Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17081


This item is only available as the following downloads:


Full Text
AK20 LXVI NUMERO 17

QAETA-FEIR 22 PE JANEIRO DE 1890
s .
'
-
I

. II
DIARIO DE PERNAMBUGO
Propriedade de Manoel Figueira de Fria
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Por tres mezes diai.tados.
Por seis ditos idem......
Por um anno idcm......
Cada numero avulso, do mesmo dia.
65000
120000
23000
5100
Os Srs. "J^iriedet Prince & C.
de Paris, s3 os nossos agentes ex-
elusivos d annuncios e publica-
res na Franca e Inglaterra.
Vllhos
PARA DENTRO E FORA DO ESTADO

Por seis mezes adiantados. 13#500
Por nove ditos idem. ..... 200000
Por um. anno idem. 260000
Cadahum.ero avulso, de dias anteriores. 100

TELEGRANHAS
Gullon Iglesias, dito das Colonias.
Becerra, dito do Commercio e Agricul-
tura.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
21 de Janeiro de 1890.
W1$ TAEIlSLAa SO BIABIO'
RIO de JANEIRO, 21 de Janeiro, s
3 horas e 30 minutos da tarde-
Foram publicados decretos :
Conservando o antigo hymno como bym-
no nacional;
Adoptando para hymno da pvoclamaySo
do Repblica a coroposicSo de Leopoldo
Miguis e a poesa de Medeiros e Albu-
querque ;
-Subtituindo as leis obre legiolacSo hy-
potbecaria, exec joes civeis e commer-
ciaes.
Ocaixa do Telegiapho Nacional foi ^literatura Brazlleira do scalo
XVI ao romero do XIX
solt mediante flanea.
l nmmm ssazileisa
VNOS
T2MP0S C0L0NIAKS
mi& A A&ECI um
LISBOA, 21 de Janeiro, pela manha.
Um decreto real, que acaba de ser pu-
blicado, pronuncia a dissolucao da Cmara
dos Deputados, marca a data das eleicSes
para o fim do mez de Fevereiro e convoca
a reuniao da mesma Cmara para o dia 19
de Abril.
MADRID, 21 de Janeiro, pela manha.
novo ministerio ficou definitivamente
constituido sob a presidencia de D. Mateo
Sagasta, s?m pasta; os outros ministros
sao :
Vega de Armijo, ministro dos Negocios
Estrangeiros.
R. Capdepon, dito do Interior.
Eguilior, dito das Fnanas.
Puigcerver, dito di Gra9a e Justi9a.
Bermudez, dito da Guerra.
Romero, dito da Marinha.
ESBOZO HISTRICO
V
(CoBtinuacIo)
ODE
RAIXHA D. MARA I
Iovisiveis vapores
Da baixa trra, contra os ceas erguidos,
Nao offuscam do sol os resplandores,
Os padres erigidos
A' fe real nos peitos lusitanos.
Sao do prlmeiro Affonso conbecidos.
A nos americanos .
Toca levar pela raio mais justa
Do throno a f aos derradeiros annos.
Fidelissima augusta,
Desentranhe riquissimo tbesouro
Do cefre americano a mi robusta ;
Se o Tejo ao Minho, ao Douro,
Lhc apona um rei em bronze eternisando,
Hostre-lbe a fllha eternisada em ouro.
Do throno os resplendores
Fagam a nossa gloriat e vestiremos
Barbaras peonas de diversas cores.
Para nos so queremos
Os pobres dons da simples natureza.
E seja vosso tudo quanto temos.
Sirva a real grandeza
A prata o onro, a fina pedraria.
Que esconde destas trras a riqueza.
Ah 1 ebegue o feliz dia,
Em que do novo mundo a parte inteira
Actame o nome augusto de Mana.
Real, real primeira,
So esta voz na America se escute,
Veja se treuiu'ar urna bandeira.
Rompam o instavel sulco,
Do pacifico mar na face plana
Os galeoes pesados io Acapulco.
Da3 serras da Araucana
Desgam nages coufusai differectes
A vir beijar a mo da soberana.
Chegae, chegae contentes,
NSo temaes dos Pizarros fiereza,
Nem dosseus corapanheiroa Insolentes.
A augusta portuguesa
Conquista coraces, em todos ama
O soberano autor da natureza.
Por seus fibos vos chama,
Vem por o termo a nossa desventura.
E os seu3 favores sobre nos derrama.
Se o Rio de Janeiro
So a gloria de ver- vos merecesse,
Ja era vosso o noro mundo inteiro.
Eu fleo que esteiid}ge
Do cabo a mar pacificas* medid as
E por fra daHatama as recolhesse.
Ficavam incluidas
As trras, que vos foram consagradas,
Apenas por Vespucio coohecidas.
As cascas enroladas,
Os aromas, e os ndicos effeitos
Pdenlo mais que as serras prateadas.
Has n6s de amor sujetos
Promptos vos offertamos a conquista
Barbaros bracos e constantes peitos.'
Pode a tartaria grega
A luz gosar da russiana aurora ;
E a dos esta fortuna nao nos chega ?
Vinde ; real senhora,
Honrar os nosso's mares por dous mezes,
Vinde ver o Brazil, que vos adora.
Noronbas e Menezes,
Cuntas, Castros, Almeidas, Silvas, Mellos,
Tem prendido o leao por muitas vezes.
Fiae os reaes sellos
A moi seguras, vinde deszancada.
De que servem dous grandes Vasconcellos ?
Vinde a ser coroada
Sobre a America toda, que protesta
Jurar as vossas mos a le sagrada.
Vai, ardente desejo,
Bntra humilbado na real Lisboa.
Sem ser sentido do mvejoso Tejo :
Aos pos augustos va,
Chora, e faze que a mai compadecida
Dos seus saudosos fllhos se conda.
FicanJo enternecida,
Mais do Tejo nao temas o rigor,
Tens triumphado, tens a acgo vencida.
Da America o furor
Perdoae grande augusta ; lealdade.
Sao dignos de perdao crimes de amor.
Perdoae a magestade,
Emquanto o mundo novo sacrifica
A tutelar propicia dlvindade.
(Contina)
PARTE OFFICIAL
do Estado
Governo
3.' Secco. Palacio do Governo do Estido de Pernambuco em
20 de Janeiro de 1890.O brigadeiro governador do Estado de
Pernambuco, considerando que as loteras do mesmo Estado tm
deixado de correr pel concurrencia das loteras Jo estrangeiro
e dos outros Estados do Brazil, e ,
Considerando que os beneficios daquellas loteras, se ellas cor-
rt rera regularmente, importarao em grande e valioso auxilio aos
cofre3 da Santa Casa de Misericordia ; decreta :
Art. i." As casas que venderem bilhetes de loteras estran-
geiras ou dos outros Estados, sero obrigadas ao pagamento, por
cada lotera ou serie de loteria, da quantia de 2.000*000 ; sendo
de 200*000 por vendedor ambulante, para que es possa negociar
pelas ras ou em quaesquer outros lugares pblicos.
l. Esses pagamentos sero feiios previamente no thesouro
do Estado, mediante petigo com declaraco' da loteria, parte ou
serie, numero, data, logar, onde e quaiquer ootro esclarecmento;
servindo a mesma petigo, levidamente despachada, de licenca
para uns e outros vendedores, que de modo algum podero apre-
sentar razOes de solidariedade com quem quer que seja a respeilp
de taes vendas.
2." A peticao sera acompaohada do conhecimento de quita
cao do imposto, do qu'al constaro os esclarecimentos determina
dos no paragrapho anterior.
Art 2." A venda de bilhetes de outros Estados em eslabele-
cimentos ou por pessoas que nao estejam munidas da competente
licenga censtitue flagrante infraeco do presente decreto, ficando
sujeito o infractor perda dos bilhetes encontrados em seu poder,
os quaes serao apprehe ididos, e ao pagamento do imposto com a
multa de 20 ;', que, nao sendo satisfeito de prompto, ser cobrado
judicialmente com a dita multa.
Art. 3." Sao competente- para effectuar a apprehenso os fis-
caes das intendencias municipaes, das Cmaras Muacipaes, o the
soureiro das loteras do Estado, os agentes do mesmo thesoureiro,
as autoridades policiaes de quaiquer natureza.
Art. 4." Da apprehenso se lavrar termo, segundo alocali-
dade em que se der a dita apprehenso, mencionndose nesse
termo a qualidade dos bilhetes, numero, valores, loteras a que
pertencem, nome do infractor, do apprehensor e o mais que for
conveniente para provar a infraeco.
nico. Esse termo ser assignado pelo apprehensor, por
testemunhas, se as houver, e pelo infractor, mencionando se a re-
cusa deste, quando nao quizer assignar.
Art. 5." At a ves pera do dia marcado para a extracto da
loteria,obre que versar a appreheuso, o infractor poder effec-
tuar o pagamento do imposto com a multa, e assim rehaver os bi-
lhetes.
A multa nesse caso ser dividida entre o apprehensor e a fa-
zenda do Estado.
Art. 6. xtrahida a loteria a que pertencerem os bilhete s
apprebendidos que ento sero recolhido3 pelo apprehensor ao
Thesouro do Estado, o producto delles ser arrecadado pelo men-
cionado Thesouro, o qual opportunamente entregar metade ao
apprehensor e elassiSeara a outra metade como receita eventual do
Estado.
Art. 7." Da apprehenso cabe recurso para o Thesouro do Es-
tado, denro das 24 horas que se seguirem ao respectivo termo.
i. Da deciso do inspector cabe recurso voluntario para o
governo do Estado, dentro de 3 das
| 2." O recurso interposto fra do praso marcado se conside-
rar perempto e delle nao se tomar conhecimento.
Art. 8. O presente decreto poder ser alterado conforme a
experiencia o aconselhar.
Jos Simeao de Oliveira.
Governo do Estado de Pernam-
buco
EXPEDIENTE DO DA 6 M DSZE 'BRO DE 1889
A .".os: .
0overnador interino do Estado resol ve
nomear urna commisso, coraposta d:>s enge-
n'ieiros .Uredo Lisboa, Aalonio Pereira Simes,
Manoel Martins Fiuza Jnior, Gervasio Rodrigues
Oampello e o agricultor bacharel Francisco do
Reo Barros de Lacerda, para examinar e dsr
pare;er sobre os contractos feitos para a funda
co de engenbos centraes e retinara subven-
cin.'a peo dito E^tadj, tend*' em vista a qua-
lidade e capacidadi: dos appa: tlao de cada en
genho, regulada esta segundo as bases approva
das pela presidencia, a respeito das quaes a
commisso emittir parecer, bem como sobre a
O goverpador interino do Estado resol ve,
de conformidade com o officio de hontem datado,
sob n. 1623. exonerar o capito Joo Jos da
Silva,do cargo de delegado do termo de Cama-
r.Communicon-se ao Dr. chefe de polica.
O governador interino do Estado, tendo em
vista a propqsta do inspector do Thesouro con
tida em ollicio de hoje, sob n. 38, resolve no-
mear o promotor publico, bacharel Bianor Ga-
dault Fonseca de Medeiros para exercer o cargo
de ajudante do procurador dos feitos da fazenla
deste Estado, no municipio de Bom Jardim,
ficando exonera lo de dito cargo o bacharel Jos
Climaco de Espirito Santo.Communicoa-se ao
inspector po Thesouro-
0 governador interino do Estado, tendo em
vista a proposta do inspector do Thesouro, con
tida em ofhcio de 4 do corrente, n. 31, resolve
nomear o promotor publico bacharel Antonio
;;>?rjsw: "sssr. assas =z bsk^ski,^:
de accordo com'o art. 16 da lei n. 1860 de 1' de
Agosto de 188o, e lei n. 1972 de 22 de Marco
deste anno, regulamcnladas pelo acto de 18 de
Setembro ultimo, indicando quaes os contractan
tes que se desempennaram dessa obrigaco,
selarecendo o estado de adiantamento da con
atrueco, e considerando ao mesmo lempo a
tora en que estao situados os engenhos, 6a pro
ced^ncia de contractos para fornecimento de
cannas. Fizeram-se as ne csarias cpmmunica
es.
- O governador interino do Estido attenden-
do oo qne requpreu o juiz rnoiicir-'l e de or-
pt-.S I no. ba h S iso
Ildefonso do rtego artoa, resolvj conceuer-lhe
trinla dias de licenca, com os vencimentos a que
taver dirri'o, para tratar de soa saude, dev?ndo
petivicnario entrar no goso da referida licenca
no prazo de \iote dias.
O governador interino do Estado, altenden
do ao que requeren o cidadao alteres do 22 ba
taiho de infantaria, Agrcola Guanabara, e ten;
o em vista o termo de mspecco a que foi
submettido, resolve concederlne sessenta das
de licenca com vencimentos na forma da le
!iara tratar de sna saude neste Estado, de con-
ormidade com o disposto no 2o do art. 4 do
decreto n. 3579, de 3 de Janeiro de 1866, com-
binado com o g Io doart. Io do citado.decreto. -
Sommnnicou se ao ecretario do commando das
rota?.
. O governador interino do EsUdo resolve,
de conformidade com a proposta do Dr. ofcefe da
polica em officio de hontem datado, sob n.
1625, exonerar o cidado Antonio Carlos dos
Sautos Mergulh&o do cargo de delegado do ter-
mo do Brejo.Comraunicou-se ao Dr. chefe de
polica. _
cargo de ajudante do procurador dos feitos da
fazenda deste Estade no municipio de Salgueiro;
ficando exonerado de dito cargo, Juvencio Viei
ra de Sampaio. Communicou-se ao inspector
do Thesouro.
O governador interino do Esjado, tendo em
vista a demonstracSo armexa ao officio do in-
spp'-tor da Thesourana de Fazenda de 21 de No
vembro ultimo, sob o. 457, resolve, de accordo
com o decreto n. 2884 do Io de Fevereiro de
1862, abrir um crdito da importancia total de
109:702*445 para os pagamentos que correra
pelas verbas mencionadas na referida demou-
straccOes concernentes ao Ministerio da Guerra,
exercicio vigente, e sao as seguintes com a
quantias descriminadamente
In trueco militar
Corpos especiaes
Corpoa arrei-Jientados -
Pracas de pret
Etapas
Remetteu-se copia ao inspactor
ra de Fazenda.
133l!62
7:489*594
14.083*446
40:109*879
47:886*46i
109:702*445
da Thesoura-
Officios :
Ao ajudante general do exercito. Tran-
smiti- vos a eertidao de assentame lo da ex-
praca do 14 batalho de infantaria Jos Fran
cisco Ribeiro, de que trata vosso officio de 18 de
Novembro findo, sob n. 8675.
Ao inspector do Thesouro do Estado.De
accordo com as informages novamentei presta-
das e que constam de vosso onlcio de 28 de No-
vembro prximo passado, mandar pagar em
presa de illummago publica a quantia restante
da que se Ihe estava a dever, urna vez que por
conta do alludido debito a mesma empresa j re-
cebeu 26.000 equivalentes a 231:114*000.
Em sentido opposto aos pareceres emittidos
anteriormente sobre esse assumpto, pareceres
fundados, verdade, na letra do contracto, mas
de effeitos vexatonos para a empresa, urna vez
applicadas siiuaco anormal em que ultima-
mente o contracto loi observado, o pagamento
que vos autoriso a mandae effectuar, sobre ser
o resultado de um direito lirmado em diversas
epochas por dbitos reconhecidos, urna conse-
cuencia dos termos da clausula 19.a, a qnal de-
termina que o pagamento seja feito mensalmente,
e esse contracto, como quaiquer outro, de e ser
cumprido com fldelidade.
Por ultimo, resolvida pelos termos absolutos
da clausula 10., que cstevts ton ge de prevenir a
presente conjunctura, a questao ventilada contra
a empresa, seria lesiva de seu direito, porqne
entregar se na menos do que se liquidou, e esse
prejuizo sobreo qual a interesaada poderia mais
tarde reclamar, affectaria ao crdito deste estado,
e crdito que necessario zetar como a honra da
fazenda publica.
Ac- mesmo.Nos termos de vossa Dforma-
jo n 39 de hoje datada, autoriso vos a mandar
abonar ao alteres do 2. batalho de infantaria
Miguel Goncalves.de Castro Mascarenhas, que vai
commandar o destacamento estacionado em Ga
ranhuns, a ajuda de cusi na importancia de
ta*00 e bem assim a gra.ilicaco de-comman
dante na de 5*000 mensaes.Communicou-se
ao commandante do corpo de polica e mandou-
se dar passagens ao referido alteres e sua fa
miha por conta do estado, com direito baga-
gem, as estradas de ferro de S. Francisco e do
prolougamento at Garantios.
Ao mesmo. -Ao cidado Joaquim Firmo de
Oliveira podis ordenar o pagamento do remanes
cente da quantia de 1:184*989 constante de cer-
tificado annexo ao da Repartido de Obras Publi
cas de 20 de Setembro depois de previamente
paga a responsabilidade de 16 /0 do estylo e
deduzda a de 500*500 proveniente de urna lettra
de arremataco da brreira de Palmares vencida
em dito mez de Setembro, na forma do art. 259
do Reglamento dessa reparlicio e de conformi
dade com a vossa requisico em officio n. 432 de
22 de Outubro ultimo. Communicou se ao di-
rector geral de obras publicas.
Ao mesmo.Declara em resposta ao vosso
officio de 28 de Novembro ultimo, n. 159, que
foram dadas as ordeos para ler lugar o recolhi-
ment dos emolumentos,'de que trataesno men-
cionado offieio. '
Ao inspector geral da Instrucjo Publica.
Aceitando o offerecimento feto pelapfofesso-
ra publica da cadeira de Agua Branca Francisca
Alves ds Azevedo, de metale de seuitvencimen-
tos a coWar.de Janeiro aDezembro djtfaino pro
ximo vinSo*o am de auxiliar o.pagamento da
divida extern, recommeudo-vos que (uveis em
ao
inspector do
de pracar.Comraunico-se
Thesouro do Estado.
ao riscal do canal da Gjyanna.Em solu
cao ao vosso talegramma de 3 de Outubro deste
anno euvio vos copia da informicuo prstala
pelo cidado inspector do Thesouro do Estado
de 11 dk Novembro ultimo sob n. 48*.
Portaras:
Declaro Cmara Municipal de Panel as que
approvo a arremataco dos impostos a que se
refere o termo annexo ao seu officio de 23 ds
Outubro ultimo, menos na par'.e concernente a
lictyjc par aiascatear fazendas e perfumaras
por iiv esrar :ie accordo com o disposto no 28
da fe n. :J9 de U deJuIhQ dcorreiile auno,
que i;r.-. a cobrar 20*000 e sM 10*0i0 aaio
consta do alludido termo.
Rec< mmendo, pois, Camac( que ponha nova
mente era praca o mencioAado.'imposto.
O cidadjto gerente da Companla Pernam
bucana ponha a disposicao do cidado Jos de
Siquera Mendes, govefnadof do Estelo de Ser
gipe, urna passagem gratuita de re a esta cidade
no prlmeiro vapor que pascar por Aracaj para
os porl03 do norte, alom da que hontem auto
risei.
O cidadSo gerente da Gompanhia Peioam
bucaaa de Navegaco "faca traesportaV a bordo
do vapor S. Francisco at Penedo, por conta
d'este Estado, 4 pracas e 1 cabo do'corpo de po
licia e 2 criminosos.Expcdio-se ordem ao com-
mandante do corpo de polica afim de mandar
apresentar s referidas pragas ao Dr. chefe de
polica; e officlou se ao. governador do Estado
de Alagoas, no sentido de serem concedidas pas-
sagens at Jaiob aos criminosos e escolta.
0 Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco d passagens, por
conta deste Estado, da estago de Cinco Pontas
Aga Preta, ao 2. sargento Manoel de Carva-
liio Paes de Andrade e 1 cabo de esquadra do
corpo de polica, que pera alli destacam-
dem idem da estago de Cinco Pontas a de
Una ao soldado do corpo de policii'Rodolpho
Ramos de Almeida.
dem idem a quatro praca3 do corpo de po-
lica que destacam para Buique.
mtatis mutandis ao enearregalo da estaco
de Palmares, d'ahi at Garanhuos.
0 Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife a Jjimoeiro d passagem por conta do
E-'tado, da stago do Brum de Nazaretb. ao
cabo de ftquadra Antonip, Bandjira e 4 pracas do corpo do polica, que
para-ulli destacam.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETAB10
Officios :
Ao Dr. chefo de pplicia.-0 governador
d'estr. Esiadu manda communicar que nos vos
sos oficios de hontem datados sob ns. 1,632.
1636 e 8288 foi hoje proferido o despacho se-
guate :
Ao commandante do corpo de polica para
satisfazer a requisico.
Ao.director geral de,obras publicas.0
cidado governador interino ficou inteirado pe
osTofficic* de i do crrente, sob as. 163,164,
16o e 166 haverdes recebido definitivamente as
obras de reconstruego do pontilhho sobre o
riacho Barra da Lama em Agua Preta, de re-
paros sobre o rio Ca me-vou, na estrada do Bo
nito ; e provisoriamente 03 da ponte sobre o rio
Araaragy e os da cadeia da cidade da Victoria,
passando-se certificados de pagamento de res-
ponsabilidade ao primeiro arrematante no valor
de 128353, ao segundo de 2i2*574 ; e aos dous
ltimos da importancia de 2:132*981 e de......
850*727.
Ao juiz municipal e de orphos do termo
de Flores.De ordem do cidado governador do
Estado recommendo-vos que prestis informa-
ce- acerca da estada ds reos Belarmino Jos
de Souza e Pedro Gomes Ferrcira de Lucena, na
cadeia d'essa villa, o primeiro implicado em di-
versos crimes e em chfferentes termos e o se-
gundo condemuado no termo de Pombal do Es-
tado da Parahyba.
EXPEDIENTE DO DA 7 DE DEZEMBR0 DE 1889
Actos :
0 governador interiDO do Eajado resolve
nomear una commisso composta dos Drs-
Eduardo Augusto de Oliveira, Joo de Oliveira
e Ulysaes Machado Pereira Vianna para rever a
lei deorcamento sob n. 2,125 de 3 de Novem-
bro ultimo ; indicando a melhor organisaco
das repartieses e propondo medidas no sentido
deequilibrar se o mesmo orgamento Fizeram-
se as necessarias communicagOes.
O governador interino do Estado resolve
aposentar o bacharel Joo Francisco Teixeira no
cargo de procurador dos feitos da fazenda do
mesmo Estado ; com os vencimentos equivalen-
tes aos percebidos, no anno de 1888, deduego
feitade 60 v
O governador interino do Estado, tendo em
vista o que ponderu o inspector geral da In-
struego Publica em officio n. 20, de 5 de De-
zembro corrente, resolve extinguir o districto
lit-erario de Praia dos Carneiros.
Ogovernador Dterino do Estado, tendo em
vista a proposta do inspector geral da Iosirucgo
Publica contida em officio n 20 de 5 de Dezem
bro corrente, resolve .nomear'o lente-coronel
Joaquim Francisco Diniz paja exercer q cargo
de delegado do districto Iliterario do Rio Formoso
em subslituigo ao actual .que flea exonralo.
Communicou-se ao inspector geral da Instrucgo
Publica.
O governador interino do Estado atienden
do ao que requereu Francisco Marques da Tria
dade, professor effectivo da cadeira de Surubim
e tendo em vista a informago prestada pela
iospeCoria geral da Instrucgo Publica, em offi
ci n. 15 de 30 de Novembro ultimo e o attesta-
do medico exhibido, resolve conceder ao pel
cionario 90 dias de licenga. com ordenado para
tratar de sua saude onde Ihe convier, a contar
de hoje.
Officios :
Ao inspector da Thesourana de Fazenda.
- Devolvo vosso officio de 7 de Novembio ulti-
mo, u. 443, acompifluado de petigo de Fran
cisco Justioiano de Castro Rabello, alirh de que
me informis'se o pagamento requerido est no
caso de ser autorisado.
Ao mesmo. Para que me informis se ha
.aga de 2 escripturario na Alfaadega, remetto-
vo3 a inclusa petigo documentada deEpiplianio
de Luna Freir, a quem se refer, vosso officio
de hontem, sob n. 507.
Ao mesmo. Remettendovos o incluso
attestado, autoriso a mandardes pagar ao capi-
to do 2 batalho de infantaria, Antonio Igna-
cio de Atbuquerque Xavier, os vencimentos que
Ihe competirem de accordo com o mesmo altes
lalo.
Ao inspector do Thesouro d Hitado.
Deferindo o requerimento do commondador Joo
Piolo de Lemos, administrador do theatro Santa
Izabei. autoriso vos a restituir :i quantia por elle
paga de emolumentos de seu titulo de nom-agao,
urna vez que se acba comp.-heini.dj na Jibpo
skao do art. 44 da lei n. 244, de 16 de Juuho
de 1849. .
Ao gerente da Companbia Pernambucana
de Navegaco. Mandai conceder urna passagem
de r al Macei, no vapor que segu para o sol
a 9o corrente, a Francisco Rufino Coeluo U-
tanho, por conta das gratuitas a que o governo
tem direito.
Pjrtarias :
Declaro Cmara Municipal do Recife em
nome do gobern desle sta lo a referida profej^ fcsposla ao seu officio n. 78, de 29 de Novem-
sora Jfclo aclo re evado patriotismo .que acaoa 'oro ultimo, que approvo a dsliberaco que
tomou.em se3sao de 27 do mesmo mez acerca
do arrendamnto da casa n. 32 sita praga da
Independen.'Uu
- 0 cidado gerente da Companhia Pernam-
oucana dejSavegagio faga transportar p,ara o
presidio deFcrnarjo de Noronha, por conta de
D. Leonor Porto, com destino a D. Albertina
Porto, os gneros alimenticios e diversos arti
gos de que trata a relago aqu junta assignad
pe.o secretario interino deste Estado.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S Francisco d passagens, por con-
ta deste Estado, da estaco das Cinco Pontas at
de Dua, a 18 pracas d corpo de polica, que
vo destacar em Garaahuns.
^ Mutas midaudit ao encarregado da esla
gao de Palmares, para mandar transportar as
referidas pracas at Garanhuns.
dem, idem as estradas .de ferro de S.
Francisco e do prolongamento, ao forriel do
corpo de polica Antonjj Pereira Peixoto, que
destaca para Garanhuns.
dem, idem praga do corpo de.polica
Luiz Joi^le Franca, queregressa para b desta-
camento de Pesqueira conUuzndo -. fafdamento
cujo transporte corre tambem por coala do Es-
tado.-
dem, idem a sgte criminosoi que no ter-
mo de#Garaniinu6 lee de ser submettidos a
julgamento, e a respe ;tiva escolla.
dem, idenj aj'GarrTanssCinco Pontas,
a 17 prfgas do cwpo ie polica, que regreasan
de Garanhuns,
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios :
Ao Dr. chefe de polica.9 cidado go-
vernador interino do Estado manda communi-
car vos que, no vosso officio de hoatem datado,
sob n. i,6il, foi proferido o despacho seguinte :
Ao commandante do corpo de polica para
sutisfazer a requisigo.
Ao engenheiro chefe da RepartigSo d's
Obras Geraes. O goveruador interino do Esta-
do manda cemmumear vos, em resposta ao vos-
so officio de 21 de Novembro prximo passado,
bob n. 54, que o ladrilla destinado ao paaseio
da ponte Buarque de Macelo acha-se isento
de direito na AITandega, visto que tal servige
est sendo executado por conta do governo,
conforme declarcu a Thesouraria de Fazenda
na informago de 25 de Novembro prximo pas-
sado, n. 468.
Ao procurador da Santa Casa de Miseri-
cordia.O governador interino do Estado man
da communiar-vos, em resposta ao voso offi
ci de 22 de Novembro liado, n. 275 que, por
telegramma de hoje, participou o Ministerio da
Fazenda havV expedido teiegrmma Alfaude
ga. no sentido de ter despacho livre as quatro
caixas de cha veidee as duas dechprclo, de
que traa o vosso citado offic o.
- Ao administrador da Cisa de Detengo.
O governador interino do Estado manda trans-
mittir-vos copia do officio de 13 do corrente, do
governador do Estado da Parahyba, sobre o as-
sumpto do requeiimeuto do preso pobre reco
ihido a esse estabelecimeat, Manoel Beato
Martins da S'lva, a quem se deve dar conheci
ment do assumpto.
Ao agente da Companhia Brazileira de Na
vegagoO cidado governader interino do Es-
tado ficou inteirado, i elo vosso officio de hon
tem, de baver ehegado dos portos do norte o
vapor Mandos, e de seguir hontem mesmo, s 5
horas da tardo, para os do sul. Communicou-se
dire:tjria do commercio.
A gerente da Companhia Pernambucana
de Navegago.O cidado governador interino
do Estado ticou inteirado, pelo offi no de hon-
lem, de ter essa compunb de expedir, no dia
14 do corrente, s 12 horas da manh, o vapor
Jacuhype para o presidio de Fernando de Noro
nlu. Fizeram-se as necessarias commuaica-
gCes.
Ao mesmo.Communicovos que o bacha-
rel Fraac i;o Tavares Netto, em 6 do corrente.
assumio o exercicio do cargo de promotor pu-
blico da comarca de Naxareih.
Ao mesmo. -Commnnico-vos que o bacha-
rel Hygino da Silva Gusmo assumio o exercicio
do cargo de promotor publico da comarca de
Pao d'lho em 4 do corrente mez.
Ao mesmo.Communico vos que o bacha-
rel Zozimo Zenaides da Cmara Lima, em 6 do
cOTrente assumio o exercicio do cargo de pro-
motor publico interino da comarca de Bom Jar-
dim, para o qusl foi n)raeado pelo respectivo
juiz de direito.
Ao mesmo.-Communijo vos que o bacha-
rel Jos Mara Cardoso, em 6 do corrente, dei-
xou o exercicio do cargo de promotor pu dico
da comarca de Nazareth.
Ao director do Arsenal de Guerra.-A' vis-
ta de- vossa inrormaco n. 219, de 7 do corren-
te, autoriso-vos a mandar concertar a carraca
desnaada a conduejo do rancho das Wagas do
2o batetoo de infantaria, conforme solicita o
respectivo commandante em officio n. 4 deste
mez.Communicou se ao commandante do 2*
batalho.
Ao inspector do Thesouro do Estado. -Nos
termos de \ossa informsgo n. 24, de 3 do cor-
rente, autoriso-vos a mandar pa,'ar ao adminis-
trador da Casa de Detengo a quantia de 81*010
por elle despendida no trimestre de Julho a Se-
tembro prximo passado, com o expediente, as-
seio e limpeza daquelle estabelecimento, e bem
assim em concertos, materiaes e objectos forne-
cidos para o servigo dos presos pobres.
Remello aos a conta da alludida despeza. -
Coramunirou-se ao Dr. chefe de dolicia.
Ao director geral da instrucgo publica.
Declaro vos em resposta ao vosso officio n, 17,
de 2 do correte, que, vista das circumstan-
cias financeiras do Eslado, nao pode ser at-
tendido o pedido dos moradores do povoado
Campias, em Ouricury, relativo creago de
duas oadeiras de instrueco primaria naquella
localidade
Ao director do presidio de Fernando de
Noronha.-Com a inclusa copia da informago
prestada pelo cidado juiz de direito do 2o dis-
tricto criminal da comarca desta capital, em 4
uo corrente mez, sob n. 276, respondo o vosso
officio de 6 de Novembro findo, com referencia
aos sentenciados Vicente de .ssis-Tavares e ou-
Iros.
Portaras:
Os. Srs. gerente6 da Companhia Brasileira de
Navegago fagam transportar provincia do
Maranho, por conta do ministerio da guerra o
major de engenheiros Gregorio Toaumaturgo
de Aeved', a sua mulher D. Maria da Glon?
Rodrigues Ferreira de Azevedo e a duas tilhas
Altair com 2 annos de idade e Alitta com 4 an-
nos. Expedio-se ordem ao inspector da The-
souraria de Fazenda para mandar ajustar cot-
tas e communicou-se ao interessado.
O cidado gerente da Companhia Pernam
bucana de Navegago sirva-se de providenciar
pura que s 'ja transportada gratuitamente com
passagem de pri, ao presidio de Femando de
Noronha, no vapor que segu a 14 do corrente,
a mulher do sentenciado Jos Joaquim de Sant'
Anna, Maria Joaquina da Conceico com tres fi-
nios menores, de ames : Severina, Mara e Pe-
dro, ficando sem effeito a portara de 31 de Ou-
tubro ultimo.
dem com passagem de con vez ate o Esta-
do do Cear, por conta das gratuitas a que o go-
verno tem direito, na 2a viagem deste mez, para
os portos do norte, ao cidado Eohren Muniz
Teixeira Guimares.
BXPEDIE-VTE DO DA 9 DE D5ZEMBR0 DE 1889
Actos :
O governador interino do Estado resolve ad-
dir repartigo da Cmara Municipal do Recife,
o cidado Joo Duarte Carneiro da Caoha Gama,
que ser um dos encarregados do servigo da affe
rigo, percebend dous contos de ris de "venc
mentos. sendo 1:400* de ordenado e 600*000 de
gralilicagb.
Oulrosim, resolve declarar que a referida des-
peza dever correr por coala do crdito consig-
nado no art. 2o 14 u. 7 do orgamento appro-
vado por esle governo em 28 de Novembro findo,
o qual sendo de 23:000*, fica, por este motivo,
reduzido a 23:000*.Communicou-se a respecti-
va cmara.
O governador interino do Estado resolve
nomear o bacharel Miguel Jos de Almeida Per
nambuco, para exercer o cargo de procurador
dos feitos da fazenda do mesmo Estado, em sub-
stituigo do bacharel Joo Francisco Teixeira,
que foi aposentado.
O governador interino do Eslado atienden-
do ao que requereu o juiz municipal e de orphos
dos termos reunidos de Cimbres e Alagoa de
B'ixo, bacharel Alfredo Seraphico de Assis C.r
valho, tesolve conceder Ihe um mez de licenga,
com os vencimentos a que tiver direito, para tra-
tar de sua'sade, devenao o peticionario entrar
no gsso da referida licenga no prazo de vinte e
cinco dias. ~A^
o governador interino do Estado, altendeu-
do ao que requereu o cidado Emiliano Ernesto
de Mello Tamborim, aposentado no cargo de offi-
cial-maior da secretaria d'este Estado, e tendo em
vista a iuformaco pres'ada pelo iospector do
Thosou-o em officio de hoje datado", n. 4i, resol
ve, de a'cordo com art. 4o 2o darJei n. 2.125
de 3 de Novembro findo, abrir um breoilo sup
plr-menter de 1:345*377, a verba do 78, art. 2'
da lei n. 2 009, atira de ter lugar o pagamento da
penso requerida, a contar de 2 de Outubro ul-
timo at 31 do corrente mez.Remetteu-se copia
aoTaspeifor do Tiusouro do Estado
O governador interino do Estado resolve
exonerar Maria Adelalde de Castro Lucena, do
cargo de professora de primeiras lettras do pre-
sidi de F-rnando de Noronha, e nomear para
substitnil-.i.aalumnj mestra ululada pela Escola
Normal des-e Estado, Emilia Gatirna dos S;n
tos.Communicou-se ao iospector da Thesoura
na de Fazenda e ao director do presidio.
OSVio= :
Ao inspector da Taesouraria de Fazenda.
Dsferiudu o requeriiueuto do tenente do 27 ba-
talno de infantaria, desligado d'esta gnarnigao,
Jos Joaqui* de Aguiar, de quem trata vosso cf
ficip de hoje datado, n. 518, autoriso-vos a man
dar abonar-Ule tres mezes de sold que devero
ser descontados pela quinta parle.
Ao mesmo.Tendo-se de encamiuhar ao
Ministerio da Guerra a petigo de Braga & S, a
quem se refere vossa informago de 3 do cor-
rente, n. 497, convm que digis porgue tratis
em dita informago da quantia de 6:477*952 e
nao da de 2:733*082, como declarara os mesmos
Braga A S.
- A) uH-sino.C.niniunico vos que a.promo-
tor publico da comarca do Brejo, bacharel Ri-
cardo Partir 1e Paria, em 3 do corrente, entrou
no- goso de 30 das de licenga, com ordena lo, que
obtve, era 25 de Novembro findo, do prndente
dn Tribunal da Relago, para tratar de
saude.
EXPEDIENTE DO DE. SECRETARIO
Officios :
Ao Dr. chefe de polica.O cidado gover-
nador interino do Estado manda commuoicar-
vos que nos vossos officios de 7 do corrente
mez. sob ns. 1,652 e 1,653, loi proferido o se-
guinte despacho :
. Ao commandante do corpo de polica para
satisfazer a requsigo.
Ao Dr. juiz de direito criminal da comarca
do RecifeO cidado governador interino do
Estado, manda declarar vos, que no vosso offi-
cio n. 177, de 4 do corrente mez, referente .ao
regresso dos reos Joo Valerio da Silva e Anto-
nio Harculano de Oliveira, proferio o seguinte
despacho:
Ao cidado director do presidio le Fernan-
do de Noronha para satisfazer a requsigo.
Ao inspector do Thesouro do Estado.O
gO' ernador interino do Estado manda commu-
oicar vos, que nesta data proferio o seguinte
despacho na petigo de Jeronymo Theotonio da
Silva Loureiro, de quem trata a vossa informa-
go n. 10 de 28 de Novembro findo :
O supplicante n3o pode ser attendido, visto
nao ter provado os prejuizos que soffreu.
Ao commandante do corpo de polica.0
cidado governador interino do Estado autori
sa-vos a nomear urna commisso composta de
officiaes do como do vosso commando para
proceder ao exame de que tratis em officio de
30 de Novembro findo, sob n. 21.
Ao fisca'da ferro-va dg Recife ao Limoei-
ro.O cidado governador interino do Estado
deu hoje o conveniente destino ao relatorio das
securrencias dessa via frrea no mez de Outu
bro ultimo.
Reparticao da Polica
2.1 secgao.N. 15.Secretaria de Po-
icia do Estado de Pernambuco, 21 de Ja-
neiro de 1890. CidadaO.Participo-vos
que foram hontem recolhidos Casa de
Detenco oa seguinies individuos :
A' minha ordem, Lourengo Marques da Silva,
viudo do termo de Pao d'Alho, como senten-
ciado. ,
A' ordem do Dr. delegado do Io districto da
capital, Antonio Francisco de Assis e Antonio
Lourengo Nunes, or embriaguez e disturbios.
A' ordem do subdelegado do Recife, Angela
Moreira Alves cS. Parock, por embriaguez
disturbios. .
A' ordem do do Io districto da Graga, Gui-
Iherme Manoel do Nascimenlo, por embriaguez e
dislurbios. .
No dia 12 uo corrente, s 4 horas da tarde,
e em trras do e'ngenho Bella Rosa, do termo da
Luz foi ferido mortalraente, por Maria Joaquina
e nm lilho d'esta de nome Jos Januano, o in-
dividuo de nome Amaro Beltro.
Os delinquentes evadkam-se e contra os mes-
mos procedeu-se na forma da lei.
No lugar Agua Branca, do termo do Trium-
pho, foi assassinado, no dia 12, com um tiro de
pistola, o cidado Antonio Jos Pereira de Bru-
to, que exercia alli o lugar de fiscal da Cmara
Municipal.
Contra os denquentes, que nao foram reco-
nhecidos, abri se inquerito.
Sade e fraternidade Ao brigadeim
Jos Simeao de Oliveira, mui digno go-
vernador provisorio do Estado de Per-
uambucoO Chefe de polica, Antm
intimes Ribat.
i.
*-.
r
a^m
.
i."
m
'"-i
. -








*


r
v







Diario de Pernamboco-Quarta feira 22 de Janeiro de *90
Recehedorla do Estado de
Peraaabnco
OMPACHOS DO OI 17 DS SiNSIBO DB
1890
Franco JavaJeantc do Albuquerque, An
ionio Mara de:Jus Vieira, arolina Pin
to de Magalhae*, Ignacio Baptista Funda-
dor,D. Thereza Goutinho e Joao Gregorio
Goncalves e outoos. Informe a 1.a oc-
co.
Lino de Abreu Cerqueira e Antonio
Felisardo de Amorim Jnior.A 1.* sec-
cSo para oa dcvidoa fins.
Anna Mara da Canha Oliveira, Cramer
Frey & C, Marcolino Pedro de Souza
Braga, Carvalho & Filho, Vinva de Jos
Bernardino Al ves, Faustina Maria da Con
ceicSo e Silva
co.
& C.Informe a 1.a sec
CORRESPMDEWIAS
Do Diario
GOYANNA, 19 de Janeiro de 1890
Deveras iropressionrdo hoco mo da petina
para noticiar un verdadeiroacontecimento ope
rado oeste glorioso berco de Nnoes Machado, Joo
Alfredo e tantos outros homens notaveis.
Este ve. aqu durante 6 lia- a eminente propa-
gandista e distiocta escriptora, D- Maria Amelia
de Queiroz, que fui alvo das maiores demonstra-
rles de sym patina e apreco.
O hotel Flavtano, onde ella hospedon se, tor
non se o centro para oode converga nao s a
lite da sociedade goyaonense, como represen
tan tes de todos as classes sociaes.
Tendo-se espalhadoa noticia da ohegada d'es-
ia denudada republicana, muilos correligiona-
lias mostrarara desejos de ouvil a, no que fu-
ram atteodidos, tioaudo marcado o da 14 para
n'eJIe ter tugar urna conferencia doutrinaria nos
sales da Sociedade Terpsychore.
Nesse sentido foi destrrbuido, pelos promoto
res da inanitestaco, o segrate boletim impres
so as officinas do Diario de Goyanna :
.Coavida se o patritico e sympathico povo
goyannenee. cojos seotimentos democrticos
uii -a forain desmentidos, para assistir bri
liante conferencia que ter lugar amanh as 6
horas da larde nos sales da Terpsychore pela
intemeratae iHustraia republicana a eminente
cidada D. Maria Amelia de Qneirpz, bern como
a coaluaila, precedidos os manifestantes pela
banda musical Cunea, casa onde 85 acba hos
pedada.
Espera-se o oomm de todos os bons pa
triota*deaa nobrecidade.
Pedo so ao commcrcio o obsequio de com-
parecer a essa nianifestaco, que tem por lim
render o devido preito a urna mulber abertamen^
te republicana antes da inemoravel lata de lo
de Novembro. -
Viva a Repblica Brazileira I
Viva a eminente propagandista Maria Amelia
de Queiroz.
Viva o invicto Povo Goyannense.
No da. porem, li ouv i urna alteraco. Em vir-
tud e da graudu massa popular que nao caberia
Dos referidos salles, resol veram os manifestan-
tes, de accordo com a illustre oradora, que a
conferencia tivesse lugar no largo de Fre Ca
eca, que foi em poucos momentos, vistosa-
mente adornado, erguendo se do eontro a tri
buna.
Aps a conferencia, que foi brhante e inspi-
rada, e que nrovocou delirantes applausos.o
povo, que ja tinlia ido buscar a referida propa
gandista casa onde eslava hospedada, organi-
i'oa urna imponente passeaita*que percorrea di-
versas ras ao mao dos ais calorosos vivas
ao governo Provisorio, nos Ds Martina Jnior,
Pereira de Lyra, Antonio Gomes e outros.
Durante o "trajelo fallou das janellas de sua
residencia o Dr. Pereira de Lyra, que siudou a
intreoida herona, que saerdieaodo os comino
dos do seu lar, davasolemne attestado do seu
talento e da mais acrisolado amor ao seu paiz.
Aps um ligeiw copo dagua, o dono do hotel,
o cidado Flaviano Coelho. sua senhora e algu
mas familias organsavara urna soirit dansanie
que se prolongou at alta noite e em que toma rain
pane as pesaoas mais gradas d'aqui.
O da U de Janeiro Qcar, pois. indelevelmente
gravado no coraco dos goyanneoses, como um
exeuipo frisante do alto valor moral da illustra-
Ja ci luda D. Amelia de Queiroz.
INDUSTRIAS E AITES
A Usina Central de S *edro, da Sociedad
Rracresso Agriwi,.DC imufe em sua quinta tamoesa ouvito.sore ssumpto e duwv-wm
safra trabamo**. i 7^8 Mttm dycanoa, oto- 1>re : oexemio dave trataltwreora toda a reier- mente h*ou V brigada- aqueltes ruares cobo
O general Deodoro, de pleno accordo com este Por esta razao o Dr. Benjamn Constant dea
modo de pensar, nos guuva com su*i Imesaem- ordam traria, aprazando o mavimeato-aara o
pre qae m aaeaaaBvaauM. j rttfdftoa 16, a tarde, segnado aeonselaaseeiB-as
Desde 48 d Safembraaa Sr. Ruy Barbosa-**ra cafcunumncias e o estado do general.
Kessatnterm um distincto oficial proposita!
tendo o prmiWde wWUMBi nm. assucar de
todas as orfBtaMaacoeSf- oa nt readimento. de
9pHi por |..
Levndole emeonta, porem, o aasucar que foi
traaafonaado em> aguardante, es se rendlowoto
ecoade a 9 por|..
Essa safra den um beneficio liquido de......
60:875*409, nao obstante ter augmentado a des
peza da fabricacao por Torca da secca que rare
fez a materia prima a ponto de ser era meio d
safra a moagem reduzda a metade
A safra actual apreaentava-se sob melhores
auspicios, contando a empreza com um resul-
tado liquido de 180:000*.
Com o Dr. Aurelio Benigno Castilho contratou
o Ministerio da Agricultura a fnndacao e direc-
cad de urna escola de agricultura e viticultara no j
municipio de Taquary. Estado do Rio Grande do
Sol.
O eseoal tecbnico eproflssionat dve vlr da
Franca Meridional, Soiasae America do Norte.
O programraa da escola, approvado por de
creto ae 7 do correte, e igual ao das Fenne
Ecoles francezas especialmenle ortico.
O material tectinico encommenaado na Ame-
rica do Norte vira rcompaohado por uia chefe
de servico para montagem e applicaces dos
apparelhos e instrumentos.
0 Dr. Ca&tilho espera montur a escala oo cor-
rer deste anno.
E' um importante melhoramento para o estado
do Rio Grande do Sul que possue trras uberri
mas, clima ameno e saudavel, variado systeraa
hydrographico e fcil acclimacao.
Urna commisso de officiaes actualmente es
tuda, na Russia, os differentes u.odelos de armas
proposlas para o aroramfnto da infantaria, em
8Ubstituicao da espingarda Berdan.
Parece que a commissao se decidi pela
adopeo da espinga-da inventada pelo coron'l
R.-gooteff. ,,
Esla arma de tiro 3impws e de ouo milli
tietros de calibre. Seo manejo moito comino
do, o recw insiaoiflcante, e a arma pesa apenas
nove libras e meia russas, f>em a bayoneta.
A bala revestida de^wi calepim de ferro ou
de melchior
Cada soldado ser municiado com 117 cartu
chos, que pesam ao todo cerca de 3 libras rus
aas.
, e dreiio. porque s alcaojota garantiasmu
ndo OMBjlaaea'-de gsvarao.
A' qaasti Pedro Carotino sea;uia-se a rapen
tiaa retirada do-fr regimentda oavallariada
fastos iadiscuiveis.
Ante 144o grave noticia, os officiaeaapres.a-
!"ani"a or^anifar o*elesj|BB materiaes, e
i da manha, (poueo mais oooneaos,'
cidade deOuro P*eto/aab o pretexto de umaoo- achavam^e preparadosjaBaaJBrtic, teodo expe
Oalo coor* corpa de pottcia, qaando o tal con dido nmiaaarios s jasas do general Deadora i
flieto forffTesoHadodamprtideneia dochefe-de '
polica e de repetidas provocares feitas por
agentes desse ebefe.
Nao estavam anda resorvidas essae duas ^nes-
tOes, em que o governo marchava de erro em
erro, de arbitra riedade em arbitrariedade, de
violencia em violencia, negando at os meios de
justticico, por leu claras e positivas garanti-
das s partes, sobre as quaes, entretanto, iaex
ercendo perseguido notoria, quando o ministro
da guerra destituiu a bern do servico publico o
tenenle coronel Mallet, commandante da escola
militar do Ceara, sob pretexto de qne esse ofi-
cial bava-lhe dirigido um telegramma concebi-
do em enno3 ineonvenlcntes.
__e
Dr. Benjitmin Constant.
Estes chefes, apenas prevenidos, sahiramem
carro pera S. Chnstovo, onde o segando delles
eocontrou a forca. O general Deodoro encorpo
rou-se a ella em caminho.
Ao cheaar a brigada na praca Ooze de Junho,
ordenoo o general ao capitao Godolpbim que par-
tisse, em reconhecimento com 6 homens, para o
Campo da AccIamucSo, e colhesse noticias exac-
tas do qne se passava no quartel-general e em
suas immediacOes.-
Godolphim desempenheu com galhardia essa
corainissao, indo lomar mormaces de um par
ticular na porta central do qaartel, dentro do
quilj havia tropas em forma, levando-as em
Achavam se ento os nimos ausmamente seguida, claras e completas ao general.
TK4\SCftIPCdE8
A revolu^o de 1S de .Hovembro
(Cara dirigida ao Jornal do Commerci, do
Rio de Janeiro)
Rio de Janeiro, 10 de Dezembro.
Tenlio a honra de remelier Ihe urna ligeira re
senta histrica da revolocao do dia 15 de Novem-
bro.
S trato, como ver, de concatenar os factos,
com a maior exictidao que me foi possivel.
Ha, noemtanto, algumas lacunas, que sen du
vida serSo prechidas pelos que esio mais habi-
litados a fazel-o.
E' cedo anda para citar nomes. A miior dis
cripgo para itso carece, como V. fcilmente o
comprehende.
Por isso evito o escull o que mais tarde procu
rarei vencer.
Acha-se em elaboraco, segundo me informa-
ran, um trabalbo completo sobre o movimeotoa
cargo dos ofciaes da 2.' brigada. Logo que me
seja dado obter alguma cousa n'esse sentido tra-
tarei de rmetter Ilustrada redaccao do Jornal
do Commerci.
Pego Ihd sua be .evolencia para as modestas
notas de seu a ladrador e amigoAlfredo Ernes-
to Jacques Ourique.
exaltados. bern por discussao na imprensa; &esta cxaltago
accentuou se anda mais depois de um discurso
franco e enrgico pronunciado pelo Dr. Benja-
mn Constant na escola militar, em presehea do
ministro interino da guerra, Oandido de Olivei-
ra, por occa-io de visitaren] aqoelle estabeleci-
mento os efficiaes do Almirante Gochrane.
Tendo-se resolvido convecar urna reunio de
officiaes no-Club Militar a 9 de Novembro para
tratar deassnxnplos da classe, concordo se, na
vespera entre o Dr. Benjamin Constant, n autor
deste artigo e al uns outros officiaes, qneoa*es-
so do da 9 se aceitasse a praaosta que ento
apre-entei de -entregar-se a eoluco da ques-
tao mu c 'inmissj de tres mombros com fa-
;urdade de obrar livremente depoiademais urna,
ultima e enrgica tentativa junto ao governo,
marcando se llie o prazo do 24 horas para le
var a lermo a sua misso e dar couta.do^resalta-
do tm ertb. r
Na sessfto do d^a 9 a noute, presentes cento e
ciucoenta e tres f ficiaes, propoz o Dr. Benja
min oi-tant que, em vea de ser nomeada orna
commissao de tres membros, Ihe fossem entre-
au s as poderes que aeWa se preteadiam con-
ceder e Ihe dessem o prazo de oRo das para
preseotar o resultado dos trabamos que ia em
pre.h:nder.
Coui o tim de evitar diseussoes inopportunas
em assseabla Uto numerosa tanto mais qaando
actiavam-se os animosdos jovens offijiaes que
a constituiam exacerb'dosemaito grao petes l-
timos actos do goverao, e eabiamo^ estar de-
Umxo de eoostaate vigilancia dos agentes da
polica, propuz imroediatamente.que, dando
prova de completa conQanca na patevra que o
Dr. Bnaajamin C e^poatanaamente, e como justa maiHf-staca > a
sen-devado carcter e sua reconhecida d< di-
caco a classe a que perlence, se Ihe desse o
mandato sem disensao.
Acolhida com enlbusiasmo esta asocio, cojo
alcance principal eradeixir aos chefes os raeios
de trabaihar r,o n a reserva necessaru, o Dr.
Benjamn Constaut agradeceu a hoara-com que
os coinpauliairos e levan-
o distin^uawn assim
tou-se loga a sesso.
Depois
FINABAS E C0H1ERC10
Segundo as ultimas revistas commerciaes de
Portugal, parece que a siluagao monetaria do
Saz nao peiorou pelo fa:to da elevacao da taxa
o descont i o B^nco de Inglaterra ; visto que
em 27 de Dezembro anriram se ai propostas
ara a adjudicacao de 7,50O contos de divida
uctuante do Thesouro, e appareceram propos
tas por cerca de 11,500 contos, isto 4 000 con-
tos a iiia.s do que a cifra pedida.
0 encargo medio foi de 4.92 % entre as
propostas tiguraram tres do Hiato de Portugal
uo io u! de 4.700 contos, dos quaes foram ape-
nas acceitos 900 contos, conforme dlzera os jor-
aaes, na expresso do Jornal do Commerci.
Est, pois, averiguado que, no da. 27 de De-
zembro ultimo, o estado da praca de Lisboa era
ao saslaiorio que os bancos e outros estabe-
lecimenlos de crdito podiara offerecer ao go
veroo mus de 10,000 contos de res, com um
juro infe ior a 3 %. Est mais averiguado que
0 preprio Banco de Portugal tinua destinado
para esse mesmo lim mais 3,800 rontos do que
a eorcma que o governo Ihe tomcu.
Os dias 28 e 29 foraui- feriados e por con-e-
guinte nao se fizeram transaccoes. res:a pois o
Dovimento dos dias 30,e- 31 para juslitcar a
elevacao da taxa du descont de o a 6 % que
o Banco de Portugal decretou na iiian.'ia de 2 do
crreme c que sorprendeu a toda gente.
Ora para jusiicar esta medida te ra sido, pre-
ciso que se tirassem do Banco meases dous dias,
sommas valiosissimas e superiores aos 4aes
3,800 contos que o Banco tinha dispooiveis em
27 ou para aiethor dizer em 30 de Dezembro
fiara es emprestar a 5 % ao governo e que nao
be foram acceitos.
Quem conhece o moviraento daquella praca
sabe que taes exigencias por parte do comm r-
o se nao i ludia;a apcaMatar sem que isso
constasse immedialamente, porque pedidos dessa
trdem equivaleriam entre nos a urna especie de
crise.
Resta anda a questo da defesa das reservas
de ouro do Rauco de Portugal contra a expor-
ta cao, e esta r-aziio tambemnao pode ser invo-
cada por isso que as exaontaeoes sempre se ho
de fazer quando o exportador dispoe das li
ras ou do equivalente en papel sobre Lon
res.
Houve tnectivamente urna reraeesa de 20,000
soberanos p ra o Brazi, mas tambem houve urna
importac&o de 50 000 de Londres.
O banco de Inglaterra elevou a sua taxa com
o dtiplo mn de, proteger as suas reservas contra
a sabida e de attranir capitaes estrangeiros
para o sea rebreo ; mas o Raneo de fortuna!
elevou a sua taxa para diminuir as suas opera-
Oes, para dificultar as necessidades do com
mercio e para que pela vez primeira o Banco
odesse dar algum lucro ao Estado, conforme a
sposico do art. 27 dos estatutos qne do tbeor
seguinte :
Os lucros das operaces de descont e de em-
pieslimos sobro penbor, pela diffsrenca entre 5
por cento e as taxas do juro establecidas pelo
tonselho geral do Banco, sarao divioidos por
igual entre o Banco e o Estado, quando essas
taxas n3o excedam 6 por cento, e pertencero
integralmente ao Estado pelo excesso alm deste
ultimo limite.
Em data de 3 do correte, um telegramma
xpedido de Rome para o Daily Vkrontcle diz,
3ue a crise na Itilia aggrava-se de dia para
ia: o numero das fallencias enorme, e ha
mimares de operarios que. alo acham trabalbo.
Si as cousas nao mudam com brevidade, re-
ceiam-se grandes desordena.
Urna 'carta do Sr. Gladstone a nm esenptor
italwao considera a skuaco Hnanceira da Italia
orno nm perigo nacional, e er que o perigo ba
de torearse mais grave se a Italia continuar a
intrometter-se as questes transalpinas.
Des ie seu regresso da camp mha do Paraguay
o exercito brazileiro comecou a sentir o pou -i
apreco que os gove -nos ligavim :nstituicao mi-
litar, apezar da importante misso que acabava
de desempenbar, com um valore urnaabne^aco
admirados por todo o mundo civilizado.
E-quecidas as penosas lic&es d'essa campanha,
desapro'eitados os ensinamentos das guerras en
tre a Franca e a Allemonha e entre o Chile e o
Per, c de todos os demeis movimeoljs militares
que desde enlo occorreran. apezar das incis-
santes reclamaces dos officiaes brazilciros, o
exnn ito era calculada e systematicamente' im
peludo para o plano iaclinado, que devia condn
zil-o sua inevitavel dacadencia. Foram sempre
factores primpaes do menospreco e abandono
que c*icavam essa instituico a m vontade, a
loiquidade, a rutina e a incuria dos movernos, de-
vidas ignorancia tecr nica des minist i s e ao
pouco conhecimento que tiaham do pessoal do
exercitc.
Por um lado a justica militar, cujos pro;esso-
ilev m ser simples, claros e rectos, era entregue
aos sopnismas e ageilamenloi de urna liermeneu-
tica subtil e s exigencias de um nepotismo im-
pudente, originando se d'ahi o abatimenio do
espirito militar, que assistia sobresaltado a con-
troversias incabidas e a applicaces espjciosas
das leis.
ikimo consequencia d'esses factos, nao ha ne
gnl o. geraram-se no seio da ftrea armada a des-
connanca, o desgosto, a descrenca, que transfor
maratn-se logo em desespero.
Varias tentativas levaram a effeito os governos
no sentido de abater completamente a nobre al-
tivez que anda mantinha a maioria da officiali
dade na defeza de seas Jir itos violentamente
atacados.
Essas luctas, anda que sustentados pelo exer-
cito durante muitos annos dentro do circulo de
ferro das conveniencias militares, comec/iram fi-
nalmente a rrbentar as celebres questes susci-
tadas nos tres ltimos annos.
Para os espirites calmos e reUectidos que co-
hecem o-glorioso passado da terca armada no
Brazil, eram ellas grandes manfestagoea do tra-
badlo latente quo solapa va o rgimen monarebico
em todas as classes de nossa sociedade ; para os
governos, no enlanto, nao passavam de simples
indicio de insubordinacSo e indisciplina, que con
vinna atoafar com energii.
Em vista da attitude assnmida p*lo exercito,
provocada pela inepcia administrativa do poder,
o gabinete Joo Alfredo, em vez de procurar
corrigir franca e patrioticmenle os erros de seus
antecessores preferio laucar mao da perfidia f i
zendo sahlr da corte, sob um pretexto queno
ndia ser recusado, o general Deodoro com urna
le expediro para a longinqua provincia de
Matto Grosso.
N'aquella provincia o general sempre co'recto,
eoeravo do dever, dava completa e sati .factor.a
execoco misso que me fra incumbida quan-
do, constituido o gabinete Ouro Preto, recebeu
bruscamente, sem a menor attenco a seu alto
cargo e aos muilos servicos por elle prestados
ao paiz, ordem para regressarcom as tercas pa a
a corte.
Essa inepta e deseubida orovocaco foi aggra-
vada com a noraeacao para a presidencia daquel-
la provincia, de urn cfficial de pessima reputa
gao militar, instrumento maleavel dos inimigos
do general, e que, alm disto, tinha propalado
na corte e no Rio Grande do Sul o boato de que
o chefe das tercas em observaco em Matto Gros-
so tinha sido assassinado petas proprias tropas
que commandava, devido a falti de disciplina
que nao podara manter.
Dous das depois do regresso das tercas a es-
ta capital, o presidente do cooselho, ao entrar do
thusouro nacional, prendeu e compellio a aban
donar o seu posto, violenta e illegalmente, o te
nentc Pedro Carolino, commandante da guarda
daquelle eslabelecimento.
Desdeflla nesma noite comecou o digno of
licial a dserapeohar a delicada misso que Ihe
fra conlia ra.
Com a conviccao de qae nada aicancaria por
muios braados e suasorios junto ao or^uiho e
pertinaz oostinaeao do chefe do gabinete, resol-
veu recorrer a -eaccao armada,
nara isso comecou por entender-so no dia 10
com o general Deodoro que, apezar de estar
enfermo, acjmpaahava d porto a questo, em
penhando nella todo o seuaraor e toda a *uade-
di cacao classe militar.
De accordo com o general o Dr. Benjamn
Consiant entendeu se com alguns commandan-
tes de carpos, chefes da armada e dos estabele-
cimemos militares e officiaes do exercito, prin-
cipalmente com os mais acti 'os de 2* brigada ;
c pedio urna .conferencia ao Dr. Ruy Barbosa.
X) dia 11 reuniram se em casa do general,
praca da Acclamacap n. 99, alm do Dr. Kuy
Birbssa. que, como j disse, eslava em da com
iodo o occorrido, os' Srs. Qaintino Bocayuva,
Anstides da Silveira Lobo e Glicerio, os quaes
s tnto entraram em conspiraco. .
Proposta a questo cm termo3' claros pelo te
uente coronel Dr. Benjamin Constant e decidi-
da por estes respe^taveis membros do parl.do
republicano a deposico da raenarchia. como
medida de urgente necessidade para salvacSo
da patria e a nica possivel para a restauracao
do exercito, de accorio com o mareehal Deodo
ro reso'.veu o Dr. Beojamin Gons ant executar o
movimento reveduciooario na tarde de 16, quan
do os ministros se achassem em conferencia
com o imperador.
Por su i parte o mareehal Deodoro, no dia 13,
mandn chamar o ajndante general do exercito,
mareehal de Campo Floriano Peixoto, e contiou
sua lealdade a posico era que se acnava o
exercito. Ten Jo ponderado o general Floriano
Peixoto que, a sea ver, os actos do ogverno nao
autorreavam ainda semelhante extremo; que
talvez fosse preferivel urna ultima tentativa jun
to ao g. binete ; o mareehal Deodoro declarou
cathegoricainente ao seu velno amigo que o mo-
vimento era irrevogavel e que elle j se acbava
frente de scus companheipos.
Devo declarar aqui, que no dia 12 me dirig
casa do generl Deodoro e Ibedissc francamente :
onstando-rae que est resolvida a mudanca
de forma de governo, achando me, como V. Exc.
sibe, frente denm grupo ie officiaes na maior
parte monarebistas desejo, para evitar urna di-
visode opinies no momento decisivo, conhe-
cer sua maneira de pensar a respeito.
0 general respondeume:
--Jacques, eutambm fui sempre mooar-
cbista, anda. que inuito desgostoso, e descon-
tente nestes ltimos tempos.
Agorar nos tercoso convencer-aos de que,
com a morrarebia, nao ha salvaco possivel para
a patria, nem para o exercito.
J temos provas de que, depois de. tudo o
que ize -se.nos, ejs seguiriam a mesma senda
e tratariam de aniquilar o exercito.
E atteraedo-se Ihe o semblante, que adqui-
ri essa expresso aquilina de preciso e de
commando, de que s poiem dar testemunho
a^u los que. dos momentos supremos, tm C3
tai j a seu lado, accrescentou :
E, demais, a repblica vira com sanguc
se nao. tormos a seu encontr sem derramal-o.
Coiitcstei-ltie que nao s eu como tambem to
dos os que se acham commigo, o acompanhai-ia
mos cegameote. e que podia dispor de nossas
espalas como melhor lhn parocesse, ceno de.
que por nossa parte a classe se apresentaria
unida e disposta a todos os sacrificios, no mo-1 vam, indo postar se
ment decisivo. portad do edificio.
S fago estas decleraces a bem da verdade
histrica.
Por" seu lado o Dr. Benjamin Constant nonti
nuava seus trabalhos, no intuito-de reunir os
elementos da que careca a revoluco,em confe
reacias celebradas em varios pontos da cidade
com officias dedicados e dispostos, quando se
soube, ao anoitecer do dia 14, qne o gabinete,
prevenido se reuna do Arsenal de Mariana e
depois no quartel.general.
Era preciio obrar enrgica e rpidamente.
Com effeito, deram-se immediatamente ordens
no sentido de /azer o movimento nessa mesma
noute, antes que o governo podesse organisar
resistencia.
Como, correase o boato da priso do general
Deodoro e do Dr. Benamin Constant; da ordem
de embarque e partida do 7 batalho de infan-
taria e 9 regiment de cavallaria; mandou-se
immeditamente um carro buscar o general, que
tarde se tinha retirado, por conseibo de seu
Ao chegarem as torcas ao Campo, na esquina
da ra Viscondede Itana o general Deodoro
montn o cavallo em que vinha o alteres Eduar-
do Barbosa, e pos se freote da columna.
Ao entrar no Campo quando passava dian'e
das tercas de poli na da corte e de imperiaes
marinheiros, qne acabavam de ser callocados no
ngulo em que se acba a estaco da. estrada de
ferro 7. Pedro II, o general voliou se enerrica-
mente para ellas e vendo as indecisas, pergun-
tou com voz de commando :
Enlo nao tazem continencia... ?
Nesse momento, o major Vallado. que com-
mandava a infamara de policia, ergueu um viva
ao general, que foi correspondido, fazeodo a
tropa a coatmencia da ordenanga^
Este facto, pequeo na appirencia, foi de um
grande alcance milita \ Com elle manteve o ge
neral o prestigio, que, nem por um instante, de-
via deixar menosprezado nessu da, e affirmuu a
contianca dos que o acompannavam em seu r-
pido golpe de-vista, qualidade d que devia Je-
pender essencialmeote todo o resultado dajor
nada que ia eomecar.
Quando a brigadi entrou no Campo da Accla
maco pela roa do Viscoode de I auna, o beiga-
deiro Alineida Barreto dispnoha as tercas de go
veroo, sob seu commaado, oo agulo corres-
pondente esirada de Trro D. Pedro II, onie
perraaneceram at o desen ace dos aconteci-
meotos.
O general DeoJorj naniou desenvolver a se-
gunda Drigada em (rente ao quartel-general, e
deter.niuju que as quitro pecas ds arlilnaria
da e-querda jblisua-scm em direc;o as tercas
do g veroo pin* maaiel j. e u respeito.
Fui tiesta occasio que ebegou o ceup que
conduzia- o Baro rJ<: Ladario (Ij.
O mareehal disse:
E* um coup dd ministro.
O lente Penna, que se achavu a seu lado,
accrescentou :
Nao o da guerra porque as or ienanca?
sao de polica.
O carro approximou se.
- E' o Ludario, exclamou o general
E flcou pensativa alguns segn los
em voz baixa, disse ao lente Peiiha.
Prenla o Barao.
O lente P.mlia parti a galope. Ao mesmo
lempo que o Baro sahiu do carro, o teacntg sal
lava do cavallo e dirig) se a Exc.:
Est preso ordem do general Deodoro.
O Baro nao respondeu urna palavra. Molteu
a mo no bolso, tirou um revolver, apohtou e
di>parou contra o lente, quasi aquenna-rojpa.
A arma negou oo.
O lenle Peona, qaando vio a arma apostada
contra seu peito, fez nstinctamenie um mevimen
to, apresentando o flane ao B^ro. Resguar
dando a cabeca com o lraco esquerdo, pom u
mao direita l;rou o revolver da cintura e dispa
rou conira o ministro da manaba.
Ao primeiro tiro, o mareehal Deodoro dirigi
se ao grupo e o Baro disparou ento contra o
mareehal que sentio passar a bala pelo lado di
reito de sua cabera.
Depois dirto, o Baro se retirava, quando o pi-
quete do mareehal disparou Ihe alguns tiros.
EnlD apressou o passo e foi cahir junto ao
armazem da estjtrerua, no canto da ra de S.
Lourenco onde tratou de eutrar, portn alguem
de dentro se oppoz e fechou a porta.
Nesse momento alguns soldados quizeram ma-
tul o a coroohadas O general :Deodoro acudi,
ordenando :
Soldados, nao matem o Baro.
Pouco depois o Baro tei recolhido por varias
pessas ao palacete Itamaraty, onde recebeu o
primeiro tratamento.
0 g neral Deodoro voltou com seu estado
maior. ao qual eacorporra se depois da chega
da das tercas ao Campo da Acclamacao o cidado
Quiotino Bocayuva, a temar posico em frente
ao porto central do quartel.
N'este poDto veioconferenciar comerle o gene-
ral Barrete, que regressou logo para pdr-so outra
vez frente das tercas do governo.
Chegado ao campo, o general dirigi se ao
postigo d porto de onde fallou com os cap
tes Rento, Ferraz e Gal.o, dizendo-lhes que
abrissem: ao que estes officiaes coutestaram que
ainda nao era tempo.
E a freote das tropas o general recebeu aviso
3ue a metralhadora que tinham levado para
entro do quartel eslava sua dispcsican, pois
O oficial que a commandava era dos revolucio
narios.
Depois de conferenciar com o brigadeiro
Brrelo, o general ordenou ao tenente-coronel
Silva Telles que fosse intimar ao mioisleno
que aban lonasse o poder e se entregasse dis-
crico.
'Em seguida ao regresso d'esse oflicial, desceu
do quartel general, o mareehal Floriano Peixoto,
que conferenciou com o mareehal Deodoro al
guns minutos.
Enlo o: general .fer abrir o porto e peratiou,
a galope, com o benet na mo, seguido do aju-
dantff-general o de alguns officiaes. Ao chegar
em frente da metralhadora ordenou, sorrin
do-se :
0 Dr. Benjamn Constant, dominado pela in-
dignaco que raime ra sea nobre alma, apoiou
energicameat-Bs pamvras do- general Deodoro.
0 general Meriaaaatervetn parawacaimar os
nimos e pedaqueJe3se revagad a pase de
priso.
O generalBeeioratacceden-a seu.pedido e de
clarou que oeministroe podiam retirar sa-para
suas casas.
Como um dalles paissagBntiaj,^conteatou :
Esto pH*ntdecpei>deep.-ezo. publico.
Os ministros Tatira/am-ae para .suas. casas
pouco depois das 2 horas da tarde.
Logo que depoz o ministerio o mareehal Deo
doro voltou 4 frente das tercas reunidas no cam-
po
Foi nessa occasio que a tropa e o povo deram
vivas 4 repblica, salvando a arlilharia co:n 21
tiros.
A repblica eslava proclamada no Brasil.
Segu ram ento as tropas para o arsenal de
mariQbarondeconfratermsaram com as torcas
da armada all postada.
O mareehal Ddodoco foi recebido fra do por-
to pelo ehefe de esquadra Wandenkolk.
Daranten trafucto-al o arsenal, assim como
oo regresso dabi, as tropas foram.constantemen
te victoriadas pelo povo.
A 2* brigada, que. pela aeco de seus distinc-
tos e briosos officiaes, desempenhou o p;ipel
mais culminante aa revoluco, sem que isto di-
minua o valor e os servijos dos demais corpos
do exercito e da armada, que prestaram auxilio
fficaz, acbava se compasta das ?egiiintes tercas
ao sahir de seus quarteis em S. 3hristovo :
Commandante da brigada: lpente coronel
Silva TVHes.
Duas companhias.de guerra, formadas pelos
alumnos da osela superior de guerra, cemmau
dalaspeloeepftao Vespasiano Gmcalves.
i" regiment de arlilharia, sol! o commando
do major Lobo Boielho, que, logo aps sua che
gada ao ca epo da -Aeciamaco, o passou ao ca-
pito Francisco Xavier Baptista.
9' regiment de cavallaria, sol o comm indo
do major Soln Ribeiro.
O Io regiment da mesma arma, sob o com
mando do capito Floriano Fin andel.
Aggregaram se brigada em S Chnstovo va-
rios officiaes e os clda los edfO Paulino, irmo
do general, e Antonio R ilri.ues le Campos.
Alguos outros offi-iaes rtumram-se s torcas
depois de sua ebegada ao campo da Acclam iQo.
revoluco contava na noite de 14 para levar
a effeito o movimentaas seguintes torgas:
A 2- brigada, o f batlhao de infantaria, pai-
te do 1 batalho &z mesma arma.
Muilos officiaes do exercito e armada divr
sos naviose alguma foicide fuzi eiros navaes.
E nao dispunha di:
O loo.batalb&o de iufaniaria, a policia da ca
pital da provincia do Rio de Janeiro, o Io bala
Ihio de arlilharia de potiicao
O corpo de bombeiros e do imp riaes nari
nh eiros.
Uevo faz r not-ir que ceinquanto uestes corpas
hoavesse ofD.'iHes e sol lados neiicadus cusa
que tralialiiavam activamente em favor da rav-i
lugo, nada se tinha Icanfaio ..i^ o dia 14 tal
v-z pelo imp evislu do faci que devia dar se no
da 16.
Eut-etunlo a unidade manifestada no momen
to decisivo qflando urna simles vacillaco pi
dia occasioner graves troperos a prova mais
eloqueute do patriotismo e do espirito de casse
do exercito e da armada.
Ao terminar essa ligeira resc-ohados snecessos
gloriosos que precederam e aompanliar un a
revoluco do ia 13 de Navombro de 1889. n i
Bruzil, como brasilwiroe.coma militar, quero d i
xar coasignado, cima de tudo quanto aconte
ceu, urna vers le da qual depende a juatificaco
e a gluna do procedimento da forg armada.
Antes, durante e epoi-* da revulugo, esse
exercito que os governos apreseniuvam cuino um
centro d.; iusubordinaco mantevese dentro da
mais admiravel disciplina, obedecendo vo; de
seus chefes com todo acatamento e conservando
inalteraveis e incolsmes a seguranca da cidado,
a Iranqnillidade publica e a propnedad;.
Causa orgulho ao militar brasileiro poder de
el irar, sem receio de que o contradigan], que
at agora nao se produzio um so acto de violen
cia, mesmo isolado, mesmo justificado pelo en
thusiasmo do primeiro momelo, que tenha vin
do empanar o brilho do uniforme brasileiro
Rio de Janeiro, 10 de Dezembro Jacques Ou-
r.que, te nenie-coronel dt eogeuheiros.
REVISTA DIARIA
Club liUernarional do Beclfe A
noite de 1S de Fevereiro prximo, nos sales
d'esse Club, tiaver um sarao carnavalesco pro-
movido por aljuns dos respectivos socios, que
se esmerara, na traduco de seu peasameoto,
por proporcionar aos seus convidados horas
apraziiveis de>um Colgar innocente.
O convite que nos tei dirigido, .urna linaza a
que somos reconnecidos.
Miaa No da 21 do corrento celebra-se, na
matriz de Gamelleira, urna missa em suffragio
da alma de Oreles da Costa Reg Mouteiro e
commemoraco do trigsimo dia de seu fallec
mente.
Rudimento* de grammatica Ingle-
saFoi dada lu essa obra, composico do
Sr. Dr. Antonio Joaquim de Barros Sobrinho
illustrado professor cathedradtico da cadeira de
inglez no curso annexo Faculdade de Direito
desta cidade.
O trabalho do Sr. Dr. BaTos-Sobrinho tem
grande sigailicaco no esludo da materia, a que
elle se prende, nao s pela conciso e clareza,
como pelo metnodo, a que elle obedece, e pelo
qual facilita-se a apre lingera e faz se passar o
estudante gradativamente das materias mais fa
ceisi s mais complexas e difliceis, a ponto de
poder dispenear-se o concurso do mestre.
l*i DeiJi'imahIa An nwimvtMiiirn in/i/fl*/I r.]
Tirem d'abi esse trambolno.
A guarnigo retirou immediatamente a machi-
na de guerra.
Ao passar pela frente, do 7. batalho de in-
fantaria raandou tocar a msica.
Um vulente capito d'esse corpo dea um viva
ao general, viva que foi correspondido por toda
a tropa qne se acbava dentro do quartel, qual
o general passou revista, recebendo as honras
inherentes ao seu posto.
Ordenou s orcua^dfc sahia.'cra, e as condu
zio para fra do qnaB^ onde marcharam em
correcta formatura diante das que all se acba
em columna na frente do
tadas pelo Dr. Ruy Barbosa e pelo autor deste
artigo, foram discutidas com a calma e rolle
xo, necessarias no Diario de Noticia, nico
jornal que acjmpanhou dia a dia os ltimos
acoatecimentos militares, dirigiodo-os do molo
que pareoa-mais acertado aos que se linoam en-
carregado de batel-os na im .rensa.
Fui sempre adverso s iniciativas e maniates
tacoes por parte da forfia armada contra os go-
verooe constituidos. Pens e pensei sempre que
o exercito s deve sabir da lei, abertamente, ar
rostando com toda as consequencias de seus
actos, como o fez oojdia 1S de Novembro; a,
oeste sentido, em pregamos todos os rrossos es-
tercos, auxiliados pelos camaradas que' nos pre-
staram seu apoio, congregando em torno desta
idea os officiaes da guaroico da corte.
Essa quesia, como as que seguiram se, trata medico, para casa de seu irmo Dr. Joo Seve-
riano, do Aniaraby, am de repousar e exper'-
mentar a muiauca de ares.
Depois de sua volta, s 11 horas da noite, co-
megou-se a tratarldo movimento, em sua casa do
Campo da Acclamacao, onde com o Dr. Benja-
mn Constant, se achavam varios officiaes do'
exercito e da armada, sendo a cada momento
chimados outros.
O enthusiasrao e a dedicaco dos officiaes' eram
inexcediveis.
O general, impertubavol e atiento, examiaava
os meios de aeco e dava as ordens.
. Discuta com o capito Espirito-Santo um pla-
no de ataque, apresentado por este oficial, quan-
do sob.-eveio-lbe um fortissimo accessoda enfer-
midade que soffre, vendo se terca lo a recomer-
se ao ieito em um estado grave de prostraco-
Ento subi o general a entender se cem o
gabinete.
Ao achar-se em face dos ministros, que excep-
uan io o viscoade de Ouro Preto, que conserva-
va sua habitual altivez, e o censelheiro Lourenco
de Albuquerqne, que se mantinha sereno, esta-
vam completamente aterrados,disse-Ihe mais ou
menos o mareehal:
Que vinha em nome do exercito e do povo de
por o governo por sua falta de patriotismo,e
pela perseguico contra a torca i rmala.
Qne estranbava que homens da, llustraco do
conse heiro Affooso Celso desconhecessem a tal
ponto o que era patriotismo.
Que, patriotismo nao era a que elle havia re
velado no governo, seno o sacrificio do soldada
que para defender a dignidade da patria bata-
se horas inteiras com agua pelos paitos ; do ge-
neral que supportava resignado as privacoes de
urna campanha, tendo das e dias um punhado
de raillio como nico alimento.
Que S. Exc havia manifestad) com seus actos
o desejo de anniquilar o exercito, auxiliado pelo
Sr. Candido de Oliveira, que s urna vez tinha
dito a verdade, no discurso que pronunciara no
laboratorio do Campioho, e pelo vi.-conde de Ma-
racaj que, sendo soldado, nao tinha vacillado
em reerendar as iniquidades levadas a extremo
contra a classe que pertencia.
Que em vista disto depunha o ministerio e
prenda os Srs. Alfonso Celso e Candido de Oli-
veira que sahlro do pas no primeiro paquete,
poiendorlirar-se o resto do ministerio, por ser
inoflenslvo.
(1) O dialogo que se segu tomado com al-
gumas modincaces da verso publicada por
urna das temas desta capital, a qual mais se
approximou da verdade.
Os Rudimentos da grammatica ingleza re com-
mendam-se pela suficiencia do seu autor, tendo
sido unnimemente approvados, sobre parecer
de commissao especial, pela cengrcga'co da Fa-
culdade.
wervloo militarHojc superior do dia
O cidado capitao Silva, o dar a ronda de visita
um subalterno de cavallaria.
0 14.batalho de infantaria dar aguar-
n^o da cidade; e o t o oflicial para guarda da
l'hesourana
O cidado general gowernador deu em 17
do corrate o seguinte despacho na pelieo do
Dr. Miguel Gursino. Villa Nova :Apresente-se
junta medica militar alim de ser iDspecciooado.
Ao 2 batalho de infnn.aria mandou-se
excluir do sen estado effectivo aos segundos-ca-
detes seguados-sargentosBartholomeu Eugenio
VIuniz WaodaWey e Olympio Nunes Lima da
Silva, que seguiram.a 20 para a capital federal
diiposiyo do cidado ajudante general do
exercito.
Mandou se tambem desligar ile adJido ao
destacamento de cavallaria o cidaco aiferes-
alumno Autnano Barrete Lias, que deve seguir
no dia 2o do corrents para a capital federal,
cooforme declaran o cidado ministro da gera.
Alislaram se como voluntarios 12 indivi-
iuos.
iMu acadmica-Haver hoje sesso
preparatoria para a 3' discussao dos estatutos,
s 10 horas do. da, em um dos sa oes, da ac
demia.
Dr. Pedro VelnoNo paquete Pava, que
seguio viagem ante-bontem para o sul, veio do
Rio Grande do Norte, com destino capital Fe
doral, o Dr. Pedro Velho de Albuquerque Mara-
oho, illostre filho d'aquelle Esiada, onde gosa
dos merecidos crditos de carcter impoluto, es
pirita adiantado, e inteligencia culta.
O iUustre viajaate esteve em trra durante a
demora do paquete no porto do Recite, foi
muito obsequiado por seus amigos.
A' esse proposito escreveram n.^s :
O graode cidado, Df. Pedro Velho de Albu-
querqpe Maraaho, de passagem para i capital
Federal, demorou se em nossa trra algttmas
horas, em que, cercado de correligionarios-que
o apreciam como elle merece, e revelando diante
de todos, alias despido completamente de pre-
tences, as maravilhas do seu eoracter e do seu
talento, sobremodo os penhorou.
O distincto cidado, republicano histrico,
que Kez em sua trra com a Repblica a propa-
ganda brhante, sincera e fecunda, que entre
nos fez com o Norte o innDacurado e talentoso
Martina Jnaior,e que o Estado da Rio Grande
do Norte na hora grandiosa e immortal em que
a salvadora forma do governo se annunciava ao
paiz, acclamou como governader, o notavel ci-
dado Dio passou por aqui desapercebidamente.
O nosso presado amigo, o Sr. Martiniano
Veras offereceu-lhe nm banquete, a que assistio
um grande numero de republicanos, dos mais
distincios de nossa cipital, 6 ento foram ah
erguidos brindes de rauito arrebatamento ora-
torio. Entre ostros lembramo-nos dos segua-
les :
Do cidado Martiniaoo Veras ao cidado Dr.
Pedro Velho.
-Donidado Garlo Falco aos cidados Drs.
Pedro Velho e Marlins Jnnior.
Do cidado D-. Pedro Velno magiatratura
brazileira, brilhantemente representada noDr.
Altino de Araujo, a qnem por seus dotes moraes
e intellectuaes declarava o mais cordial affecto.
Do cidado Dr. Martins Jnior ao cidado
Landelino Rocha, salientanlo as aotaveis virtu-
des civieas do brindado.
Do cidado Dr. Brito ao Dr. chefe de polica.
Do cidado Carlos Falco ao beDemerito ge-
neral Simeo, governador do Estado.
Do cidado Ver.s aos ministros da agricul-
tura e da fazeoda*
Do Dr. Balthazar da Silveira ao cidado Dr.
Marlins Jnior pela sua administraco dos nego-
cios da policia e como chefe do partido.
Do Dr. Pedro Velho ao cidado Martiniano
Veras, republicano histrico, cojos predicados
cvicos exalten.
Do Dr. Barros Carneiro memoria immor-
redoura do notavel patriota que se chamou Ma-
ciel Pinbeiro e aos filhos destes que deviam se-
guir as pegadas luminosas de seu grande pro-
genitor.
Do mesmo Dr. Barros Carneiro classe
pharmaceutica, representada nos Srs. Veras e
Castro Meaezes.
Do cidado Castro Menezes a familia Fal-
co, representada na capital Federal por Anni-
bal Falco, o talento, a moralidade, o patrio-
tismo e a illustraco, e aqui pelo cidado Carlos
Falco, nao mrnos distincto.
Deste imprensa pernambucana, determi-
nadamente ao Diario de Pemambueo
Do cidado Dr. Altino de Araujo aos repu-
blicanos do Rio Grande do Nbrte.
Do cidado tomo Veras ao povo de Per-
nambaco e do Rio Grande do Norte, represen
lados era seus chefes, Dr. Pedro Velho e Martins
Jnior.
Outros muilos brindes, realmente cloque-
les fizeram se* ouvir, e impossivel reprodu-
zil-os todos, sendo o do Dr. Martins Jnior ao
preclaro Dr. Silva Jardim, de quem fallou por
mais de meia hora, com a elevac a lgica,
talento e.a elocuco de que.d>spe lo ricamente.
Pouco depois emharcou de novo a bordo do
"ara o iUnstre hospede.
AcompaDharam no ao paquete diversos dos
amibos que assisliram ao banquete.
Venios felizes conduzam o illostre viajante
e mais felizes ainda o tCugam de novo ao Rio
Grande d > vorte.
Extincla Cmara Municipal as
publicices solicitadas do tari de ,io;e corae-
yu a ser publicada a exposico }ue dos negocios
iiunicipaes-fazeui diversos Ss vereartees da
exmela amara Municipal, refe-ente ao tempa
de s.ia gerencia ao municipio do Recite.
Sem querer julgar de meretis desse. lraba_ho,
p-asaui03 leve ser elle lido como documento
iu" vai servir para a historia da mnaicipalldade
desta cidade.
Fallecimento -Renden a alma ao Creador
na segunda-feira ultima p;f!a manti, a joven
Maria da CoiiceicAo Druramoad a padecimentos
cardiacos, que sobrepujaran] aos esforgos da me-
dicina e turnarsm nentmns os cuidados e cari-
nbos da familia.
Era urna senhora cujos dotes de coraco fa-
ziam n'a digna de todas as consUerages e ver-
dadeiraraenle estimavel.
A linada era tilna do tinado Dr. Antonio de
Vasconcellos Menezes de Drumniond.
Nossas condolencias sua respeitavel familia,
na qual contamos amigos.
OutroN domingo ultimo noite linouse
a Sra. D. Antonia de Novaes Pereira da Silva,
esposa do commerciante desta praca Antonie
Augnsto Pereira da Silva.
A linada era urna estimavel sonhora por suas
qualidades, e deixa tres filhos, dous dos quaes
ainda cm tenra idade, quando bem Ihe precisa-
vam dos carinhos e desvelos maternos.
A familia nossos pe Matricula de criados At hontem fo-
ram inscriptos no registro da policia4.831 cria-
dos.
Contina abe-la a matricula, devendo os inte-
ru3sados< oamparecer na Repartigo da Policia
das U tioratda maub Lda tarde.
aasaaainatoNo inga' Agua Branca do
termo do Tnumpho, e uo dia 12 do corrente,
foi assassinado com um tiro de pistola o oidade
Antonio JosJPereira de Britto, llscal da Cmara
unicipal d'aquella villa.
Os delinquentes nao foram reconheoidos.
i"ormenlo mortal Em (erras do en-
gento Beila*Rosa, da freguezia da Luz e co-
u arca de S. Lourenco da Mutta, foi ferido mor-
talmente, no dia 4 do corrente, pelas 4 ho as da
tarde. Amaro Beltro, por Maria Joaquina c um
lillio de nome Jos Januario.
Os enmioosos evadiram-se.
Consrroio Dramatieo Beoeflcente
Communicam-nos :
Um grupo de rapazes ama lores, socios do
Sopgresso Dramtico Beoeflcente, trata de re-
alizar no prximo domingo (26), no tbeatro de
Santo'Aatonio. um espectculo em beneficio de
um antigo collega de arte dramtica, cuja defi-
ciencia de dmos para tratar de sua stde, pro-
fundamente alterada, o torna merecedor do fa-
vor publico.
Vo scena o bonito drama origioal brazi-
leiro intitulado O crime pela honracuO
segredo inviolavel. que est em eosaio, e urna
comedia do repertorio da sociedade.
Os referidos amadores nao ponpam esforgos
para que a sua testa de caridad; seja digna e
estoja na altara da attenco publica.
A intelligente artista Rosa Manhongu, por
obsequio ao beneficiado, toma generosamente
parte no espectculo
uirecto'f a. das obras de cenerf-
-o don porloa de Perna-mfcueerteci-
re,
20 d 3 Janeiro de 1890.
Boletim
meteorolgico
Horas 2 313 Barmetro a
-~ t-
1 u.
6m. 26M 739-46
9 28,7 760*26
12 28,7 759-59
3 t. 28,9 758-16
6 27,6 787-35
Tenso
do vapor
18,73
22,12
22,77
22.11
2,85


73
M
78
7i
78
Temyeratura maixima29,75.
Dita mnima25; 7o.
Evaporaco em 24 horas: ao sol-6,-3.;
iom Sra3,-6.
Chuvanidia.
Direceo do -vento : E de meia noite at 6
horas e 30 minutos da raanh ; ENE at 8 horas
e 28 minutos; E com algumas interrupcoes de
ENE at meia noite.
Velocidade media do vento2,-91 por se-
gundo.
NYbulosidade media0,-63.
______________Boletim do porto
H .Dias fieras Altura
B. M. p: M. B. p; M. SO de Janeiro 21 de Janeiro 10-04 da -manir 4-13 da tarde 4038 4-57 da manlrn 0-.32 2-,73 0-.23 2-,6S
LeilQe Effeciar-se-ho os seguintes :
Hoje :
Pelo agente Pinto, 43 10 1/z oras, .rua Con-
de da Boa-Vista n. 24.M, de movis, loucas e vi-
dios.
Pelo agente Pestaa, s 11 horas, travessa do
Corpo Santo n. 27, de dividas.
.Pe agente Gnsmo, 1 hora da tarde, na
pnaca do Commerci, de i cavados de corrida.
Amanh :
Pelo agente Silveira, s 10 12 horas, ra da
Concordia n. 22. de movis diversos.
Pelo agente ques de Oliada n. 48, de fazendas de diversas
qualidades.
IMhiaai* frtrw -Serao cetebmdas :
Hoje :
A's 8 horas, na matriz da Boa-Vista, pela alma
do Dr. Josa Jeronymo Pacheco de Albuquerque
.r
-



<+m


iano dek FernambucoQuarta-fda'a 22 de Janeiro de 1890


^-
.:
m



. ?


t"
Maranho; s 7 horas, na groja do Terco, pela
ala de Manoel Al vea de Carvalho; 3 7 lloras,
na Orden Terceira do C-irrao, pela alma de D-
Maria flosalir. a Fonseca; as 71 2 horas, oa igreja
do Ter^o. pela alma de o. Mara Igoacia de
>manh :
A's S horas, na igreja do Tereo, pela alma de
Manoel de FoDtes Gomes.
Caaa df Metes^dMovimento aos pr-
oe da Casa de Detncao -lo Recife do Estad)
de Pernambuco, em 20 de Janeiro ;<890
Exisuan 480 ; entraram 6; sahiram i ; exL-
'.em 482.
A saber:
Nacionaea 455 ; numeres 21; estrangeiroi 6 ;
-Total 482
Arracoados 400
Sons 370
Doentes 23
Loncos 4.
Laucas 3.
-Total 400.
Movimento aa enfermara
Teve baixa :
Manoel Joaquim de Sania Anna.
Teve alta :
Jos Ricardo do Nascimento.
Hu*ptiui Pedro si u movunento des-e
atabe lecunento de caridade, no dia 20 de Ja-
neiro ro o seguinte:
Entraram 13
Sal; rain
Ffcllecjrac 2
Existem 430
Poram visitadas as respectivas enfermarte
aelos Drs.
Mosco as 8.
Barro So>riabo 88 7174.
Malaqoias s 10.
Estevo Cavalcante s 8 1/4.
SimOes Barbosa s O
Nao compareceram os Drs. :
Cysneiro.
Berardo.
Pontual.
0 cirurgiio dentista Numa Pompilio nao csm
pareceu.
O pharmaceutico entrou s 8 li4 da manh e
ahio s 3 da tarde.
O ajudanie do pharmaceutico entrou a 8
lahio a 3 1/2 horas da tarde.
{.uli-ra do rm-PrS-A 5a parte, da
34* lotera, cuio premio grande 6 de 60:000
ser extrabida boje 22 le Janeiro.
Lotera da corteA1* parte da 254* lote
ra, cujo premio maior de 10:000*000 ser ex-
traala no dia 25 do correte.
Ceoalterio PublicoObituario do dia 20
de Janeiro :
Sabinc, Pernambuco, 36 horas, Recife ; ence-
phalocite.
Antonia Novaes Pereira da Silva, Parahyba,
40 annos, casada, Boa-Vista ; tubrculos pulmo-
nares
Maria Conceico Menezes de Drummoad, Per-
nambuco, 36 annos, solteira, Boa Vista; ectasia
da aurta.
Hilario, Pernambuco, 8 dias, Boa Vista ; teta-
no infantil.
Cassiaoa Maria da Conjeico, Pernambuco,
38 annos, solteira, S. Jos; bronchite asthmatica.
Demetrio, Pernambuco, 35 annos, solteiro,
Graca ; estupor
Joo Rodrigues Lins, Pernambuco, 38 annos,
casado. Graca; cachexia palustre.
Justino, Rio Grande do Sul, 38 annos, Graca ;
syncope cardiaca.
Jos Antonio Silva, Pernambuco, 53 annos,
viuvo, Boa Vista : diarrba.
Olympio Jos da Silva, Pernambuco, 24 annos,
solteiro, Boa Vista ; heraaptise.
M POUCO DE TUDO
No dia 1 do corrente, a Prensa, de Buenos Ay-
res, deu urna ediQo dj 36 paginas, ou 252 co-
lumnas de cerca de duzentos linhas !
E' o mais volumoso numero que tem havido at
hoje na impreasa diaria.
A composico d'esle enorme jornal devia ter
accupado. pelo menos, o aervico de 270 typogra-
pbos e 54 revisores.
NVsse dia a tiragem da Piensa elevou-se a
35000 exemplares, edico ordinaria da Gazeta de
Notizias ; mas 10000 exemplares a mais do que a
tiragem habitual da Prensa.
S o La Piala levou para a Europa cerca de
6000 exemplares d'essa edico da Prensa, enva
dos pelos bancos e principaes casas commer-
claes de Buenos-Ayres, o que altamente hon-
roso para a renuteco de que merecidamente gosa
o Ilustre collga.
*
Querem os eitores saber quaes sao os ttulos
officiacs do principe de Galles ?
Tomem folego e vejam apenas urna parte d'el-
les que consta do diccionario lo Peerage and Baro-
nelage do Reino Unido.
O (imito Alto, muito Poderoso e exeessiva-
mente Ilustre principe Alberto Eduardo, princi-
e de Galles, duque de Saxe, principe de Saxe
obuigo .; Go'.ija. duque de Cornouailles e de
Rothsay. conde d Chester, Carnk e Dublin, ba
rao de Renfrew e senhor das libas, grande chan
celler da Escossia, K. G. K. T. K. P. G. C. B. G.
C. S. I. G. C. M. G. G. G. I. E. (Sao as iniciae3
das suas condecoraces inglezas), cavalleiro do
Toso de Ouro. cavalleiro do Elephante Branco
de Sio, gr cruz de S. Joo de Jerusalm, ca-
valleiro honorario da ordem de S. Joo da Alie
manha, marocha! da armada ingleza, comman
dan te em chefe dos trez regimentos dos Life e
Royal horse guards, coronel honorario do 6o regi-
ment de infantaria de Bengala, commandante
em chefe da Rifle Brigade, coronel do 10 de hus-
sards, capito general e coronel da companhia
de artimaa de Londres, coronel honorario da
2* brigada d'Este, coronel honorario do 3o bala
lho de infantaria ligeira do duque de Cornouail-
les. ajudante de campo militar da rainba, almi-
rante honora >o da frota brilannica, capito de
navio noncrario da reserva naval, coronel hono-
rario do corpo de voluntarios de Oxford e Cam
bridge, e dos artbeiros voluntarios do conde do
condado de Middlesex, coronel do corpo de
Highlanders, Aberdeen e Sulherland, feld mare
chai do exercito allemo, coronel do 5o rgimen
to dos hussards pomeraniaoos, gro-mestre das
lojas maconicas dos franco macons de Inglaterra,
licenciado em direito, advogado e presidente da
Sociedade das Artes, doutor em lettras por Cam-
bridge, Dublin e Londres, em jurisprudencia por
Oxford e membro da corporaco dos acouguei
ros, padeiros, lenhadores, pescadores, etc., etc.,
da cidade de Londres... etc., etc., etc.
*
Depois d'este piolho de cobra, preciso repou-
gar as trez seguintes facecias :
Annuncio de urna photograpbia.
Retratos instantneos.
Precos : 15*000 meia duzia de retratos de
pareceoca completa; lOOO idem de parecenca
aproximada; 5*000idem com ares de familia.
*
Urna crianca ternvel :
Entao o senbor vai casar com minha rm ?
Vou, sim, meu menino.
E casar o que ?
E' lvala para minha casa, de forma que
a minha mami e o meu papai passem a ser a
mami e o papai da sua mana.
Ah I sim ? pois olhe, nunca Oque ssiuno
com ella, porque em o papai e a mami nao es
tando, ella d he pancada.
*
m profeseor escreveu a um collega, recom
mendanJo lhe um estudante que entrva em
exame. No mesmo bilbete recebeu a seguinte
resposta:
Nao. pode ser, collega, porque as notas sao
pessimas : em arithmetica, nada, em geometra,
nada, em algebra, nada; somma : nada, nada,
nada. ...
Resposta do pnmeiro no reverso do cartao :
E nadando elle assim to bem.no se poder
saftar ?
Os iornaeg de Buenos-Ayres dao noticia de um
raro 'aso de loucur intermitiente, de um infeliz
chamado Sebastin Martitegui, cuja preoecupaco
durante os sceseos consiste em crer firmemente
que uao tem cabeca.
A iuso para o enfermo to completa que,
emquanto dura o aeeesso nao 10 deixa de expe-
rimentar todas as sensaces localisadas nos dif
fereuteg orgos dos sentidos, a visao, a audico,
o sosto, o olfacto, etc., mas tambem perde com-
pleumente a sensacao da dor.
Anda ba oouoos dias fieos este estranho phe-
nomeflo exuberutemeote provado : um servente
da enfermara, que levara dous baldes suspen-
sos a urna vara, den desastradamente com a
pona d'eata na cado deagragao. rasando lhe
um olho.
O enfermo nao den o menor sigoal.da.niau re-
mota seosibilidade !
Ficou n'esse estado de aaeethesia dnate
cerca de 24 horas, tanto quanto durouo accesso,
comecando depois a queixar-se de violentas
dores.
SPORT
Concluimos com o presente os artigos sobre
os Palpitadores.
Devem se mencionar tambera os palpitadores
que, deixando os seus arrazoados no tinteiro,
contentam se em formular urna opiniao.
E-tes propbelas fazem influir em suas razes
e.que podenarros chamar causas moraes; a co
taco, por exemplo, a esperanca de urna ceque
na vantagem no peso para um handicap futuro.
Succede algumas vezes que a:ertam de um mo
do quasi mathematico e ento todos se extasiara
ao consideraren] a sua sciencia, que nao
seno casualidade, e admiram a sua doutrina
que consiste precisamente na ausencia de qual-
quer doutrina.
Os seus xitos sao ruidosos, pois indicando
cavados impossiveis, fazem ganhar aos jugado-
res, que seguem as suas indicacOes, sommas fa-
bulosas.
Nunca um palpilador que se prese deve acer-
tar em um cavallo impossivel, mas tambem nao
deve formular os seos juizos com a severldade
de um presidente do um jury ao pronunciar
urna sentenca de morte.
O homem um ser variavel, porque nao ha de
sel o tambem o cavallo ?
Pdr vista do publico o quadro das perfoman
ees paseadas, apresentar lhe o estado das proba
bilidades de urna carreira, dar lhe todos os ele-
mentos para que possa fazer a suaescolba.com
parando as apreciares manifestadas pelos in
cidentes que se tcntiara produzido at a occa-
sio da partida dos cavallos seguramente um
grande e til trabalbo.
O prognostico satisfactorio se, independen
temente do resultado, oconjuncto da corrida
prova qne os diversos cavallos que a disputa
ram, foram justamente apreciados, o publico nao
pode mostrar se demasiado severo por alguns
erros, nem pelas deducoes ligeiramente ioexa
ctas que possa verificar, pois deve-se declarar
3ue o que os palpitadores do Turf buscam o mais
ifli -il.dos problemas, a mai? abstracta das scien
cas, a mais caprichosa das theorias : a regra
que rege a formacao dos verbos irregulares.
Passou a Gallia a pertencer Coudelaria In
ternacional.
*
Pela directora do Prado Pernambucano foram
multados por irregularidades praticadas no 5o
pareo da corrida de 19 do correte, os j'ickeys :
Henrique Rocha, por ter procurado forg.r a
sahida, e Antonio Meira, por portarse de modo
inconveniente, em 50*000 cada um.
Luiz Pereira e Manoel Virgilio, por icarem
parados na raia, dada a partida, em 2001000 in
dividualmente.
Ocrhj Club de Peraambaei
ter
hontem, na secretaria do Derby
Club a inserpgo para a ?ua 3 corrida a
r no '
tado
Realisou se
club a insenpeao para a ua j1 corriaa a te
lugar no domingo, 26, dando o seguinte resul
tarn
!Pareo-Consolaco-- 800 metros:
Rio d'Ouro, Esculapio, My Boy Collector ex
Vida Alegre, Sans-souci, Bo'njour, Pluto. Djurid
e Despota.
2<> PareoExperiencia890 metros:
Vivaz, Trigueiro, Colosso, Nab, Eclipse 2o,
Mignon e Maranguape.
3o PareoRapidez1,400 metros:
Atih, Chiron, Torpedo e Minerva.
4 PareoAnimaeao-1.100 metros :
Good morning, Cndor, Florete e Tu py.
5o PareoVelocidade 1,200 metros :
Africana, Phoedra, Damieta, Lovely, Vesper
e Zngara-
6o Pareo-Properidade -850 metros:
My Boy, Tyranno, Bi-Vista, Potos, Col-
lector, Asamor, Maranguapc, Turco 2' e Sans-
80UC
7 PareoEstado de Pernambuco-900 metros:
Delegado, Templar, Gnarany e Arnmary.
CHRONICA JDIC1ARIA
Tribunal da RelacSo
SESSO ORDINARIA EM 21 DE JANEI-
RO de mo
PRESIDENCIA DO CIDAdSo DESEMBARGADOS
QUmmO DE| MIRANDA
Secretario, o cidaddo Dr. Virgilio Coelho
A's horas do costume, presentes os cidados
desembargadores em numero legal, foi aberta a
sesso depois de lida e approvada a acta da an-
tjeedente.
Distribuidos e passados os feitos deram-se
js seguintes
JL QAMENTOS
Habeas-corpus
P'li'i i'flt"' *
Manoel Joaquim da Silva.Mandou-se ouvir o
Dr. chefe d3 polica.
Aggravos de petico
Do Recifeaggravaotes Almeida Castro 4 <>.,
aggravado Sratuliano dos Santos Vital. Rela-
tor o desembargador Delfino Cavalcante. Ad-
juntos os desembargadores Pires Goncalves e
Monteiro de Andrade. Negou-se provimento,
unnimemente.
Do Recife Aggravante Domingos Theodoro
Regueira de Souza, aggravada a Companhia Usi-
na Pinto. Relator o desembargador Silva Reg.
Adjuntos os desembargadores Oliveira Andrade
e Almeida Santos. Negou-se provimento, un-
nimemente.
Do Recife Aggravante Vicente Ferrer de
Gouveia, aggravado Dr. Laurindo de Moraes Pi-
nheiro. Relator o desembargador Almeida San-
tos. Adjuntos os desembargadores Tavares de
Va8concellos e Oliveira Andrade. Negou-se
provimento contra o voto do desembargador Ta-
vares de Vasconcellos.
Appellaces crimes
De Aguas BellasAjpeilante o juizo, appeila-
dos Joaquim Fidelis de Barros e outros. Rela-
tor o desembargador Monteiro de Andrade.
Mandou-je a novo jury, unnimemente.
De Caruar Appellante o juizo,' appellado
Christovo Bezerri de Menezes Jnior. Relator
o desembargador Delfino Cavalcante. Mandou-
se a novo jury, unnimemente.
De Alaga do Monteiro Appellante o juizo,
appellados Manoel Bernardo da Silva e outros -
Relator o desembargador Almeida Santos.Man-
dou-se a novo jury, unnimemente.
Appellaco civel
Do Recie Appellantes Antonio Jos Pereira
e outros, appellados Fernandes da Costa k C.
e outro. Relator o desembargador Monteiro de
Andrade. Revisores oa desembargadores Alves
Ribeiro e Tavares de Vasconcellos.Conrlrmou
se a sentenca contra o voto do desembargador
Tavares de Vasconcellos.
I PASSAGEN8
Do desembargador Monteiro de Andrade ao
desembargador Alves Ribeiro:
Appellac&o crime
De Timbaba Appellante o promotor publi-
co, appellado Jos Leandro da Silva Marrocos.
O desembargador Pires Goncalves como pro-
motor da justica deu parecer nos seguintes fei
tos:
Appellacoes enmes
Do Recife -Appellante Manoel Joaquim da Sil-
va, anpellada a justica.
De Bom Conselho Appellante Franasco Jos
Joaquim, appellada a justica.
De Serinhaem Appellante o juizo, appellado
Leonardo Felippe.
De Porto CalvoAppellante o juiso, appellado
Basilio Francisco da Silva.
Do desembargador Alves Ribeiro ao desem-
bargador Tavares dVasconcelIo:
Appellac&o crime
Do Rio Formoso Appellante o juizo, appella-
do Joo, ex-wemo. _
Do dsetBbargtdor Tavares de Vasconcellos
ao desembarg<&r (Xiwint Andrade:
AayaUaco civel
De Garanhuns Aullante Joaquim Flix da
Silva Burgos, appellado Antonio Vctor da Silva
Vianna.
DILIGENCIAS
Com vista ao desembargador promotor da jus-
tica :
Appellacoes crimes
De Agua Preta Appellante Laurentino Jos
dos Santos, appellada a justica.
De Paulo Alfonso Appellante o juizo, appel-
lado Francisco Jos de Araujo Costa.
Do Re:ife Appellante o juizo, appellado Vi
cente de Assis Tavares.
Da Princesa Appellan'e Antonio Alves dos
Santos, appellada a justica.
Do Triumpho Appellante o juizo, appellado
Manoel Vicente da Cruz.
Da Pedros de Fogo-Appellante o juizo, appel-
lado Prudencio Ferreira de Lima.
Mandou-se descer ao juizo a quo :
Appellaco crime
De JaboaUlo Appellante Hono rio Heliodoro
de Sant'Anna, appellada a justica.
Com vista ao curador a lide e ao desembarga-
dor procurador da fazeoda:
Appellaso civel
De Quebrangulo Appellantes D. Rosa de
Araujj Pessoa e outros, appellados Augusto
Martiniano Soares Villela e outros.
DI8 TRIBDigOES
Recurso crime
Ao desembargador Almeida Santos:
Do Brejo da Madre de Deus Recrrante o
jnizo, recorrido Francisco Malheus da Silva.
Ao desembargada r Dellino Cavalcante :
De Garanhuns Recorrente o juizo, recorrido
Joo Bsptiela da Silva.
Ao desembargador Pires Ferreira :
De Panellas Recorrente o juizo, recorrido
Joo Horacio de Macedo.
Ao desembargador Monteiro de Andrade :
De Panellas Recorrente o juizo, recorrida
Luiza Umoe ina Bezerra Marques.
Aggravos de petico
Ao desembargador Monteiro ele Andrade:
Da VictoriaAggravante Flix da Cmara Pi-
mentel, aggravado Ladislao Gomes do Reg.
Ao desembargador Pires Goncalves :
DoHecife Aggravante Luiz de Paula Lopes,
aggravado P. H. Tirmermann.
ao desembargador Alves Ribeiro :
Do RecifeAggravante Graluliano dos Santos
Vital, aggravado Joo Goncalves de Souza Bei-
r&o.
Appellacoes crimes
Ao desembargador Monteiro de Andrade :
De Olinda Appellante Liberal.) Bezerra de
Carvalho, appellada a justica.
ao desembargador Alves Ribeiro :
Do loga Appellante Jos Alexandre da Sil-
va, appellada a justica.
Ao desembargador Oliveira Andrade :
pe Jaboato-Appellante Jos Toco, appellada
a justica.
Appellagoes civeis
Ao desembargador Alves Ribeiro :
Do Passo Appellante a Cmara Municipal,
appellados Pedro da Cunha Carneiro de Albu
querque e sua mulher.
Ao desembargador Tavares de Vasconcellos :
Do Recife Appellante Antonio Heurique Ro-
drigues, appellado Affooso Moreira Temporal.
Ao desembargador Oliveira Andrade :
De Areta-Appellante Hermino Melchiades da
Silva Ramos, appellado Pi de Vasconcellos
Mello.
Encerrou-se a sessSo 1 hora da tarde.
Jaula Commerclal da cidade do
Recife
ACTA DA SESSO DE 9 DE JANEIRO
DE 1890
PRESIDENCIA DO 1LUI. SE. DBPUTADO JOAQUIM OLIS-
TO BASTOS
Secretario, o culadao Dr. Julio Guimaraes
A's 10 horas da manh declaren se aberta a
iesso, estando presentes 03 cidados deputados
Olinto Bastos, Lopes Machado. Beltrao Jnior e
Figueiredo, faltando o Sr. presidente, assumio a
pre3idencia o Sr. Olinto Bastos que declarou
aberta a sesso.
Lida, foi approvada a acta da se3so antece-
dente e fez se a leilura do seguinte
EXPEDIENTE
Officio de 16 de DezeinDro ultimo da Junta
Commercial de Porto Alegre, communicando o
respectivo presidente F. Durval, que assumio
nessa data o exercicio do dito cargo.Accuse-se
e archive se.
Officio de 31 de Dezembro ultimo, da junta dos
corretores destapraca, dando sciencia do nume-
ro das cotaces eflectuadas pelos uiesmos, du
rante o mssmo mez de Dezembro.Para o ar-
chivo.
Officio de 7 dj correte, da mesma junta, re-
mettendo o boletim das cotaces officiaes de 30
de Dezembro a 4 do presente mez.Para o ar-
chivo.
Officio de 2 do correte, da raesma junta, dan
do sciencia da posse da mesma junta, que fune-
ciona no eorrente anno.A-v.hiva-se.
Diarios Officiaes de ns. 352 a 357.Sejam ar-
chivados.
Foram distribuidos rubrica os seguintes li-
vros :
Diario de Machado Lopes & C; dilo de Bastos
& C.; dito de Joaquim Agostinbo & C.; dito de
Manoel de Figueiroa Faria 4 Filhos e dito de
Francisco Botemo de Andrale
A Junta ficou inteirada do despacho proferido
pelo Sr. deputado presidente, a 4 do correte,
mandando registrar a procuraco da companhia
brazileira de phosphato de cal a Luiz Duprat.
DESPACHOS
Petices :
Do Banco de Pernambuco repre enlado pelo
seu gerente, para que sejam archivados a pu-
blica forma da carta de autorisacao concedendo
direito de emisso e o decreto n. 50 B de 8 de
Dezembro de 1889, constante do Diario Offkial
n. 346.Archivem-se.
Ue Jos Francisco Menezes e Amorim, para que
seja reconduzido no lugar de asaltador commer-
cial para o triennio de 1890 a 1892.-Passe-se o
competente titulo.
Ue Manoel da Cruz Marlias, idem. -Adiado a
pedido do deputado Figueiredo.
De Pereira Carneiro & C, para que 3e archive
a prorogaco do contracto de sociedade em nome
conectivo e em commandita, que sob dita firma
celebraram o commanditario Antonio da Costa
Ferreira Leite e os eocios Adolpho Pereira Car-
neiro, Antonio Munz Machado e Joaquina Jos
Tavares Beltrao com o mesmo capital de 600:000*,
para cjntinuaco do commercio de commissoes,
cousigoacoes e conta propria, nesta praca, sendo
o fundo em commandita de 200:000* Archive
se. depois de satisfeito o parecer riscal.
Nao tomou parte o deputaM Beltrao.
De Samuel Wolff e Joseph Krause C para
que se archive o distracto da firma WolB 4 C,
pelo que tica a predita lirma Joseph Krause &
C. de posse do estabelecimento de jolas sito
ra do Cbug n. 4 e do activo e obrigado pelo
passivo da extincta sociedade.Seja archivado.
De Joaquim Januario Pereira de Brilo, de3e-
jando ficar no lugar de avaliador cammercial,
pede que se mande passar novo titulo para o
triennio de 1890 a 1892. -Como requer.
De Piragibe Hagisse da Silva Costa, declaran-
do em cumprimento do despacho de 14 de No-
vembro passado, que a empresa do Jornal do
Recife urna sociedade commercial que nao
anonyma e pede o registro de aua nomeaco de
gerente da dita empresa Registre-se.
De Justino Lopes de Azevedo e Serafim da
Silva Araujo, para que sa archive o distracto da
firma Lopes Silva, pelo qual fica o ex socio
Araujo de posse do activo e do estabelecimento
sito ra do Visconde de Inhama n. 31, e
obrigado pelo passivo da extincta sociedade.
Archive-se, na forma da lei.
De Thomaz Jos de Gusmio, submettendo
seus livros a exame e pedindo aer relevado do
processo contra elle instaurado, urna vez que
se encontr ditos livros regularmente escritu-
rados.Junte se ao summario.
Sendo examinados os livros do agente de lei-
les Francisco Joaquim Ribeiro de Britto, foram
encontrados regularmente escripturados at 30
de Novembro passado. E procedendo-se igual-
mente ao exame dos livros de Thomaz Jos de
Gusmo, foram achados, o livro de sabidas es-
cripturado at 30 de Novembro passado, e o de
entradas e contas cerrantes at 22 de Novembro
de 1888. Os Srs. Beltrao e Figueiredo daro
parecer sobre este e3Cripta na prxima sesso.
Santularios ex-offlew intentados contra Manoel
, do Nascimeato Cesar Burlamaqui, Modesto do
, Reg Baptista e J. aquim Maximiano Pestaa,
por nao terem apresentado os seus livros a exa-
me na ultima sesso do mez de Dezembro pro
ximo Ando. Sellados, sejam novamente con-
clusos N
Nada mais havendo a despachar, o Sr. presi-
dente encerrou a sesso s 111/2" horas da ma-
nh.
aquillo que Unas vezeadesejmos, e que nunca ungular do que ni do plural.Poseis, tressei
onnaarrilHTtnt .__n mKdliocnmnln H4 Ho<1q rifa. P ; i ^.i
1HD1CAC0ES DTE1S
Mdicos
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio roa Nova n 32, onde pode ser en-
contrado do meio dia s 2 horas e fora
destas horas ra do Barao de 8. Borja
n. 22. Espe ialidadesmolestia de erian-
oaa, senhoras e parto. Teiephone n. 326
da casa de residencia.
Dr. S Pereira, ra da imperatriz n. 8,
d consultas medico-cirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Cmstro Jesns medico e -operador
Pratica a lavagem do tero quando e co
no aconselhada. Consultas das 11 t
5 da tarde em sua risidencia ra do
3om Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.'
indar. Teiephone n. 389
O Dr. Matheus Voz, medico, tem o seu
sscripxorio a roa do Queimado n. 43, 1."
andar, onde d consultas das 11 a 1 hora
da tarde. Reside ra de Gervasio Pires
n. 27. Encarrega-se do tratamento das
molestias de olhes. Teiephone n. 427.
Dr. Joaquim Loweiro medico e partoi
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
l.8 andar de 12 s 2 da tarde; residencij
ao Monteiro.
Ur. Ribeiro de Britto d consultas de
meio dia s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de .Caxirfs n. 46, podes
o ser procurado para chamados na su:
residencia roa do Hospicio n. 81. Te-
ephone n. 303.
Advocados
O advogado Jos Antonio de Magalhaes
Boatos mudon o sea escriptorio para a ra
1. de Marco n. 18, 1." andar.
Dr. Clodooldo de Souza, escriptorio a
roa do Bom-Jess (antiga da Cruz) n. 1,
1. andar,, das 9 da mauha s 4 da tarde.
Teiephone n. 102. Residencia, ra Im
penal n. 148. Teiephone n. 104.
O baeharel Joaquim lhiago da Fonteca
tem seu escriptorio de advogado ra do
Imperador n. 14, 1. andar.
O baeharel Bonifacio de Aragao Faria
Rocha contina a advogar. Escriptorio
ua do Imperador n. 46., 1. andar.
O baeharel Petronilho de Santa Cruz Oli-
veira, encarrega-se de levantar empresti-
mos perante o Banco do Brazil para auxi-
io da la voura. Escriptorio' ra 3o Impe-
rador n. 69, 1.. andar. Residencia sitio
na Jaqueira, prximo estacSo.
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto
rio na ra Nova n. 32, do meio dia s 2
horas e desta hora em diante ra BarSc
le S. Borja, n. 22. Especialidades
nolestias de crianca senhoras e parto.
Teiephone n. 326, da casa de residencia
Dr. Alvares Guimaraes, dedica-se me
dicina em geral, e oom especialidade s
molestias do corado, pulmoes, gado, es
tomago e intestinos e tambem s affeccoes
de enancas Reside ra de Fernandes
Vieira n. 23, e tem consultorio na ra do
Bom-Jesu .antiga da Cruz), n. 45, onde
d consultas do meio-dia s 3 horas. Te-
iephone t. 381.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me
jico cirurgioa. Especialidades : moler ,as
pulmonares e partos. Ra do Marqo- < de
Olinda n. 27, 1. andar. Consultas uas 11
ia 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa-
. Jlaj das 6 s 9 horas da manh3 e
arde- Teleshone n. 392
Occullsta
Dr. Ferreira. com pratica nos princi-
jaes hospitaes e clnica de Pars e Lon
dres, consultas todos os dias das 9
lorasdao meio-dia. Consultorio e resi-
ianc ra Larga do Rosario o. 20.
Dr. Barreta Sampaio, oceulista, d con-
sultas de 1 s 4 horas no 1. andar da
jasa ra Barao da Victoria n. 51. Resi-
dencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra-
da pela ra da Saudade u. 25.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata
jado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi
-.arios de todas as especialidades pharma
jeuticas, tintas, drogas, productos chimi ,
jas e medicamentos homeopticos, ra do
Marques de Olinda n. 23.
Tinta de esererer
A melhor a tinta Victoria, vende-se a
600 rs. meia garrafa e a 800 rs. urna gar-
rafa inteira na Livraria Comtemporanea
de Ramiro M. Costa, roa 1. de Marco n.
2, loja de ferragens de Albino da Silva
i C, ra da cadeia n. 42; loja de ferra-
gens de BrandSo & C, roa Duque de Ca-
rias n. 46.
conseguimos,o embeltesamento da cidade do
Recife, e a completa restaoraco das tinao cas
municipaes.
Dissol vida a Cmara, como cima fica dito, an-
tes do praso determinado em le, e consequente
mente faltando-nos os meiosde com mais profi
cuidade relatar os actos de nossa administraco,
recorremos impreasa, fazendo urna exposico,
anda qne deficiente do que all pratreamos, arim
de que por esta forma sejam os mesmos actos i
investigados em plena luz do dia. nao s pelos
mais severos juizes, como anda por aquelles ,
3ue por habito se tem affetto a desconsiderar to-,
as as administracbes da Cmara, e sobre ella j
lancado epithetos menos honrosos, ou o estygma
de mos admini.-lradores.
O.uobre orgnlho de que nos acharaos possui
dos de termos sido Bempre fiis guardas dos in-
teresses da mnnicpalidade, e a certeza de ha-
vermos cumprido com os nossos deveres, anda
que isto rnuitas vezes nos custasse, (embora nao
nos consideremos cales), sao outros tantos mo-
tivos que temos para expressarmo-nos por esta
forma franca e altiva.
Censuran-nos e condemnern-nos desapieda
damente se acbarem razOes para tal, nao nos
fallero., porm, com a justica, se do resultado das
pesquisas que tlserem, conhecerem qne merece-
mos louvores.
Ditas estas palavras, vamos dar principio
nossa tarefa.
Empossada a extincta admini3trago em 7 de
Janeiro de 1887, verificamos que o procurador
da Cmara estava exercendo as suas funccOes
sem a 'ompefc ote flanea, como a isso era obri-
gado pela fei orgnica das cmaras, isto pela lo
lerancia da administraco que nos precedeu ;"J
dando se o mesmo facto
empregado.
Cumprindo as disposicoes legaes obrigmos a
esses empregados a prestarem as respectivas
Raneas, e boje a ge3to de ambos esta sufficien
temente garantida por effnitos de valores reco-
Ihidos aos cofres dos claviclanos.
0 contracto do maladouro da Cabanga foi ob-
jecto da nossa maior solicitude.
Esse contracto havia termnalo em 22 de De
zembro de 1885, e nao obstante a prorogaco
requerida pelo contractaute, a administraco,
nossa antecessora, nunca a .'egalisoa, de raa
neira que o cootractante ontinuava indevida-
mente no inteiro gozo de um caduco contracto,
percebendo, alm de nuitas vantagens que
di lie u feria, o pagamento de t200 por cabeca
de gado abatido, qne lhe resnltava a grande
verba ananal de 36:000S000, tonando por base
a media de 30,000 cabecas no mesmo periodo.
Este facto.foi por nos denunciado Cmara,
e depois de cer'.a:- diligencias foi anda \: or nos
indicado que se abrisse nova concurrencia para
o respectivo servico ; e nesar das propositaes
protelaces do ex contraclante para invalidar
este nosso acto, podemos conseguir urna pro-
posta de 300 ris por cabega de gado, ou.....
15:000^000 annuaes, havendo portento urna eco
nomia em favor do municipio de 21:000^000.
nao fallando j as vantagens cima indicadas.
Tomando se por base o calculo feilo. verifica
se que, tendo estado o ex-Contrac'aiite usu-
fruindo o seu extin to contracto por cerca de 2
annos, a co'-iiar da data em que expirou, a C-
mara lhe pagou, sem razo de ser, um excesso
de cerca de SO.OOOtOOO ; este mal foi remedia-
do pela nossa administraco.
Grande foi a iuta que tivemos de sustentar
para consecuco desse resultado, por isso que e
ex contractanle jactava-se de poderoso, e de
Hacto desenvolveu todo o prestigio peranle as
summidades polticas para conseguir que esta
nossa resolugao losse annullada, e assim que
em grao ds rt curso a affejtou a todos os presi-
dentes de provincia para aqui nomeados, at a
ascencSo do partido liberal ; tendo nos a indisi-
vel satisfaco de vermoj o nosso acto por todos
el les sust-ntado e por um at louvado.
O celebre contracto das placas mereceu tam-
nem toda a nossa altenco. Com este contracto
pretendia-se fazer o proprietario pagar um ser
vico, que em rigor podena custar 300 ris, por
3 500.
Grande foi nosso esforco para conseguimos a
nullificaco de to oneroso encargo, visto como
o contraclante, por sua ves, erapregava todos os
meios para o validar.
Depois de rentada e porfiada lucia de mais de
aono, na qual se jogava com a Cmara e os Po-
deres Superiores, tivemos o prazer de ainda urna
vez salvaguardar osinteresses dos municipes, fa
zendo triumpbar a causa da jusliga.
Procuramos renovar o contracto de carnes ver
des que terminou na nossa administraco, por
003 parecer de grande e incootestevel utilidale
para a populaco d'esta cidade. o que de boa f
Mesa, trabalharieis...
Saude e frateroidade, cidado, que Deas mais
oo .
Recife, 21 de Janeiro de 1890.
cidadao Affonso de Albuquerque Mello.
Lcmbraacas que nao offendem
a ausceptibldade de nlngueni
Depois dos gneros alimenticios e da abun-
dancia de boa agua, que chegue bem para todos
os usos e ainda sobre, ba digna de toda consi-
deraco a livre circulacao do ar, para que os
miasmas sejam difundidos e neutralisados, por-
que quando ha grande e constante renovaco do
ar atmosphenco, as exhalages provenientes da
decomposico das substancias, quer animas,
quer vegetees, nao fazem mal vida.
Urna das vantagens que pode baver as cida-
des populosas para a constante renovaco do
ar certamente a grande largura das raas e
sua collocacao em relaco com os ventos que
mais frequentemente costumam reinar nos dife-
rentes annos.
Esta cidade sendo construida com todos os
mais graves defeitos das cidades velhas, de Por-
tugal, estara, nao obstante, hoje em muito me
Inores condxoes, se as nossas municipalidades
livessem comprehendjdo a altura da misso que
Ibes era confia .a, e nao pensassem que smente
Ibes competa tratar de poltica e de empregar
seus amigos e afilbados, esquecendo tado quanto
relativo ao bem publico.
Por mera fdlia desses cuidados da municipa-
lidad e, esl se construinde na ra da Santa
e domesrno Cruz, da freguezia da Boa-Vista, no aliohamento
antigo] urna casa que devia recuar telvez dous
metros para alargamento da ra, pois que isso
que determina a planta da cidade, pela qual se
devia regular a municipalidade ; e como a In-
tendencia aciual, de quem todos esperam a re
paraco das faltas antipas, am de que se che-
gue a gosar na luturo mait, luzente, tai vez
ignore algumas d'essas cousas, pedimos lhe per-
mi8?o para lembrar-lbe que, ha poneos annos,
o proprietario de urna casa prxima ao mercado
luerendo reediflcal-a no mesmo arruamento, a
Cmara negou-lhe a licenca; e elle replicou
mostrando a inconveniencia de ficar a sua casa
para dentro das outras, e obrigando-se por um
termo, que assignou, a nao exigir pagamen-
to pelo prejuizo que lhe causasse a demoficao da
frente da casa que construase. Alguns ve rea-
dores offereceram-8e a essa concesso, mas ven-
cen a maioria e a cisa construio-se. E' a em
que existe a padana.
Como a planta manda recuar o Mercado, pare-
ca que nao se devia consentir em edilicaco al-
guma lora do alinbamento da planta; porque se
a Cmara, hojaIntendencia, quizer alargar a ra
porque isso traz grande embellezamento e utili-
dade para o municipio, nao ter de lutar com
tamanhas difliculdades e de3pezas.
Em todo caso a lembranca nao pode o Tender
a nenbum dos cidados que se acham frende dos
negocios do municipio para tratarem de corriga
os erros e descuidos de pocas anteriores; e es-
tamos animados das melhores esperanzas de ver
as cousas melhorarem progressivamente, vista
do empenho e desinteresse de que sao dignos
os negocios pue tem intima relaco com a vida e
sade dos habitantes desta cidade.
Desculpem-nos os Srs. Intendentes se acba-
rem descabida a nossa lembranca, que de ne-
nhuma forma tem o intuito de offender. E, caso
a aceitero, de bom grado, autborizar-nos-ho fa-
zer outras no mesmo genero.
* # #
Separa^ao da igreja e do
Estado
Tem-se assacado os mais injuriosos aleivesao
nobre clero desta diocese olindense a proposito
do seu entorpecimento diante do facto da sepa-
raco da igreja do Estado. Isto urna iojustica
qual este clero responde com um passado hon-
roso e sem mancha.
O que querem que faca o clero ?
Que esbraveje, que grite, que especule ?
Seria urna insensatez que se nao compadece
com os seus precedentes nem com os habito) de
homens prudentes e rriteriosos.
Para honr?, porm, deste brioso clero dizemos
me elle seria capaz de dar a verdadeira orieu-
taco neste momento dynamico emque se acba
mas o clero urna entidade moral e, em con
crelo, como o corpo, nao tem aeco nem vida
nao se pode centestor, de8de que sabido que os:se, "ma ^aDeSa-.
contraclantes nao tinham direito de elevar o pre-
PUBLICARES A PEDIDO
Negocios municipaes
AO MUNICIPIO DO RECIFE
Os abaixo assignados, ex-vereadores que con
stitulram a maioria da administragao da Cmara
Municipal do Recife, tendo ternlinado o sea man
dato por ter sido ella dissolvida pelo cidadao
Bovernador d'esle Estado, julgam se na impe
ri03a obrigaco de prestar contas ao municipio
da forma porque procederam no desempenho dos
seus deveres.
Depois do inesperado triumpho do movimento
republicano do dia 15 de Novembro de 1889,
transformando o rgimen de governo no Imperio
do Brazil, era de esperar que as instituices mo
narebicas fossem dissolvidas, e por isso nenbuma
estranhez nos causou o acto do overnador d'este
Estado di8solveri Jo a Cmara Municipal do Re-
cife, tanto mala quanto j era de todos conhecido
o do governo provisorio com relacio ao Senado,
Conselho d'Estado, Assemblas e a Cmara Mu-
nicipal do Rio.
m anno ainda faltava para que o nosso hon-
roso mandato terminasse e aguardavamos essa
poca para darmos conta dos actos por nos pra-
ticados aquelles que em nos conflaram : dizendo-
nos a consciencia que alguma cousa fizemos em
pro do municipio, nao'obstante fallecer-nos os
meios de aeco, de que tanta necessidade tinha-
mos, e ostarmos continuadamente sujeitos de-
leteria tutella administrativa, que cerceando a
autonoma das cmaras, atropina va os nossos
mais altaneiros impulsos.
Hoje que essas difliculdades desappareceram
pelas sabias instrueges que o governador d'este.
Estado fez baixar, quando nomeon a actual In-
tendencia Municipal, confiamos, e n'isto vai a
nossa maior esperaDca, que a referida Intenden-
cia, rica de poderes, cercada de prestigio e re-
vestida de toda autonoma, o que nunca houve
para as passadas administracoes, far sem casto
co d'este genero de 400 ris no invern e 480 ris
no vi ro, succedendo ainda outras vantagens
que se deram na permanencia do contr.acto, en-
tre ellas, a de vender-se este genero por pregos
ainda mais mdicos ; que muito aproveitava s
classes menos abastadas.
Em compensago da grande ulilidade que a
Companhia de Carnes Verdes offerecia, a nica
vantagem que a Cmara lhe dava, era a prefe
rencia na escolha aos telbos no Mercado de S.
Jos, e mesmo assim nao era tanto em absoluto,
visto como a Cmara reservava para si o direito
de preferencia na eseolhade20 talhos, que eram
alugados a terceiros.
De monopolio era laxado est contracto por
aquelles que despeitados se viam coactos em nao
poderem explorar este genero, primeiro alimen-
to da populaco, e d'ah a guerra desabrida que
lhe moviam ; e nao obstante o nosso esforco em
favor do3 municipes, venueram elles, obtendo
por effeitos polticos a annullago da renovaco
io contracto.
Para nos nenhun monopolio enxergavaraos
neste contracto, desde que havia a livre con-
currencia, mas se monopolio existase, era el e
de natureza tal que muito aproveitava popula-
co d'esta cidade e especialmente classe pro-
letaria, pois que sabido, e uinguem contestar
que ha muilos annos esta parte, nao, se com
prava carne a 800 ris 15000 e 1*200 o kilo-
gramma como antes d'este contracto frequente-
mente succedia.
Fazemos votos para que nao se d de futuro
a coligago que tanto recetemos dos negociantes
de carnes verdes e que d'ella possa resultar fu
neslas consequencias para o povo d'esta ci-
dade
(Continua).
' de todos sabido que o Sr. D. Jos Pereira ha
quasi dous annos abandonou este diocese, man-
dando a cada um dos seus diocesanos a co
quents declaraco escripia queera elle o
primeiro a reconhecer que Olinda precisava de
um bispo Se S. Exc. reconhecia que Olinda
precisava de um bispo, era naturalmente por-
que ella nao tinha bispo. E no entretanto S. Exc
queda se em urna continuada e eterna villeggia-
tura e deixa se sopitar pelo inebriante dos pra-
zeres e dos encantos de Petropolis, do Rio e de
S. Paulo e esquecese de pro ver a grande lacu-
r na que reconhecia existir nesta diocese, esque-
ce se de que Olinda nao tinha hispo f 1
Dous annos de completo abandono, dous an-
nos de espbacelamentos, dous annos de inaeco e
enervamento, dous annos de urna bibernacSo po-
dre e criminosa, dona annos sem bispo 17
E querem ainda exigir deste clero o que i
A celo do clero essenjialmenle collectiva e o
n vital deste corpo moral o bispo; desde que
este falte sua aecao nulla, porque falte-lhe a
vida.
O clero olindense nao tem bispo. E'-lhe, pois,
impossivel dar onerttaco a cousa alguma ou
tentar meios de defeza.
Cumpre-lhe soffrer os apodos e supportar que
o cubram da lama podre das sargetas, em quan-
to o bispo remoca retoicaodo pelas inebriantes
alamedas de Petropolis e de S. Paulo I I i
Sessenta cantos de ris I colhidos nos jardins
de Olinda, postes a fruclar nos bancos do Rio
de Janeiro, chegam bem para os modestos de
vaneios de um conde em Taubal.
A justica.
Tem
paciencia
Cidado Dr. Joo de Oliveira tTem patencia
com essa pobre gente, em numero to grande,
quasi inriaiio, que procura um meio de trabalho
para nao morrer fome, e que nao o pode en-
contrar seno no funecionalsmo, alias to cneo.
Tem paciencia j que te pudeste collocar na
repblica em posigo de valimento, como sob a
monarchia j a tinhas
Tem paciencia, que neste trra s ha.as indus-
trias da enchada, do funecionalismo e do com-
mercio, e essa gente que teve certa educaco,
anda calcada e deu grammatica, nao tem geito
nem torca para pegar na enchada e trabalhar
por salario de 500 ris e descalco ao senhor de
engeaho. L ,,
No commercio, todo cheio n3 cabe ella, nem
pode competir com os estranhos, embora naci-
nalisados agora, porque estes sito e sero sem-
pre preferidos a ella, j por sua moraiidade,
por sus apfdo e trabalho pois que sao os nos-
sos, bem ou mal, tidoa por ladroes, peraltes e
vadlos.
Tem paciencia, pois que o recurso que noa
reste o funecionalismo, embora cada vez mais
mal pago, e mais ainda o ser embora tenham
os fuuccionarios de chegar ao ponto de andar
trapilbos e sebosos e pelos credores perseguidos
como j o sao. .
Lembra-te, cidado Joo de Oliveira, queja
psrtenceste a este classe, pois j foste bem po-
bre ; e della sahiste, entrando para a aristocra-
cia, a poderes fallar assim, porque tiveste a for-
tuna de casar rico, o que s para poucos pde
chegar.
E nao obstante, cidadao, es funccioaano pu
blico, e diz se at que para alguem que de per-
to te perteuce, e que alias nao precisa, outra
fuucco procuras.
Nao -bois a mania, mas a necessidade em
sua generalidade que impelle ao funcciondlismo.
Nao quero terminar sem notar-te ua 2* pessoa
do singular, nao s porque incommoda me tra-
tar a um por dous, como porque muito mais
fcil uo jogo do nossos verbos fallar na 2* do
A' pequea Pureza. Alba do caplt*
Joaquim candido de Oliveira
marque*, em o da do seu 4 annl-
verourio natalicio.
Eu ougo neste hora um hymno d'harmonias,
E realidade e nao engao meu :
Um to sonoro tom de tentaa melodas
To doce como sfl pode vir do ceo I
Porm este festim assim to imponente
O que significa ao serio, na verdade ?
Ser invocaco ao Deus Omnipotente
Em honra dos liis, da justa humanidade 1
Nao eu ouco agora e tenho a realeza :
Sao aojos do Senhor, da regio divina,
A festejar em canto os annos de Purjza !
E eu minha querida e to gentil menina,
Rogando a Deus por ti, propria natureza,
m beijo venho dar-te face peqnenina !
21Janeiro1890. ,.
Candida Lma.
A's autoridades e ao publica
Deixei hontem o exercicio do cargo de secre-
tario das ferro vias de S. Francisco e de Carua-
r, do qual fui exouerado por portarla do Minis-
terio da Agricultura, datada de 21 do passado ;
e, como persistem ainda, com gravidade os meas
padecimentos physicos, pelos quaes vun para
este cidade, por presenpeo medica, nao pode-
rei j explicarme acerca dessa minha exone
racao, o que farei logo que melhore, e com a
verdade e franqueza que me caracterisam.
At l-
Olinda, 21 de Janeiro de 1890.
A. G. de Gusrnuo Lobo,
Capito honorario do exercito
Bronchite aguda ou chronlca_
O Peitoral de Cambar o melbor rr-
medio.
I '
m
,
r*- "*
..



s

v;
*



-
'


.







^P"
wm
Diario de Pernambuco-Quarta-feira 22 de Janeiro de 1890
EVXDENOIA. Deade :em visto
ama so vez a accSo mar lo cbeme
SIMN contra a quema o sol, a termelhi-
do e as picaduras de mosquitos, se enten
de que nao se pode haver um cald cream
mais efficjx para a conservacao da pelle do
rosto e das mSos: o p de arroz Simn e
o sabio Simn completam os effeitos feli-
xes d> CRSMB para bronquear e aveludar
o epiderme. Evitar as falsificares e ve-
rificar a firma de SIMN, ra de Proven
ce, 36, Paris.
Olinda
Convida se o povo olindense para ama
nhS 23 do crrante s 4 horas da tarde
reunir-se no largo do Varadoaro em grande
meeting, afim de pensar o melhor meio de
ser resolvida a magna quealSo relativa so
templo de Nassa Senhora do Monte, que
est sendo amescado de perder sua auto
nomia em favor do mostciro de S. Bento.
Recife 22 de Janeiro de 1890
?o commercio
Seixas Irmaos, avisara os
seus freguezes que nao ac-
ceitam mais pedidos de
mercaduras pelo telephone.
As mercadorias s serao
entregues mediante bi'hete
ou compra pessoal.
F a z e m esta declaracao
para evitarem espertezasde
alguns innocentes dos quaes
teem sido victimas.
Taberctilose pulmonar
Cora garantida velo Peitoral de Cam-
bar.
Professora
Urna senhora perfeitamente habilitada e
com bastante pratica de ensino prope-se
a leccionar em collegios e casas particu
lares as segnintes materias: portnguez,
francez, msica c piano, a tratar na ra do
Visconde de Albuquerqus (antiga da Ma-
triz da Ba-Vista) n. 20.
Advogado
Bacharel Celso F. Henriques de Souza I
Mudou seu escriptorio para a ra do |
Imperador n. 77, 1. andar.
Inglez e Francez
Cursos ra da Aurora, n. 37, 2.*
dar.
an-
O JUIZ SUBSTITUTO, do commer-
cio e do 3.* districto criminal, bacharel
Pedro Correa, despachar em todos os
dias uteis das 10 horas da manh s 2 da
tarde em seu escriptorio a ra do Impe
rador n. 45, 1. andar
s
ercio
Figueiredo 4 C, propietarios da loju dj Cys-
ne, sita ra da Imperatriz n. 64, participara uo
ccrpo commercial e particulares que nao se re.-j
ponsabilisam por dbitos contratados por qnem
quer que seja, sem previa autorisacSo esrript i
da mesma firma; outrosim, scieiititica ao puMi
co em peral, que o seu em pregado Joaquim Eu.
zebio Sirooes, se ausentou de sua casa no din a
de aneiro do crreme :nno
Recife. 2T de Janeiro de 1830.
Figueircio 4 C.
ADVOGADO
Dr. A. flodoiMo de Suza
Escriptorio-Roa do Bom Jeus (an
liga da Cruz) n. i, 1 andar, das 10
horas da uuuiba as i da tardeTele
phooe n. 102.
ResidenciaRa Imperial n. 148 Te
lephore n. 104.
Mudanca de escriptorio
Miguel Jos de Almeida Pernimbuco, pro u-
rador dos feitos da fazenda dete Ertado e advo-
cado, mudou o seu cscriplorio para o i." acdir
do predio n. 43. rea o Impv'rador.Jorulc s*r.
encon'rado das 9 horas da mnnha s i da tarde
"SCS^v
Collegio Amor Divino
Ireperutriz n
do
3Z
Ba
As aulas abrir se bao no dia 7 do correte.
A directora,
Olimpia Afra t endonen.
Aviso ao oommoToio
sao publico
R. de Drnzina & C. de-
claram que sao os UiliCOS
importadores nesta praca da
verdadeira cerveja mar-
ca PHQ1VIX da fabrica
Export bier-Brauerei Dort-
mund.
Pedem os mesmos que
evitem as falsificares
Institution Franc,aise de De-
moist-lles
Ra Barodc K. Ilorjn n. CO
AS AULAS ABRIR 08 HAO A 7 DK JANEIRO
A di redora,
...... /. Jkiour.
I
-SPS3.S
Leal
Dr. Silva
CLNICA MEDICO CIK'JKCICA
Consultorio e residencia a rna do Livrnmenlo
n. 6 1 andar Con?u tas das I! is 3 borec da
tarde. Chamados i qnaiqui-r hora, por efcripl.
gj-awsee
AttencSo
A commissao liquidadora do espolio de
Deodato Mcnteiro & C pede aos devecb
res do mesmo espolio para pagarem ou
entender ee com o seu representante na -
dade da Escada o Si*. Joaquim da silva
Costa, o mais breve pobsive!.
Recife, 14 de Janeiro de 1890.
Mata & Rerende.
Machado Lopts i& C
Oliteira B'teto & C.
COMERCIO
R
evista do Mercado
21 IM{ JANEIRO DE 180.
O movimenlo limitou se a transacces no mer-
do de cambies.
Rojsa
RETORK8
Recife, 21 de Janeiro felS.'O
Nao houve coiarfte.
o DR'ientt,
Antonio Leona ik. Rodrigues.
O secretr.no.
Eduardo Dui'.eux.
<:aiuso
prac;a do recife
Os bancos-abrKdin dispc-stc-s a saccar a 23 7,8,
retirando, porm. depois de fetas algumas trans-
adles, para 23 3 4, a eojo algansmo fcchou o
mrcalo um pouco frcuxo.
Em papel particular houve regeto a 25 15,'tC
(26.
PBA^A DO RIO DE J XEIUO
O Nacional esteve saccando a 2fi e es Jemais
bancos a 25 7/8. '
H ave falta absoluta de papel par'.icul.tr.
Nao constou ven jas.
Aexportacao fela pela alfanricga n.sle mez at
o ia 18, con.-tou de 3'3 403 kilos, sendo 445.73.;
para o exterior, e 117 C70 para o interior.
As entradas verificadas at.' a lata de h je so-
bem a 11.113 saccas, seudo por
Bircacas..... 783 Saces*
Valores..... 72 -
Aumaes..... J 3i)t
V,a-ferrca te Car:;arr. 623
Via-ferrea e s.Frnnavfi. 1 315
V.a-/errea deLnoeo i.80J .
. 11.113 Sa
laucar
Os precos pagos ao agricultor. gttndoa Aspociaco Agrcola, f:;'.:i
os seguales:
Aviso ao oomittwoio
o ao publico
Soaies d'Amaral Irmaos
declaram que sao os nicos
importadores nesta praga da
verdadeira cerveja marca
Sphinx da fabrica Ex-
port Bier Brauerei
Dortmond.
Pedem os mesmos que
evitem as fulsificac.oes.
A
drogado
Miguel tose deAlroeid! Pernaaibuco lem o wi
scriptorio de adrocacia ra do Imperador ti
Si, onde ser encontrado todos osdias olis, d;
r\o:w da 9 manli s 4 da arde.
I j Frcderico Chavos Junior
oraoepatha
39 RA BAHAO DA VICTORIA39?
I Prmeiro andar (*

Collegio Meira
Este antigo collegio contina a funecio-;
nar na ra da Iroperatriz n. 63, abrindo \
suas aulas no dia 7 do corrente mez de
Janeiro. >
Seu director solicita aos pais de familia, i
que desejam o real aproveitamento de seus'
rilhos, o obsequio de atteoder ao que vai [
exposto.
Alm dos preparatorios para a matricula .
as Faculdades de Direito, cnsinar-se-ba!
tambem a fallar, escrever e traduzir a;
lingua franceza, a ingleza e a allemS, sen-!
do profef sor d'esta o Sr. Algernon Schie- j
6er.
O lado moral da educagao de seus aium I
nos, do mesmo modo que o intellectual,
merecer-lhe ha seinpre o mximo ir.te-^
resse.
O resultado dos exames prestados n i
fim do anno prximo passado, na EVnnl'
dade de Direito, pelos alumnos do Coi-:
tegio lclc;. sao a prova mais eloquen-
tes, e ao mesmo tempo, a nibrmas&o mais;
cnteriosa das vantagens que offereco dito;
collegio.
Assim que, dentre os 80 exames que
prestaram entao os alumnos, apenas 8 fo-
ram mal succedidos, mereceodo 6 d'elles \
distincfjio, sendo plenificados 31 e sim
plificados 35. e. # v / i
Dentre as discipulas que habilitaram-se | SUa ] a. a
Adelina Cabral
be JHeo
Medico formado pela
Faculdade do Rio de
Janeiro, tendo-se dedi-
cado com especialidade
therapeutica moderna
das molestias de pelt
e syphilis, na Policlni-
ca geral dacrie, cargo
do Dr. Silva Araujo,
onde servio como seu
ajudante ; d consultas
de meio dia s 3 horas,
no 1. andar da casan.
15 do lai^o do Corpo
Santo, e recebe chama-
dos a qualquer hora em
Visconde
n. J 85.
de Coyanna
prestar exeme: D. Adelina Uabral c
D. I "arolina Siaies foram approvadaa com
distincclo em inglez e plenamente em
francez; D. Mara da Esaltacao Cabra!.
e D. Adelaide Cabral lizeram aquella
douB exames, e esta um, sendo plemfics-
das n'elles.
Contina a funecionar a aula primaria, tapOPe41 BA DO BAEO DA
que poder receber alumnos da mais tenra; victoria encarrega ee de assignatiiras
idade, pois dirigida por duas filhas do | para os Jornacs da Europa, Modas, Poli
director, das quaes urna abachaiei Ma-' ticas, Agricultura, Mustnicao, Engenha-
mam par mm\
u
era era
na Augusta l.'oclho
los.
Admitiera se pensionistas, raeio-penso-
ii8tas e externos.
Entre os exercicios phyicos que tanto
conva sade, ensinar-se-ha esgrimir
espada.
Tambem podeiSo aprender msica os
alumnos que quizerem.
O ensino d, msica, o de allcmao o
pratico das lingas franceza e iiglcza se
rao mediante ajuste previo.
Recife, 1 de Janeiro de 1890.
O director,
Ascencio Minervino .1/. de Vascoucellos.
Vascoucel- \ ra, Medicina,
absoluta de
Artes, etc., etc.,
regularidade.
garanta

I
1
Ra Larga do Rosarlo Dti-J
mero 8 ,
V SEGUNDO A.NDAII ',
Continua a execatar os mais difTureis
iunnos recebidos de Londres, i'aiiz,
(j Lisboa e Rio de Janeiro,
jl Prima em perfeicao de costuras, em^-j
em brevidade, modicidae em precos e^ ;
! I fino guato. ^_ _>lJ4
COLLEGIO
De l S. da tata n. 37,2o auda
RITA DA AEORA
Kob a direceo de Augus-
ta Carnclro
O Irabalhos l.clivos' desie cstat.elscimen o
de i struixao primaria e secundaria, pira o
no feminioo, prrncipiarao a 7 >e Jin
i-0
Dr. Mello Gomes
Medico' operador patleiro
46Ra do Bario da Victoria46
(DEFKOKTE DA PUAIiiL^CIA I'INHO)
Onde tem consiiiorio rel-
ta set
' cl>ucia i podeodO
l i Tecebeudo chamado*

encontrado
recebeudo cbamedns .1 qualquer ho ( )
do da e da noite. (
Especialidades: partos, fferes, males- ? ;
Dr. Barreto Sampaio, enlista,
ex chefe de clin'ca d Dr. e
Weeker, de tetk de sua va-
geni Europa, d cor.su!tas de
1 4 aovas da tarde, no 1
andar da casa n. 51 ra do
BarSo da Victoria, excepto nos
domingos e di.-.s santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Scte de Sctcia-
bro n. 34. Entrada pela roa da
S.tadado n. 25.
Telephone 287.
[I
Esp.
tias de teaberss e o* | em perar, cura rpida e completa e upe- i \
rafees de estreitamento e maio .-oli'ri-
meatos da uretra. j i
Acode de prompto a chamados para (\
fra, a qualquer distanda.
Tclephoae n. 394
MEDICO HOMEPATA
tk.ji da Sllveira
li
Especialidade ebras, molestias ^/
dar. criaayas, dos orgaos respnrato- (j
ros e das senboras. f i
Presta-se a qualquer chamado para
ova da cap
>!
Auxilios lavoura
4V1MO
Todos chamados deveiu ser di-
rigidos phar:-iacia do Dr. Sabino,
ni?, do BarSo d:i Victoria n. 43,
onde se indicar s^ia retidencia.j
'Jsinas . 4 000 a 4m>
ufaneo . 3;oW a 40i;>
S nichos. 2dJ0 a 270l-
M-.scarado purg ado . t60i> a 700
iratoa . IfSOO a 1*7(0
R-'ame . liOOO a 110"
Aexnorlago, dita pela a!fanr" cea oeste mez at'1
o dia 17, subiua I0.9.7i8 kilos, sendo2.358.201
jara o exterior c 7.911.547 para o interior.
As entradas verict.'as a'. a data de boje, 30
bem a 129.719 acres sendo pon
u nacas . ... 49.8)6 Saceos
.upores . . *.
i^.itr.aes. :rj. 7.410 t-
V'i.-ferrea de ('.; 6.7*! <
Vh-fi'rrea de S. Praaptsro. 53 074
''a-ferrea do L S -.?ei:rc -maJ. 0 013
129719 Saccor,
Coaro
Couros lalfad ti 50 tfBt e es verdes a 215
res
ts;arde&se
t'.ota-se a LOMUDO, por pipa de 4&3 litros.
coo!
Qott-ae a 190^430 por plaa ce i'O iitrj.
Slel
(}ota-sc z SSOO0 por pica do 490 litro?..
Pauta da Alfaodega
ss-a i>'e 20 A 23 os jaxibo "E 1890
Vile o iim d:. 19 Ji.ieln
\avloa i descarga
Barca Doruepusne faunas, carT&o.
Barca norteme isa Ceres, carvuo.
Barca norue^uense Spekulation, carvuo.
Barca alleuia Scliuain, varios peasro:.
Barca noruegueose Suez, carvao.
Barca sueca rve, carvo.
Barc a I lema Rha, carvio.
H-Xi-A noruegueme Col-'eitor, carvu.
urc ia^l'ta P.eUrces, bacjtuaj.
ILroa iu>;leza Paragcro. baeulhaj.
Birca po.t .^Ui.2 Novo Silentio, varios gneros-
naciooal UtrUun'uha, v.rios gen res.
[ti. a norueguau^e DronningLeuis',carvao.
Brigue italiano Imtmcotita Cuncezwne, varios
ii-nerof.
Brigue ing.-'i Cornucopia, bacal'ao.
na .oruteuense Gefione, xerque.
L':.ar aliemao Harold, vatios getieroa.
Lugar porlugue Mara. vj;os eneros.
I.gar allemao Maris Sla/t, carvo.
Lugar ingles Fos'-na, bacalho.
Lugar iaslez Flatk Dght, tumo.
Coar ingiez Volador, v.^riss gneros.
IVreii;i Carneiro tt ''.. conriuam, atllorisadOj
>eo Banco do Brasil, h cOQCiider e:ii[iri-.-;timos
i !.'.v.);ira !an provincias de PcmamlMico, Ala'-
goas.Puiahyba Kio Urande. do Solt, mediantej -y gSc
M condic.V? Je que es u icressartos sero fofor-''
mados o eaerintorio ra do Lommercia n. 6
das II horas da maoM i-' i da tarde.
Ui
enavulsa! e|itelnehe
Nao deis enanca S3na0 o Peitoral d;-
iiubar.
Patacho ho tanda dora, xaajue.
Patacho hcsp;iuhol Ruau-nacon, i.tn|{K.
r alacho or.Mjueoe l.tdsen, varios gene.es.
Escun.i alleiu Fniz x^rque.
Patueco nacional Indusiriil. vario; ene o-.
Para'bo.n; (-ional M-rmho 2-, varioi gneros.
iKgiorr-rfO
Bn'ijuc poriugue.: B>a Sorte. entrado do Porto,
em 19 do,andante econsignad) a Mendc-s Lima
i C, [uanircsiou :
Aillos 200 cauaslras a Gue.'ei de Araujo &
Filho. 50 a Paiva Vale::!v' 4 C, 59 a Xlmei-J^
Machado C, 80aosla Lima C, 10 a Bo-!
drigues de Faria & C, 0 aos cj,signatarios,
485 ordein."
Azulej s-43 eaisaa a Anljnio Jj3 Ferreira!
MciHciro, 13 a B'/rnardino Duarle Campos & (.'. !
Azciiona" 23 caitas a Aquiliao Bibpiro da i
Cui.lia Oliteira.
Az.lte 1 caixa a Amorta Irais i C.
Batoques 4 rceos u Fi'iei'ra -'inlj & G.
Capjchos 2 farde u Ferreira Gaiajar-js ?. C
Ftij'j 40 saceos r. S:ha Guiularaes i t;., 50.a
Guedes de Araujo & Fillio, 100 a V9toktm* tar*
(uiro A C, 230 aos consignatarios, 100 a Pr#f ,
ocha A '., looe 41 meios diios a ordem.
Fcchaduras 2 caixas a Ferreira Guimarftes 4
Rate ftaaon?* Aurora II,, o irado -'e Mucau
em 20 e con?i,'fiudo a ail.'S Anta >u> de Araujo,
manifi'stou :
Sal 33o alqu.ires A ordm
Kiporaco
F.CIPB. "0 tm JA.VKlaO DK 1810
Para o exterior
N"io luuve exuortieao.
fara o rntenor
No vapor ali-mo CejHW, para Bio d. la-
neiro, carregaram : ___
M-iiU & Beze;;d.-. I,00 saceos com 60,000 kilos
de assucar mascavadp.
Marioe! F. M rli'ns oO0 sacco3 com 30,000 kilos
de assocsr masca vado.
J. H BjxwjII, 1.0J0 saceos com 60,009 kilos
le assucar branco.
Para S. ntos, carregaram:
J. H. B xwrfl:, 750 saceos com 45 000 kilos de
aunar mascavado c 730 d.tos com 43,0'jO'diiosJ
de diio branco. ,
?. Pjuto & C., lO b rns com L0 litros de
agurdente. nn nnn
11. Lun-Jgreo & C.,f-?00 sacejs com 30.000
' kilos de assucar mascavado.
B. Tirreo Junior, 1,000 saceos com 60,(00
kilos de assucar oascuva.io.
Ni.narcaca A ana Olimpia, ptraMicao,
CDLLEDIO PRYTANBO
Estrada de Jao de Barros, n. 27
Este estabelecimento particular de educacao e ensino tem operado grandes re-
formas em sea prog>-amma ds ensino o em sua economa, collocando-se na alturaCde
oollegios particulares das principaes cidades da Europa. E' assim que, alm da in-
struccSo intellectual. phy.-.ica o domestica, methodica, perfeita e completa, ministrada
por um corpo docente Ilustrado, e pelo director o sua fami.ia, o ( ollegio Prytano
fornece aos seus educandos internos, mais as seguintea vantagens, desconhecdas e
nao offerecidas em nenhum dos collegios da Repblica, quer pblicos quer particula-
res : rodo* os objectos de escn'p'uracSo, tratamtnto medico em qualquer doenqa UM ENXO-
VAL COMPLETO DK ROUPA DIARIA, 1;E CAMA E DE BANHO, CALCAD ), etc, ; e tud.O pela
mesma penso de 600000 annuaes, paga, pelo coutribuinte em qualquer outro nter-
nato do Paiz.
O Collegio Pry'anSo recebe alumnos internos, semi-internos e externos Est
locasado em um dos mais saudaveis e apraziveis arrabaldes da capital, em isa gran-
de predio de vast-s e sadias acomnodacS.'s, com um espacoso e oem arborisado po-
mar para recriios; agua encanada, e illurcinada lampadas de gaz carbnico de sys-
thema mui recente. Es' situado na Estrada de Joo de Barros, n. 27, muito pr-
ximo da esta bond de Fernandea Vieira e tem na varanda para maior saliencias urna grande ta-
boleta era o distico do Collegio.
Ha no estabelecimento Estatutos impresaos, que esclarecem e n2o deixam du-
vidis. Abro suas aulas no dia 15 de Jaaeiro prximo de 1890.
Podtm dar informa^Ses e explicajSes detidas sobre o Collegio Pry'ano, 03 ci-
dad3os : Drs. Adolpho T/C >'irne, Augusto C- Vaz c Eduardo ilveira; e es nego-
ciantes Joaquim Mdeiros, Alipio Rosado, da lirrna Guerra & Fe:raides, Odilon Da-
arte & Irmfi) c Antonio Rodrigues de, Souza & J. Em m2o desses cavalheiros en-
contrar se hilo estatutos impressos o-C&Xtgio.
Recife, 28 de Dezembro de 1889.
O director,
Tranquilino G. de M. Leituo.
(I
,/ ,
Despedid i
ftoi2Ye porm poderoso. Apc-
sar do vigor eproaptidilo coin a que. Salsa ;
parrillia de BriBto, lucta contra as moles-
tias as mais peconhentas. Com tudo a
sua ac3o suave e seus componentes ve- rucio diste, olTerecendo Ihe os meus diminutos
getaes eminentemente- curativos e forti-; prostimos one quer ^u me acbe.
ficantes, nao se ac-am de*wrtuargadoa j Rect'( 20 de neiro de 1
por nenhuma substancia mineral. Pode-se .
espe<
Rctir;'iiJo me hoje para o sul. onde pretendo
deruorar-ine, e nfu me leudo sido pcssivel des-
pedirme pessolmente ds todas aquellas pes-
soas que me_dispensam amisade, faco-o por
Dr. tikeira Barros.

administrar com toda segur: nea
crian cas e s senhoraa delicadas, quo pa-
dbcem as mo:estias e desordens pbjrsicas/ ECohl particular para IDC-
inherentes ao sea sexo, c ach^ro que col l A
nico remedio, para seus puleciment
debiliJade. Todas suas tendencias a?.
M S..-
niuos
i .';N Francisir) da Cosa Fiallio,
Iumno mes-
iutiferas. Abre o affiwtite, fortifica o es- :! .' J'a^'dJ pela Sscola Nornal deste Estado
^i '.,''" '""! l** aos pas de familias que :ia ra de
tomago, regula o ti-ado e o ventre, cubrenChr!atovo Coi^b n. 7 (anH;a travessa do
o corpo magro c extenindo com carnes i Lobato) a harnee ab*rtas as matriculas de sua
novas e firmes, d.tom aos Derroa, refres le cola, n3 tiiu 7 de Janeiro.
ca os msculos, d c!a3tcidade ao corpo Ptcos commolso
e suavisa o espirito. Ii .sta d zcr-se qe '
dentro do eapacu de 35 annoa nunca cu s-
l(iu que- afbasso amr vez no curativo
das mf-rmidades ulcerosas O erip:ive:s.
Eneontca-se v; nda era todos os prin-
cipaes estabe!ec:mentos de drogas e em to-
das as boticas as insis acreditadas.
Notice
f^ ^-Jr-^. s o^ ^--s^ r7,
m
Rjiib Epcoml cliurcli EUiblishment P.:r-
rimtuco. T:o Annual Gen-ral mieting of sub-
[rrihera w;ll be linll at Ihe Bntish Con?ulaie
un SaMurdav Ihe 25"- instant at 20' Cock p. m.
| Recife, 18 January 1890.
A. Cohn.
H. M Cnsul.
I)
(I

Advocado
*>*i Dr. Clodoklo Lopes m
A "\
/. Es;:RiPTon!0 :'A
T? Ra Eslreila Rosario n. 4 fzf
**&r\/ Vf2^/ t(3s
CONSLTOAIO MEDICO
O Dr. Co;me de S Pereira d
consultas medico eirurgicas todos
os das, (menos C8 domingos e
dia3 santifcudos,) das 9 ao meio
da, na ra dalmperatriz n. 8, 1.
andar. Ah mesmo far curativos
simples aos que delles precisarem.
i .'.:-t-::r.r
Zf$&:
1%
0 Df. Eriiiirio Coaliafr,
de Tolla de sua vagera a Europa, on-
da je rtedicou espeeialmeate ao 03-
tulo das 'molestias do systema ner-
vo-o. lixnu sua residencia e consul-
toro a rea da Aurore n. So.
Consultas de meio dia s 2 horas.
TELEPHONE N. 367
Cinirg-io Dentista
DK. ROBERT P. RAWLINSON, for-
.uado pela Univevsidade do Maryland eos
Bstadca-nido8> tom aberto o seu eonsul-
i>rio, i:a ra Baraodo Victoria 18, Io aa-
jar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
Dr. Alfredo Gaspar
EDITAES
2." sivgo. Secretan do governo do Estado
i re l'craambuco, em l: de Janeiro de 1890
, Do o'deni do brigad-iro gobernador do Estido
' e em observancia ao disposto no art. 5." do de-
icreo n. 826G, de 8 da Oulubro de 1881, notifico
Operador porlesro trato com especiah ; 10 juLz de direito Alc*biades Javalcante de A'-
daao de molestias de senhoras e creaneas buijaerojie, de sua rtmocao, p.).- dicreto de '0
MEDICO
Consultorio e residencia ra da ;m;.e
ratriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da mauhl.
Chamados (por escripia) qualquer hora
TELEPJTONK S.
axamm
226
ee f)j/ea.'br) lindo, da r.cm rea de Floresta para
a de Fjrmosa, no Etado de Goyaz, Ihe sendo
marcado o praso de sete mezes para assumir o
e\r;icio de suas functOes.
0 secretario.
Anlonio guaci de lesquita Keves.
UeecbiMloria geral
Do dia 2 a 20 2::03i26
dem de 21 4:20Siid
C. la i'ereira Ferreira S i\.
Fo'ha de .ourr 10 fardes a Franco ^91 XES*Into, O saceos coa.
voU, 2 w o je Jes ; _
de Amorim, t a Rj !n;;uei de Faai, 2 ;>. GjeJes;
de Araujo 4 Filho.
Ferragnni 2 cuixis a Anloot Bodrignes 8o'
So.'.za v C. "
Looca a granel 59 prc.is a Bernardim Duarte
Campis & C-
I "i eg-s 53 harris a Fc.-rcira Gaimar.-s & C ,
SO ordem, 1) a Miranda & Souza, 20 a .Miao
Silva > C, 6 a Res & Sixtos.
Paulos 7 caix0:;s a Fr;-(ir;i?Co Gicd"* d'Amo
rim & G ,4a Guedes de Arar-jo & Pilho, i a
Perrira de Fatia i C ;
Rozarlos 2 caixas a P< reir Ferreira C i
Vinagre 1 bur I a Ainorini IridHos C.
Vinho 20 barns a Sou.a l'as'o, amo-im A C, |
1 a Anionto Puro Carneiro da Suva 2 a Amo- j
rim Irmaos*"., 13 e 10, 0 n Rarao^ G ppertj
& C 13 20|10 e ;J30 c-iix s a Paive VaKnie A Benda geral
G., 13. 20il0 c 200 caicas a Pereira Ferreira ix Do dia 2 a 20 602 42*32834
C, 20, SOj'O a 300 caixtis a Femar.'?* efi l-mOos, dem d; 2t 32 002/43*
20, 40| 10 e 400 caixas a Ferreira ft-jqrtgow i I -'-----------
G., 12 harris e 50 caixas a T. linsiinnrcii, !B0a (
Bdtar Oveira & '' 800 a Fiatni-co R'beiro! Renda provincial
Lrnha de
maniioca.
No hiatj XtpUnio, \un A'acaty, carrega-
Fernandes 4 I mo, 3 barricas cora 300 kilos
de assucar branco.
l>Suheiro
EXPEDIDO
Pelo vapor rniuooa! Par, para.:
Maclo 50.C001000
RiodeJineiro 4.0004000
RcuifBcutos ptiblicos
jntZ DK JA.NK1BO
lfandcgu
Plto Guimaraes ('., 30 u Guimires 4 Va-; Do dia 2 a *0
lente, 120 a Figneiredo Costa A- C, 12 a Caerles
de Ataiijo 4 Filbo. 1 a Silva Galmare* d-C.,1
a Aplomo da S-.lva Ramo.
Vapor allemo Buenos Agres, entrado de Bao
nos Ayres em 20 do andante e consignado a
B ackatn N^edham 4 G., atiifestoo :
Xarque 5,300 fardos a Amoriifi Intns 4 C,
867 a Fraaci8co B Pinto Guimaraes, 944 a Mua
4 Rezeode
dem de. 21
109:099*213
7:2334684
ooi:489.:272
116:3444897
Somrna total 670:8344169
Segunda stcco da Alfandega de Pernambuco,
: 21 de Janeiro de 1890.
i O thesoureiroFlorencio Doraingues.
O chefe da seccao-Cicero B. de Mello.
Reeebedorla provlaclai
Oocia2a20 99:7414315
dem de 21 2l0308
):95i^a23
B>s*n!nas;e
Recife
Do dia 2 a 20 2:2Sii77
dem de 21 28-54680
Vapores a sabir
ilSZ DB JASEIBO
j Sul.........Mandos........... 25 as 5 h.
[.-antos e esc.. Vitlede Pernambuco. 25 as 4 .
! i N jrte*....... Espirito Santo...... 28 as 5 h.
Banco Sul Americano
3S-RUADO COMMERCIO-38
Saca por todos os vapores stbre o Ban-
i co de. Portugual em Lisboa, Porto c outras
1 localidades dd* mesmo Reino.
2o70.Uj7
Banco Sul-americano
Kua do t'oiniceifo n. 38
U-.-.J. M- .Mcreado Mtrafcjpal de m. mlmU ^ Sxs s. Paulo e Campias, e faz
osoTimenlo desto mercado no da 23 de r operares de crdito sobre asmes
Janeiro foi o seguate : [., e n~Qas
Eotraram :
28 1/2 bois pesando. 4.29J kilos.
6J5 kilos de peixe a 20 ris
10 carga coai farioha a aOO ra.
2 ditas de frucas d versas a 300 rs
32 i/2 columnas a 600 rs.
1 escriptorio a 300 rs.
50 taboleiros a iOO rs.
16 suinos a 200 rs.
61 compartimentos com farioha a 300
rs.
28 ditos de comidas a 300 rs.
99 ditos de legemes a fazeuas a
400 rs.
9 ditos de fressuras a 600 rs.
16 ditos de suinos r700 rs.
6 Compartimentos de camar0e3
a 209 rs.
29 lalhos a 2
Rendimento de 1 a 19 do crreme
12 500
200
6UJ
lOioOO
300
10.5! '00
34100
303:JO
14400o
39a6'j0
f.44('0
H20i'
14200
58i0U0
208-0OU
4:oca280
4:2634280
Presos do dia : .
Carne verde de 280 480 rcis o kilo.
Carneiro de 640 a 800 iaeai.
Suinos de 480 a 640 ris dem.
Farinha de 440 a 500 ris a cnia,
Milho le 480 a 560 ris dem.
Feijao de 900 a 14440 dem
Vapores a entrar
MEZ DE JAX12R0
Cear........ Pv-apama........
*ui.......... Sergtpe .'...-......
Europa---- Vdte de Pernambuco.
orte......... Manos...........
Sul........... Espirito Sunto .-----
22
22
94
23
27
Rio
HovisiicMil do porto
Navios entrados no dia 21
de Janeiro e Bahia 9 dias, vapor nacional
.1' imdo, do 631 toneladas, commandante Ma-
::ael Gjraes, eqojpsgem 33, carga varios g-
neros : a Penar* Carneiro 4 C.
Pis-ieu f:hil ) -30 dias, vapor r.aneez Burgun-
.!ii, de 2169 toneladas, commanJante Lois
Ii.ii-.w. equipagen 47, carga salitre'; a Angoste
Libill.*.
Cears50 dias, palhabote nacional Pinto I, de
12J toieladas, c-pito Paulo Nuns Guerra,
e^uip igem 8, em lastro ; a Pereira Carneiro
& C
ll') G -.a?, hiale nacional Adelina dos A ajos,
de S'i toneladas, mestre Manoel Francisco
Mo-:teiro, eqmpagcm 3, carga varios gneros,;
a Manuel Joaquim Pessoa.
M.r'o 11 das, hiate nacional D. Antonia, de60
ludadas, mestre Antonio Qairino da Silva,
quijiagiin 5, carga sol; a Bartholomeu Lou-
iellCJ.
Navios sahidos no mesmo da
Ferntf lo de NoronhaTransporte nacional Jfo-
Jei-a commandantecapiao lenle Affonsode
dlroGraga, carga munico'de guerra.
Ca ux.-B/igue iuglez Cornicop/a, capito Charls
Ttnnsja, cm lastro.
Rio Grande do NortePatacho iaglez Atice Aia,
cjpiaj D. Cassey. carga farinha de trigo.
Observaqao
Fuadeou no lamaro o vapor inlez Ai'ns',e
n^j eommunicou com a trra.












*.
s:
i



I

I

t
I.
DECLRCOES
Faculdade de. Direito
* De oroem do cidadSo director desla facaldide,
fago rub ico que no dia 27 do corrate comeca
r a matricula para as aulas preparatorias, e
poden effertuar se at6 o dia 8 de Fevtreiro, in
de jendeute de despacho do mesmo cididao di-
rector.
Desta ultima dataem diante, at o I- de Abril,
oalum .o que qaizcr matricularse devera justi-
ficar perante a directora os motivos que o re
tardararli naqueHc acto.
Os lcenos podero frequentar, se o quizerem,
mais de urna aula, cora tanto que os que pre
tenderem matricular *e as tulas de rhetorica e
philosophia, mostrem ter aprendido lalim e
trances, e as aulas de geograprua e historia,
mostrem s. ber o francez, deven lo a prova nes
tes "asos ser dada por attestado passado por
professor publico oa particular, auiorisado pelo
governo para leccionar.
Araa'ricula as sulas de- linguas ser permit-
tlia aleo fim dj mez de Jalao, o as de scien
cias ateo i- de Abril, e todas as aulas serao
abertas no dia 3 de Fevereiro prximo vindou
ro, de conf iniiklade eom oart. 16 do regula
ment das aulas preparatorias, si ndo o respec
l!vo horario o segante :
Philosophia. das 8 us 9 horas, n^ 6.a tala.
Portuguez, das 9 as 10, dem.
Ahctorica, das 10 as II, dem.
Inglez, das 11 as 12, dem.
Arithmctica e geoaetria, das 12 a 1 hor,
idem.
Geograpliia e historia, de 1 as 2, i.lem
Francez, das i as 8, iJVtfi.
Latim, de i as 3, na 3 sala.
Di peticao para n atricula, dewe constar o
iiome. filiajao, nataralidaJe eidaJe do alumno,
e de nave; siiio satisltita a taxa da matricula.
Pela in.-cnpco em uaa aula C5000
Memidem em duas BJ000
I la idem em ires 12l00
Secretaria da Faculdade de I ireito do Recite,
18 de Janeiro de 1890.-0 secetario.
Boui acio de Aragao F. Rocha.
15/5151
15,5151
15(5151
155151
15,5-151
155151
15J151
153151
15/5151
15$51]
15l5ii
SCiedude
DOS
Vrtvstas Mchameos e Li
be raes
Asserobla geral de eiefcao
De ordem do Sr. director, convido a lodo? os
ossos co'socios, que de acconJo com os esta-
tuios, se ucharun no coso dos seus direitos, a
comparece re m no dia 23 do crrante, s 6 horas,
da tQrdi'j -a de proceder se a elcico da di
rectora para o com-ut? ai:nj social de 1850 a
1691.
Secretara da So^icdade dos Artistas Mtchni
eos e Lioeraes, 0 le Janeiro de 18v0.
O 1 secretario,
Jcaquim L. Teixeira.
Juizosdos feitos da fazenda
nacional
Etcr'vao Reg Barr.s
Perante o Sr. Dr. ju'z substituto
59^383
315217
155151
155151
f;:zonda Heido Relsoa
Mello no dia 24 do correntc
do3 fritos da
da Cuha Tavares
mez, pelas 11 horas
da manha depois da audiencia se vender em
! -raca publica, os bens s< guatea :
Um sobrado de 3 an Jares sito ra do Livra
meuto n. 7. frvguczin de Santo Antonio, avaiia
do por 3:0C0G00. pertenc n!e a Dlogo Augusto
dos Reis.
Urna otaria sobre 5j ramos de. lijrlo e cal co
be-(a de lol':a fin rio lugar Celnos n. 23 per
uncen te a Vicente Ferreira des Santos Barres
avallada por 1:300*00 >.
U:na casa terrea de lijla e cal coberla de te-
ha n 121 A, no lugar potinga, Eslrada Nova de
Caxaoga, edificada em terrena cuja natureza te
ignora se c proprio, foieiro ou arrendado per
tencente a Leoncio Pereira de Souza avaha a por
270a.
Urna casa de rancho eoberta de telha, s'.la no
lugar dsnuminalo Areias, fregoexia de Afoga
loa, pertencentc a Joo Rodrigues da Silva,
pe i proco de 275.
Estes n;-ns sao vendidos para pasamcnt0 a
fazenda nacional.
Rccife, li de Janeiro de 1859.
O solicitador)
Luiz Machado B>teiho.
! si si i uto Airheologieo e Geogr-
fico Pernanibucano
Quinla fera 23 do corrale, ahora do co;tume,
iKver sessao ordinaria.
Secretaria do Instituto, 21 de Janeiro de 1890.
Daptista Rcgucira.
i- secretario.
Santa
Casa de Misericordia
do Recife
.\a ecretaria da Santa Casa reetbem-sc pro-
Matas pa a arrendamento do predio n. 33, ra
darquez de Olinda, com amasan proprio pra
ualquer estibeh-cimento commercial, com
irande reduei;ao no prefo da "pnda.
\s prupootas serio apreciadas pela junta em
ua sP3sio prxima.
Kerreiiria da Santa Casade Misericordia do
tetife, 30 de utubro de 1889.
O escmftn,v
Pedro Rodrigue de Souza.
O prourador dos feitos da
do EtitaJe de Pcrnarubuco tendo
fazenda
recebido
do thescuro a relayao dos abaixo transtrip
tas dos devedores da Companhia Recife
Drainage, relativo ao 1." semestres do
excrcicio de 1885 a 1886, da freguezia da
Boa-Vista que deixararn.de phgar no tera-
po competente, declara aos mesmos deve-
dores que Iheb fica marcado o praso de 30
dias, acontar da publicacao do presente
edital, pai detttro dclle pagarem os d-
bitos, com guia da soccao docontencioso,
certos de que findo aquelle praso procede-
r a cobranca judicialmente.
Recife, 13 de Janeirode 1890.
O procurador dos feitos,
Miguel Jos de A'meida Ptniamduco.
Reanlo dos devedores da Dranainage do
1." semestro do excrcicio de 1885 a
1886 da l'.eguezia da Ba-Vista que
deixaram de pagar no tempo compe
tente. **
ConceicSo n. 29. Clementino de
120.
155151
Enedina de Castro M ,reir de
Albuquerque
Aurora n3<7. Eugenio Ant'nio da
Silvana outro
Traveasa do Quiabo n. 13. Dr.
Estevao ("avalcante de Albu-
querque
Conceis&o 3-i. Filbos de Aatonio
Luiz do Aniaral e Silva
Visoonde de Albnquerqne n. 73.
Francelina ; hristiana S. Bas-
tos
Dita n. 81. Francisco Jacintho de
Sampaio
Dita n. 97. Francis3o Gon^alvc-s
da Costa
Ponte Velhan 34. Francisca Uui-
lhermina de Souza Aunes e
seus lhns
Dita n. 102. A mesmv.
Dita n. 42. Filbo de Jos de A-
guiar Fonseca
Dita n. 93. Fructuosa Martns
Gomes
Dita n. 115. Flora Maria Diniz
Riachuelo n. 10. Francisco da Sil
ya Sop.res
Hospicio n. 6. Franciso de ?ar-
valho Soares Brand'.o
Gervasio tires n. 28. Frtnciaoo
Joan da Silva Gu;ma:fes
Travtfc8a de Gervasio Pires n. 19.
Francisco Marcelino do Ama-
ral
Socego n. 20. Francisco F. Lo
pes Bastos
Dita n. 40. Francena Sabina do
Monte
Di:a n. 42. A mesrua
Coronel Lamenha n. 15. Francia-
cu'co de Carvalho de Andrade
Brandao
Alegra n. 2. Francisco Ferreira
da Silva c outro
Leao Coroado n. 13. Francisco
de Souza Reg Monteiro
Hospital Pedro II c. 2. Fortuna-
ta Candida Coelho, mea
Imperatriz :i
maturg* de S Laitlo
Ponte Vella n. 76. Gaspar Au-
gusto Soares Leite
Dita n. 18. O mesmo
S. Uoncalo n. 28. Guilherme Go-
mes Padilha
General Seara n. 20. Guilhenne
Degal
Travessa do Veras n. 7. Gertru-
des Mari do Sacramento
Visconde de Albuquerque n. 158.
Herdeiros de Joao Pereira da
Rocha
Dita n. 43. Herdeiros de Roza
Thereza da Costa
Capibaribe n. 16. Herdeiros de
Jos Mamede Alves Ferr ra
Dita n. 18. Os mesmos
Dita n. 46. Herdeiros de Rsmpch 155151
Ponte Veiha n. 13. Herdeiros de
Jos Francisco Ferreira C.tao
Hospicio n. 10. Herdeiros de Joo
Fernandes Parete Vianna
Dita n. 20. Heliodoros d'Aquino
Fonceca 155151
Dita n. 37. O mesmo 565985
CamarSo n. 11. Herdciro de Joao
Pacheco de Q-iirog?. e outro3 155151
Dita n. 13. Oa mesmos 1;>5151
Dita n. 15 Os mesmos 155151
Dita n. 17. Os mesmos 155151
(Contirui't)

16- Gregorio Thau-
Cymnasto Pernimbsiean
tde Janeiro de. 1*
Pela secretaria oSymuusio l'eniambucato,_e
de ortlem do Rvd. cidado regedor, se declara as
paes -de familia, e a quem mais interessar possa,
que a abertura solemne do curso scientinco e
liUerario tera lugar no dia 3 de Fevereiro prexi
mo vindooro, e esde j se aelia aberta a'in-
scripcao da matricula pira aquelles que prelen-
derem estudar as segnltrtes disciplinas :
Lingna nacional.
Dila latina.
Dita franceza.
Dita ingleza.
Ditas alltmu e italiana.
Gecgraphia antiga e moderna.
Historia sagrada antiga e moderna
Geometra e trigonometra.
Arllhmetica e algebra.
Philoscpaia.
Rhelorica e potica.
H.8toria e chor(graph3 do Drazil.
Sciencia8 naturacs.
EscripturacSo mercantil.
O corpo docente do instituto composto de 19
, professores, oceupando se rada um dellcs "-
155151 j mente com a materia enslnada era sua respecti
i va cadeira.
9e:o admildos no Gymr.nsio alumnos nter
nos, mei.) prnsionislas e externos
0^ pensicnislas residir:";) i > lrs*.itulo, UtoU-
| direito-de estudar a terie de disciplinas de qu>:
315217 !e cempa o estadio seieiiiiro e Iliterario do
[GjamcEio, de cGftfbrnlaiii; com o [i.ogramrna
"fi^lfto e3,a',elecl0 > a fl'r "'i e.'.tados saJia e abon-
Uffatxs dantemecte e a s< r tnriados eru su.-.s pequMftas
j enfcrmldadif. O in^:itu:o furne;era ain ta rre-
155151'dJcO. medicamentos, rao, mesar; cadeira, luz.
corle de cabello, gur.rdaaapo, lavatorio, banho,
rao>iea c tfesenho..
Os mt-io p nsionis'as se apre-:eniarao no es
tB&Ptecimcuto or das leelivis, s oras un
que a< aulas se ahrirr-m e desde ento at so-
rem incerradas lurte ; sao equiparados a*s
pensionistas, quanto aos estuUos, utitncntaco e
recreio.
Os alumnos externos ro teem direito s lices
e explicacOes dos respectivos professores.
A penso annual.de 300000 que pngam os
alumnos internos do Gymnasio, ec cobrar pelo
anno lectivo somonte, dividida em prestacOe.3 de
10003 cada urna ; coqecando a primeira em
Fevereiro, a segunda^toi Mio e a terceira "em
agosto*! terminar no^m de iNOvembro.
Para os al Mr.nos di- inst'uc^ao primaria que
] devem se achar no eslabcleciiuenlo no da 16 de
155151 .'Janeiro, a primeira pre. tacao Ser antecipada
sem .aumento de pensSo.
A pen.-5o annual dos meio-pcosionistas, ser
de l&!5<'00cm tres p'cstccvs de GOjOOi cada
155151
155151
7;575
p,qa<^H^PWw para manta, 1 dedal
el aro de lei.
17.474 i par de brincos com camapheae pero-
las, 1 volta de iraocelim, 1 medalba 1
crui e 2 anneis, oura de lei, 1 salva. 14
comeres e 1 livela de prata.
17.475 i volta de oro para senhora, ouro de
lei.
17.476 i annel de ouro com 1 brilhante grande
17.477 1 Pukeira de ouro "com rubins e perola
f i alfiaete, ouro de lei.
17.478 k'anaeis de ouro com brilhaulps peque
nos, i altjn te pura retrato, ouro de lei.
7-4)0 broche era vejado de brilhantes em pra-
ta, 2 grarapos de ouro era vejados de bri-
lhantes
17.500 1 baca antiga e jarro,'prala de lei.
17.517 volta de oro cora medalna, ouro de
lei.
7 519 2 pares de rozetas, medalba, l annel,
onro de lei, 3 botOes, ouro^baixo.
17 523 annel de ouro com 2 brilhantes.
7.523 pulseira de ouro com esmeralda e ru-
bins, ouro de lei.
17550 4]pare8 de brincos, 2 a'finetes, trance-
ln], annel, ouro de lei, pulseira, 3
cordOes, 2 cruzes e annel, ouro baixo.
17-5.i4 1 corde, curo de lei.
17.5G9 torrente para relogio, ouro de lei, e 1
nTDf da de ouro de, 205000.
17 580 I broche, par de rozetas de ouro com
brilhantes, e 2 atinis com 5 ditos.
17.581 2 pulseiras, I Iraocelim, cordo, 4 an-
neis, sendo 1 com brilhantes ebotOes
ouro de lei.
17.585 corrate para relogio, ouro de lei.
' 593 24 eolheres para cha, de prata.
urna, cffecluadaa cebranca do mesmo modo que
155151
15.5151
155151
155151
15.151
155151
155151
155151
155151
Faria Tavares e outros
Visconde de Albuquerque n.
'"arlos Antonio de Araujo 3053 2
Dita n. 59 Canstanca Ferreira
de Lima -155151
Aurora n. 47. Cactano Cyrisco
c"a Costa Moreira 45507
Ponte Velha n. 6. Candido Mo-
reira da Costa 155151
Hospicio n. 27. Clara Carolina da
Fonseca 155151
Dita n. 31. A mesma % 155151
Roario n, 27. Candido Alberto
Sodr da Motta 3 5332
Gervasio Pires n. 1. Cmara Mu-
nicipal 3:<5302
Atalho n 15. C'.omentino de Fa-
rias Tavares 155151
Coronel Lamenha n. 26. Cecilia
A. da Cunha Mans' 315-95
Dita n. 45. Candida Julia Caval-
cante Rosas 155151
Barao de S. Borja n. 18. Cle-
mentino d Faria Tavares o cu-
tros 155151
Dita n. 20. Os meamos 155151
Visconde de Goyanna n. 37. Car- x
Iota /ieira Ribeiro 155151
Visconde de Albuquerque n. 25.
dorapanliij F rro Carril de Per-
IKlIilbllCO
Dividendo
Do dia 27 do correte em diante, pcgi-se
no escriptorio central des'a com ianhia, no Pao
de laneiro, o 15'dividendo de iOOO por acjo,
correspondente ao 1 semestre do exercicio de
1889 a 1890.
Recife, 20 de Janeiro de 1880.
Carlos Alberto de Meneze?,
Gerente.
Tliesouraria de Fa-
zenda
De ordem do ciado inspector, f-rp publico
que esta thesouraria acha se habilitada cum o
necessario crdito par pagarxento dos seguia-
ps cr.dores deextrciuos lindos :
Manoul Joaquina Alves da Cosa 4:376*069
Fielden Brothers l:o50t(10
Comp nhia Parn mbucana 86i0O0
Oh vena Castro 4 ti :93S08
Francisca Pinto de Hag lhaes 2 603it'0l
Jo.-- Rufino Chinaco d Silva 001G0
Joo Walfredo de Medeiros 1535010
Antonio Rodnenes de Souza 4 C. 553180
O mesmo lUOC-O
Teoente Clementino Aceioly Lins 783438
Thesouraria do Fazenda de Pernamboco. 18
de Janeiro de 1890.O secretario,
Dr. Antonio J. de. Sant'Anna.
Faculdade de Direito do
Recife
Por esta secretaria, de ordem do cida-
dSo director, se faz publico, que em vir
tude da ordem do governo federal cons-
tante do offioio abaixo tramerpto do Go-
verno Provisorio deste Estado, haverao, a
comefar do dia 3 do mezpoxiroo, na Fa-
culdade, exames dos preparatorios, que
serlo opportunamente declarados para os
estudanes que tendo se inscripto na pri-
meira epocha os na"} poderam fazer em ra-
zao do disposto no *rt. 3. do decreto e
aviso no dito oicio citados Os estudan-
tea que estiverem n'estas cond^Ses de
verlo desde j requerer para serem seus
nomes incluidos as respectivas listas de
cliamados.
e 4.a scelo.Paltcio do Governo do
Estalo de Pernambuco. Em 8 de Janei-
ro de 1890. -Para os devidos efeitoscom-
munico vos que o Governo Provisorio da
Repblica, segundo declarou-me o cida-
dlo Ministro dos Negocios do Interior m
aviso n 741 de 30 de Dezerabro fiado,
resol ve u que, at ulterior deliberaclo, mo
se continu a otfservar o disposto no art
3. do Dec. n. 9,647 de 2 do Outubro de
1886. explicado pelo aviso de 9 do raes-j
mo mez e anno; devendo ser admittidos
a prestar os exames de preparatorios para
que se achem inscriptos n'esta epecha os
estudantes aos quacs nlo tenha sido per-
mittido fazel-os em virtude. d'aquella dis-
posi$lo. Sade e fraternidade.^Jos S-
melo de Oliveira Sr. director da Fa-
culdade de Direito do Recife. i
Secretaria da Faculdade de Direito do
Recife, 20 de Janeiro de .1890.
O secretario,
B. Aragao de Faria Rocha.
155151 para os internos.
Os alumnos iulernos de qualquer cathsgoria
paga rao na entrada e por orna vez, urna joia
de 20*000 ; dous ini.os 30*000, sendo 13*000
l$lol I p0r cada um e nao haver u.ais augmento de
joia crescendo o nuecero destes.
O instituto encarregar-se-ha da lavagem da
/ roupa dos alumnos internos que nao tiverem
! qoem o faca por fra, e ito mediante 15*000
em cada pieslaco. Esl pagamento se fara de
modo idntico ao da penso e cunjunclamente
com tile, dando direito acs concertos das pecas
arruinadas do enxoval.
As despezas cora livros e mais objectos indis-
pensaveis para a escripuragao, conem por con-
ta 'los alumnos internos ; devendo seus paes ou
quem os representar deixar quantia suficiente
pa-a este fornecimen'.o.
Os externos .; em direilo s iiges e expli
cales das ma'erias ensinudas no curso, quaes-
qur que elias tejaos, pagando apenas no aclo
da matricnla a taxa igual a que pagam os alum-
nos no Collegio das Arles
lia lainb.m urna cadeira de instruego prima-
! ra para os alumnos internos e meio pensionis-
2o; 2 J3 tas, em a q> al se ensina srgundo o programma
I das escolas publicas, nos ttrmo3 do regiment
interno.
0 secretario,
Celso Tertuliano F. Quinte'la.
DerbyClubdePernafflbnco
Os Srs. accionistas quiiram procurar n'esta
sccrelaria, os novo' ca toes era substiluicio dos
anligos. at o da 25 do rujrrente. Depots d'esla
data estes cartOes nao terao valor.
Secretaria do Derbv Cuo de Pernombnco, 17
de Janeiro de 890.
0 secretario,
__________________J. de 0. Costra. ___,
Club Republicano Piwchlsl da
Ba-Vl^a
Convido os socios deste CLb a se reuniem
quar:a l'eira, 22 de Jan iro, em sesso extraordi-
naria.
O 2 secretario,
Ro Irigues Vianha.
45*453
Recreativa Magdalenense
Por ordem superior ccm:o os Srs. socios a
se reunirem em assemb!.i geral, quinta-feira,
23 do cerrente, s 7 horas da tarde.
S. R. Magdalenense, 20 de laneiro de 1890.
O 1! secretorio.
T:o Livio da Silva
Monte de Soccorro de Per-
nambuco
-I:'1 leilo de jolas
Este estabelec:mento furi leilo no dia 22 lo
correntc, por intermedio do agente Mariins. ciu
kuasle, na ra do Bom-Jcsus n. 32, s 11 ho-
ras da manda, dos objectos qne nao forera res-
gatados atoa vespera, constantes das seguintes
cautelas, ven;ida= le Dezembro de 18S7 a Maio
de 1888 a clinheiro de contado :
16-895 2 pejas de biceoscmejadas de brilhan-
tes pequeos.
17.338 2 pares de brincos, 1 dito de argolOcs, 1
volla de ouro, urna medulha ouro de lei
e 1 roleir de prata.
7 381 correntc para relogio, 1 porta relogio,
ai tete e 1 relogio do. ouro..
17 384 1 correte para elogio curo de lei.
17.409 1 trancelini ouro :!e lei.
17-423 1 rosario ouro de lei.
7 430 1 correnle para relogio ouro de lei.
47.432 1 faqneiro con tendo 72 eolheres, 7 con
chas, t par de trinchantes, 48 garfas, 24
Cicas pequea.*, 4 eolheres para"al c 1
salva, prata de lei. '
17.413 1 broche de curo eontend brilhantes.
17.434 I relogio de ouro de lei.
17 435 1 tr,ncelirn, 5 botOes, 1 annel, 1 relogn,
ouro de lei e par de esporas prata
Bafea.
17 438 1 volta de ouro,'l medatha cera brilhan
tes e diamantes, ouro de lei.
17.440 1 correte dupa c<.m niidalha para re-
logio l ligu e 1 pulseira com medalna,
ouro de lei.
17-441 1 par de rozetas :le ouro com 2 rubins e
circulo de biillia.tes, 3 botes de ouro
com 3 pedas grandes, 1 relogio de ou
ro, 1 crrente e medaiha para relogio,
de lei.
17 443 1 ,-hapa de ouro cravejada de brilhan
les de official da ordem da Rosa, 3 bo-
tes de ouro com 3 brilhantes.
17-445 1 aonel de ouro era brilhantes.
7-446 medalha de ouro cora brilhantes.
7 450 2 pares de rozetas de ouro com 4 bri-
lhantes, 1 annel con dito, 3 pares de
briocos, 1 cruz, 1 eordao, ouro de lei, 2
salvas, 1 palueiro, 18 eolheres para so
pa, 12 di las para :h el dita para ar-
roz, prala tic l--i.
17.458 1 pulseira de ouro com di-ticoa misa
decravejada de brilhantes pequeos e
correnle para relogio, ouro de le.
17-^59 1 pulseira de ouro cora brilhantes.
7.46 paliteiro e 3-i eolheres para cha, p-ata
17.463
17.465
7.468
17.469
18.474
7.472
annel de ouro com briih raTe.
1 vola de ouro, 1 ikfdlilia, trancejm
e relogio, ouro ie lei.
volta di'tran^elim com 6teteias,
medalha e 1 annel ouro de lei.
1 par de brincos d ouro rr.ivrjttdo de
brilhantes e diamautes, 1 pulseira, 1 olfi-
nete, par de rozetas, ouro de lei.
7.470 cruz de ouro oro brdhantes e2 pul-
seiras, ouro de lei.
1 salva e 8 eolheres de cha, prata de lei.
1 pulseira, i alrinctes, 1 par de brincos,
1 trancelim e annel, cu-o de lei,
7.473 cruz de ouro. annel com brilhantes
17 605 allinete, l melara e 1 volta de tran
celim, curo de lei.
17 611 1 par de brincos, 1 dito de roze'as, 2
raedalbas, luneta, cruz, figa, 1 al-
linete pequeo, 1 anael, par de botts,
2 bolas, ouro de lei, l annel, ouro baixo.
17.619 1 cruz de ouro com 7 brilhantes.
17.621-3 biuros, 2 pgas de ditos, 1 medalha
pequea, l annel de ouro de le, 1 cordo
e annel. ouro baixo.
17.637 3 pulseiras, 3 pares de rozetas, dito
de botes, 1 cordo, cruz, annel e 1
caixa de ouro de lei.
7.642 2 fios de onro de le, 2 corajes de cor-
nelina, cm ouro baixo.
7 671 volta de ouro de le.
17.679 3 anneis e 1 cordo de ouro de lei.
17.692 pulseira de ouro e broche crave-
jado de brUhantes, l par de rozetas lam-
hem cravejado e 1 pulseir? contendo
brilhantes e diamantes.
7.693 par de rozetas de ouro conendo 2 sa-
phiras e circuios de brilhantes, 1 annel
com brilhantes e saphira3, 1 annel com
f brilhante, volta de ouro com me la
lha, 1 pnlseira, 2 pares de brincos e i
cruz, ouro de lei, pulseira, 2 ajnetes,
ouro baixo.
17.694 correntc para relogio e volla de ouro
de lei.
7.697 5 garios, o facas com eabo de prata de
lei.
17 699 correnle para relogio e moe-
dinha de ouro de lei,
17.700 corrento de curo, 2 traneelins, 1 cai
xa para rap, 2 Hvtllis, 1 par de botes,
ouro de ei, par de botes, ouro baixo.
2 selvas, 2 pautaros, 24 eolheres para
sopa, 10 ditas para cha, 2 ditas para ti-
rar sopa, prata de lei.
7.701 par de rozfttas de ouro com 2 pulsei-
ras, l volli da ouro, correte para re
logio de senhora e relogio de ouro de
le.
7 702 trancelim com luneta, pulseira com
me- dalha e ^ annel, ouro de lei.
17.704 1 pulseira, 1 correle para relogio, 1
trancelim, 2 alonetes. 3 pares da rozetas
c 7 botes, ouro de le, 1 pulseira, 1 par
de brincos, 1 dito de rozetas, alfinete.
7 botes, 1 annel e cruz, ouro baixo.
17.713JI par de rozetts de oro, cruz, conten
do brilhantes, 1 puUeira e i volta, curo
de lei
17.713 corren e cuita, ouro de lei.
17.726 correte cam medalha, ouro de loi.
18.736 1 par de rozetas de onro com 2 brilhan-
tes. .
17.739 2 pares de brincos, dito de rozstas e 1
relogio, ouro de lei.
17.746 6 garras cem cabo de prata, Issoura
com prala, prata de lei.
17.757 pulseira, 1 dedal, curo de lei.
17.760 1 par de rozetas con brilhantes, salva
paliteiro, 9 eolheres para sopa 9 ditas
para cha, de prata.
17.771 2 salvas, 1 paliteiro, 1 cclher iara tirar
arroz, 13 diths para cha, peala de lei.
17.776 1 allinete, medalha, 1 cordo, 1 par de
rozcles, curo de lei.
17.780 1 par de rozetas de ouro com 2 perolas
circuladas de brilhantes, par ic ditas
com ru ns e brhcnies, 2 anneis com
brilhantes, i voltas de ouro, l medalho
e 2 pulseiras, ouro de \:\.
17.799 1 ealva prata de lei.
17.824 trancelim, ouro de lei.
17.837 correntc e medalha para relogio, ouro
de lei, 11 raoedinhis de ouro era boto.
17.841 1 par de. botes de ouro de lei.
17 851 1 trancelim. ouro de lei.
17.806 1 co rente e melalha para relogio c 3
botes ouro de lei.
17.877 1 annel de ouro com um brilhante pe-
queo.
17-879 1 relogio de ouro.
17.883 broche de ouo cora brilhantes.
17.889 1 par de brinco de ouro e modaiha
cravejada de brilhantes.
17.893 relogio, ouro de lei.
17896 broche, 2 par s de rozelas on-o de
lei.
17.902 i pulseira e 1 broche, ouro de lei.
17.909 1 pulseira, 1 par de brincos, 1 allinete,
corarlo de cornelina em ouro, 1 volta
de curdao, de traneelim e 14 teteias,
ouro e lei.
17.911 1 salva d prata.
17.919 trancelim, 1 cruz 1 luneta, onro de
lei, 2 casticaes prata de lei.
17.922 1 annel de ouro cora brilhantes.
17.925 1 bro;he. 1 par de brincos cravejado de
?erlas, bur de loi.
cordo, 1 f'g-i, 1 allinete, p r de ro
zc-ias, brinco. 1 dedal, I annel com 2
pequemos brilhantes, ouro de lei.
17 928 1 pulseira de ouro cora brilhames, pul-
seira com perolase rubios, 1 broche com
rubins e prolas, 1 volta de ouro e me-
dalha, ouro de lei. "
17-944 1 annel de ouro cem bri'lnntcs em ctr
culo
17.916 1 trancelim, 1 moeda de oaro com lago,
ouro de lei.
7.982 I par de brincos, 2 jilos de rozetas e 1
aonel, ouro de le:, 1 >usei;a. 1 alOnete,
par de rozetas, 2 ;;r !0cs, 1 crui em
curo, I emblema do sol em ouro e 2 un
neis ouro baixo.
18.005 6 eolheres para sana, 10 ditas para cha,
prata baixa.
18 006 1 alva, 1 pabeiro, 4 coliircs para se-
na, 17 ditas para cb, prata de lei.
18 014 1 pulseira, ouro de lei.
18.016 pul-cira, ouro d lei.
18.020 1 volta de ouro para senhora, ouro de
lei.
18 025 i alfinete, 1 par de brincos, tranceln),
ouro de lei.
18.027 1 cordo e relwgio, ouro de lei.
18.034 1 traocelim, 1 cruz, oaro de le.
18.038 1 par de brincos- 1 medalha e annel,
ouro de lei, paliteiro.
18 039 I par de rozetas e 1 dedal, ouro de iei.
18 Oil 3 pulseiras, 1 volta de tr.ncelim, 1 par
d rozetas com dous brilhantes, annel,
par de bo'.es e dedal, ouro de le.
18.048 1 pulseira, 1 Iraocelim, I alflnete e 5 t-
telas, ouro de lei.
18 083 2 pares de brincos, l volla de trance
lira, aanel, ouro de lei.
18.064 1 par de lozetas de ouro com brilhantes.
18 065 volta de ouro, medalha. 1 volla de
trancelim, modieba de ouro com la^o,
3 tateias e relogio, ouro de lei.
8.073 i telogio,ouro de lei.
I8.i85 1 par de rozetas cim. brilhantes peque-
nos, 3 1/2 pares de ditas, I allinete e 2
botes, ouro de lei, par de rozetas,
ouro baixo.
18 089 1 pulseira de ouro com brilhantes, 2 bro-
ches de ouro com ditos, ouro de lei,
par de brincos cravejados de diamantes.
18.103 1 par de rozetas de ouro com brilbahtes. i
18.107 2 anneis de ouro, em um tem brilhan-
te pe boto ouro de
lei.
18.113 1 relogio, ouro de lei.
18.130 gargantilha de ouro contendo 3 bri-
lhantes, 3 perolas. ernz de cero com
brilhantes.
18. 43 par de brincos, 1 moedinha de oUro
com laco, 1 volta de trancelim, i em-
blemas da Conceijo e Espirito Santo, i
bentinhos e f luneta, ouro de lei.
18.150 1 colar, ouro de lei, par de botes.
ouro baixo.
18. 69 alflnete, 1 par de brincos,' 2 voltas de
trancelim, ouro de lei.
18.94 volta de ouro cora medalha e annel
ouro de lei.
18.200 cruz de ouro com brilhantes e lio de
perolas.
18.207 1 trancelim, 1 medalha pequea, 2 pa-
res do brincos e annel, ouro de lei.
18.211 par de botes de ouro com 2 brilhan
tes e t anael com dito.
18.212 volta de ouro com medalha, ouro de
lei.
18.227 1 annel de ouro com brilhante {pe-
queo.
18-231 1 correte e medalha, ouro de lei.
18.237 1 trancelim, ouro de lei.
18.245 broche de ouro cravejado de brilhan-
tes, 2 pulseiras de ouro com ditos,
cruz toda crevejada de brilhantes gran-
des.
8.249 8 eolheres para sopa, 26 ditas para cha,
concha para arroz, de prata.
18 250 pulseira, broche, par de brincos
com brilhantes, broche, 1 par de brin-
cos com brilhantes pequeos e rubins
grandes, 2 pulseiras de ouro, broche
com esmeralda e perola.
18 252 volta para senhora ouro de lei.
18-256 1 relogio de ouro de lei.
Escola Normal do Estado
de- Pernambuco
Matricula
De ordena* do Dr. director taco publico,"
a quem intetessar que a contar do dia 15
do corrente, at 3 de Fevereiro, estar
aberta a matricula para os diversos annos.
d'esta Escola. Os pretendentes deVerSo
requerel-a ao Dr. director, provando para
a matricula no 1. anno:
:, se forem
18.262 ir trancelim, euro de lei.
18 266 cruz de ouro com brilhantes e lio de
perolas miudas
18.268 allinete de ouro com briloantes e rn
oins, annel com um brilhante.
18 269 1 corrente para relogio, par de brincos,
dito de rosetas, ouro de lei.
18270 2 pares de rosetas, onro baixo, 12 eo-
lheres para cha, prata baixa.
18 275 1 volta de ouro, aedalha, ouro de lei.
18 298 1 trancelim e medalha, oro de lei.
18.340 correnle para relogio faltando chave,
corrento para relogio, l cord&o, l
vola de dito, 1 alflnete, um par de brin-
cos, 2 anneis, i moeda de ouro com lac.o
ouro de lei.
18318 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
18 319 1 relogio ouro de lei.
18.324 1 pulseira, broche, volta de ouro
com laco, I medalha e 1 par de brincos,
ouro de lei.
18-334 par de rosetas, allinete, cruz de
ouro, volta de cordo, 6 teteias, alli-
nete com pedra e 1 annel, ouro de lei.
19 334 relogio de ouro de lei.
18-343 2 anneis de euro com brilhantes.
18.354 1 cordo, moedinha ds ouro com laco,
ouro de lei.
18.371 3 pulseiras, 1 volta de cordSo groso. 8
teteias de ouro, moeda de prata com
laco de ouro, ouro de lei.
18.372 relogio de ouro.
18.377 1 par de rosetas com 2 brilhantes, an-
nel com dito, 4 botes de ouro com bri-
lhantes, correnle de ouro com porta-
relogio, onro de le.
18.412 par de rosetas de curo em 2 brilhantes
circulados de diamantes.
88.44 par de briocos, 1 dito de rosetas, 1 al-"
linete, 2 anneis, 1 teteia, ouro de lei,
annel c aro de a'f'mete, ouro baixo.
18.415 1 broche par de brincos, ouro de lei.
18.416 1 pulseira, 2 medalhjs, 1 trancelim, 2
correntes para relogio, par de brincos
e annel, ouro de le.
18-447 moedinha de ouro, do valor de 5*000
2 voltas de tran:elim, i boto c liga,
ouro de lei.
18.420 2 anneis de ouro com 2 brilhantes,
cruz de ouro com dito, lio de perolas.
18.429 6 moedinhas de ouro (dollars) em bo
toes.
18.430 6 eolheres para sopa, 2 dilas para sopa e
arroz, prata de lei, 1 castiga!, prata
baixa.
18.437 1 par de rosetasde ouro. contend 4 bri
Ihantes, sendo 2'grandes.
18 453 emblema do Esp-ito-Santo, corago
em ouro, dadal e 5 botes, ouro de
lei.
!8 466 2 bules, 1, assucareiro, 1 manteigueira,
1 leiteira. 41 salva pequea, 1 coador, 2'
eolheres (fara peixe e arroz, jarro e
bada, prata de lei.
18.473 corrente e medalhas para relogio e 1
pulseira, ouro de lei.
18.475 1 volta de trancelim, medalha, 2 moe-
dinhas de ouro em botos e 2 anneis,
ouro de lei.
18 476 i annel de ouro cora um brilhante pe-
queo.
18.481 annel de ouro com urn brilhante pe-
queo, pulseira, alfinete de ouro com
rubins e pedra, correnle para relogio,
2 medalhas de ouro de lei, f paliteiro,
salva pequea, prata de lei.
18 493 annel de curo com '.res brilhantes pe-
queos.
18 500 trancelim ehalo, ouro de lei.
18.508 par de brincos, cordo, volta de
contas de ouro. corago, medalha,
crtiz, annel, 2 ligas em ouro e 2 bo-
tes, ouro de lei; 1 cordo, olho de
Santa Lozia, ouro baixo.
8.5.4 pulseira, 2 broches. 1 par de brincos,
1 medalha, ouro de lei.
18 522 1 par de rosetas de our cora 4 bri-
lhantes.
I8.52G 1 moeda de ouro de o000, 2 voltas de
trancelim, 1 medalha, 2 ligas de coral cm
ouro c Irez teleas, ouro de lei.
18.530 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei.
18 531 1 trancelim, 1 volta Je dito, cruz, ouro
de lei.
18.533 1 annel de ouro com brilhante.
18.535 I annel de ouro com trez brilhantes,
dit) com um brilhante.
18.538 corrente e medalha, para relogio pe-
queo de ouro.de lei.
18 511 1 rosario de ou/e, 4 anneis, 2 moedinhas
de ouro em botes, onro de lei.
18 5i2 1 corrente e medalha e telas para re-
logio, 3 trameliqs, luneta, 1 cordo, 1
rosario, 3 alfihetes, 1 par de brincos 9
enneis, dedal onro de lei, pulseira
com requi f.-, dita de ouro, allinele,
2 pares de rozelas, ouro baixo.
18 550 brilhantes pequeos sobre papel.
18.552 1 corrente e medalha para relogio.
Recife, 3 de Janeiro de 890.
O gerente.
Felino D Ferreira Coelhb.
1 -Idade maior de 17 annos
do sexo masculino, e de 15, sendo d
sexo feminino;
2.IsencSo de culpa que motive a
perda da cadeira de professor publico;
3."Ser de bons costumes ;
4.N2o soffrer molestias contagiosas
nem defeitos physicos que os privem de
bem exercer o magisterio;
5.Habilitacao as materias professa-
das nos tres graos do ensino primario, ou
as do exame que houver de fazer na
escola.
Quanto matricula para os outros an-
nos basta ser a pet3o instruida com cer-
tificados de approvacSo em todas as ma-
terias do anno anterior.
Outiosim declaro, que o mesme Dr. di-
rector tem designado o dia 28 do corrente
para comecar o examc de que tracta o
art. 27 do regulamonto vigente.
Secretaria da Escola Normal, 7 de Ja-
neiro de 1890.
Francisco Curios da Silva Fragoso,
^________________ Secretario.
Sociedade Refiaaria e Dis-
tillacao Pernambucana
Sao convidados os ?rs. accionistas a realizar
a 3' eptrada de 10 /., equivalente a 20000 por
aeco, at o dia 31 do corrente mez, conforme
os arts. 8o e 9 des estatuios, no escriptorio do
Exm. Sr. thesoureiro Baro de Petrolina ; entra-
da pela ra do Torres n. 48, Io anlar.
Recife, 15 de Janeiro de 1890.
O presidente,
___________Joo Fe nandes Lopes.
SANTACASA"
CASAS PARA ALIGA
dem da Guia n. 25, idem 160O0
dem do Encantamento n. 9, l. andar loOOO
dem idem n. 3, loja 4000
dem do Bom Jess n. 29, loja 18*000
dem idem idem, 1." andar 20*003
dem do Amorim n. 23, idem 2*500
dem idem idem, 2' andar 12500
dem Imperial n. 51, casa terrea 30*000
Ra da Moda n. 45, arraazem 165660
dem idem n. 47, 20*000
dem idem n. 49, idem 16*000
dem do Vigario n. 25, i. andar 30*000
dem idem n. 27, loja 161660
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
tas do mesmo banco em Portugal sendo
:m Lisboa ra dos Capellistas n. 73. No
Porto, ra dos Jnglezes.
BaaeodoBmii
Pelo presente sao
convidados os Srs. ac-
cionistas das novas ac-
c;es lo Banco do Bra-
zi, aqu subscriptas,
a vi rem realizar a se.
g-un la entrada de dez
por cento ou vinte rail
ris por acc,o, nos dias
21 a 25 do corrente no
escriptorio de Pereira
Carnero 8? G, ra do
Commercio n. 6, 1,
andar.
EMFICIOS E MERCADURAS
TAXAS BAIXAS
Prompto pagamento de prejuizos
SEM DESCONT
A COHPAKH1A
IMPERIAL
DE I.O.\BRES
EST: 1803
CAP: Rs. 16,000:000000
agentes sftews & c.
N. 5-RUA DO COMMERIO-N. 5
Companhia de Seguros
AGENTE
Miguel Jos Alves
rV. VBa do Bom Jesus-N. *
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companhia
'.esta praca que concede aos Srs. segurados semp-
;5o de pagamento de'premio em cada stimo
tono, o que equivale ao descont annual de cer-
ta de 15 por cento em favor dos segurados
JTOBB.:r
MITIHOS COSTRA FOGO
Companhia Fhenlx Per
nambucaBa
RA DO COMMERCIO N. 46
EJVDEMlIflSADOR
Companhia de Segaros
MARITIMOS^E TERRESTRES
Entabeleclda em 1855
CAPITAL 1,000:000^000
SIMSTROS PAGOS
At 31 de Bczemhro de 1884
Martimos.. J, 110:000^000
Terrestres. 316:000#000
44Ra do Commercio44
Companljia te Seguros
comA
N8E1
de Londres e Abcrdaen
'osico financeira ('Dezembro de 1887j
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aecumulados 3.421,000
ilecelta annoal :
De premios contra fogo 607,000
De premios sobre vidas 197,000
De uros 143,000
O AGENTE,
John H. Boxinell.
SEGURO CONTRA FOGO
Royal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .000:000
AGESTES
R. DEDRUSINA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
CONTRA FOGO
f he Liverpool k London k Globe
HTSURAITGE COICPAJTST
BLACEHBff, mSW & C.
Ra do Commercio n. 3
i



.-

p
I
I





1

1
ano de PerBambiH'.oi^uarla^ieira
*
MARTIMOS
Companhie de Messageries
Mari times
LINHA MENSAL
O paquete Equateur
Commandante Moreau
E' esperado dos portos do
sul no dia 2 de Kevereiro
seguindo depois dademo
ra de cos'ume para bor-
I deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
Lembra-se aos Sre. passageiros de todas as
asees que ha lagares reservados para esta
igencia, que podem tomar em qualquer tempo
Faz-se abatimento de 15 0)0 em favor das fa-
milias compostas de 4 pessoas ao menos e que
- Agarem 4 passagens inteiras.
Por excepco, os criados de familias que to-
arem bilhetes de proa, gozara tambera deste
.oa tmente.
Os rales postaes s se dao at o dia 30 de De
lembro pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas ejli-
aeiro a frete : trata-se com o AGENTE.
O paquete Nerthe
Commandante Lecointre
' esperado da Europa no
dia 3 de Fevereiro e se-
i gira depois da demora
aecessaria para
iahia, Rio de Janeiro, Buenoi-Ayre e
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
i3ses que ha lugares reservados para esta
encia, que podem tomar em quatquer tempo
?revine-se aos Srs. recebedores de mercado-
iasques.seattendera a reclamaces por fal-
sa, nos voluntes, que forem recoahecidas na
ccasiao da descarga, assim como deverao den-
ro de 48 horas a contar do dia da descirga das
ivarengas, faierem qualquer reclamacao con-
ernentes a volumes que porventura tenham se-
aido para os portos do sul, afim de poder-se
.ir a tempo as providencias necessarias.
Bte paquete fio llliimtnauo
%* elctrica.
Para carga, passagens, encommendas e di-
jeiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Aligaste Labille
3 Ra do Commercio 9
CHARGEURS REUNS
Compannla Francesa
DE
Navegado a vapor
Li na quinzenal entre o Havre, Lisboa.
Pernambuco, Babia, Rio de Janeiro r
Santos.
. O vapor
Ville de Pernambuco
Commandante E' esperado da Europa at o dia
25 de Janeiro, segurado depoi?
da irdispensavel demora para a
Macei, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pelot
vapores deata linha, queiram apresentar dentrc
de 6 das a contar do da descarga das aJvarenga
qualquer reclamac&o concernente a volumes qut
orveotura teaham seguido para os portos de
sul afim de se poder dar a tempo as pro vi
encas necessarias.
Expirado o relerido prazo a companhia nao B<
responsabilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di
heiro a frete : trata-se com c
AGENTE
Angoste Labille
9RA DO COMMERCIO 9

bmpanhia Baha na de Na-
vegado Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Bahia
O vapor Sergipe
Cemmandante Rebello
E' esperado dos portos cima
at o dia 22 de Janeiro, e de
pois da demora do costume re-
^ressar para os raesmos
Para carga, passagens, encommendas e dinbei
o a frete trata-se com o
AGENTE
?edro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario 17
tiit? *
tOMFl\UIA l'KHMHRUIVi
DE
^avegaeio eostelra por vapor
PORIOS" DO SUL
Macei, Penedo, Aracaju e Bahia
O vapor Jacuhjpe
Commandante Esteves
Segu no dia 24 de Janeiro as
5 horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia 23.
Encommendas, passagens e dinheiros frete,
at as 3 horas da tarde do dia da partida.
ESCRD7TORIO
Ao Cae da Companhia Pernambucana
n. 12
Pacific Steam Navigation
Company
STRAITSOFMAGELLAN UNE
O paquete Aconcagua
Espera-se do sul at o dia
29 de Janeiro e seguir,
depois da demora do costu-
me para Liverpool por
Lisboa, Bordeaux e Plymeiith
Para carga, passageiros, encommendas e di
heiro a freie: trata-se com os
AGENTES
Wiison, Sons IC, Limited
14BA DO COMMERCIO14
COMPA\HIA PERVIMBI tA!*4
DE
'avegaco costelra por vapor
PORTOS DO SUL
Tamandar e Rio Formoso
O vapor S.Francisco
Commandante Pereira
* li WS. MtL^. SeSue no dia S3 d0 corren-
ttuTnfty te s 5 horas da Urde Re-
t cebe carga at o dia 21.
Encommendas, pasasens e dinheiro i frete
ai 3 horas da tarde do da 23.
ESCWPTORIO
Ao Cae da tonpamkia Pernambucana
n. 12
ra PKBNAnrcAivA
DK
favegaeio costelra por vapor
PORTOS DO NORTE
arakyba, Natal, Maeo, Mottor, Araca-
ty e Cear
O vapor Una
Commandante Monteiro
mi Segu no dia 25de Jaoeiro s 5
>Lkk horas da tarde. Recebe carga at o
| g|dia 24
Encommendas, passagens e dinheiro frete,
j as 4 horas da larde do dia 25
ESCRIPTORIO
o Cae* da Companhia Pernambucanu
______________^12________________
Companhia Brasileira de
Navegacao Vapor
PORTOS DO NORTE
Vapor Espirito-Santo
Commandante < arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do sol
ate i dia 27 de Janeiro e se-
gurado depois da demora indis-
Ip.'Dsavel para ot portos do nor-
te ate Mauaos.
As encommendas s serio recebidas na agen
ci i at i hora da tarde do dia da sahida.
Vara carga, encommendas, passagens e valo
res ^ata-se com os
AGENTES
Pereira Cameiro & C.
8=Rua do ComHierno=6
1 andar
Rio Grande e Pelotas
Segu com brevidade para os portos cima a
barca nacional Marianmha ; recebe carga a tra-
ar com Baltar, Oiiveira & C.
LEILOES
Quarta feira, s. deve ter lugar o leilo dos
movis e mais objectos da casa de residencia da
Sra. D. Isabel Thompson, que vai para a Europa.
Leilo
Agente Britto
Em continuacSodo do dia 17, rua de 7 deSe-
tembro, antigo becco dos Ferreiros n. 8
Vender o segrii nte :
Urna mobilia de Jacaranda, 1 guarda-vestido,
1 guarda roupa, i toilette, 1 rama de Jacaranda,
i marquezoes, 2 commodas, i cabide de colum-
na, 1 banca. 1 berco, 1 mesa elstica, 1 guarda
louca importante, camas de ferro, 2 aparadores,
movis avulsos, jarros, louca para almoco e jan-
tar, vidros, bandeijas, 12 cadeiras de junco, 12
dits de pao carga, relogios de parede, quadros,
candieiros e mu tos outros objectos, inclusive 1
guarda-comida.
Qn arta-felra, 9'i do corrate
A'811 horas
Leilo
De dous importantes cavallos de sangue, para
corridas, constando da egua Pbedra e do caval-
lo Phalerno.
Quarta-feira, 22 do corrente
A 1 hora da tarde
O agente Gusrxao far leilo na praca do Com-
mercio (Lingueta) dos importantes cavallos ci-
ma mencionados.
Agente Pestaa
Leilo
das dividas da maesa fallida de Joao Fe-
litberto da Cruz Braga & C.
Quarta-feira 22 do correte, s 11 horas em
ponto, no armazem travessa do Corno Santo
n. 27.
0 agente Pestaa far leilo. por mandado
e com assislencia do Exm. Sr. Dr. juiz do com
cnerdo, das dividas cima mencionada?.
Leilo
De movis, louca, crystaes, porcelana, can
dieiros a gaz, jarros e tapetes
A saber:
Um piano forte, urna mobilia de Jacaranda com
1 sof, 2 consolos rom pedra, 12 cadeiras de
gnarnico jardineiras com pedra, cadeiras de
balance, consolos avulsos, jarros para florea.
candieiros a gaz, estatuetas, espelhos dourados
e 2 tancas para cortinados.
Urna estante para Uvros, 1 secretaria de jaca-
rend, 1 carteira para senhora, quadros e 1 mesa
grande redonda.
Urna mesa elstica com 6 laboas, i guarda-
louca envidracado. 1 aparador com armario, 1
guarda comida 12 cadeiras de guarnicao, ca-
deiras de balaaco, 1 relogio de parede e I tapete
forro de sala.
Dous apparelhos de porcelana para justar, 2
ditos para cha, copos, clices, compoteiras, fru-
cteiras, garrafas, ja-ros com azas para agua, fru
cteiras. mesas de cosinha e trem de coslaba.
Quatro quartos completamente mobilbados com
camas, commodas, lavatorios, guarda-vestidos e
mais aceessorios de casa de familia, existentes
na casa da
Roa do Conde da Boa-vista n. i M
(outr'ora taminho Koio)
QUARTA FEIRA, 22 DO CORRENTE
D. Isabel Thompson, tendo de fazer urna via-
gem Europa, faz leilo"pr intervenco do
agente Pinto, dos movis e-mai8 objectos exis-
tentes casa de sua residencia, a ra do Conde
da Boa Vista n 24 M.
O leilo principiar s 10 1/2 horas em ponto
Vendem-se
lindas mobilias austacis e de junco, cadeiras
avulsas de Thcncet, no armazem da rna do Bom
Jess n. 46.
Leilo
De cambra ai adamascadas, meias para homens
e senhoras, camisas brancas para horneen. Bchs,
lenco; de ganga sabonetas linos, extractos
nos, vinhos, licores, leite fre^co em latas, mar
roquins de peores, loucas, vidros, jarros, movis
em grande quantidade de junco, ditos de ama-
relio, ditos de Jacaranda, pianos e muitos outras
objectos que sero vendidos para fechamento de
conta.
Quinta-feira. do corrente
A'b 11 koras
No armazem da ra do Mrquez de Olinda
n. 48
POR DTERVENCO DO AGENTE
Gusmo
Leilo
DE MOVIS E LOUCAS
tilinta-feira 9 % do corrate
A'a 10 1/2 horas
Ra da Concordia n. 22
O agente Silveira, por ordem do Sr. lente
Joao Pereira de Lima far leilo dos movis e
mais objectos de casa de familia.
Leilo
sexta-feira, 94 do corrate
A'a 11 horas
Na ra do Rangel n. 11
O agente Martins, far leilo da taverna cima,
por conta de quem pertencer em um on mais
Agente Stepple
Leilo importante
Terca-felra, ti do corrente
A'a 11 oras em ponto
No Armazem ra do Imperador n. 39
De um importante sitio com urna escol-
ente casa assobradada, no largo do
Monteiro, sob n. 1.
O agente Stepple, autorisado pelo cidadao Dr.
Antonio Gomes lavares, que retira-se d'este Es-
tado para o do Cear, levar en leilo um im-
portante sitio com urna excedente ca a assobra-
dada, sita no lugar do Mcnteiro, sob n. 1, com os
seguintes commodos: pavimento terreo com 2
espacosas salas assoalhadas e 3 grandes quartos.
terraco, grande cosinha, dispensa; no andar su
perior, 2 grandes salas, 3 quartos, e muita fres a
toda casa ; no sitio urna grande cocheira, estri-
bara, cacimba com boa agua potavel e bomba,
casa de banbo com tanque a mosaico e grande
deposito de ferro, galinheiro todo de ferro, obra
prima, quartos para criados, um dito com anpa-
relno, sitio todo murado com 2 portees de ferro
e gradeamento de ferro, e um porto no fundo
que deita para.o rio Capibaribe, onde existe um
excedente banheiro para banbo salgado, com
variedades de excedentes fructeiras; como os
Srs. pretendentes poderao desde ja exaud ar o
referido sitio, e qualquer informaco o mesmo
agente dar.
AVISOS DIVERSOS
Precisase de um criado e de urna copeira
para casa de ponca familia a tratar no 1 andar
do predio n. 3, pateo de S. Pedro.
Precisase de urna ana para servico do
mestico de casa de tamilia ; aa ra 1.a de Margo
numero 2.
Precisase de um caixeiro. com idade de
12 a 14 annos, com algoma pratica de venda, a
tratar na rna de Hortas n. i.
Precita se de dous criados que sejam ma-
triculados e garantam a sua conducta ; a tratar
na ra Duque de Caxias n. 66, loja das es
trellas.
Preciss-se de urna ama qoe saiba bem co-
sinhar e engommar ; na ra Joaquim Nabuco
ns. 36 e 38.
Precisa-se de urna ama para comprar e
cosinhar, para duas pessoas : na ra Pedro
Alfonso, antiga da Praia n. 53, 3- andar.
Precisase de urna bor cosinheira, matri
culada ; a tratar na ra da Soledade n. 82.
Al u gil-se a casa n. 65 na da Palma,
muito fresca e com boas accimmodacoes para
familia ; a entender se ra da Cruz n. 4.
AigaTe" barato bje "Pandar da ra
Estreita do Rosario n. 38, e a casa terrean. 108
da rna da Gloria, a tratar na rna do Pilar n. 56
Aluga-se o 3 anda da ra da Penha n.
I ; a tratar no escriptorio ia ra i. de Margo
numero 17.
Aluga-se a grande casa caiada e pintada
com grande sitio arborisado e todo murado, sito
no becco do Padre Inglez, as chaves no mesmo,
a tratar no armazem o. 25 travessa do Corpo
Santo.
Alugam-se casas catadas e pintadas nos
'indos de S Goncalo, a 8000 a tratar na ra
la Imperatriz n. 76.
Alugam-se o 1- e 2- andares da casa n. 431
ra Visconde de Inhacna, com agua e com-
modos para familia; as chaves no andar terreo.
A escola publica de instrueco primaria da
1' oadeira lo sexo feminino da freguezia deS.
Fr. Pedro Goncalves do Recife, regida pela pro-
tessora Claudiana Nativa d > 0' Santos, acha-se
funccionando dtsdeo dia 17 do corrente, na ra
Mrquez de Olinda n 44, 2- andar.
, Francisco Jos da Costa Ferreira, prati'
cante do correio, veio ao chamado da senhora
Meando de voltar nte hoje.
Pentes a Bendeg, em prata, tartaruga e
m;ssa ; continuara a vender Pedro Antunes 4
C ra Duque de Caxias n. 63.
Nova remessa de porco3 rebeldes : rece
beram Pe, ro Antunes & C., ra Duque de Ca
xias n. 63.
Offerece se urna senhora para leccionar
primeiras lettrase algum trabalbode agnlba, em
collegio ou casa particular, deixando carta fe-
chada nesta typographia, com as iniciaes T. M
Cosinheira
Precisa-se de nma cosinheira para casa
pequea familia ; na ra Duque de Caxias n.
terceiro andar.
de
Excellente morada
Aluga-se barato, ra do Hospital Pedro 2.
no lugar do.- Coelbos, urna casa assobradada
com agua, muitos comino i is, muito fresca e
Junto do banha salgado a tratar com Joaquim
loreira Reis, das 8 as 10 horas da manha, o
qual alnga tumbeen alli casas de 6/, 84 10* e
12*000.
Ao
commercu
O abaixo assignado, uni:o responsavel pela
firma de Bernardino da Costa Maia &. C, com
loja de calcados ra do Livramento n. 19, de-
clara que nada deve nesta praca nem em outra
qualquer ; quem se julgar credor apresenle-se
no praso de oito dias. O mesmo pede a todo3
os seus devedores para mandar saldar seus d-
bitos at o dia 25 do corrente.
Recife, 9 de Janeiro de 1890.
Bernardino da Costa Maia.
Cosinheira
Precisase de nma ama para cozinhar;
no 3. andar do predio n. 42 da rna Du-
que de Caxias, por cima da typographia
do Diario. I
Vende-se um ptimo pia-
no, quasi novo, do autor Fe-
lippe HenriqueHerv; a tra-
tar na ra da Imperatriz n.
7, loja de piano.
A o publico
Antonio Fernandes Velloso da Silveira parte-
cipa ao respeitavel publico que desta data em
dianle flea sem eueito a procuraeo bastante
que passou ao seu filbo Alfredo Velloso da Sil-
veira no cartorio do escrivo Herculano Guiraa-
raes, nesta villa de Gamelleira.
Gamelleira, 15 de Janeiro de 1890.
Antonio Fernandes Velloso da Silveira.
A's crianzas
'nieressantes bonecas em todos os temanhos,
e muitos outros brinquedos, aos cuidados da boa
raamai e do papai; na Nova Esperanca, ra
Duque de Caxias n. 63
A electricidade progride!
Novas e.;covas elctricas para dej tes, preco
1*000 ; collares para facilitar a dentico, mila-
grosas medalhas e pulseiras para evitar qual
quer incommodo nervoso ; vendem Pedro Antu-
nes C, roa Duqe de Caxias n. 63.
O OLEO PURO
DE
FIGADO de BACALH
LAMA1T & KEMP
produz effeitos anlogos a os da
Emulso com Hypophosphtes
dos meamos senhores, no caso de
ser preferido o traotamento nesta
forma para o curativo dos incorn-
modos
do Peito, a Garganta e os Poliodes-
Precisa se de urna ama matriculada ; na rna
do Brum, taverna da esquina que vai para a ra
Jo Occidente.
Ama
P ecia-sc de urna
de pequea familia ;
40, armazem.
ama para cosinha de casa
na ra do imperador n.
Ama
Na ruada Matriz da Roa Vista n. 26, 1- an
dar. precisa se de urna ama que cosinhe ben,
para cata de pequea familia.______________
Ama
Precisa-se de urna ama que coeinhe e engom-
me com perfeico, para duas pessoas ; na fabri-
ca ra da Florentina n. 36.
Ama
Precisa-se de urna ama para cozinhar ; na
travessa do Pires n. 5, Giriquiti.
Ama
No becco da Lingoeta n. 3. precisa se de urna
ama para casa de pequea familia, para cosi-
nhar, preferindo-se que durma em casa.
Ama
Precisase de urna ama secca para crianza, na
ra do Vigario n. 25, 2. andar. ______
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar para casa de duas pessoas e que durma em
casa ; na ra do Imperador n. 23, 1 andar.
Amas
Precisa se de duas amas, urna para cosinhar :
outra para servigo domestico, em casa de fa
lia, que tenham boas connuctas;
ra Riro do Triumpho n 68.
a tratar na
Amas
Precisa se de urna boa engommadeira e de
urna cosinheira que faga compras ; a tratar na
ra do Hospicio h. 40._____________^^^
Ama de cosinha
Precisa-se de urna, que desempenhe bem este
servigo ; a tratar no caes 22 d Novembro n. 24,
aimazem.
Precisa-se de urna, a
ralriz a. 11.
Ama de leite
tratar na ra da Impe-
Ama de leite
Precisase com urgencia, de urna que queira
ir para o Rio de Janeiro com urna familia. Ra
da Impera!rJz n. 32, 1 andar.______________
Caixeiro
Precisase de um de 12 a 14 annos, na ra do
Lima n. 68, Santo Amaro.
Cosinheira
Precisa-se de urna cosinheira para casa de
pou:a familia, a tratar na na do Visconde de
Goyanna n. 4.
Caixeiro
Precisa se de um menino com pratica de ven;
da e de reconbecida conducta, na ra de Hortas
n. 15.
Hara Ignacia de lesas
Candida Apolonia Pinto de Campos e Bel-
larmino Lourenco da Silva, agradecem cor-
dialmenle s pessoas que e dignaram acom-
panbar ultima morada os restos mortaes
de sua semprelembradami e irm Mara
i tnnrta de Jemm, e convidara aos seus
prenles e amigos a assistirem a missa que
mandam rezar na igreja de Nossa Senhora
do Terco, s 7 1/2 horas da manh de quar-
ta-feira, 22 do corrente, 7 dia de seu passa-
mento; confe3sando-se desde j, por este ac-
to de religio e caridade, eternamente agra-
decidos.
lia no el de Pontea turne
2- anniversado
Jos dos Santos Horeira e Antonio Goncalves
dos Santos, grates memoria de seu sempre
chorado primo e amigo, Manoel de Fontes Go
mes, mandam rezar urna missa por sua alma,
quinta-feira 23 do corrente, s 5 horas dama
nb, na igreja de n S. do Terco, e convidam
aos parentea e amigos para assistirem a esse
acto de caridade e religio. Desde j antecipam
seus agradeciraentos._________________
t
.
Aluga-se
lotea. Garante-se aa chaves, sendo os gneros I porta trem e bonds, quem
todos no vos. tratar na ma do Commercio
o magnifico sitio com boa casa, na estrada de
Joao de Barros n. 28, tendo muitas fructeiras,
um grande jardim e ututos canteiros para ver
duras, e por ser perto da cldade e paseando, na
quizer dirija se a
n. 26-A.
Mara Itoaalina Fonneca
Prknetro anniversario
Jos Mathias da Fonseca, Jesuina de Abren
Fonseca, Joaquim Tbiago da Fonseca e suas ir-
ms convidam a seus prente a e amigos para
assistirem missa que por alma de sua presada
filha e irm Mara Rosalina da Fonseca mandam
resar na Ordem Terceira do Carino pelas 7 horas
da manh do dia 22 do corrate, 1 anniversario
de seu infausto passamento, hypothecando, des
de j a sua gratido eterna aquellos que compa-
recerem a esse acto.
t
Orate* da Costa Mego Monteiro
30 dias de seu passamento
Jos da Costa Reg Monteiro ma ida celebrar
nma missa no dia 24 dn correute mez, s 8 ho .
ras da manh, na maiiz da villa de Gamelleira,
por alma de sen irmo e amigo, Orales da Costa
Reg Monteiro, 30 dias do seu fallecimento, e
para este acto convida aos seos p; rentes e ami-
gos e aos do tinado.
PECTORAL de CEREJA
Do Dr. Ayer.
As Mifermldadcs mal! olorosas da garganta
t dos pulmdes, ordinariamente dcsenvolvem-se,
tendojwrprincipio bases pequeas, cajos resulta-
dos nao sao difflois~de corar se prorapiamento se
tratlo com o remedio conveniente. Os Resfri-
ados e os Toases do reciprocamente o resultado
de Laringitis, Asthma, Bronchitis, Affec-
cao Pulmonar e a Tsica.
Todas as familias que tem arlancas derem ter o
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
em casa para o usar em caso de necessidade.
A perda de um s da, pode em muitos casos
accarretar serias conseqacnclas. Por tanto nlo
se deve perder tempo precioso, experimentando
remedios de efficacia duvldosa, emquanto que
a enfermidade se apodera do systema e se arraiga
profundamente, entilo que se necessita tomar
nesse instante, o remedio mais certo e activo em
seu efleito, e este remedio sem duvida alguma
O PZROBAL DE CKSEJA PO DB. A Y Eli.
PBEPABADO PELO
DR. J. C. AYER & CA.,
JLowell, Mass., Est.-Unidos.
DEPOSITO GEBAL
AVISO
Iiivrameito & C, muda-
ram o seu escriptorio para
o Forte Jo Matto n. 3, en-
trada pelo caes.
Casa
Papis perdidos
Tendo hoje desapparecido do wagn da es-
trada de ferro do Limoeiro ucu etnbralno de
paptia de importancia, os quaes chavara-se
dentro de urna camisa, roga se pes-oa que os
eneontrou, o tspecial obsequio de vir ou man-
dar rtstituil 08*0 abaixo assignado no armazem
de Delfino Lopes ra Cruz, sito r.a iua"larga do
Rosario n. 23: Ser enerosainente recompen-
sada a pessoa que praticar essa generosa aojan.
Landelmo M noel de Azevedo.
Criados
Na ra Formosa n. 8, precisa-se de um copei-
ro e de um menint fiel par. vender iom tabo-
leiro. __________ ____
AlagueS barato
Roa da Roda ns. 5* e 60.
Largo do Mercado loja n. 17.
Becco do Campello n. 1, Io. andar.
Loja do sobrado do becco do Calaboueo c. 4.
Ra do NoKueira n. 13.
Visconde Goyanna n. 63 com agua e gaz.
Travessa do i armo, loja n. 10.
Beccn do Tambi n. 21.
A-tratar rea de Commercio n. 5, 1- andar
esenptorio de Silva Guimaraes 4 C.
"CASA-"
Compra-s uma casa
terrea ou assobradada, de 3
a 5 (juartos, com quintal,
na freguezia de Santo An-
tonio : a tratar na i ua Nova
r 15. loja.
Precisase comprar um. pequea casa, a tra-
tar na ra da Unio n. Si.
Attenc,o
Vende se um hotel muito afre ^uezado, em
uma das melhores localidades de Santo Antonio:
o motivo da venda :eu dono achar se d jente e
ter de retirar se para o sertao ; a tratar na ra
larga do Rosario n. 16.
Casa para alugar
Aluga-se o 1- andar do sobrado ra larga
do Rosario, esquina da estreita ; a tratar na
loja.
Yende-se
da
o Guarany de Carlo3 Gomes ; na travessa
matriz de Santo Antonio, sobrado n. 14_______
A's boas almas
Uma senhora, cujo marido endoudeceu, e que
tem quatro pequeos filbiohos a seu cargo, re-
corre s boas almas para que a soccorram.
E' pauprrima e nao tem pao para dar aos
seus innocentes lhos.
Pede, pelo amor de Deus. que lhe valham
pois o seu estado cruel, e ella nao tem forgas
para trabalbar.
Quem quizer soccorrel-a, mande suas esmo
las ra do Alecrira n. 23.
Tratamenlo radical em 6 dias
DAS
BLENORRHAGIAS AGUDAS
ou
CHROIVICAS
(VULGO PURGAgO)
DO HOEH OU DA MIXIlll
E da leucorrha ou fldres brancas
Minias Resino Balsmicas
E
tajelo Ant-Blenorrhagca
PREPARADOS POR CALASANS & C
PRODUCTOS APPBOVADOS PELA
INSPECTORA GEKAL DE IIYGIENE
Urna serie de brilhantes e innmeras ex-
Seriencias, coroadas sempre de bom xito
urante dez annos, assignala a estes dona
medicamentos, usados com a dieta e dosa-
gens prescriptas, o primeiro lugar entre oa
medicamentos estudados e preconisadoa
para curar estas terriveis molestias.
As pilulas sao supportadas pelo estoma-
go o mais delicado, pois que ellas nao im-
pedem nem dificultara as funcc3es deste
orgao.
A injec9ao anti-blenorrhagica nao ab-
solutamente irritante e por isso nao tem c
inconveniente das actualmente empregadas
e n2o produz estreitamentos.
Nao publicamos o grande numero de
cartas, attestados e agradecimentos que te-
mos recebido para nao offender aos nossos
clientes, muitos dos quaes sao pessoas mui-
to conliecidas e altamente collocadas.
2 o f*r\Ar* nnii liifrai* Empregada como artigo de toilet parti-
. anaar para, amgari^g^^^^ vte~*7tAr9 contrTaa
Aluga-se osegund andar .do predio molestias secretas,
n. 4 da ra do Vigario Thenorio a tra
ctar no pavimento terreo do mesmo,
Caiada e pintada
E' assim que est a casa terrea n. 63 da ra!
Visconde de Albuquerqce, a quil se aluga na!
ra Direita n. 45, sobrado.
Modifica e faz desapparecer o mo cheirc
das regras.
Preparados por Calasans & C., Pbar
macia Imperial, Bahia.
DEPOSITO NO RECn^E
Francisco Manoel da Silva & C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
BRONZE
DE
CARDUZO IRMAO
Roa do Bardo do Triumpho ns. 100, 102 e 104
Deposito ra do Apollo ns. 2 e 2 B
Tem para Tender o seguate:
VAPORES de diversos fabricantes para fogo ^directpara o on fogo de asaet
amento.
MOENDAS de todos os tamanhos.
RODAS d'agna.
RODAS de espora e angulares.
CRTVACOES de differentes tamanhos. *
TAIXAS de ferro batido e fundido.
LOCOMOVEIS de 2, 2 1/2, 3 e 4 cavallos.
ARADOS americanos.
BOMBAS de todas as qualidadee com -o respectivo encanamento e finalment
(odas as ferragens precisas para a agricultura desta provincia.
ENCARREGAM-SE de qualquer concert e mandam buscar por encommer
la, mediante ajuste previo ou urna mdica commissao qualquer machinismo.
MACHINAS de descarocar algodao.
VARANDAS de ferro fundido e batido.
CONTRACTAM fornecimento de apparelhos para usinas, garantmdo a bo,
ualidade e bom trabalho dos meamos, o que podem provar com o bom resultad?
btido com as duas USINAS montadas sltnamente a saber:
Santa Filonilla e Joao Alfredo
Vendem a praso ou a dinheiro com descont.
~
-----------1------------.^^ *
A VAPOR
--------*---------
FABRICA DE UVROS DE ESCRIPTURACAO
IN0A0ERNA9A0 FAt/TACO
' m -
fflANOEL J. DE ffllRANDA
- 39 -* RA -nh DUQUE DE CA'il A.S 39 <
NUMERO TELEPHONICp 194


;
;
n
*

'*'





--
:
.
A
-
mmmmmmmm
wmmmmm
Tijli,



'4
i

I
I

i
$
uiasio de Pemambiiio- Quarla-feira 22 de Janeiro de 1890
1 A--RUA DO CABUG-1 A
Madanie K< l>let previne as Exmas. Sras. e ao respeitavel pu-
blico, que re ebeu uro novo e liado sortimento de vestidos borda
dos de l, algodao, liiibo e seda*) de todas as qualidades e cores.
Nova remessa de chapeos echapelinas e muitos outros artig-os pro-
prios para presentes.
OFFICINA DE COSTURA
Fazem-se vestidos de baile, casamento, com todo gosto e esmero.
LUTO BM 24 HORAS
Cosinheiro
Na traversa de Joao de Barros (SoJedade) pre
isa-se de um cosinheiro ou cosinheira.
('riada
Precjsa-se de um- criada para o semco de
casa ; a tratar no caes 24 de Novembro n. 24,
armazem.
Alugam ee a casas n. 8 ra da Unio e l
4 na Conde da Boa Vista; a tratar com m
Srs. Negreiros, praca da Independencia.
ODONTINE
SABO DBNTIFKICIO
DO
DR. RIEDEL
A melhorpreparacao hygienica para clarear e conserva*

Gopeiro
Preoisn-se de um copeiro ; ns roa do'Paysan
d n. 19._________^ ________
Cautelas do Monte de So<
corro
Compra-se Cautelas do Monte de Soc-
corro de qualquer joia, brilhantea.e relo-
^ioa, paga.se- bem : na roa. do -Cabug n.
14. n. -Loja de- rekrjoeiro.
Approvada pela junta de hygiene do Rio de Janeiro, com a marca registrada
para todos os Estados Unidos do Brazil.
YENDE-SK AS SEGUNTES BASAS:
IEli__r7
HfiG
op
330REIS i.
POR MEIO DO HMPRKQ DOS
s Pasta d.entifrioios
BENEDICTINOS
DA ABBADIA de SOULAO (Q-iiROisnDE)
DOJvt MAGUELONNE, PRIOR
IVledalIas d.e Ouro : ERUXELLAS 1880 LONDRES
iVS &tf./VXa DI8TINOTAS BEOOUPEK3A8
1884
INVENTADO
---------------- NO ANNO ----------------
PELO PRIOR
Pierde :BQTJTF*S.A.TJI=>
O uso quotidiano do Elixir Dentifricio dos RR. PP. Benedictinos, com dosc
de alyunas gottas com agua, prevem c cura a carie dos denles, embranquece-os,
ortalecendo e tornando as irengivas perffitamente sadias.
c Prestamos um verdadeiro scrvico, assignalando aos nossos leilores este antigo e
utilissiir.o preparado, o melhor curativo e o nico preservativo contra as
Affec;oes dentarias.
ELIXIR : 2'51, 5' 10'. 14', '. P : 1'75, 2'50,3'50. P STA 111%, 2-50.
agente geral : SEGUIN, BORDEAUX
Acha-se em todas as 'ovfniuirius, Pittr macla e Drogara acreditadas do mando inuiro.
VI NHOoe EXTRACTOi.eFGA00 de BACALHA

<*,*
45

&:j&&
I
8
Cozinheira
Precisa se de urna boa cosinheira para fami
lia que est temporariamente em Caxang; i
trata no esc -iptorio da companhia de boads
Uvas hespanholas
Mnito perfeitas, em meias barricas ; vendem-se
ra do Vigario n. 19, Machado 4 C.
Cosinheiro
Maia Sobrinho & J.
Castro Medeiros C.
Duarte & C.
Pedro Antuncs & C.
JoSo Bezerra & C.
Netto ('ampos & O,
Manoel Joaquim Ribeiro & C.
Maia e Silva & C,
Barbosa & Santos.
Barros & C.
Numa Pompilio.
Nones Fonseca & C.
Manoel .Vieira Neves.
Manoel Cardoso Jnior.
Manoel Colaco & C.
Papoula & Bastos.
Ribeiro & Almeida.
Antonio D. de Lima & C.
Sabino Pinho & C.
Joao Ramos.
Deposito por atacado:
THE O, JUST
Largo do Carpo Santo
GOTTA, KHtUMATISMO, DuHES
SoLugo do Doutor Clin
Laureado da Facilidad da Medicina da Ptrit. Premio Mont/on.
------ i .
A Verdadeira Solueo CLIN ao Salicylato de Soda emprega-se para curar:
As Affeocdes Rheumatismaes agudas e chronicas, o Rheumatismo gottoso,
as Dores articulares e musculares, e todas as vezes que necessario calmaros
sofTrimentos occasionados por estas molestias.
A Verdadeira Solucao CLIN o melhor remedio contra o Rheumatismo,
a Gotta e as Dores.
)U3 Urna explicagio detalhada acompanha cada frasco.
Exigir a Verdadeira Solucao de CLIN & O, de PARS, que se encontr, em
h________________eoa dos Droguistas e Pharmaceuticos. ______________.
"Vende-se
l tato as griiuiiM Pbaraeta*.
e 1) rogarlas.
Deposite gcral .
^ARIZ
21, Fnubourg Montmar'.re, 2l
acto d.f Fijad:- 3 Bacalhao, propasado fr iSctr. CHEVRIER,Pharniiceutico de lr classe,
Q. ......
emP.. .10 iiiuaiuo teiup i ..-
preparados aic ulit't;. E**prerios jsai.t s
Precisa se de um cosinheiro ou cosinbeira ;
! rna do Progreseo n. i.
EMOLA MORIS
Glco QjS .'it'.' ":0'da.B^calharO e as propredades thei-apeuticas dos
, iicV) p ipportar as susbstaucias graxas. 0 seu efleito,
com o do Qlvd -j Pieade de
acaao, t b^.,,,. l-, u/a as Escrfulas, Rachitismo, Anemia, Chlorose.
Lproxiciiit e todas as Molestias o Feito.
"\7"enci o-se
eo lods o ir.'lsipau Pharciacii
t Orcjar.'aa.
A CREOSOTE de PAIA suspende o trabalho destruidor da Tisi-Cd pulmonar, porque dlminuc a expectoracr
elspert?. o aooetite, faz cessar a febre, supprime os suores* Os saus-eT&itos oombinados com os do Oleo de WgMiX de Bacalhao,
fazci-i o v/ENHO ds Extracto de Figado da Bacalhao Greosotacio, da CHEVP.IER, o remedio por i
c::?3llen3:a costra a ITSSE'DA. declarada ou immHt0. y
O uso da Smola Mouris
recommeaiada as mulheres grvidas, as
amas de leite e as criancas no psriodo da
dentic&o e do crescimento.
A Academia de Medicina votou telicitacoes
ao Sr Mouris, e o Instituto de Franca con-
cedeu-lhe nma medalha de incitamento, no
concurso do premio Montyon, por esta des-
coberta, que exerce tao feliz influencia na
diminuicSo das enfermidades e na mortali-
dade das criancas. -
A Smola Mouris sendo usada pelas
mulheres durante a gravidez e a amammen-
tac3o e sendo dada s criancas durante a
dentic&o e o crescimento, de natureza a
produzir individuos de. constituic&o robusta
Junto a cada vidro acha-se urna instruccAo
sobre este producto.
FabricacAo e venda or atacado : L. Frero,
io, luaTucuu, rariz, e em todas as drogaras.
A varejo: vas principaes pharmacias d'esta
aidade.
Loja das Tres Portas
NA LOJA DE FAZENDAS
21RA DO CRESPO 21
collarinhoi
PASTOR.
Completo sortimeDto de chapeos, capotas e gorros de fantasa em toda a
qu..i:dades.
Fitas, rendas e bicc de seda e algodao de todas as cores.
Flores, plumas, pasearos, aigrttes e bljotiterles para enfeites.
Chapoe de fetra e castor, os mais modernos, para bomens e meninos.
Recebe por todos os vapores as primeiras novidades de artigos de^ppeii
ge'ero'de aegocio.
Raphael Dias & <1
2 Ba do Baro da Victoria 2
DIGESTOES
OIFFICEIS
Dyspepsia
Pera
\di Aoiitta
DOENCASdoESTOMlGOES
ELIXIR GREZ
TRALGIA
NSMIA
Vmitos
Oiarri
chronlca
TNICO-DIGESTIVO oom QUINA, OOCA PBPSINA
TADOSM TODOS OS HOSPITABS Mitfl7hP d OUT DpOWmM d HO
ADOPTADO
I pars na s*. 'u u aruy.ro. en taeae as Mar
\
IC^DIfllO DE SINO 8 E
rli
BtONZB

LIZ DA_____ u M
";6ra do Baro do Tnumphot?o

f em para vender a se^uinte:
Hachinas de cobre para fazer espirito de destillar e restillar.
\\ ambique ti de cobre do antigo e novo systema com esquente garap
erpcBlinas de cobre e de estanco.
Carapucaa de cobre.
Taixas. taixos caldeiras de cobre.
a.
BoatbaM de todas as qualidades de repuebos, aspirantes e continuas.
18 de bronze e madeita de todos
os tamanhos.
Tornelraa .
Cno* de cobre, de chumbo e de Ierro. #
itepartldelraa,passadeira8 e escumadearas de cobre e de ferro.estannado
Cobre em lencol e arruelas.
Kola inglesa e do Rio.
Cadlaho* patente e de lapis.
laoa de 1 libra at 110 arrobas.
rorro ao lofbi
Zephyr de ramagem a 500 rs. o covado. Fich de 12 a 1)5500 um.
Merinos de duas larguras a 440 rs. o dito.
Etamine lisos a 500 rs. o dito
Setim do JapSo a 240 rs o dito.
Crep de IE para vestido a 240 rs. o
Merino francez, urna largura, todas as Camisas francezas, pannos,
cores, la pura, 280 rs., o covado. de linho.
Dito, duas largurrs, cor azul, a 400 rs. Fichus de 12, e 13 e seda, de 1)5006 *
o covado. 6(5000 um.
LSs diversas com listras e quadros de Longos brancos de algodao, linho, borra
seda a 400 rs. o covado; fazenda de de seda e seda pura, brancos e de cores.
800 rs. Grravatas e mantas, sortimento coa-
Merin de cor, duas larguras, com lis- pleto.
tras, fazenda de 25000, a 800 rs. o covado. Leques de papel muito lindos, 320 rs.
Etamines arrendados, lavrados e de lis- um.
tras, fazenda de muita phantasia, a 400 rs. Eapartilhos para senhoras e meninas,
o covado, cores lindas. todas as qualidades e precos.
Mantilhas hespanholas, cremes e pretas, Lencos ohinezes, de seda, para rap.
30000 urna. (-ollarinhos de linhj para homem a
Brim de linho, padroea mimosos para 1)5000-a duzia.
enancas, a 600 rs. o covado. I Fustao branco lavrado e com Afires a
Linho pardo para vestido, escuro e ca- ;400, 500 e 1(5000.
ro, de 360 e 440 rs. o covado. Peitinhos do vidrilho a 1)5000 um.
Zephirs finos para vestido, ramagem Capas, visites e romeiras, de cachemi-
grande. a 500 rs. o covfdo. iras, gorgorao e vidrilhos, todos os prejos.
La adamascadas com salpicos de seda I Bramantes de linho e algodao.
a 500 rs. o covado. Toalhas adamascadas para mesa 2j5O0i
Sedas lavradas, de listras e de quadros, urna.
Chacheruiras. de iistra, duas. bu-guras, de
mOU por W200 o dito.
Cortiflados bordados a 84000.o par.
Riti-b oortes do-zophyr bordados a 14)5000.
Setms de, toda* as efires a 800 rs. o co-
vado.
Esguiao pardo a 360 e 400 rs. o dito.
Casacoo de Jersey- a 6)6000 um.
Flanella branca, toda, 13, a4(0 rs.; ba-
rato.
Seda palha a 1)5000 o covado.
Cortinado de crochet para janella a 7|5000.
Cortes brancos bordados a 18j5O0O, o que
ha de lindo.
Sabida de baile a 1)5000 e 1)5600.
Sargelins, a 200 rs. o covado.
Guarnicao de crochet a 7)5000 urna.
Camisas de flanella a 2500, 3)5500 e
5)}000 urna.
Crep para coberta a 600 rs. o covado.
Madapolao americano a 6i5O00 e 7(5000 a
peca.
Cheviot preto a 2)5oOO o covado.
At alnado de cor a ljjOO o dito.
Panno da Costa a 1)5000 e 16200 o dito.
Bramante de linho a 1(5600 n metro.
ToalW para banho a 1(550C e 1^800.
Renda bespanhola, a 25000 o covado.
Eapartilhos finos com um (oque, de 12)5
por 5)5000.
Pec:;s de esguio de algodao a 35500.
Cauisas allemija a 364000 a duzia.
Flanella ingleza azul para palitot a 45500
o covado.
Atoalhado bordado a 15200 metrss.
Fustao-. branoo a 360 rs. o covado.
Lindos cortas de metins a 85000.
Capellas e veo para uoiva a 75000, 85000
105000 e 125000.
Cortes de fustao para collete.
Cortes de soda para collete.
Cretones claros e escuros a 240, 280, 320
e 360 rs. o covado.
Cambraia branca bordada a 45000, 55000
e 60000 s peca.
Cambraia oom salpicos de ores a 45000 a
pega.
Alpacas lavradas a 500 rs. o covado.
La, Amazonas a 400- rs. o dato.
Lencos com barra a 15200 a duzia.
'Ja mor ai a Victoria a 25800 a peca.
Zephyr de-Iistra, o que ha de mais fino,
a 400 rs. o covado,
Renda da Austria a 300 rs. o dito.
Leques transparentes a 25500 um.
Setineta branca e de cor.
Brim pardo a 2S0y 400 e 600 rs. o covado.
Alpaca prota a 300 rs. o dito.
Velbtttina preta a 700 rs. o dito.
Extractos de diversos fabricantes.
Bicos lisos e matisados.
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Kalendarios com perfumaras.
Luvas de seda a 25000 e 25500.
Kegatas de cores a 25000.
3SrO'VXDOJk.3D(3eS
Fitas de todas cores e larguras.
Bordados e entremeios.
Baleias forradas a 500 rs. a duzia.
Caixas com perfumaras.
Porta dedal a 600 rs. um.
Plastrn de cores a 15500.
ESPECIALIDADES
Palitots de esguiao pardo a 45500 um.
-'alitots de alpaca preta a 45500.
Pautte de alpaca de cT a 44600.
Guarda p para senhora 105000.
Quarda-p para bomens 65000.
Palitots de seda palha a 80U0.
Boupas para banhos salgados
Roupa para ihomens a 85000. IRoupas psra senhora a 105000.
Ditas para meninos a 55000. j Boleas para o mesmo fim
casa ;b confianca
20^Rua l.deMai-Qo-20
& c.
Grande refina^o "Noivos
. Aluga-se o grande armazem onde foi, a antiga a Bmr 4(> Reeife rua rejinacao do Manguinho, com repartimentos, ;n, 1( tocebm andes e botutos espelho pare
fornelhas e grande ebamm, com portas largas, ornamento de salas Ue-nuivados, a preco 8fm
para-eBtradas de cavallos ecarrocas para earre-
gar, pelo que presta-s a qualquer fabrica,
ando nm dos nonios nermitlidos pela Cmara
a 15000 o covado.
Chitas, sortimento completo, de 200,
240, 280 e 320 rs. o covado.
Cretones francezes verdadeiros, a 320,
360 e 400 rs. covado.
Cachemiras lisas para vestidos a 200 rs.
o covado.
Meias brancas cruas e de cores para
homens, senhoras e criancas, todos os pre-
Guardanapos de linho e algodao, de
35000, 45000, 55000 e 65000 a duzia.
Setim Maco, todas as cores.
Surah de todas as cores, seda pura.
Merino preto, 13 pura, de 640, 800,
15000 e I55OO o covado; baratissime.
Bretanha de linho 27 varas por 125000.
Modopolao algodao grande variedad en
procos.
Cortes de casineta, cores fizas, a 15001.
coa.
E muitos outros artigos que vendemos por qualquer prego.
Na RUA DO CRESPO N. 21 LOJA DE
OLIVEU CAMPOS & C.
MEIQ-SECULO DE XITO 51 PREMIOS
29 Medalhas de Ouro e Diplomas de Honra
ALCOOJL.
hortelTpimenta
recommendado pelos mais Afamados Mdicos >5s#!KvlrV durank a e!!"(,' calmos
ind^e^es, ExcELuEnte
Dores de Estomago,
do CoracSo, dos ervos,
da Cabeca, te.
Grande Preservativo nos lempos de Epidemia
F*bre em.LYON, 9, cours d'Herbouille. JvSvSvSvS^'W^NS- Casa em PARS, 41, rua Ficher.
EXIGIR 0 NOME OE RICQLS RECUSAR ftS FALSIFICACES
Dtposites em Fernainbuc* : rBAS" H. da SUVA 4 C" t m todas a PharmacUi e Drogaria icredimn.
I.NMENTO GNEAU
TAMDEM PAHi A
Toilette e os Dentes
Para os
Cavallos
' moMBido oom j nxaior xito as oa-ralbaTl^as reaes de SS. HH, o tuperador do Brazil, o Re da '
Bclaica, o Re doa Paizea-Baiios e o Re da Sazonla.
Suppreseo do E DA QUED.A 1 'O PELLO
S S este precioso Xop.co o ualco que
VsubsUlueo cana tico ecura radicalmente
-', em fiouoos das as manqaelraa, novas
f e augas, as oreadnraa, ContusSea,
tS Tumores e ZaobacSec da* percas,
' ^pa,riTao. Sobre-Ca^nas, i'rnquea e Sn-
i gifitamento das petnas dosaiolros. etc., sem
eccasionar nenliuma chaga., nem queda do pello
"1 mesmo uuraoie o tratamento.
.{ r:-;sitOBB Parla: Pharnacia
me.
D-l FABRICA
35 (Anuos de xito
SEi.W. R I VAL
Os resultados extraordinarios que lem I
obtido as diversas AreocBe 4o I
IPeito, os Catarrboa, Broacbitls, I
Molestia- la Garganta. Ophtal-1
mia, etc., 0(0 dao logar concurrencia.
- A cura fas-se com a mi em 3 minutos, sem'
tior.e ser* cortar, nem raspar o-ptilo.
NEAU, F.ua St-Honor, 275, e eo u 1u utk*
Compra-se
urna casa terrea com 3 quartos pelo menos, em
bom estado e boa rua, no bairro da Boa Vti:
3oem a tiver poder deixar as dimenses na rua
as Larangeiras o. 5. oficina de ourives com
tanto que esteja desembarazada de qualquer hy
dotheca. .
Casas paira alugar
Ns, 30, S6 e 18, na rua CapHan Antonio de
Lima em Santo \maro das Salinas ; a tratar aa
rua Marquezde Oliuda n. 8, lytbographta.
sendo um dos pontos permiUidos pela Cmara
para montagem de machinas de picar fumo : a
tratar na rua da Madre de Deus n. 3, hotel Pi-
Oosturira

E muitos outros objectos. _,j ^.. 'tollo, onde tambem se alugam duas casas no j
ENCARREOA1L-SE ie qwdquer ceneerto e obras de encommenoa, gar*n- Rntroacaaiento, Bropriaspara tavernas ou ou- Na rua Sete de Setembro n. 6, pret a-se de
ti do -restosa, perfeico e proco medico, par* o que tem peswal habilitado. tro qna|qaer negocio, perto dos bonds e estrada 15 <5?* ffle saiba corUr e enfe.tar res-
VEMBB a oraao ou dinbeire com descont. d* ferro-
tidos com perfeicao.
A o commercio
Eu, abaixo assignado. tendojasi > e contraetedo
com o Sr. Antonio Lourenco Ferreir da Luz, o
seu estabelecimento de cabelleireiro e barbiro
sito rua do Livramento n. 31, livre e desemba-
racadj de qualquer onus, se alguem se julgar
crdor, aprsenteduas.contas no prasode tres
das findos os.quaes no acceitarei reclamaiao
Iguma.
Reeife, JO de Janeiro de 1890.
Joao Pedro dos Santos Cruz.
Negocio de vantagem
Dase o sustento e roupa a urna mulher de
rueia i da de ebons cestumes, para companhta de
umt senhora casada, a tractar na rua do Caldei-
reiro n. 7 A.
Pataeoes velhos
Compra-se' na rua do Cabug n. 14, relojoa-
ria David.___________________________
Attendite e t vi-
date!
Jos Samuel Botelho participa ao respeitatol
Eublico que encarrega- e de flbricar bomiuets e
oos para casamento, baptisado ou outroquat-
quer acto, assim como fabrica capellas moHr
fias de perpetuas ; a tratar na rua Novan W,
i andar, e ruada Cadeia do-Recife n.*3, loja
d seeiro._____________________
Harpa
Compra se urna harpa com movimento e e*
bom esdc : na rua Nova












4


J i.
Pfernsi'!tco-Qaa^&i-fera 22 ISSO

'
":
i


Pujutj) Tinoso itpnrrtiT
Approvsdo pe'.t Ilustrada Jacta de
Byglene Pnfclic.-. 3a Corte.
I Auctorisado por Decreto Imperial
de 20 de Junlio de 1883.
COMPOSI9O
de
Firmino Candido de Figueiredo.
Empregado com a maior efficacia no
rheumatismo de qualquer natureza,
em todas as molestias da pelle, as
leucorreas ou flores brancas, nos
soBrimentosoccasionadospela impureta
do sangue, e finalmente as djfferentes
formas da syphUis.
Dse Nos primeiros seis dias orna
colher das de cha pela manhi e outra
noite, puramente ou diluida em agua
e em seguida mudar-se-ha para colhc-
res das de sopa para os adultos e me-
tade para as enancas.
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
duroso; devem usar dos banhos trios ou
mornos, segundo o estado da molestia.
I
I

DEPOSITO CENTSAI
Franoicoo Manool ca Silva & O.
Droguistas
23 Ra Marqnez de Olinda
Pernambuco
.-++++++?
Viuva Rygaard
Compra-se urna casa em bom estado na cida
de de Olinda, para residencia da viuva Rygaard.
podendo a pessoa interessada dirigir se a ruada
Gadeia do Recife n. 43 loja de selleiro. e ahi en
tendersecom o Sr. Samuel Botelho. um dos en-
carregados para esse fim.
Ao commercio
No i abano assigndos declaramos pelo pre
sc-nte que dissolvemos amiga ve mente nossa
soci*dade, a qual gyrava sob a firma Santos &
Monteiro, ficando o activo e passivo de dita casa
a cargo do socio Manoel Goncalves da Silva
Mnteiro.
Re:ife, 16 de Janeiro de 1890.
Jos Silva Santos.
Manoel Goncalves da Silva Monteiro
Caladas epintadas
Aiuga se um armaz-m com um sobradinbo
ra Pedro Affonso n. 74 ; urna casa terrea ra
de Santa Thereza n. 46 ; um 2- an;ar ra es-
treita do Rosario n. 2; urna casa terrea no
becco do Calabouco n. 24 ; urna loja do sobra
do ra Coronel Suassuna n 66 ; a tratar no
pateo de S. Pedro n. 3, an iar.
VENDAS
Vende se o antigo e bem acreditado esta
belecimento de calcados nacionaes da ra do
Livramento n. 11, que foi do finado Pocas, o
qual se torna recommendado pela boa localida-
de em que est ; a tratar no mesmo.
Vndese urna mobilia de Jacaranda em
perfeito estado, constando de sof, cadeiras de
balanco, consol?, jarros, etageres, muitos era
veiros, palmeiras, arvore da fortuna, toceira
grande, tudo porque o iono vai para fra da
t rra; 00 Caminho Novo n. 128. Na mesma casa
alega-se um comm^do pa a pessoa que nao te
nlia familia, dando-se comida, querendo.
. Vende se um toom sitio dentro da cidade
de Olinda, perto da estacao do Varadouro, com
coqueiros, sapotiseiros e outras arvores de fruc
tos tem urna boa cacimba que nao scea, tanque
de cimento ao p para banbo, tem a frente e o
fundo murados e porto ?s, delta os fundos para a
estrada do norte (muito frecuentada) offerecen-
do vantagens para negocio, Doa casa, bem con
servada e limpa, com terr tacOes ; quem pretender dirija se ra da Fio
resta, por detraz da do Baro da Vera Cruz nu
mero 2.
Vende-se urna (averna ra dos Martyrios
n. 146, tem pouco capital, o motivo da venda
o dono estar doente; trata se na mesma ou na
ra da Palma n. 111.
FOLHETIM
OMODEXGKE
POR

Para engenhos
Lopes & Araujo, venden
a presos sem competencia
garantindo a boa qualidade.
os artigo* abaixo mencio-
nados.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
Potassia da Russia em caixa
de 10 e 25 kilos.
Cimento Porttend.
Graxa em bexigas.
Boa do LhrameDto n. 38
Telephone 316
as Listras Azues
A Graude Novidade
PARA MODISTA
MA\K1I\H AMERICANOS
Com molas para augmentar ou diminuir a
grussura do corpo.
Qualquer senhora magra ou gorda pode fa-
zer seus vestidos sem necessidade de
provar.
Fecha-se como qualquer chapeo de sol.
Preco 1 Mosfuiteiros Americanos
Com armacao de differentes tamanbos.
a 10*000 e 1**000
Estn'es para Msica
Para amadores ou profissionaes ; fecha-se e
fica de tamanho de urna flauta ; muito
fcil para condcelo.
_______Preco 5*000
CeUuloid
Colarinhos Peitoa e Punhos
Lindos modelos, muito til aos viajantes
P-reroa 5*000 um temo
Relogios Espertadores
om movimecto, e figuras muito lidas para
mesas ou para presentes a 60000, 85000.
100000._______________________.
Oleados para Mesas
Quadrados ou de qualquer tamanho que
se deseje.
A4*5QO cada qnadrado
Retratos a Oleo
Com lindas molduras em alto relevo, o que
ha de mais lindo para um presente e
para sala de visitas.
a 5*OOQ e mal* preco
Qualquer familia que desejar ter um lin-
do e perfeito retrato bastante mandar
um retrato em cartSo de visita nao im-
porta que seja antigo, basta dizer a cor
dos olhos e do cabello para ebegar un
retrato desejado. _____________
Para ver, e fazer encommendas
Dirija-se Loja das Listas Azues
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
:::: :::::::
PROLOGO
A NOITE DE NATAL
:'Continuado do n. 16)
D
Ao p delle o assassino,urna especie
de vadiovestindo caigas de ganga e um
paleto velho, estava tambem estendido com
a cabera radiada pela bengala de castao
de chumbo do Sr. Diniz.
Pobre rapaz exclamou o ex-soldado
che o de pezar. Estar morto ?
Anda nao murmurou o Sr. Diniz,
que tirara a navalba da sua bainha huma-
os e encostara o ferido parede.
O coraco bate... Olhe, meu caro,
ampare-o aqui emquauto eu pego soccorro.
O outro apanhou a sua conta, nao
tem duvida. disse o cocheiro largando o
assassino, cuja cabera levantara, e apres
sando-se a fazer o que lhe pedio o seu in-
terlocutor.
Este tirou um apito do bolso e fel-o soar
amas poucas de vezes; a espacos des-
ignis, sons idnticos, partindo de diffe-
rentes pontos, respondern! qhella cha-
mada.
Bom, j ahi vem gente, dase o Sr.
Dfnic, tornando a approximar-se da vieti-
>, tirando-lhe a gravata e rasgando-lhe
a camisa rpidamente, como quem estav
acoatumado aquellas cousas.
Por cima da clavicula abria-se urna lar-
ga ferida.
Especialidades
PASTILHAS hygienicas para
AC ENDER-0 FOGO, supprimtn-
do o immundo kerosene e dan-
do n'um instante um fego inten-
so, a caixa com 20 pastilbas 100 rs.
OLEOGRAPHrAS: Io. A importan-
te obra prima de Victor Meirel
Las : A Primeira Missa no Bra-
zil grande quadro bistorico da
descoberta do Brazil, medindo 99
X 76 centmetros de valor real de
15* (poucos exemplare8) 6*000
2o SCENAS DE CORRIDAS, qua-
dros de cavallcs admiravelmente
desenhados e proprios para sa-
las. 26 differentes, um 14000
3 RETRATO DE SADI CARNOT,
presidente da repblica trnce-
la, o melhor ainda publicado 1*000
CAMISAS DE FLANELLA para bo-
mens, urna de 2* a 5*000
PERFUMARAS, artigos para presentes. Quadros
e albuns para retratos. Carteiras para cigar-
ros e charutos. Cigarreiras e charuteiras de
mbar e espuma verdadeiros. Bengalas. Pa-
pelada. Lencos de linbo a 4*500 a duzia.
Meias. Espartilhos. Leques. Bonecas e brin-
quedos diversos. Filas. Bordados. Luvas de
seda pretas e de cores e outros muitos artigos
de miudezas.
lini'i barato do qne. em outra qual-
quer parte
NA
Rainha das Flores
Ra do Baro da Victoria n. 41
Leite puro
Na estrada de JoSo Fernandes Vieira, sitio i-
o depois das casa3 novas da direita, vende
todos os dias leite puro de vaccas tonrinas p d
erra, garante-se a qualidade do leite.
Azulejos
Coa lindissimas cores e deeenhoa variadiss.
mof, encontra se para vender um grande sorti
ment deste artigo, proprio para frentes de
casas, corredores, cosinhas e banheiros, por
oreos sem competencia ; na ra Viscone df
Goyanna n. 45.
O Sr. Diniz dobrou o Mn^o, para fazer
urna especie de rolha, collo30U-o nos la-
bios da ferida e poz-lhe por cima a gra
vata, que atou em cruz por baixo do so-
vaco.
Acabava de pensar assim summariamen-
te o ferido, quando tres policiaes chega-
vam, correndo.
O velho ergueu-se e a luz da lanterna
illuminou o em cheio.
Os tres agentes disseram ao mesmo tem-
po :
E' o Sr. Diniz ?
Sou eu, sim, meus filhos, que por
um infeliz acaso acabo de apanhar urna
estopada muito sofJrivel. Arranjem de.-
pressa urna maca e levem esto pobre ra-
paz- para o hospital.
Urna maca, para que ? disse JoSo
Brunet ; tenho alli a minha carruagem,
que bo a ; nao d grandes balanfos.
Entao ir na carruagem ; sim, 6 me-
lhor, redarguio Diniz. E este pode ir
tambem na taboa at ao posto.
O ferido foi cuidadosamente mettdo no
trem pelos policas ; um destes sentou-se
ao seu lado, anm de amparal-o e prote-
gel-o contra os balancos.
O corpo inerte do assassino, foi enlloca-
do na taboa do trem; outro polica sen-
tou-se na almofada, ao lado do cocheiro.
Jo2o Brunet dispoz-se a partir.
Est entendido, nao assim ? disse
Sr. Diniz, limpando com o lenjo o suor que
lhe inundava a fronte; o assassino vai para
0 posto policial, e esse rapaz para o hospi-
tal do Gross Caillou, com a recommenda-
980 expressa de que o tratom com todo o
carinho. Deqois indaguem pelo bairro.
Eu feri com urna bala um cavallo que
preciso seja encontrado.
Ha de fazer-se a diligencia, Sr. Di-
niz.
E voc, cocheiro, v amanha pre-
feitura e pee* para me fallar.
Sim, senhor.
O Sr. Diniz tornou a subir a ra Ebl,
travessou para o boulevard, emquanto
a carruagem se punha a caminho, a passo.
Quem vem a ser este sujeito ? per-
guntou Joao Brunet ao agente qne ia ao
1 do delle.
E' o Sr. Diniz, inspector da poiicia.
Ah commentou o antigo spahi com
um gesto de mo humor.
Depois accrescenlou alegremente :
Ora! Afinal um bello home ji e
Boyal Blend marca V'IADO
Para engenhos
GUIMARES & VA LENTE, parteci-
pam aos bous freguezes e Illms. Srs. de
engenho que, como sempre, tm grande
deposito dos artigos abaixo mencionados,
garantindo tudo de primeira qualidade e
presos sem competencia a saber :
Cal nova delsboa.
Dita de Jaguaribe.
Cimento portland.
Oleo de mocot.
leos americanos
especiaes para machnismos.
Azeite de coco,
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em lata.
(5 galSes.)
Kerozene inexplosivel.
Graxa em bexigas. .
GaxetdL de linho.
A FLORIDA
(em caixas, barrquinhas, latas grandes
e pequeas.)
Formicida Capanema.
6--Corpo-Santo--6
Paulino
Ra do Imperador n. 28, an-
tiga casa de campos
Tem sempre o inporlante vinho Palhete ser-
cerveja Paulino Bier e o delicioso vinho Musca-
tel aos copos. Doce sceo de caj, em calda
estrangeiros, licor de canella de rlela pimenta
e o grande licor de cervejas ; !um completo sor-
rtmento do que ba de maisffino e puro.
Este excellente Whisky.Escocea pre
ferivel ao cognac ou agurdente de can*
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores annr- PotUSSU di) RllSSia.
zens de molbados.
Pede Roy al Blemd marca Tiadc
cujo nome e emblema sao registrados par
todo Brazil.
___________BROWNS & C, agentes.
Pao centeio
Mello A Bi3et tendo recebido nova remessa de
farinba centeio, avisa aos seas freguezes que
continuara a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga do
Rosario n. 40.____________________
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
03 proprietarios do Armazem Central, ra
do Cabuga n. 11, avisara aos seus distinctos fre-
guezes eao respeitavel publico que receberaa
nova remessa deste especial vinho, o qual se
recommenda por ser puro da uva, e s se reta
iba em seu armazem.
Joaquim ChristovSo & C.
Telephone 447 ^^
Farello superior, 42 kilos
J500 o acco
Vende se no largo do Corpo Santo n. 6.
Livraria Contempora
. nea
ln*lrumc-nto de mulles
Bomnardao, bombardino, barytono, tromp
trombone, helicn, saxaphone. carrilon, bom':-
caixa, pratos.clarinitas. nautas^becas, violOe
realejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quartos, gabinetes, corredi
res.
Molduras
dourad; s, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viagem, diversos formatos, eapecialmeni
para roupa de senhora e camarote.
Novidades
para presentes, escriptorio, toucador, etc., etc.
RAMffiO M. COSTA & C.
Ba Prlmelro de Harto n. 9
Carnaval
O Baza* do Recife, ra Mrquez de Olinda n.
ti, rec>beu grande sortimento de mascaras de
todas as qualidades vende-se em grandes e
pequeas quantidadas aprecos muito razoaveis :
na bfamada loja de miudezas Bazar do Recifi, de
Doraingcs M. Martins.
Atten^ao
Vende-se a taverna do largo do Mercado n. 7,
bem iocalisada ; o motivo da venda se dir ao
comprador : a tratar na mesma.
um espertalhao de niao ebeia Quaito a
esse pobre lourinho, que ahi vai dentro,
deu-me urna boa gorgeta, nao tem duvi-
da !. -
ni
O Sr. Diniz, ao afastar-se da carruagem
que conduzia os dous hroes do drama em
que elle tao inesperadamente interviera,
subi rpidamente o boulevard dos Inv-
lidos e parou em o numero 132.
Era um pequeo palacete, precedido de
um pateo e compo3to de rez do chao e
dous andares
Tinha comtudo boa apparencia, e ao
centro do portao de grades via-se o escu-
do ducal dos Reynocl d'Hautfort.
Encostado grade, um homem espe-
ra va.
Ao ver o Sr. Diniz, Joao, porque era
elle, abri um dos batentes do portao.
O Sr. duque ainda rio adormeces,
disse elle ; por isso o Sr. ComtoB recom-
mendou-me que espreitasse quando o se-
nhor vinha e o introduzisse sem fazer bu-
lha.
Joao introduzio o recem-chedado n'um
vestbulo penas Iluminado por urna lan-
na de vidros foscos; depois fez lhe atra-
vessar urna sala de bilhar, at que ebega-
ram a urna grande casa, especie de es-
criptoria, com mobilia de carvalho; no fo-
gao brillava um bom fogo.
Um velho que estava sentado n'uma
poltrona, ergueu se ao sentir passos e cor-
correu para o Sr. Diniz, a quem abragou
com ternura.
Obrigado, Joao, disse elle ao criado ;
volta para a copa e dize l que esperem
todos as minhas ordens.
Joao c* r'ejou e sahio.
Chegaste, finalmente, meu filho, ex-
clamou o velho offerecendo," perto do fo-
gSo, urna cadeira ao inspector de plieia;
fizeste me esperar um bocado e nao ima-
ginas as angustias em que eu estava.
Pio-lhe me desculpe, meu pai, mas
eu nao poda prever a desgraca que succe
dera.
Disseram-me que estavas n'um thea-
tro, mas eu nao sabia em qual, alias ter-
te-hia mandado l procurar. Agora ouve.
este momento o Sr. Comtois olhou por
acaso para as maos de seu filho.
Que te fccdnteceu ? exclamou elle.
Tens as maos, os punhos e as^alcas cheios
de sangue 1
Para a f esta
SIChegou urna remessa do exceller te vinho
ifourisca, urna espe alidade e continua a ven
der-se por 85O0 o earrafao de tres caadas
follando o easco 7000 ; no armazem da roa do
Amorim n. 60.
Alfafa
nova e de tuperior qualidade ; vende-se ao pre
50 de 100 rs. o kilo, no trapiche Fiuza 4 C ao
largo de Corpo Santo. ________________
oeIho
Ra da Imperatriz n. 56
cirande estabeleclmento de modas
e faxolitiss linss
Completo sortimento de fazendas em tecidos
de novidade e escrupulosa escolha que recebeu
directamente da Europa. Variadissimo sorti
ment em fazendas pretas, merinos, cachemiras
lisas e lavradns, elaiil:es de e chamalotes, cap^s e visitas, especialldade ueste
genero, em seda, gase e cachemira, ricamente
coifejcionadas, manta3 e mantilhas de renda,
etc., etc., leques e luvas. Especialidades em
fazeDdas brancas, brau antes de linho puro e
algodao e linho, morim, grande, variedade de
marcas especiaes, so enesntradana loja Cjelho.
Telephone489
Domingos Coelho fc Soares
Silhoes inglezes para
montara
Vendem se dous ilhOes inglezes em bem es-
tado, quasi novos, e por preco commodc ; na
ra Nova n. 13.
H0KAIS_
Vende-sa em toda i parto
Devo ter, devo,respondeu Diniz
com toda simplicidade; olhe, meu pai,
mande me dar um panno e um pouco de
agua, e um instante emquanto faco des
apparecer estas nodoas desagradaveis.
Ests ferido ? Atacaram-te ?per-
guntou o mordomo, trmulo de commo-
Sao.
Nao, Benhor ; que acabam de as-
sassnar um pobre rapaz, aqui perto ; tive
de intervir no caso e foi por que me de-
morei mais.
E, ao mesmo tempo que diza isto, o Sr.
Diniz lavava as maos e com a toalha em-
bebida em agua tirava o sangue que lhe
salpicara o fato.
Aqui nSo se v o sangue,disse elle
cobrindo os punhos com as mangas do so-
bretudo. Agora estou s suas ordens, meu
pai.
O Sr. Comtois passou pela fronte a mao
dflRiwnada e unedion ss longas melenas
brancas que lhe cahiam sobre o rooto.
-*- Como te dizia na. minha carta, come-
OU o velho, a menina Herminia sahio s
oceultas de todos, cerca das duas horas,
pela pequea porta do jardim e at agora
ainda nao tornou a apparecer. Man de i j
a casa do tio d'ella, da prima, de todos os
saiigOB ntimos do Sr. duque, sob pretexto
de perguntar se l lhe teria esquecido um
leque ; avergou-se, porm, que ella nao
esteve em casa de nenhuma dessas pes-
soas. No palacio todos estao consterna-
dissmos ; eu julgue por momento enlou-
quecer, porque aquella santa crianca era
o enlevo de todos quantosa tratavam. Fe-
lizmente, at agora, temos podido occul-
tar ao avo ..
Bem sei ; Joao disse-m'o. Foi urna
providencia ter vindo o medico.
Pois foi, de certo. Agora, meu
Aristides, deves comp ahender que s em
ti posso ter alguma esperanca. Precisa-
mos encontrar|a pobre menina. E tu des-
cubrirs o seu paradeiro, meu filho, estou
certo disso, para nao veres teu pai morrer
de pezar.
Socegue, tranquillise-se ; tenho leva-
do a cabo emprezas mais diffioeis e nao he-
sito em prometter-Ibe que amanhE terei
reconduzido aqui essa linda estouyada, por-
que se bem me record, ella lindissima.
Um anjo, physica e moral mente fal-
lando Tu poucas vezes a viste, porque
s um ingrato que s de longe em longe
vens visitar teu pai. Mas, affianco-te,
Fitas lavradas com um palmo de largo
ra 20000 o metro.
Papel de arroz de todas as cores.
Chapeliaas modernas a 55000.
Rendas hespaubolas de todas as e3res
pretas com c sem vidrilhos.
Lindas guanicSes de vidrilhos pretos pa; a
casaco.
Grande sortimento do galles, palmas e
rozas de'vidrlho preto.
Bicos matisados de urna s cor como se-
am, granad, azul, rosa, beije, palha, chum-
do, salmn, terracote e muitas outras cores.
Sabonetes perfumados a 500 rs. a du $
Lindos desenhos para talagarca.
Lencos de seda a 500 rs.
Bicos de seda e de algodao com e sem
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Franjas de seda com e sem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 35000 e 4$0
a duzia.
Bordados de cambraia tapada a 400 50
600 e 800rs.*apeca.
dem com 3 e 12 metros, de qua'quer
argura a 1|J200.
Lencos de linho em caixinhas a 30OOC a
dita.
Meias para homem, duzia a 4^000.
dem para senhora, duzia a 4-?000.
Finas pulseiras americanas a 40, 6 e
80000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama a
120000, 170000 e 190000 o par, algrns
de c6res.
Ditos para janellaB a 70000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 e
10000.
Ditos para sof a 20000.
Capellas com veo para noiva a 60O(X,' e
80000.
Lindos enxovaes baptisados a 80 100 e
120000.
Toncas de setim para baptisado a 30, 4 e
50000.
Grinaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprido a 20 s par
Ditas de seda para creanca a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Espartilhos para creanca a 40 e 40500,
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000 e
60000.
Linha de machina a 60 rs. o carritel.
Linha de machina a 600 rs. a duzia.
Albuns de pellucia de diversas cores.
Livros de missa a 10500, 20000, 205
30000, e 30000 cada um.
Lindas luvas de Beda com salpicos e coe
liBtas, gosto moderno, a 20500 o paz.
Toalhas para banho a 10300.
Toalhas para rosto a 300.
Totlhas para mao a 160 rs.
Babadores com inscrigSes e paizagem a
500 rs. e 400000 a duzia.
Espelhos grandes com mulduras finas de
cantos redondos a 40000 e a 60000 urna
Bengalas flauta.
Grande sortimento de luvas de seda arren
dada com palmas canno comprido a
10500, 20000 a 20500.
R Duque de Caxias b. 105
Superior yinho de AI-
cobaya
0 acreditado e antigo armazem do Lima par
ticipa ao publico e aos seus freguezes que acaba
de receber urna nova remessa deste especia!
vinho, escolhido propiamente pelo chefe desta
casa, tornando-se recommendado por ser purc
e de boa qualidade. Jo3 Fernandes Lima & C.
ruaBarao da Victoria numero 3, Telephone323
FareJlo superior 42 kilos
2300 o sacco
Vende-se no largo do Mercado n. 12
Alfafa nova
chegada directamente, a 120 rs. o kilo. >u 6000
o fardo ; vende se no larg do /*V* Santo nu-
mero 6.
Liquidacjo para acabar
Na Revolado
ra Dnqae de Casias n. 48
Por cstarmos no fim do anno, resolve-
mos vender por menos 50 por cento as
seguintes fazendas.
Etamines de cor a 300, 400 e500 rs. oco-
vado.
Cachemira com toque de mofo com duas
larguras de 20 800. covado.
Zephir de quadros modernos a 120, e, 160
e 200 o covado.
Las de quadros modernas a 200 e 240 o
covado.
Crotones" miudinhos a 200, 240, 280 e
320 o covado.
Cchimira modernas de quadros de 20000
por 10000 o covado.
Merinos lizos a 200 e 440 o covado.
Ricos cortes de cachemira bordados de IX e
Beda de 800 por 300 e 400.
Ditos bordados de lvnon de 180000 por
100000.
Ditos de cretone com barra a 60000.
Ditos modernos de setineta a 70.
Lis com listas de seda a 400 o covado.
Seda Japoneza a 200 e 240 o covado.
Bramante com quatro larguras a 10000 e
10200 o metro.
Algodao trancado para toalha a 10OCO o
metro*
Coronados bordados para cama a 60 o par
Ditos de crochet a 100.
Etamines finas para vestido de 160 a peca
por 100.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Fustao de cor para roupa de homem a 500
o covado.
Esguiao pardo e amarello para vestido a
360 o covado.
Velbutinas de listas e quadros a 800 o
covade, para acabar.
Setins chamarlotado de todas as cures a
10500 o covado.
Bicos brancos e de c6res a 10500 e 20000
a peca.
Lencos brancos com barra a 10200, 10800
e 20000 a duzia.
Fechus de retroz a 10000 um.
Luvas de seda,todas as cores, para senho-
ra a 10000 10500 e 20000.
Espartilhos couraca a 40000, 50000 e 60
Cachenez para homem e senhora a 10500
um.
Costumes de Jersey para criancas de 4 a
5 anuos a 70000 um.
Oasacos de Jersey- para senhora, a 60
um.
Pannos de crochet para cadeiras a 500 rs.
um.
Lencol de bramante a 10600 um
Csbertas forradas para casal a 20500
urna.
Toalhas para crianga a 120 e 160 urna.
Cobertores brancos de 13 com pequeo de-
feito a 20000.
Lencos de linho a 20000, 30000 e 40000
a duzia.
Ceroulas francezas, a 10000, para acabar.
Colchas adamascadas, a 20000, 30000,
40000 e 50000 urna.
Ditas de crochet, a 40000, 50000, 60000,
70000 e 80000 um.
Cortes de cachemira a 30500, 40000, 50
e 60000 um.
Cortes de fustao para collete a 500 rs.
e 10000 um.
Ditos de velludo bordado a seda a 20000
um.
Camisas brancas de linho para homem a
20000 urna.
Ditas de mei. superior qualidade, a 10
urna.
Brim branco de linho de 40000 por 2050*
vara.
Renda hespanhola a 20 o eovad;
Completo sortimento de co^emira de co-
res e pretas para cost,Mlies^ presos sem
competencia, assim ^onio aprompta-s qual-
quer costum tm 24 horas.
S ua Revoluto
HENRIQUE DA SILVA MOREDJA
Herminia urna creatura sincera e leal,
terna, dedicada, caritativa... tem um res-
peto enorme pelo seunome e pelo seu ti-
tulo, e ama o seu av, quasi tanto como a
Oe.
i Olha, proseguio o ancao, aqui tens
photographias della ; eu as puz de parte
para ti e para os teus agentes, porque vais
revolver Pariz de cima para baixo em sua
prura, nao assim ?
E' o meu dever! E imagine, meu
pai, se eu agora cumprirei ou no esse de-
ver da melhor vontade... respondeu Di-
niz examinando attentamente os retratos
que Comtois lhe dra e que apresentavam
urna joven de dezeseis annos, de grandes
olhos lnguidos e expressivos.
' Longos cabello* louros, anelados, em-
molduravam aquelle rosto encantador, cuja
gra$a ingenua e anglico sorriso a prova
photographica reproduzia muito imperfei-
tamente.
Parece realmente impossiyel, mur-
murava o Sr. Diniz, que urna menina edu-
cada como ella o tem sido, e dotada de
tao boas qualidades, s prestasse a um
rapto, muito mais sabendo que poderia com
isso causar a morte a seu av.
E' verdade suspirou o Sr. Com-
tois.
Resta, pois, a hypothese-' do rapto
por violencia, que nao me- parece lgica,
attendendo a ter-se dado em pleno da.
Em summa, tratemos de encontrar a po-
bre menina e depois descubriremos a ver-
dade acerca do seu desapparecimento.
Justamente. Procura, procura, meu
filho!
Quantas pessoas estao ao servico
particular da duquezinha?
. Tres. Fanny, a criada de quatro;
Babet Lelevre, a ama que a criou e que
agora a governante do palacio ; e Irma
.hapuis, costureira.
Estao ah todas tres?
Nao. Irma nSo mora no palacio.
Esta noite n2o quera retirar-se, e s o
tez a repetidas instancias minhas. E'
urna excellente rapariga, com quem a
menina Herminia tinha, de rsati, Mito
poucas relaeSes.
Pob mande chamar as duas outras
mulheres, meu pai.
O Sr. Comtois ergaeu-se vivamente,
apezar da sua avancada idsde e dirigio-se
para a copa.
O Sr. Diniz continuou a contemplar as
photographias.
Sim, raciocinou elle, com urna cari-
nha desta s havia por foroa de trazer al-
guem pelo beicinho. Resta me agora sa-
ber se estou em presenca de um amante
estremecida, ou da vinganca de um pre-
tendente 'repudiado.
O Sr. Comtoisvolton, precedido por urna
mulher gorda, de seus cincoenta annos,
cujos olhos inchados e ainda hmidos, tes-
temunhavam urna dor innegavel, e pela
Fanny, urna gentil criadinha que tam-
bem nao procurava oceultar que tinha cho-
rado.
Babet, e tu tambem, Fanny, saibam
que estao na presenga de meu filho, o Sr.
Diniz, inspector de polica, que deseja in-
terrogal-as.
Ao ouvir designar a profissSo do Sr. D-
aiz, Babet avanjou um passo, e, de maos
postas, exclamou :
= Inspector de polica ... Entao o se-
nhor vai-nos restituir a nossa querida me-
nina !. ..
E a pobre mulher cahio de joelhos.
Fanny examnava curiosamente o Sr.
Diniz.
Levante se, boa mulher, disse o in-
spector com-benevolencia, e faca por aju-
dar-me no cumprimento da minha mis-
sao.
Farei quanto estiver ao meu alcance.
Oucam-me, bem, a .ibas, e evoquem
todas as suas recordacBes. Hontem, ou
esta manha, deu se algum facto fra do
costume, que podesse ter motivado a sa-
bida da menina.
Nada respondeu promptamente a
ama.
Nao, nada.. ..' repetio ^com" menos
energa a criada de quirt.
A menina Herminia correspondia-se
com alguem ?
De certo, disse Fannk. A menina
escrevia muitas vezes s suas amigaB, a
seu tio, e, finalmente, s pessoas que cos-
tumavam aqui vir.
E quem levava as cartas ao cor-
reio ?
Eu.
Sempre ?
Sempre.


I





- '-'
1 -S
(Continuar se-ha.)
Tyt. do Diario ra do Duque de Caxias n. 42


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVR88ZXVF_IJVP8T INGEST_TIME 2014-05-21T22:24:24Z PACKAGE AA00011611_17081
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES