Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:16962


This item is only available as the following downloads:


Full Text
ANNO L. NUMERO 67
-'.'
WMMIk A CAPITiL E LUGABE9 \DE !! 8EPA61 rORTK
flPor tre> mezes adiantado*................ WOOO
Por seis ditos idem......'............" IWMH)
For um anno idem. .................oAJJMMM)
Cada numcro avulso .............' #3i0

DIARIO DE
SBSmbk FEBU 23 BE MARCO DE 1874
PARA DE1TMG FOR A
Pr tree mm aditataAos. .....
tot sees ditos idem
Por nose ditos idem-....... .
Per um anno idem.
PUOVtKCIA
tfTM
20*00
17>0W
PROPRIEDADE DE MANOEL FICUEJROA DE FARiA FILHOS.
firs. Gererdo Antonio Alves d Piihos, no Pari; Goncalves d Pinlo, no Maranhio ; Joaquim Jose de Ouveira d Filho, no Ceardt a\iitoois> de Len.ua Braga, no Aracatv j ioio Maria Julio Chaves, no Assd; Antonio Marques da Silva, no Ratal; Jose Juatioo
Pereira d'Almeida, em Mamanguape ; Carlos Auxencio Monteiro da Franca, ma Parahyba ; Antonio Joed Gomes, na Villa da Penha; Be'armino dos 8antos Bnicio, am Santo Antio ; Domingos Jose da Costa Braga, an Uaxareth;
> Antonio Ferreira de Aguiar, em Goyanna; Joao Antonio Machaeo, no Pilar dos Aiagde* ; Aires d C, na Bania ; e Leite, Cerquinho d C. no Rio de Janeiro.
PARTE OFFICIAL
Goverao da pro* iiu-i*.
XTKIMSMK DO DIA 2 DE JANKIHO DE 1874.
1 .* seccao.
Oificios :
Ao Bam. brigadeiro commandante das ar-
mu. Coraraanicando ma o Exm. Sr. ministro
da guerra, em aviso de ii de dezembro ultimo,
haver naquella dtu concedido dous mazes de li-
cenea com soldo e eUpa, para trtu* de sua saii ie
onde Ihe convier, ao brigadeiro houorano do exer-
eito Francisco Joaquim Pereira Lobo, director
do hospital militar desU proviacia ; assim o de-
clare a V. Exc. para os devidos effeitos.
Ao inspector do arsenal de mariuh.i. En
cumprimento do aviso do ministerio da marinha,
de 17 de dexembro altimo, minte V. S. por a
disposic to do Dr. chefe de policia e do inspector
da saude do porto a baleeira ie quitro reinos, a
qua se refere o seu onVio de Si de novembro
proximo passado, sob n. 771.
Jr" seecav.
Actos :
0 presidenle da provincia, a vista do que
informou ojuiz de direito da comirea da Es-
cada em offlcio de 29 do mez proximo passado,
resolve noma.tr o bicharcl Estevao Carneiro Ca-
val:ante de Albti |uerque Lacerda adjunto do
prtmotor pubiico da dita cjmarca.
0 president* d provincia, a vista d > offlcio
do Dr. juiz de direito da comarea da Escada,
de ti do mez proximo passado, resolve exo-
nerar, a seu pedido, o baeharel Jose de Barros
Franco do cargo de adjunto do prom Hor pubiico
da dita comarea.
0 presidente da provincia, a vista do offlcio
do Dr. chefe de policia n. 1,'KW, de 19 do mez
proximo passado, resolve exonerar a seu p dido,
o teaeate Manoel Aprigio da Morass di cargo de
dalegado do termo de Goianna.
0 presidante di provincia, de conformidade
com a propo-ta do Dr. ehefe de p>licia em offleio
n. t,096 de S) do mo: proximo passado, resolve
omear o alferas Liuientino Felix de Oliveira
Lana, delegado do termo de Goianna.
0 presidente da provincia, a vista do offlcio
da Or. chefe de policia, n. 1,093, de 29 do mez pro-
ximo passado, resolve exonerar o cidadio Joaquim
4* Holland! Cavalcanti d'Albuquerque do c-rgo
de sobdelegado do 2* districto do termo de Santo
Attlio.
0 presidents da provincia, de conformidade
coat a proposta do Dr. cbefe de policia em offlcio
n. 2,093. de 29 do mez proximo passado, resolve
omear o cidadao Tiburtino Pinto de Souu Mo-
reno ,'ubdelagid-' do 2* districto de Santo Antao.
0 presidente da provincia, atteodeodo ao que
reqnereo o baeharel Joio Francisco da Silva
Braga, juiz de direito da comarea de Palraarcs,
resolve prorogar por mais um mez, com ordenado
na forma da lei, a Keenca que Ihe foi eoncedida
Offlcios :
Ao.Dr. chefe de policia. Era resposta ao
offlcio de V. S, de 20 do mez proximo passado,
tenho a dizer-lhe que podem ser transferidos
para a casa de detenc^o os criminosos, que se
acham na cadeia do Limoeiro, que estiverem defl-
nitivam?nte julgados ou pronunciados em crimes
graves.
__Ao'mesmo. Tendo nesta data, de confor-
midade com o aviso do ministerio da marinha, de
t" de dezembro do nno proximo passado, recom-
mjndado ao inspector do arsenal de marinha qne
ponha a disposicao de V. S. e do Dr. inspector de
saude do porto, para ser empregada no servico
das reparticoes a seu cargo, uma baleeira do 4
reffiOS, alii construida ultimamente ; issim o com
manico a V. S. para seu conheeimento e direccio.
3' seccao.
Oacios :
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Tran3mitto a V. S. a folha e prets juntos em dupli
aata, .que me reraetten o brigadeiro commandante
dasarmas com offlcio de hoje, sob n. t, afim de
qae mande pagar os venciiientos dos ofliciaes,
praxis e calcetas empregados no deposito de re-
crutas, concernentes ao mez de dezembro nltimo.
Ao mesmo. Autoriso essa thesouraria a
Eagar ao desembargador Bernardo Machado da
Mta Doria, removido da relagao dosta provincia
para presidente da do Ceara a quantia de 3:0001,
importancia da ajuda de eusto que Ihe foi marcada
pelo governo geral.
Ao mesmo. Em resposta aos offlcios dessa
thesouraria, datades de 26 de dezembro do anno
proximo passado, sob n. 293 e 300, serie F, com
referenda ao pagamento da importancia da pu-
blicacSo de anuuncios, feita no Jornal do Recife a
inandado do engenheiro encarregado das obras
roliitares, communico a V S. que solicitase do
Exm. Sr. ministro da gucrra o credito necessario
para esse pagamento.
Ao mesmo. Constant de aviso do minis-
terio da guerra, de 24 de dezembro do anno pas-
ado, que naquella data se conceden dous mezes
de licenc.3 com soldo e etapa, para tratar de sua
saude onde Ihe convier, ao brigadeiro honorario
Francisco Joaquim Pereira Lobo, director do hos-
pital militar desta provincia; assira o communico
.< V. para seu conheeimento e direccao.
Ao mesfik). Em resposta ao offlcio dassa
thesouraria, datttdo de 26 de desembro do anno
Undo, sob n, 292. MmJfc autoriso V. S. a pagar,
sob responsabilidade delta presidencia, a Manoel
Antonio Teixeira a quantia *le ofOOO por haver
tapado um arrombamento no xadroz du hospital
militar; segundo autorisa^ao da mesma presi-
dencia. <
Ao mesmo. Altendendo ao que essa the-
souraria expoz em offlcio de 29 de novembro do
anno findo, sob n. 229, serie F, relativo ao paga-
mento de 2806000 a Antonio Luiz de Oliveira
Azevedo, agente d;. companhia bahlana de nave-
ga-;lo a vapor, tenho a declarar a V. S. qne nao
affectue ease pagamento, visto uao ler elle apre-
sentado autorisacao para prestar esse servico, de
que pede ser indemnisado.
Ao mesmo. Communico a V. S., para os
davidos fins, que a 31 do mez proximo passado
deixou o desembargador Bernardo Maehado da
Costa Doria o exercicio do cargo interino de pro>
eurador da coriia, soberania e fazenda nae.onal,
ad relacao desta provincia por ter sido nomeado
a > ra o de presidente da de Fortalaza, para cuja
napital tem de ;eguir.
4.' uccao.
Aato:
0 presidente da provincia, altendendo a re-
sjuerimeuto documentado de Joaquim Pedro Bar-
retto de Mello llego, chefe do archivoda secretaria
desta presideacia, resolve, nos termos io | 4 do
artiao 1* da lei n. 1108, de 23 de maio d J873.
I'cocader-lhi! Join msce< d; lireni;*, com os res-
peetivos vencnnentos para tratar de sua saude
nde lite convier.
Offick) .
Ao provedor da Santa Casa de Miserieordia.
Em additaraento ao meu offlcio de 27 de de-
zembro nltimo, em qae eommuaiqaei. a Vine, e
defarimento que teve o requerimonle de Maria
Candida Barbosa de Albuquerque Maranbao, pe-
dindo consenlimento para sna iiiha Maria Candida,
dupaoda do coilegio das orphas. passar com ella
alaaas dias, tenho a dizer-lhe que nesta data mo-
diU^uai o despacho alludido, deixaano ao criterio
da junta administrativa da Santa Casa, aqmlata-
do? os motivos de convenlencia oq inconveniencia,
Coasentir ou nao na sahida da referida orpha.
EXPBMBNTB DO SBCRKTARIO.
1.' $ecqi*.
Offlcio:
Ao engenheiro das obras militares. De or
dem de S. Exc. o Sr. presidente da provincia, com-
munico a V. S. que ne-ta data sulicitou-se do mi-
nisterio da guerra o credito necessario para effac-
tuar-se o pagamento da quantia despendjda com
a publicacao no Jornal do ftttife, visto nao existir
na -thesouraria o credito para esse pagamento.
2.' seccao.
Offlcios :
Ao Exm. desembargador Bernardo Machado da
Costa Doria.0 Exm. Sr. presidente da provincia
manda acusar o recebimento do offlcio de V .Exc, de
t do correote, em que declarou daixar nessa data
o exercicio do cargo de procurad-.r da curoa into
rino no tribunal da Macao desta provincia, por ter
de lomar posse do de presidente no da Fortaleza,
para o qnal foi nomeado pelo governo imperial.
Ao Dr. made de policia. -0 Exm. Sr. presi-
dente da privincia manda transmittir a V. S. o
tilulo junto de nomeaeao do subdalegado do 2*
district) do termo de Santo Antao, de conformida-
de com a proposta de V. S. em offlcio n. 2)93, de
29 do mez proximo passado.
Ao mesmo.0 Exm. Sr. presidente da pro-
vincia manda transmittir a V. S. o titulo junto de
nomeacao do delegado do termo de Goianna, de
conformidade com a proposta de V. S. em offlcio
n. 2069, de 29 do mez proximo passado.
Ao juiz de direito da fiscada. O Exm. Sr.
presidente da provincia manda declarar a V. S.,
para os devidos fins, qne por portaria de hoje
l'ji nomeado o baeharel Estevao Carneiro Caval-
cante de Albuquerque, por V. S. indicado em seu
offlcio de 29 do mez proximo passado, adjunto do
promotor pubiico da dita comarea.
Ao iuiz de direito do Rio Formoso.0 Exm.
Sr. presidante da provincia manda accntir o rece-
bimento do offlcio de V. S., de 20 do mez proximo
passado, em que da coma dos trabalhos da 4* ses-
sao jadiciaru do jury do termo de Serinhiem.
EXPEDILNTE DO DIA 3 DE JAJIIBO DE 1874.
/.* seccao.
Acto :
0 presidente da provincia, altendendo ao que
requereu Bernardino da Silva Costa Campos, re
solve concederlhe licenea para embarcar cam
destino ao presidio de Fernando de Noronha, no
primeiro vapor qne para alii seguir, e a serem en
tregoes a Maria Joaquina da Conceicao, os gene
ros consumes da relacao junta, assignada pejo
secretario interino da presideacia, os qaaes nao
poderio ser desembarcados sem que por parte do
commandante daqnelle presidio si proceda a
exame, afim de se veriflcar se ha aguardente ou
outra qualquer bebi la espirituosa.
Offlcios :
Ao Exm. brigadeiro commandante das ar-
mas. Expeca V. Exc. as snas ordeos, afim de qne
amanha seja posla a dtoposicao das auteridades
policiaos de Olinda uma for^a de t* linha, pant
que seja mantida a ordem por occasiao da festa do
Monte.
* Ao brigadeiro Hygino Jose Coelho.Tendo
designado v. Exc. para acompanhar o Exm. Sr.
bispo de Olinda, D. Vital Maria Goncalves de Oli-
veira, ate a corle, onde tem de ser apresentado ao
supremo tribunal de justira, devendo para isso
estar V. Exc. prompto a seguir ao proximo aviso;
assira Ih'o communico para sen conheeimento,
prevenindo-o de que a thesouraria de fazenda ex-
peco ordens para abonar-lhe as vantagens a que
liver direito.
Ao director do arsenal de guerra. Ficam
approvados os contractos, que, segundo o termo
auncxo por copia ao seu offlcio de 16 de dezembro
ultimo, sob n. 543, celebrou essa directoria com
Joaquim Alves da Silva Santos, Manoel Antonio de
Jesus e Manoel Joaquim Ferreira Esteves para o
fornecimento, no semestrede Janeiro a junho deste
anno, de generos alimenticios necessaries ao ran-
ch') dos aprenlizes artifices desse arsenal.
2.* seccao.
Acto :
0 presidente da provincia, attendendo a que
a omarca de Pao d'Alho deixou de ser especial,
resolve alterar, na parte qne Ihe e relativa, a por-
taria de 14 de novembro ultimo; determinando que
a substiluicao do respectivo juiz de direito, em sens
impedimeotos, seja feita, em primeiro lugar pelo
juiz municipal e de orpbSos, e na falta deste, pelos
resoectivos snpplentes.
Offlcio :
Ao Sr. Joao Manoel Pontual.Informe
a razao, por que tem deixado de exercer o cargo
de 1' supplente do juiz municipal de Bonito, sendo
a isto obrigado.
8.' seccao.
Offlcios:
Ao inspector da thesouraria de fazenda.
Mande V. S. pagar a Manoel FigueirOa de Faria
& Filhos a qnantia de 54, consume das contas
juntas em duplicata, importancia de annuncios :
segundo offlcio do capiuo do porto, daudo de 31
de dezembro do Juno proximo passado, sob
n. 182.
Ao mesmo. Transmitto a essa thesouraria
a conta janta, para que mande pagar ao thesou-
reiro da Santa Casa de Miserieordia a quantia
de 901, importancia das despezas feitas com o
traumento, no hoso icio de aiienados, do soldado
do 2* batalhao de linha Candido Pereira do Rego;
como solicits o provedor interino da mesma Santa
Casa era offlcio de 2 do corrente, sob n. 701.
Ao mesmo.-Em offlcio de 31 de setembro
ultimo, coramunicou-me o Exm. bispo dioce ano
que em data de 30 do mesmo mez suspendera
de ordens o Rvd. vigario da freguezia de Sal-
gueiro, padre Antoaio Joaquim Soares, flcando a
reger cumulativamente aquella freguezia o viga-
rio de Serra Talhada, padre Manoel Lopes Ro-
dngnes Ramos ; o que communico a V. S. para
os tins convenientes.
Ao mesmo.Tendo nesta data, nos termos
de sua informacao de 31 de dezembro ultimo, sob
n. 327, serie F, approvado os contractos que,
segundo o termo junto por copia, celebrou a di-
rectoria do arsenal de guerra com Joaquim Alves
da Silva Sant s, Manoel Antonio de Jesus e Ma-
noel Joaquim Ferreira Esteves para o forneei
meoto, no semestre de Janeiro a junho do cor-
rente anno, de generos alimenticios para o rancho |
dos aprendizes artifices do mesmo arsenal ; as-
sim o communico a V. S. para seu conheeimento!
e direcejta
Ao mesmo.Tendo, de conformidade com a
sur informal de 31 de dezembro ultimo, sob
d. 328, serie F, approvado o cootradto effectuado
pelo eonselho de compras de marinha, em sessao
de 9 do corrente, para o (ornecimfcnto, n> tri-
mestre de Janeiro a junho deste anno, de vivere*
e ontros generos de consumo aos nivios da ar-
raaJav.e esUbelecimento de marinaa; assim o
eaanMatDO a V. S. para os devid>s( effeitos.
An mesmo. Ao brigadeiro rfeformado do
exercilo Hygino Jose Coelho, que esia designado
para afiarapannar o Exm. e Rvm. bisso de Olinda,
D. ViuNMaria Goncalves de Oliveira, ate a corte,
mande \}. S. abonar as vantagens a qne tem di-
reito.
Ao mesmo.Autoriso V. S. a mandar en*
iregar, sob responsabilidade desta presidencia, ao
desembargador Manoel Jose da Silva iteiva, re-
movido da relacio desta provincia para a do
Ceara, a quantia de 3:0004 de ajnda de eusto que
the foi marcada pelo governo ; ncande assim res-
pondido o sen offlcio de 31 de dezembro do anno
proximo passado, sob n. 355, serie P.
Ao Inspector da thesouraria provincial
Mande Vmc. entregar ao thesoureiro da Santa
Casa, major Lanrentino Jose de Miranda, a quantia
de3%JI, eonsUnte da conta junta, importancia das
despezas feitas com os filhos dos volnntarios da
patria, recolhidos ao collegio dos orphios, rela
tivos ao trimestre de outubro a dezembro do
anno proximo passado ; como solieiu o provedor
da mesma Santa Casa em
sop n. 702,
d. aecrJLo
Offlcios :
Aos Srs. Dr. Gaspar de Menezes Vasconcellos
de Drumraond, vigario Genuina Gomes Pereira,
Antonio Peregrino Cavaleante de Albuquerque,
Manoel Peres Campetlo Jaeome da Gama, Fran-
cisco Manoel de Souza Oliveira, 11 tnoef Nicolao
Rigueira Pinto de Souza e Antonio de Carvalho e
Albuquerque, presidente e membros da eoramissao
nomeada para ageaciar donatrvos para nma es-
eola publica na villa de Serinhiem. Aeeeilo e
agradeco a commissSo nomeada para ageaciar
dooativos na villa de Serinhaem, afim de con -
strnir-se ahi nma casa de escola publica, o off -
reciraento que fez em data de 16 de dezembro
ultimo, para a sua custa levantar nm ediflcio com
proporcdes apropriadas a servir de escola para
arabos os sexos. Comprazo-me em louvar a Rrns
tre comraissio pjr seraelhante rasgo de patrio-
tismo, que levarei ao conheeimento do giver to
imperial, ante quem nlo passam desapercabidos
actoi de ordem tao meritoria. Resu-ms decla-
rar que de bom agrado aequieneo ao convite da
comraissiu para assistir a collocacao da primeira
pedra do referido edi&cio, aguardando o aviso do
dia em que devera ter lugar essa solemnidade.
5.' seccao.
Offlcios :
Ao engenheiro chafe da raparticao ;das obras
Bis oqoe oofhemos de jornaes e cartas :
RBPCBttCAS BUTACIFICO.
Vatieesra em Sucre o presidtnt- da Bilivia.
Adoioho Ballivian ; co.itava 52 annos de idade. 0
OV. Prias ssumira o poder como chefe do exe-
CoesUva'era Mmtevideo, por cartas alii leva-
offlcio de I do, eorreats. |d***J Lwitani*, qja o gverno do Chile orde-
aifls ao sovarnador m Puau Arenas -jue oeeu-
ipsawno Estraito de tfagilaaes os pontos sobre qne
' 'TrTtgam a confeleracAo Argeatlna e o Chile.
BJODA ni\TA.
Nao so eonSrma o b >at > de nova revoluc-to em
Entre-Rios. 0 eorooel Poi-mio Velasfues. chefe
qae goza de prestigio nos departameatos do cen-
to, rtnnira, certo, algumas forcas, mas unica-
menta afim de estar preveuido contra nm assalto
8 sretendiam dar a -uncia em qne reside. As*
I ixpliearn earUs da Entre-Rios o< movimentos
de tropas que alii houve e daram coroo aos b>a-
tos de ravotncao ; sera, entretanto, prulente nao
confiar muito nesta expNeacao.
Para suhuituir esia revolu mallograda ou adia-
Ida, effectuou-se oatra aa provincia do Juiuy. 0
ten ante coronal Ntpoleao Uriburu, chefe aas for-
cas nacionaes, incutnbidas da guarda das frontal-
ras de Salts e Jajuy, depot c govarna lor da pro-
vincia Theophilo Bi-tarasnta. 0 povo, pore:n,
oppunba-se enorgieantente a consammacio desU
rwleneia.
Um telegram ma de ode marco diz entretanto
SB a 'renuncia (um ponco forcada) d > governa-
rftra aceita pels leghlatura e qne assuraira o
governo da provincia, o vice preiidente da mesma
legulatura. Estiva cortaAo o telegrapho eaire
Salta e Jujuy, mas ate a ultima hora nao consUva
qns se tivmsera dado de-ordens.
Conforms a apnracao feitaom 2 d\> corrente, to-
publicas. -Mande Vmc. orcar com toda a* nrgencia ram eleitos depnudos a-> conrresso : general Mar-
bs reparos de qne precis* a coberta do gymnasio,
e a que se refere a sua informacio de hoatorn da-
tada, sob n. 2.
Ao mesmo.Nlo obtante as ponderac5es coas-'
Untes do sea offlcio de 2 do corrente, sob n. 3,
relativamente 4 difflculdala era fazer-se um or^a-
memo exacto para os reparos de que precisa a
cupula da casa de detencio, mande Vmc. proceder
com toda a urgencia ao respectivo orcaraento.
Ponarlas :
0 Sr. gerente da companhia pernambucaoa
mande dar passagem por conta do ministerio da
jnstica, a proa do vapor dessa ^companhia, qne pri-
meiro seguir para o presidio de Fernando de No-
ronha, a Carolina R >sa de Jesus, mulher de Joae
Bezerra Dias, o qoal vai alii cumprir sentence.
0 Sr. gerente da companhia pernambucaoa
mande dar passagem a proa ate o presidio de
Fernando, por conta do ministerio da gnerra, a
Anna Joaquina da As Conceicio, mil e irma do sentenciado militar Irinea
da Cruz.
EXI'EDIK.NTi: DO SBCRETABI0.
/.* seccao.
Offlcio :
Ao caniuo do porto. -De ordem de S. Exc.
o Sr. preiidente daprovincia, communico a V.
S. que autorisou-se a thesouraria de fazenda a la-
ter o pagamento, a que se refere o seu offlcio da-
udo de 31 de dezembro do anno proximo passado..
sob. n. 182.
2.' secca:
Offlcios
tie d Gainza, Dr. Bernardo de Irigoyeo, Santiago
Aleorta, arcebispo Dr. Frederco Aneiros, Dr. Car-
los Pellegrini, Manoel O.-ampo, coretiel Alvaro Bar-
res. Dr. Btfcraiei A. Pereira, Sabiniano Kier,
Eduardo Madero, Carlos Salas, lariano Marenco e
Dr. Leandro Alera.
0 kreebisso Aneiros recusava aeeiur o diploma
a drria-se que out ros deputalos ;leitos o acompa-
abavam na rennseia.
JUeeiaado ssrias desordens por occasiao das
reunioes de mitrisUs e alsim.-ns coovocadas para
o dia I, a policia parecia resolvida a prohi-
bi-las.
0 Dr. Tejedor tenctonawa aoklicar brevemento
nma memoria sobre a questlo argenuna-brasilsira
acorapanhada de varios documentor que se diziam
importantes.
0 cholera, que fzzia uma on duas v.ctimas por
dia em Buenos-Ayres, manifestira-se violenuman-
te na frontaira sui e sadoeste de Cordova.
Do Jnnin reeesera se a notieia de qne o cacique
Picen, a frenle de grande numero de iodio3 prepa-
rava-se para pissar a fronteira. 0 eoronel Borges,
apenas reeebm tal notieia, marehou contra os in-
vasores com o 2* batalhao de linha.
Fora preio nm dos negociantes italianos que fal -
liram ultimamente, de nonie Delfioo ; a policia an-
dava no eacalcp do outro socio.
Na noite de 6 deu se nm grave eenflioto odi ra a
u^iaansmas>) gaz e a municipalidade de Buenos
Ayres ; a companhia fechou os registro3 da illumi-
nacao publica, deixando a cidale as escuras.
Eutio ordeoou a municipalilade que fossem ar-
entaclo.
E' notavel esta occurreneia, tanto mais quan
do nao e facto is piUl e em ontros pontos da provincia trau-se de
pro mover reunifies analngas. >
Diz nma cam de Taubate que no bairro de
Macacos, as 11 horas da manni do dia 11, cahira
uma bomba d'agua que cansira graudes estragos.
O Ribeirao dos Macacos tornara-sa um rio cauda-
loso, arrasando tudo por onde passava. j?
* Ob habitantes desse bairro (diz a cgpsraanica
cio) viram rolar os monies, pedrayfle grandes
dimeosoes, e desapparecerem as roeas de milho,
correndo entre as aguas grandes tnmcos de arvo-
res secnlares. '
Notieia a Estrella d"Oesle do Rio-Claro :
a Joao Baptisu d>s Santos'aeha-se preso na
cadeia desta cidade desde o anno de 1869; res-
pon leu ao jury por crime de nomicidio, em maio
daste anno, sendo condemnado. Appellou da
sentenca, mas ate hoje na > voltaram os autos da
relacao. ",
e Joaquim Antonio de Campos responden ao jnry
o anno passado e foi absolvido. Appellada .a sen-
tenca pelo Dr. juiz de direito, foram os auto* para
a relacae e ate hoje nao voltaram. >
RIO Ml MNBtRO.
Por deerelo; de 13 do corrente foram conee
didas a-* demissSes quo pedtram do lugar de juiz
municipal e de orpbaos:
0 baeharel Caetano Augusto da Gama Cerque.
-JAo Dr.chefedepolicia.-0 Exm.Sr.presiden-1rombadas as porus da fabrica de gate abertosios
te daprovincia manda declarar a V. S. que ficam
expedidas as convenientes ordens, no sentido de
que traU o seu offlcio de 31 do mez proximo pas-
sado,sob n 2,107.
Ao juiz de direito da comarea de Pao d'Alho.
0 Exm. Sr. presidente da provincia manda trans-
mtitir a V. S. copia da poruria de hoje,que esta-
beleceu a substiluicao de V. S. em seus impedi-
mentos; alterando nessa parta a de 14 de novem-
bro ultimo, Urabem por copia.
4.' seccao.
Offlcio :
i Ao provedor da Sinta Casa de Miserieordia.
De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da pro-
vincia, communico a V. S. que deram-se ordens as
thesourarias de fazenda e provincia para serem
pagas asquantias de que t rat an os offlcios de \.
S.. datados de 2 do corrente, sob ns. 701 e 702.
5.' seccSo.
Offlcio :
Ao engenheiro chere da reparticao das obras
pnblicas.De ordem de S. Exc. o Sr. presidente da
Vmc. provincia, communico a V. S, que a thesouraria
provincial esta autorisada a entregar ao thesou-
reiro dessa reparticao a quantia de 5:590x.OOO ;
como soliciU V. S. em um offlcio daUdo de 2 do
corrente, sob n. 1.
0espach0s oa presidencia, 00 dia 20 de margo
de 1874.
Antonio Augusto de Azevedo Carvalho Siqueira
Varejao. Prejudicado por ja ter sido nomeado
outro.
Augusto Marcal Vaz Cerquiaho. Junle o sup-
qlicante nma relacao c'rcumstanciada dos preco,
fue foram medicados e quaes as molestias que sof-
prein.
Baeharel Armiaio C. Tavares dos Santos.Seja
relevado.
Bernardo Jose de Sant'Anna. Concedo oito
dias.
Ernesto Machado Freire Pereira da Silva.Pas-
se portaria concedendo a licenea pedida.
Baeharel Joao Severiano Carneiro da Cunha.
Como requer.
Joao Pacheco de Medelros. Aguarde o snppli-
cante a decisao do governo imperial.
Tenente-joronel Jose Soares de Mello Avellino.
Informe o Sr. director das obras pnblicas.
Maria Francisca da Silva.Defendo com offlcio
dirtgido nesU data ao Sr. inspector do arsenal de
marinha.
Tasso A Irmaos. Satisfacam os suppllcantes as
exigencias da thesouraria provincial.
Commando superior.
QCARTEL DO COMMANDO. SUPERIOR DA CUARDA
MACIONAL DO MUNICIPIO DO RECIFE, 21 DE
MARCO DE 1874.
Ordem do dia n. 147.
Em njme de 8. Exc. o Sr. eommendador presi-
dente da provincia, convido atodos os Srs. offlciaes
do servico aclivo e da reserva da guarda aacional
desta capiul sem como aos reform ados para as-
sistirem ao corteio a efflgie de Sua Magestade o
Imperador no palaeio da presideacia pelas S boras
da tarde do dia 25 do corrente mez, anniversario
do juramento a constitoicao politica do imperio.
As musicas se achario em palaeio naquella oc-
casiao pora solemnisar o acto, tocando mais a al-
wrada recolhw dessi? dia e Umbem ao recolher
do Jia Ik
Antonio Gomes Leal.
DIARIO DEPEmitfBU 00
RECIFE, 33 DE MARCO DE 1874.
^tieisui do aul do ina,peri
Amanheeen hontam em noo porto o vapor
brasileiro Crnzeiro dpt Spti irazendo datas: do nlo
da PraU BJil Raolo 13, de Minas-Qaras 8, do
Rio de )mm IS, da Bahia, 19, e das AJagqas "
Io oopente.
registros; os empregados da companhia ainda ten
taram apagar os comb islores, mais a policia con-
teve-os.
De Montevideo nao ha que noticiar.
M1XASCERAES.
Notieia o seguiate o Diana de Mines :
Joio Lima Barbosa, Anlonio Francelino, Joao
Marcelino, Joaquim Rita, Manoel Beatriz, Manoel
de Paula Ribeiro, Manoel da Costa Neves e Tibur-
cio Rodrigues de Menezes, reos pionunciados em
Queluz, aquelles eomo incursos no art. 192, e este
no art. 205 do codigo criminal, recolheram se vo-
luntariamente a p.-isao, afim de responderem ao
jury, que esta funccionando naiuella cidade.
t No dia 3, pelas 2 horas da tarde, cvaliranvse
os gales Francisco Carvalho da Silva e Joao Ro-
drigues Moroira, que trabalhavam nas obras da
encanamenlo da cadea da capiul.
Esuvam cora elles dous ontros, que tambem se
evadiram, mas foram loio presos pelos feitores
Luiz da Franca Correa e Gregorio Ribiro da Si-
va, quj na luta havida entao tlcaram bastantc mal-
tratados.
S. PAULO.
Os Rvms. Scipiio Ferreira Goulart Junqueira,
Luiz Alves da Silva, Francisco Goncalves Barroso
Vicente Servivio, primeiro na qualidade de viga-
rio collado e os ontros na de clerigos da parochia
de Santos, dirigiram ao Sr. D. ViUl uma felicita-
cao, era que qualificara de violento o procedi-
mento do governo, e de Iegitima a perseguifao
aberta aos macons.
0 vapor Kepler carregara para Liverpool
1,111 fardos de algodao, pesando 57,673 kilos, e 3b6
saccos de cafe, pesando 21,960 kilos.
Na capital, D. Maria das Dores da Assump-
cao, viuva de Joao Alves Pinheiro, libertara sem
condicSo alguma os unicos escravos que possuia a
saber : uma escrava e tres Qlbos, sendo nm dalles
efflcial pedreiro.
Na sessao da assemblea geral da compannia
Sorocabana, havida a 1 do corrente, foi unanime-
mente resolvido autorisar a directoria a tratar do
proloogamento da linha a Tiete, Tabuhy e Botuca-
tii, traUndo para isso com o governo, pedindo re-
forma de esUtutos, se for preciso, e defendend.)
o direito da companhia contra pretencoes de ter-
ceiros. .,
Em votacio especial, depots de orar o presidente
da directcna, resolvera a assembl6a unanimeraen-
te autorisar a directoria a contrahir um empresti-
mo nao excedente a um terco do capital social,
realisado pelo modo e condicoes mais vantajosas
que encontrar e a emittir novas aecCies ate o mes-
mo valor, podendo praticar uma dessas operacoes,
ou ambas ao mesmo tempo, conforms for mais
conveaiente.
Pundara se na mesma cidade uma sociedade
com o titulo Unido Sorocabana, com o flm de fun-
dar ura collegio de raeninos e outro de menioas.
Fdra bem acolhida a idea, que, em 24 horai, subs-
crevera se o capital necessario.
Effectnara se, no dia 10, a eeremonia do co-
meco do assentamento de tnlhos da via ferrea so
rocabana, havendo em seguida am copo d'agua,
offerecido aos numerosos ctrcumsuntes pelo Sr.
Speizler, engenheiro em cbefe da empreza soro-
cabana.
Diz a Tribuna Amparense que ja se havia ini-
eiado o trabalbo de quasi todas as empreitadas do
ramal daquella localidade.
Le se no Correio Paulistano de 10 :
t Domingo altimo, na paco da camara munici-
pal, deu se em Campinas nma reanlao para o um
de promover-se uint repreients^ao ao corpo legis-
lativo, soliciundo as reformas indispeesa-reis afim
de conseguir se a separacio e reeiproca indepen-
dencia do estado e da igraja.
Nao hoove absolutameate car%cter politico em
tal reuniao, estando presentes cidadaex de todos os
Stidos. conservadores, liberaes e republieanos,
iberando-ae por anaaonidade adbertr a repre-
seoUcao no mesmo sentido ja formnlada no Rio.
Outro sim, foi nomeada nma eommisslo eomposta
ia, do termo do Pomba, na provincia de
Geraes.
0 baeharel Francisco Alves Branco, do termo de
Grao-Mogol, na mesma provincia.
Fji removido, a pedido, o juiz municipal e de
orphios Candido Vieira Chaves, do termo do Codo
para e de Caxias, arabos na provincia do Mara-
nhao.
Foram nomeados:
Juiz municipal e de orphios do termo de Passo-
Fundo, aa provincia de S. Pedro do Rio Grande do
Sol, o baeharel Jonas Polycarpo de Figuelredo.
Fez-se raerce* da serventia vitalicia dos offlcios
para qae foram provisoriamente nomeados pelo
respectivo presidente:
A Joaquim Marques da Porciuncula, dos de par
tidor e coniador do termo d'Agua Preta. na pro-
vincia de Pernambuco.
A Joaquim Pereira da Silva, dos de partidor e
distributor do mesmo termo.
Por titulo de It do corrente mez foi nomeado
praticante da thesouraria de fazenda do Amazonas
Antonio Caetano da Silva.
Por decreto n. 5,562 de 1 do corrente foi
detenninada a acquisicao de uma p-rcao de ter-
reoo que confine com o edificio do externato do
imperial collegio Pedro II, e e pertencente ao pre-
dio n. 57 da rna da Cohceicao.
Por titules de 10 do corrente foram nomea-
dos para o hospital de marinha da cone :
Alumnos pensionisUs ordinarios de medicina e
cirurgia, Carlos Ferreira Al7es e Felippo Anstides
Caire.
PensionisUs extraordinarios, Rodolpbo Gasuo
Fernandes de Sa e Manoel Ferreira de Figueire-
do Junior.
Pxnsioaula nritinario de pharni'-i^, Liiiz Far-
reira de Souza, e extraordinary Eduardo de Mo-
raes Tibao
Era datade II do corrente foram promovi-
dos no corpo de offlciaes marinheiros :
A mestrcs de 2" classe :
Os guardiaes : Manoel Jose Soares, Balbino
Francisco dos Santos, Estevao Pereira do Nasci-
mento, Francisco Domingues Nogueira, Beriedicto
Barbosa de Sant'Anna, Jose Coelho de Brito. Fran-
cisco Pereira Primeiro, Firmino Antonio Pereira,
Antonio Conrado Ferreira Braga, Joao Martins de
Araoriin, Jose Francisai de Carvalho, Albido Jose
dos Santos, Raymuado Xonato de Carvalho e Ma-
noel Candido Nascimento.
A guardiaes extranumerarios: Lulo Francisco
Alves, Manoel Pereira do Garmo, Jose Francisco
da Silva, Manoel Roqoe do Nascimento, Francisco
da Costa Veiga, Antonio de Barros e Silva, Joao
Antonio Primeiro, Antonio Joaquim Ferreira, An-
lonio da Costa Lima, Benedicto Correa, Desiderio
Antonio de Santa Clara, Manoe Jose dos Santos,
Joao Alves da Fonceca, Manoel Jos6 de Oliveira,
Jose Caetano da Cruz, Jos6 da Rosa Pereira, Pe-
dro Leao dos Passos, Francisco Xavier Pereira,
Francisco Antonio de Castro, Simeao Joaquim do
Nascimento, Mamede Emigdio da Annunciada, Cle-
raente Jose do Souza e Henrique Jos6 da Silva.
Foram concedidos pelos seguintes decretos :
N. 5,535 de 31 de Janeiro, a Miguel Alanier
Baglioni, por 10 annos, para fabricar, usar e ven-
der raachinas de sua inveneao para descascar e
limpar cafe.
N. 5,535 do igual data, tambem por 10 annos,
ao Dr. Guilherme Schuch de Capanema, para me-
Ihoramento que diz ter invenUdo no apparelho de
extrabir assucar de canna.
N. 5,553 de 20 de fevereiro, a Casimiro Manoel
Teixeira Junior, por 8 annos, para fabricar, usar
e vender um bydroinetro de sua inveneao.
0 decreto n. 5,441 de 3 de Janeiro do cor-
rente anno concedeu a companhia de Ceara Gaz
Companhia Limited autorisacio para funccionar
e approvou os respeetivos esUtutos.
0 ministerio da marinha em 10 do corren-
te, dirigio o seguinte aviso ao ajndante general
da armada :
Illm. o Exm. Sr. Sendo preseute a s>. M. o
Imperador o offlcio n. 1,221 de 22 de novembro do
anno proximo passado em que V. Exc. indicou a
adopcao da medida posta em pratica durante a ul-
tima guerra, de serem os capitaes dos portos das
provincias onde nao ha arsenal incumhidos dos com-
mandos das companhias de aprendizes marinhei-
ros, no intuito de poderem os offlciaes habilitar *e
com embarque o mais breve que for possivel :
0 mesmo augusto senhor, por immediata resolu-
flo de 7 do corrente, toraada sobre consulu da
seccao de guwra e marinha do eonselho de esta-
do, houve por bem mandar declarar que, havendo
em geral inconvenientes na accumulacao de era-
pregos diversos, 6 mais regular, durante as cir-
cuinsUncias occurrentes, que sejam chamados aos
commandos das referidas companhias offlciaes da
armada reformados; e so no caso de nao haver
offlciaes idoneos nesta classe, se devera reccorrer
a medida por V. Exc. indicada.
0 qae communico a V. Exc, para os devidos
effeitos. y,, _.. .
Deus guarde a V. ExcJoaquim Delftno Rioetro
da Luz. .
Por titulo de 7 do corrente fot nomeado Ma-
noel Joaquim Fernando Penna, desenhador do ar-
senal de marinha do Para.
Por portaria de II do corrente foi marcada
ao jnit de direito Innocencio Pinheiro Correa a
ajuda de eusto de 600* o prazo de 3 mezes.
Nau foi agraciado o reo Francisca Dias de
Moraes, condemnado em 4 de dezembro de 1862,
a pena do gales perpetuas.emvirtade da decisio
do jury do termo das Bams, na provincia do
Piauhy, per crime de parncidio commettido a 7 de
outubro de 1850.
Nao foi atlendido o red Porfirio Porto, alfe-
res do 9 baulhao de infantoria, condemnado a 25
de juiho de 1873, a pena de doas annos de pr; ^.
em virtudeda decisio do eonselho supre^0-'rai|j'
ama aou de 30/ cdr de rosa, do banco ".do Brasii*
qne tinha sido inutilisada aa alfandaga por aau
verdadeira. Nenhnma differeaca apreseoUva das
qne existem em gyro, am impossivei coabeear a
ulsificacao, e qoalquer a raceberia sem maaar
escrupulo. Onde estaria, portanto, o motivo peto
qnal a reparticao fiscal a declarou de nenhum va
tor 1 Niognem seria capu de dire-lo, sem por a
rafenda metadj de encontrj a luz.
Kssa nou tor* formada de pedacos. de maioi
on de manor tamanno tirados de outras veroaOM-
ras, e, com Ul arte grndados, que, a simples exa-
me, quer no verso qner no reverso, o mais rniao-
cioso e eaigente conhecedor aeeitaria aa melbor
boa fe. Collocada, porem, a aoU em frenle a cU-
ridade, reconhece se immediaumeate a fraode.
por causa das differentes eraenda* qae apreseate.
habilmeate disfarcadas.
E' de presumir qae o aator d sesaeibaala faJ-
iincacao nao se limitasse uwcaataoie a fabricar
notas de 30/ e sim tambem outras de muito mater
valor. Convent, portanto, qne oi incautos nao se-
jam victimas de ul dolo.
a A abertura da Esoola Normal, qoe.
como ja annunciamos realisar-se-lia no dia
25 do corrente, is ft da tarde, no edificio
do conservator! > de musics, sari honrada
com a angusta presenca de S. M. o Impera-
ior.
i .i A primeira congregarao das professores
teve Tajgar hontern, ds 11 boras. Foram
nomeados vice-director o Sr. cMiselbeiro
Antonio Fofax Martins, secretario o Sr. An-
tonio Estevao (As. Costa e Cunha, thesoureiro
e bibliothecario o Sr. Augusto Candido Xa-
vier Cony, fiscal o Sr. rfotfooio Severiano
da Costa e orador da congregar;aV, no dia
da abertura, o professor de direito constt-
tncional Dr. Luiz Alves Leite de Oliveira
Beilo.
Noraoram-se duas commissoes, uma
para organiser o regulamento definitivo, e
outra para preparar o regimento interno,
programmas, horario e modo pratico de
fazer os exemes.
A primeira ** eomposta dos Srs Drs.
Luiz Alves Leite de Oliveira Beilo. bacba
rel Tbeophilo das Neves Leao e Antonio
Estevao da Costa e Cunh e a segunda dos
Srs. Augusto Candido Xavier Cony, Antonio
Joaquim Teixeira de Azevedo e Antonio
Candido Rodrigues Carneiro.
As aulas serio abertas depots da se-
manasanta, e a matricula estarA franca ate
entdono cooservatorio de musica do meio
dia As 2 da tarde.
Nos dias 16, 27 e 28 proceder-se-ba
aos exames preparatories que forern neces-
sarios para a matricula. > \
So ta--^--o <4-aT-i;so pouco, n*n naifnfj
de causar desastre o rijo pe de vento qae
cabio ante-In hi tem.
Uma lancha do caes da Imperatriz, per-
tencente a Manoel Porto, que havia recebi-
do uma porcao dc madeira dbordo de um
navio, ia descarrega-la na quinta imperial
em S. ChristovSo, quando fossobrou, ja
perto dalli, perecendo os dous homens que
a tripo'avam.
Duas faluas que titiham levado da al-
Undega para o trapiche da Saiide, uma por-
cao de material do telegrapho electric,
encheram-se completamente d'agua na occa-
siao da descarga ; felizmeiite nao Inine des-
grafa a lamentar, e hontem depois de or-
gotadas ambas, proseguio o serviro da des-
carga.
Deu si ainda outro sinistro (6ra da
barra, que ia custando a vida de oito pes-
soas.

lar de justija, por ter deixado evadir d0^. DreMJ
civil conuados a sua guarda.
t Eis como uo-lo referiram :
Paulo Villau e Francisco Viciia de Li-
ma, carecendo ira Marici, alugaram a Fran-
cisco Figueira a lancha Fior da Barra e par-
tiram ante-hontem, is 7 boras da manhi.
levando em sua companhia os alumnos da
academia de Bellas-Aries. Augusto Rodri-
gues Duarte, Francisco Villaca e Pedro Jose
Pinlo Peres, que iam simplesmente pis-
sear e copiar algumas paisagens. lam.
tambem n3 lancha o referido Francisco Fi-
gueira e dous remadores de nome Antonio
e Manoel.
A viagem de ida foi feita sem maior
novidade.
Na volU, porem, is 3 1 2 boras da tar-
de, quando estavam a duas milbas da barra
e navegaudo i vela, foram sorpreheudidos
pelo tufao, que, nao daudo tenpo a ferrar
o panno, fez sossobrar a lancha, qne Acou
de cutelo. Felizmente as oito pessoas pude-
ram agarrar-se a ella e assim licaram quest
hora e meia a merce das oodas, que ora aa
sacudiam com violencia, ora cobriam-as, e
veudo com susto, sempre crescente, qne a
forte correnteza se ia afaatando cada tez
mais de terra e que a noite aprovimava-se.
a A final os seus gritos de socoorro fo-
ram ouvidos pela tripola^ao da catraia de
pescaria denominada Flor da Gloria, cujo
meslre, Mathias da Silveira, rocebeu-as a
seu bordo o transporlou-as ate o caes da
Gloria, ondo desembarcaram is 7 1.2 boras
da noite.
0 mestre da Flor da Gloria, no inlui-
to de cotnpletar a sua boa accAo, forneeoa
aos uiuco pasaageiros da l*ncha uaufragada,
independente de qualquer relribuicAo, toda
a roupa de que cerccum para n'suuell*
occasiio para regressarem eos sues aomi-
cili>s, e o a cool de qua larabem careciasav
friccionaretnos seus. enmge'*^08 corpos.
Ha vinte i'l4i npuco mais ou me-0*'
desappar^u de sua resideocia ^looio da
Siv'/fereir, morad-V W i ?'***>"
8 A*.
c A propritaria do predio, D. Francisca
- No dia 14 do cor;n,9 'w^n
in as sessoes
doe eidadaos Sr*. eap',uo Joio Pimenta, Raggio preparalorias da. jssernblea provincial do Rio ie
do Nobrega e Dr. Campos Salles, para eontioaarem a (af neiro.
31 >teceber>s3iBaamca'i43 pesaoas one ao munleipiol __ [^
" |de Camplnis adji/^jram^ao peosaraeoto da repre- \ 9 p0j
Lertos no Jornal do Commercio:
003 boatem (IS) apreseauda a meUde de
Thomasia de Oliveira a Silva, requereu por
intermedio de seu procurador loti Hoawov
Tavares, ao sobdelegado do 2.* districto de
S. Jose que procedesse a arronbameoto do
referida casa, afim de serem recoihido* ao
deposito os iiisiguificaates objecios, qc
1
^
( 0HL_ i




1T&1 ifl mpim m r.g ftgfln ^yffw*
iffiffi de Pernambuco -.- Segwuk (elfa 23 de Mawjo de 1874. ^ OHJlf 1/ i 0//*
_
..
K
suppunha oTT
que vivia P
rnezes e ta(
qua esse m
de suas fa
(0
su
eiistir, aTiaa^flacm|
jra, pois ja ttie*^waiirflew
as uValujfuell aeiroscuv'o
*ha tempos nrcstrnva soU'rer
depots
de toraar por
terrao o depoimento de duas testemunhas,
ordenou o arrombufleMa enoiMf^eseaM
e ua do respetfi^pscfifco, teslomaulias o
dous peritOs ncmea
Arrombada^jBorta, {brain encontra
dos poucos mo^P, o cm tal estado quo de-
note vam a misSido inottilor. Katre esses
moveis poTem, hafiarutrfe balms fechados
a chave, vjue nara;o GotfUpi-tcole arroUmeji-
todo qae cRves^J^^eceeario:Unil>ena
arrombar.
A autoridade eneontrou dentro dellos,
a'.em de bastante roupa de uso, o se-
8uia 3fc : _______
50 apolices 'Ja divi la publica de
1:0005 ; 7i access do Banco do Brasil, vim
auoel com bi Quanta-, utna c^rneta do
Banco ttural c5in urn saldo do liiOO*. 603
em diversas tr.iiela tie paute; 3H hknas
terlinas, 7 moodas de ouro nacionacs de
10^, 3 ditas dc ouro de 4?, 3 ditas de 209,
Sarmonto de Benevide?,' delxande Hvre dB HOT-
% MtsjabMaAi aaair>4a *m
jNa piesipa villa fallccou uma sent]
do uosso preslimoso amig"a dapitJb Pr
^lm%ida'Braga, deixttadulivres 2 escrarvos
-Foram declarados livres alii 43 escravos,
les 33 partcopenlps ag capitao. Leonardo Mar
cao nos1 noaj.iclos putVicos, a direita
vava se, compact* A ro la d > go ver'
pwWItWIwflWM'jiqoille estidista,
WNfci^iif \?!m cojilisDo dos dissi.le
(Wmibou a adminis nirao
SWWM{|hetti nSose tendopodi
Veras, por nao terem"srdo dados 5 matricula. 1 ."T" ^ ""ol" ""'? *~w P'"" ""I
. 0 numcro de alforrias qae naquolle termo [tender como o Sr. Depretts, o novo gabtnetc
tm se dado do fni|tfatftBMi0 MM*0 pai|tvia ^f>dukMripaasc(UMM|i||icMapHMMl
alchinozcs ainda <
sao
t-vnsedado
ci, a,Uinge a 80.
Atravessatnn- oaia q
0 invent o escasci-simo, e i.s
nesesstdade estai se vendew
(^exorbitances.
iS8o kilo, a
cum 08*) a- 560 ; o OMWin a*
b^Hklamit
o^HI prime
ikiTwrcadopor
A came 4H aooBg^sa a
ccca ii'. iffaa' preri, a v
ri. v.
generns a.-a [iropot-;
nha a MO e todo- o m
r.iaJ
A* esperanca|noaeraiu asWiimascfta-
vas de fevereiro, desvatwcem-se.
0 iv.lor e as|ihyKa|UQ, a sol abrazaJur. Neste
mcz nao cahio amda/kiBa go*ta d'a^tta seqaer !
x As plantai-(l e*tao quasi todai pwtHaa a falu de-cauvai. U
verao tern ?e proloogado por demais.
As noticias que rccebemos de alguos pootos
do ioterior oao sao raais aoimadoras.
c Deos se aaxreM da ad*.
RIO GRANDE DO NOBTE.
Los d* Convio 4o A*tH
Consta uos que fora denunciajo^ em crime da
responsafciWdate, o jnz wiuokiixa te orpftnos
il) termo de S Jjsu de Mipihii, o bacliarel Luiz
5 patacOa& AI.I.EMANIIA.
A' cainaraduA-dopatados. do yrau-duc;do
Laxemburpo vai fer apr'sentado urn ptojoctx
wfie ponllrma ^'<,pV,'Por''''erswc'*
Prussia ua admiuislratan iniiriur deste pe
paiz. Sabe-se qufia tem naagaasmios po'de'Q-
sas a alfandi'ga, e a expl Taea > dos r:i:ni
ferro do grao-diflSao"; ffata^se aeora te*ijrn ptB
je<;t'4e iei sibce as {aa*leas da dislHI<)aaa, a uai
esta 'concebido em termos taes, que pira escapa
l*& to* ,oBa^afti > *apoa*(flas J*?aUailWBB
do paiz, uao teem ouiro recurso rnais do que pe-
depois de lai'r^Ji) o'
d 1 a n do
de Li fcaneos, dous cruzados uovos, A moe-
dasde prat a es*ran$eif de ^00 a 400 rs.':
uma caii;a de. praU para rpe, iliNi cordao
de oura, 3i*4 em tM*Hs,"iiu md MMR
tils otn cobre ; e"^ ^?tamcatjjs facrados,
corn o uotne do uioiicrppaiio au^o Pu-
rawa I
u Todos estas oiijoct(8 fbP#nrm
\MJIt I'-ri.fs .nn'oriJ.-ufc. 4' BY.
ause'htes,
autu.
A alfandpga rendeu
corrente I,72!>r679390.
tis ais r\oticias comqiwciaes da 'uhi
ma data :
< 0 mercado de caanbia cojiservB^ ain-
da em pftsicjo favoravel, Bias potKQ acti-
vo. FtTectuarara,-se traosacQOiJS iiisig/iifi-
eaiiles sobre londres a 28 d pwy)ei b--nario
30 i.Saia' 9, llid. paniaular, esobrei'rao-
i}i a &Hi n. par iraiioa. -
As apidices guraes de 0 0/0 liveratn
ptquwio JBdvuaeutw a |:09WN d#*bei-
ro.
No mercado de acc,oes pouco sc-fer
ao twguitites pr- 50s : Banco Uuroi 0 V.j -
pothciyirio, ii7j5; Corqpaubia da ;4tMt-
mjV*'> a gaz do Kk) -iv Janeiro., t**00 e
3i0-r ; Cosnpanbta das Minas (Ve Cagapava-,
50JP por ov.ao, a diitU-iro. ,
As veil las de f/j& *Sie*madas hoje fo-
ram ma:s- q iio vQjECjtltS, data do wosso Boleiita para os
lHjllf'ri iiiglez Li/fry e fraucez Erusnun-
lh.i, ate boje, as vi-udas forom de 40,00V
saccos, inclusive 4,000 embnrcados por w*^
U d 1 compauliia I'.oaunirai e Ijuwura.
r,alcu!ainos hoja a ofjileiioii en cer..\i de
i^o.ouO sacctis.
< Cotamos or 10 kilo&
superior e Rao
t l1 boa
h t* regular
m I' ordiuarii
.. 2" boa
2' or liuaria
-( 1'ouco so fez em
sumo.
* bretaram-se dous navios p ra. Usbda
;i ax le.n, cafe a 40 s., e tun para o Ca-
nal, a or lam, dito, ao wes:oo prc^o de
40 s.
BAH I A,
Faileceu 0 veterauo da iudependen-
cia Joao Baptista do Taria, coui 77 au-
"flOS^le lihlA". qua Mw.'ij a litffur rle pro-
rador decausas.
7,-,<00
7^1011
AijSo'J
00250
a 73*700
a 7|)25'i
a 5700
a 0^400
53>!)U0 a OQOiiU
o->000 a 5?.S00
assiicar .para con-
rem, quaea os factos quo serviram de tia^f ide-
*uscia,e qual o aadA*a*ut.> que ha lido 0 rpee-
Uvo processo.
1 L'iu'Segiioda raio esiiio oa ciJade di Uj.-sor6,
no dia li do fevereir.o, sobreuiaaraaa e*U (XMMlruc-
can u|ueli cuUde, fuluiina^lo dcus uperarius e
algipoas 9iiu-a* pesjoaa das casaa ^I'B^as.
u AcO'luto*,jyrya Umpo, vaUaraia feiianeate
Ivjjta^aos qu* soajt,iao>, seal qua Uopvasse a la
iiKatar a peraa de umaso vida. .
f -i^^itwca t'lc4rica,-!aiH:rus..ieii4eM-J*aiaft t>a-
redes e madeiramenlo do cdiflciH^aeguado re/eia
j Mo*soreeas do 19. J
Cootta uW que 0 Sr. t^eaiecUne R'](Cig0o
LesM, residente no Alto-Alegre, ua iituuKipiu 4a
Macao, alf >rriara\a paxie qae tiaJia, 00 aseravo
Utiiiedicli'. ao valor de OOi, a. qu>0 parti' Ihe eoa-
bera out pai tilt) 1 hm hera^a ite.eua &nada Qm
D. Maria Alves Lo:.a, umUnr do Sr. Joao Ua^tisu*
do EspiriloSauio,4aiqbe ja faljaoiio.
PARAUVBA.
Lemps no Jornal:
- N.i v..por PiViipawa, da caeipanhja pem.vu-
bucanay partio ante-lionl 111 para o Mossoro, com
destiiyo ao alto-seflo desia povja'ia o Sr Dr.
cli..'iy de policia, acoiupanliado do auiaiwetifte da
suarsecretaria, ea^itao Manijtl Carlos de Alrneida
ujuerqaoe uiu coatiijgoale ^fr-itf1}* de f
i.i ggm dous utBeues, ali:n-Ue lomsr cutibuci-
meoto dos factos gravemonte erimiuo^os ecorri.-
'os m teroio de Potabal, -. preeaiter oootra sens
auiuw-, pi >uk>vo4o com activi .a 1.: a oaplura Jos
mesmoi .. de outros enmioosos alii existeutea,
dc esperar que >. S. de>e-mpe"lie oabal-
meute esta espinhesa ctHiins.-,io,c >mo cus/unia.
< 1'iiraine sua aaseocia tle.-ta capital licji en-
carr^-ado o respevt ivo .delegado 'do.-ea^eijiitulia da
-ecrcta:i> da-policia.
Bereado da Parahyba, 19 de margode 1874,
prefos da prn^a :
1 Algodao da 'l' sorle
de 2'
-*} :( .
Au:ar. briilo do f quJidade
Couros salgidjs.
Cambio sobre Luadres 26 Nayios a carga :
1 Britfue iugl Qriteriui para laverpaei
Blirca ingleza Serafina t
Folaca iu*sa Culipao t ,
Patacbo ioglez Bbicumi
Oarca iagloza fie rye W t
m '
o < >
l(
vcl
comlniuiJo.
e nao de unia
air adiiw taMe>B8Birn aovoaitoUkobj
a legislacao a'.lema. 0 coti*elho de estaJo com
pt'eiiuiidt'ii tao 4w( a *'rta^*>, -- -ro i*(. rla~
torio s.ihreo pri'ieciodo Ic^prouoa qunaeia o#n
cedido aos inleressa.d,o>.e^sa Ju^itaJe.
Furgysjiiiente tern dc Ibcs ser ConcjjdidQ.
coutingoticia, p4rqii,a l^gkal^gao^ que as
dcm. sulnucUer c.raa u'[aar'sirui5ao tao '
que tornaria qualquer Tata impos'stVel
les e os seus. euncurrciues da .AUe.qaptu
l.QJ*3 impSeao^ oaluraes qm. d"
i.uuito tnais eJe.vadp, mis jt
c.edema sahidi, seuio r^sBuijoas irnSBr,
aiiprime-*a a fabriea^a.0 cjinji f>adi^Sv^ .ma.
que pa-ecem nao lec^oiilfo,^ senSo tnfpe
041 arrtes tur.ua-la c'otcj|)\efa.n>ente iqytosivel. .
A apreseala^ao do projoclo causa ue-te ^10-
rncuto viva ,cwto,juoc4^ enire os di^iUadores iy
gjau--ducadd ; 'acoustjw 6. goverou g,raa-duc^| da
caiter a uuia'pjresiao^su-aogeira' b ujesmo acb,'~
4o'iimilo patuxal qv.c. a Prussia se s'tfva da 5.1
n'lueucia para pxn^ger a s^ia lftiuslfla, e pn-
orbcia. 0OO94 .
3iIviJi a ultima criw-iiii>t<3rial na
is, Ibrmado de elementosOitt|e nas corapo*
'nisteriaes daquelle paiz. 0 unico raini>tro
ja experimentaik) 6 0 Sr. Delyannis, nue foi encar-
"" cios esl
rnecid
o quizer;
cV), 111.'I!
sua con
liti ', ja aiuirii'rroeut
terio de comprooisso,
de.
IIKSP.Jl4.
pair. esiJreye nossu iurrnspOn lunte
de Lisb Ha poacos dias foram commuriicados ao gover-
portaguez, ein cifra. teicgraiaoiaa qu^ davani
a p^rda superior a J,0yG h inieos no oxercito
de Mirtrmes, 0 fjaal foi wn auxilio 9a fore* tie
qua sea eh a siliada pelos carLslas. I'orem.
aterradoras n-ticias passaram para os jornaes
^iya, daiMe Jiraa transujitii las para Madrid,
onJe cutao foi piiblicada a nova detam.nlio desas
>- ata eulao ignorado aMi paki ul(o. Pe qae vieratn de ItaJajoz para I/tsboa di iie-4frinasMaaoi sit| sideravei*. So honntem a noite e que os pormeno
m fcuiiHdarroa niiam c iaJieoid'j* aqui pelas mrra
1
i
guez
tivas dos periodieos hespanlioes.
Tfiiiumas destesdeseriacS'S-na sua
-teW?1' If ltllja oa Idtutes muito mais aoaleauce da
r^r^de.
Mj.Kis' aquivaortaaio umacarta pu!)lica.la jaelo
Imfiarcial do- Jlilri I, que dftgereve miouciosa-
mjsiye o co.91b.-1ie de Somor^str*. que-fica nas pro-
xanidades da Liilbau
'4Vw* bicas dfpois da oiiuua,c*.pgaU junto
> coroael, nua djr'ujia, a bateria Krup.p, preseuciei
ata jiie das posicoes Inimigas, que oTonafiapvatB a
onto da ria de Somorqjtfo, iComecado "no dia 2i
e fevereiro.) A arlilhena conseguio de^faaef.as
'primeifas b.-^rrjcailas e aiieiar do oatrido '(qgo de
fuiflaria-daat^inflhijiras, as tcopas apodoracam-se da
torre deSalazar, situada ua mr\rgeui opposta uo
sope do rookie. Maalres ,que a sapara do Jaw. Es-
ta iinporianto v^itageui facUilava a 1 uoada de S.
Pedro Abant 1, ii.-iica altura defensavjl ale PurLUi
galete. Como Vmc comprulieudera, n-tiramos
para os aos.-os aiojaiiientu', c'acios de esperauca
exprunem 0 recojo..
coneessao o gran-dacado.j^j .chegu.^ a, ucrd^y, a
sua autonomy, ale in/iiino'cnj raatia>,adujuj|s-
iratiya
m/isl^o de/ecan.w|stai dwcrcadj'tixeujbur^leu dormlem'Mifiia'. Oquartel general esiva'ein
deque de cccessAo,,eci 'Muiquy, a ariilhei]ii
;'ria em Janco. As nove da ma-
nja./^ljjco'ajecou'de.-pova o ataqus; a artiUzeria
'dis^onlia do .po.ii.-as niuiu"roe.s e s.eu f.igo .p.io era
,, por .contfgujnti'1,-lao, aiiitriiio coruo-oo .tdiibate da
.. Di'. >t ju-. q cqase^li'e l&lcr.^ de 1ler.I1 on ore vespera; os bauU\(5e.s d* ewuerda, avajicaramem
para iim_pfpj0i}to de'W erivanto da oacionalid^- ilu-e^ga^ai.trin'cJiiirasf-ituaaasnas farMasdeMau-
de allema os ^eiai^iaslico/destluidiis e.easiqjaJua -troe os'il^ di,rciu u^uitiram-se a susteular 0 fago
oor iafrii^irein as leu.e eles.isti-as., coatr.i as li iuc!ieins de S. Pedro Abajito.
._ As dcUra.-.oes feiUs.iw pajrlatneot.) aJlemao t .i^dp fafia o'rer quaageneral teuuiriaas suas
pelos depatados :'
aoyos
eslar d,e
olismar.
do dis,cur*o 4a Sr.Teutsch, e as .obaeryacoea 3'} inarcha, e evideate .uue 'eliegando a'Santurce, a
Sr, prupvsus. deixajain-sotodoi bear sentades.
1st) podia er cdusiferal> co:no ujna den
tra?\o lidiecuva ecvutri.:o'ea'cerrameato#da di
sij, viudo eai apoio ao prutesto formiilado." |
Sr, Teulsch.
,*Na'^gs46.so|Viatf,.,(tepai%--de 5,8 boras,ij|
llexao, M* aWiwjcaa jeja .cmjaga* Ja 11a. a Ua,
a seranterpre||aa uo sepJjA),i
ao veto da ni -r: 1 .1 1 a--.-nl.
saocas.
.N is collegios de Cachoetra, Santo
Aiuaro e Maragogipe, perteucentcs ao 2'
disttieto, obteve maioaia de votos(412),
para depuioda provincial, o Dr. Jose Pache-
00 i'creira.
Leinos no Corrcio :
Como tinbaaius annunctado, verili-
ou-se bantem o solamna da posse do
^r. Dr. Aniinio Jauaario de raria, nome.i-
do ul'i'iiameiile director da Faculdade d ;
Mo-iii-iiia il.'.sla capital.
< Ao ine-i > dia, reuaida a congrega?ao
dos lfliit.;s, o na i;;-;si.mici dos Srs. presidun-
te da pr.ivincia, general commandante i.as
armas. seaadttc barao de Cutegipr"-, e ou.raa
pessoas grjdas, o Sr. eons, vice-director leu
o deoro'.o iiiipo:ial da u.imeagao do Sr. Dr.
Farta, a quern deu en se^ui.la posse do lu-
gar dc director da Facuidade.
0 S.-. i)r. Paris, nceopande ontao a ca-
deira de director, iiroferio un breve e elo
quente ihacurso, analogo a cc-remonia que
si reaiisava; c pedtado as seus collegas
que o auxritassem no desempenho da mts-
sao ile que fdra incumbido pslogiverno
imperial, disse tambom que e-perava que
todos elles, dentro da 01 bita de suas re;-
peottvas attribuicons, ellicazmenlo conlri-
nuii'iam para o meliiorainento do ensino,
e^ardentemente se empaabanam pelos sous
boas resultados.
Durantc a solemnidade, uma musi-
cs saarcial tccou diversas petjas ecolhi
das. m
ALAGdAS.
iustallou-se no dia IS do corraate a
assemble* provincial, lieaado a mesa assim
orgnniaada : pretidente bacharel Kelippe de
Mello Va^eoncellos; vi.e-pieeidentes, bacba-
rel Candido Moura, e major Miranda : *e-
cretarios, bacbarais Muritiba e Salles.
No dia 1 do corrente tove lugar o julga-
mento, n > j. ry da im; erairiz, dos pronun-
ciados no procoasoJJorrea, teado sido elles
absolvdos par unanimidade.
Os suiiiinanaftos, twie eram o apitao Lu-
{'io Snares de Albuquarque Kustaquio, vi-
gario Antoni i d< Pureza VasconeelJos, ea-
pitao Jose Camello de Vraitas Suecea, alfe-
res Prised iaao Tavares do Mendon^a Sar-
mento e Af.noeJ Ferreira dn Silva Soares,
tiveram por seus advogados os Drs. Josi fto-
berto da Cunba Salles e Jose Anhelo .Marcio
da Silva.
1 1
llarca dinamaF-qu.eia.4nfU i^ooau 1
Bngue grego Apotlola Pauli
t Peso puMico ihi algodao :
Entrada de 1 a 18 do* niarf-o. tp7|
do dia 19 l'iz 4
Alfandetta
Ni'iiditnento de I a 18 dc mar.;o ip:-l(C94*3!>.
do dia, 19 1:37**6*9.
ii^ai 1
Hoiaoi8 4a Euiopa.
Ao meio ilia fundeou no lamarao 0 va-
nor inglez Oberon, da linhas de Liverpool,
trazenlo datas de Lisboi ate 6 do corrente.
Dos j irnaes e carlas reccbidos. cr>Ihemoso
cpgiutito :
INGLRTF.RRA.
S A nova situacio putitica
peJa imprensa de Londres : o Tiuieslouva a
suaV;nposicao e Ihe presagia alguns anno
de airannistracap pacifica e faci'
Pela ostatistica complcta do resultado das
elei(;6es, conta 0 gabiueto conservador com
uma maioria segura do cincoentavotos na
camara dos CD nmuris. A camara dos lords
approwri com ceiteza aspropostas mi-
nistei-iies quo tiverem si lo votadas pela dos
comfmuns :
0 unico facto importance a registrar a^o-
ra c a conversao dos velhos torys que o
aceitiin de novo, como chefe d dous
grupus do partido, '.speranilo que a direc-
cao passe as mos de lord Derby.
Lord Salis Bury de-vo em breve faztr par-
to dd 11 >vo gabinote ; a sua adhesao oeve
traz r a dos seus amigos que se separa^am
il ministprio ; Israeli quando este ulti-
mo t ntou a sua granio iilanobra da refor-
ma (leitoral, em 107. s
li' preciso rec nhecer que a tactica nao
era tao md como so dizia, pois que esta re-
forma, naugurada pelo chefe do partido lo-
ry, deu os resultados que presenceamos ; o
salb-agio consultad 1 deu aos conservadores
uma maioria que ha mats de quareuta an-
nos nunca tiubam abtido.
A asseinblea nacion.'.l tem continua lo a
discussao sobre os novos impostos ; rejeitou
por 401 votos contra 2, uma prppo?ta de
omenda restabelecendo o sllo dos joruacs.
Deve-se porem observer, que esta proposta
havia si lo apresentado, e por urn membro
da maioria, e depot's reteirado ; em qua o
Sr. Langlois, inembro da opposii;ao, o ti-
nha de tiovo apraseutado para obrigar a ca-
mara a rcjeital-o.
0 duque de Broglio interveio ua discus-
sao, pediudo que fo*se-envido a uma coro-
raissao especial, o que era conirario ao*
' pre.ift
\aliei;<* fl< norte tlo Impcrio.
Tainbam cfcegou honteaj o vapor brasileiro fpn-
fuea, irazeudo datas : do Ceara 16, do Rio Grande
20 e da I'anioyba 21 do corrente. Dos jornaes
recebido3 colheoibs 0 seguiole :
CK\nV.
No dia 2 do corrente voltoa a capital, da
serra de Iiaturite,onda foi prooofar allivio a seus
padecimentos, u Exm. e firm. Sc. bi-p) diooesano.
Seguira para Qalxeramobim o juiz de direi-
to respcclivo 9r.0Pedn) ile Arbiiqut-rque Aulran.
Em Maranguapo falleeea, victima de padecj
mentos chroojeu, 0" capilio R'aymundn Fnaucisco
Gostata^Are.-. ''!' "'
da
r T:AJ7*Jfc,re* '*acuma endu na semana
liada a *> do lorrenie 389^00.
0 dizimo de miuncas do Aquiraz foi arrema-
T v.VtOi, Ode Monta-mor por 605g. e 0 de
do p
60b;, e>d>
Varzea-Afegie per 2:60g."
Lamas no (kareuse: 53 (hi
u Em Maria Pcreira ladeceu 0 Sr. Manoel Jose
regulameotos, e foi por este motive que a
proposta tinha sido retirada.
Kste procailimeiUod j ppas-deute do-con-
selbo I z suppor a int"iicao da governs npre-
sentnr nm projeeto eonlra a imprensa.
Desmentem-;r: os boatos de novas ten-
talivas de resUura^o Kionarchica.
Foi aprcseatdaaim -prejecto de lei
concerfendo ao governo um pTHneipe-cae-
dito de seta milbdes d^jstwiados a novos
trabalhes de fortrtica(;des a elevar a roda de
Paris.
-TWfclA.
A camara italiana j.-i termioou Os debates
s-ibro a iei de circulavao fiduciaria, cspocio
de ti-ansaccoes antre a liberdflde absoluta
dos ban cos, ea moflooaiiq de um banco
unio. Sets b-ncos divldiram entre si em
deterininadas, ceodigpes 0 .privilegio das
emissao, Aniet (m totada por. W>9 tfotov
contra f'3. Foi uma granda Victoria para
oswuffftor 0 Sr._ Jiviglietti, e para u gabi-
neie a que preside, t*nto sob 0 pouto de
vista ospecial d-s queUees ecouornicas, -,uc
Sft^naUyade-resolver, mmo aob 0 pooto de
v.sta do estado purrti 1 -geral do parla-
mento.
*A^sqaerda aid a raorte do Sr. BaJ^zzi ;
tinha estado reunida nas 0130s de^te Qita-
jua q iCiicerraiuiiutj d dis^rtssaj os' ^uip,e:
cxplicar a su> pjpiQaA,quefnia tin!ia sidi
tamente exoosta per s dmsjsradores'"
tes.
Ha tres opiniJes diversas. entre os ty
bros do parlainenu quo r.'prcsea'.am a JTs
I.'irena: a 6|iinia0 do Sr'.'Tedtscii que pro!
contra a anuexac^q, g_a^Ji}..iadirecta,neuie, quo
estes paizes vultein a" Franca ; a dafelao' fa sr.
itaess que condirta.na A. eonquista cm phncipio,
mas ipie 1! e acceTta'as'eon'sen'aenclas, ratificadaj'
5elp tralado de Fraacfort, e Ijiuaiaiepie a opji^So
.ijs :'
sua
lefwtpptos.
flizew-de StrauhQi-go qua a d;clarajlo fetta
0 3"r. llaess pruddii'J nesla UaJe uma graj-~
e sens'ae.a"). e pod-ifij b->in proJ'azir a fjr:il;\cao
do am novo partido". '15' evlxeote que os aujono
mi.-Ias da Alsacia vurJo um motivo de se apro-
ximar dos eteitbres, que votaram pcld b"spo ; mas,
seria preraaUro querer formular conjeciuras so-
bre uma situacao que e das m .is coin* ran..
Esperaudo que 0 parlameuto allrain d:.-cat.f5
vole o project! de .orgaiisaeao militar quo Ihe M
e bom aco!bidalSi'bniettidJ pelo consdho federal, este ultimo de-
vcra examiuar 0 orramento da nova organi-aglo.
Esto oi\Minento comporta om augmento da quasi
lo miliijes do (balers sobre 0 orcamento de f87i.
A camara das depnUJos da Prussia ia reu-
pir-se para votar sobre as emoiidas iutrodu idas na
lei do casamento civil, pela camara dos senhores;
e como istas emeqdas, e especialmente aquella
que exeluo os cccfesiasticos, de qualquer com-
luunba) das fancies de oOHcial do estado civil,
foram rigorosamente defendidas pelos ieputados
liberals ua camara dos depulados. nan deixara
esta camara de os adopUr 0 0 governo. a nao
querer retirar 0 projecto de lei, nao p6Je defxar
de adherir a essas modificac5es.
Sabe-se que esta Iei deve comejar em vigor ain-
da este anno.
Entretanto a insiiiuiQ 10 do casamento :ivil, no-
va para uma grandjpute doreino, vem trazer ao
clero protestanto c-mse luoueias taes que obriga-
rao 0 governo a dar-lhes remedfo. Este clero mal
retribmdo, vive unicamento das relribiiigoVs que
recebe pelos baptisados, publicacao de ba(*hos, ca-
sainentos, termos de nascimento ede obito.
0 alto conselho evangebco, dirigio ne*te sentido
reclaina;das aa mlnistro dos ealtos, supplicando-o
do remediar as cousas de njodo qua a nova legis-
lacao fosse m'oaos onerosa u;ira os pastures da
igreja evangelica, que nao sao cumplices nos abu-
ses a que taes leis_qur'rem par um termo.
- A Gaiela de Colonia publica uma pastoral
que os bispos prussianos acabainde airigirao cle-
ro, e ai s lieis das suas diocese3, motivada pela pri-
sao dc Mr. Ledochowki.
Este cocumento alarga-se muito sobre as perse-
guifoes que neste momcot-j se fazem especialmen-
te na Prussia, contra a igreja catholica, mas i5 es-
pecialmente destinado a defender 0 episcopado ca-
tholico ilas arguigSes, de se re^oltar eonlra a au-
loridaile e a lei. Em cdmpeqsagao consiJera tauto
as |eis confesslonaes, cpmo a aptorisavao dala aos
velhos catholicos de praticar 0 sea culto com ura
ataque contra 0 direito diviuo, e asleisimmutaveis
da igreja.
Esta pastoral e assjgnada pelo arcebispo da Co..
Ionia, 0 prmcipe bispo do Breslam, os bispos de
Umburgo, de Mayenga e de I'alerbarn, de Culm,
de Troves, de Osnabruck, bispo administrador da
arcliidiocesede Fiiburgo, bispos de Ermelans.de
'Munster e de Wilde^heim.
Ausrao uuxcni.v.
A opiniao jjublica na Austria desperlada polos
protejtos do altoclerg e intiigas dareac'cSo, preoc
cupa-se muito conj a sort'e das leis confossionaes
coflfiadas ao examo de uma commissa 1, e u.io me-
nos do proje;tg de lei sobra p casamento civil, que
uma commissio livrc esta eiaboraado.
Reeeiase que estes ij,}fts projeclos encontrem
obstaeulos em regioes, em que 0 proprii luinisterio,
por mais suicera* quo sejam suas liitenodes, seria
impotento para as fazer aceitar.
(' 11 jornal oiHeloso, a Bohemia, publica a este res-
peiio bin anVgo, gae e iiityrpreiado como uma ad-
verttneia a maioria liberal do parlauifa'a Osen
tido dp artigo e que 0 governo nao node coasentir
em ir aleai dos proiedas, uue ia apreseotou, aem
assodarse a reibnaasmais radicjes sobre 0terre-
no. confessioaaj, porque estas emendu, e estas re-
format nao seriam talvez aceitas pela ooroa.
Em preseoja desta situacio, a maioria liberal to-
ri de examioar se. ella oao coajpromoltafij a sua
propria causa, insistindo com lututa aersisteacia
sot're reformas provisoriaajenlc in edUavejg.
Eis 0 pxmio eni que se acba acluulmente a
queatao pourtca relkiosa na Austria,
*, X^'DA-
Um Jelegr.imma 4 Penaug diz.a que tinha haf
vido em Atchiu uma luta seria entre os hollande-
zes e astropas do paiz Ao dia 13 de fevereiro, .ere
qneos rfolfari!?ezes tinliamsomrido perdas ba3tantc
wnsideraveis,
A UffVcia e^l^Mii ni';f;uida seasa.-.lo em II,
l^fdos pela e'quadra.
8jJ t Ao inverso disto 0 general ordenou 0 ataque
"Hicaa^a Marvtrcs.
1 0 general Aqdia avaocon eom Ioffas dos re-
jimenloi'da Conslilucjon e Se.uT/i, levaodo'na
|v;j!^guarjJa^inco cofljp-ahias de CatUabria. Ima-
"lue'so uina montanba inaccessivel, formada de
aahascos de uma eleva^ao iiyiaens.i, no cjnjo da
(jjiai estarj parapedaja >oda a div.i.srio n^varra e
tcqmprebendtr-se-ha 0 absurdo daquelle mfeliz
laiagjie.'
u Os si Idados.vacdlavam, mas, por llm avanca-
;vain. Viamos distin:tameniu como se ajudayam
tins aos outros para veneer as ''difficutdrtdes -do
erreno. (Juanto majs subjam, mais teTriycI, era h
fpgo inimigo ; hou.ve nm mornento em que este
celsou,; juTgamps todos que os crlftas haviam
abaadiipado aquajla forraidavel posiQ.io e so alguni
vcterarfo agai ava um desenface ftjne.-to.
Oi sJdados avaiicaram mais ainda ; umas se-
te compauhias do Canfaoria e C6nsfir(,(t/ona(cerca-
Vam-s^ |a da crisja'da njontanba, quando reap-
pareceu a dlvisai iaimjga, fazendo fogo por ba-
taHio'es.
N'os primeiros iastantos 0 fumo d.as d,pscar-
gas iiripedia vero que alii succedia ; dezHTiinu-
tos depois a fral-Ja do Mantres e.stava cobefta de'
cadavercs e apenas njgups poucos soldados fugiam
a debandada.
x Enlretauto 0 foco das trineheiras de S. Pedro
era horrivel ; succediam so as de?c.ipgas cerra-
das comrapidez vertiginosa e naquelle ponta eram
tambem muito consider^veis as baixas. Chegou
a nnite e com ella a eviuencia do desastre ; as
tropas'nccnpavam S Martin c umas casas proxi-
mas do S. Pedro ; posico3s que eram pessimas.
tanto, aue poucas horas depois tivtram oue ser
abandonadas, voltando as nossas antigas. pjsl$6es
na margem d'aqucm da ria.
Os earlistas rocupsraram a torre de S. Mar-
tin e levantam novas trineheiras depois de tor por-
tad 1. durantfl'a noite, a pinte constiuiJa pelos
eugealieiros na ria de Soraorostro.
Esta manha (26) 0 desalento das nossas tro-
pa, sobre tulo 0 dos official's,^ indiscriptivel.
Segandc infirmanlRs que coiisidero exactas, as
tanas passam de 1,000.
t Creio que nao exagero nada absolutamente,
laato menos, que vi 0 registro das entradas no
hospital de sangne ; 6 possivel que se diga que
oao passaram de 601), porem, reuita que passam
co 1,000
Como se rd, foi um sensivel desastre ; assim
<: consideram todos os offleiaes e aqui so se pensa
em entrincheirarmo-nos quanto antes, para to-
mar a offensiva, quando se recebam os primeiros
reforms,
Do alto do monto Janca ve-so perfcitamente
a pobro c desgrajada Bilbau ; as baterias estabe-
lecidas cm S. Domingos e Banderas fazem fogo
sobre a cidade desde a tirde dc sabbado ; 0 bom-
bardearaento dayia ter cotnegado as 9 hora3 da
manha, porem, os consules pediram um pra/o de
quatro horas, que Oorregaray concedeo, a-im
como a perm'issao de que podem sahir mulheres
e criancas pela estrada de Durango; sahiratn
umas 600 pesso.is ; ate segunda-feira so houve
dou- incendios em um palaeio, ao lado de S. $i-
colao 0 ouiro na casa do cafe Saisso na Praca
N^va; os de?trocos nao eram todavia de grande
considerai.-ao ; ha um batalhJo deslinado a apa-
gar os incendios e 0 animo nao decahia apezar de
tao terrivel 'prova ; os viveres n^o esrasceiam ;
C4insiderava-se mal to difflcil a defeza da margem
esquerda e os hanltantes desejavam a reconcen-
irasao da defeza pa direita. Nao e dilBrjl, porem.
comprehender quao precaria e a sHua^ao da pra-
5a depois do malogrado ataque de 2o.
a A esqnadra nao pude prestar os servicos que
se esperavam ; para ella esta o tempo sempre
inao ; bontem por exemplo, 0 vento sul era forte;
retirou-se para Santona, quando em Castro se en-
contravam varios vaport-s mercantes ancorados
fora do porto. Sua missao 6 difflcil, porem deses
pera vdr que os navios estrangeiros nao ?ncon-
tram tantos inconveoientes como os nossos para a
navegacJo nesta eosta.
Peio qae levo dito, nio flea V. ignoramlo que
os iBomentos s*o supremos e que seo governo nao
lizer um rapido esforgo, Bilbau *o podera resis
tir muito feinpo 0 0 exercito de Morjones, qae hoje
nao passa de 14,000 hotnens, como'eu proprio pu
de contar, desapparecera com as enfermidades
.que diziinam os soldades, expostos a intemperie no
alio de-tasmotauatafl rfa cosla antabj-ica.
a .l'jrlo so 0 corag.io ao ver 0 que so)frem ; um
valcnte coronel, que enconiramos houtem no cume
de Ortton, chorava, falla9do dos tonnentos dos
seus soldados, so comparaveis a uetirada da Rus-
sia. Quern coohactr estes banlirico* e os tempo-
raes qua t* desencadeiam ua coata, naa davidara
dtslo. ,
? Ifou lartninar a carU ; oa ferKks ehegara aos
do:o' ff-'nrf<'4'if id atllrraava, porem quo 0 ujjj
terlo das w^mias nao tioba rece'aidju"otuia.aIgij
nei|e setttir
firmada e 1
Atchin de Jo^devfeve^oM,'etp qiie' aiz que na ve>
pra as trop'as neerraidezas tinham afacado umi.
. osi{So fortifleada, def^dida com todo 0 empenha
polos indlgpnas ;'oshollaadeze? coflsigniram tomar
JB3\comtudo v.rJcira, pois e Cva-
WSttspV^t'a telegi^ariima ofDcial Jo
ceatos, nesta poveacio nio podo fazer-se grande
cousa por ulb-s ..
A praea de bilbau e.-ta bkiquaada iielos ear-
ii>Us ha wais da 48 dias.
a 0 carliitas nao estao abundantes mas nio earecem belles abscdutamonie, tern muito
adtauiadas uagocia(des ptra um emprestimo le
a0O milaoes de reales, (100 milhoes em Prsn^a e
100 millioes era loglaterra) no dia em que Bilbau
hc.-i c inir nw im.u
dista. Para 0 impedir. de toraw 0 direc- \ a pasicso, mas a tn$i% d grad perrfg?; calcula-
lbes caoir ais iios.
^ 'E'.e3ta a ,rist9 Pintura da situacio da guerra
do aorta -_
Xuinerosa; reuoides Heenaea-em Madrid e nas
provnneia* *-n otfereeido- ao ginio 0 sen eaoeur-
saaionilenMH^tal para susteutai aordem e com-
para o^Miaaj^nbio anfe^oTJT^Ies/alejp da di
versaa|iaMgaa>n *j fcnaamfc pM c .npletamento.p priu^ir^-waaoa.uue devin sahir
para 0 seu dotibao .po dia 4.
03 reforQos padidbs pelo general Murione eao
apensa twires a 'juatro mil iiotaeus, todavia a
mtulstro da guerra alHanja que no tiiu dasta se-
mana estarJo no norte 20,090 homens.
pqrte para.6 7,00p hqmuija ejjll ;tf;.as. de.artl-
Iberia. A Madrid cb-gara u b.t.ln.ij. ue reserva
de Butgos.'
t>. Carlos achava-se nas immediacjes de bil-
bau. -Na cosla. de. Cautabeia centinuava a Fcinar
um furioso temporal de noroeste. A esquadrilba
vira-se obrigada a arribar a Santona.
Serrano j^Sflkk do potter exeeuHrv.), logo
que no dia Wc faUereiro eha^aram a Madrid as
primeiras noticias do de.-adre d : Moriotics, parti0
para 0 norte com 0 general Top-.tc, levau lo todas
as f ocas quepOJe reBhir.
1 Ouraate a sua auseucia flea Zavala eacarre
IgaJo da presicreacia Jo conseRV.
A columna Ja generd-Soria e gran le parte
das forcas ^ue companhaino exercito do centre se
hcham ja euifltarc&a para onarte. Portanto, den-
Hro Je po-tc is dias se encoatrara o exercito de Mo
riones em candi^-oes de proseguir nas operacoes
inieiadas, e apenas mtarrompidas por um destcs
coutratempos fre'quentes naguerra.
Tem-seTeaobrrado 0 epirit i publico, e todo 0
partido liberal esta uiunime era nio poupar as
forces nem sacrificios para por termo a goerra.
As forcas do general Morioaes continuavam
a occupar todas as posicoes importanles desde
Sonajros aid Ooton, por eonsequeocia logo qna
cheguem alii os reforcos que estia a caminho, 0
exercto cahira de-aovw sobre as hurdas das Bar
baros que cumbatem contra a liberdale c a civi
lisacio.
110 general. Se ____.^
eaaiRrva a-Saatar.. ...a p3rnria immed ata-
mentc por mar para Gaslro Urdiales. 0 mao tem-
po fe-lo porem demorar em Sanunler, donde so
embarcou para Castro em 3 lo corrente.
Os canistas tern augmentado as trineheiras
em toJa a liuba. As baterias do exercito tem-uies
di-p..:ad 1 algous tiros,
O,general Lopes Domiaguez la.nb:m partio
para Santandcr.
Coutinua a fallar-se no plebiscito, mas oao
flie consta, aid hoje, que 0 governo teaiia cufado
deste assumpt 1, 0 naturabaente nao o faz, por ora,
conscio do estado anarchico do paiz. Com elHto,
uo estado de guerrade mailaa proviocias, f-
fragianio pddosor jtniversal e inesmo para 0
er, precisana rostuuir se a Hespanba aliterdade
da tna inipreuia, das suas roanioes polilicas, -4a*
suas assacui/ies, e era geral todas as garantias
cousiituci.maes hoje auspensa-. Alem disso nae
me cansta que um plebiscito viesie so, e sera ser
seguido de-outros, que graduaimente tem feile
desapparecer as republicas qua a elles torn recor
rid 1. A sua bislona c, da certo, ontoinpirane
da doacam s. 0 enthusbsmo dos republica-
ns da modema data, dos auiicos do Castellar, d
idoialras da sua dictadura, cega-los ha a p.mto
que os leve a pen-ar na eflizaeia de lal nieio "? Ea-
ganam-se caiaplelaaiente. U:na vez que e nao
convoqucm as cartes pelas recardacoes ainda dolo-
rosas das ulii nas cleicoes, nao se develaaear in 10
de am ruei \ quo ainda traria mais inconvcuian-
tes, e aegravana as aciuaes circuinstancias, aca-
baul 1 por desliuir completamente 0 regimeu
que tanto temcastado a impl mtar.
Carre o boat0 de que o governo de Madrid
esta dinpasto a coufiar a ouiro eslabeleaiaiento do-
credilo a faudacao de utn banco nacioinl, se os
accionistas do.iiauco de Ues;ianha uao aceitarem
as bases proposlas.
a Bis as pnncipaes bases : 0 banco detle-pi-
iiha. eslabelecido pela lei de 28 dc janeir > de I8.'i6
reorganisarse lia com a capital de 100 millioes
de uezetas, reproseatado por 200,000 a.5coej trans-
ferivois de 500 ji-z./tas oala uuia, sem prejuua
deelevarate 150 midioes da pezetas quando as
neco.-si lades do com nercio on outras 0 reclanem,
precedendo a autorisac4o do estado. Durara 60
annas. 1'era a laculdade de emittir nota aa p >r-
tador pelo qnintuplo da capital effectivo. devendo
cuuscrvar era coxa a quart 1 par'.e, pelo imaao<.
das cifras de notas em circulacao. 0 banco func-
cionara em Hespa ilia e nas iliias adjacentes, como
o uuico oiliciabnente autonsado. Doclaram-se em
liquidacao loJos os baueos de emissao e dose auto,
e tem o ura/. 1 do 30 dias, depois das promulgacoes
da lei de ereacao do banco nacional, para nptar
pela sua aunexacao ao novo eslabeleciineiito.com
lodo ou parts dos seus capitaes eifectivos e iaa-
dos de reserva era inetallioo, para receber 0 seu
importe em accoes do banco de llespanba ao |Kir.
coinn coinpensacao da caducidade dos seus rerpec-
tivos privilegios. As a.,Us dos diversas banws Jo
paiz licarao sem enrso legal 3 niez-s depois do
decreto.qufl approve a aroacie da novo banco. As
outras dazes reterem-ae ao eslabelocimento de
succursaes, as prescripcoes ao banco de nao taaer
empfesUinos sobre as suas propria? accOes, nem
adianlamenlos.ao Ibesoaro sem soliias garantias ;
ao (undo de reserva que sera equivalent'', a 10 por
cento da seu capital effectivo, farundo dos b-n-li-
cios liquidos que produzam as suas oparaoSaa com
deduccao do juto do capital,i|ue nunca padera ex-
coder o de 6 par cento annual e a attires pmtos
de inenos imjtortancia.
fOllTUKAL.
Nosso correspon lente da Lisboa escteve 0
seguinte:
a Continua 0 paiz a desfructar 0 mais inallcra-
vol socego. 0 inesnio em geral so podo di/er Jas
nossas possessoes ultramannas. Parece que. al-
guns sujeilos da ilba do Kayal dirigiram uma
meusagem ao Sr. Grant presidente dos Estalos-
JJmdos da America para que seja tornado em con-
sideracao pelo governo daquella repubbca 0 dese-
do que elles tem de que a sua ilba seja anaexada
a dita repubbca, 011 nella encorporada. Cm jor-
naj dos Acdres, 0 Persiusai, salvo erro, dava no
ticia de.-te facto e accrescontava que o president.'
Grant havia respondido que procuraria satisfazer
a e^te desejo dos habitautes da ilba do Fayal,
quando eiie se manifestasse em um plebiscito.
< 0 deputado Candido de Maraes, na scssao de i
do corrente, alludio eom vehemencia acsla noticia
e prolesto contra 0 que diz uma lorpo calumnia
lancada a faco do patriotico povo fayalense. A
isto 0 mlnistro dos negoeio3 estrangeiros disse
que nada linia cbegado a lal respeilo ao -eu co-
nhecimeato.
Um jornal de Lisboa, referinlo-se M facto ac-
crescenta:
Os Acores estao de tal sorte Iigados, pel) ma
vimenio patriotico da iiha Tereeira, a histona mo-
derua de Portugil e das liberdaaes palria-'. quo
nunca poderao olvidar 03 sacritirius feit .s eai
commuuidade com os seus irmaos do continente
em prol de uma raesma causa, nem trocar a nos-
sa velha e glanosa bistoria pela da, embint po-
derasa, repubbca americana.
t Nao se renega da patria, como se nao renega
da familia, a troco de interesses materiaes, p-jr
mais auMiici.rsos que se olferecara.
A verdade, todavia.- e que 0 peittamealo de
encorparar 0 arcbypeiago dosAgores, ou sainente
a ilba do Fayal a Uniao-Americana. >-. velho i por
mais de uma vez se tem manifestado em aritgoe
de foHias acorianas a pruposito de qualquer as-
sumpto e 11 que aquelles district-is se julgam pre-
judicadas ou menos favorecidos pelo governo da
metropole.
a lia dous[dias que tem dado que fallar uma
reuaiao poliuca de que 0 Diana Popular de i.
orgao do partido t reformisla ( ou do bispo
de Vizeu) to exprime reiervadamente nestes
termos :
t Houve hontom a noite na rua nova do Alma-
da. n. 109, 1 andar, uma important reuniaa |>o-
luica, a qual compareoeraui tod,is os dignot/pares
e depulados da opposicio actaalmente era Lisboa.
Presidio 0 Sr. Duque de Louie c serviram de se-
cretarios os Srs. D. Miguel Hereiia i'.outinha e
Luiz de Campos. A reuuiao, lendo coiaeQado
pelas nove horas ua noite, acaaou depois de meia
node.
Tomaramparle na uiscussao pela ordcni am
in os eaumuramos, 01 Srs. Saraiva de Carvalho,
Jose Luciano de Castro, Radrigues de Fre'tas,
Luiz de Gampos, Adriano Machado, Mariano da
Carvalho, Miguel Osorio, Pinto Bessa, Saraiva.de
Carvalho (por 2' .vex), Ilraamcamp, Adriano Va
cb?do (por 21 vezj. Pinlielro Korges, Miguel Osorio
(por 2* vez) Jaso Luciano de Costro (por 2 frez,.
Luiz de Caindos (por 2> vez) Carlos Rihciro >
Marque/, de wbugosa.
A assematea tomou as resolucdes Onandawa
que julgou cisenlaneas com a gravidade da si-
luacao politic!. Os facUs as manifestarao. 1
Diz se qul so traia de nma colligacao prova-
velmente das apposicoes para disporem osiraba-
Ihoi preliuiinares do povo : sua campanha fdcitn
raL prarqaanlqf decidido qae fai pelss cOrtes qua
esta era a ultina sessio da legislatura. o iplvernb
iininediatamenii! fez pablicar aa folba anleiat a
'decreto pelo qual sao convidadas as cOrtes gertes
ordinarias da nacaa pcatugaeea para o dta de
Janeiro de 1875, am que deve prweipiae a !aova
legislatura? nog termos do dtsposle no art. 78 10
da oarla eonslitucioaal da monarchia.
Nao*>iSsadaa dpoea das elei.;6es norenari-
do decrelo, qae o Jiiaiio do Gmtmo publioee a %
deste inez.
t Ouiro aswsopto em quo nestes ultimos dias
se tern rallado com muita imistencia 6 0 akano
ou desfalque de 80 a 110:0004 (fortes) na compa-
a n(5licj.TjTefo ;.r .l-f .TiVTvcTnadur .Ja rrou,.
iihia vinyq*z V-.wira Btf-cma intis pe- ioilicos-a en>t taiaitafa '
III 11, Evir.. Sr. Ni Dmria Pnp.i/nr de ht-it
publica V. Exc ma baaio, qua diz ter rJnfado
ao seu cmli 'Pimento com relacao a coinpantua ge-
ral de crcdi'o predial portuguez. boato qae s
pode ter origem no exame minnoiw a que eslott
proeadend0 do estado d s acg'iaada mesma coaa-
panhia, ci uiu julgo mlispensavel -a> vc-peras da
i-uniao ,1a ; -embtc, geral. e 4a eleirao, n'oaa
curtoprazi, (1* gerentes da eaa^anhia.-Os ra-
sutta'os des-e exame so poderao ser cnhiciJos
qoaodo el e-tiver lerattaado : toda a apreciaria
por con-eipi.ncia agora e e^teaworanea, e pjd
darlugura uijjstas illajdei. 0 #ie posso adir-
mar a V. Exe .' quo quaaaquer j r.,>m as r-
regulan lales, qua se podessem en'.ntr.-.r, ilia
piejudicariara ellas par forma atgbraa os interes-
ses do estabelecunento, cuja alia direccai me foi
conflada.Com a publicacao desta earta aa pro-
ximo numero do seu jornal obsequiara V. Esc.
muito 0 do V. Exe. muito attento veaeraior, Jfof-
quez (TAvil'i e Kt Bolam*.
t 0 Jornal 1I0 KMfe acompaiihon a carta do
illustrc governador do credilo hypothec no i!a r*
llexues seguintcs: ^
Em verdade corre ha muitos dia- na ci-laSe .
boato a .que se refniram Dimio Popular e
outros jornaes. Nio demos n dicia d'el e r> rqu*
os disseram nao estar ainda bi-m avei igaaia
esse negnci >. tis nossos colbgas a qucm narra
ram 0 ctso com mdicacSo de cifra*, de pr-Tidea
cias 1 aoad 1.- e de outros porraeuares, nao t.r.l am
as mesmas ra*3es de se abeierem.
Qualqaer one seja o re-uk-ido da avatigna-
r;ao a que se esla prooetlendn, naia mi* e lot* e>
duvida ijua 0 the.-ou>jeiro 0 Sr. Tal.ne, per -aja
probidade* rpsp-mlcm qnantoS o crtnliTPm, te
Srs. marqupz de Avila e de Rolama e Luiz de
Castro Guimames, o govemadur, o 2* vice-fo-
vernador do Crcdito Predial PorUigut-z, c airfc^
honradissimos. podem ter fido tn-tcm.-i !
didos, mas nao pdde tocar-lhes resp
resnliante de actos seus, embora Ihes raia a *<
a.ctos alheios.
'Nio padeccrem cm nenhuma hyp-flatse *>
itjteresses do CreJito Predial e ja ip'reciatd *^-
gtjranca para todos os intcrcs'ados' n'a^ueK*
e~tabclecimenio.
Pelas noiicias qae live directamenfc ic Satik.
posso-lhes dizer 0 seguinlc :
No dia 6 de Janeiro findo leve lugir a inittfn
ra;ao do novo ho-pital militar, deaominalo ir S.
Janu'irio, para a qual haviam sido C'uvijados o
cbnselho do govern>, 0 l-al senad, a junta da
saiide, a direccio das obras publicas, cor pi coa-
sular e tolas as c irporafiaes civis e ru.litr.re*.
0 respective prugramma eslabclece qae, em
guida ao discursa de inaugurate, pel,, g er'-.-
dor e lev.intada a saudacaa .i sua mag. -t id 1 -
rei, seria .lada uma salva real na f.altlezi cT
M inie e Line: 11 ao ar uma girandola dc '
gQjBtes,
Falhceu hant.m em Lisboa 0 par do reinoe
r.babsado jurisconsullo portuguez Franc sea An-
tonio I'ernaudes da Silva Ferrao, mini-tro J>-ta-le
lionorario, juiz aposenlado do supremo tt.bir.al
de juslica, soci.i da academia real dss *-Ta-
cias.
Tambem passea d'esta para meflior vi la 0 *r.
Antonio Maria de Sari, lio do Sr. Anlraio Felippr
Mar & buri, clefe d'uina das rcpirtitocs do 3ii-
uislerio da uiarinb.v
Morrera ha dias o Sr. Lara S irard, rap'tia
do estado major d-i exercito, e chefe d'uina p
reparticoes da direccio geral dos tolegraphas ?
pbjraes do rejao Era tuuitisaimo estimado. ;
seu funeral concorreu tudo que ha de mai<
tine la na engenharia, estado maior, c no ir. n -
terio das ohtas publicas.
Fora -soldado da Maria da Fonte e era firaw
nas suas i iiias, como poucoi1. 0 seu cara-tef
honesto fa/ia com quo todos Ibe quizessem An
a um irmao. Ilibil engcaheiro deixou em Tfeo-
mar 0 outras 1 calidades esUmaveis e durado::"-*
m-nument >s da son pericia. 0 pr. jecto de p
teaciaria que fez para a cidale de Oiim'ira, t"i
preaiiado cm primeiro lugar ca*n ii Sorard fora um brav.; na ac^jaa de Torres Vedra
livoia os dcdc3 da raiio esquerda quasi tM,*
dcoepados eracoinbate de corpo a corpa com a pz-
vjllar a inimiga.
Tados cominuam a pergnntar em LbbOa qu^l
sera a nova attitude dos adversaries do g*e.Tv
na camara clcctiva, depois da reunio dos prpgrf-
sistas histuricos e 80s teformislas, a que me refc-
ri logo no principio desta carta.
A qucsiiio d.s a termo. A commissio eneanegada de a estucar
terminou hon era os seus irabalims, reaolraaw
aconselhar 0 governo a adoptar a taxa de 80 re>
por kiliigramma para todo o assucar uao rcfinado.
Agora que e publico o resultado dos esludos da
commission, po le-se dizer que ella sguio 0 unirn
alvilrc posssivel cm presenea das diiUculJadt
pratisas c continuas reluctaacia^ aqueosdivir-
sos typos existentes davam lugar para 0 paganvc-
lo dos respectivos direito?.
Foi pieta das cbsromas, a 26 de fevereiro m 4
da noute aalatidegi d; Villa-Nov. de V r
(Algarve). Ficanua-Ine somentc as parades.
Grando agitacio. Nao eram co.asideraveis 01
valorem que cslivaai naquella deleca.'."i) !a aifan-
dega de Faro.
0 Sr. Carlos BetitO da Silva, niinistro boaora-
ria, apresentou um projecta de lei para que a go-
vomo eslabeleca caixas ecouornicas em todas as
reparliroes de fazenda dos distrirtos, dos ennoe-
Ibos, recebedorias e repartiooes da adn iniatTicaa
do correio, onde op-ssa realisar sera incc
niente.
t 0 governo allemao reslituira ao governo i^r-
tugaez parte da unportancia das po;as de Krupp,
por se ter nconbecido que a impoitanria exa%
daquelles canhois era inferior I82,00ii thaler- >
?EM3
4SSEMBLE4 PR0VINCI4L
>KS>.V0 OIUilNA'il.A K4 IV OK MAR* 1
PRKStDKNCIA DO SR. N VSCIMKNTO P0HTRU.4.
Ao meio dia, Mtaa chimada, ai-liam-se prpsea-
t's os Srs. J. Mello Rego, '"nnha Cavalcante, Aat-
nio Paulino, Rails e Silva, Soarps, Tibarcio de Ma-
galhaes, Arconcio. Camhoim, I'enlti. Manivl do
Rego, Goncalves Kerreira, Domingos Pinto, Tol.'n-
tino de Carvalho. Arriida, Feiippe de Figafir.*.
Alipio Co.-ta, Lacerda, Alvar 1 Dclvla, Caspar (V
Drummond. Dariii Ctvaleaato, Gomes I'arentp, Oil-
veira Aadradp, Naspimcnto Portella, Pinto Pc-
(ioes Cavalcante, Pirmino de Jlovae*, G. Gialwi
Ernesto VieiraeJoao Harbalbo.
Abre 0 Sr. si cTPtarin declara nao haver expedi.D!'.
0r. nnilnM Pint* (p-la ordemi:
Sr. president*, tenlo tipado,a.liado. par haver pediaV.
a palavra urn Sr. deputado, e devendo em breve * discnlido 0 parecer da eommissao de legisla^i) 1
lire nma peticao dirigila a esta asscmblea pelo*
-r. Paula A Mafra. para que eu poasa dar nm
voto pr6 ou contra esso pareeer, vou apresentar a
casa o segutnte requerimeMo, em que peco inf^r-
mscdes relativamcii'e ao contrato feito com as *r
Agra ft C (Ld)-
E' ado, aaoiado 1 entra em discussao 0 spgumw
requeriroento:
He pieiro qne por intermedio d.i presideasja
da provincia se pecam a Santa Caia d> Miseric --
doservi^omortuario dosta ridadc ja prestaram a
lianc,* a que seobrigarun pela II" cradicin do a
eodtrato, e no easo contrario qual a r.izao que para
isso teem allegado ; sj os mesmos utr.if.ir-t>-
teem reeollado a< cafre da Santa rasa as nretafViV
raencionadas na i.' coadipao do me iBifrti*7 I'mto.
O Wr. Guinei* Parents : gr. prp-ideote
:me parece desnecessaria o reqnerimento do ati.r
deputado pelo l* districto, meu illustre amigo,
Ver^a 0 mesmo n-querimento sobre a eseeacau
de um eontrato. V. Exc. que e lente de uma far lf-
dade de direito e advogalo muito d i slier to desta
capital, sabe qne a assemblea provinrial nio lem
competencia para revogar contrails feitos admi-
nistrativamente pelo presidente da provincia.
OSn. Pkrgtti .Mas lem direito para revogar
le's, 0 que imporia a rescisia dos coatratos.
^Ha outros apartes). "
O Sa. Gomt:s P.vbwtr : As questdes qae ver-
sam satire a rescisao dos fortratos sso deeMjIas
pi la pod or jodieiario. Se ennrratantp do sefVlPv
mortalrio saHsfPz fu faao r,s exigeocias deW*
Icontralo, nada tcmos por ora que ver com tsM^^|
0 potter judfoiario. por meio de uma accao c.mpe-
teate, e qne pode dectdir questdes desu-otatai.
Oon-eqiiititemento ewondo qne a aMealMda
mandando ouvir 0 prestdents da provineat^B a*
Santa Ca.-a de Misericordia sobre 0 pbjeeto >?*-
q^ieriroento, nada adianta.
0 Sa. Gaspar de DauawwnJ mtf
nem prejudica.

aUTlLMi \
r
j




i

Hp<2
turn cum'nrido as
Mas, mtnhaergum
a ssei
^w^sfrSk^Mk^f^m^te&^m^^is^^
toes
o seguinte
r em que8-|
julgo inu-
ntretanto, decidira!
uerjraBOto^afaaa,
iteOOer jcopwlllBuCe-
'. o .miiisos Pinto :-Sr. pre.s]
;tar o rejaeriraento que ar
c.nbou de ser idjjrtjinado peft_TOO
, o'epnt.-ulo pelo 2*' districts
iecou omen noBrc coliega aizendo qaea as-
sembleanada ttoha qhe ver ndm-flscalisar contr -
los feito-s aJmioisirativamente pelo presidenie da
provincia. ^
Contesto o^arinciffn, $ nAcontrato de que se
trata, do sorvico mortuario, o presidente nao foi
parte contfatante cm nonia d^arovincia; esse con-
trata f .i feito pela Santa Casa de Miserinrdia.
0 Sn. Uario Cavalcante : -Islo e ratio da mais
para o qii^njaWe o mbre depntado
0 Sn. DomixijosTiWo^T^rewdente nao iuter-
)|jMM cMMTfAjMii agMof (Jesse contrato,
saneckn a apeois a,lei qua deu pnvilegin a Sam
la Ca^a c antorisoa-autafiijiar o sea coairato com
quern melhores condMUrjlTereiesse.
0 Sn. GoN^ii/VKS PrfrtREnu ; E approvou de-
pois.
0 Sn. Domi.ngos Tisto : -Nia ha, partanto. coa-
irato feit'i admiBurfrativatnenle' entre o presidente
e o* cantratantek'; 0 presidente Jomen'e appro'
o mesmo cunlrato.
j a asse'mbU'a nao compete inlervir n'as ques-
e's'cte cdmprim'ntj on nij eumprlme'rito de con-
to; & est.; um tiegoeio que mats de uma vez lem
diseutid) e avcriguado nesta casa. 0 meu
cohMfea. porem, rr3o me conteslara qaea assemble*
lem o direilo de pedir mformacoes a respeito do
cumprimento ou nao cumprimento desse con-
trato.
8 Sr. Go.v^eteS Pftntftitto tQainto ;i pres-
. en posso afflrmarao nobre deputado que os
|rj A (1, teem enn'ado com ella.
9sii*303 Pivrf> :Qual'inermembrodes-
ia casa pode querer saber se o coairato tern si Jo
ou ni) cumonJo, sem ter nec?s*ldv)e d-! ir per
gunta Io na secretaria da Santa Casa, aonde poJia
ser oU'Uao informado.
Por isso ju'guei que nao havia in nveaien-
le >lgura em pedir inform ac/ies a respeito, sobre-
tudo teado se de dNcutir um parecer que versa
sobre essa raeteria. Foi islo unic* nenl e o que me
levoa apedi-las.
S.'i de fonle mail-) limpa que a fianca aiada nao
foi prertada, qicaSaota Caja do Misertcnrdia }a
uiarcou tun prazo ao contratante, que este prazo
terminau e que mar ;ou novo prazo, o qual esta
quasi a terminal-. Se o.s arrematantes, deutro do
pffiao quo Hies f.il m'arcado ; nJo prestarem a
li.ini a 'jnft-sn o'trigiram pir fcrfja do sm con
fmfo e a Sia'fa Casa nVi lunr a respeito proVi-
dehcia atfrti.na, ma parcel qni rompete-nos per-
guatarliie qual a razlj porqrje assirn pr'ocetle,
trataa iise de uancofltfito baseado-em lei desta
assemblca.
0 Sr. GomM P*Ri?NTfi :E o qus faz a assem-
blca ? Revoga a lei ?
0 5tt. Do.\irx.ijS PcrrQ : -Q13 duvida ba nisso ?
(Apiiados.)
' 0 Sn. Gmks 1'arbnte : -Dii lugar i indemni-
sa?a.
O Sr Djmingis Pint :Esta explicado no con-
nate qa.r o arrematante so ler.i direilo a indemni-
sacai de 20 % J* |oftar;|ts que hiuverreco-
Ihido.
0 5;:. Tols.ni.no Ds'CaavAi-in :*-E i-to ra smo
no case de ter cuuiprPJo o centralj.
(8a outros uparte?.)
0 Sn. r>o.Mi.Na03 Pi.nto : Bern; mas eu sei que
j .irrematante tam daio raz5es pi'ra iso.
Nao posso crer pleriam ;ale nessas razoes de que
onc-J fallar; acho as tio fori de propo.-ito, que du-
vi iii mesmo quo o arremataate a- t;uha dadj para
nao prestara liaaQa. Em lodo caso, para a San
Ja Casa Irie ler coaccdiJo oulro praz'>, djve o ar-
remataute ler allegado qualqanr outro motive,
que pode ser mnito plaasivel, muilo Justo e muito
d:ga) do ser at eudido.
Foi, Sr. presidente, leva Jo p r estas razoes, c
pelo desejode me iaformir, qae apre-entei o meu
Xriraento- A as-embiia, pjvem, decidira como
der.
0 Sr. Gomes Parente : -Sr. presidnnte, en in
sisto nas ubservafoea que ilz; Ddavin, como o no-
bre deputado julga decessariaa essas informacdes
para dar o seu vit) sobre materia que tem de ser
submettidi ao-coniiecimeato da ca-a, nao duvida-
rei de eoocorrer tambem para a approvaQaodj sou
reqaerimento.
0 Sr. Gaspar M3 Dhuaoi i.%b : Mail) bom.
Nin^iiem mm poUtido* piiavra, (JBi;?rrada a
ihseuaiiin e appfoVidil o reqaerimento.
ii.u) m Da di\.
Contiaua a Jis^ussao uniea do projecto n 83 de
1870, approvando alguns arii^w addiciooaes as
posloras da caraara amnicipal de Ipi,uca.
Deposd^algumas observai;oes do Sr. Felippe de
1'igueirOa cm senlilo contrario, e o projecto re-
jeitado.
Entra em I* dfoussixo prajeclo n. 43 de I860,
marcan 1 > o pral) improrogtvel de seis mezes para
a Kqaidacao da docima urbana em atrazo, e con-
tenlo outras dL>pjsi{3e3 relativas ao pagamento da
inesma decima. *
nSv. Goes Cavalcante pelo que seja
mo o parecer da commissao de fazeada e orj-a-
mento, oavida a re-pei:o, como consla da sy-
opse.
Nao se tendo ea^ontrado na secretaria esse pa-
recer, o Sr. preside ite adia a discussao do pro-
jecto ate" qae possa ser satisfeito o pedido do Sr.
Gaes Cava.'cante.
Segaesi linalmeale a I1 discussS) do projecto
n. 6'.) do I^OS, aatorisando o presidente da pro-
Tincia a maniar constrair uma pont; sobre o rio
lpsjnea.
ludo procoderse a voTacao, reconhece-sc nil
haver numero, peb qae flea a discuss*) aliada.
O Sr. presidente detigtaa a ordem.dadia e levan'.a
a sessao.
amigi
bo Al< _
< dkbinete da presidencia de Pernambuco, 2(1
Pedro de Athayde Lobo Moscoso. -IRecehll
RE7ISTA DIARIA.
Asseuibleu provincial. No sabliado
luuccionoa com 25 senhores deputados, sob a
presidoncia doSr. Dr. Agniar.
Approvadi a aeta da sessio antecedente, o Sr.
if secretario leu o seguinte expedieate:
l m olllcio di> seeretano do governo da provin-
cia, traiismitliodo por copia, o offlcio da junta ad-
ministrativa da sania casa d- misericordia, soli'M-
tando medidas concernenle* a susteotajio e me-
lhoram'mtos dos diversos ramos de s^rvifo a car-
go da mesma santa casa.A' commissao de ore*-
mento provincial.
L'raa peticao de Tito Livio Soares, negoeiante
nesta cidade, pedindo um, privilegio para fazer
uma eslrada de ferro, qua jmrlindo de.-ta cidade,
va terninar na freguezia da Gloria de Goiia. A"
ommissao de obras publicas.
Pmra de iose Ignaeio de fMOt, arrematante das
obras do paco da assemblcaj Jreclamaodo uma
indemnisac.ao, proveol^nt- nM-so das obras no-
va- e que nao foram orcada*, como tambem (Pa-
quellas que apezar de lerem sido orcadas, para
asua execucao aoaraettram despeas naa previs
tas.A' commiisae do dbiiaj-publicas.
Sao tambem lidos, julgados objectos de delibe-
rj-.ao e mandados imprimir, 1 projecto flxando a
forca policial e outro com parecer da eooMnissao
de peti;oes, concedEndo um anno de licenca a I).
Francisca So^afieo- de Assh Canralho, professora
publica de N.-S ^lo 0' de Mraiguape.
Passaodo a ordem do dia, approvou em 1 dis-
cussao os projectos n. 73 de i872, que autorisa a
construceao de uma cstrada, que partindu de
Kibeirao ou Aiipibii, va teiminar na villa do Bo-
nito ; e n. 43 do me*mo anao, i|ue revoga o art.
1. da lei a. 771 de II de julho de 1867.
Rejeatou em I* disCusfao b de h. ?3 de 1860,
que_ marcava u p*ao improrogatel paVa a Iiqui-
dacao da decima arbaaa em atraa*.
Approvou raais em 2.a disetKsao as eraeudas
apresentadas em 3.- a'rd}eclo n. 62 de 1870,
que isenta de impostos provinciaes a la de car-
neiro prepurada na provindll
E tendo silo julHneftido a3." 4ise*ssao o de n.
7 do anno passaflo, qfle autorisa o presidente da
Srovincia a contralar o esfab'eleclmento de trilhos
s madrira e ferro narfhits iefeta cidaJe, verifi-
cando se nao haver ntfrflero para votar, foi levan-
A brdem do d-a para hole 6: coriliBila^So 'da1
aul^c^eote. A 4isojja> .ii} de
mil reis
a Exma.' _.
ifwijamio mft&
MM **** 9nMr(Ka*
concurso louvaveKf
le miMmiiiMtibm temeMM^ e*ci**b. ^HH^s1#a ** Anka.
PrthKl. Por portarta tfa -presifteBeia da
provincia, de l8d'orrente, ebneeateo-se perrrfh-
sao a MelcHlades ABttnes da AlnAda, arrema
lante d> ptstfigiq d potate de S. Joig para trans-
ferir a arrecadagao do' resr>BCtivcr'"fltiposto para a
lugar aue for mais convenieute aqueui da outra-
da e sahiJa de am caminbo particular que exisle
em Goita, e quo vai ter a luyar muito alem do
porlo em que esta a casa da mesma arrecadacao
iiivniiu. Parece que comejou para oos o
inverno, tanta foi a chuva que cahio sobre, as ci-
dades da Recife e de Olinda e seus afrabal'u*es nos
dias 3e quarta a sexta-feira, da serhaoa passala.
Uewaairc umriiimo. Ma sexU(ra. as
G ho'ras e meia da tarde, no collo darpraamar, lar-
garam as aaurras do arrecife, ond* se aclnvam
separas, as galeras porlugucas India o Fintuza,
collocaJas esta a pr6a d'aqu'elfa.
A galera India, garrando, veio al6 quasi en cos-
- "-iin trarzendo eomslgo a
gaiera en.). 'avarias na borda
de bombordo a re do &,. a & caberos em que
estava prcsaa ainana. ^
Deu lugar a e*se desastro a grande forca da
correnleza da mare. A^_^l^^
Teodo sido prompUtnente sbecorriJas pelo Sr
pratico-mor, auxiliado pelo Sr. pratico Julio Neves,
limitaram se as avarias, e as 9 boras e meia da
noite, esta vain 03 navios aroarrados com segu-
ranpa.
ViH feirea ilo Recife a Oliiula.-Na
tarde de sabbado, ainda am soldado do corpo de
policia, appareeea aa estacae da ma da Aurora,
par* fazer-se transportar a cidado da Olmda,m
uai trem, que estava a partir, sem que.tivesse
passe, ou houvesse comprado bilriete de passa-
gem. Passan-Jo a declarar aJto e Jwra sora e em
linguagem inoayeniente, sem-altenfao as pessoas
presentes, a disposi.;io bellica em que se achsva
da viajar de gra^a, ou quando inuiln a: .pre^o ib'
e^dii foi'.alie o Sr. Gouveia, chefe do taafego
da linha, e ob3|rvou-ln eon toda a circumspec-
cao, que nao .podia coutiouar d'aqueite raodo
ameacadar e immoral, que desacatava e assuilava
as a^nfais pessoas que alli-ie achavam-
0!soldado tbrnou com -provoeacOes mats- ifri-
tantes e excedeuse ae apparecer-lhe um compa
uheiro, fardado e arraado, como elle estava, o quaJ,
de-tin.il) a seguir tambem no mesmo tre-m, nao
obstante achar se manido do compotente biltiete,
qae comprara, eatendeu dever animal o n'aqrtelle
reprovado proceder, edeclarou se-lhe em allian^a
ofteasavj e dffen-iva.
A' vi-ta d'aqueiies dous homens dispostos, como
diiiam, a tmit-ir e a morrer, os passageiros alii
presentes, peiiram garantias aos empregados da
companhia, on quando menos que flzessem retirai
os desordeiros.
A' forca de sensatas observa^oes, porem, ma
derou-se um ponco o solda-Jo provodor e re'i
solvau-se a compiar o bilbete de passagam ; fdl-o
e parecia que o imSdmn havia terminado. Mas
tal nao aconleceu.
Manido de biliiete e cbegado o momento da
partida do trem, eis qae um e outro prorumpem
em novas provueacoes aos empregados da compa-
nhia, em ameacu a todos os qu alii eslavam, e
de mao no puubo dos sabres, deixavam ver claro
que ma)s fins alii os levavam.
Os passageiros claraavam contra aquolle alien-
tado, e fur? >so foi attendel-os.
0 Sr. G iuvcia, cntao, como Ihe cumpr;a, valeu-
se da medida que o caso urgia ; oppoese a ijhe ns
soldados perturbaJores da ordem, sigara ; elles
desattendem-no; sao empregad is na dili^euciu as
pra^as de liaha, que estavain de garantia ao scr-
vico da companhia, e estas, so deoois de os desar-
marem a forija, c>nseguiram conduzil-os ao res-
pectivo qaartel, a cujo xadrez f iram recolhidos.
0 Sr. Dr. cbele de policia, tomou immediata
mente conhecimento do facto, e proridencia no
sent'do da se nao ropetirera esses facto*.
flnifiierlto policial. Teve o couveniente
destiao, o que levou a effeito a delegacia de
Floresta, sobre os ferimentos que recobeu Regi-
nalJo Pereira de Sonza, em aeto do resistencia.
Propagailora da Inslrnrrao I*ul3i-
"-Prodacto dos bilhetes passadjs para o es-
pftftcuTo h.iW-fo em 4 flo orrdrtte; rfo thnfro
PheoixDramitica, a beneflcio do conseJho supe-
rior des-a as ociacao.
Trans; orte 240SOOO
Una j doTacaruna, uma cadeira Ss 00
Cofnmtnflad ); Antonio Gmcalves Netto 3J000
Dr. !i'!p!an i i/ivakaute de Albuquerque oiOJO
DA Malneol Florentino do A Monte Negro 3*000
Dr. Fraasisco Gomes Pareule
Francisco de Oliveira e Mejlo
Dr. Avres de Albuquerque Gama
Joao Quirinu de >guilar
Carles de Paula Lopes
ca; esperaucas, mm
decepjSes, tado narra com si
tencao, aquelle tao alegre coj,
A forma as vezes e" aspera, e
to escabroso ; mas Vi"
'ereceu romance francez e o
asNftBaS
acta da anteceisn
4+m*n j|nij4n \ reputacSo alcaifiK^Ml autor com a publi-i
VaporeA
nossp corraspo
;*O0O
r>300i>
550 0
45001
4500 J
2835000
At%%mWto-m-, <
unica do de n. 59 tambau d'iB79
Hogpiclo de alienadOH. Dam n em Se-
Uida mataum^oualivo para as dfiras ile.slo novo
Me, WhddCMBfO da 1874. Dim. e'Exm.
rH#*niadQr D. Henrique Pereira de fiu-
-Bemetto -Vt-.B>. a sou com respeito e consideracJo de V. Exc.
Oliitlio de Olinda.-I i decreto de 12
do correate foi commutada na pena do quatro an
nos de prisao simples, que sera cumprida na f.iria-
Ic'M de Santa Cruz, a de quatro annos de prisao
com traba^ho, imposta par sentenca do supremo
iriounai ae justiga, a D. Frei Vital Maria Goncal
ves de Oliveira, bispo dj Olinda, como incurso no
art. 96 do codigo criminal, grao medio.
Blxpo do Maranliao. A bordo do Cu
zeiro do Sul, veia liontem da Bahia, com de^tino a
sua diocese, o Exm. e Rvni. Sr. D. Luiz Saraiva,
bispo do ataranh&o.
Mniiciro. 0 vapor. Cruzeiro do Sul trouxe
para:
Moraes & lrmao 6:0005000
lose Radrigues de Souza 60J5000
0 vapor S. Salvador trouxe para:
Miguel Jose Alves 4:277*700
Jose Felicio Tota Junior 565 >00
Chela. Pessea vioda do Cabo, diznos que o
rio augmentou ranrto o volume de suas aguas,
fez arrebentar o apude do engen io do 3r. tenenle
corcnel. Jo?i* de Moraes Galnes Ferreira, alagando
e destrnindo quasi toda a plantacao, e que esse
Sr. tinha se"rios receios de que a ponte nao fosse
levada pela cheia.
9t Salvador. Este vapor, da companhia
Bahiana, sane amanhi a tarde para a Bahia, pelas
escalas.
^'ova piiblicacao. Acaba de ser publi-
cado na capital da Bahia, am livro de 200 paginas.
escriptj pelo Sr. Br. Francisco de Macedo iosta,
irmao do Exm. e Rvm. Sr. bispo do Para, o digno
adminisirador do correio e presidente da sociedade
calho-lica, n'aquella provincia.
CorapOe sea obra do diversos trabalhos litterarios
de sua compasigio, frneto de suas horas vagas,
duraate a viagem que fez a Europa, e filhas das
impressoes que reeebia. Sob o ceo da Italia, berco
das artes e da religiao, foi que mais se eievou seu
espirito.
Recommendarrros a lcitura desse livro, que esta
a venJa na livraria =Academica, a rua do Impe-
rador, por 4*0(0 o volume.
Para Pei-aatmltuco.-Pelo ministerio da
raarinha, em 7 do corrente, foram expedidas ordens
para que o encouracado Cabral, logo que estive-
rem concluidas as obras que no mosmo se estao
fazendo, siga para Pernambuco a aubstituir a cor-
veti Recife, a qual deve regressar a corte.
I'orioiUMcdr Janeiro. -Sabi*desse
para o nosso porlo, no dia 12, a barca portugueza,
AUWiHre Herm'aito. *
I.I wo* novos. -A' livraria B. L. Garnier,
nt 'Rffl de-Jamflro, jfeata de pobficar os fivros se-
gi(H^
0 MaL&ifQ ou Os Bande'uantts, romance por G.
Ferry, tradflzido do fraacei per Salvador Meridon
ga. Tamo I 1 v. iu 8 eo;. 3J1, hrociiadb 2X
A obra Campar se ha de 3 volumes.
Brte rdrrrattee, enjas differeotes scenas qae tao
pittwrffscarriedte de?crevem aVifla dos bandeirante*
nos'8eri6^s do Mexico, servero de quatfro a ama
njrfallva dtamartfta do ittals palpitante inlsresse,
e ineontesfavetraente o mars popnfer'entre osln-
umeT-a* Ii*ros escriptos sobre os usos e costtrmes
ds'fhWWSa'Anrtrica.
IQuanto ao merito da traduccao, i)asta-nos drzer1
qde e ella devidaltwnna detrm dos nossns mais
diltindos liUer*t*;V8^- D* lalvador 4e Men-
douc.a.
Memorias de Cadis Pmlo tk .Cock, escriplas
Pdrjjuemesjiiijjjerlidj do fraucez, 2 v. in-12 enca.
3i, brochadj l. ,. ,. " pao as pagimre'hKrraas da vida drfiespirituoso
ronuaoista, quo tao estimado era de ama certa
!)
reis, |He BMndoa a Bama, Sra. bbraneza de W f tflasse deierf'fras. :Cada capilnlo traz ama cerfe
ra G tt pa*"*' si diariamente com os lumens de lettra3 em Fran-
oacio de-eus pnmeiros romaata*
U> do BM14 OrlandJ, do mesno
WmipMla pla NicaOidh
glo sobre mu-nova ttoWkacaa; m
iiios dizer quo oq neahum dos seus
oes, 0 fesi^ja4o anlor soabe desenvolver
tio dramaticos e que cautirem unto a at
laitor. Q*-Vadittde Paris sao uma pintara fkti
dos .costumes de uma parts da poputaoao parisieo-
sp, aa qua! Gonlran Bury* se raostrou igaal, sonao
superior, ao escnptor que deixou taotas saudades
na lilierattira parisieaee -BoCo 6aberti
Esses livros acham-aeaVencteitm tivwfiai do-
UfcidlB.s M .j-iW-^-.u
Paqoete Cervantes. E-U vapor, 4lMl
nado ao crvi,;o posCal dafifeba. ub sBi^oaaHflao
ma^no di IB da eoaz passadD-. Prleaafk-*M9m
panhia de Liverpool e era Jkpl
Rao-ddJaoBlro at4o JaasrUo mm
rliif>liwflwll flu
' gimJM^oondiOTefcdocgr.o ifm lai MUtaiflir
se da ilha da Madeira para- a de S, .Vicente,-enftu
ram a Hi it [Wtqa^laafconiMI.....J ataal
Carlos tiomftsa. -I.e-sa MMMfeVdrB^B
Mi.:oflaeO wmC art fas/ aZ
c 0 Salvador Tiosa, nova o-jeraAfsMMtae hi
sileiro Cxria* Gonea, 4eri eaatada M;prxima
qtwrem,lidHasiitJ'iH|.jeKa^aeGenova. Pa-
ra isso, e e em virtude de exigencdtniftaalallraWI
omM, fofltd i Spa** Idua Os celebres artistas :
barytooo Giraldoni e baixo June*. i*
liavoura ale assucar. Leiata os 1-avra
dores estas judiciosas e pro-eitosas palawas, a
respeito do tssuenr do fimsil. quo rdmrnlnliti
n'um jornal-i.
A |Kiscao d > merewto de wswJar, tanto nosmer
eadoai-atradaeiireav como iios consuiBidores. n o
foi duranle o anno fidM ta* towravel etiino era
de esperar. adrroas 0
No >fiisKB*> aMassaw w.-aMtimento apresentou
atgam ime-ressc, ao (iasso que no segntdo esteve
0 ge'nero constintefnente em desanlmadora situa-
cfo.
Para cste deploravel estado'do reerc.ido ooniri-
buiram causas ori^inadas, nao se entre nos, c->>
mo no exterior.
Os lawrodwes donorte dolmpOrio; longe de
ap?rfeirar sea systema de trabalhe para obter
rrielnares -products, tem-se sempre deixado ar-
rastar pela anliga rotina, por.iuo contain com a
uberdade do siilo, U'onde extraliettt aacilmente
grande copia de ffenfiraw. Estes ceneros, porem,
mid dm geral mal benefiaadjs, ape'lhe3 pi-
Sorcionam poueos rfesUltadoS, o que nao se daria,
B-aqSanlidade. fos.-e -nie-hor e-de^nfelhoPqWaB-
dade. Os prejuizos qae tewcausado este modq
d> atpflsar, nao -so aos proprios seahories de enge-
nbo, como a toJo aquelle tjne'se'aciia relacionado
fe6Ma>Riercado-dc4issucar, sao incaleftlavds..
Os mercados consutnidorep,' can>adus do recla
mar^eorltra a ma qualidade, proveniente do pOltco
capricho enHjregado <>m ben^fiolnr e:asncar, e
cbntra o pouco escrupulo com que-sJb trata las as
caixas, so aroitam lioje genero do rforte por
preo.es diminuUssimos, e que por forma-alguma
podem comjiensar os trabalhos da lavoura.
Oassncar em caka da Bahia e Sergipe. sobre-
tudo, tern acarrelado contra si grande dsero>lila;
par que, al6m de ser pessimamento beneliciado, a
tara nutica 6 del, e ae madeiras empregadas no
fabrico das caixas sao sem are de peiur qualidade
e de grande peso. Km nosso mercado o genero
desta procedencia sA tem sahida qhando e acondi
ciohado era saccos ;od' caixas, no anno passadn,
pel is mativos expendidds apenas pole ser nego-
cinJo pelos baixos precos de liatiO a l|63t} a ra
roba. i
\o mesmo tempo- que entre no<, d descredito
do assucar do norto tomava proporcdes lamerrta
vcis, chogarvam no exterior aoticiu qne vinham
ag| Na-Europa, nos Esiados-Cuidos, no Rio da Pra-
ia e mesmo nas provinclas do sul que importa assucar, os oampradores desgostosos com' a na
qualidade do nosso prodncto, retiravam se do
mercado, c o MpoMlo acciimulanlo se diariamen-
la, dava lugar a quo os precos soirre3sem seniveis
c pesadas reduccoes.
1 Foi prinoipalnieiite na Ihglsterra c no Rio da
Prata qua a baixa mais se fez 6eniir.
A provincia de Pernambuco e pequena zona da
de Alagoas sao us unices ponto* do norle do impe-
rio, d'onde se po Io obter alpum genero aproveita-
vel, gramas ao espirta escla.euido de uma meia
duzia de agricuRores. lofelizmenle, portm, esses
mesmos agncultares est.lo condemaados a sourer
graves prejaisosem conseqnencia do pouco es*ru-
pulo da aiaior p^rla d-js sus collegas.
Se ja lioje os prejuizos se fazenTsenlir, cm fu-
tnro nan remoto serilo elles conrertidos em com-
pleta rnina da lavoura do canna de assucar
Urge quo os senhores de engenh) compenetrem-
se da necessidade quo teem de aeompanhar a
marcha do progress material de nosso paiz, \u-
troduziudo em suas proprieJades os njelhoramen-
tos que a sriencia tem descoherto.
Provincia da Paralayba. -No sabhado
recebemos dous nunvros do Jornal da Parahyba^
de 13 e 14 do corrente, dos quaes colhemos o se-
guinte :
Tiv-ram bom Tesultala as diligencias empre-
gadas pelo capitao Matttias da Gama Caliral de
v'asconoell'is, de combiaacao com o capiUo do
corpo policial Joao Alves Pereira Lima, para cap-
tara dos malfeitores da quadrilha deGurinhemzt-
nbo e do ordeiro
Da quadriiha de GuriaJiemziuho foi pre;o o
celebre Jose Francisco da SHvoira, conheCido por
tenente, conseg indo evadir-se lsmael de Brito o
outros por estarem montados om bone cavallos.
c Da do Cor leko foraai presos o chefe Francis-
co da Cruz, Jose Correia da Silva, Maiiocl Luiz de
Franca, Laurentino Carlos Jose Tavares, Jos6 Mar-
tins da Silva, Emilio Ramalho de Souza, Calisto
Duarte Flgueira e Jose Luiz de Fran?a, que faziara-
parte da mesma quad, ilha, o se achain todos ja
recolhidos na eadeia desta capital.
A's duas horas da tarde de 1) dj corrente
deu se uma tentativa de evasiio dos presos reco-
lhidos na eadeia desta capital.
Ao toque de reuair da guarda res, ectiva, re
petido nos quarters do corpo policial e da guarda
nacional desUcada, aeudirain pro.apumente o Sr.
Dr. chefe de policia, o Sr. commaedaota superior,
c aninsndantes dos referidas carp is. superior do
dia, offlciaes, e todas as pracas dispouiveis, reu-
nindo-se assiai uma furoa consideravel, que fez
abortar semelhante piano sem o menor accidente
desagradavel, a exce -cao do um ferimento leve
na mao do ajudante do careereiro. que,; na occa-
sia-i do perigi', portou*se bam e energicamente.u
0 Sr. conselheiro Diogo Velho retirou-se para
a corte com sua eweJfeisviirta>seauiora no dia 12
do corjpnte, no paquete Parana.
Aa epaharque do S. Bite, efact*i'Jo-as. noW
holas da mtnha, concorraram mjineftisos aBiges.
alguns dos quaes o acompanhararn ate Bjrdo.
Retnando-se d'enlre nua, dnixa S. Exc. a
mais grata letnbrainca de sna esiada na provincia,
que digiiamente repreAenta no nariamenio naeto-
nal. .. m ML mr> k.
Saudande^) e^a sua drgna espoea, deeejamps-
Ihes pYoSpert e ve'nrarosa'Viagem."
Bm obsequlb a S. xc, reanfo o &: 9l>.
presidente da profiwite, em a neite e ttb an-
dante, uma escolhida sociedade de senhoras e ca-
valhelros m nalaoio da presMeocia. oi%Menda
esplendffl) sario W*SeaivMdo8, qnaalSlres* tjosta, A. da
boras da manna pozaram de tfo agfiidaVel e *on-
rose entrelenimento.
J*JaiatMajnlMiawia extrihMa a 13 do corrente :
N. sm... ,in ^ag,n^n^tmw^h(m0m
N- 9,SK r' n 1 tnoft-^-iiVf' *OUJ08*)O
IH^. iTf. :-rr^r: -r-rrrr-7 l-.WQftm
mJ2Z^ 2:000*000
Janei-
a cad* uox
q37i7-iW0*. ucada nm.
a*"), .2619, JlfiDi, 3691,
KJ i a eada um.
r 19SI, 2222, 2822, 287G;
,8, 3556, '4213, 4369, 446i,
Te 5914-tOOX a'cada um.
^aSffiW
0 Ev:n. Sr. consejne^
canti de
sto enc
obras da matriz da ca,
por mez, duranle do
Dloao Velho Caval-
. o da comtnis-
doaativolVapMi as
kaffquantia de 20*00,)
para auxiliar nM.ila prft*4adbalWr
Jdu a professora pubjica. D. Ruflna Maria da Cpn,-
ceicao Correa, a aioarrtfa rn*feldBflj!W^ com 9
tnelhante destino.
t S. Exc. agrad
nhecimento do ge
ajsupraeitada doSi
tqn
reiti
g
n
ndo-a ao co-
tamente com
o.o
r.
cargo
itapi
etnarQa^JPdljpiiij
J^-SH^k-
tou juramento perante S. Exc. o Sr. presidente da
8, aifJl,3a79, 3480, 3S09,
a, 377o, :!8iC, 339G, 4099.
" SIM, 4569, 4629, 47:12,
5148, 5613, 0624..
4n?anlt|aWWE IJ. -Da carta de.
dBnie.extranirn'os o seguinte :
on (fleLiverpool) por oude Ihe
, entrnn nn Tejo hontem depois
ns s8 ou d > eo'rrente o vapor
Janeiro; d6lrvr>; a J3, o Boynt,
a 16, o Altoeidn Garret, da com
i Mariflmo do Purto ; a 18, o
-TOiTfpTinllia db Pdciflco',- a 28 o vSpor
- fraar-r, de Bordgos ; e no i* de abril o
'iwkHbrti:*, carreira do PaeiBco.
Proclanias.-Foram lidos ohigrpja do Ra-
sanu, que serve de-matriz da freguezia de Santo
Antonio, no da**lngo"ff Ufc rftarco, os segrJin-
^a^HWo /W ej dortunelacfiij.-
1." len-'nt." Almiro L andro da Sllnt Ribelre,
com Emilia Olivia Correa de'Bnto.
Fttni^lino Mbatrio-Trfnorio, eomllaria Brigida
A U^rfo.
Joao Teixeira de Freilas, com Guilhermina Ida-
Una Nom-e de' Almeida Motra'.
. ftdtoniu Paes Pere:ra d* Sirra, com Maria Jose-
phirta da Silva.
f.'deftmiclacao.
Emilio llyppciiio Bandeira do Mello, com Cosma
Wfefra de Lrra.
SilviuoRodrlgues Cardtrso deflarfos, com Ida-
Ima ila'rra da Silva.
.Henrique Luif Pwreira Leaf, com Frahdlsca
Amelia R-idrignes.
Jeronymo Jose -T*Ues''Junior, com Laura Duarte
de Aiew io.
Mario'I I riuiai fllSfdrlso Bndrra, com Maria
Carolina de Maara.
Leonel Antonio deSdnza, com Anna'Senhorinha
de Castro.
Maaoel Bernardo Je Jesus, com Julia Philomena
de-Liaau-
Pedro Faustina Soares, cdm Cordolina Maria
3.* Jenuuciai;a>.
Bac^arel Candid j Alves Mac ado, com Guilher-
mipa Eiliiarda ilaciol da Silva.
Siiyestre Caelanu do Monie Riheiro, com llaliua
Maria da Vi-itwjij.
Einiliaiio Gyriaiso da G-asta, com. Benediola M.i-
ria do llo^.i Cavaloanle.
Joao Rodtfeues Marias, eoiu Maria Ferreira da
CV3U.
J^Ao Rodrigues de Souza Junior, com Carlota
Augusta de MlranJa Lobo.
Bernard > Antonio da Malta, com Maria Rasa da
Lonoeicio Moraes.
Jovino Teixeira do Carvalho, com Joamina
Joanna da Conceit^ao.
Antonio Jose de Carvalho, com Francisca RuG-
na de Aiaujo..
J>se de Souza Raposo, com Felicidade Maria da
Conceicao,
LrHerta.A qae so acha a venda c a 93.* a
beaeliuio da malriz de Muriueea, quo corre no
dia i8.
ljellao. -Amanhi, lerga-feira 24,do corrente,
ill'eclua o agenle' Piuto, em seu escriplorio, a rua
Je Bom Josus n. 43, o loilao de fateudas avarla-
das, assim como e;de generoa de estiva, constando
de inanteign, velus e-vinhus de differeales quali-
dades.
fc.-isaa d* detea^ao.Movimento da casa
Je aoteniaio do dia 20 de marco de 1374 :
QDMtarn presos 293, entraram 5, sahiram 4,
exisiem 294.
A saher ;
Nauioaafis- 2J2. raulheres 8, estrangeiro3 22,
eacravoa 30, c*craas 2 Tntal 284.
Ahmeulados a cast* dos cofros oulilieps 210.
Movimento daenfermaria no dia 20 de nnrcn de
1874.
Teve baixa :
Lourenco Piuto Teixeira. febre.
Tiveram alta :
Manool Pereira Lins de Aranjo.
Vaidevina Maximo dos Santos.
'Iloforto Pereira d > Nascimento.
Passageiros* -Chegados dos portos dj sul
no paqu te nacional Cruzeiro do Sul:
Dr. Francisco de S. Cyme Lima, capitao Ma-
ooel Joafjuim Bella, Jose P. Carvalho Cntra, Pra-
xedes Pitanga Fillio. Alexandre Jose, 2 praxis da
armada, Dr. Vicente C Ferreira Tourinho e um
escravo, Jose C. de Almeida, Manoel Pinto Leile,
Manocl da Silva Nogueira sua senhora, 3 li'hos
menares e 1 escravo, Ormino Martins Goelfco e I
criado, Marroquino A. Nanton, Antoaio Lessa,
ViceBte Arch injo de Jesus, G. Alberto, Antonio V.
da Cruz, Hermenegildo das Virgens, H. Bandeira,
John H. Uoxwell, Dr. Jonas Montenegro, Antonio de
Viveiros Sabtign, J. A. de Almeida Novaes, J. A.
R. Braga e sua senhora, Jtistino da S. Torres e
sua sftohara, Julia de A Carvalho, engenheiro
Jos6 N de Andrade, Antonio Bento da Silva Cce-
Iho, Antonio Beh'o da Silva Goelho Filho, Ayres
Jose Diniz, Felicidade Maria da Conceicao, Adao
Malhias, Luk Ferreira da C03U, Alexandre Jose
llibetro, Jacob G-^rvazio e 3 escravos a ebtregar.
Soguem para o norte no mesmo vapor :
Caiumedador Jose Fernand- s de Moura, sua se
nhora,'um sobriiiho e 3 escravos, Liberato Joa-
quim Barrelta, Dr. Antonio L. do Aloule e sua se-
nhora, Dr. Francisco G. da JusU. Dr. Solano G.
Pedreira, Valentin T. Gama, Qemenie B. Lima,
engeiiheiijHermino Franca, dito Jos6 Bruale e 1
criado, Frnncisco J. D. da Motu, Herman^io dos
S. Jieilas, pa ire Jose da G. Santos, Luiz M. de
Caia,ali i, Manoel F. Sampaio, Joao A. Saraiva,
Jose J.. K. do Faro, Izaias D. da Silva, D. Luiz,
bispo d) Maranliao e o escravos, Antonio C. de
Souza Dantas. Antonio Nones, tenente J. J. de
Aguiar, Aarclio L Baptista, D. Maria Amalia de
Azevcdo,. tenente J. F. Lima, Manoel L. das Neves,
%' cadets E. J. de Bastes, Dr. Eostaquio C da C
Gama e sua senhora, D. Carolina A. B. de Carva-
lho 2 fllhos, um criado e2 e scfavos, 14 pragas do
exerclto.
Chcgidos dos portos do norte no vapor na-
cional Igojuca:
D, Juan Buis/an e um escravoi Firmina Maria
da ConceiijJo, Antonio Cypciano Mamede, Hano-
ruib A. do li-go, Jacinth j B. de Medairos, Adulpho,
iP'ageto e sna familia, Custodio Jds6 Vianna, Auto-
dio Olintho Barbalho, Jose Joaquim Nobre C.
s um criado, Manoel de Araujo Dantis, Joaquim
Jbse Pereira, Manoel da Silva Sobninho, Antonio
C. Ferreira, Francisco Jose A. Guiaaaraes, Jose da
Silva Neves, Manoel M. de Souza e um criado,
Francisco Marcelinodo Amaral, Pedro A.da Silva,
Emidio Pereira Duarte, cinco pragas e um sen-
"tinciado.
I Chegados do sul no vapor S. Salvador ;
J. G. Sllins, J. Cateltrano, U. J. Peixoto, J. D.
Souio, J. A. Pinto, B G. Ico, A. Treffes, F. R,
Silva Lima, L. Zacarini, J. Januario
'jCeaniterlo publieo Obituartstda dia *0
dp marco : Jaatus9 *ok awsnrtH
; Geraldo, preto, Pernambaco, 4 aw*e, Boa Vis-
ta, convulsoes
Manoel Jasi' da" Silva, pardo, Pdturabuco, 48
ahnos, casado. Boa-Vista, hospiul Pedro II, oootte-
x|a poludosa.
Silvestre Jose da Silvan parlo, Pernanbuca, It
aianos, casado, S. Jose, b^ucjas.
'Joao Francisco Peres, pardo, Ijjiuanlbneo, 18
a no solteiro, Boa-Visla,1iOptta*nPe*r4L ayper-
ti ophia do coracao.
Vicencia Ferreira da Luz ieira, .yarda, Per-
nimbneo,25 annos. viuva, Grata* tabeTcolospul-
n onares. auauT) a
Salomao- CuaWierto Gamttra Moern, Manco,
rnambuca, 30 annos, casado, GJraaa, teadgaML'
>v, i.ninuAX at aiaUM>6 usH
GAMARAMlWff4K"laJ^bJ
i\T SESSAO ORDINARIA Eaf B MAR-
go DE 1874*; u;
presidencia no sn. TawfioadmsMk. I
Ao meio dia, presentes oadHtaTEieadoaa^Hvai
L yo Junior, Neves, Cesario de MattatCnana-
Guiraaraes, abrio-se a sessao, e foi lida e approva
I'M''. 'o i
!a a acta da anteceisnte.
-waaaf naSiajulnii!
nreorawTi. ~.
Um offlcio do Exm. presidente da prorincia, com-
manicando haver sido ja ooncertado o cam geral
daneagato darna de Riachuelo, eonforme o decla-
re u o director das obras publicas.Inteirada.
Oulro UaaJien) do mesmo, comnaunicando achar-
se concluida a obra da iatrina pubNca, sita na
praca de Pedro I, bairro da Recife, pela eompanhia
Recife Drainage.inteirada.
lima informacJo da engeoheiro chefe darepar
ticao das obraa publicas, com despacho do Exm.
presidaot) da prtviacia, maodando a camara in-
formar Ao engenneiro.
Um eflicio do vereador Dr. Pedro de Athayde
Lobo M jseoso, communieand a camara nao poder
por ora comnarecer as-enas sessoes, em conse-
quencia do achar se gravemente doente. Intei-
rada.
Oulro do Or. Demoorilo Cavalcante de Albu-.
querque, communicando que, em data de 11 do
corrente assumio o exejeieio do cargo de delega-
i'.o da capital.Inteirada.
Uma informacaodo engenheiro cordeador, acer-
ca da pretencao d Barao d* Soledade.Inteirada;
e qne se retoeita a mesma por copia ao Exm. pre-
sidente.
Outra do mesmo, acerca da pretencao de D.
Isabel Maria F. Soares.A' commissao de edili-
*aco.
Outra do, mesmo, sobre a petlcSo de Bernardino
da Silva Lopes- Dcferio s>.
tfm offlein ^flj me^mo, dizendo que nao havera
iocunveniente em depositar o lixo e varreduras das
rnas da freguezia de S Prei Pedro Gancatvqs no
isthrfto de 0liBd"3, a margem da mare peiaena,
encostado no muro da docka do Barao do LlvVa-'
mento.-Inteirada, e que se ordene ao Oscal que
mande depositar o.nSco ho Ingar designado pelo
engedheiro.
Outro do advogado da camara, fazendo certas
pandera^Ces acerca' do mode .pprquc sao lavrados
os termos de infraecao da postufa3 pelos resuectl-
vos Dsjae?. Inteirada, e qae se faea sentir aos
altos fiscaes.
Outro do procurador, daodo esclarecimeato
acerca dos termas dc mTraecao que tem revada a
juizo, os qaaes se acnam em seu poder. -Intei-
rada.
Outro do mesmo, communicando que se tenlo
vencido no dia ft do corrente uma lettra da quan-
lia del:13iiS0dO, acejta por D. Maria BeneJicta
Gomes da Silva, e garantida pelo Dr. Luiz Emilia
Rodrlgues Vianna, n3o foi dita lettra paga nem
por um nem pelo outro signatario. Ao mesmc
procurador para promover a cobraoca
Oulro do mesmd, coranuntcanlo "que, nao obs-
tante o disposto no aviso do minhtorio da fazend3,
n. 285 de 27 de jurtho de 1863, a camara de Olin-
da tem reeebiJo laudemios relatives aos terrenos
(festa cKade, seguuJi Ihe informou Manoel Fran-
c.sco Marques, que em 2 de junha de 1872 linha
camprado um terreno na ma de Vidal do N'egrei-
ros Uesta cidaJe. -Inteirada
Uma informacao da fiscal da freguezia de Santo
&nlmo, relativamente a pretencao de Jose Per-
reira Coutioho. Deferio se.
Um offlcio do fiscal da freguezia de S. Louren-
co da Malta, apresentando o mappa dos enterra-
mentos feitos naquclla freguezia, no mez de feve
reiro ultimo.Inteirada e ao archivo
Outro do administrad >r do matadjuro do Poco,
requesilando cerios objectos precisas para o ser-
vice do mesma matadonro. A' commissao re-pec-
tiva.
Outro do mesmo, expandoa necessidade de ama
praca do corpo de palicia naquolie e>tabelecimea-
to para manter a ordem e regulariJade da ser-
vice.-Inteirada.
Uma infannafio do fiscal supplente en exer-
cicio da freguezia das Afogados, acerca da repre-
sentacao le diversos maradares d) povoaio da
mesma freguezia. -Inteirada e qua em tempo se
dari > as providencias uecessarias.
Foi apresentado o requerinieoto seguinte :
Requeiro que se olDcie ao Exm. pre-idenle
da provincia, pedindo providenclas no seotid) ds
st-rem concertados os caes la rua da Coinmercio
conligua a Associaijao Commercial c o de 22 de
NOvembro, prximi a ponte Sete de Setenbro, que
vao toios os dias arruinanlo se. -Pa;o da caimra
municipal 16 de mari;o de 1874. -Layo Junior.
Approvado.
Despacharam se os requerimentos seguiates :
0 de Adelino de AzeveJo Mello, Antonio N.r-
berto Malaquias Paiheeo, Rernardinj da Silva
Lopes, Campello Galv.io &C. Dr. Djaiiugas So
riano Fernan les Soares, Francisco Gjaaes Ferrei-
ra de Sa Leilao Isabel Margarida Cun'aa Ferreira,
Justiniano Antonio Alves Soares, L'andro J se de
Souza, Manoel Fernandas Ribeiro, Mauoel Antonio
de Abantara, Manoel Martins Vianna, e Valenti n
da Silva Pereira.Foram deferidts. -Joao da t:us-
ta Godinho.Mandou-sa iiifonnai' o fiscal.
Foram indeferidos os rejuerim;ntos de Martialio
Domingos e Paula Tolentino de Negramonto.A
camara toraando conhecimento da peli jao da An-
tonio Carlos do Carmo, na qual o mesmo pele
licenca para armar um circa n> Campo das t'rin
cezas para seus trabaibos como director de uma
companhia equeslro gymaa>tica, cs quaes dura-
rao pur espaco de cinco mezes, deliberou que se
conceda a licenca por ties mazes sdin -nte, com a
obrigacaa de fazer os reparos do t -mm i, fialo o
prazo, sem pivjuiza do transito publica a paga o
imposto : votando oa-atra o Sr. Cuuha Guimiraes,
i>to e, que se nao conceda a licenca para o Cam-
pa das Princezas: votou o Sr. Neves de confer-
midade com o pedido, e os Srs. Tiieadaro Silva,
Loio Junior o Cesaria de Mello, pela coaeesaia da
licenca por 3 mezes soajenle.
Nada mais havendo, o Sr. preg! ieale Ievantou
a sessao as 2 horas da tarde.
Ea, Francisco Augusta Ji Costa, se:r-tario, a
escrevj.
M-inoel Joaquim do Rego e Albuqucrqw. presi-
dente. Jose da Silo* Logo Junior. Jose reiro.
ds Neves. Theoloro M icliado Freire Pereira
da Silva.Jolo da Cunha Soares Guimaraes.
v ..,> ^ m
verao MioblicaM? ,
uro
aaK*
lecta de governo dospnWicis
pativel com a dignidade noa
Sera a forma de govesno
ou na j ?
0 qne tem importado p.T.i a
de governo, mon .rchia (a ripaT
peila a liberdade da nova ? 0
um ou de muito* tem sido para
uma alternative couslinte e cruel. >
Logo os publieiius prociucianss a'.olaoaa re-
public* como a sua forma predilVcla dafoaaTfaV
Em Franca, nao lem os duvida, ao a mtrnm*
a libtrdade capaz ; so a republica Irari nai ar-
dem dc c msas durautl e trmf desse grande nan ; so a repiabitoa ruuao aa
sues da grande maioria nacional.
Logo os publicuus prooim-itr* toaa a
ca conic asua forma prrtdil'^fa de g>
< Entre no-, qae Unto .> Mia da
como, nesta parte, nos | iriirnnani infaliiBwaili rim
a desdilosa Franca'
Logo os publieista- [--atiiiiu aio Iwa a Tt
publica como a sua forma preditecu da gwveno.
Eis aqm esta, porqae som-ts pela iiiiiiaaiili
em Franca.
.( Na Hespanha a monarehi* fffii ataatMiart'
experimentada e cotidemnada, o a aMiaaeatdn
Amadeu I parece symbolisara imprtmteii da aaa-
narcliia cuusiitucitaai para aauailc povo.
f A rrt|ibhca e que ainda oao foi eapihroaaa-
da, nao se desacreditou. u.u re raveioa
essa republica do grande Castellar.
Eis tambem par i|ae aiuda ale laoje
se-nos a republica como a mais r ranc.a para a eavalheirosa paths rio (ad.
Logo os .poblicislaa prorikcutmrn lem a MpjaV
blica como a sua forma predilocu ae araa
A' vista, pois, desses trcclio- de"iic nirados e
contradiiorios entre a dos c.cripaaWMaaVBMlB,
e hcilo concluir qne a rtpublica eentodpara
esses bandolei ros a f ^rma de governo emmpmttcel
com a dignidade humana, de qae nos fattani em
sua resposta a nosas ratbegorira p-rgunta !
Cumpre porem nao demi ar .ate ver se nose
possivei achar a incognita dj probleina provincia-
no-da forma compalieel com a digaidaie hu-
mana.
Os mnstres da Procin di/cm :
A Inglaterra e type do governo representati-
ve ; adrtra sc alii a imageni da patria, qne I o
idolo de todos, veneram a rainha coroad*, que a
o symbolo da autoridode e subniettem-sc aos Ac-
cretes da ooiniao, que ft a rainha que gaverna.
t Todo o mnnJa cirili.-ado iaipressinna-seagra-
davelm.-n! ao contemplar a lili.-rilade pralica, real
e pacili.'a, de que goza aquelle povo, e cujo Vt-
dadeiro governo consistc na upiaia i ou do paiz
pelo paiz
A rainha Victoria assistc ao corabale (politico),
fazesdo da sua coroa o symb la da neutralidade :
referendar simplesmente o vola nacional, e a gran-
de missaodessa uiagMade ; 6 o seu sastentacnlo
e'a sua gloria
I. .go a forma predilecU da governo para os
provincianos c a manarchia ingl.aa.
Mas onde eucontram elle issa supremacia qua
Ihes inspira tal predilcc.-a ? Porqae tii pronun-
ciala preferencia ?
Resposta :
o Porque, a par de l,das as dispjsifoas relativas
a realeza, enconlram-se outras que dizem :
A propriedadc & in-.aolavel. Niaguem pode ser
desaproprialfo' djtvn b'm hgjlineiits adqairlljo,
senao em virtude de s^nten.-a juJiciaria.
0 reinao p^d; errar ; os seus ministros sao
t respansaveis. Nenhuai ado d > rei, era virtade
da sua prerogativa 6 vali l., s .n a referenda de
um ou mais raorabras d i minis; r, ; qae assu-
mem lelle a responsabilldade.
Mas cm nassa forma de governo exactamente
se enr-antram consagradas t las es>as dis,>o5ic5es da
realeza britanuica, em sua constital.Jo, a qual
r -alis iu essa esp le milagr-> 1 doiaWrMn a
mais liberal do muni foufirme conressam c-
publicistas da Provincia.
Logo a uossa forma de governo e, como a da
fnglaterra, perfi-itameate cmi ilivcl com a digni-
dad; humana, por ser a mais lib.'ra! do munlo,
fbtma simples e singela rxartim^ma c^mo a da
Ingl'.terra, qae na) e apnratota. a< ih. unhammra-
dltpendiota, riilvel e ridicula.
Mil to poderam is diz-'r, paratraz-r mais patente
o de-norteameu'.a dessas ca'iejas nngistrais dos
publicistas da Profane*a ; mas nil nos faltara
tempo e ensejo.
Aavertimoa por ultimo n -- m esciiptorta^ que
se as disp isicoes es-:rip'a* arima -a 'intiars
vivas ,-> solemn's i I -bo al i le iis ciii linsiB-
glezes, e desalenta I r, e J p!aravl ouvi" di hbefa
d; lumens qua sa c in :d ra n adept = c apastoaO*
dad-mocracia, tio re; rovada orop >sicia, a saber :
Nao julgncmos naaci de irn povo pelas leis
quo elle ncs apresenta c.-criptas ; 'pracdremM an-
tes saber das leis que neflese p-aticam.
Priii-ipi) aieatorki, in^nsistento p fals->, que
mat rialisa a rciencia e eslerilisa lod '> os anheios
os mais nobres das publici-i is ganerosos pie con-
aagradam seus di's nopacicnt* martynoda!
vestig i;Jo das principi is e das H;.| i,> devem re-
gal ar as n-b.e'ies da vida s ci .1 o paMca dos
povos.
l cos !:i,.ias.
Wi
PASTE POLITKA
P4RTIDO 1 0\SKit\ A'.OB
RECIFE, 23 BE MARCO DE 1874.
t Nos queremos uma forma de governo compa
tivel com a dlguidaJe humana, da qual, acredita-
mos, Srs. da columna, nao sois divorcialos.
Desta vez, cumpre confessar, deixaram levautar
um pouco a viseira os raestres da Provincia.
A' pergunta cathegorica, que lbej dirigimus
nestes termos : i qual e, Sis. da rroomcia, a
forma de governo que pretendeis impor nos, que
nio nos seja acibrunhadora, dtspenJiosa, risicel
e ridicula ? responderam elles, como acima fi:a
trauscripto.
Estara parem esta resposta nos termos da per-
gunta ? E' nobre, e generos >, que iniminentes
publicistas da ordem e posicao dos meslres da
Provincia nao se dedignem de responder sapbis-
i ca e capciosamente aos seus sinceros adver-
saries !
Nao quereis anossa tirma de governo, porque
nao (' ella compativel com a diguidade bu naua ;
mas. se a nossa f inn a 6 a monarchia, an. 3 da
constituicao, e consequenle quo nao quereis a mo-
narchia.
As raz5es, porem, qqe tendes cxbihido para
condemnardes a nossa forma de governo monar-
cbico, a saber, por appiratosQ, acibrunhadora,
dispendwsa, risivel ertmtula, essas razoes n5o sao
de nenhum ponlo proeedentes.
Antes, portm, de apreciar a procedencia das
raesmas razoes, seja nos licito fazer am apello a
vossa lealdade de escriplo.es>, qua lam a emuaim-
cia de sua responsabilidvie para com a publica
opiniao.
Se nao quereis a uossa forma de governo, por
ser ella incompativel com a dignidadade humana,
qual d entao a vossa forma predileola, e que dese-
jaia >utoMituir t ? *a9.^m
Basda qne nlo nos deelarais frabcamenle, e
nem aabemos nos outros quat e a forma de gover-
no, qae considerals cempaRvel com a dignidade
humana, como acreditar eutao, que nao estamos
taiabem por nossa parte drttirciados della ?
Tado quanta podemos eoocefeer eTle vossas pa-
lalvras se collige, e que a nossa forma de governo
e ineompativel com a dtgnldade numaftia.
AiajMBuasaa toi -.
fjuai a enuo, Srs. da Prtnmcia, a torraa do
geveruo que pretendeis impor-no*, e qne nao nos
seja ncahrunhadora, iisptniiosa, rlrivel e ruli-
cSla f
iRwpotU :
; Nos queremos uma forma eompati\"el com a
diya*ado hamana, da qual, aorodilamos, Sre. da
caMani, nao sais dlvorciados.
Assira, pois, concluimos que os redaetores pr-
oiaatanaf-eoasidoram a noesa forma de governe
HMSMPaitMl coin a diguidade. huraaua. por ser
afaaruttftadcra, dispendiosa, risite! e ridicula.
:Esla evasiva resposta deixanos mergulaados na
duvida de qual seja effecticameute a forma predi-
ESPi:cL'i.\i;vo.
Teuio do diientir-se na aneaaatuea pr.vincial o
n.sgacio de Paula 4 Mafra, zPiociu-.u jal^. u aza
da occasiao de aventur um lour de fore, para o qae, eapregaiia i o cos-
tnmeiro ardil. e-timp m cm sua; pagin .s o aaMaa*
te convite em l-ltras gtrfafam :
Privitegio funeore.
Hoje 6 o dia em qae su hi de discutir na as-
aealblea provincial t> tracer h ivnii'ai se d> la-
gislacio ( Dr. Da rio, Alvaro Uchoa e 'frava-so de
Arrnda ) sobre o reanerimnta cm quo Paula A
Mafra pelem ravogacao d. let n. 1,'21 qne auto-
risa essa tiiinstruosiJad, jue se chama Privilege
funebre Achase inacript-) para a discassa> o Sr.
Dr. Peretti. fonvidam sc os amigos da justic*
para assistirem aos debates.
0 resullado foi qne la appireceu na asssmblea
o Sr Dr. Jose Marianno, acaaipanhada de 8 oa 10
pandegos, os quaes, a vi-ta da screniJade e el
cao dos debates, eonservaram se silencioaos, qiai
impassiveis e enli idos I
Oj especuladores Qzeram, pois, fiasco.
0 povo os alumina o detcsta ; o desprez) pa-
blico e por demais visivel ; gran le foi o desapon-
tamento.
Falharam os esperaJ is d starbios pla prisio da
bispo, quizeram espccular agira cenaqujstao
Mafra.
Hypocritas, tarlufos !
PorHlia
A Prooincia annnnciou o facto da larJe da l#
do correate, no trem da via firrea de 0 inJa com
as mais carregaJas cores; depois ati;ou os sens
odios contra a administrate e pracuroa favooeir
o delegado demittiJo :
A demissao do Dr. delegado de policia re wa-
te-sedeprecipiucau.ua> tendo elle sido ourida
nem se explicado sobre os acontecimentos.
Dapais que apauha um artigo do incaulo moco,
ta lo publieo em suas paginas ecim reiaintada
traicaq e pen-erssdade diz :
i Que se escanpellem a vonUde ; e que o Dr.
ex-delegado lhes panha a calva ao sal, como taato
intoressa a todos, e o que desejamos.
A perfidia, sempre a perfidii I
Os nos3os amigos sao espicaijidas no pelourinfco
da Provincia com a mais insensivel crueldada desses
energumenos, que se alimentam em fazer victions
aos seus adversarios, que nao podem veneer eta
lula uubre e leal
Coatinuam a ser torturadps na Propaacsa aa
uossos amigos, contra os quaes se distrihuem. sob
a eapa do auonyrao, 03 ma(s infames motejos e ia-
sulio3. Depois, que nao venham a qumar-se da
infallivel repiesalia.
Hafeuo- de conter essa aucia de tolintirot io
cbele de palha, ja que nao tem basunU forca a
moralidade para o f iier como deve a e respoa-
savel.
its fritadas de rniolot* aW m.*ro>-
vincla.H
Os niolos ths red ictores dt Province estao a
d^weterem se I Pef eHa mesim qoom daclarou
*' *
A pobre tem razaa I Estar fera do foleiro e
de fazer order rniolot f
Tambem por isse do vai em tptaulo la 1MB
urna fiilnda de mMes para iw#**d das apracaa-
deree da Prwinei*, quo vai tendo o oesana 0%
gnardanapo... para... enrolar as fritadas,
Os aeateneiados de Fernanda aarvkaa pna I '
pese de oma I
Qua importa que a lei mande qu os
tores das sentoucae nio remeKam
algum para o lugar em que as dew
sem as respects guias ; qne Importa ajan par
vezes renetidas se teuha pedido asss diveraot Jni-
zos, atd de outras provmaias essas gain* j que
impita que mais de uma ownmissao, das qui:





I
1

i
Dbjit de renambaeo Segued* fen 2S de Matco de IOTA
at ** perte es fitzes exeoatoms, tasflnm Mo
a Peraaado eyndliarem disso; que import* .que
a BnanlisvBnBOjetaaxecntor, "*" *m>re-
iacoe* earn m pveefras (Jeefaraooes, qae mUi em
een pedar... *> taso n*o e previdencia, Undo
mo sao ni nada, apexar do tudo a preskleneia
--flint*-"-*
httmriadeaUravot ... ,
Om esaolem... para a rntada t
Os MuiMtwirw da Proiincia eogan*n>-*e. As
anie-salas da casa branca e.-tio vaaas do assal-
tantes, os quaes ja sabem quo nada pttban... o
sao so poucoa oi> liberaes quo apecar de o se-
rem o do coMinuarem a w in usufruem lnga-
rw e sao noraeados para outre*, ate com appro-
vaeao do c* 0 sektso St. juiz do diroito da t* vara .propoz
* Terdado, oma wedida, a de so divi.Ur -os sen-
teaoiadoi de justiaa em turraas quo deveriam ca-
da oma for sua voa vir pant a cast de detencao
ate de ee verificar aqui quaes os que ja ampri-
ram sou senteseas, etc.
A idea seri*, sem duvida alguma, appreveitada
peloe MOtumicot literati... dos dinheiros publi-
ms, mat, como a aer post* era execucio, trazia
aoa cofres geraes despena enorm* com as passa-
gens e com o sustento de preaos, e net i* quan-
tum para a Provincia sem grande resntudo, pois,
ignal ee pode cooeguJr sera isso ; sends sta tem
duvide a ratio pela qua) nao foi aeerta a idea
pelo actual admimstrador que tem sido na bocca
da Provincia um esaamjador respeiUvel 11
Imagine- se otransporte de SO a 60 senteaeiados
por vapor que veuha de Fernando, e veja quan-
10 nao ganaari id os particularet a custa dos co-
fres pablices I
Ob I elles devem deseiar quo os liberaes do
diaheiro do taesouro voltem lopoleiro 1
Entao nao navera parente pobre I
UBIICACOES A PEDIDO.
Paralayba.
BENEFICIO DA MATRIZ.
A soeiedade Santa Cruz, sem pre generosa, e
possuida de *enuweutos pios, deu na none do dia
7 do corrente um espectacub em beneficio das
obras da matrit desta cidade, levando a scena o
drama em 5 ados A Escrava Andrea.
Esse drama, escripto em iranoz, conta uma
boa traducgao, de que se servio a soeiedade, e
bra de tuna penoa distinct*.
0 publico coscorren, c mo era de esperar, em
vista do Cm a que e distinado o beneficio, e a en-
chente foi plena
0 drama correu perfeitameute, e, segundo a
opiniao de pessoas habilitadas, foi u na das me-
Ibores recitas que tem dado a soeiedade.
Tambem a platea nao primou polo espirito, e a
< oboeiada esteve em eclypse.
Todos os que tomaram parte no drama desem-
penharam, pelo que dentauios de mencionar ne-
nbum.
Na comediaMarie Ja ou os effeitos da educa-
S briJhou o Sr. Brocnado, e nao menos a petu-
te Maricota, que dove ter o consolo de achar
am milhio de Maricotas, nao ne.-ta nossa feliz ter-
rinba, onde as Maricotas sao iodas pombinbas sera
/el, mas por esse mundo alem, onde se encontra
cada Maricota quo faz me Jo.
A soeiedade deu um bom auxilio as obras da
matrix, e merece por isso mil louvores.
0 Sr. Canno deve, se souber, sentir nao ler sido
o director desse beneficio, elle que u devoto se
mostrou daquellas obras.
Por fallarmos Desse senbor equestre, pois nao
so persuadio, que nos o acompannamos ate 1'er-
nambuco? Tal qual. 0 bomem tem no hemisphe-
ric) menor parte illuminada do que suppuahamo*.
Entendeu^ que eramos o correspondeute desta
previncia, nao sabemos para que jornal de Per-
nambaco, e no Diario voltou com a sua monoma-
nia de entrads de graga, e outras amabilidadef,
que se usam nas cocbeiras. Como nao e o pri-
meiro, que nos suppoe correspondente de jornaes
de Pernambuco, declaramos, que nao escrevemos
para jornaes de fora da provincia, nem mesmo em
oossa defeza, quando a!gum Canno nos obsequiar
com auas lettras.
Temos um jornal em que escrevemos, e onde
tomamos a responsabilidade do que dizemos. .\ao
lallamos com a cara occulta.
Se algum correspondente desta provincia tra-
tou do beneficio, que o tal equestre deu as obras
da matriz, traduzio o peasamento geral de:ta ci-
dade.,
Se os grandes collegas do Diario de Pernam-
buco transcrevessem estas linhas muito nos obri-
gariam, embora nos maodassem a conta.
Promettemos fazer-Ihcs o mesm quando algum
Carmo disser, que suas observ.,coes sobre os ira-
balhos, que clle exhibir anaunciando se non
plus nltra-sao resultaules de despeito a falta de
entradas gratis.
Dizem-nos, que nas terras grandes essas entra-
das sao emoluments do joinalismo, que aqui alia:
nao se acham em nossa tabella, e tambem nos
dizem, que o Diana nao di.-pensa os proes, que
de diieito julga pertencerem-lbe. E-tanoseudi-
reito, como nos estariamos, se a moda por ca vin-
gasse.
Os jornalistas teem eutrada franca em todos os
lugares publicos desde a camara dos senhores de-
putado9.
Nao se agaste comnosco o nosso mestre Diario,
e supponba que isto foi pago a tanto por linha.
CPublicadorJ.
mrs nackmaw nan o trapiche Com-
paofaia. .-...,. -
Vapor -nOTioaal S. Sulvodor-^mptnia) goairoi da aata 4 *ito cotrato.
nacwnaes para o taapicbo Dantts.
LTK*^AO WA PAUI4 BOS -PKflOOS DOB
SUIBITOS-A DIRF.IT0S DS BXPe-JTACAO,.KA
01 S3 -A'.J8 DE MARCO OR.4W4.
Algodioem rama eu li if rs. o kilo.
Assuoaraiascavado 130 n>. o kiln.
Carviu de pedra estraofeiro, ktnaiada- raotrka
toiooo.
Carocodo algodio 90 rs. o kite.
Criaaaaiaal em brato 360 rs, 6 kite.
Alfandeca do Penuaabuco, SI de raane de
1874.
O r* ooaferente -Jose Aibeiro da 0:1* eoaferenteFraaeisc > das Cnagas Approvo. Alfaudega de Peroambuco, 2t de
marpo -de I87i.
0 inspector
Fabie A.4e Carealho Reis.
>I8PACH0S DE EXPORTACAO NO DIA JO Dl
MARgo DK W74.
Par* os fortot do txttriar.
Ka barca franceu Minerva, para o Canal,
carregoa : Keller A C 177 saeeas com 13;8C5 kilos
da algodio.
No lugar ingiez BeUrtes, para o Canal, car-
rogou : J. Pater A C. 8*6 saccos com 61,950 kilos
de de assucar mascavado.
No patacbo nesaanbol Antonio Maria, para
Barcellona, carregou: P. M. Maury 300 saccas com
24,469 kilos de algodio.
No patacbo portufaes Fausto, para o Rio da
Prata, carregou : Amorim Irmios A C 800 barri-
cas com 33,310 kilos de assucar branco.
Para n por tot do Menor.
Para o Para, no brigue portuguec Michae-
tense, carregou : J. G. de Baslos 10 ptpas com
4,800 litres de aguardeate o 250 barricas com
16,719 kilos de assucar branco ; A. P. de Almei-
da 400 ditas com S$,079 ditos de dito ; J. E. de
Miranda 66 ditas com 15,845 ditos de dito ; J. C
do Rego Pontes 10 pipas com 4,800 litros de at-
cool.
Para o MaranhSo, no vapor naciona! Cru-
zeiro do Sul, carregou : J. de S. Cordeiro Simoes
40 barricas coni 4,772 I [S kilos de assucar branco.
Para o Aracaty, no hiate nacional Deos te
Guarde. carregou : G. de Mattos Irmaos 30 barris
com 2,880 litros de mel.
Para Mamanguape, na barcaca Ftor de Ma-
ria, carregou : B. Gomes A C. 1 barricas com 65
kilos de assucar branco.
CAPATAZU dTaLPANDEGA
Hendimento do dia 2 a.20 14:0751664
dam do dia 21...... 7081466
14:784*130
No dia 2 a 20.
VOLUMES SAHIDOS
No dia 21
Primeira porta .
Segonda porta .
rerceira porta .
Quarta porta .
frapiche Conc6icao
SERVICO MAR1TIMO
*rer.gas descarregadas bo trapicle
alfandega do dia 2 a 20. .
No dia 21
VaM.is atra'cados no trap, da alfandegs
Alvarengas........
Vo trapicbe Conceicao.....
36,881
103
649
182
463
38 278
76
76
t.'-O arromaunte comecar* a
do am omf eoaclHiri M d* M
im**!
*-a
prestaedos tfmmm m pupsroao ds servico ae-
cutado.
?.i-Tad* nan quo ado estrver
pfwemm rtaamiiM, iwa wgnlsdn do
com o disposto m regvmmonto do 31
1S74.
Victor RwBW,lBjwMn ekefs.
Coaforme. -Miguel Afloaso F>mira.
Ma tbjetwaria provincial m tsk
(me foram traasferidai para o dia St da
as segoiotes anvmatafMa :
Obra da coberU do ^ymnasio pforiaeial, sraaiaf
em 5784e. r *
. DUa dos reparos da tboaJa a S do aatimo laa-
co da eHtrada do sul, orcada soi 1:01x4000.
Repa-os da capeHa da cada de dHOcio
dos em 1:478*000.
Object* do corpo de jK>kcia.
Uluminatao da ctdade de Giyana orcada^m
280 rs. diarios por cada lantpoao.
Soereuna da tbesoararia provincial de Pernam-
buco, 9 de marco do 1874.
0 official-maior,
HifMl Affonso Ferreira
Trswrnua do Livramoato.
Idem-do Carmo. "?
Imam da Bomaa.
Lsmjo de S. Pedro.
Idem do Carmo.
'Haa da Coronel Suasann.
JPravessa do Queimado.
ConsoUdo Proviaeial, It da maroa da 1874.
7
AmUnto Camtira Mackaao Riot.
da Miserioordia do
Edital n. 138
Pela inspectoria da alfandega de Pernamboeo
m (ax publico, qua aehaade-aa as mercadorias cea
tidas nos volumes abaiao mencionados bo caso de
serem arromatadas para consnmo. aoa termos do
cap. 6* do tit 3* do regulamento de 1ft de setem-
bro de I860, os sous doaos ou consignatarios de-
verio despacba-las no praco de 10 dlas, sob
de, findo elle, serem veadidas por sua conta,
que Ibes fique competindo allegar contra os
tos desta venda.
Trapicbe Conceicao.
Marca J C M 50 caixas com velai stearinas,
vindas de Hambnrgo no brigue ingiez Argos,a
descarregadas em 35 de julko da 1873, coBsigaa-
das a J. Jose de Carvalbo Moraes.
Idem S S & C 10 ditas com albas, vindas da
Liverpool no vapor ingles 'Arbitrator,* descar-
regadas em 21 de agosto de 1873, consignadas i
Soares da Sifra A C
Idem A P P S ditas com macaee e castanhas,
vindas de Lisboa no vapor portuguex Garrett.s descarregadas em 9 de fevereiro do
corrente anno, consignadas a Antonio da Paiva
Ferreira.
Idem SB 12 barris com|eastaabas idem idem,
a Antonio V. da Silva Barro :a.
Idem 1 dito com presuntos idem idem idem.
Alfandega de Pernambuco, 21 de mar de 1874.
0 inspector
Fabio A. de Carvalho Reis.
DECLARACOES.
RECEBEDORIA DB RENDAS INTIRNAS GE-
RAES DE PERNAMBUCi
iendimento do dia 2 a 20. 42:556*591
dem do dia 21...... 1:462*376
44:0 9*167
CONSULADO PROVINCIAL
Rendimento do dia 2 a 20.
idem do dia 21
81:102*610
4:346*650
88.i19*260
RECIFE
tendiraenlo do dia 20.
dem do dia 21. .
DRAINAGE.
1:375*038
20*000
1:595*038
!ment8 30 tmm
.4iaque-se a origem o nao
OS tYMIjttoillU*.
Devemo-nos lembrar que os symptomas sao as
provas da luta da natureza com a molestia. Diz-
se-nos que as forcas animaes estao lutando com o
veneno ecsuito. Auxiliem-se e forliQquem-se com
esse restaurativo natural e soberano chamado a
Salsaparrilha de Bristol, e o resutado nao sera
dnvidoso. Nenhuma doenga pode resistir a essa
allianca. Se o inimigo se acha derramado pelas
yeias, este grande detergente o busca e e desalo-
ja deltas. (Joncluido isto, a tosse que indica a
phtysica as chagas que denotam a presenca das
escrofulas, os terriveis padecimentos do corpo e
do espirito inherentes a um eslomago achacado,
e o estado preternatural do ventre, desapparecem
para logo e logo. Este puro e poderoso tonico e al-
terativo vegetal e antiseptico limpa, regula, forta-
lece e vigorisa toda*a organisacao interior e a cura
e compUta.
A
5.
JUNTA DOS CORRETORES
Praca do Recife, tide marco
de 1894.
AS 3 HORAS DA TARDE.
COTACOES OFFICIALS.
Acfio da companhia de Beberibe 73*000
cada accao.
Cambio sobre Londres a 90 d|v. 26 f[8 e 26 t|l,
e do banco 26 d. por 1*000, hontem.
Dito- sobre dito a 90 div 26 1|8 d. por 1*000.
Cambio sobre Hamburgo a 3 d|v. 466 rs. por
R. M., do banco.
Cambio sobre o Rio de Janeiro a 13 drv. ao
par.
6. de VasconceUos
Presidente.
A. P. de Lemos
Seeretarfo.
ALFANDEGA.
Iteadimento do dia i a 20. .
(dam do dia 21......
642677*203
18:814*969
661:492*172
Descarregam huje 23 de marco de 1874.
Barca dinamarqueza Faveur(atracada) merca-
dorias para alfandega.
Escuna ingleza Florence mereadorias para al-
fandega.
Lugar francez Rio Grande mercadorias para
alfandega.
Barca hpanhola D. Luiza mercadorias para
alfandega, materiaes e macbinismo para
a empreza da companhia locomotora, ja
despachados, para o caes da companhia
pernambucana.
JJriffue francezMines de Soumachs u. 2 mate-
riaes para a empreza da companhia lo-
comotora, ja despachados para o caes da
companbia pernambucana, carvao e coke
ja despachados para o caes do Apollo.
Barca ingleza-Do/pAimmateriaes para a empre-
za da companhia locomotora, ja despacha-
dos para o cms 22 de Novembro.
Barca ingleza Carrisorook carvao ja despcha-
do pars terra
Barca ingleza Rossini carvao ja despacbado
para terra.
Vapor nacional Cruzeiro do Sul (esperado)
Navios enlradosno dia 21
Rio de Janeiro30 dia?, galera portugueza Azia,
de 513 toneladas, capitao Bernardo P. Correia,
equipagem 19, em lastro ; a Tnomaz de Aquino
Fonceca & C.
Rio de Janeiro-2i dias, brigue brasileiro Amelia,
de 229 toneladas, capitao Manoel B. de Souza,
equipagem 9, carga caf6; a A. L. de 0. Aze-
vedo.
Rio Grande do Sul-28 dias, barca brasileira An-
drade Neves, de 263 toneladas, capitao Jose Al-
ves Hibeiro, equipagem 12, carga came ; a Oli-
veira Filhos A C.
iVauto sahido no mesmo dia.
Rio da PrataPalacho hespanbol Amalia, capitao
Pedro J. Lopes, carga pssucar.
ParaBrigue portuguez Relatnpago, capitao Ricar-
do A. Castello, carga assucar e outros gf neros.
.Vavios cntrados no dia 22.
Rio Grande do Sul-40 dias, brigue brasileiro
Unido, de 210 toneladas, capitao J. dosS Souza,
equipagem 12, carga came ; a Amorim Irraao
& C
Rio de Janeiro e portos intermedios6 dias e 13
boras, vapor brasileiro Cruzeiro do Sul, de
1999 toneladas, commandante Waddington, equi-
pagem 69, carga varios generos; a fereira
Vianna & C.
Bahia e portos intermedios 14 dias. vapor na-
cional 8. Salvador, de 671 toneladas, comman-
dante Santos, equipagem 26, carga varios gene
roe ; a A. L. de 0. Azevedo.
Acaracii e escala-6 dias, vapor nacional ipojuca,
de 360 toneladas, commandante Moura, equipa-
gem 32,. carga varios generos; a companhia
pernambucana.
Liverpool por Lisboa-21 dias, vapor ingiez Obe-
ron, de 785 toneladas, commandante J. Hannay,
equipagem 29, carga fazendas e outros generos ;
a Saunders Brothers & C
Rio de Janeiro-35 dias, barca portugueza Feliz
Uniao, de 429 toneladas, capitao Antonio J. da
Cinba, eqoipagem 15, em lastro; a Beltrao \
Filbo.
Terra-Nova- 43 diaj patatho ingiez Ashler, de
162 toneladas, capitao M. Donald, epuipagem 7.
carga 2,464 barricas com bacalhao ; a Johnston
Pater & C.
Rio de Janeiro-SS dias, barea portugueza Victo-
ria, de 329 toneladas, capitao Antonio Joaquira
dos Santos, equipagem 15, em lastro; a Loyo &
Filho.
Observacao.
Ate meio dia de 22 nao honve sahidas.
A galera portugueza entrada no dia 21 cbama se
Africa, e nao Asia.
Santa Casa da Miserlcordia do
Recife.
A junta administratiza da Santa Casa da Mise-
rieordia do Recife, precisaodo fazer os concertos
de que necessita o predio que possue o patrirao-
nio dos orpbaos, a rua da Crux, hoje do Bom Je-
sus n. IS, contrata com quern se proponha a rea-
lisar ditos concertos, mediante certa renda e at-
guns annos de prazo para desfrnctar ; devendo
os que disso se quizerem encarregar. apretentar
suas propostas em cartas fechadas, devidamente
selladas, acompanbadas de respectivo orcamento
nesta secretaria ate o dia 19 de fevereiro vin-
douro.
Secretaria da Sanu Casa da Misericordia do
Recife, 17 de Janeiro de 1874.
0 escrivao,
__^________Pedro Rodrignes de Souza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO '
RECIFE.
Venda de predius
A Illma. junta administrativa cesta Santa Casa,
devidamente autorisada pela presidencia, na sala
de suas sessSes, pelas 3 noras da tarde do dia 26
do corrente, vende ou permnta por apolices da
divida publiea os segnintes predios. pertencentes
ao legado de Joaquim da Silva Lopes, de que e
administradora : Forte do Ma'tos, metade do so-
brado de 3 andares n. 17, por 3:500d ; becco do
Abreu, 3' parte do sobrado n. 1. por 2:666*666
rua da Guia, sobrado de dous andares n. 69, por
6:000* ; rua de S. Jorge, casa terrea n. 92, por
1:400*, sobrado de um andarn. 30, por 2:000*,
dito meia-agua por 300* ; rua dos Guararapes.
casa terrea n. 63, por 1:100* ; rua dos Acongni-
nhos, cosa terrea n. 26, por 600*; Largo da Cam-
pina, dita n. 3, por 400* ; rua da Soledade, dita
n. 72, por 700* ; becco do Teixeira, cita n. 5.
por 230* ; largo das Cinco Pontas, terreno, por
1:000*000. ^
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Racife, 14 de fevereiro de 1874.
0 escrivao
Pedro Rodrigues de Souza.
Arrnazens da companhia per-
nambucana.
Segui'os contra o fogo
A companhia pernambucana, dispondo de ex-
cellentes e vastos arrnazens em sen predio ao for
te do Mattos, offerece-os ao commercio era geral
para deposito de generos, garantindo a maior con-
servacao das mercadorias depositadas, servico
prompto, precos modicos, etc.
Tambem recolhera, mediante previo accordo, ex-
clusivamente os generos de uma so pessoa.
Estes arnwzens, alem de arejados e commodos,
sao inteiramtnte novos e asphaltados, isentos de
cupim, ratos, etc., etc.
As pessoas gue quizerem ulilisar-se destes ar-
rnazens, pederao dirigir-se ao escripjorio da com-
panhia pernambucana, que acharao com quern
Eater. ____________
Protectora das Familias.
AsBociacao branilelra de seguro
innui.. sobre a vada, serida pelo
banco rural bypotbecario do Rio
de Janeiro.
A todas as pessoas que desejarem Qliarse o es-
ta associacao se darao os esclarecimentos precisos
e se formulario os contratos, dando-se tambem
ordens ou saques pagaveis ao thesoureiro do
mesmo banco pelas importancias qoe para ahi
bouverem de ser remettidas pelos Srs. eontribuin-
tes que se quizerem ponpar a este incommodo,
na rua de Vtgario Thenorio n. 7.
Pereira Vianna & C.
_______^______ Agentes.
fJaMU
Recife.
da ordem da Illma Junta administra-
sao eoavidados os parentei das meaores infra
cimiadm a virem rctira-las do collegio daa
orpaa*. per j* terem attingido a idade marcada
no respeciivo regulamento, e acharem-se com suas
: eiaoaefies terminadas. Aqoellas que nao forera
retirades dentro do prazo de 30 dias, contados da
data do presente, serao entrognes, de accordo
com o g 3* do art. 48 do mesmo regulamento, a
familias honestas para ahi se empregarem no ser-
vice domestico.
Senhorinha dos Santos, filha de Jose Joaquim
dos Santos e Antonia Maria.
Loopoldina Maria da Paixie, filha de Qara de
Jesns.
Maria Eliza Alvea, filha de Joanna de Ul.
Valeriana dos Santos, filha de Joaquim dos San-
tos a Maria Marga rida.
Alaxandrina Bezerra Cavalcante, filha de rose
ezerra Cavalcante e Rosa Bezerra de Menezes.
Idalina Lacerda, filha de Pedro Alexandre de
Laeerda e Anna Francisca Paes Barreto.
Joaapha Lima, filha de Joaquim Lima de Oli-
veira e Joanna Maria.
Candida, filha de Vital das Chagas Coeibo e Car-
ota de Laeerda.
Rosa, filha de Antonia Joanna de Barros.
Dionizia, filha da Vital das Chagas Coelho e Car
Ma da Laeerda.
Antonia, Ana de Manoel Felix Barbosa e Mar-
colina Guimaraes.
Adelaide Francisca da Silva, filha de Francisca
da Amis.
AaMandrina Maria, filha de Felippe Martinbo do
0' e Maria Joaquina do Espirito Santo.
Rosa, filha de Antonia Joanna de Barros.
Secretaria da Santa Casa da Misericordia do
Recife, 13 de marco de 1874.
0 escrivao
______________Pedro Rodrigaas de Souza.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RECIFE.
A Hlma. junta administrativa da santa casa da
isericordia do Recife, manda fazer publico qua
aa sala de suas sessSes, no dia 19 de marco pe-
las 3 boras da tarde, tem, de ser arrematadas a
quern mais vantagens offerecer, pelo tempo de um
a tres annos, as rendas dos predios em seguida
leclarados.
ESTABELEaMENTO DE CARIDADE.
Travessa de S. Jose.
Casa terrea n. 11.......201*000
Rua de Sanu Rita.
Idem n. 32........250*000
Padre Floriano.
Idem n. 49........207*000
Rua da Alegria.
Idem B. 31........371*000
Ponte Velba.
Idem n.31.........136*000
Rua de Antonio Henriques.
Idem n. 26........ 99*000
PATRMONIO DOS ORPHAOS.
Rua da Senzalla velha.
Casa terrea n. 16.......209*000
Becco das Boias.
Sobrado n. 16.......421*000
Rua da Cruz
Sobrado n. 14 (fechado).....1:000*090
Rua do Pilar.
Casa terrea n. 100......241*000
Rua do A me rim.
Idem n. 34 :.......122*000
Rua da Guia.
Idem n. 29........201*000
Rua das Larangeiras.
Casa terrea n. 17.......361*000
Os pretendentes deverao apresentar no acto da
urematacao as suas flancas, on comparecerem
wompanhados dos respectivos fiadores, devendo
pagar alem da renda, o premio da quantia en.
que for seguro o predio que contiver estabeleci-
mento commercial, assim como o servico da lim
peza e precos dos apparelhos.
Secretaria da santa casa da misericordia do Re
fife, 17 de man-o o de 1874.
O escrivao
_______Pedro Rodrigues de Souza.
CFNSELHO DE COMPRAS DO ARSENAL
DE MARINHA.
0 Ctiuselho manda fai.tr publico que no dia 26
do corrente mez, a vista de propostas recebidas
ate as 11 boras da manna, contrata por nova pra-
ca ordenada pelo Exm. Sr presidente da provin-
cia, o fornecimento de came verde aos navios da
armada e estabelecimentos de marinha, no trimes-
tre de abril a junho proximo vindouro.
Tambem contrata nesse mesmo dia, a vista
igualmente de propostas, o fornecimento ao arse-
nal de marinha, no mencionado trimestre, de car
vso cok e dito de ferreiro.
Sala das sessoes do conselbo de compras
de marinha de Pernambuco, 20 de marco
de 1874.
0 secretario
Alexandre Rodrigues doe Adjos.
9. Cesar de Bazan.
Terra inari oespeetaculo com o hMeressante vau-
deville :
Soir6e de Carnaval.
Representado pelas meninas Riosas, que obze-
qnioaameate se offereceram a empreza para s-
tufazer o pedide de diverse* caixeiros, frequeota-
dores dos espectaculos da tarde
Principiara as 5 1|S horaa
A empreza cbeia de satiifacao, tem a bonra de
annunciar ao respeiUvel publico que esta mon-
tando o drama do Dr. Souza Pinto :
Saola Gloliliic
com todo o esmero, para a e?trea do distincto per-
nambucano o Sr. tenente Theophifb Alves da Silva,
que desempenhara o papel do rei Cloves.
ftuando a arte se enriquece cum tin dislinctos
talentos, com vocacfics tin ausp-ciosas, e justo o
regozijo daquelles que se interesam pelo i^esen-
volvimento e progresso da scena dramatica brasi-
leira
A empreza esta neste caso, e portuto na pode
deixar de manifestar o sen grande eontentamento.
dando ao respeitavel publico a agradavel noticia
da resolucao do Sr. tenente Theophilo Alves da
Silva.
4VIS0yMARITlMui
I
classe 3' classe
15 10
20 13
pagsrao meia pas
Pacific Steam Navigation Companj
ROYAL MAIL STEAMERS.
Sao esperados do sul os vapores abaixo me n
cionados :
Marco VlPotosi.
Abril iQlllimani.
Abril 24 Britannia.
Maio 8 John Elder.
Maie 22-Gaiici'a.
Tabella das paHsaseaas d Prrnnm-
liuco.
Para a Europa classe
A LishSa 27
A Liverpool 30
Os menores de doze annos
sagem, os de oito uma quarta parte, e uma crian-
ca menor de tres annos indo com sua familia
gratis.
Criadaspagarao duas tercas paries das pas
sagens de pnmeira classe ; e serao alojadas no
salao das senboras.
Criados-pagarao passagem de segunda classe.
Os camarotes- nao devem ser considerados en-
gajados, emquanto a passagem nao tiver sido
paga.
Os patsageirosque nao seguirem depois de
terem tornado suas passagens, perderSo metade
da importancia deltas.
Biloetes de ida e volta (nao transferiveis) se-
rao concedidos a passageiros de primeira classe e
a seus criados que os a cmpanharem,-e a pas-
sageiros de segunda classe, com uma reducgao
ie vinte e cinco por cento sobre a importancia
das passagens ;-os quaes valerao pelo espaco de
doze mezes calendarios. Nenhuma concessio ser-
feita, se dentro do tempo especificado, nao se fi-
aer uso delles.
Bagagem.Sao concedidos vinte pes cubicos a
ca la passageiro adulto ; todo o excesso pagara
frete.
N. B.Nao sahirao antes das tres boras da
tarde.
AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO-11
EDITAES.
0 Illm. Sr. inspector da thetouraria provin-
cial manda fazer publics, qne em cumprimento la
ordem do Exm. Sr. presidente da provincia, de 16
de fevereiro ultimo, se ha de arrematar perante a
junta de.'sa thesouraria, no dia S6 do corrente, a
quera por menos fizer, a obra da factura de uma
bomba para o povoado dos Montes, no lugar da
levada, orcada em 1:903*000 e debaixo das con-
dicoes abaixo copiadas.
As pessoas que se propozerem a esta arremata-
cao, comparecam na sala das sessoes da mesma
junta, competentemente habiliudas no dia acima
indicado ao meio dia.
E para eonstar, se mandou pnblicar o presente
pelo Diario de Pernambuco.
Secretaria da thesouraria provincial de Per-
nambuco, 9 de marco de 1874.
Clausulas especiaes para a arrematacio da ohra
da bomba ou arcada de alvenaria no povoado
dos Montes.
1.'A obra da bomba on arco de alvenaria do
povoado dos Montes, sera feita de eonformidade
com o respectivo orcamento, na importancia de
1:903*000,
Consulado provincial
Por esta administracao se declara os nomes das
ruas abaixo mencionadas, nas quaes os possaido-
res de predios, estao obrigados a virero, no prazo
de 30 dias uteis, contados do dia 11 do corrente
mez, realisar os debitos a que estao sujeitos, para
com a companhia Recife Drainage, pela collocacio
dos apparelhos, difference dos mesmo?, annuida-
des e encanamentos, pertencentes ao semestre de
Janeiro-a junho de 1872.
Carapo das Princezas.
Rua de Joio do Rego.
Idem da Una do Carvalbo.
Idem de S. Francisco.
Travessa da rua Bella.
Rua da Roda.
Largo do Paraizo
Travessa do Marquez do Recife.
Rua larga do Rosario.
Becco da Matriz.
Travessa da Matriz.
Idem dos Expoatos.
Rua dos Patos.
Travessa dos Quarteis.
Rua do Calabouco Velho.
Travessa do Calabouco.
Becco do Calabouco.
Rua da Santo Amaro.
Idem do Marquez de Herval.
Idem do Duque de Caxias.
Idem do Primeiro de Marco.
Idem do Cabuga.
Idem do Barao da Victoria.
Idem do Imperador.
Idem das Larangeiras. .
Idem das Trincheiras.
Idem de Paulino Camara.
Idem do Caes Vinte e Dous de Novembro-.
Travessa das Flores.
Rua de Malhias de Albuquerque.
Idem da Paz.
Idem estreita do Rosarie.
Travessa das Cruxes.
Rua do Livramento.
Idem de Marcilio Dias. ,
Travessa de S. Pedro.
Rua do Fogo.
SANTA CASA DA MISERICORDIA DO
RE IFE.
A iunta administrativa da Santa Casa da Mise-
ricordia do Recife precisa contratar para o asylo
de mendicidade o fornecimento de 100 colcboes e
100 travesseiros, conforme o modelo que se acha
nesta secretaria. Recebe para isso propostas de-
vidamente selladas, na sala das suas sessoes, pelas
3 horas da tarde do dia 26 do corrente.
Secretaria da Santa Caa da Misericordia
do Recife, 20 de margo de 1874.
0 escrivao
_________Pedro Rodrigues de Souza.
ADMINISTRACAO DOS CORREIOS DE PERNAM-
BUCO, 23 DE MARCO DE 1874.
Malas pelo vapor Cruzeiro do Sul da companhia
brasileira.
A correspondencia que tem de ser expedida
hoje (23) pelo vapor acima mencionado, para os
portos do norte, sera recebida pela maneira se
guinte :
Macos de jornaes, impressos de qualquer natu-
reza e cartas a registrar, ate 2 horas da tarde,
cartas ordiaarias ate 3 horas, e estas ate 3 1|2,
pagando porte duplo.
0 administrador
Affonso do Rego Barros
PROGRESSO IMRITIMO DO PORTD
Empreza portaeaise do navpgii-
yiio a vapor cut re Portugal e
o Bras il.
0 vapor
ALMEIDA GARRET
Commandante Toniasini
Que deve es'ir aqui procedente de Portugal ate
o dia 3 de abril proximo futuro, depois de indis-
pensavel demora dentro do porto, seguira para a
Bahia e Rio de Janeiro.
Passagens e fretes de carga?, eneommendas e
valores, tratatn-se com
OS AGENTES
Iv R. RabeRRo it C.
48 Rua do Commercio 48
N. B. As pessoas que quizerem ir para
Portugal na volta do vapor, que deverd ser
pelo meiado do mesmo mez de abril, podem
desde ja" tomar as suss passagens para prove-
nirem que os lugares sejam occupados nos
portos do sul.
e para o reato qne the Man,
s _
ibo
Ignaurtes Joaquim Jose Conceives Betoie A PV
bo, a ma do Commercio a. a.
Rio de Jaiteb
E' esperada do Rio de laira a todo o montea*
a barca portugueza Feliz Vmiio, aqual -
ra para o referido porio acima ebsa poaoos mm>
de demora, nor let A grande porcao de carga
tratada, e para a <|oe Iha falta : tratt so corn
consignatarkM J.|uhn Jose Goaealv BaMrw
A Filbo, a rua do Commercio u. 8.
PUCIEIC STEM MOO COW-
PUNY
ROYAL MAIL STEAMF.P.
POTOSI
(ommaiidiilr
espera-se dos portos do sal ale o dia 2* do cor-
rente, e depois da demora do costume, seguira
para S. Vicente, Lisboa e Liverpool, para onde
racebera passageiros, enconamondaa e carga a
frete
Nao sabira antes de meio dia.
OS AGENTES
Wilson Rowe C
14RDA DO COMMERCIO14
Companhia AUianqa Marf-
tima Portuense.
I u-
A galera portugueza Saadade, seguira em
cos dias para o Porto, com eaeala nor lisboa.
Ja tem contratada grrnde parte da carga ; t
para o res to, trata-se com os cousignalario* e
agentes da companhia,
Jost da Silva Lnyo 4 Filho,
em sen escriptono a rua da Companbia Pemaai-
bucana.
Para o Part
recebe carga e brigue porto goes Relampuac. e
pretende aeguir com tuda a brevidade por ut
grande parte da mesma engajada : quera no mes-
mo qnizer carregar, trate com s os coniigoau
rios T, de Aquino Fonceca A C, successore*, A
rua do Vigario n 19._______________________
Para Lisboa
0 patacbo portuguez Grociosa, vai sahir com
brevidade por ter a maior parte da carga promp-
ta, e para o resto trata-se com os coosignatario<<
Silva Guimaraes & C, praca do Corpo Santo ou-
mero 6. -
PARA'
Segue com brevidade para o referido port a
escuna Georgiana, tendo ja parte de sen carrega-
mento engajado : para o resto, trata-se com Taeso
Irmaos i C, a rua do Amorim n. 37.
Santo Antonio
KMPBEZJa
Quarta-feira 25 de marco.
Espectaculo em grande galls, por ser o anni-
versary do juramento da constituicao
do imperio.
A' ebegada do Exm. Sr. presidente da provin-
cia, sera cantado por toda a companhia, o hymno
nacional, perante a effigie de S. M. o Imperador.
pedido, ultima representacio do drama em
& actos de grande effeito:
UM NAUPRAGIO
MAS
Cosias da Bretanha,
Os bilbetes estio a venda desde ja.
Pacific Steam Navigation Couipan)
ROYAL MAIL STEAMER
SORATA
sspera-se da Europa ate o dia 24 do corrente, e do
pois da demora do costume, seguira para Bahia.
Rio de Janeiro, Montevideo, Buenos-Ayres, Valpa-
raiso, Arica, Lilay e Callao, para onde recebera"
passageiros, enepmmendat e dinbeiro a frete.
Nao sahira antes das tres horas do dia da che-
gada.
OS AGENTES
Wilson Rowe A C.
14RUA DO COMMERCIO14
ThWRt
ikllfZA-LIIM PEHAKTE
Quarta-feira 25 de margo*
lk*m ft t|9 ho>r d t rdc.
Companhia Franceza de \avega
0o a vapor
Linha rnensal ertire o
Havre, Lisboa, Pernambuco, Rio de
Janeiro* (Santos, somente na vol-
ta ) Montevideo, BuenosA) a ess,
(com baldcacao para oRosario)
0 VAPOR
YILLE DE RIO DE JANEIRO
Co in ni and ante A. Fleury
Espera-se dos portos do sul ate 29 do corrente,
seguindo depois da indispensavel demora do costu-
me para Santos com escala pela Bahia e Rio de
Janeiro, deixando esta viagem de ir aos portos
do Rio da Prata par causa das quarentenas.
Relativamente a fretes, eneommendas, passagei-
ros, para os quaes tem excellentes accommodacoei
por precos reduzidos : trata-se com
OS CONSIGNATARIOS
AUGUSTO F. D'OLIVEIRA A C.
2Rua do CommercioEntrada pela rot
do Torres.
Real companhia de paqneles in-
glezes a vapor.
0 vapo'
BOYNE
< ommnndanlr F. Rrkoa
espeia-se da Europa ate o dia 27 do corrente.
qual depois aa demora do co?lume, seguira para
Buenos-Ayres, tocando nos portos da Bahia, R.o
de Janeiro a Montevideo.
0 vapor
NEVA
Coniniandaiitr H. Rax.
espora-se dos portos do sul, no dia 31 do correnti-.
o qual depois da demora do costume, s'guira para
Soulhamptm, tocando ros portos de S. Vicent* e
Lisboa.
Para fretes, passagens, etc., trala-se na agencia
rua do Commercio n. 40.
AVISO
Pelos vapores desta companhia da-:e bilb.i-<
de terceira classe para o Havre e Cherbourg, por
via Southampton, pelo diminuto prero de treze L.
A companhia enoarrega-sc de transportar os pas-
sageiros sem mais despezas. pr r vapores que par-
tem diariamente de Southampton ilnglaterra) ra-
ra aquelies portos.
Porto e Lisboa
A glera portugaeza Frmeza vai seguir com
brevidade para es dous portos acima por ter a
maior parte -da carga engajada : para circa -
passageiros trata-se com os ccnsignatarios Si'va
Guimaraes & C, praga do Corpo Santo n. 6.
Rio Grande do Sul
Para o referido porto pretende seguir com p. j-
ca demora a barea portugueza Social, por ter a
maior parte de sen carregamento engajad<>, e para
o resto que lhe falta trata-se com os consignata-
rios Joaquim Jose Goncalves Beltrao A Filho,
rua do Commercio n. 5.___________________
Rio-Grande do Sul.
K esperado do Rio de Janeiro, em ponces dias,
o brigue nacional Amelia, o qual seguira para j
porto acima ; com pouca demora para o resto da
carga que Ibe falta, trata-se com sen consigna
tario Antonio Lniz de Oliveira Azevedo, na rua do
Bom Jesus n. 57
LEILOES.
leilao
DE
10 barris com peixe salgado, de Portugal
Am 11 boraa ra
No armazem do Sr. Annes, "defronte da al-
fandega.
0 preposto do agente Pestana fara leilio, p-T
conta e risco de quem pertencer, de 10 barris
com peixe salgado, de Portugal
SKGUNDA-FEIRA 28 DO CORRENTE
A's 11 horas em ponto
no arraazem do Sr. Annes.
Rio de Janeiro
Para e indicado porto segue com poucos dias
de demora a barca portugueza Feliz Uni&o por
ter a maior parte de sen carregamento e:
Grande
LEILAO
HOJE
Grande sortimento deferra-
gens, miudezas e muito*
outros artigos
Rua do Bom Jesus i. 2d.
J. A. Moreira Dias, tendo de acabar coma
mente com o sen estabelecimento, i ma do 1
esus n 26, fara leilio, por intervoacio do at
Dias, de nm grande sortimento de ferragens, i
dezasemnilos outros artigos existentes m dHo

i
I



Seguwk ieira 23 U Muqt4t


m'

*V
V
Prin.
a opaeamaci* dot
As 10 horas.
Leilao
DE .
tO caixas cots qaeijo* prato, SO diu* com dim
flanengos, i wiiii 10 ditas mtetns, 10 roeias e
1 diu com 15 prsun;iis da We>thi>ptulia,J des-
embrcadas ullimameule
As 11 horas em ponto
No arraaxem do Sr. Annes, defronte da aifandega.
0 preposto do agente Pestana fan leilao, por
erata riseo de mm pertencer, de 80 caixas
com queiios prato, 10 dilas com ditos flamengos,
sendo 10 diu* iateiras, 10 meiis e I diu com 15
presunios da Westbephalia
NA
fitegim-$tMrm 8 do eorrente
it 11 boras em ponto.
Wo annaiem do St. Annes. defronte da aifandega.
Urn riot unpack 4 iacarandi, I mobina de
alto, nova, com Unpos de pedra, Flmda costuroi-
reire de n*>gno, tmtas elasticaa, novas, scnlo
uma dot! luboas e ontra de J," I guarda-ronpa.
sendo nm de amarelUi, nsado, e ontro de eedru
novo, l piano de rana, prnpriu pra queni quizer
aprender. I rica conimuda de ;.n:arello, ultra de
Hemigio, ntua meia diu de dito, 1 rica ooliilia de
jaqoeira, 1 btimba RMva.o i-uln* niuiti* ohjerlus
quese turns iniadulia meticiuna-M
- QUINT \-F Hi*} DO iXUfllRN IK
A's 11 horns
No armazern da rua do Vigai io Thenorio
D. 11.
4 I
Leilao
DA
taverna da rua do Rangel
n. 4
HOJB
O agente Martina fari leilao, da armacao, gene*
roe e utensilios da taverna acima, em am oa mais
lotee, a vontade doe corapradores.
A'S 11 HORAS DA MANHA.
AVISOS OVtRSOS
LEILAO
DE
miudezas, sapatos para homens, ehapeos para se-
nhoras, ehapeos de sol (cabos de marfim), dito*
para senhoras.
Hoje
A's 101{2 horas em ponto
O agente Pinho Borges fare leilao, das seguin-
tes miudezas e mais artigos
A SABER:
Pitas de velludo, pecas de 216, tinture para ca-
bello, reqaifes, franjas de seda, la e algodao, en-
feites para eabeca, invisiveis, duziai de baralhos
de cartes, linbas de novello, duzias de marro-
quim, linba para bordar, cbapeos de sol para se-
Shore (cabo de marfim), ditos para homem, bo-
toes de seda, cortes de seda, cbicotes para eaval-
los, escovas, e ontros muitos artigos que se
acfaario patentes no acto do leilao, no sea escrip-
torio, i ma do Bom Jesus n. 53._______________
LEILAO
DE
60 notes com maoteiga ingleza.
20 latas com dita sera sal.
30 caixas com garrafas de cognac.
12 ditas com velas stearinas para carro.
5 barris com vinho Xerez.
10 caixas com garrafas de vermouth.
450 garrafas com Bordeaux ordinario .
TERCA-FEIRA 24 DO CORRENTE
Am 11 horas
Por intervencao de agente Pinto, era sett es
criptorio 4 nu do Bom Jesus n. 43.___________
Leilao
DE
fazendas avariadas
TERCA-FEIRA 24 DO CORRENTE
as 10 horas
O agente Pinto levara a leilao, por conta e ris-
co de quem pertencer, differentes brins pardos,
parte de volumes avariados a bordo do vapor Hen
ry IV, assim como vendera na mesma occasiao
outras fazendas, como sejam : algodao azul, baeta
e grosdenaples preto, existentes em seu escripto-
rio, rua do Bom Jesus n. 43
Em continuacao
vendera generos de estiva._______________^
LEILAO
DA
armacao, generos e utensilios da taverna da rua
da Penha n. 6
Terca-feira 24 do eorrente
0 agente Martins fara leilao, da taverna acima,
aonstando d'armacao, generos e utensilios, a qual
se acna muito bem afreguezada, e garante-se a
nontinuacao na casa ao comprador d'armacao.
A's 11 horas do dia acima.
armacao, generos e pertencas da Uverna da rua
das Carrocas, esquina da rua de S. JoSo n.
1A
QUINTA-FEIRA 26 DO CORRENTE
0 agente Martins fara leilao, da armacao. gene
ros e mais pertencas da Uverna acima, em um ou
mais totes, a voniade dos compradores.
Garante-se a casa ao comprador d'armacao.
A's 11 horas.
LEILAO
DE
nioveis, loupe
dl versos artigo*
Quinta-feira 26 do eorrente
A's IO 1| horas.
Nopriraeiro andar do sobrado da rua do Marquez
de Olinda n. 37.
0 agente Dia?, eompetentemente autorisado por
uma familia que mada de residencia para fora da
provjneia, levara a le&io no dia e bora acima de-
signates os moveit e mais artigos, como sejam :
Uma mobilia de megao guarn^cida de jacaran-
da* coraposta de 1 sofa, 2 consolos, 1 jardlneira,
2 "cadeiras de bracos, li de guarnicao, 2 guarda-
ronpa, 2 marquezas, 1 secretaria de mogno, 1
mesa elastiea, com 3 taboas, para jantar, 1 mesa
de cestura, 1 diu de columnas, I lavatorio de ja-
caianda, com tampo de pedra, 1 dito de ferro, 1
machina de eosturas, 1 e meia dnzla de faeas de
cabo de prata, 1 pequena estante para livros, 9
cadeirae de guarnicao, 6 ditas para quarto, 1 ca-
bide, 1 quartinheira, 3 lancas para cama, compo-
teiTM, garrafas para vinho, copos, meio appare-
lho de louca para jantar, 1 esteira para forro de
am quarto, e oatros artigos que estarao patentes
ao exame dos concurrentes.
rnmrn .
DE
moveis, loac>, miudezas, objectos de ouro
e uma macbina que corta 8 arrobas de
fume por dia
Quinta-feira 26 do coiTente
A'RUA DO VIGARIO THENORIO N. ii,
ARMAZEM.
A's 11 horas em ponto.
0 prepeao dp agente Pestana fara leilao por
coeU rlaeo de quem pertencer, dos moveis e
mais objectos abaixo menciooados :
A SABER?
Apolices.
Vendem-se quatro apolices da divide p-o-
vincial ; quem pretender comprar annuucie
sua morada, para ser procurado.
Casa de penhores
0 leilao annunciado para o dia 20 do eorrente,
fiea transferido para quando for annunciado, com
os respeetivos numeros das caulelas vencidas. As
pessoas que estiverem devendo premios, queiram
ter a bondade de vir resgatar soas eautelas, ou
pagar o premio vencido, para evitarem que sens
penhores sejam vendidos em leilJo. Travessa das
Cruzes n. 2.
CASA DA FORM.
AOS 4:000#000.
BILBETES GABANTIDOS.
4* rua Primnro de Marfo (outr'ora rua dt
Crtspo) n. 23 e casas do costume.
Aeham-se a venda os felizes bilhetes garantidor
la 2* parte das loterias a beneficio da matriz
de Murfbeca (03*), que se extrahira no sabbado,
28 do eorrente mez.
PRECOS.
Bilhete inteiro 4*000
Meio bilhete 2*000
IM pongio de 1009000 para cima .
Bilhete inteiro 3*500
Meio bilhete 1*760
Mantel Martins Fiuia
COMPANHIA
DOS
TRILHOS URBANOS
DO
Recife a Olinda.
e Beberibe.
SULIPAS
A companhia dos tri-
lhos urbanos do Recife^
Olinda e Beberibe, compra sulipas de oiti-
cica com 9 palmos de comprido, 9 polle-
gadas de largura e 4 de espessura ou gros-
sura.
0 gerente,
Laurentino Josi de Miranda.
Attencao.
Constando ao abaixo assignado, proprietario da
fabrica de cigarros ao becco Largo ns. 1,1 A e 2,
que alguns tabneantes nescios ou ambiciosos, o
acompanham sempre em suis invtnrues, e, nao
satisfeitos em fabricarem seus cigarros com a
chapa irm3 da sua, mandaram irnprimir em tints
verde, como ultiraamente mandou fazer, para ven-
derem aos seus frejmezes como seus, que na boa
fe, ou por ignorancia lbes compram, previne en-
lao aos seus freguezes, que reparem para o sen
nome, que assigna em cada maco, al(';m do seu
nome que tern em lettras maisculas com tinta
amarella, por baixo da chapa verde e reparem
tambem para os dlsticos que tern ao lado de" cada
maco, por baixo do nome ( Figneiredo ), pois
suppoe que o mesmo elles nao poderao dizer, que
sena uma infamia mentirem inda mais assim, pois
alem de dizerera que sao inventores, ainda arro-
gam a si um direito quasi que de propriedade.
0 abaixo assignado nao desejava recorrer a
imprensa, porem, obrigado por sens collcgas isto
faz.
Recife, 17 de marco de 1874.
Jose Antonio Domingues de Figueiredo.
CASA DO OURO
Aos 1:000:000
Bilhetes garantidos
Rua do Barao da Victoria (outr'ora Nova
n. 63, e casa do costume.
0 abaixo assignado acaba de vender nos seu?
-nuito felizes bilhetes um meio bilhete de n. i3.'!i
com a sorte de 100*000, alem de outras sortes
menores de 40*000 e 20*000 da loteria que se
acabou de extrahir (92*); convida aos gossuidores
a virem receber, que promptamente serao pagos.
0 mesmo abaixo assignado convida ao respeiu
vel publico para vir ao seu estabelecimento com
prar os muito felizes bilhetes,qu? nao deixarao de
tirar qualquer premio, eomo prova pelos me.-mc s
annuncios
Acham-se a venda os muito felizes bilhetes ga-
'antido3 da 2' parte da loteria a beneficio da
igreja matriz de Muribeca, que se extrahira no
dia J8 do eorrente mez.
Precos
Inteiro 4*000
Meio 2*000
De lOOgOOO para cima.
Inteiro 3*600
Meio 1*760
Recife, 20 de marco de 1874.
loao Joaquim da Costa Leite.
Tendo arontecido um desarranjo na ma-
china de gclo, os fabricantes vem por meio
deste pedir desculpa aos seus freguezes pela
falta que tern bavido nestes dias ; esperam
porem, em qualquer destes dias fornecer a to-
dos as quantidades do costume ; aprovei'am
tambem a occasiio para prevenir aos seus
freguezes que teem em viagem uma ma-
china nova, de maior forca e do syMema
mais moderno, que fabricara* fm maior es-
cala e com toda presteza as quantidades que
torero exigids.
Santo Amaro, 17 de marco de 1874.
Pelos testamenteiros de C. Starr & C.
______________William W. Webster.
R. 55,400
Pede se ao Sr. Joaquim Pires Ferreira
o favor de apparecer na rna Primeirode
Marco n. 7 A, 1. andar, a negocio de seu
particular interesse. ^^^^_________
ENGENHO.
Arrenda se on vende-se os engenhos Machadn
ou Bstrella, junto a cidade do Rio Pormosu, e o
Montevideo, junto a villa de Ipojnca ; os preten-
dentes aehario com qnem tratar no escriptorio da
companhia dos trilhos urbanos de Olinda, on na
rna pnqne de Caxias n. 30.__________________
A pessoa que precisar de um homem estran-
geirp, habil para qualquer servico, dirija-se ao
hospital Pedro II, que o porteiro lhe infonnara.
40 Rna fnpmder 49
Ha iMi>tt> -.-t*M*i:iin<'.iV> o mftlh<'r snrJitM*'" te |4m*> Ush mais foinails aulores,
'in.i sao : Ilra, I'l.-^el, PUj, ttt. &&&***** UwAmm hu> i|aaliiiwl d*f pitou* *uw-
riure*, maiiilados erpressamente constmrr pars sste clima, o qual os amadores dos
bons pianos so encontrarao nesta cask.
Recebem-so pianos asados em troca.
Cf)iici;rUm-se e afinam-se piano*.
'1'itmln-ni avisa-se aos Srs.
concertadorea de pianos
que ha sempre o mais complcto sortimento de materiaes para concertar pianos, como
ao: cepos, folha par* os mesmos, cravellw*, parafusos, castor, camorsa, cordas,
marfim, *-tc, etc.
4tt RUA UP IHPBitABOT jMjjj
REDUCCAO K PRECOS
FABRICAS DE CHAPEOS DE SOL
DE
MANUEL & MAESTRALI
Rua do Barao da Victoria n. 23
ESQUINA DA
C A M B 0 A
E
DO CA R N 0
Rua Duque de Caxias n. 64.
Os proprietaries destes estabelecimentos participant ao rspeitavel publico, e a seus
freguezes, que teem sempre um complete e variado sortimento de cbapeos de sol de to-
das as qualidades e tamanhos ; tendo resolvido faier reducc^o nos precos dos mesmos,
e acharo-se em condiooes de podereia vender mais barato que em outra qualquer parte,
visto receberem todos oe seus artigos em direilura, e achar-se um dos socios na Europe,
percorrendo as principaes fabricas. .
Chamara a attencao dos senhores logistas para visitarem seus estabelecimentos, e a"
vita dos precos e boas qualidades dos artigo, nio deixarao de comprar.
Cobrem-se e concertam-se ehapeos de sol de todasas quilidades, com prompti.lao
e a precos modi cos.
AVISO.
Nao se preslando o pequeno espaco do armazem
n. 10 A, a rna da Madre de Deos, para um abaste-
cido depo.sito das diversas mareas de fumo, que o
abaixo assignado almejava ter, acha-se d'ora em
diante aberto outro estabelecimento sob a mesma
denominacao de
Armazem do fumo
A' rua do Amorim n. 41
com todas as proporcSes desejadas, e onde pode-
rao os senhores freguezes dirigirse, certos de
3ue, como ate aqui, acbarao sempre a par da mo-
icidade do9 precos, a maior sinceridade possivel.
Entre as differentes roarcas de fnmo da Bahia e
Rio de Janeiro, que tern sido annunciadas, acaba
de chegar uma encommenda especial, e que muito
deveconvir aos senhores freguezes. Conscienteo
abaixo assignado de que neste genero de negocio
nao esta sem competidores, fara muito por evitar
qne tambem o; tenha com relacao ao pequeno lu-
cro que procurara obter da dita mercadoria.
__________Jose Domingue? do Carmo e Silva.
Quem precisar de um homem casado para
alguma arrumacao, dirija-se a rua da Trempe n.
37.________________________________________
Aloga-se trma rasa em Santo Amaro das
Salinas (estrada de Olinda) n. 17, propria para pe-
quena familia, tendo 1 sala, 1 qnarto, e cozinha e
ultimainente caiada e pintada : a tratar junto a
mesma.
Engenho
Vende-se o engenho S. Pedro, sitnado na pro-
vince de Alagoas, comarca do Porto Calvo, a
menos de uma Tegoa distante do portft de mar do
Gamella, tem oxcellentes terras, matas, e safreja
regularmente S.C0O pies : a tratar na rua do Vi-
gario n. 31.
im do nm
Verdadeiros
GRAOS DE SAUDE
*dodoulorRJMCK..
*
> 0 melbor e o mais
* util dos purganles eon-
hecidos. 1%'umero-
> falaincajara
eii.lrni afmtr mc-
dicamrnto.Eligir,
alem da as^-ignatura em tinta VEB.MELHA
de A. ROUVIER.E, 0 lclreiro, aqni junto,
feito em 4 CORES.
Paris, pharmacia Leray, 18, ma d'Antin.
***!
em 4-Cores
Deposito em Pernambuco, A. REGORD.
PHOSPHATEdeCAL
GELATINOSO
deLEROY
0 PHOiPUATO UI. CAL CtLAll\0W DE LEROT
leni mint iti*io (berapcutlea niuito
podrroza sobreos indivlduos affeclados de
enfermidades nos osios e de uma constituicSo
dibit. Forna-se indipensavel para as crianfas
a quem ajuda e fortifUa a crescenca.
E de um goslo muito agradavel e de uma di-
gestao facil. I'reco do frasco : 3 francos.
Paris, pharmacia LEKOY, IS, ma d'Antin.
Deposito em Pernambuco, A. REGORD.
PENHORES
Na travessa da rua
das Cruzes n. 2, pri-
meiro andar, da-se
dinheiro sobre pe-
nhores de ouro, pra-
ta e brilhantes, seja
qual for a quantia.
Na mesma easa
compra-se os mes-
mos metaesepedras.
1 -^i ix- -*i i>-
E. A, DELOUCHE
2-i-Rna do Marquez de Olinda -24
Csqaina do heeco Lnrgo
Parlicipa a seus freguezes e amigos qne modon
o seu estabelecimento du relojnero para a mesma
rna n. ii, onde encontrarao um grande sortimento
de relogios de parede, americanos, e cima de me-
sa, dos melhores gostos e qualidades, relogios de
algibeira, de todas as qualida .es, patente suisso,
de ouro e prata doorada, foleado (plaquet), relo-
gios de onro, ingles, descuberto, dot melhores
fabricantes, cadeia de ouro, plaquet a prata, lunetas
detod?s as qualidades, tudopor precos muito ba-
ratos.___________________________
Claudio Jose de Sant'Anna, etabeleeido eom
casa de commercio, no Pilar de Itamaraci, decla-
ra que deixou de ser sen caixeiro, desta data em
diante, o Sr. Samuel Jose Alves. Pilar de luma-
raca, 19 de marco de 1874,
Cordeiro Simdes & C.
Acabara do receber pelo vapor Mendoza :
Riquissimos cortes de gorgurao de seda lisos e
com listras achamalotadas.
Ditos de linbo para vestidos, contendo cada cor-
te, o necessario para sea enfeite, como seja :
franjas, trancas, t otSes, fivellas, etc.
Riquissimos cbapeos para senhora, ultima moda,
a rua Primeiro de Marco n. 7 A.
Aluga-se
uma grande casa para familia, na Capunga, rua
da Ventura n. 22, tendo quartos fora, banheiro,
cocheira, gallinheiro, etc., etc.: a tratar na mesma
casa.
Cosinheiro.
No caes do Apollo n. 7i, paga-se bem a
um bom cozinbeiro : prefere se china.
Pirecisa se alugar uma preta de meia
Japs: ra rua do Ouro n. 71.____________
Inven^ao Paiva.
(Prlvilegio exclusivo.)
Se nao quereis pagar certa quantia,
exigi ao vosso credor outra maior.
Devendc-nos Antonio Paiva da Fonceca cerca
de 2:000j vencidos ba mais de dons m07.es, e
convictos de que perderiamos totalmente aquella
divida se descancassemos sobre a probidade do
nosso devedor, tomamos o partido, hoje reputado
o unico que pode dar algum resultado favora-
vel......isto e, lancarmo-nos de joelbos com as la-
grimas nos olhos, ante o nesso honradissirco de-
vedor, e assim implorar, rogar, supplicar....., ate
commeve-lo se isso fosse possivel.
Felizmente para nos, estava de bom humor o
aosso pontualisstmo devedor, pois, parecendo cob-
doer-se da nossa situacao, permittio que trouxes-
semos alguns retalhinnos de fazendas, tres ani-
maes, que sua mercd abaliou a seu talante, e at-
tfumas dividas para recebermos, o que tudo som-
mado, nao montou a meude da nossa divida. Foi
pouco o que recebemos ; mas que fazer t
Se o honradissimo Sr. Paiva nao linha sequer
um bintempar dar aos seus credorts I....
Mais val pouco do que nada.
Isto passou se a 11 de (evereiro proximo passa-
do em S. LoureBco da Matta. Tralamos logo de
receber algumas das dividas que o Sr. Paiva
nos deu em pagamento, sendo que o mesmo Sr.
Paiva presencion as nossas diligencias para co-
brar as dividas, e acompanhou-nos de per to em
alguns engenhos, sem fazer a menor opposicao.
Agora, porem. passidos 40 dias, lembra-se o
Sr. Paiva nab so de fazer um terrivel proksto,
publk-ado no Diario de bontom (para o qual cba-
mamos a attencio do leitor), como tambem de
cbamar-nos a iuizo para iue lhe paguemos a ba
gatella de 8:8004 I....
Realmente o Sr. Paiva anda mal aconselhado, e
se arrependeu-se de nos ter dado alguma cousa
por conta de sua divida, deve lembrar se de qne
nao sao dessa natureza os arrependidos que se
salvam___
A lei assim o diz, e tambem lhe nab de dizer
os tribunaes, quando cbegarem a conhecer bem o
honradissimo, probo, pontualissimo e pagadorissi-
mo Sr. Antonio Paiva da Fonceca.
Casa para alugar.
Na rua 24 de Maio, outr'ora travessa da rua
da Palma n. 90 ; alnguel 204000 mensaes : a tra-
tar na rua do Hospicio n. 32.________________
CHAMADO.
Os Srs Jovino Fernandes da Cruz e Joaqnim Cle
raente de Lemos Duarte, sao c ham ados a rna do
Coronal Snassuna n. 382, a negocio de particula
interesse.
Precisa-se alugar nm moleqne de 12 a 13 an-
nos de idade, que seja fiel : quem o liver, dirija-
it a rua estreita do Rosario, sobrado n. 35. Na
mesma casa fornece-se comidas para fora.
0 abaixo assignado tendo recebido uma carta
com o endereco a Joao Pedro das Neves, vinda do
norte, pede ao senhor de igual nome, qne va a loja
de ounves no arco da Conceiclo, afim de rece-
be-la. *^
___________ Joao Pedro das Weves.
Aluga-se a casa n. 48 i rua de S. J io, com
2 salas, 2 quartos, quintal e cadmba, por 18*000
mensaaa r a tratar na rna ettreita do Rosario n.
17,1* andar, das 10 as 2 boras da tarde.
Preeiaa-ae de am rapaz para oa ser'ijos
diarios de uma padaria : a rna da Guia n. 54.
Francisco Evaristo Escorel.
Constando aos abaixo assignados achar se este
senhor nesu praca, rogam-lhe o favor de chegar
ao sea escriptorio pan tratar de negocios de mu
tuo inleresaa.
Tasso Irmio 4 C.
Na rua do Barao da Victoria n. 36 precisa-*
ailar ao Sr. vigario Andre Cnrciuo de Aranjo Pe-
eira, t negocio de sen interesse.
*Bg^
^:
^
E. 1. DELOUCHE.
4Rua do Marquez de Olinda t
Acaba de receber nm grand* sortimento de re
logins americanos para parede e mesa, de corda
de 24 horas e de corda de 8 dias, com despertadoi
doe melhores gostos e qnalidade.
Relogios de ouro patente inglez verdadeiros, des-
eoberto com ponteiro grande no meio, dos mais
modernos e do melbor fabricante de L* ndres.
Grande sortimento de relogios de prata, prata
duurada, cobertos e descobertos. Ditos de prata
foliada (plaque ), orisontal e patente, de todo
preco.
Cadeias de plaque e de ouro.
Lunetos e ocuios de todas as qualidades.
Verdadeiros Vidros de cbristal da Rccha, para
vista cansada.
Vende-se tudo por preco mais baratc que em
outra qualquer parte. ,___________________
Apreciein eomo se vende barato
So o n. 20
RUA DO CRESPO
LOJA DAS i PORTAS
DE
Ouilherme & Ok
CASSA-LA
Acaba de chegar esta fazenda com bonitos pa-
droe-s, e que se vende pelo diminuto preco de 200
rs. o covado 11 I
MET1M
Metim trancado, padrdes bonitos, a 320 rs. o
covado 11 I
ORGANDY DE CORES
Cam bra ia organdy de cores, fazenda flna, boni-
tos padrSes, pelo diminuto preijo de 320 rso co-
vado 111
LAS ESCOCEZAS
Novo sortimento desta fazenda, com bonitos
padroes, que se vende a 240 rs. o covado 11!
CRETONE
Cretone claros e escuros, bonitos padroes, e fa-
zenda flna, pelo diminuto preco de 400 rs. o co-
vado III
LAS MODERNAS
Completo sortimento de la de todas as qualida-
des, pelos diminutos precos de 400 rs. o covado,
e pechincha 11 I
Cortes de casemira & cores, a 5/C00.
Colchas estampadas e com barra a 3500 e
4*000.
Cobertas de chila adamascada a 3*500.
Lencoes de bramante a 2*000.
Dites de algodao a 1*400.
Toalt as alcochoadas, duzia, a 5*800
Lencos de cassa com barra a 1*000 a duzia.
Ditos de cassa abanhados a 2*000 a duzia.
Ditos de esguiab abanhados, em caixinhas mo-
dernas, duzia, a 3*500.
Camom transparente fin a a 3*000 a peca.
Chales de todas as qnalidades e pre;os.
Bramante de algodao e linho a 1*600 a vara.
Dito de linho puro com 9 e 10 palmos de lar-
gura a 2*500 e 2*800 a vara.
Algodao marca T, largo, a 5*000 a peca.
Dito domestico a 3*000 a peca.
Brim com listras, irlandez, proprio para cami-
sas, a 440 rs. o covado !!!
Madapoloes Irancezea de todas a? qualtdades de
5* a 8*500 a peca.
Chapeos de sol de seda com 12 asteas, pelo di-
minuto preco de 8*500.
Camisas inglezas, todas forradas, fazenda de
linho puro, a 44*000 a duzia ; e pechincha, s6 se
vendo.
Popolinas de linho e seda pelo diminuto preto
de 800 rs. o covado ; e pechincha, e dao-se amos-
tras.
S6 o n. 20 da rua do Crespo
LiOja das tres portas
DE
Guilherme & C.
JUNTO A LOJA DA ESQUINA
ESCRAVO FOGIDfc
Desappareceu ao amanhecer do dia 4 do eor-
rente, do engenho Serigi, comarca de Goyanna, o
escravo de nome Jose Borges, mestre de assucar,
tendo os signaes seguintes : cabra, iJade 30 an-
no?, pouco mais ou menos, boa Cgura, um tanto
grosso e cspadaudo, sendo o signal mais visivel
uma gomma na junta do pe esquerdo : roga-se a
todas as autoridades e capitaes de canipo queiram
apprebender dito escravo e leva-lo ao referido en-
genho, on nesta praca a Oliveira Filhos & C, lar-
go do Corpo Santo n. 19, que serao generosamen-
te recompensados.
Muito barato
Aluga-se a loja do sobrado da rua Direita n.
120, serve para negocio e moradia, mediante um
modico repartimento. tem agua, gaz, e apparelho
de Pmpeza, o alogoel 6 favoravel : tralase na rua
do Imperador n. 81, ou a rua da Palma n. 25.
Cozinheiro ou cozinheira.
Precisa-se de um e de mais uma criada para
todo o servifo domestico de pouca familia : a tra
ar na rua do Passeio n. 60, loja.
ALUGA-SE
uma casa na Capunga, rua das Pernambncanas,
com coxeira e quartos fora : a tratar na rua do
Vigario Tenorio n. 31._________
Caixeiro.
Precisa-se de nm caixeiro com pratica de mo-
lhados, para a cidade da Escada, de 12 a 18 an-
nos : a tratar na rua da Praia n. 54.
Carros para enterro
a 40000.
JnstinoFrancisco de Assis.com cocheira de car-
ros de alogoel na rua do Imperador n. 23, de-
clare qne d'ora em diante alaga os mesmos para
acompanhar enterro dentro da cidade pelo preco
acima indicado.
Francisco de Lima Couttnho participa ao
respeitavel publico e especialmente ao corpo do
commercio que tem justo e contratado com o Sr.
Manoel Ferreira Pinto, comprar-lhe o seu estabe-
lecimento de fazendas, da praca da Independen-
cia n. 2, livre e desembaracado de qualquer obri-
gacio on onus. ________
Aluga-se uma escrava que coxinha, compra
a faz os mais sorvicos de casa : na rna de S. Jor-
ge n. 74.____________. _______
Alnga-se a easa da rua das Flores n. 35,
eropria para eatabeiecimento : a tratar na rna da
niao n. 55. Na mesma casa precisa-se alugar
uma preta qne saiba vender doee e bolos, qne
seja Sal a diligent*.
Atlencao.
Precis* se am urgpr.-i de trma ama Io
leitc, que s-jn s dia, o que ti-nha b
ahiiinl.viti' Irrtf, }.ira t..mir rruiU do tima
rritiir!! ii.- i|i:- ];.! -e p- f.r. ;i. i i i
Hut i.ii i..tt> : q j> >i... -tivr iw-iUs
in- in r-wt|n is: ni.|Mr*ve '* .'H'lat
'VJ<"({5*plii inia i..i.ir.
Um sitio na travessa da Crnz das Almas, ptm
das estacdes da Taroarineira e Jaqneira, com tx-
cellente casa de vivenda, nova, mnito commoda
e asseiada : tendo 2 sa'a, <|uarti s, e fore co-
zinha, dospensa, sala de engnmmar, qnarto de e#-
zioheiro ; asim eomo cucneira, e-tiibaria, dous
quartos para criariot, latrinat cercadu it ferro,
banheiro, gallinheiro, etc etc.: a liatar no siti>
do coinnifiiJadiir Tasso.
Garanhuns.
Na rua do Barao da Victoria n. 36, precisa-!*
allar aos Srs. Pedro do Regu Chaves Peixofa. c
o>e Paes da Silva, a negocio dc particular j;;*-
Padaria.
Pcecisa se de um sock) com capital pare u:;:*
padaria, lirm afrt-guezada tanto j.-ara a terra cotr.j
para o nia'ln, e, fizse qualquer ne-
gocio : no paleo do Terco n. 63
Parts, 36, Rua Vivieiine^D*-
IHSMHK ULDSCEX SftCliL
DEPURATIF
du SAIVG
DU ENPFBV1DAU | DM UXCAM, if ->
t'TIWI' AtTAPOr DO SAINOK.
I qcns.pvslulas, herpes,
I i.Trno, comixoes, acri-
1 monia, e atlerfoes. ri-
_ \cios*s do MMfM, vi-
rus, eatte.ui.ees 4u tmitfM*. [Xiropt *egell
sem mcrcurioV Dcparad > TcfelKl
%nus mi^ehaes tomio-ie dous or
temu>, segaindo o tracts memo Depurating:
empregado nas mfsroas molestias.
I Kste Xxropc Citracto e
Terro de CHABLE, can
I imiQ^diaUmente qui-
ijuer purfacao, reta-
\racuo, e aebilidmde,
e lguiluicuie o> ,/iiirw e Mores branems 4m
mulherea. Esta iuieccao benigni empregaste
eom o Xarope de Cttraeto de ferro.
rairr*Mam Pomada que as cart eat di.i.
POMADA ANTIHERPET1CA
Contri: nas affeceoes eutaneas e comixoes.
P1LULAS VECETAES OEPURATIVAI
do Chafele, cada frasco vrai accompaaade
de um folhcto.
AVISO AOS SRS. MEDICOS.
PLUS de
COPAHU
Sirop du
DrFORGET
I Cora caiarrhes _
coqtulmebts i ii(t*
nervosas set it* brom
ehios e todas as doencae
I do pttio; b*U ao doeote
ama collie rchdea dole uropc D* FomctT.
Or. CHiBil em ParU. roa TWIemaw, M.
Deposito bot < a Prancfln
22 Rna da Cruz 22
ALUGA=SE
o 2 andar do sobrado n. 52 da rna Marquez Jc
Olinda : a tnttrgarnnuoa em do ;i;e-mo pre'
Offereco-se um homem casado, dc b.nn cg:.i-
portamenti para feitor ou copciro de al|tunia c.-i
eslrangcira c se fur fora da provincia Mire nielii..
quem prct-.ndir dirija-se ao becco do PwBbal a.
32. qne achar.i com ijuem tratar, das 6 as 10 '..j-
ns da manha.
Sementes cle hortalices
vindas pel H' vap r, a rua da CaJ>-.a
R?eife n. *>3 : tan 'm na me-nia loja recebera ea-
rommondns para < sitio do Ahrign em Olinda. ?
arvores fruetiferas e Iras propriat para aj n
de mas e }ardina, at rtimento de pamviras in
riaes e da outras qoaHda l< ; i --im ci mo pea M
fl-ro? para jrrdiris o v,-.-. 1 |.-r modico pv-
rn e garante-se cslaii'in Ijoiii enraizada- Ml -
pl.intas como e de costnmc.
SAQURS
C.irvalho & JWigoeira, ua rua n. 20, acoam subro o Banco Cenaanitl
le Vienna p. sin* agenciaa en toJas as ci-
ladfs e villas de Portugal, & ristt e a pran
por todos os paquetes.
0 INEXTJ5JGUIVEL
lH#C^-ViMWf

A celebw
DE
Flerids
Ml'EfcgtU \ A LAJOLAA.
Uma pura disti!lac;io das mai? raras fi,
res dos Iropicos. Contcm, para assim ot-
ter, quasi o odor odorifcro das (lores
tropico da America, c sua fragancia e quas
iaexhausta ainda mosmo por cuntinn |g
c/aporacSo e difTusdo. N'psto ttrnfmrnt I
i icomparavel a qualquer outro pi rf
qne ha dc venda para:
JtSMAIOS, ATA^UES NEMVOSOS, Im'iM
HE CABECA, DEBIEIHAHE E
HYSTERICOS.
E um ccrto e ligeiro altivio. Com o borr
.in, tem conservado sua influencia para
cima de vintc o cinco annos sobro todos os
perfumes, nas Indias Occidentaus, Cuba,
ulexico, America Central, e do }>ui e nos
\j3tn toda a confianca o recommendamos
como um artigo, pelo seu aroma muito de-
ticado, riqueza de odor e permanencia, nio
podo ser igualado. Tambem faz reinowr
da pelle:
ASPEREZAS, ENPOLAS,
QUEIMADURAS DO SOL,
SARDASJ E BORBL'LHAS.
Sendo reduzida com agua, se torna uma
excellente mistura para banhar a pell*,
dando um aroseado e cdr clara a comptoi-
cio nublada, sendo applicada depots de
barbear, evita a irritacao que geralmente
occorre, assim como tambem garganteando-
se, o cheiro do cigarro desapparece, e me-
lbora a condicis dos deutes e gengivas.
Como ha muitas imitates, as quaes naa
possuem nenhumas d'estas propriedades,
deve-se tomar cuidado e contar somente a
o famoso perfume j cosmetico do sul 4
America, cham
U.U FLORIDA
DE
MURRAY LAHHAW.
Sj acha i vonda em todos odrogu
perf umari as da moda.____________________
CASA
Aluga se o segundo andar da easa n. 36 da nu
Direita, com muito commodo para familia; a **-
ve esta defronte no n. W. ^
Aluga-se o 4 andar do aobredo a nu do
Amorim n. li: trato-se na roa doe Otam a. I*
de 4 horas da taxde em diaate.





/
JOili(M^altokuW iM&ari&kmr WudmMmljo c*e
RuaUl.0 de Marco n. 23
Aos 20:0008000.
O abaixo assignado tem sempre exposto a ven
da bilhetes da loteria do Rio, cuja extraccSo an
ouneiara pelos jornaes.
Precos.
Inteiro VUOOO
Meio 12*000
Quarto 6*000
_________Manoel Martina Fiuza.
Aindacontinila foido o prelo Ignacio, d-
allura regalar, seccs do eorpo, cabeca e pds pc-
quenos, falta de denies na frente, deve ter is nos
dos dedos das maos calejados, do servico de padae
ria, regula 40 annos de idade, fugi > em 4 de Ja-
neiro proximo passado, const* queanda no Barro,
oui.entao seguio para o serlao : pede-se as aato-
riaades ou pessoas que o deseubram, a sua cap-
tura, e leva-lo a rua do Lima n. 72, padaria, em
SaDtoAmaro das Salinas, que se gratificara com
Aluga-se o quarto andar do predio n. 53 da
rua do Horn Jesus, abtigamente rua da Cruz : a
tratar pa mesma rua n. 55.
ii ii mabai
Antonio Kaniiis tie Carvalho
Aaetedo.
Faneisco Joaquim Gomes da Silva, Isabel Mar-
tins Gomes ill Silva, Amancio'Martins de Carva-
lho Azevedo, genro e filhos, agradecem cordial-
menle a todas as pessoas que se dignaram acorn-'
panhar o cadaver de sou prezado sogro e pat, e
de novo as ccovldam para assistir as miisas que
por sua alma se hao de celebrar no convenlo da
Glqria, no dia 24 do corrente, as seis horas da
manha
Augusta Hicllidav Dantas
Antottiu Jiisd Dantas, manda dlzer missas se-
gunda-feira 23 do corrente, pelas 7 boras da ma-
il.a So cmvento do C*rmo, priraeiro anniversario
do farleeimcnto de sua sempre lembrada esposa
Augusta HalTiday Dantas, ocouvida a seus paren-
tes e aaiigos para assist/rem as mesroas, desde ja
se eonfessando agradecido por mat's este acto de
caridade e religiao.
Adelaide Kniilin da Salvcira Eobo.
Antonio R.rges da Silveire Lbbo, Manoel Le bo
de Mirauda Henriques e seus irmaos. pungidos do
mais doloroso zentimento pelo pa*?amentn de sua
irnia Adelaide Emilia da Silveira Lobo, con-
vidam a seus pftientes e auiigos e dos daqnelia
fall.'cida para a.-si tirera as missas do setuiie dia
per koa alma mandam celebrar na igreja da
Peulia no dia 2i as 8 boras da manha.
'>i.....npii iijusg^iMaampp.."1' =
Dr. n:ii!.' i EiUix Ferrelra de fae-
rie aos V;- .-. oncellog de Drum-
IllOIllI
f1|tft*| Mauda-se rezar missas pelo re-
I'pouso eterno de Antonio Luiz Fer-
5^?-V.^r**"^^ rt-ira de Menezes Vasconcellos de
r~^-?$&$Sttf DruiHinond no conveato de Santo
f;:~'j"*'^l* Antonio desta cidade, pelas 7 ho-
gg ras da manha do dia 23 do corren-
te primeiro anniversario do seu
passamfiito.
Bernardina de Lemos, Vicente de
Lemos e Amelia de Lemos, viuva e
filhos do falleci p Vicente Herru-
ano de Lemos Duarte, mandam
eel.-brar missas em eonimemoraeao
ao t-rceiro anniversario do passa-
mento de seu csposo e pai; convi-
4am, pois. a tudo< os par. ntes e ajnigos que se
Uigii.-iii de as-i.-tir esse aelo, oue tera lugar no
nos, k-io d.i Ivnha, pelas 7 horas da manha do dia
23 oo L'nr-ente mez.
v Y"-' :TJ 3s."s^2S3ssaRsas
A>E>io3:.:a Joiiiiutin: C3> SloSiiinda.
Antonio Jose de Soon e Silva, Maria Ihppolita
j: mra, Pedro Alcxandriin do Souza, Manoel
D ii-. gcaro, fllhaa e neto, agradc-
- ; s?oas que so dignaram assistir
: ua prc-a.L sogra e n.ai, e de novo
o oLsripii'i de assistjrera as missas
I.' I ii :tn alma s? bio ii.: celebrar na igreja de
"" I' ra do Carin BO dia 2i do corrente,
Milia.
vtm Ffi
o
1 >'-' I desden dia Ii de Janeiro
1' B Tn rd i, idade 3 i annos, p >o
! '" o : tern <- t Ujos urn p iueo abo-
i! i ndar iiion-r.-.-.'.i, traja vestido e ebale
.'' uma mudar trajos, tem uma cicatriz n,-;
I taei 1.-. anda dizendo cue o senhor mor-
re!."'! "na ells forra, esfci la para o Cabo por
tor la urn ftl to de Dome Felix : e pur isso roga-se
> aoJ rida lea p >li i tea ou a >s eanitles de campo
a a.iprehensao da dita escrava, le.andoa ao Ca-
minho Novo, a sua senhora, eitio n. 110. ou na
roa 6 b ia n. l, que se recimpensara a-ene-
rosai nte
if :^>^x^i v
Na rua do Bara^BIa VMKa n 36, precisa-s
fallar ao Sr. 2.* teaeate fcaTjaatm Pestana, a ne-
acio de sen interease. s _
Precisa se de uni* atHS'part coxinhir e ojrie
compre : na travessa do Corpo. Santo n. 25.
~. "---------------------------,.' ^------------------------------
Precisa-se de duas amas para
uma easa de pouca familia, sendo
uma para cozinhar e onlra para
engommar, preferindo se escrava; paga-setem s-
agradar : a tratar na travessa do Vigario Thenoe
rio n. I, escriptorio, daa 9 as 4 da tarde.
AMAS
Ama de ieiic.
Precisa-se de ama ama que tenha bonr leite :
na raa Direlta n. 8, ou am Ponte de I choa, sitio
numero 9. It^n.
nslandi^Hk|A& naJiafcii aAM^Aii
lr.-; o SKHff^naJinnanEn1
I engeiK>s Barra e Preguica, %m Ma
^^iWP^t^WzWfe da Parahyba, veem rogar ao
mesmo o obztqoio de vir entender-se com oa
abaixo assianados immediatamente sobre negpcio
tendente ass referldos engenhos. Roa do Amorim
37, escriptorio.
M tBtOMm *u Taaso Irmaos & Stm mm
PAVAO
Na rua do Hospicio
ama de leite.
Ama dp leite
49, precisa-se da1 uma
- Precisa-se de uma ama para cash de 'hbmem
solteiro : na rua do Mar raez de Herval n. 32, re-
unacao.
le uma'*arna Jiar* cozi-
nhar, compfaT e engomhiar, para
ca?a de pouea familia : na rua do
Nigario n. 33, andar.
Ama de leite
Piecisa-se de uma ama qoe tenha boin leite e
abuudante, e que ?eja sadia : a tratar na rua do
Rangel n. 7, f andar.
Attencao
ODr. Amaro Joaqolm'Fbnseca de Albiiquierque
declara a seus devedores que se acham em mpra,
qne Ihes concede o impromgavel prazo de 30 dias,
contados desta data, para virem saldar os mestn'os
debitos, sob pena de, S6m excepclo alguma", undo
o in licado prazo, ser promovido Q recebimenta iu-
dicialmente. Recife, 6deparcode I87L
DO
Aluga se urn sitio no Arraial, proximo a eslaJ
caoda Casa Araarella (um minnto) com exellen-
tes casa de moradia, tendo os seguintes corrrajo-
dos : 5 quartos, 2 salas, cozinha externa, terra-
co, casa de banho e diversas fructeiras. Alug'a se
tambem uma ontra casa no mesmo lug'ar, com 3
quartos 2 salas, cozinha externa, agua de beber
e um bom quintal por commodo pre$o : a tratar
na rua Primeiro de Marco n. 16,'(.' andar.
Vicente fugio.
Na noite de 13 para 14 de marcp do corrente
anno fugio o mnlato Vicente, escavb, de 2u annos
de idade, bonita figura,. barba, estatura regular,
levando vestida e em um sacci roUpa de a'gotlao
branco, e alguma mais fina, pertc nctnte a um
caixeiro da casa d'onde fnaio ; d natural da fre-
guezta de Sant'Anna d > Mattos, diz ser livre, ca-
sado, e ter. sido criado era"eompanhia da'madrl-
nlu, l>. Anna Luiza da Luz, de quern alias foi
esetavo : roga-se, portanto, aos senhores capitaes
de campo e autoridades polieiaes a appretiehsao
do dito escravo, e entrega lo na cidade do Recife;
rua do Crespo n. 10, ao Sr. Joaquim Morefra RMs,
on na cidade do Assti, ao Sf. Torqnato Augusto
de uliveira Brptifta, que serao generosamento
gratificados.

da Jtmperatriz
U Gl/Gf'rff X
m^mmmm
n.60
PARA LIQUfDAR
-
Prec(sa,-se.-eomj)flaj Jous e9C/r,osJ ,
carapina, paga se ttem I a traia/ pa hjffiotj
das IrjUlrtay/a-ruaWimeiro de Sarco'n. 6.
__
Alt
Hotel.
Antonio da Cru**Wes fcn#e sett IJiJtl di4
rua do Encanta
ao mesmo
na ***'*- Victorian. 22.
Cataii^fclla.
A' este grandd estabelecimento tem che-
garJtf urn bi
GROSDEN.IPLES Pl^iTO A 1$200, 2J000 El
tu t 2#B*0.
O Pavao vende gran(lesoiitirnento tie gros-
denaples preto de ndJhk' sfida, a 1JJ200,
1800, 2i?(M 0 e 2J1500 o covado, temlo
tambem do mats largo e mals encorpado qtre
costuttia a vir no mercado, e veride por pre-
CO em; conta. rV'
Grduailiua prclu u 5O0 rs. o
_ covado. ___
0 Payao vende gratVadin.a preta e lavrada
pelo bafatb pregb de 500'rs. o covado.
GHALRS PRETO DE GUIPURE A 4^000.
nVrJorn sortimefito de machinas para ''avao'vende chales de tre pontas, sen-
honte^nU>: 8S' pr*tendenles diriJam'se costura, de todqs os autores mais acredita-1do de si'ure verddfiiro, pelo barato pre-
tos ultirriarnehtena EurOpa, cujas machinasl?n do *^*0 caSa um-
s*o garantidas- por um anno, e tendo um' -^j r-i mlmi
p-erfettb artista para ensinar as mesmas, em "*l*l enfestAdo
qualquer parte desta cidade, como bem as-
sim concerta-las pelo tempo tambem d'um
Peixe de viveiro em de^-
posits.
Curtmas, cambrtns e carapebas. a qnalijner
hora do dia ou jda.npite : vende '
Lisboa, nos: AtofiaJCa-
CAWSX*
i:3iooi.
Ml
O Pavao vedde unf*bonilo slrtimento de
camisas franco\as cpfi peiio, de algndao, a
27000 e 2S50(K Ditas com p. ito do linbe
de 3$000a (i?000. Ditas bordadas muitc
fraas de' 6Q0h a lOpOOVt ataiet cottf
grande sortimento de ceroulas de lioho e de
algodao, por pretos baratus, e tambem tem
comp'cto sortinicirt6 de punhos e collarinbos
tanto dc linbo coiiio' de algodao, por precos
em eonla.
Ivspaitillius 3j^4>0,
3
Jose
Buarq
lie
: ')
r
c

%
llorii

t
DO
A CHLV. X. 26, 2." ANDAR,
Kecem-ehegado da Eurepa, otsde Ore-
I os hospilaes de Paris eLondre-,
i ; procorado a qoalqner bora do
dia ou da noite jiara objecto de sua pro-
Consultas das 6 horas da manhS as 8 bo-
ras, e do meio dia as duas da tarde.
Gratis aos pibres.
ESPECIALIIUL^S.
Hoiestias de senhoras, d.i pe!!e e de
erianca.
0
i

?
I
Esta encoura^ado !!!
Ajysi* mole cm pethvi tlsara
Tisasto Rog&ce at. Illm. Sr. ignacin Vieira de MaII
iscrivao na cidade de Nazareth desta provlncia,
favor de vir a rua Duque de Caxia? n. 36, a coa-
:luir a oi lio negocio que S. S. se comprometteu a
reahr-rr. pela teteeira chamadn deste jornal, em
Bus de dezembro de 1871, e depois para janeiro,-
eassou a ievereir.. e abrfl de 187* e nada comprio;
a por este motivo 6 de novo chamado para: dito
im, pois S. S. se deve iembrar que este negocio
ie mais de oito anaos, e quanrlo o Sr. sen Slho %t
tchava nesta cidade.
Empreza dogaz
A empreza do gaz tem a honra de annunciar ao
pubjico que recebeu ultimamente um esplendido
sortimento de lustres de Vidro, candieiros, aran-
delas e globos, enjas amo.-tras estao no escriptorio
aiu:i do Imperador n. 31, e serao vendidos aos
seus frejjoezes pelipreco mais razoavel possivel.
Fugio o escravo Juvenal.
-Fui Irajando calca de brim listrado, camisa,
chita de riscado e chapeo de pallia de Italia. E'
de cor parda, idade 12 annos, tem falta de um
denle na frente c e bastante paroleiro. Roga-se a
apprehensao do mesmo. e conduzi-h' a rua da
Crnz n. 3, ou CouJe da Boa-Vista u. 51 para ser
gratifieado.
framfe pertimefcra 2^* w o
cevado.
Caasa 15, padrSes^tdvo?,' e de'rilals/josto''qne-
vindo ao; metcado,- s6 na roif thrtjnelmado-
i3, loja de Gucrra Dreco de 200 rs. o covado 1
i-heguem frexuezes que se acaba, _
Fogao de1 ferro eecw^omico
Vende se ffin" c*epao rra -poueoi *a^ tendo for-
nalhas para lenha e carvao, forno para assar,
depoeito paraagua'querrfe e lrjgaT'pararsegOar-
dar quenle as comfdas depois de feitas; estes fo-
goes tornam-se reenmniendaveis porqnn sao'dV
ferro batido,' e fabricates' cem'peneicSb e con-
nham eom tani diminufa lei** : na n. 20___________________________ ^
LSziuHas Taponezas
a 280 rs. o eovado.-^'a ''rea do Queinftidi u. 43,
defrontel!da praeinfin-da bidependettcla.
_ FT-PKCIIWCHA !
LSzinHas a japotieza, padroes muito modernos,
280 ri. o covado- so na loja de Gaorfa & Per-
a
nandes
dao-se amostfas:
rs..
a 3^000
a peca.
0 Pavao vende pe^as de madapol56 en-
anno-sete despeudio algnm do cemprador. I !f1t8do pel bar*l Pre de 3*0^0 a ,Wa;
Neste estabelecimertto tambem ha neVtencas' ^nLSem nSe,r enfosta1> c.om, 20 Jafd.
para .srne.tna, machinas e s q& g*^ XtoT**S* SP ^
balhar a mao de 305000, 109000 .53000
e 50JJ000, para trabalhar c^m o sao de
80JJ000, 90ZJO0O, 1009000,
1205000, 1309000, 150;-J00, -1 ,0000 e
2509000, emquanto aos auto;- U\ ,-!-
teraQfio de pfteeos, eoscompr-'1 ; o
visitar este estabelecimento, ml to de-
verSo gostar pela varied.ide de. ohj ";:o~ que
ha sempr". para'Tender, como acjatn : cadei-
ras para viagem, malas para vlagera, cadei-
ras para salas, ditas de bianco, ditas para
criam;a (altas), ditas para cscolas, costurei-
ras riqnissimas, para senliora, despensavnis
para crianeas, de todas as qualidalos, caruas
de ferro para hornem e criangas, capachos,
espelhos dourados para sala, gratidos e po
qnenos, apparelhos de metal para chd, fa-
queiros com cabo de meial ? do marflra,
ditos avulsos, colhcres de matal fino, condiei-
ros para sala, jarros, guarda-cofflidas de
arame, tampas para cobrir pratos, osteiras
para forrar salas, lavatorios cornpletos, ditos
simples, objectos para toilette, c outros inm-
tos artigos que muito dov-jmagradar a todos
que visrtarem este grande estabelecimento
Chegou esta rateu*.; eon, rJiipBeiiuteiramente!q?f seach *}**<> d,Rsdp *S 6 ^^^as da ma-
novos, e que*e vende pelo dimimiie preco de juo uM ate as 9 boras da noutei
Kua do 13araoda victoria n.
quer pea quo sejanecessa;io. l-;.st.;s ma* '"^"da>
ctiiriaa triftalharh com tod a a pnrfMi^o da ALPACAS PRF.TAS A 500, G10 E 800 RS.
owe deus pospontos, frar.r^ o r!,-. tolaj 0 Pavao tem um grande sortimento de
qnalquer costura por fin-quo r-a, S!>t!s alpacas pretas, que vendea 5 )0, CiO e 8ou
prejos sao da segumte qualtd.ide: ma tr.T- rS. o covado. assim como grande sorti-
Ji
0
A' ru do Crespo
Loja das 3 portas
LAZIXHAS
UDE
n. * rs. o covado : isto por 'tor g ande quaniidade.
SO1 NA RCA DO'CRSSK) N. 20
I-njrt df
Guilherme &CV junto a loja
da esquina
aria
^iX'CXVX*^-' ^vtXX>C?C^K*^
$ Consult ii, im&tmmma 5
6 DE V
A. B. da Silva Maia. Q
p. Raa do Visconde de Albuqucrijue n. *
M II, outr'or raa damatrtt da Uoa-Vista V
n. 11.
Chamados : a qu.iiqner bora.
' .-: Aos p. br- gratis, d.is 2 as
iras da tarde.
f
g
LidA.iuISii
selects e r;e umbigo
(Enxerladas)
Sapotizeiros
e gap ileiros de 11 palmos (em vasos) e de todos
ea tamanhos e pretos mais commodos que dan-
tee ; a-Mm como as seguintes outran plantas de
trueta e de ornato :
Abacati.
Acacia.
Ariticum a pe.
Ganella.
Gasuarina.
Cdrolina do principe.
Gonde^a.
RUA MATHIAS UE ALRUQUERQUE N. 23
(aotiga rua d is Flores).
Tingi se, lava-se c limpa-se com a maior per-
feieao faranda? cm pre.is ou em obras de qual-
quer quaiidade que sejam, taes como, la, algodao,
s^da, touquim, pennas, chapeos do feltro e de
manilha, on pallinha de todas as cores, etc.
Os Sis negociantes, logistas e particulares
experimentem que todos acharao proveito e van-
tagens
Aviso : Depois do ultimo deste mez corrente,
fleam considerados como abandonalos todos os
objectos entregues a esta casa no anno de 1873,
c serao vendidos pelo preco do seu trabalho.
uma carteira contendo 1 sedula de quinhenlos
mil reis e tres ditas de vinte mil reis, perdeu se
no dia 18 do correnW, no caminho do Arraial,
Casa Amarella : quern a acbju pode'dar informa
c5es e receber cem mil nils em gratiflcacao; no
armazein da rua do Oimmereio n. 4.
Alnga se uma pre|a escrava para fazer
compras, cozinhar, e todo servico de casa : a tra-
tarna rua do Rarao do Trinmpho n. 70.
Cervqa NoMMga-
de marca V L, vende se a dinheiro mais barato
que em oulra parte : no armazein da rua do Com
mercio n. 4.
22.
Alvigaras.
Venham t"d.sapres-ados
K cmi os liolsos rec^eadeff;
Oo Campos ao rmnzem ;
Veflfram, nao faltc n.injntm
Ver n-pando'sonim?nt->
(Um verdadciro'porteatn)
Qua para a quaresma tem ;
Comprehendem 1 ora bem !
Preci^a se alogif um preto ou preta, que
tenha mais de 10'annos de idade, para o servico
domestico de uma familia : na rua do Cre-po n
6, | andar.
Vende-se 6 grande e espacriso arnrazem de
molhados, ro!n duas frentes,1 projifio para grande
progresso ; a mao do actual- pivpriet.irio di e ter deretirar-se parao-seHBd, aconsethado pelos e SpresentJ rfnio a onda gastronomica das sa-
medicos, por incAuntt^lo'^de -saude, no pat-o do i 1 8 '"u'it'-e3 ljarf'a' pernamhucanas, felicftan-
Carmo, e-qu i i 2. I d0"as P5r Ja l' aoaarem livre da pena de iabTdic-!
-------------~~------'------r~-------------------- 'l0,e poderem sem receio drtalgurna Iudio-estaoex-'
Vnlitio rla commuiHradu, c-.rnergwcs mais finos e 'saboroSos
LjUllldilOi leornesiives, coadprvadtis por uma cascali de vi
noes de toda? as qualidades, deixando a quern
\ende-sn um b-.m sobradO'em uma da* melho- P^T31" mrefTO de rrrttar: viva o triuiiphodas
barrigas II..
Bas, como ia dizend", nao podia deixar de
anont.'cer assim, cnnsideramlo-so como foi sabia e
beoi barrijjalmente planejado o ataque das bar-
is ca-
irrfer-
no iiicho inventad) pelas grandes barrigas, pa-
ra horrsrisarem as barrigas sem trips?, susteata-
vam a mai* abvnrda das monstrnosidades : a
iufallibilidade do principal bojo do amor as avessa?
e de tripas dadas e a for^a de tripadas qucriam .
hypoeritaTninre aliraentarem a pelluda e famigera- i
da-ex-qnestao do d.a centopi^a negra quo en-'
rowla n> capote chamuseado da iiiqiiiHicio, pre- i
mento de cantdes, bombazinas, pnncezas
pretas, raerin6s, e outras muitas fazendas
proprias para luto.
LAZ NHAS DE ORES A 2S0,320 E 400 RS
O Pavao vende bonitas lazinhas de cores
para vestidos, a 280, 320 e 400 rs. o co-
vadj tendo ate a 19000, sendo das mais lin-
das qu. tem vindo ao mercado, assim como
granadinas de seda com os mais delicados
padrlies, a 640 rs. o covado.
O Pavao vende sodas com listrinhas de
cores a 15G00 o covado. Ditfts com pal-
minhas a 29<>00. Ditas com toque do mofo
a 15000 e 19400.
CAMBRAIA VICTORIA A 49000, 45500,
0C000 E 75000.
O Pavao vende um grande sortimento de
cambraia Victoria e transparent com
8 1/2 varas cada peca, pelos baratos preros
de 450<>O 45o0>, 55000, 65000 e 7 000
a peca, assim como, ditas de salpico bran-
co, a 7#000, e pnehincha.
O Pavao vendfe urr/ bbnito soAimento de
espartilhos'rrrbJernris a 35S0'/ 45000 e
5B00O, assrni *n* [desaias brancas, burdri^s, a 55000 e 65000,
e dftas tretiMja* de cOres a S90OO : i pr-
cBtrlch'a'.
CORTLNVDOS BOM>*BOS PARA CAMA 1
JANELLAS, DE 75 ATE 250t0 O PAR
0 Pavajfl vende um grande sorlimeuto dt
cortmado'S bWlidos, proprios para cNK e
janellas, pelo barato pecodo75000,85000,
lOfSOOO a(e 255000, assun como : cotttts
e dimaseo de la mtrito lina de 11
1*9800 carra uma.
ds
BRASTANTES A 19S00, 2J000 E 29500.
0 Pavao vende br.m*iitt-s par* le-acoet.
tendw 10 pai-notde largom, serrtk* ode
algodfi-va l?800e 2^000 a vara, edelinhc
a 25*00, 25*00 o 35000 a vara: 6 peckm-
cha.
CASEMIRAS A 55000, G5000 E 75000
0 Pavao vend" cArtes de casc-miras para
calr;as, send" pa.lroes modernos, pelo bara-
to preco de StOOO, C5000 c 75000 o cdrte.
assim como -. pannos pretos dos melhores
que tem vindo ao mercado, de 'iJOOO, 85 e
105000.
ROLT'V FE1TA.
0 Pavao vende uma gMadb por^ao di
roupa feita, sendo : palitots, hakes de ca-
semira preta e de cores, a.'-i;n como : finis
simos sohrecasacos de )ianno preto, e cal-
fas dc casemira preta o de hri.n branci), col
letes dc todaa as qaialula U .\, por precos
muito c..mmf>.k.?i, rn.r qnwtr tcab^r com
toda a roupa que tem em ra-a.
Acha-se constantemente aborto o estabelecimen o do PAYAO, das C boras da manha
9 de noite.
SABAO DO RIO DE JANEIRO a 200 rs. o kilo, no armazem da rua do Amorim n. 41.
de Jose* Domingoes d> Carmo e Silva.
GAZ 558U0 a lat:<, no armazem da rua do A-Moria n. 41, de Jose Domiitgues do
Ctriao e Silva.
VIN iO ftlUSCATEl. de uva branca, pur.t, de custi ie 2350*n, no armazem da rua do
A'norim n. 41, dt? -lost! Doraiogues do C-ir no e Silva.
GRANDE
A Jui
Ii U;i:\ ||J
*.i'.. ;. t 1 all
1
;1 VEK
Em
S res ruas desta MadK : a tratar na rua do Mar-
quez do Herval n. N; taverns,- cti na rua da Im-
pcratiz n. 10, t iverna.
/-] 1 1 \1;-------------- ; "eoi oarriKamieote pianejaio 0 ataque das
vaicas orancas ae brim fino n84s^rande?'f(iiUfaj *c -*nnnil, jniBus, que ostriflcados a idea lictieia do ii
a o#0O(M!I
Venham ver para crer : na loja da Rosa Bran-
ca, a raa da Iiuperatfiz n. S6.
E'
luto
para
bimbaziaa liaarada, flna, para vestido* de luto
1200 0 covado,' fazenda que val lGO0 :
so na Rosa Branca, a rua da Imperatriz u. 56.
l#200_ocodo,' faze"nda" Grosdenaple preto
Sendo lis a de cordioj e 0 mai.< larj,
rem io mercado, e qne se vende pelos diminu'to-
;.: di'2 T>. ?^so0, 35200 e 3i500.
S> >- NA !. \ in CRESPO JO, LOJA D\S
TBES POBTAS DE
Guilliorme & C.
^oiia mais cabello.s
brancos.
TiHTUIHIIl JAPONEZA.
S6 e umca approvada pelas academia* de
A.. --... Lsjaeraiiotaroi rj :ede Caxia* n
ssa-s. ..ii eanadar a si c~ freguetes. com is
1 ecialidadu an belli sen a I M aprcciar 01 $e
gninlea artigos expi l< a vends e todos por pi
commodiw, como tejani:
FIXAS BONEHAS maoaas choronas.
i BO.NITAS K EXdKACAUAS vislaa para ft
. copios.
COMMOOAS LATAS para puardar cha.
K'-^'A^TES BOLSAs 1 ara teahana e moninaj
BOMTOS VASOS com (iua bauba e clien
extract,!;, trazendccad:i Irasc um noaie, uma ioi-
c:nl ou nra dtstieo.
j FIX AS :.,EIAS l> SEDA, vinJ, entre eU*< cr
de earae.
Para qtiem goslar.
I A' Xova Esperanca a rua Duque de Cazias n
61, acaba de receber tentos c caixas para 0 ioey d"
I \ oitarette. *^^
i'ara qao;;;- s;lie das peraas.
A Kova
engao
Vend^se ddaa cas contiguas e'que tem cora-
mndicajao de uma para ontr'a, ns. 33 b 33' a rtia
E^peran.a, a rua Duque de Caxias a
tcsa hmnaiiMad* d# panhar dmhViro e d em 3CMJDe,*> reconhectda supenor a toda que W. acaba de receber as proenradas meias de bor-
teip-js cumo esto de rrnaresma : 1 tem epparecido ate* hoje. Deposito princi- ru^'a par3 quem sollre das pernas.
_._____ ______ pal a rua da Cadeia do Recife, hoje Mar-! FLORES ARTIFICIAES
quez de Olinda, n. 51, l. andar, e em, A Nova Esperanca, a rua Duqae de Caxia* a
todas as boticas e casas de cabeliei- 63, acaba de nceber um lindo e complete sort-
De fa^erem penttencias
Enchendo bem as Darrigas,
l'.iU nao 6 tempo de brigas,
E sim e, de abslinencias.
Uwc, uo. uu o uu a ruai Map, como ia contanlo, enstoo, porem a final.
JiS.tWl.f 5* marad0 e depois da rasorada que Hie passou'no pesooco os
Bom'Gosto: trata-se nas! poderes podenwos,- a cabeca foi parar no fun-
mesmas casas, das 9 as 10 horas da manha.
riiiro.
Livraria Universal.
Cocaeao ua India.
Figueira.
Flamboyant.
Frocla-jiao.
inaadol'ara.
Jsbbo.
Jasmini laranja.
i.aranja da China.
OUa do ceo.
I.aranja cravo.
Dita de doce do Para.
Oita branca.
Dita tang. rina.
Lima da Persia.
Dita de umbigo.
Limao fraucez.
Dito doce, enxertado.
Oiticoro.
Palmeira Imperial.
Parreirv.
Pinheiras.
Roraeiras.
Rozeira3.
Rozeda.
Ubaia
D. Joanna Mililana de Jesus declara que
nada deve nesta prac,a, nem por letra e nem por
documentos, e pr.r isso nao precisa vender seus
predios; e c-um haja algaem que se intitula com
poderes para vender, por isSo dedara qfle nao
vende nem constitui 1 p-sgoa alguma a vender.
Piecisa.te alagar uma preta esciava para
vender na rna : oJuhib a tiver; dirija se a rua do
Queimado n. 41, 1" aadar.
ru,
Imperador n. 54.
Obr* de direitti uaia o estnaVsa Faculdade do
Kecire, qoe se cBcontram n3 Kvraria Univefs.l
a saber : '
iu!n4 compendia dw ERreiio Fufelico Universal.
J do do rio o o rabo, como r'uim da esfollar, (icou '
, no secc i exposto
VENDE-SE
i mento de fires artificiaes das m.lfcores one ten
: vindo ao mercado
A ellas antes que se acaiiea.
, -o secc i expnsto aos pont.ipes de qoalqner gato uma casa na villa de Barreiros, na raa do Com-
(.10 pmgaaOi deixandj e vordajJe, magra as collejras; tercjo, por prejo modico: a tratar com Tassi
barrigas, qne despeitadas vao tratar de se nutri
rem, vindo ao armazem do Campos, a rua do Im- j
perador n. 28, onde com certeza encr.r.trar3n alem '
do que desejarem. o seguinte : ovas tie diversos'
peixes e de bacalhao ; peixes de vinte qualidades '.
em conservas, sardinhas em latas, camaroes sec-
rmaos 4 f!
Lode e allendei
X'alural.
de
(tra-
ATTENCAO.
Madama Fli.rinda, cqstm;e.ra,a.rua Diraka avi-
saas suas frefuw dt> Queimado n. 44, andar.
Aviso.

0* DOOToa WIW.IAB R01TI
Pr retit-ir progTedlvuneote aoobf Ilot
.^.4 SUA COR PRIMITIVA
NEOGENE.^? WORTH

Na rua de S. Jurge tt_i8af pxeeisa-se failar a
br. Joaquim Manoel de Soora Olrveira.
Na rua do imperacTor
p/eeisa-se fallap aos segointts senhores :
Dommgos Martins de Barros Motrtefrb.
traigdio Marques de Santiago (Dr.)
Joao Vaz de Oliveira.
Jpse Praaeuco Lopas Lima (Vazarethi
Manoel Pereir* Brandao.
Manoel dos Psos Miranda, j tr*J
Francisco de PaoJa.Bosgea. .*
Franeioco Antoaio Poatua
com
Souza.
Autr.t*i. -Conlpendii- 6*e Direito
duccSo'do Zflllter).
Mow a Mag lUiaes.Stnopsis do Dtreilo Natural
Ydella. Compeadio do direito Eeclesiastico.
Mem- (Joaojbia), IbstteiJpBes. de Dih-ito Ee-
clesiastico. I
Antran. Trarado do Eednotnia Poliica'
Mendts.da Cunha.-Co&iao PenaL
rtehr','ideto1 idem do Prucesso.
BTaz Pbder ( o) Moderator. _-? ____n
Idem.-Os tres codigos:
Eleigao directa. Sac diversos oaeripterts
Charma. PhilosopMa.
Idtm.Elemeute de PbBosoplia.
Ptdagogia.l'or Daligaalt, obra' muito mil a^s
sre. alumnoa da escola normal, a 4/OOc) Mr*
acabar.
Costumes para crian^a.
Nova Esperanca, a rna Duque de Caxias
icaba de receber botntos costomes para cria
ta se veudendo ixir pretos raxoavcis
aos lemvosos
mantaiga ingleza e franceza; doces. fructas o Encontrareis sempre (para obsequiardes vossas
cincomta qualidades de vinhos finos do Port j a visitas) um completo sortimento de boiinhos para
outras tantas de outros lugares mais afnmados de rl,a. bolos inglezes, pao-do-lo, cha da melhor qaa
Portugal, alemde um completo soriimoalu'do ace- 'idade, diversos doces, geleas e tado quanto for
pi^es raros, de'Kciosos e qoe

CahtaiW etn qualqner barriga
Faz a melbor djgestao,
E nao faz mal a boxiga,
Como comendo, verfto.
SF-~ Vi
direito
Ma, como ia fallando, iamos entrar na vida de
outr'ora, isto e, na epoca das festas, e portanto
vamos'tdr feltisj Tcslas e mais festas, e como todos \
cornem das ftstas, visto qu# irrba parie da para "as
fejus e tr* recebem paiia preaarar asf festts, 6
loaico que o bjegeiro dinheiro que anda tao *as-1
queiro sauj dos cofre* dps amantes orthodoxos e |
9e va familiariSando com as algibeiras vasias dos'
SVbUeSrat,^^fIntt^?^uiUl* 0bras d9 isecessitadMliP^scIs foTsfra ve? Venham "ae arm^
rareito e l.lteratura, m ,e vaadeomor preoo oo-; Mtod*,Carapos a rua do Imperador n. prepa-
preciso para fazer uma boa recepcao as pesssoas
a quern
Mais estimais
Tudo isto se encontra
Na confeitaria do Campos
'8-4, Imperador 9 4.
Alem disso
Encootrar-se-ha sempre alii
Sobrernesas
Delhaosas
Que a fill* a verdada
So slo para 6 bocca do vulgo
A N >va aperanj%, a raa Dwroe de Catift a
63, recebeu um pequeuo sortimenio da anneu e
pulseiras electrical, proprias para quern soffre 4os
nervos.
Lindo chfariz.
J vnde39 nor preco bar.4Pn.ii rico ohatari:
oV mrnore oronrio para jardim, qtnl m aetu
arimda aa oOicina de m.irmore do Sr. Ucm,
rua do Imperador para quern o quizer Ter:
tratar na raa do Cresjio, toja d < naso iaaie
arco de Sato Anloato.
Cbap^fS \mn simlwra.
A loja do Passo a rua Primeiro de Marco a.
7 A, recebeu pelo ultimo paquete, um rico aorti-
raento de chapeos para senhora, ulu'ma noda
vende jjor preco commodo.
,f ferno diz o letiohograpbo P. Bluteau'.
Sodas

a
de i/ndas cores
venham a
"
apojllo era Ptnamt
'III.
fCQ, A. BDGOU.
Fugio no dia
ohor
pratiflo-- e cara ta'fga : quer
ga-a a rui if Santa RUa n. 5, wilrada pela ma.
"dva.
de marco, da casa de seu so
or, a pirrfata de nome Lydia, com, < riuues
-''
Venaese bonitas seda,
baratlssimo preco de liaOOo'covado
ellas ant^s que ae aoabeoi, na ru;a do
Catusn^S, loja to l^toj^ fl_
da S. Migael
rarem-se.para a quaTesma, tempo de abstinencias' T ^ntaa Fe*re ( *endem ae sea arazre
I e ie qatd eome eem licenoa, comprarem o que *>ru' "e CoDJmercio n. Ii :
ha de mais fostosn, aaboroBO, cheircsn e thdo oue 9 ^erdadeiro panno de algodao azul amencatw.
.gU IB ... aiui. ^ MJll'P lOtlte fill lint all
peto cab
ouso.
Hat **< /n
TOTIT
has 1
o&aaiuio )
ibndi a*icaaelaV*e!**J1?.J9 -aenflo elle o que aqui se a(lrma : no an.,
bolt amarella, .travten BittaTdo Imperador.
Dizer aos amantes
Dos gene#os eSpeclaes
-VcMhain fr e .qaaom'nntvs
Saber a causa motriz
ter rhaes
ar so roraecer
>\)fgto..eflraier

v un i
Iwccellente fio de vela.
Cognac de L* aulidde
Viaho de Bo|de|u|.
Carvao de Pfcrf ft fcdas as qualMa
J. 0. C. IrejrC.
oo-
Tem para veic
Cognac de Heaaessy, superior e verdadetro
Vinho Xeret das aielhores qaaMdades.
Bitters da Aaaoitura
Whisky.
Cha preto em lattas de 10 libras.
Todas as preparacdes chrfthcM do Dr. Ayer
srtaMM>m da raft da ConaWrefe a 3A

i
-/a "Gaz a mm
I Mm qnc -sa'atabesi.
i teode-ae Ii de Kndos pa*oes a i!00 rs.
Veoievae aza rico plafario novo, muito forte'
excellentes vozes, a tratSr ua rua do BarSo
rs. o eova-
i do : na rua do Crespo a. K A, loja da osquma i
' dto se amostfas.

Poueo mofo.
fi?22* kA? ^,-ra?m-a Qas" -ffi P*ra Ten" Pnm 0*> "'"'^ ftno a WO rs. o covado : so
3f^J?t4*^?i "a Jac*rM,J: com Puco n* rua do Q-eimaao n. 43 ; aproveitsra qne e p*J.
I uso e etn perTelfo estado. chincha, na loja de. Uuerra ^Fernandes
a lata, do-melhor jae vem a este
a re* do Henrt- ForSter & C, com a
Pompleta do liquido: nos armazens de" Joee Do-
iaaigue.*j* tafrat Silra* a raa da aUdn da
Peus n. TO. e raa oo Amorim n. Ii, *
Vende se na rua da B"*dre fie Deo* %. Kfc'NKlk''
menor preco possivel 6 vetdadeirb cuaeato rW-
tlaiiJ, vindo pelo ultimo vapor inglet, aa carga.

i_


4


-1
11
f
>'

(^v
MiAb <* tedtnAclBg -^r.lA?jJMtoaflira 2*friMlft Qf*0
7
=
nrWHtf,'ffl<

ft

.
re-
908,*itdo^4nflW|9d#." i-raiSST alM
A Magnolia, a rua Doque de Caxias
ba de recebcr os vmladeiros anneis e *
tricas, pToprios para os iwws'M.
Metos5 aflere^os
A Ma|Brt)Ua. a rua/puaue 4e Lasias n.'|5,
cebea im completo" ^(fttimento de
Msio aere?B,cte*U#lii'nfii. *** f'
Meios aderecos, aBsaiaaaapeCDta.
Allies adereco. td*.*# e detauitas outr33->nuiliJ*des.
Botoes 3e .acjo >*
A Magnolia,> rua Qoque (Wliaxias ..-43, -tern
pata vcndr os uu)detoi6, b(4ohld,#ijo, wnnttl
para vealid .s. iiniTil a
(jiolinhas e punhos
das mais modcrnas que hano mereadp ; etaHas '\
na Magnelia, a rua Doque de Caxias u. 45.
Lencos ohkwzes
A'Magnolra, a roa Duqae jJer*f.isrr. 15, Ye-'
cebea uma pequerra (ruantidede' d looses des*d*
chineies, com liadissimos iteseahos, *aiiia*nei-
rainenie a&va. n ..' ,.<
Leques
Lindos leques de mndfepejota, fle tartaroea,'de
martlm, do osso, e de niuitas ootras quandaries:
recebeu a Magnolia, a rua Duijue-de Caxias nu-
mero 45.
Attencao, #
A loja da Magnolia, rua M a> Caxias n.
i, acaba de rtc Manual de niadreperqla, tarlajuga e marflrp.
Ricos albnns com capa de madreperola, cha-
gren, madeira, ve Indo.'eoure, etc.
Lindas eaixas com iiui *iaias. parfumaiias.
Ligaide >ed;>, brancas e de ixtes.
VoKas de niodieperola.
Puseiras de madreperola.
Ricas caixas para eo.-tura.
Veatuarii s pana *ptiado. o
Toucas e siiuajiiilKis, de seum.
Modernos chapeosipje jol.de.sed.ajiara senhoras.
Li
eb .tojxei i ,90|
b cdoBup 0
-tub eurguii NWOM DC ALGO-I in*
lt lieu i an
DAO en:u f-fc
.
butt-"*' '
liicn

.oiqr
Lindos port I>: uqnets.
Gravatinhas de v Node,-etc., ete.

Ecttnofflia!!!
Na rua do Queinaatjo n. 43,
defro: te da praeinha da
Iadependeueia.
.tprovcltem
Metros fines de qoadros pretos a 810 rs. o co-
vado.
Pesas de cambraia, aajo.da met* pr its,, a 4*000
a peca.
Grsnadine de lUtras, a iiTtim* moda de-Paris, a
300 rs. o covado.
Fefas de cainbraie lranspar>ne, .|ina, a 3*300
a psc.a.
Ditas bordadas com flores a'9i a nf<;a.
Brim pardo (io t 409* re. o eovwdo
Camrsas do crcljue, o mm irwdtrno co mer-
cado, a 3*300.
Ditas de liplto, fipss, a 32 e '-HH0 uma
Assim como outrt s fazenoas pur menos do que
em qnalqner ootra parle, e dao-ie amoc,ra= : s
na rua do Queunado n. 'i3, loja de Guerra & Fer-
nando*.
Farello aovo q
m^m t-ribJ mbaat tup
i
; ieltiuiisul MB f
s men Jfccos b>i
spot
,iwk vat
^^Wwi nrj
At. \TT*
fl-&ril iadtnaoA
p ierf oil..
\ '
IjK
>MMH
4 :!ST!tmtBWaK
* '4 i owri-x o.i-up* LoLi i
3Wa a1a',fiS^ralM,n. ^
rr^ I
TODAS
}li]gjRJ
mi
lxib olosup obul iWa
L fp ..u m*
Coaa as fakiicagdtB que lem apparecido
A
COMO SEJA3I :
1W
_ Mrp obcv>d<
&. nlAos
d* beeadai pre las part qua-
LEW'OS PRA^COJ A 2SC0O.
! 'f?P4e-**'grbsu'qflap1erat^Xo para vesttdo | Yende-se !epgos braticos fitos, a 25?0OO,
pAKl^ de; ustihoras, a ij?80P, %, ,'4$, e *> o Sj'SOO ,e'3-5 a duzia, ditos de linho, a 4,
ojJ'e'CSOpO a dulia.
' CRpl?:S P.tRA CADEI1IAS A 1?500.
Vertd*6-se pannos de croch^para cdeins,
a 12300 cada tiro, cotchas-de di o para
sq tic at cbVdo.
.iito > w>^ v ,^M r*\NWJ rRETO A ^0.
> no 9 naMli.-^ a Yeade-se pannp preto^e du'W larguras,
. .owrr para cal$as e palrt6tj, a 2}15Qi ,'jfy, SffftOO,
a oil can estate* tO mt tutu. 0 o covqdo.
. CORTES JB^CAWSIIirA PIftTA A 89000.
Mdtrjt him *o trtm
i*ikyb abl>iwil Ji 4>v
t*1 ot'p i^Birm zsk
noiva?.

DAS MACHINAS PARA C0S1DEA
MADAPOLAO FRANCEZ A 7JJ00O.
Vende-se cortos dtfeatemit-a preta parat Veri*e-s'e peges de niadapolSo frjncez
talmas, a 5j>; Olp 1$ eS^OoO o corte,, tyurt, lino, a ^5>, 8? e 109
P "
| I
man
ai:>
Porq
Nenhuma ma-
ehina Singer e legi-
tima se nSo lev^r
esta marca fixa no
MERINO' "PRETO A 28800.
Yert'le serrierirrfj proto 'lino, a WJ9n0 e
: e 9 sw) 81 35JOOO & covado.
BOMVJ^ NA PRETA A l?0O.
Vende-se bombai na preta enfestada, a
49800, J900 e 250'tO' o co*do.
ALPACA PRETA A 500 RS.
Tenae'sealpacji.pWa'jina, a 506,640,
'1*00 rs, e l&OoVo covado.
! FAZES HAS DE COtIESE f,i.MRAiA
mjir--Mb 'BR^A A 3?DiO.
:-miMB in I \'ertd'e-^e peca's1 de cambfatt brrnc trans-
i'-Aiii uh >v 'parente a.39, *9.8? o OjfOOO, ditas dacajn-1
|>raia Vpada. TJctoHa, a '89, 3#0O, 49
uer
i aatttn-r.rwi ;
jg brago da madiina.'
poqueno
Da melhor qaalidade no armazem de farinha
de Irigo de Tasso innaos fc 0.. oa prac* do caes
do Auolli.
O lixtraeto cowposto at

'ft
o
Para evitar'falai-
ficacpes ootem-se g
bom todos os deta-
lhe? df; marca.
6
6
,1
A dinheiro e a prazo!
A contento das Exmas. familtas
5^000.
C0RtlMD03lPAft.V CAM A A 1690C0.
' Veride se cdYtluados bfrdados para cama,
a 169, 909, 25J> e 309000.
CAMBR !IA T)E TORES'A 30O Vende-se cambraiade cores fines, mitfrJa.,
a 300, 320 e 360 rs. o cova-.o
CIUTAS LARGAS A.200RS.
Vende-se cbjtas l*fgas para Yi-stidos, a
240, 320 e 360 rs. 6 CQvailo.
BRAMANTE A f9V0.
Vende-se'brnmante com 10 palmos '.de
largo a 19600, 1*1*0 e 296'6 o njetro
MAMPOLAO A 38000.
Vende-se pecas de raadapoJao entest^Q
a 3.90P0. l]ito M-rglez a 4^500, 59'
8^500, (:0p0, 79P0Q e 99,00? a pessa.
e0RTIN$>0S PARA JASELLAS A 89000,
Vmde-se 0 par do cortinados bor^adqs.
para janeilas. a 89 e lOJO. 0 p par.
ALG0D\0 A >9Q0O.
Q
Sao mais'baratas.
Sao de doos pospontos.
Sao simples.
Sao rapidas.
8ao duradouras.i
ALSAPARRILHA
Do Dr. Ayer
MACHINAS DE SINGER
Sao de dons pospontos. *_____
Abainham.
Franzenx
Pregam trtn^as.
.Marcam pregas.
Bordam de linha de seda.
Alcolchoam.
Pregam cordoes.
UNIA AGBNL1A
EM
II
A CASA AMERICANA
45 RUA DO IMPERADOR 45
.
Vcnderse pc^as dq>|j(oi}.$9A a 40, f>9 e
6?000, '
CEROCRASA.1900O.
Teocle-se peroulns ditas ftnasde brama.iiie a, 195.00 e 29 cad a
uma,
,.CAMISA BRANjtASA?f)00-
Y 295OO, 39iU$K)0t,
BRI.NS DEOOllr**'* R8.
Vemte-so brii>Sdec e':800t; 0 wwadn.
CHA E9 A SOO-W*.
VewJe so thales de da a-SOO rs., chales de
ierrino de-eow*, a 29, W, 49 e 59C6.
WLCrl,E C01HB^'9O60.
Veft Je^se wifehas' de cores i para eema, a
29,3?50Oe VCOOO.
CHITAS'BE CORE* A 3ti0 RS.
Vende-^ehitas finasHacwes-, k-'OgO'e 400
bra. 0 fioradq. .
ALPACAS BE COWE8 A %.0O RS.
Tende-se sVpacas Siias >ie cx/res, a 500,
640. p 800 rs. 0 covado-.
TAPETES A 49300.
Vende-se tapetes 'para Salas, d.e.diversos
Bttf PARtO A 4001IS. 0 COVADO.
Vende se brim pardo para calcas, a 400
rs. *orado.
CORTCS BE CASEMIBA BE i90.
Vendfl-se corbs de casemira de cores para
(felres, a 59, 3?o00 e C^OOO.
GROSBENAPLE PRETO.
VcOde-se grosdenap'e preto com I 1 2
palmos de largura, a 5 0 covado.
ESGlilAO FrNOAe900Ki.
V-ndese <>sq!.iao fino de Hnho, a 29,
2ro00, 3^1 e 4^'o metro.
Ml Til PA!'A COBEUTA A 280 RS.
V&ide-se chhas part coberla, a 280 e 400
rs. 0 covar|o.
BRIM BRA SCO A UO00.
Vcnde-?!' brfm bran'eo de linho, a 19,
I^^O, r>C0 e S9 0 mclro.
BRETAMIA BE I.1SHO A 6i0 RS.
> ie- "Vr ANELLA BE CORES A 890 RS.
Vende-se ftanMla de cores, a 800 rs. 0
covaito.
COBERTORES BE ALGOB.lO A 19400
Vende-se cobertores de pello a 1*400.
Cobertas de chita a 15800 e 2? dRas cn-
cerha jas, forradas, a 49, no Bazar Nacional,
rua da ImperatHz n. 72.
CORTES BE CASSA A 35000.
Vende-se cortes de cassa aiudas a 39
cads urn.
GflAV, T\S PARA SE.MIORA A 19d00.
Vende se gravatas psra senhoras, a 19,
ditas para homens a SCO rs.
ALCOBAO ENFESTABQ A 19<0O.
Vende se algodao enfestado para !enc6es,
a lMOO a vara.
GRANDE S0RTIMF.NT0 BE ROLPA FEITA
NACIONAL
Yepde se palit6ts de panno preto, a 59, "9,
8i>e lUdOt'O.
Vende-se pslit6ts de alpaca preta, a 39,
398.0& e 45000.
Ven!e-se calgas pretos do panno, a 49.
60, T9 e'SSOOO.
Vende-se colletes pretos, a 3S, 3?5O0 e
49900.
Vende-se ceroulas, a \$, 19500, 2-5 e
mm
Vende-se camtsas brancas, a 2-5, 23500,
39 e 49OOO.
Vende-se ccmisss de chrt:s, a 15>iOO, 2?5l
e 8$SK>.
CII1TAS PRETAS A 320 RS.
Vende-se chitas pretas finas, a 320 e 360
rs. 0 covado.
LAZINHA A 20O RS.
Vende-se ilzinhas para wstidos, a 200,
320, 400 e 500 rs. o covado. No Bazar
tamanhos, a 49500, "'h&,"'69 e 89000 cada'Nacional. rua da laiperatriz n. 72, de Men-
am. ides GuimarSos Alrmaos.
i)
- A" roa do Caln|f n. f
Os proprietary da Fredtiecla,. no inw c*
ponservar 0 bom conceito qit icem nireoaooo
jrespcitavel publico, dlstioguindo 0 seu crtaoeieci-
tnento dot mais que ni'gociam no mesino fen^ro
w.iin scientificar aos sens bon> fregueiesque pra-
veniram aos seas wrrespondejites nas dirersa; par-
5as d'Eoropa para lhes eoviarem p<>r lodoa ospa-
quetes os objectos de luxo e b>;m gosto, qoe sa-
Jim mais bem acettos pelas stn'tedadtrs ck-ganta*
aquelles paites, visto aproximr.r se 0 tempo le
testa, em qne o hello sexo desta l.nda Wneta
mais ostenia a riqueia de suas toillcUea ; t eo-
mo ja recebessem pels paquele tranccz div-.
arligos da ultima moda, veem patentear algaiu
d'entre elles qne se tornam mais recommend*vei.
esperaudo do reapeitavel pnblico a caaMMHd*
concorreocia.
Aderecos de Urtaruga os mais undos quo k-u
viodo ao mercado.
Albnns com ricas capas de madrepr. :a e 4
telludo, seado divereos umanlio* e bara'c* rf*
03 :' 9 1
A derecos completos de borracha pr prW 1 para
Itto, tamnem se vendem meios aJertcos tuuik- U-
nilM. *''
Ik'ioes 4e setim preto e de cores para nnM 4
vestidos de settlor* ; tr.mbera tern para cjtittm
palitot.
Botsas para scuhoras, existe nni bello str'uiiKa-
10 de seda, de palha, de chagrim. etc., etc., pr
barato pre^o.
Bopecas de todos os tamai.hos, tanto d 1 ,3
como do ce*ra, de borracha e de m^i.-a ; tLauia-
mos a anencao das Exmas. Sras. p:ira este a ft ,
pois as vezes tomam-se as criancas 1 m nov.o im-
periiutnlcs por falia de am obieclo que as rC-
tretenBarn.
Camisas de linho lisas e e.iin peitis bord^do*
sara nomem, vendem se por preco cohsruooa.
Ceroulas de linho e dc algodir, de div.T yn-
cps.
Caixinhas com musica, 0 que ha de mais i.nd*.
com disticos nas tampas e proprios para prtsct-
tes.
(>K|ues os mais modernos e de dirw*fdWBt-
lot.
Cliapeosparasenhora. Recebcr.-.i: am Uiir.enio
da ultima moda, tanto para siuhora, cmoo p*.a
BKQinas.
Cap<;llas simples e com veo para n ivas.
(jilcas bordadas para meninas.
Eniremeios Cbiampados e Lurdados, da hdJvs
desenhos.
Escovas etectricas para dentes, t. rn a ,,r\ [ris-
dade de evitar a cirie dos dentes.
Franjas de seda pretas e de cores, exi.4e uas
grande sorlimento de divercas Lrgutas e L..
preco.
Fitas de sarja, de gorgurao, dc setim e de era-
maiote, de diversas largoras e bonitas cores.
Facltas de gorgurao uiuilo lindas.
Flores artiliciaes. A PredilecU prima em a-
servar sempre um bello e graude ^rtiineuto
tas flo-es, nao so para enfeite dos cbHIos, ^,* lambem para omaio de vesiido de ooivas.
Galoes de algodao, de li e de seda, bra nos, pre-
tos e de diversas cores.
Gravatas de seda para horuem r se-tihoras.
Lagos de cambraia e de seda de diversas eere*
para senhora.
Ligas de seda de cores e brancas bordadas |r
noiva.
Livros para ouvir missa, n:.m capas de madre-
perola, marfim, os^-o e velludo, tudo qne ha <*
bom.
Pcutes de tailaruga e roarGiu para alisar os -
bel'os ; teem tanibem para tirar caa^as.
Port bouquet. Um bello sorlimento de madre-
perola, marnm, 6sso e dtraradis p> r barato pir^ >.
Permmarias. Neste arligo e>ta a PiulihiMi bn
provida, nao so eut extractos, com.. e:n oleot
banhas dos tnelhores odc'res, dos mais jfaaadt-*
fabricantes, Lonbin, Pivcr, Sociedade liygwoi :
Coudray, Gosnel e Rimel ; sao indispi-nsavw ftln
a festa.
Saias bordadas para senhora, por cownode
prec/j.
Sapatinbos de la e de setim bordados .para na-
lisados.
Tapetes. Recebeu a Predilecia nm boaitowru-
mnto de dj versos tamaniios, lanto para sofa co-
mo para ulrada de salas.
Vestimenias para, baptisado 0 qne ha de m-" r
gosto e os mais niodrrno sreceben a iredilo;:
de or ar. to prek-o, para dear ao aJcat.'V
imalquer bolsa.
Rua do Cabuaa n. 1
Attencao.
GALLO BRANGO


0 PURIFICADOR DO SANGUE
Para eurar tlias moleitiai out prortm tic vieio ou Jm-
purcxa do Sa*guc,tta Eicrofula.
MOLESTIAS CUTANEAS, OALLOS, MAHCHAS,
IRRUPCfaS. ETC.
Bheumatlsmo e Gotta, Dorse e
Affeccoes doe Osaos, Mai dos Ol-
hoe, Debilidade ou firaqueBa geral,
Dyspepsia, Incom.modo do Flgado, i
Uma falta geral de saude e uma1
dtsposlcao facll ao soffrlmento, km falter it
rariot outros incommodos, algums ptqxunoi, outros seriot,
sao at resultados e consequeoclu que mais tarde ou mala
cedo occoiTem.
AS MOLESTIAS de que padece o tezo feminino, tam-
bem, quasi iempre Bio devidaa i meama causa.
O UBlco tratamento efficaz a unlca
manelra segura de readquirir a saude 0
de ieU*clecer o eorpo, nadiaste o
emprego fiel o conBtante de um Pri-
fleador Mterante eo0 a
SALSAPARRILHA AYER.
Bdencia medloagairoaeata eaU Teme-
dk ao povo como o melhor e o mala
aegnro que eHa ecinheee para o flm
desejado.
Altm da rait da SaliaparrH\aUa4 ctwtpHtadi* jiriit-
cipati substanciat medieinaej trado tcrera at melkmtt. file fiiluma ndtttreta q<* a
arle Um deacobtrtopara trlifpar da aajwut ado) humoret,.
mat vidot 4 eompilkt qmtmo aj^iihmudt UmlamdeiU*.
Lmo qne a SaijapaiuuLBa AVkr haja panetradoao
IyiOTna, comeca entto a obra de reetabclcimnU),
Kio e n'um momtato nm em um dia
que a molestia desapparece.
Pouco a pouco, degrao sobre degrao,
o sangue vas readquirrado sua pureza, o
mal vac cedeado e a saude, 0 vigor a
robustes, apparecem (
Medi-ot do alia reputajJo coneoMatt
Co valor e uUlidade d'se laestimavel remedio,
Todos os dias apparecem oovaj. proyas da sdas virtu dos.
Todos os dias augment* o opilomo.
Oow>* fidedlgno de llvrar-se das suag. prinqspat*, dqpa e dp
reataurar sua aaude e ppr qtmseguiote, V>rnar mass alopo
soa exhtencia e mais duradoura a sua Tifta.
C tan Esptcificn ccmira yrandt parte ehronicat, HheiimoHntto, melettiat tottanomt, tic,
dada. Kitnaval sa
chronical, e metmb das outnirde
. ,ne.o ' n'um estado doentio e morbido
dosaagae.
La|o nio estiver pure* on que se
achar carregado com a infeccio da syphilis (talvez Ja da
annos paaaados), a molestia ha de appareoer sob uma ou
outra tonna e apreaentaudo diflereotes svmtomas.
nan-AttADe fob
J>t., J. O. AYER & ca- LoweU, Maeeu,
Esta. *, Chkmif Pro**** f Jlnmlyilcv,,
RUA DO RANGEL N. 3
Armazens de seccos e molhados
TEM PARA DISTINCTIV0 B0 ESTABFI.IXIMENTO UM GALLO BRANCO, PINTADO,
PARA ALGLMA PESSQA QBE IGNORE A LEITLRA.
Rodrigues & Pires, regressados em Permmbuco, cidade do Recife, successores, 4p
armazem do Gallo, a rua do Algibeves, em Lisboa, omais afamsdo econbecido a^raazero
naquella cidade, capricbam sempre em ter generosde prioaeira qualidade, dos quaes dao
aos seus nnmerosos freguezes um conhec'mento mais prolcngado na relaQiio abaixb des-
oripta :
0 que e bom e caro
Palavra bemdita que nunca fallou.
Chd perola fmo, a 5SG0C a libra.
Dito njiudinbo supor-fino, a 49000 a li-
bra.
Dito popular, lino,, a 3c000 a libra.
Manteiga ingleza fior. cm barril a 19600.
Bita ditafina, em latas, a mWJOO.
Bite, dita, dita e dita, a 1&400.
Azeite de peixe baleia, a 640
fa.
Dito de coco, fino, (a 80*> vs. a garrafa.
Dito doce e carrapato
Cameroes seccos, a 500 rs-. a libra.
Oueijos frescos empellicados, prer;o com-
modo.
Gascas dc edeo para lavar 'asa, a 160 e
120 rs.
Farinha fina de Muribeca.
Vassouras de piassava para service iuiar-.
rs a garra-^no, a 24,0 re.
Ditas grasdes a 500 rs.
Massas para sdpa de todas as qmalidar.
des "
Aguardente do caldo da canna, feitadei Viaho tinto e braoeo, superiores, ei^ar-
encoaunentia, a 500 re. a garrafa. j rafadose em pipas. E outros arligos qucsbrsi
Dita popular, a 320 e 240 rs. a garrafa. | enfadonhe annumerar, em seeco o m
Dita branca, a 200 rs. a garrafa. I Ihados, por ser extenso.
.' -
AMAJBEI
fazendasfinas
Rua-Primein9i.de Vanto n. 7i
M
Oordeipq Simoesc&O.
E' esta uma das cisas que topje pode com pri-
iqaa offereeer ads seus fre^ezes'tim variadissi-
mo soriimento de fataodas rinas para arande toi-
lette, bem assiui para u~o ordiaario de todas as
passes, e por pretos vantajosos, das quaes faz um
pequeno resumo.
Mandam fazendas as rasas dos prelendentes,
para o que tern- pessoai uocessario, edao acaostras
mediante penhor.
Cortes ae seda de Finda'' Cores.
Grosdeiwples de toda9 as core*.
GorgurSo branco, lizo, de listras, preto, etc.
SeUm Jfc. Grosdcoapl.es preto.
Velludo preto.
Granadine de seda, preta de cores.
Popalisas de lindorfadJdes.
Filo deseda,!bjanw*;*i;!0-
Ricas basqiiinas de seda.
Casacos de merino de cOres, 15, etc.
Man tas brasileiras.
Geitas coBcarabrala brfiDca con lindos borda-

! Ricas eapellas e mantas para noivas.
: rtitratssimo sorttmento ds fas com listras d
seda.
Gamfcraiws-de cores.
Ditas maripozas, brancas, Iizas e bordadas.
Nawuqfles dalindPftpadipea.
Bap.tislas, padrije? deucados.
Percajir;* d qoadros, pretos e brancos, llstrts,
etc:, 'etct
Brins de Habo de oar, .proem* vast. veatida%i
^om.h^ca.e listras- t, t .:> *
Ili:os cortes de ves,tidp de lmno, c i
aiesma c6r, oTHma mi*"-
Ricos cortes de vestidos do tarlatana bordados
para cdrtes.
Espartilhos lisos, bordados.
Foulard de seda, liddas cores.
Meias de seda para senhoras e meninas.
Ricas faehas de seda e la para senhoras.
Rico sortimento de leques de madreperolas e
osso.
pamasco de seda.
Case.nira preta e de cores.
Chiles, raadapolao panno fino preto e azui, col-
larinhos, punhos delinho e algodao, gravatas, la-
vas da fio de Bscossia, 'apetes de todos os tama-
nho?, holsas de viagem, peitos bordados para ho-
mens, len^ps de linho branco e de cores, toalbas,
guardanapos, etc., etc.
Vende-se as casas terreas segainte3 :
Rna 24 de Maio (eutr'ora dos Ossos) ns. 2 e i.
Rua do Fogo n. 2.
Rua do radre Floriano n, 35.
Travessa da Bomba n. 5.
Becco do Padre Lobato n. 8 A.
Becco do caes da Cadeia-nova ns. 3 e 3.
A tratar no Largo do Carmo n. 1.__________
Asunicas verdadeiras
Rie.has bainburgaeza.* qa<- vem a. este mercadi
ua rp,r jfargtiez Je. .j.':ad^ n. 51_______
PaQO de algodao da Bahia.
I VWde defolitt as qnalidadee Joao Rodrigue3 de
Faria : na'rua'dw Amwtaain. 33.
Furaos
""Da Bah a e do Rio, vende Joao Rodrigues de Fa
a a, ruado Amorim n. 33__________________
i*
as.

cha-
Amaral Nabuco 4 C., vendem bandejas di
rao de 12 a 30 pollegadas a de gosto rateiramen-
ta nsvo e de meul, tarabem honita pintuia e de
fliver80stamapho&: no Bazar Victoria q- 2.
Engenhos em Mamam-
eruape.
Vendose os segnintes :
Bnrra.
reguloa.


e
A tratar corn sens proprietaries netHa cidade,
^eTWsFnhb, na mesma cidade de Mam^gaarji
'
qeauiO
)
d
Paris n'ATBierlca, A ruaDa-
que de Caxias u. ,59
Srimetro andar, acaba de racstePun^MnpWnvl
)ri inioato de ealfiados. estrangaim PH|njiHai
9nhora, vindo entre e^es ,um Jifiio s,ortut^ntp_de
legantes cbiquUos. sapatinbos e bolinas para
criancas, que tuTOvende pxjr'preces^ftAHrwisr"
If il'lFlSJW o
i in
T
Veiwiefn
Wilson, Rowe & 0.
: Era sen armazera a rua do Trapicboa ii, o se-,
guinte:
AlgodSo azui americano.
Pio de vela.
Gar via de pedra de todas as qualMades.
Judo mnito barato. ,.__________________
Lindas las escocezas.
De varios padrSes, e Inteiramente modernas, a
860 rs. o covado : na rua Primeiro de Marco
antiga do Crespo n. 13, loja'das eolunmas, de An-
tonio Correia'de Vasconceflos.

Na rua do Queimado n. 43,
praeinha da.ladej*ft*euc|i.
i do camfcrara'de odrm.
fustaO(fja,liada3,ieBBet mug!*
Sajas.hiydi^ajpafa sea^oras.
ada
owav
Farinha de raandioca nova.
Receatemente chegada de Santa Catharina tern
para vender ao trapiehe Companhla, ft para *atar
po seu escriptorio a rua do i.'oaimercio a. 5, Joa-
quim Jos* Gongalves ReltraoA Filho. AdverlJidt
aos compradores que L'esejando acabar, vendem
niars barato do que em rtualquer otrtra parte, tan-
cetto em permenas por?5es._____
SMaSAlPAHUULV
DE
RBISTOL

!
*0P 1
diminuto pre?o de
loja de Guerra e Fer-
Aprovaite.ni.oue sq 6 barato.
Lasinhas a cTHfleiacdm padrSes de furu'eores,
fropria para vestidos. pelo
60 reis o covado, so na
nances
Dao se anwtras._________ j
Vende se a taverna ska a rua de D. Maria
Cesar,puu-'ora Seo*a)|a ,pva n. 6, propria para
principiante, p6r ter poucos fundds, a qaal ojTerece
vantagem ao comprador, por estar bem alVegne-'
rada para a terra: qpemn pretender, fllrija'ee a
mesma.

Camisas Dordada.s, para. senBpras,.'.dftiliQV0 e-'l"
*6dpiiaieBto daUiws da verdadeiaatabricj de'
JqwMA. gara homaae et.sepjtaac<{ stL
Vestuarios para meniuus.
ism^^mt>- _-
Toalhas e gowdawapoe adamaioados de linho de
idnipara fresaiiaanq o iol c!at4 aomol
timWdee^iis'dfrlibhr), fynurt
aaaartMtawfla.
Meias de cures -neaat-aeenlfi^ i maaiaoa meair
m .lexaiq o ofcol n
to
a-searrcKs. rjB
Dito preto, trancado e dito de verfoi
^wainado pirdo.
wHti*tlk$tbrMt& 'KKcfras *reto.
Se* deHMtatt}riaesaaailaana>
Cbales de roerinu de cvrw a preios.
Ditds de casemira. J^--*Ml hot alt
Ditos de seda preta e 6lrWWl?M1 *. v' "
Wfcs aetonqrirkw* "l" aapoM
Camisas de chita para homens. oiaoaa oii'.f
Ditas de flanella. uodnivoi A -
ftiffiot^r^r^^nso
Fazendas batatas
Gjfanadinei oobh palmas de seda, BBdroes intei-
rarnenJie novos, a.6lO rs. o covado, chitas de cores
de diversas qualidades a'3*0 rs. o covado, brim
pardo jrara ealca a 360 rs. o covaido, colarinhos
de anlo a4^ a daiia, lencos de csssa, peiuenos,
900 rs. a duzia, lizinhas de cores, padroes rauito
ndofi,.||OTitras mnitas fazendas baratas ; dio-se
. na roa Doque, dfe L'axJai n. I*, loja da
dry fee ceo de Pei^PriW:
Baxattfs^imo.
Vende-se1 las escocezaa de rfjuj: liados'padroes,
elo diminuto preco de1 ml' rs. q covado, Taretida
|ne se vendeu por 500 rs.: na riM': Craspo-n.
T^jad*esqhina. P'o-se'imoitras.
1
ftdsetio-* AW^e^-ieavptra wa*ertaa*ofi
do ARantta deioaalidade e.^flial: era seu arma
zem na rua do Duqae de Cajpaa.p. j^9. ___
Vende- e o sitio Me'.dea a>iCima, n-
trea^.engeob s l?atlisU.e,FBaaso.. ^uem
praVeadbr ^lle.raa ff>j>)r, fpgiiiHbo, em
(Jlinda, que se acba luAoriaado a wen-
"W
(Jamfeas de cr^tfcme
ais moderna- quo tern vindo ao niercad'-y
ns,as e,.com'iistras, e qbe se veh/re a WjOt
M e a 3#5j0 cads uma ; t pechmeha.
C Lencos bordados e de labyrintbn.
r wlcbas de crocket
1" Tarlatana de todas as cores.
'
... anaa ii, fund^od'ediversos
Brim pardo luo, o que ha de mais lino, com um ^m^jos
loque de avaria, e que se vende a 480 rs. o cova
do, fazenda propria do paiz por ser Hnho pnro,
applicada para costumes de homens e de menmos :
io na rua do Cwspo n. 20, leja das tres portas, de
Goiiherme di C, junto a loja da esquioa.
CLUA OS GVSOS MAIS Bi:sr.SPKILADOS
A SAFSAPARIULHA DE BRISTOL puri-
lica a massa do sangue, expelle para ftra
todas as materias e fezes viciosas e i.ipuraa,
regula todas as secrecies, di vitnlidrvle e
energia a todos os organs e \& forija e vi-
gor ao systema afnn de poder melhor re*i<-
tir a todos os ataques da enfermidade. L
pois este.um remedio constitutional. 1 lle
nunca distroe alim de po<]cr curar : pot> m
constantemente assiste a nalureza. 1 o"tnnt-'
em todas as doencas conslitucionncs <* em to-
das as molestias locaes de{)endentf tado vicioso e imperfeito do systema em
ral, achar^se-ha que a Sai.saparrilba m
Bristol e um remedio seguro e eftirassr
mo, possuiudo inestimaveis e incon',- st*
vrtudes.
As curas milagrosas de
liscrofulas,
Ulccras,
Ctaa^aa anti^aua,
ENFERM1DADES SYPUlLl.lCAS
ERYSIPELAS,
HlHEUMATISMO,
NEVRALGIAS,
E8C0RBUT0,
ETC., ETC., ETC.,
que tem grangcado e dado o alto ruaome
Salsaparrilha de Bristol
por toikaa* paries do universo, sa- -io o-
mente devidas k
UNICA LEGIt III A C OaiGUIAL
Salsaparrilha de Bristol
_______NA PHARMAOM CENTRAL________
Grande sortimento de las pa-
ra 240,320, 400 e 500 rs. '
Na loja da Boca Branca vende-se Irado s irli-
mento de la> para vestido, por precos baratissi
raos, como e cy.-tarae desta loja, mauda sa
nas casks : na rna da Imperatriz n. 56.
Yeos para cliapeos a 1 $
A Rosa Branca vende vies de s- Ja para caa-
neos de senhora, sendo pretos, brancos, t de oo-
^as niuitas cores, pelo baralissimo Pf'^'JI
qada' um ; Mo e de gra-.-a : na ru* aa Imperaa
1 Feitea-feordadofe a lJfcOO/
. A Rosa Branca vende peitos de 6no esgaiita
nordadps, a. 1*500; e grande ptchmcha : u tm
da Imperatrit n. 56.
Yarandas fundidas.
Na fundicio de ferro de Cardoso & Irrnio a
rua do Barao do Thumpho, outs'ora rua do Braai
. 100 a lOi, tem para vender varandas Ae *r-
e bonilos gostos e aregai
cornmodoa.
- venoe se uma taverna na ma das CMJ-
{as, osquina da rua de S. Mo, cem boa caa a
vivenda e bastanleseomuiodos oar? fatail-a : qneo
pretende-U dirija se a mesma.

aM




!*
8
OUrio <^ Pernambpoo Begunfa feira 23 de Marco de 1874


4 *
UTTERATmtA,
4 tnetreief publica
terra.
In8l.
cagio physica, mantida corn fart* nples tgridade tern p>r fundamento o respeito qua
nutngio, desenvolve-se alii com triump^a- *H ligido aos sous costume*, seu saber,
te energia. saa gmvidade, sua benevolencia. Para lies
Tem-se obserrado que em certos estabe- > os sous parentes a amigos.
lecimentos privados da educacio gymnas- Mas e sobre tudo ao reguUme.Ho qua el- JS^.* fWBPn>aado o Who Rugby,
POR C. niPPEAU.
Prologo.
CAPITULO it
iMSTRUCSiO SECUNBARIA.
r
(Continuagio)
II
*As escolas do Ingiaterra s3o governa-ias
Cdeco/Cn "'reun^T'd? p'UorSCmr-T^T lmp0rtVS ^ 6-'eh% n0S C0,,ei*S d* In,aterV''
ecrWi1 aiJl Ptes*ores ? rautua educagio, e, sem Wlar da eoer- verdade quo o uoico encarregado da appli-
^rAsS^n\^\^^^^m^^^ S!t "* "ess. Parte regu.amenio qualquar
mas qua teadas ferro u rossa natureza
Fjqaem todos bora certos de que fareis o que
dissarde* ; que rossas resolucoes sio Grmaa,
a nio fluctuautes; qua uma vez decidido a
ana cousa, nem seduecOes oem
torao effetto algum sobre vos.
amoacas
racter, nem a firmeza qae se eocontra ea roso. Sabom'qtjsiioobuma ?iola^daTfi|wIwrrI^S?p8lte^
queues que a receDBm. J lr, impune,qe B,Md ^^tTh^VT^6?;'.8 urn E
ficari impune, e coma, entre os meios dis-
cagio nao esta toda n-s mios dos mestrea, 'ciptfnares, figura aioda aquelle genero de
escrevia a urn merabro da commissio ad- castigo que mais repugna i delicadeza in-
ministrativa da escola de S. Paulo, em Lea- gleza o ckicote, os alumnos o supportam,
dree, um d censores dessa c,sa Os me- sem murmurar. Sim, ainda sa applica o
Jnino desempenharo. importante papei em chicote nos collegia* da Ingiaterra. E"
a------- -----------r----- u^viihuui papoi out uuiumu
jubilades, ."todos eoclesi ticus! Tn^HZ vSFJSSSZ"?**?/ e'.*?m.f!I1'r <**. *-' ride q" o uoico encarregado da appli-
de membros de cc
nas. distinctas e honr.das7eWhas7o en- M^t^'mSiS^ to J5> pal f um resto de herbaria que te, sio-
stno e aos estudos. As principaes esco'as
eesta classe slo de Winchester, Westmins-
ter, Eton, Harrow e Rugby a escola do S
laulo, a dos alfaiates commerciantes de
Westminster, a Charteuse, em Londres, e
as escolas degrammatica de Leeds, York e
Purham.
E' o caprtulo que administra o col-
legio annexo a cathedral de Westminster da
qual a escola 6 um appendice. As rendas
desaa capituio sio do 700 a 800 contos.
besta quantia uns doze contos sio destina
dos i manutenQSo de 10 pensionistas e dous
raestres. A companhia de mercieiros de
Londres adtninistra a escola de S. Paulo,
fundada pelu Dr. Colet. amigo de Erasmo
e deao da cathedral. Conf jrme os termos
do legado da fun JagSo, a escola devo rece-
bef somenti 153 alumnos, em memoria
dos 153 peixes apanhados pelos apos!olos
i.a pesca milagrosa. Dabi Ibe vem onome
de Peixe grandes {the big fkhes ), dado a
os alumnos de S. Paulo pelos seus cama-
ra.das das outras escolas.
/Longe das grandes cidades, no meio.dos.
campos, de largos horjsojjtgs, g ^je es\ho
^|locados quasUoi^oscollegios. A edu
cat^to^iifr-'Stii se recebs seria mpossirel
nas nossas vastas casas, onde sio mettidos
e concentrados todos os servicos, onde uma
ordem severa tem a porta exterior fechada
a todos os alumnos, e onde ate as re-
creates se restringem nos pateos cerca-
dos de altos muros. A escola ingleza, co-
mo a dos Estados-Unidos e como uma
aldeia, onde se grupam em torno do
edificio principal, as classes, as biblio-
thecas, os museus, os terrenos destinados
aosjogos. Nao longe dalli, em elegantes ca-
sas de campo, residem os professos, onde
sio recebidos os alumnos na qualidade de
pensionis'as. Conservam-se ahi como uma
familia e toinam as suas refeigdes com o
mestre e sua mulher, m8i, irraao e filbos.
Este mestre 6 o seu tutor, em lugar do
pai, o director e vigilante dos seus estudos.
0 numero dos alumnos n&o e considerave! :
Eton conta 800, Harrow 520. Rughy 495.
Os demais collegios tfim de 150 a 20 >. So
se reunem na capella para os exercicios reli-
giosos e para o ensino nas horas das aulas.
Mas depois das b;o>s vai cada umpnracasa
do professor. 0 alumnofica entao senhor do
seu tempo, diipSe delle a seu bel prazer e
sem sujeif;ao algucna. 0 campo todo per-
tence-lhe. Todos os jogos s5o seus.
P6de-sahir e entrar em ensa quando lhe
aprouver. A unica restriccao 6 a hora da
UqSo, a da comida e a de recolher que
tem lugar no verao a"s nove horas e no in-
Terno-a noitinha.
Gramas & liberdade de que gozam os
alumnos, couservam elles a mais grata re-
cordagao da escola em que se escoou a sua
infancia. Chegados a homens attostam essa
dedicacSo pelas doagdes, legados, e funda-
goes depremios.
Mas, dizem, os estudos ? que vem ellesa
sqt com esse regimen de liberdade e inde-
pendencia? Respondem os inglez-s que
isso nao passa de uma consideragSo s?cun-
daria. 0 essencial e que o menino apren-
da uma cousa mais importante me?mo do
a sciencia : e" que neste mundo o seu des-
tino e ser livre, porem responsavel por suas
accoes. Cumpre que a escola seja a apren-
dizagem da vida a iniciagao do uso racio-
nal da liberdade.
Isto quarto ao hbmem moral. Ntio se to-
ma menos cuidado em former o horaem
physico. D'aqui a iraportancia dada a to-
doj os jogos e exercicios que tornam o cor-
p3 flexivel e robusto : a petecaa pdla, o
remar, a carreira e sobre todos esse fa-
moso cricket, pelo qual meninos e adultos
teem igual paixao. Duas ou tres vezes por
semana, as aulas suspendem-se ao meio
dia, 0 resto do tempo e para os exercicios
do corpo. A opiniao publica presta gran-
ds consideragao is distinccSes concedidas
aos vencederos nas lutas athleticas. Tra-
vam-so desafios entre alumnos de divfirsas
escolas.
jca moraL creio que tempera de espirito que seja a idade do culpado, e
peso dos j'ogos do que nas salas das aulas. gularoontraste com os habitos da civilisac^o
Pouco caso /aria do menino que nio tives-' moderns ; mas nio 3 raro ver na Inglaler-
se paixao pelo.-; seus jogos e rocreios, por-Ira, ionovadora e coos^rvadoia ao meamo
que esse raras vev.es a sentira" pelo traba- tempo, fl jrescerera ainda ioatituiooes velbas
lb; jaolado de outras concebrdas com muile
E' justamento o que pxnYsam em Franga diflerente espirito. Ha uma- parte de ves-
aquelles que appro1 vam e reclamam a in- tuario bumaoo cujo nome se nao poderia
troduccAo, por jnfei'icidade muito pouco pronondar em Ingiaterra sem icar sujeito
geoeralisada ainda- e;a nossos collegios, dos a ouvfr a paiavra reprovadore i isto e
exercicios gymnastieos 0 militeres, \indecenU [ shocking} Im e no eatanto nao
A parte attribuida pelo* inglezes a tude se hesita em absixa-la para iofligw um cas-
que pdJe desonvolver a iorgas pbysicas e tigo que ninguem acba shocking.
exagerada. Ella prrjudica por certo osj Quizeram, dizem, em um dosses1 tefabe-
primeiros estuilos. bo.d xneoos forga do que lecimentos sulbstituir o cbicote\por tfna
nos n ,ssos esfabeleciroeotos uoiversitarios ,|mjlta. Os alumnos rerokaram-sq eoirtra
mis nada impede que o seus Alumnos os essa subsiitiifio e griteram ; Viva c 6hi
- cote fora a mulla I Como a rather do
SganareHo> decfararam ejoe queriam levar
pancada : E pois o flofyvmj se menlew.
0- alumao poa o seu orgirfho em sup'portap
estes casligos corporaes, bofetada*r palma-
toadas, o aq,uelle que nos considbrafnos como-
lisodnso 6 degrad*nte.
I Urn m disci pi i car muko' mais- bem en-
tendido, cousiste em confiar aos-qniuze pri
reconbecem depois sub forma mais seria.
fnconveniente mais real, e qne os inglezes
deyem a esse como culto ae-desenvo>lri mew-
to physico o gostj pelo pugilato, brigas db-
gal to, e outras formas do tporl,. qrie os ca-
racterisa.
Ha no systema do p^nswee livres etn rr
dor das escolas public**; HBuJMIM
medalha :_4-^jue'. %6ii,m'atte orgimisacao
custa extremamente caro, e que estes es'ta-
belecimentos s6 sao accessivets para a> n'ca
burguezia. Em Eton, Harrow, as despez.as
de educagao e suslento nao sio, para> cada
alumno, de menos de dous contos de reiis
por anno. Sendo os vencimentes doe prin-
cipaes e dos profossores mais- que medes-
tos (4005000 a 4809000 no- collegio- do
Eton), elles so podem susteotar-se reee-
bendo em suas casas pensionistas -por peec(>
subido. Esta calculado que on professor-,.
que tem o direilo de receber em seu demi 1
ielio 30 pensionistas, pole gaoStar por ann
dc 16 a 17 contos de reis.
Os emolumentos do principal do coltegjeJ
de Harrow eleva-sea 157:800> franco*, os
do principal de Rugby a 7i:000,. os do d*
Eton a 112:000. Suppondo que estas func*^
cionarios despendem a metade dessa qaaa
tia corasigo e suas familias, ainda lhes ficaJ
uma bonita renda, e se continuam duranta
25 annos a exercer funccdes, muito peno-
sas sem duvida, e muito meritorias, see
deltas recompensados pela posse de um ca-
pital 1 que nunca obtem os mais favope-
cidos membros de uosso corpo de en-.
sino.
Nao me pesa por carto, ver esses bonra-
dos funccionarios dignameute remunara-
dos ; doe me, porem, que as suas licdes $&
possam ser dadas a alumnos cujos pais po-
dem pagar uma pensao de 5:000 fraceos.
E' verdade que se projura remediar esse
abuso multiplicando os lugaces de pensio-
nistas para os meninos de familias pouco
abastadas
Hoje, quasi por toda a parte essas- pen-
sdes sao dadas em concurs,*,, para tirar todo
o pretexto ao patronato e tY.-vor o quecon-
tribue, seja dit > de passagem, a elerae; o ni-
vel dos estudos, porque em geral os pensio-
nistas sao os alumnos naaii distinct* e es-
tudiosos
Antes de fallar das materias de que se
compoe o ensino nos collegios antigosou.
modernos, importa iudicar como se alcan-
ga, em uns e outros, essa conoiliagao de
ordem e liberdade qua- os politicos conside-
ram como problema quasi insoluvel: res
dissociables, diz TaeMo. principatiion et it'.-
bertalem.
A solugao do problema acbaram-n'a os.
iuglezes no seu respeito & legalidade. E' -
pnmeira virtude que o seu exemplo iaspis
ra a mocidade. A obedieucia & r.egra,
dizem rauio bem Mrs. Demogeot e Montuc-
ci, e natural ao jpven inglez. Desde a sua
infancia, tem ante os olbos o culto e se &
permittido dizel-o, a superstigao da lei. Se-
ja uma lelgeral, dura e ate absurda, o in-
glez, abaixa a cabeca a-supporta-a. Ofran-
cez discute a lei ja feita, em nomo.de alguma
cousa anterior e superior & ella." 0 inglez
discute a lei quo vai fazar-se ; logo que ella
exists, obedece-lhe com os olbos fechados.
Esses caracteres^ indomaveis ao arbitrio e &
forga, curvara-se sem murmurar ante a ba-
gueta preta quo represanta a soberana ab-
Preoaram se muitos mezes antes por um soluta da log aterra, a lei. E' porque sen-
lei e a salvaguarda do que
por igual com a liberda-
modo de vida partic ular, do que por uma edu
cagao especial. As vantagens desses violeu'os
exercicios, que fortiQcam o corpo, sao apre
tem qne a
elles a mam
de.
meiros aluoMOS da eseolii, qne tumam o ti-
tule*db rnonkortt, o eaidado- db- m inter en-
tre os seus cosdiacipulos a-ordem-e-obser-
vancia dos regulamontos. Sao- portanto os
proprios aluamos que srvigiam a-govemam
e itre si. Os qpe rnaodam^ come^ram obe-
deceudn. e os- qoer obedaeem, sabem* que
mandarao por saa vex. 0' systema moni^
/on'a/',.favoravet mdepeadencia e-viriKda-
de do joragaoi ten a grand* vantagen*- de
supprimir os mestres de estate e, percon-
seguintetima das-causas maisbabituaes dessa
luta que- mais ou* menos aborts existe- em
nossos collegios eotae alumoes e mestros.
Nao seria por essa raza> qpe os- jpvens
mglexes sah-m da ejcolas oeide gozarara de
liberdade'.qpasi ccmpleta, e-donde traiem
as maistebzes reuordagpes, con um graode
respeito & autoridede, quando o nossoe
mancebos,. sujeitos a reclosfte- e rigoroso
constrangrcaento, traaempara asociedateum
espirito de insabordJaagSo e revolta, cujos
resultades-aae muitss rezes deploraveis?
Rao darei a mesma approvagao a um
desses- uses odiosos- a ridiculos que nossac
escol is railitar a poiyteehnica teem conser-
ved o ale-estes ultima* tempos sob- o. no me-de
berliiukut. o que, sob pretexto- do manter
a-igualdodeentre to*os os alunmas, uje>>nn |
os no vatos a solirearem i pacientes as obriga-
goas qaa-lhes impoaha o caprtebo dos ve-
teranos.
Nos collegios- de Ingiaterra *m verdadeiro
servigc* de criado (figging) e imposto aos
novatos polos mais adiantados. Todo o
alumno abaixo de uma certa dirisao d-servi-
dor [fag] dos alumnos das durisoes sugerio-
res. Cada um destes- tern diceito ao sorvigo
de um ou raais meninos de quern se estabo-
le ce senbor (master). 0 deagragado fag,
forgado a.dobrar sea todos os-capricbos e
exigencias do senhor, 4 algumas- vezes tra-
tado com a mais revoltante- barbaridade.
Emprega toda a sue Of/ragenx e energia para
end urecer contra Ridor, e esses partidistas
de todos os costumes- qu.e acuara exeeQentes,
porque sao antigos, teem moito- a peito a
confer vagao de um uso quo prova que o in-
glez civilisado amda, nao pendau aquella rur
dez, aquella ferecidade qua por taoto tempo,
tem caracterisado a raga anglo-saxonia.
0 director da-uma eseola de Londres. dir
zia a M. Eugene Rendu que ella procu-
rava fundir teero. na alma dos meninos.
Outros acham no faggmg, um meio de ea-
sinar aos rapazes, pela pratica da obedien-
cia, a arte (te mandar e o respeito da jerar-
chia.
Ill
0 espirito emioeatemente utilLtario e pra-
tico da nagio ingleza se manifesta na idea
que influe no ensino das grandes escolas pu-
blicas.
Nao. e precisamente a instrucgao scienti-
fic* ou litteraria que os alumnos vao alii
procurar, 6 a educagao, nao e so a culture
intellectual, 6 o fortalecimento da vontade.
O homem nao 6* tao poderoso pelo que sabe
como pelo que quer.
Seja o primeiro atvo de vossos esfor-
gos, esoreve um pai a seu filho, mostrar ao
mundo que nao sols feito de pio ou palha,
FOLHETIM.
LUIfiaCIA SOSQIA
' MEM0R1AS DE SATAHAZ
POR
O. Uanoel Fernandezy Gonzalez
QUINTA PARTE
LEONOR
II
EM OLE SE EXPI.ICA COMO MICHELOTTO CHE-
GOU A PARIS E SE ESEABELECEU AHI COM A
SM FAMILIA.
(Continuagao do n. 65.)
Deve, pois, ter muitos filbos, porque
as mulheres tristes saa mui fecundas quan-
do recuperam a alegria no seu paiz ratal.
Engana se, amigo, tenho a desgraga
de nao poder legar o meu none a um her
deiro.
N3o tenha pena d'isso, porque eu lhe
procurarei um.
Hein ? Que dtz ? exclamou o Sr. de
Arnestevil e tossindo como quem esW en-
^asgado. .
Digo-lhe que ha de ter um herdeiro.
Como Pois a senhora de Arneste-
ville teri dadd i luz um filho sem me par-
ticipar ?
A senhora de Arnesteville ignora que 6
mai.
0 sr. de Arnesteville espantou muito os
olbos.
Michelotto, por toda explicagao, levan-
tou-se, dirigio se a uma as psredes do
n'ella tres raurros a disse
traga aqui a crianea
aposento, bateu
em italiano :
Sr. Giuseppe,
que n3o e seu filho.
Pouco depois de Michelotto ter chamado
e aberto a porta do aposento, entrou Giu-
seppe, com o rosto coberto por uma mas-
cara, e trazendo nos bragos uma crianga.
Eis aqui seu filho Paulo, disse Mi-
chelotto em francez ao Sr. de Arnesteville.
Qua imprudencia, Sr. Pedro de Ron-
camp I replicou o Sr. de Arnesteville olhan-
do com receio parr Tonetta e para Giu-
seppe.
Esteja descangado, prosaguio Miche-
lotto ; nem minha mulher nem este excel-
lente mogo entendem uma s6 paiavra do
francez ; tenha, pois, entendido que esta
crianga 6" seu filho, Paulo.
Meu filho I
Como nao tem filbos de sua nobre
esposa, 6 muito provavel que os nio venha
a ter, a nao ser que sejam filhos dos ares
nataes de sua esposa.
Dos ares T
Sim ; nio ouvio fallar nunca n'aquel-
las celebres egoas gregas qua pnduziam
cavallos filhos do ar T
Mas para isso, amigo de Roncamp,
seria necessario contar com minha mulher.
Quem diz o contrario ? Escreva-lhe
que jd torn gozado bastante dos ares do
seu pa>z natal, e que c muito justo que
venha respirar durante algum tempo, o mes-
mo ar que o senhor re?p ra.
Sim, ente do, iuae qne a senhora
de Arnesteville n3o gosta dc viajar senao
mui commodamente, e qie do Beam aqui
u8o gastsri menos de um am.
mem iustruido? Mas nao e para isso que
n6s ahi o mettemos ; pelo menos nao 6"
para isso principalmente. Pou me impor-
tam as particulas gregas, nem tto pouco
sua mii pensa nisso. Ssja elle um honra-
do ingl-z, um homem util, activo, sincero,
um gentleman e um christao, que e tudo
quant> me convem. a
Os estudos nao seo mais do qua uma
parte da vida escolar. 0 alumno trata pri-
meiro qua todo de alcangar um lugar boo-
roso ert.*e os seos ignaos, pela sua torga
phviio, actividadd, destroza, e polis quali-
dades monies que faz mi um bom e leal col-
kga EHe tem o seu dom cili->, sea peque-
ao gibtmAn seu horns, onde recebe. Tem
sens mnigoi e inim?$os; torn* cbA com
aqwelles e bate-ro a soco com estes-, e f.z-
se respuiiar por todos.
Com tees dtaposigdes, es estudos, deixa-
dos pnrj oj seg>rlo plano>r correriara pe-
rigo (teserem oegligenciaies, se se naoap
plica-se-w meios poderjsos para facet coin-
prehenifjr aos meninos quo elles- teem gran>-
de interesse- em trai>alhar. Um- excellente
eystema de- promogao- consiste- ern s6- doisar
pessar do uma para ovtra classe depois de
serios exames ; recompenses magnificas sao
concedidas aos melhores- alumnos qne de-
vour aos proprios esforg,>s rendas- annuaes e
jascota ou a* umversidade; a ate" pentoss vi-
talicrw.
0'qs>e favorese sobretiploesta importante
bra' da> educagao tutorial, que co^oca os
menino* sob a direcgao iewnediata de seus
professores, cuja maior parte sio eceiesias-
tkos-tao wspeitavsis por sue vida como por
seu- oaracter 0 ctero ingler differe em pon-
ios esseneraes do clwro cath.ilrco romanoque
dirigegraade numero de estabelecimentos-
de instrucgao secuiidaria: Casados; p.iis- de
familia, homens do mundo,. os clergman
das eseolas inglezas parecem-se mais con> os
professores teigos dies nossos collegios do
qua com quelquer outra-classe-da sseiedade
iraneeza.
As-rantagans obtide*-per uma combina-
gao qua faz qua os atomnos -participam dia
vida escolar a-da vida de faimha, sao incon-
testaveis, e os-mest res dae-se muito bem com
isso. Se em.' Franga so-deotdissetn a-sapr
primir os internatos. iiossoh professores-
.dar-se*biamdecorto per feliies em se acha*
rem aexemplo dos da lnglaterr&M* dos 1-st i-
dot-Unidos, addidosa vestos extsfnetos-eite"
,belecidos de preferaocia-fare-das-gzandes it*
'dados, e encarregados da certo- numero da
mocos, cujos estudossoriam- pacelles diri-
gidos-e zeladosi
Os chefes ptepostos aa-governo-das escc*
Us publicas (allo sobreludo das- antigas-
consideram as-bellas leU-os,.is'o .', js liuguas
o a litteratura grega e latina mo as uni-
ces qpe podem elevar a alma, i&spirar o
gosta.da verdade e do bem, e dar a educa-
gao moral, lien supremo a qua- sa devem
proper os professores da.mocidade. Esta in-
fluencia negam na elles as scienoias matbe-
matteas, as lioguas modernas, aescienciae
naturaes, qua,-. nas escolas antigas, nao po-
deram penetrar ain la, is quaes>.pelo con-
trario, as escolas reeentemente- fundavius
coucodem legit mo lu^ar.
Elles teem.por si a opiniao de um sabio
cuja a u tor idade e grande na fuglatora, M.
Stuart Mill, qpe sustenta a exseiUencia dos
estudos litterarios com argumentos que torn
muita analogia com os que produzia, em
ama memorarel sassao da nossa camera de
deputados. M. de Lamartino,. respondendo
ao illustre Arago. E' inutil entrar, aqui. em
uma controversia <:;ie divide, em Ingiaterra,
os melhores espiritos, primeiro porque e
grego e-o latim, teudosido sempre censide-
rados como base de toda & instrucgao soli-
da, esta* nos habitos inglozes conservar os
usos consagrados pelo tempo; a depois
porque a questio 6, em geral, muito mal
estabelecida.
Dirse-se-Lia que se trata de dar. um des-
ses ensinos com exclusae do outro, e, por
conseguinte, do fazer valar o, qua cada um
dalles tem de excellente e o que falti ao
outro para coostituir um systema de educa-
gao coapleto.
Hoja aao e mais posssivel separar estes
dous elementos, satisfazendo ambos necessi-
dades que reclamam igual satisfagao. As
escolas antigas mais afamadas, Harrow,
Rugby, Eton, empregam todo o seu cuida-
do no ensino do grego e Latim, ao qual se
junta, com certa mediae, o da historia e
geographia. Ellas naY) dao lugar algum a
rhetorica e philosopbia. Em todas as aulas
o ensino so limita d explicagao dos autores
a composigoes, tanto era verso, como em
Em todo o easo escreva a sua esposa
que venha.
Leontina nao hesitaria em vir se es-
perasse aqui diversdes, recreios e luxo ;
porque, francamente, Sr. de Roncamp Leon-
tina nio vai para o Beam unicamente por
precisar do ar natal, mas aim, porque a
nossa bolsa e que tem abuudancia de ar.
Amigo, este assumpto, como todos
os que valem alguma cousa, depende de
dinheiro. Nio importa ; amanha sahird o
amigo da Paris n'uma carruagem com as
colta, e trrra na sua companhia, com a
maior rapidez possivel, a mai de seu filho
Paulo.
E porque se ha de charaar Paulo, e
nio Joio, Antonio, Affonso, etc ?
Porque Paulo foi o primeiro norae que
me occorreu, e tanto vale um como outro.
Vamos aa qua importa. Paulo fica sendo
seu filho legitimo e de sua esposa, a senho-
ra Leontina de la Rochenoire.
Com todo o prazer, meu amigo; mas
a questio a* grave. A educagio de um
gentil-homera obriga a despezas, e por nos-
sa morte, que patrimonio deixareraos a esse
pobre anjo T
Bastari am rendimento de vinte mil
' libras tornezas T
! Conforme ; a senhora de Arnesteville
6 faustuosa, nasceu para imperatriz. atom
uns oihos quese enamoram de todas as joias
e de tod s os brocados
Pelo qua vajo sua esposa e um ver*
dadeiro cancro
Adevinhou.
ComtMito que o amigo nio seja ou*
,tro...
I. A mimbasta-me uma amsnle, eainda

assira barata ; olhe, contento-me com o
rendimento de quatro mil escudos de ouro.
Pois bom, meu amigo, conte com
vinte mil lihras tornezas de rendimento, que
lhe serao pagas em mesadas adiantadas, a
esse rendimento passard para seu filho
Paulo.
E, voltando-se para Giuseppe, Mic.heloW
to accrescentou :
Retira-te e leva a crianga.
Giuseppe sabio.
Vamos a outro assumpto, disso Mi-
chelotto. Quero crer que teem eredito na
corte.
Para tudo, excepto para obter de em-
prestimo um miseravel soldo.
Quem trata agora d'isso? 0 que eu
desejo 6 que o amigo cert fique que eu sou
Pedro de Boncamp, seu nrimo em decimo
grio, eque arrange o fallecimonto d'este,
de modo que nao traza ineon van ientes.
Oh conte com isso.
Pois bem, comece por dizer o raesmo
ao estalajadeiro, e faga-lhe crer que oco
brir eu o roso, bem como a minha familia,
eo cumprimento de uma penitencia impos-
u pelo nosso Santo Padre, em expiagao de
a guns peccados.
Perfeitamente.
E que isso seja de modo que nos nio
vejamos iii.:ii Jimjda Ijs pelo grande prebos-
to do Paris.
Oh I o grando prohoste, o Sr do
Cbataaubois, e um grande amigo meu ;
esteja descangdo, Sr. de Boncamp, porque
se o senhor se esconde com receio que o
procurem, tenha a certoza de que ninguom
o encontrara".
Pode, porem. *er que se vallum lo
prosa. A explicagao dos sutores nio 6, como
nos collegios de Franga, uma escola de es-
tylo; e uma como interprttagij mecanica
e grammatical, acompanhada de obsarvagdes
pbilolocicas, de comparagoes, de textos, de
esclaretwnentos historicos. 0 que ha da
mais notavel neste ensino das liuguis mor-
tas, e a quantidade consider*vel de materias
explicadas durante o ann >. Cada uma das
classes, cuja duragSo e de uma hora somen
te e algumas vezes de menos, tem seu em-
prego particular e sempre uni:o: l.tim,
grego, mathematicas. Este ultimo estudo
nio e para os alumnos mais do qne uma
sciencia de memoria ; alguns limitam-se a
re itar maquinalmento os textos de seus li-
rros sem comprebende-1 tem em pouca coma a razao e dio ant- o
methodo do que a mtelligeucia do principio.
P6de-se dizer, em geral, que em todos os
ramos do enauo, linguas, histo.ia, littera-
tura, os melhores alumnos sao aquolfes que
tem ajuntado e conservdo mats porHeeno-
res, informagdos- e factos particulares. Os
principios philosophicos, as considera^joes
geraes, as vistas esthaticas, tudo quaato diz
respeito i arte d ponsar s6 en tram no cfxh
dro- da- rostruccao secundarra de uma naa>
Jeira imperfeita. E"" uma lamina cujas con-
sequenows s efazem setityvna formgio da
espirito e caracter nacional.
Para- estimular o zelo" dos alumnos e dar
mais ferga aos estudos, as-uoiveridades teem
tot (em Ingiaterra nada sa mm
deu-ibe, porem, um folpa qua acabari par
faze-lo dasapparecer, subitituindo o regioMQ
das nomeagies de favor pea do axame
concursos. Quando se provar que os offi-
ciaes mais instruidos e capazea sio aqual-
les que nio compram, mas cooqeiaUaa a
sua commissio, todos se envergonharao de
compra la.
Ji vimos que o estado fat que tomasse
grande dosenvolvimento iaatruegio das
classes operarias, estabeleceode a repartifio
da arte e sciencias (art ami teience dtpmri-
ment). Etle olTorece animaffcs e subvam-
goes, e para logo os eidadaoa, eorporagoea,
m itteram mio obra creando por toda a
parte cursos de desenho, a fondaado belles
escolas industriam, boje florescentes.
Felizes os paizes em que os governos se
Irmittam a mostrar o raminho, e em que
o eidadios tem baatente intailigeocrr para
aht march a rem, seguindo as livres ioipira*
odes-de seu patrioUsmo-1
i sua disposigilo recom?ensas- largameute
distribuid&s- e um system* dfe exames que
nao doixam socegar os estulanles dispostos
a mollezr ou- inuifferenga. 0* premio* sio
medal has ou livros de um valor, em geral,
ibastante elevado; Em Eton,, por eemplo.
Ida-se duas vezes por anno era premio quo
Jconsiste de livros do prego de -250 francos
por uma p-jesia' feita nas feris; de 135
francos por amadeelamagio oratoria. Em
Rogby, OOiWOO, por um tberoa latino :
301?000, por versos-jambicos grego*.
0 premio ixdian de 250 francos e dado
todbs os annos*ao metb>r resume drama
parte dos negocios da India m a-nuo cor-
rente.
Os mais magniiicos- sao pensees-anDaaas
(exibition, scholarship} qua permitte,n ao
que os obtem seguir quasi grat&vtaaisTtte
as ligoes dos profossores-. Os alumoes distia-
guidos- eoaseguerairenuW annuaes de 300O,
4009, 'm, l-.'JiiO^, pig.veis durante
quatroy-cinco e se! annea consecalives, sob
a cou.dic.4ode que contawarao sens-estudos
em uma- das universitsades. As- pensoes
concedidas pelo collegia die Rugby- sio bo-
je em nuu*ero de viate e do valoc de i9S9
a 50&480* cada uma.
0 que, perem, ec-atribaie com meis-effi-
cacia para elevar o nml dos estudos sao
os exames organiasdos- pelo conselho de
administyagae Sabios astrangeires, rema-
nerados-pela escola, sao todos osaiiaoseon-
vidados- ajalgarem os pnogressos feitos pe-
los aluntaoa ; elles os intevrogam, maudaoa-
n'os fazec cocoposicwai que elles eorrigeoa.
Classifieaov depois todas as copias e martam
a cada uma -seu.lagan.
E' nas -uioiversidsdos que os mancebos
po.ierao estudar as akaa partes do ensino
ptterario para o qual as eseolas paMiear os
prepar re. Ora, ccino um tergo somente e
admittido a frequenter os cursos dos ani-
versidades de Oxferd-e Cambridge, a ins-
trusgao quo receberam os outros" doas ter-
mos lhes e pouco mats, ou meaos iaatil.
Sahera, nao ba dawida, preparados, por
habitos viris, a tomar aa saciedade uaa lu-
gar hooroso, e a desonvolver abi-as quali-
dade rooraes que censtitaem o gaaJamaa) per-
feito. Mas-o .que ooavinha aos DOOeoa in-
glezes, ahamados ealr'era a faser- parte de
uma rioa e podcrosa aristocracia, nao e
mas sarficiente para a classe numerosa de
negociui.es e iRdustriaes, que taato es-
pago ttm tornado. it sociedade ingleza, a
tao grande influencia nos negocios politicos.
Tornou se portanto necessario abarcar os
quadros do ensino secundario e superior
para satisfazer necessidades novas, tlm-
quanto as escolas antigas abcera. timidas as
porta*is innovagoes, outra6 se tefn erguido,
que,. sem desprezir os estudos. puramente
litterarios, por tanto tempo em voga, tem
estabelecido. eadeiras para ensino das lin-
guas vivas, da chimica, h storia natural,
sciencias apphcadas.
0 go verao muito torn contribuido para a
creagao de estabelecjmentos destinados a
satisfazer assira as cxigencias do espirito
moderno. Sem intervir na fundagao,. nem
no rogimou interioi'ou systerna de estudos
dessas. novas escolas, elle se tem limjtado a
fazer eonhecer qua so daria os muitos era-
pregos de que dispoa era todas as. reparti-
cjtes civis, almirantado ministerios, alfan-
degas, prisdes, etc., a mancebos que te-
oham, em concursos especiaes, dado pr j-
vas de sufficiante capacidade, Modificando
os programmes de admissao as escolas mi-
litares, por exemplo, elevando o nivel dos
conhecimentos exigidos, mudou inteiramen-
te o raods, de recrutaraento de ofilciaes do
exercito. Nao supprimio a eompra dos por-
rei Francisco de Valois para me encontra-
rem.
Seria entao questao de um bom pre-
sente feito opportunamente ao Sr. de Cha-
teaubois ; e asseguro-lhe quo o grande pre-
boste perderia a sua pista.
Calluda ; sinto passos de homens no
corredor que ao que parece vem carrega-
dos, e aposto quo se aproxima de n6s o
seu amigo Elias Japhat.
Que Deus o amaldigoe, amen.
Apenas o Sr. de Arnesteville pronunciou
estas palavras, bateram na porta do apo
sento.
Michelotto foi abrir e entrou com effeito
o judeu acompanhado por dez homens cada
um dos quaes trazia is costas um taleigo
que na occasiao de serem oollocados no
chao produziram o som tentador do di-
nheiro cunhado.
0 judeu despedio os homens, e, quando
elles sahiram, disse :
Aqui tem, oavalheiro dez sacoos com
bons escudos de ouro, cada um com o va-
lor de vinte e cinco mil libras tornezas ;
espero que me deixa examinar as joias qua
me mostrou.
Michelotto, que cobrira com um panno as
jnias que estavam soure a mesa, para que as
oio vssse o Sr. de Arnesteville, descobrio-as
de novo levanUndo o panno.
Oh rm thesouro exclamou admi
rado o Sr. de Ari.estevillo ; folizmenle nao
esta aqui minha mulher. So ella visse es-
tas joias, seria necessario vender a aim i
ao uiabo, se e quj o diabo daria alguma
cousa p r ella, afi/n d<; coroprar algumas
d'essss ioia^,
j Ah I boas noites, men respeitayel Sr,
A etemplo do governo, as univeridodee
do Oxford e Cambridge redrgir-m amplea
programifatts onde figurara aa scieocias pby-
sicas e mtoraes, a litlerafcm iagleza, cou-
isas todas- mais ou menos desconbecidas nas
antigis escolas, e segundo as quaes tem lu-
gar exames- toeaes para os mogoa que as-
ipiram ser admiliidos nesses dous celebres
focos de instracgao superior.
Em alguns- collegios, os aiunno9 tem
permissio para> forma rem scoiededes de
discussSo, nas qffaes elles se na
arte de fallar,. fratando muitss vezes das
roais graves questae*. No ha la-receiode
ve-los tocar conviwteira liberdade em objac-
tos taes como os-que se seguem : A gaer-
ra da' Cri mea era-just* e palHal f A> refcr-
ma eextensao dc-direi*j eleitoral see utek
e oppertuaas T A^rectar a politics do mv
nisterte actual. Hscasado e diz-r qae
leitura-dos joruaes e reristas nio lhea- e*
por mod algum peohibtda ; ha eri estabe
lecimamos onde asaa fo4a semanal 6 pabli-
cada pelos akiranos mats adiantados-, rooni
tores vigilantes, abrmaos-niestres, prelo-
diando-assimos eaereicies e habitos ui vi-
da pumtea. Ha em- Easo lembraoee de
uma revaste qne tiaha por titulo o Micros-
cosme- poblicadas ppr Georges Caaaiag,
entio atomoo desse estabetecimento, e uoa
de cujesartigos sjbre a- escravida j da-Gre-
cia priduzira grande seasa^ao. Os alum-
nos de Harrow publica vem am 1866 t>'Ty-
ro, deque) Mrs. lemegeot e Moatacci
reprodaairam algumas passagens nota-
veis.
F6ra bem difficil aprecesar os resultados
do ensino dado nos estebeteeueeotos de ins-
trucgao secuodaria. A julga* pelo ouaaero
dos alumnos admittidbs-nas oiversidades,
nao se faate disso uma i lea ataito vaelajq-
sa. Or proprios inglazes confess am que e
prop-jrgao dos alumnos que podem esarever
um la'.im supportive* e respooder a faoeis
pergeates de grammatica e geralmenle ava-
liado>na awtade poaco amis ou menos.
Qantoo aamero daquelles que poderiam
traduzir um pedaco facil dj latim ou jrego.
a pjoporgao e quasi igual. Se os exame*-
dc iacbarelato nio apeeseatam em ?ranga
resaltados tao favoravaiscomo fora pan -de-
se'p?, cumpre reconheeer qae os program-
mas sio muito mais efovados e exteosos do
que-os dos collegios de Ingiaterra, oade o
cireok)- do ensino i eitramamentv res-
trie to.
ce sridos na escola, os- aluaanes sateandel-
l.vaos tftbaldos da.capacidade de expliao-
rem um pedago faail de latim ou grego,
sam o auxi io do diccionario, nio sabendo
i:vasi nada da geograpbia e historia da sua
terra, ignorantes de todas as linguas moder-
nas, com ex: do de escrever o inglez correctaaiente, de
flzer uma operagao de arithmetica, de de-
monstrar uma proposigio de Euclides, ia-
ivii-amente estranbos is leis que governam
o mundo e a sua estructura, com olbos- e
raao sem o exercicio do desenho, ouvidc
cerrado a ra&stoa, espirito poaco cultivado
es em gosto algum pela lei.ura a obear-
vagao, sua educagao intellectual deve ser
considered_t,corao falhada, ainda quando
nada houvesse a censurar nos seus princi-
pios, no sea oaracter, e bos seus castu
mes.
Esta confissao, cuja franque-.a >' para
louvar, prova suflicientemente a necessida-
de de operar no ensino. secundario refor-
mas qua os antigos collegios, escraves da
tradigao. s6 aceitara com reserve, mas que
sao muito naturalmeate adoptados nos es-
tabetecimentos novos, fundados para satis-
fazer as exigencias da sociedade moderns
( Contimuarse-fia,;
de Arnesteville, disse o judeu sem deixar de
ollnr para as joits, que examinava uma por
uma. Que lhe parece este diadema E
o diadema de uma prince/a.
De duque-.a, Sr. Elias, de duqueza,
replicou o Sr. de Arnesteville, nao ve que
tem folhas de videira E' pouco intelli-
gente n'estas materias.
Mas sou-o muito am pedras precioses;
olhe quo diamante, que esmeraldas, que
rubis I Veja que cabello louro tio sedoso
e tio comprido.
Michelotto permanecia callado.
0 Sr. de Arnesteville dizia comsigo mes-
mo.
Um cabello louro que ficou preso
n'uma corda ducal. Vejamos qual a a
duqueza que tem os cabellos louros.
0 judeu continuou examinando as joias
e mettendo-as i medida que as examinava
n'um sacco de couro.
Depois de as ter recolhido todas no sacco
disse para Michelotto:
Queira center o dinheiro.
Michelotto inclinou-se sobre um dos sac-
cos, levantou-o com a mesma facilidade
como sa fosse um objecto lave, depejoo-o
sobre a mesa, e comecou a examinar os
escudos de ouro.
Sao de baa lei, e parece-me eater cer-
ta a quantia qua representam. Baste-me
este sacco a portanto pode Irvar os outros,
C"mo 7
(Continuai-ie-ha.)
TYP, P'."> DIAtUO. -RUA PCQfR t> CAXIaS
I

L
3
7T
aa i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENS8MGJRZ_0FLKBW INGEST_TIME 2014-05-22T01:04:55Z PACKAGE AA00011611_16962
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES