Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17089


This item is only available as the following downloads:


Full Text
,-
Propriedade
i*
C
t.


'


i
vi
-


X
PARA A CAPITAL LSARES ONDE NAO SE PA^TORT*
Por tres mexes adiatadoe. $ 6K)00
Por seis ditos.dem. .. ,. 12*0000
Por um anno i Cada numero avulso, do mismo da. 100-
%

fm

IW
P4?RCUfl
RIO de JANEIRO, 2? de^eiro, e
3 horas e 20 minutos'da tarde.
Fui publicado q decreto que au^oa a
funcionar o* Sanco dot fintadoi U**ido do
Brazil e approva os respectivo. JtaUtu
= Foi nomedo juiz de direito da co-
marca de Carolina, no Estado- do Mara-
nVSo, o bacharel Augusto de Mello Rocha.
Ihstrdcco pdppub
NOS ,
T^MPOS GOLONIAKS
POB
%***& tt%%t
T.t*era*nra Bramllelra do ulo
XVI o cometo do XIX
ESBOgO HISTBICO
uin auno, na 4tfcuin-'
actual, dever justi-
. residido a mor parte
.Jtodo, que sabio della
._ o lnbtbsse de csar.-e
lento, que este ja cessou de
k
* *
% Os Sr.-*Aniede Mace & C.
de Pajis, sao os nqj*9gggenles ex-
clusivos de annuDcios;pubIica-
qoes n$ Franca e Inglaterra.
les habitar, ha me
scripco da sua i"
ticar a aquella,
dQ lempo iesse
sem impedime"
ou, se ti aba impe
existir.
Arl 8-. Oj} editaos do3 proclamas serao regia,
irados no cartorip do official, queds tiver publi-.
cado' e. que dvei dar certidao delles a quem
&'a pedir.
, jHt imp
Art. 7. 5*0 4"
" l. Os aseen ^
,tesco legi
'OMW-'Jj/ff
JO*',
civil oa
Art. 20. Alai Sos impedimentosttfo art. 7. ,
oa pais, tutores ou Curadores dos Menores, ou
interdictos, podero.exi'ir do noivo ou danoiva
de seu filho,T>upillo, ou curatellado, antes Je
eoosentir flo casamento, cerjtdao de vaceina e
exame aiodioo, attestando qoeno temleso,que
p'onha et perigo (roximo a sua vida, nena sof-
freado molestia incuravel, ou transmissivel por
clntagio ou heranca.
*
(CoBtinuagao)
.
naouelle em que tiver rwssadea mor pqjte dos
ltimos dous dno: se rnudou se'delle depois Je
ii? :., IIMC0 legllimo, Civil 3llil|V|l4(Kir *.- t-aiiuno-m-isoiiV" "VV" K""*-.
e os par.-otos collateraes', paternos ou que o sujeite a domicilio necessano incerto e por
A Mello Franco segue-se Bento de Figueiredo
Tenreiro Aranlia, nascido em BareaUos do Hio
Negro na provincia do Para a 4 de Setembro de
769. Filho de familia abastada teria certamen
te, ccaao era costume, ido estudar a CoJobra, se a
morte de seus pais acontecida (piando mal con-
tava 7 annos, e o sequeslro d seus bens por
motivos que ignoramos, o nao lancassem era de-
solada orphandade e miseria as quaes felizmen
te forara logo amparadas por seu eadrinho o ar-
cipreste Jos Monteiro Ngronln, que Ihe deu
umi edacaco bastante esmerada para o te upo
e o lugar em que nascera.
Dedicndose a agricultura, n ella adquiri a
forca de estudo3 e experiencias, conhecmentos
nao vulgares. Apezar de casado, de levar urna
vida tao trabalhosa como a do campo, anda
assim Bento Tenreiro acbava tempo para dedi-
car-se litteratura. Xomeado official de milicias
e director da aldeia de Oeiras, deu bellas provas
de roragem e boa administrado, reduzindo os
habitanres obediencia e dando impulso lavon-
ra da ald a que dsde i:. i 5a ^j-n-iu tao flo-
reac-.'te, qj ^ :trj em iOi-0 wuvcftjo e era
urna povoato importante.
Seus trabalhos iitterarios entre os juaes se4
contara varios discursos em prosa, al<8*lw
eorias dramticas, odes, sonetos e poesa lyn-
cas,foram em 1830 recolhidos e publicados por
seu tilho, no Para, com o titulo de Obras Litte-
rarias. ,. ...
As suas odes e poesas era geral bnlhara mais
pela rhetorica do qu.1 pela poesia. Os estodos
classicos e o conbecimento profundo do idioma
e a pureza irreprebensivel da sua stroctora, nao
podem occaltar a deficiencia da verdadeira inspi-
racao. Bento Tenreiro Aranba menos um poe-
to brazileiro, criado e educado nos trpicos, vi
vendo constante tiente no iteio ae sua feracsi-
ma natureza, banhado pelas brisis do serto e
queimado pelos ardentes raios do sol, do que um
erudito vivendo na bibliotheca, e namorado do
classicisxo francez, que busca inspiracao nos
livros ;omo se nao a nouvesse encontrado raais
esplendida e mais verdadeira em tudo quanto
o cercava na vastido da trra.
A vida do campo acostumano-oao surprenen-
dente espectculo danatureza destas regiOes in-
tertropicaes, fazia com que nao attentasse n'elias
e como que se lhe embolasse o espirito a forca
de ver todos os das os mesmos quadros ; os
cuidados que lhe inspirava o bera estar dos n
dios, a sua civilisacao e lavoura, annulavam em
seu espirito o senumento da nacionalidad.
Para elle a patria era o indio que se.civilisa-
va os campos a-rote^dos, o progresso que se a
operando lenta mas seguramente em torno de si,
sem que sequer lhe echoisse aos ouvidos o mais
lonciaquo rumor da lemr>etade revolucioaaria
que no Qm lo seculo XVIil ss desencadeava me
donha. .___M .
iConttnua)
matemos dentro do segundo grao civil.
A affinidade illicita s ee pode provar por con-
fisso espontanea nos termos do artigo seguinte,
e a titiagao natural paterna tambem pode pro
var se ou por consso espontanea, ou pelo re-
conhecimento do filho, feto em scriptura de
notas, ou no acto do nasciraento, u em outro
documento autbentico, offerecido pelo pai.
2. As pessoas que estiverem ligadas por
outro casamento, anda nao dissolvido.
| 3 O copjuie adultero com o seu co reo con-
demnado como tal.
| 4. O conjage condemnado como autor, ou
cumplice de homicidio, oa tentativa de homicio
contra o seu consorte, com a pessoa que tenha
perpetrado ou concorrido directamente para per-
petraco de sen crime.
5. As pessoas que, por qualquer motivo, se
acharem coactas, ou nao forem capases de dar o
sen consentimento, ou nao buderem manifes-
tal-o por palavras, ou por aripto de modo ia-
equivoro. ,
6. O nptor cora a rabiada, eraquanto esu
nab esliver em lugar seguro e tora do poder
Me.
g 7." As pessoas que estiverem sob o poder,
ou sob a administracao de outrem, emquanto
nSo obtiverera o consentimento, ou o suppri-
mento do consentimento d'aquellas, sob cujo po-
der, ou administracao estiverem,
8." As mulheres menores homens menores de 16.
9. O viuvn ou a viuva, que ten Albo do con
oge fallecido, emquanto n awfiwr inventan o dos-
benfl do casal. W^
4-10. A mulher viuva, ou separada do marido
por- nullidade ou annullac&o do casamento, at
10 mezes depois da vinvez ot separacao julic'ial
d03 corpos, salvo se depois desta, ou d'aquella,
e anfej do referido prazo, tiver algara tilho.
11 O tutor ou o curador e seus decaden-
tes, ascendentes lrmao3, cuubados, ou sobri-
nhos com a pessoa tutelada, ou caratelada, em-
quan'o nao cessar a tutela, ou curadoria, e nao
estiverem saldadas as respecti*as contas, salvo
permissao deixada'.em testamento, ou outro in
strumento publico, pelo fallecido pai ou mi do
menor tutelado, ou curatelado.
12. O ju ou o escrivo e seus descenden-
tes, asceodentes, irmaos, cunbados ou sobri
nbos, com orphao ou viuva da circumscripcao
territorial, onde um ou outro ttver exercicio,
eatVO licep'ca (-specal do presidejte da Belaco
PARTE OFFICIAL
Actos do poder ejecutivo
LI SOBdB O CASAMENTO CIVIL
CAPITULO 1
Das formalidades prelim nares do casamento
\-t 1 As pessoas, que pretenderem casarse,
devem babilitar-se perante o officl do registro
civil, exhibilo os seguidles documentos em
forma que Ihes dm f publica :
l. A certidao da idade de :ada um dos con-
trllenles ou prova que a substtua.
8 2 A declaraco do estado e da residencia
de cada um delles. assim como a do estado e
residencia de seus pais, ou do lugar em que mor
rerara, se forera fallecidos, ou a declaraco de
nue nao sao conhecidos os mesmos pais, ou o
seu estado e residencia, ou o logar do seu alle-
circeoto. ,
3 A autorisacao das pessoas, de cujo con-
sentimento dependerem os contrahentes para
ca-ar-se, se forera menores es interdictos.
% 4 o A declaraco de duas testemunhas maio-
res, prenles ou estranhos, que attestem conhe-
cer amLo- o contrahentes e que nao sao paren
te3 em grao prohibido nem tm outro imped
ment conhecido, que os inhiba de casarse um
com o outro. .,
3. A certidao de bito do cnjuge fallecido,
se alzum dos contrahentes ir viuvo.
Art. 2 A' vista dos documentos exigidos no
artigo antecedente, exhibidos pelos contrahen-
tes ou por seas procuradores, ou representbntes
Ipcaes o official do registro redigir um acto
resumido em f-ma de edital, qu<- ser por elle
nublicado duss vezes, com o iotervallo de sete
Sus de orna ont-a e affixado em lugar osten-
sivo no e'liccio da repartico do regid-o. desde
a priraeira publicagao at o quinto d!a depois da
"eAUrUd3" Se, decorrido este prazo, nao tiver
apparecido quera se oppooha ao caaatneoM do
contrahentes e nao lhe constar algunai dos impe-
dimentos que pd^ d! larar-3e ex-officto, o offi-
cial do registro certificar as partes que eslao
habilitadas para casar-se dentfc dos dous mexes
sPguintes quelle prazo.
Art. i Se os contrahentes residirem em cir
cumscripefles diversas, as formalidades proscri-
ptas pelos artigos anteriores devero ser ober
vadas em ambas, com a declaraco da e;colhida
para celebraco do casamento, sempre que eljes
Suderem fazer a escolha antes da designacio do
a da mesma celebrajo.
Art 5* Alm disso, se algum dos contrahen-
d.respeorivotepcto.
Art. 8." A contissao, de que trati o 1 do
artigo antecedente, s poder ser feita por al-
gum ascendente da pessoa impelida, e, quando
elle nao quizer dar-lhe outro effeito, poder fa-
zel o em segredo de justica, por termo lavrado
pelo uffkial do registro perante duis testemu
obas e em presenca do juiz, qae no caso de re
curso proceder de accordo com o | 5 da le
de 6 de Outubro de 1784, oa parte que 'be for
applicavel o paragrapho nico.
Paragrapho nico. O parentesco civil prova-
se pela carta de adopeo, e o legitimo, quando
nao for notoria ou confessado, pelo act do as
cimento dos contrahentes ou pelo do casamento
dos seus ascenlentes.
CAPITULO III
Das pessoas que podem oppor impedimentos, do
tempo e do modo de oppolos e dos m'ios de sol
vel 03. Job
Art. 9. Cada um do3 impeliraenlos dos g&
1. a 7. do art. 7." pode ser oppo3to ex nficio
pelo official do registro cicil. oa pela autoridade
que presidir o casamento, ou por qualquer pes-
soa que o declarar sobre sua assignatura deyi
lamente reconhecida, com as provas do tacto,
que allegar, ou indicagSo precisa do lugar onde
existam, ou a nomeaco de duas testemunhas,
residentes no lugar, que o saibam de sciencia
propria
Art. 10. Se o impedimento for opposto ex-
officio, o official do registro dar aos oubentes
ou aos seus procuradores urna declaraco do
motivo e das provas do impedimento, escripia e
assigoada por elle.
Art. 11. Se o impedimento for opposto por
outras pessoas, o official dar aos nubentes ou
aoi seus procuradores umi declaiago do moti-
vo do nome, da residencia, do impedimento e
das suas testemunhas, ou das prova3 offerecidas
por aquelles. _-
Art 12. Os impedimentos dos | 1. c 5."
podem ser opnostos pela autoridade que presi-
dir ao casamento no proprio acto da celebrago
d'elle. ..
Art. 13. No mesmo acto, ante3 de proferida a
frmula do casamento pelos contrahentes, a
mesma autoridade pode receber qualquer impe-
dimento legal, cuipri lamente provado e oppos-
to por pessoa competente.
Art. U. O impedimento do g 7. tambem po-
der ser opposto pela pessoa de cujo consenti-
mento depender ura do3 coutrabentes, anda
qae ell tenha anteriormente consentido, ma3 o
sea co .sentimento pode ser supprido na fr
ma da legislaco anterior. .
Art. 15. Os outras impedimentos s poderao
ser oppostos pel03 ascendentes ou descenden
tes, pelos prenles oa affio3 dentro do segando
grao de ura dos contrahentes.
Art 16. Exceptuados os impedimentos, cuja
prova es ecial estiver declarada na le todos os
mais serao provados na forma do processo civil.
Art 17. A menor de 14 annos ou o menor de
16 s poder casarse para evitar a impos:cao,
ou o cumprimento de pena criminal, e o juiz de
orphos poder ordenar a separacao dos corpos
emquanto o nubente menor nao completar a
idade exigida para o casamento, conforme o
respectivo sexo. .
i 1 A prova da necessidade de evitar a ira-
posicao de pena criminal deve ser a confissao
'louefljra-neoto, feita por um dos contralle ates
em segredo de just^a^a forma do art. 8., mas
ouvida a outra parte, ou os seus representantes
legtimos. .
Art 18. O menor de 16 annos ou a maiord..
14. menores de 21 annos. sao obngados a obter
antes do casamento o consentimento de ambos
os pais s -. torera casados, ou, no caso de di ver
geocia entre elles, ao meaos o do pai. s>e, po-
rm, elles nao forem casados, e o coutranente
nao tiver sido reconhecido pelo pa, na lrraa
do 1." do.art. 7.', bastar o consentimento da
mi. ..
Art. 19- Ero qualquer dos casos de imped
ment legal opportunamente opposto por pessoa
competente o official entregar a declarajo do
art 11 aos contrahentes, ou aos seus procura
dores, que podero promover no foro commum
^ prova contraria ao impedimento, reyelia
desta se nao for encontrada na residencia indi-
cada na mesma d-clar.co, assim como a sua
responsabihdade criminal, se houver ugar para
ellaVe a civil pelos damnos, que tiverem ioffn-
do, resultantes da opposico.
tempo indeterminado.
o caso, porm, deste 2." permittido o re-
curso de supprimento do lonsenttmento das'pes-
soas, que podem recusa! o.
Art. 22. A autoridade que presidir ao casa
ment pode dispensar a publicaco de novos
proclamas, se a pres&ripgo dos primeiros, nos
termos do art. 3., se houver consummado ha
menos de um anno.
CAPITULO IV
Da ceiebracao do casamento
Art. 23. Habilitados os contrahentes e com a
certidao do art. 3 pediro autoridade que ti
ver de presidir ao casamento a designago do
dia, hora e lugar da celebraco do mesmo.
Art. 24. Na falta de designaco de outro lugar,
o casamento se far na casa das audiencias, du-
rante o dia e a portas abertas, na presenca, pelo
menos, de duas testemunhas, que podem ser pa
rentes dos contrahentes, ou em outra casa pu-
blica ou particular, a aprazimento das partes, se
urna dolas nao poder sahir da sua, ou nao pa-
recer inconveniente aquella autoridade a desig-
nago do lugar desejado pelos contrahentes.
Art. 23. Quanto o casamento fr feito em casa
particular, esta iever conservar as portas aber-
tas, durante o acto, e as testemunhas serio tres
ou quatro, se um ou ambos 03 con'.rabentes nao
souberem escrever.
"Art. 26. No da, horae lufar designados, pre
sentes as pa-tes, as testemunhas e o official do
registro civil, o presidente do acto lera em voz
clara e intelligivel o art. 7." e depois de per
Juntar a cada um dos contrahentes, comegando
i mulher, se nao tera algura dos impedimentos
do mesiso artigo, se qiier casar se com o outro
por sua livre e espontanea vontade, e ter de
ambos respo3ta aflirmativa, convidalos-ha a
a repetirem na mesma ordem, e cada um de per
si, a formula legal do oasamento
Art. 27. A formula a seguinte para a mu-
lher : Eu F. recebo a vos F. por mea legi-
time mando, emquanto vivemos. E para o
hornera : Eu F- recebo a vos F. por minha
legitima mulher, emquanto vvennos.
Art. 28. Repetida a formula pelo segundo con
trbente, o presidente responder de p: Eu
F. como (juiz tal ou tal) vos reconhego e declaro
legtimamente casados, desde este momento.
Art. 29. Em seguida o official do registro
lngara no respetivo livro o acto do casamento
nos termo? seguinte com as moditicages que o
caso exigir :
-* Aos de de s
-huras presentes o mesrao juiz commigo official eftcti-
vo (ou ad hoc) e as tsstemunhas F. e F. ftantas
quantas forem exigda3 conforme o caso) rece
beram se em matrimonio F (exiosto, filho de F.
se for legitimo ou reconhecido) com annos
de idade, natural-de residente em
e F. (com as mesmas declaragoes conforme a
filiago) com annos de idade, natural de
residente em os quaes no
rae3mo acto declararam que tinham tido antes do
casamento se seguintes lilncs: F. com
annos de idade, F com annos de idade
etc (ou um filho ou (Iba de nome F- com
annos de idade) e que sao parentes (se o forem)
no' 3 grao (ou no 4 duplicado) na linha colla
teral. Em flrmesa do que eu F. lavrei este acto
que vai por todos assignado ou pela3 testemu
ohas F. e F. a rogo dos contrahentes, que nao
saliera 1er nem escrever.
Paragrapho nico. Nesse acto as datas e os
nmeros serSo escriptos por extenso e as teste-
munhas declararo ao assignar se a idade, a pro
tisso e a residencia, cada urna de per si.
Art. 30. Se um do3 contrahentes tiver mani
festado o seu consentimento por escripto, o ter-
mo tambem mencionar esta clrcumstancia e a
razo della.
Art. 31. Tambem se mencionar nesse termo
o rgimen do casamento, com declarago da data
" do cartorio. em cujas notas foi passada a es-
poimentosjio juiz proceder; s diligencias ne-
cesarias para verificar se os contrahentes po
diam terse habilitado, nos termos do art..!',
para casar-se na forma ordiniria, oqvindo 03 in-
teressados pro e contra, que. lhe requererea.,
dentro*de 15 das. v
Art. 41 Terminadas as.Jillgencias e verifica
da a idoneidade dos contrahentes para casarle
um com o outro, assim o decidir, se fr magia-
PARA DENRO E FORA DftsJSSTADO
"
* Por seis meses tu. un todos. 135O0
Por nove ditos idem. ..... 200000
Por qm anno idem. .'""*. 26(5000
Cad numero avulso, de dias anteriores. 0100
tu-----
la deciso. nao houver recurso, ou
_ c*-.8se em julgcdq, apezar dos re-
1*^ forem oppostos, o juiz mandar
k-decisao no livro" o registro dos
Art
tog
curso
reg
casa --~
ArtHS. Este registro far retrotrahir os effei-
tos do casamento, em relaco ao estado dos con-
jugas data da celebrago, e em relago aos
tilnos commurs data do as: ment, se naso -
rem viaveSs.
A t 44. En caso urgente e de forca raaior,
em que tun dos contrhentes nao possa transpor-
tarse aoTOjar da residencia do outro, nem de-
morar o casamento, poder o noivo impelido fa-
zer se rearesentar no acto por um procurador
bas'.ante eespecial para receber em seu n rae o
uu.ro confrahente, cuja designago certa dever
ser feita Ao instrumento da prucuraco.
Art. 45. O estrahgeiro residente fora do Brazil
nao pudera casar se nelle com brazileira por
procuragao, salvo se provar qu a sua le uacio
nal admitte a vahdade do casamento feito par
eate meio'
Art. 46. Quando os contrahentes forem paren
tes dentro do 3" grao civil, ou do 4o grao dupli-
cado, o seu parentesco ser declarado no regis
tro de que trata o art. 33 e nos atestados das
testemunhas, a que se refere o 3 4' do art. 1.
capitulo v
Do casamento dos brazileiros- no estrangeiro e dos
estrangeiros no Brazil
Art. 47,0 casamento do brazileiros no estran-
geiro de* ser feito de accordo com as disposi-
ges seguintes :
l.Sfambo3 ou um s d03 contrahentes
brazileiro! o casamento pie ser f .'ito na forma
usada no paz onde fr celebrado.
l3|a:nb'js os contrahentes forem brazi-
leiros poiem tambem casar-se na forma da le
naclonal,.perante o agente diplomtico, on con
sular do Brazil.
3. Os casamentas de que trata o paragrapho
antecedente esto sujeitos s formalidades e aos
impedimentos pre fistos nesta le, os quaes serao
de/olvidos ao conhecimento do poder judicial do
Brazil, e s. depois de resolvidos por este, se
conside.ato levantados pnde foram oppostos.
4*. OH mesmos casamentos devem ser regis-
trados no Brazil vista dos documentos de que
trata.o art. 1, dentro de trez meze3 depois de
celebrado, dentro de um mez depois que os con
juge3 ou, ao menos, um delles voltar ao paz.
Art. 48. As disposiges desta le relativas s
causas deimpedimeato e s formalidades preli-
minares sao applicaveis aos casamento* de ettran-
geiros celebrados no Brazil.
CAPITULO vi
^}m provas do casamento
Alt. 4^A calebrago do casamento contrahi-
do no Brasil, depois do estabelecimento do re-
gistro civil, deve ser provada por certidao extra-
bida do mesmo registro, mas provando-3e a per-
da deste, admissivel qualquer outra especie de
prova.
Art. 50. Os casamentos contrahidos antes do
estabelecimento daquelle registro devem ser pro-
vados por certidao extrahida dos livros paro-
chiaes respectivos, ou, na falta destes, por qual-
quer outra especie de prova legal.
Art. 51. Ninguem pode, porm, contestar o
casamento de pessoas fallecidas, na posse desse
estado era prejuizo dos fimos das mesmas pes
soas, salvo se provar, por certidao extrahida do pendente de conciliagao.
___: ..____i_ti ... j__i;., .^nk--n ', ->!,,.,_ Art. 77 A- r:ins:i- t\9.
" -CAPITULO VIU
Do casamento nullo e do anjMlave l -
Art. 61. E'nullo a nao produz ffeito em rea-
g3o aos contrahentfl, nem em relago aos ttlh03,
o pasamento feito com infraego dos Io a 5"
doart. 8.
Art. 62. A declarago dessa nullidade pode
ser pedida por qualquer pessoa, que tenha in-
tersse nella, ou ex-offic'0 pelo orgao do minis-
terio publico.
Art. 63. E' annullavel o casamento contrahido
com infraego de qualquer dos S 6 a 9 do
art. 8. *
Art. ti. A aunullago do casamento .por co
accaT d (Al dos conjuges pede ser pedida
elo coacto* dentro dos seis mezes seguintes
ata, em que tiver cessado o setr*tawrae co
aego.
-au- _, Art. 91. O divorcio dos conjuges que tiverem
Art. 63. A annullago do casamento, feito por fl|bos communs nao annulla o dote que conti
?ano in~3r\37 rlp riincpnhr ca nofip RP.r nromn n..nHA n..;n;*n n* ~ AM.. j,
pessoa incapaz de consentir, so pode ser promo
vida por ella mesma, quaado se tornar capaz, on
por seus representantes legaes nos seis mezes
seguintes ao casamento, ou pelos seus herderos
dentro le igual prazo, depois de sua morte. se
esta se verificar, continuondo a incapacidade.
Art. 66. Se a pessoa incapaz tornar-se capaz
depois do casamento e ratificalo, antes delle
ter sido annullado, a sui ratificago retrahir
data do mesrao casara .ato.
Art. 67. A annullago do casamento feto com
infraego do 7 do art. 7o, tambem pode ser
pedida pelas pessoas que tinham o direito de
consentir, mas isto somonte quando nao tiverem
assistido ao acto e dentro dos tres mezes segun
tes data em que tiverem conhecimento do ca
smenlo.
Art. 68. A annullago do casamento de menor
de 14 annos ou de menor de 16 annos, s pode
ser pedida pelo proprio conjage menor at seis
raeze3 depois de attingir aquella idade, ou pelos
seus repres ntantes legaes ou pelas pessoas
mencionadas no art. 15, observada a ordem em
que sao mencionadas, at seis mezes depois do
casamento.
Art 69. Se a annullago do casamento fr pe-
dida por terceiro fica salvo aos conjuges ratiti
cal o quando attingirem a idade exigida no 9
do art. 8, perante o offi ial do registro civil, e a
ratificago ter erTeito retroactivo, salva a dispo
sigo do art. 63 H Io e 2."
Art. 70. A annullago do casaminto nao obsta
a legitimidade do filho concebido na constancia
delle.
Art. 71. Tambem ser annullavel o casamento
quando um dos conjuges houver consentido nel
le por erro essencial em que estivesse a respei-
to da pessoa do outro.
Art. 72. Consldera-se erro essencial sobre a
pessoa do outro coojoge :
l. A ignorancia do seu estado.
| 2 A ignoiancia de crime infiangavel e nao
prescripto, commeltido por elle antes do casa-
mento.
3." A ignorancia de defeito physico irrene
diavel e anterior, como a impotencia, e qual-
quer molestia incuravel ou transmissivel por
contagio ou heranga.
Art 73. A annulla$o do casamento uos casos
do art antejedente, s poda ser pedida pelo ou-
tro conjuge dentro do dous anno3, contados da
data deUe.
Art. 74. A nullida'J' do'caSmeTJto irte- pode
ser pedida ex officio, depois da morte de um dos
conjuges.
Art. 73. Qaando o casamento nullo ou annul-
lavel tiver sido contrahido de boa f, produzir
os seus effeitos civis, quer em relaco aos con
juges, quer em relago aos fllhos, anda que es
tes fossem havidos antes do mesmo casamento.
Todava, se s um dos conjuges o tiver contrabi
do de boa f, o casamento s produzir effeito
em favor delle e dos filhos.
Art. 76 A declarago da nullidade do casa
ment ser pedida por acgo summana e inde-
Art. 88. O divorcio nao dissolve o vinculo
conjugal, mas autorisa a separago indefinida
dos corpos e faz cessar o rgimen dos b?ns
como se ocasamento foss dissolvido.
Art. 89. ps conjuges divorciados podem re-
conciliar se em qualquer tempo, mas nao resta-
blecer o rgimun dos bens que. urna vez parti-
lhado3, sertfo administrados e alienados sem de-
peadencia de autorisagodo marido oaouthorga
da mulher.
Art. 90. Asentencado divorcio litigiobo man-
dar entregar os ios communs e menores ao
conjuge innocente e lixar a quota com que o
culpado dever cocorrer para educagao delles,
assira como a eontflbuigao do m;rido para sus-
tentago da mume-, se osla for innocente e po-
ure.
criptura antenupcial, quando o rgimen nao ir
o cbmmum, ou o legal estabelecido nsta lei
para certos conjuges.
Art. i. je no acto do casamento algum dos
contrahentes recusar repetir a formula legal, ou
decUrar que nao casa-se por sua vontade e3pon
tanea, ou que est arrependido, o presilente do
acto suspendel o ha immediatamente, e nao ad-
millir retractago naquelle dia.
Art. 33. Se o contranente recusante ou arre-
pendido fr mulher e menor de 21 annos, nao
ser recebtda a casar cem o outro contrahente
sem que este prove que ella est depositada em
lugar seguro e fra da companhia da pessoa sob
cjjo poder ou adminlstrago se acbava na data
da recusa ou arrependiraento.
Art. 34. No caso de molestia grave de um dos
contrahenes, o presidente do acto ser obrigado
a ir assistil o em casa do impedido, e mesmo a
noite, comtanto que, neste caso, alera das duas
testemunhas exigidas no art. 28 assislam mais
duas que saibam 1er e escrever e sejam maiores
de 18 annos.
Art. 35. No referido caso a falta ou o impedi-
mento da autoridade competente para presidir
ao casamento ser supprida por qualquer dos
seus substitutos legaes, e a do official do regis-
tro civil por outro ad hoc, nomeado pelo presi-
dente, e o termo avulso lavrado por aquelle ser
langado no livro competen'c no prazo mais bre-
ve possivel.
Art. 36. Quando algum dos contrahentes esti-
ver em jmmi^ente risco de vida, ou for obriga
do a ausentar-se precipitadamente em st rvigo
publi ;o, oorigatorio e notorio, o official dore
gistro, precedendo despacho do presidente, po
der, vista dos documentos exigidos no art. !
e iudependente dos proslamas, dar a certidao de
que trata o art. 3 .
Art. 37. No priraeiro dos casos do artigo an
decadente, se 03 contrahentes nao puderem obter
a presenga da autoridade competente para pre
sidir ao casamento nem de algum dos seus sub-
stitutos, podero celebrar o seu em presenga de
seis testemunhas, maiorej d'. 18 annos, que nao
sejam parentes em grao prohibido do enfermo
ou que nao o sejam mais detlc do que do outro
contrahente.
Art. 38. Essas testemunhas, dentro de 48 ho
ras depois do acto, devero ir apreseata: se
autoridade judiciaria mais prxima para pedir
lhe que tome por termo as suas declaragoes.
Art. 39. Estas declara.es devem affirmar :
1." Que as testemunhas foram convocadas
da parte do enfermo.
2. Que este pareca em perigo de vida, mas
em seu juizo.
3." Que tinha filho do outro contrahente, ou
vivia eoncubinado com elle, ouque o homem ha-
via raptado ou deflarado a mulher.
4. Que na presenga dellas repetiro os
dous as formulas do casamento, cada qual por
sua vez.
Art. 40. Autoado o pedido e tomados os de-
registro civil ou dos livros parochiaes, que ajgu-
ma dellas era casada com outra pessoa.
Art. 52. O casamento contrahido em paiz es-
trangeiro poder provar se por qualquer dos
meios legaes adraittidos no mesmo paz, salvo o
caso do | 2 art. 47. no qual a prova dever ser
feita na forma do g 4* do mesmo artigo.
Art. 53. Quando fr contestada a existencia do
casamento, e forera contr.dictorias e equivalen
tes as provas exhibidas de parte a parte, a du
vida ser resolvida em favor do mesmo casa-
mento, se os conjuges questionados tiverem vi
vido, ou viverem na posse desse estado.
Art. 5i. Quando houver indicios de que, por
culpa ou fraude do official, o acto do casamento
deixou de ser inscripto no livro do registro, os
conjuges podero proval-o pelos meios subsi
diarios admittidos para supprir a falta do regis-
tro dos actos do estado civil.
Art. 55. Quando a prova da celebrago legal
de um casamento resultou de um processo judicial
ainscrpgodo julyado no respectivo reg-tro
produzir, quer a respeito dos conjuges, quer
dos filhos, todos os effeitos civis, desde a data da
celebrago do mesmo casamento.
CAPITULO VII
Dos effeitos do casamento
Art. 56 Sao effeitos do casamento :
i. Coustituir familia legitima e legitimar 03
lllhos anteriormente havido; de um dos contra
hentes com o outro, salvo se um destes ao tem
po do nascimento ou da concepgo dos mesmos
filhos tiver sido casado com outra pessoa.
S 2. Investir o marido da representago legal
da familia e da administrago dos bens communs
e daqueiles que, por contracto ante nupcial, de
vam ser administrados por elle.
3. Investir o marido do direito de fixar o
domicilio da familia, de autorisar a profisso da
mulher e dirigir a educagao dos filhos.
4. Conferir mulher o direito de usar do
nome da familia do marido e gosar da? suas hon-
ras e direitos, que pela legislagao brazileira se
possam commimicar a ella.
5." Oorigar o marido a sustentar e defender
a mulher e oslilhos.
8 6." Determinar os direitos e deveres rec-
procos} na forma da legislagao civil, entre o ma-
rido e a mulher e entre elles e os filhos.
Art. 57. Na falta do contracto ante-nupcial, os
bens dos conjuges sao presumidos communs
desde o (lia seguinte ao do casamento,- salvo se
provar-se que o matrimonio nao foi consumma-
do entre elles. .
8 nico. Esta prova nao ser admissivel quan-
do tiverem filhos anteriores ao casamento ou fo-
rera coacubinados antes delle, ou este houver si-
do precedido de rapto. ,_ .
Art. 58. Tambem nao haver communhao de
b 'is "
i." Se a mulher fr menor de 14 annos ou
maior de 50. ,
2 Se o marido fr menor de 16 ou maior
8 3 Se os conjuges forem parentes dentro do
3 ero civil ou do 4' duplicado-
S 4 Seo casamento for contrahido com m-
fraeco do fi ou do 12 do art. 7, ainda que
neste caso tenha precedido licenga do presiden-
te da relaco do respectivo districto^
Art 59. Em cada um dos casos dos paragra-
nhos do artigo antecedente, todos os bens da
mulher, presentes e futuros, serio considerados
dotaes, e como taes garantidos na forma do di-
reiArtC60 A faculdade conferida pela segunda
o?rte do art. 27 do cdigo coramercial, i mulher
casada para hypothecar on alhear o seu dote,
restricta s que, antes do carfmvnlo, j eram
commerciantes.
Art. 77. As causas de nullidade ou annullago
de casamento e de divorcio movidas entre os
conjuges, sero precedidas do urna petigo do
autor, documntala quanto baste, para justificar
a separago dos conjuges que o juiz conceder
com a possivel brevidade.
Art. 78. Concedida a separago, a mulher po
der pedir os alimentos provisionaes, que lhe
sero arbitrados, ns forma do direito civil, mes-
mo antes da coociliago.
Art. 79. Quando o casamento fr declarado
nullo por culpa de um d03 conjuges, este perde
r todas as vantagens havidas do outro, e tlcar
nao obstante obrigado a cumprir as promessas,
que lhe houver feito no respectivo contracto an-
tenupcial.
CAPITULO ix
Do divorcio
Art. 80. A acgo do divercio s compete aos
conjuges e extingue se pela morte de qualquer
delles.
Art. 81. Se, porm, o conjuge a quem compe-
tir fr incapaz de exercel-a. poder ser repre-
sentado por qualquer dos seus ascendentes, des-
cendentes ou irmos, e na falta delles pelos pa-
rentes mais prximos, observada a ordem, em
que sao mencionados neste artigo.
Art. 82. O pedido de divorcio s pode fundar
se em algum dos seguintes motivos :
* 1." Adulterio.
2. Sevicia ou injuria grave.
8 3o Abaldono voluntario do domicilio cooju
gal e prolongado por dous annos continuos.
* 4o Mutuo consentimento dos conjuges se fo-
rera casad js fia mais de dous annos.
Art. 83. O adulterio deixar de ser motivo
para o divorcio: ,,' .
. Se o reo for a mulher e tiver sido violen
tada pelo adultero.
2 Se o auto- nouver concorndo para que o
reo o c irametiesse. ,. ,
3o Quando tiver sobreviudo perdo da parle
do autor. .. .
Art. 84. Presurae-se perdoado o adulterio,
quando o conjuge ianoceute depois de ter conhe-
cimento delle houver cohabitado com o culpado.
Art. 83 Para obterem o divorcio por mutuo
consentimento devero os conjuges apre.-entar-
se pessoalmante ao juiz levando a sua pelicao
escripia jbor um e assignada por ambos ou ao
seu rogo seno souberem escrever e instruida
cora os seguintes documentos :
S Io A certidao do casamento.
| 2o A de Ura'. o de todos os seus pense a
partiiha que houverem concordado fazer dilles.
. 3o A declarago do accordo que houverem
'tomado sobre a posse dos filhos menores se os
tiverem. ,t .
8 4o A derlarago da contnbuigao, com que
cada ura delles concorrer para a criagio e edu
cacao dos mesmos filhos, ou da penso alimen
ticia do mando mulher, se esta nao hcar com
bens sufficientes para raanter se.
5* Traslado #e nota do contracto antenup
cial, se tiver havido.
Art. 86. Rocebidosos documentos referidos e
ouvidos separadamente os dous conjuges sobre
o motivo do divorcio pelo juiz, este fixar-lbes-ha
um prazo nnnea menor de 15 dias nem maior
de 30 para voitarera a ratificar ou retractar o
ten pedido. .
Art 87. Se (indo este pra30 voltarem araDos a
ratificar o pedido, o juiz, depois de fazer autoar
a petigo com todos os documentos do ari. so,
iulgara por seuteoga o accordo no prazo de duas
audiencias e appellar ex ocio. Se ambos os
conjuge3 retractarem o pedido, o juiz restituir-
Ihes ha todas as pegas recebidas, se smente um
delles retrictar-se, a este entregar as meamas
pegas na presenga do outro.
nuarsujeito acs oous do casamento, mis pas-
sar a ser administrado p2la mulher, se ella for
o conjuge innocente. Se o divorcio fr promo-
vido por mutuo consentimento, a administrago
do dote ser regulada na conformidade das de-
claragoes do art. 85.
Ar. 92. Se a mulher condemnada na acgo do
divorcio continuar a usar do nome do marido,
poder ser acensada por este corro incursa as
penas dfls artigos 301 e 302 do cdigo crimi-
nal.
CAPITULO x
Da dUsoluco do casamento
Art. 93. O casamento valido s se dissolve
pela morte de um dos conjuges, e neste easo
proceder se ha a respeito dos filho.' e dos bens
do casal na conformidade do direito civil.
Art. 94. Todava se o conjuge fallecido fr o
marido, e a mulher nao for bnuba, esta Ibe suc-
re ier nos seus direitos sobre a pessoa e os
bens dos filos menores, emquanto se conservar
viuva. Se, porm, for bnuba, nao ser admit-
tida a administrar os bens delles, nem como tu
tora on curadora.
CAP1TTL0 XI
Da posse dos fllhos
Art 95. Declarado nullo ou annullado o ca
smenlo sem colpa de algum dos contrahentes,
e bavendo filhos communs, a mi ter o direito
posse das filhas, emquanto nao forem emanci
padas, e dos filhos at completrem a idade
de 6 annos.
Art. 96. Se, porm, tiver havido culpa de um
dos contrahentes, s ao outro competir a posse
dos filhos, salvo se o culpado for a mi, que
anda neste. caso poder consrvalos comsigo
at a idade de 3 annos sem distinego de sex
Art. 97. No caso de divorcio observar-se ha o
disposto nos arts.-85 e 90 de accordo com a
clausula final do artigo antecedente.
Art. 98. Fica sempre salvo aos pais concor-
darem particularmente sobre a posse dos filhos,
como Ihes parecer melbor em beneficio destes.
CAPIrULO XII
Disposicoes penaes
Art. 99. O pai ou mi, que se casar com in-
fraeco do 9 do art. 7o, perder em proveito
dos filhos duas torgas partes dos bens, que lhe
deveriam caber no inventario do casal, se o ti-
vesse feito antes do seguinte casamento, e o-di-
reito a lmioistrago e ao uso fructo dos ben s
dos mesmos filhos.
"TWTWTmuther, que se casar com infrae-
go do 11 do mesmo artigo, nao poder fazer
testamento, nem communicar com o marido mais
de urna terga parte de seus bens, presentes e
futuros.
Art. 101. O tutor ou curador, eulpado de in-
fraego do 11 do citado art. 7o, ser obrigado
a dar ao conjuge do pupillo ou curatellado quan-
to baste para igu Mar os bens daquelle aos des-
tes.
Art. 102. Na mesma pena do artigo antece-
dente, incorrer o juiz, ou o escrivo culpado
da infraego do 12 do mesmo art. 7o e bem
assim na de perder o cargo com inhabilitare
para exercer outro durante 10 annos.
Art. 103. A lei presume culpado o tutor, o
curador, o juiz e o escrivo, nos casos*dos %
11 e 12 do art. 7o.
Art. 104. O officiaf do registro civil que pu-
blicar proclamas sem autonsago de ambos os
contrahentes, ou der a certidao do art. 3- sem
lhe terem sido apreseutados os documentos exi-
gidos pelo art. Io ou pendendo inpedimento
ainda nao julgado improcedente, ou deixar de
declararos impedimentos que lhe forem a pre-
sentados, ou que lhe constarem com certeza e
puderem ser oppostos por elle ex officio, ficar
sujeito multa de 20< a 200* para a respectiva
municipalidade
Art. 105. Na mesma multa incorrer o juiz
que assistir ao casamento, antes de levantados
os impedimentos oppo3to3 contra algum dos
contrahentes, ou deixar de recebel-os quando
opportunamente offerecidos. nos termos do art.
13, ou de oppl os quando lhe constarem ou de-
verem ser oppostos ex officio, ou recusar se a
assslir ao casamento sera motivo justificado.
Art. 106. Se o casamento for declarado nullo,
ou annullado ou deixar de effectuar-se por cul-
pa do juiz, ou do official do registro civil, o cul-
pado pe -dt-r o seu lugar e ficar durante i
annos inhibido de exercer qualquer outro cargo
publico ainda mesrao gratuito.
Art. 107. As penas comminadas neste cap ra-
lo sero applicadas sem prejui'zo das que pelos
respectivos delictos estiverem comminadas no
cdigo criminal e no decreto n. 9,886 de 7 de
Margo de 1888.
CAPITULO XIIJ
Disposicoes geraes
Art 108. Esta lei comegar a ter execugo
desde o da 24 de Maio de 1890, e desta data
por diante sero considerados validos os ca-
samentos celebrados no Brasil se o forera de ac-
cordo com as suas disposiges.
Paragrapho nico. Fica em todo caso salvo
aos contrllenles observar, antes ou depois do .
casamento civil, as formalidades e ceremonias
prescriptas para a celebrago do matrimonio
pela religia delles,,
Art. 109 Da mesma data por diante todas as
causas mairiraoniaes ficaro conpetindo exclu-
sivamente junsdicgo civil. As pendentes, po-
rm, coratrauam o sen curso regular, no toro
ecclesiastico. *.*.
Art. 110. Emquanto nao forem creados os tu-
gares de olficial privativo'do registro civil, e do
juiz dos casamentos, as funeges daquelle sero
exercidas pelos escrives de paz na forma ao
decreto n. 9886 de 7 de Margo de 1888, e as deste
pelo respectivo l" juiz de paz, quan.o presi-
dencia do acto, e quanto ao conhecimento do
impedimentos pelo ju.z de direito da respectiva
comarca ou pelo juiz especial de orphoa na
comarcas onde o houver, ou pelo da f vara onde
hT?rl8of iSSdlmeutM a que se refere O
aft 47 S f sero decidnos pelo juiz do domici-
lio do Impedido, antes de sahir do Brasil, e se
elle houaer sabido ha mais de dous annos, ou
nao tiver deixado ura domicilio notorio, so rao
decidido! pelo juiz de orpho3 da'l vara da ca-
pital do Etado em que ltimamente tiver resi-
dido.
Art 112. Ao juiz de direito da comarca ou ao
de orphos, conforme as distineges estabeleci-
das no ri. 110, compete o conhecimento da
causas de nullidade ou annullago de casara o ato
e as de divorcio litigioso oa amigavel.
Art. 113. Para a causas do.artigo antecedente
nao baver algada, nemierias forenses, e: as de
annullago do casamento e do divorcio sero or-
dinarias.
^



$ "
4
- M

.....

-.



f









Diario de Pemarahin'o--Sexta-feira 31 oV Janeiro de 1890
Ai t4, as causas de divorcio, movidas nos
termos do art. 81, serj sempre ouvido o curador
e orphaos.
Art. 115 as ososas de aaoullago da eas-i-
mento o jais nomeara ura carador especial par
defender a vaiidade delle al aapedlacao iaclu-
sive. Esse curador perce sra os cesi*'* era-i
lumentos e bono ao raxad.* i>ara os amia
res dos orphaos petas arts. t*e 1 do >ecr*A> a.
5,737 de i de S temare de B7i.
Art. 116. As sentencas qoe deeidirem a olli-
dade ou a annullaglo o casamenta, ou a divor-
cio sero averbadas oa casa das obasrvafOes. do
respectivo registro civil, pelo olficial deste ou
pelo secretario da cmara municipal, teonforme
as hvpotheses previstas no art. 24 do decreto n.
Art. 117. A averbaco se far dos caso* de
nullidade ou annuliaca > do casamente do se-
guale modo : < Declarado nullo (ou anaulla-
do) por seatenca de de de' do juizo
(esenvo F.) cootirmada por accordao de de
de do Tribunal. Appellacio n. (cs-
crivo F.) e mutatis mutandis, para as senteogis
de divorcio. *
Art 118. Antes de averbadas no registro ci-
vil, as referidas sentencas nao produzirSo effei
to contra terceiros.
Art. 119. Q jando o casamento for impedido
ou o impedimento levantado em vrrtude ie con
flsso feita nos termos do art 8* ou do paragra-
pho nico do art. 17, a parte interessada em la-
1* caso contra o impe .ment e d>> t contra o
levaatamento delle, e sendo deferida, agra-
var de petigo aa torma 4*111 aait. 14 do
decreto o 14 de ti de Marea do 18M.
Art. 120 Miisaatres caaos deiaiwdUiento ca-
bera contra aa decwoes da jan o racarso de ag-
grare de petpl* oa d iasiramaoto, ooaforme a
iisiaoea ilo yt'm mi que/t-
Art. til. O ufllaai Jo registro ter* mais um
livra, opte aoder asr meaar que a do* easaiaa*.-
(03,-ana dotara a?r abena e eseerrUo QMM
este, para regiatra do* editaos dos proclamas,
a firma do an. .
Art. Iti 0 juis 'de paz perceber por assistir
ao ca-aiuento. H se fr celebrado na casa das
audiencias, c o dubro, alem da coaduocao, se fr
fra. O official do registro pe'cebera metade
d'aquelle salario e a mesma conduego por in-
teiro, incluido ao seu salario o casto do termo
do casamento.
Art. 123. Alm d'aquelle salario o official de
registro perceber de cada registro dos termos
lavrados na conformidade da art- 35, das sen-
tencas a que se referem os rts. 42 e 55, dos
prges de edital de proclamas, das certtdoes de
habihtag&o dos contrllenles ou da apresentago
do impedimento, e das su ihngtaa eee se re-
fere o art. 116, l p ir cada acto.
Art 124. O* dentis actos do juiz de paz ou
do oficial do registro, relativos ao casamento,
que nao estiverem tasados no regiment de rus
tas, ou no decreto n. 9.88o, sero gratis, eos
zer en impedir o casamento poder harer vista mesmos do artigo antecedente tambem sero,
della no cartero, e reclamar perante o jmz, no no caso do art. M do ref;rido decreto
Governo da Provincia
REL -.TORIO com que o Exm. Sr. eouseihelro U.iuoel Alvos
de Araujo entregou a adtviuistraco da provincia
ao Bia. Sr. Dr. Sigismundo Antonio Gonealvs
en 14 de Movembro do i.
(Continu ac5a)
JUIZES MUNICIPAES t SUBSTITUTOS
Por deereto de 13 rio Julho ultimo foi nomeado 3 jmz substituto da comarca
do Recife o bacharel tfeui iu aMelson Tavares da Cunha Mello, que asumi o exer
cicio de aeu cargo em 7 de Agosto. *~
Em 12 do referido mea de Agosto assumio o exercicio do cargo de juia mu-
nicipal e de orphaos do termo de Tadfcrat o bacbaret francisco Porpbirio de Andra-
de Lima, nomeado por decreto de 13 de Julho do eorrente anuo
O bacharel Anconi Uesario Cardoso Ayres assumio no dia 2 de Setembro o
exercicio do cargo de juta substituto da comarca de Timbaba, para o qual foi nome**k>fficio de. o do eorrente que mandis ajus'ar
cotilas, abonar um mez de sold a<>s respecti-
Governo do Estado
3.a Sergio. Palacio do Governo do Balado de ftraambuco,
em 2* 0 Briga leiro GovernaJor do Estada resalva exaor o se
guiot* decreto :
Art. t Pirara reaUuradas as extractos, daa lo tartas do Es-
tado, auto as segrales bases :
| 1 O tbesjureir prestar ama aaoca do valor 4* viole e
cinco cootos de reis (IS:OnM*00, em diabeiro, apolles* ou oeas
de rata- "** .
3 2.a O tbaeoureir* orgaaisar, de aeeerdo com*li*pector
do Thesonro do Estado, os planos para 4 extrac^o das loteras,
e depois de approvados p.lo Governo, os fa paWlcar pela ira
prensa. ,
3." 0 thesoureiro perceber quifro por cento (4 /J do ca-
pital das loteras para todas as despezas com o custei)das mes-
mas, inclusive a gratiQcaco de cincuenta mil reis (50*00'>) ao
delegado de polica, que assistir extrar.co
1 4 O beneficio liquido devela mt de dez por cento (10 Vo
do capital da lotera, alm da isenco de quinz- por cento
(15%) de imposto geral cedidos por le.i a certos beneficiados.
5. N peder ser ex rbida a lotera sem qae o ibesou-
reiro tenba effectuado o reculbimento oa repariico corap-teote,
dos impoS'O.- devidos, inclusive os >iuinze por cento (15 '/). de
vendo xuibir ao delegado de polica, ao acto da eatraceao. os
respectivos conbecimentos de quitacn.
g 6. Os premios que nao forera procurados no (ira de seis
roezes, depois da extraegio, flearo perteocendo Fazenda do
Extido.
I 7." O tbesour.iro extramr as loteras pjr si ou seu pre-
po*t., p ideni* adiar as inesmas por pras que nao axceder* de
I Piam a* leteria iseatas de quatfQer impo^io do Esta
do o* ournaail .- d^v^n 1 > > tbes iseairo pagar amraal a -ot pare
as eotres ladOp B4a lo a qu-mtia de .|uiare itob mil ris (500*).
I t lar -iro prestar auno .taseote, perante, o l'be
seoredo B- das, demoaairando ih impostos pagos, a rnoortaneia de su* >'0in-
ai-Mfea, e to o-a-flei) le dez por cMto (JO /) laeocionados so
5 4-#, j quil a*ri revitii'l > u diio rhjouro no preso d> triuta
das, coa utos da extaego.
, 8 t8. As loteras sero extohidas em machinas Fiche!, ou
outra mais aperfeicoadaf *
i fi." As ex-traci-oe* das loteras podero ser divididas em
partes io ctpital conwdido
li. Fica proq bi la a vead.i de bilhe es dn lot^rias estran-
g'-iras. da Capat Federal e dos oa tros Estados, salvo quai.d.
nouveiera sido pagos os impostos.estabelecidos. no decreto de 20
do correo e, expedid) p ir este G iveroi.
'3* Para a pp-eienso de que trata o decreto-citado no
paraxrapho anteviente, r)aptis, alem das pessoas nVUe de-
sijnadas, os emprendo* da L>a-*nda do Esiado.-
g 14.' Os p^ara-ntos de qae trnta o 1. do ari. l. do de-
creto de 10 do corre ite, serej (dios na Keebedria do Esta lo.
15 ; 0 termo te aopre.045ii*ao da qu trata o dito decreto,
no art. 4.a, se-lavnlo na R.o-doria d- Estado, qoan lo a men-
cionada apprehensio der-se dorante as horas do expediente.
Art. 2 O pre-eme decreto sofffer as modidcicO-s que a
expenajcia aconselhar.
'osa.Simeaodb Oliv*b\
EXPBUiBNTB DO DA 23 DB DBZBHBBO DE 1889
Officios :
Ao cidado ajudante general io exercito,
mrecbal de campo Fionaoo feixo. Restituin
do o requeriiutnto Jo alteres do 3 baialtiao de
infamara Philadelpbo de Alencar Sucipira,
t.-an-iniiiu-vos em resposta ao voaso oficio n
9006 -i>a88a
da pelo 14" batalhao de infantaria acef^:jo que
con.-ia do tallecido major Cario.- Al iso (le
Carvalho. e be assim o officio juma-, ,< co
pa do commandaote do 14 batalhao tR infan
taria ao qual acompanhada a referida c-rtido.
Ao inspector da Tnesourarii de Fazenda.
Comrx.nnico-vos que o juiz municipal do termo
de Bonito, hachare Sebastio Ildefonso do Re
go Barros reasumi o exercicio de sea cargo
em 18 do correte mez, r> nuuciando ao resio
oo prazo da licenca em cujo goso se aehava.
AomesiD'. Informal uii- se j foi demon
strada a insufficiencia do crdito necessario aO
pagamento de Constantino Alves da Sha, de
quera tratis era uffieo de 21 do correte, n.
530.
Ao mesmo. De vendo seguir para o Esta
do do Rio de Janeiro, no prximo vapor espera
do dos portos do Norte o 22 batalhao de infan
laria recommendo-vos em addit = ment ao raen
do por decreto de lo d Agosto ultimo
Por decreto de 13 de Agosto u timo foi reconduzido o bacbarel Alvaro Bar
balbo Ucboa Uavalcaoi no loar de 1. juiz sabetituto da comarca deta capital
Assumio o exercicio no dia 9 do eorrente. ., -
0FFICI0S DE JSTI9A
De conformilade com o a.t. 3 6 do Regulamento aoncxu ao decreto n 9*2
de ?8 de Abril de 18^5, cceitei, em 26 de Juno, a desistencia que fe* Manoel Fir
mino de Albuquerpuo da serventa vitalicia do officios de contador e distribuidor do
termo de Agua Prta.
Por portara de 6 de Setembro provi o major Jo"e Silveira Carnelro da Cunha
na serventa vitalicia doa offiems de tabelliAo d- nota5 e official do registro geral daa
hypothecaa da oouaarca desta cipi al, que vagaram por ter tallecido o respectivo ser
veutaario, hacharjl Fu gj co Infante de A buquerque Vello.
Em 13 do mez lindo, vista do disposto nos artigo 263, 5., e 264 do
Reculamente expedido pelo Dacreto n. i de Sooza tioata, indicado pelo respectivo j uz de direito, para exercer es officios deH
Io tabeliao publico judicial e notas e eacrTio de orphaos e rmelos da cornaca de"
Iguarass, durante o impedimento do serveatuario vitalicio. Maximiano Francisco
Duarte Jnior, que ob.evc tres mezes de licenca para tratar de suasaide.
A 26 do mesmo mes e de conformidaae com o artigo 263, l\ do Ragala
ment citar?, nomeei o cidaao A .ionio Graoino de Aimeida Mendonya para exercer
os officios de escrivao de orphaos c ausentes, da provedoria de capellas e residuos da
comarca de Limoeiro, durante o impedimento do serventuario vitalicio Herminio Del-
fino do Nascimeoto uiina, a quera .-oncedi oito mezes de ltcenc para tratar de sua
sade.
De conformidade com o dispoto no artigo 263, Z., do Regulatneoto expe-
dido pelo Decreto n. 9420 de 28 de Abril de 18*5, oomeei o bacbarel Ascenso Hara
de Castro Mascaren has para exercer interinamen'e os officios reunidos de promotor de
cajielias e residuos e curador gend de ausentes aa comarca d'esta capital.
CORPO DB POLICA
Em 18 de Julho ultimo ex-onerei, a pedido, Antonio Jos de Souza do posto de
tenente da 6.* companh a, e uomeei, para ubstituii-o, Vctor Pereira de Carvalho.
A 2 de Outubro findo nomeei o Dr. Adelpho Frederico de Luna Freir para
excreer o cargo de medico da polica, durante o impedimento do effectivo Dr. Jos
Flix da Cunha Menezes. que obteve qaare ta da* de licenca para tratar de sua
saude.
Em 24 e 25 do referido mez e 8 do correte, refonnei o capitto da 1 .* com-
panhia Jos Tbeotonio Pereira de Carvalho, o tenente da 7.a Jos Severano de
Mmeida Pedros e o alferes da 6a Joaquim Eduardo de Gadoy e Vasconcelios.
Em 24 de Outubro tirulo reintegre! no posto de alferes da 6.* companhia
Miguel Rcin. ujc Duarte Filho.
Em 25, nomeei Ohristovao do Paula Cavalcanti Wanderley para o posto de
tenente da 7.a companhia.
Em 8 o eorrente nomeei o altores da 5.* companhia Walfrido ('arneiro da
Cunha Miranda para o posto de capitao da 1.a companhia, e promov ao poeto de
alteres da 5.a o sargento vago mostr, Vicente Bezerra Cavalcanti.
TRANQUIL1DADE E EOURANCA PUPLICA
Folgo de communicar vos que durante a minha administragao nenhum tacto
occorreu que alteraaae o estado de tranquilulade e seguranca publica d'esta provincia.
A sombra das leta e sob a protecc&o das autoridades oontinuam todos a gosar
as garantas offerecidas pelas noesas inetituicSes.
l RESIDI DE FERNN X> DE NORONHA
Presentemente gosa esse estabelecmente de perfeita paz, observando se com-
pleta disciplina e respeito a? autoridades.
Por decreto de 18 de Setembro findo foi nomeado director o coronel Luiz
Paulino de Hollauda Valenca, em substituicao do capitao Joaquim Agriprao Furtado
de Mendonca.
Tendo o Exm. Sr. Ministro da Justica ordenado por telegramma de 23 do
referido mes que o aovo directoi seguisse ao sea destino oom a poesivel brevidade,
recommendei ao gerente da Companhia Pe aambucana de navegac3o, que providen"
^iasse afim de que a viagem ordinaria, correspondente ao mez de Outubro, tos>e feita
em 28 de Setembio, a qual realisou-een'esse mesmo dia, eonduzindo para alji o vapor
S Francisco aquello funecionario.
Fm 16 de Ontubro findo nomeei Theotonio Toscano de Brto para exercer
interinamente o lugar de amanuense, vago pelo falleumento do alfares honorario do
exercito Danuo L >pea Pereira OuimarSes.
SUPPLENTES D JUIZES MUNIIPAES E SUBSTITUTOS
De conformidade com o decreto n. 1-',253 de 19 de Juuho ultimo, reintegre,
no dia 22 de Agosto, os cidad3os Jos Miguel de Lyra e Felippe Nery de Siquera
Salles nos logares de 2. e 3.8 supplentes do juiz municipal e da orphSos do termo de
Palmares.
Na mesma data nomeei para o logar de 3. spplente o bacbarel Leopoldo Ma
rinho de Paula Lins, passando os 2." e 3." reintegrados para os logares de 1. e 2.,
na forma da le.
Anda na mesma data e de conformidade com o citado decreto n. 10,253 rein-
tegre o bacharel Adolpho Nun-s Lins e capitaes Jos Bezerra Cav-.loante Maciel c
Jos Antonio Al vea Maciel nos logares de 1., 2. e 3." supplentes do jmz muuieipal
e de orphlos do termo de Agua Prta.
Por portara de 23 do mesmo mez consderei de nenhum cffeito a nomeacSo
do alferes Martinho Alves de Barros para o logar de 1." spplente do juiz municipal
e de orphaos do termo de Boa Vista, o qual achava-se legalmente oceupado pelo ci-
dadao Joaquim Antonio Teixeira J- cobina desde 29 de Maio de 1888, data em que
prestou juramento, conforme veritiquei do proprio titulo por elle exhibido.
Em 10 do nitz findo nomeei o tenente-coronel Nicolao Florentino de Albu-
querque Marauho e ciiadao Nicolao Cavalcante de Siqneira para os logares de 1."
e 2. supplentes do juiz mun cipal o de orphaos do termo de Aguas Bel as em substi-
tuidlo do tente Severino Rodrigies Lins de Albuquerqne e Antonio Valeatim de
Barros, que acceitaram postos da Guarda Nacional.
Na mesma data nomeei para o logar de 8.* spplente do juiz municipal e do
rpblos do termo de Aguas BelLs, ao cidadao Manoel Marques de yasconcellos
Ramos.
Em 11 de Outulro findo nomeei para os logares de 2 e 3. supplentes do
juiz municipal e de Orphaos do termo de Alagoa de Baixo o tenente-coronel Manoel
Ignaci. da Silva Azevedo e o capitao Mnoel Ignacio dos Santos.
A 23 nomeei o capitao Manoel Olympio de Barros Costa para o logar de 2.
spplente do juiz municipal e de orphaos do termo de Ipojuca.
Em 3 > omeei para o logar d? 3. sup Jen te do juiz muuieipal e de orphaos
do termo de Tscarat, Jos Francisco Gomes Lima, passando o actual 3. spplente
Domingos Gomes da Cruz para o logar de 2. que se achava vago
Em 5 do crrante mez nomeei Joao Cardoso de Miranda para o logar de 3.
spplente do juiz municipal e de orphaos do termo de Leopoldina, passando o actual
3." spplente Raymundo de Oliveira e Silva pura o logar de 2 que se act.ava vago.
(Continua.)
vus ('helar.-, c bem especial de etapa das pracas desarranchadas
at o da ui embarque.
Ao director do Arsenal de Guerra.Deven
1I0 seguir para o Estado doR10deJaneiro.no
prximo vapor esperado do Norte, o 22 bata
ihlo de iofantaria, atonso vos a alugar as car-
rocas pre i as para a conduccao da bagagem do
retendo batalhao tu porto do embarque. Ft
zi-ram-se as necessarij cominunicagoes.
Portaras,
Circular as cunaras municipaes.Urna Ion
ga experiencia tem dera n-trado que nao satis
fus a exigencias do bem onblico, o modo por
que as municipalidades applica n as snas reo
das. Si, em geral nao sao -xagerados os un
posto que ellas arracadain, em toto caso hem ap
pilcados os municipios aufriinam certas van
tugeos com relaco ao seu melhoramento mate
nal, vantageas que at hoje nao se ten traduzi-
do r-m factos, como se ver tica, segundo cstou
informado, nelo estado da decadencia e atrazo
de cada mnnicipio
Basta ler os ornamentos das cmaras para no-
tar a irre.rfularidade da arrecadacao alias des
tinada em qoasi sua tolidade ao pesaoal empre
As ex-nctas Assemblas Pro^inciaes, longe
de razerem eflectivo o 1^ direito de inspec
cao, sanecionavam quasi sempre os abusos que
nve.an tugar.
E' provavel que os operacOes que o rgimen
mnnicipal tenha de soffrer no possam realisar
e com a urgencia que bfl ce-e.-sldades do mu
nicipio determinara
'"onvem, portante que, respeitada affijasla-
co do actual, se tometn as provrfeueas que o
bem publico exige, bem como que a camsra mu
nicipal de___ me informe com relaco ao seu
pessoal.
Pens que pelo menos 36 ". da renda de cada
municipalidade devem ser applicado3 aos me
Ihoramentos mais urgentes.
Espero, pois. da boa vontade e patriotismo
da me ma cmara que me remita as modifica
edes do seu ornamento que entender convemea
l*. de accordo com o peosamento exposto, con
eorrendo deste modo para que se iiacte o novo
rgimen oeste Estado.
0< Srg. agentes da Gonp*nhia Brazileira,
facara transportar ao Estado do Rio Grande do
Norte iior coala do Ministerio da Guerra o ex
soldado do 22' batalhao de infamara Jas Go 1
calves de toma, o qual tendo sido excaso do ser
vico do exercito por conclusa di lempo em 19
do eorrente. reoolbe acuelle Estado donde na
toril.Commuoicou-se a secretaria do Com
mando das Armas.'
0 Sr. sapenoteadeate da estrada de ferro
do Recife a S. t-'raacisco d paasageui por cont
do Estado, com direiu a bagagem. de Cinco
Poma- a oa, ao alf-res do corpa de polica Fre-
deriC3 Auga o distrito de Qaipap coodtuindo 90a mulOer e
3 filbos.
Mutatis witandes ao cidado encarregado da
eslac, 10 de Palmares.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Kecife a S. Francisco d paosageoa de ida e
volta. de Cinco Ponas a Dna, por coota do Esta-
do, a duas pracas do corpo de poliria, providen
eiando quanto ao transporte da re Maa da Coa-
ceigo qne lem de cumplir seotenc na Casa de
Detenco.
- .0 Sr. saportnu,,'dooie da estrada de ferro
do R-eife a S. Francisc dp^ssagens por coqu
uo Estado, com directo a bagagem, da eslac, o
da Escada a de Cinco Ponas a 6 pracas do cor
po de polica, 3 presos e 1 lonco.
O Sr superra'.e 1 ie-ite la estrada de ferro
do Recife ao Limoeiro. de passagens por conia
do E -tado, com direito a bagagem, da estaca do
Brun a de Tunbauba o teoente do execiu
Jos Joaquim de Aguiar, sua mulher e cinco lilaos
menores.
0 Sr. superintondenie da estrada de ferro
do Recite ai Li noetr.i .o" passag ns de ida e vol-
ta, com direito a bagagem, la estaeao do Br.ira
a daquella cilade a praga do corpo policial Do-
mingos Das Vietra de Me io, providenciando
quanto ao transporte de ?ua mulher para esta
capital.
EXI'BDIRSTE DO SECnTARIO
Officios:
Ao inspector da Tesouraria de Fazeoda.
O govemador do E-lado manda reioeile'-vos a
iuciusa a ordem do Tribunal do Tuesomo Nacio-
nal M'b n. lo.
Ao .-< ere tari o do coramtndo das anuas. -
D',' ordem do governador do E-tado communico
vos que por desparb de hoje foi defirido o re
querimeolo emqse o Dr Nstor d Siquera Ca
vaicaatc pede .-er inspeC( iun >do de saude 'pela
junta medica militar.
Ao gerente da Companhia Pernarabucraa
U cidadao governa Jor do Estado ficou iote.ra-
do, pelo Vi.sso ofiiio de 21 do corrate, de fi
cuf transferida para amanb, a 5 horas da tar
do, a samda do vapor Una para os poros do
norte, e a do vapor Piropuma aos ponos de Ta
mandar e Rio Purmoi>o, para o dia 26 ao ama
uliecer.
EXPEDIENTE DO DU 2'k DE DEZEHUR0 DR 1889
Actos :
O gov nii.dor do Eslado de P>-man:buco,
ten lo em vWsa as re lamacOes da Companhia de
Illuinio v o a Gaz d< sta cidi-de conira a uva ia
cae do uiutcial da cmp'eza, e considerando de
corivi-nit-ncia decidir sobre a procedencia .dar,
allu Irlas recl-iina^es antes de se. resojycr ;r
preferencia dos concurrentes ao futuro servir..
da lluminac publica resolve noiiiearjma
commisso coiupt>*ta dos advogaJos Dra. Jo-c
Hjgiiio Duarts Pereira. M>noel do Nasenneiito
Machado Port'-Ka, Jos Joaqun de Ohveira Fon
seca. Jos N'i'olao Tuleiitino de Carvalho e AlDi
do Gujcalves Meia de. V.i.sconcelios, a qual dir
sobre os quesilos seguiutes :
1.a A avaliac,o do maie.ial e^bras da Empre
n, procedida em l>-i8 exj>i'flle\ n. l.MOl de
4 de Junbo de 1887. teve lugar sem violacao da
clausula 13' do contracto celebrado com Fielden
Brothers em 26 de Abril de 1856?
1. A disposic.it> do art. 1 g i* da citada lei.
mandaodo que o governo noiocasse orna com-
misso de pessoas idneas para proceder aquel
la avaliaco, offeodeu a clausula 25* do allu lido'
contracto ?
3. Oo a nameaco dos avaliadores por parte
do governo se cora padeca com a nomeajao de
avaliadores por parte da companhia ?
4. A companhia noineou avaliadores ?
5. 0 laudo destes foi apreseatado ao go
veras?
6. A expreaso da clausula 13.'a Empreza
syoooyraa desta ouira-ooras daempreza?
7." A numeaco do desempatador feila pelo
art Uros lo governo e da Empresa foi regular,
vista da claujula 25.a do coa recto ?
8.* Ou, segundo a mesma clausula, essa no
meaco devera ter sido feita directamente pela
Empieza e pelo goverun ?
9. 0 laudo apreseotado pelo desempatador
observoo as regras do direito?
10 A companhia, nao ten w reclamado como
nao reda un iu contra o modo porque foi fita a
noraeac&o do desempatador ante.- aa apresema
cao do laudo deste. accordou mpliciamente
aesta iiomeayio? ^v
II A Empreza, tendo invocado em seu favor
is (li.-|io-K,0 s da clausula 23*. alten lula Como
foi, se conlradisse em suas u Urnas n- l-una
coes ? ,
12." A avaliaco que teve lugar cooteraploo o
i.i ur do gazometro em coasiruccao e das obras
em andamento, que estaara po optas, com
eslae, no fim do prasn do contracto?
13 avaliadores foram juramentados ?
li Si nao foram, a lo ia de juramento iaqui
na de invalidaco Os respectivo- laudo* ?
15 Debaixo do ponto dt vista jun i < li-
quida a questo da avaliaco do material da
IJinnreza do Gaz ? _.
16 Convira proceder a nova avaato ?
17 Sao improcedentes as reclamatoes da En
preza do Gaz contra a legalida le oa avaii; co I-diO-s. p>>r urna
do materiale obras da mcsmi Emoreza ?. Fi casa de residencia*
Moura Borges & CRemetido ao inspector da
Alfaudega para alien ler.
Teneme Heir.0 A*zerre Caval ante Maciel.
eeja addido a Repaitico da Bibliotbeca.
Bacbar'l Rodolpho Carvalho. Informe o ios
pector da Thesouraiia de Fazenda.
Rodolpho Pin o de Al unida. Encarainhe-se,
devendo ser pazo na Reparticao dos Corr-ios o
competnte porte. 4
Bacbarel S-veriano do Reg Chaves Peixoto.-
Eacamiflhe-s'. pagando.o supplicante o porte na
Repartico dos Correios.
Vigario Simo de Azevedo Campos. Selle e
voltequ Tendo.
Secretaria do Governo do Estado de
Pernanibuco, 30 de Janeiro de 1890
' porteiro,
H. MaeirJ. da Silva.
zeram-ae as necessarias coramuaiCiicoes.
0 go ve mador do Esta lo attendendo ao que
requereu o tenent do 27 baialho de infama
na Jos Joaquim de Aguiar e tendo em vista o
termo de ospeccio a que foi submetdo, resol-
ve conceder loe dona mezes d licenca com vea
1 lientos aa forma da lei para tratar de sua
saude no interior deste Eslado.Communicou-
se ao 8 creano do commando d .8 armas.
Officios:
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Ri commeodo vos que, depois de processada,
mandis ,-aii-fazer a inclusa coota, na importan
( u de 8ii, relativa a feria de 16a 22 do corren-
te mes, dos empregados que tica rara adraiuis
tr.iado o vigiando as obras do edificio destinado
a Ficul-ia le de Direito do Recife.
Ao inspector do Thesouro. 0 cidado go-
vemador do Estado manda communicar-vos que
Manoel Marques de Albuquerque Maranho lis-
cal da usina Joo *lfredo, entrou a 21 do cor-
rente no goo da licenca que IhS foi coacedida
por portara de 10, tambem do crreme.
Poriarias:
0 Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife a S. Francisco l passagens, por coo-
ta do Estado, com direito a bagagem, de ioco
Ponas a Aripib. a duas pracas do corpo de po-
lica que destacara para Barreiros.
0 Sr. superintendente da estrada de ferro
lo Hecife a S Francisco d passagem, por ora
ta do Estado, com direito a bagagem de Cinco
Pomas a Una a duas Dragas do corpo policial
que destacara para o termo de Bonito.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do R cife a S. Francisco d passagea, por coor
ta do Halado, com direito a bagagem, da esta
cao de Cinco Ponus a de Una a um sargento e
a um zabo de esquadra do corpo policial que
destacara para Caaboiinbo e Quipap.
0 cidadao encarrega lo da estago de Pal-
mares d passagem. com direito a bagagem por
conta do Estdo a nm sargento do corpo de po-
lica que destaca para Caobotioao.
0 cidadao eacarregado da ostaco de Pal
mires d passagem com direito a bagagem, por
conta do Estado a um cabo de esquadra do cor
po policial que destaca para Quipap.
Repare lea la Pnlld'
2.* seccio. N. 2.Secretaria de P<.
ca do Estado de Pernambuco, 60 le Ja
neiro de 189o. l'idado. -rWtaetpo-vot
^ue foram nonte n volhidos f'asa di
Uetengto <>b segumtes individuos:
A' ordera do sao ieaagadu do Io tisirici) de -
Jos, Ildefonso G 1 ocalvrs de, Sii| iei .. i-nnneio
do [K)r Caet n K .d, Sahuiiao Jo- D Jos da CO'ta e Silva M. 10 > Jo- 10 Ni-cunen
to, Luis de Tal. <; un -i iu p ir Ln/ d* :'inha
e Joo Rayoiuodo N pomuc nn. > orno vagaban
dos e de ordeiros.
A' orem do 10 2 lisinco la Graca AtitO"io
Alnas Piniiero, m >sihene- L urenc ilaiii
Joaquina da 'louceico e L-ono. vliri.. da Ouo-
C' k; 11. p ir nil'-a. a- a m0r.1l uuoiid
>la madrugada le houteu |>ene(raram 0-
jauella que cara al) ra, na
e lio-p oa ia de Jo-it-pli J. 1
nuera assira. mo'alisando e trabalbando em prol
da caasa publica, que o povo Ibes saber rSnder
preito merecido.
E-tev* aqu o IW-. director Ja estrada de ferro
do Re ifr CauarA que v io percorrer a linha.
farsee que era oreve princiidaram os traba-
ihoa.
' O oe-goiil da 3o sergo cmnposto do eogenhei-
r chefn oV serco Lucio le Fre tas A mar I e
.los enganfteiros Leiz Marques de Albuquerqne
Mar.oiliao e J.ise di Gomes Netto j aquj est re-
sidindo 1 rab.iih rado no resto da locacao.
Consta no-, que o ligoo p esi lente da Inten-
dencia vri fazer rafe, anclas era que explicar
ao povo O' nevo estado do paiz e era que Ihe
dar uva ex com a re u lie. e o que aiuda della Je espe-
rar Dura eiigrandecnnt'iit i da palna.
Nesta idea tem sido apoiado por todas as au-
toridades e pelos sinceros amigos da rep-
blica.
Mudo ea tem m lhorado aqu e anda se espe-
ra muito da boa direceo dos negocios desta co-
marca, era (So boa hora confiada a homens dig-
nos dos maio. es elogios.
Tambem rouito .em ooadjuvado o del: gado de
polica, o digDO subdelc^ido do Io dwtricto, o
honrado negociante Pedro da Silva Caldas, para
o acabamento dos jogo3 e desarmamtnto dos va-
lentoes da ra.
No podia o digno delegado encontrar melhor
auxiliar do que o Sr. Caldas, hornera puro e que
nunca em outros lempos quiz acceilar car-
giis, mas que, republicano siDcero, agora est
disTposto a prestar os seus serviros caufa da
repblica, como tem fcito, com a melhor accei-
Ufo de. odos.
A separaco da igreja do Estado foi muito
bem acceita por todos. Inclusive o clero, que
en-ergou Della grande sorama de vantagens
pura a cauza la lile dade comionm.
Tudo vai bem e permita Deu> que sempre
a.-,ni 6ija para no volt^r piis aquelle rgimen
de escndalos, que termmou a 15 de Novembro
passado.
A piisc da Intendencia ei( mareada para 31
dn eorrente e a populagao espera-a socios para
gozr das medidas que j coiii-ta sero toma as
em hem da populla* 1 e da .-aluiindide publica
al aqui lio des uradas.
Al bwve.
iXISIKIAN i ARTES
tham, ra do VmconD de fluyan na e suhtra
hiram diversas pecas dr roupa, um relogio com
oorrente "e ouro e JiOOO era dioheiro, sendo
que as pecas de roupa turara encontrad s mais
tarde na pi-n e da Estancia.
A tal respeito pro. edeu-se na forma da lei.
No da 27 do corr nte e era trras do enge-
ntas Taubei, do termo do Cabo, Jos de tal, co
nhecido por Papagaio, ferio co u duas facadas a
Faustino Manoel.
0 delegado respe ttivo provid-ociou sobre a
priso do deJ 1 oqpente e aiiro inquerito.
0 bacbarel anoel Antonio Pereira Boriia
assumio no dia 26 do corrate, na qualidade
de i suoplente. o sera io 10 cargo de delega
do do termo de Tirababa.
Sade e fraternidade Ao brigadein
Jos Simoao de Olireira, mai digno go-
vernador provisorio do Estado de Per
uaaibucoO Chefe de polica, Antonio
Antunes Ribas.
DESPACHOS DA SECRETARIA DO GOVBRNO
DO ESTADO DB PXRNAMBUC'O, 25 DB JA-
NEIRO db 1890
Abaixo assignados, proprietarios e moradores
ua cidade de Jaboatio. -Sellem e voltean que-
rendo.
Abaixo assignados, alumnos da Escola Normal.
Subsisuodo os mesmos motivos que determi-
oaruia o despacho de 20 de Agosto ultimo, pro-
ferido em uca petico dos alumnos apprivados
e a 1888 as materias do 3.* anno da Escola Nor-
mal, maud que sejam expedido- molos de or-
ma listas aos peti ion a nos e a quiesquer outros
qup se acharera em idnticas condicOes.
Abaixo assignados. alumnos-mestrcs da Esco-
le Normal. Remetudoao director da Escola Nor-
mal para alteader aos peticionarios.
AbaiXu a-su'iiados, moradores na poveago da
Reeebcdoria do Estado de
PeroamliiK-o
DE8PACH06 DO OA 29 Dn JANEIRO DE
1890
Antonia Mara de Jess Vteira.Altendido,
em vista das nforraages.
Francisco Gabriel das Cbagas Attendiio, em
vista das infurraacOes.
Jos Rodrigues Pinto Frrreira. -Indeferido.
Jeroayrao Francisco Ferreira.D. fendo, de
acco'do com as intormacOes.
Joo Gregorio Gongalves e outros.Indeferido
Emilia Jrbana de Vasconcelios Bnto.Sim,
em vista das ioform coes.
Ludgero Fraacisco de Aquino i csar.Era vista
daa infonnaces nada ha que deferir.
GaJdino Ferreira da Suva.Deferido, era vista
das laformaces.
Claudino Hodrigues Carapello.Sim.
Inspectora geral da Instraeco
publica do Estado de ernaru
bueo.
DESPACHOS DO DIA 30 DE JANEIRO DE
1890
Das da Silva JniorA' !. sec;2o, relator o
Dr. Souza Pinto.
Emilia Alexandrina de Albuquerque Pereira.
Certifique se.
Joi do Reg CavalcaBte Silva.Junte altes
tado medico.
CMKESPOMIfcUIAS
Ue Diario de Peraambaco
BEZERROS, 4 de Janeiro de 180
Ha dols mezes que Ihe no dou noticias desta
ao aa comarca, e faco o agora mais satisfeito por 'he
Pilmeira, do termo de.Garantaos.-A c deira p0ller annuncitf- que j 'em ca .ido aqui alga-
ser opportunara 'nte "
curso.
prvida por mcio de con
mas chovas, que muio tm alegrado este povo
Os pastos tem enfolhado e o aspecto geral do
Abaixo assignados, negociantes fstabelecidos 'campo se transformon.
n'esta cidade.Passe portara, conedendo per- j Para mais przer oeste povo, to infeliz ha an
misso aos peticiinarios para vendercm to .-6 [nos,est agora a comarca sob o rgimen da
mente os bilhetes das loteras que se achara an- ordem e tranquillidade que aqui nunc houve,
nunciados no podendo assira alcancar a esses i no lempo da Monarchia, grafas ao digno delega-
bilhetes as disposigOes do decreto de 20 do cor- jdo de polica e coiiimandante ao destacamirato,
rente, expedido por este governo. i tenente Carlos Lopes Noiraeira Rosa que com io-
Abaixo assignados moradores e residentes na i telligencia, e urna actividade inexcediveis, tem
villa e te>mo de S. benio. -Ao Dr. juiz de direito feHo com a maior calina urna polica morlisada,
d.i comarca de 8. Bento para informar, ouvindoa digna dos maion-s elogios, no conseniiodo jo
Cmara Municipal, o juiz muaicipal e o promitor gos, pessoas armadas publicamente 2 muitos ou
publico. i iros abusos 'antes permetlidos pelas autorila
Agostinho Albino Bezerra.Encaminhe-se; de- des.
vendo ser pa-jo na Reparticao dos Correios o Tambem j est na comarca o Dr. Manoel de
omp'-teote porte. Barros Bezerra Cavalcante, digno promotor no
Bacbarel Antonio da silva GnimaresSim. meado para aqui, republicano sincero e mogo
Companhia Pernambucana.Informe o inspe- inteligente e araavel, que lem sabido conquistar
ctor do Thesouro do Estado. as symppthias de todos.
Epbigeoia Marii de Aimeida Gomes. Re-I A repblica, aqui, lem sido acceita muito li
que ira ao inspector geral da Ir.struccao Publica, songejramente, mxime depois das acertadas
Elysio Araancib Gomes de Mello. O concurso est-olhas que o dign governador deste Estado
lera lugar em Maio, de accordo' com o art. 82 do fez dos homens mais puros e b: mquistos da po
Beiuiamento de 18 de Janeiro re 1888. I pulago quer u'um, qut-r de outro dos extractos
Fraacisco Joo de Barros Jnior. Sim. par dos polticos.
- Candido Firrainode Mello Leito.Saja addido).'A imendenpia n5o poda sermelhorescolliida
Uraa nova lampada de incandescencia foi ia-
'i-iiliida pop Bai fc-tn>m.
Differr iio- coiig- neies ere ser o respectivo
(llmenlo forma lo oe um no de seda carhunisado
nao no b.i t.
Tal llaaienlo diese rpsi le mu'to mais que
o pul imniepie empreado iius a ha ios e a-^ ru-
piura.- que I le sao coi^equeutes upreseoiando
l ii di-so iia-s.igeni da correle uiua resis-
en ia 111(1110 fioti.
#
iiipci i,' construoo a do camiuho de -rro
ni Cluui sus|ieiiiiei os-cuus trab.lhos em vir-
uile da fone opp< s gao que en outra por parte
pin puvu '- las i lingos que o governo d'aquelle
iiitio io ihe suscita.
*
N i ob-i rvalorio de Par z deve ler chipado ao
-cu termo um constru gao de fini. quadiada,
e da -Itura e 18 ra tro- destioa ta a n-ceber
um i-iinde equatonal di 0" 0 de abertura e do
-ysieraa inviolado por Lcewy.
O leienropio cu-u>u 88: 00*000 e a Cuns'rugo
30:0.-0 00-.
Espera o Galtteu. revista astronmica que o
i vii apparelbo dan occa.-iao a |.es iuizns das
mais inters antes 'erea dos planetas e a im-
portantes descuberlas eslellare.
#
0 coiiselho superior de hygiene, de Franga,
deu a sua aprovago ao p ocesso que foi sub-
inettido ao seu exame. e que lem por fim pro-
duzr a ventilago permanente iras 'Tiferuiarias,
escolas, e em geral, em lo ios os sitios em qne
costme agglometar-se um grande num.-ro de
pessoas.
Consiste em substituir os vidros das portas e
das janellas por urna lira de lona, que deter-
mina una veotilaco constante o insensivel.
Repetidas expi-rienctas de ventilagao, feitas
por este systtma em aleons estabule, imeotos
pblicos, produzram excelleutes resultado.
Na serra Victoria na Australia, existe a mais
alta arvore do mundo, descoberta no distncto de
Decu lenong de Ternhaw.
E' nm exemplar de Eucaliptos, que tem a gi-
gantesca altura de 1125 metros e a urna regular
al ura do solo mjde o tronco urna peripheria de
10 metros.
0 nico galbo que tem esse colos-o est al-
tuia de 120 metros.

Madagascar est em vesperas de tornarse
centro astronmico e meteorolgico dos mais
importantes.
J comeca'ara all as o ras de constrneco de
ura ooservatuno. q e ser segundo nos parece,
o mats alto do mundo, pois est colocado a
i: i'K.i metros cima do nivel oo mar.
Poucos observatorios astronmicos existem no
hemispherio austral
0 da ilha de Madagascar est destinado a
prestai asstgnalados servigos sciea^a, princi-
palmente no que respeii* ao levantameoio da
carta do ceo no secuto XK, trabalho no qual se
oceupam actualmente todos os observatorios
THA\MI{ir<;OE>
Secretarla da extincta Assonbla Legislativa
Provincial.
Bacharel Francisco Porfirio de Andrade Lima.
Ao inspector da Tnesonraria de Fazenda para
iufo mar. '
Genuino Luiz Nuoes.Remettido ao director
do A .-eual de Guerra para attender.
J isp Francisco T. Iba de Mead-raga.Deferido
com officio d'esta data ao inspector gerul da Ins-
irne^ii Publica.
Jos Thomaz Cavalcante Pcssa.Seja addido
Repariig- o das Obras Publicas.
Bacbarel Joo Jo a juim de.Freitas Henriqnes.
Sin-.
Bacharel Jos Antonio de Ohveira Mendonca.
Aguarde solugo do Ministerio da Justiga, a cujo
coohecimenio submetto o a sumpto d'este reque
imento.
Mapoel Simplicio de 01 teiri.Reqneira ao
:ommandante do Corpo de Polica.
i as pessoas do I r. Joaquim Manoel Vieira de
Mello, que tosa das maiores sympalhias, e que
tem promoTido a boa marcha dos negocios repu-
blicanos a contento de todos, respeilando ludo o
que ha de bom ; do cidado Guilherraino Tava-
vares de Medeiros,a mais pqra e honesta figura
do ex partido conservador ; e do cidado Seve
rinu de Araujo Oliveira, o mais digno membro
do ex partido liberal.
Nao ha quem no esteju satisfeito com o novo
esta lo de cousas gragas prudente diieecGo do
Dr. Vieira de Mello.
So isto nio agradou, a duasou trez individua-
lidades sera ouenor prestigio, por eBtarem
margem, visto que nio querem anda acreditar
oa moralidade da R-publica e esperara a volta
do ango rgimen Ouro pretiata.
Mas, a sua nuilidade aqui e.manifesta, vista
da onda da opioio geral.
Que os honrados directores polticos conti-
Polltlea em prgres%o
("Diario de Noticias, do Rio de Janeiro)
As queixas de alguna Estados contra o
mo servido de navegagao que tm tido,
era detrimooto dos seus mais vitaos te-
ro se s, toriwm este aasumpto de grande
alcance e actualid-wle, sob oreginoa aovo,
era que as hitas abstractas da pul.tica de-
vem ceder o passe s conquistas do pro-
gresso, molborando todos os servigos, e
brindo nossa patria os vastos horison-
tes da poltica dos melboramentos, d'essa
que povCa o slo, que faz slvar as loco-
motivas, que enche os mares de vapores
e que tem o dom de esp -lhar o bem estar
e a riqueza pelos povos que seguem.
J no lummoso relatorio do Sr. minis-
tro de fazenda, sobre o estado do The-
souro, lemos um tpico que veio ao en-
contr do nosso pensamento, e que nos
parece dever ser o progr*mma do actual
governo, em materia de desenvolvimento
nacional. Vegetaramos na mesma poli-
tic do imperio, como urna pella atirad*
ora ao imposto, ora iv emprestimo, se na
tratassemos por todos os raeios de animar
a iniciativa particular, de explorar as
nossrs riquezas naturaes, de cortar o paiz
de vi as frreas e telegraphos, de melho
rar as communicagSes do nosso opulento
littoral, de fecundar as fontes virgens e
inexgotaveis da riqueza do solo e da in-
strucs&o do povo.
Para maugurarmos urna vida nova e
pro pera que d independencia ao cidadao,
e que Ihe proporcione meios ampios de
emprego a todas as actividades, precisa-
mos, conciliando a audacia com o citero,
atirar nbs todos a essa poltica fecunda de
progresso. que fez os Estados Unidos d*
Norte urna roaravilha industrial e da le-
publica Argenina um rypo seductor do
progresso americano.
Posto que curta anda a vida da nossa
Repblica, ella, todava, mais que sufi-
ciente, para que o governo e os cidadloa
vej m que os nicos motivos de descon-
tentamente que apparecem, provm das
questQoS pessoaes, das lutas pelos empre-
gos pblicos, as divergencias sobre as
nomeagoes. Dissera o Sr. Affonso Celso
que havia no paiz urna especie de doenca.
*
"Y
s

:
1
i.

{
i p i
"'" ,'-'t
y


^
i ano
i





*- .

/
,:

Pernaii bu coSexta-fir
___________1_______\L____f

urna pr aa. Esqueceu se, portn, aqueile
ex estadista de dizer que esse estado pro-
vinha da dependencia eiu qne o imperio
bem estar e a riqueza se espalh ter sempre a seus ps um povo subraisso,
necessitado. ambici mando, como supremo
ideal, viver dos ridiculos proventos de Uiu
lugar de amanuense.
certo caiub-m que o nosso paiz, um
dos melhores dotados pela natureza p ra o
desenvolvimiento das industrias, pora a o-
pu I enca do coinmercio, paro o bem estar
da agricultura, ra talv.-z a p-.r e do glo-
bo em que maiores difficuldades se encon
trava para o euipi eg > da actividade.
A ndole esta va pervertida por influen-
cia das instituirse; a m .ro--id-.de era o
Caracteri tico da nssas cousas e passava j
em julg do que os nossos compatriotas
tudo resolva.) com o amanha e com a di
vina providencia N'esse estado de cou
sas innmeros monopolios forara-se crean
do, em prejuizo geral, esterilizando as
iniciativas, de modo a nao ter o nacional
outro meio de vida alm lo emprego pu-
blico, ara esse, entSo, couvergiam as
ambicdes, tornan io-se a luta desesperada.
E n'um paiz to rico e to vasto como o nos-
so, onde as jazidas aurferas se calcam aos
ps e onde a naturcz i se desentranha em
esplendores, o povo viva triste e preoccu
pado, sem encontrar raeo de ganbar a
vida.
Sabir quanto antes d'este estado, por
urna p'Witica vasta, de progresso e de me-
Ihorameutos, que crear innmeros focos
de trabalho, oad- todas as actividades po-
dero ser bem aprovetadaa e bem remu-
neradas, dcrer de um governo, em cujas
maos o povo depositou todas as suas espe
randas de engrandec ment e de bem ]
estar. E para o conseguir basta s que
os eminentes cidados, qoe dirigem os ne-
gocios pblicos, animein em seus crame
timemos a iniciativa particular, que se
nos apresenta j, cneia de vida e prestes a
iniciar <>s mais patriotic' s tentamens.
A attenySo publica desviar se-ha como
por encanto, da luta estril da poltica,
dos empn-gos e do bafejo official para
atirar-se, cheia de connanga e de ardor,
s industri s remuneradoras, ao commer-
cio independente, aos commettimentos de
toda a ordem, que, contr buindo para o
bem geral, farao a independencia e a for-
tuna dos que a elles se dedicarem e de
mas familias. E quem tena a esperan-
ce de opulentar-se, por si propri, e de
prosperar pelo influxo de seus esforgos,
nem sequer sonba em ir ditlicultar a mar-
cha do governo, creando-lhe difficuldades
e descontentamentos, de cada vez que
elle tem de prover a um cargo publico.
Posto que hoje no governo tenhamos
homeob inspirados no mais alto sentimento
da justica, devemos sempre leiubrar-nos
de que pelo facto de se proclamar a Re-
publica os vicios do p..ssado nao se volati
lisaram. Elles ah esto todos, e mais ou
menos hao de influir em muitos negocios.
S aliando as geragSes se renovaren), *ob
o rgimen da hberdade e do direiro, urna
verdadeira harmona existir entre O go-
verno e o povo, de modo a que h..ja as-
sen ment geral s deliberacSes elevadas
di s que dirigem o pvo, em meio de mil
difficuldades.
Hoje, como no passado, pelas camas
que elle baptisara com o auna de empre airaio de mensalidades tlierem as respectivas
aotnania entradas.
va ?- -?- .,:, ?m^ j. a! Os que delxarem de quitar se icorrem na e
EffectiVmeBte, n esses tempoa idos, ; m,nago por es*- fado
vaga de um emprego qualjuer pareca-; Cura* ex-Ci nos assistir ao assombroso q ladro de La e3' iberio o com-ureo subtiiuicao da cadeira
cu~c, quaodo os instinctos e as ambicSes e r,""raetica e geometra do corso a anexo i
j a .,. t;__ i .. i Facullade de Direilo.
desa9a,mada8 se atiram loucas de feor ^p,,,,,. -0 porto-Segundo delibera-
cao dessa repartig o, as alrarengas de carga e
descarga m5 podera Tundear ao norte da ponte
Buarque de Macedo e Forte do Brum ; e o ba-
i te6-s da cooservaco do porto terso por aneo-
procur.v maater a todos, estando que o!ra,,0uro 0 e3paco en.re aq7elIa ^^ e a de 7
de Setembro.
Pao d'Alao O directorio republicano de
Pao d'Alho ticou ass m constituido :
Prest lente -. Coronel Francisco Vidal Ara
uha Montenegro.
Vice presidenteMajor Sebastij Antonio* do
Retro Cava le* nte.
! secretarioFeliciano Eleutberio do Hori
soote Rrastleiro.
t secretario Pedro de Alcntara da Silva
Coutinho.
Orador Jos Antonio Cesar de Vasconcel
los Juiiior.
Tesoureiro Capito Joaquim Corria de
Araujo Vascoocellos.
Foi nomeada ama commiss&o para confec
donar o respectivo regulamento. composta dos
seguidles u.einbros '.
Teoente co-onel Jos Francisco Pinbeiro Ri
mos, Jos Anlooio Cesar de Vasconcellos J-
nior e Jos Francisco de Albu luerque Pinen
tel.
Uniena MgicaPublicou se o n. 280
da Lanterna Mgica, peridico illustrado e bu
monstieo.
Servlco militar Hoje superior io dia
o cidado major Serra Martms e faz a ronda de
visita um subalterno de cavallaria.
0 3 batalbo dar a guarnigo e o official.
Apresentou-se boje por ter concluido huntem
a liceuca de 3 mezes com qne se acbava neste
Estada, para tratar de sua saude, o cidado al
feres do 36" de iofantana addido ao 2 da mes
ma armar, Francisco Cabral da silveira.
Por telegramma do cidadao aja lante general
do Estado fu transferido do 1U regiment de
cavallaria para o 2 de infamara, o soldado Ao
'.orno Froa iscsjdu Lima, que se acba do desta-
ciiinentjoo mtfhno regiment neste Estado.
'oipnitdoi'oro Pedem-nos a publi-
cocfio do seguate :
Deutre todas as noites de novenas que se
tein realisado na matriz do Poco, foi sem cgft-
teslacao a ca.is attraheme a das mocas sokeifas.
No adro da igreja ergua se um vistoso Xas-
tillo bellamente ornado eillnminao a venecia-
na, liaveu Jo t-xparsos fe8oes e pyramides de
.'lotios d papel t-m todiH> pateo.
Depois da novena, foi arreiada a bandeira
de Nossa Senbora da Sde e collocada em u.u
carro trium pilante que, sob a guarda de uno aojo,
percorreu as principaes ras acompanhado por
grande numero de mo;as e por duas bandas de
msica, -endoao recoloer se queimado um lio Jo
to^'J le artiScio.
Por convite da commisso assislio ao3 actos
o cadao gov< rnauor deste Estado e sua Exma.
familia.
Beco do< Palos Horadoredesse beco
nos pedem para chamar a allene: do cidado
subdelegado da parodia de Santo Antonio para
os iuquilinos de um predio do lado dos num ros
pares, os quaes incommadam a visinbanja e of
feidem a moral com as snas interminaveis dis-
cus-Oes em desusado vocrtalario. *
Pelo con.-tante voiear a referida autoridade
pode saber con pn-c^so qual o predio em ques-
lao. "**
tougresoo Imtrurilvo Pern.mbu
cano -E:ii a^sembla geral extraordinaria, re-
ne se essa sociedade, na quinta-feira p-oxima,
no Lyc*'Bvde Artes e OUicioa, s 10 I/i oras da
manti, pra iniciar os respectivos trabalbos e
pro'-e-ier el. ico da nova directora que tem de
servir duraote o semestre de Janeiro a Junho.
FenteJoH carnavalenco Alguns mo
tos Jo commercio, estabelecidos ra do Bom
Jess, reuniram se hontem e tomaram a dehbe-
racao de soiemnisar o carnaval, por meios de
grandet-fcstejos na mesma ra durante os tres
dias.
N'esse proposito nomearam commiss6es,-que
terao de promover aquelles festejos, 8cando a
exer.utlva eomposta assim :
Jos Antonio Moreira, presidente.
Quinno Lopes de Assunpco. tnesonreiro.
iogeiics da Ci sta Ramos secretario.
A referida rommissao coadjuvada pelo se-
guinte sob o titulo de:
Auxiliares-Francisco Alves Lebre, Hermene-
gildo Alves de Assis, Alfredo Malta, capitSo Mar
elino B Jos de -ouza, Boaventura Gomes da
Co-ta, Joaqaim Ramos, Joo Abrantes, Joo dos
Pas.-os Guimarftes, Jos Pinto Moreira, Francisco
A Inglaterra abasa da orca e o patriotismo na-
oif'Sta se.
Nao o hr4 era vio.
vapor BlbeSegundo telegramma rece
do, sabe se que esse vapor*sahir do Rio de Ja
neiro boje.
ir.-eto'-ta aaa abran #- rumen;
todita iorta *> PwmikM*Re/i
J, 29 d Janeiro de 1880
Koletim meteorolgico
i 5_ <4
doras m Barmetro a 0 Tensao do vapor -o a s X
8 m. 26,9 1 759-63 19,38 n
9 28M 760-80 19,56 68
12* 28'.9 759-84 20 58 69
3 t. 28, 758 69 19,59 66
6 8'.3 758-55 20,05 _ 70
Temperatura mxima29,75.
Dita mnima -26, 50
Evaporaco em 24 horas : ao soli 0,-1 ; s
iom ora5.-6
:riuva nulla.
Direcco-do vento : Varavel de ENE a ESE
luraate todo o dia.
Velocidade media do vento~3,-61 por se
Nebulosidade media0,"72.
Boletim do porto
II ful "- Horas H47 da manila 6-2 da tarde 0 30. 7 -13 da manbS Alti.
P. l 29 te Janeiro B. |J P. M- 30 de Janeiro B. M. 1-94 0-.94 1-82 0-.85
Lc-iiOes EfTectuar-se-ho os seguintes :
Hoje :
Pelo agente Gusmao s 11 horas, praca do
Conde d'Eu n. 2 de movis, piano, porcelanas etc.
Pelo agente Pestaa, sll horas, travessa do
C-rpo Santo n. 27 de duff jneias aguas.
Pelo agente Brit o, s II horas, no pateo do
Ptraico n. 9."1le movis, louca etc.
Pelo agente Silveira, s Jl horas ra das
Aguas Verdes n. 60 de (novis, loucas e vi-
dros. ,
- Amanh :
Pelo agente Brilo, s 101/2 hortfs. ra For-
mosa n. 31, de um pinno, movis e loucas.
Pelo agente Pestaua, tsll horas, travessa do
Corpo Santo n. 27, de dividas.
Pelo agedte Martin*, s ti horas, ra da Im-
peratriz n. 39, de grande numero de ps de ero
tons.
Mistas fnebresSer&o celebradas :
Hoje ::
A's 6 oras, na igreja da Penba, pela alma de
Pedro Pialo de Ainjo ; s 8 horas, na matriz da
Boa Vista, pela alma de Joan Francisco Teixeira
Marques ; i 7 boraa, na ordem 3* do Carino,
pela alma de Brazilino Augusto Lumack de Mel-
lo Filho f s -8 lilas, na matriz da Boa- Vista,
pela alma do commendador F ancis:o Severiano
Rabello Jnior ; s 8 horas na igreja da Santa
Cruz, pela alma de Luiz de Oliveira Lima.
Amanh :
A's 8 horas, oa canella do Ccniteno, pela alma
de D. Emilia Leopoldina de Mello Neves ; s 8
f horas, na igreja da Soledade, pela alma de D.
'arlla Vieira Cavalcante de Albuquerque ; s 7
horas, na igreja de Beberibe, pela alma de D.
Joaquina Augusta de Mello; s 7 hora, na igreja
do Terco, pela alma de Geralda Mara da Coo
ceijo.
t > de Metene-iHovimento aos pr-
78 da Casa de Oetencao do Recife, Estadi
le Pernamboco, ero 29 de Janeiio e 18PO
ExisuaiB 571; entraram 10; sahiram35; exi>
em 546.
A saber:
Nacionaes 511 ; mulheres 29 estrangeiros 6 ;
-Total 546
\rracoado- 431.
3ons 396
Doentes 25
Loncos 7.
Loucas 3.
-Total 431.
Movimento aa enfermara
Teve baixa :
Severino Jos de Andrade.
Teve alta :
Jos Bomflm dos Saotos.
Bospitai Pedro 11 0 movimento des
tabelecimeuto de candado, no dia 29 de Ja
a^iro foi o seguinte :
que influenciaran! e que nao estSo elimi- j Alves de Lt:na Cavalciote, A thu1- Gomes de Ol-
nadas, aqui e all a gestao dos negocios vira.-ljetculano G. -la* Neves, Balthacar Jos
pblicos nao pode, deixar de ser influen- dos Res Filho. Francisco Barrosi F.lho.Manoel
" j w-,i.-o oii/JP Bariholo Jnior, c.pitao Julio Augusto Torres,
ciada por elementos antigos ehabis, alias; ^nll)Q10 FrancjsCo Galvo. Pe ro Ferraz, lente
disfamados soo o veo do mais mcon usso | AugBsto L. ta Silva Neves, Augusto Paulo de
interesse publico e n'cstas circumstaucias Carvalho c Justno Constancio Monteiro da Fon-
a ambico mais uobre que o cidadao pode seca-

ter organisar a sua vida com indepen-
dencia, de modo a nao depender de ne-
nhum governo. Este, pelo seu lado, deixan-
do de ser sol.citado por mil interesses con-
tradictorios, poder resolver as questSes
com maior isenao de animo e superiori-
dade. Todos teremos a lucrar, pois, que
do desenvolvimento do paiz nasca o bem
estar e a independencia para o cdad&o, e
que os ministros se vejam de urna vez li-
vre8 da couorte de pretende otes, que s
almejam os lugares pblicos, por nao te-
re m em que applicar as suas actividades.
N'este intuito, pois, certos de prestar-
mos relevante servico ao Estado e ao
povo, chamara 8 a attencao do governo
para o estudo das emprezas, que mais no
caso se acham de cooperar para o pro-
gresao de nossa patria, c que a nosso ver
sSo as que tratara dos melhoramentos ma-
tenaes, da construccSo de vias frreas,
desobstruceSo de rios, melhoramento de
portos, navega9?lo costeira e transatlanti
ca, immigraeao, bancos, exploraj^o de in-
dus'rias e outras que, convenientemente
animadas, tar&o da Repblica Brazdeira
urna naj-.o pr. apera e feliz onde o traba-
lho seja urna religiito e onde todos possam
conquistar a independencia e o bem estar
Com as suas proprias maos. .
Veremos, entao, que grande povo o
nosso, nao bavendo mais progresso cuja
conquista se nos antolhe difficil.
Continuaremos.
REVISTA DIARIA
Repariiru da lastruecoo Publica
Por portal la de 29 do correnie me;, resolveu
O Dr inspector ger I da lnstruccao Publica no-
mear urna commisso composta do professor pu
blico de Cbft de Carpina e do* cidados Dr. Jef
ferson Mirabeau de Azevedo Soares e capiio
Diogo Lins Cavalcanie de Albuquerque, para,
ob a presid ncia do delegado luterano do dis-
tncto, examinar em poituguez e ariihmetica o
cidado Jos Alves Pereira Lima, que pretende
concorrer ao provimenio de olfii ios de justica.
Por portara da mesma data nomeou o re-
ferido Intpec'or outra commisso composta do
professer Jcaquim Pedro da Ro ha Pereira e dos \
cidados Dr. Lauro Castello Branco e Pedio.Ivo
de Hollanda Chacn, para examinar as mes
mas materias e sob a presidencia do delegado
luterano de Agn Preta, o tidauo Laurino da
Fonaeca Lona, pretndeme ao provimeuto de of
ficios de iDSiica.
eanlo-Deve ter logar no domingo,, no
salo oo Gabinete Poriogez. convite da res
pectiva directora urna reuDio ae subditos
portugoeces, a afim de tratai se d assumptos
que se pnndem ao conflicto anglo-luco, que
ora preoecupa as atteocOss dos filbcs de Por
Lata* Cooassercial dos Mercieiros
Boje termina o prazo para os associados em
Ouno faca dasEm 27 do expirante mez,
em trras de eogenho Taubel, do termo do Ca
bo, Jos de tal, cognomin^do Papagato, ferio
com dua- facadas a Faustino Manoel.
0 delnqueme evadiu se.
1.arapiosAnte hontem, pela madrugada,
os larapios penetraram por urna janella, que
ca-ualmtnte licara aberta, na casa de residencia
e hospedara de Joseph Latbam, sita ra Vis
conde de Goyaona. e d'bi subtrahirara diversos
objectos, como pecas de roupa, t relogio de ou
ro com crreme do mesmo metal e 14/ em di
nheiro
As pegas de roupa furam depois encontradas
na ponte da Estancia.
A policia abri inquerito respeilo.
Hamadelra de Horlbaann A phar-
macia houccpathica do Dr. Sabino ra do a-
rao da Victoria, rcebeu e tem venda Mamadeira
Horthmann, instrumento utilissimo para auxiliar
a ciaco das criangas de terira idade.
E' um frasco obloogo, tendo adaptado ao gar
galo om bico de borracha simulando o bico do
sera da mulber. 0 frasco graduado para io
dicar a quautidade do leite ingerido; e tem em
relevo diversas indi.acO-s otis ao meneio do
instrumeoto. Traz tambem um thermometro, que
serve para indicar a temperatura do quarto, do
banbo e do leite das criancas.
Na especie o que ci nhe -emos de melbor ; e
nao temos duvida em recommendar esse instru
m rnto as mes de faonlia.
neto faneltre 0 leva, cabido da S
deolmda celebiou na quarle teira ultima um
o(B:io com mirsa solemne de rquiem por alma
da rinada medo oosvo diocesano. Exm Rvm
D. Jos Pereira da Silva Barros, conde de Santo
Agosttnho.
i niao cademicaEm sessao de hon
tem dessa sociedad., procedeu-se a eleigode
sua directora, que rtcou assim composta :
eresidente, Miguel Tinoco.
! vice presidente, Cicero Cesar.
2o dito, Jos de Castro e Silva.
3a dito Alberto Magno
! secretario. Ferreira Lima Jnior, que deca
ron nao acceitar a >ua eleigo.
.2 dito, Joaquim FaIco Filho.
3 dito, Julio do Valle.
4 dito, Fabio Rio Jnior.
Orador, Oswaldo Machado.
Vice orador, Alberto Das.
Thesoureiro Francisco Lyra.
Vice lliesoureiro Froa.ido de Mello.
Bibliotrie-ano, T Miraoda Pessoa.
Anjuoto de biblolhecario, Jos Gayoso.
Na prxima sessiio, qne tera lugar sabbado I
de Feverelro, s II huras oo da, proceder-se-ba
a eleic&u das diversas commissoes.
Qaesiao aaglo-lasa i^onsU nos que
a colonia poriugueza uesta capital, indignada
pela aiiuude injustamente aggressiva aa logia
trra, tem lomado certas providencias que affe
ctaui aos injusto aggressoies de molo 8n
sivel.
Entre estas aco'ntaam se as seguintes :
Su:-pi n.-ao de tiansac^O s com as casas ingle
sas. lemio alguns commerciantes desfeilo neg
ciages importantes tom ellas j entaboladas, e
contravisado outros a respeito de eoconimendas
pedidas Inglaterra
Dizem nos que paseageiros que dsveriam se-
guir no vapor ioglez Aooicagua. deixaram de fa
zel o em razo da nacioDalidade, sendo que
muras ootras medidas anlogas anda empre
garo como demonttrago do sen tmenlo que ot
domina.
o hbil Um dia eocontramo-nos e gamo-nos
seutti i igreja ; nascea nos um fin, Irypoihe
e c0 fue nao coniavasms. O pcqaeoo est
coo oiBe aonos, ro tarda a tovargonhar-se de
ser flttn de sol teiros. Foi o qse quis evitar.
* uJio Machado beben um trago de itabo,
limpou q formse bigode e concloio a eua conli-
dencia por esta bella phrase :
Gasei-me com meu fllbo.
< De torte que os dous amantes casaram-se
porque tlveram om filho, e mataram se. porque
o perderam.
Como urna crianga pedia influir no destino
de om uomem superior I *
Triste desenlace do drama dt vida I
i
Mas "que diabo tem o meu ca "alio ? disia
um eapio a seu cantarada, vendo o animal ao
salto.
E' alegra, meu capito. eu dase loe que
nos iam augmentar o sold e a rago.

N'uraa reuoio eleitoral:
0 orador:
G candidato que veoho apreseylar um
valeote lutador; j salvou de morrer afogadas
quartose pessoas.
Perdo. ioterrompeo om espectador ; p^co
licenga para urna observaco. .
Falle I Falle )
Nesi-e caso, o candidato s poder ser otil
sociedade quando ella dr com os burros n'a-
gua.
N'uma reunio poltica om sojeito gritava fu-
riosamente :
0 Si. Henriques 0 Sr. Henriques I Falle
o Sr. Henriques I
Depois te varas interrupgoej deste genero,
appareceu um sujeito que subi ao estrado e
pnricipiou a fallar. De repente ouviose a mes-
ma voz bradar:
- 0 Sr. Henriques/ o Sr Henriques! Falle
o Sr. Henriques.
O presidente impacientou se, e diz-Ihe :
Porque est o Sr. a gritar ? 0 8r. Henriques
o que est fallando.
Esse, bradi o interruptor. Nao pode ser I
Esse que me deu dinbeiro para eu facer esta
grtteria.
Um caixeiro de orna casa comraercial da roa
'o Ouvidor fazia a corte a orna gentil menina,
lierdeira de urna fortuna colossal.
0 i pez arda em desejos de trocar com a sua
beatjijjada aquellas doces e ternas phrases que
sao o Solevo os amantes.
Um dia resolveu se e envioo A sua bella ama
"irta, conjunctamenic com um vidrinlio da mais
tina esencia de rosas, pedindo lbe urna entre-
vista au clar de la lune
Mas, cos I qual nao foi o sen deaapoota-
ment ao receber a seguinte reajusta.
Devclvo o brinde. Eu, c, cheiros nao
posso aturar.
SPORT

9
[
414
as respectivas enermari
Entraram
Sabiram
FeJleceram
Existem
?oraro visitadas
elos Drs."
Moscoso s 8
Cysneiro s 9 3/4.
Barros Soannho s 6 3/4.
Berardo s 9.
Malaquias i 10.
Pontoal s 9 3/4.
Simoe8 Barbosa s 9 3/4
Estevo Cavalcante s 8 1/4.
0 cirurgio destista Numa Pompilio s 8 1/2
horas.
0 pharmaceutco entrou s8 Ij4 d manbs t
ahio s 2 da tarde.
O ajudante do pharmaceutco entrou s 7
abio As S 1/2 boras da tarde.
Lotera do tram-Par-A 8* parte, d;.
11* lotera, cojo premio /rande de 230:000*
-era extrahida no dia 5 fe Fevereiro.
A "3- parte dt 33- lotera, dessa provincia
:ojo premio grande 120:000*000, ser extrahi
ia no dia .. de Fevereiro.
Lotera da corteA1* parte da 254' lote
la, cujo premio maior de 10:000*000 ser ex
trabidahoje 31 de Fevereiro.
Cemiierio PuJsllco- Obituario do dia 29
de Janeiro.
Dellna Mara dos Santos, Pernamboco, 52 ao-
nos, solteira, Santo Antonio ; derramamento ce
rebral.
Firmino Carneiro de Lacerda, Pernamboco,
42 aonos, soltetro, Santo Antonio ; gangrena.
Julio Baptisla Penna, Portugal, 17 annos, sol
teiro) Boa Vista; febre typbica.
Joaquim Pereira Camello, Pernambuco, 80
annos, viuvo. S Jos; senilidade.
Severino, Peroambuco, 7 mezes, Graga ; ente
ro colite.
Lupicino Torres, Pernamboco, 30 annos, sol
teiro. Boa Vista; accesso pernicioso.
Maooel Fraoaisco dos Saotos, Pernambuco,
25 annos. solteiro, Graga ; diarrhea.
Anna Francisca dos Santos Pernambuco, Boa
Vista; ioviabilidade.
UM PQUCQ DE TUPO
Infelizmente conbecemos o flm desastrado que
acaba de ter o illustrado escrptor portuguez
Julio Cesar Machado, em consorcio de morte
com a propria esposa ; e sobre tal assompto oos
Flacos do Correio do Povo, diz Arthur de Ase
vedo:
Ha um mez, pouco mais ou menos, suicida
ra se um filbo de Julio Machado, urna criang
de 18 annos, contrariada em prematuros amo
res.
Dar se-ha caso que aquelle lionero rsonbo
succuti bisse ao peso de isa desgraga ? o&d se
sentisse com animo de procurar um lenitivo na
contemplaco do seu passado litterario, da sos
obra exhuberaote e honesta ?. .
> Como para morrer se ser io de um hedion
do puiihal quem para viver se servia de urna
oeuaa io leve, to graciosa ?
Anhur de Azevedo ontina:
Eu e-uva em Lisboa quando Julio Machado
se cksou com a pobre seuhora que repre*entou
com elle essa medonha sena de tragedia.
Jan ni vamos ao lado uui do outro, quaodo om i
vez elle me disse :
V i o meu Azevedo saber de una cousa
que anda ninguem sibeem Lisboa: caaei-me
hontem.
Me us parabens, mas., que diabo I-
como se explica a sua presenga aqu, n'um bo
tel, sem a sua ooiva ?
O meu casamen'o oo tem loa de mel, por
que foi ama simples legalisago. Entre minha
mulber e mim nao ha precisamente o amor: tu
Descalce nos o honrado escrptor da secgio
sportiva da Epocha nao podermos boje corres-
ponder s suas atteagoes,
Nao dispozemos de tempo que nol o permit-
tisse.
0 garanho Melton, por Maslor Kildare eVis-
le Melrose, vencedor do Middie Park, do Der-
ly e do Saint Lger do seu anno, caba de ser
vendido por lord Haslings por 10,000 guineos o
governo italiano, ao qual ser entregue depois
da monta de 1890.
#
O proprietario do garanho Galopn declarou
que nao o venda por menos de 30,000 guineos
e elle tem j i 7 annos.
*
O governo allemo offereceu ltimamente___
14.000 guineos pelo garan lo Saint Gallen, of
ten que foi recusada.
0 Diario do Commerao noticiou o seguinte.:,
Na fazeuda do Sr. visconde de Arcozello, -
CooJclaria Monte Alegreesto fazendoapa-
driagao os garanhes Rpido e Butt, bem coohe-
cldos no nosso turf.
O faooso Rpido alm de ter fecundado a le-
gendaria Phryna, fecundou tambem as egoas de
poro saogue Qu ;en Lilly. Nameless, Visire,
Scotch Thistle, -spa-iia, Flamarandee Orange.
Butt padrou as eguas Dir. WildFlower, Do-
ra, Black, Satn Mdame, Malicieose, Rmise,
Chartreuse, Sherry Coobler, Linda, Valenga e
Iracema.
E' escosado dizer que os productos destasre
productoras Jevem ser os pnmeiros do seu ao
no e caemos que difBcilmente algum criador
aprsente productos qoe batam estes.
E^aso de desde j felicitar o Sr vtscondede
rftello. pelos esforgos qtfe etnprga em dotar
o nosso tur( com productos de primeira ordem,
nao se poupando para isso a sacrificios de espe-
cie alguma e felicitar ao mesmo tempo ao nosso
amigo o Sr. Narciso de. Barros, gerente da cou-
lelaria, a cujos cuidados esto confiados os ani
maes,
Prado Peraanboeaaa
Grande premio Estimulo1,600 metrosani
maes eslrangtirospremios ftiO, 200* e...
1004
Tem lugar ao dia 9 de Pevereiro prximo na
10a corrida da estago sportiva do Prado Per
nambuc^ao.
A inserpeo encerra se no dia 3 do mesmo
mez.
INDICARES TE1S
mdicos
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio ra Nova n 32, onde pode ser en
centrado do meio dia s 2 horas e fora
destas boras ra do BarSo de S. Borja
n. 22. Espe -.alidadesmolestia de crian-
cas, senhoras e parto. Telepbone n. 326
da casa de residencia.
Dr. S Pereira, ra da imperatriz n. 8,
dconsultas medico-cirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. narro Jess medico e operador
'ratica a lavagem do otero quando e co
ao acn se I hada. Consultas das 11
S da tarde em sua risidencia ra d<
lom Jess (antiga da ticos) n. 23, 1.'
indar. Telephone n. 38'
O Dr. datheus Vaz, medico, tem O se;
isoriptorio a ra do Queimado n. 43, 1-
indar, onde d consultas dB 11 a 1 hors.
ia tarde. Reside ra de Gervasio Pire-
i 27. Encarrega-ie do tratamento da>
nolesti-is de o!hs Telepbone n. 427.
Dr. Joaquim Louieiro medico e parte
o, consultorio ra do O&bug u. 14
. andar de 12 s 2 da tarde; residenc
o Monteiro
or. Ribeiro d BnMo d consultas dt
aeio dia s 3 horas da tarde, no 1." an
lar a ra Duque de t'axiaa n. 46, poden
io ser procurado para chamados na suj
residencia ra do Hospicio n- 81. Te
ephone n. 303.
AdTOfcadoa
O odvogado los Antonio de MagalkcU
Basto iniidon o seu esorptorio para a ro
l." de Marco n. 18. Io andar
/>. Cl~.do.Ado de Souaa escriptorio a
-ua do Bom-Jess (antiga da Cruz) a. 1,
1 andar,, das 9 da mauha s 4 da tarde.
Teleph me n. 102. Residencia, ra lm
jerial n. 148. Telephone n. 104
O btieharel Joaquim Ihiago da Fonseea
em aeu escriptorio de advogado roa do
mperador n. 14, l. andar.
O bochar el Bonifacio de AnwSo Far
-iocha contiata a advogar. Eacriptoric
ua do Impefdor n. 46., '!. andajr.
P
O hachare! PttronXho dt Simia Cruz OH
iwo, aDOarrefa-se de levantar empresti
mee pnate o Banca do Brasil para auxi-
is ds lavoora. Eecripiorio ras do Impe
rador n. 9, !. andar. Resrd;nei tio
oa Jaqueira, proxmi estacao.
Dr. Cerqueira Luits, tom o eu escripto
o na' roa Nova n. 32, do meio dia aa i
ioras e d#eta hora em diante rus Bar>
le S. Borja, n. 22. EapecisJidades-
nolestias de crianga senhoras e parto
relephonc n. 326, da casa de residencia
Dr. Alvares Quimardts, dediea-se mo
dicina em geral, 3ooa espeoialidade as
molestias do oorajao, pulmSea, figado, es
tomago e intesti ios e tambem' -Aa ffecgSes
de enancas Reside i ra de Fernandes
Vieira n. 23, e tem consultorio na ra do
Bom-JeBU? {antiga da Cruz), n. 45, onde
d consol as do meio-dia s 3 horas. Te-
lephone a. 381.
O Dr. Simplicio Maoignier.Clima* mi
lico cirurgica. Especialidades : moler .a-
julmonares e partas. Ra do Marq d
Diinda n. 27, 1. andar. Consultas ua* 1
s 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa
ella) das 6 s 9 horas da manha e t
arde- Teleshone n. 392
Occulisa
Dr. Ferreira. com pratica nos orine
Mies hospitaes e clnica de Paria e Loi,
dres, A consultas todas os dias das i
orasdao meio-dia. Consultorio e res>
leoois a ra Larga do Rosario d. 20-
Dr. Barreto Sampaio, oceulista, d con
ral tas de 1 s 4 horas no 1. andar da
:aa ra BarSo da Viotoria n.. 51. Resi
lencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra
ia pela ra da Saudade a. 2.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata
jado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, depos;
arios de todas as especialidades pharm;--
'entiesa, tintas, drogas, productos ehim:
sm e medicamentos homeopticas, ra di
Mrquez Olmda u. 23.
- Tinta de escrever
A melhor a tinta Victoria, vende-se
)00 rs. meia garrafa e a 800 rs. uau gar
rafa inteira oa Livraria Comtemporane,
de Ramiro M. Costa, ua Io. de Margo n.
i, loja de rerragens de Albino da Silv*
i C., ra da cadeis n. 42; loja de ferra
;ens de Brandao A C, ra Duque de Ca
tiaB n. 46.
PUBLICACOES a pedido
\' colonia portugueza
de PernambuctJ
Diante do patritico e nobre precedimento das
colonias portnguezas do Rio, S. Paulo e Babia,
com relaco a questao aaglo pnriuuui t-i, preci
-amo- tambem mostrar o nosso patriotismo.
JoVocamoa pois aos chefes d-i colonia, para
que sem demora coovjqoem urna reuoiao,
e que nella sejam tomadas as medidas que os
nossos irmaos dosul toinaram. Se os nao acom
panhar mos, ser urna vergonha para nos, e
precito nos provar, que o sangue pbrtugaez
em qualquer parte qoe se ache, sempre o mes
rao.
Avante pois I... Todos a reunan.
Um portuguez da gema. .
IV. SfS
Salaap&rrllha de Brlsiol
Os venenos das entranhas da trra e
empregados como remedios, matam an-
nualmeate milhares de pessoas A pro-
pria plvora e as balas nao alo nem aa
metade tilo mortferas. A Salsaparrilha
de Bristol est intoiramente isenta dessas
maldigoea do geaaro- humano, chamadas
especifico mineraes. Sene incessantes
triumphos atravea do espago do 35 annos,
sobre as escrfulas, cancros, erysipellas e
das glndulas ; s se deveai ao reino ve-
getal, o nico remedio preparado pe-
los homene, que 'desarraiga do systema o
virus das eufermidades malignas, e so
mesmo tempo restaura e fortifica a consti-
tuigao physica. Aos debis d fbrga, aos
anciaos vida, para os que soffrem, um
balsamo suavisador e santo, para os aba-
tidos de animo, urna elixir vivificante,
para as pessoas o bello sexo um auxiliar
perpetuo em todos os seus incommodos es-
pecia es*, e para todos o remedio mais cf-
ficaz e iooffensivo outorgado pela ciencia.
para o allivio e preservagao dos soffrimen-
tos humanos.
Encontrar-se-ha venda om todos os
estabelecimentos principaes de drogas do
mundo.


Conflicto ar glo-portuguez
Admira, que at hoje aioda a colonia portu-
gueza deste Estado nao se tenha pronunciado a
respeito, quando em outros E ta los ja o fize
rara.
A' digna directora do Gabinete Portuguez de
Leitura sempre prompta a venerar o norae por-
tuguez, compete convocar urna assembla. cojo
lim seja assentar a; bases de aculir a patria ul
trajada.

Alberto Rodrigues Branco
Sabes perfeitamente que a mai de teu pai era
f rmS da mai de minha mfii; este o nosso grao
di- parentesco em 3*. seguodos primos, e paren-
tes que seguimos caruinhos oppostos, segundo o
pensar.
Como D. Pedro I., Imperador ao Brazil, nasci
portuguez e tive de ser brazileiro, e como elle
vou morrer poriuguez
A colonia poriugueza nao te imita embora lb'o
pegas boje no teu artigo, porque ella tem amor
patria se me nao engao, vai fazer outra de
clargo e assignada pelos seus membros no li
vro da intendencia municipal; quem pobre
como eu nao offerece CEM MIL RESpara des
afrontar a honra da patria e lendo credores:
que dreito a estes assiste nessas condieges Al-
berto ?... e os flhos impoe uos deveres aos pais
embora ainda nao fallem e para o que nSo re
paras mfelizneote para ti, que vais ter as non
ras oa garantas se nio regalas de ser -o que es
como os demais portugueses por nacionalsar
brazileiro. .
Se o meu exemplo nao serve para ti, leviano.
servir para os demais sensatos qoe conhereram
o grande n-gociante que nao esbanjou e veem
pobre, por ter sido roubado oesta cidade e se as-
signa com a mxima honra
Subdito portuguez.
A-tonio Francisco Corga.
Recife, 30 de Janeiro 1890.
Aguas alcalinas de mondar z em
Ponte Vedra na Hespanha
Estas aguas conten em si mineraes que
produzem um effeito maravilhoso em qual-
quer creatura que faca uso dellaa. Como
seja para as molestias de estomago, qual-
quer que sejam ellas, para as molestias
da bexiga e dos rins para qualquer des as
molestias, s ba differenga em mais ou
menos porgao das aguas que se tem de
tomar para produzir bom resultado,
i Acham-ae a venda em casa doSr. An-
tonio Alfonso SimSes na ra do Visconde
de Goyannan. 1.
Inglez e Francez
Cursos ra da Aurora, n.
dar.
2.' an-
Attencao
A comm ssao liquidadora do espolio de
Depdato Monteiro & res do mesmo espolio para pagarem ou
entender i-e com o seu representante na ci-
dade da Escada o Sr. Joaquim da Silva
Costa, o mais breve possivel.
Reciie, 14 de Janeiro de 1890.
Maia & Rezende-
Machado Lope & C.
Oliveira Basto & C.
Colonia Portagum
A directora .do Gabinete
Portuguez de Leitura, ideo-
tificando-se com o sentimen-
to predominante no espirito
de todos os seus compatrio-
tas d'esta capital, pelos re-
ce ites acontec mentos jda
questao anglo-portugueza,
convoca urna reuniao da co-
lonia, em sua-de, para do-
mingo 2 de Fevereiro pr-
ximo futuro s 12 horas do
dia.
Pernambuco, aos 29 de
Janeiro de 1890*
Joo V. C. Al farra,
1. secretario.
Mudanca
Padre Francisco Jos Alves, mudou sua resi.
dencia da Roa Viagem para o convento do Carmo
desta.cidade, I9 andar n. 1S.
tivovenetal.
Formu a d ngelino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene Publica do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande eficacia as mo-
lestias syphiticas e impureza do sangue ; assim
como em todas as molestias das senhoras.
Tem curado radicalmente rauitas pessoas ac
comraettidiis da terrivel molestia beriben.
MODO DE USAR
*^0s adultos tomaro quatro colneres das de
sopa pela manh e quatro a noite.
as criangas de 1 a S anaos tmarao ama co-
Iher pela manh e oolra noite, e as de 5 a 11
annos tornaro duas colheres pela manha e duas
noite.
Devero tomar banbo3 fros ou mornos pela
manh e ncite.
Resguardo regular.
Eacontra se vt-nda na arogaria dosSrs.
Francisco Manoel da Silva 4-C, ra do Mrquez
de Olindr n. 23.
0 autor deste preparado pode ser procurado
na ra do R irao da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicago
que for precisa. .
Cuidado com an falMiflcacSes
N.101
Illm Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade
Por um dever de gratido devo participar-lhe que
com o seu poderoso Elixir, acbo me no mais
perfeito estado de saude.
Como o senbor sabe, estive por espago- de 4
mezes soffrera urna erungao cutnea com ca-
rcter morphetico a qu-d zombou dos esforgos
mdicos de distiuctos facultativos desta ci-
dade.
Entretanto cora um s frasco do seu preciosis-
simo Elixir, desappareceu totalmente a molestia
e voltaram as cores ao rosto que eu bavia per-
dido.
Que chegue ao conhecimento de quantos sof-
frem, taj poderoso remedio o meu maior de-
sejo.
Pode desta carta fazer o senuor o uso que Ihe
convier.
Do criado grato.-Fausto de Rarros Hezerra.
N. 102
Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.Sol-
frendo ha muito tempo de dore3 rheumaticas a
sentindo constantemente u_olesa no corpo devi-
do a syphilis e impureza do sangue, com gran-
de pezar meu sentame cada vea mais doente,
plido, magro e sen appetite e ameagalo de -
car entrevado por muito tempo; desesperado,
triste e sem saber que remedio tomasse por cau-
sa da grande repugnancia que lirhaao mercurio,
em boa hora, um m<-u amigo me aconselnoa
que tomasse o seu Elixir; sem f e s para sa-
tisfazel o, come 'ei a fazer uso do aeu to raara-
vilbosoremedio e no ra dealgumas garrafas, fi-
quei completamente curado dos meas males
euuodo tue hoj vigoroso; soffria tambem ha
muito tempo de um cancro venreo na urethra,
lutei por muito tempo. curando-o com injeeges
de nitrato de prata e outras, mas era trabalho
baldado. abaodonei todos esses remedios que
em vez de me curar s ,'aziam martyrisar-me a
so consegu a cara radical com o seu Elixir ;
por este motivo achaodo-me boje bom comple-
r&ente, senbor d'aqui lo que mais preso nesta
vida, qu a saude, fago es a declamg auton-
sando o a laer della o uso que Ihe coavier.
Seu criado atiento e venerador. Aotonio Goa-
galves Ceregeira Fonles. S
Recite, 22 de Dezembro de 1887.
N 103
lllm. Sr Anglico Jos dos Santos Andrade -
Amigo e Sr.Tendo soffridb ba uos trez annos
mais ou menos de um forte rbeumatismo a pon-
to de prostrar-me no leito da d.r. tendo usado
de diversos remedios aconselhados pela medi-
cina sem delles obter o menor lenitivo aos meas
soffrimenlos. aconselhado por um amigo, lancei
me do seu Elixir purificador do sangue, coat
tanta fe icidade qoe smeoie duas garrafas nc
restabeleceram de to norrivel soffrimento.
A bem da homanidade passo a presente da-
clargo e autoriso^) a fazer della o oso que Ihe
approuver. _
Recife, 30 de Abril de 1888.-Maooel de Baste
Meib. .
(Estavam selladas e reconbecidas as araiaa;. (
B
."
i-




-







Diario de Pernambuco-Sexta-feira 3! de Janeiro de 1890


i


i
I
I
mmm
l
A opublico'
Declaro qoe constitu procarador ao inro tiliio
o Dr. Francisco Acciory. Los, com os poderes
geraes e especiaes que em direito se confere,
cessando nesta data os procuradores constituido-
anteriormente. Gamelleira, 17 de nei o de
1890.
Maa Zalmira Marques.
Auxilios lavoura
Pereira Carneiro & C. continuam, autorisado-
rio Banco do Brasil, a conceder emprestimos
lavoura das provincias de Pernambuco, Ala
goas. Parahyba e Rio TJrande do Norte, mediante
as condicOes de que os ioteressados sero infor-
mados no escriptorio ra do Coramercio n.-6
das 11 horas da manh s 2 da tarde.
Mudanza de escriptorio
Miguel Jos de Aloieida Pernimbuco, procu-
rador dos feitos da fazenda deste Estado e advo-
cado, raudou o sen escriptorio para o 1.' andar
do predio n. 45. & ra do Imperador.'onde ser
encontrado das 9 boras da manha s 4 da tarde.
COLLEGIO
De \. S. da Pcnlia n. 37,2o andar
sob
BDA D A ABOBA
a dlrecoo de Angos-
ta Carneiro
Os trabalbos lt-ctivos desie estabelecimen'o
de istraccao primara e secundaria, para o
so feminino, principiarlo a 7 de Janeiro
Dr. Silva Lea]
clnica medico cibuboica
Consultorio e residencia rna do Livramento
o. 6 1 andar. Consu tas das 11 s 3 bcrae da
(arde. Cbnmados a qaalquer hora, por cripto.
Bronchite aguda on chronica
O Peitoral de Cambar o melhor rr
asedio.
CDLLDDIO PRYTAND
Estrada de Jao de Barros, n. 27
Este estabelecimento particular de educacao e ensino tero operado grandes re
formas em seu preg^amma ds ensino e em sua economa, collocando se na altura de
collegios particulares das principaes cidades da Europa. E' assim que, alm da in-
struccSo intellectual. phy^ca e domestica, methodica, perfeita e completa, ministrada
por um corpo docente Ilustrado, e pelo director o sua fami ia, o ( ollegio Prytano
fornece aos seas educandos internos, roais as seguintes vantagens, deaeonhecdas e
n5o offerecidas em nenhum dos collegios da-Repblica, quer pblicos quer partcula
res : todos o objectos de escripturacSo, trataminto medico em quedquer doenc.a um enxo
VAL COLBTO DE BOPA DUBIA, DE CAMA E DE BANHO, CALCAD"), etc, ; e tudo pela
mesma peneSo de 600)5000 annuaes, paga pelo contribuinte em quaquer out-o inter
nato do Paiz.
O Collegio Pry'ar.o recebe alumnos internos, sem internos e externos Esta"
localisado em um dos mais saudaveis e aprdziveis arrabal des da capital, em m gran
de predio de vast s e aadias acomu odacSes, com um espacoso e Dem arborisado po'-
mar para recreios; agua encanada, e illuminada lampadas de gaz carbnico de sys-
thema mui recente. Est situado na Estrada de JoSo de Barros, n. 27, muito pr-
ximo da estacSo de Principe, da via-ferrea do Recife a Olinda; fica perto da linha de
bond de Fernandes Vieira e tem na varanda para maior saliencias urna grande ta
boleta em o distico do Collegio.
Ha no estabelecimento Estatutos impressos, q'ue esclarecem e nao deixam du
vidis. Abre suas aulas no da 15 de Ja'.eiro proximu de 1890.
Podtm dar informae5es e explicases detidas sobre o Collegio Prt/'ano, os ci-
daitos : Drs. Adolpho T. O. irne, Augusto C. Vaz e Eduardo ilveira; e os neg
ciantes Joaqnim Medeiros, Alipio Rosado, da firma Guerra & Fernandes, Odilon Du
arte & Irma e Antonio Rodrigues de. Souza & C. Em mSo desses cavalheiro3 en-
contrar se hSo estatutos impressos do Collegio.
Recife, 28 de Dezembro de 1889.
O director,
Tranquilino O. d M. Lati. '
La Rosa Alemana ^adiencia dwte^tfiso, que ter lugar
no
,dia Io de Fevreiro vindouro, os gneros
E o nome de urna quahdade de e rveja seguintes :
branca que, pala primeira vez vem a e9te
Estado
A cerveja La Rosa Alemana nao.con
tem acido ou producto chimico.
Urna pipa de vinbo Figueira com tor-
neira e attestada (vinho ordinario) avalia
da por 100(5000. Urna pipa servindo de
r ,, deposita com 16 caadas de agurdente
A preparado da cerveja La Rosa Ale- ^ ayalado tudo 22^ tt
mana chegou ao mais alto grao de perfei-
cao. E' SUBLIME, muitissimo agrada-
vel ao paladar, finalmente urna combi-
nado de substancias poderosas para a bo
alirnentacSo. As mais afamadas cervejas
nao trazem o nome do fabricante. Entre-
tanto o propretario da cerveja. La Rosa
Alemana tendo conquistado o segredo da
sua saudavel cerveja registrou a. marca
com a saa firma no rotulo.
E como teve a honra de requestar a
sympathia publica e para que a cerveja
La Rosa Alemana contine a goz. r de
Urna
dita com seis caadas de agurdente bran-
ca, avaliado tudo por 12(5000 ; 1 r logio
de parede avaliado por iS'JOO; 21 garra
fas com vinbo Figueira avaliadas por
65300 ; 15 garrafas com oleo para lampa-
rioa, avaliadas por 45800; 10 garrafas
cora cognac ordinario por 10000 : 5 bo
tijas de genebra Fcckn.k por 2(5500 ; 24
garrafas com capil por 4$800; 30 meias
garrafas com Saivator Bier por 953CO ;
10 frascos com genebra por 3L00 ; 27
garrafas com genebra de taran ja por
~ .u,r -uo K?*1. 85100; 20 garrafas com oleo par. lampa-
conciito do respeitavel pub ico, amiudadasi ,.% -A c
ria por 6j>4UO ; o meias garrafas com
cerveja-Guiness por l':(J ; urna caixa com
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especiali
iade de molestias de senhoraa e creancas
Consultorio e residencia ra da impe
atriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manha.
Chamados (por escripto) 4 quaquer hora
TELEPHONE N. 226
rosno convulsa! ooquelnohe
Nao deis crianca ser.ilo o Peitoral c
Cambar.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, eculisca,
ex-chefe de clinica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, d consultas de
1 s 4 horas da tarde, no 1
andar da casa n. 51 ra do
Bario da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
MEDIOS HOMEPATA
Dr. Ballliiua, da Silveira
Especialida.defebres, molestias
das criancaa, dos ergios respirato-
rios e das senhoras.
Presta- se a quaquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devera ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onda se indicar sua residencia."
Tuberculose pulmonar
Cura garantida nelo Peitoral de Caro
bar*.
COMMERCIO
Medico formado pela
Faculdade do Rio de
Janeiro, tendo-se dedi-
cado com especialidade
therapeutica moderna
das molestias de pellt
e syphilis, na Policlni-
ca ge ral da corle, cargo
do Dr. Silva Araujo,
onde servio como seu
ajudante ; d consultas
de meio dia s 3 horas,
no 1.* andar da casan.
15 do largo do Corpo
Santo, e recebe chama-
dos a quaquer hora em
sua residencia, ra do
Visconde de Coyanna
n. J85.
| Frederico Chaves Jmrior '
fomoepath%
U39 RA BARAO DA VICTORIA 39/
j j Prlmilro andar | j
Cirurofio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for
jiado pela Universidadc de Maryland no
Estados-Unidos, tem aberto o seu cnsul
torio, na ra Barao do Victoria 18, Io rb
lar.
Consultas dan 10 s 4 horas da tarde
K
i
3^
0 Dr. Eroiirio loulinh,
de volta de ona Tagem Europa, on-
de ae dediccu especialmente ao es-
tudo das molestias do sysiema ner-
voso, lixou sua residencia e cons-il
torio ra da Aurora n. 85.
Consultas de meio dia s 2 horas.
TELEPHONE N. 3f>7
t
,&&
(
Leonor Porto
\\
, Ra Larga do Rosarlo na-
' mero * | ,' SEGUNDO ANDAR
! j Cootina a e\ cu'ar os mais dilBceis
i > ii^uri.ios receuidos de Londres, Pariz,<
; ( ) Lisboa e Rio de Janeiro. (
, ( i Prima em perlcic&o de costuras, em
I l >em brevidade, modi'cidaae em precos e;
( ) lino gusto.
Professora
J Advogado
Bachabbl Celso F. Hekbiqdes De Sucza
iludou seu escriptorio para a ra dojVisconde de Albnqiierque (antiga da Ma-
Uma senhora perfeitiroentc habilitada e
com bastante pratica de ensino pripoe-.su
a leccionar em collegt-is e casas particu
larts as seguintes materias: portuguez,
francez, msica e pian, a tratar na ra do
Imperador n. 77, 1." andar.
tria da B6a Vista) n. 20.
vuzes manda examinar a sua cerveja pelas
celebridades chi micas.
Diversos attestados de cbimicos e dou-
tores em medicina justificam que a cerveja
La Rosa Alemana muito saudavel e um
soberano alimento, cojos documentos fi-
caui disposico do respeitavel publico.
Diz o Dr. Vernier: Tenho por muitas
vezes examinado no laboratorio publico a
cerveja La Rosa Alemana e nSo encontr
materia chimica e sim urna gigantesca pie-
paraj^n de substancias que representara
unit valiosa riqueza para a alimentacao.
A cerveja La Roa Alemana gosa de
grande conceito na Europa o um illustrc
cavalleiro desta prsga, ba pouco chegado
do estrangeiro, animou o fabricaute a ex-
partal-a cnven;ido de ter grande acceita
9S0 aqu.
Teem venda em gr.isso e a retalho:
Machado & C, ra do Vigario n. 19;
Albino Fernandes & C, ra do Mrquez
de < 'linda n. 2; Jos da Costa Caseiro
& C, ra da Cruz n. 13; Lopes & Arau-
jo, ra do Livramento n. 38 ; Vasconce-
los Sobrioho & C-, ra da Aurora n. 81 ;
R. Ferreira & C, ra Mrquez de 0 inda
n. 50; I oca.Mendes & C, ra EstreiU
do Rosario; Manoel Jcaquim Alvcs Ri-
beiro, travesea das Cruzes ; Pereira Fer-
reira & O, ra do Imperador ; Joaquina
Cbristovilo & C, ra do Ombliga, Jos
Fernandes Lima & C, ra Nova ; Salga-
do & C, ra das Cruzei no 20 ; Antonio
Almei a Rabeo, ra da Uniao n. 2r An-
tonio Souza Duarte Ferreira, ra da
[Tollo ; Antonio J;>s Martina, pr>-ca Con-
de o'Eu n. 2; Luiz Jos Salgado, praca
do Cunde di Eu ; Marcelino Martina Gos
teira, ra do Vigario n. 6 ; Azevedo Maia
& C, ra da Impcrairiz; Manoel de Oli-
veira Menor, ra do Viscjnde de Goyan-
na ; hotel da Magdalena; Ivo Sobripho &
C, Goyanna ; Francisco Nunes Monteiro,
G'-y-nua; Custodio Figue redo & C, Pa-
rahyba; Fonseca Irmaos A C, ParJ.yba :
Benvenuto & C, Parahyba.
ADVOGADO
Dr. A. Cloiioildo de SNuiza
Escrjpiorio-Rua do Rom Jess (:in
iia da Cruz) n. 1. Io andar, da 10
horas da munba s 4 da tardeTele-
phone n. 102.
RfSidunciaRa Iupcrial n. 148 To-
i'jihot.e n. 104.
maisena por 4)J.
Prefazendo todos os gneros a quantla
de 2145200 ; penhorados para pagamento
da execuySo que promove Francisco Gre-
go Fu Miguel, contra oao Lasalvia de
C'aetano, e vSo pe i 21 vez pr.ca com
o abatimento de 10 por cento, que da
quantia de 2.120, riendo reduzido o va
lor da avaliagao a 192^780, por nSo ter
apparecido licitante que cob;isse o prejo
d* avaliacao, pelo que toda a pessea que
em d tos gneros quizer. lanzar o poder
f;.zer no dia da prafa.
E para que chegue ao conhecimento de
tod^ s mandei passar c presente, que ser
poblicado pela imprensa e utntado co lu-,
gar do costume.
Dado e passado nesta cidade do Recife,
aos 2 de Janeiro de 1890. Subcrevo e
assigno.
Ei, Pudro Tertuliano da Guano, escri-
vilo, o escrevi.
Alvaro Borbalho Uchba Cavalcaut.:
DECLAKCOES
Sociedade
Uoio Comirercial Bcne-
cente dosMercieiros
SoicBtiGco atudj* os asoclados queacham-fe
en atraso de suas myttsaii-JaJe*, que termina
no d.a 31 do correMle o |>ra> uiircadj para se
ijoitarvoi com os cifres fo*. ae.
Fiiido o leferMa pra.-o, aosniles que nao a
fOQVcrcii f i!o serao eliminados por Falta de
|ia?;.murtJ.
Secretaria da rociedade Uaio Commercial
Benelici-nte dos Merci io-, 29 de aneiro de
!8!JO.-0 1 '.-crclatio,
J. Maia.
-IX^
EDITAES
O doutor Alvaro B.>rbalho Uchoa Caval-
cante, juiz substituto do cjvcl desta ci
dade d<> Recife c seu term >, capital do
Estado de Pernambuco, em virtude da
lei, etc.
Revista do Mercado
RSCIFF, 30 I* JANEIRO DE 180.
Ilouvs algum movimeuto nos mercados de
-amoio de algodo.
folsa
sercA^sa officiaes da junta dos cok
BETORES
1 Recife, 30 de Janeiro de 18!0
Act-Oee do Banco do Brasil, valor de 200/000 a
30 cada urna.
Acedes da Companhia do Reberibe, do valor de
100* a 130* cada urna.
Ha Bolsa venderam-sc
13 arefies do Banco do Brasil.
18 ditas idem
30 actes da Companhia do Beberibe.
u oresidente,
Antonio Leona -do Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
Cambio
PRACA DO RECIFE
O mercado abri rirme saccaodo ns bancos a
24 1,4 e havendo negocio a 24 < 8 pelo London.
Constando crise ministerial, ao meio dia reti-
raram os bancos, saccaado depjis smeute o
London a 4.
Houve negocio em papel particular a 24 1/4 e
-ancario repassado a 2t.
PRACA DO RIO DE JANEIRO
Os bancos abriram a 24 1/4 e 24 5/16, retiran
do. porm, logo para 24.
mercado fecbou menos frouxo, otlerecendo
o L?ndon saccar a 24 1/8 sobre a caixa matriz.
Algodo
Honre negocio do de 1* surte do serto aos
precos de 7*000 e 7*100.
A exportaco feita pela alfandega neste mez at
o dia8, coneton de 481607 kilos, sendo 315.429
pa-a o exterior, e 168 178 para o interior.
As entradas verificadas at a tata de h >je so-
hem a 17.503 saccas, sendo por:
Brutos..... 1*300 a 1*600 Chapeo 2 caixCes a Ruphael Di;>s 4 C.
H : ne..... l0J0al*100! Calcados I caixao a Conrad Wachsmann.
j Coiisertas 2 caixas orJera.
A exportaco, reita pela airandega neste raez ate' Drogas 25 volumes a Francisco Manoel da Silva
o dia 28, subiu a 13 637.354 kilos, sendo 2.682.033 C, 4 a ordem, 2 a A.M. Veras & C.
jara o exterior e 10.9:5 301 para o interior. I Ferragens 3 caixas ordem, 4 a W. Hallid.iy
_ *.C, 5 a Nunes Fonseca 4 C, I a C. Fernandes.
A3 entradas verilicilas al a data de boje, o a Mat,oel Collaco 4 C, i a Gomes de MaUos
Dem a 181.964 =acco6 sendo por: Irmaos, 2 a A'.biuo Silva C, 4 a Miranda
Harcacas
Vapores .
\nimaes. .
via-ferrea de Caruarfi.
/ia-frrea de S. Francisco,
'ia-ferrea do Limoeiro
Somma.
Coiiro
Couro? salgados 350 ris,
ris.
Agurdente
Cola-ie a lOOOO, por pipa de 480 litros.
Aieool
Ccta-se a 19000por pipa de irO Htron.
71-243 Saceos Souza.
5i i Frasxi; 5 grades a o den.
ll.Og Fo 1 fardo a Anlonn Pinto da Silva & C. 2 a
0 517 Albino Silva k C.
74 539 Flores artiticues 1 caixa a Rapbael Din & C.
I3.03rt i iunco 1 fcixe a Browa* 4 C, 1 a A. Duarte
--------- Carneiro Vianna.
181 964- Saccor. j Linha 3 caixas a Ferreira Giiimaraes 4 C.
i Ljna 5 fardos MU tuesmos, 1 a G. de S. Piras.
Louca 2 caixa a ordem.
e ri xsrAoa 9 isl Mercaduras diversas 1 volunte a G..mes de
1 Mallos Irmaos, 2 a Caris C. Vander Linden, 2 a
Maooel Coliaco 4 C, 3 a Nunes Fonseca 4 C, 2
la Francisco de Azevedo, 5 a urdem 1 a N. Mua
4 C, 3 a M ia e Silva a C. 1 a Antonio Duarte
Carneiro Vianna, 2 a L". W'aclismana, 1 u Fer-
reira & C.
Movis 1 caixao a ordem.
Machinas de costura 16 caixas a Manoel Col
Fae.: saber aos que o p-esente edital vi-
rem ou delle no'.icia tiverem, que find' s
os oito dias da 1 serao levados pr^c .
com o abate de dez por cento, depois da
Bircacas..... Vipores..... A imaes *. Via-ferrea de Caruaru. Va-ferrea de S. Rrancwuo. Vs-?errea deLimoeiro 1 739 Saccat 470 4844 1.033 1.832 7.385
Somma- 1F.50J beca
&&ucar
\>i precos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
cando a Associaco Commercial Asnela, foraro
w6 eeruintes: -
usinas..... 4000 a 4*500
raneo..... 3i7<*0 a 4*300
Smenos..... 2^600 a 2*800
Maacatado porgado 1/600 a 1*700
Hel
i;ota-se a 55*000 por pipa de 480 litro.
rapta da Alfandega
SEtli5A DI 27 DB JANKIliO A 1 DK FHTIREIR4
DB 18V0
Vide o Diario de 26 Jmciro
Vavlos a descarga /
Barca norueguene Pusnat, cairao.
Barca alienta Schuam, varios geaeros.
Barc. alterna Rha, carvao.
Barca norueguense Colleotor, carvao.
Barca portjgueza j"fovo Silenvio, varios gneros.
Barca nacional Marianninha, vnos geni ros.
Barca norueguense Dr'onning Loui$e, carvao.
Briguc italiano Immacotita Coiicezione, varios
genero*.
Bngne porllgutz Boa S.rte, varios gneros.
Escuna norueenease Gefione; xerqne.
Lugar allemio Harold, varios gneros.
Lugar portuguez Mario, varios gneros.
Lugar allemaj Marie Stah, carvao.
Logar anericano Trances, farinba de trigo.
Cgar inglez Volador, variss gneros.
Patacho no landez Clara, xarque
Escuna allemi Fniz, xarque.
Haucho nacional Industrial, varios gneros.
Pata' lio mcional Marinho 2-, varios gneros.
Patacho inglez Bella llosa, b; calbo.
ImportacSo
Vapor allem.0 Olinda, entrado de H.iruburgo e
Lisboa em 29 e con ignadj a Borstelmaun 4 C,
manifestou :
Carga de Hamburgo
Agua mineral i caixa a Conrad Wachsmann.
Amostras 7 volumes a diversos.
Booecas 2 caixas a Alfredo Lopes A C.
Bataneas 1 caixa a Autonio P. da Silva 4 C.
Bartas de ferro 70 feixes a Albino Silva 4 C.
BotCes 1 caixa a Gomes de Mullo i Irmaos.
Cerveja 96 caixss a ordem, 15 a Pereira de Fa-
laco 4 C, 3 a Ferreira Guimaraes 4 C, 24 a C.
*acbsmano.
Mortadelas 3 caixas a Goocalves Rosa 4 Fer-
nandes.
Fapelo I fardo a A. fernandes.
Presos 34 caixas a Ahioo Silva 4 C.
Papel 24 fardos a Cosa Lima 4 C 1 c 5 cai-
xas i Paren e Vianna 4 C, 3 ordem. 7 a Maia
le Silva iC.la Ramos 3eppert 4 C, la G. de
Mallos Ir naos.
Peixe 1 caixa a Pialo 4 C.
Paratiaa 12 caixas a C. Fernandes ft C, 2
ordem.
Perfumara i i caixa a V. Neves 4 C.
S ceos de papel 10 far o orlem.
Kullias 30 saces a A. A. d Lemos.
Tecidos diversos 1 volume a f-Jtc Ferreira *.
C, 1 a Rodrigues Lima .. la ".oocalves Cu
nha 4 C, 2 a Loureuco Maia 4 C, la Olinto
Jardlm 4 C, 1 a Frederico 4 C, 1 a F. de Ate
vedo 4 C. 2 a Alvos dn Brilo 4 C, 1 a Rodrigo
de Car va I no A <.. 1 a N. f u 4 l.' 1 a Macbado
4 Pereira. 13 urdex. 1 a Guerra & Fernandes.
Tintas 1 caixa ordem.
Vidros 1 caixa a A. M. Veras 4 C.
Dito para espelhos I caixa a Maia c Silva
ac
Carga de Lisboa
Azeite 14 barris ao commandante da corveta
Bartholomeu Duis, 55 csixas a Domingos Ferrei-
ra da Silva 4 C.
Alhos 30 canaslra. aos mesmor.
i ebola8 10 caixas aos mesmo-'.
Cevadinba 5 1)2 barricas a Joao Fernandes de
Almeida.
Legumes 22 saceos a Domingos Ferreira da
Silva A C, 15 a Joo Fernandes de Almeida
Passas 6 caixas a Domingos Ferreira da Silva
4C.
Vinbo 25 barris a E. M. ce Barros. 10 pipas e
e 25 Jarris a Silva GuimarSes 4 C, 60 ainas ao
commandante da corveta Burtholomeu Dias.
Barca aliem S. V. Lymn, entrada de Ncw-
ria & C, 10 a Soares do Amaral Iraios, 10 bar- York em 23 do andante e cousigna-Ja a Fonseca
ra a ordem. Irmaos 4 t.., manifestou :
Couros 1 caixao i ordem. Kerosene 19.900 caixas ordem.
Cxportaco
F.CIFK, 29 DK JANRIKO DB I80
Para o exterior
Nao h mve export-ic5.).
para o vntfr'Ot
.So vapor allemo Olinda, para Sa: tos,
carivparam :
J J.-Mo-eira, 1.900 saceos com 114,000 kilos
de assucar mascavado.
S. Guliniraes 4 C 900 saceos com 54.000 kilos
di assucar iiran :o e (>O0 ditos com 36,000 ditos
de dito mascavado
No patacho nacional Miri'nho 6, pa.a R o
Grande do Sul, carregiraun :
C. V. da Silva, 66 saceos com 4,930 kilo: de
assucar branco.
! C. Bellrao IrruJo, 300 saceos com 2! 300
kiloi de assucar branco e 100 barricas com B.trtfl
ditos de di o mascavado.
Na barca portogajza Nooo Silencio, para
R j de Janeiro, carregaram :
A. V. de Barros, 500 saceos com 30,000 kilos
de assucar m: scitvado.
E. C. BrItrio 4 Irraio. 500 saceos com 30 000
kilos de assucar mascavado.
No patacho a'leraao Clara, paia Porto-
Alegre, carregou :
F. GalvSo, 2,00) cocos, rucia.
Na escuna norueguense Gefeon, rara Pelo
las, carregaram:
Amo-im Irmaos 4 C, 50 barricas com 2,423
kilos de assucar branco.
No brigue pertu juez Boa Surte, para Ma-
nftos, carregou :
H. Oliveira, 100 pipis con 46,764 litros de
agurdente.
Na barraca Solfixo, para Parahyba, carre-
garam :
P. Vleme 4 C, 400 jaeces com 28,000 kilos
du milho.
N* barraca Santa Calharina, para Parahy-
ba, carregou :
Arltur de Lomos, 121 saceos com 7,20 kilos
le t'eijao.
N barcaca Sympathia, para Natal, carre-
garam :
Oliveira 4 C 3 barricas com 204 kilos de
assucar retinado.
Na barcaca Rosalina, para Mosso carre
garjrn :
Pinto A. 4 C, 18 barricas com 1 620 kilos do
assucar Dranco.
Ni hiate D. Antonia, para Aracaty, carre-
garam :
P. Alves 4 C, 13 barricas com 760 kilos de
assucar branco e 5 ditas com 300 ditos de dito
refinado.
Club dos Menin s da
Can ti i nha
Sao convidados lodos os a-sacia los desta club
carnavales)o a so-irpirecerem no da 5 di* Peve
reiro na seda a referid i ;,ociciade, para trata
rem ce n. goc.io.- urgeates O sccrela-io,
Chagas.
oloaia Portugueza
A dire'-'sria do Gabinete Porluguei de Leil-
ra, identili ao o se com > sentimeuto pr.-.'Jomi
n;;n'e no espirito du todos os seos comp-.tnotas
dcsia :>pita, pelos rccjnles acontec nentos tu
quesiSfl anulo-portu^ceza cjnveca urna reu
uio da )-olonia, e:n sua sede, para domingo 2
de Fevcreiro proxim) futuro, ^s ISIwras do da.
Pernambuco, 29 c J nci a 'le 1890
Jcio V. C. Al.rra.
I ^secretario.
. S. do TerQO
Em vi-lude do dspa:ho de direi'.o Ha provedoria desta comarca, cocv uo
os irmaos para n-j din 2 do mez vindouio. telas
10 lloras do dia, reunidos no consistorio da igre
ja proctdtr se a cleivo da neva mesa tegedura
da mesma irmand.d-, visto como 08 que fonmi
el toa nao acceita1 uu os cargos.
Consisliio Ja irtnaniladi'. de N. S. do Terco,
en 19 de ,'aiieirjde 1890.-O ihesoureiro,
L>dio P. S. de Oli-ei:a.
Recebedoria do Estado
Relaciio das casas da freguezia de S. Jos,
cujo valor locativo foi augmentado para
o exercicio de 1890, pelo lanzador Af-
fonso Lucio de Albuquerque Mello.
Frci Henrique n. 38. Luiz Au-
' gusto Coelho Cintra 1170000
Dita n. 21. Manoel Fernandes
Velloso 144)5000
Ra do Dique n. 4. Bernardo-
Jos d* Rocha 144^000
Dita n. A 1. Antonio Jos Silva
do Brazil 960000
Dita n 11. Generosa Mara da
Hora c outros 240iJ000
Travessa do Prata n. 12. Maria
Apolonia de Miranda Lima 1890000
Dita n. 7. Rayaundo Nogueira
da Costa e tlhog
Travessa do Forte n. 6. Joa-
quina Tcixeira Bastos
AssumpcSo n. 8. Fortunata Theo-
donaidu da Conceao
Dita n. 10. Lenidas Tito Lou-
reiro
Dita d. 14 Irmaradade das Al-
mas do Recife
Dita n. 20. Manoel Fernandes
Velloso
Dita n. 28. Irmandade do San-
tissimo Shcram.nto de Santo
Antonio
Dita n 42. *Manoel Qonealves
Teixoira
Dita n. 52 Jos Pedro de Sou-
za e Silva
Dita n. 60. Antonio Ignacio Pe-
reira Coelko
Domingos Theotonio n. 12. D.o-
go Augusto dos Reis
Di'a n. 14. Luiz da Silva Fer-
reira
Dita n. 24 Antonio Pinto Be-
zerra de A evedo
Dita n. 4i Jos Azevedo Maia
e S Iva
Dita n. 1. Iimaniade do Sal-
t;ss'mo Sacramento de Santo
Antonio
Dita n. 49. Antonio Moreira
Reis
Padre Floriano n. 8. Joao Ana-
8880000
1500000
2130000
3780000
1530000
3030000
2490000
2470000
330000
2810000
5520000
3630000
1890000
2130000
2370000
5160000
1890OCO
Do dia 2 a ^9
dem de 30
155704837
5:l44i8J
1C0.849706
Somma lotal 964:561/311
Segunda seceo da Alfandega de Pernambuco,
30 de Janeiro de 1880.
' O lltesoureiroFlorencio Dominsues.
O chele da seccSo Cicero i. de Mello.
Rcecbedoria geral
Oo dia 2 a 29 36 i-i93i2
dem de 30 1:591*845
berto Lopes
Dita n. 12. Bernardo Jos da
Rocha 147000
1.a :ic;ao da Recebedoria do Estado de
Pc-nambuco, 28 de Janeiro de 190.
O chele,
J. X C. de Barros Campillo.
"AVISO"
Com ofim xervico interno c de accordo com A
l>ratlca adinilltila e si'siiuia era to
ditM un pracAx commcrciaes, lendo
Mido ouiido o digne preoidenie da
'.svipi.vcaii Commercial Beueflcente
i'fsiiliciiini o liamos CfttalielCCidOM
iicsiu pnicii. ahaivo mcncionadoM,
recitar o exaudiente tlon Hecebimen-
tON e I'.u'amt'i'tos s 3 ti oras da
la rile, a Oomecnr do dia 3 de I": ve-
r tro prximo futuro, do que Mcien-
tifivnm no illuntre rorpo do com-
mcrco e a todu*. as pcftwoas que
nisiti.-tin i-e I ac v h commerciaem
com os iiicsios Biinco>
iieeife, 's de Janeiro de 1890.
(iKNignadon) |
fijo London A Brnxilian Bank.
liimlted, IViltiam II. Bilton, arenle.
Pelo Engliftlt Bank or Ilio de Ja-
neiro, Limited, .. 4. i*. Clarkwon,
rente.
Pelo Banco de Pernambuco, Wil-
liam M. Weiisici-: gerente.
Pelo Banco sit americano, F. .4,
PnCbeCO. renle.
Europa....... Entrerirs.......... 1
Sul.......... Pernambuco........ 7
Bmopa...... Nerthe............ 8
Norte......... Alagos........... 1J
Vapores a sah.fr
MEZ DE FEVREIRO
Buenos-Ayres. Tamar........... las
Bordeaos
Equateur.......... 2 as
38.033(5167
Recebedoria da Estado de
Peroambuco
Doaia2a29 109 08US71
dem de 30 123 5751
10D:210;422
llabelro
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Espirito Saolo,
Para
para :
8.0004000
ftcudimeutos pablicos
Utl DE JANEIRO
Alfandega
lleuda eral :
Do dia 2 a 29 770.K83906
dem do 30 33 129*700
803 713*606
Renda do Estado de Pernambuco :
Recife Uralnage
Do lia 2 a 29 6:73V(H)3
dem de 30 48*719
6:782*724
Mercado Hun!clpal de S. Jos
O movimento deste mercado no dia 29 de
Janeiro foi o seguinto:
Enlraram :
27 1/2 bois pesando 4,090 kilos.
1096 kilos de peixe a 20 res 2l9i0
21/2 carga com farioha a 200 rs. 500
f ditas de fructas diversas a 300 rs. 300
32 1/2 columnas a 600 rs. 19500
1 escriptorio a 300 rs. 300
53 taboleiros a 200 rs. 10*600
' 10 suinos a 200 rs. 2000
54 compartimentos com farinha a 500
rs. 27*000
28 ditos de comidas a 500 rs. 14*000
98 ditos de legumes e fazoodas a
400 rs. 39 .-200
9 ditos de frescuras a 600 rs. 5*Mfl
16 dilos de suinos a 700 rs. 11*200
9 Compartimentos de camaroes
a 200 rs. U800
31 talhos a 2* JMOO
215*720
Rendimento de 1 a 28 do crrente 6:004*280
6:220000
Precos do dia:
Carne verde de 240 a 480 res o kilo.
Carneiro de 640 a 800 idem.
Suinos de 500 a 640 ris idem.
'arinhade 56J a 640 ris a cuia.
Milho le 480 a 5G0 ris idem.
Feiao de 900 a 1*440 idem
Vapores a eutrar
MEZ DE FEVREIRO
Europa....... Taar...........
Liverpool..... Mariner.........
Sul........... EUe..............
bul........... Tt/wca ..........
Sul......... Equateur.........
Norte......... Atlianca..........
Norte.........* Maranhao..........
1
2
2
2
2
3
4
Southampton Etbe .... ,.....
Hamburgo .. Ti/uca............
>ul.......... Maranhao.........
Santos e esc.. Allianca..........
Pirapama........
Entrerios
Ceara e esc..
Montevideo .
Norte.......
Balitee esc.
Montevideo .
Sul........
2 as
3 as
4 as
4 as
5 as
5 as
Pernambuco....... 7 as
S. Francisco....... 7 as
Nerthe............ 8 as
.'lagoas........... 43 as
3 h
3 b
3 h
4 n.
5 h
4 h.
5 h
2 h
5 n.
5 b
2 h.
3 h
BISCO SLL.VUERIQAO
Capital 20. OO0:000|000
ESTE BANCO FQNCCIONA
A
38Rna do Commerclo3S
Descinta letras e contas assignadas.
Adianta dinheiro sobre cau<;ao de ttulos
e mercaduras e abre contas correntes com
garanta dos mesmos crTeitos.
Recebe em deposito titules e valores.
Faz mqvmento de fundos de praca
paca e concede carta} de crdito, abono e
Banca.
J'aga em conta correte de movimento
o "/ ao anno.
tecebe dinheiro a prazo txo
aviso a juro convenconado.
E faz outras operayoes bancarias.
ou
por
Banco Sul Americano .
38-RUADO COMMERCIO-38
Saca por todcs os vapores-sobre o Ban-
co de Portugual em Lisboa, Porto e outras
localidades do mesrao rleino.
Movimento do Porto
Navio entrado no dia 30 de Janeiro
Hamburgo e escala-17 dias, vapor allemao Olin-
da, de 1735 toneladas, commandante J. Beher-
nan, equipagem 49, carga varios generosa
Borstelman & C. ,
Navios saludos no mesmo dia
Barba 'osLugar allemio Marte Sthal, capit&o B.
Schmidt, em lasiro.
New York Lugar orueguense Jlcca/J.-capitao
T. Larsen, em lastro.
Rio de Janeiro Brigue italiano Immaculata Con-
eczione, capitao D Giovarmi, carga varios gc-
noros.
Bahia e escalaVapor nacional Sergipe. com-
maidanfe Rubello de Ma'.'os, carga varios g-
neros.
Vera Cruz (Mxico)-Patcli norueguens' Nj:>
tan, cap'tao G. G. Lingo, era lastro.
I

V

-

' ':

.;

'- -
*
1




I
f-
um:
1





;
I




Diario de Pernanibuco-Sexta eim .
Estrada de ferro do Recife
ao Caxang
Aviso ao publico
Festa do Poco
No dia 2 de Fevereiro prximo os trens da
maoh serao os da tabella ordinaria para dias
santilir.-ulo-, B turde serSo expedidos pela la-
bella scguinte:
Ida
Do Recife ao Monle:ro pela linha principal -
11.30. I O 1.30, 80,2.30,30, 3.30, 40, 4.30,
5.0, 6.0 e 10.50 al Dous Irinao.
Do Recife ao Monteirc pela linha do Arraial
6.30, 7.41, 7.50, 8 23, 8.5o 9 25, 9.56.
Do Recife a Variea-i.40, 2.0, 330, 5 0
6.31.8 5,9 55.
Do RCife a Douslrmaos pelo Arraial 12 oO
Do Calilerelio a Dous Irmos 2 25, 3 2o,
4.25, 5.25, 6.23, 8.30, 9.30 e 10.30.
Volla
Do Monteiro 5o Recife pela iiuha do Arraial -
1.30, 2.5, 2.30, 3 5, 3.30, 4 5, 430, 5.5,
5 30.
D.i Moalciro ao Recife pela linba principal
6 43, 6.4^, 7.10, 7 45, 8.15, 8.45 9 15, 9 45,
lO.lOe 10 30.
De Dous limaos ao Caldereiro2.5, 3 5, 45,
5.5, 65. 8.10, 910, 1010 e 1.0 at Monteiro.
Da Varzea o Recife-145, 3 15, 4 45, 6-15,
7.40 e 9-40.
Este signal indica ser o trum expresso do
Monteiro ao Entroncamcnto ou vice Tersa, peja
linha do Arraial.
Os bra passagi;iro3 do ramal da Varzea, bal-
deiam no Kutro.icament, quer na ida e quer na
volla, menos os do trem de 12.40 do Recife.
Sendo os intarvallos di um trem a out o de
pouca demora, roa-se ao publico para que es
tando completa a loticaode um Irem queiram
esperar pelo se^uinte, eviando assiraencommo-
dos na viagesu.
Neste dia serao omiltidos bilhetes ejpecues
de ida e vulta, vendidos na estacha pelo p'eco de
600 res na l classe e 300 rfiis na 2* claise.
Tambem llavera bilhetes de ida e volla de
Dous Irmaos ao Caldereiro pelo preco de 320
ria de 1' c a-se e 160 reis na 2* classe.
Recife, 30 de Janeiro de 1890.
ti. Flelchtr,
Grenle.
HIPPODROMO
DO
CAMPO

*" .- '" .... ,- '"" -*
PROGRAMMA DA 10/ CORRIDA
QUE SU REALIZARA'
omingo, 2 de Fevereiro
Xomei
s
Pello*
>"alurn
lid.
Cor la vert-
menta
ProprictarloM
1 Pareo-Enalo800 raetros.-Animaes de Pernambuco que nao tenham ganho ao Hippo-
romo. -Premios : 200*000 ao 1, 40000 ao 2 e 20*000 ao 3o
Sociedade
DOS
artistas Mechanicos e Li-
beraes
Assem. loa (toral de eleigao, 2.* convo^aco
Nao se tem i reunido no dia 23 do corren te
nemero leg-1 eo da directora pura o anno social de 1890 a
1891, conviJo de novo ao nossos consocios que
na forma dos eri tuto- se ;i.li.r.-:n no soo dos
seus dirvitos. a coraparecerem no dij 30 do cor-
rente, s G lli horas d.t tarde pora o indicado
fira, cumprindo notar qui- nesla segunda coovo-
cacao proceder se ha a eleigao coin o numero de
sjcos que cviupirrcer.
Secr.'tara da Soniedade dos Artistas M-.chni
eos e Liberaes, 24 de Janeiro de 18; 0.
O 1 secretario,
-aquim L. Teixeira.
Obras publicas
De ordein do i.'ailo engenheL'C director, e
em virtude da au'irisaclo do cidado general
goverador deste (Alado, de 20 do correle, faco
publico que no d.a 8 de Fevereiro prximo vio-
douro recebem-se propostas em carias fechadas.
competentemente sellada.--, para execocio das
seguidles obras :
Reparos da pcn'e de Nazarcih, oreados em
1:937*725.
dem do pontilhao sobre o riacho Cauos, na
estrada de Grvala, na importancia de 5.0604.
dem de difera4 pn!cs da estrada da Victo-
ria, na de S.939 200.
dem dos bceiros de Campias, Mms e Bu-
lhcs, na de !:l7i;072.
As propostas devem ser assignadas pelos lici
lanles. com as Urinas -rconhecidas, c devtrao
declarar o prego pelo qual se obrigam a execu
tar a obra, cerno o local de sua residencia e as
abililacOos que possnam para dirigir os traba-
Ibos, as quie: vtSo 'beas ao indo dia em
presrnca do? imponentes.
Nao serS-j aceitas a- propostas nos s-eguinle
casos :
1." As qui- excederem dos precos dos orea-
montos.
tS As que nao forcm organizadas de accordo
cora o presen edial.
3. As que i,.'u ( ITercccrrm as garantas exig-
das.
4. As que ? basrart m sobre os pregas dan
propostas dos iralroa concurrentes
o. As qic fjreni apreentadaf por pessoas
que ja lenha n deixado de cumprir contractos
celebrados coin a leparlico.
Os orgamenios e mais condigOcs dos contra
ctos acbain se cesta secretaria, onde podem
ser examincdvis pelos pretendentcj
Para concorre.- l praga acuna de cro os4ici
lanles depositar r.e.-ta n-partigao as seguintes
quantias:
De 9788'i para a primeira obra.
De 251(")> para a segunda.
De !4t'.)GO para a "er.eir.
De 584601 para a qua.li.
Todas esta quantias sin equivalcnlcs a 3 %
dos valores des respetivos orcamentos, come
determina o rt. 42 do egulamento de 30 de
Oulubro de IS89.
Secretaria da directora ^eiui de obras publi
cas, 22 de Janeiro de 18W.
0 engenheiro ajadantc,
A. Rrgn Sello.
Talispher.
Village ..
Despota..
Tyranno...
Royal.. .
Barbatao..
Rodado .
Mellado.
Rodado..
Alazao.
RU330.
Rodado.
lernamb.. 55
35
55
00
f 53
55
Brancoe encarnado..
Preto e branco .,.. .
Ouroe preto........
Azul c crerae.......
Encarnado c branco.
Violeta e ouro.....
Jos Nogueira da Silva
Jos Joaguim Dias.
Joaquim C. Hollanda-
ManoelGongalves.
J. M.
II. de Barros.
2 Piren-Incentivo- 800 metros. Animaes de Pernambuco que nao tenham ganbo nos prados
do Recife.-Premios: 1504000 ao 1,304000 ao 2e 1540 Oao 3o
Ramss.....
Mrano 2o...
Kida'go. ex-
Cabocl. -.
(^olosso ...
Telegramraa.
Plutao ....
Porto Alegre.
Mellado......
Russo.....
Modado.....

Russo......
Rodado......
Baio......
Prnarnb.. 55
.11
Lyrio e ouro.
M Encarnado.........
55 Preto couro........
58
OO Preto e branco.....
35 Lyrio e ouro........
Firmino Moraes
Manoel Santos Braga
J. C. Hollanda
A. J. M
C. Nerundio.
Alfredo Viauna.
3o Parco -imprenta -900 metros -An i inacs de Pernambuco que nao tenham ganho em maior
distancia no Hippodrcmo. Premios : 2004 ao 1, 404 ao 2o e 204 ao 3
Bi Vista ...
Bonapartc- .
Cauby ......
Maranguape.
Village.....
Baio -----
Rodado .
Castanho.
Alazao...
Mellado..
Pernamb.
58
5o
o 7
ss
r,.j
Branco..........
Azul e encarnado.
Azul e amarello
Preto e branco. ..
J. J. dos Santos Jnior.
II. L. S.
Alfredo Marques.
B B. da Konseca Filbo.
Jos Joaquim Dias.
4 Pareo-Prado Pernainbucano-830 metros Animaes pungas. Premios: 2004 ao
l,804ao 2', e 204 ao 3
Templar..... 6 Rodado...... Pernamb.
Arumary... 6 Alazar.....
Flautista..... 6 Castanho .
4 Delegado .. 5
5 Vingador.. o Rolado.--
6 Piramn...... 5 Castanho.-
5- Pareo-Supplemciitar-llOOmetros-Animaesdc Pernambuco que nao onhMljranhoein
distancia supenora 1500, nos prados do Recife. Premios: 2004000 ao 1, 404000 ao e
204000 ao 3.
57
57
53
57
i"!
55
Branco e azul ......
Violeac ouro.......
Ouro e preto.........
Grenat.............
Grcn. preto e lislras-.
Lyrio e ouro........
Carvalbo & Pereira
F. Siqueira & Bastos.
Coud. Fraternidade.
J. M. Mariz.
Joao Baptista.
<:oud.Bella-V3ta.
Cupido-----
Good -mor
ning......
Esculapio ex
Sneca -..
Boa-Vista..
Tupy........
Russo.....
Rodado......
Russo peirez
Baio.......
Pernamb.
3i Encarnado e preto..
51
54
54
5i
Encarnado e branco.
Lyrio e ouro.........
Branco...........
Branco e encarnado.
Salvador Nigro.
R. Cardoso.
C. S. Jorge.
J. J. dos Santos Jnior.
Francisco C. R. Reg.
6o Pareo -Derby Club -1609 metros.Animaes r.acionaes at mcio-sangue. Premios: 3004000
ao 1, 604000 ao 2 e 304000 ao 3
Fluminense
Gallileu....
Favorita.. .
7 iCastanho... Rio de Jan
o Alazao......[S. Paulo..
6 (Zaina.....
51 lOuro e preto....... i Joaquim da Rocha.
54 Coud. Fraternidade.
3} I Antonio Ramos.
OBSERVAQOES
Os animaes inscriptos para o primero pareo devem achar-se no ensilhamento s
i) 1|2 horas da manhii.
Osforfaits sero recebidos at saobad;i Io de Fevereiro, as 3 horas da tarde.
Convidam-sc aos joekeys que venham buscar suas cardenetas na secretaria do
Hippodromo, ra do Imperador n. 55, i andar.
Recife, 31 de Fevereiro de 1889.
O secretario, Souza Carvalho.
tm mm
Concurso de segunda en-
trancia
Tbetrouraiu de Pernambuco, 7 de Janeiro de
1SOO
De oidem tio cidadio inspector, fago publico
que fica ou redo o praso de 60 dia?, a contar
desta data, pura ter lugar nesta thesouraria o
concurso de segunda < ntrancia, autorizado pela
ordem do TIilju-.o .Nacional n. II de 30 de No
vembro ultimo, o qnal ser regulado pelo de-
creto n. 10,340 de 14 de Selembro prximo pas-
sado, quo d spOs o seguinte :
Art. S-
As ma.enas ;io concurso para os lugares de
primeira cntrancia sero:
- Gramma'.ica da ling-ia nacional (orthographia,
analyse e. redaccao);
Grammatica das iingoas f'ancezv ingleza
Ariihinetica e'sias applicages ao c mmercio
e as reparfiefics de f ztnda ;
Algrtra af equr.cOes do segundo gco ;
Escrif.turcc.-o mercantil por partidal dobra
das.
. A.-t. 3
- As materias do concurso para os emprego
de segunda entraucia sero :
Legislago de Fazenda ;
Pratica de repartigo.
O exame se fir, salvo a hypo'hese do ait
28, po- MTi'T::.-t:onario que ser publicado pelo
Thesou'o
.. Art 28.
.. Os acta s cmprrgados de primeira entran
C'a oSo podero s* r Domeados para lugares de
segunda >vm dar prova plena de quesabem, nao
t a pr tica da repartigo em que servi-em. mas
umix'in as aateras designadas no art. 2
O- qe s?. i ;i> tubilitarcrn dentro de dous
arniof, contados da data dcste decreto, cooside
rar s- Irlo desligados do servign d- Fuyenda.
Outrosim, os candidatos dev:ro requerer a
iocripcjo de teofl nomes commisso raspee
Uva, loftrntndo toas peti'Oes com os seguintes
docotn- nlos:
I. C"tid das notas que tiverem no pon'.o
de sui repart i o ;
2. Ai testad do competente chefe sobre a sua
api; lio p: ra o crvigo publi o de con'omida-
de com o art. 10 do citado decreto.
TVsour.iria de Fzenda do E lado de Pcrnam
buco, 7 de J nciro de 1830.
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jos de Sani'Aona.
PROJECTO DE INSCRIPgO
Para a 10.a corrida a realizar-se no Domingo
9 de Fevereiro de 18 1. PAREO Ensato 800 metros. Pequiras de Ptrnambuco at l, 28ra de al
tura. Premios: 1505000 ao primeiro, 30*000 ao segundo e 150000. ao
terceiro.
2. PAREO I odo 800 metros. Animaes de Pernambuco que nao tenham
ganho premios. Premios: 2004000 ao pr.raeiro, 400000 ao segundo e
20^000 ao terceiro.
3 PAREO Prosresso 1.100 metros. Animaes nacionaes at meio sangue.
Premio : 800JOOO ao primeiro, 800000 ao segundo e 5O0OOO ao terceiro.
4.o PAREO Consolaco 800 metros. Animaes de Pernambuco que nao te
nham ganho este anno. Premios: 2000000 ao primeiro, 400000 ao se-
gundo e 2O0X)O ao terceiro.
5. PAREO Emular o 1.000 metros. Animaes do Pernambuco. Premios:
2000000 ao primeir, 4C'->)00 ao segundo e 200000 ao terceiro.
6." PAREO -GR %X DE FREMIO ESTIHULW1.600 metroa. Ani
maes estrangeiros. Premios: 800^000 ao primeiro, 2000000 ao segundo
e 1000000 ao terceiro.
7. PAREO Extra 800 metros Eguas. de Pernambuco. Premios: 1500000 a
primeira, 300000 segunda e 150000 terceira.
Observacoes
A inscripclo encerrar-se-ha terca feira, 4 de Fevereiro, as 6 horas da tarde,
n secretaria da sociedade ra do Imperador n. 83, 1. andar.
O secretario,
Jos Gomes Ganches.
Prazo de 30 dias
Te'a inspectora desta Alfandega s; faz publi jo
que s 11 oras do dia 12 do mez d 'evercro
vindouro, sero arrematadas porta desta rapar-
ligio as mercadorias contidas nos volumes abai-
xo mencionados, no '.eraos do titulo 5 capitulo
C- da consodtgo das leis das tlfandegas e
u,esa8 de rendas, se os seus donos ou consigna
tarios nao as despachareis e as retirareal no
referido praso de 30 das, a con ar c'a data desle
edital. sob pena de, lindo o mesmo praso, serem
vendidas por sua onta, sem que Ihes fique
direito algum de allegar contra os effeitos desta
venda :
Armaztm n. 1
Marca MC, urna i aixa o. 767, vihda do Havre
no vapor Iranccz V. de Sontos, entrado em 11 de
Janeiro de 1889, consignada ordem, contendo
' amostras. nnnry
Marca GCtC, duas ditos ns. 9990/1, de Ham
burgo no vapor allemo H-imburgo, em 22 idem,
a Biowas & C, contende 320 kilojrammas pes.
quido de riscados de algodo entrangado.
Marca diamante, HOi no centro, FL im cima
e GP em baixo, urna dita sem numer- idein
dem, a Silva Fernandes & C, contendo 100 ki
lograamas, ceso liquid) de aiadeira em folbas
d< I ;adas.
Marca MJGB, nma dita n. 5, id ra, em23 idem.
a Joo A', de Medeiros, conieodo 10 kilogram
nras peso nos envoltorios, deCarleiras de couro.
Mar si MA<:, urna dita n 1. idem idem, a R-
de Drusioa& C, contendo 0 kilegrammas, peso
nos tnvoltonos de albuos para pholographia,
com capas de ctu.o e velbutinas.
Marca M&C, um dita n. 1, idem idem, aos
leesnios, contendo 6 kilogrammas, peso nos en
vollorios, de carleiras de couro.
Marea diamante. lOio no centro, FL em cima
e GP cm baixo ui>a dita sem ntmeo. dem
idem, a Silva Fernandes & G, coecndo 60 lami-
nas de tjdro polido sem ago at 3 millimetros de
espesEfra, niedi ido tolas 1,380 dec (i).
Mure, G &C, um pacote n. 4. ideiii, em 24
dem n^o coosti do maniff.'.p, -contendo amos-
UaS le fazeu la em retallios se a saXor.
Mecdes & C, um idem, coulendo amostras sem valer. *
Rodrigo Carvalho & C. um dito s do numero,
dem idem, contendo amostras de fazenda em
reta Ibos sem valor.
Marca HMCA, nma caixa n. 9, idem idem, a
Prente Vianna & C, coutendo 8 kilogrtmmas
de hvros em branco oara olas, 6 ditos de tin-
teires de lauga n. 6.
Armazem n. 3 ,
Marca M VC, urna caixa n. 101, de New Yoik
no vapor americano Fmance, em 15 idem, a Me
deiros &C, contend 39 ktlogramaias de lapis
para escrever, 10 ditos, peso nos envoltori is, de
pennas de ago para escrever, 2 ditos, peso nos
envclterios, de etiquetas de urna cor, 3 ditos,
peso liquido de piuceis chatos.
Urna dita n. 101, idem idem, aos mesmos, con
tendo 65 kilogrammas de lousa em lamina para
escrever,,
Armazem n. 4 -
iMarca HMCM, urna caixa n. 1, de Liverpool no
vapor inglez Atlie s, em 2 idem, aos herdeiros
de Manoel Cardoso Ayres, contendo 26 kilogran-
nas- de livros em branco para copiador, 80 ditos,
peso nos envoltorios, de enveiopea simples, 5
ditcs de papel para escrever, i ditos de anetas
de madeira, 26 di 03 de car tito crtalos.
Armaze:n n. 5
Marca DS, um cesto sem numero, idem no
vapor inglez Hxplorer, em 7 idem, a J. D. Si-
ifies A o, comeado amo:trus de louca pode
pedra.
F. Baibosa & C, um pocote, n. 49, idem, idem,
nao consta do manifest, contendo amostras de
fazenda em retalhos, sem valor.
G. G Maiu i C, um dito, sem numero, idem,
i'em, nao consta do manifest contendo amo3
tras, sem \alor.
Marca diamante 7716 no centro F L em cima
e G P em l.aixo, urna caixa, n. 1 10, idem, idem
a W. Halliday 4C, contend amostras de copos
de vidro, sem valor.
Marca diamante 99 no centro M W em cima e
G P em baixo, um pacote, n. 25,34. idem, idem,
a Luiz Jos da Silva Guimaraes, contendo amos
tras, sem valor.
Marca diamante 102 no centro M \V em cima e
G P em baixo, um dito o. 60/71, idem, idem, e
Jos" Fernandes, contendo amostras, sem valor.
Marca G F, um dito n. 34, idem, em 12 idem
a Luiz Jos da Silva Guimaraes, contendo amos-
tras de p nao especificado.
Marca A G, urna caixa n. 7685, idem, em 14
idem, ordem. contendo : 1 kilogramma peso li-
quido de obras de 1S, ponto de malha, c 1260
grammas peso liquido de pliss de algodao.
Marca BRS, urna dita n. 7684, idem, idem,
ordem, coflleddo 1 1/2 kilogramma peso liquido
de pliss de algodo.
Marca T M 4 C, urna dita n. 18046, idem, idem,
ordem, contendo : 60 laraiaas de vidro com
ago de mais de 3 milmetros de espessura at 20
decmetros (4), total 763 decimetros (4) : 40 di-
tas de vidro com ago, de mais de 3 milmetros
de espessura at 50 decimetros de superficie, to-
tal 1059 decimetros (i).
Armazem n 6
Marca diamante G P no centro, urna caixa n.
1, de Southampton no vapor inglez Tagus, em 5
idem, ordem, contendo amostras.
Marca diamante M I & C, urna dita n. 10, dem,
idem, ordem, contendo: 3 duzias de escovas
de cabellos com costas de madeira para cha
pos; 12 chapeos de palha de palmeira, simples,
para cabega; 6 ditos de palha semelhante de
Italia, simples; 12 ditos de 15 simples paraca
b-ga ; 131 ditos de pelle de lebre. simples.
Marca diamante 3178, urna dita n. 711, dem,
idem, a D. P. Wild 4 C, contendo 50 kilogram
mas, p so liquido de lucidos de linbo liso al 21
Hos.
Marca ancora F B, urna dita n. 1, do sui no
vapor nacional Pernambuco, em 7 idem, a H
Burle 4 C, contendo 30 kilogrammas. peso li
quido de papelo nao especificado.
Urna dita n. 2, idem, idem, aos mesmos, con
tendo 6 kilogrammas de obras impressas em
mais de urna cor.
Urna dita n. 3, idem, idem, aos mesmos, con
tendo 32 kdogrammas de folbinhas de urna
cor.
Engenho Municipal, um pacote n. 5?!, de
Southampton no vapor inglez Elbe em 18 idem,
amostras sem valor.
Marca S H J G, urna caixa n. 5933, de Ham
burgo na barca norueguense Axel em 30 idem,
ordem, despachado por Silva Fernandes 4 C,
contendo 60 cadeiras de madeira ordinaria com
asgento de palha sem bragos e sem encost de
palhinba.
Urna dita a. 5935, idem, idem, a ordem, des
pacfnda pelos mesmos, contendo 20 cade iras de
madeira ordinaria de balango com bragos, com
assento e encost de palbinha.
Urna dita n. 5937, idem, dem, ordem, des
pachada peles mesmos, contendo 48 cadeiras de
madeira ordinaria, com assento de palha sem
bragos e sem encost de palbinha.
' Armazem n. 7
Marca F M S 4 C, urna caixa n. 10489, de
Hamburgo no vapor allemao Confita em 1 de
Fevereiro idem. a Francisco Manoel di Silva &
C contendo 15 klograramas peso nos envolto-
rios de etiquetas de un a cor (de papel).
Sem marca, Urna roda dentada, sem numero,
para machinismo, de New-York no vapor ame
licano Mlimirn em 11, idem, nao consta do ma-
nifest.
Marca E S c contra-marca A 4 C, duas caixas
ns. 3966 7, de torna viagem no vaporfrancez FUI*
de Baha cm 21 idem, a Eugenio Samico, contendo
217 kilogrammas, peso liquido legal de frascos de
vidro, braocos, com rolhas.
Marca E S, trrz ditos ns. 5899 5901, ide.2 no
vapor allemio Tijucaem 15 idem, a Eugenio Sa-
mico, contendo 157 kilogrammas. peso liquido
legal de obras de folha de Flan lres simpleB nio
classifcadas.
3 secgo da Alfandega de Pernambuco, 11 de
Janeiro de 1890.
O chefe,
Joaqu'm Domingos da Fonseca.
Faculdade de Direito
De ordem do cidado Dr. director, c de con
forraidade com o aviso de Ministerio dos Neg,
ci03 do Interior n. 336 de 18 do corrente, fago
publico que est em concurso com prazo de
quatro mezes a contar da data dcste, a sub-
stiluigo dacadeira de arithmtiica e geometra
'do curso de preparatorios annexo a esta Facul-
dade, vago por ter sido nomeado professorca-
thediatico o respectivo substituto baebarel Ma-
noel Fernandes S Antunes ; polo que os que
quizerem iuscrevar-se para o mesmo, deverQo
se apresentar desde j com documentos que pro
vem :
1 Sua qualidade de cidado braslciro.
2 Maiorida le legal.
3o Mcralidade altestada pelos respectivos pa-
rochos e folha corrida no? lugares onde louve-
rem residido nos ltimos cinco annos.
4o Capacidade prossional, a qual provase
exhibindo o candidato alguns dos aeguiutes do-
cummtos:
Titulo de capacidade na materia em concurso,
conferido pelo director da instruevio primaria e
secundarla do raunip ci da Capital Federal, titu
lo de prefessor larabem na materia em cencur
so, concedido pelo Governo Provisorio, diploma
de bacharel ou de doutor as Facuidades da
Repblica ou Academias estraogeiras, ou de ba
charel em lettras.
As pessoa3 notaveis por seo talento ou reco
flaccidamente habilitadas, poderao ser dispensa
das da prova de capaciaade pelo governo, e as
que nio poderctn provarouubtivercm dispensa
passaio por um exime antes de serem admit-
lidos inscringo, ludo de cooformidade com o
capitulo 4o do regulamento de 5 de Maio de
1856.
E para conslar raandou o mesmo cidado Dr.
dinclor, affixar este edital que ser publicado
neste Estado, na Capital Federal, e nos Esta ios
mais prximos.
Secretaria da Faculdade de Direito do Reeife,
28 de Janeiro de 1890.
(Assignado) o secretario,
Bonifacio de Aragao Faria Rocha.
Recebedoria do Estado
Differencas encontradas para mais na col-
lecta da fregu zia de S. Jos pelo lan-
zador Alfonso Lucio.
Ra Mrquez do Herval
N 167, caaa terrea, de-Carolina,
filha de Carolina Soares de
Amorim de 3ft 1000 para 333,5000
" Travessa do Pocinho
N. 3, casa terrea, de Constanca
Januaria Monteiro do Andra-
de, de 1410OCO para 1650000
Travessa do Pocinho
N. 5, "casa terrea, de Vicente
Jos da Silva, de 1530000 .
para 1655000
Travessa do Pocinho
N. 11, casa terrea, de Francisco
de Mello Cavalcante de Albu
querque, de 1650000 para 1890000
Travessa do Pocinho
N. 19, casa terrea, de Joao Jos
Miranda, de 1650000 para 2410000
Travessa 24 de Maio
N. 37, casa terrea, de Mmoel
Borges da Silva Villar e Bal-
thazar Borges da Silva Villar,
de 1655000 para 1800000
Travessa de Dias Cardoso
N. 4, sobrado com sotao e loja,
de Manoel Joaquim Gomes Fer-
reira, de 4260000 para 4890000
Travessa Dias Cardoso
N. 20, casa terrea, de Joao de
Oiiveira Leite Souza, de...
2000000 para 2730000
1.a secgao da Recebedoria do Estado do
Pernambuco, 30 de Dezembro de 1889.
O chefe,
J. X. G. de Barros \2empello.
O procurador dos feitos da fazenda
do Estado de Pernambuco tendo recebido
do thesouro a relac2o abaixo transcrip-
ta dos devedores da Companhia Recife
Drainage, relativa ao 1. semestre do
exercicio de 1885 a 1886, da freguezia da
Boa-Vista que deixaram de pagar no tem-
po competente, declara aos mesmos deve-
dores que lhes fica marcado o praso de 30
dias, a contar da publicacio do presente
adital, para dentro delle "pagarem os d-
bitos, com guia da secgo do contencioso,
certos de que lindo aquelle praso procede-
r a cobranga judicialmente.
Recife, 13 de Janeiro de 1890.
O procurador dos feitos,
Miguel Jos de Almeida Pernambuco.
RelacSo dos devedores do segundo semes-
tre do exercicio de 1885 a 1886, da
freguezia da Boa-Vista, que deixaram
de pagar no tempo competente:
Visconde de Albuquerque n. 158.
Herdeiros de Joao Pereira da
Rocha 150C96
Capibaribe n. 16. Herdeiros de
Jos Mamede Alves Ferreira 150096
Visconde de Albuquerque n. 43.
Herdeiros de Rosa Thereza da
Costa 150096
Capibaribe n. 18. Herdeiros e
Jos Mamede Alves Ferreira 190412
Dita n. 46. Herdeiros de Ram-'
pchs 17974
Camarao n. 11. Herdeiros de
Jo3o Pacheco de Queiroga e
outro 150096
Dita n.13. O mesmo 150096
Socego n. 24. Henrique Jos
Vieira da Silva 150096
S. Gongalo n. 38. Herdeiros de
Bernardo Duarte Brandio 150096
Dita n. 29. Herdei.-os de Fran-
cisco da Silva 300193
Travessa dos Coelhos n. 1. Os
mesmos 300193
S. Borja n 33. Herdeiros de Ma-
noel Duarte Rodrigues e ou-
tros 17*974
Ponte Velha n. 112. Irmandade
das Almas do Recife 200132
Socego n. 52. Isabel Augusta de
Castro e outros 150096
Santa Cruz n. 4. Irmandade das
Almas do Recife 150096
General Seara n. 10. Isabel Ray-
munda dos Santos Pinheiro 150096
Imperatriz n. 36 JoSo Mara Se-
ve e outros 450289
Dita n. 40. Jos Lopes Alhiros
e outro 640 59
Dito n. 42. Os mesmos 450289
Dito u. 3. Jos dos Santos Nu-
nes de Oiiveira e outros 450289
Dit. n. 67. Joao Maria Seve 150096
Dita n. 73. Jacincho Pacheco
Pontea 150096
Conceigao n. 21. Josepha Joa-
quina Pereira Ramos 150096
Dita n. 23. A msma 150096
Visconde de Pelotas n. 12 Jos
de Barros Correia 170974
Tarcbi n. 9. Jos Pereira Tei-
xeira 10O96
Visconde de Albuquerque n. 62.
Joao Baptista Vera Ribeiro 310163
Dita n. 04. O mesmo 150096
Dita n. 93. Jos Francisco de S
Lcitao 43>153
Dila n. 114. Jos Domingues Co-
decera 150^96
Dito n. 63 Jos Francisco de S
Leitao 150096
Aurora n. 13. Jos Vicente Duar-
te Brandao 670513
Ponte Velha n. 62. Jos Francis-
co Laura Penna 510088
Dita n. 64. O mesmo 150096
Dito n. 11. Jacintho Pacheco Pon-
tes 150096
(Continua)
Arremata^ao
No di; 7 de Fevereiro ser arrematado o en-
genho Jaguaribe, sito no icrmo da Escala, ava
liado por :0.000000 i qusm quizer fuer ac-
quisigao de urna boa propriedade, cheeada-a
occasio, muito commodo por distar da cidade
meia legoa, terreno muito frtil, e contiguo ao
engenho ceutr 1 de Firmesa; < praga ser na
casa das* audiencias s 9 hora3 da raanh do
indicado dia cima mencionado.______________
Capitana do Porto
De ordem do cidado capilo-tenf nte, capitSo
do porto deste Estado, se faz publico, para
sciencia dos interessados, qce, proposito de
urna reclamagao da directora das obras de con
servaco dos portos deste Estado, e convin lo a
todo transe evitsr se os abalroamentos que hio
sido frequeetes, and rando as alvarengas de
carga e descarga prximo s dragas e vapores
pertencentes aquella repartigo, ftcara ditas em-
barcacoes, de ora era diante, obrigadas a fun
dear ao norte da ponte Buarque de Macedo e
Forte do Brora.
Os bateloes perte icentes repartigo alludida
teriio o ancorado^ro comprehendido entre as
pontes Sete de Setembro e Buarque de Macedo.
Ficam prohibidas as alvarengas de fui dearem
na Corroa dos Passariob03, podendo somente all
ancorar as dragas do servigo de escavago.
Capitana do porto do Estado de Pirnambuco,
9 t Janeiro de 1890.
O 8ec"etario.
Mario F. de Castro Chave".
Santa Casa de Misericordia
do Recife
Por esta secretaria sao chamadas as amas que
se acbam criando expostos para virera receber
as snas mensalilades vencidas do i- de Julho
ao ultimo de Dezembro do anno passado, no
salo do respectivo ettabelecimento, pelis 8
horas da manb do dia 30 do corrate
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
Recife, 26 de Janeiro de 1890.
O escrivo,
_____________Pedro Rodrigues de Souza
Sociedade Refinaria e Dis-
tillacSo Pernambucana
Sao convidados os ?ts. accionistas a realizar
a 3" entrada de 10 %, equivalente a 20*000 por
acgo, at o dia 31 do corrente mez, conforme
os arts. 8 e 9o de s estatutos, no escriptorio do
Exm. Sr. thesoureiro Baro de Petrolina ; entra-
da pela ra do Torres n. 48, 1 aaiar.
Recife, 15 de Janeiro de 1890.
O presidente,
Joao Fe nandes Lopes.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
Na secretaria da Santa Casa reetbem-se pro-
testas pa-a arrendamento do predio n. 33, ra
sarquez de Olinda, com armazem proprio para
lualquer cstabelecimento commerctal, com
irande reduego no prego da -enda.
\s propostaB sero apreciadas pela junta em
>ua sesso prxima.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
lecire, 30 de Outubro de 1889.
O escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
"SANTA CASA
CASAS PARA ALlfiAR
Idem da Guia n. 25, idem 16*000
dem do Encantamento n. 9, 1. andar 15000
dem idem n. 3, loja 14*000
dem do Bom Jesns n. 29, loja 18*000
dem idem idem, 1. andar 20*30d
dem do Amorim n. 23, idem 12*500
dem idem idem, 2o andar 12*500
dem Imperial n. 151, casa terrea 30*C00
Sua da Moda n. 45, armazem 16*660
(dem idem n. 47, 20*000
dem idem n. 49, idem 16*000
dem do Vigario n. 25,1. andar 30*000
dem idem n. 27, loja 162660
dem da Senzala Velha n. 132, loja 15*000
Juadro da Detengo n. 2 8*000
dem idem n. 5 6*000
CONTRA POGO
fhe Liverpool k London Glok
INSURANCE CO^FANY
SLAC22M. mim a C.
Ra do Commercio n. 3
IflfDEMNISADOR
Companhia de Seguros
martimos e terrestres
Entabelecidaem 1855
CAPITAL 1,000:000^000
SINISTROS PAGOS
At 31 de Dezembro de i 8 84
Martimos.. 1,1O:O0Q#OOG
Terrestres. 316:000^000
44Ra do Commercio44
EDIFICIOS E MERCADURAS
TAXAS BAIXAS
Prompto pagamento de prejuizos
SEM DESCONT
A COMPANHIA
IMPERIAL
DE LONDRES
EST: 1803
CAP: R. ltt,000:000#000
aentesBKOWWS&C.
n. 5-ra do commercio-n. 5
SFGIRO CONTRA FOCO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL 9.000:000
AGENTES
R. DE DRUSINA & C.
13Ra Mrquez de Olinda13
Campanljia te S^gunr*
cqstsa ::::
NORTHERN
de Londres e Aberdaen
"osifo Gnanceira (Dezembro de i887j
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aecumulados 3.421,000
Heceita annual :
De premios contra fog 607,000
De premios sobre vidas 197,000
De uros 143,000
O AGENTE,
John H. Boxine.
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
cas do mesmo banco em Portugal sendo
in Lisboa ra dos Capellistas n. 75. No
'orto, ra dos Inglezes.
SEOU&OS
MARTIMOS CONTRA FOfio
Companhia Phenix Per
nambacana
RA DO COMMERCIO N. 46
Companhia de Seguros
AGENTE
Miguel Jos Alves
>'. iBa do Rom SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nesles ltimos seguros a nica companhia
lerta praca que conceSe aos Srs. segurados isemp-
o de pagamento de premio em cada stimo
nno, o que equivale ao descont annual de cer-
a de 15 por cenlo em favor dos segurados








-

J-




i/iariu ue reniaiiihucif-
-leir
Janeiro

t
i
United States and Brazil
M. S. S. C.
O vapor Allianpa
K' esperado de NirYork
at o da 3 de Feverein
too al I'.dis 11 de
mora necessaria seguir
para a
Baha, Rio de Janeiro e Wanto*
Para carga, passagen, encommends e di
, ;airo a frete trala-se coui os
Mi ENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commector8
V andar
Compunhia Brasileirade
Navega^ao Vapor
PORT0SDO8UL
O vapor Maranho
Jomruandante o eapitao de fragata Pedro
Hyppolyto Duarte
K' esperado dos portos do or
n -. u o diy 4 de Fevereiro e de-
pois da rt. mora iadispensavel
guiri para i- portos do sul
TIuI^Titas sero recebidas qo trapico-
Birbosa atf 1 hora .la tarde do dia da saban
Para carga, passagens, encommends e vale-
os rata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
D vapor Pernambuco
i fcMsr w
Commandante Antonio
Almeida
Francisco de
E' esperado dos porto.-' do sai
.h'c da 7 de Fevereiro e se-
- uiu4o ni |.i' da demora indis-
__ _pc-n8avel para <* portos d nor-
te ate Mauous
As encommends so sero recebidas na ager
ca ate 1 hora da larde do dia da sabida.
Para carga, encommends, passigeas e valf
res trata-se com os
AGENTES
Pe eir Carneiro & C.
HsasRuu do Coitrmrcio=^rh
lo andar
Companhie de Messageries
Maritimes
LTNHA MENSAL
O paquete Equateur
Commandante Moreau
E' esperado dos portos do
sul no dia 2 de i-evereiro
seguindo depois dademo
rada eos1 ume pira bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
.asees que ha lugares reservados para esta
gencia, que podem tomar em qualquer tempo
Faz-se abatimento de 15 0|0 em favor das fa-
ailias compostas de 4 pessoas ao menos e que
agarem 4 passagens inteiras.
Por excepco, os criados de familias que to-
aarem bilhetes de proa, gozam tambem deste
atimente.
Os vales postaes s se do at o dia 30 de De
zembro pagos de contado.
Para carga, passagens, encommends e.di-
jeiro a frete : trata-se com o AGENTE.
O paquete Nerthe
Commandante Lecointre
E' esperado da Europa no
dia 8 de Fevereiro e se
gira depois da demora
1 aecessaria para
iahia, Rio de Janeiro, Buenos-Ayre e
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
tasses que ha lugares reservados para esta
.zencia, que podem tomar em quatquer tempo
Previne-se aos Srs. recebedore* de mercado
3S, eue s se attendera a reclamacoes por fal-
js, nos volumes, que forem reconhecidas na
ccasiao da descarga, assim como devero den
?o de 4 horas a contar do dia da descarga da.-
ivarengas, fazerem qualquer reclamacao con-
ernentes a volumes que porventura tenham se-
,-aido para oe portos do sul, afim de poder-se
ar a tempo as providencias necessarias.
Batea paqurlcM o lllumtnado u
M -lectrioa.
Para carga, passagens, encommends e di
i ieiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Augiste Lbil]e
9 Ra do Commercio 9
Pacific Steam Navigatioo
Company
STRAITSOFMAGELLAN LINE
O paquete John Eider
Espeja-se da Europa at o dii.
9 de Fevereiro e seguir de-
*. poi> da demora do costmne par.
'Valparaso por
Baha, Rio de Janeiro e Montevideo
Para carga, passageiros, encommends e di
aneiro a freie: trata-se com os
AGENTES
\\ilsou. Sons & L. Limited
14RA DO (COMMERCIO14
COMPt\HI PEH\4MtU DE
Savegaeo costelra por Vapor
Para Fernando de Noronha
O vapor Jacuhype
Commandante Esteves
Segu no 'a 12 de Fevereiro as 12
'horas da maulla. Recebe carga at o
da 11
Passagens at as 10 horas do dia da sabida.
E8CRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
n. 12_____________^
tOlPiMIli PEB.1IAtCA.>'A
DE
avegaco tostel r a por vapor
coau>aiiAi%A rcana
lANA
PORiOS DO SUL
G
aceto. Penedo, Aracaju' e Baha
O vapor S.Francisco
Commandante Pereira
Segu no dia 7 de Fevereiro a*.
,5 horas da tarde. Recebe car
ga at o dia 6.
avegacio costelra por vapor
PORTOS DO NORTE
arahyba, Natal, Alaco, Mottor, Araoa-
fy e Cear
O vapor I* apama
Commandnt; Carvalho
Segu no dia 5 de Fevereiro as 5
horas da tarde. Recebe carga al g
dia 4
n^
Encommends, passagens e dinheiro a frete.
as 3 horas da tarde do dia 8
E8CRIPTORIO
o Cae da Companhia Pemambucanv
n.12
'.oyal Mail Steam Packe
Companv
O vapor Tamar
SjrK*> Gsnera-ae da Europa ate o da 1 u>
AfiB2LFf vereiro, segurado depois da dem'
aaaaaa^BaPra do costme para
Baha. Rio de J use Ir. Mantos,
Montevideo e BuenosAyres
Para passagens, fratese encommends trata
se com os At.ENTES.

EnconjiDciidaa, passagens e dinheiroe a frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRIPTORIO
Ao Cae da Companhia Pernambttea:.
n. 12
O vapor Elbe
L
E' esperado de sul no da 3 de Fe
vereiro. trumdn depois da demor
necp.x-i:i t
Lisboa, Vlgo,
KtHlUCi,iU-
e Nouthampton
f tsBUj/eri
tu l-iar volt.
i zu 30
t ib i 12
A Lisboa Ia amun
k Soutoamptou t claatM
amaretes reservados uard os passageiros 0'
Pe namboco.
'arapassa^ii 'r"ie.eiiciMoraeudaB, tra*a-8
\iiiorim frmos & C
N Ka*) -O Kon uhu N. 3
LEILOES
Leilo
Agente Britto
De mi.veis, loncas, etc.
Urna mobilia de amarello < cama franceza, 2
marqneioes. 1 toilette. 1 guarda vestido,! commo-
da, 12 radeiras de junco, 1 marqueza. 1 cabide e
quartinheira de columna. 1 mesa elstica, 2 apa-
padores. I esnelho oval. 1 relogio de parede. 1
lavatorio quadros, jarros, linca para almoco e
jantar, vidros e tapetes, candieiros para kerose-
ne. 1 mesa para jogo, 2 lances, 1 mesa de louro,
escarraleiras, 1 jarro, Irens de ccsinha e mais
objectos.
Sexta-felra, 31 do eorrente
Pateo do Paraizo n. 9
A'e 11 hora
Agente Pestaa
Leilo defiui ivo
De duas mei'aguas de p dra e cal edifica-
das em terreno propino, sitas travessn
do Principe ns. I e 3, pertencentes ao
inventario de JoSo Cardoso Barrate.
exta-felra 31 do eorrente
A*' 11 horas em ponto
No armazem travesea do Corp o Santo
n. 27
O agente Pesiana veader por mandado e as-
assisteucia do Exm. Sr. ir juiz de orphaos as
mefaguas cima referidas
Leilo
De bons movis, excellente piano, por-
celana, vidrog e loucas.
CONSTANDO
De 1 excellente piano allemao ccm pouco uso
coberto e cadeira para o uie.-mo, 1 mobilia de
junco medalho completa com consolos de pe
dra. 4 etageres com jnrros. 2 jarros com plantas
para consolos. 1 tapete para sof, 1 porta cartao
de electro pate. 1 guarnido de pannos para ca-
ii-iras 1 almofada para sof, escarradeiras de
porcelana, 1 espefbo oval, diversos quadros, 1
cama francpza de Jacaranda, 1 banca de cabe-
geira 1 importante, toilete, porta-extracto e mais
objectos para o mesara. 1 cubide de columna. I
banca de ferro, t guarda vestidos de amarell),
1 loilet- pequea. I santuario e commoda de ja
caranii, 2 jarros, 1 cesta para roupa, 1 coamo-
da de a mu relie, i banca de amarello, 1 mesa
elstica rom 6 taboas, aparador cadeira de
mes com bracos. 12 ditas de unco para s sala
de jantar, 1 caaeira para viagem, 1 sof de ama
relio, appardho de porcelana para i h e jantar,
garrafas, copos, talheres, colheres, clices, 1 la-
vatorio com pedra, 1 tbear, cama de lona, ero
tons e outras plantas em vaso, trem de cosinba
e outros muitos objectos per en cent es a casa de
familia.
Seua-felra, 31 do eorrente
A'e 11 hora
0 ageute Gusmao. au>o>isado por urna familia
que mudou se para f< ra da provincia, far leilo
no i" andar do sobrado n. 2 da Praca do Conde
d'Eu de todos os objectos cima mencionados
o- quaes se achain em muito bornala do de cou-
servaco.
Leilo
De movis. I ucas. vidros, talheres, joias, 1
earneiro, trem d-. co.iinba, etc
Ao correr do lance.
Ra das Aguas Verdes n. 60
H.je
A'e 11 horas
Agente Sil v eir
Leilo
De cerca de 400 p--s de crotons de oitenta qua-.
lidades diferentes, todos multo bonitos e sendo
alguns pejuenos.
S ui limites;
o quintal do sobrado i. 39 da roa da Irape-
ratriz
Sabbado I de Fevereiro
A'a 11 horas
Pelo agente Martins
Leilo
De 10 fogSes de ferro econmicos de na.
6, 7 e 8
tlabbado, t de Fevereiro
A' 11 hora
0 agente Gusmao far leilo dos fogoes cima
mencionados em lotes, vomade dos comprado
res, devendo ter lugar o leilo no armazem n. 10
da ra do Bom Jess____________________
Agnte Pestaa
Leilo definitivo
Das dividas da massa fallida de Joao Fe-
liaberto da Cruz Braga & C, na impor
tancia de 10:795,5000.
abbado t de Fevereiro
A'a 11 horas em ponto
Jf; armazem tito travesea do Corpo Santo
n.27
O agente Pestaa veader uo dia e hora a :ima
BBiciooadospor mandado e assistencia do Exm.
Sr. Di. juiz do commercio, as dividas pertencen-
1 es a referida massa.
Agente Brito
Leilo
De um piano, bons movis, lou^a-, etc
O teme cima, autonsado po> u:. a familia
que mudou de residencia, far leilo do seguin-
le :
Urna mobilia de jacarau 1 dita de pao car
ga, 1 rama franceza. toilette, 1 guarda vertido,
i lavatorio com pedra, 1 espeihu oval, 1 berco,
2 marquezoes 1 cabide e.quartinhena de coiuia
na. 2 bamas, 1 ujcs.. elstica. 2 aparadores,
quadros. 1 caodieiro de suspenefto, j'arros, lou
cas, taietes, copos, clices, garrafas compotei
ras. e outros inuno- i bjectps que e.-tarfto paien
tes no acto do leilo.
Ra Formosa n. 31
Sabbado, Ia de Fevereiro
A's 10 1/2 horas
Leilo
De 5 eaixaa com m-rca FC contra marca
FL ci di canella, averiada da agua do
mar a bordo do navio Famien, vindo
de Hamburyo, entrado neBte porto em
25 de Nove ubro.
Megnnda-felra 3 de Fevereiro
A's II oras em ponto
No armazem. da ra do Mrquez de Olinda
n 48
O agente Gusmao far leilo por conta e ris-
co de quem pertencer de 5 caixas com cand-
as cima mencionada.
Em seguida
20 canastros com albos, 40 caixas com aua
florida, movis, loucas, vidros, fazeods e miu-
dezas.
Leilo

Do sobrado de 3 andares sito ra de
M na e Barros n. 8, reudendo 69^
mensaes, est ndo todo alugado.
Do sobrado de t andar (em obras) com
tres fa^es e janellas nos oitSes, ito
ra da Roda n 39.
Segunda-letra, 3 de Fevereiro
A's 11 horae
7o armazem ra do Mrquez de Olinda
u.48
0 8gente Gusmao, competentemente autoriza-
do, far leilo dos predios cima mencionados,
os quaes podem ser exainidos pelos comprado
res.
Agente Burlamaqui
Leilo
Te rea-feir, 4 de Fevereiro
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 45
De predioi- que fazem parte ds patri-
monio da Ordem Terceira de S.
Francisco
0 agente cima, por man .ado e assistencia do
Exm. jui/ de direito da provedoria, vender em
leiao os segudtes pr-dio :
Um sobrado de 2 andares e soti, n. 10 ra
do Torres, no Reeif*. em ^lo proprio, com 3
pi ras te fraute e bastantes commodos.
Um dito d* 2 andares e soto, na mesma roa,
n. 18 em slo proprio e bastante es acj so.
Urna casa tenea. n. 17, no pateo de S. Pedro
slo proprio, quintal murado e cacimba meeira.
Os Srs. licitantes desde j podem examinar os
referidos predios.
Em seguida o mesmo agente vender a casa
tenea n. 1 ra de S. Jorge, com poriSo para a
_u^i eiltfo
Da armaao, gneros e utensilios da ta-
verna e rclin.gao de caf sita no sobradi
Dho em Dous Irmaos (antiga estrada de
Caixang).
Tere -felra. 4 de Fevereiro
A's l i \2 horas da tarde
O agente Gusmao, autonsado, far leilo de
armaco. gneros e utensilios de taverna e ret
naco ce,, caf, cima mencionada, a qual ser
vemiida em um ou mais lotes vontade do com
prador.
Os concurrentes terSo passagem gratis no trem
de meiojdia.
AVISOS DIVERSOS
Precisa-.-e Ue um felor ; na roa do Pay
sand n. 19.
Precisa se de urna ama que saiba lavar e
engommar, para pouca familia ; na ra Bella
numero 43.
Prect a se de urna ama para cos ihar; na
ra das Trincheras n. 17 se tratar
3 Precita se de um caixeiro com pratica de
taverna ; a tratar na iua.de Santa Tn reza n. 30,
taverna.______________ ___________
Aluga se a casa da ra de S. loo n 82,
com 2 salas, 4 quartos, gabinete ao lado, com
grande quintal e quarto para criado, por 304
mensa!, tendo agua encanada da companhia do
Be Den be ; na ra das Tiincheiras n. 17, toja.
Aluga se o predio ra das Larangeiras u
18. constando de armazem, 1- e 2 andar.",
prestndose muito para um hotel e hospedara :
a tratar na ra do Bom Jess n 18, escriptorio.
Aluga te o 1 andar n. 278 ra Coronel
Suassuoa ; a tratar na casa Preaile & C, ra
Baro a Victoria n. 69. ou no Chora menino n.
12, sobrado junto a cape la.
Aluga-se a grande casa caiada e pintada
com granae sitio arborisado e todo murado, siu
ao becco do Padre Inglez, as chaves no mesmo,
a tratar no armazem u. 25 travessa do Corpo
Santo.
Alugam se duas srlas com commodos, sen-
do urna com frente para a ra Duque de Caxias,
e aoutra para o largo de Pedro 2 ; a tratar na
leja ra Duque de Caxias n 79.
luya u -e duas casas novas a ra da Casa
Porte, tendo cada urna 5 quartoi, 2 gran es su
las, C'.'sinh i fra quintal murado, agua encana-
da e banheiro c m chovisco? ; a tratar na ra
Duque de Caxias n 30, padaria d; Beiro e Al
meada.
Alugam se casas catadas e pintadas nos
un do.- de S Goncalo, a 8X000; a tratar na mu
la Imperatriz n. 76.
Alugam se o 1 e 2- andares da casa n. 43t
a roa Viscoode de Innama, com ;-gua e com
modos para familia ; as chaves no andar terreo.
Offerece se urna senhora para lecciouar
primeiras le tras e Igutn trabalnode agulba. em
colleiio ju casa particular, deixando carta ft-
cbida oesta typographia, com us inicia k T. M
Os refinadores previnem aos seus fregu
zes que em virtude da alta de precos que eli
mente tem gosado o assucar em rama, teem de
cotar o genero retinado pelos segumie-, a coc-
tar de Fevereiro prximo era diaide :
Especial 3j 00
1. norte 500
2- di'a 4a00
3.' dia________ 3*500
Charutos a Martins
Jnior
Hoje em dia s se pode fumar os charutos
cima mencionados, o publico encontrara esta
marca na fabrica Vendme, ra Baro da Vic-
toria n. 39.
Assucar refinado
Os refinado es desta cidarie avisam aos seus
fregueses, que em vista do alto puco do asacar
em rama, resolveram a vender do 1- de Feve-
reiro em diante pelos preces seguimos :
1 por 15 kilos 51260
2 idem 4*200
3.' dem 3*200
Setins de c6rcs a 400 e 700 rs.
LSs e anellas, todas as cores, a 320 ra.
Tarlatanas, todas as cores, a : 00 rs.
Velludilhos e velbutinas a 6TK) ra.
Gaza de seda, prateada, 3 cores, a 10000.
Luvaa, todas aa cores, a 10000.
Luvas trocadas de seda a 200 ra.
1 anga lizas a 200 rs.
Meias, phantasia, a 500 e 700 re
Bombaixas de cores, novidade, a 10000.
Leques a 500 re.
Cretones de urna b c6r a 240 ra.
E muitas fazendas que se vende m mais
barato
Loja da? Listras Azues
61Ra Duqu; de Caxias61
ESPECFICOS
DO CLEBES
Dr. Humphreys de Nova York.
Em ns o mal* de 30 winos. implas, egurofceffl-
cazen o baratos. A venda as Drogaras e Phar-
nn"-aft prlnclpaes e mala garantidas do Mundo,
fo. CUBA
1. Febre, Conecstflo. Inflammai-oa............
2. Febrec Clica causadas por Lomorlga
8, Colicn, Choree Insomniauascrianzas......
i.-Uiarrhea de rrinacas e Adultos r
0. Djucnterln, Pirose BarriKn,(.olk:abiliosa
6. ( oleriua, CoJcra-MurbJ, Vomito............
7 Ti^ie, (-onatliHiv*0- RouqulilAo, Broncmte..
8. Dorde Dcntes e de Cara, e NerralsU.......
. Itor de Cabera, Enchaqacja, Venfeem.....
10. Dispepsia, latUgWo, Prltode Ventre.
U. Haypreaaa da Kegra. Eecoasa oa Demo-
12. Iencorrbea Violes Brancas. Fetra prolusa
18. t'ronp. TcaM ouca. Dlffluuldadede Respirar
14. Herpes, trapenes. Eryslnela. .........
V: Rbenraotlarco, f>'- rT'"ir.^atlcaa..........
10. Mvscit, Ma.ilui, c- i-,eminente.........
i;. Hetr.oi-rhoi'ln Al-.. rr< ij..as Internas on
externan, simples ou sangrentas........---
18. OiibtbuliiiiRi Olnos fracos en.iiillammaaoa.
acatarro. "s.!o rlTouleo. Defluxp........
Coqnel' i;'.', i;J3etpasDOiUco.............
21. Axnta, Va i';.^H-...............
S4 Sup|iu.vini C, u' *-' ...........
2'. Eserotult, luehn^aea e l leerss.............
25. Hvoropeo'n. A miula-;c,es mudas...........
36. tCmiv* w aSat'i -'us^i. Vouilos.......- -
27. Molestia* ouriucrlan, Clenlos ou Pedra
na Bexlaa..............................,-;"
28. Inipoeucn,Iicl.llMade nervosa, seaunal..
2. (,'!ia(tuinhasi.a Borro, onApntn .........
80. Iucoutiue.nciu de Oartti. gatinar^a a,
Cama .......*............';.............
81. MenMraatfto dolr)*a,Vrimtov........
82. r-loleatius do Corae&s, ralpitnC" *s. etc
S3. Knvlcpsia, Mal caduco, Oottacoral. Bade de
s. Vita............ .......................
84. Dlphtberiu, Bill meUnw >:; (.arauta......
85. Conc>soea Chros.-at., Po.-.i-;Cabeea....
OManu-Jao Dr.BaDLiuan. \' raslna"obre
as Enf eraidadese o modo de eui-ai-ae, se da gratis,
pede-se ao seu boticario ou a
HrMFHKEYS' MEDICINE CO.,
10 Polcan Street, NEW YORK.
nico deposit o para vendas em
grosso na imperial drogara de F.
Manoel da Silva & C, ra Mr-
quez de Olinda n. 23
|yUWVILHA~CRiVf*r
DO CtlXBRE
Dr. Humphreys de Nova York.
A Verdadeira Maravilha do Secuto.
APPEOVADA LICEITCIADA
pela Inapectorla Ccrol de H y ai ene do
Imperio da Brazil.
A Mormvilh Curativa remedioprompto
pora as Pisaduras, Machucaduras, Contusos, Tor-
ceduras, Cortaduras, ou Laceracoas, AlUvia a dar,
estanca o sangue, az parar a lnflammac&o. redux
a lnchacio, tira o desooramento, e taz arar a erloa
como por encanto.
A Maravilha Curativa allKIo prompto e
cura rpida para Queuaduras, Escaldaduras, o
Quelmadura ao Sol, e superior a qualquer cuito
remedio.
A Maravilha Curativa Impegavel pare
todas as Hemorrnaglas, se Ja do Nariz, das Oenelvaa.
dos PnlmOes. do Estomago, ou as Hemprrholdas ou
almorrelmascura sempre e nunca faina.
A MsumvHhaCnrativaumalUvIoprompjo
para DOr de Dentes, de OnvWos, da Face. cBaSo
fia Pace c Nerralgia.
A Maravilha Curativa orecarsoprompto
e precioso para Dores rheumatlcas, AlelJ4o,lXire
tigldez as Juntas ou Peritas.
A Maravilha Curativa fio grande remedio
para Esquinencia, Angina. Amygdalas Inehadasou
.faflammadas-sempre seguro, sempre efflcaz.
A Maravilha Curativa de multo valor
eomo injeccao para o Catarro, a Leucorrhea ou as
Floree Brancas, eoutros corrtmentos dcblUtantes.
A Maravilha Curativa 6 impaga-rel para
curar Ulceraa, Chagas antigs. Apostemas, Panari-
dos. Callos, Frietras, Joanetes e Tumores._____
Pa5^S^p.^^,e'SarSceSSrPto
FAahtea'c,.fcvana3SrtpSfflJ5
Pisaduras e Esfoladuras. Contusoes, Laceracoes, *c
Especialidades do Dr. SomphreTs.
Remedios EapedBcos,
Ungento Maravilboao,
Bemedios ypbilitlro,
Bemedloa Veterinario*.
O Manual do DT. Humpnreya 144 paginas sobrejas
Enfermldades e modo de coral-as se d*.gratis, peoa-
se ao seu boticario ou a
HUMPHBEYS' MEDICINE CO.,
- 100 Fultaa Street, NEW YORK.
nico deposito para vendas em
grosso na imperial drogara de F.
Manoel da Silva & C. ra Mr-
quez de Olinda n. 23.
Cap
BANCO ML-AMERI UO
ital 20,000:000^000
38-Ra do Commercio38
Descorita letras e rentas assignadas.
Adianta diDheiro sobre caucao de ttulos e
mercadorias e abre coritas eorrente! com garan-
ta dos ruesoios t-ffeitos.
Recebe em Deposito litulos e valeres.
Faz movimento de 'undos de pnica a praga e
concede cartas de endito, abono e llanca.
Paga em conta eorrente de movimento 3 % ao
anno.
Recebe dinheiro a prazo Uso iu por aviso, a
juro convencionado.
E faz outras operuces hanrurieg.
Bi neo Sul-An'-: cano
:ts Itmi do Coanincrclo88
Compra e vende faqoes sobre Bbbia, Rio de
Janeiro, Santos, S. Paulo. Campias e Para, e
faz quaesquer operacCcs Be crdito sobra as
mesmas pracas. __________
Banco Su'-Americano
S-Rna da C omutci'rio-38
Sacca pur todos o vapores sobre o Raneo de
Portugal em Lisboa, Porto e
do mesmo reino.
outras localidades
Cosinheira
Precisa -se de urna b a cosinLeira na ra da
Aurora n. 119. _______
EiiomiiUideira
Precisa-se de urna engou;ma da
Aurora n. 119.
Ferro gu^a
A companhia do Reberibe vende cerca le 50
tone ade3 de ferro gu-a.
Cereaes por pr 69o
commodo
Como aejm mtlbo, feljo e faion.
Neves Pedroca & C. teem pata vender a rela-
tan ou em por^ao os artigos cuna, a ra da Pe
nba n. '.i', asoim como tambern vendem farell
de 42 kilos a Bateen por 2*j00
< riado
Precisa-se de um criado para vender na ra :
na travessa das Ci uzes o. 16, 1 andar
(riman
** *1-ERV
ende-t em toda > Dirta
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro com pratica ; na
ra da Unio h. 5i. ._______
Caixeiro
Precisa-se de um caixeiro *om pratica depa
dara, dando ti dor de sua conducta ; em Santo
Amaro das Salinas.
^SSOCO 0Mfi2^
PARA O CABELLO.
Augmanta, Aformosea
E FA2 CRSSCEB O -CABELLO
com assombrosa rapidez.
A Ju^ue* barato
Ra da Roda ns. 58 e 60.
Largo do Mercado loja o. 17.
Becco do Campello n. 1,1*. andar.
Loja do sobrado do becco do Calabouco n. i.
Ra do Nogueira n. 13.
Viscoade Goyanna n. 163 com agua e gaz.
Travessa do armo, loja n. 10.
Becco do Tarobi n. ft
A tratar ra de Commercio n. 5, and
tsenptorio de Silva (iuimarSes & C.
Aluga-se
o 3- andar do sobrado ra de Maicilio Das,
antiga Direita n. (2, para pouca familia ; a tra-
tar no 2- andar do mesmo.
Joaquina *. snsia de Mello
Jo; o Augu-i i de Helio, sua mulber e filhos
convidan) a seu- prenles e amigos para assis-
tirem a m ssa de stimo- dia que mandam rezar
pela alma d sua sempre chorada filha e irma
Joi.qui.ia Augusta de Mello, rujo acto ter lugar
na isreja da povoaco e Bebente, no dia 1 de
Fevereiro proxim as 7 horas ia manha
t
Pedro Pinto de Arau.j
Philadelpha Ernestina de Almeida Fortes, For-
tunata Alexandrina de Aimeida Fortes, bacharel
Luiz G.nzaea de Arauj i. Delorisano Pinto de
Araujo. Furtunalo Pinto de arao, Maria Celeste
Pinto de Araujo (ausen es), Manoel Pinto de
Araujo, Philadelpha Andrea de Araujo, tia e
irmas do fallecido Pedro Pinto de araujo, con
vidam aos prenles e amigos o carldoso obse-
quio de assisurem miss, que na sexta-feira
31 do correte, As 6 horas da manha, stimo dia
de seu passamento. se ha de celebrar na igreja
de N. S. da Penba, pela alma do mesmo ; e des
de j se confessam agradecidas por este acto de
candade t religio.
t
Joo Francisco Tclxelra Mar
qoei
D. Luiza Cavalcanie Teixeira Marques, Dr.
Ambrosio Machado da Cunha Cavalcantc, ,-ua
muiher e filhos, coronel Manoel Cavalcante de
Albuquerque, sua muiher e filhos, Manoel Ca
val ante d- Mello, sua mulber e iios e Joaquim
de Souza Silva Cunha, sua muiher e lilhus man
dam celebrar missas pelo reponso eterno oe seu
fallecido marido, cunha o e tio. Joao-Francisco
Teixeira Marques, no da 31 d > corronto, as 8
horas da uianiia, na matriz da Boa Vi:la, e para
este act de religi3o convidam os seus prenles
e amigos a assislirem ; ctntVssando se desde ja
tg adecidos. ___________
t
Brasilina Augusia Lumaik de Mello
Fllka
Brazilioa Augusta Lumack de Mello e seus
parentes, agradecem a todis as pessoas que se
dignaram acompanbar os restos mortaes de su
filha Brazilina Augusta Lumack de Mello Filha,
ao cemiterio de Santo A ..aro, e de novo as con-
vidam para ssistirem as missas do 7* da, que
terao lugar na Ordem Terrena do dreno, sexta
feira, 31 do eorrente, as 7 boras da manha, pe-
nborando desde j o seu eterno agradecimento
por este acto de raridade e 'eligio.
t
Lula de Ollvelra lima *
Lmiz de uliveira Lima Jnior, sua mulber e
ti i tos. Catbarina Curio, desembargador Quintino
Jos de Miranda, bacharel Jesuino Lopes de Mi
randa, maudam rezar missas em suffragio .rai-
ma de seu pai, sogro, avo e cunbado, Lniz de
Oliv ira Lima, fallecido na cidade de Lisboa, e
desde j agradecen o comparecunento dos seus
amibos e parete a esse acto de religip ec-
r i dad que ba de ser celebrado na reja da
Santa Cruz, no dia 31 do correte mez, pelas 8
horas da manh.
t
M'rtiniano Ferreira Neves agradece do inti
mo de sua alma a todas as pessoas que se dig-
naram acompannar ao emiterio publico os
restos mortaes de sua prezada -i-ulher Emilia
Leopoldina de Mello Neves ; e de novo as con-
vida para a isistirem as missas que sero cele
bradas pelo repouso eterno de sua alma, na
capella do cemiiem publico de Santo Ara: ro,
s 8 horas da manh do dia 1- de Feve eiro
pri'Ximo vindouro, elimo do seu fallecimento.
t
Frunriaru *. bello Jnior
Anna Marques de Amonm e seos lllhos con-
vidam 10 parentes e amigos do finado Fran-
naco r. Huniio Jnior para assislirem
a uinaa mi -sa- que un miain rezar em suffragio
de Sua alma, a.-. 8 n >ras d manh de 31 do cor-
rente, na matri da Boa Vista, tricsimo da de
seu passamento. ________________^__
t
T ndo fallecido em Lisboa o ccmmendador
Fiaci8'n Severiant Kabell i Jnior, seu irmo o
i-ommeiidado Eusemo Bapha I Rabello, suas ir
ms.- familias man am l* zar urna missa por sua
alma na malnz da Roa Vi-ia, s 8 hora- do dia
31 do correnie, trigesim. dia do .-eu fallecimen
to, o que patenteam para todos que c el les
mantm relagoes, e que juizerem assistir a este
ano.
Carlota %'if Ira Coirunie de
tlbuqurrqur
Manoel Cavaica le ue Albuquerque e sua cu-
nbadi. Mara Vieira de Mello, conw.iam aos seus
prenles e amigos p ra assistirem a n ssa que
pelo eterno descanco de pa sempre leubrada
mulber e rm. Carlota Vieira < a va lean le de t -
buqoerque. maudam celebrar na igrej da So
ledade. pelas 8 boras da manha do dia 1- de
Fevereiro, trigsimo lo fallecimento, e desde j
ant'cipam seu agiariecimei.to.
Para a cura efficat e promptadat
Molestias provenientes de im-
r pureza do Sangrue.
F.' i.m:i loucura andar a fazer expe-
rienciss com misturas inferiores com-
1 instas de drogas ordinarias on de plantad
indgenos cuja efflcacia nao confirmada
pela setnela, emqnanto que a molestia
cada vez val ganhando terreno.
Lancem rano, sem demora, de um re-
medio garantido crda eficacia seja tacto
a-signalado e inquestionavel.'
O Extracto Composto Concentrado
i>i: S \ sAi'Ai:iir.iiA de Aykr 6 conhecido
e recommendado pelos mdicos mais in -
telligentcs dos paizes adiantados, j4
durante 40 anuos.
Centenas de milhares de doentes
tcm comido beneficios do seu emprego e
sao outras tantas tcstemnnbos da sua
efBcncia positiva e incomparavel.
PREPARADO PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
Lowell, Mass., Est,-Unidos.
DEPOSITO OKKAJL
Precita se de urna ci sinheira em casa de pou-
sa familia, e ce urna menina de 12 a 14 annos,
para andar com meninos, da se-lhes ordenado
ou tom; se coi.la,dando-seo que pre.-aiem ; a
tratar no caes da Ci mpanhia Pernambucana n.
4, armazem.

Ama
Precisase de urna ama que cosinhe e engom-
me com perfeico, para duaa pessoas ; na fabri-
ca ra da Florentina n. 36.
Ama
Preca-se de urna ama que taha bem engom-
mar, para sen-ice de casa de. familia ; na ra
Marauei do Herval, antiga Concordia n. 104.
Ama
Precisa-se de urna co.-inheira : a tratar
ra do Hospital Pedro 2 ", sobrado n. 1.
na
Ama
Precisa-se de urna am para o servico domes-
tico ; a tratar na ra i arao- da Victoria n. 54
na nova agencia de movis. _____
Ama
Precisa se de urna ama para cuidar de uma
enanca (prefere se menina) ; a tratar na ruado
Imperador n. 77. loja.
Ama
Precisa se de uma ama
numero 20.
no patso do Paraizo
Ama
Precisa-S' de. uma ama para cosiohar ; na ra
Mrquez de Olinda n. 64, 2 andar. ^_____
Ama
Precisa se de uma ; ma para csinhar ; na ra
dos Gu rarapes n. 88________
Ama
Precisa se d uma a Ta que saiba lavar e en-
gommar, para ca-a de p> quena familia, prefe-
nndo se que durma era casa dos patrOes ; a tra-
tar na rea da Unio o. 5. ____ _
Ama
Precisa-se c >m urgencia de uma ama para
andar com uma chanca de altruns mena; a
tratar na ra da Imperatriz n. -7.
Ama para cosinhar
Precisa se dp i ma cosiibeira ; na praca do
Conde d'Eu n 26, sobrado amarello.
Aluga-se
casa n. 121 ra da nurora, c. m commodos
oara gr nde familia, tendo sgua, gaz, ardim
bem plantado, e mais um grande ;. n al mura-
do ;- a tratar na ra Duque de I axias n. 74, pri-
meiro andar.
__JruTinaiTrH
I ^A 5 s Perolat de Sulfato de Qui-
m o?cr^imSw nina, de Bromhydrato de Qui-
nina,de Chlorhydrato, Valerianato de Quinina,
etc., etc., do Dor Glertan contm dada urna
dez centigrammas (dois graos) de sal de
Quinina chimicamente puro, de fabricac5e
franceza, e preparadas por um processo appro-
vado pela Academia de Medicina de Paria,
Debaixo de um envolucro gelatinoso, del-
gado, transparente e mu fcil de digerir, a
Quinina se conserva infinitamente sem altt-
raf&o, e se engole sem deixar o menor amargor
na bocea.
Cada frasco contera trinta perolas, equiva-
lendo a tres grammas de sal /-vd -^tau-v
de Quinina. \K_^K-f^-" "*v
Cada viir tem a marea: "p v_5^
eem cada perol.: esldeimpre isas as pal Venik-se a rarejo em qna-i todas as pharmacias.
FA-ll A E VbNOA POR ATA AOO :
Casa L. Frere, ra Jacob, 19, Paria,
r Contra
PUFTA5ES WWirMl
mmum a cihcilauo
IITEIBITfECIAS ISTHU
C lodoa oa tr"k>iniii.>'ii ouaMtaradoa como
preimli.i \&
OkSSTia r>o ooh*o
O tftf?aaa uum'i^ o mmor+eo ao
Granulos AfitMoni.es
D' Py
Pelatana jYutmraofl m cudemio >* Moduum
'U /TU,
Bewaio sem: rn- i\m i, m m-r^rx. tkM
la Aaraamftaao TfiAN M H s LVA A c!
xxaoooooooooonon noano!
i
4


-vr


-.

Maf Ti
-*-
, i -iii aaa.M.a i


-

f-' '

t#tario de Prnamhn*.o-Sexta feir 31 He Janeiro de 890
A ESTACAO
' Jornal Acaba de shir o n. 1 do XIX anno, 15 de
Janeiro de 1890
coaNrroera-oa:
7tt bellsimas gravuraa sobre a sita aspecialidade: modas, objecto de adorno
e de ph ntasia Sao de apurado gosto tadaa as toilettes que apresenta esto camero ;
Doiis figurinas colloridos apresentando bellas toilettes para sarao e paaseio,
perfeit&mente explicadas no texto;
Um b pplemento litterario Ilustrado de finissimas gravaras, e repleto de scin-
tillante. prosa Firma-o conhecidos escriptoros.
HKEC AVUiSO i^OOO
ASSIGNATBAS
Os senhon-s assignante que pagarem anas assignaturas ate 15 de Fevereiro
receberSo gratis urna caixinha com 3 sabonetes finos ou 100 cartees marcados cono
seu norne.
Os as8gr>antcs de semestre receberSo tambera como brinde nm elegante laque.
Um anno .... 14#000 | Seis mezes ....
GENCU
flllN ITH
NA L'J- DE FAZENDAS
21- RA DO CR :Sl<) 21

UVRaRIA-FKANCEZA
9Ra 1. de Mar9o9
*** U* mAIS ORES de Da***,,
ftk^ Elixir, P e Pasta dentitricios **/
DOS
RR. PP. BENEDICTINOS
da ABBADIA de SOULAC (Gironde)
DOM HAGUIXONNC, Prior
f Medttlham de Ouro t Brustet 1880- Londres 1884 \
AS MAIS ELEVADAS RECOMPENSAS
1373
IlfVEHTADO
0 AM*0
Palo Prior
Fierre BOUX1AT7D
O uso qnotidinno do Elixir Dentifricio
doe RR. PP. Benedictinos, com dose de
aljrumas gottas com agua, pro*em e cura a carie
dos dente*. e*iI nsaiik. sa gogivas perfuitamunte sadias.
a Prestamos um vprdadeiro servicn, assign-
lando aos nossos leitores este antigo e utihs-
sirao preparado, o tnelhor curativa o o nico
Ereservativo coatra as Affeccees den-
arias, s
Atiente eral: SEGUIN, BORDEAUX
Acka-se i todas u Pert nmarUe, PhsrmaeiM Dnvrri.- d* nnado tnttin.
Laja das Tres Portas
HTO AO LOUTBE
Zephyr de ramagem a &UO rs. o covado. Fich de la a ltf500 um.
Meri ios de duas larguras a i40 rs. o dito.' Renda bespanhofa, a 2(5000 o corado.
Merino franees, tima largura, todas as
cores, II pura, 280 rs., o o>vado.
Dit>, duas largurrs, cor azul, a 400 rs.
o covado.
Las diversas com listras e quadros de
seda a 400 rs. o eevado; laceada de
800 rs.
Merino de cor, duas largaras, com lis-
tras, fazenda de 240K), a 80(1 rs. o covado.
Etamines a: randados, lavrados e de lis
tras, fazenda de muita phautasia, a 400 rs.
o covado, corea lindas.
Vfautilhas bespanbolas, oremos e pretaa,
30000 urna
Brim de linho, padroes mimosea para
enancas, a 600 rs. o covado.
Linho pardo para vestido, escaro ca
ro, de 360 e 440 rs. o covado.
Zephirs finos para vestido, ramagem
grande, a 500 rs. o cov do.
La adamascadas com sal picos de sedaj
a 500 rs. o covado.
Sedas lavradas, de listras e de quadros,
a 1(5000 o covado.
('hitas, sortimento completo, de 200,
240, 280 e 320 rs. o covado.
Cretones francezes verdadeiros, a 320,
360 e 400 rs. covado.
Cachemiras lisas para vestidos a 200 rs.
o covado.
Mcias brancas cruas e de coros para
homeBB, soahoras e crianzas, todos oa pre
Camisas francesas, pnnhoe, coHarinhor
de linho.
Fichas de 18, e 1S e seda, de liJOOO
6.5000 um. .
Lencos branoos de algodao, linbo, bom
de seda e seda pura, broaoos e de coree
bravatas e mantas, sortimento com
pleto.
Leques de papel maito lindos, 320 rt
UBI.
Eapirtilbos para senhoras e menina
todas as qualidades e precos.
Lencos efainezes, de seda, para. rap.
< ol airnos de linhj para homem t
10000 aduiia. ,
FustSo branco larrado e com Adres
400, 500 e 1,5000.
Peitinhos de vid ilho a 1*000 um.
Capas, visites e romeiras, de cachean
ras, gocgarlo o vidrilhos, todos os precos
Bramantes de linho e algodao.
Toalhas adamascadas para meaa 2*00(1
urna
Uuardanapos de linho e algodao, de
3,5000, 44000, EtfOt e 6*000 a dusia.
Setim Macao, tedas as cS-res.
Surah de todas as cores, seda pura.
Merino preto, la para, de 640, 800,
1*00 e 1*5' 0 o covado; baratissimo.
Bretanha de linho 27 varas por 12* 00
Modopolio algodao grande variodade en>
precos
INJECTION CADET
Cura certa em 3 das sem outro medicamento
PARS 7, Boulevard Denain, 9 PARI8
Deposito em todas as principaes Pharmaoia e Droaarias.
Viuva Rygaard
Compra-se ama casa em bom estado na cid
de de Olinda, para residencia da riuva Rygaard
podendo a peisoa interessada dirigir se a roa da
Cadeia do Recife n. 43 loja de selleiro, e abi en
tenderse com o Sr. Samuel totelho. nm dos en-
carregados para esse flm.
Excellente morada
Aluga-se barato, ra do Hospital Pedro 2-.
no lugar dos Coelhos, ama casa assobradada,
com agua, muitos commodos. maito fresca e
junto do banho salgado ; a tratar com Jiaquin
Moreir Reis, das 8 s 10 horas da manbS, o
qual alaga tambera alri casas de 64, M e <0<
Ao commercii
0 abaixo assignado, uoi;o responsavel pela
firma de Bernardino da Costa Haia & C, com
loja de calcados ra do Lirramenio n. 19, de
clara que nada deve oesta praca nem em outna
qualqoer ; quem se julgar sredor aprsente se
Casas para slugar
Ns, 30, 26 e 18, na roa Capitn Antonio d
Lima em Santo fmaro das Salinas ; a tratar e
roa Marquezde Olinda n. 8, lythogr.pbla.
^ luga-se
o magnifico sitio con boa casa, na estrada
de
Jofio de Barros n. 28, tendo mmtas fructeiras,
am grande jardim e o uitos canteiros para ver-
iuras, e por ser perto da ridade e paseando na
porta trem e bonds, quem qunr dirjase a
tratar na roa do Commercio n. 26-A
H>
no praso de oito dias.
i pai
do i
metKno
X
pede a todos
os seas devedores para mandar saldar seus d-
bitos at. o dia 25 de ce -rente.
Recife, 9 de Janeiro de 1890.
_______________iernaruino da Costa Maia.
Cautelas do Monte de So^
COS.
E muitos outros artigos que vendemos por quelquer prefo.
Na RA DO CRESPO N. 21 LOJA DE
corro
Compra-se! Oantelas do Monte de Soc-
corro do jealquer jeta, brilhaotes e r< lo-
Oortee de casinete cres fixas, a 1*000 IP08 paga-ae bem na roa do Cabug n.
14. n. Loja de reloioeiro.
OLIVEIRA CAMPOS & C.
Atteucao
nrpa
Compra se ama harpa com raovimento e en
bom estad na roa N va n. 13.
Cosinheiro
Precisa se de um tosiubeiro ou cosiobeira ; a
ra ao Piotrresso a. 1.
*ataces velhos
Compra-te na roa do Cabnga n. 14, relojoa-
ria David.
Alu^'ni se a i-u.-s r*. 8 ra da Unio e n-
4 ra Cunde da B->a Vista ; a tratnr com ot
Srs. Netjreiros, praca da Independencia.
N
ivos
0 Bi?ar do Recife. ra arquez de Olinda
n. II. ren-beu grande e bonitos espelhos para
oruauenlos de salas de noivados, a pr*co s m
CAPSULAS THVENOT
Na ra do Paywnrf n. 23. deseja se fallsrcom competencia ; no Bazar do Recife de Domingo
jo Sr. Fortunato rVaa^co dea < bagas, carpinu -
1 empregado na Companhia dos Bonos, a negocio
que o mesmo nao ignora; do contrario declara se
i o motivo de ser chamado.
Molestias Condenoiaes
! Copahiba CopahUa e Cunabas.
I Copahiba e Estancia ta Sndalo.
Essencla ta Stnalo 9 citrino puro.
Olao Resina t Cubaba.
Oleo Resma t Cubabas s Essencla ta]
Sndalo.
odureto t potasslo.
M CHEIRO NEM SABOR
Etamine lisos a >00 rs. o dito
Setim do JapSo a 240 rs o dito.
Crep de 13 para vestido a 240 re. o
dito.
Chachemiras de listra, duas larguras, de
2*000 por 1,5200 o dito.
Cortinados bordados a 6V5000 o par
Sitos cortes de zephyr bordados a 14*000.
Setius de todas as cores a 800 rs. o co-
rado
Esguiao pardo a 360 e 400 rs. o dito.
Casacos de Jersey a 6*000 um.
Flanea branca, toda IS, a 4 0 rs.; ba-
rato.
Seda palha a 1*000 o covado.
Cortinado de crochet para janella a 7*000.
Cortes brancos bordados a 18*000, o que
ha de lindo.
Sabida de baile a 1*000 e 1*500.
Sargeiins, a 20- rs. o covado.
ruarnic&o de crochet a 7*000 urna.
Camisas de flanella a 2*500, 3*500 e
5*000 urna.
Crep para coberta a 600 re. o covado.
Madapolo americano a 6*000 e 7*000 a
peca.
Cheviot preto a 2*500 o covado.
Atuaihado de cor a 1*500 o dito.
Panno da Costa a 1*000 e 1*200 o dito.
Bramante de linho a 1*600 o metro.
Toalhas para banhe a 1*" e 1*800.
|3NDOrVXX3JVJaSS
Espartilhos finos com um toque, de 12*
por 5*000.
Pecas de esguilo de algodao a 3*500.
Camisas allemaes a 36*000 a duzia.
Flanella ingleza azul para palitot a 4*500
o covado.
Atoalhado bordado a 1*200 metros.
FustSo branco a 360 re. o covado.
Lindos cortes de metins a 8*000.
Capellas e veo para noiva a 7*000, 8*000
10*000 e 12*000
Cortes de iustao para collete.
Cortes de seda pata collete.
Cretones claros e oscuros a 240, 280, S20
e 360 re. o covado.
Cambraia branca bordada a 4*000, 5*000
e 60000 v peca.
Cambraia com salpicos de cores a 4*000 a
peca.
Alpacas lavradas a 500 rs. o covado.
La Amazonas a 400 re. o dito.
.neos com barra a 1*200 a dasia.
Oambraia Victoria a 2*800 a peca.
Zephyr de listra, o que ha de mais fino,
a 400 rs. o covado,
Renda da Austria s 900 re. o dito.
Leques transparentes a 2*500 um.
Setineta branca e de cdr.
Brim pardo a 280, 400 e 500 rs. o covado.
Alpaca preta a 900 re. o dito.
Velbutina preta a 700 re. o dito.
Depositarlos em PERNUtBCCO
da Suva a cu.
ItfiUJ
Cos 11 be ira
Precisase de urna ama para cozinhar;
no 3. andar do predio n. 42 da ra Du-
que de Caxias, por cima da typographia
do Diario.
Criado
frecisa se de am ranas at 14 annos, para
criado; na praca do onde d'Eu n. 26, sobrado
amarelo
( aixeiro
Precisa se d um caixeiro com pratlca e lia-
bihtiicao, para tuna caaa que vende em gresso,
dando fiador re sua conducta ; a tratar ta ra
Vidal de Negreirot n. 156.
Hygienico
Acabam de ebegar os indipeasaveis filtros
para purificar uoosas. crvsUlinas aguas ; na tra
vessa do Corpa Santo n. 25.
Sitio
-*i ftAR-.o. MI TSILMrH44
lachinas a vapu.<
Moeritiai*
Hctfiah
l a ' .!> fwndidas *- betid*.
"Pateas batirla !ina cravacfn
arados
Fitas de todas cores e larguras.
Bordados e ntremelos.
Baleias forradas a 500 rs. a dusia.
t'aixa* com perfumaras.
Porta, dedala 600 re um.
Pisaron de ores a 1*500.
Extractos de diversos fabricantes.
Bico liaos e matisados.
Baleias prc tas a 240 rs. a duzia.
Kalendarios com perfumarlas.
Luvu de seda a 2*000 e 2*500.
Begatas de cores a 2*000.
ESPECIALIDADES
Cruarda p para senhora 10*000. I Palitots de esguilo pardo a 4*500 um.
ruarda-p para homens 6*000. I ^nlitots de alpaca preta a 4*500.
Palitots de seda palha a 8*000. | Palitots de alpaca de cdr a 4*600.
Roupas para banhos salg-ados
Boapa p:.ra homens a 8*000. I Koupas para senhora* a 10*000.
Pitas para meninos a 5*000. | Boleas para o mesaso fim
GASA DE CONFIANZA.
20Ra l.deMar AMA RAL & C.
(
I
\
..**
CAPSULAS
Mathey-Oaylus
Preparadas pelo DOUTOE CLIN Premio Monfcyon
As Capsulrts "nthey-Gayli>s com Envolm ro tlelijad (te. Gluten nao fati<;ao nunca
oestomago e sia reconirnendadas pelos lYofcssores das I'^culdades Q^' Medeiinae
es Mdicos dos Ho9,.iaes de Pars, Londres e New-Vcrk. para a cura rpida dos : C
Oorrimentos witigos ou recentes, a Gonorrhea, a Plennorrhagia, a Cystite |
da Gollc, o Catarrho e as Molestia a Rexiyas e des orgaos gento urinarios.
tu '< ssft> a* Verdaderas Capalas Matbey-Cay.us de CLIN & O, de PaJUS |
*\. qutse achae em ana dos Droguistas e Pharmaceutioos p
VAPOK
-----
FABRICA DE LIVROS DE ESCRIPTRACAO
IRCABURCCaeSo PATACAU
CQanoel J. de CQiranda
-> 'r
N?Ai
N
Aluga-se ou vende se um sitio no Poso da
Panella, junto a cass do >r Loureiro, todo mu*
ra Jo e com bastan e- fru :teiras dand3 fructo I
boa casa com commodos para grande familia, I
qnartos indepeadentes par. criados, coebeira,'
boa agua, perto dos tunaos ; quem pretender,
dinja-se ao caes da Companhia Pernambucana
o 4, araazem. _________
Attendite et vi
dte!
Jos Samuel BoHbo participa ao respeitave
publico que eocarrega e de fabricar bouquets e
Bolos para casamento, baptizado oa outro qual
quer acto, assim como fabrica capellas mortua
us de perpetuas ; a tratar na ra Nova n. 46
3- andar, e ra da Cadeia do Recife n. 43, loja
de salifiro.
iris
sHJ!?
VINHOdeQUINIUM
A-ABARRAQUE
approvado pela Academia de Medicina de Pars,
o resumo, a condensac&o de todos os prin-
cipios activos de quina. Alguns grammM
i* Quinium produzem o mesmo effsito qu
vari* kilos de quina. > (Robiquet, lente da
Escola de pharmaoia de Pariz).
t Tendo procurado por muito tempo um
tonteo poderos*, eneontrei-o no seu quinium
qual considero como o restaurador per
sxcellencia das constituiebes exhaustas
Dr Cabaret >
O Vinho de Qnjinium
Labarraque o mait til comple-
mento da quinina mo tratara ente das febres.
Ot effeitos sdo particularmente notateit
nos febres antigs de accesso e naeachimm
paludosa. (Bouchardat, lente da Academia.)
m todas as pharmaclas. Fabr. L. Prere, 1, ral
acot). Pars______________________
Salo para escriptorio
Alnga-se a sa a do l andar o predio sito
pateo do Collegio n. 77 ; a tratar na loja da '
perapca.
Se solTres porque peres
USA E COVraCER-TE-HAS
CUBA KADH AL
SEM DIETA
DA8
Molestias de pelle
SYPHI LITIO AS.
Darthros, sarnas, ulceras antigs, im-
pingens, bobas, gommas, cancros, rheuma-
osmo e morpha.
Com os prodigiosos
XAROPE L UNGENTO
DE
Hydrocotile Calasana
Applicacao fcilUso sem perigoEf-
feitos promptos, dieta razoavel.
Contra fados nao ha argumentos
Ests remedios sao os mais commodss
do mundo. Envia-se gratuitamente, pelo
correio, direccSes para uso d'estes medi-
camentos admirave8.
Pre90 do .ungento 1*200 o frasco.
-*39
RA DUQUE DE -* CAXIAS hk- 39
NUMERO TELEPHONICO 194
Compra se urna casa de 3 a 5 qnartos, dentro
da Ria: da Victoria o. 15 loja. i
TvTvZTT Preco do xarope 3*000 a garrafa.
aSH eUl linCta Preparados'por Calazans & C.
Cede-se a quem preiiear de banhos salgados, macia Imperial, Bahia.
urna casa ns prsia de S. Prancisco, perto do
mar a casa tem c >mmodos para grande fami-
lia ; a tratar no eseriptori i do Huno.
2/ andar para alujar
Aluga-se o segund andar do predn
o 4 da ra do Vigario Thenorio a tra
Jetar no pavimento terreo do oesmo,
Phar-

I>B OURO
ACADEMIA NACIONAL
^getsswswwsswstsssssM^^s^^f^smu
I" MEDALHA DE
DA ACADEMIA NAC
DO DOUTOR
SADE PARA TODOS.
Pl LULAS HO'LLOWAY
Ab Pllulas pufipoao e Zangue, oorrlgem Mas a iuordom de Estomago
do Intutinoa.
Fortaletam asad da comlitnoots ddicadas s&o d'am ralor incmel para toda as enfenuUadM
. peculiares ao sexo fennuiao em todas as edades. Para es meninas assim como UsmUm para a*
pessoas de kiade avanfada a sua efficacia e ineootestaveL
Kssm Tf^-'-rt do pr -oonut >6nienU ao FiUlwlarianlo do Pnanwr HouosrAV,
7t, VXW OXPOEi) ST&UT (antes AS3. Oxford StMat), WMSBMS,
E vwdM > todas as pharmsciat do unireno.
ros oaiinliin m ccTidaSo psinaimit a !' Toado, da casa eassa PoaneaSol
dinosso, J33, Oxfard Scnet, aso f
lNUiOO DE-SINOS E BR0N2I
LUZ da i:kuz *Mum
66ra do Barao do TriumphoGfi
feTj para vender o seguimte:
HachlnN de cobre para fazer espirito de destallar o rastilla.-.
AlaiBl>l|ia*3i de cobre do aut go e novo systema com esquente garapa.
Serpentinas de cobre e de estanho.
Carpneas de cobre.
Tallas, taixoB caldeiras de cobre
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes c continuas.
Tornef ras do bronze e madeir^ d todos os tamanhos.
(nos de cobre, de chumbo e do ferro.
Re|arlidelras,passadeiras e escuroadeiras de cobre e de ferro estanhado
Cobre em lenco! e rmelas
Sola ingleza c do Rio.
CadinisOS pateute e de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectos.
ENCAKKEGAM-tE le qualquer aoncerto e obras de encommenda, garan-
tido prtstera, perfeiyao e precos mdicos, para o que tem nessoal habilitado
VEi\UE a oraso ou diubeiro com descont.
VIVlElV
eos EXTRACTO de
FIGADOoEBACALHtC
Mais effleaz anda do que a oleo escaro. Oe sabor
multo agrada ni. Sem delxar terceber o menor me gasto.
t receltsdo por todos os mdicos pr.ra o
Hachitismo, Escrophnlos, Anemia, Tsica,
Catarrho Pulmonar, ConstipacOea.Chloroe*,
Molestias do Palto, etc.
Em todas as Pharzaaoias
PARS, Boulevard de Slrasbourg, 50
Deposito no Recife
Francisco Manoel da Silva & C.
Ra Mrquez de Olinda n. 23
Admimstrtcio : PARIZ, 8, Boulererd Montmartrt.
GRANDE-GRILLE.- MMeSM lympbatteat, Doen-
SvdaavMS lij!cstiTa,Obstrac HOPITAL. Afli).-coc4 das rlat dt.'i1llaJ, Infinimo-
ilos ilu olomago Digenao difri), ln i|.petcnria,
Gatiralg. Dy>epsia.
CLESTINS. A(f -i'm".^ ilet ras, da bastea, Arcias,
Conrn-{i'S 'la .urina,Oo:a, Dubatis, Albuminuria.
HATJTER VE. ASscfSsfdasfkt.da bexi?a. Areias
Loncri: exija-se o sor; a foite na capsula
Em Perrambuco, s Aguas das Fo.ic* d* Vichy.
si'imi r.om-^das, jciiao-se e>Q casas de
SULZER AKOEGHLIN,35.ruadaCruz; AogLABlLLB.
ra
Cozinheira
Precisa se de urna boa cusinbeira para fam
lia que est temporaramen'.e em Caxang;
traa no esc -iptorio da companhia de bonds.
Muito barato
Aluga se a casa n. 39 da roa General Ser;
aotiga do Jasmim ; a tratar na taveroa junto.
Instrumentos de msica
para banda maalcal e orehealra
tcaba de chegar um bonito e moderno sort
ment para o Pantheon Mu.-ical, na Ni, "a nu-
mero 13.
O homem do moto continuo quer fallar
com os engenheiror- do Estado de Per-
nambuco no dia 12 de Fevereiro do coi-
rente anno.
Para tal fim convida t.mbem a c'asse
dos cidadSos sci< nticos, bem as meninas
de' 13 annos-e foiis pais.
1110 Sli
NO
THE4TR0 SANTA ISABEl
\ dia il dr PeTereiro
(Prximo vindouro)
Sendo que o governador d'este Estad
d o devino cotisentimerito e precisa ga-
ranta, luz, etc.
* 2 de Janeiro de 1890.
O ESCR VAO,
Chtie Brezil.
Casa e.i Olinda
Aluga sp a de n 3 a ra ao largo da igrej. com i>ons commodos, frese,
rom agua e quintal murado ; a tratar na mesas
casa ou no largo Mrquez doHerval n. 3, antigs
da Concordia.



M

-

-

":*-*

..
l



8


-


t-^-
Dlario fie Vrrambuco--Sxla-feira 31 He Janeiro de 1830'
Prfento riw putt
I Approvado pe!s. mustiada at de
Hygiene PnMic?. i.' Corta.
Auctorisado por Decreto Imperial
de zo de Junho de 1883.
COMPOSICAO
de
Firmino Candido de Figueiredo.
I
i
1
-:
-i
4
Empregado com a maior eflicacia no
rheumali'iw de qualquer natureta,
era todas as molestias da ptllt, -as
leucorreas ou /o- brancas, nos
soffriir-eiitos occasionados pela impureza
do sangtte, e filialmente MI ditfcreotcs_
(rmas da sypliiUs,
Dse Nos primeiros eis dias ama
colher das de cha pela manh e outra
noite, puramente ou diluida em agua
e em seguida mudar-se-lia para colhe-
.es das de sopa para os adultos e me-
tade para as crianzas.
Rgimen Os doentea devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
duroso; devem usar dos banhos fros ou
momos, segundo o estado da molestia.
DEPOSITO CENTBA1
FfancibCO Manoel da Silva & C.
Droguistas
23 Ra Mrquez de Olinda
Pornanibuco
PPPWW -t-^-i-'T-r"
Gimento
A o800 a barrica ; vendem Fonseca Irmaos
BUZm--su---asusasus
VENDAS
Carnaval
0 Baza- doRecife, ra Mrquez de Olinda n.
1 L rec beu grande sortimento de mascaras de
todas a qualidades vendest- era grande- c
pequeas quantidido a precos muito razoaveis:
na cfamda loja de miudeza* Bazar do Recif., de
Domingc 8 M. Martins. _______ _____
Attencao
Vende-se farello do Rio da Prata. coa. 4i ki
los, a 2400 ; na ra Mrquez do Herval n. 73.
Paulino
Ra do Imperador n. 28, an-
tiga cara de campos
Tem sensp inportante vinbo Palbete ser-
cerveja Paulioo Hiere o deicioso vinbo Musca
le aos cepos. Doce sceo de caj, em calda
estrangeiros. licor de canella de ortela pimenta
e o grande licor de cervejas ; 'um completo sor-
timento do que ba de maisfino e puro________
ainhas
Vende-se em barris e quartolas, na ra de Pe
dro Affonso ns. 11 3. ____.
Criado copeiro
Precisa se de um menino de 12 a 14 annos
que eutenda do servico de copeiro : no sitio n
5 da estra !a de Joao Fernades Vieira, casa
amarella_______________________________
Mercearia
Vende se a imnort inte casa sita ra Paulino
Cmara (ant.'ga Lamta do Carao) n. 2, porseu
proprielario ter de retirar-se para fdra por causa
de molestia ; a referida casa torna-se recom
mendada ja pela boa locadade, assim como
ocla boa fregui-zia que tem : quem pretender,
pode se dirigir mesma casa, que acbar com
quem tratar. ______________
Bonito
Vende-se a propriedade denominada Pedra
Dourada, com cxcellen'es matis das inelhores
madeiras para construccOes. situada na "comarca
de Bonito ; a Irat r na cidade de Bezerros, com
Guitbermino Te vares de Medeiros.
1
rOLHETIH
ODIO DE TIGRE
POR
ZEtf.il TSSSIEE
PRIMEIRA IMHTK
mmmA
(Continuacao do n. 24'
Presidio 0 mala apurado gusto aquel a
instaliac'o ; ou porque .s circumstancias
o favoreiesaem admiravelmente, ou por-
Iue dispuzesse de raras qualidade. de ama-
ur artstico, o certo que Weber so ibe
fazer da aua habitacao um ruuseu digno
as attencoes dos mais exigentes entende-
dores.
J nao era m estrs, para um araerca-
99.
Esta tnanera de se apresentar em
Pariz pareca indicar urna fortuna red
e positiva e um tacto pouco commum, e
provava que eese estrangeiro nao era um
imples parven. }
Os criados comecaram a contar, os
psrteiros a repet r, os visinbos a enca-
recer, e d'ahi a pouco ninguem fallava,
desde o boulevard nw de Clichy, seno
oa esplendores do reeem chegado.
Alguns espiritos phantasiosos evoca-
ram a lembranc* do Doutor Negro, mas
alo fizeram mais do qu* provocar o riso.
Aquelle era branco, de alta estatura,
elegante como Brnmnv 1, e, salvo urna
physionomia fria_ e altiva, conseqaencia
sem duvida do aforado estado, e de um
copticismo fillio do conhecimento do co-
racao humano, era um cavalhero em
toda a extens&o daVpalavra.
Para eng-enhos
Lopes & Araujo, venden.
a presos sem competencia
iranlindo a boa qualidade.
os artigos abaixo mencio-
nados.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato. .
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
Potassia da Russia em caixaf
de 10 e 25 kilos.
Cimento Porttend.
Graxa em bexigas.
Roa do Livraraento n. 38
Telephone 316
as Listras Azaes
A Grande Novidade
PARA MODISTA
TIA\i; 41 JIMS AMERICANOS
Com molas para augmentar ou diminuir a
grussura do corpo.
Qualquer senhora rragra ou gorda pdela
zer scus vestidos sem necessidade de
provar.
Fecha-se como qualquer chapeo de sol.
Preco i Mosquiteiros Americanos
Com armacSo de differentes tamanhos.
aiotOOQe l*OOQ
Ettante8 para Msica
Para amadores ou profissionaes ; fechase e
rica de tamanho de urna flauta ; muito
fcil para conduccSo.
Pre^o �
Celfuloid
Colarinhos Peitos e Punhos
Lindos modelos, muito til aos viajantes
Prero 5&O00 um terno
Rdogios Espertadores
om movimento, e figuras muito lindas para
mesas ou para presentes a 6)5000, 8(5000.
10(5000_______________________
Oleados para Mesas
Quadrados ou de qua.'quer tamanho que
Ge deseje.
A l*.%00 cada qoadrado
Retratos a Oleo
Com lindas molduras em alto relevo, o que
ha de mais lindo para um presente e
para sala de visitas.
a 15*000 e mala proco
Qualquer familia que desejar ter um lin-
do e perfeito retrato bastante mandar
um retrato em cartao de visita nao im-
porta que seja antigo, basta dizer a cor
dos olhos e do cabello para chegar um
retrato desejado.
Para ver, e fazer encommendas
Dirija se Loja das Listas Azues
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
Leite puro
Na estrada de Joo Fernandes Vieira, sitio .
go depo8 das casas novas da direita, vend? ;
odos os das leite puro de vaccas taurinas e 4
erra, garante-se a qualidade do leite.
Rudimentos de grammatica
ingleza pelo Dr. Barros
Sobrinho
A' venda, na praca da Independencia n. 24, e
em todis as livrarias, menos na da ra do Im-
perador n. 46.
As suas consultas, a que durante mais
de um trimestre poucas pessoas concor-
riain, tinham lugar do meio dia s qatro
horas.
As quatro horas e meia, de verao em
phaeton e de invern em coup, duas car
ruagens primorosas, atreladas parelhas
pur innrj, iam buscar o doutor e condu-
ziarri n'o ao Bosque de Bolonha, onde pas-
seiava pensativo e austero at hora de
juntar.
A' noite viam-n'o sempre s e sempre
seno, na Opera, no tneatro Francez ou
nos Italianos, onde a carruagem ia bus-
cal o sahida.
As pessoas de seu conhecimento davam
tratos imaginacao a ver se adivinhavam
quem seria aquelle homem de urna tal
frieza exterior, mas ao mesmo tempo tilo
delicado e to distincto.
Mas em Pariz, onde os verdadeiros ami-
gos se'vm tao poucas vezes e se oceu-
pam tSo pouco uns dos outros, que pode-
ria resultar para o Dr. Weber daquellos
relaySes ephemeras ?
Nada.
E elle depressa o comprehendeu.
E quem olhasse para dentro do coup
que a trote largo levava o medico para o
seu consultorio deserto, ficaria sorprendi-
do de ver aquelle personagem fleugmatico
rasgar as luvas em violentos accessos de
colera e soltar imprecarles o blasphemias
sem numero.
Urna certa noite, ao chegar casa, fe-
chou-se no seu gabinete, tirou um revol-
ver da gaveta da secretaria, carregou o,
po'.tou-se diante do grande espelho que
or.ava o fogo, e, oihando sem empalli-
decer para o instrumento de morte e con-
".','ii'plaiiJ > se em seguida com a mesma
tranquillidade terrivel, murrhurou :
Se dentro de quarenta e oito horas
11 diabo oao vier em meu auxilio, irei eu
ter com elle.
Durante alguns instantes ficou pensati-
vo, brincando machinalmente com o re
volver.
De sbito, voltou-se vivamente para um
pequeo quadro, emmoldurado em bano e
pendente da parede, .por detras da sua se-
cretaria.
As sobrancelhas franziram se-lhe, e os
olhos de um fulgor semelhante ao da la-
mina de urna espada, ou de um punhal so-
bre que incidissem os raios do sol.
Quarenta e oito horas! repetio
Especialidades
PASTILHAS HIGINICAS PARA
AC ENDER O.FOGO, supprimin-
do o immundo kerosene e dan-
do n'uui instante um fogo inten-
sa, a caixa con; 20 astilhas iUO rs
0LE0GR \MIIAS: Io. A imnortan-
te obra prima de Vctor Meirel
le : A Primeira Uissa no Br-
zil,grande quadro histrico da
descoberta do Brasil, medindo99
X 76 ceotimetros de valor real de
184 (poucos exemplares) 6000
2 SCENAS DE CORRIDAS, qua-
dros de cavallos admiravelmente
desenhados e proprios para sa-
las. 26 differentes, um l000
3o RETRATO DE SADI CARN0T,
presidente da repblica france-
sa, o melhor ainda publicado 1J000
CAMISAS DE FLANELLA para ho-
mens. urna de t a 54000
PERFUMARAS, artigos para presentes. Quadros
e albuns para retratos. Carteiras para cigar-
ros e charutos. Cigarreiras e cbarateiras de
mbar e espuma verdadeiros. Bengalas. Pa-
Eelara. Lengos de linbo a 4500 a duzia-
eias. Espartilbos. Leqaes. Bonecas e brin-
quedos diversos. Fitas. Bordados. Luvas de
seda pretas e de cores e outros amitos artigos
de miudezas.
Mai* barato do que em outra qual-
quer parte
NA
Rain ha das Flores
Roa do Baro da Victoria u. 41
W11SEV
Royai Bien, marca VADU
Este excellente Whisky Escocez prc
i'erivel ao cognac ou agurdente de car,.
para fortificar o corno.
Vende-se a retalho nos melhores arnir.-
zens de molhados.
Pede Royal Blend marca Tlado,
cujo nome e emblema sao registrados pan
todo Brazil.
__________BRQWNS & C, agentes.
Pao centeio
Mello & Biset tendo recebido nova remessa de
farinha centeic, avisa aos seus freguezes que
continuara a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga do
Rosario a.W.______________________^^
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
Os proprietarios do Armazem Central, ru
do Cabug n. 11, avisara aos seus distinctos fre-
guezes e ao respeitavel publico que receberara
nova remessa ueste especial vinho, o qual Be
-ecomraenda por ser puro da uva, e s se re.
Iha em *eu armazem.
Joaquim ChristovSo & C
Telephone 447
Farello superior, 42 kilos
t*.oo o sacco
Vende se no largo do Corpo Santo n. 6.
Livraria Contempora
nea
Instrumentos de uauslea
BomDardao. bombardino, barytono, trom;
trombone, helicn, saxaphone. carrilon, bomb
caixa, pratos.clarinitas nautas,rabecas, violoe
realejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quartos, gabinetes, corree
res.
Molduras
dourada, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viacem, diversos formatos, especialmor.
para roupa de senbora e camarote.
Novidades
para presentes, escriptorio. toueador, etc., eic
I!AMIRO M. COSTA & C.
Ba Prlmelro de Harro n.
PI4N0
Vende-se um ptimo pia-
no, quasi novo, do autor Fe-
HppeHenriqueHery; a tra-
tar na ra da Imperatriz n.
7, loja de piano.______^^
elle. E' bastante, comtanto que se saiba
aproveital as. Nao me tornei eu quasi ri-
co e medico em trinta minutos ?
O quadro que o americano contempjava
era um diploma de doutor, devidamente
sellado e assignado, concedido a Petrus
Nathaniel Weber, de vinte e seis annos
de idade, natural de Nova-Orleans.
Este diploma tinha a data de 1867.
Pouco depois, o medico soltou urna gar-
galhada sinistra, tornou a metter o revol-
ver na gaveta de onde o tirara, bebeu um
copo d'agua com cognac e deitou-se tran
quillamente, murmurando :
* Amacha acharei. Primeiro me-
lhor dormir sobre o caso.
No outro dia de manhS, acabava Petrus
Weber de vstir-se, quandp o seu criado,
um italiano, entrou no qua'rto e lhe apre
sentou um bilhete de visita.
Quem Armi?
O conde de Colmar, responden *o
criado.
Que typo tea elle ?
E' um velho do aspecto doentio.
Nao digo isso... a apresentacSo.. '
Ah j percebo... Muito bem ves-
tido, cam boa carruagem e soberbos ca-
vados.
E tem brazSo na carruagdm
Brazao e coroa.
Bem ; manda entrar |esse cavalhero
para o meu gabinete e pede-lhe o favor de
esperar um pouco.
Armi sahio.
Pelos labios de Weber errou um sorriso
de triumpho. <
Ja ser o que eu espero ? murmu
rou elle. Estarei sob o iufluxo de urna
estrella benfica ? E porquo nSo ?
Cinco minutos- depois, absolutamente se
nhor de si, o medico entra va no seu gabi-
nete.
O conde de Colmar, que estava sentado
n'um fauteu, fez mencao de se levantar ;
Weber impedio-o com um gesto e foi sen-
tar se sua Becretria.
Doutor, comecou o doente, nao te-
nho a honra de ser conhecido pelo senhor,
e no emtanto conheco-o perfeitamente.
Como assim,'senhor?
Ora, da maneira mais simplas deste
mundo. Encontrmo-nos j por duas ou
tres veaes no Theatro Francez e na Ope-
ra.
' E o senhor conde chama a i sao cs-
nhecer-me perfeitamente ?
Para eogenhos
QUIMAKAES & VA LENTE, partee.
pam aos seus freguezes o Illms. Srs. de
engenho que, como sempre, tm grande
deposito dos artigos abaixo mencionados,
garantindo tudo de primeira qualidade e
presos sem competencia a saber
Cal nova de Lisboa,
Dita de Jaguaribe.
Cimento portland.
Oleo de mocot.
leos americanos
especiaes para machinismos.
Azeite de coco,
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em lata.
(5 ga!8es.)
Kerozene inexplosivel.
Graxa em bexigas.
GaxetdL de linho.
Potassa dn Russia.
(em caixas, barriquinhas, latas grandee
e pequeas.)
Formicida Capanema.
6--Corpo-Santo6
Codito
Ra da Imperatriz n. 56
Crande cstabeleclmento de modas
e fasendas flnas
Completo sortimento de fazendas em tecidos
de novidade e escrupulosa escolha que recebeu
directamente da Europa. Variadssimo sorti
ment em fazendas pretas, merinos, cachemiras
lisas e lavradas, etarri.es de seda, domares,
chamalotes, capas e visitas, especialidade neste
genero, em seda, gase e cachemira, ricamente
conexionadas, mantas e mantilhas de renda,
etc., etc., leques e luvas. Especialidades em
fazendas brancas, brarxantes de linbo puro e
algodao e linbo, morim, grande variedade de
marcas especiaes, so ene jotrada na loja C jelho.
Telephone489
Domingos Coelho S: floares
Silhoes inglezes para
montara
Venden se dous eiIhOes inglezes em bom es-
tado, qnasi novos, e por prco commodo ; na
ra Nova n. 13.
Atlenco
a
Para os doente. o* de saude e prin-
cipalmente as crlancas
D. Jeronyma Cousseiro participa aos seus nu
meroso freguezes e ao publico em geral, que j
se achti expesta venda as euas bem conbecids
fculas de araruta e matarana por ella prepara-
das, da nova safra do anno prximo passado, nos
seguiuies estabelcciraentos dos cidados :
Vaiconcellos & Sobrinho, ra da Aurora n. 81.
- Moreira Ribeiro & C. ra da Imperatriz n. 2.
Paulo Jos Alves k C, ra liarao da Victoria
numero 60.
Zeferino Valente & C caes 22 de Novembro
numero 4'.
A. M. Veras & C ra Duque de Caxias n. 37,
pharraacia americana.
Pereira da Silva Lisboa, ra do Imperador
numero 14.
Manoel Jos Vieira 4 C, ra larga do Rosario
numero 14.
Botelho Rezende & Filbo, ra da Ib; a (Espi-
nheiro). ____________
Kiosque
Vende-se o grande a/araado kiosque bem afre-
raezado, confronte a escola Modelo, o motivo
dir- ie ha ao comprador, faz se toda concessao ;
a tratar com Silva Azevedo C, ra Mrquez
do Herval n. 73.
De certo; e vou provar-lh'o.
O conde de Colmar repoltreou se com-
modameute no fauteu e estendeu negli-
gentemente s pernas.
Weber, coro os olhos semi-cerrados, es
tudava com urna curiosidade febril o ex-
cntrico personagem que tinha diante de
si, e que adiviuhava viria a excrcer urna
grande influencia no seu futuro.
Era um homem de sessenta annos, mais
alto do que baixo, curvado pela idade ou
pela dvenca e de urna magreza excessiva.
Tinha a fronte espacosa, era calvo, pos-
suia um olhar severo, velado por espessas
sobrancelhas; tinha o nariz aquilino, os
labios delgados e descorados, s faces en-
covadas e cheias de rugas.
Em summa, um aspecto pouco agrada-
vel, aggravado ainda pela tez amarellada
e salpicada de manchas lvidas, o daqselle
cliente matinal.
Entretanto tinha um ar distincto e pos
suia,. qualidade rara, o dom de attrahir a
attencSo, especie de magnetismo de certas
organisactes poderosas, que se impSem
logo primeira vista.
Involuntariamente, o americano recoahe-
ceu que estava alguem sob aquelle involu-
cro doentio, atraz daquella physionomia'
magra e repeliente.
E, por um movimento machinal, incli-
nou-se perante o anciSo, que proseguio:
Para quem tem vivido muito, dou-
tor, fcil o estudo do homem. A nntu-
reza, que faz tudo co scicnciosamente, p3e
por assim dizer, em todas as suas obras,
urna marca especial, exactamente como na
moeda se faz aos metaes.
i Basta, pois, para conhcecer um ho-
nem ver a assignatura de que elle usa,
saber o qm e qu-nto vale. Ora, meu
caro, Cbampollion foi o decifrador dos ca-
racteres uniformes dos egypcios ; pois eu
tenho a pretenySo de ser o Champollion
do genero humano.
A isso tenho apphcado todas as for-
cas da minha intelligencia, e francamen-
te, modestia a parte, creio nSo ter perdido
o tempo.
c O acaso collocou o senhor no meq ca-
minbo, e eu, primeira vista, formei logo
urna opiniao.
c Mas como ainda assim isso nao bas-
tasse, preparei dextramente varios encon-
tros entre nos, e boje estou plenamente
convencido de que o. senhor o homem de
que eu preciso.
A FLORIDA
Fitas lavradas com um palmo de larg.-
ra a 2^000 o metro.
Papel de arroz de todas as cores.
Chapelinas modernas a 5)5000.
Rendas hespanholas de todas as oDfJS
pretas com c sem vidrilhos.
Lindas guanicoes de vidrilhos pretos pa a
casaco.
Grande sortimento de galSes, palmas e
rozas de vidrilho preto.
Bicos matisados de urna s cor como se-
am, granad, azul, rosa, beije, palha, chum-
oo, salmn, trra cote e mu i tas outras cores.
Sabonetes perfumados a 500 rs. a du i
Lindos desenhos para talagarca.
Lencos de seda a 500 rs.
Bicos de seda e de algodao coir e sem
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 55000 e 40<-
a duzia.
Bordados de cambraia tapada a 400 50-'
600 e 800rs.|apeca.
dem com 3 e lj2 metros, de qua'quer
argura a 1200.
Len$os de linho em caixinhas a 3500- a
dita.
Meias para homem, duzia a 45000.
dem para senhora, duzia a 45000.
Finas pulseiras americanas a 45, 6c e
85000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama a
125000, 175000 e 195000 o par, alg, ns
de cores.
Ditos para anellas a 75000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 e
15000.
Ditos para sof a 25000.
Capellsa com veo para noiva a 6500 e
Lindos enxovaes baptisados a 85 105 e
125000.
Toucas de setim para baptisado a 35, -' e
55000.
Grmaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 25 > pa
Ditas de seda para creanca a 15000.
Dita para moca a 15500 o par.
Espartilhos para creanca a 45 e 45500.
Ditos para senhora a 45, 45500, 55000 e
Linha de machina a 60 rs. o carritel.
Linha de machina a 600 rs. a duzia.
Albuns de pellucia de diversas cores.
Livros de missa a 15500, 25000, 2550<
35000, e 35000 cada um.
Lindas luvas de seda com salpicos e corr
listas, gosto moderno, a 25500 o paz.
Toalhas para banho a 53O0.
Toalhas para rosto a 300.
Toilhas para mao a 160 rs.
Babadores com inscribes e paizagem a
500 rs. e 450000 a duzia.
Espelhos grandes com mulduras finas de
cantos re londos a 45000 e a 65000 urna
Bengalas flauta.
Grande sortimento de luvas de seda arree
" dada com palmas canno comprido a
15500, 20005 a 25500.
Ra Duque de Caxias n. 103
Superior vinho de Al-
cobaca
0 acreditado e antigo armazem do Lima par
ticipa ao publico e aos seus freguezes que acab
de receber urna nova remessa deste especia)
vinho, escolhido propriamente pelo chefe desta
casa, tornando-se recommendado por ser purc
e de boa qualidade. Jos Fernandes Lima i C.
ruaBarao da Victoria numero 3, Telephone323
Farello superior 42 kilos
2<500 o sacco
Venae-se no largo do Mercado n. 12
Alfafa nova
chegada directamente, a 120 rs. o kilo, ou 6*000
o fardo ; vende-se no largo do Corpo Santo nu-
mero 6.
E de que homem precisa entao o Sr.
conde ?perguntou o Dr. Weber, muito
intrigado com aquelle prembulo.
Em primeiro lugar, de um medico.
Padeco horrivelmente do ligado ; urna
molestia contrahida as colonias, onde es-
tivo muitos annos. Bem sei que vai di-
zer me que este mal incuravel. Tam
bem nao venho pedir-lhe a cura; apenas
desejo alguns allivios e o meio de prolon-
gar a minha vida at cumprir a trela que
me impuz.
Farei a diligencia.
Depois, quando nos conhecermos me-
lhor, veremos se o medico pode a deve
tornarse o amigo que ha tanto tempo pro
curo.
Confesso lhe, senhor, que a excen-
tncidade das suas propostas...
Sorprende-o, nao assim? Acredi-
to, mas nao tanto, ainda assim, quanto o
senhor pretende convencerme.
' O senhor, homem na mais lata ac-
cepcao da palavaa, ist3 um ser torte,
que nao verga ao jugo do preconceito e
que em caso de necessidade saberia ven
cer'quaesquer obstculos que se lhe op-
puzessem consecucao de um fim. N2o
isto?
Realmente nao sei...
Sabe, sabe... e at muito bem.
O Sr. de Colmar olhou fixamente para
o americano; e repetio :
Sim. o senhor sabe muito bem.
E depois de urna pequea pausa, con-
tinuou :
Al n disso, o senhor ambicioso
e... Olhe, quer que lhe falle com toda a
franqueza ?...
De certo.
Apezar do luxo que o rodeia, e que
nao passa de um lago armado aos imbecis,
o senhor est pobre, confess...
Senhor1 ..
Bom, nSo nega.' Eu logo vi que me
nao tinha engaado. Ora, eu son rico,
muito rico, immensamente rico Preciso
do senhor, e o senhor precisa igualmente
de mim. Seja-rre, pois, dedicado. Pa-
gar-lhe-hei com largqeza, e alm disso dar-
lhe-hei conselhos que lhe permittirSo rea-
lisar os seusBonhos mais arrojados. Quer?
Oh 1 se
quero
Perfeitamente. Eu sei tanta cousa,
que vendo agora a vida oomecar a extin-
guir-se-me, ju'gaf-me-hia feliz em dar a
Lfquidacjio para acabar
_ Na RewlBtfto
ra Dttque de Caxias n. 48
Por cstarmos no fim "do anno, resolve-
mos vender por menos 50 por cento aa
seguintes fazendas.
Etamines de cor a 300, 400 e 500 rs. oco-
vado.
Cachemira com toque de mofo com duas
larguras de 25 800, covado.
Zephir de quadros modernos a 120, e 160
e 200 o covado.
Las de quadros modernas a 200 e 240 o
covado.
Cretones miudinhos a 200, 240, 28
320 o covado.
Cachimira modernas de quadros de 25000^
por 15000 o covado.
Merinos lizos a 200 e 440 o covado.
Ricos cortes de cachemira bordados de la e
seda de 805 por 305 e 405".
Ditos bordados de lynon de 185000 por
105000.
Ditos de cretone com barra a 65000.
-Htos modernos de setineta a 75.
Las com listas de seda a 400 o covado.
Seda Japoneza a 200 e 240 o covado.
Bramante com quatro larguras a 15000 e
15200 o metro.
Algodao trancado para toalha a 150(0 o
metro.
Coronados bordados para cama a 65 o par
Ditos de crochet a 105.
Etamines finas para vestido de 165 a peca
por 105.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
FuBtao de cor para roupa ds homem a 500
o covado.
EsguiSo pardo e amarello para vestido a
360 o covado.
Velbutinas de listas e quadros a 800 o
covade, para acabar.
Setins chamarlotado de todas as cores a
15500 o covado.
Bicos brancoa e de cores a 15500 e 25000
a peca.
Lencos brancos com barra a 15200, 15800
e 25000 a duzia.
Fechus de retroz a 15000 um.
Luvas de seda,todas as cores, para senho-
ra a 15000 15500 e 25000.
Espartilhos couraca a 45000, 55000 e 65.
Cachenez para homem e senhora a 15508
um.
Costumes de Jersey para criancas de 4 a
5 annos a 75000 um.
'asacos de Jersey para senhora, a 65
um.
Pannos de crochet para cadeiras a 500 rs.
um.
Lencol de bramante a 15600 um
Cobertas forradas para casal a 25500
urna.
Toalhas para enanca a 120 e 160 urna.
Cobertores brancos de la com pequeo de-
feito a 25000.
Lencos de linho a 25000, 35000 e 45000
a duzia.
Ceroulas francezas, a 15000, para acabar.
Colchas adamascadas, a 25000, 35000,
45000 e 55000 urna.
Ditas de crochet, a 45000, 55000, 65000,
75000 e 85000 um.
Cortes de cachemira a 35500, 45000, 55
e 65000 um.
Cortes de fustao para collete a 500 rs.
e 15000 um.
Ditos de velludo bordado a seda a 25000
um.
Camisas brancas de linho para homem a
25000 urna.
Ditas de meia. superior qualidade, a 15
urna.
Brim branco de linho de 45000 por 25500
vara.
Renda hespanhola a 25 o covado.
Completo sortimento de cachemira^e c6-
res e pretas para costumes, precos sem
competencia, assim como aprompta-s; qual-
quer costume em 24 horas.
S na Revolucao
HENRIQUE DA SLLVA MOREIRA
alguem o superfluo de experiencia,'que j
me nSo pode servir.
Quer ser o meu medico ?
Eu sou difBcil de aturar, exigente, de
um trato desagradavel s vezes; m is pa-
go bem, o que lhe far esqueeer estas mi-
serias, e mais taade veremos se capaz de
desempenhar a missao que lhe reservo.
Aceita ?
Aceito, respondeu com firmeza o
americano.
Muito bem. A contar de hoje, re-
ceber o doutor cem'luizes por mez, com
a con di cao de ir visitar-me todos os dias.
Farei o que deseja, Sr. conde, mur-
murou Weber, que fechou os olhos"para
dissimular a alegra que delles lhe irra-
diara.
Aqui est o primeiro trimestre dos
seus honorarios, continuou o Sr. de Col-
mar pondo sobre a secretaria seis bilhetes
de mil francos, e como nao gosto de con-
sultas fra de minha casa, l o espero s
tres horas.
Serei pontual, quando nao fbsse por
outro motivo, ao menos para manifestar a
minha gratidao.
Nao me falle em gratidXo, doutor.
Estamos tratando um negoio, e nada mais.
S de si depende fazer a sua fortuna com
esse negocio.
t Que vale o "senhor como medico ? ig-
norlo ; mas til para nos ambos que o
senhor tenha urna boa clnica.'
f Dir Ihe-hei como ha de consegu la e
o que ha de fazer deila.
Ensinar-lhe-hei tambem... mas em
minha casa fallaremos a ease respeito.1
At logo, Sr. conde, despedio-se o
doutor, quando o velho fidalgo sahio.
Depois, cheio de urna alegra febril,
apalpando-se, julgando nSo estar era si,
exclamou:
Ser1 isto um sonho ? NSo, nao !
Tinha marcado qaarenta e oito horas e o
Sr, de Colmar adiantou-se dia e meio !
H -
Que tesultou do enoontro do Sr. de Col-
mar e do Dr. Weber? .
Como realisou o velho pb promessasque
tfio abruptamente fizera ao medico ?
E' o que a seu tempo diremos.
> _______Continuar se ha)
'^Typ. do Diana ra do Duque de i.axias i.. 41

!

3-

*
i

i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWKFX2QYM_PIBZHO INGEST_TIME 2014-05-21T22:30:51Z PACKAGE AA00011611_17089
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES