Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17074


This item is only available as the following downloads:


Full Text


I

^ i


1
-




ANNO LXYI-NHKRO 10
U]^2^^HEi3ESB5?S^E
sai
TEJK$ ;.HA:ir\E JANEBQ ,D| |8?0
DE
NAMBU
Propriedade de Mancel Figueira de Faria db Filhos
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE

Por tres meses adantados.
Por seis ditos idem......
Por um anno idem......
Cada numero avulso, do mesmo da.
-60000
12^000
230000
0100
Os Srs. Amede Prinee-& C
u
de Paris, sao os nossos agentes ex-
elusivos de annuncios epublica-
$oes na Franca e Inglaterra.

m
PARA DENTRO E FORA DO ESTADO
Por |ieis inezes adiantados. .
Por nove ditos idem......
Por um anno idm......
Cada numero avulso> de dias anteriores.
TELEGRAMMAS
3837150 ?AST!C7LAB DO HABI
RIO DE JANEIRO, 12 de Janeiro, s
10 horas e 30 minutos da manha.
promovido a contra-almirante gra
, o capitao de mar e guerra Jos
Foi
duad; _
Manoel de Araujo Cavalcante de Albu-
querque Lina.
Foi nomeado medico da colonisacio,
em Pernambuco, b Dr. Manoel Clementino
de Barros Carneiro.
No dia 30 do corrente embarcar
para Pernambuco o Dr. Annibal FsIcSo.
RIO de JANEIRO, 13 de Janeiro, s
3 horas e 45 minutos da tarde.
Foi exonerado o actual delegado do The
souro Nacional, em Londres, sendo, nomea-
do para substituil-o Jos Carlos Rodrigues.
Foram nomeados para a Thesouraria
de Fizenda do Rio Grande do Norte :
Inspector, Ernestino Damasceno;
1. escripturario, Joaquim Monteiro.
Foi nomeado inspector da Alfandega
do Rio Grande do Norte, Jos Zacharias
Vieira de Mello.
Foi nomeado capitSo do porto do
Estado de Pernambuco, o capitSo-tenente
Frederico de Souza Serrano.
Foi promovido a contra-almirante gra-
duado, ocapiito de mar e guerra Jos Ma-
noel de Arauje Cavalcante.
FORTALEZA, 13 de Janeiro, s 2 ho-
ras e 30 minutos da tarde.
Os amigos do cidado Carlos Falcao of-
ereceram-Ihe um significativo jantar.
Ao dessert foram brindados o engenheiro
Abel Mattos, Jos Ca los Jnior, Annibal
Falcao, Martina Jcnior, Julio Luna, Silva
Jardim, e os Estados de Pernambuco e
Cear.
O brinde de honra foi eito ao ministro
dp. agricultura, Demetrio Ribeiro.
SSSVIJO 2A AHUCIA SAVAS

MADRID, 11 de Janeiro.
O estado de sade do Rei D. Affonso
XIII nao apresenta nem melhora nem peio-
ra sensivel.
BRUXELLAS, 11 de Janeiro.
A grve as minas de carvSo diminue
rpidamente.
MUNICH, 11 de Janeiro.
O conego Dollinger acaba de fallecer
aqu.
MADRID, 12 de Janeiro.
O Rei de Hespanha vae melLor.
LISBOA, 12 de Janeiro.
O governo inglez, tendo enviado ao gr-
verno de Portugal um ultimtum exgindo
a retirada das tropas portuguesa, estacio-
nadas perto do rio Chr* (Mozambica) e
do territorio do Sul f frica oceupado por
Serpa Pinto e pA companheiros, o gover-
no de S. M. Fidelissima oonsentio as exi-
gencias do gabinete inglez e vai mandar
rdens n'este sentido a seus represen-
tantes.
LISBOA, 13 de Janeiro, pela manha.
Desordena de uir a certa importancia aca-
ban de ter logar aqui provocadas pela pu-
blicacSo do ultimtum do governo inglez
eencernente frica.
Se bem que as autoridades conseguis-
aem comprimir os disturbios, diversas ma-
nifestares hostis produziram-se contra a
Inglaterra.
O consolado d'esta nacao, n'esta capital,
foi insultado e o edificio aonde funeciona
apedrejado pela poplaselo.
LISBOA, 13 de Janeiro, pela manha.
O ministerio acaba de pedir a sua de-
ss3o collectivaem consequencia dos acon-
tecimentos do Sul da frica.
de organisar um novo gabinete, j teve
rfma larga conferencia com o Sr. Barjona
de FreitaB.

PARS, 13 de Janeiro.
Chegou hoje a Pu D. Pedro de Alcn-
tara.
Agencia Havas, filial
13 de Janeiro de lb90.
em Pernambuco,
IMSTRCGlO POPULAR
A LITTSBATBA 2BAZIL2IBA
BK>8
TKHPrS C0L0MAES
POB
4 ^literatura Brazileira do ecalo
XTI ao cometo do XIX
ESBOgO HISTOBICO
V
(Co&tinuas&o)
Gracas a minha estrella 1
Eu vi o meu semblante n'uma fonte,
Inda dos anoos nao est cortado ;
Os pas ores qoc habitara este monte
Respeitam o ooder do meu cajado.
E com tal graga toco a sanfoninha.
Que inveja at me tem o proprio Alceste ;
E ao som della concert a voz celeste,
Nem canto lettra que nc seja minha.
Gracas, Mana bella.
draga* a minia estrella.
Homem virtuoso e estimado de seus concida-
dos, consultado por todos os gobernadores dos
negocios administrativos, dedicado conscienci-
osamente ao dee empenho do sed cargo de juiz, e
empregando as horas que lhe ficavam livres em
cantar os seus amores, passa quasi indifferente
ao lado da coojurago mineira, consideraodo-a
como um sonho. Pode asseverar-se que ainda
ra sua lealdade para com os amigos o Impe-
de delatal os, a paixo que constitua a sua
existencia nao lhe dava lempo para pensar na
patria.
Depois, ainda que de origem brezeira, nas-
cera no Porto, e posto essa circumstancia parega
pueril, era motivo bastante para nao pensar em
sublevar-se. Se houvessc sido desgranado em
amores, como seu companbeiro Claudio Manoel
da Costa, talvez buscasse seno consolo, pelo
menos refugio na realisago de urna grande idea
por mais audaciosa que fosse ; mas como era
ternamente correspondido todas as suasaspira-
eoes se coocentravam em amar e ser amado. Ape-
zar d'lsso a nomeada de grande jurisconsulto, seu
reconhecido talento e nobreza le carcter, sua
ecrysolada virtude, reconhecida probidade e fama
de poeta, mltiplas qualidades preciosas que te
riam feito a ventura de qualquer outro foram as
principaes senao nicas causas da sua desgraga.
Gorrera o boato de que elle fra o escolbido
pelos conjurados para presidir a futura repbli-
ca brazileira, e assim foi envolvido, talvez bem
a seupezar, nessa conjuragiio, quando julgava
attingir a meta das suas aspirages e a realisa-
go de seus mais ardentss desejos, desde que
fra nomeado deserabargador do tribunal da
Babia. Em vez de levar a sua amada Marilia ao
liaftvio-=e curregado de cadeias e remettido
/jmeoesdo Rio "de Jineiro para responder
accusscie3 que sobre elle pesavam. Em vo
protestou a sua innocencia ante os juizes, estes
apontavara-lhe inexoraveis como principal de
licto o nao ter denunciad i os seus amigos Nem
dirigir sua Marilia, nos quaes resaltava a su-
innocencia, foram bastantes para salval-o.
(Contina}
PARTE OFFICIAL
LISBOA,
tarde.
13 de Janeiro, i 1 hora
O Sr. Serpa Pimentel que foi chamado
por S. M. El-Rei D. Carlos e encarregado
Governo do Estado de Pernam-
buco
EXPEDIENTE DO DI.V 19 DE N0VEVBR0 DE 1889
Actos:
O governador interino do Estado resolve
exorerar o bacbarel Manoel Caetano de Albu-
querque Mello do cargo de 2" promotor publico
da comarca desta capia'-
O governador i uterino do Estado resolve
exonerar o bacharel Jos de Moraes Guedes Al-
coforado do cargo de promotor publico da co-
marca de Olinda.
O governador interino do Estado resolve
nomear o cidado Joo Evangelista da Frota
Va3Concellos para exercer o cargo de 2o promo-
tor publico da comarca desta capital.
O governador interino do Estado resolve
nomear o bacbarel Hygino da Silva Gusmaopara
exercer o cargo de pomotor publico da comarca
de Olinda-.Fizeram-se as necessarias commu-
nicagoes.
O governador interino do Estado resolve,
de conformidade com a proposta do Dr. chefe de
policia em oflicio de houtem datado, sobn.
1449, exonerar, a pedido, o capitSo Francisco 'de
Assis Fernande8 Vianna do cargo de subdele-
gado da freguezia de Santo.Antonio desta capi
tal, e nomear, para substitu l-o, o cidado Jos
do Espirito Santo Silva.
Officio3 :
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Mande V. S. satisfazer, depcis de processadas,
as inclusas conlas na importancia total de.....
3:758*745 sendo 1:173*005 relativas ferias de
operarios das obras do novo edificio da Facul-
dade de Direito do Recife. no periodo de 4 a 17
do corrente mez, que deveraq ser pagas de
accordo com as ordena anteriores, e 2:585*740
concernentes ao fornecimento de materiaes para
as ditas obras.
Ao mesmo.--Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o Exm Sr Dr. Sigismun-
do Antonio Gongalves, juiz de direito especial
do commercio da comarca desta capital reassu
mi o exercicio de seu cargo em 17 do corren-
te mez.
Ao mesmo.Remelto a V. S. as tres inclu-
sas contas documentadas e datadas de 8 e 9 do
corrente dirigidas a este governo pelo Banco In-
dustrial e Mercantil do Rio de Janeiro sobre os
assumptos a que se refere a inclusa relago
descreptiva das mencionadas contas.
Fazendo a alludida remessa, tenho por fim or-
denar lhe que mande archivar em deposito es-
pecial as ditas contas at ulterior deliberago
ueste governo.
k**- Ao commandante do corpo de polica.
Substitua por forga de seu commando os desta-
camentos de linha, que se acham em Ouricury a
. Jatob, os quaes se recolberao a esta capital.
*| Ao director do Arsenal de Guerra.Auto-
riso V. S. a mandar satisfazer o incluso pedido
de urna baodeira republicana para a fortaleza
do Brum.Communicou se ao inspector da The-
souraria de Fazenda.
Ao mesmo.Antoriso V. S. a mandar for-
necer ao 52 batalbao de infantaria os objectos
a falta de provas, nem os versos que>. t' pnwo kpub|jca pnmaria e secundaria e a Secretaria da
constantes da inclusa relagio.Fiseram-se as
necessarias communicagoes.
Ao inspector do Thesouro do Estado de
Psrnambuco.Remelto a Vine, copia do aviso
expedido em 6 do corrente pelo Ministerio da
Fazenda para que, de conformidade com o art.
i fl. IV, do decre'o legislativo n. 3403 de
24 de Novembro de 1888, as notas do Banco Na-
cional do Brazil sejam recebidas as repartigOes
provinciaes. Em semelbante sentido diriio-me
s Cmaras Municipaes.Expedie-se circular s
Cmaras Municipaes.
Portara :
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife a Limoeiro d passagens, por conta da
provincia, da estaco de lazareto, do Brum, a
tres presos que all se acham doenles de febre e
a cingo fragas do corpo de polica, sendo de ida
e volta para estas.
EXPED1ENTB DO DR. SECRETARIO .
Ofllcios :
Ao Dr. chefe de polica.De ordem do go-
vernador interino do Estado remello a V- S. para
os fins convenientes, o telegramma expedido non
tem pelo juiz municipal do termo de Garanhuns
requisitando diversos reos para serem all pro
cessados.
Ao engenheiro fisial da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco.De ordem do governa-
dor interino do Estado, communico a V. S., para
que se sirva de levar ao conhecimento do super-
intendente dessa estrada de ferro, que a legagao
do Brazil em Londres recebeu em 28 de Outubro
ultimo, segundo o officio de 29, os documentos
da receita e despeza da mesma estrada nes me-
zes de Junio e Julho ltimos e 1 semestre do
corrente anno.
EXPEDIENTE 00 DIA 20 DE NOVEMBBO DE 1889
Actos :
O governador interino do Estado resolve
nomear bacharel Joo de Oliveira para exer-
cer interiaamente o cargo de secretario do go-
verno. em substituigo do bacharel Francisco
Leopoldo Marinbo de Souza que nesta data soli-
citou Ba exonerago.Fizeram-se as necessa-
rias communicagoes. "
O governador interino do Estado de Per-
nambuco, resolve considerar em efleito o acto
de 24 de Outubro ultimo, q:e designou para o
dia 28 de Dezembro prximo a eleigo, dos
membros da Assembla Legislativa desle Esta-
do, eleigo que s ter lugar depois de determi-
nada pela constituinte a organisago dos Esta-
dos Confederados do Brazil.
0 governo interino do Estado de Pernam-
buco tendo em vista o acto desta data, resolve
considerar sem eflei o as, nomeages que tiveram
lugar a 26 de Outubro lindo para os cargos de
ins peclores escolares deste Estado.Communi-
cou-se ao inspector geral da instruego publica
O governador interino do Estado de Per-
nambuco considerando que o acto de 26 de Ou
tubro fiado, relativo nomeago de oao de Oli-
veira Valcnga para reger a aula de la'.im e fran-
cez de S Bento, excede da autorisago conferida
pelo art. 1 20 da lei o. 2031 de 31 de ulho
ultimo, resolve considerar sem effeito o referido
acto. Communicou-se ao inspector geral da in-
struego publica.
O governador interino do- Estado de Per-
nambuco, consid rando que os actos de 26 de
Outubro ultimo relativos transferencia de ca-
deiras de ins'rucgao primaria, nomeago, remo-
gao e jubilago de professores primarios ; beraj
como a nomeago de secretario e professores da"
Escola Normal, remogo de dous destes para o
Gymnasio Pernambucano e jubilago de tres pro
fes3ors deste ultimo estabelecimento, excede-
ram claramente da autorisago conferida pelo
art. Io 2o da lei n. 2031 de 29 de Julho lindo,
e tendo era vista a informago de hoje do inspe
ctor gerol da instruego publica, resolve consi-
derar sem efkito aqueLes actos, e determinar
que voltera s suas cadeiras os professores re-
movidos e jubilados.
O governador interino do Estado de Per-
nambuco, considerando que os actos de 26 ie
Outubro findo que regulamentaram a instruego
Reparligo da Instruego Publica excederam da
autorisago conferida pelo art. Io 2o da lei n.
2031 de 29 de Julho ultimo, resolve considerarsem
effeito aquelles actos, e determinar que fiquera
em vigor os regulamenlos de 18 de Janeiro de
1888 e de 27 de Dezembro de 1887.Remetteu-
se copia aos inspectores geral da instruego
publica e da Thesouro do Estado.
fficios :
Ao governador do bispado.Rogo a V.
Bevma. que providencie no sentido de serem os
parodies incumbidos de esclarecerem aos paro-
cbiano3 por occasio da raissa conventual c em
outras que paregaai opportunos sobre as inten
ges do novo governo com relago moderago.
manutengo aos direilos adquiridos e respeito
ordem e iranquillidade publica.
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Communico a V. S., para os fins convenien-
tes, que o juiz municipal e de orphos do termo
do Cabo bacbarel Jos Gomes Villar, assnmio no
dia 15 do corrente o exercicio interino da vara
de direito da comarca da mesma denominago.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o juiz de direito da co
marc de Goyanna, bacbarel Jos Gomes Coimbra
entrou a 16 do corrente mez, no goso da licen-
ca de 40 dias que lhe foi concedida em 15 do
referido mez.
Ao mesmo.Communico a V. S., para os
fins convenientes que o bacharel Eutropio Pe
reir de Faria deixou co dia 5 do corrente mez
o exercicio do cargo de promotor publico da
comarca do Brejo, por ter sido removido para a
de Caruai .
Ao mesmo.Communico a V. S. para os
tos convenientes que o cidado Francisco Jos de
Sousa no da 6 do corrente assumio o exercicio
do cargo de promotor publico interino da ce-
marca do Brejo, para o qual foi nomeado pelo
respectivo juiz de direito.
Ao mesmo. Communico a V. S. para os
fins convenientes que o bacharel Ricardo Perei-
ra de Faria assnmio no dia 14 do corrente o
exercicio do cargo de promotor publico da co
marca do Brejo, para a qual foi removido da de
Carnar em 28 de Outubro findo.
Ao mesmo.Transmiti a V. S., para os
fins convenientes, copia do officio de 8 do cor
ente mez, do juiz municipal e de orphos do
termo de Caruaru, relativo ao seu exercicio.
Ao mesmo Communico a V. S. para os
fins convenientes que o bacharel Eutropio Pe-
reir de Faria, assumio no dia 12 do corrente
mez o exercicio do cargo de promotor publico
da comarca de t aruar
Ao teneaf?coronel Antonio Ignacio de Al
buquerque Xavier. Fico inleirado, pelo seu ofli
co de nonteos datado, (fefter V- S. assumido o
exercicio do posto de commandante do Corpo de
Policia.-Communicou se ao inspector do The-
souro do Estado.
Ao administrador da Recebedoria de Ren-
das Gerae8.Providenciai no sentido de ter lu-
gar a re8tituigo de emolumentos pagos nessa
repartigo em virtude dos actos de 26 de Outu-
bro uttimo, referentes instruego publica, 03
quaes annullei nesla data.
Afim de que os interesBados possam obter
idntica restituigo do Thesouro deBle Estado, os
ttulos que os mesmos interessados apresentarem
sero a elles entregues depois de processados.
As restituicOes devero ser feitas a requer-
ment por escripto.
Ao inspector do Thesouro do Estado.Pro
videnciai no sentidd de ter lugar a restituigo de
emolumentos psgos na secretaria deste governo,
nesse Tbesooro e na repartigo da Instruego
Publica em virtude dos actoB de 26 de Outubro
ultimo, refereates 4 inetruego publica, os quaes
annullei n'esta data.
As restituigfles devero ser feitas a requeri-
mento per escripto, descontada a respectiva por-
centagem.
Remelto vos, para os Hbs convenientes, copia
do oflicio que dirijo ao administrador da Rece
bedoria de Ki?nda3 Gerae3.
Ao presidente e vereadores ia Cmara Mu-
nicipal do BecifeConvido a Vv. Ss. para urna
conferencia neste palacio s 11 horas da manha
do dia 22 do com-ute, por motivo de interesse e
ordem pnbliqu
Portaras rft.
Informe, *om "Qi gencia, a Cimara Munici-
pal do Recife si JS se acha de posse do Mercado
o contractante de seu larrendamento, Gratuliano
dos Santos Vital.
No caso negativo, recommendo mesma C-
mara providencie no sentido de nao ser dada ao
mesmo contractante aquella posse.
O Sr. superintendente da estrada .de ferro
do Recife a S. Francisco d passagens, por con-
ta deste Estado, com direito a bagagem, da es-
tago de Cinco Pontas a de Una, a dous inferio-
res, dezeseis pn gas do Corpo de Policia, que
vo destacar em Ouricury e Jalob.
dem idem ao encarregado da estago de
Palmares para dar passagens d'ahi al Gara-
nhuns.
dem, idem da estago de Cinco Ponas a
de Una, praca do exercito Antonio Bernardo,
sua mulher e 3 filhos ; ficando a praga com di-
reito de voltar.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
OflC03 :
Ao Dr. juiz municipal do termo da Escada.
De ordtm do governador interino do Estado
devolvo a V. S. a copia do edital que acompa-
nhou seu oflicio de 15 do corrente, pondo em
concurso o officio de escrivo de orphos desse
termo para que faga fixar outro edital observan-
do o disposto na art. 153 do regulamento expe-
dido pelo decreto n. 9,420 de 28 de Abril de
1885.
Ao director do presidio de Fernando de No-
ronhi. SuaExc. o Sr. governador interino do
Estado manda recommendar a V. S. que, nos
termos do 28 do art. 3* do regulamento n.
9,356 de 10 de Janeiro de 1885, providencie para
que at o fim de Dezembro prximo futuro, seja
apresentado nesta secretaria, em duplcala, um
relatorio circumstanciado do estado dessse pre-
sidio com a estatistica dos seu3 edificios, popu-
lago, produego, receita e despeza desde o Io
de Janeiro do corrente anno.
EXPEDIENTE DO DIA 21 DE NOVEMBRO DE 1889
Oficios:
Ao inspector da Thesouraria de F,.zenda.
Tendo era vista o telegramma de hontem expe
dido de ordem do Ministerio da Guerra, autori-
so V. S. a mandar abonar aos officiaes de 22
batalho de infantaria 3 mezes de sold, como
ajuda de custo a cada um dos ditos officiaes.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
fins convenientes, que o juiz municipal e de or-
phos do termo de Goyanna, bacharel Honorio
Hermetto Currea de Brito, em 16 do corrente,
assumio o exercicio do cargo de juiz direito in-
terino da comarca respectiva, por se acbar li-
cenciado o effectivo bacharel Jos Gomes Coim-
bra.
Ao director do Arsenal de Guerra Mande
V. S. fornecer ao 22 batalho de infantaria conformidade com o incluso pedido, 10 vasspn
ras de piassava e 32 kilogrammos de sabo,
para o servico do respectivo quartel. Comrau-
uicou-se ao commandante.
Ao engenheiro encarregado das obras mi
litares.Transraitlindo o officio junto por copia
desta data, sob n. 913, do cidado coronel com-
mandante do 22 batalho de infantaria, autori-
zo V. S. a mandar proceder os reparos de que
trata o citado officio.Fizeram se as necessarias
communicagoes.
Ao encarregado da reparticiio geral dos te
legraphos. 0 Ministerio da Guerra, segundo
consta de telegramma de hontem datado, to-
mando em considerago o modo brusco com que
o governo transacto deportou o brioso 22 bata-
lho de infantaria, cojos officiaes deixaram suas
familias no Rio de Jineiro, resolveu franquear-
Ibes o telegrapho, atim de se eommuicarem
com as mesmas.
O que vos participo para vosso conhecimento
e execugo.
Portaras:
O Sr. superintendente da estrada de ferro
do Recife a Limoeiro d hoje passagens, por
conta desle Estado, da estago do Brum de
Pao d'Alho, a um olucial e 15 pragas, que para
all destacam.
O Sr superintendente da e3traia do ferro
do Recife aoS Francisco d pissagens. por con
ta deste Estado, da estago de Cinco Pontas at
a da Escada, a 15 pragas do corpo de polica que
all vo destacar, providenciando quanto ao re-
gresso de 7 pragas.
dem dem da estago de Cinco Pontas de
Una ao preso de nome Joaquim Alves de Olivei-
ra e a duas pragas do corpo de policia, sendo
de ida e volta para estas.
dem idem da estago de Cinco Pontas de
Una, a dous criminosos que seguem para o ter-
mo de Garanhuns, requisigo do respectivo
juiz municipal e escolta de tres pragas e um
cubo de esquadra do corpo de policia que o
acompnh; providenciando quanto volta da
alludida escolta.
dem ao encarregado da estago de Pal-
mares para dar passagens d'alli at Garanhuns.
EXPKD1ENTR DO DIA 22 DE N0VFMBR0 DE 1889
Actos :
O governador interino do Estado de Per
nambuco, attendendo ao que requeren o promo
tor publico da comarca de Tacarat, Permino de
Araujo Lima, resolve conceder-lhe tres mezes de
licenga para tratar de sua saude, com os venci
mentos a que tiver direito; devendo entrar no
goso da licenga no praso de 40 dias.
O governador interino do Estado de Per
nambuco, tendo em vista o despacho de 8 do
corrente exarado na petigo de Jos Raymundo
Ferreira de Araujo Saldanha, 3 official da 1
secgo da secretaria deste governo resolve man
dar passar a presente portaria prorogando por
60 das a licenga ltimamente concedida ao pe-
ticionario com metade do ordenado, nos termos
do artigo 40 da lei n. 1,810 de 1884, em vigor,
pelo artigo 23 da lei n. 2/09, deste anno, para
tratar de stja saude, onde lhe convier.
O governador interino do Estado de Per-
namboco attendendo ao que reqnereu o cidado
capito-ajudante do batalho de infantaria
Augusta Frederico Pereira de Carvalho e tendo
em vista o termo de inspecgo;de saude a que
foi submettido resolve conceder-lhe tres mezes
de licenga com vencimentos na forma da lei
para tratar de sua ande. Communicou-se ao
secretario do commando das armas deste Es
tado.
O governador interino do E3tado resolve
considerar sem efteito a coocurrencia aberta em
23 de Hetembro para o estabelecimento dem
moinho de trigo nesta cidade de confermidade
com a lei n. 1974, de 2ft de Margo dessa anno, e
determina que seja berta nova corftnrrencia
cpm o praso de 30 dias, a contar de boje.
Oficios;
Ao inspector da Thesouraria de Fazenda.
Declaro a V. S. que nesta data encaminho ao
ministerio da fazenda a petigo do escriptu-

i rario dessa thesouraria Jacintho Leopoldino da
Silva, de que traa essa inspectora, em officio
de'18 deste'tnei, sob n, 433.
De-ve o mencionado 2" escripturario pagar o
uor&s a administrago dos correios pelo alludi-
db eltfaminhamento.
Ao inspector do Thesouro [do Estado.At-
tendendo ao que requeren Niceas da Silva Gus-
mao, contractante doa reparos da ponte grande
da Magdalena, recommendo a Vine, que mande
pagar lhe a 1" prestago de seu contracto, na
importancia de 2:390*800, a conformidade
com o certificado junto, procedendo se quanto
prestago de responsabilidade. de,accordo com o
regulamento de 2 de Julho de 1879.Communi
coa-se ao director geral de obras publicas..
' ko-mesmo.Nos lermos de sua intorma-
glo n;'486, de 11 do corrente, marde V. S. en -
tregar ao vigario Augusto Franklint Moreira da
Silva, presidente da commisso administrativa
do recolhimento da Gloria a quantia de........
1:266*666, sendo 666*666 relativa subvengo
vencida no semestre de Abril Selembro proxi
mo psssado e 6 03000 concernentes ae paga-
mento das annuidades dos predios do patrimo
nio do mesmo recolhimento.
Ao director do Arsenal de Guerra.Auto-
riso vos a satisfazer o incluso pedido de urna
bandeira republicana para o quartel do comman-
do das armas d'este Eslado.Fizeram-se as ne-
cessa ias communicagoes.
Ao Dr. Pedro de Atbayde Lobo Moscoso,
inspector da sade do Porto.Declaro a V. S.,
em rerosta ab seu officio de 19 do corrente mez,
que devem ser aproveitadas as antigs cartas de
sade existentes n'essa repartigo, substituindo-
se por outras as palavras que nao estiverem de
accordo cora a nova forma de governo.
Ao Dr- Jo3o Silveira de Souza, director da
Faculdade de Direito do Recite.Accuso o rece
bimento do officio de 19 do corrente, em que V.
S. me participa ter mandado imprimir cartas
para serem expedidas desde j aos bacharelan-
dos actuaes, substituindo as actualmente exis-
tentes o titulo Em Nome e sob os Auspicios do
Muito Alto e Muito Poderoso Principe e Senhor
D. Pedro II, Imperador Constitucional e Defensor
Perpetuo do Brazil por outro concebido nos se
guintes termos :Em nome e sob os auspicios do
Supremo Governo da Repblica Brazileira.
Em resposta, declaro a V. S. que approvo o
seu acto.
Ao Dr. juiz de direito da comarca de Naza-
reth.Declaro a Vine, em soluco ao seu officio
de 9 do corrente, que, em casos de urgencia do
servico publico, devem ser solicitados a este go-
verno os passes precisos na estrada de ferro do
Recife ao Limoeiro. por meio de telegramma.
--Ao engenheiro director do proiongamento
da esttada de ferro do Recife ao S. Francisco.
Fico4^eosse do oficio de 14 d'este mez, sob n.
208, em'quc Vine, pedindo ser dispensado de
prestar as infornioces exigidas por este gover
no, a respeito dos requerimentos de Carlos Al
berto Morsing e Franklin Ferreira Sampaio, Luiz
Jos da Silva e Ricardo Menezes, aquelles pedin-
do permisso para construir urna estrada de ferro
entre a villa da Barra no Eslado da Babia, e a
capital do Estado do Para, e estes representando
contra a d'esta estrada, apona como razo da
escusa a falta de tempo para oceupar se de as-
sumptos estranhos ao servico publico de que est
encarregado.
Solicitando rom jarticular instancia as iofor-
magOes precisas remello-llie de novo o requer
ment queacompanhou o officio de 7 d'este mez.
e recommendo que seja devolvido opportuna
mente o requerimento que acompanhou o officio
de 10 de Junho do corrente anno.
Ao promotor publico da comarca de Ouri-
cury. -Remelto a V. S o officio junto por copia
do cidado inspector da Thesouraria de Fazenda
de 8 do corrente, n. 444, acompanhado de- seis
documentos tambem por copia, concernentes ao
ex-collector interino das rendas geraes de Ex e
Granito, Mano. 1 Francisco de Souza Leo. afim
de que proceda nos termos legaes contra o refe-
rido Manoel Francisco de Souza Leo.Commu
nicou-se ao inspector da Thesouraria de Fazen-
da.
Circular :
A's cmaras municipaes.Chamo a altengo
da cmara municipal de. -. para o decreto de 19
do corrente mez, junto por copia do governo
provisorio da Repblica
Estago do Recife, 20 de Novembro de 1889.
Procedente do Rio Circular a todos os gover-
nadores dos Estados!
Decretos sobre eleig5ea
O governo provisorio di Repblica dos Esta-
dos-Unidos do Brazil decreta:
Art. 1." Consideram-se eleitores para as ca
maras geraes, provinciaes e municipaes todos os
cidados brazleiros no goso de seus direos
civis e polticos, que souberem lere escrever
Art. 2." O ministro do interior em tempo ex
pedira*a3.instrucg6es eorganisar 03 regulamen-
los para' a qualilicago e processo eleitoral.
Arl. 3. ievgara-se as disposiges em con-
trario.
Sala das sesses doROverno provisorio, em
19 de Novembro de 1889.-Manoel Deodoro da
Fonseca. Aristides da Silveira Lobo.-Ruy Bar-
bosa.-Manocl Ferraz Campos Salles.Quintino
Bocayuva.Benjamn Constan! Botelho de Ma-
galbes.Eduardo Wandenkolk.
Portaria :
O Sr. superintendente da estrada de ferro do
Recife ao S. Francisco d passagens com direito
bagagem por conta deste Estado, da estago
de Cinco Pontas at a da Escada, a um official
do corpo de policia e ma praga do mesmo
corpo, que alli vo destacar.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios : M .
Ao secretario do commandj das armas deste
Estado.De ordem do Exm. governador interino
deste Estado communico-vos que por despacho
de hoje foi indeferido o requerimento em que o
cabo de esquadra do 14." batalho de infantaria
Joo Miguel pedio 15 dias de licenga para Iratar
de seu particular interesse neste Estado.
Ao juiz municipal e de orphSos do termo
de Iogazeira.-O Exm. governador interino deste
Estado manda remettes.lhe a inclusa copia da
informago n. 7.800 de hontem datada, que, so
bre o assumpto de seu officio de 3 do corrente
mez, prestou o cidado Dr. chefe de policia.
Edital:
Por esta secretaria se faz publico que o Exm.
gobernador interino deste Estado de Pernambuco
declarou. hoje sem effeito a concurrencia aberta
emi3 re Selembro ultimo, para o estabeleci
ment de um moinho de trigo, de conformidade
cora a lei n. 1.974 de 26 de Margo deste anno, e
mandou abrir nova concurrencia para o mesmo
fim, com o prazo de 30 dias, a contar de hoje,
pelo que sao convidados os cidadSos Eduardo de
Moraes Gomes Ferreira e Vctor Neesen para que
venham receber suas propostas apresentadas a
l. em 11 e a 2.* em 12 do corrente.
Repartlcio da Polica
2.* seccSo.N. 9.Secretaria de Po-
lioia do Estado de Pernambuco, 13 de Ja-
neiro de 1890.Cidado.Partieipo-vos
que foram recolhidos Casa de OetencSo
os seguinies individuos:
No dia 11:
A' minha ordem, Ignacio Pereira de Hollanda,
Jos Raymundo da Silva e Manoel Joaquim de
BI
. (;
Sant'Anna, co ihecido por Manoel Vqueiro, po r
embriaguez e listurbios.
A' ordem d Dr. delegado do Io districtp da
capital, Joo ( abral e Amaro Izidoro Pereira Du-
tra, por enmd de defloramento.
A' ordem di subdelegado do Recife, Jert Hubs
Cher e B. Riaker, requisigo do cnsul alle-
mo.
A' ordem d subdelegado de Santo Aatemo,
Josepha Augusta do Monte e Mililo de tal, por
embriagues.e disturbios; Antonio Severino de
Oliveira, Albeho Maia Cortes. Manoel Bernardo
Gomes dos Santos, Damio Vieira da Silva
Emiliano Marloel de Moura, Amaro Lourengo Pe-
reira de Araujo. Julio Ensebio de Sousa e Mar-
tinho Jos-dos Santos, como vagabundos.
A' ordem dio do Io districto da Boa-Vista, Ai-
bina de tal, alienada, com destino ao Asvlo da
Tamarineira.
: No da 12 : %:
A' minha o "dem Jacintho Alves de Figueired;
e Jos Bernardo da Silva, vindos do Estado de,
Alagas, comb criminosos.
A' ordem dp subdelegado da Torre, Antonic
Manoel Francisco de Paula, como sentenciado- *
Entraram eb exercicio:
Columbo Latino Vieira de Souza, delegado do
termo da Efceada, na quadade de Io sup-
pente.
Francisco Leit Nogueira Paz, subdelegado do
Io districto do termo de Triumpho.
Sade e fraternidade Ao brigadeiro
Jos Simety de Oliveira, mui digno go-
vernador provisorio do Estado de Per-
nambucoO Chefe de policia interino.
Jote Izidoro Martina Jnior.
Recebedoria do Estado de
Pernambuco
DESPACHOSJDO DIA 10 DB JANEIRO DE
1890
Alfredo Ferreira, Jos Rodrigues Pinto
Ferreira, Silva & C, Antonio Francisco
da Cruz e Luiz de Paula Lopes.Informe
a 1* seccSo.
Seixas & IrmSos e Hemnann Lundgren.
Certifiqese.
11
W. Webester gerente e Tavares & Bar-
bosa.A' 1* seccSo para os devidos fins.
Francisco Gabriel das Chagas. Infor-
me a Ia secjo.
Inspectora geral da InstruccSo
publica do Estado de Pernam-
buco.
DESPACHOS DO DIA 9 DE JANEIRO DE
1890
Jos Augusto Porto Carreiro.Cumpra-
se e registre-se a apostila retro.
Maneel Henrique M. Accioli. Abo-
ne-se.
Manoel Fonseca de Medeiros.D-se.
Maria Rosa Pereira. Cumpra se e re-
gistre-se a apostilla de 25 de Novembro
do anno passado,
Dr. Joo Baptista Regueira Costa.Re-
gistre-se.
EXTERIOR
EUROPA
O paquete inglez Potos, que antc-hontem pas-
sou para o sul, trouxe datas da Europa que, de
Lisboa, alcangam a 1 de Janeiro adiantando sete
das s trazidas pelo francez Equateur.
Alm das de Portugal, constantes da carta do
nosso correspondente publicada n'outra secgo,
eis as noticias trazidas pelo referido paquete :
Hespanba
Escreve sobre este paiz o nosso referido cor-
respondente :
E' official o apparecimento da dengue em Ma-
drid, se bem que cora carcter benigno.
Dois mdicos, Cortero e Jimeno, ao acabarem de
fazer urna conferencia sobre aquella doenga, fo-
ram accommettidos por ella.
Nos correios foi necessaro su'pprimir urna sa-
bida dos carteiros, por estarem 90 com o den-
gue.
O banco de Hespanha tem 80 empregados
doenles.
Grande numero de homens polticos esto ata-
cados da mesma doenga.
No Congresso c no Senado ha grande numero
de individuos com o dengue, assim como esto
padecendo da mesma doenga urna mQnidade de
familias de Madrid. Calcula-se em 30:000 o nu-
mero de pessoas atacadas.
Em Salamanca foi destruido por um incen-
dio o theatro do Lyco.
Ficaram gravemente feridas oito pessoas.
A Gazeta de Madrid, de 30, publicou um de-
creto determinando que a corte tome luto por 20
dias pela Imperatriz do Brazil.
Reuni ha dias a assembla das Cmaras
de Commercio de toda a Hespanha, achando se
presente grande numero de representantes das
provincias.
A' tarde apreaentaram-se ao Sr. Sagasta para
protestar contra o projecto do novo imposto so-
bre as utilidades, que consideram ruinoso para
o commercio, para a industria e para a nave-
gago.
O Sr. Sagasta respondeu que era impossive 1
retirai-o depois de apresentado s cortes; mas
que durante a discusso podiam as Cmaras
apreeentar emendas, e o governo acceitar a todas
que julgasse justas.
Em vista de tal resposta os representantes re-
solvern] na sesso que celebra!am noite, fazer
publico o seu protesto;. pedir aos senadores e
deputados para apresentarem as emendas e op-
porem-se execugo do projecto por todos 03
meios legaes com a maior energa.
Nos circuios polticos commentam-se mui-
to as noticias de Paris, segundo as quaes, ao
banquete ofierecido pelos representantes de
varias repblicas americanas aos delegados de
Venezuela e do Uruguay, que vieram a Madrid,
nao s assistio o Sr. Ruiz Zorrilla, mas ainda o
seu brinde anti monarchico fji muito applau-
dido- U W I
Diz se que o governo oespannol vae recla-
mar.
Chegou a Barcelona o expre3idente da re-
pblica do Uruguay, general Latorre.
As duas sessOes da Liga Agraria deram re-
sultado inexperado.
Depois de annunciadas com grande apparato,
tiveram escassa concorrencia.
Um socio pedio que a liga se declarasse pol-
tica, e a maioria oppz-se.
O resultado nico foi a liga declarar-se pr$-
tecdonista, e continuar formando comit.
Parti para a Andaluzia o principe Nicolau da
Ruasia, que viaja eom o titulo de Conde Be-
rsoasky.
t-
:









'- i,
<\





Diario "de PernambucoTer^a-feira 14 de Janeiro de 1890
-

i
t
,
i
A Condessa de Paria rece n chegada a Ha
drid, com anas Albas, parti esta noite para Se
rilba, tendo antea aasialido na Etenaal aaai
nissa por alma de D. Aflora, e d*
des.
E' enorme a teneagan casale
experiencia} do toan ana* Peral.
' perfeita a sat estaMMade sol
anas machinas e ecuniaoa'ort* fu
rairavelmente. ____
Resiste ao mar grosso, goaana
t vase em babia.
Tem asseguradanoiawtaca
nolaveu os seus apparelbos de ptica e machina
de submerso.
Anda mais de 6 railhas e moa por hora.
Permanece submergido horas nieiras. e dis-
para os torpedos com preciso mathemaiica.
0 enthusiasmo dos marinheiros por feral io-
disc-iptiyel, e todos apregoam que a esperanca
se coQvertea em realidade.
Dois deputados americano* soticam que a
lei do suffrt gio que se est4 diacutiodo no Con:
gresso, seja extensiva a Cuba e a Porto Rico.
0 Sr. Guyarre acha-se n'um estado gra-
vissimo com urna pneumona infecciosa e 4i
graos de feto. Desespera a deo aivar.
Franra
A epidemia da influenza tem tomado ba
das em Pars um carcter particularmente se-
rio : a moleat'.a, a principio Denigua, transforma
se a niiudo em pneumona e congeato pulmo-
nar.
Os hoapitaes sao j iosufficientes para receber
os enfermos, e >or isso be tem armado barra-
cas nos pateos e jardins.
A admioistrago daa pompas fnebre?, que se
v em difficuldadea para fuoceionar, tanto por
causa da moleatia dos seus embregados, como
pelo augmento dos bitos, foi aotonaada a nao
armar ae prelo as igrejaa, como costme.
0 boletim da mortahdade, da ultima semana
aoc.usa mais de 200 bitos que na semana an-
terior.
As autoridades francezai probibiram a re
presentaguo da comedia*m verso '.'ater, do eini
nenie poeta Fraucois Coppe depois, o minis
terio da guerra perseguiu um livro de Luciano
Desame*, intitulado Sous offs, considerando o
prejudicial disciplina militar.
Inpressiooados com a repetigo deates actos
de censura os pnncipaes esoriptores de Franca
lavmram o segainte protesto:
Por ordem do ministerio da guerra, foi pro
cessado um livro as vesperas de urna discuaso
legislativa sobre a liberdade de escrever. mmo
ios para protestar.
Durante SO annos acostumarao nos lber-
dade. Conquistamos aanossas franquas. Em
nome da independencia lo escriptor, insurg
mo nos enrgicamente ci ntra todos o3 actos do
poder, que attentam contra a livre expresso do
pensamento escripio.
Solidarios, quando se trata dos interesses
da arle, pedimos ao governo que reheta.
Daudet, Olmet. Zola de Goocourt. Jean Ri-
chepin, Henrv Becque. Alexis Bouvier, Paui
Bourel. Paul Bounetain, Lon Cladet, Paul Fon
cher. Tueodore ue Bauville, G. de Por-Ricbe, Ro
dolpbe Darzens, O-car Metoier, Euiile Micheiel,
Henry Card, L juis Mollero. EmHe Bergerat, Re-
ne Gbil, Ernest Daudet, Jean A|albert, J. H. Ros
ny. Abel Hermant, Gualave Guicbes, Georges
Bois. Gusuve Geffruy Louis de Grammont, Jean
Julien Gentoo Salendri, Henry Lipanze, Fran
cois de Mvon, G. Coui telme. Roger H. Miles,
Boyer d'Ag'eu. Suiter Laumann, Edmund Bazire,
Frauz Juurdain, Paul Alexis, Jean Rameau Geor
ees Duvdl, Paul Margierite. Clovis Hugues,
lverine, Maurice Barres Fleury Bauer Adolpbe
Tabarand. Eugene More!, Robert Bernier, Hrary
Fvre
0 Sr. Constans, minitsro do interior, foi elei
*.o senador por Toulouse.
Termmou a pnmeira sesso da cmara
francesa Podem < ciacOes sobre os novos deputados.
Entre os radicaes e moderados, a opinio
pouco mais ou menos esta:
A nova cmara esta ainda um pouco bc-si
tante. Mas em breve nos dar em cireumslan-
cias especiaes, urna prova cabal de toda a sua
sagattoaUe e firmeza.
Nao esta a opinio dos membros da esquer-
ra ladical independentc, dos que Bao aspiram a
lenhu ua pasta, nem formam neahum grupo
constituido.
O Sr. Amaga!, deputado pelo Cantal, teve ha
ouco urna interwieu eomjum jcrnalista parisin
se, e-eis a opinio deste radical independente :
. A nova cmara ha de ser tao agitada, to
Tiolt-nta como a pascada.
Nao esperem nenhuma reforma.
O partido radical ha de pedir e reclamar o
mp!to sobre a renda, sob o ponto de vista das
reformas tinanceiras; mais a maioria ba de votar
contra.
Com resprito s reformas sociaes, ha so na
cmara um pequeo grupo, socialista cbristo e
soci.ilis a revoluekaario, que nao podero fazer
cousa alguma.
0' deputados operarios sJrosimples produc-
tos polticos di' que nao haa esperar cousa al
gUIJl.i ftil.
SoD o ponto de vista econmico, a cmara
ainda nada sabe ao certo. para-onde deve indi
ar, porque e quasi completamente ignorante do
novim -uto industrial e commercial do paiz.
Prele que a opiniao do Sr Ainagat 6 bastan-
te pessimista.
O deputa<,ondrpeodente acredita que as elei
ces complementares que se deve realizar bre-
vemente em Pars, os seis deputados boulangis
invalidados pela cmara, vo ser reeleitos
Pedem varios economistas qoe quando ftnali-
tar o praso dos tratados de commercio, se de-
m iuiilHiii MrtM aniaaamntrangaan..
rra^o* nawporta* ?anee'*, uns novo di
(U can-espeaany imposto* que
anaaitM Jranaan, ea snarcar
tas, ._
pelos eieitOres pa isienses, e que esta victoria
boulannista vae ferir nao s o governo, nas to
da a cmara, desacredi ando-a em frente ao
paiz.
Parece que o depulado Amagat se eiigraa ;
nao eremos na victoria dos seis deputados bou
'angista* invalidados
- Algamas das obras principacs da legisla
tura actual vo ser a renov^gao ou denuncia de
:odos os tratados de coraraercio e de navegagao,
a modilicasio de certas leis qus dizein respeito
ao coiomvrcio e inlustru e navewcSo commar
Sial. Tjdos j se preoecupara cam estas.diff.i-
rentes queques, tanio as espberas governamen-
taei, cono no mundo poltico, e emquanto o mi
nistro do co^nmerio proceder um inquerito so
bre-a situacio cora nercial, na cmara dos depu
lados preparara se varias propaitos sobre a
grande reforma econmica de 1890.
Segundo a opiniao do Sr. Reynol, autor de
urna dessas propostas, a raannha mercante 6 so-
lidaria do rgimen ecor.omico, que a Franca deve
adoptar iio futuro.
Dxive-se, por todos os me.os, assegurar o des
envolvmvn'o da marrana mere ule. A lei de
i83i proJuz effeitos uteis, como se v deste ex-
emplo : era 1879, o anno que precede a discus
sao da lei sobre a raarinba mercante, o eflectivo
dos navios a vapor francezes era de S99. jo^an
io com255.959tneladas. Em 1838 o numero
dos vapores era de 1.013, jogando com 509.600
toneladas.
A lei sobre a marinha mercante urna le pro
leccionista. E, como todos as medidas protec-
cionistas lera adeptos e adversarios.
Urna das bases da lei proteccionista sao os
premios mariuha mercante franceza, que ain
da ba alguns annos se encontrava em condigoes
reaes de inferioridade em frente le outraa po-
tencias martimas, cujos armadores eram mais
favore ido, e que podiam, portanto, oferecer o
frete em melhores condisOes.
Nao era smente a industria martima que sof
ira cora esta situago, ma3 toda a iodus'ria de
fabrica{fio e o commercio de exportacao. O casto
lovado do frete augmentava fatalmente o prego
da merc-dona, e nfto permittia contiauar vanto-
josamente; a lucia naconcurrenci i dos mercados
estraugeirs. ... ,
i oi para remdiar esta sitnagao que se fez a
lei de 1881 que creou duaa especies de premios
para a mariuha mercante : um premio para a
on3trucgao e um premio para as carreiras. Isto
, quando um armador p6e um navio a construir
no estaleiro. recebe um premio proporcional
tonelagem e notureza do navio. E depois o
armador recebe um peemio segundo a viagem
ue faz o na o. Este premio vana naturalmente
segundo a distancia, fcilidade de navegacSo.
frequentacio mais ou menos grande do porto do
destino.
Foi (sesmo sob a influencia destas novas leis,
ue se desenvolvern! grandes compaobias como
a companbia dos Transatlntico!, os Meuagertes
Maritornes, os Ckatgeurs Reunts e outras Mas
os pequenoe armadores tambera teem oblido os
meJbores resultados na concurrencia.
a" lei de 1881 sobre a marinha mercante vai
finaliaar em 1890. Acabar a cmara com ella,
ou, pelo contrario, rolara a ana renoracao ?
Norte do Brasil
Pelo vapor mercante Portuense, entrado unte
hontem, do norte, ti vemos fe Ibas do
Estado de rara
Datas at 5 de Janeiro.
O Harto de Solidas de 3 escreveu :
< EsHritos malvolos espalbaram ante-non
tem e hontem boatos que assoataram a popula-
cao d'esta capital.
P .demos garantir aoa nossos leitorea que sao
infundados taes boatos inventados pela phan-
tasia de anonymoe perturba dores, que ee incom
moJara cora a maniiteg4o da Jtrd Estamos certos de que a populagao pacifica
d'esta capital esta toda ioteressada em que conti
nue a marcha regular dos negocios pblicos
agora mais do que nunca bem garantida pelas
instituicOes democrticas que nos regera
O Governo do Estado do Para, depositario
da conflanga do Governo Federal, ..o povo e dos
bnoa militares qoe o asclacarara, e esto a eu
lado como sustentculos d Rpoblica, di-poe
de todos os meios para manter a ordem, que i a
suprema aspiragao de todos os cidad >s que se
interessam na realisago completa da obra da
revoldco, to brillantemente encelada.
O Para est em paz ; de todo o interior vm
adbeses espontaneas ao gove-no e Repblica ;
o que qne justifica, pois, esses boatos ridiculos,
se nao fossem os effeitos alarmantes qne elle?
produjera ?
Tranquillise-se. pois, o povo; estamos em
plena pax e,felizmente, nada ha que possa in
duzir a suspeita, ao menos, de alterarse a or
(toa que est perfectamente garantida. *
Propalndose que o Club Mditar tentara
depor o governador do Estado, reunirara se os
membros do me^mo Club no dia 2, noite, e
deoots de calorosa discussao, approvaram a se-
grate mog&o que foi publicada na impren a :
Tendo-se espalnado n'esta edade jue o Club
Militar quer depor o goveruador'd'estc Estado
dndose em resultado temores infundados e
prejudiciaes, o ''lub Militar reonio-se r declarou
pm oorae de sua honra a de urna vez por todas,
qoe nunca teve e nem lera a louca id'a de depr
o delegado do governo central, quando devemos
a este a mais leal e nobre oheliencia.
Outrosim. declara que. quando necessa io
fdr. far ebegar .o conhecime u i do general Ma
noel De idoro da Fonseca os seus desgostos, em
attitu te sempre respeitosa pro opios para obe-
decer s rleos do governo central.
Sala da sesses do Club Militar, 2 de Ja-
neiro de 1890 loaquim R. de Moraes, 1." secre-
tario.
- Simultneamente fot publicado pela citada
folha este telegramma:
Rio. 2 de Janeiro de 1890 Foi publicado
na im rensa um artigo censurando o governador
do Estado do Para.
O governo telegraphou ao Dr. Jmto Cher
raont, dizendo que approva todos seus actos,
que proceda contra quem quer que seja e que
[ilimitada a contianga que em si deposita o go-
verno dos Estados Unidos.
E, em rennio do dia 3, do Club Republi
cano, foi votada urna moc2o de contianga ao Dr.
govrnador Justo Chermont, pela adrainistraco
zelosa, honesta, criteriosa e illuslrsda com que
tem sabido distribuir justiga na Amazonia.
A mogo foi votada unan me e nominalraente.
Presente o cidado Justo Chermont, commo-
vido. agradecen a prova d* coosideragfto e con-
lianga de seus co religionarios.
A sesso terminan s 9 horas da noite.
A directoria da Associago Commercial do
Para, eleita no dia 3, ft;ou assim composta :
Presidente Jos Joaquim da Cunha Cardoso.
Vice-presidente -Jos Ayres Watro.
1." secretarioRodrigo A. de Brito Amorira.
2." ditoJoo Lucio de Azevedo.
ThesoureiroCamillo Vellote.
Directores -Joaquim Nones da Silva Matta, E.
K.rathack, Manoel Ferreira Vasques e Rodolpho
Ziete.
perador nada
tador.
ORr. cent
que
O
dia-
ferma
do qne bavia de realmente aaaus-
ifaAJ
Ufe
mente, atoan a^ei
Porto.
SnaMngaotat-agva
O Sr. emide 4* M MtnMAa anou reo*
ensol do BdoJbe'*m*m o^aare,
abDade^e Sao*4Me**5oA B'oli elauUi.-dttia-
se imperatriz quasi moribunda, sob as mais' bulhada em lagrimas.
A acea nao foi manos commovente quaado a
Sri, naodessa d'Eu abaafono adave
cortando oarcaiyitos;
Icipes e D. Miro Aogust, ch
cobriram de otijas oj&o oo*a
'eram orando.
Qmmo a princeza impea sa abraffn ao ca
mi, cahio com umaayncoo.
Oioaocipesinbos aoyresjarea tolo,
laraanaa copioso praao.
Matar sen ora i, trjwado rioaroso Iwto,
os pan porta do fcoMoreN
chai ai aiu quando viram a familia imperial de
Correspondencia do Diarlo de
Pernambaco
PORTUGALLisboa, 1. de Janeiro de
1890
Tres sao os assumtos que durante esta ultima
semana do anno teem sollicilado mais pronun
ciadamente a attengo do nosso poro: o con-
flicto pendente ;com o governo tnglez, a ratirtca-
go do juramento e as festas da acclamago de
el-Rei D. Carl03 lea lamentavel desgraca que,
de sbito, veio oppnrnir o animo to attbulado
j do venerando monarcha desthronado do Bra-
zil, perdendo na cidade do Porto a sua extre-
mosa companheira de 46 innos I
Sobresaltos... alegras officiaes .. tristezase
verdadeira compaixo N'isto se resume a ebro
nica d'esies poucos das, e sempre a falatidade,
como lile- fazia observar na miona ultima, a en
tremeiar aqu as minifeHages festivas com as
fnebres.
A 22 de Dezembro como creio ler-lhes dito
partiam s 3 1/2 hora3 da tarde no rpido de
Lis 00a pa a Coi i libra, onde chegarara s 8 da
noite, o Sr. D. Pedro de Alcntara e sua augusta
consorte, mal convahescente anda de una en-
fermidade heptica de que fra acc mraettida
quando aqu desembarcou do Alagas, e que os
clnicos attnbuem s profundas comraogoas que
a cua expoHo e a da sua familia Re tinbaru
caucado. Tencio^ava o iraptrador, demorarar
se poneos das H'aqnella cidade deter se uns
quatro ou cinco no Porto e,lira,a e partir com a
imperatriz para Pau, cora os Srs, Conde d'Eu,
indo em seguida fixar deiiniivauKHtc a sua re
sidcncia era Cannes
Curta foi a estada da familia imperial em
Coimbra. A imperatriz chegara all transida de
fro, 'que n'este invern excepcional iateasis
simo, na Europa devendo sentil o ainda mais
urna pobre senbora sexagenaria e ain la enferma.
N; lornou a sabir do hotel seno quando seguio
para o Porto, cuja temperatura habitual ainda
mais baixa que a de Co:m ra e Lisboa.
Entretanto, o Sr. D. Pedro de Alcntara nao
descansava um momento, examinando o qne ha
de monumental na lusa Alhenas, indo visitara
Universidade, o jardim botanizo, ludo em tira
que merece attengo. CheganJo ao Porto, ondo
urna guarda de honra o esperava na gire como
em Coimbra, com todo o cortejo de autoridades,
funecionarios, membros da colonia brazileira e
familias mais impor.antes da cidade ; dirigio-se
pa a o hotel, senlo preciso de cer ; o eolio a
imperatriz, da caruagera para a gare, porque
Ihe faltavam cada vez mais as forgas.
Xo Porto, o Sr. D. Pedro, nio julgando que o
e tajo melindroso de sua esposa era to grave,
eatregiva-se, sem tr-soas, s ana infatigaveis
excursoes e vitas, nao escapando um monu-
mento, um edificio publico, umi instituig
municipal ou parjicular ao seu exame sollicito
de tourista iodefeso.
Logo que chegou ao Porto a Sra. D. Tberezt
Crhistina, sentio-se mais incommoladi-^ s
poud-r sabir no dia 24, missa da Lapa e a pn
seio a Leixes. Depois recolheu-se cama.
0 Sr. conde da Mtta Maia. medico do ira pe
rador, nunca mais abandonou a cabeceira da
illustre enferma. Querem dizer que urna leso
cardiaca, ja nu'.to adiantada, que prostava a
infeliz 8eutora, oulros qne o seu padecinento
principal era urna clica heptica. O medico
assi tente senlia fundados receios e pedio urna
conferencia medica. Ento o Sr. conde de Al
iez ir, camarista do imperador, foi ao consola lo
brazileiro, e d'ahi, acompanbado pelo Sr. Ri
bello, procurou o Dr. Gramaxo. Este clnico
examinen detidamentc a imperatriz, e depois de
larga conferencia com o seu coltoga brazileiro,
disse qne, ui vista do estado de fraqneza em
que a augusta enferma se achara, devia-se re
cewr que a primeira syncope a maiasse.
Em coosequencia ato, o Sr. conde da Molla
Maia telegraphou logo para Madrid, hotel de la
Patx, onde se achavam os Srs. condes d'Eu, par-
ticipando-Ibes o estado da imperatriz, e*arece
que pedindo lhes qne partissem, senT'demora
para o Porto. Entretanto, nao revelou ao im .
delicadas reserva*, que devia sacramentar ae
receber um padre, que se mandara chamar.
Um padre, sira, respondeu a desditosa ae
nbcra ;mas primeiro peca que chamem o im-
perador. Desejo muilo fallar-lne.
Entretanto a morte avuinhava ae rpidamente.
Por essa occasio passava por acaso na roa o
Revd Dr. Coneeico, que foi vigario geral en
Braga.
Aqnelle eeclesiastico ainda encontrn sui ma-
gestade com vida e teve tempe* de lungar lhe a
absolv gao.
Poneos momentos depois falleca
Eram 2 boras- e 20 minutos da larde.
Ninguem esperava qae fosae par to proxno
o d -senlace fatal da enfermidade.
O cnsul brazileiro encontrara o imperador na
academia de bellas artes. Fi'ou muito coramo-
vido e part o logo pa o hotel.
Apenas chegou, o imperador subi ao seo
quarto, emquanto as escadas de servico eram
vedadas oor policas cris.
Ao entrar, o imperador ignorava aiuda que
sua esposa tinha morrido
i'izeram-llie crer que eni urna syncope ligetra.
Quando depois, o abba te de Santo Ildefonso, a
sos cora sua raagestade o foi predispondo gra-
dual ie'ile para a trgica realidade e Un rev
lou tu lo. D. Pedro Hcou em uraastado de con
steroago que se nao descreve, derraiuaodo co-
piosas lagrimas e abatido na mais vehemente
dor.
O irc perador telegraphou a el i D Carloi
para que o cadver de sua esposa possa ir para
o jazigo da casa de Braganca era S. Vicente de
Pora As exequias far-se tio na S do Porto e
-'.'rao presidida* pelo cardeal D. Americo, bispo
daquella diocese.
0 filleciraanto da Sra. D. Theresa Christina.fai
participado lelegrapbicaraente para o Brasil e
para todas as cortes da Europa O telegrama
era em francez e atm redigido :
* S. M. l'tmpratr.ce a renda Vm* o Dieu.
D. Pediv de Alcntara.
Foi expedido para os imperadores da Allema
nha, Austria e Russia ; res de Portugal, Hollan-
da, Soecia, Worteraberg, viera, ita'ia. elgica
e Dinamarca ; ex-rei das Daas Sioiuaa resiUnn-
to em Pars ; raioba D. Mara Pa ; rainlvw de
Inglaterra eHespanba; ex-rainha Isabel; Sa4i-
arnot : principe da Bulgaria; rao duque de
^axe Weimar e Saxe Coburgo; zondessa d'Edla,
inarquezde Tamandar, conselheiro Nogueirada
Gama, senador Seminla, De Giovasioi e Dr.
Charco t.
Em telegraciraa especial escripto pelo seu
proprio punhi o Sr. D. P dade a absolvigo p^pal para a augusta rjnarta.
Erara 9 12 quau lo comegaram ebegar ao
Grande Hotel do Porto teiegr-iraras de psames
das pessoas que tmhim recehido a triste par-
cipago.
O telegramma do presidente da repblica frun-
ce a foi um dos primeiro* a chegar, e era redi-
gido em termos mu to aiecluosos.
O imperador s leu dous desses despachos : o
de cl-rei D. 1 arlos e o da rainha D. Mara Pia.
O c nsul do Brasil no l'otto expedio tambera
um telegramma urgente ao governo provisorio
dos Estados- Jnidos do Mrant, na'raudo o in-
fausto acontecimento. O Sr. conde da Molla
Maia mandou tambem para o Brasil um extenso
telegramma.
Coiacidindo a raorte da ex imperatriz do Bn
zil com o dia da acc amaga 1 do rei de Portugal,
o soberano mandou qne nao houves3e o especia
culo le gala em S. Carlos, que fazia parte do pro
grarama dos festejos.
No Porto os espectculos (todos dessa noite
forara rohibidos, po- oidem do governo, as il-
lurainages forara apagadas, e os etiiicios poze-
rara a raeo-po as suas bandei ras. Reoothe-
ram se as msicas militares que tocavam na pra-
ga Muitos estabelerimentos de commereio cer
raram as meias portas. Alguns subditos brazi
leiros cerraram as janella Enorme quaotidade
de gente de todas as classes foi inscrover os sem
nomes nos livros patentes no vestbulo do Gran-
de Hotel.
Um grupo de sennoras da colonia brazileira do
Porto tenciona depor urna cora no fretro da
imperatriz.
S. A. o Sr. infante D. Affonso parti a 29 s
11 1/2 horas da noite, depois do banquete no
pago, em comboio expresso para o Porto, afim
de ir dar os pezames a seu tio em nome do rei
D. Carlos I seu irmo. Era .acompanbado pelo
seu otlicial s rleos.
Houve quatro miasaa no hotel, na cmara raor
tuaria, urna das qaa3, celebrada pelo cardeal
Amenco.
A todas assistiu o imperador muilo commo-
vido.
O infante D. Affonso voltar ao Porto no dia
3 de Janeiro para acompanhar o cadver para
Lisboa
O funeral, diz se agora que ser no sabbado
4, em Lisboa.
A familia imperial aoompanhar no dia 3 o
cadver Tanto o imoerador como a sua -cuai
Ova, deporto coroas futre' ires.
Os consoles da Allemanba, Austria, Italia e
Hespanha recebaran! ordens dos seos respecti
vos ovemos para darem os pezames fami-
lia imperial e representaren! aquellas nacoes era
todos os actos ofticiaes.
Por proposta do presidente da cmara muni
cipa! do Porto. oSr OtiveiraMonteiro. foiiangado
na acta da sesso um voto de profundo pezar
pela morte da imperatriz do Brazil, resolveudo
dar conheci ment ao imperador daquella man i
fest.igo da municipalidade portueose.
No terctiro dia da morte da imperatriz haver
em Braga pomposas exequias -mandadas cele-
brar por individuos que residirn! no Brazil.
Un telegramma do Parto datado de hontem s
2 horas da tarde, dizia que o est ido do impera
dor inspira rawtos cuidados ; que se lhe aggra
vou muito a diabetes e est mmiissiraolraco.
A Sra. Condessa d'Eu telegraphou rainha
Victoria nVate* termos :
Mon pre, Dieu raerci, supporte de bon cceur
la perie qu'il vient d'e-idurer et il est assez bien
portant. -JmMM
ilont' m (31) o cadver da imperatriz foi trans
portado para a real capella da Lapa, onie ficar
exposto ao puiilico at vi para Lisboa.
As exequial era S. Vicente de Fra realisar
sehaocora todas as honras devidas alta jerar
Chia da finada
N Porto, tem si o apresentados ao impera-
dor milnarea de requeninentos pa-a esmolas.
O Sr. D. Pedro de Alcntara vira alojarse no
pago das Necessidades.
A imprensa de Lisboa e Porto, logo que expi
rou a imperatriz, prestoo sincero-e caloroso or 1
to s suas -miuentes virtudes, e aos raros dot--
de cora cao iue to que'ida a la i mi de quantos
poderain aprecia-dwperto ,a extrema bol ni
que earacte isava aquella s.incti senhora.
da providencia divina cbamaram a santa gloria
sua magestuwnva o Sr>Xuiz i,- moa uno
amado e orasado pai, qoe a > deixar o tbr no,
que tanto toMrooarengnaidecan-com.magna.
oimas virtooao, m toigou o xern**, qnetereis
sempre didoiMios, oossas iostitnfoevpniticM.
Aqui Itw tnata, poM,a par di mar viva
saudade, a -aaMbat*idooa eoanatantoa.
em que deava pnnjaira nMiiia e
amor do pota orttMaez,-cw> vtMraa erao o
firme desejo oatooipal aaonh* on nn reina-
do. A nago. a cujos destinos tenho a honra de
pre-idir e que em todos os peno los da sua bis
tMsteastdo ilustre entre as pnmeiras, fide-
liswrna na religio, strenua na defeza d sua in
dependencia, denodada na conquista, audaz nos
descobrimentos martimos, e grande na cmtHsb-
go : distingue- se tambem nobremente pea leal
dade aos seus monarchas e s instituigOes libe
raes, que rao conjunctamente esteio da monar
chia e secura Ranga da paz e da prospendade
publica.
Inspirando me de to gloriosas tradigoes e
exemplos e do meu ioquebrantavel respeito pe-
ja aaalalai paioaoapew>, vino, manter escrupulosamente em todos os seus
dictamea o juramento que acabo de prestarle
em cuja formula se encerrara os mais elevados
deveres do rei constitucional.
Para o desempenho da alta misso. a que fui
chamado, muito confio tambem na illustrada e
patritica cooperagao dos representantes da na
ba ao luto e r
uto do Braatl
A corporag dos aspira
atse oje, c'aaa sala da
laplrti, sob a presidencia
Meliaa Marti as, para dar _
4osesgeneri8o pensamento
iaar-ae ba o funeral da impera-
de
de marinha reu-
edade de Geo-
aapiranto o Sr.
^jo realisacSo
de promover urna
to despertas da aurora do dia 28 de Dazern-
bro os habitantes de Lisboa foram despertados
tHoesiroudear das salvas de artilherla dadas na
Torre de B-ilera e e-n todos os navios de gne ra
poriuguttzes surtos 00 Tejo, annonciando a festi-
vida le naciooal da acclamago de S. M. el-rei D.
Carlos.
Mais de quartorze tntl proviacianos e gente
dos arrabaldes, que ie aproveitara da reduego
dos pregos nos comboios c milbares de morado
res de Lisboa s."hiram para a ra muito cedo,
afim de toraarem lugares para ver passar o cor
tejo, ou de irem bater porta das pessoas co
nhecidas que lhes tinham nfferecido um canto
da janeHa.
Peno das 9 lf2 da raanha urna brigada de ca-
vallana chegou ao largo de D. Fernando em Be
lera e formou em colu nna cerrada de esquadras
com a frente ao palacio real.
Pouco depois das 10 horas, n na salva real
dada petas fortaleeas de trra e mar e pelos na
vios do e-tado, annvneiou a sabida de suas m t
gestades do real pago de Belem e o desfilar do
corteja, que se dirigi para o palacio das cortes
pela ordem segointe :
Seis pelotes le cavallaria 4, arautos, archei
ros epassavantes a cavallo.
Seguam-se depois os coches, conluzindo os
segrales personagens .
i cocheConde de S. Miracde e Teixeira de
Carvaltao.
2. cocheConde da Lapa, Visconie de Var
zea. Conde de Sobral e Antonio de Vasconcellos
e Souza.
3.* cocheMrquez de Alvito, Conde de Villa
Novada Cerveira, Conde de Sabugosa e Conde
de Linhares.
%.'Damas da rainha: Condessa de Sabugosa
e D. Josepha de Sandoval de Vasconcellos e
Souza.
5. cocheSr. infante D. Affonso e Conde de
Ficalho.
6." cocheCoche de respeito.
7." Coche real.
S M. el-rei, com manto de purpura e arminho
O auto do fallecimento foi lavrado pelo cnsul: s_ M a raiQJa, com manto de velludo azul bor-
do Brasil, no Por, e assignado ptos-Sre. car- j dado a ouro
deal bispo, governapor civil, general da diviso j A- perta, e junto da roda, ia a cavallo o Du
administrador do bairro, onde se deu o bito.
Os oflicios fnebres edectuar-se ho na real
cipella da Lapa, que j se mandou ornamentar
cora fausto. O fretro foi mandado vir de Lis-
boa. Algnns mdicos do Porto procederam
iinliiliniaM do cadver. Foram enoarregados
deste servico os Drs. Ricardo Jorge. Aaevedo
M iia e mais tres mdicos.
- Tendo o Sr. D. Carlos I offerecido o seu
palacio para o Imperador vir residir em Lisboa,
este respondeu-lhe que aceita a hospedagem por
alguns dias, mas declarando que quer vi ver iso-
l.ido e nao dar inconunoJos a ninguem.
Parece que os funeraes aero no dia 3 de Ja-
neiro segurado o cadver para Lisoa no da 4,
tendo o Sr. D. Carlos accedido aos desejos do
imperador, para que o cadver da imperatriz se-
ja depositado no pantheon da casa de Braganga.
0 Jim perador telegraphou para o duque de
Joiavillfrigrudecendtt-lhe os pezames e partici-
n.i'ido qne o cadver da imperatriz se conserva-.
r tres das em cmara ardente.
Agora chega outra verso do Porto, sobre as
ausas directas da morte daquslla santa senho-
ra: urna broncoite aggravada par syncopes ner-
vosas.
A direccSo da commisso de beneficencia bra-
sileira foi ins srever os seus nomes no livro es-
pecial e encomraendou urna cora magnifica de
violetasje amores perfeitos, devendo todos os so-
cios acompanhar a pe os funeraes.
O imperador lera j reeebido inultos teiegrara
mas do Brasil.
O Srs. condes d'Eu partiram de Madrid 1
hora da ta de de 29 para o Porto. Cbegaram
estago de Campanha ao meio dia de 30.
O Sr. Viscondu de Ouro Preto e seu fllho Af-
fonso Celso, chegarara' a 29 s He meia da noi-
te e visitaran o imperador s 9 e meia da ma-
nila de 30.
0 Sr. infante O. Affonso foi assistir era Cam-
panha chegada dos Srs. coude d'Eu. A's 2 da
tarde c que visitn o imperador, devendo re-
gressar a Lisboa s 10 da noite.
Foi pungenli3simo o pnraeiro encontr dos
condes d'Eu cora o imperador.
Todos foram por turnos ajoelhar diante do
cadver da imperatriz, chorando copiosamente.
Era seguida recolheram-3e aos seus aposen-
tos.
Tm corrido boat03 assustadores acerca do
estado de saudc -lo consternado viuvo.
A 29 noite foi chamado o Dr. Azevedo Maia
para o ver, por se ihe terem aggravado os pa-
deciraentos
O boato, porm, nao teve fundamento.
* Os representantes do Sr. Carnot e os du
ques de Montpensier vio ao Porto assistir ajpfu-
neraes.
Na Uazeta de Madrid foi publicado no fia 30
que de Loul, e eaouerda o Duque de Pal mella.
Segua se o estado maior de el-rei e todos os
seus ajudantes de campo e officiaes s orden3-
Fechava o cortejo ura esquadro de cavallaria
da guarda municipal, umesquadro de laoceiros
e um esquadro de cavallaria.
Pelas 11 d-i manila, na sala das sessde3 da
cmara dos deputados reuniram-se os pares e
deputados da nago- .
O pressidente da cmara alta. Sr conselherro
Joo Chrysostomo de Abren e Souza, collocado
no estrado abaixo do ultimo degrao do throno,
nomeou agrande depntago para acompanhar
suas majestades e altezas desde o vestbulo do
I palacio das cortes at sala da sesso real, to
maudo parte nesta commisso todos os antigos
ministros que estavam presentes.
Chegado o cortejo ao largo das cortes, pela
nova avenida de D. Carlos I (aberta no terreno
que fra cerca.do extiocto convento da Espe
ranga, a comraunicar com a ra do Duque da
Tercera) suas magestade3 e Sr. infante con
destavel foram recebidos no palacio pela gran-
de deputago das cmaras legislativas, pela cor-
te e por todas as pessoas que tomaram lugar no
prestito Formou-se entao o cortejo, que passou
entre duas flleira3 de archeiros da casa real.
A' entrada na sala da sesso real, o canaria
ta de servigo ao Sr. infante D. Affonso, oftereceu
lhe o estoque real, que era desta vez nada me
nos que o pesado montante de que se servir o
condestavel Nuno Alvaro Pereira.
Logo que 83. MM entraram na sala que fra
invadida por grande numero de senhoras e ho-
mens, que nao poderam accommodar se as ga
lerias, o reposteiro-mr descobrio as cadeiras
do throno, para o qual subiram,SS. Mil.
O guardajoias da casa real apresentou ento
n'uraa salva de prata o sceptro ao gentil hornera
de servigo, o qual o apresentou a el rei. Entre-
tanto o condestavel tomava lujar ao lado do rei,
em p e descoberto, com o estoque real desem-
bainhado e levantado
S. M. a rainha ia elegantissima.
Os diferentes dignatarios da corte oceuparam
os seus lugares segundo a velha pragmtica.
Logo que o mestre sala dispoz a; diversas col-
locages, e os membro3 do parlamento, o oonse
lho de estado e o ministerio tomaram os seus
respectivos lugares, o presidente da cmara dos
pares, coad uvado por dous mogos dalgos, apre
sentou a el-rei os sagrados Evangelhos (o cele-
bre misaal de Estevo Gancalvesj, coberto com
urna cruz, e S. M ento, passando o sceptro
real ptr* mo esquer la, poz a mo di eita so
bre os sanias Evangelh a promesa da sua real proclamago de 19 de
Outubro ultimo, a formula consignada no art
16 da Carta*" Constitucional da monirchia, pro-
nra decreto determinando que a corte tmame- nunciando com voz clara e firme o segrale jo-
to de 20dias em signal de sentiraento pela tBOr- lamento: _
te da imperatriz. ? Juro manter a religiao catholica, apostlica,
O papa mandn pelo tetegrapho a bent-pos romana, e a mtegridade do reino, observar e la
mortem nue o imperador lhe solieitou. zer observar a consttuigo poltica di nagao
Devo accrescentar qne de Lisboa foram com portugueza e mais leis do reino e prover ao bem
o Sr i, faote D Affonso os Srs. Viscondft de geral da nago, quanto em raim couber -
Vilia Nora da Cerveira representando o rei D.
Carlos, duque de Loul, representando S. M. a
rainha D. Murta Pi, e D. Antooic Paraty repre-
sentando a rainha D. Amelia.
So Graod Hotel* do Porto p-HKarajnjse sce-'
as commorentes. **
O imperador lancou-se nos bragos da filha
chorando.
Alguera do ladp disse : Tenha coragem, mea
senhor O imperador respondeu: Sira, sin,
agora tenho coragem, porque esto aqui os mens
Sillos junto ao cadver da imperatriz
Em seguida S. M. el-rei leu a segninte alio-
cuco:
"Dignos pares do reino e Srs. deputados da
oacao portugueza Cumprindo o dever poltico
que me assigna o art. 7o" da carta constitucio-
nal da monarchia, sei tambem aquilatar em todo
o seu valor a subida importancia e a elevada
signifcagao desta soiemmdade ; e em extremo
grato para mira reiterar perante os represen
tantea da nago o Juramento qne prestei na real
proclamago de 19 de Outubro ulti no.
. Foi nesta data qne os insondaveis decretos
gao e prasa ao Todo Poderoso que o novo reina-
do tenha as suas beogos e mer-ga a gratido
do povo portuguez, nico premio a que aspira a
minia mais elevada ambico .
Finda a allocugo, o alteres-mor desenrollou
a baadeira real e logo em seguida o presidente
da cmara dos pares respondeu a S. M. el-rei.
Assim que. acabou de ler a resposta allocu-
go de S M. o Sr. Joo Chrysostomo acnnipanba-
do -por tothr a assembla levantou a acclaraac^o :
Ac multo tHn muito odeaoao^e fidaiiwiino
rei dt f juf m u Sr D. Ckstn* or rea-
zes foram levantados e correspondidos estes
vivas.
Era seguida o alferes mor sabio do seu lugar,
fez orna reverencia a SS. MM. e cora a baudeira
sempre desenrollada, acompanbado do rei d'ar
mas de 'Portugal, dos porleiros da canna mi
g, dos arautos e passavantes, dirigi se va
randa do palacio que leiia para o largo das
co* tes.
Cegodus todos all o rei d'arraus Poitug
bradoa : AHenco, atteacao, attengo I era :'e
-rapunnaiiio e agitando a ba 1
deira real o alferes rar duae era voz illa :
Real real, real pelo muij alio, imito pode-
roso, e delissirao re de Portugal, o Sr. D. i-ir-
los I
Echoaram ento em todo o largo vivas eiuquan
10 as bandas regiraentaes tocavam ohyranoreil
e as fortalezas <- os navios le gue ra aununcia
vara con salv s de a liUkria a :niugurag l
novo reinado.
ura quanto isto s- passava, tor-i 11 asa iroad"-
ui ico autos ilous do.i quaes s 1 ,."i a o archiv
lis duas caoucta le4'i lanvas. ura para si 111
gesia le tid li-siioa oulro para u muiKierio >i
enioe o quinto para o real archivo da Torre d >
T 1 nbo
Terrainandas assim as ceiiraonias polticas d-.
juramento e a acclamago em crtes, sahirara as
pessoas reaes, formando se o prestito, a' ao ve*-
11 toiii I dj parJaraento pela inesina forma .e'pre
cedencias que por occasio da entrada.
J cortejo real sabio dj S Bento em.drecgo
igreja de S. Domingos, entre alas de muitos mi
liares de espectadores.
Asjaaellas das casas estavam repi ;us de se
nhoras. O'tuto nacional lora suspe.aso e por isso
as toilettes clarase de, core i vanegadas davaraj
oai tora alegre festa.
A inagestosa igreja de S. Domingos offerecia
um a9pe :to nico e raagniiic nte, ornada com
grande riqueza e aprimorado gosio.
SS. MM. forara recebidas porta do coche de-
baixo de um pallic, sustentado pelos vereadores
da cmara municipal de Lt- boa, e assim entra
ram.no vestbulo do templo, onde os uguardava
cardeal patriarena e cabido da S, e debaixo de
ura outro paliio, com as ceriraonias e orages do
costume, dingiram se para u capella-mr, aendo
o prestito organisado com as mesmas preceden-
cias e pela mesma forma que no palacio das cor-
tes.
Logo que cbegaram capella mor, SS. MM. e
aa. nzeram orago ao Santissimo Sacramento,
e em seguida o cardeal patriarena toraou lugar
no solio e entoon o bymno Te Deum laudamos,
que foi continuado pela msica
Faltava a cerimooia da entrega das chaves du
cidade nos pacos do conselho. A fachada d'esle
monumental edificio offerecia ura aspecto festivo
A base da oroamentago eram pequeas palmei
ras, tamareiros, araucarias sendo os degros da
magestosa escodara ladeados por vasos de fetos
e avancas d'um verde hmido e fresca Muitas
outras variedades de plantas exoii :us uofeitavam
a arcada que forma o vasto corredor em claustro,
onde a escadaria termina.
Acbando se. doente o presidente da cmara, o
vice-presidente, assim que SS. MM. deramentra
darno talo de honrae tomaram lugar no throno,
apres-ntou a el rei D. Carlos em urna salva de
prata as chaves da cidade, pronunciando urna
conceituosa allocugo em que dizia que esse acto
era a significaco da obediencia e fidelidade que
0 municipio de Lisboa prestava a S. M. el-rei.
O soberano aceitando a chaves lornou a en-
trgalas ao jcc-preaidaate da cmara municipal
expressaado confianca qrre lhe is[ ira a muntcipaHrtade.e di
zendo qoe ficava reconrtecido aos seus subditos
pelas suas pro vas de fidelidade ao throno.
O vice-presideute da cmara municipal, toman
do entao o estandarte do municipio e passando
tribuna armada as janellas contraes, depois
de ter feilo a reverencia a SS. Mu. repeli as vo
zes de acclamago : ao mwto alto e imito poderoso
1 fidelissimo rei de Portugal, o Sr. D. Carlos I.
Eram 3 horas da tarde quando o cortejo re-
gressou ao paco de Belm, aonodo a marchaseis
pelotOaede,a vallara, seguindo-se-lbe-oi coches
etc., tudo pela mesma ordem da partida para asi
cerim^nias.
Tendoij constado a el-rei que fallecer n'es3e
flia no. Porto, ana augusta tia, a imperatriz D.
Titereza Christina, ordeuou, como j disse mais
acama, que nao noUYesse ao tbeatro de S. Carlos
a recita de gala.
Esta ficou transferida paraa noite de hontem,
31 de Dezembro.
No dta 29 realisou se a parada das tropas da
guarnigo de Lisboa na Avenida da Liberdade.
O lempo, apezar de fro, tem se conservado
ameno. Na Avenida foi erguido ura pavilho do
lado do largo da Annunciada para S. M. a retaba
e as suas dama3 e mais pes30as da crt? assis-
tirem ao desfilar das tropas.
No lado occidental da Avenida em frente do
elegante pa-vilbo real armara-se urna galera em
Amphitheat.-o, para onde entraram os convida-
dos, membros do parlamento, representantes da
imprensa nacional e estraageira, altos funecio
narios, etc., etc.
El-rei seguido de um luzido estado-maior, deu
entrada na Avenida e postou se junto ao pavilho
real tendo ao seu lado o archiduque Eugenio
d'Astria, irmo da rainha regente de Hespanlia,
que viera expressamantea Lisboa, representar o
imperador de Austria Hungra as ceriraonias da
acclamago.
Deviam figurar 7.500 horneas em parada, mas
apenas poderam comparecer pouco mais de 6.000
de todas as armas, em consequencia do exce3sivo
numero de baixas ao hospital, motivados pela
epidemia reinante de gripe ou influenza que nos
est in:ommodaodo por um modo extraordinario.
A concurrencia de espectadores era enormis-
sima.
A polica foi admiravelmente bem teita. Nao
houve enthusiasmos populares, seno urnas sal-
vas de palmas quando pa3soram os marinheiros
militares com as suas boc:as de fogo de desem-
barque ; mas tambem nao 3e deu um nico des-
aguisado nem atrope lamentos.
A' noite houve am banquete de 200 talheres
no pagoda Ajuda.
Todo3 os coronis haviam reeebido convite.
Hontem ao Te Deum. na S, por ser o ultimo
da do anno, Sua Magestade a Rainha nao com
parecen porque volta da parada, ao apear-ze
00 pago de Belm, toreen um p. Por isso boje,
na rece ngo de dia de anno born, ter de rece
ber sentada no throno os cam primemos da corte
e do fnnecionalismo, tanto militar como civil.
Amaofa a abertura das cortes, primeirases-
8o da nova legislatura. Ir el-rei presidir a
solemnidade constitucional, e haver a noite ou-
tra recita de gala em S. Carlos.
Terminado este periodo de festas, volver-se-
aaworipco t acwnal naca a compra de um na-
no no de-aterra conracado.
De pea de! aigaraae aaranooes patriticas,
autoensatas e correctas, na sua expressao, a
assembla reaolveu noraear urna coramiasao para
dirigir a mencionada subscripgo. e dirigir e
irapreusa pe lindo lhe o seu auxilio. E a com-
misso Bcou coinposta do Sr. Luciano Cordeiro,
presidente, 1 dos aspirantes, Srs. Avelioo Mon-
leiro, Leme, Magalhes Correia, Joo Ribeiro,
Flavio da Foiseca, Alfredo Pereira Cagador e
Felippede t arralbo.
O publico corresponder, por certo ao appel-
lo entbusias ico. dos aspirantes de marinha.
I Progriil 9m os traba I n os preparativos da or-
gaaisago d companbia africana A commisso
ii'.meada paila propor as bases, desa orgaoisa-
go tem tido repetidas conferen as cora o < re-
presentantes do governo para ebegar. a ora ac-
cordo com e la cerca dessa bates. A c mpa-
nhia nao exercer nenbuna especie de di rei tos
raag2staticos.
O conflicto entre Portugal e a Gr-Breta-
nha por cansa das preteoges manifestadas pela
imprensa e go-erno ingiez sobe territorios
africanos que desde securas nos perieocem,
contina a preoecupar a opraiao puolica nao
s em Portugal, mas em toda a Eur ma. Os or-
gos principies da impreosa belga, h. spanhola,
allem e mesmo russa, leras -nos mostrado fa-
voraveeis.
O goverao Snglez, era suas notas vibrantes de
exigencia, mb teradas e nteme, todava quer
que o govern d-i Portugal desapprove o proce-
uimeoio do bravo majer Serpa Pinto.
Ora, segundo iaforraages fldeaignas, Serpa
Pumo, nos thlr-grararaas qan de Mogimbiqae tem
enviado pai Lisboa, a-aevera teroiioaotemen-
te que nao atkcou os Makololo e foi atacado por
elles.
A bandeiral tomada foi apenas urna que os Ma-
kolo.os t-aziam na occasio do ataque.
As mf ir uaces inglezas fallavaiu corao tam-
be n se sabe.
Diz Serpa 1
ligad -8 na al.
(loa L igo-, se|
declara ram
de varias bandeiras I
into que os Maknlolos
iue pelo CMtOf da
Cundo lies proprios,
foram ins-
c mpinnia
lakololos,
ura auto puntico levantado pelo
maj.r, e por lies assuraado.
Nesse act > Itaoa os Makololos qu o atavie da
misso de Bldntyr- o llevd. Scott. os aconse-
Inara no sentid o de se p cirlcirera.
A pepul ica de Mas^engire cun'.iouava iiacifi-
cimente o sed ira nlno de lavras as antigs
povoagO- s esja ido S oa Piulo convencido de
jue ao seu pcd,c d T se leve a seguranga de
a-ib ir cora o I rati 'o de esorivos, e, outns vio-
(encas oraticJda- a ites do tacto pelos Mak-oio-
l .s haje derrotados com perdas seosiveis. Est,
,'Ois pacificado o paiz ; e, segundo affirraa o te-
giamraa, a autor:dade tem DQeioa de se fazer
emeitar.
E.para coroar a obra, lana Serpa 'into emseu
p-.i'irte diversas! cartas de mglHzes estabe.le.cidos
naqnellas regioe3, era que lhe agradceme-* ser-
vidos e proteedao que Ih-s prestou a elle- e seus
navmres durante a como mlii 1. que tanta bulla
tem feilo na irapreusa iogleza.
Concloe o relegramma po affi mar que est
o ao commercio o carainho de
franco e ab.T
Nyassa.
O Imparcial
ebegado ha dias de Maird traz
este telegramn a de Londres
Apesar da4seguraogH8-que os peridicos con-
linuam a dar qe que altritos diplomticos entro
Portugal c a Inglaterra por causa das ques oes do
dominio da L mbezia, nao sahiro dos limites
pacficos, o gorerno britarraico julga, por certo,
que Ibe coQvm apoiar as suas notas cora alguma
medida eicr.'i^a.
Quatro coiiragados da esquadra ingleza de
Mediterrneo sabiro araanh de Malta com des-
tino a Lisoaa, onde flearo estacionados.
Nao se acreditou aqu n'este telegramma.
A viuda de lima esquadra inglesa para o Tejo,
em tora de a neaga, seria urna inconveniencia dt
que lord Salisijory incapaz. Para aterrar, n
^urvina; porque ninguem acredita que, haja
que bouver, os( inglezes sejara capases de bom-
bardear Lisboa 5 mas serveria de mais para irri-
tar os nimos m Portugal, e difficultar a solugao
conciliadora do conflicto.
Querer a Inglaterra a- -un: r perante a Europa
a responsabilidaie de ter imposibilitada essa
solugo com as suas estimulantes de notistragoes
navaes ?
Querer que a Euro ia acredite que sua reso-
lugo aggr-'ivaij o conflicto, para ter ensejo de se
apoderar d'algumas posseasdes portuguesas r
O Sicle, tornando.n'um artigo do dia 27, i
idea do arbitramento sobre a questao p -ndente
entre a Inglaterra e ortugal, diz que a Inglater-
ra nao poderia procurar fazer violencia a Portu-
gal, sem levantar contra a sua poltica provoca-
dora certas potencias signatarias da conferencia
de-Berlim, para as quaes Portugal appellar sem
a menor duvida, como a Franca e a Russia ga-
rantes do respeito dos tratados e dos direitos dos
fracos contra os fortes.
Lord Salisbury poude.bem ordenar que tres
navios de guerra fossem ancorar na baha de
Lou-engo Marques ; mas nao poderia bombardear
era Lourengo Marques, nem Mocambique.
Prohibe-lh'o a Europa actual mente reunida em
Bruxellas, para formar a liga das nacoes civili-
sadas contra a barbarie, e nao para deixar com-
metter um alternado contra a nago, que foi a
primeira a abrir a frica civilisago. e a cora-
bater a barbarie durante seculos antes da Ingla-
terra.
Que Portugal contine a sua obra com tran-
quillidade, diz o Sicle, sem importar-se dos cres-
centes ataques da imprenta -iogleza, c das mis-
sOes escossezas. Tem o direito por si.
Os primeiros documentos publicados, j Ih'o
eatab -lecem claramente, e a continuago das pu-
blicagOes. diplomticas ser to deraonstraliva,
que a Inglaterra ha de acharase reduzida a ae-
cettar o arbitramento ou a desistir pura e sim-
plemente das suas in qual ifica veis preteagoes
sobre o Zambeze e o Nyassa.
L.
_____LITTERTDRA_____
Chroalca de iSst
Resvallou para a noute sombria e tenebrosa
do passado, entrn para os dominios da histo-
ria, calma e severa, o anno de 1889.
Eecoaram se, rpidamente, os 36o dias que o
compuzeram, deixando-nos recordaces inolvi-
daveis, produzidas pela realisagSo de" aconteci-
mentos opendos com a ecleridade da locomotiva
a vencer as distancias.
E' tempo, portanto, d se iniciar a analyse
despreocupada e franca do papel que elle repre-
sentou na vida da huraanidade ; occasio de
se comecar a desenrolar a longa serie de fados
que enctieram-u'o completamente de ama impor-
tancia incoraparavel.

#-*
Nao nos cabe, porm, o direito de sermos os
priraeiros a relembrar 03 acontecimentos preci-
puos, e isso porque nos falta a competencia pro-
fissiooal de historiadores, ou pelo menos um
preparo antecedente que nos indicasse a succet-
so chronologica d'esses factos.
Comtudo, impulsionados pelo desejo do pa-
teniear as ideas que possuimos, vamos, mole-
mente, chmente, expender o que sentimos e o
que pensamos.
**#
Urna observago, desde j, devemos fazer.
No actual momento, quaado, em todas as esphe
ras de conhecimentos humanos, predominan
mais salutar posi'.ividade, quando todos os actos
humanos acitara as leis directoras do mundo a
sua causa efficie.\s, conveniente que qualquer
tentativa histurca, por mais resumida, se ache
revestida d'esse cunho mobstavel.
Narrar os factos occorridos, pintar, hbil, ao-
rra infelizmente os costumes de urna epocha,
inventar hroes para satisfago da espectaculo-
sa vaidade humana, eis em que se- resuma e
papel das aotigas escolas histricas, que deaco-
nbeciam nao serem as sociedades mais do qne
simples collecgoos de forgas que agem de con-
formidade com anas paixoes e interesses, to-
madas essas duas expresados na sua mais lata
accepoo.'
Na hislona de) toda a phenomenologia social
**..


-
-
"W


Ihano de Pernambuco--Ter$afeira 14 de Janeiro de 1890
|

iv


?A


-


-i
f
.

em que o bomem o proto^oaula, forgoso.que
se attenda as condigdes deste, sua natureza
psyrtiu phyologica, as suas facilidades, s suas
mclinagoe-i e tmbenlas coidi.Oea externas, sob
cujo imp'rium jada raga, cada in Imdu; cresce
C duseavolve se.
Uto posto, ooocbida assim a importancia da
mieso do historiador te mi. que no exposto que pretendemos fzer,
nao no-i pos-ve, em virtuJe principalmente,
da nosaa pequcnhez. por en pratra esse ideal
de que Aif. Maury, em l'lluinme se musir um fervorosissuno adepto.
m

O aaoo de 1889 comrg >u lugubrem me para
a nacionalidade brasileira.
O barao de Cotegipe, cuja personalidade poli
tica represen'a va oeste paiz, o mal saliente pa
pe, f .lleceu inopinadamente.
P..li'icu lino e possuidur de urna agudeza de
espirito, duna da maior adm-racao, director um partido a que commnnicara a sua vahda-
de, sendo, p.r is.o, re.-peiiado illimilaiamenie.
orador fluente e lgico, a cojo servtco se acha
va urna arguuientagto cerrada, elle concretuuu
sempre em torno de sua pessoa, veneranda por
todjs 03 ttulos, as ideas conservadoras e mere
ceu, unnimemente o mximo acatamento de
seus advrsanos polticos.
Em vista d'essas razoes fcil de concluirse
anea pbase, a que o seu talento presidia, ou
scalisava, como governo ou como opposigo,
era expurgada dessa ep ivento-idade e incons
tancia que ansiquilam os givernos, cujos a-tis
nao aebam um espirito esclarecidamente sope
or que os aoalyse e corrija.
O baro de (Coleg pe era extremamente admi-
rado por todos quanios viam na sua lirmeza de
vistas a encarnago viva do extincto rgimen
Mas dr. produzida pelo seu occaso, (lis
semol o urna vez) juntou-se, aggregou se una
outra .a esmauadora incerteza dos destn js
nao sdo seu partido, como da poltica mona -
cb ca,a ternvel preoccupag&o de que a Hca',
em seno perigo, a existencia do p nido conser
vador em particular, e da monarchia brasileira
de que era o mais possante o mais valoroso, o
mais ootavel e o mus decidido de todos os seus
esteios.
Se esta perdeu mnitissimo. aque le vio-se de-
snaido, desaggregado, pela ausencia d'aquelle
que contioha os furores do3 despeitados, que
quermm macular o h>memque tivera a cora-
gem suprema de satlsfazer e encaminliar as as
pirages abolicionistas da nago.
o conceituado medico Gramacbo, que venficoa -periai na sexta-feira. Tanto o imperador oomo
ser desesperado o seo estado. Ao imperador, a Boa comitiva deporto coras fnebres,
porm, oceultava-se tao triste noticia, a's 2 bo- Os cnsules da Allemanha, Austria, Italia e
ras e meia da tarde apreseutoa se o desenlace, Hespanhb receberam ordem dos sena respecti
correido-se logo em procura de um ecclesiastico vos gtmraos para darem psame faimlia im
Essa morte que enlut >u verda leiramente a
alma nacional foi seguida pelo desapparecimen
to prematuro de noiaveis polticos, suO todos os
respeitos dignos da veneragao e do culto pu
blico.
Cederam lei fatal da trinsitoriedade desta
vida os eminentes cidados Francisco Belisario
de Souza. Rodrigo Silva, Vieira da Silva Fran-
cisco Octaviano, Alvaro Ucha. bomens cuja
vida era um manancial de inexgotaveis servigo*
ao Paiz.
Tambem no decurso do anno Ando, este Es-
tado per leu a lyra inspira la e sonhaiiora de
Alfonso Olindense, a peuna invejavel do jorna
tista consciencioso Maciel Fmheiro, a que
recedera > ocaso do maior astro brasileiro
obias Brrelo.
Forte em toda a vasta seriaco dos .cenbeci
mentos humanas, elle revelava sempre a sua
profao la orientago.
Porta e philosopho, critico e jurisconsulto, po
lemista e orador, Tobas foi a maior culminado
scientilica que ate boje possuio o Brasil.
E longa a lista de suas puolieacO"-.
0 Poir Moderador, o Dtreo Publico B-asei-
ro, a Provincia e o Provincialismo, a Organisa
rao coomunar da Russt't, Rudoph Gneisl cvmopu
blicisa. Deudos por omissao. Jurisprudencia da
vida diaria, Tentativa em materia criminal.
Nova mutcao do Dtreo, Fundamento do chama
do dueito de punir, Codelinquencia e seus effeitos
na praxe processual, Menores e louc s. Notos a la
pis. Glosas heterodoxas e o Commentao aoCod.
Crim. Bras.eis a longa serie de provas qne at
testaro sea pre como privilegiada foi a mdivi
dualiade de Tobas Ba reto.
Maciel Pinbeiro era na so um jornalista dis
tinctissimo -o mais notav jornalista do norte-
como tambem um poeta digno de aprego, um
magistrado probidoso, um carcter immaculado
e um espirito em demasa observador e crile
rioso.
Incapaz de transigir com a sua consciencia
elle nos ltimos lempos. soflVeu os mais duros
remes, que nao poderam, comtudo, abater a
sua coragem e manchar o seu carcter iuteirigo
e altivo.
AQooso Olindense, cono poela. dramaturgo,
esenptor e critico exerceu graoae influencia no
nomo meio Iliterario
Mogo esperangoso, corago bem formado, elle
era deveras sympalhisado por todos quantos
linham occasio de apreciar obrilio, j nota
vel, de seu fecuudo talento.
No anno Ando consumou-se a maior asprago
nacional, o desejo vehemente de urna mutagao
politi'-a, somente obstada pela sympatbia de que
gozava o velho monarcha que se prendera pelos
mais fortes liames a este bello paiz
O Brasil nao poda melbor commemoraro cei
tenario da Cramie Crisedessa remlugo aue
a Franca heroicamente fez em beneficio da bu
uanutadedo que inaugurar um rgimen de
erdem, de paz e de trabalbo. teto utn governo
de respoosabiiidade individualistica,o predo-
minio da opwiao publica.
A proclamago da Repblica que se podia di-
latar at a occasio em que baixasse "ao tmulo,
versando ao peso da molestia, dos anuos e dos
sacrificios, teve de ser feita antes disso para ti
rar a nago do jugo odioso de um governo que
subindo ao peder por urna conspirago palacia-
na pretenda esmagar todas as manifestages
populares que nao teodessem a endeosar o Mi
nisterio do vintem.
fflEmquanto, por urna allianga hybri la entre os
indemnisistas e o liberalismo adiantado que* se
enrvava reverente ao menor aceno do Sr. de
duro Preto, baqueava, cercado das bengaos de
urna raga agradecida, e aureolado Dor urna glo
ria inolvidavel, o gabinete presidido pelo bene
mrito pernambucano Joo Alfredo Correia de
Oliveir i, cujo patriotismo ebegara ao ponto de
ir concedeudo ao paiz as reformas cuja neressi
dade se fosse acceotoando, ingugurava se urna
pbase de reaego, de despotismos, concebidos
pelos empreiteiros anonymos da Tribuna Libe-
ral, para impor o 3 reinado.
Cangado de solTrer, o paiz. pelos 'aeus orgos
mais directos, realisou no dia 15 de Novembro
a maior reforma, sem que a menor convulsao ti
vesse perturbado a mareba dos negocios publi
eos, o fuoccionamento da complicada engrena-
gem social.
A proclanugo da Repblica Brasileira, con
substanciando os vehementes desejos da nacio-
nalidade brasileira sopitada por urna especie
de tributo quelle, que se havia recommendado
a estima dos seus~ concidadaos, veio derrocar
toda a serie de ridiculos preconceitos que tanto
entorpecam nos a marcha.
Compre, agora, na hora solemne da constitu-
gao da nossa independencia interna, qne todos
os bons patriotas trabalhem pela manutengo da
ordembase de toda a sociedade culta.
Carlos d'AubevUle.
Casualmente passava prximo do lio .el o padre
Conceigo, da Braga, qne assistio aos ltimos
momentos da que foi nperatriz do Brazil.
Q.iando a iraper.iiriz se encontrou peor foi
chamado o medico Hearique Maia para ama con-
ferencia ; mas os seus servigos j nao forana pre-
cisos.
< Expediram-se inmediatamente telegrammas
para o reis de Portusral e para todas as cortes
da Europa, bem como para diversas pessoas do
Brazil. Ao Conde de Ficalbo foi expedido um
telegramma para ser com aunicalo a el-rei D.
Orlos, manifestando Ibe o desejo do imperador
de que o cadver seja aqui embalsamado, con
luzdo para Lisboa e depois depositado no pan-
theon de S. Vicente de Fo a.
Todas as autoridades d'esta cidade, eccle
-iasticos, civis e militares, corno consular, capi-
talistas, teem accorrido ao hotel a inscrever os
seus nomes
As Baronezas de Japur, damas da impera-
triz choram muito.
Estanceia muita gente em frente ao hotel,
espalbando-se a nova do fallecimeato rpida
mente por toda a cidade
Os ondes d'Eu foram chamados telegraphi-
camenta. *
Porto, 28 de Dezembro, s 10 horas e 47 mi-
nutos da tarde.
Os trabalbos do embalsamamento do cada-
ver da imperatriz sero dirigidos pelo medico
Azevedo Maia. Parece que o embalsamamento
se effe -tuara amanh de tarde on segunda feira.
Est se armando a cmara ardente no pro
prio quarto em que morreu a iinperatnz.
Corre que o funeral se realizrr na S, pre
sidndo s ceremonias o Sr. car leal Americo,
senda Ibe prestadas todas as honras officiaes.
Afrma se q .e o infante D. Alfonso ebega
ao Pono na segunda-feira de madrugada, para
en nome da familii real apresentar os pezatnes
ao imperador e assistir ao funeral.
Ao Grande Hotel do Por'o teem ido muitos
centenares de pessoas iascrever-3e.
0 imperador contina n'um estado afQi-
ctivo-
Em frente do Grande Hotel tem sempre per-
manecido randa muliido de povo.
Muitos estaoelecimen'03 commerciaes teem
as portas meio cerradas,.
" Por ordem su aerior foram suspensas todas
as demonstragoes de regosijo ordenadas para
boje, nao havendo por isso iuminaees nos
edificios pblicos. As frontarias dos pacos do
conselho e edificio da Bolsa j estavam illumi
nadas; porm, foram apagadas essas illumi-
nages.
Nao houve hoje espectculos, tendo ordem
de prohib gao, cheg ndo quasi ao principiar dos
mes mus.
Porto, 20 de Dezembro, s 1J horas e 53 mi-
nutos 'la maiilia.
Muitas seuboras da colonia brazileira d'esta
cidade deporo urna -ora no fretro da impera-
triz. O cadver ficou velado durante a noite
Dlas Baronezig de Japur e duas irmes hospi-
taleiras.
A-i ultimas palavras da imperatriz foram:
Sinto que nao eslejam junto de mim meus filhos
e i.etospara os abencoar pela ultima vez. Ah
Brazil Braz't I trra tao linda nao po>S0 la
vottar I
Porto 29 tle Dezembro. s 11 horas da noile.
O imperador P dro tem recebido tele-
grammas de p -zames de todos os soberanos, go-
vernos e I'jhccioii tos da Europa e America,
especialmente do Brazil.
El re l) Carlos uffereceu ao imperador um
palacio em L sboa para elle ir residir ; o impe-
rador aceitou.
O cadver da imperatrft vai para o pantheon
de S. Vicente de Fora.
Nao ha nada resolvldo sebre o funeral da
imperatriz, em virtnie de nao terem chegado
inda os condes d'Eu sabdndo-se apenas que
se real sa na igreja da S.
A sociedade de Beneficencia Brazileira, ce-
lo iia brazileira e portuguezes que residiram no
Brazil depositaran! cordas no fretro da impera
triz.
0governo mandiuufferecerpelo governador
civil os seus servcos ao imperador.
0 Sr. infante I). Alfonso chega amanha s
sete lioras da maiih em comboio especial.
' Ja e fez a operago do embalsamamento do
cadver da imperatriz.
D Americo esteve hoje com o imperador.
Foi h.ije resada urna missa em urna capella
improvsala no quarto Ja imperatriz ; amanh
sero all rezadas tres uiissas, sendo urna pelo
card al Americo.
Sabe-se que o estado do Sr. D Pedro nao
nada lisongeiro ; sua magestade tem estado mui-
to abatido e profundo o abalo que soffreu. Che-
ga a inspirar cuidadas
Recebeu se telegramma de Madrid dando
noticia da thegada all los condes d'Eu, onde
receberam a noticia da morte da imperatriz. Suas
altezas partram para o Porto nma tipra da
urde, devendo ebegar araanhJ de maula. -. norartos do exercito e os (Ta guarda nacin il, as
REVISTA DIARIA
QA ex inaperatris do BrasilNo Jor-
nal do Commercio, de Lisboa, encontramos os se-
guintes telegrammas, referentes morte da ex-
imperatriz do Brazil, D. Thereza Chrstioa:
Porto, 28 de Dezembro, s 3 horas e 50 mi-
utos da tarde.
Acaba de expirar a imperatriz do Brazil.
Foi chamado para Ihe assistir os ltimos momen-
tos o Dr. Moreira Freir,abbade de Santo Ilde-
fonso. O imperador ni eslava no hotel quando
se den a triste oceurreneia. Andava fazendo va-
rias visitas. *
Porta, m de Dezembro, s 4 horas e 20 miau
tos a tarde.
0 imperador do Brazil sabio da bibliotheca,
onde itera urna demorada visita, quando all ap-
paretav o eonsul do Brasil dzendo a D. Pedro
que a imperatriz eslava com urna syncope. O
imperador dirigio-se immediatamente para o ho-
tel, mas quando all ebegon i a imperatriz es-
ta va morta, tendo sucesmbido a nma ieso car-
diaca, que ltimamente se aggravara com os
acoutecimentos do Brasil.
JA U ornaba o Conde da MotU Maia, rendo
a imperatriz em grave estado, mandara chamar
0 Sr. visconde de Ouro Preto hospeda se no
hotel Francfort: chega s onze horas e meia
Porto, 30 de Dezembro, s 4 horas e 5CF mi-
nutos a tarde.
Chegou s oito horas da manh o Sr. infan-
te D. Alfonso, acompanbado dos Srs visconde de
Villa Nova la Ceiveira, representando el-rei D.
Carlos, duque de Loule, representando sua ma-
gestade a rainha D. M raty, representando sua magestade a rainha O.
Amelia. Era esperado em Campanea pelas pria
iipaes autoridades civis e ntilitaas. Dirigi-se
para o figo, onde se conser vou at que s nove
horas e meia se dirigi para a estago de Cam-
panh esperar os Srs. condes d'Eu e filhos. 0
combok que conduzia estes chegou s 1 i horas
e 40 minutos.
O Sr. condena Sra. condessa d'Eu abraga-
ram o Sr infante D. Alfonso. Depois poz se em
mareba o prestito: so primeiro trem iam os
Srs. conaes d'Eu e filhos, no segundo o principe
D. Pedro Augusto e fitto mais velho dos Srs. con
des d'Eu, que cborava muito, no terceiro os Srs.
infante i>. Alfonso, duque de Loul, visconde de
Villa Nova de Cerveira e D Antonio Paraty.
No Grande Hotel do Porto passaram se sce
as .-ommoveutes. O imperador langou se nos
bragos da filha, chorando. Algnem do lado dis-
se: Ten ha coragem, meu senhor. 0
imperador responden: < Sim, sim, agora
tenho coragem porque esto aqui os meus filhos
junto do cadver da imperatriz.
A scena nao foi menos commovente quando
a Sra. condessa d'Eu abragou o cadver e Ihe
beijou a noto, cortando o ar com gritos ; os pe-
queos principes e D. Pedro Augusto, chorando
tambem, cobriram de beljos a mo da impera-
triz. Depois estiveram orando.
O Sr. infanteD.- Alfonso s depois das duas
horas que|foi ver o imperador e 'sua familia,
apresentando- he os pezames.
Porto, 30 de Dezemkro, s 9 horas e 30 mi-
nutos da tarde.
Ojiando a priuceza imperial se abragou ao
cadver da mi catiio con urna syncope; os pe-
queos principes, ao presencearem isto, desata-
ram em copioso pranto.
Muitaa senboras cobertas de rigoroso luto
que esp *ravam porta do hotel os Srs. condes
d'Eu, choraram quando virem a familia imperial
debulhada em lagrimas.
O Sr. conde d'Eu, manifestando ao commis-
sario geral de polica a gratidSo de que eslava
possnido pelos servigos prestados aqui aos im
peradores, disse : O que vale que esta des-
graga se den em trra to bospitaleira. Estou
muito grato ao Porto.
O imperador recebeu os Srs. visconde de
Ouro Preto e sen filbo Alfonso Celso.
Houve boje quatio missas no hotel, na
cmara mortuaria, nma das quaes celebrada pelo
cardeal Aun rico. A todas assislio o imperador,
muito commovido.
O auto do fallecimento ser amanh lavra
do nos registros da igreja de Santo Ildefonso.
O Sr. infante D. Alfonso esteve junto do ca-
dver da imperatriz. Depois de sahir desta ri-
sita de pezames visitou o palacio de Crystal.
Parte logo s 10 horas para Lisboa,e parece que
voltar no dia 3 de Janeiro para acompanhar o
cadavar para ah. No pago foi-lhe solicitada
protecgo para Sebastito Antonio Silva, ex-guar-
da municipal para obter reforma.
Logo que de Lisboa ebegue o caixto, pelo
qual pediram 800^000, o cadver ser depositado
na igreja da Lapa, onde se farto officios fue
brea. O funeral ser no sabbado, em Lisboa,
devendo partir daqui o cadver e a familia im-
perial e representaren! aquellas nagoes em todos
os actos officiaes.
< visitaO honrado cidado governador d'este
Estado, general Jos Simeo de Oliveira, bon
tem. s 9 horas da manh, visitou a corveta Li
berdade, recemv oda da Capital Federal.
S. Exc. foi all recebido com as formalidades
da pragmtica ; e regressou satisfeito do que ob-
strvou.
Patacho Guararapea Este navio da
nossa armada que sahira a 24 de Dezembro
jara cruzar durante 20 dias, levando urna turma
de apreodizes marinheiros para adestral-os nos
manejos de bordo regressou ante-hontem dessa
misso, e nao no dia 9, como dissemos a l.
A 9 o telegrapho ptico anounciou o, e dahi
0 nosso equivoco ; mas nesse dia o Guararapes
Eassou para o norte, de onde regressou ante-
ontem, entrando no porto.
Durante o cruzeiro tudo correu perfeitamente
bem a bordo, e toda a tripolago e aprendizes
goravam boa saude.
Os exercicios for-im regularmente feitos, nao
obstante s existirem a bordo e commaodante,
i" tenen'.e Carlos Ambrosio do Reg Barroca, e
2> tenente Guimares. immediato. Ambos bas
taram tara o servigo que foi por elles cuidado-
samente dirigido.
Quando estere fondeado em Macei, foi o
Guararipes visitado pelo governador do Estado
de Ala-ius. que achou lodo bem a bordo, e lou-
voo o zelo do commandante. do qual recebeu
muitas provas de con Arsenal de Marinha Sob a presiden
cia do capito de fragata Manoel Augusto de
1 astro Menezes, e serviodo de examinadores os
Drs. Pedro Celso Ucha Cavalcante e Antonio da
Silva Guimares e o 3o escripturario da Thesou
ria de Fazenda Silverio de Araujo Jorge, termi-
naram hontem as provas do concurso para pro-
vimento de dous lugares de escreventes las of
ticinas de machinas e conslrucges navaes do
Arsenal de Marinha.
Segundo o julgamento da commisso exami-
nadora, foram elassifleados :
Em 1 lugar Tilo dos Passos de Almeida
Rosa Filbo;
Em 2. lugar Jos da Malta Cardim;
Em 3. lugar-Paulo Ferrucio da Rocha e Jos
de Vascoocellos Borges Leal;
Em 4. logar Manoel Jos de Castro Viuda
e Joo Athenogenes de Barros ;
Em o. lugarJoaquim Geraldo Bastos ;
En 6 lugarElpilio Barbalbo Ucha e Julio
Machado Guimares;
Em 7. lugar Aniano Bezerra da Silva
Costa;
Em 8 lugarMalaquias Gongalves da Rocha
Em 9. logar Jos Francisco Bittenconrt; e
Em 10. lugarFredenco de Oliveiri.
\aurrasEo-\j sabbado, 11 do corren'e. s
7 horas da noite, ao passar pelo lugar Barra
Grande, em frente i fortaleza do Brum, a barcaga
D. Mara Crsar, que havia sahido do nosso porto
em demanda do de Goyanna e levava a seu bordo,
alm do cidado Andr Cursino da Rocha, mes-
tre da mesma, e dous tripulantes, os passageiros
Antonio Bujary, urna mulber e um filho, succe-
deu sossobrar e ira pique a mesma barcaga, re
sultando d'este naufragio salvar-se o mestre,
Andr Cursino, os dous tripulantes e o cidado
Antonio Bujary, perecendo dita mulher e seu
filho.
Urna outra barcaga, que passava na occasio
recolheu os infelizes nufragos, excepto Anto-
nio Bujary. que alcaugou a praia do Brum em
urna tabo.
A barcaga, que perteuce ao cidado Antonio
Feliciano e que levava grande carga de varios g-
neros, acha-se ainda no lugar do sinistro, dei-
xando ver apenas as ponas dos mastros.
J ti vontude- \ Sociedade Recreativa Jo
ventude, em commemorago do 3 aniversario
da creago de suabmda de msica, publicou o
numero nico de urna folba, que deu o titulo
de Juventude, e que foi distribuido no sabbado
ultimo pelos socios e convidados do sarao com
que foi jolemnisado aquelle anniversario.
A folba est bem redigida e bem impressa.
Agradecemos o mimo que nos foi feito de um
exemplar.
lenta* em honra do ParaguayO
seguiote telegramma foi expedido em 12 do cor-
rete, ao governador do Estado, pelo ministro
do interior.
Convido vos e ao povo desse Estado de con-
formidade com o decreto de hontem vos associar-
des s demenstracoes de sympatbia e gratido
que o governo promove amanh repblica do
Paraguay pelo modo porque solemnisou o ad
vento da repblica brasi'eira.
O cidado brigadeiro governador do Esta-
do declarou feriado o dia 16 do corrate, no
qual ter lugar, s 3 1/2 horas da tarde, grande
parada em frente ao palacio do governo, e depois
urna marcha cvica, para a qual sao convidados,
o corpo consular, os representanles da impren
sa, os funecionaros pblicos, os directores de
eslabeleciraentos de instrnegao, os officiaes ho-
frmtasqmmho e o caradura, coaquis-
tando estrepitosas e-merecidas palmas da platea.
O urso e o + lepbante, sob a direcglo de Mr.
Pierce, executaram diversos trabamos que mui-
to agradaram ao publico,
i Houve norme concurrencia e nao foram poo-
cas as pessoas que deixaranr de assistir ao es-
pectculo por falta de bilbetea.
Para boje acha-se annunciado o beneficio da
artista Carolina, euja festa foi ofertada briosa
classe militar e ao publico deste Estado, sonco
de esperar por esta razo e por merecel-o a com-
panhia grande concurrencia de apreciadores.
Club lagrima Na sexta-feira prxima
reune-se em sessto a assembla geral desse
club, afim de tratar de oegocios de interesse so-
cial, inclusive a deliberago sobre a acquisigo
de um predio para sua iostallagSo provisoria
at que se obteoha e prepare algum outro ac-
commodado collocago definitiva do mesmo
club.
A' vi-la do objecto que determina a convoca-
cao da sesso, a ella deverlo ser presentes todos
os associados, sendo que ella se realisar com
qualquer numero dos comparecentes.
Ninitro martimo* Segando o Bu-
rean Vertios, a seguinte a relagao dos siois-
tros maritimos, que se deram no mez de Oulu
bro do anno prximo passado.
Perderam se em navios de vela 107, compre-
h mddos 4 de que nao ha noticia alguma, sendo
10 aliemes, 19 americanos, 28 ioglezes, 2 chi
leos, 3 dinamarquezes 2 bespanhes, 7 fran-
cezes, 1 grego, 3 hollandezes, 7 italianos, 1 me-
xicano, 19 norueguezes, 3 ruseos e 2 suecos.
Em vapores os sioistros chegaram ao numero
de 25, seodo 4 aliemes, 4 americanos, 14 iogle-
zes, 1 dinamarquez, 1 hespanbol e 1 fraocez.
Le Brenli Recebemos o n. 257 desse im-
portante jornal, que se publica em Paris, como
orgo hebdomadario franco americano.
O seu summario consta das seguintes mate-
rias :
Telegrammas-Correio do Rio : a revolugo e
a opimo publicaEchos universaesInforma
goesO Sitado de S. PauloDiffamago e reae-
go O Moseu brasileiro em Miio Caminos
de ferro Nossos livros e jornaes Revista fi
nanceiraAvisos Ooanceiros.
igreja da Ssmta CrnsAmanh os de-
votos de Sao Amaro, que se venera nessa
igreja, festejam o mesmo santo com urna missa
cantada s 8 horas do dia e ladainha s 7 horas
da ncite.
E' orador nessa festividade o Revm. fre Au-
gusto da Inmaculada Conceigo Alves. assistin-
do a todos os actos em corporago a respeitavel
confraria do Senhor Bom Jess da Via Sacra.
A imagem de Santo Amaro ficar ainda em
exposigto na referida igreja at o prximo do-
mingo 19 do corrente.
Mlaaaa cantada Amanh (15), cele-
bram-se missas cantadas em louvor de Santo
Amaro, sendo s 6 1.2 horas, na igreja de S.
Pedro, e s 7, na matriz de Santo Antonio.
urecio-la das obras de conaerva-
ao doa porto de PeraamfcncoReci-
'e, 12 d j Janeiro de 18S0.
__________Boletim meteorolgico
5
1
0
UO
as respectivas enferman*
W'm

Horas |o&

2*
6 m. 23, 7
9 27-,7
12 30,l
3 t. 29,3
6 28,3
Barmetro a
0
757*82
758-02
757"85
756-92J
756*46
Tenso
do vapor
19,05
20,70
19,31
19,77
19,08
1
r:
3
87
74
61
6o
67
Entraran!
Sabiram
PaUeceram
Existem
.Foram visitadas
loe Drs.
Moscoso s 8 1/2.
Barro Soarianu s 7. .
Berardo s 9.
Simes Barbosa sdl/4
Nao corapareceram os Drs.:
Cysneiro.
Malaquias.
Pontual
Estevo Cavalcante.
Ocirurgio dentista Noma Pompio nao con>
pareceu.
O pbarmaceuuco enirou is 8 1^4 da manba t
ahio as 2 da tarde.
O ajudante do pharmaceuQco entrn as 71 2
atiio s 12 horas da tarde.
lioterta do ram-Par*A 4 parte, da
34' lotera, cujo premio grande de 60:000
ser extrabida no dia 15 le Janeiro.
botera da corte -A 1* parte da 253" lote
ia, cujo premio maior de 10:000*000 ser ex
irahida hoje 14 do correte.
Cemtero Publico -Obituario do dia 10
de Janeiro :
Francisco Alves da Costa, Pernambaco, 55 an-
uos, casado, S. Jos; diabetes.
Vicencia Ferreira do Espirito Santo, Pernam-
buco, 40 aonos, cas?da, S. Jos; pneumona.
Fausto Celestino Jos de Sant'Anua, Pernam
buco, 27 annos. casado, S. Jos; hepatite aguda.
Ignacio Francisco Ferreira dos Santos, Per-
nambuco, 22 annos, solteiro, Santo Antonio;
erysipela.
Thtago, Pernambuco, 5 mezes, Boa Vista;
espasmo.
Laiz Jos da Silva, Pernambuco, 55 annos, sol-
teiro. Boa-Vista ; cacbexia u inosa.
Um feto, Pernambuco Boa Vista.
11
Candida Isabel Lins Barros, Pernambuco, 70
annos, viuva, Santo Antonio; bronchite.
Chrstina Apollonia Cavalcante, Pernambuco,
60 annos, solteira, Boa-Vista; cachexia.
Francisca do Rosario, Parahyba, 26 annos,
solteira, Boa-Vista; tubrculos pulmonares.
Lino, Pernambuco, 50 anaos, viuvo. Boa-Vista;
dyarrha.
Senhorinba Mara da Conceigo, Pernambuco
28 annos, solteira, Boa-Visfa; syphilis.
Theodora Maria da Conceico, Pernambuco,
24 aonos, solteira, Boa-Vista; tubrculos pulmo-
nares.
Um feto, Pernambuco, S. Jos : asphYxia.
12
Marianna de Moraes, Pernambuco, 32 annos,
solteira, Boa-Vista; paralysia.
Andr, frica, 80 annos, solteiro, L'oa-Vista :
gangrena.
Laura, Pernambuco, 1 mez, erysipela.
Gustavo, Minas Gjraes, 2 annos, Boa-Vista;
dyarrha.
Manoel, Pernambuco, Boa Vista; inviabili
dade.
Francisca Olindiaa C. de Albuquerque, Per-
nambuco, 27 annos, solteira, Afogados ; tysica
A concurrencia fot diminuta e o jogo das pon-
lea que prineipiou animado, do 3 pareo em
diante enfraqoeceo consideravelmente, attin-
gndo o mvilmente geral gmente a 17:015*000.
Deu causa a isso um trtbofe feito na 2. pareo,
pelos proprietario8 de Ida e Stella e sanecionado
pelo starter com a sabida escapada que den ao
animal dasigoado para ganhar a corrida.
Todas as partidas foram dadas em pessimas
condigdes e isso por sua vez tambem concorrea
para o retrat ment do publico.
Nao seria melbor, em beneficio do pnblieo
empresa, qu>! a digna directora, em lugar de
subvencionar: a quem se preste a dar as partidas
distnbuisse ase servigo entre os seus membros T
Ao menos
blico.
Eis o resu
1." pareo-
PERNAMBUCO
Temperatura mxima30,25.
Dita niinima23,'50.
Evapo.-agio em 24 horas: ao sol-8-2; i
lombra2,-8.
Chuva-0,"9.
Direcgo do vento : SSW de meia noite al 9
horas e 12 minutos; SE at 9 horas e 55 minu-
tos ; SSE at 10 horas e 5 minutos da manh;
SE at meia noite.
(Calmara durante 2 horas pela manh e 1 hora
noite.
Velocidade media do vento1,-46 por se-
irando.
Nebulosidade media0,50.
Boletim do porto
Caixa Econmica e Monte de Soc-
corro de Pernambuco
Bataneo em 31 de Dezemfero de
889
CAIXA ECONMICA
Activo
Thesouraria de Fazenda 929:3141679
Monte de soccorro c/ de passagens 154:382^540
Caixa
3.11-1 000
1,086:838^219
Pasmo
Depsitos em contas correntes 1,086:83819
MONTE DE SOCCOBBO
Activo
Eraprestimo sobre penhores 158:739716
Movis 6:126*627
Apolices da divida publica provm
ai
O
a
Das
12 de Janeiro
M
M.
M.
H. 13 de Janeiro
Horas
820 da manh
232 da tarde
8-33
3-13 da manh2
Altura
2,-15
0-.93
2-,20
>,85
associagOes commerciaes benelicentes, scientifl
cas e Iliterarias o corpo commercial e todos os
cioados em geral e estrangeiros residentes ues-
te Estado.
E' justo que todos se a'sociem a essas de-
monstragoes festivas.
Paagelro lllastreaEstiveram hon-
tem de passagem no vapor ingles" Potosi
vindo da Europa e com destino ao Estado da
Babia o conselheiro Ramiro Alfonso Monteiro e
Dr. Carlos Ferreira dos Santos.
Service militarSuperior do dia o cida
do capito Silva, ronda de visita um subalterno
de cavailaria.
O 2o batalbo dar a guarnigo da cidade,
menos a guar la de Palacio que ser dada pelas
pragas de artilbaria.
Que se devolvam ao,14 batalbo de infaolana
devidamente rubricados os 31 ttulos de volunta-
rios aos in Jividuos que ltimamente verifica ram
pragas no mesmo batalbo os quaes para esse
um vieram com oflicio n. 27 de ll do correte.
Que sejam presentes ao Dr. juiz substituto
do 2o districto criminal, no dia 14 do jrrente, s
101/2 horas do da na sala das audiencias o cabo
de esquadra do 2 de infantar a Joo Manoel
Nunes da Silva e soldados do 14 Joo Jos Nu-
nes e Caetano da Cunba Oliveira, afim de verem
processar pelo assassinato praticado no dia 10
de Novembro do anno prximo, na pessoa de
Manoel Evaristo Floro de Mello, conforme requi-
sitou o mesmo juiz em ofilo de 11 do corrente.
Seja desligado ao numero de addido ao des-
tacamento de cavailaria. por ter de seguir para a
Capital Federal na primeira opportumdade o ci-
dado alferes alumno Gustavo Eustaquio de Pa-
ria Leite.
Em virtnde do convite que foi feito ao go-
vernador deste Estado, pelo minisfj do interior
em nome do governo federal, constante do lele
gramma abalxo transcripto, determino que no
dia 16 do correte, s 3 1/2 horas da tarde, os
coros e destacamento desta guaroigo se achem
em parada sob o commando do cidado tenente
coronel Commandante do 14 de infantaria, no
Campo das Princezas, afim de reunidas as cor-
poragoes civis constituirmos a marcha civica,
para commemorar a demonstrago de sympatbia
e gratido que o governo provisorio promove
h je Repblica do Paraguay, pelo modo bri
lha te porque solemnisou o advento da Reiubli
ca dos Estados Unidos do Brazil A esta mam -
featago concorre rao os cidados officiaes dos
corpos eapfeciaes, o.a armada, honorario, polica,
guaria-cinea e Companbi de Bombearas.-.
Telegramma. Ao governador do IMaW-.ue
PernambucijRd, 12 de Janeiro delKS*.. -Con-
vido-vos e ao povo desse Estado de eahfoTmida
de com o decreto de hontem tos aseoeiardes s
demonstragOes de sympathia e gratido que o
governo promove amanh. Repblica do Para-
guay pelo modo porque solemn sou o advento
da Repblica do Brazil (Assignado).Ministro
do interior.
Companbi Zoolgica Francesa
No domingo noite deu um bello espectculo
essa companbi que actualmente trabalha no
largo de Arsenal de Cuerra, sob a direcgo dos
cidados Hilario de Almeida e Joo Paulino.
D'entre os artistas distinguimos Rosita de Al-
meida e Carolina, que executaram difficeis e
arriscadissimos trabalbos de alta gymnastica o
acrobacia, auxiliados pelos artistas Alberto e
laguarence, qoe foram assim justamente ap-
plaudidos. ^>
Duarte, o engragado palhago, esteve impaga-
vel e para obsequiarxao publico em vista dos re-
petidos pedidos cantou com muito chiste, as an-
Iteiieal:ffectuar-se-bo os seguintes
Hoje :
Pelo agente Pinto, s 11 horas, ra do Bom
Jess n. 45, de movis, duas boas mobtlias,
miudezas e outros objectos.
Pelo agente Gustoso, s 1 i horas, ra da Paz
a. i, de vaccas tourinas, boi e carroga.
Amanh:
Pelo agente Gusmto, s 11 horas, ra da
Imperatriz n. 15, de movis quadros etc.
Mias fnebre Sero celebradas :
Hoje:
A's 7 horas, na igreja da Santa Cruz/pela al-
ma de Augusto Marques Scales ; s 7 e 1)2 na
igreja da Soledade, pela ajan de Jos Estevo
Pereira ; s 7 horas, na matriz de S. Jos, pela
alma de Hernflna Emilia Barrete de Andrade.
Amanh :
A's 7 1/2 horas, na matriz de Afogados, pela
alma 'te Joaquim Jos de Siqueira.
PanaaseirosChegadosdo Norte no vapor
Una:
Luiz dos Santos, .Cosme Florentino de Ami-
da. D. Guilhermina da Conceigo e3 filhos, Ma-
ra Virgolina de Oliveira, Joo Gualbenp do
Carmo, Pedro Gurgel do Amaral, Alfredo Gur-
gel do Amaral, sua seobora, sua cunhada e urna
criada, Manoel Martins da Silva, Dr. Livino Viei-
ra de Macedo e 1 criado, 1 cadete, 100 pragas
do exercito e 10 mulheres, Antonio A Barbalno,
Joo Carlos de Oliveira, Um Delina Mara de Sou
za, capito J. H. Tbover e 8 nufragos, Joo Da-
licio, Victalino Macano Meira e sua senhora,
Francisco Rodrigues Vianna, Angelo Rizelim e
1 filho, Manoel Medeiros Rocha e sua senhora,
D. Alice da ''amara e3 criadas, Vicente da Sil-
va An tunes, Antonio Jes Gomes, Benedicto Loth,
D. Amelia Dallas, i filho e i crirado.
Chegados do Sul no vano nacional Prtnci
pe do Grao Para :
Francisco Soares de Almeida, Jovino Maia do
Espirito Santo, Vicencia Maria da CoBceigo, I
o pragas de polica e 4 criminosos, o capito e
9 tripulantes nufragos da barca ingleza Maud
Scammel.
Chegado da Europa no vapor inglez Po-
tos .-
Jos Joo da Veiga Seixas.
- Sahido para o Sul no mesmo vapor :
Richard Ernest, Rufino Avila da Costa. Ma-
noel Joaquim de Castro Madeira, Auna Tbeotonia
de Castro Madeira, Emilia Carolina de Castro
Madeira, Agricio, Maria. Dr. Hypolito Pederneira
e Candido Pereira de Brito.
Casa de oeirnciiuMuvimento aos pre -
os da Casa de Detengo do Reoife do Estado
le Pernambuco, em 12 de Janeiio e 890.
Existiam 544; entraram 5; sabiram 27; ex<-
3m 522.
A saber:
Nacionaes 500; mulheres 34 ; estrangeiros 10;
-Total 544.
cial Caixa noniica c/ penhores n leilo Passivo de passagens vendidos em 1:000*000 5:354650
Capital Caixa ecc Saldos de leilo Gastos coi 17i:220993 13:161^668 154:382*540 3:607*285 69*500
171:220*993
S. E. & O.
Pernambuco, 13 de Janeiro de 1890.
O gerente,
Felino D. Ferreira Coelko.
inspirara maior candanga ao pil-
lado das corridas :
#
Consolaeo800 metros Animaes
de Pernambuco qne ao haviam ganho nos pra-
dos do Recif -Premios : 200*, 40* e 20*000.
Pluto toaou a pona e nessa posico se con-
ser vou at a entrada da recta de chegada, quando
Royal, montado por Manoel Canavarra, passa
para a frente e ganha a corrida em 60".
Vivaz, Plutao e PetitMaitre passaram juntos
pelo vencedor e foram pela directora considera-
dos empatados.
Deixaram pe correr os animaos 19 de Junho e
Corga 2..
Poule de Hoyalem Io, 21*100; em 2., 9*900.
Poule de Vivaz em 2., 9*200.
Poule de Pluto em 2.', 7*000.
Poule de Petit Maitre em 2, 8600.
Moumento geral, 3:2501000.
-
2." pareo-Emulagao700 metrosEguas de
PernambucoPremios : 200*, 40* e 20*000.
Stella sahio escapada e conforme haviam de-
terminado os proprietarios dos animaes inscri-
ptos, ganhou a corrida era 60".
Invicta foi 2 e Ida, que por cautela havia sa-
hido atrazada, chegou em 3o lugar.
Fontana firou parada.
Poule de >iella em Io, 7*000. em 2o, 6000.
Poule de Invicta em 2, 6*900.
Movimento geral, 4.320*.
3* pareo Ommum 1 500 metros. Animaes
de menos de meio sangue. Premios: 300*, 60*
e 30*.
Recite sahio na vanguarda, cedendo sua posi-
co pouco depois a Gallileu, dirigido por Luiz
Pereira, que chegou ao vencedor em 107".
Recite foi 2o, chegando Atila e Aymor dis-
tanciados. '
Nao correu Favorita.
Poule de Gallileu em Io, 5600 ; em 2o, 5*700.
Poule de ReCife em 2, 5*900.
Movimento eral, 795*000.

4o pareo Prospendade 900 metros Animaes
de Pernambuco que nao haviam ganha no Der-
by em maior distancia. Premios: 200*, 40* a
20*000.
At a entrada da recia de chegada corren Po-
tosi na punta.
Depois da curva Sans-scuci emparelha a Poto-
si e obriga a Cauby forgar o galope e ganhar a
corrida, a contra goslo, em 66 112".
Potosi foi 2" e Sans-souci 3".
Poule de Cauby em Io, 7*700; em 2o; 6*200.
Poule de Potosi em 2' 7*800,
Movimento geral 2.775*800.

5o pareo Concordia -1.700 metros-Animaes
de qualquer paiz que nao baviam ganho em
maior distancia uestes ltimos tres mezes nos
prados do Recite i remos : 400*, 80* e 40*.
A ponta foi oceupada por Phedra, em seguida
por Zi(gara e 900 metros depois da sahida por
Africana.
Prximo ao distancalo, Damietta, protegida
por Pfioedra, companheira de Coudelaria, bate
Africana e adiantando-se ganba a corrida em
120".
Africana foi 2.* e PhosJra 3.3
Poule de Damietta, dirigida por Alfredo Frai-
las, em 1., 15*400 ; em 2.\ 6*300.
Poule de Atricana em 2., 5*700.
Movimento geral, 3:045*000.
6. pareo.Rapidez 1.609 metros Animaes
naciooaes at meio sangue.Premios: 300*.
60* e 30*000.
Chiron puxou a corrida at a distancia de 400
metros, quando Gallileu, dirigido por Luiz Perei-
ra, col loca se na vanguarda e ganba a corrida
em 113".
Danubio foi 2.' e Minerva 3.
Poule de Gallileu em i.0, 12*400; em 2.
6*500.
Poule de Danubio em 2., 670O.
Movimento geral, 2:830*000.
#
Nao se realisou a corrida do 7. pareo
ASSOCIA^OES
SPORT
Chegaram ao Rio de Janeiro no Dalton em mag-
nificas condiges dous bellos animaes que cor
rero este anno nos pareos de dous annos; sao
filhos de The Abbot, Sir Berys e Trapeze.
Esto na cocheira do Chico da ra dos Ouri-
ves, para serem vendidos : bem come outros ani-
maes de dois annos, ioglezes, por Sir Berys, Tra
peze, e Beau Brummell, seodo .'que d'elles j o
Sr. Carlos Coutinho comprou a potranca de dois
anno3 por The Abbot e Stalely.

Os yearlings, filhos de Trapeze e Sirenia. The
Abbot e Stalely, s Sir Berys e Granada, que para
o Sr. Jos Fernandes do Valle, deveriam ter rin-
do no vapor Dalton, j chegado Capital Fede-
ral, esto entregues ao Sr. Carlos Coutinho para
agenciar venda dos mesmos.
a
O Manchester November Handicap, 2.800 me-
tros, premio de 1.444 libras, disputado em In-
glaterra em Novembro ultimo, deu o seguinte
resultado:
Follow Chat 4 461|2 kilos por Hfegioscope
Stone Chat, de Mr. Wynner (Luke) 1
Conservator, 6- 42 1|2 kilos (G. Chaloner) 2
Phil, 5' 46 kilos (Grlffitbs) 3
Fatner Conf issor, 4* 351|2 kilos (Woodburn) 4
Tempo da corrida 2063|5 segundos. Follow
Chai era cotado a 100(6.
*
O movimento geral de premios dados aos pro-
prietarits de animaes, inscriptos as corridas do
Prado Villa Isibel dorante a estago sportiva de
1889, foi de 58:610*000, assim explicado:
*a-
,-
[oriniento da enfermarla
Tiveram baixa >
Manoel Jos Lins.
Libani Jos de Saftt'Anna.
Tiveram alta:
LSilvino Ferreira Jnior.
Jos Damio dos Santos.
Florencio Jos da Silva.
Antonio Temaka de Araujo.
Foram visitados os presos deste estabeleci-
mento por 202 pessoas sendo 150 horneas e 152
mulaes. -
Hoapltal Pedro ll-O movimento deste
-.slaaalecimento decaridade, no dia 12 de Ja-
neiro foi o seguinte:
corrida em 13 de Maio
em 30 de Maio
3, 20 Junho
4.* 30
5.' 28 Julho
6. 15 Agosto
7. 7 Sete i bro
8. 29 c
#* 3 Novembro
4:010*000
4:810*000
4:940*000
4:420/000
5:590*000
3:770*0 0
4:810*000
18:850*000
7:410*000
O Sport Club durante o anno de 1889 apenas
realizou duas corridas cujo movimento total de
premios dados aos proprietarios, foi e 3:660*000,
sendo a .
1. em 24 de Junho 2:260*000
2. 29 Julho ~ 1:400*000
*
ForaiWendidos os animaes seguintes :
OrfSrisca, Coudelaria Cruzeiro.
Faceira, ao Sr. Joaquim de Siqueira Carneiro
da Cunba.
Berlim e Guarany 2, ao Sr. Joo Bastos.
Vaoda e Salvatos.
*
Os animaes Salvatos, Gallia e Vanda, que re-
tiraram-se do nosso turf, vto ser applicados
reproduego.
as corridas nao flzeram bom papel.
E' possivel que os seus productos dem me-
lbor resultado.
*
O cavallo Fanfa* morreu em cotejo no Derby
e semana passada.

Hoje, tarde, encerrase a inscripeto para a
2* corrida no Prado Pernambucano.
Derby club de Pernambuco
Realizoffae ante-hontem a 2.* corrida no Prado
Pernambucano.
Instituto Archcologico e Geo-
graphleo PernambHeano
SESSXo ORDINARIA EM 19 DE DEZEMBRO
DB 1889
Presidencia' do Exm. Desembargador
Manoel Clementino
A' 1 hora Drs. Cicero Peregrino, Baptista Begneira
1. secretario, conselheiro Pinto Jnior, S
Antunes, Joao Freirs, Esmeraldino Ban-
deira e majorl Codeceira, 2.a secretario, o
Exm. Sr. presidente declara abera a
sesslo.
Lida a acta da antecedente foi approva-
da.
O Sr. Dr 1. Secretario mencionou o
seguinte expediente :
Um oflicio lo Exm. Dr. Henrique Mo-
reno, de 23 de Novembro, aecusando a re-
cepcao e agrade jendo o seu diploma de
socio honorario. Inteirado.
Um dito da commissao iniciadora da gran-
de marcha civica promovida pela socieda-
de do commercio, de 10 do corrente, convi-
dando o Instituto para tomar parte na sua
festa e pedindo lha para mandar abrir o
edificio, afim de receber o estandarte sig-
nificativo da mesma classe; isto s 6 e 1/2
horas da tare e de domingo, 15.
O Exm. r. presidente communica que
por ser o dii indicado para aquella festa
antes de reubir-se o Instituto, nomeara-se
urna commistSo para satisfazer ao pedido.
Nessa occisiSo o Exm. conselheiro Pin-
to Jnior, declara que tendo feito parte
da referida cpmmissSo, a que comparecer
com os consocios Drs. Baptista Begueira,
Esmeraldino Bandeira, major Codeceira,
Augusto Cosa, Augusto Cezar e commen-
dador Mira ida Leal, e que ao chegar a
sociedade do [commercio, forareoebida com
as formalidaf.es do estylo, saudando em se-
guida o seu orador ao Instituto e terminan-
do por offertJ r-lhe o estandarte significativo
da mesma scciedade.
Seguio se- Ihe o consocio Dr. Esmeral-
dino Bandeira, que em nome do Institu*
felicitara a digna classe commercial pela
sua festa e agradecer Ihe a pieciosa offer-
ta do estarad irte, que se acha recolhida ao
museu.
Um dito do Exm. governador deste Es-
tado, brigadoiro Jos Sime&o de Oliveira,
de 12- do con ente, communicando ter assu-
mido o exeicicio do mesmo carga para o
qual, fora no meado por decreto de 21 de
Novmbroy u timo.
O Exm. conselheiro Pinto Jnior disse
qne tendo fe to parte da commiss&o nomt-
ada para cumprimentar o Exm. Governa-
dor, a desejnpenhra em companhia de
consocio Dr. i Baptista Begneira.
Que o Exm. Governador agradecer
muito ao Instituto, aerescentando que de


/ ;
*

. > ;;







'-

..-, u1'



i
i

J
:S
r-
i
** 1
Diario de PerjiambcoTer^a-feira 14 de Janeiro de 1890
seus membros esperara coadjurac&b para
o bom desempenho de boa missao.
Offertas:
Pelos Sra. Rapylli, livreiro em Pars e
Karls, Hierseman, livreiro em Leipsic 2
catlogos de soas livrariu.
Pela sooiedade de Geographia de Tours,
um numero de sua revista.
Pelo Instituto Histrico do Rio de Ja-
neiro, um volume :
CommemoracSo do Centenario de Clau-
dio Manoel da Costa.
Pelas respectivas Redactes diversos jor
naes deste e de outros Estados, bem como
um numero do jornal Le Bresil publicado
em Pariz.
Ainda o Exm. Conselbeiro Pinto Jnior
communica que a commissSo de que fez
parte, nomeada para acompanhar o conso-
cio Or. Gregorio Thaumaturgo de Azeve-
do ao seu embarque, desempenbou-se de
sua incumbencia e que sua Exc. manifes-
tara o seu reoonbecimento.
Nada mais havendo a tratar-se foi levan-
tada a sessSo e designado o da 9 de Ja-
neiro, para ter lugar a primeira reuniSo.
1HD1CAC0ES DTE1S
Mdicos
Dr. Castro Jess medico e operador.
Pratiea a lavagem do tero quando e co-
mo aconselbada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra de
Bom JesuB (antiga da Cruz) n. 23, 1.'
>ndar. Telephone n. 389
O Dr. Matheus Tea:, medico, tem o seu
escriptorio a ra do Queimado n. 43, l.c
andar, onde d consultas das 11 a 1 hora
da tarde. Reside ra de Gervasio Pires
n. 27. Encarrega-e do tratamento das
molestias de olhcs. Telepbone n. 427.
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei
ro, consultorio ra do Cabug u. 14,
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencia
no Monteiro.
Dr. Bibeiro d Bruto d consultas de
meio da s 3 horas da tarde, no 1. an-
dar a ra Duque de Casias n. 48, poden-
do ser procurado para chamados na sua
residencia ra do Hospicio n. 81. Te
Iephone n. 303.
Dr. Cerqueira Lcite, tcm o seu escripto
rio na ra Nova n. 32, do meio da s 2
horas e desta hora em diante ra Barac
de S. Borja, n. 22. Especialidades-
molestias de cranca senhoras e parto.
Telephone n. 326, da casa de residencia
Dr. Alvares Guimaraes, dedica-se me
dicina em geral, e oom especial dade s
molestias do cora;2o, pulmSes, figado, eB
tomago e intestinos e tambem s aSee^Ses
de enancas. Reside ra de Fernandes
Yieira n. 23, e tem consultorio na ra do
Bom-Jesus (antiga da Cruz), n. 45, onde
d cnsul tu do meio-dia s 3 horas. Te
Iephone a. 381.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me
dico-cirurgica. Especialidades : moler sac
pulmonares e partos. RuadoMarqiu* dt
Olinda n. 27, 1. andar. Consultas uas 11
s 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pe.
nella) das 6 s 9 horas da manha* e i
tarde. Teleshone n. 392
Occulisia
Dr. Femira. com pratiea nos princi-
paes hospitaes e clnica de Pars e Lon
res, consultas todos os dias das -
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario o. 20.
Dr. Brrelo Sampaio, oceulista, d con-
sultas de 1 a 4 horas no 1. andar da
casa ra Bario da Victoria n. 51. Resi-
dencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra-
da pela ra da Saudade u. 25.
Adrogados
O advogado Jos Antonio de MagalhS.es
Bastos mudon o seu escriptorio para a ru*
1." de Marco n. 18, 1. andar.
Dr. Clvdouldo de Souza, escriptorio a
ra do Bom-Jesus (antiga da Cruz) n. 1,
1.* andar,, das 9 da inauha. s 4 da tarde.
Telephone n. 102. Residencia, ra Im
perial n. 148. Telephone n. 104.
O baeharel Joaquim Ihiago da Fonseca
tem aeu escriptorio de advogado ra do
Imperador n. 14, 1. andar.
O baeharel Bonifacio de Arago Faria
Rocha contina a advogar. Escriptorio
raa do Imperador n. 46., 1. andar.
O conselheiro PorteUa contina a advo-
car. Escriptorio ra do Imperador
i. 65. Residencia, casa n. 24 da ra
7isconde de Albuquerque (outr'ora ra da
Matriz da Boa-Vista).
J. A. de Magaih3.es Beatos. Duque de.
Casias n. 66, l. andar..
O baeharel Petronilho de Santa CruzOli-
veira, encarrega-se de levantar empresti-
mos perante o Banco do Brazil para auxi-
io da lavoura. Escriptorio ra do Impe-
rador n. 69, 1." andar. Residencia sitio
na Jaqueira, prximo estacao.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista por ata
jado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva arios de todas as especialidades pharma
jeuticas, tintas, drogas, productos chimi-
eas e medicamentos homeopticos, ra dt
Mrquez de Olinda n. 23.
Tinta de escrever
A melhor a tinta Victoria, vende-se a
500 rs. meia garrafa e a 800 rs. urna gar
rafa inteira na Livraria Comtemporanea
de Ramiro M. Costa, ra Io. de Marco n.
2, loja de ferragens de Albino da Silv
de QL, ra da cadeia n. 42; loja de ferra-
gens de Brandio & C, ra Duque de Ca-
rias n. 46.
COMERCIO
Revista do Mercado
RZCIF, 13 DK JANEIRO DE 18S0.
0 movimento lmitou-.*o a transaeces no mer-
cado de cambios.
Cambio
PBACA DO EECIFE
A laxa bancaria nominal foi boje 25 3/4, offe-
recendo os bascos s~ccar a 23 d., sem acbarem
tomadores.
Papel particular foi pastado a 26 1/4 em pe-
quea escala.
PEACA DO RIO DE J SEIBO
Houve negocio a 2o d. bancario.
Mercado firme.
TABELLAS AFFIXADA8
3 I >
Z i- 1
? 3 <"
pdblicacOes a pedido
A repblica nao foi una Ini-
posicSo
Aa ter-se conhecimento da nauguracao
da repblica, no Brzil, alguem o disse :
ou o povo brazileiro o primeiro ou o ul-
timo do mundo.
Ou o povo brazileiro c um povo que os
outros povos contmplala cheios de adini-
raeao, ou nao tem brios nem estmulos :
inconciente e o mais servil de todos.
la elle por um certo caminho, o cami-
nbo da monarchia, e n'um bello dia, a es-
pada de um general indicou-lhe outro, o
da repblica. Era lhe indiferente um ou
outro ?
Ser certo que poder vir a dictura in-
definita, ainda a monarchia, o despotismo ;
porque tudo encontrar o povo brazileiro
como massa inerte, dispostaa receber to-
das as formas ?
Vale apenas sondar o dilemma.
Sobretudo, vale apenas saber se jiao so-
mos as fezes do mundo civilsado, a esco-
ria das nacoes cultas
A quesillo rauito importante ; porque
pode ser verdade, que sob certo ponto de
vista, sejamis o primeiro povo do mundo ;
e entSo o mundo que aprenda comnosco
as liccSes de sabedoria, patriotismo e hu-
manidade.
Operar, sem guerra civil, era dezoito
mezes, duas grandes abolic333, a da ea
crevidab e a da realeza, realmente, mo
tivo para collocar o poro do Brazil cima
dos outros povos.
Em relacao a sore dos ex captivos nao
se realisaram, felizmente, os tristes prog
nsticos do fallecido Ba-io de dtegipe.
Nao se realisaram em relacao a abol-
c3o da realeza uns tantos agourentos vati
ciuios ?
Nos recelamos, mo gi'ndo, as licgSes da
historia, a tumultuar dude da Assemcia
Con&tituinte, e d'ahi a necessidada da ou
torga.
At hoje, felizmente, as coasas cami
nham com serenidade.
Entretanto, esta mesina serenidade, es
Cota-se
6*300.
Algodo
o de 1* orle do serto
de G20i) a
A exportacao fela pela alfsndega nsste mez at
o dia 10, conctou de 330.5 8 kilos, sendo 38.935
para o exterior, e 91.58J para o interior.

As entradas verilicadas at a tata de h ije so-
bem a 3.026 saccas, sendo por:

5" f 1 TT 6 C
. * 9 ft
p ct ". X
ce T "5 I
-. * - 1
' n
, . i
- o
ff 9
-a i*
O
es


** s
Ct a.
co 5
>f
v-
* s.
CQ
co p
X
s3
s
a
i

OS
(O
~ 1
fct
se

3
5
O

en
E.
Bolsa
OOTA9OB8 OmCUBS DA JONTA DOS tCOS
SECTORES
Reeife. 13 de Janeiro de 850
Cambio sobre Londres, 90 d/v. SG d. por ,
do banca.
O presidente,''
Antonio Leona do Rodrigues.
0 secretario,
Eduardo Dubeux.
Bircacas.
Vipores.....
\iimaes.....
V.a-ferrea de Caruani.
V.a-ferrea de S. Francie; o.
Va-ferrea deLiinociro
Sornma-
o) Saccas
&32
>7 .
199 .
t.OJ"
3026 Saccas
MMmewe
s precos pagos ao agricultor, por i5 kilos, se-
rondo a Associajo ('iiimerciai Agrcola, foram
)8 seguintes:
Usinas..... 3400 a 35fX>
franco..... 3*000 a 3aJ0
Smenos..... 2*i00 a 2/330
lineando purgado -4*600 a 1*700
erutos..... l*l a 15400
Rname ^9)0 a 1M30
A exportacao, feita pela affandega neste mez
o dia 10, subiu a 5.563 803 kilw, seii>io 1.176.
oara o exterior e 4 409.427 para o interior.
at
376
A3 entradas veriRc-Waa a! a data de hoje, 30
a 44.373 saceos, sendo por :
26.502 Saceos
2.0V
2.270
12.522
i.lVll
44 373 ::aceor.
os verdes u 213
SarcacaSf ....
Vapores .....
Animaes.
Via-ferrea de Garuar.
Via-ferrea de S. Francisio.
Via-ferrea do Limoeiri'
Somma.
Conros
Gonros salgados 360 ris, e
res.
Agurdente
Cota-se a 98000, por p,na de 480 litros.
-----'
Aleool ^
Cota-se a 190000 por pica de 480 litros.
e
CoU-se a 65/000 por Ipa de 480 litros
Pauta n Alfandega
SIMAN'i DI 13 A 18 DE J.VXK1B0 DE 1850
VWeo Daro d:12Jineiro
Navios -i descarga
Barca norueguene Pusnas, carrSo.
Barca noreegue ise Cera, carvao.
Barca norueguense Spekulation, rvao.
Barca allema Schuam, varios geaero.
Barca norueguense Suez, carvo.
Barca sueca Gnpen, carvo.
Barc allema Rha, carvo.
Barca noruegaense Collevtor, carvao.
Barca a lema Eitel lat, varios geueros
Brigne italiano Immacct ita Goncezione, varios
genero?.
Escuna noruteueose Gefane; xerque.
t fazendo perder a cabeca a certos politi
coa d'aquem e d'alm-mar.
Somos o primeiro ou ultimo povo do
mundo ?
Possuiamos um rei-typo, e amos alan-
do, como naci, a merecer a admiracZo
dos outros povos.
Pois bem : dizem que nos, povo livre,
renunciamos a todas essas vantagens ou
vergamo nos a vontade dos que nos impo-
zeram a abolicao da realeza.
Somos um povo sem senso'commum,
um povo de servs.
E' isto : nos acossam assim, sem pieda-
de, eollocando muito alto a um.homem e
muito baixo a um povo !
Ob! o Imparador !
Era um sabio, um escolente pai de fa-
milia, um cidadao honesto, um esmoler.de
bolsa sempre aberta to infortunio.
Nao contestamos estas grandes qualida-
des do ex-Imperador.
Entretanto, muitos annos ha que julga
mol o um mo chefe do estado.
Podemos dizer que uns ostensivamente,
outros tcitamente, tinhara igual modo de
pensar.
Eram urna pequea m ioriaa quelles que
admitliam ser o paiz bem governado.
Era o mal, e o ex Imperador, na hora
solemne da partida, o declarara do seguin
te modo : carreguei, sempre, com mos
governos.
Sao, pois, injustos aquelles eatrangeiros
que nos mimoseiam com a pecha de in-
gratos.
Tambem os amigos de Paulo Emilio
censuravam o elle tor repudiados sua mu-
Iher Papiria. Oiziam-lhe :
Ella bella, sabia e fecunda.
Paulo Emilio retorquia-lhes : os meus
sapatos tambem sSo novos e bem feitos;
e nenhum tem a pretenjSo de saber onde
elles me apertam.
Saibam esses estrangeiros que o ex-Im-
perador tambem apertaea este povo. Elle,
o nico eleitor !
Realmente todo o bem e tod<> o mal pro-
ceda delle.
A sua omnipotencia, smente, encontra-
va alguma resistencia, ou da parte do Se-
nado vitalicio, ou de algum ministro des-
abusado.
Se nSo deu ao Brazil o bem estar pre-
ciso, foi porque n3o o quiz, ou porque fal-
leciam-lhe os dotes de um verdadeiro es
tadista.
E o poda ser sem sabir da sua espbcra
de rei constitucional.
O rei constitucional, diz Bhmstcbill, se
nao d8p5e do arbitrios, tem todas as sa-
bias iniciativas.
A grande naturalisacao tomara-se urna
urgente necessidade.
E aquellas sabias energ"as, o cx-Irape-
rador nao as soube, o nao quiz ter.
A separacao da Igreja do Estado era
una imperiosa necessidade.
E aquellas sabias energas, o ex-Impe-
rador nao os soube ou nao as quiz ter.
Os orcamentos do Imperio enceiravam-
c com dficits de trinta a quarenta rail
con tos.
E aquellas sabias energas, o ex-Irape
rador nSo as soube ou au as quiz ter.
Oontrahiam se biannualrrente, empresti-
mos de milh5es de libras.
E aquellas sabias energas, o cx-Impo-
rador nao as soube ou nao as quiz ter para
curar todos aquellos males.
Soube*as ter na reacclo contra o Acto
Addicional.
E soube-as ter a sua dilecta' fiiboj mari-
dando trancar o projecto de lai sobre a l-
berdade de cultos.
Era um fraco mortal o conselheiro Sa-
raiva, e por seu patriutismo, carcter se-
vero e grande forja de vontade, consegu
ra interromper as suturuaes do Imperio,
chamadas por euphemismo eleicSas da na-
cao.
Entretanto, o gabinete 23 de Marjo,
____L_JJ^|I Mili 'I HTTT1----1-------------------
Escuna porlugueza Feticetra, vinhos.
Migar allemio tlarold, varios gneros.
Lugar inglez Imogeae, bacall'o.
Lugar norueguense Lekna, varios gneros.
Lugar inglez Flora, bacalho.
Lugar portuguez Afana, varios gneros.
Lugar allemj JfariV Stah, carvo.
Patacho nor-ieguenae Aatong. xarque.
l'iilacno bo.lamlez Ciara, xarque
Patacho beapanliol EnctfrnnctM, xr.-qu?
'aU'.cno norneguen^e Lodsfn, varios generes.
Patacnt inglez khcekda, xarque.
presidido por aquello Ilustre estadista, foi
envolvido com os outres no stigma impe-
rial.
Eram mos governos os ministros que
procediam com moralidade, e mos os que
nSo a tinham !
Uns e outros foram julgados peia mes-
ma bitola do egosmo imperial !
Com um molde, assim dobre, de julgar
os seus ministros, nao havia para o ex-
Imperador, reputac5o que podeEse ficar
de p.
D'ahi q dito de Euzebio de Queiroz :
Neste paiz, um homem de vergonha n2o
pode ser ministro duaa vezes.
O ex-Imperador era, sem duvida, um
homem eminente; mas que por seu ma-
cbiavelismo, e, ainda quando pese alguna,
por seu espirito retrogrado, alienara as
adbesSes de todos quedesejavam a felici-
dade desta trra.
Eis porque a repblica foi aceita com
toda a espontaneidade pela nacSo.
Triolets
Eis porque a repblica nao attingio,p-
de-se dizer, com singue a sua alva chla-
myde.
Nao foi inaugurada por iuaposicao,
por acclaraajJo.
Washington.
Bim
-oes
Iniporafo
Barca portuguctaJVJi'i) Silencio, entrada do Rio
de Jjneiro, cm e eousigaada a Baltiriiveira
4 C.manifestou :
AlfdlajOO fardos a Figueiredo Costa S C.
tarris vasios 300 ordera.
Botijas 199 voluntes ordem.
Cognac 10 csixas a Froga -o:ha C, 10 a
Araujo Castro C, 62 ordem, 10 a Joo Fer-
nandes il'Almeida.
ynamit 15 caixas a Albino Silva & C.
Espirltos 70 caixas a ordem-
Espoletas 1 caixa a Albino Silva & C-
Ka rol lo 1,500 saceos a Maia a Uezende.
Farinha de trigo 500 barricas e500 moios sac-
eos aos mesmos.
Hespendiaa 5 caixas a Araujo Castro 4 C.
Lauca de barro 4 voluntes a Perreira 4 Irrno.
Ltrangtnlta 10 caixas a Araujo Castro s C.,
10 a Joao Fernandes de Almeida. '
Pipas 100 ordem.
Vinagre 140 barris ordem, 10 a Araujo Cas-
tro & C, 2 a Fraga Rocha & C.
Vinbo 1 pipa e 534 barris ordem, 2 e 21 a
Araujo Castro & C, 5 e 60 a Souza Best), Amo
rim & C, 25 a Fernandes I-mos, 20 a Fraga
Rocha 6t C, 3 i a Lopes Alheiro & C-
Vapor inglez Poiiuensc, entrado dd New York.
ea 11 e consignado a J Pater & C, maoifestou :
Arcos para barras 250 fsixes a H. Forsler
&C.
Aruices para sc-llins 1 caixa a Hairanda Souza. ,
Agua raz 20 caixas a Ferrcira Guimaraes & C.
Bambas 1 caixa a H. Forster & C.
Brcu 40 barricas a J. F. da Co:ta.
Banha 30 barris a Uiguel Joaquim Carlos Car-
doso, 20 a Dias Fernandes, 30 a Soares & Fer-
nandes, 23 a Lopes Alheiro & C 50 a Goncal-
vos Roza A Fernandes, 100 a Donlngos Cruz &
'.:., 100 a Joo Fernandos de Almeida, 100 *Pai
va Valen te & C, 73 ordem, 50 a Ferreira Ro
drigues 4 C, 50 a Fraga Rocha 4 t., 30 a Joa-
quim Ferreira de Carvalho & C 25 a Perelra c
Faria C, 50 a F. Costa C, 25 a Silva Mar
ques C, 2 barrieoes a Mancel M. Ribeiro. ,
Brinquedos 3 caixas a Ramiro Moreira da
Co.ta& C.
Candieiros 4 barricas c 17 caixas a Ferreira
Guimarej C, 2 ordem.
Cartucho 2 caixas aos mesmo*.
Drogas 12 volumes a Faria Sobrinho & C.
Estopa 10 fardos a II. Forster & C.
Farinha de trigo 3 000 barricas aos mesmos
2.000 a Fereira utrnciro & C.
Kerosene 200 caixas a Ferreira ftuimaros &
C
Madcira de pinho 1000 pegas a H. Forster &
0
Movis 4 caixoea ordem.
MercadorieB diversas 1 volume orden, 10 a
11 0. Bristel, 2 a Al'-ino Silva C.
Juiz de direito de S. Beato
RnzSo tnhamos nos quando, condemnan-
do os actos do extincto rgimen poltico,
sempre edictados por conveniencias parti-
darias, prophetisavantos que a futura re
publica tao soDhada seguira urna norma
de governo bem difforente da que se im
primia outr'ora aos negocioB pblicos.
A nomeac3o do Dr. Manoel Cabral de
Mello, para juiz de direito de S. Bento,
doste Estado de Pernambueo, veio confir-
mar o alevantado conceito que sempre for
mamos do rgimen de governo pelo qual
se dirige ltimamente os destinos deste
paiz.
Es'.e acto do governo federal consultan
do os interesses da justica o aprcveitando
os merecimentos do noraeado, tem provo-
cado mamfeBtac3e8 favoraveis da parte da-
quelles que conhecem de perto os sent
mentos e as bellas qu.alidades que orna
meniam o distncto cidado ltimamente
nomeado para o caro de juiz de direito
da recente comarca de 3. Bento.
Rendendo homenagera ao carcter inte-
gro do novo juiz, felicitamos aos seus ju-
rsdicconado8 pelo acto acertado do go
verno, cajos baneficos effeitos se farao sen-
tir desde o momento em que o Dr. Ca
bral entrar no exercicio da ardua tarefa
de distribuir justic^.
Estamos convencidos de que pelo seu
procedimento correcto elle 6aber all cap-
tivar os cora33s do3 que o prodirarera,
como soube fazel-o era Nazarelh, onde
exerceu o cargo de juiz municipal com sa-
tisasao de todos, sea disrincyo de credo
poltico, ao tempo me3mo em que mais
extremados se achavam os partidos const i-
tucionaes.
Eile teve a certeza da sympathia que
conquistou no dia em que retirouse da co
marca, pela brilhante manifestacao que lhe
fdra feita.
l\bl louros cm sua vida publica lhe de-
sojamos.
Elle os saber collter c r.ccumular como
soube e saber ser juiz oncfca quer que o
colloqne o governo era sua carreira de
magistrado.
Parabens aos S. Bautistas.
Engenho Japaranduba, da comnrea de
Xazareth, 8 do Janeiro do 1890.
Anton'o Tavares de Araujo.
Tosse convulsa! coquelssche
Nao deis crianca senao o Peitoral de
Cambar.
Ma; binas para descarofiar algodo 6 caixas a
Cardozo & Inuao.
Napbtita 50 caixas ordem.
Paa de. ferro 30 feixes a Miranda & Souza, 50
x A biu Silva & i*.
Ifciogios 2 caixas a Pdrrelra Guimaraes i L.
Teciilos diversas 10 caixas a Rodrigues Lima
4 C, 1 ordem. .
Toucinlio 25 barra a Ferreira Rodrigues. 20 a
Fraga Rocha & i'., 23 a Pai va Valcnte 4 C, 10
a Esuatv Uodrigues ^ C, 20 a Gimarilts Rocha,
a C 10 a Dias Kernan'des t C, 20 a Fernandes
t Irmao. 15 a Soares & Fernandes, 15 a Lopes
Alheiro & '"., 15 a Silva Marques & C.
Verniz urna caixa ordem.
apor nacional Una, entradj dos portes do
norte era 13 e consignado a Companhia Pernam-
bucana, manifestou: .
Algodo 50 saceos a Gomes de Mattos Irii&os,
22 aMoura Borges & C.
Cou.-cs salgados seceos 05 a Rossback Brothers
Objectos psra navio 2- volumes a H. Lund-
gren 4 C.
Loi.a 1 caiva ordem.
Pelles de cabra 15 fardos a Rossback Brothers
4 C, 13 a Pereira Carnei.o 4 C, 30 a Ab Stein
4C, 2 aT. K-en 4C.
Scmentcs de Carrapato 2 saceos a Francisco
Manoel da Silva 4 C. ,
Vapor nacional Principe do Grao Para, en
Iralo dos partos do snl em 13 do andante e con-
signado a Pedro O. de Cerqueira, manifestou :
Cruros salgados seceos 225 a Abe Stein C.
Oleo 5J caixas & Ferreira Rodrigues 4 C.
Pelles de cabra 3 fardos a ordem.
Panno de algodao 10 fardos a Fernandes 4 Ir-
mao, 22 ordem.
ttendimentos publico
MEZ DE JANEIRO
4ftmdega
I
O''descascado, trociste,.
Deixa a poltica em paz !
Trata da pelle, rapaz,
O' descascado trociste !
E's as intrigas artista,
as, trapaces capataz,
O' descascado trociste,
Deixa a poltica em paz !
II
Tu mentes por devoeao,
E's na calumnia afamado,
O' uegreiro rposentado,
Tu mentes por devocSo !
Vende bonecas calado,
Borra livros, por que nao,
Se s na calumnia afamado
E mentes por devo;3o ?
III
Tu passas por engranado,
Espirituoso, bem sei;
Tu passas por engrasado
Entre a gentinha da grey,
Mas teu espirito, coitado !
E' torpe, sujo, sem lei.
E passas por engranado
Entre a gentinha da grey.
Rames.
Ata^Kc-sc a orfgeui e nao os
yuip(OiU ts- -Devenios nos lembrar
qae os symptomas s3o as provas da lucta
da nuturesa com a moles-ia. Disse-nos
que as forjas animaes esto luctando cora
o veneno oceulto. Auxilicm-se e fortiti-
quem-su com e?se restaurativo natural e
soberano, chamado a Salsaparrlha de Bris-
tol, e o resultado nao sera duvdoso Ne-
nhuma doenja pode resistir a essa pode-
rosa aianga. Se o inimigo se acha der-
ramado pelas veas, este grande detergen-
te o busca e o desaloja dolas. Concluido
isto, a tosse que ndica a tsica, as chagas
tgae denotara a presenta das escrophulas,
os terriveia padecmentos do corpo e do
espirito inherentes a uva estomago acha-
cado ; e o estado preternatural do ventre,
desapparecem para lago e logo. Este puro
e poderoso tnico alterativo vegetal c
antyseptico ; lmpa, regula, ortalece e vi-
gorisa toda a orgauisaySo interior e & cura
completa.
Acha-se venda em toda a parto do
mundo civilizado e em todas as princpaes
lojay de drogas e boticas.
Urna mi de familia
Acbando se com urna molestia grave e
querendo collocar os filhos em urna ocu-
pagao honeste, sendo uma|moca de 26 an-
nos com varias habilidades para urna casa
de familia, e um lapaz tde 17 annos com
alguma pratiea de vanda e um menor com
promessas de entrar no Arsenal de Guerra
e duai 'meninas de que tomaram conta os
seus padrinhos, quera precisar dirija-se
ra do Hospicio n. 59, que se dir com
quem tractor.
Inglez e Francez
Cursos
dar.
ra da Aurora, n. 37, 2. an-
o ao publico
R. de Dftizina & C. de-
claram que so os nicos
importadores nesta pra^a da
verdadera cerveja mar-
ca PKOIVIX da fabrica
Export bier-Brauerei Dort-
mund.
Pcdem os mesmos que
evitem as falsiica^oes |
! Professora
Urna sen'jiora perfeitamento habilitada e
com bastante pratiea de ensino prope-so
a leccionariem collegios e casas particu-
lares as saga i n tes materias: portuguez,
rancez, mtlsica e piano, a tratar na ra do
Visconde d^ Albuquerqus (antiga da Ma-
triz da Boa rViste) n. 20.
t
I.
Ariliimetica, Algebra, Geo-
metra e Trigonometria
O bachaTJcl Trajano Ahpio Temporal de
Mendonca ensina as materias cima,
do Hospicio n 85.
/:
Kua
Escola particular mixta
Rita de Mai'eflio Illas u. J
2" andar
Maria Hermlna Cedrosa participa aos pais do
seus alumnos e ao publico em geral que abre
sua aula no dia li do correte mez de Janeiro.
"S&ssses>~
O externato Santa Luzia, na ra de Marcilio
Dias, acua-se fuuccionaudo desee o dia 7 de Ja-
neiro.
Ah encontrara' os pus e tutores urna des-
venada preceptora para suas filhas ou tutella-
das.
Goilego Amor Divino
Ra d' Itnperafriz n. 3S
As aulas abrir se hao no dia 7 do corrente.
A directora,
Olimpia Afra de Mendonca.
rs2&>-----"
Escola particular para me-
ninos
Jao Franciso da Costa Ralbo, alumno mes-
tre titulado pela Escola Normal deste Estado
acientitic- aos pais de familias que na ra de
Cbristoro Colomb n. 7 (antiga travessa do
Lobato) a ;ham-se abertas as matriculas de soa
e cola, no dia 7 de Janeiro.
Precis comraoios.
Tubercnlose pulmonar
Cura garantida pelo Peitoral de Cam-
bar.
Mercado Huac!pal de $. Jos
O movimento desic mercado nos dias 11 e 12
de Janeiro fui o seguinte :
Entrara ni :
64 1/2 bois pesando 9.591 kilos.
1483 kilos de peixe a 20 reis 29*650
16 cargas com farinha a 200 rs. 3200
6 ditas de fructas d.veisas a 300 rs. 1800
63 columnas a 600 rs. 39000
2 e8Ciiptoiio a 30O rs. G00
90 taboteiros a 200 rs. 18000
-42 suinos a 200 rs. 8400
128 compartimentos de farinha a 500
rs. 6WO0O
.-i ditos de comidas a 500 rs. 28*000
193 ditos de legumes e fazendas a
400 rs. W 77*200
16 ditos de fres-uras a 600 rs. 96'!0
32 (utos de suiOOS a 700 rs. ".- iftO
15 Compartimentos de camarCes
a 200 rs. 3I00O
70 talhds a H liOiOOO
Curso primarlo e secundario
Jos de Souz.i Cordeiro SimOes participa aos
pais de seus alumnos e ao respeitavei poblico,
que no dia 7 do corrente se achara aberto o seu
esrabelecimento de instrurco primaria e secun-
daria sito no pateo do Carmo n. 26, continuar
os exordios de sua profissao ; assim como con-
tina a sdmiltir alnrnnos internos, mcio-peEsio-
nislas e es.terno3.
Aula particular
Auna Theodora Simes participa ao respeita-
vei publico e aos pais de suas almonas, que sna
aula j) nieular, sita no pateo do Carmo n. 26
Io andar, abrir se-ha no dia 7 do corrente ; ou-
trosim, continuando no exercicio de sua profis-
sao, aceita aluxnas internas, meio-pensionislas
e externas.
Renda geral
Do dia 2 a 11
dem de 13
295:G?0i73
3V 317*007
Rehda provincial :
Do dia 2 a II 62.602*1/3
Ideal de 13 9:077*603
330:333 482
71:679*778
Somma t 402:213*260
Segunda aecgo da Alfandega dcPernubuco,
13 de Janeiro de 1890.
O tesoureirdFlorencio Domingues.
0 chefe da seceo-Cicero b. de Mellos
. Reeebedoria
Do dia 2 a 11 I3:260383
dem de 13 i:222,sr>28
geral
14c83*126
Recebedoria provincial
Dodia2all 87:030>98
dem e 13 8:203*627
9o:324*o85
Rccifc Wralunge
dia 2 a 11 i:i35o>9
dem de 13 332*320
Do
1:487*779
Rcndimento de 1 a 10 no corrate
444*860
2:098*340
!:3i3*O0
Pregos do dia:
Carn verde de 240 a 560 reis o kilo.
Carnelro de 640 a 800 idera.
Suinos de 380 a 640 ris idem.
Farinha de 403 a 560 ris a cuia.
Milho le 440 a 560 ris idem.
Fco de 800 a 1*000 idem.
Uaadouro publico
Neste estabelecimeto foram abatidas para o
consumo de hoje 8lrczcs pertencentes a dive
sos marchantes.
Vapores a entrar
MEZ DE JANBIUO
Europa...... Montevideo........ 13
Sul...... Alagos........... 17
Europa....... Atrato.....^...... 17
Norte......... Para............. 18
Nul........... Magdalena....... 19
Norte......... Mandos........... 23
Sul........... Espirito Sunto
27
Vapores a sahlr
MZ DE JANEIRO
Sanios e esc VUle de Montevideo. 15 as i h.
.Santos e esc Montevideo........ 15 as 4 h.
Europa...... Magdalena........16 as 4 h.
Soutnampton. Atrato............ 17 as 2 h.
Sul.......... Par......,...... 18 as 5 h.
Norte........ Alagos........... 18 as o n
Sul..........Mandos........... 2o as 5 h
Norte........ Espirito Sonto...... 28 as 5 h.
Um SLMERIG4N0
Capital 20.00O:O00#OOO
ESTE BANCO FUNCCIONA
A
88Roa do Commercio 88
Descont letras e contas assignadas.
Adanta dinbeiro aobre caucSo de ttulos
e mercadorias e abre contas correntes com
garanta dos mesmos effeitos.
Recebe em deposito ttulos e valores.
Faz movimento de fundos de praca
praca e concede carta3 de crdito, abono e
ti anca.
Paga em conta corrente de movimento
3 % ao anno.
Recebe dinhsiro a prazo fixo ou por
aviso a juro convencionado.
E faz outras operac3es bancadas.
Banco Sul Americano
38RUADO COMMERCIO38
Saca por todos os vapores sobre o Ban-
co de Portugual em Lisboa, Porto e outras
localidades do mesmo Reino.
Banco Sul-americano
Ba di Commercio n. 88
Compra e vende saques sobre Bahia, Rio de
Janeiro, Santos, S. Paulo e Campias, e laz
quaesquer operagOes de crdito sobre as mes
m s procas.
Jlovimcnto do Porto
Navios entrados no dia 12 de Janeiro
Liverpool e escala18 dias, vapor inglez Potos,
de 2515 toneladas, commandante H. W. Haver,
equipagen 97, carga varios gneros, a Wilson
Sons & C. .
New York e escala30 dias, vapor in?lez Por-
tuense, d 939 toneladas, commandante Fred
Hcwer, equipagem 29, carga varios gneros, a
Johnston Pater & C.
Cear e escala9 dias, vapor nacional Una, de
268 toneladas, comman.laote Alfredo Monteiro,
equipaeeia 30, carga varios gneros, Compa-
nbia Pernambuana.
Babia e escala8 dias, vapor nacional Principe
do Grao Far. de 308 toneladas, commandante
Julio Cesar de Lacerda, equipagem 28, carga
varios gederos, a Pedro Osorio de Cerqueira.
Macei por Sergipe-20 dias, patacho de guerra
uacional Guararapx, commandante 1 lente
Carlos Barroca, carga, niunicoes de guerra.
Navios saludos no mesmo dia
Valparaso e escalaVapor inglez ?otosi, com-
mandante' II. W. Hayer, carga varios gneros.
Santos e asea laVapor austraco Matlkovs,
commandante A. Ranlich, carga varios gene-
ros. i
Navios entrados no dia 13
Rio de Janeiro pela Baha-9 dias, vapor inglez
JVoraman, de 80 tonel* las, commandante W.
Lacy, equipagem 3S, carga, Oos telegraphicos
ordem.
Liverpool e escalas-20 dias, vapor inglez Ed-
ctof, de 1039 toneladas, commandante Joseph
K. Mahonev, equipagem ti, carga vario3 gene-
roa, a Blackburn Needbam & C.
Porto Alegre33 dias, brigne nacional Prazere,
de 228 toneladas, capitao Jos Rodrigues dos
Santos, equipagem 11, carga, farinha de man-
dioca, a Amorim Irmos 4i C.
Rosario da Santa F4o dias, lugar inglez,
Flash Light, de 569 toneladas, capitao D. W,
Mahoney equipagem 9, carga, feno, a ordem.
Sahido no mesmo dia
Estados Dddos, lugar inglez Magjie, capitao
George I}. Perv, carga, assucar.
.

v


l;
i
>
i *


i


Diario de Pemambuco--Terca-feir 14 de Janeiro de 1890
*




Aula mixta particular
Francisca Martiniana Luia Carneiro, avisa ao
publico 8 aos paes de seus alumnos que conti-
nua a funccionar a aula a seu cargo a 13 do cor-
rente, ra de S. Goncalo n. 2.
Recifs, 10 de Janeiro de 1890.
COLLEGIO
De N. S. da Pcnha i. 37,2o andar
BU A D A AURORA
Sob a direceo de Augus-
ta Carnelro
Oa trabalhos lectivos desie estabelecimento
de i&struc&o primaria e secundaria, para 0
sexo feminino, principiarSo a 7 de Janeiro
Bronchlte aguda oh chroalca
O Pectoral de Cambar o melhor rr-
medio.
Registro de marca
Vi. 258
A m?.rca cosaiste em ura parallclogrammo for
mado por un tilete azul e outro mais fino cor de
rosa, dentro do qual se acba a figura de um in-
dio em pe, tendo na mao dircita quatro flechas
e na esquerda um arco e um le3 de cada lado.
Estas tres figuras collocadas no primeiro pla-
no que representa o chao quasi destituido de
verdura no qaal se nota urna planta que termi
na em tres flores encarnadas, no segnndo plano
pequeos montes cobertos de verdura, consis
tindo o terceiro en montes inteiramente desti-
tuidos de qualquer vegetaeao.
Na parte superior se acbam as palcvrasA
Florlndiana-^m lettras maiusculas de tinta azul
escuro orladas de encarnado, descendo do pri-
meiro A urna rama de fumo e do ultimo um ara-
besco, ha vendo em um lado a nalavra Pernam-
buco, do outro ruaJDireita n. 17, e na parte in-
ferior Carlos de Arruda & C, em lettras maius
cutas de tinta azul.
Fra do parallelogrammo se W5 um aviso so
bre Infraccj legal escripto em tinta encarnada
e atravessa a pela flraa Carlos de Arruda & C,
em ellra cursiva com tinta azul.
A marca do papel para itfortalhas dos ditos
cigarros, consiste as palavrasA Flor Iudiana
escripias com tinta cor de rosa em urna linba
curva, debaixo da qual est a preposigaode
e abaixo desta e em linha recta a firmaC. de
A. & C.
Certifico que foi apresentada na secretaria da
Junta Commercial do Recife, as 11 horas da na
nii do dia 27 de Noverabro de 189.
Escrevi e assigno. Em f de verdade.
O secretario,
Jo Augusto da Cunlia Guimaraes.
Cerliflc] que foi registrada sob .o u. 238 em
virtude do despacho da meretisslma Junta Com-
mercial em sesso de honlera.
Pagou 15000 deum parecer fiscal.
Escrevi e assigco nesta secretaria da Junta
Commercial do Recife, aos 27 de Dezembro de
889.
Em f de verdade.
O secretario,
Julio Augusto da Cunto Guimaraes.
Escol i mista particular
A" RA DO MRQUEZ DD HERVAL N. 161
Abrir sena e3ta escola no dia 13 de Janeiro
do cerrente.
Advogado
Bacuarel Cklso F. Hbnriques de Souza
Mudou seu escriptorio para a ra do
Imperador n. 77, 1.a andar. .
COLLEGIO DE SANTA LUCIA
para o sexo feminino
Ra Hinque de raxias n. 4H
3* andar
As aulas deste estabelecimento de iostrueco
pimaria e secundaria, abrir-se-uo no dia 7 do
corrente.
A directora.
Anna do Reg Brrelo de Almeida.
AVISO
Alberto Henschel&
C. Succs. avisam aos
Srs. acadmicos do 5.
auno da Faciddade de
Direito do Recife que
queiram fazer parte
do grupo do quadro de
MarQo de 1890, que
fui marcado o prazo
para se retratarem os
mesmos para o gran-
de quadro de que elles
foram incumbidos, de
hoje at 15 de Feve-
reiro do corrente au-
no, sem proroga^o
algu aia.
Recife, 1 de Janei-
ro de 1890.
\\
Leonor Porto
{
, ( *ua Larga do Rosario nu-j \
-. mero ) }
0 SEGUNDO ANDAR V
( ; Contina a executar os mais difficeis j
1 >figuriaos recebidos de Londres, Pariz,< !
ij Lisboa e Rio de Janeiro.
{i Prima em r-
Jem brevidade
) fino gosto.
perfeiclo de costuras, em j
i, modicidacie em precos e{
}| Frederico Chafes Joaior |J
' Homoepatha
'.39-RA BARO DA VICTORIA 39/j
i Primeiro andar (j
A la Rosa Alemana
A cerveja La Rosa Allemana nao con-
ten acido on productos chimicos.
A preparadlo da cerveja La Rosa Ale-
tmna chegou ao mais alto grao de perfei-
cSo. SUBLIME, muitissimo agrada-
vcl ao paladar, finalmente urna combi-
nacao de substancias podesoras para a boa
alimentagao. As mais afamadas cervejas
n5o trazem o nome do fabricante. Entre-
tanto o proprietario da cerveja La Rosa
Alemana tendo conquistado o segredo da
sua saudavel cerveja registrou a marca
com a sua firma no rotulo.
E como teve a honra de requestar a
sympathia publica e para que a cerveja
La Rosa Alemana continu a gozar do
conceito do respeitavel publico, amiudadae
vezes manda examinar a sua cerveja pelas
celebridades chinacas.
Diversos attestados de chimicos e douto-
res em medicina justificam que a cerveja
La Rosa Alemana multo ssudavcl a um
sob rano allimento, cujos documentos ti-
cam disposicSo do respeitavel publico.
Diz o Dr. Vernier: Tenho por militas
vezes examinando no laboratorio publico o
crevej La Rosa Alemana c nilo encantar
materia chimica e sim urna gigantesca pre-
paracao de substancias que representam
urna valiosa riqueza para a alimeutagSo.
A cerveja La Rosa Alemana goza de
grande conceito na Europa e 'om illustre
cavalheiro desta praca, a pouco chegado
do estrangeiro, animou o fabricante a ex-
portal-a convencido de ter grande acceita-
c2o aqu.
Tem venda em grosso e a retalho,
Machado & C, ra do Vi gario n 19;
Albino Fornandes & C, ra do Mrquez
de Olinda n. 2; Jos da Costa Oaseiro
& C, ra da Cruz n. 13; Lopes & Atra-
jo, ra do Livramento n. 38; Vasconcel-
los Sobrinho & C, ra da Aurora n. 81;
R. Ferreira & C, ra Mrquez de Olinda
n. 50; Pojas Mendesd C, ra Estreita
do Rosario ; Manoel Joaquim Al ves Ri-
beiro, travessa das Cruzes: Pereira Fer-
reira & C, ra do Imperador; Joaqnim
Chistovao & C, ra do Cabug; Jos
Fernandes Lima & C, "ra Nova ; Salga-
do & C, ra das Cruzes n. 20; Antonio
Almeida Rabello, rlia da UniSo n. i; An-
tonio Souza Dnarte Ferreira, ra da
Uni&o; Antonio Jos Martina, praca Con-
de d'Eu; Marcelino Martins Gesteira, ra
do Vigario n. 6 ; Azevedo Maia & C, ra
da Impera'.riz; Manoel de Olivcira Menor,
ra do Visconde de Goyanna; hotel da
Magdalena; Ivo Sobrinho & C, Goyanna;
Francisco Nunes Monteiro, Goyanna; Cus-
todio Figueiredo & C, Parahyba ; Fonse-
ca IrmSos & C, Parahyba : Benvcnuto &
O., Parahyba.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteiro trata com especian'
dade de molestias do- senhoras e creancas
Consuitorio e residencia na da impe
ratriz n. 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manhJ.
Chamados (por escripto) a qualquer hora
TELEPHOSE N. 226
.fases Jasss^PsRejeiSfssssss:*;
avaxe$
(i
Dr. Mello Gomes
Medico operador parteiro
46Ra do Barao da Victoria46
(defhonte da phakmacia pinho)
Onde tem consultorio e resi-
dencia t podendo ser encontrado e
recebendo chamados qualquer hora
do dia e da noite.
Especialidades : partos, febres, moles-
tias de senhoras e dos pulmOes, syphilis
em geral, cura rpida e completa e ope-
races de estrettamentos e mais soffri-
mentos da uretra.
Acode de prompto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
1 Tclephone n. 33 *
'
I
Dr. Silva Lea]
CLNICA MEDICO CIRUKGICA
Consultorio e residencia & rna do Livramento
n. 6 1 andar. Consutas das II s 3 horas da
tarde. Chamados a qualquer hora, por escripto.
Advogado
Dr. Clodoaldo Lopes
ESCRIPTORIO
rt Ra Estreita do Rosario n. 4 ffi
Cirurg"io Dentista
DR. ROBERT P. RAWLLNSON, for-
mado pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu consul-
torio, na rea Barao do Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas das 10 s 4 horas da tarde.
MEDICO HOMEPATA
Dr. BalthMa* da Siiveira
Especialidadefebres, molestias
das criancas, dos orgSos respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer chamado para
ora da capital.
AVISO
Todos os chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
ra do BarSo da Victoria n. 43,
onde se indicar sua residencia.]
c=a
CONSULTORIO MEDICO
O Dr. Cosme de S Pereira d
consultas medico-cirurgicas todos
os das, (menos nos domingos e
dias santificados,) das 9 ao meio
dia, na ra dalmperatriz n. 8, 1.
andar. Ah mesmo far curativos
simples aos que delles precisarem.
C-i5
Auxilios lavoura
Pereira Caraeiro & C. continuara, autorisados
pelo Banco do Brasil, conceder empreslimos
i lavoura das provincias de Alagoas, Parahyba
e Rio Grande do.Norte, mediante as condices
de que os interessados serio informados no es-
criptorio ra do Commercio n. 6 das i I horas
da manba s 2 da tarde.
be Jltello
Medico formado pela
Faculdade do Rio de
| Janeiro, tendo-se dedi-
g catlo com especialidade
ft therapeutica moderna
das molestias de pellt
e syphilis, na Policlni-
ca geral da corte, cargo
do Dr. Silva Araujo,
onde servio como seu
ajudante ; d consultas
I de meio dia s 3 horas,
no 1. andar da casan.
15 do largo do Corpo
Santo, e recebe chama-
8 dos a qualquer hora em
g sua residencia, ra do
| Visconde de Coyanna
n. 185.
Aguas alcalinas de mondar i z em
Ponte Tedra na Hespanha
Estas aguas contem em si mineraes que
produzem um cffeito maravilhoso em qual-
quer creatura que faca uso dellas. Como
seja para as molestias de estomago, qual-
quer que sejam ellas, para as molestias
da bexiga e dos rins para qualquer des as
molestias, s ba differenca em mais ou
menos porcSo das aguas que se tem de
tomar para produzir bom resultado.
Acham-se a venda em casa doSr. An-
tonio Affonso Simoes na ra do Visconde
de Goyannan. 1.
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, oculista,
ex-chefe de clnica do Dr. de
Wecker, de volta de sua via-
gem Europa, d consultas de
1 s 4 horas da tarde, no Io
andar da c;isa n. 51 ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sete de Setera-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Collegio Meira
Este antigo collegio contina a funccio-
nar na ra da Imperatriz n. G3, abrindo
suas aulas no dia 7 do corrente mez de
Janeiro.
Seu director solicita aos pais de familia,
que desejam o real aproveitamento de seus
filhos, o obsequio de attender ao que vai
exposto.
Alm dos preparatorios para a matricula
as Faculdades de Direito, ensinar-se-La
tambem a fallar, escrever e traduzir a
lingua franceza, a ingleza e a allenia", sen-
do profeesor d'esta o Sr. Algernon Schie-
fler.
O lado moral da educacSo de seus alum-
nos, do mesmo modo que o intellectuah
merecer-lhe-ha sempre o mximo inte-
resse.
O resultado dos exames prestados no
fim do anno prximo passado, na Faaul-
dade de Direito, pelos alumnos do Col-
legio Melra, sao a pro va mais clon nen-
ies, e ao mesmo tempo, a informacSo mais
cnteriosa das vantagens que offerece dito
collegio.
Assim que, dentre os 80 exames que
prestaram entSo os alumnos, apenas 8 fo-
ram mal succedidos, merecendo 6 d'elles
distinecao, sendo plenificados 31 e sim-
plificados 35.
Dentre as discipulas que habilitaram-se
prestar exeme : D. Adelina Cabral e
D. Carolina Simoes foram approvadas com
distinecao em inglez e plenamente em
francez; D. Maria da Exaltacao Cabral
e D. Adelaide Cabral fizeram aquella
dous exames, e esta um, sendo panifica-
das n'elles.
Contina a funccionar a aula primaria,
que poder receber alumnos da mais tenra
idade, pois dirigida por duas filhas do
director, das quaes urna a bacharel Ma-
ria Augusta Coelho Meira de Vasconcel-
os.
Admittem-se pensionistas, meio-pensio-
nista8 e externos.
Entre os exercicios physicos que tanto,
convm sade, ensinar-se-ha esgrimir
espada.
Tambem podeao aprender msica- os
alumnos que quizerem.
O ensino de msica, o de alIemSo e o
pratico das lingas franceza e ingleza se-
rao mediante ajuste previo.
Recife, 1 de Janeiro de 1890.
O director,
Atando Minervino M. de Vasconcellos.
JORGES PARA EUROPA
. Laporc41 bda do barSo da
\nCTOBiA encarrega-se de assignaturas
para os Jometes da Europa, Modas, Poli-
ticas, Agricultura, lOustragao, EngenJia-
ria, Medicina, Artes, etc., etc., garantia
absoluta de regularidade.
Elixir depura-
tivo vegetal.
Foram .a de ngel ino Jos
dos Santos Andrade
Approvado pela Inspectorio Geral de Hy-
giene PubKca do Rio de Janeiro em 20
de Julho de 1887.
Este depurativo de grande eficacia as mo-
lestias syphiliticas e impureza dosangue ; assim
como em todas as molestias das senioras.
Tem curado radicalmente umitas pessoas ac
commettidas da tc-rrivel molestia berihen.
MODO DE USAR
Os adultos tomarao quatro colneres das de
sopa pela niauh e quatro i noite.
As criancas de i a 5 ames lomarSo tima co-
Iher pela mauhO e outra noite, e as de Sal
annos tomaio duas colheres pela inanlia e duas
noite.
DeverSo tomar banhos frios on momos pela
mxnhft e i noite.
Resguardo regular.
Eacontra se venda na drogara dos Srs.
Fraacisco Manoel da Silva & C, ra do Mrquez
de Olinda n. 23.
O autor deste preparado pode ser procurado
na ra do Bario da Victoria n. 37, onde ser en-
contrado para dar toda e qualquer explicacao
que for precisa.
Cuidado com a ralniucacoea
N. 98
Illm. Sr. Angelino Jas dos Santos Andrade.
Engenbo Queluz, 20 de Ontubro de 1887.-
Amigo e 5r, F.Itaria a um dever de gratidSo
se deixasse de lhe communicar um caso extra-
ordinario que sedeu em meu engenbo, cono vou
relatar.
No anno de 1884 .tendo urna minba escrava
dado luz, e quasi no fim do resguardo, por
acaso foi bagaceira, l foi accommettida de um
terrivel accesso de ioucura que tornou-se furio
sa, tendo-a submettido a um tratamento serio
sem que delle o"jtivesse o menor resultado.
J sem esperanca de a salvar acn sel har m -me
que usasse do seu elixir purificador no sangue.
Sem perda de lempo mandei buscar urna garra
fa; logo que principiou a usar appareceu-lbe
urna grande reaccao com um ataque que me as-
sustou, mas inspirado mandei continuar com
elle, logo que findou a garrafa ficou radiclmen-
le restabelecida, gragas ao seu prodigioso re-
medio.
Soffrendo eu tambem de urnas dores rheuma-
ticas, usei de-uma garrafa do dito remedio o
qual me restabeleceu dos meus soiTrimentos.
Destas poucas linhas que s contm a pura
verdade pode V. S. fazer o uso que Ihe aproorer.
De V. amigo e obrigadoJos Francisco dos
Anios.
N. 99
Illm. Sr. Angelino Jo dos Santos Andrade.
Amigo e Sr. Tendo sido ac-commettido por
rauito tempo de uevralgia na cabeca, que bas-
tante me atormeotava, depois de ter recorrido a
diversos remedios, sem delles obter o menor
lenitivo aos meus soiTrimentos, a conselno de um
amigo lancei mao do seu elixir puricador do
sangue ; o effeilo benfico n3o se fez esperar,
porque duas garrafas smente foram suficiente
para meu retabelecimento.
Destas poucas nbas que s dizem a verdade
fara o uso que Ihe convier. E sou de Vmc. at-
iento e obrigado. Recife, 2 de Marco de 1888.
Jos Gil Peres.
100
Illm. Sr. Angelino Jos dos Santos Andrade.
Tendo soffrido por espaco de seis mezes de um
forte rbeumatismo que alm de seffrer grandes
dores, me privan omovimentodo corpo. depois
de lomar diversos remediosl sem delles obter o
menor lenitivo acs meus soiTrimentos, a conse-
ibo de um amic lancei mao do seu elixir puri
icador do sangue. com tanta felicidade que com
urna garrafa ae reslabeleci de todos os meus
s jffrimentos.
A bem da huraanidade fago a presente deca
re cao e autoriso a fazer del la o uso que Ibe
aprouver.
De Vmc. amigo e obrigado. Gravat, 11 de
Agosto de 1888.Jos Ferreira Jnior.
Empreza Minerva
Declaro a todos os socios desta Empre-
za que a directora da mesma s acceita
propostas para empresarios ou accionistas
at o dia 29 do corrente, visto ter recebi
do telegramma do gerente prohibindo a
admiss&o dos mesmos depois d'aqaelle dia.
Outrosim, declaro que a Empreza ser
reconhecida, logo que chegar o seu ge-
rente, (Fevereiro) com o numero dos so-
cios que estiverem em dia e por isso a
directora convida os que anda nSo com-
pletaran] suas quotas e mensalidades a sa-
tisfazel-as. %
Domingo, 19 do corrente, haver urna
sessSo extraordinaria para tractar-se da
rcepcSo do gerente.
II de Janeiro de 1890.
O secretario.
____________Francisco Cosme de Ohceira.
Companhia dos Trilhos Ur-
banos do Recife a Olinda
e Beberibe.
Dividendos
No dia 14 do corrente, das 10 horas ao meio
dia, pagase no escriptorio da companhia o 30
dividendo, rela'ivo ao semestre findo, a razao
de8[0, assim os juros das aeges preferen-
ciaes. Nos dias 13 18 para e3se mesmo fim se
adiar as ordens dos Srs. accionistas o Sr. the-
soureiro, sendo os pagamentos feitos de tal da-
ta em diante s terga3 e sabbados que forem
dias nteis.
Escriptorio do gerente da companhia, 10 de
Janeiro de 1889.
_______________Antonio Pereira Simoes.
Banco do Brazil
Paga-se o 72 dividendo, razao de
dez mil reis por acejio das antigs e qua-
centos reis por accao das novas no estro*
criplorio de Pereira Carneiro & C,
ra do Commercio n. 6, i. andar.
Recife, 7 de Janeiro de 1890.
Companhia
pernambcana de navegacao
costeira por vapor
NSo Ee tendo reunido no dia 7 do corrente
numero legal de accionistas para a reunio de
assembla geral, convocada pelo annuncio de 23
do mez prximo passado, para discusso e ap
provago dos novos estatutos, convida a direc
toa novamente os senbores accionistas para a
segunda reunio, a qual ter lugar no dia 14 do
corrente mez.
Recife, 7 de Janeiro de 1890.
Escola Normal do Estado
de Pernambuco
Matricula
De ordem do Dr. director fago publico,
a quem interessar que a contar do dia 15
do corrente, at 3 de Fevereiro, eBtar
aberta a matricula para os diversos annos
d'esta Escola. Os pretendentes deverSo
requerel-a ao Dr. director, provando para
a matricula no 1. anno :
1 -+ Idade maior de 17 annos, se forem
do sexo masculino, e de 15, sendo do
sexo feminino;
2.IsengSo de culpa que motive a
perda da cadeira de professor publico;
3.Ser de bons eos turnes ;
4.NIo soffrer molestias contagiosas
nem defeitos physicos que os privem de
bem exercer o magisterio ;
5. HabilitacSo as materia* professa-
das nos tres graos do ensino primario, ou
as do exame que houver de fazer na
escola.
Quanto matricula para os outros an-
uos basta ser a peticao instruida com ceT-
tifcados de approvagao em todas as ma-
terias do anno anterior.
Outrosim declaro, que o mesme Dr. di-
rector tem designado o dia 28 do corrente
para comecar o exame de que tracta o
art. 27 do regulamonto vigente.
Secretaria da Escola Normal, 7 de Ja-
neiro de 1890.
Francisco Carlos da Suva Fragoso,
Secretario.
sao
EDITAES
A dvogado
Miguel Jos de Almeida Pernambuco tem o seo
escriptorio de advocacia rna do Imperador n.
81, onde ser encontrado todos os dias uteis, da? j
horis da 9 manh s 4 da tarde.
A Cmara Municipal da cidade de Olinda e se
termo em virtude da lei ele.
Faz sciente a seus municipes e a quem inte
ressar possa, que dando publicidad ao decreto
de 15 de Dezembro de 1889, fica marcado o pra-
so de 6 mezes a contar da referida data, para
todos os estrangeiros residentes neste munici-
pio que nao quizerem ser considerados brasi-
leros, virem na secretaria desta Cmara faze-
rem a respectiva declaragSo de conformidade
com o modelo expedido pelo Ministerio dos Ne-
Kocios do Interior, em telegramma de 20 de
ezembro findo, e para maior clareza abaixo se
transcreve a integra do mesmo decreto n. ...
de 15 de Dezembro de 1889.
Art. 1. Sao considerados cidados brasilei-
ros todos os estrangeiros que j residan no
Brasil no dia lo de Novembro de 1889, salvo de-
claragSo em contrario feita perante a respectiva
municipalidade, no praso de 6 mezes da publi-
cado deste decreto.
Art. 2." Todos os es\rangoiro8 que tiverem re-
sidencia no paiz durante 2 annos desde a data
do presente decreto, sero considerados brasi
eiros, saivo 03 que se excluirem desse direito
mediante a declarado de que trata o art. Io.
Ar!. 3. Os estrangeiros naturalisados por
esle decreto gosaro de todos os direitcs civis
e polticos dos.cidados natos, podendo desem-
penhar todos os cargos publico3, excepto o de
chefe do Estado.
Art. 4." A declaragiio a que se refere os arts.
I e 2, ser tomada perante o secretario da mu-
nicipalidade ou corporagilo que nrovisoriamenle
substila, em livro especialmente destinado a
tal tim, assignado pelo declarante e pelo mesmo
secretario ou representante da alludida corpo
rago.
Art. 5. Ficam revogadas as disposigocs em
contrario.
E para que ebegue ao conhecimento do to
dos os interessados semaudou afxar na porta
do edificio da Cmara, na imprensa e nos dis-
trictos policiaes deste municipio.
Cmara Muuieipal da cidade de Olinda,
Janeiro de 1890.
Francisco de Pmho Borges Sobrinho,
Presidente.
Jos larcoltno di Fonseca Manguinho,
Secretario.
Sociedade
Ithenea Musical Pernanr
bucano
De ordem do Sr. presidente, convido aos se
nhores socios effcctivos para comparece; em na
sede social no dia 15 do corrente, pelas 6 horas
da tarde, afim de em assembla geral, elege-
rem a nova directora.
Secretaria do Atheneu Musical, em 13 de Ja
neiro de 1890.0 1* sicretario
Sebastiao Daarte.
4 de
DECLARARES
Santa
Casa de Misericordia
do Recife
Na secretaria da Santa Casa recebem-se pro-
jostas pa*a arrendamento do predio n. 33, ra
arquez de Olinda, com artxasem proprio para
rualquer estabelecimento commercial, com
;rande reduego no prego da renda.
As propostas sero apreciadas pela junta em
ua sess&o prxima.
Secretaria da Santa Casa de Misericordia do
iecife, 30 de Outubro de 1889.
O escrivo,
Pedro Rodrigues ie Sv*:a.
Recebedoria do Estado de
Pernambuco
Alterado encontrada para mais nos alugueis
dos predios urbanos da freguezia da Boa-Vis
ta, com relagao ao exercicio de 1890, pelo
langador Jos de Pinho Borges.
Ra do Hospicio
N. 33. Ira Maximihana Pereira de
Moraes, sobrado de 2 andares e
loja por 90U500O
N. 51 B. Barao de Petrolina, so-
brado de 1 andar e loja por 1:200*000
N. 51 C. O mesmo, sobrado de 1
andar e loja por 1:4001000
Joo Fernandes Vieira
N. 42. Joaquim Lopes Barros, casa
terrea por 1:000*000
N. 21. Joaquim da Silva Carvalho, '
casa terrea com sitio, para pagar
do 2o semestre em diante, por se
achar ainda em obra no Io, ava-
hada 1:000000
N. 21 A. 0 mesmo, casa terrea com
sitio paga tambem do 2* semes-
tre em.diante IrOCOWOO
N. 23. O mesmo, casa terrea cern
sitio arrendada por 1:0004000
N. 23 A. mesmo, casa terrea com
sitio arrendada por 1:0005000
1.* sccgo da Recebedoria do Estado de Per
nambuco, 9 de Janeiro de 1890.
O chefe,
/. H. C. de Barros Compeli.
Relago das casas da freguezia de S. Jos, cujo
valor locativo foi augmentado para o exerci-
cio de 1890, pelo lama lor Affonso Lucio de
Albuquerque Mello.
Ra Dias Curdoso
N. 22. Joo Ansberto Lopes 273*000
N. 24. Delplnm Lopes da Cruz 2735000
N. 68. Eustaquio Manoel Carmi-
nondas 333000
N. 5. Joaquim Francisco Collares 2134000
N. 7 A. Antonio Joaquim Vinhas
Maia 273000
N. 33. Francisco Rodrigues Vieira 1894000
Passo da Patria
N. 11. Jos Joaquim Pereira de
Mendonga 72O40OO
N. 37. Jovino Bandeira de Mello 500*000
Padre Nobrega
N 62. Bernardino Pereira Ramos 600*000
N. 64. O mesmo 3334000
N. 82. D. Angela Baptista da Silva
Reg 6004000
N. 11 A. Dr. Manoel Enedino Reg
Valenja 1204O0
N. 11B. O mesmo 1204000
N. 25. Antonio do Carmo Ferreira 2974000
r%09. Joao Ansberto Lopes 1894000
N. 63. Francisca Maria da Concei-
gao 1654000
1.* secgo da Recebedoria do Estado de Per-
nambuco, 7 de Janeiro de 1890.
O ebefe,
J. H. C. pe Barros Compeli.
Obras publicas ~~
De ordem do cidadSo engenheiro di-
rector e em virtude da autorisacSo do ci-
dadSo general Governador deste Estado,
de 18 do corrente, fago publico que no dia
11 de Janeiro prximo vindouro, nesta
directora recebem-se novamente propos-
tas em cartas fechadas, competentemente
selladas, para a construccao de nma ponte
sobre o rio Pirangy-ass, em trras do
engenho Catende, oreada em 6:963#963,
As propostas serSo abortas em presenga
dos concurrentes.
O orgamento e mais condigBes do con-
tracto acham se nesta secretaria, onde
podem ser examinados pelos pretendentes.
Para concorrer praga cima dever2o
os licitantes depositar nesta Repartigao a
quantia de 348(5198, equivalente a 5 0i
do valor do respectivo orgamento.
Secretaria da directora de Obras Pu-
blicas, 19 de Dezembro de 1889.
O engenheiro ajudante,
A. Reg Netio.
Pelo presente
convidados os Srs. ac-
cionistas das novas ac-
edes io Banco do Bra-
zil, aqui subscriptas,
a virem realizar a se.
gunda entrada de dez
por icento ou vinte mil
ris por ac^o, nos dias
21 a 25 do cerrente no
escriptorio de Pereira
Carneiro fy C.9 ra do
Commercio n. 6, 1.
andar.
Secretaria da i nstrncco Publi-
ca do Estado de Pernambuco,
IO de Janeiro de 18SO.
EDITAL N. 1
De ordem do cidadao Dr. inspector geral da
Instrucgo Publica deste Estado, fago saber a
quem interessar possa que, nesta secretaria, re-
cebem-se, at o dia 20 do corrente mez, propos-
tas devidamente selladas, em enveloppes fecha-
das, para o fornecimento dos seguintes objectos
durante o exercicio corrente, com a indicacao
dos pregos.
Papel almsso pautado, resma.
Dito liso, idem.
Dito de peso pautado, caixa.
Dito roseo timbrado, resma.
Dito dito sem timbre, idem.
Dito de qualquer das seguintes marcas Ecu, Car-
ro, Raitiu, Jsus.
Livros, idem.
Pennas de ac, caixa ou duzia.
Tinta Blue-blach, de Herminia Costa, duzia de
botijas.
Lapis Faber ns. 1, 2 o 3. duzia.
Obliterador, duzia.
Mata-borrao, cento de folias.
Enveloppes grandes e pequeas, timbradas e
lisas, caixa.
Caetas lina <, duzia.
Lapis de cor, duzia.
Gomma arbica, duzia de frasco.
Caivetes tinos, duzia.
Thesouras de 6 a 8 pollegadas, duzia.
Raspadeiras, duzia!
Agarras maiores e menores, caixa.
Cadargo estreito, masso de duzia.
Brabantes, prego de um novello.
Enveloppes pequeas, brancas, caixa.
Os pretendentes deverSo apresentar as amos-
tras dos artigos que otferecerem, das quaes ica-
ro nesta secretaria somente as que forem pre-
feridas para confronto da qualidade na occasiSo
do fornecimento.
O secretario,
Pergenttno Saraiva de Arau/n Galvo
Hospital Pedro 2.
Est aberta a matricula da aula de obstetricia
este estabelecimento at o dia 31 do corrente.
?ara a matricula preciso requerer, decla-
rando a idade, nacionalidade, estado e filiagao ;
ssr maior de 18 annos e apresentar attestado
de boa conduca civil e moral, saber ler, escre-
ver e as operages fundamentaes da arithmetica.
As matriculas sao gratis ; e pa a mais infor-
magOes podero as pretendentes dirigir se ao
mesmo hospital.
Hospal Pedro 2., 11 de Janeiro de 1890.
Dr. Ignacio Alcebiades Velloso,
I Director do servigo sanitario.
"SATACASA"
CASAS PARA ALUGAR
:dem da Guia ni 25, idem 16*000
dem do Encantamento n. 9, 1. andar 15000
dem idem n. lj, 2." andar 20*000
dem idem a. 3, loja 14*000
Idem do Bom Jflsus n. 29, loja 18*000
!demidem idem, 1." andar 20003
Idem do Amorifin n. 23, idem 12*300
idem idem idem, 2* andar 12*300
dem Imperial n. 151, casa terrea 30*000
Sua da Moda n. 45, armazem 16*660
dem n. 47 l 20*000
dem idem n. 49, idem 16*000
(dem do Viganp n. 25,1. andar 30*000
dem idem n. J7, loja 16*660
dem da Lingueta n. 14,1." andar 16*660
dem da Senzal Velba n. 132, loja 15*000
Quadro da Detqngo n. 2 8*000
dem idem n. 5| 6*000
Ra da Senzala' Velha n. 132,1. andar 15*000
l'dem dem 2.'andar__________________15*000
Thesouro do Estado
De ordem do cidadao Dr. inspector do Tbe-
souro deste Esfado, fago publico que, a comegar
de 16 do corrente, pagarse ha nesta repartigao.
os jures de apolices ; bem 6omo que as trans-
ferencias s serao feitas em Fevereiro prximo.
- Secretaria do Thesouro do Estado de Pernam-
ouco, 9 de Janeiro de 1889.
Lindolpho Campello
Banco Nacional do
Brasil
A Caixa Fil-al do Banco Nacional do Brasil
nesta praga, entrar em liquidago no da 31 do
corrente, tra sferindo para esse flm o seu activo
e passivo ao Banco de Pernambuco, qne execu-
tar aftfragoes pendentes. Pernambuco, 19
de Dezembro de 1889. ..*'
Wilham M. Webste-,
Gerente.

. !



_




fl
V


# -

I

Diario de Peruainhu-.Ter^a-feira 14


SEGUROS
martimos contra roa
ronapankla Phe_J_ Per
t bacana
RA DO COMMKRCIO N. 46
Companljia te Seguro*
CCHSA F0&0
NORTHERN
de Londres e tberdaen
Posicao tinanceira (Dezembro de 1887;
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aec_mulados 3.421,000
Recelta animal :
De premios contra fogo 607,000
De premios sobre vidas 197,000
De uros 143,000
O _OBSTE.,
John H. Bosme.
SEGURO CONTRA FOGO
ftoyal Insurance Companj
de Liverpool
CAPITAL 2.000:000
ASENTES
R. DE DRUSINA & C.
13Ra Mrquez de Onda13
London & Brasilian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cal-
zas do mesmo banco eni Portugal sendo
sm Lisboa ra dos Capellistas n. 73. No
porto, ra dos Jnglezes.
_'i
Ei'IFICIOS E MERCADURAS
TAXAS BAIXAS
Prompto pagamento de prejuizos
SEM DESCONT
1 COMl'iMIl *
IMPERIAL
DE I.O>DRKS
EST: 1803
CAP: lis. 1 .000:000*000
AGENTES BROWXS&C.
N. 5-RA DO COMMERCIO-N. 5
Companhia de Segaros
ASESTE
Miguel Jos Aires
JH. iItua do Bom Jea-X. 9
SEGUROS MARTIMOS E TERRESTRES
Nestes ltimos seguros a nica companhu
esta praca que concede aos Srs. segurados semp
jao de pagamento de premio em cada setimc
ano, o que equivale ao descont annual de cer
a de 15 por cento em favor dos segurados
~ SEGUROS
CONTRA FOGO
The Liverpool k London k Globr
IITSURAITSE CD-_FANY
eucnm mim & c.
Ra do Commercio n. 3
MARTIMOS
CHARGEURS REUNS
Companbla Francesa
DE
Xavegaco a vapor
Liona quinzenal entre o Havre, Lisboa
Pe mam buco, Bahia, Rio de Janeiro t
Santos.
O vapor
Ville de Montevideo
Commandante Viel
E' esperado da Europa at o da
14 de Janeiro, segundo depoiB
da indispensavel demora para a
Macei, Rio de Janeiro e Santos
Rogarse aos Srs. importadores de carga pele*
vapores desta linha, qneiram apresentar dentrc
ie 6 das a contar do da descarga das alvarengas
qualquer reclamacao concernente a voluntes que
porveutura tenham seguido para os portos de
ul aflm de se poder dar a tempo as provi-
dencias necessarias.
Expirado o reierido prazo a companhia nao s
".iponsanilisa por extravos.
Para carga, passagens, encommendas e di
aeiro a frite : trata-se com o
AGENTE
Angoste Labille
9RA DO COMMERCIO -9
COIPi\UH Pi;H\iMRItlM
DE
VavegacSo costelra por Vapor
Para Fernando de Noronha
O vapor Una
Commandante Monteiro
jflfe
Segu no dia 15 de Janeiro as 12
'horas da manli. Recebe carga at o
dia 14
Passagens at as 10 horas do dia da sabida.
ESCRIPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
___________ n. 12 ______
Jompanhia Bahia na de Na-
vegado Vapor
Macei, Villa-Nova, Penedo, Araca-
j, Estancia e Bahia
O VAPOR
Principe do Go-Par
Commandante Lacerda
Seguir para os
portos cima
indicados no dia
18 do eorrente
__ 4 horas da tarde
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
" a frete trata-se com o
?GENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigorio 17
Piloto
O patacho bespanbol Encarnacin, em viagem
para o Rio Grande do Snl, precisa de piloto ; a
tratar a bordo com o capitio 0. Yictnle Ga-
liana.
'_?*
Companhia Brasileira de
Navegac,ao Vapor
PORTOS DO SL
O vapor Para
Commandante Antonio Ferreira da Silva
E' esperado dos portos do or
te au o dia t8 de Janeiro e de-
poiB da dimora indispensavel
-teiniird para o- portos do sol-
modas sero recebdas no trapicl
rbosa at 1 hora da larde do dia da sahid>
Para carga passagens, encommendas e vale-
s rata-se com os AGENTES
POBTOS DO NORTE
O vapor Alago as
Commandante Jofio Mara Pesaoa
E' esperado dos portos do sui
at i da 17 de Janeiro e s-
guindo depoi- da demora indis-
_______easavel para et portos do nor-
te ate Maiiaue
As encommendas s serio recebidas na agen-
cu at 1 hora da tarde do dia da sabida.
!>ara carga, encommendas, passagens e valo
res trata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6=Rna do Commereio=*6
1* andar
loyal Mail Steam Packet
Company
O vapor Atrato
Commandante L. R. Dickinson
|MS^Espera-se da Europa at o dia 16 d.
mm BlJaneiro, seguiudo depois da demo
"""ra do costme para
Baha, Rio de Janeiro- ante.
Montevideo e Buenos- .4 y res
Para passagens, fretese encommendas trata
33 com os AGESTES.
O vapor Magdalena
Commandante W. Chapmam
E' esperado do sul no da 16 de Ja
neiro, seguindo depois dademor.
necessaria para
S Vicente, Lisboa, Vigo, e Southampton
Eeducco de passagens
Ida lia e volt.-
A Lisboa i classe 20 30
A Soothampton 1* classe *-28 t 42
Camarotes reservados para os passageiros dt
Pe-nambuco.
3ara passagens fretes, encommendas, trat-s
con os
AGENTES
Amorim Irmos & C
N. 3Ra do Bon JessN. 3
de parede. 1 dito de 2 bracos para kerosene, 1
jarra com torneira, 10 tapetes para porta. z tape-
tes de coco, 1 empacaos dv palha, 6 globos1 de vi-
dro. 2 registros de gaz, 3 esuregu^adeiras de
panno, 3 transparentes, 3 laucas para cortinados,
I escarradeiras, 1 mesa para jantar, 18 cadeiras
de uirarnico, 2 guarda lencas de nogneira com
molduras em Tlo rvlevo 1 mesa elstica de
oogueira com 8 laboae, 1 aparador de noftueira
com tampo de pedra, 1 importante meta antiga
de Jacaranda para meio de sala. I candieiros an
tigos de bronze. 4 quadros cbinezes, 1 reparti-
mento de taboa*. louyas, viaros, baodeijas. talbe-
res, colberes emuitos outros objectos que estarao
patentes no arlo do leila .
O agente Gusmo, autorisado fara leilao dos
objectos cima desenptos, no sobrado a ra da
Imperatriz n. 15.
Leilao
DE
pri^oiok
A saber :
m sobrado de dous andares da ra do Tor-
res n. 10.
Um dito da mesma ra n. 18
Urna casa terrea do pateo de S. Pedro n 17.
(Em chaos ropriosi.
QuFnta-feira. 1 do corrate
A's 11 horas em ponto
Na ra do Bom Jess n. 45
O agente Pinto, autorisado pea mesa rege-
dora da Venerave Ortem Terceira de S. Pran
cisco levar a leilao os predios cima mencio
nad >s, edificados em chaos proprios e perten
centes ao referido patrimonio.
AVISOS DIVERSOS
Rio Grande e Pelotas
Segu com brevidade para os portos cima a
barca nacional Marianmha ; recebe carga a tra-
tar com Bailar, Oliveira & C.
Para a Ilha de S. Mi-
guel
Escuna portuguesa Feitlceira
E' esperada a todo o momento da Figuelra, e
depois da demora indispensavel segu cara a
Ilha de S. Miguel, em direitura, por ter alguma
carga engajada, e para o resto que Ihe taita,
trata-se com Antonio Maa da Silva, roa da
Companhia Pernambucana. n. 10.
LE1L0ES
Terca-feira 14, deve ter lugar o leilao de mo-
bilias austracas, cadeiras de janeo e muitos
outros artigos que se acham em exposic&o no
armazem da ra do Bom Jess n. 45, pelo agente
Pinto.
Quinta-feira 16. o de bons predios edilicados
em chaos proprios.. por intervenco do geme
Pinto, no armazem da ra do Bom Jess n. 4o.
De mobilias austracas cadeiras de janeo, can-
dieiros a gaz com duas torcidas, accordies, lan-
ternas mgicas, perfumaras, miudezas, papel e
enveloppes, botdes e grvalas, louga esmaltada
granitada, arandelas e candieiros a gaz carb-
nico, apparlhos para gymnastica, 2 manguei-
ras, silbas e outros artigos.
Um variado sortimento de caivetes, e leques
pretos e de cores em
Leilao
Terca-feira, 14 do eorrente
A's 11 oras em ponto
No armazem da ra do Bom Jess n. 45, em
frente ao correio
O agente Pinto levara a leilao por ordem de
diversos e por conta e risco de quem pertencer,
diferentes fazendas. miudezas, ferragens, can-
dieiros a gaz, mobilias austracas, cadeiras de
junco (avulsas), ditas de balanco e mais objectos
cima mencionados existentes no t rmazem da
ra do Bom Jess n. 45.
Leilao
De vaccas toorinas novas, muito boas leiteiras,
garrotas prenhes, boi e carraca.
Terea-felra. 11 do corrate
A's 11 horas
Na cocheira sita ra da Paz n. 1
Constando de 5 vaccas tourinas prenbes e pa-
ridas, 4 novilhas todas prenhes de 2, 4 e 5 me-
ses, 1 garrote tourioo, 1 boi e carraca.
O agente Gusmo autorisado pelo Sr. Jas de
Souza Lopes, que tem de retirar-se para fura,
fara leilao dos animaes e carraca cima mencio
nados.
Leilao
De urna mobilia austraca a Luiz XV, servindo
de base a offerta de 2914, urna dita de junco
com cadeiras de balanco, por 181 f.
Terea-felra, 14 do eorrente
Agente Pinto
Por occasiao do leilao de outros movis e die-
rentes artigos.
Leilao
de movis, importantes quadros, espelho
oval, louca e vidros
lnarta-felra. 15 do eorrente
A's 11 horas
Nos 2. e 3. andares do sobado roa da
Imperatrs n. 15 (pensfto acadmica).
CONSTANDO :
de 1 mobilia de Jacaranda com 12 cadeiras de
guarnicao, 2 ditas de bracos, 1 sof e 2 couslos
com pedra, 2 importantes quadros com gravuras
Snissimas, i espelho oral, 4 quadros, 2 etageres
ourados, 4 jarros para flores, 2 escarradeiras, 1
Site para sof, 1 grande pelle de onea com
eca e denles, 1 lustre de vidro, 1 estante, 1
cadeira de estodo, i cama franceza, 1 toilette com
pedra, 1 guarda-vestido, 1 cpula dourada, 1
marquezao, 1 lavatorio de amarello, 9 camas de
losa, 14 lavatorios de ferro, 13 cabides de pare
de, 6 bancas de 1 e 2 gavetas, 9 jarros com ba-
cas de louca, 1 retogio de parede, 2 candieiros
Aluga se a ca-a terrea n. 234 ri a Coro-
nel Suassuna ; a tratar no escrip'orio da ra 1
de Marca n. 17. .__________________
Alugam se casas caladas e pintadas nos
indos de S Goocalo, a 84000; a tratar na ra
a Imperatriz n. 76.
Alugam se o 1 e 2- andares da casa n. 43t
i ra Visconde de Inbama, com gua e com-
modos para familia ; as. chaves no andar terreo.
Alagase o 3 anda da ra da Penba a.
1 ; a tratar no escriptorio la ra 1." de Marco
damero 17^__________________________
Aluga-se a mei-agua n. 15 do Caes do Ga-
zometro ?or 10#00>' mensal ; a casa n. 9 da
mesma r: a por 12*000; a tratar na ra das
Trincbeiras n. 17, loji._____________
Aluga se po 22500 a i asa terrea n. 108
ra da Gloria ; a tratar na ra. do Pilar n. 56.
Precisa se de tma ama cosinheira ; na
estrada de Joo de Bar os n. 27 olugio.
Precisase de um caixeiro ; na ra da al-
ma n. I1T___________________________
Precisa se de urna ama para lavar e en
g >mmar em casa de p< quena familia ; a tratar
na ra do Vigario n 5, armazem
Preci ase ce urna criada para c. sa de
pouca familia : na ra do Cotovello n. 101. _
Precisa-se de um cr ado e de urna copeira
para casa de ponca familia a tratar nol -.andar
do predio n. 3, pateo de S.Ji'Pedro._________
Precisa se de urna au a para servico do
mestico de i asa de tamilia ; la ra 1 de Marco
numero 2._________________
Precisa se de urna ama que cosinhe be ,
para cata de familia de tres pessoas ; n oilo
lo Corpo Santu n. 25, armazem.
Joaquim da 8ilva Costa avisa ao publico que
aeba-se na cidade da Escada, podendo as pes
soas que comsigo teahum negocio entender-se
com sua familia ra da Abolico n. 19.
Francisca de Alhuquerque Silva Costa avi
sa 10 publico que contina no exercicio de sua
prolissao. leccionando msica, piano e canto por
collegios e casas particulares, assim como em
sua residencia ra da Abol gao n. 19.
Qu m quizer f-.zer cobirtas de casa, que
>iTvem para t> rrago.- e t iardins, acha os roa-
te ri.,es m-ct'.-Surios no caes'do Ramos n 4, onde
se pode ver tal construeco, e ba quem se en
arrct-'Ue d* obra
Precisa se de urna boa cosinheira matn
culada ; a tratar na ra da Soledade n. 82.
AHafa
nova e de f uoerior qaalidade ; vpnde-se ao pre
co de 100 rs. o kilo, no trapiche Kiuza & C ao
largo dt- Corpo Santo.
Penso acadmica
Vende e s casa de penso, sita ra da
Imperatriz n. 15, 2- andar ; a tratar na mesma,
das 10 horas da macha s 4 da tarde._______
Praticaute do Correio
Jos Francisco da Costa Ferreira, tendo de
entregar a urna senhora, conforme o documento
que passou, sete notas do thes >u o. nao o fez ;
no da 1 d^st- mez recebeu o ordenado e foi
para o engenho do Cabo, at esta data nSo ;.p-
pareceu ; a senhora espera dous dias, caso nao
appareca recorrer ao poder competente e pu-
blicar o documento.
Carnaval
O Baza do Recife, ra Mrquez de Olinda n.
11. rec-ben grande sortimento de mascaras de
todas a qualidades vende-st- em grande e
pequeas quantidad<<8 a precos muito razoaveis:
na b famada loja de miudezas Bazar do Recf<, de
Domingie M. Mariins.___________________^
No TOS
O Bazar do Recife, ra terquez de Olind;
n. 11, recebeu grandes e bonitos espelbos para
ornamento de salas de noivados, a preco s m
competencia no Bazar do Recife de Domingos
M. Martin^____________________________
A o commercio
O abaixo assigoado, estabelecido ra de
Santo Amaro n. 5 A, julga nada dever nesta
data, qur de sua cas commercial qur part
cularmente, porm quem se julgar credor queira
apresentar suas contas para ser satisfeito de
suas importancias. Recife, 14 de Janeiro de
1890.
Joaquim Dias da Silva Jnior.
Paulino
Ra do Imperador n. 28, an-
tiga casa de campos
Tem sempre o inportante vinho Palbete ser-
cerveja Paulino Bier e o de'icioso vinho Musca-
tel aos copos. Doce sceo de caj, em calda
estrangeiros, licor de canella de ortel pimenta
e o grande licor de cervejas ; um completo sor-
timento do que ha de mais fino e puro.
Pao d'Alto
Firmino Venancio d'Araujo, pede a to
dos os eus freguezes, que compraram com
o prazo de 30 e 90 das, nos annos de 1888
e 1889 e at a presente data que se lem
brem de vir ou mandar saldar seus d-
bitos.
Hqje nao declara quem sSo elles, porm,
se elles nlo acertarem com a sua porta,
publicar por extenso todos aquelles que
Ihe devem.
D o prazo de 15 dias para todos aquel-
es que Ihe devem virem ou mandarem
liquidar suas contas.
Deseja ser attendido por motivos legaes
e por se acitar atrazado na. praca do Re-
cife com os seus amigos que tm sido cou-
des endetes.
Pi d'AIho, 10 de Janeiro de 1890.
A more s .p r rfeitos
Trnta qualidades de sementes aovas te amo-
res perle tos. o que pode haver de mais lindo.
chegadas pelo vapor Equalrur, urna raridade I
venda a retalho na ra do Vigo no n. 19, ar-
mazem.
Aluga-se
o 3 andar do predio a roa do Bare da Victoria
n. 88, com excellentes commodos e agua enca-
nada ; a tratar no pavimento terreo.
Livraria O'ontempora
nea
liislrnmpnlo* de muir>
Bomoardo. bombardino, barytono, tromi
rombone, helicn, saxapbone carrilen, bom:
m_i- pratos clarinitas flautas.rabecas, violo.
'ealejos, caixas de msica, etc.. etc.
Papel pintado
para forra -de alas,qaarlos, gabinetes, correo
"es.
Molduras
iourad; s, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viaaeu, diversos formatos, especiaime,
para roupa de senhora e camarote.
Novidades
oara presentes, escriptorio, toucador, etc., etc
RAMIRO M. COSTA & C.
Boa Prlmolru de Baro n. 9
Para os festivaes
A' ra da soledade n. 56, preparam-se
com limpesa, meatra e commodidade em
irecos: bolo, pao-de-It, cangica, arroi de
eite, pirmides de doces d'ovos, va tapa,
baodeijas para casamentos e baptisados, e te.
Reeebem-se aa encommundas quer para s
cidade, quer para fora d'ella.
Ao commercii.
O abaixo assignado, uni'o responsavel pela
firma de Bernardino. da Costa Maia & C, com
loja de calcados ra do Livramento n. 19, de
clara que nada deve nesta praca nem em outra
qual^uer ; quem se julgar credor aprsenle se
no prasu de oito das. O mesmo pede a todos
os seus devedores para mandar saldar seus d-
bitos at o dia 25 do correte.
Recife, 9 de Janeiro de 1890.
3ernardino da Costa Maia.
Ao commercio
O abaixo assignado participa ao corpo do
commercio que contractou comprar a taveroa
ita ra das Triacheiras n. 3 aos Sr3. Carva-
Iho & Filho, livre e desemDaracada de qualqner
onus ou responsabilidade : quem se julgar com
algum direito sobre ella aprsente osseustiru
ios dentro de tres dias, a contar da data deste.
Rec fe, 10 de Janeiro da 1890.
Antonio Simao de Lima.
Casas para & lugar
Ns, 30, 26 e 18, na ra Capitn Antonio de
Lima em Santo Mnaro das Salinas ; a tratar na
ra Marquezde Olinda n. 8, lythographia.
CASA
Compra-se urna casa
terrea ou assobradada, de 3
a 5 quartos, com quintal
na freguezia de Santo An-
tonio : a tratar na ra Nova
n. 15, loja.
Cosinheira
Precisa 8e de urna boa cosinheira. que esteja
matriculada, e qu- preste se a comprar ; deve
ser idosa e asseada.
Carolina Kmbi'l Lina de Barros
Olympia Lms de Barros Seve, Jos Candido
de Barros (ausente), Thomas I.ins de Barros
(ausente), Anna A. Lins de Barros (ausente),
Jos Candido Lins de Barros, Alfredo de Barros
Moreira (ausente) Condessa de Barli de Foras
(ausente) e Manoel de Barros Moreira mandam
celebrar miss- 8 pelo eterno desanco de sua es-
tremecida mi e av, Carolina Isab 1 Lins de
Barros, na igreja do Paiaizo, s 8 horas da _a
nhS de sexta fera 17 do eorrente, stimo dia do
seu faecimento, e convidara para assistil-ss os
seus parantes e amigos, confessando-se dtsie
j agradecidos a todos quantos se dignaren
comparen r.__________________
t
Joaquim Jos de Slquclra
Jo quina Francisca de Slq eir, Joo Manoel
de S queira, Bosa de Siqueira Lemos, Clara
Francelina de Niqueira, Anna Mara de Siquei
ra, Joaquim Jos de Lemos, mi. irmo e cu-
nnado de Joaquim Jos de Siqueira, confes-
s m-se summamente penborados a lodos os seas
amigos que e dignaram acompanbar os restos
mortaes de seu prezado filho, irmo e cunhadt,
e convidara os parantes e amigos a assistirem
as missas que mandam rezar no dia 15 do cor
rente, > 7 1/2 horas da manh-, na matriz de
Afogados, pelo que se coufessam agradecidos
por este acto de religio e caridade.
t
tnmiMu Mximo soiadei
Juiio Augusto Secades, confessa se summa
mente penbc rad > a todos os seus amigos que se
diroaram acompanbar os restos mortaes de seu
inditosc e chorado irmo Augusto Mximo Se-
cades, e novamente convida os raesmos seos
amigos e os do finado a assialirem as missas
que pelo eterno repouso de sua alma manda
celebrar na igreja da Santa Cruz, pelas 7 horas
do dia 14, stimo do seu pass ment ; protestan
do desde ja a todos o seu eterno reconhecimento
por este t cto de re gio e caridade.
t
Jom Emtevo Perclra
Miguel J< s de Almeida Pemambuco, (oloro-
samente ^rprehendido eora a infausta noticia
recebida da capital do Estado do Rio Grande do
Norte, de haver all fallecido sen joven e pre*
zd- amigo o acadmico Jos Estevo Pereira,
convida aos que eram amigos e collegas do
mesmo finado para assistirem as missas que por
alma delle manda reaar no dia 14 do crrante,
pelas 8 horas da nanh, na matriz da Boa-
Vista.
t
Hermina Emilia Brrelo de
Andr-de
Os irmos e cunbados da inditosa Hermina
Emilia Barreto de Andrade, convidara aos seus
parantes c amigos a assistirem a missa que por
alma da mesma mandam rezar na igreja matriz
de S. Jos, pelas 7 horas da manh do dia 14 do
crrante, trigsimo do seu passamento ; por
rajo acto se confessam gratos. |
Pura a cura effitOM I prompta a>
Molestias provenientes de im-
pureza do Sangrue.
F." urna loncnra andar a fitzer expe-
riencias com mistaras inferiores eom-
postas de drogas ordinarias ou de plantas
indgenas cuja efflcacia nao confirmada
pela sciencia, emquanto que a molestia
cada vez rai B___> terreno.
Lancem nio, sem demora, de um re-
medio garantido enja enlc_ei_ ceja facto
assignalado e inquestionavcl i
O Extracto Composto Concestrado
DE SaLSAPARRILUA DE A YE1I COn_CdO
e recommendado pelos mdicos mais in-
teliigentes dos paizes adiantados, j&
durante 40 annos,
Centenas de militares de doentes
tm comido beneficios do seu emprego e
sao outras tantas tcstemunhas da sua
efflcacia positiva e incomparaveL
TBEPARADO PELO
DR. J. C. AYER Lowell, Mass., Est.-TJnidos.
Aluguel barato
O 2.* andar da ra Visconde de Itaparica n. 41
Ra do Rosario da Boa-Vista n. 39.
Ra da Boda ns. 58 e 60.
Largo do Mercado loja n. 17.
Becco do Campello n. 1, !. andar.
Visconde de Goyanna n. 167, com agua e ga-
Loja do sobrad do becco do Calabouco n. i
- Ra do Nogueira n. 13.
" A tratar roa de Commercio n. 5,1- and
escriptorio de Silva Guimares & C.
Compra-se
una casa terrea com 3 quartos pelo menos, era
bom estado e boa ra, no bairro da Boa Vi.-ti:
3uem a ti ver poder a deixar as dimenses na ra
as Larangeiras n. S. offhina de ourives com
tanto que esteja desembaracada de qualquer hy
potheca.
1NFALLIVEL o RADICAL
na coralivo de todas as affeceet bronchiaes:
Mal de Garganta, Tosse e Tiste
o
PEITORAIi
1 l
feitt?^' L 3^5%
<*^^mmsFm
De ANAC AHUITA
Remedio Vegetal da Natnreza para o a_L.
vio e cura de todas as molestias
2o Peito e dos Puitnoes.
Na ra do Mrquez de Herval n. 61, sobrado,
precisa se de urna ama que cosinhe bem.
*,
Ama
Na ruada Matriz da Boa-Vista n. 26, 1- ai-
dar. precisa se de urna ama que cosinhe beta,
para casa de pequea familia.____________^
Ama
Precisase de urna ama para comprar e cosi-
nhar, para casa de pequea familia ; na ra Di-
reitan. 64. S- andar, sendo matriculada.
Ama
'recisa se de urna cosinheira ; na ra Impe-
rial n. 17.


Ama
Precisase de urna ama para cosinhar ; na
ravessa los Piret n. 5 (Geriquity).
Alugam se a casas n. 8 ra da Unio e n
4 ra Conde da Boa-Vista; a tratar com o
Srs. Negreiros, praca da Independencia.
Viuva Ryg'aard
Compra-se urna casa em bom estado na oda
de de Olinda, para residencia da viuva Rygaard.
podendo a pessoa interessada dirigirse a ruada
Cadeia do Recife n. 43 loja de selleiro. e ah en
tender se com o Sr. Samuel Botelho. um dos en>
carregados para esse fim.
Exceente morada
Aluga-se bara o ra do Hospital Pedro J
no lugar dos Coelhos, urna casa assobradada i
outra terrea com frente de azulejo, ambas con
agua e grandes qnintaes murados, as quaes se
tornara muito re com men lavis pelos grande-
commodos para famili s numerosas, pelo esa
e perto do banho salgado ; a tratar no mesmr
lugar com Joaquim Moreira Res, das 8 s 10 no
ras da manhS. o qual all aluga tambem casa
de 6* 81, 10H e IzJOOO._________________
Sahir
Joaquim Henriques ir S Barreto Jos Fran
cisco Costa Ferreira.
Criados
Precisare na Ponte de chda n. 36, sitio em
frente estaco, diumeopeiro e de um aju-
darte, de urna boa e gommadeira e de um co-
sinheira.
* riado
Precisa-se de um criado que nao seja maior
de 14 annos no 3 andar do predio n. 42 da
roa Duque de Caxias. por cima da typographia
do Diario.______________________________
Aviso
Justino dos Santos Vieira. pelo prsenle de-
clara que desta data em diante pausar a assig-
aar-se Justino dos Jan tos Vieira de Andrade.
Precisa-se de urna ama para cosinhar, a qua i
durma em cas. de seus patroes ; na ra dee
Guararapes n. 94.
Ama
Precisa se de urna ama que engomme e lave
bem, para casa de familia ; a tratar na roa Sete
de Setembro, antigo becco dos Ferreiros n. 12.
freguezia da Boa-Vista. ___________ t
Ama
Precisa-se de urna ama para tratar de um
menino e algum servico de casa de pequea fa-
milia ; na ra do Imperador n. 40.______^^^
Ama
Precisa se de urna ama que cosinhe bem ; a
tratar na ra Marcilio Dias (aotiga ra Direita)
n. 65, 1- andar.__________________________
Ama
wectsa se de urna ama para cosinhar, para
casa de familia; no becco da Lingoeta n. 6, pre-
ferrado Ee que urma em casa.
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar ; no
Paco da .'atria n. 5._________________
Ama
Precisa-se de urna ama que saiba cosinhar
na ra do Imperador n. 28.
i,


.
.
-- "


Amas
Precisa se de duas amas, urna para cosinhar
outra para servigo domestico, em casa de fam i
lia, que tenham boas connuctas; a Iratar na
ra Baro do Triumpho n 68._________
Criado
Precisa se de um criado que abone sua con-
ducta ; na ra da Florentina n. 36. _____
AVISO .
O abaixo assigoado, estabelecido &m fabrica
de bebidas no caes Cap'baribe n. 42, declara que
n5o se responsabilisa. por dividas contrahiflas
pelo agenciador o Sr. Francisco Rosa, ou qual-
quer outra pessoa. Recife, 31 de Dezembro de
1889.
C A. vau -der Linden.
3.* official
Nao se trata de urna divida e sim de urna res-
tituico. O Sr. oaquim Henrque de S Brre-
lo venha ao pateo do Terco restituir dez notas
de 104000 e urna de s000 que recebeu para
entregar
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro com bastante pra-
tica : a tratar na ra da Unio n. 54.________
Gaiadas e pintadas
Aluga se um armazem com um sobradinho
ra Pedro Alfonso a 74 ; urna casa terrea ra
de Santa Thereza n. 46 ; um 2' an ar ra es-
trella do Rosario n. 21; urna casa terrea no
becco do Calabouco n, 24 ; urna loja do sobra
do ra Coronel Suassuna n 66 ; a tratar no
pateo de S. Pedro n. 3 1- amar.
Se soflres porqie queres
8A E CONVENCEH-TE-HAS
CURA RADICAL
SEM DIETA
DA8
Molestias de pelle
SYPH LITIGAS.
Darthros, sarnas, ulceras antigs, im-
pingens, bobas, gommas, cancros, rheuma
osmo e morpha.
Com os prodigiosos
XAROPE E UNGENTO
DE
Hydrocotile Cal asa lis
Applicacao fcilUso sem perigoEf
fetos promptos, dieta razoavel.
Contra fados nao ba argumentos
Estes remedios sao os mais commodos
do mundo. Envia-se gratuitamente, pelo
correio, direc55es para uso d'estes medi-
camentos admiraveis.
Prejo do ungento 10200 o frasco
Prejo do xarope 3i$000 a garrafa.
Preparados por Calazans & C. Phar-
macia Imperial, Bahia.
Deposito no Recife
Francisco Manoel da Silva C.
Ra Mrquez de Olinda n. 23
.
k -

I -'"
Professor
Precisase de um professor sem familia, para
leccionar piimeiras letras no engenho Poco, em
Agua Preta ; a tratar no mesmo engenho ou na
roa dos Guararapes n. 80.
Para engenhos
GIMARAES & VA LENTE, parteci-
pam aos seus freguezes e Illms. Srs. de
engenho que, como sempre, tm grande
deposito dos artigos abaixo mencionados,
garantindo tudo de primeira qualidade e
precos sem competencia a saber :
Cal nava de Lisboa,
Dita de Jaguaribe.
Cimento portland.
Oleo de mocot.
leos americanos
especiaos para machinismos.
Azeite de coco,
Dito de carrapato.
Dito depeixe.
Pixe em lata.
(5 gaiBes.)
Kerozene inexplosiveL
Graxa em bexigas.
Gaxeta de linho.
Potassa dv Russia.
(em caixas, barriquinhss, latas grandes
e pequeas.)
Formicida Capanema.
6- -Corpo-Santo-- 6
Bandeiras
Pede-se pessot que tomou emprestado urna
porco de bandeinu. na casa n. 4 roa do Com-
mercio, no dia 4 deste mez, o favor de resti-
tuil as. visto o navio a que pertence as mesmas
estar prompto a partir.
Patacoes vejhos
Compra-e na ru do Cabug n. 14, relojoa-
ria David.
"' -! II -____
Cozinheira
Precisa se de urna boa cosinheira para fami-
lia que est temporarnmeate em Casanga; a
trata1 no estrlptorio da companhia de bonos.
1
;-;:



t1"-


___"
i i r




nario de PemambinMTer^a-lcirt 14 de Janeiro de '890
r
Qial hoje a melnr cousa do Brazil f
IPEITOML DE CAMBARA
E POR QUE ?
Porque cura de urna forma rpida e radical as molestias do apparelho respiratorio : tosse de qoalquer especie, coryaa,
tuqaidao, asthma, bronchite, coqueluche, laryngite, tsica pulmonar, etc.
Alm d'isso, o Retoral de Cambar* de urna apparencia agradavel e delicioso sabor, qualidades que o tornam
Un remedio preferido para as enancas, senhoras e todas as pessas de palladar delicado,
Est approvado pela Exma. Junta Central de Hygiene Publica, auctorisado por decreto imperial, premiado com duas me-
jjhas de ouro de 1* classe, rodeado dos melhores attestados mdicos, de in umeros certificados de curas importantes realisadas
ib toda parte.
0 PEITOKAL DE CAMBAKA13HS REMEDIO GARANTIDO
Por isso, precisa haver todo o cuidado com as falsificac5es e imitaedes : o verdadeiro que fabricado no grande estabe-
ecimento agrico-industrial do PARQUE POLOTENSE. expresamente creado para esse effeito, em Pelotas, provitcia do Rio
Brande do Sul, traz, alm da marca da fabrica, a firma de seu autor e manipulador Veodese ern todas as pharniaeias e drogaras
Precos: frascos 2#500, 12 duzia 13#000 e duzia 24#000.
23
osinieiro
Na travessa de Joao de Barros (Soledade) pre-
cisa-se de nm coHiobeiro oa cosinheira.______
ASMA
** CLERY Vide-MeintodiHrt
Gopeiro
Precisase de um copeiro ; na ra do Pavean
da n. 19.
MIr-1171
EXPOMCO
liili ror
lu km ruara tlccmeei
afora CxtaoAo
PRIMAVERA
E.COUDRAY
Water a
mmm especial di icteu
rio tprtaao do att Jo.
StMHs. ..... PRIMAVERA
OlM............ PRIMAVERA
Agaa d* 7omoador PRIMAVERA
Esbbc........ PRIMAVERA
Poas Arras...... PRIMAVERA
EVCJDERNACAO MIRANDAS
m 39-8A DUQUE DE CAXIAS-39
Este antigo estabelecimento, hoje compltamete reforaaade com "^biiitt
-zuda aperfeicoadas e movidas a vapor, acha-se em oondicoes de execu ar qualquer
rabalho em
FA9SICA E DEPOSITO
pars 1S. hM i Emiiu II nm
........lili
tNMl|
laTa-ii
FRANCISCO MAWOEL DA
NACIONAL DROGAKIA
23 Roa Mrquez de Olinda
DAME BE PJUUZ
CABUGA--1 A
Lxni--s. Sras. e ao respeilavel pu-
blico, que re ebeu um novo e lindo sortimento de Vestidos borda
1 A--RUA DO
Matliiiue iv- btel previo* at-


y

dos de Ib, algodAo, liuho e sed ?* e todas as ijualnla e> e cores.
Nova re ne-*a de chapeos e chttfelina* e mili tos outros rticos pro-
prios par* presentes.
3P3B.3SCOS R.-A-SOJ^'VOeXS
OFFICINA DE COSTURA
Fnzem-se vestidos de baile, cas iirento, com todo g^osto e esmero,
LUTO EM 24 HORAS
2." andar para alujar
Aluga-se o segund andar .do predio
^ da ra do Vigario Thenorio a tra
ctar n~~pa!2ento terreo do mesmo,
UNGENTO SttVENS
auico subsiltiilii'V> cautertsai^o MS-S**"0
pelo rogo. Ks'
remedio ver I*
qu^esquer .IiMCn in eeriu m emlM, tnliraHieai ti
irgaau e lHHmtm t*4> i ulmia. o um de
Sitirao e contlnno xito em toda a* cor
da>. bar a >, no* princlpae estaboleel
nentoe de CBTallo em Inelaterra, BaroD.
Nunca delxa nodoa algunia. E mlster expen
m< titi lo para Ocar coDreiicldo do seu alor.
V ende-se em caucas com a competente! indcafCt
para o ." i '-mpr-au. em portugus
*JIMIlB >r*MTido cor H. R STEVEN5. SU I HW
i, Vii- Ua^U>di(Iii(liUm|
Cartas, memorandans, recibos, circulares memoriaes, despachos. cartSes de
ndicafSes, mappas, precos correntes, accSsa, bilhetes de loteras e rotlos de toda
a qualidades em preto, ouio oo cores.
Brocharas, cartonados, encadernacSes, livros em bronco paro o cemmereio
repartieses, tendo para este tim urna encllente machina de paular.
ARTES DE VISITAS
Variado sortiment em cartSes para visitas, partioipacSes e convites de c&sa
tiento, bailes, menas, felicitacSes, etc., etc.
Livros de recibos de alugnel de casa, papel de impressSes tintas vernizes e
aia artigos para typographia e lythographla.
Manoel J. de Miranda
Telephone i94
Cautelas do Monte de So<
corro
Compra-se Cautelas do Monte de So
uS5e%5S^59&- 95rQe_jaalquer joia, brilhantes e re
gios, paga-se~~uIO na praca da Indeps
pencia n. 22 Loja^Sfr jeloioeiro.
Professora
l
Em um engenho prximo a estacSo Timb-
V8?, via-ferrea le S. F ancisco. precit-a-se de
urna senhora babilitaja a ensinar portu?uez, "
francez, msica e piano, p- efenodo se de na-
cionalidade franceza ; a tratar oa ra Manraez
de Olinda d. 58, 1 andar,
UNOISAO 6EKA.

ALUNFATSRSO
44-bUA BAK40 M Tisi nPH-44
Machinas a vapor.
Moendas.
Rodas d'agua.
aixas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem crava^ao
. Arados


.> i
t
TNICO
ANALPTICO
RECONSTITUATE
O Tnico
mais tnergico que devem
em pregar os Convalescentes,
M peisoai idsas,
ts MuUtti*e, as Critnfis dbil
e ti Pessas
tracas de Constituico.

COM QUINA
SUMO DE CARNE
PH0SPHAT0d.CAL|
Compoato
com Substancias necessriat
e indiipemaveis na
formacao e no dasenvolvlmento \
d Carne
muscular e do Systemas
nemios e ossosos.
OVINHO DK VIAL e a Associco feliz dos Medicamentos mals activos, para combatir a Anemia,
a Chlorose, a Tislca, a Dyspepsl, as Gastralgias ou Gastrttas, a Dlarrhoa atnica, a Idade critica, a I
Frouildao ceral, as longas Cx>nylescencias. etc. Em urna palavra, todos Aquellas eatados de Lan-
fldei. deEmmagrectmento, de Essotame
fatalmente predls[>ostos. fin Lyoity
otameno nsrrso, aos
trnuuHa
quaes os temperamentos de hjeesto
J. VIAL, ra de ICurbou, t*.
tm Ficrnamhtmm t imrit Da an,A Q"
m HiriKtu Hwnhw.
*
&
MEDALHA DE BONMA
DIPLOMA DE JKWJM1
0 OLEO CHEVBIER
infectado peto Alcatrlo,
tonco e O'iim ce, o ql multo
MugmtntM tf proprlfdadt do
m
0 OLM de FIGADO
DE UCUAO FERRUGINOSO
4 i ufli'- cr*P3ri;lc jue pkVmttU
#Jmir>i$tfmr c Ferro um pro-
dufr Prieio de Ventre, nm
Incommodo.
nsito gmx m pas
31, na it Faui--loLimartrc, 21
BRANCO LOIRO
E FERRUGINOSO)
CHmm
OrJ~ d. I-**
KECEIT4.DO TOH TOBAS AS
Oelobrldados KeAieas|
DA FHANC EDA BL'R 0P<
BtS
OiESTWS DO PEITO,
affecqOes escrofulosas
CHLOROSiS,
ANEMIA, DEBILIDADE,
TSICA PULMONAR,
BONCHITES, RACMITISMO
Vinho de Coca
IJCKSC1ADOS PKLA INSPBGTOlUa DB HT01KSE DO IMPERIO DO BRAZIL.

ICINDICO E 8IN0 8 E BRONZI
l>E
LUIZ M CRUZ MESQU1TA
615na do Baro do TriTimphoff6
reirj para vender o seguate :
achinas de cobre para fuer espirito de destillar e restlar.
Alamblqaes de cobre ao anbgo e noro'systeina com esquente gp.rapa. i
Serpentinas de cobre e de estanbo.
Carapnca de cobre.
Taixas, taixos caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e contnsaa.
Torne I ras de bronae e madeira de todos os tamanhos.
Cno de cobre, de ebumbo e de ferr.
Repartldclras.pftssadeiras e esctuoftdeiras de cobre e de ferro stanhe
Cobre em lencel e rmelas
ftola inglesa e do Rio.
Cadlnhos patate e de lapis.
nlans de 1 libra ot 110 arrobas.
muitos ostros objeotos.
ENCABREOAM-SE ie qualquer concert e obras de encommenda, gartt
|4 presteza, perfeicio e precos mdicos, para o que tem nessoal habilitado.
VESiDE oraio oa dinheiro com descont.
Loja das Tres Portas
JTOTO AO XiOUYEE
Zephyr de ramagem a 5U0 rs. o covadoj Fich de 13 a 1(5500 um.
Merinos de duas larguras a 440 rs. o dito. Renda hespanhola, a 20000 o corado
Espartilhos finos com um toque, de 12(5
Etamine lisos a 500 rs. o dito
Setim do Japao a 240 rs o dito.
Crep de 1S para vestido a 240 rs.
dito.
Chachemiras de listra, duas larguras, de
2^000 por 10200 o dito.
Cortinados bordados a 60000 o par.
Ritos cortes de zephyr bordados a 140000.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Eaguiao pardo a 360 e 400 rs. o dito.
Oasacos de Jersey a 60000 um.
Flanella branca, toda 1S, a 4' 0 rs.; ba-
rato.
Seda palha a 10000 o covado.
Cortinado de crochet para janella a 70000.
Cortes brancos bordados a 180000, o que
ha de Lindo.
Sahida de baile a 10000 e 10500.
Sargelins, a 20U rs. o covado
GuarnicJLo de crochet a 70000 urna.
Camisas de flanella a 20500, 30500 e
50000 urna.
Crep para coberta a 600 rs. o covado.
Madapolao americano a 60000 e 70000 a
pea*.
Cheviot preto a 20500 o covado.
Atoalhado de cor a 10500 o dito.
Panno da Costa a 10000 e 10200 o dito.
Bramante de linho a 10600 o metro.
Toalhas para banho a 10500 e 10800.
por 50000.
Pecas de esguiSo de algodSo a 30500.
Camisas allemles a 360000 a duzia.
Flanella ingleza azul para palitot a 40500
o covado.
Atoalhado bordado a 10200 metros.
Fustao branco a 360 rs. o covado.
Lindos cortes de metins a 80000.
Capcllas e veo para noiva a 70000, 80000
100000 e 120000.
Cortes de fustao para collete.
Co-tes de seda pata collete.
Crotones claros e oscuros a 240, 280, 320
e 360 rs. o covado.
Cambraia branca bordada a 40000, 50000
e 60000 b peca.
Cambraia com salpicos de cores a 40000 a
.peca.
Alpaoas lavradaa a 500 rs. o covado.
La Amazonas a 400 rs. o dito.
rencos com barra a 10200 a duzia.
Oambraia Victoria a 20800 a peca.
Zephvrlde listra, o que ha de' mais fino,
a 400 rs. o covado,
Renda da Austria a 300 o dito.
Leques transparentes a 20500 um.
Setineta branca e de cor.
Brim pardo a 280, 400 e 500 rs. o covado.
Alpaca preta a 300 re. o dito.
Velbutina preta a 700 re. o dito.
Extractos de diversos fabricantes.
Bices lisos e matisados.
Baleias pretas a 240 rs. a duzia.
Ka leridanos com perfumaras.
Luvas de seda a 20000 e 20500.
Regatas de cores a 20000.
aNro-vxo^jaKS
Fitas de todas cores e largaras.
Bordados e entremeios.
Baleias forradas a 500 rs. a duzia.
(Jaixas com perfumaras.
Porta dedal a 600 rs. um.
Plastrn de cores a 10500.
ESPECIALIDADES
Palitots de esguiSo pardo a 40500 um.
PalitotB de alpaca preta a 40500.
Palitots de alpaca de cor a 40500.
Guarda p para senhora 100000.
Guarda-p para horneas 60000.
Palitots de seda palha a 80000.
Roupas para banhos salgados
Roapa para homens a 80000. I lloupas para senhora a 100000.
Ditas para meninos a 50000. | Boleas para o mesmo fim
CASA DE CONFIANCA
20Ra l.deMarQo20

AMARA L & C.
too
Myrtol do Dr Linarix
. Lmarmado pata sTmevMada d* Medicina dt Pirim.
O Myrtol Linarix apresenta-se sobre a forma de Glbulos empregados com
o maior successo contra as
CHRONICAS DO PEITO
DeiluxoB, Bronchites, Catarro, Asma, com oppress&o e PalpitacSea.
Os GLBULOS de MYRTOL LINARIX tamao-se na dose de 6 por da :
3 pela manha, 2 ao meio dia, 2 noute.
Todas as peuoat que tomao os VERDADEIRCS GLBULOS DO
D LINARIX sao unnimes en reconhecer que reipirao maio fcilmente.
Exija-te o Verdadeiros Glbulos IJnarix de CU C", de PAHB
- que te encontro nat drogara* e as phormocta*.
ASTHMA A CATARRHO
fliuircctrtft- Vntms Defluacos Nevralgtas
*^, ICIHCIAD09 MXJl. IKrePTOlA^)HTll ua^e a funaaca que penetra no pelto, acalma o systema nervoso,
i a expectoradlo e favorlsa as funecoes dos orgSos respiratorios.
, a eSPIO, CO, PUS Sl-Lazare, em Parta. Bxija-*t ata astign?""
hmnntmmtm FRAJICct M. d SU.VA k C*. aw tsa^gim snasau i ubu-

GRAGEAS
ajnjjla. cubib*
Ferr, tu mente \
TerememtUlmm, V
#V^
rORTLN
INJECQA0
FORTN, forjo aa priaielras qoa obtiraraa a
i (ISW) que meffSsWtm m aoa Heapitaa. Cnriri a* mol
i raiaeUaa aam faUgar oa aatomagaa tala *aUowlea
i. IMJaXX?Ao FORTN aampr. raeoauaaadaai
Lnantaki
*f*i*:&a
aaWiiia.iiMi ir IB
aSwaa ai
I Vi
Ja nao ha Repugnancia
fMA Tnwaa o
i0 oe P0TASSI0
-
**sw as Lr-Ji.i. vi>ONI com Ohocoiatd
tinte' i- ".L'riaa de enbor gnu, .itU eeto ngoroeamenU
25 Milgrana de S! (Osa coima)
-
liC
fti IMV1I
",:!' 'l.RAi. .. 'CiS ON, PHAHMktiSJT>o
- VourtsvvoUs, 'i. em AHKMWth jt.to o aPeria.
s -.-; Cortas %i princiset* P fjtirir_o.crl6ia.
aa^reVaP**a* W*V I mm l*VNJavajaaaya^r4>NFWN^VaSBVya*J

Pl
c Mor ose. Anemia, Catnarro pulmonar, Bronchite chronica,
Ptharro da Bexigi. Phtisica, Tosse conousa, Dyspepsia, Palidez~.
eraas semtaes, Catharros antigos e complicados, eti
cnlavard Deoaln. 4. en* *?ARZ, o na prtsntraas lmrawW/.
!

-':
Cpmpleto sortimento de chapeos, capotaB e gorros de fantasa em todas a*
qualidades.
Fitas, rendas e bico de'eeda e algodlo de todas as corea.
Flores, plumas, paseares, aJsrltes e bljouteries para enfeites.
Chapeos d eiiro e castor, os mais modernos, para homens e meninos.
Recebe por todos os vapores as primeiras novidades de artigos de sea
g aneroide negocio.
Raphael Dias k C*
2 Ra do Baro da Victoria 2

Utmtitt ptie uteemm ee Hrfi*** f-ato.
CAPSULAS de SNDALO CITRIN:
MOLESTIAS BC
te em ee tamtaeei Capsulas wUvertmtmenlm tmwkWswmewmmtem eme
Cm smlxm looni tmtnecni romplrus oib aimto)gurm pnlments drtn> d. ana
mTAWH. rt. Sr <~. em LIVERPOOL. aTF*a, IWHM W.
ara LOWDRBS
..'

OsGRANULOS
ANTIMONIO-
oDPAPILLAUD
aenttituam o Vreparado farraginoao
maw effloez emprendo pelu lummididn medioea.oom xito ha mi< de
SO AKNOB _
Contra a Anemia, Chloroee rMUes coulturs), Xevral0iat, Affecees ** reXSe.
MLATORIO FAVORAVCL POR PARTE O* xCADEMIA DB MEDICINA DB PARU
UUt-m tobn ai A-aa o orne dt B. Memenitr M~ IttpillaneT.
DsrorK>aeBAL:I*lXeSsa*^xJ>ol*a, CM<-VC>IaV7, raa Coq-Hro, PAJUZ
Em PernamHce : FRAH- M. da SILTA a C_________________
VERDADEIROS GnAOSqtS AUDE ooEFRANC
UCENCIADOS PELA INSPECTORA GERAL DK HTORKB DO IMPERIO DO BRAS5.
Aperlenloe, Estomachicoa, Purgativo, Depurativo __
'Cintra a Taita de appeUte, a Obatruccao, a Eniaqueca, as Vertlee**
* as Cont-catSea, etc. Dose ordinaria : 4. d 5 gritos.
2 Desconfiar as lais'.r:-aco.:.<. Ksigir o rotulo imito imprimido em rrancas
*s,.9S o Sello da Uoih dos Fabricantes.
- tat m i Tletitm rurmiele.
cada urna letra de urna cvr difl'erente e
Im VAZiZZ, Pharmacia X.BOT.
^,000 Doeat^
nnM*
FLUX0S, TOSSC, INSOMNIA,]
CRISES NERVOSAS
raui
XAROPE DO D" FORGET
^Em tod pa*iIm Uimute^
Exlla-e O endareoo
36
* Viv.e^
CHABLE
De'"
*^ corad.*
3N0RBHEA, FLORES BRANCAS^
PERDAS SEMINAES,
| DEBILIDADE, ESGOT A MENTO.stc.
rBLO
UlTBATO de FERRO CHAB1I
im todit u bou Ptitrmtottt
Exila-se o eadaraoo
a lado.
M








8
DI:
ano
le
QaTfeira 14

4
ftepwi Tnese. 4rporatiTo
Approvado lili, JllMtrad Jantft de
Erglene PcMle" la Corti.
Auctorisado por Decreto Imperial
de 20 de Junho de 1883.
COMPOSI9O
de
Firmino Candido de Figueiredo.
.:-
-
\
i
4
->

4
4
4
4
-
4
4
:;
i
4
4
4
-:
4
-:
-:
4
4
4
4
4
4
4
4
4
4
4
4
Empregado com a maior eficacia no
rhtumatismo de qualquer natureza,
em todas as molestias da pelU, as
leucorreas ou flores brancas, nos
soffrimeutosoccasionadospela impureza
do sangue, e finalmente as differentes
formas da syphilis.
. s- l't-
Dse Nos pnmeiros seis das urna
colher das de cha pela manha e outra
noite, puramente ou diluida em agua
e em seguida mudar-se-ha para colhe-
res das de sopa para os adultos e roc-
tade para as crianzas.
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor- ij-
duroso; devem usar dos banhos frios ou |
momos, segundo o estado da molestia.
DEPOSITO CSNTSA1
Francisco Manoel da Silva & C.
Droguistas
23 Ra Mrquez de Olinda
Pemambuco
En rommadeira
Precisase de urna engornmatira que saiba
trabaihar com perfeico a tratar no Espinheiro
n. 8 ra de Santo Elias, ou na Associacao da
Pralicasrtm. __.
Para engenhos
Lopes & Araujo, venden
a presos sem competencia
garantindo a boa qualidade.
os artigos abaixo mencio-
nados.
Gal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carrapato.
Dito de peixe.
Pixe em latas.
Kerosene inexplosivel.
f Polassia da Russia em cacas
de 10 e 25 kilos.
Cimento Porttand.
Graxa em bexigas.
Ra do Livramento u. 58
Telephone 316
Especialidades
Farello superior, 42 kilos
3*500 o aacco
Vende se no largo do Corpo Santo n. 6.
Gosinheira
Precisd-se de urna cosmheira : na rua^Velha
numero 137. -^'
16$0QQr
Alugase a casa r*. 4 da travessa do Freitas,
antiga do Tandate, em S. Jos, com a salas, 2
quartos, cosinha, quintal, 1 sotlo, cacimba : a
chave acba se junto n. e trata se na ra da
Guia n. 62.
triada
Precisa-se de urna criada matriculada, que
saiba comprar e c sinhar bem ; a tratar na ;ua
Duqie de Caxias n.51, z andar.___________
Para a festa
Cbegou urna remessa do excellerte vinhc
Mourisea, urna espe;ialidade e contina a ven
der-se por 8*500 o ?arrafao de tres caadas
voi:ando oeasco 7*000 ; no armazem da ra d(
Amorim n. 60.
VENDAS
^Vende se o antigo e bem acreditado esta
belecimento de calcados nadonaes da ra do
Livramento n. 11 que foi do tinado Pocas, o
3ual se torna recommendado pela boa localida-
e em que est ; a tratar no mesmo.
Vende -se urna vac-a tourina com cria e
urna garrota ; na estrada do Monteiro n. 45,
lampeao 38 W._________________________
Nora remessa ,
too r*. o covado
Merino de cores, doas larguras. 15 pura, a 404
rs. o covado ; rna do Crospo n. 21.
Oliveira Campos & C.__________
Pao centeio
Mello & Biset tendo recebido nova remessa de
farinba centeio, avisa aos seus freguezes que
continuam a fabricar este delicioso pao centeio
todas as tercas e sextas-feiras ; na ra larga do
Rosario n. 40.
Silhoes inglezes para mon-
tara
Vendem se dous silbes em bom estado, quasi
novos e por p eco commodo: na ra Nova nu-
mero 13.
rOLHETIM
a sm
EPILOGO
a ::::::- s o ::::::::::
(Continuado do n. 8)
O nnnt'l de ouro
Proucurou-o durante muito tempo, at
ao dia em que um dos companheiros de
Adolpbo lhe enttegou urna carta, concebi-
da nestes termos ;
Aquelle que tu amaste, Jernora, mi-
nlia muito amada, o teu amante, o ten fi-
lho, nao existem j no momento em que
tu les estas linhas, escriptas com o meu
sangue. O fructo dos nossos amores re-
pousa sob um matagal deserto. Adolpho
est ferido mortalmente... i
Seria verdadade ?
Adolpho teria roubado o seu filho
amante que abandonara sobre urna praia
inhspita ?
Ou entilo os acasos da guerra martima
tinham sido realmente funestos ao baleei-
ro que se havia tornado corsario, e'aofi-
lhe de Jernora?
Os pormenores desta historia ficaram
sempre envoltoa em profundas trevas.
Aa lagrimas, do mesmo modo que os
nevoeiros.. nao deizam ver nada.
A desventurada pescadora era j repel-
lida por todos os habitantes da parochia.
O seu amor era o seu crime, o seu cri-
me e a sua desgraca.
Neste tempo era j vagabunda e men-
dicante.
Cantava entSo.
c O meu leite tinha-te amamentado, fi-
lho mais louro do que o sol da Islandia !
< Porque razio se seccou o meu seio ?
c E o mar immenso.
< O mar sem limites ruge furiosamente.
as Listras zoes
A Grande Novidade
PARA MODISTA
IIAXE *l I\* AMERICANOS
Com molas para augmentar ou diminuir a
grussura do corpo. ...-'
Qualquer senhora^egra ou gorda pode fa-
zer seus vertidos sem necessidade de
provac
Fecha-se como qualquer chapeo de sol.
Mosquiteiros Americanos
Com armaco de differentes tamanhos.
HtfOOOt lt*OOQ
Estantes para Msica
Para amadores ou profissionaes ; fechase e
fica de tamanho de urna flauta ; muito
fcil para conduccao.
Preco S#OOQ______
Ceuloid
Colarinhos Peitos e Punhos
Lindos modelos, muito til aos viajantes
Preco SOOO um temo
Relogios Espertadores
om movimento, e figuras muito lindas para
mesas ou para presentes a 65000, 85000,
105000-_______________________
Oleados para Mesas
Quadrados ou de qualquer tamanho que
se deseje.
A 4*500 cada quadrado
Retratos a Oleo
Com lindas molduras em alto relevo, o que
ha de mais lindo para um presente e
para sala de visitas.
a 5 Qualquer familia que desejar ter um lin-
do e perfeito retrato bastante mandar
um retrato em cartSo de visita nao im-
porta que seja antigo, basta dizer a cor
dos olhos e do cabello para chegar um
retrato dse jado.
Para ver, e fazer encomxnendas
Dirija-se Loja das Listas Azues
RA DUQUE DE CAXIAS 61
Leite puro
Na estrada de Joo Remandes Vieira, sitio lo
go depois das casas novas da direita, vende-s-
todos os das leite puro de vaccas tourinas t d
erra, garante-se a qualidade do leite.
Attencao
Na engenhoca de Bemflca, ra Real da Torre
n. 21, vende-se farinba de nsho de todas as
qualidndes, desde a mais fina mais gro3sa,
para todos os misteres deste precioso, snceulen
to e substancial cereal, sendo pelos mesmos
precos dos mais moinhos ; a tratar na mesma
E, no emtanto, a branca Jernora
guardava o mais bello dos filhos da Islan-
dia. ..
c Porque razo se seccou o meu seio ?...
E a desventurada accrescentava, solu-
cando :
o O filho que foi nutrido com o meu
leite, dorme sob a trra.
O infortunio mais hbil do que o tem-
po em embranquecer os cabellos, em sul:
car a fronte de rugas.
A formosa Jernora, Jernora, a loura na-
morada, foi d'alli a pouco esquecida pelos
mocos...
Mas desde Reikiavik at Skaholt, des-
de Reifiord at ao monte Krabla, quem
haveria que nao conhecesse, ao menos de
reputado, Jernora, a vagabunda, Jernora,
a inspirada, a maldita, a feiticeira, Jerno
ra, a sybilla ?...
Por nico bem, a mendicante guardava
no seu coracio a cruel recordaco dos
'seus amores de virgem e de mai; no sen
espirito o dom da poesa ; no seu dedo
um annel de ouro.
iluitos annos se haviam passada assim.
A desgraciada corra montes e valles,
repellida de tins, temida de outros, sup-
portando todos os horrores da fome e do
fro.
as noites mais geladas do invern,
quando o vento bata furiosamente as cryp-
tas das penedias, tinham-n'a visto sentada
sobre urna pedra, indifferente ao desen-
cadear furioso dos elementos e da chuva,
que a ensopa va at aos ossos.
Outras vezes, ao rpido clarb de um
relmpago, tinham-n'a visto debrucada bo-
bre um abysmo, fitandoo como se qui-
zesBe arrancar-lhe um segredo.
Aqnelle pobre coracao dilacerado pela
amargura nao palpitara j, e a razao obs-
curecera-se-lhe.
Urnas vezes fugia dos povoados e vivia
as brenhas:
Ninguem sabia de que ella se sustenta-
va.
Chegaram a suppdl-a morta; tSo longas
eram as ausencias.
Mas um dia reapparecia esfomeada, com
os trapos que a cobram mais despedaca-
dos ; com a fronte sulcada por novas e
mais profundas rugas.
100 rs.
60O0
1JO0O
lOOO
PASTILHAS "HMpilCAS PARA
AC' ENDER OtOGO, supprimin-
do o immundo kerosene e dan-
do n'um instante um fogo inten-
so, a caixa cora 20 pastilbas
OLEOGRAPHIAS : Io. A importan-
te obra prima de Vctor Heirel-
les : A Priaeira Missa no Bra-
zil, grande quadro histrico da
descoberta du Brasil, medindo99
X 76 centimetro de valor real de
15< (poneos exemplares)
2o SCENAS DE CORRIDAS, qua-
dros de cavallos admiravelmente
desenliados e proprios para sa-
las, 26 differentes, um
3o RETRATO DE SADI-CARNOT,
presidente da repblica franee-
za, o melhor anda publicado
CAMISAS DE FLANELLA para ho-
mens, urna de 2 a 5J000
PERFUMARAS, artigos para presentes. Quadros
e albuns para retratos. Carteiras para cigar-
ros e charutos. Cigarreiras e cbaruteirag de
mbar e espuma Verdadeiros. Bengalas. Pa-
Selaria. Lencos de linbo a 43O0 a duzia.
ias. Espartilbos. Leques. Bonecas e brin-
qoedos diversos. Fitas. Bordados. Luvas de
seda pretas e de cores e outros muitos artigos
de miudezas.
ait barato ao qae em ouira qual-
quer parte
NA
Rainha das Flores
Ra do Bario da Victoria a. 41
Farello superior 42 kilos
2#30O o sacco
Vende-se no largo do Mercado n. 12^____
Alfafa nova
ebegada directamente, a 120 rs. o kilo, ou 6*000
o fardo ; vende se no largo do Corpo Santo nu-
mero 6.
Milita atieso
No Moinho Vermclho da engenhoca de Bemflca
rna Real daTorre n. 21, ha montado um moinho
dqs-BKis aprfeicoados que permitte moer todo
e qualquer ceieal, como milho, trigo, arroz,
feijo, et:., reduzindo-o mais fina flor da fari
nha ou mais grossa, vontade dos consumido
rea. Rccummenda mui especialmente a sna
farinba de milho, cereal ntilissimo para a in-
fancia easpe3soas debilitada i, anmicas, ou
cuja digesto diicil e que se presta a tantos
misteres da arte culinaria, taes :omo: pao,
sopa, papa, pudim, bolos de toda a especie, can-
gi;a, cuses, angi, mungus, etc., etc. ; com
essa farinha que se prepara vontade, desde a
mais fina mais grossa, com inexcedivel cui-
dado e limpeza, as preparacOes culinarias tao
apreciadas entre nos, como a cangica por exem-
po, qne tanto trabalbo necessita, azem se com
a farinha n. 1 em alguns instantes.
No mesmo Moinho Vermelho vende-se,alm das
demas farinbas, farinha e pos de arroz, farinba
de ervilha8 seccas, farello proprio para animaes.
Moe-se por conta albeia. por prego razoavel,
tola e qualquer especie de grao, /ontade.
Compra se nibo branco por preco superior,
como trigo, tanto quanto appareca.
Todo o genero sabido do Moinho Vermelho ga-
rantido puris8lmo e confeccionado com grao c e
primeira qualidade.
AGENTE E DEPOSITARIO G2RAL
G. Laporte
Ba Bariio da Victoria41
Superior vinho de A.1-
cobae,a
0 acreditado e antigo armazem do Lima par-
ticipa ao publico e aos seus freguezes que acaba
de receber urna nova remessa deste especia'
vinho, escolhido propriamente pelo chefe desta
casa, tornando-se recommendado por ser pnre
e de boa qualidade. Jos Fernandes Lima 4 C.
ra Baro da Victoria numero 3, Telephone323
WlfSET
Roya! Blend marca VJADo
Este excellente Whisky Escocea pro
ferivel ao cognac ou agurdente de cana
para fortificar o corno.
Vende-se "a retalho nos melhores arma
zens de mol hados.
Pede Royal Blend marca Viado
cujo nome e emblema sao registrados pan
todo Brazil.
BROWNS A C, agentes.
Kiosque
Vende se o grande kiosque bem afreguezado
confronte a escola modello, o motivo se dir ao
comprador -faz se toda concessao ao pretenden-
te ; a tratar com Silva Azevedo & C, ra Mr-
quez do Herval n. 73 ou no mesmo.
EntSo aceitara a ponsada que lhe oie-
reeiam.
Deixava-se conduzir como se fra urna
crianca, vestiam-n'a, e a desventurada nem
sequer proferia urna palavra.'
Dias depois fugia.
Voltava aos rochados, e por mais de
urna vez os habitantes de Reykiavik a ti-
nham ouvido recitar em tom prophetico al-
jruinas sagas da sua patria.
Nos momentos de maior exaltacao, re-
peta com phrenesi :
< Os caes uivam as cavernas.
< As cadeias estilo despedazadas !
Os lobos vagueiam em liberdade !
a A prophetisa nSo diz tudo quanto sa-
be ; o maior dos seus segredos nSo o re-
velar nunca.
V de longe o. declinar do imperio
celeste ; assiste impassivel queda dos
deuses I
c Os irmSos combatem os irmaos; os
pais os filhos !
c Por toda a parte morte, sangue, assas-
sinio, traicSo !
a Os filhos despedacam os pais !
t A f do casamento violada!
c Os escudos estao reduzidos a p !
c E' o tempo dos lobas, o tempo das
fras e das tempestades. Emquanto o
mundo nao desafiar, os homens nao se
ponparSo uns 'aos outros.
f Todos os lacas se despedacam !
c O mar transborda.
c As serpentes engrossam enraleci-
das.
c O abymos das aguas entreabre-se.
< Os rtchedos fendem-se.
t O co despedaca-se.
c Os homens dirgem-se para o caminho
da morte.
- As estrellas mais brabantes desappa-
receram do firmamento.
Nuvens de fumo envolvem as arvo-
res.
Devoradoras chammas sobem at ao
r~ .inepto,
sol obscurece-se.
t A torca desapparece no bysmo.
>.& seguiam se contoisoes horriveis ;
'.'.ios da desgra;adr., injectados de saa-
^ c, paiecam querer saltar-lhe das rbi-
ta-.
O brayo* agitavam-ao !he coflvtilsiva-
Aom. ;i.o.aeato3, Jernora parocia urna
A LOJA MAIS BAMTSffil
PARIZ NAMERIC^
AZEVEDO, IRMaO & C.
16Ra do B. da Victoria16
200 Telephone200
Tendo recebido directamente da Euro;
grande sortimento de fazendas e modas -
que ha de mais novo e preyos sem c
petencia.
A saber ;
Capas de surab, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de 15 e 11 seda.
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 1)9000 e 1#2CG
Crnoline preta e branca a 400.
Sargelim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 10500, com 1(
palmos.
Toalhas para banho a 15000 e 1450G
Chachemiras com 2 larguras a 800 rt
Ditas de l e seda 2 larguras a 100C
MadapolSo trancado a 9)5000 a peca.
Dito globo a 70000 a dita
Dito camiseiro a 70000.
Fichs de 11 e seda 10000.
Brins de linho cdies fixes a 600.
Espartilhos courasa a 40000 e 50001
Colchas de fustSo a 20000 e 30000.
Capellaa para noiva com veo bordado
6000.
Toalhas de cores para rosto.
Rendas, comprmento de saia a l56t"
Renda de 12, preta,. para juaresma.
Pao verde para bilhar.
^Tapetes para sof a 130000.
A verdadeira es'teira para forro do sai-
a 10000.
Camisas de flanella a 50000.
Cortinados de crochet para cama >
100000.
Chitas de cores a 200 rs.
Crotones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de odres a 800 e 10000.
Extracto Rita Sangal a 20000.
Velbutna de quadro a 800 e 10900.
.Gruarnicoes, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes.
Rendas hespanhola a 40000.
Capachos de c6co.
Luvas de seda a 20000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep nglez para enfeite"
Grande sortimento de chapeos de so:
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de collecte de seda.
Dito de fus tao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200__________
Codito
Ra da Iinperatriz n. 56
Grande eatabeleclmento de moda
e fa*enda Anas
Completo sortimento de fazendas em tecidos
de novidade e escrupulosa escolha que recebeu
directamente da Europa. Variadissimo sorti
ment em fazendas pretas, merinos, cachemiras
lisas e lavradas, etani'es de seda, domares,
chamalotes, capas e visitas, especialidade neste
genero, em seda, gase e cachemira, ricamente
confeccionadas, mantas e mantilhas de renda,
etc., etc., leques e lavas. Especialidades em
fazendas brancas, brandantes de linho puro e
algodao e linho, morim, grande variedade de
narcas especiaes, s enesntradana loja Coelho.
Telephone489
Domingo Coelho d Soares
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Ilarral
Os proprietarios do Armazem Central, ru;
do Cabug n. 11, avisara aos seus distinctos fre
gtezes e ao respeitavel publico que receberam
nova remessa deste especial vinho, o qual sf
recommenda por ser puro da uva, e s se reta-
Iba em seu armazem.
Joaquina ChristovSo & C.
Telephone 447
das terriveis furias tao decantadas pela
mythologia. .
A' exaltaclo segua se o entorpecimento
e a pobre mendicante cahia por trra co-
mo morta, e assim permaneca longas ho-
ras.
Havia muitos annos que durava aquella
miseravel existencia.
A sua historia pouco conhecida era um
drama terrivel em que a desventurada
perder o ultimo lampejo de razao.
Belleza, mocidade, sorriso, amor, tedo
desapparecera d'aquelle coracao ulcerado.
Do seu passado esplendor, dos felizes
tempos de outr'ora restava-lhe apenas um
annel de ouro.
Predlccoe*
Quando se approxmava o invern,
tres navios de guerra francezes estavam
ancorados na bahia de Reykiavik.
A Alerte, a E'claireur e a Rencontre.
Muito admiradas ficavam Elnora, Chris-
tiana Karen e Dorth, as graciosas filhas
do doutor Zelaus, quando viram nos bra-
cos de um esposo, que nao era o brilhante
visconde d Glaville, a moreno Edith, ou-
tr'ora condessa de Frzres, actualmente
a senhora do Kervar.
Era entao a Yvon de Kervor e nSo a
Joao Bredette que amava a fada do ieio
Da, a peregrina dos mares de gelo, a vi-
va e desenvolta amazona de que nao ha-
viam admirado a ousadia e a temerdade,
Juando, pela primeira vez, havia aportado
Islandia. .
Mas muito mais admiradas ficaram ain-
a as louras filhas de Disen, quando lhe
mostraram o desposado de Herminia,Gus-
tavo de Orneuil..
NSo viam apoiada no seu braco aquella
que se havia expatriado para ir em sua
procura nos gelados desertes do Norte.
Urna senhora desconhecida, mais fresca
e loura do que a rosa da primavera, mais
formosa pela sua felicdade, radiante de
amor, oceupava o lugar de Herminia.
Mas Herminia, paluda como um lyrio,
mais triste, talvez, do que antes da cam-
panha na Groenlandia, Herminia reoor-
dou-lhe estas palavras de Jernora, a sy-
billa :
c Tu esperas pela hora, formosa vir-
gem, a hora nao soar nunca.
A
Fitas lavradas com um palmo de largn
ra a 20000 o metro.
Papel de arroz de todas as cores.
Chapelinas modernas a 50000.
Rendas hespanholas de todas as c5res
pretas com e sem vidrilhos.
Lindas guanicSes de vidrilhos pretos para
casaco.
Grande sortimento de galSes, palmas e
rozas de vidrlho preto.
Bicos matisados de urna s cor como se-
am, granad, azul, rosa, beije, palha, chum-
oo, salmn, terracote e mui tas outras cores.
Sabonetes perfumados a 500 rs. a du
Lindos desenhos para talagarca.
Lencos de seda a 500 rs.
Bicos de seda e de algodSo com e sem
vidrlho. (
Mantilhas de seda e de algodao.
Franjas de seda com e sem vidrlho.
Renda hespanhola.
Collarinhos para homem a 30000 e 4000
a duzia.
Bordados de cambraia tapada a 400 50C
600 e 800rs.gapeca.
dem com 3 e 1]2 metros, de qualquer
argura a 10200.
Lencos de linho em caixinhas a 30OGC a
dita.
Meias para homem, duzia a 40000.
dem para senhora, duzia a 40000.
Finas pulseiras americanas a 40, tn~ e
_ .8j5OO.>|>rV
Cortinados todos de crochet para cama a
120000, 170000 e 190000 o par, algsiis
de cores.
Ditos para janellas a 70000.
Pannos de crochet para cadeiras a 800 e
10000.
Ditos para sof a 20000.
Capellas com veo para noiva a 60000 e
Lindos enxovaes baptisados a 80 100 e
120000.
Toncas de setim para baptisado a 30, 40 e
50000.
Grnaldas e ramos de seda, o que ha de
melhor.
Lindas fitas n. 12 para chapeos.
Luvas de seda, cano comprid6 a 20 apar
Ditas de seda para creanca a 10000.
Dita para moca a 10500 o par.
Espartilhos para creanca a 40 e 40500.
Ditos para senhora a 40, 40500, 50000 e
60000.
Linna de machina a 60 rs. o carritel.
Linha de machina a 600 rs. a duzia.
Albuns de pellucia de diversas cores.
Livros de missa a 10500, 20000, 205O
30000, e 30000 cada um.
Lindas luvas de seda com salpicos e co
listas, gosto moderno, a 20500 o paz.
Toalhas para banho a 10300.
Toalhas para rosto a 300.
Tolhas para mo a 160 rs.
Babadores com inscrcoes e paizagem a
500 rs. e 400000 a duzia.
Espelhos grandes com mulduras finas e
cantos redondos a 40000 e a 60000 urna
Bengalas flauta.
Grande sortimento de luvas de seda arren-
dada, com palmas canno comprido a
10500, 20000 a 20500.
Ba Duque de Caxias n. 103
Azulejos
Coa lindissimas cores e desenhos variadiss,
mo?, encontra* se para vender um grande sorti
ment deste artigo, proprio para frentes de
casas, corredore, cosiohas e banheiro3, por
oreos sem comnetencia ; na ra Visconde df
Goyanna n. 45.
Pechincha
IOO r m ocovaUo
Las de cores, quadros de seda, lindos pairoee,
fazenda de U400 a 400 rs. o covado, aproveitem
a pechincha ; ra do Crespo n. 21.
________Oliveira Campos & C_________
Attencao
Vende se um hotel muito bem localisado e
afreguezado; o motivo seu proprietario se
achar doente e os mdicos aconselharem que se
retire para o sertao; para informacao ra
larga do Rosario n. 16.
Jernora era bella como tu! O vime
menos flexivel do que era a branca Jer-
nora !
< O teu amado! E' a mim que tu o
perguntas ?
e Tu encontrars o teu amado, mas o
teu coracio, paluda adolescente, ser cal-
cinado pela dOr!
c Faz-te sombra urna flor de amor!
Essa flor est presa ao teu corpete de vel
ludo bordado, tem um suave perfume I
Aquelle que lb.es contou na lingua pom-
posa de Virgilio as peripecias e o fim da
campanha, esse estava triste tambem, mas
por entre a sua melancola scintillava urna
esperanca, como urna estrella em co es-
curo e carregado.
Edith tinha interessado Kervor, Gusta-
vo e Gabriella, pelo amor discreto de Pe
-rus Castellot.
Ae filhas de Disen encheram a irma de
Gustavo de Orneuil de ternas meiguices,
carinhos e cuidados.
Edith havia lhes confiado o segredo de
Petrus.
Em Be llegar de, na igreja episcopal
da antiga Osterbygd, quando o sacerdote
abencoou a nossa dupla unilo, lhes disse
ella, direita e esquerda do altar nup-
cial choravam dous coraoSes dignos um do
outro. t
Entender-se-bao, disse Christiana.
Amar-se-hSo, murmuren Karen.
Unir-se-hao, continuou Dorth.
Quande formos vel-as aPariz, aceres-
centou a mais velha das quatro irmas, El-
nora, a formosa menina, cujo olhar era ve-
lado pelas Bas compridas pestaas, as la-
grimas de Herminia terSo seccado ; o amor
restituir-lhe ha as cores s lindas faces, e
6 sabio Petrus Castellot ter tambem urna
companhera.
Qual das quatro irmas foi a primeira
que tentou tillar em favor do amigo inti-
mo de Gustavo de Orneuil ?
Quem ousou dizer a Herminia que era
ternamente amada por um coracao tao des-
gracado como o seu!...
Quem teve essa audacia, quando nem
Gabriella, nem Gustavo, .nem a propra
Edith a haviam tido ainda ?
Dorth tinha apenas quioze annos, Ka-
ren era muito tmida, Christiana muito le-
viana.
Liquida^ao para acabar
Na Revoluto
roa Duque de Caxias a. 48
Por cstarmos no fim do anno, resolve-
mos vender por menos 50 por cento as
seguintes fazendas.
Etamines do cor a 300, 400 e 500 rs. oco- ,
vado.
Cachemira com toque de mofo com duas
larguras de 20 800, covado.
Zephir de quadros modernos a 120, e 160
e 200 o covado.
Lis de quadros modernas a 200 e 240 o
covado.
Crotones miudinhos a 200, 240, 280 e
320 o covado.
Cachimira modernas de quadros de 20000
por 10000 o covado.
Merinos lizos a 200 e 440 o covado.
Ricos cortes de cachemira bordados de 1S e
seda de 800 por 300 e 400.
Ditos bordados de lynon de 180000 por
100000.
Ditos de cretone com barra a 60000.
Ditos modernos de setineta a 70.
Las com listas de seda a 400 o covado.
Seda Japoneza a 200 e 240 o covado.
Bramante com quatro larguras a 10000 e
10200 o metro.
Algodao trancado para toalha a 10O.O o
metro.
Qort'nadgs bordados para cama a 60 o par
Ditos de crochet a~IujJ7~
Etaminestinas para vestido de 160a peca
por 100.
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
FustSo de cor para roupa de homem a 500
o covado.
EsguiO pardo e amarello para vestido a
360 o covado.
Velbutinas de listas e quadros a 800 o
covado, para acabar.
Setins chamarlotado de todas as edres a
10500 o covado.
Bicos brancos e de cores a 10500 e 2)5000
a peca.
Le n5os brancos com barra a 15200, 15800
e 20000 a duzia.
Fechus de retroz a 10000 um.
Luvas de seda,todas as cores, para senho
raa 10000 10500 e 20000.
Espartilhos couraca a 40000, 55000 e 65
Cachenez para homem e senhora a 10500
um.
Costumes de Jersey para criancas de 4 a
5 annos a 70000 um.
Oasacos de Jersey para senhora, a 60
um.
Pannos de crochet para cadeiras a 500 rs.
um.
Lencol de bramante a 10600 um
Cobertas forradas para casal a 25500
urna.
Toalhas para crianca a 120 e 160 urna.
Cobertores brancos de l com pequeo de-
feito a 25000.
Lencos de linho a 25000, 35000 e 45000
a duzia.
Ceroulas francezas, a 15000, para acabar.
Colchas adamascadas, a 20000, 35000,
40000 e 50000 urna.
Ditas de crochet, a 40000, 55000, 65000,
75000 e 85000 um.
Cortes de cachemira a 35500, 45000, 55
e 65000 um.
Cortes de fustao para collete a 500 r3.
e 15000 um.
Ditos de velludo bordado a seda a 25000
um.
Camisas brancas de linho para homem a
25000 urna.
Ditas de meia. superior qualidade, a* 15
urna.
I^Brim branco de linho de 40000 por 20500
vara.
Mantilhetas pretas a 50 e 70 urna.
Renda hespanhola a 25 o covado.
Completo sortimento de cachemira de co-
res e pretas para costumes, presos sem
competencia, assim como aprompta-s 3 qual-
quer costme em 24 horas.
Sna Revoluta o
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA


Mas Elnora amava com todas as forcas
da sua alma ; era amada, soube encentrar
a linguagem precisa e um pretexto para
fallar da sua felicdade a Herminia.
Desde que a Rencontre estivera ancora-
da pela primeira vez em Reykiavik, as fi-
lhas de Zelaus nSo pensavam seno na sua
viagem Franca, a Pars, e o estudo da
lingua franceza era a occupacSo favorita
de teda a familia.
As confidencias attrahem as confiden-
cias, do mesmo modo que o imn attrahc
o ferro.
A demora foi curta.
O invern desda do polo, elevando a ca-
da passo urna barreira de gelos na estrada
a seguir.
Era forgoso fugir.
O duque de Bellegarde, Paulo III, tinha
pressa de chegar patria dos seus ante-
Na vespera da partida, Herminia sabia
como era amada por Petrus Castellot, o
irmSo pelo cora3o de Gustavo de Orneuil.
Elnora fazia-lh'o ver e comprehender.
Elnora fallava ainda, quando o capitSo
Tourmagne, actual commandante da Ren-
contre, entrn na grande sala de Disen.
Soube-se por elle que Joo Bredette,
priaioneiro a bordo do seu navio, tinha
conseguido evadir-se, a nado, segundo to-
das as apparencias e probabilidades.
Ainda bem exclamou Yvon de Ker-
vor, o seu vergonhoso processo teria pro-
vocado o escndalo ; gragas a essa deser-
go, ser-nos-ha fcil calar as fuest5es da
Renvmtre-
Durante muitos annos nunca mais se ou-
vio fallar de Joao Bredette, visconde de
Glaville.
III
>arraci'i
Todos aquelles que nasceram em Pars,
ou que l tm vivido algum tempo, tm
encostrado provavelmente entre as tres e .
quatro horas da tarde, no mercado de flo-
res da Magdalena, dous velhos de appa-
rencias muito differentes, mas quasi inse-
paraveis e a quem igual gosto pelos rarni-
lhetaa torna muito populares entre as ven-
dedoras daquelle mercado.
(Continuar-se-ha.) .
Tyo. do mano ra do Duque de caxias n. U
- '" f


*
\

-1
-
bM

i
V

1

I
. A
1

\ V


* 1 %yf

-.
ifcv

-

"I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELRFTNTI7_TOPGPM INGEST_TIME 2014-05-21T23:27:16Z PACKAGE AA00011611_17074
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES