Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17065


This item is only available as the following downloads:


Full Text



Aft.NO LXVI -- NflSIRO i
QAKTA-FEffiA 1 VE JANEIRO M 1890
DE
NAMBUGO.
Propriedade de Manee! Figueira de Faria efe Filhos

PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAP SE PAGA PORTE


Por tres meses adiatitados. ...
Por seis ditos idem......
Por um armo dem. .....
Cada numero avulso, do mesmo dia.
0*000
12,J0Q0

TELEGRAMMAS
S. PETERSBURGO, .00 de Dezembro.
Annuncia se que o Sr. Iswolsky a-raba
de ser no zeado ministro plenipotenciario
de S. 3Jt o ( zar jauto a o Vaticano.
S. S. o Papa mostrase satisfejio .con
esta nncreajo.
LISBOA, 31 de Dzeinl>ro.
;**


. '
I

-

.

-
An.nnn.cia so do "Porto qne satisfacto
rio o estado de eale da D. "Pedro de Al
cantara.
PARS, 3l.de Dezembn.
O Sr. -Conotans, ministro do in'.erior,
acaba de ser cleito senador pelo departa-
mento de Hatite-Garonne.
mesadas, caducar* a presente concesso. salvo
o caso de torga maior, deridamente provado
pirante o gorerno
7-'
Sero isentos de direitos e impastas nrovin
cites e municipacs, os edificios asy machinas e
materiaesnecoasarios a.cqnjtrucgo e,esplora-
cao da linha frrea principal" e "dos ramaes que

Os Srs. Ainede Priwie &_ G."
de Paris, sao os nossos .agentes ex-
clusivos de annuncios e phblica? *
cues na Franca e Inglaterra.
-
\


PARA DENTRO E FORA DO ESTADO
i

torem construidos.
8.
nario concedida
E ao concesji
j uros de 6 %, d
vilegio, -obre
ti vacuente Das
lado o preco
.:-.
31
igcuu* !-..-.-!S, filial em Pe.nambuco,
de Deze mbro de 1889.
tM-3
INSTRUCCO POPULAR
1 LinaSAWaA 2a*ZILEISA
NOS
TS VIPOS G0L0\IAKS
PuE
' itnrA Braslleira do ecnlo
:. 4' a rumi'to do XX
erssooo
nisTOEi<;o
V
Qi
lCj ttumagooj
! direcelo tomara nosse tempo a poesa ly
rica ? -Al^ans de seus adeptos, sobrotudo entre
03 poetas di Escola de Mnas, aliviando se um
ponen do iiylko e das com/usi^es melanchoiY
casque hn.iam subsitido o paopjrjrico, iospi-
ravdic se raais directamente da esplendida natu
reza que 03 cercara, forman lo um coro de en
thusiasino con a poesa pica verbo ubiimeda
ileia d i lber lade que co.uegava a irradi. r dep-
ile as margena do Mississipt al s pagas do
Atlntico.
i' a i das ligaras mais preeminentes deste pe-
riodo <' a de Ciaodio Manod da Cota, alara eu
ttrojiasllca e oahadora, sscrsfaudo versos de
i* dogura iaronte.-uvel, mas sentiodo vibrar
ajis formosa- anda, m-ii-* sublimes e armonio
sas as pulsa>;0 -s do c iraco. Dittinguia-s j pnn
cipalmeme pela correccao do estylo, purezi .:
elegaueia da forma ; njUado-n as suas com
posig.'s o gos o requintado da escola italiana
confundido com as tintas melanchOli'as das sau-
dades porluguezas.
Victima de urna p lisio desbragada, pode di-
ze: si; que seu espirito Proraethend s. atinen
tO traduzio as sais mpresses "om um estylo
petrarehiano, em formas raetasta-icas e lingua
gem portugueza.
(Contina)
PARTE OFFICIAL
<;oierno da provincia
KXPKWKME DO OA 26 Ds OUTCBBO DE 1889
(Conclusao)
Actos:
O conselli i*o presidente da provincia, de
oformidade com a lei provincial n. 2056 de 8
de Agosto do corrate anno, e com o diaposto
os decretos ns. 7939 c 7960. de 29 de .'ezembro
de 1880, na parte em q v fur appcavel a pre-
sente concesso, e paree r do inspecto' do The
souro Provincial de 2i i comnte, sob o. 439
ton lo em Tista a propo'n nica exhdiida, uo>
- termos \lo edital de 3 de atemoro ultimo, pelo
engeoheiro civil PWton C&sar Burlamaqui, con-
cessionario da estrada e ferro, autorisada pela
Id n. 1168, de 25 de Juiho df 1888 a partir da
cidide do Amarante, passando pela de Ofeiras va
tenn nar na serra Je Dou> Irmaos na provincia
o Piauliy. resolte que spja, pela Repartica do
Thesmro Provincial, contraetadacom o mencio-
nado engenheiro civil NewiooCsar Burlamaqui.
u memo represente, a construccSo de urna u
trada de ferro, de bitola estreita, que, parando
da referida serra ds Don Irmaos, extrema
desta com aquella provincia^ termine na villa de
Petrolma, ponto marginar do rio S. Francisco,
sob as seguiutes clausulas:
!.
E' permittido ao eugenh iro Rwtoo Cesar
BurUmaqui. oaa companbia que elle organizar,
a coostrucc&o de um estrada de ferro de bitola
streita que. partinlo da serra de Dous Irmaos
a extrema desta provincia cora1 a do Piaubv
termine na "villa de Petrolina, ^ont marginal do
rio 8. Francisco.
.*
O concessionario ter o privilegio, uso e goso
da mesma estrada de ferro pelo espaco de 60
ar.nos.
3.1
A zona privilegiada ter dez leguas para cada
laclo do eiso da linba da estrala projpptada, se n
fue alias, fique a pruvineia privada de conc ^ler
a feituru de qualquer oatra e-lrad de ferro pa
ralella ou nao a de que cogita a lein. 20 6, co ii
srivilegio de zooa.
No caso de futuras coacess6e*vai a zona pri
Tilegiada desta estrada de ierro.for mv.i lidn
por qi.ilquer ouira concedida mis tarde p-l..
roviiicia, sera o "paco de lera, que enire as
uas mediar, divid d Ude delle como zona pnvilegjilda do cadn una
deltas: n5o podi-cdo qualquer das v. apresas re
ceber cargas ou passagoirbs fnlrO-,4i i>n <
privilegiada de cada urna, mediante ffftt* ou
Mssauem. sem previo acardo entre si. E-i.
flfSaldade de condigoes, lera o coneesaionar.o
preferencia & co.istru cAo. uso e goso de futuro?
ramaeii convergentes.
5.'
Dentro do prazo de cinco auoos a. contar da
a gD'-.nUa de
: oprasoae rfuraccrdobrt
ital que Forempregado cfie.-.
as da estrada de Trro, calco,-
mo do kilmetro m 25:000*.
9
O coneessioa^jo ser obgjJo a coastrair li
aba tek'gr.apiic-i pra uso" pu I ico e particular
da estrada de ferro e seos raiuaed, gosando de
igaal isencao do direitos-e imposto's de que ira
t'fa a elausuia 7'.
10.
Findo o provilegio estatuido na clausula 2a,
reverter para a provincia aestradade ferro com
todas as suas obras, maebinismos, tniteriaes e
linbas telegraphicas ; e bem assim cada um dos
ramaes da mesma estrada de ferro construidos,
logo qtte tenhain sido explorados por igual tem-
pe-; tudo en p-rfeilo estado ds co"nservacSe.
A garanta de juros a que se refere a clausula
8a. tom ir effec'm no caso de ser levada a
effeilo a conces6o da estrada.de ferro* da cidade
do Amarante Sena dos Dons Irmaos, a qual se
prende a presente concesso.
12>
O concessionario perder o direito garanta
de juaa de6 sotire o capital empregado, nos
termos da clausula 8', se obtiver do govenn im-
perial subvenco kilomtrica, 'garanta de juro3
ou qu'iliuer outro favor equivalente.
13.'
Ter o concessionario a faculdade de transfe-
rir o privilegio lo preseiteTontracto, preceden-
do approvacao do governo, (cando o transferido
subrgalo, com todos os direjs e obriga6es
do mesmo contracto.
li."
No caso de seralheada a empresa companhia
coja sed cstiver f-a do Imprrio. ser e>ta obli-
ga .a a ter na provincia un representante,' com'
plenos e iliimitados poderes, para tratar c defi
nitivamoote re-olveras qucsTOes que se suscita ,
.reraqUer por-i, qu'.'-iii,m'ando arbitro sefr
necessrio; lieapJp sujeitos todos os scus actos
a jurisdiegao dos Irrbonaes ju-Jiciarios ou admi-
nistrativos do-paiz *al
15
O concessioijario ou a compa;ihia qtie organi-
sar para a odhstruoyS > da linda wreappje
qua'qner ramal, Hcaaro subrogados'-*no'direito
de desapropriacao. mediante indemn|sago, dos
teriviios, bemfpforaG ou propriedade de quaes
quer oatureza rfa conformidade das'leis em vi-
gor
16.'
A prendado estrada re ferro, nao poder im
pedir a navegacao' dos rios ou cariaos e nesse
intuito os pontes ou viaductos sobre os nos e
canae tero a capacidude necessaria para que al
uavegacio nao seja emb^ragada.
17.'
Setao empregidos materiaes de boa qualida
de na ex-cucSo de to las as obres, segnindo se
sempre as prescripyO-'s da a.t", lie modo a ol>-
ter-se ama eonstrucco perfeitunente solida.
18.'
O ctincessionario cousiruir iodo os ediflcios
c dependencias necessarjas para que o trafego
se efiVetu'- n-alar-i.cn'. s-m perigo para a se-
guranca poblua.
as estafes lontcr.lo sitas do espera, buh-
te i-iS acco.nmodagOes pj(v es agentes, arma-
zeas para uier pt Oes, desvos, crusameiitos, cbaves, sigaaes e
cercas.
As "estaco" s e paradas terSo mobilia apro-
priiias. ?
Os edificios das esUgtoes e paradas tero do
lado da i da urna plau-lrma para embarque e
desembarque dos passageiros.
As estai,es e paradas ti-ro dimensOes de ac-J
cordo com a sua importancia.
O governo poder exigir que a companbia fa-
ca as chaces e paradas os aogmeutos recia
mados elas oecessidades da lavoura, commer
ci e iudustna.
W-" i. ,.
O material rodante (locomoflval' iteaders e
canos, quer de passageiros, quer da mercado-
ras de qualquer naturia) ser construido de
modo que hdja seguranza nos transportes e com
modilade para os pas.-ageiros. O governo po-
der prohibir o empreg do material que n5o
preenena estas coudigOes.
Vi.*
A empresa ser obrigada.a conservar com
cuidado, dorante todo tt-mpo da oocosso e a
manter em estado que possam perfeitamente
preencher o teu destino sob pena de multa,
tanto a estrada de ferro e suas dependencias
como o material rodante.
21.
No caso de ioterrupgo do trabalno, exce
deute de 30 dias consecutivos, por motivo nao
justificado o governo ter o direito de irapor
urna muta por da le int rrupcao igual a renda
liquida do da interior a ella.
22.
A tiscalisaclo da estrada e do seivico ser
incumbida i mu engeubeiro riscal, numeado pe
lo governo e pam pela empresa, ao qual com-
pete v-l.ir pelo liel .uuoonmento das presentes
condices.
Aj tis.ial do governo seri arbitrada a gratili
cacao menital de 4004.
ll-
Se durante a exe -u.ao ou ainda depois da
leruiinajSo dis iribalbos, se verificar que qual-
quer obra jo foi execulada eonforuie as rgras-
d'arie, o govenn poder exigir da empresa a
soa demolijao e recoustruc^o total ou par
cial.
li"
L* o anno depois da u-r uioago ios rabalbos.
a empresa entregar ao governo urna planta ca-
itoatrl om co uo urna relcM das estacOes e
obras u'aite e u u qua Iro demonstrativo do cos-
to oa mesma estrada.
govem > os respectivos eatudos derinitivos e or
amentos detalbudo* e terocomeco de execu
t%o a s obras da menina estrada.
SI, porm. dentro do prazo estabelecido na
daosola antecedente, nao ferem ditas obra co
25."
Os precos de transpones sero fixados em ta
ifas approvaia p> H governo, bao* podendo
xce.ier n dos mji-s*or Jmanos de con lueco
i.i lempo da organis.igao tas me-mas tarifas
qu- serio revista-, pelo menos, tolos os cinco
anoos.
z-
Pelo- presos lixados ii e-sis t rifa-a empresa
-era >>b iga i-i a traosportar cinstantemente com
cuidado, exacii lao e presteza, as meicadona-
lequaHuer uatureza. os passageiros e nuas ha-
lageos e os valores que 'he forem confiados.
27."
A empresa .todera iazer tolos os trinsportes
pur preyus inferiores a s das tarifas approvadas
pelo Koverno, m.i- le, um ioouo g-sral e sem ex
e PVao ou em prejuizo ou favor de quem quer
perwncente a mesma class de tarifa, e os pre-
Q3 assm' relucidos nao ornro a ser eleva-
dos, como no caso de previo^ consentimenti do
governo, semautorisaco expresa ilestb, avisan*
do-se 0 publica com um mez, pelo menos, de
antecrdencia. >
As redueses concedidas a indigentes ao do-
dor&o ttar lugar a applicac > deste artigo.
28.
O concessionario ou a mp^uia jeri ohri-
gado^ a tran-portar gratuitamente tropa, uiite-
rwes de guerra vnpregados do crrelo e as res
pectivas malas, presse sous gualdas, recrotas
o^dosertores, remettidos pelas au'oii ladea com
pete.ute, ponde alui dissb dit>posico do go
vtrno quatio iugar.-jj em cada irem para passa
geiru.','sem dfstiocgao de ciasse, e a transpor-
tar bagagem de cinta um delle at o ppzctde
ipiireiuae^ili.fcilos bern coinb a dez coloaoe
ou immigraffles; e a transportar, com o bati-
mento de 50 '.* o excedente de dez colonos ou
inmigrantes,.suas bagagens, ferramentas, uten-
silios, instrumentos e as plantas enviadas peto
governo geral ou provincial para serem gratu
timante distribuidas aos lavradores; tonos os
gneros de qualquer natnreza.que sejam envia-
das pelos meamos para attender as. socborros
pblicos exigidos pela secca, innun lagii*, pesie,
guerra cu ontra calamidade publica.
Tero tambem abatimento de 1! % os tran-
spones de materiaes que se 'destnar*m wr-
strceo e catteio dos ramaes e Jjrolngamenio
da propria estrada eos ^osrfndos's ooras mu
nicipaesjiQamcipios."servidos pela estrada.
Simpre que o governo exigir, era circum
stan :ias extraordinarias, a empreza pora as suas
ordi n- todos os meios de transporte de que dis-
pur.er.
Neste caso, o governo, se o preferir, pagar
empreza o que fr convencionado pelo uso da
estrada e todo o eeu material, nao ^xeedendo o
valor da rend i media de periodo idetico nos
ltimos tres annos.
30. -',
As malas do correio e seu^s Gon fiiuccjonarios encarregados por parte do gover
uo do servico da liuha telegraphica, bem como
qu^esquer somma d dibeirojperteni'.entes ao
Tfi escuro Nati.oal ou 1'rovinciaTserao .p.iduzi
*dbs.graiuitanif?nt'e, em carro especiat adptalo
para essVtfn*'
S* 31."
, Loflque. Os divjdenioa execerem de doze
p||r cetito o governo ter *0 direito de exigir a
lMoei o das tarifas detrausportes.
'B^as^redurQOe.s se ef&ctuaro-priocipalmen!
en'taifi-"iir enle*S.para os grandes percursos
e dasrnt do's ge-rieros destinados lavoura e
xpTrWOo. ,
^ 3'2*
O.governopfider fazer depois de ouvilaa
empresa, coocesio de ramaes para uso particu
lar, arndo das"estar0es ou de qualmer ponto
d liaba concedida, Sem que a empresa tenba
o direito a qualquer indemoisacao salvo se bou
ver augmento eventual do lespeza de conser-
vac&p.
i''ias as obras d-iinilivas ou provisorias ne
cessaria para obter, neste cas, a seguranga do
trafeg, serao feilas sem onus para-a empresa.
33.
Na poca#>;ada para terramaco da conces
sao, a estr.-da de ferro e suas dependencias de-
vero aciar se en uoni estado de censervuejio
Se no rfltimo quinqnennio da concesso a con-
fprvaco da estraia fr descurada o goveru
ter o direito de confiscar a n-ecta e empregal-a
naquelle servico.
34.'
A empresa no poder alienar a estrada ou
pane desta, sena previa utorisaco do governo.
Poder,\neiliaute consentimenio do governo.
arrendar a estrada e o mater al fixo a outra em
presa ou coupanhii, qual pa-sar a prop le-
dade do raateriaf rodan e e os direitos e i briga-
y-s deste contracto referentes ao custeio da es
tr^da.
35.^
Durante1 tempo de privilegio o concessiona-
rio cobrar pelos traospo-les de mercaduras e
passageiros os preco- que forem mar ;ados em
u i.a tabella organisada de accordo com o ao-
verno provincial, observadas as seguiutes bases:
I. Para passageiros. o mximo do prego sera
de cem ris por kilmetro e para mercadorias
por cada quinte kilos cinco ris por kilmetros,
II A empresa n&o exigir quantia alguma a
titulo de armaenagem pelos objectos entregues
nos scus depsitos, salvo o qo fr estipulado
no respectiva regulamento por qualquer demora
que h ja em expedil-as, quando nao tenhara sido
procurados por seus donos, qualquer que seja o
notivo dessa demora.
III. A empresa tambem nao receber laxa
addicional pela carga e descarga, andazenagein
ou deposito de objectos, se essa despesa nao es
liver expres8aineote mencionada na tabella dos
precos d transportes.
IV. Finalmente ser obrigada a transportar
todos os objectos que forem trazidos s respecti-
vas estages, sendo as regras para orden) de
preferencia estabelecidas na mencionada tabella
as mesinas para t idos excepto para o governo
geral cu provincial.
36.'
da 1 cadira i^ agua franceza do Gymn'asio
Pernambucaoc
O conselI|**ft presidente a provincia, at-
tendendbao '5t},reqiro Antonio fos de Mo-
raes Sawitmo-* *ro!'eislTr da 2- cadeira de liu-
guu r.tofle-za do-Oym:ia;io Pernambueano, resol
ve jubilar o petidonario eom a pensiio corres
pondnte s vantageos di que tratara os arts.
180, :* e Ifil Jo-regulamen:o de id de Jahei
ro de 1888, vis contar ma:s der 27 nnos de ef-
fectivo azcam na niegisterio publico e ter fei-
lo a nrov esfitcial- a que aliutte 'o art. 139 dtf
citad i-Vegulanento.,
oensemp;ro4prfsidentc da provincia re
solve mblar-ft *>,ofsi(>r di c deira de la'im do
tiyma^iio PMtfmhscuno. bacliatui Francisco Ja
ciilhcr de Sampai-, efli os venetmento^p. que
tivi>rdrrei|S. y^* H -
O co'u3ftetao presideate da provinSi re
Ive removj-r o profesan bacbarel Jos U ni'.
froto da a ioira de lingda nacional para a
2* do lalin'fo-Gy-aaosio P'-ruambucano.
O coifS4ei:o presidente da provincia re
solve remojfer'io professor da Escola Normal,
Iflbel Barbosa de Araujo para a 1*
p'jjia nactoual do Gyranasio Pernam-
-
Por seis mezes adiantados.
Por nove ditos idem......
Por um anno idem......
Cada numero avulso, de dias anteriores.
13500
200000
260000
0100



-
tabdliao, escrivo do ciime e annexos do termo
de Palmares Augusto Berenguer de Almeida Al-
coforado, que pedio para voltar ao exercicio d,e
anas funccoSe, por ter cessado conforme allegou,
a razodo impedimento pelo qual Ihe foi lti-
mamente dado ,3uccessor; e.tletermina que o
mesmo exame seja presidido pelo juiz munici
pal e da orphSos do referido, termo de Palmares,
com a a.ssisteocia do promotor publica da Co-
marca respectiva.Remettu se copia ao jo?
municipal do termo e Gzeram-se as aecessarias
commuaicares. '*" t
Offidos : % ._ ; l
Ao ministro plenipotenciario do Brasil m
Lciidres.Tenho a h mra de enviar a V. Exc. o
balanyo da icceita e despeja da estrada de ferro
do Recife ao S. Francisco acompanhado doije
to o. 5,62 i de 2 de Maio de 1874, o mestre das
olliciuas das construcees navaes do dito Arse-
nal, Francisco Gomes de Figueiredo, para exer-
cer interinamente o cargo de director da mesma
olficiua.
O oonselhciro presidente da provincia re-
so!ve remover o promotor publico da comarca
do Brejo, bacharel Eutropio Pereira de Faria
para a de Carua:, e o desta, hacbar^l Ricarde
1 ereir.a de, Faria. para aquella comarca. Fize-
rara-sc as necessarias CQinraunicaces.
-0 coqselhoiio presidente da provincia at-
..teadendo ao qua requareux^irector do presidio
.;c Fernando (te Noron'&a, *0roael Luiz Paulino
de Holluuda \alaiiga resolv%.conce5ir-lhe dous
pezes de licenca, cora os vectaentos a que ti-

bacbarel
cadeira d:
b'jcanjl..
,0 consol j>
jostaurat ii
1.8olve,
Afoga'iOS "Cl
Unca por ae
a;mo, c.jfi
Abdias t~
mentos de^i
O CO]
tendendo
ro presjdente da piovincia rc-
a cadeira de hitim c francez de
a pela iei n. 1,670 de 1882 e ex-
do 13 de Oe'.embro rio mes no
r para regel-a o bacharel Jos
n!ia Salles, porcebendo os venc
000.
Jiro presidente da provincia, at
.oe requereu Generosa P.amos Per
na!ideid."Carva!bo, resolve, de accordo c 'm as
inHtrucces-.exjjedid.s a 23 de Agosto u'timo,
nomeal a. prpfessora publica effectiva da ca eir
mixta de Jatob do Brejo. Commnnicou-se ao
inspodtor gejg da instrueco publici.
U con fl 'ro presidente da provincia re-
solve reravefc-os seguin:os profe.ssores:
Deodeciant perreira dos S-mtos da cadeira
de ensioo -prwrio de" I ao 'i'Alho para a 2' da
cidade de Gojofia, c desta para aquella Pedro Pe-
reira de SonacrLemo'.
^Muia Fraucis Bczorra Cavalcante. da cadei-
ra mixta de-Sata Tu reza de Pao d'Alho para a
de r'rexeiras, era Goyanna e desta para a do
exo feminjolide Tiacunhem Emilia Eulalia
de Albuqoerqne.
Francisca Mawa dMiinuneiaco da cadeira do
sexfeouiiuo dte TiiU'unhaeni'piraa de ensino
mixto de aota Vhenza de Pao iI'Alho.
Mana llsnaPacifcco da cadeira mixta de
Cn de Alegoa^),:ra,a de Govinninha e d'esia
pira aquella'^taria i.'i Con- eijao Sontos.Coui-
tpunicou-seyb insp'Xtor geral da lastrucjao Pu-
blica.
-- O cnaSi^lkciro fre.-id ule da provincia. ;.t-
endendo ao flfUf e./ocrcu Aloert) da Silva Mi-
randa, professor puj'.i-oo di cadeira da ru i de S.
Sebasti'rvis'ik'-tro, e tendo em vista a in
lormacaQ-pntWa p, la Ii-pecloria Geral d-i In-
s rucc-io Puoflci em offio) n. -i''k de 22 do cor-
r-nte mez, Veilvi conce.ior ao peticin mo qua
ren,ta-dias da li-.pac.i, Oin ordenado, para tra
tar de sua ^.aude onde l!e convier.
0 cotvlbeit} ure-ile.ite da provincia, at-
endeudo ao qtw reqn
vidodesenvolvimentoede copia'da acta dTses- SfSff de sa2 sande, (le"vendo''cw;
no nmiAn. '.mknm, r-nn im,Ti PcUcionario entrar no goso da referida liceoea
que seja
_,E-Us bnxas de. preco se faro eflectivas com
ara da asignatura do presentecoo racto oqae lun ,ti(pento 4o governo, sendo o publico
io exceder de un mez. sei-iiapre-eitadosao ,lV18a,0 por ,,., a auuUiicio alxados u
aQi.i e insertos nos jornaes. Se a empresa
IzeV irasporl s p >r prego infe.rtores aos das
u'rifaSjjMsja. aqu He pren i eonseutiibeato. o go
Vi
Id'rifasjgA a .
Kftapplirar a inesma redueco a to
loaos- Bwportes de igual cathgona, isto
A empresa fornecer presidencia todos os
dados estatuidos que esta exi -'ir respeito do ta
fero da linha, sommas recebidas por diversos
ttulos, distancias percorridas, etc., etc.
37.'
Qiaesquer penas que se tiverem ile impr e as
providencias necessarias, alim de garantir ao
publico a -egularidad do servico por parte do
concessionario ou da(companhia que s; orgaoi
sar e a e ta o pagamento dos frotes que tem di
reito, sero objectos de regulamentos policiaes,
or .-anisados pela presidencia da provincia. ;
i 38"
Pela infraeco de qualquer nma das clausulas
do pKsente. contracto, excepto aprevista pera
clausula 21, o governo da provincia poder im
por a empreza multas de 500 .000 a 10:000*000;
segundo a gravidade do caso.
39"
O concessionario ou companbia organisada
obngaio se alm das clausulas do presente con-
tracto, a aceitar aquellas qne o governo iii.pe
nal enieodtr convenientes no caso de querer
afiancar a garanda de juros.
O concessionario obriga-se a ceder em bene-
fi -ao da insiruccao publica desta provincia a rea
da da -upradiia u-t ada de ferro nos tres pri-
uieiros das de trafego, sem que esta despeza
-eia incluida na de custeio.
41
Plisa arhirado para os flns legaes em........
500 000*000, o valor do presente contracto.
Heo-uea se Provincial para mandar lavrar contracto.
O conaelnnro presi lente da provincia re-
s ilve jubilar a pedido, o professor Dr. Jos So
ran i< ouza na ci deira de philosophia do
Gy iii.asio l'eroaaioociiio, com os venciraentos
a que uve- direito, conforme o tempo de exerei
ci.
O conselheiro presidente da provincia re-
-ol n n-iuover, a p-ndo. o professor Dr. Monse-
nhor Joaqun Arcoverde ile Albuquetque Caval-
ca ite, oa t* cadeira de lingua franceza para a
de pniiosophia do Gymnasio Pernambueano.
- O eonseleiro p esidente da provincia re-
solve Qtimear o bacharel Manoel Caetano de
SiqueB. Cavalcante professor publico vital i ci
u Luiz Gouzaga de M
nezet Junio-, profssor publico da _adeira de
enaita primarvfl de LaDi do Emygdm, e tend
em vista", mformav' ;>reslada pela Inspecl r a
G-raf-3a liistruccao Publica, em ofli io'a. 330 Je
i) do corrente mez: o aticstado medico exhi-
ido. resolvo ecceder ao peticionario irez me-
zes de h-enj-i, eom ordenado, para tralar de su i
saude onde i'ie convier. *
O ronselhciro presid nte da provincia, at-
tendendo ao que requeren GraSi Candida de Al
cantara Couto, professora publica, de Macapa e
len io em vista a informarn prestada pela In-
spectora Ger.d la Instrueco Publicaren) officio
n. 353 de 22 do correte mez e o atiesado me-
dico que exhibi, resolve conceder i peticioia
ria, dous mezes de licenca, com ordenado, para
tratar de sua saude, onde he convier, deveado
dita licenga de.correr de 15 do crrente.
O conselheiro presidente da pr- vincia. at-
teadendo ao que requeren Joo Ignacio Cabral
de Va-concello-, ajudante do porteiro da Secre-
taria da Presidencia e tendo em vista o atiesta iu
medico que exhioio, resolve oncede.r ao peti
ciooario trez mezes de lieuga com o ordenado a
que tiver direito, para tratar de sua saude onde
Ihe convier.
O conselheiro presidente da provincia re
solve exonerar o bacharel Alvaro ucnoa Cava!
Cante do cargo de director da Escola Normal, e
designar para substituil-o o bacharel A y res de
tlbuquerque Gama.
O conselheiro presidente da provincia re
solve nouiear Mara Coelho da Silva professora
publica da cadeira de Imgua franceza da Escola
Normal, df conformidade con a le n. 2031 do
corrente anno.
O conselheiro presidente da provincia re
solve remover, a pedido, o professor bacharel
Gabriel Heorique de araujo da cadeira de geo
graphia e historia da Escola Normal para a i'
de liugua franceza do Gyranasio Pernambu
cano
O conselheiro presidente da prov ncia, re
solve nomear o bach irel H irtencio Peregrino da
Silva professor publico vitalicio da cadeira d-
geographia e hismna da E-cola Normal, le con
formidade com a le. n. 203 do orn-nte anno-
O conselheiro presidente da provincia, de
accordo c m o reul; in-nto n'esu data expe
dido, resolve oonier Jo-p Fe-reir da Cruz
Vieira professor aublico vitalicio da cadeira de
escripluraco mercantil da E-cola N-inoal.Coui-
nunicou se ao/nspector geial da lostrncco Pu-
blica.
0 cons'ibeiro presidente da provincia re
slve nomear . biico vitalicio 1a cadeira de can o e nusiea da
Escela Normal, creada pelo regulami-uio nesta
data expedido.
O coHscihciro presidfle da provincia, de
ocordq ia)4i o reguTameoto uesta data expedido,
resoive nomear o bacba>el ntoOio Gomes e
reir Juni-r professor puidjcu vuaiicio da ca
deira de di'eiio cons ttucioiial da E cola Nor-
mal.
O conselheiro pr .-id. me da proviucia re-
solve nomear Jo:- Joajunu da Cosa Pereira
Braga para exerc- r cago iie secreuno da E.-.
cola Norial creado pelo rcgulaineuto uesta dala
expodiuo.
O conselbeiro presi leule da p ovtocia, ai
tendendo ao que requer u o boetacei Gal lino
Teixeira Lina de B..ro- tjoieto ex 3* esi npnra-
rio do Teesouro Provincial e leudo eiu vioia ..
infirmarn to do Taesouro. > onti a em-. Il
co de huje, o. 444.' resOive, de accoMo coiu a
lei n. 2037, de 18 dV.-,ie mez, maudar que qj
suppiicante seja add do ao meucioo-do Toe
souro.
O eonseleiro premdpn'e da proviu na re
solve. por co iv nitro ia do se vico publico e pro
posta ao "r. chele d p-.licia eui oilicw de ion-
lein atfelo. -son ii i-12j. delenuinar qu i ao 6"
disti icio policial i" >e mo ie B.niio lique pe -
leo-e.ido o 10 o ten it. 10 da propine lade Ue J .Se
Teixeira de Carvailio denoiuiiia 10 Bmaiema
'ioinniun- ou ao Dr. ctiefe de polica.
O COII-eldeiro pie-ideole da prov.mu I re
SOi .e Ul obael v.uiC.ia do dispo^to lloS -ns. l2l
136 e outios do ie^ui.i.u- uto expedido pe.o Ue-
ore.n ii. 420 de 2 d-Aunl de 18o n....a
'os U* Mu .ei i b* lea \ -i r u
aiqueiraiCavaic.ini e Ji-quu Jo-e o..:ubi..
para procedere.i. o exame- djjAsaudade, uo 2*
sao eru que os commissarios do governo liquida
rara as respectivas coatas do mez de Setem.ro
ulmo.
Reitero a V. Exc as seguranzas do minha pe;
feita estima e dntiicta epnsideracSo.Coramu-
nicou-se ao engenheiro fiscal. -
Ao p'esideule da provincia do Cear.Ac-
cuao recebido o uido circular n. 63 de 11 d
corrente, no qual V. Ex-\ me communica nave:
ni mesma data prosiiflo juramento e assumido
o oxereicio do cargo de- presidente dessa pro
vincia pare o qu .1 fra nomoado por carta impe-
rial de 11 do aetembro prximo passado.
- Ao commandanic das armas.Sirva-so V.
v de nomear tima comraisso para assistir ro
Arsenal de Guerra, na forma Jjs disposices i .n
vigor, a abertura de 21 volumes all existentes,
-t'cmmuaicou-se ao director do Arsesa! le
Guerra.
Ao inspector da Thesouraria de Fazcnda
Tendo em vista a oformacao de V. S. de 2*
leste mez u 411, antoriso-o a mandar entripa
a quautia de 60:000* por c.ma do creiito de
- usto, e 50:000* consignados na ordem doTue
souro Nacional citada na ditainformaco.--Com-
mnnicou-se ao director do prolongnraento da es-
trada de ferro lo Recifo ao S. Francisco e es
trud de ferro do Recifo a Carun.ru.
Ao inspector do Tnosouro Provincial.De-
claro ao Vmc, para os devidos effeitos, que li t-
r"in profer o seguinie despa ho na peticSo I
Fr.mklin Minervino Uarlins, professor deJalin
e francez na ci lado d Victoria, a que se rel,.
essa m^pecioriaem olli.io do 8 deste mez, n.
oDi : Como requer.
Ao mesmo.Declaro a Vmc. para os ti.
cessarios fias, qu-' nesta data exarei o fegim
Jespacio na petjeo da Corapaniia do Beberi-
h a quo .-.o refere a informagao dessa inspec
tora de boje, datado, sob n. Mi : Como requer.
-Reincito-lhe o a'.testado exhibido pela supp'i
Cvii'e.
Ao commandanic do corpo de polica. -Ao
Dr. chdfe de polica mande Vmc. apresentanluas
i'".;cis para a diligonia de quo trata o officio,
pj' copia, do lioiiiem datado, sob n. 1,323.
Ao director gera! das obras publicas. -De
accordo com o que sol.citou o director interino
la reparti-;ao das ob-as goraes em cilicio de
boutem, providencie Vmc. para que o gerente
di empreza do gaz desta cidadeentenrt-i-se con
aquelle fjncciouaiio acerca das obras dd illuml
naci da ponte Buarquc do Haedo.Co^rauni"
eouse ao engenheiro eaoarregado nitor.mente
das obras geraes.
ao juiz commissario de trras pblicos no
termo do Agua Prela.Cumpre que Vmc. entre-
gue muI o lote de terra'?;-d'iDar4!la- no extioctu
aldeameiito do Riacho do Matto, a india Joann.i
Francisca Rosa, atlm de que seja respeita la a
posso 1 gitimada na pro^neda le denominada
Fu idaa, conferida em 31 de Jullio de 1872 a
ietaiio Deftiuo Monteiro de Camino, boje
alrMNta a J^te Alves Maciel. -
Ao promotor publico da comarca de Goyan-
ua.Transmiti a Vmc, por copia, o Aviso do
iiioisieno dos negocios da justig de 13 do cor
rente mez, para que proceda conforme couber
em .-u.i- aiiriDuicOes. no seotido de seren sob
mettitas a proeesso de responsabilidale as au
tondades. a que se refere o Dr. chefo de polica
-ul um olHci-i n. 1,169 de 3 de Setembro flodo,
tambem junto por copia, devendo Vmc. scienti
li ar a sta presidencia de qualquer resultado
do oroce3so.
loriaras :
J)s Srs. agentes da Companhia Brazilcira
le N vegajo a Vapor fagam transportar a corte,
por conta do Miuisterio da Marint, de confor-
midade cojo o aviso n 1,973 de 17 do crrente,
o 3." es ;n turarlo da comad}ria da marioha
Jos Faustino da Silva Jacqnes e a sua mulher.
iJommuutcou se ao inspector do Arsenal ae Ma
rinha-
dem por centa do Ministetio da Justica, do
porto desta capital ao da Parahyba ao preso a
pragas do cor ,o de polica de quem trata o Dr.
hele de uo.icia no pfficio, junto por copia, de
iioiiiein datado sob n. 13-28.
O Sr. superintendente da estrada da ferro
do He ife a S. Francisco d passagens, por conta
la provincia, da estacin de cinco Puntas a de
Uua, as pragas do corpo de polica Jos Lomos
>e Vaseoueenos, Juo Francisco da Silva e Fran
cisco Lopes da Si.va que destacam para diversas
realidades.
dem ao encarregado da sstago de Pal-
mare-, para mandar transnoriar d'ahi al Qui
papa, a pn,ca Joo Francisto da Silva.
dem ai a estacc de Garaohuas, a prega
('laii i.-co Lopes da Silva.
0 Sr. superintendente da estrada de ferro
do Reeife a S. Francisco d passagens, por conta
da provincia, da estago de Cinco Pontas a de
Uua, a oito pragas do corpo de polica, qu.e des-
tacaui para os termos de Iogazeira, Flores e Leo
poldma.
- Mutalis mulandis ao encarregado da estagao
de Palmares, d'ahi at Garaubuns.
na praso de 30 dias. -fficiou se ao directrdo
residi.
Officios :
Ao Dr. Joao da Crnz Santos, 5o vice presi-
icute na provincia do Piauhy. Pelo officio a
que respondo, de 10 do corrente mez, lico sciente
de naver V. Exc. na mesma data assumido a
iidmimstragao dessa p'roviniia na qualidade de
o" vice presidente.
Apresento a V. Exc. meus protestos de estima
i cunstdeiago.
Ao commandante das armas interino.Au
lomando o Exm. Sr. ministro da guerra, em te-
legramma de 26 do corrente o assentamento de
praga de Sergio II. nnque Ca Jim, assim o de-
cjaro a V. S. para seu coahecimeoto e devidos
effeitos.
Ao mesmoEm aviso do 19 do corrente
ic:!arou-mo o Exm. Sr. ministro da guerra ter
do transferido na mesma data, para o 2 uata-
Iho do infaiitaria, o soldado da companbia de
Operarios militares do Arsenal de Gusrra desta
provincia, Severino Ramos Gv-galves Lima, con-
loime pedio Guilhermina Ceaar de Almeida Li-
ma, ai do leferido soldado.
0 quo fago constar a V. S para seu cooheci-
meutoe fias convenientes.
Ao mesmo -Fago constar a V. S. para seu
conheciment quo o Exm. minL-tro da guerra,
gundo participou-me em teleg.amma de 26 do
to, conceden por portara de 22 deste um
.coz de licenja ao professor da Escola Militar do
C-ir, Olegario Pinto par'a tratar de sua- saude
nesta provincia. Compigaicdu-se ao inspector
da Ibesouraria de Fazeada.
Ao i s.iect r da Thesouraria de ,Fazend.
-Commumco a V. S. p ira os fi.ns convenientes
que o juiz municipal e de orphaos.do iermo de
Ipojuca, bacharel J- s Emigdio G005a!ves Lima,
rea sumi 11 > din 23 do corrente mez o exercicio
de seu cargo.
Ao m-mo. Declaro a V. S. que em avi-
so do Ministerio da Aancultura, Commercio e
ubr..s Pu'.licas seb n. 24 de 21 do correte foi
opprovada a prorogaco por 30 dias da licenca
de igual pr so concedida'com vencimentos na
forma da lei em do corrente so conductor de
1 ciasse da estrada de ferro do Reeife a Carua-
r JoSo Vicente Forreira Coelho.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
Iw.rlos ins, qu o Ministerio da Mantilla, se-
gdtiJo -leclarou-aic pur aviso de 17 ilesti; mez,
sob n. 1,965, >r .vi-'uaciou para que a essa, The-
souraria seja concedida o crdito de 500*000
pea verba*Combustivel do exercicio vigen-
te, uilm de tico ter a despezas da cantioneira
Trarips durante a vugem que tem de fazer.
Ao mesmo.Communico a V. S. para os
fins c .avenientes, que o juiz municipal e Je or-
orpbaos do termo di Caruar, bacburel Luiz Za-
can.,s de Lima, deixou por motivo de molestia o
exercicio de seu cargo.
Ao mesmo. Communico a V. S. para os
flus convenientes, que o promotor pub'.icoda.co-
marca de Caruar, bacharel tticardo Pereira le
Fams deixou no dia 21 do corrente mez, por
motivo de molestia oexorcicio de seu cargo.
Ao mes-no. Para os lina convenientes
transmuto a V. S. copia do oicio do juiz de di-
reito interino da comarca de uezerros. datado de
21 do cotreote mez, communicaodo ter oaquella
data assumido o exercicio pieno da promotona
publica o respectivo adjuocto.
Ao me3tno. Com nunico a V S. para os
Gns convenientis que o joii municipal e de or-
phos do termo de Triumpho, bacharel Manoel
Jos Rodrigues Pinhiro reassumio no dia 10 do
corrente o exercicio de seu carao deixanio o de
juiz de direito interino da comarca de Villa-
Bolla.
Ao mesmo.Em officio n. 32 de hoje data-
do parlicipou me o cirurgiao mor de divisao, Dr.
Antonio de Souza Ditilas que tendo sido notnea-
do por portara do ministerio da guerra, de 13
de Agosto ultimo para inspeccionar as pnarms*
cas e ente marias militares das provincias, pre-
tende brevemente encelar o traoalbo3 nesta
provincia cora o seu auxiliar de coratnissSo, o 2
cirurg.ao Dr. Fernando Ferreira Brrelo.
O quo declaro a V. S. para os devidos ins.
fficiou se im resposta ao Dr. cirurgio-mr de
diviso.
EXPEDIENTE DO DR. SECRETARIO
Officios:
Ao climmaniaote das armas.O Exm. Sr.
conselheiro presidente da provincia manda com
uunicar a V. Exc, em resposta ao seu officio
u SC49 de 10 do corrente, que nesta data sol
ciiou do Ministerio da Guerra a concesso do
crdito de 3*960 para pagamento da despeza
feita com o enlenamento do anspega la do S.u
uatalno ue iafaularia Tiburtmo Manuel da Sil ve.
Ao inspector da Thesouraria de Pazenda.
) Exm. Sr. couseleiio presidente da provincia
manda remetter a V. S. qualro ordeos do The
souro Nacional ns. 182 a 185.
Ao inspector do Tbesouro Provincial.O
Exm. Sr. conselheiro presidente da proviucia
ma.ida cotnraunicar a V.|S. para os fins conve
mentes que boje exarou o segrale despacho na
peiig-o de Mara Amelia Soares de Carvalbo de
quem trata e=sa es3a inspectora em officio de
22 ou corrente, 434:
1 1 rovo a sua qualidade de viuva de Antonio
Terencio de Carvalho.
Aos agentes da Companbia Brazileira de
N ve.ac-lo a Va or. -De ordem do Exm. Sr. con
selbeiro presidente da provincia aecuso o receb
meOto do officio em qne Vv. Ss. participan! que
o tapor Alag? cii.-gou os ponos do norte bon-
leio 8 ujioS da noite e seguir para oa do
-ui boje, s 5 da tarde.Communicou se a di-
rt*lo ia do commercio.
IXPEDIENTe'Bo DIA 28 DE OUTBUO DE 1889
Actos :
u conselheiro presidente da provincia, de
o fonal iati com a proposta do iaspector do
Arseual dWMarioha, constante do officio da hoje
datado sob n. 56, resolve nou-ear, de accordo
com o art. So do regulamento annexo ao decre-'
Ao director do Arsenal de Guerra. Se-
gundo consta Je aviso uo ministerio da guerra,
de 19 do corrente, foi tr n-fendo, na mesma
data, para o 2 batalhao de infamara o soldado
da companbia de operarios militares desse ar-
senal >eveiiao Ramos Googalves Lima, confor-
me pedio Guilhermina Cesar de Almeida, mi do
mesmo soldado : o que declaro a V. S. para o
seu ccnhecimento.
Ao mesmo.De confonnidade com o aviso
do ministerio da guerra, de 19 do corrente, man-
de V. S. fornecer ao deposito de ariigos bellicos
da provincia do Cear e ao 27 batalhao _da in-
famara os objectos constautes dasduas inclusas
notas de 25 e 30 de Setembro flodo, organizadas
na repartico de quarlel mestre general.Com-
tflunicou-st ao inspectorda Tbesoutaria deFa-
zenda.
Ao inspector do Tbesouro Provincial.En:
trege boje urna le:ra do valor de 100.000*000
ao Banco laterqacional desta cida le que pora
disposigo desse Tbesouro a importancia corres-
pendente.
Essa quaotia, os 100:000*060 que j existem
nesee Tbesouro e o pioducto que ti ver da arre-
cadagao, empregue 00 pagamento dos vencimen-
tos dos funecionarios pblicos, pois multo dese-
jo deixar a provincia vendo arredado esse vla-
me permanente, daimpoulualidade de pagamen-
tos, que perdurou durante a raiuha aduiiuistra-
go.
Ao rneanno. -Mande Vmc. um engeuheiro
dessa repartico le.-antar a planta e o:gamento
das obras para o abastecimento d-agua a cidade
da Victoria que para sua populago c importan-
cia exige esse melboranen'o,
Nesta dala autotiso o Tbesouro Provincial a por
> sua disposigo a quantia d i:5OO*0J0 p.ira
occorrer a um tal servico. Omci..u-se ao' iuspec-
lr do Tesouro Pr vincia I
Ao mesmo.Deferiodo a petjeo do cap-
to Antonio remandes de Albuqnerque sobre a
qual informo Vmc. m officio n. 156. de boje
datado, autoriso o a contractar com elle os re-
paro i de que necejsita a ponte do Anjo sob e o
rio Sennhem, mediante o abate de 5 % do va-
lor respectivo do orgamento na importancia de
8:678*590. Communicou-se ao inspector do
Taesouro Provincial.
Ao director geral.de obras nu'\lica?,Ap-
provando hoje os tres orcameflto3 fannnyxoa'ao
offijio de Vmc., de 17 do correlo; sob n. 151,
das obras dos agudes da Cannotrnbo, Lagedo e
S. Benio o i" no valor de Stf'SMOOl), o 2 no de
-

-.
r -
-
-J-- *#
. I
"
%
I.:
-.
\ .-
r '

J
;
. v
;T
-
-

V


!
T-


-*
Diario de Pernambuco-Quarta-feira 1 de Janeiro de iW'


Vi. :'
-


1:706*690 e o 3o de 1:6944000, autoriso Vmc. a
cootrctal as com Ignacio Paes de Aie?edo sob
as condicoes alam das regalamenarea, a de
abate de o 0 0daare.a8-.valores dos nrgamenos-
cnclusao dasflBBSasa;praso de um aneo e ti
nalmente a deaer oaage uento total no tpraso
de um anoo, asjieis de erem eltos definitiva
nenie recebiSaaq)elo?aweroo.Communicou se'
ao inspector do Tbesouro Provincial.
Ao direotor-do prolo iguneoto di estrada
de ferro do neo* ao S. Francisco.Declaro a
Vmc. pan os fine convelientes quetara awso do
ninisterio da agricultura. Gojumewio e obras
publicas, sob n. 24. de 21 d jrrente, foi ap-
provada a prorogago por 30 dias a tceaca com
vencimntos ua forma da lei de igual preso con
cedida em 2 do crrente ao coaductor de l
classe da isira la de ferro do- Recite a Caraar
Joo Vicente Ferreira Coelno.
flftarias: ,
O Sr. superintendente -da estrada de ierro
do Recife-ao S. Francisco d pa88aem por coota
da provincia, da etago de Cinco Ponas de
Una, a 5 pregas do cor90 de.polica qoe re
gressaoi para o sea destacamento na villa de
Bonito.
dem para o cabo-de esquadra Polica, Manoel Fel ppe dos Sanios, que regressa
jara o seu destacamento na villa de S. Rento.
Mutatis mutandis ao encarrilado la estago
-de Palmares para dar pissagem ao referido Cabo
at Canhoiinho.
O Sr. superintendente da estrada de ferro
ao Recite ao S Francisco d pasaagem, por conta
a provincia da estaguo de Cinco Ponas a de Una,
o 2." sargento do Corpo de Policia, Manoel Bibei
ro Pontes, providenciando quinto ao Iransporlu
do fardamento que elle conduz para o destaca
ment de larra de Jangada.
dem dem ao cabo de esquadra do Corpo
de Polica, Jos Francisco dos Anjos, que destac
para Garanhuns.
Mutatis mutandis 10 encarregado da esta gao
de Palmares para mandar transportar at Barra
de Jangada, levando faidamealo, pora o 2." sar
genio.
dem idem ao cabo de esquadra, at Gara-
BhUBS.
EXPEDIENTE DO DR. SBCBETABIO
Officios:
Ao commundante das armas. O Exm. ir.
eonselheiro presidente ia pruviaoia manda de
clarar a V. Exc. para seu conhecimeato e devidos
uns qae no requeriaiento do 2. sargento do 14
bata nao de inlantaria Aluno Candido de Andiade,
obre que versa a mformacio d'esse coramando.
de 26 do corrate, sob n. 2,133, proferio boje o
eguinte despacho:I'ideferi 1o. por ser con
Teniente que contine seu tratamento na Enfer-
mara Militar.
Ao mesmo. De ordem do Exm Sr. conse
Ibeiro prest lente da provincia declaro a V. Exc.
para os lins convenientes e em resposta ao seu
fficio n. 2,074 le 4 do corrente que u'esta dala
sao submettilis a delibirago do Ministerio da
Guerra os pedaos annexo* ao citado officio
acerca do oroecimento ao 14.' batalhao de ni-
antaria de urna twndeira de Hiele com cinco pan
ios e de 1 i sobrecasacos de paoao azul avivados
para corneteiros, visio nao existir crdito para a
respectiva despesa, segundo declara a Thesoura-
ria de Fazenda em ufficio 11. 420 de 26 desle
mez.
\o nspecior da Thesouraria de Fazenda. -
O Exm. Sr conselheiro presidente da provincia
manda remetier a V. S. a uelu^a ordem do Mi
aisterio da Guerra de 21 do corrente.
Ao commandanle superior da guarda nacio-
aal das comarcas de Floresta e TacaratSua
Exc. o Sr ouselheiro prndente da provincia
manda communicar a V S., era resposta ao seu
officio de 2 e Setembro lido que j'foram to
madas as providencias necessanas sobre o as
umpto do mesmo officio de modo a serem ga-
rantidos r s direilos de todos os habitantes dessas
comarcas e fazer-se tffectiva a punigo dos cri
minosos.
Ao inspector do Arsenal de Marinna.0
Exm. Sr. conselheiro presi lente da provincia
manda declarar h V. S. em resposta ao seu offi
o de boje sob n 36, que por portara d'esla
data foi nnmeado o mestre das officioas de cons-
ru'-cV;s navaes d'esse Arsenal, Francisco Gomes
de Fiiieiredo, para exercer interinamente o car-
go dedire:lor das ditas offleinas.Communicou-
le ao inspector da Thesouraiia de Fazenda.
- Aos agentes da ompanbia Brazileirade na-
Tegavao. -Sua Exc. o Sr. conselheiro presidente
da provincia lica inleirado pelo officio de Vv Ss.
de hontem datado, de haver entrado pela manba.
dos portos do Sul, o vapor Para, que seguir
boje as 5 horas da larde, para os do Norte, al
Vanaos -Communicou-se a directora do cora-
ercio.
Ao D-. juiz municipal e de orbaos do ter-
mo ne [ugazeira Sua Exc. o Sr- conselheiro
S residente da provincia manda communicar a V.
. que no seu offi 10 de 18 do corrente mez pro-
ferto noje o despacho segrate : Ao Dr. ebefe
de polica pira providenciar cora urgencia >
Au Dr. juiz inuuiciua! e de orpnaus do ter-
mo do U'iubo -Sua Exc o Sr. conselheiro pre
lenie di provincia iii.uida com nuoi ar a V. S.
me no seu uffi-io de 18 lo corrente mez proferio
buje o despacho se^uinie : Ao r. chefe de
polica para providenciar.
Kenartlro da Polica
2.* scelo. N. 1831 Secretaria de Po-
licia do Estado de Pernambuco, 31 de De
sembr de 1889. Cidado.Participo-vos
ene foram recolhidos hontem Casa de
Deten gao os segmn es individuos :
A' mmha ordem, Jos Paulo Virginio, vindo
do termo de Palmares como criminoso.
A' ordem do subdelegado aa freguezia de
Santo Amonio, Joao da Cruz Mello Maia e Fran-
cisco Oliveira da Silva, por embriaguez e dis-
turbios.
A' ordem do do 2o diatricto da Boa Vista, Jo-
sepha Mara da Conceigo, alienada, at que
possa ser transferida para o asylo da Tamari
aeira.
Communiccu me o subdelegado do 1 dis-
tricto de Bum Conseibo, que na noite de 24 deste
mezalguns criminosos do termo de Buique. ca-
pitaneados por um individuo conhecido por
Delgado, aggradiram, em sua propria casa, ao
cidado Jos Felippe da Rocha, a quem ferram
morlalmente com um tiro de pstela e duas fa
cadas.
Contra os delinquentes, que se evadiram, pro-
sedeu-se na forma da lei.
No dia 25 e 00 termo de Correales, o indi-
viduo de nome Joao ludio asaassinou a Manoel
Brande, consegrando evadirse aps o crime.
Contra o delnqueme abri-se inquerito.
O delegado do termo de Aguas Relias ef-
feclnou no da 19 do corrente a prisao do cri-
minoso JoaoBezerra, da Silva, conhecido por
Joao Ronco, pronunciado em crime dt roubo no
termo de. S. Be oto-
Pelo Dr. delegado do i districto da capi-
tal, foi remettido ao Or. juiz de direito do 3
districto criminal o iuquerito policial a que pro
ceden centra Francisco Jos da Silva por crime
de deflorameoto praticado na pessoa da menor
Josepna, residente na toa-Viagem.
Entraram em exercicio :
Cidado Rogoberto Barbosa da Silva, delegado
do termo de Bom Jar Jim
Alteres Joao Evangelista de Souaa, delegado
do termo do Brejo.
Cidado Jos Alves da Cruz Azevedo, delega-
do de Carapot3.
Sade e fraternidade Ao brigadeiro
Joa Simeao de Oliveira, mu digno go-
vernador provisorio do Estado de Per-
aambncoO Chefe de polica interino,
Jote Izidoro Martin* Jnior.
(MBESPIDEMIAS
BOM CONSEU'O, 26 de Dezembro de 1689
Convulsionado em corpo e espirito balemos
de aovo a porta do ulosuado e biapibuewo Dea
ri dt Pernambuco, solicilando indulgencia para
a longa oaaiaaio doa Botaos deveres, deixan-
do da transmitiir-lbas u matcias desta localida
de. ha onze mezes a esta parle, com inleiro ol-
Tiao de todos os articua e paragrapooB do com-
a que vftbHviamente nos impow-
JfeiMa n ocaso arar a ponderosa circma-
atada de que, na foi nef liaeacia on m voa-
tade de noesa parte, senfto afflaencia de alase-
res (e afazeres geralmente conhecido 1 aqu),
que motivou o temporario abandono da nossa
aaiuio.
Hoje, porem. j* adlHiadoa desses eimaajos,
emponnamosae naaatajwaraa.aanvictoiBamn
tinuanaas awasr bemaralbbian#w Vv. la.
Enoeftaatt este psiH uaaanlm^oiut i;sjniiniaor
desejar-lbesibonaneoasBeaas e'ligueisae.entSB
das do prcanmo anoo.
O NaUI por aqu nao britaou ipor aqatlsb^la
cidez que presidio ao dos anuos anteriores.
Semsabocta,'tuuaibmciaa, aaaassiaatos, eis os
caracieriattasa desta grande festa entre nos no
corrente anuo.
Pelas duas horas da manha da noite de 24, o
soldado Pedro d'Alcntara Monis Sobrlnho, do-
minado por urna dp?coramonal touca, ao passar
pela praca 7 de Setembro, entendeu que all nao
era lugar proprio para quitandas, e entio tratou
de inutilisar com o sabr a todas qnantas en-
con'.rou, com cojo original gracejo, alm de alar
mar o povo. den pm pr quiso aos pobres qui-
laadeiros, superior a 80*006.
Os que se leinbraram de reclamar contra tao
brutal piuceamiento, tiveratu em resposta o sa
bre pelas costas
Interrogado pela respectiva auteridade *obre
u motivo que o levou pratica de tao fljtranho
alternado, respondea qae foi impellido apenas. .
pela cano?.
Era face de tao ingenua e sincera cootisso,
foi Ibe perdoado o delicio, pagando os prejudi
cados as cusas
Ao anaohecer de hontem, no sitio Caborge,
em casa de Antonio Lcureoco, Jos Felippe da
Rocha e Manoel Antonio de Farias, all morado-
res, ao regressarem desta villa, all encontraram
o celebre criminoso Joaquim Camillo Delgado,
autor de diversas morles neste termo e ao de
Buique, reunido a dous cmpanheiros deseo
nbecidos; e 03 tres, ao lobrigarem urna garra-
fa de agurdente que conduzia Jos Felippe
tralaram de bavel a por meios brandos. Resis
lindo, porm, Jos Felippe, leve em represalia
um tiro e urna tacada, le cujos ferimeatos est
prestes a fallecer, sendo mesmo impossivel es-
capar.
Manoel Antonio, vatendo-se das pernas, pode
salvar se com uus leves ferimeatos de chumbo
na cabeca.
A polica, avisada do facto, pata all se din
gio, nao encontrando mais os assassinosr os
quaes deixaram toda a bagag'nn composta de
cavatlos, sellas, cangalbas, etc., sendo ludo p-
prehendido e devylamente depositado.
Augmentar o pequeo destacameato aqui
existente, collocar a frente da polica um offi
cial experimeotado e alheio as lucias locaes,
laes sao, a nosso ver, os uuicos meios de repri
mir 1 s crimes oeste termo.
Vamos a ora tratar do verbo do dia :
Repblica Brazileira.
No domingo, 17 do passado, echoou aqui a
noticia do advento do novo governo. causando a
maior rapiesso na populado que, aferrada s
velbas tradicOes monarctuas, julgava urna
utopia, um soQQO de poeta a repblica entre
nos.
No entanto, faci consummado, e 0 que mais
para admirar que tao estupenda metamor-
phose operou-se sombra da paz, sem aquellos
horrores que ha cera anaos lizeram correr ros
de sangue na patria de Voitaire, e que no Mxi-
co cus ju a vida ao infeliz Maximiliano.
Tres passeiatas Toram aqui organisadas por
quelle motivo.
A 1*, no dia 19, organisada pelo tcnente Jos
Ferreira Uutra e praQis do destacamento poli-
cial, percorreu diversas ras, dando vivas Re
pub ica e ao general Deodoro.
A 2" te ve lugar no dia 29.de Novembro, pro
movida pelo ex promotor o cidado major Ipi
ranga, que, frente de um crescido numero de
amigos acompanbados pela banda de msica
aqu existente, sahinm a comprimeotar diversos
cidados qualilicados, sendo recebidos com vi
vas e acclainacoes.
No da 24, quando j constava aqui o genero-
so procediraeoio do governo provisorio para
com a familia imperial, e que as adbeses erara
quasi geraes. o ategerrimo juiz de direito da
comarca Dr. Aii lias de Oliveira, organsou ain
da utna 3' passeiala, cjjo maravilloso effeito li
cara unmorredouro nos aonaes desta -.illa.
Concluidos os actos da festa celebrada na ma-
triz em honra de Santa Cecilia, a msica, pre
cedida de todo o povo que assistia aos actos re-
ligiosos, dirigio-se casa do Dr. juiz de di
reno, onde j encontrou reunidas ceoteoas de
pessoas. Ah foi resolvido que urna guarda de
honra, com a respectiva msica, fosse receber o
estandarte republicano hbilmente arraojado
pelo cidado Miguel Fuaseca, de cuja casa vol
laido o prestito casa do Dr. juiz de direito,
e-te. cmpui lian lo o estandarte fez urna breve
mas cloqueute e expiessiva allocucao ao povo.
na qual saentou as vantagens do novo syslema
de governo, o patriotismo assigoaiado em todos
os actos do governo provisorio, concluiodo dan
do vivas ao raayto general Deodoro. aos mera
Uros do ministerio, ao governador interino deste
Estado, vivas calorosamente correspon lelos por
lodos os circumslaiiies.
Uitii sanio o prestito a percorrer as princi
pie- ras e pracas, recomend se s 9 horas da
noite, tendo remado a melbor ordem e bar
monia.
E' extraordinaria a corrente deimmigra
cao de serianejos para esta comarca, em couse
quencia da ternve! secca que flagella as proviu
cas do norie.
Devido ao fraco invern deste anno, so a'
parte sul do municipio conseguio salvar -urna
pequea parte das lavouras, arada que de m
qualidade.
A propria safra do aloda, que nos annos
escassos aqui abundante, neste anno foi por
demais exigua.
0 milho. que por este lempo conservava o
prego de 40 rs.a cuia, est boje a 800 rs., e
oxal houvesse cora abundancia I
A farinha vendida a 8 O, 'JO 1 e UOOO por 10
litros, e tende a subir a sua colaran, atienta a
falta de mandiocas.
O feij&o nao obstante ter habido urna boa co
heita das ultimas plantas, j subi a IfOjO a
euia.
Estes pregos seriam razoaveis em outras qua-
dras, porem, aa aclualidade, quando a classe
mnima, dispondo apenas dos bracos, nao en-
centra a qnem dar um dia de aervico, cruel.
E como em taes condices evitar a lome ?
Parece que este Bom Conseibo, outr'ora tao
mal aconselbado, caminha agora para urna nova
ordem de cousas, ordem de moral c de pro
gresso.
Um dedo myslerioso encarregou-se ultima-
mente de ir removeodo os obstculos que se an-
tepunbam boa marcha dos negocios da ultima
sesso do jury, encerrada no dia 19 do corrente
depois de 11 dias de trabalbo, vimos o benfico
effeito desse agente secreto, fazendo trumpbar
a causa da juslica em todas as ducisoes da ses-
"0.
O cidado Miguel Fonse;a assumio no dia 16
do corrente o cargo de agente do correio desta
villa, para o qual foi nomeado por portara de
Felicitamos ao digno cidadio administrador
dos crrelos por tao acertada es :olha, recabio-
do em um cidado apto, asss crterioso, digno
portanto da confianc publica.
Oxala qae o adjo tutelar que preside aos des-
tinos desta comarca, nao limite os seus cuida
dos agencia do correio. Outros mullos cargos
devem ser critenosameote preenebidos para o
bom desempenbo do servico publico.
Pelo antigo systema, ao empregado publico
bistava estar era dia com o rgulo da aldeia,
pouco ou nada importando o bom ou mo com
primenlo dos deveres.
Hoje a cojsa outra ; o empregado precisa
estar em dia com a justica e morafidade.
Os rgulos j nao regulara.
Unio do Crdito, representado pelo seu admi-
nistrador o Sr. L. Paridaat.
6amaso ta e-npwathBOs.es companbias Fa-
brtaacdaJfamdos Hao>firmde, deO0:MQaT00e, e
Fabnca-efacidos*.Lasare de 3B0.0WIB00 ao-,
tire ttebaatnres de WfMOM flue acbaram facll-j
mate Bamadores quando o banco abri sub
scnajBo publica paaa -os meamos; e anda pro---
cedBBBD -rerate de amorestimo faito iCompa-
nbia 2aatareiru e Bagetos de S Paulo Baampjr-
tanct.Be Ibs sis, iB>J)0(>.oa 4,00) debeotures de
Ibs. ate. oO cada um
Por con ta dasTeepectivas companbias foram no
banco iberias as subscrlpses para as acgOes e
debenturas da Companoia Esl'ada de Ferro Mon
tes Ciaros, Gompanoia Nova Industria e ou-
tras.
Alm d'isso. o banco tendo attenco ao gran
da deseo vol vimeoto do coinmercio e industrias
da praca e particularmente dt> propr.o eslabele
cimento, e bsm assim a concernencia d'elle em
babiliar se a ser banco emiisor, a respectiva ad
mioistraco resolveu submeiter judiciosa apre-
ciacio da asaembla geral a proposta de reforma
dos estatutos que depois de merecer a adhesp
da commissao fiscal, foi votada na assembla ge-
ral veaiisada a 28 de S^temnro, aehando-se as
slm constitu no o banco com o capital de......
10.000:000*000.
O fundo de reserva do banca, em 30 de Setem-
bro de 1887, era de 70:9991650; no anno decor-
rido bouve um augmento (te 10.0754350 o que
fez todo a somma de 8l:07af0O0.
Com 100:000*000 distribuidos em virtude de
resoluco da assembla gera\ de 4 de Julho de
1888 o fundo de reserva accdmulado em quatro
annos de existencia do baocd, eleva-se a.....
181:075*001. \
Foram feitas 836 transferencias de aegoes no
anno do exercicio representan p 19,403 accOes.
a saber: por vendas, 318 transfetencias de 13.974
accOes, cauco 23 de 3,991. 1 ae ievuntamento
de -auca* de 1,438.
republicanas, um com e seu odio e irsci-
auaade e outro oom a sua bramaba de
qnaa perdeu a faja o&oiul, p dian con-
stizair um centro de -deepeitados, conti-
nuando em suas intrigas pequeninas e cons
piradBes perturbadoras, embora sem con-
seoaancias.
A medida tomada pelo governo foi mui
acertada, preveaindo males futuros e .pon-
do de sobreaviso aquellos que peaaem conspirar ou em organisar o sebastianiamo
entre m'is.
O dia em que a Igreja commemora a Assump-
cao de Nasas*enhora, urna aeata-ieica, 15 de
Aeosto.
( O da 7 de Setembro, anuiversurio. da In Je
i pendencia do Brasil, um domingo.
1 O dia -6 do mesmo mez, era que a igreja com
memora aa Natvidade de Nossa Senhora. se-
'gunla (aira.
O dia de Todos os Santos, de Novembro,,
I um sabbado.
Por ser demingo o da 2 desse mez, a co.ime-
moracao dos difuntos far-e ha no da 3, segun-
da-feira.
O dia 15 de Novembro, 1. anniversario da
Hendlmenioopubllro*- As seguintS
l^stacOes arrecadaram em Dezembro :
TKWSCRIPfflES
FUASCAS E COMERCIO
Segondo o relatorio do conseibo administrativo
do Banco Unio do Crdito do Rio de Janeiro 0
bre a situaco do banco e as ,operagoes respe
divas at 30 de Setembro ultimo, os lucros li-
Juidos realizados e repartidos durante o anno e
emonstrados pelos balancos montaram a.....
177.600>350; o que permittio distribuir aos ac-
cionistas um dividendo de 10,71 / 00 primeiro
semestre e de 12 "/. no segundo, sendo que du-
rante u ejercicio lindo foram commettioas ao
banco diversas operacoes, estacaadOMB d'entre
alias a fue aceeitou e execatou o empresthno de
880,000 Ibs. a Companoia Estrada de Ferro Sa
pacahy, contrabjdo em Londres com os banqui-
ros Morln Rose 4C,e negociado pelo Banco
A semana passada
(Do Diario de Noticia da Capital Federal)
Os ltimos seto dias foram de grande
movimento e agitacao, bavendo alguna fa-
ctos bem interessantes, que vieram demons-
trar que ha intrigas, mas que ha governo
tambm.
(,'orria tudo descansadamente, sem que
o governo se preoecupasse com as peque-
as cousas, quando um alvorofo enorme
appardceu interrompendo o silencio pre-
cioso do quem trabalha pelas graudes cau-
sas.
No d da cidade e especialmente na do Ouvidor,
um murmurio desusado o que feria mal
aos ouvidos de quem pelo patriotismo dse
ja sinceramente a tranquillidade publica.
Fallavam em mil versSes sobre uin in
cidente havido no quarteJ, e que, corren-
do Seca e Mccca, ia se avolumando cada
vez mais, tomando proporcSes assustado
ras.
Os curiosos perguntavam com ancieda-
de pelo facto e ao passal-o para dianto,
faziam-no desenvolvid zmente, contando a
historia j muito adulterada e assuatando
a quem a ouvia, que por sua vez e edita-
va correcta e augmentada.
Tudo procurava alamar a cidade com
a revolta no quartel do 2" regiment de
artilhana, dizendo que 03 soldados j se
tinham posto em marcha para a cidade,
muito bem municiados ; felizmente a nos-
sa populaco conhece perfeitamente oomo
se adulteram os factos entre nos, nao se
deixando levar pelo que disiam, tiem met-
teado-se em casa com a sua mnlher e
seus filos, e procuren grande parte della
verificar com os seus proprios olhos os
acontecimentos que se davam. D'uhi a
grande concurrencia pelas ras, principal
mente ua juellas em que o movimento era
maior.
A ra do Ouvidor encheu-se logo ; d'ahi
o povo correu para o campo da Acclama-
cao S. hristovam e arredores da ra
do Major Sulon.
Em frente ao quartelgenera! estaciona
vam grupos e grupos de curiosos, que
vidos de novidades, faziam mil commen
unos, procurando ver alguma eoisa de ex
traordinario, onde nao havia mais do que
um incidente passageiro e sem importan-
cia.
O caso simples.
Alfana soldados insubordinados do 2
regiment de artitharia, levados pela em-
briaguez e pelo suborno, revoltaram-se no
quartel, pensando que tivessem por ai,
como lhes dizia n os intrigantes, os seus
companbeiros de armas, quando nSo po-
diam contar nem com os sargentos de
seu regiment, que os abandonaram com
pietamente.
Puzeram se em armas, seguindo as ins-
trucoues que tinham, com certeza, rece-
bido de fra do quartel; mas vendo-se
abandonados, sem rumo, nem dreccSo,
julgaram se perdidos e entregaram-se, de-
pois de terem procurado arrestar os seus
companheiros, que os repelliram a tiros
de bala.
Cahindo em si, os infelizes soldados
comprehenderam a sua triste situacao,
pensando no erro que haviam commettido
no meio de conseguir o sea perdSo...
E os que lhes deram dipheiro para a
embriaguezsubornando-os e fazendo-lhes
promessas impoasiveis, desappareceram
m is era ve 1 mente. Queriam a perturbacao
da ordem ; mas o governo, qae at aqui
tem sabido cumprir o seu dever, garante
a seguranca e a tranquillidade publicas,
que nao foram, nem sero, de nenhum
modo alteradas, pois os depositarios dos
poderes pblicos contam com os elemen-
tos necessarios para suffocar qualquer
movimento perturbador da ordem e paz
da populacho, nao somente desta capital,
como de todo o paiz.
#
Depois des tes acontecimentos, que fo-
ram verdaderamente providensiaes, o go-
verno despertou de sua bondade e condes-
cendencia, tomando providencios que ur-
giam ?
Qlguus bomens polticos e sobre qnem
recahiam suspeitas compromettedoras, fo-
ram presos e interrogados, sendo soltos
aquelles que o governo em seu alto crite-
rio entendeu nao merecerem a sua atten-
90. m >
D'entre os que foram levados ao quar-
tel general iicaram presos definitivamente
dous : os Srs. Carlos Alfonso e Silveira
Martins, sendo este deportado e aquolle
banido do nosso territtrio com o seu ir-
mSo, o visconde de Ouro Preto.
Esta providencia tornava ae necesaariaj
poique, se bem qae elles em nada podes-
sem prejudicar a seguranca da Repblica,
poda u comtudo perturbar a ordem e a
tranquillidade publicas. ,
Sem grande valor pessoal, nem mfluea-
cia que p odesse abalar as conviccoes
proclamaco da Repblica, um sabbado. E'
Abusando da condescendencia do gover- dia de festa nacional
no, elles tramavam com mhabilidade, pen O dia em que a Igreja commemora a Immacu-
sando podessem desmoronar o alicerce aue ladi Cp^.'S A* *. 8 le Dezembro, uu-a
, j segunda fera.
slidamente vai construmdo o governo pro- A festa do Natal, em 5 de Dezembro. cahe
v son para o engrandec ment da patria. n'u.iia quinta feira. .
O ultimo dia do anno, como ja ticou dito.
Os que na Europa rodeiam o
rador conspiraram tambem,
D. Pedro de Alcntara, pensando falvea
que o fizeasem contra a Repblica.
ex-imDe- : umu ('uar,a feira-
: 1 Hatera em 180. tres eclypses. sendo dous
mas contraiae80,emnae
Todos viram o modo oomo a noticia dos
cinco mil contos dado pelo governo provi-
sorio ao ex-irnperador, para pagamento das
dividas de sua familia e. seu eatabecimen-
to na Europa, foi recebida pelo Sr. conde
d'Eu, que agradecen tamanha generosida-
de, reconhecendo at a superioridade dos
homeris do govarno, de um modo franco
e positivo e oonserando-os seus amigos.
O velho ex imperador concordon plena-
mente com seu genro,'reconhecendo o di-
reito de conceder-lhe aquella somma para
as suas despezas e caso nao tivesse reco-
nhecido logo aquelle direito, o Sr. conde
d'Eu, que ae mostrou aatfsleito e agrade-
cido e que todos sabem intervinha nos ne-
gocios do Estado, aconselhando oom 'sua
esposa a D. Pedro de Alcntara, se encar
regira de convenoel-o, porque j havia
agradecido em seu o em nome de seu so-
gro, aquelle bello proced ment do gover-
no provisorio.
O ex-imperador, rejeitando esse g.ande
favor que lhe foi concedido e que repre-
senta va a maguan i midade do povo brazi-
leiro, s o fez por conselhos de mos ami-
gos, que preteaderam tazer mal ao gover-
no, fazendo o nica u en te ao pobre velho,
cuja enfermidade o levou at perda do
throno.
Perversos os que o cercam !
Nao so contentaran) em arrastar D. Pe-
dro de Alcntara sua ruina, como impe-
rador, arrastaram-n'o tambem como ho-
rnera, creando difficuldades sna velhice,
que o governo havia amparado com gene-
rosidade.
D. Pedro rejeita oe cinco mil contos
que o governo Ibe otferece, descoohecen-
do-lhe a competencia para tal, mas decla-
ra aceitar a dotacaooa o pagamento da lis-
ta civil, dizendo que o faz por ser de lei.
1 .omprehende-se perfeitamente a posico
do governo, nao podendo ser outra a sua
attitude em semelhante emergencia. Pe-
zarosos, mas levados pelo dever e pela
responsabilidade do governo, os homeris do
ministerio decretaram o banimento da ex
familia imperial, suapendendo lhe o paga-
mento da lista civil.
Nem outro poda ser o seu procedimen-
to, que, com este acto de energa, captou
muilas sympathias. deixando ver queha
governo.
*
Outro acto muito applaudido do gover-
no foi o decreto convocando a constituinte
para o dia 15 de Novembro, primeiro an-
niversario da Repblica, devendo se pro-
ceder s eleicSes a 15 de Setembro
Este acto vem demonstrar como o go-
verno nao pretende urna dictadura pro-
longada, reconhecendo a sua enorme res-
ponsabilidade, da qual nao recua, mas na
qual nao pretende perpetuar-se.
D'este modo estao satisfeitas as aspira-
c5es geraes, ficando campo aberto aos
ambiciosos, que almeijavam tanto a cons-
tituate e garantidos os que tinham receto
di urna dictadura eterna.
Ahi est como procede o patriotismo.
#
Os nossos amigos da Repblica Orien-
tal nao quizeram ticar atraz de seus v.ai-
nhos, em relacSo -s manifestacSes feitas
ao Brazil, pelo advento da Repblica, e
entao premoveram grandes fes tas em nos-
sa honra. r
Hontem foi o dia escolhido para a sua
demonatracao de alegra, constituindo-o
em festa nacional, a exemplo do que fize-
ra a Repblica Argentina, no domingo
passado.
Os membros do Governo Provisorio fo-
ram hontem cumprimentar o Ilustre mi.
nistro oriental, agradecendo-lhe as genti-
lezas que o seu grande paiz nos tem dis-
pensado, dando-nos as maiores provas de
amisade pelo procer!i ment cavalbeiroso
que tem tido para comnosco.
Enviamos d'aqui, ao sympathico rep-e
sentante da Repblica do Uruguay as nos
sas mais sinceras felicitacoes e agradeci-
mentos.
ua, :. mais um apulso lunar.
Este lera lugar a 3 deiunbe.
O i. eolyps, que ser aonullar do sol lera
lugar a 17 de Janeiro corrente, sendo visivel as
circumvisinbancas de Pernambuco, para cuja
populacSo o sol nascera parcialmente eclypsado.
0 2. eclypse do sol, que ser central ter lu
gar a 12 de Dezembro, e nao ser visivel em
Pernambuco.
O eclypse da la, que ser parcial, ter lugar
a 26 de Novembro. _
Iatendenela Municipal AnteJiontem,
s i oras da tarde, assumiram as funches res
SL'divas os membros do conselho de Intendencia
unlcipal ltimamente nnmesdos.
Banco de Pernambuco h.' aman ha
que o Raneo de Pernurabucokcomeca suas ope-
racOes, ficando a seu carpo Mquidago do ac
tivo e passivo da Caixa FiliJ'ao Banco Nacional
do Brasil, na cidale do Hocife.
Hcnniao HuMica 'Ante hontem noite,
na sua casa ra da Aurora n. 61, 1' andar,
realtsou o Sr. F. de Paula Gomes com seus alum-
nos a 19. reunio musical, cujo programma,
abaiso publicado, executou se Belmente.
Foi numerosa a concurrencia de pais de fami-
lia c amadores a essa reunio. era que, como de
costiiiiie, exhiniram os alumnos as ultimas li
(Oes. Todos foram applaudidos, havendo al
gumas estras promettedor.is ; e alguns revela-
ran! incontestaveis progressos.
Foi essa a ultima reunio do anno que hontem
fiodou, annunciando-se para Fevt reiro do anno
que hoje comefa a 20* reunio, que dever real i-
sar-6e no esplendido salo do Lyceu de Artes e
Officios.
Pelo muito que nestes certamens lem obtido o
iucansavel e intelligente professor de piano, Sr.
F. de Paula Gomes, iniciador delles nesta cap
tal, nao podemos deixar de felicital-o.
O programma executado foi esie :
Alfan^ega:
De .889 812:354M05
1868 997:290* 79t
. 1887 1.047:220*744
1886 88i:976#5it
1885 796:538*087
Recebedorui Geral i
DelH89 40:680*673
1888 32:914*332
1887 53:831*074
1886 52:551*128
188S 3:0o3i011
'
Renda do Estado de Pernambuco :
De 1889 3-4:671*068
. 1888 J77:084'174
< 887 390:32849 6
886 2i3:ll.->*70
885 t.iM'J 350
No* dous ltimos annos. a renda corapa-
raca das estaedes publicas lu esta :
Alfandega :
Ao iioaaoo leltoreaNa revoluco do
lempo um novo anno levanta-se boje vida,
auspiciando mlhores dias, ou nelle vendo nos
esse signal que a esperanca sempre.liga ao fu-
turo
E' urna aspirado consoladora, que alimenta a
alma.
Esperamos que o novo anno corresponda a
essa apreciaco gerb ; e assim ozemo-nos o
dever de saudar aos nossos tenores e a desejar-
Ihes que das ventaras que em sua constancia
tenha elle de proporcionar, gozem de avantaja-
da porcao.
Acceitem estes votos, pois, como os nossas
etrennes, os nossos boas anuos.
O Anno de' 18BO O anno que hoje co-
meca, iniciando se por urna quarta-feira, termi-
nara n'outra quarta-ieira 31 de Dezembro.
O dia dos Santos Res, 6 de Janeiro, cahe
n'nma segunda feira.
O dia em que a Igreja commemora a Purifica-
cao de Nossa Senhora, 2 de Pevereiro, um do-
mingo. -
0 domingo do Carnaval tem a data de 16 de
Pevereiro.
Comeca a Quaresma no dia 19 de Fevereiro.
O dia em que a Igreja commemora a Annun-
ciaco de Nossa Senhora urna terca-feira, 25
de Marco.
O domingo de Ramos, inicio da Semana Santa,
cabe a 30 de Marco, e o da Pascboa da Ressur-
reico a 6 de Abro.
0 dia em que a Igreja commemora a Aseen-
cao do Seouor urna quinta feira, 15 de Main.
0 domingo do Espirito Santo a 15 de Haio.
O dia da festa do Corpo de Deus, a quinta-
feira 3 de lunbo.
O dia de Santo Antonio, 13 de Joobo, urna
sexta-feira.
O dia de S. loso, 24 de Junho, ama terca-
feira.
O dia de Santa Auna 6 o domingo 17 de Ju-
lho.
HaydnSympbonia em mi b. a 4 mos.Ju
lia e Mara Rio?
2 Streabog-0?. valst em d a 4 mos. F. Ma-
loel da S. J. e M. Casco.
3 StreabogOp. 65, valsa em d.Manoel Viei-
ra Lima.
1 Clementi-Op. 36, Sonatina em d. Alipin
Gasco.
5 Ravina II n petit compliment. Judith L.
de Oliveira.
6 Clementi- Op. 36, Sonatina em sol. Laura
Silva.
7 Schiffmacher Le Lilas. Beatriz L. de Oli-
veira.
8 Lack Th.Valsa hespanhola.Mana Amorun
-algado.
9 Kienzi W. Op. 3, Valorenes Lieb (Roman-
ce).Emilia 3. Ferreira.
10 Francis Thom Simple aveu. Arihur de
Oliveira.
11 Raff J.- Op. 75", Echo Ranz des Vaches suis-
se.Mara U C. Lobo.
12 Heller St.-Eglogue.Amelia Rio.
13 MozartSonata em r a 4 mos, adagio.M.
Luiza F. Ribeiro e P. Gomes.
14 BacchmannChanson du bon vieox temps
Alelia Ferreira.
la Merckel Op. 59, Romanza era sol.Thereza
Fernandes Ribeiro.
16 Lifflor Die Lauterbacherin. Leopoldina
Brito.
17 Ravina II. Un jour de bonheur. Nocturno.
Ludovina Lobato.
18 Wachs P.Valse des Mvrtes- ZulmiraSilva
19 Godard B. Bobemienne. Francisca Pi-
nheiro.
20 Chopin- Op. 37, Nocturno em sol merar. -
Julia Pinheiro.
Calendario Con a nossa folha de hoje
ser distribuido, oa forma do inveterado cosiu
me, o kalendario de parede para o correte
anno.
Meetlag republicanoNo prximo do
mingo. 5 do correte, pelas 4 horas da tarde, o
Sr. Valdevino Wanderley far um meeting no
largo da Academia, na cidade de Olinda. espe
eialraentc consagrado s classes artsticas
Aimanac-k iiuiNirado do Occidente
- Recebemos do Para o 9o volurae do Almauack
Illustrado, que costuma publicar a Erapreza do
Occidente.
E' um bonito folheto que. alem co kalendario,
traz mullos arugos liiterarios, enlreraeiados de
lindas gravuras.
Agradecemos o mimo.
Arsenal de MarianaCbegOU ante-hon-
tem da capital federal o honrado cidado ca pitao
lente Rodrigo Nono da Co3ta, director das
construeges navaes do Arsenal de Marraba deste
Estado, tendo reassumido hontem o exercicio
de seu cargo.
O distincto militar fra, inesperadamente, re-
movido pelo ministerio Ouro Preto para o Arse-
nal da Babia, quando j por bastante tempo, ti-
nca accentuado aqui em gervicos notaveis, o
desempenbo das funecoes que com talento
inexcedivel zelo sabe exercer.
A sua reentegrago, foi, um acto de justica,
digno de applauso'.
Comprimentando ao illustre cidado, nutrimos
a bem fundada esperanca de que continuar a
prestar ao Arsenal os servigos que elle reclama
e sao da mais urgente necessidade.
FaUecImeoto-Escreveram-nos de Naza-
reth em 30 do passado :
Fallecen 21 do corrente em seu engenho
Cacicul desta comarca de Nazaretb, o Dr.
Jos Jerooymo Pacheco de Albuquerque Mara-
nho, na idade de 68 annos, victima de padec
mentos chronicos.
0 finado era formado na antiga Academia
de Olinda e natural desta comarca. Occupou
por diversas vezes e com muito criterio os car-
gos de delegado de polica e de presidente da
Cmara Municipal Conqmstou aqui grande
prestigio devido aos sentimentos democrticos
de qoe era dotado. .
Deixa na consternaco a sua virtuossima
esposa e grande pbalange de fllhos, legando-
Ibes apenas a pobreza e honradez. Era socio da
humanitaria Sociedade Beneficente de Naza-
reth.
ExercltoEntram hoje de superior do da o
capito Pedro Velho e amanh o capito Silva, e
de ronda de visita dous subalternos de caval-
laria. .
0 14 batalhao dar boje a guarnico da ci-
dade e amanh ser dada pelo 2.
Segu hoje para o Prado Pernambncano,
urna forca de 16 pracas commandada por dous
inferiores, sendo 8 de cavallaria e 8 do 14 de
infantera,
Hoje, de 5 s 9 horas da noite, tocaro no
jardm do Campo das Princezas.as bandas de mu
sica do corpo de polica e do Arsenal de Guerra.
Na enfermara militar existem em trata-
mento 29 pracas.
Cidade de Cioyanna-D'essa cidade re-
cebemos hontem o seguate telegramma:
< Goyanna, 31 de Dezembro, s 12 horas c 15
minutos da tarde.
< Hontem, em Itamb, ticou organisado um
directorio republicano.
Realisaram suas conferencias os Drs. Pereira
de Lyra e Antonio Gomes.
Reinou enthusiasmo.
Para o CesuraA 30 de Dezembro pr-
ximo fiado seguio no paquete nacional, com
destino ao Estado do Cear, o cidado Carlos
Falcio.
Ao sen embarque assi8tiram diversos amigos
e correligionarics, bem como urna commissao do
Club 22 de Julho, composte dos respectivos pre-
sidente e 1* secretario.
HaniffiaiaEm reunio de hontem da In-
tendencia Municipal, sob proposta do Br. Joao
de Oliveira foram snpprimidos os lugares de
administrado* e servente do jardlm da praca
Conde d'Eu.
ifc89
1888
Meno- em 89
Reccbedoria Geral :
1889
1888
Menos em 89
Renda do Estado de
1889
ir88
Menos em 89
9 399:2(14*158
11.680.999*6!" i
2 081:7 5*:33
643 673*017
665:506687
19:833*670
Pernambuco :
2.I25-38S*5'<1
2.475:681*474
350:0913893
Brg.mlro Civil No canorio do es'.rivo
de paz da freguezia do SS. Sacra ment de San-
to Antonio foram fritos, a contar le l
oeiro a 31 de Dezembro do anno hontem
602 registros, sendo:
De nascimentos 252
Ue casaraeutos 33
De obilos 317
de Ja-
tindo,
1 rotal 602
Dos bitos, foram quanto a idades :
Fetos ix
De meno 9 de 1 anno 8.'1
De a de 5 at 1 anno II
De de 10 at 5 annos ti
De * de 20 al 10 annos 10
De a de 30 at 20 annos 41
De (( de 40 at 30 annos 41
De 0 de 50 al 40 annos 29
De a de 60 at 50 annos 25
De '< de 70 at dO annos 21
e | de 80 al 70 annos 8
De I de 90 at 80 annos 13
De de KO at 90 annos 1
317
Podendo.se garantir a veracidade dos nme-
ros dos obilos por serem obrigatorios estes re-
gistros, Betaa de ser com pruciso organisada
urna estatifica dos demais nascimenlas e ca-
samentes por presumirse ter deixado de
comparecer numero muito superior aos regis.-
irados.
Cauuonira Liberdade Procedente da
capital federal, nelo Estado da Baha, chegou
hontem ao nosso porto essa canhoneira que vea
aqui estacionar, sob o commando do cidado ca-
pito tenente Serrano.
>ivlo encontrado0 Sr. C. Larsen, ca-
pito da bar a no ueguense Suez, entrada hon-
tem em nosso porto, communica nos haver ns
dia 24 do mez cadente, encontrado na L. 2 36"
Sul e 34 O" Lsste o patacho inglez K. N. B. S.,
que segua de Cdiz para o Rio Grande do Sul.
Tudo ia bem a bordo do patacho.
Club Artista NacionalEste club que
tem sua sede no arrebalde Capunga, freguezia
da Grtca, solemnisa hoje a sua installago cota
urna sesea;! magna. Para esse. tira foram con-
vidadas diversas outras associagOes e pessoas
gradas.
No intuito de mostrar o adiantamento de seus
associados a actual directora julgou conve-
niente dividil-a em tres partes, sendo a
!. lilteraria,
2* concertante,
3 a exposicao de desenho e
tendo comego dita sesso, s 7 horas da noite.
Batalhao BBSegu amanh para a capi-
tal federal esse batalhao ao mando do Sr. eoro-
nel Carlos Magno, era cumprimento de ordens
ltimamente expedidas pelo governo central.
Caimlro de Abren Essa sociedade
Iliteraria funccionou hontem em sesso extraor-
dinaria sob a presidencia do Sr. Alfredo Times.
Depois de tratar-se de diversos objectos de
mteresse social e obre elles tomarse a compe-
teute deliberuco, procedeu-se a eleico da nova
direcioria, sahuido eleitos os Srs. :
Alfredo Geraldo Times i'ereira e Manoel Celso
de Almeida Mello, presidente e vice p-eade ite.
Manuel S. Galvo Pilho e Jos S. N. Manta, 1.
e 2.' secretarles.
Zepiierino J. Cardoso e Manoel Manta, orador
e vice-orador.
Jo- Times Pereira Junitr, Ihesoureiro.
Ge.nesio Figueiredo F bibliotecario.
Ildefonso P, Mniteiro, procurador.
Manoel Bello, Manoel Galvo Filbs e Manoel
Manta, cerainiss rte ceiitas. .
Msnosll ello Galsao Fllho e limes Jnior,
coiumisso de syndtcancia.
Foram dados para ordem do da pareceres
dos socios Pedro Po e Alves Ribeiro, marcado
dia de boje para posse da nova directora e le-
vantou-se a se^o.
Club BB de dulbo-Com esta denomina-
gao ticou delinitlvamcnte organisado nesta ci-
dade. no dia 28 de Dezembro, urna associags
poltica, que tam por iim pugnar pela verda-
dera orientagio da poltica republicana neste
Estado.
Depois de discutidos e approvados os estatutos,
procedeu-se eleico da directora, que ficou
composta da seguinte forma :
PresidenteAlfredo Falcao.
Vice-presidenteDr. Ribeiro de Brito.
1. secretario-Dr. J. C. Balthazar da Silveira.
2." secretarioFelicio Bnarque.
ThesoureiroA. I. do Reg Medeiros.
Agarreasao Criminosos que se acollara
para lados do Buique, 00 dia 24 do mez findo
pela noite, e tendo teste um individuo vnlgB
Delgado, accommettersm em Bom-Conselho a
casa de Jos Felippe da Rocha, feriado mortal-
mente a este com um tiro de pistola e duas faca-
das, e pondo-se ao fresco a seu salvo depois da
faganha criminosa e barbara que praticaram.
AaeassinatoEm Correales foi asassmad
no dia 25 do mez ultimo o individuo Manoel
Grande. *
O autor desse crime foi um individuo de nome,
Joo Izidro, que pode evadir-se.
Joao BoucoEm Aguas Bellas no da 19
fot capturado o criminoso Joo Bezerra Silva,
vnlgarmente conhecido conforme o titulo desta
noticia.
DeiegaciaN de polica Assumiram o
exercicio das delegacias poliaaes de Bom Jar-
dim, Brejo e Carapots os Srs. Rogoberto Bar-
boza da Silva, Joo Evangelista de Souza e Jos
Alves da Cruz Azevedo. .
luquerlto-Pelo delegado do 1 districts
desta capital fez-se remessa ao juizo do 3'dis-
tricto criminal do inquerito procedido contra
Francisco as da Silva por defioramento n'ums
menor residente na povoago de Boa-Viagem.
Divida interna-Commonicam-nos da ci-
dade de Limoeiro a seguinte nota dos donativos
arrecadados no dia 24 de Dezembro pela com-
missao do !. districto d'aquella cidade, para
pagamento da divida interna dos Estados unidos
do Brazil. m-
Transporte do dia 21 255l>2
waifrfdo Moreira da Costa 'SSn
Capito Jos Lopes Dias 52S5
Capito Antonio de Pontes Marinho WWB
Becuor dos Reis e Silva WjJ
Delfino Correia Braga *OW
Joaquim Gomes Brito ,2
Dr. Joo de Oliveira Leite_ 2JS
Severino Rodrigues A. e Silva
Antonio Jacintbo
Jos Pereira Lima
Jos Seveiino M. Nones
Antonio de Hollanda Cavalcantc
Epiphanio Wanderley
Moraes
Francisco Raymundo
.Francisco Estanislao
t*08t
1*000
1*001
140QB
)

I
i
i
*

-


1
1*00
10OB
384*000
Continua a commissao em seus trabamos.
:*-*


V"
Diario de fc*ernan*l!Mieo
I de Janeiro de 1890

.
i


i
\


m
um -0 Dr. los ViceuU Muir de Vu
concert?, testamentciro do finado commendador
Aotonio J*#de Msgalhes'Basto, pede-nos a pu
Micav* iu seguale:
Havend > o comraaadalor Antonio Jos de
Magalhe.i Basto, deixadoa qaarenta familia* po-
bres e hon.-slas da freguea.a de Santo Antonio
'esia-oiiladfl, a esmoia de 301000 a cada ama,
convidaro-se as pessoaa que se joljarera com di-
reito a ditas esrnoUa, a ap/essnlurem Jocniaen
tos aue as babilitem a rece bel-as.
fases documentos sao atetados do vigario
respectivo ou do Dr. detayado do 1" diMrirtn
'esta capital, cora declar.c4 > de seren> a pes-
soas residentes na fallada freguetia, vi/erein bo-
estainen'e e em estado de pobreta, de tarando
tambera o nnmero e idades das pessoas de qae
e compein as familias, os qaaes documentos
serio entregues ao mesmo testamenteiro nos dias
uteis, de ama a duas horas da tarde, no 1* andar
do predio n. 30 4 ra-do Imperador. *
19sim-cio -la da oto** **" mairri -
!*< porto* de rnambuoo Re fe, 30 d! Dezembro de 1889
i ii el un meteorolgico
s-~ 1 t3
Horas sos 1 p S ja iSarometro a fensio do vapor 1
** l-
M- (. X
6 ra. ,s\ 759-69 19,69 77
9 28,9 760-75 19,59 66
12 89'.4 759'9S 19.31 60
3 t. 8,:i! 7o8-6o 20.X1 71
6 88Mt 788-83 19,24 68
Temperatura mxima30,2o.
Dita mnima26,'00.
Evapo-ago em 24 horas: ao sol-7,"3; a
sombra3*8
Cnuva-0,4.
Direcco do vento : E, ESE e SE alternados
durante iodo o dia.
Vt-locidade media do vento1 "73 por se-
guedo.
Nebulosidade media0,"55.
Boletim do porto

fc* Dias fjoras Altu.a
"
P. M. 30 de Dezcmb. 1144 da manhS 1-90
B. M. 607 da tarde -,80
P. M. 006 damanha 1,-98
B. U 31 de Dezemb. 6 -32 0-75
1<*iio*Etreciuar-se-bao os seguiotes
Amanba:
Pelo agente Silveira, ao nieio-d
Ireita do Rosa o n. 8, de 3 casas de taipa com
terrenos cun fructeiras.
Sexta-feira:
Pelo agente Martins.s 11 horas, a ra Jiarquez
de u.ni ia o. 4, de fazendas.
Pelo agente Modesto Baptista, s 11 horas,
ra da Roa n. 4!, de movis, espelhos, etc.
Pelo agente Pinto, s 11 horas, no oito do
Corpo Santo, de armages para fazendas e
tbje;tos de escriptorio e urna mobilia.
ttmaii fnnebifs -Sero celeoradas :
Sexta-feira :
A's 7 t horas, na matriz de Santo Antonio,
pela alma de Jeronymo Jusliniano Figueira de
Mello; as 7 Iwras, na ma:riz de Santo Antonio,
pe i alma de Joaquina Jos da Cos'.a Fajozes.
PassasciroN -Sabidos para o norte no va-
por naciuaI Mandos:
Ainbrozma Maia, Maria Eliza Veras, Jos Gra
oiano, 3 filhos e 1 criada, Antonio Jos Gomes.
Joaquina Fialbo Ferraz e 6 criados, Jjaquim G.
San os Pereira e sua senhora, Carlos Fal"*o
Raymundo dos Santos, furriel Manoel Barbosa
dos Santos, Vicente Albano,' Joaquim Albano,
Luiz Albano, Dr. Theotonio de Brito, Pedro Ma
rinbo, cabo Pedro da Costa Franca, 1 desertor,
6 pracas de polica e 6 presos, Jos Vieira, Sal-
vador Potnpeu de Barros e Lucio.
Chegados Jo sul no vapor nacional S. Fran
cisco:
Joviniano Gongalves e sua senhora. alteres
ellarmino A. de Athayde, sua senhora, 3 fllhos
1 criauo, Guilherme P. do Carmo, sua senhora
e 1 Hibo, Manoel Francisco Xavier, 23 p ssoas
da Companhia Zoolgica, 1 cabo, o pragas de po
licia e 1 preso.
Sah do para o sul no vapor nacional Ifur-
quez de Coxitis:
Alf.'edo Oas Campos.
Casa de MeiencAuM"Vtmrato aos pr<
ios da Cas de Detencab do Recife do Estado
de Pernambuco em 30 de Dezemb d le 1889.
ExiBtiam 519 ; ntraram 4; sahiram 15; exu-
tem308.
A saber:
Nacionaes 470 -.numeres 31; estrangeiro 7;
-Total 508.
Arracoadoa 432.
Bons 399.
Doentes 25.
Loucos 3.
Loucas 5.
-Total 432.
Movimento da enfermara
Te ve baixa.
enrique Francisco de Lyra.
Tf*vp i 1 i *
Cypriano Dias do Espirito Santo.
Hoapiui Pedro II O movimento deste
stabelecimento de caridade, no dia 30 de De-
zeinoro foio seguinte:
Entraram 10
Sahiram iO
FJleceram *
Existem 417
Foram viseadas as respectivas enfermarlas
pelos Drs.
Moscoso s 8, Cysneiro s 11. Barros-Soinoho
s 6 3 4 Be.-ardo s 11, Malaquiass 8 3/4. Pon
tual s 8 3 4, Estevao Cavalcante s 8 1/2, Si-
mOes Barboias 10 1/2 horas.
O cirurgio dentista Numa Pompilio s 8 1/2
horas.
O pharmaceutico entrn s 8 li2 da manh e
sabio s 6 da tarde.
O ajudante do pharmaceutico entrn s 7
sanio s 2 1/2 horas da tarde.
Lotera do firan-Par-A 7* parte, da
31* lotera, cujo premio grande de 250:000*.
ser extrahida no dia 3 le Janeiro.
A 3- pane da t4* lotera dessa provincia,
cojo premio granda 1 de 60:000*, ser extrahi-
da no dia .. de Dezembro.
A 3* parte da 33* lotera, dessa provincia
cojo premio grande 120:000*000, ter extrahi
da no dia .. de Janeiro.
Cemlterlo Publico -Obituario do da 30
do correte: -
Manoel Jos Gomes de Souza, Portugal, 40 an-
uos, solteiro, S. Jos; tsica.
Maria Bosa da Silva, Pernambuco, 22 annos
casada, Santo Antonio; hepatite hypertrophica.
Manuela Maria da ConceicSo, Pernambuo. 65
annos, solteira, S. Jos ; astirna cardiaca.
Maria, Pernambuco, minutos, Recife; fraqueza
congenita.
Elvira, Pernambuco, 18 meses, Recife; diar
rna-
FranHsca Maria do Espirito Santo, Pernam-
buco, 23 annos. casada, Boa Vista ; nephrite.
Jerouymo Maria dos Santos, Pernambuco, 26
annos, casado. Boa-Vista; infeccao miosa.
MPOUCODE TUPO
Sob o titulo do Mundo Sabio publicou-
ie una carioao escripto, cujo assumpto
* prende se coloracSo dos sont* vogata
xues t cifras amareUas cor dos pro-
nomes e dos iiew da semana. Desse es-
erip-.o damos em seguida urna parte ^ -r
agora, e com mais espaco a qae completa
O memo escripto.
Theophilo Gaotiar desirevendo os effei-
toe do haschich exclamou : Meu ouvido
asta va pr digiosamente desenvolvido, eu
uvi o ruido das cores. . Bielbos, amareUos, azues, me chegavam
por ondas perfieitomynte distinctas...... O
illustre Theophilo era um grande poeto, e
atas linbas haviam de ter parecido o mu-
tos um producto de sua imaginacao sobre-
excitado. Nada disto; o.poetatinhaperfei-
tauent* ouvido,- o* saos vordMi e azae*
nSo niod sorte alguma dma metaphora ;
e acordoa. ruidos um faato physrologica.-
mente verddeiro.
No ultimo congreseo de medicina men.-
tul de aris> M. de Varigoy communiou
urna interessante observaclo de audioio
corada, e os casos deste genero nSo sSo
ron na sciencia. Conforme 03 autores
alleuiaes, a proporcSo dos individuos que
tem a faculdade da corar os sons, ser de
li por lOO.
Eis aqai em que consiste ophenomeno.
Para toda pessoa que possue a audic&o
corada cada sensacao auditiva, ruido, pa-
lavra, msica, se traaos- por urna cor. Es-
tas posBoae vtem corado em vermelho em
verde, e em aiuarello todorurdo, todo som
que chega a tocar-lhes o ouvido.
Um ruido qualquer apena* determina
urna imagem sombra, escura, mal defini-
da, como o ruido que a tem produsido. E'
assim que o estrondo da pega ao Longe so
mente desperta urna senaajao luminosa
sem eor Mas se o ruido vem a ser mais
claro, a cor se apresenta dama mane ira
precisa.
A palavra se traduz por urna cor que
sempre a mesma para cada pessoa Se-
gundo o douior Baratuux, a cor azul que
se acha as mais das vezes, depois a ama-
relia e a vermelha; as vozes verdes sai
raras.
As vozes dos joveos dio a impressao do
azul de esmalte as das mulheres mais idosas
aproximam se cor da violeta e as das
mulheres de voz masculina prodazem a
sensacao do ail.
A voz do tenor de castanba, a do
barytono, azul ferrete a do baixo parece
prota, e a do soprano de um vermelho
vivo.
Em geral as vozes graves teem urna
coloracSo mais escura qae as vozes agudas.
A cor das vo^aes nao a mesma para
todos os casos. Todava, segundo as obser
vac8es feitas na Alleuaanba, pela grande
m*ioria, o a preto, o roxo e o o bran-
cor Para muitos o e amarello, o u
urnas vezes azul, e outr..s verde.
A audiyao corada de cifras permittir
a certos sujeitos fazer operacoes arthme-
ticas com comt)inac3es de cores. E nSo
se. talvez muito prudente confiar suas
contas a calculistas desta especie: para
um delles o zero nSo tinha cor; 2, por
exemplo, e- 200,000 lbe davam a mesma
sensacao luminosa. O me6mo sujeito via
1 preto, 2 escuro azul, 3 amarello, 4 par-
do, 5 chocolate escuro, 6 carmn, 7 aznl,
8 roxo rosado, e 9 branco.

Patroes e criados:
Dizes tu, Joao, que tens de que vi-
ver sem trabiilhar; se assim para que
estar aqui a servir em minha casa ?
E' que, Sr. visconde, tao difficil
encontrar criado que hos sirva bem, que
prefiro servir os outros!
*
No theatro pergunta o marido:
NO trouxeste o binculo, Luizinha ?
Est alli. nao o vs?
Por que nao te serves entSo delle f
Porque me esqueci das pulseiraa.

Dz um medieo em tom sentencioso:
E" preciBO nao abusar tanto do caf.
Mas, doutor, cousa que nao bebo
nunca!
O medico ainda mais sentenciosamente :
E' entao por isso que rada adoen
ttjdo.
#
Por urna coincidencia singular, no mo
ment em que a Confemporany Review pu-
b icava o faoso artigo d' Outidanos, & Deu-
tsche Rundschau dava aos teus leitores a
genealoga do Sr. Gladstone. O great
Obd' Mund, o grande Velho, tem sangue
real naa veias. O escriptor que assigna
com o pseudonymo Outidanos descende
dos Plantasgenets e dos Stuarts e pri-
mo da rainba Victoria.
O parentesco muito afastado e a fi i i
cao em linha femenina ; masnem por isso
deixa de ser curioso que um dos mais no-
ta veis estadistas inglezesdo secuto deze
nove, enjas origens immediatas pareciarn
absolutamente plebas, descenda de anti-
gs dynastias que reinaram no sen paiz.
U Sr. Gladstone tem os seus documen
tos em ordem. De JoSo de Beaufort filho
legitimo de JoSo de Gand, Duque de
Lencaatre, terceiro filho de Eduard III,
descender, pelas mulheres, duas grandes
familias da Escossia : o Duques de Su-
therland e os Duques de Athole.
Jane Gordon, da casa de Surtherland,
desposou Hugo- Machoy, quatrisav de
Ana Robertson, mai do Sr. Gladstone.
Por outre lado, E isabeth Steward, da
casa de Athole, despoiou Coln Dac Ken-
zie, av do Sr. Gladstone.
Resulta d'aqui que o pai e a mSi do
Sr. Gladstone descendiam ambos de Joao
de Gand, isto dos Plantagenets, um
pelos Athole e outro pelos Sutherland.
Nlo esquecamos- que os Athole, sao um
ramo dos Stuarts e que os Sutherland
descendem dos Stuarts, pelas mulheres,
de sorte que Gladstone tem naB veias
sangue da dynastia ingleza e da dynastia
eacosseza, representada hoje pela casa de
Hannover.
E' certo que a soberana ingleza tem
urna familia numerosa. Segar e Edmon
ton provaram que quasi todos es lords b&o
parentes da casa real e que toda a gentry
est aparentada com os lords. Assim, nSo
para admirar que Tenyson, o general
Wolseley e o Sr. Parnell aejam, como o
Sr. Gladstone, primos da rainba Victo-
na.
*
No subterrneo de um caste'.lo de Diep
pe, diz nm diario francez, foi encontrado
um cogumello monstro, que mede de cir-
cumferencia um metro e tem 80 centme-
tros de alto, desde a base do pednculo.
S a polpa peeou 5,500 kilogrammas!

Em Varsovia (Polonia) terminou ha pou-
co um processo que durava havia 400 an-
nos.
Tratava-se de um lote de trras de 40
verBtes quadrados (cerca de 40 kilmetros
quadrados), que era disputado por muitos
adversarios.
O proceaao comecou em 1490 e foi
terminado por aocordo feito em Agosto
ultimo.
O valor do lote da trra da 30,000
rublos, cerca de 35 cont de' ris.
Pelos calculo feitos, don partido
nlerteanto- gaeteram mais dfi GOtyOWJ- ru
blos na-- demanda, otp cerca de* 700 conto*
de' ri.
Manifestou-se um violento incendio em
Glasgow, GVeendy4pe"s*ree, no mareado
da pelles e lSs oceupado peloSv. Hobert
Ramsay.
As chammas propagaram-se com enor-
me rapide e- o calor fot- to forte' qwctos'
tou completamente a relva dO sqore.
Junto do- edificio- qno ardeu- ha urna- ca
sa modelo, mobiliadu, em que dormiam,
nessa occasio, urnas trezentas pessoas.
Ao primerio signa! fugiram' toda para a
ra sem tratar de vestir-se.
Pouco tempo depois, as- paredes do
mercado ruiam con irm terriver estrondo,
causando serio prejuizo na prjimas-
edifiencoes. Assim foi que o telhado da
igreja de Saint Andrews abaten, sob o
pew da pedrae que lbe* cahiram em
cima. ',
Avaliaram se os prejuizos- em 30,000
libras esterlinas.
*
Um naturalista de Toulonse, o professor Marty,
acaba de ajbar no mioceno medio de Touroan nu
merosos restos de mastodontes, todos pertencen
tes ao typo Mastodon angustidens.
O museu de Pariz pdle adquirir as pecas mais
notaveis, entre as quaes a cabBca de mastodonte
nais completa das que tem sido achadas na Eu
ropa.
Comparado ao Mastodon americanas do periodo
quaternario offerece o novo typo divergencias
cousideraveis, que mais profundas se tornam em
relacao ao mammouth.

un via-ferrea, um passageiro amavel para um
passageiro sorumbatico:
Parece-me que j o vi em alguma parte...
E' possivel. Vou l muito.
Em urna revista medica, que se publica cm
i'ar, acha -se um estudo bem curioso sobre os
casos de extraordinaria fecundidade.
Por exemplo: no secuto XVII o medico Sai^-
nette do departamento de La Rocbelle, declarou
conbecer urna mulber que teve nove gemeos I
Todos viveram ; Saignelte, segando disia, eguio
os sempre de perto; eram unidos entre si por
viva atfeico e pareciam-se extraordinariamente
Nunca se separaram e tendo cada um sen encargo
m casa, constituram urna especie do pequea
repblica. Um fazia as roupas, outro cosinhava,
outro fabricava o pao, outros trabalhavam na
trra e assim a pequea repblica suppria.se a si
propria.
Em 1755 a Academia das Sciencias de Pariz
receben urna communicafao, bem curiosa; vinda
da Russia.
A imperatriz ordenara que lhe fosse apresen-
lado em S. Petersburgo um camponez, chamado
Koriloi, cuja mulber cm 21 concepedes Uvera 57
81 hos, sendo : quatro vezes quatro, sete vezes
tres e dez vezes doos.
Esta mi de familia que dera tantos subditos
soberana merecia bem urna ppoaao. Quasi todas
as enancas sobreviveram. Koriloff foi nomcado
governador da sua aldea eacabou-seus das como
verddeiro patriareba bblico.
A mulher de um Bdalgo. no reinado de Luiz
XIV. d-u luz 25 finios.
Oger deTbiers, assim se chamava o pai d'esta
tropa, era conTmandante de um corpo deV.aval
lana, e fez com que seus filaos seguissem a car-
reira das armas.
Na batalhadeFleurus perdeuonze delles, mor-
tos dentro de algumas horas, cump.-indo corajo-
samente o seu dever.

Henrique Cheatham o norae de um preto, de-
putado pela Carolioa do Norte, que lomar parte
ao prximo congresso dos Estados Unidos da
America.
Nasceu em 1857, em urna propriedade delsham
Cheatham, cujo nome tomou segundo o uso do
paiz. Quando foi emancipado, aos 8 annos, aban
donnu o trabalho e entroo como alumno em urna
escola publica, onde desde logo se Jistinguio,
ganhando os primeiro* premios.
Gomo nao dispuoha de meios para entrar na
Univer8idade de Rashleigh, foi trabalhar na la
voura de orna propnelade, aliin de arranjar di
nheiro para isto. Pouco tempo depois foi Ho-
rneado professor de nina escoia de pretos com
180 por amo. Foi assim que logrou seus dese-
jo3, e annos depois, em 1883, formava-se na uni
versidade, sendo mais tarde nomeado director da
escola normal do estado da Carolina, por onde
acaba de ser eleito deputado por urna grande
maioria de votos.

ltimamente foi encinerado no cemiterio do
Pre-Lachaise, em Pariz, um cadver de mulher.
A d fui'.a, esposa de um jornalista, M. Charle
Moooen, tinha apenas 32 annos, e foi por sua
expressa determinaco que o marido a fez inci
nerar.
A fnebre operaclo durou apenas urna hora,
por causado emnrego, inaugurado n'essa occa-
sio. de um modo aperfeicoado de aquecimento
pelo coke.
A temperatura desenvolvida pela incinereco
aitingio a cerca de 800 graos. Poderia fcilmente
ser elevada a 1.200'ou 1.400 graos, mas n'este
caso ter-se-bia cenamente dado um pheaomeno
de vitrificaco, e o corpo, achando-se sbitamente
envolvido em urna especie de couraca de vidro,
difiicilmente poderia ter sido desaggregado pelas
chammas, segundo as condicoes ordinarias.
0 couracado Sultn, da marinha ingleza. que
tinha ha tempos ido a pique sobre os rochedos
no Mediterrneo, acaba de ser tirado do fundo,
por nma tirina italiana, os Srs. Baghino & C, que
aierecem a gloria d'esse' trabalho, tanto mais
quaato os iaglezes nao julgavam possivel salvar-
se o navio.
Os Srs. Bagbino it C, tiveram de quebrar as
pontudas pedras que tinbam se introduzido para
dentro do navio e, depois de terem tapado os
rombos do fundo, appicaram os 16 banlios cen-
trfugos, a vapor, dos fabricantes Gwgnne*"C
Worihinton & C. A forga conectiva d'estes ba
nbos esgotava 5 000 toneladas por hora e assim foi
fluctuado o Sultn e rebocado para a Baha de
Mal'a, a urna distancia de 13 milhas do lugar
onde tinha ido a pique.
Esse trabalho foi dirigido pelos Srs. I. Cham-
bn e Gi j Baltri Baghino. A despeza dizem que
foi de 10.000, e a quantia que elles tm a re-
ceoer de i 50.000.
SPORT
Prado Peruambucaao
Hoje realisa o Pradu i'enuuibucaiio sua 8*
corrida, e nella solemnisa u ssu segundo auni-
versari social com o graade premio Prado Per
nambucano, disputado no 8" pareo, de curso de
2.500metros, para animas? de qualquer paiz,
com os premios de 6.000*000,1.500*000, 800* e
iOOMOt
os parelheiros que competem, sao bem coohe-
cidos do nosso turf, podendo,se portanto respon-
der incgnita que segu:
Ap 9 lio
^ esper
Eiff n i
Zi 2 gara
Filie do iel
Pand H go
V iana
D 9 ndon
B B azil
'
0 premio Revancha, que a prova real do
grande premio internacional, correa se ultima-
mente em Buenos Ayres.
O vencedor deste pareo, Bolvar, um puro san-
gue natural da Vrtieiitina, nao se apresentou a
defender os louros da victoria que linha alcaDca-
do j mas nem por isso a corrida deixou de ser
mais interessante.
O peso que Bolvar devia levar nesse pareo,
punba o fra de combate.
Apresentaram-8e na raa os celebres Zest, An-
nanite, Polyeucte, Avril, Revelacin, Bismarck,
Havre, Firrnin e Moaarque, sendo os grandes fa-
voritos Polyeucte Krfilis-meaax coudelaria.
que tinbam vendido 8.590 poules sobre um total
de 36,415.
0 resultado da corrida ro o segwtote: Bisnank
f, Havre 2, BevsHaoloo .
Distancia da corrida 3-800 metro.
Tempo 4 minatos e 1/2 segundos.
Poole 2,833 pesos-.
Neste dia o motinwuto total das apostas sub
a meio milhao de peso.
>
Deve ebegar brevemente capital federal, para
o Sr. commendador Joaqaim da Cojta Babo, uur
bello trotador americano, de elevado preco.
*
O jockey Consins deve trazer da Europa urna
egua irm de Pbilislina e urna egua podriada
por um dos melhores garanhOn ingleses.
Ao que parece, estes animaos fbram encom
mondados por um disUncto sportsman que ha al-
gum .tempo se retirou do nosso turf.

Por tere n passado a outros propretaos os
ananaes Douro e Papacaceiro, passaram tambem
a ter outros nomes. sendo o pnmeiro ebrismado
em> Fluminense e o segundo em Piodaro.
Este, depois de-ehrisurado, ja fer sua poesia*;
aqueUe anda nao sa exhibi.
1HD1CACES DTHS.
Rogamos s pessoas de gosto, a fineza
de ler o annuncio que boje inserimos na
eeccao competente Livraria Corntempo-
ranea.
medico
Dr. Castro Jess medico e operador
Pratica a lavagem do otero quando e co
-no aconselhada. Consulta das 11 s
i da tarde em sua risidencia ra de
3om Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.
indar. Telepone n. 880
O Dr. Matheus Voz, medico, tem o seu
sscnptorio a ra do Queimado a. 43, 1."
andar, onde d consulta das 11 a 1 hora
da tardu.- Reside ra do Gervasio Pires
a. 27. Encarrega-se do tratamento das
molestias de olhes. Telephone n. 427.
Dr. Joaquim Louieiro medico e partei
'o, consultorio roa do Cabug u. 14,
t. andar de 12 s 2 da tarde; residencie
10 Monteiro.
t-r. Ribeiro de Bruto d consultas de
iisio dia s 3 horas da tarde, no 1. ai:
iar a ra Duque de Caxias n. 46, poden
lo ser procurado para chamados na sa&
-esidencia ra do Hospicio n. 81. Te-
ophone n. 303.
Dr. Cerqysira Lrite, tem o seu escripto
io na ra Nova n. 32, do meio da s 2
loras e desta hora em diante ra BrSt
ie S. Borja, n. 22. Especialidades
nolestisa de crianca senhoras e parto.
Telephone n. 326, da casa de residencia
Dr. Alvares GrumarZes, chegado hs
pouco, iedica-se medicina em geral, e
som especialidade s molestias do cora-
iao, pulmSes, figado, estomago e intesti-
nos e tambem s affeccocs das criancas
Reside ra de Fernandes Vieira n. 23, e
em consultorio na ra do Bom-Jesu
antiga da Cruz), n. 45, onde d cnsul
as do meio-dia s 3 horas. Telephone
. 381.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me
iico-cirurgica. Especialidades: molestia?
julmonares e partos. Ra do Mrquez de
Jlinda n. 27, 1. andar. Consulta das 11
is 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa-
ella) das 6 s 9 horas da macha" e i
arde. Teleshone n. 392
Oeeallsta
Dr. Ferreira. com pratica nos princi-
jaes hospitaes e clnica de Pars e Lon-
dres, consultas todos os das das 9
sorasdao meio-dia. Consultorio e resi-
lencia ra Larga do Rosario o. 20-
Dr. 'Barreta Sampaio, oceulista, d con-
ultas de 1 s 4 horas no 1. andar da
iasa ra Barao da Victoria n. 51. Resi-
tencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra-
la pela ra da Saudade u. 25.
Advogados
separaveis e sempre dedicados amigos de Joa-
quim Nabuco. A parte a influencia que indubi
tavelmente exerceria entre os' ex-conservadores
o honrado nome de Joo Alfredo* alvo da pro
jactada manifeslaco I
Um tal convite, pofs, a ultima prova do atur
dimento do ex-tribuno I. .
E porque quer Jos Marianno mostrar se insi
diosamente popular ? I
Insidiosamente, pirque se S. S. tivesse convic-
efio de que anda o era, faria nm appello directo
ao povo pernambueno, como sempre fez antes
db subir ao poder que o anoiquilou ; antes do
meetmg republicano de 22 de Julbo quando a in-
fernal dictadura da faca de peala aqui domina-
va; antes do caso Cbrispim ; antes do assassi
nato de Ricardo Guimaraes em plena Inz men
diana tcitamente supportado pelo ex defensor
perpetuo dos direitos do povo pernambucano ;
antes dos planos escandalosos dos dias 15, 16 e
17 le Novembro.
E' contra a Repblica que S. S. trama I...
Jos Marianno quer ser popular para manifes
tar urna forca capaz de actuar nos nimos des
prevenidos.
A impressSo que ha do seu nome longe deste
Estado a mais lisongeira possivel. la minu-
deocias e promenores que so em casa se sabern ;
e que no entanto ignorados alteram completa
ment o sentido dos factos E' o que se ia a
resoUto do illustre ex tribuno.
Na j seria de admirar que nm governador vio-
lo do Rio e apreciando a massa enorme de povo
a cuja frente toase Jos Marianno, vacillasse so-
bre o seu real valor abocanhado en to pelos odios
partidarios, pela ingratid&o dos amigos pelo
descontentamente dos que nunca foram por S. S.
contemplados
Isto, porm, foi ama vez___ A bypotbese nao
se dar ; o povo nSo concorrer; porque at j
o annuncio foi retirado, a conselho dos outros
signatarios.
' E' que o tempo j nao est para brincadeiras;
ao passo que as ultimas esperanzas dos sebastia-
ntas em relaco volta dos bellos tempos do
marianismo se vao dUsipando.
Est deportado Silveira Martins ; esto banidos
Ouro Preo e Carlos Affonso; e est creada a
commissao militar para julgar como no exercito
os crimes contra a Repblica. E, se estamos no
rgimen da dictadura, a espada que brilha, a
espada e nao a faca de ponta; a arma defensora
da patria vibrada pelo braco do soldado inlelli-
gt-nte e patriota e nao a faca ou a unAn mane-
jada pela mo do capoeira e do capanga exclusi-
vamente em defeza dos seus interesses ou de
quem melhor pagar. Assim, os puros evitaro o
contacto dos viciados para nao seren com elles
confundidos e Os viciados se retrahiro para nao
se destacarem aos olhos vigilantes.
Gorada a manilestaco, s o que finar em p
o famigeTado convite como o ultima prova do
la dita avaliacao, como tambem pelo valor exces-
ivamente baixo que deram os peritos' e que im-
porta veriadeira offensa ao direitos e interesses
da eupplicante, e como lado se v da petico de
protesto que a.esta acompanha, quer tambem
protestar peraote V. S. contra a mesma avalia-
cao, nos termos da petico junta, que reqner faca
parte da presente, e requerque, tomado por ter-
mo o seu protesto, seja elle intimado ao r. pro-
cura lor dos Feilos da Pazenda Provincial, pre-
cedidas as formalidades legaes. Pede deferi-
mento. E. R. M.
Eslava urna estampilha de duzentos ris inuti-
lisada assim. Recife, 24 de Abril de -1889. Por
procuraco Fielden Brothers, George Windsor.
Despacho-Distribuida e anteada. Como re*
quer. Recife, 26 de Abril de 1889: -Domingos
Pinto.
Protesto.A03 27 de Abril de 1889, nesta ci-
dade do Recife, em meu cartorio veio George
Windsor. na qual dade de gerente da Empresa
de Illuminaco a Gaz desta ndade, perante raim
e as testemunhas infra assignadas disse que re-
duzia a termo de protesto o conteodo expendi-
do em sua petico retro, para efTeito de sortir as
formalidades legaes, e de como proles tou, liz o
presente no qual lirmou dito protestante com as
ditas testemunhas.
Eu Joao Vicente de Torres Bandeira, escrivo
o escrivi. George vv indsor.Benjamn Amos
Jos da Fonseca.Silvestre Baptista de Santa
Bosa.
Sen tenga. Julgo por sentenca o protesto a fo-
lh-is para que produza os effeilos que forem de
direito Entregue se a parte, independente de
traslado pagas as custas. Recife, 30 de Abril de
1889 Antonio Domingos Pinto.
Nata mais se continba em ditas pegas que
aqui ficam fielmente copiadas dos referidos
autos aos quaes rae reporto. Recife, 30 de De-
zembro de 1889, subscrevo. Em f de verdade.
Rjcife, 30 de Dezembro de 18-<9.
Joao Vicente'de Torres Bandeira.
prova
aturdimento em que, um governo do povo elo
-)ovo, a Repblica, qual espectro de Babifao, veio
anear o ex-tribnno pernambucano.
X
Dr. Cludoaldo de Souza, escriptorio a
ra do Bom-Jesus (antiga da Cruz) n. 1,
l. andar,, das 9 da mauha s 4 da tarde.
Telephone n. 102. Residencia, ra Im
perial n. 148. Telephone n. 104.
O baeharel Joaquim Ihiago da Fonseca
em seu escriptorio de advogado ra do
Imperador n. 14, .1." andar.
O baeharel Bonifacio de Aragao Faria
Rocha contina a advogar. Escriptorio
ua do Imperador n. 46., 1. andar.
O conselheiro PorUtta contina a advo-
car. Escriptorio ra do Imperador
i. 65. Residencia, casa n. 24 da ra
/isconde de Albuquerque (outr'ora ra da
vatriz da Boa-Vista).
J. A. de MagalhSes Bastos. Duque de
Jaxias n. 66, 1. andar..
O baeharel Petronho de Santa Cruz Oli-
oeira, encarrega-se de levantar empresti-
mos perante o Banco do Brazil para aux-
io da la voura. Escriptorio ra do Impe-
rador n. 69, 1. andar. Residencia sitio
na Jaqueira, prximo estaco.
Drogara
Faria Sobrinho & C, droguista porata
iado, ra do Mrquez de Olinda n. 41.
Francisco Manoel da Silva & C, deposi
arios de todas as especialidades pharma
jeuticas, tintas, drogas, productos chimi
sass e medicamentos homeopticos, ra de
iiarquez de Olinda n. 23.
Tlnla de cscrcvcr
A melhor a tinta Victoria, vende-se a
MX) ra. meia garrafa e a 800 rs. urna gar-
rafa inteira na Livraria Comtemporanes
de Ramiro M. Costa^ ra Io. de Marco n.
2, loja de ferragens de Albino da Silva
& C, ra da cadeia n. 42; loja de ferra-
gens de BrandSo & C, ra Duque de Ca-
sias n. 46. '
PUBLICAQDES a pedido
Cidados e cidadas
E' hoje o dia de maior prazer e contentamen
to para os nobres habitantes do Estado pernam-
bucano, boje que todos os cidados e cidads
sentem palpitar o coragao regosijado de gloria e
de amor, hoje emfim o dia 1 de Janeiro de
1890 da em que reappareceu as almas desta
populago a estrella da luz, dizendo : olhai para
a aboboda celeste e vede que desappareceu o al
garismo de 1889, que nanea mais tornar a vir,
e appareceu o de 1890 esta era venturosa em
que apresenla-se ao respeitavel publco o cida-
do Joo Arara, offerecendo os seus s.crvicos fu-
nerarios e prestaodo-se gratuitamente a dar
guia de passagem com todas as formalidades do
estylo, para o co aonde estar o cidadao ou ci-
dad coberto com o veo santo e livre dos torpe
dos da U-rra.
Cidados e cidads o Joo Arara perante o dia
de hoje pede a vossa protecgo prometiendo elle
nunca deixar de servir bem, nem deixar mal se-
pultado os cidados e cidadas que estejam sua
disposigo, assim como promette nao ter compe
tidor em pregos de atades e nabitos, avisanio
a todos os cidados e cidads que o castalio fune-
rario do Arara na praga do Carmo n. 13, nni
co casteUo de azulejo aonde sempre ser en
contrado das 6 horas da manh s 8 da noite o
cidado Joo Arara com o seu ar alegre, con
tente e magnnimo para bem servir ao publico
pernambucano.
Assim cemo pede aos cidados e cidads que
sao mais favorecidos da sorte (em fortuna pecu
niaria) que se lembrem desta pobre creatura (do
Joo Arara) para contemplal o em seu testamen
to com qualquer obnloqne lhe dictar o seu pun>
coragao e mesmo assim nao querendo fazer ou
nao podendo, bastar duas palavras por sua
bocea : o meu enterro ser feito pelo cidado
Joo Arara que para esse servigo deixo-lhe
2:000*000
Bons annos cidados e cidads.
A Escola na Repblica
ni
As reformas da instruego publica entre nos
tm sido negativas ; porque ?
Porque, infelizmente, de duas cousas smente
se tem cogitado: imitar o estrangeiro no que
mo sem consultar os interesses nacionaes e 03
interessados; e eaxertar o majisterio de quanta
pessoa inhabilitada aparece.
E' >recio, porm,e temos f na Repblica I
preciso que isto nao continu assim.
Imitemos, sim, imitemos o que de bom no3
parece ter a Allemanha, a Franga, os Estados
Unidos do Norte; mas, antes de tudo, consulte
mo no3,-procure saber se essa imitago nos ca
bem, os d'ella podemos colher bons resultados.
E', como j diS8emos, urna questao de ada-
pta gao.
Accresce, ainda, que as reformas se faziam
urnas aps ou'.ras : em menos de um lustro, tres
reformas.
A do Baro de Caiar, em 1885, autorisando o
celebre contracto de cadeiras, dando lugar aos
escndalos que se praticaram ; em 1888 a do Dr.
M. Eupbrasio Correia, que produzia urna rerda-
deira dansa de S. Guido no magisterio, em detri
ment da infancia : finalmente a de 1889, feita
pelo conselheiro M. A. de Araujo, que feliz
mente nao vigorou.
A escola, o magisterio, ia a desapparecer, se
nao fra o feliz advento da Repblica, que res-
taurou o regularoento de 1888.
O professor, coarclado, sem acgo, sem rbita,
passi-va a ser umo especie de polychinello, de
quem nam e com quem brincavam os mandes
de aldeia; a escola, consequentemente, perda o
seu valor moral, e com ella a-se perder toda
urna gerago, essa esperangosa gerago que ba
de levar o Brazil ao lugar que lhe cabe no
mappa immeuso das nag5es cultas, operosas;
essa gerago, essa esperanga, a quem vamos en-
tregar a nossa grande obra de reconstruego da
patria I .
Mas, por isso mesmo que a escola brazileira,
a escola pernambucana deve ser radicalmente
reformada; por isso mesmo, agora, mais que
nunca, a escola deve preoecupar a todos os ci-
dados. como a base da familia, como a fonte da
sociedade, como o comego do nevo Estado.
Como a reformaremos, porm ? .
Arthunio Vieira.
--------*m------- l
Protesto Judicial da Empresa de
Illuminaco aCiaz
A ultima prova
rv
Verdadeiro3 abolicionistas, soldados peregri-
nos do batalho sagrado, foram no nefando tem-
po do escravagismo os demais signatarios do
convite ; Barros Sobrinho, Joo Ramos e Numa
Pompilio; e por ter disto consciencia foi natu
ral nente que Jos Marianno, longe de virm
publico com o seu nome popular (a forca de tan-
to se apregoar) entendeu ser opportuno vir apa-
drinbado por tao intemeratos luctadores; pondo
assim em contribuigao o prestigio que sobre o
generoeo coragao dos nobres alliados da cam-
panea vencida, tanto exerceu no glorioso perio-,
do da lucta, o seu genio ousado e aventureiro. i dade, e protestada a Fazenda
E liquidado este ponto claro est que, perante theor seguinte :
o bom senso, na hypothese de reunir o famige- Illm. Sr. Dr. juu dos Fetos da Faienda P.-o-
rado convite um grande concurso de povo, Unto' vincial. A Empresa de Illuminaco a Uaz desta
provaria esse facto em faror da reslaurida po cidade, por seu gerente, lendo protestado peran-
pularidadede S. S. como seria urna provado te o Exm. Sr. presidente da provincia contra a
respeito e sympathia que' aiuda heje exercem avaltecao de suas obras e matenaes, nSo somen
sobre o animo publico cm nomes dos quatro iu- te pelas irregularidades qae luqumaram de nal-
CertidfiO de tbeor da petico
inicial, e sentenga proferida
nos autos, em que protestan-
te George Windsor, e protesta-
da a Fazenda Provincial.
Joo Vicente de Torres Bandeira, escrivo vi-
talicio do Juizo dos Feitos da Fazenda, deste Es-
tado de Pernambuco etc.
Certifico ser petigo inicial e sentenga pro-
ferida nos autos em que protestante George
Windsor, gerente da Empresa do Gaz desta ci-
Provincial, do
O advogado L-cliis e Alfredo Al ve
em rcttpoNfn ao virulento artigo
Inserto no Diarlo de Pernanabn-
co de 11, firmado por Joao Ltns
-m Palmares.
No dia 9 a tarde affirmamos por escrip-
to aos Srs. Pereira Carneiro & C, repre-
sentantes do Banco do Brazil, que o Pal
havia sido hypothecado e estava penhorado
em virtude de accao bypothecaria contra
Joao Lins e sua av, cajos autos originaes
e8tavam com vista ao seu advogado Dr.
Barros Reg para sustentar os embargos,
que opposera ao Accordao da RelacSo, e o
pedante e insolente articulista no mesmo
da nos classficando de calumniadores
mentirosos, etc .., concluio: marco opra-
zo de 8 dias para provar com documentos
a infame mentira.
Que cynismo; que audacia !
Tinbam os autos, e queriam outra pro-
va !
Respondemos com o documento infra
transcripto.
Como advogado do Sr. Alfredo entre-
guei em confianca os proprios autos da
execuco, que corra por Palmares, ao il-
lustre Dr. Peretti advogado da casa ban-
caria, e este depois d os confrontar com
os documentos de Joao Lins, eoncluio
que Pal estava ligitioso, e nao devia o
Banco acceital o em hypotheca : conse-
guintemente eram falsos os .documentos
apresentados por Joao Lins.
J pode o publico conhecer quaes sSo
os calumniadores mentirosos.
Resta-nos provocar o articulista, quenSo
venha com testa de ferro, quando o
chamamos a responsabilidade.
O Sr. tenente Ursino Teixeira de Bar-
ros, escrivo de Palmares, na propria sala
das audiencias em presenja do juz e cir-
cumstantes, fazendo se protector ou encar-
regado de negocios de Joao Lins, me ata-
cou de um modo brusco, e disse que assu-
mia a responsabilidade do artigo, se eu
dissesse ser falsa a certidao ou certidSes
que passou: j est dito: o Sr. Ursino
foi tambem escrivo na accao, sabia da
hypotheca, o penhora, e conhecia bem o
terreno. Eu, estranho ao logar, cheguei
a suppr que Pal era incravado em Japa-
randuba, e nada tinha com Trembta, e
s ltimamente depois de bem informado
tive conhecimeato de tudo.
Sempre tratei com certa distinccSo o Sr.
Ursino, e nunca o autorisei a tSo formal
ataque em publico: sinto que tivesse tanta
indiscrico.
Na defeza de meus direitos e dos de
meus clientes com a verdade e justica
nada temo, nenhum sacrificio pouparei.
E' justo que, quem commetteu(crimes,
responda por elles.
Disse o articulista que sou bachard
rel, phrase do Dr. Ferrer l> sao taes fir-
mas suspeitas para me julgarem: honr-
me de ter-lhes provocado o despeito des-
manchando as tramoias.
O publico j conhece a causa do despei-
to do Dr. Ferrer : elle com Vinhas Maia
e o escrivSo de orphaos Dr. Pontes de-
fraudaran! no inventario de Jos Francisco
d'Andrade Jnior o orphao Camillo d'An-
drade em 15 contos, e eu como advogado
de fraco contra os fortes desmanchei a
tramoia: zangaram se : estou muito satis-
feito por ter com hombridade cumplido' o
dever de advogado.
Pego aos honrados Srs. Pereira Carnei-
ro & C. que conservem os documentos de
Joo Lins po8 elles servem de corpo de
delicio a crimes pblicos, e 6 preciso tirar
copia para punicao dos criminosos. Des-
de que levaram o negocio ao prlo, des-
appareceu a reserva ou particularidade de
taes documentos.
Recife, 28 de Dezembro de 1889.
Antonio de Lellis e Souza Ponte*
DOCUMENTO
"i
Illustre cidadSo Dr. Juz Municipal:
Alfredo Alves da Silva Freir, credor
hypothecario de D. Maria Joaquina de Je-
sub e seu neto Joao Lins Paes Barreto,
viuva e neto nico herdeiro do finado de-
vedor Joaquim Jastino de Almeida, tendo
em conBideracao um artigo injuriante, as-
lignado pelo supplicado Joo Lins, inserto
no Diario de Pernambuco de 11 do corren-
te com data de 9, o qual d noticia da
hy potheca,.- que pretende fazer ao Banco
do Brazil; tendo para isso juntado docu-
mentos falsos, e ob e subrepticiamente
obtidds, no empenho de provar, qae as
trras e obras, incravadas na antiga pro-
priedade Trombta, a que deu o nome de
Pal, ou Engenho Diligente, estavam li-
vres e desembarajadas, e tudo lhe perten-
ca, vem, o supplieante, protestar contra
todo e qualquer proeedimento dos suppli-
cados, tendo como nullo todo $ qualquer
contracto ou acto que praticarein, protes-
tando ao mesmo tempo fazor-lhe effecti-
vas as penas de estelionato ou outras, em
que tenham incorrido e veham a incorrer.
E para que o supplicados nao possaa
allegar ignorancia, o supplieante paaaa,*
i
i
i
V





-

!
I
.
:
-

'
i i

i

. "'.'
irr-a' .'. '"? i un v


u
1

Tt
Diario de Periiainbuco-Quarta-feira 1 de Janeiro de I
dar as raz3ee que fndamentam o sen pro-
testo : Joaquina Justino Almoida, ora
fallecido, e ala mulher, a supplicada, em
6 de Agoato de 1881 hypotheearam o eou
Engenho Trombtaa, declarando (formaes
palavras): > com todos os seos acces-
aorios, obras, trras e edificios, o qual se
limita da forma seguinte : frente para o
Nasoente por onde divide com trras do
Engenho Cachoeiras Dantas, fundos para
o Poente por onde divide com torras do
Engenho Japaranduba, dividindo pelo sul
com trras do Engenho Santo Antonio, e
ao norte oom o rio Una; declarando
mais abaixo que a quarta e ultima parte
do mencionado engenho pertencia a Sevo-
rano Leobino Callado e sua mulher, e por
tanto' a hypotheca era de tres quartas
pirtes.
Em 6 de Agosto de 1887 foi reque-
rido sequestro em todo o mmovel hypo-
thecado e todas as bemfeitories e a machi-
na a vapor pertencentes a Joaquina Justi-
no, o que foi deferido fasendo se o seques-
tro : proposta a acc2o bypothecaria, veio
a supplicada com embargos, allegando que
Paul era propriedade de seu neto Jo?lo
Lina e era nulla a hypotheca, porque esta
comprehendeu o Paul : estes embargos fo
ram deapresados : a supplicada appellou
por si e como totora de seu neto e o Egre-
gio Tribunal da RelacSo confirmou a sen
tensa.
O sequestro resolveu so em penhora, tfm
virtude mesmo de nomeacao penhora
feta em 29 de Maio de 1888 pelo proeu
rador e advogado dos supplicados, Dr. Fiel
Grangeiro, que no termo t exceptuou a
dita parte de Severiano .'aliado, e o mes
mo advogado oppondo embargos nos seis
dias depois da penhora nao allega raa's
ue Paul ou Diligente pertencia aJo3o
tina Paes Barreto :. estes embargos nio
foram ainda decididos, mas est3o prejudi-
cados, porque, sendo infringentes d> jul-
gado de 1* instancia, a RelacSo confirm-m
tal julgado.
Assim, pois, permanece a hypotheca c
a penhora, e sendo como allegaram os sup-
plicados, as 400 bracas de Paul ou Dili-
gente aquellas que principiam do lado do
poente no marco que divide as trras do
engenho Japaranduba, descer pelo rio
Una abaixo para o lado do antigo'Trorn-
beta at completar ditas 400 bragas, li-
quido e fra de toda duvida, que o tal de-
nominado Paul est comprchendido na hy
potheca, e conseguintemente no sequcatio
que resolveu-se em penhora.
O finado Joaquina Justino foi quem
edificou todas as obras que existeru no
Paul ou Diligente, e por tanto o suppii-
cado Joao Lins nao poda allegar que tier-
dou taes obras do seu tinado pai do me.
mo no me.
Nestes termos requer o suppcaotc vo*
digneis mandar tomar por termo este pro-
testo e intimal-o aos supplicados. I'e.'c
deferimento. Palmares, 12 de Dezembro
de 1883.O advogado, Antonio de LeH.<
de Souaa Puntes. (Coin urna estam >!li i
de 400 rs. inutilisada.
Despacho.D. A. Tome se por termo.
Palmares, 13 de Deacmbro de 1889.
Costa Maia.
Replica.Iillustre cidatiao Dr. juiz. mu-
nicipal.Oom a devida venia : U suppl:
cante pede que intimado o protesto se juo
te aos proprios autos da execugao p rr
delles constar e produzjr seus deyuks ef
fsites.("Escrivao Wanderley ) Pede defV-
rimento. Data ut supra. 0 advogado A.
de Lellis.
Despacho.Intime se e junte-se in 1 ;
pendente de distribuico e autoamento, -o
mo foi despachado. Palmares 13 de D.
zembro de 1889.'losta Maia.
Termo de protesto.Aos 13 de D. zem-
bro de 1889 nesta cidade de Palmares, em
meu cartorio comparreceu o advogado Dr.
Antonio de Lellis e Souza Pontea, adv-i
fado e procurador de A'fredo Alves da
ilva Freir e disse peante as teatemu
ahas abaixo aSsignadas que reduzia a ter-
mo todo o contedo da petizo retro, qii-
fica taaendo parte deste ; do que j>::ra
constar lavro o presente, que lido assig-
na. Eu, Joio Baptiata Wanderley, eacri-
vlo, o escrevi,Antonio de Lellis e Sot
a Pontea. TeetemunhaaManoel da Cu-
nha WanderleyJoao Climaco de Paala e
Silva.
Intim* cao.Certifico que neata cidade
intimei em suas proprias pessoaa a Joao
Lins Paes Barreto e sua avo D. Mara
Joaquina de Jess, por todo o contedo do
protesto, do que. ficram bera scientes ; o
referido verdade, dou f. Palmares, 13
de Deaembro de 1889.O ofiicial de jus-
tica, Jos Pedro Nunes Ribeiro.
t
KOBRE O Tl'MI'LO
DE
SSQCLSCIASQ AUGUSTO DE SOUZA LOSO
fallecido a i db Janeiro de 1888
desfolham urna saudade seus sinceros amigos
a. s.~c~m~g:~c7
0'inda, i de Janeiro de 1890.
* major Francisco Agostinh
de nelto Souza Henezes
Segu para a Capital Federal no paquete es-
perado do norte com o 22* batalhao de infanta
ria,a que brilhantcmente fiscalisa, o syrupathi .o
major Souza Menezes.
Inquebrantavel amigo, nao romos, entretanto
suspeitos quatido assim nos exprimimos sobre
to digno cavalhelro.
E'que aopmiao dos seus ramaradas, subal-
tiraos e superiores, como a de quantos tero a fe
lici iade de lidar coinsigo unnime no reronhe-
ennento dos dotes que ornamentara-lhe coracao
e cerebro.
No sagrado desempeoho dos eu,> deveres elle
tem sabido sempre juntar rigidea de om ca-
rcter sao a docura de maneiras que caplivam,
o qoe fal-o resaltar ua admiracao e respeito dos
que o cercam.
Por isso, apezar de rpida a sua passagem
oeste Estado, onde ainda urna ves o encontra
moa, elle deixa nos csmagido per urna saudade
que s a vista pode rular.
Que felizes .veotos conduzam no ao desojado
porto aonde esperam no anciosas a idoltrala
esposa e a familia estremecida para compensa
rem Ibe as durezas de sua ardua roissao com as
delicias incomparaveis d un lar cariaoso.
Quanto a nos que ainda possamos abraca! o
na pletiitude da fortuna.
1." de Janeiro de 1890.
L'm anigo e admirador.
COMERCIO
. t
I
1
Revista do Mercado
RECIFE, 31 DS DEZEMBRO DE 1* '.<
Pouco tcovimento houvera praca, constando
apenas de transaeces no mercado de caa&iu:
Cambio
PBAA DO EECIFE
Os bancos affixaram pela m .nha a tabel!; di-
Si 3/4, saccando maia tarde a 25 d., a cuj texa
achamm pouco dinheiro
Papel particular foi paseado a 2o 1/8.
FRAC; A DO RIO DE J XEIBO
A laxa bancaria em geral fui 25 Nao bouve cotacao para papel partirul;r.
Hippodromo do Gampo
Grande
A directora do Hippodromo do Campo
Grande resolveu impr as seguintes penao
em vista do resultado da corrida de 29 do
corrente.
Ao jocky Antonio de Freitas, que pro-
vocou desordem no ensilhamento, suspen-
sa-.) por seis meses, fieando n eise prazo
privado de entrar no ensilhamento ou ou-
tra qualquer dependencia do Hippodromo.
Ao jockey Pedro A'exandrino a multa
de 20W0O por nao ter empregado esfor
Vos para ganhar a corrida do 5. pareo
quando montava o animal Piramon.
Ao jock'-y Luiz Pereira em 2U000 por
partidas falcas.
Aos jockeyi Honorio e Manoel Cana-
rarro a muu de 305000 cada um por ir-
regulai idades na corrida do 2. pareo quari-
do montavam os animaes Phariseu> e
Royal.
Secretaria do Hippodromo do Hampo
Qr,inde, em 30 de Dezembro de 1889.
Francisco da Costa toffo.
Convento do Carino
O vigario provincial pede aos foreiros
do patrimonio de Nossa Seuhora do Car-
ino, que satisfaeam a importancia dos fo-
ros vencidos s mediante o recibo com su
propria assignatura, visto ainda nao ter
sido no meado novo procurador, na falta
do Sr. Vicente Nunes de MngalhSes, que
mudou-se para u. colonia Isabel.
Carino do Recife, 28 de Dezembro de
1889.
Fr. Alberto de Santa Augusta Cabral de
Vaconcello.
Bolsa
OTARES OFFICIAE3 DA JUSTA DOS COB
BECTOBES
Recife. 31 de Dezembro de 1889
.'.rubio sobre o Rio de Janeiro, 45 d/v. com 1.2
0,1) de descont, hoctem.
Dito sobre dito, 3 dp/. ao par.
:amDio soDrc Babia, 3 d v. ao par.
. iuu sobre Londres. 90U/V 25 1/8, e do bance
21 3/4, bontem, e 25 d. por ICO, boje.
Cambi sobre Forto, 30 d/v. com 11* 0/0 de
l'reinio, particular.
u ores idete.
Candido C. 6 Alcoforado.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
TABELLAS AFPIXADA8
* 3 l 3' > i o B cr o i i c I 'I ? i OS W* &-
ir * 3 2. 3 l 3 i ** -
' a * " V
* c -i ' 1
* < r . -
1 1
'
t
. * - ** w 5-r?
.^ oo ^r * i
" " * 9 * - *" ^\ tr-
Algodo
Nao cenetou rendas.
A exportacao feta pela alfandega nfste mez at
i i;a 28 attingio a 1.23i.9*lkilos sendo i.183.266
ara o exterior e 47.717 para o interior.
ka entrada verificadas at a data de boje
{OKQfD a ;2 050 saccas, sendo por:
-:::icas. .... 1.8J4 Saccas
res..... 734
iiaes....." 3.825
.'errea de Garuara. 3.9.5
torrea de S. Francisco'. 1393
''a-ferwa deLimoeiro 10.093
I Klna verba
por ti eu hei sorvldo a negra taca
Do veneno cruel dos dissabores;
Por ti eu vi murcar as lindas flores
Da juventuie que ligeira passa I
Por ti deixei qi'o vento dadegraja
Lancasse sobro mim feos borrores ;
Humilde supportci penas c dores
De qu-: taiT nao quero uu devaasa!
Hoje. porem, scieqte e con vencido
Ue teu amor falsario, f. mentido
Improprio d'um esforc nesta vida.
Vo (teixar pera um cauto :ibanJonadj.
Maldixendo uTna enecb passada-
A lyra que cantoQ inuitivr infida !
R.-clfa-Dezembro-89.
Odl-ii egidul.
Aojusticeiro Sr. Dr
chefe de polica do
Estado da Fernam-
buco
Pergunta se se as autoridades suas su
baltcrnas podem totuar urna bengala ou
um ch ipo do sol de valor o nio que/erom
entregar mesmo inutilisando o estoque
viito no querer proceder como fea o ac-
tual tubdelegado de Ipojuca, com um
cmmcrciante d'aquellc rugar, fieando essa
autoridade com urna bengala de grande
valor sem querer inutisar visto que fi-
cou-se com a dita bengala.
Justica Sr. Dr. obele e esperamos Ser
atteniido.
Atrestado
.Numa Pompilio, cirurgiuo dentista pela
Fnculdado de iocina da Bahia, dentista
effectiv) do hospital Pedro II da anta
Casa ds ^Misericordia do Recife.
Atiesto que tenho f^ito uso da Odontina
do Dr. Riedel, e noto que contm proprie
dades excellentes para a conse vacio do
esmalte dentario e como ubsorvente ad,
deixa a desejar, aende certo que refresca
a bocea e a perfuma com agradavel sabor.
Recife, 28 de Dezembro de 1889.
fama Pompilio.
Estava reconhecida a firma por tabel-
liSo publico.
Ao governador do Estado
CAHTOBIO DK ORPH08 DA CID.lD DA ES
CADA E TABEMJAO DESI'A CIDADE
E' candidato a uro desees efii-ios vago.
o cidadSo Antonio do R irgo Pmce de
Len, que, ha annos, n contento de todos
do foro, excree interinamente o officio di-
Eierivao do Civil e i rimo.
E' o mesmo erdaduo merecedor de jus-
tica, pois, no desempenln tas suas func-
9?!es, a par das maneiraa cavalhoiroaa,
com que recebe as p^rte quo o proeuriV>,
tcm desempe-nhado do modo o ra-is satis-
ftorio o rerJo officio, revelando aptidSo
e probidade. o que ficou demonstrado pelos
docu nent'is com que instruio a sua peti
?Ao ao governador do Kjtado, os qiaes rilo
honrosos aitest dos da otadade dos id
voga-ios e solicitadores d'cste l'5.->, b-ra
ouio de t>dos o jumes de direito e sub-
stitutos coa: quem te-n o mesmo servid*.
A nomeuy > effectiva para uro dos ofi
ci vago3, do dito cidda<.', um acto fe
justie* quo pratica o digno g> u--ral Jos
6imeo, que so ai lia fre: te do governo
deste Estado. .
Junas.
Gollegio Metra
Este antigo collegio eoifrtDa a funecio-
nar na ra da Iuperatiia n. 63, abrindu
suas aulas no dia 7 do con ente mez de
Janeiro.
Seu director solicita a's pas de familia,
que desejam o real aproveitamento de seus
tubos, o obsequio do ettender ao que vai
exposto.
Alm dos preparatorios para a matricula
Cota-s a 95JUXW. por pijia '< '.*' mros.
teoa
Cota-sc a 190*000 por pisa Je 480 iitroB.
S3c!
Cota-se a I50i;0 put ol.c. de 480 iilros.
Pa: la 4l4.ia-.If,;a
AA :S 30 DB iKZKXimo A 4 DE IANi
OB 1'0
Vide o Diario de 23 de Desmbro
.
Scmoia-
-
22 0:0 Saccas
OB
I 5
_ '>. I
3
-
9
.. i I g
i .. :,
o 3 0>_ 3 * i* i3 *1
: ?4. o 5 4*
S '. 1 1* K <0
AHHuesr
j rn-cos pagos ao agricultor, por 15 kilos, se-
ndoa As?ociacaoCommercia Agrcola,foram
uintes:
< as 33000 a 3*400
raneo ..... 2/800 a 3*3u0
..-nos..... 2400 a 2/5.1)
avado purgado tiZOO a 1*600
...... U100 a UM
:ne..... iVX) a IWi
AexorUcao, feta pela alfandega nesle mez al
Hn 28, subi a 5.549.196 kilos, sendo 574.02^
o exieriorc 4.971.tTt para o interior.
Dinai ve:ificu:,? ate a data de hoje so-
. =47.500 saceos, sendo por:
as '. 115.801 Saceos
' s ....... 400
. 13.374
i.-:oa de aruar. 8.664
,-rea de S. Fn-ncisro. 79.Q63
SMksb do Limoeiro 3J.1&8
i :.
Somma.
247.300 Saccor,
Conros
jros salgados 360 ris, e os verdes a S15
>avi- \ Icscarga
Barca norue^uense lin, ar.'oa neneros.
Barca noruega-i' Ttauu, oaryo.
Escuna .oruisuense Ge/tone, &'cr<{Ue.
I.gar allemo llar od, lrww goneros
Lugar americano Edicard .ohnston, varios ee
. n.ros.
Lugar icglea Stlver Sea, bacaiiilo.
Lugar ingles mg-e, Uieslbia.
Lugar iuglcz Iwwgeiie, ba%.Ui.o.
Lugar noruegutnse M*z, varios geeros.
Lugar infles Flora, bacati
Lugar portugusz Maris, y ros genero?.
t'auco niriego.eutE .'...'.:.^-. xarque.
Putacbo ho.iaiidcz Clara, xa "que
Patacho aUiio Fido, xurq,H.
'alacho besp3nhol Encarnacin, sar.'jtp.
fa'acbo naciona1"Urj*'rc" forrlto:-
Patacho nrj.;}uen;e Ludaen, varios g^ne i. "
Patache ingles Altee Ada, ttrqu>-.
lmporta^o
Escuna inglesa Orowj lidie, entrada de Ga;pe
em 30 do'passado e consignada a J. l'ator & C.
mamfestou:
jcalbau 1,981 tilias or-Jem.
Brgue ingles C. B. ., i-Ar-Co de Papeoia:
em igual dala e con3lgmdo ? J. Pater i h rua-
nif.-stou :
Bacalhao 3,50: pss ord.'iu.
Vapor nacknil S. fnncUco entrado dos or-
tos Jo Sul Ba mesma rt.:ia a c n-ifjnado Crin-
panbia eraambocana. oaQif^stoo :
Barricas Testas 65o c Aowriai urJoso 4 C.
Bagas de mirroua K0 saceos a UuimarSes A
Valeate.
B^rris va3ios88aA-!t) .:> Pin'o L-par IraQo,
21 a Lino Alves de Coivalba, 48 a Antonio Jo
Reg, 31 a^ntooio Uontigo Maiitis.
i'ouros salgadas toceos' t,?o) Parele Yiannn
4 G.
Farinha de trigo 5 a H. F :
& C.
Oleo de ricino 100 ci-isas Pcseira i uinero
*C.
Pipas rasias 30 a i .- R;jdi-,
Mack-ira 60 a Pereira Pinto 4 G.
Pia-'2ava 50 atados a BeRro & G >?ta. ,
Panno de algodao 10 Tardos a Machado Pe
reir.
as Faculdades de Direito, ensinar-se-ba
tambem a falhtr, escrever e traduair a
lingua francesa, a ingfeza e a allemS, sen-
do profesor d'esta o Sr. Algernon Schie-
fler.
O lado moral da educa cao de seus alum
nos, do mesmo modo que o intelleetual,
roerecer-lhe-ha sempre o mximo inte-
rosse.
O resultado, dos exames prestados no
fina do anuo prximo passado, na Faaul-
dade de Direito^ pelos alumnos do Col-
Icgo Melra, sao a prova mais eloqaen-
ts, e ao mesmo tempo, a normac&i mais
cnteriosa das vantagens que offerece dito
collegio.
Assim que, dentre os 80 exames que
prestaiam entSo os alumnos, apenas 8 fo-
ram mal succedidos, mereceudo 6 d'eles
d8tinccao, sendo plenificados 31 e sim
pliiieados 35.
Dentre as discipulas que hbil i tara m-se
aprestar exeme: D. Adelina Cabral e
D. Carolina Sim oes furam approvadas com
distinccSo em inglez e plenamente em
francez ; D. Maria da Esaltajao Cabral
e D. Adelaide Cabral fizeram aquella
dous exames, e esta um, sendo plenific^-
das n'elles.
Contiena a funecionar a aula primaria,
que poder receber alumnos da mais teara
idade, pois dirigida por duas til lias do
director, das quaes urna ab^chuel Ma-
ra Augusta Coclho Me;ra de Vasconcel-
los.
Admitiera se pensionistas, meio pensio-
nistas o externos.
Entre os exercicios pbysicos que tanto
convm sade, ensinar-se-ba esgrimir
espada.
Tambem podeao aprender msica ob
alumnos que quizerem.
O ensino de msica, o de allemSo e o
pratico das lingas franceza e ivglesa se
r2o mediante ajuste previo.
Recife, 1 de Janeiro de 1890.
, O director,
Aseencio Minervino SI. de Vascoacdlos
^*
Alberto Henschel&
C. -uces. avisam aos
Srs. acadmicos do 5.
;mno da Faculdade de
Oireito do Recife qu
cmerfafm hzr parte
do urup) do quatiro -\v.
MatQO de 1890, qu
ft>i ;: rea do o p.raz>
para se retriiarein os
atestaos para o gran-
de^uadro de que elle,
foram iuiHimbidos, d
boje at 15 de Pv*-
riro do co> rente an-
ao, sem pr^r4ga{;a
alg'U .na.
KeeH'e, I
rod "1890.
ile
Ja iei
dvagado
Miguel Jos de Almcid fiftrnambaco tem a BK
-M-'-ip'uirio de adtosacia rae un Imperador n
rj'r. -: da 9 manh *s 4 da ttnie.
IV>5 de cabra 7 aW.o a Rabelw Padilna. Jl
a R. asbark Brothers 4 C, 40 a Abe Sjeln 4
Peonas 6 caixaa aJtaOello PudJUu.
Paos para jangaila i a ilaoet de Souzj Al
varo,
tt-.'n-.os 36ao rnesmo.
Jolla 6 Vinbo 5 b:=rri3 a Paulino de OHvcira Uaio.
rtECivn, 30 D; DEZK^Bao DR 1889
Para a eximo)
Ni vinor ingles l-'uudi'cfc, carregou :
*3M Liverpool, C. P. deLemos 10 touelite
de a>hfe v. bo. 20 ditas de ferro ve lio 10.000
!.-i!osd cao brasil, 10.000 ponas de boi. 100
loneladas deossos de d.to. 80.100 unbas de ilito
e 5,000 saceos com 200.000 kilos do carogoi f.e
No'vapor ingle?, futenberg, carreg^ram :
Para Liverpool', L. Lima 2Q0 saccas com 18,o5!)
kilos de algodao ; Gompanhta Bagar Factores i
garrafr com 40 litros de sgOrdenle..
No lugar portugai'Z Maria, carreos :
Paru o Porto,. C. M. da Sdva 20 b rrls co:n
i 3K) lros de mel.
aro o interior
-io vacor nacional Camlo, earregar^m':
Para Pi lo a?, Mjia 4 Ifozenlc 220 barricas 7j
30 258 kilos de assucar branco e III) ilites com
10 730 dilO de dito mas avado.
Pa a Rio de Janeiro, F. de Azevr-do 30 pipas
com 14400 litros de agurdenle; M. Aioorim
- pioTi-cimA,800 litios d. agurdente.
A i narca nacionar Maosa canvgoa :
Paia Rio Graude do Sul B. Torrea) unior
100 saceos com 7,300 kilos de assucar branco o
0O diio.-J com 7.300 diles de dito masca vado.
ro lugar norueguense Lekna, carregou:
Para Rio Grande do Sul, GuimarSes 1,00'
larricus cem 103,222 kilos de assucar brax>.
No vaDor allemo P/'OCJda.carregiram :
Para Santos, F. de Azevedo 500 saceos com
30,000 kilos de assucar branco.
Para Rio de Janeiro, Maa 4 Rezeade 1 000
saceos com 60.000 kilo3 de assucar branco.
No vapor nacional liindos, carregaram :
Para Para, P. Carneiro 4 C lObarris com
960 litros de agurdente e 60 barricas com 3,610
kilos de assucar branco.
Para Manos, J- Borgea 240 harneas com
ISjBiO kilos de assucar branco; E, Alves 4 C.
v3 barricas com 1,202 kilos de assucar oranco e
0 burns com 1,920 litros de agurdenle.
Na b rcaca Aurora, carre.zarjia :
a Mossor, A. M. da Silva iu barr 5 cjd
600 Itlnjs de mel.
Para heo, J. J. da Silva Campes 10 barritas
com 600 kilos de assucar njascavado.
ileadimeatos pblicos
Renda geral :
0o dia 2 a 30
dem de 31
MEZ D DEZSMOB
Alfandega
794.256*743
18 097*662
812:334/40%
GOLLKGIO BE SANTA LUCIA *""?, dc "!*:' *m
Pone l edra aa Ilespanha
Estas agitas contem em s mineraes qne
produzsm um effeito maravilhoso em qual-
quer creatura que faca nso dellas. Como
seja para as molestias de estomago, qual-
3uer que sejam ellas, para as molestias
a bexiga e dos rins para qualquer destas
molestias, s ba diff^renca em mais ou
menos porcilo das s-guas que so tem de
tomar paru produzir bom resultado.
Acham se a venda em casa doSr. An-
tonio Alfonso SimSss na ru% do Visconde
de Goyannan. 1.
para o sexo fe minino
Ra lauque d Caxias u. 48
9* audar
As aulas deste estabelecimento de instrnecao
primaria e secundaria, abrir-se-hio no dia do
corrente.
A directora,
Anna d Reg Barreto de Alm.ila.
Curso, primario e secundarlo
Jos de Souz Cordeiro SiaiOes participa aos
pais de seus alumnos e ao respcilavel publico,
que no dia 7 do corrente se achara aberto o cu
estabelecimento de instrusfo primaria e scenn-
daria sito no pateo do Carm; n. 26, i continuar
os exercicios de sa*pro(lssao ; assim como con-
tina a id mi 11 r alamnos internos, mcio-peasio-
njslas e externos.
Aula particular
Anna Theodora Smes participa ao respeita-
vcl publico e aos pus de suas alumhas, que sua
aula pirlicular, s.tu no pateo do Curmj n 26
I andar, ahrir se-ha no da 7 do corrente ; ou-
trosim, continuando no exercicio de sua prolis-
rao. aceitaalunnas in.ernas. meio-peosiooistas
e externas.
f
Verissimo Minerva, Paiva et requa comprimen-
la pela victoria no Rio.
Fr. Halthazar da S'ide de Negreiros.
Auxilios I avo oa
Pereira Garneiro 4 C. continuara, autorisado?
>elo Banco do Brasil, conceder emprestimo
i lavoura das provincias de Alagoas, Parahyh
Rio Graode do Norte, medanle as cndicues
le que es interessados Serao informados no es-
triptorio ra do Commerci i n. 6 das 11 horas
da larde.
np:
la ma.'.:. s
1
I
i
I
i
i
S3jS5^2=S-=S2.-^? ^iSf.^Si?^
ello
Medico f.
urmado
>ea
i
9
Dr. Barreto Sampaio, oculista,
ex-ebefe de clinic^ do Dr. de
Weckor, de volta de sua via-
gem Europa., d consultas de
1 as 4 horas da tarde, no Io
andar da casa n. 51 & ra do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra. tete de Setem-
bro n. 34. Entrada pela ra da
Saudade n. 25.
Telephone 287. _
Dr. Silva Leal
CLNICA MEDICO CIBKGICA
Consultorio e residencia rna do Livramenlo
n, 6 1 andar Consu us das 11 as 3 horas da
a rde. Chamados a qualquer hora, por eteripto.
11 MED7'"* HOMEPATA
)jDr. Ball^. da Silveira
(
^ Facn Ida de do Rio de ,
t Janeiro, tendo-se dedi- '
oecialidad
i
catio com e^pecialiaaae |
^ tberapeutica rrioerna k
6 das molestias de neiL |
L II
J e gyphilrs, na Poiclini- g
ca geral da corte, a cargo a
i'
i
i
i de
;>
do Dr. Silva Ara ojo, -g
onde servio como seu
(J consultas
ajiioant*
no
15
4
B
i
meio dia iU 3 horas,
1. andar da casan. |
do largo do Corpo ^
3 Vis conde de
? o. 185.
% Santo, e recebe chama- %
H dos a qualquer hora em |
i i l i Hi
a sua residencia, a ra do &
Coyanna %
4ula mixh palicular
.Maria Flora Colorobier, ainmna mestra
da Sscola Prop-igadora ten-.o de abrir
uo dia 7 do Janeiro prximo, urna aala em
sua residencia" estrada do Jlo de Bar-
roa n. 2), o offerece s-; aos Srs pais de
familia que !he qnizerem confiar o ensino
de seus ihos, para lecjionar nSo s as
materias que constituem o curso primario,
jumo tambem masica, piano c trabalcos
de agolha.
Recife, 2-i de Dezembro de 1889.
Rehda provincial .
Oo dia 2 30 145:937*382
lilem de 31 i:87KJ
IvO aWMW
Somma trtal 961.879*398
Segunda scceo da Alfandega dtPernambuco,
31 de Dezembro de 1889.-
O mesoureiroFlorencio Damingues.
0 chele d* secgo Cicero B. :le M-.llo.
tSceeMdoria
Do dia i 30 37.08*6i3
dem de ii 3:6S0673
geral
40:6-0;673
Recebetlora provimclal
0o na 2 a 30 131.0to.S42;
dem de 31 23:2930
13i:l46073
Recife ra!aage
Do dia 3 a 30 3:494*793
dem de 31
o:4-279S
Mercado de S- foi
Eutraram para o consumo do fi:a 30 de D>
Dv'zembro de 1889 :
36 bois pesando 4.50 kilos
741 kilos do peixe a 20 rs. i48io
10 cargas com farinha a 200 rs. 8*608
7 ditas de fructas diversas a 3C0 rs. 2l 0
23 taboleiros a 200 rs. oiOOO
Foram oceupados : ____n
23 12 columnas a 600 rs. 17| 100
1 escriptorio l 300 rs. 300
37 corona-limentos de farinha a 500 ,
r, 28a0
28 dos do comidas a 5ft0 rs. 14*000
100 diios de legumes e fazendas a
400 rs. W 000
16 ditos de sulno3 a 700 rs. 11320U
10 ditos de fressuras a CO rs. 6O0O
2 Compartimentos de camarOes
a 206 rs. 400
7 sumos a 200 rs. 1*400
36 tainos a 2* "20U0
Reniimenlo de 4 a 29 no c te
214i820
3:772*9'0
o:9873720
Precos do dia:
Carne Verde de 160 a 480 ris o kilo.
Carneiro de 640 a 800 dem.
Suinos-de 360 a 6i0 ris dem.
arinha rlc 440 a 36't res a cuia.
Milh de 400 a 440 ris idem.
Feiao de 800 a 900 id^m.
Haa!anro publica
Kcste estaoelecimeto foram abatidas para o
consumo de hoje 81 reies pertencentes a diver-
sos marchantes.
Especialidarbifebres, molestia?
. das criancas, dos orgos respirao-
f \ rios e daa senhoras.
,' \ Presta-seaqualquer chamado psra
! f ora da capital.
)( AVS0
^Todos oscliamiuioa devem aerdi-
I ( rgidos pharmacia do Dr." Sabino,
'[ r;ia do IkrSo da Victoria n. 43,
onde se indicar eua residencia."
*
! 1 t <
> Dr. Mello Gomes n
'i ledicttoperis^rtro h
46Hua dw liarlo da Victoria46 |j
l (DBFBOSTfi DA PBAKM.40IA PIlno) 1
i (n:
Dr,: conj(Htiplo e rcsil- { i
i'I
S
-II
c::
leticia: podendo ser encontrado e
recelicndo chamados qualquer hora
do d;t o da noite.
Especialidades: partos, febres, moles-
tias i!e senhoras e dos pulmes, syphis
t-m geral, cura tapida e completa e one-
ragoos ds estreitamcuUis e oais ?olri-
mentos da uretra.
Acode de promoto a chamados para
fra, a qualquer distancia.
Telephone a. 314
}!
I
Muiti
a t ten gao
Illm. Sr. Antonio da Costa Campos.
Sabaudo que aigunis pensoas di.-serain-llie
que eu ando espalhaiido cousas desagra-
daveis Biia reptaco, -tenho a dizcr-lhe
ijiui turlo isto iiil.'io, que nao sei de cousa
alguma deaairosa a sua reputacSo, pois
seopre o tve e tenho como homem ho-
nesto, moralisado e sem nenhuma mancha
em sua vida.
Xo pasisam de mentirosos, de intrigan-
tea, os que andarn Bftrvido-se de meu li-
me para atassalhar a repntaco de V. S.
Quuira pois deseulpar os vexames que
paesou por eaasa desses intrigantes.
De V. S criedo c obrigadissimo.
Diogo A. dos Reis.
i a ibiiiii i i! TTimn-rn------
Vapores a entrar
MEZ ME JANEIRO
fiorle........ !' ',>!)'lo Santo.....
Sul........... G-.n'iy...........
Europa....... Comentes......_
Sul.......... nnoqite.........
Norie......... Portuaue..........
Europa....... F.qnalcar.........
-^nl.......... tuca..............
Norte ........ Fin nce............
-ni-..........Wcance...........
Europa...... Elbe..............
Liverpool..... Ilolbein...........
Europa....... f. de Buenos Avra.
Norte-----.___ Fernambuco.......
Sul........... itarankao......
-ul........... Buenos-Ay res......
Mil ......... Comrta -".........
Norle......... Para.............
Sul......... Alagos...........
Europa.. ___ Aralo............
- ul........... Magdalena ......
Norte......... Xanos...........
Sul-.......... Espirito. S.tulo ....
1
1
1
2
3
4
j
V
J
5
S
R
3
7
7
7
7
13
17
17
19
23
27
l:

Bordeaux
Sul..........
-autos e esc..
Cear e esc...
Montevideo
SaKos e esc .
New-York----
Buenos Ayres. Elbe
Soutbamp'ton. JVct-a
Juntse esc
Sul..........
Flamburgo
Norte.......
.^Dl..........
Soutampton'.
Norte........
Valores a sahJr
IISZ DE JASE1RO
.. Orenoque......... I as
Espirito Smto i as
Comentes........ 2 as
Ptrapama......... 4 as
Equateur........ 4 as
Vinance ......... 5 as
Adcance -......... 3 as
V. de IJaenos-Ayres
Peniambuco ...'....
Buenos-Ayres......
Marankao. .'..-----
Pora.............
Aralo............
Alagos...........
3 as
3 as
7 as
7 as
8 as
8 as
13 as
17 as
18 as
2 b.
3 n.
ib.
5 fi.
2 b.
3 b.
4 b.
3 h. *
3 h.
4 h-
3 h.
4 h.
Sb.
3 b.
2h.,
Hovissieato do porto
Navios entrados no dia 31
Babia e escala !'dias, vapor nacional S-
Francisco, de 382 toneladas, commandant.;
Joaquim da Siiva l'creira, eqaipagem 30, car-
ga vario3 gneros ; a Uompanhia Pernambu-
cana.
Cardillo33 dias, barca norueguense^ Ceres,
de 3TS toaebdas, cipitao A. Jorzersen, equi-
pagem 10, carga carvao de podra ; Compa-
nbia do Beberibe- .
Aracaty 24 dias, biate nacional -Deus te Sal-
ve, de 70-toneladas, mestre Antonio Jorge do
Nascimerito. rqnipagcm o, em lastro; a Bar-
tholomeu Lurenco.,
Navios sahidosmno mesmo da '
Bio de Janeiro Brigue inglezC. R. C., capi-
to E. L. Conieur, carga bacallio.
SantosEscuna ingleza Ownj BeUe, capilo
E. Asplet, carga bacalhio.
R.o Grande do NorleHiale nacional Correio
do Natal, mestre Joao Guedea de Moura, car-
ga varios gneros.
I
)





a
y
y

\
S|
'

I*
Diario de Pernambuco--Quarta-feira l de Janeiro de 1890
______
Vi.
O toniro Oriental 6 uma ftrote de brilho e for-
mosura tanto para as damas como para os cava-
iheiro?.
O cabello adquire cora hj uso, soavidade,
asseio, abundancia e nVxibiiidade, e a barba e
os bigodes, brilhantismo, sedosidade e graciosas
ooduaees.
A la Rosa AlemaDa
A oerveja La Rosa Al'.emana nao con-
ten acido ou productos chiraicos.
A preparaeao da cerveja La Rosa Ale-
nana chegou ao mais alto grao de perfei-
oSo. E' SUBLIME, nuitissimo agrada-
Tel ao paladar, finalmente uma combi-
nacSo de substancias podesoras para a bSa
alimentacSo. As mais armadas cerv- jas
nlo trazem o nomo do fabricante. Entre-
tanto o proprietario da cerveja La Rosa
Alemana tendo conquistado o segredo da
ana saudavel cerveja registruu a marca
oom a sua firma no rotulo.
E como teve a bonra de requestar a
aympathia publica e para que a cerveja
La Rosa Alemana continu a gozar do
conceito do respeitavel publico, amiudadas
vezea,manda examinar a sua cerveja pelas
celebridades chimicas.
Diversos attestados de chimicos e douto-
res em medicina justificara-que % cerveja
La Rosa Alemana muito saudavel a um
aob rano alliraento, cojos documentos fi-
cam disposicSo do respeitavel publico.
Diz o Dr. Vernier: Tenho por militas
vezes examinando no laboratorio publico o
creveja La Rosa Alemana e nao encantar
materia cbimica e sim uma gigantesca pre-
paroslo de substancias que representam
uma valiosa riqueza para a alimentario.
A cerveja La Rosa Alemana gz de
grande conceito na Europa e um Ilustre
cavalheiro desta pra^ a pouco chegado
do estrangeiro, animou o fabricante a ex-
portal a convencido de ter grande ecceita
9X0 aqu.
Tem venda em grosso e a rctalho.
Machado Albino Fornandes d C, ra do Mrquez
de Olinda n. 2; Jos da Costa Caseifo
* 0V rna da Cruz n. 13; Lopes & Arau-
jo, ra do Livramento n. 38; Vasconcel
los Sobrinho A C, ra da Aurora n. 81;
R. Ferreira & C, ra Mrquez de Olinda
n. 50; Pocas Mendes 4 C, ra Estreita
do Rosario ; Manoel Joaquim Alves Ri-
beiro, travessa das Cruzes: Pereira Fer-
reira & C, ra do Imperador; Joaqnim
ChistovXo A C, ra do Cabug; Jos
Fernandes Lima & C, ra Nova ; Salga-
do & C, ra das Cruzes n. 20; Antonio
Almeida Rabello, ra da Uni3o n. ,'; An
tonio Souza Dqarte Ferreira, ra da
Unio; Antonio Jos Marttns, praca Con-
de d'Eii; Marcelino Martina Gesteira, ra
do Vigario n. 6 ; Azevedo Maia A C rna
da Iruperariz; Manoel de Olivcira Menor,
ra do Visconde de G>yanna; hotel da
Magdalena ; Ivo Sobrinho A C, Francisco NunesMonteiro, Goyanna; Cus-
todio Figueiredo & C, Parahyba; Fonse
ca Irroaos & O, Parahyba: Benvcnuto &
C, Parahyba.
Collecio le.IW. *. da Prnka, ia da
tnrora SY, andar, ob a dl-
receao de tufiHla Carnelro
Os trabalbos ItCiivos dwie estabelecimen .o
de istruevao primaria e secundaria, para o
st xo feminino, priacipiarao a 7 de Jane jo.
Collegio Amor Divino
a da Impe'ralrli o. S*
As aulas abrir se bao no dia 7 do correte.
A directora, .
Olimpia Afra de Mendonca.
!CflC^-
Nossos ieitor-es liao de aprender com
salisfaccao e nos agradecerao por ccr-
lo, dizendo-llies que o seu Denlirici
prefer lo, o Elixir, os Pos, assira como
a Pasla denlifricia dos R R. P P. Be-
nediclinos da Abbadia de S -lilac, obti-
voratu mais alia recompensa concudi-
versal de 1889. Honra e glorii a se-
melhanl pesq lisadores, aos sabios Be-
Bcdiclinos da Abbidia de Soulac, a sim
como ao seu Agente Geral-A. SEtU.N
em B rdos.
Cirurgrio Dentista
DR. ROBERT P. RAWLINSON, for
oi3do pela Universidade de Maryland nos
Estados-Unidos, tem aberto o seu cnsul
torio, na ra BarSo do Victoria 18, Io an-
dar.
Consultas da 10 s 4 horas da tarde.
Dr. Alfredo Gaspar
MEDICO
Operador, parteir trata com especial i
dade de molestias de senhoraa e creancaa
Consultorio e residencia a ra da impe
ratriz n 18, Io andar.
Consultas de 8 s 10 da manhil.
Cliam&dos (por escripto) qualquer hora
TKLKPHONB N. 226
CONSULTORIO MEDICO
O Dr. Cosme de S Pereira d
consultas medico cirurgicas todos
os dias, (menos nos domingos e
dias santificados,) das 9 ao meio
dia, na ra dalmperatriz n. 8, 1.
andar. Ah mesmo fari curativos
simples aos que delles precisarem.
Frederico Chaves Jnior
Homoepatha
139 RA BARAO DA VICTORIA 39
Primeiro andar
Ad rogado
iBr. Clodouldo Lopes &s
ESCRIPTORIO
Ra Estreita do Rosario n. 4
Tosse convulsa! eoquel tic he
Nfio deis enanca senao o Pe i toral de
Cambar.
C ollegio S. Miguel
Rna Vlaconde de tamarafibe
aV'M
As aulas reabrir se-hao uo dia 7 do corrate.
A directora,
Emux A. de Mendonca.
i:usdo de Maslca v<,cal e las-
truoien(:il
0 professor de msica Mancel fkndira Fi'h 3
resolveu abrir em Janeiro prximo, um curso de
msica vocal c iusirumedral, que funcionara
as segunda? e quintas-feiras das 5 s 7 horas
da tarde, em sua residencia, ra de Marcilio
Diaa n. iO, primeiro indr.

Leonor Porto
)
Rna Larga do Rasarlo nu-
mero 6 .
SEGUNDO ANDAR V
( } Contina a executar os mais difceis i i
! Jfiguriaos recebido9 de Londres, Parii,< J
( J Lisboa e Rio de Janeiro. M
l | Prima em perfciclo de costuras, em
'em brevidade, moeficidade em precos e'
(| fino posto.
Tuberealose pulmonar
Cura garantida pelo Peitoral de Cam
har.
0 Dr. Eroiirio Couiih >,
e volta de sua viagem Encopa, on-
e e dedicou especialmente ao os-
udo a molestias do systeou ner-
voso, lixou sua residencia e consul-
torio ra da Aurore n. 85.
Consultas de meio dia s 2 horas.
TELEPHONE N.367

A
chuica mico CISS&ICA
DO
Dft. EDUARDO SILYBIHA
Consultas das 11 s 2 horas da tarpe,
ra do Marques de Olinda n. 66. Cha-
mados por escripto8, na da Aurora
n. 47 o na Pharmacia Central, ra do Im-
perador n. 38.
TELEPHONE N. 266
2
<**m
Bacbarel Joaquim Thlnao
da Fonneca
ADVOGADO
[Escriptorio, ra do Imperador n. 14.^
k.Residencia, roa da Palma n. 57.
%m-
-^~-
*
Broncbltc aguda ou chronica
O Peitoral de Cambar o melhor rr-
medio.
EDITES
S. ('(''II. Wccrelaria do goirmu
do EMado de Pcrnambueo, SS de
Dcwabro de iss
Da rdeui do bnganeiro overnador do Esta-
do face publico ptra 03 devidos effeitos que ao
provneoto os ofiicios de partidor distribuidor
do termo ne Agua 'reta, coocorreu nicamente,
no praso legal, o cilado -ugncl Correa de
Queiror Btrros.
Pelo fecr. tario,
Rodolpbo Araojo.
DECLRACQES
Sociedade Unio
Commercial Bene-
ficente dos Merci-
eiros
Levo ao conhecimrnlo dos Srs. aso-
ciados que se acham era atraso de suas
monsalidades, que llies licca marcado
o'^razn de. trila dias a contar desta da-
da, para se porcm quites cora os cofres
sociaes; e indo o referido praz > aquelles
que nao o hnuverein feilo Mrao punidos
com as penas do Arl. 6 3." dos nos-
sos estatuios.
Sal da Secretaria da Sociedade Uni-
o Commercial Benclicenle dos Mcrciei-
ros 1." de Janeiro de 1890
0 secretario,
Joaquim Maa.
Hippodromo do Campo
Grande
Assembla geral extraordinaria
Em virtade do 1 do art !3 dos estatutos,
convido aos se.nbores accl.nistas- pare se reuni-
rem cm assembla extraordinaria no dia 8 de
Janri'O doanno vindouro, s l horas da ma
nb, no escriptorio desta companhia, a ma do
Imperador n 55, i- andar, &iim d tratar-ee de
negocios urgentes de interesa?:- da oiesma.
Rt-cife 23 de uezembro de i89.
Joaquim [anoceacio Gomes
Preaideate.
Obras do porta e ge-
raes de Pernambuco
De ordem do cidadao erige nheiro director in-
terino das obras do porto e geraes ieste Estado,
faz se Bcicute a quem rntarBasar possa que, nao
podendo ter tugar hoje o contelbo de compras
que deveria cootractar o fornocimento dos ma-
teriaes e mal objectos necessarios s mesmas
obras, flcou o rhe*mo qUiado para o dia 3 de Ja-
neiro prximo futuro, s 10 e 1 i oras do dia.
Obras do porto c peracs de Pernambuco, em
30 de Dezembro de 1889.
0 cscripturariodas obras do porto,
ta/noel Duarte Pereira.
O eecripturario das obras geraes,
Joaquim 4i Medeiros Raposo.
PRADO PERNAMBIMNO
PROGKAMMA DA 8* COERIDA
QUE SE REALIZAR
No dia Io de Janeiro de 1890
*'
GRANDE PHEMIO PRADO
SOCIEDADE
PBRNAMBU'CANO

Bi
IVoiai's
s
B
=
Pellos
Malura
lid.
Cor da venil-
menltt
Proprietario*
1." pareo de Janeiro-830 metros -Animaos de Pernambuco que nao teuham ganhon'esta ou maior distancia em 1889
Premios : 200* ao 1, 40* ao 2 e 20* ao 3
11Cndor.....
2[Eclypse 2..
3 Maranguape.
4 Tupy........
5'Humilde
Turco 2o.....
Cyclone.....
Pindaro, nx-
Papacaceiro
Baio........
Prelo.......
Alazao.....
Baio........
Rodado......
Alazao......
Rodado.....
Alazao.
Peruamb.

. .
60
58
58
60
5S
58
56
58
Lyrio..............
Grenateouro........
Amarello e azul....
Encarnado e braneo.
Amarello e branco..
Lyrio e amarello.....
Grenat e amarello...
Azul e branco.
Rufino Cantoso.
J. M. Wanderley.
Bento B. da Ponseca.
Francisco >'.. de Reg.
Vicente Nascimento.-
Jos F. de Monra.
Alfredo 8. Barbosa.
Coudelaria Venturosa
2.-1 pareoClaudio Dubeux-1 609 metros.Animaos pelludos do paiz. Premios : 300 ao 1., 60* ao 1* e 30/ ao 3.*
Favorita
Cailileu.
Vulcano
Bacho..
Recife...
Ziioa..
Alazao.
Castanho
-
S.Paulo...
Paran ...
Rio de Jan
54
54
56
56
56
Cinza e ouro........
Ouro e preto........
Azul e preto..........
Az .1 e preto, lacoeoc.
Verde.amarello e ene.
Aotonio Ramos.
Coud. Frateroidade.
Coudelaria Nacional.

Coud. Independencia.
3." pareo-Derby Club de Peraambuco-1609 metros Animaos estrangeirosnao inscriptos no grande premio. Premios
4001 ao Io, 80* ao 2 e 40/ ao 3.
-'hAlra. ..
oupon ___
Feuillage...
Ernani......
Africana__
Lovely......
Castanlio.
Alazao...
Castanho.
Zaina ..
3 Alazao
Inglaterra.
Franca -
Inglaterra.
R. da Pi ata
Inglaterra
Victorious .
Flageolet e la Courense
Beauunet e File du Ciol
Ruicrusiaa e Bulla Agns
Fadora c Traviata.
Roslcrusian e Hawley.
54
56
56
56
58
49
Verde e branco.....
Amarello e branco...
Preto e escarate.....
Rosa e preto, laco br.
4 m
Azul e preto ........
H. Feraan-es & C.
Dr. JooE. deC. Fon3.
Coudelaria Temeraria.
Coudelaria Paulista.

Coudelaria Noacinal.
4." Pareo.Dr. Souza Hela1,609 metros.Animaes cacioaaes at meio sangue. Premios : 350/ ao 1, 70/ ao 2. e 35/ ao 3.a
Minerva. ... 4
4
Fluin ine nse,
ex Douro . 5
Baccho..... 5
Douradilha.. S. Paulo ..
Castanho
Alazao.....Rio de Jan
Castanho ... 'Paran ....
Os mane cgua do paiz
Taogeeguado paiz. .
Douro e egua do paiz.......
52
56
56
'G
Azul, branco e ene... jCoudelaria Cruzeiro.
Lyrio e ouro.........Coudelaria S. Jorge.
Ouro c preto...... 'Joaquim da Rocha.
Azul e preto........I Coudelaria Nacional.
5.* pareo-CA>"DE PREMIO PUADO PEBMMBICASIO- 2,500 metros Animaos de qualquer paiz. Premios
oooo* ao 1., i:5o ao 2, ftoo* uo 3. e loo* ao 4."
Vesper ..
Diana...
3 13; azil ...
4Apollo ...
glBtffel. ...
JFilledu Ciel
(Zngara, .
7)Dondon..
)Pandgo
4 Alazao...... Inglaterra.
3 Franca -..
a c
4 l. da Pratu
3 Franca ...
3 Castanho. *
3 i Inglaterra.
2 Preto.......
2 Castano
Greeoback e Tapeitry..........
Beaurepaire e Silencense.........
Flavio e Esmeralda. .............
Frjcdor e peliuda...............
Perplexe e Daily Pentheath........
GeorgeFrederic e Sainle Cecilia..
Sir Charles e Guaranier...........
Tnuno e Taitb .................
Lammermoor e Red Spiner.......
54
47
t
H
48
46
51
44
46
Ouro e branco......
Azul epreto.........
Ver. ama. e bonet ene.
Verde e salmo.....
Verde e ouro........
Preto e escalarte-----
Preto, esc. e lago bran.
Escarate e ouro
Esc, ouro e lago bran.
Coudelaria Emulago.
Coud. Nacional.
Coud. Independencia.
Dr. Joo de S.
Coudelaria Eiffel.
Coudel .ria Temeraria.
m
Coudelaria Allianca.
6. Pareo 1." de Juiuo-l 200 metros Animaesde Pernambuco. Premio3 : 2003 ao i, 40/ ao 2o e 20/ ao 3o
Village......
Porabo Preto
Monitor......
Topy:......
Caufry ......
Mellado...
Cachito ..
Russo
Baio.....
Castanho
Pe"rnamb.
58
56
54
58
8
Branco.............i Jos Joaquim Dias.
Ouro, pretoe lyrio...
Encarnado e branco.
Azul, ene. c branco
Azul c encarnado
Coudelaria Victoria.
Coud. Pernamhucana.
F. orreia de R. Reg.
Alfredo Marques.
7." pareoHippodromo do Campo Grande-900 metrosAnimzes pungas. Premios : 200/ ao Io, 40/ o 2o e 20/ ao 3.*
llGuarany 2o..I
2|Arumary ....I
3lTemplar----1
4 iRodado
o I Alazao.
5 'Rodado
Pernamb.
56
58
60
Vilela c ouro.
Azul c crerae ...
lAzul c branco.
i Jos du Mello.
|F. Siqueira & Bastos.
ICarvalbo & Pereira.
OBSERVARES
Os animaes inscriptos para o primeiro pareo devem achar-se no ensi-
lhamento s 9 1(2 horas da manha, visto como este pareo ser realisado s 11
horas da manha, .em ponto.
Os forfaits serao recebidos at terc,a-feira, 31 do corrente, 3 horas
da tarde na secretaria do Prado.
S terao ingresso para esta corrida os bilhetes expedidos especialmente
para este dia.
Na secretaria acham-se venda os bilhetes para esta corrida at 31 do
corrente, pelos segumtes
PREQOS
Geraes ... .
Entrada e archibancada
Entrada, archibancada c ensilhamento
Cartoes de familia at 5 pessoas
Ensilhamento.....
Differcnca para archibancada
('aval le ir :s ......
Carros.......
15000
2y>000
3.SOO0
5^000
2(5000
1000
36000
5*00
-
Recife, 28 de Dezembro de 1889.
O SECRETARIO,
Jos Gomes Gauches.
Instituto dos Pro fes-
sores de Pernam-
buco
De ordem do presidente desle Iastituto, con-
vido a todos o sjcos a renuirem se em assera
bla geral, qp lugar do costme, s 10 horas do
dia 4 do correrte, sfi>c de elfgerem o conselho
administrativo cue tem de dirigir esta ecciedade
no anno de 1890.0 r secretario
Tranquilino da Cruz Riheiro.
C ollero Parthenon
Bao d HoMpicto ii 3
0 director deste collegio participa aos pas de
seus alumnos e ao sublico em gera q as au -
la do supradiito colleg^io c nvcarao a funecio-
nar no dia 7 de Janeiro de ltf&O ; oalro.im, re-
cebe alumnos internos. &f mi-internos e externos,
Recite, 30 de D zembro de 1889.
O director,
3atliarel Ovidio Alve Manaya.
lub de Esgrima
A festa annuocieda para o dia 23 iest.^ 0>,
ter lugar -no din fi de Janeiro n Prado Per-
nambucano, sendo o programaba u fostaoj
publicado.
03 cartOes j dist ibuidos para aquelle da
do anda ingresso no dia 6.
O (ecre.tario,
Francisco Gouveia
Baaco i* Pemam-
Este Banco principiar
as suas operacoes no dia 2
de Janeiro de 1890, toman-
do a si a liquidacao do acti-
vo e passivo da Caixa Filial
do Banco Nacional do Bra-
zil nesta cidade.
Pernambuco, 19 de De-
zembro de 1889.
O director,
Wliam M. Webster.
Banco de Pernambuco
Os senhores accionistas sao convidados a fa
zer a3. entrada do capital social na tbesouraria
do mesmo banco, na razao de 10 /. ou 201000
por accao, ateo dia 7 de Janeiro de 1890 inclu
sive. Pemambono, 19 de Dezembro de 1889.
Wliam M. Webster,
Director gerente.
Thesouraria de Fazenda
De ordem do cidado Sr. inspector, faco pu-
blico que esta tbesouraria acba se habilitada
com o aeces ario crdito para pagamento dos
si-uin es credores de diridas de exercicios lin-
des :
&C.

Rodrigo Ctrvalbo
Maia e Silva 4 C.
Os mesmos
Os mesmos
Os mesmos
Os mesmos
Jos de Azevedo Maia e Silva Jnior
Joaquim Alves da Silva Santos
O mesmo
Uinoel Joaquim Alves df C->sta
Jujqiiiiu Alves da Silva Santos
Joaquim Pereira de Freitas
Fraueisco Manoel da Silva & C.
Os raesmo3
Jos dos Santos Oliveira
O mc:mo
O mesmo
Joaquim Alves da Silva Santos
Companbia 'ernambucana
Thesouraria do Estado de Fersambuco, 26 de
Dezembro de 889 O secretario,
Dr. Antonio Joscde^ant'Anna.
1:479*700
1794350
424520
238*213
170*960
362*969
290*731
10C40
124*620
5*8
115*063
511800
13*540
588*400
S*0< o
92*170
24*000
62*000
20*000
Obras publicas
De ordem d cidjidlo engenheiro di-
rector e em virtude da atorisacSo do ci-
dado general Governador deste Estado,
de 18 do corrente, faco publico que no dia
11 de Janeiro prximo vindouro, neeta
directoria recebem- se novamente propos-
tas em cartas fechadas, competentemente
selladas, para a oonstruccSo de ama ponte
sobre o rio Pirangy-ass, em trras do
engenho Calende, oreada em 6:963)51963,
As propostas serSo abortas em presenca
dos concurrentes.
O orcamento e mais condicrJes do con-
tracto acham se nesta secretaria, onde
podem ser examinados pelos pretendentee.
Para concorrer praca cima dererSo
os licitantes depositar nesta Repartirlo a
quantia de 3485193, equivalente a 5 $
do valor do respectivo orcamento. *
Secretaria da directoria de Obras Pu-
blicas, 19 de Dezembro de 1889.
O engenhoiro ajudante,
A. Seg Netto.
Instituto Archeologico e Geogra-
pbieo Pernambucano
Quinta-fera 2 de Janeiro hora do costme,
buver sessao ordinaria.
Secretarla do Instituto, 30 de Dezembro de
1889.-0 !' secretario.
Baptisla Regueira.
Banco Nacional do
Brasil
A Caixa Filial do Banco Nacional do Brasil
nesta praca, entrar em liquidacao no dia 31 do
corrate, tra afanado para esse rJm o seu activo
e passivo ao Banco de Pernambuco, que execn-
tara as operacoes pendentes. Pernambuco, 19
de Dezembro de 1889.
William M. Webster,
Gerente.__________
Prado Pernambucano
De conformidade com o que preceitua o
art. 91 do cdigo de corridas, fajo publi-
co, que foram designados pela directoria
d'esta sociedade, para o anno de 1890, os
dias abaixo mencionados para as suas cor-
ridas.
de Janeiro.
1.* corrida
2.a p
3.
4.1
5.a
6.a
7.a
8.a
9.a
10.a
11.a
12.a
13.a
14.a >
15.a
16.a
17.a ,
18.a
1
19
9
2
16
30
13
27
15
10
7
28
12
26
9
23
14
Fevereiro.
Marco.


Abril.
i
Haio.
Agosto.

Setembro.
>
Outubro.

Novembro
* Dezembro.
O secretario,
Jos Gomes Ganches.
IliDEMNISADOR
Companhia de Seguros
MARTIMOS E TEHRE3TRES
Enlabeleridaem 18S5
CAPITAL ],00O:000$0O0
SINISTROS PAGOS
At 31 de Dezembro de 18S4
Vlaritimos.. 1,110:000#OOG
Terrestres. 316:000#000
44Ra do Commercio44
SEGURO CONTRA F00
Rojal Insurance Company
de Liverpool
CAPITAL .000:000
AGENTES
R. DEDRUSINA&C.
13Ra Mrquez de Olinda13
|'ff
E IPICIOS E MERCADURAS
TAXAS BAIXAS
Prompto pagamento de prejuizos
SEM DESCONT
A COHPAMIIA
IMPERIAL
DE IiONDBES
EST: 1803
CAP : R8. f S,OOO:O00#0OO
AGENTES BROWNS&C.
N. 5-RCA DO C0MMER'"I0 -N. 5
London & Brasil ian Bank
Limited
Ra do Commercio n. 32
Sacca por todos os vapores sobre as cai-
tas do mesmo banco em Portugal sendo
;m Lisboa ra dos Capellistas n. 75. No
?orto, ra dos Inglozes. #
SEGUROS
MARTIMOS comba FOGO
Companhia Phenix er-
nambacana
RA DO COMMERCIO N. 38

,

'-'-sBt
9
-

*

I
-
m
i
r
I
|
,
'
.
/
* s

i.

%





:
SEGUROS
CONTRA FOGO
he Liverpool & London & (ilobe
HTSURAITGE COMPANT '
Mwm, mim & c.
Ra do Commercio n. 3
Companhia Pcrnambnciiaii de 2V-
vrgarao CoMtelra por Vapor
A ter conuco em S de Janeiro prximo e em
todos os dius uteis, das 10 s 12 horas da ma-
nha, a Companbia Pcrnambucana paga os juros
do emprestimo preferencial no seu escriptorio;
o quy faz sciente aos interessados.
Compaitjjia t Sesmos
NORTHERN
de Londres e Aberdaen
Posigo financeira CDezembrode I887J
Capital subscripto 3.000,000
Fundos aecumulados 3.421,000
Keeelta annaal :
De premios contra fogo 607,000
De premios sobre vidas 197,000
De uros 143,000
O ACHIOTE,
John H. BoxintU.



6
Diario de PernanibucoQuarta-feira 1 de Janeiro de 1890





|ift*Ux*t Ir f i*h*
Miguel Jos AiVe
SEJ06-MA**FlMOi E TEMBSTOBS
Nestee ultimo seguios a uaica compaonia
aceta praea que concede aos Srs. segurados iBemp
ci d wanwo de premio em cada setime
o o que vvale ao descanto anual de eer
C de I* uor oaata em favor dos segurados
Thesouro do Estado
De ordem do cidado Dr. inspector dettt the-
souro faco publico que no diarde Janeiro pro-
limo tmWuro ira de novo pci, pararte a
junta defamada- (leste Estado, o fomeenuento
da alineataco do- presos pobre da casa de
Detengao, relativo ao trimestre de Janmro a Mar
co, servina" de base a d>aria de WD rs
Secretaria do Thesouro Provincial de PWfiam-
fcuco 2 de Deaembro de 188. 0 offioiai,
^ Lindolpho OamjNlliv
Santa Casa de Misericordia
do Recife
a secretaria da Santa Casa recebea-sa pro-
oostas pa"a arreodamento do predio a 33,1 rm
arquez de Olinda, com ariraz6m proprio pira
qualquer estabolecioento commerorea, com
grande reducjao no preco da "enda.
As proponas serao apreciadas pela junta en
na sessao prosima. .
Secretaria da Santa Casa de Mfeerwordia do
rtecife, 30 de Outubro de 1889.
- 0 escrivo,
Pedro Rodrigues de Souza.
Santa Casa de Misericordia
do Recife
De ordem da junta administrativa desta
Santa Casa alo convidada* ar m58 e pa-
rentes da* educandas do Collegio* da Or-
phas, cujos nomes vao em- seguida- decla-
rados, para que as venham reclamar no
prazo de 30 dias, findos os quaes sera
ollas concedidas para o servico de casas
de familias honestas mediante soldadas.
Santa Casa do Misericordia do Reeife,
21 de Novembro de 1889.
O escrivao
Pedro Rodrigues de Souxa.
RELAVAO DAS EDUCANDA8 A QU 8 BEFE
EE O ANNUNCIO CIMA.
1 Amelia de Oliveira
3 Francisca Ferreira
4 Izabel Ferreira
7 Mara Ribeiro
8 Anna Ribeiro
10 Joanna Cavalcante
11 Carolina Barretto
12 Carolina Medeiros
13 Amelia Medeiros
14 Maria do Espirito Santo Cavaleante
15 Maria dos Santos Cavalcante
16 Maria Guadelupe
17 Mananna Mendes.
Grande festiyal
no
E3I
DA 6
OLINDA
DE JANEIRO E KO LABGO
DA ABOLICAO
Merecido pela Companhia Tiilhos Urba
nos de Olinda aos frequenaadores da
esta$o balnearia e aos habitantes da
heroica cidade
Concert ao ar llvre em nm pavl-
Iiuio eaprcialmrnle preparado e
no qual Mob a nubil dlreceao do Sr.
maeNlro
Eik'i les Fonseca
70 PROFESSORES
eaecutaro as pegas do programma abaixo tran
scripto, todas de composigao do mesmo maes-
tro
Programmaa
1 parle
(Orchestra e bandaIlymno io Trabalho.
il-Orchestra :(a) Preludio da optra Leonor.
(b)-Ballet
DiOrchestra e banda : Apri$ vtctaire,
arene.
2.* parte
IOrchestra e banda : Ode i Patria.
ilOrchestra -. Outerture tm n menor.
II-Banda e orchestra : Symphonia republi
cana.
Intervallo de 1/4 de hora, durante o qual serao
ueimados fogosde bengala, chammas eruptivas,
morteiros, etc., espcialmente preparados pelo
eximio artista -LEONCIO DA FONSECA.
Coinecara o concert as 6 1/2 horas da tarde, e
estar terminado as 10 horas da noite.
Para aatisfarer a concurrencia das pessoas do
Recife a Beberibe a Companhia expedir, si fo-
ecessario, trens expressos s mesmas horas dos
rdinarios tanto para a ida como para a volta.
SANTA CASA
1X.UCAR
HOiKi
C %* PARA
dem da Guia n 25, idem
dem do Encantamento n. 9, i.* aadar 15*000
dem idem n. 11, 2 andar 20*000
Semidem a. 3, loja I4#0"0
em do Bom Jess n. 39, loja 18X000
dem idem idem, 1. andar 20*00
dem do Amorira n. 23, idem 12*500
dem idem idem, 2* andar 12*50"
dem Imperial n. 151, casa terroa 30 00
Ra da Moda n. 45, armazem 16*660
dem idem n. 49, idem 16*000
dem do Vigario n. 25, !. andar 30*000
dem idem a. 27, loja 16i66<>
dem da Linguela n. 14,1. andar 16*66"
dem da Sensata Wlha n. 132, loja 15*000
Quadro da Deten^ao n. 2 BWO
dem idem n. 5 6*000
Ra da Seuzala Velh n. 132, !. aiaar 15*000
dem idem. 2.'andar 15*000
Ra da Palma n. 34 6WU0O
Ra do Coronel Suassuna n. 8V loja 12*500
Prolongamento da Estrada
de Ferro do Recife a S.
Francisco e Estrada de
Ferro do Recife a Ca-
ruarii
EDITA!.
De ordem do cidadao Dr. direetor inte-
rino^ se faz publico que, no da 3 do mez
de Janeiro vindouro, at o meio dia e no
escriptorio central, recebam-ee propostas
em carta fechada para o serrioo de carga
descarga de mercaduras as eatacoes do
Recife e Palmares, mediante condicoes,
que serao estipuladas em contracto cele-
brado com a administracSo d'estas Estra-
das, tendo por base s especiicacSes or-
ganisadaa pela directora, e que os cida-
dlos interessados encontrarlo n'esta secre-
taria, onde e Ibes prestarao quae quer
informacoes e esclarec ment a respeito.
As propostas que deverSo ser selladas,
serio abertaa na presenca dos cida-
d&os proponentes ao dia hora cima in-
dicados.
Secretaria do Prolongamento da Kara-
da de Ferro do Recif< a S. Franncisco e
Estrada de Ferro do Recife a Caruar, em
27 de Deaembro de 1889.
O 1. escripturario servindo de secretario,
Vidaliano B&eir* fBttneo e Crerfif Itetrl de
Pemambuco
Ne sorteio a qu se procedeu Bas-
co m dta de hontem, 27, para o roga-
te de 570 letras hypothooarias existente
en circulaclo (1*, 2*, 3' e 4 series i de-
signou a sorte as de numero abaixo des-
criptos, as quaes serao pagas pelo Raneo*
a contar do prmeiro dia til do mez de
Janeiro prximo futuro, e, quer sejam ou
nao apresentadas, nao vencerao man ju-
ros depoia de 31 do cor rente mez.
Estas letras serao pagas ao portador pelo
sen valor nominal de 100(5000, cada nma,
bem como os juros e com os premios-as
abaixo mencionadas.
Tambera serao pagos a contar do dia 2
de Janeiro prximo futuro, os juros das
letras emittidas nos annos de 1886, 1887,
1888 e 1 semestre de 1889.
Recife, 28 de Dezembro de 1889.
O gerente,
Joo Fernandes Lopes.
Ia serie i*A feum*
32 1.429 2.925 4.5875.2S9 7.719J
185 1.438 2.973 4.609 6.261 7.757
217 1.540 3.130 4.6% .274
269 1.681 3.203 4.T44 6.311
353 1.798 3.240 4.823 8.343
381 1.8153.277 4.830 9.503
440 1.827 3.301 4.893 6 530
511 1.846 3 395 5.042. 6.549-
531 1.954 3 487 5.109 6.5J3
584 2.119 3.449 5.130 6.558
676 2 264 3.567 5.227 6.611
693 2.354 3.724 5.258 6.6T3
73 2.357 3.789 5.293 6.794
778 2.425 3.&8o~5.3w6 6.905
885 2.460 3.941 5.81* 6.927
890 2.4G3 3.943 5.*>14 6.949
1.108 2.480 4.000-5 638 7.014
1.150 2.500 4.073 5.837
1.174 2.562 4.213 5.887
1.183 2.660 4.39o 6.019
1.209 2.663 4.472 6.076
1.216 2.669 4.480 6.080
1-354 2.773 4.493 6.082
Companhia
pcFDaflnbacatia denxv'tga^o
crtele pr Tape*
A directora da companhia pernimbucana de
navegac&e cosHirs por rapor eoavM* a*-enfeo
res accionistas par nma reuna en iw-sWa
i?eral xtraerdinnria, que tera lugar no dia 7 de
Janeiro proiimo futojo, ao mete dia, na sede da
metas eeafaobn aHa de ser-ltos ap eseuta-
dos o note eseMwes qoe per essa occa 5o
lerao de ser discutido.
Reeife, 23 de ltesembrede
liimias
7.017
7 329
7 342
7.523
7.541
7.593
7.598
7.676
7r.785
7.792
7.807
7.816
7.843
7.848
7.92a
7.960
7.978
8.020
8.047
8.094
8.122
8.193
8.232
8.246
8.346
8.456
1.361 2.808 4.518 6.163
1.413 2.864 4.521 6.2f6
serie11* letras
8.506 10.627 12.147 13.654 15.815
8.520 10.65d 12.162 13.724 15.647
8.561 11.056 12.203 13.738 15.693
8.625 11.125 12.208 13.758 15.703
8.672 .1.146 12.240 13.969 15.791
8.795 11.177 12.244 14.135 15.810
8.914 11.212 12.287 14.161 15.922
8933 11.235 12.315 14.171 15.978
8.977 11.261 12,316 14.222 16.016
9.029 11.272 12.594 14238 16.033
9.204 11.468 12.603 14.296 16.097
9.222 11.587 12.626 14.320 16.324
9.244 11.671 12.651 14.366 16.356
9.273 11 853 12 831 14.375 16.360
9.290 11.864 12.922 14.43o 16.454
9.564 11.875 12.923 14.589 16.547
9.686 11.889 13.071 14.862 16.631
9.715 11.947 13.142 14.909 16 759
9.721 11.972 13.176 15.129 16.766
y.783 11.989 13.183 15.160 16.810
9.915 12.046 13.233 15.220 16.907
9.985 12.048 13.395 15.288 16.932
10.021 12.099 13.551 15.422
10.248 12.109 13.603 15.548
Comphe de Mesna^eries
Maritimes
LINHA MENSAL
Qpaquete OenoGjue
Csnmandatte Mortemard
E" esperado dos portos do
sul no da 1 de Janeiro
seguindo depois da demo
ra ducogiume pan Bor-
deaux, tocando em
Dakar e Lisboa
LenWa-se ao Srs. passageiros de todas as
tames que ha lugares reservados para esta
-enca, que podem tomar em qualquer tempo
Faz-se abalmente de 15 0)0 em favor das fa-
alias compostaa de 4 pessoas ao menos e que
agarem 4 passagens inteiras.
por excepcSo, os criados de familias que to-
arem biftetes de proa, gozam tambem deste
oatimenW.
Os vates postaes su se d&o at o dia 30 de De
zembro pagos de contado.
rara carga, passagens, encommendas e di-
-eiro a frete : trata-se com o AGENTE.
O paquete Equateur
Commandante Moreau
E* esperado da Europa no
dia 4 de Janeiro e se-
guir depois da demora
' aecessaria para
'ahim, B9 de Jansir, Buem+-Ayres e
Montevideo
Lembra-se' aos Srs. passageiros de todas as
isses que ha lugares reservados para esta
jencia, que podem tomar em quatquer tempo.
PrerBe-se aos Srs. recebedores de mercado-
as queso se attender a reclamaces por fal-
s, nos volumes, que forem reconhecidas na
casiao da descarga, assim como devero den-
o de 48 horas a contar do dia da descirga das
varengas, fazerem qualquer reclamacao con-
irnentes a volumes que porventura tenham se-
lido para os portos do sul, afim de poder-se
w a tempo as providencias necessarias.
3 serle95 letras
16.974 18.518
17.003 18.534
17. "004 18.568
17.00o 18.577
17.066 18.584
17.140 18 597
17.155 18.6ul
17 167 18.652
17.219 18.705"
17.238 18.707
17.248 18.745
17.256 18.7r>2
17.344 18.790
17.359 18.806
71.364 18.821
17.374 18.841
17.410 18.850
17.430 18.903
17.456 18.960
17.4j9 19.046
17.511 19.053
17.526 19.083
17.555 19.118
17.592 19.119
17.624 19.145
17.633 19.148
17.634 19.175
17 669 19.177
17.807 19.183
17.849 iy.190
17.851 19.239
17.961 19.268
18.012 19.283
18.023 19.298
18.050 19.312
18.077 19.314 20.529
18.089 19.349
18.090 19.36
18.171 19.413
18.224 19.431
18.2<6 19 441
18.254 19.466
18.267 19.548
18.291 19.552
18.292 19.564
18.341 19.574
18 371 19.675
18.376 19.721
18.413 19.730
18.422 19.744
18.431 19.793
18.433 19.798
18.444 19.847
18.465 19.858
18.477 19.871
4.a Serle3
19.883
19.892
19.906
19.914
19.919
19.935
19.953
19.957
19.964
19.974
19.981
20.017
20.018
20.065
20.092
20.163
20.168
20.204
20.215
20.232
20.250
20.265
20.273
20.325
20.338
20.341
20.347
20.354
20.413
20.439
20.441
20.460
20.466
20.506
20 520
20.539
20.543
20.553
20.571
20.586
20.667
20.670
20.705
20.718
20.726
20.735
20.743
20.763
20.764
20.824
20.836
20.837
20.875
20.981
21.062
21.063
21.83
21.090
21.111
21.128
a.152
21.185
21.2i2
21.235
21 246
21.258
21.262
21.326
21.370
21.387
21.404
21.448
21 462
21.488
21.514
21.524
21.528
21.590
21.620
21.622
21.689
21.704
21.750
21.790
21.802
21.840
21>65
21.874
21.920
21.927
21.991
22.U21
22.094
22.108
22.117
22.136
22.149
22.189
22.230
22.264
22.293
22.300
22.341
22.343
22.371
22.388
22 393
22.398
22.422
letras
22.523
22.538
22.545
22.546
22.548
22.549
22.566
22.583
22 593
22 612
22.613
22.630
22.635
22.640
22 652
22.658
22.665
22.680
22696
22.701
22.746
22 757
22. 64
22.769
22.789
22.f08
22.833
22.844
22.850
22.860
22.873
22.889
22.890
22.891
22.920
22.975
23.024
23.041
23.049
23.058
23 065
23.070
23080
23.089
23.107
23.152
23.163
23.168
23.174
23.177
23.186
23.200
23.207
23.211
23.265
23.454 24.187 25.294 26.129 27.321
23.497 24.286 25.318 26.384 27.377
23.537 24.437 25-.346 26.406 27.594
23.638 24.666 25.350 26.698 27.978
23.795 24.866 25.403 27.176 .
23.845 24.897 25.467 27.272 .
24 055 25.264 25.797 27.284 .
D'estas foram premiadas as seguintes:
11.671 com . . 1000000
25.467 .... . 504000
4.680 . . 30*000
12.208. -, . . 103000
15.978 . . 100' 00

21.620 . . 100000
22.293 . . 100000
24.187 - . 100000
24.897 . . 100900
Bates paquete*
nu elctrica.
o illaminado a
Para carga, passagens, encommendas
aeiro a frete : trata-se com o
AGENTE
Augisste Labille
9 Ra do Commercio 9
e di-
United States and Brazil
M. S. S. C.
Ovapor Advance
E' esperado dos portos d
sul at o dia 5 ie Janei-
ro o qual depois da de
mora necessana seguir
para o
Para, Barbados, S.
Martlnlque e New-
,1 aranho.
Thonaz.
Vork
Para passagens carga, encommendas e
beiro a frete. trata-se : com os AGENTES.
di
O vapor Finance
E' esperado de NewYork
at o dia 5 de Janeiro
too il IoU li de-
mora necessana seguir
para a
Bikla, Rio de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e di
eiro a frete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ra do Commecior8
1* andar
Companhia Brasileira de
Navegado Vapor
PORTOS DO SUL
Tapor Espirito-Santo
Commandante (.arlos Antonio Gomes
E' esperado dos portos do norte att
o dia 1 de Janeiro e depois .da de
'mora indispensayel seguir para o'
'portos do sul.
As encommendas serao receidas no trapictu
irbosa at 1 hora da tarde do dia da sabida.
Para carga, passagens, encommendas e valo-
>s rata-se com os AGENTES.
PORTOS DO NORTE
3 vapor Pernambuco
Commandante Antonio Francisco de
Almeida
E' esperado dos portos do sul at o
dia 7 de Janeiro e seguindo de-
'poi da demora indispensavei parr
"o? portos do norte at Hanaos.
As encommendas so serao receidas na agen-
ia at i hora da tarde do dia da sahida.
Para carga, encommendas, passagens e Talo-
13 trata-se com os __
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
f>=*Rua do Commercio=6
1 andar

at'
CHARGEURS REUNS
Francea
a vapor
o Havre, Lisboa,
Rio de Janeiro e
Companbla
DE
IVavegaeSo
Liaba quinzenal entre
Pernambuco, Babia,
3antos.
O vapor
Ville de Buenos-Ayres
Commandante Le Bourhis
Commandante Lainey
E' esperado da Europa at o ia 5
de Janeiro, seguindo depois da in-
,dispensavel demora para a
3&J
m m
ompania Bahiana de Na-
?egraao Vapor
aaei*, Wb-Na, Penedo, Araca-
j, Estancia e Bahia
O vapor Guahy
Commandante Viegas
E' esperado dos portos cima
at o dia 1 de Janeiro, e de
pois da demora do costume re-
gressar para os mesmos
carga, passagens, encommendas e dinbei-
ro a frete trata-se com o
AGENTE
'edro Osorio de Cerqueira
17Ra do Viga/rio 17
H14.V*
IX'AV*
por vapor
)RTE
PEINA
DE
larecac&o eostelra
PORTOS DO NO
'arahyba, Natal, Maco, Mosaor, Araca-
ty e Cear
O vapor Pirapama
Commandant-.: Carralho
Segu no dia 4 de Janeiro s 5
.horas da tarde. Recebe carga at o
'da 3.
1^
Sncommendas, passagens e dinheiro frete,
as 4 horas da tarde do dia 4.
ESCRIPTORIO
lo Caes da Companhia Pernambucanu
n. 12 _____________
loyal JVail Steam Paekei
Company
O vapor Elbe
Commandante Armstrong
iVBOS BIYERSOS
Alugam se- C8B0 eundus e pratadas nos
indos de Geueato, a 8#0; arararnarua
ia auperafri n. m.__________
Alugam se as casas ns. 4-A, 6 e 6 A, sitas
estrada real da Torre ; n. 9 sita travessa do
Carmo : a tratar na traversa do Corpo Santo,
armazem n. iS.
AJaismse 9 i c t- arrdurrs da casa- n. W
roa Viscoadu de lotean, con agua e son-
modos para familia; as chaves no andar terreo
Aluga se um bom sitio todo arborizado e
grande asa, caiada e pintada, com agua, sito ao
berco do Padie Ingles ; a ratar na travessa do
Corpo Santo, armazem o. 25.
' Aluza- se ou vndese por inteiro oq en>
parcellao sMo e rwa- ra> Jlo de Barro? n. ti:
Prec18Bs*pdtr nuTcsixtiro que tenia pfe-
ttca d moibados; a tratar na'ra da Unido nu-
mero 54-
Com urgencia, precise-se deumi boa co
sinheira ; na roa de Joaquim Nabuco n 9 (Ca-
pnnga).
*
Habita no Caxang
Um Sr. Joaquim Ribeiro, que tem pralicads
bastantes abusos, pegando anfmaes dos proprie-
tarios com os seus lacatos sem a presensa do
liscal nem ao menos o gnarda, impondo e pon
do em sua casa, dizendo que est em deposito,
e se de arremataeo. manda para ser arrema-
tado. Pede-se providencias sobre isto, porque
nao estamos mais no tempo ernque elles faziam e
baptisavam.
Um eleitor republicano.
Alugsm-ee a casas u: 8 tt ra da Oniao ea.
4 ra Conde da BW'Yista: a tratar com. m
Srs. Hegreros, prega da-Imependeuiim. -
Azulej m^
Espera-se da Europa at e dia 5 d<
laneiro, seguindo depois da demo
'ra do costume para
Baha, Rio de Janeiro. Saatos,
Montevideo e Buenos-Ay res
Para passagens, fretes e encommendas trata
s j com os rfeemS.
,f Babia, Rio de Janeiro e Santos
Roga-se aos Srs. importadores de carga pele
valores desta linha, queiram a presen lar dentrt
de 6 das a contar do da descarga das al varengas
ualquer reclamacao concernente a volumes qu-
serventura tenham seguido para os portos do-)
sul afim de se poder dar a tempo as prov
dencias necessarias.
expirado o referido prazo a companhia nao se
responsaoilisa por extravos.
?ara carga, passagens, encommendas e di
heiro a frete: trata-se com c
AGENTE
Aigiste Labille
9BA DO COMMERCI0-9
O vapor Neva
Com
fe
Commandante G. M. Hicks
E' esperado do sul no da 5 de Ja
neiro, seguindo depois dademori
cewaria para
S.Vicente, Lisboa, Vigo, e Southamptoc
Reducc.3o de passagens
Ida Ida e voltv
A Lisboa 1 classe i 20 30
A Southampton i" classe 28 t 42
Camarotes reservados para os passageiros dt
Pernambuco.
Para passagens fretes,encommendas, truta-st
con os
AGENTES
\morim Irmos & C.
N. 3Ra rfo Bon JessN. 3
Para a Ilha de S. Mi-
guel
Encana portuguesa Feitlceira
E' esperada a todo o momento da Figueira, e
depois da demora indispensavei segu cara a
liba de S. Miguel, em direitura, por terjalguma
carga engajada, e para o resto que Ihe falta,
trata-se com Antonio Maria da Silva, roa da
Companhia Pernambucana n. 10.
LEILOES
Agente Silveira
4o Leilao
Do sitio denominado do Doutor)
Qulnta-feJra, 9 de Janeiro
Ao meio dia
%'o armazem ra v.strelia do
Rosarlo n 8
0 agente Silveira por maadado e com assis-
tencia do Illm. Sr. Dr. juiz de direito docivel a
reqnerimento do oventahante do espolio de An-
tonio Pinto de Leao, levara a leilao o referido si
tio na estrada nova da Varzea na entrada do Bar
balbo, com 3 casas de taipa, larangeiras. man-
gueiras, coqueiros, jaqueiras, medindo 230 pal-
mos de frvnte, 405 de largura e 2,838 de com
p rmenlos.
Os Srs. preteodentes podem examinar.
Leilao
De 3 armagOes inglezas para fazendas, 1 bal
cao envernizado, 1 carteira armario, 3 armarios
para-fazendas, mesas grandes, 1 prensa para
panno, 1 lote grande de tabeas.
Urna burra prova de fogo, i machina de co
piar cartas, papel e enveloppes e outros artigos
existentes no armazem (da roa do Bom Jess
n. 64, em frente ao oitao da matriz do Corpo
Santo.
Sexta-felra, 3 do correte
A's 11 horas
O agente Pinto, levar a leilao por conta e
risco de quem pertencer as armacGes, armarios,
mezas para fazendas e mais objectos existentes
no armazem da roa do Bom Jess n. 64.
Leilao
Sexta-felra,-3 docorrente
A's 11 horas
A' ra da Roda n. 42, 1* andar
De urna mobilia de Jacaranda com consolos
de tampo de pedra, urna cama franceza, um ca
bid de columna, um toilete, um e*pelho oval,
loucas, \ridro3, e muit'os ou'.ros objectos que es-
tarao patentes na occasio do leilao.
O agente Modesto Baptista autorisado por urna
familia que retirou se para lora da cidade, far
leilao dos objectos cima, ao correr do martello.
Leilao
de nma mobilia, com tampos de pedra,
cadeiras de junco e muitos outros mo-
vis
JO (Toln o palmeiraM
tteita-felra, 3 do coi-rente
?gente Pinto
Em continuacao ao leilao de outras armaedes
inzlezas, ca teiras, cofres e objectos de escripto-
rio e armazem.
Leilao
De fazendas
Constando de panno fino preto, panno piloto,
alpacas pretas, dita branca, ditas de listas, l
piria, un-rin preio, dito azul, corte de easioe
tas, collarinhos de linho, pecas de lona, ditas de
brirn de algodad e muitas outras fazendas para
fecnar comas.
Nexta-feir. 3 de Janeiro prxi-
mo futuro
A's 11 horas
_. No armazem da ra da Cadeia do Re-
cife, boje Mrquez de Olinda n. 4
Ao eorrer do martello
PELO AGENTE
Martins
Confeccxes pai a senheras
Hailame lanny Silva tem a honra de
participar a sua distincta clientela e as Exmas
Sras. em geral que acaba de receber um lindo
sortimento de vestidos de da em corte bem
como fou'ards (alta novidade).
Chapeos e capotas de apurado
gosto
Vestido* tvit**n em Paris, de eJa e ou-
tros tecidos.
PALMAS, GALOES, VIDRILHOS
GUARNIQOES
para vestidos nunca vistos nesta cidade.
Faz capas e manteletes ?ob medida.
Coniiiiii a confeccionar toda c
feigo no trabalho e procos razoaveis.
Atelier
Ra do Bardo da Vi loria n. 15
1 ANDAR
Telephone 193
Viva Rj^aard
Com lindissimas cores e desenbos variadiss-
mot, encontra se para vender um grande sortt-
mento deste artigo, proprio para frentes de
casas, corredore, coomtaas e baaneiros, por
irecos sem comoeteocia ; na ra Viscon le de
Goyanna n. 45. __^__^__^_^_^.
fralanento radical em f das
DAS
BIJ5NOMRHAGIAS AGUDA
. ou
GHR01VIGAS
(VL&O PURGA9 O)
DO IMMIi;H O I>A Wl l-HFft
E da leucorrha ou flores branca
rilnla Resino Balsamicao

InjefCuO An-Blcnoprhaffca
PREPARADOS POR CALASANS & C.
PBODDCTOS APPEOVADOS PELA
IN8PECTOMA. GEBAL DK HMHESB
Um serie de brilhautes e innmeras ex-
Compra-se urna casa em bom eetado na cida-.
de de Olinda, para residencia da viuva Rygaard.
podendo a pe^soa interessada dirigir se a ruada
Cadeia do Recife n. 43 leja de selliro, e ahi en-
tender se com o Sr. Samuel Hotelho um dos en-
carregados para esse fim.
periencias, coroadas sempre de bom exit
durante dez annos, assignala a estes dous
medicamentos^ usado com a dieta e dosa-
gens prescriptas, o primeiro lugar entre o
medicamentos estudados e preconisados
para CHrar estas terriveia molestias.
As pilulas sao supportadas pelo estoma-
go o mais delicado, pois que ellas nao im-
pedem nem dincultam as func^oes deste
orgao.
A injeccSo anti-blenorrhagica nao ab-
solutamente irritante e por isso nao tem
inconveniente das actualmente empregadaa
e nao produz estreitamentos.
NSo publicamos o grande numero de
cartas, attestados e agradecimentos que ta-
mos recebido para nao offender aos nosaoa
clientes, muitos dos quaes sao pessoas mul-
to conLecidas e altamente collocadas.
Empregada como artigo de toilet parti-
cular excellentc preservativo contra M
molestias secretas.
Modifica e faz desapparecer o mo chaira
das regras.
Preparados por Calasans & C, Phar.
macia Imperial, Bahia.
DEPOSITO NO RECD7E
Francisco Manoel da Silva & C, ra
Mrquez de Olinda n. 23.
t
Jeronymo
Flguelrn
JuMtinlano
de aello
Alexandrina Andrade Fuu-ira de Mello e
seus tilhos convidam os pareles e amigos para
assistirem as missbsqae mandam rezar por al-
ma de seu esposo e pai, Jeronymo Justiniano
Figueira de Mello, no da 3 de .ero, stimo
de seu i assamento, na matriz d: Santo Antonio,
s7 1/2 horas, antecipaod) seu eternt agrade-
cimento aos que se dignarem comparecer a este
ac o de reiigio.
Alpha beto II lustrado
pelo padre Augusto A. Soares de Kufewetter.
Este alphabeto a criar ca aprende brincando, e
por isto o melhor presente que ie Ihe pode
fazer. i' venda as livrarias desta cidade.
Garanhuns
Traspassa-se um armazem com todos os
utensilios para compras de algodo, com
bastante fregnezia, sendo o aluguel .bara-
to ; a tratar na ra do coronel Peixoto
n.
32.
t
Haiiiuiio Jmc de Paria
A viuva e (ilhos do fallecido convidam todos
os prenles e amigos pa a assistirem as missas
Sue mandan celebrar por sua alma, na quinta
eir 2 de Janeiro, s 7 1/2 horas da manh, na
matriz de Santo Antn o ; e desde j agradecem
a todos que comparec rem a este acto de reli-
gio e caridade.
t
Joo Pereira do Mantos Farofa
Guilhermiqa Celestina Pereira dos Santos e
Maria Amelia des Santos, mnlhcr e filha de Joao
Pereira d is S mtos Farofa, fallecido na provin-
cia da Parahyba no dia 28 de Dezembro, convi-
dan) aos seas parentes e aos parentes e amigos
do tinado para ou -irem as missas que mandam
celebrar por sua alma no da 3 do corrente, na
matriz do Corpo Sa to stimo dia do seu falle
cimento.
Joaquim los da Coma Fajozes
Maria Joaquina da Maia Fajozes, sua esposa e
tilho.-. convidam tens parentes e amigos para
assistirem a missa que por alma de seu sempre
lembrado esposo e pai, Joaquim Jos da Costa
Fajuzer. mandam rezar na sexta feira s 7 ho-
ras, na mal iz de Santo Antonio, stimo dia de
seu pas? amento ; confessaodo se des leja eter-
namente gratos.
AVISO
0 abaixo assignado. estabelecido c-m fabrica
de bebidas no cae Cap banoe n. 42, declara que
nao se responsabilisa por dividas contrahi as
pelo agenciad o r o Sr. Francisco Rosa, ou qnal-
quer outra pessoa. Recife, 31- de Dezembro de
1889.
C. A. vau der Linden.
A o commercio
O abaixo asguado, tendo de retirar-se para
a Europa com sua familia temporariamente, de-
clara ao commercio que lira eocarregido de sua
casa ommsrcial o .-eu socio Francisco Joaqnia
Ribeiro, e de seus negocios particulares ficam
os Srs. Severino Martina, Beroarino da Silra
Brito e Zaarias Rodrigoes y Armada, na ordem
em que se acham collocados. 0 mesmo declara
nada dever, qur comraercial qur larticular-
mente ; entretanto, se alsuem se julgar redor,
queira apre.-entar suas contas para se-em pa-
gas. Recife, 31 de Dezembro de 1889.
Francisco Rodriguts Martins.
Bom negocio
Ainda se precisa de urna pessoa q e tenha
capital par se associar em urna padari: sita em
boa localidatfe, que desmancha actualmente de
18 a 24 arrobas de farinha ; a tratar na roa Pria-
ceza Isabel n. 3-
i.iior depurativo vegetalloadd*
do medico Quintella
Este notabilissimo depurante que ves
precedido do tSo grande fama infallivel na
cura de todas as doencas syphiliticas, es-
crofulosas, rheumaticas e de pelle, como
tumores, ulceras, dores rheumaticas, oa-
teocopas e nevralgicas, blenorragias agu-
das e chronicas, cancros syphiliticos, ia-
flamacoes viceraes, d'olhos, ouvidos, gar-
gantas, intestinos, etc., e em todas as
molestias de pelle, simples on diathericas^
assim como na alopecia ou queda do ca-
bello, e as doencas determinadas por sa
turacSo mercurial.
Dao-se gratis folhetos onde se encon-
trara numerosas experiencias feitas com
este especifico nos hospitaes pblicos e
muitos attestados de mdicos e documei-
tos particulares.
Faz-se descont em casa de
FARIA SOBRINHO & C.
Ra Mrquez de Olinda ti
ODONTINE
8AB0 DENTIFKIOIO
DO _____
DR. RIEDEL
A melhor preparaba hygienica para clarear e conservar
Approvada pela junta de
para todos os Estados Unidos do

hygiene do Rio de Janeiro, com a marca registrada
Brazil.
YENDE-SK AS SEGUINTES ESAS:

Maia Sobrinho & C
Castro Medeiros & O
Duarte & C.
Pedro Antunes & C.
Joao Bezerra & 0.
Netto < ampos S *'-.
Manoel Joaquim Ribeiro & C.
Maia e Silva & C,
Barbosa & Santos.
Barros & C.
.
Numa I'ompilio.
Nunes Fonseca & C.
Manoel Vieira Neves.
Manoel Cardoso Jnior.
Manoel rnl>rt;o & C.
Papoula & Bastos.
Ribeiro & Almeida. -
Antonio D. de Lima & 0.
SabiDO Pinho 4 C.
Joao Ramos.

Deposito por a tac do:
THE O, JSf
Largo do Corpo Santo
^A
<-

*
m
t -




I- I I

mm

I '
T*"

P
tiiario de Pernambiico-Quarta-feira 1 de Janeiro de 1890

cu
>

:,



jr.
1*'

Kf
0
t


A NOTRE DAME DE PAIB
1 A--RUA DO CABUGA--1 A
Madame Koblet previne a& Exraas. Sras. e ao respeitavel pu-
blico, que rei-ebeu um novo e lindo sortimento de vestidos borda
dos de la, al^odao, linho e sed>is de todas as quaHdade* e cores.
Nova remeda de chapeos e chape.inas e muitos outros rticos pro-
prios paro presentes.

V
OFFICINA DE COSTURA
Fazem-se vestidos de baile, casamento, com todo gosto e esmero.
LUTO BM 24 HORAS
5
Qual hoje a melhorcousa doBrazil?
JPEITORAL DE CAMBARA
E POR QUE?
Porque cura de urna forma rpida e radical as molestias do apparelho respiratorio : tosse de qualquer especie, coryza,
ouquidao, asthma, bronchite, coqueluche, laryngite, tsica pulmonar, etc.
Alm d'isso, o Peitoral de CauVbar de urna apparencia agradavel e delicioso sabor, qualidades que o tornam
un remedio preferido para as crianzas, senhoras e todas as pessas de palladar delicado,
Est approvado pela Exma. Junta Central de Hygiene Publica, auctorisado por decreto imperial, premiado com duas me-
"jJhas de ouro de 1* classe, rodeado^dos melhores attestados mdicos, de innmeros certificados de curas importantes realisadas
ai toda parte.
0 PETOKAL DE CAMBARAIS REMEMO GARANTIDO
Por isso, precisa haver todo o cuidado com as falsificares e imitactes : o verdadeiro que fabricado no grande eBtabe-
ecimento agrico-industrial do PARQUE POLOTENSE, expressamente creado para esse eflfeito, em Pelotas, provitcia do Rio
trande do Sul, traz, alm da marca da fabrica, a firma de sea autor e manipuladorI. Alvares de *ouza Noares.
Vndese em todas as pbarmaeas e drogaras
Presos: frascos 2^500, \\< duzia 13#000 e duzia 24#000.
SAO AGENTES E DEPOSITARIOS GERAES
FRANCISCO MiNOEL OA SILVA dfe C.
NACIONAL DROGABIA /
23 Ra Mrquez de Olinda 23
Para os festines
A' ra da Boledade n. 56, preparan; se
com bmpeaa, mestria e commodidade em
precos: bolo, p&o-de-lt, cangica, arroz de
leite, pirmides de doce* d'ovos, aatapa,
bandeijas para casamentos e baptisados, etc.
Reeebem-ae as encommundas quer para a
cidade, quer para fora d'ella.
2." andar para alujar
Aluga-se o sfgand andar do predio
n. 4 da ra do Vigario Tlienorio a tra
dar no pavimento terreo do mesmo,
Gasas para alugar
Ns, 30,16 e 48, na roa Capitn Antonio de
Luna em Santo Amaro das Salinas ; a tratar i a
roa Marquezde Olinda a. 8, lythogrtphla-
Ama para cosinhar
Aa ra do Sol, n. 28, em (linda, se
precies de urna ama qe emenda de
cosinha=paga-se bem.
Sobrado
Aluga-se o 5- andar do sobrado sito roa de
Imperador n. 43, com vastas acrommodacoes,
gaz e agua proprio para grande familia ; a tra
tar na roa Marq-ez de Olinda n. 54. As chaves
esto na pavimento terreo,
Feitor
Frecisa-se de um ieitor para tomar tonta d>
um sitio ; a tratar na ra do Vigario
Caixeiro
Precisa se de um caixeiro de 12 a 14 annos,
com pratica de molhads, prefere-se portuguez
e que d fiador ie sua conducta na ra Vis-
conde de Goyanna n 72.__________________
Attenc,ao
Na engenboca de Bemfica, i ra Real da Torre
n. 21, vende-se farinba de milito de tedas as
qualidades, desde a mals fina mais gn>3sa,
para todos os misteres deste precioso suceulen
la e substancial cereal, sendo pelos meamos
precos dos maia moinhos; a tratar na mesma
Entre amigos
A de um piano de Plejer que devia correr
com a ultima lotera do Para do mez de Dc-zem-
bro, tica transferida para a terceira que se ex
trahir em Janeiro vindouro.________________
ttenco
Um prente das Sras. DO. Mr. ria Rodrigues
Pinbeiro, Firmina Rodrigues Pinheiro e Anna
Rodrigues Pinbeiro, naseidas na cidade do Cabe
deste Estado, desejam saber em que ra desta
capital onde estao ha annos, se acham actual-
mente residindo ; quem souber noticias dirijas*1
a esta typographia. ^^_^_______
Para cozinhar
Precisase de urna ama que saiba cozi
nbar; no 3. andar do predio n. 42 da ra
Duque de Casias, por cima da typogra-
phia do Diario.
ENCADERNACAO .HIRANDA
39-RA DUQUE DE OAXIAS-39
Este antigo estabelecimento, hoje compltamete reformado com machinas
ais aperfeicoadas e movidas a vapor, acha-se em condicSes de executar qualquer
arabalho em
r
lint At MWYU
20-3B.XJJL 1. DOC XWXJ*JR.Qa~3C
Cartas, memoranduns, recibos, circulares memoriaea, despachos. cartSea de
adicacSes, mappas, precos correntes, accSes, bilhetes de loteras e rtulos de todas
aa qualidades em preto, ouio ou cores.
musmto
Brochnras. cartonadoa, encadernacSes, livros em bronco paro o cemmerek e
repartieses, tendo paro este tim urna excedente machina de pautar.
SARTOES BE VISITAS
Variado aortiment em cartSes para visitas, participaces e convites de casa-
Siento, bailes, menua, felicitares, etc., etc.
Livros de recibos de alogoel de casa, papel de impressSea tintas verniaes e
atis artigos para typographia e lythographia.
Manoel J. de Miranda
Telephone 94
Indispensavel em toda a classe de vivendas
PARA
Familias, hospitaes lavadeiras, hoteis, administracSes, etc., etc., a NOVA MA
HIA AMERI JANA AUTHOMATICA para lavar a roupa branca.
Preto franre de porte e Mande ga 4O franco*
Garantida por & annos como solidez e funecionamento perfeito.
ronde diploma de honra de ?ariz, 18?8.ExpesJcSoUniversal de Pariz, classe 51.
A machina americana authomatiea para lavar a roupa branca adapta-se a qual-
quer foroo m tres ps e se aquece com qualquer combustivel. Com meio arrate
0 de sabao se lavam em urna hora 80 pecas de roupa de todo o genero, ficando
tranca como a nev, sem estragacSo nem ingredientes nocivos. Sobre pedido pros-
pecto* franco. nica cata.
K, rae d'Armaill Richard Wchnelder 22, ru d'Armaill.
PARIZ Jnvent r e fablicante PARS
Ke auno de 1868 ndu an em Franca e no estrangeiro 86,859 machinas (con
sertificados.
MEDALHAS DE OURO, PRATA E BEONZE
Pedem-sc representantes, depositarios, gerentes, podendo diapr urna garanta. (2248
FDNDI6M GEAL
Cretones de duas larguras a 360 rs. o
covado.
Colchas de cores a 16800 urna.
Pecas de eeguiSo de algodao a 36500.
Baptista de odres a 120 rs. o covado.
Cambraia bronca com salpicos broncos e
de cores a 45000.
Leques transparentes a "2(5500 um.
Gases arrendada a 400 rs. o covado.
FuatSo bronco a 360 e 600 rs. o dito.
Cretones claros e oscuros a 240 rs. o
dito.
Esguiio pardo a 360 e 400 rs. o dito.
Renda da Austria a 300 rs. o dito.
Percales de cores a 200 re. o dito.
Etanne arrendado a 500 rs. o dito
Setim do Japao a 240 re o dito.
Popelina de seda com ramagem a 1)5000
o dito.
Voile de quadro a 320 re. o dito.
Zepbyros de listra, o que ha de fino, a
400 re. o dito.
Cambraia Victoria a 2i5800 a peca.
Sabida de baile a 1(5000 urna.
Espartilho couraca a 5(5000 um.
Cortes de vestidos em cartees a 8*5000,
9,5000, 106000 e 156000.
GaarnicSo de crochet a 7(5000 urna.
Merinos de cores duas larguras a 440,
600 e 10000 o covado
Atoalhado bordado a 1(5100 o metro,
olch aa adamascada a 7*000 urna.
Cachimira mescladas a 400 re. o covado
Chachemiraa lisas e de listra a 1)5200 o
covado, duas larguras.
Crep preto Inglez a 2)>006 o covado.
Cretones escures padr8es novos de 480 e
400 rs. o metro.
Tapetes para sof a 13)5000 um.
Velbutina preta a 700 re. o covado.
I
ALLANPATEnSON&C
44-IUA HAMO DO IIIKMfB-44
Machinas a vapor.
Moendas.
Rodas d'agua.
raixas fundidas e batidas.
Taixas batidas sem cravacao
Arados
Alpaca preta a 300 re. o covado.
Alpaca preta fina, a 700 re. o covado.
Al inca branca a 380 re. o dito.
Setineta branca com listra d corea a 5'
rs. o covado.
Baleias a 240 rs. a duzia.
' ertinados bordados a 6(5000 o par.
Cortinado de crochet para janella a 7<50(
o que ha de linde.
Brim pardo a 280, 400 e 500 re. o cova
Lindas calizas com lencos paro presen
a 24500, 3*000 e 4*000.
Renda hespanhola, a 2*000 o covado.
Paono da Costa de listras a 1*000 e i
quadro a 1*200 o dito.
Sargelins, todas as cores a 200 re.
eovado.
Toalbas de cores parabanho a 1*800 u
Toalhas broncas paro banho a 1*500.
Lienta broncos a 1*200 e 1*600 a dna
Seda palha a 1*000 o covado.
Setina de cores a 800, 900 e 1*000 o c
vado.
Bramante de linho a_l*600 o metro.
Cobertores escuroa a 1*800 um.
Cobertas de ganga a 3*000 urna.
Ceroulaa de bramante a 15*000 a dos
Regatas a 1*000, 1*500 e 2*000.
Lencos de seda a 1*000, 1*500 2*0
Cortes de seda para collete a 5*000 oa
Casacos de Jersey a 6*000 um.
Chambres a 4*000, 5*000 e 6*000
Lences de bromante a 1*800 um.
Camisas allemaes a 36*000 a duzia.
Camisas de flanella a 1*800,3*500, 4*0
e 5*000 urna.
Cortea de fustSo paro collete a 2*500 na
Lavas de seda a 2*000 e 2*500.
Bicos de cores a 2*000 e 2*500
Bordados e entremeios.
ESPECIALIDADES
Guarda p para senhora 10*000. Palitots de seda palha a 8*000.
Guarda-p paro bomena 6*000. Pautte de alpaca preta a 4*500.
Pautte de esguiao pardo a 4*500 um. Palitots de alpaca de cor a 4*500.
Punhoa e collarinhos de celluloid
Roupas para banhos salgados
I Para seabora a 10*000.
Pora homens a 8*000.
Paro meninos a 5*000.
I Boleas paro o mesmo fim.
CASA DE CONFIANZA
VIGOR DO CABELLO,
DE AYER
Preparado sob bases scienttficas
e physiologricas para o tim de
beneficiar oa cabellos, restaurar
a cor, impedir a queda, e promo-
ver sen vico e abundante cresci-
mento.
Esta aparada e excellente preparado,
sem duvida o melhor remedio at hoje
conhecido para os differeutes defeitos da
cabelladara, merece a Intima ttenco de
todas as pessoas que tm tido a infelici-
dade de perdar m parte este mais rico
ornamento nataral da phjsionomia.
Com o sen aygo intelligente tem-se
rnnsesmido resinados realmente sorpren-
dentes. Em nraitos casos, porm no
sempre, a propria.eahtfoe tem sido curada
permanentemente.
Sempre se consegne Xazcr parar a queda
do cabello; emquanto qneparaopentea-
ao das senhoras, C o objecto mais utU
mais agradaTel qne se pode empregar.
PREPARADO PiXO
DR. J. C. AYER & CA,
Lowell, Mass., Est.-TJnidos.
A' venda as Jjas t armarinho e per*
fumarias.
.gSBS &WTt
PARA O CABELLO.
Augmenta, Aformosea
B FAZ CEESCEB O CABELLO
com assombrosa rapidez.
-.
*T

DE
AMARAL &C.
Farello superior, 42 kilos
*#500 o MCCO
Vende se no largo do Corpo Santo n. 6^____
Alfafa nova
ebegada directamente, a 110 rs. o kilo, ou 600*
o lardo ; vende se no largo do Corpo Santo nu-
mero fl.
Movis austracos
Sortimanio complete de movis aastriacos de
diversas cores e gostos, desde o mais alto at o
mais baixo proco, todo multo rasoavel, tanto em
portees come as pecas, para limridacao por
ser am de anno ; na rea Mrquez de Olinda no-
meioUi.
Paraafesta
Cnegou ama remessa do excellertc vinhc
Hourisca, ama pspeiialidade e contina a ]gn
der-se por 8*500 o arrafao de tres canelas
voltando o easco 7*000 ; no armazem da ra 'de
Amorim n. 60.
Aluga-se
Patacoes
Compram-se patacoes; na praca da Indepen-
dencia n. B.
0 l- andar da ra estreita do Rosario n. 32.
0 3- andar e sotao da roa estreita do Rosarte
namero 3 J,
A Ma da roa do Pego n. 38.
0 t- indar e sotao d rea do Fogn. 3.
A tralar aa ra da impentris n. I, prtawirc
andar.
Carrosa
Vende-se urna carroca de 4 redas e im boi
para trabalbar com a moNna; a tratar ao Ct n-
nbo Notoh. W.
AO 55
Fede-ae ao respeitavel publico que at-
ienda aos precos abaixo mencionados :
Setim da China, fazenda de phantasia,
alta novidade, a 240 rs.
Amor da China, a' 200 rs.
Zefros arrendados, o que ha de mais no-
vo, a 800 rs.
Vestuarios jersey, ultimo gosto. a 10$
e 12(9000
Renda oriental a 500 rs. o covado.
Cretones para coberta, 500 rs. o covado.
Pannos de crochet, todos os tamanhos.
Madapol2o hurgo a 6O0O.
Flanella azul, mmto lisa, a 1(J200 o co-
vado.
Fich* de phantasia a 16000.
Luvas de seda a 25000 e 35000 o par.
Gruardanapos a 16600 a duzia.
Sargelins de qualquer cor a200 rs. o co-
vado.
Grinaldas para noivas, feonsa chic e ba-
rata
Nunzucks, grande sortimento.
Cambraia Victoria e transparente a 25800
a peca.
Cortinados bordados a 6000.
Flanelas para camisa a 32o rs. o covado.
Setins, qualquer cor, a 800 rs.
Renda da China a 200 rs. o covado.
FustSes braDCos a 320, 400 e 500 rs.
Vestuarios para baptisados, o que ha de
mais novo. "
Camisas francesas, com eollarinho, por
25000!
Grande sortimento de setins lavradoB a
1)5000 o covado. Jjg
Orinolines a 400 rs. o metro.
Zefiros a 160 e 200 rs. o covado.
Merinos, sortimento grande, a 500 e 800
rs. o covado.
Cambraia suissa, a 75000 a peca.
Cambraia com salpicos breos e de cores
a 45000 a peca.
Babados e entremeios a 600, 800 e 16000
a peca. #
Lencos de seda, muito bonitos e baratos.
Cachemira combinaclo com betas de seda
a 16400 o covado.
Bramante de quatro larguras a 800 rs.
a vara.
ilantil as pretaa a 46500.
Atoalhado, Unciros padrees a 15 o metro.
Espartilhos com couraca a 46000, 56000 e
Ama
Precisa-se de urna ama que engjmme co*
perfeicao na ra Barao da Victoria, n. 5. segun-
do andar.
Ama
rreeisa-se de urna para cosinhar em casa da
pooca familia, ra da Palma n. 99.
Ama
Preciea-se de urna ama qse cosinhe bem para
casa de pequea familia ; na ra do Imperador
numero M.
Colchas brancas e de corea a 26/ 36000,
46008, 56000 66000.
Grande sortimento de fichas de cores para
todo preco.
Cassa baptista a 120 rs. o covado.
Chitas brancas e escuras a 24 rs., s se
vendo a boa qualidade.
Cretone muito bonitas a 320 e 400 rs. o
covado.
Meias para homens, senhoras ,e criances,
grande sortimento.
Comisas de meias a 16000.
Grande sortimento ea merinos pretos.
Cortes (de fnst&o paca colete, alta novida-
de, a 16000.
Camisas de flanella francesa a 36000 urna.
Brim de linho de cor a 500 e 600 rs. o
covado.
Tapetes para cama, sof e porta; ^barato !
Velbutinas, qualquer edr, 800 re.
Cassine'tas, muito bonitas, a 400 re. o co-
vado.
Cortes de cachemiras, em cartio, censa
chic.
Ditos de cretone muito benitos a 86000.
Ditos de casemira de er a 46000, 66000
e8600C.
Alm de outras mnitas faaendaa que
imposBvel mencionar.
D-se amostras sem penhor a qualquer
pessGa.
&ft Ra Duque de Caxias 55
Fernandes Azevedo &C
Livraria Gotitempora
nea
Intlrumenlon d* mntlca
BomoardaO, eombardino, barytono, tromp
trombone, helicn, saxaphone. carrilon, bomb(
caixa, pratos.clarinitas. flautas,rabecas, viole
realejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quartos, gabinetes, corred*
res.
Molduras
douradis, pretas e douradas para quadros.
Malas
para viaeem, diversos formatos, especialmeni
para roupa de senhora e camarote.
Novidades
para presentes, escriptorio, toucador, etc., etc.
RAMIRO M COSTA t G.
FsImi ly Maf Ama
Rama daMatri daBea visto a. M, i- andar,
precisa-se de orna ama que coaiafae bem, para
casa de pequea familia.
Precisa-se de urna am para cosinhar e coa-
prar e mais algn servigo de casa de familia; a
tratar na rea nova de Santa Rita n. 49, serrtria
a vaper.
Cautelas do Monte de Soc-
corro
Compra-se Cautelas do Monte de Soo/>
corro de qualquer joia, brilhantes e rolo
gios, paga-se bem na praca da Indepen
dencia n. 22 Loja de relojoeiro.
Liquidado para acabar
Na Revoluto ,
ra Duque de Caxias n. 48
Por catamos no fim do anno, resolve-
mos vender por menos 50 por cento aa
seguintes faeendas.
Etamiaes de cor a 300, 400 e 500 rs. o co-
vado.
Cachemira com toque de mofo com duas
larguras de 26 800 covado.
Zephir de quadros modernos a 120, e 160
e 200 o covado.
Las de quadros modernas a 200 e 240 o
covado.
Cretones miudinhos a 200, 240, 280 e
320 novado.
Cachimira modernas de quadros de 2#000
por 16000 o covado.
Merinos lieos a 200 e 440 o covado.
Ricos cortes de cachemira bordados de IX e
seda de 806 por 306 e 406.
Ditos bordados de lynon de 186000 por
106000.
Ditos de cretone com barra a 66000.
)itos wodernos de setineta a 75-
LSs com listas de seda a 400 o covado.
Seda Japoneza a 200 e 240 o covado.
Bramante com quatro larguras a 16000 e
16200 metro.
Igodlo trancado para toalha a 15010 o
metro.
Coronados bordados para cama a 66 o par
Ditos de crochet a 106.
Etamines finas para vestido de 166 a peca
por 106-
Setins de todas as cores a 800 rs. o co-
vado.
Fust&a de edr para roupa de homem a 500
o cavado.
EsguiSe pardo e amarello para vestido a
360 o covado.
Velbutinas de listas e quadros a 800 o
covade, para acabar.
Setins chamarlotado de todas as cores a
15500 e covado.
Bicos brancos e de cores a 16500 e 25000
a pega.
Lencos brancos com barra a 16200, 15800
e 26000 a duzia.
Fechus de retroz a 16000 um.
Luvaa de seda,todas as cores, para senho*
rea 16000 16500 e 25000.
Espartilhos couraca a 45000, 56000 e 6|JL
Cachener para homem e senhora a 15500
nm.
Costumes de Jersey para criancas de 4 a
5 annos a 76000 um.
Casacos de Jersey para senhora, a 65
um.
Pannos de crochet para cadeiras a 500 re.
um.
Lencol de bramante a 15600 um
Cobertas forradas para casal a 25500
urna.
Toalhas para enanca a 120 e 160 urna.
Cobertores brancos de la com pequeo de-
feito a 26000.
Lencos de linho a 26000, 36000 e 45000
a duzia.
Cerouha francesas, a 15000, para acabar.
Colchas adamascadas, a 26000, 35000,
46000 e 56000 urna.
Ditas de crochet, a 46000, 56000, 66WX),
76000 e 86000 um.
Cortea da cachemira a 36500, 46000, 56
e 66000 um.
Cortes de fustao para collete a 500 re.
e 16000 um.
Ditos de velludo bordado a seda a 26000
um.
Camisas brancas de linho para homem a
26000 ama.
Ditas de meia. superior qualidade, lfl
urna.
Brim branca de linho de 46000 por 2*500
vara.
Mantilhesaa pretaa a 56 e 76 una.
Renda hespanhola a 26 o eovado.
Complete ortimento de cachemira de co-
res e pretaa para costumes, precos en
competencia, asaim come aprompta-flaqual-
quer costme em 24 horas.
So na Revolucao
HENRIQUE DA SILVA MOREIRA
Attencao
Aina-ae iaja e bWo de r. Cesteflo ranw,
emBeberike; trata-se aa ra estreito do loaario
n. S, 1* andar.


- -


.-"7-
'




-- .
/




-

.

"

"
* y
.


-
-
-






'





'.}




.


-
4
-




'raamimco-Quarla feira 3 de-Janeiro 'de 1890
n
DAS
nones



Efete estrbelecimento expoe a venda o seu UOTC 3 BSOOL2IEO SI?*T21EU!rO"~i5SMC RTVAT.
MESTS 2JRC&b por compr-se de mercadorias de primeira ordem, vendidas por presos multo razoa-
veis que desaftiam qualquer competenciaporm adinhei^o! como sejam: GRANDE VARIEDADE DE OBJE-
CTOS PARA PRESENTES^ albuns, quadrcs para retractos, jarros, porta-cartes, etc., de faianca artstica, e
bronze. Ricos livros de missa, charuteiras, cigtfrreiras,, etagres para salas, lindas b>necas, bolsas para se-
nhor..s,etc. BRINQUEDOS PARA MENINIOS de todos os gostos e para todas as idades. MODAS: meias
I para senboras e para homens, de seda, de fio d'Escocia, de algodb, pretas (grande moda) ephantasia. Lencos
finos de linho, espartilhos,luvas de sed?, leques< variado sortimento de FITAS DE SEDA, bordados, corpi-
nho de seda e muitos outros ariig s; emfim urna rica seecao de PERFUMARA onde os mais dificeis de
contentar encontraro a satisfcelo. O sortimento de papel o mais variado que se encontra no mercado.
HIJA BARAO DA VICTORIA N. 41
JUNTO A BOTICA DO DS. SABINO




Fitas e borda Jos de al
ta~novidde
NA
Rainha das Flores
Ra Baro da Victoria I *
Na mesma casa encontra 8 o cnelhor sort
monto de
Perfumaras
c grande vari.dadc de papis deescreve\ eii
veloppes, artigos de escriplorio, para Far'i fia
res e para o commercio.
mprimem se cartees de visita em pou^os mi
utos, erm a maior perfeigao.
Precos seni compelerle a
Dlnbelro vlta
Ra Barao da Victoria41
Excellente morada
Alaga-se barao & roa do Hospital Pedro S-,
oologar dos Coflbos, urna casa assobradada e
outra terrea com frente de azulejo, ambas com
agua e grandes qnintaes murados, as quaes se
tornam muito recommenjavei pelos grandes
commodos para 'amili.is numerosas, pelo fresco
e perto do banno salgado ; a tiatar no mi me
(lugar com Joaqnim Mor. ira Reis, das 8 -\s !0 lio
ras famanbJ. o qoal alli aluga tambem casa
de 6* M, lu e 13^000.
Criado matriculado
Precisa se de um que saiba 1er e escrever,
solteiro, com pratica de servir em casa de fami-
lia : a tratar'oa ra d'Aurora n. 133, ou Matfre
de Deus n. o, armazem.
Leite puro
Na estrada go depois das casas novas da direita. vena
todos o das leite puro de vaccas touiua?
erra, g?raDtc-.e aqualidade do leite.
Se soffres porque queres
USA E CONVENCER-TE-HAS
CURA RaDI iL
i m
SEM DIETA.
DAS
Molestias de pelie
SYPHILITICAS
Darthros, sarnas, ulceras antigs,
pingens, bobas, gommas, cancros, rheuma
osmo e raorpha.
Com os prodigiosos
XAROP E UNGENTO
DE
Hydrocotile Calasans
Applicaco fcilUso sem perigo-
fetos promptos, dieta razoavel.
Contra Tactos nao ha argumento*
Estes remedios sao os mais commodot
do mundo. Envia-se gratuitamente, pele
correio, direccoes para uso d'estes medi
ca:nento8 admiraveis.
Preco do ungento 15200 o
Preyo do xarope 35000 a garrafa.
Preparados por Calazans & C
macia Imperial, Bahia.
Deposito no Rcclfe
Francisco Manoel da Silva &
Rua Mrquez de Olinda f. '%
VENDAS
Itenca
*#.-
El
frasco
Phar
C.
Aliinie barato
c
O 2. andar Hua do Rosario da Boa Vista o. 39.
Ra da Roda ns. 58 e 60
Largo do Mercado loja n. 17.
Becco do Campello n. 1, Io andar.
Visconde de Gojanna n. 167, com agua e gai
Loja do sobrado do becco do Calabouco n. ?
Ra do Nogueira n. 13.
A tratar a ra de Comraercio u. 5.1 and*
eacnotono de Silva Gnimarftf- A C.
^^
O grande e importante estabelecmituto i
Pocas Mtndes & C, sito ruaestreita do Rosa
rio n. 9, contiguo a igreja, acaba de rec er
urna grande remessa do acreditado e etpeciai
Vinho Maduro
0 nico que, sem a miman confeceo, ii
portado neste mercado, e s se vende no refer
io estbcii'cimcntu. Este precioso nctar s
torna cada vez mais procurado aqu. Qucruc
^aher porque i Vejan: : o vicho Maduro, sendi
comoe, feito nicamente da uva madura, ten
a: seguintes vantagens que as outras qu.
de vinho nao trm ; facilita sem a nn or pertur
ago as digeste? do estomago, anda mesmi
' iaia eofraquecido, dindo-lne vi;;or, pois r.uir-
a oihos visto.' a pessoas debilitadas, e da oic
- quo as tiver arruinadas pelo upo tc bebid
.tiaias.
ReceLi-mos tambem
Requeijao
m latas, de procedencia de engenhes, cujo.
propritarios capricham em bem trub Ibar nefi
rtigo, ulim de terem a primazia sobre tantc
jutros similares, cuja composico duvidosa
Em outros artigos como ementes de hortalu,
e flores, linguat seceos do Rio Grande, objectos d-
time e tamancos do Porto para bomens e *eoh i
ras, para isto tao pouco temos competidor.
ossa tusa 6 ee.f>ecialista, e as pessoas que dH
jy qneiram certificar podem-compareci.T, cof
j que muito nos bonraro. Aps urna infin
Jade de artigos de primeira ordem, que acha'
-e em exposijao, acresce a amenidade do trat-
;om que timbramos tratar todos os que no
oonram com a sua presenca, junto a moduida.i
le precos sem rival.
Ra ontreita do Sobara n. O. Jnni.
a ixri-ja
Pgas i^endes&C
^ Viaho do Porto
Ha para vendor excellente vinho do Porto, ve
lio e muito fin por pr<0 c:m odo, para li
qujda.rua Ma-rquez d> Ulindd n. 54
Vende-se
rOLHETIH
QUINTA PARTE
0 POLO MAGNTICO
','on'inuac/to do a. 298 )
A *iploo
Saa filha, senhor, lhe dase elle, es-
eapou. gragas ao co, ao selvagem chefe
dos Nibouais. Neahuma affront* desse
monstro msnebou a sua anglica pureza
orna casa co taverna. em tt-rreno proprio, jub
to a t-stajao do Cordeiro, propria para prm i
piante, nizendo-s!1 o motivo da vt-nda au com-
prador ; e tete vaccas lourinas prenbes ; a ira-
t: r com Jeronyrno de H)llanda Cavalcante Fili >
unto a estf cAo do Cordeiro.
nha.. NSo duvido, senhor^ que a sua pre-
senca ha de acabar de restituir-lhe a sa-
de.
A' excepjao dos tres cumplicesque ma-
chinavam as montanhas alguma nova per-
fidia, a excepcao do flautim Flnfla Rafla-
fla, presentemente compadre e companhei-
ro de K.ikr ak, Moktitrof e outros Ilustres
Esquimaus da Baha das Phocas, excep-
9S0 do optimista Nicolau Nicolardot, o Hj
mem-Azul, Guerreiro Bale,a, que ficou a
bordo do Alerte acompanhado de Renna-
Nevada, sobre o castello de proa, de Lo-
bo Grande, e um sem numero de cmara
das encantados e boquiabertos pelo come-
50 do seu discurso, todos 08 principaes
persona >ens desta ccSo se acharam reu
nidos na barraca das passageiras.
Edith, apoiada no bra90 direito de Yvon
de Kervor, nao podia entr gar se livre-
mentc felicidade de tornar a vei-o.
LOJIN (M
F1CI KIREDO 64RA DA IMPERATRIZ64
Grande liquida^o
Pe chincha
100rs. ocovado
Las de cores, qundros de stda, lindos palroet,
fazenda de 14400 a 400 rs. o cavado, aproveiteu
a pi (hincha ; ra do Crespo n. 81.
Oliveira Campos 4 C.
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barra!
Os propietarios do Armazem Central, ra
do Cahug n. 11, avisa tu aos seus distinct08(fre-
. uezes e ao respeitavel publico que receberam
nova remessa, oeste especial vinho, o qual se
recommenda por ser puro da uva, e s se reta-
Iba em <*eu armazem.
Joaquim ChristovSo & C
Telephone 447
GDPl ~WA~~
A]RUA BARO LX) TRIUMPHO
N. 100 A 104
Tem para vender trKsu'phi-j
to de cal, que nao s faz al ve-!
jar muito mais o assucar, co- j
mo evita o grande sjasto de!
cal no fabrico do mesmo.
-VJl*nv--<----'l-'-f_f
#%
Prepaia do raos
1 MTI
Approvado po'.r. ninstnda Janta de
Hygiene Publica da Corte.
Auctorisado por Decreto Imperial
de 20 de Junho de 1883.
COMPOSICO
de
Firmino Candido de Figueiredo.
Empregado com a maior efficacia no
rheumattsmo de qualquer natureza,
em todas as molestias da pclle, nr.s
leucorrhias ou flores brancas, nos
soffrimentos occasionados pela impureza
do sarigTie, e finalmente as diflerectes
frraa da syphilis.
Dse Nosprimeiros seis das urna
colher das de cli pe'.a nian'i e outra
noite, puramente ou diluida c:n agua
e em seguida mudar-se-ha para colhe-
res das de sepa para os adultos e me-
tade para as criancas.
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
duroso; devem usar dos banhos frios ou
momos, segundo o estado da molestia.
a
Para eng-enhos
Lopes & Araujo, venden
presos sem competencia '
^rantindo a boa qualidade. 1
os artigos abaixo mencio-
nados.
Gal de Lisboa.
Dita de Jaguaribe.
Oleo de mocot.
Dito para machina.
Azeite de coco.
Dito de carra pato.
Dito (le peixe.
Pixe-em latas.
Kerosene inexplosiveJ.
Potassia da Russia em caixar
de 10 e 25 kilos.
(]imento Porti> nd.
Graxa em bexigas.
fiua do Livrameolo n. 38
Telephone 316
DEPOSITO CENTSAL
Francisco Manoel da Silva & C.
Droguistas
23 Ra Mrquez de Olinda
Pernambuco
Superior vinho de 41-
coba^a
O acreditado e antigo armazem do Lima par-
ticipa ao publico e aos seus freguezes que acaba
de receber urna aova remessa deste especial
! viuho, escolhido propriamente pelo chefe deata
casa, tornando-se recommeudado por ser purc
e de boa qualidade Jos Fernaades Lima & C.
roa Baro da Vicloria numero 3, Telephone33
as tistras zoes
ft A Grande Novidade
PARA MODISTA
AVE )U1X$ AMERICANOS
Com molas para augmentar ou diminuir a
grussura do corpo.
Qualquer senhora n agr ou gorda pode fa-
zer seus vestidos sem necessidade de
provar.
Fecha-se como qualquer cnspo de sol.
Pn-yo &OOQ
Mosguiteiros Americanos
Com armaclo de differentes tamanhos.
al OJtOOO e 1#OOQ
Estn es para Msica
Para amadores ou protissionaes ; fechase e
fica de tamanho de urna flauta ; muitc
tacil para condueco.
_______FlfCO 5OOO
Cel/uloid
^olarinhos Peitos e Punhos
Lindos modelos, muito til aos viajantes
PreroK 000 um lerno
Relogios tspertadores
Com movimento, efigurts muito lindas para
mesas ou para presentes a 6fJ00O, 83000,
106000._______________________
' Oleados para Mesas
Quadrados ou de qualquer tamanho que
ee deseje.
A 1*500 cada quadradn
Retratos a Oleo
Com lindas molduras em alto relevo, o que
ha do mais lindo para um presente e
para sala r'e visitas.
a 85SOOO e maisprecow
Qualquer t-milia que des>ejt;r ter um lia-
do c perfeto retrato bastante mandar
um retrato em cartao de visita nao im-
porta que seja antigo, basta dizer a cor
dos olhos e do cabello para chegar um
retrato desejado.
Para ver, e fazer encommendas
Dirija se Loja das Listas Azues
RA DUQUE DE CAXIAS N 61
ment havia lancado nos bra$os da sua ri-
val.
1 Essas duas esposas igualmente ternas
e dedicadas, accrescenta a Ienda contada
por Sterna n'ura dos seus livros, foram
seropre unidas como duas irmSs e a serra-
cena, que nao teve iilhos, amou com extre-
mos de m5i Os^a primeira mulher do con-
de
. oncarnet, enzugando as lagrimas, que
ihe rolavam pelas tostadas e purpurinas
faces, fazia inpelto o elogio da bigamia.
Senos fosf-mos turcos!... murmura va
elle ; se estivesse certoque vivenambem
juntas, nem mais nem menos como dous
Livros e movis
No 1- andar do sobrado n. i\ a roa do Boro
e.-us, vende-se por pregas Daraios os seguiutes
livros :
LKtre A. Beaugesu, dictionnaire de la Languc
Fratigaise.
M N. Booillet, dictionnaire d'Histoire et de
Geographie.
M. R. Bouillet, dictionnaire des sciences, des
lettres et des arts.
A. Guillemin, L s Pnenonr.enps de la Physique
J. Clarrtie, Revolution e 1870 1871.
Silva, diccionario de liotfua Castellana.
B 1 che, diccionario portuguez allemao.
Novissina grammaiica da lingua allema.
Todas estas oboas sao quasi novas.
Na mesma c sa vende se ama moni lia austra-
ca, ul lindo guarda-Ioug de amart-llo e um ele-
gante guarda vestidos.
Nov
1 remessa
IOO r. o estado
Merino de cores., rtuas larguras. 15 pura, a W't
rs. o covado" ra do i'.rospo n. 21.
Oliveira Campos & C.
h un
nomAis,_
Vende-u en toda < carta
verdadeiros marinheiros !
Gabriella sorna para seu seu pai como
urna erianc;a.
Indica va-lhe Gusta /oc dizia-lhe que me-
reca todo o seu reeonheciineuto, quera
(ouvil-o dirigir calorosos agradecimentos
A triste Herminia, Petrus Castellot e j aquello que tinha arriscadora sua .vida e
Gustavo de Orneuil, formavam no segn-' perdido a sua liberdade para a arrancar
do plano um grupo mudo. das maos de Aguia-Vermelha. '
Paulo III nao se trevia a apertar nos Herminia vio o mo$o official approxi-
seus bracos a sua flha querida e adorada, nur-se tremendo.
que tinha acreditado salva e que encon-
trava moribunda.
Todos os olhos se inundavam de lagri
Est acompanhada pela senhora condessa mas-
de Fraires.
O duque, impressionado pelo
embarazo de Gustavo, interrompeu-o com
inquietacSo :
Jorque nulo nlo est reunida aos
seus companheiros?...
Mas, querendo tranquillisar-se a si mes-
10, accrescentou quasi no mesmo ins-
tante :
Gahriella ignora, na verdade, que seu
pai est a bordo da Alerte...
Senhor, disse finalmente Gustavo de
Gustavo estava desesperado, araaldigoa
evidente Ka te> permaneca immovel p >r detraz de
Yvon de Kervor.
Herminia nem sequer levantou os olhos
para elle.
Pedia forcas ao Omnipotente para reti
tuir a filha quelle desventurado pai, cuj
desespero tena enterncido o mais duro dos
coragSes.
O contra-mestre Concarnet, que fra o
ultimo a entrar na cabana.
Nao haver urna invenc2o, urna des
coberta qualquer para accommodar todos
Orneuil com esforco, ama indisposi^aa bas- estes desgrayados negocios ? A comegar no
tnte grave... f senhor Gustavo de Orneuil, at acabar em
Gabriella et doente ?!. Oh cor- mim, Pedro Concarnet, eis-rios todos afilie
ramos, corramos sem a menor demora! tos e pesarosos. Oh f Deus meu Se eu
Cbmmandante, urna Janea, em nome do fogse papa!... Se eu fosse papa, assim 00.
mo nao passo de um pobre contra-mestre
de manobra...
Apezar deste exclamarlo, na) muito
mestre Concarnet can ie
oo, urna lancha, depressa!
A lancha oi deitada ao mar innaediata-
mente.
Gustavo, cumprindo at ao fim o seu iprovavel que o
cruel dever, acabou de preparar o duque cesse' a cummovente historia desse conde
para cruel espectculo que lhe esteva; de Gleicheu, a quem Gregorio IX concu
reservado. | deu dispensa para casar com, duas malhe-
No erotento, accrescentou Gustavo, ros, urna sarracena, que o tinha libertado
sensiveis me.horas se declararam ebta ma- do captiveiro, e outra a quem o reconheci-
Herminia procurava o apoio de Edith e
tncontrou o de Petrus Castellot.
Os seus relatorios scientificos, as con-
sideras5es que fez valer acerca do estado
da atmosphera e as fovoraveis condifSes
de que era importante aproveitarem-se, de-
terminaram o commandante em chefe a fa-
zer-se de vela o mais depressa que lhe foi
possivel.
A bordo da Alerte preparar-se-hia para
as passageiras um alojamento espacoso e
commodo.
Gabriella seria all tratada com a mesma
solicitude que na cabina da ilhote.
Foi convencionado que a Rencontre se-
ria totalmente reparada, mastreada e for-
necida com os soccorros dos outros navios
e que, finalmente, o capitao Toumagne,
parsari.i a commandal-a e Gustavo volta-
ria para burdo da Alerte, onde embarca
riam Petrus e o contra-mestre Concar-
net.
Os deveres de Gustavo reduzram-se,
poiB, ao servico de quarto.
Nao tinha j aquella grande responsabi-
lidade que outrtora fazia equilibrio s suas
angustias e torjuentos.
Edith, encarregada por Herminia de lhe
restituir as suas promessas e juramentos,
cumprio esta missab sem lhe dar o menor
arca
Este excellente Whisky Escocez pru
ferivel ao cognac ou agurdente de can
para fortificar o corpo.
Vende-se a retalho nos melfeores arma
zens de molhadou.
Pede Royal Blead marca fiado.
cujo nome e emblema sao registrados pas
todo Brazil.
BROWNS A O., asentes
Mas um sentimento de alta con venien-. conselho nem azer-lhe a mais insignifican-
cia afastou pouco a pouco todas as teste- i te observa cao.
munhas da entrevista do duque Paulo. III
com sua filha.
Quena eixar-lhe completa liberdade de
acyaoj quona que procedesse livre de
'da mdicos ordenaram entas que dsi- qual juer influencia estranha.
Era, pois, n-. censario e inevitavel
informado de todos os pormenores da-
quelle doloroso romance, Petrus convida-
va o a esperar a cura radical de Ga-
briella.
Concarnet, que esteve sobre a ilhota al
ao ultimo momento, -orapaiecia se e com-
mentava os tormentos de todos aquelles a
quem era dedicado.
E' en tao indispensavcl que haja des
graga ?... E' preciso que esta princesa
estran^eira venha dasarranjar os negocios
tAo bem combinados em Franca, em Pa
riz, durante tanto tempo antes da deseo
berta desta maldita Nova Navarra ?....
Ah I que sorte to levada de mil demo-
nios Nao temos mos agouros e agouros
mos !... A Jernora amald(oou nos. Nao
nos servio para nada escap V nos de
urna difficuldade, cahimos logo n'outra o
enterramo nos at ao pescoyo. Se a se-
nhora condessa nao tivesse feito o que se"
lhe metteu na cabeca, se tivesse querido
acreditar-me e aceitar os meus conselhos,
filhos da experiencia, eu... e a menina
Herminia, sua anillada e minha, nao este-
riamos agora n'um apuro tao grande. Isto
um baixo onde fcmos encalhados, sem
a menor esperanca de nos safarmos Se a
senhora condessa nSo tivesse taimado at
contra o que lhe ditava o proprio oracao,
os dous casamentas estavam j fetos e te-
riam sido abencoados em S. Boque, ha
muitos mezes; nao teriam encalhado, nSo,
que e quem sabe aonde tudo isto ira agora
A LOJA MAIS BARATKIBA
PARIZ-N'AIBRIOA
AZEVEDO, IRMaO & C.
16"Ra do B. da Victoria16
200 Tdephme200
Tendo recebido directamente da Europa
grande sortimento de fazendas e modas -
que ha de mais novo e presos sem co-
petencia.
A saber :
Capas de surah, senda e merino.
Renda preta, diversas qualidades.
Etamines, pretos, de 1S e 12 seda;"
Damass de seda pura.
Merinos pretas de 800, 1?000 e 10200
Crinolina preta e branca e 400.
Sargeiim, todas as cores, a 200 rs.
Bramante de linho a 1 pabnos.
Tcalhas para banho a 1)5000 e 1^500.
Chachemiras com 2 larguras a 800 rs.
Ditas de i e seda 2 larguras a 10QC
Madapolao trancado a 9)J000 a peca.
Dito globo a 7^000 a dita
Dito camiseiro a 75000.
Fichs de 1S e seda 15000.
Brins de. linho coi es fixes a 600.
Espartilhos couraga a 45000 e BfOOO
Colchas de fustlo a 25000 e 35000.
Capellas para noiva com veo bordado 1
65000.
Toalhaa de cores para resto.
Sendas, comprimento de saia a 150C
Renda de 15, preta, para quaresma.
Pao verde para biihar.
Tapetes para sof a 135000.
A verdadeira esteira para forro de sal
a 15000.
Camisas de flanella a 55000.
Cortinados de crochet para cama 1
105000.
Chitas de cores a 200 rs.
Cretones com 2 larguras a 400.
Baleias com forro a 390 a duzia.
Ditas sem forro.
Seda de cores a 800 e 15000.
Extracto Rite Sangal a 25000.
Velbutina de quadro a 800 e 15900
Gu3mioes*, pretas, de vidrilhos.
Bicos de seda, brancos.
Caixas com extractos para presentes,'
Rendas hespanhola a 45006.
Capachos de coco.
Luvas de seda a 25000 o par.
Meias de seda para homem.
Dita de dita para senhora.
Flanellas de cores para roupas.
Panno da Costa para mesa.
Vestuarios para baptisado,
Colchas, de crochet com flores.
Crep inglez para enfeite*
Grande sortimento de chapeos d sol.
Setineta para coberta a 600 rs.
Cortes de col lee te de seda.
Dito de fustao de cores.
Dito de casemira de cores.
TELEPHONE 200
xassem Gabriella s. j.o, ..<>, u-^noo,, ,.,..~.~. n__ !
Sahiram todos. Guatavo de Orneuil bebesse o calix at as dar !.. -.
Edith foi reunir-se a Herminia, porque fezes. Concarnet lamentava-se e resmungava
Yvon de Kervor e Gustavo eram obriga-' Era necessurio qu'o desposado deHer constantemente.
dos a conferen .iar acerca de queetdes de minia, livre dos* seus c upromissos e jura- Manda va para o diabo o amor e os na-
servico. iuentos, se viose repentinamente a bracos morados, mas nio communicava a pessoa
Petrus Castellot approximou-se entilo com a ndeciso mais cruel que um cora- alguma as suas refiexSes, que eram um
del'es. icio n >br> tem a receiaf. segredo para aa tres tripolajSes.
i'ommkndante, disse o moyo sabio, Gustavo de Orneuil estava em presenca Os subalternos sabam que a duqueza
tenho uma grande noticia a lhe dar; o de difiuuldades insoluveis. '< estava gravemente doente, mas nao per
polo magntico deve estar situado a pe- onsultou Petrus astellot, o seu me- guntavam porque.
liona distancia d'aqui, n'um raio de qum- lhor amigo, o seu irmfto. O rearmamento completo da Hancontre
ze ou vinte leguas martimas, qqando Petrus astellot nao se atreveu a con
muito. fessar-lhe toda a verdade
J, respondeu Kervor, muitas series ^Petrus ouvia tambem as mais intimas
de observaedes feitas a bordo da Alerte confidencias da dosventnrad* Herminia,
mo haviam fjito acreditar. O auxilio da Nota va, inf dismente, e convenca-Beque
sua scieacia, Benhor Castaliot, nao atos ser'ella amava Gustavo mais do que nunca,
intil. Prouvra a Deus que nos asease- Se elie nao podia dizer esperanca a po-
mos depressa essa grande deacoberta! A bre menina, que se sacrifica va por Ga-
uossa misso estara entSo con pietamente briella, muito menos poda ainda dar a
terminada e eousa alguma nos impedira i Gubuvo um bom conselho.
de voltar para Franca. Mas, como Edith, como Yvon de Ker-
Petrus insisti por longo tempfll v vor, que em poucos instantes havia sido

*
demorn a partida durante algus das,
diaa crueis para Herminia e Gustavo de
Orneuil.
Nao teriam podido dizer que se amavam
anda.
Tremiam, approximando se um do ou
tro, evitavam a nica conversaclo que te-
ria alliviado as suas almas ulceradas.
Finalmente, a Kencontrt estava promp-:
ta, a expedi$3o fea os seus ltimos pre-
parativos.
. Uma hora depois do toque de recolher,
Gabriella, convalescente, foi conduzda pa-
ra bordo da Alerte.
Comecava a desventurada menina a an-
dar, mas com muita difficuldade
I om o auxilio de seu pai, teve forra
bastante para atravessar o tombadilho da
corveta,
Depois della, Edith, Herminia e, final-
mente, Ooncarnet, subiram ao conve.
Herminia estava j quasi to abatida co-
mo a tilii do duque de Bellegarde.
Tentava vencer o mal moral que a de-
vora va, mas suecu libia.
Edith e Petrus comecaram a ter serios
cuidados, vendo o seu estado
A condessa de Frzieres partilhava as
agonas de Gustavo.
A sua ternura maternal por Herminia
comecava a fazer-lhe esquecer Gabrieila e
Petrus.
E' necessario chegar a Bellegarde,
dizia ella, embora tivessemos de passar
pelo polo magntico sem prannos junto
delle. E' necessario deixar em Nova Na-
varra o duque e sua filha, restituida vi-
da pela generosidade de Herminia !...
Apressemo nos em voltar a Franca. Uma
separacao necessaria para a salvacSo de
minha filha. O tempo, a ausencia, o es-
quecimento ourarSo os outros.
Edith Babia que Oabriella nSo se apro-
veitaria do sacrificio de Herminia e que
nao lhe seria inferior em abnegacao.
Mas Oustavo?... O que decidira
Gustavo ?...
Oustavo tinha deixado de pedir conse-
lhos.
Fugia dos seus amigos, evitava com t
mesm- cuidado as duas rivaes.
Mergulh.do em taciturna e sombra me-
lancola, tinha quasi resolvido renunciar
ao amor de ambas.
Pensava em destruir a sua oarreira, em
aniquilar o seu futuro,- em expatriar-se,
em morrer em uma paragem desconhe-
cida.
Pensava em sepultarse em vida n'algum
lugar ermo e solitario.
Pensava alternadamente ne exilio, na so-
lidio, na morte.
Pobre rapaz I...
O seu marasmo at'.ingia proporcoes de
delirio.
{Continuar seha.)
Tyn. do Diario ra uo Duque de Uaxias n.
I
1 -m'"
h

4Mi
1


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK54POBUY_7S988P INGEST_TIME 2014-05-22T01:05:58Z PACKAGE AA00011611_17065
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES