad'ebretep relh-
ges de>emrsade, o di do dhegdda de ft. Ext,-
poa-, ser duplamente festejado. Ad seu digno1
esposo a presentamos nossas felicftges.
----------- -usoeMne<.t "
4gus ellas
Depois de longos e crueis 'soffrimdntos, 'falle-
cen hontem as 4 horas da tarde o-ftevm. padre
Joo Soares Albuquerque. vigario encomssendado
desta freguezia.
Foi mais um acontecimento que [nos veto en-
lutar, principalmente can a Iradigfio que tinha-
raos de nao-haver ainda fallecido nesta freguezia
um padre.
Aos ltimos instantes rio padre Joo Soares
assistio o Revm. padre Virissimo, vigario da
freguezia de Sant'Anna dolpanema que adminis-
trou-lhe todo3 os sacramentos.
O cadver foi noite depositado na igreja ma-
triz e boje s 8 horas da manb teve lugar 'o sa-
himento por entre uma mullido inmensa entre
a qual notavam-se todas as pessoas gradas da
localidade.
Nossas condolencias familia do morto, e es-
pecialmente ao seu digno irmo e iMsso amigo
Dr. Lucio Soares.
Depois das chuvas que noticie, em minna ul-
tima carta, appareceram as lagartas e destrui-
rn! uma grande parte das -lavoura.; e a oulra
parte est sendo devorada pelo sol, pois ha mais
de um mez que nao chove.
A criagSo de gado que pareca salva do peri-
go, definha consideravelmente porque a pasta-
vincil,' merecendo' sempre apoto aniraaef.o
daquelle senbor.
Wsse que o Sr. cbmmendador Joaquim Lopes
'Machado mandara declarar lhe (ue cht bpre-
Cer nao tiver por fin ffender a pessoa do ora-
dor, era attribuir lhe os prejuizos sflriilus pela
compaidiia, sabendo pelo contrario, que tem o
orador se' esforcad enf prol desta, e qu ao
era vez disto permanecen Sr. 5fora ate lioje
calado a eise rCpeito.
Como, pergunta,-Interpretar este silencio ?
Vi].a companhia que o orador nao tem otro
remedio qde nao o adoptado de provar que nao
pndenr nem devem ser a3sacadas as injustas
aecusages que se Ibes Ipzem, e de provocar
quem quer que seja a fazer-lhe sem ser" com o
anonyraO: como succedeuno Jornat do Recife de
II e 16 de Abril, quaesquer aecusages e pedir-
me ainda mais esciTccimentos. pois nao teme
as accusaess fra.rcas edepreza as anonymas e
nao regateo o? csclarecimenlos que lhe pedi-
r m.
Obelara que nao'dsejarido abusar da allenfo
dos Sr*. araonistas nib prbeede nal tfeftions-
tragto, pbr-qda.ito parece lhe' que a leifura cal-
ma e imparcial db seu relatorio e dd respectivo
additamento basta para ao animo dos Srs. acejio-
nlstas levar a cnvjceao dti que. Idnge 'de per
causa ou parre no desbarato da companhia, bus-
cou por todos os meios levantal-a o orador 1 be-
de-lhs que b julguem cefm imprcialidade ; mas
sem favor, porque n'este nefocio rifio precisaabpo ,
lulamente nem de favor, e menos da piedad d.
quem quer que seja por udnto tem plena cohs-
ienciaij que, pasto nao tenha a" cpacid de
prMcisa para gerir mna empresa desta, foi ijii
pl della o mais zeloSo,' dedicado corrt-cto
que era possivel, seja-lhe esta franqeza minto
embora laxada de taita'de modestia, pois dos
que pensara que a modestia' levada alera" de cr-
eos limtese tnlice.
Como porem sabe que nm acciobista n'm
higar publica1, diante de' testeniunnas dissra
que o orador, havertdo dispensado todos os ta-
ba1hador>s, coffservo um coebeiro para tratar
itos boi^ e um cartoriro para natd fazer, convi-
dara os presentes a examinarem as fbllras que
esta\'am dbr a mesa, relativas ao adno 1888
e cocheira'do almoxarirao,'pelas qnaes pro-
va qoe nao"'baria .carroiro' eleettto, que
quando havia' necessidade de fazr quakjircf
transporte chamara um que era pago pelo nu-
mero de'dis defrabalho que. tinba, conduinto
por declarar que desde Tina de 1887 que a com-
panhia nao traba carrbeeiro efectivo.
Pede'a palavra o'Sr. Joad Rodrigues de Mou-
ra quea obtem do Sr. presidente.
Diz que acoslBanda ownprir o sen devtr
entendeu que no parecerddlia- por patentes to-
dos os prejuizos da companhia. fossem quaes
fossem afrsuas-causas i'que: jverem, -eonlo elle
nao teve intento nem flV attribul-'os o Sr. ge-
rerile, nem de eflender a pessd deste, po que
estranhou repto do'* Diario de 5 de Abril-con"-
cebido era termos insultuosos.
esforz. nSfr-sorfl
1 tentar emprezas que
etWm rrrpnj prWWfis companhia, como
quando tratou-se da reconstruccao das obras da
:" s.eio do prolongamenio da estrada de ferro
de S. Francisco, para as quaes no eintanto e in-
felizmente nao anon o preciso apoio, mas tam-
bera at aos poderes pblicos, trabalhando por
alcanea;- para a companhia novus Favores ra
"Whinia Provincial.
Diz que faz esta decf.irago porque ama mni-
to a clareza, aeha que a empreza de fuluro e
que .est prompto na- torgas de suas aeges a
auxilial-a seoutros accionistas fizerem o mesmo.
Postas em volaco as contas e escripia da
companhia relativas ao anno de 888, sao una-
nim'-niente approvadas excluidos da votacao.
por forga do s 10 do art. 1- da lei n 3.130 de i
de Novembro de 1882. os directores e o ge-
rente).
Pede a palavra pela ordem o Sr. director se-
cretario Dr. Francisco Gomes Prenle, que come-
ca por declarar que na reuniao de 22 de Abril,
coTicordou em que se marcdsse uma sessfio ex-
traordinaria para discutirse a conveniencia ou
nao conveniencia da liquidacSo da companhia ;
mas que ten lo estudado melhor o assumpto con-
vencen-si'' de que pode este ser tratado em urna
sessao ordinaria, pido que julgava quid devia-se
discutir isto na actual sessao e n"'o na extraor-
dinario pard a qual no havia nuihro de accio-
nistas.
Fdi contestado pelo Sr. presidnV quedisse
que nao s a^lei expressa neste ponto, como
que era questlo venci la e resolvida pelos pro-
prios accionistas que conveniencia ou nio con-
veniencid da limudagao fosse tratada em urna
se.-sfw extraordinaria, com o qne concorden a
directora, como se prova pelos annncios da
convoeago. _
O Sr. presidente declara que de accordo com
os estatutos vai preceder, eleicao dos noves di*
rectores e da nova commisso liscal.
.Kerthidns as cetiulas obtiveram os
l'Hi'iira de Oliveira Borges 7.'! yotbs
i
Srs,
73
G6
61
!*6
13
Qna'aadtl respoadeff! porgue entebdon que s
'b a AssamWea qae"' tinba 'bJgar o tratar'-se
n*te ae'oio.
Dada de novo a palavfa 'ao S; gereale, por
tl-a! pedido, dfese esf-Senftor que ern primei(-o
loger aso a seu repto indumosa; sinf'alnii
de multo fraco e leal,' muito eaargfft, pois li-
ca,uo'ler o parecer da maioria da cOmmisso
(fscaf'fped pt-mfeso 'parh asar 'do terme-) in-
dignado.
Que otfendeu-'se- nb eom oatpontaramaiona
da commis''ao fiscal os pjuizbs, qae o orador
j tinba indicado com a maior flparcalMade no
seu relatorio dfado de W deMarfo; mas com a
errada apreciadlo qm- de taes prrnizos fez im-
pticitae taoltaaieflt o parecer.
Que'contraestainterpTejo que protesta,
eonvindo notar qoe no sea relatorio citoaalga-
rismos exactos, ao passo que sao erradbs afguns
do parecer.
Pedindo e obtendo a palavra o Sr. Jbnqnim de
Oliveira Borges, fez diversas consideragoes ten-
dentes provar que, sendo a conta de despezas
geraes sempre um prejnizo inevitavel, com ella
conta-se sempre. pelo que, nflo tallando nella o
parecer, razo teve e3te para asseverar que o
maior contingente para os dficits da companhia
foi o do prejuizo da olar.n. que a maneira por
3ue elle orador em 1"87, ao eMcerrar o balango
e 20 de Jumo de anno, fechou as contas
lo correcto quanto a adoptada pelo gerente o
Sr. coronel Mmoel Martins Piuca era aparte diz
que is-o est declarado no additamento ao rela-
torio d gerente, bem como que mais claro o
modo porque mandou este tazer a escripta ;
que o Sr. gerente tem muita competencia feto
aparte o Sr. geren'e agradece a irona em en-
genliaiia : mas que em escripturacao mercantil
elle orador nao lhe reconhece nenhuma.
Dada a palavra ao Sr. gerente diz este que o
Jof (Idmes Pernira'Maia
pBernardino da Co.-ta Carapi Jnior
Aurelio do? Santos oimb'ra
Coronel Manoel Marlins Fiuza
i r. Miguel Joaqnim de Almeida ras-
tro 12
Dr. Eduardo augusto de Oliveira 11
DomfbgoS J'-aquim Frreira Cruz 7
Joo Jos Rodrigues Mendes \
Sebsfiio Lopes Guimaraes 2
Joto Walfredo de Mttleiros 1
para directores, sendo proclmalos os tres pri-
meiros mais votados, isto os 'Srs. roqBnm de
Oliveira Borges, Jos Gomes Frreira Maia e
Bemardino da Costa Campos Jnior.
Para meinbros da comnifsso fiscal foram vo-
lados os Srs. :
Rodrigo Carvalho daj Cunha 84 vot s
Gustavo da Silva Antones 73 >
Joo Rodrigues de Moura 70 >
Joo Walfredo de Medeiros 12 .
Coronel Franeisco Pedro Boulitfeatl 10
JA'a'qum de Oliveira Borges 6
Commendador1 Joaquim' Lopes Mi
chado 5
tfr. Eduardo Augusto de Orirc-ira 2 .
Domingos Joaaaiin Frreira Cruz 2
Caries Joa de Medeiros 1
sendo proclamados os tres primeiros.
Nada mais bavendo por tratar nesla sesspor-
din:.:ia*dcclaia a o Sr prelnenle ncarraSa.
Feila a chamada dos Srs. accionistas.prsenles
verifica-se nao haver o numero requerido pelo
Lo" fMP"^da '''''''"'n ''"' :"':" "ara S*
Ordinaria"
SrXtjraiqWS que ter
naria lugar no dia que marcar a directora e d
por enterrados os trabalhos s 4 horas da tarde,
de ipre ,eu secretario mandei lavrar a presente
acta, qu subscrevo e assigno.
Eduardo Augusto de Olireira.
Manoel Martins Fiuza Jnior.
Rodrigo Carvalho da Cunha.
REVISTA DIARIA
tsv<-iiiltl<-ii l-roi iiicial Nao houve
hontem sesso por terem comparecido apenas
13 Srs. depu'ados.
A reunio foi presidida pelo Exm. Sr. Barao
de Itapissuma.
O Sr. 1." secretario procedeu leitura do se-
guinte expediente:
Um oricio do secretario do governo remetteu-
do putro..' do Tnspeclr do Thespro Provincial
pagamen-
ao S.
. com-
misso de orgamnto provincial.
utro Uo msmoj idem, idcni, idem, sob^e o
pagamento de passagem Companhia Brasielira
de navegacapa vapor, de passagens cncpydas.
A"commisso de oremento provincial..
Otro do m'srao declarando que vista' do
art."16 d >c^o Addicicjial nao poij e'f de^olvi-
do o autographo referente 'ao ori'anVeno Sai-
[.cipal, cuja publicago foi suspensa. A' crmis*
sao de leaislagSo-
Outrti qo mestoo cqmnicando^qyc1, por^por-
taria de o foi prorbgad-at o da. 21 do_'cor-
rente a cful sessd desta a'ssembla.Jllntei-
rada.
Ontro db m'esmo remetiendo grgmatq da
receit'c despeza para o ex"rccq^ae 18 a
1890 da Cmara Municijial do Bonito'A' com-
misso de rgmento municipal. ,
Onjro do secrelarlo d provincia^ dpTrure-
njetfndp li'm axmplar do'relatorio cota -que o
presidente dflquelfa p'rovmci'brio a 2*scssSo
da assenibl provinciarbm 8 dFevereiro ulti-
moA' archivar-
tima ptig5o d Gustavo "Eduafao Jtermpnd
Filh'o, arremhtnf dos reparos da pone sobre o
rio Pirapama no Eugeoho Nova, de Cabo, reque-
rehdo consigudg da quota d ofl'Outf' para
s pganrenfo.A' oommisSo efe ore amento
provincial,
Foi a imjjrirair'sojj ns. (74 Ju'm projefo precedi-
do d parecer da commisso ce orgammfo mu-
nicipal concdndo a Antonio Sant do Reg
Barros o abatiraento"de 50 7, do vafor d-arre-
niatagdde imljsf^s; mdbicip'aes d ISsada, no
exereicio de 1886 a 887.
Foi tambehr a imprimir m parecbr "da coro-
mssd}rle redcgn "'obre o projecto x\. 38 de
1889.
Em seguida foi dissolvidaa reuniao.
Acto* da Presidencia da fio* hacia
Por actos do dia do eorrente :
Foi transfl-ridopam a reseV'ra cTcahito da 4*
compartira do 7 Datatho'deilnlaia da Guar-
da Nacional da comarca do Recife Theolmdo
Augusto do Reg, que provou achar-se jnpos-
sibilitad*"t continuar no mesmo servigo fican-
do aggfegadb ao 1- fitalhSo e nomeado para
substituil-o Olegario Saraiva o'e Carvalho Neiva
Foi nomeado Francisco Lins de Sonza Couto
para o posto de tenenle da 7* companhia to 11
batalho da reserva da Guarda Nacional da co-
marca de Ohnda em subslituigo de Miguel Jos
dos Prazeres que obteve guia de passagem para
a comarca do Recife.
Foi concedida ao Dr. Francisco do Reg Maia,
conego da calhedral da diocese de Olinda a li-
cenca prorisona de 3 raezes para tratar de sua
saude onde lhe conver. 1
Foram concedidos ao langador da Beceftedo-
ria de Rendas Internas Geraes Manoel Jos Sea-
res de Avellar 3 mezes de licenga de accordo
com o lelegramma do Ministerio da "Fazenrtn.
para tratar de sua saude onde rae cenvier.
Foi nomeado Joaquim Thiago da Fonserapara
exeraro cargo de adjunto dos promotores p-
blicos da comarca do Recite.
Rexulucao coja pu Mica cao foi a-
peon)D secretaria do governo remtt"in-
nos para publicar o seguinte :
1
v.
ai

1
I
I


Diaj^deoPomwhwc^^
3
A Assembla Legislativa Provincial de Per-
nambuco rtolve :
Artigo nico. Bisa ravagada-a-lei o. 24a); rie'te
de Junhode 4849?aueinJerpreU a de o, 8i,-dc
4 de Mido de I8il).
Revogani-se as disposigoes em contrari*
Paco a Asamblea LesisJatta Pavineal de
Pernambuco, 30 de Abril ele l-89.
'Baraodt Vice-presidente.
Jos Mara 1" secretirio.
iido por l-Yanciscp.djt Sebastiana,denojsdejjaver
Francisco de tal, embregase dos
Bstecodi-S CamlcanU d'Albtiqm-rytif,
Servinde de t" secretorio
4' secfap -'Palacio da Presidencia de Pernam-
buco, era de Maio. de i&kO vice-president
da proviociav quem fo presente a resolugo
de 30 de Abril lindo, que a sserabla Lenislati-
va Provincial adoptan por dous tercos, nos ter-
mos do art, 15-doicio addicwnal, revogando a
le n. 2io de lii'ui Junho de 1849 que interpre-
ta a de n. 82, de i de Vaia de 1842;
. Considerando, que a graga concedida aos em-
pregados da provincia pola le n 82, de 1840,
deve ser extensiva aos empregados da Assem-
bla Provincial, embora-eslcs nao sojam de no-
meacao do presidente da provioeia porquanto
quer uns, quer cutros gozam dos mesmos diret-
tos e esto sujei'os aos mesmoj>_pjius ;
Considerando que aresolueo tende a con-
ferir a un, poder, fetran/; 4trei(0\ de. apo i
sentar os empregados da Assembla, que ser
provavelmento a mesma Assembla, a quem para
sso falla competencia pelo ario adckcional; e
esta presumpeo nao sem fundaiaenlo, tendo
se em vista o acto que.praticou a Assembla em
sua ultima sessa, decretando a aposentaco de
tres empregados seus, acto que no merecen a
approvacao cedimento approvado por aviso do Ministerio do
Imperio o. 234, de 21 de Janeiro ultimo :
Resol ve, nos termes do art. 24 3o da lei de
12 de Agosto de 1834 e n. 103 de 12 de Maio de
1840, suspender a publiracao da referida reso-
lugo, a qual sera submettida com a preserve
porlaria ao conbeeimenta do governo imperial.
(Assignado).Ignacio Joaqun de Souza Ledo.
* delegada. 1 EaendaPor portara
da presidencia da. provincia de 14 e sob proposta
do Dr. ebefe de policia de 11 do correte foi res-
taurada a 2' delegada do termo da Escada.
Para os lugaros.de delegado e l'supplente da
delegara restaurada, foram comeados o teneate
coronel Silviano-Mu eir Cavaleante* Jeronymo
Barreiros de Moraes Rangel, na ordem em que
vo i'ollocados.
Para o lugar de, delegado da 1* delegacia do
term.i la Escuda e alferes do corpo de policia
Olegario da Luz CanUirelle, em substituirlo do
capio Joo do Reg Lima, que fui esmerado.
Para o lugar de subdelegado do distncto de
Capoeira do termo d Bonito, o alferes do corpo
de policia Jos Nicolao Ferreira Gomes.
tiuurdrivic i capitao Joo do Reg
Lima commandante geral da guarda cvica, as-
sumio buje o exercicio da referida guarda cvi-
ca, reuunciaudo o resto da licenca em que se
achava.
Tre* faeadiM-Tantas fora;i as que. pela
9 horas da noite de 12 do correte, em trras
do engento Contra-Agude de Nazarelh, desear-
regou Mar.oel Alexandre de tal em Antonio Jos-
dos Anjos, feando-o gravemente.
0 criminoso foi preso em flagrante delicio.
Dua.>?Q dia 8 do correle pelas 8 boras
da noite, Antonio Baptista da Rocha ferio em
Pesquis oin duas facadas a Francisco das
Chagas. condecido por Moc, logrando evadirse
apo? o crime.
Inslrucro PubllraFunccionou hon-
tem sob a presidencia do l)r. inspector gi-ral o
conselho litterari".
.Foram lidos os seguines latecere :
Da l.3 secgo relator o Di A y res Gama, sobre
os documentos que iustruem a petic&o do pro-
pnetario da fazenda Vasq"?s, do termo de Sal-
gueiro, requerendo a creago de urna cadeira
mixta de ensino primario n'aquella localidade,
concluindo que deve ser creada a referida ca-
deira, vst haweido aatisfeitas. todas-as exi-
gencias legaes. Approvado.
Da 3.* secefto relator o Dr. Regueira Costa, so-
bre a peticae da. professora Mara Florentina de
Gdes Cavaleante, requerendo i a gratificago de
mrito; concluiado que nao est no caso de ser
attendida visto uo haver provado lodos os re-
quisitos legaes.Adiado a requerimento dopro-
fessor Augusto Wandorler.
Da mesmasecefio e relator sobre a pelico do
professor Victorino Anloaio .'." Alcntara, re-
querendo a sua jubilado:concluindo que elle
est no caso de ser aiteodi io. nos termos em que
requer.
Approvado contra o vot Dr. Franco de sa,
na parte em que con:a o lempo de servido mili-
tar do pe'icionarlo.
Da mesma secgo reiator o Dr. Jos Diniz so
bre o processo disciplinar instaurado ao pro-
fessor Fransco de Paula Lias de Carvalho,
concluindo pela absolrgao.--Approvado.
Convida apreciarloDillerentes pe-
gas de madeira em imitaco das similares de
fouga que acbam-se expostas n vitrina da Li-
vraria Franceza.
Viadas de Agua Branca per Piranha? sao des-
tinadas a gorarem ja Exposigo Universal de
Pariz, para onde lero de seguir. .No entretanto
podarn -sor apreciadas u'aquella livraria, e
d'isso s5o efTecirvamente credoras; pois ailmira
que tio primoroso trabalho seja produzido na
ausencia de eonheciraento? artsticos p sem
auxilio de instrumentos apropriad09.
Eapaicamentoe riiimonto Hontem
t l hora da tarde em casa de urnas camelias,
ra de S. Francisco, ultercarc.ni calorosamente as
de nomes Joanoa Mara da Coaccigao e Anna
Luiza d;t ConceicZo, Interveio a favor desta
Joo de tal que all se achava.. e depois de sboc-
doar a Maie,i>iium ccele wrio a com um ta-
)ho no brare esquerdo, evadindo se era se-
guida.
A polica toraou conheciramto do facto.
Luiza foi presa.
1 ma Idea -A Companliia de-Bombtiros fot
pliotographada pelo Sr. Ludjfero Jardkn dnosla,
e nos consta que o producto da venda d'essas
photographias ser em metale apphcado exe-
cugSo do passeio publico Treza de Maio.
Para raelhor resultado d'esse pensaniento, nao
sera conveniente que a respectiva commissao to
masse a si a distribuigo de taes photograpbias,
porque assim tena ella xito mais eflicaz?
E' urna lembranga, cuja aceitago completar
a da Companbia de Bombeipjs, que por certo
digna de ouvor.
Eaeala do taboclo D'esse povoado re-
clama-se contra a falta de livros. de que se re-
cente a escala publica.
O digno $r. Dr. inspector geral da instruego
publica verificando o que lia de procedente em
tal reclamado, sem duvida a atten4era.
iMptatt a eleranimaAO Sr. go-
vernador dlispado foram dirigidos os segu'.n
tes telegram&ias :
Padre Dr. J. Thom da Silva, governador do
bispado S. M. o Imperador agradece as felici-
tacocs d'ess diocese, e associa:se s aeges de
racas ao Ttissirao ueste annf\"ersariO.Cond"
altercado cora
Srs. Dedier 4 Filhos, de Pesqueir,- ferio mortal-
ineate ao referido empregado.
O criminoso evadi-.**.,,
Marnnbao-il'or telegramnia -jue recebe
sido eutliusiasticamente festejado o anniversa-
rio da le libertadora em Caxias. Codo, Roariei
e no engenho central S. Pedro.
A capital da provincia durante toda a
de 13 continuou em festas.
A noticia do resultado da eleigio da mesa da
cmara dos Srs. deputados fr all- rocfcbbAa
com satisfago pela populacao.
Vapor daruhypePor ordem upci'iqr
oi traiu da do vapor Jacuhypt para o presidio de Fer-
nando de Xoroaba
Ina usurario da Bifellotbeca lufaa
til Foi realizada a solemne inaugurago da Bi-
bliolheca Infantil do Collegio Julio Soares de
Azevedo. no dia 12 de corrente, pelas 11 horas
da manli, constando o acto, que termiuou. ase-
oras da tarde, de urna sessO; liUerajia, na,
qpal oceuparam a tribupa diversos oradores sen
do s 4 horas da tarde abertos em exposigio a
bibliotheca e o museu do eollegio apreciagSo
publica; e havendo urna nutrasessao noite.
No dia seguinte (13) em um pequeo carro
Iriumpilante', puxado pelos alumnos, e acompa-
phado pelo dito professor realizou-se urna pas-
eiata, levando era frente o retrato do Visconde
do Rio Braoco, passeiala que percowm diversas
ras da cidade c te ve assim de com primen tai o
Exm. Sr. vicepresidente da provincia e as re<
daegoes d'esle Diario, do Jornal, Jo Recife. da
Provincia e do Echo do Poro, cajas efiicinas echan-
do se fechadas pelo dia ser de festas, os alum-
nos mesmo assim saudarum as respectivas re-
dacgdes, dando vivas as mesmas.
De passagem pelas principaes ras, foi o pro-
fessor Julio Azevedo obsequiado por diversas fa-
milias, que pediam para ver a estatua ; e esta
ao saltar do carro, era sempre victoriada com
chuvas de flores, e recebia diversos presentes e
bouquels.
Eram 9 horas da noite. quando recolheu-se a
Lpasseiata infantil, sempre em ordem esero alte-
rago algMia, com plena satisfago do digno
professor, quejincansavel lidador da causa da
nstrucgao. d assim ligio e exemplos de honra
aos seus alumnos com proveito da patria
Directora da* obra* de con/erra
co to* Portn de PernambucoReci
fe, 11 de Mam de 1889.
Boletina raeleorolofico
, Teye alta :
ps Mansinho do Nascimento.
Jes Pereira.da S.ilfa.
Sebas'io Canguss.
Anto/Jo Ig^cjp 4e Barros.
Jfls.Correiada Silva.
Foram visiladfls o ment por 171 pessoas, sendo 61 borneas e 140
glhejes.
SuiUa Cata de Misericordia i-u
noileiipessoul soccorrido nos diversos, esUbelecimen-
tos cargo da Santa Casa 3e Misericordia no
mea de Abril ultimo:
Hospital Pedro II
Dilo dos Lazaros
Dito de Santa gueda
Hospicio de Alienados
Asvlo de Mendicidade
Collegio das Orphas
Casa dos Expostos :
A saber:
Em criago fra do estabelecim,eiito (113
(205
Em educagao ao estabelccimento
602
37
3
215
186
197
318
Horas o- f U
r* ~"*
6 m. 26-8
9 29-3
12 29 8
i t. 27-6
6 27-1
irometro a
0
761-18
762*38
761-66
700-72
760-62
Tenso
do vapor
20,33
20,27
20,46
22.00
20.82
o
I
77
66
lio
80
78
Temperatura mxima30.0.
Dita mnima 26-00.
bvanorago em 24 horas '0 sol: 7-.0; som
bra: 2-5.
Cbuva1,-0.
Direcgio do vento : SE de meia noite at 2
horas da tarde ; E com algiinue interrupgOes de
ESE e E at 8 horas e 32 minutos ; ESE at
meia noite.
Velocidade media a> vento: 2- 49 por se-
gurdo.
Nebiosidade media: 0;<>6.
Boletim o porto
53 = a Dia lionar-956 da manh i 13 d? tarde 1030. 435 da manb Altura
B M. P. M. B. M. i-. M. 14 de Maio m m 15 de Maio 0-.23 2-,76 0-.I4 2-75
i>e Alje.vir, camarista de semana.
O governo imperial 'dgrdeei-; a V. Rvma. as
t'eltcitaces dirigidas pelo dia-de hoje. Joao
M*r.Huierf***li -Os Cttaunts do enr-
cclebram "
niversario da lei n. 33, DO (hcairo das Vare
rtades. ^
IacunabencHOs Srs. Antonio Nogueira
e Jos Nogueira Fitho dlrgiram-'nb? va seghihte
carta: i
Illm;. Srs. redactores d Dic.no de Pernam-
uuco.Tendo nos passado alguns exernpiares do
joroal Academia em beneficio do passeio publico
:c de Maio, paaaamos s mos de Vv. a quau
t de 25300. pWhTiTOrdds n temp'wrs,
pedndo-lhes o ofiseqdntfe lafem'o coBveniente
destino.
Arradecend este favxir, somos com estima
e consideracSo d Vv. attentos veneradores e
criados Anlmio yguira.-Jos Xogueira Fi
Acidind solicitaga. seicmos presurosos"
era satufazrr a incumb:,cia, pa-sando a rererida
importancia s cbos' da'commisso respectiva.
PerimenloaNo dia 30 do passado, no
lugar Isajie Das, d Pesqueira. travaram-se de
razOes Jlfenti Ferreira da Silva, sua ,ama Tho-
mazia RoS Iferfada Corrcei;o e um filho mer.or
deste, de nqme Leoncio, resultando gabifra este
levemente1 eTtjomazia' gravemfeUte Ibridos.
Foram1 totea'preaos'.
No dia seguinte o creoulo Francisco, conbe-
lidioeaE"ec'.uarse bao os segrales :
Hoje :
Pelo agente Marns, s 11 horas, no 2-an-j
dar da ra do Coronel Suassuna n. 22, de mo-
vis de diversas qualidades. jarros e tapetes.
lelo agente Silvein. s 10 e 12 horas, ra
do Imperador n. 45, de terrenos, materiaes e
movis.
Pelo agente Pestaa, s H horas, travessa
do Cor|H) Santo n. 27. de movis, louga, cofre,
etc.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Bora
Jess n. 45, do engenho nsgate.
Pelo agente GuslnSo, s U horas, ra Mr-
quez de Olinda n. 48. de vaccas tourinas, ca-
vallo, burro e um carro.
AmanM :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, a ra do Ca-
bug n. A, da annago, armarios, balco c
muilos objectos proprios para loja.
Pelo agente Motlesto Baptista, s 11 horas,
ra do Mrquez do Herva! n. 33, de um piano,
movis, loucas c vidros.
Mtaaaa runebreaSerao celebradas :
Hoje :
A's 8 horas, no convenio do Carino, pela alma
do commendador Manoel Jos Machado ; s 8
horas, na matriz de Santo Antonio, pela alma de
Pedro de Carvalho Csngalves da Rocha: s 8 ho
ras oa igreja do Ribeirao, pela alma de D. Ida-
lina Carolina Feneira da Conceicao: s 8 horas
na matriz do orpo Santo, pela "alma de Benlo
Severiano da Fonseca Pilla.
" AmaalV;-
A's 8 horas na ordem tercelra do Carmo. pe-
la alma de Joquim Bernardino de Castro Rios ;
s 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela lina
do Dr. Antonio Jos da Fonseca Lessa
PaMWgefroa Chegados do norte no va-
por braziieiro Pernambuco i
Gregorio Francisco Sampaio, Bernardino Va-
lente Couto, Antonio Valente Couto, Leojioldino
Valente dos Santos, Auna Leite Silva Couto-
Dario Valente Couto, Mariana Valente Couto,
Jos Drniz, Jos vathias dos Santos, Joo Fer
reir, Luiza Franco, Manoel Pedro, Antonio
Bastos; Maria da Conceigo, Florentino Ferreira
Garrido e sua senhora, Manoel Ferreira Garri-
do e sna senhora, Balbina Valeale Pinto, Ana-
tolia Ferreira Salles, Francisco da Uva, Joa-
?uim Belmonte, Ignic. Anacleta e um menor,
bomatide Brito, |Julio Guunares, Nabor A.
Chagas, Amelia Br;to, i^los Mariano. Baymun-
d A. de Oliveira, AntoaWMariu e 2 netos. Jclin
Sward, Worte Sward, Guiltiermina Mara e 1 fi-
Ibo, ThPudor ae Barros, padre Alfredo Leal,
Dr. Fraqcisco Trindade Muri Joo Pereira, Jo-
quim Prancis'-e I aura, Aroyo Fenelon, 3 pra-
gas e 1 preso. Antonio Soares de Pinho e Dr.
Jus Corcleiro.
Proclama de raMmealoi Na ma-
triz de Afogados foram lidos n dia 12 do cof-
rente os seguinte3:
Luiz Fagundes Ferreira com Maria de Jess fl
Silva.
Jos Tavares Muniz Fraz&o com Leonor Cor-
reia Lima.
Candido de Magalhfies Soares com Joaquna
M; ra de Carva'.ho.
: Virginio Carneiro Lcio com Clotilde Lasserre.
Firmino Jos de Sant'ADrta con Severlna Ma-
ra de Barro.
Felippe de Santiago AlbuqoefqHe com Maria'
da Cfldcgao do Nascimento.
KektWes oclaea Ha lioje as segra-
les :
Do na sede sotial travessa das Flores n. 3. em
aesso Ordinaria.
Da A^deiaco Medico Pharmacentica Pernam-
bucani.1 hora e lugar do costme, em seso
ordinaria. ^^
cafJa1 d? letcncoMonment oos pre-
sos da Cusa de Detengo do dia 14 de Maio de
ifiM
Exislaffi4i89; entraraml6: sahiram 12 ; e;i<-
tem 491
A saber :
Nacitriaesi452 ; mulheres 18; estrangetros 25.
-Total 43.
ArragoaHds 442.
. BOBS16.
Dotcs 21.
Leucd 3.Total 442.
Moviment da enrennam
, TiverlB barxa :
Pyrfirib Jfomctro da Cruz.
Atonl^ftse-loOrengo.
Total 1.558
iiukpKat Pedro II Q movimeoto deste
estabelecimento de daridade, nO:dir J2 de Maio
foi o seguinte:
Entraran) 10
Sahiram \ 1
Falleccram 2
Existem l 610
Foram visitadas as respectivasenfermarlas,
pelos Drs.:
Ferreira Velloso s 9, Cysneko s 40 1(4, Barr
ros Sobn olio s 6 I [2, Este vo Cavaleante. s
6 1|4 horas..
Nao comparecern) os Drs. ;
, Berardo,
Moscoso.
Malaquias.
Pontual.
SimCes Barbosa.
O cirurgio dentista Numa PompiUo nao com-
parecen.
O pharmaceufico entrou s 8 1(4 da manb e
sahio s 2 da tarde.
O ajudunte do pharmaceutico entrou s 7
da manb e sahio s 4 horas da tarde.
..oteria do tiram-Par-A i' parte da
29* lotera, dessa provincia, cujo premio grande
I3u:000000, -era extrahida no dia 18 do cor-
rente (sabbado).
Ccunitcrio PublicoObituario do da 14
de Maio de 1889 :
Seraphim Mogambique, frica, 80 annos, sol-
teiro, Boa-Vista; senilidade.
Pedro, Pernambuco. 2 aunes, S. Jos; es-
pasmo,
m feto, Pernambuco, Graga.
Juveniano, Pernambuco, 24 annos, solteiro,
S. Jos; entente.
Felippa Cavaleante. do Reg Barros, Pernam-
buco, 95 annos, solteira, Boa-Vista ; depaupera-
mento senil.
Manoel, Pernambuco, 24 horas, Boa-Vista; la
boragOes do parto.
Senhorinha Maria da Conceigo, Pernambuco,
30 annos, solteira, Boa-Vista; mitro peritonile.
Joo Ignacio Ximenes, Pernambuco, 50 annos,
viuvo, Boa-Vista; bronchlte.
Jesuino Alberto dos Passos, Pemamuco, 38
annos, solteiro, Boa-Vista; tubrculos polmo-
oares.
Manoel de Souza Barbosa, Pernambuco, 33 an-
nos, solteiro, Boa-Vista; ascite.
Alrair, Ro Grande do Norte, 1 anno, S. Jos:
meningite.
Julia, Pernambuco, 8 mezes, Boa-Vista ; dyar-
rha.
Ib* fugiase (1). Boerhaave,depois,de ter
terminado um dos eeue-estados-ma pro-
fundes, nao poda tesa* oabjr.p';.seis jse-
mana.9 seguidaSj^Goldon^HSo pude -nJum^
anoo escronePidesaaeia oojaw com.Jpuenra.po todo.c rostaato> d.Td
Byrom, em quantoi oompunba o Marino
FaUfyO) foi atormentado .pela insenwi^ue
pelo pavor de mita real e prepnm dse*
peracno. Urna noute t. sotfria horrivel-
raente>> e nao eonsegaio acalmar ai agi-
i&(h) que tanto, o vejnwa senao. bebendo
urna. quantidade enorme- d'agaa de- soda-
Jo*o Hunter dorma raran*enta-.maisi-.de
quatry horas por noute, mas gosava-iyna
hora de repoiso depois do jantar.
Sobre as horas de somno que. aSo nc-
oesaarias ao homem, as opinioae* das dou
tos aftq muito diferentes.
Tela havido, como 6 sabido, concursos
OcttuliKa,
UM POUC^ DE TUDO
O habito de trabalhar cresce e se mp3e
de tal sorte ao estudioso, que impossivel
se lhe toma poder depois conter-se. Pe-
trarca tendo urna vez se queixado de estar
doente ao Bispo de Cavaillon, este atinou-
dade logo com a causa, e por isso lhe pe-
dio a chave do seu gabinete de estudo. O
poeta annuio, mas por tres das somente.
Antes que fosse expirado o lempo, Pe-
trarca procurou o Bispo, e com as mos
postas lhe disse : Restitui-me a chave do
meu gabinete, ou eu morro aos vossos ps.
Alen) disto, em continuagao veremos que
aquellos que violam deste modo as leis de
natureza, pagam com o andar do tempo
com graves incommpdos a sua falta de
juizo.
A primeira pena o nao poder mais
dormir profunda c tranquillamente. Os
trabalbadores intellcctuacs teem necessi-
dade de dormir mais do que outra gente
e militas rezes pelo contrario dorinein me-
nos-
Quando um homem trabalha at a hora
avaucada, a exaltacao mental dura nelle
por nm certo espaco at que procura des-
cancar. O cerebro continua a trabalhar e
expelle o somno. E' um moinho que con-
tinua a moer, mesmo u3 tendo mais tri-
go A vontade n3o tem mais sobre elle
alguien potencia, e o cerebro sonha e pen-
sa, desenfreado e incoherente.
S eom um absoluto repoiso, com um
sorano profundo, pode o cerebro recupe-
rar as for9as' e o corpo reparar as perdas;
mas qnamioem vez do somno profundo,
temos ura adormecimento interrompido de
sonhos agitados, o cerebro e o corpo nSo
repoisan- nem readquirem es forgas.
Que beneficio o somno! E' nm dos
mais preciosos privilegios da juventude,
de que nao apreciamos o valor se nao
(ando o temos perdido. O somno nos
envolve a todos como um lengol, > disse
Sancho Panca. Sir Felippe Sidney perce-
beo quanto valia e o celebrou com estes
versos-:
Viene, o somno, tu, fida aira di pace,
Rinfrauehi ail'opra e sei balsamo al male :
Da ricchezze al tapin/soiogli chi giace
In ceppi, al 'grande o umil giudice ugnale.
(liando passou a mocidade. a idade se
adianta e o trabalho augmenta; os poza-
res e a anciedade fatigam e maltratam a
mente, entao d somno desapparece. O pen-
sameuto nio qner calar, o corpo se agita
e estremeoo; oitravesfeeiro de ponnaaxtoV-
na-se um trotaco nodoso.'
Este o periodo obscuro em militas ex-
istencias de trabalbadores intellectuaes.
t Vos alcaie disse PJaydon, c com
um veo preto sobre a phantasia, e vedes
atravee deUe'as'cOBaa. Lord Ciaredon,
fallandp def* hillngirorth; disse r Toda
sua infelioioVie prOvinha do dormir 'pmi'
co e pensar^rriuito.
SSLo poucoa os Iitteratos qu mais ou
menos' nao soffrem d'insomnia.
Tamben o ho mena de negocios le.vam
muita *vezes'Com'sigo ai suas preoecupa-
93es ; se agitam inquietos, reftctitfdo mi-
quillo'que sueoedeU" no dia, as expecula-
^8es, as empresas, aos lucroa^- os per-
das. O descaiico nao nutre o setf cerebro,
porque nao podem dormir profundamente.
Pope em quanto traduzia a Miada,' do
sejou urna vez- ser entercado afinide po-
der-se Hvrar 'd'Homero. A^tlfonmia o ti-
nha reduzido desespera95o, com tudo
continuava a trabalhar de nou e. A crea-
do de Lord Oxford contava que no terri-
vel invern d'1840, o sen imn% a tinha
feito subir quatro vezes numa noitada
para dar-lhe e papel e o tinteiro afim de
poder1 eacrever um pensamento que temia
Um americano teve agora urna clea ori-
ginal. Vai organisar um concurso de mu-
lherea deiaa.
A que, 'r considerada unak fiei* reeebe
um. premio de 500 dollars,- cerca oV 10
contosde ris.
Haver militas concurrentes?'
*
Acaba de finar-se em Paris, de urna
longa e dolorosa enfermidade do peito, o
notavel agua-fortista Noel Jas8on.y .
Era um artista absolutamente extraordi-
nario. Privado das duas mitos, mas at-
trahido por urna vocagao. irresistivel, de-
dicara-se gravura a agua-forte e, com o
auxilio de dous ante bracos mechan icos,
chegou a executar varios trabaHioS'de un
subido mrito incontestavel.
Morreu com 35 annos apenas.

Foi promulgada em Franca, a lei que
s permitte aos vendedores de jornaes an-
nunciar o titulo do jornal, o preco, a opi-
niSo a que pertence e os nomes dos re-
dactores, acabando-se com o escndalo dos
herradores que ora armunciavam a.falen-
cia do Sr. de Lesseps, o divorcio de Sa-
rah Bernhardt, a prisao de Julio Ferry e
outras amenidades do mesmo genero.
O texto da lei o seguinte :
Art. 1. Os jornaes e todos os escriptos
ou impressos distribuidos ou vendidos mas
ras e lugares pblicos, nSo poderao ser
apregoados senSo pelos seus ttulos, pre-
dres, consultas todos os- dfaavdas &
horasdao meio-dia. Consultorio, o resi*
deawa i ni TArg^jJ^iRn^m^ 20,
Advogadosi>> "
i OAacharel IVitrupi Pinff ftwrfiwwr
\pude, ser procurado ra. doL Imperador
n. 71, 1.- andar.
i O Dr. H. iilet mudou o seu. escripte'.
torio de advocacia, para-a rua.de Impera
av.o. 46, 1* andar, sala'da frente.
J. A. de MagalhSes Bastos. Duque de
ataxias n. 66, i," aadas.i
Drogara .
Faria Sobrinho & C, roguiata por ata-
cado, ruai do>. Marqees do. Oliadan-. 41.
Francisco Manoel da Silva & -O., deposi-
tarios do todas as especialidades pharma-
S. deipassar pelodegesto.ie.ierou saberle
Dr. Ferreira. com paaa noa- priact- suaordeair..ue da. foi olloel^ada^e re6tabol*ci
paes hospitaes e clinieadaHariai a,Lo *.-?^Aua-plenUndemdo Sr.Uenente conooel
de belleza.iemininas^m Turim e,cm Spa. ceueas^ tintes,..droga, pjoduotaaobimi-
cas c medicamentos homeoptico, ruat do.
Mrquez de Olinda n. 23.
Serrarla a vapor
*. Setrania a. vap*r e> offiama de- carupim
de Francisco dos Santo Macedo^ caes! do
Gapibaribe n. 23. Este .grande, estabele-
cimento, o primereo da provincia nesta
genero, compra o vende madeirasde todas i
as qualidades, sorra madeiraa de i conta
aiheia, assim como prepara obras de cara-
pina por machiuastH; por pregos sem doiu-
peteiieiaPeraaiu'oueo;
PDBCiOES 4 PPID
A sMiinploH mili tares
II
O CONFLICTO
'Galiope*.
Tao ciemos. qo a Sr. teaeate^oreneljago.
csteja convencidu- de que teve para cooro.seu.
collega um procedimenlo correcto.
Nao nod podemos capacitar oe ane a aeto.de.-
S. S. foss&.HIbo.. da prudeaei etla retleso, ili--
( o conceita-em que. teme S. s.
Anda mes/ao que.nos viesee dizer o'coatra-
rio, nao o acreditaramos, porqu no possivai', ',
quequem, como S. S,'. tem levado urna v-taia.-, .-
teira accumulanJo eiementos..decrdito queiaa,. .
ffe ba mente, desdizi-r o seu pa*.-udoi
Anida r tempo de reconsiderar, nunca-et....
tarde para.repurar-s injusticas.
Calufiial.
Res opu
'Palacio da,Soledade,
yerban, i
10 de Abril de
915.
" Burda BataRemettemosdhe" a- provisa o
junta; encarregando aV. Rvdma.. da' rev
gencia da.fregiiazia de io-Formose, cuja
posse lhe ser conferida pelo RvcL Miguel
Peres de Azevodo' Flcalo, coadjocto da u
paiocliia..
Deus guarde a V. Rvdma..f Jos,.
bispo de Olinda. Rvd. Frauciaoe Voris- :
Bimo-Banderrai vigario da freguezia de
Rito Formoso.
eos, indicagSo da sua opinio e os nomes
dos autores ou redactores.
Nenhum titulo obceno ou contendo im-
puta95es, diffama95es ou expressSes luju-
riosas para urna ou mais pessoas poder
ser apresgendo na via publica.
Art. 2. As infrac952s s dioposicoes
que presera serao punidas com multa de
1 a l tpeos e em caso de reincidenoia,
1 a 5 dias. de prisao, podendo ser appli
caao o ar. f 403 do cdigo pena!.
Endodeccu Zaira Garofali, mais conhe-
cida pelo nome de Zaira Gattini, prima-
dona da companhia de operettas Tomba,
que est representando no theatro Quiri-
no, de Roma. Desgostos de amor.
SPORT
Derbjr Club de Peraambue
Hontem completou se a inser peo dos ani
maes para a corrida de domingo prximo, dan-
do o segrate resultado :
Io pareoConsolaco:
Pitt, Desprezo, Novidade, Lucifer, Rosa d'Ou-
ro, Pombo Preto Petit-maitre, Cerbero, Bostock,
Versingetorix, Tupan, Aracahy, Jasmira, Rei de
Ouro e Guerreiro.
2o pareoOraniura:
Opnir. Aymore, Favorita e Cometa.
3" pareoProsperidade:
Pao Rrazil. J-parte, Village, Pombo Preto,
Sneca, Potos, Petit-mait Muitre. Orange e Bo-
naparte.
4* pareoDerby Club de Pernambuco :
Diana, Vesper e" Brazil.
3" pareo-Emulacao:
Fantina, Stella, Simirami?. Primavera c Pri-
maz ia.
6o pareo'oncordia:
Risetti, Salomo. Douro c Corcovado.
7o pareo -Imprensa Pernambucana :
Orange, Corsario, Potos. Piraruc, Bonapar-
te e Bismarck.
8'' pareoProvincia de Pernambuco :
Roldo. Templar e Arumary.
(l)!tp*i> Works of Pope VI pag. 23.
IHDIGAgOES OTIS _
Medleos
Dr. Cerqyieira Leite, tem o seuescripto
rie aborto ma Duque de Caxias n. 74, das
12 s 2 horas da tarde, e desta hora em dian-
to em sua residencia ra Bario de S.
Borja n. 22. Esp8cialidade3molestias
desenhoras e criarlas. Telephone n. 326.
Dr. Castro Jess medico e operador.
Prtica a lavagem do utoro quando e co-
mo conselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra do
Boro Jess (antiga da i'ruz) n. 23, 1.*
andar. Telephone n. 380
Dr. Barretto Sampaio d consultas de
mcio-dia s 3 horas no 1." andar da casa
ra do Barao da Victoria, n. 51. Resi-
dc"-' trada pela ra da Saudade n. 2o.
Dr. Ribeiro de Britto d consultas de
ttio dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de Caxias n. 46, peden-
do ser procurado para chamados na sua-
reaidencia na do Hospicio n. 81. Te-
lephone n. 303.
Dr. Joaquim Loni ciro medico e partei-
ro, consultorio ra do Oabng vt. 14,
'l. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monte iro. *
Dr Alvares GvimarUes, chegado da
corte, dedica-ae medicina em geral, e
tata especialidade s molestias do cora-
do, pulmoes, figado, estomago e intesti-
nos o tambem s ifFec95es das criancas.
Reside praca do Conde d'Eu, n. 28, e
tem consultorio na ra do Bom-Jesus
(antiga da Cruz), n. 45, onde d consul-
tas do meio-dia s 3 horas Telephone
n. 381.
O r. Simplicio Mavignier.Clnica, me-
dico crnrgica. Especialidades: molestias
pulmonares e partos. Ra do Mrquez de
Olinda n. 27 1. andar. Consultas das 11
s 2 horas e na Casa Forte (P090 da Pa-
nalla)ldaa6 s 9 horas drfmatiha e da
tarde.
Motivos de saude nos-obrigaram, bera.a nasso
pezar, a inlerromper por alguns dias o histrico
do conmeto aberlo catre os Srs, tenentes-coro-
neis Antonio Florencio Pereira do Lago, com-
mandante das armas.interino- e Feliciano Calio-
pe Moaleiro de Mello.
Creuios, enlretauto, que csse incidente em.na-
da alterou>o nosso objevtivo,. e por isso recome-
camos a tarefa a que nos impuzemos.
Antes, p cimentos, oumpre nos prestar a devida attencao
ao iilustre cavalbeiro que sob a mesma epiga
pbe que encima as nossas mal Iclineadas mas
flustas ajireciayea, o pseudonyino Ventas, fez
nos a Ihieza de vir ao nosso encontr no Jornal
do .Recife de 4 do corrente.
Agradecendo ao articulista o estylo aJcvanta
do com que procurou confundir-nos, rielamos
que appella para os- foros de disciplinado e
disciplinador de que gosa o tenenle-coronel Ca-
liope aquem exhorta,a re:; 11 Si cerque entre su-
perior e subordinado nao pode haver conflicto.
Pode! Segundo Aulete, que deline perfe.tar,
mente o substantivo, a qualilicaco de conflicto
per nos empregada na desavenga surgida entre
o commandante das armas e o do 11" batalhao
de iufautarifi nao foi extempornea.
Os conflictos dejnrisdiqao. que se do sme .
to en!re magistrados e tribunaes da mesma ca-
legora.
Nao entramos na questao com o espiritoj
descoberto : nao precisa tel-0 prevenido para
dando vista spanes, saber se de que lado est
a razo.
0 verbo alassalliar de que se servio Vcritas,
spero de mais, para ser por nos usado : nao
de oossos hbitos retaliar, abocanbar a reputa-
gao de ninguem, quanto mais a do Sr. tenente
coronel Lago, em quem falgamos reconhe-
cer bastante inerecunento, o que, nao obstante
nao p6e seus aclos como funecionario publico,
ao abrigo da apreciago.
Tedos esto sujeilos a ella, desde que seja-
justa e sensata, embora severa.
Esteja, po>s, Ventas tranquillo sobre esle
ponto.
Descance Veritas o rwteqnc disse ter em pi-
nito ; aguarde a argumentagilo lgica e cerrada,
seuijfloreios nem citaces, c, ser-nos-ha agraaa<
vel que no mesmo tom, desfaca, se poder, a nos-
sa ariuicaD.
Desde j protestamos contra o falso sopposto
que nos-attribni dando-nos1 a autora do artiga
que sob a epigraphe .4 guarniro publiceu A
Provincia de 3 do correnie.
O estylo 6 o homem, e basta 1er aquella artigo
para con vencer-se de que nao e nosso:
Entremos na materiu:
Com a brevidade que foi possivel recebeu o
Sr. tenente coronel commandante das arma*, no
mesmo dia 23. a copia que exigi,' e depois de
longas 48 horas, baixou a seguinte ordem do
dia, que fraqueja um pouco seus foros de ho-
rnera illustrado.
Qartel do comraando da3 armas, 25 de
Abril de 1889.Ordem do dia n. 302.
Tendo o Sr. tenente coronel commandante
do 14 batalhao de infantaria me participado por
ollicio de 17 do corrente, sob o n. 314, haver o
Sr. lente J. J. A., ao entregar a 2" companhia
do mesmo ao respectivo commandante, o Sr. ca-
pito M. a. P. G., no dia 9 de Marco findo, dei-
xado, por espirito de insubordinago, de apre-
sentar urnas relagOes exigidas em ordem do dia
regmental de 16 de Julho do anno passado, an
nexando ao dito oflicio parte do Sr. major fiscal,
em que diz : ser digno da mais severa -censura
o procedimento daquelle capito, por nao dar
parte por escripia do occorrido, (*) e nem apre-
senlar a relago das pracas que deve acompa-
nhar a mesma parte, nao obstante exigir por ve-
zes e ter isso communicado verbalmente em
duas occasiGes ao Sr. tenente ceronel comman-
dante ; e resposla do capilao que declara ter re-
cetado do tenente J. J. A. o material da compa-
nhia pelo respectivo mappa-carga; dei em so
lucao ao referido oflicio o seguinte:
Que o Sr. capitao, no acto-dejrecebero
commando da citada companhia, devia reecber
as relages ordenadas, e, no caso contrario, dar
immed'tatamente parte por escripto ao Sr. major
fiscal, o que nao fez apezar de decorridos 40
dias e que ao mesmo capitao caba censura por
esta falta, que teria sido sanada em tempo, se
titesse procedido como era do sea deve e que s
agora que o tenente J. J. A. se acha' addidofae
2o batalhao de infantaria e com pai te' de doente-
desde 20 do referido raez de Marco, chegon ao
meu cooheci ment.
Sabendo que o Sr. tenente coronel comman-
dante em sua ordem do dia regiraental de 22,
sob 11. 901, cuja copia exig em portara de22, lu-
do do vigente, ao dar publicidade ao batalhao
desta oceurrencia, erapregara a epigrapheCon-
descendencia no servico -e longe-de estranhar o
procedimento do capio M A. antes da trana-.
cripeo do oflicio deste commando de armas,
diz : que Tai publical-o afim de que imais se
reproduzam no batalhao actos de condeseenden-
cia semelliantes que s trasera prejuizos para.o
servigo e acorogaraento a insubordinago de
officiaes como. o tenente J. J. A., e vendo as
phrases inconvenientes que empregou. oSr. leen.
te coronel commandante censura urna deatsao
deste commindo de armas, e m vontade a ttmof
final que anda nao deu provas de insubordina-
to; determino como medida disciplinar que so-
ja encellado o primeiro tpico di precitadaor-
dem do dia, por jnlgal o desrespeitose e ufieti-
sivo e que o Sr. tenente coronel conunandanle
limrte-se a Iranscrever o oflicio que lhe dirig,
ehemando para elle a attengao d Sr. capitao
M. A., como lhe cumpria fazer,-(Assignado)
Aatonio Florencio Pereira do Lago tenente co-
ronel commandante das armas interino.*
Pondo de parle es norosspecimeos qoe S. S.
cstabeleceu para as futuras ordens do da, que
os coramandanes decorpos desta guarnigo te
ohan de dar, pois a ordem do aia de S. S.
med do geral, temos serias duvidas sobre a com-
petencia de -. S. para mandar cancellar aquelle
trecho da ordem do dia do Sr. lente coronel
Canope, lanto mais quanto ella impe urna cen-
sura a um oflidal de seu batalhao, e s o minis-
tro da guerra tem o poder de levantar notas,
ordem do dia de 201 de Mar$o de 1818ouvin-
do, em certos casos, o conseibo supremo mili-
tar de justiga.
, Se o governo mantiver o acto, alias muito re-
gular, ao Sr. commandante do 14, nao tera S.
() Os griphos sao nossos.
Palacio da Soledade, 26. de Maio. de,
1885-.-
Retd. Sr:*F-kamos. seiente pero seu'1
ofScio de 4 do- corrente mez,: de ter V.
Rvdma. tomado posse do cargo de- viga-
rio dessa freguezia-no dia Io do- coitenH
te mez, com toda a solemnidade oompati-
veV com os recursos e raelhor- vontade .'de
seus paroehianos ; sendo geralmente.i ap*t.
plaudida essa solemnidade.
Louvamos nao s 303 seus paroehianos,-
como tambem a V. Rvdma. pela molua
coopera9ao, que se deram para mais tor-
nar esplendido esse acto, e fazemos votos
aos-cos para que continuem e se fortifr
quem testas relaoes de cordialidde entre
as ovelha e seu pastor, para .maion.gloria
de Nosso Senhor, e de sua igreja, e benau
espiritual das almas, conadas ao seu zelo
e solicitude.A todos enviamos a nessa
bencio.
Deus guarde a V. Rvdma.t Jos, bis-
po diocesano.Illm. e Rvcrm. Sr. Fran-
cisco Verissimo Bandcira, vigario da fre-
guezia de Rio Formoso.
Palacio da Soledade, 25 de Xovembro
de 1885.-
Rvd. Sr.Respondo ao officio de V.
Rvdma. de 20 do < corrente, dizendo que .
etc... Quanto outra parte do seu. offi-
cio, muito agradou-me a noticia dada
sobre os mclhoramentos conseguidos a es-
foros de V. Rvdma. em beneficio da igre-
ja matriz. Animando-o a bem curar dos
negocios materiaes da paroebia, fa90 vo-
tos para que alcance-ontros, e com prefe-
rencia a pureza dos templos espirituaes, .
pela reforma dos costumes, por meio da
obra do cathecismo, prgacao e frequen-
cia dos sacramentos.
Deus guarde a V. Rvdma.Arcediago
Dr. Luiz Francisco de Araujo, 2o gover:
nador de bispado.
Palacio da Soledade, 28 de Fevereiro
de 1889.
1 Rvd. Sr.Respondemos ao officio de
V. Rvdma. concedendo exonera", -que
pede do cargo de vigario da freguesa de
S. Jos do Rio Formoso, louvando muito
a V. Rvdma. pelos bons servaos presta-
dos durante os dous annos, que ahi exer-
ceu o parochiato.
Hoje nomeamos o Rvd. Francisco Anto-
nio Vianna, para substituil-o, sendo necee-..
sario, que V. Rvdma. aguarde a ehegada
do nomeado para conferir-lhc a posse do
estylo.
Deus guarde a V. Rvdma. t Jos, bis*
po diocesano.Illm. e Rvdmo. Sr. Fran-
cisco Verissimo Bandeira.
Mandamos ao Rvd. Francisco Venssinao
Bandeira, que em recebendo a portara-
que a esta acompanha a entregue de mSa
propria ao padre Francisco Antonio Vian-
na, a quem nesta data demittimos :do ear go de vigario encommendado d guezia de Rio Formoso, e etc., entregue
a portara, assuma a regencia interina da
freguezia, emquanto nao mandarmoa'Vo.
contrario, com plenos poderes de curar
das almas, inclnsve- o de assistrr aos ca-
samcotos dos respectivos freguezes. De
tudo nos far communicacao.
Dada e passada no palacio episcopal da
Soledade, aos 22 de Outubro de 1887.
E eu, o padre Jos Alfonso de Lima e
S, secretario do bispado a escrevi.
t Jos, bispo diocesano.
Portara encarregando o Rvd. Francisco;
Verissimo Bandeira da regencia da fre-
fuezia de Rio Formoso.
Palacio da-Soledade, 27 de Abril atau
tm.
- Rvd. Sr.Autoriao V. Rvdma. a reger, .
cumulativamente com essa freguezia de
Rio Formoso, a de S. Gonalo de Um^ ;,
que tica annxada aquella, e para isso con
firo a V. Rvdma. plenos poderes paro-
chiaes, mesmo quanto ao sacramento do
matrimonio. Ficando a cargo de V.
Rvdma. duas parochias, cumpre que em
ambas as matrizes, haja missa nos domin-
gos e dias santificados, e para esse fim
a uto riso V. Rvdma. a binar, appl cando
as missas pro populos, sem estipendio, e
easo nao possa V. Rvdma. binar, celebra-
ra-alternadamente as respectivas matri-
zes em os dias designados.
Deus guarde a V. Rvdma.Padre Dr.
Jeronymo Thom da Silva, governador do
bispado.Illm. e Rvdm. Sr. Francisco
Verissimo Bandeira, encarregado das fre-
guezias do Rio Formoso e Una. (#)
(*) NSo deve o sacerdote nomeado a
empenhos, nem a proteccJo de ninguem,
senSo generosa espontaneidade, e livre
arbitrio das autoridades competentes, jus
ticefras e imparciaes, por merc de Deus.
A o publico
NSo tenho deseios de manter polmicas pebr-
imnrensa com o Sr. Manoel Duarte Vieira,signa-
tario do artigo publicado no Jornal do Recite de
11 do corrente coma epigraphe cima sobre o
nefando crime por elle coinmettido na peaaoa da-
menina Estephania ; se d'antes seria grande o
meu constrangimento, se tivesse de dingir-me a
esse senhor boje com maioria desasto qw elle
I
* 1

\



.-
i Hiuai 1


Diario de PernambueoQuinta-feira 16 de Maio de 1889

Jad dY justica por um decto Capitao Abilio Aprigio de
B indignabas a todos os homens Capftao Elias Jos de Aguiar.
=l bem, comprehende-se que s o muito respeito Jos Firmino Barbosa Camello.
Se deva opiniao publica me tra; imprensa Joaquim de Souza BarboT
isto ; porque as aceusaces que all me sao Gabriel Firmino Barbosa Carapcllo.
fetos eu desprezo tanto como desprezo o seu Jos de Souza Barbosa,
autor. ; JoSo Francisco de Albuquerque Barro?.
O estupro da mesmu fc.stephama nao urna Joaquim Jos de Aguiar.
invencao de immigos do Sr. Duarte, um facto Manoel Emigdio Barbosa CampcNo.
real comprendo por um exame medico, e |cuja Capito Joaquim Bezerra Cabral.
antora, segundo as provas ja colbidas, cabe a Feliciano Martina de Souza.
auelte.Sr., que alias useiru e viseiro eiu feitos Antonio Jos de Agriar.
d'essa uatureza.
Capaz d'uma calamidade dessa ordem nao sao
oa immigos polticas ilo Sr. Duarte que se re-
ceiassem a sua influencia (que tartufo] leara
acceitado a traosaccao vergouhosa que por elle
lb.es foi proposta de vender -Ibes a sua edicaeo
pela subdelegada do 1* dstricto. ,
Capaz d'uma calumnia dessa oriiem nao sou
eu, aindn mesmo quando prejudicasse ao meu
commercio a permanencia do Sr. Duarte nesta \
eidade, quanto mais que a decretada pharmacia em 12 do actual foram approvados 69 socios,
desse senhor existe apenas m nomine c nenhuma sendo para accionistas os lllms. Sra. Antonio G.
concurrencia me taz. Alm disso seria mister C. Fontes, B. M. Guedes de Paiva, Manoel da S.
Jue eu fizesse meus cumplios nesta obra de Oliveira, A. Accacio C. Lobo, M. Viriato do Soe-
flamac&o os depositarios da justica nesta co- corro, Joao G. da Fonseca, Alfonso A. Azevedo.
marca, e estes estao muito superiores a estas Manoel C. Braudao. M. S. Albergara', M J. Al-
influencias, como superiores estao As inainnacOes -ves Bibeiro, J. A. Estevcs.
ealuminiosas do Sr. Duarte. Para subscriptores :
Tenbo licenja da Junta Central de Hygieue da, Desembargador Jos J. Oliveira Andrade, Dr.
corte para estabelecer me com phamacia n'esla J CO Andrade, Dr. PedroF. Correia de Oli-
cidade : afliruiar o contrario como fez aquelle veira, Dr. Jos J. Seabra, Dr. Adolpho C. Ciroe,
senhor mentir. Jase v pois que nao podejDr. J. V. Araujo, Dr- M. N, Pootes. Dr. M. T.
haver interesse em retirar desla comarca o Sr. | Peretti, Dr. M. N. Regueira P. Souza. Dr. J.
Duarte, para se me facultar o estibelecuntn'o Eustaquio F. Jacobina, Dr. P. Dainazo, teneute-
d'uwa pharinacia I coronel Ernesto M. F. P. Silva, major J. Fran-
0 publicj va apreciando quem este deflora-, ckliu A. Lima, Arthur S. Carvalbo, Jos J. Cos-
Miguel Antonio de Aguiar
Jos Antonio de j guiar Filbg.
Antonio Jos de Aguiar Filhn
Gabinete Portuguez de
* Leitura
Na 3* sesso ordinaria da directora realisaJa
jj^om Jardim
A* partid* Liberal
Tendo visto no Jornal do Recife de
de Abril prximo paseado a nomeacao do
chefe poltico desta comarca, feita pelo
diretorio, venho declarar em meu nome e
em nome de 8 amigos que me acompa-
oham, que anda nSo desmereeeu de mi-
aba confianca o meu destnete amigo ma-
jor arlos Lcitlo de .Albur |iierque, e por
is.-o nao tenho neceasidade de mudar de
chefe, urna vez que este- quem tem tra-
balhado para o engrandecimruto do parti-
do liberal, e a quem se aii iquilla ment.
Bom Jardim, 1.' de Maio de 158I.
Prnw FeliciiiiD da Fonseca.
dor de meninas: diz-se perseguido pelos con
senadores a quem j se quiz vender por urna
subdelegada e por quem foi regeitado como
mercadura avanada; diz-se perseguido por
mim que nenbum interesse tenho em prejudical o
oem o de tomar urna vioganca porque soberana-
mente o desprezo, nem o de tirar-lhe o conceito
publico porque deste elle nao gosa
Disto mesmo est convencido o Sr. Duarte ;
se diz o contrario para embar a boa f publi-
ca como embaiou a contianca d'uma pobresinba
para roubar-lhe o seu nico bem a honra.
Se a justica deste termo merece alguma cen-
sura de ter acordado to tarde : desde que
aquelle senhor como suodclcgado desta eidade
iniciou as suas ignobeis proezas que a justica
devia ter despertado para chicotear-lhe a cara
cun o latego da le. Mas nao se lc\a impune-
mente urna vida de assaltos constantes u honra
das pobres raparigas, soou a hora da punir, e
a justica do Cabo dir se trata d'uma perse-
guicao ou se pelo contrario de punir um crimi
noso que se tem tornado credor de severo
castigo.
Cabo, 14 de Maio de 1889.
Crispo Correia Crespo.
Ao publico
Acostumado a considerar o
major <'arlos l.eitao de Albuquerque co-
mo um correligionario de prestigio real
n'esta comarca, onde dirige com aptidao,
tino e inexcedivel d'dicacSo os negocios
do partido liberal, en nao pude deixar de
sorprebender-me com a nomeacao que ap
prouve ao directorio da capital fazer, sa-
grando como chefe o ineu respeitavel ami-
go coronel Manoel de Faria Macicl.
Se certo que este oecupou no partido
liberal desta comarca um lugar muito sa-
liente, j pelos seus relevantes servicos,
J pelo seu carcter e posicSo, tambem
incontestavel que, de ha alguns anuos
esta paite, retrahio-se do movimento poli
tico, nunca se oppoudo direccao do ma-
jor Le to.
Acredito mesmo que o coronel Maciel
nSo pretendendo tal posicao, tn sorpre-
hendido com aquella, noiueay'Io, e assim
continuar a ser solidario com os liberaes
de Bom Jardim.
Joao Guilherme de M. Coutinho.
Bom Jardim
%o partido liberal de Peraam-
bueo e ao seu directorio
Os abaixo assignados, leudo no Jornal do Re-
cife, de 14 de Abril corrente, urna publicaco
firmada por Antonio Manoel de Farias Lei'e, na
qual, em seu nome, de sua familia e amibos de-
clara applaudir a direccao que o tenente coro
nel Manoel de Farias Maciel, lera dado ao par
tido liberal de Bom Jardim. sendo com o mes-
mo Maciel solidario na altitude pe acaba de
tomar sobre a futura candidatura Jo Dr. Pedro
Beltrao, protestam contra essa inopinada adbe
sao ao Sr. Antonio Maooel de Farias Leite, na
parte referente aos abaixo assignados, pois que
nao o autorisaram para fazel-a: visto como ha-
ra abandonado a poltica liberal abstendo se
completamente dos pleitos eleitoraes, desac o
anuo de 1881.
Como liberaes desojarais que baja cohesito
uessa poltica, mas, em face do actual t-stado de
eousas estamos dijpostos a mauer autonouiia,
e por isso nao proljl-amos indagar, se o Sr.
tenente coronel Faria Maciel que dirige a poli
tica liberal d'ora em diante, ou se contina a di-
rigil-a o major (arlos l.eito.
Queimadas de Bom Jardim, 30 de Abril de
1889.
ta Maia, C. Dubeux, M. J. Costa Bamos J. Luiz
dos Santos, A. B. Coutinho, Eugenio t:. Ayres.
Graciliauo O. C. Martins, A- Botelho Andrade,
J. O. Borges. f. Duestano F. Coelho, Dr. Jos
Magalhes Bastos, Pbilemon Beslier, Datniao
II. Vasconcellos, Bomualdo S. Braga, Jos L.
Bourgard. L. J. B Pinbeiro, M. Medeiros, Jos
O. Bastos, J B. Piuto, J. O. Almeida, Candido
A. Sodr da Motta, Arthur S. da Motta, F". Flo-
ro Leal, J. M. V. Seixas, E. Feuton, Dr. A. Cos-
ta Gomes, E. Amstein, Geremias A. Mello F.,
Dr. Miguel J. A. Castro, Jos Burle, K. Wal-
liday, A. L. Bodrigues, Jos A. B. Lima, A. B.
Tavarcs Cordeiro, A. Araujo Santos, M. Carpiu-
leiro Prez, Pedro J. Pinto, Jos M. Torres Cas-
tro, Antonio Samico L. Mello, Hermes Dias Per-
nandes, Sebastiao G Brito, Dr. Mello Gomes,
Ltvino J.' astro.
Conforme o convite receido, foram destina-
dos para representar esta instituicao nos feste
jos da eidade de Olinda pela inauguraeo da
Estatua da Liberdade os lllms. Srs. orador i*
secretario e thesoureiro.
flerias:
Foram recebidas as seguiotea que se agrade-
cen] aos oflerentcs:
48 volumes de obras diversas e 17 nomeroi
da revista Ilustrada as Colonias Portuguesa! pelo
Illm. Sr. V. Tavarcs, digno cnsul de Porlu-
gal : Art de faire le beurre et les meitleurs
Fomnages, pelo Illm. Sr. A. J. B Vianna ; A Er-
mida de Castromino, pelo Illm. Sr. J. S. Carnci
ro ; varios nmeros do Diario de Noticias (Porto)
e 1" nmeros do Charivari revista huuiurisiica,
pelo Illm. Sr. M. da S. Oliwira, 17 volumes en
cadernados do peridico inglez The IUustnt-d
f/yndon News, pelo Illm. -r. Jos de Vascon-
cellos.
Besolveu-se ofllciar ao conselbo deliberativo
propondo para socio honorario o Illm. Sr. ips
de Vasconcellos em rirtude do % i" do art. 21
de nossos estatutos.
Nao bavendo oulrd assumpto a tratar o Illm.
Sr. director en erra a sesso a 1 1,2 hora da
tarde.
. Becife, 14 de Maio de 1889.
O 2* secretario,
Joao V. C. Alfarra.
Ao publico e ao commercio
Jos Fernandes Lima retirndose tempora-
riamente para Portugal dcixa encarcelados da
gerencia de sua casa de negocio, seu lilho Hen
rique Fernandes Lima e seus sobiinhos Antonio
da Costa Lima e Jos Pestaa dos Santos, e es-
pe-a que seus amigse fregueces continuarao a
di.-pensar-lhe a mesma prolecgao que se teem
dignado at o preseuti* presttr-lbc, eertat de
qneem seus encarregados eocunlrar&o o mesrae
acolliimenlo e siaceridade de que Paz uiaior
empenho nosso aotigo e coiiliecMo e^iiJieleci-
mento.
Recife, 13 de Maio de 1889.
a de Oli-
Joao Al vea
COMMERCIO
--
Revista do Mercado
Rectfe, 1") E MAIO OE 1889.
Foi anda pequeo omovimentc
No mercad de cambio> |iouco foi feito.
tabella de 26 3.4.
Canibi
Os bancos mantiveram a
sem acharem tomadores.
Em papel particular "ffectuaram-se pequeas
iransacces a 27 d.
Ne Bio todos os bancos saccaram a
TABELI-A8 AFFIXADA8
27 d.
Victoria
Parti boje dessa eidade para essa capital, alim
de seguir no vapor americano .lvame, para a
provincia da Babia o Em. Sr. rommendador
Dr JoSo Bernardo de Magalhes, ex juiz de di-
reito desta comarca, e ltimamente nomeado
desembargador do Venerando Tribunal da Uela-
cao da Babia, sua provincia nat;i
"*. Exc. foi juiz de dir ito d sta comarca onze
annos e quasi quatro m-v s, e na distribuicao
da justica soube elevar se lao alto, que captivou
a estima e consiJerai;ao grral.
Bons ventos conduzam S. Exc. a sua provin
ca natal, e do alio |da imprensa felicitamos ao
Egregio Tribunal da Belaco da Bahia, pela
acertada nomeaco de S. Exc, paraldeinbro
doquelle tribunal.
Victoria, 15 de Maio de 1889.
.Vui/os rictorienses.
Seguro maritimo do \apar
Vil le de Victoria
H. Burle C. rogam as companhias de seguro
aqui estabelecidas. que tenham segurado quues-
quer mercadorias embarcadas com destino a
este porto no mez de Dezcmbro de 1884, no va-
por francez Ville de Victoria, da companhia dos
Cbargeurs Beunis, mettido a pique no ancora
douro de Lisboa a 24 de Dezcmbro de 1884 [telo
cncouracado inglez 8/taa,ae dlrijam aos abai-
xo assignados. no prazo de 8 dias. atlm os esclarecimientos precisyis -obre a quota que
Ibes toca da indemnisaco concedida nos segu-
radores pelo governo inglez
Recife.ll de Maio de l.
//. bor'c Bolsa
nos cou
TAgoKS OFFICUES DA JISTA
RETOBES
Recife. lo ae Maio de /SS9
Cnrabio sobre Rio Grande do Sul, 00 d v. na
razao de 8 0/i)ao anno de descont.
Cambio sobre S. Paulo,60 d/v. cora 1 1/2 0/0 de
descont.
Cambio sobre Para, 30 d v. com 3/4 0,0 de des-
cont.
Descont de letras, 8 0,0 de desmonto ao anuo.
Xa Bolsa
OfTereceram
59 obrigacOes prefereociaes
do hyppodromo do Campo
Grauae, do do valor de 2005
e juros de 8 '
Vender Comprar
1951 190^000
O presidente,
Candido C. G. lcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux
Sem vendas.
Algodo
A exportaco feita pela alfandega ueste mez
i o da 11, attingio a 610.785 kilos, sendo...
at
591.004 para
"ior.
o exterior o 39.781 para o inte-
As entradas verincada.s al a data Je boje, so-
bera a 6 519 saccas, sendo por:
Barcacas
Vapores .
Animaes ...
Via-ferrea de Caruar.
^ia-frrea de S. Francisco.
Via-frrea de Limoeiro
Somraa
1.575 Saccas
i:o
2592 -
SM
418
1 190 .
6.519 Saccas
Assncar
Os precos pagos ao agricultor, per lo ki
undo a Associajao Coranv rcia! Agrcola, foi ara
os seguintes:
Branco?.....
Someio
Mascavado purgado .
bruto.
Relame.....
11300
n
a 4 000
*200 a 2*:X)
U800 a 23000
11700 a 1^800
U500 a U600
A exportacSo,-feita pela alfandega oeste mez
ateo da 12, subi a 1.71/.204,5 kilos, sendo.....
908.082 para o exterior e 809.122,5 para o inte-
rior.
As entradas verificadbs at a data de hoje, so
bem a 21.043 saceos, sendo por:
Barcacas .... 3-760 SaCCO.'
Vapores..... ...... *
Jos de Ariinatha Costa Pontos. J
Escrivas
As Exmas. Sras. :
D. Jovina Gomes Mofeira.
D. Olindina esposa do Sr. Antonio Mariuho
Faicao.
D. MalbiLies l.olw da Silva.
Escrivaes
Os lllms. S s.:
Alferes Manoel da Cunda SaMuflli.
Silvino Jos ue Mello.
Capituo Francisco Flix de Melio.
Mordoinas
As Exmas. Sras.:
D. Josepba Mara da Conceico.
D. Olymiua Mara du Espirito-Santo.
D. Mara jcronyma da Conceico.
D. Olindina Senhoriuha de Carvalho.
D. Emilia Joveatina da Silva Sampaio.
D. Mara de Paiva Ferreir.
D. Rutina Galdina dos Santos.
D. Theodora Joaquina Macario.
D. Amelia Ernestina de Almeida Albuquerque
O. Mara Fernandes Soares da Suva.
D. Joaquina Izidoria da Silva.
I). Leonidia Flaviauu ib osla.
D. Thereza Francisca de Jess.
D. Guilhermina Maria Rodrigues.
D. Joviniana, esposa do *r. Jos.' l'iancisco Hil-
arle.
D. Invita, esposa do Sr. Brzi'.oo Marcelino de
ouza Pinto.
r. Tila, esposa do Sr. liysses fragoso de AIIhi
qnerque.
D. Anna. esposa do Sr. LcijWKi Jos Dias Gui-
mares.
D. Auna esposa do Sr. Dr. J".'- Vieaule da Sil
va Costa.
D. Maria, esposa do Sr. Aliiedo lV:ia:ides Du
arte.
D. Mara, esposa d) Sr. Jos Joaquim de Sania
Anna.
D. Francisca, esposa do Sr. Angelo Barbosa da
Fonseca.
D. Severi'ia. esposa do Sr. Joo E loartlo da Bo-
cha.
1). Julia, esposa do Sr. Jos Vicente Fe reir.
I) Zulinira. esposa Jo Sr. Joaquim FraUCJSCO de
Vasconcellos.
D. Zozina
veira.
D. Frcdo1.
da Silva.
D. Gcnesia. esposa do Sr. Antonio Assis de Bar-
ros.
D. Hermiiia, esposa do Sr. Antonio Alexaudri-
no da >ilva.
D. Francisca Xavier da Silva.
D. Amelia Querubim.
Mordomos
Os Illm-. Srs,.
Joo Pedro dos Santos Cruz.
Juvencio Baziliano dos Santos.
Rulino Fcrreira da Costa.
Jos Simplicio de S Estevcs.
Antonio Soares Pinto
Joao Annberto Lopes.
Jos Hosana Ferreira da Silva.
Manoel Feneira.
Jos Severo dos Santos.
Juvencio de Almeida Lima.
Manoel Muaiz lavares.
Ildefonso Florencio da Costa Ribeiro.
Manoel dos Santos Costa Jnior.
Guilherme Ferreira da ruz.
Augusto Honorato de Miranda.
Guilherme Luiz ue Franja.
Manoel Domingos da Silva.
Francisco Antonio de Oliveira.
Emilio Al ves Accioli.
Manoel Maxiraiauo de Souza.
Manoel Joaquim Uaptista.
Rodrigo da Silveira Pinto.
Antonio Bora Fim Ferreira.
(Jbiii.io da Assumpco Silva Gomes.
Frim isco de Araujo Barros.
Cai'iiio Francisco Jos da Costa.
Ai- "lio Joaquim Jos de Sant'Anna.
Jo ,.uim da Costa Leite.
11 i Pessoa Heves.
Bazilio das Virsens Bamos.
Lyuio de Oliveira.
Mauoel Moreira de Souza.
Consistorio da irmandade de Nossa Penhora
do Bom Parto, erecta em S. Jos de Riba Mar.
em 8 de Maio de 1889.
0 secretario,
Julio Constancio Fe-reir da Silva.
Pro-pa rocho.
Padre Vicente de Moura e Vasconcellos.
Elevan
DOS DEVOTOS E DEVOTAS $D2 TE1I l>E FES-
TEJAR A VIRGE.H DO IOM P.4KTO SO UIA
8 DE SETEMBRO SA OREJA DE S. .FOSK
DE RIBA MAR NO CBRENTE ANNO. .
Juiza por elcico
A Exma Sra. D. Maria Luiza Lins de Azevedo
Costa, esposa do 1 tenente Ignacio Luiz de
Azevedo Costa, commandante da compauhia
de aprendizes mariuheiros.
Juizas protectoras
As Exmas. Sras. :
D. Argemira esposa do Sr. Manoel Mura Res.
D Olindina esposa do Sr. alferes Faustino dos
Santos Costa.
Piofessora D. Waldelrude- Primitiva da Silva
Ramos.
Juizes protectores
Os lllms. Srs. :
lievm. conego Antouio Eustaquio Altes da Silva.
Revm. frei Augusto da Immaculada Conceico
Atoa.
Major Jos Elias de Oliveira.
Juizas por devofito
As Exmas. Sras :
D. Braziliua esposa do Sr. Dr. Manoel Arplo
Ferro.
D. Autouia esposa do >r. Maooel de MiJeiros
Benevides.
D. Anua esposa do tunele Augu-.io da Suva.
Juizes por devogo '
Os lllms Srs. :
Bevm. pru-parocho Vicente de Moura Vascon-
cellos. ... ,
CommendaJor Jos Francisco de S Leitto. D. Luciana Felizarda
Eleifao
Dos devotos que tem de festejar <> Glo-
rioso S. Benedicto, no convento dos Re-
ligiosos Franciscanos do eidade do Re-
cite, no anno coniprumissal de 1888 a
1889.
Presidentes por eleicjlo
Os lllms. Srs.:
Cemmendador Jos de S LeitSo.
Tenente Bernardo DamiSo Cavalcante Pes-
ada.
Alferes Joo Ferreira de Lima Filbo.
Francisco Bazilio Carneiro da Cunta M
randa.
Francisco Flix de Souza.
Antonio Francisco de Paula Perreira.
JoSo Irtersky.
JoSo Nefonte Antero Babia.
Presidentas por elcico
As Exmas. Sras.
Bodrigues
de Al-
meida Lopes.
D. Julia Maria da Conceiflo.
D. Amulia Francisca da < ruz.
D. Rita Maria da Concei'yo.
1). Esperanca Luiza de Souza.
D. Emilia Maria da CunccicSo.
D. Joaquina Jos de Sant'Ann;..
). Guilhermina AI ves da Silva.
D. Auna Sopbia de Albuquerque.
D. Euphrosina Maria Alves.
D. Maria Senhorinlia da ConeeieJto.
Viee-presidentes por eleicSo
Os lllms Srs. :
Muximiuno t-'orroia Gomes.
Lmiriano Jos de Sant'Anna.
Estevlo Jos Coelho.
Antonio Jo2o de Oliveira.
Mariauno Marques Ferreira.
Militao Fernandes da Costa.
Joaquim Jos de Sant'Anna.
Vico-presidentas por eleieao.
As Exmas. Sras. :
D. Benedicta Maria da Conceicjlo.
D. Rita Maria da Concei^.lo.
D. Gatharina de Senna Barros.
D. Alcxandrina Maria Monteiro.
D. Maria Francisca da Conceico.
D. Auna Joaquina da ConceicSo.
Presidentes por devoyao
tJs lllms Srs. :
Antn o Jos Loulenco.
Alvaro le Cordova arneiro da Silva.
Espndilo Lino da Costa.
Manuel Moraes de Souaa.
Daciano Francisco de Barros.
Manuel Jaciatho de Sant'Anna.
Presidentas por devoeao
As Exmas. Sras. :
D. Joauna Bapti^ta Ferreira da Penha.
D. Maria Francisca Res Menezcs.
D. Graeiliana Cabral.
D. Albina Igner. de Souza,
D. Jovita Mana da Conceico.
D. Senhorinha Maria da ConceicSo.
Vicepresidentes por devotjSo
Os Illmos. Srs. :
Ignacio Sobreira de Mello.
JoSo Francisco dos Santos.
JoSo Ferreira dos Santos.
Joao Alexandrino do Santos.
Manoel dos Prazores.
Albino da Silva Britto.
Henrique Satyro Fernandos Lopes.
Egmidio Gonealves de Azevedo Tavarcs.
Faustino Antonio da Tnitdade.
Custodio Manoel Tbeodoro.
Vice-presideutas por jdevocao
As Exmas. Sras.:
D- Antonia Maria da ConceicSo.
D. Rita Joanna Daniel da i'onceiyo.
D. Pacifica Maria da Costa,
D. Maria do Espirito-Santo,
Secretarios
Os lllms Sn.:
Manoel Severino da Hora Martins.
Jos Marcelino dos Santos.
Eugenio Ciispim do Xasciinonto.
Leonardo Emilio de Holianda.
Joao Felismino de Andrade.
Antonio Louren^o.
Cyriaco Ferreir. dos Santos.
Benedicto Jos Alves.
Zefcrino Jos Maia.
Secretarias
As Exmas. Sras. :
D. Joanna Tranquilina de Lima.
D. Anua Joaquina da ConceijSo.
D. Catharina Maria da Conceico.
Mordoiuos
Os lllms Srs.:
Juvenal Jacintho de Sant'Anna.
Honorato da Costa Faicao.
Joao Vicente dos Santos.
Luiz Francisco da osta.
Firmo Manoel Estevao da Hora.
Mordomas
As Exmas. Sras. :
D. Antonia Maria da Conceigao .
D. Cleinentiua Maria da Conceico.
D. Joanna Valeria de Souza.
Secretaria da Contraria de S. Benedicto,
13 le Maio de 1889.
Manoel Secretario.
Fr. Paulino da Soledad:,
Guardiao.
Mudanca
M. 313
alwaparrilhM de Hrintul
Os venenos das entninhas da ierra e eraprega-
dos como remedios maam annualmente mima-
res de pessojas.
A propria plvora e as balas nao sao nem na
metade to morliOras.
A Salsaparrilha de Bnstol est inteiramente
isenta dessas maldiooesdo genero humano, cha-
rnadas-^especilicos mineraes.
Setfs aeessanb's uiumpliosatrav? do espaco
le ;io annos sobre as escrfulas, cancros, erysi*
pelas e elandulas, s se devemao reino vegetal.
E' o nico rem dio preparado pelos homens. que
desarraiga do systeina o virus das enfermidades
maiijuas, e ao mesmo lempo restaura e fortifica
a 'oustituicao physica.
Aos debis da iorcas. aos ancios vida, para
os Qjae sofram om balsamo suavisador e santo,
para os abatidos d.' animo um elixir vivificante,
para as pessoas do bello sexo um auxiliar per-
petuo em todos os seus incommodos especiaes,
e para todos o remedio mais efficaz e inofen-
sivo outorgado pela sciencia, para o allivio e
preservarlo dos soffrimentos humanos.
Acha-se venda em todas as principses bo-
ticas e lojas de drogas.
Grande concert musical
As discipulas do maestro Euclides Fonseca,
que cslSo promovendo-lhe um concert, avisam
s pessoas que se dignaram deacceitar convites
para o memo concert, marcado para o dia 16.
que nao pode elle effectuar-se nesse dia e sim a
l, porque tendo escomido o thealro, e sendo ne-
cessario proceder-se alli cerlos reparos como
tejaos o assoalho de toda a platea e outros, nao
podem estes ser executados seno-^depois dos
festejos que vo ler lugar no mesmo thealro no
da l:> do corratee uos sequentes.
Asmesmas dis soas que enviaram os convites sao as competen-
tes para receber as respectivas esportulas.
O abaixo assigoado testa-
menteiro e inventaran te de
Jos Gonealves da Fonte.
tendo este deixado em verba
testamentaria eincoenta mil
reis para eada um dos seus
afi I hados que se hbil itarem;
a\ isa-os pelo presente para
que no praso de 5 dias com-
parecam com suas certidoes
de baptismo para -seren de-
vidamente attendidos as
respectivaspartiltffi que vao
ter lugar no respectivo inven-
tario perante o juizo da pro-
vedoria, cartorio do escrivao
^'eiga.
Recife, 9 de Maio de 1889.
Bardo de Casa Forte
% coqueluche e o Pcltoral le
(ambara
A. Laberty, promovendo a raudanca de seu
estubelecimeuto da ra do Cabug para a Praga
da Independencia n. 34. tem transformado dito
csiabelecimentoemofliciiia de relojoana e lune-
taria, eo4e poder, com todo o empculio de sua
arte, corresponder a todo e qualquer concert
por mais engente que seja. por achar-se prvi-
do de artefactos concerneutes a mesma arte;
podeudo, portanto. continuar a ofl'erecer a seus
numerosos freguezes e amipos sen prestimo.
certo de que par da sinceridade acoaro mo-
dicidadc nos precos
Ao 111
Animaos....
Via-ferrea de Caruar.
\ia-ferrea de ?. Pnmeisco.
vaberrea do Limoeiro
Soturna-
I.3:
8 158 .
O'i'i
Jl 0*3 Saccw
Agurdenle
:ota-se a *)M)00, i>or pipi le tft.1 litros.
Alcool
Ultimas venJas, 1651000 le iSO li-
Iroa.
tfel '
Cota-se a 30J0OO por pipa de iSO tinos.
Cou ros
A cotacio dos salgados regtfta 373 ru e do
verdes 203 res.
I*aul;t da alfaudcga
sf.uana ifcl3 18 nr. maio db 18-9
Vide o otario de lide X'aio
A'avis carga
Lagar porlogues Temerario, para Porte.
.navios a desear^;.':
Barca nacional Maria Angelina, xarque.
Barca norueguense Dagnuir, ca 3c
Barca nacional Marianninh-., xarguc.
Barca ingleza Rose of Devon, carvao.
Baa norueguense rremai, carvao.
Barca noruegense Elektra. >arvaO.
Barea norueguease Forkma, carvlo.
Lugar inglez Atirt, varios gneros.
Pataclio naspanbol iocoi Pura, xarqoe.
PitaclK) bollandez Engctta. xurque.
Patacho norueguense Amnvani-, carvo.
Patacho allemo Antn, xarque.
lauporlaeao
Paquete nacional Vernimbv. los por
tos do norte em 15 do com -nado a
Pereira Carneiro & C, raanifestou :
Barricas vazias 40 volumes a Amorini IrniQos
AC.
Barris vacos 140 a Manoel Marques de Oli-
veira.
Ferragens 2 volumes a Ata stein 4 C.
Milho 500 saceos a Ferreira Rodrigues 4 C.
Pipas vazias 10 a Araorim IrmSbs C II a
Manoel Marques de Olive
Tapioca 4 paneiros i Rodrig
Safra Vi rolos a IFi a Silva
4C.
2&por(aco
RKCIFH, 14 DR .MAIO l)K lS8i
Vara o exterior
o vapor inglez Victoria, carregarara :
Para Bltica, Borstelman 4 C. 41 lardos com
6.34 kilos de algodao.
No vapor americano AUianca, carregou:
' ara .New-York, lossbacli Brothers 25,615
pe les de cabra.
No lugar pormguez Temerario, i-arrega-
ram :
Para Lisboa, P. Carneiro 4 C. 200 couros sal-
>ju!os com 2,i00kilos.
Para o Porto. A. C. da Silva ls6 couros csd-
chaaos com 882 kilos ; Amorira Irnites -> C. 300
saceos com 22,300 kilos de assucar branco e 250
ditos com 18,750 ditos de dito mascavado ; S. B.
Aiuonra 4C. 4 barricas com 120 kilos de caf.
Para o interior
Xo xapor nacional Pernambueo, carrega-
ram :
Para Rio Grande ci Sol, P. Carneiro & C. 250
saccas cora 9,<51 kilos de algodao.
Para Rio de Janeiro, P. Carneiro & V,. 150 pi-
pas com 72,000 litros de agurdente ; J. Antonio
de S 290 saceos com 17,400 kilos de assucar
branco e 172 ditos com 10,320 ditos de dito mas-
cavado : A. de Oliveira Maia 23,000 cocos,
fructa ^ ,
Para Bahia, A. Guimares 20 barricas com
2 160 kilos de assucar branco.
No vapor nacional Una, carregaram :
Para Rio de Janeiro, Amorim IrmSos 4 C. 50
pipas com 24,000 litros de agurdente e 50 bar
ris com 4,800 litros de mel ; M. Menezes 1 pipa
e 6 baTis coai 950 litros de niel; J H Boxwell
.14 pipas com 15,320 litros de agurdente : P-
Valente 4 C. 100 saccas com 9,066 kilos de algo-
dao.
_ po vapor americano Ailtanca. carregou :
Para Para, C. F. Martins 200 barricas com
18.600 kilos de assucar branco.
No vapor nacional Maranho, carregaram :
Para Para, P. Carneiro 4 C. 600 volumes com
36,120 kilos de assucar branco.
Na barcaca Divina Providencia, carrega-
ram :
Para Aracaty, P. Pinto 4 C. 77 barris cora
3,600 litros de mel.
Na barcaca Aurora de Maco, carregaram :
Para Ceara. Amorira Irmos 4 G, 100 barris
cora 9,600 litros de mel.
Rendiiaentos pblicos
HEZ DB MAIO
Alfandega
337:456*269
31:900*312
m. Sr. Dr. Carlos Bit-
te i ico urt
Gratido
Veulio do alto da iiuprensa cumprir um dever.
Sottreiido ha annos de um estreitamento la
urethra e procurando cural-o era nimba provin
cia natal, Rio Grande do Norte, me foi rapo-
sivel.
Yindo. porm, para esta capital, consegu
reslabeleccr-me de lo atormentadora molestia,
sendo operado pela eloctrolvse, devido ao zelo
"pericia do illustie Sr. Dr. bittencourt. Beti-
rando-me para a miuha provincia, perfeitamen-
te restabeleeido, cumpro um dever agradece i-
do-lhe: pece-lhe desculpa se cora estas linlias
off< udo a sua modestia.
Recife, Si de Abril de 1889.
Sdnno Ernesto da Silva Costa.
Renda provincial
Do dia la 14 33 785*514
dem de 15
2 8275104
36:6125618
Sarama total
seccSo da Alfandega,
405:969*199
15 de Maio de
Segunda
1889.
8 thesoureiro Merend Domingues.
chefe da secglo Cicero B. de Melle.
Hccebedoria Geral
Do dia I a 14 21.974*203
dem de 15 2:345*365
24:219*570
Recebedorla pr^rVlnclal
Uo dia I a 14 11:759*392
dem de 15 882*975
12:642*567
KccJfc I ral a age
Do dia la 14 3:187*864
dem de 15 1835639
Ren.ia geral
Do dia 1 a 14
dem de 15
639:356*581
3:371*203
Mercado Uuuit-ipal le S. Jos
O movimento deste ^mercado no dia 14, de
Maio foi o segrate :
Entraram :
32 bois pesando 4,917 kilos.
914 kilos de peixe a 20 res 18*280
90 cargas com farinha a 200
ris 18*000
12 ditas com fe i j lo a 200 ris 2*400
4 ditas com milho a 200 ris 300
8 ditas de fructas diversas a 300
ris 2*400
20 laboleiros a 200 ris 4*000
14 suinos a 200 ris 2*800
20 matulos com legumes a 200 ris 4*000
Foram oceupados :
581/2 columnas a 600 ris 175100
1 escriplorio a 300 ris 300
24 compartimentos de farinlia a 300
ris 12*000
25 ditos de comidas a 500 ris 12*500
79 ditos de legumes e fazendasa400
ris 31*600
16 ditos de suinos a 700 ris 11*200
9 ditos de fressuras a 600 ris 5*40d
35 talhos a 2* 70*000
Rendimento dos das 1 !3do
rente
Foi arrecadado liquido at hoje
cor-
212*780
2:493*120
2:703*900
Dois netinhos da respeitavel matrona, a
Exma. Sra. D. Maria Jos Rodrigues Bar-
cellos, moradora em Pelotas Rio Grande
do Sul, estavam atormentados pela coque-
luche, sem obtterem allivio com o trata-
mento do seu Ilustre medico. Um dia a
dedicada av deu-lhes o Peitoral de Cam-
bar e ficou surprehendia com o esplendi-
do resultado do medicamento.
Chamamos a attencao do leitor para o
segrate attestado firmado por aquella dis-
tineta senhora:
A abaixo assignada atiesta, a bem da
Iminanidade, quo tendo sido, em Uezembro
passado, atacados do coqueluche seus ne-
tinhos, Antonio c Dejauira, e sem terem
podido obter allivio com o tratamento de
seu Ilustre medico, deu-lhes o conhecido
Peitoral de ambara do Sr. Jos Alvares
de S. Soares e, com quatro vidros deste
efficaz remedio, ticaram completamente
restabelecidos do terrivel soffrimento.
Mara Jos Jodrigues Barcellos.
Precos : frasco 20500; 1[2 duzia 130;
duzia 240.
Vende-se em casa dos ageutes Francis-
co Manoel da Silva & C, ra Mrquez de
Olinda n. 23, e em todas as boas pharma-
cias e drogaras desta capital.
Precos de dia :
Carne verde de 240 s. 480 reis o kilo.
Carneiro de 720 a 800reis dem. ^
Suinos de 560 a 640 reis idem.
Farinba de 560 a 720 reis a cnia.
Milho de 800 a 900 reis idem.
*ff'Jn de 800 a i *20J idem.
Slatadouro publico
Neste estabelecimento foiam abatidas
consumo de hoje 101 rezes
sos marchantes.
para o
pertencentes a diver-
Tapores a entrar
MEZ DE MAIO
Europa....... Ville de Pernambueo 16
Norte......... Advance.......... 16
Sul........ JfaranMo......... 17
Sul........... Aliiaiifo.......... 18
sul........... Uamburg.......... 23
Norte......... Para............. 23
Europa....... La Plata......----- 25
Sul........... Neva............. 26
8ul........... Alagos........... 27
Norte......... Fin-nce........... 30
Sul........... Advance......... 30
Vapores a sabir
MEZ DE MAIO
Santos e esc. Viilt de Pernambueo 17 as 4 h.
>antos e esc. Advance.......... 17 as 4 h.
Manos e esc. Maranho......... 17 as 5 h.
New-York ... AUianca.......... 19 as 4 h.
Rio e esc Poro............. 23 as 5 h.
Montevideo .. La Plata.........25 as 4 h.
Antuerpia .. era............. 26 as 4 b.
Manos e esc Alagos........... 27 as 4 h.
.antos e esc.. Fin. nce .......... 30 is 4 b.
New-York.. Advance......... 30 as i h.
'
Movimento do porto
Navios entrador no dia 15
Manos e escala t2 das vapor nacianal Per-
nambueo de 1999 toneladas, commandante
Francisco Antonio de Almeida, equipagem 60,
carga vanos gneros, a Pereira Carneiro 4 C
Parahyba- 1 da, vapor inglez 'Sculptor de 850
toneladas, commandante W. N. Adshead,
equipagem 26, carga varios gneros, a Jobns-
ton Pater & C.
Navios sonidos no mesmo dia
Rio de Janeiro e escala-Vapor^nacional Pernam-
bueo, commandante Francisco Antonio de Al-
meida, carga varios gneros.
Rio Formoso e Tamandar Vapor nacional
Mandahu. commandante Alcides de Albuauer-
que, em lastro.

.
-



/
U


Diario de PernambueoQuinta-feira 16 de Maio de 1889
o

Aviso a nuestros lectores
Loa de nuestros lectores que vayan a
Paris mientras la Exposicin dt 1889, es-
tn ya avisados que podran leer los lti-
mos ejemplares, rectibidos en Paris, de
nuestro peridico, en la oficina de nes-
tres corresponsales los Srs. Amde Prin-
ee y \, 36, ru Lafayette, donde pueden
baceree dirigir toda su correspondencia,
pedir informes, dar ordens de c impra,
etc.
Pero, avisamos .1 nuestros compatriotas
que ademas del servicio instalado en su
oficina 36> ru Lafayette. los Srs. Am
de Prince y C. han orgonizado un otro
gabinete de lectura y de informes en la
Exposicin misma, en el Pabelln de la
Repblica de Guatemala, en donde el Sr.
comisai io general a ptesto a la disposicin
de dichos Srs. uua grande sala cou ter-
rado.
Aeonsejomos vivamente a nuestros ami-
gos lectores que vayan a Paris, de hacer
ana visita a la casa Amde Prince y C,
tanto en su residencia, 36, roa Lafayette,
orno en su instalacin en el Pabelln de
Guatemala de la Exposicin, que resulta-
r, ser por el hecho do las extensas rela-
ciones de nuestros corresponsales, el cen-
tro de reunin de los numerosos estrange-
roe presentes en Paris.
(1)
sr-
Herui. Petersen & C.
Reichenstr 29/31
IliHHIIHCO
Participan] nos seus numerosos amigos que
jjara facilitar aos compradores de ultramar tem
completado em sua casa um rico sortimento de
amostras de todos os artigos allenies, o que re-
ommendam aos seus amibos que acabam de
visitar a Europa.
Aviso tus nosso* leUores
Os nossos leitores que visitarem Pars
durante a Exposieao de 1889 j sabem
que poderSo 1er os ultimas exemplares do
nosso jornal ehegados aquella cidadeno es-
criptorio dos nossos correspondentes, Srs.
Amde Prince & C, 36. ra Lafayette,
onde podem mandar dirigir qualquer cor-
respondencia, pedir quae^quer informacoes,
dar ordens de compras, etc.
Alin d'isso, levamos ao couhecimento
dos nossos patricios que afora o servico esta-
belecido no escriptorio da ra Lafayette,
n. 36, os mesmos Srs. Amde Prince A
C, acabam de organisar urna sala de lei-
;ura e de inforiuacftes na ExposicSo mes-
ma, no pavilho da repblica de Guate-
mala' cujo commissario geral dignou-se de
por graciosamente urna vasta sala com
varanda s ordens dos nossos correspon-
ientes.
Aconselhamo mu vivamente aos nos-
dos amigos e leitores que se acharem em
Paris, que visitom a cassi Amde I rince
A C. na sua sede social, 36, ra Lafayet-
te, bem como na installaoao que possuc na
Exposicilo no Pavilhao de Guatemala que
ha de ser, gracas s extensas relacoes dos
nossos coiTespondentes, o ponto da re-
animo dos numerosos estrangeiros residen-
tes em Paris.
--------1-------S8S>-----------------
Aguas alcalinas oiaeraes de Non-
dariz em Pontevedra, na Hes-
panba
ESPECIALIDADES
ara molestias de estumauo, laes como : dispep
sia gastralgia, catharro ehrenico do estomago,
ulceras simples,
Moleslias dos intestinos, taes como enfarla-
jiento do flgado, ictericia, clculos bilia.es, diar-
rba cbroica, etc., etc.
Molestias das vias urinarias, taes como: dias-
ieses-uricas, cathaTO vesical diabetes sacarina,
albuminuria e gotta.
as anemias, chlorosis, psoriasis, prunigos,
Jores artrticas e mutras umitas molestias.
As aguas alcalinas de Monlariz nascem de ro-
chas granticas na temperatura de 180 eentigra-
Jos, sao claras, incolores de cheiro parecido um
aouco aos de ovos cosidos, -abo;- alcalino, pro-
iazindo um ligeiro sabor picante na occasio de
*omar-se. Ellas sao classificadas no numero
das alcalinas e bi-carbonatadas de soda.
Estas aguas achara-se venda no estabcleci-
xento do Sr. Antonio Alfonso SimOes, sito ra
Visconde de Goyanna n. i (quatro cantos), em
Boa-Vista, e no escriptorio do Sr. JoSo Ramos,
aa Praga da Ind*pende.a u. li
!/ Vas urinaria?, molest as do tero, .' \
operacoes eleciicas j
i s-a. caslos simccus H
(I ESPECIALISTA I'
!( com pratka >! >, pabis e lonobbs j |
{ Eslreitam/nto da uretbra .uredos ra- \ )
\ dicalmente pela electrolyse, sem dor; (J
j( hvdroceles sem incM)'"cura radicaD : ji
'< fe'i idas e ulceras cbrotiieus, com gano < \
( tia de cura rpida : pedns da hexiga. ( )
!j fstulas e bemorrhoiuas ; sypliHis, go- ( i
) norrhas, pelomethododjsnstill.ic.'*-. M
i molestias da garganta e do peitn netas )
J athmospberes medicamentosas. oo- U
!( snltas e operages das 1 as 3 boras la i
{ tarde- i \
[ REA DO MRQUEZ DE OLINDA X. 31, (I
| j ANDAR ()
/ i nesldeufia na Torro \
Mudanza de residencia
O profebsor de inglcz Mr. J. D. Dick,
(de Londres) avisa aos seus discpulos e
as demais pessoas detita cida^e ter mu-
dado sua residencia para a ua da Con-
quista n. 20, onde pode ser procurado
para leccionar pirticamente a lingua in-
gleza ; e que, Blo obstante'" esta altera-
yao, contina a manter regularmente o
curso que, para ensino da dita lingua, ti-
nha aborto no 1" andar da casa n. 4
ra Estreita do Rosara. Outro sim, que
tambem se presta a leccionar as Exinas.
familias em casas particulares; devendo
os interess dos se dirigirem aos lugares
cima indicados tratar com o mesmo.
Oculista
3CXX
Dr. Barreto 8kHl>aio. medico,
oculista, ex-chefe e clnica do
Dr. de Wecker, d consultas mei dia s 3 horas da tarde, no
1 andar da casa B. 51 na. do
I'.arao da Victoria, excepto nos
lomingos r- dias santirieados.
Rcsidcuciii na Sete de Setem-
bro a. S4. KiitraAi pota ra da
Saudade n. J">.
C i rn rg"i a o De o lis 1 h
DR. ROBERT P. RAWLIXSON, for-
mado pela 'niversidade de Maryland nos
Estados-Unid <. tcm aborto o seu consul-
torio, na rnaiBariodo Victoria 18, 1 aa-
dar.
Consultas da 10 s 4 horas da tarde.
1 Bacharel Antonio Win- j
vio Pinto Bandeira .
< Pode ser procurado ra do Imperador /
( I n. 1 i andar ( \
Dr. Firmo Xavier
Medico e operador
D consultas das II as i horas em seu con
1 andar e
em 1:0005000, para pagamento lo <|ue devcni
i mesma fazenda os herdeiros de Maiiod de Caf-
! xallio Paes de Andrade.
O predio u 15 a ra de S. Miguel, mediado 4
metros e 30 centmetros de largura, e 12 metros
e 50 centmetros de comprimento, cum porta e
janella de frente, 2 callas, 2 quartos. cosinha
fra, quintal cercado em parte e cacimba pro-
pria, avaliado em 200*000 para pagamento do
que deve mesma fazenda Joo da Cruz Esta-
nislao.
0 predio u. 133 na Estrada Nova da Varzea,
mediado 5 metros e 30 ceuiimetros de largura,
e 9 metros e 10 centmetros de comprimento,
sendo de laipa, com 2 janellas de frente r> porta
no oitao, 2 sillas,2quartos, cosinha fra e quin-
tal em aberto, avaliado por 30*000. para paga-
mento do que de\c mesma fazeada contra I -
ci Goocalves da Paixfto.
O predio de madeira in quintal urborisado
na estrada rto Ceulcrin n. 12 A, IVeguezia do
Poco, leudo i purtu e i janellas de frente, 1
salla I quario p cosinha leja de laboas; mc-
duido o predio 3 metros e 30 centmetros de com-
primento c, !> nieiios e V0centmetros de largura,
avahado em 300*i)00, para pagamento do que
deve mesma fazenda Carlos Of-Manx.
As rendas dos predios ns. 1 e 3 na ra da
Mi eta, em arm i/ n, avliadas em 21O00OO raila
um para pagamc.uo do que deven a mesma la-
teada os herdeiros do Vizconde do lavmroento.
outr'ora Eioil.a d'Assumpca > Tarares ila Cuaba
e outrns.
Urna armacao -on sen- uteasilios o. 1 pipa por
30*000, 1 cofre de Ierro por "MWO, .'llios oll-
jectos eslo no cstalioieciiiient,' n, t7 a ra Vis-
conde de labala o rao praca para pagamento
do que devg tnesaw Duenda Aluino Jos dos
Santos.
L'm cofre de ferro, ingles, em boui estalo de
eooservucao, avaliado em 80*000 l carleira de
aaMrailo com estante, avallada em 19*600 daas
ditas tambem da mesoM madeira, sem estantes,
avalladas em 10*000 cada una, cujos objectos
se acban no eatabelecioteato d ra da .Madre de
Deus e vao praca para pagamente do que de
veni a mesma fazeuda Soarcs do Amaral ic C.
Recife, 14 de Maio de 1889.
O solicitador da Fazenda Provincial,
Rolilio de Lima.
sultorio ra da Imperatriz n 30
tem sua residencia na cidade do Laoo, onae
de ser procurado das 6 da tarde as 9 da man
Frederico Chaves Jnior
Homoepatha
(39 BA BAR.le DA VICTORIA -39 J \
| I i'riin.io andar ) )
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com cspeciali-
dade de molestias de senhoras e creancas.
Consultorio e residencia ra da impe-
ratriz n 18, 1" andar.
Consultas de 8 s 10 da inanha.
Chamados (por escripto) qualquer hors..
TELEPHOXE S. 236
ED1TAES
O Sr. Dr. Serafm Aran jo
Dr. Serafim Jos Rodrigues de Ar.mjo,
formado em medicina pela Faculdade da
Mata, -avalleiro da ordem da Rosa, etc.
Atiesto que o Peitoral de ambara, pre-
parado pelo Sr. Jos Alvares de Souza
Soares, um excellente medicamento, em-
bregado com muito bons resultados, as
molestias broncho-puimonares. E por ser
verdade, passei o presente, que assigno em
fc do meu grao.
Dr. Serafim Pelotas.)
scrivo Reg Barros
Perante o Sr. Dr. juiz substituto dos
feitos da fazenda, Jos Salazar da Veiga
Pessoa, se vender em praca publica no
dia 17 do corrate mez de Maio, pelas
11 horas da manha, depois da audiencia
do mesmo juiz, os bens seguintes :
Urna casa terrea, de tijolo e cal, sita
ra da igreja da povoayao de Boa-Viagem
n. 11, com 2 portas e 2 janellas de frente,
2 salas, 5 quartos, cosinha externa e 1
saleta, quintal em aberto, pelo preco de
1:458^000, pertencente a irmandade de
Nossa Seniora da Boa-Viagem.
Urna casa terrea, de taipa, ra da
Matriz da povoa5lo de S Lourengo,
com 1 porta e 1 janella de frente, 2 quar-
tos, 2 salas, cosinha fra, edificada em ter-
reno foreiro, pelo preco de 150)5000, per-
tencente a JoSo Pedro de Barros.
Urna casa terrea com rancho ao lado,
sita no lugar denominadoIpotinga fre-
guezia da Varzea, com 1 porta e 3 ja-
nellas de frente e mais 1 porta no oitao,
com 2 salas, .'5 quartos e 2 cosinhas, e o
rancho coberto de telha e edificado em
terreno foreiro, pelo preco de 100)5000,
pertencente a Antonio Francisco dos Pra-
zeres.
1,'in rancho coberto de telha, sito no
lugar Barreiras de Camarngibe, freguezia
de S. Lonreneo da Matta, medindo 21
metros de frente e 18 de fundo, com 2
quartos das exlre,ndados do mesmo ran-
cho, tudo de taipa, pelo preco de 100|5.
p' rtencente a Jo3<> Francisco Borges.
lima casa terrea de tijolo e cal n. 97
sita as AreH, freguezia de Afogados,
com 2 portas de frente, 2 salas, 2 quar-
tos, cosinha externa, edificada em terreno
foreiro, pelo preeo ? 9000000, perten-
cente a herdeiros de Francisca Romana
I Moreira da osta. H
Urna casa terrea e oLria sita no Canal
dos Remedios, freguezia de .Afogados,
tendo a casa 1 porta e 2 janellas de fren-
te, com 2 salas, 5 quartos e cosinha. tudo
de tijolo o cal, e a olaria em muito bem
estado e montada sobre pilares depedra
e cal, e coberta de telha, pelo preco de
750^000, pertencente a Antonio Caldas
da Silva, cujos bens acham-se penhorados
e vo ser vendidos para pagamento da fa-
zenda nacional e custas.
Recife, de Maio de 1889.
O solicitador da fazenda nacional
Luiz Machado Botelho.
II
MEDICO HOMEPATA
Dr. Ballhazar da Silvrira
Especialidade febre s, molestias
( ) das enancas, dos orgaos respirato-
i ros e das st-nhuras.
Presta-se a qualquer cliamado para
ora da capital.
AVI O
! Todos os chamados devem ser di-
rigidos pnarmasia do .Dr. Sabino,
i ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.
Juizo dos Feitos da Fazenda
No dia 17 do corrente mez, c depois da au-
diencia do Sr. Dr. juiz substituto da fazenda, se
ha de arrematar a quem mais dr o seguate :
0 predio n. 81 a ra da Imperatriz, medindo
4 metros e 20 centmetros de largura, e 18 me-
tros e 15 centmetros de comprimento, com i
portas de frente, 2 salas, 3 quartos, cosinha fra.
quintal pequeo murado e cacimba meeira, ava-
llado em 1:000*000 para pagamento do qoe deve
fazenda provincial a irmandade do Santissirao
Sacramento da Boa Vista.
A renda annual do predio n. 50 a ra do Lo
ronel Lamenha, sendo o predio 1 sobradinbo
com urna olaria. avahada em 480*000 para pa-
gamento do que deve a mesma fazenda Antonio
Martins Saltjanha, outr'ora Julio Carneiro da
Cnnha.
O predio n. 32 no Ambole, freguezia da Var-
zea, mediado 11 n.etros e 50 ceutimetros de lar-
gura, e 8 metros e 50 centmetros de compri-
menlo, com 4 janellas e 1 porta na frente, co-
piar. 2 janellas de cada lado, 2 sallas, 6 quarlos,
cosinha fra, cacimba e 1 sitio em aberto com
portao de ferro na frente e arborisado, avallado
0 Dr. Manoel Caldas Barreto, juiz de di
reito da comarca especial de Palmares,
por Sua Magestade o Imperador, a
quem Deus guarde, etc.
Faco saber aos qne o presente edital
de 20 dias de pregio e tres pracas v-
rem, que por este juizo, lindos que se-
jam os ditos pregoes e pracas, tm de ser
arrematado a quem mais der e maior lan-
ce offerecer, no dia 23 de Maio prximo a
1 hora da tarde, na casa da Cmara Mu-
nicipal da cidade de Palmares, em audien-
cia especial do juiz de orphSos, o arren-
damento, por um triennio do engenho Ca-
morisinho, sito no termo de Agua Preta,
moente e corrente, motor a vapor; a re-
querimento do Dr. curador geral de or-
phaos, tende por base a avaliacao annual
de 1:600(1000.
Nao se admitte licitante que nao esteja
legalmente habilitado com fianca idnea.
E assim ser o dito engenho arrendado o
quem mais der e maior lance offerecer na
dia e hora cima indicados.
E para que a noticia chegue a<# conhe-
eimento de todos, mando ao porteiro do
juizo affixe o presente no lugar do costu-
me, e que passe a respectiva certidao.
u, Pedro Severo da Costa Leite, s-
crivo, o escrevi.Manoel Caldas Bar-
reto.
E mais se nao continha em dito edital
aqu fielmente copiado, ao que mo re-
porto e dou f.
Palmares, 11 de Abril de 1889.
O escrivao,
Pedro Lucio da esta Leite.
2a SeccSo. Secretaria da Presidencia
de Pernambueo, em 10 de Maio de 1889.
De crdem do Exm. Sr. Dr. vico presi-
dente da provincia faco publico, para os
devidos efleitos, o edital em seguida tran-
scripto pondo em concursa a serventa vi-
talicia dos officios de contador e partidor
da comarca de Nazareth.
O secretario interino,
Manoel Joaquim Silveira.
O Dr. Carlos Augusto Vaz de Oliveira,
juiz de direito da comarca de Nazareth,
por S. M. Imperial, a quem Deus Guar-
de, etc.
Faz saber aos que o presente edital vi-
ran e delle noticia tiverem, e a quem in-
teressar possa, que de conformidade com o
art. Io do Decr: n. 3,322 de 14 de Julho
de 1887 fica marcado o prazo de 30 das
a contar de hoje para o concurso prove-
niente dos officios de contador e partidor
desta comarca creado pela lei provincial
n. 504 de 29 de Maio de 1861 e vago
pela desistencia que dos mesmos fez o res-
pectivo serventuano Adolpho Bessone de
Almeida; que aos pretendentes aos referi-
dos officios, cuuiprc apresentar seus re-
querimentos dentro do pruzo cima indi-
cado conforme citado, combinado com o art. 7o do Decr.
n. 9,344 de lG'Je Dczembro de 1884.
Faz ainda saber aos pretendentes, que
seus requerimentos devem ser instruidos
comexame de sufnciencia e mais docu-
mentos exigidos pelo Decr. n. 9,420 de
28 de Abril de 1885, e mais legislaao
em vigor.
E para que chegue ao conhecimento de
todos, mandei paasar o presente que ser
affixado na porta da casa da Cmara desta
cidade e delle se extrahir copia para ser
remettida so Exm. Sr. presidente da pro-
vincia para o tm indicado no art. 157 do
Decr. citado com certidao do dia em que
foi affixado pelo porteiro dos auditorios-
Dado e passado nesta cidade de Naza-
reth, aos 6 de Maio de 1889.
Eu, Joo Bezerra Vieira de Mello, es-
crivao do jury, o escrevi.Carlos Au-
gusto Vaz de Oliveira.
E msis Be nao continha em dito edital.
Certifico que, pelo porteiro dos audito-
rios me foi entregue a certidao do theor
seguinte :
Certifico que hoje s 11 horas do dia
afrixei na porta da casa da Cmara Mu-
nicipal desta cidade um edital chamando
concurrentes aos officios de partidor e
contador deste juizo.
O referido 6 verdade dou f
Nazareth, 6 de Maio de 1889.Munoel
Francisco da Rocha, porteiro dos audito-
rios.
E mais se nao continha em dita certi-
dao aqui copiada. Cidade de Nazare'.h, 6
de Maio de 1889. Eu Joo Bezerra Viei-
ra de Mello, escrivao interino do jury o
escrevi.
de parede e 1 pipa vtsia pintada de verde, ax
tente no estabelecimento do caes 22 de Novem-
bro n. 77, pelo preeu de 49*500, pe tencentc a
Joaquim Ramo^ C.
Quiuze arrobas de carne secca existente no
estabclecimeiito a ra J'tdro Affonso n. 40, pelo
-reco de 40*500, pertencente a Moreira Res &
ompanhia.
Doze cadeiras de guarnicao, 2 ditas de balan-
,o, 2 ditas de braco, 2 consolos e 1 sota, tudo
le junco bramo e novos, existente no estabele-
cimento de movis ra Duque de Casias n. 29.
pelo preeo de 140*400, perteni enie a Baptisla
& C cnpaiihia.
mu machina a vapor com ionios os scosBtcn-
- f) s, existente ra lo Capliariiie, rregnezia
da Boa-Vista n. 2-'!. pelo preco de 2:000*, per-
lencr-nle .i Francisco dos Santos Sfaedo.
Vinte quatro cadeiras de guarnicao, i de bra-
ga, solas e 4 censlos com tainpo de pedra,
tudo de, junco branco c novos, existente no es-
labdecimento de movis rua Duque de Caxias
n. 20, pelo preeo de 3601 pertencenle a Bap-
tista & C.
Cujos bens se achaiu penhorados e vao *v-
vendidos para pagamento da Fazeuda Nacional e
cqatas. Rerife. 14 de Maio de 1880.
O solicitador da Fazenda Nacional
Lite .Maehado Dulelho.
5.* seccSo. >-Secretaria da Presidencia
de Pemarobueo, ew 29 le Abril de 1889.
Por esta secretaria so faz publico, de
ordem do Exm. Sr. Dr. vice-presidente
da provincia e nos termos do 2o do art.
Io da lei n. 1,'.H)1 d 4 do Juntan de 1887,
3oe, tendo-se concluido por meio de laudo
e arbitro descinpatador, a qitcatZo de ava-
liacao do material da empreza de illunii-
rniea.) gaz desta cidade, fica aborta
a concuiTencia, com o prazo de seis nie-
zes, contados da data do presente edital,
para contracto da dita illumiuco, ino-
diaate as seguintes clausulas da citada le:
| 3." Nenhuma proposta ser recebida
sem que o proponente com ella aprsente
documento de haver feito no Thesouro
Provincial deposito da qoantia de 25:000s>
em "linheiro ou apolices da divida publi-
ca, para garantir a aceitacao do contracto,
no caso de ser preferida a sua proposta.
4." O deposiio, a que se refere o pa-
ragrapho antecedente, nao ser retirado
pelo contractanto senao (indo o contracto
servir de eauclo para os pagamentos de
multa e fiel comprimento das clausulas,
que forem estipuladas no mesmo.
5. O contracto
com quem melhores
na concurrencia.
s poder.!
vantagens
ser feito
offerecer
6. A nao ser no caso do paragrapho
antecedente, a actual empresa nao ter
preferencia a qualquer outro proponente.
% 7.o O novo con trac tantc ser obriga-
do indemnisacSo, a que a provincia c
snjeita por forca da clausula decima ter-
cena do contracto em vigor, devendo dita
indemnisacSo ter lugar de accordo com
essa mesma clausula, e ficando o material
e obras da empreza hypothecados pro-
vincia at que esteja realisada a indemni-
sacSo ou pelo menos depositada a respecti-
va importancia.
8." O prazo do contracto nao poder
exceder a 30 annos.
f 9. O preco da illuminacSo, quer publi-
ca, quer particular, nao poder exceder de
260 ris o metro cubico de gaz, fazendo-
se urna reduccao de mais de 30 [0, para
os estabelecimentos de caridade e beoefi-
cencia, e repartieres publicas.
10. O systema mtrico, si for mais
conveniente, ser adaptado para a medi-
can do gaz.
| 11." A luz ser clara, brilhante e isenta
de substancias estranbas, que possam pre-
judicar a illuminacSo e a hygiene publica.
| 12. A intensidade media da luz ser
equivalente a dedez velas de espermacete'
das que queimam sete grammas por hora,
correspondentes a 120 grSos inglezes.
% 13. As horas de illuminacSo publica
serSo fixadas pelo presidente da provincia
no principio de cada anno, nSo podendo
ser em numero menor de seis, nem maior
de dez, devendo neste caso haver urna
reduccao no preco do gaz correspondente
ao acrescimo de horas.
| 14. O coutractante ser obrigado a
ter na provincia um representante com
plenos e Ilimitados poderes para tratar e
definitivamente resolver as questSes que
se suscitarem, quer com o governo,
quer com os particulares, ficando sujeitos
todos os seus actos s leis e regulamen-
tos e jurisdiceii dos tribunaes judicia-
rios ou administrativos do paiz.
15. O contractante ser obrigado a
collocar e construir sua custa um ou
mais gazometros, se houver necessidade,
nos lugares que o presidente da provincia
designar, e a introduzir todos os melho-
ramentos que durante o prazo do contrac-
to se forem descobrindo, urna vez adopta-
dos na corte do imperio ou em alguma ca-
pital da Europa.
16." O pagamento da Iluminaran pu-
blica e particular ser feito em moeda do
paiz, sem attenco oscillacSo do cambio.
17. O contractante poder organisar
companhia, a qual ficar subrogada em
todos* os direitos e obrigafSes do con-
tracto.
| 18." Para as despezas com a fiscali-
sacik) do servico de illuminacSo o contrac-
tante concorrer aunualmente com a quan-
tia de 3:000#000, que sero recolhidos ao
Theaouro Provincial.
| 19. O presidente da provincia esta-
belecer as multas e mais condicoes, no
intuito de garantir a boa execujao do con-
tracto, quer com relaeSo a Iluminlo pu-
blica, quer com a particular.
Faz-se publico, finalmente, que o novo
contractante ter de pagar actual em
preza, conforme o 7" cima citado, a
quantia de 994:917)5528, de accordo com
a avaliacSo feita pelo arbitro desempata-
dla- em 18 de Marco ultimo, visto deduzir-
se da de 998:777(5528, total da avalagSo,
a importancia de 3:8600000 paga era-
presa em 1860, proveniente de 202 canos
de ferro, 5 columnas e 5 brajos com lam-
peos, collocados fora do permetro do
contracto.
O secretario interino,
Manoel Soaquhn Sveira.
Escrivao Reg Barros
Perante o Sr. Dr. juiz substituto sapnlente em
exercicio, dos Feitos da Fazenda, Jos salazar da
Veiga Pessoa, tem de ser novamentc levado em
praca no dia 17 do correte mez de Maio para
serem vendidos com o abatiraento da lei por nao
ter comparecido licitante al-rum as anteriores
nracas, os bens seguintes :
tm baicao, urna armacao de piano, pintada,
urna carteira de amarello, 2 caixOes, 1 relogio
Empreza do Gaz
Aviso t
A empreza de illuminacSo a gaz desta
cidade por seu gerente, tendo visto no
Diario de Pernambueo de hoje a publica-
cao do "'iital em que a presidencia da pro-
vincia chama concurrentes para o novo
contracta da lluininacan mediante as clau-
solaano moamo enunciada* s rvindo de
base para a indenwisacSo da empreza
actual a quantia de 998:777^528, por
quanto foram avahadas pelo arbitro desem
patador as obras da mesma empreza,
quantia ossa que dever ser paga pelo
novo contractante, vem pelo presente
aviso, o para evitar dnv'das intuas, de-
clarar que dita avaliacao nao pode servir
de base para tal inderonisajSo, por ter
sido illegal e irregularm^nte feita, bem
COWii que contra ella j protes ou, quer
perante o Exm. Sr. presidente da pro-
vincia, quer perante o juizo dos feitos da
fazenda, tendo i '"*t intimado do mesmo
protesto o Dr curador dos feitos da
Fazenda Provincial, como representante
da provincia.
E como quer que deva em : -iiipo op-
portuno fazer valer seus direitos contra
quem de direito for, delibero: fazer a
presente publicacSo para sceneis dos in-
teressados.
Recife, 1 de Maio de 1889.
George Wind*,.\
Gerente.
98*363
18399
0 procurador dos feiios da az.:u ia provin-
cial, tendo recebido do thesouro a relacao abai-
xo transcripta dos levedores do imposto da de-
cima da freguezia de S. Fre Pedro Concalves do
exercicio de 1886 a 1887 inclusive o T semestre
que deixaram de pagar no tempo competente
declaro aos mesmos devedores que Jhe fica mar-
cado o praso de "O dias a coritar da publicarlo
do presente edital, para dentro delle pagarera a
importancia de seus dibitos, certos de que fiudo
aquello preso ser feita a cobranca judicimentc.
Heciie, 8 de Maio de 170
Manoel Nicokm Wgucini l'into de Souza..
Madre de Deas n. 9. Isabel dos San
(os Nunes de Oliveira 68*699
Rfstaaracao n. 21. leronymo Duarte
Ltodrigucs 9*300
Pliaiol n. iO. O mesmo <>->:9t
S. Jorge n. 35. O mesmo '0J57J
Gnararapas n. 70. 0 mesmo i 2*856
Baro de Iriampho n. 06. m 15*499
!! .623
Dita n. 6i. O uiesri:.
Itibeiro do
104377
18*599
423313
DECLARARES
Irmandade de N. S. da Gon-
cei^ao dos Militares
De ordem de nosso irmo presidente, convido
a todos os irra&os a comparecerem no consisto-
rio desia irmaodade, s o horas e meia da tarde
de sabbado 18 do corren le, alim deelegerema
mesa regedora desle anno.
Consistorio da Conceicao dos Militares, lo de
Maio de 1889.
0 secretario,
J. D. Rosa Cesar.
bosa e outro
Becce da Pindoba n. 4. Vicente Fer-
reira Nepomuceno
Vicario Tbenorio' n. 21. Vicente Pau-
lo Oliveira Villas Boa? 148*798
Secgo do Contencioso, 3 de Maio de 1889.
01 official,
Manoel do Nascimento S. Bastos.
4.a pra^a
Dita a. 39. O mesmi
Areal o. 2: leronymo
Mendonca
Mrquez de Olinda n. 47. Joaona dos
Santos Nunes de Oliveira 46500
KestauracSo o. 34. Jofio Francisco de
Souza 132*522
Pharol n. 14. Joo Joaquim da Costa
Leite 30682
Baro de Triumpho n 3. Joo lose
Rodrigues Laffer 37*199
Dita n. 7. 0 mesmo 37*199
Visconde de ltaparie;i u. 39. O mes-
mo 22 041
Dita n. 41. 0 mesmo 31*048
Restauraco n. 2. 0 mesmo 46*348
Praca do Chaco n. 21. Joo Martins da
Silva 7*486
Dila n. 3. 0 mesmo 173313
S. Jorge o. 62. Joo Nepomuceno C.
da Hlva e outra 37*199
Areal n. 7. Joo de Souza Pernam-
bueo 37*199
Travessa do Areal n. 4. 0 mesmo 223318
Mariz e Barros n. 2. Joo Valente da
Cruz 4*389
S. Jorge n. 113. Joaquim Elviro de
Menezes Carvalho 33*013
Travessa do Campello n. 4. Joaquim
Pires da Silva 31*193
Burgos n. 3. Joaquim Rodrigues de
Magalhes 16*989
Restauraco n. 9. Joaquim de Sousa
Ribeiro 333013
Visconde de Itapanca n. 42. Joaquim
Ferreira de Campos Torres 97*533
Mrquez de Olinda n. 2. Joaquina
Francellina Bacellar Torres 23*949
Becco da Pindoba n. 5 Jos Francis&j
de S Letao 18*399
Travessa para o Corpo Santo n. 15. 0
mesms 26*o:9
Dita n. 11. O mesmo 143879
Dita n. 20.0 mesmo 223318
Travessa para a Fundico n. 4. 0 mes-
mo 14'879
Dila i. t2. 0 mesmo 14*879
Travessa para a praca Pedro I n. 1.
Jos Goncalves Ferreira da Costa 11*158
S. Jorge n 83. Jos Goncalves Pe-
reira 96*098
Torres n. 8. Jos Goncalves Torres 131*748
Becco Tapado n. 3. Jos Joaquim da
Silva Guimares 373199
Tuvutv n. 1. Jos Salvador Pereira
raga 71*298
Mrquez de Olinda n. 2. Jos da Sii-
v;i Levo, partes 593879
Amorim'ii. 34. O mesmo 86*407
Torresn. 12. Jos Ta vares da Silva 1,2 443174
Commercio n. 16. 0 mesmo 1853997
Visconde de Itaparica n. 42. Jos Vi-
cente oncalves Torres 9>002
Guaranaes n. 65. Jos Zacaras Ri-
beiro
S. Jorge n. 55. Josepha Maria da Con
ceico Vianna
Dita n. 91. Leopoldina do CarmoGuc
des 19*870
Moeda n. 9. Ludgero Goncalves da
Silva e outros 933000
Pharol u. 40. LuizThomaz de Franca 22*318
Amorim :i. n. 6. Manoel Alves Guer-
ra e outros 01497
Vigario Tenorio n. 2. Manoel Al ve-*
Guerra 2 e 1/2 partes 133093
Dita u. 3. 0 mesmo e outros 98*786
Travessa para o Corpo Santo n. 9. Ma- *
noel Antonio dos Passos Miranda
Guararapes n. 7. Manoel Gomes dos
Passos 96*031
Areal n 10. O mesmo 185399
Guararapes n. t. O mesmo 148/9
Areal n. 4. O mesmo 22.I8
Amorim n. 14. Manoel Jos de Aguiar 61 999
Dita n. 38. 0 mesmo 293759
S. Jorge n. 20. Mano-.'l Jos do Nasci-
mento 463500
Torres n. 12. Manoel Maria Tavares
da Silva, 1 2 parle 14*817
Pateo daAssemblan. 2. Manoel Mar-
tins de AOJO i'astro 123*998
S. Jorge n. 72. Manoel "onteiro da
Cumia Jnior J20*898
Baro do Triumpho n. 68. Manoel da
Silva Mendonga Vianna 77*499
Dila u. 61. O mesmo 293959
Dita n. 63. 0 mesmo 26*0.19
Guararapes n. 74. O mesmo 773499
Dita 0.17. Manoel de Souza Ribeiro 26*039
Areal n. 16. Marcellino Pereira Soa-
rcs 26*039
Bom Jess n. 68. Maria urea de
Sampaio Lins 88*813
Travessa do Apollo n. I. Maria Jos
Cordeiro 223318
Becco Largo n. 6. Maria Josepnina
Duburc 993661
D. Maria Cesar n. 39. 0 mesmo 93*000
Thom de Souza n. 3. Maria da Silva
Campos e seus filhos 36-5395
D. Mara Cesar n. 28. Norberto Evan-
gelista da Cunha Lages 2*3bb
Dita n. 30. O mesmo, parte H62.l
Bom Jess n. 17. Pedro d'Alcantara
Guimares Pcixoto e outro 123*998
Tuvutv n. 9. Rila Maria dos Santos 17*075
Becco "do Goncalves n. 2. Rosa Can-
dida Goncalves Ferreira bl*XX
Dito n 10. Ros? Goncalves de Jess bl999
Caes do Apollo n. 69. A mesma ^MlKra
Diton. 71. A mesma 23249
Caes da Alfandega n. 3. Seuas 4 Ir-
mos *4*/83
Pharol n. 38. Silvino Cavafcante de
17 4075
Pela inspectora desta alfandega se faz publico
que, s 11 horas do dia 20 do corrente mez, serao
arrematadas em praga a porta do Trapiche Al-
fandegado Baro do Livramento as seguintes
mercaduras:
Trapiche Baro do Livramento
Marca JAA PV4C em Jbaixo--Quarenta e oite
pipas de vinho coiumuui, mediado de capacida-
de cana urna 480 litros, qaebra de 20 ,. e liqui-
do legal 22.500 litros, rindas da Figueira
em 9 de Abril de 1888 no patache portuguca
{taray.
Marca JAA SG4C em buxoVinte e tres pi-
pas contendo vinho commum, medindo de oaa-
cidade urna 475 litros, capacidade total 10 995
litros, quebra de 20 ", e liquido legal 10 707
litros, dem, idem, dem.
Mesma marca- Dez barri's de 5o OOJttendo
vinho commum, medindo de capacidade :ada
um 900 litros, capacidade total OOOlitros, quebra
de 20 %, liquido legal 882 litros, idem, idea,
idem.
Marca quadrado IAS no centroTriuta barris
de 5o, contendo vinho commum, medindo de ca-
Sacidade cada um 84 litros, capacidade total
.520 litros, quebra de 20 /. e liquido legal
2.470 litro*, vindos de Lisboa em27 de Abril de
1888, no vapor Irancez Ville de Santos-
Marca aRTDez pipas de vinagre comxun,
mediodo de capacidade cada pipa 464 litros ca-
pacidade total 4.640litros queora de20, ,e li-
quido legal 4.548 itros, vindas de Lisboa em
9 de Julho de 1888 no vapor ingles Author.
Marca APRAUm barril de 10- vasio e arma-
do, idem, idem, idem.
Marca ARMFm, dito, dito, dito.
Trapiche Largo da Assembla
Marca JRASesscnta barris de 5o contendo
vinho coromnm, capaciJade de cada urna 83 li-
litros, capacidade total 4.980 litros, quebra de
20/e liquido legal 4 881 litros, vindos de
Lisboa em 15 de Maio de 1888 no vapor francew
Ville de Macei.
Marca JGGDez pipas contendo vinho com-
mum, capacidade de cada urna 460 litros, capa
cidade total 8.911 litros, quebra de 20 % li-
quido legal 8.783 litros, vindos de Lisboa em 25
ao Maio de 1888 no vapor niglez Scholar.
Marca JAA PV4C cm baixo Quareota e un
pipas contendo vinho commum, medindo de
capacidade cada urna 475 litros, capacidade total
19473 litros quebra de 90 /. e liquido '.egal
19.086 litros, viudas da Figueira em 5 de Julho
de 18*8 no lugar uacional Zequinha
Marca J.*A SG4C em baixoDoze pipas con-
tendo vinho commum, medindo de capacidade
cada urna 475 litros, capacidade total 5-700 li-
Iros, quebra de 20 /, liquido legal 5.586 litros,
idom idem, dem.
Mesma marcaVinte e cinco barris de 5o ;on-
tendo vinho commum, medindo de capacidade
cada um 90 litros, capacidade total 2.250 lii.-os,
quebra de 20 /0 c liquido legal 2 205 litros,
idem, idem, idem.
Mesma marcaDez [barris de 10_ contendo
vinho
um
de 20'
idem. ...
3* seceo da Alfandega de Pernambueo 13
de Maio de 1889.
O enere,
Domingos Joaquim do Fonseca.
Gabinete Prtuguez
de Leitura
Nao tendo comparecido numen) nreciso, =e
gundo 0a nossos estatutos, de scnhoies memoras
do consclho deliberativo, no uia 12 do correrte,
de novo e por ordem do Illm. Sr. presidente, os
convido a comparecerem na sede social, p? as
11 horas do dia 19 deste, afim de, em sesso ex
traordiuaria, traUr-se da posse e de outros as-
sumptos de importancia.
Recife. 13 de Maio de 1889.
O l- secretario
Albino Moreira de Souza.
Capitana do porto
.iiiio ao* navegante*
De ordem do Illm. r. capito-tenente Rodrigo
[fuo da Costa, iaspector interino deste arsenal
e capito do porto desta provincia, fago publico
para quem inleressar possa, que o Sr. inspector
do Arsenal de Marioha do Para, em telegram-
ma datado de 14 do corrente, communicou que
a inauauraco do pharol as pedras de Collares,
deve ter lugar hoje, sendo a luz natural, alcance
de dez milhas e longetude 48 graos, 16 minutos
e 50 segundos. O Gr. W. Latitude 52 metros e
50 seguudos S. Carta montraie el.
Capitana do porto de Pernumbuco, 15 de Maio
de 1889.0 secretario,
Antonio da Silva Azevedo.
Companhia de Edificado
Assembla geral extraordinaria
Nao se tendj reuoido numero legal de accio-
nistas para qae se ettectuasse a assembla geral
extraordinaria pela segunda vez convocada para
hontem, faco publico,"de ordem da directora c
de conformidade com a r.-soluco que tomou em
sessiio extraordinaria, que se devera os senhores
accionistas reunirse cm assembla geral ex-
traordinaria no dia 23 do corrente mez, ao raeic
dia, no esc iptorio da companhia, praga Pedro
2." n 77. 1 andar, bem como que nesta reunio,
cuja convocacao hoje pela terceira vez feita, rs-
*olver-e-ha com qualquer numero de accionis-
ta, em virtude do 4 do art. 15 da lei o. 3150
de 4 d- Xovernbro de 1882. respeito. como j
foi aanuociado, da possibidade ou impossib;
lidade da reorganisaco da companhia, segunde
o plano impresso do gerente, e da conveniencia
ou nao :onvoniencia da liquidago da compa-
nhia. Chamo a aengo dos senhores accionis
tas para o 8. do mencionado art. 15.
Recife, 16 de Maio de 1889.
Ricardo Menezes
" Gerente.
\ rsena de Marinha
Alinlamento de \uluularioM para <:
halalliao naval
De ordem do Illm. Sr. eapitorienente Rodrigo
Nuno Ja Costa, inspector de*te arsenal e capito
do porto desta provincia, faro publico eme. em
observancia circular do Ministerio da Marinha
n 581 de 21 de Mareo ul'imo, acha-sc aberto o
alistainento de cidados sas circumstancias do
tereui praga no batalho naval, percebendo cada
um, alemdos respectivos vencimentos, o premio
de 400*, de conformidade cora n art. 3- da le
n. 3367 de 21 de 'gesto de 1889.
Iospecgo do Arsenal de Marinha de Pernam-
bueo, 3 de Abril de 1889.
O secretario.
Antonio da Stlva Azevedo.____
Obras publicas
D3 ordem do Illm. Sr. engenheiro director ge-
ral, faco publico que no dia 28 do crreme, ao
meio (fia. nesta repartigo, recebe-se propostas
em cartas fechadas, competeniemeule selladas,
Sara execugao dos reparos de que necessitam o
ociro sobre o riacho'Joss e a curva do Caxito,
na estrada da Victoria, oreados em 649*000.
O licitante dever, para poder concorrer
prega cima, depositar no Thesouro Provincial
a quantia de 32*450.
Secretaria da direc'oria geral das Obras Publi-
cas de Pernambueo em 14 de Maio de 1889.
O engenheiro fecretario
Luiz Antonio C. de Abuquerque.
Club Carlos Gomes
Abuquerque
S. Jorga n. 27. O mesmo
Guararapes n. 52. Sophia Alves Bar-
Sarao mensal
Ter lugar no dia 18 o sarao deste mez.
Ingressos aos senhores socios na forma do
costume.
Secretaria do Club Carlos Gomes. 8 de Maio
28*2i3l "> 1889.o i secretario,
Anrlr Costa.

.


i

II


6
%
I
da preside ocia de Fer-
20 de Abril de 1889.
_ Seeretana
ambojo em
6. seecio.
Por *esta secre tarja se .faz pp
conhe Exih. Sr. presidente da. provincia manda
em cumprimentii da le n. 1917 de 22 de
lfaypn JtJtHfrft, t:bamar concurrentes, com
O praso de noventa d'a8> pintados da data
o presente edital, para exploracab de
onze engeahos contraes, sendo seis de typo
maior 9; 'cinco de typo menor, Bob as ba-
ses contantes, dos artigos 1.- e'2.- da ci-
tada le. concebidos nos se{,*uintes tenaos :
Art. 1." Fica o presidente dd" provincia
autor sdo a eontractar com Quem n^elno-,
res vanfflr^'ns ffereccr a fufljJljjo', e ex-
ploraca^, uo onze .engenbos ceo.trajBft wndo
eis deitypo maior e cinco de typo menor,
sob o plano, condicSes e auxilios constan-
tes do figo. 16 da 1e prQYntjiaT'f. S^O
de'.188fi
^ l.-'Dos de typo maior dous serio fun-
dados no municioio do Bonito e os outros
bo de Tguarrap,, Ipojuca, qbo e,Mur,-
beca. Ps dA typo menor pepjq fundados
nos municipios de I tambe, Bom Jardiiu,
Victoria,, JaboatSo e no valle d,q Amara,gy
da comarca da Escada.
| 2.-f qrSo considerado de, typo meor
os engenhos centraes que noerem eeiamm
dias de^Vinte e cinco a trinta miibSes de
kogrammas de canna, e de typp m,e^ior
os que .durante o mesmo tempo moerem
de dose milhoe s e quinbentos mil kilo-
grammas a quinze milhBes de kilogrammas
Art. Jfc As concess3es jwa a ^ry^c|o
e exploracao dos engenbos de que trata o.
artigo antecedente s podero ser fetas
agricultores que residam ni; zona onde
nham d%e estabelecer as respectiy.
bricas, exceptuado o de Ipojuca que poe-
r ser cbntractado com o requerentd. Joa
quim Ignacio Pessoade Siqueira."
O artiga 16 di lei n. 18G0, de que tra-
ta o presente edital, assim concebido :
Art. 16. Fica o presidente da provincia
autorisado a eontractar com o commerci
ante da praca do Recife Jos da ^}ta
Loyo jnior ou com quem melhores van-
tagens offerecer a fundaeao e exploracao,
nesta prqyincia, de quatro engenhos cen-
traes com capacidade para safrejar cada
um de 2^ 30 milhSes de kilogrammas 4e
canna sendo cada qual do custo de
600:000tf000 ou oito com capacidade
para safrejar cada um de 12 milhSes e
quinhenfos mil a 15 milhSes de kilogram-
mas de canna sendo nesta hypothese o
custo de 300:OiX)lO()0 sob as seguintes
condicos :
1.a A provincia concorrer copa a quaD-
tia de 30O:OOOOOO no Io caso, e de.
100:00Q00 no 2a em apolices ao juro de
7 10 para cada um desses engenhos, sen-
do os juros pagos ao portador pelo propo-
nente ou por quem tomar a si o estabele-
cimento dos referidos engenhos e recomi-
dos ao Thesouro no fim de cada semestre.
2.a pagamento ser fei'o pela provin-
cia em Jluas prestacoes, a primeira guan-
do forem apresen tados o conheci ment do
embarque, factura e apolico do seguro dos
materiaes cujos documentos serlo endos-
sados prdem e ficarao em poder do
Thesouro Provincial, em caucXo da quan-
tia que'receber o eontractar te, a segunda
depois que se acharem os roesmos mate-
riaes no local em que for estabelccida a
fabrica.
3.a A provincia ter hypotheca sobre
todas as fabricas para garanta de suas
apolices, sentando, porem, durante 10 an-
nos, o assucar ne'las fabricado do imposto
de exportadlo o outros "qnaesquer prri-
ciaes ou municipaes que existam ou forem
creados ^posteriormente.
4.a A! provincia ter durante as obras
um engenheiro riscal por ella nomeado
cujo ortwrido ser pago, pelo proponerit
ou por qSiem o substituir.
3.a A jmortisacao das apolices ser fei-
ta a razSo de 10[0 annualmente, a con-
tar do tono Beguinte ao em que tiverem
comecadb'a trabalhar os referidos enge-
nhos, cando livre ao proponente o direi-
to de fazer maior amortisacao se assim
lhe convier.
Far-se-ha urna emisso de apolices com
a clausula de- sertem resgaadas animal-
mente e por rorteio.
6.a O:: contractante nao poden! fazer
cessSo dfe seu contracto senSo a agricnfto-
res. f
7.a O,proponente ou quem eontractar,
ser obrigado a apresentar ao presidente
da provincia urna planta dos apparelhos
ou machfnjsmos mais aperfeijoados desti-
nados ao^ engenhos, a qual ser appro-
vada depis de ser examinada por urna
commissJiJ. de engenheiros, nonieada pelo
mesmo presidente.
8." O eintractante dar annualmente no
Thesouro 'Provincial nanea eos juros que
tiver desbagar a provincia pela emissfio
applicada"fla apolices aos engenhos' cen-
traes.
O secretario interino,
Manoe Joaquim Silveira.
Subde|eg:acia do dis-
tricto de Macacos
-..
Nesta subdelegada acba se depositado um
cavallo pc^rez. appre^iendido em poder de Jos
Francisco da Silva, conheciffo por JosBonitinbo;.
' O ubduJef.'udo
Alfredo, Garret
ro
Macelo. BaM% R|o de Janel
Par passagens, fretes e .encmaiendas trata-
se com os Al.ENTES. "^^
Commandnte 6. M. Hieks
E' espesad0 dosul no dia 26 de
Majo, sc^uiatto depois da demora
aecessana para
Vlgo, Monthampton e
Antuerpia
Kducqao de pauagetu
Id* Ida e volta
.'.Lisboa, i classe JO 30
4',Soufhampton classe.' i3 U
Camarotes reservados para os passageifos de
terniunbucb.
Ea( uanto vigorar. a quarentena imposta na
ftapub ia,Argentina,,aos vapores e navios pro
ce%s, (o Brasil, .os vapores desta corapanhia nao
acqjfyijlo pfssageiros nm carga 'para Buenos-
Ayreg.
Para passagens, frotpsy encomuuiadaa, ,trata-se
com os
AGE^^S
Imorim Irmos & C,
N. 3Ra dp Bom Jesus-Tp-N. 3
Diftip de. P^wniJ|wQ*"-fttnteifftW^ l&j^tMm) i de. 1888i'
I...... -'
CHARGEURS REUNS
CotMpan(iia Francesa
DE
\avegaeo a vapor
-jinha regnlar entre o Havre, Lisboa,
Pernambuco, Bahia, Rio de Janeiro e
Santos.
O vapor
V\$ d^ Pernambuco
Commaadftnte Sebire
E'esperado da Europa at o dia 16
de Maio, seguinda. depois da in-
ispeiisavel ilemr;i para a
Bahia, Rip de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelos
vapores destn lin^a, nueiranl apresentar dentro
de 6 dias a contar do da descarga das alvarengas
qualquer reclamacao concerneme a volumes que
porvenJOra tenham seguido para os portos do
sul afim de se podei dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao se
responsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di-
oheiro a fretc : tratase com o
AGENTE
opste Ubille
9- RA DO qQMUESgiQ 9
Compuihia Brasileira de
Navesja^ao Vapor
PORTOS DO SUL
O
I'ara
vapor
Commandnte Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do norte at
dia i'-.', de Maio e depois da de-
ora indispensavel seguir para os
iirtos do sul.
As en'dtfnendas sero recebidas no trapiche
Jarbosa at 1 hora da larde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas .alo-
res trata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
O vapor Mar^njio
Commandnte o eapitSo de fragata Pedro
Hyppolyto Duarte
E' esperado dos portos do sul at o
Jia 17 de Maio e se guindo depois
k demora indi.spe.isavcl. para os
P^portos do"norte at Mandos.
Innrendas s serao recebidas na agen-
cia at 1 horada tard de da da sahida.
Para carga, encommendas. passagens e valo-
res trata-sc com os
T^ AGENTES
Pereira Carneiro & C.
$=Uua do Commercio=^6
1 andar
United States and Brazi!
M. S. S. C.
O vapor Allianck
E esperado dos portos ao
sul at o dia 1$ de Maio
o qual depois da demo-
ra necessana seguir,
para o
Maranka*. Para, Barbados, H.
Thomaz \ew-Vork
Para passagens carga, encommendas : di-
nheiro a|fret,'trata-se : com os AGENTES.,
Ovapor Advance
E' esperado dos po,
' 16 d
irlos do
de Maio
da de:
seguir
norte at o dia
o qual depoi.-
mora necessaria
para a
Bahia. RJo de Janeiro e Sanios
Para carga, passagens, encommendas e dl-
nheiroa me trata-se com os
; AGENTES
Henry Forster & C.
8Rita do Commercio8
1* andar
^^^"
co
fAmiBl:
la
m
%MIIA
m
IVavegaeo eosteira por vapor
Para Fernamlo.de .Vironha
O vapor Jacuhjjie
Commandnte Este ves
Segu no dia 18 de Maio s 12
,horas da inanhS. Recebe carga at o
da 17.
Passagens at as 10 horas do dia da sahida.
ESCEIPTORIO
Ao Caes da Companhia Ptrrnambucana
n. 12
conr>uit t pi:R\tMRi(t\i
D
.\avntaeao eostelra por Vapor
Rro de Janeiro
. (Directamente)
O vapor Una
Commandnte Seraphim da Silva
Segne em poneos dias para
o porto cima o vapor na-
cional Una.
livAw
De um.liado cavaljo aovo, ruzilho, denomi-
nado Sudan, an^ad^r ele liaixo a. meto
e u|,tp ^rredor
Moje f t4o c,nrr4m(v
A' 8 horas em,ponto ,
N^arpiaem da riia do H^u^ e.O
Por occasio do leilo de accae toociuas, m-
vallos, burro e carro para boi.
Por intervenco do
Agente Gusmao
Leilo
De engenhos, partes e de mata em Tab
comarca de Pitimb
4|narla-feira do correte
A' 1 hoia em ponto
No edificio ca Cmara Municipal de Oliuda
O agente. Stepjih) por mandada e asistencia
do Exm. Sr. Dr. juu de direito de orphaoA e
ausentes, a |\i|uerim(to do Dr. Jos VicentajHe
Meira Vascoiicel(os. inventarame dos bens do
finado corone/ Joap de S Cavalcante de Albu-
querque, levar a leilo
Tres partes do engenho Itanirema.
Trras e engenho S. Miguel.
As trras, em que est constituido o engenho
Souza.
As maltas denominadas Pitanga.
Urna parte do engenho Tabatinga.
Leilo
De movis
Quinta-feira, 16 do corrente
A's 11 horas
No armazn ra fa JfQgexajJfr n. 45
O agente Silveira por mandada e com. asisten-
cia do Exm. Sr. Dr. juiz de orphos requyr-
menlo do inventarame de Antonio Jos da Cu-
nta, levar a leilo o seeuintc :
Urna cadeira de balauco, de amarello, 1 espre-
cadeira, 3 cadeiras de i'aia. 1 dita de utretoj 1
mesa para jogo, 1 camal d ven o, 1 estante, 1 ba
nheiro, 1 lote de livros, 1 cbide, 2 malas de lona,
1 tpete, 1 lote de louca c vidros, 1 caixa de tar-
taruga para rap c 1 cama franceza.
Agente Pestaa
Leilo
De movis, loucas, piano, cofre pwa de
fogo e 0 caixas^cmn vicho do porto
especial.
(iiinta felra 1 do corrente
AIs.H horas
Em ponto no araMzem e ageneja de ei
loes sita a travesea do Corpo Santo n. 27
A saber:
Dez caixa3 com vinho dp Porto, 1 piano de
BlQQdel, 1 cofre, 1 guarda,,lotca, 2 mezas lc-
ticas. 1 cama de Jacaranda, 1 dita de po.carga,
2 ditas de amarello, 2 cpsolos com pedra, 1
berco, 1 toilet de Jacaranda, mesa redonda, 6
cadenas dp amarello, apparelho para jaatar, so
pos,-calices. 1 grade de ierro, lalberes,, culheres
e outros multosfobjectos, que serao vendidos sem
reserva depreco.
Agente Burlamaqui^
Leilo
Quiala-feira I do corrente
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 45
De um sobrado ra do Bom Jesns n. 48, em
solo praprio, rendndo 1:350000, .onde est
estabclecido o Sr. branles, com armaicm de
vveres.
agente cima, legalmcnte aulorisado, ven-
der en| leilo o sobrado ra do Bom Jess n.
48, em solo proprio; os licitantes podem exa-
rmiar o referido sobrado.
se vender um benito apparulho para jaatar, de
porcellana dourada, Dnj bonitas pmUiras, e ou-
tras pe^as. prataUna,cQigarphQs,p{iliteiros, um?
nda mesa, obra toda entalhada, jarros, candiei-
ros. guarda-vestidos, gtrda-1bua, mobilia?, al-
gnmas fazendas e diversos artigos, inclusive 50
Brris de quinto de vinho branoo nacional' d
boa qualidade, que eslaro vista dos Sr$. lQi:
tantes po armazem do, referido agente w\ do.
Imperador n. 45.r-
2 leilo
De terrenos e materiaes
Quipta-feira, 10. do, coiTojile
1\"8 i 1 2 hprs
iv o arnuLeeni a ruada impera-
dor n. i.
O agente Silveira por mandado e coui assis-
lencia do Exm. Sr. Dr. jiuz de ausentes c remie-
rimento do Dr. curador geral de auzcutes leyar
a leilo terrenos e materiaes, espolio d Domin-
gos Marques Barbosa Africana.
t'm terreno no lugar denominado Maduro es-
trada de Dr. Feitosa, freguczia 4a Grata, modn -
do de larguia 17' palmes e de fundo 2o
Um dito no mesmo lugar com 20 balmos de
frente e 230 de Tunda
Um dito arborisado com 32 palmos de frente o
30i de fundo.
Materiaes para urna casa no ultimo terreno da
casa de taipa.
Leilo
4,eultimo leilo
Do i engenho Rescate
a eomarca ditos para' labradores com todos os. peri.
obras, corpente, e moente di(d(pdo as .trras .flQ
engento 'piejo nascente coip as,, do 'enepri'n^i.
Mks,.pelo,sul cero as do engVn^rj^Nells visa-
das, plo'poerite com trras do engenho forta-
leza e, pelo norte com terrasrda Sispjaria dod
herdeifos de Jos Carlos Mairink da Silva Ferrio.
<|uiata-|eira do corrente
As 11 hora
No armazem ra do Bom Jtsus n. 4$
O agente Pinto levarijiovamente leilo por
despacho do Exm. Sr. Dr. juiz do commercio
depois de ouvidos os interessados, o engenho
cima mencionado pertencent a massa fallida
de Tavares Pinheiro, isto s II horas do dia
cima dito, no armazem da ra do Bom Jess
II. 45. A
Leilo
fcext:i-elra. I J do corrente
A's 11 hora s
No 2' andar da ra do Mrquez do Ilerval
n. 33
De 1 piano, 1 mobilia, 1 mesa clstica, 1
guarda-vestido, 1 guarda-louca, 2 aparadores,
i cama de casal, 2 marquezes, 1 commoda, 1
jardineira, 1 mesa quadrada, 1 secretaria, 1 bur-
eo. 2 cabides, 2 lavatorios, 1 rarteira de amarel-
fo.'l marqueza, cadeiras avuUus, 1 mesa e cstan-
tei 1 relogio de parede, espelhos, elagers, qua-
dros. candleiros, jarro3, tapetes, cortinados, es-
carradeiras' lanternas, 1 candieiro de vidro para
gaz carbnico, lancas, copos, clices, garrafas e
muitos outros artigos de casa de familia.
Tendo o Sr. [Jos Miguel de Mello Campos de
fazer urna viagem ao sul do imperio far leilo
por intervenco ,do agente Modesto l'aptista do
que cima se declara e na mesma orcasijo o
mesmo. agente vendur :
Um cabriole! e 2 cavallos proprios para carro
e que j teem corrido nos prados desta cidade,
sendo um delles o de nome Jaguanne, que
ganhqn &^s premios, p alujfa sjj o andqr ,aci|
declarado quc.teui muitos commQ4^,,Mgua|0
gaz encanado.-.
Le?lo,
De um grapde armario envidracado e de ama-
rello com um espelhp alto no centro, prestaur
dose para urna armacao de qualquer loia, 1 bal-
cao envernizado, 2 vitrinas, 1 armario co i; inpS;
tnjUor 1 carteira secretaria, 1 lustra gaz,
arandi las e registro, 1 copiador de cartas, 1
mesa. 6 cadeiras, i lavatprio, 1 jarra, 2 escadas,
40 duzias' de melas de cor?s. para senhoras, ,1
caixa com tesours, O grosa de linn'a de, 20
janlas e outros movis existenles na loja da
him a. Cbtoay i
The $inger.anufa( tures C, faz leUfio por.iqr
tervenco uo agente Pinto da arma,c&o> paje^p
carleir4 e mais oojectos existentefa loja di
ra do Cabuga n. 1 A, os quaes obiectos sero
vendidos ao correr do maitello e. em lotes a von
taledos compradores.
Nex^-fcira. I ? do eon culo
As 11 horys, em ponto,
Garaote-se a chave da casa ao CQmpi"aio,r d^ ""m?[0 zo;._.....
annopJp.
Leilo
De 4 caixas com latas de cha verde
bom
*e*ta-feira 19 do corrente
A's 11 horas
Na ra do Cabug n. 1 A por occasio do lei-
lo da armacao, miudezas e diflerntes movis
Leilo
De fazendas a retulho era lotes a vontade dos
compradores
CONSTANDO DE:
setinetas, casemiras, roupas feitas. fus|0es,
brins de linho, camisas e muitos outros artigos
que serao vendidos por liquidaeo de urna casa
que acabou.
Ao correr do marteijo
j Sabbado, 18 do eorrnl:e.
A'a t I horas
Na ra do Visconde de Inhauma n. 13 A, an-
liga do Rangel.
Por intervenco do
Agente CusjnaQ
ecebe alguma carga a prancha, a tra-
Anda
tar no
ESCRIPTOBIO
Ao Caes da Companhia Pemambucana
n. 12
LEILOES
Sexta-feira 17, deve ter lugar o leilo da ar-
raaco. movtis, miudezas da loja de machinas
de costura de Singer, roa do i abug n. 1 A.
por liquidaco.
Quinta frra 23. o 4- e ultimo leilo do en-
genho Rejgale, servindo de base a fiova e ultima
offerta.
Royal Mail Steam Packet
Companhy
O vapor La Plata
Commandnte A. H. Dyke
ral
IEspera-ae da Europa A o dia 24 de
'o segurado depcte da de
ra do coslume para >
De
Agente Britto
Leilo
De liquidarn
De bons movis de junco, amarello e pao carga,
jarros finos e tapetes.
i'onstando :
De umii linda mobilia de junco com encost do
pulhinha, com 12 cadeiras' de guarmeo. 2 ditas
de bfcicos, 2 ditas de balanro 1 sof e^ cens-
los com pedra marmore 1 jardineira de Jaca-
randa, 1, bonito tapete para sof, 2 linternas. 2
pares de jarros linos, 1 relogio de parede, 1 es-
priguioadeira, 2 escarradcicas de porcelana. 1
cama frapceza lingindo' Jacaranda, 1 lindo toil-
let, 1 lavntorio com pedra, fapete para cama e
1 cabide de columna
Urna mesa elstica de amarello, 2 guarda co-
midas, 2 aparadores, 1 sof de amarello, 6 ca-
deiras de junco, 4 ditas de amarellp 1 jarra, 1
cadeira de balanco de amarello, Ic-uca,, vidros,
1 mesa de cosinha uta trem de cosinna e outros
muitos bbjectos.
feuiata-ff ira, 1 do contente
A's II horas
No 2." andar do sobrado h. 22 da.rua Coronel,,
SttfsUha, antiga ru de Hrlas.
O agente Martina competentemente atftorisado
por urna familia que se relira para fra da cida-
de, fr leilo dos excelluntes movis existen-
tes em dito sobrado.
Ao correr do marlellu
Todos os movis frfetri apenas dn's'mzes de
uso.
A-^ente Silveira
Leilo
DK l'ltuxns
No armazem ra do Imperador n. Y
iJO agente Silveira, por mandado e com assis-
lencia do Exm. Sr. Dr. juiz de direita de or-
plios e a requerimenlo do inventnriante de D
Francisca Candida dos Santos, levar a leilo as
seguintes casas:
Urna casa terrean. 26 ra do Motocolorabo.
freguezia de Afogados, como urna porta e 4 ja-
n el la.- do frente, 3 salas, 6 quartos, cosinha. 9
quartos fra e quintal..
Urna dita sob a. 15, mesma ra, com 1 porta,
e 2 janellas de frente, 2 salas. 6 quartos. cosi-
nba e 3 quartos fra, com grande quintal mu-
rado.
Vina djla^sob n. 2, outr'ora 14, a travetsado
Venza, cora 1 porta( e 2 janellas de.freut2
salas, 3 quartos, cosinha fra, e 1 pequeo
quintal.
Urna dita sob n. 4, outr'ora n. 16, a travessa
da Veneza, com i porta e janella4;,de frentes 3
salas', 3 quartos, cosinha fra e pequen'' quinjal
murada t
i Urna dita de laipa sob n. 17, ra do Bom-
Gqto, com porta c-janella de frente, 2salas,
partos q quintal.em aberteu
o i 8 do corrate
A's 11 horas
Alaga-se o 1- andar do sobrado n.*8 ra
fistreita do Rosiiiie ; o sobrado p '17 roa das
TffCbeiras : o sobrado n. do caes do Gazoiue-
o : a tratar iia,r,ua das.Trianapiras.nuaMMo 17v
\ojfr .......__
AJuga se o tercejroaudjtf .do sobrada a m.
do Imperador n- |6 a tratar, na lUhogr^i)ia.,.
roa Mrquez, de Olinda q. 8.
Preds?, de unja coinheira. na rua,,^a
Unio.n. 11.________________
Precisase .'e (lina .criada, para vajo-er e ar-
rumar casa : na ru Matriz da Boa-Vista n 9.
AM^ Precisase de urna para cosinha :
na, travessa dos Ferreiros n. 6.
- O abaixo assignado declara ao corpo do
commercio ea quera inferessr possa, jjjie arre-
matou em audiencia do juizo do coqimprcio as
dividas da masaa fallida de,ffajQques,& Silva, em
3 de Abril do corrente, e est procedendo a co-
branza,
Phites Adelino da Costa Doria.
- Hygino de Araujff, antigo emprega/To e ex
n. 17, declara aos seus amigos e numerosos fre-
guezes, quer do centro ou mesmo desta cidade,
que se acha ra Direita n. 13, telepbone. n.
288, fabrica Flor do Fumo, onde poder setena
conlrado a qualquer hora. Aguardando suas
ordens, que sero cumpridas 'om a mxima sin-
ceridade e pontualidade. garante-se superiori-
dade e confeceo dos productos de3ta casa, de-
vido a grande pratica que tem desse genero de
trabalho c pleno conhecimtnto de seus pe'didos.
J ehegaran para a fabrica Vendme
os verdadeiros charutos Flor de Espaa, Regala
de la Iieina, avisa aos apreciadores.
Vinho particular
No armazem da ra do Amorim n. 60. vnde-
se o que pode haver de melhor pelo mdico (.re-
co de 7000 ogarralSo de tres caadas, voltan-
do o casco.
Aluga-se
a casa tprreM^ a^'^W- l% s.a.4-flMa4a
A.urora, com grandes omnodQS, soto fi janel-
las pava a Fronte ; a tratar, .no praca de Pedro.
as para
l>u. 73,
1- andar.
Eng-eaho aaFrendar
O Caaandutw, prximo a estacan de Jaboato,
muito bom d'aguu, e lia (.ouco reconstruido, tem
exteeas. trras ematas para safrejar-ol 2,000
pes de assucar : r tratar na ra larga do Ro-
sario n. 37.
Movis austracos
A' ra do Marques de Olinda a-/64
Vende-de movis ausiiiacos, un;o pm-grossp
como em parles, dos mais ricos mo'i^osquelnj
viudo a esu provincia, e por oreos mu i lo re',
duzjidof-, para iiquidaco de focfamu e liem as-
sim
Sobrado
Aluga-se o 2o andar do sobrado rufl (je Da-
socio da fabrica Diana, sita ra Marciliq Das miogus Jos Ma.'lins n. 138. com muips com-.
k
FvlHiW,it
-c Vende se urna padarja das, mais ceptraes da
cdade,f e urna das,mais, a(resuezfliJaf./deHpan-
cna mqBsalmente l3f barricas para cima. 0 mo-
tivo da. venda o dono querer, retirar se por-se
adiar doente, quem pretender faz boa acquisi-
fio :,a tratar na. ra do. Nogueira n. 1, esquina,
da.rua'velha-de Santa Rita.
Muito urgente
; Precisa-se 4c perfeitas costureiras -% a ra
,B|aro da Vicfojia n. S, sobrado
\ endose
;. '
o eslabeteciranio_lo rua-do Rosario-da Boa- [ -
Vista n. 11', a tratar no mesmo
._-____.-.-.. F. -* I

Compra-se
um eitaelecimenJo^ln.ggeuQs e. mi*Uuda..pre
ferindose s raargens das vas-frreas at Api
pucos on cncruzilhda de Beiem. paga-se bem.1
agradando): quem oliven netii c .'iid'rOcs e
queira desfazw-te pula..dirigir .' mrv DiN-a
modos para grande familia e por- prego comino-
do, em bom estado de aceio, o qual fica con-
frcnle ao fundo do armazora de Carneiro Vian
nae a tratar na ra do Mrquez de Olinda nu-i
mere 94.
Casa terrea
Aluga-se urna magnifica casa terrea, com
bons commodos ra da Ventura (Capunga) n
24, a tratar na mesma ra. no sitio junto pon
te da fallecida D. Candida La.-scrre.
Alugfi--8e
a casa terrea travessa dos Gnararapes n. 2, a
tratar na ra rio Mrquez de Olinda n. 54.
Cofres de ferro
dos molhpres fabricantes que tem viudo a esta
provincia, como sejam Milners,e outros fabrican-
tes.
Todos garantidos e de verdaJ.eira seguranya.
pro va de fogo.
\o armazem importador de
Carneiro Viana
i


>.
.JLU..I JJl
'HATO de FERRO
de LERAS, Doator em Sciencias
/.pnntdo pala JuntM dt H/flu de Mio-dt-Jtnilro.
ontni ota s.ua coupoi*> o*
r
Leilo
De
mov De 2
Leilo
, porcelanas^crystaes, quadros,
espetos, electros, esteiras, tapate e car-
A' SABEU:
Urna mobilia de mogno com lampo de pedra
marmore, com 1 sof, 2 censlos, 2 cadeiras de
bragos t; 8 de guarnico, 2 cadeiras de balanco.
Eigenho
Arrenda-se o eneenho Ararilia de Piu.tnlel.
sito na coraarPA do Cabo, em trras de grande
fertilidad^ movido a agua, tem todas as obras
necessarias, casa de vivenda e de lavradores,
sement, etc. : a tratar na ra Primeiro dcMnr
co n. 1.1.
(laiUellas do Noute k Smii
Compra-:-e cautetla: de Xonte .ic Soccorro di
qualquer joia. brilbanles e reloios: paga-it
bi*m na Prara ii rrMepeiiencia n. 22, loja df
'ii'.l
Trnliiifiro radical ejH 6 das
DAS
BLE!\U>?1* IWUS mKdt
01
CKRONiC AS
(VULGO P U R G A Q A O)
BO IKMII II Ol B\ HUUIIt
E da hucorrJkpa ou. flores brancas
Pilla* Resino Balsmica
E
tyJM'au Aiil-Blciinii^ra
PRKPARADOS POR CALASANS & C.
PRODUCTOS APPROJADOS PELA
INSPECTORA GEBAL DE H1TGIENE
Una serie de brilhante e innmeras ex-
periencias, coroadas sempre de bom xito
durante dez anuos, assignala a estes dous
medicamentos, usados com a diota e dosa-
geos prescriptas, o primeiro lugar eatre os
medicamentos estudftdos e preconisados
para curar estas terriveis molestias.
As piluljis. ^ sao supportadas pelo estoma-
go o mais delicado, pois que ellas nao im-
pedem nem difficidtam as fimccSes deste
orglkv.
A injeeeai. :inti-blenorrbagica nSo ai*
solutamente irritante e por isso nao tem o
inconveniente das actualmente empregadas
e nSo produz estreitamentos.
Nilo publicamos o grande numero de
cartas, atestados e agradecimentos que te-
mos recebido para nu offendei; aos nossos
clientes, muitos dos quaes s8o pesspas mui-
to conheridas e altanientccollocadas.
Empregada, como artigo de toilet partir
cular excellepte presen-at;vo contra as
molestias, secre U-.
Modifica (, faz desappnre-cer o mo cheiro.
das regras. m.
Preparados por CaJasaQs & C, Phar
macia Imperial. Bahia. .
DEPOSITO NOTvEtlFE
Francisco Manjoct da Si^va & C. ra
Mrquez de Oliuda n. 23.
[: .Titos dos ossosedosangue.E* muito
fficaa contra a anemia, a pobresa
.lo sanu9, as dores de estomago,
: pailkk-z, as perdas brancas e as
iesor-dets e irregularidades da
{Nven.srua.o. Agradavel pelo seu
I .snt!ctfi e pelo, seu sabor, sempre bem,
I to pelo estomago,. mujto acpn-
Ikalpado pelos mdicos, s senhoras,
V-t mocas e s creancas delicadas.
Em PAH18,. S, Rm "Vhrenne.
-'i1 'i>i|i^T^w^TWe^f^tmm
Os rednadores desta cidade avisam ao3 seus
freguezes e amigos que a contar do dia 15 do
corrente em diante, os preces do assucar retina
do serSo os seguintes :
l. 4,8300
2." / 3*800
3. / 3200
A relalho :
1. ko 320 rs.
2. 28''
3. 2i0
Esta alteraco apenas originada pelos ac-
tuaos precos do mercado.
Os retinadores.
Tratamento Reeonstainte
ELIXIR DlIIHAMP

COM EXTRACTO
de Figado de Aincalltii
Quina e Cacan
i.. --#.--...
Caaa frasco d'ests > Tem tobp o o,l*o d
R cc-item :- ^--d. de bacalhu a van
r. ..._.pi ;3 depurativa3 e / tagem de aocelerap pjS
tonicosdeum litrode efeo ? funecoes do estomago
de figado de bacalhu e aum litro do vip.ho de Quina. ^ e do despertar o appette.,
Caoa
elixi
[ principio

; i
I Este Mdicamente, de sabor egstp,
tmnito agradareis. obtetC o me!bor suc-f
?cerso em Franca para combater : *
f ANEMIA. CHLORSE.
1 AFFECCES tos BRONCHIOS
e PULMOES,
e a FRAQUEZA das CRIANZAS
t
Deposite.jjerai em PARS : k-
DV0S.AIC?, X5, ru* Poltou I
Em Pernambuco :
-----C-"AMno M. ra RIH,A.Cv f


i

Cha verde fina
Allieiro,. Feriiaudes 4 C. especialistas ne^le
artigo, vendem em seu estabelecimento dme-
lhor qualidade que vem ao morcado, em-pacotes
e a relalho. e por preco mdico:
Vinbos de Pastoe Figueira, propiios para re-
feicSo e de superior qualidade, \eiuie-se. nn
mesmo estabelecimetito. e por prego resuiaii-
sno.
Assim como, tamboai uo mesmo estaheleci-
mento se encontra superior caf moid cmipR-
cotes df b(> grtrrimas, a.600 rs. o pacoten
4*Ba la imoeruiwtz.- i
TELPHWNE >'. 473






'

.
Beata
f
Ria<4.ui do Padre.-
i Frvinc-sc: que o cu proprielarlo do en
Kiacho do Padre, sito em Agua Preta, que quer
1 jardinera, Laidcirs com encosto.de panno", ^,fer0a,fla p;>' do:iu -lica'e,da shesla
espelh ovar granqe, 1 lustre a"faz df crV L^ L21*Pwfe^?w ff v ler felt'8fluint
"* seem terreno que nao pertence ao engeahQ.
movis, faiendas, miudezas.'perfumariag,
crotons e ootros arligosique sero vendidos io
correr do martello.
Qaarta-frlra 15 do corrate
A's 10 1|2 horas
Ra Visconde de Inhama n. 48.
vaccas touriqas, sendo 1 com cria, 1
cavalf, 1 burro e 1 carro de 4 '
rodas para boi
Quinta-fcira 16 do corrente
AX]rl,lMK4ff-
No armazem mu Mrquez de Olinda
11. 48
Ao correr do,martello^
Em contiDu.$o
De 1 mqbilia de Jacaranda, com 12 cadeiras de
guarnico, 4 dilas de bracos, l's', 2 consloa
com pedra, l'jardioeira com dito, 1 commoda
1 apparador, marquezOes, cama, louca vidros
e outros objectos de casa de familia que serao
vendidos sem reserva de precos.
Por intervenco do
Agente (jrU8rn|o,
coro 2 bios, esteiras forro de sala c quarlo, ta
pete de centro e sof, jarros de alabastro, ditos
de porcelana, crochets, quadro3 dQara<.!os(lpar-1
peinas e cortinados. |
Camas de ferro cora cpIxOes e travesseires.J
lavatorios, guarnices, 1 commoda, 2 cabides', 2
mesas com gavetas..6 cadeiras, 1 guarda-.roupe
2 liados candieiros.
Urna mesa elstica com 6 labo^s, 2 apparadp-
res de armario com lampos de pedra marmore,
12 cadeiras. i relogio, 1 apparelho para janlr.
1 dito para cha, 1 dito lessert, copos? caii
garrafas e compoteiras de crystal, 1 galheteiro,
1 porta-ructas de electro-plate, bandeijat guar-
nices, flandres, mesas, cadeiras. tjens de'cosi-
ha e mais accesserios de casa de familia.
Segiiudanfeira 3lo do corrate
Nos Afftictos
i.
20,^00
Keverinno la I'onscca
Pittn
As (Ibas, netos, genros e oras do fallecido
Bcnto Severiano da Fonseca Pilla, agradecen a;
todos as pessoas que. acompanharam osrreslQs
mortaes de seu prezado pa, av e sogro, -de
Olinda, A estac.'io ds Cinco tontas, e rtabi ao
engenho Pereira Grande, ao/ide iEhumou.se : e
.r.lio : de r,oy convidantes pessoas de sua amizad"1 e
ilc i'aiif-cidO assim.como aos prenles nara St
istiieai'ii.s.missa,s oue teem de ser reutdMdxa
na alma quint-jTeira 16. do corrente, as"8 horas
damaflhja, na igrwa do Corpo Sanio, pelo que se
ponfessam eteriiapienle irratns
U-
:
na
Aluga-se o 2- andar ra da Guia n. 62. com
2 saias,":i quartos e coqkiba,- acha-se limpo ; tra-
ta-<-e na loja.

A viuva de Francisco Ribeiro Gimares con-
vida, aos credores do fallecido a reunirem-se na
ruu da Unfao, no predio n. 2, na sexta-feira 17
do corrente, ao meio dia, afim de.d.eliberarem da
disposico.do respectivo estabelecimento..
20|000

m
f
sitio com portao e grade de ferro
frente, esquerda da estrada
O asente Pinto levar a leilo os movis e
mais objectos cima mencionados eifetenics na
chcara dos Affliclos, em que mora o S?. A-
Cohn.
O leilo principiar 1/4 de hora depois de
mejo dia, com a chegada do trem que parto da
estacao ao maio dia.
Os pretendentes poderSo ir no trem de carga I.
ou nos hondada linha de Fernandas Vieir*,i poM Na ra do.Vigarion. ,2. 2- andar, ptecUa-^e
ficar a casa perto do BBfroncaoientb. I de-rna ama de leite para enanca:
Aluga se a casa n. 16-C da ra de.Riachuello,
com salas, 2 quartos, quintal e cosinha ; a de
n. 16-D, junto, por.184 ; a de n. 14 em S. Jos,
por 12a, com 2 sidas. 2 quartos, cosinha e quin-
tal ; a de n. 16, junto, por 14*, com 2 6a!f2
quartos, cosinba, cacimba e soto, todas achara-
se limpas e as chaves esto junto para ver : tra-
ta-se na ra da Guia 62.
Ama de leite
coaquim BiTiiarina de Castro
RiN
Anna Tertulia da Conceico Ros, suas lilbas o
genro? convidaaw todos-t** sns parrtes e amr-
gos para assistirem a artesa que tem de mandar
celebrar na Ordem 3." do Carmo, por sln.i d
sea sempre 'horado esposo, paj e sogro.
buim B. de Castro Ros; s 8 horas da manlke
sexta fe ira 17 uo corrale, trigsimo dia de
falhcimento. Desde j anteciparn sua eti
-ratidfio'a rodos quantos se dignaren-
cer a es se acto Dr. Aatunlo Jom- da Fotoaeca
Ijesaa.t. .
0 Dr. Prxedes Pitanga manda nezar inissa. s
8 horas, da dia 16, por alma do Dr. Antonio Jos^
da Fensftta Lesse, seu cunbado, por ser o trig-
simo dia,de sea passameto, na matriz da Boa-
Vista, o Dr. Antonio Pitanga,. na cidade do Li-
Convidam seas ambo e ageadecem...



Diario de PernambucoQuirfta-feira 16 de Maio de 1889
' .f i i
final
FNDICAO DE SINOSB BRONZB
DE
(56rtftl "do Barao do Trhrmpho---66
para veielter o segtiinte:
MU-hsH as 'ito <*oBr para fazer espirito Je des'tillar e rtillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo systema com esquenta gapa.
^oi'pnitlnas de cobre'e de ettanho.
Carapuoas de cobre.
I'alxas. taixos e caldeiras de cobre.
Honabas de todas as qualidades d repuchos, aspirantes e continuas.
ihorfelras de bronze e madeira de todos os tamanhos-
tifios ite cobre, dcSchumbo e de ferro.
titfparilflftrs. passadeiras e escumdiras de cobre e de ferro estanhado-
Cobre (im lencol e arruelas.
$ol ingleza e'do Rio.
Cadiuhos patente e de lpis.
Sinos do 1 libra at 110 arrobas.
E muitcs outros objectos
EXCARREGA'M-SE de qualquer concert e obras de encommenda, garan
presteza, perfeicao e presos mdicos, para o que te'm pssoal Habilitado.
%"'%.'<'' a ir'Kn mi .llnit'ir. v frm a i^-un (1
%*IJ.\Oli! a praso ou dinheiro com descont.
>* pti iiRfi nj n^i**"! t>">
Elixir, P e Pasta, deniijricios

^esi
3i PPb

i
fc-'

da ABBADIA de SOTJLAC (Gironde)
DOTE SffAGUSLfelfNE, Prior
Ufedfillias de Ouro: Brutelles 1880Londres i884 \
AS MAIS ELEVADAS RECOMPENSAS
n:vkTAi>o "flfc'Wo Pel Pr,or
no >o lO/O Fierre xtoiTBSAtrs
0 vio quotidiano do Elixir Denliricio
:. RR; PP. Benedictinos, .cpui_dose 4a
0|gu! .. ; lias com agae, previ-m : cura c.-inu
dos i. ::;-;. .iiiliri'nqui^o, f>>rtleceriUO e tor-i
nana is ponjrivas porfeitamente sadiaa.
I'r. fainos un vrdaddiro servico, assijrna-
'VJW '""i :|"SS(,S K'itort esto Antigo o utilis-'
Eimojj'ylirado, o melhor curativo c o nico
preservativo contra as AffeccSes den-
taria, s
Agente gera!: SEGUIN, BORDEAUX
Scha-ss em todas as boas Perfumaras, Pnarmacias a. Drogaras.
Urna peca de esguiSo de lgi>d2o com 10 varas por 3j00.
Urna rica colcha imtacao de crochet por 6^000.
Urna peca de bico matizado por 2fj50O c 35000. S vendo.
Urna duzia de camisas allemas por 355000. E' peehincha.
Um bonito edite d setineta com guarnicao por 65500.
Um covado de 12 Amazonas a 440 rs., fiftaeSo dp.spda.
Um covado de cachemira de listras, o lisas, n 15200.
Urna sahida de baile eom bordado a 1500.
Um. covado de percale, cores fixas, a 200 rs.
Um covado de tecidos de fantazia, ultima moda, a 500 rs.
Um corte de casemira ingleza por 55500. E' barato.
Um metro de renda hespanhola, todas as cores, por 35000.
Urna duzia de serolas de bramante por 15^000-
Um covado de linn matizado por 500 rs.
Um fich de 13, o que ha de melhor, por 65000.
Urna peca de mdapolao americano, com 20 varas, 65500.
Um paletot de gorgurina, imitacao de seda, por 45500.
Urna linda colcha'de damasco de algodSo por 6#500.
Um covado de zephyr, o que ha de bonito, por 200 e 240 rs.
Um espartilho couraca com bordados a 55500.
Urna 'arnicao de crochet com matizes por 7)5000.
Urna duzia de meias inglezas de 95000 por 65000.
Urna duzia de lencos, em caixas, por 25500.
Um covado de merino liso, duas larguras, por 440 rs.
Um paletot de seda palha por 7'500.
Urna camisa de flanella americana por 55000.
Urna peca de cambraia V ictoria por 25800.
Urna peca de bordado mtiito fino por 700 rs.
Urna peca de cambraia bordada por 4 00.
Um tapete grande para sala por 130OJO.
Um ovado de sargelim diagonal por 200 rs. E' do melhor
Um covado de fustSo branco por 360 rs. Sao bonitos.
Um par de luvas de seda, todas as cores, por 25000.
Um covado de cretonc, cores claras, a 240 rs.
Completo sortimento de regatas, punhos, collarinhos, entre-meios, Jeques,
tractos, bolsas, costumes para banhos salgados, bicos lisos e brancos, roupas feitas e
Officina de alfaiate
Na roa Primiro de Marco n.
\S% DE
Fura a cura efficaz'e prompta das
Molestiaav provenieiites de im-
C pureza do Bgwe.
E' urna loncnra andar a ur expe-
riencias .pw.jnistuiam Jnjfodpres corn-
liostas de drogas ordinarias ou d^jplantas
indgenas cuja efflcacia nao conflrrnada
pela scencla, epiquani^ que a molestia
cada vez val gahando terreno.
Lancera mi, sem. demora, de um re-
medio garantido cu efflcacia seja facto
assignaladq e inquestionaval!
O Extracto CoMpo^io Concentrado
ir SALSAPARRrLnA de Ayer conhecido
c recommendado pelos mdicos mais in-
tclU^eutes dos paizes adiantados, j
'liiraotii ^aruioa. ^,
Centenas de mil liares de doentes
tcm colhido beneficios do seo emprego e
sao outras tantas testemunhas da sua
efflcacia positiva e ncomparavel.
l'REPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowell, Mass., Est.-Unidos.
DEPOSITO """
AN&.aMl'TA
Remedio Vegetal da Katurezi para o Si.
vio e cara de todas as molestias
Do Peito e doa Pulmoes.
ex-
20
M
c.
J
A VSRDADF7RA
DE
'

' o nico Dsntifrlclo approvado ,
PELA ACADEMIA de MEDICINA Oe PARS
0 melho'' cbf/hMte contra aa,.()oret (fe Quites .....
Recommendado espaoiaJNbente. coro os POS de BOTOT eom Chuna.
_^_ ^ .^.-.-a* Pr of,ovldMos da.boooa.
eO0. ftnc Btttonor, Purtm, t m M a tai Drortrta. Palumiu e <,
mam
I
Visillo Xar ope d. Dusart
.......MUCT0-PH0SPHAT0 0 CAL
Approvado pala Junta d'Hygiene do Rio-de-Janeiro.
O Laeto-Phosphato de eal, que entra na composicao do VINHO e do XAROPE
de DVSAJVT, o medicamento mais poderoso que se conhece hoje para restaurar
as (oreas de certos doentes. ,
Gor.sqlida e endireita os ossos das creanras Rachitica, torna activos e igorqsoS
os Adol'icentes moes e lymphaticos e #8 que se,{ichao fatigados em cn>3auen;i8
de rpido desciment. Facilita 4 cicatrisacao das cavernas do pulmao nos Tfico.
Sendo administrado as mulberes duran te a gravidez ellas atrvessao todo o periodo
da geslacao sem a menor fadlga, sem nauseas, sem vomitop, e dao a luz a creancas
fortes e vigorosas.
O Laeto-Phosphato de eal administrado s amas e s vnaes que \ riao os filhos,
liorna o.leite majs rico, mais nutritivo, e, preserva as, qreapcas da djarrba e de outras
molesuSsfcque,sedeclarao durante o crescimento. A dentifao opra-se sem fatigar a
cranla, sem que anparecao.convulsoes. .,...,,
O VlMMO e O XAROPE de Laeto-Phosphato de eal de DUSART despertao o
appatite e levantao as forcas dos conval^sqentes e devem ser,empregados em todofe
[os casos em que o corpo humano se acbr ftigaao bu e,xhaurido de forcas.
Alug"a-se
o 2- andar da casa roa da Aurora n. 81, junto
a estaco da estrada de ferro de Olinda, com
grandes commodos para familia, gas e agua en-
canados ; a tratar no escriptorio de Sebastiao
de Barros Barreto, ra do Bom Jess n. It,
primiro andar.
Aluga-se
o pavimento,frreo,do predio sito ra do Bom
Jess n. lo, proprio para escriptorio por ter gra-
des, gabinete, etc.: a tratar na mesma ra n. 4,
escriptorio.
lug-ei barato
Hua de S. Amaro n. 14.
Baixa verde n. 3.
Becco da Bomba n. 8 loja.
Baixa Verde ns. 1-C.
Ra Visconde de Itaparica n. 43, armazem.
Ra do Coronel Suassuna, quarto n. A.
Largo do Mercado n. 17, loja.
A tratar ra do Gommercio n. 3, 1 andar,
escriptorio de Silva Guimares & C.
Ama
Xa roa elba de Santa Rita n. 89, precisa-se
de urna ama para comprar, cosinhar e fazer os
demais servicos de casa de pequea familia.
Ao ctiimrdo
, 0 abajxo assignadV retira.ndQ se.naraportu-
1, declara que deixa como seijs procuradores
G. .Neito, Albino
1ititUl^0iTRK*-44
Mac'hinnira vapor.
Moi*ndas.
Rodas da
gda.
Taix frdidas e batidas.

Tai xas batidas sern efva^ao
'Arados.
-
-
*n-
mmmhtms^iafA a^ c*-- '-sW

UJSbV a fi-
Pi-ah'ca di

*
iia
*
-"'''-
'i I 151.
, a .. wj;--ni"
,..i. uiU "r--"fe, 'W^&a "%F~ C


,A.......u^'^-"' V'::' "
Por1 CB., I^JZ^W, peitraSia
.-''
PABTS; a -fS-JLa cxs/la 2.i:
V *Jj.. e. *r^-1 t-*** .-> **i

5

MTHMfli 4
Vend* m
Cura*i|e]c5OfAgjr\0 '6MG
Ifpp'eUiOes Tfk-.ac IUfuarit J\t iv'hJgltta
soir-s 3. um*i;a que uenetra n>> peito, acajjn u, systema t-rvo.so,
laclliU a expectoraco e favqrlsa as funci;oe6 dos.orgaos respiratorias.
.tacado, i. ESWC. SO, ru HmMT, Mi Prnetm. IWJa-H asta amS,""'
rtrmmttm : rltAMCc. M. da SILVA C Sricljta FUniuau Un

59Ra Duque de Cax'ias39
IR E
Cortes'd cretos 'n c'rtSo com figurino"e erifits, a ?
dem de -aMmtas bordadas, a 250, ao'd'WXX).
Sctm' pr'to' a 13009, 1(5800 e 15800 o covado, verdadeiro Mcio.
Tfosdciaples prefts, Verdadeirp Lef,. a 25200 o dito.
Mcrfnds >re"tos' dVis larM/ra,. 500, 800, 15000 e 15500.
Manliltes'br'tfls, 'k'^WQi'SOOO c 55000.
Cosacos de cKnia prets, a 305000.
tilo bordado, a 8U rs. o covado,,para veos e enteitos.
Vllqdilhos de todas as cores, a 00 rs. o dito.
Zofiro do cores, a 80, 100 e 160 rs. o dito.
Linons de cores, a 200 rs.' o dito,.
Tecidos diversoe ^m cores, a 240 e 300 rs. o dito.
Fust^es blancos ^ordados, a_,360, 40Q e 46 Chdaj ^etmets, a 20Q rs. o dt'oj awqv.iten. ,.,.,, ,
Grcloncjs magiificos^ ym[.metro qe lareuraA,'a;i28.0 rs. o dito.
Chitas. Hom sortimento em, cores firmes, 200 rs. o aitc.
Renda^austrisoas para vertidos K'ooO'rs. o dito.
^atiMBs bci-.f.daa, 2 BOO, com 10. jarda..
Tdem'Victoria, a ?5^00 VmjOQj pm 0 altas.
Madarjolo juperio/a toO,' c'm^ da
' Jffgo'o^s'.nacioacs a'35000 e'3o0u"com ?0 dTtas.
ica's'iiirnicoes de croeK^,"a 75000 '8
I MvXi"
^
ROBERTO WEISS
FRANCFORT ft.-MENO
^ENGENHEIRO E CONSTRUCTOR
ps
Eslabelecimento especial por fomecirrerito de caminhos de
fp tran;k-'i!lavis, v ixos montados completos para posigo e maDpijo e rado
assim como
CADEIRINHA COM RODAS, VAGONETES, DE
TAIPAES LOCOMOTIVAtS, GRAS, ETC.
Par^ eso: agrila, plantacoes, arma2efjs, minas
niu?tria, selvas e campos militares, etc. .
EXPORTt
305O0O.
Tlh&s de labyrinfn'l_'para' baptisados
Tdem 'grandes para rsto'a 45000'a duz.
Comillas d bramapte. a 1,2^000 a dfta.
Wtts' itigltzas: serSbrei a 350 e:5500. .
ra&ahs inglezas' e fr'nccias 30'WOO e rf6;f?t)00.
Co^tinka-os'bbrdados a eSOtWV 85000 o par.
Lns d bramante' 58O0.
obrtas de jang, don- pannos t 200.
Rds superiores, a 105000, sio d 55000.
Pannos para mesa a l'^lOO'VlfMOO o covado.
toalhoos bordados, a. 1520 o tnetr.
Brtlfmmt de' agdSo, TOO, 900 e 15000 o dito.
Mem de puro libo', a 15600 o dito.
CaBfmiras em ctts, a' 2500C, 35000 e 55000.
Srgrms diagonal, a 200 e 220 rs. o covado.
A? vendas er grosso tem d'sctit de
14
'[o
aos Srs. Clemente G. Nelto, Albino da Silva
na forma em
3e fc'm cblfcados. DSitro'sTu, pede desculpa
e, pela presteza d/; sua \iaeiu, nao ter-se des-
pedido pessolmeute das |jessoas de sua ami-
zade, otfereGendo seus limitados prestimos onde
se acbar. ,,
Reci, 3 de Malo de 1889.
Antonio Jos rvalho Jnior.
Vinlio puro rfe Sa-nlarem
Da Quinta :db Barra]
Cbegon a pnmeira remessa deste especial vi-
nlio para o Armazem Centra! dje gneros alimen-'
licios a ra do Cabug4 o. 11..o qual se torpa re-
jqnimendado pela sua pureza e boa, qualidade,
rh'anda-se em casa #s dis,tinctqs freguezes livre
de ffete, para qualinir ponto da cidade.
Ra do Cabugn. 11
TlpHf 447
Joaquim ChfistoVao i L
HVcncfadoitelfi inspectora ffioral
9 EygiineioIfoerlodoBrxtL

[0eCODlHABJ0LU)
i Catmrhoi i Iusomtkti'
sasas. m. t w i
Tribof
i'ede-se a crto achare! ou advogadqWBe se
r'jcarregou de descontar uuia letlra.xlizel ser
o acceitaute, commissariq, e,o,|eodo^an.te socio
de urna firm^ estabqlecida 'uma ruaj.desta ca-
pital, e ambos estarem' murto fcpm, venna expli-
car'o quediem os m'esras, dizndo'quando V.
S. gannnu dinheiro na ultima corrida 4o .rjra'do,
o na,,
e se^So o izex expncar-ae ha a public este
tribofe assigoflo
Professora
Urna senhora competentemente habilitada,
prope-se a leccionar em collegios e casas par-
ticulares as seguictes materias : portuguez,
francez, msica e piano ; a tratar na ra Vis-
conde de Albuquerqe/n. 20.
AFLORM
GalSes, palmas e rosas de vidrilho.
Bicos de seda e de algodab com sena
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algo dao.
Contas lapidadas para vestido.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 35000 e 45000
a duzia.
Bordados de cmbaia tapada a 400 500
600 e800rs.|a peca.
dem com 3 e 1|2 metros, de qualquer
argura a 15200. ,,
Lencos de linho em' caixinhas a 35000 a
dita.
Meias para homem, duzia a 45000.
dem para senhora, duzia a 45000.
Lindos leques transparentes de eaze s
35000 um.
Grande sortimento de porta-retractos de
pellucia.
Finas pulseiras americanas a 45, 65 e
85000 o par.
Ditas de phantasia, gosto moderno, de
25500 a 35000 o par.
Cortinados todos, de crochet para cama a
125000, 5000 e 195000 o par, alguna
de cores.
Ditos para janellas a 75000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 e
15000.
Ditos para sof a 25000.
Plastons e regatas de gosto.
Espelhos com tres palmos de comprimento
a 45000.
Capellas com veo para noiva a 65000 e
85000.
Lindos enxovaes baptisados a 85 105 e
125000.
Toucas de setim para baptisado a 35. 45 e
55000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Renda hespanhola de diversas, cores.
Bicos brancos e de cores a 25000 a peca-
Ditos de seda brancos e de cores.
Lindos ramos de flores a 45000 um.
Collarinhos e punhos celluloide.,
Grande sortimento de fitas modernas.
Baleias a 280 rs. a.duzia.
Extractos o cieos de diversos fabricantes.
j Linha de machina, claque, a 40 rs. o car-
' ritel. ,.
fastas a.'5000 e'J5t^)0.. .,,,..,,
Porta-Ittras e porta-seduas a 2^000.
Arquetes para chapeos e chapelinas a
15500. *
Lindas fi(as n. 12 para' chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25000 o
- par. .,.
Ditas de seda parap creanca a 15000.
Dita para hioca a 15500 o par.
; Grande sortimento de jarros para toilette,
sanctuario e consollos.
Lindos lencos de seda, gosto moderno.
' Grampos dourados para segurar cabellos.
'Ditos ditos para enfeitar cabeca e segurar
chapeo.
Espartilhos para creanca a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000 e
'65000.
Grande sortimento de sabonetes de 200 a
15500 um.
Estojo com faca, gario e colher, proprio
para creanca.
BengaIIa ojn flauta a IJSOf^-'
Meias de 13 para homens e senhoras.
Liaba dpuradaa .para >ker oroch#t.
Lmdas fitas para fafcha a 25, 35" e 4500o
o metro.
Lindos leques de setim para easamento.
Grande sortimento. de jeques de setim e
de papel de todas as cores.
nsorios americanos a 25000.
os desechos para talagarca,
carteiras para algibe* de. f ,
3 e 35500 urna.
i Je'aiias o. 103
r.j,.-
-------y.
Arrend
J'Jiiz da partida.
&.,
an-se os engenhos,Cachocira e cca
da,Matta da comarca da Victoria, a tratar na ra
do imperador n. 30, 1." andar.
Grageas Demazire
tappravadag r>ola laspeotoria de Hycrioiio do Brzil
CASCARA SAGRADA lOOURETO^FERROcCASCABA
Verdadeiro Remedio JzuUs activo dom Ferrvgmoeom
Contra a Priiio de Ventre habitual. Tf&o produzlndo a Prisma de Vantra.
Btifcftt "' ^IWiiGW 6 Pf SAZIRE, 71. mu VH
En trambuco: FBAH- M. di 8ILVA C.
DIGEST0ES
DIFFICEIS
Dyspepsla
Perita
de Apoitite
OOEUMSdtSTOlGO
ELIXIR GREZ
5TRALGIA
ANEMIA
Vmitos
Diarrha
_____________________chronica
TOWieo IIQKSTIVO oom QUINA, OOOA < PKFSINA
adoptado bu todos os HospiTAES Metalbit de Obro Diplomea de Honra
pars ORcz. S4. ru l> srttxr*. tsdas as asraMoiM |
Esta mimosa walsa. gara nian'oo;,'ciposicao
"do'FilhlJLstavpi-
Constncinha
do teZpiiN pofesse cam'c-
da a 11000 o exemplar as seguirites casas :
J. Krause-rRua Primeii, de Margo.
Bento Machado -' Rua.^ova,
Lenidas-Ra da Imperatriz.
Ate ved-Bario da victoria.
DtarleImperatriz. "
tirra:
A o commereio
Pos abaixo assignados pnriicipamos ao corpo
jEamereial oVsta praca que vendemos o estabe-
leciraento silo ra Visconde de Inbama n
31-A ao Sr. Ju-tino Lopes de AzevedeijJtaBdo
elle de posse de todo o activo o biigsaBele
passivo, e nos ^em responsabilidade algOBfa no
mesiiio estabeletimento desde o dia 0 de Abril
prximo passado. Recife, 9 de Maio de 1889.
Antonio Pereira de Magalhaes 4 C.

A Upjniao
)ra-se..(
e 1880, que se'pnbli-
rrmfiorMBTitTrlcio
*
Nestf Ijipographia mpra.se..ofl. Hi dafs-
Iba intitulada .1 OpiniSo, d(
ou nestac cidade.

iS
SePMp
i
rnriregmia com a
Odfl't'i 3
A o coi i
0 abaixo assignado retirndose para Portugal
por motivo de sade, scientilica ao publico e ao
commereio t,ue deixa como seus procuradores
aos Srs. Francisco Joaquim Rib, iro e Joruia*
Antonio Rodrigues Sobrinbo. Outrosin;, apio-
veita ao occastao para se desped
seus amigos e fregaez
Recife, 11 de Maio de 1889.
Gonezes de Mendoaca.





8
i
Papel de forro
ala, gal inAc e corn-rtor, esplendido sorti-
mento na li ontemnoranea.
Quadros
om bellissimas oleoprapbias. obiectos para
idorao de sal; e para presentes, todo encontra-
se na livraria Contempornea, na 1 de Margo
numero 2.
Malas de va geni
roupade sechora e de homem. propria de
Snarote e caminho de ferro, bolsas, rapelei-
ras, binculos, etc. etc. artigos moil
baratos oa livraria Contempornea.
Instrumentos demusica
Eara banda c orchesfra, realejos, ixinhas uom
, 2 e 6 pecas, para en nca ; n.. livraria Con-
tempornea. ___
t osd* eir
Precisa-se de rma que> -Ini, bcui nao saia
a ra ; a tratar na ra do Calinga r '4. pr
rn 'dar. de meio dia at 2 hora-
Cozioheira
Precisa-sc de urna ama que cosinne bem, pan.
ca- Je pequea familia, que durma eni casa
dos atres ; na ra Conde da Boa-Vista n. 24-F
poruo de ferio
\o commereio
Os abaixo assignados scientilicam ao oorpo
ommerciai (testa praca que nesta data dissolve-
ram amigavehnente a sociedade que tiitham no
estabelecimenlo de molhados sito a ra Viscon-
de de Camaragibc n. 6, a qual gyrava sob a ra
7.ao social de Silva Lopes, retirando se o so-
cio AtTonso Lopes Dagnaisscr pago e satisfeito
de seu capital, fu ando exclusivamente a cargo
do socio Jos Ferreira da Silva todo o activo e
passivo da extinrtu firma.
Recite, 9 de Maio de 889.
Por procuracao de Jos5 Ferreira da Silva.
Anton.o Ferreira da Suva.
AtTonso Lopes Dagnaisser.
A o publico e ao com-
mereio
!Nus abaixo assignados declaramos que dis
solvemos a sociedade que tinhamos nesta capital
sob a razao social Maynnck Irmac & C, retiran
do se o socio Jos Caries Mayrin. k Monteiro de
Andrade pago do capital com que entrara para a
firma nos terms do distracto feito, e registrado
na junta comiuercial. Todo o activo e passivo
da firma, constante de uiu resumo de balance
nesta data, firmado por todos os socios, fie rao
t cargo dos socios que continuam com a socie
dade e a mesma firma, sen responsabilidad^ al
gama para o socio que se rctirou
Recife, 7 de Maio de 1889.
Jos Carlos Maynnck M. de Andrade.
Alfredo Carlos Mayrinck M. de Andrade.
Jeronymo da Costa Lima Jnior.
Bons resultados
Para provar os bons resultados do Pei-
toral de Cambar, basta apresentar os nu-
merosos attestedos de curas firmados por
pessoaa dignas de toda f.
Cura-se fcilmente
At- inflammaco do larynge cura se f-
cilmente com alguns frascos do Pcitond de
Cambar.
Os agentes,
Francisco U da Silva & C.
AOS. Sr*. PEOf'TAaiO'- dCAVAIlOl
UNGENTO STEVENS
, uni. lindo l caul >ac-io oOS cavallo*
aeloTLO ra\!' o arado o nnico
i.o .. ,. ira curar Lulas
8 1i --niiT kDWi >tupni *> tualU, Znu:a>i d-s ti
%>x,. .., e Distar^ < Ua i iatireza. lo annos de
T>Hmo e <-ontl2ino xito i ai toda p. cor-
riuas, har* nos principad eatabeleci-
m. otos de cavall-M em Inglaterra e Europa.
\.: iCa '! 'Ixa riertos al_uu;a. E" minie: c\peri
j nta i< para floar cor vt-.icido do seu valor.
,-//, '..' OOH 'X.J'ifrrcnCS innicirla
tiara oent rmt.....' ir*ugur.x
Ha*Bi i un MBVBMa. n-iico-nUnwn,
t, i'.r* Luc. Londres llafkKiml
SJosiUr^'s rnimbj^ : IM1 i. Id SBSkkP
Ao commereio
i abaixos assignades, componentes da firma
Ciunara Braga 4 C., estabelecidos ra Direita
de Afogodo- n. 32, declaram que dissolveram a
sociedade ietirando-se o socio Antonio Botelho
da Cmara Braga, pago e satisfeito de seu ca-
pital e lucros Meando o Activo e Passivo a cargo
do socio Jos de Souza Nones Braga
nerife. 8 de Maio de 88.
Antonio Botellio da Cmara Braga.
P. p. Antonio Jos Dias.
AiU-nhm
dna lee
cionar portugnejle frnncei >o tjlos os
trab Ihos em l)>raado- c.flore de todos o; gos-
tos e especies offerece se para ir a casa das
familias que n3o quizerem mandar snas Sitias
para as aulas; assim como tambera ir reridir
na casa de alguina familia abastada que jueira
para mais commodidade de suas filhas. AfTian
ca-rc conducta honesta, prudente e moralisada:
quem precisar pode dingir-se ruado Barao da
Victoria l&ja de fazendas Pariz na America nu-
mero 16.
Diario de Perrianibuco Quinh: Mrn ib de Maio de 1889
55
AO
Convite
A R
Engenho
..da s ou vende-se um encenho inoente
e correle na freguezia da Varzea : a trillar na
ra do Vigario n. 31, primeiro andar.
Caixeiro
!n. ,.xeiro que lenha pratica
de ,uolhnd:.s, de idade -'e 12 a l\ auno? na ra
Eagiiho
FOLPETIM

SEM MAI
POR
paulo ::::::^:r;
i PALHA DA GOURACA
(Continuado do n.
CAPITULO V
Pompn perdido
10 8)
Arrenda-re o engenbo Riacho d'Autas. distan-
te legua e meia da estago de Timboass. bom
d'agua e de trras e tem tastantes lavradores :
a entender-se com o propri"tario no engenho
Berafica. \isinlio ao mesmo.
Agostinho Irmos
Collar de Ouro
Ra !* Cafea** I *
Como fizessemos urna grande reforma em o
nosso cstabelecimento, lizemos tambem reduc
cao nos prern- de nossas joias de ouro, prata e
briih. ules, "l'edem a seu? amigos e freguezes a
virem comprar lindos chjectos com pouco di
nheiro. i ompra-sc ouro, pnita e brilhantes em
obra servidas, e paga-sc bem. Caocarta
relo^rd, obrte BEDU FRERES
Consruelores a Ham. Franca
Representado per Emilio Bu-
lln, engenheiro meehan'^c
(PEBNAMBCO)
Assentameuto completo para engenh^0 cen-
traes e Usinas pelos processos os mais .iperfei-
goados.
Mocadas e repressao mltipla.
(]orte cannas vertical, svstema Bedu.
Diffuso, nrculare reelilinha, dito Bedu
Diltus.'io coutinua do bagaco dito Perret.
Fornos para queimar 6 bagaco da ditTusiio,
dito Bedu.
Filtros mchameos a Huracn mltipla.
Turbinas centrifugas (economa, limpeza e
trabalho rpido).
Em gera! lodos os apparelhos os mais moder-
nos e os mais a|terfeCOados para o fabrico de
assacar.
N.B. -OSr. Emilio Billion fazendo urna via-
gem de 3 mezes oa Europa, durante a sua au-
sencia dirigi as cartas e pedidos a casa Bedu
Frres a Ham, que foruccera plantas, orcamen-
tos etc.. e por qualquer negocio urgente infor
mar se ao Sr. Eugene Chalinr 24 roa do Com-
mereio. Becife.
TEHllAS
Telegramma
iPiirliniliir d Diario)
36 enancas venidas a jockey, sendo Derby,
Camp.i Grande. 9rado Pernambucano, uniformi-
sadas pelos ltimos eostume, surtidos por Pe-
dro Anfann & C, fleam bem interessantes ; A
ellcs. antes que se acar^m na ra Duque de
' axias a. 63.
C'hapeoh de sol
Para senhorus e mocinhaa. pretos e de cores,
oque ha de,mai* gosto, poueas amostras; na
tasa Pudro Antones'& C ra Duque dv Caxias
numer 63.
contra
aito, o
tendo
um
.A menos que a senhora tenha
conhecimento poderoso, havia dito a mu-
Ihe.r da loja.
Ella nao conhecia ninguem senSo a Sra.
Chaniers. .
Mas nao tinha sequer o seu endereco;
ora, sendo o dia seguinte domingo, nao
haveria ninguem ni casa Anatole, e ella
nSo poderia perganta!-o alli senSo segun-
da-feira de manhS.
sto quarenta e oito horas depois.
E Pompn, onde estara ontSo ?
CAPITULO VI
epinho
Por que est chorando tanto, minha
senhora ? perguntou de repente a Clotilde
urna voz joven, firme e clara, e cujas in
flexoes lentas tinhain infinita docura.
Ella ergueu a cabeca.
Um moco alto, fntnzino, moreno, o quan-
to ella pode julgar atravez suas lagrimas,
esteva de p diante della.
A orpha achava-se n'um momento de
desespero tao grande, 4ue nSo poda pen-
sar em outra cousa seno na sua dr.
Uaia nica idea acudi-lhe ao cerebro
?aaio forea de de igosto :
E' talvez un salvador para o meu
pobre Pompn!...
Senhor, disse ella omito baixo e fal-
lando um pouco depressa, por phranes an-
da entrecortadas de solucos, sou s no
mundo, nao tenho por amigo sen3o um po-
bre cSozinho. Trabalho todo o dia n'uma
casa de modas, e esta noite, quando entrei
no meo eommodo, elle nSo esteva mais em
casa.
Anda entilo procura delle?...
Sira, senhor, procurei-o, e, como a
casa em que trabalho alli adi.mie, a do
Sr. Anatole, vim directamente a ella, pen-
sando qne talvez o meu pobre animal ti-
vesse rindo ao meu eaeontro.
E ninguem o vio?
A visinha defronte, coja loja acaba
de fechar-se, disse me, ao contrario, que
Pompn veio. Pelo retrato que ella me
fez, reconheci-o perfectamente. Mas pa-
rece que elle brigou om outros cSes e
que um policial lgvou-o comsigo.
Entao nSo te desespere, ha de cn-
contral-o. ,
- Disseram-me que preciso um em-
irnportente para retiral-o do Depo-
onde sem duvida elle se ach.*.. NSo
assim, matal-o-ho Ora, eu nao
cooheco ninguem...
Recomecou o seu prauto.
O seu interlocutor, singularmente com-
movido, disse-lhe :
Supplico-lhe, acalme-se. A senhora
acabar assiro por attrahir a attencSo des
transentes sobre si. Volte para casa, e
permitta-me que a acompanhe. Em ca-
minho explicar-lhe-hei como posso restituir-
lhe Pompn.
Ella quasi soltou um grito de alegria e
cambaleou.
O senhor, disse ella. Ah meu Deus !
Sim, sim, mas venha; vou contar-
lhe isso.
Ella acumpanhou o, tSo pura e inocente
de pensamentos, que n5o achou absoluta-
mente nada extraordinario caminhar szi-
aha, aos dezesete annos, ao lado de um
bello rapaz de vinte e tres ou vinte equa
tro annos, is onze horas da norte.
Para que lado se dirige ? perguntou
o mancebo.
Para Montmartrc, ra das Abbades
sas.
Bem, entSo passeinos por aciui....
Minha senhora, continuod elle quando atra-
vessaram o boulevard e iicaram longe do
perigos das carruagens, tenho um amigo
que faz muitas experiencias com o celebre
professor La borde. Elle entra s horas
que quer no Deposito. Amanha de ma-
nha muito cedo estarc em casa d^le, e
iremos juntos ao sitio onde guardam-se os
Ijflas vadios, e se Pompn l estiver, ir
j^Hl sua casa antes do meio dia.
s I mi lias
Pede se attencSo para os precos abaiifcj
mencionados :
Cambraia coin salpicos a 4^000 a pe5a.
Rendas hespanholas a 1(5 o covado.
Madapolao americano a 60, 75 e 80000.
Renda da China, novidade, a 240 rs.
Amor da China a 200 rs. o covado.
Zefiros a 160 e 200 rs., cousa chic.
Espartilhos, grande sortimento.
Guardanapos a 1600 a duzia.
Capas para senhoras, novidade.
Fusiles brancos a 400 e 500 rs. o c
vado.
Linn bordado a 800 rs. > covado.
Toalhado para mesa a 10 o metro.
Esguiao pardo a 400 rs. i covado.
Babados e entremeios, grande sort.
ment.
Colchas muito bonitas a 20000.
Enxovaes para baptsados, finos.
Merinos pretos e de cSres a 500 rs o
covado.
Cortinados para camr. a 60000.
Las a 240, 320 e 500 o covado.
Luvas de- seda a 20000.
Crinolines a 400 rs c metro.
Cambraia branca a 20800 a peca.
Grinaldas para noivas.
Setins de todas as cores a 800 rs. o eo
vado.
Cortes dt cachemira, c usa chic. ^
Sargelins de todas as cores a 200 rs. c
covado.
Collarinhos e punhos grande sortiment >.
Cretones para vestidos a 320 rs. <
covado.
Toalhas felpudas, grande reduccao en
pregos.
Camisas inglezas com e sem collannho
Mantilhas pretes.
Brins para roupa de criancas.
Setins de quadro, em cortes, gostos no-
vos c preos commodos.
Batistas a 120 is. o covado.
Cretones para coberta a 500 rs. o co-
vado.
Tecidos arrendados para vestidos, cou-
sa chic, a 400 rs. covado.
Tapetes grandes e pequeos.
Bramantes 1 sos e trancadas a 800, 10
c 10200 o met o.
Alm do que fica mencionado, temos
mais outrasj>echinchas que s vista se
pode acreditar.
Da-se amostras sem penhor.
55RA DUQUE DE CAXLAS~o
FEH.V.MIES BE AZEVEDO *t.
Vende-se
um estabelecimenlo de molhados, dos melhores
em rctalbo ra do Bangel n. 53, c urna cochei-
ra d- vaccas tourinas especiaes, sendo duas com
duas bezerras, e urna com seis mezes de barri-
ga, e um cavab andador ; garante se a chave
da casa a quem comprar e dase a freguezia pa-
ra o leite : a tratar na ra do Rangel n. 53. A
causa destas vendas o proprietario ter de reti-
rar-se para Europa.
u>?uno (k1 48
.%* ra n i|(- de Ca\!a a. 48
ITAO CBEIO QUE H.UA OOMPK
TENCA DE PRECOS
Neste muito acreditad estabelecimen-
to de fazendas finas e modas, como j
teem provado aos seus freguezes, qneven-
dem por menos 30 \ do que em outra
qualquer casa, conthntam a offerecer as
mesmas vantngens.
Merinos de quadrr.s e lisos a 200, 240 e
280 rs. o cevado.
Seda alsaciann (fantasa) pfuhties escolhi-
dos a 280 rs. o covado.
Zefiros de quadnis modernos a 120, 140,
200 e 240 rs. o covado.
Cachemiras lisas e de quadro (combina-
C a 320 rs
Organdis (fazencra de fantasa) a 400 rs, o
covado.
Nanzuks muito finos de 120 a 240 rs. o
covado.
Algodaosnho muito largo e bom, a 40000
e 50 a pessa.
Fichs de IS de todas as cores de 10,
10500 e 20 um.
Cretones claros e escuros a 160, 200 e
240 rs. o covada.
Loques transparentes a 20, e de papel a
500 rs., para acabar.
Lindos cortes em cartees com aviamentos
a 60, 80 e 100 um.
Camisas de meia (pechincha) a 10 15200
urna.
Toalhas de cores para mesa elstica 50
urna.
Camisas francezas de linho puro de 40
por 50, urna.
Brim branco n. 6 a 10600 a vara.
Madapolilo americano com um metro de
largura a 60 n pessa.
Brins de linhos de cores finas e garantidos
a 600 rs. o covado.
Bramante trancado duas larguras a 400
rs. metro.
Atoalhado de linho a 10500 o metro.
Cortes de fusto para colote a 10 e 10500
um.
Toi'etts- para baptsados, muito finos a 100
e 120 nm. g
Espartilhos de couraca a 40 o 50 uonr
Cachemiras de IS pura, claras e escuras
20 o covado.
Setins de todas os cores a 800 rs. o co-
vado.
Cortes de cachemiras finos a 40, 50, 60,
70 c 80 um.
Leos de cores, imiteeSo de seda,
10800 a duzia.
Esguio de algodSo/ duas larguras,
30200 a pessa.
Colchas de crochet com palmas de cores,
para noivos a 100 urna.
Capellas com veos a 80 urna.
S na Revoluto de 48
_HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
Machina
Vende-se urna de forc,a de
dez ca val los a tratar a na de
S.Rita n. 71.
A LOJA MAIS BARATFJRA
PARIZ K'AlIEPilOA
AZEVEIX), IRILiU & V.
16Ra do B. da Victoria16
200Tdephone-200
Tendo recebdo directamente di Europa
grande sortimento de fazendas e modas o
que ha de mais novo c precos sem com-
petencia.
A saber ; ,
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de la e la seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretes de 800, 10000 e 10200.
Crinoline preta e branca a 400.
Sargelira, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 10500, com 10
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de l e seda 2 larguras a 10000.
MadapolSo trancado a 90000 a pe^a.
Dito globo a 70000 a dita
Dito eamiseiro a 70000.
Dito B6a-Vista, verdardero, a 60000.
Fichas de 12 e seda 10000.
Brins de linho cies fixes a 600.
Espartilhos couraca a 40000 e 50000.
Colchas de fust&o a 20000 e 30000.
Capellas para noiva com veo bordado a
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 10500.
Renda de 13, preta, para quaresma.
''ano verde para buhar.
Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira esteira para forro de sala
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama a
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 10000.
Extracto Rite Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
Guarnijoes, pretes, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Coste para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de sol.
Setinete para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustAo de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
Remedios homeop-
ticos
Vende-se por menos de 30 '70 do preco desta
cidade, urna ambulancia homeopathica, vinda
dcllamburco pelo vaoor Campias, da casa de
Kart Otte, mui propria para o interior da pro-
vincia, pela varieaade dos remedios, emaldros
de esmeril fino, com 30 e 60 grammas deTem-
dios. de alta e baixa dyn.
Alcool de 60 e 80 gr., opodeldoc de Rhus,
Biel, Sulf, rnica, Ruta, etc.
Tint. de rnica calendule, vidros sortldos de
10 a 200 grammas e minas de cortica.
Carteiras para alaibeira com 40 tubo3 de re-
medios. 0 motivo da venda para quem man-
dou-se vir estes remedios, deliberar ir para Eu-
ropa. Para vel-os e tratar, roa Duque de Ca-
xias, loja de ferragens n. 46.
lluyal Blcnil marca VIADO
Este excellente Whisky Escocez pre
ferivel ao cognac ou agurdente de cana
para fortificar o corpo.
Vende-se a retelho nos melhores arina-
zens de molhados.
Pede Royal Olead marca Viada
cujo nome e emblema sao registrados pan-.
todo Brazil.
BROWNS A C, agentes.
C'arvo
Vende-se na padaria de Mello Riset a 400
rs. a barrica : oa ra larga do Rosario n. 40
Devras?
Pode contar com a minha pmmessa.
Ah! parece-me que tornar a ver o
meu pobre animal 6 cousa impossivel !...
Caminhavam hombro a hombro.
Apezar das boas palavras de Roberto,
a pobresita nao pregn olhos.
Por que o seu pequeo companheiro nao
esteva alli, ao seu lado ?...
Ou por que a doce mnsica da bella voz
de ouro persaguia-a, encanteva-a, fazendo
E na solidao do alto da ra Tatbout, bater ]a prmera vez 0 seu corac?[o in_
da ra d Aumaleeda ra Larochefoucault, Bnimrnn nal n*m hi. aind WV
conversaram com a inaior intimidade.
O mancebo procurava evidentemente sa-
ber quem era a costnreira to singular- f
mente encontrada, e cujas lagrimas pri-
meiramente, ^epois a expressao honeste
e ingenua, haviamn'o impressionado pro-
fundamente.
Ella com toda a simplicidade, com toda
a naturalidade, contou-lhe o que fazia, on-
de trabalhava, a sua vida de operara, s-
sinha no mundo, mas to recto e tao ho-
neste.
E emquanto o vulto elegante da moca,
seu andar flexivel e rpido encantavam os
seus olhos, o seu coracio era toucado por
tudo quaoto ella lhe dizia de to verda-
deiro, de' tao simples, de tao casto.
Sobretudo, disse-lhe elle parando
diante da porta da casa em que morava
: lotildc, durma esta noite, prometto-lhe
que amauhS a senhora ter o eu Pom-
pn.
Cousa exquisita, ella acredtou nelle.
Oh que bem me faz exclamou
ella ingenuamente, e como tem bom cora-
cSo, senhor !... -
E sorrio meigamefte, perturbada pela
sua audacia.
Nao sei o seu nome, accrescentou
ella muito baixo.*
A moca esteva sob o lampeSo collocado
no canto da casa, bem Iluminada.
Os seus cabellos loaros, a sua tez tao
transparente, os seus grandes olhos da cor
do co, anda brilhantes das lagrimas re-
centemente vertidas, a sua peqrjena bocea
seria, faziam-na semelhante s santas dou-
radas que se veem nos nichos das igrejas
gothicas.
O mancebo, um pouco paludo, disse-
lhe :
Chamo-me Roberto de Sauves ; e a
senhora ?
Clotilde.
Elle estremeceu; dir-se hia que a fallar,
mas, ou fosse por timidez oa por outro
qualquer sentimento, a sua bocea conser
vou-se muda.
NSo ousou sequer pegar na mo da or-
pha ; entretanto inclinou-se diante della, e
com a sua bella voz lenta e doce :
Entao at amanha, D. Clotilde, disse
elle ; tenha confianca, eu lhe trarei Pom-
pan.
genuo, no qual nern sabia anda ler S
Quem poderia dizel-o?
No dia seguinte lovantou se muito cedo
e a sua cama foi feita rpidamente.
Depois poz-se a endireiter, a arrumar
tudo em torno della.
Seria smente para receber Pompn que
ella diapunha to elegantemente as corti-
nas d/as janellas, a pequea toalha de ren-
da da commoda, as qinquilharias da cha-
min ?
Por causa delle tajftem que agrupara
as flores dos vasos e rafrescava as rosas
das jarras ?
A que horas chegaria aquelle que lhe
levara o seu amiguinho V
NIo antes do meio dia, com certeza.
As pessoas ricas nlo costumam levan-
tar-Be cedo.
E primeiro que Roberto de Sauves fosse
casa "do seu amigo, depois ra de Pon-
toise, ao Deposito, e voltasse a Montmar-
tre, seria talvez muito tarde.
Clotilde acabava de pentear os seus
soberbos cabellos louros, de abotoaro cor
pinho de cachemira preta, de collarinho
branco, o que portencera a Adelia, e que,
acertado por ella para o sen corpo, cingia
adoravelmente os seus hombros recurva
dos e o seu longo corpo flexivel, quando
soou a campainha da porta do seu quarto.
Sbitamente as pernas dobraram-se-lhe,
accommetteu-a um grande tremor, e ella
foi obrigada a encoster se commoda.
A campainha soou pela segunda vez.
Ella dominou-se e foi abrir.
Roberto achava-se diante della, com
Pompn nos bracos.
Cumpri a minha promessa, disse eZle
emquanto o pequeo animal) cobria de ca-
ricias a sua senhora ; aqui est o seu co.
Tinham entrado; Pompn saltava em
torno da moca; esta, rubra e confusa
diante do seu novo amigo, balbuciava pa-
lavras indistintas de gratidlo.
Elle, muito pallido, olhava para ella,
achando a, luz pura do dia brilhante,
mil vezes vezes mais bella que os anjos,
Aquelle porte da cabera, altivo e mei-
gft. aquelle corpo de rainha, aquella gra^a
pdica, instintivamente um pouco altanei-
ra, aquella exprsalo do rosto ta boa, to
terna, tudo aquillo, mo grado %eu, lem-
brava a Roberto de Sauves a creatura que
Leite puro
Na estrada de Joao Fernandes Vieira, sitio lo-
go depois das casas novas da direita, vende-se
todos os das leite puro de vaccas tourinas e da
trra, garante se a qualidade do leite.
Pao centeio
Mello A Biset, avisam ao respeitavel publico,
que todas as tercas e sextas -trras, tem este sa-
boroso pao; ra larga do Rosario n. 40.
Para ornaos
Papel formato Diario. 300 folhas
Dito dito Jornal, 400 folhas
Dito dito Provincia, 100 foi
Vende-se na fabrica Carii
7*300
3*000
1*300
Libras sterlinas
Vendem Pohlman *C, ra do Commereio n.
10, primeiro andar
elle mais amava no mundo, a sua ta, Ade
lia < haniers.
Estara verdadeiramente louco, achando
tao extraordinaria semelhanca, no de ros-
to, mas de gesto, de corpo, de expressao,
entre aquella estranha e sua mli adop-
tiva ?
Quizera retirar-se, to vivo era nelle o
sentimento das conveniencias e Jamis de-
licada lcaldade, nlo podia.
Escuta va-a fallar com o seu cao, via-a
abracal-o, depois deixal-o para agradecer-
lhe, a elle Roberto, erguendo para o seu
rosto as suas meigas pupillas azues, cheias
de lagrimas de alegria c de telicidade.
E ella comprehendia o que elle tinha
feito.
Sentia-se tocada por isso at o fundo da
alma e repellia-o em termos encantadores,
muito commovidos, muito meigos.
Como o senhor deve ter-se levanta-
do cedo dizia ella, envolvendo-o nos eflu-
vios do seu bello olhar limpdo ; nlo dor-
mio muito com certeza, para chegar aqu
to cedo, depois de tantas voltes. E
todo isso por minha causa, por causa de
urna estranha !.. Como lhe pagarei ten-
tos favores?
Consentindo em aceitar a minha ami-
sade.
Oh! de certo que a aceito excla-
mou ella com urna ingenuidade sincera,
que o encantoo.
E sem esforco, no correr de urna con-
versaclo em que deixou transparecer a sua
alma de anjo, honesta, leal, corajosa co-
mo poucas, contou a Roberto a sua vida
inteira, nlo omittindo senao duas cousss :
o nome da bemfeitora que havia-a to ca-
ridosamente soccorrido no leito do hospi-
tal algumas semanas antes e a trra em
que passara a sua infancia.
As badaladas do meio dia soavam ale-
gremente nos relogios de Montmartre
quando Roberto apercebeu-se da rapidez
com que se haviam escoado as horas da-
quella manhl.
Meu Deus! exclamou elle de re-
pente, esperam-me com certeza para al-
mocar[!
O senhor mora lenge ? perguntou Clo-
tilde.
Em Belleville. Vou a correr. Quer
permittir me que v esperal-a s vezes,
noite, quando sahir da officina, para rece-
ber noticias de Pompn ?
Sempre com a sua adoravel mgenuida-
.de, nlo vendo nunca o mal, que nlo podia
penetrar no seu pensamento ffio puro como
o dos anjos, ella respondeu coro os seus
bellos olhos azues, largamente abertos :
Oh ser para mim um grande pra-
A Loja das Lislras zoes
A' BA DUQUE DE CAXLAS N. 1
Vende mais barato
Fazendas pro las
Cachemiras arrendadas de duas lar-
guras tecido novidade, a 20000 e 20509.
Merinos pretos infeitedos de pura ti
a 800. 10000 e 10200.
Crep incW para enfeitos de vestido
a 10200.
Rendas hespanhola de seda a 50000.
Gorgoreo de s"eda pura de 20000 a
10000.
Velludos de sed*, lisos, com pinta
e ramagens, a 40000.
Vellndilho bordado a eontes, lindas
desenhos a 10600.
Fil de wda Wdado a 10200,
Veos e mantilhas coiu rendas a 40000
e 50000.
Capas c visitas, de gorgorito, de
das ou cachemira, encuitadas a rendas
vidrilho a 250000 e 300000.
Bieos de seda com lindos desenhos de
40500 a 60000 a peca com 10 metros.
Teeidos de novidade
Cortes de vestido bordados, em car-
to, de lindas corea a 100000.
Vestidos brancos bordados para noi-
vas a 180000.
Tecl dos arrendados cores creme, rota,
azul celeste e branco a 400 rs.
JLinhosphantasiados, tecido com rosi-
ta largura a 500 rs., em listras e qua-
dro o.
Setins de Maco, todas as cores e
mais salmlo, lilas e bronzeado a 800.
Cambraias brancas bordadas a 45000
a peca.
iiiw.es de seda com fios prateados
douradoscores: rosa, azul e creme, a
10000.
Madapolo trancado, pea com 20
varas a 60000.
FAZENDAS ESPECIAES
Batistes de cores finas a 120 a
240 rs.
Chitas finas claras miudinhas a 200 e
240 rs.
Cretones franeezes, verdadeiroa
320 rs.
lorim de llstras azues madapa-
11o fino largo com 20 varas a 65000.
Nadapolo americano muito largo,
sem {.orana a 80000 a peca.
Bramante de 4 larguras a 700 e
10OUO o metro.
Guardanapos superiores a 10800 a
duzia,
Cortinados bordados a 50.500,70000
e de crochet a 100000.
Crochet para sof e cadeiras de bra-
cos, um completo 60500, para sala.
Mosquiteiros americanos com ar-
melo a 120000.
Alcatifas para forro de salas e gabi-
nete a 10200.
TECIDOS MAIS BARATOS
Merinos de duas larguras, qualquer
cor a 440 rs.
Linhos lisos c de quadrinhos a 80 e
100 rs.
Bico branco e de cores desde 600
a peca at 20500-
Colchas de, rusti de cores a 20008
e30000.
Toalhas aColchoadas a 30000 a diua.
I.ii vas de seda, bordadas, qualquer er
a 20000 e 20500.
Leques de pennas e transparente
de 10500 a 60000.
E muitas fazendas que se d por qual-
quer preco.
D-se descont a quem comprar de
200000 para cima,
Troca-se a fazenda vendida se por qual-
quer motivo nlo for de muito agrado pan
quem for comprada
Lejas das Lislras zoes
zer... Acho to longe o trajecto sda-
nha...
Roberto, entretanto, deixou de aprovei-
tar-se da permisslo por alguns dias.
Todas as noites, s oito horas no inver-
n, s nove no verlo, as costureiras, as
eaixeiras da loja, as eontra-mestras, todo o
pessoal enifim da casa Anatole descia a
escada de servido, e, n'um tumulto encan-
tador, agrnpava-se, antes de retirar-se,
porta da grande casa.
, Eram entao risos alegres, eonversaces
vivas, qne redimiam o longo silencio do
dia, e que pareciam o lindo murmurio doe
periquitos recuperando a liberdade ; gra
colas, despedidas, abracos.
As amigas, retiravam-se juntas; algumai
costureiras destacavam-se dos grupos e
iam reunir-se aos seus apaixoBados, que
esperavam-n'as na visinhanca; esteva-se
habituado quillo, e afinal era cansa que
pareca natural: outras mais raras, par-
tiam sos. *'
Clotilde era desse numero.
O primeiro empregado da casa tentara
a principio as suas investidas, procurando
acompanhal-a; porm ella fizer-lhe to
claramente e to firmemente camprcheu-
der quanto isso lhe desagradava, qne elle
foi forcado a deixal a tranquilla.
Porque entlo, arisca como era hatura-j
mente, ella havia aceito com tente facili-
dade as assiduidades de Roberto?
Ella propria poda por ventura dizel-o ?
Para isso ser-lhe-hia preciso poder ex-
plicar a impresslo e confianca honeste, de
prazer intimo, de alegria profunda que lhe
causavam aquellas pupillas castenhas, to
meigas e to leaes, que fixavam-se nella
com to grande sentimento de respeito e
ao mesmo tempo de leal sympathia.
Virei algumas vezes, dissera-lhe elle.
Quando ?...
Nlo ousara perguntir-lh'o ; mas espe-
rava-o sempre, e nlo tardou a acharo
tempo longo.
Afim de nlo desencontral o, ella segua
todos os dias o caminho que tinham per-
corrido juntos quando no sabbado prece-
dente elle havia-a aeompanhado a Mont-
martre.
Finalmente quinte-feira noite ella
rio-o de longe, parecendo esperal-a do-
fronte dos mnibus da Muetie, mis con-
servou o sen passo flexivel, to elegante
na sua cadencia um pouco rpida.
Elle devia tel-a visto tambem, parquej
ficcu muito pallido, com um grande ti
mor nos labios.
(Contiuanr-te
Typan'o *rio roa Dumie de Caxias n 45

4

;


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EH74DJFH5_UTF801 INGEST_TIME 2014-05-22T00:10:23Z PACKAGE AA00011611_17250
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES