Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:17010


This item is only available as the following downloads:


Full Text
iv
'
jr:
\

A
:vO
r
- NMBKOi
XERC4-F&BA 24 DE JNHO DE 1890
Propriedade de Man o el Figueira de Faria %Sc Filhos
i
MBUGO
PARA A CAPITAL E LUGARES ONDE NAO SE PAGA PORTE
Por tres mezes achantado. .
Por seis ditos idem......
Por um anuo idem......
Cada nomero avulso, do mesmo da.
6000
12^000
23jKKX)
100
Os Srs. Amede JPrince & C.
de Pars, sao oskiossos agentes ex-
clusivos de aanuncjos e publica-
res na Franca e laglaterra.
\
ped
AVISO
A empreza deste Diario
e aos Srs. assumantes,
que estao em atrazo de abo-
no de suas assignaturas, o
obsequio de maudarem &a-
tisfazer os seus dbitos at o
diadO do corrente; isto para
que nao soffram suspensao
naremessa do Diario
1. de Julbo.
Io do decrecto n. 58 a de 14 de Dezem-
bro de 1889, pira as declarares que, na
forma do art. 4" do mesmo decreto e do
art. Io do de n. 396 de 15 de Maio ulti-
mo, devem fazer os estrangeiros, residen-
tes no Brazil no dia 15 de Norembro an-
terior, que nao desejarem ser considera-
dos cidadaoa brazileiros.
Sala das sessSes do iroverno provisorio
da Repblica dos Estados Unidos do Bra-
zil, 13 de Junho de 1890, 2* da Rtpu-
blica.Manoel Deodoro da Fonseca.Jo-
s Cetario de Faria Alvim.
no

TELEGRAMHAS
ss7i;: mmmi so :ias::
RIO DE JANEIRO, 23 de Junho, s 3
horas e 55 mi cutos da tarde.
Foi publicado o decreto promulgando a
Constituido Poltica dos Estados-Unidos do
Brazil:
O Congresso, eleito prximamente, e
composto da Cmara dos Deputados e do
Senado, trar poderes especiaes para jul-
gar da Constituiclo.
Esta vigorar desde j nicamente na
parte relativa s disposico'es sobre o Con-
gresso.
S3S7I5: u Ltmik 2:a:
MADRID, 22 de Junho.
as diversas localidades dos arrabates
de Valenca honve as ultimas 24 horas 10
casos e 2 falle amentos de cholera-mor-
bus.
PARS, 22 de Junro. I
Um deputado da esquerda interpellou
hontem o ministro dos negocios estrangei-
ros a respeito do estabelecimento do pro-
tectorado inglez em Zanzbar.
O ministro respondeu, declarando que o
governo francez acredita que a Inglaterra
n2o concluir nada antes de um accordo
com a Franca.
MADRID, 23 de Junho.
as ultimas 24 horas deram-se em Va-
lenja e arredores 9 casos e 5 fallec mentos
de cholera-morbus.
PARS, 23 de Junho.
O jornal Le Temps publica um parecar
sobre o negocio do Qredit foncier de Frail-
ee e constata a solidez d'este grande esta-
belecimento, mas censura muitas irregula-

ridades.
As negociacoes diplomticas entre a
Franca e a Inglaterra a respeito d-* Zan-
zbar acham-se n'uma via satisfactoria.
Agencia Havas, filial em Pernambuco,
23 de Junho de 1890.
Ministerio do Interior
Foram condecorados com o ofcialato
da ordem de Aviz : o capitn de fragata
Antonio Francisco Volho Jnior e os capi-
taes-tenentes Leopoldino Jos dis Pasaos,
Eduardo de Barros Qonda, Frederico Gu-
lherme de Souza Serrano, Arthur Azeve-
do Tompson, Francisco Flaviano Cantal i-
ce, Leoncio Rosa, Jos Pereira GuimarSes,
Luiz Pedro Tavares Jnnior, Antonio Lo-
pe Cavalcanta- de Olivera, Jos Pedro
Al ves de Barros, JoSo Antonio de Miran-
da Nichon, Amaro da Rocha Chriatalina,
Francisco Manoel Ribeiro, Alexandre Gal
dio da Veiga, Francisco Ignacio Pereira
da Cunha, Manoel Das Cardso e Joa-
quim Franco.
USTRUCCIO POPULAR
AHABITBIIIAEOSASTBOS
POB
CAPITULO VIII
A vid dos erei-MoTimenio da vi
da Duraro da extslenrla do*
corp o w Principio* da vida.
( ContinaajSo )
IV
A oadeia da vida tem, por outro lado, beai
assignalados lodos os seos elos em o nosso hu-
milde planeta :m primeiro lugar o germen
embryonario,e8pecie de feto da existencia uni-
versal ; depos o zoopnyto, o pelxe, o reptil, o
mamfero ; e, por ultimo, o homem, que consti
tuetit ao presente, o ultimo degro
Ministerio da Jusllca
Foi nomeado ministro do Supremo Tri-
bunal de Justica o desembargador Ovidio
Fernandes Trigo de Louroiro.
Foi nomeado desembargador da relaco
de Guyab o juiz de direito Manoel do
Nascimento da Fonseca GalvSo. *,J
Foram removidos a pedido, o desem-
bargador Guilherme Cordeiro Coelho Cin
tra, da relacSo de S. Luiz, para a da ca-
pital federal.
O desembargador Joaquim Barbosa Li-
ma da relaco de Cu yaba para a de S.
Luiz.
0 juiz de direito P.-imtivo de Miranda
Souza Gomes, da comarca de Nossa Senhora
da Graca de Ia entrancia, no estado de
Santa Catharina, pera a de Villa-Bella, de
igual entrancia, no de Pernambuco, fican
de sem effeit > o decreto que o removen
para a do Triompho no Rio-Grande do
Sal.
O juiz de direito Alfredo Jos Vieipa,
da. comarca de Cuyab, de 2a entrancia,
no estado de Matto Grosso, para a de Ita-
guahy, de 3*, no Rio de Janeiro.
O juiz de direito Manoel Martinho, da
comarca de S. Luiz de Caceres de 1"
entrancia, para a de Cuayab de terceira
entrancia ambas no Estado de Matto-
Grosso.
O juiz de direito Antonio Borges Cas-
tello Branco, da comarca de Villa-Bella,
de 1* entrancia, no estado de Pernambu-
co, para a de Triumpho, de igual eatran-
cia, no do Rio-Grande do Sul.
Por decretos de 15 do corrente foram
removidos, a pedido, os juizes de direito i
Silvio Pellico Pereira Ferraz, da co-
marca de Graja de Ia entrancia, no es-
tado do MaranhSc, para a de Aguas Bel-
las, de igual entrancia no de Pernambuco.
Alfredo Teizeira Mendes, da comarca
de Cannind, de 2a entrancia, no estado
do Cear, para a da Pcrnahyba, de igual
entrancia, no do Piauhy.
Por conveniencia do servico publico, o
juiz de direito Liberato Villar Barreto
Coutinho, da comarca de Aguas Bellas,
de Ia entrancia no estado de Pernambuco,
para Grajah, de igual entrancia. no do
Maranho.
Foi declarado insubsistente o decreto
de 27 de Fevereiro do corrente anno que
removeu o juiz de direito Lipidio Jos de
Carvalho e Souza da comarca de Canin-
d, de 2a entrancia, no estado do Estado
do Cear, para a da Parnahyba, de igual
entrancia no Piauhy.
Informe o commandante superior da guarda na-
cional da comarca do Recife.
Francisco de Paula Fraila*.Concedo.
Gercina Maria de Sarros Correa.-Nesta data
autoriso o ihesouro do estado a escriptarar como
divida de exercicio rindo a quantia correspon
dente aos vericimeutos da peticionaria de 21 de
Jucho a 31 de Afros o do ann i passado.
I Gailbermina Francisca de Araujo Lins.Inde-
ferido. #
A mesma.Indeferido.
Alferes Joo Ezequiel Borges.Informe o in-
spector do thesouro do estado.
Capitao Joaquim Agripino Furtado de lien
doea. Indeferido, em vista da mformago.
Jos Joaquim de Mello Cah. -Deferido, com
officio de boje ao inspector do ttiesouro do es-
tado.
JoSo Rodligues de Moura. Opportunamente
ser tomado em considerado.
Jocquim Jos de Carvalho.Informe o cida-
do inspector do thesouro do estado.
Teoente Jos Carlos Vital.Aguarde opportu-
nidade de ser a peticao tomada em considera -
cao.
Jos Al vea Pereira Lima.Aguarde opportu-
nidade a ser a'petigo tomada em consideraco.
Jos Felizardo de Amorim. Informe o in-
spector do thesouro do estado.
Jos de Moura Coutinho Guerra. Informe o
inspector geral da instrueco publica.
Jos Felicio da Cunha. Informe o inspector
geral di instrueco publica.
Joo Ouarte Carneiro da Cunha Gama.
D-se.
O mesmo.D ss.
Laurennio Goucalves de Axevedo.D se com
recibo.
Mara Honorata Bayner.Ao inspector do the-
souro do estado para informar.
Manoel Eduardo da Costa Monte!ro.Informe
o inspector geral da instrueco publica.
Manoel Antonio de Azevedo Jardim.Informe
o inspector geral da instrueco publica.
Manoel de Rosalina.Informe o inspector es-
pecial de trras e colonisaco.
Manoel Nivardo Ferreira Gomes.Informe o
Dr. juiz de direito dos casamentos.
Maria Josepba da ConceicSo.Informe o com-
mandante da escola de aprendizes mariDbeiros.
Manoel Eulogio da Silva Velbo. Informe o
Dr. juiz de direito da comarca da Encada.
Phites Adelino da Costa Doria.Remetti do ao
Dr. chefe de polica para providenciar como jul-
gar conveniente.
Ponciano Camello de Siqueira Cavalcante.
Informe o Dr. juiz de direito da comarca de
Agua Preta.
Umbelioa Adelaide de Araujo Fragoso.la
forme o inspector da tbesoararia de fazenda.
Victor Leandro Pereira Leite. Selle e volte
q aereado.
Secretaria do Governo do Estado de Per-
nambuco, 23 de Junho de !"i90.
O porteiro,
H. M. da Suva.
PARA DENTRO FORA DO ESTADO
Por seis mezes aiantados. ... 13)5500
Por nove ditos idem...... 200000
Por um anno idem...... 26)0000
Cada numero avulso, de dias anteriores. 100
2.a
licia
-- aquella
escara.
r acaso ajis larde, na lor.ga successao
dos tempos, segtindbVopinio de Edgard Qui-
net, urna raga de homem superior, e mais per
feita que a actual, pbysica e intelleclualmente
considerada ?
(Continua)
r-ARTE OFFICliL
Actos do poder eiecutlv
Decreto n. 479, de 13 de Junho de 1890
Prorog o prazo ooncedido pelo decreto n.
58 A de i4 de Dezen-bro de 1889
para as decanles dos estrangeiros,
residentes no Brazil no da 15 de No-
vembro anterior, que nao desejarem ser
considerados cidadaos brazileiros.
O general ismo Manoel Deodoro da Fon-
seca, chefe do governo provisorio da Re-
publica dos Estados Unidos do Brazil con-
stituido pele exercito e armada, em nome
da naejo, decreta;
Fica prorogado at 31 de De embro do
corrente anno, o prazo concedido pele art*
lllalsterlo da Fazeada
Foi nomeado 2o escripturario da Alfan-
dega de Penedo, estado das Alagoas, Ber-
dardino da Senna Ctnuto.
Goveroo do Estado de Pernam-
buco
DESPACHOS DO DIA 21 DE JNHO
DE 1890
Abaixo assignados, commerciantes eslabeleci-
dos nesta eidade.Informe o inspector do the-
souro do estado se dia rasoavel o allegado.
Abaixo assignados, escrivies de paz da eida-
de do Recife Indeferido. em vista das infor-
mages.
Antonio Herminio de Senna. As ponte3 de
que trata o peticionario foram mndalas por em
praca a 16 do corrente.
Antonia Alexanlrioa dos Passos Baptista.
XSo ha conveniencia na remocio requerida.
Antonio Gersou Eustaquio Guaran.Informe
o inspector ge-si da indrueco publica.
Antonio Ponciano de BarrosAo inspector d.
thesour-.ria para informar.
Di-ectorla da Associac&o Commercial Renen-
cente de Ptrnambuco. Remetase directora
copia da informaeao do engenheiro director das
obras da concer#agao dos portos.
Tenente Gsilosftne Duque Bezerra. Sim,
com recibo.
Bacbarel Pelippe Augusto Carneiro Campallo.
Justifico."
FlorianoRodrgues doPasso.Dse, median-
te recibo.
Francisco Guedes de Oliveira,Indeferido.
Fielden Brothers.Remettase a conla the
souraria de fazenda.
Francisco Joaquim de Oliveira Cunba.Infor-
me a intendencia municipal do Recife. :
Capito Francisco Jos Guedes de Lacerda.
Repartirlo da Polica
scelo.N. 139.Secretaria de Po-
do Estado de Pernambuco, 23 de
Junho de 189J.
Cidadao GovernadorParticipo-vos que
foram hontem recolhidos Casa de De
tenco os individuos de nomes Antonio Joaquim
Carneiro,Joaquim Ferreira.Jos da Invenco Santa
Cruz, Joo Barbosa ou Rellarmino da Silva, Joo
Francisco da Costa Ribeiro. Manoel dos Reis San-
t'Anna, Raymnndo Jos dos Santos, Jovino Be
zerra dos Santos, Octaviano Pereira Felippe San
tiag, Manoel Bezerra do Nascimenlo e Jos Ber-
nardo de Sant'Arina.
Perante a delegada d'Agna Preta, assignaram
termo de bem viver 09 vagabundos Pedro Ferrei-
ra da Silva, conhecido por caboclo e Adelino
Ferreira de Souza.
Commuaicou-me o Dr. juiz municipal que
apresenlou se tambem voluntariamente o reo Ma-
noel Francisco Bolacha pronunciado no art. 205
do Cdigo Criminal.
Por officio d'esta data communicou-me o sub-
delegado do i. dislricto da Boa Vista que na
madrugada de hontem os ladroes ar-ombaram o
predio n. 27 estrada de Joo de Barros, onde
resine o cidado Tranquilino G. de Mello Leite
levando diversos objectos.
Cbegando o facto ao seu conhecimento, para
all se dirglo e mandando proceder a vistoria
dea busca em todos os cnicos e casas do logar
denominadoCisconada encontrando.
a mesma autondade proseguio em novas dili-
gencias para descobrimento dos autores de se
melhante attentado.
Sade e fraternidadeAo cidadSo Dr.
Albino Gonjalves Meira de Vasconcellos,
governador do Estado.O chefe de poli
cia, Ernesto de Aquino Fonseca.
do desojo manifestado pelos ministros da
faaenda e da justica de abondonarem o
gabinete, urna desintelligencia -que surgir
entre Uriburu e o Dr. Pacheco em questSes
da direccSo do banco nacional.
-- No Rio de Janeiro foram publicados
estes telegrammas :
Valparao, 14 ue Junho
A aciojj,'diario cf&cial chileno, asse
gura que os ministros continuarlo nos seus
postos emquanto tiyerem a conianca do
presidente da Repblica.
O depntado Zegus apresentou um pro-
jecto de lei que manda adiar a vota cao do
orcaaento at que o presidente se resol va
nomear um ministro que offereca garan-
tas.
Na Bolivia a polica mandn fechar as
typographias do ImprciaL e de La Na-
cin.
O coronel Aguirre atacou a villa de
Campolican.
; A polica repellio novo assalto dos in-
surgentes'em Cochabamba ; os montaneros
atacaram a villa de Sicanca, roubando o
correio. Em Pelucho foram assassinados
os viajantes americanos Hermano eThomp
son. O governo Boliviano est hitando
com dffijuldades fnanceiras.
Buenos Ayres, 14 de Junho
La Nacin annuncia que a polica des-
cubri vestigios de urna conspirajSo con-
tra a vida do presidente da Repblica.
Os principaes autores ainda nao foram
presos.
Montevideo, 14 de Junho.
A influenza est grassando no departa-
mento de Taquaremb.
A cmara dos deputados comecou o de-
bate da proposicao qae manda supprimir o
latim nos cursos da universidade. Espe-
ra se que seja rejeitada.
Valparaso, 15 de Junho
O senado comecou a discutir a questao
da autonoma municipal.
O Heraldo diz que o governo pedio aos
conservadores para auxilial-o, mediante
augmento da dotacSo dos bispos e conegos,
e que os conservadores recusaram
Buenos Ayns, 15 de Junho
O novo emprestimo foi effectuado com
eondicocs ignoradas at agora.
lupina
Aleunajortoaes allemes, oceupando-se da
recente entrevista do re Leopoldo da Blgica
com lord oalisbury, em que, aappoem, os con-
fereotes tratartam da queslo social, manifes
tara a esperanca de que a Inglaterra deixe de
acoitar os annrebistas internacionaes, que de
Londres criara tantas difcnldades aos governos
dos cutros paizes.
Parece Gaieta de Colonia, que a Franca e a
Sulssa se juntaro Inglaterra nesta campanha
de represso, e pede desde j a essas tres na-
coes que expulsem todos os narchistas estran-
geiros refugiados nos seus territorios.
Italia
Depois de varios discursos motivados pela i o
lerpellaco da extrema esquerda sobre a viola-
cao da liberdade de reunio, debate qne con-
sumi tres sessoes, a cmara dos deputados ap-
provou por 329 votos contra 61 urna moco de
confianza :.o ministerio.
Diz se qne o governo italiano tenciona com-
prar a ilba de Caprera, para all estaoelecer for-
tificacoss. que ser j o complemento das de Mag-
dalena. Neste caso as cinzasde G aribaldi sero
trasladadas para Roma, e recolhidas no Jamecu-
lo, o monumento que all se deve erigir em sua
memoria.
Na camar dos deputados, o Sr. Crispi, res-
pondendo aos Srs. Cavalloli e Imbriani sobre a
expulso dos correspondentes estrangeiros, sus-
tentou qee es8es correspondentes denegriam sys
temticamente a Italia, e erain instrumentos da
conspiraco contra o crdito italiano ; e disse
que j em 31 de Outubro de 1889 dirigir quei-
xas ao Sr. Spuller, ministro dos negocios estran-
geiros da repblica franceza, sobre a attitude
de correspondente da Agencias Havas em Ro-
ma.
Os Srs. Cavallot e Imbriani declaram que as
explicaces do Sr. Crispi os nao satisfazen de
modo algum
Ficou encerrado o incidente.
"5
certo
de que cheguemos a fir-
Inspecfor* Seral da Instrueco
Publica do Estado de Pernam-
buco.
DESPACHOS DO DIA 20 DE JUNHO
DE 1890
Balbina Ferreira do R'-gO Leal. Cum-
pra se e registre se a apostilla de 16 do
corrente.
21
Manoel Cavalcauti de Mello Filho.
Cumpra se e registre-se a apostilla e ti-
tulo.
AMERICA DO SUL
Ti vemos hontem as segu ates noticia
do
Pacifico e Uto da Prala
Na sessSo de 7, a cmara dos deputados
chilenos approvou urna moco de censura
ao ministerio, redigida em termos enrgi-
cos e na qual se onsiderav* a per manen
cia do gabinete contraria s praticas con-
Btitucionaes. A moco foi adoptada por
70 votos contri. 1, tendo-se retirado a mi
noria governista.
Julgava-se que o presidente conservara
o gabinete por alguns dias, chamando
depois para novo ministerio homens que
nSo tenham tomado parte activa na luta
eletoral e que vivem mais ou menos ar-
redados da poltica.
So intuito de melhorar a crise moneta-
ria, o governo do Paraguay apresentou ao
congresso um proje^to de lei autorisando
a emissao de 500,000 pesos em ttulos de
dividas publicas.
Dava-se, em Buenos Ayres, como causa
Sania S
A proposito da recepeo do ministro ple-
nipotenciario Brasil no Vaticano, diz um tele-
gramma de Roma para o Doy/ Chronicle que o
papa resolveu adoptar urna attitude benevo
la e de neutralidade para com a Repblica Bra-
sileira.
Inglaterra
Alguns jornaes inglezes tm acensado o
governo do seu paiz de ter abandonado urna
grande parte dos seu3 interesses na frica em
favor da Alemaoha.
Ainda ba poucos dias Stanley, n'u n discurso
pronunciado n'um banquete que'lbe foi offereci
do, fez-se echo daquelles protestos da imprensa
brita ratea.
Tem isso produzido um certo effeito na opi-
nio publica em sentido hostil ao geverno, e
tanto, que os ministros julgaram se obrigados a
tranquillisar os epifitos antes das ferias paria
mentares, e dois d'elles, sir JamesFergusson, na
cmara electiva, e >lord Salisbury, Dtam ban-
quete, pronunciaram discursos tendentes a acal
mar as apprehensoes, e a demonstrar que os di-
reitos e os interesses da Inglaterra sero por
ettes fiel e enrgicamente defendidos.
0 discurso do Sr. James Fergusson nao foi
suScienteme.ite explcito e manteye-se n'uma
certa reserva, propria de quem estava conscio da
gravidade do assumpto, e receiava dizer mais do
que devia.
Lord Salisbury foi mais claro e teve especial
mente em vista demonstrar que Stanley, eos
jornaes, que receiam a retirada da Inglaterra
perante as prenteniOes allems, nao tm funda
ment para isso, porque as negociares conti-
nuaran! secretas.
A este respeito, diz com a raz&o a Independence
Belge:
Fundam se sobre os precedentes ; sobre as
conces0e8 Ilimitadas feias pelo gabinete Sals
bury Allemanha na regio do Z-iozibar e que
denoiam as tendencias 'eraes da sua poltica,
to malleavel perante o poderoso imperio ger
manico, quanto inexoravel para com o fraco
reino de Portugal.
Na sua essencia, as explicaces de lord Sals
bury deixaas sobsiitir o receio, seno de una
capitulaco, do governo inglez em favor da Al-
lemanha, pelo menos a convieco de que ella se-
ria fatal, se a opnio publica nao tivesse inte:-
viudo a tempo.
Disse o astuto ministro: Nao cedemos nada
Allemanha, pela simples razo de que nao che
gamos ainda a nenbuma concluso com ella. Es-
perae que bajamos nrmadcfqiMlqoer accordo E
aibda nao estou
mal o..
Esta declaraco est em perfeita incoherencia
com outras anteriora*, que affirmaram estarem
as negociacoes bastante adiantadas, e promette-
rem um termo prximo e satisfactorio.
Lord Salisbury nao fallara de modo difieren-
te na hypothese de estar prestes a abandonar
Allemauha os terrenos do leste da frica por ella
to ambicionados, e de ter sido depois constran
gido pela opioifto publica nacional a obter con-
dices honrosas para a Inglaterra, tendo o pre
seutimento de que o gabinete de Berhm se recu-
sar a ceder das suas primitivas exigencias.
0 ministro inglez inslstiuem diz r que a con-
cluso de um accordo nao certa, porque ne
nbuma convenci poder ser levada a bom ter-
mo, se nao fr to aceilave! para a Inglaterra,
como para a Allemanha.
Portiin lerminou prevenindo os seus compa-
triota? contra as preteocoes erritoriaes exagera-
das, recordando-lhe o desastre da expedigio de
Khartum, e dando Ihes a entender que se o go-
verno inglez est decidido a defender os direi
tos j adqueridos, da Britsh East African Com
pany, nao se jtlgar obrigado a quebrar lancas
em faver de reivindicagOes de outros territo
ros, que ainda nao sao seus.
Nao se deu por vencido Stanley com o discur-
so a que cima no9 referimos, e em que lord Sa-
lisbury Ihequiz desfazer as apprehenses, pro-
curando tranquillisar a opinio publica.
as columnas do T ims publicou um artigo em
que apezar de dizer ana iifficil discutir com o
firimeiro ministro, vista a grande estatura intel
ectual deste, vai d'zendo de sua justica com
grande vigor, sustentando a mesma doutrina que
avancra no banquete que lhe foi offerecido.
Principia por afurmar que nos destinos do do-
minio inglez na frica nao tem outro mteresse
que nao seja um interesse paramente sentimen-
tal. Mas o sentimentalismo de Stanley de natu-
reza particular; nao sao os destinos da raca in-
dgena que o preoecupam, mas sim os direitos
da conquista e do commercio britannico. Causa-
lhe indignaco o abandono successivo do Kili-
ma N'Ijaro, descoberto, segando diz, por um mis
sionario assoldado pela Inglaterra ; e o das
20,000 milhas quadradas do paiz dos Hassai, ou-
tr'ora exploradas por um viajante inglez ; o de
200 milhas em torno do lago Victona-Nyanza,
tambem recoohecidas por nm subdito britannico.
Lamenta que o accordo de 2 de Julbo de 1887
concedesse influencia allem o sul do lago
compeltindo para o norte a influencia ing'eza.
Sao, porm, factos consummado3 estes e foi ac-
ceitando-os, que a Sociedade Britannica da fri-
ca Oriental se constituio, se habiliteu com a sua
carta regia, e empregou grandes cipitaes na ac
quisico dos territorios, se obrigou a pagar ao
analmente 10,000 libras ao sulto de Zanzbar,
dea a liberdade a 3,000 escravos, construio pon
tes, armazens, quarteis, dotas, phares, barcos
de vapor, etc.
Ora todo este capital, affirma Stanley que Mea-
r sem valor algum, se o governo inglez nao ob-
tiver a rigorosa observancia do primitivo accordo
com a Allemanha; e precisamente esas statu
quo que julga ameacado.
Nao stoeate a IngUterra permittio que o raa-
jor Wissmann, allemo, levasse do Egypto
1,200 homens do Suldo; para levar a cabo a sua
campanha, nao smente urna esquadra iogleza
poz os seas canhoes e a3 suas guarnipes ao ser'
vigo da empresa allem, que o consol geral in-
glez tinha recebido ordeos para auxiliar por to-
dos os melos; mas anda na imprensa e por to-
da a parte na Allemanha se repele tolos os dias :,
' A frica equatorial de leste deve ser nossa. O
Congo ao oeste, o Suldo ao norte, esses sao os
limites natures e necessarios do imperio colo-
nial allem&o.
Em presenca dessas exigencias, o gabinete
inglez parece disposto a ceder, e por isso Stan-
ley julga ebegado o momento de sabir na defe-
za enrgica dos interesse dos seus amigos da
companbia da frica Oriental, e dos interesses
do dominio britannico.
Os clamores de Stanley nao polem deixar de
estimular a opinio publica na Inglaterra.
0 celebre explorador americano, se persistir
no sea intento, um terrivel adversario para o
governo, se este est resolvido efectivamente a
fazer concesso a Allemanha; mas tambem loe
pode ser um precioso auxiliar, se elle se quizer
apoiar na opinio do paiz para se nianter a urna
posicao de intransigencia.
A corporacio dos vendedores de peixe dea
ultimameote um banquete a Stanley. Este pro-
ferio um discurso em que proseguindo os seu3
ataques contra a cabeca dos allemes na frica,
suxgerio a idea de se enviar urna deputaco ao
marquez de Salisbury, ahm de obter delle a se-
uranga formal de que os interesses inglezes na
frica sero eficazmente protegidos.
A cmara dos communs discuti largamen-
te em segunda leitura o 6*7/ relativo ao tuanel
da Mancha. Os Srs. Walkms e Gladstone de
fenderam oottf. Sir Michael Wicks Beach, pre-
sidente do ministerio do commercio, combaten o
tunoel. como creando um pengo de invaso. 0
bil foi rejeitado por 234 votos contra 153.
Allemanha
N'um artigo que causou urna certa sensaco,
diz a Freissimje Zeitung, orgo do Sr. Ricbter,
qae se o reichstug approvar sem restriccOes o
projecto de le militar que lhe foi submettido, o
exercito permaoente ser quasi duplicado e o
contingente annual elevado a 150,000 a 300,000
homens. Declara aquella folba que a cmara
nao aceitar urna lei t&o elstica, e se limitar a
votar o augmento de 18,000 homens.
Voltou a Berlim Sir Percy Anderson, que
vai lli reatar com o Sr. Kranel as negodacOes
relativas delimitaco da esphera de influencia
da Allemanha e da Inglaterra na frica.
Segundo urnas certas informacOes, falso que,
como se preumdeu, lord Salisbury teoha desde
j decidido abandonar aos allemes toda a re-
gio do longo N'gami, no paiz dos "amongwjts,
entre o Damarland e o paiz de Khama, ou sul do
Zambeze.
0 correspondente do Standard, em Berlim', diz
saber de boa fon te que as pretendidas propostas
da Allemanha, que neste momento provocara
tanta' agitacao em Inglaterra, nao passam de
urna especie de programma dos sonhos col
oiaes, em que o chauvinismo dos allemes se
tem delgado embalar, mas que o governo impe-
rial nem pensa em psrrilhar.
O mesmo correspondente affirma saber que se
trata.de decretar para os grandes lagos a liber-
dade de navegago j applicada aos ros frica
aos. o que facilitar consideravelmente um ac-
cordo anglo allemo
O Standard expe, em artigo de fundo, que os
negociantes inglezes teem por dever significar
em Berlim que a regiio que M. Peters acaba de
explorar, Acara fazendo parte integrante da zo
na reservada aos agentes da companhia britam
ca da frica Oriental, com excluso de qualquer
outra interferencia ; isto que o norte e o oeste
do Nyanza devem permanecer inglezes.
As ultimas deciaraces do principe de Bis-
marek teem sido agora o assumpto das geraes
attences da Allemanha. As conferencias com
i Sr. Hesriqus des Uoox, que foram reproduzi
das pelo Ifuin de Pariz; as -uas confidencias ao
correspondente do Nocoif Vrtmia, a quem deca-
rpu que tinha dado a Guilherme II conselhos
viagem a Consta'itinopla, produziram desa
gradavel impresso, e esto sendo muito com-
mentadas.
Urna folba allem observa a este respeito que
os amigos mais dedicados de Bismarck, os que
d'antes estariam dispostos a ir con eMe at e
flm do mundo, comecam a criticar vivamente a
lingoagem que elle se est permittindo: Diz ?
mesmo jornal qne em menos de doas mezes e
ex chanceller soffreu urna transformaco com-
pleta. O simples facta de boje se abrir coa:
estraogeiros manife3tamente hostis ao imperio,
e aos quaes ouir'ora fechav^ intransigentemente
a porta, leva a crr que elle, depois da sua reti-
rada, se collocou em declarada opposico ao ge-
verno.
Bismarck persiste em affirmar que a-fema er-
oneraco foi de vida a intrigas da corte, e espe-
cialmente influencia do general Halurke, que
o imperador mandn procural o para lhe dar por
escripto o pedido de exoneraco, que verbal-
mate tinta formulado dous das aotes. Segun-
do ainda o jornal, a que nos referimos, na corte
imperial nao se liga grande importancia aos ac-
tos e s deciaraces do ex chanceller ; conside-
rara n'as como sendo manifestages esteris
que, em visla da do-nca de que elle soffre, nao
devem sreoecupar ninguem.
As observaces e as apreciacOes, qae fieaa
reproduzidas, teem sido transcriptas em quasi
todos os jornaes allemes, que lhes no juntam
protesto nem contradieces, o qae lende a pro-
var que Bismarck tem perdido toda a sua antiga
influencia pessoal.
Telegrapham de Pariz ao El Impardai que no3
centros diplomticos daqaella capital corre a
versante que a prxima viagem do ex chancel-
ler uWimpIes degredo imposto pelo impera-
dor.
Diz-se mais que Bismarck passar pela Fran-
ca para ir a Inglaterra.
Os imperadores da Alletuanba chegaram a
a Copenhague em flns do prximo mez de Ju-
nho.
A sua demora naqnella capital ser de curto
praso; depois de urna visita a Fredensborg,
continuaro a viagem para a Noruega.
Quaato ao imperador da Russla, ao chegr
a Dinamarca, seno no mez de Julbo, indo en-
contrarse a Fredensborg com o soberano alle-
mo.
A viagem do rei e da rainha da Dinamarca i
Russia hcou adiada para o mez de Agosto, em
consequencia das visita3 imperiues a Copenha-
gue.
Accentuam se os disseotiment03 pntre o
imperador Guilherme e o principe de Bismarck.
O artigo da Htmbarger Nachrichten, dizendo que
o principe de Bismarck nao far opposico ; mas
que, se fr atacado pagar golpe por golpe,
considerase como redigido pessoalmente contra
o imperador.
liMlrii llunjrln
O governo austro huagaro est empenhado
em promover o desenvolvimento industrial da
Hungra, e para isso apresentou agora s cama-
ras hngaras duas propostas de lei, de que
damos noticia, porque talvez baja nellas exem-
plos a aproveitar.
Urna dessas leis concede a 74 catnegorias ia-
dustriaes as isences dos impostos sobre as con-
strueges concernentes cxploracSi da indus-
tria, das taxas de exercicio, das taxa3 communs,
addicionaes. e das taxas langadas pelas cmaras
do commercio, dos dlrelios de sello, de registro,
dos_ actos das sociedades, etc.
N'outro ponto a lei faz tambem a concesso da
sal destinado aos usos indastriaes pelo prego li-
quido, estabelece redueges consideraveis as
tarifas ao3 caminaos de ferro, e d direito de ex-
propriago denitiva ou provisoria dos immo-
veis ou objectos perteocentes ao estado ou s
communas, e que nao sao utilisados pelo servi-
go publico.
A segunda le concele durante um periodo de
15 annos a isengo das taxas do sello e registro
e das taxas addicionaes communs ao instituto de
crdito que ser estabelecido na Hungra, e leri
por Um favorecer a creago de novas industrias
e desenvolvimento das existentes.
O instituto devera ter um capital de aeges de
6 milhes de florn^, pelo menos, inteiramente
espalbado, que'poder ser elevado a 10 milhes.
A isengo das taxas nao ser todava concedi-
da seno para os lucros realisados pela nova lei
at concurrencia de 6 0/0 do capital emprega-
do a favor da industria.
Como primaras consequencias destes incita-
mentos industria annuncia se a prxima crea-
go, em Budapesth, d'am banco de crdito in-
dustrial, e tambem a prxima fundaco d'uou
grande fabrica de pannos em Nensohl.
Rusta
O governo russo resolveu expulsar do seu
territorio 30 subditos prussianos e 23 austra-
cos.
Bulgaria
Comegon a 19 de Maio na capital blgara
vista do processo instaurado, contra o major
Panitza e seus cumplices, un; 9 officiaes blga-
ros, quatro habitantes de Sophia e o official rus-
so da reserva Kolubkoff, residente em Rustchuk,
Trata-se nesse processo d'uma conjurac&e
para depor do throns o principe Fernando.
Panitza estava em continua relaeo e corres-
pondencia com o ministro da Russia em Ber-
court, Hltroo, e at com Giers, o ministro dos
negocios estrangeiros do imperio moscovita.
Fcilmente se comp ehender a importancia
do papel representado por PaBitza se recordar-
mos que elle teve enorme prestigio no exercito
por todos os seus servigos, e sobretudo pela ma-
neira heroica como se houve na batalba de Sai-
nitz, e n'outro- encontros com as tropas servias
em novembro de 1885. ,
Muitos prometteram secundal o; e, quandoas
suas propostas nao lograram resolver alguns
mais renitentes, apresentaram-se em Sola Ja
cobson <- Kolubkoff, que distribuiram dinheiro
pelos mais resistentes, assegurando lhes qae ob-
teriam do czar especiaes distiaeges.
A prova mais evidenta no grande prestigio de
Paoitza que nao foi denunciado por official al-
gum, mesmo entre os qne se negarara a entrar
na coejurago.
Ha mais. O major Panitza tinha tal copfianga
no xito do seu plano, qae nao observava a m-
nima reserva, e era d'uma inctivel audacia'
Convida fa freqaenteraente os seus camaradas
para o hotel Vilouk; queixava-se do principe
Fernando ; e, apresentaodo-se como um ronden
conseguir tranquillisar e desorientar Stambu-
loff. de q'iem se dizia inimigo irreconciliavel. .
Projectara dar o golpe po outomno passado
na occasio em qae o principe voltasse do cen-
tro da Europa a Sotia ; contara que a guarda de
honra pren"des?e o soberano, e os ministros na
estago do caminho de ferro; e confiava em que
as tropas que entravam no plano surprehendes-
sem as forgas fiis ao principe, e mantivessem a
ordem na capital.
Mas o principe de Coburgo voltou mais cedo
do que os conspiradores julgavam.
Panitza nao dissimulon a contrariedale que
lhe causara; antes a deu a counecer publica-
mente; e comegou a lizer entre os seas cumpli-
ces que era preciso matar Francisco de Cobur-
go os ministros stambuloff e Mutkuraff, e o co-
ronel Petroff, chefe do estado maior.
Algumas semanas depois reveloups planos da
coospirago ao tenente Rizoff, exigmdo lhe o
mais absoluto segredo ; disse lhe que, urna vec
destronado o principo Fernando, entrarh na
Bulgaria o general russo Demontovitch, como
commissario imperial, e que o czar proporia, -a
sea pedido, dous candidatos cora.
Como se impa-ientasse de esperar, o majot
Panitza tratoa de por em pratica o plano, e na
noiie de 11 de Janeiro ultimo, acompanhado pelo
tenente Rizoff, e por Amandoff dirigise a casi


*

1"' *
I-'.
*r.





&




i i
i .
----i


Diario de Pernambuco-Ter^a-feira 24 de Junho de 1S90
}

.
;
I

fc

4o Or. Mirkoff, obrigou o a levaatar-se da cao.
a iamou o, ameagando o com ura 'revolver, a
Sloroasse parle oo pronunaamenls. Mlrk**,
i de saade militar, dingiannuflin. ama
M corone Kissoff, mu amigo aa coaama:
a gnarnigo de Solia, para quaOnwse lado
la Ib fosee possivel pelos que lhe apnonol;
aaaelte papel, avisando o alm dwso de qae a
atoacao era amito critica.
Os conjurado* procuraran KhmS ;*flaas nada
cooseguiram delle. apetar damameagas e pro-
ateBsas, e a cooapiragao afeortoa,' sem >ajae eja
cal explicar qual a razo porque Panitza (icou
liberdade at ao Io de Fevereiro.
E' de suppor que durante a vista do processo
e esdarecam as suspeitas que esses e outros
helos fierain nascer, e talve se venha a demon-
strar que PanUza cootava elementos poderosos e
com varios batalnoes ecomma adn tes militares.
Essa esperang i em que se est, auguenta o
iateresse desta causa, destinada a produzir ex-
aetcional impresso em toda a Europa
Panitza declarou nao ter udo o intuito de fazer
atar o priocipe, mas de dar apenas um golpe
de estado. __
__O tribunal mamar-eeadero osa oonier Pa-
aaUa a ser fuzlado, com o direito de pedir io-
2U> desta pena os atieres Riz ff. e Aman loll a
C amos de prisao, o reo Kalobkoff a 9 anuos, os
eapites TalolT, Tebandarsff e Nioloff a 3 annos,
levando se Ibes em cora o lempo de deteaco
preveoliva, e stefanoff a 5 mezes de detengo.
Os ostros reos forin absolvidos.
O correspondente do Da/y News em Vien-
a telegraphou para aqaelle jornal, dando a no
beta de que um grupo d'uus 2o bomens bera
armados tentara surprehender e capturar o pnn
cipe Fernando de Coburgo. e os ministros bul
garoe, junto da estaca > de Bellova, na occasiao
em que estes ebegavara no coraboio especial qo=>
as cooduzio desde Jambob a Burgas no dia 27
de Maio ultimo.
Os conjurados tinham o firme proposito de
reler os viajantes, em refens, at obter a lber
aade do ex major Panitza e de outros presos.
Como o Sr. Siarabuloff, presideate do conse
Uto de ministros, fosse avisado da conspirago,
aen ordens para que o comboio partisse cico
aora? depois da que fra marcada, e nao parasse
aa esiafo de Bellova.
E assim abortou o plano dos conjurados.
V
AMERICA DO NORTE
Estado* Inldoi
A.- novas pautas aduneiras dos Estados Uoi
Jwaeausaram viva sensago na Allemanha.
Muitas cmaras do coramercio convidaram o
governo aliemo a fazer representaces ao gabi
nete de Wasbingloo sobre o assumpto.
Dozentos chefe-1 das mais importantes casas
de N*w Yo-k, Philadelphia eBoston, foram ouvi
dos bontem pela commissao do senado, afim de
protestaren) enrgicamente contra as 4ispo3c6es
aoai prohibitivas do bil Mac Kinlew.
Durante um baile, no palacio da exposigo
de Forthwo-tb, Texas, rebeotou um incendio,
que deslruio o edificio. Pereceram varias pes-
oas. e ticaram feridas muilas nutra-,
OSr Russell Hirrisson, fiibo do presidente
da repblica que assistia ao baile, consegua
sabir sao e salvo.
As ultimas informages recebidas de S
Francisco da California dizem que no desasir
do caminbo de ferro bo-ive 13 mortos e numero-
sos feridos.
INTERIOR
SL DO BRAZIL
Tiramos bontem as seguintes noticias :
Estado do Rio tirande de *>ui
Foram publicados uu Rio de Janeiro estes lele-
graawaas :
Porto Alegre, 16 de Junho.
A linio Nacional foi acceita em todo o Esta-
do, teodo adherido os Srs. Visconde de S. Jos
do Norle e Graga, Bardes de Santa Tecla, S
W; Assegu, Santos Abren, llaqui, Ibicocaay,
Inbaodahy, S. Jacob eBatovy ; goneraes Augus-
to Cesar Rizn, Baceliar, oato Roxo. Martins
teidoro, Luiz Alves, Barreto Leile e muitos olli-
ctaee saperiores do exereito e da guarda nacio-
nal, chelea polticos dos antigos partidos e o
alto commercio das principaes cidades.
Brevemente proceder-se ha a leigao do di-
rectorio definitivo.
16 de Junho.
Por decreto de 14 do correte fol concedida a
garaolia de 6 / por 10 annos ao capital maxi
a de 2 000:000* para as obras do canal d;
Porto-Alegre Laguna. A effectividade da ga
nata ser depois de annnnciadas as obras e o
pagamento na proporco do capital empregaclo,
com a obrigago de apresentar os estudos defi
aitivos no prazo de dous annos, antes de co
meearem os trabalhos. sob pena de caducidade.
Capital Federal
Dalas at 18 de Junho.
L se no Jornal do Commercio de 18 :
. No hotel do Globo realizou-se bontem o ban
orte offerecido por grande numero de amigos
aoSr. Dr. Julio Castno, redactor da Federacao.
de Porte-Alegre.
Asseniaram-S2 mesa mais de cineoenta
pessoas e entre essas o* Srs. ministro da agn
cuitara^ Dr. Sarapaio Ferraz, chefe de polica.
Br.-lamn) Barcellos, o i tenente Pedro Vello
so pelo Sr. ministro da marinba, repre>entantes
do exereito e da armada, da Imprensa e de di
versas classes sociaes.
No banquete rrinou a mus cordial satisfa
eo e ao servir-se o cbampagne coraegararu os
brindes seodo o primeiro em norae dos manifes
lames pelo Dr. Silva Jardim ao Dr. Julio Casti
ibo, caja passudo lembrou, fazendo o elogio de
aoa dedicago e esforgo pelas ideas republ
caDas.
Respoodeu o Dr. Julio Castilho agradecerlo
qoellede patentear os intuitos do seu partido
no Rio Grande que s quena a ordem e o pro
gresso e a un ao do Brazil, saudou a Repblica.
Seguiram se brindes do Sr. ministro da agn
euttar. membros do governo, ao Dr. Ramiro
BarcKlloSi ao exereito, rmala, 4 imprensa, ao
r. Sampaio Ferraz, Demetrio Ribeiro,1 Silva
Janlim. Barros Cassal e potros.
O Sr. miniitro da agricultura fez um brinde
ao Dr. Julio Castilho, preceden io-o de conside
racos sobre a poltica do governo e externando
ideas de moderaco e tolerancia, que foram mui
lo applaudidas.
Ao brinde feito imprensa responden o Dr.
Ferreira de Araujo, fallando o representante
desta folha em resposta .a urna honrosa sauda
{Ao do Dr. Saturnino Cardoso.
O Dr. Ramiro Barcellos saudou o Sr. minis
tro da sericultura.
O Sr. Dr. Julio Castilho fez o ultimo brinde
ao geoerali8simo chefe do governo, cuja lealda-
ae e sinceridade era por lodos reconhecida.
O banquete que principinu as 7 biras rea-
boa as 41 da noile, sendo Sr. Dr. Julio Casti-
lbo abracado e felicitado pelas pessoas prsen-
le.
Ewtado da Btala
Datas at 20 de Jonbo :
As folbas deste EsUdo.nada referem digno de
aota.
(JLESTOES sociaes
Enaauclparo da mulher
(ULTIMA VEKBA)
Os qoe- tiveram occasiao de 1er meus artigos
aavtam de ter visto que eu combat a propagan-
da de que se consiituio alhleta a Exma. Sra. ba
ebaret Mara Augusta, teudo em visU que a am-
pliaco de direitos polticos e civis s mulheres
Mana eomo consequeotes outros untos deveres.
oe senam pesadissunos oous, de todo, iocoin
pativais com o sea carcter e sua missio.
Asaim nao se comprehendena, par exemplu.
ri.Boaa KUhora, j nao fallando na obngacio
servico militar, para oqual incoherewtmente
iDteodeu miooa aougonisla abrir urna excepcao
para as mulberes, cecoobeceodo-lhea nalurfU
frapUdad*. abaodooaafte sua casa por 1S das
aa um meav dctxaodo., al ateos -. aa desamparo,
atina da servir noiurf.
tnrinftiri que em Pora o (>apek d. mulner es-
riaasa eJnauMcripia no lar, aro-por sso e^a
gMMOf sabliine na sociedade a sua missao, como
atacadora iotetligeole e consciente de seos fi
Nao regaieei a mulher o direno de instruir se,
de cultivar as lastras, as bellas arles e as scienf
ca. E al para saa condicio de educadora dr
utsacianecessario qae elta at casta poni
saja versas* nos conaacaaentes hmnnana
4oaa sate bellos aortsaotes se polstaanncor
tiaar masber ?
Leibnia dizia en me eocarregarte da-mu-
dar o mundo ; se padesse mudar a edacacio das
geraedes que oascem.
Mas eu opponna me a que a mataar seja poli
tica, a que tenba o direito de estar sempre a re
presentar o papel da Snha Anninha na Torre
em concurto... Inde ira.
Dab o iocommodo de minba dislincta anta-
gonista, que parece estar a ouvir soar lhe de
roda urna voz semelbanle ao dito funesto das
brnxas a Macbeth :has de ser deputada.
Desejo dar por tfnda essa discusso em que
involunuriamenie metli-me.
Pode miaba llmtre antagonista permanecer
na sua opinio, continuando na brecha de sua
propaganda; mas, oonceda-me a liberdade de
man ter firme e inabalavel a minba opinio, con
forme teobo expendido:
Estoo certa de qu? poacas serio as sen no-as
que peosaro com minha adversaria, e anda
menos os homeos sensatos
i Alguns phiiouphos estragados uns tantos poetas
que querein an^ariar a sympathia do bello sexo,
algumas raocJtlas cuja bagagem litterana for-
mada pelos lances de alguns rom necs burles
eos, e que visam capiar a attengo do sexo-forte,
eis a caravana que. estou persuadida, ha de
acompanbar e bater palmas s pregoeiras da ho
mi/icacao da mulher.
A mi de familia que qoer cumprir religiosa-
mente os seus deveres domsticos, supenatm-
dendo nos negocios do lar, sendo ella propna
a preceptora de seus tilhos; que come.ee a curar
delles desde seus primeiros vagidos, nutriado o
com seu proprio leite, de preferencia ao de ani
maes ou mesmo do das amas, nao raro viciadas,
essa nao se lembra de querer ser emancipida
para gozar do direito de votar e ser voU da, ele
A fallar por mim ivmfesso que se conferissem
mulher o gozo de direitos civis e polticos,
seria eu a culada menos frequenle no exercicio
e meus direitos e mais relapsa no cumprimen-
to de meus deveres.
Nao me valeram o com met meato e simpleza
com que defend miaba oninto: a minha con-
tendora servio-se de grajoias contra minha eren
ca de catholica, usou de remoques, talbou me
incabiveis carapucas e quiz at mdipor-me com
os militares enxergando no meu ultimo artigo
expresses desagradaveis contra essa classe I
Esta ultima coarctada, na verdade, fez me
rir.
Mas dou ludo de barato.
Minha illuslre coitendora prenio se comigo,
sem razo, talvez, tomando a naoem por Juno.
Demais, eu sei que quando as mocas se zan
gam. gostam de fazer exploso.
Eu a desculpo; o que quero que minha dis-
lincta patricia se convenga de que nao live n-
leocio de molstala, se por acaso vio-me e:n-
pregaralguma palavia que nao lhe quadrassse.
Se. uo a cooheco pessoalmente, nem por sso
faliam-me motivos para actala e mesmo est-
mala, pondo de parte MU theorias; e era para
sso me era preciso conhecer a mxima de San
lo Agoslinho : deligite homines tnterfieUe errores.
Se meassegura dissipar sua irastnha contra
mim, nao Juvidare ceder em seu favor os pri
vilegios a que me cousiderou com direito pelas
descobertaa que descobrio, no3 seus despreten-
ciojos escriptos, concedendo-lhe a faculdade de
vndelos nao s aos inglzes como alaos beo
cios. Recife, 23 de Junho de 1891.
Altee Ethelvina de M. Lyra.
se bao os acadmicos, atira de elegerem dous -nigto russo no
asadaaas, am ppgaada 4a Fnateada, outrcvaiH dacaco e pelo
catoaiaasVsgipaa*. para^prasaqtatstanajaasdo
camjsjaaaarativ da fallaaimeaso do IV. "
JssrtaBMpo dia-.M do caaren.e.
Brazil, perfe/to gaUltman pela
(rato.
Exc tein visitado quasi toda esta cidade e
-Tafea* eus arredpres em compaahia do digno cnsul
a Russia n'este Estado, o Sr. commendador Jos
Kattseaamos, e agasdecemas a. latonio Pinto ; e pretende fazer diversas excur
REVISTA DIARIA
CouatltulcoComo se ve* pelo telegraf-
an oflicial abaixo inserido, cuja copia nos foi
remettida pela Secretaria do Governo deste Es-
tado, j foi assignado o decreto que promulga a
Constitoico Poltica dos Eitados-Unidos do
Brazil.
Entramos emfim n'um rgimen definido, em
que o cidado lica sabendoo que pode e o que nSo
pode fazer, ques os seus direitos e quaes os
seus de veres.
Eotoemos hosanas por esse acontecimento,
que vai ter mgica nlluencia nos destinos deta
patria, que todos estremecemos.
Eis o telegrammi oflicial, coatendo a boa
nova :
Copia. Telegramma Circular procedente
em 22 de Junho de 1890Ao goveraador do Es
udo.A's cinco horas cincoenta minutos tarde
foi assignado decreto Coastituico Repblica
Estados Unidos Brazil. Servio penna ouro pe
dras preciosas offerecida Generalsimo pelos
ministros. Seguio se jaotar em palacio chefe
Estado. Assgaaram decreto membros governo
seguinte ordemDeodoro, Ruy. Benjamn, Wan-
deakolk. Fionano, Quintino, Campos Salles, Ce
sario, Glicerio. (A-signados) Deodoro, Ruy.
Gliceno, Cesarlo Aivim, Benjamn i onstam,
Eduardo Wandenkolk, Quintino Bocayuva, Fio-
nano Peixolo, Campos Salles .
dais; manlirlpal e de orplioaPor
portara do Ur. governador do esiaao, de 21 do
correte, foi nomeado o bacbarel Joaquim Lau-
rentmo de Andrade para o lugar de juiz muai
cipal de orphos do lerrao de lpojuca
Expoalcao IHaf versal de Parla-Re
cebemos de Pariz, pelo ultimo paquete, 3 29 vo
lume das Causertes ScieiUi/iques, do Sr. Henrique
de farvlllc, edi'etado pela casa J.'Bothschild, a
ra des Saints Peres n. 13.
E' um grosso livro, em 8 pequeo de 700 pa-
ginas, adornado cora 700 vinnetas, de ntida im-
pressao, e consumilo u n todj perfeito e ac
bado sobre a Exposicio Universal de Pariz, em
1889.
Desde a idea pr mitiva dessa monimental ex
posijo at os ltimos actos a ella coocernentes,
ludo ahi historiado com rainudeocia, ludo
explicado, tudo exeraplificado com as estampas
e descripcOes completas.
As diversas parles da Exposico. tanto no
Campo de Marte, como no Trocadero e na Es
plaoada dos Invlidos, e em cada urna dessas
parles os diversos edificios e annexos que a
constituram, sao delineados com muilo criterio
e preciso tal, que rica se fazendo urna idea cla-
ra da disposic&o do coojuncto da exposico.
Cada um dos edificios objecto de urna critica
histrica que vai de suaconstruecoao seu fnne-
cionamento orno orgo da exposico ea respei
lo dos obiectos expostos era cada uo faz se urna
desenpei) rpida, notndose os melhoramen
tos iotroduzidos em cada ramo das artes ou in-
dustrias respectivas.
E' um trabalho primoroso; o mais completo
dos que eoooecemos sobre a Esposic > Udiver-
sal de Pariz, e que faz honra tanto ao sea autor,
0 Sr. Heunque de Par vi I le. bem conbecido no
mundo scientilico e industrial, como ao edictor
o Sr. J. Rothschild, igualmente conbecido como
livreiro e emprezar de publicacoes luteranas
e scientilicas.
Recomraendam )s essa obra aos nosso leito
res, que nao teodo ido a Pariz por occasiao do
magestoso certamen industrial de 1888, qnize-
rem formar urna idea approximada da gran dio-
sidade da Exposico Universal e dos grandes
meios poslos em acc&o para realisal a.
E aos Srs. Henrique de Parville e J. Rotnscbild
agradecemos o seu delicado mimo.
Caveraador do Plaatay-A bordo do
vapor Pernambuco, hoje esperado do norte, che-
ga a esta cidade o honrado major do corpo de
engenoeiros. Dr. Gregorio Taumaturgo de
Azevedo. qoe acaba de deixar a adrainistracao
do Estado do Piauby, por ter sido chamado
Capital Federal pelo governo provisorio.
0 desembarque do illustre militar e de sua
Exma familia ser no Arsenal de Marinba, on-
de devem reunir-se os sem aangos para rece-
fcttfcd.
Os piaabyenses e outros amigos.do Dr. Tau-
maturgo oterecem-lhe boje am banquete em de i
monstraco da estima e merecida consideraco artistas
que Ibe votam.
1 Dando as boas vindas ao Sr. Dr. Thanmalurgo,
sandamol o cordial roen te.
Dr. Toklaa arretoNlrivraria Qnin-
us,* ra l4e Marco, estar expasto amanbi*o
reralo a aleo desse Ilustrado e alentoso mes-
uueza da rcmessa da umexemplar do Almaaacls
do Diario de Sutiaas, da Babia, para-e correte
anuo da 4890. .
Alm o kaleadario e doaimiank propria-
meate dita, traz urna bella eoiteecfc de chara-
das, logogriphos, enigmas, contos, historias e
)qira8 diverges para o espirito, constituindo a
parte luterana.
E' mais desenvolvido do que os volumes ante-
riores, e m ;lhor confeccionado.
Tratado de arbitramento -L-se no
Jornal do Commercio do Rio de Janeiro :
E' sabido haver se reunido em Washington,
por convite do goveruo norte americano e me-
diante autorisacao legislativa, um congresso
destinado a examinar e a assentar as bases de
diversas convelieres ou tratados entre as nac5es
do Novo Mundo. Um dos fins do congresso, o
mais importante, foi assim definido no pro-
grmala da coovocago dirigida ao governo da
Brazil e a todos os outros das naces ameri-
canas :
Accordo e reeommendacSo para que os go
vernos adoptem piano definitivo de aroitrameo
to para todas as quesiOes, d-isaven^s e diyer
gencias que possam, agora e oo futuro, existir
entre elles, cora o fim de que todas as difficul-
dades e desavengas eotre essas n ijocs se resol
ara paciiicamenle evitando-se as guerras
De posse da copia do tratado referente a
este objecto, dirigi ante bontem o Sr. ministro
das relages exteriores o seguinte aviso ao Sr.
Dr. Salvador de Mendonca, enviado extraordi-
nario e ministro plenipotenciario do Brazil era
missao especial junto do governo em Washin-
gton :
* Rea;bi, com o vosso officio n. 5 de 28 de
Abril, copia do tratado de arbitramento a que
elle se refere a penna com que assignastes
esse tratado. Com prazer vos coraraumeo que
o governo provisorio o approvou e por este mo
uvo comvosco me congratulo.
Sade e fraternidade.Q. Bocayuva.
Monumento a ClirixtovAo Colom
bo Ao Sr. ramistro do Per dirigi o S>\ Dr.
Joo Sevenano da Fonseca, secretario do Insti
tuto, o"seuinte officio :
las iluto Histrico e Geo?raphico Brazileiro
Rio de Janeiro, 10 de Junho de 1890Exra.
Sr. ministro. -O Instituto retebeu com a mais
viva satisfac&o e reconhecimeoto a nota de V.
Exc, relativa idea suggerida no Instituto
Geognaphico Argentino de el-var-se um monu-
mento a Christovo Colombo no 4 centenario
do descobriraento da America ; monumento cuja
guarda a naco argentina, com o maior ies-
preudimenlo e galhardia, alienou de si e ati i
buio ao Brazil, designando para recebel-o a sua
c .pital, por sua posipao geographica e raagnirl
cenca natural, mais ainda acceatuada com o
magestoso monolytho que lhe guarda a entrada.
0 Pao de Assuear. como que predestinad) pela
Providencia para pedestal do padro de josUca
e reconhcimento da America ao sen immortal
descobndor.
V. Exc, Sr ministro, com urna gentileza
que tinto vos nobiiita e engrandece, como enche
de honra e orgulno o Instituto, apressou se ao
ter noticia dessa idea, a congralular-se calorosa-
mente comnoscb, e em aorae da generosa naci
nalidade :que V Exc. to dignamente reoresen-
ta, e a cujo governo vai dar sciencia de tao alto
commettiraeoto.
E o Instituto, gra^o vossa delicadissima
attenco manda me aprcsenUr vos seus since-
ros e cordiaes agradecimentos.
Com a mais profunda consideraco e res
peito aceitai, etc.Dr. JooA Severiano da Fonse
ca, 1 secretario.
Club Enarliiia Essa sociedade faz hoje
no Prado dd Estancia, do Derby Club de Per
nambucu, a sua festa mixta.de corridas hyppica
e raza, addicionada de urna parte a cabriolet
sob a drrecco de autora'dontes femenis, as se
noritas Amelia Lopiccolo e Alba Sequilers, dis
tinelo artistas da Campanhia Heller.
Alm dos differeotes pareos de que se comp5e
a festa em seu todo, que frisamos, por isso s
imprime-lh um eunho de originalidad* que at-
trane, e lhe acceotua urna aoimaco, que lici-
to presuppor na mesma festa.
E Uto aprecial o-hemos em poucas horas.
A festa do Club-Esgrima, pois, por sua com
posico de divertimeatos variados, por sua dis
tribuigo bem pensada, nao pode deixar de agr
dar e por conseguinte de attrahir sua assis
leticia a nossa populaco, que no bello Prado da
Estancia passar algnmas horas de vrdadeiro
entretenimento, de urna diverso aprazivel.
O Dr. Joaqulm Pernambuco-Sobre
a chegada capital federal do illustre pernam
bucano Dr. loaquim Jos de Almeida Pernam-
buco, escreverara o Correio do Povo e o Diario de
Noticies as locae? que abaixo traascrevemos, e
! aquelle illustre cavalheiro.
Ao Sr. Dr. Almeida Pernambuco, que ante
hontem chegou a esta capital, de volta do norte,
a bordo do vapor Magdalena foi fela amistosa e
enthusias'ica recepcao por parte de seus amigos.
O Sr. Dr. Pernambuco foi muito cumprimeotado.
Entre as pessoas que o receberam estava o Sr.
Quintino Bocayuva, ministro das relaces exte-
riores
Na casa do Sr. Dr. Pernambuco tocava urna
banda de msica-militar. S. S. chegou ao nie'o
dia, acora anhado de grande numero de seus
migos. aos quaes ofereceu um magnifico almo
50. Durante elle trocaram-se diversos brindes
sendo por differentes vezes saudado o distlncto
demcrata a quem se fazia t5o significativa ma-
nifestado.
Sympathica e significativa recepgao teve
hontem o disiincto republicano Sr. Dr. Almida
Pernambuco, de volta de sua viagem ao norte.
Foram bnscal o a borlo com banda de musi
ca, rauitos amigos e co religionarios, entre os
quaes notamos o Sr. Quin'.ino Bocayuva, minls
tro das relajOes exteriores, i grande numero de
pessoas gradas.
Era casa do illustre demcrata realizouse orna
festiva manifestago de apr-.co e syupalhia^ a que
se seguio um opulenta almoco, durante o qual
se trocaram calorosos brindes.
Dessa festa, que esteve brilhantissima, o Sr
Dr. Pernambuco guardar de certo gratas re-
cordagOes.
Por nossa parte, cumprimentamol-o ainda
urna vez.
TtaeatroNos dous ltimos espectculos foi
sceoa no Santa Isabel O Annel de Salomao, leu-
da phaatastica, em 3 actos e 15 quadros, de
Eduardo Garndo.
E' urna peca no mesmo gosto da que se inti-
tula Ati Baba j conhecida dos lettores, e; coa"
esta, oiiunda da mesma fonte As mtleumi mi-
les. O Annel de Salomao um talismn seme
Ibante Lampada de Aladino, e sens persoaageas
sao muito conbecidos de qu menso amontoado de contos e lendas. De en-
redo cheii de situaees iaverosimeis e fnaladas
era cousas e persoaageas soorenaturaes, frtil
em sorprezas e mutaces e em quadros pbahtas-
ticos, e, por isso mesmo, teodo muito que ver
para os olbos do corpo, em nada interessa aos
10 espirito, que apenas apanha de longe alguma
critica e ligo.
Os vistosos vestuarios, os magnficos scena-
rios, as boas scenograpbias e as mutacOes reali
zadas com limpeza, coostituem o grande -mere
cimento da nova peca. Ha n'ella esplendidas
apotheoses, e a ultima que realmente deslum
Orante, produz um effeito sorprendente.
Desde que vimos anaunciada a peca como de
E. Garrido, e, portan to, escripia e posta em cena
no Rio de Janeiro, nao nos irpressionaram,
quanlo msica, os nomes deSuppe Planquet
te, embora maestros vantajosameate conbecidos
ao dominio das operetas, pois previmos que tra-
tava se apenas de alguns trechos de couiposices
suas accommodados aova produeco d'aquelle
escriptor. Nao nos engaamos; assim Sao
raros os nmeros de msica, e, como excerptos
que sao de diversas composicOes. nao tm origi-
nalidade nem unidade de pensamento e inspi
raco.
A execuc&o corren bem; a companbia desem-
penbou com limpeza e graca o sea trabalho ; os
artistas, qae lm merecido nnssos elogios oto'
deemereceram d'elles. Si algum reparo houves
sernos de fazer, seria relativamente a ama das
fadas que deaeuidou-se de bem estudar o seU
papel.
-. Seare ootavei concurrencia e granda 'favor
dapaMico.
viajasteChegou ltimamente do sul am
de vwitar o Estado de Pernambuco, o Exm. Sr.
tre, generosa offerta do nosso distincto amigo
Dr. Juvencio de Aguar mocidade acadmica.
Amaob, u Faculdade de Diraito.reunir-' P. Bogdanoff, encarregado dos negocios do mi-1 qu enca media *.
sdes pelo interior.
Honiem S. Exc. seguio para a Colonia Orpha-
nologica Isabel,.estabelecimento que trazia o en-
argo de visiUr.
Coraprimen'amos o illustre viajante.
Faculdade de DireitoQuinta feira, 26
do corrente, comecaro na Faculdade de Direito,
os exames de in?lez, geographia, chorographia
e historia do Brazil.
A primeira d'esta3 bancas ter por presidente
o Dr. Portella Jnior e aerao examinadores os
Drs. Adeno Filho e Barros Sobwabo.
A outra banca ser presidida pelo Dr. Cirne,
examinando os Drs. Bandeira de Mello e So
riauo.
Os exaaes de chorographia e historia do Bra
zil effectuir-se bao aps a concluso dos de geo-
graphia.
Proclama* -Na audieacia do juiz dos ca
smenlos foram apregoados os seguiotes pro
clamas:
PrimeiroDe Igoacio LeitSo da Costa Macha-
do com D. Maa Francisca de Barros, soltaros.
Primeiro De Joaquim Antonio Damazio com
D. Emilia Fernandes Marcos, solteiros.
PrimeiroDe Joao Montezuna de Carvalho com
D. Josepha Eutbalia Carneiro Leal, solteiros.
PrimeiroDe Joaquira Rodrigues de Souza
Cont com D. Mara Margarida da Silva, sol-
teiros.
Segdndo De George Farmsr Brain com D.
Mana Antonia Schuller, solteiros.
SegandoDe Trajaao Jos de Liraa, msico
do 2 batalho de iofaotaria, com D. Brazlliria
Toeotooia Bezerra, solteiros.
Correto geral Realisou se hontem o
concurso para provimento de urna vaga de car
teiro na repartico geral dos correios.
Compareceram 20 candidatos, seodo apena
classitloados os cilados Riymundo Theodoro
Godinho, em Io lugar, Lndeiino de Luna Freir
Jnior em 2 e Erasmo Vieira de Macedo, em3".
Por portara do administrador foi nomeado o
Io classifiiado.
Eiirada de IVrro de Ta mandare
Barra de Janeada Noj v p ir nacional
Beberibe chegou de Aracaj a commissao de en
geoheiros que, por farte da empreza de Obras
Publicas 110 Brasil, do Rio de Janeiro, vai fazer
a explorac 1 da estrada de ferro de Taraandar
Barra de Jangada.
Esla commissao, cujo chefe o Dr. Herraillo
Alves, acaba de fazer os estudos da estrada de
Aracaj a Simio Das, no estado de Sergipe,
por conta da referida empreza de ob as publi
:a8, a quera se deve urna serie de melhoramen
ios pblicos no no* aja e cajo presideate o
Dr. Mmoel liuarque d Macedo.
A commissao dawpartir para o interior, por
loda esta sraana^mm de iniciar os seus traba
los.
Club Carlos orne* O beneficio que
rievia :er lugar, era favor do Sr Lino da Encar-
nago, hontem, foi, em consequencia da ngon
sa cuuva transferido para seguoda-feira pr-
xima.
O Crrelo -E' um novo jornal heb lomada
rio cujo Io numero sabio hontem nublici-
dade
0 Correio, que diz ser o trabalho em prol da
patria, nao faz nem aprsenla programla, por
sera sua norma acompanhar a seleceo poltica,
o periodo de reorgaoisaco da patria, procuran-
do sempre e sempre accelerar o progresso ; e si
alguma cousa acceotua que possa asse nelhar-se
a programma, est aa affirmaco de que ha de
defender a liberdade em qualquer das suas mul-
tplices manifestagOes.
O novo peridico orgo, no entretanto, de
propaganda republicana e instrueco para o
povo. Tem por colaboradores os principaes
escriptores dos EstaJos-Unidos do Brazil, e
propriedade de nma associaco e direccJo poli-
tica do padre! Roma, como esi expresao em seu
frootespicio.
Desejamos ao novo paladino gloriosa vida pela
consecuco de seus fins, e lhe agradecemos a fi-
neza da visita.
E' este o summario d'esse Io numero:
O CorreioA verdaieCasamento civilIgre
ja livrePartida catbollcoVigario conspira
dorCarta do RioReligio e cleroRepor-
ta gem.
Banco BmiMor-L-se nos Precos Cor
rentes, de Campos Moraes & C, do Rio Grande
do Sul, sob esse titulo :
< Estabeleceu se nesta prar.i a Caixa Filial do
Banco Emtssor do Sul, com carteira bypotheca
na, visto que fez fuso com o Banco de Crdito
Real Rio Grandense.
E' mais um elemento para o commercio que
recebe importantes beneficios, e at aqu estava
adstnct s onerosas condices do London and
razitian Bank, que tinna o monopolio do mo-
v ment para o exterior e da maior parte do com
mercio de cabotagem.
Tao reclmalos-Acham-se deposita-
dos na Secretaria de Polica dous pers e
urna gallioba que foram app-ebendidos em mo
de um gatuno, pelo subdelegado do 1 districto
d) Pogo da Panel la, e serio entregues a quem
se apresentar reclamando os, dando os precisos
sigoaes.
Vacclna publicaHontem foram vacci
nadas, na inspectora de bygiene, 15 pessoas,
pelos Drs. inspector e seu ajudante,
Club Republicano da Boa VistaA
sesso ordinaria deste club, que devia ter lugar
hoje, foi transferida para amanb, s 7 horas da
noile.
IVomeaco de fabrlquelroO R.'J n.
Sr. cooego governador do bispaio oomeou o ci-
dado Jos Crispiniano da Silva para o cargo de
fabriqueiro e administrador da capella e patri-
monio da igreja de Nossa Seohora da Boa Via-
gem.
O noraeado j prestou juramento e assumio o
exercicio desse cargo.
Barea Chas Laalaf Sabbado pelas 9
horas da aotte, a bordo desse navio americano,
de que capito o Sr. lolsen, o tripulante Mi
chael em lula com um companheiro de nome
Tred Johson, v.brou l!i; ama catilada, que api
nhou-lhe o lado esquerdo do pescogo era gran-
de extenso e provocou copiosa emisso de san
gue.
Por aviso da gente de bordo, teve conheci-
meato o Sr. commaadante da 2* estago da
guarda cvica dessa oceurrencia ; e providenciou
para logo no sentido da prisao do delinquente,
bem como de vir para trra com o ferido, afim
deste ser tratado e aquelle recolhido Casa de
Detenco. No entretanto, a prisao s tornou-se
effectiva no domingo pela manha por dependen-
cia de outras ordens, sendo eoto recolhido o
ofiVosor cadeia por determinago do Sr. aub
delegado Santos Neves.
O ferido, na propria noile da oceurrencia, foi
logo medicado pelo indefesso Sr. Dr. Souza, o
qual consideran o fenmenlo de natureza leve,
embora a extenso do mesmo e a hemorrbagia
onsequente ter sido um pouco abundante.
Pensao( mente po e mel sold
Consta va ao Paiz, que seria submettido assig-
natura do chefe do governo provisorio um de-
creto do ministerio da -fazenda, determinando
que as Sras. casadas, sem dependencia da ou-
lorga ou procurago dos respectivos maridos,
podem receber o que Ibes tocar por penso,
monte pi ou meio-soido.
BomboHontem por volta d- 11 1[2 horas
da noite foi o escriptorio da Companbia do
Caxang visitado por fmembros da Olho vivo,
sendo dahi mudada a quautia de cerca de M,
que exista n'uma gaveta e pequeos babus
de folha, oslquaes foram para isso forjados.
A entrada dos larapios devia ser-Ibes cousa
nao muito diffi il, visto que pouca segnraoga
offerecem as fecbaduras do referido escriptorio,
que alm disso tica em|situago um pouco excusa
e de rarissimo transito depois de certas horas,
mxime em noile chuvosa como a em que teve
lugar o assalto.
Por obra ee meia noite o subdelegado teve
cpmmunlcaco do occorrido, e tomou coflhec-
mento do facto.
Lj-ceu de Artes e Ofllelos 0 movi-
meaio escolar desse estabelec:ment no mes
(indo foro seguinte :
Na I* cadeira de portuguez para enancas, ma-
triculados 80, freqoencia media 34; e na de
adultos, matriculados 70. frequencia 28, 58 ,' e
da cadeira da mesma discipliaa,aKtrioulado8
95, frequencia media 30.
Na cadeira de franca,., matriculados 38, fre
qnencia media 10.
Na cadeira de ingle, matriculados 14, fre-
Na cadeira de ari'hmettca, matriculados SO,
frequencia media 11.
Na cadeira de geometra, matriculados 11, fre-
quencia media 8.
Na cadeira de desenlio linear, paysagem e
pintaras, matriculados 30, frequeacia media 13.
Na cadeira de msica vocal, matncnlados 112,
frequencia 23 ; e na de msica instrumental,
matriculados 31, frequencia media 13.
Com excepgo da i* cadeira de portuguez,
achara se encerradas as matriculas das diversas
aulas do curso, sendo admissiveis, porem, ma-
tricula aquelles qne a pretendam e oeste sentido
requeiram.
A cadeira de chimica, que comegar a func-
cionar no dia 4 de Julho prximo, sob a regencia
do Dr. Augusto Cjeiho Leite. ter exercicio s
segunda*, quartas e sextas feiras das 7 s 8 ho
ras da noite, conservando-se aiuda aberta a re-
spectiva matricula.
Servico militarE' hoje superior do dia
o cidadao capito Leonsio e faz a ronda de vi-
sita o cidado alferes Armando.
0 14 batalho dar a guarnigo da cidade.
Amanb superior do dia o cidado cap
to Xavier, e far a ronda de visita o cidado
tenente aju lanle do 1.a
O 2o batalho dar a guaroigo da cidade.
Estrada do MaduroSjbre o facto a que
alludio um leiior-e assignante, e cuja exposigo in-
serimos neste Diario era edigo de domingo ul-
timo, o digno subdelgalo do respectivo distri
cto, Sr. major Luiz Cintra, dirigi nos as se
guintes linhas :
Sr. redactor.Rogo lhe queira, pelo seu con
ceituado jornal, publicar as seguiotes linhas. em
refutago ao qu sob a epigraphe cima, afjirma
um leitor e asngnante em o Diario de hontem :
Apezar do limitadissimo numero de pracas
que corapOera O destacamento d'este districto, lo
davia capricno em fazer um servigo regular, de
modo a raaaier a tranquilidade e respeito lei.
que tem existido at hoje, rondando o districto
durante toda uoite, com auxilio de cidados, que
a isso se prestara de melhor vontade, que o Sr.
leitor e assignante, que utvez tomasse a nucem
por Juno, vendo 12 individuos, dos quaes, um or
dtnariamentc se finge embriagado para atacar as
senhoras.
Ora, meu caro Sr. leitor, seria mais acertado
dingir-se a esta subdelegada na occasiao em que
ura dos taes foi caltir em cima de urna senhora
para pedir providencias, do que estar a contar
historias da meia noite.
Santo Am.ro 23 de Junho de 1890.O sub-
delegado, L. Cintra.
En mola -Sob a assienatura Um leitor ad-
mirador do Diario, recebemos hontem urna carta
acompaahala de 5000 para dividir com viuvas
pobres.
Agradecendo a incumbencia, assim a desem-
peo hamos :
A' D. Herminia Sette, ra Visconde de
Albuquerque n. 64 11000
A' D. Mara Autran, ra de Sania The-
reza n. 33 1*000
A' D. Maria Valentina da Conceigo
Gayo, ra de Hortas n. 66 1,1000
A' D. Aotonia da Conceigo Xavier,
praga da Repnblica n. 1 IjlOOO
A' D. Isabel J. de Brilo Monteiro,
becco do Veras n. 18 1*000
Tribunal do Jury do BeclfeNao
houve n.jtite.o julgamenlo neste triDunal falla
de juizes de facto em numero legal.
Apenas 2o jurados respnnderara chamada.
Foram multados em 205 o* que faltanm e
sorteados os seguintes supplentes:
Recife
Francisco Teixeira de Carvalho.
Pergentino Saraiva de Aranjo Galvo.
Amonio Marques de Amorira Jnior.
S Jos
Epiphaoio da Rocha Waaderley.
Geauiao Jos da Rosa.
Hermenegildo do Amaral Lemos.
kr. Jos Nicolao Tolentino de Carvalho.
Boa Vista
Adolpho Martins do Rio.
Jos Caetano da Silva.
Dr. Manoel Joaquim Silveira.
Manoel Alves Viiella.
Coronel Manoel Martins Fiuza.
Francisco Eliseu Antunes Ferreira.
Autonio Caldas da Silva.
Manoel de Alcntara Souza Gonveia
Jos Miguel Correia do ascimento.
Jos Xavier Faustino Ramos.
Afogados
Dr. Jos Rodrigues de Passo Netto.
Dr. Joaquim Pereira da Silva Guimares.
H'Traillo Lins 'llaves.
Joo Ribeiro Mootarroyos.
Alfredo Ferreira Bailar.
Nacionaes 421, mulheres 16, strangeiros 14.
-Total 451.
Arracoados 379.
Sons 360.
Doentes 14
Loucos 4.
Louca 1.
Total 379.
Movnento da enfermarla
Tiveram baixa:
Apoiinario Vieira de Carvalho.
Antonio Flix do Monte.
Joaquim Jos da Costa Colho.
Googalo Lucas.
Maooel Fraocisco da Silva.
Tiveram alta :
Manoel Joaquim de Santa Auna.
Francisco Tenorio dos Santos.
Foram visitados os presos deste estabeleci-
mento por 175 pessoas, sendo 85 homeos, e 90
mulberes.
Sania Casa de MisericordiaNessa
corporago nao ha boje expediente por ser o dia
santificado.
Ho ptal de Santa Agueda-0 roovi-
ment deste esiabeleciraento (para variolosos)
uos das 21 e 22 do corrente, foi o seguinte:
Homens Mulhere Total
Existiam
Entraram
Saturara curados
' I Falleceram
Existem
Hospital Pudro n
stabelecimento de caridade, no dia 22 de Junho
foi o seguinte:
2
2
3
416
as respectivas enfermarlas
^J***
Poco
Arthur Silva.
A sesso ficou adiada para amaoh, s 10 ho-
ras.
Bom dardimEscrevem-aos dessa locali-
dade :
Attendendo s constantes reclamagoes das
autoridades desta comarca, o illustre Dr. gover-
nador nomeou urna commissao para o fim de
fornecer semeates aos agricultores arrestados
extrema necessidade. Lonvando esse acto do
governo lamentamos, entretanto, que para urna
comarca cuja populaco excede a 40.000 almas
se destiuasse a diminuta quantia de 300*.
1 As chuvas teem sido escassas e mal vo
dando para sustentar as pequeas plantagOes
que escaparam da peste das lagartas.
A cidade e todo o termo vai em paz.
Fanccionou a 2" sesso do jury neste'anno
sob a presidencia do juiz de direito Dr. Ges
Cavalcaote. Foram juigados os reos : Jos Alei-
xo de Fraoga, coademnado a 12 annos de prisao
com traba ho ; Jos Alexaadrino de Almeida, a
gales perpetuas ; Joo Jos Rardosa, dem ; Vi-
cente Micambyra de Oliveira, a 4 annos de pri-
sao com trabalho : Maooel Francisco Barbosa,
idem ; Francisco Soares Pereira, idem ; e Jos
Francisco de Lima, absolvido.
Serviram de advogados o Dr. Zozimo Ze.aai-
des da Cmara Lima, moel do ascimento Re-
g e o professor Maninho Jos de Jess, oceu-
paodo a cadeira da promotoria publica o Dr.
Bianor de Medeiros.
Parece que o jury de3te termo vai compre-
bendendo melhor a sua missao, nao concorrendo
para a impunidade dos crimes.
Os habitantes desta comarca que se interes-
sara pelos negocios pblicos, ticaram muito sa-
tisfeitos com o acto do zeloso e digno admiais
Iraor dos Correios expediodo malas extraordi
narias por estafetas particulares alm das da ta-
bella.
Assim teremos noticias di capital de dois
em dois das. E' pena que nao tenha havido
pontualidade na renies3a dos jornaes .
oireetoria das obraua de eonaerva-
cao dos portos de PernambucoReci-
fe, 22 de Junho de 1800.
Boletim meteorolgico
Horas lia, m Barmetro a 0 Tenso do vapor "2 3 na
6 m. 22,4 761-75 19,07 96
9 23',9 762-52 20,27 91
12 23,6 763-05 19,65 91
3 t. 23,7 76098 20.42 94
6 24*,0 761-39 19,81 89
Temperatura mxima5,25.
Dita mnima24.25.
Evaporago em 24 horas : sombra1",0.
Cbuva-23,-4.
Direcgo do vento : SE de meia noite s 2
horas e 5 minutos da manha ; E at meia noite.
Velocidade media do vento 1,"06 por se-
gando.
Nebulosidade media0,"92.
Boletim do porto
114 84 198
13 6 19
a- 0 2
2 4 S
123 86 209
-U moviraento deste
Entra ram
Sahiram
Falleceram
Existem
?oram visitadas
iloe Drs.:
Moscoso s 8 1/2
Cvsue.ro s 11.
Ferreira Velloso s 9.
Berardos 12.
Estevo Cavaicanie s-7 1/4.
O ajudante do phanaaceutico .entrn s 7 3/4
e simo as 5 1)2 horas da tarde.
Intendencia Municipal do Beeife
Rendimeoto do da 1 a 20 : 18:476i7ol
dem de 21 957843
19:434*594
Leudes -EfTectuar-se-hao os seguintes :
Amanh :
Pelo agente Martins, s 11 horas, na cmara
Je Olinda, de predios nesta e n'aquella cidade.
Pelo agente Pinto, s i2 horas, no Armazem
Livrameuto, de 2 000 fazdos de alfafa.
Pelo agente Stepp e, as 11 horas, na Cmara
de Onda, de um sitio com casa e um obra-
do.
Quinta-feira :
Pelo geme Pinto s 11 horas, 00 largo do
Corpo -amo. d- cavallos de corridas e e no lar-
go da Ponte Nelha l hora, de outriggers e es-
caleros.
- Pelo agente Martins, s 11 horas, ra do Ata
Iho n 3, de piano, movis e ouiros objectos.
MiNsas fnebresSerio celebradas :
Amanb :
A's 8 horas, na matriz de Santo Antonio, pea
alma de D. Maria Paula Je Abreu: s 8 horas,
as matrizes da cidade de Palmares e da Boa
Vista, pela alma de Mendo de S Barreto.
Quinta-feira:
A's7 1|2 horas, na matriz da Roa Vista, pe-
la alma de D. Maria Paula de Abreu; s 8 hp-
ras na Ordem Terceira do Carmo, pela alma de
D. Mara Isabel Simes
.Passaaelros-Sahidos paraos portos do
Norte no vap r aboatao :
Alferes Nicanor Guedes de M."Alves, eua se-
nhora. 1 ti I to e 1 criado, Guilherme Haidmann
e sua senhora, i esenpturario Luiz E. Pinheira
Cmara, sua senhora, 5 tubos e 1 criado, Joa-
quim L. Fiuza Luna, T. E. Dowaes, Sara Peixo-
to de Miranda Henrique, Luiz C. Freitas, Carlos
Salvines, W. H. Hildreth. W. Janckios, E. Tos-
selly, Adolpho Paiva de Vasconcellos, Ledpoldo
Meira de Vasconcellos, Alberto Bickel, JosjAf-
fouso de Miranda, Sebastio Chaves, Augusto
Panam, Antonio Jos Muniz e sua mulher.
Chegados do sul no vapor inglez Trent:
Alfredo Rhkel. Jos Affonso Miranda. Vicente,
Vicencia da Conceigo, Domingos Manoel da
Costa e ana senhora, Americo do Valle, Francis -
co de Souza, Joaquim J. Sant'Anoa e Richard
Sama.
Sahidos para a Europa no mesmo vapor:
Jos Feliciano da Silva e sua senhora, Roaven-
tura de, Amorim, Zacharias Rodrigues Armada,
Thomaz Carr, Roberto Shwan, H. B Cox, Mau-
rice S. Williams e 1 criado.
IiOteria do Estado de Pernambuco
-A 8 Serie da 1* lotera deste Estado, ser ex-
trahida impreterivelmente oo dia 28 do corrente
(sabbado), 1 hora da tarde, oo consistorio de
igreja de Nossa Senhora da Rosario, de Santa
Antonio.
IiOteria do Estado do iiram-Par
A 6* serie da 37* lotera cuio premio gran-
de de 60:00()000 ser extrahida no dia 28 do
corrente.
A 15" serie da 31' lotera deste Estado, cujo
premio grande de 250:000, ser extrahida
no da .. deJnobo (sabbado).
A 1* serie da 36' lotera, cujo premio gran-
de de 120:0001000 ser extrahida no dia .. da
corrente.
Lotera do Uaranbao A 21* ferie
da 1* lotera deste Estado, cujo premio grande
de 300:000*, ser extrahida no dia 2 de Ju-
lho (quarta feira).
Cemiterio publicoObituario do dia 21
de Junho:
Amando, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vista ;
varilas confluentes-
Anna Ferreira Barbosa, Pernambuco, 16 an-
nos, casad 1. Santo Antonio ; febre perniciosa.
Maria Digna de Paula Costa, Pernambuco. 28
annos, casada, Santo-Antonio ; queimaduras.
Mana Isabel Simes, Pernambuco. 50 annos,
solteira, Santo-Antonio : pneumona cancerosa.
Anna Maria da Conceigo, Miranh, 50 annos
solteira' Boa Vista ; gastro entente agndo.
; Candido, Pernambuco-, 2-oras,- S. Jos ; va-
rilas.
Alberto, Pernambuco, 6 annos, Recife ; vara-
las.
Ernestina, Pernambuco, 30 dias, Recife ; teta-
no dos recemnascidos.
Joo, Pernambuco, 20 annos, solteiro, Santa
gueda ; varilas confluentes.
Francisco loo Ferreira, Pernambuco, 41 an-
nos, solteiro, Santa gueda ; varilas eonfluei-
tes.
Firmina V. Penna, Pernambuco, 14 annos, sol-
teira, Recife ; diarrba.
Fellppe Pereira de Lima, Pernambuco, 28 an-
nos. casado, Santo Antonio ; febre paludosa.
Marcos, Pernambuco, S. Jos ; varilas.
Catharina, Pernambuco, 2 mezes, Santo Anta-
nio ; espasmo.
Isabel, Pernambuco, 4 annos, Boa-Vista ; va-
rilas hemorrhagicas.
Manoel, Pernambuco, 1 mez, S. Jos ; vara-
las. ,
Maria, Pernambuco, 6 mezes, BDalVista ; va-
rilas confluentes.
pan:

l
,-
h

.i
r

*sf
fl

*

CHEONICA JDICIARIA
M
M.
M.<
Dias
aa de
23
Junho

de Jonbo
Horas
1-33-da tarde
74a
1-53 da manh
Altara
0*75
a* 03
0-.93
Casa de BeteneaoMdvrmeoto dos rre
sos da Casa de Deteeao* d ReotfeVEstaTle de
Pernambuco, ^'Me'iaWWWWO, ,
EiiBtiatn 40/ ermT,''lal*BaJ-, existem
m.
A saber:
Junta Commerclal do Estadde
Pernamfonco
ACTA DA SESSA DE 19 DE JUNHO DE
1890
PRKSIDKflCIA DO CIDADAO DEPOTDO JOAQUIM OLINTP
BASTOS
Sectetarto, o cidadao Dr: Julio Guimares
A's 10 horas da manh declarou se aberta 1
sesso, estando presentes os cidados deputados:
Beltro, Hermino de Figueiredo, Paula Lopet,
e suppleote Fiuza.
Liia, foi approvada a acta da sesso ac'.erier
e fez se a leitura do segrate
EXPBDISNTK
0fficio8:
De 29 de Maio prximo p "ssado, do deputada
da Junta Commrcial^de'1 Porto Alegre, Fepaa
B. de freitas Norooha, commanicando que nesat
data foi eleilo presidente da mesma Junta.-*
Accuse-se-a racepgao e arcMve-se.
Di 14 do corrente, da1 jotr -dds' corretona'
dtstPpraea,'-enviando o bofctinv das coiagl*
officiaes de 9 a 14 do presente mez. Para
archivo.
m
T
_w



t
I
K

1
K
\
DiMriot OMcvrn de db. 141 151 -Sejam ar
Pona distribuidos rubrica os seguMos li
Diario de Rouqoayrol Preres 4 C, dito de
Goocal ves Canoa & C, dito da Vinva Lorega &
Oveira, copiadores do Banco de Pernambuco
e da Viave. Lorega 4 Ollvein.
DESPACHOS
PeticOea:
De Hersilio Pereira da Cunha, tendo compri-
mo o despache de 12 do corrate, solicita o re-
giatro da marca. Regstrete procedendo o
supplicante publicaco exigifc no art. 13 do
decreto n. 9 828 de 31 de Dezembro de 1887.
De Alfredo Heoriqoe Garda, para que se fa-
cam notas em sua matricula de commerciante
que liaou ana residencia na capital do Estado
do Cea r.Cerno requer.
DeMaooel Fernandes Vllo*o, para que se d
saixi no weistro da nomeaco de seo ex caix=i
ro Joaqaim fernandes velloso, por isso que ven
deu Ihe stu astabelecimento commercial ra
de S. Jorge u. 86, como demonstra o recibo que
apreseota e que pode ser registrado a forma
requerida.
De Manoel Pereira da Silva e Francisco Per
reir Alberto, para que se archive o distracio
da firma Manoel Pereira da Silva 4 C, pelo
qual rica o ex-soco Silva de posse do estabele-
cimento de molbados sito ao pateo da Penba
n. 10, desta cidade. e do activo e obrigado pelo
passivo da extincta sociedade.Archive se, na
forma da lei.
De Alberto Das Peroandes, de 31 annos de
idade, natural deste Estado, domiciliado e esta-
belecido nesta praca com sua casa de commer-
cio de gneros de estiva, sob a firma Fernandes
4 Vmo, so icitando carta de commerciante
matriculado, sebdo attestantes do crdito com-
mercial do impetrante Joaquim Mauricio Gju-
calves Rosa, Manoel Jos da Silva Guimares e
Francis:o Jos da Silva Guimares. Cjjio re
quer.
De Jos Joaquim Das Fernandes, de 29 annos
de idade, natural deste Estado, establecido
com armazem de gneros de estiva nest praca,
sob a arma Remandes 4 Irmao, dem, sendo
supradttos commerciantes os meamos attestan
tes do crdito commercial do impetrante.Pas-
se-se a carta.
Apreseniaram peticao solicitando o lugar de
avaludor commercial para o trieooio de 1890 a
1892, pela vaga occaslonada pela morte de Ma
noel da Silva Mendonca Viaona, que, tendo sido
Borneado em sessao de 6 de Fevereiro prximo
passado, nao tirn o competente titulo, os cida-
daos segaintes :
Joaquim Francisco das Cbagas e Silva, neg
ciante matriculado.Como requer.
Antonio Joaquim dos Santos, de 44 annos de
Idade, csalo, lypographo. Adiada na sessao
precedentePrejudicado.
De Manoel Al ves da Silva Maia, ex negociante
desta pr.ca, sob sua firma e soo ai de Alves
Maia-* 4 C. e Rodrigues 4 Maia. Os oeticiooa-
rios nao jantaram documento algum.Prejndi-
cado.
Nada mais havendo
presidente encerrou a
da manha.
a despachar, o cidado
sessao s 11 e 1/4 horas
IHDICACOES TEIS
Dr. Joaquim Louieiro medico e parte \
ro, consultorio ra do Cabug a. 14
1. andar de 12 s 2 da tarde; residencie
no Monteirc.
Dr. Castro Jess medico e operador,
Pratica a lavagem do tero quando e co-
me aconselhada. Consultas das 11 s
3 da tarde em sua risidencia ra d>
Bom Jess (antiga da Cruz) n. 23, 1.'
andar. Telephone n. 380
Advogado
O bacharel Bonifacio de Aragao Faria
Bocha contina a advogar. Escriptorio
roa do Imperador n. 46., 1. andar.
O baeharel Joaquim Ihiago da Fonseca
tem sen escriptorio da advogado ra do
Imperador n. 14, 1. andar.
Oeeullsta .
Dr. Ferrara, com jjraticaPmos princ,
paes hospitaea e nica de Paria e LnF1
dres, consultas todos os dias das 9
horasdao meio-dia. Consultorio e resi-
dencia ra Larga do Rosario n. 20-
Dr. Barreta Sampaio, oceulista, d con-
Dr. Cerqueira Leite, tem o seu escripto-
rio ra Nova n. 32, onde pode ser en-
contrado do meio dia s 2 horas e fora
destas horas ra do BarSo de S. Borjc
n 22. Espe Calidadesmolestia de crian-
o senhoras e parto. Telephone n. 326
casa de residencia.
Dr. S Pereirtt, ra da imperatriz n. 8
d onsultas medico-cirurgicas todos os dias
das 8 ao meio dia, menos nos domingos e
dias santificados.
Dr. Freitas Ouimaraet, medico, tem
sec consultorio na ra Duque de Oaxias
n. 57, 1." andar; d consultas nos dias nteis
das 11 1 hora da tarde e reside no Ca-
jueiro n. 4, onde attende a chamados em
qualquer hora do dia e da noite. Telepho-
ne n. 292.
O Dr. Simplicio Mavignier.Clnica me
dico-cirurgica. Especialidades : molee ..at
.pulmonares e partos. Ra do Marqu-.* dt
blinda n. 27, 1. andar. Consultas uas 11
s 2 horas e na Casa Forte (Poco da Pa
sella) das 6 s 9 horas da manha e i
tarde- Telehone n. 392
Medico
O Dr. Lob iscoso d consultas ero
lua casa ra da Gloria n. 39, das 10 ho
ras da manha 1 da tarde. Achando se
fora do servico publico offerece se para
acudir a qualquer chamado com prompti
dao para fora da cidade. Especiahdade :
operecSes, partos e molestias de senhoras
e de meninos.
O Dr. Alcibiades Velln d consultas
das 12 s 2 horas da tarde, na casa da
sua antiga residencia, rus do Barao da
Victoria n. 45, 1. andar.
Dr. Joto Pauloespecialista em par-
tos, molestias de senhoras e de enancas,
com pratica nos hospitass de Paria e de
Vienna d'Austria, d consultas de 1 s 3
lloras da tarde, ra do Bario da Victo-
ria n. 60, 1. andar, e reside na estrada
dos Aflictos n. 30, junto estacao do Es
nnheiro. Chamados a' qualquer hora. Te
ephone n. 467, na residencia.
altas de 1 s 4 horas ru 1. andar da
pasa ra Barao da Victoria n. 51. Resi-
dencia a ra 7 de Setembro n. 34, entra-
da pela ra da Saudade n. 25.
Drogara
Faria Sobrinho A C droguista por ata
cado, ra do Mrquez de Oiinda n. 41.
Francisco Manoel da Suva A C, deposi
tarios de todas as especialidades pharma
caticas, tintas, drogas, productos chim
cas e medicamentos "homeopticos, ra de
Mrquez de Olinda n. 23.
PBLICACES A PEDIDO
Emprestmos a Usinas
OppoU e provada, em materia de engeohos
centraes auxiliados pelo Estado, a excepcao de
suaseicao ao Dr. Ulysses Viaona, qnaai que se
Ki deinecessario combater as censuras por
dilffidM ao governador por ter autorisado
o emprestimo de duteatos coatos de ris em
apolices usina AripiM.
Mas, como nem somero deiu de ser verda-
deira o jaise de pessoas sospeitas, quando di las
em nomenagem aodever, tem a mascla sobran-
cena de carcter para eolio remse acim do
iofluxo das saixOes, vejamos se o Dr. lysses
Vuooa soube guardar esta excepcional norma
de proceder.
Para que melhor se ajse da procedencia da
censara ou da contestacio, que propomo-nos a
fazer, Dreciso historiar o contracto da asina
AripiD, mesmo porque oo edictonal o Dr. Ulys
ees Vianna accenla qoe a ene contracto So
poiia ter precedido meditado exorne por parte do
Sr. governidor do Estado.
Sendo de typo menor a asina Aripib, isto ,
simplesmente de capacidade para safrejar em
cem dias de moagem, deu-se milhoes e qui
nbentos mil a quiuze milhoes de kitogrammas
de canna, resolvern) o: interessados tornal a
de typo maor, isto de capacidade dupla.
Neste proposito requereram ao governador o
emprestimo de luzentos cantos de ris em apo
II ees de 7 % obrigaodo se:
1.' a tornar de typo maior a usina, para o que
fariam acquisic&o dos apparelhos precisos.
2. a assentar urna liuha de ferro at o enge
nhj Vicente Campetlo em mn percurso de dez
dote kilmetros para o transporte de canoas
d'aquelle engenbu e dos de nome Praieiro, Con
selho, Leo e propriedade sitio dos Frad;s, que
se propuonam a fornecer cannas, pois at eotao
os eageoho3 Aripib e Limo eram fornece
dores.
3 a hypothecar ao Estado a asina Aripib,
actuaes dependencias da mesma, bem como as
que por forca do augmento da capacidade, te
riam de accrescer.
4. a so receber a importancia do emprestimo
ao serem apresentados ao Tbesooro os segua
tes documentos comprobatorios :
(a; qoitacSo do debito bypotbecario da usina
Anpib ao Raneo de Crdito Real.
(b) cartidao de registro de hypothecas da si
tuacao do immovel agrcola de nao achar-se
aquella usina sugeita a qualquer outra obnga-
co bypotbecaria.
(c) certidao do registro de hypotheca feita ao
Estado.
5. a prestar perante o Thesouro fianga garan
tidora da importancia dos juros, que tivessem
de pagar ao Estado, Banca que diminuira
proporco, que fosse sendo arnortisado o decre
to bypotbecario.
Eoderecada ao governador a peticao dos in-
teressados, acompanbado do .contracto celebrado
com os novos fornecedores de canna, S. Exc.
nomeou ama commissao composta de dous agri
cultores e um engenbeiro para avallar a usina
Aripib.
Um dos membro3 da commissao, o Sr. Barao
de Arariba, tendo se excusado de funecionar,
Toi subslitoido pelo Dr. Paulo de Amorim Sal
godo, hnralo e di tinelo agricultor, sendo que
o nome desse substituto foi, sem que algaem o
lembrasse, suggerido espontneamente ao gu
vernador, escolha alias feliz, p^is os crditos e
conceitos de que gosa o Dr. Paolo de Amorim
Salgado, como carcter probo e conscieneioso e
como agricultor adan lado e provecto at boje
nao foram postos em duvida.
Procedida a avaliac&o veriflcou-se ser de tre-
sentos contes de ris o valor da usina Aripib e
suas dependencias, cooslituindo o todo da fa-
brica industrial de fazer assucar.
A honrada commissao neste sentido apresen
tou ao Dr. governador um extenso e bem elabo-
rado parecer.
Remettidos os papis ao Thesouro, foram
ouvidos os Drs. inspector, procarador fiscal
e contador, que opinaram em vista da peticao,
contracto de fornecimento de canna e parecer
de avaliacao, ser justa a pretencao. os interesses
do Estado ficariam garantidos e a'sslm parecee
Ibes poder ser prestado o auxilio a usina An
rip.
Euto, o governador, depois de, por portara
de 12 do correte haver suspendido o regula-
memo de 12 de Setembro do anno paasado, o
celebre regulamenlo do Dr. Ulysses Viaona,
tranca de engenbos centraes, mandou que se la
vrasse contracto com os interessados, contracto
que foi escrpturado no Tb'scuro em data de 17
do correte, com as garantas, que acabamos de
mencionar.
Assim proceden o governador do Estado e
quein assiin procede nao pode ser acoimado de
ter. sido precipitada ao mandar /avrar o con-
tracto. __
Vfjmnos,-agora, em que consiste a illegalida
de do acto, ditas vezes iltegal e quaes as falta de
garantas ao Tbesouro publico, como o D.*. Ulys
ses Vanna propoz se a demonstrar.
0 acto duas vezes Ulegal, disse-o o autor do
edictorial do Joma/ do Recife.
Consiste a primeira llegalidade, em que o au-
xilio tem de ser prestado nao a urna usina por
fuodar, mas a urna usina ja fundada, fanccionan
do e consi'guintemente o empresa no ella fei
lo exborbita da autorisacao contida na lei n.
1,860 de 11 de Agosto de 1885.
E, to grosseiro e estofo, que euvolve seme
Ibante sophisma que admira ter sido eatreteci-
do pelo autor do edictorial.
Si certo que a citada lei n. 1,860 s auton-
sa emprestimo a usinas por fundar, nao me-
nos certo, tambem, que a usina Aripio, que
tem de ser auxiliada pelo Estado nao a que
est fundada e funecionando, como quer o Dr.
Ulysses Viaona.
1. porque essa de typo menor, isto s
tea, capacidade para faDricar em cem dias de
moagem, at quinze mil saceos de assucar ;
2. porque essa onta somente com dous en-
genhos fornecedores de canna Aripib e Li
mi ;
3. porque essa nao tem linha/errea at o en
genho Vicente Campello, em nm percurso de
dez a doze kilmetros de canoa.
Ao passo que a usina Aripib, que tem de
ser auxiiuda pelo Estado :
1.* lera capacidade para fabricar, em cem
dias de moagem, at trinta mil saceos ;
2. lera como fornecedores de canna, alm de
engenhos Aripib e Limao, mais os engenbos
Vicente Campello e Praieiro, Conselho, Leao e
a propriedade sitio do frade;
3. ter, alm dos que j tem. mais dez a do*
ze kilmetros de linha frrea para fazer o trans
porte de canna dos engenhos, menos fornece-
dores.
Portanto. eutre a usina Aripio, que funeciona
actualmente e a usina Aripib, que funecionar
as condicoes do auxilio prestado, ha toda dif-
ferenca.
Realmente, si oaoxilio de duzentos con tos de
ris fosse prestado pelo Estado a actual asina
Aripib fundada e funecionando como est, se
sundo o modo de pensar do Dr. Ulysses Vanna,
nao da duvida que o governador teria commet
tido urna illegalidade, desde que conceda a urna
usina de typo menor um auxilio s concedivel a
asina de typo maior.
Mas, emquanto o Dr. Ulysses Vanna, com toda
habilidade que Ihe recoobecemas, nao provar
que a usina Aripib que est fundada e funecio
nando de typo maior, ba de convir que a usina
Aripib de typo maior anda est por se fundar,
mas nao fundada, anda est por funecionar,
mas nao funecionando.
Ora, precisamente a usina Aripib de typo
maior e nao a de typo menor a que o Estado
prope se a auxiliar.
Si o D*r. Ulysses Vanna, que anda nao est
satijfeito* couj a interpretrac&o verdadeira da
citada lei n.^,860 e quer um facto, em apoio do
que expendemos, attenda nos.
A asina Car'ass, ja depois de fondada e
funecionando teve o anxilio de duzentos contos
de ris, em virlode da lei n. 2,032 de 29 de Jo-
Ib j do anuo passado.
Para o contracto dessa usina verdade foi
pi-ecisa lei especial; mas porque ella j era de
typo maior.
Piada mais havia a accrescentar aquella Usina,
neahom outro melhoramento, alm dos qoe j
existiam, teriam da accrescer, estavam j arre
matadas as lionas de ferro e a fabrica achara-
se fundida e funecionando.
E, porque a le o. 1860, em seus planos, s
permittia auxiliar a usinas por fundar, s em
virtude de lei especial poda ser o contracto au-
torisado.
Em ceosequencia disto, o coronel Joao Carlos
de Mandonca Vatcoucellos e o cap to Joao Pau-
lo Moreira Temporal, Julgaodo caduca a conces-
sao da lei o 1860 qne pennittia-ltaes o auxilio
para a faBdajao de orna usina, requereram e
obtiveranj da Assembla Provincial a lei espe-
cial n. 2032 que aatorisoo o mesmo auxilio
ustaa j laudada.
No entinto, teja o Dr. UljMes Viaona, como
Diario de Pemambuco^-Terca-#eira 24 de Junho de
tai diverso o procedmen
fcadelw.
Sodo essa usina de jpwtoenor e as ioteraa-
sados propondo se a tornal-a de typo naior,
requereram ao ex-presidente, conselbeiro Ma-
noel Alves de Araojo. o aatilio constaste da ci
uda lei 1*,' isto reqoereram o memo, au-
xilio que os interessados na usina AnpiBfcpe
diram ao actual governador.
Nao se reborda o Dr, Ulysses Vanna do modo
por que proceden o cooselheiro Manoel Alves 7
Avivemos Ihe a memoria.
O consettieiro Manuel Alves, fundaado-se na
lei n 1860, a mesma de qoe, oo pensar do autor
do editorial, exorbitoo o actual governador,
mandn contractar com os proprietanos da as
na Bandeira, de typo nenor, o auxilio de do
zentos contos de ris, sob condiclo de tornal-a
de typo maior.
E o Dr, Ulysses Vanna, que tao prompto
mostra-se hoje em qualifi^ar de^r;cipftado o
actual governador por nao ter fenftcom medi-
tado exame o emprestimo da usina Aripib, nao
teve urna palavri de censura, nem qualificou de
P'ecipitado o conselheiro Manoel Alves de Arao-
jo, quando autonsou aquelle emprestimo .'
Porque esta dnalidale de proceder ?
Porque nao ceosurar-se em um aquillo qne em
outro se censura ? "
O Dr. Ulysses Vanna era ento, eomo anda
hoje, redactor do Jonal do Reafe.
No eitanto procede hoje com o.governador
diversamente do qne ento proceden com o
presidente.
E, tanto mns improcedente irreflectida a
censura, quanlo certo que o a'tual governa
dor, entre os fundamentos da portara, com a
qaal nomeou commissao para confeccionar aovo
regulamenlo para engenhos centraes, firmou o
seguinte :
Considerando qoe de equidade e justica
que o Estado auxilie, nao s aos que pretende-
ren! construir fabricas centraes, como aos que
j- se tendo atirado n empresas dessa ordem,
deseiarem augmentar os seus estabelecimentos,
hypothese esta nao presente no regulamenlo
(atteida-se bemregulamenlo e nao le), caja
execuco se acna sospeasa, resolv, etc.
V o Dr. Ulysses Vanna que o nico embara-
co era o celebre regulamenlo, cuja execucs foi
suspensa, visto nao satisfazer as condicoeo do
art. 16 da lei n. 1860 de 11 de Agosto de 1885 e
das de ns. 1971 e 1972 de 22 de Maio de 1889
Amaob trataremos da segunda pretensa nul-
lidade.
O Dr. Amaro Bezerra de nma audacia e de1
um cyataon inqaaklcavan \
6aato em poltica, aem^redito de qaaiauar es-
pecie, sem infioeacia, sem prestigio, sem a ne-
oessaria resigoaco para conformar se sem lamo-
Tas e se ridicolo como os azares datarte, o Dr..
Amaro Bezerra desee 4 vileza sem neme de es
pojar-se, enorme mastodonte, s plantas d'aqoelles
mesmos qoe levavam maos e aunos a batel o,
tre os carrnhos de sua idolatrada rali-e
dileoloa irmaos! Sim, a vaga da morte
veio alteros* do fundo do abysmo ; rugi,
espumou e convulsa passou levando em
seo reflexo o filho obediente, o irmao ze-
loaoe o amigo fiel.
Triste fatalidade !...
Morrea... deixando cruciantes no seio
coosas quejandas... dde saa carintosa familia, em cajo abrigo, a
Ihe mveio a bumilhaeo: antes canB t *._ ;__i_____i i, j J
> baixeza da part de um homemjs ert.e,ra e plwl mi da morte o oob-
dusio tao moco ao tmulo, marco das glo-
rias e esperancas mundanas.
' L, onde ests, ouve as palavras do ve-
lho amigo que no stimo dia do teu ties-
passo deixa cahir sobre tua camp urna
lagrima de saudade.
Recife, 24 de Junho de 1890.
Ladislao A. de Miranda Costa.
E' tempo
O decreto que separou a igreja do Es-
tado, veio sem duvida offereier azo aos
illustres cheles da igreja catholica para
desenvolveren! a sua aclividade e zelo no
ensino e na pregacao da doutrina do ca-
tholicismo.
Assim pensam todos os crentes e assim
comprehenderam todos os pastores e viga
rios do sul da Repblica.
O movimento religioso para o lado do
sul nobre, imponente, magestoso.
All os vigarios teem aberto em suas
matrizes aulas de doutrina para seus fre-
guezes, desde a capital federal at a mais
obscura freguezia do campo; os pilpitos
sao frequentados nos domingos e dias san
tos ; os pregadores se alternam a cada
passo.
Em urna pal vra, a religiao catholica
ensinada e vai se tornando ao alcance de com as suas descomposturas
todos. i Cidade do Serid, 20 de Maio de 1890.
Mas o que vemos aqui ? aqui em Per-] l jos Beenardo DE Medeibos.
nambuco ? O silencio o mais sepulchral,
por todos os meios, chamando o de 6 iteior de tur
teira e coosas quejandas...
invi
nojo tanta
por muilo tempo suppoz dotado de altivez io'qne-
Drantavel... e que aoal exhibe se como um e>-
pecu'ador vulgar, de um caradurismo irritante,
de orna maleabilidade asquerosa I
Em meu primeiro artigo, publicado no Diario
de Pemamb\uo mostrei com as melbores provas
e os mais fortes argumentos que nao son um in-
grato e muito menos urna inveaco do Dr. Ama-
ro Bezerra; no artigo, que se seguio prove, tam-
bera com exuberancia, qne nenhumi traicho com
metti, com relacao pessoa do Dr. Amaro Bezerra,
antes sustentando a candidatura do honrado e
llustre Dr Miguel Castro, nao fiz mais do que
maoter a fidelidade, que devia cans liberal,
pela qual, por muitos annos, me bato n'este Es
tado.
Hoje, vindo imprensa, procorarei tratar do
terceiro e ultimo ponto de aecusacao formulada
contra mim pelo Dr. Amaro Bezerro. Depois me
oceuparei especialmente do Ubellus famosut, pu
blicado n'O Paiz de 20 de Abril e das cartinhas
que o acompanham documentos, uns irritante
mente contraproducentes, outros nao exprimindo
nais do que favores, qu o Dr Amaro Bezerra
vai obteodo de amigos, que, por um descoco, vi
vera, como S. S., abrazados oa f sebastiaoista !
Allega o Dr. Amaro Bezerra, por si e por seos
agentes,contra mim que vendi a eleicao do 2'
districto ao honrado e lustre Dr. Miguel Castro.
Como v o publico a aecusacao grave e um
hornera de honra, um homem que nao fosse um
diffamador e presasse a sua e a repataco alheie,
s a faria com as provas nos maos...
Tendo por mim a minba pobreza, que conbe-
cida ele todos os meus conterrneos ; teoho por
mim os meus precedentes: se eu fosse um ho-
rnera deshonrado, capaz de actos de venalidade,
de certo o Dr. Amaro Bezerra se teria opposto em
1883 minha collocacao na sub-chelia do parti-
do... Portanto al 1883, os meus precedentes
eram os mais garaotidores, perfeitamente accei
tos pelo Dr. Amaro Bezerra; de 1883 a esta par
te, appello pera os meus patricios...
Estive na dir -cao da politca liberal d'este Es-
tado de 1883 a 1889 e nunca procurai um empre
go para mim, nem me podem convencer de qual-
quer acto desnonesto... Que motivos, qoe factos
tem. pois, o Dr. Amaro Bezerra que o autorise n
a afrmar que eu vend ao honrado Dr. Miguel
Castro a ultima eleicao do 2 districto d'este Es-
tado?
Se fosse verdade o que affirma o Dr. Amaro Be
zerra, com certeza eo nao estara soffrendo a dif-
amacao de que sou alvo, porque estara habili-
tado a comprar o silencio dos diffamadores !
Esta que a verdade!
At buje nao se tem feito seno allegar ; acho
que cnegou a occasio de apparecerein as pro-
vas.
Provoco, portanto, ao Dr. Amaro Bezerra a dar,
pela imprensa ou em uizo, as provas de qufi-tf*
di ao Dr. Miguel Castro a ultima eleicao do 2' dis
trido d'este Estado!
Marco loe para tanto o prazode60dias, a con-
tar da pubheacao d'este meu repto e se dentro
do prazo assignado nao o Hzer, d me o direito
de lvalo aos tribunaes.ou de expol o das alto
ras da imprensa. como um miseravel calumnia-
dor.
Venham as provas e depois... pode continuar
Collegio
o mais
o mais culpavel, para nao dizer o mais
criminoso, da parte dos Srs. chefes eacle"-
siasticos.
Os vigarios e os seus auxiliares sSo de
urna mudez lamentavel, salvas honrosas e
raras excepcSes.
O ensino da doutrina christa nSo est
mais em voga as matrizes desta dilatada
dioceso, excepeo talvez da matriz da
Boa Vista desta cidade.
Entretanto, o protestantismo] atrophiado
em seu paiz natal, qui vem erguendo a
cabeca ericada de erros sem nenhum re-
bate.
Ahi estao eneravadas na ra do Impe-
rador e na ra Nova duas casas de culto
evanglico em que se fazem conferencias
protestantes as quintas feiras e nos do-
mingos p at quotidianamente, como acon-
tece na presente semana, em que o Sr.
ministro Maxwell, vindo de Portugal,
abri urna mssao para a qual convida ao
publico e as familias.
Alerta, Srs. vigarios, alerta, o lobo est
dentro do aprisco,
E' tempo de clamar.
Nao basta o partido catholico em gesta-
gao ; este presuppoe crentes, e os crentes
fazem se pela pregacao da f.
Preguem o catecismo ; ensinem a dou-
trina; fallemao poyo ; instruam-n'o; cha
nena, aggremiem o rebanho disperso;
conservem e defendam o uatholicismo ;
imitem ao menos aos seus collegas e irmaos
do sul.
226-1890.
Res non verba.
Dr. Amaro Bezerra
m
Volto anda imprensa para responder ao Dr.
Amaro Bezerra e concluir a serie de artigos, cuja
publicaco encetei no Diario de Pernambuco.
Coocloindo tomare em consideraco o Ubellus
famosas, que o mesmo doutor acaba de publicar
contra mim, resosciiando as columnas livres 'O
Paiz de 20 de Abril, o infeliz Apulchro de Castro,
mais celeore pela pasquinagem, de qoe foi auctor,
do que pela morte trgica, que teve oa praca pu
blica.
Por honra minha e em respeto ao publico as -
severo que com immensa repugnancia que vol-
to a occopar-me de um villao, cojo ::ome ba 41
annos pesa, como negro pesadello.na consciencia
dos ("litios d'esta teria, que nao Ihe tm sabido
resistir vontade prepotente e ganancia sem
limites verdadeiro balancete de improbidades,
como durante dez annos o qualificou na impren
sa o intetligentissim octogenario, a quem se refere
na ultima verrina d'0 Paiz.
Acostumado a dispor das cousas e dos homens
d'esta trra a tea talante, exaspera-se, perde a
tramontana, vendo qoe passou o tempo das suas
decantadas espoliacdes e dos calotes, que fazem
a looga e incontesiada tradico de seu honrado
nome, em toda parte d'este Estado, por onde tem
passado o grande excursionista, o sultao da poly
guarania...
Urna vez que falla em livros da casa Paula,
Eloy* C, em que de certo figura como o maior
devedor e onde nada ha que prove contra a mi
nha probidade, permita que Ihe record tam-
bem os fiero do coronel Jos Pelix Varella e a
questao liba Bella dando a palavra ao cida-
do Jos de Borja, os do padre Joio Jeronymo,
de Goyanioba, os da antiga casa commercial do
Natal,-Theophiio & C, e tantas outras em que S.
S., apezar de ter andado com pt de l, todava
deixou pegadas, que jamis se apagaro. .
A historia dos calotes nao como a dos nove
decimos loma phantasia, ama basofia, oa antes
ama parvoice do moderno D. Quivote.. Nao, ella
exprime urna triste realidade, bastante por sr s
para afastar d'esta trra o repeliente personagem,
a que se refere e acompanba, como ama tradi
cao execranda, inexoravel.
Nao me proponbo discutir a vida do ousado
venineiro, que tao inslitamente me fere naa
columnas lares d'0 Paiz; nao face uiais do que
defeuder-me. S o farei, si o miseravel verrinei
ro, o poltico relapso e trahtdor eooUnoar oa dif-
bmacao atroz, que por si a por seos tuittm con-
tra mim eocetoo, desde os ltimos toamos da
monarchia -
A MEMOEIA DE
SAMPAIO, 7.
MUNDO DE SA BABRBTO
DIA DO SEU PASSAUENTO
Lei
Lei de morte Lei de separa ^ao.
terrivel, porm lei necessaria Lei amar-
ga e dolosa, porm lei de verdadeira igual-
dade, porque a lei verdadeira da justi-
ca!
Lei de destruicao, repugnante natu-
~"~3JKT' Por^m 1"' iueffavel, lei de
recompensa *p"ara aqefelle qo> reconhece e
teme a eternidade, antes de entrar para
ella !
Mysterio augusto e cheio de magestade,
para o homem religioso Segredo vene
rando que arrebata e absorve as medita-
cues do philosopho christSo !
. Como se pode effectuar este transito
assombroso 1
O homem respira, sent, conhece, des-
tingue todos os objectos que o rodeiam,
soffre toda a energa do pensamento, acha
dentro de si mesmo um ponto, urna causa
de vida, recorda se do passado, conhece o
pres nte, ante ve, e at prognostica o futuro ;
germinam em seu coracao as esperances e
os desejos, quer e resolve-se, ama e abor
rece, abraca, regeita, gosa e abandona, con
certa novos planos e descobre novos mo
tivos, novas exigencias ; e no meio desta
actividade sem pausa, de todos os praze-
res, ou para o dizer melhor, de todas as
angustias que provam com a maior forca
da evidencia as ilIusSes e os sonhos, a em
briaguez e os delirios da vida, urna causa
ignota, urna tempestade tumultuosa, solta-
se e relampaguea sobre sua cabeca; e
elle j nao existe.
A dor e o pranto reunem em torno do
seu leito de morte a sua familia e os seus
amigos, assombrados com a inconstancia e
fugacidade da vida.
Elles o observam, repetem o sea nome,
mas a palavra desamparou a sua lingua
para nao lhes responder mais.
O ultimo suspiro supprimio a ultima ar-
ticulacao, e os labios entreabertos pelo der-
radeiro es'forco da vida, parecem respirar
ainda. Rodeiam-n'o, tocam-n'o e o lamen-
tara, abracam-n'o, e se evaporam em la-
grimas e gemidos : mas o seu ouvido, in-
grato, por necessidade, aos prantos e s
cominocoes da agona, ganhou a gelidez
do marmore e a insensibilidade do ferro.
Os seus olhos sao tao cegos como a noi-
te tenebrosa e profundissima.
O seu oorac.o, aonde se tumultuavam
as paix$es, mais fri do que a nev der
ramada no cume das montanbas, e elle
nem conhece seus amigos, e nem sabe que
teve urna familia.
NSo neste mundo de dor e inconstan-
cia a verdadeira patria do homem.
O hsmem nao mais sobre a trra do
que um viajante infeliz, que percorre ate-
morisado um continente estranho, ferido
pelos estragos de peste, cheio de precipi
pise de areaes esteris, e aonde atreves
de mares turbulentos, de reinos devastados,
tropecaodo e perdendo-se no meio dos ca-
dveres e de ruinas, colhe apenas, entre
fructos amargos, algumas flores, bem pou
eas em sen perigoso e ligeiro transito.
Nao, nao procuremos aqui o filho obe-
diente ; nSo procuremos entre nos o irmao
carinhoso ; nao procuremos mais entre nos
o amigo dedioado Mendo de S Barreto
Sampaio.
E' no co que a piedade christa o er e
^nligiSo o considera*
JjMendo Sampaio, attingido por urna cruel
enfermidade, depois de urna luota titnico
Onze de
Agosto
Roa Vlscoode de Albuquerque
n. 95
O director deste estabeleciment, fun-
dado em 1880, sempre no proposito de
promover o maior aproveitameqto moral
e intellectual de seus alumnos, resolve nSo
admittir mais, do 1. de Ju.ho em diante,
alumnos internos maiores, substituindo os
por urna seccSo de semi-internos menores.
A experiencia tem mostrado que a pr-
senos de alumnos maiores, contrariados
com a ordem do Collegio, qnasi sempre
a origem dos desrespeitos e infraccSes do
regulamento.
Estao convencidos de que podem con-
seguir approvacoes nos exames sem a
precisa habilitacao, e por isso nao se con
formara com as exigencias da disciplina
estabelecida para chamal os ao cumprimen
to de seus deveres.
D'ahi, a razSo principal da m vontade
que votamao Collegio, onde nao se lhes
concede plena liberdade para procederem
como lhes apras.
NSo acceitando mais esses alumnos que
ordinariamente estudam os ltimos prepa-
ratorios, ficarao reduzdas as materias de
ensino s que forem estudadas pelos me-
nores.
O ensino primario ser tomado na maior
consideracSo c far objecto de especiaos
cuidados do director, que empregar todos
os esforcos para dar-Ihe o necessario des-
envolvimento.
Para conseguir solicita e espera a pro-
teccSo dos pais de familia e dos amigos
que desejam a prosperidade do Collegio e
o progresso do ensino, que tanto necessita
de geral animaco para erguer- se do aba -
timento em que se acha.
O apoio que Ihe prestarem e que saber
agradecer, redundar em beneficio da in
struccao deste Estado, qual ha 20 annos
tem consagrado exclusivamente toda sua
actividade.
Recife, 15 de Junho de 1890.
O director,
Manoel Sebastiao de Araujo Eedrosa.
Coaao esta* Vate. 4a ana toase t
Bata pergonta e feita- diariamente' com
benfica solicitada mhares de pessoas,
e ao en tanto muito melhor sena se os per-
guntantes iadicaasem o meio de conseguir
um allivio immediato e segure, recommen-
dando aos seas amigos enfermos o -Pe*-
toral de Anacahuitaporque ainda mesmo
e embora que o doente houvesse estado >
soffrendo dorante semanas inteiras, d'uma-
tosse violenta ou d'uma constipaoao for-
tissima, es e soberano remedio para todas
as eniermidades, os alliviaria e curara
dentro do curto espaco de vinte e qaatre
horas. Os nativos do Mxico conheciam
perfeitameate as extraordinarias virtudes
medicinaos de arvore da qual se extrae
esta maravilhosa preparacao, e era o seu
grande remedio fovorito em todas ..as .en-
iermidades da garganta e dos pulmoes. O
Peitoral de Anacahuita, nao tem seu igual
entre todos os pulmonicos da materia me-
dica, e por isso pode se Ihe chamar com
toda propriedade e razao o nico remedio
digno do nome.
Como garanta contra as falsificaces,
observe-se bem que os nomes de Lanme?
& Kemp venham estampados sm letras
transparentes no papel do livrinbo que ser-
ve de envoltorio a cada garrafa. Acha se
venda em todas as boticas e drogaras.
Club Esgrima
Os admiradores das artistas da compa-
nhia He'.ler, que gentilmente vSo disputar
urna carreira na corrida desse Club, no
dia 24 do corrente, que quizerem concor-
rer para o cadeau que lm de offerecer i
vencedora, podem comparecer para tor-
nar effectivo o seu concurso, a rna Duque
de Casias, n. 34, buhar do Braga.
Booito
Lemos no Diario de Pernambuco de 10 deste
mez um protesto, assignado pelos negociantes
Joaquim Lopes da Silva, P.-aocisco Lopes da Sil-
va, Manoel Roseno dos Santos e Jos Jnuino de
Oliveira, no qual estes cidado contestam o que
disseawVb Jornal do Recie sobre a reluctancia
do povo de Barra de Jangada em pagar os im-
posto* municipaes,que se cobrara as feiras.
Em oosso artigo nao nos referimos aos protes-
tantes ; nem de nossas expresse3 se infere,
que lenhamos dito que os negociantes de Bar-
ra de Jangada se recnsassem ao pagamento dos
impostos, a qu sao obngados os seus estabeleci-
mentos commerciae8, tu qoe tivessem pactuado
cornos desordeiros d'aquelle lugar na greve le
yantada contra aarrecadaco, por nos all oro
cedidao que dissemos e afirmamos foi que
desde Janeiro o) nos tem sido possivel efic-
tuar a cobraaca dos impostos, porque o povo
que concorre feira daquelle povoado oppoz-se
a isso at com as armas na mo, quebrando os
pesos e medidas, e ameacando de morte aos
nossas arrecadadores.
E admira, que os protestantes venham pela
i m prensa contestar um facto de notoriedade pu-
blica, j attestado pelas autoridades d'aquelle
districto em documentos officiaes, do conbeci
ment da polica e Intendencia, que, segundo so
u'.os agora informado, j o levaram ao conbeci
mente do governador do Estado.
Oasam Ss.fSs. negar, que em dias de Ferveiro
deste anno Manoel Barbosa, condecido porCa-
vado de cao frente de nm grupo de desor-
deiros, invadiu a feira de Barra de Jangada, e
quebrou os pesos e medidas, sobre o pretexto
de que eram pequeas e nao estavam aferidos
pela cmara ? Que desde ento, e pela attitude
hostil do i ovo as feiras nem se cobra nem se
paga os impostos devidos?
Pois bem; de Ss. Ss. appellamos para as
pessoas conceiUadas de Barra de Jangada, e en
tre ellas para o Sr. capito Germano Emery, qne
tem contado o facto ao collector dessa villa no
trem de S Francisco.
Nao podemos estar alimentando polmicas
pela imprensa, que custam caro, e por isso ter
minando, pedimos ao governador do Estado qne
sobre o facto se informe das autoridades Barra
de Jangada, do juiz de direito, do delegado de
polica e da Intendencia, e, depois de bem in
teirado da verdade, decida como fr de justica
Conferencias religiosas
Desde domingo 22 at sexta-feira 27.de
Junho far-se-hSo urnas conferencias espe-
ciaes dirigidas por H. Maxwell Wrigbt,
chegado ltimamente do Portugal, no sallo
da ra do Imperador n. 71, 1 andar, a
7 horas da noite.
(Jo n vi da m se as familias e o publico em
geral.
Entrada franca.
sjbre a resciso,
contracto. .
pois requeremos, do nosso
O garaotidor das lettras,
Herculano Lopes Correia.
Erratas
No Diario n. 141 de 22, no artigo sob
a epigrapheVitaliciedade de funecionario
publicona linha 6.* a palavra nomeacao
lea se nocoes elementares; na 13a linha
continuadlo, leia-se conca enacao ; na 25a
linha Ha muitos, leia-se A muitos.
Ao publico
Deparando no Diario de 18 do corrente,
com o meu humilde nome fazendo parte
da commissao executiva do 1.a districto
desta villa, no Club Panellense organisado
no dia 12 do corrente, declaro que nao
aceeito o referido lugar e nem tSo pouco
fiz parte desse Club.
Panellas, 21- de Junho de 1890.
Jos Matheus de (Miveira Quimaree.
Bonito
Ao Dr. che fe de polica do lis-
iado
Agora que sabemo3 que segu para este
termo o delegado de polica, pedimos ao
Dr. chele que Ihe recommende a priaao
de Manoel Felippe Marques Lins, pro-
nunciado, que se acha tranquillamente em
sua casa no engenho Recruta, gosando da
mais escandalosa proteceo da arte de
quem tudo pode nesta trra.
Nao possivei que continu por mais
tempo semelhante escndalo, cumpre fazer
cessar isso a bem da moralidade publica,
e prestigio da autoridade.
Confiamos, que as providencias serlo
dadas e ao actual delegado, que, estamos
informado um militar brioso, e cumpridor
exacto de seu deveres.
7 de Junho de 1890.
Um amigo da ordem.
P. S. ) rea protegido escandalosa-
mente pelo aspirante a promotoria desta
comarca que sea advogado e morador
na mesma comarca.
dos
Muita attencao
0 abaixo assignado, legitimo cesionario
bens deixidos por Jos Cordeiro do Reg Pontea,
fallecido n'esta cidade do Becife, deparando com
um annuncio no Diario de 3 do corrente, offere-
cendo d'aquelles bens alguos predios venda,
previne ao commercio e ao publico d'este e dos
mais Estados, que nao facam transaeco alguma
com os bens abaixo declarados, pertencentes ao
mesmo espolio, pois que os tribunaes do paiz
ainda nao se pronunciaran! definitivamente a
respeto, e por Isso estando disposto a havei'O do
poder de quem os tiver obtido por qualquer mo-
do, faz a presente declaraco para que mais tar-
de nao se allegue ignorancia ou boa f por quem
quer que seja.
Os bens sao os seguintes : casa terrea roa
Imperial n. 48, dit?. na ra do Nogueira n. 33,
sobrado no pateo de S. Pedro n. 3, dita na tra-
vesea do Carmo n. 12, 7 armazens na travessa
da ra Pedro Affonso, antiga da Praia, ns. i a
14, um armazem na roa Nova da Praia, antiga
Caes do Ramos, n. 24. um sobrado da ra Pedro
Affonso, antiga da Praia, n. 57, um armazem oa
mesma roa o. 61, um dito na mesma roa o. 63,
um dito na roa Nova da Praia, antigo Caes do
Ramos, n. 42, um dito na mesma ra n. 44, 44
apolices eeraes ns. 300.022 a 300,029, 208 914 a
208,915, 248.665 a 248,671, 248.672 a 248.676,
163 589 a 162,593, 162 594 a 162,598. 84,346 a
84.355, 248.663 a 248,664; 24 apolices proviu-
ciaes, ns. 1,885 a 1,888, 1,170 a 1,182, 1,269 a
1,278, 17 accOes do Banco do Brazil, ns. 152,639
a 152,658.
Em tempo, o abaixo assignado declara haver
do mesmo modo todos ss rendmentos e os mais
que at esta data tm sido recebidos pelos pro-
caradores de Antonio Jos Machado, residente
em Portugal, Manoel Roberto da Costa oa Costa
* Medeiros, da ra do Amorim' n. 39, nesta ci-
dade do Recife, onde sao situados todos os
bens.
Recife, 5 de Abril de 1890.
Jos Soares do Amoral.
Estojo cirurgico
Gratiflca-sea quem entregar nesta typographia,
ou na roa do Barao da Victoria n. 60, venda, um
estojo cirurgico, que perdeu-se na noite de 20
para 21 deste mez, no tr?jecto da ponte grande
da Magdalena, estradas do Derby e da Estancia,
oom o espectro dos tmulos, cabio talmi- ^ o Visconde de Goyanoa at a estrada dos
nado pelo sopro glido da morte, por en-1 Afflictos.
Agencia de diversos nego-
cios.
Jos Loa Salgado Accioli i roa do Imperador
o. 77, i andar, onde pode ser procurado das 9
s 3 horas da tarde por todas as rJfessoas que o
quelram honrar com suas incumbencias, encarre-
aa-se principalmente de promptlticar papis
para calamentos civis e religiosos, de encami-
nbar at o despacho definitivo quaesquer pre-
tencOes as reparticOes geraes e do Estado, e
de as mesmas pagar ou receber, e dar o desti-
no que Ihe fr ordenado com a mxima prompti-
do quaesquer quantias, ou vencimentos dos
Srs. magistrados, parochos, professore3 e quaes-
quer oatros fonecionarios, e eocarrega se final-
mente de qualquer outra commissao de compra
oo venda de qoe loe queiram incunbir os Srs.
pruprietarios, indostriaes, commerciantes e agri-
cultores.
a todos garante sinceridade, zelo epromph-
do no cumprimeto de suas ordens.
A o publico
0 Dr. Joo Ribeiro de Britto, encarregado do
tatrameoto dos variolosos do 1 distric'o da Gra-
ca e da freguezia do Poco da P^aella, pie ser
procurado na 6* estacao da guarda cvica e 10
qnartel do destacamento do 1 districto Poco <
Panella e na sua residencia a ra do Hospicio n.
18, telephone 303.
V.
*





^^^^^^^^^^.__'..._;__,
Diario de Pernambuco--Terga-eira 24 de, Junbo de 1890
*
.

*
Aviso aos Srs. paes de fa-
milias
O professor Gustavo h. Poleni, sufflcen temen -
te habilitado para ensinar a llngoa nacional, com
piano (oa seraphloa) deseja eacootrar al urnas
discipulas em casas particulares.
Quera pretenier pode deixar sen enderezo na
Livraria Industrial, 7, roa Nova on na Rainha dar
Flores, estabelecimeoto do'Sr. Laporte, qae sera
procurado.
oooouoecc >ooooeoo(ocooooeoooooocooo<>o AaalwerMrto
Completa boje mais nm anno de 8
s sda preciosa existencia a Exma. Sra.
I D. Joanna Guilbermiaa dos Santos \
\ Das. |
Por esse motivo, cbeios de cooten-
| lamento, enviamos Ihe nossossince-
% roe parabens, igualmente a sea es |
k poso e filhos. i
1 ** *
)ooooO'^ooooooc>Doooo^oo<>ooooof>oeof'ooo( soo coco
AS YGTIMAS DAS FKBRKS
Elixir Htl-rebrll Cardoio, appro
vado em 2t de Marco deste anao pela Inspectora
Geral de Hygiene do Rio de Janeiro, vem boje
apresentar-se bumanidade soffredora do mun
do inieiro, como taboa de salvaco qne ao Infe-
liz naufrago lbe enviada por mo omnipatente!
Elixir ail f-toril Cardaio. appli
cado em maitissimos casos de febres, tem, como
por milagre, levantado do letto da dor a comple-
tos moribundos.
Este remedio, com posto smente de vegetaes
ioteiramente inoffensivo, anda.mesmo na mai?
mimosa e tenra enanca.
As eenboras, no estado de paridas, ou no ne
riodo de iocommodos naluraes, podem asai o
sera receio algam.
Depsitos
Drogara dos Srs. Francisco Manoel da Silv
* C, a ra Mrquez de Oliodi n. 13.
Pharmacia Martins, ra Duque de Cava?
- 88.
Pbarmacia Oriental, roa Estreita do Rosario
n. 3
Pbarmacia Alfredo Ferreira, ra do Barao da
Victoria o. 14.
Pbarmacia Imperatriz, ra dalmpoMtriz
n. 49.
Para qnalquer explicac&o podem dirigir se ao
autor Manoel Cardoso Jnior, a rna Estreita do
Rosario n. 17.
Dos innmeros attestados que temos, damo-
etn seguida principio a sua poblicaco; e isio
bastara para que sejam coobecidas as virtudes
4o Elixir anti febril Cardoso.
Attestados
N. 41
Recife. 30 de Maio de 1889.
II)m Sr. Manoel Cardoso Jnior.Caro Sr.
L'm dever de gratidao obriga-me a levar ao co-
nhecimento de V. S. o seguinte:Tendo en
ido accommettido fortemente de febre amarilla,
e tendo este mal se tomado rebelde a todos t s
'recursos de que lancei mao para com batel o, tur
nando se por isso. cada dia mais grave o mii:
estado, resolv, por indicaefio de alguem e rom
autorisacao de nm de nossos facultativos, osar do
eu preparado denominado ante-febril, do quai
apenas tomei tres doses segundo a sua prescri
peo. e fui o bastante para farer desappa-ecer
completamente a febre, ficando assim resta hie
do. Nao qnero com islo assegurar qne o ?e,j
remedio seja iofallivel para todos os casos de fe
bre, e sim sdmenie fazcr-lbe sciente do faci qui-
se acaba de verificar commigo, que jamis podr
r ser contestado.
COMERCIO
Revistado Mercado
Rkcifk, 23 pe junho un 1810
O movimento limitou se a tran-accoes no m i
cado de cambios.
Sabserevo-me com alia estima
De V. S. ltenlo e criado,
Manoel Gomes da Cria.
N. 43
Reate, 30 de Setembro de 1888.
Illa. Sr. Manoel Cardoso Jnior. Estando
doeate esa febre e tratando-me com um medico
d'estt adade.e nao memorando com os remedios
por elle receiudos, fiz uso do remedio de. sen
preparado icaodo restabelecido no fim de tres
das: o qne poder fazer uso da presente como
IheooavMr.
Son cmb estima
De Vmc. amigo criado e obligado,
* Francisco Joaquim Alca.
N. 43
Pennaboco, 10 de Setembro de 1889.
Hlm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.Amigo e Sr.
Faltara e nm dever se nao commuoicasse a
V, S. o beneficio que me fez o sen preparado
Elixir Cardoso: tendo tido orna febre, ja a al
gens dias, lembrei me do sen preparado, mandei
pedir V.S.,o qne me fez o favor de mandar-
me, nsei e em pouco tempo tive orna pequea
melhora at qae fiquei restabelecido, e julgo que
V. S. deve faxer a propaganda, pois ser um
grande beoefteio que pode prestar a bumanidade,
en applicar o seo Elixir Cardoso, preparado por
V. S fiando lbe eu muito grato.
Peco-lbe licenca para qne me assigne, de V. S.
criado e obrigadissimo
Francisco Antonio da Silva Barbota.
N. 44
Rede, 4 de JuIbo de 1889.
Hlm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.Tendo sido
accommettido de orna febre intermitiente a qnal
em poucas boras attingio a 40 graos, im I edla-
tamente recorr ao afamado medicamento deoo
minado -Ante febrilde sen preparado, e foi lio
vaatajoso o resollado qve obtive que, no espaco
de tres dias acnava me ioteiramente restabele-
cido.
B-' com h nita satisfacio qne levo isto ao conhe
cimento de Vmc e faco arJeotes votos para que,
oa espioaosa roisso qne tem encetado, sempre
obteooa resoltados tao maravilhosos como o qne
acabo de narrar.
Apruveiu a occasio para lbe a presentar os
meas sinceros grdenme otos e snbscrever-me
com toda a eslima e consideraeSo
Do Vrac. criado, attento e obrigadissimo,
Albino Ferreira Nev.
N. 45
Hlm. Sr. Manoel Cardoso Jnior.Presente
Atiesto que tendo adoecido dois filhinhos mens,
um le no ue Tbelespboro de idade de sete anuos,
e Blandina de tres annos, de fcbre de carcter
deconhecido para ratm t>orque fazia alternares,
e usando do Elixir Anie-febiil de M. Cardoso,
consejan debelar a febre em menos de vinte e
quai'0 horas, ficando os mesmos ,meninos com
plHamente restaoelecidos at esta data, e como
seja verdade escrevo o presente, do qual o mes
mu Sr Cardoso poder fazer o uso qne bem Ihe
convier.
Recife, 13 de Mareo de 1889.
Antonio da Cruz Ribeiro.
(Est i vara mellada* e recoobecidas as firmas).
Cabeca de negro
E ixir sedativo e antirheumatico, formula
do phitrmaceutico Hermes de Souza
fretro.
SEM MERCURIO
Approvado pela Inspectora Geral de
Hygiene
Este poderoso medicamento j bem co-
ofaecido ha matas de lo annos e cujos rus-
ravlhosoa effetos tem sido al 'estados por
muito mdicos e numerosos doentes, cara
radicalmente oa BHEUXA i I8MOS, ERY8I
PELAS, STPHCL18 S8CBOFITLAS e todas as
moleatiaa que teem por orgem a impuresa
do sangue.
O verdadeiro
eabeca de negro o da formula do phar
maceutico Hermes de Sonsa Pereira, e
para araatia dos consumidores tras elle
em seus rotule* e envolueros o retrato do
autor.
Vndese a varejo em todas as phar-
maciaa e em atacado ua pharmacia Fer-
reira, praca de Maciel Pinheiro, n 19,
(antiga do Conde d'Eu, e na drogara de
Francisco Manoel da Silva & C, ra de
Marque de Olinda, n. 23.
e mais antigo-Elixir de ras que tem feito sea acreditado e po-
{fular Paitoral de Cambara.
Ha tempo um dos redactores d'esta fo-
Iba, sendo atacadado de urna torte per
tinas toase, e de pois de ter osada diversos
xaropes sem resaltado satisfactorio, fes
uso do Peitoral de Cambar e fieon com-
pletamente restabelecido de sos alterada
sade.
Particularmente nos disse o Sr. Dr.
Henriqson, quando aqu esteve fas pouco
tempo, que ease importante remedio era
muito procurado em Santa Victoria e qae
elle receitava-o a seas doentes, sempre
com vantagem sobre qualquer outro, pois
qae a cura era radical.
(Extr. do Diario de Pelota).
MEDICO HOMEOPAT
3=
Dr. Baltiaza? da Silveira
Especiaiidadefebres, molestia
das criancas, dos orgioa respirato-
rios e das senhoras.
Presta-se a qualquer .hamado para
ora da capital.
AVISO
Todos oa chamados devem ser di-
rigidos pharmacia do Dr. Sabino,
a ra do Barao da Victoria n. 45,
onde se indicar sua residencia.
Dr. Coelho Leita
participa a seas clientes e amigos que modou
sa residencia para a roa Bario da Victoria o.
61. andar, e contina a dar consultas de 1 s
' as da tarde, no sen consultorio, roa Duque
de Caxias n. 57.
Dr. Joao Raogei
MEDICO
Pode ser procurado para os misteres suade
profisso roa do Bom Jess n. 45 1.* andar.
Consultasde meio dia at 3 boras da tarde.
Chamadosa qualquer hora dodia oo da noite.
Telephone b. 160.
Frederico Chaves Jusiar |
Bomoepatha
L39 RA BARAO DA VICTORIA!
Primeiro audkr I
I
i

EDITAES
{}
ir
Leonor Porto
s*asea da 4lfandea
tuaeu t 53 a 8 dk JM.NHq, os 1890
Bol
sa
COTA9OB8 OFFICIAES DA JUSTA DOS Cok-
BETOEE8
Recife, 23 ae Junho de 1890
Nao nouve cotaco.
o oresidente,
Antonio Leona -do Rodrigues.
O secretario,
Eduardo Dubeux.
4 8IUIIO
PRACA DO RECIFE
Os bancos abriram a S2 d. nomiual, offerect-u
do saccar 22 I 8 d.
Depois de U boras subi rpidamente a ta \a.
cbsgando a ser 22 1/2 em lodos os bancas, xoui
ponca procura.
Nao appareceu papel particular no mercado
PRA^A DO RIO DE JANEIRO
Pela manba cotaram 22 1,8 bancario. sobindo
o mercado at t i 2 bancario e constando Iraas
ac$oes em papel particular a 22 3/4.
Algodo
Nao conston vendas.
A exportaco feita pelaalfandeganesteme/.av
o dia 20, conslou de 376.406 Kilos, sendo 351 315
para o exterior e 25 151 para o interior.
As entradas verificadas at a data de boje, so-
ben a 3.547 saccas, sendo por:
Barcacas.....
Vapores .
Aoimaes.....
Via-ferrea de Caruar.
Vui-ferrea de S. Francisco.
Via-ferrea deLimoeiro
730 Saru.:i.
507
393
51
519
1.347 .
Somma.
3 547 &!';.
Assacar
Os prcos pagos ao agricultor, por 15 kUoe,
gando a Aaapciajo Comtoercial Agrcola, 'orac
os seguintes:
Usinas..... 37U a 4i0 w
Branco..... 30i)0 ;i 3/6 '
Somenos..... 2*500 a S*""0
Mascavado purgado 1*600 a U7tK)
Brutos.....H*300 > l*5nu
Rtame..... lVO a 1/2::
A exportacio feita pela alfaedega nest3 mez at
o dia 20, conston de 3.117.999 kilos, sendo. -
L973.625 para o exterior e 1.144.374 para o iUc
rtor.
As entradas verificadas at a data de boje
bem a 21.066 rceos sendo por:
so
Barcacas
Vapores .....
Aoimaes....
Via-ferrea de Cmaro.
Via-ferrea de S. Prancisro.
Via-ferrea do Limoeiro
Somma.
12.485 Sa..
336
852
7.297
96 .
21 066 9
c*
- Coaros
Couros salgados 405 ris, e os verdes 3 i'i
Acnardcne
CoU-se a 93*000, por pipa de 4eX! litro.
Alcool
Gota-se a 188*000 por pipa de 480 Iitroe.
el
CoU'se a 55*000 por pina de 480 litros.
> ssucar retinado (kilo) .
Assucar branco (kilo) -.
Assucar mascavado iktio;
gurdeme.....
.lcool (litro) ....
rroi com casca tkil.oi .
lgods (kilo) ....
llagas de mamonas (kilo) ..
Borrarba (kilo).....
dmeos de algodao .
Cour?s seceos espichados (kilo) .
Coutts seceos Balgados (kilo)
ouros vades (kilo) .
aco (kilo)......
'.efe bom (kilo).....
Caf restomo (kilo.i .
Carnauba iko ......
'.crocos de alandau (kilo) .
arvao de pedra de Cardiff (ton.)
F.irinha de mandioca (litro) .
Koltias de ahorandy (kilo) .
enebro (litro).....
tiraxa........
JahoranrtT .....
Mt-I ilitro) .......
Milho (kilo .......
Pan Brasil (kilo).....
SjU (meM)......
-
260
206
39
170
370
80
533
12t)
960
16
420
360
215
400
800
600
260
20
16*000
70
300
200
350
200
80
100
35
21500
Ra Larga do Rosarlo nu- (
aero
SEGUNDO ANDAR l
i j Continua a executar os mais difceis
l >ricuriaos recebidos de Londres, Pars,
(] Lisboa e Rio de Janeiro,
i i Prima em perfeicSo de costuras, em
< Jem brevidade, modicidaoe em preces, e
() fino gosto.
9fc:
Restaurant Portu ;uez
O primelro em Pernambuco
2123RA DAS LARASGEIRA8 2123
COSINHAS :.
Brasileira, Portugaeza e Francesa
Proprietarios: Coaries Bozier & 0 '
Ra da Gloria 39
Varila oa bes I (a
O Dr. Lobo Moscoso, todos os dias,
das 10 boras da manha at I hora da
tarde, receita gratuitau^rnte e da os re-
medios bomeopalicos precisos a tolos
os doentes que o procura^em, para tra-
Umento das bexigas.
em conlesaco
Principiamos a publicar hoje ama serie
de attestados em favor do Sr. Jos AlvareB
de Soasa Soares, sobre aa prodigiosas cu-
%fl9 a descarga
Barca ooraegnense Cortez, varios gneros.
tures pjrtuguuaj Allmnca varios gneros.
irca iiorucvose upes, earvo.
it i ca n rueicoi-nse Cari Haaited, carvo.
Krca noruegoeos? Oler, carvo.
Ui ca nacional Skcrianninha, xarque.
M^rca americana uuHes Loving, farinba.
B igue tiespantiol 3taristan\, xarque.
KCIgoe limII iiJi-i Oeiilrm, xarque.
E- una no Ufgut*iis<: Gefm, xarque.
LO^ar lo^k-z, i'.or.sande, bacalhao.
L^ar mglrz Alberi. gorduras.
Lu,'ar na. ptoal Tigre, xarque.
fuaih iit^lez H. B. Dalj, graxa.
P i lacho notoeguense Lagos, xarque.
Iludi nomeoeQse Uennk Wergetand, xarque-
va'acho tatcn Srii xarque.
Pj'..cbo riuainarjwi Jugor. xarque.
I'jUiIio nacional Marinko II. xarque.'
P.it icho hollandex Pooicaats, xarque.
Haiaclij h^ojianhol JovenPura. xarque.
P,i.iilio lv.-piiiliol Btllater, xarque.
Pau-he lioliandi-s Henka, xarque.
caucho nacional Ritml xarque.
Importaco
V.oor ii^l /. r rcp'i em 21 do correte e consignado a Amorim
I'ioos h i.
.in,as 7 ojixi.* a Parante Vianna & C, 5 a
r'e rclra Guimara^s & C 3 ordem.
Cu: os 2 ciixoer^ oruem.
Cha t graSe a orflrm.
1 ainisa< 1 eatxa a Paul Jullien.
i ilapso- 1 caixo a J. Faustone.
E-i'.iio t farvlo a Manoel da Costa Lobo.
Ktrrag-M 2 volam s a W. Halliday C.
M ri.. o las diversas 1 voluine ordem, 1 a J.
Blgliy, 1 a J. II. Moraut, 4 a Manoel da Cuaba
Luiio' i a Misada de ferro do Recife a S. Fran-
cisco, x a Claudio Dubeux. .
03;e-.:tii* para e.-vTipiuriu 1 caixa a H. Fletcber,
i aO-Ea#l sb Bank.
I'rovi i6 2 raixas a (trovas 4 C.
I' p lio 7 r.'ixK e 25 fardos i ordem.
(Ji-f-os 2a liamcas a Fooseca Irmos C.
i'jsoatu e tuuanbj 5eaixas a H. For*ter 4 C.
Queijos caixas a Amonto R. da Costa i C.
56 a Joao F.-roan-Ja de Almeida.
Ituupa 1 catea coa 2
Se-1* rw* i caWa cwa 2080 ordem.
Tendea aHwse* 13 vuluraes a Monhard Uu-
r>er i C -32 a ordem, 9 a Goncalves 4 C, 9 a
L-nr.- c.i Maia. 1 a Silveira C, 14 a A. Vieira
. i:., 30 .w.cttaJo 4 Pereira, 15 a B. Maia 4 C,
2.. > M.lia 4 C, 5 a Guerra a Fernaodes, 6 a A.
S-::iu-. 20 a Oui J >rdim C, 1 a J. Luu Fer-
- 3 Albiu Aiiioruo C, 2 a Bernet 4 C,
9 a Juvlbo Aoiiubo C, 28 a Al ves de Brillo
4C.
Tinta 1 fiixa a n. Fle!cher,l ao English Bank.
Vdaj, 5 c-ixas a Caseuuro Fernandes *C.,3
k K Ufiredo Csta 4 C.
V.nho 10 '-aixas 4 ordrm.
KXBortaco
ascira. 21 db junho db 1890
i*aro o exlenor
No vapor ingles Scholar, para Liverpool,
carreeon: .._.,-,
t. H. Boxvell, 23 fardos com 4,065 kilos, de
residuos de algodao e 217 ditos com 41,830 kilos
de algodao.
No vapor ingle Planeta, para Artigas,
carreearam :
P. Cameiro & C, 10 pipas com 4,800 litros de
agurdente.
?ara o interior
Ko vapor nacional Jaboatao, para Cear,
carreearam :
P. Carneiro 4 C, 80 barricas com 8,560 kilos
de assucar branco.
No vapor inglex Pianets. para Pelotas,car-
regaram :
V. Cameiro 4 C, 140 barricas com 15,680
kilos de assucar mascavalo, 5 pipas com 2,400
lros de agurdente, 2 ditas com 960 dilos de
aleoot e 1,215 barricas com 130,005 kilos de
assucar branco.
Para Rio Grande do Sul, car regaram :
Maia a Rezende, 10 pipas com 4,800 litros de
agurdente.
Para Rio de Janeiro, car.-egou :
F. M. de Monra, 50 pipas com 24,000 litros de
agurdente.
No brigue bespanbol farlany, para Uro
guayaona, carregon :
R. Pessoa, 939 barricas com 101,447 kilos de
assucar brauco.
No vaoor nacional Pernambuco, para Vic-
toria, carregaram :
P. Carneiro 4 C, 10 saceos com 750 kilos de
assucar branco e 50 ditos com 3," 50 dilos de dito
mascavado.
No hiatc aaona! Deus te Guarde para Ca-
mossim, carregou :
F. A. Monteiro, 2 barris c^m 140 litros de
agurdente, 2 barricas com 203 kilos de assucar
branco e 4 ditas com 192 ditos de dito retinado.
So biate Bom Jess, para Aracaty, carre-
garam :
P. Alves 4 C, 11 barricas com 751 kilos de
assucar branco.
Na barcaca Assumpcao, para Mossor, car-
regaram :
M. Viegas 4 C, 45 frasqueiras com 500 litros
de genebra.
M. Borges 4 C, 3 saceos com 225 kilos de
assucar branco e 3 barricas com 180 ditos de dito
refinado.
Keudliucutos pblicos
SAI DB JUNHO
Alfandega
Paran agua
O honrado cidadSo Sr. Joaquim Soare-
Gomes, vicecnsul de Portugal e Inglas
trra, em Paranagu, tratando da cara de
ama bronchite da mau carcter, em sua
esposa, diz o seguinte:
c ... Minha mulher acha-se perfeitamen-
te restabelecida de sua grave enfermidade,
com o uso de quatro vidros do Peitoral -t
Cambar, tendo antes experimentado, sem-
pre intilmente, talvez- emeenta remedios
diversos.
Joaqnim Soares Gomes. >
(A firma est reconhecida.)
Oculista
Dr. Barreto Sampaio, oculista,
ez-chefe de clnica do Dr. da
Wecker, de volts de sos via-
gem Europa, d Consultas de
1 as 4 horas da tarde, no 1*
andar da casa n. 51 rus do
Barao da Victoria, excepto nos
domingos e dias santificados.
Telephone 285.
Residencia ra Sote de Setem-
bro n. 34. Entrada pela rus da
Saudade n. 25.
Telephone 287.
Dr. Silva Leal
CLNICA MEDICO CIKUKGICA
Consultorio e residencia rna do Ltvramento
n. 6 1 andar Consultas das 11 s 3 horas da
tarde. Chamados a aualquer hora, por ejeripto,
Cramer Frey 4C.
Via-ferrea ae S. Francisco

2.000
30
Renda geral
Do dia 2 a 21
dem de 23
734 6051182
28:017*00i
i
Renda do Estado de Pernambuco
Do dia 2 a 21 107.880*987
762.622; 186
dem de 23
7:519*244
Somma total
115:300/231
877:922*417
Segunda seceo da Alfandega de Pernambuco,
23 de Junho de 1890
O tbe80ureiroFlorencio Domingnes.
O ebefe da seceoD. J. da Fonseca.
Recebedorla do Estado de
Pcrnanhuco
Do da 2 a 21 70 8821515
dem de 23 8.545*779
tiov!mculo do porto
Navios entrados no dia 22
Buenos-Ayres e escala 15 dia*. vapor ingle1
Tr.-nt,- de t.693 tonelaia?, ^.uiniiiilaiitn A.
E. Bell.equipanem 93, carga v.*-io- gneros ;
Amorim Irmos >v C.
Navios sonidos no mismo dia
Southampton e escala Vap^fn^les -Trent,
commaadrute A E B di, istrgA vritii%eii e-
ros.
Liverpool Vapor inglex Scholar. comman
daote E. Brovn, carga vanos poneros.
Navios entrados no dia 23
Pe otas-15 dias, birca nacinil Hia AozpW
na,* de 225 ton-ladas, cptate F.-annsco Lo
pes Ceciliu, equipagem 10, c^rga xarque a
Amorim Irmos 4 C.
Cardiff -47 dias, brigoe noroe:une Sophie
Micalino,. de 243 toneladas, capilo B. Abra-
bamsen, equlpagem 8, cara cirvo de pe-
dra ; a ordem.
Navio sahido no mesmt dia
Ceare escalaVapor nacional Jiboatao cora-
mandante Joo Oa Silva Perora, carga varios
gneros.
Mercado Municipal de *. los
O movimento deste mercado nes dias 2e 22 Je
Junbo foi o seguinte :
Entraram :
66 bois pesando 10,012 kilos.
641 kilos de peixe a 20 ris 12f820
28 cargas com farinba a 200 r*. 54600
27 ditas de finetas diversas a 300 rs 8100
65 columnas a 600 rs. 3*000
217 taboleiros a 200 rs, 4i*400
32 suinos a 200 rs. 6*400
2 escriptorio a 300 rs. 600
144 compartimentos com farinba a 500 72*000
60 ditos de comidas a 500 rs. 30/000
191 ditos de (egnmes e fazendas a
400 rs. 76/400
32 ditos de sninos a 700 rs. 22*4>H)
16 ditos de fressura? a 600 rs. utiO
14 ditos de camaroes a 200 rs. 2/800
73 talos a 2* <46/000
Rendimento de 1 a 20 do Crreme
475/120
4627/820
5.102*910
79;429*294
Recife Dralaage
Do dia S a 21 6:613*178
dem de 23 1:2921783
7:9054963
Dluhelro
BSCEBIDO
Pelo vapor inglez La Plata, de Londres para:
Precos do dia:
Carne verde de 240 a 480 ris o kilo
Suinos de 640 a 800 ris deui.
Carneiro de 640 al/ idem.
Farinba de 500 a 640 ris a enia.
Hilho de 400 a 440 ris idem
Feijodel/ a 1/300 idem.
Vapores a entrar
MEZ DE JUNHO
Europa....... Tagus........... 2i
Sm......------ BrUania.......... 24
Norte......... Pernambuco..... 24
Sul........... Mrquez de Caxias 24
Sul.......... Campias......... 25
Europa....... Ville de Montevideo. 25
Europa...... Montevideo........ 30
Norte........ AlUanca.......... 0
Vapores a .sabir
HEZ DI JCNHO
Buenos Ayres. Tagus............ 24 as 2b.
Lverpool.....Britania......... 24 as 11 B.
Snl.......... Pernambuco....... 2* as 5 b.
Babia e esc .. S. Francisco....... ?5 as 5 h.
Hambnrgo Campias......... 26 as 4b.
Santos e esc Ville de Montevideo.. 29 as 1! h.
O Dr. Sigismundo Antonio Goncalves,
jnis de direito especial do eommercio
aa ciflade do Recife, capital do Estado
de Pernambuco, etc., etc.
Faco saber aos que o presente edital
virem, ou delle noticia tiverem, que por
parte do Barao de Nazareth, contra os
herdeiroB de Francisco Manoel de Souza
Oliveira, me foi dirigida s peticSo do theor
seguinte:
PETIQOIllm. Exm. Sr. Dr. juiz
do eommercio O Bario de Nazareth,
credor de Francisco Manoel de Souza e
Oliveira, j fallecido, pelas 3 letras juntas,
urna de ris 6:9U6290, vencida em 29
de Junho de 1885, ou de ris 2:2910800,
vencida em 29 de Julho de 1885, e outra
de ris 6:994(J120, vencida en 22 de
Outubro de 1885, e achando se tedas a
prescrever, vem ante V. Exc. protestar
peta interrupcSo do praso da prescripcSo,
e requer que, reduzido a termo o seu pro-
testo, disto sejam intimados os respectivos
herdeiros.
E, porque nao sejam os mesmos her-
deiros coohecidos e residam em lugares
incertos e nao sabidos, requer, outrosim,
que, admittida a previa justificacao,
tenha lugar a predita intimacao por carta
de editoa.
Nestes termosPede a V. Exc. deferi-
mentoE. R. M.
Recife. 17 de Junho de 1890. JoSo
Caetano de Abreu, procurador.
Estava sellada regularmente.
DESPACHOD e A. como requer no
dia que o escrivSo designar.
Recife, 17 de Junho de 1890.S. 9on-
DESTRIBUIQO-A Ernesto Silva
Oliveira.
mais se nao continha em dita peticao,
despacho e destribuicao. qae ficam fiel
mente copiados; depois do que via-se o
termo de protesto, que do theor seguin e:
TERMO DE PROTESTO Aos 17 de
Junho ds 1899, nesta cidade do Recife e
meu cartorio, coicpareceu o solicitador
Jlo Caetano de Abreu, procurador bas
tante do supplicante Barao de Naza-eth,
e perante mim e as test8 uuohas abaixo,
disse que por parte de seu constituinte
reduzia a termo o seu protesto constante
da peticao retro, quo fica fazendo parte
do presente.
E de como assira o aisse assigna este
com as referidas testemunhas.
Eu, Antonio Augusto da Frota Mene-
zes, escrivao interino o escrevi Joo
Caetano de AbrenEneas do Reg Barros
Falco Francisco Manoel de Almeida
Jnior.
E mais se nao continha em dito termo,
que vai fielmente copiado do original,
depois do que via-se que tendo o justifi-
cante produzido as suas testemunhas, que
depozeram convenientemente acerca do
allegado, o respectivo < s ;rivo me fez os
autos conclusos e nelles profer a sent na
do theor seguinte :
SENTENCAJulgo justificado o de
duzido pelo Barao de Nazareth na petico
a fls. 2, pelo que intime se por carta de
editos os herdeiros do coronel Francisco
do Sonza e Oliveira do protesto de fls. 2
verso.
Custas ex cansa.Recife, 19 de Junho
de 1890. Sigismundo Antonio Goncalves
Nada mais se continha em dita senten-
ca, que vai copiada fielmente, em virtude
da qul o respectivo cscrivo psssou o
presente edital, por meio do qual chamo,
cito e hei por intimados os herdeiros do
referido coronel Francisco Manoel de Sou-
za e Oliveira, ausentes e em lugar in
certo e nao sabido, para que dentro do
prazo de 30 dias comparecam ante este
juizo allegando e promovendo tndo o que
ir a bem de direito e justica, ficando
afinai citodos dos termos da supracitada
petico, despachos e o competente ter-
mo de protesto.
E para qae chegae ao conhecimento de
todos, especialmente aos herdeiros do dito
coronel Francisco Manoel de Souza e Oli-
veira, mandei passar o presente edital,
que vai por mim assignado, o qual ser
publicado pela imprensa e affixado no
lugar do costume.
Dado e paseado nesta cidade do Recife,
capital do Estado de Pernambnco aos 20
de Junho do 1890.
Eu, Antonio Augusto da Frota Menezes,
escrivao interino o escrevi.
Sigismundo Antonio Goncalves.
O Dr. Jo Paulino Cavalcante de Albuquerque,
juiz municipal e de ausentes, de Panellas e
Qaipap, era virtude da lei, etc., etc.
Fas saber qne. a requerimento do curador es
pecial da anente D. Bibiana Mara da Conceico,
ser arrematado em basta publica, findo o praso
da lei, urn terrino denominado Cocal Grande,
em S. Benedicto deste termo, depositando se sua
importancia na reparticSo fiscal.
Par., que chegue ao conceciraento de todos e
a quero ioieressar poss, mandei passar o pre-
sente eJi'al. qu- ser alDxado na casa da Inten-
dencia desta villa e publicado pela iraprensa.
SuDscrevo e assigno. Villa de Quipap, 26
de Maio de 1890.
Eu, Miguel Joaquim do Reg Barros, e- crivo,
subscrevi.
Jos Paulino C. de Albuquerque.
Edital n. 43
(Praso de so das)
Ia Praca
Pela inspectora desta Alfandega se faz publico
que s 11 horas do dia 28 do mez de Junho pro-
zimo viodouro sern arrematados porta desta
reparticao as mercadorias coudas nos voluntes
abaizo mencionadas nos termos do titulo 5o capi-
tulo o da consolidado das leis das alfandegas e
mezas de rendas, se seas donos on consignatarios
nao as despacbarem e as retirarem dentro ski pra-
so de 30 dias a contar da data, deste edital sob
pena de Ando o mesmo praso serem vendidas por
sua conta sem qne Ibes fique direito de allegar
contra os effeitos desta venda-
Armazem n. 2
Marca G F em cia e W em baixo, um paste
n. 77.86 vindo ae Liverpool no vapor ingles Ma-
riner, entrado em 26 de-Outubro de 1889, nSo
consta do manifest, contendo amostras de esto-
pa.
Marca A M em cima e W em baixo, uso dito n-
47/48 dem, dem, nao consta do manifest, coa-
lendo amostras de estopa.
Marca R A S em cia e J M em baixo, austro
rodas de ferro fundido, pintado, obras caoxlas-
siricadas pesando todas 39 kilogrammas, ns
246/249, dem, em 30 idem, ordem.
Marca diamante, H B en cima, R S no centro
e 4 c em baixo, urna barrica n. 3 dem idem, a
ordem, contendo apparelbos de louca de p de
pedra n. 1, pesando 265 kilogrammas ; 3 1/2 ki-
logrammas de obras nao classificadas de cobre e
suas ligas, simples ; 7 kilogrammas de obres
nao classificadas de ferro fundido estanbado.
Urna dita n. 4, idem idem, i ordem, contendo
22 kilogrammas de ferro fundido pintado. 10
kilogramas de obras nao classificadas, de cobre
e anas ligas.
Marca R 4 S em cima e J M C em baixo, i____
dita n. 88, dem, em 31 idem, ordem, contendo
obras de ferro fundido simples, nao classificadas
pesando 360 kilogrammas.
Armazem n. 3
Marca MAC, urna caixa n. 242, de New-Yor*
no vapor inglez Cearense* em 13 de Setembro
idem. nao consta do manifest, contendo ua
livro de estampas, para modelo de artes e ofi-
cios, encadenado em capas de papelao, pesan-
do 7 kilogrammas.
Marca R A S, oitenta atados ns. 61|(40, idem
idem, a Reis & Santos, contendo 240 carros de
mao ou iterro.
Marca S P J ama caixa n. 28, do Havre no va-
por francs Ville de Babia em 7 de Junbo de
1887 a Samuel Jonbstun, contendo 57 kilogram-
mas de limalba em frascos.
Marca triangulo e S 0 ns centro, urna dita
sem numero idem, no vapor francs Ville oe
Montevideo em 7 de Abril de 1888, a Goncal-
ves Irmos, contendo amostras.
Marca M& Cuma dita n. 24, 590, idem no
vapor francs Ville de Santos em 30 de Jame
idem.
Marca M & C a Medeiros & C. contendo II
kilogrammas de lapis para escrever e 23 kuo-
gramraas de ditos de borracha.
Urna dita n. 24.802, idem idem aos meamos,
contendo 22 kilogracmas de tinta (liquido) para
escrever e 28 kilogrammas de goma arbica (li-
quido )
Marca Alves de Brito & C, um pacote sem
numero idem, no vapor francs Buenos Ayres
em 5 de Setembro idem, contendo amostras.
Um dito sem numero idem. no vapor francs
Ville de Santos em 27 de Outubro dem, coa-
lendo amostras.
Marca triangulo M S em cima e A no centro c
um dilo.de Hamburgo no vapor allemao *Asr
K:ut;no em 15 de Novembro idem, a Miraupj
& Souza coniendo amostras.
Marca Alves de Brito & C, dois pacotes sem
numero idem dem, contendo amostras.
Marca diamante P A em cima A no centro e
M C. um dito sem numero dem idem, a Pe-
dro Antunes & C. conienda Amostras.
Urna caixa n. 25.022 idem. em 19 idem
a Mederos & C, caulendo 66 kilogrammas de
capas para cartas.
Marca H P, urna dita n. 3830 idem, no vapor
allemao Paranagu em 7 de Marco de lc89,
oniein contendo 536 kilogrammis de molduras
aoradas.
Marca diamante D C 1124 no centro e H P em
baixo, duas ditas ns. 1/2 e urna grade n. 3, de
Liverpool no vapor inglez Sculptor em 13 el2
dem, ordem cooteudo 96 kilogrammas decba
e 21 ditos de (landres pintado.
Marca diamante, O C em cima 1125 no centro
e H P, tres caixas ns. 1|3 idem, em 13 idem a
ordem, contendo 63 kilogrammas de cha, 27 di-
tos ue latas pintadas.
Marea diamante, D C em cima, H P em baixo,
n. 1432 no centro. Duas grades ns. 1/2, idem so
vapor inglez Don. em 30 de Agosto dem, a Joa-
quim Duarte SimOes & C, contendo 200 kilogram-
mas peso liquido de cb.
Marca diamante,D G em cima, H P em baixo,
o. 1431 do centro. Duas ditas os. 1/2 idem,
idem aos mesmos, contendo 162 kilogrammas de
cha.
Letreiro Agostinho Santos & C. Um pacote
n. 100, do Havre, no vapor francez Ville de &.
N colo. em 24-de Setembro dem, nao consta do
manifest, cooteudo amostras.
Marca A & C. Tres caixas ns. 17,415 17 i iem
no vapor francez VUle de Cear, em 11 de (tata-
bro, dem a Jacintbo de Azevedo, contendo 80
eipmgardas de nm cano p,ira caca.
Dez ditas de duas canos, 3 boleas para caca, e
104 pistolas de um caoo.
Marea R S. Seis ditas ns. 17,505/10 idem idem
a Reis Sanios, contend 60 pistolas de nm cano,
150 espingardas de um cano, para caca-
Marea JOBA. Quatro caixas ns. 909. 4910,
1033 e 1054 dem dem a Jacimbo de Azevedo
contendo 10 kilogrammas de obra de ferro ba-
tido.
32 ditas de parafusos de mais de 10 nme-
ros.
34 di las liquido real de echaduras de deas
voltas e trincos.
24 ditas idem de dobradicas.
15 ditas de poxadores.
30 ditas de obras de ferro rundido simples.
16 ditas idem de cobre.
' 49 ditas de parafusos de ferro at 10 nme-
ros.
45 ditas de caMeados.de ferro. ,
10ditas de dob'sdicas de ferro.
20 ditas de obras de fl.iudres simples.
5 ditas de obras de ferro batido.
Armazem n. 6
Marca A D Lima. Duas dias, sem numero, va-
stas, que couliveram fructas, vindas de Soaiham-
pton no vapor inglez Tamar, entrado em 2 i de
Outubro de 1889 e nao coosla do manifest.
Marca A & C. Urna dita n. 17-414 idem 00 va-
por inglez Etbe, em 11 idem a Jacintbo de Aze-
vedo 4 ti contendo 14 kilogrammas de espole-
tas em cartucho com carga de bala.
Armazem n 7
Marca A B D. Urna caixa sem numero com-
pletamente vasia. constando da entrada do mesmo
armazem ter entrado a dita caita assuu vasia,
vi.ida de Liverpool no vapor inglez Lassell, em
14 de Novembro idem.
2. SeccSo da Alfandega de Pernambuco, 27 de
Maio de 1890.
O ctae.fe.
Cicero B. de Mello.
DECLARACES
ALV.IXDEG1
Edital n. 54
(2.a praca)
Pela inspectora desta alfandega se fas
publico que s 11 horas do dia 26 do cor-
rente mez ser arrematada a p.trta desta
reparticao urna caixa marca RfOHnumero
9,347 vinda de Hamburgo no vapor alle-
mao aCampiuas, entrado em 31 de Maia
do correte anno, contendo 16 kilogram-
mas de rotulo8 de urna s cor, 21 kilo-
grammas de caixas de papellao va&ias
para botica, 1 kilogramma de tubos de
borracha para seringa ; 163 duzias de bi-
cos do borracha para mamadeiras, aban-
donados aos direitos por Joaquim Ignacio
Ribeiro A, C, Successores.
Em continuacio serSo arrematadas i por-
ta do trapiche alfandegado Barao do
Livramentodez pipas marca.V. A, con-
tendo vinho com mum, medindo liquido le-
gal 4,548 litros vindas de Lisboa no "apor
francez (Ville de Pernambuco entrado
em 14 de Abril do correte anno, abaa-
bonadas aos direitos pelos negociantes Ra-
mos Geppert & C.
Segunda Scelo da Alfandega de Per-
nambuco, 23 de Junho de 189J.
O chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
Alfandega
Edital n. 53
Terceira praa
Pela inspectora desta Alfandega se faz publi-
co que s 11 boras do dia 25 do correte mez,
sera arrematada porta desta reparticao, a
mercadoria abaixo declarada :
Urna barrica, mt.rcaMAC e contramarca P. n.
208, vinda do Havre no vapor francez ViUe de S.
Nicols, ntralo em Maio lindo, contendo fumo
em rap, pesando liquido 125 kilogramma?,
abandonada aos direitos por Menroo & C
Em continuacao serao vendidas no trapiche
alfandt gado Barao do Livramento :
Dez pipas, marca SP, vindas de Lisboa 00 va-
por francs Vle de S. Nicols, estrado em 16
de Marco ultimo,-contendo vinho commum, me-
dilo 4,686 litros, abandonadas aos direitos por
Fernandes da Costa & C.
2.a seceo da Alfandega de Pernambuco. 21 de
Jnnho de 1890-0 chefe,
Domingos Joaquim da Fonseca.
1 '


1
>
i
iiil'l-



CLUB-ESGRIMA
nouAm IA V COSSISA A E2ALIZA2-S2 ro DISST C1V8
Nodia24deJunhodel890
fiero Julzes senhoras e cavaltielros
Kmri
Cor ve II-
eiM
Amadores
1* pareoHlppodromo do Campo Graade250 metrosCorrida razarapazes at 16
aonos. Premios : Urna joia ao 1 e um objeto d'arte ao 3 .
Misa saiMi
0PERAC0IIC4, OPERETAS E MGICAS
00
TraDe^Taao QAJsrr'AJsnxA.
VA
Gafan hoto
Eleitor....
Magnate -
Logo-digo.
Mam rea..
Harold....
Agoniado .
Encaraado e branco----
Branco................
Azul e branco.........
Encarnado e azul.....
Lyno e ouro..........,
Rosa e azul............
Eocaraado e branco___
A. Arantes.
J. Oliveira.
J. Ribeiro.
J. Paalo Franco.
H. V.
Antonio Gaimares.
L. Lopes. .
..
2 pareoPrado Peraanbacaao700 metrosPequiras deste Estado, dirig Jos por. ama-
Urna joia ao Io e um objecto d'arte ao i"
dores. Premios
Ptativa ...
Boolanger..
Got.....
4|Cab9cliabo.
5Borracbo...
GJBigl.......
Azul e encarnado......
Encarnado eazul.......
Branso................
Preto e encarnado.....
Encarnado e preto.....
Verde e aaarello......
Thomaz Antonio.
L. Peni ana
J. P. da Silva.
JUefctiso Arantes.
AiHhunurNeto.
Manuel Torres.
3* pareoImpreaui Pernimbucana-----200 metrosCorrida razarapazes at 18 annos.
Premios : Lina jota ao Io e um objecto d'arte ao 2'
Forget-me-not
Pretoe encarnado.
Jobn-Boll .. .....Amarello..........
V7e.-i Well........Azul.............
Ki-s me.........Great e amarello..
Pernau.bucaoo Rms.............
Saris souci......
Guarany........
Invicto w........,
Aznl e branco.....
Encarnado......
Verde............
,
CAPITAL FEDERAL
HOJE Terca-feira, 24 de JunhoHOJE
Recita extraordinaria
Para satisfacer muitos pedidos de cavalheiros e familias que nSo obtiveram
bilhetes para a recita hontem.
Segunda representado da fetejadissima opera-comica em 3 actos, por
PREVEL e A. LIORAT, traduccao do festejado escriptor bahiano
DR. MOEBRA SAMPAO
Msica i-> inspirado maestro
PERSONAGENS
Barros.
L. A.
t. V.
L.:.
A. Brito.
V. F.
A. Martins.
S. D.
pareo -Club Esgrima-2.000 metrosAnimaes de3te Estado, em esquipado, dirigidos por
madores. Premios : Urna joia ao 1* e um objecto a'arte ao V
1 Voidor.........?*zul e branco.......'..
SlNamorado........Rona e preto.........
3|Riio.............'Encarnado............
4 j Matulo........... Branco. ..............
o Nb&ohd..........' Rosa.................
tlOmer Pacha.....'Brauco................
A. M.
T. .
HV.
H. P.
A. A. C
B. F.
j.'
pareo Claane Calxelral 800
da classe caixeiral. Premios :
metros. Animaes do Estado, dirigidos por membros
urna joia ao 1. e um objecto d'arte ao 2.
IjVulcQo-----
2 Ali-Baba...
alTivoiy .....
Belga.
Borboleta.
Thisbe.
Bonina e creme----
Branco,...........
Preto..............
Encarnado e creme.
Amarello..............J-
Verde......... ...
Augusto Miranda.
Conforme........Azul.
Bom gosto.......Encarnado........-
J. liveia. 0
B. Caro pello-
M. Ribeiro.
Alvim.
\. Galvo.
P- Acciojy.
Antonio Correa.
6.- pareo COHPAKHIA UELLER 1.000 metros.Corrida i aranh (ca
bnolet) por artistas c'a Compaohia Heller.Premio vencedora : um bello
cad-au pelos admiradores das automedontes.
liMaravilha,.
Australia..
iGreoat................I Mlle. AmeliaLopiccolo.
I Azul..................|MI!e. Alba Scquilero.
7.* parco.Derby Cinto-8r0 metros.Animaes deste Estado dirigidos por amadores.Pre-
mios : urna joia ao 1. e um objecto d'arte ao 2.*
1
2
3
4
5

7
8
9
10
Tombadilbo......
Alcoviieiro 1."----
Al-oviteiro 2.----
Dow comligo.....
Manicoba.........
Heberibe........
Orion......,.....
Manipeba........
Desengao.......
Dfsahafn.........
Verde e ouro.......
Encarnado eouro..
osa e ouro........
Ouro eazul........
I'ieto e encarnado--
Encarnado e azul
Branco.............
Prelo e encarnado..
(lianco e azul......
Ho-a.............
L. H.
L. Pestaa.
Manoel Torre?.
Judo Guimares.
Anlhenor Neio.
Tb. Antonio.
A. Alm.
Ildefonso Arantes.
Fian risco Barbosa.
. Moura.


Observacoes
As corridas principiarlo a 12 horas em ponto da manha e terminarlo s 4
horas da tarde, prevenindo a directora aos Srs amadores inscriptos que cumprir o
horario em consequencia de ser o da de H. loo e para maior commodidades das
Exmas. familias. ^****"
As pessoas que inscreveram-se devem se achar na toilette s 10 horas da manha,
e a directora previne que deverao ser restrictamente observadas as cores do pro
gramma, deixando de correr com perda da respectiva inscripslo aquelle que nao se
presentar com as cores nelle indicadas.
A directora previne que, aberta a venda das poules, s ter o publico 20
minutos para fazer as apostas em cada pareo, e nSo receber reclamacSo depois de
encerrada a venda.
Durante a festa tocar urna banda de ronsica marcial.
Precos
Ponle dos pareos dos animaes ...... 53000
dem dem das corridas rasas ...... 20000
Entradas
Ingresso geral, com dreito familia e goso a archibanc O DIRECTOR
J. M. hemos Duarte.



PER
SU-
DE
1MECO
Com sede na cidade do Recife
Banco Emissor dos Estados de Pernambuco, Parahyba,
Rio Grande do Norte e Cear
Capilal em acetes de 2M$000....... 20,0M:00$l0
Emissu de Mdeles ao portador e a vistr?.. 20,011 :000$000
Estatutos approvados pelo Governo da Repblica dos Estados Ddos do Brazil
Decretos N. 367 A de 30 de Abril e N. 395 de 12 de Maio de 1890
Entradas
A l.1 de 10 0(o ou 200000 no acto da subscripto.
A 2.a de 10 [0 ou 20*000 depo s e constituido o Banco.
As restantes com intervallo nunca menos de 30 das e nao excedendo a 15 [0
cada urna.
Depois de realiaada a quinta parte do capita! nominal facultada a integra'i-
Ko das accSes, que carSo sendo nominativas ou ao portador e com direito ao di-
Tylendo proporcional.
A subscripcSo das aceces est aberta as pracas do Rio de Janeiro, Baha,
Ante j, Macei, Pernambuco, Parahyba do Norte, Natal, Cear, Maranbao e Para.
i
Os incorporadores do Banco
Jorge da Costa Franco.
Alfredo Prisco Barbosa.
Luiz augusto de Magalhaes.
Bardo de Mesquita.
Joao lnnocencto Borges.
SUBSCRIPCAO NESTt ESTADO
. Acha-se aberta a ra daCommercio n.
BANCO SL-AMERiCANO
38
Pampinelli, governador de Tarento.
Cascarino........
Ascanio (sobrinho do governador) .
Catharina (mulher do governador).
Carlos (principe de Siracusa) .
Laurietta (pupilla do governador).
Fritella........
A superiora.......
Sror Francisca......
1.* novca.......
2.a dita........
Alisia....... .
Sr. Pcixoto
Sr. Vasqnes
SrN Nazaieth
Mlle. Lopiccolo.
Mlle Massart
Mlle. Blanche
D. Isabel Porto
D. A. Athayde
D. A. Leopoldina
D. Mathlde
D. Julieta
D. R. Bergmann
D. Virginia.
Giovanna .............
Homens e mulheres do povo, guardas, novcas, bailadeiras, etc.. etc.
A aceto pasea se no principado de Tarento nos fins do seculo XVI.
Grande tarntella cantada e dancada por toda a companhia e o ezcellente
corpo de coros.
Scenarios, vestuarios, aderemos novos e
deslumbrantes
HI9E-EM-ICEXE DO ARTISTA
HELLER
IPJ^UCO
i55.
A 8 1/t horas.
Haver trem para APS'UCOS n bonds para todas as linhas.
AVISO
AmanhS quarta-feirafc5.a RECITA DE ASIGNATURAcom o episodio
cmico em 2 actos e 9 quaprosCDIZe a applaudfcda opereta
0 N1T0LE0 DAS MOCAS
ca xa.
AL DE GCEBRA
^hesouraria de Fazenda ^KX^^SS1
k 1inta ingiera para escrever, boiie.
f inta ingleza sardinba, toi&o.
pector, fajo publico Tin,a Pre'a para escrever, garrafa,
ei, ser arrematado, lT!n,a carmim, frasco.
Thesourana de Pernambuco. 14 de Junho de
1800.
0 secretario da jouta.
Dr. Antonio Jos de -ant'Anna
BTIGOS r ARA O ARS:
De rdem do Sr. Dr.
que no dia 26 do correntej
em sesso da junta desu Ttieourana por quem
melbores vantagens offer^cer, o fornecimento dos
artigos abaixo mencionados, para o expediente
do arsenal de Querr ibrante o semestre de Ju-
Ibo a Dezembro do psente anno.
Os proponentes deviem observar o seguate a
l.o.Reunindo se a jauta s 11 horas da manba
daquelle dia para o fim indicado, a respective
hahiliacao deve ter lugar at o dia anterior e
ser requerida ao cidado inspector, devendo-s-
juniar as peticSes a prova de serem os propo:
oentes negociantes matriculados, e acharem-se
quites relativamente ao imposto de industrias e
proQssOes do ultimo semestre.
2." Que as propostas nao devem figurar pre-
eos variaveis ou sujeitos a abatimento ou des
cont.
3." Que devem acompanhar s propostas amos-
tras dos artigos nella m.-nciooados.
Artigo
Cadernetas em branco de papel fiume pautado,
com 100 foibas, urna
Cadernetas idem de papel fiume pautado, com
150 foibas, urna.
Cadernetas idem de papel hume pautado, com 50
foibas, urna.
Caetas tinas, urna.
Caetas entre tinas, urna.
Caivetes finos, um.
Enveloppes para cilicios timbrado, um.
Envelopes grandes ta erados, um
Esputla de osso, um.
Gomma anbica, frasco.
Lapis de Paber. um.
..apis de cores, um
Lapis de borracha, um.
Lacre encarnado, pao.
vlvro em branco de papel hollanda pautado, for-
mato Carn', com 50 folnas, um.
'dem idem idem, mesmo formato, com 100 fo-
ibas, um.
dem idem idem, mesmo formato.com 150 folbxs,
um.
'.dem idem idem, mesmo formato, com 200 fo-
ibas, um.
'Jem dem idem, formato Corone, com 50 foibas,
um.
Uem idem idem, mesmo formato, com 100 fo-
ibas, um.
dem idem idem, mesmo formato, com 150 fo-
ibas, um.
Uem idem idem, mesmo formato, com 200 fo-
ibas, um.
dem idem de papel fiume pautado com 100 fo
Ibas, um.
dem idem idem, com 150 foibas, um.
dem dem idem, com 200 folhas um.
Livro em branco de papel lioilanda pautado, for
mato E<. com 50 foibas. um.
dem idem idem, Ec. com 100 fainas, nm,
Idem idem idem, Ec. com 150 foihas, um.
dem idem idem, Ec, com 200 foibas, um.
dem idem idem, formato Colombier com 200 fo
Iba* litbograpbadas para mappa com encader
nacSn tnteira de couro, um.
dem idem idem, formato Ec, com 150 foibas
riscadas para receita, nm.
dem idem idem, mesmo formato, com 200 foibas
riscadas para despeza, um.
dem idem idem. formato Carr, com 100 folhas,
eocadernago inteira de couro, um.
dem idem idem, formato Carr, com <50 foibas,
encadernacao inleira de couro, um. -
dem idem idem, formato Carr, com 200 foibas
e encadernacao inteira de ecuro, um.
dem dem idem. formato Corone, com 100 fo-
ibas, eacaderoaco inteira de couro, um.
dem idem idem, mesmo formato, com 150 fo-
lhas, encadernacao idem, um.
dem dem ide_. mesmo formato, com 200 fo-
lhas, encadernacao idem. um.
dem idem idem, formato Jes, com 100 folhas
e'.cadernacSo indem, um.
dem idem dem, mesmo formato, 150 folhas,
encadercaco Uem. um.
dem idem idem. mesmo formato. 200 folhas,
encadernacSo idem, um.
Papel fiume paulado, resma.
Pastas de oleado, de diversos tamanhos, urna.
Papel fiume liso, resma.
Papel inglez rosado para officio, resma.
Papel idem branco para officio, dem.
dem idem rosado para officio, timbrado, res
ma.
Papel idem oranco, timbrado, para officios, res
ma.
Papel hollanda fdrnato Corone, folba.
Papel de formato Ec. folba.
Pappel idem formato Carre, folha.
Pgpel idem formato Raisio, folba.
Papel idem formato les, folha.
Papel idem, formato Colombier, folba.
Papel ca-to mata borro, folha.
Pennas de ac Perry, caixas.
Banco do Brasil
Pelo' presente sao convidados os seuhores ac-
cionistas desie banco a realisarem no escrptorio
de Pereira Carrfeiro 4 C., roa do Commercio
n. 6, 1- andar, do 4ia i<> a SdeJuIho prximo,
10 0/0 de entrada ou 20*000 por aeco da nova
emisao. ftessa occasio s?r facultado quelles
que quizerem entrar cem mais 20 0/0 ou 40*000
por accao, realisando assim 50 0/0 do capital.
Recife, 16 deJunho de 1890.______________
Companhia Pernambucana
de Navegagao Costeira
por vapor
A directora desta Companhia, tendo
procedido ao sorteio de 55 obrigacSes pre-
ferenciaes para amortisaclo de 2 '[0 sobre
o valor do emprestimo de res 55:O0O,
faz s ente que feram sorteados os nme-
ros seguntes: 5971129175189
277 | 294336-337366-368-408
497 -568-580583590703781
-78-1-793-796-811841844-888
936-939995 -10021087-111.
1204-12371256-13151317 1385
150516611705-17331897 1957
2046 2056 2099 2401 2403
2444 24702543 2548 2611
2623.
Convido, pois, aos possuidores dessas
obrigacSes a se apresentarem na sede desta
Companhia, do d a 1. de Julho em dian-
te, para em face das mesinas receberem
nao s o valor de cada umo dellas, como
tamhem os juros decorridos de Janeiro a
Junho, data em que cesaarao ditos juros
Convido igualmente os possuidores das
demais obrigacoes, nao sorteadas, a virem
naquelle dia ou subsequentes recebe* os
respectivos jures vencidos em igual tempo.
Banco de crdito Real de
Pernambuco
9.* sorteio
Nos termes dos arts. 47 e 48 do estatutos, a
admnistraco e commisso fiscal proceder&o no
aia :6 do correte, ao meio dia, em urna das
salas da Associacao Commercial Beneticente, ao
9 sorteio das letras hypotbecarias, emitHdas
pelo banco, que teem it 3er amorri.-adas e rela-
tivas a 1.', 2.*, 3. e 4 series e primelro semes-
tre desie anno, como de costume dez destas le-
tras serao premiadas.
O local franqoeado a qualquer accionista.
Pernambuco, 21 de Junbo de 1890.
Os administradores,
Manod Joao de Amorim.
Luiz Duprat.
Jos AJolpbo Rodrigues Lima.
Companhia Pernambucana
de Navegado Costeira
por Vapor.
A directora desta Companhia proceder no
di 23 do corrente, ao meio dia, o Io sorteio da
araorii8aco do emprestimo de 8 K).000 na ra-
zo de 2 o relativo ao semestre de Janeiro a
Junbo do correte anno ; para o que convida os
Srs accionistas que quizerem assislir, a compa-
recerem a essa hora na sala de suas sessOes, no
predio do Forte do Matios n. 12.
Recife 18 de Junho de 1890,
Maooel Joo de Amorim.
Sebastiiio Lopes GuimarSes.
Companhia de Bebe-
ribe
Convida se aos senderes accionistas
desta compauhia a reunirem-se em!
assemblageral ordinaria no dia 1 de'
no i- andar da .casa n. 71, a ra do
Imperador.
A referida assembla geral teru por
fim principal tomar cotila da gesto dos
negocios sociaes do armo prximo pas-
sado, eleigSo da commisso 6scal e do
presidente e secretario da assembla
geral, mas resolver tambem sobre ludo
o que for de interesse da companhia.
Recife, 15 de Junho de 1890.
O director gerente interino,
Barao de Casa Forte.
O director secretario,
Aurelio dos Santos Coimbra.
Aviso aos passageiros
Trem de espectculo
NSo sendo possivel companhia expedir
trens depois do espectculo pelos precos
da tabella ordinaria, resolve tazel os nos
das em que orem annunciados pelos pre
eos duplos dessa tabella ; sendo que em
taes trens nao vigorara nem os passes, ncm
aBsignaturas por cartSes ou por series ; os
menores que oecparem assentos pugain
passagem.'
Recife,' 20 de Junho de 1890
O gerente,
A. Pereira Simdea.
.SANTA CASA
CASAS PARA ILIGAR
Restauraco casa terrea n. 27 14*000
Lapa n. 2 14*006
Bom Jess idem n. 13. 3 andar 16*660
dem do Amorim n. 23, idem 15*000
(dem idem idem, 2* andar 15*0C0
dem idem d. 64 armazem 25*000
;dem do Vigano n. 28, 1. andar 25*000
dem idem idem 2." andar 20*000
dem idem n. 27, toja 13X060
Bispo Sardinba n. 11 1 andar 16*600
D. Mara Cesar n. 118 terrea 16*000
dem n. 16, terreo 20*000
Companhia Pernambucana n. 30, loja 15*000
Madre de Deus o. 2, armazem. 12*500
Burgos n. 21, terrea 14*000
Sete de Setembro n. 22 40*000
Becco de Abren n. 2_________________8*000
Tribunal da Relacao
De ordem do Sr. conselheiro presidente
da Relacao fago constar que, foi designado
o dia 28 do corrente mez, para ter lugar
o exame requerido pelo cidadao JoSo
Antonio Francisco de S, que pretende
obter provisSo para exercer a profissao de
advogado em algumas comarcas do Estado
da Parahyba.
Secretaria da Relajeo do Recife, 20 de
Junho de 1890.
O secretario,
Virgilio Coelho.
U paquete Jiquateur
Comandante Moreau
E'esperado da Enrosa no
dia 4 de Jalao e segui-
r depois da demora ae-
cessaria para
BaJn^^tBSe Janeiro, Bumot-Ayret e
Montevideo
Lembra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes que ha lagares reservados para esta
agencia, que podem tomar em quatquer tempo.
Previne-se aos Srs. recebedores de mercado-
ria3 que s se attendera a reclamacOes por fal-
tas, nos volumes, que forem reconnecidas na
o xasiao da descarga, assim como deverao den-
tro de 48 horas a contar do dia da descarga das
a varengas, fazerem qualquer reclamaco con-
tenientes a volumes que porventura teham se-
?nido para os portos do sol, afm de poder-se
Jar a tempo as providencias necessarias.
Katea paquetea
l aa elctrica.
*io illuminado a
Para carga, passagens, encommendas e di-
a leiro a frete: trata-se com o
AGENTE
Auguste Labille
9 Ra do Commerao 9
United States and Brazil
M.S.S.C.
O vapor Allianca
E'esperado deNewYork-
at o dia 30 de Junbo
o qual depois da de-
mora necessaria seguir
para a
Baha, Ro de Janeiro e Santos
Para carga, passagens, encommendas e di-
aheiro a brete : trata-se com os
AGENTES
Henry Forster & C.
8Ba do Commecior8
1* andar
CHARGEURS REUNS
Fran a
a vapor
o Havre, Lisboa,
MARTIMOS
Lloyd Brasileiro
PORTOS DO SUL
5 vapor Pernambuco
Cmmandante Antonio Ferreir da Silva
E' esperado dos portos do or
te ate o dia 24 de Junho e de
pois da demora incuspen ave!
seguir para of portos Uo su I
as encoinieQda8 serSo recebidas na agencia
at 1 hora da larde do dia da sabida.
?ara carga, encommendas, passagens e valo
es rata-se com os
AGENTES
Pereira Carneiro & C.
6*=Rua do Commerc0=z6
Io andar
Companhia
DE
NaYegaeSo
Liaba quinzenal entre
Pernambuco, Baha, Rio de Janeiro e
Santos.
O VAPOR
Ville de Montevideo
Commandante Viel
E' esperado a Europa at o dia
23 de Junbo seguindo depois
da indispensavel demora para
Rio de Janeiro e Santos
Soga-se aos Srs. importadores de carga peles
/a pores desta linha, queiram apresentar dentro
le 6 das a contar do da descarga das alvarengae
jualquer reclamaco concernente a volumes qne
jorveutura tenham seguido para os portos do
mi afim de se poder dar a tempo as provi-
iencias necessarias.
Expirado o referido prazo a companhia nao
esponsabilisa por extravos.
?an: -.rga, passagens, encommendas e di-
ih;u.. n^tc: trnta-secom o
AGENTE
Augste Labille
y-RUA DO COMilKRCIO9
' --^*-'
A.\A
>ompanhia Baha na de Na-
vega^ao Vapor
ji, Villa-Nova, Penedo, i
Macei,
Araca-
j, Estancia e Baha
O VAPOR
Mrquez de Caxias
Commcndante Moraes
Seguiri para o;
portos cima
indicados no dia
26 do corrente s
4 horas da tarde.
Para carga, passagens, encommendas e dinhei-
o a frete trata-se com o
AGENTE
Pedro Osorio de Cerqueira
17Ra do Vigario17
COHIViMlll
avefiaeo
PORTOS
PKHMHBIXtM
DE
costeira por vapor
DO SL
Tamandar e Rio Formoso
O vapor Una
Commandante Montero
26 de Junbo s
Recebe carga at
Segu no dia
.horas da tarde,
'dia...
Encommendas, passagens e dinheiro frete
is 3 horas da tarde do da 26.
ESCRPTORIO
Ao caes da Companhia Pernambucana
n. 12
Companhie dt Messageries
Maritimes
LINHA MENSAL
O paquete Orenoque
Commandante Mortemard
E' esperado dos portos do
sul no dia 3 de Julho
seguindo depois dadewo
ra de cosiume para Bor-
deaux, tocando em
Dakar e Usboa
Lambra-se aos Srs. passageiros de todas as
classes qne ha lagares reservados para esta
agencia, qne podem tomar em qualquer temnp
Faz-se abatimento de 15 0(0 em favor das -
mias compostas de 4 pessoas ao menos e que
pagarem 4 passagens inteiras.
' Por excepcSo, os criados de familias que to-
marem bilhetes de proa, gozam tambem deste
a latimento.
Os vales postaes s se do at o dia 30 de Ju-
nbo pagos de contado.
Para carga, passagens, encommendas e di-
nheiro a frete : trata-se com o AGENTE.
COMPANHIA PKB.V*
DE
avegaco costeira por vapor
POS'IOS DO SUL
lacei. Penedo. Aracaju' e Baha
O vapor S.Francisco
.ommandante Albino
Segu no dia 23 de Junho as
B horas da tarde. Recebe car-
ga at o dia ...
Encommendas, passagens e dinheiros frete,
t as 2 horas da tarde do dia da partida.
ESCRPTORIO
o Caes da Companhia Pernambucana
n. 12
LfilLOES
Quarta-fiira, 25 asi! hora?, deve ter lu-
gar a 3 praca da barrica eom rap, na Alfande-
ga 10 barris com vinho no armazem Jos Luiz e
2,000 fardos de alfafa no armazem Livramento
* C, outr'ora armazem Loyo.
Quinta feira. 26, deve ter locar o leilo de
:res na vallo? le corrida (garanti..-; e seis eguas
ii'esti- Estado.
Quinta feira, 26, i hora da larde em con-
linaaco ao leilo de cavallos e eguas deve ter
lugar o leilo de botes, out rigyers c escaleres.
3. leilo e ultimo
Quarta-feira, 25 do corrente
A' 1 hora em ponto
Nb edificio da Cmara de Olinda
De um importante sobrado de 2-andares em
solo proprio, n. 30, ra de S. Pedro Martyr,
o qual sobrado acba se bem localisado e muito
fresco, por mandado e assist ncia do Exm. Sr.
Dr juiz de direilode orphos, levar a leilo o
sobrado cima, pertencente a menor Maa, her-
deira instituida no testamento do tinado Domin-
gos da Silva Torres
Os Srs. pretendentes desde j podero ir exa-
minar.
Agente Stepple
Agente Stepple
3. leilo e ultimo
De um importante sitio e casa sob n. 28 ra
do Baro da Vera-Cruz em Olinda, com porto
ao lado da casa, um parreiral todo de ferro,
grande baixa de capim, grande sitio com di-
versos ps de coqueiros e outrasarTores.de
fructos.
Quarta-feira, 25 do corrente
No edificio da Cmara de Olinda
A' 1 hora em ponto
0 agente cima, por mandado e assisteocia do
Exm. Sr. Dr. juiz de direito de orphos reque-
rimento da inventariante dos bens pertencentes
ao tinado Jeronymo Justiniaao Figuelr* de Mel-
lo, levar a leilo o importante sitio cima, com
grande casa de pedra e Cal.
Os Srs. pretendentes desde j podero ir exa-
minar o referido sitio en Olinda.
Terceiro leilo
De predios situados em Olinda e no Recife
CONSTANDO:
de urna meia agua n. 294 ra Imperial, duas
ditas por traz da de n. 294.
Um casa terrea n. 2, na travessa da ra do
Commercio, em Olinda.
Urna dita n. 27 na rna da Bica de S. Pedro,
tambem em Olinda.
Quarta-feira, 95 do corete
Na porta da Cmara Municipal de
Olinda 1 hora da tarde
O agente Martins far leilo por mandado e
em presenca do cidado Dr. juiz de orphos da
cidade de Olin >a, dos predios cima, pertencen-



i









!
i
llagarse a
na roa do
rtm*flto
Leil

I
ao
le 2,000 fardos de alfafa, em nm oo mais lotes,
vootade dos compradores
QuarCa-feira, 28 4o correte, ao meto da
Agente Pinto
No armazem Livramento C, ootr'ora Tra-
piche Loyo
Devendo ter lugar antes o de i barril com ra-
p e 10 oipas com vinno, no armazem Jos Loiz,
jipo da gnaria-moria.____________________
Leilo
Dos bons cavadlos Feuillage, Vampa e
Hero de puro sangue, de boas filiac3es,
propros para corridas ou para garanhSes,
seis eguas do Estado e 20 fardos de al
tafa.
Qjuinta-f eir do corrate
A's 11 horas
Agente Pinto
No largo do Corpo- Santo

Leilo
"Dq2 Out-riggers e 2 escaleres, Oceania
e Pernambucana com seus pertences.
Quinta-f eir, 26 do corrente
A' 1 hora da tarde
Agente Pinto
No armazem do largo da Ponte-Velha o
de se acham os meamos botes
Leilo
Precisa se de om rapax de 16 a 18 annos.
que lenta praiica de padaria e d fiador de fina
conduc a ; a tratar oa roa da Praia n. 12, ou na
roa Imperial, padaria Victoria.
Curso primario uocturno pa-
ra adultos
Raphael de Azevedo tem aberto em sna resi-
dencia um oureo primario nocturno para adultos,
e pelo sen metbodo de ensino garante rpido
aproveitamente qoeiles que desejam multipli-
car e enriquecer a vida interior, associar-se a
vida de seus semelbaotes, unir-se e fraternisar
com os bomens; sio 1er, escrever e contar.
Horado da- 6 s 9 da noite.
Ra da Gloria n. 49
" i -y .. ii ..
Para engenho
Um bomem cafado com pooca familia offerece-
se para ensioar insirucco primaria em algum
engenbo ou povoaco ao centro do Estado ;
quem precisar dirija-se ra da Madre de Deua
n. 11, loja de alfaiate.
CaliHs do Monte de Soc
corro
Compra-s Cautelas do Monte da Hoo-
corro de qualquer joia, brilhantes e relo-
gioe, paga-se bem na roa do Cahog n
n. 14. Loja da relojoeiro.
Bom negocio
Precisa se de um rapaz com pratica de mo-
Ibados, oo de um rapaz com algum capital para
socio de urna (averna na freguezia de Santo An-
tonio, em boa localidade e Dem acreditada:
tratar na ra da Detencao n. 29.
Ooro 9 prafc
Compra-se, como tamben:
moedas, ra do Cabug
n. 9., loja de Awgusto Reg.
Nevidadft
aportante leilo de piaao do fabricante Pleyel,
mobilias de Jacaranda entalnada, dita de pao
carga torneada, espelbo oval, estantes, secre-
tarias nogueira, geladeiras, objectos de electro-
pate, crystaes, louca tina, apparelhos de por-
celana dourada, jarros cbinezes, ditos de bron-
ze e figuran de biscuits.
CONSTANDO :
Um excelleate piano de Pleyel n. 4, 1 cadeira
para o mesmo, capa, estrado e ps de vidro.
Urna estante para msica.
Urna importante mobilia completa de Jacaran-
da toda entalhada, (obra rara), 1 dita de pao car-
ga nova e obra 'le gosto, 1 espelbo ovol, 1 par de
escarradeiras dourada, 1 tupe le grande, 1 linda
secretaria de mcgno com movimento (obra ame-
ricana) 1 estante dita, 1 toilette tampo de pedra
6 fiordes fuscos, 1 lavatorio de mogno, tampa de
pedra e espelbo, 1 importante guarda roupa de
amarello, 1 meia commoda de amarello, i cama
de ferro com lastro de rame, 1 cotcbo de crina,
capas de brim para cobrir mobilia, 2 pannos de
leo para cobrir consolos, estante de amarello
para livros 1 lote de livros, 1 banca, 1 estante
ara remedios, i macbina elctrica para cboques,
importante me.-a elstica com 4 taboas de pao
Carga e ps torneados, 1 guarda comida, 2 appa-
radores de amarello, geladeiras, 1 guarda pratos,
i guarda lu ca de amarello, I tbear, i cabide de
parede, 1 quartinbeira, 1 cupla para cama, 1 can-
dieiro de bronze para cima de mera 4 pares de
jarros de bronze, 1 linda apparelho de porcellana
dourada para cha, 11 pratos pequeos para desut,
bules de louca cbineza, 1 fructeira de vidro, 1
lamparina de vidro opaco, trens de cosinna, 1
Carro de mao e trem de jardim.
Lindos objectos de electro-pate, talberes de
dito rinissimo, vazos e pratos cbinezes, bijoute
ras, porta-cartes de crystaes, jarros emitando
kronze e figuras de biscnit.
QUINTA-FEIRA, 26 DO CORRENTE
Ja ra do Atalho n. 3, segundo portSo
junto a antiga caixa d'agua
O agente Martins aniorisado por urna familia
que mudou de resideucia, far leilo dos movis
e mais objectos cima mencionados. Todos os
movis sao de apurado goso e mmto se recom-
mendam por seu estado de ptima conservaco.
O mesmo agente declara que os movis sero
retirados e pagos em acto continuo.
A Livraria Franceza avisa ao respeita-
vel publico que acaba de raceber om sor-
timento de novo hvros de litteratura e
jurisprudencia, taes como:
Repblica e Monarchiapor Latino Coe
lho.
Espumas Fluctan tespor Castro Al ves.
Bella Rosapor Amede Achard.
As Primaveraspor Casimiro de Abren.
Novissima arte de cosinha.
A Carne por Julio Ribeiro.
Monographias Judiciariaspor Hyppolito
de Camargo.
Instituirles de medecina legal Brasileira
por Joaquim Mariano Galvo de Moura
Lacerda.
A Constituicao de Repblica do Brasil
por JoSo Jos de Andrade Pinto.
Carteira Jurdicapor Joo de S e Al
buquerque.
Livraria Franceza
RA Io DE MARgO N 9
Gasa para alugar
01 andar da ra larga do Rosario n. 37,
esquina defronte da igreja com commodos para
grande familia ou escriptorio ; a tratar no pa-
vimento terreo.
Attenco
Os proprietarios do antigo e acreditado arma
zem do Lima, tito ra Baro da Vi :toria n. 3,
participan: ao respeitavel publico e aos seus
distinctos fregueses, que trnseriram tempora-
riamente seu armazem para a mesma ra n. 9,
con tu uando da mesma forma a receberem suas
ordens para Ibes servir com o costomado e ba
oitual desempenbo.
Jos Fernandos Lima k C,
Ra Bario da Vctor!a n.
TeJephone323
Cr
Precisa se de om criado
qne de Ganas n. 63.
a tratar na ra Du-
Casae sitio
Aluga-se urna casa em perfeito estado de as-
seio.com agua, gai, jardim, banbeiro com cbu-
visco, diversos arvoredos dando fructo, e com
bastantes accommodacoes, na estrada para o si-
tio do Cajueiro sob n. 6 : a tratar na ra da
Conceicao da Boa Vista n. 43.
Pf LULAS
Uenriqur Kernaudr da Coala
Manoel F-ruandes da Cosa e Joviea M. F. da
Costa, coovidam a todos seus prenles e amigos
para assistiremjuma missa qne mandam rezar na
matriz da Graga, s 8 boras da manb, no dia
25 do corrente, por alma do seu nunca esqneci
do filao Hen-ique Fernandt-s da Costa; e desde
j se confessam agradecidos.
Cal nova de Lisboa
J chegou paralaimares Valnte, no largo
do Corpo Santo n. 6.
Engomtnadeira
Precisarse de urna a na para engommar e arru-
mar quartos em casa de pequea familia; no
Caminho Novo, defronte da estacSo.
C/ompra-se
umaarmaco de amarello, envidracada, propria
para laverna : quem tiver dirija-se a tratar no
largo do Carmo n. 2.
Pataees
e outras moedas de ouro e prata ; compram-so
pelo maior prega, na roa do Commercio n, 4.
Comprara-se
bug n. 14.
Patacftes velhos
na relojuaria David, ra do Ca-
Vende-se
taaverna da ra da Palma n. 4, propria para
principiante e bem afreguezada ; o motivo da
venda soraente porque o dono tem outro ne-
gocio ; a tratar na ra da Concordia n. 57, pa-
daria.
anda
Gasa
.Leil
ao
De um terreno sito no principio da ra Impe-,
rial, junto ao terreno do finado capito Manoel
Joaquim Ferr ra Esteves, tendo 50 palmos de
frente e 150 de fundo, limitando ao norte com
terrenos de Affonso da Cruz Munu, pelo sul
com terreno pertencente ao capilo Ferreira Es-
teves, frente para o nascente pela ra Imperial
e fundo para o poente.
Sext-feira, 27 do corrente
v* 11 horas
No armazem da ra do Imperador n. 16, onde
aaver o grande leilo dos terrenos das casas
da ra do Arafro, pelo agent-. Martins.
Aluga-se o 2- andar do predio n. 39 rna da
Imp-ratriz, com agua, caiado e pintado, com 4
quartos. gabinete e 2 filas ; a tratar na roa da
/ Coneeico n. 43.
Leilo
Bo excellente RestaurantFederalista, completa-
Perdeu-se
Qnem achou urna cOpia ov escriptura do pre-
dio n. 49 ra do Baro de S. Borja, pertencente
a Bartholomeo Lou renco, queira restituil a que
str bem gratificado, entregando no mesmo pre-
dio ou ra da Madre de Deu n. 8.
Chaves perdidas
Perderatn-se oito chaves pequeas, presas em
urna argola ; rogase a quem as acbou o obse-
quio de entregal as a ra do Bom Jess n. 43,
que ser recompensado.
Urna senhoia viuva sem filhos, desejando
empregar-se eui casa de familia como profesara
de primeiras letras, dentro ou fora da cidade,
mente montado com bons utensilios para o ser- pede a quem pretender os seus servicos que dei
vico do mesmo grande sortimento de bebidas
finas, em magnifica localidade, sito ra Lar-
ga do Rosario n 31
Sexta-felra, 91 do corrente
A's 11 horas
0 agente Gusmo, autorisado pelos Srs. Octa-
vio Rodrigues & C, proprietarios do mesmo, fa-
ri leilo do relerido restauran!, o qual ser
vendido livre e desembaracado de qualquer
onus.
Agente Burlamaqr
Leilo
correte
41
Jexta-felra, 91 do
A's 11 boras
No armazem ra do Imperador n.
De fazeodas, camisas de linho e roupa
O agente cima, autorisado, vender ao correr
do marlello, urna macbina de costura de alfaiate,
ama mesa grande,propria para offlcina de alfaite.
calcas, paletots de panno fino, grvalas, colletes,
camisas de linho e muitos outros artigOB.
xe nes a typograpbia carta para M. E F. L.
I 11 11 1 lili
la. Vr a a a a,. i mj a.
Leilo
i
Seguro emprego de capital
Do dominio directo dos solos em que esio edi
(Icarias as casas da ra do Arago, freguezia da
Boa-Vista.
Solos das casas do lado dos nmeros impares
1, 3, 5, 7, 9. U, 13, 15. 17, 19, SI, 23, 25, 27, 29,
31,33, 35, 37,39, 41,43 e 45.
Solos das casas dos nmeros pares 2. 4, 6, 8,
10, 14, 16, 18, 20, 22, 26 28 30, 32. 34, 36 e 38.
Sexta-feira 91 do corrente
A's 11 horas
No armazem ra do Imperador n. 16
O agente Martins competentemente autorisado
far leilo dos solos das casas da ra do Arago
.constantes dos nmeros cima, conforme a re-
lacao que se acha em seu poder.
O mesmo agente convida aos capitalistas e
aos proprietarios a virem comprar os solos de
anas respectivas casas, para assim ficarem va-
lendo mais as suas propriedades por nao estarem
sajeitas a foro e laudemio, no caso de venda.
AVISOS DIVERSOS
Precisa se de urna ama para cosinnar, e de
outra para engimmar : na rna do Vigario o. 5,
armazem.
Precisase de urna boa cosinaeira
da Soledade n 82
Para engenhos
GIMARES & VA LENTE, jparteci
pam aos seus fregueses e Illms. Srs. de
engecho que, como sempre, tm grande
deposito dos artigos abaizo mencionados
garantindo tudo de primeira qualidade e
preeos sem eompeteneia a sabor :
Cal nova de Lisboa,
Dita de Jaguaribe.
Cimento portland.
Oleo de mocot.
leos americanos
especiaes para machinismos.
Azeite de coco,
Dito de carr apoto.
Dito de pewce.
Pixe em lata.
(5 galSes.)
; Kerozene inexplosivel.
Graxa em bexigas.
Gaxeta de linho.
Potassa do Russia.
(em caixas, barriquinhas, latas grandei
e pequeas.)
Formicida Capanema.
6Corpo-Santo--6
Al ugue J barato
Visconde de Goyanna n. 159.
Largo de S. Jos n. 74.
Pedro Affonco n. 46, Io andar.
Becco Campello n. 1, i andar.
Pedro Affonso. armazem n. 46.
Ra do Bom Jess 2*. andar n. 47
Ra Aguazinbas em Beberibe n. 7
Ra 1 tapa rica n 43 1. andar.
Travessa do Carmo. loja n. 10.
A tratar rea de Commercio n. 5, 1
notorio de Silva Gmmaraes A C.
Livraria Contempor-
nea
Instrumentos de ansie
Bomnardo. bombardino, barytono, tromp
trombone, helicn, saxanhone. carrilon, bom!
:aixa, pratos.clarinitas. (lautas,rabecas, violot;
"ealejos, caixas de msica, etc., etc.
Papel pintado
para forro de salas, quartos, gabinetes, corred*
res.
Molduras
louradcs, pretas e douradas para quadroe.
Malas
para viacem, diversos formatos, especiabaeni
oara roupa de senbora e camarote.
Novidades
para presentes, escriptorio, toucador, etc., etc
RAMIRO M. COSTA & C.
Rna Prlmelro de Har^o n. a
Mal liiqueira Casiro Mouieno, Mauoti ue
Castro Monteiro, Augusto de Castro Monteiro,
seus irmos Jos de Castro Monieiro, Antonio de
Castro Monteiro, sua sogra Rosa Antunes de
Oliveira Monteiro e sens Albos agradecer do
intimo d'alma a todos os prenles e amigos que
acompanharam ultima morada a sua prezada
esposa, tilba e mi Maria Cerqueira Castro Mon-
teiro e Manoel de Castro Monteiro, assim como
a todas as corporaedes que se dignaram fazel-o
emuito boa vontade e promptido ; Sacramen
to de Santo Antonio, S. do Rosario, S. Jos,
S. Goncalo. As missas resadas que deviam ter
ugar no stimo da, ficam transferidas para o
rigesimo dia. 18 do futuro mez de julho.
Clementlna A. Ferreira deFarla
t. annivers-.no
JoSo da Silva Faria, sua mulber e filhos, Car-
los da Silva Faria, sua mulher e filhos, Antonio
Ferreira de Ka ra e Lindolpho da Silva Faria,
filhos, oras e netos da tinada, mandam rezar
missas na matriz da lioa-Vista, quarta-feira 26
do corrente, s 7 1/2 horas da roanh, pelo re-
pouse eterno de sua cara mi, sogra e av, Ce
mentina A. Ferreira de Faria ; e coovidam os
prenles e amigos da tinada para assistirem a
este acto hoaatiitario e caricioso, antecipando
desde j os seus agradecimentos.
faruetratantnt pnmptaewraiat
Molestias do estomago e dos
intestinos, molestias do Agrado,
dispepsia, indierestoes, clicas,
nauseas, diarrfiea, priso do
ventre, falta do appetite, in com-
modos depois da comida, enxa-
quecas e dores de cabeca chroni-
cas, rheumatismo e nevralgias,
molestias da pelle, molestias pe-
ridicas das senhoras, e, alm
destas, maltas outras enfermidades que se
classlflcio debaixo de urna iiiflnidade de
nomes, todas porm, oriundas da mesma
causa, a saber;
Desarranjos dos orarSos de di-
feestSo e assimllacSo,
donde pro vm a Impureza e o enfraqueci-
mento do sangue, com a debldade e con-
gestio de todos os orgo vitaes do sys-
tema.
Procurem-se
AS PiLULAS GATHARTICAS DE AYER,
PREPARADAS PELO
DR. J. C. AYER Se CA,
Lowell, Mass., Est.-Unidos, -
Tjxaronro ^tTiIi
na ra
AMA Precisa se de urna, para casa de
familia : na ra da Palma n. 80.____________
Alngam-se casas catadas e pintadas nos
indos de 8 Goncalo, a 8*000; a tratar na ra
da Imperatriz n. 76.
Pataees e outras moedas de ( uro e prata:
compra-se pelo maior preco ; na ra do Com-
mercio n. 4.
O Sr. Loiz Ferreira da Cruz, resolva,
quem paga o acceitante oo o sacador.
se
Declara^ao necessaria
Rodrigo Car val ho ft C. declaram que nada
devem ao espolio de Jos Luiz Ftrreira Costa.
Recife, 13 de Junbo de 1890
Rodrigo Carvaiho&C.
Criada
Qnem tiver de embarcar para a Capital Fede-
ral e precisar de urna criada de cosfianca e que
noeni.4, para cuidar em criaucas, dirija-se
& ra Vidal de Negreiros o. 91, que achara com
quem tratar.
4
i
->
A
-)
-
j
->
i
-
->
A
->
-:
4
-i
J
->
i
-
i
->
4
4
4
4
4
4
4
%\WWEB4
lo vinoso
Apprerade palc Illnstrada Junta de
Hygiene Pnbliea 4a Corte.
Auctorisado por Decreto Imperial
de 20 de Junho de 1883.
COMPOSI9O
de
Firmino Candido de Figueiredo.

Empregado com a maior efficacia no
rheumatismo de qualquer naturea,
em todas as molestias da pelle, as
leucorreas ou flores brancas, nos
soffrimentos occasionados pela impureza
do sangue, e finalmente as differentes
formas da syphis.
Dse Nos primeiros seis das urna
colher das de cha pela manha e outra
noite, puramente ou diluida em agua
e em seguida mudar-se-ha para colhe-
res das de sopa para os adultos e me-
tade para as crian (as.
Rgimen Os doentes devem ab-
ster-se apenas do alimento acido e gor-
duroso; devem usar dos banhos frios ou
momos, segundo o estado da molestia.
DEPOSITO CSVTBAIt
Francisco Manoel da Silva & C.
Droguistas
23 Ra Mrquez de linda
Pernambuco
r
<-
r
<"
-!-
<-
<-
<-
f
f-
<-
!-
<-
f-
f-
f-
i
I-
f-
t-
(-
v
t-

WIISIT
Rojal Bleod marea YIADO
Este excellente Whisky Escocea pre-
ferivel ao cognac ou agurdente de cana,
para fortificar o corpo.
Vndense a retalho nos melkores arma
zena de molhados.
Pede Rojal Blend marca Tlado
cajo nome e emblema sao registrados pan
todo Brasil.
BROWNS & C, agentes.
-------------------------------------______--------
Eng-enho Santa Clara
Vende-se urna parte do engenbo Santa Clara,
situado no termo de Ipojuca : quem a quizer
comprar dirija se ao engenbo Genipapo. que
achara com quem tratar.
Olaria
srRna da loria8
Nessa olaria eocontrar-se-hao os seguintes
materiaes, qne nao teem competencia :
T. ibas.
Tijolos de alvenaria batida.
Ditos de dita mais fina.
Dos deladrilbo.
Ditos de tapamento.
Ditos cosidos propriamente para calcadas.
Todo este material fabricado enm o ptimo
barro da agua doce do Taquary. Aqui tem o
fregoez toda a quantidade que necessitar sem
demora
85Ra da Gloria85
Taverna
Vndese urna taverna propria para princi-
piante, por girar com pouco capital, o alucuel
a zoavel e tem commodos para morada ; para in-
forrmfsoes a roa doCapitao Lima n., 31
D. Maria Paula de abren
Joao Caetano de Abren, Umbelina Correia de
Abreu, Antonio Jos de Abren Ribeiro e seus
filhos agradecem cordialmeote a todas as pes-
s >as que no cemiterio publico acompanharam
at a nltima morada os restos mortaes de sua
idolatraba esposa, cunhada, irma e ta, D. Maria
Panla de Abreu, e rogam Ibes o candoso obse-
quio de assistirem as missas que por alma da
me.tLa sero celebradas na matriz de Santo ao
tooio, s 8 horas da manha de 25 lo corrente
(luarlaffira), getimo da do seo fallecimento.
t
iNOVIDADES
Manequins de Bazar
O Dr. Manoel Caldas-Barreto e alguns'amigos
do inditoso moco Mendo S Barreto Sampaio,
convidam aos prenles e-amigos do tinado para
assistirem a urna missa que pelo repouso de sua
a'ma mandam rezar na igreja matriz da cidade
de Palmares, no dia 25 do correte, pelas 8 ho
ras da manb, seumo dia de sen passamento.
t

Jone Maria de Soma Araujo
A viuva. sogra, cunhados, sobrinhos e primos
do Tallecido Jos Mana de -ouza Aranjo, agr
decem a todas as pessoas que acompanharam
ultima morada os restos do seu sempre lembra-
do esposo, georo, cunhado, lio e primo ; e de
novo as convidam para aisistirem as missas que
pelo i*eponso de sua alma, mandaoi celebrar na
capella do cemiterio publico, s 8 boras da ma
alia do dia 26 do corrente, stimo do seu passa*
ment. Antecipam seus agradeeimentos a todos
que compar''cprijm.______________________
t
Mendo Si Barreto Sampalo
Catharma Eulalia da Cmara Sampaio e filhos
Dr. Barreto Sampaio e sua mulher convidam a
seus parentes e amigos para assistirem as mis
sas que mandam rezar pelo repouso eterno de
seu tiltio. irmo e cunhado. Mndo S Barreto
Sampaio, s 8 boras da manha do dia 23 do cor
rente, na matriz da Boa-Vista. Aproveitam a
occasi2o para agradecer nao s as pessoas que
comparecerem a esse acto, como tambem aquel-
las que acompanbaram-no sua ultima mo-
rad;^__________________________________
iienoo S Barreto sampaio
Mendo S Jarreto Sampaio Primo e sua mu
Iher convidam a ledos os parentes e amigos de
sen prezado primo e amigo Mendo S Brrelo
Sampaio, para assistirem a missa que ser reza-
da na matriz de Palmares, no dia 25 do correte,
s 9 liorais da manb. Antecipam seus agrade-
cimentos s pessoas que comparecerem a este
acto.
t
Mara Digna de Paula Coala
Antonio Francisco da Costa, seus filhos meno-
res, Joo Francisco de Paula, sua mulber Fran
Celina Maria do Nascimento Paula e seus filhos,
agradecem do intimo d'alma s pessoas que se
dignaram acompanbar ao cemiterio publico de
Santo Amaro os restos mortaes de sua sempre
chorada mulher, mi, tilba eirm, Maria Digna
de Paula Costa; e de novo coovidam os seos
amigos e parentes para assistirem as missas do
stimo dia que por sua alma mandam rezar na
ordena 3. do Carmo, no dia 26. do corrente, s 8
horas da manb, que por este acto de religio e
caridade se confesnaro ar-ilos.
Abre e fecba como chapeo de sol e ser
ve para qualquer senbora por mais gorda
ou magra que seja fazer seuB vestidos sem
ter necessidade de costureira.
Cortinados de cores para porta ou janella
a 1(5600 o metro.
Crochet branco e de cores para cortinados
a 10OUO e 1,5500.
Flores para cabello ou eneito de vestidos
a 1,5000, IiJOO e 2#t 00.
Sabonetes para pannos e sardas a lr)0
Extractos finos, frasco com 20 gotas, a
2-0 ra.
Lapis de ouro a 1(5500 e 25000.
Tesouras com mollas e caixa a 15500.
Porta-luz com phosphoreira a 1(5000.
Relogios para ver no escaro a 8(JC00 e
10,5000.
Albuns para 10 ou 25 retratos a 3(5000.
Para aso domestico
Bramante de 4 larguras a 800, 1,5000 e
10200.
Panno de linho com 4 larguras a 10600 e
2000.
Atoalhado adamascado a 10400.
Panno da Costa, com quadros e listas, a
10000 e 10200.
Guardanapos finos a 10800 e 20000 a du-
zia.
Toalhaa felpudas a 60000 a dita.
Cretones para cobertas a 809 rs.
Colchas de cores, muito grandes, a 20000,
Cortinados bordados para cama ou janella
a 60000.
Oleados de cores para mesas, cada repar-
timento 40500.
Algodaozinho largo para todos os preeos.
E muitas fazendas que se vende por
qualquer prego.
D se descont a quem corrprar de
2< 0OCO para cima.
NA LOJA DAS LISTRA3 AZUES
De Sorocaba
Declaro que soffri muitoterrpo, fazendo
uso de medicamentos sem resultado, e,
usando tres aias apenas daInjecgSo M.
Morato sarei completamente de urna
chronica gonorrha que me atormentava.
Faca uso deste como convier.
Antonio F. Fontoura.
Est reconhecida a firma pelo tabelliSo.
Agentes depositarios em Pernambuco -
Francisco M. da Silva & C, ra Mrquez
de Ohnda u. 23.
UM.
EEMEDIC
IFFALLlfEL
em todo o
de
RHEUMATISMO
Impurezas do Sangue, Erapcocs, Escrr>
fulas, Ulceras, SipMlis
o toda aSeccSo ,de natureza
eruptiva ou venrea
SALSAFHHILflA'
DE BRISTOL
0 Remedio fle FaaJia por excellencta?
Ama
Precisa-se de urna ama para cosinhar e com-
prar ; na ra Velba 137.
Ama
Precisa-se de orna boa cosinheira para casa
de pequea familia, que durma em casa dos
Satres e sej matriculada ; na ra de Fernan-
es Vieira n. 29.
Ama
Precisa-se de urna ama de meia idade para
cosinhar, para casa de pouca familia ; na ra da
Palma n. 109,
Ama
Precisa se de urna ama para cosinhar e en-
gommar ; na ra larga do Rosario n. 9 (regula-
dor da marinha).
Amas
Precisa se de dnas -amas, sendo urna para
crianca e outra ara o servico domestico ; a tra-
tas no caes 22 de Novembro n. 24, armazem, oa
na rna Baro da Victoria n. 59, 1- andar.

Precisa se de ama para cosinhar e mais ser-
vicos de casa de familia ; a tratar na fabrica
Tigre, ra Baro da Victoria n. 4.
AMA
Precisa se de urna ama para comprar,
cosinhar e azer ensaboado em casa de
familia. Prefere-se pessoa que seja s e
que seja "matriculada. Na ra do Hospi-
cio n 6 se dir quem precisa.
Ama
Precisa se de. urna ama para cosinhar; na ra
Conde da Boa Vista n. 68._________________
Ama
Precisa se de urna ama para cosinhar para
pouca familia na ra do Livramento n. 22, se-
gundo andar.
Fogos Sorfes
Para os festejos das noites de
Santo Antonio
S. JOAO
s- DPDSDOoaa
Grande e completo sortimento, caixas sor-
tidas e a retalho
Vende-se por prefos commodos ra da
IMPERA TRIZ N. 12, loja de ferragens
do SOIZA.__________________________
0 Peitorl de Thiaridio
E' REMEDIO EFFICAZ?
Contra os defiuxos, catharros, tosse con-
vulsa, astlima, bronchites, -resfriamentos,
rouquidao, constipaco e todas as molestias
das vias respiratorias.
Cura as tosses e os catharros os mais
rebeldes, dando allivio aos doentes, pro-
porcionando-lhes um somno calmo e repa-
radora e expulsSo do catharro dos bron
chios.
Approvado pela inspectora geral de
hygiene
Preparado por
t
Piedade
Pharmacia Calasans,
Maria Isabel aimei
Manoel de Souza Cordeiro Simes, sua mulher
e fiihos, Jos de Souza Cordeiro Sin Oes e suas
irms, Joo Alves do Valle e sua mulher, agr
decem do intimo d'alma a todos os parentes e
amigos que acompanharam os restos mortaes de
sua prezadissima cunhada, tia < prima, Maria
Isabel SimOes, suu ultima morada ; e ds novo
os convidam para assistirem i s missas que por
sua alma .mandam rezar na ordem 3.' de N. S.
do Carmo do Recife, s 8 horas da manha o
dia 26 do corrente, stimo do seu fallecimento.
antecipando d^sde j seus aendHcimen'os.
Bom
negocio
Admitiese um socio com algum capital para
averna ; a tratar na ra de Domingos Jos Mar-
tins n. 80
Aos agricultores
O bacbarel Petronillo de Santa Cruz Oliveira
contina a encarregar se de levantar empresti
mos para auxilio da lavoura sob hypotheca de
propriedades e penhor de safra ; na ra do Im-
derador n.96, 1 andar.
47, rnarmacia Uaiasans, praca
baha
Poucos remedios tem sido to uteis aos
soffrimentos como este, pois metiga sem-
pre o soffrimento aos afilie.os e quasi sem-
pre restitue a sade aos enfermos. A popa-
laridade de que goza no sul a prova a
mais incontestavel da sua superioridade-
De gosto mui agradavel, de aspecto lison.
jeiro todos o tomam, ninguem o repugna.
Preso do vidro 205lO
Da psito no Recife
FRANCISCO MANOEL DA SIVA & C.
Ra Marquaz de Olinda n. 23.
Antonio Francisco da Cruz
Criado
Precia-se de um criado
d n. 19.
na rna do Paysan
Socedade Litteraria Gon-
calves Dias
t .
Joao Barbosa co neis
directora da Sociedade Luterana Goncalves
Dias convida aos consocios oenementos hono-
rarios e elTectivps. aos coliegas, amigos e a fa-
milia de seu prestimoso e inditoso consocio Joo
Barbosa dos Beis, para assistirem a missa que
por sua alma manda celebrar no dia 27 do cor-
rente, trigsimo do seu fallecimento, pelas 7
horas da manh, na matriz de Santo Antonio-
Desde j protesta a sua eteraa gratido quelles
que comparecerem ao referido acto.
0 1- secretario,
Joko V. Cruz Jnior.
Vende-se
urna boa machina de numerar e diversos cofres,
seouo um muito grande, e que foi da antiga the-
souraria das loteras'; a tratar na ra Mrquez
de Olinda n, I, 1' andar.
Bom emprego de ca
pital
Vendem-se as casas da ra do Padre Floriano
n.41, e Vidal de Negreiros n. 30. A 1. tendo
venda na esquina e dependencia na travessa de
Antonio Henrique,' rendendo 484000 mensaes.
e a 2.a ser ."indo para qualquer estabelecimento,
rendendo 300<: tratase com Olegario Nei ra, na
ra Marcilio Dias, antiga Direita n. 131, primei-
ro andar. "
Maitfoiga Especial
PARA BOLOS
Latas de meio kilo 800 ruis.
Corpo Santo n. 6
SuJmares & Valeten
Cal virgem de Jagna
ribe
Deposito no Caes do Apello n. 93
Esta afamada cal, propria para o fabrico
de assocar, continuase a vender pelo mes-
mo preco e abatimeoto do costme. No mes-
mo armazem vendem-se todas as mais quali-
dades de cal de Jaguaribe branca e preta, em
po, assim como todos os materiaes proprios
Dous milagres
Illm. Sr>. D. Carlos Tomei o seu r
medio o Elixir M. Morato o foi com
elle que pude sarar das boubas que soffria
ha muito tempo e que descorocoava por
nunca melhorar ; nm meu visinho que
tambem soffre j largou de tudo que Ihe
receitaram e est tomando o seu mesmo
remedio.
Agradecido pelo conselho e son obriga-
dissimo.
Santos.
Albino Jote Couto.
Illm. Sr. D. Carlos. Ene todos de
casa, faz muito tempo, que soffremos hu-
mores de boubas, com dieta sem resolta*
dos. Fizemos uso agora do Elixir M.
Morato, propagado por D. Carloa, e
sarmos completamente.
O remedio, alm de ser muito bom,
ainda tem bom gosto, pois as coianaa
bebiam com facilidade, misturado con
agua.
Sap.
Firmino Agni.
Vende-se
ara construcces e reconslruc-oes ^ ^^X^^ZLTr^^^0^1^

Y
/>

\

- ; i j
3
j "





.

menores do que em outra qualquer parte.


iiario de Proambueo--Trta-feira 24 de Jimho de 1890
NOVIDADES
PREQOS BARATOS
Na ra do Crespo n. 2 i
LO JA DO C\MP0S
Cbitaa setim de ramagem a 280 rs. o covado.
Linn com ramagem grada a 400 rs. o dito.
Dito com barra e ramagem, um metro de largura, & 500 rs. o dito.
Etamines de cores; flores miudas e ramagem a 400 rs. o dito.
Cretones, novidades em cores e padroea, a 361 rs. o dito.
Voile de 15, retiramos d'Alfandega o mais lindo sortmento do voile, ,em pa
drSes e ao preco de 800 rs. o dito.
Merino assetinado da la com ramagem, a 500 rs. o dito.
Damass d'algodSo com preparo de seda a gosto de voile a 800 rs. o dito.
Assim como vanedade de artigos, tuuo de phantasia e por precos que garant
iob sem competencia
jrt
Cardoso & Irmao
Ra do Baro do Triumphons. iuv 1^4
Receberam novo sortmento de vapores dos acreditados fabicacte
Rbinton para trabalbar com fogo de asseatamento, moendas, tax, ,nm
mear e todas as mais ferragenc r~: t agricultura.
Na loja do Campos
RUADO CRESPN.
Xarope e Pasta de Berth
UM
Pbarmactntico, Lmureado pelos oepitmee de Pmriz.
O Xarope e a Pasta Berth de Codeina pura, possuem urna efflcacia incontestavel
nos casos de Defluxos, Bronchites, Catarro, Asma, Molestias da Gar-
ganta, Insomnias, Tosse nervosa e exbaustante das Molestias do Peito e
para acalmar as Irritacoes de qualquer natureza. As pessoas que usam do
Xarope ou da Pasta Berth experimentao um somno calmo e reparador que
nunca seguido de pezo na cabeca, perda de appetite, nem de constipacSo.
as receitas especifique-se bem Xarope ou Pasta Berth e como garanta exja-
se a Assignatora Berth e o Sello Azul do Estado Francez.
PARIZ Casa CLIN A e por intermedio de qualquer pharmacia.
[CAPSULAS THEVENOTJ
t"*&j iT6l Enf ermidades nervosas de qualquer natureza
FS'v*! Anttpyrina.
\Bromureio de Camphora.
Bromar elo de Potassio.
Eter. ethBftic te Valeriana.
Apll (Amenagogo, regulador do sangue).
Sulfato Quinina.
mk Atposttarlos pernamboco : n\*<
LOTERA
ESTADO DE PERNAMBUCO
EM BENEFICIO DA
Santa Casa i Misericordia do Recife
Henhuma preparapao superior Doma Anii-Diabetica de flocher.
i. iB IIUm'

QUINA
HOG*IER
ANTI-
DIABETICA
0 TNICO MAIS PODEROSO E RECONSTITUENTE
Contra o Diabetes, a Albuminuria, a Pbosphaturia e todas as molertias que
influem sobre a nutrido e aquellas que resultara da debilitado das forjas,
Anemia, Pebres, Convaloscenciaa dlmcels.
Mando-te gratis e sem despesas urna itUeressante Memoria dicando>
causas. .
sua sade
\da-se gratis t sen acpesas urna imcrcsuiuc jicmwm ---,
, symptomas e todas as consequ-nexos do Diabetes, qu toda pessoa cuidadosa de
de ucee ler com a maio" attenro.
L PHARKIACEUTICO, 112, RU DE TUBEINE, PARS
Ve caia truc a Marca registrada R. F. usa como o Salla prutia
la Unido tos Fabricantes.
ROCHER,
Evitar as falsilicacoes i exigir n
ACHA-5C
Pmamacias
CrantU liquidiacSo d fabadas
Tendo-se dado balando na casa
N.-58




A 8.a parte da 1.* lotera deste Estado ser
extrahida impreterivelmfnte sabbado 28 do
corrente.
Todos os pedidos de bilhetis desta lotera
devem ser dirigidos thesouraria ra larga
do Rosario n. 9 1. andar.
PELOS CONTRACTANTES
Bernardino Lopes Alheiro.
SADE PARA TODOS.
PILLAS HOLLOWAY
Ab Piluias purificar) o Sangue, oorrlgem todas as desordems de Estomago 9
dos Intestinos.
Fortalecen- a saude das C0Bttita;oes delicadas, e sao d'um valor incrivel para todas as enfem-dades
peculiares ao sexo feminino em todas as edades. Para es meninos assim como tambera para as
pessoas de idade a vaneada a sua efficada e incontestavel.
FNDIUO DE SINOS B BRONZE
DE
LUIZ DA CRUZ MESQIUTA
66na do Baro do TnumphoP
Tei para vender o seguirte;
Machinas de cobre para facer espirito de destillar e restillar.
Alambiques de cobre do antigo e novo syatena com esquente garepa*
Serpentinas de cobre e de estanho.
Carapncas de cobre. \
Taixas, taixos caldeiras de cobre.
Bombas de todas as qualidades de repuchos, aspirantes e continuas.
. Tornelras de bronze e madeira de todos os tamanhos.
Cnos de cobre, de.chumbo e de ferro.
Repart detrs, passadeiras e escumadeiras de cobre estanhado de ferro o
Cobre em lencol e rmelas '
Sola inglesa e do Rio.
Gaditmhos patente e de lapis.
Sinos de 1 libra at 110 arrobas.
E muitos outros objectos.
ENCARREGAM-SE ie qualquer concert e obras de encommenda. garan-
crteza, perfeicao e precos mdicos, para o que tem pessoal habilitado.
VENDE a praso ou a dinheiro com descont.
as

##
o FERRO
,BRAYIS
Segundo as experiencia* dos mala conhecidoi mdicos
f tem urna accTTo imroediata sobre a Economa tem Que
' d'abi resulte a menor perturbacao, e do metmo paseo
que restitu ao eanaue a tua cor natural da-lhe o vigor
V necessario reconatituindo-o.OutraqualidadetemUm-I
Ibem o ferro Erarais que de nlo negrecer os den tea. I
1 HajM toda a caut/a com ai /m/fapffei ou *
f Contr*Mco9.
f Exiair a nnaR.HRAVAIS.imprimidaTermeIha
DBrosrro hs Moa fsrtb DAS PBMCU i
kTsnDa por Atacado: 40 et i^r.St-Laaaro, Parfsj
"jE**i'2^2rGGi C.&
Alimento ^Criangas
Para remediar a fraqueza das crianzas, desenvolver
os suas forcas e presernal-os las ioencas (tai idat
tenra, os princlpaes Mdicos de Parts, membros
da Academia de Medicina de Paris, receito coia
ptimo exilo o verdadeiro
atecabout os Arabas de Uelangronler, tt Parta*
Esteagradavel al1mento,compdsto com substancial
vegetaes nutritivas efortalecedoras divide-se na eco-
noma tuda, e. pelas suas propiedades analpticas,
rnclhora a composleSo do le te das senhoras que ama
mento, e acorda s forcas lnguidas do estomago.
5S, raa Tiileue, Paria. eposits aas Pbarmarias do ludo eiMn.
Pede-se ao Sr. Francisco
de Souza Motta, ajudante de
Iguarda-mr da Alfandega
; para vir ou mandar rua do
;Barao da Victoria n. 50, loja.
] liquidar aquelle negocio que
S. S. nao deve ignorar, visto
nao saber-se o seu domicilio.
PRODUCTOS EN0L0GIC0S gLOfiB
tc l.kYSSE ROY, em Poitiers (Frsnga)
Emite PRO USTt Suc"-- & Genro
sua medicin lo pr^ponuJaj smente'n Estabelecimenln do Profesor IIollowaV,
' <8, KtW 0XF0BO STREET (anta* 533. Oxford Street), LOHDRES,
E vendentse m todas w pbarmacias do unirerso.
VT Os connradorn ** covidrjlo rcspeitosanieiitt fiamiror o> rtulos de cada caixa e Pote se oto WHB 3 |
"* dirrcoao, 533, Oxford Street, sao falsificaooes.


e de cores.

;v
geparou-se os seg-untes rticos para acabar,
Sedas.
Cortes de vestidos.
Las.
Tecidos de phantasia.
Cretones.
Nanzuks.
Cambraias.
Fustoes*
Gasemiras.
Cortes de casemira.
Brins de diversas qualidades, brancos
Cortes de collete.
Meias para homens, senhoras e meninos.
Madapoloes.
A4godaozinhos.
Atoal hados brancos.
Ditos de cores.
Camisas para homens e meminos.
Lencos.
Espartilhos.
Ceroulas.
Collarinhos.
Gravatas
Todos estes artigos se acham com um pequeo toque
de mofo, razao por que se vende por me-
tade de seu valor.
Grande quantidade dertalhos
D'cstes artigos nao se dio amostras
58-RUA DUQUE DE GAXIAS-58
Telephone n. O.
. YPOR
FABRICA DE LUIROS DE ESCRJPTURACAO f
ENCABSRNACAS MHTA9A0 ^
'
CQanoel J. de (Diranda
1. Perfume enantico dos Vinhos ou sobral QQ .
de Medoc................. os >0 frascosi
I, Rancio-ars^enciaaeCognac,os 100(rasos 500tr.
3. Periumesvar.tto.loo os Licores os loo frascos 300 fr.
4. EssenciadeRhuinoudeTafia, oslOOfraaco 600tr.
Pan* centeii)
Mello BSmJ tintn rw^rnio tpva ftmww ''*
fennnn reuif-to. (til-ji su teu" UataUCX'*
contiui'ain i fnUnvur t.^ie delicioso..pu ctfjteio
todae is tercas k sexl;is-feiras ; na rua larga 00
Rosario 11. 40.
RIGA SOLITARIA'
I CABREA I'AT.OIlBniOA EXPBLLIDA \
f D'^TilO DE? HOUARTatLAS
., OLCBUI.AC- SECRETAN
[PKW.MACEl.TiC:, U.fiEACC, ri EMCO CCM MECALH ,
O BDteu remc.1 .. id- 'en-ivoe infallivrl___I
Fadoptabonoshospitaesoe pars'
t OBSERVaCOOiv.ni oliio ijGLOBULAS
I de SECRETAN lem originado vanos mus productos'
L similares : e misur rcsK"ardr-sc d clles com lo.'o
\ cuidado.
Deposito geni. 52, roa Detimps, em Pars
tPeriuanbuot .Si^" M.da SILVA e C
&BpemanJraco:rRAM-|I.daSI?A4C. ExCelleilte HlOrada
Farello superior
a 1*800 ; bo largo do Mercado n. 42.
? 39
EA DUQUE DE CAXIAS 39
NUMERO TELEPHONICO 194
LOJA DO POVO
tRua 1 de Marcot
GRANDE WOVIDADE
EsU nova loja contina a ter um grande sortmento c aempre pechinchas, em
Drecos nint>aD0 lhe pode exceder, capricha na exaotidao da qualidade e as medidas
desuaB fazendaa que podem ser compradas por qualquer crianca. Muitos de suas
{aiendas silo recebidas directamente da Europa.
Descont de 10 J" em compras de 205000 para cima.
Grande sortmento de fazendas de phantasia para S. JoSo e S. Pedro.
Voile de la e algodao, lindos desennos, a 240 ra.
LSs imitadlo de cachemira a 240 rs.
Chitas de 200. 220 e 240 rs. o covedo.
Setinetas de ebres, deseohos lindes a 300 rs o covado.
Zephiros lindos a 120, 160 e 200 rs. o covado.
Cortes de casemira de 30500 e 6 dem de costumes de casemira de cor a 12000.
dem idem dem preta fina, a 145000.
Ricos caaacos de Jerssy, bordados, a 60000.
Toile de seda de 10600 o covado a 650 rs.
Granadino de seda, de 10800 o covado a 800 rs.
Merino preto a 500, 700, 10000 e 10300 o covado.
Diio de c6r, liso, a 400 rs. o covado.
PARA GftIANGAS ;
Redes de cores, pechincha! a 30000.
Vestuarios de Jersey, a 60000 e 70COO.
Capinhas ejaquetadomalha para cri?nca, a 10000, 10OU e Z0UUU.
Brins de cores, covado 400 rs. *
Merinos lavrados, lindewdesenhos, toalhtre felpudas ingleza /c?mQP!1ue1Iln^"
feito para ^odos os precos; grande Rortimento de lencos de sedaja 400, 00 e i*^'
lencos de algodito com barra grande a duia a 10600, bramante de hnho e algodao,
atoalhados, cortioadof voiles, lindos desenhos'Novidade !
ATKINSON
PERFUMARA ENGLEZA
Excede todas aa outras pelo sea
perfume exquisito.
Agua afamada de
LYANDA INGLEIA de ATCIISON
e outros muitos oonhecidoe perfumes
j pela si:a qualidade e odor deleitavel 6
exquisito.
Pasta Oriental m Denles Atkinson
em rTJ ppn alTejar e embeleoer os |
dentes e preservar as gengiras.
i EnconrM-se e/n Cjs.j d torios os tfeo-
cantes Fabfidnles
J. E ATKINSON
24, Od Bond Street. Londres
MaWt*deF*b.icn Urna" Uoabranca"
obra Bina Lyia d Oaro "
cora ntWre^o na totalIdada.

medicamento approvado pelaAca-
________demia de Mediana de Pariz, 6
verdadeiro porgante das senhoras da*
enancas e das pessoas de eoMtUnic&o dea
cada. Coa um vldro de W de Rog, fcil
levar oomsigo por toda parte, pode-se prepera
na occasilo neceseana, ama Limonada da
gosto agradavel a multo refrigerante.
0 P6 de Jloplconeerva-ee Infinitamente sea
eatterar.
Emprega-se' o, deitando o contedo de
fWro em meia garrafa d'agua, deixando esa
Bffntentf durante urna hora, ou melhor da
attitepanodia; rolbar a garrafa se desejar-ee
ter mu limonada gazosa.
Fabrica e venda por atacado: CasaL. Frere,
rea Jacob, 19, Parte. A varejo, em quaei
ae nharmacias de todos os patees.
maHiipi
CHOCOLATE com SANTONINA
nriurra para *itmr u lohbusu
late Vermlfugro e rcnaiiidido aal
wa tatar agralavl a caaaenafia iadefiida.
Exigir i uignttun :
Par, ae. roa do T&mpl aia*>radiai PttTMcUf.
Aluga-sea grande casa esobrado do Dr. aj-
iGama, na estrada de Joo de Barros, pert?
i dasestacoes da En :ruzilhada, das ferro-vias de
oiinda d"L'mo*>iro. ffimjoiDiensas accommo-
liacoes, jardius, aryort-s frncliferS da meihor
qualidade e vaslo terreno, quer para plantagoes,
qner para criaco ; a tratar no mesmo sitio.
X tmwSuiw) s nputA n sspoj ui coiiscUsq {
2 (v5NVtli) 803CMOS f*
,0 simvj jy ** ivd s>
tttttfttfttttttttttfttf
AO PUBLMJ8
O abaixo assignado resolveu participar
aos seua amigos e freguezes que contia
a ter sempre o mais completo sortmento
de:
COGNACS destacando o afamado
Paulino, que um dos que mais se preB-
tam a tomar-so com leite.
VINHOSO Palhete sem prejuizo das
outras marcas/ especialisando tambem o
magnifico Bordeaux Republique BrtU-
litnne.
LEGUMESem conserva, especialida-
des como nSo se encontiam em qualquer
casa.
CARNE 3 em conserva, especiaes come
nunca vieram aqu.
PEIXES-rtambem o que ha de mais
variado.
CERVEJASonde se destaca a bem
conhecida e digna de celebridade Paulino
Bier.
CHARUTOS nm grande sortmento
das melhores marcas, e por precos muite
commodos.
Alem destes artigos acha-se o seu esta-
belecimento sempre supprido de tude
qnanto Be possa desejar d'nm bom esta-
belecimento d'aquelle genero.
Rua do Imperador n. 28.
Paulino ole Olivara Maia.
Caixeiro
Precisa se de nm caixeiro com pratlca de nt*
lhados : a tratar na roa de S. Jorge n. 92.
ADMINISTRAS AO L
a>AMZ, 8, BenHTiard' Hentniartre, PARIZ
PAST1XHA8 DIOE8TIVAS fabricadas em
Viohy com os SaestfCimMdeUkUftntes. Sao
de gosto agradavel e a sua icoao certa coa*
tra a Azia otM agestis iirneeu.
m*SIWIf.Dmrolc(In d".- pa9iMiawa-eneEaeiesten Mam tctmfm tmttfOes etotr em todos oe-gmodue
E. Pu,I-I..VQ. MafeSalaM "*-* UU5KR KOBCMUN,
U. ra* d Cini: -'*ua. I.AVII..C.
tiM.
O Peitoral de Cambar
Sempre foi, e ser o piiLcipal remedio---garantido-para as
molestias do larynge, broDchios e pulmoes.
A broochite, asthma, mal do peito, rouquidSo, laryagite, coqe-
luohe exinalquer tosse, por maia grave e antiga que seja, coraaMe esm
o Peitoral de Cambar, medicamento approvado pela Junta Central de
Hygiene Publica, premiado com duas medalhas de onro de lt* ciaste e
rodeado de valiosos attestados medios e de innmeros de pessoas ca-
ndar. Eaija-se afirma do autor.
/. Alvares, de Sousa Soares.

-
:
'. -*
a *





^


o



YENDAS
Vende-se o sebrado n. 7 4 ma Vtsccnde
I de Inhaama : a tratar na roa Daqoe de Caxias
----------; n. t(N loja de calcados.
no pateo!
moneo--1 ere, a* eira 24 de Junho de 1890
Vaccas loarinas
Vende se a bel a rasje Olinda,
de S. Pedro Nro n. 2, cora grandes commbdos,
quintal murado, terrear propro, cneio de sapo
teiras de pnmeira qualidade, muito Iresca, coa ,
gai e agaa, cosinha fora, i ende 500 e 600i pon Aproveitem agora
anno. est sempro alugada ; a tratar no Cami i Vendem se duasvaCcas dando leite, com crias,
nho Novo n 128. duas ludas garrafas drenhes, pura raca, e uten-
~ Venaem se puries ae trro coiu columnas' 8ll>08 as resmas, por ter recebido ordem DEra
e sem ellas, graleamento para cima de muro,' <"ia>dar; coebeira ca roa Sebastiao
terracos e jardios. baa< eiras d ferro para arca i L?Pei n- 33\e* tratar conv Jos Ma,a- raa do
das, boceas de forno dobradas e de chumbar, Iplres 31- defronte da aatiga Caixa d'Aaua.
trancas de ferro com cadeado, ferrolbos de se
guranca, adragas, rodas para cariocas e ciri!
nboa de mao ; no largo do forte das Cinco Pon Vende-te a (averna da ra da Palma n. 71,
tas n. 4. tenda de ferrelro. bem afreguezada; a tratar na mesma.
Taverna
BR CABIOS BETTESCODRT-
s lis(pii un i cm%k
GRANDE DEPURATIVO DO SALGUE
Elixir anti-rheumatico, anti syphilitico e empregado- em todas as molestias de
pelje, erysipella, darthroa ou empigens, beri-beri, anthrazes ou carbnncul s, cancros
venreos, feridas cancerosas, ulceras, gonorrheas chronicaa, boubas, buboes, escrfu-
las e todas as doencas que dependem da impureza do sangue.
Este remedio superior a todos os outros do sen gonero, o que est provado
pela preferencia e acceitacao que lhe d o publico.
Um frasco 3^000, urna duzia 30$000.
Xarop* d$ jaramacar composto
GRANDE PEITRAL
Tratamento e curativo de todas as molestias do peito e da garganta, defluxo,
toases simples e convulsas, coqueluche, constipaco*es, asthma, bronchite, catarrho
chronico e tisica pulmonar e do larynge.
E' e primeiro peitoral que se conhece at hoje na medicina.
Um frasco 2|500, urna duzia '#000
VIINHO TNICO
Com lacto-phosphato de cal e ferro, coca, cascas de laranjas amargas e quina.
O melhor remedio que se tem formulado pela combinacao destes heroicos
medicamentos. Empregado no tratamento das molestias do peito, do estomago, ane
mas, menstruales difficeis, debilidade geral, c6res paludas e todas as vezes que se
quer fortificar o organismo e dar desenvolvimento ao systema osseo e muscular.
Convm s pessoas ou senhoras que criam para tornar o leite mais nutritivo e robus-
tecer as enancas. E. te remedio superior a todos os tnicos estrangeiros que se
annunciam por ah.
Um frasco 3#000, urna duzia 30$000
CAROBINA
o GHAirns ?uri?::ad3h sa salgue
O emprego da CAROBINA deve dirigirse a combater as seguintes moleslias:
aa diversas formas das doencas chronicas, os desengaados, soffrimentos do tero,
affecc3es cancerosas, beri-beri, escrfulas, tumores brancos, ulceras chronicas, effec-
c3es venreas rebeldes, paralysias, molestias do coracSo, da garganta, rheumatismo
chronico e gottoso, molestias de pelle, assioi como todas as enfermidades derivadas
da impureza do sangue.
Um frasco 3$000, urna duzia 30$000
INJECCAO BETTENCOURT
Gura radical em
Empregada com ptimo resultado nes corrimentos
urethra ou vagina, leucorha ou flores brancas.
efBcacia,
Um frasco 1^500, urna duzia 15$0O0.
ASICA
seis das
agudos ou chronicos da
Este medicamento de ama gande
TNICO FEBRFUGO e desobstrente
Empregado na debilidade geral, doencas do estoipago, convalescencas depois
do parto, febres palustres, molestias do figado e baco, falta de appetite, anemia, chlo-
rose, cores paludas ou falta de sangue e doencas nervosas.
E' um reconstituinte de energa, aromtico e agradavel ao paladar.
Um frasco 3$, urna duzia 30$>000
nicos exportadores
GOMPANHIA DE PRODUCTOS MEDICENAES
31-RUA DOS 0RIYES-31
rio de .i \m:iko
Vendas em grosso e a retalho em Pernambuco
Francisco Manoel da Silva & C.
FOLHETII
asm mmm
POB
PAULO D'lIREIO.\T
RIMEIRA PARTE
A andorinha
(ContinuacSo do n. 140)
XI
OBGCLHO PATERNO
Este voltava mindo com o amigo e
nlo pareca aborrecerse na eompanbia da
&Ha; ao contrario, Luiz de Astarac
declarava a casa dos Vallauris mil vezes
mais agradavel do que o castello de Can
dales, entretanto residencia principesca,
barco de ana familia.
Residencia que o senhor contLa a
passair ? perguntou-lho Laura um domin-
ga, em -que pela centesima vez elle fallara
a respailo na presenca de Henriqueta,
BMfc tria mais indifferente que nunca.
Infelizmente nSo, minha senhora,
responden elle soltando um suspiro are
volucHo comecou a nossa ruina, a monar
chis de Julho poz lhe termo. De urna for-
tuna outr'em principesca apenas nos resta
hoje um nome Ilustre e um brasfto intacto.
Que elle me parece querer tornar a
dourar com o dote daquella que julga ser
nossa filha, disse um da Laura a Roselin.
Quem nos dera que assim foBse re-
plicn elle enthusiasmado. Duqueza de
Cndales !... Sabes quanto isso lison-
jeiro ?
Para quem ?
Para nos, que somos e continuare-
mos a ser seu pai e sua mai!...
Quanto a mim, retrucou Laura gra-
vemente, tenho mais ambicio do que isso.
Quero ser verdaderamente mai della, e
quero que ella venha a ter direito ao no-
me de que usa hoje por emprestimo : Hen-
riqueta Vallauris !...
Roselin encolheu os hombros e nao dis-
cutio essas ideas, que nSo eram as suaa.
Effectivamente, que falta va sua tel-
cidade ?
Urna nica cousa :
Ser nobre, ter um titulo sonoro, urna
casa montada, como a que possuia o gran
de tidalgo da sua trra, Hyres, o mar-
quez de la Farlde.
Quanto a elle, nao seria nunca nobre
nem marquez, nao poda esperar seme-
lhante cousa.
Mas os filhos, nao poderia introduzil-oa
ambos nesse mundo de que elle arda por
farer parte ?
Em vez de casar burguezmente Henri-
queta com Mauricio, como o desejava a
mulher, nao seria melhor que a rapariga
se tornasse condessa d'Astarac, duqueza
de Cndales ; e Mauricio o feliz marido
de alguma princeza arruinada, cojo nome
e cujo titulo tomara ?...
E todo o seu amor pela ostentaco, pela
glorila o avassailava poucV^t^Jk^co b&
ignorancia de Laura ; deixou-se* vencer
completamente, (noheu-se de projectos de
futuro, inebriou-se de sonhos, transtornou
Vnd'em-se os seguin-
tes livros
Loo renco, ri/mance histrico por F.
Tavora, 1 vol. ene.
0 Matoto, dito dito, pelo mesmo, 1
yol. ene.
Os Cavalbeiros do Amor,- romance em
4 vols. enes.
Echos de liorna, pelo padre Guilher-
me Dias, 1 vol. ene.
D.ccionario Biographico, por F. A. P.
Costa, i grosso volme ene.
Vdos Icaros, versos por M. Barrete, i
vol ene.
Flores Fluctoantes, versos, 1 rol. ene.
Ves e quedas, versos, 1 vol. ene.
Gnimares, poema, 1 vol. ene.
Sons que passaua, versos por Th. Rj.
beiro, 1 vol. ene.
Alberto Pimeotel, Cantares, versos, 1
vol. ene.
Julio de Castilho -Livraria Classica,
Estudos biograpbicos e luteranos,
3 veis, enes., finos
Castrioto Luzitano, historia entre o
Brazil e a Hollanda, 1 vol. ene.
fino
Bibliotheca do Povo,|i| vol. enes.
Morte de D. JoaO, romance. 1 vol.
ene.
Cont de Pedro Ivo, romance, i vol.
ene.
0 abandonado por Julio Verne, i vol.
ene.
Processo Lerouge, romance hist-
rico, i vol. ene.
Gabnel Malagrida romance, 1 vol.
ene.
Neto do Agitado, romance histrico,
1 vol. ene.
,Viagem no dorso de urna baleia, 1
vol. ene.
Cbiquinbo, Encyclopedia da Infancia,
por G. Bruno, 1 vol. ene.
Caricaturas em proza, por Luiz An-
drade, 1 vol. ene.
0 Pastor e a ovelha, obra rara e es-
gotada pelo finado bispo D. Joao, I
v. ene
Obirajara, lenda. i vcl. ene.
Arnaldo Gama- Cm motimha cem an-
nos, 1 vol. ene, obra rara
0 Dia de'S. Nunca, romance, 1 vol.
ene.
P. de KockJoao, 2 vol. ene.
As mil e urna mnlberes, 4 vols. enes.
0 rei i.'andla, romance, l vol. ene.
Contos a Ninon, por E. Zula, 1 vol.
ene.
A caca de um baronato.l vol. ene.
Arraldo Gama0 filbo do Baldai, 1
vol. ene.
Os herdeiros de Caramura, romance
bistorico, 2 vols. ene, finos
A igreia e o Estado, por Ganganelh,
4 vols. ene.
Serpa PitoComo atravessei a fri-
ca, 2 vols. enes., tinos, com gravu-
ras
Ega de Qneiroz0 enme do padre
Amaro
Castello de Grasville, romance raro,
2 vol, ene.
Leonor, D'Ambnise, i vol, ene.
As obras de Julio Verne, 42 vols,
enes.
Tres Poemas em proza, e verso por
Gomes Jnior, 1 vol, ene.
Typos de cara dura, 1 vol, broch.
As viagens de Guliver, obra critica
ejocoza (rara,) i vol, broch.
Vozes da historia pelo Padre Gui-
lberme Dias, 1 vol, broch.
Um mysterio de familia por F. Tara
ra, i vol, broch.
Um casamento no arrabalde, 1 vol.
broch. (mesmo autor)
Guarrigues breve leitra sobre sci-
encia, 1 vol, ene.
0 matadouro, historia da Lavadei-
ra Gervazia o Io. vol so.
Ponson do Terrail A berenga myste-
rioza o 2. vol so ene.
Repostas consisas e familiares por
Mr. Segnr, i vol, ene.
Carta sobre a ompannia de Jezus,
t vul, broch.
Miscelania Religiosa por Pinto de Cam-
pos (obra rara) i v. broc.
Ao cidadao Anicete, versos do Cigano
ao Dr. Chinez (raro) l v. broc
OracaO fnebre do bispo D. Vital, i v.
broc.
Propaganda religiosa Cbristo e Papa em
prosa e verss 1 v. broc. (raro)
Deseseis de Maio, puemeto, 1 v. broc.
(raro).
Factos da Historia de Pernambuco,
l vol ene.
Bibliotheca do povo, 31 caderninhos
broc.
Um misterio de familia, por F. Tavora,
1 vol. broc.
Um casamento no Jarrabalde, i vol.
broc, mesmrautor.
Romancea em francs; por 1 Soo
reta cada um.
Tatre compet de Eugne Labiche
Eogne Chavelte Le Saucissoo Paites
PrOmier Amant par Georges Duval
Catalogue le Muse d'Artillene par 0 Penguilly
L. Haridon
Henry Rabusson L'Epousa
Lopold Stapbaux les Vicieuses
Lucien Descaves La Teigne
Emile Allaim Rio Je Janeiro
Edaard Hontegne Les Affms de Londres
Tiennot des Ablestes grapinos de Girocdas
Marcel Trvost Madamoiselle Jaufre
Louis de Hessem L ceuvre de la Cbair
La Comedie de L'Apotre par Champfleury
Le Fils du Jesuite par Leo Taxil
Odyss Barot Les Usuners de Paris
Prosper Mrime La Double Mprise
40OO
41000
12,5000
2*000
(0*000
3*000
2*000
24000
34000
3*000
3*000
15*000
5*000
25*000
3*000
3*000
500
3*QO0
3*000
3*000
3*000
3*000
3*000
15/000
3*000
64000
2*000
4*000
8*000
2*000
2*000
1*500
44000
6*000
10*000
12*000
2*000
3*000
1*000
30*000
34000
1*000
3*000
2*500
2*000
2*000
3*000
1*500
2*000
14000
24000
5*000
1*500
2*000
2*000
1*500
24000
4*000
2*500
2*500
a cabeca de Mauricio, a quem impellio
nessa trilha, incutindo lhe as anas ideas.
Um da Luiz d'Astarac disse a Laura,
profundamente inclinado diante della :
Minha senhora, fallei a minha pri-
ma, a marqueza Diana d'Argolles, a res-
peito da fina flor de belleza, de encantos
e de graess, que se chama Henriqueta
Vallauris. Minha prima pede-lhe o obse
quio de ver sua filha de perto, e que para
isso tenha a bondade de me dizer em que
dia est V. Exc. em casa.
Quem essa marqueza d'Argelles,
cujo nome nunca ouvi pronunciar? per-
guntou Laura estupefacta.
Luiz arregalou os olhos.
Como, perguntou elle, Mauricio nSo
lhe talln a sen respeito ?
Nunca. Elle a conhece ?
Mas frequenta a sua rasa assidua
mate nos dias de recepelo, ha dous me-
zes...
Ah extraordinario.
Mas autorisa-a a fazer-lhe ama vi-
sita ?
NSo sei. Antes de tude, quem
ella?
Urna prima de meu pai, como aca-
bei de lhe dizer.
A sua situaco na soc'eiade ?
D'Astarac reprimi um sonriso desde-
nhoso.
A marqueza d'Argelles muito co-
nhecida, retrucou elle.
Mas nao por mim.
Pois bem, urna senhora muito res
peitavel, de reputacSo mais que intacta,
pois a sua conducta excita at a estima e
o respeito de todos.
Ah como assim ?
Diana de Cndales casou-se muito
moca com um prente, o marques d'Ar-
gelles, viuvo de ama moja morta aos vinte
annos de urna molestia de coracSo fulmi
Carotas Bro Par Oestes 'Lea UoulinsSjBanmsj
Prosper Mrime Les Deux Heritages^JS-v
Cseur d'or par charles Merouvel
Le Rve par Emile Zla
Le Pnnce Zilah par Jules Claretie
Un gendre par A. Matthev
Len Heorique Un Careciere
Le Eofant de 36 Peres
Lon Micbel Tunis
Le Casier Jndiciaire par Odisse Barot
Aibert Delpit So!ange de Croix St Luc
Adolph Belot Les Fugitiveg de Vienne
No escriptono deste Diario se dir qoem ven-
de todas estas obras, e faz-se grande abati-
mento a quem comprar todas juntas
m
' tudo bom, para bem
de todos
Os abaixo assignados, tendo feito gran-
de redcelo de precos as fazendas
existentes em sea estabelecimento, convi-
dan! o respeitavel publico e especialmente
a eus bons freguezes, a certificarem se da
verdade que aqu fica dita e a aproveita-
rem a occaaiSo de supprir-se de roupas,
para muito tempo, e por precos insignifi-
cantes.
Como Bejam :
Voiles de 13 e algodSo a 240 rs. o co-
vado, cachemiras de quadros, fazenda de
800 rs. por 32 ra. ocovado, zephvros de
cores diversas a 320 rs. o eovado, baptis-
tas republicanas (inteira novidade) a 200
rs. o eovado, lSs de cores a 200 rs. o
eovado, setinetaB finas a 320 rs. o eovado,
merinos de corej'-Cj pura) de urna lar-
gura a 280 rs. o eovado.
Grande quantidade de chitas finas, com
pequeo toque de mofo, de 200 a 240 rs.
o eovado.
Variado srtimento de voiles de 13,
fazenda muita fina de gostos lindissimos.
Crep da China, dem, idem, cambraias
da China, com palmas soltas, completa
novidade, voiles com salpicos, idem, idem.
Chitas, chamalots, o que ha de mais
exquisito em gosto, etamines lisas e ren-
dadas, cachemiras lavradas, pretas e de
cores, fustScs brancos, cretones pretos e
de cores lisos e com flores, baptistas de
cores, gostos delicados.
Madapol3o americano a 55000 a peca.
Metins, idem variado srtimento.
Espantoso srtimento de cretones para
cobertas e chambres, esguiao de paro
linho, coetumes de Jersey para meninos,
capas hespanholas, pura seda a 3)5000
urna, cortes de vestidos de todas as qua
ldades, fichas de 13, linho e prateados,
o que pode haver de mais chic.
Grande srtimento de camisas de linho
e flanella para homem, idem, idem de
punhos, collarinho8 e gravatas e muitas
oatras fazendas que seria enfadonho men-
cionar e que tudo vendem sem reserva de
precos.
Os barateiros! os barateiros!
A' RA 1. DE MARCO N. 1
Bernardino Campos i C.
F,.i!EMM&C.
Roa Mrquez de Olinda n. 13
Armazem de cerveja, vi-
nhos, champagne, licores,
cognac, agua mineral, con-
servas, etc., etc. nico
deposito da afamada, cer-
veja Phcenix de Dortmuud
e do chocolate Ph. Su-
chard de Neuchatel pre-
miado com a medalha de
Ouro na Exposicao Univer-
sal de Pariz em 1889.
Agencia da grande fa-
brica de charutos Danne-
mann & C, S. Flix (Bahia).
Arados de Cuba
Ns. 1 e 2
Vendem-se
Na Fundicao Ceral
C
era
Vende se na ra do Cahug n. 2, segando a
qualidade, de U a 1^500 a libra, e sendo de
arroba para cima, faz-se na de 2o o descont de
30 0/0, e na de 1.' de 20 0,0. o mesmo esta-
Mecimento tem machinas para costara e mesas
para as mesmas por 104 cadauma.
nante, deixando-lhe urna filhinha com al-
guna mezes de ilade apenas. Minha pri-
ma tornou-se m3i da crianca; criou a,
amou-a, adorou-a, tanto qae hoje n3o se
lembra de que ella nao sua filha.
Ah! disse Laura sbitamente inte-
resssada. E que idade tem essa crianca ?
Dezoito annos.
Continua em companhia da marque-
za ?
Sim, senhora. E tSo boa quanto
bella... E emquanto as duas milis incom-
paraveis, que se %chamam Srs. Vallaur.ea
marqueza d'Argelles se conhecessena e eg-
timassem, D. Henriqueta e minha prima
Ignez n3o poderiam tambem ligar-se e
tornar-se amigas ? ,
Laura fez um movimanto.
Aquella senhora, que hivia, comoapro-
pria Sra. Vallauris, adoptado, criado e
amado urna crianca estranha, inspirava-
Ihe sympathia irresstivel.
Minha senhora, continuou o joven
conde, tudo quanto contei a minha prima
a seu e a respeito de sua adoravel filha,
inspirou-lhe vivissimo desejo de conhe
oel-as.
Adoravel, era de mais.
Alias, o conde era um lindo rapaz, alto,
elegante, moreno, mas cujos olhos som-
bros no rosto embaciado tinham urna ex-
pressa inquieta e fugitiva, que desagra-
da va sobrsjBodo^a Laura.
A prudente commerciante, arrastada um
momento pela sympathia que lhe insp:- a7a
a m3 adoptiva, carinhosa e dedicada que
lhe pintava o joven Luiz, tinha j voltado
sua attitude prevenida, assaltada nova-
mente pelas suas suspeitas e pelos seus
receioB.
Verei isso, respoadeu ella. Muito li-,
sonjeada pelo interesse que inspiro Sra. I
marqueza d'Argelles, peco todavia que me
deixe reflectir.
Perei a & lagalte
Recebedre directos dos Mer-
cad s da Europa
Apresentam os seguintes artigos, sendo
alguna anda do anno passado, razio justa
para serem actualmente baratissimas.
Brins pardo e de cores a 240 rs. o eovado.
dem trancado, superior, a 26 J rs. o dito.
Cortes de fustao para colete a 8C0 rs.
dem de casen etas a 1,5000 e 1^200.
dem de casimira icgleza de cores a 3$ e
4(W)C0.
AlgodSo cr, marchetado para toalhas, a
440 rs. o metro,
dem nacional, largo para lences, a 45 e
50OCO a peca.
MadapolSo superior, com 24 jardas a 5)9
e 640CO.
dem Boa-Vista, verdadeiro, a 54800.
Cortinados bordados de crochets a 120000.
Colchas dem a 7)5000 e 8)5000.
Grinaldas e veos para noivaa a 8^000.
Espartilhos modernosa 4)5000,
Percales claras e escuras a 240 o eovado.
Merines de cores, urna largura, a 200 rs.
o eovado.
Toalhas nacionaes a 25500 a duzia.
Lencos em lindas caixinhas a 1)5800 e
2)5800 a dita.
Meias mglezas e nacionaes a 2)J30O e
3)5000 a dita..
Camisas de meia, idem, superior, a 12)5000.
Cerdas berdadas de bramante a 12)5000 e
160000 a duzia.
Guardanapos com franjas a 1)5800 a dita.
Pannos de cores lindas para mesa a .1)5600
o eovado.
Cobertas de ganga, dous pannos a 2500.
Cretones para as mesmas, a 1000 o me-
tro; o melhor.
dem mosaicos, dem, a 440 rs. o eovado.
Bramantes francezes a 1)5600 o dito.
Casemiras de cores, duas larguras, a
1,5800 o dito,
Cheviot azul, e6r inalteravel, a 2)5400,
3^500 e 40000.
Merines para luto desde 500 rs. a 10800,
duas largaras.
Sargelins de cores a 200 rs o eovado.
Mantilhas e fichas a 10, 30000 e 50000.
Toalhas de labyrintho, riqnissimas, a 250 e
300000.
Vendas em grosso tem o descont de
14 V
59BOA DUQUE DE CAXIA.S59
Vendem-se
duas casas de ptdre e cal, na estrada real de
Goyanna, no Timb, antiga Barreiras, em trras
de N. S. do Rosario de Olinda, tendo ama, duas
portas e outra urna porta e urna janella, bem
localizada para qualquer negocio ; a tratar em
Olinda com Guilherme Pereira dasNeves, no
Varadonro n. 11 e no Recife com Vieira & C,
ra da Florentina n. 34.
Vendem se duas easas
terreas
sitas na estrada do Matambo, em Reberbe,
ttndo cada ama duas janellas e ama porta de
frente, 2 salas e 4 qusrtos internos, cosinha e
l quarto fra, muro e portao na frente, tudo em
bom estado, com sitio contendo algumas arro-
res fructferas ; as casas esto alugadas e ren-
dem 30 000 mensaes ; a tratar na ra do Com-
mercio n. 32. das 10 s 3 horas da tarde.
Patacoes velhos
Compra-se na relojoaria David, roa do Cabu-
g n 14.
Gal nova de Lisboa
J ebegou para Guimares & Va lente, fb Cor-
po Santo n. 6.
AZULEJ8S
Para frente de casas, banhoiros
corredores, a$ongaes, sendo de lindas
cosre, vendem-se por 6OS000 o milhei-
ro, por er um saldo, na fraga da In-
dependencia n. 40.
Vinho puro de Santarem
Da quinta do Barral
Os proprietarios do Armazem Central, rm
do Cabug n. 11, avisam aos seus dit ti netos fre
gnezes e ao respeitavel publico que receberao.
aova remessa deste especial vinho, o qua! st
recommenda por ser puro da uva, e s se reta
Iha em sen armazem.
Joaquim Christovo & C
Telephone 447
i para 30,
fechadas
9, 10 e
A Florida
Acaba de receber pelo ultimo vapor o
que de maior novidade tem a populosa e
grande cidade de Paris, os mais importan-
tes artefactos da ultima moda.
Papel bordado com muita fantasa, propris>
para cartas.
Cromos de seda e de oleograi
Caixas de msica com rn&niv*
20 e 30OCO.'
Caixas de msica, com corda,
com 1 a 3 arias para 7, 8,
120, proprias para presentes.
Ricos enxovaes para baptisado a 70, 80,
90, 100 e120000.
dem muito finos para 16$ a 200 um.
Timosinhos com sombra com fitas e bieos
de cambraia transparente a 30 e 30500.
Um grande -srtimento de porta-tranca
para 500, 1,5 e 10500.
Grampos donrados e c.-m perolas a 200 e
500 rs. um.
dem de celuloide e donrados a 200 e
300 rs. um.
Estojo para desenho de talagarca a 30000.
Bandeiras de 1S dos Estados-Unidos do
Brasil a 10509, 30000 e 40000, confor-
me o tamanho.
Grande srtimento de bolsas de pellica e
de chagrn para 2, 3, 4 e 50000, par
senhora e meninas.
Carteiras cem estojo a 3, 4 e 50000 e
10500 e 20000.
Grande srtimento de bicos de algodHo e
de eeda, brancos e de cores.
Livros de sortes a 300 rs.
Albuns de pellucia e de chagrn, gosto
moderno, imitando um leque.
dem para cromos, poesas e msicas.
Espadinhas para crianca.
Boleas de couro para cobranca.
Navalhas da Hoger Amito americanas el-
ctricas e de 2 laminas, e afiadores com
a massa propria para afilar.
RA DDQUE DE CAXIAS X. 103
Farelo
superior do Rio da Prata a 14800, dito do Rio
de Janeiro a U730, pesando 42 a 44 kilos ; ven-
dem Franco & C, no pateo da Penba n 8.
gf* *?LERY ~ YMJi-sa em tadi a Mrf
Engenho
Vende-se urna parte ou a meia aeco de om
engenho moente e crrante a agua, quatro
legoaa da estacau de Palmares, com capacidade
para safrejar mais de 2,000 pues, poden Jo o
mesmo comprador arrendal-o ; a tratar na ra
Mrquez do Herval n. 144.
Superior vinho de Al-
coba^a
O acreditado e autigo armazem do Lim par-
ticipa ao publico e aos seus freguezes que acaba
de receber urna nova remessa deste especial
vinho, escolhido propriamente pelo chefe desta
casa, tornando se recommendaao por ser puro e
de boa qnalldade.
Jos Fernandes Lima 4 C. ra Barao da Vic-
toria n. 9
_________Telephone 323_____
Urgente
Vende-se om sitio arborisado e com boa casa
de morada, na estrada do Giqni ; trata se na
>rua do Imperador n. 61, 1- aadar.
Especial manteiga ingleza
flor
Em barril, vende-se o que ha de melhor neste
genero, no
Armazem do Lima
9--Ra Bario da Victoria-9
Telephone323
Massa para bolos
Pateo do Csrmo n. 2
Garante-se a qualidide por ser tratada a ca-
pricho, e por preco sem competencia ; venbam
ver para crer.
Bom emprego de capi-
tal
Vendem-se os dous sobrados sitos no caes 22
de Novembro ns. G0 e 32, pertencentes a viuva
Constanca Roulitreau, tendo um rendimento su-
perior a dez por cento : a tratar na. ra 15 de
Novembro, na livraria de F. P. Boalitreau.
Para que reflectir ? N'uma senhora
intelligenle como V. Exc, o primeiro mo-
vimento sempre bom
A experiencia me tem ensinado a
desconfiar dis.-o... O senhor sabe, ac-
crescentou ella com um sorriso acerado,
nos outros commerciantes nSo entregamos
as nossas mercadorias nem damos a nossa
confian5a senao mediante referencias se-
rias.
Mas se eu lh'as estou fornocendo!...
Nos nossos documentos, replicou ella,
sao exigidas mais de urna assignatura.
O joven conde reprimio'mal um sorriso
de desdm, emquanto Laura, diante da eua
phyBionomia mais dulcurosa, de expressao
mais fugitiva que nunca, pensava.
Como Mauricio se ligou com seme-
lhante rapaz ? Parece-me que elle ser pa-
ra nos motivo de lagrimas !...
FIM DA PRIMEIRA PARTS
. SEGUNDA PARTE
A victoria do mal
Bom empreg*o para
capital
Vende se o extenso armazem n. 51, no caes do
Apollo, em frente da nova ponte Buarque de
Macedo, com capacidade para recolher de 9 a
10,000 barricas de fannba de trigo ou outra
mercadoria em proporco, e dous sobrados con-
fenos com frente para a ra Domingos Jos
Martins, no todo constituindo ama boa acquisi-
cao : trata-se com Hatheus Austm & C., ra do
Commercio n. 18.
Bom
negocio
Vende se a taverna da roa Imperial n. 158,
bem afreguezada. para pouco capital, com boa
casa ; a tratar nos Afosados, ra do Motocoloin-
b n. 51 b.
UM BRAVO
I
Vinte annos antes de Roselia Liara
Vallauris se encontrarem em StBjsa St a
nhecerem e acabarem por casar se, um
moyo, comqSmto sahido de meia muito di*
verso, achava-se em Bordeaux, quasi em
ciroumstancias idnticas.
JoSo Jacques de Rhodes pertencia a ama
das mais antigs familias da Guyana.
Nobreza, feheidade, lealdade, nada -al-
.--- i-1-i ,
tava familia, que transmittira todas essas
qualidades ao derradero de seus filhos,
par de urna inteligencia peregrina, urna
vontade de ayo, mas nem um sold.
De facto, por morte do pai, que viva
indifferente e necessitado n'um velho cas-
tello dos arredores de Bozas, arruinado
pelas suas trras, que nao sabia adminis-
trar, roubado pelos rendeiros cujos nomes
r.ao sabia sequer, Jacques quizera immis-
cur-se nt'S negocios.
Comquanto tivesse vinte e dous annos
apenas, amava j a filha de um de seus
visinhos de campo, Branca de Mont-
gut, sem grande fortuna, porquanto o
pai, casado em segundas nupcias, tinha
numerosa familia.
S no mundo e senhor de seas actos, o
joven conde de Rhodes quiz saber que po-
sico poda offerecer moca e aos filhos
que nascessem do sea amor.
Ficou aterrado.
NSo encontrou senSo dividas, augmen-
tadas de anno para anno, exigencias e ne-
cessidades de urna trra que, em completo
abandono, nao dava nem com qae pagar
os impostos que a gravavam e os criados'
que nella trabalhavam.
Dara ella para liquidar o passivo ?...
Talves, se fbsse vendida em condic3e*
vantajosas !
Em todo caso, Jacques nSo podia pen-
sar em conserval-a, para nella restable-
cer a sua nova familia.
Toda urna vida de sacrificios e de eco-
noma nao chegaria para por diques aquella
corrente.
Dotado ja nessa poca do urna vontsda
de fina tempera, passou ama noite inteira
a examinar a sua sitoacao por todos os la-
dos, a procurar urna sahida, a pensar, a
reflectir.
(Contituiflr-ae-ka)
Typ do Diarto, Kua Daqoe de Casias n. %x
-t I
{
^>_
/
-M
<
I
^^^1
ff


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ELLKS22IP_SCOTNK INGEST_TIME 2014-05-21T22:17:35Z PACKAGE AA00011611_17010
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES