Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17076


This item is only available as the following downloads:


Full Text
T
1
-

'
i
i
.,


r
i/ -
i f.

_...-

v



i
ANNO LXVI NJPR012
QESTA-MRA 16 PE JANEIRO DE 1890
DIARIO DE
RNAMBUGO
CL
Propriedade de Manoel Figueira de Faria efe Filhos
t.
v


PAKA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA POjtTE
TELEGRAMAS
Por tres meses adiantados.
Por seis ditos den.......
Por um anno idem. .
Cada numero avulso, 4o mesa dia.
6000
12^000
230OO
5100
Os Srs. Amede Prince & C.
de Pars, sao os nossos agentes ex-
clusivos de annnncios e publica-
res na Franca e Inglaterra.
PARA DENTRO E vFORA DO ESTADO
Por seis uezes adiantados. 13^500
Por nove ditos idem. 20)jkXX)
Por um anno idem. 26000
Cada numero avulso, de dias anteriores. ( t>100
-
SSB7I55 PAST2CUS SO BIABIO
RIO DE JANEIRO, 14 de Janeiro, s
8 horas e 30 minutos a neite (recebido
na manha de 15).
Foi nomeado desembargador para a
Rela^So do Recife, o Visconde. de Jagua-
nbe, actual juiz dos feitos da fazeuda da
Capital Federal.
Foi aposentado o desembargador da
mesma Relacao, Dr. T<:omaz Gares Pa-
ranhos "Montenegro.
Foi nemendo inspector interino do
Arsenal de Marinba do Estado de Per
nambuco, o capitSo-tenentcFredericoGui-
lherme Serrano, sendo exonerado o actual
a seu pedido.
Foi creado o lugar de audictor de
guerra na comarca do Recife, do Estado
de Pernambuco, sendo para elle nomeado
como juiz de direito, o Dr. Braz Floren-
tino Henriques de Sonza.
Foi nomeado juiz de direito da co-
marca de Santo Ignacio Pinheiro, no Es-
tado do Maranl Eo, o bacbarel Celso Apri-
gio GuimarSes.
O juiz de direito removido para a
Comarca de Goyanna, no Estado de Per-
nambuco, foi o de Cimbres, bacbarel Le-
vino Vieira de Macedo Lima, e nao o ba-
cbarel Jos JuliSo Regueira Pinto de
Souza.
RIO de JANEIRO, 15 de Janeiro, s
3 horas e 30 minutos da tarde.
Foram nomeados juizes de direito :
Da comarca de Igurr, no Estado do
Maranhao, o bacbarel Francisco de Lima
Borges ;
Da comarca de S. Francisco, no mesmo
Estado, o bacharel Martinho de Oliveira
Campos Sobrinho ;
Da comarca do Rio Purs, no Estado
do Amazonas, o bacharel Oct>vio Mello.
Fcram nomeados :
Cnsul geral do Brazil em aples,
Americo Campos ;
Cnsul geral do Brazil na Hollaada,
Alfredo Pcreira Lima ;
Cnsul geral do Brazii em Hamburgo,
Ignacio Alves de Souza ;
Cnsul geral do Brazil em Iquitos, no
Per, Benjamin Graca.
Foi exonerado a seu pedido do cargo
de enviado extraordinario e ministro ple-
nipotenciario do Brazi! em Bruxellas, o
Conde de 7illeneuve.
Foram agraciados com a gr2-cruz da
ordem do Cruzeiro, os presidentes das re-
pblicas do Uruguay, Argentina e do Pa-
raguay.
Foi exondado o actual conimandan-
te da companhia de apreadizes marinhei-
roS do Estado de Pernambuco, send no-
meado para substituil-o o Io tenente da
r.vmada Afrodizio Fernandos de Barros.
GCYANNa, 15 de Janeiro, s i horas
e 35 minutos da 'arde.
A intemerata excursionista D. Amelia
Queiroz realisou aqui urna brilhante con-
ferencia em meio de estrepite sos applau-
PARIS, 14 de Janeiro. -
A cmara dos deputados elegeu seu
antigo presidente o Sr. Charlea Floquet.
LISBQA^^ de Janeiro, peta manbl.
O nsvo ministerio presidido pelo Si.
Serpa Pimentel fez hoje, cmara dos de-
putados, a exgwsicSo do seu programmao
qual consiste m resumo de um arranjo
amigavel'entre a Inglaterra e o governo
de S. M. Fidelsima a respeito dos terri-
torios do sul d'frica.
Agencia Hava.dyal .ea^Petnaabuco,
15 de Janeiro doT890.
PARTE OFFICIAL
sos.
O povo, precedido de urna banda de mu-
sica, organisou numerosa passeiata
honra conferencionista, fallando o
Pereira de Lyra.
H'uve delirio.
em
Dr.
)A, 14 de Janeiro, noite.
i novo ministerio acaba de ser con-
atituiSo ob a presidencia de Serpa Pi
mentel que tomou a pasta do interior e in-
terinamente a da guerra.
As outras pastas toram assim distribui-
das :
Kegocio ettrangeiroaHint* Ribeiro.
FinangasFranco Castello Branso.
JusticaLoyo Vaz de Sampaio e Mello.
Marinha e coloniaJoSo Arroyo.
Obra publica e commercio Arouca.
LONDRES, 14 de Janeiro.
Est gravemente doente o Mrquez de
Hartington. Seu estado inspira serias in-
quietagtes.
Governo do Estado de Pernam-
buco
EXPEDIENTR DO DIA 27 DE N0VOTMBB0 DK 1889
Actos :
O governador interino do Estado de Per-
nambuco resolve, de accordo com a proposta
contida em officio de 25 do corrente, sob b. 3,
do cidado inspector geral da instruego publica,
nomear o cidado Dr. Jos Vicente Meira de Vas-
concellos para exercer o cargo de delegado do
i. distriCo litterario Orada.-Communi-
cou-se ao inspector geral dainstruego publica.
0 governador interino do Estado de Per-
nambuco, attendendo ao que requeren o cidado
Felinto do Reg Barros Pessoa, aposentado no
lugar de langador da Recebedoria d'este Estado,
e tendo em vista a informago prestada pelo in-
spector do Thesonro, em officio de 12 do cor-
run'.e. n. 490, resolve, de accordo com o art. 4 o
5 2." da lei n. 2 423 de 3 deste mez, abrir um
crdito supplemntar de 959#768 4 verba do 78,
ar. 2. dn lei n. 2,009, aflu de ter lugar o paga-
mento da penso requerida a contar de 2 de
Outubro ultimo at 31 de Dezembro prximo
vindouro.Remetteu-se copia ao inspector do
Thesouro do E?tudo.
Officios :
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Gommunico-vo3, para os fias convenientes, que,
em 23 do corrente mez, exonerei os hachareis
Jos Donato Gomes Torres, Eutropio Gongalves
de Albuquerque Silva, Marcolino Ferreira Lim':,
Antonio Cezario Ribeiro e cidado Lourenco de
Carvalho Araujo*Ypiranga dos cargos de promo-
tores pblicos das comarcas de Jaboatao, Pal-
mares, Pao d'Alho, Victoria e Bom Conselho. e
nomeer para substituil-03 os hachareis Euclides
Bernardo Quinteiro, Manoel Henrique Wander
ley, Hygino da Silva Gusmao, Antonio da Rocha
Hollanda Cavalcante e Fausto de Barros Correia,
na ordem era que se achara collocados.
Ao mesmo. Remettovos as inclusas rela-
g6es dos sentenciados vindo3 do presidio de Fer-
nando de No.-onba e alimentados na Casa de
Deteogo nos mezes de Junho a Setembro deste
anno, de quem trata vosso officio de 3 do cor
rente, a. 433, alim de que seja indemnisado o
Thesonro deste Estado da quantia de 5:363*988
importancia total da alludida despeza, a qual
correr por conta da verbaPresidio de Fer
nando de Noronha.-Fizeram-se as necessirias
commuoicag5es.
Ao mestno.Communico-vos, para os fius
convenien.t-8, que o juiz municipal e de orphos
do termo de Bom Conselho, bacharel Miguel dos
Anjos Barros reas sumi o exercicio de seu cargo
em 19 do corrente mez.
Ao regedor do Gymnasio Pernambucano.
De posse do officio que m; dirigistes em 22 do
correte, solicitando a entrega da quantia de
13:569*777, votada no 11 do art. 2." da lei
n. 2.009 de 1. de Julho ultimo, para occorrer
aos repares do edificio em que funeciona a instt
tuico a vosso cargo, declaro vos que, por ora
nao pode ser atlendido es=e pedido, visto as cir-
cumstancias financeiras deste Estado.
Ao commandante do corpo de policia.
'Attendendo ao que acertadamente propuzestes
em vosso officio de 23 do corrente, sob d. 7, de-
claro-vos que ic&m extinctas as revistas de mos-
tra a que se achava sujeito o corpo sob vosso
commando.Remetteu sejfftpia ao inspector do
Thesouro do Estado.
Ao mesmo. Declaro-vos em solugo do
a3:umpto de vosso officio u. 3 e^i do corrente
mez que ficam approvadas as esclus5es e enga
jmenlos a que vos refemtes na primeira parte
do mesmo officio.
Com relago porm dispensa dw formalida-
des a que alludis, tenho a dizer vos que devem
continuar por conveniencia do servigo publico,
as escusas e engajamentos da praga a depender
de approvaco do governo do' Estado, ftcaudo
apenas dispensada a reunio do conselho e a
apresentago de documentos sellados por parte
dos alistados.
Ao mesuio. Iateirado do assumpto de vos-
so officio de 23 do corrente mez, sob n. 61, au
toriso vos a reforjar com cinco pragas o desla
camento de Limociro. Communicou se ao juiz
de direito da comarca do Limoeiro.
Ao engenheiro scal do engenho central
Carass Convm que informis, no praso de
15 dias, se os con!ractante3 do engenho central
sob vossa fiscalisago, hypolhecarara a fabrica e
snas dependencias a Lzonda, para garanta das
apolices que receberam como auxilio na ferina
do art. 16 parte 1" da lei n. 1.860 de 11 de Agos
to de 1883, conforme o disposto no citado artigo,
parle 3, enviaudo-rce copia da respectiva es-
criptura. .
Mutatis mutandis aos fiscaes da juina Joao
Alfredo, 13 de Maio c Trapiche.
Ao director do presidio de Pernando de
Norcoha-Transmuto vof para os ins convenien-
tes, copia do aviso do Ministerio des Neaocios
da Justica, relativo a dmissSo nease prenaio do
sentenciado Antonio Ferreira.
Mutatu mutaniu ao Dr. juiz de direito do
21 districto criminal da urea do Recife.
Ao mesmo.-Approvo vosso acto constante
do officio de 19 do corrente, sob n. 23, que tica
deste modo respondido.
Portara: .. ^
O Sr. gerente da Companhia Pernambuca-
na de Navegacao mande dar passagem de r ate
o porto da capital do Estado da ParaJ*a, a
primeira viagem do msz de Dezembro prximo,
a Manoel Tertuliano Soares de Affellar, por ton-
ta das gratuitas a que lem direito o gove-no.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios : .
Ao Dr. chefe de polica.De ordem do
Exm. governador interino do Estado communi
co-vos que no vosso cilicio de u
sob n. 1,553, foi hoje
guinte :
Ao cidadao commandante do corpo de poli-
ca para sutisfaier a requisicao .
Ao inspector da Thesouraria de Faaenda.
O governador inteda do Estado de Pernambu
comanda remetter*M a nclusa'ordemdo tri
bunal do Thesonro Nacional de 16 do corrente
ob o. 1. i
-AoDr.juiz direito da comarca de Li-
moeiro.De ordem Exm. governador interino
do Estado, en-io-vos, em resposta ao vosso te-
legramma de 23 do corrente, copia do officio de
hontem datado, do commandante do corpo de
polica.
Ao inspector do Thesonro do Estado.-
O governador interino do Estado de Pernam-
buco manda coramunicar-vos, para os fins con-
venientes, que hoje proferio o segrate dei-
pacho na petico da professora publica da ca-
deira mixta da roa de Marcilio Dias, Donatilla
Julia Gulmares Albuquerque, de quem trata
vossa informago, o. 473, de 11 do' corrente :
< Para que possa ter lugar o pagamento de
que se irata, cumpre que a supplicante aprsenle
no Thesouro do Estado os attestados exigido3 no
} 17 do art. 3o e 5o doait. 17 do regulamtnto
de 18 de Janeiro de 1888
Ao mesmo.0 governador Interino do Es-
tado de Pernambuco manda Communicar-vos que
nesta data profcf o seguate despacho na pe-
tico da Companhia de Trilhos Uroano3 do Re-
cite a Caxang, de que trata a informacao d'esse
thesouro, de 9 do corrente, sob n. 470 :
Nao tem lugar, em vista do art. 1 das la
stru:cOes de 12 de Setembro ultimo.
Ao superintendente da Estrada de FerroHo
Recife a S. Francisco.De ordem do cidado go-
vernador interino do Estado de Pernambuco ac-
cuso recebido o officio de V. S., de 23 do corren
te, ao qual vieram annexos dous exeraplares im
pressos do extracto da acta da sesso da assem-
bla geral do3 accionistas d'essa ferro-via, reali-
zado em Londres no dia 15 de Outubro ul-
timo.
Ao engenheiro director do Prolongamento
da Estrada de Ferro do Recife a Caruar.De
ordem do cidado governador interino do Estado
de Pernambuco, aecuso o recebimento do officio
de 23 do corrente, em que communicastes que o
Ministerio da Agricultura, rommerclo e Obras
Publicas demittio o engenheiro Antonio Carlos
de Arruda Beltro do cargo de chefe do trafego
da Estrada de Ferro do Recife a Caruar, e no
meou para substituil-o o engenheiro Pedro de
Figuei-edo Rocha. Communicou-se ao inspe-
ctor da Thesouraria de Fazenda.,
EXPEDIENTE DO DIA 28 DE N0VEVBR0 DE 1889
Actos :
O governador interino do Estado de Pernam
buco resolve exonerar, a pedido, o bacharel An-
tonio Borges Leal Castello Branco do lugar de
official de gabinete d'este governo. Communi-
cou-se no inspector do Thesouro do Estado.
O governador interino do Estado de Per
nembuco, tendo em vista a nroposta d'esta datu
do secretario interino do governo, resolve extin-
guir o lugar de officiat de gabinete do mesmo
governo.Communicou-se ao inspector do The
souro do Estado.
O governador interino do Estado 3e Pernam-
buco, tendo em vista o decreto de 20 do correle,
baixado pelo governo provisorio dos Estados-Uni
dos do Brazil, e considerando que, si nao possi
vel acabar inteiramente a secretaria da extincla
Assembla Legislativa Provincial, atienta ne-
cessidade de continuaren], alm de outros, os
trabalhos de copias e extractos do expediente a
cargo da mesma repartico, em todo caso a ees-
sacio de certos servicos impoe a diminuico mi-
.uediata do avultado numero de empregados
3ue all existe actualmente, resolve reduzir a
uas as trez secedes actuaes, composta cada
urna de um chefe, um primeiro official, dous
segundes, um terceiro e um amanuense ; e re-
solve igualmente supprimir os lugares de dire-
ctor, cabendo. as funcefles d'este, mediante a
gratifleaean de 500000 annuae3, ao chefe> da
p-imeira secgo ; de anidante do archivista: de
ajudante do porteiro ; de ura carteiro e de doie
serventes ; devendo regular os vencimentos dos
raesmos a seguinte tabella :
i o
>!
3
< z |
CARGO as a a 1 TOTAL
4005000 2:0005000
1 official. 1:400*000 3005000 1:7005000
2o official. l:300000 2005000 1:5005000
3o oficial. 1:0005000 2005000 1:2005000
Amanuense . 800000 2005000 1:0105000
Archivista 1:6905000 4005000 2:0005000
Porteiro 9005000 2005000 1:1005000
Continuo. 8005000 2005000 1:0005090
Carteiro 8005000 2005000 1:0003000
Servente. 7205000 7205000
compreneoda ser de grande utilidade gara o
municipio o arrendamento do referido Mercado
seja elle feto por licitago publica opinio
accorde com o di posto no art. 44 da citada
lei :
3. que, os cofres municipaes so se acuavam
devidamente garantidos le ao contrastante, por
forja de sen contracto, assistisse a obrigaco de
apresentar por occasiode assignar-se o mesmo,
o conhecimfnio de quitacao da divida, a' qual
assim teria Meado logo liquidada, como reconhe
ce a Cmara Municipal no predito officio ;
4. que, dos documentos juntos ao alludido
recursor interposto pelos cilados ve.-eadores
Luiz Bernardo Castello Branco da Rocha e ba-
charel Francisco do Reg Barros de Lacerda, se
verifica que nao se acha assignado pelos verea-
dores da Ceura Municipal do Recife o termo
de contracto te arrendamento do Marcado de S.
*0S%*Mvi*w em do Mrrenle> constando do
me^fira termo apenas as asignaturas do con-
tractante, eseus dous fiadores e de tres teste-
munhas ; nao bastando, para se considerar com
pleto o contracto, as assignaturas dos vareado-
res que se leem no termo de additamento de 15
do corrate, termo inteiramente accidental, ao
inverso naquelleprimeiro termo, que conslitue
condigo essencial para tornar-se effectivo o
mesmo contracto:
Resolve dar provimento ao recurso argido,
para que fique Sem effeito a delibe'raco da C-
mara Municipal da qual foi elle interposto, e
determina que se remetta copia dp presente acto
mesma Cmara para que ella o .compra, pro
videnciando com urgencia no sentidj de serem
arrecadados os impostos pelos agentes incum-
bidos dc3se servigo.Remetteu-se copia ao pre-
sidente e verendores da Cmara Municipal.
O governador interino do Estado de Per-
nambuco, consideranio que de urgente neces
lidade modificarse a lei do orcaraento munici-
pal em vigor, na parte relativa Cmara Muni-
cipal do Recite, vista de seu estado financeiro
que reclama severa economa ; con3iderando
3ue vexatorjo o augmento das taxas decreta-
as na referida le, augmento que foi levado a
effeito era virtude de creaco de divertos empre-
gos e de ura laboratorio chimico, etc., etc., e
tendo a vista o patritico empenho da mesma
Cmara, constante da proposta apresentada com
officio n. 76, de 27 do corrente mez, dertemina
que a contar do Io de Dezembro vindouro, se
observe no referido municipio o seguiole orea
ment :
(Vide os Diarios de Pernambuco sob ns. 274 u
275 de 1 e 3 de Dezembro do corrente anno.)
O governador interino do Estado de Per-
nambuco, tendo era vista a proposta do inspector
geral da instruccao publica constante do officio
n. 9, de hontem datado, resolve crear um distriy
cto litterario na freguezia do Santissimo Sacra-
mento de Santo Antonio desta cidade, com a ile-
nominaco de segundo, comprehendend as ca-
deiras do sexo masculino da ra do Sol e da Pal
ma e Casa de Deteoco e as do sexo feminino
das mas de Paulino Cmara e Hurlas
0 governador interino. (Jeste Estado resol-
ve nomear o delgalo do restricto litterario
da freguezia de S. Jos, cida*to capito Juven-
cio Aureliano da Cunta Cesar para iguil cargo
no 2* districto do Santis3imo Sacramento de
Santo Antonio, creado por portara de hontem, e
nomear para substituil-o naquelle districto o ci
dado tenente Jo3 Carr.eiro Maciel da Silva.
Communicou-se ao inspector geral da instrucjQ
publica.
O -governador interino desteEstado resol-
v, a, fi3ta dj preposta do adSpiSstrador dos
correios, de zo.do corrate, sob b. 1.388, exone-
rar es agentes dos correios de Buique, Bom Jar-
dim, Vaizea e estagSo dos Prazercs, na estrada
de ferro do Recife ao S. Francisco, Antonio Joa-
quim da Silva Cassino, Manoel Furias Maciel Fi-
lbo, Loureugo Rodrigues da Cosa e Leopoldo
Pires da Cunta, e nomear para exercerem taes
cargos os cidados Marcos. Marrano de Oliveira,
Hornera Bom da Cunha Soato Maior. Estepbania
Leop Idina Quinteiro e *Klpho Valeoar Ribeiro
Lima, na ordem em que se achara collocaaos.
Resolve, outrosim, exonerar Manoel Cypriano
de Souza do cargo de agente do correio da esta
gao da Escada na citada estrada de ferro, visto
n9 residir na sede da respectiva agencia, e no-
mear Hilario Bertolino para substituil o.Cora-
municou se ao administrador dos correio3
Officios :
Ao Dr. chefe de policia.-Davolvo as nove io
clusas pelig6es de graga, para que os respecti-
vos signatarios as redijam, de conformidade com
os estylos ltimamente adoptados, e as endere-
cen! ao chefe do governo provisorio da Republi
ca dos Estados Unidos do Brazil, a quem devem
dar o Iratamenlo devos.
hontem datado,
proferido o despacho se
Remetteu-se copia ao inspector do Tfesouro do
Estado.
O governador interino do Estado de Per-
nambuco, tendo cm vista o acto desta ata rea
tivo aos empregados da Secretaria da extincta
Assembla Legislativa Provincial, determina que
continuem a funccionar naquella repartigo os
seguales cidados :
1.' seccao
ChefeBacharel Jos Antonio de Almcida Cu-
Ph officialRodolpho Gomes da Silva.
2." ditoJuvencio Aureliano da Cunha Cesar.
2." ditoJoaquim Theodoro Cysneiro de Al-
buquerque.
3. ditoJoS Francisco de Paula.
AmanuenseGenesio de AJbuquerque Martina
Pereira.
2.' seccao
i befe-Bacharei Timoleo Peres de Albuquer-
que M*ranti5or .....
1. officialAggo Sarreto de Mello Reg.
2. dito-Antonio Olympio Azevedo de Souza.
2. ditoBacharel Zozirao Zenaides da Cmara
Lima.'
3." ditoJos Thomaz Cavalcante Pessoa.
Amaiiuense--Pedro Bezerra Cavbante Ma-
cial.
Addido como antigo chefe de secc^-Francis
co Paciico do Amaral.
ArchivistaJos Haciano Vieira de Amorim.
Porteiro4os Fraaeii Carneiro.
Coiituiu-rAccylino e Hollanda Chacn.
DitoCtiliano Augusto de Gusmao Lubo.
CarteiroCandido Firmino de Mello Leito.
ServenteMarcolino Jos dos Santos.
Dito-Emilio Antonio Soares.
DitoPedro Alexandrino da Costa Cabral.
DitoNstor Corbiniano do Soccorro.^eraet-
t-tt-se copia ao inspector do Thesouro do Es-
tado.
O governador iutenno do Estado de Per-
nambuco, tendo em vista o recurso de 18 do cor-
rente, interposto pelos vereadores da Caraira
Municipal do Recife cidados Luiz Bernardo
Castello Branco da Rocha e bacharel Francisco
do Reg Barros de Lacerda, da deliberago da
mesma Cmara, que approvou, em sesso de 6
d3te mez* as clausulas apresentadas pelo ve-
reador commisaario de policia, para o arrenda-
mento do Mercado de S. Jos a Gratuliano dos
Santos Vital, e considerando :
1. que, o referido recurso, bem como outros
3ue lae foram presente, interpo3tos por crea-
ores e negociaates de gado e carnes verdes,
facultado pelo art. 73 da lei do Io de Outubro de
1828; .... -
i." que, reconhecida a conveniencia de ser
arrendado o mesmo Mercado, o arrendamento
so dever ser effectuado em praga publica, como
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Transmitto-vos, para os fins convenientes, copia
do officio de hontem datado, relativo ao excrci
co do juiz de direito da comarca de Floresta.
Ao mesmo. -Recommendo-vos que man
deis pagar as inclusas cootas relativas s ferias
dos operarios das obras do novo edificio da Fa-
culdade de Direito do Recife, no periodo de 18 a
24 do corrente mez, as quaes devero ser pagas
de accor-'.o cora as ordens anteriores.
Ao tenente-coronel Feliciano Caliope Mon
teiro de Mello.Designan io vos para presidir a
commisso que, na forma das disposiges em vi
for, tem de dar em consumo no quartel do 2
atalho de infamara, no, dia 30 do corrente,
s 11 horas da raanb, os arreios do animal da
carroga de conduego de rancho, pertencente ao
dito baalho, artgos estes considerados inser-
viveis pela respectiva commisso de exime ; as-
sim vos declaro para os devidos tlns.
Na mesma data foram designados o ajudante
do Arsenal de Gurra e ura empregado Ja The
souraria de Fazenda, aura de fazerem parte ua
referida commisso c communicou-se ao secre-
tario do commando das armas.
Ao director do Arsenal 'de Cierra.Decla-
ro vos em respos'.a So vosso offi-io n. 181, de
11 do corrente. que nesta data submettido
deliberccSo do Ministerio da Guerra o assum
oto do citado c lucio, relativo ao forneciraento de
diversos lvros para o 14 batalho de infantaria.
Ao mesmo.-Deferindo.o requerinJento dos
negociamos Miranda & Souza, autorist-vos a en-
tregar Ihcs 46 barris de plvora dos que tem no
paiol da Imberibeira, sendo 20 barris para serem
embarcados para Mossor e os utros 20 para S.
Miguel no Estado das Alagas.-Communicou-
se ao inspector da Alfaniega.
Ao medico da policia Dr. Belchior da Gama
Lobo.Tendo em considerigo o que represen-
tou o commandante do corpo de policia rejaU
vauaente ao tervigo que vos compete pelos s 6"
e 7o do ari. 3o do Reg de 17 de Juaho de 1887,
chamo a vossa attengo para as citadas disposi
ges e confio que as observareis com a mxima
Igual ao Dr. Jos Flix da Cunha Menezes.
Remetteu.se copia ao comnandante do corpo.
Ao inspector de hygiene. m resposta ao
vosso officio n. 301 de 25 do corrente decaro
vos que eveisHontinuar a dirigir vos ao inspec-
tor geral de bygieoe, no Rio de Janeiro at que
baja indicago um contrario.
Ao director geral das obras publicas.0-
videnciai aflm de serem hoje collocados dous
focos de luz niectrica no iheatro Sania Isabel,
sendo um no interior e outro to exterior do
edificio daquelle thatro.
Ao director do presidio de Fernando ae .>o
ronha. Devolvo as 107 incidas peligOes de gra-
signatanos as redi
15 adoptados, e as enderecem ao chefe do go-
verno provisorio da Rapublica dos Estados o-
'do3 do Brasil, a quem deven dar o tratamento
devos.
Portaras:
A' Cmara Municipal do Recife.Para os fin3
convenientes communico-vos que nesta dalajfoi
approvado o orcamento enviado com 9 vosso
offidio n. 76 de hontem datao, o qual comega-,
r a vigorar do Io de Dezembro vindouro1
O cidado gerente da Companhia Pernam-
bacana de Navegago faca transportar para o
presidio de Fernando de oronlia, por conta dos
negociantes Jos Joaquim Alves & C, 03 gene-
ro.' alimenticios e diversos artigos de que traja
a relago, aqui junta, assignada pelo secretario
do governo desie Estado, .
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife o S. Franeisco di passngens, por con-
ta deste Estado, di estagSo de Una de Cinco
Pontas, a um Iouc%l duas pragas de porcia q*j
tm de condzil o pira 3ta capital. "^
dem para cinco pragas que regressam de
Canhotinho.
dem da estago de Una de Cinco Pontas,
e com direito a bagagem, a vinte pracas de po
licia que se recolbem ao corpo.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios :
Ao cemmandante do cerpo de policia.De
ordem do cidado governador interino do Esta-
do, coramunicov-os que, por proposta do Dr.
chefe de p licia, foi hoje nomeado o alferes
Theodomiro Thomaz Cavalcante Pessoa para o
cargo de deljgado do fermo de Bonito.Man-
dou se dar pas3agens por conta do Estado, as
estradas de ferro do Recife ao S. Francisco e do
prolongamento, ao referido alferes e sua familia,
at Catende.
Ao presidente e vereadores da Cmara Mu
nicipal de Limoeiro.6 cidado governador in
terino deste Estado manda communicar-vos em
resposta ao vosso officio de 26 do corrente mez,
ue a arrecadago dos impostos municipaes
eve ser feita de accordo com a lei n. 1,010 de
11 de Julho fiado, publicada no Diario de Per-
nambuco de 6 e 7 de Agosto ultimo.
EXPEDIENTE DO DIA 29 DE NOVEMBRO DE 1889
Actos:
O governo interino deste Estado, tendo em
vista a petigo do bacharel Antonio Marra Fu-
rias Neves, contador do Thesouro deste Estado,
e a informago presrada pelo inspector do mes-
mo Thesouro, em officio de 9 deste mez, n. 476
resolve aposentar o peticionario no alludido car
go de contador; percebendo o ordenado na som-
raa de2:8;05annuaes.
O governador interino deste Estado, resolve
promover o chefe da 2' secgo do Thesouro, ba
charel Antonio Jos de Almeida Pernambuco, no
fcargo de contador do mesmo Thesouro.
O governador in'erino do Estado, resolve
dte minar que o cln fe de sr-ccao da recebedo-
ria deste Estado, bacbarel Jefferson Mirabaau
de Afcevedo Soares, actualmente addide ao The
souro, passe a exercer eBectivamenle o cargo de
chf? da 2 secgo < o mesmo Thesouro.
O governador interino deste Eatado, resolve
de accordo com o disposto no arl. 4o do regu-
lamenlo de 27 de Dezembro de 1837, designar
para exercer o cargo de director da Encola or-
mal o Dr. Manoe! Enedino do Reg Valenga.
Communicou se do inspector geral da instruego
publica
O governador interino deste Estado, resolve
de accordo com a proposla (io inspector geral
dalnsirucco Publica, era oflj^io n. 8 de 27 do
'correte nomear'6 bacharel Ascencio MariaGon-
galves de Castro Mascarenha3 para exercer o
"Cargo de delegado do districto litterario de Boa
Viagem.Communicou se ao inspector geral da
tastruego Publica.
O governador inferino deste Estado, tendo
em vista a proposta do inspector do Thesouro
contida em officio de 27 do corrente, n. 6, resol-
ve nomear o promotor publico bacharel Manoel
Henriques Wanderley para exercer o cargo de
ajudante do procurador do3 feitos da fazenda
deste E-dudo, no municipio de Palmares ;fieando
assim exonerado de dito cargo o bacharel Eu
tropio Gongalves de Albuquerqus Silva.Com
municou se ao inspector do Thesouro.
O governador interino do Estado, tendo em
vis a a proposta do cidado inspector do The-
souro contida em officio de 27 do corrente, sob
n 7, resolv e nomear o promotor publico bacharel
Fausto de Barros Correia para exercer o cargo
de ajudante do procurador dos feitos da fazenda
deste Estado no municipio de Bom Conselho.
communicou-se ao inspector do Thesouro.
Officio : .".."-
Ao cnsul dos Estados Luidos.Transrait-
tindo vos, em resposta ao vosso officio de 23 do
corrente, copia do que me dirigi hontem o Dr.
chefe de policia, renovo-vos os meus protestos
de subida estima e diatiocta coosiderago.
Ao provedorda Santa Casa de Misericordia
do Recife.-Declaro-vos que, de accordo com o
art. 8o da lei n. 2125 de 3 do corrente, fica ap
provado o parecer annexo do- vosso officio n
276 de 25 deste mez, relativo reduego dos
vencimentos dos empregados dessa Santa Casa
constante do referido parecer.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Communico vos .que o bacharel Vulpiano da
Cuuha Reg assuraiu hontem o exercicio do car
go de juiz substituto da comarca de Iguarassu.
Ao mes me .Com tr nico -vos que o juiz de
direito da comarca do Cabo interrompeo, em lo
do corrente mez, por motivo de molestia, o ex-
ercicio do seu cargo. ,
Na mesma dala foi substituido pelo juiz mu-
nicipal bacbarel Jos Gomes Villar.
Ao mesmo.Communico-vos, para os tras
convenientes, que, o engenheiro Alfredo Lisboa
assumio o exercicio dos cargos de director das
obras geraes e da conservago dos port03.Olli-
eiou-se em resposta ao engenheiro Alfredo Lis-
boa.
Ao inspector do Thesouro do Estado.Re-
meti-vos o incluso conhecimento pelo qual ser
entregue ao Thesoureiro de vossa repartigo pela
agencia da Comoanhia Bra3ileira de Navegago
correte, recommendo-vos que mandis langar
areia sobre o terreno que enfrenta e circunda o
hospital Pedro II, providenciando ao mesmo
tempo para que nao continu a se# alli deposi-
tado lixo.Communicou-se ao prbvedor da San-
ta Casa.
Portaras :x'
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife ao S- Francisco d passagens, por con-
ta- deste Estado, da estago de Cinco Pontas at
a da Escada a duas pragas do corpo de policia e
ura preso, providenciando quanto ao regres30
das referidas pragas.
XPBDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios :
Ao Dr. chefe de polica.O cidado gover-
nador interino do Estado manda communicar-
vos. que nos vossos officios ns. 1,580 e 1,583, de
houtems datado, proferio o despacho seguate
Ao coaaai|dante do corpo de policia para sa-
)iii|WrMnii i' i >
WRonimandanlfe dar earp 'de polica O
cidado governador interin do Estado attenden-
do ao que representastes em officio de hontem
datado, sob n. 19, aatorisa-vbs a substituir por
ura subalterno no commando do destacamento
do Brejo o capito Antonio Carlos dos Santo
Mergulho.
pon7erou"rc!ralra"o'"9eu~oiilco de 20 de Mar- ^J^,^^^^'^^^^^
go e consta do segrale trecho: Quando se jam de oonformiflede com os (siyios uiuoumeu
agencia da Compari-.
a Vapor a quantia de quinhentos contos de res
embarcada pelo Banco Nacional do Brasil no
vapor Maraahao, e consignada a este governo.
Ao mesmo.-De posse do officio de 22 des-
te mez, sob n. 4, em quo me prestaes esclarec
mentos acerca do empre3limo autorisado pela
lei n 1,927, de 15 de Novembro de 1888, tendo
a dizer-vos que approvo o meio indicado para o
sorteio da3 apolices a resgatar. -
Ao mesmo.Devol rei os papis que por ol-
Qcio de 19 do corrente vos remetti para serem
archivados em deposito especial, e que constara
de tres cartas documentadas.
Ao mesmo.-Devolvo a petigao de Antonio
Valentim da Silva Barroca, a qual acompanhou
o officio dessa inspectora, de 22 de Outubro pro
ximo passado, 30b n. 431.
O pagamento, sobre o qual Tersa a reclamagao
teve lugar antes' da publicago da lei n. 2,040,
de 2 de Agosto deste anno, e assim nao pode o
supplicante ser atlendido.
Ao mesmo.Recommendo vos que mandis
pagar pela verba Eventuaes a companhia de
Trilbos Urbanos de Recife a Caxang, a quantia
de 20*300, como indemuisago das passagens
concedidas tm seus carros, em Outubro lindo, a
requisigso do Dr. chefe de policia, segundo con
sta dos inclusos documentos.
Ao presidente e vereadores da Cmara Mu
nicipal do Recite.Tendo em vista o que repre-
senta! me o provedor da Santa Casa le Miseri-
cordia do Recit, era oficio n. 277, de 17 do
DESPACHOS DA SECBETABIA DO GOVERNO
DO ESTADO DE PERNAMBUCO, 7 DE JA-
NEIRO DE 1890
Antonio Florentino de Oliveira.Informe o
inspector geral da iu3trucgo publica.
Antonio Joa da Rosa.O peticionario j foi
atlendido por despacho de 2 do corrente mez pu-
blicado no Diario Official a. 4.
Artbur Aureliano de Albuquerque.Informe o
commandante do corno de policia.
Antonio Facundo de Ca3tro Menezes.Selle e
volte, querendo.
Abaixo assignados, moradores em S. Joo dos
Pombos.Informe o inspector geral da instrue-
go publica.
Bellsario Pernambuco. En'caminhe-se, pa-
gando o supplicante o respectivo porte na re-
partigo dos correios.
Joo de Souza Costa.Informe o inspector do
Thesouro do Estado.
Padre Firmino Brant Rocha Passe portara
concedendo a lienga requerida.
Bacharel Jos Moreira de Pinho.Concedo um
mez de licenga con os vencimentos a que tiver
direito.
Jos Albino da Cunha.Nao ha que deferir,
vista do decreto de 15 de Dezembro findo.
Jo3 Daciano Vieira de Amorim.Informe
inspector do Thesouro do Estado.
Manoel Torquato deAraujoSJdanha.Remet-
tido junta medica do Estado, a quem o peticio-
nario se apresentar para ser inspeccionado.
Hachare! Miguel dos Anjos Barros.-Concedo a
licenga de 90 dias, com os vencimentos a que
tiver direito.
Manoel Fernandes Ferreira Maia.Prejudicado
vista do decreto de <5 de Dezembro findo.
Maria do Rosario Chaves.A peticionaria prove
o que allega.
Bacharel Manoel Joaquim Machado Jnior.
Concedo um mez de licenga sem vencimentos.
Bacharel Sebastio do Reg Barros.Como
retraer.
Sebastio Cyrillo Gomes Penna.Ao inspector
do Tnesouro do Estado.
- 8 -
Antonio Augusto de Oliveira Quintal. -Dirja-
se Thesourarii de Fazenda, que se acha habi-
litada a satisfazero pagamento requerido.
Albino Fernandes i C.Gomo requer.
Antonia Alexandrina de Almeida Pedrosa.
Sim, pagando as comedorias.
Anaa Elysa.de Oliveira Barros. Informe o in-
spector geral da Instruego Publica.
Abaixo assignados de proprietarios e locata-
rios de kiosques.Informe a Intendencia Muni-
cipal do Recife.
Antonio de Souza Magalhes. -Requeira ao
conmandante do corpo de policia.
Deodato Pinto dos Santos.- Dirija-se The-
souraria de Fazenda, que se acha habilitada a sa-
tisfazer o pagamento requerido.
Emilio Antonio Soares.Informe o inspector
do Thesouro do Estado.
Jos Thomaz Cavalcante Pessoa.dem, cora
relago ao tempo de servigo do peticionario.
Bacharel Jos Francisco de Faria Salles.In-
forme o inspector da Thesouraria de Fazenda.
Jos Joaquim G. Bastos. Satisfaga a condigo
do art. 2o da lei n. 2038 de 2 de Agosto do anno
pas3ado. para ser attendi Jo, sendo possiveL
Joao Thomaz da Silva.Sim, pagando as co-
medorias.
Joo Flix da Rosa.Satisfaga a exigencia do
Thesouro do Estado.
Jos Pereira Lima.Informe a Cmara Muni-
cipal do Limoeiro.
Jos Izidoro Martns Jnior.Iaforme o The-
souraria de Fazenda.
Tenente coronel Joo Nepomuceno da Silva.
Remettido ao inspector do Thesouro do Estado
para attender, nos termos de sua informago n.
71, de 20 de Dezembro lindo.
Joao Lins Cavalcante de Albuquerque;Defe-
rido com o officio de hoje ao inspector do The-
souro do Estado.
Bicharel Manoel Caeano de Siqueira Caval-
cante. Informe o inspector geral da Instruego
Publica.
Marcolino Jos dos Santos.Informe o inspe-
ctor do Thesouro, com relago ao tempo de exer-
cicio do peticionario.
Modesto Florentino Hermetto dos Santos Car-
valho. Indeferido, vista da informago do in-
spector geral da Instruego Publica.
Dr. Vicente F-rrer de Barros Wanderley Arau-
jo.Encaminbe se, devendo o supplicante pa-
gar o respectivo porte na repartigo dos cor-
reios. .
Raymundo Noronha da SilvaRequeira a
commandante do corpo de policia.
Secretaria do Governo do Estado de
Pernambuco, 9 de Janeiro de 1890.
O porteiro,
H. Maciel da SU va.
Reparlfo da Polica
2.a secgo. N. 11.Secretaria do Po-
lica do Estado de Pernambuco, 15 de Ja-
neiro de 1890. -CidadSo.Participo-vo
que foram hontem recolhidos Casa de
Detenc2o os seguimos individuos:
A'ordem do subdelegado do 2 districto da
Boa Vista, Mara do Rosario. Marctllina Mara da
Luz, Izabel Francisca de Souza, Mara Lucia de
Bri'to, conhecida por P Cinzento. Mara Jos
Lopes do Nascimento, Maria Antonia da Concei-
co, cooiiecida por Maricas Gorda, Catharina
Maria Soares de Azevedo, Luiza Adelina de
Franga e Guilherme Francisco de Paula, por em-
briaguez e offensas moral puMIci.
A' ordem do da torre, Alfredo Jos de San-
t'Anna como vagabnndo. ,,.,.- -a
- Communicou-me o delegado do ten. o
Floresta, que no da 26 do mez ultimo i 8 lio-
ras da ranh, os individuos de nomos Manoel
Aanibal Alves Cantarel Antonio Pires de Car-
valho.Belfort e Jos de tal, coohecido por Jos
<






,>

?!
.
i

H
BBMB 1




2
Diaria 4e fWrnambuco--Quinta-feira 16 <1e Janeiro de 4V90



.
.





i
Ganella, diraararam dras tiros de pttola contra
Benedicto Freir da Silva, feriudo-o gravemente.
Contra os deliBP"*<> qmumlmm-tS,**'
oedeu-se na fojM"*** tai.__________
_ No dia iMreor*, as -9 Ibbb da"*
nha e no lugar iraog*di te dsflfcaipaBa, o
individuo de noBBMaaBMi MariantrnaaBasmaBU,
com 7 Tacadas, aflBtoasBos da SiNa,-:coabaci
do por BorboleB.
O delinquente*prawm*Krate -e caatra
o mesmo proeeaaa*e aaaceaBk) cna lei.
Pelo subdeBBtdo ato 1-Haiiirtn #da u -
Vista foi remettutoBudBiio <*BWBame o imH f>;
rito policial a que procedeu contra Manoel Joa
quim Carneiro e Joao Ferreira Pinto por haverem
se feri.;o reciprocamente.
(Halen, pela manha, foi em presenca do
subdelegado da freguesia do Recife, desenterra-
do as proximidades da fortalesa do Boraco o
cadver de urna mulber de cor branca, que tora
encontrtdoe inhumado neqelle lugar porTbo
maz de Aquino Bezerra e Jas 'icawiao da Ro-
;ha bezerra segundo participecio do delegado
do termo de Olinda.
Em seguida mandou o subdelegado conduzr
o cadver para o cemiterio de Santo Amaro ten
doauuss ,aBfta*aar"*a*^daiBawwa'a^l'
quilina, naufraga da barcaca D. Marta Lezar que
fora a pique na noite de 12 do corrente.
Sade e fraternitlade Ao brigadeiro
Jos SimeSo de Oliveira, mai digao go-
vernador previsorio do Estado de Per-
nambucoO Chefe de polica interino,
Jos Izidoro Martina Jnior.
unalaifcugajaa
es de ipnlicOe^
cites fteafcata e
ciaa*l/[JBaia e
na
ciaesdaa
te
ma;
e
{mar
rjmfcaiMB.
,0 prattito de 1889) [ ponts de Sania Isabel, ras da Aurora, Conde
O debate diplomtico susciudo-entre angla- a Boa-Vista e Visconde de Caaaaigifee, praga
trra e Portugal relativamente aos direitos com [ Haciel Pinheiro, ra da Imperatriz, ponte da
que cala qual se julga regiao sul do Zambeze, Boa.V3la rua3 do Btrio oa Victoria edo Cabu
eas trras aonorle este-no, especialmente no. d'" _
districto de Zumbo, complira-se com um aconte- g, praga da Independencia, ra Duque de La
cimento deploravel, seoao to grave, como as Xl18 (|a(j0 o sul), praga Pedro II, ra dolmpe-
primeiras noticia, alias pouco claras, falo biam | rador ,argo de Pdlaci0i a T||||r|
"0 facto em si este: o major p. rtuguez e bera j A essas fiestas convem, por amor ao pensa-
conhecido explorador-9erpa -tito,, dirigindosei as dicta, que se assoeiem todas as
pava o lago Myassa, vio o fu naminho obstado j "^c"'" <*" 'V^- ----------,
rarn-seam tratado celebrado com um agente1 modos se pode manifestar a adhesao: cooor-
consular inglez. verdadeira noyidade n'urapaiz j d formacSo do prestito cvico,
tradiaonalmeate considerado como dependate)rClluu ^ u "" ***
da administrago colonial jiorturueza de Mocam-j tomando o mais numeroso, luzJio e brante,
hique 03 Makoras arvoraram, _ fiftups coMiacio
Na frica Ln aberta a exploracio da 2" secgo
Jo caminho de ferro de L oanda a Arabaca.
Essa secgo cemprebende urna extenso de
iO kilmetros.
So f do corrente com.garam a vigorar, para
o tra/ego da ferro-va de Santos a Juediahy, no
vas tarifas que importara a redcoioddw-pra
140 roae^ em beneticio do rafe e de ontros arli
208 da labeUa n. 3.
Segu/a lo o Carreio Pauttttano, a reducoao an
uociaBaieornsponde aniiualmente a aigumas
rcnliii de sontos, nao se bivendo feito appli
cavel a 19 tabellas que ceuiprehmdera as qoe
se rferem a viajantes, a bagag-ns,acncomnjen
das, a toda a sorte de gneros de importago,
Quando ha poucos das, assembla geral de
S. t'auio Mailway autoriMu asua directora para
renuucwr a garanta de juros portarle do go
verno do Brazil, o que importa imraediata cef-aa-
cao da partilha dos lucros excedentes de 8 %
declarucoVa ex licitas da administracio supe
rior da" empresa pozemm em relevo que, re
arnada a renunrra e cessando a partilha. as ta
rifas paderiem ser reduzidas em proporcio cor
respndeme a 3,000:900* por anuo.
Com efiteito/tendo a coinpanhia realizado em
1888 o lucro liquido de 634,000. on 24 % so
bre o capital, claro que, se nao honvesse en
trege ao governo metade desta qnantia, poderia
tereffeoluado reducfOes ateo valor de 317 O'H).
sem comprometiera renda de l "o
A redueco agora aonunciada est muito
aqwem da p-revi&o fundada pela directora nos
supracitados algarismos, c como, nos termos o
contracto, sempre que a renla em dous anoos
consecutivos exceder de 12 %.. ser obrigada a
compaobia aeffectuar as tarifas reducyOes cor
reapondentes ao exces30, parece que todo o fun
damento ha para reclamar do governo prompta
int'-rv. nro neste grave objecto para que sejam
cojvenreotemente acautelados os interesses das
classes contribuiotes
Posto que nenhuma razo naja para suspeitar
da int> ireza da empreza e, por outro lado, i o
const"- que a renuncia da garanta j se tenha
tornado effectiva, tal inlervencQo toca a nteres
ses muito valiosos para que nao seja considera-
da urgente.
Se regular o que est anoucciado, se o pu
blico nao tem direito seoao s re-luc^oes que
vo ser postas em exeeucio, a palavra do gover
no dissipar toda a duvida, tcanqullisando os
cmtrinuintes pela conviceo de que pagim o
que devem pagai. ue i.utro modo coovir im
pedir tolo o excesso de despeza por parte dos
contribuintes, motivado por errnea interpreta-
gao de clausulas do couiracto.
Tanto quaoto podemos, diz o Jorual do Com
meicio, temnos ooposto umitas vezes a que por
capciosa ou dura hermenutica se aggravem os
onus imposlos s eraprezas. Coutracto dove ser
contracto, verdadeira lei entre as partes que
da sua honra acatar, cumprir e faier cumprr.
Nao desejarao3 menos, uorm, que as empre
zas pelo 3eu lado satisfacam pontualmente as
obrigagOiis que houverem aceitado, salvo as ra-
ras Djpotheses em que por acto legal,.inspirado
de bumgnid.de ou le equidade, taes obrigagoes
forem expressametite atlenuadas.
Na feira de gado, em Tres Corages do Rio
Verde, venderam-se de Janeiro a Agosto ulli
mos 18 283 boi.-.
Em Inglaterra formou se recentemente am
compaahia para.empretiaadr ^jj Jara esca.a
cor ti uiifciipirm *dai-ttn*i e.
E n Paaaga exi3 >: aa< Fraac
ttimaak) ekMWco.
e de procissio cvica, logo depois, compoudo se
o paattito paansrma j
rer-.*"
MU
pi o Silva e a ronda de visita ser feita por um
' Maano de cavallaaia.
*** batalhao das* aaamigo4a
,taarpoaainulBC,rDnij itBiii$M Me,r
mattbaoB In j fcafc,iade dos Aa*las
memora, noia184Ho(Co
odB
o** da rea
SfSaSfftSS^^ *" a3 ^as as respectivas
" factwdas na noite de boje.
Atm disso, ser de bam conselho que o com
lucrar pela persuaso. abri camiaho fo *ca e
apoJerou se dos oavilhOes iugb'zes.
Este su ceaso. que sosera bem apreciado quan-
do forem eonhecidos todos os seus detalhea, cau-1
sou em Lisboa urna emogao quase to grande
qoanto em Londres.
A despeito dos desgostos que s vezes sureem
da questo de partilha de inQuenc;a era regioes
onde o costurae e a aosse supnrara al agora a
existencia de convenios ioteruacionaes precisos,
Portugal, oaoo e governo. acba se animado do
sincero desejo de continuara maoter cora a lu-
glaterra as relagOe; normaes,..ou, para roetor
dizer, cordiaes de que trata a ultima nota de seu
aainistro sobre a questo do# terrenos do Zam-1
beze.
Essa nota foi elaborada no tora que convom a
um paiz que tevaas prmeiras e mais consideraveis
i'olooias africanas, e que nao >6 efeode o seu
oassado, mas tambera pugna pelo sen futtMO. E,
no eotanto, essa justa altivez faz equilibrio um
espirito de cortezia que compre nao perder de
Sendo os bitos de 1 .dia a 1 anno de
idade 37
De 1 anuo 110 64
i.e'O a 20 16
Ue JO a 30 31
De 30 a 40 17
De 40 a 30 23'
De 30 a 60 13
De 60 a 70 13
De 70 a 80 7
De 80 a 00 7
De 90 a 100 2
E com lio annos de idade 1
mero cerr suas portas s 3 horas da tarde,
para que essa classe tambera tome parte na
grande manifestago patritica.
E' preciso que todos vejara nessa Testa o que
ella realmente : urna prova dos senti&cutus
de frateroidade que ligara, e cao padm deixar
de ligar, os povos americanos, aos quvs esto
reservados altos destinos no convivid snlrersal.
Festa eminentemente americana, visa ella
'grandes mtuitos politTOs,que nao podem esca-
par aos espiraos de tlite da sociedade brazi-
I lera.
Conoeibu lltteravrio da instracc&o
publicaFunccionou hontem esse conselho.
em sessao ordinaria, sob a presidencia doBr.
v's,a- ., ... m a.! inspector eral, presentes os Drs. Franco de S
Em Londres estas disposigoes parecem m ^ gfEwJtomai Cicero Peregrino, Jos
compreb^ndidas p^la opiuio, HrtMMnM DLoiz Regueira Costa e professor Fragoso,
ca respeito de ludo qaanto attmge o P^igio j Jtfggl JJ^rf, du rjr. uTspectorem)
des
ignan lo quas os raembros que devem corapor
as differcntes secgOes no corrale anno.
Terram approvados os seguintes pareceres:
Da secgo relator o Dr. Franco de S, sobre
a petico dos mora lores dos lugares Cordeiro e
ue rumpre ODier ue ^-orlu^... ujw' '- Zmnby a iransferenc a de urna das cadeiras do
lirada de Serpa Pinto, ou romper com e e as re-1 geXQ tJemiuilI0 alli estabelecidas para um lugar,
lacOPS diplomat.cas era quanto espera amare* Unis prximo accessivd as enancas, cancluifldo
i'nstcz em qualquer recanto do mundo e o certo
6 que, se ha na imprensa urna viva eraoco, os
jornaes nao se declarara unnimemente hoslis.
0 Handard solicila do gabinele, de quem in-
le prete, energa e mais energa, acreset-oianao
que rumpre obier de Portugal o desabono ea re-
posta mais tpica anda sua ridiculas preten-
cOes. *
O Tnese o Daily Telegraph failam urna lingua-
gera que nao menos vehemente.
Outros jornaes, porem, como por exe rapio o
Morning fost, aconselham ao gaverao que jada
pelo defer nento.
Da sama peseta relator sobre as obras
Graramalica Portugueza de Len Lapagess
eManual dos verbos irregulares da luigua
francezapelo mesrao, conclunao uue apri
meira das referidas obras est no caso de ssr
precipile:e que alarde lua^aarrati va '-cumaUn- da e delxando de emUtir parecer sobre
ciada, que possa dar o devilo alcance ao aasump
to da polmica.
Nao ha mu to, o proprio Tima recordou o ac-
cordo internacional feito, ha alguns annos, entre
Portugal, a Allemanha ea Franca; e n'esse a;-1
cordo, estis duas ultimas potencias reconbeceram
ooxo legitima a extensas eventual das possessoes
portuguezas na direcgo do lago Nyassa. E' islo |
admittir que pdehaver presumocao era favor da
mese que o ministro dos negocio3 eslrangeiros
de Portugal su8t>-nta em sua nota de 29 de No-
vembro deste auno.
Era apoio dessalhese, o Sr. Rarros G).nes re
ierabra as expedigOes enviadas em dQereutes
occa?i6es, desde um seculo. pelo ^overo* ,por
tuguez, s regies situadas enlre o Zimb3ze e
o Nyassa. e a inlu'ti 'ta directa c eff' :t'Va das
autonda les^porluguezas de M-jgambique nessas
regies, influencia alias reconhecida polos via i
janies ioglezos Montagu Kurr eLivingstone. i
quem as autoridades portuguezas e os subdi-1
ios portugueses da regiao das costas e do inte |
rior dos dominios de Angola e Mocambique
prestaran] servicos e auxilio para sua exped-
goao internr. j
O Fo.-eign Offi:e. no seu Memorndum de 13
a segunda por nao ser ella destinada para o us.
das escolas, mas nicamente um livro de con
surta.
Da mesma secgao relator o professor Fragoso
sobre a petrgao do professor Sebastio Antonio
de Albuqueruue Mello, requerendo a transfe-
rencia de sua cadeira para a fraguezia da Boa
Vista, concluiudo que nao est no caso de ser
altendido.
Da 3 cego relator o Dr. Cicero Peregrino.
sobre a petigo da professjra Josephiaa Amelia
de Albuquerque. requerendo a gralicago de
mrito, concluindo que nao pode ser atteadida.
Da mesma secjao e relator sobre a petico da
profesvora Luiza Ce nentna Vieira de Mello re
! querendo a gratificago de 15 anoo. concluindo
j que nao se acba no caso de ser altendidae
l nio (omxrrrlal BeneOcente do
; Merciesroa A dir .tona dessa associago,
em annuocio
. n'outra secgo inserido. Caz um
ape.lo respectiva classe nao so para que feche
seos estabelecimentos ao meio dia de.hoje, como
para qne compare-gara os respectivos merabros
s 3 horas da larde praga Pedro II, aura de.
encorporados se dirigirem ao Largo do Palacio
, do Governo para acampanharem a nrocisa&o ci
de Agosto d-. l8b/, ji objectara Port jgal a re i", "" honra do Paraeuav
ra de oceupago eflecliva, adonUda era 188o V1C
ario de sua fun
yceu de Artsae
, que constas!, de
eir do estaiaMeci
folerane.
amaaMCarloa ttaassaa-jmossa
corrente, effeutna o Clnb Carlos Gomes o
sarao musical e dansante do crreme anno.
rrecuesta da Cato*No anno prximo
lindo, na parocba de Santo Antonio do Cabo,
foram registrados no registro civil
Nascmentos
Casamentes
Quitos
seu
22
9
221
i.\!M Sfilis E VKTES
A cleclcidade que j fez urna revolugo m>
trabalho de relinar o a^sucar, acaba de ser apro
veitada para curtir rpidamente as .peiles.
Q.irai!o aela pimoira vez se fallou em Fran-
ga em anplicar a olectrixidade ao coriimcnto, a
maior parle dos corlidures rec-iberam a notina
cerno inverosimi. Reilraetite pareca impossi
vel que bastassem mnle e quatro horas para cor
tir palles Mas intervierara noassumpto vario* \
cortidores de difTerentes nagOes, e depois de de
lido exame iearam conve:.cidos de que o corti-
mento das peiles por meio da elvctr.cinade era
um mete verdadeiro.
Neste processo collocam se as pellos emgraa-
des cyiindros que gyram -sobre eixos horicon-
taes. A estuf>, dentro da qual estao collocados
estes cylmdros. se eacbe de una dccocco de
materias tauinuB, e li.'a depois feabada, cavkra-
do-se eolo por toda a estufa ama forte corrente
elctrica, ao p-i.-so que conlmuatn gyrando os
cyiindros sobre as quacs estao as pellos, e as
slm se-segue al terannar o cortimeoo.
Varia o espago de tempo segundo a oalureza
das peiles. As.mais ligeiras, .como as de cabra
e de carneiro, que antes, precise asas de tres a
cinco rneze* para serem cortidas, agora pelo
processo elctrico bestam apenas vinte e quatro
oras. As mais grosaas, como as do vitellas.
bois, vaccas e cavallos necessilam de setenta e
duas a noveuli e seis horas, emquanto pelo ve
Ibo procesao algunas precisavara de doze me-
zes!
Assim o custo da pro luego tica extrnordina-
riamente diminuido pelo moderno processo, al
cangando-se grande economa de tempo e de
trabalho. calculando se que o custo obleni urna
reduegio superior a 30 por cento.
Quando para cortir pelo processo aatigo urna
cena quantidade de peiles se ueceseita utna
forga de cinroenla operarios, pelo novo invento
se coosegue o inesmo resultado apenas com
quinze homens.
Con o processo elctrico evita-se de ter mer
golhadas as pelle3 nos tanques por longo espago
de doze mezes : as peiles compradas segunda
feira, cortidas e promptas eslo no saubad;
para se realizar a sua venda.
E' e-p ntoso, mas urna realidade.
De que modo a electricidado e?euvoive a
sua aego. anda nao esto todos conformes.
Uns diz. ni que obra directamente sobre as pel-
las, outros que sobre 33 materias taninas dan
do Ibes propriedades muito mais activas, e ou
tros dizem que a corrente elctrica faz a gelati-
na muito mais solavel de modo que permute
combinar-se muito mais rpidamente com as
materias cortidoras.
O profejser S. P. Thompson, oue eiaminou
o processo diz que o effeito da electricidade
de abrir notavelmente os poros da pelle dando
assim mais fcil accesso s substancias taninas e
* permittindo qne sua aeco seja muito mais r-
pida e efficaz.
Ha fundadas razoes para acreditar estas ulti-
mas explu-agoes. pois que se tem observado
que o eouro multo mais uexivel, o que denota
que es poros seabriram mullo mais e as sub
staacias taninas se inriltraram tambem mais.
Em Inglaterra c na Franca, onde o capital nao
f oge da industria, chegou-ee imraediatamente a
aproveitar as vantagens do novo invento.
pela conferencia de Berlira ; ao qne responda o
Sr. Barros Gomes que essa saneco da tomada
de posse so dizia respeito s cosa*.
Demeia, a recente not do governo portuguez
falla das expedig-.'s de Antonio Mara Cardoso
essas regiOes contestadas que determinaram
a vassalagem de grande numero de cueles ind-
genas e especial aente a do sullo Makaogira ,
e bem asaim falla essa nota das. viageus de mul-
tas res iadigenas Quilimane, onde forara rece-
ber baodeiras portuguezas, e do estabelecimen-
lo era M'ponda. ao sul do lago Nyassa, de urna,
misso subvencionada por Portugal.
'essa argumeotaco ha .de certo materia pa-
ra exame. Foi telegrapbado de Lisb a para a
independencia Belga que, logo que a misso do
raajor Serpa Pinto foi conbecida era Mocatnbi-
qae o Sr Johnson, cnsul ioglez nessa colonia
portugueza, pedio un salvo-coa lucio s .autori-
dades portuguezas, e foi protegido por esse sal-
vo conlucto que elle conseguio penetrar al a
regiao dos Mokolos. ganhando-os a toda pressa
para o protectorado iuglez e excitando os de-
ter Serpa Pinto.
Se esta rerso for confirmada, o acto de Serpa
Pinio ser ipso fado explicado nao como atten-
t id. contra a dignidade de urna nago amiga,
mas como simples resistencia s intrigas de om
agente zeloso demais.
Assim, associatno-nos plenamente ao conse-
lho de sangue fri e de bom seu so dos jornaes
iojilezes, qae querera que se espere ura relaiorio
circurastauciado nao s sobre o lucio, mas.tam-
bem sobre os seu* antecedentes para se tomar
enio urna resolugao.
O mais imperialista dos-ingleses nao po-
rtera sustentar qne a Gf Bretauha licar araea
eada por causa de um adiauento, que permilti-
r mclhor apreciar e com tola equidade a
qaesto.
Era bera mssmo dessa quosto, pendente en-
tre L -mires e Lisboa, importa nao seja sacrica
do o prineipal ni -idate.
O governo inglez nao se deixar de certo ar-
tas lar pelo incidente Johnson-Serpa Pinto, co
rao, nao ha muito, se nao deixon arrestar pelas
reeamac0e3 da com.oanhia de e3trada de ferro
de Delaga bay
Os fortes preadem-se honra de serem duas
vezes equitativos.
REVISTA DIARIA
iia Honra do Paraguay- -Toado o go
vifuo da Repblica do Parjguay festejado com
desusado espen or o advento da Repblica dos
Estados Unidos, do Brazil, assim demonstrando
o alto apreco em qne tem as novas inslituig.-s
creadas pela revlugao de 13 de Novembro do
anno (indo, re3ol?eu o governo provisorio do
Rio de Janeiro testemunbar a .sua gratido ao
povo paraguayo por aquellas festas, fazendo por
8:ia vez mantfestages festivas ao governo e povo
daquella nago amiga.
Nessa inenco, telegraphou aos governadores
dos E -lados confederados para que se assecias-
sem s referidas manifestacoes, convidando to-
das as classes das respectivas sociedades a
a'sompanharem-n'os, tornando mais brbaotes e
mais solemnes as festas em honra do Paraguay
Ogovernador deste Estado, o bravo general
Jos Simeo de Oliveira, assenhoraando-se da-
queile pensameoto de fraternidade americana,
destinado de certo a cimentar a amizade e res-
peito que de vera assignalar os povos deste con-
tinente, determioQU que taes fustas tivessem lu
gar boje, e, para lhes dar maior brilho, deca-
rou feriado este dia.
As feaas constaro : de grande parada no
largo do Palacio do Governo, s 3 e 4/2 horas
' da tarde, formando toda a guarnicSo da praga ;
(ora .anliia Peruamuucana Teve
aale-boulem lugar a reuuio dos accion'isUs
d'essa comparrhia, convocados extraordinaria
mente para a discusso e approvaco dos nevos
estatutos.
O projecto apreseotado pela commtsso com
posti dos Srs. anoel Joo de Amorira, Arthur
B. Dallas e Dr. Tolentiuo de Carvalhojoi apjiro-
vado, com pequeas aiodiftcagos apresentadas
par diversos accionistas.
tHlrouonia Popular Fomos obsequia-
dos pela Livraria Quintas cora o l" fascculo des
sa importante obra de Camillo Flammarion, que
a Companhia Nacional Edictora est dando es
lampa, vertida en portuguez, por distribuico
de fasckuio-em 8o grande, de 2 folhas de pa
gtnas, ao prego ae 300 ris pagos no acto da en
trega-
A Astronoma Popular ura Itvro precioso e-
comprehende a discripgo geral do co, illustra-
da com 360 gravaras, estampas cnromolytaogra-
pftadas e mappas sideraes.
A obra cousiar de um volume de 900 paginas
approximadamente, e credora de figurar em
qualquer bibliotheca; pois, como se ais em seu
prospecto, como que urna crystallisago dos
grandes principios demonstrados e estabelecidos
pelos mais paaetrantis investigadores da cien-
cia dos astros; representa a transformaco dos
mais arduos e intrincados problemas em verda
des de evidencia acsessivel a todas as intelligen
cas, a propria luz do genio dissipando asoe
bulosidades que envolvem as regios transce-
denies e sorprehendendo a mecnica celeste em
pinna aclividade
Os corpos que fazem parte do nosso syslema
planetario, apparecem alli com o seu pe.-; evo
fume calculados, a sua conliguraco tragada, de-
ternudada a sua posigo e medidos os seus mo
vtmentas ; indagase a sua origem, analysa se a
sua constituigao, persorula se o seu ver. apre-
cia-se a sua influencia e vaticinase o seu flm,
[ ludo orno rigor e a apreciagio e a eloqaencia
dos nmeros.
Poder, porventura, ser ndifferenle bumani-
dade o conbecimento da trra, que nos habita-
mos e nos foi berco ?
Uaveralguem que se nao interesae pelas con
quistas qua a sciencia tem feito incessaut-menle
e cujo resultado 6 patentear a nossos olflos os
mundos que povoaui o infinito ?
Por certo que todos anceiam a posse de taes
conhecinentos, morraenle quando ellos podem
ser adquir 103 sem esforeo, nem sacrificio, as
cot.d:ges em que 6 feita a publicarse ,,.
Monto Pi dos Voluntario* da Pa'
irlaDevem boje reunir se, na sede da as-
sociago, s 3 horas da tarde, todos 03 Seoies
para tns de que tem conhecimento.
Club do CaladoresHoje, s 7 horas da
noite, reune-se esse club carnavalesco em sesso
de assembla geral.
ervlco militar-E' hoje superior do dia,
o cidado capito Pedro Velao e a ronda de vi
sita fela por ura subalterno de cavallaria.
O 14 btalho dar o ofticial para guarda
da Thesouraria de Fazenda e as guardas da De
UngSo, Palacio, Enfermara e Thesouro Provio
cial, e o 2o do Brum. Alfandega e Thesonraria
de Fazen ;a.
Heje, s 3 12 horas da tarde a Fortaleza,
do Brum.dever dar urna satva de 21 tiros, para
lolemnisur a marcha cvica com que este Estado
vai commemorar as demonstragoes de s^mpa-
thia e gratHo externadas pelo governo da Re-
publica do Paraguay, por occasio do advento da
Repblica dos Estados-Unidos do Brazil. {
Foi determinado.
Que o 2 batalhao de infantaria remora da
Fortaleza do Brum para o Estado-maior. o 2 ca-
dete 2* sargento Bartbolomeu Eugenio Muniz
Wanderley, que tem de embarcamara a Capital
Federal no dia 17 e bera assiaro V cadpte 2
sargento Olyrapio Nunes L ns da.3ya.
Que 0.2 cadete do 27" de inratafia,que| veio
do Estado do Rio Grande doNorte, tmtnipdan
do os recruta que se destinara ao sul dej es
lar DTOmpto para regressar para aqneUBfado
na primrtra opportunidade.
Amanh ser superior do dia o cidadio ca-
221
Delxaram de ir ao registro os onterramentos
eitos nos cemiterio3 de Jussar, Arariba de Ci
ma, -. Braz, Utinga de urna, Cajabuss, Naza
retb e Sant'Anna. assim como mais de 100 casa-
mentos celebrados no povoado Paiva.
inclasMlucavel Hontem, pou-o antes do
meio du, pascando um eavalheiro acorapanhado
de sua sennora e ura llilhkilio pela ra Daque
de Caxias, i a altura do predio n. 41, foi iounaa
do por agua infecta e soja que araram ra
naquelta occ siao.
Tal ta:to nao tem class.Gcagao. Mas para
uesejar q te apparegara ir..vi ieacias eicazes
HepubUran -E um dobrado novo, que
bijc por i.cuasio di passeuta cvica ser locado
peta msica do 2 batalhao-de infantaria
BrutaUdadeNa 3' feira noite um prelo
mal irajttdo, na ra de Gervasio Pires, espancou
a um menor que all eoconirou ; e saiisfeiius us
seas itirtttncios brutaes e covardes, seguio cimi
ubo e foi-se sera mcummodo algum, mis apio
pararep oduzir a f.iginha.
1 nio Acadmica Faz ses-ao hoje as
10 ti.irus do Uta essa sociedade. para discutir os
respectivos esUtutos.
Juimo de paz da Boa-Vista-Por ser
o dia de boje feriado, o juiz de paz da supra
diia f eguezta trmfeno para amann, 17 do
correute, a sua aadi -ocia ijue tera lu^r bora
da costume e na ponto ordinario.
Para o Vio de Janeiro Embanca :\.>y
no paquete Aralo, cora destino ao ido de Janni
ro, o Or. Liudolpho'Hisblio Correa de Arauju.
diguo juiz substituto uesta cap al.
Agradec-ndo lhea visita de despedida que nos
fez desfijamos-1 he prospera viagem.
Ejercicio de rognO piquete de ar;.i
thana, ltimamente vi.ido o Rio de Janeiro pa
ra este Esiado. Tez horneo a tarde exercicra .le
ogo, no largo do Palicio d> Gaveruo.
Commerrio fechadoAssociaiido se s
testas em Honra do Paraguay, as AssociagOes
Cjmmercial B neticenie e Coranercial Agrcola.
as Companbaas de Segunw, es Bancos, e oulros
e=tabelecimeatos com nerciaes resolveram con-
servar hoje suas porus fechadas
E' uraa razo de mais para que todo o com
.uercio satisfaga o pedido que n'outra local Ihe
ltrigiiuos;
Ferimento araweNo termo de Flores
ta. c no oi.i 26 ue D zembro ultimo, pelas 8.no
ras da manila, Benedicto Freir da Silva Coigra
vem ule fe n do por Manoel Aunibal Al ves Canta
ret. Antonio Pires de Carvalho Belfo rt e Jat de
tal, eornie:ido por Jos C'tneUa, o> q;jaes contra
uquetle dispararam dous tiros de pistola.
Os deliuquerrtea evadiram se. A polica local
abri rrqueruo.
Aasalna(o Cerca ue 9 horas do da 12
do crreme, no lugar,*itngj, do termo de Qu-
papa, dunoel Manadiio s.-uissia.iu .com setef
cadas a Antonio Jos da Suva, cagnomiuado
tiorboleta.
O del nquente foi preso emilagrante.
CadverTtiomaz de Aqu.b Bezerra e Jo
s Victorino da Roma Bezerra, .leudo eje jotra
4/do as praias do istbm de Olinda o cadver de
urna niurher,eiteTraram-n'o. sem-.mais formali
dade, as circumvismhangas da fortaleza do
Brum.
Informado disso o sublelegalo da parochia
de S. Fre Pedro Goncalves.fe extmmar o referido
cadver nontem ; e reconhecido ser elle de Maria
GulJiua Miquilioa, .viuUma do sufragio da bar
caga D. Maria Cesar, facto de que hontem nos
oceupamos, maniou trauspertal o para o cemi-
terio punlico de Santo Amaro, onde foi elle dado
a sepultura.
i a si i ii i o doa profeaaorea de Per-
nAmbucoEsta sociedade celebra boje,
bora do costurae, sesso ordinar, para tratar
de negocio de.Ulerease geral des professores.
Basado ida Ceara -.Boi nos bon'emmios
irada.conautQriaco para puulicar, o segoiat
te.egnanma, do Estado do lloara, em o qojl,
se d atraa noticia de ter alli chovido e fte
cbar reauoiada a populago ;
Ceatr, 13 de Janeiro.
Ao cidado Dr. Martias Jnior chele de po-
lica de Peroambaeo. .
T-mi chovido copioearaente nesta cidade.
De diversos pontos ligados pelo telegrapho
liegam ootieas aniniadoras. 8 eewtefio
;overno.A. Tnomaz de Luna Freir.
.Peatade Nosaa leutioniioPaicm
arogadoa -Acaaudo se em concert a poote-j
de Afogados, e impossibilitado o transito de ye
Inculos por aquella ponte, fot por osse motivo
transferida a -festa de Nossa Sennora da Paz de
Afogados, de 26 do correte para quando ff an
uunciaaa. "
l nio *t-a de mica-Hoje ha ver sessao.
s 10 horas do dia. em um dos salaas da,AQade
roja, Para discusso de estatutos, e tratar se de
urna mportautecommunicago que tem a fazer
o prndente, relativa a todo o eorpo acadmico
perante o cidado ministro do interior.
<;rnmio Becreatlvo da Berife .V .
domingo prximo taz,a sua sessao de abertura
esse Gremio ra da Restaurado, antiga da
Guia n. 38, onde acha-se provisoriamente instaU
lada. ,
A directora desde -Gremio coxnaoadte dos
mesmos raembros. cuja ejeig^em lempa le
publicada, excepluindo o*> sedretarie,, queruei-.
xou de pertencer sociedade.
Aula nocturnaAniinhi, pelas 7 horas
da noiie e ra do Visconde do Rio Branco, an
liga da Aurora n. 37, abrir-se ha urna aula no-
cturna para as mangas pobres do fexo mascu
Tino.
A matr>cttiajgflba-se aberta at o lim do cor
frente me;, pduendo 03 pas, tutores ou earre
galos dosmeoiBOs, dal-aa^aaBSffipgao^tes t es
9 horas da noite, na sdnflh araii.
Preclaa correcaaoPedem-no
cacao dai seguintes li'nhas:
Chamamos a atteogo da autoridade compe-
tente para o que noite, constantemente, ge pas-
sa na pracn de MacieU Pinlieiro.
O individuo Luiz de tal, sempre empatado
de embriaguez, insulta os transentes ; e uto faz;
em.altas vozes, expondo um repertorio ewaor
dinariamente ramoral e obsceno.
Para moralrdade esperamos qae a polica to-
mc-o sua conta, afim de nao mais se repro
duzrem scenas to desagradaveis..Algw'^a-
citntes.
O preco do aunucar e o. krai
Bancos de eaiiaao obre b
tallicaAcerca de taes assuniiitos. 0
gerente de no3sa Sociedade -Auxiliadora .
cultura acaba de dirigir nos a carta infra.
Sociedade Auxiliadora d'Agriculura4m li
de Janeiro de 1890. Srs. Redactores : -Depois da
ultima carta, que lhes tenho dirigido em 20 de
Oulnbro prximo passado, dBram se, oa outr'ora
corte do Imperio, suceesso3 inesperadas to mo
raentosos e prenbes de gravissjmas consequencias
para o faturo de nossa patria" que os leitores da
Revista, me perdoaro a demora que Uve em no-
ticiar-Ibes os factos, tambem inesperados, que,
verificando se do ootro lado do A,t}antico, deram
lugar a que os preces do nosso principal genero
de exportado barxassem muito aquem do limite
que eu indicara, ns minba caria de 22 de Julbo, o
mais bateados
islas
de acenrdo oa
da Europa.
B iseaaab. as asa< pratiaOes flbre a-patente
insuflicieatadosdBaosuos i-xisfsHes ao firu da
safra pasuda e aMaeaBas noraiaes do era
sumo, caiaabn-.ia -Mes. ae em i" de Butubro
aam Mes, a>e e_
achr-se tan itaea ahiposMas redaaiaos a menos mpmmr. qne oBaneo Jlac;
de 200 railanelaBra, e qaes peontao aozmento- pitaas fstraajfeitos oaa q
da safra datetteaMa d
inad-i pala maior
extenso oBb siaBntaglM^naovnia u
para reconBBMtwa.
Entretant,"-reduc5ao Ho con?umo, ou mais
propriamente das compras para o consumo, de-
terminada pela alga vertiginosa devida s mano-
ares do Sytidicato de Magdebargo, ba sido tal.
no3 mezes de Julho, Agosto e Setembro. qne ex-
cedeu de 300 mil toneladas; ue tal sorie, que
em t de Oulubro os depsitos, embora anda
permaoecessem inferiores nos existentes na epo-
.:ha correspondente de 1887, excediam os de Io
de Outubro de 1888, desaoparecendo d'est'arle a
probabilidade de inmediata e nota vel alga dos
pregos.
Nao tinham deixado os especialistas de con-
tar com tal qual retrabimentaat^ compradores ;
mas commetteram o erro de consideral o de pou
ca monta, e outro facto,queelles n3o podiam pre-
ver, veio, no ultimo quartel do anno. accrescen
tar mais outro obstacaloa subida. H-iviam el les
calclalo a importancia da actual safra de assu-
car de betteraoa, tomando por base um rendi
ment cultural medio e um rendimento indus-
trial igual ao do anno precedente ; ara, logo no
principio da safra, ambos apresenta'am ex'esso,
e a persistencia, em Outubro e Novembro, denm
tempo hmido e queme favoreceu de tal fruw
as beUerabasanda em ierra, qne o rendiraenio
cultural subi na propirgo deizO "la.
E'certo, que lenelhante augra -nto da quan
ti dade s poda ser obtido a expen-a da quuh
.la i. ; e a in d'isto, o rendimento.industrial bai
xou de 1 at 2" para as betteraoas j fltflo-
todas, que crjaram ovas albas a custa do assu
car que conttnham; mas. em suinnu, o resultado
linal da safra de suppor seja superior ao da
precedente era 400 a 500 mil toneladas, si as cir
cuui-.UiiicJ.is niel orologtcs forera conformes a
est a gao raverna'e nao continuar a vegetago das
bette abas ensilotados.
Cora ludo, o profrlo Mr. Licht. levando em
cania o auaawoto.de cansamo, quedeve resultar
los pregos acluaes, nao acba.quesemelbante ex-
cesso ile'.'Tian' nata ilepivs*i p ;* prouubili
dadas sao antes p.H-.a*ui)ida uwesra^uwa. Taes
pregos. pelo que diz respeito ao nosso n. 9, tm
osullado, do raeiado de Outubro a Ura de Deieai
bro, nos raer-ados de Londres e Liverpool, eutn
Bdtanco dadBs e daa#ai8-Baixo8, sob cojos
aoapicios foram emitadas aa praga de Parta as
s do Baa do r. Casae de Figueirdo,
*etrahiaab-ee ataaelaMBie; ao consta qae
ns acciomsUs^arisiaBBesaBBBm completado a
a*e udvez nana priaara pwatago ; sendo licito
privado dos ca-
ntara, e diante da
ili :ade, de aaeoeae *;r consciencia, de
de effectiva
11 s. 3.d. e 12 s. jorqniotal inglez (50.78 kdos)
e no de Nirw-Ye-k ent^e-* c. 7,<8 e 5 1/4 po
liir.i. As ultimas colagoes [\ de Jaoein.) l'orain
nos mesmos mercados de 12 s. 8 e '> 1/8
que corr> spondem. aqu para o agricultor, ao
.arabio dv 27, a 1*300 por 15 kilos.
* E' certo nw. para o maior nume.ro .le no.--: -
ugricol oes, l300 nao compensara nem os hh-
i s da pro du ea > ; mas felizmente, a cessacao.
hoje inevaavel, ila :errente de cipial e*traaei
ro. que te dous.annob para c trouxe, co.n a a'ga
artiticial do caraoio, tantos prejuizos aos no-s..-
producmres de assucar. caf, alodo e mais &f
eros de exportago, ha de recodduztr, con ra iis
ou menos demora e oscilUges. o valor externo
do nosso meio cir raanle nacional.ao ni-vui aur
cado pelaiiossas rCaJBStan3M econmicas.
proporcionar aos nossos agricultores, com raaiq<
prego local de seus productos, auxrli) mais eli
enz e real, que o dos emprestimos, to rui losa
mente apresado pelos dous nliimos gabinei. s
da extracta mouarehia, e que to inygnilican
ha sido n'esta ea-jciia la parte da trra da Santa
Cruz.
A nao querer o actual governo, o que all-
nalo seria to fcil como d'aotes, nem duradou
to, promover, a cusa do thesouro publico, ira
portago-'s artifiaes de uro, o resu lado cima
indicado fa.al pois a ailud la correo e de ca
mal europeo era a causa nica di susieotagao
lo cambio acua da laxa que cncontrou o .falle
ctdo conselieiro Bolisano ao turnar conta da
pasta da fazend i, e que corresponda ao premio
de que gosava o ouro naqueila p-ie i. eatre os
nossos visinlios do Uruguay, do Chile e da Re
publica.Afiffenliaa, cujas circumstancias econo
micas eo anlogas s nesgas, e., di misma for
ma de que nos. por maior que sejara saa pnos
peridade interua e a importancia de ana expor
lago, nio podero raanter urna circalago me
uiica ou mixta era quanto forera trbuiarms do
estraagci'o para amor parte dos artefactos de
que precisam
A importago continua de capial europeo,
que assignalou os annos de 888 e 1883, nao po-
da ser permanente, e linha de cessar mais das
meaos diao, trazendoa final, como coosequencia
dirigida, a volta do nosso cambio a seu nivel
normal, e desde logo "a liquidago forgada das
innmeras empre3as suscitadas pela febre ouro
pretana tilha do decreto de n 10,232, sem ex-
ceptuar esses Bancos cora emissao sobre base
metaflica, verdadeiros castellos de cartas, com
os denomine! quaado, na minha remessa de 20
de Oulubro, puolicada no Dwrw de 23, mostre
as pr>;vaveis e lamentaveis consequencias de lo
insensatas construcgO.'s.
Feliemenie. antes qtie-o mal se tornaase ir
repara*el, o prenunciamerrte> dlo de Novera
bro e os factos que seguirn no. apressando a
hora o retrabimento do3 capitaes europeus,
vieran mostrar, arada em tempo, a fraquesa da
twse sobre a qual o Sr. de Onro-Preto levantara
o seu monstruoso edicio flaanceiro; e derru
bajido o at os alicerce3, salvar as nossas
nanga de um cataclysma moneUrio e do cur
so furgado da circulago bancaria.
Podem os agiotas da praga do Rio chorar o
dfisapparecimenio dos lucros que pretendiam
^uferir da desgraga puplica ; mas todo o orasi-
hro amante de seu paltaeve asgra.lecer a Divi
do-Piia Providencia, que man%8tando-se na hora pro-
pria, e quaido de qualqudV demora resultanam
incalculaveis preujiaos, presl|j-nos grtuttanen
te servigos.relewitissiajos, evidenciando a ina
nidadeda ilinsao acariciada por todos os nossos
Hoaooeiros officiaes, de urna circalago Gducia-
na conversirel'am metal e sua incompalibilida
de com ae no isas circumstanctas eeonomieas, e,
palo raevitavel desapparecimento dos Bancos de
hitro metajlico autorisados pelo decreto den.
10.262, deixao K o campo livro a constituigao
do crdito sobre a base nica que componam as
nossa peculiares condigoe3 e em pro da qual
estoapeleijando a mais de 20 annos, a de erais-
soes garantidas por deposito de apolices da di
vida publica, mo sao as tos Bancos naeionaes
das -Estados Unidos da America do Norte e da
Repblica Argantiua.
Morios cobo esto a bem dizer no nasce
dquro (pois aflu podero mais nem completar o
seu capital de garanta nem manter a conversi
kilidade das notas que por venUra queiram emit
tir) os Bancos metallicos cujas trplices emis
soes meacavam nos com verdadeira -inuodaco
de papel liduciario mal garantido, e 9bsemente
calacly3ma monetario, s mi9ter, para Iicar o
terreno financeuo completamente desembaraga-
do, aonullar o contracto leoaioo lavrado em 2
de Outubro com o chamado Banco Nacional para
o resgate do nosso papel moeda, e cuja clausula
8a dispensando o mesma--anco, em caso de
guerra, revolucao, irise pouiica- ou flnariceira,
a oerigtjao se trocar as .suas notas por ouro
lente (wanterna crrwriacao I iii^aando
oanvaMaiilidade. onssaKaB dar por nullo o
coitranto de 2 de Outubro, e, caso se mostr re-
calcitrante, nao falta rao ao governo meios legaes
de cllegar ao mesmo resultado.
Devo accrescentar a exposico cima, que
nao to soraenle no ponto de vista la liquida-
gao dos despropsitos financeiros do Sr. deOuro-
Preto, que devemos regosijar nos da cessago da
corrente de ouro estrangeiro. Dita corrente, en-
carada em relaco ao progresso e desenvolvi-
mento do3 re-airsos-naoonaes, nao nos deve dei-
xar san ades, .pois, ao contrario do que se Jiz
geralmente, a importago de capit. es extraaos,
de que prwciso pagar jaros qualquer que seja
i) seu paz cujos comproassos com o estrangeiro vai
lomando cada BBMBBB e*ais. Tenno mostra-
do repetidas vew9 qne o flesnprdrvinenio do
crdito interno pela mobilis-co da divida pu-
blica pode e deve proporcionar nos os meninos
resultados era relago ao progresso e mnltiplica-
go das eaprezas uleis sem a obrigagft. dos ju-
ros a pagar aos capitalistas europeos e a depen-
dencia quedella resalta.
Nao foi com capitaes europea^, e im com
o desenvotvimento do crdito interno, que os
Estados-Unidos da America do Norte, partindo
do mesmo ponto que no-, tem conseguido, em
menos ue un seculo, exovder em populago e
riqueza a mor parte das velhas nagOes do antt-
uo soatinenie.
J tinha.escripto o que precede, quaedo li
as txplicagOes dadas pelo Baro de Penedo acer-
ca das duvidas occorndas a prop.sito da rtali-
sag. das presuces do nosso emprestimo de 30
de OuMbro do I*,'e remato ea j por de-
mais extensa cana, fazendo votos para iue 0
digno governador de>te Estado aproveite o re-
trahimento do esiaheleciiueuto coatractudor e as
dvidas que .ipresenta era .-atisfazer por ora os
pagamualos contrastados, para, de conraum ac-
cordo, daretn por uullo o mesmo contracto, cu-
tas consmueucias funestas pira as tironeas per-
narabucaaas evideniiel ca;ament no Da.to de
23 de Ou'abro de 1888 Aqui fago poni, Srs.
redactores, continuando i*er de V. Ss. amigo
e venerador o .ngado Henrique Augusto Milet.
r; eto -I laa i> ponunde PrrnamDara Kec-
li d latid' li *0
un) meteorolgico
to de suas aotas uas estaees publicas e preten
da proseguir no illasorio- resgate do aosso papel
moeda para fruir os Wjlrb'e jur03 e atnortisa
gao.
Embora apadrinhadasBB^perto pon'.o pela let-
tra^o contracto de 2 de Outubro, ambas as j>re-
rencOes sao insustenlaveis ; j porque o u. 5 do
l do-att. i da lei le 24 de Novembro, combina-
do captbjrtigo ft**HEmesma lei, nao admitiera
cisoS'etn que a recusa, por parte de um Banco de
fundo raataliico.jte trocar suas notas por ouro,
deixe de ser fatldarneiito legal para a liquidago
forgada Jo messtf Banco, e nao podia o contrac
to derogar **4ei; j porque a raanutenco da
convertibilidade de saaS-Uotas para o Banco
Nacional coatiigo esat8*cia! do re.sgate do papel
moeda, e nao se pdajdmiUr qn* o Estado pa
gue ao Banco 4 OjO Tapiros e 2 0|0 deamorti-
aagao, to smente para ver o-scu papel suban
luido p< r outro taajjpem nconvertivei e menos
garantido, e felicitaros accionistas do Banco u
rnais quesjt^ggf conceder ao Banco Naoonat
do o qual ftcaria,rascendido?l ^Kto de 2 de
Ontubro, e retirada a facuidada amissora conce
dida pelo dearttto n 10,309.
' Comtudo;naoachoprovav*^KoBancoNa-
ionjl procure sustentar semelhantes preteogoes.
------- a
Tenaao o
rlwa- s .metro a- do vapor
m
6 ra. 26". 1 757-77 20,32 80
9 39.3 7S8-75 20 77 67
12 30 A 758-71 21,18 65
3 1 29 ,6 757'44 20 01 M
6 i i7",>-l 757-bl 20,01 73
Temperatura mxima30,"73.
Orla rainima-23. 50.
Evaperago em 24 horas: ao sol-7,_8;
omora3."9.
,.rava 22,-0
Direcgo do vento : E, ESE e SE alternados
i ura ate iodo o lia.
Mocidade media do vento1,-96 por se-
{ucao.
Nebulosidade media0,"67.
Boletim do porto ___________
2 Oras lloras 1009 da nranb 429 da tarde 10-47 5 -09 da manha Altura
P. iM. 8. M. P.. M. li. M. dide Janeiro s i' de Janeiro 2-,oe 0-,93 2-0 0-.84
;-iai-* -;-il'j iua.--se-no os segrales
loje :
Pelo agente Gusmo, s II horas, ra da
Inperatriz n. 15, de movei3, quadros etc.
Amanda:
Pelo ageute Pinto, s 101/2 horas, ra Sele
de Setemoro, de um piano, bons movis, espe-
raos, eic-, e 3 ra do Bom Jess n, 45, de
predios.
Biaaa fanebrea Sero celebradas:
Hoje:
A's 7 1 '2 horas, na matriz de Afogados, pela
alma de Ioaquim Jos de Siqueira; as Sboras, na
matriz da Ba-VisU, pela alma de Jorge Clemen-
te de Borba avatcaote ; s 7 horas, na matriz de
Santo Antonio, pela alma e D. Gttiluerroina
Amalia de Souza Bezerra.
Amanh :
A's 8 horas, na igreja do Paraizo, pela alma de
D. Carolina IsaOel Lins de Barros; s 8 horas,
na matriz da Boa-Vista, pela alma de Jorge Cle-
mente de Borba Cavalcante.
i'H Noroaha no vapor nacional Una :
Claudio Dubeux, Antonio Leonardo de Mene-
zes Amorim, Manoel Jos de Oliveira Lima, 2 tna-
noheiros da Alfandega, Anna Maria da Conceigo
e]3 lilbos, Anoa Thereza de Jess, Umberina The-
vza de Jess, Maria Joaquina da Conceigo e i
tllho, Sabina Maria da Conceigo, Mara Joaquina
da Conceigo, Amonio Ferreira, 20 pracas, 1 in-
ferior e 47 sentenciados.
Sabidos para o Sul no vapor nacional Prin-
cipe do Grao Para :
Manoel Dias TavareB,.Antonio Siqueira Mello,
Josepha da Conceigo, Arthur da Barros Pimen-
tal e Hermenegildo de Lima.
casa de neusncaoMovUn:nto 003pre-
os da Casa de Detenco do Recre -do 'Estado
de Peroambuco, era 14 de Janeii o e. niu)
Exisuam522 ; entraram 10; sahiram 21; exis-
ena.
A saber:
Naeionaes 453 ; mulheres 19 csiraageiros 9 ;
-Total 511.
Arragoados 455
-tons 424.
Doentes 27-
Louoos 2.
Laucas 2.
-Total 45o.
Movlmento da enermara
Tiveram alta :
EnedinoJ^s Paulino.
Manoel Jos de Santa Anna.
Foram visitados os presos deste esiabeleci-
mento por 226 pessoas sendo 82 horneas e 144
mulheres.
anta CasaDa nota infra ver-se ha qual
foi o pessoal dos enfermos e educandas a cargo
da Santa Casa, no mez de Dezembro de 1889.
Hospital Pedro II 411
Dito dos Lazaros i5
Dilo de Santa gueda
Hospicio de Alienados
Asylo de Mendicidade
Collegio das Orphs
Casa dos Exposlos:
A saber :
Em criago fot-a do estabelecimmto-
Em educago ao estabelecimento
111 'B?-,
Tolal 1 43t
Hoapltai i-euro u -O movimente deste
suibelecimento de caridade, no dia W e Ja-
a-iro foi o seguinte:
Entraram *
7
0
^J-4i
Sahiram
Falleceram
Ejuste*
Foram visiudas as respecrjvae enferuiarlaa
jelos Drs.-
Moa coso s 8 1/4.
Cysneiro s 91/2.
. Barros Sojnauo s 7 1/4. -
Beraido s 10 3/4.
Malaquias s 10 1/2.
Pontual s 9 3/4.
Simos Barbosa s 101/4.
0 Dr. Estevo Cavalcante nao compareceu-
j cirurgio dentista ama Pompiho a9 com-
pareceu.
O pbarmaceutico entrn s 8 1$ da macha e
-iiiiosa 1|2 da tarde.
O ajudanie do pbarmaceutico entrou 4s 7 1/i
iihio s 2 1(2 horas da tarde.
\:
i-

-

*. -
K:
ty-i '4

-.V-i ';



Diario de Pemambuco Quinta-fwa 16 fie Janeiro de 1890





r

*' - 4

-




" 1
* "

tersa ao Ora* nrt -Eis os premios
-da 4.* serie, da 34. loteas do Grio-Par, ex
trahida e 18 de Janeiro tle tHO:
631 flrOOMOO
4658 6 000*800
1667 3:000*000
831 1:1004000
330 1:9004000
AfraOXXHAOBS
630 6064000
6M 600*000
4657 300*000
4659 300*000
166 180*000
1668 180*000
Estao premiados cora 600*000 os seguales
nmeros:
4130 59J1 7127 7644
Eslo premiados cora 300*000 03 segnintes
numero:
1373 2890 3050 6935 7673
Esto premiados cora 120*000 os seguales
nmeros:
632 633 634 63S 639 637
638 639 640
Es&o premiados cora 60J000 os seguiotes n-
meros :
4651 4654 4653 4654 4655 4656
4637 4659 4660
Esto premiados cora 30*0u0 os segrales na
meros:
1661 1662 1663 1664 1665 1666
1668 1669 1670
Todos os nmeros terminados em 31 eslo pre
miados cora 60*000, excepto o da sorle grande.
Todos os nmeros terminados em 58 esto pre-
miados con 60*000, excepto o da sor te imme-
diata.
Todos os nmeros terminados em 67 estao pre-
miados com 30*000.
Todos os un me ros terminados em 1 esto 1
premiados com 30*000, excepto os terminados
em31.
Todos os nmeros terminados em 8 esto
premiados com 30*000, exrepto os terminados
era 58.
A seguinte lotera corre no dia 22 de Janeiro
com o plano de 60:000*000.
liOina ao uram-Par-A 4* parte, da
34* lotera, cujo premio raode de 60:000*.
sera t-xtranida no dia .. le Janeiro.
Lotera da corteA 2' parte da 253' lote
ra, cujo premio maior de 10:000*000 ser ex-
trahidano dia 18 do correte.
lucftes complexas, perUracea, em regra a scien-
ck poltica que, em virtudermestao da com pie
xidade dos assumptos de que el te oceupa, de
manda forcosamente orna sernela tambem com-
plexa que. nao poder deixar de subdividir-se
Para entrar em tratameato, foi retirado do
nosso turf por agora o vleme Ry Blas.
>
L-se n'um jornal do Rio a segninte noticia;
Os leitores lembram se certameme do tratador
Mambrno Arcbf aqu aposentado pelo Sr. Eells. em diversos ramos. segicOo a-- diyersiade
que gathou, no Jockey- Gluo, urna carraira a seatial dos assiwpto.e se eoireo^nr para-
trote t Pois tevantou e em Buenos Ayres orna: formaren o objecto de todos os seos problemas,
quesiao a proposito deste cavallo. Damos a pa Pelo simplos facto de conslitoir a sciencia fl
larra a ura collega portenho : i naoceim um dos diversos ramos da sciencia
O Sr Daniel Gascn patrocinado pelo Dr. poltica, nao se segu que arbiirartamele pos-
Jos I. Hall e com procuraco dos propnetaros samos qualificar de floanceiros quaesquer as-
do carallo de trote Mambrioo Arcby, acaba de sumptoa da sciencia poltica, taes como o the
apr sentar-se ao Julaado Pederal, demandando ouro publico, orcamentos nacionaes e bancos
coaira D. Norberto W. Eells, a quera exige a que s indirectamente se relacionara com aquel-
devolueSo de 23 000 pesos em ouro. importe do la sciencia, ao passo que directa e positivamente
MPOCODE TDO
cavallo, e mal 25 000 pesos nacionaes como in
demnisaco pelos damoos e prejuizos casalos
pela falta do contracto eatabelecido e firmado
por Eells como introductor no paiz, do dito ca
vallo.
O Sr. Gascn aprsenla documentos irrefuta
veis que raanife.-tam e p6em bem clara a m f
com qoe proceden o Sr. Eells neste caso.
A' demaoda-'acompanbam certificados 1e ve-
terinarios que duem que o cavallo est completa-
mente inutilisado para corridas, devido ao pouco
cuidado qoe o Sr. Eells lera tido com elle. *

Caegou boatem da Europa, diz o Diario do
Commercio, do Rio de Janeiro, o cavallo Xaathos
por Peter e Orpheline que perteneeu ao conde
de Berteux.
Poi comprado pela Condelaria Brazileira.

Alicante, a famosa egua de 2 annos que este
anno t> brilhante figura fez em Franca e Bl-
gica, levautou uestes dous paize* 100,000 francos
em pernios.
No continente europeu s um animal de dous
annos conseguio levant ir lo elevada somma:
foi Swift, que, em 1878, ganhou 100,800 francos.
INDICARES DTEIS
Os membros da Sociedade de medicina pratica
de Pariz, sob a direceo de seu secretario geral,
M. Gillet de Gran Imoot visitaram no dia 7 de
Setembro a Morgue e o laboratorio de toxcologia,
do professor Brouardel, sendo para ponto de
reunio, pelas 10 1/2 horas da macha, o caes do
Arcebispad.., d'onde seguirn para o amphi
tbe.tro da Morgue.
Abi o Dr, Vibert, chefe do laboratorio de ana-
toma pathologica, deu a seus companaeiros ex
plicages detalhadas sobre o modo pratico do
servico no lgubre estabelecimento, assigna
lando os melhoramentos executados depols de
alzuns annos as differenles secges e priaci-
plmente cas salas mortuarias.
O progresso mals serio que tero sido realisado
consiste no emprego dos apparelhos frigorficos
para a conservaco dos cadavere?. Com o auxi-
lio deste novo methodo, chega-se, com effeilo, a
resultados sorprendentes.
Um corpo pode ser conservado indefinida-
mente no estado em que se achava quando foi
submettido a aeco do fri, o que permitte, em
caso de homicidio, confrontar o assassino com
sua victima, mesmo no tim de muit03 annos.
A nica mdanla que soffrem os cadveres
est na cor da pelle que tona urna tinta extre-
mamente escura emesmo algumas vezes inteira-
mente Dreta.
As cellulas as quaes sao depositados 03 ca
daveres teem urna temperatura variavel conforme
forem elles guardados por mais ou menos lempo ;
e n'aquellas em que a temperatura mais uaixa,
os corpos chegam a um tai estado de congelado
que logo que se Ibes qur fazer a autopsia, tem-
se de mettel os durante quatro ou cinco horas
Bas estufas aqueddas a tresentos graos pou:o
mais ou menos. O ar fro fornecido na Mor
fue pela usina Popp da ra Saiut-Fargean.
As explicares do Dr. Vibert interessaram vi-
vamente os membros da Sociedade e Medicina
pratica, que visitaram depois as differenles par-
tes da Morgue.
A grande sala onde se achara os cadveres
expostos ao reconheciraeolo do publico, foi r-
pidamente percorrida em razao da mudanca de
temperatura que causava a presengo dos visita-
dores.
Nesta sala, com effeito, onde nao deixam flear
por muito lempo os corpos, entretem-se urna
temperatura que nao exceda de um a dous grios
de fri; e tono ser vvente logo que ahi entra,
faz subir o ttwrmometro; de sorte que, mar-
cando dous graos abaixo de zero quando en-
traram na sala os mdicos em numero pouco
mais ou menos de cincoenta, minutos depois, ia-
dicava sete graos aeim i.
Terminada a visita Morgue, os membros da
Seciedade de Medicina pratica se dirigiram ao
laboratorio de toxocologia situado na prefectura
de polica, cima do laboratorio municipal, sendo
recebidos por M. Ogier. Este por sua vez fez
urna pequea conferencia sobre os resultados
obtidos com os apparelhos le analyse aperfei-
coados; e em seguida fez funecionar alguns
de3tes apparelhos em presenta de seus collegas.
A' 1 hora, os membros da Sociedade se ret
raram.
Em um caf :
N > lhe dei ha pouco urna pratinha de oOO ,
res, pensando que era um nikel ?
Nao senhor.
T<-ra certeza t
Toda certeza.
E' que nao acbo no boleo urna moda falsa
de prata, que traha.
Hornera, deixe-me sempre v4r na gaveta.
Nadi de engaos.
*
Em Roma tem caucado grande sensaco o pro
eesso de um bando de moedeiros falsos, frente
dos quaes se acha um de3enhador talentoso, Ga-
loni, e seu filho. Galoni fabncou notas de 1,000
francos com urna perfeicSo extraordinaria.
Na primeira audiencia soube-se de ura por-
menor curioso, em que figura a rainha Marga-
rila.
Galoni enviou ha tempos urna nota de 1,000
francos falsificada por elle rainha de Italia,
pedin lo-lhe que a trocasse em notas do banco
italiano, visto ter elle duvidas sobre a aothenti-
cldade da nota franceza. A rainha cahio no lo
gro e annuio ao singular pedido de Galoni.
Mais de cem teslemunhas sero ouvidas neste
processo.

A maior maravilba do mundo mineral, se-
gundo opia'es respeilaveis, um bosque com-
pletan ente petrificado, situado no territorio de
Airona (Estados Unidos) e que os americanos
denominam Chalceiory Parle.
A? arvores petrificadas erguem se em urna su
perftcie vulcanica ebeia de cinzas e lavas, e al-
gumas dellas lm tres metros roda do tronco.
O que caracteiisa estas arvores que a pedra
de que sao formadas urna agatha de incom
paravel belleza, em que se reflecten)i iodos os
matizes do'iris e em cuja massa se alojam mag
nilicas ametnistas de cor violeta a mais pura.
Este bosque extraordinario est sendo explo-
rado por urna companhia que j apresentou na
ultima exoosico jaspes e agathas d'aquella pro-
cedencia, assim como pedajos de Ironcos e outras
maravilhas.
SPORT
Prado Pernamlnicano
Gcant premio-- de Juiko 2.000 metros
Animaes pelludosAo 1. 800*, ao 2. 200* e
ao 3/ 100*000.
Ter lugar na corrida de 9 de Fevereiro pr-
ximo, fechando se a inscripcao no dia 4 do
mesme mez.
N Torre nasceu um "producto de Zamora e de
urna egua pelluda.
Zamora que a aparecen em nosso turf logo de-
ris d'elle instaliado pelo Prado Pernambucano,
um meio sangue nacional, producto de Fila
d"Eco#80 e Cotia.
Medico
Dr. S Pereira, ra da imperatriz n. 8,
d consultas medico-cirurgicas todos os das
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
das santificados.
Dr. C'euero Jess medico e operador
Pratica a lavagem do tero quando e co
mo aconselhada. Consultas das 11 t
i da tarde em sua risidencia ra de
Bom Jess (antiga da Groa) n. 23, 1.'
indar. Telepaone n. 380
O [}r. Maiheus Vaz, medico, tem o seu
iscripiorio a ra do Queimado n. 43, 1.
andar, onde d consultas das 11 a 1 hora
da tardu. Reside i ra de Gervasio Pires
q. 27. Encarrega-ae do tratamento das
molestias de olhss Telephone n. 427.
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei
:o, consultorio ra do Oabug u. 14
l. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
10 Monteiro.
r. Ribeiro de Britto d consultas dt
neio dia s 3 horas da tarde, no l. ar-
lar a ra Duque de '"axias n. 46, poden
lo ser procurado para chamados na su.
residencia na do Hospicio n. 81. Te
ephone n. 303.
Dr. Cerqueira Ltite, te*n o seu escripto
io na ra Nova n. 32, do meio dia s '
loras e desta hora em diante ra BarSi
ie S. Borja, n. 22. Especialidades-
molestias de enanca senhoras e parto
Telcphone n. 326, da casa de residencia
Dr Alvares Ouimaraes, dedica-se me
dicina em geral, r oom especialidade s
molestias do cora S.o, pulmSes, figado, es-
tomago e ntestijos e tambem s affeccSes
de crianzas Reside ra de Fexanvdes
Vieira n. 23, e tem consultorio na roa do
Bom-Jesu antiga da Cruz), n. 45, onde
d cnsul .a8 do meio-dia s 3 horas Te
lephonf a. 381.
O Dr. Simplicio Mamgnier.Clnica mt
dico-cirurgica. Especialidades : mole' .a-
Sulmonares e partos. Ra do Maro, i' < de
linda n. 27, 1." andar. Consultas uas II
is 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa
ella) das 6 s 9 horas da manha e i
arde- Teleshone n. 392
Occullsta
Dr. Ferrara, com pratica nos pnnci-
jaes hospitaes e clnica de Paria e Lon-
dres, consultas todos os das das i
dorasdro meio-dia. Consultorio e resi-
ienc ra Larga do Rosario o. 20
Dr. Barreta Sampaio, oceulista, d con-
sultas de 1 s 4 horas no 1. andar da
jasa ra Barao da Victoria n. 51. Resi-
dencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra-
da pela ra da Saudade o. 25.
.tilvogados
O advogado Jos Antonio de MagalhcUs
Bastos mudon o seu escriptorio para a ra
1." de Marco n. 18, 1. andar.
Dr. Clodoaldo de Souza, escriptorio a
ra do Bom-Jesus (antiga da Cruz) n. 1,
1. andar,, das 9 da" mauhS s 4 da tarde.
Telephon'e n. 102. Residencia, ra Im
perial n. 148. Telephon n. 104.
O baeharel Joaquim Ihiago da Fonseea
tem seu escriptorio de advogado ra do
Imperador n. 14, l." andar.
O baeharel Bonifacio de Aragda Faria
Rocha contina a advogar. Escriptorio
ra do Imperador n. 46., 1. andar.
O baeharel Petronho de Santa Cruz Oli-
vara, encarrega-se de levantar emprosti-
mos perante o Banco do Brazil para auxi-
io da lavo ura. Escriptorio roa do Impe-
rador n. 69, 1. andar. Residencia sitio
na Jaqueira, prximo estac^U).
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por. ata
jado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi
'arios de todas as especialidades pharma-
jeuticas, tintas, drogas, productos chimi-
las e medicamentos homeopticos, ra do
Mrquez de Olinda n. 23.
Tinta de escrever
A melhor a tinta Victoria, vende-se a
500 rs. meia garrafa e a 800 rs. uoia gar-
rafa inteira na Livraria Comtemporanea
de Ramiro M. Costa, ra Io. de Marco n.
2, loja de ferragens de Albino da Silve
A C, ra da cadeia n. 42; loja de ferra-
gens de Brandao 4 C., ra Duque de Ca-
xias n. 46.
PUBLICARES A PEDIDO
A balxa de cambio
ni *
Os pagamentos, que demandara unidades de
valor, racioootoente organlsadas, melhodiea-
mente classificadas, e lgicamente subme tidas
a todas as regras e preceitos s linguagem nu-
mrica, nao pode deixar de constituir urna scien-
cia especial de solucOes t3o simples como s da
propna arithmetica.
E a esta sciencia de pagar poderemos dar,
com a maior propriodade o nonie de ^sciencia fl-
naneeira, atienta a*eymolgia da palavra -fi-
nanee segundo IUr e Larousse.
Nos vastos dominios da sntbropologia, onde
nao podemos deixar de estudar o bomem, mes-
mo em suas diferentes relaces sociaes, as so-
se prendem a outros ramos da mesma sciencia
poltica, taes como, o administrativo, o econ-
mico e o jurdico.
As grandes eoofusoes que a economa poltica
tem creado, com ampliares arbitrarias do sen-
tido da palavra floance e, com as quaes,
tanto lera ella retar lado o desenvolvimento ver-
daderamente 8cientifico do espirito humano, era
prejuizo da felicidade dos povos, nunca pode ro
modificar a verdade das c. usas
Por mais que o- grandes economistas desna
turem a sciencia finaoceira, emprestando lhe os
domiaios da sciencia poltica, a orgaoisacao a
flns dos lhe jos nacionaes e as confeceoe* de
ocaiLentos da reieita e despezas publicas,
careo das administracOes sociaes, bao de ser
sempre assomplos essencialiieote economis,
e o commercio bancario na de ser sempre um
assumpto esseocialmente jurdico.
Basta que nao dos obstinemos no erro, de con-
siderar iguaes assumptos como esseocialmente
financeiras e da exc.usiva competencia da eco-
noma poltica, para que os uossos olbos se
abram e possamos descortinar clarameute todos
os verdadeiros horisontes da sciencia finaoceira 1
Presenteiiiente nao nos convindo tratar senSo de
bancos (era atteuco ao derradeiro financeiro da
monarebia e ao primeiro syndicato que se lem
brou de comprar o Brazil) observaremos que o
com rae r io bancario, revestido de todas as for
mas mais aperfei^oadas da mercanca do dinhei-
ro, accen'ua se principalmente por trec faces : a
compra e venda do dinheiro, os seus empresti
u.08 onerosos e a mobilisacio do crdito ou a
emisso de urna rnoeda fiduciaria particular do
b neo. mas promptamente conversivel em di-
nheiro nacional vontade do portador.
Em face do simples enunciado, evidente que,
em sua primeira e segunda face, o commercio
bancario nao pode ter mesura a menor ligaco
com a sciencia financeira, ou com a sciencia po
linca ; e, portanto de modo nenbum deve ser
dexljcado do terreno puramente jurdico Elle
objetiva se no uso do dinheiro, que os poderes
pblicos j constitu rara, segundo os conselbos
da sciencia financeira ; e, a poltica nada tem
que ver Cun o legitimo uso que cada um faca
d'aquillo que seu
Em tal caso, nao pode deixar de ser direito
exclusivo do baoco usar e dispor do dinheiio,
que e seu, como mais lhe convier, sem o ni or
prejuizo ord< m publica. Desde que, segundo
os conselbos da sciencia poltica, se tenbam
acautellado as couvenie.icias-da paz social e da
ordem publica, por meio de urna inoeda finao-
ceiramente constituida e hbil para pagar cabal-
mente o seu valor convencinnado ; nao se com
prehende nada mais impertinente e escusado,
dj que a intervengo do adminisiragao naciona
no commercio bancario, considerado sob as suas
duas primeras faces. En sua harmona, todas
as conveniencias da communbo social repellem
a menor excepjao jurdica era favor -'e seme
Ihante commercio; e a sciencia poltica nao
pode aconselbar a concessao do menor favor ou
a creac&o do menor obstculo livre expanso
desse commercio, lo legitimo, conveniente e
honesto como qualqmr outro.
Em Maco, porm, a terceira face desse
Commercio, a cousa 6 diversa.
Evidentemente a coostituic&o da moeda ban-
cana questo essencialmente financeira, e nao
pode deixar de ser de exilusiva competencia da
sciencia poltica.
Este problema, porem, que tao simples e
fcil, como todos os problemas flnanceiros,. at
boje anda nao p e ser resolvido pela economia
poltica, exactamente por que ella Opaca conse
guio oiter noc.6es exac as do crdito/nacional ou
particular e menes de moedajiduciaja.
Mas, desde que o governpdc qualquer paiz,
cerrando o.- ouviiios s supersticiosas e pueris
theorias da economa poltica, euiar-se tao so-
mente pela sciencia poltica para resolver Unan
ceirameote a con^fituigao da moeda bancaria ;
fura de duvida que, d'ahi por diante, o com
mercio bancano, considerado sob a sua terceira
fce, nao poder deixar de ficar exclusivamente
entregue a iniciativa individual, como qualquer
outro ramo de commercio, sob a exclusiva res-
ponsab lidade jurdica dos banqueiros.
Para que a mobilisagao do crdito ou a mone-
tisaco de simples valores se traduzam por mic
de urna moeda bancana toda particular ; 6 abso
lulamente indispensavel que aconslituisodefsa
moeda seja rigorosamente financeira.
Para que assim a possamos reputar bastar
qu" ella seja ir.teiramente equivalente a moeda
nacional; que nao baja possibuidade do menor
prejuizo ao seu possuidor ; que nao possa dis-
putar preferencias com a moeda nacional ; que
seja absolutamente indep-mlente da administra-
cao nacionule de quaesquer favores ou privile-
gios ; e de que se limite a servir de elasterio ao
meio circulante nacional, na possivel proprog.lo
de t jdas as necessidade econmicas e financeiras
do paiz.
Effeclivamente a moeda bancaria preencher
tolas estas condijes se uve." o seu valor total
caucionado de modo que. o pagamento pontual e
integral de todas as notas do banco se possa
effectuar infailiv-Imenie vontade do portador;
se o seo curso for exclusivamente local e nunca
nacional-; se o portador da moeda bancaria tiver
a maior certe a de que, no momento do troco,
encontrar no banco : nao mercaduras aecumu-
lads *depeo8entes de prego e de liquidaco,
mas o dinfleiro nacin j1 necessario ao seu paga-
mento, e -finalmente se estiver na consciencia
publica a certeza da mais inflexivel e vigorosa
punijo do banqueiro em todos os casos de frau-
de ou de deficiencia constitucional da moeda
bancaria. -
A economa poltica, queso v na o ouro e
nada mais, -nao conhece soluco possivel para
este simples problema financeiro ; mesmo por-
que olla nao comprehende o merecimento ines-
liraa el do papel moeda garantido pelo crdito
nacional, como o maior e o mais poderoso factor
do progresso e da riqueza de um paiz.
Mas, a sciencia nanceira que s v na ou
no papel moeda unidades de valor, e nada mais;
que n liga importancia ao facto de serem as
unidades do valor da i pagas vista e as do
papel moeda nacional pagas a prazo indetermi-
nado, exactamente como s faz mister aos gran
des lias civfiisadores do dinheiro ; que recoabe-
ce e demonstra a mais perfeita igual da de dos
pagamentos de urna e outra moeda, de accordo
rcom a constituifo finaoceira de cada urna ; e
que finalmente considera igualmente concluidos
todos 03 contractos liquidados, por urna ou par
outra das moedas; nao pode deixar de reputai
o prob emade urna financeira moeda banaria,
cabalmente soluvel.
Reconoecidaa insuficiencia e imprestabilidade
do ouro e de quaesquer outra itiercadorias paro
caucionaren) o immediato pagamento pecunia-
rio da moeda bancaria, pode se'r perleitamente
utilisado o crdito nacional para garantir e pa
gar a moeda bancaria do mesmo modo porque
garante e paga o papel moeda nacional.
Assim, pois, sera rigorosamente financeira a
moeda bancaria de curso local, conversivel em
papel moeda de curso nacional; garantida na
totalidade do seu valor por ttulos da divida na
-cional fundadadesde que a administracorta
cional se obngue a resgatal os para o pagamen
to da moda bancaria, emittindo para isto o pa-.
pe moeda necessario.
Esta moeda bancaria constituir necessaria-
mente elasterio do papel moeda, cuja somma em
circoiacSo se regular exclusivamente pelas con-
veniencias econmicas e financeiras do naiz.
Esta moeda que representa urna obrigagao da
collecti vidade social para consigo mesma o que
se pode comprebender de mais perfeito como
^os convencem todos os resultados maravilhosos
tanto do nosso*papel moeda como do papel moe-
da dos Estados-Unidos, de que os americanos
nio querem abrir mo.
Entretanto sobra lhe o ouro e o papel moeda
fornecidos por 7.500 bancos emissores I
Em face desea conslituicSo financeira do panel
bancario cojas maravilhas s os Estados Unidos
conbecem; nao tem jusuticaco possivel a orga-
nisajSo do Banco Nacional do brazil, que pre-
tende fornecer-nos a peor de lodasts moedas
coninctada oom o syndicato pelo grande finaa*
cen-a da monarebia.
A scieucia financeira, como a arithmetica, nao
admitte subterfugios nem sophiemas e nem to
lerehvpotuese alguma, em que os compromissos
nao se findem pelo mais rigoroso e perfeito pa-
gamento.
A moeda bancaria com a simples garanta.em
ouro, de ata lergo do 6eu valor, sophistca;
anawhica ; disvirtua todas as relaces financei-
ras no seio da sociedade; nao equivale de modo
nenbum a moeda nacional; origem inevitavel
das maiores crises monetarias; a prepotencia
odiosa e revoltantc do capital; fro requinte do
calote;; o suprasommo da immoralidatle ; nao
nao tem explicaco i ossivei, sob ponto de vista
nenhum ; e nao pode absolutamente subsistir
sem os maiores favo'es.do governo, equivalentes
a verdadeiras violencias legaes, a odiosas pro-
potencias de mos ovemos e a reprovados abu-
sos do crdito nacional posto a servico de meia
duzia de capitalistas em prejuizo de todos os
grandes interesses da sociedade inteira.
Essa moeda bancaria, que financeiramente
18o estril e tao funesta e que. econmicamente
s se explica pelas leis do roubo, em caso ne-
nhum dever servir para pagar o preco do Bra-
zil 1
Compre ao nosso patritico governo recon-
quistar a patria, arrancando-a das garras do
syGdicato.
Contiunaremos).
lecife. 10 de Janeiro de 1890.
Francisco Amintas de Carvalho Mouia-
S. Bento
Aoeldndio gobernador do Es-
tado
O proced raen lo illegal de alguns vereadores
da Cmara Municipal desta villa obriga nos a
vir pela imprensa pedir p-ovideooias.
Nao podendo o presidente e o vice-presdente
comparecer sesso do dia 7 do crreme, for-
maran! a cmara os vereadores Dr. Hornera de
Siqueira, Clementino de Olivei-a Valenca, JoSo
Vctor Xavier e Flix de Barros, e eiegeram
presidente e vicepresidente I
Nao sabemos em que le se fundaram para
praticar esses actos.
Note se que o vereador Clementino Valenca
est incompatibilisado de funecionar na cmara,
em virtude do art. 230 do Decr. n. 2,213 de 13
de Agosto de 1881; e o Dr. Homem de Siqueira,
sendo delegado de polica em exercicio, tam
bem nao poda tomar parte nessa reunio.
Demiitirara o secretario, o procurador, o fis-
cal desta villa e o de Canbotinuo, norneando se
para esses logares homens que nenhum mere-
cimento tem, e ao contraro sao incapazes de
exercer taes emprego3.
Entre os nomeados acba-se Joaquim de Hollan-
da Cavalcante, bem conhecido uesta villa pelos
seus ftitos...
Sendo assim, esperamos que o Ilustrado go-
vernaaor do Esta lo, tomando conhecimento do
occorrido. julgue de nenhum effeito esses actos
iniquos, mandando reintegrar em seus lugares
os empregados demittidos e nomeando urna in
ten lencia que cuide dos interesses do muoici
pie.
S. Bento, 9 de Janeiro de 1890.
Muitos mmicipes.
Gremio Recreativo do
Recife
Os baixos e torpes indignados que em assera-
bla geral cabam de serem expulsos desta so-
ciedade a bem da dignidade social, envoltos em
sua raiva e furor, ao mesmo terapo que, para
arranjos (seus), como prova o seu bom criterio
com uas dous incautos que anda bem nao co-
nbecem estes faceiros, tratara de fundar urna
sociedade roobaodo-nos o titulo.
Funccionanao este Gremio em predio onie
habitara os noseos heroicos, por interesse social
resolvendo esta associac,o mudar-se ao mesmo
tempo que os espulsou, elles se aproveitam da
antiga sede, continuando com o titulo deste Gre-
mio, diztndo^e seus fundadores.
Sobre tftwwportamento desses senhores, nada
diremos, por serem bem conbecidos, mas sim-
plesmentc declaramos alto e solemnemente, que
essa sociedade que funeciona em nossa antiga
sede, nada tem com o Grealio Recreativo do Re
cife.
Recife, 15 de Janeiro de 1890.
O goTeroador,
Manoel G. dos Santos.
O Io secretario,
Ricardo Rodrigues dos Santos.
Hinha mal
AO AMIGO E COLLEGA ANTONIO NOBRE DE
ALMEIDA
.\jssa mae, dom celeste e precioso
E um anjo piedoso,
> Dos cos trra mandado
Para ter de nos cuidado.
Cambas.
E noite! a la fagueira
Vai nos montes feiticeira
Espargir os raios seus,
A natureza em silencio
Sent saudades do sol.
As nuvens gyram nos cos !
E noite! a rola no bosque
Habita seu aposento;
O ciciar da palmeira
Redobra ao passar do vento,
As ondas beijam a praia
Num leve espreguijamento.
Por entre as sombras da noite
Rompendo o sileiuio seu.
Diviso um vulto que mareba
Do seu lugar para o meu,
Trajado todo de branco,
Os olhos fitos no co
E vem.' de mim se aproxima
A me querer abracar,
Eu tenho medo, e de longe
Vou mudando de lugar,
Mas, debalde, elle porfa
A' nos bracos me apertar
Nao fojas, replicou elle,
Mysterioso e sombro,
Quero fallar-te; me ouve...
Mas, passou me um callafrio..
< E de mim se aproximando
Me falln neste sem fro:
Eu sou o ente bendito
Que te causou immensa dor !
O ente que deu-te a vida,
- De quem perdeste o amor,
Nao fujas: quero beijar-te!
Quero calar sua dor!...
< Sou aquella que devia
Velar por tua existencia,
< Enfermeira desvellada,
" Amiga por excellencia,
Que as cicatrizes devia
Curar-te com paciencia.
Sou toa mai !^-que depois
' -t Do tanto tempo passado
Vem abracar seu flbinho,
* Seu fructo to adorado ;
, < Sou toa m8i, que deixei te
No mundo, qual engeitado !
Nio gBMt-tea'dc* a (3o meu eolio maternal.
*teo ciipHlo aindlrtenrcr,
^' Picou do mundo no vdl
t Mtnhas caricias perdes-te,
* Inda novo, despertar!
Depo;s de ouvir bem atiento
Suas palavras de amor,
Lancei-me sobre seus bracos
Solucando com ardor;
Ella gemia, eu chorara,
Sentamos a mesmo dor!
Minha mai, nSo mais me deixes,
En te supplico,nSo vas!
Ninguem ouvio teu segredo
Fica com migo onde estaes ;
Agora n2o me abandones,
NSo tornes, nao voltes mais!
NSo consintas que se augmente
Dentro em mim tSo grande ddr;
Pelo amor que me consagras
Eu te peco com ardor!
NSo posso, meu charo filho
Eu cumpro a lei do Senhor!
E quando a la sorrindo
Despedia-se dos cos
De mim sumi se o phantasma,
Passou ao reino de Deus.
Eu sosinho, solucando
Saudoso disse lhe: adeus!
Olinda, 10 de Janeiro de 1890.
Jos Augusto Porto Carreiro.
y GKATIDAO
DE
Floiinda de Azevedo e Silva
Ao illustre clnico
A JOAQUIM LOUREIJIO
"r* Pelo modo delicado e scientifico com '
Vd ]ue reslabeleceu-lhe a saude
Anniincio
0 baeharel Luiz de Drummond contina a ad-
vogar no crime especialmente, e, pode ser pro-
curado todos os dias uteis, das 9 horas, da ma
nb s 3 da tarde, ra do Imperador n. 53, ou
em casa de sua residencia em Caxang.
Encarrega-se de defezas fra da capital me-
diante ajuste rasoavel, dando-se-lhe preferencia.
Offerece apreciar.o do respeitavel publico o
3uadro demonstrativo dos reos que ha defend-
o de 1881 a 1889 prximamente findo, descri-
minando os crimes, a data do julgamento e a
sentenga que obtiveram:
1 Antonio Joaquim de Sant'Anna.Incurso no
art. 205, em 1881.Absolvido.
2 Antonio de Paula Cavalcante de Almeida.
Incurso no art. 192, em 18^1.dem.
3 Antonio Franc3CO da Paz.Incurso no art.
201, em I881.-Idem.
4 Atnphilophio Jos de Freilas. Incurso no
art. 201. em I831.-Idem.
5 Arcelino Das de Freita3. Incurso no art.
205, em 1881.-dem.
6 Antonia Mara da ConceicSo. Incursa no
art. 201, em 1882.Absolvida.
7 Antonio Carneiro de Oliveira. Incurso no
art. 205, em 1883 Absolvido.
8 Anna Mara da Conceicao. Iucursa no art.
201, em 1883.Absolvida.
9 Antonio Macario de Lima. Incurso no art.
201. em 1883Absolvido.
10 Antonio Jos da Costa Reg. Incurso nos
arts. 219 e 227, em 1885.dem.
11 Antonio Alves da Cunha. Incurso no art.
|^69, em 1885.Condemnado.
12 Antonio Ignacio da Silra.Incurso no art.
219, era 188o.dem.
13 Alfredo Eugenio Crespo. Incurso no art.
192, em 1887.Absolvido.
14 Arlhur de Paiva Martini. Incurso no art.
264, em 1888.dem.
15 Antonio Elias do Carmo. Incurso no arl.
193. em 1889.dem.
16 Antonio da Cunha Guimares.- Incurso no
art 167, em 1889 Condemnado.
17 Arcelino Dijs de Freita3. Incurso nos
arts. 193 e 134, em 189.Absolvido.
18 Rento de Oliveira Lima. Incurs no art.
205, em 1882.-liem.
19 Ribiano Jos de Sant'Anna. Incurso no
art. 193, em 183dem.
20 Rernard na Mara da Conceigo. Incursa
no art. 201, em 1883. -Absolvida.
21 Bernardo Jos da costa Lima. Incurso no
art. 205,em 1884Absolvido.
22 Renvenuta Mara da Conceicao. Incursa
no art. 201, em 1895.-Absolvida.
23 Benedicto Antonio de Oliveira. Incurso
no art. 205, em 1885.Absolvido.
24 Clementino Ildefonso do Nascimento. In-
curso no art. 205, em 1881.dem.
25 Cosme de Souza Bandeira. Incurso no
art. 205, em 1881.dem.
26 Candido Joaquim de Sant'Anna. Incurso
no art. 2'5, em 1883dem.
27 Clodoaldo de Azevedo Lessa. Incurso no
art. 192, em 1885.Condemnado.
28 Conrado Jos da Fonseea.Incurso no art.
269, em 1887.-Idem.
29 Candida Maria do Espirito Santo.locuisa
no arl. 201, em 1887 Absolvida.
30 Caetano Francisco da Costa. Incurso no
art. 201, em 1887.-Absolvido.
31 Daraio Cosme de Azevedo. Incurso no
art. 193, era 1888.dem.
32 Daniel os de Sant'Anna.Incurso no art.
205, era 1882.dem.
33 Dionisio Benedicto Auguslo de Oliveira.
Incurso no art. 257, em 1888.dem.
34 Emiliano Ralbino da Silva. Incurso no
art. 203, em 1882.dem.
35 Eugenio Canguss. Incurso no art. 192,
em 1887.-Idem.
36 Eugenio Avelino da SilvaIncurso no art.
201, eui 1887.-dem.
37 Francisco Alvares dos Prazeres.Incurso
no art. 192, em 1881.dem.
38 Francisco Antonio de Oliveira. Incurso
no art. 205, em 1881.dem.
39 Francelino Jos da Silva. Incurso no art.
264, em 1882.dem.
4 no art. 205. em 1882. -dem.
41 Francisco Antonio de Oliveira.Incurso no
art. 205, em 1883.-dem.
42 Feiisbino, ex-escravo.Incurso no art. 192,
em 1884.dem.
43 Firmino Coelho. Incurso no art. 193, em
1885. dem.
44 Francisco Antonio de Oliveira. Incurso
nos arts. 193 e 34, em 1885. dem.
45 Flix Jos de Souza.Incurso no art. 193;
em 1887. dem.
46 Gertrudes Maria da Conceicao. Incursa
no art. 269, em 1882. -Absolvida.
47 Guiibermina Maria da Conceicao. Incursa
no art. 201, em 1882 dem.
4 Gctutio Jos da Fonseea. Incurso no art.
205, em 1885.Absolvido.
49 Henrique de Souza Monteiro. Incurso no
art. 205, em 1883.-dem.
50 lontcencio Francisco Ferreira. Incurso
no art. 205 em 1887dem.
51 JosOlavo Wanderley. Incurso no art.
192, em I881.-Idem.
52 Jos Rento de Oliveira. Incurso no art.
205, em 1881.-dem.
53 Jos Jozias da Silva. Incurso no art. 201,
em 1881.dem.
54 Jos Vctor Pereira. Incarso no art. 257,
em 1881.dem.
55 Jos Francisco da Silva. Incurso no art.
257 em 1881 dem.
56 Jos Francisco dos Santos. Incurso no
art. 257, em 1882.-Idem.
57 Jos Tiburcio do Nascimento.Incurso no
art. 205, em 1882.dem.
58 Jos Joaquim de Sant'Anna. -r- Incurso no
art. 205, em 1883.dem.
59 Jos'Anastacio de Oliveira. Incurso no
art. 193, em 1884,-Idem.
. 60 Jos Lucio da Silva Vieira. Incurso do
art. 201, em 1884.-dem.
61 JoSo procopt Bandeira. Incurso no art.
205, em 1884 -dem.
62 Joao-Rodrigues dos Sanios. InEurso no
art. 205, eorWi.-dem.
63 Joo Rodrigue da Suva. Iocarso no art
269, em 1882 -dem.
64 Joo Anastacio de Mello. Incurso uo art.
193 em I885.-Ittem.
65 JoSo Francisco do Nascimento. Incarso
do art. 205, ea 1885. -dem.
66 Joo de Siqueira Paes.-- Incurso nos arts.
193 e 34, em 1885. dem.
67 JoSo Crrela de Oliveira.Incurso no art.
205 em 1886. -dem.
68 JoSo Jos de Lemos. Incurso nos arts
193 e 34, em 1888. -dem.
69 loaquim Mauricio Wanderley.Incurso no
art. 192, em 1881.dem.
70 Joaquim Felinpe de Assumpco Santiago
Incurso no art. 2115, em 1882.Idea.
71 Joaquim Francisco de Mello. Incurso uo
art. 205, em 1882.dem.
72 Joaquim Antonio Alfredo. Incuro no art.
269. em 1883. -Co .demnado. *
73 Joaquim Antonio de Freilas. kenrso nc
art. 201, em i 884. -Absolvido. '
74 Joaquim Jos dos-Santos. Incurso no art.
205, em 1884.dem.
75 Joaquim Pereira de Lima.Incurso no art.
205. em 1884. -dem.
76 Joanna Mana do Espirito Santo. Incursa
no art. 193, em 1885.Absolvida.
77 Josepha Maria da Conceicao.-^ Incursa no
art. 201, em 18B5.-Idem.
78 Jovino de Oliveira Ramos.Incurso no art.
193. em 1886.Absolvido.
79 Jovino Luiz da Silva Incurso no art. 257".
em 1886.dem.
0 Luiz Francisco de Oliveira. Incarso nos
arts. 193 e 34, em 1883dem.
81 Luiz Marques da Silva. Incurso no art.
205, em 1883 dem
82 Liberato Ferreira de Almeida. Incurso
no art. 201, em 1883.-dem.
83 Lourencu Alves de Souza. Incurao no
art. 193, em 1883dem.
84 Laurentino Jos do Nascimento. Incurso
no art. 193 em 1883Condemnado.
85 Manoel Janaario de Aonunciaco.Incurso
no art. 205, em 1887.-Absolvido.
86 Manoel Florentino de-Sousa Incurso no
art. 205, em 1887.-dem.
87 Manoel Francisco Brando. Incurso no
art. 205, em 1887.-Idem. "
88 Manoel Lydo dos Prazeres. Incurso no
art. 192, em 1881.-dem.
89 Manoel Guabiraba Incurso no art. 193,
em 1881.dem.
90 Manoel Muniz Falco.Incurso no art. 20o,
em 1882 dem.
91 Manoel Jote de Mello.Incurso no art. 257,
em 1885.dem.
92 Mara Joaquina da Annunciacao. Iucursa
no art. 201, em 1885.Absolvida.
93 Manoel de Oliveira Mello.Incurso no art.
269, em 1887. -Absolvido.
94 Manoel Francisco do Nascimento. Incur-
so no art. 201, em 1887 dem.
95 Manoel Correia da Silva. Incurso no art.
205. em 1887.-dem.
96 Marcellino Jos de Moura. Incurso no art.
222. em 1889. dem.
97 Manoel Rernardino de Souza.Incurso no
art. 201, em 1889-dem.
98 Manoel Francisco Rodrigues Filho.Incur
so no art. 193. em 1889. dem.
99 Manoel Francisco Rodrigues. Incurso no
art. 193, em 1889.-Idem.
100 Octaviano Alfredo Gomes Padilha.Incur-
so no a t. 167, era 1885.dem.
101 l'edro Pinto Ribeiro.Incurso no art. 269,
em 1882. -dem.
102 Pedro Alves da SilvaIncurso no art.201,
em 1882.-IJem.
103 Philomeno Jos de Souza Incurso no art.
193, em 18 7.-Idem.
104 Paulina Maria da Conceiso.Incurso na
art. 193, en; 1889Condemnada.
105 Pedro Francisco de AzevedoIrcurso no
art. 193, em 1889.Condemnado.
106 Salustiano Jos de Sant'Anna.-Incurso
no art. 257, em 1886. Absolvido
107 Silvestre Jos Alves.- Incurso no art. 201,
em 1886.-Idem.
108 Severino Raymundo da Silva.-Incurso no
art. 205, em 1887.dem.
109 Simplicio Jos de Souza.Incurso no art.
205, em 1887.dem.
. 110 Severiano Antonio do Nascimento.In-
I curso no art. 204, em 1887.dem.
111 Tiburcio Jos de Lima. Incurso no art.
; 201, em 1886dem.
112 rsulino da Cunba Torreo.Incurso no
arl. 192, em 1886.dem.
113 Virginio Marques da Silva.-Incurso no
art. 193, em 1886.-Idem.
114 Vicente de Assis Tavares. Incurso no
art. 192, em 1887.-dem.
H5 Victorino Raymundo de Souza.Incurso
no art. 201, em 1887.-dem.
116 Victalino Joaquim de Sant'Anna.Incur-
so no art. 205, em 1862.-dem.
117 Vicente Ferreira de Rrito Incurso no
art. 269, em 1882.dem.
118 Vicente Ferreira Lima.- Incurso no art.
205, em 1883.-dem.
119 Victor Jos da Silva.Incurso no art 257,
em 1884. dem.
120 Victor Jos Pere raIncurso no art. 205;
em 1884. -dem.
121 Vicente de Assis Tavares.Incurso no art
183 em 188-.dem.
122 Tiburcio Francisco Rodrigues. Incurso
no art. 192, em 1889.Condemnado.
123 Firmino Francisco Rodrigues.- Incurso
no art. 192, em 1889.dem.
124 Zeferino Rarbosa de Oliveira.Incurso no
art. 205, em 1883. -A030Ivido.
125 Julio Jacob de Arruda. Incurso no art.
205, em 1889.dem.
Dos 125 reos que defend de 1881 a 1889, fo
rara condeanados apenas 13, sendo no mxime
5 a saber:
Tisrcio Francisco Rodrigues. Gales perpe-
tuas.
Firmino Francisco Rodrigues. Gales perpe
tu as.
Antonio da Cunba GuiraarSes. 23 annos de pri
sao com trabalho.
Clodoaldo de Azevedo Lessa.10 annos de pri-
so com trabalho.
Joaquim Antonio Alfredo.8 annos de gales.
' Medio 4 a saber:
Antonio Alves da Cunha.5 annos e 3 mezes de
priso simples.
Manoel de Oliveira Mello.- 5 annos e 3 mezes de
priso simples.
Conrado Francisco da Fonseea.- 5 annos e 3 me
zes de pris&o simples.
Antonio Ignacio da Silva. 2 annos e 3 mezes
de desterro.
Mnimo 4, a saber:
Vienie de Assis Tavares. 7 annos de priso
simples.
Laurentino Jos do Nascimento.7 araos de pri-
so simples.
Pedro Francisco de Azevedo.2 annos de prise
com trabalbo.
Paulina Maria da Conceigo. 1 mez de priso
simples.
Dos 125 reos, que defend, comprehende-se :
23 de ferimentos leves.
42 de ferimentos graves.
5 de tentativa de morte.
32 de homicidio.
8 de roubo.
8 de furto.
3 de estupro.
2 de estellionalo.
2 de falsidade.
125 (total).
Actualmente s funeciono como advogado eos
3 processos, sendo 2 de crirae de morte e 1 di.
defloramenlo, cujos reos sao:
Luiz Cardoso de Franca, (vulgo Sete Leguas).
Joo Augusto de Souza (vulgo Tingue-tingue) e
Jos Alexandre de Souza (vulgo Caboclinho).
Isidro Ferreira da Costa.
Alm dos 125 processos crimes que defend
foneconei como aecusador particular nos pro-
cesaos instaurados contra o capitn Manoel Joa
quim de Castro Madeira e Athenogenes Cor-
reia Maia, sendo o 1 absolvido e o ultimo.con-
demnado a 14 annos de priso simples, grao
medio do art. 193.
Tenho tambem ie fueccionar como aecusador
particular nos processos instaurados contra Ma
noel da Paixo Ramos, pelo assassinato do te
nente Pedro Regaard, e Joaquim Telles de Me-
nezes pelo assassinato do acadmico Anisio Cr-
rela Dantas.
i?
t-
i
i
L




-
L Y


.
h .

TT
}


Diario de Pernambuco-Quinla-feira 16 de Janeiro de 1890
'
xJ
Atten^ao
A commissSo liquidadora do espolio de
Deodato Monteiro a. C. pede aos devedo
re do meimo espolio para pagarem ou
entender -t com o sea representante na ci-
dade da Escada o Sr. Joaquim da Silva
Costa, o mais breve possivel.
Recibe, 14 de Janeiro de 1890.
Maia & Rezende.
Machado Lopes t C.
Oliveira Bati A C.
Sociedade Uniao Commer-
cial Beneficenle dos Mer-
cieiros
A directora da Sociedade Uniao Com-
mercial Beneficente dos Mercieiros, toman
do na devida consideraoSo o pedido que
a Ilustre intendencia municipal dirigi
pelos jornaes de boje aos habitantes deste
municipio, convida a todos os membros da
c'.asse a fecharem os seus estabelecimentos
no dia 16 ao muio dia, e a dirigirem-se s
3 boras a praca de Pedro II, afim de, en-
corporadoj mesma directora, acompa-
nbarem o cortejo cvico que, em honra
Repblica do Paraguay est annunciado
para o referido dia.
A directora espera que ser attendida
no convite que dirige aos seus dignos col-
legas.
Recife, 15 de Janeiro de 1890.
Manoel Joaquim da Costa Ramos.
Joaquim da Coata Maia e Silva.
Jos Joaquim da Silva Quintas.
Manoel Pereira da Silva.
O abaixo assignado nao tendo inimigos no
lugar em que reside e mora, na capital desle Es-
tado, vem pela imprensa peranle o cidadao Dr.
ebefe de polica responsabilisar a Joaquim Fer-
reira Lima, conhecido por Joaquim das Coues,
este celebre assassino que, despeitado por ter
en sido urna ras testemuobas do crime que elle
commetteu na noite de S. Joo. Para que Dio me
aconteca mal, pois, anda elle publicamente de-
clarando que ba de arrancarme a existencia, e
que elle nao tem o que perder, ao cidadao que
est frente da polica deste Estado vem o
abaixo assignado communicar o Tacto que deixa
publicado, para que tome na devida conside
raco e d as providencias que forera precisas,
pois protesto usar dos meus direitos se fr of
tendido por semelhante monstro.
Cordeiro, 15 de Janeiro de 1890.
Ftandtco Primo do Couto.
V. 34
Enfermldades carnadas por
TEiposIeSo. Os mineros que traba-
Iham em toda a classe de minas acharam
na Salsaparrilha de Bristol, urna salva-
guarda segura contra todos os desmanchos
inherentes a urna vida de privares e con-
tinuadas exposc3es taes como rheumatis-
mo, dyspepsia, febres interminentes e bi-
liosas, affecco do figado, abeessos, ulce-
ras, inflammacoes, grandulares, erupcoes,
nevralgia, molestias venreas, etc. Em
todos os casosanda raesmo que se te-
nham aggravado por desmazelogarnte-
se a mais completa cura. Todo aquelle
que a toma de vez em quando como pre
ventivo, fortalece seu systema eoatra as
eniermidades, vigora e augmenta as for9as
vitaes at tal ponto, que preciso velo
para cre o. m medico eminente decla-
rou, que ella se approxima esse fabuloso
Elixir da vida, mais do que nenhum outro
remedio conhecido.
A Salsaparrilha de Bristol acha se
venda em toda a parte do mundo civili-
zado e em todas as principaes boticas e lo-
jas^de drogas.
nstitution Francaise de De-
moiselles
Rna Baro de 8. Borja n. lO
A8 ALCAS ABRIR SE HaO A 7 DE JANEIRO
A directora,
J. Aiour.
COMMERCIO
Revista do Mercado
R'.CIF?, 15 DK JANEIRO DE 180.
O movimento limitou-se a trausaccOes no aier
aio de esmbios.
Cambio
PRAA DO RECIFE
i bancos adoptaram lioV a taxa de 26 I i d.
adiando poneos tomadores.
Em papel particular houve pequeas transac
l$es a 20 l 2.
PRACA DO RIO DE JjNEDJO
Houve negocio a 26 14 bancario e 26 3,8 pa-
pel particular.
TABELLAS AFKIXADAS
i
o
-
I
3
>
\
1
1
5 c- =
5
i
sr

la
2.

o-
o
a
a?
I i
s

. .
- g
1* i g : 0 ^
e
1
f
B

^ f ce -~ az
a a
-1 -j C o a>
a.
K-


8
<
l
8
rs g Si 5,
te -> o o

8
<
p
<
8 :
: i 9
NossaSeihora dolante
Trasladado e aaUsa recada
Com a mxima satisfajlo participo ao
respeitavel publico qne tendo se, concluido
as obras da capella-mr do Venerando e
tradiccional templo da Excelsa Senhora,
que a piedade e magnanimidade dos fiis
acabam de lhe erigir, por este faustoso
acontecimento, est designado o dia 18
deste corrente para a transladaclo on pas-
sagem da imagem do altar lateral para o
seu monumental novo ncho e capel la mor
inteiramente reconstruida, n'aquelle dia
pelas 5 horas ao cahir da tarde, e no dia
seguinte, missa resada pelas 6 e 1/2 s 7
da manhS.
O acto ter lugar assim ;
Tudo estar preparado, urna banda de
msica tocar na occasSo em qne se con-
duzir a sagrada imagem, e ao se col locar
no nicho e fechar-se o caixilbo, dar se ha
signal para subir o primeiro foguete da
salva de 21 tiros e urna grande gyran-
dola ; ao primeiro estampido, ser o signal
aprazado para se repicarem os campanarios
de todas as igrejas la legendaria cidade.
A commissSo, portento, convida a todos
os fiis e especialmente quelles que con-
correram para tilo grande prova de pieda-
de e amor filial para com a Mai do Fho
de Deus, tambem nossa carinhosa e ver-
dadeira Mai.
Bendito seja Deus.
Conseguimos pelo auxilio especial do
co o noBso desidertum e grande commet-
timento Quem nao admirar hoje a trans-
formacSo porque passou e vai passando
(porque continuar, pretende a commiso)
o venerando templo de Nossa Senhora do
JIonte, que a piedade dos antepassados
lhe consagran n'aquella collina santa ha
roais de tres seculos???... Oh! at os
inimigos da grande obra sSo obrigados a
se enrvarem ante Ella, e a clamarem:
nao se pode pdr falta.....faz pena que
um t'-abalho deste fique o dono sem elle....
Alto! nlo prosigamos, por ventura fizemos
ao respeito ou pelo respeito humano ? !..
longe de nos isto; j ficou bem democ6tra-
do, qual seria o humano que nos mereces-
ss tanto sacrificio e acompanhado por tan-
tos dissabores?... si nSo fosse urna f e
esperan$a de que Deus nao deixa nada
sem a recompensa, e que a sustentculo do
templo de Nossa Senhara do Monto, ne-
cessara para a conserva93o e augmento
da f, ni vos asseguramos, que talvez ti
vessemos cabido na indifferenca e menos-
prezo; mas, nXo! o impulso que sentimos
para tilo grande commettimento, foi acora
pandado pela f de que, si Deus quizesse
com. sua Virgem MSi, conseguir se-hia
tudo, e at anda mais do que se poda
esperar E de facto, realsou-se com effei
to a f e a esperanca; quem visita h"je
a capella mor do Monte, volta nteiramen
te admirado e confessando, que s Deus
pode tudo e milito pode o querer. NSo
quizeramos dizer : um dos taes desarTuctos
obra do Monte, alm de pessimo prece
dimento para com aquelle templo, chegou
avanyar a proposicSo de que em breve nos
enxotaria da igreja do Monte. .. Queris
ouvir o quj nos suscitou quando soube
rnos deste disparate ? ? ? aquella passagem
do Filho de Deus, quando expulsou do
templo os vendilhSes, etc., etc.; ora, te ao
Filco do Eterno, lhe causou esta circum-
stancia, s plo se fazer da casa de Jeus,
casa de commercio, pergunte Olinda e
Pernambuco, o que se devia fazer com
aquees que estilo bem longe da creura-
stancia, nao de vender, como os vendi-
lh3es ; mas, de... Quem souber que
traduza a reticencia.
Nada nos admira, nada nos incommoda,
porque de tudo quanto se tem pausado, desde
Marco de 1889 Janeiro de 90, espera-
vamos ainda mais; nao tanto pela fra-
queza humana, mas pelo inferno todo, que
bavia de dar batalha a obra i'aque'la que
lhe esmagou o eolio orgulhoso e soberbo.
Consideramos assim. Ao soberbo Luci-
fer, lhe agradava o estado da igreja da
esposa do Divino Espirito, e elle j con-
tava com c seu desapparecmento, e com
Bolsa
IJTACOBa OFFICIAES DA JUSTA DOS COR
RECTORES
Recife. 15 de Janeiro del8i0
;ambio sobre Londres. 90 d/v. 26 1/i i. p.rtr l,
do bance, houtem
u oresidente,
Antonio Leona 'do Rodrigues.
0 secretario,
Eduardo Dubeux.
Algodo
C.ta se o de 1* sorle do serto a 6/300.
A exportaco feta pela alfandega neste mez ate
o dia 13, con5tou de 330oj8 kilos, sendo 238.955
para o exterior, e 91 538 para o interior.
As entradas verificadas at a tata de h >je so-
bem a 7.207 saccas, sendo por:
B.;cacas .... 731 Saccas
V-yores..... 72
.Viaaes..... 2.814
V -ferr;: de Caruar. 469
Va-ferrea de S.Franciscc. 5i2
V i-frrea de Limoeiro 2.539
Sorama-
7.07 Saccas
Jkssacar
Os presos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
cunde a AssociacSo Commercia Agrcola, foram
.s seguinles:
usinas..... 33400 a 3500
Bronco..... 3000 a 35J0
S)menos..... 2400 a 2/5J0
M .scarado purgado 1*600 a 1*700
urutos..... 1*200 a 1400
R lame..... *9J0 a 1*000
A exporlaco, feita pela alfandega neste mez at
o dia 13, subiu a 7.051.6(9 kilos, sendo 1.892.626
nara o exterior e 5.159.013 para o interior.
As entradas veriricidas atea data de boje, so
bem a 87.894 saceos, sendo por:
Barcacas..... 33418 Saceos
Vapores.....
inimaes ....'
Via-ferrea de Caruar.
Via-ferrea de S. Fraacsrc.
v'ia-ferrea do Limoeiro
4.316
4.791
37 274 r
6065
Sotnma.
87.&9 Saccoe
esta inqualificavel circumstancia, eis os
olindenses e pernambucanos sem o templo
de sua devccZo, f e predilecto; ora,
nestes apuras, eis o inferno satisfeito; mas
Aquelle que, com nm fiat, fez todo, pedia
consentir em tito grande desastre? Oh!
nSo! mil vezes nSo!
Eiamos, christSos! nao esmorecamos ;
guerra Satanaz, inimigo figadal da Vir-
gem das virgens. Ella vos prepara a co-
rda immarcessivel de justiga para a vossa
devocSo e auxilio as suas obras ; e n'a-
quella hora extrema, quando o inimigo da
salvaclo, vier dar o ultimo combate, ah!
confiemos no seu valioso patrocinio,
Ella apresentar ao Fiho, rectiBsimo Juiz,
a boa obra que no seu venerando templo
lhe fizestes, e pelas outras que deveis fa-
zer, estai certos da recompensa que a to
dos vos desejamos.
Olinda, 13 de Janeiro de 1890.
A commissdo.
Couros
Couros salgados 360 ris, e os verdes a lo
res.
Agurdente
Cota-se a 98*000, por pipa de 480 litros.
Alcool
Cota-se a 190*000 por pipa de 480 litros.
el
Cota-se a 55*000 por pipa de 410 litros.
Tuberculoso pulmonar
Cura garantida pelo Peitoral de Cam
bar.
Advocado
Bacharel Celso F. Henriques de Soza
Mudou seu escriptono para a ra do
Imperador n. 77, 1." andar.
Aviso ao oommoreio
o ao ^uWioo
R. de Drtizina & C. de-
claram que sao os nicos
importadores nesta prac,a da
verdadeira cerveja marr
ca PHONIX da fabrica
Export bier-Brauerei Dort-
muiid.
Pedem )s mesmos que
evitem as falsificales
Arithmetica, Algebra, Geo-
metra e Trigonometra
O bacharel Trajano Alipio Temporal de
Mendonca ensina as materias cima. Ra
do Hospicio n 85.
BroncbJte aguda on chrouica
O Peitoral de Cambar o melhor rr-
medio.
Collegio Amor Divino
Ra da Impcratriz n. SZ
As aulas abrir se bSo no dii 7 do corrente.
A directora,
Olimpia Afra de Mondonga.
COLLEGO
De S. da Penlia n. 37,2 audar
RA DA AURORA
Sol a dirceco de Augus-
ta Caruelro
Os trabalhos lrclivos desie estabeleclmeno
de icstrucao primaria e secundaria, para o
sexo feniainu, principiarao a 7 de Jane.ro
--
0 extrnalo Santa Luzia, na ra de Marcilic
Dias, acba-se funccionando dede o dia 7 de Ja-
neiro.
Ahi encontrara' os p-itt e tutores urna des-
venada preceptora para suas Liltias ou tuteila-
das.
Pauta da Alfandega
SEMANA CE 13 K 18 DE JANRIHO PB 18S0
Vide o Daro d 1? Jmeiro
\avio a descarga
Barca norueguenae Pusnas. carvo.
Barca norcegue se O/w, carvo.
Barca norueguense Spekulation, carvao.
Barca allema Schuam, varios geaeroy.
Barca norueguense Suez, carvao.
Barca sueca Gripe, carvao.
Barc> allem Rhia, carvao.
Barca norueguense C'ollertor, carvao.
Barca a lema E-tel Tntz, varios geueros.
Brigue italiano Immacotita Concezione, varios
gneros.
Escuna orutcueose Geftone, xer Escuna portuguesa FeUmra,. riniKM
Lugar alleuiio Harold, varios gneros.
Lugar ioglez Imogene. ba^ibo.
Lugar norueguense I.ekni. varios gneros.
Lugar inglez Flora, bacalho
Lugar portuguex Mana, varios gneros.
Lugar allemao Marte Stjh, carvao.
l'atacbo nirueguense Aalimg. xarque. '
Patacho ho.landez Clara, xarque
Patacho hespaono! Encarnacin, xarque.
Patacho noraegneoe Lodsea, varios generes-
Patache inglez AUceAda, xarau>.
E&porfaeao
ECire, 13 Di JANtUO DE 1890
Para o exterior
No lugar portugus JUaria, para Porto,
carregiram:
Amorim Irmaos 4 C., 100 couros itUados com
12,000 kilos.
No vapor inglez Vortuense, para New Yoik,
carregaram :
J.Pater C, 8,000 saceos com 60),000 kilos
deassucar miscavado.
faro o mter'ot
No vapor inglez Comtta, pire Rio Grande
do Sul. carregaram :
F. Aves & C, 170 barricas com 16,490 kilo;
de assucar branco e 30 ditas com 2,910 ditos de
di o mascavado.
I ara Pelotas, carregaram :
A. S. Couto 4 C, 10 pipjs cju 4.80; litros de
agurdente.
?ara Porto-Alegre, cirregaram :
Os mesmos, 10 pipas com 4,8 0 litro; d
agurdente.
Para Rio de Jaceiro, carcegara n :
Os mesmos, 10 pipas com 4,830 litros de
aguarden e.
P. Carneiro & C., 100 banis cozi 8,000 litr>
de mel.
No vapor nacional Camillo,' p ra Rio Gran-
de do Sul, carregaram :
A. S. Couto St C, 15 pipas com 6,200 litros
de agurdente.
No vapor inglez Holbein, para Rio de Janei-
ro, carrega am :
H. Burle 4C, 1,900 sacco3 com lli.OT'O kilos
de assucar branco ej, 100 ditos coa 66,000 ditos
de dito mascavado.
P. Carneiro 4 C, 237 saceos com 13,420 kilos
de assucar branc e 1,765 ditos com 103,300
ditos de dito mascavado.
00LLEO0 11 DE MOSTO
DIRECTOR
Bacharel Manoel Sebastio de Araujo Pedroza
95-RUA DO VISCONDE DE ALBQUERQU&-95
Tclephonc 30*
As aulas reabrr-sehSo no dia 13 do corrente a cargo de pessoas habilitadas
como nos annos precedentes.
O director convicto de que at hoje tem desempenhado a saa miss3o, espera
continuar a merecer dos pais de familia e do publico em gera! a mesma confianca
que lhe teem dispensado no decurso de dez annos.
O resultado dos exames prestados ltimamente na Faculdade foi o "mais lson-
jeiro possivel, pis dos 40 attestados de hablitacSo conferidos pelo director somonte
um foi mal suceedido em prova oral. -
Alm dos alumnos que tiveram attestados do collegio, muitos outros dos que
se submetteram a exames com attestadoz de fra foram tambem approvados.
Este collegio admitte somente alumnos internos e externos, sendo que para
estes mantem urna banca de estudo, o que constitue a vantagem dos meio pensionis-
tas que nSo admitte.
COLLEGIO PBYTANiO
Estrada de Joao de Barros, d. 27
Este estubelecimento particular de educ.icSo e ensino tem operado grandes re
formas em seu prog^amma de ensino e em sua economa, collocando-se na altura de
collegios particulares das principaes cidades da Europa. E' assim que, alm da in-
etracc3o intellectual. pbynica e domestica, methodica, perfeita e completa, ministrada
por um corpo docente Ilustrado, e pelo director o sua fami a, o Collegio Prytano
fornece aos seus educandos internos, mais as seguintes vantagans, desconhecdas e
nSo offerecidas em nenhum dos collegios da Repblica, quer pblicos quer particula-
res : todos os objectos de escripturacao, tratamento medico em qualqiier doenca UM EKXO
VAL COMPLETO DK ROUPA DIARIA, IE CAMA E DE BANHO, CALCAD), etc, J e tudo pela
mesma pensao de 600000 annuaes, paga pelo coutribuinte em qualquer out-o inter-
nato do Paiz.
O Collegio Pry'ano recebe alumnos internos, semi-internos e externos Est
localisado em am dos mais saudaveis e aprdziveis arrabaldes da capital, em im gran
de predio de vast-s e sadias acomnodaco-s, com um espacoso hem arborisado po-
mar para recrios; agua encanada, c iluminada lampadas de gaz carbnico de sys-
thema mu recente. Est situado na Estrada de Joo de Sarros, n. 27, muito pr-
ximo da estacSo d Principe, da via-ferrea do Recife a Olinda; fica perto da linlia de
bond de Fernandes Vieira e tem na vaianda para maior saliencias urna grande ta
boleta em o distico do Collegio.
Ha no estabelecimento Estatutos impressos, quo esclarecen! e nao deixam du
vidis. Abre suas aulas no dia 15 de Jaceiro prximo di 1890.
Podcm dar informacSss e expeacoes detidas sobre o Collegio Pry'ano, os ci-
dadSos': Drs. Adolpho T. Oirne, Augusto C- Vaz e Eduardo ilveira; e os neg.)
ciantes Joaquim Medeiros, Alipio Rosado, da firma Guerra & Fernandes, Odilon Da-
arte & Irmil) e Antonio Rodrigues de Souza & C. Em mSo desses cavalbeiros en-
contrarse hao estatutos impressos do Collegio.
Reafo, 28 de Dezembro de 1889.
O director,
_________________________________Tranquilino 6. de M. LeMo.
Ingle?, e Francez
Cursos ra da Aurora, n. 37, 2.J an-
dar.
Professora
Urna senhora perfeitaxien'.c habilitada e
com bastante pratica de ensino prope se
a leccionar em collegins e casas particu
larts as seguintes materias: portuguaz,
trancez, msica e pian-, a tratar na ra do
Viscondc de Albuquerque (antiga da Ma-
triz da Boa Vista) n 20.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especali
ade de molestias de senhoras e creanca:
Coc8uitorio e residencia ra da impe
atrz n. 13, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manhS.
Chamados (por escripto) A qualquer hora
TELEPHOKE N. 226
Tosse convulsa! coqueluche
Nao deis enanca senSo o Peitoral de
Cambar.
m&~~
^*$m
0 Dr. Ermirlo Conlioh:,
de volta de sua 'vagem Europa, ou
de se dedicou espeoialente ao es-
ludo das molestias do systema ner
voo, lix^u sua residencia e cnsul
torio a roa da Auror;: n. 65.
Consultas (e meio dia as i horas,
fc, TELEl'ilO.N'E X. 367
'.V?
Escola particular para me-
ninos
Joao FraEciso da Costa Fillio, alumno mes-
tre tituado pela Escola Normal deste Eiado
srieniiho. aos pai de familias que na ra de
Chrislovo Coloiob n. 7 (anltpa trav.ssa do
Loliato) a;ham se abertas as malrizulas de sea
e. cola, no dia 7 de Janeiro.
Pregos commolos.
j.j Leonor Porto
Ilua Larga do Rosario nu-
mero 'iit
SEGUNDO ANDAR
( 1 Contina a execatar os mais difficcis
{ JfiguriJOS recehidos de Londres, Pariz,
( } Lisboa e Rio de Janeiro.
j Prima em perfeicto de costuras, em
Jem brevidade, moclicidade em precos e
! | fino gosto.
JORGES PARA EUROP i
G. jLapoi*(c41 RA DO BARAO da
victoria encarrega se de assignaturas
pan os Jornaest da Europa, Modas, Poli
ticas, Agricultura, lllustracao, Engenha-
ria, Medicina, Artes, etc., etc., garanta
absoluta de rcgularidade.
M. Borges 4 C, 240 saceos com ii,40J kilos
deassucar mascavado.
Burle & C, 2 saceos com 13,200 kilos de
assucar mascava lo.
No vapor fraacez Ville de Montevideo, p.ra
Santos, carregaram :
Silva Guimarcs & C, 750 saceos eom 43,060
kilos de assucar branco c iOO ditos com 2i,000
ditcs de dito mascavado.
A. Labille, 1,000 saceos com 60,000 kilos de
assucar mascavado.
Para R;o de Janeiro, carivgaram :
Os mesmo3 800 saceos com 4S 000 kilos de
assucar branco e 200 ditos com 12,0.0 ditas de
dito mascavado.
N j vapor nacin. 1 Principa do Grao Para,
para Babia, carregaram :
P. Aires cC, 5 barricas com 250 kilos de
assucar branco.
No vapor inglez Portuense, para o Para,
carregou :
Manoel Ucneze?, 15 barricas com 1,260 kilos
de assucar branco.
No hiatc nacional Deus t; Salte, para Ma
cae, carregou :
G.C.Lima, 110 saceos com 6 600 kilos de
miio.
Dlnhclro
RECEBIDO
Pelo vapor nacional Principe do Grao Par,
para:
francisco Manoel da Silva & C. 525*000
EXPEDIDO
Pelo vapor nacional Una, para :
liba Rata 8.736*000
Rendlmeutos pblicos
MEZ DB JA.VEaO
Alfandega
Renda geral :
Do dia 2 a 14 369.3?6*560
dem de 13 44 959*929
Recife Draluagc
Do dia 2 a 14 1:785*144
dem de 15 297M67
J:80JS0A

V
.Mercado Municipal de S.
O movimento dcste mercado ni di
Janeiro foi o seguinte :
Entraran) :
28 l/J bois pewndj 3.949 kilos.
530 kilos de paixe a 2J res
3 cargas com farioba a 20J r?.
10 ditas de fructas d versas a 300 r?.
%3 columnas a CjO rs.
1 escriptorio a 300 rs.
40 taboleiros a 200 rs.
17 sainos a 200 rs.
71 compartimentos de farinia a 500
re.
28 ditos de comidas a 300 rs.
97 ditos de legumes e fazendus a
400 re.
8 ditos de fressuras a 600 rs.
16 ditos de sainos a 700 rs.
o Compartimentos de camaro-js
a 200 rs.
34 talaos a 2*
Renda provincial :
Do dia 2 a 14 79 50oo
dem de 15 9:131*590
Soturna t>
414:3 6489
88.70U113
503:0*760i
Segunda sceco da Alfaadega de Pernambuco,
15 de Janeiro de 1890.
O thesoureiroFlorencio Domingues.
0 chele da seccSo Cicero B. de Mello.
Rceebedorla geral
Do dia 2 a 14 16:617*246
dem de 13 1:417*857
18 035*103
Reeebedorla provincia]
Do dia 2 a 14 96:490* W7
dem de 15 68*301
Jos
a 14 di
lOiGW
600
35000
19 800
300
8*000
3*400
3o Jo
14*000
38 800
i 800
11*200
1*000
63*000
96:538*708
219*000
Reolimento de 1 a !3 do Corrate 2:754*8(0
2:973/800
Precos do dia:
Carne verde de 30 a 430 res o kilo.
Carneiro de 640 a 800 idem.
Suinos de 560 a 640 ris idem.
Farinha de 40} a 560 ris a cuia.
iliilio le 440 a 560 ris idem.
FeljSo de 800 a 1*000 idem.
Maiadouro publico
Neste estabelecirueto loram abatidas para o
consumo de hoje 81 rezes pettencentes a dive ?
eos marchantes.
BAStO SIL AMERICANO
Capital 20.000:OO^OOO
ESTE BANCO FNCCIONA
A
88 Rna do Commercio3 8
Desconta letras e contas assignadas.
Adianta dinfaeiro sobre CAU9S0 de titu'os
e mereadrias e abre contas correntes com
garanta dos meamos effeitos.
Recebe em deposito ttulos e valores.
Faz movimento de fundos de praca
prca e concede carta de crdito, abono e
nanga.
Paga em conta corrente de movimento
3 /o ao anno.
Recebe dinheiro a prazo fixo ou por
aviso a juro convenciooado.
E faz outrat operacSes banoirias.
Collegio Meira
Este antigo collegio contina a funecio-
nar na ra da Impcratriz n. 63, abrindo
suae aulas no da 7 do corrente mez de
Janeiro.
Seu director solicita aos pas de familia,
que desejam o real aproveitamento de seus
nlbos, o obsequio de attender ao que vai
exposto.
Alm dos preparatorios para a matricula
as Faculdades de Direito, ensnar-se-ba
tambem a fallar, escrever e traduzir a
lingua franceza, a ingleza e a allemS, sen-
do profeisor d'esta o Sr. Algernon Schie-
fler.
Q lado moral da educacSo de seus alum-
nos, do metno modo que o intellectual,
mereeer-lhe ha serapre o mximo inte-
resse.
O resultado dos exames prestados no
fim do anno prximo passado, na Faaul-
dade de Direito, pelos alumnos do Col-
legio Melra, sao a prova mais eloqnen-
tes, e ao mesmo tempo, a nformacSo mais
cnteriosa das vantagena que offerece dito
collegio.
Assim que, dentre os 80 exames que
prestaram cnt3o os alumnos, apenas 8 fo-
ram mal succedidos, merecendo 6 d'ellee
distinccjlo, sendo pleniricados 31 e sim-
plifisados 35.
Dentre as discipulas que habilitaran:-c
prestar exeme : D. Adelint Cabral e
D. (.'arolina Simos foram approvadas com
distinecao em inglez e plenamente em
francez ; D. Mara da Esaltac2o Cabral
e D. Adelaide Cabral fizeram aquella
dous exame8, e esta um, sendo plemfic.-
das n'ellcs.
Contina a funecionar a aula primaria,
que poder receber alumnos da mais tenra
idade, pois dirigida por duas filhas do
director, das quaes uma a bacharel Ma-
ra Augusta Coclho Meira de Vasconcel-
los.
Admittem se pensionistas, meio-pensio-
nistss o externos.
Entre os exercicios physicos que tanto
convm sade, ensinar-se-ha esgrimir
espada.
Tambem podeiSo aprender msica os
alumnos que quizerem.
O easino de msica, o de allemao e o
pratico das lingas franceza e ingleza se-
rSo mediante ajuste previo.
Recife, 1 de Janeiro de 1890.
O director,
J.scencio Minervino M. de Vasconcettos*
V

.
xasasscM
Cirurg-io Dentista
DR. ROBERT P. ExVWLINSON, for-
aado pela Universidade de Maryland no*
Salados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na ra BarSodo Victoria 18, Io an-
iar.
Consultas dau 10 s 4 horas da tarde.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, oculista,
ex chafe de clnica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, d consultas de
1 s 4 horas da tarde, no Io
andar da casa n. l i ra do
Bario da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.'
Residencia ra Scte de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone "2S7.

:*?
... .
M

Auxilios lavoura
Pereira Carneiro & C. continuam, autorisados
seto Banco do Brasil, conceder emprestimos
i lavoura das provincias de Alagoas, Parahyba
; Kio Grande do Norte, mediante as condicoes
de que es inleressados serao informados no es-
criptorio a ra do Commercn n. 6 das 11 horas
la raanh s 2 da tarde.
Banco Sul Americano
38-TtUADO COMMERCIO-38
Saca por todos os vapores sobre o Ban-
co, de Portugual em Lisboa, Porto e outras
localidades do mesmo Reino.
Banco Sul-americano
Ba 1 : Commercio n. 3S
Compra e vende saques sobre Bahia, Rio de
Janeiro, Sano?., S. Paulo c Campias, e faz
juaesqut-r operacea de crdito sobre as mes
m. s pregas.
Vapores a entrar
MEZ DE JANEIRO
Europa......- Montevideo........ 16
Sul......... Alagos........... 16
>x........... Magdalena....... 17
Europa....... Atrato............ 17
Norte......... Para............. 18
Cear........ Papama......... 20
Norte......... Mandos........... 25
Sul........... Espirito Santo..... 27
Vapores a sabir
MEZ DE JANEIRO
Santose esc. Ville de Montevideo. 16 as 4 h
dantos e esc. Montevideo........ 16 as 4 h
Europa......Magdalena........ 17 as 4 h.
outnampton. Atrato............. 17 as 2 h.
Norte........ Alagoas........... 17 as 5 h.
Sul.......... Para............. 18 as 5 h
Sul..... Manos........... 23 as 5 h.
Norte........ Espirito Santo...... 28 as $ li.
Movimento do porto
Navios, entrados no dia lo
HoSo:-lS dias, hiate naci. I Apody, de 80 to-
neladas, raestr Francisco Alberto de Souza.
cquipagem a, carga sal: a Antonio da Silva
Campos.
Porto Alegre -3-5 dias. loga brasileiro Marinho
I. .le 233 toneladas capitao Guilberme de Oli-
veira Brando, equipagem 8, carga farinha de
mandioca ; a Pereira Carneiro & C.
Navios sahidos no mesmo da.
Rio de.oeiro e escalaVapor iuglez Holbein,
commandanlu Joseph Djvies, carga varios g-
neros.
Philadelphj Logar americano Edward Johnson,
capitao i. S. Wrreo, carga assucar.
Rio Granle do NorteBorca" portugtieza Quite-
ria, capitao Antonio Jos dos Santos, em las-
tre.
Baha e escalaVapor nacional Principe do Grao
Vara commandaate Julio Cesar" de Lacero,
cerga varios gneros.*
FernanJo de NoronhaVapir nacional Una,
commandaate Alfredo Monteiro, carga varios
gneros.
BarbadosBarca norueguense Madona, capitao
3 Nicolaisea, em lastro.
BarbadosBarca americana Serene, capitao Tno-
maz Sagennan, em lastro.
CearRate nacional Camela, mestre Manoel
Antonio da Silva, carga varios gneros.

^
i





Diario de Pernambnco-Quinta-fira 16 de Janeiro de 1890
*

V '

\
t

'*
r
Aguas alcalinas de mondarlz en
Poste Vedra aa Hespanka
Estas aguas contem om si mineras* que
produzein um effeito maravilhoao em qual-
quer creatura que faga o*o deltas. Como
ceja para as molestia de estomago, qual-
qner que sejam ellas, para aa molestias
molestias, so ha differenca em mais ou
menos porfo das aguas que se tem de
tomar para produzir bom resultado.
Acbam-se a venda em casa doSr. An-
tonio Affonso Si'mdes na ra do Visconde
AJEDICO HOMEPATA
Dr. UWu. da Silveira
Especialidadefebres, molestias
das enancas, doB orgaos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualqner chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.}
391
Adrogado
Miguel Jos de Almeid Peruambuco tem o seo
escriplorio de adrocacia ra do Imperador n.
81, onde sera encontrado todos os (fias uteis, das
doras da 9 manh as 4 da urde.
Dr. Silva Leal
CLNICA MEDICO CIBBGICA
Consultorio e residencia rna do Livramento.
n. 6 1 andar Consa tas das 11 s 3 horas da
tarde. Chamados a quatquer hora, por escripto-
CONSULTORIO MEDICO
O Dr. Cosme de S Pereira d
consultas medico-cirurgicas todos
os dias, (menos nos domingos e
dias santificados,) das 9 ao meio
dia, na ra da Imperatriz n. 8, 1 .
andar. Ahi mesmo far curativos
simples aos que deles precisarem.
EDITAES
s
}{
i)
Dr. Mello Gomes
Medico operador partero
46Ra do Barao da Victoria46
(DEFRONTE DA PHARMACIA PINHO)
Onde tem consultorio e resi-
dencia i podendo ser encontrado e
recehendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades: partos, febres, moles-
lias de senhoras e dos pulmes, syphilis
em geral, cura rpida e completa c ope-
racocs de estrllame ntos e mais soffri-
cientos da uretra.
Acode de prompto a chamados^para
fra, a qualquer distancia.
Telephone n. 394
A la Rosa Alemana
A cerveja La Rosa Allemana nao con
tem acido ou productos chiinicos.
A preparado da cerveja La Rosa Ale-
mna chegou an mais alto grao de perfei-
$Io. E' SUBLIME, muitissimo agrada-
vel aa paladar, finalmente urna combi-
r.&cao de substancias podescras para a boa
alimentaco. As mais afamadas cervejas
c2o trazem o nome do fabricante. Entre-
tanto o proprietario da cerveja La Rosa
Alemana tendo conquistado o segredo da
-iua saudavel cerveja registrou a marca
com a sua firma no rotulo.
E como tere a honra de requestar a
eympathia publica e para que a cerveja
La Rosa Alemana continu a gozar do
<;onceito do respeitavel publico, amiudadas
veces manda examinar a sua cerveja pelas
celebridades chimcas.
Diversos attettadoa de chimicos e douto-
ves eui medicina justifican) que % ceiveja
La Rosa Alemana muito saudavel a um
-eob rano allimento, cuj-.s documentos fi-
ara disposicao do respeitavel publico.
Diz o Dr. Vernier: Tenho por muitaE
vezes examinando no laboratorio publico o
creveja La Rosi Alemana e nao encontar
materia chimica e sim urna gigantesca pre-
tiaragao do substancias que representam
sima valiosa riqueza para a alimentacao.
A carveja La Rosa Alemana goza de
grande conceito na Europa c um Ilustre
avalhciro desta pra;., a pouco chegado
portal-a convencido de ter grande accoita-
lo aqu.
Tem venda em grosso e a retalho,
lcehado- & C, rus do Vigario n 19;
Albino Fornaudes C, ra do Mrquez
<1; Olinda n. 2; Jos da Costa Oaseiro
<3i O., ra da Cruz n. 13; Lopes & Aran
jo, ra do Livramento n. 38; Vasconcel
los Sobrinho dt C, ra da Aurora n. 81 ;
K. Fcrreira & C, ra Mrquez de Olinda
n. 50; Pocas Mendes & C, ra Estreita
do Rosario ; Manoel Joaquim Alves Ri-
beiro, travessa das Cruzes: Pereira Fer-
reira & C, ra do Imperador; Joaqnim
Chistovao *S C, ra do Cabug; Jos
Fernandos Lima & C, ra Nova; Salga-
do-A C., ra das Cruzes r. 20; Antonio
Almeida Rabello, ra da Uniao n. ?; An-
tonio Souza Duarte Ferreira, ra da
IJoiao; Antonio Jos Martins, praca Con-
de d'Eu ; Marcelino Martina Gesteira, ra
do Vigario n. 6; Azevedo Maia & C ra
da Imperatriz; Manoel de Oivcira Menor,
ra do Visconde de Goyanna; hotel da
-Magdalena; Ivo Sobrinho & C, oyanm;
Francisco Nones Monteiro, Goyanna; Cus-
todio Figuciredo & C, Parahyba ; Fonse-
ca IrmSos & CJ Parahyba : Benvenuto &
4j^ Parahyba.
Tribunal da Ilela^o
De ordem de S. Exc. o Sr. desembargador
presidente da ilelacao. fago publico, para que
chegue ao conhecimento dos respectivos ju'.z^s
do districto deste tribunal, o aviso circular do
Ministerio dos Negocios a Instiga, que sj se-
gu :
Rio de Janeiro, Ministerio dos Xesosio's Ja
Jusliga. 24 de Dezembro de 1SR9.
Rrcomraendo-Yos i estricta obst-rviaeia. ne=fc
tribunal e nos jBixoj e tribonaes riease distr.cM,
do disposto na O.d. l.v I. Tit. 48 f liml, que
prohi'n' ao advogado e a qualquer procurador
judicial o exercicio de. suas funcfO s persuto
juiz que sej seo ascndente ou descendente,
sogr ;>a aeato, irm.o ou cuntudo durante o
cunhadio ; e porqu3 se teuha eolcadid* na pra
fea que esse impedimento pir-unalissiiuo
sea attender a que o decoro c a dixnidade du
jastica exigem se remova toda suspeita de par-
cialidadc, e nao somente o jaiz, mas todo o jm
zo, pela dependencia em que estao 08 serven
manos e mais officiaes, se recentem da influen
ca de tao eftreito parentesco, declaro que a re
ferida prohibico nao deve ser illudida, dando
se o iuiz de suspelto, para requerer o advoca o
pu procurador impedido perante os supplicaotes
do mesmo juizo. Sade e fraternidade.
M. Ferraz de Campos Salles.
Secretaria da Relacfto do Recite, 11 de Janeiro
de 1890.-*-0 secretario.
Virgilio Coelho.
DECLARARES______
Instituto Beneficente dos Of-
ficiaes da Guarda Nacio-
nal de Pernarabuco
De ordem do cidadao presidente do Instituto
convido aos 13rs. socios para se reunirem no
da 16 do corrente, as 2 1|2 horas da tarde, em
nossa sede, alim de incorporados dirigirem-se ao
palacio do governador para attender ao cenvile
feito.
Secretaria do Instituto, 14 de Janeiro de
1890.
0 Io secretario,
Gaspar Antonio dos Res.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
Perante i junta administrativa, em sesso do
dia 7 do corrente, recebec:-se t ropostas pura o
forit'cimenio de carne verde de ruuilo bou qua-
lidadc todos os estabelecimentos desta santa
ca, no trimestre de .aneiro a a ar^o vindouro,
mandendo o contratante lvala sua cusa aos
referidos estabelecimento?, e sajeitando se s
dtmiis con ig6e do contrito, sendo as contas
pairas mensaljneote.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia de
Rccifc, 2 de Janeiro de 1889.
0 cscrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Escola Normal do Estado
de Pernambuco
Matricula
De ordem do Dr. director taco publico,
a quem interessar que a contar do dia 15
do. corrente, at 3 de Fevereiro, estar
aborta a matricula para os diversos annos
d'esta Escola. Os pretendentes deverSo
requerel-a ao Dr. director, provando para
a matricula no 1. anno :
Io- Idade maior de 17 aonot, se forem
do sexo masculino, e de 15, sendo do
sexo fe minino ;
2.oIsencSo de culpa que motive a
perda da cadeira de professor publico;
3.Ser de bons costumes ;
4.NSo soffrer molestias contagiosas
nem defeitos physicos que os privem de
bem exercer o magisterio ;
5. Habilitaclo as materias professa-
das nos tres graos do ensino primario, ou
naa do exame que houver de Azer -na
escola.
Quan'.o matricula para os outros an-
nos basta ser a peticao instruida core cer-
tificados de approvacao era todas as ma-
terias do anno anterior.
Out:osim declaro, que o mesme ut. di-
rector tem designado o dia 2i do corrente
pra comecar o exame di que tracta o
art. 27 do reglainor.to vigente.
Secretaria da Escola Norma!, 7 de Ja-
neiro de 1S90.
Francisco Carlos da Silva Fragoso,
Secretario.
Soeiedade
sao
Advogado
Rr. Ciodoaldo Lopes
ESCRIPTORIO
i Fredcrico Chaves Jnior j(
Homoepatha
139 RA BARO DA VICTORIA 39
rrimeiro andar
Companhiados Trilhos Ur-
banos do Recife a Olinda-
e Beberibe.
Dividendos
>'o dia 14 do corrente,'das 10 horas ao meio
dia. pagase no escriptorio da companhia o 30
dividendo, rea ivo ao semestre lindo, a razo
de 8 |, assim os juros das aeces preferen-
ciaes Nos dias 13 18 para esse mesmo tim se
achara as orlens dos Srs. accionistas o Sr. the-
soureiro, sendo os pagamentos feitos de tal da-
ta em diante as terca 3 e sabbados que forem
dias uteis.
Escriptorio do gerente da companhia, 10 de
Janeiro de 1889.
Antonio Pereira SimSes.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
Na ecretaria da Santa Casa- re bem-se pro-
lostas pa-a arrendamenlo do predio ti. 33, roa
arquez de Olinda, com araasem proprio pira
oalquer estibelecimento commercial, com
:rande reducao no prejo da -enda.
\s propostas sero apreciadas pela junta em
ua sesso prxima.
Secretaria da Santa Casa-de Misericordia do
tecife, 30 de Outubro de 1889.
0 escrivao,
Pedro Rodrigues de Souza.
Concurso de segunda en-
trela
liK-ioiiiaria de l'uxenda du Estado
de Pernambuco. 7 de Janeiro de
180
De o dem do cidadao inspector, fago publico
que ficamtrcado o praso de 60 dias-, acontar
desta data, para ter lugar nesta thesouraria o
com urso de segunda entrancia, auloriado pela
ordem do Tbesouro Nacional n. II de 30 deNo-
vembro ultimo, o qnal sera regulado pelo dr
relo n. 10,349 de 14 de Setembro prximo pas-
tsado, que d:spCe o seguinte :
Art 1-
As magnas d) concurso para os lugares de
primeira entrancia ser5o:
Grammatica da liegos nacional (orllioyrapia,
analyse e redaccao) ;-"
Grammatica das linguas f.ancez.- ingleza
(leilura, tradcelo e analyse) ;
Arilbmetica e seas applicacoes ao c;mmercio
e lis repartiecks de f. zenda ;
Algebra at eqnajOes do segendo grao ;
Ecrpturac/io mewa^.til por p: rtiJao dobra
dss.
. Art. 3
As materias do concorso para os emprego
de segunda entrancia serao :
LegislacSo de Fazenda;
Pratica de rpartigao.
0 exame se far, salvo a bypotnese do ar;.
28, por um questionario q le sera publicado pelo
Thesouro
Art. 28
Os actuaes empregado* de primeira entran
c'a nao poderao sf r nomeados para lugares de
segunda sem dar prova plena de quesabem, nao
s a pratica da repartilo em que serviem, mas
tambera as materias designadas no art. 2
Os que se rio habilitarem dentro de dous
annof, contados ta dita deste dteroto, conside
rar sj hlo desligados do servico d Fazenda.
Outrosim, os candidatos devro requerer a
iiicripcao de teus nomes" i commissiio respec
liva, instruindo suas pen;6es com os seguintes
documentos:
1.a Certido das notas que tivercm no ponto
de sui reparticlo ;
2 u At testado do competente en efe sobre a sua
aptidlo pira o servico publico : de conforaida-
de com o art. 10 do citado decreto.
Taesouraria de Fazenda do E-Udo de Pernam
buco, 7 de J.neiro de 1890. ,
O secretario da junta,
Dr. Antonio Jos de Sant'Anna.
Banco doBmii
Pelo presente
convidados os Srs. ac-
cionistas das novas ac-
eoes lo Banco do Bra-
zil, aqui subscriptas,
a virem realizar a se.
g-unda entrada de dez
por cento ou vinte mil
ris por ac^o, nos dias
21 a 25 do corrente no
es erip torio de Pereira
Carneiro 8$ C, ra do
Commercio n. 6, 1.
andar.
Secretarla da Inslrucfo Publi-
ca do Estado de Pernambtica.
O de dTaaelro de 1SSO.
EDITAL N. 1
De ordem do cidadao Dr. inspector geral da
Iostrucclo Publica deste Etado, faco saber a
quem interessar pDssa que, nesta secretaria, re-
cebem se, at o da 20 do carrete mez, propos-
tas devidamente selladas, em enveloppes fecha-
das, para o f jrnecimento dos seguintes objectos
durante o exercicio corrente, com a indicarlo
dos precos.
Papel almasso pautado, resma.
Dito liso, idem.
Dito de peso pautado, caixa.
Dito roseo timbrado, resma.
Dito dito sem timbre, idem.
Dito de qualqner das seguintes marcas Ecu.Car
r, Railiu, Jsus.
Livros, idem.
Pennas de ac. caixa ou duzia.
Tinta Blue-llach, de Herminia Costa, duzia de
botijas.
Lapis Faber ns. 1, 2 a 3. duzia.
Obliterador, duzia.
Mala borrlo, cento de folhis.
Enveloppes grandes e pequeas, timbradas e
lisas, caixa.
Caetas linaj, duzia.
Lapis de cor. duzia.
Gomma arbica, duzia de frasco.
Caivetes Anos, duzia.
Tbesouras de 6 a 8 pollegadas, duzia.
Raspadeiras, duzia.
Agarras maiores e menores, caixa.
Cadarco estreito, masso de duzia.
Brabantes, prego de um novello.
Enveloppes pequeas, brancas, caixa.
Os pretendentes deverlo apresentar as amos
tras dos artigos que offerecereiu, das quaes tica-
rao nesta secretaria somente as que forem pre-
feridas para confronto da qualidade na occasilo
do fornecimento.
O secretario,
- Pergentino Saraiva de Ardujn (Salvao
Club Carlos Gomes
0 sarao mensal desta club ter lugar sabbado
18 do corrente. podenJo os seohores socios mu
nirem se de smi convites na respectiva secre
turki, das 7 as 9 horas da noite.
Secretaria do Club Carlos Gomes, 14 d Janei
ro de 1890.O 1- secretario,
______:__Alvaro Pinto Alves._______
Banco do Brazil
Paga-se o 72 dividendo, razo de
dez rail res por acejio das antigs e qua-
cenios res por aeco das novas no eslro-
criplorio de Pereira Carneiro & C.,
ra do Commercio n. 6, i. andar.
Recife, 7 de Janeiro de 1890.
Praso de 30 dias
Pela inspectora desta alfandega se faz publi-
co que s i I horas d j dia 20 do mez de Janei-
ro vindouro serlo arrematadas porta desta
repartico, as mercadorias abaixo mencionadas,
nos termos do tit. 5- cap 5- da Mnsolidacao das
leis das alfandegas e mesas de rendas, se os
seus donos ou consignatarios nao as despacha-
rem e as retirarem no referido praso de 30 dias,
acontar da data diste edita', sob pena de, findo
o mesmo praso, sercm vendidas por sua conta,
sem que Ihcs fique dircito de allegar contra os
effeitos desta venda :
Arm rem n. 2
Marca triangulo eC no cent o. i caixa n. 2727,
viada de Liverpool oo vapor inglez Sckolar, eo-
trada em 19 de Marco de 1889, coisigoada a
Carvalho Jnior t'Leite, Ciiendo 24 cadeiras
de madeira ordinaria coitfassento c encost de
palha sem bragos.
Urna dita o. 2728, idem idem, contendo 24
cadein.s de madsira ordinaria com asento e
encost de palha n>m bragos.
Urna di a n. 2730, idem idem, conteido 12 ca
deiras de madeira ordinaria com assento e en
costo de palha sem br^gos, e 6 ditas de madeira
ordinaria com assento c encost de pama com
bracof.
Urna dita n. 2 31, idem idem. contendo 18
cadeiras de madeira ordinaria com assento e en-
costj de palha com bracos.
Companhia Perntmbusana
Mar a JAC, 1 barril de dcimo, viudo de Lis;
boa no vapor Jnglez Dtlambre, entrado em 15 de
Abril de 1889, consignado a Joao P. Fen eir.,
contendo 24 litros de vinbo commura.
3.' secc4o da Alfandega de Pernambuco, 19
de Dezembro de 1889.-0 chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Baleias uradas a 240 a duzia.
DOS
artistas Mchameos e Li-
beraes
Tendo de celebrar se no da 19 do corrente a
sesso magna commeaorativa do 48." aniver-
sario da iostallacSo desta aseociacSo e 9.8 do
Lyceo de Artes e ofllcios, convido a todos os
nos $os consocios para assistirem dito acto, que
tera lugar s 11 horas da manha do indicado
dia, assim como a missa que o proceder, cele-
brada na capella do estabeh cimento, em acjSo
de (Tracas suapadroeira.
Secretar a da Soeiedade dos Artistas Mcham-
eos e LiDeraes, 12 de Janeiro de 1890.
O 1 secretario,
_^__________ Joaquim L. Teixelra.
Banco Nacional do
Brasil
A Caixa Filial do Banco Nacional do Bral
nesta praca, entrar em liquidarlo no dia 31 do
coi rente, tra feriedo para esse fim o sen activo
e passivo ao Banco de Pernambuco, que execu-
t ir as operacOss pendentes. Pernambuco, 19
de Dezembro de 189.
Wilham M. Webster,
Gerente.
Thesouro do Estado
De ordem do cidadao Dr. inspector do Tbe-
souro deste Eslado, faco publico que a comecar
de 16 do crreme, pagar se ha nesta repartiro
os jur.s de a plices ; bem como que as trans-
ferencias s sero feitas em Fevereiro prximo.
Secretaria do Thesouro do Estado de Pernam-
ouco, 9 de Janeiro de 1889.
.f Lindolpho Campello
Mbnte de Soccorro de Per-
nambuco
i lello de Jolas
17.384
17.409
17.483
17.433
17.434
17 435
Este estabelccimento far leildo no dia 22 do
corrente, por intermedio do agente Martins. em
sua sede, na ra do Bom-Jess n. 32, s 11 ho-
ras da manb, dos objectos que nao forem res-
gatados at a vespera, constantes das seguintes
cautelas, vencidas de Dezembro de 1887 a Maio
de 1888 a dinheiro de contado :
16.895 2 pegas de brincos cravejadas de brilban-
. tes pequeos.
17.338 2 pares de brincos, i dito de argol5es, 1
volt?, de ouro, urna medalba ouro de lei
e 1 roleira de prata.
17 381 1 corrente para relogio, 1 porta relogio,
1 al tete e 1 relogio de ouro.
1 corrente para relogio ouro de lei.
1 trancelim ouro de lei.
1 rosario ouro de lei. *
17 430 1 corrente para relogio ouro de lei.
17.432 1 faqueiro contendo 72 colberes, 7 con
chas, 1 par de trinchantes, 48 garfos, 24
facas pequea?, 4 colheres paramal e 1
salva, prata de lei.
1 broche de ouro contendo brilhantes.
1 relogio de ouro de lei.
1 trancelim, 5bol6es, 1 annel, 1 relogio,
ouro de lei e 1 par de esporas prata
baixa.
17.438 1 volta de ouro, i medalha com brilhan-
tes e diamantes, ouro de iei.
17.440 1 correte dupla com midalha para re-
logio 1 liga e 1 pulseira com medalha,
ouro de lei.
17.441 I jrs de rozetas de ouro com 2 rubins e
circulo de brilhantes, 3 botes de ouro
oom 3 perolas grandes, 1 relogio de ou
ro, 1 corrente e medalha para relogio,
de lei.
17-443 1 chapa de ouro cravejada de brilhan-
tes de ofcial da ordem da Rosa, 3 bo-
tos de ouro com 3 brilhantes.
17-445 1 annel de ouro com brilhantes.
17.446 1 medalha de ouro com brilhantes.
17 450 2 pares de rozetas de ouro com 4 bri-
lhantes, 1 annel con 1 dito, 3 pares de
brincos, 1 cruz, i cordo, ouro de lei, 2
salvas, 1 paliteiro, 18 colheres para so-
pa, 12 ditas para cha e 1 dita para ar-
roz, prata de lei.
17.458 1 pulseira de ouro com disticoamisa-
decravejada de brilhantes pequeos e
1 corrente para relogio, ouro de le.
17 v"iO 1 pulseira de ouro com.brilbantes.
17.461 1 paliteiro e 34.colheres para cha, prata
17.463 1 annel de ouro com briih?.ntc.
17.465 1 volta de ouro, 1 medalha, 1 trancelim
e 1 relogio, ouro de lei.
17.468 1 volta d: trancelim com 6*teteias, 1
medalba e 1 annel ouro de lei.
17.469 1 par de brincos de ouro era vejado de
brilhantes c diamautes, 1 pulseira, 1 alti-
nete, 1 par de rozetas, ouro de lei.
17-470 1 cruz de ouro om brilhantes e 2 pul-
se-iras, ouro de lei.
18.471 1 salva e 8 colheres de cha, prata de lei.
17.472 1 pulseira, 2 altinetes, 1 par de brincos,
1 trancelim e 1 annel, ouro de lei.
17.473 1 cruz de ouro, 1 pequeos, 1 alHnete para manta, 1 dedal
e 4 anneis, ouro de lei.
17.474 1 par de brincos com camapheue pero-
las. 1 volta de trancelim, 1 medalha. 1
cruz e 2 anneis, ouro de lei, 1 salva. 14
colheres e 1 flvela de prata.
17.475 1 volta de ouro para senhora, ouro de
lei.
17.476 1 annel de ouro com 1 brilhante grande
17.477 1 Pulseira de ouro com rabius e perola
e 1 slfinete, ouro de lei.
17.47S 2 anaeis de ouro cora brilhanles peque-
nos, 1 allin te nra retrato, ouro de, lei.
17-4;0 1 brocha! cravejado de brilhantes em pr-
ta, 2 gruojpos de ouro cravejados de bri-
lhantes
17.500 t baca antiga e 1 jarro, prata de lei.
17.517 1 voltadeouro com medalha, ouro de
lei. ,
17.519 2 pares de rozetas, 1 medalha, 1 annel,
ouro de lei, 3 bo'es, ouro.baixo.
17 523 1 anael de ouro com 2 brilhantes.
17.523 1 pulseira de ourucom esmeralda e ru-
bins, ouro de lei.
17530 4jpares de brincos, 2 alfinetes, 1 trance-
lim, 1 annel, ouro de lei, 1 pulseira, 3
cordes, 2 cruzes e I anne!, ouro baixo.
17.554 1 cordo, ouro de lei.
17.569 1 corrente para relogio, ouro de lei, e 1
moeda de ouro de 203000.
17.580 1 broche, 1 par de rozetas de ouro com
brilhantes, e 2 anneis com 5 ditos.
17.584 2 pulseiras, i trancelim, 1 cordo, 4 an-
neis, sendo 1 com brilhantes e 3 botOes
ouro de lei.
1 corrate para relogio, ouro de lei.
24 colheres para cha, de prata.
1 atlinete, 1 me lalba e 1 vol'.a de tran
celim, curo de lei.
17 611 1 par de brincos, 1 dito de roze as, 2
medalhas, 1 luneta, 1 cruz/1 liga, 1 al-
finete pequeo, 1 annel, 1 par de botots,
2 bolas, ouro de lei, 1 annel, ouro baixo.
1 cruz de ouro cm 7 brilhantes.
3 briuco?, 2 pecas de ditos, 1 medalha
pequea. annel de ouro de lei, 1 cordo
c 1 annel ouro baixo.
17.637 3 pulseiras, 3 pares de rozetas, 1 dito
de botOes, 1 cordo, 1 cruz, 1 annel e 1
caixa de ouro de lei.
17.642 2 nos de onro da lei, 2 coraces de cor-
nelina, em ouro baixo.
17 671 l volta de ouro de lei
17.679 3 anneis e 1 cordo de ouro de le.
17.692 1 pulseira de ouro e 1 broche crave-
jado de brilhantes, 1 par. de rozetas tam-
nem cravrjado e 1 pulseir? contendo
brilhantes e diamantes.
17 693 I par de rozetas de ouro contendo 2 sa-
phiras c circuios de brillantes, 1 annel
com brilhantes e S3phiras, 1 annel com
1 brilhante. 1 volta de ouro com me la-
lba, 1 pulseira, 2 pares do brincos e 1
cruz, ouro de lei. 1 pulseira, 2 ajnetes,
ouro baixo.
17-694 1 corrente para relogio c 1 volla de ouro
de lei.
17 697 o garios, 5 facas com cabo le prata de
lei.
17 699 l corrente para relogio e 1 raoe-
dinha de euro de lei,
17.700 1 corrento de ouro, 2 tranceln?, 1 cai-
xa para rap, 2 Uve Has, 1 par de botOes,
ouro de iei, 1 par de botes, ouro baixo.
2 selvas, 2 paliteiros, 24 colheres para
sopa, 10 ditas para cha, 2 ditas para ti-
rar sopa, prata de lei.
17.585
17 593
17 605
17.619
17.621
17.701 1 par de rozetas de ouro com pulsei-
ras, i volada ouro, 1 corrente para re-
logio de senhora e 1 relogio de ouro de
le.
17 702 1 trancelim com luneta, 1 pulseira com
me- dalha e t annel, ouro de lei.
17.704 1 pulseira, 1 correte para relogio, 1
trancelim, 2 alfinetes, 3 pares de rozetas
e 7 botOes, ouro de lei, 1 pulseira. 1 par
de brinios, 1 dito de rozetas, l^lflnete,
7 botOes, 1 annel, e 1 cruz, ouro baixo.
17.712 1 par de rozetas de ouro, 1 cruz, conten-
do brilhantes, 1 pulseira e 1 volta, curo
de lei.
17.713 1 corren* curta, ouro de lei.
17.726 i corrente com medalha, ourtde loi.
18.736 1 par de rozetas de onro com 2 brilhan-
tes.
17.739 2 pares de brincos, 1 dito de rozetas e 1
relogio, ouro de le.
17.746 6 garfos com cabo de prata, 1 tesoura
com prata, prata de lei.
17.757 i pulseira, 1 dedal, curo de lei.'
17.760 i par de rozetas con brilhantes, 1 salva,
1 paliteiro, 9 colheres para sopa e 9 ditas
Sara cha, de prata.
salva?, i paliteiro, 1 colher para tirar
arroz, 13 ditas para cha, prata de lei.
17 776 1 alfinele, i medalha, 1 cordo, 1 par de
rozetas, ouro de lei.
17-780 l par de rozetas de ouro com 2 perolas
circuladas de brilhantes,' 1 par le ditas
com rubins e brilhantes, 2 anneis com
brilhantes, 3 voltas de ouro, 1 medalho
e 2 pulseiras, ouro de bi.
17.799 1 salva prata de lei.
17.824 1 trancelim, ouro de lei-
17-837 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de lei, 11 moedinhas de ouro em botao.
17.841 1 par de botes de ouro de lei.
17 851 1 trancelim, ouro de lei.
17.866 1 co:rente e medalha para relogio e 3
botOes onro de lei.
17.877 1 annel de ouro com um brilhante pe-
queo.
17.879 1 relogio de ouro.
17.883 1 broche de ouro com brilhantes.
17.889 1 par de brinco de ouro e 1 medalha
cravejada de brilhantes.
1 relogio, ouro de lei.
I broche, 2 pares de rozetas, ou-o de
lei.
1 pulseira e 1 broche, ouro de lei.
1 pulseira, 1 par de brincos, 1 alnete,
1 corac de cornelina em ouro, 1 volta
de cordo, 1 de trancelim e 14 teteias,
ouro de lei.
1 salva de prata.
1 trancelim, i cruz, 1 luneta, ouro de
lei, i casticaes prata de lei.
17-922 1 annel de ouro com brilhantes.
17.925 i broohe, 1 par de brincos era vejado de
perolas, ouro de lei.
17 9.'7 1 cordo, 1 liga, 1 alfinele, 1 p r de ro
zetas, 1 brinco. 1 dedal, 1 annel com 2
pequeos brilhantes, ouro de lei.
17 928 1 pulseira de ouro com brilhantes, 1 pul-
seira com perolas e rubins, 1 broche com
rubins e parolas, 1 volta de ouro e 1 me-
dalha, ouro de lei.
17.944 1 annel de ouro com brilhantes em cir-
culo.
17.946 1 trancelim, 1 moeda de ouro com lago,
ouro de Iei.
17.982 i par de brincos, 2 diios de rozetas e 1
annel, ouro de .le, 1 pulseira, 1 alrinete,
1 par de rozetas, 2 cordes, 1 cruz em
curo, 1 emblema do sol em ouro e 2 an
neis ouro baixo.
18.005 6 colheres para sopa, 10 ditas para cha,
frata baixa.
talva, 1 paliteiro, 4 colheres para so-
pa, 17 ditas para cha, prata de lei.
18.014 1 pulseira, ouro de lei.
18.016 1 pulseira, ouro de lei.
18.020 1 volta de ouro para senhora, ouro de
lei.
18 025 1 alnete, 1 par de brincos, 1 trancelim,
ouro de lei.
18.027 i cordo e 1 relogio, ouro de lei.
18.034 1 trancelim, 1 cruz, ouro de lei.
18.038 1 par de bnocos, 1 medalha e 1 annel,
ouro de lei, 1 paliteiro.
18 039 1 par de rozetas c 1 dedal, ouro de iei.
18.041 3 pulseiras, 1 volta de trancelim, 1 par
de rozetas com dous brilhantes, 1 annel,
1 par de boles e 1 dedal, ouro de le.
18.048 1 pulseira, 1 trancelim, 1 alflnete e 5 t-
telas, ouro de lei.
18.063 2 pares de brincos, 1 volta de trance
lim, 1 annel, ouro de lei.
18.064 1 par de rozetas de ouro com brilhantes.
18 063 1 volta de ouro, 1 medalha. l volta de
trancelim, 1 moedinha de ouro com lavo,
3 teteias e 1 relogio, ouro de lei.
18.078 1 relogio, ouro de lei.
18085 1 par de rozetas com brilhantes peque-
nos, 3 1/2 pares de ditas, 1 alflnete e 2
botOes, ouro de lei, 1 par de rozetas,
ouro baixo.
18 089 1 pulseira de ouro com brilhantes, 2bro
ches de ouro com ditos, ouro de lei, 1
par de brincos cravejados de diamantes.
17.893
17.896
17-902
17.909
17.911
17.919
18.103 1 par de rozetas de ouro com brilhantes.
18.107 2 anneis de ouro, era um tem 1 brilhan-
te pequeo, 1 alflnete e 1 boto ouro de
lei.
18.113 1 relogio, ouro de lei.
18.130 1 gargantilha de ouro contendo 13 bri-
lhantes, 13 perolas. 1 cruz de ouro com
brilhantes.
18.143 1 par df brincos, 1 moedinha de ouro
com lago, 1 volta de iraocelim, 2 em
blemas da Conceico e Espirito Santo, 2
bentinhos e l luneta, ouro de lei.
18.150 1 colar, ouro de Iei, 1 par de botOes.
ouro baixo.
18.169 1 alliuete, 1 par de brincos, 2 voltas de
trancelim, ouro de lei.
18.194 1 voltadeouro com medalha e 1 annel
ouro de lei.
1-8.200 1 cruz de curo com brilhantes e 1 fio de
perolas.
18.207 1 trancelim, 1 medalha pequea, 2 pa-
res du brincos e 1 annel, ouro de lei.
18.211 1 par de botes de ouro com 2 brilhan
tes e 1 annel com dilo.
18.212 1 volta de ouro com medalha, ouro de
lei.
18.227 1 annel de ouro com 1 brilhante | pe-
queo.
18-231 1 corrente e medalha, ouro de lei.
18.237 1 trancelim, ouro de lei.
18.245 1 broche de ouro cravejado de brilhan-
tes, 2 pulseiras de ouro com ditos, 1
cruz toda cravejada de brilhantes gran-
des.
18-249 18 colheres para sopa, 26 ditas parach,
1 concha para arroz, de prata.
18 250 1 pulseira, 1 broche, 1 par de brincos
com brilhantes, 1 broche, 1 par de brin-
cos com brilhantes pequeos e rubins
grandes, 2 pulseiras de ouro, 1 broche
com esmeralda e perola.
18.232 1 volta para senhora ouro.de lei.
18.256 1 relogio de ouro de lei.
18.262 1 trancelim, ouro de lei.
18 266 1 cruz de ouro com brilhantes e 1 fio de
perolas raiudas
18.268 1 alrinete de ouro com brilnantes e ru
oins, 1 annel com.um brilhante.
13 269 1 correte para relogio, 1 par de brincos,
1 dito de rosetas, ouro de lei.
18270 2 pares de rosetas, ouro baixo, 12 co-
lheres para cha, prata baixa.
18 275 1 volta de ouro, 1 medalha, ouro de lei.
J8 298 1. trancelim e 1 medalha, ouro de iei.
18.310 1 corrente para relogio faltando chave,
1 corrento para relogio, 1 cordo, 1
vol a de dito. 1 alflnete, um par de brin-
cos, 2 anneis, 1 mo eda de ouro com laco
ouro de lei.
18 318 1 corrente e medalha para relogio, ouro
de loi.
18 319 1 relogio ouro de lei.
18 324 1 pulseira, 1 broche, 1 volta de ouro
com lago, 1 medalha e i par de brincos,
ouro de lei.
18 331 1 par de rosetas, 1 alnete, 1 cruz de
ouro, 1 volta de cordo, 6 teteias, 1 al-
nete com pedra e 1 annel, ouro de Iei.
19 334 1 relogio de ouro de lei.
18.343 2 anneis de ouro com brilhantes.
18-354 1 cordo, 1 moedinha de ouro com loco,
ouro de lei.
18.371 3 pulseiras, 1 volta de cordo grosso, 8
teteias de ouro, 1 moeda de prata com
lago de ouro, ouro de lei. ,
18-372 1 relogio de oaro. ......
18.377 1 par de rosetas com 3 brilhantes, 1 an-
nel com dito, 4 botes de ouro com bn-
.lhantes, 1 corrente de ouro com porta-
relogio, ouro de lei.
18.412 1 par de ro3ts de onro em 2 brilhantes
circulados de diamantes.
88.414 l par de briocos, 1 dito de rosetas, 1 al-
nete, 2 anneis, 1 teteia, ouro de lei, 1
annel e 1 aro de alnete, onro baixo.
18.415 1 broche. 1 par de brincos, ouro de lei.
18.416 1 pulseira, 2 medalha!, 1 trancelim, 2
correntes para relogio, 1 par de brincos
e 1 annel, ouro de le.
18.417 1 moedinha de ouro, do valor de 5*000
2 voltas de trancelim, 1 boto e 1 liga,
ouro de lei.
18.420 2 anneis de ouro com 2 brilhantes, 1
cruz de ouro com dito, 1 fio de perolas -
18.429 6 moedinhas de ouro (dollars) em bo
toes.
18.430 6 colberes para sopa, 2 ditas para sopa e
arroz, prata de lei, 1 castiga!, prata
baixa.
18-437 i par de rosetas de ouro.contend 4 bri-
lhantes, sendo f grandes.
18.433 1 emblema do Espi'ito-Santo, 1 corago
em ouro, 1 dedal e 5 bolOes, ouro de
iei -v
18.466 2 bules, 1, assucareiro, 1 manteiguaira,
1 leiteirajl salva pequea, 1 coador, 2
colheres piara peixe e arroz, 1 jarro e
baria, prata de lei.
18.473 1 corrente e medalhas para relogio el
fulseira, ouro de lei.
volta de trancelim, 1 medalba, 2 moe-
dinhas de ouro em botes e 2 anneis,
ouro de lei.
18.476 1 annel de ouro com um brilhante pe-
queo.
18.481 1 annel de ouro com um brilhante oe-
. queno, 1 pulseira, 1 alfinele de ouro com
rubins e pedra, 1 corrente para relogio,
2 medalhas de ouro de lei, 1 paliteiro, 1
salva pequea, prata de lei.
18.495 1 annel de ouro com tres brilhantes pe-.
quenos.
18 500 1 trancelim chato, ouro d lei.
18.508 1 par de briocos, 1 cordo, 1 volta de
contas de ouro, 1 corago, 1 medalha, 1
cruz, 1 annel, 2 ligas em ouro e 2 bo-
tOes, ouro de lei; 1 cordo, 1 ollio de
Santa Luzia, ouro baixo.
'8.514 1 pulseira, 2 broches, 1 par de brincos,
1 mdlha, ouro de lei.
18 522 1 par de rosetas de ouro com 4 bri-
lhantes.
18.526 1 moeda de ouro de 5*000, 2 voltas de
trancelim, 1 medalba, 2 (gas de coral om
ouro e trez teteas, ouro de lei.
18.530 1 corrente e medalba para relogio, ouro
de lei.
18.531 1 trancelim, 1 volta de dito, 1 cruz, ouro
de lei.
18-533 1 anoel de ouro com brilhante.
18.535 1 annel de ouro com trez brilhantes, 1
dito com um brilhante.
18-533 1 correte e medalha, para relogio pe-
queo de ouro de lei.
18 511 1 rosario de oure, 4 anneis, 2 moedinhas
de ouro em botes, ouro de lei.
18.342 1 corrente e medalha e teteas para re-
logio, 3 trancelios, 1 luneta, 1 cordo, 1
rosario, 3 alfinetes, 1 par de brincos, 9
anneis, 1 dedal ouro de lei, 1 pulseira
com requi s;, 1 dita de ouro, 1 alnete,
2 pares de rozetas, ouro baixo.
18.350 brilhantes pequeos sobre papel.
18.552 1 corrate e medalha para relogio.
Recife, 13 de Janeiro de 1890.
O gerente,
_______________Felino D Ferreira Coelho.
Recebedoria do Estado de
Pernambuco
P.elacodas casas da freguezia de S- Jos cujo
valor locativo foi augmentado para o exerci-
cio de 1890, pelo langador Affonso Lucio de
Albuquerque Mello.
Becco do Caldereiro
N. 2 Antonio de Paiva Ferreira 144*000
N. 4 Anna Mara da Luz 1113000
N. 6 Antonio de Paiva Ferreira 213*000
N. 8 Jos de Oliveira Carvalho e Mara
C. de Castro Monteiro 165*000
Travessa do Caldereiro
N. 12 O menor Manoel Joaquim Baptis-
pta 165*000
Ra da Victoria
N. 2 A. Joaquim Fraocisco Collares 213*000
N. 6 C. Manoel Tavares dos Santos 192*600
Cadeia Nova
M. 20 Herculano Alves de Carvalho 4805000
N. 27 B. Menores Antonio, Josepaa i
Felippa filhos de Joanna Francisca da
Cruz Bastos
N. 27 C. Manoel Martins Pires
N. 33 A. Joaquina Mara de Athaydc
N. 33 B. A mesma
N. 33 C. A mesma
iN. 33 D. A mesma
N 33 E. A mesma
N. 33 F. A mesma
Caes
do Gazometro
X; 1. Lniz Manoel Rodrigues Vallenga
N. 3. O mesmo
N. 15. O mesmo
Vidal Negreiros
738*000
1:386*000
165*000
165*000
1655000
165*000
165*000
1655000
2405000
480*00
240*000
2:019*000
N. 2 A. Delphim Lopes da Cruz
N. 4. Antonio Carlos Borromea dos
Saotcs 453*000
T. 20. Luiz de Moraes Gomes Ferreira 835*000
N. 32. Victorino Domingos Alves Maia 750*000
N. 36. Maria Adelaide da Costa 63:1*000
Travessa do Gaz
N. 10. Manoel de Souza Pereira 16850C0
1" secgSo da Recebedoria do Eslado de Per
nambuco, 13 de Janeiro de 1890.
O chefe,
J. X. C. de Barros Campello.
no langa-
Jos pelo
3335000
2645000
2005000
2855000
2405000
163*000
373*000
965000
372*000
4535000
393*000
770*000
7705000
4735000
4735000
du Per-
Di Itrenlas para mais encontradas
ment da decima da frsguezia de S
langador Affonso Lucio.
Ra de S- Joo
N. 67. Diogo Augusto Reis, casa terrea
N. 69. Antonio Joaquim Casco, idem
N. 73. Leopoldo Borges G. Ucha, idem
Ra de Felippe Camaro
N. 77. Albino Jos da Silva, idem
N. 91. Manoel Gongalves Ferreira e Sil-
va, idem
N. 97. O mesmo, idem
N. 103. Manoel Ferreira Antunes Vil-
laga, casa terrea com solo
N. 103 A. Amorim Irmos telh?iro
N. 113. Maria Adelaide Bragada Silva,
casa terrea com soto
Ra do Mrquez de Herval
X. 58. Baro de Santa Cruz, casa ter-
rea
N. 72. Dr. Julio C Castro Jess, casa
terrea com soto
H. 104. Antonio Leonardo Rodrigues,
idem
N. 106. O mesmo, idem
N. 120. Jos Joo Amorim. casa terrea
N. 122. Antonio Joo Amorim, idem
1 secgo da Recebedoria do Estado
nambuco, 23 de Dezembro de 1889.
O chefe,
/. X. C. de Barros Campello
Soeiedade Refinaria e Dis-
tillacao Pernambucana
Sao convidados os Srs. accionistas a realizar
a 3* entrada de 10 /0. equivalente a 20*000 por
acgo, at o dia 31 do corrente mez, conforme
os arte. 8o e 9o des estatutos, no escriptorio do
Exm. Sr. thesoureiro Baro de Petrolina ; entra-
da pela ra do Torres n. 48, Io andar.
Recife, 15 de Janeiro de 1890.
O presidente,
Joao Fe nandes Lopes.
Companljia *e Seguros
covtjU rsus
NORTHESK
de l..ondrcs e Abcrdaeo
Jos5o inanceira ('Dezembro de 1887J
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aecumu lados
Aecelta aannal :
De premios contra fogo
De premios sobre vidas
De uros
3.421,000
607,000
197;0OO
143,000




i i
I



- r '



O AGENTB,
John & 5pfS.




Diario de Pernambu<-o--Quinla-leira 16 de Janeiro <** 890

i
i

V
. f
XiV^I.
MARTIMOS CONTRA NGO
paahia Phenli Per
aabociia
RA DO COMMERCIO N. 46
SleUBO CONTRA FOSO
Royal Insurance Compan^
de Liverpool
CAPITAL S.000:000
AQENTB8
R.DEDRUSINA&C.
13Roa Mrquez de Olinda13
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacoa por todos os vapores sobre as ca
ias do mesmo banco eni Portugal sendo
sm Lisboa ruados Capellistaa a. 73. No
Porto, roa dos Jnglezes.
m
EDIFICIOS E MERCADURAS
TAXaS BAIXAS
Prompto pagamento de prejuizoe
SEM DESCONT
* COMPAMIl *
IMPERIAL
BE LOXDBF.K
EST: 1803
CAP: Rs. 1.000:000.00
AGENTES BROWXS & C.
N. 5-RA DO COMMERCIO-N. 5
CoDipanhia de Seguros
AGENTE
Miguel Jos Alves
\. 1 Run do Bom |MB>X.
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companhib
lesta praca que concede aos Srs. segurados semp
vio de pagamento de premio em cada setimc
O, o que equivale ao descont annual de cer
ea de 15 por cento em favor dos segurados
SEGUROS
CONTRA FOGO
The Liverpool A London k Glok
INSURANCE CD./EPANY
slacsbsv, mim & c.
Ra do Commercio n. 3
INDEMWISADOH
Companhia de Segaros
martimos e terrestres
E Albele cid a em 1H55
CAPITAL 1,000:000^000
SLNISTROS PAGOS
At 31 deDezembrodel84
Martimos.. 1,110:000#00C
Terrestres. 316:000#000
44Ra do Commercio44
Nossa Senhora do Terco
Em virtude do respeitavel despacho do cida-
aao Dr. juiz de direito da provedona desta co-
marca, convido os irmos para no dia 19 do
crrente mci, pelas 10 horas do dia, reunidos
o consistorio da igreja, proceder-se eleico
aa nova mesa regedo ra da mesma irmandade.
t- to como os que foram cleitos nao aceitaram
os cargos.
Consistorio da irmandade de Nossa Senhora
4o Terco, lo de Janeiro de 1890.
O thesoureiro,
Lydio P. S. de Ohvetra.
*- l f fc.
Companhia Brasileira de
Navegatjao Vapor
PORTOS DO SUL
Ovapior Para
Comandante Antonio Ferreira da SUv
E' esperado dos portos do or
te o dia 18 de Janeiro e de-
pois da demora indispensavel
egnira para o- porto* do sol-
i mujcudas serio receidas no tramen.
B rbosa at 1 hora da larde do dia da sahidK.
Para carga, passagens, encommendas e vale-
s rata-se eom os AGENTES
PORTOS DO NORTE
O vapor Alagoas
Commandante Joao Mara Peasoa
E' esperado dos portos do sol
ate i da 17 de Janeiro e se-
.anudo depoi- da demora indis-
ipensavel para of portos do nor-
te ale Bmnin.
\s encommendas so serao receidas na agen
ei i at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, encommendas, passagens e valo
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Ra do Commercio=fi
Io andar
Para allha de S. Mi-
s'isr k
g^iel
Segu em direitura por osle-" dias a escuna
Feiticeira, por ter grande parte do carregamento
engajada, e para o resfo que he falta trala-se
com Antonio aria da Silva, ra da Companhia
Pernambucana n. 10.
LEILOES
O leilo dos predios da roa do Torres ns.
10 e 18 por detraz da ra do Commercio. no Re-
cife, e da casa terrea do pateo de S. Pedro n.
17, deve ter lugar no dia 17, por ser o dia 16
feriado.
MARTIMOS
ioyal Mail Steam Packei
Company
O vapor Atrato
Commandante L. R. Dickinson
V^M-fes Esnera-se da Europa at o dia 16 dt
BlJaneiro, segniudo depois da demo-
mmamra do costume para
Babia, Rio de Janeiro, Santos,
Montevideo e Buenos-Ayres
Para passagens, fretese encommendas trata
se com os AGENTES.
O vapor Magdalena
Commandante W. Chapmam
E' esperado do sul no dia 16 de Ja-
neiro, segnindo depois dademorc
Uecessaria para
Leilo
Agente Pinto
De 1 piano, bons movis, espelhos, etc.
0 agente cima, autorisado por urna familia
que retrou-se da cidade, far leilo do seguin-
te :
1 piano, 1 mobilia de junco, medalbao, 1 dita
de Jacaranda, 1 guarda-vestido, 1 guarda-roupa,
1 toilette e cama francesa de Jacaranda, 1 dita
de amurello. 2 marquezoes, 3 commodas, 1 ber-
co, 1 marqueza, 1 bidet com pedra, 36 cadeiras
de junco e po-carga. 1 cabide de columna, 2
relogios de parede, 2 bancas, 1 redoma grande,
i cspnguicadeira, 1 mesa elstica, 2 aparadores,
1 guarda-iouca, 1 guarda-comida, 1 quartinbei
ra, 8 camas de ferro, 7 portas canos de chum-
bo em torneiras, 1 caixa de ferramentas, cabos
e moitoes, taboa?. 2 rodas grandes, 1 escada, 2
machinas de costura, 1 cama para menino, 2
lavatorios, 1 caixa de msica, ioias de ouro e
brilbantes, quadros. jarros, cadeiras, louca para
almoco e janlar, compoteiras, garrafes, bande-
jas, mesas de cosinha, jarras e outros objectos
proprios para casa de familia.
Ra 7 de Setembro n. 8
Sexfa-feira, 17 do corrente
A's 10 1/2 horas
por serem muitos os lotes.
Agente Sil?eir
Leilo
da quarta parte da casa n. 132 ra do
Visconde de Albuquerque, freguezia da
Boa-Vista.
Sabbado, 18 do eorrente
A'i 11 hora
Mo armazem ra Estrella do
Rosarlo n 8
O agente Silveira por mandado e com assisten-
cia do Illrn. Sr. Dr. juiz de direito de ausentes a
requerimento do Dr. curador de ausentes levar
a leilo a quarta parte da referida casa, espolio
do finado Francisco Lucio das Chagas.|
Leilo
Do Importante eavallo de puro
sangue denominadoPhaler-
nio. multo corredor.
Sabbado, 18 do corrente, s 11 horas
No armazem da ra Mrquez de Olinda n. 48,
por intervencao do agente Gusmao
AVISOS DIVERSOS
-~ Alugam se casas catadas e pintadas nos
'indos de S Goncalo, a 8*000; a tratar na ra
!a Imperatriz n. 76._____________
Alugam-se o 1 e 2- andares da casa n. 43t
ra Visconde de Inhama, com agua e com-
modos pasa familia; as chaves no andar terreo.
Aluga-se o 3 anda da ra da Penha n.
1 ; a tratar no escriptorio la roa 1." de Marco
uumero 17.
na
im.
S, Vicente, Lisboa, Vigo, e Southamptoc
Rtducco de paMagwn
lia Idaetottu\
A'Lisboa 1 classe t 20 i 30
A'Sontbamptonl'classe 4 28 42
Camarotes reservados para os passageiros dt
Pernambuco.
Para passagens fretes, encommendas, trata-st
coa os
AGENTES
Amorim Irmos & C.
N. 3Roa do Bon JessN. 3
Companhia Bahiana de Na-
vegacao Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Babia
O vapor Sergipe
Cemmandante Rebello
E' esperado dos portos acuna
at o dia 22 de Janeiro, e de
pois da demora do costume re-
i ^^gressar para os meamos
\ rga. passagens, encommendas e dinhei-
ro a frete trata-se com o
AGENTE
?edro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigno- 17
Precisa se de urna ama cosinheira
estrada de Joao de Barros n. 27, colkgio.
- Precisase de urna ama tiara lavar e en-
g)mmar em casa de pequea familia ; a tratar
na ra do Vigario n 5, armazem.
Precisase de um criado e de urna copeira
para casa de ponca familia a tratar no 1 -andar
do predio n. 3, pateo de S.fi'Pedro.___________
- Precisase de urna ana para servico do
mestico de casa de tamilia ; ja na 1." de Marco
numero 2.
Rio Gran
lotas
Segu com brevidade para os portos acuna a
barca nacional MarianinJia- recebe carga a tra-
tar com Baltar, Oliveira & C.
Piecisa se de urna ama que cosinhc be ,
para casa de familia de tres pessoas ; ai oito
lo Corpo Santo n. 25, armazem. ________
Preci8a-se de urna ama de cosinha ; na
ruadas Trincheiras n 17 oja.
Joaquim da Silva Costa avisa ao publico que
aeba-se na cidade da Escada, podendo as pes-
soas qne comsigo tedam negocio cd tender -se
com sua familia, ra da Abolicao n. 19.
Francisca de Albuquerque Silva Costa avi
sa ao publico que continua no exercicio de sua
profsso, leccionando msica, piano e canto por
collegios e casas particulares, assim como em
sua residencia ra da Abolicao n. 19.
Qu m quizer fazer cobertas de casa, que
serven) para terracos e t jardins. acha os ma-
teriaea necessarios no caes'do Ramos n 4, onde
se pode ver tal construeco, e ha quem se en
carregue da obra
Precisa se de urna boa cosinheira matri
culada ; a tratar na roa da Soledade a. 81.
Antonio Jos Ramos, nico representante da
Arma Palmeira A C, desta praca, avisa ao pu
)lico e ao corpo do commercio. qne desta data
em diante assignar se ha, quer publica, quer
particularmente Antonio Jos Palmeira Ramos.
Recife, 16 de Janeiro de 1890.
Antonio Jote Palmeira Ramos.
Carnaval
O Baza' do Recife, ra Mrquez de Olinda a.
11, rec-beu grande sor tmenlo de mascaras de
todas a^ qualidades vende-st em grandes e
pequeas quantidadas a precos mnito razoaveis:
na afamada loja de miudezas Bazar do Recift, de
Domingts M. Mariins.____________________
Caixeiro
Precisa-e de um empregado com pratica de
fazendas, que queia ir para tora da cidade ; a
tratar na ra Duque de axias n. IOS.
Aluga-se
^
o 3.* andar do predio a roa do Barao da Victoria
n. 60, com excellentes commodos e agua enca-
nada ; traiar no pavimento terreo.
Ao commercu
O abaixo assignado, uni -o respoosavel pela
firma de Bemardino a Costa Maia & C, com
loja de calcados ra do Livrameoio n. 19, de
clara que nada deve nesta praca nem em outra
qualquer ; quem se julg-ir redor apret-enle .-e
no praso de oito dias. O meemo pede a todos
os seos devedores para mandar saldar seus d-
bitos at o dia 25 do corrente.
Recife, 9 de Janeiro de 1890.
3ernruino da Costa Maia.
Casas para tlugar
Ns, 30, 26 e 18, na ra Capitn Antomt de
Lima em Santo Mnaro das Salinas ; a ti atar na
ra Marquezde Olinda n. 8, lythogrrphia
CASA
Compra-se urna casa
terrea ou assobradada, de 3
a 5 tjuartos. com quintal,
na freguezia de Sauto An-
tonio : a tratar na i ua Nova
n. 15, loja.
FESTA
HONRA
DO
Vendem-se para abrilhan-
tar a illumina^ao os maravi-
lhosos archotes elctricos
por ser d'um effeito lindo.
6 .--Biia Bario da Vlclop a--01
Loja do
SOUZA
Grande refina gao
Aluga-se o grande armazem onde foi a antiga
rcrinacJo do Manguind, com repartimeotos,
fornalfias e grande chamin, eom portas largas
para entradas de cavados c carracas para carre
gar, pelo que presta-se a qualquer fabrica,
sendo um dos pontos permittidos pela Cmara
para montagem de machinas de picar fumo : a
tratar na na da Madre de Deus n. 3, hotel Pi-
to!lo. onde tambem se alugam dnas casas no
Entroncamento, proprias para tavernas ou ou-
tro qualquer negocio, perto dos bonds e estrada
de ferro.____________^_________
Caixeiro
Deappareceu hoje um menino qua era meu
caixeiro, e peco s autoridades ou a qualquer
pessoa que o encontrar, o favor de leval-o ao seu
recommenda- o ra de aortas n. 15 ; por
tuguez chama se Joaquim Ribciro da Silva, de
14 a 16 annos.
os Gopcalves Dirs.
PEITOR AL de CERE JA
Do Dr. Ayer.
Jlb enfprmldadcs mal dolorosas da gorgaata
e doa pulmfes, ordlnariamrntc descnTolvfm-M,
tendoiborprlQclplo bases pequeas, cajos resulta-
dos nlo sao dlfflcls de curar se promptamente se
tratio com o remedio conrenlenle. Os Btaftl
adoa easToaae* dSo reciprocamente o resoltado
de ra.TfsfttU. A.thoia, BroncbJtl., Affec-
cao Folmonar e a TUica.
Todas as familias qne tem crianeas derem ter o
Peitoral de Cereja do Dr. Ayer
em casa para o nar em coso de necessldade.
A perda de um r da, pode em muitos casos
accarretar serias conseqnenclas. Por tanto nlo
se deve perder tempo precioso, experimentando
remedios de meada duvidosa, emqnanto qne
a enfermidade se apodera do systcmae se arraiga
profundamente, entio qne se necesslta tomar
nesse instante, o remedio mals certo e activo em
sen efleito, e este remedio -ra dnvida algnma
O PHTORAL DE CEREJA DO DR. ATEB.
PBEPABADO rtLO
DR. J. C. AYER & CA,,
XiOWelI, Mass., Est.-Unidos.
DXP08IT0 GERAi.
Criado
rjaa.
Precisa-se
mero 137.
de um criado ; na ra Velha nn
H
H
Compra se
bom estad< :
tpa
urna harpa com raovimento e cm
na ra S; va n. 13.
Carolina Isabel Lina de Barro*
Olympia Los de Barros Seve, Jos Candido
de Barros (ausente), Thomaz I.ins de Barros
(ausente), Anna A. Lins de Barros (ausente),
Jos Candido Lins de Barros, Alfredo de Barros
Moreir (ausente). Conde?fa de Barli de Foras
(ausente) e Manoel de Barros Moreira mandam
celebrar misst s pelo eterno desanco de sua es-
tremecida mai e av, Carolina Isab 1 Lins de
Barros, na igreja do Pataizo, s 8 horas da oa
nha de sexta fera 17 do corrente, stimo dia do
seu falle cimento, e convidan) para assistil-ss os
seus parantes e amigos, confessando-se dfsle
j agradecidos a todos quantos se dignaren
comparecr. _______________^_________
Compra-se
urca Basa terrea com 3 quartos i>elo menos, em
bom estado i bon ra, no bairro da Boe Vift i :
3uem a tiver pode'a doixar as dimensoes na ra
as Larangeiras n. 5. offi:ina de ourives com
tanto que esteja desembarazada de qualquer hy
potneca.
Excellente morada
Aluga-s< har o a ra do Hospital Pedro S
no logar dos Cocios, urna iu-:i assobradada
outra terrea com frente de azulejo, ambas con
agua e grandes qnintxes murados, as quaes 8<
tornara muito rtcommen iavei> pelos grande
commodos para amili s numerosas, pelo frese
e perto do banho saleado ; a tratar no mesnx
lugar com Joaquim Mon-ira Reis, das 8 s 10 h<
ras an mha. o qual all aluga tambem casa'
de 6 8*, 10* e 12*000_____________
Criados
Precisase na Ponte de Bebda n. 36, sitio em
frente ertacao, d; um eopeiro e de um ajn-
dante, de urna boa e g >mmadeira e de um co-
sinheira.
I riado
i
Hara da Conreicao Fariaa
iotonio Jos de Meira e Silva e sua rnulher
Digna Amelia de Farlas e silva, Antonio Gon
caires da Costa e sua rnulher Mara de Sampaio
Costa, agradecem cordialmente a todas as pes
soas que acomp.nharam ultima morada os
rectos mortaes de sua sempre lembrada sogra,
mai e avO, Maria da Conceicdo Parias ; e de
novo convidam as mesmas pessoas de sua ami
zade para as-istirem as mi?at que mandam ce-
lebrar as 7 1/2 horas da manha do dia 18 lo
corrente, stimo do feo passamento, na capella
de Apipucos, confessando se deBde j grates por
t ase acto de religiio.
Precisa se ic um criado qur nao seja maior
de 14 annos no 3a andar do predio n. 42 da
ra Duque de Casias, por cima da typograpbia
do Diario.
Gaiadas e pintadas
Aluga se um armazem com om sobradinbo 6
roa Pedro Alfonso n 74 ; urna casa terrea ra
de Santa Tbereza n. 46 ; um 2- an ar ra es-
treita do Rosario n. 21: urna casa terrea no
becco do Calabouco n. 24 ; urna loja do sobra
do ra '.orn el Suassuoa o 66, a tratar no
pateo de S. Pedro n. 3 1- an ar.
MAIS DE 10:000 CURAS
TIHTEA DIVISA
MORIE 20 BSHUTZUIO
DORES E DeDENTES
Ju CAfJtaswCAsaA.^ Jb C>*Aa3
PBEPAKADO NICAUENTE
POB 0ALASAN8 & C.-----NA BAHA
Medicamento heroico contra os rheum-
tismos, inchacoes, dores aciaticas, nevra
gias, dormencia, etc., empregando-se ei
fomenta^Ses sobre os lugares affectadot
Cura o beri-beri, as paralysias e as dSre
de den tes.
Todos os frascos levam direccSes par
uso d'este medicamento admiravel.
Preco 10200. Descont de urna duai
em diante. ____
DEPOSITO NO RECD7E
Francisco Manoel da Silva & C. ra
Marques de Olinda n.23
Professor
Precisa se de um professor sem familia, para
leccionar piimeiras letras no engenho Poco, em
Agua Preta ; a tratar no mesmo engenhp ou na
rna dos Guara rapes n. 80. ____
t
tuilhermina Amalla Pesaoa
Beierra
Primeiro anuiversario
los Leonardo Grego, sua rnulher e seus filhos
tendo de mandar celebrar urna missa na matriz
de Santo Antonio, s 7 horas da manha do dia
16 do corrente, 1." anniversario do fallecimenlo
de sua lembrada sogra, maie av, Guilhermina
Amalia Pessoa Be zerra, convidam as pessoas de
sua amizade ptra assislirem a es e acto, confes-
sando se lhes eternamente reconhecldos.
t
Jorge
Clemente de Dorna Ca-
valcante
Maria da CoBceicSo de Borba Cavalcante, An-
na Cavalcante de Borba Moreira, Olympia Jorge
de Borba Cavalcante e Joaquim da Costa Mjreira,
viuvu, Qlhas e genro do finads Jorge Csmente
de Borba Cavalcante, convidam os parantes e
amigos do mesmo a assistirem as missas que
mandam rezar por sua alma na matriz da Boa
v*Uta, pelas 8 horas do di. 17 do corrente, 1
anniversario de seu passamento. e se confessam
de t
Capullo Antonio L.ula Rodrigue*
de tlmeida
A viuva e filhos do capitao Antonio Luiz Ro-
drigues de Almeida, convidam aos parantes e
amigos de seu finado marido erpai, para as?is-
tirem as missas que mandam rezar s 8 horas
da manha de sabbad > 18 do corrente, na ordem
3.* de S. Francisco, 1- anniversario de sen pas-
samento, e por cujo acto de religiao e car ida de
se confessam desde jt agradecidos.__________
Sotoes republicanos para
punhos
Receberam Pedro Antunes & C.
Ba Duque de Caxiaa n. es
A BEM DA HYGIENE
Novas escovas elctricas para dentes.
Especial preparado para extinguir os callos.
Agraiavel sapolio para amaciar as mos.
lnalteravel leite de rosas para extinguir as ter-
riveis espinbas. pannos, sardas e cravos
Hygienica pasta Mack para banhos.
Fina vaselina para extingnir as caspas.
Conbecidas agjias e tnicos para conservar os
cabellos e evitar as caspas.
Sempre a
Nova Es^eranc.a
Raa Baque de Callas b. 3
Praticaote do Correio
Jos Francisco da Costa Ferreira, tendo de
entregar a urna senhora, conforme o documento
que passou, sete notas do thes >uro, nao o fez ;
no da 1 deste mez rocebeu o ordenado e foi
para o engenho do Cabo, at esta data nao ap-
pareceu ; a senhora espera dous dias, casonSo
appareca recorrer ao poder competente e pu-
blicar o documento.
Cosinheira
cosinheira :
na ra Velha
Precisa-se de urna
numero 137.
Cautelas do Monte de Soc
corro
Compra-se Cautelas do Monte de Soc-
corro de qualquer joia, brilbantes e relo-
gios, paga-se bem na praca da Indepen-
pencia n. 22 Loja de relojoeiro.
Veiide-se
um? cocheira no Chora-menino n. 2, com 19
cabecas de vaccas e bois, com todos os utens i-
lios, um carro e carraca ; quem pretender di-
rija-se mesma cocheira, que achara ctm quem
tratar.
~'jt
,;' EFLIiTE
--- t'j\.: s. em todoecasda
RHEUMATSMO
impurezas do Sangue, Empeces, Escrr>
fulas, Ulceras, Sipilis
e toda aiFeccilo de naturezs
eruptiva o a venrea
SALSAPARH1L
D BRISTOL
9 Remedio de teiJia por eicellenca \
Na ruado Mrquez do Herval o. 61, sobrado,
precisa se de urna ama que cosinhe bem.
Ama
Na ruada Matriz da Boa-Vista n. 26, 1- an
dar. precisa se de urna ama que cosinhe ben,
para casa de pequea familia._____________
Ama
Precisa se de urna ama para comprar e cosi-
nhar, para casa de pequea familia ; na ra Di-
reitan 64. 2- and; r. sendo matriculada.
'recisa se
rial n. 17.
Ama
de urna cosinheira
na ra Jmpe-
Ama
Precisa se de urna ama que engomme e lave
bem, para casa de familia; a tratar na ra .*e e
de Setembro. antigo becco dos Ferreiros n. 12,
#reguezia aa Boa Vista.
Ama
Precisase de urna ama que
na ra do Imperador n. 28.
saiba cosinhar
Ama
frecisa 3e de urna ama para comprar e cosi
nliar ; na ra do Imperador o. 23.
Ama
Precisa-se de urna ama que cosinhe e engom-
me com perfeicao, para duas pessoas ; na fabri-
ca ra da Florentina n. 36.
Ama
Precisase de urna ama que saiba cosinhar e
mais servicos, preferindo-se que duerna em casa,
para :ompanbia d- urna moca solteira ; na ma
aa Madre de Deus n. 7, 1- andar.
Ama
Na r. a da Imperatriz n. 26, 2- andar, preci
sa se e urna ama para cosinhar e engomimr
para duas pessoas.___________ ^^
Amas
Precisa-te de tma cosir heira e cutra que en-
gomme, lave e mais servico, para casa de pouca
familia ; na ra ta Palma n. 99.
Antas
Precita se de duas amas, urna para cosinhar :
outra para servigo domestico, em casa de fami-
lia, que tenham boas connuctas ; a tratar na
ra 111 rao do Trumpbo n 68.
A's boas almas
Urna senhora, cujo marido endoudeceu, c que
tem quatro pequeos filbinhos a seu cargo, re-
corre s boas almas para que a soccorram.
E' pauprrima e nao tem pao para dar aos
seus innocentfs filhos.
Pede, pelo amor de Deus. que lhe valham
pois o seu estado cruel, e ella nao tem fbreas
para trabalhar.
Quem quizer soccorrel-a, mande suas esmo
las ra do Alecrim n. 25.
Cosinheira
Precisase de urna ama para cozinhar;
no 3.a andar do predio n. 42 da ra Du-
que de Casias, por cima da typograpbia
do Diario.
Gopeiro
Precisase de um eopeiro : na ra do P-aysan
d n. 19.___________________________
2. andar para alug-ar
Aluga-se osegundi andar .do predio
n. 4 da ra do Vigario Thenorio a tra
dar no pavimento terreo do mesmo,
Boa cosinheira
?recisa se de urna, que compre e cosinhe so
mente no.- dias uteis entrando as 7 horas e la-
biado as 5, doimindo fra do estabelecimento ;
na ra Nova n. 13.
Adminiltrafio : PARIZ, I, Boulevard Montmartrt.
GRANDE GRILLE.An>croes Ivmphaticas, Doen-
Sis das tas dijcsliTas.Obstrnctesd" ando ido baco,
bstrncers viscsraes, Concrecoes calculosas da bile.
HOPITAL. Aflecfes das rias iii;rslivas, Incommo-
dos do estomago. Digeslao diffici!, Inapetencia,
Gastralgias, Dy-pepsia.
CLESTIN8. Affeci.S.-s dos rins. di beiiga, Areias,
Com ri-rfit s das onrinas.Gola. Diabetes, Altiumouria.
HAUTER1VE. Affeccoesdosrins, da bexiga. Areias,
Coucrecoes das onrinis,Gota Diabetes Albuminuria.
EaTja-se o sore da FOTE na CAPSULA
Em Pernambuco, -.s Aguis das Fontes de Vichy,
scima nommitas. acl:ao-se em casas de
SULZER KOECHUN, 3J.ru: da Cror;Aog.LABILLE.
-


Ao commercio
O abaixo assignado, establecido ra de
S nto Amaro n. 5 A, julga nada dever nesta
data, qur de sua casa commercial qur parti-
cularmente, porm quem se julgar credor queira
apresentar suas con tas para ser satisfeito d
suaa importancias. Recife, 14 de Janeiro de
[890.
___________Joaquim Alves da Silva Jnior.
TSrTBh"
Firrcino Venancio d'Araujo, pede a to-
dos os ieus freguezes, quo compraram com
o prazo de 30 e 90 dias, nos annos de 1888
e 1889 e at a presente data que Be lem
brem de vir ou mandar saldar seus d-
bitos.
Hoje n2o declara quem sao elles,' porm,
se elles nSo acertarem com a sua porta,
publicar por extenso todos aquelles que
lhe devem.
D o prazo de 15 dias para todos aque!-
les que lhe devem virem ou mandarem
liquidar suas contas.
Deseja ser attendido por motivos legaes
e por se achar atrasado na praca do Re-
cite com os seus amigos que tem sido con-
des endetes.
Pao d Alho, 10 de Janeiro de 1890.
Para engenhos
GUIMARAES & VA LENTE, parteci-
pam aos seus freguezes e Illms. Srs. da
engenho que, copio sempre, tm grande
deposito dos arttgos abaixo mencionados,
garantindo tudo de primeira qualidade e
presos sem compelenca a saber ;
Cal nova de Lisboa,
Dita de Jaguarbe.
Cimento portland
Oleo de mocot.
leos americanos
especiaes para machinismos.
Azeite de coco,
Dito de carrapato.
Dito depeixe.
Pixe em lata.
(5 ga!5esv)
Kerozene inexplosiveL
Graxa em bexigas.
GaxetdL de linho.
Potassa dv Russia.
(em caixas, barriquinhas, latas grandes
e pequeas.)
Formicida Capanema.
6--C orpo-Santo6
Pataces velhos
Compra-te na ra do Cabuga n. 14, relojoa-
ria David.________________^______
Cozinheira
Precisa se de urna boa cosinheira para tami-
lia que est temporariamente em Caxang; a
trata no esciptorio da companhia de bonds.
Licor depurativo vegetal loriado
do medico QuinteUa
Este notabil8simo depurante que vena
precedido de tSo grande fama infallivel na
cura de todas as doencas syphiliticas, es-
crofulosas, rheumaticas e de pelle, come
tumores, ulceras, dores rheumaticas, os-
teocopas e nevralgicas, blenorragias agu-
das o chronicas, cancros syphiKticos, in-
flama$o"es viceraes, d'olhos, ouvidos, gar-
gantas, intestinos, etc., e em todas ai
molestias de pelle, simples on diathericas,
assim como na alopecia ou queda do ca-
bello, e as doencas determinadas por sa-
turado mercurial.
Do-se gratis folhetos onde se encon-
trara numerosas experiencias feitas com
este especifico nos hospitaes pblicos e
muitos attestados de mdicos e documen-
tos particulares.
Faz-se descont em casa de
FARIA SOBRINHO & 0.
Ra Mrquez de Olinda n. *i
VINHO de QUINIUM
LABARRAQUE
approvado pela Academia de Medicina de Pariz,
o resumo, a condensacao de todos os prin-
cipios activos de quina. Alguns grammcu
de Quinium produzem o mesmo effeito qu*
varios hilos de quina. > (Robiquet, lente da
Escola de pharmacia de Pariz).
Tendo procurado por muito tempo um
tnico poderoso, encontrei-o no seu quinium
o qual considero como o restaurador por
sxcellencia das oonstituicoes exhaustas
Dr Cabahet
t O Vinho de Quinium
Labarraque o mais til comple-
mento da .quinina no tratamento das febre.
Os effeitos sao particularmente notaveii
as febres antigs de accesso e nacachexia
paludosa. (Bouchardat, lente da Academia.)
Em todas as pnarmaclas. Fabr. L. Prere, 19-, ra
Jacob, Pariz __________
Cosinheira
Precisa-se de urna coslr.lieira. na ra da Ami-
zade n. 21 (Capunga)._____________________
Noivos
0 Bazar do Recife, ra arquez de Olinda
n. 11, recebeu grandes e bonitos espelhos para
ornamento de salas de noivados, a prego sem
competencia ; no Bazar do Recife de Domingos
M. Martinp.
Hotel Luso-Brasileiro
Fm Gameleira
0 proprietano deste antigo e bem >"ontado
estabelecimento, avisa aos cidadaos viajantes e
Exmas. familias, que. com a auspiciosa entrada
do 90, tem melhor do o seu hotel em proporcoes
de bem servir ao publico, a esse publico gene-
roso que concorre sua hospedara.
Dis mndo de urna grande cocheira, recebe ani-
maes de trato, garantindo o bom tratamento dos
meamos, e tem tambem ptimos cavallos para
alcguel. Alem desees commodos, tem ainda um
sa'&o de bilhar para distraccao de seus hospe-
des,' as melhores condices.
Assim como, grande sortimento de bebidas,
como sejam : cervejas de varias" marcas, vi-
nhes Anos, cognac e licores etc.; e tudo isto
por precos muito razoaveis. Agrado e sinceri-
dade.
Jos F. Gomes.
A luga-se
o i- andar do sob-ado rna Direita n. 3, caiado
e pintado ; a tratar no 3- andar do mesmo^___
I riado
Precisa-se de nm criado para casa de fami-
lia ; a tratar ta rna Duque de Casias a. 84:
loja.
Burra
Vende fe urna excellente bnrra, prava de
fogo ; a'tratar na padara ra Coronel Suassu
na n o. _________,_________
Attencao
Vende se a taverna do largo do-Mercado n. 7,
bem localisada ; o motivo da venda se dir ae
comprador : tratar na mesma.___________
Al ugue i barato
0 1 andar da rna Visconde de Itaparica n. 4tv
Ra do Roeario da Boa-Vista n. 39.
Roa da Roda os. 88 e 60.
Largo do Mercado loja n. 17.
Becco do Campello n. 1,1*. andar.
Visconde de Goyanna n. 167, eom agua e gai
Loja do sobrado do becco do Calabouco n. 4
Ra do Nogueira n. 13.
A tratar rea de Commercio n. 5,1* anda,
esenptorio de Silva Guimartes & C. -
i
*-a.;
i. -v
i'.
-.

:


*-':.:




i





'

(
\
Diario de Pernam buco-Quinta feira 16 de Janeiro de 1890
ANOTRE
MEDEFARIZ
--RUA
blit-o, que re> ebe un
CABUGA-.-l A
l*a iv blet prefine a> Exmas. Sras. e ao respeilavel pu-
' ivo e lindo sortimento de vestidos borda-
dos ?le I, al^odo, licho e sedas le todas as jualidade* e cores.
1Sov re oe^sa de ebapos e chauelinas e muitos outros rticos pro-
prios par presentas.
OFFIGINA DE COSTURA
Fazeui-se vestidos de baile, casamento, com todo gosto e esmero,
LUTO EM 24 HORAS
< osinbeiro
Na travenia deJoio de Barros (Soledade) pre-
cisa-se de om coainhwro oa coaioheira.
MI
ia xjb or
DA ACABIMU NACIONAL
RO
DO DOUTOR
VlVlEN
com EaTHACTQ w
FIGADO de BACAIHAO
Hall aiflcaz nimia do qm o oleo escuro, ge tabor
mvtStegmaay/. $em tlmr jereefrer mcaorm&gosto.
raofltado sur iodos os mdicos pura o
Haobltlwno, BuropkuUii, Asete, Tielca,
Cm.ivti%o Pulmonar. Contlpaoies,OhIoros,
Uolemtmm do Falto, ele.
JSm todas as Pharmaciam
PARS, Boulevard de Straebourg,
m DERNACAO MIRANDA
39-RUA DUQUE DE CAXIAS-39
Este antigo estabelecimento, hoje compltamete refersaade com w**"'iif
aais aperfeicoadas e movidas a vapor, acba-se em condiooes de oxeen tar qualquer

\
50
Oostureira
Ifa na Sete de Set mbro n. 6, precisa -se de
lima costurara que saina cortar e oofeitar ves
tidos ctm perfeijo.

Alujara se a casas o. 8 4 ra da Uoiao e 1
4 b roa Conde da Boa Vista: a tratar con o
Srs. Hegreiros, praca da ladepanieacia.
Complet 1 8< qualidales
Fitas, rendas c bico de seda e a I goda o de todas as cores.
Flores, plumas, passaros, algrles e bljoalerles para enfeiies.
Chapeos d citro e castor, os mais modernos, para homens e meninos.
hecebe por todos os vapores as primeiras noviiade de rticos de sen
uerode negocio
Raphael Dias & C
2 na do Baro da Victoria 2
Loja das Tres Portas
JUNTO AO LOUYRE
Zephyr de ramagem a 500 rs. o covado. Fich de 13 a 13500 um.
Merinos de duas larguras a 440 rs. o dito.; Renda hespanhola, a 2(5000 o covado
rs.
_ SV ^J "O* o >! EMPaEll 031 S ~d^ a
fi^ Elixir, JP o Pasta dentifricios ^f
RR. PP. BENEDICTINOS
da ABBADIA de SOTJL.AC (Gironde)
DOSI MAGELONNE; Prior
2 JSeifatliaa de Ouro : Bruxefles 1880 Londres 18S4 \
AS MAIS ELEVADAS RECOMPENSAS
1KVESTADO lOTfO
ira akico I %aT M 9
O iio nnfltMh do Elixir Dentirieio
do- RR. PP. Benedictinos, com dosa da
.tlsruinns poltas coi* npua, provec o cura a carie
dus dentara, ilirajiqiceoft, forlalc^endo Iut-
iuukW at- cresfrivas perfeilamaute sadia-x
PrfKtinis um v.-rdadoiru ervi^o, assig
laudo > H0MM l<-iu>r<* eatt antao e ntiKe-!
6iraour^parad,o mellxor curativo eo uico
preerrativo cuatra as Aleccdee den-
tarias. ..
Awrte gtrst: SEGUIN, BORDEAUX
A Pelo Prior
Pierre BOiraSAUC
li ivBICO DE SINO
BB0NZ1
DE
Etamine lisos a r>00 re. o dito
Setim do JapSo a 240 re o dito.
Crep de 13 para vestido a 240
dito.
Chacbemiras de listra, duas larguras, de
5000 por 14200 o dito.
Cortinados bordados a 6(5000 o par.
Ritos cortes de zephyr bordados a 145000.
Setins de todas as cores a 800 re. o co-
vado
Esguiao pardo a 360 e 400 re. o dito.
Casacos de Jersey a 6(5000 um.
Flanella branca, toda 12, a 4 0 re.; ba-
rato.
Seda palha a 1(5000 o covado.
Cortinado de crochet para janella a 7(5000.
Cortes brancos bordados a 18(5000, o que
ha de lindo.
Sabida de baile a 1<5000 e 1(5500.
Sargelins, a 20< re. o covado
GruarnicSo de crochet a 75000 urna.
Camisas de flanella a 25500, 35500 e
55000 urna.
Crep para coberta a 600 re. o covado.
Madapolao americano a 65000 e 75000 a
peya.
Cheviot preto a 25500 o covado.
At jalhado de edr a 15500 o dita.
Paaao da Coata a 15000 o 15*00 o dito.
Bramante de linho a 15600 o metro.
Toalhas para banbo a l(fti00 e 15800.
Espartilhos finos com um toque, de 125
por 55000.
Pecas de esguiZo de algodao a 35500.
Camisas allemaes a 365000 a duzia.
Flanella inglesa azul para palitot a 45500
o covado.
Atoathado bordado a 15200 metros.
Fustao braaoo a 900 rs. o corado.
Lindos cortea de metins a 85000.
Capcllas e veo para noiva a 75000, 85000
105000 120000.
Cortes de fustao para eollete.
Cote de seda pata eollete.
Crotones claros e escuro a 240, 280, 320
e 360 re. o eovado.
Canbraia branca bordada a 45000, 55000
e 60000 9 peca.
Cambraia com slpieos de coras a 45000 a
peca.
Alpacas lavradao a 500 rs, o covado.
La Amazonas a 400 re. o dito,
rencos com barra a 15200 a duzia.
Oambraia Victoria a 25800 a peca.
Zephyr de listra, o que ha de mais fino,
a 400 re. o covado,
Renda da Asstria a 300 re. o dito.
Loquea transparentes a 25500 um.
Setneta branca e de cor.
Brim pardo a 280, 400 e 500 rs. o covado.
Alpaca preta a 300 rs. o dito.
Velbutina preta a 700 rs. o dito.
Cartas, memoranduns, recibos, circulares memoriaes, despachos. c*rt8ei i
adioacSes, mappas, presos correntes, secse, bilhetes de loteras e rtulos de todas
qualidades em preto, ouro ou cores.
J
Brochuras. cartonados, encadfernacSes, livros em branco para o cemmereo e
repartioSes, tendo para este am urna excellente machloa ele pautar.
CARTOE8 BE YISITAS
Variado sortiment em cartSes para visitas, participares e convites de casa-
neato, bailes, men i, fslioitacSes, etc., etc.
Livros de recibos de aluguel de casa, papel de impressSes tintas vernizes e
suts artigos para (ypoeraphia e lylhographia.
Manoel J. de Miranda
Telephone i94

atsro'vxDaJioooes
Extractos de diversos fabricantes.
Bicos lisos e matisados.
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Kalendarios com perfumaras.
Luvas de seda a 25000 o 25560.
ttegatas de cores a 25000.
Fitas de todas cSres e larguras.
Bordados e ntremelos.
Baleias forradas a 500 re. a duzia.
Caixas com perfumaras.
Porta dedal a 600 re. nm.
Plastrn de cores a 15500.
ESPECIALIDADES
Palitots de esguiio pardo a 45500 um.
Palitots de alpaca preta a 45500.
Palitots de alpaca de cor a 45500.
Guarda po para aankora 105000.
G-uarda-p para homens 65000.
Palitots de seda palha a 85000.
Roupas para banhos salgados
Roupa para homens a 85000. I Roupas para senhora a 105000.
Ditas para meninos a 55000. | Boleas para o mesmo fim
CASA DE CONFIANZA
20Ra 1. de Marco20
AMARAL & C.
LUIZ DA CRUZ ESQUITA
f6--~roa do Baro do Triumpbo6
Pmm para vender o seguinte:
5Iachfa* de eebre para fzer espirito de destillar e restiHar.
Atan'jSqac de cobre do ant'go e novo systema com esquente garapa.
Reep^ESltS de cobre e de estucho.
'arapaea* de cobre.
Tafl,a<. tamos caldeir^s de cobre.
> TorBCr&9 de bronze e madeir* de todos os tamanhos.
Caes de cobre, de ehamb e de fierro.
fle|iartlslelras. psssadeirus e eseumadeiras de cobre e de ferro estancado
Cobre cm tenool e arrueas.
%ela inglesa c do R:o.
Cadlles patente e de lapis.
Wtfjos de 1 libra at 110 arrobas.
E maltes outros objectos.
ENCARREGAM-SE ie qualquer concert e obras ds encommenda, garan-
tido presteza, perfeiflo e presos mdicos, para o que teni oessoal babilitadc
ITKDE a oraso ou dinheiro com descont.
Cora certa em 3 das sem outro medicamento
PAUJS 7. Boulevard Detwiin, 7 JPAMMS
Deposito ero todas as priacipaes Pharmacias e Drogara*
Pereira k Hagalhaes
Recebedores directos dos mercados estrangeiros
5-"Rua Dnqoe de Caxias--S9
Iftldam es sefalates artigos com descoatos de 14 O/O ni
?eadas em grosso.
Superiores percales para vestidos a 200 e 240 re. o aovado.
Cretones suissos, finos, quasi 1 metro de largo, a 280 rs. o dito.
Baptistas de core e lisas a 100 e 120 re. o dito.
Brim pardo trancado superior 260 re. e dito.
Flanella de edres para camisas a 280 re. o dito.
Renda hespanhola a 25800 o metro.
Bramante trances a 800 re. o dito, 4 larguras.
dem de puro linho a 15600 e 25000 e dito.
Pannos de cores para mesa a 15000 e 15400 o covado.
Meias-casemiras, duas larguras, pretas, a 800 re. o dito.
Casemira diagonal, idem a 15400, 15800 e 25000 e dito.
Cheviot preto e azul, idem, a 25000 e 35000 o dito.
Tapetes avelludados a 145000.
Cortinados bordados, ultimo gosto, a 65000 e 85000 o par.
Lencos de linhos a 25500 a duzia! bonitas caixinhas.
Msias inglezas e nacionaes, para homem, a 25500, 35000 e 55000.
Camisas idem superiores a 285000, 305000 e 365000 a duzia.
Corelas bordadas de bramante a 125000 e 165000 a ditcs
Toalhas grandes para rosto 45000 a dita.
Madapolao americano com 24 jardas a 55500 e 65000.
Cambraia Victoria e transparente a 25800 e 35000.
dem bordada branca e de cores a 45000, 12 jardas.
Cortes de seda para eollete a 45000.
dem de meia-casemira para calca a 15500 e 15800.
dem de cretones, novidade, com figurino, a 85000.
GuarnicSes de crochets para sof e cadeiras a 65000 e 85000.
Colchas de crochets a 75000.
dem de fustao de cores a 25000 e 35000.
Cobertas de ganga, forradas para casal a 25500.
Lencoes de bramante idem a 15800.
Cobertores de 12, superiores, a 55000 um.
Chales de la a 15500, casemira 35000.
Fichs e mantilhas a 15000, 15500 e 25000.
Fustoes bordados de cores e brancos a 280 o 360 rs. o covado.
Linn branco para noivas a 500 rs. o dito.
Setins de todas as cores a 800 rs. o dito.
Sargelins de cores, diagonal, a 200 re. o dito.
Sortimeato completo de merinos pretos e brins para latos, casemiras pretas
ane'Jas asues e muitos artigos verdadeiras pechinchas.
59Ra Duque de Caxias59

-



ODONTINE
SABO BBNTFKICIO


DO
DR. RIEDEL
A melhor preparacao hygienica para clarear e conservar

Approvada pela junta de hygiene do Rio de Janeiro, com a marca registrad
para todos os Estados Unidos do Brazil.
YMHK-S8 AS SEGUISTIS BASAS:
NA I/'JA DE FAZENDAS
21RA DO CRESPO21
ponaos, collarinhos
CAPSULAS THVEN0T
Molestias Contidsnciaes
j Copahtba Copahlba $ Cubabas.
Copahiba e Es sene la He Sndalo.
Essancia de Sndalo o citrino paro.
Oleo Resina de Cubabas.
Olso Resina de Cubebas e Essecla
Sndalo.
lodureto de potasslo.
EMCHEIRO NEM SABOR
del
ffi PERNAKBCCO
a ou.
ppn
SAUOH PARA TODOS.
~l
PILtLAS HOLL WAY
s Pllulas ptirlfttao o 8anuf, oorrlgem Mas as Jcaordemt da Estomago b
do Intestinos.
Fortalecer a saude das constitujoei delicadas, e sao d'nm valor incrivel para todas as eafemrkaaa
peculiares ao sexo feraimno era todas as edades. Para es meamos assim oomo tamben para as ;
pessoa3 de idade avancada a sua efficacia e incontestareL
i
"Bwai awiTliritm slo pr ;eaia soiaatc do FtlWIcmruo do ProCw-or HouA
i, STW 0XF0BO STSEZT (antea 583, Oxford Street), L0HCKBS,
K vcxkIciiuc em toda* aa pharmacias do universo.
ooadMh res;i il mil luwnr oa totolos de cada caa* e Pote te oto ttCCSe |
dire^ao. 513. Ozsord Street, alo filaisii iQriw.
Merino francez, urna largura, todas as
cores, 15 pura, 280 re., o covado.
Dito, duas largurrs, cor azul, a 400 re.
o covado.
Las diversas com listras e quadros de
seda a 400 rs. o covado; faznda de
800 ra.
' Merino de cor, duas larguras, com lis-
I tras, fazenda de 25000, a 800 ra. o covado.
Etamines arrendados, lavrados e de lis
(tras, fazenda de muita phantasia, a 400 rs.
o covado, cores lindas.
1 Mantilhas hespanholas, eremos e pretas,
i 35000 urna.
Brim de linho, padrSes mimosos para
I enancas, a 600 ra. o covado. i
Linho pardo para vestido,' escuro e ca-1
| ro, de 360 e 440 rs. o covado.
Zephirs finos para vestido, ramagem
' grande, a 500 ra. o covtdo.
La adamascadas com salpicos de seda
a 500 ra. o covado.
Sedas lavradas, de listras e de quadros,
a 15000 o covado.
- Chitas, sortimento completo, de 200,
240, 280 e 320 re. o covado.
Cretones franeczes verdadeiros, a 320,
360 e 400 re. covado.
Cachemiras lisas para vestidos a 200 rs.
o covado.
Meias brancas cruas e de cores para
homens, senhoras e criancas, todos os pre-
ces"
E muitos outros artigos que vendemos por qualquer prejo
NA RA DO CRESPO N. 24 LOJA DE
Camisas francezas,
de linho.
Fichas de 13, e 12 e seda, de 15000 a
65000 um.
Lencos brancos de algodSo, linho, borra
de seda e seda pura, brancos e de corea.
Gravatas e mantas, sortimento com-
pleto.
Loques de papel muito lindos, 320 rs.
um.
Eapartilhos para senhoras e meninas,
todas as qualidades e precos.
Lencos chinezes, de seda, para rap.
Collarinhos de linhi para homem a
15000 a duzia.
Fustao branco lavrado e com flores a
400, 500 e 15000.
Peitinhos de vidrilho a 15000 um.
Capas, visites e romeiras, de cachemi-
ras, gorgorito a vidrilhos, todos os prejos.
Bramantes de linho e algod2o.
Toalhas adamascadas para mesa 25000
urna.
Guardanapos de linho e algodao, de
35000, 45000, 55000 e 65000 a duzia.
Setim Maco, todas as cores.
Surah de todas as cores, seda para.
Merino preto, 13 pura, de 640, 800,
15000 e 155U0 o covado ; baratissimo.
Bretanha de linho 27 varas por 125C00..
ModopolSo algodao grande variedade em
pregos.
Cortes de casineta, odres fixas, a 15000.
pop qualquer p:
N. 24 LOJA DI
OLIVERA CAMPOS & G
Maia Sobrinho A C.
Castro Medeiros & C.
DuarteA C.
Pedro Antunes & C.
Joio Bezerra & C.
Netto Campos & C.
Manoel Joaquim Ribeiro & C.
Maia e Silva & C,
Barbosa A Santos.
Numa Pompilio.
Nunes Ponseca & C.
Manoel Vieira Neves.
Manoel Cardoso Jnior.
Manoel Colaco & C.
Papoula & Bastos.
Ribeiro & Almeida.
Antonio D. de Lima & C.
Sabino Pinho d C.
JoSo Ramos.

Barros & C.
Deposito por atacado:
THE O JUST
Largo do Corpo Santo
Attestado
ama Pompilio, cirurgi2o dentista pela
Faculdado de Medicina da Baha, dentista
effectivo do hospital Pedro II da Santa
Casa de Misericordia do Becife.
Attesto que tenho feito uso da Odontina
do Dr. Riedel, e noto que contm propric
**
dades excellentes para a conservabas ds
esmalte dentario e como absorvente nada
deixa a desejar, sendo certo que refresca
a bocea e a perfuma com afradavel sabor.
Recife, 28 de Dezembro de 1889.
Numa Pompilio.
Estava reconhecida a firma por tabel-
l3o publico.

t- -
i
CAPSULAS
M ATHEY-O A YLUS
Preparadas pelo DOUTOR CLIN Premio Montyon
As Capsulas SIatheyCaylnE com Envolucro delgado de Gluten nao iatigao nunca
c estomago e sSo recomuieBdadas pelos Piofessores das Faculdades do Medecina e
| os Mdicos dos Hospitaes de Pars. Londres e New-Ycrk, para a cura rpida dos :
Corrimentos antigos ou recentes, a Gonorrhea, a Biennorrhagia, a Cystite
da Collo, o Catarrho e as Molestia da Bexigas e dos orgaos gento urinarios.
til4 tlm txplotcSo dtttlktda acomBtaht oda Frase.
~ro# as Verdaderas Capsulas Mathey-Cayius de CLIN A G, ds PWS,;
que se acho em casa dos Droguistas e Pharmaceutiooi.
' II na !! asatana i II
-----'-.. :-------
**^^l^'
" m


de Janeiro de





:;
* i-

i-





Pie^no tmu dt jnntito
Approvado ptlt, lilurtrad. ola de
Hygiens Publica da Corte.
Auctorisade por Decreto Imperial
de 20 de Junho de 1883.
COMPOSICAO
de
Firmino Candido de Figueiredo.
Empregmdo com a maior eficacia no
rheumatismo de qnalquer natureza,
em todas as molestias da ptlle, as
leucorreas ou flores brancas, nos
soffrimentosoccasionadospela impureza
do sangue, e finalmente as differentes
formas da syfhilis.
Dse Nos primeiros seis dias urna
colher das de cli pela manha e outra
noite, paramente ou diluida cm agua
e em seguida mudar-se-ha para colhe-
res das de sopa para os adultos e me-
tade para as enancas.
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
duroso; devem usar dos banhos frios ou
momos, segundo o estado da molestia.
DEPOSITO CEKTBaL
Francisco Manoel da Silva & C.
Droguistas
23 Ra Mrquez de Olinda
Pernambuco
Para a f esta
Chegou urna remessa do excellerte vinho
Mourisca, 6 uraa espe:ialidade e contina a ven
de--se por 8*500 o earrafao de tre3 caadas
voltando o easco 7*000 ; no armazem da ra d<
Amorim n. 00.
Viuva Rygaard
Compra-se urna casa em bom estado na cid
de de Olinda, para residencia da viuva Rygaard
podendo a pessoa interessada dirigirse a ra da
Cadeia do Recife n. 43 loja de selleiro, e ahi en-
te-der-se com o Sr. Samuel Dotelho. um dos en-
cerregados para esse fim.
VENDAS
Vende se o antigo e bem acreditado esta
bc-'e/imento de calcados nacionaes da ra do
Livrameoto n. 11 que foi do finado Pocas, o
qcal se torna recommendado pela boa localida-
de em que est ; a tratar no mesmo. _____
Vende se o sobrado (era obras) sito ra
da Roda n. 39, com tres faces e janella no oitao
e es da ra de Marcilio Dias ns 5 e 7, fallar com
o agente Burlamaquiou Pinbo Borges.______
Alffa
neva e de superior qualidade ; vende-se ao pre
5c de 100 rs. o kilo, no trapiche Finza 4 G ao
largo de Corpo Santo.
Farello superior, 42 kilos
- 5*5O o sarro
Vende-se no largo do Corpo Santo n. 6.
A
azulejos
Coa lindissimas cores e desenh03 variadiss.
mo?, encontra se para vender um grande sorli
meato deste artigo, proprio para frentes de
oft=as, corredora, co3inhas e banbeiros, por
Tiremos sem comoetencia ; na ra Visconde fc
Goyanna n. 4o._________________________
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barra!
O? proprietarios do Armasem Central, rut
do Cabug n. 11, avisara aos seus distinctos fre
sruizes eao respeitavel publico que receberam
nc-a remessa deste especial vinho, o qual se
recommenda por ser puro da uva, e so se reta-
lha em seu armazem.
Joaquina Christov2o & C
Telephone 447
Para engenhos
Lopes & Araujo, venden)
a precos sem competencia
garantindo a boa qualidade.
oi artigos abaixo mencio-
nados.
Cal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
Potassia da Russia em caixas
de 10 e 25 kilos.
Cimento Porttand.
Graxa em bexigas.
Ra do Livraiuento n. 38
Telephone 316
as Lislras zoes
A Grande Novidade
PARA MODISTA
IIA\C U l.\* AMERICANOS
Com molas para augmentar ou diminuir a
grussura do corpo.
Qualquer senhora ir agr ou gorda pode fa-
zer seus vestidos sem necessidade de
provar.
Fecha-se como qualquer chapeo de sol.
Preto 4&QQO
Mosquiteiros Americanos
Cor armago de differentes tamanhos.
alOlOOO*tttooo
Estantes para Msica
Para amadores ou profissionaes ; fechase e
fica de tamanho de urna flauta ; muitc
fcil para conduce,ao.
Prero 5*000
' CeUuloid
Colarinhos Peitos e Punhos
Lindos modelos, muito til aos viajantes
Pre cow 5&OOQ um temo
Rdogios Espertadores
om movimento, e figuras muito lindas para
mesas ou para presentes a 60000,86000,
10,5000_______________________
Oleados para Mesas
Quadrados ou de qualquer tamanho que
ce deseje.
A 4&SOO cada quadrado
Retratos a Oleo
Com lindas molduras em alto relevo, o que
ha de mais lindo para um presente e
para sala de visitas.
a 5&OOQ e mal prerow
Qualquer familia que desejar ter nm lin-
do e perfeito retrato bastante mandar
um retrato em cartSo de visita nSo im-
porta que seja antigo, basta dizer a cor
dos olhos e do cabello para chegar uro
retrato desejado.
Para ver, e fazer encommendas
Dirija se'a Loja das Listas Azues
RA DUQUE DE CAXIAS N. 61
100 rs.
Leite puro -
Na estrada de J0S0 Fernandes Vieira, siomc
eo depois das casas novas da direita, vende-t
todos os das leite puro de vaccas taurinas .-
erra, .garante-ne a qualidade do leite.________
Pao centeio
Mello & Biset tendo recebido nova remessa de
farinha centeio, avisa aos seus freguezes que
continuam a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga do
Rosario n. 40.
F0LHETI1
EPILOGO
::::::: o ::::::::::
(Continnaclo do n. 10 )
III
\arrac6eo
A carta do doutor Zelaus deixou-o pe-
crificado.
Quasi nao quera acreditar na terrivel
verdade que lhe annunciavam ; e, se nao
fora a seriedade do doutor Zelaus e os ar-
gumentos irrecusaveis que apresentava pa-
ra corroborar a sua noticia, o duque de
Bellegarde teria querido partir para a No-
va Navarra, para ver com osfproprios olhos
e nSo ficr assim com a menor sombra de
dnvida.
Mas o almirante Saint-Amand, Yvcn de
Kervor, Gustavo, Castellot, Edith, Hermi-
nia e tambem Gabriella, convenceram-n'o
de que nao era possivel duvidar da vera-
cidade das palavras de Zelaus e o duque
rendeu se evidencia.
As saudades duraram muitos mezes;
per fim, o tempo, que tudo consom e des-
tre, foi apagando, pouco a pouco, a amar^
gura e a flicidade daquelles que o cerca-
vam, sendo poderoso lenitivo para os seus
pazares, contribuio bastante para que a
resignadlo substitnisse o profundo desgos-
to occasionado pela irreparavel perda. ..
Pouco a pouco o duque foi-se esquecen-
do.
Pariz, com todos os seus attractivos,
distraccoes e encantos, era mais urna ra-
zio para o fazer esquecer as ridas plani-
cies de Nova Navarra, o Valle das Pelles,
os bancos de gelo e at o seu magnifico
palacio de verSo.
Tinha, em compensacSo dos esplendores
da natureza, a Opera, o Theatro Francez,
os bailes, as fiestas, os boulevards, os bos-
que, todo emfim quanto ha na capital da
Franca e qne pode encantar o distrahir
um millionario.
A's vezes escapava-se-lhe do peito um
suspiro.
O almirante Saint-Amand olhava para
elle e perguntava-lhe :
Sempre as saudades, duque ?
Sempre, almirante. Os gelos pola-
res si5 por certo mais montonos e mais
terriveis do que a grande capital, mas nao
posso esquecer-me que foi sobre elles que
depozeram o meu berco, que foi sobre
elles que aprendi a amar.
Mas nao feliz entre nos ? O que
lhe falta ?
Nada, senao a patria. Apezar de ser
franceza a ninha lingua, conheco que em
Franca nao sou mais do que um estran-
geiro.
Estrangeiro ? NSo diga tal. Nao foi
por acaso recebido em todos os circuios
diplomticos como um nosso compatriota?
Nao estimado de todos, nSo se er ama-
do por aquelles que o cercam ?
Tem razao, almirante, mas a patria
a patria; tenho absoluta certeza de que
nao a esquerei nunca. Pergunte a Ga-
briella se j esqueceu os lugares em que
vio Gustavo pela primeira vez, pergunte-
Ihe se lhe esquecerao jamis !
NSo esquecero, duque. Estou, po-
rm, intimamente convencido de (qne D.
Gabriella nao quera voltar hoje para a No-
va Navarra. Em Pariz vive-se melhor,
muito melhor. Trmbem eu me lembro
ainda dos gelos polares, mas n2o tenho
saudades delles ; at estremeco ao lem-
brar-me dos longos invernos que l pas-
sei no tempo das rainhas rapaziadas.
Este e outro dilogos semelhantes se tro-
cavam muita vez entre o duque e aquelles
que o cercavam, e, apezar de tudo, n3o
havia receio de nostalgia.
O paragrapho da carta do doutor Ze-
laus que se refera ao capitSo de fragata
Joao Bredette, deu que pensar ao almi-
rante Saint-Amand e obrigou-o a fazer
minuciosas indagares sobre a orgem do
famoso visconde.
Escreveram-lhe de Granville :
< Encontramos nos nossos regs "ros o
acto de filiacSo de Jan, filho de Adolpho,
conbecido por Bredette, marinheiro dina-
marquez, corsario do nooso porto, natura-
lisado francez em 1806.
Com estas informacSes o almirante con-
struio urna biographia muito verosmil de
capitSo de fragata, mas pouco importa sa-
ber como o visconde de Olavle era ex-
trahido de Qravitte e de Granville.
Tobos comprehenderam fcilmente que,
ao approximar-se de Franga, o capitSo de
PARA
AC"ENDER 0 FOGO, supprimin-
do o immund kerosene e dan-
do n'um instante nm fogo inten-
so, a c'aixa com 20 pastilhas
0LE0GRAPH1AS : 1. A importan-
te obra prima de Vctor Meirel-
les : t A Primeira Missa no Bra-
ziI, grande quadro histrico da
de8C0Derta do Brasil, medindo 99
X 76 centmetros de valor real de
15* (poucos exemplares) 6*000
2 SCENAS DE CORRIDAS, qua-
dros de cavallos admlravelmente
desenbados e proprios para sa-
las, 26 differenles, um 1*000
3 RETRATO DE SADI-CARNOT,
presidente da repblica france-
za, o melhor ainda publicado 1*000
CAMISAS DE FLANELLA para ho-
mens, urna de 2* a 8*00*
PERFUMARAS, artigos para presentes. Qnadros
e albuns para retratos. Carteiras para cigar-
ros e charutos. Cigarreiras e charuteiras de
mbar e espuma verdadeiros. Bengalas. Pa-
Eelaria. Lencos de linho a 4*500 a duzia.
eias. Espartilbos. Leques. Bonecas e brin-
quedos diversos. Fitas. Bordados. Lavas de
seda pretas e de cores e outros muitos artigos
de miudezas.
Hala barato do qne em outra qual-
quer parte
NA
Rainha das Flores
Boa do Bariso da Victoria n. 41
FareJlo superior 42 kilos
2*500 o sacro
Venae-se no largo do Mercado n. 11^_____
Alfafa nova
chegada directamente, a 120 rs. o kilo, ou 6*000
o fardo ; vende se no largo do Corpo Santo nu-
mero 6.
wiisff
Boyal Blend marca YUDO
Este escolente Whisky Escocez pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melhores arma-
zens de molhados.
Pede Roy al Blend marca Vlado,
cujo nome e emblema sao registrados para
todo Qrazil.
BROWNS & C, agentes.
Paulino
Ra do Imperador n. 28, an-
tiga casa de campos
Tem sempre o inportante vinho Palhete ser-
cerveja Paulino Bier e o delicioso vinho Musca-
tel aos copos. Doce sueco de caj, em calda
estrangeiros, licor de canella de ortelS piojenta
e o grande licor de cervejas; um completo sor-
timento do que ha de mais fino e puro.
Livraria C ontempora
nea
Inutriimento de mualea
Bomoardao. bombardino, barytono, tromp
trombone, helicn, saxaphone. carrilon, bomb^
caixa, pratos.clarinitas. flautas,rabecas, violoe^
realejos, caixas de mu3ica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quartos, gabinetes, corred:
res.
Molduras
dourads, pretas e douradas pan quadros.
Malas
para viaeem, diversos formatos, especialmec
para ronpa de senhora e camarote.
Novidades
para presentes, cscriptorio, toucador, etc., etc.
RAMIRO M. COSTA 4 C.
Ba Prlmeiro de Harco n. 9
Pouco capital
Vende-se um bom estabelecimento ie molha-
dos e bem afreeuezado ; o motivo da venda se
dir ao comprador a trLr na ra do Rangel
numero 11.
unir*
H0 MAIS,
^r* *5LRY
Vende-a era toda i Drt*
fragata Joao Bredette, receioso, e comra-
zao, nSo pode supportar o pensamento de
ser julgado em conselho de guerra e pre-
ferioatirar-se ao mar a soffrer o justo cas-
tigo das suas acgSes e procedimento.
Mezes depois, o doutor Zelaus receba
urna carta em resposta que havia diri-
gido aos seus amigos e teve por ella a sa
tisfacao de dizer s suas quatro filhas que
Herminia (Joanna Mara) de Orneuil tinha
finalmente casado com o sabio Petrus Cas-
tellot.
Ao ouvir esta feliz noticia, as qutro ir-
m3s responderam todas ao mesmo tempo:
J o esperavamos !...
E, realisado finalmente o grande projec-
to da familia, no anno seguinte tiveram o
prazer de tornar a ver em Pars, e abra-
car alli fraternalmente as tres heronas da
campanha em procura do polo magntico,
A hospitalidade que tinham offerecido
em Disen foi altamente compensada no pa
lacio Saint-Amand, que habitam hoje todos
os nossos principaes personagens.
Na falta de geysers, de sol da meia noi-
te, de gelos, de vulcdes e de cavernas,
Edith, Herminia e Gabriella, j urna ver
dadeira parisiense, fizeram-lhe as honras
de Pariz, que vale muito bem a lslandia,
apezar do adagio nacional.
Elnora actualmente a senhora Petersen,
ficou encantada com o baile de Gisea.
Dorth era doida pelos Campos Elyseoa
e pelo jardim das Tulherias.
EKaren?...
E ( hristiana ? ..
Estamos actualmente muito distantes das
ilhas de gelo para contarmos o que )hes
aconteceu.
Bastar accrescentar que as tres irmas
de Elnora deixaram Pariz lacrimosas ; a
sua permanencia na grande cidade rizera-
lhes esquecer todos os maravilhosos encan
tos da sua patria e tro caria m de boa von-
tade a lslandia por Pariz.
A rogos seus, a demora da familia em
Franja foi muito maior do que haviam
tencionado ; mas afina!, chegou o momen-
to da partida, e nSo houva remedio senao
embarcar.
Despediram-se, promettendo voltar.
Infelizmente para ellas, o caminho
longo.
rv
Henna drada c Nleolau Kleolardot
Quem conhecer o palacio Saint-Amand
nao se admirar por certo de ver nelle
tres familias completas.
AX0JA MAIS BARATOIU
PARZ N'AMBBIOa
AZEVEDO, IBMaO 4 C.
16Ra do B. da Victoria16
200 Tdephon200
Tendo recebido directamente da Euro-
grande Sortimento de fazendas e modas'
que ha de mais novo e precns Bem co
potencia.
A. saber ;
Capas de suj-ah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de 12 e 13 seda.
Damaas de seda pura.
Merinos pretas de 800, 1,9000 e 12CC
Crinoline preta e branca c 400.
Sargelim, todas as cores, a 206 rs.
Bramante de linho a 10500, com K
palmos.
Toalhas para banho a 10000 e 10601
Chachemiras com 2 larguras a 800 n
Ditas de l e seda 2 larguras a 10OOC
MadapolSo trancado a 90000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 70000.
Fichs delS e seda 10000.
Brins de linho cies tuces a 600.
EspartilhoB couraca a 40000 e 50OOC
Colchas de fustSo a 20000 e 30000. .
Capellas para noiva com veo bordado
60000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprimento de saia a 105C1
Renda de la, preta, para quaresma.
Pao verde para bilhar.
Tapetes para soma 130000.
A verdadeira esteira para forro de sal
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama s
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cSres a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutina de quadro a 800 e 10900.
Guaris"es, pretas, de vidrlhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40000.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeitej
Grande sortimento de chapeos de so-
Setineta para coberta a 600 ra.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fustSo de cores.
Dito de oasemira de cores.
TELEPHONE 200
CrOtlfcO
Ra da Imperatriz n. 56
Grande eatabelecintento de modas
e fazendas Unas
Completo sortimento de fazendas em tecidos
de novidade e escrupulosa escolha que recebeu
directamente da Europa. Variadissimo sorti-
mento em fazendas pretas, merinos, cachemiras
lisas e lavradas, etatrues de sida domares,
chamalotes, capas e visitas, especialidade neste
genero, em seda, gase e cachemira, ricamente
confeccionadas, mantas e mantilhas de renda,
etc., etc., leques e lavas. Especialidades em
fazendas brancas, braa antes de linho puro e
algodao e linho, morim, grande variedade de
marcas especiaes, s encmtradana loja Coelho.
Telephone189
Domingos Coelho A Moars
cores.
as cSrjs
casaco.
Uvas hespanliolas
NOVIDADE EM MEIAS BARRICAS
VK\DK-*E
A' ra do Vigario n. 19
Machado & C^____
^^B^^^i^p'^BB|a^HaMa^a^a^fla^alaflfl^HHaVaVa^aVB^k^k^HzWMM
O vice-almirante Saint-Amand, o con-
tra-almirante Yvon de Kervor, Edith, sua
mulher e seus filhos oceupam o lado di-
reito ; o lado esquerdo habitado pelo du-
que de Bellegarde, pelo capitSo de fraga-
ta Gusvo de Orneuil e pela formosa Ga-
briella.
Petrus Castellot e Herminia vivem mo-
destamente no segundo andar.
Petrus est um pouco longe do Museu de
Historia Natural e do Instituto, mas tem
urna bonita e boa estufa no jardim que d
para os Campos-Elyseos.
Concarnet trata com todo o esmero de
toda a qualidade de plantas exticas, o al-
mirante Saint-Amand e o duque Paulo de
Bellegarde, enriquecem-n'a constantemen-
te com productos raros e curiosos.
-Yvon de Kervof e Gustavo tm trazido
das quatro partes do mundo raras niara-
Gabriella vivem en-
vt'lhas botnicas.
Edith, Herminia e
tre as suas flores.
Ao redor das tres formosa s senhoras
brincavam e sorriam graciosas criancas.
0 duque Paulo ni tinha se resolvido a
nao ser mais do que um simples milliona-
rio.
Nem urna s nuvem escurecia este vi-
ver, se Kervor e Gustavo n2o fossem exi
lados muitas vezes pelos seus deveres de
marinheiros.
Mas, ao voltar de cada viagem, que ter-
nas alegras, que encantado-as festas, em
que o bom Concarnet tomava grande par-
te !...
No cornejo do mez de Junho de 1847,
os dous officiaes que haviam voltado pouco
tempo antes da sua ultima campanha em
Montevideo, saboreavam os encantos de
urna renniSo na sala, do palacio.
As tres familias estavam completas.
O duque e o almirante Saint-Amand jo-
gavam o xadrez; fervor, GuBtavo e Pe-
trus conversavam.
Muitas vezes a conversac3o versava so-
bre" as ilhas de gelo e mares do Norte ; as
criancas mais velhas escutavam de bocea
aberta; as senhoras oceupavam-se em al-
guns trabalhos de agulh, nao sem deixar
de tomar parte na conversac&o.
Concarnet ia e vinha de um lado para
outro muito azafamado por nao ter nada a
fazer.
Nao deixava nestes movimentos de fa
zer festas a um ou outro dos pequenitos,
que corriam constantemente atraz delle.
Na roa do Faubonrg Saint Honor ou-
vio-se o som de urna gaita de folies.
O velho mestre deixou de brincar com
Fitas lavradas com um\paImo de large
ra a 20000 o metro.
Papel de arroz de todas
Chapelinas modernas a 5>
Rendas hespanholas de toe
pretas com e sem vidrlhoB.
Lindas guanis3es de vidrilhoc\Dretos pai a
saco. v
Grande sortimento de galSes, Wmas e
rozas de vidrilho preto. Y
Bicos matisados de urna s c6r co\wo se-
am,"granad, azul, rosa, beije, palha, bum-
oo, salmn, terracote e muitas outras coimes.
Sabonetes perfumados a 500 rs. a da V
Lindos desenhoB para talagarca. >
Lencos de'seda a 500 rs.
Bicos de seda e de algodao com e sem
vidrilho.
Mantilhas de seda e de algodao.
Franjas de seda com e Bem vidrilho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 30000 e 4000
a duzia.
Bordados de cambraia tapada a 400 50C
600 e800rs.|apeca.
dem com 3 e 12 metros, de qualquer
argura a 10200.
Lencos de linho em caixinhas a 30000 a
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Finas pulseiras americanas a 40, 6
80000 o par.
Cortinados todos de crochet para cama a
120000, 170000 e 190000 o par, ftlgt ns
de cores.
Ditos para janellas a 70000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 e
10000.
Ditos para sof a 20000.
Capellas com veo para noiva a 60000 e
80000.
Lindos enxovaes baptisados a 80 100
120000.
Toucas de setim para baptisado a 30, 40 e
50000.
Gnnaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Lindas fitas n. 12 para chapoB.
Luvas de seda, cano comprdo a 20 pat
Ditas de seda para creanca a 10000.
Dita para moga a 10500 o par.
Espartilhos para creanca a 40 e 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000 e
60000.
Linha de machina a 60 rs. o carritel.
Linha de machina a 600 rs. a duzia.
Albuns de pellucia de diversas cores.
Livros de missa a 10500, 20000, 20501
30000, e 30000 cada um.
Lindas luvas de seda com sal picos e con
listas, gosto moderno, a 20500 o paz.
Toalhas para banho a 10300.
Toalhas para rosto a 300.
Totlhas para mao a 160 rs.
Babadores com inscricSes e paizagem a
500 rs. e 400000 a duzia.
Espelhos grandes com mulduras finas ce
cantos redondos a 40000 e a 60000 urna
Bengalas flauta.
Grande sortimento de luvas de seda arrer.
dada, com palmas canno comprdo a
10500, 20000 a 20500.
Roa Dnqne de axias n. 103
V
Superior vinho de Al-
cobaya
O acreditado e antigo armazem do Lima par
ticipa ao publico e ao seus freguezes que acaba
de receber urna nova remessa deste especial
vinho, escolbido propriamente pelo thee desta
casa, tornando-se recommendado por ser purc
e de boa qualidade. Jos Fernandes Lima & C.
ruaBaro di Victoria numero 3, Telephone33
Silhes inglez es para
montara
Vendem se dous tilhes ingleze3 em bom es-
tado, quasi novos, e por prego commodo ; na
ra Nova d. 13.
as criancas ; entreabri as vdracas para
melhor ouvir a aria Ann hin goz.
Pobre Nicolardot velho dos ve-
lhos !... murmurou elle j todas as vezes
que este instrumento sa aos meus ouvi-
dos, em ti que pens, valente !... A'
forca de miseria, ters finalisadoporgelar-
te e dissecar-te l em baixo, depois de ter
feito a flicidade de todos nos !.. Nico-
lardot, veterano, continuava Concarnet
commovido, havia sempre vsntagem em
ouvir-te e tu fallaras tito bem do Deus
de Misericordia, chamando-lhe o Grande
Espirito Eu aqui tenho tudo quanto pre-
ciso e quanto quero ; e ainda s vezes
resmungo de toda a gente e at do meu
velho almirante.
A gaita de folies approximava-se, a aria
mudou.
Isto nao bretio tornou Concar-
net, onde diabo ouvi esta msica ?... No
Rrazil ?... Em Portugal ?...
A aria mudou outra vez.
Na Hespanha?... Na HollanSa ?...
Mas s Nicolardot capaz de tocar arias
de todos os paizes !...
O instrumento calou-se.
Concarnet descia entao com passo pe-
sado pela idade as largas escadas do pala-
cio, y
Onde estSo as minas pernas e as mi-
nhas orelhas de gageiro ? Deslisava pelos
estaes como um esquilo ; teria ouvido res-
pirar um golphiuho a tres leguas de dis-
tancia, teria reconhec.ido entre mil o flau-
tim de bordo... Agora estou incapaz de
correr por urna escada e dizer ao certo :
#E' ou nao Nicolardot... Se fosse elle,
Deus meu, se fosse elle !... Nao, est
morto, archi-morto, com toda a certeza 1...
Concarnet suspirn, mas, no emtan-
to, sahio.
Urna multidao que augmentava cada vez*|
mais impedio o de ver o que se passava,
as gargalhadas do povo amotinado nao o
deixaram ouvir a principio.
Um agente de polica agarrava pelo col-
larinho um velho, que se debata com
energa bastante notavel.
Toco no meu instrumento, com um
milhao de trovoadas E' o mea tempera-
mento gritava elle. Ah sim... esta-
mos entao peior do que entre os selvagens
neste Pariz de desgraca !
Mendigavas 1
. NSo 1 Mas ainda que fosse ver-
dade tornou Nicolau Nicolardot, o Ho-
mem Azul.
Era elle, realmente elle.
LiquidacSo para acabar
Na Reoloco
ma Duque de Casia n. 48
Por cstarmos no fim do anno, resolve-
mos vender por menos 50 por cento a
seguintes fazendas.
Etamines de cor a 300, 400 e500 rs. oeo-
vado.
Cachemira com toque de mofo com doa
larguras de 20 800, oovado.
Zephir de quadros modernos a 120, e 160
e 200 o covado.
Las de quadros modernas a 200 e 240 >
covado.
Cretones miudinhos a 200, 240, 280 e
320 o covado.
Cachimira modernas de quadros de 20000
fW 10000 o covado.
MSerins lizos a 200 e 440 o covado.
Rices cortes de cachemira bordados de IX e
seda de 800 por 300 e 400.
Ditos) bordados de .lynon de 180000 por
ior'
Ditos |e cretone com barra a 60000.
Ditos m&demos de setineta a 70.
Las com listas de seda a 400 o covado.
Seda Japoneza a 200 e 240 o covado.
Bramante com quatro larguras a 10000 e
10200 o metro.
AlgodSo trancado para toalha a 100(0 o
metro.
Cort'nados bordados para cama a 60 o par
Ditos de crochet a 100.
Etamines finas para vestido de 160 a pee
por 100.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co
vado.
Fustao de cor para roupa de homem a 500
o covado.
Esgui2o pardo e amarello para vestido a
360 o covado.
Velbutinas de listas e quadros a 800 o
covade, para acabar.
Setins chamarlo tado de todas as cre3
10500 o covado.
Bicos brancos e de cores a 10500 e 20000
a peca.
Lencos brancos com barra a 10200,10800
e 20000 a duzia.
Fechus de retroz a 10000 um.
Luvas de seda,todas as cores, para senho-
ra a 10000 10500 e 20000.
Espartilhos couraca a 40000, 50000 e 60.
Cachenez para homem e senhora a 10500
um.
Costumes de Jersey para criancas de 4 a
5 annos a 70000 um.
Casacos de Jersey para senhora, a 60
um.
Pannos de crochet para cadeiras a 500 rs,
um.
Lencol de bramante a 10600 um
Cobertas forradas para casal a 20500
urna. -~
Toalhas para crianga a 120 e 160 urna.
Cobertores brancos de la com pequeo de-
feito a 20000.
Ln$os de linho a 20000, 30000 e 40000
a duzia.
Ceroulas francezas, a 10000, para acabar.
Colchas adamascadas, a 20000, 30000,
40000 e 50000 urna.
Ditas de crochet, a 40000, 50000, 60000,
70000 e 80000 um.
Cortes de cachemira a 30500, 40OOO3 50
e 60000 um.
Cortes de fustao para collete a 500 rs.
e 10000 um.
Ditos de velludo bordado a Beda a 20000
um.
Camisas brancas de linho para homem a
20000 urna.
Brim brancode linho de 40000 por 20500
vara.
Mantilhetas pretas a 50 e 70 urna.
Renda hespanhola a 20 o covado.
Completo sortimento de cachemira de co-
res e pretas para costumes, precos sem
competencia, assim como aprompta-sa qual-
quer costume em 24 horas.
Sna Revolucao
HENRIQUE DA SLLVA MORELRA 1
Ainda que fosse verdade, vejamos,
que mal ha em mendigar ? Se nSo tenho
de que viver, mendigo. E depois, ou me
dio ou nao me dao. Quera que me fizes-
se ladreo ? "
Tocava gaita de folies, 'confisco-fe o
instrumento.
Nicolardot deu o grito de guerra dos Ni-
bouais.
Tu s um ladrao. Cautela !.. ^
Ests preso! repeto a polica.
Cautella, homem de Deas, eu u3o
sou mo, com mil trovSes de gelo, e sou
velho... mas apezar de velho e por muito
bom que seja... quebr-te em mil boca
dos, se tocas no meu instrumento... no
meu pobre instrumento.
Oh! da guarda! gritn o polica.
Larga o meu gabilo tambem E sa-
grado A bandeira dos Nibouais, o ber$o
da minha filha, o meu velho gabao !
Nicolardot pronunciou estas palavras
com urna express2o de ternura, que exci-
tou a hilaridade dos que o cercavam.
A minha gaita de folies, o meu ga-
que fez a paz e a guerra!... Em Pa-
rs n2o se respeita nada /... NSo acre
ditam no Grande Espirito !.. Sao mais
selvagens que os selvagens.
E' um doudo .' dizia um.
Um doudo, eu 1 Um marinheiro O
Homem Azul!.. Um grande chefe !...
Mas esperem, nao percebem nada, riem!...
Digam-me por piedade, a morada do almi-
rante Saint-Amand.
A hilaridade redobrava ; ram-se dot
jo que o cobra ; os garotos repetan),
carnecendo o, as singulares e inintelli
veis phrases.
Oh 1 Oh Homem Azul Robinson
Crozo Oh oh Judeu Errantd Eh l
maluco.!
Nicolau Nicolardot trazia um fato muito
nrseravel, feito de pelles, mal cosidas urnas
s outras, e que lhe dava, forcoso d con-
fessar, urna apparencia de Robinson.
O seu gabao apenas dissimulava urna
especie de blusa de pelle de urso j eos*
sada e urnas calcas do mesmo genero.
Os ps fluctuavam-lhe ns n'uns sapa
tos cheios de buracos, presente de algum
marinheiro do navio qne o tinha trazido &
Europa.
(Continuar-$-ha.y
TyD. do Diario ra do Dufue de Carias n. tt
i -
V.
>' I JrV
y -.
.
; -. -
' i
1
1
1






i
-
-
- -


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPCBGI0AL_V0YGKZ INGEST_TIME 2014-05-21T23:15:56Z PACKAGE AA00011611_17076
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES